Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:12407


This item is only available as the following downloads:


Full Text
*m
"
v
>
ANNO XLVII. NUMERO 131

?A i CAPITAL E LEGASES 05E-E IAO SE PASA POBTS.
'Por tres niezes aguatados.................. fidOOO
Por seis ditos iiWn.................... 120000
orn uno Mcm...................... 240000
ada mumero avulso................., > 320
Propriedade de Manoel
SIBBADO 10 DE JUNHODE 1871.


PABA DEITBO E fOBA DA PB07ICIA.
Por tres mesas adiutado* .........
Por seis ditos idea.......
Por nove ditos dem .......... i i!! i |
Por omuDo dem ................
.
6*710
411600
orno
270000

ira de Faria & Rlhos.
NAO ACJsWTBN:
G# Sn. Gerardo Antonio Alves d Filhos, no Para ; Goncaves i Pinto, no Maranhao ; Joaqnim Jos de Oliveira Filho, no Ceafi ; Antonio de Lemos Braga, no Aracarj ; Joio Mara Jnlio Chaves, no Ass ; Antonio Marones da Sita no Nata/ Jos /
DIARIO DE'PERNAMBUCG
------------- -- ------ -------------------w----------------0 r------- uiro UH>, UU tlOBU AUtULHU m*lf{UOM U
Pereira d'Almeida, -m Mamangnape ;Felippe Estrella & C, na Parahyba; Antonio Jos Gomes, na fea da Penha; Belarmino dos Santos Baldo, en Santo Ant3o; Domingos Jos da Cosa Braga,
em Nazareth ; Antonio Ferreira de Aguiar, em Goyanna ; Frucino Tavares da Costa, em jjpgoas; Dr. Jos Martina Alves, na Babia; e L\eiter Serqainho 4 C. no Bio de Janeiro.
RECIFE, 10 DE JUNHODE 1871.
Importantes noticias da En
ropa.
Amanbeceu hontem nu lamarao o vapor francez
Qironde, trazando dalas do Lisboa al 27 do pas-
ean.
Frasca.Tomada de Pars pelos tropas do go-
fdrno. Destruido da columna Vendme, da ca-
pellade Luiz XVI. Incendio .do palacio das Tu-
lherias, do Lotnrt ,do PuAais Hoyal, do Hotel de
Ville, palacio do conselho de estado da Legio de
Honra e ouiros edificios tnonumentaes. Combales
as ruai de Pars. Vs communistas assassnam
0 areehiipo de Pars, SO padres e os prsioneiros
que ha serviamde refens. Sao assassmaios p las
tropas do gottrno. todos os chefes communistas
1 ue podem tolher s maos. /" npprovado o tratad}
de paz com a Allemanha,e trocadas as ratiflcacoes.
ltimos teteijrammas.
Roma. -Nova encyclica christandade sobre a
questao de Roma.
Inglaterra.Aforaor lord Russell sobre o Ala
bama. Discnssao sobre a confeiencia de Londres
e questao do mar Negro. Suspensao de habeos
corpus no condado de Weilmealh na Irlanda.
u*tai \.Opposicdo do partido constitucional
i tendencias separatistas do gabinete Hohen-
tvart.
ffkspanha.Proposta da abolirao da monarchia.
Tumultos as cmaras. Receios de grande reto-
luco as provincias ; providencias tomadas pelo
Qoverno.
PottTiGiL.Musirs do correspondente.
FRA.NgA.
Esto as tropas de Verstiles quasi senhoras de
Pars. A lula lem sido locessanf, a incruenta ;
i? communistas dafendem a cidade a palmo e pal'
no. A carniflcin* tem sido espantosa; a deslru-
C> e desoUcao qoe se observa as ras, nao se
oda descrever. Bastantes mas aprsentem um
taoatlo de ruinas em consequencia das minas a
gue os communistas langarara fogo.
Os communistas coroegaram pela destruglo da
columna Vendme, que derrubaram ao grito de
viva i < communa e ao (oque da Marselhesa, ar-
rasaran) o palacio do Sr. de Tniers, langarara fogo
a* magasloso palacio das Tulherias, ao Louvro, ao
palacio da Legio da Honra, e do conselho de es-
tado, ao Hotel de Ville, e ao Palais Royal, e a va-
rus grojas ; e coroaram a sua obra civillsadora,
anassinando o arcebispo de Pars, perto de sesseo-
u padres, o general Mar tempr e mais refens.
Apresentemos chronologieamente as historias dos
tuirue das decarridos de 13 a 27 da maio :
Ni noute de it para 13 as tropas de Versailles
tomaran) o seminario de Issy. Durante o da 13
continuava vigorosamente o bombardesTento das
muralhas de Pars. O forte de Vanves eslava em
nvvar wmtj|"wm, mmk ur. ^^u.
Trabalbava.se em dar maior deseovolvfmento a
nata de ataques, de modo que simultneamente sa
alacassem tres ou quatro pontos.
O general Mac-Mahon dirigi ao exercito urna
ordem do da, datada de 12, em qna diz :
c Soldados, teodus correspondido confianga
que a Franca, tem em vos. Com o vosso valor e
com a vossa energa tendes vencido os obstculos
oppostos por urna iosurreigio que dispunh de to-
dos os meios preparados por nos contra o estran-
gero.
Mencionando depois os feitos d'armas que teem
m'ido ltimamente, diz que teem sido capturados
1000 prsioneiros e 150 canhoes.
Aecreseenla :
< O paiz applaude^as vossas faganhas, as quaes
v am presagio da concluslo dessa luta que todos
deploramos.
t Pars eharaa-nos para o livrarmos do suppos-
to governo que o opprime.
Dantro em pouco hastearemo3 sobra as suas mu-
ralhas a bandeira nacional, e conseguiremos o res-
tabelecimento da ordem reclamado pea Franca e
pela Europa nteira.
< Soldados, tendes merecido o agradecimiento
completo da patria.*
No dia lo j havia mutas brechas ahertas no
recinto fortificado, acliando-se completamente des-
truida a porta Auteuil. Continuava porm o bom-
bardeameolo aflm de alargar as brechas.
Nesse da foi evacuado pelos insurgentes o for-
te de Vanves e oecupado pelas tropas de Versail-
le, sendo tomadas 70 pee is, a guarniejio porm
conseguio escapar.
Foi proposto um armisticio para deixar retirar
os habitantes de Vanves, Issy e Montrouge.
Tomarara-se bateras no bosque de Boulogne
para abrir brechas.
Oo insurgentes toram repelldos da ilha des Ra-
vagears, perdeodo a barricada que haviam cons-
truido do boulevard tunean.
O comit de salvaco publica de Paris, sob pre-
texto de terem entrado na cidade diversos agen -
tes da assembla de Versailles, decretou que todo
o cidado devia trazer constantemente comsigo um
documento de identidade de pessoa passado pelo
commssario de polica, e assignado por testemu-
nlias, documento que podera ser exigido pelos
guardas naciooaes, que tinham ordem de prender
como suspeito qualquer cidadao que o nao apre -
senusse.
O Sr. Tniers annuneiou que as tropas de Ver-
stiles estavam avanzando em todos os pontos, a
que e aproximava o im das operacSes para a li-
bertario de Paris.
O ministerio da guerra de Pars annunciava a
15 que um ataque de noute sobre a barricada de
Neuilly fora repellido com perda das tropas de
Versailles
Haviam sido desarmados dous balalhoes da
gaarda nacional por saspeitos. Descobrira-se
am Paris orna eonspiracao para deiiar abaixo a
communa.
No dia 18|continnava o bombardeamento com to-
4o o vigor, foram destruidas as portas de Auteuil
e de Versailles.
Na roa de Rapp houve urna horrival explosai
n'nma fabrica de cartazos causando grande nume-
ro de victimas.
As tropas allemiasem numero de 200,000 homens
estavam concentradas roda de Paris, e prepara-
vam-se para qnalquer eventualidade. O quartel
general do principe da corda da .SaxonU eslava
em Margeocy.
No dia 19 anda continuava sem interrupcao o
bombardeamento. O forte de Montrouge ainai se
wteouva. ,
As tropas de Versailles eonstruiram triocheiras
m (reate da brecha da porta de Auteuil, que am
4o nao eslava pratieavel.
A eommona ameaeava fazer saltar as repart
gas publicas, entrada do exercito de Versailles,
e mandn vigorar e decreto a respailo do assassi-
aato dos refeas.
o dia 19 foram j assassnados tres prisionei
ros.
Flix Pyat, deeUrou que a destrukio da colum
tu Vendme nao era viDganca sumcienie me
mora de Napoleao I, e propoz que o cadver do
imperador fosse transferido do jazlgo do palacio
dos invlidos para a cora de Troppmano, o assas-
siuo.
dSo dia 19 prncipion a demolcao da capaila ex-
piatoria de Luiz XVI. A estatua de Henriqae IV
twjilotel da Ville foi arreada.
Al o dia Si continuou.'o bombardeamento com
rinde forca. Desde Auteuil at Passy tem ^vi-
do combates importantes. As tropas de Versailles
avangaram sobre Part em corpos isolados.
fio di i 20 as tropas do bosque da Bolonha ten-
tarara por seta vezes assattar as muralhas com es-
cadas de escalar, o combate foi bastante renhdo,
mas sem resultado decisivo:""
As bateras destinadas a abrir brecha dngom
o fogo contra os bastioes La MeuUa e porta bau-
phin.
O Sr. Tlu'ers annuncia assembla que as tropas
esto trabalhando as parallelas para s approx-
marem das muralhas.
Rochefort foi preso em Manx e conduzido a Ver-
sa i les.
No dia 21 entrara as tropas em Pars por Pjmt
du Jour e Montrouge. As muralhas foram aban-
donadas pe insurgentes que igaram bandeira
branca na porta de Auteuil.
O exercito de Cissey na forca de oitenla mil ho
mens estava no da 22 era Paris, tendo chegado
at o arco do Triunipho, Tro adero, e avenida Ul-
rich, e raargem esquerda at a escola militar. De
manhaa houve graudd canhoneio dirigido contra
as barricadas do arco do triurapho. As tropas de
Versailles tomaram de noute o forte da Muelle
Passy f.izend > gran le numero de prhioneiros.
No da 22 chegaiiam a Versailles 700 prsionei-
ros a enlre clles Asy. Pars estava compietamente
cercado, os prussianos n'to deixam sabir ninguem
per Saint-Denis. II i lodo o Cuidado em nao dei-
xar escapar os membros do governo de Pars.
No dia 23 estavam as tropas francazas, de posse
do arrabalde de Saiat-Garmaint, Si. Honor, pra-
ca da Concordia, prac i da Grande Opera. As tro-
pas do governo bombardeavara as barricada.'. As
baleras dos insurgeules de Montmarlre fazem fogo
contra as tropas do governo
O Sr. Toiers disse na assembla de Versailles :
< A causa da justici, da ordara e da civilisaQao
Iriumphou grabas bravura do nosso exercito
(applausos uuanimes). Dando conta das operares
disse que o corpo de exercito commandado por
Donai avancu at ao arco do Triumph). Lad-
mirault oceupou simultneamente a avenida do
grande exercito. Vinoy acnase prximo do arco
do Triurapho e d a mi > a Cissey, cuja ala as-
querda se apoia cm Montparnasse e a direla dos
invlidos.
< Clinchant enirou pelo faubaurg Saint-Honor
e chegou al ao theatro da Opera ; era esta a si-
tuago das tropas s 2 horas da tardo. Tudo nos
leva a crer que Pari ser de novo entregue ao
sen verdadeiro soberano, que a Franca. O Sr.
Tniers fallando da sorle que espera os insurgentes,
disse me as leis sero executadas com rigor.
i com a le na mo que castigaremos os ace-
lerados que nao respeitaram a propriedade priva-
da nem os monumentos.'
A assembla nacional deu um voto de agrade-
cimiento, por acclamacao, ao Sr. Tniers e ao exer-
A J! haviam as tropas do governo tomado as
po^fimie Mjolinartr dapois de rendido com-
Ficaram nwtos muitos insurgentes, fleram-se
perto de nove mil prsioneiros, e tomaram-se al-
gumas centenas de pecas e metralhadoras. An-
da estavam em poder dos insurgentes as Talherias,
Belleville, a o Hotel de Villa, os;fortes de Montrou-
ge e de Bictes.
Na praca da Concordia e as Tulherias a luta
era encarnicada.
Dz-se que Flix Pyat e Paschal Grousset conse-
guirn] fugir para a Blgica.
No dia 24 avancaram as forcas do governo
pela esquerda at retaguarda de Belleville, e pelo
centro at o Louvre e mercados centraes e pela
direita at o ob-ervatorlo
Os insurgentes langaram fogo s Tulherias, pa-
lacio da Legio de Honra e outros edificios, serna-
do-se de pe'.roleo. Foi morto o general Billioray,
Dombrwski foi f.-ito prisioneiro.
O Sr. Thiers disse na assembla : t A insur
reigao est vencidi.
A bandeira tricolor flucta sobre a maior parte
de Par?. Nao podemos impedir que os insur
gentes incendias3em as Tulherias, o ministerio da
fazenda e o tribunal de cuntas. Ao tomarmos
esta manhaa a praQ-i Vendme, as Talherias eram
um momio de cinzas. Conseguimos salvar o
Louvre, mas o hotel de Ville esl em chatnmas.
Os insurgentes activara o incendio com petrleo.
Atirarara bombas de petreleo contra o? soldados
feriad-i muitos.
Esta uote uu amanha estaremos seohores de
Paris e a justci enmprir o seu dever. Casti-
garemos implacavelmente. Thiers propoz restituir
cmara o direito de perdo. O governo apre-
sentar amanhaa a proposta para o desarmamien-
to da populago de Paris. Noraear conforme a
le os maires de Paris. Thiers accrescentou que
depois de tal derrota, a insurreicio nao poder
raais levantarse. Terminou convidaodo a cma-
ra a conservar-se serena e paciente.
Na noile de "-'i para 25 foi tomado pelas forjas
do governo o Hotel de Ville, e o forte de Mont-
rouge.
Vmoy foi nomeado governador de Pars.
Corria o boato de terem sido feitos prsioneiros
Deles'jlnze, Cluseret, Flix Pyat e Rauvier.
Foram tomados os fortes de Mont-rouge aos in-
surgentes, foram oceupados pelas (ropas do go-
verno o Pantheon e o mercado dos vinhos. No
dia 26 s faltava tomar a barreira de Italia e o
forte de Ivry. Continuava a lula mais encarni-
cada nos bairros de Belleville e Bulles Chaumoot,
o slo de Paris est litteralraente juncado de
cadveres, e inundado de sangae. As tropas
nao dao quartel.
Apenas se poder salvar a columnata do Lou-
vre. Foram tslegraphicamente chamados todos
os borabeiros da provincia. Havia mais di doze
mil prsioneiros.
Os insurgentes assassinaram o arcebispo de Pa-
rs, sessenta padres e outros refens.
O governo belga communicou ao governo fran-
cez que tratar os insurgentes como criminosas
vulgares para os quaes concedida a extradic-
cao, e nao como refugiados polticos.
Tem sido fazilados os chefes insurgentes
Valles, Amouroux, Brunel, Rigault, Parisel, Dom-
brouss, Lefrancais, e Brosquet. Nao se confir-
ma a prisio de Pyat.
Mac-Mahon dirigi a ultima intimacao aos
insurgentes para que depozessem as armas sob
pena de seren faz lados todos os que fossem en-
contrados com as arma; na mo.
A assembla nacional reunida em Versailles
approvou no da 18 a raliflcacio do tratado de
paz, sendo tambera approvada por 410 votos con-
tra 98, a permutaco de urna parte do territorio
de Belfort por nutro prximo de Theonville por
proposta da Allemanha.
O prncipe de Bismarck e o Sr. Julio Favre
foram a Francfort para trocarem as ratificacoes
do tratado de paz.
E' notavef o discurso do Sr. de Bismarck
no reichetag na sesso de 1S de maio :
Na occasio de se conclairem os prelimina-
res da paz, tinham os a esperanca de terminar os
irabalhos em quatro semanas. Essa esperanza
porm nao se realisoa. Sobrevieram demoras que
nos fl'.eram recelar que o governo francez nao
estivesse em estado de cumprir os seas cora-
promissos. Relativamente cessao territorial ti-
nhamos garantas. As nossas apprehens5as ver-
savam sobre esta questao : se o governo francez
estava dispoato a cumprir as estipulacoes con-
cementes i indemnisaco, e se era capaz de o
fazer. Tentei urna entrevista pessoal. Se nao
(vesseraos viqdo a ara aecordo, teriamos tomado.
Pars por meio de ajuste com a Communa ou
forga, exigindo que o governo francez retlrsse
as suas tropas para alera do Loire antes de coa-
t nuarmos as negociacSes. Fui a Francfort ja-
ra regular algumas ques'oes pendentes relativa-
mente indemnidade, abreviadlo das delon-
gas e ao augmento das garantas. Vendo a peri-
pectiva da conclusao definitiva da paz, acbai
isio vantajoso para os doos paizes, alliviana a
Allemanha e consolidando a Franca.
O governo francez actual aquella que me-
Ihor ple salisfazer os desejos do poro* francez.
Com qualquer oulro governo haveria appreben-
sdes a respeilo da conclusao da paz. Htsta an-
da tomar algumas disposiedes snpplemeotares
relativamente execugo, mas a paz defimva
est concluida. Os prasos de pag.tmepMEwKm
abreviados. A prmeira prestacao de ow rol-
Iho.'s ser paga dentro de30 das depois*da to
raada de Pars. A segaoia de 1:000 milhdes se-
r paga antes de 31 de dezembro de 1871. S
entao seremos obligados a evacuar os fortes de
Paris. Os outros 500 milhoes serio pagos antes
do Io de maio de 1872. O governo francet es
pera poder salisfazer aos nossos pedidos acerca
de quesldes commerciaes, e est promplo a an-
nullar o tratado de coumercio, esperando aug-
mentar as receitas da alfamlega.
Contentei-me com ama esiipalaco que nos
d os direitos da naci mais favorecida. Foi
resol vida urna delon ga at ao da 20 do corren
te mez para a ratificacao do tratado de paz pe-
lo'imperador da Allemanha e'aela assembla na-
cional franceza. Concluindo, drei qae pens
terobtilo o que rasoavelmente podamos oblar
da Franca. Tercos as nossas fronteras, e, tanto
quanlo possivel, ama indemnisacio de guer
ra. Maiores exigencias teriara costado maiores
sacrificios. Tenho confianza em qae o governo
francez tem intencio de exeentar o tralado, e a
Fraoga possae os recursos mcessarios. Espero
nma paz duradoura e prospera, e"que nao tere-
mos necessidade das garantas que possnmos
para estarmos seguros contra novos ataques. >
O conde de Cbambord, entrado ltimamente
em Franca est em Blois.
O governo francez mandn grandes raforcos
para Alger.
Roma e Italia.
Dizem cartas de Roma que all nao tem [osudo
das declarares feitas pelo embaixador francez a
proposito da ailoacio de Po IX.
O governo italiano prohibi a manifesti-
cio qae os garibaldinos tencionavam fazer no
anniversaro dos estragos qae o francezes Oze
ram pona do Sr. Pan;racio en 1849.
Dez deputados demcratas qae tinham ido de
Floreoca pare assistirem manifestac.ii prenun-
cia ram em um banquete um brinde em bonra
da Franca, declarando indigna a assembla reac-
cionaria de 1649.
Afflrma-se qae aa vai publicar ama nova ency-
clica, que ten por flm esclarecer a questa > ro-
maaa, e repetir ao mundo eatboUeo qae a iad>
pendencia do ranto padre nao pode ser garantida
por leis faitas em Floreaba, pois claro que os
que fazem as leis sao sempre dispostos a modifica-
las e a infring-las quando Ibes aprouver. "
No parlamento de Florenea apresentoa o go-
verno um pr >jecio de le appropriando Roma e
cmara as leis de suppres'io das crieos reli-
giosas e de liquidacao do patrimonio ecclesiastieo,
estabelecendo providencias intermedias para as
insiituicoes religiosas, qae tem sede em Roma,
perlencem a todos os catho-
mas cujo3 interesses
lieos.
INGLATERRA
Lord Russell apresentoa na cmara dos lords
urna raocao pedindo para se dirigir rainha urna
mensagera respeitosa, rogando Ibe que nao sanc-
cione ou ratifique convenci alguma para regular
as reclamacSes relativas ao Alabama, por isso que
S. M. apprwvaria condicoes, termos ou regulara -n-
los qne iriam ligar os arbitros, se nao estivessem
conformes com o direito das gentes, e com a le
municipal do Reino Unido, existente em vigor na
poca da guerra civil nos Estados-Unidos, durante
a qual tiverara lugar as pretendidas depredares.
Lord Strathedes interpellou o governo, com-
batendo a poltica do governo inglez, subscrevendo
a proposta da Russia para que fosse revisto o tra-
tado de 1866, e pedio que fossem presentes c-
mara os relatnos dos cnsules a respeito das me-
didas que toma o governo russo para formar ar-
senaes militares e martimos, enjo rstabelecimento
ora prohibido pelo tratado que se seguio campa
nlia da Crimea.
Lord Granville respondeu defendendo a conve-
niencia das decisdes da conferencia por se ter rea-
lisado um aecordo rasoavel, e restabelecido as re-
lacoes amigaveis entre as grandes potencias, rela-
c,des qae se acliavam comprometidas pela circular
do principe de GortschakofT ; que a Austria e a
Franca nao desejavam ura rompimento e concor-
daran na reuniao da conferencia ; qae se havia
conseguido am ajuste pacifico, nao consentndo
que a Russia se subtrabisse por sua propria voa-
lade s obrigacoes qoe lhe incumbiam, e que a
Turquia possue actualmente urna esquadra raals
poderosa que a da Russia, e se nao poda argu-
mentar dizendo qae a Turquia estava araeacada e
em perigo pelas concessdes feitas.
O marquez de Salsburgo disse que a poltica
que se deven ter seguido devia ser anloga se-
guida pela Inglaterra, quando a Austria supprimio
a repblica de Cracovia, e seguida pelos Estados-
Unidos por occasio da questao do Alabama ; iste
,protestar, e esperar os acontecimentos; que a
Inglaterra nao devia consentir na reuniao da con-
ferencia, nem declarar a guerra. O resultado da
conferencia foi urna humilbacio para a Inglaterra.
O duque de Argyll defendeu a poltica do go-
verno, negando a anologia entre o caso actual, e a
da repblica de Cracovia ; com membro do go-
verno de lord Palmerston, disse qne a g ierra da
Crimea tivera em vista outras conseqnencias im-
portantes, que ficaram consignadas no tratado de
1856 e nao foram alteradas pela conferencia, que
a restriccio do poder da Russia no seu proprio
territorio, nao era natural e s poda ter am ca-
rcter provisorio e temporario ; e qae alm disto
a Turquia ainda boje era senhora do Mar Negro.
Lord Stratheden retiron a sua proposta.
O governo inglez apresentoa am projecto de
le para suspender o habeas-corput no condado de
Westmeath na Irlanda, onde se tem repetido os
crimes agrarios sem que seja possivel descobrr
os seas autores. No debate tomaram qaasi ex-
clusivamente parle os Irlaodezes ; s Mr. Hardy,
amigo ministro, mstentou a medida proposta pelo
governo. O discurso mais notavel fot o de ?ir
John Martin deportado em 1848 pelo crime de alta
tracio, e que actualmente membro do parla-
mento,
DINAMARCA.
O governo prnssaao fes ha tempos ama recla-
raaco ao governo d namirqaet, qae anda nao
est i esolvida, e diplomticamente disentida entre
os dous gabinetes.
Os milicianos do Schleswig para se sobtrahrem
ao servico militar prnssaao, refugiaram-se no ter-
ritorio dmamirquez; as autoridades prassianas
pediram a extradiccao dos refractarios ; o gabi-
nete de Copenhague invocou o beneficio do tralado
de Vienna qae autonsa os habitantes do territori >
cedido a escolberem a sai naclonalidade.
AUSTRIA.
O governo cada vez sa afasia raais dos centra-
listas. O Sr. Hohenwart presidente do ministro
austro hngaro sleclaroa na eoramissio i^q-iuu-
cjoual do reiehstag qae se reservara j aeta da
Kzia muitas concessSes legislativas, qae actual-
feente eram da ci mpetencia do reiehstag, nem por
i os deputados gallitzianoi deixaram da con-
er a dieta e promover a solacio de qaestdes
la natureza, para as applicarem igualmente s
neias que al hoje tem M1o menos favorec-
pelo poder central ; e declarou qae se outros
s, como a Bohemia, flzessem reclamares ana-
o geverno nao hesitara em recommendar a
sua> adopcio.
ktsta posicio do gabinete austraco attrahe-lhe
as tras da imprensa constitucional.
Tem havido mutas desordens em Pesth, ca-
P'5* da Hungra, em consequencia da grite dos
pajatros. Iatimados pela autoridade para conti-
naarem no seu fabrico, oppozeram viva resistencia
a forca armada. Urna corapanhia le tropa man-
dada contra elfos foi repellida e posta em fuga.
Jando recebido reforcos foram os grevistas cer-
cados; Iravando-se lata encarnicada, haveado bas-
tantes ferdos de urna e outra parte.
4 agitacao continuava e distribuiam-se procla-
macSes incendiaras, algumas das qaaes pediara o
psttbeleciment da repblica.
ORIENTE.
Os jornaes gregos transcrevem o protesto do
patriare! orthodoxo contra o projfdo de le da
Ronmania, que autorisa o principe Carlos hypo-
thecar ou a alienar as trras ecclesiastcas, e os
bens dedicad s aos lunares santos; invoca o pro-
locollo de 1864, pelo qual os delegados das poten-
cias garantes linham renovado a questao em con-
seqnencia de rilo ter sido elucidada com os docu-
mentos contraditoriis apresentados pelas duas
partes.
O ministro Ali Pacha, vendo qae no estado ac-
tual da Roamaoia aquella representara j poda ter,
liraitoa-se a transmittir simplesmente o protesto
ao agente diplomtico da Roamania o Sr. Street,
prevenindo-o qoe a Sublime Porta depositava
aqnelle negocio as roaos do governo da Rou-
mania.
HKSPANHA.
Ha eriie ministerial em Haspaoha, dz-se qne
em eonsequeneia de divergencias entre o gabinete
sobre a reforma do regulamsnto interno do con-
gresso.
O ministro da fazeada em Hespanha apre-
seotoo s cmaras o relatorio das financas, qoe
apezar de nio ser rauito desanimador, segando di-
zem os jornaes fez baixar os fundos.
O dffielt eleva-se a 1,300 roiln&ts de reales.
O Sr. Emilio Caslelar apresentoa s cmaras
na sesso de 20 o segainte projecto de lei :
< Ar. nico. As cortes, no aso das saas attr-
nuicss, declarara que chegou o momento de pro-
por ao pili ama reforma que elimine o artigo
trala e tresi do cdigo fundamental e seas pare-
grapbos, e, por conseguinte, declarar abolida a mo-
narchia em H-spanha.
(Assignados) Emilio Castelar ; Jos Mara Oren-
se, Estanislao Hartaras, Joan Pablo Soler. Fraa-
curye Marg ll, los Cristbal Soroi, B. Lostaa,
M
osreScL^nf *Z22F2PPre'S tM Cr"'ul rederaoinoar.de corwi.es, dejanUres,deenlre-
esDeanc3 d fWr 222S. 2. SS dT2?.! da P"3 v,!tar ni"ise,gaforiai. o eoogressoem
*SX2EUS!2fc& RS 0aS^des focis ^^"^ **"* "
, mas as europeas, os astros
tribunicios- de prmeira grandeza, como Emilio
Castellar, oravam nos brindes em trazas gratula-
torias. Os sonetos e odas saltavam com as rolba.<
do champagne.
Felizmente em vossa trra abundara os talen-
iramissio 0"prijecto fot
disenss$o.
O Sr.'Becerra e outros deputados apresentaram
ama contra-proposta pedindo qae nao fosse ad-
mittida discussiio proposta alguma relativa re-
forma de qualquer artigo da constituir >, sem prl-
raero ser reformado o regulamento da cmara.
O Sr. Figaeras apresentoa ama mogio pedindo
a cmara se servisse declarar qns nao havia lugar
para resolver acerca da anterior proposta por ser
inconstitucional contraria ao regulamento e alten-
torra da sagrada iniciativa do deputado.
Sendo concedida a palavra ao Sr. Becerra, autor
da prmeira contra-proposta, a minora protestou,
e pedio a leitora em um artigo do regulamento,
segundo as quaes as propostas para nao deliberar
tem preferencia a qualquer outra. O presidente
insisti, renovaram-se as reclanunV com a maior
energa, havendo grande tumulto na cmara.
No dia seguinte 23 houve novo tumulto provo-
cado por algunas palavras do Sr. Noadal a res-
peilo da monarchia.
A minora resolvou empedir por todos os meos
que a maioria possa discutir.
Receiam-se grandes desordens era dfferentes
pontos de H-spanha. O governo toma as prov7
dencias que enteode conven;entes, procedendo
mudanca das guarnieres de urnas para outras tr-
ras, e mandando rtforgos para os sitios que lhe
parecem mais ameacados.
J chegaram a Lisboa os portuguezes que
haviam ido a Madrid era digresso de recreo
apnveitando o coraboy a procos reduzdos annun-
ciado pela companhia dos caminhos de ferro.
A corapanhia do caminho de ferro havia offere-
cdo um blhete a cada um dos jornaes de Lisboa
e provincias para essa digressio.
Preparam-lhes, porm, urna sorpreza, qae nao es-
peravara, os que se aoroveitaram dos bilhetes gra-
tuitos :Sio rebebidos era Hespanha com festejos
offlciafs e offlciosos, como se os viajantes fossem
e n eoramissio do povo portuguez para tratarera
de algn assurapto poltico.
Em Badajos sao esperados pelas autoridades,
guarda cora fachos, msicas, discursos e ovac'*-
Em todas as estactas at Madrid, encontram ana-
logo acolhimento, em Madrid sao extremamente
obsequiados, fraternisando em banquete esplsndido
as salas do municipio de Madrid, a imprensa po-
ltica de Hespanha com a de Portugal, ou aquellos
que torga queriam considerar como taes, sio
recebidos pelo rei D. Amadeo e ministerio; do sea
regresso a Lisboa eguaes ovaces em todas as es-
tagoes de caminho de ferro.
O que querem os hespaoboes T Em todos os
discursos nao se tocn a questao politiza, senao
debax > de urna forma to amavel, e lio pouco
perigosa, qae nio havia lagar para protestos da
parte dajuelles qae tomando parte as lides jor -
nalistcas, haviam largado esses encargos para se
distrahirem, e nao levavam ros9ao alguma da im-
preasa do paiz.
Esperam-se em Lisboa ama commissao da im-
prensa hespanbola para pagar a visita qae Ihes foi
feita pelos portugueses.
Vai-se abrir em Madrid urna exposlco de bel-
las artes, e j os artistas portuguezes foram con-
vidados a concorreren a ella.
Qaaes serio as intenedes do governo hespanhol
provocando estas demoastraedes de intimidade?
Ullimos lelegrammat.
Londres, 2o.O* insurgentes ineendiaram as
Tulherias, o palacio Royal, o hotel de Villa, os edi-
ociss dos ministerios da guerra e da fazenda, tri-
bunal de cuntas, is caxas de deposito e consigan-
c5es, o palacio da Legio de Honra e varias igre-
jas. O incendio anda lavra em todos os sitios.
Thiers annuncia na assembla que tem esperangas
de salvar o museu e o lado sul do Louvre. A la-
ta contina desesperada, principalmente nos bair-
ros occidentaea, as tropas nio dio quartel, as
ras esli innunJadas de sangae e janeadas de
cadveres, fragmentos humanos e moribundos;
as casas esto chelas da monos e de pessoas mor-
talmente faridas. Dizem que as scenas sio terr-
veis.
Versailles, 25. Foi communicado a assembla
um despacho annonciando occapmcao dos fortes
de Bictre e Mont-rouge. Intimamos o forte de
Ivry para qae se rendesse. Estamos seohores do
Pantheon e do mercado dos vinhos. S falta to-
marmos a barreira de Italia. Ha noticia da ovos
loeenflos na margara esqaerda. Deu-se ordem e
o deixar entrar ningaem em Pars.
Ranvier forana feitos prsioneiros; mas nao temos
ainda eonflrmaeao oSoisl. Sao muito grandes os
estragos_em diversos bairros de Paris. Muils ca-
sas eslo seriamente arruinadas e queimadas.
Apenas se espera salvar a columnata do Louvre.
f^&to^^i^^^u^m(f erD0 ia,m ?s,e,,are? de e;0(>encias'fcram
Btt elu^fcU^^
ltat! "S '^m.^naoomam|ob3eq,aiSVI,no5 1ueogmais J meB08 0 que ,
' que se rece.ava. A deslruigao e a | diseram (e||ei (|ue nSo am gtovtio* para
aquellas recepgoes oulciosas e olRViae-), e vimos
que suslentaram bem com moita dignidade os pa-
j pes que os levava do improviso a representar na
corta de Castella.......... um bilbete da caminho
o incremento
desolacio que se observa as roas principacs nao
se pode descrever; a ra Royale esl destruida
por elfoito das ranas. O governo da pelgica an-
nuncia quo sua intengio tratar os communistas
como criminosos e nio como refugiados polticos.
Verssilles, 26.Os Insurgentes occuoavam an-
da esta manhaa Bercv, praga da Bastilha. Citar-
me, Belville, Mnlmntanl, Villete. As nossas
tropas tomaram hontam Mazas eas garas de Lobn
e Orleans. Os insurgentes tinham mudado os?re-
fens da prisio de Matas para a Roquete. As tro-
pas atacaran) esta manhia a Bastlha. Hootem.
tarde foi pelos ares o forte Ivry depois de evacua-
do pelos insurgentes.
Londres, 36. O arcebispo de Par3 a os mais
refens foram salvos sera terem soffrido mal algum.
Os chefes dos insurgentes Eudes. Delescluze e
Ranvier esto prsioneiros. Vallei, Brunel, Rigault,
Parisel, Dombrow.-ky, Le Frangais e Bousquet
enlram no numero dos morios. Os iasurgeotes
anda sa defendera cora desesperado. Calcula-se
que 6:000 j esli morios e 15:000 prsioneiros. O
palaeio B-iorbon est destruido. Todas as collec-
efles de arte do Louvre esto salvas, menos a bi-
bliotheca. Os insurgentes fitaram sallar o forte
de Ivry. A bibliotheca mcional, o banco de Fran-
ca e o grande lirro das dividas nacionaes esto
salvos. Os insurgentes ainda oceupam os bairros
de Bercy, praga da Bastilha, Belleville, Cbaronne,
Mnllraontant e Villete.
VersaUleSj 16.Foi snbjagada esta noute a in-
snrnigio nos bairros de Mouffe. As nossas tro-
pas flxerain ^OO prsioneiros. Os insurgentes
eoacMtran-se actialmente em Belleville e Bulles
Chaamont, donde continuamente langam bombas
de petrleo sobre todo Pars, occasiooaodo novos
incendios. Os monumentos destrados at agora
sio: Tulherias, ministerio da fazenda, perfeilura
de polica, tribunal de contas, Legio de Honra,
quartel do caes de Orsay, hotel de Ville, Monte de
Pnlada. Oa-anT -forana salvos, s9 : ministerios
SI marinha, interior, e estrangeiro, eseola das bal
s artes, banco de Franga, crdito rural. As
ifrejas foram em geral todas salvas. Entre os che-
fes da insorreigao, qae foram fazilados, contara-ee
Vallet, Amoroux, Brunet, Rigaolt, Parisel, Doa>
browski, Le Frangais e Bousquet. Nao se confir-
mara ainda as prises de Pyat, Delescluze e Ca-
seret. Ignore-se anda a sorte do arcebispo e de
outros refens. Corre o boato que serio salvos.
Assegura-se que Mac-Mahoo dirigir aos insur-
gentes a ultima iotiraagao : todos que forem pre-
sos com armas na mo serlo imraediatamente fu-
silados.
PORTUGAL.
Em 27 de maio escreve uosso correspondente
de Lisboa:
O Jornal da Norte, de hontem dizia, respeilo
da viagem de S. M. o Imperador do Brasil Euro-
pa, e especialmente da sua prxima vm la Por-
tugal : Oremos poder alllrmar qae S. M. o I rape
dor do Brasil resolver vir Portugal na poca j
determinada sem embargo da quarentena, qual
se sujeita O augusto vi ijante devia erabarcir no
Rio de Janeiro a 24 do correte >.
c No pago de Belra tem-se feito os devidos pre-
parativos para hospedar a S3. MM. o Imperalor
e sua augusta esposa. No Porto preparam-se fes-
tejis. Asclasses populares em testemunho de gra-
tidao pelo bom acolhimento e hospitalidade que
reeebem no Brasil seus irmaos do trabalho, accor-
daram era redigir ama men-ag.nn de congratula-
gao e agradecimento que ser apresentada por urna
commissao a S. M. Imperial por occasio da sua
visita aquella cidade.
Noticiara-lhes na minha de 13 do correte a
partida de alguns centcs de Portuguezes era com-
boyo de recreo a procos reduzdos para Madrid,
taito de Lisboa, como dos diversos pontos em que
vai tocando a linha at frooteira,
Era de esperar que fossem bam tratados, sira,
como todos os paizes civilisados co3tumm tratar
os seus visinhos oa mesmo quaesquer oulro3 fo-
rasteiros era nome da universal religio da hospi-
talidade para a qual nao ha frenteiras.
a Seiscentos ou mesmo oitocentos hespanhes,
havia poneos das tinha c viudo era comboyo de
recreio, algumas seguidillas e tangos se lhes can-
laram pelos theatros, embutiodo-se csses trechos
de msica, muito sua contienda, intencionalraente
para obsequia-los; mas tudo por ah ficou; nin-
;aem c os foi receber da tochas accezas, ninguem
res deu banquetes, ninguem lhes fez discursos e
brindes; el-rei nao os mandou convidar a pilacio
para lhes apartar a mo pela inslita proeza de
terem vindo aproveitar se da redcelo dos pregos
offerecda pelas emprezas dos caminhos da farro e
darera ara passeio at Lisboa que nao tinham an-
da visto e desejavam conhecer sera gastar rauito
dinbeiro.
t Fomos desta seqnidlo quasi barbara I Se al-
gura rancho de Hespanbes quera charutos com-
pra va-os ; se entrava n'um caf e toma va ura sol-
vte pagava-o como se fra portoguez, que j isto
favor, pois os Inglezes em Lisboa pagam qaasi
tudo pelo dbro. Urna misantbropia, assira caso
nico realmente. Que iriam per l dizer de nos
os nossos amigos hespanhes I
c Quando os Portognezes foram a Madrid, oito
das depois foi am triampho. O secretario da em-
baixada hespanbola em Lisboa, parti no mesmo
comboyo para lhes fazer as honras da casa logo
desde Badajoz. Vagare de Badajoz, msicas to-
cando o hymno portuguez, carabineros de tochas
accezas e vivas a Portugal; mais adiante as pri-
meiras autoridades, discursos, fineaas, obsequios
sem flm ; todo -o trajelo foi urna ovacio. Em
Cindad Real novas amabilidades em carcter ofll-
cial aos viajantes qne em suas oonscencias se
achavam......... innocentes de lar dado motivo
aquella triumpho preparado, disposto de ante-mi,
systemathico, fraternalmente planeado para con-
fundi-los e estontea-los forca de demonstrages
affeetnasas.
Iara alguns jornallstas e esenptores pblicos,
mas sem tenclo de irem l representar os jornaes
em qne ama vez por outra escrevem, ou onde lera
esorpto mas nao escrevem j. Cada qaal sahio
de sua casa, cora o blhete offerecido gratis, s re
dacgdes e sem mais proposito qoe
verr.
c Chegam a Madrid I Nao lhes posso resumir
o que se eontinha as cartas de Rangel de Lima,
Peraira Rodrigues, Oliveira Pires a ontros cava
Ibeiros que de l conlaram aos redactores em che-
a de se di
Vemilles S5.-Tomamos esta aoate o hotel de fe dos respectivos parwdieos (pois esses Acarara
lie As nossas tropas oceuparam o forte de todos) as dnesas e ovenodes de eagenhosa araab^-
lle;....." nL.nUftoin aptividada a anaraia lilaila internaoioBal deque erara ob ecto. Era um
V.
Mont-rouge
Proseguemcom aetirtdaje 9 energa | II ld iaUmaooaal de qae erara objecto.
d ferro a preco reduzdo.
Depois era ver como a iraprensa de l-chris-
mava a todos com o representantes de cada am dos
principaes jornaes de Portugal.
O proprio rei Anuden quiz ver os Prtagas-
zes e fez convidar alguns deputados nossos e alguns
esenptores que tinham ido ver Madrid como se
vai a Cintra, e nao levavam casacas as malas. Nio
>*rvia de obstculo. El-rei quiz reeebe-lo de
fraque, apertou-lhes as ralos, encheo-os de re-
conhecraento por saa affabilidade.
1 Era urna verdadeira conspirarlo de sorpresa.'
que trasbordava para as cartas dalles e que 004,
aqu durante esses cinco jubilosos das de jue '
tos saboreamos to espantados como os proprios
viajantes de urna tal explosio de affecto.
() vi-1 tan tes mais obscuros tambem, se nao em
folbetins, foi em expansivas narraces qae vieram
contar como eram recebidos, como j acbavam as
contas pagas nos botequins sem saber quem Ib'as
pagava I
t A' sahida dos Portuguezos laocaram-se as
bases para urna associagao internacional destina-
da a cimentar as bases das mais cordiaes relagoes
entre os dous povos.
t A' par de tudo isto, murmura a impreasa de
c e mesmo de l que as velledades de nniao ib-
rica, molestia ebrooica em Hespanha, recrudesee-
ra com a primavera seta comtudo tomar o carc-
ter epidmico. Sim, sennores; nio fb preciso
fazar passar os viajantes portugueses por nenbum
lazareto moral, para se refo.-ilbarem da patriotis-
mo e largaren) quaesquer miasmas deleterlos de
qae precisassem porven'.ura ser beneficiados para
qaem da raa I
c Pelo contrario : algnmas cartas qae tem ser-
vido de complemento ai primearas narrativas sio
todas aromatisadas com os mais fiaos perfumes de
independencia, autonmica e votos sinceros pelo
incremento e fortunas dos dous paizes visinhos,
Qcando cada um em sua casa com as suas leis, os
seus costumes e as suas tradigdes-
f Agora 8 de junlto por occasil) da prociso
do Corpo de Deus vem a Lisboa outro comboio de
Madrid.
Mais tarde, a 8 de julho, por occasio da fas-
ta nacional memoria de Vasco da Gama virio
ontros.
a Veremos Lisboa sabir do sea serio e pagar
aquelles excessos e triumphos cono bizarra prodi-
galidade I...................................
Se nio receiasse desfalcar-lhes ocaixotim, puoba
aqu tres duzas de pontos de interroga gao.
Nio faltam espiritos melanclicos por aqu a
repetirem o cangadissimo hemestichio da ae-
da :........titneo Daaos et dona (renles.
A* 24 deste mez, o Jornal do Commerciv
n'uma noticia que deu o titulo de boatos, depois
do mencionar alguns era relagio poltica interna,
accrescentava :
Afirma se que um alto persouagem do vsi-
nho reino quer e trabalha par* a unilo iber-
a ca, e que por essa razio que os portuguezes
forara convidados a Madrid e liveram a recepglo
semi-ofcial descrpta nos jornaa3 hespanhes
da situagao ; mas que outro alto personagem
do nosso paiz se oppe formalmente a qu9 se
leve a elleito tal projecto, apresentando o outra
> que tem muito raais probabilidade de que o do
< seu anlcgonista.
Pessoas que privam com algaus membros do
corpo diplomtico esirangeiro, considerara como
verdadeiro o boato da colligaglo de diversas dy-
nastias europeas contra a casa de Saboya : a
acglo contra os principios de liberdade. Diz-
se que deste lado se acha urna senhora da mais
alta cathegoria, cuja poltica soUicitamente
a apoiada pelo Sr. Fernandez de los Ros. (Embai-
xador de Hespanha era Lisboa).
Parece que nio estranha ao plano contrario
a a este, a idea de crear guardas nacionaes com
o fim de promover um rompimento eom a Hes-
panha ; rompimento que o governo inglez pro-
mette apoar, se liver nicamente por fim con-
servar a autonoma e independencia de Porla-
gal;sobretodo se subir ao throuo de Franca
ura principe da casa de Orleans e o duque de
Montpensier, oceuparo de Hespanha.
Afflrma-se que o Sr. Fontes Pereira de Mello.
appartando-se dos que em sentidos oppostos in-
trigam no pago, vive estranho a todos estes pa-
oj gigantescos; mas que deopiniao que se
< arme o paiz para se oppor a toda a tentativa
por parta da Hespanha, urna vai que a Ioglater-
< ra nos d o apoo de que precisamos para a
f nossa independencia.
t No meio de toda esla barafunda poltica, em
que esto postas em jogo tantas ambiges, chega
a noticia de qae os partidos republicano e car-
lista de Hespanha conseguirn) finalmente vir
t ao aecordo para que ha muito trabalham atim
de derrabar a dynastia que hoje oceupa o tnro-
a no de S. Fernando..........>
t J veera, qae pondo em confronlagio este ar-
tigo e ontros de gaaes apprehensosi, eom a lia-
guagem risonha da imprensa de Madrid, se con-
cluir que os ares que l correm a nosso respeito,
nio sao o mesmos que os de c a respeito
delles.
Deixemos este assumpto, mesmo porque nao
decfro bem tudo o que ha de enigmtico no tre-
cho qae (ka transcripto.
a Ai >da lhes nio disse que tinham comecado
ne Catino Lisbonense as conferencias democrti-
cas annunciadas por urna pleade de rapases mui-
to novos mas de talento inquestionavel e compro-^
vadissimo, taes como Anlbero do Quenlal (que foi
o primeiro oraior) Tbeopbilo Braga, Balalha Res
ato. oto. Por ora o inters te que o publico parecen
ligar ao primeiro discurso, foi o Iliterario, vindo
lodos encantados da'fluencia e boa escolba de ter-
mos de Antbero do Qoental. Continuara para a
semana. A
t Fallara antes de hontem a Gazeta do Povo,
jornal histrico em qae esl para fazer-se ama re-
visio da concordata com a Santa S.
f Da ultima foram negociadores Rodrigo da
Fonceca Magaloies e o cardeal Di Pietro, Nuncio
Apostlico nesta corte.
A qnestio da pastoral do patriarcha eleito de
Lisboa, a Rvm. bispo do Algarve D. Ignacio de
Moraea Cardow, documento que pela ultima mala
Ifce* teineui na sua intrefa, a fue era dirigido
-
"4

I
S


*



I
I



.t
g*> Difiri aos diocesanos daqielle prelado no Algarve, la-
v Anda se pao realisou a interpellaQo annun-
ciada pelo Sr. Barjona de Preila3, ministro qae
oi da jdrtica e o autor da refirma panal, abjlindu
em Portugal a pena de morte.
sedizia que o II istre deputado interpellan-
te desistir de verificar a ana interpellico e
como isto se chegasse a escrevf r nos orases, en-
tendeu o presi lente do conselno de ministro-,
marquez d'Avila e Bnlama auo devh destruir es
ses boalos, declaraudo-se habilitado para respon-
der ao Sr. Barjona de Freitas quando fosse dado
por ordem do da til assumplo, e por essa occa-
siio disse que sempre enlendeu que s pastoraes
nio podem ser expedidas sem o beneplcito do
poder eieculivo, como saccede com lodos os on-
tros actos emanados da Sania Se e mesmo dos or-
dinarios das dioceses, com certas e determinadas
circurast.raciaa. O negocio tem tomado vulto e
mnito interesante dever ser a sesso de segunda-
feira prxima que. o dia destinado par: a nter-
pellaco. Correu que o ministro da I alia nesta
corte ia querellar do Rv.n. prelado ; outru? afir-
mavam que dirigir urna nota enrgica ao gover
no porluiiuez; algnns emim repetiam qu>! ambas
as noticias lem fundamento.
Nao se atina bem com o motivo porque o I-
iustre prelado irrompera .ssiin naquello doeu
ment, de que putera resultar serias diHcnlJa les
diplomticas e internaciouaes, (piando eirto que
pelo governo 'ra ha l pouco lempo s presentado
ao logar mais ominante da prelatura lusitana, e
quaiido sahido q je a su* apresenuco fflra sa-
crificada a pasta por um d.>s homens" mais cons-
picuos do partido r forroista.
Possem qnaes fissein as rarCe que a isto o
determinaram, ROAMaseverar-se tambera que
a sai eon(Irmaci j se fez e eonjiiuetamenle a
do mesmo bispo di Hnganca (Fej) bispj que
foi da diocese de Cab)-Verde, ni Afr%i.
* t Tem causado seflsacio um pareeer da cmara
dos pares sobre o prnjectJ de lei da cmara elec-
tiva em que erara abol los os privilegios e sen-
cues dos baos, e certas companhias que dees
gozavam.
t Ora, a cmara dos pires, entenden com grvi-
de pamo de toda af gente q te devi i oppof-se
aquella abolicaoe votju em sentido cwtrafio ao
que se deliberara na cmara dos deputsdos, ren-
dendo-lhe esta inesperada condescendencia, com
osestabelecimentos bancaros e algumas podero-
sas compannias urna saraivada de acrrimos com-
mentarios nos jornaes polticos de Lisboa e pro
vincias, e aqu para nos bem merecidos real-
mente.
Hontem na eaimra dos doputad>s houve. urna
votacao nominal a respeito das emendas feitas ph
cmara hereditaria na proposta Je lei los Banco*.
Os votantes foram 88 ; melade votaran a favor e
melade contra, depois de bastante celeuma, que
pareca querer prolongar se alAffl di voiac".
J agora ser preciso votarse novara'ntojo
pareeer que fdr celbralo por urna commiss i
mixta de pares e deputados S"bre o assnrapt>>, e
todo isto concorre para se protrahir a qneslo d>>
fazenda, j n> pouco proprastinada pela questo
poltica, a qual por ftm rebenton na cmara com
ama vervma monumental, mas prmoro'ament*
ornada de quantas opulencias de linguagem e bel-
lezas de nlocncau, o Sr. Latino Coetuo sabe (azor
realcar os seos discursos.
Foi proposito dadiscussao do orcamento do
ministerio da marinha. A sita cao cosderoa"?a
era crse de-de essedla, pois com n discurso lo II-
lustre acadmico eslava declarada a dissidenca na
igreja refmpimento
qoe sigmflcava nadi menos a parda di apoto que
os ntimos da parceria poltica do Sr bispo de vi-
zea prestavam ao gibinee actual. Com tive
occaaio de Ihes dizer o ministerio tem vivido
sombra (leste apoto tcito, e a doce paz tan rei-
nado nos arraiaes parlamentare, por nio dse jar
nenhum dos grupos comedir um bombardearaen-
to de palavras que dara em resultado o gatiin"to
Joder intrincheirar-se com atltfCsfles mais aporta-
as de outra parcialidade rival da aggressora.
Quebrou-se, porm, o encantamento, e ijaem
oa verdade o provocou foi a inhabilitado poltica
doSr. Mello Goaveia ministro da marinha que f i
dizer na cmara |ue nao coii;ordava com certos
pontos do parecer da cominis-Io de marinha e
ultramar e com a do ornamento acerca do orna-
mento d'aquelle ministerio.
Encarregiu-se de responder ao Sr. Latino
Coelbo o presidente do cimselho de ministros, "e
plicon-lhe o Sr. sorio de Vasconcellos, eguio-
se-lhe, se bem mj record, o ministro da marinha,
e ha dous das que discursa o Sr. Arrobas. Hon-
tem ebeg-m a haver tirotelo de palavras mems
amaveis e at irritantes com o Sr. Litiqo Coelho,
e todo isto dar do si, dizem que : ser apresen-
tada dentro em poucos das a lei de meios e se-
tem addiadas nn mesmos dissolvidas as edrtes.
< E op ar;i o poder moderador por esta extre-i
raidade ? E-i bem provado qae a situaoSo tem
maioria ? on que a maioria tem loda a conflau^a
do governo ?
Nao ser prtanlo para admirar qae para a
malla prxima Ihe annuncie a siib-iitu'co do mi-
nisterio por ontio de feic,oes reformistas (mas dos
reformistas puritanos) oa na i.npossibidade de s
fazer o governo com esse grupo, vir u na situacao
pronnnciaiiamente regeneradora, que ha lempos
anda aTastada do poder, e quo tem fortissimos
esteios as pontes mais culminantes do estado, se
verdado o que se diz.
Nao muito seguro fazer vaticinios em pol-
tica, mas rotas as hostilidades, e levantada a
qoestao poltica, e cer'.o p'oler atHrmar-se qoe
principiou a crse porquanto os elementos que
constituan a situacao eram heterogneos e pouco
proprios a resistir a estes embates.
Foi apresentado em sesso di cmara muni-
cipal de Li-boa nm requerimentn dos Sr?. Waring
Brothers, afim de se Ihes conceder permisso para
jstabelecerem em Lisboa vas frreas pelo systeroa
amerc;.no, desda o caminho de ferro do norte at
Balea, e em todos os pontos que sejam uteis ao
transito publico.
Veoha quanto antes a concesso para acabar
om repugnante espectaeuli que opresentam o
mnibus que nao sao da antiga compaohia, pois
o gado 6 estafado, magro e improprio de to pe-
noso servico.
< E' verdade que o servido dos vapores fiaviaes
daempreza Burnaes ptimo e lispensa aqaelle-
desagradaveis meios de transporte, ao menos, para
8elm.
< Sempre a 8 de jnlho a solemnilade da tras-
iadac i dos ossos de Vasco da Gama para a cnmp-
tuosa igreja dos Jeronymos. Agtou-?e na kn-
prensa se tal acto devia ter o carcter da fnnoral;
se deva ser trinmphal. ptoa-se ao que paree
por este segundo alitre que ; a opiniao de quasi
toda a imprensa. A disenssao foi Ilustrada e al
gnns arligos commemoratvos de ostras traslads-
SOes que tem com esta nio pouca analoga, foram
publicados no Jornal do CMaMrnfe, revelando
grande erudicio.
- Foram aggregados commissao nearregada
da trasladagao os Srs. Mendes Leal e vico-almi-
rante Ricardo Praca. As obras do tmulo vo
atrazados.
Na sala da Asicr-tato de lettra da cidade do"Porto f-z ha das urna cen-
ferencao Dr. Philippe Ooelho.
O asumplo era : a? no ensino psiiwiite ge ve preferir a reljio n-Uuml xera o- jornaes d'aquella cidade que o conferente
disctirson coro lucidez e primor de eloc ico.
< Os estacantes da IJniversidada levaram sca-
na no thealro acadmico de Goimbra o Dente da
Bnroneza convidando o antr.r desta linda comedia,
Sr. Antonio Augusto Tejera de Vasconcelos
(redactor em cnefe do Jorxe da Noile.) para as-
sistir a represuniaca^. Foi omito obsequiado. A*
actrizes do Gymnasio Anna Cardoso o Mari i das
Dores foram tambera a Coimbra deempenhar-os
papis ]ue n'esta comedia lem eito n'esto tlteairo.
Ficaram penhoradas da bella receprSo qae l ihes
ffzeraro.
a Parle hoja no 'ronde para o Brasil o turna
insigne corrico Francisco Tibjrda. O prapneta-
rio da Imprenta Porlnqnea do Pnrli, lembroo-so
demandar imprimir2. nas cmicas das mas populares do repertorio de
Tiborda, que serJo trausportadas pelo paquete de
boje.
ffoje, 1* anniversario da morte de Tasso, to
estimado actor, eomo bemqm!o cidadio, rom-
memorado com missas de Rrquim, orna em S.
Nicolao e ontra em Santa {om*. Urna dellas
mandada rezar pelos adores do thairo de D. Mi-
w<* II
virio Jes o
Jos por alma do infeliz moc. >, cujas
tornav.ini querido de tuda a genfos
t Est quasi concluida na olflcna de rscalplor
e canteiro d> Sr. Germano I. de Salles, na ra do
Arsenal, a estatua do nesso grando poeta Boeage.
E' destinada para a cidade de Selubal, onde ha
snaos foi tomar a iniciativa de ama snbscrincaa
local para se erigir nm monumento ao insigne lito-
rovisador etabaleose, o Sr. conselheiro Jos Fe-
liciano de Gasiilho Brrelo e Noronlu, um dos nos-
sos escrlptcrcs que mais fondo tem esludado a
poca litteraria do que Boeage foi laminar e cen-
tro. A estatua de marmore nsciooal. Est o
roslrj mnito parecido com os retraios contempo-
rneos do poeta.
Falieceu emTavora (Algarve) (diz-sa qne em
onsequencia da veneno qae tomara para suicidar-
se) ama formosa senhora, eujo desventurado flm
todos lamentara. Era D. Carlota Arrobas de Por-
tugal e Vasconcellos, niuiher do Sr. B<-rnardino
Gentil, 1 secretario da legago portuguoza na
corte do Brasil. Pareco (|ue eslava em compa-
nhia de sita mai, pois as parlicipac.oes vieram as-
signadas por aquella senhora, quu rmSa do S
Arrobas, conselheiro e deputado s cortes,
teoca a (Toada a urna das mais Ilustres familias
de Portugal. Ignoram-se as causas que a levaran)
qnelle acto dts desespero.
c Acaba de realisar-se nos tribuna! do Porto
um julgamento importante, que lem atlrahido a
curiosidale publica lano n'aquella cidade, como
em Lisboa. E' o dos 23 asmados, de v-rios rou-
oV)i em qaadrilha, iend assaltado a diligencia em
viagem para Guimaraes no sitio da Ariosa. U jury
deu por provados os crimes, sendo ondemoados:
Anljuio Piulo Noguera, Joaquim RebaUo d'Az:-
vedo, llanpel Barboza Almeida, Mauoel II idrigues,
i laquim Pinto Rodrigues, Joaquim Expo.-to e Joa
quim Moreira a irahalhrs publicas por toda a vi-
da no ultramar, oa 9 aunos de prisa) eellular ae-
guidos de 12 de degredo. Joaqum dos Santos,
a anuos da degredo da 1'classe. Antonio Rolri
go.es, Jos Vieira, Jos Lopes Jos Mana, La z
Vnnna, Guilherme Ribaim, Aithur Jos, Prancis
co dos Santos, Joaqum Ferrera, 6 anuos da mes-
illa peni. Domingos Feroira, 10 annos de d--gr-
lo; e a todos as custa*, adis e 60/090 ao de-
Tensor. O demais foram ab'olvidos.
Parece que appareceram noj subterrneos do
exmalo convento as Monicas, em Li-hi, un*
200 klogrammas de prati. O coavenl) era po
bnssimo e erlav a cahir de vXho e arruinado.
Por fatlecimenli da ultima religiosa professa, o
governo tomou contado edificio p.ira n'elloestaba-
lecer urna casa de correccao para r*pazes que te-
uhini tncjntado a carreira do Icio, da deVassi-
do ou hajni delinquido. E-ta proposta que tora
da uiciaiiva do Sr. Saraiva de Carvalho, quando
era ministro da jastici, foi ha pono renovada, no
parlamento, pelo-actal mntro daiuelli reparti-
tjio, ) Sr. Marcellno do S Vargas.
Eo ^e fazeodo as convenientes obras e esta
approvado o respectivo regulamento. V*ai ser um
instituto modesto, mas de grande utilidad.'. Ti-
davit parece-me que, paite as meneos muito
patriticas e philantropuas dos seus iniciad ires,
segundo est planeada a organi ?) dalle, ter de
ser reformado. Todos conhecem, ao m ns por
iaurmacoes e pela luitura, o que lem dalo de si
as.colonias penitencianis agrelas pelo systema
o ivpo da colonia de Meltrais. Encerrara a pro-
toda vdia entre qaatro paredes de um ca-arao.
embora com auUs de primeiras leltras e ollicina-
para apreoderem algara offleio cu mister dos mais
toscos, sempre melhor do que ter e-ses desven-
turados no Limoeiro a sperfeicoar-se no crime
edm os sabichdss endorecilos e impenitentes;
mas est muito longo tal organ'sacao de ; r > 1 n i
os i ffeitos oeiieli.-os das colonias penitenciarias N->
e.-i na ndole de urna revista (eita a orrer e am-
plilicar esta inhiba opiniao, quo no flm de cuntas
nio passa de ser muito pouco autorisada por ser
miaba.
E' pena que se amoldem os institutos nos easa-
res velhos que os religiosos e freirs vo deixan-
do, em vez de >o archilectarem as io ttaces
primeiro, Esta praga das economas a torio e direito. de-
cretadas era plena bernardi n'am bello lia de Ja-
neiro pela boa gente do Porto, o impostas como
programma invariavel a todos os aaijslerios com
s oDrigacao de pouparem nos f.-.rellos deixand i
desperdigar tas farialias, leva-nos a estes e ou-
tros absurdos.
Passemos adame.
Celcbrou-se buje o consorcio da Sra. con lessa
de Geraz de Lima, riilu dis baro s da Pulgosa e
vi uva do par do reiuo Luiz do llego da Fooceca
Magalhes, cora o deputado s cortas, Drt Antonio
Joaqum da Veiga Baireira, fidalgo cavalhelro e
mogo fllalgo cora exerciqo no pago. A ceremo-
nia fi na capilla particular do palacio da nuben
O noivo foi lia jouo dispensado por iu san
de Ja ordem de snb liacono qae ha anoos tinha
iiJj contra sua voutade e p >r pressio jue
vo enlo de sujeitar-se. A aiva riqussima.
pas dos noivos tem urna das memores casas
de Tr.iz-os Mrates. E' deputado pela terceira vtz
por raganca. O titulo de condessa de Geraz d--
Lima foi dado em duas vidas aquella enbora em
consiJeraco sjs relevantes servijos de sou pri-
meiro sogro, o celebre estadista Rodrigo di Fon
caca Magalhes, qua nunca para si quiz ttulo al-
gum era para seu Bthq.
Vei;a Birreira pertence ao partido reformis-
ta, gtraimente estimado por sua illu.-tragao e
bom senso.
A's 2 horas e 1, i da tarde desso da aceras-
centa o nosso correspondente :
Produzo, como era de esperar, crse mnito
pronunciada a volaco empatada humera na cma-
ra eleitiva sobre o parecer da commissao de fa-
zenla que approvava as emendas feitas na cmara
hereditaria ao projecto que acabava com os privi-
legios e iseneoes aos bancos e companhias em
materia de imposto.
O giverno eclip.-rase oa cmara dos pares
e o seu projecto fra all mutilado, como Ibes dis-
se. Gorrera boatos diversos. Corre que o Sr.
Carlos fiemo da Silva, (ministro da fazenla), pe
dir a sua demissao em vista dj cheque que
levou o governo na cmara popular e que por
este motivo linha i lo ao paco mesmo hontem de
tarde o preidtute do cousejho (Mrquez d'Avila
o Bolma).
Na votacao uomiiu! de hontom os depulados
reformifias, excepto quatro, vutarara coaira as
MeractSea feitas na cmara dos pares. Os parti-
dos histrico e regenerad..r, logo que virara a at
titude do partido reformista, colligaram-se para
votar a favor das alterares.
0 pra*o da sesso das corles deve fiodar a 3
de j-jlho. Assegura se que o g vorno pretende
prorogar as cmaras al ao flm de junho para
discuttir_ e velar os orcainenlos. Segundo esta
attlrmacao, o ornamento do ministerio da marinha
seria volado no principio da semana prxima;
seria depoid o das obras publicas, que esl prorap-
10 ; depois os da fazenda, da guerra e da jusica.
Passaria em seguida a lei de meios.
k Tulo isto seria mnito normal al aqu.
(i A oppoB4o desafiara urna declarago calhe
t Al mala do Tilismnn, d'aqol cinco no
seis dias.
o'clas do norte do Imperio.
Amanliecfu tambera hontem em nosso porto o
vapor Porin, traxendo dalas do Para at 31 do
passado, do aranlio at 2, do Cear at i. l
Rio Grande at 3 a da Parahyba at 8 do cr-
renle :
FAR.
Pela presidencia da provincia foi celbralo
nm contrato cora o engenbeira mechanico Flix
Morsset, pelo qual obliga se'este a foreecer ama
barca de excavacio e daas alvarengis de fundo
mechanico, que devem ser empreadas na desobs-
truc cao do Arary.
O Arary a entrada natural que pije as popo-
lacoes do M trajo era enlacio com a capital. Re-
mover os embaracos qae entorpecen) Ihe a nave-
gaco desenvolver al nao mais os elemeOlos de
pruaperidaie prdigamente amontoadas pela nata-
resa nesla regio.
Per | Falieceu, em Obi Jos. o capito Joaquim Ma-
uoel Beatos, desunci membro do partido consef*
vador naquei localidale.
O vapor Jurnpenten foi vendido aos commer-
cantes Mel;o A C o l cha 4 Vianna, qae o des-
tinan) nivegaeSo do Rio Juruh.
Lsmos Diario do Uram Para :
t Na ses.-o da unta do thesouro provincial,
une leve iugar no saltado <7) foi arrematado por
Aiostmlio Martn Das ViJa1, o abasiecimcnto da
agua potavel a populago -l'esia eapiul. A agua
dev.; >er extradida dos maaneaos vulgarmente
conbecdos por Paul d'agaa e o arrematante
deve entrar para os cofres do thesouro com a
quanlia de 3:3IO000 annuaes.
Em Sanlarm, liveram lugar no dia 12 de
mao, as exoqaias por alma da serenissim prin-
ceza a Sra. D. Leojoldinade saudosissma memo
na, mandula ceiebrar pela cmara nmuicipal, de
accordo cora o muito reverendo conego arcecliajso
e vigario geral do R ixo Amazonas o Sr. Dr. Jos
Gregorio Coelho, que nao ponpou esforgos para que
o acto corresponde-se maguitude do ubjecto des-
sas piedosas demonstragiJes.
No centro da bella matriz ergua-se um so-
beib> mausul), e o referido Sr. vigari) geral
proferio nm bello discurso, que foi ouvid eora re-
ligiosa atlencao par um concurso iromen-o de se-
noras e cavaleiro-, qae foram ao templo do Re
que uo morra, e que sempre grande em todos
os lempjs, render a ir urna h nneuagera s virtudes
da excelsa pnnceza que se liuou.
A orchestra foi dirigid pelo preslimoso mos-
tr de musici o Sr. Manoel Paraense. qae fez os
maiores empenhos por agradar. E geraliBe.ote
agraJoo, vista dos pouco* recursos da Iccalida-
de, qae anda nao pernwtte possuir-se ama or-
chestra ex-'ellenle.
PJe-se assegorar sem receo de passar-se
por exagerado, que agora que cometa em San
tarm a desenvolver-se o goslo peta msica, e
mulo se deve neste ponto ao digno vigario geral
e ao sobredito Sr. Paraense.
i Depois da ruissa, durante a qnal se ouviram
pegas sacras exeeuladas pela orchestra, teve lu
gar o memento bem cantado, e porta la matru
es le ve postada urna guarda de honra em funeral,
dando no lira as descargas de esiylo.
Foi assim qua o imnarchieo povo de Santa-
r n representado pela sua e lilidade aae bem curs
do sea bem estar, reodeu o ultimo tributo de amor
e de gratidj excelsa e candida fllha do Sr. D.
Podro II, o monarcha constitucional por exceden-
cia que reina sobre um grande povo americano
nao m pelo nosso direito publico eterno, com >
pelo am t qne Ihe consagran os fllhos la ierra de
Sania Cruz.
MARANHAO.
Na dia 22 do passado ama commissao da
asserabla provincial dirigi ao presidente da pro
voca, o Dr. Augusto Olympio Gimes de Cistro, a
seguate feliciuca :
< lllm. e Exm. Sr.A assemb'a legislativa pro-
vincial do Maranh), lial interprete dos sentimen-
tos de sens consluuintes, nos envin em solemne
deputacao presenga de V. Exc para felcta-lo
pelo auspicioso governo, qae V. Exc. acaba da
fazer em beusticio da provincia, que foi confiada
lo a -orla lamente ao reconhecido zelo, prudencia
e illusirago de V. Exc
< As rae lid is le alto alcance iniciadas ou rea-
lisalas por V. Exc. e con.-ignadas era doeumeolos
ofbc8es qae ttrraou com tanto tino e prudencia,
sao actos, qae aliestim e provam coia exhaberan
cia a solicitud, ae V. Ex;, amprejou na%pen-
eiados negocios pblicos no iatut) de proiorcio-
nar a osla provincia nm pro-peto futuro, mho
dando era seguras bases os seus inleresses moraes
o maleriaes.
ra II.
Tem coisternaio a roda a gente a ir orle do
D. Pedr. da Canha da 3fendona Menezes, des-
cendents do grande TritS) da Cunha e de om dos
*0 conjurado de 1810 e representante dos mar
inezes d'Olhlo e condes di Castro-Marim. Tmha
apenas 18 anuos e snecumbio a umr phiystca de
Urynge poucas semana depois de regresar da
ilba da Ka Jptra onde fura procurar allivio aos
aras pal mentes,
haoito meze*.
< A moeidade
lio nma raissa
4,
ja pal D. foi suciumbira
sta manda dizer no oitava
re na parochia! igreja dsS
gorca do goverao sobre os boatos da dissolnco.
Se fosse negativa, velara os orgimento-*, re I" sse
i'linnativa, provicaria urna votacao poiiuca para
'. ;bar o gabiaet1.
Apesar de todas eslas hypotlieses e previsoe-",
aqda estoo eooveocidj que me.-mo antes do dra
t dissolvda a cmara, ou o gabiueto pede a sai
demissao, pois nao lem all elenaeulos para gover-
oar e amito mais cora a aniraadvers i do refor-
mutas contra a caara aila, qne boje uovamentx,
as folhas daqaeila or poltica conde.nnada ao
ostracismo, clamando peta sua abtlici).
t Todava nqrae mais prejccupa nesle momento
os nimos rio os Uslegrammas de Jyradree e Ver-
salhes, mostrando-nos raoniois de cinzas onde era
Louvre, as Taltteriaa, es tribunr.es. o palacio
Bourb.u o mujtos monumentos em que a mo dos
secutes escrevera as pagma porventura ss mais
gloriosas da hstoria da Fraila. A mTtandade
iacnvel, o numero de insurgentes, prHoneiros
coDla-se por dezeoas de miihares. A oa^oes li-1
mitropbes dispo-tas a entregar oh oragldos ao
goverao de Frang eomo criminosos e nio Ihes
dando qnartel e guarida que o direito publico in-
ternacional concede aos emigrados de lod s os
paizes. E' ora cataclismo este, mil.vates mais
ful aquella generosa naco do que Ihe foi a
guerra com a Allamanha" do Nona. Qae idea
nova sabii dessa lava ? Que produzirao, em res-
friando, a* escorias de tamaoho vulcio naqaella
desventurada trra f Quem o soubeese aesle mo-
mento seria piopheta.
Parte eow o Tabcrda para o Brasil o eslimado
photographo Hanriqne Nones, qae leva nma col-
l- ;.; de vistas dos sitios mais pitloMseos e mo-
nuinentos de l'orlugal para eapor eonrnra machi
nismo do saa nvaoein qae os augmenta a torna
eomo que palpaveis. Sxpx ha das no Gymnaiio
os sena qaaJros qae deixaram todos os espec-
tadores maravilhados. Ser o de. grande consola
ci para os no-sos compatriotas qua ahi reservam
sempre m cantmho do r.ragao para as saudades
da patria, apmr dos extremos qnaos earcam da
mais cordal t.jspitaiidide Soe nonos a/Blf09 bfa-
elros.
qaal nao se collge prova alguak de criminad
kdade. >
- t No dia 15 do corrento, no logar Veremos, dis
tanto dez leguas da villa do Codo, a extrema da:
trras do major Alexanire Collares Moreira e Af-
fonso G. de Mallos, urna escolta expedida pelo di-
legado de polica respectivo, para prender alguos
Individuos sem isengo legal que por all causa-
vam darnnos propnedadaalheia eucontra-secom
rea aelles, d-llies voz de priso, fogem dellas
Ms, e o qus flcou Amonio Virgilio resiste, e cora
BR) facao corta o dedo pollegar da mo esquerda
? guarda nacional destacado, Antonio Paulino da
a, conseguindo depois evadlr-se. Essa aato-
ade proeedeu a corpo de delicto nos fermentos,
pillados graves e aclia-se iastauralo o compe-
tente processo. >
A escolha do Exm. Sr. Dr. Laz Antonio Viei-
ra da Silva para senador do imperio foi geralmen-
te bern aceita, e seus prenles e amigos demons-
traran) o sea regosijo por actoi dignos do regis-
trar-se.
t O Sr. Joio Pereira da Rocha, como j noticia-
mos, deu liberdadea um seu escravo, o Sr. coro
el Luiz Vieira da Silva dea a sua excedentsima
Ua, mi do novo senador ura jantar em familia e
,eutre amigos, e no acto dos brindes, no rneio da
alegra que presi la o banquete, appareceu a mu
lata Momea ora a carta de alforria que saa se-
nhora, a Exraa. Sra. D. \nna Mara Maciel Ara-
nhs.llie passara pedido do sea neto o Sr. J,
RaymnrMo de Souza, que pracuroa desta forma
aolemniaar mais a elevacao do sea amigo o Sr. se-
nador Luiz Antonio, o
A Exraa. Sra. D. Lazi L:sboa Parga no da
dos annos de sui sobriuba e alilhada, D. Mana
Parga .\"aa, deu liberdade ao seu escravo Rrau i-
uo de seis annos de idado.
0 Sr. Erne-to loo Doura Jo e sua Exma. es
Pan a Sra. D. Thereza de Jess Campos Dmra-
do de l'malva, parasolemnisarom o dia de sea ca-
samento, derara liberdade a um escraviuho seu de
18 meios de id., ie.
r-IAUHT.
Ti vemos jornaes da Theresina al I i de
maio.
Por sentnca do Sr. Dr. juiz d^ direito da
capital foi julgada improcedeute a aeco offlcial d.-.
jusliga uo procisso de responsabildade a qae fo-
ram submettidos o Dr. Deolino Mendes da Silva
Moura, capites RaymunJo Jos de Ainorim e Ig-
naafc'-Rodrig'ios Eives, ex-embregados da extrac-
ta ailranttracao Je fazenda provincial, pelo corte
de algumas folhas Jo livro caixa e ds laloes da-
quella reparticao e pela subrtelo da quanlia de
l:3S7|000 remetiida pela collectora da cidade a
Parnahyha no exercicio de 18661867.
A base da seotenga foi a falta de provas da
criminadade de qualjuer ura dos indiciados.
Foi nomeado professor interino di liofoa
nacioal do lyceu o Dr. Agesilo Pereira da Silva.
Deu urna niulher luz tres meninas que vi-
vera, esto robustas e sao araamentalas pela mS
Houve uns dous ou treas assassiuato?.
CEABi.
A alfandega rendeu no mez de raao.......
92:9134230.
Foi exoneradla sea pediio.de promotor pi-
blico da comarcaMlo I Jiarsun o Dr. Vicente Alvos
Rodrg'ies de Albuquerqae.
Era Balurit grassava, com intensidade, a fe-
bre araarella.
Escravem do Ico ao Pedro II:
t Chcgando aqai a noticia do fallecimen'.o da
virtuosa mi do aosso veaerando bispo, immedu-
tamentelolas as igrejas de.ram funreos dobres.
No dia 21 ter lugar na matriz desta cidade mu-
sas e memento pelo seu descaogo eterno, devendo
ser celebradas pelos reverendos Frota, Joo Evan-
gelista, Antonio Joaquim e Constantino G mes. >
RIO GRANDE.
Nada oecorreu, que nerega menco.
PARAHYBA.
Apenas ene airarnos o seguinte uo Jornal da
Parakybu : J
c No domingo ultimo cantos missa, em a igreja
de Nossa Senhora das Mercs, per occaso da fes-
ta do Espirito-Santo o nosso patricio, Rvm. Joo
Antonio Rodrigues, procedendo-aa ao ceremonial
do esiylo.
c A festa fof bastante concorrida, pregando ao
Evangelho o Rvm. commendador l^iololpho Jps
Correa das Neves.
t A' noite houve Te-Deum.
O Rvm. Joao Antonio Rodrigues foi nomealo
coadjuctor da fregoezia desta capital.
E, de facto, V Exc. souhe cora a desteridade,
que o distingue escolher e langar os fundamentos
da prosperiJade e engrandec ment d'ella quando
oceupou-se cora iouvavel dedicacao e criterio da
in-trueco nopuiar to vital para os interesses so
lugar do costume.
COMPA.NHIA SANTA TrlERESA.-Com o praso
al 18 do cor ente mez, devem os accionistas des-
ta companhhia realisar a sexta entrada das accSes
subs:ripias, a razio de dez por cento do valor uo-
ramal.
TENTATIVA DE SUICIDIO.A'i 10 horas da
nooie de 8 do correte tentn snieidar-se, toman-
do ama porgan de ludano, Jos Bernardino da
Rosa, caixeiro dos Srs. Canha & Manta, natural
do Rio Grande do Sul. Sendo soccorrido lempo
pelo Sr. Ermiro Coniinho, acha-se salvo, declaran
do que assim praticara por estar aborrecido de vi
ver.
REVISTA DIARIA.
GYMNASIO PROVINCIAL.Por portara da
presidencia da provincia, de 6 do crreme, loi no
meado Peliao Joaqum da Costa GueJes, repetidor
gratuito interino .do gymnisio provincial.
SUICIDIO.No dia 2 do corrente, em trras do
effgenho GarapA, do termo do Csibo, suiciden se
o pardo Diooisio, escravo d" Vasco Yaz da Silva,
i1 |(.ii-i naf i ii usas a "o ivtvi
ciae, das linancas, do commercio, da agricultura I enforcando-se em nma arvore.
e de nutros tantos assamptis de ordsm tran:en-J* UNIAO JUVEs'IL.Deve reuair-se a arcauha
dente, qae Y. Exc. mrncioaou no seu laminoso I ao meio dia essa sociedade em asseinbla geral ao
relalorin, para os quaes plantn a sement que lia
de germinar a produzir os proficuos frucios, que o
patriotismo de V. Exc. ji antevio na adopgo das
ideas i providencias, que coocebcu e decretou com
summo acert.
c Se nao foi possivsl a V. Exc. traduzir em ac-
tos, todos os seus desejos em prol da provincia que
o vio nascer, por que outros deveres o chamara i
capital do imperio, foram cora tndo, tantos e to
assgnalados os servidos, que V. Exc. presteu no
curto periodo da saa illusirada e eeonomica admi-
nistrarlo, que ella agradecida corapraz-se e re-
conhecer e proclama-Ios como justija devida ao
mrito de V, Exc, que desfarte soube conquistar,
por to brlhanles litaba, o direito benemerencia
e gloria, qae compotera aq hornera de subido va-
lor, que na geslo dos negrcios pblicos pondo
em acelo os recursos da sua intelligeacia e aclivi-
laje consegue para os povos, qae governaram. a
maior somma de felicidade.
< Queira. pois, V. Exc. aceitar a felicitadlo da
assemb a como a verdadeira expresslo dos sent-
meatos da provincia qae representa, e as seguran-
cas da perfeita estima e dislincta consideragao,
que consagra i pessoa de V. Exc, por cuja pros
pendade faz sinceros votos.
. Maralo 22 de malo di 1871. Francisco
Domingaes da Silva Jnior.Joaquim Jos Tei-
xeira.Conego Jos Googalves da Silva.Antonio
Cesar de Berredq.Antonio Cesar Cantanhele. i
i5 Exc. agraleceu da seguinte forma :
As felicitagoes que, por vossa intermedio, aca-
ba de dirgir-me a 'Ilustrada assemba provincial,
aceito-as, senbores, como a mais grata recom-
pensa de meus esforcos a favor do progresso mo-
ral e material da provincia.
Sel quenada fu; mas dlo-rae vossas 4>ala
,vras a consoladora certeza de que nao abasei da
autoriJade que rae foi coufla la, e de que nao tive
oti'.ro pensamento que nio fosse o bem estar de
meus concidadaos.
i Nos governos livres a estima publica o mais
ambicionada galardo aos servijos prestados ao
estado ; e se a honra quo acabis de sonferir-me
nao o premio de servigos, tjtte nao pude prestar
'a provincia, ao renos o reconheiimento de roi-
ohas inieacSes o de meas desejos.
Agradece-vos, pois, e a Ilustrada corporago
de que sois orgo.
Le nos no Paiz :
< Na ultima reuna) dos fundadores da associa-
gao qae cora o oome Je Fes:a popular da tra-
b ilho pretende realisar exposi^oes annuaes- de
producios agrcolas, oomearam-se a directora, e
a commissao que seoccapardo le. 13) dos pro-
ductos, as quaes sao :.
.4 Directora.
Dr. Mariioiaao M. Pereira.
Dr. Joo A. Cequeiro.
Da*id Freir da Silva. ,
< Antonio Ennea da S ma.
Joo Jos Fernandes Silva.
Francisco G. Sabbas da Costa.
t Aflbn-o H. de A. Mello.
Commissao.do haver.
Ja.ii Duarte P. Franco de Sa.
a Pr.meiseo Loareago Ribeiro da Silva.
Sergio A. Vieira.
Dr. firaolino C. do Rogo Metilos.
Antonio C. Cantanhede.
' Manoel Vieira Nina.
i Fade Deu bem a esta iastilnicao, pois pl
ella concorrer poderosamente para o progresso da
agriruliura, a qual necessita e toda a sorte d
anmc'.
Haja da pane de atas fundadores aqirai.c
boa vonlade, que to os.elementos essenciaes para
a vida e prosperidade de lo fecunda empresa.
Ne da 9 do mez passado, no logar Cacboeira
Grande, do termo do leaip, o preto Symplicio, es
eravo de Joaqoi n Pedro de Jess, ao pasaar, por
sobre urna prancha, Quoduzindo saccas de algo
di) dea urna queda, qa Joe prodazio ama gran-
de dantas ao aa nuca e momentos depois a mor le.
- O raapeetivo delegado da policiil procedan, i
.
corpo de delicto, e ao compeeale satinarlo, do
PRONUNCIA.Pelo delegado do termo do Cibo
foi pronunciado como ineursa uas penas do art.
201 do coligo criminal, Jeronymo Felinto da
Silva.
MERCADO PUBLICO.A cmara municipal do
Recife, tendo de construir am edificio para o mer-
cad-) publico, recebe propostas, deotrodo praso de
trinta das, contados de 7 do corrente, para dita
eonstruegao, mediante s seguintes clausulas :
fortnidade com a planta e orgamento approvados,
sob a iospeejao do engenheiro da cmara, e no
logar para isto destinado.
18/ Esta constrneco ser feita a casta do]con-
tratan e at a entrega definitiva.
t3>A cmara ser obrgada a fazer os paga-
mentos na raiao de 10 0/0 do contrato om os ju-
ros correspondentes, tendo comego ditos pagamen-
tos no flm do pfimeiro semestre depois da entre-
ga definitiva, e decomecar a fanecionar o referido
edificio. Sendo taes pagamentos semestraes.
i.* O contratante ter direitos aos juros de sea
capital na proporglo de seu eaiprego oa por urna
convenci, nao excedendo elle de 9 0/0 como est
estipulado na lei n. 938 do corrente exercicio.
5.a O contratante reeeber como garanta de
seu capital a hypoth?ca no edicio construido e
[snas rendas at completo embolso de sea con-
trato.
6.a O contratante ser obrigado a ama multa
de 20:000i se se aiTastar na consirarcao do que
hoaver contratado, assim como havei da cmara
dita quanlia s por causa defla hottver rescisio do
contrato.
SOCIEDADE PARTHE.VON PERNAa|BUCANO.
Esta sociedade faz sesso ordinaria amanba s
11 horas io dia. na roa do Coronel Sussuna (ou
tr'ora Mariyrios) n. 2, lc andar.
NOVA PUBLICACO.Agradecemos a offerta
de um volutne de Versos do Sr. acadmico Cels de
Magalhes. natural da provincia do Maranbii.
E' nma bella e mimosa colleegio de poesas,
entre as qaaes se destacara o poema Os Calhambo-
las, e a Irada poesa o Escruto.
Pelicitando ao joven poeta por semelhanle pn-
blieago, fazemoa votos para que nio seja ella a
ani;a qae venha enriquecer as lettrs patrias.
DINHEIRO. O vapor Porand trotite para o?
Srs. :
J. Jos Goncalves Bellrao
Mearon A fj.
Francisco Jas da Costa G.
. Rodrigues de SoazaJ
Bario do Livramm '
Tasso frmao
I. da C, Bravo i C,
I 1. de Soaza Pftcenlel
Olivera Pilhos & C
Manoel Alves de Senta
Dr. WalfWdo Pigaeiredo
Perelrs Csrnciro C.
Veras A Barbado
Para o sul do Imperio trfra'xe ne vapor
Babia :OVO000
Rio de Jaftrrb 50:?34*10
Sendo desia parceW" 909:500a para o thesouro
nidroll.
OCIEDADE PATRITICA DOS DE JULfO.-
flbje ha sesso eitraoriinarla deet soeiedade, s
fj horas da ttrde, a ral b Bario da Victoria .
I4:i0o|()00
4:0003000
fittijmo
1:1001000
900*000
OOOdOOQ
oityi
.-fjOit
500*
30f|
200,
OOJO!.
48, pira a oleicio dos func;iofcros iuc tra de
servir de 1871 a 187.
ESCRAVATIJRA NO SUL DO IMPERIO.Se-
gundo dma publicago que faz as folbas di Rio
de Janeiro o Sr. Van Halle, pissue o bario da
Vargem-Alegre 1,800 escravos, o commeolador
Jos Brevo1, 2000; o commendador Joaquim Bre-
ves, 3,000; o commendador -'aro, 900 ; vinva de
Sil vi no Costa, 600; Frazo Breve?, 200 ; Silvino
Co?ta Filho, 400 ; commendador Joaquim G.cal-
ves de Moras, 1,80o; e a familia Sa baroueza de
Entre-Ros, 700.
PAQUETES A' V.\POR.-Lemos na Correspon-
dencia de Portugal:
i A Royal ilail Steampacket company vae em-
oregar novos barcos de raaior forea na carreira
de Soothamplon para o Brasil e Ri da Prata, afim
de fazerem as viagens em menos numero de dias
do que agora. Contniuando a partir de Sou:
thampton nos das 9, os novos vapores devem
chegar a Lisboa noi dias 12 do larde. Outra
compaohia entre Londres, Antuerpia, Brasil e Rio
da Prata, subsidiada para o aerviea postal pelo
governo belga, vae comegar urna carreira mensa!
no prximo mez de Junho. O primeiro vapor de
nomina-so o Bonita, capitn S. Trott. Tem 1886
toneladas e da forc 300 cavallos. As escala-
sao as seguintes : Londres, Antuerpia, Lisboa,
Baha, Rio de Janeiro, Santos, Montevideo. Estes
luquetes locarlo em Lisboa na viagem deida, nos
dias 6 ou 7 le cada ra z. 0 agente em Lisboa o
Sr. J. B. Piombino.
NAVIOS A" CARGA.Em L'sbi Demando e
no Porto Social Dra Pernambuco.
NAVIOS SAHI00S.-Dc Lisboaa 21 vapor
Cearense para o Para, a 24 Atalaia i lem ; do Porto
a 14 Mara Carolina oara o Mir.inha\
TELEtiRAMMAS COMMERCIAES.-Eis os re-
cebidos a ultima hura em Lisboa:
Londres, 26 de maio as 6 I/i da larde.
Algido.Firm.'-Bern sustentadas as cota-
cSes dos nossos preeos correntes do dia 22 expe
elidios por este paquete.
t Assucar.Tambera (irme com ama subida de
8 penses des le o mesmo dia 22.
Caf.Regalar. Os carregamentis do Ro de
Janeiro sao mais procurados. >
As citacSes d dia 22 a que este telegramma se
refere_so as seguintes:
Algodu de Pernambuco, maquina
Firsts.......................7 1/2
dem I lem Sevoods........... 7
llera roda..................8 1/2
Da Parahvba Firsts...........7 1/4
I lera Seconds...............6 3/4
Da Bahia Pirata.............. 7 1/8
dem Seconds................6 1 i
De Mace Pirata roda........ 7 1/2
Mein i lera maquina.......... 7 1/2
dem Seconds............... 7
Do Maranho. maquina Firsis. 7 3/4
I lem dem Seconds.......... 7
Uem roda................. 8 1/2
Do Rio Grande, maquina Firsts. 7 1/4
I lem idem SecodJs........... 6 :j/'t
dem roda..................8
Do Ccar................... 7 1/2
Do Rio de Janeiro............ 7 3/8
DeSadlos................... 7 3/8
Assucar do Brasft"1"0:\ V, 1
(Mascavado io 6
Caf do Rio................
Lando...............
Cacau do Para ............
da Baha............
Tapioca do Ro............
do Para ...........
duros do Brasil
Seceos salgados de 21 a 36 Ib.
Seceos.......de 8 24
Verdes....... > 38 34
Do Rio de Janeiro :
46 0
55 O
48 0
30 0
1
1/1
29 6
24 6
58 O
68 0
BS O
42 0
S
Verde
Do Rio Grande
Ve.des....... >
48 72
1 1.2
>
9
:i
5 I i
2 1/2
8 3/4
9 1/2
S 1/4
o 3/4
Saceos.......
6 1/4
6 \<\
o 3,4
9 I i
8 I i
0
6
6
10
11
:I7
3/*
75 80
65 73
44 50 .
23 34 .
20 24
Knowies A Foster.
Londres, 26 de maio as t horas di tarde.
Algodo.Subsistem ascoiac.Vs da nossa cir-
cular do da 22 por este oaqnpte.
t Vendas desde enlo 52,000 saccas.
Stock 913.000 sacca?.
Assucar.Firme. Subi 6 penses.
Azeite de palma.Firme. Congo a 38 por
tonelada.
Borracha do Pai.Mercado cajmo sem alte
racao de preeos.
Caf.Firme com subida de prec.is.
Nada mais de impi.rtaote a respailo dos ou-
tros arligos do Brasil e Rio da Prata. Sibsistem
as informagoes da nossa circular de 22. Pinto
Leite A Sobrinbo.
NO DIA DE S4NT0 ANTOMO. -Leaos o se-
grate na Independencia Delga:
O astrnomo italiano Aiexandre Dorna com
municou aos jornaes a seguinte noticia :
Ha na contellago de Pars un cometa visi-
vel ao telescopio. Este cometa estar vista do
sol e da trra em 13 Je junho ; nesle dia estar a
menos distancia do sol qae de nos; mas depois
alTastar-se-ha do iis, para se approxiraar do sol.
2' a Uto que se deve attribair a v:;ivel pequenez
Marcelina; prata. Af. ica, 33 annos, sotteira, hoa>-
pital Pedro II; entente chronica.
Jos Firmioo Pedro, preto, Pernambuco, 38 ais-
nos, solteiro, Bja Vista, hospital Pedro II ; ap-
plexia.
Joio Baplisla Sebo, hraoco, Hespanha, 43 armo,
casado; Boa-Vista, hospital Pedro II; enlerecoIKe.
Francisca TheoJora Ferrera de Carrarbo-,
branca, Pernambuco, 61 aanos solteira S. Jos;
amolecirnento cerebral.
Ma: ia, branca, 2 horas, S. Jos; inaoico
Francisco de Medero, hranco, Portugal 30 aa-
nos, soileiro S. Antonio; febre perniciosa
Jio Francisco de Assis, pardo, Pernambuco, 4ft
annos, S; a.-pbixiado.
Joaquim de Almeida-Pmto, branco. Pe.ro.imUu-
co 48 aun is vuvo Santo Antonio, nlli;wi;.Vt pu-
rulenta.
Mara Amelia de Fras Villar, branca, P.-rnaa-
aco,44annos, casada, Recife; entero meni'-rito-
chronica.
Manoel, preto Pernambuco, 4 uiezei S. J.^s ;
(osse convulsa.
COMMERCIO.
THE ALLIANCE BR1TISI1 & FOKElGN.
Life and Fire Assnrance Companv eslabekeiia
em 1824. Capital C 5,000,000
Os agentes desta companhia lomam legan
contra logo sobre predios, gneros e fajeadas ?
pagua aqu prejuizos devdimenio provado*.
Rabe Sehmetiau A C
Corpo Santo n. 15.
Seguros conlra-fogo
COMPANHIA
NQRTHE
Capital.
Fundo de
reserva
RA
20.000 lOOP.tfli
.... 8,000:000^000
Agentes,
JtfiM Lu'.hin A C.
DA CHUZ N. :$8.
IMPERIAL
Companhia de segu-
ros contra-fogo
AGENTES
S. P. JOtMSTON A C;
Itua da ^cazata-nova a. 49.
rilACA DO RECIPE 9 DE JUNHO
DE 1871.
AS 3 i/3 HORAS OA TAP.PI.
iJolagoes officiaes.
Nao houve coiacoes.
rf. G. Stepple.
Presidoul.
P. J. Pinto,
Secretario.
ALFANDEGA
^endimentodo di 1 a 7 177:154^032
dem do dia 9..... 19:189^738
196:344#6D
Hovhnent da tailandesa.
'/olames entrados cora (agendas 8H
< t com generoa 145i
/olumes sanidos com fazendas 112
com genero1. I7
U42
rm
d'este cjraeta, que por isso nao aprosentiya o so-
berbo aspecto de qae anteriores nos teem dado a
idea, principalmente o de Donati, qae se observou
em 1858, anno em que lambera foram vistos oito
outros cometas.
t Na note de 23 de abril, das 9 I i s 10 I/I.
obserVel este acto pelo telescopio, com o directur
d observat>rio. O lempo silera! era II horas,
11,47"; a ascengao e o declive apparente do
astro era respectivamente de 3 hora?, 11% 26", e
40*37. Este cmela mostrava pelo telesjopio o
aspecto de ama pequea nebulosa, j
NOVO PLAXETA.-O Dr. Luther, de Bilk
Dusseldorfdescobrio um novo plane'a, ao qaal
os astronomas pazerara o nome ae Amaltha. F.d
tainb.ni rbservado pelo prifessor Hall en 2i de
maio as seguintes clrcumstaucias: .A-cencao di
rectaII h ras 31' 7"-norte: declive IIo f 31".
O novo planeta da 13 graadjza, e o 113" das
planet'S menores.
FUNDOS 3RASILEIR0S. Segando o prego
corrente dos Srs. Knuwies A Pastar, eram assim
cotad;9, a 22 de maio, na praea de Londres, os
fund s brasileiros:
5 0/0 de 1863 9J a 94
3 0/0 de 1871 1/4 a 3/4 0,0 de promin.
4 1/2 0/0 de 1863 81 a 83
PARA O SUL.O vapor francez Gironi trouxe
da Europa 181 passageir-is para o sul do imperio,
ntreos quaes a nova companhia de buffti para o
alcacer do Re de Janeiro.
GNEROS DE E3TIVA.-0 Gronde trouxe para
nossa praca : 40 eaixas vinho a Burle A C.; 100
ditas batatas a F. Guedes de Araujo; 1*6 qneijos
a ordem, 20 a Souxa Bastos A C, 24 a J. I da
Costa, 23 a Corga lrmos, 6 a J. J. Alvos ; 70 vo-
umes raantoiga a / M. do Barros,'100 a Burlo A
C, 1110 a Tisset frres, 2K) a F. A Monteiro J-
nior, 420 a Souza Bastos A C, 133 a Magalhes A
Cowal, 70 a Bernardo Jos d Araujo, 85 a J. I.
da Costa, 13 a Bastos A Sobrinbo.
LOTERA.A que se acha venda a 159a a
beneficio di igreja da CongregavSo do Oratorio,
qne corre boje.
LEILO.Hoja effjctiia o geme Pinto, noar-
mazem da travessa do Corpo Sanio n. 23 o ledao
de fazendas fimpas e avariadas, chapeos do Chyle
e de mais qualidades.
PASSAGEIROS.-0 Paran, entrado do P.ra,
trouxe a seu bordo os seguintes:
Adriano da Silva Res, Joaquim Gerardo de Bis
tos, Manoel da Costa Minjarico, D. Eulalia Felis-
mina da Costa Maniancao, Antonio Per;ira Leito,
Dr. Jas Antonio P.nto Birges, Salviano Ramos,
Joaquim da Cola, Jos Arthur Pinto de Atireu,
Manoel Antonio Pires, Adriano dos Santos Pereira,
Joaquim Antonio Perora Vinagre, Pedro Enis
aposo, commendador Feiisardo Toscano de Brito,
i pracas de polica e 1 preso criminoso
Soguera para c sul :
Dr. Augusto O ympio Gomes de Castro, biiga-
deiro E. Pedra, Dr. Emilio de Moraes Dias, Ale-
jandre Jeremas da Silva, 1 lente Joaqun) Ma-
ra Nognira, capilao Vicente Perreira da Fari
Griabrdrs, alferes Jos ugosto Grorr.Wel, alferes
loaquira Pereira G. Pecanha e saa senhora, alferes
Firmno Poucano dos Santos, Manoel Viriciano
lo Barredo, Bernardo Pereira Birredo, Tobas
Martins Moscaso, Jo3, Jos Cabral.
findos da Enmpa no vapor fran?ez GirOnde
Antonia Gamelll, Pronla Ga:i.dli, Fr. Fran-
cisco Nicoia Bello, **athan Danbeser, Ladislao
Gomes do llego, Manoel Gome9 do Reg, Maris do
Carmo Doarte, Domlttgcs Marta Goucalves, Anto
nio Pinto Guedes fle Paiva. Aloxandre Vicente Go
dioho, Antonio Rgerii Goncalves, Antonio Hen-
riqfles Rodrigaes.
tjEMITERrO rUBLICO.-Obiraario d dia fj Je
janno :
Jos, pardo, Pernbrico," 2 Brazo?, S. Jos es-
pasmo.
Dsscarreeam hoje 10 de janho
Patacho inglezZffioarvsrios gneros.
Patacho inglez Courlinazbacalho.
Brgue inglezWi/'l Wavecar vas.
Birca nglezaDolphimmercadorias.
Barca ingleza Hermionecar vo.
Despachos de exportaedo no dia 7 rl
junh
No brigae norueguense Conservado, par
i.ronsud, carregaram : Keller A C. 300 saceas
com 19,281 kilos de algodao.
No vapor inglez Crysolite, oara Liverpool
carregaram : Jaroea Ryder A C. 70 fardo* cofc
l3^rt^&ir!lw^erm6 mm
carregaram : fissei-freres A C. 63 saecaa toi
4,*iSr> kilos de algodo.
Na sumaca hespanhola Cecilia, para Baratf-
lom, carregaram : Amorira Irraaos A C. 343 sac-
cas cora 20,658 kilos de algodo.
No patacho hespanhol Doj Hermanar, para
Barcellona. cirregou: P. M. Maufy 123 satej;
com 9,229 kilos de aigoJo.
Ja barca portugueza Unido, para o Porto,
carregoa : Siaies Prunos 400 saceos com 30,010
kilos de assucar maseavado.
Na barca franceza Ciliyny, rara oftlivrt,
carregaram : Tisset-freres A C. 80(> cauros vaf-
des com 16,800 kilos.
:tECEBE5X)R.l\ HE RENDAS INTERNAS
GERAES DE PERNAMBUCO
leadimento do dia a 7 12.06WS6I
dem do dia 9..... 4:323*6
13:3B*mfl
CONSULADO PROVINCIAL.
tendimento d9 da 1 a 7 30:131*757
dem do dia 9..... 2:624iM7
MOVIMENTO m PORTO,
Navios entrados nodiaff.
Para e portos Intermedios Vapor brasileir
rana, de 830 toneladas, comnandaot !_
Carlos Gomes, equipagera 60, carga
gneros; a Antonio Luiz de (T. Aze
Bordoaux e pertoe intermedios16 da
francez Geronde, de 1797 toneladas,
dante H. do Somer, equipagera 120, car
reoles gneros; Tisset Freres.
Hamburgo4 dias, patacho americano
de 344 toneladas, capito James A Min
pagera 9, carga varios gneros; i Rabe S8
tau A C.
Navios sahidos no mesmo dia.
Rio da Prata e portos intermediosVapor fraitWs
Geronde, coraraan lauto de Soraer, carga parte
da quo tronxe dos porlos da Europa.
LiverpoolBarca americana Corea, captta Babf,
carga a mesma que. trouxe de Ceb (CMBa^
rwi ar*iv
eorffBjt),
latos h
Fculdade de Direito
Da ordem do Exm. Sr. cenaelbeiro vce-Jr"*tor
se faz publico qu seguada-feira 12 dn corf
s 10 horas da manha, lera Jugar nesta
de a arguico reciproca entre os candidato
criptos para o prximo concurso.
Secretaria da FaculJado ds Direito do Deeife, 6
do junho de 1871.
O secrataiio,
___________os Honorio D. de Xcneut.. ,.-a
JUIZO DOS FEITOS DA FAZENDA
NACIONAL.
O Dr. Abilra Jos tavares da Silva, offlcial periai ordera da Rosa e jn'r privativi dos erfcs
da fazenda de-ta provincia por S. M. I. e C tjkt
Dos guarde etc.
Fafo saber qae em vlrtade da execnclo, abe a
fu?oda nacional encaminba contra a viava b bw-
doiros de Julio Pereira Mattoso, tx colle:tut Se
'.abo, foz-se penbora em uro esefavo de nome 9a-
cundlno, mulato, corr 28 anuo?, pno.ro trf n
menos, pedreiro, avaiiado por 1:400*;, erh ebrJb
quencia do que, em face do decreto n. iWi Os 15
da setembro de 18R9, c em virtule de reqnertilsas-
to do coronel Jos Pdlx da Cmara PiruentflO*-
sionario da fazenda, sao convidados dlo ptoltta
qaaesqner licitantes pan apresentarem sOaf-
p stas dentro do praso de 30 das, a conurj
data, achanta-se o mesmo escravo o
depositarlo particnlar Pedro Vi:for
no engenho S. eotfa enmarca do'Ci.
E para qae cr.ej.oe a noticia d tbf/s iOajriei
pa'?ar o presente, que sera publicado p*eli IrbOfota-
sa e afllxado no lugar do costam* _.m-
Dado e passado nesta d^^sP B*lw wrtr-
oambuco em 12 d* iftalb dsWf.
Eu Luiz Francisco Bih'to oVAImraa,!
subscreV
Abflft Jo? Tstar* At Saa.

i
l!
I



aJiario de PeruambueO *-. pablado 10 ik Junlio U X
V
,
>
&
O Pr. Francisco de Camino Soares Breavlin, juiz
ate or*ios e au ea termo por S. M. i Imperador, Me Deas
r*rU ele.
Pifo fter que requerfjalnte de D Thereza de
Jota Cavaieaota Pessoa Mr 4> Domingo* de
Hrijaada Calateante de A!bf*erque, e em face
jaizj medico declarei em estado de alienacao
mett\i de incapaciJode de cooiinu.ir na adwi-
#*{cao de sua pessoa e bens o prelto Domingos
*Hoflanda Cavalcante de Albaquerqne, dand>The
fiar carador a ata mencionada mnlher, qoe j
vrtatou juramenio, e com a qual devom ser tra-
ua/v* todos os negocios relativos ao sea casal, sob
pena de infallivel e mediata nullidade.
pira constar jnandei pascar o presente, qae
*ari afisado uos lagares do costume e publicado
#eta kn#rensa.
Dadoe aassado nesta cidade do Recife de Per-
tmburj aas 9 de jonho da 1871
Ja, Ploriano (jorrea de Brito, eserivao, o O
awever e snbscrevo.
_____Fnmciseo de Coralito Soares Brandao.
di Dr. SebastiSo do Reg-Barros de Laeer-
da, jiiic dd direito special do comraer-
cio desta cidade do Recite de Perambuco
ttyrS M. I., ele.
fao -sabroslo presente qae Geouim Jos da
'i, commereiaaie desta cidade, me dirigi a pe-
' lo Uieor srguinle :
lia. Sr. Dr. jaiz de direito especial do corn-
eo.u Genuino Jos da llosa, commerciaote
icidade, que Antonh Gorti Macambra e
lo Rodrigues de 8 raza Gato. Ihe sao deredo-
.9 ^rimero da quaulia deG!677 rs., pro-
de duas letras que sn juatam, urna ven-
J de jucho de 1866 e nutra em 3 de agosto
Do anoo, e o segando da qaantia de...........
l rs. provanieaie de una letra tambero
*e acida em 14 de dezembro de 1866 ; e
se esteja aproximando o termo do praio h-
al deque [rala o arl. 433 do cdigo commercial,
u sapoteante querprotestar, afJm de int.rromper
a praseripeo, pela, qae requer V. S. siro-se
oaaadar tomar poclajtmo o seu protesto e intimar
aatsaapttcaios, senrt a iotimaeio feila por caria
' i edites, visto nao saber o supplicaate onde esta
sd os sapplicados, prestada a devida juslill-
I i V. S. deferimento.Espera receber
iva orna estampilha iaulilisada no valor de
r'ris.)
itecifc, 25 de miio de 1871.Genuino Jos da
8 osa
iJegninde o qne assim conlinha em dita peticao
r! ojo fui apresenuda, na qual dei o despacho
eor seguiote :
- ij'riboil, tmese por termo o protesto, e
jui aVseife, 23 de maio do 1871. Barros de La-
mb.
:.E por forca d'este descacho tora feita a distri-
Wfiu ao et-criv) d'esto jaizo Erne-to Machado
Freir Pereira da Silva, o qual, em observancia de
taesrae despacho, lavrou o termo de protesto do
Cfieer siguite :
Aos 27 de maio de 1871, nasta cidade do Re-
e'if i, em mea cartorio, compareceu o snpphcante,
awaiite ac testemunhas disse, que reduza a ter
ao o contio de sua policio retro, qne ofere-
4a como parte d'este, em que depois de lido as-
signou eom as leslemuuhas. _
Ea, Ernesto Machad) Freir Partir da Silva
escrivSo, escrwi.Genuino Jos da Rosa.Fran-
ceo Xavier de Seuia Ramos. -An onlo Soares d*\
Motta.
E aajl mais se coniinha em dito protesto, de-
poi de qual, prodatindo o supplicante as suas
aHenraobat qae depozerara convenient?mente -
ee* eserivo, /izendo sellar e preparar os autos, m'os
fez eoaclasof, nos quaes dei e profer a 9eutenca
do tlieor segointe :
JoJgo provada a ausencia dos supplicados de
que trata a peticao de folhas 2, e mando que o
protesto de folhas 2 verso Ihei seja intimado por
titxt eotn 30 diss de prazo publicados, e aulla-
dos na forma do estyb.Castas ex-causa.
feetfe, tS de maio de 1871.Sebastio do Reg
roe de Laceria.
indo-se o qae assim se continba em dita
iii enteDca, ero observancia da qual o res
n eeerivae qne este mbscreven, fez passar o
pmeoe, pelo qnal e aeurtheor cbamo, cito e hei
por citados aos mencionados justificado Antonio
Correa Cavalcanti Macambira e Eievao Rodri-
gati de SjOz dato,' pan djbe dentro do prazo de
30 dias compareeam ante este juizo, por si ou por
seas procuradores, alloglndo e provando o qae
tr a bem d seu dirtitr/e Justina, sob pa de re->
vea.
Portaulu toda e qualquer pessoa, prenles, ami-
ajos o conhecidos d is referidos juelificados, po-
d/r-Dies ao fazer sciente de iodo e expendido.
E para que chegne ao conhecimeoto de todos,
aandei fazer o presente, qae ser affixado. nos la-
gares do costuee e publicado pela impreosa.
Dado e passado nesta cidade do Recife de Per-
aumbaco, aos i dias do mez de junho de 1871.
Eu, Ernesto Machado Freir Pereira da Silva,
escrivo o subscrevi.
SebasliBo do Reg Barros de Lacerdi.
rafa
caf moido, cha hysson, cafa ea grio, carne ver-
de, carnauba em velas, carne tecca do Rio Grande
do Sal, cevadinlia. feijio, firinna de mandioca da
terrl, galiana, ienha, manteign iogleza, matle,
matfteiga fraaceza, raillio, po, sabio, sal, tapioca,
loocinho le Lisboa, lijlo d aivenaria grosat,
telh, vela* steariaas, vinho de Lisboa e vinagre
de Liboa.
Sala das sessSes do conselho de compras de ma-
naba de eraambuco S de junh) de 1871.
O secretario,
__________Alexandre Rodrigue* doa Anio:
183*tt|
SANTA CASA DE MISERICORDIA DO
RECIFE,
A Illma. junta administrativa da Santa casa dt
Misenordia do Recife precisa contratar o forne-
cime.to de asquear de Ia e 2' sones qae hoave-
rem de consumir os estabelecimeutos de caridade,
collegios de orphaos e asylo de mendicidade nos
mezes de julho, agoste e setembro prximos, para
o que recebe propostas em cartas fechadas na tala
de suas sess5e., as 3 horas da tarde do dia 15 do
corrente.
Secretaria da santa eisa da misericordia do Re-
cife 3 de Jinho de 1871.
O escrivio,
________ Pedro Rodrigues de Souza.
No dia 11 do correte mez, depois da au-
diencia do llini. Sr. Dr. juiz de orphaos, vi pra-
ea por arreadamente de tres aoaos, o sitia da Pon-
te de Uch i, servindo de base para a arremata cao
a off^ria da 1:600j, seado obngao o arremtente
conservar o predio no estado em qae se acha, e
tambem ser ubngado a dar fiador idneo dita
arremalacao; o predio cima mencionado va i
prac por arrendamento a requor i metilo de Jos
Antonio Pinto, com anuencia de Jos Jerooymo
Mouteiro, na qaalidade de inventariante dos bens
do casal de finado Jos Mereira Lopes, e como
tutor dos (iilios menores destes e do Dr. carador
geral.______________________________
anta Casa de Misericordia
lleclfe.
A jauta administrativa da Santa Casa da Mise-
ricoriia da Recife precisa contratar o fornoeimen-
to dos piies e bolachas qarhoaverem de consumir
os estabelecimentos de caridade, os collegios de
orehao3 e o asylo de mendicidade nos mezes de
julho, agosto o setembro prximos, para o que
recebe propostas em cartas fechadas na sala de
saas aess5es, as 3 horas da tarde do dia 13 do
corrente.
Secretaru da Santa Casa d Misericordia do Re-
cife, 2 de junho do 1871.
O eserivao,
Pedro Rodrigues de Souza.
12ii
40M Gasa terrea 7.......
L Boa de Hurtas.
Loja do sobrada a. 41.....
Roa larga do Rosario
Sobrado, 1. andar n. 24 .
dem 3. talar Mira......240D0
Ra do Calabonco.
dem n. 18.......3fW0tK>
Hua do Amorim.
Sobrado da 2 andarnn. 26 .
v M Roa do Pilar.
Casa terrea n. 73......ItOOO
Itua da Gloria.
Caa terrea n.* 61......2O0Q0
Becco do Abren.
Sobrado de 2 andares n." 1. 400JOTO
Ra do Bom Fim em Olioda.
Casa terrean* 11...... 96*000
dem n. 12........ 96*000
PATRIMONIO DOS ltPHAOS. ,
Roa do Crespo.
Sobrado de 3 andar n.* 11. 1 700J000
Rui do Rotirio da Boa-Vlst.
Casa terrea n. 58........300*000
Beceo das Boias.
Sobrada de 2 andares n. 26 ... 367*000
Ra do Burgos.
Casa terrea a. 19.....150*000
Ra da Viracio. [ dem n. l ........
Roa do Vlgarlo.
i. andar do sobrado n. 27 .
t oTte dem......
boja do aiesmo......
Ra do Eneaniamento.
Sobrado de 2 andares o, 14
Roa aa Saozaia vellia.
Sobrado de 2 andares b. 131 .
Casa lertea 18 ..... 241*000
302*000 dem a.{,l. 6.......W8J000
U Rita do Pilar.
Basa terrea t. tal ....
Idemn. 89 .....
Ra do Pilar.
1:200*000
700*000
300*000
Casa terrea
dem n. 110
dem a. 104
dem n 99
' *
78*000
2O5*0UO
201*000
360*000
-"--....... owpvuv
Os pretendentes devero apresontar ao acto da
orrematagao as saas lia ocas, ou oomparecerem
acempaabades dos respectivo fiadores.
Seeretaria da Santa Casa de Misericordia do Re-
etfe, J de jonho de 1871.
-_* Oeserivo,
Pedra RoK|eB de Sorna.
Santa casi
da misericordia
Recife.
A junta administrativa da saula casa da miseri-
cordia do Recife contrata o fornecimentu da carne
verde que houverem de eonsumir os estabeleci-
mentos de caridade, os collegios de orphaos e o
asylo de mendicidade nos mezes de julho, agoste e
setembro.
Recebe prepostas na sala de suas sessoes, pelas
3 horas da tarde do dia 15 do corrate.
Secretaria da santa casa da misericordia do Re-
cife 2 de junho de 1871.
Secretaria da santa casa da misericordia do Re-
cife 2 de jonho de 1871.
O eserivao,
Pedro Hodrigues de Souza.
COMPANHIA PEHNAMBUCANA
ai
Navegando costetrapor vapor
Goyanoa.
O vapor Parahyha, seguir pa
ra o porto cima no dia 16 d<
correte as 9 horas da noute.
Recebe carga, eteommendas
paaaageiros e dinheiro a Irete o j
scrmtorta lo Porte do Mallos n. 12.
Viagens aos paquetes
TRAHSATLAHICOS.
Logo qae derem fundo quaesquer dos paqueles
trasatlnticos quer da Europa ou Estados-Unidos
para o sal, qner dali para a Europa ou Americ,
largar urna ou mais lanchas a vapor do caes da
Cumpanbia Peraambocana a lira de facilitar o em-
barque ou desembarque de quaesquer Srs. passa
geiros e suas familias que queiram desembarcar
ou teja para ficar em trra ou seja por visita.
Duas horas aole da annuociada para a partida
largar urna ou mais laocbas com o fija de con-
duzir os Srs. passageiros que tiverem de seguir.
A 1 hora antes da annuociada haver urna ou-
tra viagea. Prego por pessoa 5*000.
Alm disao prestam-se para levar familias e
ajasia-se um tanto pela viagem.
Rebocam-se aivarengas com carga ou sem ella.
Trata-se no esenptorio da Companhia Pernambu-
cana.
AMA DE LEITE-
Na ra Aupusta o. 55 precisa-se de ama ama
de leiie sem filho,
Leonardo de Mlajaelra Cae
valeaiiie, chamado a tua da Cadeia o.
4_5^_____________________ ________________
Bazar universal
Rna do Barao da Victoria na-
-aero .
Para este estabelecimento acaba de chegar om
riqusimo sortimento de transparentes de panno
para sala e com lindsimas paysageos, bem orno
cabides portateis, n5o < para toiletes de eoboras
como para outros quartos, os quaes sio omito con-
venientes por serem inteiramente commodos : ua
loja de Cirneiro Vianna.______
apitftes de campo
Precisa-se fallar aos senhorea capitacs de cam
po anegocio de ioterbsse : n ra e-treita do Ro-
sario o. 43, 2* andar.
Aluga-sH o 2* andar e s rto da casa n. 34
ra do Apollo com commodos para grande fa-
milia : a tratar na ra da Sama Cruz n. 22
LILOES.
Leilao
DE
FAZENDAS

do
do
A cmara municipal desta cidade fa-
publico para conhecirnento de quem interesa
ssar possa que, os 30 diasmarcadosnoedital
ile (11 corrente s5o para exame e estado
da planta e orcamento do edificio do merca-
do e nSo para confecc3o do projecto do mes-
m9 mercado qae sero ao seu lempo an-
annciados.
Pa<;o da camsra municipal do Recife 19
4a maio de 1871,
Bsnto Jos da Costa.
^ Pro presidente.
Lourenijo Bizerra C, da Canha.
Secretario.
DECLARACOES-
Jaizo de orphi5s
!Vo dia 1) do orrente mez de junho, depois da
audu-acia dolllm. Sr. Dr. juu e orphaos desta
cidade se hi de arrematar o arrendamento por
tresaanos a razao de 3:000* por auno doengenho
Tiara a da reguezia de S. Loureof.i da Matla, vai
prara a raquerimonto do loveatariant* dos bens
de casal do fallecido lente-coronel Joaqun)
Mauricio Wanderlty. O escripto se acha em raao
de porteiro dos auditorios, e ne le esiao declara-
da* as condones da airemalacao.
Santa Gasa de Misericordia
do Recife.
A Junta administrativa da santa casa da mise-
ricordia do Recife precisando concertar o predio
qae possue o patrimonio de orpaos roa da Cruz
o. i >. contrata com quem se queira eocarregar
de effectuar ditos coocertos, concedendo-lhe o ar-
rendamento p-;r um ceno numero de annos e me-
diante sluguel commodo.
Os pretenleotes deverSo presenlar suas pro-
psstas em cutas fechadas e sel adas na sita das
msSi da junta, pelas 3 horas da tarde do dia !
dejunho viodouro.
Seoretaria da Santa Casa da Miserirdia do Re-
cife 27 de maio de 18/1.
O EscnvSo,
Ptdro Rodrigues de Souza
O aflniuistrador da recebeoria de reudas in-
ternas Kcraes, faz sciente que ueste mez de junho
cjae tem do ser paga sem mulla a decima addicianal,
relativa aj 2* semestre do exercicio corrente de
1870-71 que e3liio sujeitas as corporales da
mo mort.i, as contpanhias e soledades anooymas
as associac,rJes pias, benefieentes e religiosas, e
Soe Ando o referido mez. ser paga com a multa
e 6 /-
Reeefeedoria de Peroambuco. 6 de Janho de
l7i.
Manoel Carneiro de 5ouza Licerda.
Conselho de compras de ina-
O canselho eontrata no dia II) do corrente mez,
avala de proposlaa recebida' at as 11 horas da
Baania, e sol) as eondif-tes do estylo, o foroci
nsemj n^ triraesire prximo vaJouro d.j julho a
aelembro, de vveres, dietas e outros objetos de
coasumo aos navios da armada e estabelecimen-
ta* de marinha, segoiotes :
Arroz do Haraahao, araruta, aletria, ardite doce
de Lisboa, aguardante de. 2) grjs, azeite doce
iaferior, arsucar b;an;o refinado, assucar braaeo
frofsj, bobehinua americaaa, bacalho, bolacha,


Manta Casa de Hiserieordla
Reelfe.
A Illma. junta administrativa da santa casa de
misericordia do Recife precisa contratar o forneci-
raeoto dos gneros abaixo declarados que tem de
consumir os estabelecimentos de caridade, os col -
legios de orphaos, e o asylo de mendicidade no
trimestre de julno a setembro.
Recebe para isso propostas na sala de saas ses-
soes, pelas 3 horas da tarde do dia 15 do cor-
rete.
Os concurrentes 3presentarao suas propostas em
cartas fechadas, as quaes deverao ter a ordem
estabelecida no presente annuucio :
Aletria kilogr.
Arnz do Maranhao dem.
Afeite doce litro.
AztMte de carrapato dem.
Agurdente idem.
Dacainao kilogr.
Batatas idem.
Cha hyssoa idem.
Ca preto idea.
Caf en grao idem.
Carne secca ideal.
Ceblas 100.
Farinha de mandioca litro.
Fumo do Rio kilogr.
Feijao mulatinho litro.
Farello sacco.
Gaz lata.
Milho sacco.
Manteiga Irancea kiiogr.
Sabio Idem.
Sal litro.
Tapioca idem.
Toucinbo kilogr.
Velas de carnauba dem.
Velas steariaas idem.
Vinagre litro.
Vinho de Tinto de Lisboa idem.
Vinho branco de Lisboa idern.
Secretaria da Santa Casa de Misericordia d j Re-
cife, 2 de junho de 1371.
O eserivao,
Pedro Rodrigues de Souza.
UUH DAS nMGEZiS
Companhia brasileira, equilibrista, equestre, ymnaslitfa
acrbata.
DIHECTOR E 4TlrA
Hoje sabbado 10 de junho de 1671.
GRANDE E ALTA 10VIDADE.
TR4BALHA O SYMPATHICO
HA L IIA^O AUGUSTO.
Principiar s
i'
7 horas.
AVARIADAS
dapoles e algodozlohos
h MOJE
16 DQ CBRENTE Ai> 10 HORAS.
Por iot-rveDcao do agente Pinto
no rmazem n. 23 d travessa do Corpo Santo.

LEILAO
de fazendas iaglezas e fran-
cezas.
Iloje, 10 do corrente.
Joaqaim Lopes Machado & C. contipuarao, por
intervenQao do agente Pinto, o sea leillo de fazen-
das inglesas e franzezas, comeeado hontem em
sea armazem da travessa do Corpo Santo n. 25.
Pfeciaa-se de urna ama para casa de ponca
familia, para servil- > de portas a dentro : na roa
dos Copiares p. 6 por traz do largn do Terco.
Na ra do Pires, sobrado o.
27, precisa-se de urna ama
boa cozinhei'ra, forra ou es-
crafa, e que leona boa conducta.
*!.%
bfi de gratifica^ao
So da 6 por volta de 9 horas da mauba, fagio
um ciuario do impeno muito cantador, da 2* an-
dar da lypographia deste Diario, tomando a di-
reccao da ra do Crespo, ou praca da Indepen-
dencia : roga-se a pessoa que o tiver pegad e
quizer entregar, dirija se ao escripiorio deste Din
rio que ser recompensado com a qoantia cima*
Coziahelro.
No celleglo da Concei^o precisa-se de om bom
cozioheiro.
LEILAO
DE
chapeos do Chile e de outras
qualidades
HOJE
10 do correle ao meio dia
por intervencao do agente Pinto, no armazem da
travessa do Corpo Santo n, 25.
SANTA GASA DE MISERICORDIA DO
RECIFE.
A junta administrativa da Santa Casa da Miseri-
cordia do Recife precisa contratar o fornecimento
dos medicamentos que tuuverem de consumir a
botica do hospital Pedro II e a enfermara do asylo
de mendicidade no trimestre de julho a setembro
de conformidade com a relacao existente na res-
pectiva secretaria, onde pode ser examinada, para
o qae recebe propostas al o dia 15 do corrate.
Secretaria da Saota Casa de Misericordia do Re-
cite 2 de juuho de 1871.
O eserivao,
Pedro Rodrigues de Soura.
Aeba-se reeolhido subdelegan da fre-
guezia de Muribeca o menor Henrijue, que diz
ter de idade 12 annos, pardo claro, filho de Rita
de Tal, viuva da Marcos de Tal, moradores no
lugar Papagaio, em Garanhans, e veio para o Re-
cife com um to materno, a quem chama li, o
qual conduzia cargas de la.
Consulado provincial
Era o mez de junho prximo comeca a correr
o praso de 30 dias para o pagamento voluntario
nesta repartico da cootribuigao da decima ur-
bana, de 5 0|0 sobre o rendimento dos predios de
corporales de mo mora e de 73 rs por litro
de agurdente, relativamente ao 2o semestre do
anno flaanceiro de 1870 a 71 ; o que faz-se scien-
te aos respectivos cootribuiotes que nao sati.-fa-
zendo dentro desse pra30, eocorrem na multa de
6 0|0 at encerramenlo do exercicio.
Consulado provincial 22 de miio de 1871.
O administrador.
_________Antonio Carneiro Machado Rios.
Adiulalstrae dos eor reos de
Pernainbnco O de jtmhn de
1991,
Malas peto vapor Paran da companhia brasi-
leira.
A correspondencia que tem de ser expedida
hoje (10) pelo vapor cima mencionado para os
portos do sul, ser recebida peia maneira se-
guinte:
Magos de jornaes, impresos de qualquer natu-
reza e cartas a registrar al 2 horas da tarde,
cartas ordinarias al 3 horas, e estas al 3 l|2
pagando porte duplo.
As carias e jornaes que se diFigirem ao Rio da
Prata pagarao previamente, aquellas a laxa de 300
rs. por 15 grammas ou fraocao de 15 grammas,.
e estes 40 rs. por 40 grammas ou fraccao de 40
grammas,, na progresso estaheleci la as tabellas
C e D annxas as instruceo s do 1 de dezembro
de 1866.
administrador,
Alfonso do Reg Barros.
.
Amanha II do corrente penltimo
espectacolo da compaobia aotes da sua partida para a corte, cdtft 6 concurso do
sempre applaudido, insigne e syaipatbico artista MR. CHARLES HURBAIN. qaa pre-
tende fazer trabatbos noro?, dff eqorlrbrios e gymoastic.
0 espectculo principiara s 6 boras em ponto.
A bandeira nacional arvorada no tope do alastro do circo signa! certo de
baver espectacolo.
Os bilhetes vendem-se na roa de SanU Isabel p. 1, das 10 da manfaSa em diaate
pelo* precos segointes :
Camarotes com 5 entradas 'v^Pt: *2|000
Cadeiras tanto para homens como para senhoras 2^000
Entrada geral para todos 13000
-----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
COMPANHIA PERJHAMBUCANA
M
ffarvegaeSo eostfelra por vapor.
Porto de Gallinhas, Rio Formoso e
Tamandar.
O vapor Parakt/bii, comman-
danie Oiiveira, seguir para-
os portes cima no dia 10
do corrente a raeia noute.
Recebe carga, eocomraen-
das, passagetroa e diuheiro a frote : no esenpto-
rio do Forte do Maltes a. 12.
BAHA
O palhabote Garibaldi, capillo Custodio Jos
Vianna : a tratar cora Taso IrmSos A C.
DO
e_ Hotel da ra da Sensata Not
n. 16
THEATRO
SANTA CASA UA MbEHICHOlA DO RECIPE.
A Illm. junta administrativa da Santa Casa de1
Misericordis do Recife manda fazer pnblico que
na sala de suas sesses, no dia 8 do mez de jonho
pelas 3 boras- da tarde, tem de ser arrematados
a quera mais vantagms oflsrecer, pelo tempo de
Ubi a tres annos, as rendas dos predios em segui-
da declarados:
ESTABELECIMENTOS DE CARIDADE.
Ra do Prdre Floriaunc.
Casa tema u. 45...... 180*000
Bcceo das Carvalhas.
Casa terrea n. 5........120*000
B A DIRECCaOIDE ____
WMWMMXB
(REPERTORIO DE OFFEMBACH) '.-,
Os esperta trillos terSo Ingar lu-
Tarlavelmente na>
litarlas,
gululas.
Sabbados,
Domingos.
iki.ii:
Sabbado 10 dejante
Esplenpilo successo
3 REPRESENTAClO
Da immensamente applaudida
LA GRANDE DCHESSE
DE GMSTEIN
Opera em 4 actos, de Jacques
Offeuibach.
Personagens.
La Grande Ducbesse. Mme. Poncelet.
Fritz.............. Mr. Rayoaud.
Le prnce Paul..... Mr. Marcband.
Le barn Puck...... Mr. Halbleib.
Le general Boum ... Mr.Harbaio.
Le barn Grog ..... Mr. Maris.
NpomncJ........... Mr. Aotoine.
Wanda............ Mme. Poppe.
lia................ Mme a.
Amlie............. Mme. Fuoco.
Olga............... Mme. Louise.
Charlotte........... Mme. Poppe.
COKOS
Offlciaas, soldados, pageos, damas de honor, vi-
vanderas, etc. etc.
A sceaa passa-se em Grolstein.
Principia as 8 horas.
Depois do espectacalo hsvera um trero extraor-
dinario para Apipujos e mais pontos da linha.
AVI80S MARTIMOS.
COMPANHIA PERNAMBUCANa
DE
Navegagdo costeira por vapor?
Mamanguape.
O vaper Coruripe, com-
mandante Suva, seguir
para dia II do corrente as 5
horas da tarde.
Recebecarga.passafeiros,
meadas at as 2 horas da tarde de sua-sa-
escriptorio no Forte do Mallos o. 12.
PAH
i
vai sahir em poucos dias a barca portugueza Flor
de S. Simao por ter quasi toda a carga prompta :
para o resto e pasgagens trata-se com Carvalho
Nogueira oa roa do Apollo n. 20.________
PARJl O
Constando de vinho Bordeaox, dito engar-
rafada do Porto, dito em pipas e barr?,
uarmeiadas, ervilbas, velas steai inas, ge-
Qjbra, cerveja, baaba de porco em latas,
muitos artigos do venda e os movis do
mesmo botel.
Segunda-feira 18 do correte.
O agente Martns far lello dos gensro/1
veis do botel cima, em lotes, a von'ade dos,
oradores, as 11 horas do dia, no mesmo botel.
ratam
Precisa-se de urna criada escrava ou livre,
qu saiba lavare engmmar : na ra da Passa-
sun n. 7. auijrailu.
COLLELfiAO DE DOCUMENTOS '
SOBRE AS
EXACCOES, ROUBOS b crueldades.
Praticadas
Pelos exereltoa pros alanos em
Frasea.
i vol. in {i br.
1*800.
Livratia friiceza
SATA!...
_
O Sr. A. F. G. venha roa B'frefta 53 pagar
o fogo, que comproq a nm anoo, do contrario......
FaM bolos (ie S Joa5
Flor de mandioea.
Chamada vulgarmente massa de mandioca mole:
vende-se em-pacotes de 1|2, 1 e 2 kilos : na rna
Nova, loja n. 23, e rna da Cadeia a. 9, loja._____

Aleaadre Aogusio de Fras Villar, seas dous
finios e Clara da Costa Nenezes, muito agradecer
as pessoas que se digoaram fazer a earidide de
assistir sos ltimos saffragios qae se flzeram aos
restos mortaes de sna prezada esposa, mil e irmaa
0. Mara Amelia de Fras Villar ; e de novo pedein
a todos os seas prenles e amigos que Ibes facara
anda a caridale de assistirem a missa do stimo
dia do sea passamento, que ter lagar oa segun-
da-feira 12 do corrente, as 8 horas da manhaa, na
igreja da Madre de Dos.
LEILAO
DE
60 caixas com cha
Segunda-feira 12 do corrente.
O leilao de 60 caizaa com cha nao pode ter
agar
no dia anoanciado por cansa da chova, e tem lu-
gar no diaacm, segunda-feira 12 do eerrente, as
11 horas da manhaa, no armazem do Aones.
LEILAO
ARACATY
Segu eom brevidade o hiate Novo Inveneivet :
para cargas e passagens irau-se ra do Vigano
u. 11, Io aoJar, escriptorio de Jos Lopes Davim.
Para o Arnoaty
Seane oestes dias o hiate Mana Amelia, capi-
tao errtico Francisco Thomaz de Assis, para o
resto da care que Ib falta trata se eom Aotonio
Iberto de Souza Aguiar, ra do Amorim n. 60
Liverpool em direitura.
LIVERPOOL, BRASIL RIVER PLATE
MAIL ITEAMfcRS.
No dia 23 do corrente esperase da Ba
hia o vapor iaglez Copernicm de 1400 to-
neladas, o qoal seguir depois de indispon-
savel demorar para o porto cima. Este
vapor tem excelentes accoramodico s para
passageiros. Para frete, passagem etc.,
trata-se om os agentes Saoders Brothers,
dV C largo do Corpo Santo n. (i.
No dia 11 do corrente mez espera-sa dos por-
ras do sul o vapor francez Sindh, commandanle
Massenet, o qual depois da demora do costume
seguir para Brdeos, tocando era Dakar (Gore)
e Lisboa.
Para coadigoes, fretes e passagens, trata-se na
agencia, ra do Commerco a. 9.
I'ARA O
PORTO-
Com muito pouca demora oeste porto seguir
para.aquelle o brigna poriuguez Unido por j ur
grande parte do seu carregameoto prempto : para
o resto que Ihe falla e passageiros trata se core
Soares Primos, raa do Vigario n. 17.
DAS
Messegeries maritimes.
PVItVO
CEARA'
Segu com brovidade o hiate Oat.no eor st
acbar o>im parte do carregamenlo ; para fisto e
DE
Urna mobilia de amarello a Lniz XV, um gaarda-
vestidos, urna meia comraoda, urna cama fran-
oeza para casal, urna espreguicaderra, urna jardi-
neira de Jacaranda com pedra, 3 venezianas, nm
quarlinheiro, ama marqaeza, urna mesa redonda,
urna cama franeeza pa^a soileiro, ama baca de
folba e 2 esearradeiras.
TERQA-FEIRA 12 DO CORRENTE.
0 agente Puntual, autorisado por uraa pessoa
que se retira desta provincia, far leilao do< ob-
leeras cima mencionados, no armazem da ra do
Imperador n 16, s 11 horas om ponte.
AVISOS DIVERSOS

Atoga-se
o 1* e 3* andares do sobrado da ra de Lomas Va
lealinas n. 48 com bastantes commodos e muito
fresco quera pretender dirjase ao 2 andar da
rus dos Martvrios o. 4.
Alaga-se
um moleqae de 18 annos sem vicio e proprio para
qualquer servieo : no 2o andar da roa dos Mar-
lyrios o. 4.________________
Antouie Marlinno da Assump;o tem ama
carta vinda da Europa aa padaria da Soledade o.
2 A, ou auuacie sua mora la para Ihe ser entre-
gue. __________
""
Precisa-se de ama ama qae salba comprar e
eozinhar : na ra larga do Rosario n. 21, loja de
calcados.
Piecisa se de um caixeiro porlugueae t "> a
16 anns, que teuha pratica de taberna aa ruad
da Concordia n. 95.
Avariado.
Madapolao com toque de avaria a 3& 3a"00 o
4 a peca : na ra do Crespo n. 20, loj do Gui-
Iherme.
PROTESTO
Araerico Xavier Pereira de Brito inventanantt
dos bens do casal do nalo sogre e sogra, pro
testa contra a arremalacao dos escravos que se
dizem de Thomaz de Figueiredo, por isso que per-
tenecen aos inventariados e tem oe fazer parte do
moute pailivel tendo j sido reclamado ao juizo
do commercJo,_ por precaloria vinda do juiz mu-
nicipal e orphaos do termo de Serrahaem.
O abafko assignado, retirando-se lemporaria-
raente desta provincia e iodo a Europa, deixa por
seos procuradores, era suas transaccSss raereantis,
o Sr. Luii de Moraes Gomes Ferreira, e, para
rcpresoalalo, oaoo lierJeiro do casal de seo falle-
cido pai, o commendador Thomaz de Aquino Fon-.
seca, e tratar de tedas as suas cansas juclaes, o
Sr. coronel Rodilpho Joao Barita de Almeida;
Ocando encarregado do que se refere s saas pro-
piedades e casa particular, sea primo, o Sr. Joa-
qun) de Gusmao Coelho, tendo cada um dossu-
pra-menciouados os poderos necessarios. Recife 9
de unho de 1871.
Dr. Jiaquim de Aquino Foiceca.
passagens, para o que lera excecntes (icamodos, 0 Sr. Francisco Lenardo Coelao de Siqueira
tratare ra do VgaatoB. 11, 1 andar, escrip- qneira vir ra Nova n. 4L, negocio qae nao
torio de los Lopes Davim. J ignora.
D. Luzia de Almeida Pinto, Aguida Senborinba
Ferreira, Carmelia Carolina Pinto e Joaqaim de
Almeida Pinto agradecem cordialmente a todas as
pessoas que se dignaran) assistir os ltimos saf-
fragios que se flzeram ao sen ftaado filho, sobri-
nho e pai, Joaqaim de Almeida Pioto; e de novo
os convida a assistirem as musas que se tem do
resar no dia 12 do co rente, as 7 boras da ma-
nha, oa matriz de Santo Antonio.
O abaixo assignado, tendo de tazer urna via-
gem a Europa pelo vapor francez SindA, aflm de
vr se consegu' restabelecer-se de seus soffrimea-
tos, e nao podendo despedir se pessoalmeote de
todos os seus amigos, e agradecer aquellas qne
dorante sua molestia Ibe deram coatiaoadas pro-
ras de estima e Ihe prodigalisaram constanie-
cuidados, principalmente aos seus dignos collegas
os Srs Drs. Jos Joaqaim de Moraes Sarment,
Ignacio Alcibiades Velloso e Alexandre de Souza
Pereira do Carmo, seus mdicos asistentes, re-
corre impreosa, e Ihes offerece seas servio,>s eoa
qualquer parte em que seache ; e pede aos seu*
clientes que, em sua ausencia, se dirjam aos refe-
ridos collegas.
Dr. Joaquim de Aquioo Fouceca.
RIVAL SEM SEGUNDO
RA DUQUE DE CAXIAS N. 49.
Jos Bigodinbo, com loja de miadezas.
avisa a todos os os seos fregnezes que est
torrando tndo pelo ureco, a vista da fazen-
da, para todos admirar, a saber:
Grosas de bo!5as de loaca branca a 120
Capachos nm to bonitos a 6(0 e 7cO
Caixas com 100 envelopes fazenda
fin a 500, 6C0 e 80D
Pares de sapatos de 13a para me-
ninos a 320
Espelbos de moldura donrada a
800 e 1,500o
Pentes pretos volteados para me-
ninas a 240
Tinteiros com tinta preta a 80 e 100
Pecas de Ota elstica muito fina a 200
Latas com superior banba 60,100 e 2ut
Latas grandes com superior bauba i 320
Frascos com oleo de Pbiocome a
5i K) e 8CO
Frasees com macass Pernta a 24i>
Caixas com 12 sab.neles mijito
finos a li^OOO
Frascos eom agua de ColoDia verda-
dera a 10000
Dllus com oleo do ba >osa suderior a 320
Syliabario piriuguei livro muito
bom para criancas a 400
Carritels de retroz preto com 2
oitavas a 600
Ri:as touquinhas de fil para me-
ninos a 200
Caixas com agulbas francezas a 100
160 240
Pecas de tiras bordadas a 500, 600
800 e 14600
Garrafas com a verdadeire agua
florida a 10300
Grtilbas da Doutrioa CbriatSa as
mais modernas a 400
Livro das missdes abreviadas a IjSOO
Copos grandes com supo ior banba 14500
Magos de pallilo3 para tientes e
melbor qoe ha a 160
Pacotes com 3 sbemeles ingieres
fazeoda fina a 600
Caixas c m pos para Jimj>ar deules
fzenda fioa a 200


1
mr
*
Fotographia imperial
Abtonlo lose ttwl^gnes de Souxa precli
alugat bi criada &rto oa eseravo para o aervicp
de sua casa l a tratar na ra do Bario da Victo-
Va n. t>0, i* andar.
calera
PIXTIKA
I
DIB
DE
Ferrara Vlela
Desde o dia 7 de abril paseado acha-se aberto c
aovo eetabetecimento pholographico sito ra do
Cabuir n. 1, esquina do pateo la matriz. Ostraba
Ukm que desde eolio, tem sahido de nossa offlcina
Mm feralmente agradado, sendo recebidos por
alguna com admiracao pelo extraordinario pro-
crelo que ltimamente tem tido a pholcgraphia;
e por ootros com alegra, por verem a provincia
dotada com um estabeleeimento digno d ella, e in-
eentestavelmente o primeiro que nesse genere
neje possue : tambem nao nos peupamos em coasa
alguma para monta-lo do p eir. que se acba, es-
perando que o publico de Pe nambuco saber
apreciar nossos esforcos e recompensar nossos sa-
\JlUCtOS.
Convidamos a todas aquellas pessoas, nacinnaes
eetrangeiras que goslam dan artes, on tiverem
ecessidade de trabalhos de pbotograpbia a visi-
taren! o nosso estabeleeimento, que estar sempre
aberto e saa disposico todos os dias desde as 7
oras da manbia at as da urde.
Para os trabalhos de photographia possuimdi
Tersas machinas dos roelbores autores francezes
njrJezes e allmeroes, como sejam : Lerebours et
Secretan, Hermagis, Tbomaz Ross, Voigtlander el
Sonh eWulf. ltimamente recebemos tres nova;
machinas! sendo urna deltas propria para tomar
obra ofmesmo vidro 4 ou 8 imagens diversas e
iaolaas, e outra de 6 a 12 imagens diversas e
analmente soladas, de surte que no caso de
grande concurrencia poderemos retratar sobre
na nica chapa at 8 pessoas diversas e sola-
da* para candes de visita, e assim em menea de
nm qoarto de hora despachamos 8 difireme!
pessoas que pecam cada urna, urr a duzia de candes
raais oa menos, com os seas retratos somonte, on
m grupo com outras.
Encarregamos-nos exclusivamente da direccac
etura dos trabalhos de photographia dei-
ando pnela e talentos do distincto pintor
aJIemo, o Sr.
Jorge A. Roth
os trabalhos de pintara, a aquarela, a oleo, a
pastel.
O Sr. Roth acha-se ligado a nossa empresa por
toa escriptara publica, e at o presente tem-se
desvenado na execucao de seas trabalhos.
No nosso estabeleeimento acham-se exposlos ou-
tros trabalhos importantes do Sr. Roth, tanto em
miniaturas aquarella como oleo, retratos
oleo, quadros sacros e diversos oatros trabalhos.
Tomamos encommendas de retratos oleo at o
tamnbo natural, aasim como de quadros sacro;
para ornamentado de igreias ou capellas. Tam-
bem aceitamos encommendas de quadros histori-
Asseguramos que os procos dos diversos tra-
tolbos da nossa casa sao mu rasoaveis.
CaRTOES DE VISITA NAO COLORIDOS A 10#00 A
DUZIA
CARTES DE VISITA COM O COLORIDO AO NATU-
RAL A 16)9000 A DUZIA
Retrates em miniatura oleo oa aquarella de
46 20*000 cada nm, indo convenientemente en-
eaixilhado em moldura doarada e regalando c
basto da pessoa retratada de 3 i pollegadas e
ledo o quadro palmo e meio de tamanho.
Jolgamos que bsstario os precos cima para
narraos idea da baratesa dos trabalhos do nosso
etableeimento, quanto sua perfeicao cada un
venba jalgar por seas proprios olhos.
As roelbores horas para se tirarem retratos nc
oosso estabeleeimento sao das 8 horas da manhaa i
I da tarde; entretanto de ama hora as 5 da tarde
m casos especiaes pode-se tambem retratar qual-
quer pessoa.
Nos dias de chava, oa por tempo sombro po-
demos retratar, e asseguramos que esses dias sao
os mais favoraveis aos trabalhos de photographia
pela docura e persistencia da loa, e per termos o
noeso terracj construido com taes proporcSes e
melhoramentos, que erada ehovendo jorros ne-
obnm inconveniente ha para fazer-se bellos re-
ralos.
CAFE PURGATIVO
A' ESCAMONEA
De B,N Barral
Pb armacetiloo- b Imlco
A utilwlade des porgantes nao soffre demons-
tra ,o alguma; a prescripcao diaria que delles
fazem os mdicos e o uso anda mais frequente
feito pelo publico sao provas irrefragaveis tanto
como a quantidade innumeravel deste genero. So
falla aperfeicoar cada ver mais o modo de admi-
nistracao, de nuneira que conservando a sua ac-
nem asco e sol-r mdo sera receio era perigo.
Muitos porgan.- afamados so devem este bom
xito ao seu ef*< intenso e excessivo. D'ahi o
perigo, porque miaedes de estomago, inflamma-
c5es de entran!... sao inevitavelmente o resulta-
do do sen eropn* .. Nada disso tem-se de recear
om o caf pargavo.
Todos coubecera por experiencia o aroma sua-
ve e o efleito ligeiramente tnico e excitante dn
caf. Elle o melbor auxiliar dos purgantes dos
quaes disfarca o cheiro o sabor e ajada a accao
sollicitando vagarosamente os movimentos peris-
tlticos de intestino, e prevenindo o seu effeito
muito intenso sobre o estomago. Misturado com
escamonea, facilita as evacuaedes com promptido
e sem clicas, e torna-se um purgante brando,
certo, fcil a tomar e preferivel a todos os outros
salvo urna indicacao especial da qual o medico
o nico juiz.
A innocuidade do caf purgativo permute de
emprega-lo em todos es casos simples. Desper-
tando a atona do intestino e activando a secre-
to deste, destre a dnreza de ventre, as vento-
sidades, as flatuosidades e excita o appetite. Em-
pregado mais a miudo, convnzante para eva-
cuar com vagar a bilis e os humo, es viscosos e
e faz dessa maneira desapparecer a enxaqueca,
as dores de cabeca e prev os ataques de sangue
as pessoas que a estes sao predispostas.
MODO DE EMPREGO.
' to simples como fcil. O cat purgativo
deve ser tomado fri, paro oa misturado com nm
poaco de leite fri assncarado, oa agua assuca-
rada. O vidro inteiro a dos ordinaria para
um adulto ; duas colhares de caf bastara para
as senboras e para toda e qualquer pessoa que se
por fcilmente.
. ara as enancas de 8 10 anuos, a metade do
vidro suficiente ; de 5 a 8 aonos, urna colher
de caf, e a qnarta parte do vidro smente abai-
xo desta idade contra a gosma.
E* por isso d'uma administracio muito mais
fcil do que es biscoutos, chocolates ou bolos
purgativos.
Da-se immediatamente depois leite quente as-
sncarado ou caldo leve, e duas oa tres chavenas
de cha preto ou de tilia.
nico deposito na pharmacia e drogara de
gartholomeu & C. : ra larga do Rosario n. 34.
Na roa do Apollo n. 26, existem bons ar-
mazens alfandegados para deposito de fazendas,
oa gneros de qualqner esperte ou natureza, a
precos razoaveis : quem precisar dirija-se ra
ra do Bom Jezns, outr'ora das frutes n. 6.
Hassa de plvora*
Valdevino da plvora tem para vender em seu
armazem na ra Imperial mas-a iogieza muito
boa e .abocas de diversas grossuras e por preco
muito commodo.
hentem 8 do crreme entre as ra da Gamboa do
Carmo, Cabuga, Imperador e Di-eita, orna pulsei-
ra com qaatro nos de coral, caixa de ouro circu-
lada de purolas : quem a acboa pode entregar na
roa Augusta n. 43 que ser generosamente recom-
pensado. _________
Amanhia domingo 11 do corrente baver
carne de i>j o de carneiro, da raeibor do mercado,
ao Recite, neceo d > Capello n. 3 ; promette se
servir bera a todos e ter jeropre carne gorda a 400
ya o kilo.________________________
Desapparecei da casa do abaixo assignado,
orador na ra Direita n. 4i, nm relogio orisontai
* urna tarja de prata, gr8n1e, smbolo de urna ir-
asaadade : quem eomprou, querendo resiitui-ln, I
paga-so toda a de-poza guana-a legrtdo. I
m\ no oo
Ra do Bai-ao da
Victoria,
Outr'ora ra Nova n. 63 e cas os
do costume.
ltilhetea garantidos pro-
vincia.
O abaixo assignado acaba de vender entra 01
seo: muito feliz.-? bilbetes a son de 9004000 em
um meio bilhete de n. 801, e um meio de n. 3291
com a sorte de 4001, em meio bilhete do n. 2951
com 100/, alm de outras sortea menores de 401
e 201000 da lotera que se acabou de extrahir
(194), podendo seos possuidores viran reeeber,
que promptamente serio pagos.
O mesme abaixo assignado convida ao respe!-
tavel publico para virem ao seu estabeleoimentt
comprar os felzes bilbetes garantidos, que nic
deixari de tirar qualquer premio como prova peloi
mesmos annuncios.
Acham-se venda os muito felizes bilbetes ga-
rantidos da Ia parte da loteras em beneficio da
igreja da Congregacao do Oratorio, que ser ex-
trahida no dia sabbado 10 do corrente.
JPRECOS.
Inteiro 610001
Meio 31000
De 1006000 para cima.
Inteiro 5*400
Meio 2^700
Joio Joaquina da Costa Lniu.
Aluga se o 2* andar e sotio da casa n. 23
da ra de Santa Rita : a tratar na ra do Quei-
mado n. 2.
Aluga se
um sitio na Tone, com excelleat casa de v ,yenot
e banho i frente desta no rio, sendo p'^oa mo
rada para estrangeiro i ir&tar na rk ao pire!
n.19.
PARA
Santo Antoio, 8. Joito e S.
Pedro,
Souzaa & Guimares, proprietarios da antiga
loja de ferragens roa do Bario da Vicioria n. 39,
antiga rna Nova, veem avisar ao respeitavel pu-
blico e com especialidade a seos antigos fregue-
zes, que j receberam as amostras de um com-
pleto e variadissimo sortimento de fogos artificiaos
para festejo dos gloriosos Santo Antonio, S. Joio
e S. Pedro, garantindo-se a boa qualidadu por
serem das melbores fabricas desta cidade, bem
como nm lindo e tambem variadissimo sortimento
de foguinhos para criancas, os quaes sao proprios
para sali por se tornarem innofensivos, por isso
veem convidar a que venham dar soas eneomen-
das, compromettendo-nos a satisfacer com promp-
tido e zelo, ja pela boa qualidade e j pelo esme-
ro com que se acondiciona qualquer encomenda,
tudo por precos commodo, a contento dos fregu-
zes ; em relacao aos divertimentos, acham-se
tambem venda, livros de sortes, candes de sor-
tes com perguntas e respostas, papel eom versos
para sortes, e as poueo conheeidas tarjeetss mgi-
cas : tudo na ra do Barao da Victoria n. 39, an-
tiga ra Nova.
Hotel da pra^a
PATEO DA RIBEIRA DE S. JOS NU-
MERO 9.
N te novo hotel haver todos os domingos e
dias santificados boa mao de vacca ; i ssim como
ha todos os dias pela manhaa excellente papa da
bem conhecida gomma de milho de Glasgow e
New York, sendo este ultimo alimento mais bara-
to qne em outra qualqner parte. Previne-se que
o cozinheiro desta casa leve bom mestre e emen-
de perfeitamente de sua arte.
N. 9Pateo da ribeira de S. Jos-N. 9
Rival sem tegundo
Rna Duque de Caita* u. 411
Jos de Azevedo Maia e Silva, em saa lo-
j a de miudezas condona a vender tudo
por baratos r recs que t todos admira
Libras delinha de novello, a melbor
possivel.
Duzia de lencos de cassa com barra.
Gaixas de liabas com 30 novellos a
Vara de franja branca para toalbas
Dozas de meias ernas muito boas a
Duzias de meias finas para senbo-
ras a
Duzias de facas e garios Gravadas a
Duzia de palitos segur anca a 120,
2i0, 320 e
Na alhas muito finas, para fazer a
barba a
Caixas com peonas de ac com to-
que a
Gaixas com peonas de Perry fazen-
da fina a
Ditas de dita dito verdadeiras a
Caixas com 20 cademos papel ami-
zade a
Pecas de tiras bordadas 12 metros
'cada urna
Pecas de fitas para coz cem 10
varas a
Pecas de tranca lisa de todas as
cores a
Duzias de liuba fronxa para bordar
a 400 e
Pares de sapatos de tranca a
Ditos de ditos de tapete moito
finos a
Du7ias de baralbos muito finos a
24400 e
Ditas de agu'has para machina a
Libra de pregos francezes a
Resmas de papel almaco superior a
Ditas de dito pautado o melbor a
Gaixas com f abneles fructa a 720 e
Libra de lia para bo-dados a
Carrteis de liaba Aexaodre a
Gravatas de cores mnito fioas a
Ditas prelas pontas bordadas a
Grosas de botoes de madrvperola
para camisa a
Novellos de linha branca, 400 jardas
Duzia de caries de linha branca e
preta e de cores a
Tbesouras muito finas para nnbas
e costura a
Baralbos francezes muito finos a
200 e
Caixas redondas para botar rap a
1500
1000
500
160
34500
44000
5*000
500
1*000
320
800
1*200
70#
1*500
500
40
500
1*800
1*280
2*800
2*000
240
3*600
4*000
1*000
7*000
100
500
600
50G
60
120
500
246
1*200
Casa de campo
Aluga-se um sitio e casa de moradia no prin-
cipio da estrada do encanamento, com dnas sallas
3 quartos grandes, copiar, cozinha (ora, dispen.-a,
mais um qoarto, e cacimba de excellente agua
para beber : i tratar no mesmo Ingar casa de
oitdes amarellos.
Pede-se a um advogado que tem clientella
oesta cidade e propietario, que mande pagar o
anno de alnguel da casa onde teve escriptorio : a
tratar na rna Duque de Caiias n. >. _______
Quem precisar de urna ama ponugaeza para
casa de pouca familia : dirija-se rna do Visou-
de de Goyanna n. 111, outr'ora Mondego.
Monte-pio Brasileiro.
Em observancia ao art. 19 dos estatutos, a di-
rectora manda convidar a todos os Srs. socios
para comparecerem no domingo 11 do correntf
as 9 1|2 horas da manhaa na casa das sessoes,
alien de renoirem a asserablea geral, em que tem
de -ser apresentado o relatorio do segando trimes-
tre 3a actual administracio.
S-eretaria dj Monte Po Brasileiro, < de junho
d? 1*7!.
Jeronymo Brum.
i" iosretario. j
SEGUROS
MARTIMOS "
CONTRA FOCO*
A companhia Indemnisadora, estabelecida
aesta praca, toma segaros martimos sobrt
navios e seos carregamentos e contra foge
em edificios, mercadorias e mobilias ; na
roa do Vigario n. 4, pavimento terreo.
Joaquim Jos Gonpal
ves Beltrao
Roa do Trapiche n, 5, 1* andar.
Sacea por todos os paquetes sobra o banco di
Kinho, em Braga, e sobre os seguintes logares str
Portugal :
Lisboa.
Porto.
Valenca.
Guimares.
Coimbra.
Chaves.
Viseo. 4-i
Villa do Conde.
Arcos de Val de Vea.
Vianna do Castello.
Ponte do Lima.
ViUa Real.
Villa-Nova de Famelicao.
Lamego.
Linos.
Covilhia.
Vascal (Valpasso).
mrandella.
Be]a.
Barcellos.
L QUIDACAO
"Da importante e bem conhecida loja e fabrica de chapeos de sol da ra do BarSo da Victoria, esquina daCamba do Carmo.
O dono daquelle estabeleeimento, querendo acabar com elle at o fim do corrente anno, convida aos seus numerosos
freguezes a aproveilarem a circumstancia para munirem-se por barato prego de todos os objeclos existentes no mesmo, constando
de chapeos de sol de todas as qualidades, tamanbos e feitios, tecidos, armaces e mais aviimenlos para os mesovs, armas do
logo, cotilaria, bengalas, chicotes, e urna infinidade de outros objectos, entre os quaes os afamados afiadores para navalna de J.
Pradines, premiados as exposicCes de Pernaabuco, Londres e Paris.
k

Na Iravessa da ni
das Ornes % % pri-
neiro andar, da-se di-
nhelro sobre penhores
de ovo, prata e brilhan-
tes, seja qaal for a qaan-
fia. Ra mesma casa com-
pram-se os mesmos me-
taes epedras.
A cizaa
LIVROS DE SORTES.
R#.-1*600
L1VRAR1A FRANCEZA.
SUSTENTO RESTAURATIVO DA SAUDE
PELA FARU4HA
A fevalesciere ih Barry
Esta farinha que tio grande use ten) na Euro
pa, muito se reeommenda para as crianaas e pes-
soas debis e copvalescentes. Como medicamento,
inrallivel para os casos prsio de Ventre, he-
morrheidas, ms dlgestoes, azia, amargos de boc-
ea, dores de estomago, diarrha, eoxaqueeas, af-
feccSes de ligado, dos polmoes, dos rins, da bexi-
ga, etc., ete., contendo muito mais principios nu-
trientes e restauradores para os msculos, ervos
e celebro, que, tres veses o seu peso em carne, e
por conseqnencia, de conservar melbor as forras
physicas e moraes, restabelecendo as fnnccSes di-
gestivas estragadas, dar appetite, e convir aos
estmagos ainda dos mais enfraquecidos.
Seu uso 4 tao simples como fcil : a fevales-
ciere du Barry deve ser desfeita e cosida come a
farinha ordinaria, podendo ser usada na agua sim-
ple?, com vioho branco, no caldo sem gordura e
no bom leite, fazendo se anda bolos com manteiga,
leite ou assncar, etc, etc
nicos depositarios em Pernambuco
BARTHOLOMEU & C.
_______34Rna larga do Rosario3i_______
O Dr. Manoel Eoedino Reg Valenca conti-
na no exercicio de sua prrfissio de medi:o a
ra da Gamboa do Carmo n. 21, 1* andar.
MANUEL & C
i.iihAi a MrHrlntr ins une nump.rnims frPPnezeS. OUB em VStd de Sef-lbeS II
Ten co "de participar aos sens numerosos freguezes, que em vista ae ser-mes i commodo, tem
esubelecido urna nova fabrica de chapeos de sol, na ra da Cadeia do Recif n. 9, boje roa do Marquei de Olinda,
onde acharJo os pretendentes, muito avultado sortimento de chapeos de sol de todos os precos, qualidades e por pro-
cos mas commodos do que comporta o nosso mercado: convidam especialmente aos Srs. compradores por atacado
darem, sendo possivel suas encommendas, pois podero assim serem mais bem servidos, visto poderem escolber as ar-
maces as tazendas que a demora da fabricacSo bem diminuta, ^^^^.^^^^r^-^r^r^^^zAiteiraa*:*
mmm
ADVOGADO
gd Dr. Joaquim Correa oe Araujo
67Rca do Impeiudor67
^fc*^ffiS:&i:MSgl
MOFINA
Roga-se ao Illm. Sr. Ignacio V.eira de Mello,
crvao na cidade de Nazareth desta provincia,
favor de vir a ra do Imperador n. 18 a concluir
aquello negocio que V. S. se compromerteu reali-
sar, pela terceira chamada deste fonal, em fin
de dezembro prximo passado, e depois para Ja-
neiro, passou a feverero e abril, e nada enmprio,
e por este motivo de novo chamado para dito
fim ; pois V. S. se deve lembrar que este negocio
de mais de oito anuos, e qoanao o senbor mo
fibo se acbava no es nesta cidade
AOS 5:000*000
fislao venda os felizes bilbetes da lotera di
labia, na casa feliz do arco da Conceico, loja de
mrlves no Reeife._____________________
.tluga-se nm excellente sitio na cidade de
Olinda, tendo muitos arvoredos de fructas, horta
e jardim, com urna fonte de agua de beber, boa
casa de vivenda, com commodos para grande fa
milia, prefere-se aiogar a pessoa esirangeira': nes-
ta typograpbia se dir eom auem se trata
Veneravei ordem terceina
de S. Francisco
Por deliberars da mesa regedora setentieo aos
nossos irmaos,' que estando vago o lugar de ar-
chivista desta veneravei ordem, sao convidados a
apresentarem sens requerimentos no praso de 13
das, de conformidade com o art* 1(6 dos estatu-
tos, os que desejarem exercer este cargo
Secretaria da veneravei ordem terceira de 5.
Francisco do Reeife 6 de junho de 1871-
0 secretario,
Manoel Alves Guerra.
Virgilio de Moraes Albnquerque Maraobso
vai a Europa tratar de sna saude.
Attenefto
O abaixo assignado declara ao respeitavel pu-
blico que ninguem fa<-a negocio algnm eom a ta-
berna si
protesta contra a dissolvioo da soeieiade sem ser
pago e satisfeito pelo socio Jos Amonio da Suva
Braga, fleando na responsabilidade da taberna
quem delta tomar canta. Reeife 7 de junho de
1871.
Francisco Pires Sicate.
Feitor.
Onerece se am portaguez para feitor de algum
sitio: qaem pretender Jinja-se a Santo Amaro,
junto da igreja.
Precisa se de ama ama "para com-
prar e mais servidos em casa de pe-
quena familia estrangeira : na roa
da Gamboa do Carmo n. 19, primeiro
andar. .
Precisa >e de urna ama de Jeite
S. Jorge r. 139) 2 an oa ra de
41 RA DO BMUO DA VICTORIA 41

Neste novo armazem tem nm
.ardo sortimento de fazendas
francezaj, inglesas, allemlas e to-
la todas se vendem por precos
mdicos, afim de acreditar a este
aovo armazem.
Casemiras inglezas,
(rancezas, de todas as
joalidades, brins de
ftres e brancos, colei-
rinhos modernos, cha-
peos de sol de seda,
Inco.
RA
DE
ARRUDA IRMAOS.
Bario da Victoria
MOYA
N. 41.
Assim como tem orna erando
officina de alfaiate, montada con
todos os prepares que ha de melbor,
dirigida por habis artistas, que
pela sua promptidlo o perfeicao
nada deixam a desejar.
Roopa de todos oe
amanos para horneo*
meninos.
Por todos oe paqoe
tes recebem-*e as me-
lbores e maia moder-
nas casemiras qne ba
na Eoropa.
RA
M
Barao da Victoria
uUja na
NOVA
N. 41.
Esto estabeleeimento acaba de soffrer orna reforma radical em acceio, artistas e commodos, e em pontoalidade as enconv
nendas, finalmente em tudo afim de melhor servir os seus numerosos freguezes deixa-se de annunciar todas as fazendas, para
ilo se tornar massanto________________________________________________________________________________________
A Al A Precisa-se de urna ama qne saiba co-
&"* i* zinhar bem para casa de homem soi'ei-
ro : na rna de Livramento n. 6, loja.
Preparase com asseio e promptido em casa
de familia no pateo do Paraso, 1* andar de sobra-
do n. 29 por eima da loja da alfaiate, a entrada
^>elo becco. _________
CASA DA FORTUNA
RA 1* DE MARCO OUTR'ORA DO
CRESPO N. S3.
Aos 20:000^000.
O abaixo assignado tem sempre exposto ven-
da os felizes bilbetes do Rio de Janeiro, pagando
promptamente, como costuma, qualquer premio.
PRECOS.
Inteiro 24*000
Meio 121009.
Qoarto 6*000..
____________ Manoel Martins Finza.______
Companhia Alian DE
3eguros martimos estabelecida
na Bahia em 15 de Janeiro
de 1870.
CAPITAL..Rs. 3,000:000*000.
Toma seguro de mercadorias e dintieiro a risa
martimo em navios de vella e vapores para den-
tro e fra do Imperio. Agencii ra do Com-
mercio n 3, escriptorio de Joaqnim Jos Gon-
Salves Reltrao. ________
CARROSO a IRMO
<
Custodio ios Alves Guimares, nico socio ge-
rente da casa commercial de Guimares, Pontes
& C, desta pra^a, previne quem interessar pos-
sa, que est promovendo a dissolucio da mesma
firma, e entrar em seguida na respectiva liqui-
dado ; sendo que nao ha letras pelas quaes esteja
a tirina responsavel, e nem o annunciante as pre-
tende Armar durante a mesma dissolacao e lijui-
dacie.
CJozinheiro
No collegio da Conceico precisa-99 de nm bom
cozinheiro.
AU
DYVETOT
nica casa neste genero
14-Roa Eslreila do Rosario--l4
Compra e vende roupa feita
nova e velha, objectos de
cosi n ha e de mesa, e
tudo que perten-
Rua do Brum (hoje do Barao do Triumpho)
hs. 100 a 104
DIRIGIDO PELO HBIL ENGENHEIRO
JEOUGE BR1I\
Este estabeleeimento bem montado de todo machioismo necessario, fabrica com a
maior perfeicio e segoraDca qualqner t>bra de ferro para engeuhoho, machinismos e ou-
tros necessaros a agricultura, e tem vindo da Europa completo sortimento de ferragens
para engenbos, pelo qua se faz recommendavel ao publico em geral especialmente aos
Srs. agricultores, visto ter baixado mailo os antigos precos das ferragens para engenbos
que s3o os seguintes:
TTVi..... da forca de i, 5e lOcavallos, os maisaperfeicoados e seguros,
V aporco qae tem vndo a este mercado.
TVTnPTKflft e meiss moendas para canea, as melbores qae ha no mer-
TAXAS, fundidas e batidas.
BODAS dentabas de todos os tamanbos.
MODAS O'AGUA, as mais fortes e bem acabadas qae existem neste mercado.
FORMAS de ferro para p5es de assucar, de todas as qualidades.
FORNOS DE FERRO para farinba.
MANMETROS para vapor. 9
BOMBAS DE FERRO.
CRIVOS para fornalhas.
AP1T0S para vapores.
i-'ORNEIRAS de todos os tamanhos e modelos.
VLVULAS diversas.
CONCERTOS. Encarregam-se de concertar, e reparar com a maior perfeicio, e
commodo preco, qualquer ferragem de engenho, vapor ou outra qualquer obra da sua
arte.
ENCOMMENDAS. Tomara ordem para mandar vir da Europa qualquer machinis-
mo de vapor, ou proprio para agricultura, para o que, se acham relacionados com urna
respeitavel casa de Londres, e comumdosmelhoresengetjheiros d'Inglaterra, sendo
que por laes encommendas se respon?abilisam at ao assentamento e movioaonto efli-
caz dos objectos que Ihes forem encommendados. _____________^__^__
Na pra ;a da Independencia n. 33 se d di-
nheiro sobre" penhores de onro. prata e pedras
preciosas, seja qual lor a quantia ; e na mesma
casa se compra e vende objectos de ouro e prata;
igoalmente se f>z toda e qualquer obra de en-
commenda, todo e qaalquer concert tendente a
mesma arte.
SITIO
AMA
Precisa-se de urna ama para cozi-
nhar para duas pessoas, e mais ser vi-
co interno : na ra da Moeda n..5
COMPANHIA
Santa Thereza.
De ordem da directora sao convidados os Srs.
accionistas a realisarem a 6.* entrada de 10 0/0
at o dia 18 do corrente, no escriptorio do direc-
tor eaixa oEsm. barao da Solada de.
Reeife, 10 de jonho de 1871.
O gerente,
Justino Jos deSouza Campos.
Mudanca rte escripto io
Osadvogados Dr. Vicente Per-Ira do Regie'
bacbarel Jaciniho Patn do Keg, mudaram o'
seu escriptorio da casa n. 28 da ra Duque d';
Caz las (tntr'ora do Queimado) para a de n. 75 na
mesma~rua, l andar, com entrada pelo pateo de
D. Pedro II.
Veode-se um sitio no Arraial, no becco do Bar-
tbelomeu, casa nova, toda envidracada, com csa
de banho, cacimba eom muito boa agua e bomba,
tem qainhentos e tantos ps de arvoredos noves,
taladas de maraenja-asf, o terreno proprio e
torna-se recommendavel por ser peno du novo ra-
mal do mesmo Arraial: tratar no trapiche do
caes do Ramos n. 1, das 10 horas da manhaa s
3 da tarde, ou no mencionado sitio.
Engenho Macaco
Os qoartos do supradito engenho todos se con-
servara de orelhas cortadas, pellados de topetes, cri-
nas e cauda, todo lbreme que. a cauda mostra o
sabugo, alm de um turro triangular no quarto e
queixo do lado direito, estes mmaes so transitara
para a estrada denominada Agua-Preta, em outra
qualquer pane sero lido por furtado, o por con-
seguinle recomendados as autoridades os conduc-
torer.
O Balso assignado, teodo perdido um bi-
3c inteiro i\ 1171 da Ia parte das loteras ne-
cio da igreja da CoDftrrgacio do Oratorio, cu-
ja extraccao se ha le efectuar hoje 10 de junho,
faz tcente a)s Sr?. thesoureiro e cautelli-ias de
qae nao paguem qualquer sorte que por acaso
saia no numero seno a* abaixo assignado.
Recite, 0 de jumho do 1871.
J esa lit'fons de Mello.
AML/%
s II
iie iui ama para
na roa do Brom n. 65
casa de hornera
Precisa so de um bom feitor par* easa es-
trangeira, para tratar de horta e de jardim, paga-
se bem : ca ro do B>m /eu* n. 20.
--K Ponte Velliaj casa nova com porlao de
ferro, wid^ se combo deraca dos maiores e me
llor--
Aviso ao publico
Tendo acabado a rrais de anno, a fabrica inti-
tulada barbalho, o Sr. Jos Gomes de Moraes II-
quidou o resto da louca qae Ihe pertoncia, e boje
se acba em duas casas do mesmo negocio de
louca, sendo o deposito na rna Duque de Caxias,
outr'ora Cruzes n. 2, a outra loja na ra do Ban-
gel n. 53, que para liquidarse acham-se expos-
to por preco mu commodo, segundo as qnalida-
des das pecas, par isto se faz sciente aos preten-
demos e mais freguezes desses dois estabelecimen-
tos afim de a prove lar a occasiio de precos com-
modos, oo so para seu nso, coa o para negocio de
estabeleeimento, sem prep, dinheiro a vista, 6 po-
chincha.

Bernardino Gomes de Carvalbo cordialmea
agradece a todas as pessoas que se dignaran*
aeompanhar os restos mortaes de seu mni presa-
do primo e amigo raajor Manoel Joaquim Gomes
e novamente Ins roga e a todos os amigos do.
fallecido e seus, que por e>quecimeoio deiassem
de reeeber convit para o referido acto (.i* qu*
pede degculpa) o especial obsequio de ouviren>
urna mi?sa qae pelo repouso eterno de sui al-
ma, manda celebrar na igreja de S. Francisco
peas 7 12 horas da. manhaa de terca reir 13
do corrente, pelo que Ihes trtbutar tierna gra
tidao.
EMTO-SE
com asseio e perfeicio: atsira como eu-
sinase, todo por commodo pre^o: Iratar
na travessa dos Goararapes n. i.
Precia se de urna am oara eozi-
nbar e comjir.ir : aa raa Nova n. *l,
andar.
.

I




f
AMA?


D trio de Pernambuco S.
Lb.i-' 10
----------------------------!------------------
de Juiho de 1871.
ATTENCO
Ao arniaieui do
Vapor Francez,
na do Bario
da Victoria (on-
Ir'ora na No-
va) n. 9.
>
h
m

Ao aratazeaa do
Vapor Fraacez,
raa do Bario
da victoria (oii-
tr'ora Ma So-
f) n. 9.
Perfumaras, quinquilharias e brin-
quedos para meninos.
Acabam de chegar novas faturas cora importante sortimento dos artigos abaixo
mencionados a procos mais resnmido que possivel.
Cestinhas para braco de meninas.
Balaios para costara.
Casos d'arame pratiado para fratase
pi a[mesa
Ricos artigos de phansia necessarlos
para toilhetes.e proprios de presentes.
Jarros.'e boaquets de porcelana para san-
tuarios.
Registros de papel fino mni ielicados.
Quadros promptos para enllocar vistas.
Moldaras doaradas para quairos.
Estampas de bellas paysagens de cida-
des, de ligaras e de santos.
Espanadore? de penas e de palha.
Carteirs para notas e para dinbeiro.
Caixinha de msica de darse corda.
Ponteiras de espuma para cigarros e cha
rotos.
Grvalas de seda pretas e de cores.
Bengalas de cana com castoes de raarfim.
Ditas de baleia, junco e de maitas quali-
dades.
Pentes finos de marfim para caspas.
Escovas para fado, para cabello e para
denles.
Lunetas cu penclnez de prata dourada.
Ditos de tartaruga e de ac.
Oculos de prata dourada e de ac.
Reverbero transparente para candieiros.
Ditos para lanternas de pianos.
Cotos econmicos para vellas de sperma-
cete.
Cordas par violao.
Purt-pratos para mesa.
Caixinha? de diversos modelot e prego*.
bjectos noves de mgicas o melhor pos-
sivel, para divertir meninos.
Halas, saceos e boleas para viagens.
Eslojos de viagens, completos com nava-
Ibas.
Esporas de metal branco para saltos.
Chicotes fortes com martello para viagem.
Ditos de muitos modelos, de junco e de
baleias.
Lavas de fio de Escocia brancas, e de
cores. i
Ditas de camnrea amarellas.
Machinas para lazer caf.
Globos de papel de cores para illumina-
coes de festas campestres.
Ba!5es de cores, de subir ac ar fcil-
mente.
Jogos de domin, da gloria, visporas,
rodetes, bagatela e outros jogos allemaes.
Esterioscopos cora as mais bonitas vis-
tas, de figuras destacadas e grupos de l'a-
, (Dilias.
Armnicos ou accordions de todos os ta-
manhos e novos modelos eom trmulos.
Realejos pequeos com novas msicas.
Cosmoramas de varios lmannos, com
differentes vistas mu pitorescas.
8
TRILHOS
ftECIFE
RBABOS
Attenpao.
CALCADO
Botinas pan senhoTasduraque branco,
Sreto e de ontras maitas cores escolbidas
o ultimo gost > da moda.
Botinas para meninas igual sortimento.
Sapatinbos Je salto para senboraduraqae
pret >, branco e de cores, e de couro de las*
tro.
Botinhas para criancas, proprias de bap-
tisados.
Botinas de diversas qaalidades para ho-
mem.
Botas russianas para montara, tanto in-
gieras le coaro da Rassia para viagem,
como francezas de Meer, bezerro Uno, pa-
ra passeios.
Meias perneiras para meninos de 10 a 6
an ios. gOr
Sapatos de brim branco para homens.
Sapatos de vaqueU de lastro eom sola de
maieira, proprios para banhos.
Sapatos de borracha para homens e se-
nhoras.
Sapatos abotinados, de differentes modelos,
mui o bons e fortes para uiuaiuos e meni-
nas.
Sapatos de tapete, avelladados, Charlot,
casimira preta, de tranca portuguezes, para
homens, zahoras e meninas.
Perfumaras.
Extractos finos, banhas, cosmticos, leos,
opia as, aguas de Cologne em garrafas de
erystal para iresentes, agua divina, agua
florida, dentfrico lavande, agua de toilet,
Untara para barba e cabellos, pomada non*
groise para bigodes, pos de arroz e sabo -
netes, todo isto de primeira qnalidade, dos
fabricantes Coudray, Piver e Lnbin.
Quinquilharias
Lavas de pellica brancaspreeas e de cores
Espelhos grandes dourados para salas,
quartos e gabinetes.
Leqaes para senhoras e meninas.
Joias de ouro, brincos, transelins, pol-
seiras, s tdes de pnnhos, de abertura, cer-
rantes e chaves le relogio, tado de ouro
bom de lei.
Brincos de plaqu i imilacao de curo.
Correntes para relogio.
Abe toaduras para colletes e para panhos.
Albans de velludo e raarroqum para re-
tratos.
ammadeiras de /idro para enancas.
Caixinhas de costara, novos modelos com
musita, proprias para presentes.
Quadrinhos dourados para retratos.
Toncas e sapatiohos de lia para criancas. j
s
s

Capailas para noivas e para pastoras de
prenpios
Caixinhas com vidros de augme ito para i
ver-se em ponto grande a photographie
dos retratos.
Ps de vidro para pianos.
Thesoarlnhas para eos ara e uobas.
Bolcinhas de seda e de velado.
Brinquedos
O maior sortimento que se pode desejar
de todasorte de brinquedos fabricados em
diversos paizes da Europa para ntrete-
ment das criancas.
D. W. BOWMAN
Engenheiro com
FUNDIQAO
59 RA 1IO BIUU 5*
PASSANDO 0 CHAFARIZ
DO
A OLIMDA
e Beber ibe.
Por ordem da directora convido aos Srs.
accionistas para, no prazo de 8 dias a con-
tar do dia 9 do correte, realisarem a 7*
prestado de suasac.es, da V emissao, na
razJo de 10 %.
Para esse fim ser o Sr. thesooreiro en-
contrado no escriptorio da companbia, das
I l horas da manbia s 2 da tarde de todos
os lias otis.
Recife 5 de junho de 1871.
Joo Joaquim Alves,
i* secretario.
ft&MttM-MPHK.l
Aos fogaeteiros
Na botica Central encontra-se, re*
conteniente ebegado da Europa,
I grande porcao de malba d'aco,
ferro, cobre, e zinco, e da denomi
nada de agolha (filien de Livu )
tudo de superior qnalidade ; bem
como todos os saes e compostos
necessarios para a confecelo de Jo-
gos artificiaos e que s2o actualmen-
te procurados.
BMMM-MMa
A rna Duque de Lanas d. 43 precisa se eom
muita instancia fallar-se aos senhores abaixo
declarados:
Francisco de Paula Helio Brrelo.
Joaquim Teixeira Peixoto Filho.
Manoel Thomaz do Naseimenlo.
Francisco de Paula Borges.
los Gomes de Barros.
los Luiz de Franca Torre-.
Francisco da Costa Camino.
Sebastiao Jos de Barros Barreto.
Eslevo Jos Ferreira.
Csrlcs Jos. Dias da Silva.
Joao de Barros Netto.
Carlos Jos de Soaia.
Pedro Dias dos Santos.
Joaquim Jos de Camino Cabreira.
Antonio Correia de Barros.
Andt de S Albnqnerque.
Antonio Jorge Monteiro.
Isiderio de Franca Barros.
Pedro Jos de Souza.
Padre Francisco Virissimo Bandelra.__________
Fiortsdegomma
Aprompa-se com asseio e presteza qaalqaer en-
commenda como sejam, ramos e bouqaets para
bolos, etc., etc.: no pateo do Tergo n. 6._______
CASA DA rORTUlU
Aos 5:0001
Bilhetes garantidas.
A. ra Primeiro de Marco (ontr'ora ra dt
Crespo) n. 23 e casas do costme.
O abaixo assignado, tendo vendido nos seos te
lizes bilhetes om meio n. 2931 con 260*000,
um meio n. 18V5 com 100*000, um inteiro n.
171 com 100*000, e oatras sones de 40* e 20*
da lotera que se acabou de extrahir (194*), con-
vida aos possnidores a virem reeeber na confor-
midade do costme sem descont algnm.
Acham-se i venda os bilhetes garantidos da
1.* parte das loteras, a beneficio da igreja di
Congregarlo do Orate rio (195.*), qne se axtrahirs
sabbado 10 do crrante mez.
PKECOS.
Bilhete inteiro 6*000
Meio bilhete 3*000
Em poreo de (00*000 para cima.
Bilhete inteiro 5*400
Meio bilbet* 2*700
Manoel Martina Finia. -
Precisa se de orna ama para o ser
*ici de orna casa de urna pessoa: a
tratar na rna da Cruz n. 18, terceiro
andar.
Um professor jubilado de Instruccao elementar
saneado nesta praca, presta se a lecclonar nesta
cidade e seas sobarbios por mdico prec,o : a tra-
tar no pateo do Carmo, botica n. 3.___________
Copeiro.
I Offeref e-se um rapaz com pratica de copeiro,
e principalmente de hotel, embora seja para fra
da*>rovincia : i tratar na roa da Roda n. 32.
c O 9 5
* e<*3
a.
m .. m u<
WX1 s c

a. J^,
jflLgradecimento.
A eompanhia Anglo Americana, tendo hoje de
seguir viagem para o sal no vapor francez Ci-
rondf, pelo presente vem agradecer pablicamen-
lo ao 8r. Antonio Carlos do Carmo, digno pro
prietano do Circo Braiileiro, pela obsequiosa coa-
djavaclo delle e de sua valiosa eompanhia, nos
trabamos que honlem a nonte, hooveram no Or-
eo, e desde ja ao mesmo Sr. a a sua eompanhia
todas as prosperidades nao s nesla cidade como
em qualquer lugar que se acbarem. A eompa-
nhia Anglo Americana, igualmente agradece ao
lllnstrssimo publico, peU sna valiosa proteeco
durante o pouco tempe que aqu se aebaram, e
deixaro esta cidade com grandes sentimentos.
Recife, 9 de junho de 1871.
W. Norton.
C. Steele.
T. Ridgway.
G. Ridgway.
__^_^^^^^^ J. Ridgway.
vluga-se
Para escriptorio a sala e dons qaartos do 1 .
dar o sobrado n. 28, roa do Duque de Caxlas :
i tratar na loja.
an-
m2^ioa
3S
*9 8 S '
Injeei'ilo amercina.
Espeelalldade dos pharmaceiitl-
eos Ferreira Hala C.
Esta injeccAo composta especialmente para a
cura das purgares antigs ou modernas, foi com
feliz resallado ensatada petas mais habis e reco
nhecidos mdicos, e por elles confirmado ser esta
njecco a nica que radicalmente cura em meno.-
lempo qualqner agncrrha oa pnrgacio anliga oo
moderna, sem o auxilio de outros medicamentos
E' tambem til as leucorreas oa flores brancas,
quer sejam amigas oa modernas.
DEPOSITO
Na pharmacia americana, roa Duque de Caxias
numero 57.
Trabalhadores
SPrecisa-se de um na fabrica de eerveja
Florentina n. 20.
raa
COMPRAS.
COMPRASE
frascos vasios da tintara jiponeza, e paga se a 80
rs. cada om : roa Duque de Caxias n. 50, e
Mrquez de Olinda n. 51.
Compra se em segunda mao um cofre de
ferr prova de fogo, proprio para guardar livros :
na rna da Madre de Dos n. 22, armazem.
Predios.
Gompram-se duas casas terreas n bairro de
Santo Antonio : qnem tiver e queira vendo-las,
dirija-se a rna Nova n, 22 que acbar com
qoem trator.
Precisa-s6
comprar as Jis provinciaes de 1855,1866 e 1869,
na ra do Hospicio n. 23.
Na ra da Madre de Dos n. 16, loja. com"
pra-se acoges da Companbia de Beberibe.
Bilhar.

Compra-s om bilhar asado, mas em bom esta-
do : quem tiver e qaizer vender dirija-se raa do
Caboga n. 2 C, ou na roa do Rosario n. 31 1* au-
nar, que acbar com quem tratar. _______
Compra-se
um bai manso de carraca que seja novo e sadio
na raa das Martyrios n. i, 2* andar.
VINDAS.
Joaquim Jos Goncalves Beltro (em para
vender no sea escriptorio a ra do Cimmerdo n.
5, os gneros abaixo notados, que vende mais b i-
ralo do que em outra qualquer parte :
Azeitonas em ancorelas.
Amendoas em barricas.
Cate muido em massos de 1 libra.
Chapeos do Chile de boa qnalidade.
Cognac marca raartel frres.
Enxadas.
Farinha de mandi ca de Santa Catharina, sac-
eos de 3 e 2 alqaeires.
Dita da Rahia em saceos brancos.
Dita de dita em barricas, proprias para casas
particulares.
Fio de algodo da Bahia em novellos.
Fonces.
Haxados.
Nozes.
Obras de palhetas.
Papel proprio para cigarros.
Dito azul para botica.
Palitos para denles.
Preges sonidos.
Panno de algodo da fabrica de Todos os Santos
de Pedrws > na Bahia.
Rolhas.
Rap popular da Baha.
Botim em fardos.
Retroz dos melhores fabricantes do Porto-
Tapioca doMaraDhao.
Taiaco smente da Bahia.
Verniz copal.
Vicho do Porto engarrafado, caixa de 12 gar-
rafas.
Dito de dito em barris, proprio para engarrafar.
Dito muscatel, verdadeiro de Setubal.
Dito Bordeaux em caixas de urna dnzia.
Dito de caj em caixas de urna duzia. ____
Bonitas tondas
PARA AS FESTAS
DE
SANTO AUTOPIO
E S. Jeito
CiiEG.UMI PARA A LOJA
DO
A empreiteiros de obras.
Ha para vender na fabrica do gaz ciozas a 500
rs. cada car roya, excellentes para eneber alicorees,
etc., etc. _________^__
AMA,
ma-
PeJe aos senhores de engenho e outros agricultores, e empre adores de
ebiniMM o favor de urna wsila a seu estabelecimento. para verem. 0 novo sorlimento
completo que ahi tera ; pois sendo tuio moito mais barato em tjn& do que jamis te-
ntia vendido, est anda superior em qualidade e fortid5o; o r^j con a iQSpecf3o pes-
soal pode se verificar.
PEDE ESPECIA/. ATTENCO Ao NUMERO E LUG^ft rjE SL'A FDNDICO
Vaprele rolas d'agua ** ***<&*****m
sas circum*Uncas dos senho es propr etarios.
tar4anh(Js convenientes para as diver-
do todos
exister._
os lamanhos as melhores que aqui
Moendas de canna
Rodas dentadas para aD= ^ agua f vapor
Taixas de ferro fundido batido e de cobre.
Alambiques e fondos de alambiques.
Machlnismos T? mandioca !L?0 Bombas
Na raa do Mrquez de Olindi, oa
ora Cadei, n. SO, precisa-se de
ma ama para cozinhar.__________
Rob-snte-rheumatic^.
Remedio efflcacissime contra as dotes rheuma
ticas at hoje o mais eonhecido pelos seos mar
vilhesns resultados.
XAHOPB DB AGRIAO.-E um dos medicamen
tos que sua efflcacia na enfermidades, tosse i
singue pela bocea, bronebites, dores e fraqaeu
no jeito, escrobato e molestias de figado, que me-
lhor tem aprovado.
TINTURA DE MARAPUAMA. A celebre rai>
de marapaama, Caja energa e eOcacia as para-
lysias, intorpecimenlo, etc. etc. maito se recom-
menda.
Todos esses preparados se encontrsm na phar-
macia e drogara de Bartoolomeu oc C., nico de
psito na ra larga do Rosario n. 34._________
Elixir americano
Usado as golas este elixir em um copo com agua
um excedente conservador das gengivas e lim-
peza da bocea, bochechando todas as manhiaj. E'
tambem um poderoso e verdadeiro calmante na<
dores de dentes
DEPOSITO
Ettchovaes para baptisadoe.
A loja d'Agnla Branca rna Daque de Caxias
u. 52, acaba de reeeber lindos enchovaes de dille
rentes gcttbs e preces para baplisados, assim co-
mo'oniWif chapeoaiuhos de fusto primoresamen-
te enfeitadoi para o mesmo flm, no mesmo pas-
seto. Tambem recebeu modernas e bonitas ea-
msinhas bordadas com panhos para senhoras,
golinbas com panhos e sem ellos, Unto de renda
como de cambraia, bicos de seda brancos eom
vidrilhos. _____
COyrUREIRA
Coze-se toda costara de alfaiate e
quer outra, por precx) commodo;
como engomma-se com toda
na ra Aa costa n. 89.
qaal-
assiro
perfeigSo
VEWDESE
ara tourino ja manso do carraca o multo bonito
proprio para tirar raca : no 2o andar do sobrado
da ra dos Martyrios n. 4. ;______
Vende-se
Podecdo t >dos
'ser movidos a mao
.por agua, vapor,
de patenta garantidas..................)ou auimaes.
Todas as machinas
um cavallo castanho bastante grande com qaatro
ps arregazados de branco, muito bom de cabrio-
le!, e um dito preto para carroca : na ra da So-
ledade D. 31. _
Faz qupjquer concert
Formas de ferro
Encommondas
e pecas de que se cosiuma precisar.
de mzcbitiismo a pre^o mui resumido,
tem as me'bores e mais baraus existentea no mr-
calo.
Incumbe-se de mandar vir qaalquer macbinismo von-
"tade dos clientes, lembranlo-lhes a vantagem ile fa-
zerenv soastompras por intermedio de pessoa entendida e qoe em qua'qner necessida-
de pode Ibes prestar amibo.
XAROPE SEDATIVO
de cateas de Laranjat amargas do
BROMURETE DE POTASSTOM
De J.-W. ABOSE, ru dcJ lMBSaint-Paul, Pstrlm.
Todos os Mdicos concordao em que o Bromarse, de Potassium pt
Reunido So Xai
aro tem sobre o
sistema nervoso, tma aeco *ti*m Miman.. Rennido So Xarope Laroze de
Laranja amarga, cuja aeco regenera as ranc^de* do estomago e dos intestinos,
onversalmenle ppreciaJo. Sem receio 'itbidente se pode dar as pessoas adultas,
qnando SOffrem 4c miIm d MrafSo, j viaa 4ige*tTM, o onrom en j*r*J,
auim que para as !>! mom t* Prt>hM. Pan as creaocas, pr ulmu
Deposito m Rio i Janeiro, Cheiolot; em Pernambuco, 9. imi C*;
em aeeio, Fab* Km; em Pe/Aas, Aaiero Ltir;, em Baha, Ba Baaba; em
rorU Alegre, w-riaTilln; em &aranho, rnira a o*; em Ouro Preto, 'WtUnom.
ROB LAFFECTEUR
Apwovsds sbb Mlrassclss* Rusta, Austria e Blgica. 0 arrobe vegetal Lancetear sa autho- I
tundo, he mu snperisr aos xaroaea de cuisier, de LajTey e de salseparrilha. De fcil
digestao, adagraved m paladar, s as ahato, elle cura rad\ clmente aessi snercarlo, u '
afccss dapelk, Issspisjcsu, alporc.a. tanssarns* olcerM, a-roa dege-
crada. eseorbnta, e os accidentes prendos dos M ^"> d* id*Je crtica, da acr-
mi* hereditaria dos humores.
0 arrohs h sspariahnssrts racsmsssidada contra as doenct sypbiliticas raoemtss, iavete-
Chocolate de sade, de Minier
E' pelo sea agradavel gosto e suave aroma que
est clasificado como a primeira qualidade di
chocolate, e com justa razio o procurara como o
melhor de todas as marcas de chocolate conheci-
das. 0 bem eonhecido nome de Menier nos dis-
pensa DEPOSITO
Na pharmacia americana, rna Dnque de Caxias
numere 57.
Vndese por preco mui raioavel, e com van-
tagem ao comprador, o engenho Velho, sito na
freguetia de santo Amaro de Jaboalo, cujo en-
genho acha-se moente e correnta, moendo com
agua do rio Jaboatio, contando cerca de ama le-
gue de torra de sul a norte, com outro lauto, em
narte, do leste a este, com boas obras de casa
de vivenda, de engenho e de purgar e casa para
guardar bagasso. Quem pois, quizer fazer nego-
cio lo vantajoso, dirija se ao mesmo engenho
para tratar com seu proprieUrio, que far todo
negocio._____________________________,
Pos dentfricos americanos
Estes pos -ao os aolcos que reanem em. sua
composicao todas as qualidades ttygiemcas pro-
prias a lar ama grande alvina aos entes, con-
servado delles e fortiticacio das gengivas.
Na pharmacia ameriesoa, ra Duque de Caxias
n. -S7, de Ferreira Maia & C.
FrtT.ca do Btrhalh
A iaijrica tntitulaHa do Oarbalho nao se acabou
ha mais de ann<-, cutno fe acli-a declarado por este
Jortia1. Apenas ella aeahoa de ser devorada pela
chei do rio Pimpa**, fui l/go levantada prximo
ao bmsum lugar pelo mesmo fabricante e traba-
Ihando eom os mesmos bracos: por conseguinte,
nao se obou... egiHCcm [... A liquidacao
feita pelo Sr. lente-coronel iv> de Mo-aes sa-
via de ?r de um WHO de loabas, que amda pos-
suia desde o lemp que a mesnia fabnca traba-
Ihava por conia do mesmo sentidr, isto ha seis an-
uos pouco mais eu menos.
; 0 Dr. Jacio tho Soares
5 Rf-helK
Medico houieopatia
W Tem iwsidfiKia na ra do Imperador a.
S i-'j o coosu.ihiu na mesma ru o. U.
~" Precisa-se de una criadj ecraa
que saiba lavur>' ingommar : u\ ra
gf m n. 7. sobrado.
ou Jvre.
da Passa
Desappatercu h 'j* do' IjoettloS u. O, um
cavallo fus', c .pido : e'ttva gordo e anda mui-
to bem bixo, lem urna marea de ferro o) qneixo
exjnerdo B : quem delle Jer noti'ia ifr.i r'.1.-
comoen-ado.
radas en rebeldes ao mercurio ao iodurs de pol
SAlNt-GERlAIS, roa Richer, II, Pars.
do doctor G1RA0DEA0
Cozinheiro
jtii Ai Pra;a, no largo da tlin-in e 5.
J.i* y. ). vala, precisa-fo de um c.ninberrc, qae
sub bem eveutar o serv;, de sua arte.
Grande

CHITA. PRETA
Paca de chita preta forte com 35 cavados a 1/,
dita lina a 200 rs. o covado, pechinctia : na ra
do 'Crespa n. 3, toja do Guilherme.
PAVAO
ALSACIANAS A 1^200
Cbegaram as mais liadas abadanas .'en-
do orna nova e ele gado fazeoda de la
com bnlbantes listas de seda e baitaote
larga, para vestidos, sendo n'este geoero
o qoe este anno tem viodo de m is gosto
ao mercado, e vende-se 15200 o i ovado
CRANADINAS JAPOREZAS A 800 RS. O COVADO
Chegou para a loja do I'.iv > sta nov
faieoda como nome de granadinas Japone-
zas, sendo nma boni a fazenda de la com
bonitos qoadros do seda, p opria para ves-
tidos, tendo de todas as cores, e vende-se
a 8C0rs o cosdo.
ATLANTAS UViUDAS A 800 RS .0 COVADO
Gbegoo e:ta nova fazenda Com o nome
de allanta, stndo urna delicada faseni'a de
15a, p^ra vestidos, fie venle-.e pelo b;ra-
to preco de 800 rs. o covado.
NOVAS POPELINAS DE SEDA
Chegou para a lija do P,i>5o um grande
sortime to das mais lindas e moderi a->
poupelinas de seda, cem 03 mais delicados
padroes e de muito phantasia, qoe vende-se
por preco moito barato.
CAMBRAIAS BRANCAS LAVRAD.tS A i
Vende-se cortes para testidos de cam-
bnia branca la-rada, sendo fazenda muito
lina, pelo barato preco de $ cada corte,
assim como um grande sortia^eoto de anas
lisas, lapdase tran3paret.tes. que venle-se
por meros do que em outra qualquer pai te.
CAMISAS PARA INVERN
Chegou para a loja do Pavao um grande
s^rt'menlo de camisas escora; en-.-orpadas,
a prova o'agua, sendo prop ias para a es-
taio do in/erne, e vende-se pr prec em conta. ,
TOALH \S ALCOCHO ADAS PARA MESA A 3*800
O Pv5o veede toalhss brancas de fustSo
alcocbcadas, propiUl para mesas, senda
bastante granfes pe'o barato prego de
3i5oOO, ditas encorpadas muito grandes Tg.
"10IDADE.
i Acaba de chegar o verdadeiro inho verde de
uva para em caixa? de 12 garrafas e o acreditado
vinho e^pecialissioio pasto em decimos de pipa ,
j vendedor nico recebedor destes vmhos acha-se
aatori?ado a garantir a eepecialidade dos mesmos:
rua do Vigano n. li, Io andar, escriptorio de
Io Lopes Davim ; onde sempre se encootrara
om deposito de vinho do P irlo t o melhor que
tem vindo a este mercado) em vigessimos d3 pipa
e era caifas de 12 garrafas, que ?e vende por me-
nos preco do que em qualquer oulr- parte. ____
Em tempos modernos nenhum descubri-
mento operou maior rcvolucSo no modo de
curar anteriormente em voga do que o
PEITORTl DE AMU1DITA
TANTO NO TRATAMENTO DA
TOSSE, CBOPO,
ASTHMA, TlIrSICA,
ROUQUIDO, UESFRIAMENTOS.
nnoNCiiiTES,
TOSSE CONVULSA,
DOnES DE PEITO,
EXPEOTUIIACAO DE SANGOE.
Como em I oda a grande serie de enfermi-
dades da GArtGANTA, do peito e dos orgaos
da respiracAo, que tanlo atormentam e fa-
zemsolrera humanidade. A maneira an-
tiga de curar consista geralmente na appli-
car;5o de vesicatorios, sangrias.sarjar ou ap-
plicar exteriormente ungentos fortissimos
compostos de substancias vesicantes, alm
de produzir cmpolhas; cujos differentes mo-
dos de curar, nSo faziam sen5o enfraque-
cer e diminuir as forcas do pobre doente,
contribuindo por esta forma d'uma maneira
mais fcil e certa para a enfermidade a des-
truic3o inevitavel de sua victima Quem df-
jerente e poisto o effei admiravel do
PEITORAL DE ANACAHUITA !
VM E EZ DE IRRITAR, .MORTIFICAR E CACZAF
INAUDITOS SOFFRIMENTOS AO DOENTE,
CALMA, MODIFICA E SUAVIZA A DOR.
ALLIVIA A IRRITACO
DESEMVOI.VE ENTENDIMIENTO,
FORTIFICA O CORPO
e faz com que o systema
Desaloje d'uma maneira prompta e rpida
at o ultimo vestigio da enfermidade. Os
melhores votos em medicina da Europa (os
Lentes dos Collegios de Medicina de Rerlim)
testificam serem exactase verdadeiras estas
leaces analgicas, ou al m disso|a experi-
encia de mimares de pessoas da America
Hespanhola, as quacs foram curadas com
este maravilhoso remedio, sao mais que
sufficientes para sustent.irem a opini5o do
PEITORAL DE ANACAHUITA!
Deve-se notar que este remedio se acha
tnteiramente zonto de venenos, tanto mine-
raes, como vegetaes, em quanto que porm,
alguns d'estes ltimos, e particularmente
aquelles que sao dados sob a forma de Opio
e Acido Hydrocianico, forman a base da
maior parte dos Xaropes, com os quaes t3o
fcilmente se engaa a credulidade do pu-
blico. A Composicao de Anacahuita Peito-
a acha-se linda e curiosamente engarrafadas
m frascos da medida de cerca de meios
quartilho cada um, e como a dose que se to-
ma sd'umacolher pequea: basta ge-
ralmente a applcaco d'um ou dous frasco?
effectuacaopara a de qualquer cura.
A' venda nos esiahelecimentos de A.
Caors, J. da C Bravo 4 C, P. Maorer 4
C, A. A. Barboza, Baithohmeo 4 e na d
Ferreira Maia 4 C, ma doQueimado n. '!
TTENCO
da Victoria lem para vender o se-
cambraia, branecs bordado? o
O Bazar
Ruinte :
Ricos vestidos de
que ha do melhor. .
Saiss de cambraia branca? bordadas muito no-
citas. ..
Camisas de nirim, eambraias e esguiao de liniic
bordada?, Dar senhoras.
Guarnas s br.rda.1a9 para nnhora?.
Luvas de pellica brancas e de core?.
Chapeos de velludo e de seda para trancra e
meninos.
Vc-nde-se p^r ce mm< do preco na ra Nova n. 1
Farinha de milho
Vende se farinha de BJilho, n uidl a vapor, dia-
ria nenie, pelos preeos seguinies: grossa para
aofi e pintos ou pSMarhiho a 100 r?., i:araean-
iea a 130 r-..'para ciifccs a ItWr?.,
i480 : na ra 'lo Cotovcllo 0. i'-
arroba a
om terreno na roa da Hora, estrada de Joao de
BaTro?, cora WO palmos de frente Gara o poenle t
fM a 450 de fondo, com algumas arvores de Trac-
to, por mdico preco : a tratar na ra do Vigano
a. 14,1* andor, esetiptorio._________________
Vende-se um sitio com urna boa casa, no
Pwrto da aladeira, como qaem vai para Ag-uazi-
nta, e>t cercado e muito bem pintado : quem
l>retender dirija-se ao mesmo tugar a tratar om
ajjj dono._____________________________
Vende-se ama canoa nova que pega 1,800
tijvos : naraa Imperial n. VA.
S na raa da Cacimba n. i *e vende arel
rie'inho para cigarro? a 4*800 a resma.
Veude-se o tambem se permuta a posee de
dous terrenos, sendo um na raa da Aurora e ru-
trona ao Hospicio : na roa do Raogel u. 43, 2*
andar.
Vende-se em casa de Miguel Arcbanj, mo-
rador em trras de Masssngana. carnee de capo-
te? brancos, jaca? e bracaaes.
Sitio em Groyana
Veisdte-e Qito ca?aj em Cioyana, que foi do fi-
nido Maaoel Gomes'da Ofnlia : tratar com Do-
mingo* Jof da Caaha L.:ge, ro Kecife ra da
Sanzalla Nova n. 30.
Novidade
4B
de-se ama casa terrea na roa do Jasnio,
ia da Boa-vi-la : .. :.-:ar na raa do Cnde
d'Ea n. i, venda.
Vende se a cas:, tere 16 da ra
Carrorjas : a tratar em Santo Amaro n. 08.
das
Mopas'e casadas
Vende se barato, para acabar, b*n e rendas
do Aracaty : na roa do Vinario u. i6, prlSMira
aodsr. ______
Terreno em Beberibe
Vende-se um terreno em Beberibe de Ba:.\o,
com 60 pal nos di frente o 70 dd fundo, situado
na roa de Santo Aulonio, moiio pr'prio para edi-
ficar nma boa propriedade ; a trslai na iua da
Senzalla Nova n. 3.
Cousas da poca
A poca dos logo, Lolos e sort<..;, e u ''..nipos
sempre inrausavel emquer Mtisfiztr t>das as
exigencias dos apreciadoras do !>>nj s dj lie.'l-1,
tem feiio reunir em seu arotSMB ; raa o lme-
rador n. 8 o seguinle :
Fogos da China e t!o Pe pi'.- -. "i-, os malt
interessantes.
Amendsai eMfeitaia* para I 000 a
libra.
INias dr.*iM-.";idr.= p^l nestn .""
Hanleiea em latas e eio ibra-i i 1 1 a y.ira
bolos.___________^^ ________1
Taberna veufi
Vendiese urna taherna ;;om ponVos fundos, i^m
boa lijcalidde ao baitto Jo Baa-vista : ira! so
na tu de Saito Amaro r, (V 2 andar!
Grande
LIQUIDACAO.
Na ra c!o crespo 11. SMfc-
Loja de Gnllherane.
L5as de cores miadas a IM rs o eovado.
Bramante de linho eom 10 palmos de largura i
2*CliiiaVsScaras e escaras a 160, 268 e 2i0 o ro-
sitas riscados prossian s a 28& o covado.
Ditas chinezas para coberia a 240 o covado.
Cambraia?, organdys roiedas a 240 e 280 o eo-
vado.
Ditas bordadas brancas e de cores para ru-
ados, a 320 o covado.
Ditas bino li finas aU a peM.
Dnas brancas com 10 vara?, a olOOUe J-**.
a peca.
Dita Victoria, a i#a peea.
Mussulina braiic, a 410 rs.o covido.
MadapolSo (raneez, a 6 a peej.
Dito inplez de bom a especial, a -tfOUU. 3#, i-
6 Algodi^i'obo a H, 3*500e S a peca.
Alpaca de cr com lista?, ftienda ?a|ienor a
360 rs. o covado.
Dita branca, com dores miudas matisada? a
500 is. o covado.
Dita preta coa n r bran:a, o 500 r. o ca-
vado. .,,
Diasde cores padroes miudos e odernos a .?i
r?. o covado.
Leudos de cassa com barra de cor, a IW rs.
cada um.
Ditos do liuho enbainhados a 45 a duna.
Cbila, fazenda bem conhecida pela ^ua fortidao,
mais arta que cUiia para rampa de escravo?, a
200 r>. o covado.
Caaemira preta superior, a lioflO o covacw
Coi les de casemira de cor, 3*100, H e .'
Corles de meia casemira, a 1*100.
Casineta prria e de cor, a 500 rs. o eovauV.
Ganga swrsfla lisa e de li-ta, a 'O-w. o co-
vado.
Atgodrio arpo msrea T a o* a peca.
Dase amostra? com penhor. .
Veude-se ou aluga.se um sitio em San 1
Amaro com casa de vivenda para Brande familia,
-n grande viv. in. c queiros, etc., deitando a
} -ra o r' Hebeiiba e o? fundos al a ea-
,..' ^ Amaro : tratar na ma do Coro-
pe la de San. ^ rM .^^u, n. 43
ne! S'.i.vuna, iuii----------------------;r-----
nm Bttiaos fuudii? e
rua i Taima nt\-
*na c
Veott-se 111.ia *.!
em boa taca;ioji'le : a iratif N
mero 87.
Vende-se |?
Urna parellu de carneiro?, grandesjor ,
is, bonitos e mangos, a ra Vi-I.n n
colla e coi- em vellas
Vende-se, a preco mod co, estes irtigos na rna
do Marque: de CHinda o 3i, escriptorio de Jos
Victorino de Rezende ft.C
Ufe



Oatto de rernamimco Sabbado 10 Je Junho le 1871^
VNDESE
Joaquim hsi llinws, ua ra da Crui u. 8, i
andar, vende algodao aroi americanos verdadeiro
pregos americano n. 3-e 4.
nao ha niai cabello forneo.
Tintura japone a.
S e unlea approvada [pelas as academias de
ciencia, reconhecida superior a toda que tem ap-
parccido al hoje. Deposito principal roa da
Cadeia do Recife o. 81. andar, em todas as bo
tic casa dn cabwlleireiro.
A itt BTUNGL
Mempre a Nova Esperanca !
AO BELLO SEXO.
Esta loja bem conheeida pela sna elegancia e
superioridade de seos object is, acaba de receber
muilos artigo para o que respeilosarnenio convida
ao bello sexo a viiiu-ls, afin de compraren! aquil
lo que precisaren) para preparos de vestidos toi-
lete ou tocadores, e mesnr qual.iuer objecto para
fazer algum preiente...|pois que si na Nova Espe
ranea Jearo sdreitos,j pela qualidade e pre-
cos rama veis, e mesmo por que a Nova Barran-
ca ofana-se era nao se impacientar em dar a es-
colher os objecto, proundo-?e com o agrado
om que costo a receber a todos, aflu de que
sainara cora o firme proposito de vollarem ou
maodarem a mesma loja, logo que precisen) de
qualquer artigo porp'queuo queseja.
LVAjB DE PBLLICA.
Roccbeu as do LMnta a* Nova Esperanca para
homens, sen hora e manaos, sendo brancas e' de

NO VID A HE.
Bico de quipnre preto com branco, a Nova Es-
peranza s quem tem f f f
Caixas para joias.
A Nova Esperan^ receben boas caixas de sn-
dalo para guardar joias.
Fitas largas para cintos.
Recabeu as de mu las quarrdades a Nova Espe-
ranza.
Para extinguir panos ou sardas.
A Nova Esperauca tem leite de rosas brancas.
Para tingir cabellos.
-Tem a Nova Esperanca a verdadeira tinta in-
gleza.
Para refrescar a peHe e aformozia-la.
A Nova Esperanca ra Duque de Caxias n. 63,
ende verdadeira albina branca de Lais.
Perfumaras
LIQUIDACAO
NA
LOJA E ARMAZEM
DO
PAVAO
NA BITA DA IMEBATBIZ 60*
DE
FLIX PEREIBA DA SILVA a C.
Os propietarios dest*. grande ejtatwleciBent > tendo em ser ana avallada porclo de
fazenda, e tendo continuado a receber por todos os vaprese navios imnseoss potcao
das mismas, tea revivido toemos GRANDE LrQIDACQ, Sm d deowlr o gran-
de deposito e apurar DiNHEIRO. De todas as faxeadas que se vende bar a u sarao se do
as amostras, Qcando penbor oo te mandan levar em cast das Eiaaaa. familias, asura cosao
as pe-soas que negociaos eco menor escala, n'esteeate e'ecimento se poderlo sor .ir en
pequeas percoes pelos mesmoa prec.s que comprara as casas exportadoras.
.ALFAtl
------------
A' AGUIA BRANCA
SHA DUQUE DE CAXIAS N. 50
(Outr'ora Queimado ft. 8.)
A3 melhores, e do mais conhecido fabricante,
solo francez como inglez, estao expostas venda
:i ra Du-jue de Caxias n. 63, na Nova Epe-
anca.
Extractos, banba, oleo, sabonete?, agoas de co-
lonia, de laranja, florida c do lavande, etc.? etc.,
tudo de superior qualidrde : vende-se na Nova
Esperanca ra Duque de Caxias n. 63.
f f !

PARA LUCTO
O Parao tem um grande sortimento de
fazendas pretis para loeto, como seja: ISa-
sinhas finas para vestidos a 4H0e 4M> rs<,
merio muio leve para vestidos e ronpas
para Inmens 10 e 2*200, alpacas com
lavares brancos, cassas preas lisas e com
braceos, bombazinas pre'as, can toes, e ou-
tras moitas uzeadas todas oroprias para
lulo, que se ven e mais birato qt em
outra qualqoer parle.
CHITAS DE CORES
0 Pava lem re*bi lo grandes sortimen-
ios de cbitas finas, tanto ciaras como esco-
ras, tendo tamben grande sortimento du
mais delicadas percanes miudiobas proprias
para vestidos e roupras de criaocas, e ven-
der por menos da qoe em outra qnalquer
parte, na ra da Jroperatm n. 0.
LENCOS BRACOS A DUZIA 3'00
O Pavao vende fioi simos lencos brancos
j embanhados, em duzia pelo barato preco
Agora sim
A Nova Esperanca, a ra Duque de Caxias n-
63, recebeu ura lindo sortimento de lia para bor.
dar, viudo as cores mais procuradas, branca, pre-
ta, escarate etc. etc. a *lla antes que se acabe I
Tabellas Vermfugas
Este medicam*nto o nico que pelo sen bom
aroma e foato agradavel se torna o mais propno
para a expulsao das lornbrigas. E' fcil de tomar
pona o s.-u gesto igual ao do chocolate, e de
prompto eireito.
DEPOSITO
Pnarmacia americena de Ferreira Maia & *C, ra
__________Du'|u:i de Cxias n. 57.
Jabonete 'Je alcatrao,
Este novo preparado applicado com grande
aproveilamento coolra as molestia i de pnlle ebro
nicas e rebeldes eropigens, manclias escuras ou
pannos que Ten anrjsloe peito, borboltu*, sar-
na, lepra e comlcboes, mesmo aquellas que em
eerta* pares delicalas do eorpo tanto morlificam,
nualrneol! o use continuado desle sabiuete coo-
tnbue para tornar a pelle asss mimosa. E' igual-
mente efflca; para amaciar a pelle do rosto ou
oolras partea do corpo, que por motivo de erysi
pellas beam asperaa e escamosas. Preco de cada
abnete \0 rs., em dunia se far abatimenln.
(Juico deposito em P^rnambujo, pharraaca ame
tic.du \ IVrreira Haia & C, ra Duque de Caxias
:.. ..7, .!)'ii.M do Queimido.
DE
VDAGO
nico deposilo
i-liarmficii americana de
Ferrara Maia ^ U, ra Du-
QUra de Caxias n. 57, anti-
K\ do Queimado.
CEMENTO.
O verdadeiro portland. S se vende na
ra da Madre de Deus n. 22, armazem de
Jf5> Manins de Barros.
.....'.
Vende-ae siccos com farioha de mandioca, me
dindo 18 caas, pelo baratsimo preco de 5| cada
aaeeo na ra do Mrquez de Oliuda n. 40 e-
cri[ torio. '
Labras st-'ili as.
Vndese no armazm de fazendas de Augusto
'12!.'^'T8. c- a r"a ln Cotnmerei.i n. 42.
os senhores fogne-
teiros.
NA RA LARGA DO ROSARIO N 34
Vende-se
Excedente limalha de ferro.
i.u liiia di' ajo.
Salitre refinado.
Er.x Ir r-m cinuJo.
E em grral p>do< o preparados
J" San'o Antonio, S. Jj'j e S. Pedro.
para es fjgos
GKAJiiie
COM TOQiiE DE CUPIM.
BnmpaiJo- fino com pequen i t;que de cupim
na oureU, a 400 rs. o oval), pechincba : na
iu du CT( [. i n 20, lija do Guilherme.
de 3(J')0O, e ontras muit-is qoalidides, lnt.
de f s^uiao como de cambraia de linbo, e
cuinezes.
Tajlhas do Porto a i0000 a datia
O PavJo vende su eriores toalba3 para
rosto, sendo de linbo do Porto 10(5000,
ditas de f o-o fazeoda moit) boa 12,0000
n duzia, ditas coal.hoadas a 7)5500 dnzia
ao 640 rs. cada toaltia.
COLCHAS A 300O
O Pavo vende colchas brancas de fasto
sendo bistao.te grand-s pelo barato preco
de 3(31000, ditas de cores muito fioas ...
7000, ditis muito graudes brancas de fus-
t5^ emoito emxirpaJas 60000, ditas de
croxet, proprias paracama.de coiva loa.
ORGAMDYS BBANCO
0 PdVlo receben os mais finse delicados
(njandys braocos para vestido, sendo lodos
com lavorej niiudinbos, e vende se pelo
barato preco de 800 e 1000 i rs. a vara,
fazeoda GUAItDA BANHA
O Pav3o vende orna grande port*5 de
pannos de crochet proprios para encost de
cadeiras, tanto de brafo como de guarnido,
ditas para encost de sof, dita? pjra cobrir
pian >s, assim como ditos redondos para co
brir dierentes movis ou outros q aaesqoer
objectos, e pide-se vender por menos do
que em outra qualquer pane, atteodendo
grande compra que se fes.
CHALES DE MERINO' A 23500
0 Pavao vende chales de merino moito
grandes e encorpalos 2500, ditos
imiucSo de cbinezei 2^500, ditos pretos
de renda com 4 ponas 23 CO.
CHALES PRETQS BORDADOS
O Pa\ao vende os maiores e melhores
chales de me in pretos ricamente borda-
dos com largas franjas de retroz, e vende
por menos do que em outra qualqoer i arte.
CAMISAS PARA HOMENS
O Pari vende um grande sortimento das
melhores camisas iQglezas e fraucezas com
peitos de liobo para todos oj precos e qua-
liisdes, assim como ditas de ditos de
alfjodao para todos os precos e tamanbos,
tendo tambem para criancas, e no mesmo
estabeleciaiente tamben se vende roalas
de linho e algodSo, tendo para todos os
pre;os, assim como meias croas inglezas
para bomens e meninos, que ludo se veade
por preco muito limitado.
C0B11NA0S BOBDADOS
O Pavao tem c nstantcmef.te non g-ande
sortimento dos raalbores cortinados borda-
dos para camas e jace'.la?, que veode-se de
8/SuOO at ao mais neo que oostuma a vir
n'este genero, assim cerno bonitas cambraias
adamascadas, tao tapadas como transpa-
reites, proprias para o mesmo fin, olcbas
da crochtt, damasco para oo as de noivas,
e cortinas, e vende-fe no Bazar oo Pavao
LAASI.NHAS BABATAS
O Patio tem um g ande soitiaento das
mais bonitas lasinbas para vest os, tendo
de todos os precos cores e qaalidades.
cnncip anrlo da 200 rs. rara cima; porm
e t5o grande a qnantiJade que seria enfa
drnba especificar qualiJada por qualidale,
so a vista to freguez e das amostras se lhe
vcuder5o por precos to cmodos que
Dengueo dallara oe fjzer. om vestido de
li por Oo ponco diaheiro.
ALPACAS DE CORDO A 640 R8,
O P.vo veode as mais unas alpaca de
cord'o para vestidos e ronpas de criancas
oelo barato preco de 610 rs. o covalo,
- tjoissimas com os mais hados lavoree
tina
que se encarrega de execatar qualquer en-'
commenda da sna arte vontade do frfr
guez, e o proorietario d'este granee esta-
betecoeto e promerte servir kaii a todo
os frefezea qu# lhe MM-areo) a sos casa.
ALG0D0S1NH0 A 31606 A PECA
O Pavao vende pecas ffafgotfIWiMro Mito toa seMato/teo^iO jarda eaoV
peca, pelo barasettifadlfffclSOO.dilo mui-
t vg9 e eworpado 6JOO0, dito o me-
Ihor que lem vj^do ao mercado, muito en
curpad e largo para lec^s, pelo baralo
precn de 6J500, grande pstnjcha.
NfADAPOLXO A 4*)r30'E 45500
0 Pavo vende pecas de madapoj cora
24 jardas, sendo uzeada moito superior
pelo barato preci de 45500, di aa com as
mes-nas jardas a 4S000, ditas finissinas a
55500,61JOOO 75?W0 e 85000, pecbincha
MADAPOLO FRANCEZ A 105
O PavSo vende pecas de fiaissimomaia-
polSo verdaderamente frahcez, tendo 22
metros 00 20 varas, pelo baratissimo preco
de 105000 peca, sendo fazenda que sen-
pre se venden IlOOO, e liqo la-sf por
este b?rato preco por estar alg.ma cousa
encbuvalbada na pona de (ora.
ALGODOSINHO ENTESTADOS 15 !5280
O PavJo vende verdadeiro algodiosinbo
americano, tendo 7 palmos de largora e
muito encorpado, prepr para IeDcoes
750OO a vara, dito da mesma largora sen-
do trancado e moito encorpado i52o.
BRAMANTES PARi LEiNgOES A 400 2*80035
0 PavSo veide o verdadeiro bramante de
linbo tendo 10 palmos de largora, qne ape.
as precisa para umLncol urna vara erma
quarta, pelo baralo preco de 25400 vara,
dito mefhor de 218 Oe 35000, ten le al
do melhor que vem ao mercado i 35500
e 450OO, assim com) crotones fortes para
lenco3s, sendo urna encorpada fazenda fran-
ceza com 10 pdlmos de largura i 20t rs.
o m8tro, e bramante d'algodo com a mes-
ma largura 15800.
SAIAS BOSDADAS A 45500 E6JO09
O PdVio vende graaie pecincha em saias
brancas ricamente Bordadas, tendo cada orna
4 pannos, e vende pelo bara/o preco de...
45*00 e 65000, sendo fazenda qae sempre
vendea-se por 85 e 10#0OO.
Fazfndis para saias a 1500, 15K0 e l50o
O l'a '2o veade superior faseoda bordada
92eom pregas proprias para Saias, 15200,
15280 e 155(0 a vara, sendo preciso para
urna saia ape; as 3 varas ou 3 1|2.
Aos 3000 corles de eambraia a IfiSM
0 P.,vio vende urna grande porcao de
cortes d cambraia organdys; tanto brancas
como de cores, sendo com listrinbas de
cores tessidas e no estampadas, e liqnida-
se pelo barato preco de 25503, cada corte,
fazenda que vale moito mais.
Aos 2000 caries de eamaraias bordadas a 55001
O Pava^^ende urna g-ande qoantidade
de corles da cambraias brancas bordadas
para vestidos, sendo com os desenos mais
lindos e mais vistosos que tea viodo 10
mercado, tanto em lislras corridas como ada-
gooaes, e c m muita fazenda para nm ves-
tido, e liqoida-se pelo baratissimj prtc' de
55000, sendo fazenda de muito maior va-
lor, grande pecbincha.
; CAMBRAIAS
O Pavio veode grande qoantidade de pe-
cas de cambraias brancas tapadas e trans-
parentes, taado de 35 a peca at mais
una qae vem ao mercado.
CHITA A 160 RS.
O Pavo vende cbitas largas com bonitos
s ?ns e cores fixa8' P8| barat0 Preco
. 5?'ocovado, grande pechir.cba.
LAASINHAA 160 RS. O CO/AD3
O Pav5o vende bonitas 13asinbas transpa-
rentes pelo busto preco de lO rs o cova-
do, e pajhmcha na ra da Imperatriz 0. 60
CORTES DE CASSA A 25500
O Pav5j vende bonitos orles de cassa
tranceza viudo cada nm em seu papel, pelo
paralo preco de 25500 o corte, ditos muito
Jndw 3#0O0, pechiocha.
CASbAS FRANCEZ \S A 20 RS. 0 CO VADO
O PavSo vende bonitas tissas de cores
para vest ios, pelo baralo preco de230rs.
o cavado ditas fiaissimas com os desenbss
mois modernos qaa'tem v.ndo ao mercado,
pelo barato preco de SO:* rs.
CRETONES
O Pa5o vead finissimos cretooes escu-
res matizados, proprios para vestidos e
chambres, pelo bar*to pre;o de 64'J rs. o
cova Jo, ditos de fl r5es,j)roprijspira co-
MACHINAS PAR4
COSTURA
Cfcegaram s Bazar Universal da ra Njva
n. 2i, um sortimento.de machinas para eos
tora, das melbotes qualidades qoe existe na
America, das quaes moitas j* slo bem co-
nhecidas pelos seus autores, como sejam :
WeHer & Wdson, Grver & Boker Silen-
ciosas, Weed a Itaperiaes e ontras muitas
qoe coft vista deverao agradar aos com
pradores.
Estas machinas teem a vanUgem de fazer
o tra'ialho qie 30cosloreiras podem faz r
diariamente e cosero com tanti perfeic3o
como as mais petfeitas costureiras. Garan-
te se a suab)a qualidadee ensioase a tra-
balbar cora perfeicao em menos de orna
hora, e os precos s5o 13o resumidos qoe de-
vem agradar aos pretendeotes.


\? '->





%
LENQOS BRANCOS PAR.tALGIBEIRA
A Aguia Branca na roa Duque de Ca-
xias a. 50, est vendendo baratamente len-
cos brancos e de tamanbo regolar para al-
gibeira. Os differentes precos de 25,
25400, 25800, 35iOO e 45000 a dozia.
t3o os que de mais barato se pode encon-
trar em tao boa fazenda. Tambem ha ou-
tros com barras de cores fixas, e fazenda
nova mais fina a 45 a duzia.
TOALHAS E FRONHAS
de labyrintho com bonitos desenhos, e per-
feita imitacao do tecido no paiz.
BONITOS ENTREMEIOS BORDADOS
em cambraia tapada, transparente e outros
em pecas de latirs, e proprios para cor-
pinhos, etc., ele.
MEIAS PRETAS PARA PADRES
ditas de 13 de cores para criancas.
PAPEL DE CORES FOLHAS GRANDES
propno para enfeites de bandejas, ba-
I5es, eto., etc. .
TORCAL PRETO, BRANCO E ENCARNADO
em miadas e retroz em carriteis.
Panoramas on stereoscopos em ponto
grande.
Esses panoramas com 24 vistas, bellas e agra-
oaveis, sao nm perfeito intretenimento para reu-
nios de familias.
Objectos para luto.
Bonitos e modernos aderecos pretos com
borlas lapidadas.
Brincos de bfalo, e crystal, lapidados, e
com pingentes.
Correles pretas de borracha.
Contas grossas, redondas e lapidadas para
Descoco.
Vollas de contas, tambem redondas e la-
pidadas, com crozes.
Pulseiras pretas.
BABBETES EM PONTO DE
meia para recem-nascidos.
LIVB1NHOSCOM DESENHOS
para crochet, marca etc.
FOLHAS- DE PAPIS COM DESENHOS
em ponto maior par os mesmos fios.
NOVAS TRANC4S DE PALHA
para enfeites de vestidos de laa.
PERFUMARAS INGLEZAS
A Aguia Branca tem recebido finas par-
fumarias inglezas, sendo extractos concen-
trados de agradaveis ebeiros, pomadas fi-
nas entre as quaes se nota a d'alpaca, agua
da colonia, dita de lavander etc. etc. assim
como finas escovas iogiezas, e opiata pan
dentes. Tambem receben variado sarti-
mento de sabooetes, qne os est veodeado
baratamente.
Caixiohas com 3 saboneles aromticos a
15. ditas com 3 ditos transpareetes a 15
15500 e 25000.
Sabonetes areentos a 500 rs.. ditos t
alcatrao a 80u e 15000 rs. cada nm.
Pasta de amendoa para lavar e amaciar
as maos e o rosto a 15 o frasco.
E assim mnitos ootros objectos de per-
fumaria.
Alfioetes pretos com
elles.
pingentes e sem
Guaruc5es de botes pretos para pnnbos.
abertura e collarinbos.
<
Pcnnas de ac Meo d lan^a
Caixas com urna grosa 500 rs.
MATA MOSCA.
Chegon nova remessa de papel mata
mosca e continua a ser vendido na loja da
Aguia Branca.
1
9

nico legalmente autorisado e approvado
pelo conselho de sade.
NICO DEPOSITO
em
PERNAMBUCO
Pharmacia e drogara
de
BARTHOLOMEU & C.l
34Roa larga do Rosario34.
& 2 ^
f 0 *i
Km
*g 2 i-* o- B cj
t p-
p-
Iara saceos e tognetelron.
NACCOS
PARA ASSl'CAR
CERVEJA DE MABC4
nmr
Engarrafada especialmente para o Brasil.
Charutos de Havana
Lona para velas
Cambraia Victoria
Vendem-se
Em casa de
T JEFFERIES A C.
qo Kua do Oummercio 46
iBRINS DE ANGOLA
OS LEG1TLM0S
Tra/eiu em eada peca um blihe-
te com o nome
. D0S
nicos importa lores
T. JEFFERIES C.
GIIANUE
.


!
m
laitacio de agra-iaoas a 8(0 rs. o covado, berla, sendo fazenda muio encorpada pelo
Ojitos glaces com dlicadas cores e lus barato preco de 8i.O rs. o covado
irosa* como se la 15 nm
tem venda em seos armazuns, alera de outr
rtjeoa d sen nejro io regular, 03 seguinles, que
tandea por precos mais mdicos qae em ou-
w unalquer p?rle :
PORTAS de pinho almofadadas.
GRADES de ierro para cerca.
ESTtRAS da India para cama e forrar sala*.
CANOS de barro francer para espoto.
GiSSO superior em porcoes e a coni-nto.
le toda? a3 quadades.
*A .-..-.:, aa deicarocar algoso. -
U)AAs e brintesda Russa.
k,, ^rW a'uericaao8 Para forro de carros.
V n Y'Ien?D0S muJt bo3 e econmicos.
V.ihu de Bordeaux.
^^iCrtsuperior d' Gaalier freres.
\rxu\i.p,ra18cl1i,s grandes a 330
ASUA florida legitima.
e u:ri
^ende fe urna carro{i em meto uso c
boj dutrvlo-) da mesma, oivo e muito manso : a
tratar ca ra do Drum, no Recite, n. 68, taberna
iras mattas fazendas de go,to e luxo para
resudo, na ra da Iaperairiz a. 60.
POUPELI.VAS
O Pav3o recebeo as mais delicadas e me-
jores poupelinis de soda para vestidos,
om os mais molernos lofores, e outaas li-
zas c^m as cores mais novas qoe tem v'n 'o
e vende-s) 25000 cada covado, assim
cono del cadas sedas de listinhas, tanto
(tara vest los de senhoras como de meninas
q vende-se 25000 cala corado.
SET1NS DE COB
0 Parle tem constantemente uai bonilo
soriiment) djcotiose croslenaples de to-
dai as cores, que vende-se em conta.
ROUPAS PARA HOMisNS
O PavSo tem constanteaienfe um grande
sortimento de ronpa, tanto de pannj como
de bri:s br.nco e decores, d case-
mira<, pn todos os preco* e qaalidades,
e tambem se manda fazer qualqoer peca de
obra om t^do aceioepiomplid5>, para o
que se*tem om perito
ai m<
bos
8Basquinas on casaquinhos a 205 e 25;
PavJo vende bisqainas oocasaqiin
de seda pidos ricamente enfeitades, pelo
baratissimo prec. da 205 e 25^0^0, sendo
muito moderaos, assim cono ditos de cro-
chet e rendas pretas qne se vendeos muito
I em coota. Da ra da Imperairiz n. 60.
Caitas eatraneadas aaraeaberlas a 360 rs. corada
0 Pavao venie chitas entraadas com
delicados desenbos para cobeitcs cu c ni-
nas de cores fixas, sendo fazenda ronito en-
corpada pelo barato precede 360 o cooadO.
ESPABTILUOS A 4580O
O Pavio vende os mais modernos e me-
lhores espartilhos, tenJo de lodos os
manhos, pelo barato preco de 45500
CASEMIRAS
O PavSo ve lie om elegante so.-timento
de delicadas casemiras inRiezjs, sendo to-
das de ISa e muito levesiobas, timo pro-
prias para homeD3 como para criancas e
ditas mais encorpadas, tendo djima e'da
duas larguras, qoe se vende omalsJufato
Ipossivel, amada Imperatriz n. >*
Liquidapao
Fazendiis para S. Jjfio
. c^ft ac's,-de lislras e aaiaa, faienda fina,
a 800 rs, laas de cora a 400 rs. o covado fl
cambraias de cores a 200, 210 e 280 rs
o covado, chitas claras e escuras a 200 e U
240 rs., percalas raiadinhas a 210 e 280 M
rs. o covado, chales de marin l.so a 2, H
ditos estimpados a 4J, um e Sf, ditos
finos a6.madapolao a 3*200 4*, 4*300 am
6 5* a peca, dito largo a 5*30 e C*,
dito elephin fino a 7* e 8* a peca, di' fl
tas de algodao a 3*, 3*500, e 4*500, S|
, brim pardo de liobo a 280 rs. o covado,
8 el* o corte, algodao de li-tra propriJ H
para ronpa de e-cravos a 160 rs. o cova-
- do.loalhas felpudas a 8* e U* a duzia fi
8 cambraia branca fina a 2*o00, dila visto- fl
m na fina a 4*. 4*500 e 5* a peca, chitas *
35 para coberta a 240 rs. o covado, lencos J
M le cassa fiaos com barra de cor a 1*300 1
I a duza.ditos brancos abaobados a 1*600 fia
rs., 2* 2*500 e 3* a duzia, ditos chene- fi
a a 2*o00 a duzia ; de todas estas fa- g^t
zenJas dao-se amostras com pejhor. fia
m ra Duiue de Caxias n. 29, esquina que B
volta para o pateo de Pedro II.
PARA LIQUIDAR'
i l A ,5000 CADA UM
*%^X&ffiJ^**to* **> m carpln
.
mazem
ta-
VINIIO DO PORTO FINO EM CAIXiS
BjJiaetes
muito bons para hiales e barcacas
Bincisde louza
paralava^em de louca era cimbas : vende-se
por mdicos precoi: na ra do Brum n. 92.
Yende-se a armaco da casa da ra Oirtiii
n. propria para taberna ou mesmo oulro qcal-
qqer negocio : quem pretender dirjase mesma.
Aos 8-s. migos.
0 Bazar Victoria, na ra do Baro da Vicloria
(anuga rea Nova) n. 2, receben um rico sortimen-
to de fitas bordadas para dilLrenles graos e para a
festa de S. Joao.
S. Joo
Venle-se formas de ferro superiores para bolos
lna!JIT mU" barat : ra* da i>Peiriz
Cadeiras americanas
com bracos e assentos de pallioha: roa Nova, armazem n. 11.
Fregos americanos
de li 3 pollegadas, proprios para barricas, a 80 rs. a libra: roa Nova, an
Taxas americanas
cabeca redonda de 1/8 de comprimento, proprias para tamaeqoeiros, on ootro qoalaae/
SS' 2 Te deferrn?Pin. a 80 rs. o maco de meia libra, 00 85 a caixa rom 150
macos: roa Nova, armazem n. 11.
\ t VELOCIPEDES
2L??! a8iproprios p!ra bomem' a 20^ cada ua>- ^ graca, mandando-ea vir
costam i 500 cada om : vende-se ra Nova, armazem 0. 1K
Grampos de pao para segurar roupa
sendo de madeira, proprios para prendar a ronpa que se bota a seccarem cordas, a
2*0 rs. a duzia 00 64 a caria con 36 dozias. E' dar, nao vender: roa Rov
.. i ** paiia m%\um \no
nm recebedor e conductor de bagaco da moenda, levando por si o bagaco na distancia
que se qoizer, economisando o trabalbo de duas pessoas. E' talvez o onico que efisto
nesla proviocia^vende-se moito fiarato, roa Nova n. li.
PURRJRINA AMRRICAA
Tinta inalteravel
Para escrever e copiar.
ta nif^TQdav-1, !st? Mp-ecil e ewellonte tin-
mnf m*? b* <>ual,(,,le. fluidez e dnr.cao, co-
rfhPP vsr *, ma,s ,n,,erve' ota qae se co-
nhece. Nj ataca as pennas d'aco e da trea ek.-
cel enles copias. E" prefer.vel a quaiauer ouUa
tima para os livros do comaercio eocnir.eulos;
que arecam de lonca dnracao.
n, IIRIGO DBPOSITO
rF rarmac'f *?er'cana de Ferrara MU A C,
ra Duque de Caxiasfn. 73, antijra *> Qr limado
PERNAMBUCO. '
Wm COLLARES
Vende-se o verdaaefro vmho de Collares, viudo
ltimamente pelo vapor Otnda, em barril de d-
cimo : na ra da M*dre- de Dens n. 28.
Quartinhas da TJahia
Tde s quartinhas da Baha ew j porclo e l
: na ra do Imperador a y 7.
e foneS^""--P^^-*"*<
ATTENCAO
Tende-se ferjaj prea navo a M o n:eio;eca-
lilrt a ceblas novas em reste a 98 rs. o canto, e
7*500 o raithtiro ; na coa de Pedra AlfcoacD. I
(amiga ra da Praia).
Veodenia
urna balanca para anaaieua, oacreafea e braco d>
torco ersenas Aaaaaraiin: m rna do Vitarlo b U
e roroeiioos para meatnos; na JUl j
i^:a-
si
Cera de carnauba
Vende-se por preco commodo : a roa do Amo-
-<. armaiNB a. (0.
IkT7
fr


Diario (e Peraambuo fH HaklAto .10 Junho le 1871.


\!


Ih
r
II '
7
CYSNE
64 RIJA DA MPERATRIZ % U
DE
FIGUEIREDO 8: LOPES.
Est nova loja acha-se completamente sortida de fazendas de gosto de lodas a
nulidades, tanto de seda como de 13a, lioho e de algod3o, e desejando seus proprie-
tanos dar sabida s mesmas est3o resolvidos a vende las por presos t3o mdicos e
eommod?dos io interesse.de todos que por certo agradarSo aos prelendentes.
Os proprietaros desta Ir ja convidara, por tanto, s excellentissimas familias,
aos mascates e tolos em geral, a visitarem soa supradita nova loja e se offerecem
a dar as mostras e mandar as fazendas s casas, promettendo toda a commodidade nos
precosjB sinceridade no trato.
Casemira de cores
Temos nm bonito sortimento de caseroi-
ras de cores e pretas, que vendemos muito
barato,-assim como um-sortimento de pan-
nos pretos.
Casimira de Vienna.
Ha casimiras de Vit-nna com xadrez, gos-
tos bonitos e de snperkr qualidade.
Tapetes.
Tfmos lindo? tapetes para guartigSo de
sala, desde os miores at os menores, e
os precos s5o baralissimos.
C rdoailos
para cama e janellas.
Temos o melhor sortimento deste artigo,
tacto para cama como p*ra janellas, os pre-
sos sao por menos que era orara parte.
Tambem temos cambraia para cortinados,
que vendemos por barato preco.
Fustes trancos.
Temos lindos fustSes brancos-. com listri-
nhas, pnprios para roupas de meninos e
raesmo de seahora?.
Cortes brancos de cassa
Recebemos cortes brancos com listra bor-
dada, proprios para bailes, azenda nova e
de bom gosto, baratissimo.
Coixas brancas e de cores.
Temos coixas brancas, grandes e peque-
as, e tambem temos de coras de superior
qualidade e barago prr-co.
CHALES.
O Cysne. tem ora bonito sortimento de
chales de merino de cores e pretos, com.
franjas de seda, e entre estas qualidades ha
ans que vendemos por 20500, e que seu
preco foi de 4Jti 00.
Espartilhos.
na espartitbos de todos os tamanhos e
das melhores qualidades.
Cambraias de cores.
Temes cambrias de cores-proprias para
roupas de meninos e de senhora de lindos
padroes e ptima qualidade.
Meias para homens e senboras
O Cysne tem comp'eto sortimento de
meias, tanto para homens como para se1
nboras, meninos e meninas.
Fazendas para loto.
Temos fazendas para luto, de todas as
qualidades, como sejato : alpaca, conlSo
prlnceza, merino, cimbraras, I3as pretas!
etc. etc.
Cambraias brancas.
Ha um completo sortimento fle orgndys1
com listra asselieada de lindos gosts e mo
dernos.
Grosdenaples preto.
Ha nm completo sortimento deste artigo
qoi vendemos por precos aratissimos.
CrosdenapIe de cores
Tfmos os mais lindos grosdenaples de
oores de soperior qualidade, que vendemos
por precos barassimos, por termos feito
na gnnde compra.
PoHpelinas do cores.
Recebemos um sortimento completo, tan-
to cora flores como em xadrez, e vendemos
por menos que outro qualquer.
Sedas le cores.
O Cysne recebeu os mais lindos setins
fle cores, tanto maco como de outras qua-
lidades, qoe vendemos por menos que outro
qoalquer.
Alpacas.
Ha om bonito sortimento, t nto lavradas
como lisas e por precos commodo?.
LSs com listra de seda.
O Cysne recebeu '3as com listras de seda
de lindos padroes, e preco commodo.
Ditas lisas de tima so cor a 40
i rs o corado.
Oitas com xadrez padrs muito modernos
pechincba.
VadpoSe.
O Cysne tem um completo sortimento
de madapolSes de todos os precos e duali-
dades. *
Tem/s ama qualidade de madapolJo fran-
c que especialidade, tanto no preco
como na qualiddade.
Camisas bordadas.
Temos camisas bordadas do melhor gos-
lo, proprias para casamento, que vendemos
moito barat.
Camisas fraueezas e laglezas.
Temos camisas desde o preco mais ba-
rato at ao mais caro, e neste artigo temos
ama qualidade que vendemos a 3,$000, e
Ca qoal chamamos a atiendo dos nossos
3zes.
Camisas de flaoetla de cor.
Filemos orna compra de camisas de fla-
neila de cor, que vendemos por baralissimos
pretos.
Ditas de meia de todos os precos; temos
na qualidade muito soperior com listras
de cor, que vendemos bawlo.
Tiras bordadas.
O Cysne tem tiras bordadae largas e es-
treitas, assim como, ntremelos rordados,
Upados e transparentes, que vende por me-
aos que outro qualquer.
CONQUISTA
Ba do Cabng n. 6
DE .
Antonio Francisco- dos Santos & G.
Este novo estabelecimento acaba de receber um completo sortimento de ob-
jectos de gosto e rateramente nevos, a saber;
ARARA
[ESTA YENDERDO O MO DE SUAS PECHINlHiS
NA RA DA MPERATRIZ H. 72
Poupelraas de seda, com lindos dese-
nos.
Ncbresa de seda de cores e preta.
Cortes de cambraia bordados.
Grande soi tmenlo de 13as e alpacas para
vestidos.
Certinados ricamente bordados para ca-
ma.
Granadinas brancas, azenda nova.
Saaa e camisas bordadas para sechora.
Tapetes de todos os tamanhos.
Crochets para caderas e sof".
Colchas de 13a e seda para cama.
Casaqninhoe de gorgurSo preto.
Rices enxovaes para plisados.
Chapelinaa e cbapos para seohoras, o
que ha de melhor.
Lencos de linho, camisas lisas e borda-
das para bomem.
Bramante de linho e aioalhado.
BfBes com as desejadas anquinhas.
Os rroprietarios da Conquista prestam-se a ir ou mandar com qualquer ob-
jecto em qualquer casa qae para isso Ihes mandem nicamente o nome da ra e nomero
da morada.
A SABER
GRANDE ARMAZEM
:
J
LAASNHA A l0R3. O COVADO
Vtnde-se!3>siitas \na vestidos de en-
traras e raenn;--, e'o- barato preco de 160,
200* 400 >s sd;
f ir TAS LAIK7A5 A rOO RS. O COVAD
Vende-se chitas f.Srce aspara vestido de
casa, 200, to, 280, 3-0 e 3C0rs. o ca-
vado.
CASSASFRANCFZASA 2!( RS OCOVADO'
Vende-se a^as francesas i ara venidos
240, ?80, 400 e 440 rs O covado.
ALPACAS HE CORES A SOO RS. O COVADO
Vende-s :il ras te ccres para vestido
de senh< ras a fle 640 rs, o coval^.
BRILHANTINA l'.UAN Jl A 300 RS. O COVADO
la? 35SOO, S&, 63 e 16.
CORTES LE CASEMiRA PRETA A 305OC
Vende-se corts de casemira i rta pira
ca'ca a 305 0. 43 e H pa> a liquidar-&".
CORIES DECAMlRAIA A 2A50
Vndese coites de cambra a do cores
23500 p.ra l'qnidar se
Vecdo-fe 2 r.giftroe lancero fars
gaz, na ra da Imferat'u n. ""
GRANDE LIQUIDA CO
DE ROU'A FE1TA .
Vtnde-so p^litots r!e panno jrtto saetas,
a 63, 83 e 103, di'of ce caroira de cues
53 e 63, diktds albaca preta ?3 e 43,
CHRYSTAES

DE
!
PF REIR, IRMAOS
Ra Primeiro de margo n. 15, oulr'ora.rua do Crespo n. 15.
Ao respeitavel publico em geral e particularmente aos seos numerosos amigos
participara Manoel Joaquina Pereira e Manoel Jos da Cos a Pereira, qae acabara de
fuudar um rico e sumptuoso armazem de louca, porcelana, vidros e chystaea ra
Primeiro de Marco, outr'ora roa do Crespo n. 15, seb a razo social Pereira d
IrmJos.
A longa pratica e conhecimentos de que dispoem os annunciantes neste ramo
de commercio, a que, ba muitos annos, se dedicm, os tem habilitado a satisfazer as
necessidades da populacSo desU provincia e suas limitrophes, offerecendo aos consu-
midores maiores vantagens do que qualquer outro estabelecimento deste genero.
O respeitavel publico, dignando se de visitar este novo esiabelecimento com-
mercial, verificar por si mesmo o qoe os annoBciantes vm de dizer
mamam m mmmmmwmm m m
'A'Arndfm
"* ***v' americanos para ladeira e varze.
flimfjc: lio forrn
v^dinab ae ierro
Pqrrrprino


Ra da Imperatriz n. 64.
a i. as ootra8 fazeDdas temos Qae poderiamos annunciar,
nCttonbo ao respeitavel pblico deixamos de o fazer. Podemos garantir que os nossos
precos farao differencas de outra qualquer casa, pois estamos resolvidos a vender oelo
costo, porem dmheiro.
03
M
a-

a>
I vi I
r*

as _.
o
r
c
s.
00
(O
l
O
i
00
B 3
%
2
p >^
S %
s
f
sr. os
o
O.
I n 2
c 9-
as O
ni
g oo a
Q.S S
o
s: 8.1
CTQ B (t
l*
ta m
SLc
O
e
S"
i
II
I? II
f ** t 2
00
9 i 0> ?
O
B
Z_
fb
w
i
B
tr
. te
o cl
l
! E
6
00
3

00
ST-ft
i t
SSo flbalmente ebegadas a esU praca pela segunda vez af verdadeiras preparaceS*
do Dr. Raowat 4 C. de New-York.
-jt^pow de a,<^I>s annos' "" ^ ts ''iflcacSes de Haroburgo e mestno de New-
IS! 5Hr^? eD/ra?a nefte mercado, aproveitaDdo-se do bem merecido ctmceto qut
t remedios haviam alcancado por seas maTavHhasos effeitos consegurram introduzir
, jRodtodo o poblico incanto, com orna rednecSo de pre?o, noHiBcando o verdadein
erito dostas admiraveis preparacoes, imitando as verdadeiras; porm desacreditan-
do-as oom seos sollos effeHos, letobroo-se o autor de fazer a declaracSo abaixo e s
dar diplomas aras que veo *erem os seos legtimos preparados.
P/wwa-se o respeitavel poblico de que as venjadeiras preparacoes do Dr. Ra-
nwAt so se vendem no depsitos cima declarados e trazem om rotulo igual ao desti
annunr io.
Nos abanto asslgnados, declaramos e certificamos, qne os Srs. Raymtrado Carlos Lei-
18 4-lriB5o, r^net, peta venda de nossqs remedios, tanto no dito imperio como no reino de Porto
. noticiamos ao publico, que nao se poder obter os remedios do Dr. Radwat dC
que so preparados no laboratorio do mesmo dontor na cidade de New-York no<
Estados-Cndos), sanio das pese-as qoe podem prodozir a presente certificac3o e sttes
^^'JEHf f?d0Mm' 9UDSrP*a e assigsada do Dr. Radwxv 4 C. e dos Srs. Ray
mondo Carlos Leite & Irm3o como ao p. Todos e cada um dos remedio do Dr Ba--
wrAf dr C. so acompanbados de cdalas semelhantes as que parecem ao p desta cer-
taficsi9ow
jiaainew bem a assignatnra da firma do Dr. Radwat ao p da present
teacfc e oetopare-se can o fac-timik as cdulas eom todos es fraseos caixinhaa.
Radwat d C.
___
-arit
-------
de mi para voluraes e para atierros.
IjS Janeas de pe8ar decB,iM .t90tUk.
hWXOaQ salitre, e ^6 drliohaca.
i? U^CWS americanos para lenha e k< ke
X OriliaS ^ fofropara p3s deasauar.
Tachos


de ferro galvsnisado para assucar]
Cofres deferrCuS-'
Machinas *,,*, ^fc
Machinas d,Mrurtmw.
JuaCinaS de arrolhar gaeratas.
[Estes artigos acbam-se a venda VanAvoo
casa dos importadWes ipure e ^gj va los.
"ST'JSS'.ff- ^erragem geral.

em
Venoe-^e bnibantraa brama 500 rs. o'diio* de bnm decores l#l <, i e
f<8(in 265 30, ditos ce n eia casemira a e 3tf,
FUTO I.E CORES A 3G0 R?. O COVADO! dios fraques de ramstl de o res 84 e
Vtudes) fuajo de cores para vestidos 106, C(>'eies do br'm e u)res Id e
3b' rs o covfd'1. i 1oC0, ditos de casen ira decrese 2CG0
ALPACAS PRETAS A 50 BS. 25. e 3/500, ditos pre os de | sr.no, e
Ver de-se:lpas pretas BjO, 40 e 800, Ca eamirapwt, ?5(0e ''6, di!, s de
rs ditas de list;:s assttia^as boa, para nierL para tato eb obar. loicas do caraira decore, 45
ALGODAO DE LISTA A 160 RS. O COVADO, dUOO e 8^, oitas de ditas prtta, par 6,5,
Vende-se n'gorfo de lista para uopa'6o00, 8-5 e 850O, ditas ce irin ordi:a-
dc pirra**., rO rs. o e vid". rio, l<5, I600, 2d e d'5C0"para acatar,
fim I OMA A 5(0 R O METRO ditas psra lito oe a'paca de cord3", e,prin-
< en.e se I ri-n lur-a panto rara calcas de resa 36 e 3t?50f, ditas azues para ejera-
qnem Irabalba ror ser muito forte, 500ves 5(()rs ditas de slgo<13o do li>ta
rs. (i netM. o itfO rs. n covfdo. 800 rs camisas de rucado jara fnico do
( HALES HE CASSA h SW RS. j raispjrj 8i,0 is. c l0: O, para li.iuiJar-s3,
Ven'"c-be chales d? cassa hrarca 500 rs. j ostras mnitas r< op?s feit; s qre f o *er:do
a"}. r,ra. Isem rcserrsdbpivi', entree>sas roipasfei-
COBERTOHESDEALJOlAO AI#4fO ftar, Um alconas dfei-s, o qce te
cn^'e-^e cobertores de aly< dO l<5*00; vende bhd barato do que ei annuciado.
psr> itflht GOLLIMIAS '-"ARV AC\BAR
CHALS DE MfRWO* ESTAMPADOS A 2 j Verde- e golu,bs pan senboros e me-
Vendese chales de merino ettampados n:nas 100 e 2(0 rs.
i 20X00 e ?W0 rara liquidir-se. igoli.nhasemanguitos para liquidarse
CXRTES DE GA>"GA ESCUBAS A 800 RS. | A SOOPS.
Vnde-se cortes de gao^a para calca de P;ra liqndar-se ven!e-se golinbas
homem 80() r?., para liquidar-se. tra.'passo
LENCOS BRANCOS A
60L0
Vndese lencos brancos 2jk)00 duza,
psra acabr.
BRAMANTE DE LINHO A 280C 0ME1S0
Vende se bramante de linbo ci ra 10 pal-
mos de largara proprio para leoftes
2800 o metro.
COBERTAS DE CHITAS A 2^500
Ven^e-se cebertas de chitas 2^500 cada
i ma.
RESTO DE COLARINHOS
Vende-se cm resto de c larmbos de papel
200 rs. du7ia.
MADAPOLO A 3,52(10 A PECA
Vendc-se prc's de madapol3o mf.stado
a 302OO, ditas ingieras erra 24 ja-das 5.9,
5dC0. 6, f*^5(.0, 16, 8, 91 e 10*.
CORTES DE CASEMIRAS DE CORES A BJ
Vende-se artes de ca emiris de cores
500<.
ALGODAO DE 20 JARDAS A 3,?800
Pra liquidar-se venie-se golinbas de
imito bnni as 5 00 rs. cada urna.
NOVIDADE
Rogs-se a todos o devederes da m;ssa
fall a de Guiou-i ies d Silva, cenomin?do
Jardim dtaDam^s, o favor de vir raldar
su; a contas ou debite s mais breve posrtst
< que assim nSoflzer ser seu nome declarado-
por exterj8o .neste Diario, derij:-.m-se
rea da Imperatriz n. 72.
COMVM LER
Precisa-Sf Miar c-. ra os seg intes Srs a:
negocio que Ihe d'z respeito fecs irteres-
ses, na ra da Im erstriz p. 72.
Angosto Ferrira Mjrii.is Ribeiro.
BaliszarMarques de uliveira.'
Jote Tlionuz 'lo Nascimento.
Manoel da Costa Trav.ssos
."ebastiao An:onio de Albuqi;erqte.
Adelino da SiUa Pinto.
Jo3n Isidoro da Costa Jambozeiro Jonior.
Igna 'o Francesco Goaes.
J u R'bt'rto do Na.-cimerito.
Vende-se picas de algoso wm 20 jar-Feliciano da Cuaba C. de Albuquerqoe.
Os proprietanos deste estabelecimentonico neste generoconvidan ao res-
peitavel publico para cencorrer ao mesara e analysar os variados artigos que existen),
certos de que encontrado, como sempfe, franqueza e sinceridade.
AOS APRECIADORES!
genebra de Hollanda,
Presuntos.
Ditos de lumbre.
Pastis de differentes qualidades.
Vinhos do Porto, Cbery, Bordeaux e
Champagne.
Cognac e*xaropes refrigerantes.
Licores, Chartereuse, Aya-Pana, Crme,
Cacao Cheuva.
Cr eme de Moka,
etc.. etc. etc.
Bol inhos para eb.
Ditos inglezos.
Doce de fructa secca.
Dito crystalisado e em calda.
Cb superior hysson.
Dito dito preto.
Cbocalate de soperior qoal.dade.
Para Santo Antonio, S, Joao e S. Pedro
Amendoas confeitadss, pacis paira sortes de tiifferenles qaalldatfes.
AOS EXPERIENTES i
O verdadeiro vinho da Barrada, chegdo nltimamente peta barca Grutido.
A' IM DO WKUIH l %
Recebe se toda o qvelqoer encojawetfda, tanto da pra?a como do malo, Indo
cora promplido e asseio : a tratar na roa do Imperador n. 28.
POQASTAC.
tem a honra de chamara ttteflcfe do*entendidos, para os segiDUs artigos, que se
acham e.xpostos em sea armazem. (
COLLARES. i
Vinbo especial H conheckto, psra o qoal cbaas aUen3o pariwolar dos amado-
res deste especial liquido, proprio pan todas as est*s5es, visto a simpiCKlade de soa
composicio.
BAIRRADA
FAZEWAS BARATAS
LOJA DO PAPAGAIO
A' ra da Imperatriz n. 40, esquina do becco
dos Ferreiros
DE
MENDES a CARVALHO
Os PQtOS proprietarkis deste bem conbecido estabelecimento, avisam aos sens
numerosos fregnezes e com especialidade s excellentissimas familias, que arabim de
receber tm novo sortimento de fazendas modernas e de esmerado gosto, de sed?, la,
linbo e algodSo, qoe venderlo mais barato que qualquer oulro estabelecimento ; assim
como venderlo as J existentes pelo maior preco que encontrarem, para n3o sccomnla-
rem as antigs com as modernas. Portanto, previnem s excellentissimas Familias amigas
da economa domestica que aproveitem a occasiSo de, com pequeo dispendio, pofle-
rem refazer-se de qualquer fazenda que precisen.
Declaramos rs precos de algomas fazendas, para provar o que dizemos.
Madapol5es de i, 5, 6, 7 e al 10,5000 a peca.
Algod5ozinbo de 25500 a 8,3000 a peca.
Chita a 160 rs. o covado.
Cortes de chita para vestidos a I ,$600.
L'azinhas de diferentes qualidades de 320 a 500 rs. o cevado.
Cortes de percalas com 14 covados a 5006.
Dit >s de cassas, padroes miodiRbos, a 2#o00.
Alpacas com flores de todas as cores a 100 rs. o covado.
Chitas rxas cor de lyrio, de cor fixa, a 360 rs. o corado.
Cortes de cassas com salpicos de cor a 505(0.
Ditos de cambraia branca bordados e de salpicos a !>00u.
Balbes de 13a de cores modernas a 4^000.
Lencos cbio< zes brancos e de cores a 33 a dozia.
Ditos brancos de cassa a r> a duzia.
Chales de mrra lisos e estampados de 205CO a 54000.
Colchas de fustSo, grandes, brancas, a 2)j80 e 4^000.
Bramante de linbo de 2^500 a 2^000 o metro.
AlgodSo enfeslado liso e trancado de 10 a 10400.
Colchas de fu>tSo de cor de 20500 at 60000.
Bros de linho de cor de 500 at 800 rs.
Cassas de cores de padrSes midos o grados.
Batas de todas as cores a 600 rs. o covado.
Flanellj* de cores a 640 rs o covado.
Para loto
Prrcelas pretas a 640, 800 e 10000.
LSazinbas pretas a 440 e 500 rs. o covado.
Cassas pretas a 640 rs. a vara.
Chitas pretas a 300 rs. o covado.
Alpacas pretas a 5(0, 600 e 800 rs. e eewlo, ,
Bombazinas, lisa e trancada, a 16200 e 108cO o covado.
'Merii s trabados e de cordSo para differentes precos.
Ontras murtas fazendas, como sejam : atoa'hados de linbo e algodao, guardawa-
pos pardos e brancos, algodSo enfestado liso e trancado, bramantes de linho e ajgodo
v para lenfss, cortinados bordados para janellas, flanellas e damascos de tjdas as cores.
Officina de alfaiate na loja do- Papagaio
a Almde baver um grande sortimento de ronpa feta de todas as qualidades, tanto
de bros como_dei casemiras, caicas, colleies eplitata, ba nm bonito sortimento mo-
v seba-se igualmente 4*posto apreeraclo rpotli, -e -parihrala
boa pinga.
mwi m ii m W9 i m ue unas como ue casemiras, carras, conetes e paiiiou, Da um Donno soriimemo mo-
Eta qualidade especiil de vinbo, to apreciado pelos entendorss, e com justica, ^rno de CASEMIRAS de cores, proprias pira a estaco, e cortes de gorgurao para
igualmente exposto anreeiirin nnhlia. e narticnlarsMUHe des amantes (ksta cofletes.
RAMOsE
enenli< vr.
* IMS* M ctuu, para roap de wcrMoTa
f. to+4o m nu do Creci b. JO, loja do

Cemento FottkM
*y_^arrtc* 13 arrobas pre$o mais eon-
Talseres flno?, ctV) d bitao(o, 3jW09 da
n>, cothre3 Dais electro-piste a 6 a rtorta, ditas
par* opa a 104 a dozia, para liquidar qne se
vende rxtr estes diniioatos prefos : no'Muren lBe-
. lia eStreNs lo osario *. 1. e PtrtUtt
unte.
i -i
Vende se uma casa.na Ojjv
fWfM* k 1|tb> : I trwt Ba
Caxia o. 35 loja %ar*ro.
do barro
FIGEJRI
E para este -Mceliente vinbo eosi especialidade qne chamamos a aUenc3o dos'
conhecedores da materia, visto as diversas marcas gue temos, Modo das melhores qu
vem co mercado: atjui s com vista.
BAS3
ero barrtl, sendo especialidade ufen iftta, listo ser rindo direotamtDle, por orna en
commenda de om nos so coHega.
QtTEIJOS
do serijo soperiores, meraot A)twb*M18 impwrsltdl, e'^ftta e eoncMliki
-fSfOS.
Ra Estrella c3oftotrio n.% juttl igrja.
f
colletea.
Panos fjnos pretos e azues.
Casemiras pretas moito finas.
jBrins brancos de linho de todas as qualidades.
Ditos pardrs trancados e lisos com listras.
Ditos de cores de todas as qualidades,
Seroulas francezas de linho e algodao.
gamisas francezas e inslezas, bordadas, com pregas, com collarinho sena 1sHe.
i tas de meia de differentes precos.
Ditas de flanella, brancas e de cores, para osar por baiio.
Ditas inglesas para meninos.
Chapeos de sol de seda para 8, 10 at ISJOOO.
Collarinhfts e ponbos de linho.
Grande sortimento de gravatss, mantas de serla pretas e de cores, e um fi*M
sertimento de popelinas de cores, dos padrtas mato modernos qoe tem rindo ao artr-
Fornetsmse amostrasonmadanse levtrpeles crslf*.


8
Diario de Pernambuco Sabbmlo 10 de Junhc de 1871
UTTERATRA.
lesejes
AM........
Como a planta, que i sombra delinha
Por fallar lbe d.> sol o calor,
Eu aqu sem a luz de leus olbos
Vou aos poucos morrendo de dr.
Se eu podes-e leu rosto divino
Um instante sijuer contarplfr,
Ou ao menos ouvir la voz,
Temos cantos d'amor entoar;
Saeu podesse, de joellns a leus ps,
Tua imagem forraos adorar,
E assim um suspiro sentir
O lea peito offegante exhalar ;
Si eu podesse le ver descoidosa
A brincar pelo prado co'as flores ;
Oj enla pensativ.i, scismando
as delicias de nossos amores ;
Si eu podesse em delirio arroubado
Entre as miohas prender tua m3o,
E contarte aoouvido os tormentos
Porqoe passa este meu corceo ;
Si eu podesse, te uaiudo a meu p to,
Dar-te um beijona face rozada,
E depois ver c-olate mgtres,
Como foge arolinha assiutada:
Bem diria eis* instante dit. so
(Jue ni vida podera gosar ;
E depois si o vi ver me roubassem
Morrerta feliz por te amar.
(5 de junha de 1871.
A. de A.
VARIEDADE
BARBARA DESTRUICAO DA COLUMNA
VENDME.No dia 16 de maio, as cinco
oras e meia da tarde, cahio por trra em
Pana a columna da praea Vendme.
As tres principion se a puchar o cabo e
rebenlou o cabrestante, levando duas horas
a corop-lo. s cinco horas e meia torno
a puchar-se palos cabos, o ento a columna
cabio sobre o leito de palha e oulras ma-
terias que estata preparado para recebe-I a.
Irainediataraente s preciplou a multido
obre a praga, e, transgredido as orden*,
o cidado Henrique Fortun subi sabro o
monumento e pronunciou 'um discurso.
Entretanto, sobre o pedestal que ficou de
hastearam-se cinc > bandciras vermelhas
entre as acclamacoes da goarda nacional.
CaJa qual queria levar um pedaco do
monumento, que se quebr u em mil peda-
mos; a ordem, porm, era expressa: o
bronze devia ficar e s se permitti i levar o
cimento. Durante o resto da tarde crcu-
loa o povo pela praga Vendme, contem-
plando os restos da columna.
O orgo oflicial do Hotel de Ville celo-
brou nos seguintes termos a deliberago
realisada pela communa :
c A data do 26 florea! ser gloriosa na
historia, porqoe celebra o nosso rompimen
to com o militarismo, essa sangrenta nega-
rlo de todos os direitos do bomem.
c a -.iimmuiu de Par* tioba e dever de
laucar por trra esse symbo'o do despotis-
mo, e curapro-o. Assim demonstra que
coll ca o direito cima da forca e que pre-
ere a justiga ao homicidio, ainda quando
este s ja triumnhante.
No local que' occupava a columna de ri-
bada havia ant'gamente ama estatua eqnes-
tre de Luiz XIV, que foi demolida por oc-
casio da revolugo franceza; em 1806 re-
solvcu Napoleio consgralo memoria
eterna da campanha do anno anterior, que
corooo a sua gloria em Austerlitz. No dia
18 de agosto deste anno collocou-se a p-i-
meira pedra e o monumento ficou canelui
do em quatro annos. sendo os seus archi-
teclos Lepere e Soudoin. Os baixos rele-
vos, principal belleza da columna, foram
feilos por Launay.
Os alicerces sao os meamos que serrram
para a estatal de Luiz XIV e teem 30 ps
de profuudidade. A columna era da or-
dem drica e de pedra, cercada de 428
placas de bronze com baixos relevos que
ormavara a historia'completa da campanha
de 18C5. O bronze pesara 1,800,000 li-
bras, eera o metal de 1,200 canbas toma-
dos em UJm e Vienna. A aliara total da
columna era de 132 ps e 3 pollegadas, e
aubia-se sna exlremidade por urna escada
tm espiral de 176 degros. Custou 400
contos.
Logo que constou em Versailles a destrui-
rlo da columna Vendme, o marechal
Mac-Mahon publicou a seguinte ordem do
dia :
c Soldados I A columna Vendme foi dei-
tada por trra. O estrangeiro respeitoa-a,
a communa de Paris derrobou-a. Homens
que se cbamam francezes, vista dos alle-
mes que nos observara, destroiram esse
testemonha das victorias de vossos pais
contra a Europa colligada.
Esperaro os indignos autores desse
attentado grande gloria nacional apagar a
memoria das virtudes militares de que era
glorioso symbolo esse monumento ?
c Soldados: se as recordages q.-ie a co-
lumna nos excitava nao esto j gravad is
em bronze, permanecero ao menos vivas
nos nossos coraces, e inspirando-nos ael-
las saberemos dar Franca ama nova prova
de valor, de adheso e de patriotismo.
Marechal Mac-Mahon, duque de Ma-
genta.
TERRIVEL EXPLOSO EM PARS -
1,100 VICTIMAS.A respeito da exploso
que houve em Paria,* damos os seguintes
promenores
s seis meos um qaarto da tarde voou
orna quarta parte da fabrica de carinchos
da roa de Rtpp, abalando todo o bairro.
Os vidros saltaram em pedacos at s Tu-
lherias, calculando-se o numero de morios
e feridos em amas 1,100 pessoas. Diz-se
que pereceram aos oitenta guardas nacio-
naes qoe estav^m de servico n aquel le ponto.
o ministerio dos negocios estrangeiros ba-
viam-se preparado 1,500 camas. Os tran-
sentes foram todos embargados para ajo-
darem a desembarazar o terreno e a proco-
rar as victimas.
A fabrica de cartuchos est sita no Cam-
po de Marte, mesmo na avenida de Rapp,
e compooba-se de algumas constrocges h-
geiras de madeira situadas no meio de um
vasto terreno em que se installoa ama fa-
brica de cartuchos ao principio da guerra
franco-allomia. No momento da exploso
ji fe izmente haviam sabido ai operaras,
mas ?indi havia dentro muius pessoas,
cujo numero se ignora. As casas da ave-
nida, ai das ras prximas e at a univer-
siiade solfreram as vidragas e nos tabi-
ques, ficando muitas dellaa em estado de
ruina e os inquilinos feridos.
As oito horas eslava dominado o in-
cendio.
N5o se sabia a que atlribuir o siaistro.
I'allava se da prisaode um bomem em trajo
de .-rtilheiro, que pouco depois da expo-
sao bevava una mecha enxofrada anda
accesa. Accrescantava-sc que poucos mo-
mentos antes da exploso as irmaas do nos-
i tal Inviam reoebido aviso de que se reli-
rassem, e se notara que as operaras da fa-
brica de cartuchos tambem tinham sabido
duas horas antes do costuma.
A Communa allriboio e?ti exploso a
agente.* de Versailles, e em consequeocia
disto foram prosos varios polacos e france-
zes. Entre os polacos figura o nobre con-
de de Zamoiski. A Communa condem
nou-os morte e ia executar a seotenca
qjano as tropas de Versailles entraramem
Par s. E' provarel qoe fossem exe utados
todos juntos com os outros presos, como
diz o lelegramma.
LIBERDADE DE 1MPRENSAIUm dos
decretos com que a communa de Paris ter-
minou o seu eyelo, o seguinte:
A jon a de s ilvaco publica
Determina:
Ari. 1. Osjorn'esa Communa, o Echo
de Paris, a Independencia Franceza, o fu-
turo Nacional, a Patria, o Pirata, o Repu-
blicano, a Recista dos Dous Mundos, o
Echo do Ultramar e a Justica sao e ficam
supprimidos :
Ari. 2. Nenhum novo jornal ou escripto
peridico poder apparecer antes do fimda
guerra.
Art. 3. Todos os artigos devero ser as-
signados pelos seus autores.
Art. 4." Os alaques contra a repblica e
a communa sero deferidos ao tribunal mar-
cial.
Art. 5. Os impressores contraventores
ser3o perseguidos como cmplices, e as
suas ofllcinas selladas.
Art. 6. O presente ser immediatamente
notilicado aos j roaes supprimidos por in-
tervengo do cidadio Le Moussn, comrais-
sario civil delegado para este fim.
Art. 7." A seguranca geral encarrega-
da de velar pela execuco do presente.
Hotel de Ville, 28 do floreal anno 79.
A junta de seguranza publica.
ROCHEFORT E ROSSEL.Sigundo no-
ticiou o telegrapbo, Henrique Rochefort foi
preso no dia 26 de maio em Meaux.
Antes de sabir de Paris mandou desmen-
tir no Motd'Ordre a noticia da sua prxima
partida para a Blgica publicada pelo Gau-
lois.
O ministro do interior calcilou perfeita-
raente que Rochefort se ausentara no mes-
mo dia em que desmenta a noticia da sa-
luda, e par conseqnenca avisou a polica
dos departamentos para redobrar de vigi-
lancia.
Efectivamente, quando ia a subir para o
caminho de ferro partindo para Brdeos, ao
passar por Metz, foi reconhecido pelos gen-
darmes, nao obstante viajar com o titulo
de conde de Saint-Luce. Um commissario
de polica, enviado de Versailles, con iuzio-o
para esta eidade*, onde ebegou no dia 20
ncite. Juntamente coro Rochefort foi preso
outro individuo que o acompanhara e que
nao se saba ao certo quera fosse.
O Gaulois annunca que o cidadao Ros*
sel tinba conseguido passar para a Suissa,
depois de ter sido preso em Besancon, onde
o prefeito, jolgando qoe nao fosse o gene-
ral da communa, parece que o poz em l-
berdade.
O CELEBRE LULLIER.O celebre cida-
dita Lullier, o que den o grito de revolti
em Paris no dia 18 de marco, o que esteve
25 horas consecutivas acavallo edeu 3,6oO
ordens ms 25 horas, e o que foi no prin-
cipio o chefe e o idolo dos vermolbos, tor-
nou a apparecer. Luliier fugio agora da
prisao de Mazas, assim coaio j tinha futi-
do da priso da Concicrgerie. N'uma carta
dirigida ao lappel d a conhecer ?s cir-
cumstancias da sua ultima priso. No dia
16 de maio tinha ido a urna reunio publi-
ca que se cel-brava na igreja de Santo Eus-
taquio para responder aecusaco que se
lbe tinha feito de ter sido a causada parda
do forte de Issy. Os seus boas amigos da
communa estavam na igreja espera delle,
e denunciado por dous agentes, postos all
para esse effeito, foi preso por um piquete
de 3i) guardas nacionaes, que o conduziram
ao carcere de Mazas. Veja-se, diz Lul-
lier na sua caria, a que vieram parar a l-
berdade da palavra e o direito de reanio.
Tem realmante graga a exclamagao de
Lullier I O bomem que aecusa hoje de des-
potas os da commutia, foi o primeiro que a
quiz e o primeiro que governou Pars pelo
despotismo 1
ARTIGO DO GOVERNO DE VERSAIL-
LES.Annunciu-nos o telegrapbo, qoe o
Diario Official de Versailles publicoa no
dia 18 um artigo redondeado a as impa
cenles que estranhavam (pae as tropas do
governo nao estivessem j em Pars.
Este artigo depois de notar as immensaa
dilliculdades que foi preciso vencer para
crear em Versailles ora centro de operagas
militares contra Pars insurreccionado, ter
mina a&sim :
Ha em Pars pessoas moito honradas
que aguardam, gemendo sob ama tyrannia
indigna, que o exercilo entre victorioso, que
se impacieotam que ainda nao tenba entrado,
que s vivem da esperanga de v lo entrar.
Porm alguos, sem deixar de suspirar pela
liberdade de Pars, irritam-se contra as me-
didas que a preparam. Queriam que se
tomasse Paris sem sitia-lo. Nio admittem
que o governo se veja obrigado a asar da
fo;ca para entrar n'uma cidade, d'onde a
forra os impedo de sabir. E cortamente,
se Pars se veio a converter n'uma grande
Bastilha, preciso para libertar os presos
empregar os meios que nicamente podem
fazer render as fortalezas. O governo faz
ludo que humanamente possivel para
deixar inclumes os ionoc otes e circums-
crever os effeitos de urna lata, da qual os
culpados o5o sa por desgraca as nicas
victimas. Porm nao pode fazer m lagrei.
Os que Ih'os pedem demonstram com ai
suas exigencias contradictorias que Ibes falta
adquirir a educago de cidadajs de um paz
livre.
RETRATOS DOsTlEMBROS DA COM-
MUNA.Diz a Fratee que as reparticoes
de polica de Versailles possnem os retra-
tos photograpbicos e os signaos de todos
os membros da communa e dos individuos
mais comprometlidos coa ella.
Urna collecio desses retratos e ignai
foi enviada a cada um dos commissarios de
polica destinados aos arredores de Part e
aos officiaes d alegados nos estados maiotei.
PRCCLAMAgAO DA COMMUHA 5 CIDA-
DES DE FRANCA.
Um delegado da cammuna, o cidadio
Paschal Grooaset, publicou o seguinte ma-
nifest s cidades da Franca:
< Apezar de dous mezes de batalbas Ion
tinuas, Paris nao est fatigado. Paris Iota
sem treguas nem descango, infaligavel, be
roico, invencivel. Paris fez um pacto com
a morte. P.r detraz das fortalezas tem as
muralhas, por detras das muralhas as bar-
ricadas, e par ultimo recurso as casas, que
seria preciso tomar soccessivamente, da-
pora Jo-se antes a faze-las saltar do que
render-s.
Cidades da Franga, assistireis porventura
immoveis e impassiveis a este duello de
morte, do futuro contra o passado, da re-
pblica cootra a monarchia ?
Comprebendereis finalmente qne Paris
o campeo da Franga e do mundo, e qa*
deixar de ajuda-la e tr hi-lo '
Queris a repub'ica, ou ento os vossos
votos nao teem significado alguma; queris
a communa, porq ae deixar de acceita-la se-
ria ablicar a parte qui vos pertence na so-
berana nacional; queris a liberdade poli-
lica e igiaaldade social, porqae o escreveis
nos vossos programmas. Bem vedes qoe
o exercilo de Versailles o exercilo dobo
naparlismo, da centralisago monarchica, do
despotismo e do privilegio, porqoe conbe-
ceis os seus cutes e vos lembraes do seu
passado.
Que esperaes para vos levantardes ? Que
vos impeJe de expulsar do vosso seio os
infames agentes desse goveroo de capitula-
gao e vergonha, que mendiga e compra nes-
le mesmo momento ao exercilo prossiano
os elementos para bombardear Paris por
lodos os lados ao mesmo tempo ?
Esperaes porventura que os Soldados do
direito caiam at o ultimo atravessados pelas
balas envenenadas dos de Versailles ?
Esperaes que Caris se transforme em ce
miterio e cada urna das suas casas n'um
tmulo ?
Cidades que lbe enviastes a vossa adheso
fraternal, dizendo : estamos ligadas a ti do
corago I
Basta de sympatbias platnicas; tendas
espingardas e manico-js, s armas I Levan-
tai-vos cidades da Franca.
Paris contempla vos, Pars espera que o
vosso circulo se aperte em volla desses co-
vardes borabardeadores, impediodo-os de
escaparem ao castigo que se Ibes reserva.
Paris cumprir com o sea dever at ao
altimo extremo.
Mas na a vos es |uegaes delle : Lyoa, Mar
sjl e, Lille, Toloase, Nantes, Bordeaux e
oulras I... se Paris suxumbissa pela liber-
dade do mando, a historia vingadora teria
o direito de dizer que Paris foi desgranado
porque conseniio este assassinato >
CARTA-MANIFESTO DO CONDE CHAM
BORD. O conde Chambord dirigi a um
deputado legitimisla a seguinte carta-mam-
festo: k+^^
c Gomo vos, meu estimado Bife, uststo
com o espirito contristado s crois peripe-
cias dessa abominavel guerra civil que veio
loga apoz os desastres da invasj.
Nao preciso de vos dizei quaato me
associo s tristes refiexoes que ella vos ins
pira e quanlo comprehendo as vossas an
gustias
< Quando a primeira bomba estrangera
rebenlou sobre Paris, s me lembrei das
grandezas da cidade eu que nasci. Saltei
um grito que Io< ouvido em todo o mundo.
Nao poda fazer mais que aquillo, e
hoje como ento estou reduzido- a chorar
sobre os horrores daqaella guerra fratricida.
c Mas ten le confianga; as difllcldades
desta dolorosa empreza nao esto cima do
heioismo do n ;sso"exercilo.
c Dizei-me que viris no maio de bomens
de todos os partidos preoecupados com sa-
berem o que eu quero, oque desejo, o que
espero.
Fazei com que todos conhegam bem os
mais ntimos pensameot di que estou ani-
mado.
c Dizei-lhes que jamis os enganei, que
nunca os enganare, e qoe Ihes peco em
notne dos nossos mais charos interesses, em
nome da civilisago, em nome do mando
inteiro, testemunba das nossas desgragas,
que esquegam as nossas dissenges, os
nossos prejuizos e rancores.
< Prevenios contra as calumnias espalba
das na intengo de fazerem acreditar que
desanimado pelo excesso dos nossos infor
tunios e desesperando do futuro do meu
paiz, renunciei ventara de o salvar.
Ser salvo no dia em que cessar de
confondir a licenga com a libardade, se-lo
ha sobretodo quando nao mais esperar a
sua salvago desses governos aventoreiros,
que depois de algons annos de falsa segu-
rarla, o lngara em abysmos madonhos.
cima das agitagSss da poltica, ha urna
Franga que loffre, urna Franga que nao
p le perecer e que nao parecer; porqae
quando Deus submette urna nago a proras
taes, porque a reserva para grandes de-
signios.
< Saibamos reconhecer ernfim qoe oabin-
dono dos principios a cansa verdadeira
dos nossos desastres.
c Urna naci christa nao pode impane-
mente dilacerar ai paginas socalares da sna
historia, qaebrar a cadeia das soas tradigSes
inscrever frente da sua constituigo a ne
gaco dos direitos de Dos, banir todo o
pensamento religioso dos seos cdigos e do
ensino publico. Nasta condigo, far ape-
nas ama pausa na desordena; oscillar per-
petuamente entre o cesarismo e aaoarcbis,
essas doas formas igualmente vergonhosas
das decadencias paglas e nao escapara
sorle dos povos inflis i sua miisio.
< O paiz bem o comprebenden qaando
escolheu para mandatarios homens esclareci-
dos, como vos, sobre ai necessidades do
seu tempo, mas nao menos penetrados dos
principios necessarios a toda a sociedade
qoe quer viver na honra e na liberdade.
< E' este o motivo porqae, apezar de to-
dos oa preconceitos, todo o bom aenso da
Franga pira monarchia. Os clarOea do
incendio fazem-lhe ver o caminho; sent
qoe lbe precisa a ordem, a justica, a ho-
nestidad?, e qoe a nSo ser a monarchia
tradicional nada disto pode esperar.
c Combatei com energa os erros e ai
preveoges q ae eocontram fcil accesso as
almaa mais generosas.
Dizem qoe en pretendo decretar para
mim mesroa um poder sem limiles.Prouve-
ra a Deus que nao se tivesse cancedido to
livianamente esse poder aqnelles qoe, nos
das da tempestado, se apresentaram sob
o nome de salvadores ; nao teamos que
chorar boje sobre os males da patria.
O que pego bem o sabis, trabalhar
para a regenerago do pa z ; dar o vfb a
todas as soas aspirabas legtimas ;
frente de toda a fimilia de Franga. presidir
aos seus deslaos, submer.endo com con-
fianga os actos do governo a sera aprecia
Cao de representantes livremente eleitos.
% Diz-ae que a mooarcbia tradicional
incompat'.vel com a igaaldade de todos pe-
rante a le.
Repel qoe a tal respeito nao ignoro as
ligues da hisl >r.a e s condig5es da vida dos
povos.
c Como tolerara eu privilegios para os
outros, eu que s pego o de consagra* to-
dos os instantes da minha vida seguran a
e ventora da Franca e soffrer antas de al-
cancar a gloria.
< Diz-se que a independencia do ppalo
me cara e que estou resolvido a obter
para elle eflicazes garantas : dzem a ver
dale.
A liberdade da igreja a primeira con -
diejfo da paz dos espiritos e da ordem no
mundo. Proteger a santa s foi sempre a
honra di nossa patria e a causa mais in-
contestavel da sua grandeza entre as na-
cQes. S oas pocas das suas maiores des-
gragas que a Franga aba idonou aquelle
glorioso patronato.
c Acreditai qoe serei chana ido. nao s
porque sou o direito, mas tambem porqua
son a ordem ; porqoe sou a reforma; por
qoe hei de fundar o poder necessario para
repr no seu lugar aquelle que o na e
governar com a justiga o com as leis, no
intuito de refazer os males do passado e
preparar emfim um futuro.
< Dir-se ha que tenbo a velba espada da
Franga na mo, e no pjilo esse corag i de
rei e de pai que nao tem partido. Nao sj-o
partidos e nao que o voltar para reinar por
Hiles. Nao ten rao-injurias a vingar, nem
inimigos a afaslar, nem fortuna a refaz-jr,
salvo a di Franga. e posso escolher por
toda a parte os obreiros que lealmente se
qoizerem associar a esta grande obra.
< Trago a religia, a concordia e a paz ;
quero exercer a dictadora da clemencia ;
porque as minbas mos e s aellas a cle-
mencia tambem justiga.
Eis, meu caro porqoe nao desespero
e porqoe oo recuo ante a immensidade da
tareh.
< A palavra perrtence Franga e a hora
a Deus.Henrique.
FOME. Um lelegramma, datado de
Bombaim (India ingleza) de 11 de maio
aonuocia qoe no reino da Persia ha urna
espantosa (orne, em consequencia de nao
ter cbovido ha moito tempa niquella re-
go.
Os effeitos da fome eram terrireis ;
morriam mi I bar es de pessoas de i aiga o.
A PENA DE MORTE NA SISSA.Lo-
se o seguinte n'um diario estrangeiro :
No grande conselho soisso est-se
actualmente discutindo um projeclo de le
em dous artigos, pelo qual abolida a
pena de morte. Qoasi toda a sesso do
dia 17 foi consagrada a este projecto, e
com qoaoto fosse apresentada ama propos-
ta, que foi rejeitada, para que a discusso
fosse adiada, ficou approvado o artigo Io
que suprima a pena capital no departamen-
to de Genebra.
A discusso do artigo i" que trata
das modificages a iatroduzir no Cdigo
Penal em virtode da aboliglo da pena de
morte, dever ter lugar por estes das na
referida cmara. >
NOVO NAVIO. Diz urna folha haspa-
nhola, que foi tangida ao mar, com o me-
Ihor xito, o navio intitulado Hespanha,
construido recentemente em um dos esta-
leos prximos de Londres.
ccrescenta o referido peridico que a
embarcago de maiores dimensoes que se
conbece, depois do Liviatan e que se des-
tina linha entre os Estados-Unidos e In-
glaterra.
Mais proporcionado e de melbores con Ji-
ges martimas que o Grande Oriental,
tem telgrapha, machinas a vapor muito
poderosas e camarotes luxuosamante ador-
nados.
ESTATUA A MERCATOR. Foi ultima-
mente inaugurada em Ruppelmonde (Bl-
gica) urna estatua de bronze ao celebre
geograpbo Mercator, nascida naquella cida-
de em 1512 e que morreu em Duisbourg
em 1594.
Aquella solemnidade assistio nao s o
ministro do interior como os senadores e
representantes do departamento.
SUCCESSO TRGICO. Um diario de
Florenca d noticia nos seguintes termos de
um trgico successo que ltimamente se
dea no tbeatro do Prncipe Humberi, da-
quella cidade, em p:esenga do proprio rei
e de grande numero de espectadores:
Represeotava-se urna pantomima inti-
tulada Cipriano la Gola, bavendo n'uma
das ultimas aceas um combate de saltea-
dores e soldados n'uma collina.
c Qaando principion o assalto dos sol-
dados, trocan do-se entre estes e os que fl-
guravam de bandidos um tiroteiode pl-
vora secca, vio-se cahir por trra um da-
qoelles, exbalando um grito. Os especta-
dores, jolgando que a queda lo natural do
comparsa era simulada, nao fizeram caso,
mu a illusl a pouco tempo durou, porque
o sangue principiara a tingir a cabeca do
soldado
c Interrompeu-se logo o espectculo,
levaotaram-se todos os espectadores, algo-
mas senhoras desmaiaram e muitas pessoas
sahiram precipitadamente. O palco foi in
vadido pelos agentes de seguranca publica
e pelos mdicos, entre os quaes se contava
o do rei, os quaes rodearam o ferido, ve-
rifleando-se ento que o infeliz comparsa
morrera instantneamente porqae a bala
fizera-lbes saltar os milos. O finado tinha
19 annos e era typograpbo.
Foi instaurado logo o respectivo pro-
cesso, averigoando-se qoe o successo nao
fra Gibo do acaso, mas de um crime.
c 0 espectculo foi interrompido e a
pantomima prohibida pela autoridade. >
O ROUBO DAS JOIAS EM LONDRES.
Segundo refere am diario estrangeiro, foi
ltimamente levado perant o tribunal cri
minal de Londres Miguel Torpey, o autor rJos
do la fallado roobode jo;as feito naquella
capital.
O aecusa lo confessou o crime do roubo
mas negou outro mais grave qoe tambem
pesava sobre elle, e era o de ter feito aso
do chloroformio oa de ama oatra sobstan
cia idntica para facilitar o roibo.
O juiz declarou que a segunda aecusago
nao eslava provada, mas que o roubo fra
c>mmettido cora orna tal audacia e preme-
ditago, que exiga ora castiga seero.
Miguel Torpey foi condemnado 8 annos
de trabalbcs forgados.
AS IDEAS DE GIRARD1N. Acaba de
reapparecer na imprensa franceza o antigo
e celebre jornalisla Emilio de G rardio,
que se declara agora pelo restabelecimenlo
em Franga dj repblica federal. O seu
prograrnraa coosi.-te em fazer da Franga
urna Uuio de quinze Estados, de dous a
tres mlLoes de habitantes cada um, to
mando por modelo, para a distnbuigo pu-
blica, a Unio americana e a sua constiloi-
?o poltica. O novo peridico em qne ad-
voga estas ideas inlilula-se A Unio Na-
cional.
Eis a frmala do seu programa :
< Coogress) feleral composto de um
senado e de urna ci.mara de representante-.
i Divisa) da Franca em qJnze Estados
Representago local compo-ta de trinta
assemblas.
Soberana para elegas em doras grao a.
< Paz resubelecita entre a communa da
Pars e a assembla de Vcrsailtacs. *
DESORDEN EM ODE5SA.- O peri-
dicos russo3 publican os pormenores de
desordens ltimamente occorridas em Odessa
mitivadaspor urna quisto que houve
porta de um ternp'o grego, entre gr-gos
e israelitas, por estes zombarem do cos-
tme que te:n os marnliero3 de dispara
rem tiros no atrio da igreja. Foi disso
que nasceu o conflicto, e, tomando este um
carcter religioo, f i muito custoso domi-
na-lo pela forga publica.
Durante tres das a povoago foi Iheatro
de scenas sanguinolentas, cnegando o povo
a quebrar os vidros de todas as casas dos
israelitas.
As tropas, para conterem o movimento,
fizeram muitos mortos e feridos, e, segando
um diario da localid<*de, no dia seguinte
Odessa apreseatava um aspecto bem triste.
AUBER.Acaba de fallecer em Pariz,
na avangada idade de 89 annos, o dislioc-
lo maestro Auber, autor da Muda de Por-
ttei do Dominpreto, e de muitas oulras
operas geralmente apreciadas.
Eis algons tragos biographicos do esti-
mado compositor francez.
t Daniel Francois Esprit Auber nasceu
em Caem (Calvados) em 29 de Janeiro de
1782.
c Muito novo ainda, e apesar de ser
destinado ao commercio, aprendeu a tocar
muitos instrumentos, entre ellos piano,
tendo por mstre o compositor tirolez La-
durner, e escreveu alguma; romanzas. De-
pois da urna viagem Londres, onde fra
estudar commercio, regressou su i patria
por |occasio do rompimento da paz de
Amiens, e escreveu os Concertos para baixo,
e om outro concert de violioo, que foi exe-
cutido no conservatorio, onde foi muito
applaudido.
< Auber compoz depois disso a msica
para urna velha opera cmica intitulada Ju-
lia e para outra cujo titulo se ignora. Es-
tas primeiras coaposigesno foram exe-
cotadas sano em theatros particulares, e
priacipa Imente em casa do prncipe de
Ciimay, onde eram muito applauddas.
t Vendo qoe, para seguir a carreira
musical, necesstava de melhores estudos,
cillocou-se sob direcgo severa de Che-
rubini e passado pouco tempo escreveu
alguns trechos de msica religiosa, entro os
qnaes ama missa a qualro vozes, da qual o
Agnus Di servio depois para a preghiera
da Muda.
t S em 1813 que Auber se submet-
leu s provas publicas, pondo em scena
a opera em 1 acto intitulada La Sjour mi-
litire ; mas o mu acolbimento que teve
esta composigo mpossibilitoa-o da Jescre-
ver durante muitos annos para o t'ieatro.
A ruina e a morte de seu pai impelli.-am-o
mais tarde a entregarse seriamente mu-
sica, para tirar della os meios de subsisten-
cia, Principioa a dar 1 gas de piano, e
querndo novamente atirantar a opinio pu-
blica, escreveu em 1819 as operas cmi-
cas. O testamento e Les Ballets doux, qoe
nao tiveram melhor acolbimento que a pre-
cedente. Desesperando j do seu futuro,
voltou a carga no anno seguinte, e a Ber-
gre chlela ne,.em 3 actos, abrio-lhe afl
nal a serie dos seas triumpbos. Emma ou
a promessa imprudente, em 3 actos (1821);
Leicester, em 3 actos (1823), duplamente
notavel pela primeira reunio de doas no-
mes, Auber e Scribe, tornados depois d'is-
so inseparaveis, e pelostprimeiros signaes
da influencia rossiniaoa; A nev, em 4
actos (1824); O macn, em 3 actos (1825),
que se tornou to popular; O tmido, em
1 acto e A Fiurela, em 3 actos, (1825),
collocaram Auber na classe dos composi-
tores da opera cmica mais apreciados do
publico.
< Auber pooz depois em scena, na Gran-
de Opera, a sua mais bella joia, a Moda de
Porlici, em 5 actos (1828).
Em seguida, Auber escreveu um gran-
de Domero de ouvertures, melodas eejros,
que correram por toda a eoropa, tornndo-
se sobremanera notavel am do intitulado
O amor sagrado da patria, qoe foi como
orna segunda Marselheza, e que cantada
dous annos depois por Nourrit foi o signal,
em Broxellas, da revelugo de 25 de agos-
to de 1830.
< Auber escreveu soccessivamente om
grande numero de operas, contando-se en-
tre ellas as seguintes:
c 0 Phltre, tm 2 actos (1831); o Jura-
mento, em 3 actos (183i); Gustavo III, em
5 actos (1833); o Filho prodigo, em 5
actos (1850); a Desposada em 3 actos
(1829) Fra Diavolo, em 3 actos (1831);
Lestocq. em 4 actos (1834); o Cavallo de
Bronze, em 3 actos (1835); o Acteon, em
am acto; a Embaixadora, em 3 actos (i 836)
a mais repetida talvez de todas as operas
cmicas; o Domin preto, em 3 actos
(1837); Zaoetta, om 3 actos (1840); os
Diamantea da corda, em 3 actos (1841); a
Partida do Diabo, em 3 actes (1841); a
Sereia, em 3 actos (1844): a Barcarola,
em 3 actos (1845); Marco Spadi, em 3
actos (1853); orna das menos- apreciadas
pelo publico e pela critica.
Auber lornou se talvez o mais popular
msicos francezes. As soas composi-
C5as sSo. ordinariamente, ligeiras e facis,
quasi sempre graciosas e muito originaes.
To fecando como Rossini, tem mais movi-
mento e brilhaotismo do -que elle, mas
menos distinego, profandeza e energa.
> Entrn no inatitato, para a secglo das
bellas-artes, em abril de 1829, em substi-
tuigo de Gessec. -Nomeado em 1830, pa-
lo rei Luiz Fbilippe, director dos concertos
da corte, succedeu em 1842, como direc-
tor do conservatorio de msica, ao sabio e
laborioso Cherobini. sendo lambem director
de musxa da capeila imperial. Foi nomea-
do cavalieiro da Legio de Honra em maio
de 1825. e commendador em abril de
1847. i
VISITA REGIA A EXPOSICO DE LON-
DRES.De urna correspondencia d'aquella
capital extrabimos os seguintes promenores
relativos visita qoe a raiuha Victoria aca-
ba de fazer exposico internacional de
Londres:
A rainba de Inglaterra visitn pea pri-
meira vez a exposigo, onde f j\ recebida
pelo principe Cbristiaoo, pelo conde e con-
dessa de Flandres, e por muitas outras pea-
soas distinctas. Acompanhavam-a seus fi-
los, o principe Leopoldo e a prioceza Bea-
triz. A rainha Victoria demoroa-se muito
na viiita aos formosos anmaes qoe proda-
|.zem as las para os helos tecidos da Eu-
ropa e da India, urna das secges mais in-
teressant s da exoosico ; visitou depois o
local destinado s machinas, onde se v fa-
bricar os tec dos, as porcellanas e preparar-
se um Brande numero de artefactos, e dalli
dirigi se s magnificas galeras das artes, a
parte mais bella desia exposigo, demorn-
dole, por delerencia aos condes de Flan-
dres, no exame das pinturas belgas, e de-
pois no das escuipluras italianas e dos mui-
tos objectos artsticos qoe foram mandados
da Allemanha e de Inglaterra. Na secgo
franceza, ainda incompleta, S. M. foi recebi-
da pelo Sr. de Sommerard, na da Austria
pelo baraj Wertbeim, ni da Hongria pelo
conde Posner, na da Italia pelos Srs. Bacani
e Gullick, e na belga pe'o baro Kust e von
der Macren. Por occas:o d'esta visita, os
jornalistas encarregados de fazerem a des-
cripgo d'ella escroveram logo um pequeo
art go, qne foi com posto pelos typographos
e impresso com grande rapidez, sendo es-
palhado por toda a cidade. As msicas to-
caram nos jardins dorante a visita da rainba.
< Na exposigioacbam-se j representadas,
alm da Inglaterra, a Escocia e Irlanda, que
enviaram quantos thesouros encerra este
industrioso e adianlado paiz, a Austria, Ba-
dn, Baviera, Blgica, China, Dinamarca,
Egypto, Franca, Grecia, ducado de Hesse,
Australia, India, Italia, Japo, Noruega, Nova
Galles, Suecia, Persia, Pera, Portugal, Prus-
sia, Terra da Rainba, Boma, Rossia, Saxo-
nia-Weimar, Saxonia. Hespanha, Suissa, Tn-
ger, Tanis, Estados-Unidos, Victoria de Wur-
temberg. Os respectivos sales dislinguem-
se cada qual pelas cores do tocto e das pa-
redes, porm algons objectos de todas as
nages, como as porcellanas, esli lodos rea-
nidos:
As diversas galeras comprebendem a
pintora em todas as suas vastas ramifica-
ges que constitue mais da terga parte da
exposigo e que o grande attractivo de
qoantos a visitam ; a esculptura em marmo-
re, metal, plstica e oulras *pecies, toda a
classe de mosaicos, esbocos arebitectonicos,
adornos de sales, casase pa'acios, crystaes
de cores, estes notaveis pelos seos ornatos
e coloridos, modelos de architectura, ltho-
graphia e photognphia nos seos mais adian-
tados graos, pbotographando-se em presen-
ta do publico as mais bellas flores, porcel-
lana e joias, obras de arte de todos os g-
neros machinas para fazer porcellana, tecidos,
movis de loxo, sedas, las e velludos, os
animaes que se empregam na industria, todo
o que se refere educago em seus mais
vastos ramos, descobertas ou menges sci-
entificas, exposiga das flores e plantas mais
exquisitas, que se substitnem quasi todos os
oas, e finalmente tudo quanto tem relago
com a msica.
t Outra grande secgo conlm desenho3
navaes, barcos de todas as especies, galera
de armaduras cautines, porlos e pra(a8 for-
tificadas, armas e projectis de lodo o gene-
ro, e magnficos restaurantes, sales de lei-
tara e outros que tornam agradaveis ao pu-
blico os momentos qne all passa. Esta
exp sgo, nao tendo o carcter de grandes
feiras como as anteriores, possue, comiedo,
o aspecto de um immenso, museu em qne
predominara as artes e se abrem vastos bori-
sontes intelligencia.
< A sociedade elegante e aristocrtica,
que durante a primeira semana foi a nica
que concorreu i exposigo, per ser mais ele-
vado o prego de entrada, tem tambem con-
corrido ao Colyseo, onde se executa du-
rante duas hars msica classica. Ah o
mais notavel teem sido as navas composi-
ges de Gounod. Nos jardins alterna a m-
sica militar da guarda com as gaitas de fol-
ies escocezas e com as trompas dos guar-
das da rainba.
* Na exposigo actual na ha ver pre-
mios pecuniarias, mas recompensas hono-
rficas. Cada secgo tem o seo jury, e pela
primeira vez as damas fazem parte, em di-
versos ramos, deste tribunal artstico. Nes-
tes jurys acham se os primeiros nomes da
Inglaterra e da Eoropa. A esposa do em-
baixador da Rossia, com as ladys Newil:
Bulteel, Alford e Lindsay, fazem parte do
jury dos tecidos ricos; a condessa de So-
mera, a de Warwick e outras fazem parte
dos jorys da pintara e porcellana ;. oulras
escriptoras distinctas ou artistas eminentes
esto encarregadas de redigr as informace
que devem publicar-se todas as semanas
sobre os progressos da exposigio.
c Como em Londres eatio actualmente os
primeiros artistas do mondo, i excepgao da
Nilson, a quem as ovacas reteem na Ame-
rica, haver grandes festas musicaes, em
que tomaro parte a Patti, a Loca, a Titiens,
Mario, Graciaai, Faure, Nicoliui, Moagini,
assim como representaces com a Favari,
Brohan, Gol, Delaony, Breesant e odroa
grandes actores da scena fraajexa.
i Entre as novidades matfl ata presen-
te semana (8 de maio) a prkll ufo O
perdo de Ploermei >, (MUdo^i^aa^Mfeel*
li, Betini e Graciani, em coja parttora a
Patti desempsnha o papel de Oioort, admi-
ajyelmente. Ganha porto de 1:5001000
em cada noute, qaantia qoe s pode dar-se
a'urn paiz em que o tbeatro da Rainba em
ama noute da endiente produz cerca de
20 contos de rie.
IYP- DODIAHIO-RUA DO DUQ DS CADAS

*
'


*
i






Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E4MN6LK6G_IBTS14 INGEST_TIME 2013-09-13T23:48:09Z PACKAGE AA00011611_12407
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES