Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:12406


This item is only available as the following downloads:


Full Text
ll
*....,- ,
|
'

v
I
./

.
Propriedade de Manoel Fijneira de Faria & Filhos.
hao iciimi:
Ot Sri. Guardo Antonio Alves 4 Filhos, no Para ; GonpJvM & Pinto, no Maranhlo ; Joaqnim Josa de Oliveira & Filho, no Ceart | Antonio de Lemoa Braga, no Aracaty ; Jlo Mara Julio Chavea, no Asan ; Antonio Marqnea da Silva, no NataJ; Jos* 'ntffcff
Pereira d'AImeida, em Mamangnape ;Felippe Estrella & C, na Parabyb*; Antonio Jos Gomes, na iRBa da Penha; Belarmino doa Sanios Bnlcio, em Santo Antlo; Domingos Jos da Costa Braga,
em Naiareth ; Antonio Ferreira de Aj?uiar, em Goyanna; Francino Tavares da Costa, em JUsgoaa; Dr. Jos Martins Alves, na Babia; e Leite, Serqninbo & C. no Bio de Janeiro.
PARTE OFFICIAL.
Kororno da provincia.
EXPEDIENTE DO DI.V 1 DE JUN 110 DE 1871
Aetos :
O viee-presidenle da provincia, attendendo
ao ajile reqnereram os profesares pblicos de pri-
meiras li-liras, Manoel Lopes da Paz e Antonio di s
Santos Palean, este da cadeira de Ponta de Pe-
dra; e aqulle da da casa de detencio desU eida
de, resolve de accordo com a iDformaco do di-
rector feral interino da iostruccao publica, sob
o. 803, de 27 de maio ultimo, conceder loes Hcen-
ea para permutaren entre si as respoctiva* ca-
deiras.
O vice-presidente da provincia, attendendo ao
iiue requereu Luiza Clementina Vietra de Mello,
proeasora publica de instrncco primarla 4a ca-
deira de Petrolioa, e em vista da informado do
director geral interino da inslruccio publica, sob
o. 180 de II de maio ultimo, resolve remo ve la da-
paella cadeira para a da povoar) da Alaga do
jarro, creada pela lei provincial d. 970 de 10 de
abril deirte anno.
O vice- presidente da provincia, attendendo ao
qae requereu o coronel Jos Cavalcante Ferraz de
Azevedo, contratante do acude da Victoria, e ten-
do em vista a inf orraae,o do engenheiro chele da
reparticio das obras publicas datada de hoje, sob
a. 172, resolve eooceder-lhe seis meies de prazo
para execoco das obras supplemeniaDs do refe-
rido a^.tde.'
Esta ser apresmtada iras eslacoes competente-,
aflm de ler a devida execuc).
O vicepresidente da provincia, attendendo
ae que requereu Francisco Aroaoeio da Silva, pro-
fessor publico de inslruccio primaria da puvoacjio
de Nossa Senhora da Lapa de [tamb, resolve con-
ceder-lne trala das de liceocacora lodos os ven-
e melos para miar de su sale, onde Ibe con-
vier.Expedirn)-se as necessarias comraunica-
c3es.
Ottcios :
Ao Exm. presidente da Parahyba, accusan-
do a recepcio dos dous exemplares, que remetteu
-da eotlecr;o de leis voladas na egunda secco ex-
traordinaria da assembla dessa provincia no anno
atando.
Ao 4o Maranbo, declarando flcar ialeirado
de haver em 19 de maio ultimo, assumido a admi-
aistrac.au dessa provincia, como seu primeira-vtce-
presidente.
Ao de Sergipe, dizendo que pelo seu otarlo
4 11 de maio fiado, Ocou certo de ter na mesma
data prestado juramento, e assumido a adminis-
trado dessa provincia.
Ao vigano capitular, lembrando a remessa
do auppa, qae deve ministrar mprelerivelmente
al o fim do corren te mez, para qae se possa or-
gaaisar no devido lempo a estatislica judiciaria
da provincia, relativa ao anno de 187, de em
iet+UlU* come deerelo o. 3,53* da 30 de
deceaibro de 1865.
Ao coronel eotnmandante das arma?, autori-
saodo-3 em vista de saas informa(dss a mandar
empregar no 9 batalhao de infamara, onde se d
falta de offlciaes, o capito e alteres honorarios
do exercito, Manoel Accioll de Moora Gmdime
Ernesto Augusto Pacheco de Qaeiroga, para Hel-
ia fazerem o servico que Ibes competir, na qoali-
dade de addidos. nao lendo, porm, o primeiro di
reito a commando de companhia.Comrauoieoa-
se a thesoararia de fazenda.
Ao raesmo, dizendo que pode conceder per-
missao, por tres metes, ao soldado invalido do >x-
tincto corpo n. 51 de voluntarios da patria, Ma-
noel Joaqun de Sant'Anna, para ir a cidade de
Caruar ver ra familia.
Ao mimo, recommendando a expedirlo de
suas orden*, para que as pracas da companhia do
operarios do arsenal de guerra nao se prestem
mais ao servico da guarnico, como se havia de-
terminado, visto tornar-so desnecessaria essa me-
dida com a ehegada do presidio de Fernando de
Voronba de parte do 9" batallio de infamara.
Communcou-se ao director do arsenal.
Ao vice-provelor da Santa Casa de Miseri-
cordia, para que, nao havendo inconveniente, man-
de admittir no collegio das orphas a menor Ma-
ra, filloa de Valentina Mara da Conceicio.
Ao inspector da thesoararia de Tazen Ja, com-
momeando que, segando aviso do ministeri i da
juslica de 19 de maio ultimo, solicitoa-se do da fa-
zenda as necessarias ordens para ser essa thesou.
a i,niiiuia.miurii i o Sr iuw de
rana habilitada com a quantia de 300J0O, par direito da comarca do Rio Formoso, ouvindo o
oceorre: ao pagamento da ajuda de cus'.o, arbi-
trada ao bacharel Candido Alves Machado, juiz mu-
nicipal edeorpnos comeado para o termo doEx.
Ao mesmo, inteiraalo-o de que o tenene-
corooel Antonio de Campos Mello, assumio no da
27 de maio ultimo, o exercicio de commandante
do presidio de Fernando de Noronha.
Ao mesmo, prevenindo-o de qae, segundo
onsta de participaba) da secretaria de estado Jos
negocios da mariolia foi approvado o contrato ce-
lebrado em 21 de abril ultimo, com os negocian-
tes Hett Wilson a C para (orneeerem carvo de
pedra ao arsenal de marinba desta provincia, at
o lira do correte anno.
Ao mesmo, declarando haver o ministerio da
guerra solicitado do da fazenda a expedicao das ne-
cessarias ordens, para que essa thesoararia seja
habilitada com o crdito de 747:1761000, constan-
te da tabella junta, para occorrer as primeiras
despezas do exercicio de 1871 a 1872.
Ao mesmo, transmitlindo para os nos conve-
nientes, e decreto conceden Jo a graduaco do pos-
to de 1* teneate da armada ao pralico-mr das
barras e porto de.-ta cidade, Joo Francisco Par-
deibu.
Ao inspector da thesoararia provincial, au-
torisando-o a mandar entregar ao juiz da irman-
daae de Nossa Senhora do Bom Parto na cidade de
Otiada, Joaqnim Jeronymo da Conceicao, mediante
fiaofa idnea, aqnantia de 1:170*000, qae se
acha recolhida ao cofre dessa thesoararia, prove-
niente do beneficio da parte da lotera extrabida
ultimameote a favor daquella irmandade-
Ao mesmo, declarando em respesta ao sea
offlcir, qae mande adiantar somente os vencimeo-
toa do mes da junho correte aos destacamentos
do corpa de polica, existentes em Itamb, Goyan-
na, Naxareth, Limeero, Pao d'Alho, Plores, Taca-
ral e Floresta, bem como as gratiflcac/ies qae
comaetem aos respectivos coramandantes.Cora-
muateou se ao commandante do corno.
Ao mesmo, para qae de conformidade com a
soa informaco, nuade entregar ao thesooreiro
4a eoramissio administrativa da irmandade do Se-
flbor Boa Jesas dos Marrios, erecta na (groja
do aaetmo nomo nesla cidade, Canillo da Silva da-
au. qiijoua d. 1:088#000, qoe se acha reco
ibia ao cofre dessa thesoararia, correspondente
a tnaencio da parte da lotera extrahida al lima
mate a favor das obras daquella igreja.
Por ana thesoararia mandoa-se pagar :
Ao preiaMor publico da cadeira de primeiras
Mras 4a povoaeo de Propriedade, Martinho da
Sirva Caala. os seas veocimentos pela verba do
14 4o art. 4* da lei do orcamento vigente, visto
lo existir qoou para essa cadeira.
Ao pharmaeeatico Jos Marcelino de Mello,
oa ao tea procarador, a qoaotia de 004 rs. pro-
veaieote de ranedios e curativo por .elle feito ao
aaUaaa Jos Tietoriao de Mello, qe fora gra
^natc laJo em ama degencla no termo de
Sato Aatto.-omoa8Jcoa-se ao Dr. ebefe de
poMeta.
Ao director do arsenal de guerra antoripan-
do o em vi.-ta de sua inr,rmaQao, a dispensar de
comparecer ao ponto das 6 horas da msnba o
mestre la offlcina da 3' classe desse arsenal, Can-
dido Jos Ges Telle.
Ao juiz municipal da Ia vara desta capital
transmitlindo para os devidos dos, a guia do sen-
tenciado Manoel Jos de Lyra, que regressoa do
presidio Je Fernando de oronha por estar a con-
cluirse a pena de sete annos, que cumpria na-
quelle presidio.
Ao engenheiro chefe da repartidlo das obras
publicas, para que, entendendo-se com o gerente
da companhia de illummacao gazj mande collo-
car na enfermara do arsenal de marinha quatro
bcos de luz nos lugares indicados pelo respecti-
vo inspector.Coramunicou-se a este, e ao inspec-
tor da thesouraria de fazenda.
Ao promotor publico da comarca de Ca-
raar para informar sobre o facto, que partici-
pa o Dr. chefe de polica, de haver sido espan-
cado naqnelle termo o inspector de quarteirao,
Ruliuo Vital da Silva, por tres pracas do desta-
camento do corpo de polica all existente, Ma-
noel Joao, Antonio Pereira e Peixoto de tal.Tam-
bem solcitou-se inf.rmago do commandante do
corpo, e determioou se que faga sabstituir por
oulras as mencionadas pracas.
A" engenheiro civil Luiz Jos da Silva, ia
forme V.nc. com toda a brevidade o seguinte : 1*
se eslao medidas e demarcadas -s tarras da ex-
tracta colonia militar de Pimenteiras, quantas le-
guas conslitaem a sua comprehensivo : seus ros,
regatos ou fontes e terrenos propros para cuita-
ra ecreacao, qoal o estado da callara e da
crea;ao, e qual o numero de seus habitantes.
Iguaes informacdes sobre as trras que consli-
luem o aldeiamento Riacho do Mallo, e trras de-
nominadas Pao Br37.il.i* qual a melbor drec-
i;ao para as estradas, que se devem abrir, para
commonicacao daquelles pont s com a estrada de
ferro de S. Francisco, e a praticabilidade das es-
iradas ou caminhos existentes.3* Tudo quanto
Ihe recorrer em ordem a habilitarme a ajuizar
da conveniencia do aproveitamenlo das referidas
ierras para a col misado nacional e esirangeira.
Do zlo de Vmc. spero cabal desempenho des-
la incumbencia.
_ Ao 2* juiz de paz da freguezia de Qaipap
recommendando que se nao esliver concluida, co-
mo allega o capito Jos Cirdeiro dos Santos, a
qaalificicao deste anno, seja a eleicao municipal,
que dever ter lagar no da 18 do crrante, fei-
ta pela qualificacao de 1869, visto nao ter bavido
ao anno passado.Communicoa-se a cmara mu-
nicipal de Caruar.
A sociedade dos artistas mechanicos e libe-
raos remetiendo o titulo pelo qual Sua Mageslade
Imperial boave por bem aceitar o titulo de socio
bemfeilor da mesma sociedade.
Portara:
Aos agentes da companhia brasilera de pa-
quetes a vapor mandando dar transporte para o
Para, por conta do ministerio da marinha, a um
sargento e tres soldados do batalhao naval e por-
uente ao destacamento da canhoneira Ipyran-
ga, os quaes d'alii vieram escoltando presos.
Communleou-se ao capito do porto.
Despachos :
Alteres Antonio de Holanda de Albuquerqae
Maraiho.Informe o Sr. commandante superior
da guarda nacional d > municipio de Nazaretb.
Teneate Beojamim Beltro de Alencar.Nao
tem tugar, por nao haver falta de offlciaes no
corpo de polica.
Bacharel Chryssolito Ferreira de Castro Cha-
ve?. Reraellido ao Sr. inspector da thesoararia
de fazenda para mandar pagar.
Irmandade de Nossa Senhora do O' da fregue-
zia de Ipojuca.Nao tem lugar o que requer, por
ora, atienta a defflciencia do3 cofres.
Irmandade do Senhjr Bora-Jesus dos Marty-
rios desta cidade.Dirija-se a thesouraria pro-
vincial.
Irmandade da Senhora Sint'Anna erecta na
igreja nutriz de Grvala.Nao tem lugar por
ora, ltenla a defflciencia dos cofres.
Irmandade da ordem 3" de Nos3a Senhora do
Carmo desta cidade.Observe se a ordem guar-
dada na lei.
Coronel Jos Cavalcanle Ferraz.Pas3e porta-
ra ni forma requerida.
Jos Antonio Pestaa.Infirme o Sr. comman-
dante do corpo de polica.'
Jos Augusto de Araujo.Informe'o Sr. inspec-
tor da thesouraria provincial. v
Jos G)mes Coimbra.Informe o Sr juifc
lo no art. 11 do decreto o. 1331 de 6 de abril de
1851, o major Salvador Henriqae de Albuqaerqne.
para substituir o capito secretario- geral, Firmioo
Jos de Oliveira, emqaanlo esliver impedido.
Recommenda o mesmo Um. Sr. coronel com-
mandaste superior, que ao secretario interino seja
entregue o archivo da secretaria mediante as for-
malidades do estylo.
Hodo'lpho Joao Barata de Almeidn,
Coronel chefe iateriao do estado-maior.
PERNAMBUCO.
juiz municipal.
Julio Isaac.Como requer, nos termos e satisfa-
zendo as condenes do decreto n. 2692 de 14 de
novembro de 1870.
Joaquim Jeronymo da Conceicao.Dirja-se a
thesouraria provincial.
Padre Jos Porfirio Gomes.Era tempo ser
atlendido.
Joo Gongalves Torres.Tendo-se verificados
improcedencia da allegacjio do sapplcante, nao
tem lugar o que requer.
Luiz Jos da Silva.Remettilo ao Sr. inspector
da thesonraria de fazenda para mandar pagar.
Luiza Clementina Vieirade Mello.Passe por-
tara e< ncedendo a remoco pedida.
Dr. Manoel Baarque de Macedo.Reraettido ao
Sr. inspector da thesouraria de fazenda para
mandar pagar.
Manoel Jos dos Santos.Informe o Sr. inspec-
tor da thesonraria provincial.
Mirtinho da Silva CosU.A' thesouraria pro-
vincial com offlcio desta dala.
Manoel Jeronymo Correia.Indeferido.
Manoel Hay mundo Ca m i aba. Informe o Sr.
commandante das armas.
Manoel Lopes da Paz.Passe portara conee-
dendo a permuta pedida.
Manoel Jos Themoteo da Silva. Estando
preenchidos todos os postos, como informa o com-
mandante do corpo, nao tem lugar o qae requer.
Venustiaianna Maria da Coneeicao.Dirjase
ao vice-proveder da Santa Casa de Misericordia.
EXPDIKNTE DO SECRETARIO.
Cfflcio :
Ao coronel commandante das armas com-
municando, de ordem da presidencia, qae aesta
data mandoa-se satisfazer o pedido do coronel
commandante do 9* batalhao de infantaria,
qae se refere o sea offl:o, n. 413, de 29 de maio
ultimo.
ASSEMBLA PROVINCIAL
SESSO ORDINARIA EM 6 DB MAIO.
PRESIDENCIA DO SR. DR. AGUAR.
Ao meio dia feita a chamada acham-se presentes
os Srs. Ralis e Silva, Ges Cavalcante, Correia de
Araujo, Cunta Cavalcante, Oliveira Andrade, Pe
dro Alfonso, Pernambn Filho, Ignacio Joaqnim,
Leopoldiao Lobo, Teixeira de S, Rufino de Almei
da, Aguiar, Barros Wanderley, J. de Mello Rezo,
Erorsio Vieira, Tolentino de Carvalho, Felippe de
Figueira, Antonio Paulino, H. Mamede, Pinto J-
nior, Firmioo de Novaes, Paes Birreto, Cunha Fi-
gueiredo, Hollanda Cavalcaple, Oliveira Foneeca,
G. Drummond, Eduardo de Oliveira.
Abre-se a sesso lida e approvada a acta da
antecedente.
O Sr. I.0 secretario d conta do seguinte
EXPEDIENTE.
OtUcios :
Do secretario do governo da provincia, comma-
meando qae no da 3 do vigente assumio n Exm.
Sr Dr. Manoel do Nascimento Machado Portella, a
ajmiaistraco da provincia, por ter de seguir para
a corta o Exm. Sr. coaselheiro Diogo Velho Caval-
cante de Albnqaerqae, atim de tomar asseoto na
cmara t--mporara. Inteirada.
Do mesmo, transmitlindo por copia o offlcio da
cmara municipal da villa de S. Bento, acorapaoha
do de um abaixo assignado dos moradores da-
quelle municipio, em que pedem a revogacio da
lei n. 966 do anno passado.A' cora nissao de ne-
gocios eclesistico?.
Do mesmo, remetiendo nformacoej ministradas
pelo commandante do corpo de polica e inspector
da thesonraria provincial, acerca dos offlciaes que
se acham aggregados a aquelle corpo e das apo -
sentadorias concedidas no correte exercicio.A'
quera fez a reqaisicao.
Do mesmo, remetiendo 40 exemplares do relato-
rio apresentado ao Exm. Sr. conselheiro Diogo
Velho Cavalcante de Albnqaerqae, pelo engenhei-
ro chefe da reparticao das obras publicas. A'
destribuir.
Do mesmo, remetiendo 2 exemplares das leis e
decioes do governo geral promulgadas o anno
passado.A' archivar.
Peticoes :
De Francisco Luiz Waoderieyr, TeaafMaPietPs
obras das pontes e atierros da cidade do Hio For-
moso, pedndo qae Ihe mande pagar a differenca
que existe entre o prego das referidas obras, de
conformidade com o orcamento.A' eommissio de
orcamento provincial.
Oa companhia da estrada de ferro do Recife ao
S. Francisco, pedindo que o pagamento dos 2 por
cento sobre o capital addcional, seja pela mesma
fjrma pela qual pagana os cofres pblicos os 5 por
cento.A' comaisso de fazenda e ornamento.
De launa Justina de Siqueira Varejo, pedindo
que se love em conta para sua jubilado, com todo
o ordenado, 10 mezes que Ihe faltam para comple-
tar o determinado por lei.A' commisso de ios-
irucco publica.
De Vicente Ferreira da Costa Miranda, pedindo
quota para pagamento da quaotia de 164*211 que
Ihe deve a thesoararia provincial, de conformida-
de com o artigo 41 da lei n. 852. A" commisso
de fjzenda e ornamento.
Projectos :
Sao julgados objecto de deliberado e mandado
imprimir os segrales :
< A' commisso de negocios ecclesaslicos, a
quem foi prsenle a petico da irmandade do San-
tissimo Sacramento da freguezia do bairro de S.
Jos da cidade do Recife, solicitando a approvaQ"
Jo seu compromisso, attendendo primeiro que nao
coavra ceder a aquella irmandade o dominio e
[rposse da igreja de S. Jos da dita freguezia polo
modo por que aquella mencionada irmandade dis-
poe era sea compromisso, por quanto cuslou ella
nao pequeos sacrificios da provincia, a qual foi
em sua edificacao efflcazmente coadjuvada pelo ex-
eellenti3simo fioado bispo D. Joo da Purifuaco
Marques Perdigo de gloriosa recordago; mas
convindo que a referida irmandade nella se ins-.
talle para cora a piedade proscripta nos caones
coadj uve o reverendo parocho nos exercicios do
culto Divino, em todava arrogar a si a suprema
direceo e posee da igreja, mxime no qae toca a
administraco espiritual sera-o necessario accordo
com o pastor ; e attendendo em segando lugar que
se deve estipular a pratica abusiva e inconvenien-
te de se armar mesas de primeira e segunda clas-
se para os baptisamentos com certo laxo prejudi-
cial a simplieidade e piedade do acto e a decente
economa das familias, dspeosando-se como se
pretende o aso dos altares do baptisterio qae por
lei da igreja sao collocados as matrzes e sao os
nicos qae se devem prestar a laes actos, de pa-
recer qae se tome a resoluco segoiote :
Art. anico. Pica approvado o compromisso da
irmandade do Sanlissimo Sacramento da freguezia
de S. Jos da cidade do Recife com as alteracdes
propostas pelo excellenlissimo vigario capitular
exaradas no parecer do reverendo conego sea se-
cretario, que se v no fim do dito compromisso e
mais as qae se segaem :
< No art. !. sabsliiaa-so o 3 anico pelo se-
guinte :
l anico. A irmandade ser installada na igre-
ja matriz do bairro de S. Jos desta cidade do Re-
cife, sob a inspeccao de sea legitimo parodio e ahi
gosar d js previlegios e isenedes perra nidos pelos
caones, e disposiedes do presente compromisso.
O art. 3.* seja substituido pelas seguintes pa-
Commando superior.
QUARTEL DO COMMANDO SUPERIOR DA GUARDA
NACIONAL DO MUNICIPIO DO RECIFE, 7 DE
JUNHO DE 1871.
Ordem do dia n. 20.
O Illm Sr. coronel commandante superior man-
da fazer publico, para conheciment dos corpos
sob sos jarlsdleco, que por despacho de 24 do
mez prximo pausado, conceden qualro mezes de
iicenca para tratar de seas negocios fra da pro-
viada, ao Sr. 1.* lente do I. batalhao de arti-
loarla, Joaqnim Pedro da Costa Moreira.
Qae a Tice-presidencia, por portara de 5 do
corrate mez, transferio pan o terceiro batalhao
de reserva aos Srs, capilaes do 2.* da activa Jos
Rodopiano dos Santos, e Ignacio Pinto dos Santos
Sazes, como Ihe foi communicado por offlcio da
meonudata.
Que a mesma viee-preeideoeia, em dala de 6 do
correnle, desjgnou, de conformidade com a dispos-
eaeootrar as palavrasnossa igrejadga-seda
igreja.
Jaerogadas as dsposicoes em contrario. Sala
das PPSfes, 2 de maio de 1871-CunAa d> Figuei-
vedo.Cunha Cavalcante. Firmme de Novaes. *
A assembla legislativa provincial de Pernam-
buco resolve :
Art. nnleo. O presidente da provincia flea aa-
naieady a mandar matricular no crreme anno na
escola normal Henrique Cavalcaole Viaaoa. Re-
vogadas as disposices em contrario. Sala das
commiss5js, 5 de maio de 1871.Oliveira Fonee-
ca.Hollanda Cavalcante.
< A' commisso de obras publicas, em vista da
informaco que ministroa a reparticao das obras
publicas, sobre a petico de Jos Correia Pessoa
de Mello, que solicitou ora previlegio de 15 annos
para construir ama ponte de madeira na freguezia
do Bonito, sobre o rio Camivon e cobrar am pe-
d.'igio que o remunero das despezas feitas ; consi-
derando que utl e necessario a dita poute e que
rasoavel o peJilo do peticionario, de parecer
qne se adopte o segoiote projecto do lei '
o A assembla legislativa provincial de Pernam-
buco resolve :
< Art nico. Ficao presiJente da provincia au
torisado a contratar com Jos Correia Pessoa de
Mello oa com quem melhores vantagens offerecer
a constraeeao de urna ponte de madeira sobre o
rio Camvou da fregaezia do II mito, mediante es-
tas coadiedes :
1/ Concesso de previlegio p>r 13 annos para
usufruir dita ponte, c -.brando um pedagio rasoa-
vel por cada pessoa oa animal qae nella trans
tar. '
< 2.a Entrega da ponte, em perfeito estaio de
conservaco provincia, a qaem passar a perten-
cer, sea que por isso tenha direito a indemnisa-
cao o contratante.
< Revogadas as di*posle/}es em contraro. Sala
das commiisdes, 5 de maio de 1871. Felippe ie
Figueira Paria.Antonio Paulino.
A assembla legislativa provincial de Peraam-
buco resolve:
< Art, anico. Pica o presidente da provincia ao-
torisado a noraear para qualqaer cadeira de ins
truecao primaria o professor jubilado Joo Isidro
Goocalvea da Craz, se jalgar conveniente, finando
desde eolio sem effeito a jabilacao obtida pelo
mesmo professor.
< Sala das commss5es,4 de maio de 1871 .Oli-
veira Finceca.Hollanda Cavalcante.
A commisso de obras publica*, tendo em
vista a informaco da reparticao das obra publi-
cas, enwmdo acerca da peticio de Adolpho Ca-
valcante d'Oliveirt Maciel, que* solicitou um pri-
vilegio para construir urna ponte entre a Una de
Iiamaraca e o continente e dar passagern nella
carga e aqimaes, mediante nm pedagio rasoavel;
atiende,
raroenl
de uta 1
gados
1 qae til e necessario esse melbo-
oosiderando qae 6 equitativa a cobranga
Jagio que remanere os capitaes erapre-
ponte e que nenham
slruc) da
lavras sement. Os menores de 12 aons tambera
podem ser admittidos como irmo, nao podendo
porm volar nem ser votados, se nio qaaodo com-
pletareis a idade de 21 annos.
1 Supprima-se o art. 6.*
a No art 7.* supprima-se na tercera linha as
palavras on as condiedes do art. 6.
t No art. 9. depois da palavrasalvoaccres-
cente-sese for separada de sea marido por sen-
tenca de divorciosupprima-se o mais que se ae-
gue al o fim do artigo.
Substilua-se o nico do art. 9.* pelo se-
guinte :
I anico. 0 irmo coja primeira mulher falle-
cida tiver gosado do direito de irma, dever pa-
gar meia joia cada um qae envinvando se easar
com ootra qae j nao for irmaa, aflm de qae sua
oova consorte possa gosar dos suffragios e direitos
proscriptos neste compromisso.
No fim do i do art. 12 acerescente-se ob-
servadas as leis em viger.
< Supprima-se o art. 13.
Sopprima-se igualmente os arts. 90 e 91 com
tudo qaanto tver relaeio com preparativos de me-
sas de primeira e segunda ciaste para os baptisa-
mentos.
Supprimara-se tambem 01 arts. 113,114 e
115.
No art. US. seas & e no art. ISO oade ae
toen stdo concedido taes favores ; de parecer
que seja deferida dita pelic) com o seguinte pro-
jecto de lei.
A assembla legislativa provincial de Pemam-
buco resolve:
Artigo nico.Fica o presidente da provincia
au!orisado a contratar com Alolpho Cavalcante
de Oliveira Maciel oa cora qaem melhores vanta-
gens offerecer a coostrnecio de ama ponte qae
ligue a I la de Itamarac'ao continente no lugar
Itapessuraa, sob as seguimes bases :
< 1.* Privilegio por 30 annos para usufruir dita
ponte, cobrando um pedagio, regulado por ama
tabella feita de accordo eotre o presidente da pro-
vincia e o contratante.
2.0 Entrega da p me provincia sem estipendio
nenhum, logo que se finde o privilegio, sendo_ a
ponte entregue em perfeilo estado de conservaco.
Revogadas as disposices em contrario.Sala
das commissSis, 3 de maio da 1871.F. dt Fi-
gueira.Antonio Paulino.
O SR. RUFINO DE ALMEIDA. Occupare a
attencn da casa p ir poneos momentos. Necessilo
preceder de algumas eonsideracoes am projecto
que voa saometter apreciarlo da mesma, e como
nessas considerandos tenho de per accidens, loor
no ornamento em discusso, para prevenir qual-
qaer reclamacS), declaro que as eonsideracoes
relativas ?o orcamento das necessarias para jus-
tificarlo do projecto que voa offerecer.
Nao tenho necessidade de por em contribu$o
a minia fraca intelligenca, para demonstrar a
caa am facto que est na consciencia de todos
nos: o 'lindo desammndor da nossas ftnanc J
devido em parte a pouca alteoco qae tem bavido
de ba maito tempo na boa distribuir.) da renda e
da proviocia e decadencia da nossa lavonra,
fonie, posso assim dizer, nica da nossa renda.
Tambera n) preciso entrar na demonstraran
das causas qae tem coacorrido para esse estado ;
seria isso tarefa maito alera de sua safQcieocia.
(Nao apoiados). Alm disto, seria rochar precioso
tempo a casa, chamaodo a sua attencio para as-
suraptos que nao tem grande alcance para o ob-
jecto de que me voa oceuppar.
Creio qae todos nos sabemos pouco mais ou
menos, qaaes as causas da decadencia da nossa
lavouri; principalmente da lavoura algodoeira;
nao preciso entrar no desenvolvimento deste as-
sumpto.
Oieapar-me-bei smente do objecto do projecto
que voa apresen tar.
Qae ha dficit e dficit grande, qae a receita cal-
culada maito inferior despeza que se projecta,
j o demonstre!, qnando fallei pela 1* vez sobre o
orcaraeot, no que n) foi contestado pela cora-
miss), nem o poda ser, porque nao possivel
qae urna despeza na importancia de 2,900:0004000
possa ser satisfeita com urna receita de 1,900:000*.
O Sr. Pkdro Affo.nso :Na) levando em conta
o crdito.
O Sb. Rufino db Almeida : NeUs tristes
condicedes, quando s o funecionalismo e o corpo
de polica abraogem mais de daas tercas partes da
receila, qaaodo para estas daas verbas se tem de
votar a quaotia de 1,023:0004, o qae nos restar
para aecadir as oecessidades argeolissimas, para
accadr i lavoura ? Qia! o remedio qae deve-
nios empregar ? Crear novos impostes ? Elevar
os ja existentes ?
Um Sr. Deputado : A conmista 1 le robra o
crdito.
O Sr. Rufino db Almeida : Seria augmentar o
mal em vez de eara-lo. Qoal o remedio pois ?
N) haoatroaena 'recorrermos quelle que a
experiencia nos tem ensinadoao emprestimo qae
devidamente applicado....
Um Sr. Deputado : Foi o que a commisso
re.
O Sr. Rtrntco db Almeida :.... possa alargar
as fonles de receita
A commisso lembrou este alvilre no final do
sea projecto; no art. 34 propondo oa em prest mo
de tres mil cootos a joro de oito por cento amor-
tisavel com dez por cento para ser applicado ao
Klamento do dficit superior a mil cornos, ao
ro e amortisac) das apobees e o rasunte para
ser applicado obras j votadas pda lei n. 963 e
outras novas decretadas este anno
Mas o empresiimo de tres mil cont nao ebega
para aecadir nem ao pagamento do dficit nem
tambem as obras decretadas.
Concordo com o empresiimo, diseordo, porm,
quanto. ao fim delle, alo posso considerar como
mais, preveitoso, como meio til, eoatrahir se nm
empreslhno para pagar nina divide, sejgmoataado
para o futuro esta mesma divida, ou ptr oalra,
na) posso considerar como proveitoso a provincia
o pagamento de nm dficit com outro maior.
Tenho idea diversa neste ponto, eomoj disse ;
e que o dficit se pague pelos meios ordinarios,
qae o vamos araorlisaado cora a economa bem
entendida da despeza.
Um Sr. Deputado : Mas como se ha de fazer
isto ?
O Sr. Rufino de Almeida:Diminuir)lo a des-
peza e a pouco e pouco amorlisaod) esse dficit,
levantando o empresiimo como meio da alargar
as fontes de prodcelo.
Pretenda quiudo se discutisse o artizo das dis-
posigois permanentes de ornamento, apresentar
urna emenda, eootendo s ideas do projecto, que
tenho era rao, lembrei-me, porm, que por essa
occasio j devero estar muito adiantados os Ira-
balhos da presente sesso, e de mais, quando che-
gar a discusso desta questo, a casa deve estar
fatigada, n) poder prestar a atten^o que ne-
cessario prestar-se a objecto de tanta transcenden-
cia ; alm de que ha duvdas, se podemos na lei
do orcamento admittir disposiedes de carcter
permanente, por estas razdes, confiando na bene-
volencia da casa e contando com a proteceo de
V. Exc. tomoi a liberdade de confeccionar este
projecto, que offereco consideraco da casa.
Nao tenho a louca pretenejb de suppor que fiz
um trabaiho perfeito e completo, capaz de ser ap-
provado por esta casa ; soccorro-me, porm, s
luzes dos nobres depu'ados, e espero que me aju-
daro a aperfeicoar esse traaalho.
O projecto concebido nestes termos : (l)
P490 a V. Exc. se digne consoltar a casa, se
consente que o presente project) seja dispensado
da laspresso em avalso, seado publicado no jor-
nal, aflm de entrar na ordem do dia conjuncti-
mente com o orcamento
E' apoiado e julgado objecto de deliberado o
aegaiiite projecto, seado dispensado da impres-
alo :
< A assembla provincial de Pernambao re-
sol va.
Art. 1.a Fu o presidente da provincia auto-
risado a contrair dentro ou fra do Imperio um
empresiimo provincial que nao exceda a nove mil
cont, sobas eoadinedes abaixo declaradas:
1 #1. O jaro annual do referido emprestimo
sari de a 8 /-
< I 1* Urna annoidade de 1 /. do capital em
prestado ser estabeleeida para amorlisaco.
3.* O Joro coraecar contarse tres me-
ses depois de realisado o emprestimo.
A amorlisaco se far a datar do 1* de julho
do anno segoiote qaelle em qae se tiver efec-
tuado a operaco e pela forma adiante prescripta.
c Art. 2.- A tolalidade do emprestimo contrahi-
d ser destinado :
I I.* Ao resgaie das apolices certo praso erait-
tidas pela provincia.
< 1* A' coastruecio de estradas, aberturas
de ros, tmnaslos preventivos das innundacoes,
fticsiwa 4 aoadaa. a aatlrws latoura
Art 3.* O capital proveniente do emprestimo
autoruado ser reconhecido eomo divida provin-
cial fondada e circular em forma de apolices do
valor nominal de nm como de res.
-Art. 4. As referidas apolices sero numera-
das e lerao talo : indicaro o capital qne repre-
sentara ; e o jaro qae vencem : sero escripta-
rados era livros esneciaes na thesouraria provin-
cial.
Art. 5.* O serv;.) da emisso, escripturaco,
juro, araortisacao o transferencia das apolices se
far p>r ara regnlamento expedido pelo presiden-
te da provincia e ser confiado a urna secc.o pri-
vativa da thesouraria provincial, que para este
fim se organisar.
< O regalanento de que trata o presente artigo
fica dependente da approvaco da a>semb!a pro-
vincial sem prejuizo da sua execuijo.
Art. 6> A amortisaco da3 apolices se effec-
1 uara por compra no mercado, se estiverem abai-
xo do par, e, no caso contrario, ter lugar por
sorteio e ao par.
Art. 7. Qaer o joizo quer a amorlisaco se
pafarSo na razo de 14000 por oitava de ouro, ou
47 penys par tOOO, se o empreMimo se fizer no
eslrangeiro.
c Neste caso se fixara tambem o tempo dentro
do qual ter lugar mprelerivelmente o resgate
final.
c Art. 8.a O jaro das apolices se pagar seraes-
traimenle no correr dos mezes de Janeiro e julho
de cada anno. e em vista dos proprios titulo?.
Se as apolices representarem empresiimo es-
lrangeiro, seguir se-ha o que liver sido estipa-
lado.
< Arl. 9. As apolices ficam'isentas de todos e
qaaesqaer impostes provimiaes. Gsarao dos pre-
vilegios das apolices geraes, se nisto convier o
poder competente.
Art. 10. Realisade que seja o empresiimo auto-
rizado ficaro sem effeito todas as autorisaces
concedidas anteriormente para emisso de ttulos
de divida provincial, por qaalquer somma oa pra-
zo que seja, salvo os depsitos as condiccoes da
legislaran vigente.
Revotadas as disposices era contrario.Pac)
da assembla provincial de Pernambuco, 6 de
maio de 1871.Au^no de Almeida.
Pareceres.
Sao approvados os seguintes :
A commisso de fazenda e orcamento, para
dar parecer sobre a petico junta do professor Vi-
cente Ferreira da Gruz, precisa que, por interme-
dio da presidencia, sejam ouvidas a directrra geral
da instraecio publica e a thesoararia provincial.
Sala das commissoes, 6 de maio de 1871.J. de
Mello Rego.P. Affonso.I. J. de Souza Leo.
c A commiss) de fazenda e orcamento, quem
foi presente o reqaermento de Prxedes da Silva
Gusmo, em qne pede para que Ihe seja entregue o
abate concedido por lei provincial n. 596 de 13 de
mai > de 1864 aos arrematantes de impostes de
24500 sobre cabeca de gado vaecara, de parecer
qae, tendo o supplieanle feito cesso da arremata-
cao em favor de outro, deve perante a thesonraria
e os trlbunaes disputar o direito, qae jalea ter
soore o referido abate. Sala das commissoes da
assembla provincial, 6 de maio de 1871.P. Af-
fonso.I. J. de Souza Leao.J. de Mello Reg >
O SR. OLIVEIRA FONCECA peae dispensa da
Imeresso do projecto olfarecido pela eommissio
de instraecio publica, o, qae concedido.
O SR. H. MAMEDE :Sr. presideate. en tendo
qae nos so dever nesti casa pugnar qaanto for
possivel pelos meihoramentos da provincia qae
aqui representamos.
Assim pensante, Sr. presidente, o anno passado
aprasentei consideraco da casa a seguinte Indi-
cacao :
c Indico qne esta assembla envi nma repre-
seutacao astembla geral legislativa e ootra ao
governo de S. M. o imperador, pedindo qne com
teda a urgencia sejam alien tidas algumas das na-
cessidades mais palpitantes desta provincia, como
sejam :o melhoramente do porto,a construccio
de am canal de desvio no rio Capibaribe,e a re-
consirueco da ponte da Boa-Vista.
Semelhante indicaco foi submettida i censido-
racio da eommissio da constitnicio e poderes, e
asta Ilustre eommissio, dando sea parecer, con-
elnio'do seguinte modo :
-.... a eommissio de parecer qne se alie a
ratera da citada iodlcacio para sobre ella resol-
ver a assembla provincial na prxima futura ses-
so ordinaria, ae entender conveniente.
Este parecer foi discutido, e nessa occasio eu
tive d nuadar
fosse immediatamente resolvida a questo, afim da
que a minh indfcaco fosse logo approvada. O
nobre redactor dessa commisso, o mea collega e
amigo Sr. Dr. Antonio Lniz Cavaleanti, da san
dosa memoria, impngnon a minha emenda e sus-
lentou o parecer ; impugnoua, porm, fazendo
d'ella questo poltica, levantando nma questo de
eonOaaca ao ministerio de entio, e embora eu li-
vesse declarado qae a ni) fazia, teve anda assim a
minha emenda de ser rejeitada e approvada a con-
clusio do parecer que adiava para este anuo a sc-
l(H"o da questo.
Sr. presidente, cora relaco ao melhoramente do
nosso porto, creio que alguma coasa j est feito,
supponho qne foi votada quota ao orcamento do
anuo passado, e que o governo trata de realisar
esie importante melhoramente para a nossa pro-
vincia, mas era relaco aos ouiros pontos da mi-
nha indicado, a co'nstracQo do canal de desvio
para as aguas do Capibaribe e a reconstruccio da
ponte da Boa-Vista, at hoje nada se tem feito.
Nioguera ignora que a constraeco de am canal
de desvio para o rio Capibaribe e de summa im-
portancia, as innandacois sao frequentes entre
nos, e os prejuizos cansados por ellas sao cooside-
raveis, nao s para os particulares, como para o
proprio governo. Ha estados fetes i este res-
peiio, e at creio que o ornamento da reparti-
cao das obras publicas, supponho que esta obra
est orea la era 600 contos pouco mais oa meno?.
Qaanto reconstroeco da ponte da Boa Vista,
eotendo, Sr. presidente, que urna das necesida-
des mais palpitantes desta provincia, e qae nao
p Je por mais tempo ser adiada ; essa recons-
trucfo, calculo que poder talvez contar 300 a
400 contos, nao viodo nos, portante, conforme a
milla indicaco, a pedir ao governo geral mais
de mil contos de ris.
A provincia nao pJe supportar essa despeza,
est sobrecarregada com oulras, as saas finaocas
nio sao boas, e assim entendo, Sr. presidente, que
da nossa obrigacao, nio podendo levar a effeito
esses meihoramentos reclamados pela provincia,
representar aos poderes geraes do estado, para
qne ao menos nos concedan) mil contos de res
para essas obras, dos qmnze a dezesei* mil contos
com qae a proviocia contriboe lodos os annos.
Assim, Sr. presidente, eu offereco novamente
consiJera?o da casa ama indicaco neste sentido,
fazendo excluslo do raelhnraroento de porto,
porque, como j disse, creio qae existe feita
alguma coasa a tal respeito, e que em breve tere-
inos de ver realisada es3a obra to almejada.
Eis a minha indicaco :
a Indico qae esta assembla envi ama repre-
sentar) a assembla geral legislativa, pedindo
que na lei do orcamento do exercicio vindonro
se marque quota : para a conslruccj de um
canal de desvio no rio Capibaribe, e para a re-
constraccao da ponte da Boa-Vista ; meihoramen-
tos estes de somma importancia.*
Espero qae a nobre eommissio de eonstitoieio
a poderes, qaem compete ser enviada a minha
indicaco, a tomar aa devida consideraco. e com
urgencia dar o seu parecas, adoptando-a, f izend >
assim mais am beneficio esta proviocia.
0 SR. G. DE DRUMMOND justifica e maula a
mesa o segoiote reqaerimsoto :
< Requeiro qae se peca ao presidente da pro-
vincia a seguate informaco :1." se o aterro e
ponte do Aojo esto feitos de accordo com as
plantas e orcamento que forano organizados ; 2.*
se taes alerros pJera se prestar s grandes
cheias, e se sao necessarios novos meihoramentos.
G. de Drummond.Posto a votes o requeri-
menio, approvado.
(Continua.)
REVISTA DIARIA.
THEaTRO DE SANTO ANTONIO A c mpa-
nlna do Sr. C. Hurbain cantea effectivaraeute, n'este
theatro, antehontera, a opera buffa de Ollemback
La Grande Duchesse de Gerolstein.
A execuco correu melhor do qie fora licite
esperar, verificando-se ama excellente distribui-
raii dos papis era harmona com as tercas de cada
artista, e um desempenho satisfacDno de cada
parte.
A Mise en scenne tambem exceden expectativa
publica, primando todas as figuras principaes da
pega pela elegancia e riqueza do trajar e graeio-
sidade dos movimentos.
A orchestra, bem dirigida, como serapre, ajudoa
quanto ihe coube aos artistas, de sorte que o re-
sultado total foi a opera ter agradado completa-
mente, merecendo em maltas o:casi6es as honras
do bis os pedamos mais notaveis da eximia parti-
tura de Offeraback, que geralmente lida como a
sua obra prima, e torera sido grandemente applau-
didos os artistas, que por diversas vezes forana
chamados ao proscenio.
O libreto em essencia pouco val como po9raelo,
e, posto qus primeira vista pareca offender le
meurs, na phrase de um espirituoso romancista,
eocerra am certo (ando moral, qae perfeitamen-
te definido em nma phrase da gr-duqueza, qnan-
do esta diz : quand on'a pos ce qu'on aime, ou
se contente de ce qu' na.
Offeraback, poodo-o em msica, ergueudo-o
com o sea lindissimo spartito, fez realcar o espi-
rito fecundamente jocoso dos francezes, nesse ge-
nero de poemetos, e saturou-o cora as sabtilidades
elegantes do sea engenho poetico-masical, tor-
naodo-o, por assim dizer, o modelo da escola buf-
fa, quase de sua exclusiva creagio.
Os typos da gra Daqaeza, de Prytz, do general
lloum, do principe Paulo, e dos bardes Pnck e
Grog, sao outros Untos typos bem delirados, ca-
da um dos qaaes encerra ama critica aos seas
facsmile na sociedade poltica ou na familia.
Todos esses typos foram estudados peles artis-
tas qae del les se inenmbiram e que os desem-
penbarara conscenciosamente nos limites de seas
talentos respectivos ; e coovra notar qae Nda-
me Poncelet cantea algans pedacos com mestria,
tanto as arista?, cantnelas e rondas, corno nos
duelos, ora com Frylz, ora com o principe Pao-
io, ambos os qaaes, especialmente o ultimo llve-
ram bons interpretes nos Srs. Reynand e Mar-
chand.
Em concluso, repetimos, e desempeoho total
da opera foi bom e merecidos foram os appiaa-
sos; e cortamente a opera ere lora dos enco-
mios pblicos, encomios qae se piem e devem
manifestar em ama concurrencia, qae a compa-
nhia espera merecer.
PASSAMENTO. Fallecen qaarta-feiri ( 7 do
correte) o major das antigs milicias Manoel Joa-
aaim Gomes, na avancada idade de 71 annos, vic-
tima de amoleeimento cerebral. Fez-Ihe as hon-
ras fnebres nma torca 4o batalhao de liaba!
SINISTRO.Commnnlca o cap to do brigne in-
ei Curlenay, qne a 17 aa abril, s 3 horas 4a
Tarde, na long. 47*53' e lat. 41* 33' N., soffrra am
Srende temporal, qne Ihe carregara con o piloto, .
ous marinheiros, lancha e boto, alm da parte
da borda de bom bordo, todas aa vergas e piunos-
do raastro grande, ioutilisando nio s os papis 4o
navio, xomo muitos outros cajelos; qae desde
este faal dia navegara am direceo a este porto,
tem arribar em parte alguma.
CONTRABANDO.-Hoatom pe manhia, i bor-
do do navio ingles WMmmo, foi apprebendido a
recothido i urda-moria 4a aifandefa am ceotra-
bando de diversos obiacto, qae nio foram adoe
despacho. Diaeaarto se o Helo par tar vial i
torra o counbeiro d'aoueMe aavm traatado os nax
ilaIjspi paasasatsiBp aHttafe


t


Di&rio 44 raTlt&hilucc Sexta tetra 9 de Junho
"es; liou a alientan do guarda Lv.ra, o qual con-
duzio o referida cotinheiro ao Sr. guardamr,
que*immedialamento eaviou ao dito navio o sea
ajudacte acorapanhado dos guar Iss Pero e Lyra,
que, all dando urna busca, verilearan] o contra-
bando. Os obieclos apprehendidos, entre 09 quies
se acharo caivete, fcas, lalhere?, camisas de
13a, calca, papel alniaco, envoltorios, eic. etc., sao
em croscido numero, estSo todo?, como j dise-
mos, recolhidos guarda-mora da alfandega.
LEILES.Hoje effeciua o agente Mariins o lei-
lio de uid sobrado na roa de Horlas n. 52. e de
urna casa terrea n. 9 na ra do Coxo em Olinda:
no escriptorio i ua do Marquei de Olinda n 15,
s II horas.
II ijc (9) effecli o agente Pinto o leilao de
lazendas avariadas e iimpas e chapeos do Chile,
objeetos existentes no arroazera da travessa do
Corpo Santo n. 25.
LOTERA.-A queso acha venda a 159* a
beneficio da Igreja da Congrega.ao du Oratorio,
que corre no dia 10.
CEMITERIO PBLICO.-Obiiuario do dia 5 de
junho:
Joaquina Franeirco da Silva, pardo, Pernambo-
co, 28 annos, solteiro, Sanio Antonio ; febre ly-
pbo.
Andr do Reg Barros, braneo, Pernambuco, 38
annos, solteiro, Boa-Vista ; tubrculos pulmona-
JTO.
Jao, braneo, Pernarabuco, 4 mezes, Recife ;
gasiro intere.
Alfredo,brauco, Pernambuco, 30 annos, Santo
Antonio j combusio.
fHROMCA Jl DM1ARIA.
TRIBIJSI AL AO CO.n.HERClO
4CTA DA SESSAO ADMINISTRATIVA DE 3
DE JUNHO DE 1871.
MWbVkcia do exm. flk conskliiriro ansklmo
FRANCISCO PERRTTI.
As 10 horas da inanhia, reunidos os Srs.
epatados, secretario Miranda Leal, Olinlo Bastn,
Candido Aleofora.lo e Alvaro, o Exm. Sr. conse-
lheiro presidente abri a Masan.
Fui lida, e approvada'a acta da sesso de dia !
BIPBDtKNTK.
Offlcio do presidente e secretario da junta dos
cerretores, remetiendo as cutariie olllciaes da se-
mana prxima (inda.Para o archivo.
Lvro da correspondencia ollicial, devidamente
escriptorado al o n. 171.
Distribuiram-se os seguintes livros ocaunar
ciaes :
Diario de Carlos Pinto de e no, Copiador e
Diario de Gomes & Carduzo, Diario dos rosnos,
Copiador do Seixas & BorRes, dito de Kellor & C.
Diario de Oliveira, Filh s & C.
DESPACHOS.
Requermentos :
De Mariinho de Olive ra Bures, pedindo para
que se mande juntar aos autos ilu sua rehabilita
fo os quatro dicuanenlis que apresenta, e que
no caso do alguin credor reciamar por se nao
achar pago, se oura o suppcante a respeito.
Jantem-se sos autos, indo com vista ao Sr. des-
mhargador fiscal.
De Maooel de Sooza Tavares e Jlo Jo= de Me-
deiros Mello, apresentando regido o contrato
pelo qual ratificaran) e prorogaram sua soeiedade
ommercial.Junte-re a peticao que foi despa-
chada na ultima sesso.
Da Fabricio (Jemes Pedrosa, inlerpondo recurso
para o conselho do estado da senlene.i do tribu-
nal aue conceden moratoria ao Coinmercianle
Joo Prsica Moilinho.Sim, estando em lempo
De Eslevu Jus da Motla, submettendo repli-
tro aescriptura ante-nupcial com que se casara
com D. Isabel Augusta do Oliveira Quintal. Re-
gistre se.
De Jos Ricarte Ferreira Marca!, igualmente
ubmellendo registro a sua nomeacao de cai-
xeiro de M. A. da Rocha Jnior k Ir mi. S^ja
registrada.
De Joaquina. Antonio de Vascrncello1, decla-
rando, para os devidos ensilo*, haver de-pedido n
aieu caixeiro Andr Das Gomes Ferraz. Como re-
qaer.
De Antonio Augusto de Yasconcellos, apresen
tando registro a omroacS de sen caixeiro Ro-
barlo Geroiniano Ferreiaa Villarim. Soja regis
irada.
De Oliveira Filhos A C, pedindo permi-sao para
continuarem saa escripia nos livrus de seus ante-
cessores.Sim, sendo os livros remeltidis secre-
taria desie tribunal, atlm de n'elles serem lavrados
o devidos termos.
De Francisco Joo de Barros Jnior, oppondo
se que se conceda a rehabililsco pedida por
Mariinho de Oliveira Diriges.Remella-se por co-
pia a peticao e relarao junta ao supplicado, MI n
le ser ou'vido sobra o ped lo do supplieante al o
dia 9 do eorreote as 9 horas da maulla, sendo a
mesma peticao com a resposta que cor o suppli-
cado' junta dos autos que ir fu com vista ae Sr.
desembargador li.-eal.
Summario ex- fllcio, ustaarado contra o corre-
tor-geral George Patchett por nao ter exhibido o
conhecimento do elTectivo pagamento do imposto
do tffleioD-se visu ao summariado, remetien-
do se copia des artigos de ac^usa^So para respon-
der no prazo legal.
A's 11 i/2 horas da manba o Exm. Sr. conse-
Ineiro encerrou a sesso.
SESSO JUDICIAIUA, FM 5 DE JUNHO
DE 187.
KUUIDBNC1A DO tk.M. SB. COKSEUUUO A. P. PK
WD,
Secretario, Julio Guimarites.
Ao meio dia declarau se aberta a sessio,
lando reunidos os Srs. desembargadores Sil
va Guimare?, Res o Silva e Acciuli. e os
Srs. deputados Miranda Leal, Candido Alcofo-
rado, Olalo Bastos e Alvaro.
Lida, foi approvada a acta da sesso passada.
O eserivao Albuquerque rrgiurou o ultime pro-
testo de letlra 3'do presente mez, sob o n. 2ili ;
6 o eserivao Alves de Bnto declarou que o pro
locollo do citado registro conserva a metros nn-
msraya i e data indicadas na acta da sestao admi-
nistrativa do 1 do presente mez.
Foi apreseotado ao Exm. Sr. conselheiro presi-
dente, para o andamento legal, o feilo que eslaVa
sobre a mesa e pende de embargos, entre parle-,
embargante Jos Alves de Agoiar, embargados os
administradores da massa fallida de Antonio Jos
de Figueiredo, no qual rfih-ia como revisor o Sr.
desembargador Jos Pereira da Costa Sot'.a que
segnio para a Europa no ultimo paqu-te in-
glez. E o mesmo Exm. Sr officioa ao lixm. Sr.
conselheiro presidente da reiacjto, requisiiando a
es'gna^io de ontro re\i-or.
JL'LCA.ME.VrOS.
Joizo especial do eoinniereio : appellante exe-
cutado Francisco Jo da SUa Gulmatiles, appel-
lados exequentes os admiDi-iradores da massa fal-
lida de Auiorim, Fragoso, Sintos di C.; juizes os
Srs. Silva Guim^res, Res e Sil/a, O ato Bastos e
Miranda Leal. Fj refirmada a Miuteuca appel-
Jada.
Juizo especial do coinmercio : apoellantes reos
os administradores da massa. taluda de Amoriin,
Fragoso, Santos & C.; appellado Jos Jaccrne de
Araujo; juizes os Sr?. Silva Guimares, Res e
Silva, Olinto Bistos e Alvaro. F.i confirmada a
seoten;a appellada, sendo voto Sn.ilo o Sr. Al-
varo.
Joizo especial do ccrnmereio : appellante autor
V. G. Peonely, appeados reos Jiilson Tiitton 4
-C. ; juiz-s is Srs. Silva Guimares, Accioli, Mi-
randa Leal e Alvaro. Foi confirmada a seoteoca
appellada.
Joizo especial do commercio : embargante ap-
pellante Uta Teodor.) Ciii-iiiunti, enmargadni
appellaos autores Ribo Schdinett.o & U ; jniz
os Sr.-. Beis a Silva, Accioli, Miranda Le.l e Can-
dido Alcfrado. Sen lo pr posta urna diligencia
peloS d^senbargador r-U'.or, i> passoii com o
voto do Exm, Sr. Cunjoltieira presiden;.', sendo
votos MDfjdoi os Srs. Beis o Silva e Candido Al-
coforado, eentrandi-se o merecimenl) da causa
foram dsspresadog os embargos.
A pedido dos Srs. depaudos sdiaram-se os jul-
gameotos dos aegitiutes f-it-is, r.nre parte*, ap-
pellanie Joaquina da Silva Casis, appellado Joao
Rodrigues Cordeiro ; appellante Mauoel Joto Duar-
te Gmmares ; apodados oa endores 4a nu*a
fallida de Antonio Jo- Maros Tuuriabo.
A Ci- A.. ._!____..i n : ..... 1____
mnrque. appellada D. Maria Qaerla Bodriene*
Ferreira.
AGGRAVOS,
Juizo especial do commercio I agravante Cus-
todio Jos Alves Gaimartes, a^gravados Antonio
Ribeiro Poules e ouWo aggravante Pedfo do
Repo Chaves ; aggravados Alves Pimenta & C,
successores de Joao Paulo dos Santos.
O Exm. Sr. conseih?iro presidente negou provi-
ment.
Eacerrouse a sesso um hora da tarde.
.0 Sr. de.-embarjfador 8-is
fo e apresentou a me.-a p
lo ler tambea jurado su<|.
4or Silva Guimares, o
llBtes n) al lustrad'ircs
toaio Jos de figaeireio,
de Oliveira /uni..r. Ko-
i*i juroa saspei-
p'rovidencia, vis
i\ desembarga
repartes, ippel-
fill.da de An-
Francisco Jjs
'. conselhem'pra
PUBLICACOES A PEDIDO.
ffercclda ao artista brasllcl-
ro pernambueaoo Voo Ter-
tuliano.
Nao posso, riem sei callado soster-me
Quando eu dilirante te vejo brilnar.
Na sa consciencia me diz o espirito
Que s um portento, um genio sem par.
Perguntam as estrellas : Quem este genio
Que a todos atrae sem visos de engao?
Responde este povo com viva* e palma* ;
E' o sel dos artistas, Tertuliano?
Tu pisas surrindo umsolo de hozanas
Um mundo de gloria tu trazas na vista,
Ergue esta frouie serena e gaibosa
E deixa luzir tua c'roa de arsta ;
R ella somente q (Je ha outra igul do cirto nao sei)
Tem ella mais lustre que a espada do nnhre
Tem ella mais brilho que o sepiro do rei I
Na tua avenida de luz e de gloria
Prosegues artista, prosegues ufano;
Ao mundo mostrai o quanto o genio
De um ftiho Jo noria de um Pernambucano.
Recife & de junho de 1871.
L. de Franca.
CUgt de Detenerlo.
O Liberal de hontem em seu noticiario chama a
atienc>> do Ezm. Sr. vicepresidenie da provincia
para um Tacto, que elle denomina fTirw, qua
de nao se acharan ua Casa de Detengan os sen-
tenciadas, Laurentino Jos da Rocha e Pedro de
Sou/a Godinho, contemplados na relac.40 annexa
aooffWo do juiz munijipal da f vara de 2i do
mez passado; e que rteviam ter destino ao presi
dio de Fernando o conclue com o seguinle tre-
cho :
Com se explica es^e caso? A hfiriheri da
Casa de Delenrfw produzir lamb-m o effeilo da
volaiisagao dos detentes atacados de tal eiifermi-
d-'de ? O caso grave e merece a altenco de S.
Exc. o Sr. Dr. Manuel Portella.
Sou t briga io a explicar esse cato grate.
Ifonea foram recolhidos a deteogio os senten
ciados de que se trata.
Estes individuos sao crlmonosos na provincia de
Minas Gerae, onde foram condemnsdos. Deviam
vir para o piesidio de Fernando, quando vienm
outros, quo aqui chegaram a 8 de maio passado ;
mas, segundo informacoes dos companheiros, o
de nomo Pedro do S u:a Gadinho, fugio em cami-
nho da Minas para o Rio de Jane;ro, e Liurentiuo
Jos da Rocha licou na casa do correecao da er
le, por motivos que ignoro. Entretanto os seos
noine.s nao foram eliminados da relac) nominal,
que acompanho o oflicin da aotoridade que os
rometlia com destino Fernando; e d'jhi a da-
vida que origiuou as observacoes, a que so refere
o Liberal.
Existe, verd.-ide, na detanco nm inlividno de
nome Laurentlno Jo da Rochaseini-braocui,
asado, natural da Ciruani de>ti provincia, idade
38 anuos, agricultor, lecultiido em II de novem-
bro do anno passado. processado por varios cri-
m-s de furto, no Bonito, mas que nao de que
tratava a retacan que acroipanhos o offico do Dr.
juiz municipal di I' vara em22 de maio.
Casa de Deleaco, 7 de onlio df 1871.
Rufno de Atwi.li
Vi
vigarfo. nitidelo
de Tlrtude
moral e civil.
c Uro. e Rvm. Sr. Accuso o recebimenlo da
cam de V. Rvma. mioha sogra, de cujas ex-
pressoes muito Ihe agradecemos. Racibi a,coala
do enterro, mas quanto ao offli 1 parochial nao
Ihe podemis remoller o importe, porque,.oomo V.
Rvma. sabe, meu finido sogro falleceu a poueo e
aioda nao eslao descrimintdos os seas bees.
V. Rvma. teoha a bondade de communiear-
nos o dia do ottiio, porque queremos aseislir, e
sali ne.'sa occa^iao Ihe satisfaremos.
Nao posso deixar de extranhar a falta de coa
liacci, que leve V. Rvma.. qiurendo tornar re*-
ponsuvel do dinhe.ro o portador ; isto demonstra
um pr%cedimento, que nao proprio de um ho-
mem qualquer, quanto mais de um padre. Des-
culpe-me% franqueza; sou de V. Rvma. attento
venerador e criado,
Joaquim Teixeira Bastos.
lllm. Sr. Sitio na Pontesinha, 4 de maio de
1871.
A resposta ao ultimo trecho de sua presente
carta, manda lo taina, l da sen Portugal, de
onde teto too boa peca. Tem Ihe respondido tam-
bera com franqueza, re senhor,
Padre Joaqun de Aragos Ebla.
THE ALLIANGE BRITISH & FOREIGN.
Life and Fire Assurance Company estabelesid
em 1824. Capital 5,000,000
Os agentes desta companhia tomam seguros
contra fogo sobre predios, gneros e fazendas e
psg Rabe Schmettaa & C
Corpo Sanio n. lo.
Segaros conlra-fogo
COMPANHIA
NORTHERN.
Capital........50,001:000*000
Fundo de reserva .... 8,000:000*000
Agente?.
mis GlMtm c.
RA DA CRUZ N. 38.
IMPERIAL
Companhia de segu
ros contra-fogo
s.
Bina da
AGENTES
P. JOimSTON t C;
cazala-aoTa a
49.
DE JUNHO
fKACA DO RECIPE 7
DE 1871.
AS 3 i,'2 HORAS DA TARDE.
CotaeSfs officiaes.
Apolices da disida, uublica de 6 0,0, 98 e 99
t|0 ao par (lionu-m).
Cambio sobre L mires 90 div i :) i d. pr
1*400 do banco (hontem).
il. G. Stepple.
Presideate.
P. J. Pinto,
Secretario.
Af.FANDEGA
(ndimento d/t dia 1 a 0 lGi:9i6!)9l
dem do dia 7..... 14:107*941
*7>:lSU93
or tinento da alfaadega.
/olmnes saludos com fazendas IH7
* com gneros. 1W
363
sidenle offl.iou ao Exic. bejro presidente
da relaco solicitando a deinacao de um ju;z
retisor.
Mimdw.
Do Sr. ilesembarga *">r Silva Gulmarieg ao flr.
desembargador Aeis e Sova : appetlaaa JoSo d-
Descarregsm hoje 9 de junho.
Patacho hwpsnholThemoteo //varios gene!*?
Pataeho infletZetgareferro.
Lugar IngtezWH'Oipedras.
Barca portuguezaCornilvarios gneros.
Barca ingleza llermionemercaderas.
Bi'rca inglezaIhlphtnid-m.
Pataeho fngle.zCtmrtinazbicamao.
Rrigue inglezVTili Waoettf9.
Detpacho t i exporta cao no dia 6 d.
junto
lio vapor igle Grttolitt, para Liverpool
earwfc'ram : Narciso Jota Perrsira t Fdbo 30
fardes com 1,000 kilos de fumo era f Iha
ECEBE90RIA DE RENDAS INTERNA*
- GERAES DE PERNAMBUCO
\endimento do dia a 6 9;!9fi*691
dem do dia 7..... 3:772*169
12:06?8l
CONSULADO PUOVINGIAl"
tecdimemo do dia I a G 23:5'33*222
dem do dia 7..... 4.583*133
~*T51*757
MOHIIENTP DO PORTA.
Mimo entrado no dia 7.
Terra Nova-50 das, brigne ingles Contienan, de
186 toneladas, eapiao W. A. Jackman, equipa-
Rem 9, carjja 2 6D0 barricas com bacalhaj; a
Johnston Patr de C.
Navios sahidos no mesmo dio.
Pai Barca_ porlugueza Despique II, capillo
Faustioo 15) do Carvalho, carga assucar e
agurdente.
ParaPatacho portuguez Jos, capilao Fernande
Pereira, carga assucar.
Yo vio 1'ia/Jo no da 8.
BarcellonaSum.ica tiespanHila Carme, ca
Mitheo Pages, carsa algodo.
0&riT(ii;So.
Al mel dia nao nouvd entradi. Aapareee a
norio um patacho e a leste urna etnbarei*r-
EBITAES.
Fculdade de Oireito
l)j ordem do Exm Sr. ct.nselheird vice director
se faz publico <|ue segunda-feira lt do correis,
s 10 horas da manhaa, lera lugar nesla faculda-
de a arguicao reciproca enire es candidatos ins-
criptos para o proximo concur-o.
Secretaria da Faculdsde di Direito do D;cf3, 6
de junho du 1871.
O secretario,
Jos Honorio B. de ilenez'S.
O Dr Sehasliaidi ItSM TTM Jo Lacerd\ juiz
de direito especial do commerci 1 desta ciiade
do Recife de Pernambuco por S. M. Imperial
que Deus guarde etc.
Kaco saber pelo presente que so dia 9 do cr-
reme mez de junho se ha de arrematar por venda
a quem mais der em praca publica deste juizo,
d*poi* da audiencia re-pectiva a parto que posue
D. Gerlrudes Anglica Joaquina no sitio denomi-
nado Olfio de vidro en Parnamerim com casa
de vivenda do sobrado de um andar, e lendi
tanto no pavimento terreo como no superior duas
salas, quairo quartos, sosinha fora, havendo alm
disso um gat-ie no pavimento terreo an lado,
Undo mais com dependencia da dita casa urna sen-
zalla e coxeirano fundo, porui separado da mes
ma, cujo sitio tem bastaa:es commodos; dividi-
do pela estrada do ferro dos tnlhos urbanos, qtie
o ci 11 ni ao meio, alm da casa de vnvnda existe
urna outra na beira da estrada acuna referioa,
avahado todo por U:O0fliOuO sendo a parte que
possue a referida D. Gerlrudes do valor de....
5:224*108, em virtude da conta feita proporcional
pelo contador do joito; e vai a praca por execa
cao do bacharel Joaquun Francisco de Miranda,
contra a ine-Miia D. Gertrud s Anglica Joaquina,
e na falta de laucad.n es que cubra o preco da
avaliacao ser a arremata cao Celta pelo pre^o da
adjndieacao com abatimeuto da lei.
E para que chegue ao conhecimento do todos
mamtei renovar o presente edital por assim o ler
requer).1 o exerniente-, visto ler sido por equivoco
marcado o dio do presente miz de junho nos
edilaes anies publicados, e >er es-e dia de ferias,
ser este illixido nos lugares' do cosame, e pu-
blicado pela iiiq i'.-iisa.
Dado e passado nesia cidade do Recife de Per-
uambaco aos G dejuiihade 18-71.
Eu. Ernesto Machado r'reire PereirOda Silva
eserivao o subscrevi.
Recife, 6 de junho de 1871.
Stbntfimt do Reg Barra.' de Lactrda.
O Dr. Sebastin do Reo Barras de Lacer-
da, juiz da direito especial do comtpercio
nesti ciiide do Recife de Pernambuco
por S. M. I. ei<;, etr.
Faco sabei4 aos que o presente ed#a!yireni
e delle milicia tiverem que no dia* 9 ff jo-
nho do correte auno se ba de arrenialar por
veoda a quem tmi$ der em pra$a publica
deste juizo, depuis da respectiva audiencia
o seguinte :
Utta armago de lonco envidracada com
candieiro, registro, e encanamento d (raz,
exi lente na toja de calcados na raa do
Duque de Caxias n. 30, avahada dita arma
Cao por 200*000.
Bou pares de bolinas de couro para
homem a 3*000 o par. Doze ditos de sa-
patos de lustre para mulh r li$000 o
par. l dilos de raarroqaim a 700 rs. 1
par. Doze ditos de diversas qnatidades
pard meninos a 320 rs. o pr. Vinte qua
tro novillos de fi) a 30 rs. Duas cadeiras
sendo urna de amarello e outra de pinito
por 64, os quaes oram penborados por exe-
cucao de NURtM Barrozo de Mello con-
tra Antonio Ignacio Barbosa.
E nao havendo lacador que cubra o
prego da avajiaco ser feita pelo prego da
adiudicagao na f rma da lei.
E pira que chegne o conhecimento de
todos mandei passar o presente que ser
pnb i.'.ado pela imprensa e allixado nos lu-
gares do coiturae.
Recife 20 de maio de I87I.
Eu Ma noel Mari a Rodrigues do Nasctmen-
to escrivao o suhscrovi. Recite 20 de maio
jd 1871.
Sebasriao do Reg ). de Lacerda.
JUIZO DOS FEITOS DA FAZENDA
NACIONAL.
10 Dr. Ahilo Jos Tavares da Silva, offlcial da im
perial ordem da Rosa e ju privativa dos Ceitos
da fazenda de.-la provincia p ,r S. M. I. e C. que
Deas guarde etc.
Fago saber que em virtnde da expcceo, que a
[fazenda nacional cncaraioha contra a vi'uva e her-
deiros de Juho ?ereiri Mattoso, ex colle:lor do
r.ab>, fez-se penbora em um dScravo de nome Se-
cundino, mualo, cora 28 annos, pouco mais ou
menos, pedreiro, avaiiado por \A(), em consa-
qnencia do que, em face do decreto n. 1695 de 13
de setembro de 1869, e em virtu lo de requerimen
!to do coronel Jos Fslix da Cmara Prcente I, ees
sionario da fazenda, s) envidados pelo presente
qiaesquer lieilantes para apresentarem snas pW-
pisias dentro do praso de 39 das, a contar esta
data, seriando se o mesmo escravo em poder du
depositario particular Pedro Vctor Boufetreaax,
00 eogenho S. Jiio da comarca do Cabo. .
K para .',-e cheque a noticia de todos mandei
pa-sar o pre-enie. que sera publicado pela impren
sa e affixado un ugir do costame.
Dado e passado nesta cidade do Recife de Per-
nambuco em J de maio de 1871
Eu Luis francisco Barreto de Almelda, escrlvaa
*userev Abilio Jo Tavares da Silva.
e
do
em
Am*'rWelr; appeKsdo A4j0to Gonvr Rn*. Na rtrea porunruez Flor de & Sima, pm
Mott. deMNMMrgador Rete e Silva aoSr. desem o Porio esri'eyaram : Carvalho A Nogoeira IW,
argador AeeWt: apo?llente An toaio de Su liba- seeo? eom 15,-WO kilos de asnear nraseavado. I
O Dr. S'bast'&J du Kego Brros de Lscerda, ju
de difeito especial do cominercio n'estt eidde
di Recife de Petaan.buco por S. M. I. ele.,ete.
Paco saber aos que o presente editsl virem
delle notieia tiverem que no da 9 de junho
crreme anno se ha de arrematar por veatda
piafa publica deste juito depos ds renpeoli ao-
diencia a irmacao e gneros da taverna sita a r*
do Baro de 8. B >rja n. 13, eufa armenio e gene
ro- sao os segujntes :
Armacii eonr todos 01 seas pertenec, inclusive
lialanca, pesos, medidas, corredores, uandieiro e
registro de g ir, por 300/000.
I caraira de amarello usaos por 8000.
S ornes hfanis 800 rs.
1 bacas ranos s 700-ry.
7 halos branlos a piniado a 600 rs.
188 tij-lus pintadas a iO rs.
IM- casaos de chicaras e pires a 100.
1 p.mella de b.rro a Ors.
17 tijellas d dil> a 60 rs.
It frascos e etm-irva a 700 re.
13 libra d* 5 libns de asassa 4 leoiale a 580 rs.
liistat de azeileM a 400 r>.
8 latas do pencada a 809 ss.
1 i latas prq eua-. sardiohas, a 3?(* yj.
9 latas do bolaxinhas de soda a 700 rs.
28 latas do graxa a 80 is.
3 eaixas de charutos a (300 rs.
10 frascos de genebra de la campana a'300 rs.
14 botijas do gen bra de H .llanda a 300 rs.
40 garrafas de cerveja a 300 rs.
30 botijas de cerveja branca (Bass) a 700 rs.
83 meias botijas de dita dita a 400 rs.
33 meias botijas de dita preta a 400 rs.
44 duiias de fsforos de seguranza grandes (eai-
xas) a 509 rs. a duzia.
34 dotias de eaixas de ditos pequanas a lO rs.
62 duzias de pomadas a 160 rs.
174 musos do palitos para denles a 100 r->.
13 reinal de papel pardo peqoeno a 14009.
2 ditai de dito grande a 1.4280 rs.
4 esleirs grandes a 300 rs.
7 ditae pequeas a 240 rs.
264 abanos de pslha a 20 rs.
I cvo para ptgar camarSes per 800 rs.
I e '% barricas de uokxmhas inglezas por 10|.
t laceas de farinhaa^OOOfs.
11 pares de taroancos a 320 rs.
1 c meia barrica de sardinhas por 80OO r?.
Meia barrica do manteiga era mo estado por
R|000.
1 sacca com 14 kilos de folha da louro por 6.
Meta sacca de gomma com 1 e 'A arroba por
5x000.
Mola barrica com frloha por 3i000.
30 libras de arroz piledo a 80 rs.
6 libras de aletria a 400 ri.
40 libras de tapioca a 100 rs.
Mi a harnea de lpi.-U com 3 arrobas a 33200.
12 libras de cuminhos a 800 rs.
16 libras de pimenta do reine a 400 rs.
3 manugos d'alhos a 200 rs.
3 libras de canella a 1 4000.
8 libras de esf em caroco a 240 rs.
3 roiae de millio ajurdo a 160 rs.
6 libras de cha a 2*000.
38 caadas de vmho figueira a 3000.
6 ditas de violto braneo a 3300 rs.
5 citas de vinagre a 2000 rs.
2 ditas de vinho verde 3009.
4 ditas de az*ite dOcw a .fa-jOt.
4 torneiras de metil para pipa a I000.
3 ditas de madeira a 600 rs.
2 pipas a 1D
1 meia pipa por 6000.
4 barns a SO-'O.
i ancora por 3000
9 barricas e 7 barrs vastos por 800 rs.
19 caixdes vasios por 2|000.
82 garrafas e botijas varias por I600 rs.
Somma 988900 rs.
Foram peniiorados por execucao de Loureiro A
Simoes, contra Mathias Jos ae Mallos 4 C. E
nao havendo laagador que cubra o prego da ava-
liagao, a arremat gao ser feita oelo prego da adju-
dicagao Da forma da le.
E para que chegue ao conhecimento do todrs
mandei fazer o presente editsl que Hfi illjxado
nos lugares do eos turne e publicado pela iroprensa.
Recife. 23 de maio de 1871.
Eu, Naooel Mara Rodrigue) do Nascimenio, es
erivo o subscrevi.
Sebasliao do Reg Barros dt Mcerda.
A cmara municipal disia cidade fa-
publico para cooliecitnento de quem inters
sar possa que, os 30 dias marcados no edital
de 4 do crrente s5o para exame e estudo
da planta e ornamento do edificio do merca-
do o nao para confecgo do projecto do mes-
mo mercado que sero ao seu lempo an-
no ncrados.
Pago da cmara municipal do Recife 19
de maio de 1871.
R-'tito Jo.' da Costa.
Pro presidente.
Lourengo Bizerra G, da Cunha.
Secretario.
O Ulm. Sr. inst>ertor da ihesourana de fa-
zenda mana fazer publico que tem marcado o dia
26 de junho prximo vindouro para o concurso
que se tem de sorir na mesma ihesourana para
preeachmeato das vagas nerla existentes e na al-
fandega de praticnteR ; versar o exame s as materias de que trata o art. 9 do decreto n.
4153 de 6 de abril de 1868 a saber : connecimen-
to perfeito da gramraaiiea e Mogua nacional, e da
ariihmetica al a theoria das proporg5es inclusi-
vamente reanindo o candidato a estas habilitagi5es
boa letra.
O coooorrenlea-deverao previamente apreseu-
tar seai requerimentos inslrnido* de documentos
que provem t ;r b un c^mportamenlo e idade pelo
menos de 18 annos.
Secretaria da thesonraria de fazenda de Per-
nambuco 26 de maio da It71.
Servindo de offlcial maior,
Mauoel Jos Pinto.
De ordem do lllm, Sr. conselheiro inspector da
thesourara de fazendo de>ta provincia se fsz pu-
blico que tem de ser contratado peraote a junta da
mesma thesonraria, por quem por menos flzer, o
fornecimenlo de medicamentos a enfermaria mi-
litar desta capital no semestre de julho a dezem
bro do crreme anno
Os preten lentes deverao dirigir suas propostas
em carias feichadas ao mesmo lllm. Sr. conselhei-
ro at as 10 horas do dia 17 do crreme, e ser
lhes-ha franjueadn o receituano que contm os
medicamentos preparados '. os seus pregos, afim
de que possarn regular se as respectivas propos-
tas.
Secretaria d thezooraria de fazenda de Per-
nambuco, 5 de junho de 1871.
Servindo de ofn>,!al-maicr,
Carlos Joao de Souza Correia
DECLARACim
Juizo de orphifls
No da 11 do orreote mez de junho, depols da
audiencia do lllm. Sr. Dr. jai; de orphios desta
cidade se ha de arrermtar o arrendamento por
tresaonos a razSo de 3:000 per aneo doengenbo
Tramada freguezia de S. Loareaga da Malta, vai
praga a requerimento do loveotarianie dos bens
do casal do fallecido lente coronel Joaquim
Mauricio Wanderley. O escripto se acha em roo
do porteiro dos auditorios, e ne le esto declara-
das as condicoes da rr*mat*gio.
8anta Oasa e Misericordia
do Recife.
A junta administrativa da santa casa da mi-e
ricordia do Recife precisando concertar o predio
que possue o patrimonio de orpos ra da Cruz
n. IV. contrata com quem se queira encarregar
de eflectuar ditos wncertos, concedendo-lhe o ar-
rendamento pr um certo numero de annos e me-
diante aluguel commodo.
Os preteedeotes deverao presentar suas pro-
postas em cartas fechadas e selladas na sala das
sessfos da junta, pelas 3 horas da tarde do dia 1*
de junho vindouro.
Secretaria da Santa Casa da Miserirdia do Re-
cife 27 de maio de 18/1.
O Eserivao,
Pedro Rodrigues de Souza
O aamiiii-irador da receeduna de rendas in-
ternas geraes, faz scienie que nesle mes de junho
que ti-m de ser paga sem multa a derima addieional.
relativa ao 2* semestre do esercicio correte de
1870-71 que eslao sujeilas as corporales de
mo mora, as roupanhias e sociedades anonymas
e as associagfies pias, beneficentes e religiosa*, e
qne (lodo o referido mez, ser paga com a multa
Je 6 /
Recebedoria de Pernambuco, 6 de junho de
M71.
Manoel Caraeiro de Sonsa Lacerda.
tlonselho k compras de ma-
riiiha.
O conselho contrata no dia 10 do correte mez,
vu de propos-Us recebidas ale as 1-1 horas da
manhaa, e (oh as condignos do estylo, o. (irneci-
meuto no trimrs;ra prximo viu louro de julho a
setemhro, de vveres, bielas e uniros objeetos de
coasumo aos navios da armada e cstabelecimea-
tos de marino j, seguales:
Arroz dV Maraolte, aramia, aletria, aarite doce
de Lisboa, agurdente de 20 gios, aaeite doce
inferior, asiaear brando reOuado, assucar braico
grosso, bolachinha americana, bacalho,- bolaeha,
caf moido cha byis*, ca e grao; carne ver-
de, carnauba eq) velas, car ecca do Rio Grande
du Siil, eevadioba, feijio, farinha do mandioca da
terra, galiana, 1-nh.i, manteiga iogfesa, mane,
manteiga Trance, milho, pi sabio, sal, tapioca,
louataho de Lisboa, ljalo de aJreoari* grosea,
Hha. volas steariaa?, vinho de Lisboa envinagre
de Li-boa.
Sala das sessoes do conselho de compras de ma
nnha de Pernambuco o dejuuln de 1871.
O secretario,
________Alexandre Rodrigues dos Anlos.
SANTA CASA DE MISEKlGOrt)IA D
RECIFE,
A Illma. junta administrativa da Santa casa dt
Vliseric rdia do Recife precisa contratar o forne-
cime. lo de assucar de e 2* sores qne bouve-
rem de consumir os estabdecimentos de caridade,
eollegios de orphos e asylo do mendlcidade nos
mezes de julho. agosto e setembro prximos, para
o que recebe propostas em carias fechadas na sala
de suas sessoes, as 3 horas da tarde do dia 15 do
corrente.
Secretaria da santa cisa da misericordia do Re-
cife 3dt jinho de 1871.
O eserivao,
Pedro Rodrigues do Sonza.
anta Casa de Misericordia do
Recife.
A junta administrativa da Santa Casa da Mise
rleorlia do Recife precisa contratar o farnecimen
to dos pies e bohenas que tiouverem de consumir
osestabelecimenlos de caridade, os eollegios de
orehos e o asylo de mendicidado nos mezes de
julhi, agosto e setembro prximos, para o que
recebe propostas em cartas fechadas na sila de
'saas sessoes, as 3 horas da tarde do dia 13 do
crreme.
Secretara da Santa Casa de Misericordia do Re
jile. 4 de junho de 1871.
O eserivao,
Pedro Rodrigues de Souza.
Santa casi da misericordia do
Recife.
A j ma administrativa da santa casa da miseri-
cordia do Recife contrata o fornecimenlo da carne
verde que houverem deconsuinir os estabeleci-
menl-x de caridade, os eollegios de orbaos e o
asyio de mendicidade nos mezes de julho, agosto e
setembro.
Recebe propostas na sala de suas sessoes, pelas
3 horas da tarde do da 13 do ntrenlo.
Secretaria da santa casa da misericordia do Re
cife 2 de junho de 1871.
Secretaria da santa casa da misericordia d Re-
cife 2 de junho de 1871.
O eserivao,
Pedro fodriguesde Souza.
Santa casa de Misericordia do
Recite.
A Illma. junta administrativa da santa casa de
misericordia do Recife precisa contraer o forne:i-
mento dos gneros abaix > declarados que tem de
consumir os e-labelecimentos de caridaile. os eol-
legios de orphos, e o asylo de mendicidade no
trimestre de iulho a setembro.
Recebe para igft proposta na sala de saas ses-
.5es, pelas 3 horas da tarde do dia 13 do cor-
rente.
Os concorrentes lamentarlo suas propostas em
cartas fechadas, as quaes devern ter a ordem
establecida n> presente annuncio :
Aletria kilogr.
Arr iz do Maranho dem.
A7eite doce litro.
Azeite de carrapato idem.
Agurdente idem.
Bacaln&e kilogr.
Ratitas idem.
Cha hyssoa idrm.
Cha preto idem.
Caf em grao idem.
Carne secea idem.
Ceblas 100.
Farinha de mandioca litro.
Fumo do Rio kilogr.
Feij.lo mulatinho litro.
Farello si eco.
Gaz lata.
Milho sacco.
Manteiga Iranceza kilogr.
Sana) idem.
Sal litro.
Tapioca idem.
Toucinho kilogr.
Velas de carnauba dem.
Ve>as stearioas idem.
Vinagre litro.
Vinho de Tinto de Lisboa idem.
Vinho braneo de Lisboa idem.
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do Re-
cife, 2 de junho de 1871.
O eserivao,
Pedro Rodrigues de Soma.
S.\NT\ CASADB MISERICOKDIA D
RECIFE. .
A junta administrativa la Santa Casa da Miseri-
cordia do Reo fe precisa contratar o fornecimenlo
dos medicamentes que h luverem de eonspmir a
botica do hospital Pedro II e a enfermai ia do asylo
da mendicidade no trimestre de julho a sotembro
de conformdade com a relaco existente na res-
pectiva secretaria, onde ple ser examinada, para
o que recebe propostas at o dia 13 do correte.
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do Re-
cife 2 de junho de 1871.
O eserivao,
Pedro Rodrigues de Sou?a.
Consulado provincuJ
Em o mez de junho prximo comeca a correr
praso do 30 das para o pagamento voluntario
nesta repartilo da contribuicao da decima ur-
bana, de 5 0|0 sobre o rendimento dos predios de
corporales de mao mora e de 75 rs por litro
de agurdente, relativamente ao 2* semestre do
anuo flnanceiro de 1870 a 71 ; o que faz-se scien-
ie aos respectivos contribuintes que nao satisfa
.lid > dentro desse praso, encorrem na multa de
5 Q0 at oncerramento do exerclclo.
Con-ulado provincial 22 de maio de 1871.
O administrador.
, Antonio Carneiro Machado Ros.
No da IS do eorieuii m, depow d au-
diencia di lllm. Sr. Dr. juiz de orphos, vai pra-
ca per arreadamente de tres annos, o sitio da P.in-
te oe Uehi, servindo de base para a arremalacao
a c fferta de 1:600, sendo obngado o arrematante
coHscrvar o prrdio no estado em que se acha, e
tambjm ser obrtgado a dar fiador idneo dita
arreniataco ; o predio cima mencionado vai
praea por arrendamento a requerimento de J Anlnlo Pinto, com anuencia de Jos Jeronymo
Monteiro, na quatidade de inventariaote dos bens
do casal do finado Jos Mreira Lupes, e como
tutor dos filnoi menores destes e do Dr. curador
gerat.
ijnr------ri-----
Ra oa Smala velha.
Sobrado de 3 andares o. 132 700*000
Casa terrea n. 18.....2414000
Idem n.;i. 6-.......08*000
Ra do Pilar.
Casa terrea n. 101.....203000
dem n. 89........3000Hq
Ra do Pilar.
Casa terrea o. 2..... 78O0O
dem n. 110....... 2058tiO
Idemn. 104.......20l#000
Idem n 99......' 360000
Os pretndeme deverio apreieotar no aeto da
irrematacao as suas (lances, oa comparecerero
icempanhados dos respectivos fiadores.
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do Re-
:ife, 2 de junbo de 1871.
O eserivao,
Pedro Rodrigaes de Soaza.
THEATRO
E11
SOR A DIRECCaO DE _____
cm&m&m mmmMxm
(REPERTORIO DE OFFEMBACH)' ~j
Os espectaenlos tero Higar ln>
Tarlavelmente ani
(i uartas,
ilutas,
Nabbados,
nomneos.
AVISOS MARTIMOS.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
t\ Mamanguape.
0 vaper Co'urtpe, coro-
mandante Silva, seguir
para o porto cima no
dia 12 do correle as 5
horas da tarde.
Reecbe carga, passagetroe,
encommendas at as 2 horas da tarde de so* sa-
bida : escriptorio no Forte do Mallos n. 12.
COMI'AxNHIA PEKNAMfiUCANA
M
Va^cgaco costeira por rapor.
Porto de Gallinhas, Rio Forcuoso
Tamandar.
O vapor Pmahyba, comman-
danle Uliveira. seguir para-
os oorios cima no dia 10
do corrente a meia nenie.
R cebe carga, encomweo-
das, passageiros e dinheiro a frete : no escripto-
rio do Poite do Maitos n. 12.
BAHA
O palhabote Garibaldi, capilao Custodio Jei
Vianna : a tratar com Ta'se Irmirs S C.
PARA
vai sahir em poucos dias a barca pwtugueza ttr
de S. Simao por ter qoasi toda a carga prompta :
pa a o resto e passagens trata-se com Carvalho &
Nozue.ira na ra do Apolli n. 20.
PARA O
ARACATY
SANTA CASA DA MISERICORDIA DO RECIPE.
A lllm. junta administrativa da Santa Casa do
Misericordis do Recife manda fazer publico que
na sala de suas sessoes, no dia 8 do mez de junho
pelas 3 horas da tarde, tem de ser ai remata dos
a quem mais vantagms offerecer, pelo lempo de
um a tres annos, as rendas dos predios em segui-
da declarados :
ESTARELECIMENTOS DE CARIDADE.
"*S? Ra do Prdre Florianne.
Casa terrea n. 45........ 180*000
Beceo das Carvalbas.
Casa terrea n. S........ 120(W>
Roa da Viracio.
Casa terrea o. 7........ !83000
Rna de Horta?.
Loja do sobrado n. 41......122000
Rna larga do Rosarlo
Sobrado, 1. andar n. 24 .... 402*000
dem 3. andar idem......243000
Ra do CaUbouco.
dem n. 18........320000
Ra do Amorm.
Sobrado do 2 andares n. 26 ... 302000
Ru do Pilar.
Casa terrea n.-73......2H000
Itua da Gloria.
Casa terrea n. 61 2i0000
Beceo do Abren.
Sobrado de i asare a." 1. 400*000
Ra do Bou Fim ero Olinda.
Casa terrea a.' fl...... 96000
dem n. 12 ....... 96l)O0
PATRIMONIO DO HUMOS.
Ra do Crespo.
Sobrado de 3 andar n. 11. 1 7OW0W
Roa do Rosario da Roa-VlsO.
Casa terrea 0. 38,.......300000
Heeeo das Boias.
Sobradedea#laieo. tt 36?M
Ra do Burgos.
Casa tefiw k <.....130000
(o-em b. 31- ....... i5t*0M
Roa dv Vigari.
I. andar do sobrado n. 7 300JM*
i. m Mean.......24000
Loja do mesmo.......3iSfMQt
lme> MMwaamw,
Serado efssare* a>, 4 1:
Segne eom brevldade o hiate Novo Inremim:
para cargas e-pas o. li, 1* andar, escriptorio de Pas Lopes Davim.
l'ara o Amc .ty
Segu restes dias o hiato Mana Amelia, capk
:ao e prat.eo Francisco Thomaz de Assis, para 0-
resto da cari 1 qne Iba falla trata se com Anlonie
Iberio de Souia Aguiar, roa do Amorm o. 60-.
Liverpool em direitura.
LIVERPOOL, BRASIL & BIVER PLATE
MAIL ITKAMIRS.
No dia 23 do corrente esperase da Ba-
ha o vapor ioglez Copernicis de liOO to-
neladas, o qual seguir depois de indispen-
savel demorar para o porlo cima. Este
vapor tem excel entes accommodaces para
passageiros. Para rete, pa.ssagem etc.,
trata-se com os agentes Saonders Rrotliem.
4 C largo do Corpo Santo n. 11.
PARA O
PORTO-
Coro mimo pouca demora oeste porto seguir
oara aquelle o brigne pornigiiez L'niito por j ler
Jgrande parle do seu carregameoto prampto : para
o resto que Ihe fal'a e passgeiros trata-se coa
Soares Primos, rna do Vifaria n. I7
Vende-se a escuna italiana Frbro, de*uce
de 210 tonaHadai iagiezas, forrada e eacasrilhula
de metal, cala carretada nove ps de agoa, foi
constru la em Genova ne mei de julho de 1809;
de madeira de carvalho classiflcnda em t' classe
por sete annos, como se pode ver do registre d*
visitas; (s: prompu a navegar para qtialqoer
porto, acha-se ancorada em frente da alfandega
no arcoradonro da carro seeca* aonde os pretra-
dentes podem examinar e tratar com sea respec-
vo rapttSo e dono.
COMPAtfHlJL
DAS
Mes^egeries mu times.
At o dlh. 10 do corrente mer espen-sa da Eh-
ropa o vapor francer Gironde, o qual depois, d
lomera do costme seguir para Rnenus-Aes,
tocando na Baha, Rio de Janeiro o Montevideo.
Para condUQSes, (retes e passagens, trata-sa
aa agencia, rna db Commercio a 9.
No dia 11 do corrente mei esper-se dos por-
tos do sal o vapor francez Smdh, commandan"*
Massenet, o qnal de.pois da demora do costuro
teguiri para Brdaos, tocando era Dikar (Coria)
# Lisboa.
Para condicjJes, freas e passagens, trata-se n
igcncia, rna do Commercio n. 9.
PARA O
Sefn* com Irwtdtrfa hiele Oeeno *
achar com parle de eae*efaasen*e ; pmm r*JJ
psssagem. para o oro tem eaeelWftiMet'wmeros,
uala-se rae da Vlgaaio n. rs aadaw, "
I >rio Ae Jos Logro D*ie.
wm
LEftOK.

f
t
de 600 pecas de al^dyes
avariadie
1


ea
Diario de PernamtCv Sexta llf 9 de Jtiiik tle lli
P
----TiB-TIrw


'
--

'
Sextafeira 9 do c
em
Por intervengo
00 axaijiem u. '23 da travs;
e tteia boras
te Pinto
Corpo Sanio.
Leilo
DE
FAZENDAS
constan o de madapoloes, algodoes, chiU?,
casimras, pannos, chales,
bros, camisas e muitos outros artigos
Hoje
Joaqun) Lapes M letnclo & C. lavarlo ;i leilo
or ioierveogao do agenta Piolo, un variado-sorli-
-anott 4s fazendas nglezas franeeza?, ultiraa-
iCDente despachadas e etteiites em seu armazem
Ae, traves.-a do Corp? Saato n. 15, onde se effec-
**rt-oHeilai iis 40 horas do da cima dilo.
4a asa terrea n. 9 da ruado
Cdxo em Olinda.
O-tfenta M.inm, aatorUado pelo lllm. Sr. con-
t*P6 PoriugA, litar notamente leilo a casa
cima, perteneatite a) espolio do padre Jos Anlo-
al** Satl Lesea
BOJE
m.-sen esersfMorio ra do Mrquez de Oliada n.
lV*s1n .ras do *.
LEUAO
DE

Car> a ageste Punuial, eompetentornente antorisado,
nadar em leilo doui carros de passeio, duas
pareihts do cavallo?, tres vaccas, um garrote, una
fcot e ara carro da alfanrlega
HOJE
oa roa do Imperador n. 17 (cocheira) as II horas

sobrado de um andar e
sotao n. 52
da ra de 1 lortas
O ageste Martins, competentemente aut> rsado,
sraem eilio o sobrado de um andar e soto
o. SI, da ra de Horu*, cum quintil murado
HOJE.
en seu eaaHpifio ra do Mrquez de Olinda
n. 15, a< (I horas do da. O agente dar as iu-
onnacfies que exigirera os preteodentes.
360 chapeos do Chite
ASSIM COMO:
30 pe;as de cr.sixiras de cores Anas.
50 cortes de dita idem idera idem.
i larde de panno fino preto.
1 dito de casimira preta.
Farenda nova e propria para o mercado
Sexta-feira 0 de jnnho
no armazem da Iravessa do Corpo Santo n. 23,
#or coata e risco de quem pertencer, por occa-
wisddaj fazendas limpas e avariadas.
LEILO
DE
4)0 caixas cum cha
Segnda (eir 12 do correte.
O lei'ao de SO eaixas cera cha nao pode ter lugar
se da armunciadj por causa da chava, e lem lu-
gar oa d:aadma, segnud feira IX do corrate, s
II bom da maohaa, no armazem do Aone.
LEIUO
DE
Urna mobilla de amarello a Luiz XV, um guarda-
vnstldn, um meia comino la, una cama frao-
ceza para casal, urna epreguicideira, tima jardi-
eir de Jacaranda com pedra. 3 venezianas, um
quarloheim, urna marqueza, urna mesa redonda,
urna cama franeeza para soiteiro, urna baca de
folha eSeiearradviras.
te4u:a-feira do crreme.
O agenio Puntual, antorisado por urna pessoa
que se relira desta provincia, fara leilo do- ob-
iectos cima meBonado?, no armazem da ra do
Imperador n 10, as II horas em ponto.
de Joias.
O gerente da casa de penhores da ra das Cru-
zes n. 2, tendo de fazer leilo, por oicrvenco do
agente Marti as, no dia 25 do corrente, previne
aos Srs. mutuarios que tem cautelias vencidas e
nao reformada?, que sero vendidos es objectos
dados cm penhor na forma da lei, do dia cima
indicado.
AVISOS DIVERSOS
Antonio Carlos Damasceno leDdo de retirar-se
para fra do Imperio faz pablico perante a lei, e
deixa por sen procurador nesta provincia ao Sr.
Joaqun1. Jos ti caires Beitro.
Pernambuc, 6 de junho de 1871.
Josepha Joaquiuu Pereira Ramos, inventa-
rante do casal de seu finado marido Manoel Fer-
reir Ramos, rega as pessoas que se consideraren)
credores ao dito casal, d* apresen ar suas contas
na ra do Baro'da Victoria d. 42, antga ra
Nova, para serem descritas no mesmo inventaro.
Precisa-st de nina ama sopara casinhar :
na ru da Praia n. 37, 2 andar.
lug;-se
o 1* e 3* aniare? do sobrado da ra de Lomas Va
leotioas o. 18 com bastantes commodos e rauito
fresco quem pretender dirjase ao 2" andar da
ra dos Martyrijs n. 4.
Aiuga-se
nm moleque de 18 annos sea vicio e proprio para
qaalqaer servigo : no 2* andar da ra dos Mar-
tyrios n. 4. .______________
Aalouio Miruiio da Assnmp;o tem urna
carta vin la da Europa na padaria da' Soledade n.
2 A, ou auuncie sua mora la para Ibe ser entre-
gue. _________^_^_______________
Preci?a-9 de nma ama que saiba camprar e
eor.nhar : na ra larga do Rosario n. 21, loja de
altados.
Precisa se de um caixeiro portugueze 13 a
1G aonos, que tetan* pratica de taberna na raad
da Concordia n. 93.
Avariado.
Madapolo com toque de avara a 3*. 34300 e
44 a pee,a : ni ra do Crespo n. 20, loii do Gu-
Inerme. '
PROTESTO
^perico Xavier Pereira de Brito inveniariantc
dos beat'do casal da finalo fogro e sagra, pro-
testa contra n arreroaMco dos escravas que se
dizem de riio.Taaz de FiueireJo, por isso que per-
tetv>m aos inventariados e tem de fazer parte do
raoute partivel tendo j sido reclamado ao juizo
&> comrr. precatoria viuda do jaiz mu-
nieip:il_B oriiho d turnio de Sermhiera.
: hu ama para cozinhar : na
roa da Soledade n. 16, ou da Cruz n. 60.
^
Paecisa-te de orna ama para comprar e mait
servido, em essa de peqnena familia estrangelra :
fra ra -da Ciwsoi do Carmo ii. 19. 1* andar.
v Precisa-se ds uina ama que
L\ saiba cosiobar com perfeigao:
. na fabrica a vapor de cigar-
ros a ra jarga do Rosario n. 21.
Leonardo de Mlquelra Ca-
valcaute, chamado a ra di Gadeia n.
4^________- _________
Bazar universal
Ra do Bario da Victoria nii-
jacro te.
Para este estabeteciment acaba de ebegar um
riqoissimo sr.rtm-nti de transparentes de panno
para sala e com lindssimas paysagens, hem "orno
cahides portateis, nao s para toiletes de seohoras
como para outros quartos, os qnaes sao muito con-
venientes por serem kte ament eommodos : na
loja de Carneiro Vianna._____________________
Capitales de camp.>
Precisa-se fallar aos senhores capilaes de cara
po a negocio de interesse : na ra streila do Ro-
sario n. 43, 2* andar.________________________
Aluga-sff o t' andar e silu da casa n. 34
ra do Apollo com commodos para grande fa-
milia : a tratar na ra da Santa Cruz n. 22
Precisa-se de urna ama para casa de pouca
familia, para servir i de portis a dentro : na ra
dos'Copiares d. 6 'por traz do largo do Tergo.
AO PUBLICO
O ab-.ixo assignado previne que nioguem fa^a
contrato oa traosarco de especie atguma com
duas letras de san acaiie em favor de Fraacco
da Costa Maia, urna na importancia de 3:210/821
e nutra oa Importancia de3:32905t)l, visto como
em jaizo o mesmo abaixo assignado est deman-
dando a oullidade das mesmas letras. Recife 2 de
juiihode 1871.
Pedro de Barro Wao lerley.
.Na ra do Pires, sobrado u.
27, precisa-se de urna ama
bua cozinheira, forra ou es-
crava, e que tenba boa conduela.
wm
5$ de gratifica-pao
fio dia 5 por volta de 9 horas da imnha, fugio
um cioario do imperio muito cantador, do 2* an-
dar da typographia deste Diario, tomando a di-
recc.au da roa do Crespo, ou praca da Indepen-
dencia : roga-se a pessoa que o livor pegado e
quzer entregar, dirija se ao escrptorio deste Dia-
rio que ser recompensado com a quantia cima*
Ooziuheiro.
No collegio da Conceicao precisa-se de nm bom
cozinheiro.
Precisa-se de urna criada escrava ou livre,
que saiba lavare engommar : na ra da Passa-
gem d. 7, sobrado.
COLLEu^AO DE DOCUMENTOS
SOBRE AS
KXACgOES, ROUBOS CRUELDADES.
I'ralicadas
Pelos exereltos prnsslanos cm
Franca.
I vol. in 12 br.
uooo.
Horaria franeeza.
SAFA!...
O Sr. A. F. 6. venlia i ra Direila o. 53 pagar
fejPi que compreu a nm anuo, do contraria.....
Par* bolos de 8. Joa5
Fivr de mandioca.
Chamada vulgarmente massa de mandioca nulo;
vande-se em pa cotes de 1|2, 1 e 2 kilos : na ra
Nova, loja n. 23, e ra da Cadeia n. 9, loja^_____
RIVAL SEM SEGUNDO
RA DUQUE DE CAXIAS N. 49.
Jos Bfgodinbo, com loja de rxiucezas..
avisa a todos es os seus fregaezjs qaa est
torrando todo pelo preco, a vista da fazen-
da, para todos adnrr, a saber:
Grosas de bo'5;s de looca branca a
Capachos muito bonitos a 6(0 e
Caixas com 100 ehvelopesfazenda
fina a 500, 6G0 e
Pares de sapatos de 13a para me-
ninos a
Espelhos de moldura doorada a
800 e
Pentes pretos volteados para me-
ninas a
Tinteiros com tinta preta a 80 e
Pecas de fita elstica muito fina a
Litas com superior banha 60,100 e
Latas grandes com superior banha a
Frascos com oleo de Pbilocome a
500 e
Frascos com macass Peroia a
Caixas com 12 sab.netes muito
unos a
Frascos eom agua de Colonia verda-
dera a
Ditos com oleo de ba josa suderior a
Syllabario portugnez livro muito
bom para enancas a
Carritels de retroz preto com 2
oilavas a
Bfcas tuu uihas de fil para me-
ninos a
Caixas cora agulhas fbncezas a 160
160
Pecas de tiras bordadas a 503, 600
800 e
Garrafas com a verdadeire agua
florida a
OrMhis da Poutrina Cbrisla as
mais modernas a
Livro das missoes abreviadas a
Copos grandes com superior banha
Macos da pailitas para dentes o
melhor que ha a
120
70
800
320
i 000
240
1O0
2O0
2f0
320.
80
240
1,5000
1,5060
320
400
600
200
240
15000
1(5300
400
1,5500
1(5500
160
| MEMBRO DA AGADEM14deMEDICiTVA
Preparado por DESLMJRIERS.PH.1
Suc* DE BOUTIGNY-DUHAHIEL
51 Ra de Clpy Pais
O Xarope depurativo iodurado do Dou-
tor Gibert offerecc, no seu ernprego, um
resultado bom, certo e constitntc na cura
d&simaigens,escrfulas, molestiasdapelk,
vicio do sangue, obslr uccoex lymphaticaj,
molestias contagiosas (syplhlicas), leves
u inveteradas, ede todos os accidentes que
d'ellas depender.
A rcceita deste Xarope foi approvada
pela Academia imperial de Medicina de
Paris.
Deposito as principaes phartnacias do
Brasil.
< Pernambuco: Mabeb o C; Joaoim
Martisho da Cruz Corheia ; Joao da Con-
CEigAO Bravo e Cu; Augusto Caors ;
Bartholombo e C; Alexandbe Ribeiro;
Abbeu Ribeibo ; Joao da S* Varia e Ibkao.
0 MARAVILHOSO REMEDIO DO
R. CHAS. DE GRATH .
KlltfG OF PAIlff O RE DA DOR
PARA USO HVTEBlVo E EXTERNO
CTTRA CHOLERA E CHOLERA MORBUS.
IMantaa, laza la aangu, em nm dia.
Dar i* emb?a, res d* oayid a
tras mi&atoa.
Dar da daata, m u miaste.
Hurlf ia, m cinto mi natas.
Dasloeaeaai, am riata minatos
Oargaatu iashadaa, am daa miarataa.
CoUea a eonTnltaee, em cines minntos.
maMnattama, aat m dia.
f ebr* a febre intermita*, eanlk,
-
Bar as aostas a aos ladea, em Isa
Batos.
Tosas perigoi! a refriados, sm am i
"leureei, em am dia.
tudas s aithma.
Hemorrhoidei e brenebitie.
Infl&mmacta naa riaa.
Djsaapsia, arrUpalaa.
Molestias da flgsde.
Palpitadle de eoraeaa.

RESERVE SEMPRE ESTE REMEDIO EM SJA FAMTT.T^
AS DOEKCAS SE APBESENTAX, (UAADO HENOS SE ESPERAS.
OLEO ELCTRICO O KINQ OF FAIN (O re da, dor) a^ulet poeiUramanta dala* mam de dlffreem
aelestUf e dores, e alUTia mal oe sonrlmesteaarrodas nm male perfelto equilibrio no lyatem humano, e que aaeja
pode eHeotnar no mesmo tempo, oom q ualquer-ontro remed meeelnal.
Eate multo popular remedio eet acora asando-ae ^oralmente, pela raiao que mllharee de possiim ee tem fltuaaa
cratla com o dito romedlo pelo Dr. Orath e ontroe mala.
Eete Importante remedio sftoae ottereoe para arar toda as doenaj, porea tao eflmente para aqnellai eetlnulada
aae noaae dlree^ea.
eU operando noe prlnclploe da eblmlca e da eleotrlcldade e por liio, eiti appIicaTet para o onrsmento e pare*
reitaurayo da ae^ao natural doa ergaua que sftffrem la Irregular elroulaoao doa fluxoa doe prlnetpaea nerroe. Otea
elctrico O '* Klng or Paln opera dlraetamonte no* aUorrentea, fatendo deaaypareoer aa lnoaacoaa daa glandolaa asi
em nm tempo lnorlrel, breve sejn perlgo do aen nao debalxo de qaalquer clrcumstancla.
O remedio, 4 nma medeolna para o nao externo e Interno, oosapoeto doa elementos curat Itoi, rabee, kerras oaseu
Usa, como ae tem uaado doa noeaoa antopaaaadoa, e daa quaea tem grande exlateoela ao mundo, para curv teaail
moleetlae, tmente aahendo-ee qaaes ellaa sao.
rolnm grande e ospeelal deseje da faoaldade da medeolna durante multo, annoa de experiencia para aprender
melhores aodoe qae ae dertam adoptar para ourar as eSKalntee Joeni^e, e que proporooat de nMdeolnaae derla uaa
'
EM PERNAMBUCO
IVA. PHARMACIA E DROGARA DB
BARTHOLOMEO & C
nr.-84 Ra Larga do Rosario. 1VT. 34.
Cuidado com as falsificares
VII10R DO CABELLO
__________DO CELEBRE E FESTEJADO CH1MIC0
DjU. AEI|.
GRANDE PRODIGIO E EMPEKHO DA Pfl CA
N3o ba parle alguma do corpo de que mais dependa da sui belleza, do que
uta cabello bonito. Sejam s nossa* feic5es ligeiras, mas leohamos o cabello bonito,
eis-nos eom am rico eacanto ; pelo contrario, seja o cabello roco e spero, eis qot
toda nossa pbyatooomta, por mais sympaihica e expressiva qae sejs, por si s, esmo-
rece, e assume um aspecto sem ioteresse.
Neate sentido desapimos xiiui respeiWsajnfinta chamar a especial attenejio dai
seaboras e cavaloetros da bom g*to rarav> delicada prepararlo cima mencionada.
O Vi'yor do Cabetlo o resaltado rf' emalonga serie de estados profondos,
emprebendidos pelo iocaosavel chi'mlco Dr. Ayer, auxiliado por outros profissores emi-
nenles, com o fim de descobrirem ama nova preparaclo para os cabellos, qae, sem
conter as propriedades nocivas que se ncotram nessas oolras, qae mais tarde occa-
sionam a porda dos cabellos, fosse realmente elcaz para conseguir outros effeitos de
ba muito desejados.
O Vigor do Cabello, nao u^a tiotura, nem conlra substancia alguma inju-
riosa. Nao saja as mos, nem a cabera, e uem a cambraia maii 6na. O Vigor pro-
mette :
Conservar, augmentar e aformosear os cabellos.
Impedir a formac5o da caspa. Evitar e corar a queda dos cabellos, e restau-
rar a cor natural. Toma os cabellos reacios, sedosos e brilbaotes, perfomndo-os
com um odor de rara delicadeza. D nova vida aos orgaos vitaes de que depende o
crestimento do cabello, fazendo-o crescer abundante e vlctsO. Gom o uo quotidiano
do Vigor, as calvices serao neulralisadas, caso as glandes capillares nao se achem cor-
rompidas.
Senboras e homens que antes da idade se vem cheios de cabellos brancos, e
qoe tem perdido a esperanca de ver restituida a sua belleza natural, este bello orna-
mento pbysico, regosijar se-lio quando viran) os effeitos que pdem couseguir com o
uso do Vigor. Paraos toilettes em gcral. nao se poder encontrar perfume mais agr-
davel e delicioso do que o Vigor de-Ayer.
Vende-se em todas as drogiri s, pharmacias e
armarinhos do mundo.
W. R. CASSELS ti: C.
DEPOSITARIOS E AGENTES GERAES PARA O IMPERIO DO BRASIIL.
Hio de Janeiro
I
YUr,
appROvaoo pila academia impehial oc biedicina
m 37 daembro de lf19
I
E' sobretudo s suas propriedades eminentemente absorventes,
ru o o.r.fto wenJa-se-o especialernente contra as affi-acCes seguiitcs ;
PARS
I
mM,
I
RS lS
T
,







GASTRALGIAS
DYSPEPSA
PYROSiS
AZIA
OIGESTtES DIFFICEI3
DORES DE ESTOMAGO
CONSTIPAgO
COllCAS
DIARRHEA
DYSSENTERIA
CHOLERINA
RODO DE E':]P1EC9. 0 cr*o le Bre tCharbon delt!lc>
toina-se antes ou depois d cada comida, sob forma de P ou de
Pasliihas. Gcrafmento o bem estar Seirtc-se logo dep'ois das pri-
mea-as doses. Una infonnacao entciisa acompanba cada vidro
dr p e cada caixa de pastillias.
I>p*osito em Pas-is, L.. F11EEE, lO, rae Jacob.
Vende-se na pharmaria e drogara de P. Maurerdr C.,
I
JAKIS
I
/icOi
I
PARS
m^s
FEITORAL

ni :


RABO DE TAT



Plinta indegena
Especialidade dospharmaceuticos Ferfeira Maia & C.
A toase convulsa a que apresenta mais pertinacia naquelles que delta sof-
frem efaz com que muitas vezes succarnbam os enfermos, sem que muitos oatroa me-
dicamentos applicados consigam resultados favoraveis, sendo essa affecrao tanto man
grave quanto menor a idade dos accommettidos ; e por isto novos preparados sao
constantemente publicados por meio de pomposos annuocios sem que a sua applicac3o
atieste o que delles se esperava.
Acaba de ser enrequecida a tberapeutica das diversas molestias do peto, desdo
a pharyngite oa mal da garganta al a tuberculisaco pulmpnar, com o XAROPE PEI-
TORAL AMERICANO DE RABO DE TAT", qae tomar o primeiro logar entre todos
os medicamentos at boje para tal fim conhecidos.
O XAROPE PEITORAL AMERICANO DE RABO DE TAT', garantido para-
mente vegetal e s contera em sua composic3o a parte medicamentosa da planta vulgar-
mente denominada RABO DE TAT', coja propriedade benfica na CBra das molestias,
que pertencem aos orgaos pulmonares foram por pessoas competentes observadas, du-
rante longo lempo e com ptimos resultados cada vez mais crecentes : pelo que not
julgamos autorisados a compor este xarope qae agora apresentamos, e a offerece-lo aos
mdicos e ao publico.
Poderiamos apresenlar muitos attestados n5o s demedeos respeitaveis, como
tambem do publico qoe tem feito uzo deste salatar xarope; porm dispensamos estas
formalidades para nao cancarmos o publico, pois qae o melhor atteslado que se poda
apresenlar sem dnvida a cara completa de milbares de pessoas.
Pederamos citar aqni pessoas qoe estao completamente restabelecidas das di-
versas molestias de peito de qoe este xarope poderoso medicamento, e tem corado
como sejam a a$tbma, bronebites, defluxo, oatarrbo, tosse convulsa, rouquido, irrlac3o
do peilo e garganta e pbtuisica 'pnlmonar ele, etc.
nico deposito em Pernambuco pharmacia americana de Ferreira Maia A C,
ra do Doque de Caxias n. 57. a(ntipa do Queimado.)
Cada fraseo costa i1000. Cuidado com as falsificares.
/v
ALCATRAO Di SDTOT
licJr concentrado i Titulado
0 Sr Guyol chesou a lirar so alcalrao a
ana acrimonia e o seu amp.r^or insuppori.-iveis,
o que otorns mais soluvel. Apmvciiando essa
feln descoberla, elle prepara um licor i/.n-
centrado de alcilrfio, o qual, sot um pequeo
Vofiune, conten ama grande prtfporu -de
principios activos.
0 A'eattrAo de Ciijoi iGoudron de
Guyol) pv)ssu<- por coosequeitcia lelas asvan-
Ugens da agua de slcalrto ordinaria, sem k-i
os iiicunveni-iiie Uasta deiiar d'eile u:na
coier de cat n'um copo d'sgua par ohter
logo um cu,-.' de i'-.ceili-u'e a,:ia de alcalrao
sem go-lo di--.uri : ivei. gila i|ii.'il pode
d'ess.i rrt.iw ra ri*parar a sin ini.i d al-
calrii iii.iii:n ilV'la ptVi-Sa, >i cj e .ITer-.-ce
economa ] lemp, t'ru: l> i. :.- t in<|iurle
e evila u m.iin'jii i l.-i : .:.:n-! .i .iii n.
O Al-r.i .Ir t..'., : ''ir :hii
vanl.ifein iiiiiI.i- Ii.n luf i!..i.- ...'. tai- ,.is
illtsrto, n.i.- i.iii- .i.- !i:' .,'.- i.i .'ii liiir'i,
les .-.-, t rrh.-a.
0 AleattrAv r ti.'ni empregadu tvttt o id 'iu; e.\ii. n
i >.
EM BEBIDA. L'fa '/& 'ufe cafepura um r.-<> Suy,v :. Ju..i cultura dt
o-aiara urna garifa :
BRONCHITES
CATARRHO CE PtXlC*
DEFLUXOS
TSSE P'EP.NITAZ
IP.fllTAJAO OE PciTO
TOSSE CONVULSA
ES FBHEIfFA^QES. .ccr mra ou con vm naco d agua:
AFFECrjOES DA PELLE
C O MIC H 5 E S
MOLESTIAS DO COURO CASELL'IOO
EH IJECfOrS. Vmaparttde icreqvalroil\igutHm^hinmi^tm aeaeatal.)
FLUXOS ANTIGOS OU RECENTES
CATARHHO DA BEXIGA
O Alcatrilo de Guyot foi experimenlmio com um verdatUiro xito nos
yrhuipacs hosjiitues de franca, da Beijica e da Espanha. Foi reconhecido
que, 'tira os lempo* de calor, elle eunilllue a bebida a mu'u hijijienua, e so-
iretudo durante os tempes de epidemia. Urna inlrueco accompaidia cada vidro.
Yende-se na pharmacia e drogara de P, Mau-
rer & comp., ra Barilo da Victoria n, 17
XA R O PE
VEGETAL AMERICANO
ES A LID'A DE
BARTHOLOMEO a C
*iri a tm eerU la lanei uiiju e recentes, caUrrbsi pnlmonar, uthma; tas lotraJu, Mkutle
Snockiai, em goral centra todos os sourimenlos das vas reieinterili.
DEPOSITO eSEBAL.
BOTICA -B DROQAnZA
14, BA LARCA DO B0ZARJ0, 34
PERNAMBUCO
A tberspeatics iu diierses moleslss do peile, desde
pharyngite eu mal ds garganta sl s tuLerculatao
pulmonar, passando pelas diversas bronebites caUrrbses
i o tmphysema acaba da ser enrequecida eom maia
<;e niedicamcnlo, que tomar s primeirs ordem entra
lodos al hoje conbecidos. O xarope Vegetal Americano,
larantindo puramente egetal, nao eontm em saa
njmposi(o uui s alome de opio, e lim lmenle soc-
ios de plantas indigenas, cajas propriedades benerkae
ea cara da molestias qne pertencem aos ergios de rea-
iiracao foram por dos observadas por lengo tempo,
tem eptimos resallados cada es mais ereaceales; pela
qoe aos jnlgamos aulorisadoa s compor o xarope qae
igore apresentamos, e s oOerece le aos mdicos a se
pablico. Protamos com os attestados abano o qae le-
> ia os dito, e contamos qua e conceito da qae j gnsa
e xarope Vegetal Americano crescera da dia a dia,
taixsndo muito aps ds si todos es psitorses en toga.
Illa. Sr. Barthaloaeo S C.-O tarop Vegetal Ama-
tiesno, preparado em ana conccitnadissinaa pbarmacis,
i am atil remedio para cembater I terrisel sstbma.
Sofra ea aquella molestia ha quatro meses, sem anda
ter combatido os staqaes mensas qae tinas; este iltimo
qee lie (oi fortissimo que me proston por 8 das, assi,
perem e aen milsgroso xarope, tomando apenas iras
oej, e at o presente ato fui de boto atacado. Prasa
(na, qae ea tajie ruiabslasido por asas Tas. Ratute-
Ihe, pois es mens agrdecimentos par me lar alstalo %.
Uo honiTel mal. Com s msis signifiestiTS gratidset
aubscreo-me da Vmcs. affecluoso e reconhecido criaos
Sevmnt Dusrl.-Sua Casa U da fsereire delSSaV
Ulnas Srs Bsrtholomeo t C. Depois ds qsasi *as>
mezes de soffrimento com ama tosse incessaale, taosa
sxtrsordiaarie, expectoradlo de am catarreo saareU
do, a perda total das tortas, qae e meaos* pessafr
me fatigase completamente, cansado de tomar mais ser
tros remedios ssm resaltado Use a felicidada de sabesc*
Vmcs. preparasen a xarope Vegetal Americana, e es
alie, gneas s Deas, me echo restabelocido ka asaia ,
dois mexes, e robusto como ss nada tisosse aeSricV i-
gratidlo me (ores s asta declaradlo, qne poderla Tata*.
Cazer e aso ejes qnizerem. Soa com estima de Vaasav
muitos respeitador e criado. Anlotm juanea A--
Castra s Sih. Fecie 8 4a faserairo da 1864.
Atiesto qne asei do xsrope Vegetal Am ericas, a-
eomposieio dos Srs Bartbolomeo A C. para cara Ae a*
forte defluxo qae me trouie ama ronqaidlo, qae ese au
faxia edleader, inflammscla e dor ns gsrasata, aae.
grande falta daraspirscto, e liquei templalaaeala saa
tsbelecido coto sm s sidro do mesmo xarese; **
que Ibes protesto teres gratidlo. Recite la) ta aat
mire ds 1868. isaguta Psrsire Araatss*J
Esto rsconbKides.
MEALHA
LHU
MAXCO E ESCCRO
DE HONllA
Deiinr.taedo o Oieo de Piando de DaealhAo,
o SenberCSesrier de> a esta prSlaaarprTTara-
Ole tawrapettira ut:i chairo e sabor agradaveis
qae petJBias de; virtud" sikwiirag).
Esta importante descabella, que gsasgec-a a
uMi'usa SUJal! s Ai !.:ira, vu'.MAriaaii O
uro de> Oleo d i : tetada.
O; medipeao rficeilaro pTsfrisclaJrnleA todoa
oa outros. en todr.s a's mok'.'lha onde aa em-
prtMoOt '-o.
t-araar i; :.-es oa retsiorloa med-
enes qcecoa'.eui a noticia qae ^ cai!a
FERRL'CIXKO DE CHEVR1ER
O Senhcr Cbesiicr complclou a sos deseo
bsria ejunlavdo a iodsra dr ferro ao Oleo de
Bjcetha*- de.iorsctsde. Kslc Oleo de ritsdo de
Bacsiio ferruf meo le-n todas as prnpried.des
do oleo e do (erro, diere-ie fcilmente e nunca
cansa prisSo de seolse. Portante i prefersel
is nis in'.arares ferrujiics(Plalasou Xa-
rope), coasein enlodas .si doen;?s ond se
empresa o-tesaialhkiea pulmonar, bronehilea,
raciiiiiMM. aaa^Wiss, iui|ii{oas, guia, r;;eu-
di.: : ,t- ea^^fi, ra'aiThos aalijja, dsapep-
eu e (rae-eze de
. e.
rtirnutriii eynHVHIKn, ti.Fue i* ff'rssre. .raausfsamrf
N- TiKH'1 e ELIXIR da COCA, ei > ,.niea nfeasiaces laatfHat
O T. 'ARSlAptra cararas ,er'.sdurase i
Os 0:-. ISiLCS JeBliSiUIal eomposiescfjtrs as Jiiirris,'d}scnl-iTstes)e deeatonisgo, tte.
n a:.;>>, t:;. /'! -'.- Ja*rcr, L)c?u* IoRsia !rj,u) et C1*
el t.\ 'M.iranhao .-. el C1'. Porlv .i!.-_;rct


ANTRO I.E1TAS.


Dvtm (fe rTiuuulMtoo Sala (eir 9 de Jwnho de MTI
-I
J
U
#
Fotographla imperial
B
.UtHIft DE PINTURA
DE
/. Ferrara Vtllela
Denle o dia 7 de abril passado aeha-se aberto c
oro estabeleeimento pholographico sito i ra de
Cabug n. 18, esquina do pateo la matriz. Ostraba-
lboa que desde entie, lem sabido de nossa offleina
lea geralmente agradado, sendo recebidos por
alguna com admiradlo pelo extraordinario pro-
greeso que ltimamente tem lido a phou graphia,
e por oatros coa alegra, per verem a provincia
dotada com um estabeleeimento digno d ella, e in-
conlestavelmente o primeiro que nesse genere
boje possue : tambera nao nos poupamos em cousa
alguma para monta-lo do p em que se acha, es-
perando que o publico de Pernambuco saber
apreciar nossos esforcos e recompensar nossos sa-
crificios.
Convidamos a todas aquellas pessoas, nacionae.
e eetrangeiras que gostam das artes, ou tiverem
necessidade de traba!nos de photographia a visi-
taren! o nosso estabeleeimento, que estar sempre
aberto e sua disposico todos os das desde as 7
oras da mannaa at as da Urde.
Para os trabalbos de photograpbia possniu osdi,
venas machinas dosraelhores autores francezes-
nglezes e allroemes, como sejara : Lerebours el
Secretan, Hermagis, Thomaz Ross, Voigtlander el
Sonh e Wulf. ltimamente recebemos tres nova:
machinasi sendo urna dellas propria para tomar
obre ogmesmo vidro 4 ou 8 imagens diversas <
isolada?, e outra de 6 a 12 imagens diversas e
igualmente soladas, de surte que no caso dt
grande concurrencia poderemos retratar sobre
ama nica cbapa at 8 pessoas diversas e isola-
das para candes de visita, e assim era menas de
um quarto de hora despachamos 8 difireme?
pessoas que pecam cada urna, urna duzia de cande?
mais ou menos, com os seas retratos somonte, on
em grupo com outras.
Encarregamos-nos exclusivamente da direcec
fekura dos trabalhos de pbotograpbia dei-
xando i pericia e talentos do distincto pintor
eUcmio, oSr.
Jorge A. Roth
os trabalbos de pintura, a aqnarela, a oleo, a
pastel
O Sr. Roth aeba-se ligado a nossa empresa por
auna escriptura publica, e at o presente teni-se
destellado na execucao de seus trabalhos.
So nosso estabeleeimento acham-ie exposlos ou-
tros trabalhos imponanti s do Sr. Rom, tanto em
miniaturas i aquarella como a oleo, reiratos
oteo, quadros sacros e diversos ontros trabalbos.
Tomamos encommendas de retratos oleo at c
tamnbo natural, assim como de quadros sacros
ornamentadlo de igreias ou capellas. Tara-
aceitamos encommendas de quadros histor-
eos.
Aseegoramos que os precos dos diversos tra-
balbos da nossa casa sao mu rasoaveis.
cartSes de visita nao coloridos i0|{(00
DUZIA
CARTOCS DE VISITA COM O COLORDO AO NATO-
RAL 16(5000 A DUZIA
Retrates em miniatura oleo ou a aquarella de
46 304000 cada um, indo convenientemente en-
calxilhado em moldura dourada e regulando c
busto da pessoa retratada de 3 4 pollegadas f
todo o qnadro palmo e meio de tamanbo.
Julgamos que bastarlo os precos cima para
arinos idea da barate? dos trabalhos do nosse
etablecimento, quanto sua perfeicao cada nm
venta jnlgar por seus propros olhos.
As memores horas para se tirarem retratos nc
nosso estabeleeimento sao das 8 horas da manhaa a
I da Urde; entretanto de urna hora s 8 da tarde
em easos especiaes pode-se Umbem retraUr qual-
quer pessoa.
Nos dias de chava, ou por tempo sombro po-
demos retratar, e asseguramos que esses dias sle
os mais favoraveis aos trabalhos de photographia
Antonio Jos Rodrigues de Soasa precita
alagar um criado Torro ou escravo pan o serrico,
de sna casa : a tratar na ra do Bario d*'Victo
rian. 50, andar.
Almga se
m sitio na Torre, eom exeellente casa de vivenda
. e^banho a frente deeta no rio, sendo ptima mo
rada para estrangeiro : a traur na ra do Pires
n. 29.
1
Ra do Baiuo da
Victoria,
Outr'orarua Nova n. 63 teosos
do costume.
BHheies garantidos 4a pro-
vincia.
O abaixo assignado acaba de vender entre o*
seus muito felizes bilbetes a sorte de 9004000 em
nm meio bilheie de n. 801, e um meto de n. 3292
com a sorte de 4004, em meio bilfaete de n. 2931
eom 1004, alm de oulras sones menores de 404
e 20^000 da lotera que se aeaboa de extrahir
(194), podendo seas possaidores virem receber,
que prompumente serio pagos.
O mesrao abaixo assignado convida ao re?pei-
tavel publico para virem ao sen esUbelecimenk
comprar os felixes bilbetes garantidos, que na<
deixar de tirar qoalqoer premio como prova peloi
mesmos annuncios.
Acham-se i venda os muito fellzes bilbetes ga-
rantidos da 1' parte das loteras em beneficio da
igreja da Congregacao do Oratorio, que cera ex-
trahida no dia sabbado 10 do correte.
/PRECOS.
inteiro 64OOOI
Meio 34OOO
De 1004000 para cima.
Inteiro 54400
Meio 14700
______________Joio Joaqnlm da Costa LeiU.
Alaga seo 2* andar e solio da casa n. So
da ra de Sania Rita : a tratar na roa do Quei-
mado n. 2.
III
PARA
eS
pela docura e persistencia da luz, e por termos c
nosso terraco construido com taes proporcoes <
melboramenlns, que anida chovendo jorros ne-
sbum inconveniente 'ha para faxer-se bellos ro-
rros.
CAFE PURGATIVO
A' ESCAMONEA
De B,N Barral
Phannaceotleo-C b I m Ico
A utilidade des purgantes nao soflrre demons-
tra,ao aIgtima ; a prescripcao diaria que delle?
Jazem os mdicos e o uso ainda mais frequente
feito pelo publico sao pro vas irrefragaveis Unto
como a quantidade innumeravel este genero. So
falta aperfeicoar tada ve mais o modo de adrai-
nistracao, de nunoira que conservando a sua ac-
ci, elles possar -r tomados sem repugnancia
nem asco e aohr o sem receio nem perigo.
Muitos purgai. afamados so devem este bom
xito ao seu eff. il.. intenso e excessvo. D'ahi o
perigo, porque it'i'aciJei de estomago, inflronla-
ces de entranh:. -.'o inevitavelmente o resulla-
do do sen emprf i- Nada disso tem-se de recear
com o caf purgado.
Todos conhecem por experiencia o aroma sua-
ve e o efleito ligeramente tnico e excitante do
caf Elle o melhor auxiliar dos porgantes dos
quaes disfarca o cheiro o sabor e ajada a accao
sollicitando vagarosamente os movimentos peris-
tlticos de intestino, e prevenindu o sea effeito
maito intenso sobre o estomago. Misturado eom
escamonea, facilita as evacuacSes coro promptido
e sem clicas, e torna-se nm purgante brando,
ceno, fcil a tomar e prefer ve I a todos os ouiros
salvo ama indicaco especial da qual o medico
o nico juiz.
A innocuidade do caf purgativo permits de
emprega-lo em todos es casos simples. Desper-
tando a atona do intestino e activando a secre-
cao deste, destre a dureza de ventre, as vento-
sidades, as flatuosidades e exciu o appetite. Em-
pregado mais i miado, conveniente para eva-
cuar com vagar a bilis e os hume, es viscosos e
e faz dessa maneira desapparecer a enxaqueca,
as dores de caneca e prev os auqaes de sangae
as pessoas que a estes sao predispostas.
MODO DE EMPREGO.
' to simples como fcil. O cat purgativo
deve ser tomado fri, paro oa mistando com um
penco de feito fro assacarado, ou agua assuca-
rada. O vidro inteiro a dos ordinaria para
nm adulto ; duas colhares de caf bastara para
as senhoras e para toda e qnalqaer pessoa que se
por fcilmente.
. ara as criancas de 8 10 annos, a meUde do
vidro suficiente ; de 5 a 8 anuos, urna colher
de caf, e a qnaru parte do vidro smente abai-
xo desu idade contra a gosma.
E* por isso d'uma administrado muito mala
fcil do que es biscoutos, chocolates on bolos
purgativos.
Da-se immediaUmeote depoia leite quente as-
encarado oa caldo leve, e duas oa tres chavenas
de cha preto on de tilia.
nico deposito na pharmaeia e drogara de
gartholomeu & C. : ra larga do Rosario n. 34.
Santo Antoio, S. Jo&o
Pedro,
Souzaa. & Gaimares, proprietarios da antiga
loja de ferragens roa do Bario da Victoria n. 39,
antiga roa Nova, veem avhar ao respeiuvel pu-
blico e coro especialidade a seus amigos fregue-
zes, qne j receberam as amostras de um com-
pleto e variadissimo sortimento de fogos artficiaes
para festejo dos gloriosos Santo Antonio, S. Joio
e S. Pedro, garantindo-se a boa qualidade por
serem das melhores fabricas desU cidade, bem
como um lindo e Umbem variadissimo sortimento
de foguinhos para criancas, os quaes sao propros
para salo por se tornaren) innofensivos, por isso
veem convidar a que veaham dar suas encomen-
das, comprometindonos a satisfazer com promp-
tido e zelo, j pela boa qualidade e j pelo esme-
ro com que se acondiciona qnalqaer encomenda,
ludo por precos commodo, a contento dos fregu-
es ; em relacao aos divertiroenlos, acbara-se
tambem venda, livros de iones, candes de sor-
tes com pergontas e raposa?, papel com versos
para sones, e as pouco conhecidas larjectas mgi-
cas : ludo na ra do Baro da "Victoria n. 39, an-
tiga ra Nova.
Hotel da praga
PATEO DA RIBEIRA DE S. JOS NU-
MERO 9.
te novo hotel ha ver todos os domingos e
dias santificados boa mi de vacca ; ssim como
ha todos os dias pela manhaa exeellente papa da
bem conhecida gomma de milito de Glasgow e
New York, sendo este nltimo alimento mais bara-
to que em outra qualqoer parte. Previne-se qne
o cozinheiro dcsta casa leve bom mestre e emen-
de peritamente de sua arle.
N. 9Pateo da ribeira de S. Jos-N. 9
N
-fluga-se
o primeiro andar do sobrado do Mrquez de Olin-
da n 60, outr'ora ra d< Cadeia, coro commodo?
para familia ou escriptori >, tornaodo-se recoro-
mendavel pela boa localidade e ser muito fresca :
a tratar no armazem do roesmo, ou na roa da
Imperatriz n. 8.
iNa ra do Apollo n. 26, existem bous ar-
mazens alfandegados para deposito de fazendas,
ou gneros de qnalqaer especie on natureza, a
precoj razoaveis : quero precisar dirija-se rna
ra do Bom Jezns, outr'ora das Grates n. 6.
Rival sem ^gundo
Rna Duque de Casias a. 49
Jos de Azevedo Maia e Silva, em sua to-
ja de txiudezas crnimua a vender tudo
por baratos presos que todos admira :
Libras de liaba de novello, a melhor
posivel.
Duzia de lencos de cassa com barra.
Giixas de liabas com 30 novellos a
Vara de franja branca para toalbas
Duzas de me:as cruas muito boas a
Dozias de meias finas para seobo-
ras a
Dozias de facas e garfos cravadas a
Duzia de palitos seguranca a 120,
48, 320 e
Na albas muito finas, para fazer a
barba a
Caixas com peonas de ac com to-
que a
Caixas com peonas de Perry fazen-
da fina a
Ditas de dita dito verdadeiras a
Caixas com 20 cadernos papel ami-
zade a
Pecas de tiras bordadas 12 metros
cada urna
Pecas de fitas para coz c m 10
varas a
Pecas de tranca lisa de todas ai
cores a
Duzias de liaha frooxa para bordar
a 400 e
Pares de sapatos de tranca a
Ditos de ditos de tapete muito
finos a
Dorias de baralbos muito finos a
2J400 e
Ditas de agu'has para machina a
Libra de pregos francezes a
Resmas de papel almaco superior a
Ditas de dito pautado o melhor a
Caixas com (abonetes frneta a 720 e
Libra de lia para bo dados a
Carrteis de liaba Aexandre a
Gravatas de cores muito fioas a
Ditas pretas pontas bordadas a
Grosas de botes de madrvperola
para camisa a
Novello.' delinha branca, 400 jardas
Duzia de cartoes de linba branca e
preta e de cores a
Thesouras muito finas para ochas
e costura a*
Baralhos francezes muito fino* a
200 e 246
Caixas redondas para botar rap a ifaoo
15500
10000
500
160
3500
4*000
5,5000
500
1)9000
320
800
14200
706
14500
500
SEGUROS
MARTIMOS
E
CONTRI FOGO
A conpanbia Indemnisadora, eslabelecid
a esta praca, toma seguros martimos sobrt
navios e seus carregamentos e contra foge
em edificios, nurcadorias e mobilias: d
ra do Vi gario n. 4, pavimento terreo. <
Joaquim Jos Gonpal-
ves Beltrao
Roa do Trapiche n, 5, 1* andar.
Sacca por todos os paquetes sobre o beosle
Kinho, em Braga, e sobre os seguimos lugares so
Portofal:
Lisboa.
Porto.
Valenea.
Gaimares.
Coimbra.
Chaves.
Viseo.
Villa lo Conde.
Arcos de Val de Vea.
Vianna do Castello.
Ponte do Lima.
Villa Real.
Villa-Nova de Fameiicao.
Laroefo.
Lance.
Covilhia.
Vascal (Valpasso).
Mirandella.
Baja.
Bar cellos.
L QUIDACAO
Da importante e bem conhecida loja e fabrica de chapeos de sol da roa do Bario da Victoria, esquina daCamba do Caimo.
0 dono daqoelle estabeleeimento, qoerendo acabar com elle at o Gm do correte anno, convida aos seus numerosos
fregaezes a aproveilarem" a circumstancia para muoirem-se por barato prego de todos os objectos existentes no mesmo, cooslando
de chapeos de sol de todas as qoalidades, taannos e feitios, tecidos, armagoes e mais ariameolos para os mesnus, armas de
logo, cutilaria, bengalas, chicotes, e urna iofinidade de outros objectos, entre os quaes os afamados afiadores para navalha de J.
Pradines, premiados as exposiebes de Peruaabuco, Londres e Paris".
MANUEL dC.
Tem a satisfacio de participar aos seus numerosos freguezes, qne em vista de ser-Ibes mais commodo, tem
estabelecido urna nova fabrica de chapeos de sol, na ra da Cadeia do Recife n. 9, ht je roa do Mrquez de Olinda,
onde acharSo os pretendentes, moilo avultado sortimento de chapeos de sol de todos os precos, qualidades e por pro-
cos mas commodos do que comporta o nosso mercado: coevidam especialmente aos Srs. compradores por atacado
darem, sendo possive! suas encommendas, pois poderlo assim serem mais bem servidos, visto poderem escomer as ar-
macoes as tazendas que a demora da fabricacio 4 bem diminuta.
/SSVaWWMS6l.i
rN ,N /*^

Na Iravessa da raa
das Cmzes n, 2, pri-
meiro andar, da-se di-
nhelro sobre penhores
de onro, prata e brilhan-
tes, seja qnal for aqoan-
ta. Na mesma casa com-
pram-se os mesmos me-
taes e pedras.
41 -114 DO ItllO DA VICTORIA 41
Neste novo armazem tem nm
ariado sortimento de fazendas
francezaj, inglesas, allemias e to-
das todas se vendem por precos
mdicos, afim de acreditar a este
aovo armazem.
Cuemiras inglexas,
(rancezas, de todas as
cualidades, brins de
;res e brancos, colei-
rinhos modernos, cha-
oeos de sol de seda,
anos.
DE
ARRIIDA IRMOS.
RA
Sarao da Victoria
antiga raa
NOVA
A ci?dna
LIVROS DE SGRTES.
RS.-U600
LIVRAR1A FRANCEZA.
f Offerece-se um bomem para caixeiro de en-
geobo, do que lem bastante pralica por j ter
axercido dito lugar : a tratar na iravessa da Con-
gregacao, loja de livros n. 3.
SUSTENTO RESTAURATIVO DA SAUDE
PELA FARINHA
A Re vales eiere ilrr BatYt
Esta farinha que lio grande use lem na Euro-
pa, maito se recommenda para as criancas e pes-
soas debis e convalessentei. Como medicamento,
inlalliyel para os casos prisio de venlre, be-
morrboidas, ms digestdes, aria, amargos de boc-
ea, dores de estomago, diarrha, eoxaquecas, af-
fecedes de ligado, dos polrooes, dos rins, da bexi-
ga, ele., etc., contendo maito mais principios nu-
trientes e restauradores para os msculos, ervos
e celebro, qne, tres vezes o sen peso em carne, e
por cousequencia, de conservar melhor as torcas
pbysicas e moraes, restabelecendo as funcedes di-
gestivas estragadas, dar appetite, e eonvlr aos
estmagos ainda dos mais enfraqueeidos.
Sea aso tSo simples como fcil : a Recalet-
ciere du Barry deve ser desfeitae cosida como a
fariuha ordinaria, podendo ser osada na agua sim-
ples, com viubo braceo, no caldo sem gordura e
no bom leite, tazendo se ainda bolos com manteiga,
leite on assncar, etc., ele
nicos depositarios em Pernambuco
BARTHOLOMEU & C.
____ 34Rna larga do Rosario34
N.
41.

Assim como tem nma grande
oficina de alfaiate, montada com
todos os preparas que ha de melhor,
dirigida por habis artistas, que
pela saa promptidio e perfeicao
nada deixam a desejar.
Ronpa de todos os
amanbospara tomen
meninos.
Por todos os paque
tes recebem-se as me-
lhores e mais moder-
nas casemiras
na Europa.
que ba
RA
Bario da;victoria
antiga rna
NOVA
N. 41.
Este estabeleeimento acaba de soffrer nma reforma radical em acceio, artistas e commodos, e m pontoalidade as encom-
nendas, finalmente em tudo afim de melhor servir os seos numerosos freguezes deixa-se de annunciar todas as fazendas, para
ilo se tornar massante______________________________________________________________________________________________
Ensino de primeiras
letras,
v francez, msica e piano.
Propoe-se nmaOenhora devidamente habilitada
perante a directora da instrnccao publica desta
provincia a ensinar as materias sopra com todo
o esmero, esperando a proGcoidade de seus esfor-
cos da experiencia, que tero, do ensino : tratar
na ra do Carnario n, 3.
CARDOSO ft IRMO
AMA
ro
Preeisa-se de nma ama que saiba co-
zinbar bem para casa de homem sol-ei-
na rna do Livramento n. 6, loja.

Prepara se com asseio e promptido em ca-a
de familia no pateo do Paraso, 1* andar de sobra-
do d. 29 por cima da loja de alfaiate, a entrada
pelo becco.
40
500
1.9800
44280
24800
24000
240
34600
44000
14000
740O0
100
500
600
500
60
120
500
AMA
andar.
Precisase de urna para cozinhar
e comprar : na ra Nova n. 61, 2*
Mas$a de polvora*
Valdevioo da plvora tem para vender em seu
armazem na ra Imperial massa iogleza ronito
boa e ,abocai de diverias grossuras e por preco
muito commodo.
Na l'onie Velha, cas nova cora porlao de
/erro, vndesepombos deraca das maiores e me-
Inores qne ba._____________
Achju .'e um alacador de rulseira, de ouri,
sa ladeira do Varadouro, ero abril do crrante :
Snem e ju'gar rom direilo apparrc na rna de
. Bento n. II, fin O indi, ijoe d>ndo the seri 'nrregne. d^ni o achada e pigaodo as
depeia c.Us :uio a annuc-".
Gasa de campo
Alaga-se um sitio e casa de morada no prin-
cipio da estrada do encanamento, com daas sallas
3 quartos grandes, copiar, corinha fora, dispensa,
mais um quarto, e cacimba de exeellente agua
para beber : i tratar no mesmo lugar casa de
oiloes amarelloa.
Pede-se a um advogado qne lem clientella
nesia cidade e proprietario, que mande pagar o
anno de aluguel da casa onde leve escrlpiorio : a
tratar na raa Duque de Caxias o. 1
Quero precisar de ama ama portugaeza para
casa de pones familia : dirija-se ra do Viscon
de de Goyanna n. 11 i, outr'ora Mondego.
O Dr. Hanoel Enedino llego Valenea conti-
na no exercicio de sua pr< i--o de niediio a
ra da Camboa do Carino n. 21, Ia andar.
i
ADVOGADO
Dr. Joaqim ConwtA de Arauo
67Roa do Imperador67
MOFINA
Roga-se ao Illro. Sr. Ignacio V.eira de Mello, *
ervao na cidade de Nazarelb desu provincia,
favor de vir a ra do Imperador n. 18 a concluir
aquello negocio que V. S. se comprometten reali-
sar, pela terecira chamada deste jornal, em fim
de dexembro prximo passado, e depois para Ja-
neiro, passon a tevereiro e abril, e nada curoprio,
e por este motivo de novo chamado para dito
J^m ; pois V. S. se deve lembrar que este negocio
de mais de oito annos, e quando o senhor san
fibo se aebava no es nesla cidade
AOS 5:000*5000
Sstao i venda os felizes bilbetes da lotera da
tata, na casa feliz do arco da Conceico, loja di
orives no Recife.___________
.iluga-se nm exeellente sitio na cidade d
Olinda, tendo maitos arvoredo? de fructas, borla
e jardim, com urna fonte de agua de beber, boa
casa de vivenda, com commodos para grande fa
roilia, prefere-se alugar a pessoa estrangeira: oes-
ta typographia se dir com ouem se trata.
Precisase de um caixeiro para taberna, que
d fiador a sua conducta : a tratar no pateo do
Terco n. 71, oa direita n. 14.
Venerave ordem terceirft
de S. FraDcisca
Por delibera.jaj da mesa regedora scientiQco aos
nossos irmaof. que estando vago o logar de ar-
chivista desta veneravel ordem, sao convidados a
apresentarem seas reqaerimemos no praso de 12
das, de cooforroidade com o arl' 116 dos esta tu
tos, os que desejarem exer.-er este cargo
Secretaria da veneravel ordem Icrceira de S.
Francisco do Recife 6 de junbo de 1871-
O secretario,
Manoel Alves Guerra.
CASA DA FORTHA
RA i" DE MARCO OUTR'ORA DO
CRESPO N. 23.
Aos 20:000^000.
O abaixo asignado tem sempre exposto ven-
da os felizes bilbeles do Rio de Janeiro, pagande
promptamente, como costuma, qualquer premio.
PRECOS.
Inteiro 2&JO00
Meio 121009.
Quarto 6*000..
^___________Manoel Martins Finia._______
Companhia Alianpa
DE
seguros martimos estabelecida
na Bahia em 15 de Janeiro
de 1870.
CAPITAL..Rs. 2,000:000#000.
Toma seguro de mercadonas o dinneiro a risa
ai a ri timo em navios de vella e vapores para den-
tro e fra do Imperio. Agenci i i rna do Com-
mereio n 5, escrptorio de Joaqnim los Gon
calves Beltrao.
Sna do Brum (hoje do Baro do Triumpho)
ns. 100 a 104
DIRIGIDO PELO HBIL ENGENHEIRO
JEOKGE BRAII
Este estabeleeimento bem montado de todo machinismo necessario, fabrica com a
maior perfticao e seguranca qualqoer ubra de ferro para engenhoho, machinismos e on-
tros necessaros a agricoltora, e tem vindo da Europa completo sortimento de ferragens
para enganbas, pelo que se faz recommendavel ao publico em eral especialmente aos
Srs. agricultores, visto ter baixado muilo os aotigos precos das ferragens para engenbos
que sao os seguintes:
VfirifiTPR l'3 lo'ca ^e l' **e *Ocavallo, osmaisaperfeicoados e soguro*,
V ctpui Co qUe j^m vjn(j0 a esle mercado.
lVTnPnil A e me'3S moendas Para canca> as melhores que ha no mer-
TAXAS, fundidas e batidas.
RODAS dentabas de todos os lmannos.
MODAS 'AGUA, as mais fortes e bem acabadas que existem neste mercaic.
FORMAS de ferro para pies de assucar, de todas as qualidades.
FORNOS DE FERRO para farinba.
MANMETROS para vapor.
BOMBAS DE FERRO.
CRIVOS para frroalhas.
APITOS para vapores.
FORNEIRAS de todos os tamanhos e modelos.
VLVULAS diversas.
CONCERTOS. Encarregam-se de coacertar, e reparar om a maior perfeicao, o
commodo prego, qualquer ferragem de engenho, vapor ou outra qualquer obra da sua
arte.
ENCOMMENDAS. Tomam ordem para mandar vir da Europa qualquer machinis-
mo de vapor, ou proprio para agricultura, para o que, se acbam relacionados com uaa-
respeitavel casa de Londres, e com umdosmelboresenget>beiros d'Inglaterra, sendo
que 'por taes encommendas se responsabilisam al ao assenlamento e moviaento effi-
caz dos objectos que lh0S forem encommendados.
Custodio Jos Alves Gaimares, nico socio ge-
rente da casa commercial de Guimaraes, Ponles
& C, desta praca, previne quero interesar pos-
sa, que esta promovendo a dissolucao da mesma
firma, e entrar em seguida Ba respectiva liqui-
dacao ; sendo que nao ba letras pelas quaes esteja
a firma re-pon-avel, e nem o annunciante as pre-
tende firmar durante a mesma dissolucao e liqui-
da cao.
Armazens alngr-se
Alaga-se os da roa do Apollo n. SS, e 57 pro-
pros para deposito de mercadorias on fazendas
poroferecer baste espaco : a tratar na rna do
Baro do Triumpho, outr'ora do Broro.
Na roa das trincbeira n. SO primei-
ro andar, precisa-se de urna que co-
sinhe e engonime para 3 pessoas.
AMA
Cozinheiro
No collegio da Conceico precisa-ss de um bom
cozinheiro.
Virgilio de Moraes Albuqaerqae Maranhso
vai a Europa tratar de sna saade.
Monte-pio Brasileiro.
Em observancia ao art. 19 dos estatutos, a di-
rectora manda convidar a todos os Srs. socios
para enmparecerem no dominio 11 do correnlt
a9 <|2 beras da manhaa na casa das sessdes,
afim de rennirem a asserobl geral, em que lem
de ser apresentado o relatorio ao segando triroes-
tro da actual admioistraeio.
S-cretaria do Monte Po Brasileiro, 6 de junbo
de 1871.
Jeronymo Brnrr>,
f secretario.
Attencao
O abaixo assignado declara ao re-pe,tavel pu-
blico qne ningaom faca negocio algum coro a ta-
berna si'a ra da,s Nymphas n. 18. O mesa o
protesta contra a dissolvijao da soeietade sem ser
pago .atisfeito pelo socio Jos Anionlo da Silva
Braga, ricando na responsabilidade da taberna
qnem della tomar conla. Recife 7 de ianho de
1871.
Francisco Pires Sicate.
Ofereee c
-ilio: i|Urti p
junto da igreja
Feitor.
nm portugnez para feitor de algum
i'eieoder Jiraa-se a Santo Amaro,
AU
LKI
DYVETOT
nica casa neste genero
14-Rna Estreita 4o Rosario.4
Compra e vende ronpa feita
nova e velha', objectos de
cosinha e de mesa, e
tudo que perten-
i \K i Preci.-a-se de ama ama para coz!-
/* \W h\ nn3r Pr* ^a" P*"***! 6 maS fftfV-
/liTIiX n inlerflo : na ra da Morda n..3
tvNo aos senhores de engenho
e autoridades Pollelaes.
Na noute de 15 para 16 de mato do corren-
te anno desapparecen da propriedade Uliogt, co-
marca de Igaarass e freguezia de S. Lourenco
da Malla, o Sr. Francisco Flix Correia, offlcial
de Oleiro ; deixando com tanta ingratido saa mu-
Iber com qaatro innocentes filbinhas, levando em
saa companhia nma outra mulber de oatro mo-
rador, por meio de seduccoes ; tendo recebido
adiantado dnzeatos e oito mil reis do proprietario
para fazer tjollos, e nao os fez, e Ucou tambem
devendo a diversos para mais de quatrocentos mil
reis, e por Uso roga se aos senhores de eogeohos
para nao cahirem na roesma esparella, e as auto-
ridades pelieiaes do centro afim de e obrigar
a caroprir o quo tratou, ou restituir o dinheiro
recebido, visto qneier o gojerno acabar com o
elemente servil, pieciso de boje ir corrigindo
esses abasos e contrariedades a qne eslo sugei-
los os agricultores, ou ento agarra lo para re-
ci uta afim de flear iivre a sociedade de nm ho-
rnero de maes precedentes, e exemplo para os
outros.
Na praca da Indepeodeccia n. 33 se d di-
nluiro obre penhores de ouro, prata e pedras
preciosas, seja qual lar a quantia; e na mesma
casa se compra e vende objectos de onro e prata;
igaa'mente se f.z toda e qaalquer obra de en-
cammenda, tod> e qualquer concert tendente a
mesma arte.
Aviso ao publico
Tendo acabado a ncais de anno, a fabrica inti-
tulada barbalho, o Sr. Jos Gomes de Maraes ri-
quidou o re-to da loaca que Ihe pertcoeia, e bojo
se acha ero duas casas do mesmo negocio do
louca, sendo o deposito na roa Duque de Caxias,
outr'ora Cruies n. 2, a oulra loja na ra ci Ran-
gel n. 63, que para liquldar-se acham-se e>: pos-
to por preco mu commodo, segando as qualida-
des das pecas, por isto se fai scienle aos prdee-
dentes e roais freguezes desses dos estabeleci meo-
tos afim de aproveitar a occasio de preco com-
modos, nao so para sea uso, coa o para negocio de
estabeleeimento, sem preco, dinheiro aMsis, |i-
chincha.
AVISO
Caixeiro
Preeisa-se de um menino portoguez para pada-
ria : na ra estrena do Rosario n. 19.
SITIO
Vende e um'sitio no Arralal, to becco do Bar-
;i! :i'i.:i ".:, cisa nova, toda nvidracada, coro csi
da bantio, casimba com muilo boa agua e bomba,
tem cminheatai e tanto' pe de .woredos novo?,
/taladas de naracuja-as-, o terreno proprio e
torn-so recommendavel |.i-r ser porto do novo ra-
mal do mesmo Arralal: trstar n.^ trapiche do
:ae to llamos o.-4, das 10 horas da manhaa
j da :aidr, na a-i r.e.T-l ndo sit!t>.
Foram apprehendldas no sitio do bngadeiro
Joaquim Bernardo de Figneiredo, na iravessa da
estrada de Joio de Barros, daas vaccas e dou
bezerros : quero for seo dono appare^a para lb*s-
ser entregues, mediante o pagamento deste annno-
cio, comedoiias, e as disirnicoes causadas ^tor
estes animaes na lavoora ; quando nao, dentro do
praso de 48 horas serio levados ao deposite pu-
blico, acompanbados eom a respectiva ontt para
serem arrematados em hasta publica como bcn<
de evento, e o annunciante todemnisada do prc-
juizos etc._______________________ '
No silio n. 5 da iravessa de Sanio Ama-
precia se de nm carroceiro que lecha prauca n
se ja paz de dar conla dn qne se Ihe encarregar:
a pessoa a quem convier dirija se ao mesmo sitio *
para tratar a respeito.
Aljama entura branca viuva com aigoma
instruccao e ijue tenha pouca tamilia, qa-rendo
encarregar se da edocacao de ama menina banca
com 7 annos ji sabendo ler e escrewr, podera irr-
dicarsua morada rea Direila n. K, loja, par
ajaste.
AttfllCftO.
:
Na roa Augusta r. OS u para afti
I ascrava para
' fami.
5IIV.IM iL'.iTBO de U'! ,



D ario de Pernambuco Sexta* eiru 9 de Juuho de
1871.
ATTENCO
A armazeaa do
Tapar Franeez,
raa do Bario
da Victoria (oii-
tr'ora raa \o
ra) b. f.
A o armaaeni do
Vapor Franeez,
ra do llar So
da Victoria (on-
tr'ora rna No-
V.
Perfomarias, qninquilharias e brin-
quedos para meninos.
Acabam de chegar novas faiuras cora importante sortimento dos artigos abaixo
mencionados a presos mais resumido qne possivel.
w
CAIiCAIMI
Botinas para senborasdaraqoe branco,
preto e de oatras umitas cores escolhdas
do ultimo gost i da moda.
Botinas para meninas igual sortimento.
Sapatinhos t salto para senboraduraqne
pret >, braco e de cores, e de eouro de las-
tro.
Botinhas para enancas, proprias de bap-
atU
Botinas de diversas qaalidades para ho-
rnera.
Botas mssianas para montara, tanto in-
glezas le cooro da Rus.-ia para viagem,
como francezas da Melier, bezerro lino, pa-
ra passeios.
Meias perneiras para meninos de 10 a 6
'ama,
Sa patos de brim branco para bomens.
Sapatos de raqueta de lastro eom sola de
ma -eir, proprioa para banhos.
Sapatos de borracha para horneas e se-
nbora*.
Sapatos abotinados, de differentes modelos,
mui o boas e fortes para amamos e meni-
nas.
Sapatos de tapete, avelludados, Charlot,
casimira preta, de tranca portagaeies, para
bomens, zahoras e meninas.
Perfumaras.
Extractos Unos, hachas, cosmticos, leos,
opia s, aguas de Cologne em garrafas de
crystal para presentes, agua divina, agua
florida, dentifrice lavando, agua de toilet,
tintara para barba e cabellos, pomada non-
groise para bigodes, pos de arroz e sabo-
netes, tudo isto de primeira qnalidade, dos
fabricantes Coudray, Piver e Lubin.
Cestinhas para braco de meninas.
Balaios para costura.
pratiado para fratase

Qninquilharias
Lavas de pellica brancaspreeas e de cores
Espelhos grandes dourados para salas,
qnartos e gabinetes.
Leques para senboras e meninas.
Joias de ouro, brincos, transelins, pnl-
seiras, sjtdes de pnnhos, de abertura, cor-
rentes e chaves i* relogio, todo de ouro
bom de le.
Brincos de plaqu imitacao de ouro.
Correntes para relogio.
Abctoaduras para colletes e para pannos.
Albans de velludo e marroquia para re-
tratos.
ammadeiras de /idro para enancas.
Cesos d'arame
pi a'mesaj
Ricos artigos de phanusia necessarlos
para toilhetes e proprios de presentes.
Jarros.'e bouquets de porcelana para san-
tuarios.
Registros de papel fino mni delicados.
Quadros promptos para collocar vistas.
Molduras douradas para qaalros.
Estampas de bellas paysagens de cida-
des, de figuras e de santos.
Espanadores de penas e de palha.
Carteiras para notas e para dinheiro.
Caixinha de msica de darse eorda.
Ponteiras de espuma para cigarros e cha H
ratos.
Grvalas de seda pretas e de cores.
Bengalas de cana com castoes de marfim.
Bitas de baleia, junco e de muitas qaali-
dades.
Pentes Anos de marfim para caspas.
Escovas para facto, para cabello e para
denles.
Lunetas ou penclnez de prata dourada.
Ditos de tartaruga e de ac.
Oculos de prata dourada e de ac.
Reverbero transparente para caadieiros.
Ditos para I internas de pianos.
Cotos econmicos para vellas de sperraa-
cete.
Gordas para violao.
Port-pratos para mesa.
Caixinhas de diversos modelo! e procos.
Objectos novos de mgicas o melbor'pos-
sivel, para divertir meninos.
Halas, saceos e boleas para viagens.
Estojos de viagens, completos com nava-
Ibas.
Esporas de metal branco para saltos.
Chicotes fortes com martello para viagem.
Ditos de muitos modelos, de junco e de
baleias. fea
Luvas de fio de Escocia brancas, e de fSoS
edres. k *-
Ditas de camurca amarellas.
Machinas para fazer caf.
Globos de papel de edres para Ilumina-
(des de feslas campestres.
Baldes de cores, de subir ao ar fcil-
mente.
Jogos de domin, da gloria, visporas,
rodetes, bagatela e ontros jogos allerries.
Esterioscopos com as mais bonitas vis-
tas, de figuras
TRILHOS URBANOS
DO
ECIFE J> OIIMDA
e Beberibe.
Por ordem da directora convido ios Srs.
accionistas para, do prazo de 8 dias a con-
tar do dia 19 do crrante, realisarem a 7"
prestaco de suasaccoes, dar2* emissao, na
raz3o de 10 %.
Para esse fim ser o Sr. thesooreiro en-
contrado no escriptorio da compaohia, das
i i boras da manhaa s 2 da tarde de todos
os dias ofeis.
Becife 5 dejunho de 1871.
Joao Joaquim Alve,
1* secretario.
los fogueteiros
Na botica Central encontra-se, re-
centemente ebegado da Europa,
grande porcao de limalba d'aco,
ferro, cobre, e zinco, e da denomi
nada de agnlha (filien de Livu )
tudo de superior qualidade ; bem
como todos os saes e compostos
necessarios para a confeccSo de lo-
gos artificiaes e que s3o actualmen-
te procurados.
iHitiiiaiiiii
A roa Duque de Ganas n. 43 precisa se com
Attenpao.
m professor jubilado de instroccio elementar
conhecido nesta praca, presta se a lecclonar nesta
eioaae e seus soburbios por modleo preco : a ira-
ur no pateo do Carino, botica n. 3.
Achado.
JTtriea 8eJda tibein da Boa Vista a roa Velha
n amoete de peito cora retrato : qnem o achou
'?? 2n,r.egar' leve- a rna De't 53. que
sera gratificado. M
COMPRAS.
, COMPRASE
frascos vasios da tintara ja ponera, e pagase a 80
rs, cada nm : rna Doque de Caxias a. SO, e
M*rqaei de Ollnda n. 51.
s
i
Compra-se ama casa terrea em alguma das
Juas prxima ao largo da Penha, como sejam, da
Noguelra Padre Flonano, S. Jos, Santa Rita,
etc. : no 3 andar do sobrado n. 36 na ra das
Crnies.
ALTO Li'..
\ova resoluto
O Campas est venciendo es
seguinles gneros
E por qne pr$o ?
Danha de porco a 410 rs a libra em barril.
E'pecial adubo para panella a 480 rs a libra.
Manteiga em latas de un kilo por 3*000.
Carne secca (de carn ir< i
Cebollas em resteas a ljoCO o cento e sullas 3
000
0 Campos trem solemnemente garantir a todos
os habitantes desia capital e seus suburbios que
o sea armazm um
Centro especial de covidades, no que di
respeito a
k%
%
ACEPPES
Compra se em segunda rao nm cofre de
ferro proai de fogo, proprio para guardar livros :
aa raa da Madre de Dos n. 22, armazem.
Predios.
Gompram-se duas casas terreas no bairro de
Santo Antonie : qnem tiver e queira vendo-las,
dirija-se a raa ova n, 22 que achara com
quem tratar.
Precisase

muta instancia fallarse aos senhores abaixo
declarados:
Francisco de Paula Helio Brrelo.
Joaquim Teixeira Peixoto Pilho.
Mam el Tbomaz do Nascimento.
Francisco de Paula Borges.
Jos Gomes de Barros.
los I.mz de Franca Torre. .
Francisco da Costa Cmlho.
Sebastiao Jos de Barros Barreto.
Eslevo Jos Ferreira.
Csrlos Jos Dias da Silva.
Joao de Barros Netto.
Carlos Jos de Soaza.
Pedro Dias dos Santos.
Joaquim Jos de Camino Cabreira.
Antonio Correia de Barros.
Andt de S Albnqnerque.
Antonio Jorge Honteiro.
Isiderin de Franca Barro*.
Pedro Jos de Souza.
Padre Francisco Virissimo Bandeira._________
,. O Sr. Pedro Rales de Inojosa Varejao ro-
gado a vir roa dos Copiares n. I, a negocie de
sjen interesse, com H. N. A. C.
Flores de gomma
Apromptase com asseio e presteza qaalqaer en-
commenda como sejam, ramos e bouquets para
bolos, etc., etc.: no pateo do Torco o. 6.
comprar as leis provinciaes de 1855, 1866 e 1869,
na raa do Hospicio n. 23.
Na ra da Madre de Dos n. 16, toja, com*
pra-se aec5es da Companhia de Beberibe.
ano-i
:-i5i
a a
I
mmmmm
Stt"
8-s.
Sil? ^
o -.
13 -1 T -^
*S 9 -a
B?!
: a. ^
SP^a

" 3 S *
PB 3

*J

r.r. a H
9SS7s
w o.
Buhar.
Compra-se um bilhar usado, mas em bom esta-
do : quem tiver e qaizer vender dirija-se rna do
Caboga n. 2 C, ou na ra do Fksario n. 31 1* a&-
Jar, que achara com quem tratar.
Compra-se
um bai manso de carroca que seja novo e sadio
i.4, 2* andar.
na roa das Martyrios n.
VrNDAS.
A empreiteiros de obras.
Ha para vender na fabrica do gaz cinzas a 500
rs. cada carroca, excellentes para encher ilicerces,
etc., etc.
Injccrao aniercina.
Especlalldade dos phar naaceati-
cos Ferreira Hala t v.
Esta injeccao composta especialmente para i
cora das purgacSes antigs ou modernas, foi com
feliz resollado ensatada pe 193 mais habis e reco-
uhecidos mdicos, e por elles confirmado ser esta
injeccao a nica que radicalmente cara em menos
tempo qualqaer agnrrrha ou purgaco antiga 00
moderna, sein o auxilio de outros medicamentos.
B' tamben) til as leucorreas ou flores brancas,
quer sejam antigs ou modernas.
DEPOSITO
Na pharmacia americana, ra Duque de Caxias
numero 57.
Antonio Jjs de Carvalbo vai a Europa tra-
tar de sua saude.
destacadas e grupos de fa-
Caixinhas de costura, novos modelos com i m".iasr ..
mus -a, proprias para presentes. Armnicos ou accordims de todos os ta-
Quadrinnos dourados para retratos. n""09.* novos modelos eom trmulos.
Toncas e sapatinhos de 13a para chancas. m<>* pequeos com novas msicas. $Sg
Capailas para noivas e para pastoras de Cocamas de vanos tamanbos, com *
pre opios : differentes vistas mu pitorescas. (.^/^
Caixinhas eom vidros de aagraeito para TriTlfmPf'nc ''^N^
ver-se em ponto grande a photographie' Alll|UOUUB g^
dos retratos. O maior sonimenio que se pode desejar '
Pes de vidro para pianos. de todasorte de brinquedos fabricados em (fc
Thesourinhas para eos ara e unhas. diversos paizes da- Ei
Bolcinhas de seda e de veludo. I ment das enancas.
inropa para entrele-

59
W. BOWMAiN
Engenheiro com
FUNDICAO
59
tamanhos conven itntea para as di ver-
as me'iiores que aqui
rija 110 iiain
PASSAHDO 0 CHAFARIZ
Pe:ie aos senhores de engenh.') e outros agricultores, e eaapregadoies de ma-
cbini'mo o favor de urna x sita a scu estabelecimento. para varea o novo sortimeolo
completo que ahi lera; pois sendo talo muito mais barato em preco do qne jamis te-
Dba vfcndido, est anda superior em qualidade e fortido; o que com a inspec>;5o pes-
soal porte se verificar.
PEDE ESPECIAL ATTENCO Ao NUMERO E LUGAR DE SUA FUNDICAO
Vapores e rolas (Tagua dos ffiai moderaM .
sas circumftsncias dos senho es propr etarios.
Moendas de canna 5^os unBanb08
Sodas dentadas para aoiraaeg# agua e Viipor
Tabeas de ferro fundido batido e de cobre.
Alambiques e fundos de alambiques.
TVTarri'ini^TnoQ Para mandioca e aigodao.j
iiidLiiiuismos e para serrar madera
^^'**^^'<*^' de patente garantidas...................)ou auimae*.
Todas as machinas e pecas de qe se mtom vnWm
Faz qualquer concert de mCiBsmo rreco rou, re8Effiid0.
Formas d6 ferrO tern as mei,l0res e raas ^"^^ exisientea do mer-
Encommendas
Podendo t idos
ser movidos a mo
por agua, vapor.
calo.
_Incumbe-se de mandar vir qoalqner machoismo' von-
"lade dos clieotes, lembranio-llies a vaniagem de fa-
zerem soascompras por intermedio de pessoa entendida e qoe em qua'qrjer necessida-
de pode Ihes prestar auxilio.
CASA DA FORTUNA
Aos 5:0001
Bilhetes garantidos.
\ roa Primeiro de Marco (ontr'ora raa di
Crespo) n. 23 e casas do costume.
O abaixo assignado, tendo vendido nos seas fe
liies bilhetes um meio n. 2931 com SeOJOOO.
um meio n. 18P5 com 100000, um inleiro o.
171 com KKlfOOO, e outras sor tes de 40* e 20/
da lotera que se acabou de extrabir (194'), con-
vida aos possuidores a virem reeeber na confor<
midade do cosmmt sem descont algum.
Acbam-se a veada os bilhetes garantidos da
1.' pzrte das loteras, a beneficio da igreja da
Congri-ga^o do Oratorio (t95.J^te st xtrabh-j
sabbado 10 do corrate mea.
PRESOS.
Bilbete inteiro 6/000
Ueio bilhete 3/000
Km porco de 100/000 para cima.
Bilhete inteiro 5/400
Meio bilbete 5/700
Hanoel Martins Pinza.
Precisase de urna ama para o ser
vic, > de urna casa de urna pessoa : a
tratar na ra da Cruz n. 18, terceiro
andar. *
AMAs
Na ra do Mrquez de Oliod, ou-
ora Cadeia, n. 50, precisa-se
ma ama para cozinhar.
de
Enchovaes para baptisados.
A loja d*Agola Branca roa Duque de Caxias
d. 52, acaba de reeeber lindos encbovaes de diffe
rentes gostos e precis para baptisados, assim co-
mo bonitos chapeosinbos de fosto primorosamen-
te enfeitadoi para o mesmo fim, no mesmo pas-
seio. Tambem reeebeu modernas e bonitas ca-
misinhas bordadas eom pnnhos para senboras,
golinbas com punhos e sem ele?, tanto de renda
como de cambraia, bicos de seda brancos com
vidrilhos.
VNDESE
um tourino ja manso de carroca e muito bonito
proprio para tirar raca : no 2* andar do sobrado
da roa dos Martyrios n. 4._____________________
COVTUREIRA
Ccze-se toda costura de alfaiate e qual-
quer outra, por prego commodo; assim
como engomma-se com toda a perfe.i;o
na ra Aarosta o. 89. a


Vende-se
um nwattamnUnlio bastante grande com quatm
ps arregazados de branco, muito bom de cabrio-
let,a nm dito preto para carroca : na ra da So-
ledade n. 31.
Ro k nte-rheum tic.
Remedio efflcacissimo contra as dores rheuma
ticas at hoje o mait conhecido pelos seus mar
vilhosos resaltados.
XAIlOPE DE AGR1A0.- um dos medicamen
tos que sua efficacia as enfermidades, tosse <
sangue pela bocea, bronebites, dores e fraqnezi
no peilo, escrobuto e molestias de ligado, que me-
ntor tem a pro va do.
TINTURA DE MARAPAMA. A celebre rail
de roarapuama, enja energa e efficacia as para-
lysias, intorpeciinenlo, eUk etc. muito se recom-
menda.
Todos esses preparados se encontrara na phar-
macia e drogara de Bartholomea & C, nico d
psito na ra larga do Rosario n. 34.
americano
Usado as gotas este elixir em ara copo coro agua
um exceiienle conservador das gengivas e Um-
p za da bocea, boenechando todas as manhaa<. E'
tambem um poderoso e verdadeiro calmante as
dores de dente?.
DEPOSITO
XAROPE SEDATIVO
de cuca de Laranja amargas do
BROMRETE DE P0TA88I0M
De J.-P. LAROZE, ra des Iilon Saint l'il, Paria.
Todos os Mdicos concordlo em qoe o BromoraCt de Potassium j.uro tem sobre o
sistema nervoso, ama aceto i*iwm lm. .Reunido lo arope Laroze de
Laranja amarga, caja aecao regenera as fao^oes do estomago e doa intestinos,
umversalmente appreciaJo. Sem receio d'a/.idenle se pode dar as pessoaa adultas,
quando soffrem de Ititii 4* wr*ta*. va* digeitii, oa Mnmi tm tiwX,
assim que pare u mtJt to t* prh Para as creaocas, pwi *-r
gitafao, mmmii, toM* dmtmmtm r immXif.
Deposito cm Ate de Janeiro, M OtMvala; em Pernantbuco, 9. M+m* C*;
em Boceto, r&Uo Da*; em PeJjtat, Amero lt.; em Baha, Da mab; em
PorU Alegre, MiauU; em Zaranhfo, r.rr.ira &; em Ouro Preto, V.lmai.
T
ROB LAFFECTEUR
Approrado em Wrmmttm, Rosta, Austria e Blgica. O arrobe vegetal Laffecteur saantho-1
made, b mu saforisr a xaro-w de coismier, de Larrey e de salseparrilha. -De fac |
ditettao adagraved M pakdar, m alfato, elle con radicalmente Masa aaerearto, u
affseoea dapelle, laanlccaa-, alMresM. auare, ulcera, sarna df(e- |
awa. cacaraaO, os aecideatM prorendoi dos partos, da idale crica, e da acri- ,
SBomia hereditaria dos humeras. ^ ^
-a.!^!b* jW"^""^.ii doeacas sypbihcaj recentes, iavete-
radas ou rebeldes ao rntreario o sa Man dojstassio.
.JS&i^VZ1 ** Tcradsiro ROB lAFTECTEUR, a
SAIHT^ERVAIS, raa Ricaer, l, raria.
can do doator GIRAUDEAD DB ,
Chocolate de sade, de liner
E' nlo en agradavel gosto e suave aroma que
est classifkado como a primeira qualidade da
chocolate, e coro justa razie o procuran) como o
melhor de todas as marcas de chocolate eooheci-
das. O bem conhecido nome de Jenier dos dis-
pensa de sermos mai< extensos.
DEPOSITO
Na pharmacia americana, rna Duque de Caxias
________________numere 87.
Ps dentfricos americanos
Conaposfcio hyglenlc*.
Estes pos sao us nicos que n-anem em sua
composrtio todas as qnalidades hygiemcas pro-
prias a dar urna grande alvnra aos cenes, con-
serva;So delles e furtilicacio das gengivas.
Na pharmacia americana, rna Duque de Caxias
_________n. 57, de Ferreira Maia & C.
FatTiCa do B irrialii >
A l.iitrica inlilolada do Darbalhn no se acabou
ha mais de anni', como se avba declarado por este
joma1. Apenas ella acabou de ser devorada pela
cheia do rio Pirapania, foi I ao mesmo lugar pelo iiie-mo fabricante e traba-
lliand) Cvsn os rxesmos bracos: por couseguinte,
nao ,-e acabou... exiie em p... A liqnidacao
feita pelo Sr. tenenie-coroiiel Jos de Hoiaes ha-
via de ser de um resto de toncas, qoe ainda pos-
suia desde o (emp que a mesma rabnca traba-
I ha va por coma do mesmo senhor, isto ha seis an-
uos p"urn mais ou menos.
P(Krh>a-sa de um menino de 12 li aorj
pira caixeiro de loja de miudezas, da-.-e prefeien-
cia sendo pratica : na rna da Imperatr.z n. 78.
jfi
Vende-se por preco mui rozoavel, e com van-
iagem ao comprador, o engenbo Velho, silo na
freguezia de Santo Amaro de Jaboato, cojo en-
genho acha-se moente e correte, moendo eom
agua do rio Jaboato, contando cerca de orna le-
gua de ierra de sul a norte, com ontro tanto, em
uarte, do leste a oeste, com boas obras de casa
de vivenda, de engenho e de purgar e casa para
guardar bagasso. Quem pois, quizer fazer nego-
cio lio vanujoso, dirija se ao mesmo engenbo
para tratar com seu proprielario, que far todo
negocio.
Grande
i
CHITA PRETA
Peca de chita preta forte eom 3o covados a 41,
dita lina a 200 rs. o covado, pechincba : na ra
do Crespo n. 20, loja do Guilberme.
um terreno na roa da Hora, estrada de Joao de
Barros, com 100 palmos de frente oara o poente e
110 a 450 de fondo, com alguma- arvores de trac-
to, por mdico preco : a tratar na raa do Vigario
n. 14, i' andar, escriptorio. ________________
Vende-se um sitio com urna boa casa, no
Porto da Madeira, como quem vai para Aguazi-
nha, est cercado e muito bem plantado : qnem
pretender dirija-se ao mesmo lugar a tratar com
seu dona____________________________
Joaquim Jos Goncalves Bellrao tem para
vender no seo escriptorio ra do C>mmer:lo n.
5, os gneros abaixo notados, que vende mais bi-
rato do qne em outra qnalquer parte :
Azeitonss em ancoretas.
Amendoas em barricas.
Caf mnido em massos de i libra.
Chapeos do Chile de boa qualidade.
Cognac marca marlel frres.
Enxadas.
Farinha de mandirca de Santa Catharins, sac-
eos de 3 e S alqneires.
Dita da Baha em saceos brancos.
Dita de dila em barrica?, proprias para casas
particulares.
Fio de algodo da Babia em novellos.
Fouces.
Maxados.
Nozes.
Obras de palhelas.
Papel preprio para cigarros.
Dito azul para botica.
Palitos para denles.
Pregcs sonidos.
Panno de algodio da fabrica de Todos os Santos
de Pedroso na Baha.
Rolhas.
Rap popular da Baha.
Botim ero fardo*.
Retroz dos melbores fabricantes do Porto-
Tapioca do Maranhao.
Tabaco simn te da Bahia.
Verniz copal.
Vnho do Porto engarrafado, caixa de 12 gar-
rafas.
Dito de dito ero barr?, proprio para engarrafar.
Dito moscatel, verdadeiro de Setubal.
Dito Bordeaux em caixas de urna du2ia.
Dito de caj cm caixas de urna dnzia.
Cera de carnauba
Vende-se por preco commodo : ra do Amo-
riro, armazem n. 60."
fazendas
PARASFESTAS
DE
SANTO ANTONIO
E s. ji-ao
CBEGARAM PARA A LOJA
DO
Vende-se urna canoa nova que pega 1,800
iijJos: na ra Imperial n. 251. ___________
So na ra da Cacimba n.
!
1 se vende
de linbo para cigarros a 4 800 a resma.
papel
Veude-se e tambem se permuta a pos-e de
dous terrenos, sendo um na ra da Aurora e cu-
tro na do Hospicio : na ra do Rangel u. 43, 2*
Vende se ou aluga-se uui sitio em Santo
Amaro coro casa de vivenda para graode familia,
nm grande viveiro, coqueiros, etc., dejando
frente para o rio Beberibe e os fundos at a capel-
la de Sanio Amaro : a tratar na ra do Coronel
Suassuna, outr'nra ra Angosta, n. 4-1
0 Dr. Jacintho Soares
S Rehelio.
8 Medico liomeopailia
Tem i-id ncia na Pa Jo Imperador n.
I 25 e consultorio Da mesma ra n. 41.
s
|Vrclsa-?e de urna criada eaerava
que F.iiha isv.ra ingoraoiar: na ma
em n. 7, sobrado.
ou livr<,
da Pasa
Cousas da poca
A poca dos fogos, bolos e sorles, e o Campos
empre incansavel em querer sasfazer todas as
exigencias dos apreciadores do bom e do bello.
tem feiio reunir era seu armazem rna do Impe-
rador n. > 8 o seguinie :
Fogo) da China e do Rio para sali, os mais
interessantes.
Amendeas confeitaias para sorles a 14000 a
libra.
Ditas dsseascadas pelo mesmo prf<}>.
Manteica em lalareem libran rcilo boa para
bolos.
Vende-se em casa da Migue! Archanjo, mo-
rador em ierras de Massangana, casaes de capo-
tes hraocoa, jacos e bracuaes. ____________
Taberna venda
Vende-so urna taberna com douco< fundo?, em
boa localidad no bairro lo Bja-Tjsta : ira.a-se
na ra de Sanio Amaro o. 6, 2 andar.
Sitio em Goyana
Vende-se tito ca*a< em Guyana, 'uo foi do fi-
nado Manuel Gjmes da Cunh-: tratar com Do-
mingos Jof da Conha Lage?, no !ec>re ra da
Senzalla Nova n. 30.
Novidade
Vtnde-se urna casa terrea na ma do Jasmin,
fregutzia da Roa-vhla : tratar na roa do C >nde
d'Eu d. k, venda.
PAVAO
ALSACIANAS A I 21.0
Cbegaram as mais liadas alsarianas en-
do urna oova e elegante faz-nda de la
C' rn brilbanles listas de leda e ba-tante
larga, para v- a idos, sendo n'cste genero
o qoe estd anno tem vind de m is gosto
ao n erca.lo, e v>nd.--se 16200 o t ovado
CRANADINAS JAPOEEZAS A 800 RS. O COVADO
Cbegou para a loja do Pav3o > sta nova
fa;enda como nome de granadinasJapone-
zas, sendo nma boni a fazenda de 13a com
bonitos quadros de sed<, p opria para ves-
tidos, tendo de todas as cores, e vende-se
a 8U0rs o cnado.
ATLANTAS LAVRADAS A 800 RS .0 COVADO
Cbegoo e ta nuva fazenda un o nome
e allanta, sendo urna delicada f enra de
13a, p?ra vestidos, qoe vende-se pelo bara-
to preco de 800 rs. o covado.
NOVAS POUPELINAS DE SEDA
Chgou para a l> ja do [\i\ao \n grande
aortime lo das mais lindas e tnodenas
poupeiinas de seda, com os mais delicados
pades e d- muito pbantasia, que ver:dc-s-
por preco muito barato.
CAMBRAlAS llli/>N'CAS LWRA iS A Vi
Vende-se cr-rtis para eiidosde cam-
braia branca labrada, sendo fazenda muio
fina, prlo banto preco de ideada corte,
assim como uto grande sorttaeoto de ditas
lisas, tardase transpirettes. c,ne venle-se
por metoi do que em ostra qnalquer paite.
CAMISAS PAHA INvERNU
Cbegou para a loja Uo Pjvjo um (rara le
s rt-metilo de camisas escoras en'orpaaas,
a ptova o'agua, sendo prop a< para a es-
taco do in-erao. e vtnde-se j>or pregos
em conia.
TOALH VS ALCOCHOADAS PARA MBSA A 3|500
O Pavjo veude loalhss brancas de fustSo
a'coci ;das, |.rop ia* para metas, sendo
bastante granr.es pe'o barato preco de
3)5500, dita? eucorpadhs muitr grand s a 7&
Em tempos modernos nenbum descubr-
ment operou maior revoluto no modo de
curar anteriormente em voga do que o
PtlTOBVI. DE WACAIIim
TANTO NO TRATAMENTO DA
TOSSE, CHOPO,
ASTHMA, THISICA,
ROUQUIDO, nESFRIA-MENTOS.
BRONC1IITES,
TOSSE CONVULSA,
DORES DE PEITO,
EXPECTURACAO DE SANGCE.
Como em loda a grande serie de enfermi-
dades da amianta, do peito e dos orgaos
da respiraco, que tanto atormentam e U-
zem soffrer a humanidade. A mane ira an-
tiga de curar consista geralmente na appli-
caco de vesicatorios, sangrias.sarjar ou ap-
plicar exteriormente ungentos fortissimoa
compostos de substancias vesicantes, alen
de produzir empollias; cujos diTerentes mo-
dos de curar, nao faziam sen3o enfraque-
cer e diminuir as forcas do pobre doente,
contribuindo por esta forma d'uma maneira
mais fcil e certa para a enfermidade a des-
truico inevitavel de sua victima 1 Quem dif-
jerente poisto o effei admiravel do
PEITORAL DE ANACAHUITA !
VU E EZ DE IRRITAR, MORTIFICAR E CAOBA*
INAUDITOS S0FFR1MENT0S AO DOENTE,
CALMA, MODIFICA E SUAVIZA A DOR.
ALLIV1A A IRRITACO
DESEMVOLVE fi ENTENDIMENTO,
FORTIFICA O CORPO
e faz com que o systema
Desaloje d'uma maneira prompta e rpida
at o ultimo vestigio da enfermidade. Os
melhores votos cm medicina da Europa (os
Lentes dos Collegios de Mcuicina de BeYlira)
testificam serem exactase verdadeiras estas
leacoes analgicas, ou al m disso^a experi-
encia de militares de pessoas da America
Hespanliola, as quaes bram curadas com
este maravilhoso remedio, sao mais qm
suDcientes para sustenirem a opini3o do
PEITORAL DE ANACAHUITA f
Deve-se notar que este remedio se acha
inleiramente izento de venenos, tanto mine-
raes, como vegetaes, cm qttanto que porm,
alguns d'estes ltimos, e particularmente
aquelles que s3o dados sob a forma de Opio
e Acido Ilydrocianico, formam a base da
maior parte dos Xaropes, com os quaes t5o
fcilmente se engaa a credulidade do pu-
blico. A Composc3o de Anacahuita Peito-
a acha-se linda e curiosamente engarrafadas
m frascos da medida de cerca de meios
quartilho cada um, e como a dose que se to-
ma s d'uma eolher pequea: basta ge-
ralmente a applicaco d'um ou dous frascos
ciTectuacfiopara a de qualquer cura.
A' venda nos estabelecimento de A.
Caors, J. da C- Bravo i C P. Maurer i
C, A. A. B3rboza, Batlhol* meo e na
Ferreira Maia A C. ma doQueimado n. ?>1
ATTENCO
O Bazar da Victoria tem para vender o se-
grate :
Ricos vestidos de caiiibraia, brancos bordados o
que ha de melhor.
Saiss d cambraia brancas bordadas muito ti-
tilas.
Camisas de morim, cambraias e csguio de linhc
bordadas, oara srnhoras.
Guarnido s bardadas para seaboras.
Luvas de pellica brancas e de cures.
Chapeos de velludo e de seda para senhera e
meninos
Vende-se por enana do preco na rna Nova n
Farinha de milho
Vende -so farinha de milho, muida a vapor, dia-
ria nenie, pelos |im;i5 seguinles: grossa para
ang e pintos ou pasarinhos a 100 rs., para m-
gica a 110 r?.. c para cuscus a 160 rs., arroba a
iiSO : na ra do Cotovello n. So.
Grande
LIQJIDACAO.
Na ruado crespo n
Loja de Gullker
20.
e.
Las de cores ulitida? a 80 rs covado.
Bramante de linho com 10 palmos de largura a
25O0 vara.
Chitas claras e escuras a 1G0, 200 e AO o co-
vado,
Ditas nscados prussian>s a 280 o covado.
Ditas chinezas para coherta a iW o corada
Cambraias, organdys miudas a 240 e 280 o co-
vado.
Ditas bordadas brancas c de cures para cor.i-
nados, a :)J0 o covado.
Ditas bispo li>as linas a 34 a pe<^a.
Ditas brancas com 10 varas, a'3JOOO e 3-VM
a peca.
Dita Victoria, a 'i a pega.
MusMiliua I-ranea, a 400 rs. o covado.
Madapolao franeez, a 6j a peca.
Dito inglrz de bom a especial, a 000. t>, '*
e7f?. pe^'a.
Algodosiabo a 31, SfOO e li a pega.
Albaca de rr com listas, fazenda superior a
300 rs. o covado.
Dita brsnca, com flores miudas matisaa; a
300 is. o covado.
Dita preta co. vado.
Dii3s de cores padrees miudos e modernos a 3*1
r?. o covado.
Lencos de cassa com barra de ci, a 120 rs.
cada um.
Ditos de linbo en bainhados a i a duzia.
Cbila, fazenda bem ennherida pe -ua forlidao,
mais larya nao chita para ronpa de escravo^, a
200 r>. o covado.
Casemira pieta superior, a loOO o covado
Cortes do casemira de cT, 3*t00, 44 e ."'*.
Cortes de ineia rasemira, a ^fOO.
Ca-incta i-rrta e de cor, a 500 rs. o covad.-. ,:
Ganga amarella lisa e de lista, a 360 rs. o to-
va oo,
Algodao iargo merra T a 54 a peca.
D-se amostra om penhor.
NOVUMBE.
Acaba de cliegar o verdadeiro viuho verde de
uva pora em caixas de 12 garrafas u o acreditado
vlnlio o-pecialissimo pasto em decinr s
vendedor nnico recebedor destes vinhoi
auleriado a garantir a espeeislidsdf )'
ros do Visara c. 14. ( ailar, escr?
Jos Lopes Davim ; undo sempra ?e (!
um depo>ltj do vinho do Porto u uJ1
tem vind') a este mercido) em vigsimos
e em caitas de 12 gairshs, >iuo se verde H
nos preco do qoo em qualquer oulr. paib'.^i
-- Vende se a casi ter-ea n. 1C da ra Cas
Carrosas: a tratar em Santo Azaro n. 58.
Attenpo
Vende-se nma loja de calcado de todas as qua-
lidade?, na ra Direila n II, muilo afregoezada :
;rata-se m mesma c.m Diogo Augusto dos Rei*.
No largo do Carreo n. 4 vrnde-!f fogns de I
as quai la le para meninos e senhoras para
no.tes de Santo Anti.nio, S J. ao e
pr< co commodo : mesma ca*a ven
Meca propria para h In pr,r ).r
Mopas
'Vendo-re barato para acabar,
do Aracaty : oa roa do Vigario
andar.
nica e renw
u. 20, pnii


iauo de Feraamoac Sexta ieira 9 de Junho le 1871.
. VNDESE
Joaquim Jos llamos, na rua da Cruz n. 8, 1
andar, vende algwtao azul americanos verdadeiro
> pregos americano n. 3 e 4.
r%ao ha uiata cabellas braucos
Tintara japooe a.
So e nica approvada pelas as academias dt
scieocia, reconhecida superior a toda que lem ap-
parecido al hoje. D*po.o principal rua da
3adeia do Recife o. 51, andar, em todas as bo
lien e casa do utMMniro.
I
Mcmpre a \oa l^perauca!!
AO BELLO SEXO.
Esta leja bem condecida pela sua elegancia e
nperioridade de eus objeclis. acaba de receber
mullos artigos para o ifue respeitosamenie convida
ao bello sexo a vitila-la.afimdecomprarem aqnil
lo que rrecisarem para proparos de vestidos toi-
It4 ou tocadores, e mesmo qualquer objecto para
fazer algum prezenle._Ji*oU qoe si na Nova Espe
ranea (icario salKfeitos, j pela qoalidade e pre-
c/a raaoaveis, e mesam par que a Nova Esperan-
za ufana-se em nao se impacientar em dar a es-
colher os objectos, prestando-fe com o agrado
saibara com o Arme proposito de voltarem ou
nandarem a mesma luja, logo que precisen) de
-qualquer artigo por pjquono que seta.
LUVAS bE PELLICA.
Receben-as do IJ-boa a Nova Esperanza para
Qohi, sennora e meninos, sendo brancas e de
(i
NOVIDADB.
Bico de quipure preto com braaco, a Nova Es-
peranza s quem tem I I I
Caixas para joias.
A Nova Eperai>c recebeu boas caixas de san-
>d!o para guardar joias.
Fitas largas para cintos.
(tecebeu as de mudas qualidades a Nova Espe-
raba.
Para extinguir panos ou sardas.
A Nova Esperanca tem leile de rosa brancas.
Para tingrr cabellos.
Tem a Nova Esperanza a verdadeira tinta n-
gleaa.
Para refrescar a pelieeaformozia-la.
A Nova Esperaoca rua Duque de Caxias n. 63,
enie verdadeira albina branca de Lais.
Perfumaras
As melhores, e do mais conhecido fabricante,
asto hanen como inglez, eslo expostas venda
a rua Duque de Caxias u. 63, na Nova Espe-
anca.
Extractos, haha, oleo, sabonetc?, agoas de co-
lonia, de laraoja, florida e de lavande, etc., etc.,
tudn de superior qualid.-de : vende-se na Nova
Esperanea rua Duque de Caxias n. 63.
Agora sim !
A Nova E 63, recebeu um lindo sorUmento do 15a para bor.
dar, vindo as cores mais procuradas, branca, pre-
ta. escarate ate, etc. a Na antos que se rabe I
Tabellas Vermfugas
Este medicamento o nico que pelo sen boni
aroma e fasto agradavel se torna o mais propno
para a expu!>o dai lombrigas. E' fcil de tomar
porqu) o s"u gasto igual ao do chocolate, e de
prompio elfoito.
DEF031T)
Pbjrmacia americena de Ferreira Maia 4 C, rus
__________Pugna de Cxias n. 57.
&i bou ele Je atcairo.
Este novo preparado 6 applicado com grande
tpruveitamt-nto contra as molestias de pelle chro
cu-as e rebeldes cinpigens, manchas escuras on
pannos que vem ao rjslo e palto, bjrhulhas, sar-
na, lepra e comlchoes, mesmo aquellas que em
celtas partes delicatas do eorpo tanto mortificam,
finalmente o uso continuado d*te jaboneta con-
tnbue para tornar a pell.) Ma mimosa. E' igual-
mente efflVaz para amaciar a pelle do rosto ou
outras partes d> corpo, que por motivo de erysi
pailas t'cam asneras e escamosas. Preco de cada
bonete fiiO rs., em dunia se far abatimento.
Uaico ilepuito em rVrnaau, pbarmac a ame
nesna de Ferrfira Maia & C, roa Daqoe de Caxias
ji. !>7. an'tga do Quemado.
LIQIDACAO
NA
LOJA E ARMAZEM
$&i.
DO
PAVAO
NA RUA DA IMERATBIZ 60-
DE
FLIX PEREIBA DA SILVA & C
Os propriotepos deste grande ojtabeleciosente tendo MI ser aun avallada porcSo de
fazenda, e tendo continuado a receber por todos os vapores e navios inmensa porfSo
das mamas, tem rev rvirlo f.zer orna GRANDE LIQIDACAO, afimde demiooir o gran-
de deposito e ap rar DINHEIRO. De tudas as fazeudas qoe sa vende baratissimu se dio
as amostras, fleando penbor oo te rasndam levar em casa dasExans. fami!i*s, issiracomo
fw-soas qne cegoe'am em menor escala, n'esleesti e'eoimento se poderlo sor .ir en
pequeas peres pitos mesmes prec.s que comprara as catas exportadoras.
de: i
VIDAGO
Uuieo deposito
l'liarmncii americana de
Ferreira Maia 0., rua Du-
qu de Caxks n. 57, anti-
K* (h Quema%
O.verdadiro portland. S se ver.de na
roa da Madre de Dcus' n. 22, armazem de
Jf3i Manins de Rarros.
A
PARA LCTO
0 Pa'So tem um grande sortimeato de
fa/.endas pretis Dar ledo, como seja: 15a-
siobas finas para vestidos 4t>0 e i'iO rs.,
merino muio leve para vestidos e reupas
para Inmens U e 2/J200, alpacas cem
lavores brancos, cassas pretas lisas e com
braocos, bombazioas preas, canloes. oo-
tras mnitas lazeadas todas preprias para
lulo, que se vea le u>ais barato qu em
outra qualquer parua.
CHITAS DE CORES
O Pavaa icm reaebiio grandes sortimeo-
tos de chitas linas, tanto claras como escu-
ras, tendo tambem grande sortimenta d is
mais delicadas perejiles miudiobas proprias
para vestidos e roopras de criaocas, e ven
de-se por menos do qae em ontra qnalqoer
part, oa rua da Imperatriz n. 60.
LENCOS BRACOS A DUZIA 3rff00
O Pavo vende lioi sinos lencos brancos
j* embanbadi.s, em duzia pelo barato prego
de 3!00, e outras imitas qualidades, tanto
de suiSo como de cambraia de linho, e
c:. itu7.es.
Toilhas do Porto a 10*000 a dscii
O Pavio vende sn eriores toalfeas para
rosto, sendo de linbo do Porto 100000,
ditas de f-oco fazenda moit) r.oa i2#noo
n duzia, ditas coal.hoadas a 70500 dozia
ao 040 rs. cada toallia.
COLCHAS A 30000
O Pav5o vende colchas brancas de fasUfo
sendo btstante grand s palo barato preco
de 3)5000, dilas de cores muito finas ...
7*5000, ditas muito graudes brancas de fus-
ilo e muito encorpadas 60OCO, dilas de
croxet, proprias paracamade coiva 150.
ORGAVDYS BRANCO
0 P^vo receben os mais finos e delicados
orijandys brancos para vestido, sendo todos
com lavores miudmbos, e vende se pelo
barato, preco de 800 e 1000 i rs. a vara,
fazenda que vale moito mais''dinheiro.
GUAUDA BANHA
O Pav5o vende urna grande perc3o de
pann s de crochet proprios para encost dje
cadeiras, tanto de brago como de guarn<;5u,
ditas para encost de sof, ditas para cobrir
pian-s, assitn como ditos redondos para co
brirdiferentes movis ou outrosqjaesquer
objdcios, e pode-se vender por menos do
qne em ontra qoalquer parte, attendendo
grande compra que se fez.
CHALES DE MERINO' A SSOi)
0 Pavo vende chales de merino muito
grandes e encorpalos 2*500. ditos
imiuto de chineaei 20500, ditos pretos
de renda com 4 poatas ^tCO.
CHALES PRETOS BORDADOS
O Pi^o vende os maiores e melhores
chales de me io pretos ricamente borda-
dos com larga; franjas de retroz, e vende
por menos to qne em otKra qoalqoer \ arte.
CAMISAS PARA -HOMENS
O Pavo vende um grande sorttmenlo das
m h.ros camisas nglezas e francezas com
peitos da linho para todos o? presos e qua-
li ades, jssitn como ditas de ditos de
al^ono i ara tod s 03 preoos e tamanhos,
tendo tambera para crianzas, e no
ALFAIATE
qoe se encarreg* de exerutar qaalqneT eo-
commenda da fu arte tontade do fie-
guoz, e o proorietaro d'esie graode esta-
belecimen'o e promeite servir bem a todos
os freguezes que Ihe LoDrarem a soa casa.
ALGODAOS1NHO A 3IS00 A PEGA
O PjvSd vende pecas d'algodaosintio de
muito boa qrwlidae. teode20 jardas eaai
ptga, pelo barato preco to largo e eneorpado 60000, dito o me-
ihor qae tem vijdo ao mercad, miito en
corpado e largo para Jen?.-es. pete barato
precn de 6*500, grande pecbindm.
MADAPOLAO A 40000 E 41500
0 Pavo veode pecas de madapo 3j com
24 jardas, sendo f-iesda muito supeiior
pelo barato preci de 40500, di as com as
mes mas jardas a 45000, ditas finissimas a
50500, 60000 70%OO e 80000. pechincba.
MADAPOLAO FRANCEZ A 100
O Pavio veode fecas de fiaissimomaa-
poiao verdadeirameuie francez, tendo 22
metros oo 20 vara3, pelo barat9imo preco
de 100000 a peca, sendo fazenda qne sem-
pre se venden 140000, e liqoi la-se por
este barato preco por estar alg.ma ceusa
encbuvalbada na ponta de lora.
ALGODOSINHOENFESTADOA 10 280
O Pavio vende verdadeiro algodiosiHho
americano, tendo 7 palmos de largara e
multo encorpada, proprio para lericoes
70OO a vara, dito da mesma largura sen-
do trancado e muito encapado i i02r>O.
BRAMANTES PARA LENfOES A 2ai00 M8MS0
O PavSo vende o verdadeiro braaante de
linbo tendo 10 palmo de largura, qoe ape.
as precisa para umltticel urna vara erma
quarta, pelo barato preco de 25400 vara,
dih raelhor de 208 0 e 30000, ten lo at
do melhor que vem ao mercado 30300
e 40000, assim como cretones fortes para
lencoss, sendo urna eocorpada fjznda fran-
ceza com 10 pilmos de largura a aOo rs.
o metro, e bramante d'algodao com a mes-
ma largura 10800.
SAIAS BORDABAS A 40500 E 00009
O Pv3o vende graade pecincha em satas
brancas ricamente bordadas, teodo cada nma
4 pannos, e veode pelo bara/o imco de..
40500 e 60000, sendo facenda que aempre
vendeo-se p'r 8 e 100000.
Fazendas para saias a 10200, 10380 e 1050o
O Pa fio veode superior fazenda bordada
dZcom prega* proprias para saias, 10200,
10280e 105(0a vara, sendo preciso para
urna saia aperas 3 varas ou 3 1|2.
Aos 300 cortes de cambraia a 20500
O Pavo vende urna grande porfo de
cortes de cambraia organdys; tanto brancas
como de cores, sendu com listriobas de
cores tessidas e nio estampadas, e liquida-
se pelo barato preco de 20500, cada corte,
fazenda que vale muito rmis.
Aas 20G0 cortes de cambraias bardadas a S.-)00.
O Pavo vende urna g-ande euantidade
de corles de cambrai23 brancas bordadas
para vestidos, sendo com os desenhos mais
lindos e mais vistosos quo teja vindo ao
mercado, tanto em listras corridas como ada-
lonaes, e cim muita fazenda para um ves
WACHIMS PAR
COSTURA
Cbegaram ao Bazir Universal da rua Nova
D. 22, um sorlimenlo de machinas para eos
lora, das melhores qualidades qae existe na
America, das qoaes moitas j sao bem co-
nbecidas pelos mus autores, como sejam :
WaJIer & Wilson, Grover d Boker Silen-
ciosaSj,Weed elaperiaes e ouiras muitat
que cem a vista. deverSo agradar aos com
pradores. .
Estas machinas teem a vantagem de fazr
o IraSalho que 30 costureiras podem faz r
diariamente e cosem com tanta perfeico
como as mais .pe feitas costureiras. Garan-
te se a sua b)a qualidade e ensioa se a tra-
balhar com perfeico em menos de urna
hora, e os presos sao to resumidos que de-
vem agradar ans pretendentes.

.
nico legalmente autorisado e approvado
pelo conselho de sade.
NICO DEPOSITO
em
PERNAMBCO
Pharmacia e drogara
de
BARTHOLOMEU & C.1
34Ru larga do Rosario34.
M
mesmo
estabe!ecimente tamben se vende ctroulasJl|do, e liquida-se pelo bantissimj prtc) de
de linbo e algodso, tendo para todos os 3*>000, sendo fazenda de muito maior va-
Vende-se scco com fariotra do roandiocs, me-
flindo 18 cola?, pelo baratsimo pre^ode 5a cada
sacco; na rua ao Marguei de Olinda n. 40, es-
erptnrio.
bbrasstf-'i lims.
Vendo se no armazpm de fazendas de Arbusto
F. dw Olivara 6t O., rua 'o Commercio n. 42.
Aos senhores fogue-
teiros,
NA RUA LAliGA DO ROSARIO N 3i
Vende-se
Excllente limalha de ferro.
D.ta dita tlts -.-.i-..
Safltrs refinado.
F.nx. Ir eui c.uudo.
E era eral l Csi&Lturois
LIOUTOACAO
COM TOQUE DE Ci'iM.
Brimp.-riio lino com pi-qucn-i toque de cuplin
na crela, a 40U rs. o .-ovaJ), pethincha : ua
r:i d n.-p i n. SO, l|a do Gnillierme.
Tem venda em seus armazn.:, alora de outros
ri!gos do sen neg io regular, os seguintes, que
'icjtm por prec/j mais mdicos que em ou-
""i u lalquer parte :
PORTAS de pioho almofadadas.
P.ADES de ferro para cerca.
ESTfilRAS da India para cama e forrar salas.
CANOS do barro francer. para esgoio.
superior em ptirrdcs e a contento.
de todas as qualidades.
de dejcamear algodao.
hrinzdes da Rujsia.
americanos para forro de carros.
americanos mait bou e economicoa
'id trdeaox. .
erior de Ganer Fr.re<.
LO em sac-ios grandes a 35O.
" rida legitima.
para
pre.os, assim como metas ernas ingbzas
para homens e meninos que ludo se veade
por preco muito limitado.
CORTINADOS BORDADOS
0 Pavo tem c nstantemeote um grande
sorttmetto dos melhores cortinados Dorda-
dus para camas e jaLella?, que vende-se de
8U00 at ao mais neo que ostuma a vir
n'tste genero, assim cerno bonitas cambraias
adamascadas, tao tapadas como transpa-
rentes, proprias para o mesmo fio, colchas
de croco*t, dama e cortinas, e vende-re no Bzir oo Pavao.
LAASINHAS BARATAS
O Pavo tem um g ande soilimento As
mais bonitas lasinhas para vest os, tendo
de todos os precos cores e qualidades.
orincip arrio da 200 rs. rara cima; porm
ta^ grande a quantade que seria enfa-
Jonba especificar qualidade por qoalidaJe,
s a vista oo freguez e das amostras se Ihe
vendero por presos to cmodos que
enguem deixar oe fajter nm vestido de
13a por tao poaco dinheiro.
lor, grande pechincba.
CAMBRAIAS
O Pavo veode grande qnantidade de pe-
fas de cambraias brancas tapadas e trans-
parentes, teado de 35 a peca at mais
lina que vem ao mercado.
CHITA A i60 RS.
0 Pavo vende cbitas largas com bonitos
desenhos e cores fixas, pelo barato prego
de IfiO, ocovado, grande pechicc'ia.
LASINHAA 160 RS. 0 OHAD3
O Pav5o vende bonitas lasinhas transpa-
rentes pelo barato preco de IbO rs o cova-
do, pachiocha na rua da Imperatriz n. 60
cortes de cassa a 20*500
O Pava,) vende bonitos cortes de cassa
franceza viudo cada cm em seu papel, pelo
barato preco de 2$500 > corte, ditos muito
bodas 3C00, pechiocha.
CASSAS FRANCEZAS A 20 RS. O COVADO
0 Pavo veode bonitas ossas de cores
para vestidos, pelo barato preco de ?0 rs.
o covado ditas fiaissimas com os desrabas
mois mode.'nos que'tem v.ndo ao mercado,
palo barato preco de 50j rs.
CRETONES
O Pa'3o veadf flnissimos cretooes escu-
ros matizados, proprios para vestidos e
chambres, pelo barato preo de640rs.-o
covaJo, ditos de fl r5os, proprios pira co-
ndo fazenda muifa encorpada pelo
ALPACAS DE COROO 640 R8,
O PvSo vende as maij lindas alpacas de
cord'o para Vdslidos e roupas de ciangas
ocio barato irego de OVO rs. o covado,
di:a5 finissimas com os mais lindos lavoree
iruitaco de agraianas a 810 rs. o covado, berta, sendo fazenda muifa encorpad
b nitos glacs com d-licadas crese lus- barato prego de 8D0 rs. o ovado,
troiaj como se la P#C00 o covado, e ou-
tras mnitas fazendas de gosto e luxo para
veiiido, na roa da Inperatriz b. 6o.
POUPELINAS
0 Pavao recebeu as mais delicadas e me-
itores poupulims de seda para vestidos,
com os mais modernos lorores, e outaa$ li-
zas com as cores mais novas que tem v.n 'o,
e vende-sa 23U00 cada covado, assim
cono del cadas sedas de listinhas, tanto
para vesti los de f enhoras como de meninas,
q vende-se 25'OOca.la coado.
SET1NS DE COR
O Pavo tem ccnsiantemente um bonito
soriimenb dj eoliose grosienap!e3 de lo*
das as cores, que varde-se em conta.
ROUPAS PARA HOMtNS
O Pavo temecnstautemen/e um grande
s'Ttimento de roopa, lanto de panno como
de bri s br.nco e decores, ds caso-
mirai, pin todos qs pregos e qualidades,
- Vende-e .una carng.i emmeii uso e am j e'a"ibem se manda fazer qualquer peca de
i mesma, o}vo c amito manso : a Obra com tjdo aceto e promptido, para 0
ua raa do Drum, no Recife, n. 65, uberua. I que se,tem um perito
as oo casaquishos a 20 e 25 J
O I'avJo vende basquinas ou casaqainhos
de seda prt tos ricamente enfeitadts, pelo
baratsimo pr muito modreos, assim co do dif,os de cro-
i chet e rendas pretas que se vendem muito
em coma, na rua da Imperatriz n. fjO-
Gaitas entraadas paratobertis a 300 rs. o corad
O Pavo ven le chitas amaneadas cotn
delicados desenhos para cobettas cu c.rti-
as de cores fixas, sendo fazenda rooito en-
corpada pelo barato preco de 360 o cooadO.
ESPARTILHOS A 4J5Q0
O Pavjo venda os mais modernos e me-
lhores espartilbos, tenJo de lodos os ta-
manhos, pelo barato prego de 4,5500
CASEMIRAS
0 Pavo ve ide um elegante sortimento
de delicadas casemiras ingiezis, sendo to-
das de la e n uito levesiobas. Unto pro-
prias para homens como para enancas, e
citas mais encorpadas, tendo de orna e da
duas larguras, que se vende o mais. barato
possivel, na rua da Impertir a. J.
,. FIO
Par saceos e foguetelros.
SACCOS
PARA ASSUCAR
CERVEJA DE MABCA
Engarrafada especialmente para o Brasil.
Charutos de Havana
Lona para velas
Cambraia Victoria
verdadeiras trarem os nmeros estampados
as pecas e nao na9 etiquetas.
Vendem-se
Em casa de
A T. JEFFERIES i C.
4t>Kua do Commercio 46
BR1NS DE ANGOLA
OS LEGTIMOS
Trazem eiu cada peca nm buhe-
te com o n o me
DOS
nicos importadores
T. JEFFERIES & C.
mmmm mmmwmm mmo
Liquidapao i
A' AGUIA BRANCA
SUA DIQUE DE CAXIAS N. 50
(Outr'ora Queimado n. 8.)
LENCOS BRANCOS PARA ALG1BEIRA
A Aguia Branca na rua Duque de Ca-
xias a. 50, est veodendo baratamente len-
cos brancos e de tamanho regular para al-
gibeira. Os differentes pregos de 20,
m0O, 20800, 30200 e 4,5000 a dozia.
>8o os que de mais barato se pode encon-
trar em tao boa fazenda. Tambem ha ou-
tros com barras de cores fizas, e fazenda
nova mais fina a 40 a duzia.
TOALHAS E FRONHAS
de labjrintbo com bonitos desenhos, e per-
feita Imltagao do tecldo no paiz.
BONITOS ENTREMEIOS BORDADOS
em cambraia tapada, transparente e outros
em pegas de 12 tiras, e proprios para cor-
pinhos, etc., etc.
MEIAS PRETAS PARA PADRES
ditas de 13 de cores para criangas.
PAPEL DE CORES FOLIIAS GRANDES
proprio para enfeites de bandejas, ba-
I5es, eto., etc.
f ORCAL PRETO, BRANCO E ENCARNADO
em miadas e retroz em carriteis.
Panoramas oo stereoscopos em ponto
grande.
Esses panoramas com 2i vista?, bellas e agra-
daveis, dao um perfeito iniretenimento para rea-
oides de familias.
Objectos para luto.
Bonitos e modernos aderegos pretos com
borlas lapidadas.
Brincos de bfalo, e crystal, lapidados, e
com pingentes. '
Correles pretas de borracha.
Contas grossas, redondas e lapidadas para
pescogo.
Voltas de contas. tambem redondas e la-
pidadas, com cruzes.
Pulseiras pretas.
BARRETES EM PONTO DE
meia para recem-nascidos.
LIVRJNHOS COM DESENHOS
para crocbet, marca le
FOLHAS DE PAPE S COM DESENHOS
em ponto maior pan os mesaos fias.
NOVAS TRANg\S DE PALHA
para enfeites de vestidos de 13a.
PERFUMARAS INGLEZAS
A Agoia Branca tem recebido finas per-
fumarias inglezas, sendi extractos concen-
trados de agradaveis cheiros, pomadas fi-
nas entre as quaes se nota a d'alpaca, agua
da colonia, dita de lavander etc. etc. assim
como tinas escovas inglezas, e opiata para
denles. Tambem receben variado sedi-
mento de sabonetes, que es est vendeado
baratamente.
Caixinhas com 3 sabonetes aromacos a
10. ditas com 3 ditos transparentes a 10
10500 e 21000.
Sabonetes areentos a 500 rs.. ditos de
a lea t rao a 80o e 10000 rs. cada on.
Pasta de amendoa para lavar a anclar
as raaos e o rosto a 40 o frasco.
E assim muilos outros objectos de per-
fumaria.
Alfinetes pretos com pingentes e tem
elle?.
Guarnieses de botoes pretos para anotaos,
abertura e collarinbos.
Ponnas de aro hice d lauca
Caixas com urna grosa 500 rs.
MATA MOSCA.
Chegou nova remessa de papel mala
mosca e continua a ser vendido na laja da
Aguia Branca.
oa
en o o
S 5.2
M
< B fi o
S rt B ^3
2 g- Pa g O
n P S g ^
P 0 S
O p p co
3

co
CD
1
^2
S.&g
DE
razendis para S. Joao
Alpacas de listras e flore*, fazenda fina,
a 600 rs, lias de cores a 400 rs. o covado
cambraias do cores a 2C0, 210 e 280 rs.
o covado, chitas claras e escuras a 200 e
240 rs., percalas miudinhas a 240 e 280
rs. o covado, chales de marico liso a 2,
ditos eslimpados a 4/J, 4o':(i e 3*. ditos
Unos a6. madapolo a 3*200 4*,45C0
H a peca, dito largo a 55C0 e 6,
dito elephime oo a 7* e 8 a peca, di-
tas de ajgodao a 3, 3*500, e 4*300,
onm parlo de hubo a 280 rs. o covado,
e i* acorte, algodSo de liira proprio
para roopa de e.-cravos a t60 rs. o cova- '
do.toalhas felpudas a 8 e ti* a duiia, j
cambraia branca flna a 2*300, dila vieto-
ria flna a 4*. 4*500 e 5 a pega, chias
Dar cubfrla a 210 rs. o covado, lenco*
do cassa finoj com barra de cor a 1*500 j
a duii,ditos brancos abaohados a 1*600 1
rs., 2*. 2*300 e 3* a duzia, ditos chene- j
im a *X) a duzia ; de odas estas h* |
zendas dao-se amosiras com peahor. j
rua Du^ue de Caxias n. 29, esquina que
volia para o pateo de Pedro II.

PARA LIQUIDAR

de 2 a 3 pollegadas, proprios
o. 11.
IU.Z".LZZ5
. m 10000 CADA UM
225? d9 hl*' Se5d0 os^acnados de ac muito bom, proprios para carpinas
ou engenhos: vende-se a rua Novan. 41. v u-i^ua.
Cadeiras americanas
com bracos e assentdi de pallioba: rua Nova, armazem n. H.
Pregos americanos
para barricas, a 80 rs. a libra : roa Nova, armazem
Taxas americanas
miste? rom^rf^f de comPrin?ento, proprias para tarnanqueiros, ou ootro qualquer
l H,6^^111, a f? rs' ma?0 de meia libra- 0Q 8* a cai com I5
macos, a rua Nova, armazem n. 11.
d d VELOCIPEDES
S5,3 ,^f Pr0S P^ra bTm\f m cada om- B de raa' mandando-os vir
0 cada um : vende-se rua Nova, armazem n. 11.
Grampos de pao para segurar roupa
- prios para prend. r a roupa oua se bota a seccar em cordas,
a caixa cm 35 duzias. E' dar, n3o vender: rua No*
r
wmwm
VINHO DO PORTO FINO Eli CAIXAS
Boliuetes
muito bous para niales e barcadas
Bicjs de louza
para lavapem de louca era eozinhas : vende-se
por mortlcus pregoj: na rua do Brum n. 92.
sendo de nadeira,
240 rs. a duzia ou 65
n. 11 #
PABA ElrB]HO
um recebedor e conductor de bagaco da moenda, levando por si o bagaco na distancia
que se quixer, economisando o trabalho de duas pessoas. E' lalvez o nico que existe
uesta provincia: vende-se muito barato, rua Nova n. H.
Vende-se a armaco da casa da roa Direila
n. 38, propria para taberna ou mesmo outro qual-
quer negocio : quem pretender diriji-se mesma.
Aos Brs, m^OiiF.
O Bazar Vicloria, na rua do Baro da Victoria
(amiga rua Nova) n. 2, recebeu nm rico sorlimen-
io ce litis bordadas |>ara differectes gro3 o para a
resta de S. Joao.
S. Joao
Veode-se formas de ferro superiores para bolos
e por pref) muito barato
numero 6.
na rua da imperatriz
PURPURINA AMRRICANA
Tinta inalteravel
Para escrever e copiar.
E' recomnxradavel esta especial e excellonte tin
ta pela sua boa qoalidade, fluidex e dar; cao, co-
mo a melhor e mais inalteravel -tint qne se co-
nbece. Na j ata as peaoas d'aco e da tres fe.
cellentes copias E' preenvel a qualquer ouira
tint para os livros do como oreio a docomantos
que care^am de longa durac.ao.
IINICO DEPOS'TO
na pharmacia americana de Ferreira Maia 4 C..
rua Duque de Caxiasjn. 75, antiga do Queimado
PERNAMBCO.
VINHO COLLARES
Vende-se o verdaaeiro vinho de Collares, vindo
ltimamente telo vapyr (MinHa, em barril de d-
cimo : na roa da Madre de Deus d. S8.
Quartinhas da Baha
Vende se quartinhas da Babia ei
rttalho : na ras do Imperador o. 37.
porcao e a
Veode-se maasa para rogo a 640 rs. a libran
e foguetiahos para meninos: na rua Imperial
n, 251.
I
Vene se feij) preto novo a U o meio df4r
lur- e ceblas novas en mu a f> r>. o ento, a
7*300 o nllbeiro : a na # F*r9 Affioasob. I
(amiga rua da Praiai
Vende-se
uma balanca jwra aitwem, correnta e prac3 de
terro tnebas d a#r**>: tr rua do vigarteT. 15
ehO n.
Attencao
um casal de tourinos
na
da


Diario de Pernawbitco( Sejty ira 9 'e Junho da 1871.
I


,*!%
DO
$4 BA DA IINIATIIZ \ U
DE
FIGUEIREDO 8: LOPES.
Esta nova loja acha-se completamente sortida de fazendas da gosto de (odas a
qaalidades, tanto de seda como de lia, linho e de algodo, e desejando seus proprie-
tarios dar sabida s raesmas eslo resolvidos a vndelas por preces lao mdicos t
acommod?-dos ao interesse de todos que por cerlo agradaro aos pretendentes.
Os proprietarios desta loja convidara, por tanto, s excellentissimas familias,
aos mscales e tolos em gera!, a visitarem sua supradita nova loja e se offerecem
a dar as mostras e mandar as fazendas s casas, promettendo toda a commodidade nos
precos e sinceridade no trate.
Casemira de cores
Temos om bonito sortimento de casemi-
ras de cores e preas, que vendemos muito
barato, ssim como um soi lmenlo de pan-
nos pretos.*
Casimira de Vienna.
Ha casimira* de Vienna cora xadrez, gos-
tos bonitos e de superior qualidade.
Tapetes.
Temos lindos tapetes para guarnicSo de
sala, desde os maiores al os meuores, e
os precos sao baratsimos.
O r tinados
para cama e janellas.
Temos o melhor sortimento deste artigo,
tanto para cama como pra janellas, os pre-
cos s5o por menos que em ontra parte.
Tambem temos cambraia para cortinados,
que vendemos por barato preco.
Fusioes bramos.
Temos lindos fnsies brancos com listri-
nhas, proprios para rcupas de meninos e
mesmo de seahoras.
Cortes brancos de cassa
Recebemos cortes brancos com listra bor-
dada, proprios para bailes, fazenda nova e
de bom gosto, baratissimo.
Colxas brancas e de cores.
Temos colxas brancas, grandes e peqne-
nas, e tambem temos de coras de superior
qualidade e bara'.o preco.
CHALES.
O Cysne tem um bonito sortimento de
chales de merino de cores e pretos, com
franjas de seda, e entre estas qualidade ba
uns que vendemos por 2(5500, e que sen
preco foi de 40t'OO.
Espartilhos.
Ha espartiibes de todos os lmannos e
das mel ores qoalidades.
Cambraias de cores.
Temos cambraias de cores proprias para
roupas de meninos e de sen hora de lindos
padroes e ptima qualidade.
Meias para homens e senboras
O Cysne tea completo sortimento de
mane. t~ ,-----i.vua vuuw pira SG
nhoras, meninos e meninas.
Fazendas par loto.
Temos fazendas para loto, de todas as:
qualidades, como sejam: alpaca, conUfo,
princeza, merino, cimbris*, lias pretas,
etc. etc.
Cambraias brancas.
Ha um completo sortimento de organdys
tapados e transparentes, que vende por me- com listra assetinada de lindos gostos e mo-
tos que outro qualquer. [demos.
Boa da Imperatriz n. 64.
Mottas ootras fazendas temos qne poderiamos annunciar, mas por so tornar
enfadonbo a> respeitavel publico deixamos de o fazer. Podemos garantir que os nossos
precos faro differencas de ootra qualqoer casa, pois estamos resolvidos.a vender pelo
casto, porm dinbeiro.
Grosdenaples preto.
Ha om completo sortimento deste artigo
qoe vendemos por precos baratissimos.
Grosdeuaplcs de eres
Temos os mais lindos grcsdenaples de
cores de superior qualidade, que vendemos
por precos baratissimos, por termos feilo
ama grande compra.
Poupelinas de cores.
Recebemos um sortimento completo, tan-
to oom flores como em xadrez, e vendemos
por menos que ouiro qualquer.
wetlus de cores.
O Cysne rece be u ns mais lindos selins
de cores, tanto maca o como de nutras qua-
lidades, que vendemos por menos qoe outro
qualquer.
Alpacas.
Ha um bonito sortimento, t uto lavradas
como lisas e por precos commrdos.
LSs eom listra de seda.
O Cysne recebeo .as com listras de seda
de lindos padroes, e preco coimiodo.
Ka lisas de hu so cor a 40
a rs o coTado.
Ditas com xadrez pad>s mullo modernos
qae vendemos per 500 rs. o covado,
pechincba.
adapoles.
O Cysne ten um completo sortimento
de madapoles de todos os precos e qoali-
dades.
Tem s orna qualidade de roadapolo fran-
oei qoe especialklade, tanto no preco
como na qualidda le.
Camisas bordadas.
Temos camisas hadadas do melbor gos-
to, proprias para casamento, qae vendemos
muito barato.
Camisas fraaeezas e Inglezas.
Temos camisas desde o preco mais ba-
rato al ao mais caro, e oeste artigo temos
ama qualidade que vendemos a 30000; e
para a qual chamamos a Uencao dos nossos
reguezes.
Canijas de flanea de cor.
Fizemos urna compra de camisas de fla-
OSUs-dscAr, goOJianilaim* p*-i-oiK-oii*us
precos.
Ditas de meia de todos os precos; temos
ama qualidade muito snperior com listras
de cor, que vendemos barato.
Tiras, bordadas.
Cysne tem tiras bordadas largas e es-
treitas, assim como, ntremelos bordados,
CONQUISTA
Ra do Cabug n. O
DE -
Antonio Francisco dos Santos & 0.
Este novo estabeleciooento acaba de receber um completo sortimento de ob-
jectos de gosto e inteiramente novos, a saber;
Poupelinas
de seda, com lindes desc-
nhos.
Nobresa de seda de cores e preti.
Corles de cambraia bordados.
Grande soi lmenlo de laas e alpacas para
vestidos.
Cortinados ricamente bordados para ca-
ma.
Granadinas brancas, fazenda nova.
Sias e camisas bordadas para seniora. Bramante de linho e atoalbado.
Tapetes de lodos os lmannos. Baloes com as desejadas aoquinbas.
Os rroprielarios da Conquista prestam-se a ir ou mandar com qualquer ob-
jeclo em qualquer casa qae parajsso lhes maodem nicamente o nomo da ra e numero
da morada.
Crocbels para cadeirae e sof.
Colchas de 13a e seda para cama.
Casaquinhos de gorgoro preto.
Rices enxovaes para baptisados.
Cbapelinas e chapeos para senboras, o
que ba de melhor.
Lencos de Pnho, camisas lisas e borda-
das para hornera.
Ra
CHRYSTAES
DE
PEREIRA, IR VI A OS
Primeiro de triarlo n. 15, outr'ora ra Uo Crespo n. 15.
Ao respeitavel publico em geral e particularmente aos seos numerosos amigos
participara Manoel Joaquim Pereira e Manoel Jos da Cos a Pereira, que acabara de
fundar um rico e- sumptuoso armazem de louca, porcelana, vidros e cbystaea' jua
Primeiro de Marco, ootr'or ma do Crespo n. 15, sob a razo social Pereira d
Irmies.
A longa pratica e conhecimantos de que dispoem os annunciantes neste ramo
de commercio, a que, ba amitos annos, se dedicam, os tem habilitado a satisfazer as
ncessidade3 da populaco desta provincia e suas bmitrophes, offerecendo aos conss-
midores maiores vantagens do que qualquer outro estabelecimento deste genero.
O respeitavel poblico, digoando se de visitar este novo estabejecimento com-
mercial, verificara por si mesmo o qoe os annunciantes yem de dizer.
EST VENDENDO O BESTO DE SUAS PICHINCHAS
NA RU DA IMPERATRIZ R. 72
A SABER
LAASINHA A ICO H?. O COVADO
Vnde*-e!S sintiis [ara vestidos desen-
horas e meninr, ie'o barato preco de 160,
20Q e fOO i?. > anadf.
CH.TAS LAUCAS A rCO RS. O COVAD
Vecde-te ctiitat f arce aspara vestido de
casa, 200, 2i0, 280, 3.0 e 3C0rs. o ca-
vado.
la? a 35800, 50. 00 74-
COHTESLE CAtEMiRA PRETA A 30.SOC
Yende-se corte s de cafemira i n ta para
a'ca 305 0. 45 e .*i0 pa'a liquidar-s-.
COR1ES DE CAJli RAA A 205CO
Vende.se cortes ^iOO p.ra l;qoidarse
Vecde-fe 2 registro el fndiero par:
vaui. i vt
CASSASFIIANCIZASA 2'f RS OCOVADOfgaz, na ra da lmjerat-iz n. 71
Vende-se .mu f.ancezas ,ara venidos (4P A NDE LIQUIDA CAO'
240, V80, 400 e 440 rs o colado. rF nnrila IT1T4 V
ALPACAS DECORES A 800 RS. O COVADO r. ,AL \. ,.
Vende-te a!;a-as de ccres pra vestido ^nde-so p*luots de panno \reto ^ de iMb. raR 5 0 e 640 rs. o cov.lo. a J{, d e 10^ d,io; Ce ca.emira de es
BHU41AM..NA iiiian:a a 500 RS. O COVADO U e U. diL* de albaca pieta 30 e 4,
Veoae-.'e brubantina branca 500 rs. o di'n de bnra de eores a <(J5 (, ffi e
rnvario 2o)0, ditos r'e mu casemira e 36,.
FUST.iO TE CORES A 3G0 R?. 0 COVADO! tflk* fraqnes do cafemirss de n res 8 Vridsi fu.Uo c coies para vestidos D\S, coileies de br^m c"e (ores 16 e
35 || 0 c'>v?d'-. 1500, dilos de cseo ira deires 2C00
ALPACAS PRETAS A 5*0 RS. 25.0 e 350tt, dilos rreos de (atr.o, e
Vei/de-se s Ijacas pretas i ROO, 610 e 800 de easf mira prea, :'d5l0 e kd. du de
rs dLs de listas assdi a
;C;j,fr Chicas de ca;eriira decores, 45 A
ALGODAO DE LISTA A 160 RS. O COVADO 80500 e 85, ditas de Oilas pr.ta, para 4#,
Vmi de icra'i, UO rs. n c- vad'".
IIHIVI IONA A 50 R-^ O METRO
6500, 85 e = rio, l, 15600, 25 e 255'JO^para acatar,
ditas pan Itto de alpaca de cord-*, epun-
\flu.'efft lirim Inna par.lo para calcas de-(ea S5 e 35fjO!v, litas zoes i: r.i escra-
tiahaltia vat ser mnitr. forte, 500, wi 5(0 rs diUs de algodlo de lifla
queiu
i^.
o nei'o ou JtttO rs. i< cov;do.
( HALES DECAPA A 50 RS.
VeQ<)fi>M cialeS de cassa bracea 500 rs.
'3'>i Cffi.
COBERTORESM AL iOOAO A l$VQ
>en-e.-.-e cobertores de algcdO 15*00
CHALIS DEISIO' ESTAMPADOS A25i
800 is, camisas de recado | ara Kno co
campo 800 is. c !0: 0, para li^uidar-S",.
ostras militas opas tii;s qie te *eido
sem reserva depnc entre e^sas roupas fes-
las, um algunas dtfets, o que te
vende mai* barato do que e; ti annuciadc.
G0LL1M1AS JARA ACARAR
Vende-e goilmlns pan senboros e me-
Vende-se chales de merino estampados n as 100 e 2(0 rs.
Um 25^0 rara liquidar-se I GOLINHAS E MANGUITOS PARA LIQUDATV
CNUTES DE GA>GA ESCUBAS A 800 RS.
Camas de ferro
Carrinhos
americanos para ladeira e varzea.

1

I* '
o M m
a
3!
m >*
lf
33
S
~ tx
3
2.5S.
"2
aS.
3
es
'J3
(0
OS
<
3
la:
1 3

O
X
9
O
C0
rr*
o
n
ffg-s.
b o
33
fe 3
*tw;|
3
"\ *v
(0
a
ir i
3* 2
a o
ve n
-0 r3
q o
3 W M
a o
0 rs
1
c S.3
2 5-r
S> o
Sw "
p =^
s i
^
o
o
a
O
de mao para volumes e paaa atierros
15B1 anOaS de pesar decjmaeg e outras.
EnXOre galilra> #0]eo delinbaca.
Foffoes r *"' "
X OffliaS e ferr0 pjn p3es deassucaj.
JL aCUOS de ferro galvanisado para assucar
G0iT9d Ce ieiTOtea umaohos
ilLaClllIia& de descaroea algodio
Machinas d6 com, tomo.
MaCIllIaS d6 arrelhar gaeralas.
[Estes artigo acham-se a venda \#.nfkT*PS
em casa dos impertadore *vx co
Shaw, Hawkes 4C,
uua da Cruz n. 4.
i
Vende-se corles de panga para calca de
hornera 800 rs., para liquidar-se.
LENCOS BRANCO A 10.'0 .
Vende-se lengos brarxos 25(0O0 duz'a,
para acabr.
BRAMANTE DE LINHO A 280l O METRO
Vende-se bramante de linho cera 10 pal-
mos de largura proprio para lencoes
28l)U o meiro.
COBERTAS DE CHITAS A 2^500
Vene-se cobert3s de chitas 20500 cada
ima.
RESTO DE C0LAR1NH0S
Vende-.ce um resto de c lannhos de papel
200 rs. duzia.
MADAPOLO A 302fO A PECA
Vende-se pec^s de madapolao mf stado
34200, ditaj i.-'glezas cem 24 ja-das 50,
COBTES DE CASEMlRAS DE CORES A M
nr'*"'~" ""*" Aa r0 cn,iraa di cores a
^ALGODAO DE 28 JARDAS A 3800
A 500 RS.
P;ra liqnidar-sa vende-se golinhas de
lra>passo, muito borii as h OOrs. cada urna.
NOVIDADE
Riga-se a todos o devederes da mrssa
Mu a de Guim^iiSes A ^ilva. cenomin?tlo
Jardim dsa Dam/s, 0 favor de vir raldar
su; a contas ou debites mais breve possivel,
que assim nao fiersei sen nome declarado
por extenSo neste Diario, derijam-se
ros da Imperatiiz n. 72.
COMVM LER
Precisa-S' Miar c m os s?giintes Srs a:
negocio que Ihe d;z- respeito a res itterts-
ses, na ruada Im cralriz n. 72.
Anguto Fenira Minias Ribero.
Baliazar Marques de Uliveira.
fof Tbombz iioNascimento
Manoel da Costa Trav>ssos
ebasti5Q,Anior.a..\A Al.nquernr
Aaenno aasihaPinto. .
lulo Isidoro da Costa Jambozeiro Jnior.
J if R"berto do Na.'CwaeDlo.
Vende-se pecas de algo 5o o m 20 jar- Felic.ano da Cuaba C de Alboquergae.
-
de tres cavados.
Ferragem geral
.i0^
r
00
?3
s
B

31='
' 3. o" o
00 -*
a
O
* s
$ Tu
2

1
n
te"
3 rr
a
00
ar
o

^2
FAZENDAS BARATAS
NA
LOJA DO PAPAGAIO
A' ra da Imperatriz n. 40, esquina do beceo
dos Ferreiros

DE
Os proprietarios deste estabelecimentonico neste generoconvidam ao res-
peitavel publico para cencorrer ao mesmo e analysar os variados artigos que enslem,
certos de qae encontra9o, como sempre, franqueza e sinceridade.
AOS APRECIADORES!
Presuntos.
Ditos de fiambre.
Pastis de differentes qaalidades.
Vinhos do Porto, Cery, Bordeaos e
Champagne.
Cognac e xaropes refrigerantes.
Licores, Chartereuse, Aya'Pana, Crme,
Crme de Moka, genebra de Hollahda,
etc. etc. etc.
Bol litios para cha.
Ditos inglezes.
Doce de fructa secca.
Dito crystalisado e em calda.
Cha superior byason.
Dito dito preto.
Chocalate de superior qualidade.
SSo finalmente chegadas a esta praca pela segunda vez as verdadeiras preparace5s
do Dr. Humar d C. de New-Yoik.
Depois de algnns annos, em qae as falsificares de Hambargo e mesmo de New-
York tiveram entrada neste mercado, aproveitando-se do bem merecido coneeito qo*
este* remedies haviam alcanc3do por seus maravilhosos effeitos consegoiram introdozir-
se, illudindo o poblico ncauto, com urna redcelo de preco, nullificando o verdadeirc
mrito destas admiraveis preparacoes, imitando as verdadeiras; porm desacreditan-
do-as eom seos nulios effeitos, lembroa-se o autor de fazer a declaraco abaixo, e
dar diplomas aos que ven lerem os seas legtimos preparados.
Previnase o respeitavel publico do que as verdadeiras preparares do Dr.Ra-
dwat so se vendem nos depsitos cima declarados e trazcm um rotulo igual ao desu
annonrio.
Nos abaiao assignados, declaramos e certificamos, que os Srs. Raymondo Carlos bei-
te A Irmao, da cidade do Rio de Janeiro, no imperio do Brasil, s3o os nossos agente;
geraes, pela venda de nossos remedios, tanto no dito imperio orno no reino de Porto-
gal. Noticiamos ao publico, que nao se podera obter os remedios do Dr. Radwat AC
(e que s3o preparados no laboratorio 'do mesmo doctor na cidade de Nevr-York nos
Estados-Unidos) sen&i das pess'as qae podem predaz'r a presente certificacao e ttes
taclo e qne a prodozem, subscripta e assigttad do Dr. Radwat & C. e dos Srs. Bay
mando Carlos Leite dr Irmo como ao p. Todos e cada om dos remedio do Dr. Ra-
dwat & C. 82o acompanhadoa de /sdalas semelbaotes as que psrecem ao p desta cor-
tficacao.
Examine se bem a assigoatora da firma do Dr. Radwat & C. ao p da present
sertificaco e compare-sa cem o fac-siiue as cdulas com todos os frascos e aniunaa.
Radwat A C
Cac3o Cheava.
Para Santo Antonio, S. Joao eS. Pedro
Amendoas confeitadas, papis para sortee de differentes qualidades.
AOS EXPERIEMTES! t
O verdadiro vinho d Bairrada, chegado oltimamente pela barca Gratidao.
A' ltt i milH l
Rewbe se toda e qjuaJqner encomraenda, tanto da prac* como do mato, tnoo
com promptid5o e asseio-: a tratar na coa do laaperadorn. 26>^
POQAS&C.
tem a honra de chamara atiencao dos eoleiidides, para os ngmolu artigos, q*- s
achara expostos em sea armazem.

COLLARES.
GH\\m:
Nr. de engenho tav
Chita, (aamea bem eoohsci* pula 10 lorMo,
mm tari epe Vinho especiar j* conbecido, psrt o qual chama attencao particular
res deste especial Hquido, proprio para todas as estacos, visto
composicSo.
dos amado-
MENDES a CARVALHO
Os novos proprietarios deste bem conbecido estabelecimento, avisam aos seus
numerosos frgoezes e com especialidade s excellentissimas familias, que acabara de
receber um novo sortimento de fazendas modernas e de esmerado gosto, de sedr, aa,
linho e algodao, que vender5o mais barato que qualquer outro estabelecimento ; assitn
como venderao as J existentes pelo maior preco que encontraren, para nSo: ?oraula-
rem as antigs cora as modernas. Portanto, pievinem s excellentissimas familias amigas
da economa domestica que aproveitem a occasiao de, com pequeo dispendio, pode-
rem refazer-se de qualquer fazenda que precisen!.
Declaramos rs precos de algomas fazendas, para provar o qoe dizemos.
Madapoles de 4, 5, 6, 7 e al 100000 a peca.
Algodozinho de 2#500 a 8,?000 a peca.
Chita a 160 rs. o covado.
Cortes de chita para vestidos a 1)5600.
LSazinbas de differentes qualidades de 320 a 500 rs o covado.
Cortes de percalas com 14 covados a 5 Dit >8*de cassas, padroes miudmhos, a 20500.
Alpacas cem flores de todas as cores a 400 rs. o eovado.
Chitas rxas cor de lyrio, de cor fixa, a 360 rs. o covado
Cortes de cassas com salpicos de cor a 505' 0.
Ditos de cambraia branca bordados e de salpicos a 60OOO.
Ral5es de 13a de cores modernas a 40000.
Lencos chioezes brancos e de cores a 30 a duzia.
Ditos brancos de cassa a 20 a duzia.
Chales de m>nn lisos e eslampados de 20500 a 50001.
Colchas de fusto, grandes, brancas, a 208 Rramante de linho de 20500 a 20000 o metro.
\lgod3o enftstado liso e trancado de 10 a 10400.
Colchas de fa-tSo de cor de 20500 at 60UOO.
Rr'ras e liDho de c6r de 500 al 800 rs.
Cassas de cores de padroes midos e grados.
Ratas de todas as edres a 600 rs. o covado.
Flanellas de cores a 640 rs o covado.
Para luto
Priocetas pretas a 640. 800 e 10000.
LJaxinhas pretas a 440 e 500 rs. o covado.
Cassas prttas a 640 rs. a vara.
Chitas prelas a 300 rs. o covado.
Alpacas pretas a 5i0. 600 e 800 rs. e covado.
Bombazinas, Hsa e trancada, a l2O0 e 10800 o nado,
Meri os tragados e de corrto para differentes wec&a.
Outras muitas fazendas, como sejam : atibados de linho e algod2o, guardsna-
doi nardos e brancos, algodSo enestado liso e trancado, bramantes de linho e algoda,o

a simolicidade de saa para lenges, cerlinados bordados para janellas, flanellas e damascos de Udas as cores.
Officina de alfaiate na loja do Papagaio
Esta qualidade especial 4o vinho, tao; apreciado pelos entendores,
acbase ialmiite expesto apreciaco tmbfe*. e particatormeato de*
boa pinga.
e cem jusca,
amaaiea desta
FIGUEIRA

f para este ecelWnto vinho com eipeaialiddo qne chamamos a atttncJo dos
coohecedores da materia, visto aa diversas marcas ^ae temot. sendo das melhores qae
vem ao mercado: aqu so com uisla.
ira. o
(kbervm.
lalharas flooa, c*b da baJaa^a, 3(M a du-
zia. colOfren floas electro-pMe i 6{ a (fntla, dilas
eovado na roa do Crpo n. SO, loja do r L nilonia preco -. Sa-IflUw-le-
c;eiitejito Foitland
Em1 barricas de 13 arroba preco mais com-
" ido ofl em nutra qa*tqcuipule, vende-se
i d Two Irmioe & (l
vende por estes diminutos precos
{nt,raaaiNlta;do*Riiiafio n. I) > Famir
la/twa h C
Vende se
ama casa na (toVoaefc>"-tf> $bm
trata ovtW vm
' !
ero barril, sendo especuUdade tmtoiftig*, vWfr'ser vind* Treftimeote', per tmtei-
commenda de om nosso cottegs.
do sertae soperiorer, melhor do m lito tatfOsivot, e -'vitf' se concordar* nsrf~,
Ra BteeiU dttlfbsario n.9, juuto &iff*ff.
Alm de haver am grande sortimento de roopa feita de toda,s as qaalidades, tinto
de briis como de casemiras, caifas, colleies e pahtots, ha am bonite sortimento mo-
derno de CASEMlRAS de cores, propris para a esUclo, e cortes de gorgorto oara
colletes.
Panos finos pretos e azues.
Casemiras pretas muito finas.
Brins brancos de linho de todas as qualldadea.
Ditos pardos trancados e lisos com listras.
Ditos de cores de, todas as qualidades.
Seroolas francezis de linho e algodo.
Camisas fraaeezas e inglezas, bordadas, com pregas, com cpllarmbo e sen el!a>
Ditas de meia de differenles procos.
Ditas de flanelia, brancas e de coros, para asir porBtixo.
Ditas inglezas para meninos. my
Chapelos de sol de seda para 8, 10 ate 80OOO. .
Ollrinhis e punhos de linho.
Grande sortimento d gravatas, mantas de seda pretis e de.cof H4I6S9
Ktimento de popelinas de cores, dos padiOdS mais modernos qae tem vWW lo flkpr

ForMcen-se amostras oa miodam ie levar petos oSWrem
^^*^


Diario de Pernambuc Sella feifa 9 Je Junho d 17
LTITERATURA.
O castello de Wildenborg.
Continuado.
XIV -
* ARCtlIDUQUEZA IZtBKt.
Fernando Wyts. em raz3o de soa Gdeti
dade e dedicarlo, gozava do mais subido
favor perante os archiduques. Depois -Jo
ataque ao castello di Wdenb>rg* obteve
fecilmente para su i lilla o lugar de d3raa
de honor junto da princesa lubl. Em
urna- das salas do segundo paimento do
palacio de Bruxeilas, que deitava para o?
janlins. encontramos a archiduquesa, tutea
tada junto de um< bmquiaha e tomando uai
rugjl alraoco. Trajando vestido escuro,
que loe tornava a phvsionomia mais more-
na ,do qae rebnente' era. Izabel trocava
algomas palavras com Mara Wyis, que
acaban de entrar. Apesar da rigidez d is
teiCSos. em que tinto se assemellwa a scu
pai Feppe |, traba, todava, no olbor uns
expressio da boidide que inspirava cora-
gem a quem Ihe fallava, e a sua bocea,
graciosamente ta hada, deixava ouvir urna
voz bibtualmenta beaevoli.
N5o pode dissimular a ana tristeza,
Maradizia a archiduquesa dama da
honor da s.ua predilecta >. Seguramente
ttra cousa, m !he de cuidado.
Vos^alte>a. exoessivameote benvo-
la para assim se lo interessar por mitn !
redargnk) a joven, confusa.
E, voltando-se nm pouco. enxugou i.-ma
lagrima que Iba de>lisya petas faces
Mara,proseguio a archiduquezi
vejo-me obiigaoa a argucia pela sua filia
de conianr.a rm mim ; sim, minha- Bina, ha
moilo conhego qoe me occulta um segredo,
e, j que tocamos no assompto, exijo, nio
como soberana, mas como amiga, que me
abra o seu coraco.
joven desatou a chorar, tirando do
seio urna carta, apresentou-a silenci jsa-
menie pnnccza.
Est bem, minha filha disse fila,
depois de ler a C3ria. Nao vejo motivo
para taes tristezis. Seu pai deseja qoe
despose o cAnde da senghien ; parece-me
am partido fantajoso e nao comprehendo a
causa da sua opposj{5o vontade do senhor
da. Boncharderie.
Ab.t senhor, nunca paie amaro
conde de senghien, e agora, que meu pai
insta por tal consorcio, reconheco que sinlo
por elle at itralo i
Todava Ileitor Vilara rene os pre-
dicados esseociaes para ciptivarem o cora-
c3o de urna mnlh^r : joven e formoso ;
ninguemlbe pode contestar a bravura e
sobredado um excedente cathoico A sua
familia pode considerar-so urna das mais
nobres da Flandres e poncas casas tem
urna fortuna igual sua. Que motivo.*,
pois, podem existir para essa averso ?
Senbora, redargnio Mara Wyls.
'0]jj>fldo os obosperece-me que na m-
me casar.
Mara, proa*";- *-'------ -*
vando o>.hl'Ii com olhar prescrotador
da sua parte ba falta de franqueza; se nao
me engao, o sen coracao est preso por
outro lado. Assim-o revela essa profunda
tristeza e a c< ntinuada abstracco de espi-
rito que ha omito Ibe noto.
Vossa alteza colioca-me ni mais ex
tremo embarazo!redarguio Maria, occul-
tandu com as mios o paludo rosto Eu
nao sei que responder...
Tranquilhse se, minha Bina. Se bus-
co penetrar o segredo que a opprime, 12o
smente com o fim de a ajudar a auppor-
tar o peso delle.
Pois bem, senhora, eu direi a vo-sa
alteza porque motivo n3o posso amar o con-
de de Isenghin e patentear--Ibe-hei as fe-
ridas deste corado, que vossa alteza to
atiladamente prescrutou : s o que Ihe
rogo qae feja indulgente para com orna
infeliz qoe vai abrir-lhe todo o seu
peitol
Ento a joven desenvulveu os mais mi-
nuciosos pormenores da sua afleigo p'ir
Jacques Wyls, fazendo especial menso da
casual entrevi-la que tao violentamente
fizera reviver-lhe no corceo aquello f go
apenas adormecido.
A lilha de um nobro conservar tal
aTeig5o por um traidor e heroico,disse a
princeza, inlerrompendo severamente Maria
isso que eu nao pos>-o comprebeuder!
Comprebeader-mebia, senhora, se
vossa alteza visse, como eu vi, desgranado,
proscripto, forag do, o companheiro da mi
nha infancia I Era um prente meu, o
tnlio adoptivo de meu pai, o amigo dos
meus primeiros annosr que se dirigi a
mim, que arrostou com os maiores perigos
para me tornar a ver I Tambem vossa al-
teza se c irapadecaria delle e nao o teria
repelido, assim me abalando a acreditar,
pela confian?? qoe tenho na bondade do
seo generoso coracio"!
Mas se;a rasoavel, Maria. Dgame :
de que Ihe serve agora conserv.r essa ade-
udada memona de um dasgracado re
beld, cuj morte Ihe d a libardade de
dispor da sua mo em favor do condi de
senghien ?
Repito, senhora, que me seria im-
possivel amar esse hornean, por mais bri-
dantes que sejam as suas qaalidades. Nio
fot elle qaem matou o infeliz Jacques ?
Nose acham as suas mos polludascom
o sangue de meu primo ?
E-ta noticia lizera a espalhar o senhor
da B-jncharderie para nio incorrer no
odioso de assissino de seu lho adoptivo e
o con le de senghien acceitou espontnea-
mente esta responsadili ladei julgindo ser
hmi um titulo para ad juirir a mi de
Miria.
Eslava o dialogo naqoelle ponto, quando
urna criada emrou no quarlo e annunciou
a Mara que um joven aldeao chamado
Josqoin Ihe desejava fallar.
Josqoio, o joven ondlander !axcla-
moo MariaE vem expressamente de 13o
longe para me fallar ? Que coragem I
Vem seta dunda solicitar algum aux lio
para os pobres b.bilanles do B.ilscampwelt.
I'ermitle-me vossa alteza) qae rae ausente
por om instante para me loorraar do qu
preten le aquello fllho dos deserto f
Pois oso, micha fi ha. At eu tenho
coriosidade de saber o vbjxty dessi vi-
sit\
Ah I minha rica-aenhora. al que fi-
nalment) a vejo f-xcla^aou Josqain, diri-
g ndo-se i Maria. qoe acabava Je entrar
n'uma sal de espera, onio o havn> otro-
duzidoSabe quantas dificuldades lenho
vencido para chegar aqui t Obi meu Deus,
que obstculos me oppoz toda essa gente
para ser alnittido presenta da mesiaa
Wyis !
Sim, Josquin, nao se entra n'um pa-
lacio com a rnesraa facilidade com qnn se
entra n'uma cabina... Mas dia-SM o mo
livo ta toa visita.
Ah miaba senbora, quando
ber fioar admirad) !
vidade Ibe caojbu : poucos momentos an-
tes n3) en contra va pretexto pira resiilir
deliberado de seu pii, mas naquelle mo-
mento depafava se Ibe legitima cansa de
recusa.
A princeza, que n3o contivi com tal cofl. app^ecia com lodis ja-
fldencia, pareca confusa e dava indicios dtfdes, esquecendo-me do que houvera de re-
e criminoso no seu procedi-
Isenghlen, que meu pai me destinava para
esposo e a quem me teria ligado sem diffi-
culdade antes do encontr com Jacques, de-
pois disso afligurava-se-meuma creatura de-
leslaval, e confessarei que Ji;qoes me re-
contrariada, mas como em momentos crit-|
eos o meio de maii fcilmente os transpor V
abordar francamente os factos, prescindindo
de myterio3, Isabel, encaran lo fixameo'.e a
joven, disse :
Oque tenciona fazar perante o se-;
gredo que acaba de Ihe ser revelado ?
Que do so eu res-lver, senbora ?
respondeu Maria, corandoA felicidade que
sinto p)r saber que Jacques est vivo preec-
cupa-me totalmeme f Passar do excesso da
desesperanfa mais completa alegra um
abalo que me custa a supportar f
Vamos, Maria,prosegoio a arekido-
quezaqoe esperances s3o m suas?
Ah senhora,responde Mi ra, ra-
diante de jubilonemeu sei o qoe deva di-
zer a vossa alteza f... Pormprosegoio
ella, enlristecendo-seque obstacuhs- o?o
ha a vencer f Jicqoes esl em grande pe-
rigo : t quando durar aquella capliveiro?
Que plano ser o de meu pai ?... Tremo
s de me lembrar isaof O mysterio qae en-'
volve a desapjan?5o. de Jacqjues laz-nie Fe--
ceiar disto algnm triste successo! Vosal-
teza nS) eonhece a firnto1 o carcter inffexi'
vel do Sr. da Boncfcarderie. Quem salle
se amorte clandestina1 espera Jaeques nos
subterrneos do cislello- de Wldouberg t
A awne fredarfpjio a puncen [
Falla, Josquin ; ests-me despertando
a cuMosidide !
Saiba que Ihe trago noticias teq.oelle
sogeito que encontramos na cbarneca e ao
qual a menina chamava Jacques.
Jjcpies! exclamou Maria, quasi
desmaiadaPois Jacques vivo ?
Assim o creio, visto qoe se acha- en-
cerrado nos- subterrneos do caslel)o de
Wi'dtnborg.
Ent3o o joven aldeio contou minuciosi-
mei.te o caso da cagad i dos falcoes e a soa
ascenso aos terrassos do castello, de qpe
j temos conhecimento, accresceotando e
J eu tinha tangido m3o do falco,
quando me chegou aos ouvidos orna voz sa-
bida pela clara-boia que vai dar aos subter-
rneos. Assustado, estivo para fugir, mas
i voz era tSo supplicanle, que me decidi
a ear. Quem quer que ahi est,diz
ellacompadcese do infeliz prisioneiro
que aqui geme ha tanto lempo I Ora
-1 ...opuud cuQae ihe hei de faz9rr
leaGSnp4Qa6n?rVi-,!olOlQ"eAes\aff JN/qW
Todava sev pai deve rwpetar leis do
pajz : elle ao- capaz db maocb-e com
om assas-im*o, e nem de otro mo*i pole-
ria ciassiticar-su-um semelwnle acto jos-
tica privada r
Mei pai ao o considera assim ?a4m
de que^soccorrer-seliia impiiuidade-' qne
Ibe assegura a cabeca de Jacques- poeta1 a
prego, como ebefa dos rebeldes- e orno
o sou-1 proscripto. Vasas alteza nao faz' id do
rado que meu par mitre por Jacques !' T)'
prehensive!
ment.
Como vossa alteza descrevj t)d >s os
sentimentos do meu corac3o!interrompau
Maria, cessando de esjrever.
Passemos em claro os promenores
do assalto ao castelloprosegoio a arebi-
oquezaa demos um golpe decisivo :
Jacques Wyis n5o foi mortono aasalio
de Wildenborg; vire, mas prisioneiro, no
fundo da urna masmorra des e mesmo cas-
tello onde meu pai o acolbeu em pequ no:
Yzerbyt o seo carcereiro. Esle segredo,
qtfc era exclusivamente se, meu pai, foi-
roe revelado casualmeiile. Jgri;ro as suas
iulingoes a respeito do futuro da J.cjues :
a ajuizar pel justa indigrjac&> que o seu
procedimento me inspira, receio que ellas
sejam bera sioistras. De ve de ser grande
su3 sorpreza fendome implorar a lber
dade para- elle, mas n3o creiai qua *ou lio
boca, que soicirr tal graga sem1 me hopor
ama missaoqoe ser t) agradavel pira
meu pai quaoto pan* mim das mais feliz*.s
eoosequencias. Sim1, eu pai, eu- s1 pec/o
Hberdade dteJcjuea-oom a coiidigo d^
obter a sua converso religiosa : rjiero qoe
Valdejas IucLti; com o conde de senghien
e morto com urna colilada, Jicques Wyts
feriil j pelo senhor da Bincbarderie. Mara
fugind > para a cabana de Yzerbyt, e no ai-
timo qaadro, para dar, cono convinba ao
assumpto, um desfecbo plausivel, U eslava
Valdejas e seos seqoazes devorad.* pelas
chammas do inferao.
As figuras destes quadros, que artstica-
mente symbolisavam a infancia da pintura,
eram coloridas com lilas lao vivas, qoe
ibes imprimiam o mais ridiculo carcter : a
parte hrrida da sceni traduza-se em mires
de sangue, que ionnndavam o slo. A pos-
tura dos peraosageiM era exaggeradamente
i npossivel: comiuio, como o fado en re-
cente e faza ruido, produzia nasiurbas sen-
sacio profunda. Em cada um dos inr-
vanos qoe se segowas trovas, acompanba-
das de msica, dirigia-se elle em voz aita ao
auditor.o nos seguirles termos:
Bem vejo que nao- ba ajui niajuem
qwe nao eslejt vido dw escutar-me ; vo,
pois, repetir a minha tragedio, na certeza de
que pela uliiao vez. & co, que justo,
e.xpu#gou a oossa Flandres lesse sangui-
nario* rebeldes qpe a a^solavan; n sso
amado principa vovion otaeot soldados
contra esle bando de salteadores e logo fo-
ram lo Jos esmagaiTM como aavrettaobo de
sapos! O borrivel salteador Valdejas, por
licuaba abastardo k Mahotnv, uein esse
escapou e leve urna aorta digna dos atoa
orones! Com elle acabou tambera o Irabi*
ell seja digno-da minha-m3o, quoabando-jdor e herej> Wyts, e agora acham-se lodos
FOLHETIM
0 FILHO DO CALCETA
POR
' FIERRE ZAGCONE
HVAil \n\ PARTE
IV
A herdade ds Cognmellos.
(Continaagao do o. 129.)
Mal qoe Pietro desappareceo, foi Beao-
regard encostar-se jmella da agna-for-
tada, e esteodeu a vista pela planicie.
Vio o romano afastar-se rpidamente.
A vis too ao longe o P de Foro o e o das
patetices, que assentados beira da estra-
da, fumavam ambos no mesmo cachimbo,
por entre as goUdas de ama garrafa de
agurdente que tinbam levado com as suas
provises de bocea ; notoa depois o movi-
mento qoe a ebegada do conde e a noticia
de ama prxima cacada tinbam desperta-
do all por todas as immediacdes.
Assim estere boa meia hora, profunda-
mente sumido oas soas cogitaces ; depois
voltou para o gabioge e foi assentar-se
mesa, com a cabeca descangada entre as
aalta.
Beauregard eslava maito commovido.
pequeo aldeao que cosluma acompanhar
Maria Wyts? Sou eo mesmo. Mas
diga-me : quem e como est ahi redoso ?
c Quanlo ao motivo Je minha estada aqui,
negoc'o para mais tarde ; o meu nomo
Jacques Wyts: sou o primo de Maria.
t Ent3o o mesm > que veio com os rebel-
des atacar o castello? # E' verdade...
Porm compadega se de mim Seu pai, que
o meu carcereiro, de cerlo Ihe tolhera os
miios de me libertar, mas s Ibe pego que
faga saber a minha prima que mo acho aqui
e que lodos os meus pensamentos sao para
ella! i Ora, o senhor est lonco !re-
plquei euPois zcredita qne, depois do
seu procedimento, a menina o possa ter na
sua es'ima? O meu procedimento,
Josquin, s lioha por fim arrancar minha
prima ao poder do conde da Isenhien, meu
rival: nao logrei o meu intento e essa a
causa da minha de-graca! Em summa,
seu primo fallou-me 15o baoigoamente ein-
er. ssou-oie de tal modo coin os seus in-
forlunio, qua Ihe prometti aprovetar o
primeiro ensejo para levar as suas noticias
i m^nha menina. S hoatempnde realisar
a minha sabida do Bul campwalt, o, anda
assim, nao sei como ser recebida a minha
mensagem !
Escolente e corajoso rap?.z!excla-
mou Miria WylsNao esquecerei nun;a o
servico que a abas de pre^tar-me !
Entao perdi-lhe o seu procedi-
mento ?
Depois to direi alguma cousa a esse
respeito; por agora tenho a confessar-le os
meus agradecimeotos, e, como deves estar
fatigado da jornada, vou manlar que te
deem um aposento no palacio, e, em quan-
to n3o posso ser-te mais til, toma desde
j este d;nheiro, como insigniScante recom-
pensa.
Eses promenores foram logo iransmitti-
dos por Mara archiduqueza. A joven'
::'<> p'.le dissimular a alegra que tal no-
dos os viaculos de-parentesco seoorlawm
entre elle;, orna implacaveSrancor si**-
ti9uo a eljigo terus'qoeos uai* : elle ci
perdoaria seu sobrinho Se- anda'o n3o
raatob.'porque o ajuer torturar, abando-
oandd-o 'i&oertez da sorte qoe-o espora*
Para>melhorsaboreara sua vingaa^a, prt>-H
longar aquele captweiro.qe jj^ga ser uu<
segredo para todo o atoado 1
Isabel poz-se a rnedwar e i--ftm de a>
guns momentos perguntou ::
, Ento ease-Jacqpe Wyls'nhere-
ge coavietoi um-rebeiai intrata?*!'-'
Ato V senbora, ei*. creio ana- melle ba
mais cegoeira e capmao' do q/M iateng
culposa V
Epareoe-lfae-qps-b30'ba ver meo da
0 fazer enlrar no-boro arainho '?*
1 fo sei,.senhora, mas pareea-me.. -
*s suas coafideaeias-, Mariav conelao
que as soas palavras-pedem todi-aobre a-
qpelle carcter indmito.
i Aid senhora.o!ttlqoeassiat>fo3se..-
Mas como quer vossa-alteza...
os ao-ssos inamigos e ojiie entre no seio
. 'g'eja, que abandonao. Permila-me,
Iporojv" que eu Pille iv Jkqnes na prisco :
pde'najn pai detesta-'o como renegado,
mas nio me recuoar o intervir na sua re-
ganeracSo. N> pe$) licenta para mi unir
i sHle seaoo depois- qae meo pai o juigne
dM0 de ibe restisoir a liberdade. ftm,
tenbo'um presentimonto de qae conseguirei
deliVomelbor resollado : assim m'o ga-
rante? a-alfeigao que Jicqaes nio cessa de
conservar Be. Aguardo hunaldemente a
sua respista. O nosso bem e virtuoso ca-
pellfic bem &>moaoosa velb* g veraante,
poderao* acompanhar-aw a 'Wdendirg.
ngueci'saber o son- segredo. e lalver
dentro em poneos das me seja lkito resti-
tuir aos seu bracos o joven qne meu pai
educou tSo'soticilameote e que man tio he
jsonfiou i i har da morto.
MH veae agradecida, senfcera Vos-
sa alteza foi alto da mwfaa espe-jcativa I
'disse Mariey fechando at> mesmo- tempo a
parta.
Hesteme dizer Ihe-,-Maria, gaa- pre-
iciso cumpriri pontualmenaa as condgoes
jne acaba de- impor-se nassa carta, sob as
quaes somante presto a minha esoperago
a-esta empresa amorosa.
Ah f senbora, de begrado laV juro
eomprir 1
Basta-a..soa palavroi. Agoraarge fa-
ter ebegar osea carta rtos de-seu pai,
qpo a esta befa de ve estar no caaspo de
stende, omalbor ser sau jo-
ven meniageiro do que socorreio.-Qjaa est
sujeito a ser*ioierceptado por alguaa.bando
como
dinar-se ao que voQ,propor-lhe-:: aasente-se
all e escreva.
tal vez obtenbamos mais compWTvRtBiS jN saUeadores que asse+am o paiz*
do. que penga. K*prooso, pora, subor- felligente tomo o consono 'd^TOssa 'aY
Maria obedece macbinalmento .ordenh flnixellas, levanto a carta, de Mia. Sa-
da princeza e momentos depoie-seos-delica-
dos dedos- traga vara as segeiaies linhas,
dictadas por Isabel:
Um.maito amado pai.Come eshL:a rapidez, coa que a vaidadorse desen-
Mallograr-se-hia tudo no instante supre-
mo ? Teria bom xito a sua importante
empreza t
Arrugava-se-lhe por instantes a testa, e
relampejavam-lhe os olhos ferozmente. (Ja-
iras vezes, toda e soa physiooomia pareca
illominar-se, e levantava-se, entrava a dar
voltas pelo estreito gabinete, a maneira das
feras qae o Jardim das Plantas mostra
curiosidade do publico parisiense.
Paroa de repente, adiaoioa-se com re-
solug3o para om canto do quarto, poz a
mao febril na parede, e empurroa ama in-
visivel mola.
Abrio-se diante delle am esconderijo, e
nelle mettea o braco com avidez.
Tirou orna carteira, e veio com ella as-
sentar-se mesa.
Depois abrio-a.
A carteira era enorme, e rego-gitava de
papis, cajas formas e cores divergiam.
Estendeu-os diante de si.
Com a vista impaciente, deslumhrada,
entroa a percorre-los, a estuda-los, e a
procurar a conflrmacSo das esperaogas qae
alimentava desde tanto tempo.
Sim I E' isto mesmo, disse elle,
com a voz meio abafada, isto mesmo...
a riqueza pertencer ella, mais nin-
gaem... Cinco mbSes I... cinco mi-
Ihoes I... Iremos para longe desta (erra,
qoe s pode ser perigosa para nos.
Eslava n'um dos instantes mais crticos Limpou o snor qoe Ibe corra pela testa,
carta com- mao trmula e o coracio repas-
tado de timidez r Nao sei como, re velar-1 fce
um segredo que meu pai reeeber mal, de-
pois das esperanzas que em aaim fundava !
tibmpade^a se, porm, de soa 111 ha; bem
saba quaoto- eu o amo 1 D irania toda a mi-
nia vida sempre fui digna dto soa eslima e
por isso espero qoe a rovelaco de&te-se-
gredo nao enfraquecer o sea amor por
mim. Desde pequea deslinava-me mea
pai para esposa desse Jacques Wyts, qoe
foi o compameiro da miaba infancia: edu-
cados juntos, Inbiluanvs-nos a pirtilhar
dos raesmos sentimentos, a formar os- ms-
enos pianos de ventura. As desgranadas
oceurrencias polticas danossa poca, vieram
perturbar a intima unkao dos nossos cora-
ges. Jacques foi-nos arrebatado pelo fogo
do seu violento carcter. Do mesmo modo
que mau pai, deplorava eu os seus erros,
imaginando que o odiava e quo entre nos
S3 havia erguido urna invencive barreira.
Tinba talvez esquecido lotalmeate Jacques,
quando, horas antes do alaqua ao castello
de Wildenborg, se me deparoa o encontr
com elle as proximidades do castello. Se-
ra longa a descripgSo desta entrevista, toda
casual; limitar-me-hei a dizer que desde
esse ins'ante, e sem embargo da parte que
elle tomou na expedir o dos rebeldes, seoti
renascer toda a minha estima por Jacques I
Nao me amaldigoe, meo pai; fiz todoquan-
to eslava ao meu alcance para esquecer o
homem que ousra ser ingrato para com o
seu bemfeiior, mas tudo foi baldado para
triumpiar de mim mesma! O onde de
teza.
Na
maabea mmedista. Josqcia deixava
tiio do palacio nio tmidamente, como all
entrara, ma de fronte altiva e saudando-
O porleirocoa ares de sobrancora. Tal
volve t
O >JCaCADO DA SEXTA-l.-iCA.
Estamos na primeir sexia-feira do mai
de julbo- do 1601. Nwom ngulo do mer-
cado achavase n'aqueUe dia om cantador
qoecaptivava a attenio das turbas. N'uma
lela sospensa em urna.corda tinba pintados
differenios quadros, representando cada um
dalles divorso episodio sinistro, cojo assom-
pto exglicava aos crcumstantos. Um oaor
m tambor e orna estridente corneta, ser
viam de acompanbamento o trovas eye ia
entoasdo.
Este trovador era homem, de estatura me-
diana :: Vestido turca, o enorme turbante
branca, mas mullo sujo, pendia-lhe para a
cara,, cobrindo lia quasi totalmente o.oloo
esquerdo; a baxba, desmesuradamente cres-
cida, cahia-lhe sobre opeilo, e os bigodes
retorcidos davamrle oysionomia. bastan-
te irigueira, um aspecto de imponente far-
raixraz. A' medida qpe prosegua no sou
discurso, bilia com a variaba branca sobre
o quadro da, tela a que se referia a trova
comecada, {aliando assim mais vigorosa e
intiman vanante ao espirito arrebatado do
auditorio. E. de laclo a historia era san-
goioolen a e digna da atteuejo publica. Ti-
nba ella por objecto o ataque dos rebeldes
ao castalio, de Wildenborg e a saa derrota,
devida iatervenejio dos. ondlanders.
O primeiro qaadro representava os re-
beldes armndose no seu acampamento
para marebarem para o ataque; em seguida
via-sa o castello atacado pelos salteadores,
^
da soa vida; jogava naquella occasiio todo
o sea fatoro, toda a soa riqueza... ia al-
canzar o alvo i qae visa va deade maitoi
auoos, por entre toda a especie de pe-
rigoa.
e poz-se a rir, comprimindo o peilo com
ambas as mos.
E' esta a prtmeira vas qae sinto
pulsar o corado... murmuroa com irona;
se ella tio formosa, aquella crianza...
e, com a fortuna I... pareoe-ma que a
amo 1 Isto ridiculo... Cinco milhas...
Ab 1 eu j quera estar no dia de ama-
no3a... o Elegante e hbil... isto para
elle brincadeira de chancas!... e sere-
mos ricos... e poderemos fugir.
Beauregard ioterrorapeu-se, e crisparam-
se-lhe os dedos sobre os papis estendidos
diante de si.
Julgou notar am raido de passos do cor-
redor qae coadazia agua fartada.
Escotoa e nio ouvio mais nada.
Todava, aqullo fez Ibe medo.
Jantoa 4 am por om os papis espalha-
dos, melteu os sem raido na carteira, e,
contendo at a respiragao, ia guarda-la oo-
ira vez no esconderijo.
Mas neste cmenos batsram porta.
Cabio-lbe das mis a carteira.
Qaem est ahi ? perguntou com a
voz tremola.
Ea... responden ama voz da mo*
Iber.
Paulina ?...
Da cerlo.
Beauregard sorrio. Voltou-lhe a cor s
faces ; dea se pressa em escoader a car
teira, e foi depois abrir a porta.
Paulioa entroa.
A liada crianga detoa curiosamante ama
vista de olhos a roda da casa, e alteotou
depois em Beauregard.
Eotio assim 3e fecha sozinbo ? disse
ella com om gesto ebeio de graga infantil.
Eslava trabalbando, volveu Besare-
gard.
= Ea deseja va ve-lo.
Qae tem a dizer-me ?
Quero ralba-lo.
A menina ?
Eu, verdade,senhor,admirase ?
E proposito de que vem ratbar-me?
Qoal o mea crme ?
Paulina approximou-se da janolla, e ao
passar por ao p do esconderijo deitou-lhe
urna olbadella prescruladora.
Beauregard Dio lioha desconfiaocas, e
por isso nio reparn.
Blanca fallou-me seu respeito. coo-
tinuou Paulina, e disse-ma das observaces
que o senhor Ihe lioha feito respeito da
nossa ultima viagem Pars.
Beauregard tomou entre as suas a mi
da mocinba.
Bem sabe, minha Giba, disse elle, a
qae sentimentos obedeco quando fago taes
observarles Nao a sua estada em Pars
qae me inquieta, mas sim os perigos que
all pode correr, e s Ibe peco ama cousa,
prevenirme qaando l fr, para que ea
posas velar pela menina e protege-la.
Eaaa explicaclo j me socegs, res
pondea Paulina.
E perdoa-me T
Quasi.
Quasi ?
Quasi.... porque aiada tem ama
cousa grave.
Serio ? Qoal ?
Tamos, senhor, bem o sabe, esse
mysterio qae me rodis e que de dia psra
dia se me vsi tornando mais insupportavel.
Prometteu dizer-me todo... o mata breve
poseivel... e at agora aioda Dio cumprio
o seu promettimento.
ardeudo as- profundas-do inferno,
passamos a ver e ouvir.
Immediaiamen e o tambor e a corneta
eccoavara estrepitosamente, e o candor co-
BMfava do novo-a caatilena; emquaoio que
um>rai>azito i solicitaudo e recolbendo dos
circuuistanies allomas moedas de cobre.
Auabava o trovador ile raotar pela, qyin-
ta vasveom a taesma vigorosa ent03*co,
este u-agix) epieodio, quando- se enlabolea
entre dous espectadores reiom-chegad o
seguale-dialogo :-
Saos meeo c4bos me aSo en?asaro,'
Tobbia conheeo' aquella caradizia u
delles, qne nao ora mais nem men js d
giie Joaqun, o q^al, ebegado-na vespera
de Bruaollas, se exsonlrra naorua coca-u
ondlander.
E ao mesmo tempo- puchav galo braoo'
do companheiro, indicaodo, aaaiaslado, o
bomem d turbante.
i Que.?pwgontou, aimirado o
labricante.- de vasseucas.
Vaidejas em p^ssoa, o chefo dos r>--
Swldes t
Ests-lonco t Gomo posei-vel se el'.e-
morreu??
Poiadgo-lbe- qajo elle! (planto ma;*-j
> observa .mais cae-co^engo. "a mesma
voz e gesto,
Tambem eo vi--Valdejas na-nossa at-
aia e assevero-te...
NSaassevere :.aqoelle tarboote oceo^
"a Ihe parta do rostev porm et.- vi-o mui'.o
6ieperto-para qoe possa illudit>aae.
E como compVebendes ijw o borner
eusasse ar em plena praca coalar a sua
.ajstor.a, elle cuja cabera fui poeta a preg< .'
iTrk'ia%-14fillu.a i-e tiraremos a prova.
u rapaav.vWAo svymt uu -*.^*-, .P.
xnou-ga. do troSa, a, aproveando se de
um mlervailo, diae4be qaaisaa roupa:
Ola mestre OaMor, vendarme s soas
Irovas !?
Aa minhas. (ovas ?rapjicou elle,
diss i melando a mpressio que ibe causara
aquella vozOra-essa,.'. ei-laa-aqui.
E aiaixou-se para dar Joscsai um exro-
plar da sua trogedia.
S". Valdejas If-disse-lhe o pequen* a
meia vtz.
Valdejas ?*-rumorejou,o improvisado
torco com sorriso forgadoQueqoer isso
dize?..men galopim ?
^ Pois serei-o que quizor, mas o seabor
Valdejas em pessoa !replicou Josquin
em voz alta, no proposito de se fazer ou-
vir pela turba-=E .o sentar bem me eo-
nhece 1
E\ sia,.!acudi Tbbin, que ac.
bradese convencerEl o traalanta do
salteador 1
EntreleEto. os circurastantes. soprehen-
didos com o incidente, comecavam a olhar
uns para os ootras, perguntando o que
aquillo significava. J( se ouviam murmu-
rios e cada qual se acerca va dos dous oa-
dlanders,. porm o truo, assamindo todo o
sangue fro, largou-so- s gargaJljadas, e\-
clamaadoi
Nao m a aventaja* meus bons
amigos 1 Vejam esle bonifrate que preten*
de reconbecer em mim a pessoa de Valde-
jas caja historia acabo de Ibes narrar 1
Sim, sim, e sustento o que disso!
bradoa Josquin, indignado com a audacia
do saltimbanco.
E, voltanda-se para o publico, prose-
goio.
Vejam bem: Valdejas esa, pessoa,
que est to vivo como qualque* de nos I
Em vez de estarem ahi a olhar para
nos,acudi Tobbnera melhorque pren-
Nao eolio feliz, Paulina ? perguntou
Beauregard.
Nem sou infeliz.
E deseja saber...
Desejo ver claridade as trevas qae
me cercam.
A menina o qne pensa l de si para
si ?
Nio posso diser lh'o.
Porque ?
Quando o senhor me tiver esclareci-
da, eu ento direi o qoe julgo dever anda
occulUr-lhe.
Beauregard calou-se.
A voz de Paulina era segura e firme.
Era a primeira vez qae ella Ihe fallava as-
sim, e essa attitode despertava ao corsario
am inesperado assombro.
Occalta-me eolio alguma cousa ?
perguntou elle inquieto.
E qae mal ba nisso ? redarg* Pao-
un. Imito apenas a sna discrig3o.
Bravo 1 Pois coofesso qae seria Cu-
rioso saher o sea segredo.
Isso depende do seohor.
Comprebendo.
E em breve conversaremos, sim ?
Beaoregard inclioou-se sorrindo, e disse:
Amanbia saber lado.
Alegrou-se o semblante de Paulina.
Amanhia, repeli ella, veja qoe pro-
meta para amanhia.
Joro-lh'o.
Paulioa esteve om pedscinbo calada ;
depois ve 1 vea a dizer interrogando Beau-
gard com a vista:
Seguodo ouvi d'zer, temos amanhia
por c ama grande cagada ?
dessem essa velhaco damninho, no qae ha
um b un premio a ganbar I
Meus amigos,bradou o Iruiovoa
fornecer-lbes a prova de que estes dous
aldeiee meotem: eo esperava nio os deixar
retirar sem Ibes apreseotar assompto mais
curioso do qae a historia dos rebeldes, mas,
visto que o rapizelh) veio perturbar o es-
pedaculo com urna abomina vel calumnia,
urge, primeiro qoe todo, destroir esta I
Eotio abri om cofre qae liaba ao lado,
do qoal tirou um objecto envolto n'um len-
co velbo e mostrou multido ame he-
dionda cabeca corlada: a qoal, snrs-pensa
pelo cabellos, faz borrorisar os crewns
tanto?.
Aqui est a cabeca de Valdejas t
bradoa elle, triumphanteMente: posso
afiangirdb'o, porque um sargento das tro*
pas de senghien leve a lembrang de cor-
tar a cabeca do .salteador, fazendo-rae pre-
sente d'ella com a condigio de- eu a mos-
trar as pracas- publica?, partllVando elle
lo producto resol ante da exposifSo.., Ve-
jan, olhem como- ella est bem conserva-
da. ., Para isto seei de orna reraita par-
ticular. Ora digam com franqueza se
lia algiimas parecencias enlre esta horrrrel
car* e minha I
Pente esta hesaanboada surgi db- to*
dos os- lados um rnurmor appaudilivo.-
0 proprio Josquin pareceu abalado na sua*
convicio; caln se e O'corapaoheiro igual-'
mente. Ikte silencio- em- to solemne con-
iunctur-a* opero o rpido eleito sa mullidas
todos come?aram a tomar o partido do no*-
imam do firbante.
Jj vs, meu rapa^disse* esrte a Jos--
luinque te* enganava.-Para- oatra vez
s-smais cironmpecto, porque a loa indis-
cwpco podio- ser me funesta t
Estes fedelho me tem "e-a loramesf
disse urna voz da mullidlo, em quanto
qu o saltinrteanco foi lechando>.e> cofre, e
qne-a mus:, a um igual-seo, recrudes-
cia de iotonagSej
E' mal feito,disse d'lli oatra voz
calomniar a-sein a um pobre ojeo- quer
ganbar a vida honradamente I'
- P-rovavelcaente, disse outro1 al-
gum emissario de antagonista seo r
W-'am desmancha praaeres 1^-tirada-
ram nrias voats,
Arreda l para traz, fedel&o r
E ?..**Hii, dirigindo cada un-sea epitbeto
insultante ao filha de Yzerbft, Gzeram-com
que el!, vencido* raas nio totalmente coo
yencido. desapparecesse casa o compa-
nbeiro.
Soavan'qoello-momento-meio dia>-hora
em que;.segundo os regolacaeotos pslieae
se de vi, levantar a praca, av portante, o
bomem. do (urbanas e o se acolito trata-
ram do-enfardar a bagagem,. depois do-di-
rigirem- ae publico os agradomen-tos- dr>
slylo. A mullidlo dispersas.
XVI
II.*0'M.LACBr*
Jers tempo de terminar o espectcu-
lo, Migueldizia o homem de turbante-a>
moco qne- Ihe servia de condoler- da i3-
irument:* e oteoailioa theatraes.
Mtelre, curvo-me, coma sempre?. res-
peitosanMnte perante a soa adaiiravel- pre-
!h3uv .i ..piriiA a^npArturba-vel saDgua-frio,.
anda as mais crticas circumetancias I*
Eaiio que queres, rapaz'? O-babito-
de affrootar os perigos d-noe forg para os-
encarar de face. Confesso. todava, qoe o-
damnado aldeao me ia fazendo atrapatar V
Olha (ae o trataote conbeeea-me oomo.se
houvera vivido cemigo mne tempo.. Anda
nio eslou em mim 1 Elle dea o alamir :
ir cantar o'ooira parte o que sepassoa
aqui, e talvez, reconsiderando, volt* pw*
mili va convicca. Eu coabego o 'jkho : j
me pregn ama peca por. occasiio do assa-
lo ao castello de Wldeahorg ; alean disso,
o premio prometilo a quem me descobrir.
o race i o qoe o meu nomo inspira, todo ino
pode levantar grande tempestada mira nos,
misaraveis rastos dos nebeldes 1
Permilia-me, mestre, que discrepe-da
saa opioiao: os seos ardis astuciosos. Uo
demonstrado sobejaaiente ao publico que
Valdejas nao existe, por isso suppoaho-o
ao abrigo de toda a perseguigao.
-Orna* Miguel, urna cousa Josqoin e
outra o publico: este nao tem a.menor sus-
peita sobre a miaba individualidade aquel-
lo, porm, est convencido de que aad se
enganoa E' asalo como, um dionio e
creio bem n3o o haver Iludido. Parece-rae
que obraremos, prudeolamente, mudando
quaoto antes de destino.
-Coq> effeito, mestre, nos temos reali-
sado oesta cidade urna bella: rbceila ; ba cin-
co sextas-feiras consecativas qua cantamos.
a& proezas des rebeldes, e por isso talvez
o respeitavel publico acabe por se enfastiar
de ouvir sempre, a mesma cousa. A saeje-
dade traz o desgasto este a aversio e esta
o desprso. Em samma. creio qae pode-
riamos ir explorar Broxellas, oade nio ha^
vera menos papalvos do que aqui, tanto
mais que a historia de Valdejas oio pode
deixar de obter aecsitacio em loda aparte.
(Contmuar-ifrAo).

eu
poderei ver todo o
consente, virei para
inconveniente, res-
E' verdade.
Leva-me a ver essa cagada ?
Nio posso, minha filia, porque
mesmo tenho de ir com os cacadores.
Fico entio na herdade.
Se qae isso nio a aborrecer
maito.
Paulina deitou um relanoear de olbos
atravez da janella.
Daqui, disse ella,
espectculo, e se m'o
esta casa.
Nio vejo nisso
pondeu Beauregard.
* Autorisa isto qoe peco r
Com lodo o gosto.
A mocinba batea as palmas.
Multo bem I est combinado,
ella, amanhia de tarde...
Depois da cagada...
Dir-me-ha Judo.
Prometi qoe sim.
Paulina esteodeu aa mies Beaoregard.
Este ultimo achdgoa-a suavemente contra
o peilo e poz-lhe om casto beijo ns testa.
J nao est mal comigo ? disse alie
com paternal entonagio.
Nem por sombras.
Fico outra vez seohor da maior con-
Saoca ?
At amanbia.
Est dito, minha filha I E daqui at
l pense em mim, e estime-me, como esti-
mara o sea mais fiel e dedicado servidor.
{Omtmmr-iehQ.)

';'.
TYP- DO DlAAIO-RUA DO DQrj 01 CA!A


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EYQH9ZRLJ_J02FVS INGEST_TIME 2013-09-14T04:20:49Z PACKAGE AA00011611_12406
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES