Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:12386


This item is only available as the following downloads:


Full Text

ANNO XLVIL NUMERO IIO
fOi A CAPIT E IGABIS 05 IAO .SI PACA POML
Por U-m bmz adiaujKioi .
Por mu Olio* niela .
Por qii ano idem.. .
Cada ownero ivnlso.
...
....*
64000
124000
244000
320
SEGUNDA FEIRA 15 D MAIO DE 1871,
PAIA DIIT10 I P1A DA PBOVUCIA.
Por tres mezM idianUdoi
Por seis ditos idem. .
Por nove ditos idem .
Por um anno idem .
47W
134600
20426o
271000
Propriedade de Manoel Figuira de Faria & Filhos.
AO ACUlItMil :
O Srs. Gerardo Antonio Alves 4 Filhos, no Para ; Gon Pereira d'Almeida, em Mamanguape Felippe Estrella C, na Parahyba ; Antonio Jos Gomes, -na Villa da Penha; Belarmino dos Santos Bolcio, em Santo Antio; Domingos Jos da Costa Braga,
em Nazareth ; Antonio Ferreira de Agniar, em Goyanna ; Francino Tavares da Costa, em Alagoas ; Dr. Jos Martina Alvea, na Baha ; e Leite, Serqoinho & C. no Bjo de Janeiro.
parte ornciAi.
tlktlserlo da fazeaada.
DEGRETO N. 4,721 DE 2! HE ABRIL DE 1871.
luche no tmpotto do sello os novot t telhos dtvei-
tos das nurcs pecuniarias.
> Par execucio do art. 10 36 da le a. 1,8,16 de
27 de setembro de 1870, hei por bem ordenar o
seguiute :
Art. 1. Os decret m, carijs e qnae-quer outros
ttulos de nomeaji), de qae tratam os 1 a 4
da tabella aaoexa le o 243 do 30 de novembro
de 1841 e a't. 4* d > regula ment b. 4,505 de 9 de
abril de 1870, pagaro o sello de sete por cento,
tu substituto dos doto' e velhos direilos e sello
proporcional e*tabe.ecidos nos me-inos paragra-
pbos e art. 4o.
% nico. Sao isenlos deste imposto :
I.* Os ttulos especificados do art. 12 do citado
ragulamento a. 4,505.
! Os titalos de raeio sold, os de noraeajio de
empregos provinciaes, decorporacao de rao mor-
a e de sociedades aooDymas, e bem assim os de
veaoineoio diario, o quaes coDlinuaro a pagar
< sel'.o de 2 0/e e.sts belecido ne art. 4 do mesmo
regulamento.
Art. 2 Para o calculo do selh de 7 o/O e ?ua
,- applieajao aos casos em que elle devido, se ob-
servarlo as disposijftes dos arts. 5* e 6* daqaelle
regulamento.
O sello das nomehjSes para enipregos estipen-
diad os pelos cofres do Ibesouro ser arrecadado
no acto do pagamento dos vencimentos, por des-
cootos meusaes, do modo segnints: 2 O/o e a 12'
parla de 5 O/o oo primeiro mez. e o restante des-
tes tambem pela 12' parte meosalmente, at com-
pletarle o pnmeiro.aono de exercicio.
Art. 3. A lotajio dos empregos e offlcios de
veucimento varia vel proveniente de porceolageos,
commissSese emolumentas, de qne trata o art.
5* do regulamento de 9 de abril de 1870, ser fei-
ta adminslrativaraento pelas repartieses encarre-
gadas da arreeadajio deste imposto ; revocadas as
disposijoes em contrario dos decretos de 26 de Ja-
neiro de 1832 e 10 de abril de 1834.
$ nica. Da lotacao baver recurso voluntario,
sem effeito suspensivo, na corte e praviana do Rio
, de Janeiro para o ministro da lateada, e oas oo
tras provincias para as tbesoararias de fazenda,
e destas para o mesmo ministro, no prazo de 30
das.
Art. 4.* O presente decreto comear a ser exe-
cutado no I* de julbo do correte anno, Qcando
sera vigor os suprainencionados 1 a 4 da ta
bella snnexa a le n. 243 do 30 de novembro de
1841 emais disposijoes eoocernenies a novos e
Telhos direilos de mercs pecaoiarias.
O vwcoode do Rio liranco, coaselhero de esU-
do, senador de imperio, presidente do conseibo de
moistros, ininblru_ o sejretano de estado ioteriao
us negocios da fazenda e presidenta do tribunal
do tbesonro nacional, assim o teuba entendido e
faca executar.
Palacio do Ro de Janeiro em 29 de abril de
1871, 50a da independencia e do imperio.Com a
rubrica de Sua Mage-tade o Imperador.Vmon-
de do Rio Bronco.
esse qne Ihe impde a lei provincial do Piauhy,
que nao lem foro privilegiado.
Em 27 de dezembro de 1861.O director Can
dido tiendes de Almeida.Qwi'ido o conselheiro
consultor opinon lo scgaiote modo :
i Os aires de direito sao empregados geraes,
e como ttes indepaedentes das assetablas provin-
eaes, que aio podem conferir-lhes allribuijoes
de aualidade alguraa, segundo declarou o aviso
de 30 de Janeiro de 1847. A essa razio capital
juntam-se todas as qae expenden o Sr. Dr. direc-
tor da secjao e algnmas outras que ai oda se po
diam adduzir, e que omiti por escusadas. O pro-
cedimeuto do Dr. juiz de direito da comarca da
Paroahyba foi, pois, louvavel e conforme digni-
dade do magistrado. Quanto ao meio de solver a
diCticuldade por parte do poder executivo ( em
quanto o poder legislativo geral nao revoga a lei
piaubyensej me parece fcil. Basla que o gover-
no declare por circular aos juizes de direito que
elles nao podem aceitar o emprego provincial de
presidente das ceramis5es de instruccdes publicas.
Rio, 12 de Janeiro de 1862. -i. M. de Alencar. >
A seccao emende qne os empregados geraes nao
sao obrigados, sern o precetto de urna lei geral ou
do enverno goral, a aceitar as incumbencias que
por ventura Ihes fajam as leis provinciaes, e que
podem ser incompativeis com o servico geral, ou
absorver o tempo que a este devem destinar.
A le de I de oulubro de 1834 no, art. 5 7
conferio aos presidentes de provincia' a ttribai-
gao de commetter a empregaios geraes negecios
provinciaes e vico-versa.
Esse commettimento ple ter lugar em um
ou outro caso, em que nao ha inconvenientes, e
sempre revogavel pelo govorno geral. Os empre-
gados geraes estao debaixo da accao do goverao
geral, e dos seus delegados as proviocias os pre-
sidentes. Porm, era o acto adddieiooal, nem ou
tra alguma lei collocou os empregados, creados
por leis geraes para fias geraes, debaixo da acjio
das assemblas provinciaes. Seria isso urna foote
de coofuso e desordem.
A um empregado geral, mnilo sobrecarregado
de servico eral, sobrecarregariam leM provin-
ciaes de serv jo provincial, de nudo que nao po
derla satisfazer um e outro, se fosse obrigado a
aceitar o provincial, como poderia ser responsa-
vel ?
A seccao emende, portanto, que o juiz de di-
reito proceden regularmente, recuzando aceitar
um cargo inteiramente albeio ao sea fficio de ma-
gistrado, e que a assembla provincial lhe nao po-
da impar. Vossa Magestade Imperial, porm, re-
solver o mais acertado.
Sala das conferencias da seccao de iuslica do
conseibo de estado em de outubro de 1862.
Visconde de Uruguay.Ensebio de Queiroz Couti-
nho Mattoso Cmara. Jos Antonio 'intenta
Bueno.
Gomo parece.Paco, H de outubro de 1861.
Com a rubrica de Sua Magestade o Imperador.
Joao Lwz Vieira Cansacao de Sinimb.
Conforme. Andr Augusto de Padua FUury.
Ministerio da justica.
Senhor.Mandou Vossa Magestade Imperial, por
aviso de 15 do correle, que a seccSo de justica
do cooselho de estado ccnsolie com seu parecer,
'i.Lro a materia do .eguinte offlcio do presidente
da provincia do Piauhy.
Illm. e Exra. Sr.Creando a resolacio provio-
cial n. 485 de 12 de selembro de 1859 no art. 116
commissSes de iustraccao publica oascidades des-
la proviocia, com excepcio da capital, deu a pre-
sidencia dellas aos respectivos juizes de direito.
Porm como o actual da comarca da Parnabyba,
bacbarel Joaquira do Paula Pessoa de Lacerda,
liersisle era nao acceilar essa attribuicio conferida
pelo poder legislativo provincial, que a verba d9
iccompetente, segando ver V. Exc. do offlcio por
copia junto dirigido ao respectivo director geral
da instruccao publica, consulto a V. Exc. que se
digne declarar-me o que em tal caso convir
fazer-se, se porventura entender que o aviso de
30 de Janeiro de 1857 ni > resolveu cabalmeote a
respeito.
Deus guarde a V. ExcIHm. e Exm. Sr._ con-
eiii i ro Francisco de Panla Negreiros Sayio Lo-
bato, ministro e secretario de estado dos nego-
cios da justica. O pre.-ideute, Antonio de Brito
Sottza Gayoso.
Sobre esa questi) interpoi o director da res-
pectiva seccio da se retara a seguate opiniio :
t Pareceme que cora fundamento recusou o
juiz de direito da comarca da Paroahyba o lugar
de presidente da conraissao de instruccao publica
da mesma comarca, emprego creado em virtude
da lei provincial n. 445 de 12 de setembro de 1859,
nio s pelo principio consignado no aviso de 30
dejoneiro de 1857, de que as assemblas provin-
ciaes nio podem augmentar ou diminuir as atlri-
buicoes dos juizes de direito, fado que nestecaso
se di, por isso que o emprego de presidente da
.dita coramisso privativamente preenchida pelo
juiz de direito de cada comarca, como pelas se-
grales razSes :
1.* Porque iocompatvel o exercicio simultaneo
de ambos os empregos, visto qae o juiz de direito
por forja de seu cargo tem de percorrer os ter-
mo de saa comarca em corroico e por causa do
jory.
.' Porque, seolo o jaiz de direito obrigado a
servir, sob pena d desobediencia, o lugar de pre-
sidente da dita comrnissio. flear moitas vezes ex-
posto a perder sua antiguidade, para nio faltar ao
exercicio do novo emprego, ou preferindo o exer-
cicio do sea cargo, acorrer oas penas da lei pe-
las faltas qae dr como presideole.
3.* Porqae, nio competiado s assemblas pro-
vincias* legislar sobre a organisacio judiciaria, e
sobre privilegios los empregados publico', essa
accamulacao de encargos qae impoe ao juiz de
direito dara em resultado, ou ser o jaiz de direito
nos delctos que comraeliesse como presidente da
comrnissio, proeessado em tribunal inferior sua
hierarchia (o que repugna), ou proeessado pelo
respectivo iribuoal da relacao, nao tendo o sea
novo emprego privilegio algara, como nio lm ne
uliam dos creados p:las assemblas provinciaes, o
2ue tambem repugna, pois, destruira o principio
rmado pelo aviso :e 30 de Janeiro de 1867.
4.* Porque, se os empregos de instruegio publi-
ca sio incompativeis com o exercicio dos lugares
de juiz muoicipal (aviso n. 69 de 7 de outubro de
1843), razio de mah deve assistir em favor de
jaiz de direito, qae nio tem assento permaoonte
em cada um dos termos da comarca.
8.a Porqae, as menmas razSes qae se dio para
qae e jaiz manicipal nio possa servir emprego
albeio i magistratura (aviso a. 145 de 29 de maio
de 1849), militam com maior forja em pro do juiz
de direito, qae nio iJe contar antiguidade, exer-
eendo emprego alheio i sua proHssio.
6." Porqae se o juiz de direito^oio pode aecumu-
lar o emprego de vereador (aviso do 1" de junho
de 1837) por forja dos arts. 318 e 319 do cdigo
do proeetto art. 3" da diipoirjie provisoria, tam-
bem nio poderia aixumolar as fuaceSes de pre-
isideiUe da commUsiio de instruecio, por virtude
das rnetmas raides.
7.' Piaalmenle, porqae, sendo este magistrado o
juiz dea emi*nado;i nio privilegiados de sua co-
marca, nio leve por intereeee da jasiija occapar
emprego inferior a ua posijio hierarenica, como
ioveruo da provincia.
EXPEDIENTE DO DA 6 DE MAIO DE 1871
Actas :
O presidente da provincia, tomando em con-
sideracio o que expoz o inspector da thesouraria
de fazenda em offlcio de bontem, sob n. 304 e de
conformidade com o dsposto no deireto, n. 2884
do Ia de fevereiro de 1862 e circular do tbesonro
nacional n. 431 de 13 de setembro daqaelle auno,
resolve abrir sob a respoasabtlidade da mesma
presidencia um crdito supplemenlar na importan-
cia de 37:1771568, sende 16:953*392 para as des-
pejas pertencentes a rubricaarsenaes de guerra
e armazens de arlgos bellicos6:869*711 para
as reltivas a corpo de sade e hospilaese......
13:4241465 para as da classe inactivas, tudo do
ministerio da guerra no actual exercicio, visto
acharem-se extractas os respectivos crditos, como
se v da demonstrado aunexa ao citado offl-
cio.
O presidente da provincia, altendendo ao
que requereu a associaco beneticenle dos artis-
tas alfaiates, resolve de conformidade com o 5
do art. 29 do decreto o. 2711, de 19 de dezembro
de 18-50, nomear a Bcllarmino Juveocio de Souza
para oceupar o cargo do presidente da mesma so-
ciedade.
Expediram-se as necessarias communicacoes.
Offlcios :
Ao coronel coraraandante das armas, recom-
meodando a expedic) de snas ordens, para que
s 4 horas da tarde d > dia da partida para a corte
no vapor Cruzeiro do Sul, esteja um batalhio pos-
tado era frente do cae 22 de novembro, a lira de
fazer as honras davidas ao Exra. presiddnte desta
provincia, conselheiro Diogo Vel ha Cavalcante de
Albuquerque que segu no raesrao vapor, provi-
denciando ao mesmo tempo para que a fortaleza
do Brum d as salvas do costurae.
Offlciou-se ao inspector do arsenal demarraba
para mandar apresentar urna galeota no referido
caes, afiui de transportar *o mencionado conselhei-
ro bordo do vapor.
Ao mesmo, respondendo com urna copia da
nforraacao do engenbeiro encarregado das
obras militares, ao seu offlcio, a que veio aonexo
outro do commandanie do forte do Pao Amarello,
relativamente aos concertos, que se estio all fa-
zendo.
Ao inspector da thesouraria de fazenda, man-
dando ajustar comas e passar guia de soccorr-
mento ao capito Manoel Joaquim Bello, que se-
gu para o Para a reunir-se ao 11' batalho de
infamara.
Ao mesmo, communicando que a 9 de mar-
co ultimo, assumio o exercicio do cargo de juiz de
direito da comarca do Bonito Joio Manoel Pun-
tual Jnior, na qualidade de 1* sappleate do jaiz
municipal.
Ao mesmo, declarando que, segundo aviso
do ministerio da guerra de 21 de abril ultimo, fu-
ra apprevada a delibera cao qae tomou a presi-
dencia de augmentar eom 400 o crdito do i 1
do corrate exercicio, pera completar o abono da
ajada de cusi do mareehal de campo bario de S.
Borja, nomeado commandmte das armas da" pro
vincia do Rio Grande do Sul.
Ao mesmo, interiando-o de que a 18 de mar
qo uuim, assumio o exercicio do cargo de jaiz
muoicipal e de orphaos do termo do Booito o 4
supplenie Tbomaz Jos de Aquine Pereira.
Ao mesmo, transmitndo para os Qns con-
venientes, a inclusa orlem do dia em duplcala n.
762, expedida pela reparticao do ajudante ge-
neral. **
Ao vice-provedor da Santa Casa de Miseri
cordia autorisandoo a mandar apreseular ao ins-
pector do arsenal de marinha, afim de serem alis-
tados na companhia de apreodizes daquelle arse-
nal, os menores educandos do CftHegio dos or-
phaos, de que trata o seu offlcio de hontem.
Officion-se oeste sentido ao mencionado ins-
pector.
Ao mesmo para qae, se nio nouver i neo j vi-
niente, faja admitlir na collegio dos orphios o
menor Javno, lliho de Ignez Francisca da Con-
ceijio, e cuja cerlidio de idade remelle.
Ao inspector da thesouraria provincial, de-
clarando em satisfacao a requisicao contida em
sea offlcio de 4 do correte sob n. 176, que o con-
trato da illuminajio a (,'az da cidade de Olinda foi
valiado em 328:000a, e por isso cobroa-se de
"molumeoios na secretarla da presidencia 332*
de conformidade com o art. 3* 29 da tabella de
27 de rbril de 1861,
Ao mesmo, para que declare com urgencia
quanto percebe cada um dos empregados dessa
thesouraria da porcenlagem das loteras.
Ao mesmo, para informar com urgencia
quanto devem actualmente os cofres dessa thesou-
raria, com declarajio da origem e importancia da,
cada um dos dbitos, bem como em quanto im-
porta a respoosabilidade provincial pelos difieren-
tes contratos era execncio e a executar-se, e fi-
nalmea'e qaanlo existe em caixa. .
Portaras:
fl cmara municipal de Agua-Preta, remet-
iendo por copia, um offlcio do subdelegado do po-
voado dos Montes, aflm de que tome as necessa-
rias providencias no sentido de evltar-se os in-
convenientes nelle relatados.
Offlcioa-so ao cirurgao Joaquina Jos Akes de
Albupuerque em comrnissio uaquelle povovoado
para informar com urgencia era que e-tado se
ach a epidemia, que eslava al grassando, e se
anda torna-se necessaria a sua preseoja no mes-
mo povoado, e conmuuicou-se ao subdelegado.
Aos agentes da corapanbia Brasileira de pa-
quetes, mandando dar transporte at o Para, por
coma do ministerio da guerra, no vapor que se
espera do sul ao capitio Manoel JoaquimBello, que
vai reunir se ao 11 batalho de infamara, a que
pertence.
CommuDcou-se ao coronel commandanie das
armas. *
Aos meamos, para que mandem transportar
ao Para por conla do ministerio da marinha, no
vapor que se espera do sul, ao cabo do batalho
naval, Florencio Moreira de Souza.
Communicoa-se ao commandanie do brgae-bar-
ca tamarac.
EXPEDIENTE DO SECRETARIO.
Offlcios :
Ao coronel commandanie das armas remet-
iendo, de ordem da presidencia, afim de ser entre-
gue ao msico do 9 batalhio d9 infamara, Doro-
thoo Jos da Silva Roldio, a ntlusa cerldao de
-eus asseotamealos de praji.
Ao 1* secrelario da assembla legislativa
provincial transmitiiodo, para serem presentes a
mesma assembla, os Inclusos projectos de postu-
ras organisados pelas cmaras municipaes das
villas de Pe rol i na- e S Bento.
A o mesmo remetiendo, para Igual flm, copia
da nformajio da cmara municipal desta cidade,
acerca do requerimento era que o amanuense
aposentado da secretaria daquella cmara, Candi-
dido de Souza Miranda Couto, pede qae a assera -
bla faja extensiva sna aposentadora a gratifi-
cado de 200*, marcada pelo artigo 2 1 da lei
n. 853 do anoo de 1868.
EXPEDIENTE DO DIA 8 DE MAM DE 1871.
Acto :
O vico-presidente da proviocia, cooforman-
do-se com a prqposta do inspector da alfandega
desta capital, a que se refere o offlcio da thesou-
raria de fazenda, daiado.de 3 d) correte sob n.
300, resolve, de conformidade com o disposto no
art. 1 do regulamento, que Uaixou com o de-
creto n. 4664 de 24 de dezembro do anno pas-ado,
oomear Claudico Eduardo Correa Cabral para -o
lugar vago de offlcial de descarga da mesma al-
fandega.
Expediram-se as necessarias commanicajoes.
Offlcios:
Ao coronel commandanie das armas, decla-
rando que, segundo aviso do ministerio da guerra
de 29 de abril ultimo, fra approvaa a delibera-
gao, tomada pela presidoocia, de conceder ao 2*
leuente reformado Ascencio Mioervino Moura, o
prazo de 60 das para a apresentacio de sua pa-
tete de reforma, e recommenando que faja coas-
lar ao mencionado lente, que esse prazo deve
ser considerado improrogavel como determina o
citado aviso.
Ao inspector da thesouraria de fazenda,
transmitiiodo para os fias convenientes, a portara
que concedeu tres mezes de licenja com os res-
pectos vencimenlos, ao 3' escripturario da con-
ladoria de marinha, Horacio de Gusmio Colbo,
para tratar de sua sade.
Ao mesmo, communican lo que, segundo
consla de aviso do ministerio da guerra de 25 de
abril ultimo, solicitou-se do da fazenda a expedicao
de ordens, para que seja augmentad} com a quao-
ta de 9*000 o crdito do 14 do exercicio cor-
reme, aflm de occorrer-se ao pagamento de urna
chave e concertos feitos na fechadura da porta da
repartijio das obras militares.
Ao mesmo, envaodo para os devidos nns,
luatrj ordens do thesouro nacional sob ns. 66 a
69, bem como um offlcio da repartijio fiscal an-
nexa secretaria de estado dos negocios da guerra
datado de 28 de abril ultimo.
Ao inspector da thesouraria provincial, anto-
risanlo-o a proceder de conformidade com a saa
nformajio do 1 do corrate, acerca da reclama-
cao, qae no incluso requerimento faz Joio Gon-
jaives Torres, contra a collectoria de Olinda, e re
lativamente a collecta de nina sua eaia, sita ra
de S. Francisco naquella cidade, devendo dar con-
la do resultado a presidencia.
Ao capilio do porto, mandando por em liber-
dade o recruta Joaquim Jos da Silva, que foi
apresentado nessa capilaoia por parte do Or. che
fe de polica com o noms de Joaquim Jos dos
Santos.
Ao commandanie do corpo de polica, para
mandar apresentar na Casa de Delenjo s 7 ho-
ras da manilla do dia 10 do correte, urna escol-
la de 20 prajas, coramiodada por um offlcial, au
de eonduzir ao termo Jo uique 11 criminosos
que aili vio responder ao jury.
Communicoa-se ao Dr. ebefa de polica.
Despachos :
Israel Bezerra da Silva.Informe o Sr. Dr. che-
fe de polica.
Joio Goncalvee Torres.A' thesouraria provo-
cial com offlcio desta data.
EXPEDIENTE DO SECRETARIO.
Offlcio :
Aos agentes da corapanhia Brasi'cira de pa-
quetes, dizendo de ordem da presidencia, que pode
fazer seguir para o sal o vapor Cruzeiro do Sul
boje, a hora indicada em sea offlcio desta data.
EXPEDIENTE DO DIA 9 DE MAIO DE 1871.
AClO ;
O.vice-presideute da provincia, usaodo da
attriboijlo, que lhe coofere o art. 7* da le de 12
de agosto de 1834. resolve prorogar al o dia 20
do correte presente sessio da assembla legisla-
tiva provincial.
Expediram-se s necessarias communicaj5es.
Offlciof :
Ao Exm. presidente do Cear, deelarand >
que fica sciente de ter, na qualidade de 2* vice-
presidente, assuraide no da 27 de abril ultimo,
administrajao dessa provincia.
Ao inspector da thesouraria de fazenda, com-
municando aflm de que faca constar ao da alfande-
ga, que o vce-consul da Bavera nesu capital, Ni-
colao de la Grange, encarregou do respectivo con-
sulado a William Olio, consol da confederajio da
Alleraanba do Norte, durante a viagem que vai
fater a Europa.
Expediram-se as outras communicacSes.
Ao mesmo, declarando para igual flm qae
D. Juan Basson, reassumio no dia 29 de bril ul-
timo, o exercicio de vicecnsul da Hespaoha nes-
la cidade.
Fizeram-se as outras commuaicajoes.
Ao mesmo, mandando pagar a Maaeti Ra-
mos de Sonza a quantia de 375*000, a qaa^aa jul-
ga com direito por haver executado os coatertos,
de que precisam o estivamento da coxia do quar
(el do deposito espacial de instruegio.
Communicou se ao engenheiro encarregado das
obras militares.
Ao mesmo, transmitiiodo para os dos coo-
veiientes a ordem do tbesonro nacional sob n.
257.
~-M 'oejmo, enviando forados dndo ftfti, o
titulo denomeajao de Manoel S)aresror:una para
1 eoaferente da alfandega desta capital, e bem as-
sim a portara coocedendo lcenja a Antonio Ma-
na Marques Ferreira para eontiouar a ter botica
aberta oa fregueza da Boa-Vista desta cidade.
Ao mesmo, eommuweaado haver.o chefe de
divisan Hermenegildo Antonio Barbosa de Aimei-
da, passado no oa 6 do correte o exerccio do
lagar de inspector do arsenal de marinha desta
provincia ao respectivo ajadante, o lente da
armada Francisco Jeronymo Goncalves.
Ao mesmo, declarando que nootem assuraira
o coramando do briguebarca tamarac o capitio
tenante Joio Joaquim Rodrigues Piolo, visto ter
sido exeo^rado do mesmo coramaodo o capitio de
fragata Augusto Cesar Pires de Miranda, qae vai
commandar o encourajado Baha.
Ao mesmo, fleo mteirado de quanto V. 8.
expz em seu offlcio do 1* do correte, sob o.
291, acerca da proposla, que fez Jos Mari i So Ir
da Motta, para a compra -pela quaotia de 2251,
das casas e objecto< perteoceotes a extiocta colonia
militar de Piraeoteiras, com excepcio da casa, qae
serve de capella e o que pertence ao Culto
Divino.
Em resposta leoho a diier que, havendo sido
arrendadas em 14 de junh) de 1869 as menciona-
das casas por 240* annuaes, nio role a presiden-
cia approvar por ora a delberaji, tomada pela
junta deesa thesouraria, de acceilar a proposla de
que se trata, conviodo que V. S. procedendo as
investigajoes e informajSes necessarias a respeito
do estado de ruina de laes casas, mtis as trans-
mita aflm de resolver definitivamente.
Chamando a sua aiteojao para a descripjio,
qae fez a comrnissio eocarregada era 1869 de in-
ventariar os bens da mesma colonia, acerca das
referidas casas, da qual se v que se a'guraas es-
lavara arruinadas, oulra3 offereciam t >1a sega-
ranga, recommeodo a V. S. qae, no caso de veri-
fica r-se o deierior; ment dellas, promova pelos
meios a sea alcance a respoasabtlidade, qae con
trahiram o respectivo rendeiro Jos Duarte da
Silva e sea Dador, Alexaodre Ucboa de Gasmio,
como ludo consta do termo de arrematajio, aoae-
xo ao parecer da mencionada comrnissio.
Ao vice-provedar da Santa Caa de Miseri-
cordia, mandando admittir no collegio dos orphios
a menor Leonor, filha de Anua Aojo de Albu-
querque.
Ao inspector da thesouraria provincial, para
mandar adiaotar dous mezes de veocimeoios a
um offlcial e 20 prajas do corpo de polica, que
seguem em diligencia para o ter rao do Buique,
escoltando criminosos que all vio responder ao
jury, bmrtwrao abonar a esse offi;ial a quaotia
de 80*000, como ajuda de cusi de ida e
volca.-
Comjnunioati-se ao commandanie do corpo.
ao mesmaj salisfazendo com a planta jauta, a
requisijio comida em seu offlcio de 25 de abril
ultimo, relativamente a desapropriajio de terre-
nos ooa lagares da Casa Forte e Lamario oo Moa-
le ro.
Ao inspector do arsenal de marinha, recora-
mendando que faja alistar na companhia de
aprendizes artfices desse arsenal, visto estar as
coodijoes legaes, o menor de nome Dativo, de que
trata o requerimento de Antonio Henriques de
Miranda, sobre que versa a sua' inforraajao de 8
do correte, n. 2176.
Ao commandanie do corpo de poiic a, auH-
risaodo o engajameoto dos paisanos Silvestre Fer-
reira Jnior e Antonio Francelioo Jos dos Santos
se forera idneos.
Portaras:
Aos agentes da corapanhia brasileira de pa-
quetes, para que o commandaute do vapor Tocan-
tins, antes de seguir para o norte, se aprsente na
thesoararia de fazenda, aflm de receber e eondu-
zir i sea destino, o saldo all existente da areca-
daja) dos direilos da provincia da Parahyba no
raez de raarjo ultimo.
Expediram-se as necessarias comrauaicajdes.
Aos mesmos, mandando dar iransporte para
o Ro Grande do Norte, por conla do ministerio da
guerra, oo vapor Tocanins, a duas prajas da
guarda oaciooal, que d'alli vieram escollindo um
desertor do 9 batalhio de infamara.
Ao gerente da companhia peruambucana,
para dar transporte at a provincianas Alagoas por
conta do ministerio da guerra, no vapor que para
all seguir 15 do correte, aos objectos cooslaotes
da o infamara (la mesma proviocia. i
Commapicou-se ao director do arsenal de
guerra.
Acamara municipal do Recife, dizendo que
para poder satisfazer o disposto no aviso cir-
cular do ministerio do imperio de 30 de abril ul-
timo, providencie do modo mais conveniente, aflm
de que oo da 27 de agosto vindoaro se proceda
neste municipio ao arrolaraento dos subditos da
najio Britnica aqui existentes, pela forma indi-
cada no inciuse modelo ; remetiendo immediata-
mente o resultado desse trabalho.
Igoaes mutatis mutandis as outras cmaras
municipaes da provincia,
Despachos :
Anna- Anjo de Alboquerque Mello. Dlrija-se
ao vice-provedor da Saeta Casa de Misericor-
dia. .
Angelo Fraocisco da C-is'- lodefendo a vista
das informajoes do director geral da instrucjio
publica e do inspector da thesouraria provincial,
e da expressa disposijio do art 5 da hi o. 511 de
230 de juoho de 1871.
Ahiooio Rodrigues de Albuquerque,lotorme o
Sr. inspector da thesouraria provincial, ouvindo o
administrador do consulado.
Ago3tinho Pacheco Raposo.Prove o sopplicao-
te o qae allega.
Antonio Gonjilves de, Oliveira.Informe o Sr.
inspector da thesouraria provincial.
Francisco Paciflco do Amar al. Como fl-
qner.
Getulio Corre i Pessoa de Mello.Certiflcjue.
Joaquim Peres da Silva.loforroe o Sr. inspec-
tor da thesoararia provincial, ouvindo o adminis-
trador do consulado.
Joanoa Carolina de Araaj) FigueiredoInforme
o Sr. director geral da loslrucjiof ublica.
Joio Antonio Montelro.Informe o Sr. Inspector
da thesoararia provincial.
Jos de Barros Correia S>tte. Informe o Sr.
inspector da thesouraria provincial, oavindo o ad-
ministrador do consalada;
Luiz Francisco de Mello Cavalcante. Requeira
ao poder competente.
Manoel do armo Nascimeoto..Informe o Sr.
commandanie do corpo de polica.
Manoel Fernandos da Silva.lo forme o Sr. ins-
pector da thesouraria de fazenda.
Mara do Rosario da Fonceca Malbeiro. Pagos
os direilos, como requer.
Vlctoriauo Jos Marinho Palhares.Passe por-
tara coocedendo a liceoja requerida.
l. seccio.Proviocia da Perwmbuco.Secreta-
ria da polica, 22 de atril de, 1871.Illm. e Exm.
Sr.Submetto a coosia>,ricao de V. Exc. os dous
. offlcios por copia jautos, qae sob as datas de 17 de
maro aiitmo e 10 4o correte, me foram dirig-
ais pelo delegad;* Je polica do termo deltamb e
coaimait4ttlv do corpo de poiicia, aos qaaes ouvi
sobre os fados publicados no peridico Liberal de
6 do referido mez de marjo, aflm de que V. Exc.
tenba conhecimento do que ba respeito de urna
tal publicajio. Deus guarde a V. Etc.Illm. e
Exm. Sr. conselheiro Diogo Velho Cavalcante de
Albuquerque, presidente da provineia. O chefe
de polica, Luiz Antonio Fernandes Ptnhelro.
Quartel do eommaodo do corpo de polica, em
20 de abril de I871.-Illm. Sr.Satisazeodo a
exigencia de V. S. em offlcio de 18 do correte
com relacao a praja da 8' companhia deste corpo,
Galdino Pereira de Castro, que regressou de urna
deligencia no termo de Itambe no dia 8 de raarjo
prximo fiado, e aes-e mesmi? dia o raandei reco
Iher correccioaalraeote ao xadrez do quartel, por
me informar o cabo da 4* companhia, Bruno Fran-
cisco Xavier, smeme da escolta da deligencia re-
ferida que a mesma praja na vinda em caminho
enlreteve um gracejo com um matulo de appareu
ca insignificante e parlador, metido avalente,
narrador de bravatas e fajanhas, c nisto o solda-
do flogio-se desconfiar, e ir pegar na arma, quan-
do o matulo despra n'uma carreira extraordina-
ria sem atteoder a nada, nem a chamado, e o sol-
dado para raais dvertir-se desparou para o ar a
a arma, o que fez com a detonajio o matuto acce-
lerar mais a saa prodigiosa carreira ponto tal
qae perdeu -se de vista, como um relmpago, do
que nada resultou. Entretanto teve o soldado pre-
so p >r mais de 15 das, como consta da parte de
estad >, e come nada apparecesse mandei-o por em
liberdade e se acha destacado em Limoeiro. De-
volv o offlcio do delegado de Itamb, conforme
V. S. recomraeodon-me em seu offlcio que. res
pondo. Deus guarde a V. S.Illm. Sr. Dr. Luiz
Aotooio Fernandes Pioheiro, digno chefe de poli-
ca. -Francisco Carneiro Machado Rios Jnior, l-
ente-coronel comraante.
Illm. Sr Salisfazendo a recommeodajio de V.
S. em offlcio de 11 do corrente, no qusl ordname
qae ioforme o qae diz o Liberal de 6 deste mez,
cumpre-me declarar a V. S. qae Joio Jos da Sil-
va, de que falla o Liberal nio foi recratado, mas
sira prese para correcjio em virtude de queixa
vocil dada por sua propria mulber, qae declarou
nao poder mais soffrer os seas raaos (ratos. Quan-
to ao tiro desfechado em Virgoio Horacio de Frei-
tas devo ponderar qae s Uve. del le sceocia depon
da volla da escolla, qae canduzia um preso para
essa cidade,' sendo que deixei de provideociar
respeito, oio s porque Virginio nio tronxe o fac-
i ao mea conhecimento, como porqae a praja a
qaem elle attnbaido nio voltea para esta villa,
fleando recolhida ao respectivo quartel segundo a
parte ministrada pelo cabo da escolta. Sendo Vir-
Sinio um homem de peuca reflexio, asss impru-
ente e acostumado a andar armado fcilmente
estar sugeito tactos idnticos, muitas vezee oa-
caslonados por elle mesmo, atiento o sea nenhum
escrpulo e respeito as leis tanto que l ousou en-
trar na casa de residencia do juiz municipal deste qae fario recordar seu nome com saudade.
fapmit 1\r> U.nnl.n iln. Cun, lim VAniQi*, l.ifl D..I4. #~: > .... f.- _.,
termo, Dr. Menelu dos Santos da Fonseca Lins,
entio delegado em exercicio, com ama faja oa ca-
va do coliete, a qual foi tomada peraote muitas
pessoas sendo-lhe feto p ir isso ara auto de pe-
guntas para verificar o Ara para que conduzia
aquelle instrumento. Nao pois, para estranbar
que ser verdadeiro o facto, tivesse Virginio pro-
vocado a praja no encontr, qae tveram, o que
nio est anda verificado, visto como o cabo da
escolta falla no feitor e o refere de um modo mu
diverso ao qae noticin o Liberal. Entretanto,
achando-se, como disse, recluso no quartel da po-
lica dessa cidade a praja de nome Galdino sobre
qaem posa essa raputajio, a que o Liberal d
tanto vulto, dignar-se-ha V. S. tomar as providen-
cias que julgar conveniente. Devo ainda ponde-
rar a V. S. eu nunca inore em propriedade que se
limitasse com a do raesmo Virgioio, nem somos
niroigos. E" sto o que tenho a informar a V.
S. .Deas guarde a V. S.Itamb, 27 de maio de
1871.Illm. Sr. Dr. Luiz Aotooio Feraaodes P-
nn-iro, mu digno chefe de polica da proviocia de
Peroambuco. O delegado, 2* 3uppleote em exer-
cicio, Ursulina Cavilcante doRego Vasconcellos.
Iborar o-estado floaoceiro do Iheeouro, o Exm. Sr -
Dr. Portella apreseotou nesta oeeaso em um lu-
minoso relatorio as suas i leas a-respeito da ios-
iraccio publica, e pedio autorisaet para refor-
ma la.
Este relatorio, verdadeiro espeta* eade retra-
tara as habtlitajdes do Ilustre presidanW foow
ta/imprtame assumplo, nos revela que'o Sr.
Dr. Portella -esforjado lidador em prol do derra-
mamento da instrucjio pelo povo, e qae tem so-
bre esta vasa materia cunhecmentos abalisados.
O regulamento geral da instruccao publica, que
S. Exc. acaba de dar, urna peca que atiesta
grandes estados, eedhecimentos pratcos e ideas
as mais adiantadas sobre instruccao publica ;-e,
sem medo de errar, podem s afflrmar qae em pro-
vincia alguma do imperio sxsle um regulameot
de iostruejao primaria cora ideas lao proveitosas
como actualmente possue o Para.
Infelizmente, para esta provincia, o Exm. Sr.
Dr. Portella leve de deixar a admieistrajao para
curaprir deveres nio raenos importantes na repre-
seotajio nacional. A falta de tempo nio Ibe pe-
rmiti realisar grandes melhoramentos que liana
em vista ; mas nao obstante, forja eonfessar, que
o Ilustrado presidente fez muilo, durante o pe-
queo tempo de sua admioislrajao, porque tratou
de assumptos de grande importancia para o futan
desta provincia.
O pensamenlo que dominou oa administrajao d >
Sr. Dr. Portella, disse-o o Exm. hispo diocesao.
em seu discurse na ieaugurajio da bibholheca :
< foi o de espalhar a luz, mas luz que seja a
mesmo lempo calor e vida ; o de promover a ver-
dadeira reforma da instrucjio pela regenerar
do professorato, pela pralica de vardadeiros rae-
thGdos, raas subrelado pela unio da educaji>
cora a religio, que o aroma que embalsama a
sciencia e a impede de corromper-se, como disse
Bacon.
Nao se eoganou o vrtudlb e Ilustrado prelado;
o peosameoto do Exm. Sr. Dr. Portella reforman-
do a instrucjio, na realidade derramar o ensino
quaotu fr posslvel, regenerar o professorat-j
cercando o de garantas, daodo-lbe ama espher i
iodepeodente e acauellanclo-n contra paixiles par-
tidarias ; c unir a iostraejio com a religiio p
um lajo fraternal; anda regenerar o ensio >
pela pralica de boas metnodos e por urna boa di-
visao dos estudos.
Filho da escola conservadora, onde tem milita-
do com a mais nobre dedlcajio, com o mais pro-
nunciado desinteresse, a poltica do Sr. Dr. Por-
tella nao poda deixar de ser a poltica da modera-
jio e da justija.
Ouva com a maior attenjio a todos os que "
procuravi.m, attendia a todas as reclamaj5s, '
nio va amigos polticos, nem adversarios, qoand >
liara de decidir com a lei.
Dotado de um carcter eminentemente probi-
doso, sincero, afavel no trato, S. Exc. retircu-s.-
desta provincia dexaodo sympathias piofuudas.

INTERIOR.
Para.
HKI.M, 25 DE ABRIL DE 1871.
Seguio para a corte do imperio no vapor Santa
Cruz, o Exm. Sr. Dr. Joaquim Pires Machado Por-
tella, presidente desta provineia ; S. Exc. vai to-
mar assento na cmara temporaria como deputa-
do pela provincia de Pernambuco.
No dia 7 de janoiro do correle anno tomou o Sr.
Dr. Portella as redeas da administrajao do Para,
retirouse contando apenas tres mezes e ireze dias
da governo.
O qae fez S. Exc. daraate este pequeo espaj
de tempo ? Quaes as boas ideas que reaiisou ?
Qual o seu plaoo ile goveroo ? Qaal a saa pol-
tica?
E' o que nos cumpre ovesligar oeste artigo. _
Logo qae S. Exc. tomoa coala da admioislrajao,
fanjoa i uas vistas para um assumpto de grande
importancia, que na actualidade objecto de serios
estados e longas controversias : fallamos da ios-
truejao publica.
Coohecendo o Ilustrado presidente que o Para,
pela vastidio do seu territorio, por suas inexgota-
veis feotes de riqueza, urna provincia que v
dame de si descortinar se nra futuro grandioso,
emenden que devia ligar de preferencia toda a
iraportaocia instruecio publica, que o que
desenvolve a ntelligeocia, aperfeija o corajao
e Arma as sociedades o amor do trabalho, do bem
e do justo.
A priraeira pedra que o hoorado presideole lao-
J)u no edificio que preteodia construir, foi tun-
icio de ama bibliotheca publica, que incontesta-
velmente ama fonte perenne de instrucjio, aber-
ta s intelligencias de todas as elasses sociaes,
que procuram o alimento indispeosavel ao deseo
volvimenlo do espirito.
Este importante melhorameolo erguido como que
milagrosamente, foi realisado sem o menor dispen-
dio para os cofres pblicos, porque o Sr. Dr. Por-
tella recorrea i geoerosidade dos paraenses, pe-
dmdo-lhes donativos de livros oa de qaalqaer
quantia mdica para levar a effeito saa graodiosa
idea.
Na realidade, o appello do honrado presidente
oio foi em vio ; mais de dous mil volamos e a
quantia de perto de 3 cootos de ris foram offere'
cidos para a bibliotheca publica, que tez saa so-
lemne inaugurajio no dia 25 de mar jo, e que boje
est aberta ao povo parense, attestaodo a dedica-
jio do sea oobro fundador.
as suas viagens ao oteribr da provincia, o br.
Dr. Portella qaix aioda nos dar urna prova da sua
dedicajao e do seu loteresse a bem da tnstroeeao
publica e era Caraet, Saotarm, Obidos e Aiem-
quer, o honrado presidente eolkMM as pnmeiras
pedras de eiflcios que devera servir de escolss
publicas de um e de outro ssxo; sacerdote da
scieooia fuodou templos para as lettras, como os
sacerdotes da religiio fundsm templos para o callo
divino.
Applieando toda a saa alteojii para raelhorar a
ioitraejio publica, ebegou ao conhecimento de
qae s eom aalorisaoio da assembla provincial
podena fszer ama reforma de acoordo exjra suas
vistas e com as aspiracSss da provincia,
Convocada extraordinariamente a represeuUjio
provincial para dar as medMas necessarias a me-
Rpida foi a sua passagem no Para, raas nessa
rapidez deixoa (rajos luminosos que attesiara
'aos vindoaros a sua inteligencia esclarecida, e as
suas nobres qualidades de homem publico.
Sirvam estas palavras de um tributo de >incer,
admirajio que coosagramos ao merecimeoto d<>
honrado administrador que, apezar de demorar-se
poaco tempo entre nos, deixoa-nos beneficios im-
morredouros.
Que seja muilo feliz o Exra. Sr. Dr. Portella, na
sua nobre e gloriosa carreira : q que de cora-
jao lhe desojamos.
(Do Jornal do Para)
DIARIO DE PERNAMBUCO
RECIFE. 15 DE MAIO DE 1871.
Vapor americano.
Chegou sabbado de New-York, por S. Thoaiaz *
Para, o vapor Merrimack, trazendo datas: de
New-York at 23 de abril e do Para al 7 dv
corrente.
ESTADOS-UNIDOS.
De um jornal de New-York extrahimos o
seguate resumo do discurso do senador Charle.*
Sumraer contra o presidente Graot:
t O celebre tribuno oceupou-se em primer
lugar de apresentar urna nova resolujio addicio-
nal, declarando qae nio tendo sido approvado a
seu tempo o tratado de S. Domiogos pelo seoacb
dos Estados-Unidos, oessasse desdeJogocompleta-
mente todo o protexto de preteejao, sendo o go-
verno americano um.esiranho a todos os respeitrs
no territorio daquella ilha, sem que lhe padesa*
assistir a menor razan, nem desculpa parajotervir
nelle; e por esse motivo toda a iniervenji) belli-
geraote, ou qualqaer acto de guerra, da parte do
Estados-Uoidos, as castas de S. Damingos, depoi
de ter sido rejeitado o tratado Iludido pelo sena-
do, era um acto de violencia desaatorisado e ille-
c Procedeu depois a exposijio necessaria 1 >-
fados, que, baseados em actos e documenta- offi-
ciaes do proprio governo dos, Estados Unidos, fo-
rano prohxamente relatados pelo eloqueotes orador,
com a seronidade e tranquilla lucidez qne lhe si.
propras e peculiares, sendo evidente que cora isso
fez raais damno ao projeclo de aoaexajio, qa*
Unta obstioajao e tenacidade a administrajao d
general Grant se empenha em querer levar por
liante.
Disse que os seas argumentos e raz5es eslavam
devidamente confirmados pela evidencia rrecosa-
vel dos documentos de aotheoticidade offlcial, con-
segrando o orador conveucer os que autes duvida-
vam da exactidio dos tactos ajtoolaaos.
c Summer, com o seu grande taclo parlamen-
tar, sua reconhecida sagacdade e a sua superior.
intelligeneia, nao s cemprebeodea qae nio devu
dirigir a menor aecusajao oa ataque contra o pre-
sidente Graot, que podesse ser qaalfleado oom
paramente pessoal, mas at declinou discutir
questio de, se a anoexajio oa acqaisijio do terri-
torio dominicano, ainda mesmo no caso de qu
isso podesse ser levado a effeito legal e pacifica-
mente, era ou nao desejavel oa convenjeele par
os Estados-Unidos. Tambera se nio oceupou da.<
vanUgens oa prejuizos qae padessem resaltar a
esta repblica, procurando nicamente fazer d.
passagem alguraas observajCes opponunas ou
accidentaes, para demonstrar as rajoes qae na sai
opiniio o irapediam de ser favoravel ao projeco
alludido. .
i Mas nao deixou de atacar a administrajao d
general Crant da maneira mais enrgica e severa,
madWempre em termos dignos o comedidos, ex-
pondo e demenstraodo de ama oaoeira irrefuta-
vel, que as ferjas navaes e terrestres dos Estados
Unidos tiaha'm sido erapregadas em virtue de or-
dens expedidas de Washington, era medidas e actos
de violencia e interveojio militar que constituala
na realidavle aetos de guerra, sem estar o presiden-
te da grande repblica aulorisado para isso pe >
congresso americano; que soraelhaote facto era
de muilo maior gravidade, ainda mesmo se se con-
siderasse qne o motivo e o fin de tal proeedimen-
to era a acqulstelo da um territorio estrangei^
ro: mas ainda mesmo qae essa violencia i
sido empregada em primeiro logar par BS",t"
e manier o polar a um ebefo fraeo, ovmj
raais do que om usurpador, para me Jacttitar o
meios de quo-lwlsee reiinw a venda do sea
proprio pait; Tm seganlo loar o dr haver
eaiprsgliVpara a*ajar a MpuXca do HattL
.Pactos eaWJUareu, disse o orador, <>c
v
^




*

Diario
\
)
aran demasiado grates e iinaariames para qae
polcasen passar-st en silencio, e par qae po-
deasem ser loteados aera ao mejmo ttropo eom-
prcroetter compleiameme, mas de una maneira
oUtpI, a marioha, que 'inha sido agente ; a ad-
mnistragao, debaixo de cujas ordens obron aquel-
la; as instracgoas republicanas, as qoaes soflriam
3 uando a fraude repblica palrocinava taes a'.tos
e violencia; e fealmente o proprin partido repu-
blicano, para o qaal-appellav,' afn d< que nao
podesse nunca 'fazer-se respensavei de uin soroe-
Ihanle procedimentr, e para que M a;iressa-se a
declinar toda a respausabilidade.
O senador Sun mer emonstrou fcilmente
qae o presdeme des Estados-tJaidos, ao usurpar
leste modo o direite de eranregar ni foren tnariii
as e terresrej da grande repblica, empretan
do-as em asios de guerra, cemmetteu na llaga
lidade tamo ir.aior e taato mais flagrante, quauto
que a caara alta des coi-pos co-legisladores da
cacao 'tinha rege lado previamente o projeetado
tratado em que- se >po*va o exefeicio danuella
prerogativa; e que o presideole dos ErtadvUaidos
ao recusar fazer ato aquella dewao, tinha 96-;
guido uro o no seu proposito de levar por diante t
ecnclo dos seus projeetos.
fine, em coosequeneia disto, nao exista aa
reatidade descutpa algum, nem sequer as app*a-
reacics, em que pdese escudar-so urna violceo
tio ciara, tan man fe; ta e tio evidente da can-titui-
ciados FMados; falta que se aggrsvoa man in-
da, uoila a outra vijbgao, na> menos fligratrte,
commetuda contra o que presereve o direite in-
ternacional. >
AHAOKAS.
Celebraram-sa a 11 do passado, na capital,
solemnes exequias ,oela alma de S. A. a princeza
Leopoldina, assisliodo ao acto todo o funcionalis-
mo e grande numere de pesso&s gradas.
FARA.
A sojbscripcao em favor de sua saatidade
elcvava-se a 76i.
A alfandega ce Belm readeu de 1 a C do
crreme 81:30'0<..
los Lino, pardo, Peruambaeo, 30 anoos, catado,
S. Jos; hepaljte.
r Miguel, erafo, f'aJ%Tltf)atMbfct7 nnzes
Boavista; coqueluche.
Bemventtlo,'pardo, Pernambaea, meces, Santo hwltiido, distintos'Gomes de Aguiar.
Antonio; convalides.
Julia, parda. Pernambuco. 1 mee, S. Jos ; diar-
rbea.
Fraocetina Ferreira da Silva, branca, Pernaaa-
buco, 31 irnos, soltira, Boavista; lephantiasc.".
Joagaioa'Pires Carneiro Monteiro, branca, Psr-
nameuco, 63 asnos, viuva, Sanio Antonio;
patito,
Joatwm Lopes de Almeida, branco, Portugal,
O ames, casado, Boavita; bydropericrdite.
PERNAMBUCO,
REVISTA DIARIA
ASSEMBLA PR0VIAC1AL. -rta sesso de sab-
badoa asserouia approvou era 1' Jiscu-so o pro-
jecto n. O desteanoo, mandando que matada da
quaotia decretada para libertacao de crianzas seja
applieada mauutencao de um estabelecimenio
de educan 03 libertos, sendo dispensado o inters-
ticio a requerimento do Sr. Rufino de Almeida ;
em 2.* o de n. 97, mandando admittir no gymna-
aio, como alumnos gratuitos, diversos menores ;
em .* o de n. 83, que determina q-ie a lei que
craou a freguesa de Santa gueda, nao privo <
respectivo parodio i > direito de opgii ; adiou,
em i.1 discusso o do 11. 109 deste anuo, que con
cede Smoltz 4 C. privilegio por det anoos para
introduzirem na provincia um novo -ystema deas-
sentameiito de laxas para fabricar assucar.
Contiouando a 2.* deusso do orgaiuento pro-
vincial, approvou at ao art. 30 inclusive, orando
es Srs.' Mello Reg, usmao L ibo, Oliveira Fonceca
e Rufiao de Almera.
A orOem di da para hije : continuacao da
:iiiteei1ente, 3." dMcussio dos prujcclos ns. 110 e
f H, t.' do de n. 146, todos deste aono.
CHEFli DE POLICA.Deixou aote-liontem o
cargo de ch fe de polica d'esta provincia o Sr. Dr.
Luiz Amonio Fernandesnneiro, que, eomo tero
visto os no iKs leitores das noticias da corle, f -i
exonera lo dessa ardua missao a seu pedido, sen
dc-lho indcala ama comarca de prineira eulran-
cia na provincia do Rio de Janeiro, para uella
eiereer a- fanceSo d* juiz da dir.'ito.
O Sr. Dr. Fernandes Pinbciro exeroeu sempro
com mima ili^nidade, verdadeiro tino, c subid >
criterio, o cargo de ohtfe de polica de urna pro-
vincia, onde dillcillima essa mi provincias, como nesla, assim espinosa a tarefa
quopor longos mezes Ihe pesou aos nombro 1 ; e,
e S. S. senlio por ver.es Ibe penetrareis uo cora-
cao os espinbus de urna critica por doman austera
vicca de que aquelles qie degapaixonadam>'n.e
;iudarem a sua administraeao policial em Per
nambnco, se conf das proras de prudencia e zelo que sempre des-
envolveu as diflceis oonjuncturas por que passou
5. S. nesta trra.
Assumio hontem mesmo a ebefatura o Sr.
Dr. Francitco de Assis de Oiveira Maciel, digno
juiz de direito da primeira vara da comarca d .
Recife.
io a primeira vez que S. S. exerce esse car-,
go, e no seu exercicio tem sempre guardad > as
bellas tradicgi5ds jue su prendera ao seu norae.
COMPA.NHIA GYMNASTICA E AGROBATIGA.-
BUNM antehomem no sea pavilho do Campo
das Princezas a companhia eqaestre, gymnastica e
acrobtica do Sr Antonio CtrKM ao Garra,-.
A estra coastou de trabalhos gymaaiticos e
.-irobaticos.
O pavilho esteve apinhado di espectadores, e
bsm o mereceram f ss punhado do eximios artis-
'as nacionaes, cujis adnirav^is trabalbos nada
lixaram a de-ejir, em nada ko inferiores aos
trabalbos dos melhores artistas estraageiroa que
teem estado em Pernambuco.
3s trabalbos de equilibrio, verdaderamente sor
rendentes, forara executados com urna pericia e
1 elligencia raras.
Os trabalhos gymnastcos propramente ditos,
firan tambem executados com ama limpeza e
j"".t?za de movimentos credores de applauso.
Etn tima plavra, tolos os art'stas elevaram-se
altura de me-tres, e provaram ao intelligenta pu-
IiIm do Recife, que sao credores dessa fama bri-
iJianle qae os precede-em toda a parte.
Reeomraendamos com o maior prazer todos
ideaos lerem, qne os vo ver e admirar, certos
Je qne bSo de juntar os seas applausos aos que
i'aqai Ibe enviamos em coro s innmeras ora-
'.oes qne elles receberam ante hontem.
FBRNAMMBCO STREET RALWAY. Esta
companhia recjbeu sabbado, pelo vapor Merri-
mam 4 wagSes, 745 rrilbos, 197 pegas de ferro
fundido, 191 birria pregse 24 caixas objeclos di-
CHRONKA JUDirJAlI.
TRIBUNAL DA HDI. U O.
SESSaO EM 43 DE MA1) DH 1871.
rtBSIDENCIA DO EtM. SR. OIK&UMIUO CASTAO
SANTIAGO.
Secretorio Dr. Virgilio Cotlho.
As 10 horas da man haa, presentes os-Sra. desem-
bargadores Gitirana, Guerra, procurador da eoroi,
Lourenco Santiago, Almeida Albuquerque, Motia,
Doria, Domingues da Silva, Rigoeira Costa, Sjuzi
Lean e Preitas (lesriques, abri se a sesso.
Passados os feitos deram-se os julgamentos se-
guintes:
AGSBAV03 DE4 Aggrarante, Franc.sc j Flix Gonjaiva ; ag^ra-
vado, o juizo. Jaizes os Srs. desembarga dore*
Guerra, iligueira Gota e Gitirana. Deraro prav.-
ment.
Aggravante, D. Roa Francisca de Sonta Cocino;
aggravado, o juizo.Jaizes os Srs. desembirgid >
re Rigueira (vwia, Souaa Leo e Lourtog San-
tiago.Negarara provi:neuio.
Aggravame, Antonio Fraucisco Das Lima ; ag-
gravado, o juizo. Juizes os Srs. desemlurgadorcs
Souaa Leao, Rigueira Costa e Gitiraoa. Negaram
proviraeoto.
APREU-ACOKS CHIMES.
Appeljante, o juno de-direilo 4o Fiores ; appei-
lado, Joao Domingues de Oliveira.A novo jury.
Do jury da Te-ba.Appellanie, o juiz> ; appel-
lado, Jos Vicente de Oiveira.Improcedente.
Do jury da Lagoa Gran Je.App vante, o juizi;
appellado, Manoel Gomos da Sdva.I nprnceueut.
Do jury do Saboeiro. Appellante, F-auciico
Justino da Silva ; appellada, a juslici. A n ivo
jury.
Do jury do k Appellanle, o juizi ; app illa-
dos, Joaqun Antonio Pereira e outros. A uov..
jurv.
Do jury do Panc.AppelUnte, Beroatx; Apto
nio do Nascmeuto ; appellada.a jmtica. A novo
jury.
Assigoou-se da para juigamonlo dos seguales
teitos :
APPKLHC5SS CIVEIS.
Do juizo municipal das Alagja^. AppMlatit--,
Jos Frauciseo Pmheiro Cij ; ppellado, Francis-
co Manoel de Lima.
Dj jiizo municipal Jo Binito. Appellant'f,
Francisco Antonio Sures o outros; appoad, Vi
cento Ferreira Padillu Galumbi.
PASSAGENS.
DoSr. desembargador Gitirana ao Sr. desembar-
gadur Guerra :
Do juizo municipal do Rii Formoso.Apellan
te, Joa Gomes Ferreira, como tutor das orphos
sein1 sobnnhos; appellada, Luciod Mafia da Con-
ceicao. Do juizj municipal de S Bernardo.A|.-
pellante, Raymuulo Garlos da Suva Peixoto ; p-
pellado, teneme-coronel Mantel Herculi.no da Gu-
nha.
Ao Sr. desembargador Lourenco SaotiagT :
Do jury da Iraperairiz. Appellaoies, Antonia
Mana de Je*us e oatra ; appallada, a jusiica. D
D jan1 dt-Iodependenci. Appollante, o InJz-j;
appel lado, Jjlo Baptista de Souza.
Ao Sr. desembargador Lourenco Santiago:
Do jury de Pesqaeira.Appellante, o juizo iap-
tti>, D imingos Gomes de Aguiar.
Ao Sr. desembargador Almeida Albuqa..
Do jury da Birbalha.Appsllanle, o juizo?
pella Jo, oao Vicente de Oiveira. .
XffOnAVO DB l'ETICO.
Ao Sr. desembargador Freitas Ilenrlque? :
Aggravante, Francisco Antonio de MagiUues
lie- II istos', aggfttado, o joht i.
ARCUBSO CRIUR.
Ao Sr. deseaibargador Lourenoo Santiago
Dijuiode direito da Areia. Recrtente, o
jnizo ; recorridos, Manoel Gaetano e outro.
A 1 bora tncerrou-se a sessio.
PUBUGACOES A PEDIDO.
Negocios de Fernando,
dado despaeb) avoravel as suas iv.tigss no se
tid) de (ceupar--i! tila di inre. SUl VilllB
o material.
DINHEIRO. vapor Merriimck trouxe para
os Srs. Pereira Vianna A C. 800*000.
AVOS EACONTADOS.-0 navio ioglez R-ijth
of Bttoanmk, chegado sabbado, falln com os se-
guales navios : a 22 do abril, na lal N. 2* 57' e
loBg. O. de Greenwicb 23* 58', com o brigue in-
flez Sumyvde, em vagem de Colombo com 79
das ; a 24, na lat. N. 2* e 40' e long. O. i\ 17',
od a barca hespanhola ComchUa, indo de Ha ni
Iba para Cadix cora 89 das ; e a 30, na lat. N.
* e 18" e long O. 80 e So", com a barca ingle:a
Clye indo de Z inzibar para Boston, com 58 das
de tiagem.
. FACULDADE DE DIREITO.-Com o praso de
t mezc?, contados da d&ta do edital da Faculdade
de Direito do Recife, publiado no lug.r compe-
tente, acha-se aberla a iascripcao dos candi latos
i nm lagar de lente substituto d'eeta Facnldad-
vago pelo accesso do Sr. Dr. Mene'zes de Drum-
mond cadeirade que era propietario o finado
conselbeiro Dr. Loureiro.
LIQIDACO Acha-eem lqndacao a leja n.
30 da ra do Ba^o da Victoria, que um deposi-
to de calcado. Gomo eodsta do respectivo aonun-
eio, ren le-se barato e e genero ali, e por isso re-
commenJarnos aos nossoe leitores esse estabeleci-
raento.
LEILAo.Hoje effeeloa o agente Pintojo leilio
de refugios novos, roopa, livros, e. raoitos ontros
objectos na 1 ja de relojoeiro da roa do Imperador
d. ;io.
jury ue S. Bernardo.A)p3lante, o jun ; appel-
Jado, Joao Ferreira da Costa. Da jury do Araca-
ty.Appellante, o juizo ; ppellado, Francisca Xa-
vier de Oliveira.
Do Sr. desembargador Lourenco .Sautiago, a-
sr. desembargador Almeida Albuquorque :
Do jury da Floresta.Appellante, o juizo ; p-
pellado, Man-el Candido de Soasa. Do jnizo mu-
nicipal do Recife.Appellante, o juizo ; appellad >,
Manoel Buarqae de Gusmo Lima.
Dj Sr. desetnbargador Guerra ao Sr. desembar-
gador Lourenco Santiago :
Do juizo inuuieipaldo Recife.Appellante,Fran-
cico G)ncalve3 Netto, como tutor do orphao Ar
thur ; appellados, Manoel Joaquira Baplisia e sua
mulher. Appellante, Feliciana Mana Olymnia ;
appcado, Jos Ferreira Gielh. Appellante, Fran
cisco Antonio Alves Mascaronhas ; appelUdo, Joio
A4tianazio Batelho. Appellaoies, os herdeiros do
Gonde de Boa-Vista ; ppellado, Maniel Minio-
de Araujo Caslro. Da juizo rauoielpal do Ro For-
raoso. ippelhnte, Paulo de Amorim Salgado; ap
pellado, Francisco Garvalho da Aib iquerque. Do
juizo muuicipal da Areia.Appellante, Baltbazar
Lopes de Lima ; ppellado, Francisco CorJeiro da
Cruz.
Do Sr. desembargador Motla ao Sr. desenbarg
dor Domingues da Silva :
Do juizo municipal do Recife.Appellan*.e, Joa-
quira Francisco de Albuquerque Santiago ; appel-
lada, D. Francisca T.iomazia da Conee ?ao Cunlu.
Do Sr. desembargador Almeida Albuquerque ai
>r. desembargador Motta:
Do juizo municipal do Recife Appellaates, os
herdeiros de Manoel Figueira de Faria ; apella-
do, Manoel Pereira Magalhaes. Do jaizi munici-
pal do Cabo.Appellante, Francisco do Reg Bu-
ros, como administrador de sua fllha; ppellado,
Francisco Manoel de Siqueira. Do juizo manicio
pal da Iraperatriz.Appellante, padre Paulino Vil
lar des Santos B irbosa ; appellados, Mara, Lyia,
Joaquim e outro.
Do Sr. desembargador Doria ao Sr. desembar-
cad >r Domingues da Silva:
Da jury de Floresta.Appellante, o juizo; ap-
pedido, Florencio Gomes de Do jury da For-
!ez;!'~^',pe"aate' Juil aPPll*do, Joao de Pau-
1 Jos da Costa Pereira ; appellsda, a justija. D >
juizo municipal do IWcife.Appellanie, Joaqaim
Silveno de Souza; appollado. Jos Duarle Coelho.
Appellante Francisco Lipes da Silva; ppellado,
Sebastiao Accioly Saotwgo Ramos. *
Di Sr. desembargador Domingues da Silva ao
br. desembargador Regueira Cosu:
Do juizo municipal do Limoeiro. Appellante,
ai00!? VeeDta ferreira ; ppellado, Joaquira J>-
se de Santa Anna. Dia de apparecer. Di juizo
municipal do Recife.Appellante, a irmandade de
Nossa Senhora da- Fronteiras ; appellada, D. Gle-
mentina Theodora da Silva. Do jury do Limoeiro.
Appellante, o juizo ; ppellado, Feliciano Gam
de Olivoira.
Do Sr. desembargador Freitas Hioriques ao Sr.
desembargador Gitiraua.
Do jn.zo de orphos de Macei.Appellante, D.
Anna Joaquina de Gusmo ; ppellado, o curador
dos menores Lucioo e ontros.
DELIGENCIA CRISIg.
Ao Sr. desembargaior promotor da justica:
Do jury de Garaar.Appellante, o juizo ppel-
lado, Jos Rufino Pereira < > rr~
Do jury de Santa Anna.Appellante, Joao Men-
des da Silva ; appellada, a ju-tiga.
Dojary de Serinhaem.-Appellante, o juizo; p-
pellado, Joao Gimes da Silva.
Appellante, o juizj; appollado, Francisco Xwkir
de Oliveira.
A WMra.do artigo qae o Sr. coronel Jo3 An-
gelo de Maraes Reg, ex-cimm?ndante de Fernan-
do fez inserir 00 Jornal do Recife de hoje dem>
veu-me do proposito em que e-tava de nao vol-
tar a imprensa sobre negocios de Fernando.
Achei mu jiuta a i|ieixa que lem o mesmo
Sr., da commis^o di yadTeaneii, pir nao ter
seo-
. aclos
dos seas antcesnores, qaao iu o s-u li n era ou-
tro, e lev ii Instruido is que resiritamente devia
enmorir. U n dssgosto maior qae es(e, uve eu
na ilha de Fernando, causado pelo Sr. coronel
M raes Reg I
Anda me record com pezar profnoo, do
quinto soffri, sem dar a mnima causal Oca
so passon-se assim : Uns perversos, -que oulro
nome nao piiem ter, invejosos do couceito era
qae sempre fai lido polo milito dislincto Sf. te-
nente coronil S butio Antonio do Reg Birros,
de enja sincera amizade maito ms ufano, trata-
ram, com esf nr.i ioanlito, de indispor-mo com
o Sr. coronel xhraes Reg, e depois de mnito
martellarem con;egiiiram sempre alguma eou-
sa; eu sonbe em contlanea. \*e bom rae recor
do, di Sr. capitl) Joaquira Antonio de Moraes]
qne se tramava as trevas d? certo gibinele con
ira mira. Na falta d; motivos que dessem lugar
a urna franca accuiacio, so inventava era segre-
d >, que eu cooperava par a indisciplina do pre-
sidio, qae prora wia mes no a pratica de actos
que desmoraiisa-scn o eommandn.
Era ora invento ms-ravl com> o que agn
apparece as folhas, de que,en, por ver-rae
erigifc nos negoeioi illicitos que tinha, em Fer-
ninli, tralei de inlispdr o commsndante da ilha
com os governns da prorinci 1 e das arma1, quan-
d 1 nada mais fu rio que pedir a este', entai o
Exm. birai de S. B ifp, que me retirasse do pre-
sili, visto o mea m;n estilo lie saude, e a in-
disposicli que havia contra mira por parte s lo
cornmaiidante, e ao g iveruo geral ex meracao do
lugir de secretario pir me a;h\r doent-'.
Qunlo o Sr. espita) Moraes me inteirou do
que sabia, (|) pelo que Ihe sou anda hoje agra-
iecido, sent urna dor atroscissima descer-me pro-
funda ao corfcol
E ne;te esta 10, fz nm3 peticlo ao Sr. eoronel
Vforaes Reg, relauado o qae me constarse pe-
dindo en;arecidiratnle a nofneicio de nm con-
selha de inves;ig^ao para justilkir-me ; e S. S.
que alias nao tinha instrnccSes da presidencia,
eomo a commisso qa**steve em Fernando, na
minna petica poz este despacho :
Qtimlo kouver ^opponuno entejo para que a
verUHdf nppveci ein tndi sm nuin tere nlten-
nVtft n petiaio d> snpplcante.
Uaarui uo cirnnaiilo do presidio 1e Fernan-
do de.Voronhi, 7 dejarfeim de 1871. Maraes
R-'go, corone! eoraminlaaie.
Ah I qu j dar cu tire qaando li tal d saach) I
Pirsjea-m-j f\%^ o Sr. coronel MoraeNRego
procarava um onsej 1, qae infallivelmeole me fos-
se contrario, easej 1 qu3 alias nunca eneon'rou
porque, desdi que en conh9i o trama paz-me
em vigilancia, e assim, desman;hei os project >s
e fit aoortar os planos reservados por meio de
reqaerimentos, expondo a verlade era toda sua
luz.
Fui id- franco na expo-icio de certos factor,
que o Sr. coronel nio pode contraria-los. Re
pli juei sean demora do despajho proferido no men
requerimeoto, e notivei expbcitamente a replica.'
O Sr. coronel Mpraes Reg venda qde en ins-
lava pela nomMcip do conselho de invesfigasio,
despachan o segundo rejuerimento pfr esta
forma :
iVio devendo este comminio curar dWiathfazer
us phintasias do supplicante, e sim dos milites
nfazeres que Ihe sao impostos, reportase pr tan
lo, ao despacho j hnntem proferido em igual re-
qnerimento, e da mesma data, com quanto s
agora tivesse eonhectmeuto da presente rplica.
Quartel do convnan lo do presidio de Fernando,
8 de Janeiro de 1871.Moraes Reg, coronel
commaudanie.
Nunca soabe e anda hoje ignoro porque o Sr
coronel Moraes Reg negou-me to formalmente
a nonieacao de nm conselho de investigajao qae
por sera dnvida daria lugar a llcar bem patente
o meu proceliraento em Fernando.
Nao sou capa/ de suppdr que a negativa em
caso de tanta gravidade fosse urna premedita-
(o para as aecusaco-is infundadas qne boje se
me procurara fazer, e que por mais qae se es-
forcem bobm poero provar com documentos
qae merecam f publica.
Leiame os reqaerimentos abaixo transcrip
tos, vejam-se como nm empregado prevaricador
fallava ao command nte que eslava disposto a
punir os prevaricadores, e acabar com oj nego-
cios Ilcitos de Fernando, e tatba-se finalmen-
te que este commaadante nem era ordens do dia,
nem em lembrancas e menos verbilmente, Uve
ocasiao de censarar, reprenbeader ou ptoir o
procedimento do empregado sea subalterno qae
estar, por assim dizer, com a ilhi inteira na
barriga.
Qaera poder qae roiolva o problema I
Recif8, H de msio de 1871.
Clemente francilio Tavares.
plonamente, para qae os scua detractores e mais
sguelles que procurara ocddfci de o perseguir,
nao ganhera o terreno que iftessariamente con-
tara ganhar cora a calumnia repelida e espilhada.
O sapplicaote requeren a V. S. a nomeai;So de
am conselho de investigaclo para jastiflear-ie,
por qae sabe o empenho qne ha de o reren) per
seguido ; por que sabe que a V. S. mesmo seus
deiaffectos procuraran! na capital aps a su*che-
gada da cdrP" para o indisDorem. mitivo pelo qual
se dirigi a V. S. era earta que remetteu por in
termedio do Sr. tenenle-c.:ronel seerelarie do com
maodando das armas.fazendorespeitosas declarares
e rogando houvesse no easo de pairar em seu es-
pirito alguma prevencio, propor a gorerno a sna
oxoneracio por que com a ebegad de V. S. nes-
te presidio le espalhou a noticia de qne V. S. ri-
nba prevapido at maito disposto a persegul-lo
suppodonfcnro Ihe con9U haverera informado a
V. S^, ser elle o offlcial qie no aono de 1852 com-
mando um destacamento neste presidio por dous
mezes, responder a conselho por prevaricador e
ora remottido para a capital de presente ao Exm
malandante das armas de enlao, general Sera
paTa servir debaixo de suas vistas (>o que pro-
vara o suppliCante opportunamente cora documen-
tos irrefragaveis, perante as autoridades tuperires
sor falso, por que nessa poca aiJa nao era offl
eial nem ra estivera.
Para livrar-se dessa peraeguicSo da anle-raao
assoalhada, se bem que injusta, reqnereu anda o
suppcanle exoneraco deyemprego de secretario
de^te presidio, e ao actaal major da praija, enti 1
coramandante, fazendo entrega do requerimeoio,
e.-te pedio-lhe que tal nao fize ria imparcial, o de-prezaodo intrigas trata-lo-hu
com i unha direito a ser tratado, visto ser empre-
gado ptompto, ajlivo e hpnesto.
renho procurado t .dos os raeios para sati^fazer
1 V. empregando-mo com vontade, dedicaclo e
interesa era servicos at extranhos as rolnhas obri-
gacoes como secretario, taes como organisacio de
companhias, servico do detalhe ; lembr'anvas ou
aponiaraentos que sao asignados pelo Sr. majar
la praca ; contagera de gado, ce, etc. ; e qnando
me julgava amparado por essa boa vontade em
servir, a par de urna conducta como empregado
sem a menor mancha de vicio, descubro a novena
de calumnias que preieodem desfazer sobre atn*
cabec,. -
Heqneiro, e novaraente pego a V. S. com toda
snbmissao e respeito a nomeacao do conselho de
investigaco para justificar-mc ; e confiado na Jus-
tina de V. S., qae nio tem proposito era coarctar-
me os meios de defeza que tenho direito como
offl.-ial do exereito, em qual.juer parte em que me
ache : recebea merc.
Presidio de Fernando 7 de Janeiro de 1871.
Clemente Francilio Tavares.
da assembla pro'eje interesses particulares, por
qn^ aciiiu a renda do contrato I
L se, no se autorisasse a modillcacio do con-
trato, e elle fosse afinal eahir em mos de outros,
qne o vendesse, nio protegera intereses parti-
culares, ferindo direltos j adqaeridos T
Paca contentar o Sr. Dr. Buarqoe devera a as-
sembla coacorrer para a nutilisacao do contra
to do Sr. Bario da Soledade; mas isto nio a re-
sal varia das censura*, e uu$ mais undadas.
O melnor, portanto, ful o que '
Um eiJital da
cmara.
Nada mais exquisito que o edital da cmara
municipal do Recife, dando de 4 de maio crreme,
que vai sendo publicad > nos jornaes da ierra, e
por meio do qual chama se a conoorrencia dos
que pretenderen) encarregar se da eJifieacao do
mercada publico, aflm da que no praso de 30 das,
a contar daquella data, sejira apresentadas as
respectivas propostas. Gomo, porn, poder-se-ha
realisar tal apresentacto do propostas, quando a
illustrissiuia cmara em serf edital citado nao de-
clara quaes sao as clausulas que devera servir de
base ao competente contrato ?
O pretndeme*, em face daquelle edital, apenas
conhecem que a illuslrissima cmara deu prefe-
rencia ao plano apresentado pelo seu engenliciro.
Mas sobre este pomo dmmm d i edital lembra-nos
observar que nao consta offUialmentc quindo, e
sobre que plas, se deu aquella preferencia, pois
que be nao sabe que outros planos fossem pr'.'ia-
meute olferecidos caraira, para que podesse ter
lugar essa pceftrencia ; visto eomi preferencia
quer dizer a escolba que resulta do urna cousa
entre outr,as do mesma genero : isto accresce,
que tamben se ignora quando foi tal preferencia
approvada pela presidencia da provincia....
Assim, perguataremos a cmara, vista de sea
eJitai ij omisso : Qjal o orijimento do plano
preferido ? Qual o pr3zo concedido para comeco
e terminacio da obra t Qual a forma do paga-
mento ; e em que especie ser elle feito ? Resu-
miAimeate : Quaes sao as obrigacoas e garantas
do arrematante f
Poder seha dizer-nos :A qiem se dirigir
caraara sero dados tolos os esslarecimentos pre-
cisos.
Na duvdamoi que assim seja; estamos certos
que as'im mesmo acontecer.
Digamos, porai, a verdado. Preferamos que
easat clausulas fossem publicadas, porque assim
iicanain a salvo das suspeilas que estaj sujeitos
03 sclarecimentos fornecidos com o qaer que seja
de panicularidade, que ba sorapre no recesso de
ovni secretaria.
Nao dilOcil apparecer nestes lempos, e, talvez
que cora razo, quem duvide das tollectivilades,
como se duvida dos individuos.
S) verdade o qne por ah corre, qne a cmara
o que lera em vista com seu resumido edital,
qae cada concorrente proponha o prazo que Iho
convem, as garantas qae ibe sio possiveis ; a for-
ma de pagamento qae admitie, e a especie em qus
se presta a receber esse pagamento; isso mesmo
nao foi declarado era tal edital, e neste caso est
ambiguo demais.
Ha j muita luz derramada para qae certos
. fez, qae di em
resultado adiantar e aprewar a exeeago deura
grandioso raelhorament.
Permiltame o Sr. Dr. Baarquo que nao tome
em consideracio os seus argumentos de occorren
cas suprevtninetes e bypothese de alguem se offe
recer para fazer obras publicas gratuitamente.
Sao cousas para encher, e nao consideraces se-
nas. ^
Sobre as modificacSes do contrato Mornay, qae
nio versaren) soraente sobre o pagamento da snb-
venco em apolices, dire que o Sr. Dr. Baarque
nao produzio razio que modifleasse o meu modo
de pensar. Tanto faz alterar um contrata feito,
em que nao houve concorrencia, com oulro em
que ella se deu. A questo versa sobre a natureza
das causas que autonsam as modificacoes.
Nao posso por mais tratos que d a imaginacao,
comprehender como as modificareis do contrata
baledadd prejulique a provincia. Ou ella havia
de ter um contrito ioexequivel, por causa princi-
palmente dos preces da tarifa, ou a estrada sefar
navendo transpone mus caro.
E', pois, fra de duvida que o interesse publico
e?ta em que a estrada se faca, seja embora mais
caro o transporte, e.nii que permaneca urna tarifa
de pequeos precos, que onnea ter effeito porque
nao so realisaria a empreza sem as modificacoes
feitas.
As corfsiJera{63S relativas as apolices, qne ser-
van) de motivo a modiflcacao do contrato Mornav
na >-poda deixar de ser alten li la no contrato So'
ledade.
Eutretanto o grande cboro do Sr. Dr. Baar-
que a conJicao que estabeleceu renuncia do di
reito de reclamacoes I
Esu cond.cao absurda e extravagante, embira
almittiJa, como liz o Sr. Dr. Buarque, em contra-
tos fdlos pelo goveroo geral, nao tem razio legal,
sao d aquellas que se reputara nio escripias, e a
asembia j a coodemnou desde a sesso do anno
passado, maodando suprim-la do contrato da es-
irde de forro de Olrada.
Bem v o Sr. Dr. Buarque que pega-se al s
teias de aranha.
Devo em concla-io declarar que nai live era
vistas fazer ia-ioua{o;s ao Sr. Dr. Buarque nem
aos seas amigos, no que disse s >bre o contrato
Moma y. Nem aitnbui-lhe ioteneao m na sua
autora na lei tramwiyt. Recoobe?) como S. S
deve racoohe;er, que se as sua* intencow forera
boas, ?e os seus desejos -erara ouvir a provincia,
os resultados datan lei foram fatalsimos.
Prescindo de fazor reparos ao que diz o Sr. Dr.
Buar iae om relacio ao Sr. cooselheiro Diogo Ve-
Iho. Digo apenas qae o pensamen'o de S. Exc. na >
ni bem apanhado pelo Sr. Dr. Buarque. O Sr. con-
selhelro nao pretenda, nem podia preteoder, qae
se decretaste a execucio de novo contrato, sem
a dardo com o actual contratante ; um atlentadn
desies nao Kolia estar na intenco de lio ju>to e
illustrado aiministraior.
Nem os motivos porque saneconoa a lei, sio
os apresen'ados oelo Sr. Dr. Buarque. O Sr. con-
selhc.iro Diogo Vellio, espirito recto e esclarecido,
nao daquelles que transija com as circnmslan-
cias.
Reo fj 12 de maio de 1871.
J. de Mello Reg.
Mil de Fernando
PROTESTOS DE LETTRAS.0 encrivao dos pro-
testos, Jo? Mariano, est de semana ra de S.
Francisco em frente d ra Duque de Caxias,
ontr'ora das Crnzes.
PASSAGBIROS.-Vndiis de Aracaj, Penedo,
.Macei e escalas, no vpo,r Giqui :
Dr. Domingos Jo GonMlres Ponoe de Len e
i criado, Eugenio Telles Aires, Dr. Jos da Ciad)
arvaiho Guiraares, Laiza de Pranca Zamba,
Joao Teixeira de Araujo Csoro, alfares Mr -olio.
da Costa Raposo, 2 mullieres e 10 pracas? Z-f -
rrao Manoel da Gosu, Ea'eraia Mara da Concei-
vao, l criminosos o 5 pracas.
n? n L,,ran>>'o da Victoria, a qual corre
ejSS??"8 P8LlGO-Obitaario do dia II do
J.'io Antonio de Albuqueroue
co. Rio Gran le Jo Norte. Maai
bre amarelia.
pro-
inhao. bran-
l-.Visia. fe-
Waneei Tararea, brance, PortagalW
*adn, Boavista; febre aaareHa. ^,
Jos, rae*, da Silva, pr.-to, Afr^ffe anno., N.
falo. Boarlsta; dyarrlva.
Jos, braneo, PwMQbwo,
triea palnwwtf.
f
', S Jos; ph-
Dj jury de Mamangaape.Appellante, o juizo :
ppellado, Joao Baptista de Souza.
Dj jury de S. Joio do PrincipeAppellante, o
juizo ; ampollado, Joio Vieir* B >rg*.
Do jury do Grato.Appellante, o juizo ; ppel-
lado, Francisco Jes Leite.
Da jnry do Recife.-Appellante, Jo Francisco
da Silve.ra Daltro ; ppellado, Vicente Ramos Pe-
reira da Silva.
Doiorydo loga.Appellante, Antonio Rodri-
gues Losme ; ppellado, o jan-).
Do jnry do Recife.-Appeltao!e, o juizo ; ppel-
lado, Canuto Candido Ramos.
Da jury de Maria Pereira.Appellante, o
motor, ppellado, Jo- Francisco de Mello.
Appellanie, Matbias Jos da Silva ; app-llada, a
justica. rv '
Appellante, Manoel Lucio de Araujo ; appellada,
a jnstica.
Appellante, ojaizo ; ppellado, Jos Goncaves
de Alencar.
Appellante, Antonio Jos Gomes ; appellada, a
jastica.
ApfeHante, o promotor; ppellado, Trajano Eva-
risto Patrio CasteHo Braoco. 1
AppeHanle, o joiao ; appellalos, Manoel Joaquira
de Mello e outro.
Appellante, o jaizo; appellados, Jos Ferreira
Lima e ontro.
Illm. Sr. eoronel commandante.Constando ao
oaixo assiguado que alguna desaffect03 seus, p^r
meio de pablicafdes os jornaes desta provincia,
de anonymoi, e mesmo de intriga.? p .sitiras, pro
curam a todo o transe fazer crer qae elle espalhi
boatos atterradores contra a administracio de V.
S. oes'.e presidio, depando, censurando seas actos
e esforcaado-se em prevenir p?ssoas contra esses
actos, ojue elles proprios commentam, Inaua, fo-
menta e acoroca a inlisciplina ; e sendo tdo sio
ama revoliante calumnia estudada, e adreds pra-
parada para o fim de desacreditar o mesmo abai-
xo assignado, que alias prompto sempre para eam
prir suas obrieacoas, respaila e acata as ordens
dos seas superiores, coopera etrabalha com leal
dado para a sustentacii da disciplina, por ver
nella a garanta da paz, socego e tranqoillidad-
Je tamas familias aqui residentes, entre as qoae3
3 saa propra ; vem mu respetosamente pedir a
V. S., com o flm de de'raacarar eises esforoidos
delraetores, que nocessam de espemlar na po
sicaoeritiea dos oatro?, e qae, aproveitando-se por
i-so do ponej tempo que v. S. aqui se acha, po-
edram chegar ao flm que de ha mdito se propuze-
ram, esqaeclilas de qae o abaixo asignado nc pe-
riodo detrima e nove mezes qas qai serve, tem
s e nicamente trilhido o camioho da hoaeslida
de, do justo, e do homem respeitador da lei, ooe
lecendo, e na razio de suas debis forjas inul
lectoaes ajadado aos seus superiores, coma-con-'a
de tolos os relatirios apresentados por elles ao
goveroo, e das orden3 do da registradas nos com-
petentes livros; se digne nomear nm cons;lho de
invpstigacao para serem ouvos'todos os senhores
empregado, offhias, psisinos coramercianles e
mesmo algaos sentenciados a respeito destes fac-
tos, quase boje sao desprezados, podem oara o
futuro prejni1i:a-la,
O mesmo abafxf asslgnado convicio da justica
do sea pedido, e certo de qae em V. S. tem uin
superior iadependente, extranho a intriga?, recto e
jiiticelro : nee deferimeoto receberi merc.
para que
negocios corram, eomo ontr'ora, forjados as som
bras.
A illustriftsima cmara municipal, por amor de
sua dignidade e da consideracio elevada que deve
aquellas qae a elegeram nio ple assumir a essa
postcao de ansol mismo, pouco syrapathica aos
olhos da actualidade.
Esperamos, pois, que a illuslrissima cmara
municipal do Recife. reconsiderando o seu acto,
resolver publicar nffl ontro edital, completo, sa-
tisfactorio, com todas a declaracoss necessanas
aos clenlos de quem por ventura pretender a af-
rematacio do mercado publico.
Ser isio mais curial, mais conforme praxe
estabeftcida em negocios dessa natureza.
At breve.
Um pretenienle.
Presidio
le Fernando 7 de Janeiro de 1871.
Clemente Francilio Tacares,
Tenenta secretario.
Illm. Sr. oronel coramandante.0 lente do
corno de esudc-miior de segnnda classe Ciernen-
te Francilio Tavares, secretarlo do comraande des
te presilio, respeitoamenle eomparece perante V
S. pedlndo permlssio para replicar do de-pacho
proferido por V. S. na peticao qa hoje apreentoo
ApptUanH, o juizo : appellido, Antonio Hyapo- rqu?rendo a bomeacib de ara comelbo de mve--
Jito da Costa. 4 t'gacao para reconheeer de fados qne calnmnio-a-
BSUflCWIA crVEL.
Ao Dr. earador geral :
Dojuizo muatcapal do Reorfa.--Appella i*99 "!! 'fcf wellado, Dr. Akaro
fCametro Tanm da Silr.
atsTBiaeroSEs dies*.
Ao Sr. NMtoariaaor^SiUraoa
mete Ihe.so atribuidos ; os quaes, tendo feliz-
monte chegalo ao sen conhec'menio em lempo'
julgon de (I) Aie hoje nana dase a pesnoa alguma quera
me havia contado c qaa se tramara contra mim.
mas como ? j nao eburnos em Fernando, nio ai
qae recnar persagaifits.
Estrada de ferro de Liroeiro.
Sioto qae o artigo do Sr. Dr. Boarqde de Ma-
cado, poblicado no Diario de hoje, anda me tra-
ga a imprensa.
Nunca tive intenco de me envolver as questoes
aa estrada de ferro do Limoeiro, e apenas proco-
!k' e'viar ** assembla provincial o odioso que
me1 osara das paUvras do Sr. Dr.,Buarque
Por oonext, de assumpto, jrfcidentea>ente to-
quei as occorrencias que precederara ao contra-
to feito ; mas o Sr. Dr. Buarque querendo levsr
ras para a discusso ampia desse contrato, coa-
ge-me a dizer sobre elle poucas palavra?, sem com
ludo (azer-me cirgo de satisfazer os seas desejos.
Nao tenho interesse publico nem particular qae
leve a tomar a peitq este negocio, com outros
qne o Sr Dr. Baarque deve liquidar suas comas.
Por esta razio presciadirei de apreciar todo o
artigo do Sr. Dr. Buarqae, firei'sobre elle as ob-
serva coas q e nio posso deixar de fazer.
Me importa pouco qae o Sr. Dr. Buarque retire
oo i,r Bario da Soledade a qualidade de bomem
ue bem, que geralmente se Ihe atiribue.
Nem consinto que se diga que irrogaei injuria
ao }>r. desembargador Assis Ro;ha. Em relacao
a este Sr. alludi apenas as cirenm tancia que se
aeram na execucio do contrato em queslio, tem
me referir a pessoa alguma; e nao posso acceitar
a respoitsabiiidaie das injurias que, de3sas cir-
cura-unciaspossa resultar a alguem.
Me parece, entretanto, qne o Sr. Bario da Sol
dade, aeceitaodo bazas da nm contrato imposto
pela administrado, nio podia calcalar que elles
r>ssem taes que lornasse inexequivel a ua exe-
cucao. Era boa f as acceitou, embora vise que
eram asss rigorosas.
Alera dis-o nio era de suppor que a adraiois-
tra^ao, por qa.lqaer motn, pretendesse inutili
sar ou parausar a idea de ora melhoramenlo
graadioso.
Na posicio do Sr. Bario da Soledade, acredito
eu, se fojeitaria qnaiqner outro, sem quebra da
sua qualidade de bomem de bem.
Neste supposto, comiedo a pensar que o Sr.
Or. Buarqne flrmt-se em argumentos improce-
dentes, e nao se offender qne Ihe diga,sopbisma
e enreda a questao.
A circumsuocia de levarse & hasta publica o
eontraio, e depois de abertaa as proposia% em
vez de ser acceita a mais ravora'd, estabelecer
se entre os concurrentes nm leilio, nao importa
meio de Iludir a concurrencia T
Se isto-se fez no contrato Sol Jado, quem illa-
din a cooewrenoia ?
Podi, por tanto, no p em qne eslava a qnes-
tae, considerar a assembla razo procedente esta
da concorrencia t
Eousnda*,0orn, o Sr. Br. Buarque qae o acto'
O Sr. coronel Jos Angelo de Moraes Reg, ex-
comraandante di ilha de Fernaodo, era urna pu-
blicaci que se l no Jornal do Recife, de 11 do cor-
rente, no periodo que trata da disciplina, dizque
s cucootrou fidelidide em um empregado, que
nunca vacilloa em prestar-lhe o sen concurso
sempre qua se fazia necessario.
E diz maito bem I sim senhor I
Sem muiti trabalho, sam grandes escavaco9s
descobie-se logo, qae o empregado fiel a quem o
Sr. coronel Rogo se refere, o Sr. capito Joaqun)
Antonio de Moraes, que servia o lugar de major
da praca, por que tinha sido nomeado major da
proco ; e portanto, sendo elle, nerguata-se : o Sr
capuao Joaqaim Antonio de Moraes, fiscal da in-
teira ezecufo do regnlamento, (ArL 5.) ao tempo
?|Oe os mais empregados untura rogados de anio
aijo e mandioca nio tinha lamben) o reu ro-
bado T
A companhia de sentenciados dirigida pelo sar-
gento Penira de Alencar era que rogado trabalhou
as oceasi533 de limpar a colheita o anno passado?
Para que empregado foi qne o mesmo satgent)
Alencar trabalhou com a companhia slgans dia*-
do mez passado (o Sr. coroael Reg era o cora-
mandante) na manufacturarlo de farinha de man-
dioca, e de qae rocado foi tirada essa mandioca f
Q.ian lo as familias dos empregados mandaram
em ontros lempos, vender bolos pelos sentencia-
dos camaradas, a do Sr. capitao Moraes, fl-cal do
presidio deixava de fazer o mesmo ?
O ncada do 8r. capito Moraes era menor do
que o do Sr. lente Francilio Tavares?
O rogado doSr. Tavares era no terreno do San-
cho, onde era o do Sr. capito Joaquim Antonio de
Moraes.
Ha algum empregado'em Fernando que estandi
ali o anno passado deixasse de ter o seu rocado
tratado pelos sentenciados as occasioes preeisas,
por coosentiraento do cammandante ? Ha algum
em cuja casa nao se flzesse bolos, cangieas ou ou
tras vendas ?
Se crime ter plantagoes como o Sr. coronel
Moraes Reg consenta qne plamassem era grande
escalla os sargbotos paisanos Madeirae Bitencourt
que sio empregados ?
Os rogados destes dous sargentos serio menores
do que os que tivenm em outro command 1 o l-
ente Clemente Tarares e os mais empregados 7
A que classe. pertencem os individuos que tra-
balharam nestes dons rogados moustros, admira-
dos pela commisso quando examinou as planta-
enes T
Feitas estas perguntas, e emquanto nos respin-
dem, diremos para concluir, qne nailha da Fer-
nando, 1onge das vistas do gorerno, a jastiga a
vontde absoluta do commandante ;vai d'aquelle
qae oasar ir de encontr ella ; eK porque f im-
pera a vontade de>te como sabido, resulta que,
o que crime de torea para o inimigo do com-
mandante, virtude, relevante servico e d ai di-
reito a commendas para o amigo ou instrumento
deste I
E assim de va ser. U monde marche I
Recife, 12 de maio de 1871.
da Soledade.-Segnn.lo afirma o Sr. Mal* Reg,
e orna calumnia qua* aWWfeca resposla. O in-
jurioso reca tambero sobre o Sr. Bar da Sol-
dade, que eeriamente nio consentir qne se jogne
com o seu silencio. ,
E o que me cumpria dii-r.
Recife 12 do maio de 1871.
Francisco 'de Assis P, Rocha Jnior.
Agradecimento.
Vendo a imprensa eamprir nm dever dgrat',-
dao para com o Sr. Dr. Ignacio AleibiadM Vellozo,
e perante-o publico render um tributo de home-
nagem a scieocia deste medico tffnstre justo ere-
dir da conliang geral.
Vi com pr funda magoa minna filh'a de idade
12 anoos, soffrendo um mal to doloroso, que avis-
ta de diversos caracteres d fferes qua se des-
envnlveu no correr de 30 dias, j havia perdido a
esperanga de a ver boa, es que por Deus chamei
ao Sr. Dr. Vellozo, e este impugnando -o desvello
e cuidado de que dolado, fcilmente conhecea
o mal, e tio acertado andou que felizmente acha-
se minna querida fllha reslabelecda.
Receba, pois, o Sr. Dr., (perdoanlo me se offen-
di a modestia de S. S.) o agradecimento verdadei-
ro de ura pai rocoohecido.
Recife-1871.
Antonio do Espirio Santo Sena.
D. Rila Mara Firmina de Almeida, seus
filiaos e genro, faltariam ao mais sagrado
dever se nao viessem do alto da imprensa
agradecer ao Sr. Dr. Cosme deSi Pereira
o i iteresse e zelo que lommi por eu falle-
cido marido, pai e sogro Joaquim Lose de
Almeida, durante todo o lempa da mo-
lestia que o Jevoa ;i sepultura, espe-
cialmente o carinho e assiduilade que em-
pregava para aiviar o doente do seus gra-
ves incoiamodos. Com esta declaragoex-
pontanoa nio qnerero, nem dosejam a vinva
e seus filbos offender ao Sr. Dr. C sme de
S Pdreira, mas sim palentear ao publico
sua eterna gralido e reconhecimento tio
Illustre cavalbeiro, qu5o deslindo medico.
NOVEjANNOS DEC0MTI.1UADOS TORNENTOS
Jos Vicencio fl Mh Joan Vicencio, de PueWa,
depois de haver soffiido incalculaveis tormentos
r.elo espago de 9 annos, fui radicalmente corado
d'uma escrfula maligna dentro de poneos mezes,
com Elixir preJiso da vida e antidoto irreisiivel
do veneno do sangne, a salsapanllha de Bristol.
A molestia qne havia principiado da junta do cal-
cauhar, rhagi-u subir a aosolhoj. Os mdicos-
todos diziam qne era orna terorridade o mppor-ae
que houvesse remedio algara capaz "de savar 0-
doente. E com tuda, esse horrivel caso de escr-
fula hereditaria snccnmbio ante o erande-especfi-
co vegetal. A carta do pai do joven ao Dr. Bris-
tol, um dos documentos mais notaveis qae ja-
mis se chfgou publicar. E esta nao man de
que urna untca prova entre as milbares deltas qne
acredtala <|ae nenhuma molestia externa e ma-
ligna, quer exista na pille, quer as glndulas,
na carne ou nos masculos, pode resistir as salut-
feras e maravlhosas virtudes desta preparagio in-
comparavel e vivificadora.
COMMERCIO.
THE ALLI.VNCE BRITISH 4 FOREICN.
Lifa and Fire As-urance Company eslabekfida
m 1824. Capital 3,000,000
Os agentes desta companhia tomam segaroe
comra fogo sobre prodios, gneros e fazendas e
pagam aqui prejuiz<>s devdamente provados.
Rabe Schmeltau Corpo Santo a. 13.
fHACA 03 RECIFE 13 DE MAIO
DE 1871.
AS 3 1/2 HORAS D.V TARDF.
Cotaces ofi'iaes.
Acgoes da Companhia Phenix Pernambucana^30
0(0 de premio.
de Janeiro 15 d|V l|2 OjO
Cambio sobre o
de descont.
Rio
n. G. Stepple.
Presidente.
P. J. Plato,
Secretario.
ALFANDEGA
eodimeato dodia 1 a 12. .
dem do dia 1-3.....
360 VWM-
30O:fOo88G
HovSuiCitio da alfandefa.
v'oiumes entrados com fazendas
< com gneros
/olnmes sabidos com fazendas
com gneros.
26
143
iw"
272
------ 438
171
Deecarregara hoje 15 de maio.
Patacho nglezAlbertomercadorias.
Lugar nglezUnionideni.
Brigue inglezLauracarvo e canos.
Patacho inglezAliciavarios gneros.
Barca ingleza Witch of ihe Teign idem.
Patacho americano Gnelavarios gneros.
Despachos de exportaedo no dia 12 de
maio.
Na barca sueca Ostendia, para Liverpool
carregaram : Rabe Schamettau 4 C. 210 saecas
eom 14,-320 kilos de algpdio.
No vapor inglez oTnda, para Liverpool car-
regaram : Saunders Brothers & C 40 saccscorH
7,486 k lis de algodao ; James Ryder 4 C. 93 di-
tas com 17,351 ditos de dito : Saauel P. Johs-
ton 4 C 1 gaiola cora 6 patativaa.
No brigae hespanhol /fosianfico, para BaY-
cellona carregou : P. M. Maury 87 saecas com
6,336 kilos de algodao.
Na esenoa ingleza lsmene, para o Canal edr-
rpgaram : Thomaz Jefferies 4 C. 100 saceos Coto
7,300 kilos de assacar mascavado.
Na barca portugueza Vencedora, para o porto
carregaram : Joaquim Rodrigues Tavares de IW-
lo 100 saceos com 7,300 kilos de assacar masca-
vado ; Jos Joaqaim da Costa Maia 3 saacos com
170 kilos de caf.
H.
Estrada do Limoeiro.
(a) Vja-e o cffloio de 13 de outubro de iH .
dirigido ao commando das urnas pelo comman confundir-me por sua propra digaidada.
oaate da Fernando. ( Coaccio inlecente que Impoaeram ao Sr. Baio
A proiwsto de ter a assembla, sem attendjr a
lei que regula os contratos, modificado o celebrado
com o Sr. Bario da Soudade, lem-se empenhado
discusso entre 03 Srs. Baarqua de Macelo, Pe-
dro Affmca e Mello Reg.
Os dous ltimos senhores, para explicaren) o
procediineoto regular da assembla falsia.n a ver-
dade ; e maliciosamente procuran) ferlr o Sr. de*
zembargador Assis Racha, perante quem se effee-
tuou aquello contrato.
Com o intuito de restabelecer a verdade, decla-
ro, que as clausulas do contrato foram primitiva-
mente apresentadas, consultndose de preferencia
os interesses da provincia, e sobre ellas cada um
dos concurrentes propoz modiucaeSes, que servi-
rn) de baga a nova concurrencia, dando-se prefe
rancia ao contraanle, qua a ellas se sugeiton, cer-
tamente por qae eram exe}ulfeis.
Se esta nio a verdade, que me contesten) o
Sr. Birao da Soledade, o Sr. Bario do Ltvramenlo
oa o Sr. Dr. procarador fiscal.
Desde que o Sr. dezembargalor Assis Rocha
procedeu com severa impaicialidade consultando
de preferencia os interesses da provincia, e effec-
tunu o contrato com pessoa que eslava ein ton-,
dignes de contratar, nao pode ser censuradv
Anda nio se tioha visto censurarse o presi
dente por telar os interesses da provincia I
Vi, aioda ha ponco, oen$urar-B o contrato
Mornay, roas por oneroso, por yer desfavoravel a
provincia ; e o SrDr. Pedro (Laso foi om ooj
3ue mais censnrou ; e hije censura o contrato,
o Limoeiro por ser favuravei a proviaeia I I
Se Dio por isso, eertameote por ser favora-^ 1
vel ao sr. Bario da Sol toda.
0 Sr. Padro Affonjo tem necessidade de expli
car quaes foram a difUaaldades acerbas era que
collucou o Sr. dezembargador Asis Rocha os lici-
tantes.
Deve >aher qne as reticencia} aceresceniada
a aquellas palavra, sao una jraissima triTiwij
e nao sosia eoasemir ara taoMlhante iaiullo. 7
Espero que >. S. nao ha de querer auar por,
nm Joviano, oa detractor ha de vr lmprea
TABELLA dos PRBgos gbnebos sdiitos a d-o
nBITO DB KXPORTAgO. SEMANA DB 13 A 20 0
MAIO DB 1871.
Mercadorias: unidades.
Abanos.........dnzia
Algodio em carocp.....kllog.
dem em rama ou em lia. >
Carneaos vivos.......om
Porcs idem. .....
Arroz com casca. .... kilog.
dem descascado ou pilado
I
!

V-

Assucar braoco
[dem mascavado. .
dem refinado .
Sallinnas ....
Papagaios .
Azeite de amendoim
obim. t. ,
dem de coco *. .
(dem de mamona. .
Batatas alimenticias.
Baunilha .....
Bobidas espirituosas
Agurdente cachaca,
fdrm de canna ......
dem genebra......
(dem resillada .......
dem alcoqj........
fdera ceiVeja......
Idemvnajro .......
dem vraho de caj.. ,
Bolacha fina, comprehendidos oa
biscoftZs........
dem ordinaria, propra para
embarque........
Caf bom.......
(dem eseolha oa respHw .
dem torrado oti molda .
CaJ braifca........
m preu ....
secad f arque ).
'o tegaial.......
ara aznaralU. ^,a.
t. am orato. .

.... *
....
. ama

oa men-
.... litro
.
. >
. kilog.
. i
etermentadas:
. litr.

.....
. .-.
.
. >
kilog.
sala**'
c2b)




jiariu" (i* Tyrlffli
SL**
iia nrj;. Km&rfc r7i!
i

\
um
kilog.
>
duzia.
kilog.
260
350
104000
1*133
784
3*180
48*000
24*000
12*000
16*000
12*000
136
681
92
272
3*000
320
1*090
613
631
545
2*180
170
1*703
60*000
360
1*500
5*000
95*000
3*000
12*000
6*000
10*000
103
5*000
6*00(1
um 16*000
dem idem verde*
dem da cabras eit
dem d otea .....
Doow em calda ...
Ideas em gatea ou massa. .
dem soceos......
Espaa dures de peanas grades
dea* pequeos......
tMM de paiha....... >
EaWrasdecaruaiba .... tent
Hm propria para forro ou estiva
*>.navio. .
Estopa uacional ....
Farioba de aramia .
dem de mandioof.....
Fajjap de qualquer qaajidade.
romo chaeutes ...... centro
dem cigarros......
Wwb era folha bon kilog,
Mea em folha, ordinario ou re-
saib ........ .
dem era rolo e eiii latas bom
Ideas, ordiariooc.restolho.
Rap...........
Gomma de mandioca, (polvilho). t
Ipecacuanha ( rain).....
ilgico (toros)......dazia
Caibros ........um
Enxams........ >
Freehaes........
Jacaranda (eoucoiras) duzia
Lenha um adas......cento
dem em 'loros......
Leonas e estelos......um
Laura (pranchoes). ....
o Brasil........kilog.
dem de jangada......um
Qairis ......duzia
Vinhatico costadinhe de 23 a 30
miMimetPos de grossura. .
dem pranchoes te dous costa-
do* al 50 millinietros de gros-
sura .......
dem taboado da menos de 25
millimetros de rossura .
Taboado divn......
T;iiajuba........
.........
Varas para pescar.....amia
dem para agutnalas ... <
dem para canoas.....- urna
(iwrnas de suoB|)ira(em obra)
Ws d ele upirspara carro. par
Meiaeo j ... kilog.
Mel de abelha,......
Milho..........
seos ....... f
Pltt de carnauba.....molhos
Per Irn-.........kilog.
Pudras de amolar .....
fcfem de filtrar......
dem de rebollo :
Pennas de orna. ......
Piassava.........molhos
Ponta3 ou chifres le novilho ou
vacea.........cento
Sabio.........kilog.
SaL........, >
SalsaparrUha.......
Saxatos de couro tranco. par
Selw eu grasa emrama kilog.
Idein em velas. ......
Sola e vsqueta.....,
Tapioca. ...;....
Ornas de boi.......cento
Vassonras de carnauba duzia
dem de piassava..... >
Hunde imb. i >
Alfsndeg ae Peinambuco, 13 de maie de 1871.
O 1/ conferente. Franciso Affonso Ferreira.
5 1.* coofaretteManoel Soares Fortuna.
Approvu. Allandega, 6 de maio da 1871.
Pats de. Anirae.
Conforme.Joaquim Tertuliano de Medeiros.
BECBBEDORIA DE R8NDAS INTERNAS
GERAES DE PERNAMBUCO
eodia-mto do da i a 12. 50:477*430
dem do da 13...... 985*127
Alfeudega de Peruambuco 13 du' maio de 1871
O chefa da 3" seceo,
L. de C. Paes de Andrade.
Faculdade d direito
De ordem do Ixm. Sr. eonselbelro viee-diree
tor. feoi publico que em razao da congregacio de
8 o crreme (orara abonadas as faltas dalas pe
los alumnos desta faculJrda no prximo Halo raez
de abril, a excepcao das seguales : na 1' cadeira
do 4' anno Praueisco de Borja e Oliveira cid,
sendo asa de sabbatiaa ; Manoel Menelio Pinto
nove, sendo una de sabbatiaa ; Elisio Alborto da
Silvelra seis, sendo ama de sabbatiaa; Alexandre
Gomes Ferrao de Argollo nove, sendo urna da sab-
batiaa ; Eugenio Telles da Silveira Pontos aove,
sendo urna de sabbatiaa; e Feliciano Euzebio
Oas dos Prazeres nove, sea lo urna de s tbbatiaa ;
Secretaria da taculdade de direilo do Re:if.i 13
de maio de 1871.
O secretarlo,
Jos) Honorio B. de Menezflg,
Deca de Aquiao Foaseoa, cavalheiro da imperial
ordem da Hoea, lente coronel commandante
do 1* balalhio de ariilharia da guarda nacional
do rauQicipi i d j Reeife e presidente do oooselbo
de qaallcacao da paroeha de S. Fr. Pedn Gon-
Qlves.
Fco saber que de conformldade com as iostrnc-
c5es de 21 de oulubro de 1830, e decreto c. 1130
de 12 de marco de 1833 nos ariigos e 9*. reu-
r oara ojMeDhaaf nreniMos o?
da arf?d"euU)j, e vista dos
respetiva !
Burgos e A
recibos e pap
quaes tea de se Ibes mi
Recebedoria 13 de ra.
Zifrdor,
Jos Titeara de Sena.
ooTsI SlWmrT
5/1.
INS
De ordem'
reo de
da 21
duzia

kilog.
ama
20*000
1444000
96*000
33
6*000'
2*400
6*000
1*000
3*500
33
3
68
16
1*000
817
31
18
34
4*796
160
2*800
348
10
2*043
800
340
476
1*200
204
380
768
1*200
960
21:452*557
CONSULADO PROVINCIAL."
fliidimante d da 1 a 12. 35:809*250
dem do dia 13..... 828*108
36:637*358
KM

PRACA DO RECIFE
6 DE MAIO DE 1871 AS 3 HORAS DA TAHDB.
m:viwti E.n.i\iL
Aanoz.O pilado da Iadia veudeu-3e a 2*500
por arroba.
Aeitk-docbO de Lisboa venden se a 2*800
por galo.
BacalhoVendeu-se relalbo de 14* a 17* por
barrica.
Batatas.Vendeu-se a 2*300 a arroba
Bolachinh.ys.Iiem a 4*500 a barriquinha de
22 libras.
Cafk.dem de 5*500 a 6*200 a arroba.
ck.v.dem de 2*200 a 2*800 a libra.
CaTEU.dem de 4*000 a 8*<)00 a duzia de
b*tij*9 ou garrafa;.
Kerosene.Vendeu-se a 6*300 a lata de
cinco galdes.
LodqaVendeu se a iogleza ordinaria a 280
por ceuto de premio sobre a factura.
Manteiga. A ingleza vendeu-se a 1*300 a
libra e a franceza idem.
Massas.Venderam-se a 9* a caixa em leillo.
Oleo de unhaqa.dem a 2*200 o galio.
Passas.dem a 4*200 a caixa.
Phescntos.dem a 16* a arroba.
Qoeijos.Os flameagos venderam-se a 2*800
cada um e o prato 720 rs. a librf.
Sabo Veodeu-se a 170rs. a libradoiuilez.
Toucinho. Vondeu-se o de Lisboa a 12*500
a arroba
Vinagre.O de Portugal vendeu-se de 120J a
12o* a pipa.
Vinhos.Os de Lisboa venderam-se de 200* a
230* e os de outros paizes de 190* a 220* a
pipa.
Velas..As de coraposicao venderam-se de 560
a 550 rs. o pacote de 6 velas.
Descont.O rebate de letras regulou de 7 a
lOpir cento ao amo.

MOVIMENTO DO PORTO.
Natos entrados no dia 13.
JJew-York, S. Toomaz e Para19 das, vapor ame-
rieaui Merrmack, de 2,999 toneladas, comman-
daateW.Wier, equipagem.73, carga trilhos e
outros gneros ; a Heory Forster 4 G.
S. Miguel dos Campos5 dias, biate brasileiro
Rosa, de 36 t celada?, eapito Joi Pelix de
zevedo. equipagem 5, carga leoha ; a Feraau-
;s innao.
Navios takdos no mesmo dia.
LiverpoolB^rca ingleza William WiUon, capillo
A. Wiison, carg, algod .
\ MontevideoPatacho brasileiro Peliciano, capillo
\ Francisco Dias da Costa, carga assucar.
\Rio Grande do Su Brigue nacional Fluminense,
V capio Antonio Vicente Juoior, carga assucar.
fcraptoa RiadiPateho inglez Azelia, cap.to
Harwey, carga assucar.
Navio entrado no dia 14.
Aracj, Pen-do e Maeei-20 oras, vapor bra-
sileir>i> Giqui, le 213 toneladas, comraaodante
Macen. equiparem 24, carga assucar ; cora-
. paohia Pernamtucaoa.
Navios sonidos no mesmo dia.
Rio de Janeiro e BabiaVapor americano Meni-
mack, commaoilaote Wur, carga parle da que
trouxe de New Tfork.
AracatyBarca iagleza Ocean Sprite, capitio I-
Hamf ird, era lastro.
BabiaPatacho inglez Osprey, capitio Taylor,
carga parte da iue troo ae New-York.
*Barca poiiugaeza Vencedora, capillo Joa-
qaira Minias df uliveira, carga assucar, alaodo
a couros.
Barcele*Brigue hespanhol Romntico.
Canal Escuaa ingleza Isme, capito W. Mere-
feeld, carga assacar.
ObsenxtfSo.
Fondeou oo lamarao orna barca, mas nao tere
commuaieacio com a trra.
At meio dia appareeia a leste um lugar por-
tuguez.
IDITAES.
-------
O inspector 4a ajfanlega ta poblico qne
ca transiendo para o di i tj do eorreWe, depols
do meso ou, a arremaucio d'5 'tm escaler cons-
tante do edltal de 8 .leste mez announciado psra
boje^que por falu de licuantes deixou de ir &
praca.
nir-se ha no dia 21 deste mez, na igreja matriz do
Gorrvo Santo, o conselbo de qnalifleaca) para a re
viso dos guardas alistados na respectiva fregu
zia.
E para que chegre ao coahecinvnto de t~dos e
a quera inleressar possa, maodei passar o prsenle
que ser publicado pela imprenta e afflxado nos
lugares mais pblicos da freguezia.
Quartel do commaado do 1* balalhio de artilba-
riada guarda nacional do Reeife 11 de maio de
1871.
Dacio de Aqoino Fonseca.
Facuifi d^ de Direito.
De ordem do Exm. Sr. conselheiro, vice-direc-
tor, faco publico que flea marcado o prazo de seis
mezes, contados da data deste, para a in. dos qne preleoderem concorrer ao lugar di lento
substituto desta Faonldade, vago pelo accesso do
substituto Dr. Aotoaio de Vascuucellos Menezes
16*000 a Drnmmond cadeira de que era proprietario
o conselheiro Lourenco Trigo de Loureiro. Pelo
que todos os pretndanles ao- dito logar p-dero
aprecentar-se desde j na secretaria desta Facul-
dade para assigoar sens nemes no livro compe-
tente : o que Ibes permitiido faser por procu-
rador, se estiverem a mais de viste leguas desta
cidade, ou tiverem justo impedimeaio.
Devendo outrosim apreseolar documentos que
mostrem sua qualidade de cidado brasileiro, e de
que esto oo goso de seas dirsitos civis e polticos,
isto certido de baptismo, folba corrida do lugar
de seus domicilios, e mais o diploma de doutor
por urna das Paculdades de direito do imperio, ou
publica forma, justificado a impo3iibilidale da
apreseotacao do original, e na mesma occasio po-
derlo entregar quaesquer documeotos que jul-
garem convenientes, ou como titulo de habilita-
rte?, ou como provas de ser vicos prestados ao
estado, bumanidade ou sciencia, dos quaes se
Ihes pasear recibo : ludo de crnfurmtdade com
os arts. 36 e 37 do docreto n. 1286 de 28 de abril
de 1854, e 111 e segrales do de n. 1568 de 24 de
fevereiro de 1855.
E para que ebegue ao conhecimenlo de todos,
mandn Exm. Sr. vicedirector afflxar o pre-
sente, que ser publicado as folhas desta cidade
e as da corle.
Secretaria da Faculdade de Direito do Reeife, 15
de maio de 1871.
O secretario,
Jos Honorio B. de Menezes.
elphim Luiz Cavalcaale Pessoa, capuo coraman-
dante interioo do 6* batalho de infamara da
guarda nacional do municipio do Recite e pre-
sidente do conseibo de qualifkacao da- freguezia
dos Afogados, etc.
Faco saber a quem nteressar possa, quo de con-
formidade com a lei de 602 da 19 de selembro de
1850, se tem de reunir no dia 21 do correte mez,
no consistorio da igreja matriz, o conselbo de qua-
litteaeo para a revisao dos guardas naclonaes,
alistados na mesma freguezia
E para que ebegue ao conheclmento de todos
mandei passar o presente, que ser publicado e
affixado nos lugares mais pblicos da freguezia
Quartel do eommando interino do 6* batalho de
infamara da guarda nacional do municipio do Re-
cite 5 de maio de 1871.
Delphim Luiz Cavalcaale Pessoa,
Capito, comraaadaute interino.
Perante a cmara mimcipal desta cidade,
estara em praca nos dias 15, 16 e 17 do crreme
para ser arrematada por quem menor pre$> offe-
reeer, a obra da coostruccao de um ardo e atier-
ro na nova estrada da Capaoga, avaliada em reis
3:330*000.
As pessoas que preteuderem arrematar, eom-
paregam no paco municipal em os referidos dias,
munidos de fianza.
Paco da cmara municipal do Reeife, 13 de
maio de 1871.
Bento Jos da Costa,
Pro presidente.
Lonreoeo Bezerra Carneiro da Cunta.
_____________________Secretario._________
O Dr. Sebastiao do Reg Barros de Lacer-
da, joiz da direito especial do commer-
cio desta cidade do Reeife de Pernambuco
por S. M. I., etc.
Faco saber pelo presente que ao dia 1 de
juho do mez vindouro se ba de arrematar
por venda, a quera mais der em praca pu-
blica deste jaizo de wis da audiencia respec-
tiva, a parte que possae D. Gertrudes An-
glica Joaquina no sitio denominado Olbo
de Vidro em Parnamerim com casa de vi-
venda de sobrado de um andar, tendo tanto
no pavimento terreo como ni superior, duas
salas, quairo quartos. cosinba fura, bavendo
alm disso om gabinete no pavimento ter-
reo ao lado, tendo mais como dependencia
da dita casa orna senzalla, e co heira no
fundo, porm separados da mesma, cojo
sitio tem bastantes arvoredos dividido p9ia
estrada de ferro dos trilbos urbanos, que
o cortou ao meio, alm da casa de vivend\
existe urna outra na heira da estrada cima
referida a va liado tudo p >r 12:000.->, sendo
a parte que possae a referida D. Gertrudes,
do valor de 5:224;>108, em virtude da con-
ta porpocional feita pelo contador do juizo,
e vai a praca por execuc3o do bacbarei
Joaquim Francisco de Miranda, contra a
mesma D. Genrudes Anglica Joaquina; e
na falla de lanzadores que cubra o proco
da avaliac5o, ser a arrematarlo feita pelo
prego da adjudicado com o abatmento da
lei.
E para qne ebegue ao conhec;mento de
todos mandei fazer o presente edital que
ser affixado nos lugares do eostume e pu-
blicado pela imprensa.
Dado e paseado nesta cidade c^Recife
de Pernambuco aos it de maio 87I.
Eu, Ernesto Machado Freir Pereira da
Silva escrivSo subscrevi.
Sebastiao do Reg Barros de Lacerdi.
Joaquim Jos Silveira, teaaoie-coronel comman-
dame do 1 balalhio de infamarla da guarda na-
cional do Reeife, e presidente do conselbo de
qaalcaco da parochia de Santo Antonio des-
ta eidade ete.
Fago saber qae no da 21 do corrate as 9
horas da manha ser ioslallado na forma da le
e seas regulameotos, o cooselho de qualiflcacib e
revisao da guarda nacional da mesma fregactia,
e funeciooar no consistorio da mesma mairii.
Quartel, 13 de maio de 1871.
Joaquim Jos Silveira.
Tenente-coronel Presidente.
DECLARACOES.
O lancador da recebedoria desta provincia
abaixe ssign do tendo de proceder ao laacanwn-
to sobre Industrias e proftssdes, pessoal e da d-
cima addiciunal dos predios das eorporacSes de
mo morta para o exercicio de 187172 previne
aos donos de estabeltcimenlos, offieinas. fabricas a
moradores da travessa da Madre Deus, roa dos
da Exm. Sr. Inpeotor fago pihlice
que acha-se mareado anto de 60 ias, a can-
tar da dita do preseoj^pra concuo a fH se
vai proceJer oena iotfntjko pata pseaacbjpento.
Ja vaga de um lugar de amanueose da secretaria.
Os preteodeotes devero a^crever-se o- men-
cioBado praso, e habiltaf<> Ibes, de conoraiidade cou o regi.,*m>eBW de !5
de maio de 1869, sao :
Prora do bom coroportamemo'e t Jdade de *8
aunes, pelo meos.
Mostrarem no escrever boa leira e coohetvma'
1-) perfeitoda gramrnatiea e liogaa nacional, adh."11
como da arilhmeiica at a theoria das proporcS t
inclusiva mente.
lnspecoao do arsenal de marinha de Pernambu
co, 29 de abril de 1871.
O secretario,
Alexandre Rodrigue dos. Anjos.
P*r^nhecimen^i#lgB.iauf*4ar p^a, que
te?ado Pfe,*ncia ;f(r pitarlo edificio do
Mo publico, apresenlndo peto leu engenheiro,
* aos pretwidentM para presentaren) saw
gatas no praso de 30 lias, aflm de se levar'a
<^^psua coa-lraccao.
da iJ/V* CaaWr* muBW^*, **cif Beato Jos* di-Ccsia
Pre prassfcnte.
Lourengj Bexerra Ctteiro da Cunhi
____ Secretarlo.
Eiscalisac3o da freguezii ofoQo da Pa-
nella' 10 de maio de 1871.
Acha-se depositado nesla flscalisaco um caval'
lo de cor alasao que foi safado dislruindo lavou-
ras em um sitio no Arraial ; quem se julgar com
direito ao mesmo compareca oesta fiscalisaco,
que pagando os direitos que marca a lei lbe ser
entrego*.
O fiscal,
________Stbislio ABonso do Reg Barros.
Subdelegada de S. Jos desta cidade
do Reeife.
Pedimos ao digno subdelegado por sua bondade
de dar providencias para nao continuar urna
3uantidade de homens que apresenUm-se estaca
os em duas quinas do paleo do Terco, ama do
seco do Dique e outra do beco amigamente eha
ni-do da Lenha, proveniente de duai vendas que
lera ambas as quinas, que vivem a insultar toda
e qualquer pessoa que pssa no referido pateo,
ou a travesse de um beco para oulro a lutarera
pasquins e assoviaoio ; e alguns do* ditos senta-
res a chamar milito serio aim de que volte para
perguntar por pessoas auzentas, e em respurta
do empurroes em pessoas de considerado que
com prudencia scffrem. Esperamos serroos atten-
didos pelo Ilustro subdelegado da referida fre-
guezia._________________
Santa tasa de Misericordia
do Reeife.
Pela secretaria da Saota Casa se faz scieote que
ao dia 15 do correle, oAs 9 horas da manha o
IIIm. Sr. thesoureiro interino major Laureolino
Jos de Miranda, oo salo da casa dos' expostos
far pagamento s amas que conduzirem os me-
ninos que esto criando, das mensalidades relati-
vas ao trimestre de Janeiro marco fiado.
Secretaria da Saota Gasa da Misericordia do Re-
eife, 6 de maio de 1871.
Oescrlvao,
Pedio Rodrigues de Souza.
Consulado de Franea eu Per-
naiubneo.
As pessoas que teem relogios retirar da relo
joaria do Sr. ADglade, e possae- algans qne elle
dava durante a reparaco dos seus, queirar com-
rarecer aos dias 15 e 16 do correnta (21 e 3" feira)
das 2 horas as 4 da tarde ; preveniodo se que
nao se aceita, depois deste praso, mais reclama-
coes._________^______
lauta Casa de Misericordia do
Recite.
A Illma. junta administrativa da Saota Casa da
Misericordia do Reeife tendo de reconstruir o pre-
dio que possue o patrimonio dos estabelecimenios
de caridade ruada Moeda, com dous andares e
solo, transformando-) em oatro de um s
|ue coatenha dous armazens, um oo pavimento
terreo e outro no sobrado, precisa contratar a
factura dessa obra com quem mais vantagens
offerecer, tomando-se por base a qnantia de
5:0003' 00 j proposta por um individuo ; poden-
do o cootratante aproveitar do auligo predio o
materiaes que forera julgados em bom estado.
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do Re-
eife, 6 de maio de 1871.
O escrivo,
Pedro Rodrigues de Souza.
SANTA CASA DE MISERICORDIA DO
RECIFE
A Iilraa. junta administrativa da sama casa de
misericordia do Reeife precisa contratar qualquer
pharmaceatieo approvado para ejercer o lugar de
boticario do hospital Pedro II, mediante condicoes
qae serio] patentes aos interessados nesta secre-
taria.
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do Re-
eife 12 de maio de 1871.
O escrivio,
Pedro Rodrigues de Souza.
Previno aos Srs. moradores da ra da Ga-
deia abaixo mencionados qae se acham collectades
para pagar o imposto pessoal no exercicio de
1871 a 1872.
'Ra da Cadea.
Contribuales Valor locativo
N. 3.Jos Joaquim de Castro Moura 240*000
dem 5.Dr. Antonio Gomes Tvares 200*000
dem 25.Maooel Antonio Vieira 500*000
dem 47.Carlos Halhdy 200*000
dem 49 Affonso Xavier da.Macedo 300*000
dem 55.Antonio Gomes Pires 400*000
dem 55.Manoel de Azevedo Pontes 300*000
dem 59.-!VianQa & Guimares 805*000
dem 2.Angelo Roque 300*000
dem 4Manoel Joaquim da Silva Rios 2405000
dem 12.Domingos Manoel Martins 300*000
dem 30.Joao Rodolpho de Miranda 360*090
dem 38.James Tompson 300*000
dem 38.Viuva de Joaquim da Costa
Moreira 600*000
dem 40.Rocha Lima de Guimares 200*000
Iiem 46.Frederico Pinto 240*000
dem 52.Bernardo Jos de Araojo 400*000
dem 58.Jos da Silva Loyo Jnior 800*000
dem 64.Dr. Ermiro de Souza Cou-
tinho 500*000
Reeife, 10 de maio de 1871.
O lancador
Jos Theodoro de Sena.
raizo nos felfas da fazeada
nacional.
De ordem do Exm. Sr. Dr.. juiz dos feiio da fa-
zenda, faco constar aos arrematantes das compre-
heosoes denominadas Caric e Pangan do extrac-
to vinculo do Itarab, que loes tica manado o
praso de 30 dias para presiarem as devidas hypo-
thecas, a assignarem as respectivas letras na tbe-
souraria de fazenda, sob pena de ficarem sem
effeito as mesmas vendas.
Reeife 4 de maio de 1871.
O escrivo,
Luiz Francisco Brrelo de Almeida.
Previoo aos donos dos estabeleci meatos da
roa da Cadeia abano* mencionados que foram col-
teclados para pagarem o imposto sobre industrias
e profissSes no exercicio de 1871-1872.
Ra da Cadeia.
Contribuimos Valor locativo
N. 1.Silva & Cardoso, mercador por
grosso de fazeodas
dem 3. Jos Joaquim de Castro
Moura, emprezarn de escriptorio
de commissoes
dem 3.Joaquim Baptista de Aran-
jo, merctdor de ronpa do pan
dem 5. Dr. Antonio Gomes Tavares,
medico
dem 9.Manoel & C, fabricante e
mercador de' chpeos de sol
Estevo da Conha Medeiros, era pre-
zario de escravo de commissoes
dem 25.Maooel Antonio Vieira,
mercador de louoa fina de porce-
lana
dem 59Vianua A Gaimaries, mer-
cador por grosso e miado de fer-
ragens
dem 1 Silva A Cardoso, dem,
idem da fazendas (Deposito)
dem 4.Antonio Valentim da Sil-
va Barroca, mercador por grosso
de fazeodas
dem 60.Tboraaz Teixeira Bastos,
mercador de perfumaras (.topo-
silo)
Idera 64.Dr. Ermiro Casar Contl-
nho, medico
Reeife, 10 de maio de 1871.
O lancador,
Jas IVodav de geni.
300*000
200*000
240*000
100*000
360*000
180*000
900*000
1:000*000
300:000
1:100*000
1:200*000
100*000
A cmara municipal desta eidade [ai paDlico
Consulado da Portugal,
Pelo prsenle se far publico que, tendo de pro-
C4der-se a liqoidafio do emoli do fallecido sub-
dito portugus Virginio Feife de Oliveira, o qul
consta de um estabelecimenl da molhados sito no
largo oa Santa Cruz n. 4 ; e que achando-se este
sojeito ao passivo.de 22:702*161 rs., para paga-
mento do qual, os raaiores valore3 que o espUio
lev"1' chistera em dividas; e que ten lo sido
aprf*vD,a(la Por alguns d?s eredores diquelle fal-
lecido, oO* proposta firmada pelo Sr. Joaquim
Ferreira Lok.;. nas seguales condices: 1.* trans-
ferir-se-lhe toOv 4tf-ailo j. massa do espolio para
elle liquida lo pof >2* coala odebaixo de sua res-
ponsabilidade;, 2.', CD'.'.gr se p igar a todos o\
oradores dj mesmo espotio W por .cento de seos
oraditos a pratos de 4, S, M ii mazes; 3.', ga-
rantir o pagamento com Jeiras tetiii" Pr *Ha e
garantidas pelo Sr. Jos Lop.-'s Alheiro ; 4.*, obri-
gar-seao pagamento de Mas as despezas delo-
ventsrio "do espolio, d impostas a que eetiver su
j iio o estabelecimento, de alaguis de casas, e de
ordenados de caixeiros, de enterro e de tratameulo
luedico.do finado ; o quo leodo sido es la proposta
aceita por lodos os eredores que a afsignaram ;
as^in se Ui constar, para une dentro de prazo de
qaalro dias, contados da dala deste, qualqaer ou-
ira pessoa que pretenda liciur sobre a massa do
mesmo espolio, o possa fazer, tomando como base
a prposia aeima referida, enviando as propostas
que pretendan) fazer, *b as condicoes acuna de-
claradas, em carta fcctiadn, i este consulado, e
compareeendb no mesmo dia sO do correle s 11
hora* da manha, allm daserem abaras as snas
propostas, e dar-se conbecim'eifto dVllas aos ere-
dores 4p dito Virginio Freir de Uliveira, que para
este fio, e para o de relrem sobre a aceltacio
das raasmas praposias, a da garanta dada s ellas,
sao pele presente convidados tambem a compa-
recer.
No referido prazo de quatro dias pode qualquer
pretndemela licitar na liqaidacjio da maiea do
mencionado espolio, examinar oeste consulado o
bataneo do seu ac*'o e
Reeife, 13 de maio de 18
Jonguim Femandes de Sonto.
AilininisiiMi-ao do crrelos de
Pernambu co 15 de malo de
1891.
Mala pelo vapor Jaguar be da Compaakia Per-
nombtscana.
A correspondencia que lein de ser expedida hoje
(15) pelo vapor cima mencionado para os portas
do norte at a Graoja, sera receida pela ma-
neira segrate:
Macos de jornaes, impresso3 de qualquer natu-
reza.-e cartas a registrar at as 2 boras da tarde,
cartas ordinarias al as 3 horas, e asas at 3 !r2
pagando porte duplo.
O administrador,
Affnnso do Reg Barros.
MaranhSo.
E*li carta p>."a 9 porto acin o palhabote
Garibaldt: tratar Com Ta!S0 fr405 & c-> a
raa do Aoorim n. 37. .'.. .
WNt^k
^wm
Companhia americana e lirasilri -
ra de paquetes a vapor.
At o dia 1S do correte esperado de New-
York por S. Thomaz e Para o vapor ame-
ricano Merrimack, o qual depois da demora do
eostume seguir para os porlos do sul.
Para fretes e passagens, trata-se com os agen-
tes Henry Forsler & C, ra do Commercio n. 8.
AVISOS DIVERSOS.
*" Precifa-se do ama amrpara servico domes-
tico de casa de pouca familia : na ra Da^ua de
Csxias n. H. ontr'ora ras das Cruzes.
rerguta innocente
. Porqaa ai o da se spera para nuGrf o hm-
clmeDiJ ,de medicamentos para a enfermara mili'
cidade ?
tar permanente
competir. .
de? la
Respjoda
LEH.0ES.
Idmiaistraco dos crrelos de
Peruaro.buco 15 de dalo de
lStl.
Mala pelo vapor Mandak da companhia Per-
nambucana.
A correspondencia que tem de ser expedida hoje
(15) pelo vapor cima mencionado para os porlos
do sul al Aracaju", ser recebida pela maneira
segainte:
MaosdeieTnaes, irapressos de qualqaer nata-
ttix i Clftas a registrar at 2 horas di tarde, car-
tas ordinarias at 3 horas e estas at 3 1|2, pagan-
do porte duplo.
O administrador,
Affonso do Reg Barros
THEATRO
Seguoda-feira 15 do crranle, ao meio da.
O agente Pinto levar novamenle e pela ultima
vez leilao por despacho do Uro. Sr. Dr. juiz
especial do commercio as dividas activas da
massa fallida de Cypriane A vs de Souza,
na importancia de 3:151*110, servindo de base a
offerta oblida no leilao do dia 11 docorrente.de-
veado oaquella occasio effectuar-se a venda com
quem melbor offerta fizer.
O leilao ser effeciuado ao meio ia do da 15
do crreme, na loja da ra do Imperador n. 30,
por occasio do leilao do espolio do francez An-
glada.
(REPERTORIO DE OFFEMRAGH)
Os espectculos tero lugar ln
?arlaTelnente nas
Tercas,
lualas,
Mabbados,
Domingos
AVISOS MARTIMOS.
DE
Paquetes a Vapor
Dos portas do sul esperadi
at o dia 22 do correte, o vapor
Paran commandante Carlos Go-
mes, o qual depois da demora
do eostume seguir para os por-
tas do norte.
Desde j recebem-se passagelros 8 engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir, a qual dever
ser ambareada no dia de sna chegada, encom-
iendas e dinheiro a frele at s 2 horas da tarde
de sua sabida.
Nao se recebem como encommendas seno ob-
j setos de pequeo valor, e que nao excedam a 2
arrobas de peso ou oito palmos cbicos de medi-
co. Tudo qne passar oestes limites dever sei
embarcado como carga.
Previne-se aos senhores passageiros quo suas
passagens s se recebem na agencia, ra da Cruz
a. 57, primeiro andar, escriptaro dj,Antonio Luiz
de Oliveira Azevedo & C.
COMPAMIA BRAS1LEIB
DE
Paquetes a vapor.
Dos porlos flo norte esperado
al o dia 27 do crrente o vapor
Toetntins, commandante F. Fran-
co qual depois da demora do eos-
tume seguir para os do sul.
Desde ji recebem-se passageiros e engaja-se a
carga aje o vapor poder conduzir, a anal dever
ser |Kcada>no da e 3ua chegada. Encommen-
das "NHhtaeiro a frota at as 2 boras da tarde
do dia da su; sabida.
Nao se recebem como encommendas seno ob-
j setos de pequeo valor e que nao excedam, a duas
arrobas de peso ou 8 palmos cbicos de medico
Tudo que passar destas limites dever ser embar-
cado tomo carga.
Previne-se aos senbores passageiros que suas
passagens s se recebem na agencia, ra da Cruz
a. 57 primeiro andar, escriptorio de Antonio Luj
de Oliveira Azevedo & C
COMPANHIA. PERNAMBUCAm
DI
iavegacSo costeira por vapor.
Maeei, escalas, Penedo eAracaj.
O vapor nacional Mandak
commandante Julio, seguir
para os portas cima no dia
15 do crreme as cinco bo-
ras da tarde.
Recebe carga at o dia 13, encommendas, pas-
sageiros e dinheiro a frete at as 2 horas da tar-
de do da da sabida: no escriptorio do Forte lo
Mattos n. II.
llha ile 8. Miguel
Para o porto aeima sagua at 30 do correte o
pababote Gokna : para o resta da carga e pas-
sageiros, traa-ce cornos seus.consignatarios, Jlo
s Reg Lima & Filho, roa do Apoda o. V
LEILAO
de 10 eaixas cootendo 500 latas de ervi-
lhas, 100 sancos com farfolla de man-
diora, e 50 barris manteiga franceza,
sendo metade inteiros.
A 15 do crreme.
Por mandado do Illm. Sr. Dr. juiz de direito es-
pecial do commercio desta cidade, a requerimeoto
do depositario di massa fallida de Jos Mara Pal-
mera, o- agente Oliveira far leilao dos gneros
supra declarados
Iioji;
principiando as 10 boras da manha em ponto,
no armazem do Sr. Aunes, defronte da arcada da
alfandega.
LEILAO
de relogios no vos e americanos de differentes ta-
annos e qualidades, de parede e de mesa, 1 re-
logio grande do madura para amostra, caixiohas,
vidros e molas para relogios, 1 variado sortimenlo
de^erramenta para relojoeiros, 2 mesas com ga-
veta-, 2 armarios, 1 baldo, 1 grade e 25 garrafas
cam cognae
HOJE
Segunda felra 15 do corrente s 10 horas
Ma relojoaria
da ra do Imperador n. 30.
O agente Pinto, antorisado pelo Sr. cnsul de
Franca, levar leilao, em presenca de seu chan-
cellr, e por coma e risco de quem pertencer, o
balcao, relogios e mais objectos cima declarados,
pertencentes ao espolio do finado Achules Angla
da, e existentes na casa da ra do Imperador o.
30, oode se effectuari o leilio, s 11 horas do dia
aeima dito.
Na mesma occasio veoder-se-ba tambem roupa
usada a outros objectos pertencentes a ontros es-
polios.
Leilao
DE
DIVIDAS
Hoje
de 200 saceos com farioha de mandioca
Segunda feira 15 de crreme.
O agente Pestaa fara leilao por coma e risco
de quem pertencer, de 200 saceos com faroba de
mandioca, as quaes serio vendidas en i ou mais
lotes, no dia segunda feira 15 do correte, s II
horas da manha, no armazem do Annes.
de orna espingarda, coupa de uso e livros
em francez
Hoje, 15 de maio, s 10 boras, na loja de relojoeiro
da ra do Imperador u. 30.
O agente Pinta lavar leilao, por autorisaeao
do consol de Franca, os objectos cima ditos, per-
tencentes aos escolios dos franceses Brum a Karn-
dolff, por occasio do leilao de relogios da loja do
fallecido A. Anglada, na ra do Imperador n. 30.
LEILAO
DE
diversos objectos de mobilia de casa e es-
critorios, e 134 eaixas com viobo do
Porto.
TERCA-FEIRA 16 DO CORRENTE.
A requerimeoto dos depositarios da massa falli-
da de Marques Barros t C, e por despacho do
Illm. Sr. Dr. juiz de direito especial de commercio,
o agente Peslana far leilao dos objectos cima
mencionados, os quaes fazem parte da mesma
massa fallida, e cujo mandado se acha em mi do
referido agente para ser -examinado, sendo vendi-
dos ditos objectos terca-feira 16 do correte, s 10
boras da maoba em ponto, no segunno andar do
sobrado n. 6 da praca do Corpo Santo, e ra do
Vigano n. 27.
de 200 barris peqtwns com peixe
TERgA-FEIRA
te do corrate
Serio vendidos pelo agente Pestaa, em leilao,
no dia terca-feira 16 do correte, por coma e risco
de quem pertoneer, de 200 barris pequeos com
peixe?, em I ou mais lotes, no caes da Alfandega,
armazem n. 3 A.
LEILAO
de mobilias de Jacaranda a Luiz XV, com lampos
de podra e sem ella, ditas de amarelio, consol
avnlsos, commodas de amarelio, gaarda-roupa,
guarda-vestidos, 1 piano de Jacaranda com excel-
ente voz, machinas de costuras, goarda-louca,
mesas para jantar, 1 cofre inglez,camas para Casal,
amparadores, sofas, mesas redondas, cadeiras ame-
ricana!, ditas da amarelio, estantes, mesas para
escripia marquezas, camas de ferro, marqueides,
louca para jantar, apparelho para almoco, copos,
clices, candieiros a gaz e amitos outros ofc-
TE^gA-FEIRA
1 do corrate.
0 agente Pontos!, competentemente autorisado
por urna pessoa que retirou se para a Europa,
vender em leilao os objeets aeima mencionados,
no armazem da ra do Imperador n. 16, la 11
h oras em ponto.
LEIIAO
do sobrado de 3 andares n. 7 ra do Se-
Dbor.Bom Jasas (ootr'ora roa da Groz
QUARTA FOm.
24 do correata, s 11 J^aaem ponto.
O agente Pinta proceder leilao, a roqueri-
ment) dos herdeiros da aada D. JoanBa J. H.
Pires Ferreira, e par mandado do> Illm. Sr. Dr.
juiz de orpbios, da casa de sobrado de 3 andares
da ra da Cruz n. 7, s 11 horas do dia cima
dito, em sea escriptorio & raa da Cruz q. 38.
Piecisa-sede urna ama que saiba bem oosi-
nhar : na roa da Florentina n. 3.
RUB
Ronb8ram da casa o. 105 A, roa de S. Migue!,
nos Af gados, de Tboraaz Teixeira Bastos, uppde-
se que foi na madrugada de 53 do correte, 03
ladros emraram pelo fundo do si!o da dita eas ,
arrorabaram a pona que do torneo vai para a
cozlnba, e arrombaodo as mais portas, foram at
a sala da frente, e roubjram o segrale :
1 relogio americano de parede, de 2 palmos de
altura, imilacio de Jacaranda.
i pares de laoterna*. 1 cor verde e oatro azul,
cora mangas largas, leodo vtlas de cor.
1 candieiro de gaz pequeo eom globo ccr de
lejt.
2 garrafas da crysial com divinos de 4 cneiros,
tendo as rolbas compridas.
1 rew^lver de 7 tiros, ingles.
1 dito de 3 tiros, francez, do fabricante Seful-
ebener.
1 coiher de prata para sopa.
7 ditas de dita pequeas com a marca J.
3 facas de cabu de metal.
Diversas colberes de metal para sopa e garios,
e entre elles algans arada nao servidos.
Diversas pecas de prata iogleza, 1 eafeteira, I
bales, 1 assucareiro e 2 pecas de urna maotai-
gueira.
1 casal de chicara chioeza.
Diremos praios, uns imitando cliiuezes, ontros
cor amare la com re -vos.
1 sopeira com prato de vidro fino, cor azul con
filete donrado.
1 toalba cora bico em roda, camisa?, leacos, lan-
coes e muias outras pecas de ronpas com a mar-
ca T.T.B.
Diversos clices de vidro branco para vinko.
1 grvala de seda, manta, cor r&xa, lenda segu-
ro am altinete de ouro eom perolas e eorat.
Diversas chicaras e pires de louca fina branca
com desenhos rdxos, o que por h>ra se dpor
falla.
Os ladrdes deixarara ficar duas chaves de breca
que iraziam.
1 chambre de chita com dezenhos edr da rosa.
1 caixinba de f .Un, ledonda envernisala cor
de caf, com dinheiro de coi-re.
1 caslieal grande c m piogente e pedra azul,
tendo spermacele de cor azul.
2 tigelhs de louca branca fina eom flores rd-
xas e filete prateado.
1 sacco de chita de coberla com roopa suja.
1 rodinha de rame Magnesium que ami-
to se assemelba ao rame de prata.
2 vidros redondos com nitrato de prata crysta-
lisado, para uso de phaiographia, um dos vidros
anda lacrado.
1 escova para cabeca, cabo de bfalo.
3fRg"se a qualquer pessoa que descobrir os la
droes, ou der noticia de qualquer dos obleetos
roobados, qae a p ja re. a oo armazem n. 60 a roa
do Mrquez de Olinda, eutr'ira ra da Cadeia do
Reeife, que sera generosamente gratificada e se
guardar lodo o segredo.


Joaquim Pires Carneiro Monteiro, Caetaoa Pires
da Costa Monteiro, Henrquea Cirneiro Monteiro
e Joao Lucio da Costa Monteiro, agradecen eor-
dialmente a lodos os seus pareles a amigos que
se dignaram assislir aos suffragios de sua querida
ra e sagra Joaquina Pires Ferreira Carneiro
Monteiro, que tiveram lugar no dia 11 de maio Ba
ordem terceira do Carmo ; e de novo pedem por
especial favor a lodos os seas psrentes e amgoz
para ouvirem ama missa, qae pelo reponso eterno
de saa alma ser celebrada na mesma ordem ter-
ceira do Carmo, terca-feira 16d i corrente, pelas
8 boras do dia; pelo qae desde j Ihe dcaremos
rauito gratos.
CASA DA F0R1M4
Aos 5:00^1
Bilhetes g!\rantidos.
A roa Primeiro deM-co (ontr'ori roa do
Crespo) n. 23 e cnas do costme.
O abaixo assignado, ttn lo vendido nos seos fs-
lzes bilhetes unfquaric. n. 961 com 5:0dO#OO.
um inteiro n. 3175 c:.,. 9000*000, nm quartu
n. 1981 com 400*000, um cuarto n. 373 com 100*
e outras sortee de 40* e 20* ds lotera que se
acabou de extrahir (192 ), convida aos possuido-
res a virem receber na conformidade do cosame
sem descont algum.
Acbam-se vunda es bilhetes garantidos da
1.a oarte das loteras, a beneficio do Livrameoto
da Victoria (193.*), qae se extrabir na terca-fei-
ra 23 do corrente mez.
PRECOS.
Bilhete inteiro 6*000
Meio bilhete 3*000
Quarto 1*600
Em porco de 100*600 para cima.
Bilhete inteiro 5*400
Meiobilbete 2*700
Quarto 1*350
Manoel Martins Piusa.
Gimelleira
Appareceu (como esperavamos) o Sr. Lima, ma-
ndo da professora desla loaalidade, defeadeadt
saa mulber, o quo multo lhe louvamos, mas nada
destrata em referencia as pergantas por nos feita,
s sim quz provar com os atistalos de delegados
luteranos o nosso pedido: agora tambem lhe
lerabramos qae bou veram delegados Iliterarios em
certas povoados. que atropetavam professores (do
que com elles nio tinham reiaedes) e coneediam
licencas sem terem poderes para tanto, por mais-
de 15 das a professoras. a titulo de restabeleci-
mentos de partes, e muias outras vezes por passa
lempos, quando queriam ver seus pareles.
_____________ m Pal.
O abaixo assignado participa ao reapeilavel
publico que em sea eatsbalecimenta, no pateo do
Carmo o. 20. trabalha pela arte deotarla ; pra-
tiea a extraeco de denles sem dr; chumba-os.
garatado dei aooos, e obrigando-se a repra-
los no espaco de 20 dias sem depeadensia de qual-
3uer paga; assim como tem agua para alvejar
entes sem offender o esmalta dos mesmos : 03
pretendentes poderao deixar as notas de suas mo-
radas.
___________Ernandy.
Precisa se de urna ama que
saiba cozinbar para casa de
familia : na roa do Pires, la-
berna n. 56.
Capitales decampo
Roga-se aos senhores capitas de campo eompa-
recara ra do Queimado n. 30 aonde sa Ibes de-
seja fallar.
a
Arrenda-sa um engenho disunta desta praga
cinco legoas, com bom sobrado da viveoda, capel-
la, exeellentes ierras de plantajes, casas para
lavradores, porto de embarque na porta e ontras
muitas vantagens que se apresentaro aos preten-
dentes na ra da Soledade n. 78. .
Irmandade
Para qae
pro posta api
relaeao aos,
mi presla*
.mis?, para]
torio da ni"
mez pelas 4
bre ella qua
vesrfeole, em
25 do noss*
de Nossa Senhora da Goocei(o
dos Militares.
discutida em mesa geral um.
la pelo abaixo assignado, eom
r-jos da irmandade,
manda convidar aos demais ir-
se dignem compare:er n coi
irmandade, no dia 19 do corrento
^Ktarda, a*0 &" ,omrem 8-
naHoaraelo qoe J^fami coo-
seo Antonio de Si.
! secretario.


Diario de Pernamboco Segunda eira 1$ Cozinheiro.
- .
+ i
I
>
!-

Precisase de un ooiinbei'ro : aa ral
osario a 44.___________ '
__"* ecisa-se de urna mulliei de meia idade
\ 52 f SerT'C *U,Tor de nn>* c"a dfl bomem sol-
>-4*o tu mana.: tratar na rea da Penta _,
Presa"!>e"3 orna ama qae saiba engoramar,
cozinbar e comprf.r para casa de ponca ~ .
^Iri'tf nobeecodoCaw^n 4 """"
ftSe-se a tolos os seubores delegados, sub-
delegados inspectores de polica da provincia e
/ora dalla, a apprehensao de dous meninos apren-
dites de artfices ito arsenal de marraba desta pro-
Tela, o 1* de nomo Jos Nabuco de Veras, de 14
a 15 unos de ida le (braneo) e o % de nome Au-
gusto da Fonseca, de idade de 11 a 12 annos, ac-
boclado, com Taita de dous denles na (rente, os
qaaes desappareesram do mesmo arsenal no dia
2 de abril findo, os fazeodo.recolher no mesmo
arsenal de roarintia._______________________
Trocam-se tres imagens muito perfeitas e
chafadas ltimamente de Portugal, sendo Menino
Dos Santo Antonio e S. Jos: na ra do Apollo
n. _D, escriptorio._________________________
Aluga-se o 3* andar do sobrado n 67 da ra
Anguita : a tratar na raa larga do Rosario n. 44,
taberna.
Da importante e bem conhecid teja e fabrica de chapeo de sol da roa do Bario da Victoria, esqt m da Camba do Carmo.
O dono daqoelle estabelecimento, querendo acabar com elle >' o flm do correte anno, convida tos seus nomerosos
fregaezes a aprovetlarem a circumstancia para monirem-ae por barato prego de todos os objectos existentes no mesmo, constando
de chapeos de sol de todas as qual:dades, tamanhos e feitios, tecios, armarles e mais atibenlos para os mesmes, armas de
togo, cobria, bengalas, chicotes, e orna inflnidade de ootros objectos, entre os qaaes o* afamados afiadores para navalba de J.
Pradines, premiados as exposicCes de Peroambuco, Londres e Pars. ^
m iw oo
Rna do Baro da
Victoria,
Outr'tyra ra Nova n. 63 e casas
do costume.
Mbetes garautidos 4a pro
?lucia.
O abaixo assigaado acaba de vender entre o-
seu* muito felizes bilhetes a sorte de o:000*000 em
don quartos de n. 961, a sorte de 200*000 eo
um meio de n. 2,623, a sorte de 100* em um bi-
Jfaeto inteiro de n. 771, e dous partos de n. 373
com a sorte de !00, alm de outras sortes me-
nores de 404000 e 20*000 da leteria que se aca-
ben de extrahir (192), podendo seos possuidores
-virem receber, que promptaaente sero pagos.
O mesmo abante assignado convida ao respei-
tavel pnblieo para vireni ao seu estabelecimentc
comprar os felices bilhetes garantidos, que ni
deixar dt tirar qualquer premio como prova pelos
meemos anounci >s.
Aebam-se venda os muito felizes bilhetes ga-
rantidos da 1* parle das loteras em beneficio da
igreja d); Livram anto da Victoria, que ser extra -
bida no4ia tercJi-feira 23 do corrente.
Hosgos.
Inteiro 6*000j
Meio 3*000
Qnarto 1*600
De 100^000 para cima.
Inteiro 8*400
Meio 2*700
Qoarto 1*350
___________ Jlo Joaqulm da Costa Leito.
Segunda eira 15 do correte, finda a audiencia
do Sr.'Dr. juiz de orpbios, tem de ser arremata-
da a renda a auaI da casa terrea n. 52 : na raa
da Praia, hoja Pedro Alfonso.________________
As novidades do Cam-
pos.
Ra do Imperador n. 28.
tjueijos do sertio, sendo de manleiga e qualoa.
Ditos de Minas, flamengos e pratos.
Cha Hyson cuxim mnito superior em caixinhas de
6 libras.
Cerveja de Norwegian e ingleza de Ohlers e Bel.
Vioho da Bairada e dito verde.
Caf lavad" e de mocka.
Linguas inglezas em conserva
Camaroes seceos do Maranho.
Manteiga ingleza e (ranceza em latas de 2 c 4 li
bras cada um?.
O Campos avisa aos seus collegas, qne tendo
receido de su eocommeoda, urna grande par-
tida de manteiga, em latas, est disposto a vender
com pouco lacro ; assim eonvida-os a viren) sor-
tir-se deste gen ?ro lo escasso presentemenle no
mercado._______________________________
Quem annuuciou dar 1:600*000 com bypo-
iheca, querendo realisar esta por traspasso, falle
na roa de Hartas n. 48.
MANUEL & C
nnsfarXn (\ nartir.inar aos seos numerosos freeuezes, eme em vista de ser-Ibes n
commodo, tem
Maraoez de Olinda,
estabeJecio orna nova fabrica de" chapeos de sol, na roa da Cadeia do Recife n. 9, boje roa do Mrquez de Olinda,
onde acharSo os pretendentes, muito avolttdo sortimeoto de chapeos de sol de todos os presos, qualidades e por pre-
sos mas coomodos do que comporta o nosso mercado: cenvidam especialmente aos Srs. compradores por atacado
darem, sendo possivel suas encommendas, pois poderlo assim serem mais bem servidos, visto poderem escolber as ar-
marles as tazendas qne a demora da fabricacio 6 bem diminuta.
41 RUA DO BARAO DA VICTORIA \\
Neste novo armazem tem ora
ariado sortimeoto de fazendas
francezai, inglezas, allemlas e to-
das todas se vendem por precos
mdicos, am de acreditar a este
aovo armazem.
Gasemiras inglezas,
'rancezas, de todas as
plida des, brins de
:6res e brancos, colei-
rinbos modernos, cha-
peos de sol de seda,
Inot.
RUA
Bario da victoria
DI
ARRUDA IRMAOS.
Hotel da prapa
PATEO DA RIBEIRA DE S. JOS NU-
MERO 9.
O novo propriotario deste estabelecimento (ou-
tr'ora Hotel da Boa Fama) tendo novamente orga-
uisado o, vem mui respeitmmente participar ao
respeitavel publico, que os seus frecuentadores
poder!') apreciar a especialidade dos gneros ali-
menticios, e tambem recebem assiguantes e se en
carregam de mandar comidas em qualquer casa,
tudo por prego commodo.
N. 9Pateo da ribeira de S. JosN. 9.
Arrenda-se urna casa com grandes commo-
dos para grande familia, na Capunga, ra das
Pernambucanas n. 44 : a tratar no Chora-Meni-
nos com Jos Antonio Marques.
Alagase o 3.* andar e sollo do sobrado da
raa da Impera tris n. 14, com excel lentes commo-
dos para urna fraude familia, tem a vantagem
de ter agua e gaz encanados, e piolado de novo,
aluga-se tambem a lojado mesmo sobrado ; a tra-
tar no 1. andar do sobrado da ra do Vigario
d. I.__________________________________
Officina de marmore
Ra das Crazes numero lt,
Gravam-se letras a 60 rs., a pedra para as ditas
IA o palmo em quadro.
Limonada e agua gazoza
Os Srs. Henriqce Leiden & C teem a honra de
participar ao respeitavel publico, que desde egora
o promptos em sitisfazer qualquer pedido oeste
refresco, seja para negocio ou para particulares.
Lembramo branca e preta
Precisa se de urna ama para cozinbar em
casa de ponca familia : na raa do Cabng n. i B.
Precisa-se, para casa
de pequea familia, de
urna ama, que engomme
eande com urna menina:
tratar na p-aca da Boa-
vista n. 30, 2* andar.
AMA
Gfferece-se ama mnlber seria, e de boa con-
data para servioo de casa de bomen soltelro :
iuem precisar (ios seas servicos dirija-se a raa
da Guia n. 83, pr-imeiro andar.
Aluga se una casa de dous andares com
grandes cotnmodos para urna familia, ou para dnas
separadamente, tendo sido recen te mente construi-
da com todo gesto e asseio, tendo agua eneanada
e gil: qaem pretender dirija-se escadinha da
alfandega, armaz.;m n. 5.
Roga se a todas as pessoas que teem coocer-
tos na officina de :hapelleria da travessa do Ouvi-
or n. 14, o obsequio de virem ou raandarem bus-
ca-Ios no praso de tres dias, do contrario serio
vendidos para pagamento do servido nelles feito.
Recife 12 de maio de 1871.
Precisa-se coaS urgencia de iOOOOO para
serem pagos em prestaedes de 1004 mensaes, me-
diante um jaro ra:wavel: queifi quizer deixa carta
nesta typograpbia N. S. -
intigs ro
IV OVA
N. 41.
Assim como tem orna grande
officina de alfaiate, montada com
todos os preparas que ha de melhor,
dirigida por habis artistas, que
pela soa promptido e perfeigo
nada deixam a desejar.
Roopa de todos os
amanhos para homens
meninos.
Por todos os paqne
tes Tecebem-se as me-
Ihores e mais moder-
nas casemiras que ha
na Europa..
RUA
K
BarSo da Vctor la
ltiga roa
NOVA
N. 41.
Este estabelecimento acaba de soffrer orna reforma radical em acceio, artistas e commodos, e em pontaalidade naa encom-
mendas, finalmente em todo afina de melhor serviros seas nomerosos fregaezes deixa-se de annonciar todas as fazendas, para
1I0 se tornar massante
Tbomaz de Figueiredo pode ser procurado
para demarcacao de trras, nivelamentos, plantas
e tudo mais quanto for tendente sua proflssSo,
no Recife ra larga do Rosario n. 21, 2. andar,
para onde podem os pretendentes dirigir seus con-
vites.
D-se 2:000* sobre hypotheca: a dirigir-se a
roa do Dnqne de Casias n. 42.
Arrenda-se o engenho Carnario ; mocte e
corrate sita na freguezia de Santo Amaro Jaboa-
tao, por um cont e qoinhentos xiil reis ananaes,
por seis anoos, com seis contos de reis a vista :
a tratar no mesmo engenho ou no Recife : ra da
Penha n. 5,1* andar.
AMA
e cozinbar.
Precisa se de urna ama : na ra
de S. Francisco o. 54, para comprar
Segaros eonlra-ftgo
COMPANHIA
NORTHERN.
Capital. .* -. 20,000:000*000
Fundo de reserva .... 8,000:000*000
Agentes,
Mills Lathan & C.
RUA DA CHUZ N. 38.
Precisa-se de urna ama para todo o
servico de urna casa de familia com
tres pessoas : raa da Conceicao nu-
mero 37.
flote! da praca
PATEO DA RIBEIRA DE S. JOS NU-
MERO 9.
N te novo hotel baver todos os doming e
dias santificados boa mo de vacca ; ; ssim como
ha todos os dias pela manbaa excellente papa da
bem conbecida gomma de milno de Glasgow e
New York, sendo este ultimo alimento mais bara-
to que em outra qualquer parte. Previne-se que
o cozinheiro dcsta casa leve bom mestre e emen-
de perfeitamente de sna arte.
N. 9Pateo da ribeira de S. Jost-N. 9
gMM 11111 III
/oaqnim Lopes de Almeida
D. Rita Hara Pirmioa de Almei-
da, Joaquim Lopes de Almeida J-
nior, Rita Mara de Almeida No-
gueira, Mara Francisca de Almei-
da Gomes e sens Albos, Esmenia
Lopes de Almeida. Joaquim Bap-
tista Nogueira, Maria Lopes daLaps, Antonio H. de
Almeida, Maria da Conceicao de Almeida, mnlber,
filho, ninas, netos, genro, irmaa e sobnnhes do
fallecido Joaqnim Lopes de Almeida, agradecen! a
todos os senbores qne lhos zeram o obsequio de
assistir ao seu funeral, e de novo os convidam,
bem como a todos os seus amigos e do fallecido a
assistirem a missa do stimo dia, que ba de cele-
brar se na quarta-feira 17 do corrente, as 7 horas
da manhaa, na matriz do Corpo Santo.
e emana buco Street Rallway
orapany
De ordem da directora convida-se aos Sn. ac-
cionistas desta eompanhia a realisarem, dentro do
prazo de vinte dias, a terceira entrada de 20 /
do valor das acedes no esenptoro de H. Forster
& C ra do Commercio n. 8.
Recife, 1* de maio de 1871.
H. H. Swift,
____________________Assistanl Treassurer.
^\ QQ^ Precisa-se de urna ama pa-
\_\^|i\^_\ ra to w^ VH ^*< milla pequea : tratar na
ra da Imperatriz n. 13, sobrado.
Ama deleite
Precisa-se de urna ama de leite, preferindo-se
sem fllho: na ra dos Guara lapes n. 61

MOFINA
Roga-se ao Illm. Sr. Ignacio V.eira de Mello, \
crvao na cidade de Nazareth desta provincia,
favor de vir a ra do Imperador n. 18 a concluir
aquello negocio que V. S. se comprometteu reali-
sar, pela terceira chamada deste jornal, em flns
de dezembro prximo passado, e depois para Ja-
neiro, passou a (evereiro e abril, e nada enmprio,
e por este motivo de novo chamado para dito
flm ; pois Y. S. se deve lembrar que este negocio
de mais de oito annos, e quando o senhor sao
fino se acbava no es > 1 li l< .
Cozinheira.
Precisa-se de urna: tratar das 9 horas da ma-
nhaa s 3 da tarde na roa estreita do Rosario n.
17, 1 andar ; e das 3 em diante na ra do Mr-
quez do Herval, oatr'ora da Concordia n 99.
y O agente de leudes F. J. Pwio precisa fallaj
com o Sr. Francisco Bezerra Cavalcante. e nao
saneado sna residencia, pede ao mesmo Sr. se
digne comparecer em seu escriptorio: ra da
4>ozn. 38.
PROTEST
O abaixo assignado protesta e procedimento tor-
pe que tem tido Francisco da Costa Maia, pois
que authorisaDdo a meu cunhado Francisco Ma-
riano de Bairos para pagar um meu aceeite ao
Sr. Maia, e o meu cnobado pagando-o em o dia
de seu vencimeoto (8 de dezembro do anno pr-
ximo passado ) a importancia de reis 1:5364310
de que eonstava o referido aceeite, occorre qne
o Sr. Maia at essa data nio o tem queiido en-
tregar, pelo qne previne ao publico, que ninguem
negocie a mencionada letra.
________Manoel Remar di no Vielra Costa.
Precisa-se de um caixeiro que tenha pratica
de taberna : na ra Augusta n. 116.
CompanhiaAllianija
DI
seguros matioiog estabelecida
na Bahiaem 15 de Janeiro
de 1870.
CAPITAL..Rs. 2,000:000*000.
lwn.guro i mercado* o dinteiro a risot
iMrMmo 8Di navios de vella e vapores para den-
tfo ra do Im^ a o Com-
mttioa i?, 9*9* H# Gp
aire: Beltrio.
me para urna pessoa.
Na ra do Torres n. 16, 2a
indar," precisa-se de nma ama
que cozmhe, compre e engom
Na loja de louca da ra do Imperador n 46,
alm do esplendido soriimento de chryslaes. por-
cellana e louca que tem, recebeu ltimamente nm
bonito sortimeoto de castices praliados proprios
para oratorios, que vende pelo limitado prec<> de
14200, 14600 e 24 o par. Tambem recebeu ba-
das de louga de p de pedra, muito grapdes, para.
lavar recem-nascidos, e para banho de pessoas
adultas, a 204, 284, e 304 cada urna. '
A Sra. Mara Candida Vilella, professora
particular, que morou ou mora em N. S. do O'
em Goyanna. rogada a vir ra do Cabng nu-
mero
oyanr
2B.
pouca familia
Precisa-se de urna ama que
saiba cozinbar e comprar com
perfeielo, para urna casa de
na ra da Aurora n. 84, 2 andar.
Serra do Pontes
Parabyba do Norte.
Pede se ao Illrao. Sr. Antonio Lelis de Sonta
Pontes, que quein mandar ultimar o negocio de
seu interesse com os abaixo assignados nesta ci-
dade, que pedetn desculpa de nao ir ou mandar
W pela grande distancia e incommodo que Ihes
cansa, como pela incerteza de o encontrar.
Recife, 28 de abril de 1871.
Tasso Iranios,
Em llquidaclo.
Adolpho Ferreira Carneiro. Jos Julin Carnei-
ro e Miguel Raggio y Carneiro, irmaos e sobrioho
d Gamillo S. Carueiro e Ernesto A- Carneiro,
fallecidosfultimameote em Buenos-Ayres, convidam
todas as pessoas de sua amizade para assistirem a
urna missa, que pelo eterno repouso das almas
dos fallecidos, mandam celebrar no dia 16 do cor-
rente, as 8 horas da manhaa, no Igreja do Corpo
Santo, pelo que desde ja se confesaam gratos.
NUVENS
Versos de Plinto de
0 Sr. H.milo Oiiaves de
Souza
Por se ignorar sua morada, pede-se-lhe que
ebegue ra do Amorim n. 37, concluir neg*
ci de seu interesse.
Tasso Irmaos & C
Aluga-se o 2* andar da ra de Aguas-Ver-
de.' n. 86 : a tratar na loja de calcado da ra do
Livramento n. 25.
mPredis-se de tima para casa de
pequea familia : na ra estreita de
saro n. 32, 3an*ar.
Assignatnra na typographia. do Correia Pernam-
bucano e livrarias dos Srs. Lalllacar Medeiros.
Chapellerie desdames
Este estabelecimento previne s Exmas. senio-
ras que acaba de receber pelo vapor Sindh um
lindo soriimento de chapeos para senheras e me-
ninas, ternando-se recommendaveis pelas lindas
formas, qae sao mais e.egantes qne o dos (antigos)
Tiroliens : portanto rogamos s Exoias. Sras. que
queiram visitar nosso estabelecimento, que se
aeha aberto at 9 horas da noite, aonde encontra
rio os chapeos de mais gosto que tem apparecido
aclualraente. .
Chapellarie des da mes, ra do Cabug n. 12
! andar.
O verdasiro vlnho
DA
IIMIttSIA
0 Campos da roa do Imperador n, 18,
tem a satufaclo de avisar muito particular,
aos amantes do j bem conbecido vinbo da
Bairrada, qae est naunica posse d'uma re-
messa desse nctar, \indo pelo brigue So-
berano, e qae no v3o por annancios bom-
bsticos, que s5o ardis muito de proposito
inventados, para nelles esbirem os inexpe-
rientes.
Assim pois, aquelles qae qoizerem sabo-
rear o verdadeiro neclar -das vichas da
Bairrada, nJotem mais que dirigir-se ao ar-
mazem do Campos da rpa do Imperador n.
28, onde encontro amostras do dito vinbo
que se darJo tambem para as ca3as particu-
lares.
Vejara e exarainem........
Cuidado com as imitares
Alnga-se urna escrava que sabe cozinbar e
lavar para casa de pouca familia : na ra da Ca-
deia- Velba n. 1, 2a abdar.
COMPRAS.
Comprase nm Manual HomeopatbicopeloDr.
G.'H. G. Jahr : na ra da Cadeia do Recife n. 1.
GMn.l-SE
Gompra-se nma casa terrea dentro da praca, de
valor de dous a tres contos de reis ; qaem tiver
para veuder, quelra deixar em caita fechada a in
dicac.ao de sua moradia, no pateo do Paraizo n.
9, ou qualquer outro esclarecimenio, para ser pro-
carado.
Vr;NDAS.
Cimento portland
Vende-se o verdadeiro Cimento Portland :
largo da Alfandega, armazem do Annes.
no
Batutas inglezas
Asmelhores que tem vindo a este mercado, a
U600 reis a arroba : na ra do Amorim n. 39 e
travessa da Madre de Deus n. 15.
A 700 rs.
Vende-se espanadores de palha os mais bem
feitos possiveis : na ra do Rarlo da Victoria nu
mero 42.
Vende-se por preco commodo um caWo. ama-
ricano de qnatro rodas, muito bem pintado, for-
rado de novo, excellente a todos os respeito :
tratar na cocheira de Mr. Gorgeao, a ra da Fio
rentina n. 16.
Couro de bezerro
Muito novo e ltimamente ebegado vende-se
em casa de S. P. Jonston & C.
Nova n. 40.
ra da Senzala
Plvora a 16^000 o
barril
No escriptorio da ra do Vigario n. 31, tem
amostras de superior plvora ingleza, e vende-se
pelo barcto preco cima.
Vende-se um pequeo sitio na estrada de
Belem junto a estaco do mesmo nome, commodo
para embarque e desembarque, tem mais de 1,000
palmos de fundo, muitos arvoredos e boa agua de
beber : a tratar ai ra Duque de Caxias (outr'ora
das Cruzes) o. 30, 2 aodar. ________
Vende se a taberna do paleo do Terco n, 4,
por sea dono achar-se doente : a tratar na mesnia
Lencos dn labyrmtho
Vende-se ajguns de muito bom gosto e a prego
mdico : na ra do Apollo n. 20, escriptorio.
Attenpao
Custodio Jos Alves Gaimares, nico socio ge-
rente da casa commercial de Guimaraes, Pontes
& C, desta praca, previne quem interessar pos-
sa, que esia promovendo a dissolucao da mesma
firma, e entrari'em seguida na respectiva liqui-
dacao ; sendo que nao ha*letras pelas qaaes esteja
a Arma responsavel, e nem o annanciante as pre-
tende firmar durante a mesma dissolngo e liqui-
daco. __________.
O abaixo assignado declara que vai a Porta-
gal e deixa encarregado de seas negocios sos Srs.
Antonio Joaquim da Silva' Brito e Joaquim Luiz
Ferreira Leal.
Manoel Goncalve3 Ferreira.
Precisa-se de urna ama livre, de meia idade
e boa conducta, para o servica interno e externo
de casa de muito pouca familia : na roa de Santa
Thereza n, U.
Vende-se papel de seda e linho para cigarros,
assim como cigarros de todas as qualidades por
menos preco do qae em outra qualquer parte : i
ra Direita n. 5. _____________________
Vende-se ama casa terrea na ra das Nym-
pbas (freguezia da Boa-Vista) n. 5 : a tratar na
ra do Principe n. 10 A. _____________
ROBE DE LAFECTEUR.
Na botica popular, ra da Imperatriz n. 77.
0 MARMORE
E' no elegante armazem jontc- ao Diario, qne
qualquer chefe de familia fornece sna dispensa io
melhor que existe no mercado e por precos mui-
to favoraveis, como sejam arroz a 100 rs. a libra,
velas stearinas a 640 rs. o masso, visti flgneira
Sor 800 rs. a garrafa e tambem ha mais barato,
alaios d diversos tamanhos, caixinhas proprias
fiara mimos, caf de moca, ervilbas portugueza e *
rancezas, ameixas em frasco, latas e bocetos,
marmelbada de Fernando Rodrigues, conservas,
molhos e mostarda, licores de diversas qualida-
des, doce de goiaba em caixio e latos, bolaxinbas
de diversos autores, massas para sapas, bolas
Srandes, azeitonas em baris e latos, vinhos finos
o Porto dos menores autores, qneijos prato e du
reino a 34000 e a 3300 ; o proprietario deste af-
mazem responsabilisa se pela boa qualidade dos
gneros vendidos em seu armazem, assim como ga-
rante todo asseio o limpeza, em vinude do qual
convida a srus nnmerosos fregueies e amigos a vi-
rero visila-lo.____________________________
Vende-se
nma machina de costura, aioda nova e em muito
bem estado : pessoa qae a pretender dirjase a
ra das Cruzes, lija n. 18, qae achara com qaem
tratar. ____________ __________
Cal de Lisboa
Cbegada pelo brigue Lata, vende se na roa do
Apollo, armazem o. 30, de Antonio H. Rodrigues
AC.
Calcados
Botinas de brim e duraqae branca bordadas de
setim a 6f o par : i roa do Bom Jess n. II,
loja. *_____
iTTENCO
Vende-se urna jardineira de Jacaranda com
lampo de pedra quasi nova, por muito pouco di-
nheiro : pessoa que quizer dirija-se a Olinda
na ra do Amparo n. 29, casa terrea.
Aviso aos Srs. de en-
genho.
Theod Cbristianseo, roa da Cruz n. 18, encar-
rega-se de mandar vir formas para assuear, de
ferro galvanisado, eslanhado e pintado, aos precos
da fabrica. Tambem tema encommendas para
qaaesquer instrumentos e machinas para a gri-
cnitnra.
Aos cigarreiros
chegou ra do Mar-
Papel de milito e am z,
quez de Olinda n. 15.
<*KA\liK
LlOUIDACAO
Peca de algodao
nr ra do Crespo n
azul 55 covados por 5JO0O
20, loja do Guilberme.
Vende-se a 10*000 a barrica : no armazem da
bola amarella no oito da secretaria da polica.
VENDE-SE
a banda da barcaca Bom Succesto : a tratar na
do Mrquez derna Olinda n. U. loja de mindezas
MadapolHo
A 4*600 a peca, fazenda de 6*500.
A 5*600 a peca, fazenda de 7*500.
A 8*000 a peca, franeez, superior.
Na loja de Gaspar Antonio Vieira Guimaraes,
ra Duque de Caxias n. 43 (antiga do Qaeimado
numero 1).
Licor de alcatro de Goyot a 15600 o
frasco.
Para cara de catbarros da bexiga, vias orina-
ras, pulmoes etc. Vende-se na botica Popular da
ra da Imperatriz n. 77.
ROBE DE BOY-VEAU LAFECTEUR.
Na botica popular, ra da Imperatriz n. 77.
capsulas de oleo de figado de ba-
calhAo
Na botica-popular n. 77. ra da Imperatriz.
PEROLAS DE ETHER DE CLETaN.
Na botica-popular, ra da Imperatriz n. 77.
DRAGE5 DE ERGOTINA DE BONJEAN.
Na botica-popular, ra da Imperatriz n. 77.
PILULASDE IODURETO DE FERRO DE BLAN-
CARD.
Na botica popular, raa da Imperatriz n. 77.
I
PEROLAS DE TEREBENTINA.
Na botica-popalar, roa da Imperatriz n. 77.
PEROLAS DE AS3AFETIDA.
Na be tica-popular, roa da ImperatriE n. 77.
XAROPE DE NAF E PASTILHAS.
Na botica popnlar, raa da Imperatriz n. 77.
XAROPE E PASTILHAS PEITORAES DEBLAYN.
Na botica-popalar, ra da Imperatriz o. 77.
OLEO DE FIGADO DE BACALHO IODADO .
Na botica-popular, roa aa Imperatriz n. 77.
XAROPE DE CITRATO DE FERRO DE CHARLE.
Na botica popular, raa da Imperatriz n. 77.
EXTRACTO DE CARNE PARA CON VALES-
CENCA DOS ENFERMOS.
Na botica-popular, ra da imperatriz n. 77.
XAROPE DE THRIDACO POR ABBADYE.
Na botica popular, ra da Imperatriz o. 77.
XAROPE DE DIGITALIS TOR LA3L0NYE.
Na botica-popular, ra da Imperatriz n. 77.
Feitor
Precisa-se do um feHor para tratar de um sitio:
quom pretender dirija-se raa de Pedro Affonso
d. 29, outr'ora roa da Praia, que achara eom
qaem tratar._______________
*S
WA, loja.
' Precisa-se de urna ama
para cozinbar: na roa 1* de
Marco, oatr'ora do Craspo n.
Cozinheiro
Paga-se bem a um cozinheiro o a um servente l
no hotel franeez, ra das Larangeiras n. 10.
Eogomiuadeira
Paga se bem a urna boa engommadeira: na es-
treda da Ponte de Ueba, casa n. 2, antes da igre-
ja do S. Jos.
Moleqae.
Prtwisase de urna ama que saiba
oziohtr-para casa de dual pessoas :
tratar na raa ) V. faparfa o- 51,
nD!r\r* rna do ApMIo".
Mh
Precisa se alagar um moleqae de 14 a 15 an
nos fiel e deligente para servico de creado ; tam-
bera se compra: tratar na roa Nova n. 19, !
andar, v__________________
Precisa se de nina ama que tenba boa con-
dueta para engommar e tratar de meofno; os
ro d* *enti\i-Xon o. 30.
AMA
Precisa-te de ama ama para engom-
mar : na ra Nova n. 22.
Antonio Alves da Silva, vai a Europa.
ATTENCA
Furtaram de ama easa de familia um anel gran-
de de ouro com qnatro oitovas, tendo am dia-
mante esmaltado: julga-se ter sido furtado por al-
u.ii escravo da casa, e por isso pee se a quem
o compron, ou a quem for offerecido o favor de
leva-lo ra estrena do Rosario n. 23, escriptorio,
que alm de se Ihe restituir a importancia da
compra, se dar mas urna gratifleaco.
- TaSSO IRMAOS EM LI0.IDACAO, or ig-
noraren] a residencia do Illm. Sr. Manoel Bernar-
dino Vieira Cavalcante, vem por este meio rogar-
lite o obsequio de entender*** anta elles em sea
escririorio ra do Amorim n. 37, a negocio de
iol*ree reuiproeo,
Itt
4-ic .viii:
LIQUIDA DE
Calqsdo lrancez.
PARA ACABAR
O grande e variado sortimeoto de calcado
de todas as qualidades, existente na loja n.
30 da ra do Baro da Victoria (outr'ora
roa Nova) est exposto concurrencia do
respeitavel publico, a qoalqoer bora do da,
e a ooite at s 9 horas, u quem all appa-
recer com diobeiro e disposico nJo deixa-
r de comprar, porque, quasi que pode-se
dizer o comprador quem faz o preco.
Dignos ebees de familias S cbegada a
occasio de fazerdes um deposito de calca-
do por algom tempo, pois destas pecbin-
cbas d9o apparecem sempre.
Srs. cheles de familias vossa espiabosa
posicSo digna d'ioveja, D'uma quadra
desta.
, Rapasiada, roa se, por nao poder tomar
parte no baoqetg da pichincha?, em igual
direito aos ebefes de f milias.
Quem n3o corrur a toda pressa, nao che-
garl tempo, porque sendo grande a con
currencia, aSoal aigum tem de fic^r des-
gostoso.
RUA DORARO DA VIOTORU N. 30.
Vende-se nma arma cao no pateo de S. Jos
n. 31, propria para qualquer principiante ; a ca-
sa bastante afreguezada para trra : tratar na
mesma.
AGUA DE VICHYg
Fon tes
Htmtmtt e Celestina:
Vende-se em grosso e a realho
do armazem da roa du Vigario n. 11
Vende- deus eavalios andadores do corre-
dor do Bispo n. 33.
A
Vende-se saceos com farinha de mandioca, me-
diado 18 caas, pelo baraiissimo preco de S# cada
sacco; na ra do Mrquez de Olinda n. 40, es-
criptorio.
Vende-se as seguintes obras :
As Tres Lagrimas, 1 tomo encadernado por
4*000.
Solfejos de Rodolpho encadernado por 5.
Msica intitulada Lucrecia Borgia em broxora
2*000.
dem do celebre autor Bertini dem 4*.
Um livro em bnenco para copiar msica 5*.
A 3*500
Balos, o que tem apparecido de mais moderm,
/ua Duque de Caxias n. 6>, antiga do Qaeima-
do, sio para senhoras, tambem tem para menina
ATTEN^A
Vende-se am sitio aa matriz da Varzea Junto so
sitio do Sr. Queiroz, eom easa na frente, com bas -
tantes commodos, cozinha fra, bastales arvore-
dos de diversas qualidade* de fructas^ o qnal per
tence viova Amaral : qaem o pretender dirja-
se ra do Rosario da Boa Visto o- 16, quemadu-
ra com quem tratar.
Nac:
Opiniao
Vende-se colleccSes completa
na livraria de Jos Nogueira de
encadenadas :
onza & C.
Sapatos de borraxa
Para sensor ou rapazes que calcem 35>e 36 ,
borzegans para homem a 4*500 r?.^ um com-
pleto sortnento de calcado por preco mnimo";
ra Direita n. 45.
Vende-se remedio contra o callos experi-
mentado por diversas pessoaa, as qaaes tem lira-
d) bom resultado; roa Primeiro de Marco n. 3
(antiga raa do Crespo) rna do Marques le Olin-
da n. 50 A (antiga da Gideto). ^^__^_
x\guardente
Agurdenle do caj e de laranja, team para
vender Cunha tfmioa A C, na ra da Madre de
Dfusn. 34._________________________
VlHHe COLLABES
Vende se o verdaoeirf'
ullimsmente telo vapor O'nf,
cimo : ea ra da Madre de Se
' \


D ~? dt Pc^-n^co Se^uaJa
feira 15 de M;.i~ l: !57!.
.*
M.
id
Tmi i venda, en seus armaron, ajm de outros
uiim de aeu negocio refalar, os seguintes, que
oiecn por preg mais mdicos que em oa-
trtaaalqaer pafte:
PORTAS de pinbo alcaotadadas.
RADE8 te ferro para cerca.
SSTEIRAS'da Inia pan cama e torrar sala?.
GANOS de barro francs para esgoto.
9BS80 superior m porcSes e a contento.
CEMENTO de tras as quaUdades.
MACHINAS de duscarocar.algodao.
LOMAS e brintes da Russia.
OLEADOS americanos para forro de carros.
FOGOES americanos maito bons e econmicos.
VlNHO de Bordeanx.
COGNAC superior de Gauer Freres.
FARELLO em saceos grandes a 34500.
AGDA florida le|itima.________
pechincha sem igual.
Superiores lias oscoceas de cores muilo lindas,
fazenda de goslo para vestidos a 400 rs. o cova-
do : vende-se na rua Primfciro de margo, ouir'o-
ra do Crespo n. 43, toja das columnas, de Amo-
nto Correa de Yaaconcelios.________.
LIQUDACAO
RUA 1)0 CRESPO N. SO
De 1,800 cortes de casimira
Cortea de casimira de cor fazenda superior lisos
e de quadros a 4*000 e 54000 o corte, casimira
preta superior pelo baratissimo prego de 14500 o
cevad
u
o aro e prata
mais acreditados da Europa, o
pode desejar neste genero, para
de
dos fabricantes
melhor que se
nomens e senhors, vender por precos at tioje
loja de joiasEsmeraldarna
jro, pa
t no
deeconbecidos na
do Cabug n. 5
Moreira Duarte
C.
Pavilho da Aurora.
Rua da Emperatriz n. 2
O done deste grande e acreditado estabeleci-
ment de fazendas linas de todas as qualidades,
avisa a seus numeremos freguezes que acaba de
receber um g ande sortimeDlo de vestidos de cam-
braias brancas bordadas finas para senbora, os
quaes vende mnito barato, assim como oulras
muitas fazendas de mnito bom gusto, as quaes
fez grande redcelo de precos para menos, aflm
de vender mais barato de que em outra qnalquer
parte._______________________________
Fnndigao da Aurora.
C Sttrr A C em liquidaco vendem por precos
mais baratos do que em outra qnalquer parte,
taixas de ferro batido e enado, alambiques, moen-
das e meias moendas, rodas e rodelas, e rodas
d'agna para eogpnrn, erivos e boceas de fornalba,
guindastes e bous, i.ijolo de fogo (tire b. ick), ci-
lindros para padaria tanto ingiezes como america-
nos, arados todos do ferro, etc., etc.
MUSEO ELEGANTE
N. I RUA ESTREITA DO ROSARIO
AO BOM TOH
!lt. I
Acaba-se de abrir este importante estabelecimentr/de miadezas superiores, artigos de lnxo e da moda para borneas e e-
nhoras; esplendido sortimenlo de perfumaras dos mais aflamados fabricantes de Paris e Londres, como sejam Piver, Labio, Con-
dray, Regand, Pinaod, Cbonneanx, Monpelas, societ hygieuique, Gosnel, Rimmil e Piesse Lubn, etc. etc.
No Museu Elegante
encontraran as pessoas faltas de vista um
completo 8ortimento de ocolos de aro de
Novdades do Museu
Capas e pernetas de borracha, fazenda
superior por preco baratissimo, tapetes ave-
ludados mnito lindos, para sof e portas,
panos de crochet para sof ecadeiras, gran-
de sortimento de jarros finos de 10)5 a
25*000 o par.
MUITO BARATO.
Camisas inglezas com peito de linbo muito
finas a 52,* e 55*000 a dozia, ditas bor-
dadas fazenda de aparado gosto a 110* a
dozia, as mais finas camisas imitando as de
linbo por 33*000 a dazia, ceroolas de li-
nho a 34)5000 a duzia, ditas superiores in-
glezas a 44)5000.
As mus de familias.
Encontrado no Museo Elegante um com-
pleto sortimento do roopinbas para recem-
nascido, corpinbos de fusi5o e de cambraia
bordada a 800 e 4)5000, vestido para crian-
za a 2)5, 3)5 e 40000, collarinhos bordados
com bico para senhors a 320,500, rs. col-
leirinhos e punhos para senhors a 640,
800 rs. o par, collerinhos e ponbos frisados
e bordados a 1*000 e 1*500 o par, fazenda
que serapre se vendeu a 35 e 4)5000,
muito ricas e modernas gollenhas para se-
nhors, as mais modernas gravatas de fil
bordado a 1)5000 e 20000 cada urna.
LaByriutho.
0 Muzeu Elegante vende toalbas grandes
todas de labyrintbo, fazenda que sempre
venden-se a 14)5 e 150000, por 8*5500
fronhas de labyrinlbo a 640 rs. as pequeas,
as maiores a 10200, bicos rendas lado por
preco baratinho.

Museu Elegante
acua-se Drovido de um lindissimo sortimen-
to de Dabadinhos e entremeios Upados e
transparentes, e de ricos e modernos espar-
taos de 4)5 a 120 cada um.
Museu Elegante
recebe por todos os vapores lavas de pelli-
ca da primeira fabrica de Lisboa, assim como
encontrar as Exm.M familias neste impor-
tante estabelecimeoto um grande sortimento
de artigos para casamento, como sejam ri-
cas grinaldas, finissimas meias brancas de
seda, ligas, lavas brancas, leques finos,
franja branca de seda, fazenda superior,
trancas, galSes, botOes, bicos de blond, fi-
tas de grosdenaples e de setim de n. 1 a
80, ditas de velludo, bicos de crochet bran-
co e preto, verdadeiro bico valencienne, ba-
leias para vestidos, cambraia francesa preta
e branca para forro.
Cutilara do Musen
Elegante .
Navalbas mnito finas, cabo de tartaruga,
marfim e bfalo, do aflamado fabricante
Rodger, caivetes superfinos com cabo de
madreperola, tartaruga, marfim, tesouras
finas para anuas, costara e cabello, talberes
para mesa e para doce, de diversos precos
e qualidades, ditos maito finos com cabo de
marfim, superiores garios de metal branco,
grande sortimento de comeres para cha,
e sopa de metal maito fino, trinchantes com
cabo de marfim por barato preco.
ATTEINCO
tartaruga, bfalo e ac, e tambem pencinez
de tartaruga, bfalo, ac .
Aos cabellos brancos
MUSEU ELEGANTE
vende a muito acreditada tintura ingleza
(a qual mostra o sea bom effeito pouco de-
pois de applicada) e o sublime liquido repa-
rador da edr dos cabellos (colorigenio Ri-
gaud) que em menos de oito das d aos ca-
bellos a sua cor e brilhe primitivo, e depois
deste tempo s bastar asar de oito em oito
das para conservar o matiz adoptado.
Exposipo de lencos
MUSEU ELEGANTE
vende toncos brancos finos a 10700, 20700
e j abanbados a 30500 a dozia, e muito
finos de esguiao tambem abanbados a 60500,
70, 90'e 124 a duzia.
ESTO-SE ACABANDO.
Reduccdo de precos para acabar
As mantinbas Olindenses de 10500 a 10
cada ama, toalbas para mos e para
ps a 40500 a dozia, ricos estojos para via-
gem com todos os accessorios por barato
preco.
FLORES E ENFEITESPARA CABECA.
0 Museu Elegante recebeu ricas grinal-
das de odres, e ilndos enfeites e chapeos de
velludo para as Exms. senhors, assim
como fitas lisas e escossezas muito largas
para cinto.
ARARA
ESTVENDENDO 0 RESTO DE SUAS PECHMHIS
NA RUA DA IMPEBATR1Z N. 72
LAASINHA a 160 RS. O COVADO
Vinde-seliasinftas [ara vestidos de sen-
horas e eoina, [elo barato preco de 160,
200 e 400 rs. o covado. -
CHITAS LARGAS A 200 RS. O COVADO
Vende-fe chitas f anee, as para vestido de
casa, 200, 240, 280. 3*0 e 330 is. o ca-
vado.
CASSASFRANCEZAS A 20RS 0 COVADO
Vend-se cassas francezas para vestidos
240, *80, 400 e 440 rs. o covado.
ALPACAS DE CORES A 500 RS. O COVADO
Vende-se alpacas de cores para vestido
de senhors 510 e 640 rs, o covado.
BR1LHANTJNA BRANCA A 1500 RS. O COVADO
Venae-se brilnantina branca 500 rs. o>
covado
A SABER :
da? a 30300, 50, 60 e 70.
CORTES DE TCtMlftA PRETA A 3*500
Vcnte-se cort-s de casemira r rtta pira
ca'ca a 305 0. 40 e 50 para liquidar-se.
CORTES UE CAMlRAIA A 2*500
Vende-se cortes de cambraia de cores
0500 pira liquidar-se
Vende-se 2 r.gi.-tro e 1 andie ro para
caz, na rua da Imjeratnz n 72
GRANDE LIQUIDACiO
-.. DE ROUPA FE1TA
Vende-so palitos de panno [reto taceos,
a 60, 80 e 10*. dito* c* casemira de cores
50 e 60. dito de alpa'ca preta 30 e 40,
dilos de brim de cores 1*5'0, 2* e
205)0, dilos e rreia casemira 2(5 e 30,
fraques decasemiras de erres 8* e
FUSTO DE CORES A 360 RS. 0 COVADOM}'
Vende s futi de cores para vesdos a JOJ coi ei es de br.m ce cores 1 e
360 rs. o covado 1500,.ditos.de caseaira.de cores 2*000
ALPACAS PRETASA500 RS. 5.0 33O0 d,0s pre^s ^ Panno, e.
VeDde-se'lpacas pretas 500,640 e 800 de easf mira preta, 305CO e 40, ditos de
rs, dilas 'de lisias assetioadas boa, para ment para luto e l
'.haj cale* de ca>ercira decores, a 40
ALGODODELISTAA 160 RS. O COVADO 6*S00e 80, ditas de ditas prtta. para 60,
SeSde lista para roupa 60500, 80 e 80500. ditas de trio ordma-
dc escr^ 160 rs. o covado.P rro, 10, 10600, 20 e W*>& acabar,
BRIM LONA A 500 RS O METRO ditas para luto de alpaca d*e cordJo, e pr.n-
vSTse brim ion. pardo para calcas de tesa i 30 e 30500 dita. ..oe.> para, ,
40.
50,
500 vos
O Musen Elegante vende perfumaras do acreditado fabricante inglez J. A E. Aikinson, e previne aos amantes do bom
gosto, que os artigos vendidos nesta casa s5o por precos rasoaves e de primeira qualidade.






'
NO MUSEU ELEGANTE,
N. 1Rua Estreita do Rosario N. 1.
DE
i i:icici:i te %, huuivn ^ c.

DO

CYSNE
61 RUA DA 1PERATRIZ X 64
DE
FIGUEIREDO a LOPES.


GRANDE RMAZEM
--: __---
DE
MUA, HHUli, TIDBOS
quem trabalha por ser mnito forte, a
rs. o metro ou 360 rs. o covado.
CHALES DE CASSA A 500 RS.
Vende-se chales de cassa branca 500 rs.
r.adi om. '
COBERTORES DE AL ODO A 104(0
Vende-se cobertores de algodO 10400
para acabar. __' '
CHALES DE MERINO' ESTAMPADOS A 20
Vende-se chlele merino estmpalos
4 20000 e 20)00 para liquidar-se.
CNRTES DE GANGA ESCURAS A 800 RS.
Vende-se cortes de ganga para caiga de
homem 800 rs., para liquidar-se.
LENCOS BRANCOS A 0O.O
vende-se lencos brancos 20000 duzia,
para acabar.
BRAMANTE DE L1NH0 A 2080: O METRO
Vende se beamante de linho com 10 pal-
mos de largura proprio para lentes
20800 o metro.
COBERTAS DE CHITAS A 20500
Vende-se cobertas de chitas 20500 cada
orna.
RESTO DE C0LAR1NH0S
Vende-se um resto de edannhos de papel
200 rs. duzia.
MADAPOLAO A 30260 A PECA -
Vende-se pecis de madapol3o tnustado
30200, ditas inglezas com 24 jardas 50,
h505OO. 60, 60500, 70, 81, 90 e 100.
CORTES DE CASEMIRAS DE CORES A o
Vende-se corles de ca emir as ds cores a
5000o.
ALGODO DE 20 JARDAS A 3800
E
CHRYSTAES
DE
Esta nova loja acha-se completamente sortida de fazendas de gosto de todas a
qualidades, tanto de seda como de 15a, linho e de algodSo, e desejando seus propne-
tarios dar sabida s mesmas estSo resolvidos a vende-las por precos to mdicos e
acommodados ao interesse de todos que por certo agradado aos pretendentes.
Os propietarios desta loja convidan), por tanto, s excellentissiraas familias,
aos mascates e todos em geral, a visitaren sua supradita nova loja e se offerecem
a dar as mostras e mandar as fajendas s casas, prometiendo toda a commodidade nos
precos e sinceridade no trato.
Grosdenaples preto.
Ha um completo sortimento deste artigo
]oe vendemos por precos baratsimos.
CSrosdeuaples de cores
Temos os mais lindos grosdenaples de
ores de superior qualidade, que vendemos
por precos baratissimos, por termos feito
urna grande compra.
Poupelinas de cores.
Recebemos um sortimento completo, tan-
to com flores como em xadrez, e vendemos
por menos que outro qualquer.
Sellos de cores.
0 Cysne recebeu os mais. lindos setins
de cores, tanto maco como de outras qua-
lidades, que vendemos por menos que outro
qualquer.
Alpacas
Ha um bonito sortimento, t-nto lanadas
como lisas e por precos commodos.
LSs com llstra de seda.
O Cysne recebeu as com listras de seda
de lindos padroes, e preco coramodo.
Ditas Usas de nina s edr a 400
rs o covado.
Ditas com xlrez padros muilo moderos
que vendemos por 500 rs. o covado,
pectincha.
Madapoles.
O Cysne tem um completo sortimento
de madapol5es de todos os precos e quali-
dades.
Tem s urna qualidade de madapolao fran-
cez qne especialidade, tanto no preco
como na qoaliddade.
Caaialsas bordadas.
Temos camisas bordadas do melhor gos-
to, proprias para casamento, qoe vendemos
muito barato.
lisas fraucezas e Inglezas.
Temos camisas desde o preco-mais ba-
rato at ao mai.i caro, e neste artigo temos
ama qualidade qoe vendemos a 3;>000, e
para a qual chamamos a ltenlo do3 nossos
freguezes.
Camilas de flanella de cor.
Fizemos urna compra de camisas de fla-
nella de cor, que vendemos por baratsimos
precos.
Ditas de meia de lodos os precos; temos
urna qualidade muito superior com listras
de cor, que vendemos barato.
Tiras bordadas.
O Cysne tem tiras bordadas largas e es-
treitas, assim orno, entremeios lordados,
tapados e transparentes, que vende por me-
bos que ootro qualquer.
Casemira de cores
Temos om bonito soitimento de casemi- Irmos.
ras de cores e preas, que vendemos muito i
barato, assim como um sortiraebto de pan-
nos pretos.
Casimira de Vienna.
Ha casimiras de Vienna com xadrez, gos-
tos bonitos e de superior qualidade.
Tapetes.
Temos lindos tapetes para guaroso de,
sala, desde o maiores al 'Os menores, e
os precos sao baratissimos.
l'i.rliuados
para cama e janellas.
Temos o melhor sortimento deste artigo,
tanto para cama como psra janellas, os pre-
cos s2o por menos que em outra parte.
Tambem temos cambraia para cortinados,
que vendemos por barato preco.
FustSes brancos.
Temos lindos fus'tSes brancos com listri-
nhas, proprios para roupas de meninos e
mesmo de seaboras.
Cortes brancos de cassa
Recebemos cortes brancos com listra bor-
dada, proprios para bailes, fazenda nova
de bom gosto, Barassimo.
Colxas brancas e de core?.
Temos colxas brancas, grandes e peque-
as, e tambem temos de coras de superior
qualidade e barato proco.
CHALES.
O Cysne tem um bonito sortimento de
chales de merino de cores e pretos, com
franjas de seda, e entro estas qualidades ha
uns que vendemos por 20500, e que sen
preco foi de 40t 00.
Espartilhos.
Ha espartilhos de todos os lamanhos e
das melbores qualidades.
< Cambraias de edres. -V-_
Temos rarobnia* de cores prdprias para
roapas de meninos e de senliora de lindes
padroes e ptima qualidade.
Meias para homeiiS e senhors
O Cyne tem comp'eto sortimento de
meias, tanto para homtns como para se
nbora.s, meninos e meninas.
Fazendas para luto.
Ternas fazendas para luto, de ludas as
qualidades, como sejam : alpaca, coniSo,
princeza, merino, cambraias, I5as pretas,
etc. etc.
Cambraias brancas.
Ha um completo sortimenlo de organdys
com listra assetieada de lindos gostos e mo-
dernos.
P FRER A, IRMAOS
Rua Primeiro de manjo n. 15, outr'ora rua do Crespo n. 15.
Ao respeiiavel publico em geral e particularmente aos seus numerosos amigos
participara Manoel Joaquim Pereira e Manoel Jos da Costa Pereira, qae acabam de
fundar um rico e sumptuoso armazem de loaca, porcelana, vidros e cbystaes rua
Primeiro de Marco, outr'ora roa do Crespo a. i5, sob a razo social Pereira
SCO rs, ditas de algodao de lista
. 800 rs, camisas de riscado para servio do
I campo 800 rs. e t0'"0, para liquiiar-s^,
i outras muitas ronpas ftitaa que le vendo
sem reserva deprec entre esas roopasfei-
las, tem algumas dfts," o.que se
vende mais barato do que cti annuciado.
GOLLLNHAS PARA ACARAR
Vende-ie gollmbas par senboros e me-
ninas 100 e 200 rs.
GOLINHAS E MANGUITOS PARA LIQUIDARSE
A 500PS.
Para liq.iidar-sn vemle-se golinhas de
traspa-so, muito boni as MOOrs. cada urna.
NOVIDADE
Roga-se a todos o devedi res da massa
fdlli-ade Guiui^ies & Silva, cenominado
Jardim d?a Dams, o favor de vir raldar
sq* contas ou .debites mais brve posiive!,
-, que assim nao nzerser seu nome declarado
por exteD8o neste Diario, derijam-se
rua da Iroperatiiz n. 72.
COMVM LER
Piecisa-s- fallar cm os s.-goinles Srs a:
negocio que lhe oiz respeito a feus interes-
ses, na rua da Im eralri/. t. 72.
Augusto Fitiira Manins Ribeiro.
BaliazanMaiques de ulivtira.
Jos Tbomaz loNascimento. i
Manoel da Costa Trav.ssos
vebastio Antonio de Albuquerqce.
Adelino da Sii^a Pinto.
Juan Isidoro da Costa Jambczeiro Jnior.
Ignaro Francisco Gomes.
J i< R >berto do Na>cmeuto.
Vende-se pecas de algo.50 ccrn^O ^ SF^boJ^o.._C._de_****
1MP0ETAME LIQIDAgO
BAZAR DA MODA
De um grande sortimento de perfumaras Anas, di
ris-E. Coudray-Ed. Pinaud-L. LegrandVioIeiGelle
n.a.n dos afamados fabricantes de
ay-Ed. FIO! -"'ie Freres- -Mompols-Bleu-
se-Hadancourt-Cottance-e do muilo acreditado-G. Rieger de Francfort
Recebido tudo directamente-dos mnsmos perfumistas, e vende-se pelos admi-
raveis precos seguintes:
Pomadas Bitas de E. Coudray
longa praiica e conbecimenios de que dispoem os annunciantes neste ramo
' de commercio, a que, ha muitos annos, se dedicam, os tem habilitado a salisfazer as
I necessidades da populac5o desta provincia e suas limitrophes, offerecendo aos consu-
I midores maiores vantagens do que qualquer outro estabelecimento deste genero.
O respeitavel publico, dignndose de visitar este novo estabelecimento com-
mercial, verificar por si mesmo o qoe os annunciantes vem de dizer.
OtreS d8 I6ITO e diHerentes tamanhos.
irrCIlSaS rje (err0 para copiar cartas.
O IiapaS de ferro gavainisadas para telheiros.
x aLIIOS ,je ferro paraassucar.
AFo-UOS americanos para varzea e ladeira.
LaClllIaS vapor e de cortar fumo.
L/arrinHOS e mj0 para saceos e atierros.
Venezianas para janeiias.
Estes anigos acbam-se a venda 13o 1 a nPfl Q '
casa dos importadores XHlixvo decimaes e ootras.
Shaw, Hawkes a C, T7no*noc
rita da Cruz n. 4. XUgUCD de ferro.
EnXOire gatre, etc. etc.
Em lindos vasos de porcelana
sortidos dozia .... ^ a
Dita milanesa..... 2052
Dita flor de larangeira.
Dita transparente
Dita scbic-scbic.....
Dita de viagem.....
Dita cosmetiques superfinos a
2(5500, 50000 e.
Dita eoldeream para o rosto
duzia.......
DE G. RIEGER.
Dita moella de Roi.
Dita genuina..... n
8,5000
9^600
I08U0
20*000
7,5500
amo
CONQUISTA
Rua do Cabug n. 6
DE
Antonio Francisco dos Santos & C.
Dita pbilocome grandes.
Dita dita pequeos.
Dita Duqoeza.....
Dita chineza para os bigodes.
Dita cosmetiques dozia 7j5000,
11(9000 e
DE MOELPMS .
Dita surfina duzia.....
Dita de urso idem.
Dita cosmetique fino .
DE BLEUSE-HADANCOURT
Dita da Exposico dozia .
Ditaespecial do Razar da
Moda.......
DE COTTANCE
Dita mandarina'em latas duzia.
Dita menages idem.
Dita universal idem .
DE V10LET
Dio esldVream para o rosto
duzia. ...
leos superiores
DE E. COUDRAY
Oleo superfino duzia 5#800.
i(S(800 e......
Dito E. Coudray duzia 5(J800 e
Dito pbilocome idem..
DE G. RIEGER
Oleo pbilocoae dozia .
DE COTTA.NCE
Oleo pbilocome dozia '. .
Aguas para toilettes
DE E. COUDRAY
De colonia f operior duzia 5,J300
10*800, 13*i00. 15*50,),
20*500, 23*. 563500 e .
li*O0
9^000
24^000
6*000
DE G. RIEGER
Agua dcotrificc duzia
DE L. LEGRAND
Agua de flores de Orisa duzia
Agua dentrifice Elixir idem.
11*000
+
20*000
18*000
Rua da Imperatriz n. 64.
\Juu\a. ootras fazendas temos qoe poderiamos annuociar, mas por se tornar
enfadoubo a.)Tesf>ei{ivel publico dexamo de o fzr. Podemos garantir que os nossos
precos faro dfVencaff 9 oolrs qualquer casa, pois estamot resolvidos, a vender pelo
costo, porm Jinbeiro. ^.. II
Este nevo esUbfclecimei.to acaba de receber um completo sortimento de ob-
jectos de goslo e inleiramente novos, a saber;
Pcupe'mas do seda, com lindos dse-; Crochets para cadeiras e sof,
nbos. Calchas de )8a e seda para cama.
Nobresa de seda de cores e preta. Casaquinbos de gorgur3o preto.
Cortes de cambraia lleudados Rices enxovaes para baptisados.
Grande soitimento de 13as e alpacas para Cbapelinas e chapeos para senboras, o
vestidos. | que ha ib melhor.
Cornados ricamente bordados para ca-; LeQ?os # ,nb0i camsas ]m e borda.
mt- das para homem.
Granadinas brancas, fazenda nova.
Saias e camiss bonkdaa para seobori. Bramante de Ijfttao e atoaibdo.
Tapates de todng os-ts'r.anbM. Bal5es com as desejadas anquinbas.
Os j.roVriet Coi^isla prestam-se a Ir ou mandar com qualquer ob-
jecto em qeaiqodr cm qoe para issq Ibes mao'ei uniairoenle'o oooeda rua e numero
da morada.
14*00
9*500
11*000
7*000
24:000
9*000
800
1*200
1*800
1*000
*800
9*50,
9*500
II* 00
9*000
Extractos superiores
E. COWDRAY
Extracto de sndalo duzia .
Bouquet dos Alpes .
Diversos finos dozia 4*500 p
DE E. RIKGER
Essencia de rosas dozia. .
Triple eximio ....
dem. ..*.
dem.
Mem. .'
dem so'tidos
Bouquet do Reino
de mompelAs
Das bonitas damas duzia
DE ED. PINAUD
BouquetJardim da Italia duzia
Essencia de violetas idem .
JockeiClub idem ....
l'os fiaos
DE E. COUDRAY
Chinezes para os denles duzia .
Dentrificios idem
De-arroz em ricos vasos de por-
celana doorada dozia. .
m pacotes duzia 4* fl.
DE G. RIEGER
Pos dentrificios superiores dnzia
DE MOMPELAS
Lindas caixas c..m pos d arro
duzia 14* e .. :, .-
Saliouetrs
- DE E. COUDRAY
Violetas d'i Basque duzia .
- DE G. RIEGER
Transparentes fi.ios duzia 6*500,
9(?S00e ....
DE ED PINAUD
Transparente fina duzia. .
DE VIOLET
Flcr de arroz duzia. .
DE GELLER FRERES
Em foroa de rosa.....
DE COTTANCE
13*0(<>
30*000
5*500
20*C00
14*000
21*000
11*500
21*000
20*000
40*000
18*C00
23*060
23J00O
10*090
8*600
8*000
32*500
7*000
17*000
20*000
9*000
11*50*0
I60CO
7*500
3500
1*500
64*000 Bresiliennes duzia
AVISO
Vende-se por atado em dorias e dosconta-se 10 0/0 quem comprar e pagar
vista quantia supeiior IOO*OCO.
Jos de-Sonz-i Soarfs & 0.
ftO (lioje d waro da Victoria) c&qiiiaa da
wanto Amaro,
lina Nova o.
CHAXOK
Ao bello sexo feme-
nino.
Para om rs. de eugeaho ver.
Chila, fazenda bem conhecirta pela fo Cortl
raH larga que c|iiia, para r^ur de. e-erav
Wi tf. o corado ra ro* o Crespc D. 20,1 i
Gtfilhfime.



- '
I

i > e i e i.aiauu.-
tot^lii.a

itii. i "j _"e ^\j.ixi\j Ji
y
i..
VENDE-SE
JoaqniaJ*se jarnos, na ra da Cruz n. 8, 4"
anaar, veude algjrio azul americanos verdaeiro
e pregos americano o. 3 e 4.
Agencia em fernambuco
Do Di\ Ayer
Peitoral de Cereja
Cora a phthys ca e todas as molestias do palk
Sstlsa parrllha
Gura ulceras e chagas antigs, i-mpigens a dar
tros.
Tnico
Conserva e limpa os cabellos.
Pilnlas catbarileas.
Puramente vejfetaes sem mercurio ; cura se
idea, nurgao e purificara todo o systema humano
Vende-se ee divamente em casa de Samuel P
Johoston A C ra da Senzalla Nova n. 41
Mo ha niais cabellos brancos.
Tintura japooe.a.
S e nica approvada pelas as academias dt
scieneia, reconliwida superior a toda que tem ap-
pareeido at hoje Deposito principal ra da
^adeia do Reeife u. 51, andar, em todas as bo
tifi e casa de cabelleireiro.
LIQUIDAGAO
N*
LOJA E ARMAZEM
DO
A
Llfl
Sciapry a Xova Gsperauca!!
AO BELLO SEXO.
Esta loja bem cootucida pela sna elegancia e
uperioridade de seus objeclos, acaba de receber
muitos arligos para o que respetosamente convida
ao bello sexo a vizita-la, aflm decomprarem aquil-
lo que rrecisarem para preparo* de vestidos toi-
ete ou tocadores, e mesmo qualquer object para
faier algum prezente..4pois que S3 na Nova Espe-
ranza Doao sait.-'eitos, j pela qualidade e pre-
cos razoavess, e mesmo por que a Nova Esperan-
ca ofana-se em nao se impacientar em dar a es-
colher os objeetos, prestando-se com o agrado
e>m que cosm ca receber a lodos, aflm de que
sainara com o llrme proposito de voltarera ou
mindan-m a mesma loja, logo que precisem de
quaiqner artigo por pequeo que seja.
LVAS DE PELUCA.
Recebeu aS du Lisboa a Nova Esperanza para
iomens, seniora e meninos, sendo brancas e de
cores.
NOVIDADE.
Bico de qnipure prelo com branco, a Nova Es-
paraaea s quem tem 111
Caixas para joias.
A Nova Esperanza recebeu boas caixas de san-
oilo par3 guardar joias.
Fitas largas para cintos.
Recebeu a3 de niuitas qualidades a Nova Espe-
raaja.
Para extinguir panos oa sardas.
A Nova Esperanza tem leite de rosas brancas.
Para tiDgir cabellos.
Tem a Nova Esperanza a verdadeira tinta in-
gleza.
Para refrescar a pelleeaformozia-la.
A Nova Esperaca ra Duque de Caxias u. 63,
vende verdadeira albina branca de Lais.
Perfumaras
As melbores, e do mais conhecido fabricante,
tanto francez como mglez, esto expostas venda
na ra Duque de Caxias n. 63, na Nova Espe-
raca. v
Extracto?, nanha, oleo, sabonetes, agoas de co-
ona, de laranja, florida e de lavande, etc., etc.,
rado de superior mialidjde : vende-se na Nova
eperanca ra Duque de Caxias n. 63.
igora sim !
A Nova Esperauca, a ra Duque .do Caxias n-
W. recebeu uiu liado sortimento d la para bor
dar, vimio as cores mais procoradas, branca, pre-
ta. esca-|;.te etc. etc. a Ha antes que se acabe I
PAYAO
NA RA DA IMERATRIZ 60-
DE
FLIX PEREIM DA SILVA & C.
vaprese immeosa porc3o
das mssmas, tem rewlvido f.zer urna GRANDE LIQUIDACO, aflm de demonir o eran-
de deposito eap.,rar DINHEIRO. De todas as fazeadas que se vende bara'So se dio
s amostras, ficando penoor oose mandan, levar em ea dasExm. fami a^sim como
as pesoas que neg.cam em menor escala, n'esteesta e'ecimeatose podero soiem
pequeas pcrcSes pelos mesmes pre^s que comprara as caas exportadoras
SAL.
Vend'.', Jos Da- Soares (em Maco)1 superior
superior sal i>m pedra, o alqueire a 400 r., para
barcaca, e 4i reis para navios, posto a bordo,
em^Ji.'r.J.j-!e qualquer encommenda por maior
que seja com toda a presteza possivel. Pode tra-
tar se traversa na Madre de Deas a. 1, an-
dar, com Antonio Pereira de Miranda.
mi
m- 1
i *
s Fazendas baratas &
RA DO CRESPO N. 25
Loja de
gManoel D as Xavier.
ALPACAS trancadas de cores, lindos
- padroes, a imitacao de merino, a 30 rs.
Wi o ovado.
jgg CAMURAIAS victorias mnilo Onas com
a 10 jardas a 4>, e com 20 jardas a 8/000
a pees.
COLCHAS adamascadas brancas e de
cores, muito grandes, a 3/000, 4/300,,
3/ e 6/000 !... |
CHALES de merino pretos e de todas
as cores, finos, a 2/500, e estampados a ,
LENCOS de esguio muito finos a 5/, ]
e de camhraia faos a 2/600 a dina. '
CAMBRAIAS bordadas brancas e de
core* ou de salpico branco a 360 rs. o ]
covado.
CHITAS de todas as qualidades, muito |
bons pauos, a i 60 rs. o covado.
MADAPOLAO bora e muito fino a
IIBOO, U, 3/500, 4/, 4/500, 5/, 5/500 j
e 6/ a peQ. j
ALGODAOZISHO de muito boa quali-
dade a 3/, 3/500, 4/800, 5/ e 5/500, e j
superior a 6/ a peca. j
Do-se amostras com penhor, na ra j
do Crespo n. 25.
Jornaes da Europa.
Assignaturas para todos os jornaes da Europa
"Pontualidade e garanta un servico.
_________LIVRARIA FRANCEZA. s
Tabellas Vermifugas
Este medicamento o nico que pelo seu bom
aroma e gosto agradavel se torna o mais propno
para a expulsao dai lembrigas. E' fcil de tomar
porqueo ^eu gesto igual ao do chocolate, e de
prouipto etTeito.
DEPOSITO
Pharmacia amerlcena je Perreira Maia & C, roa
Duqua de Cxas n. 57.
/Jabonete de alcatro.
Este novo preparado 6 applicado com grande
aproveitamento contra as molestia? de pelle chro-
nicas e reneides empigens, manchas escuras on
paonos q:ie vera ao rosto e peilo, borbulbas, sar-
na, lepra e comlcboes, mesmo aquellas que em
certas partes delicadas do eorpo tanto mortifican),
finalmente o uso continuado deste sabooete con-
tnbue para tornar a pelle asss mimosa. E' igual-
mente eCBcaz para amtciar a pelle do rosto ou
outras partes do corpo, que por motivo de erysi-
pellas fleam speras e escamosas. Preco de cada
sabonete 640 rs., em dunia se far aoatimento.
nico deposito era Peniambuto, pbarmaca ame-
ricana de Ferreira Maia & C, ra Duque de Caxias
n, 57, intiga do Queimado.
Aos cijfarreiros
PAPEL DE SEDA l DE LINHO PARA CI-
GABROS.
r,nfl?rif.^fhe?.ar1*m,8raD,e encommenda de
npel de seda e de liob) largo, para cigarros, na
Nova E'peranca, rna Euiiue de Caxias n. 63.
N5 cluvldem
que na ra Duque de Caxias n. 65,'aetiga do Quei-
mado. se vende pecas le madapolo, poim sem
avana, a 3/03 e man precos, e pecas de alaodSo
a 3/, o que almira.
PARA LUCTO
O Pa3o tem um grande sortimento de
fazendas pretis para lucio, como seja : la-
smbas finas para vestidos 400 e 40 rs.,
meria muito leve para vestidos e roupas
para homens U e 2|200, alpacas com
lavores brancos, cassas pretas lis s e com
Orticos, bombazinas preas,canl5es. e oo-
tras muitas tazendas todas proprias para
lulo, que se vende mais D3rato que em
outra qualquer parle.
. CHITAS DE CORES
O PavSe tom re:ebido grandes sortimen-
tos de cbius finas, tanta claras como escu-
ras, tendo tamben grande sortimento dis
mais delicadas percalies miudiobas-proprias
para vestidos erouptas de criaogas, e ven-
de-ie por menos do que em outra qnatauer
parle, oa ra da Impera iz n. 60.
LENCOS BRACOS A DUZU 3V00
O Pa\ao vende flui simos lencos brancos
a ^baDbados' ero duzia pelo barato prego
ue JSW, e outras muitas qualidides, tanto
de sguiao como de camoraia de linbo, e
cmezes.
Tochas do Porte a 100000 < dntia
O Pavo vende sn eriores toalba3 para
rosto, sendo de linno do Porto 100000,
ditas de f^o faznda muilo boa 120000
n duza, ditas coal. hoadas a 70500 dazia
ao 640 rs. cada toa iba.
COLCHAS A 30OCO
O Pavlo ven Je colchas brancas de fdstao
sendo bistante grandes pelo barato preco
de 30000, ditas de cores muito fioas ...
7$000, ditas muito graudes brancas de fus-
tSo e muito eocorpadas 60000, dilas de
croxet, proprias paracamade coi va 150
ORGANDYS BRANCO
O Pv5o reesbeu os mais Anos e delicados
organdjs brancos para vestido, sendo todos
com lavores miudinnos, e vende se pelo
barato preco de 8O e 1000 i rs. a vara,
fazenda que vale muito mais "tiinheiro.
GUARDA BANHA
O Pavlo vende urna gran Je porc5o de
pann s de crochet proprios para encost de
cadeiras, tanto de braco como de goarnigo,
ditas para encost de sof, ditas pdra cobrir
pian's, assim como ditos redondos para co
brir diflerent.es movis ou outros quaesquer
objectos, e pode-se vender por menos do
que em outra qoalquer parte, atlendendo
grande compra que se fez.
CHALES DE MERINO' A 20503
O Pavao venda chales de merino moito
grandes e encorpaJos 25O0. ditos
imittfo de chioezei 20500, ditos pretos
de renda coin 4 pontas 20000.
CHALES PRErOS BORDADOS
O Pavao vende os rmiores e melbores
chales de me in pretos ricamente borda-
dos com largas franjas de retroz, e vende
por menos do que em outra qualquer tarte.
CAMISAS PARA HOMENS
O Pavao vende um grande sortimento das
tnelhures camisas iuglezas e francenas com
peitos di linbo para todos os precose qua-
li ades, assim como ditas de ditos de
algodao para todos os precos e taraauhos,
endo tambem para criancas, e no mesmo
estabelecimente tambem se vende ctroalas
de linbo e algodao, tendo para todos os
prejos, assim como metas croas inglezas
para homens e meninos, que ludo so veade
por prego moito limitado.
CORTINADOS BORDADOS
O Pavao tem c nsianterneute um grande
sortimento dos melhores cortinados borda-
dos para camas e jacellaF, que vende-se de
80000 al ao mais rico qae costuma a vir
n'este genero, assim cemoboaitas cambraias
adamascadas, tan'.o tapadas como transpa-
reoies, proprias para o mesmo fin, colchas
de crochet, damasco para camas de noivas,
e cortinas, e vende-fe no Bazar o Pavao.
LASINHAS BARATAS
O Pav5o tem um gande sortimento das
mais bonitas lasinhas para vasti ios, tendo
de todos os pregos cores e qualidades.
prmcip ando da 200 rs. para cima; porm
e taa grande a quantidade que seria enfa-
donha especificar qaalidade por qualidaie,
so a vista do freguez e das amostras se lbe
vendero por pregos t5o cmodos que
engue n deixar oe fazer um vestido de
15a por to pooco dinheiro.
WMCOSTLRA
Ckfiarama Bazar Uoiversil da roa N>
vff &. 22, um soriitt>entb de machinas pa
ra costura, das melbores qualidades que
existe na America, das qbaes muitas j sao
bem conhecidas pelos seos autores, como
sejam Wdler Wilsoo, Grover & Boka,
silenciosas, Weed e Imperiaes e outras
muilas qce jom a vista dtverSo agradar aos
compradores.
Estas machinas teem a vanlagem de fa-
zer o trabalho ^ua irinta costureiras pdem
fazer diariamente e cozem com tanta per-
fegSr, como as m?is perfeitas costoreiras.
Garntese a sua boa qualidade e ensina se
a trababr coin perfeig) em menos de 1
bora, e os pregos s3) tSo resomidos que
d*vem agradar aos pretendente9.
Injec^i) amerciana.
Espeeialldade dos pharmacentl-
9 Perreira Hala A C.
EsU injeccao composta especiatmente para a
eura das purgagoes antigs on modernes, foi com
reliz resallado ensalada petos mais habis e reco-
nhcidog medico?, e por elles confirmado ser esta
injeccao a nnica que radicalmente cufa em menoj
lempo qnalqoer agnprrba oo pnrgacio antrgai?
moderna, sera o auxilio de outros medicamentos.
E tambera til as leucorreas oa flores braitcas,
qaer sejam anteas oo modernas.
DEPOSITO
Na pharmacia americana, rna Duque de Caxias
_______________numero 57,
Em casa ae THdUDORO CHKISTIAN
SEN, roa da Craz n. 18, encontram-se
effectivameote todas as qoalidades de vinbo
Bordean*. Bourgn^Qe e do Rheno.
20-RUA DA IMPERATRIZ-20
FARIA & LESSA
1 0s PrJetaro desteuovoesubelecimntovem participar ao respeitavel piblco
e com espeyalidade s excellentissimas familias, que tendo comprado um bella sorti-
mento de fazendas de todas as qualidades, esi3o resolvidos a vende-las por precos o:*
mais razoaveis possiveis para vender muilo.
ALFAIATE
que se encarreg de execuUr qualquer en-
commenda da sua arte vontade do fre-
guez, e o proorietario d'este grande esta-
belecimen^o e promeite servir bem a todos
os freguee* qu lbe honraren a sua casa.
ALGODAOSINHO A 33500 A PECA
O PavSo vende pegas d'algodSosiobo de
moito boa qualidade, tendo 20 jarda cada
pega, pelo barato prego de 305CO, diiomui-
10 largo e encorpado 60000, dito o me-
Ihor que tem vi do ao mercado, muito en-
corpado e largo para lng- es, pelo barato
prego de 6flSU0, grande pectiincba.
MADAPOLAO A 40000 E 45500
O Pavao vende pegas de madapoo com
24 jardas, sendo f^zeada muito superior
pelo barato prefo de 40500, das cem as
mesDas jardas a 4SOOO, ditas finissimas a
50500, 60000 70500e 80000. pecbincba
MADAPOLO FRANCEZ A 100
O Pavao vende egas de finissimomada-
polJo verdadeiramente francez, ten Jo. 22
metros oo 20 vara3, pelo baratissimo prego
de 100000 pega, sendo fazeoda que sent-
pre se venden 140000, e liqoi la-se por
este barato prego por estar alg .ma cousa
encbuvalbada na pona de foca.
ALGODAOSINHO ENFESTADO A 10 10280
O Pavao vende verdadeiro algodlosinho
americano, tendo 7 palmos de largara e
muito encorpado, proprio para lengoes
70UOO a vara, dilo da mesma largura sen-
do trangado e muilo encorpado 102 BRAMANTES PARA LENCOES A 2/400 248003*
O Pavao venda o verdadeiro bramante de
linbo tendo 10 palmos de largura, que ape.
as precisa para umltocol urna ara erma
quaria, pelo barato prego de 20400 vara
dito melhor de 208 o e 30000, tendo al
do melhor que vem ao mercado 30500
e 40000, assim coma crotones fortes para
Iengoas, sendo urna eacorpada fazenda fran-
ceza com 10 palmos de largura 200 rs
o metro, e bramante d'algo^cTfm^i^aesX Lingukjas das libas em latas
ALPAC/.S DE CORDO A 640 R8,
O Pav3o vende as mais lindas alpacas de
cordJo para vestidos e roupas de criaogas
pelo barato prego de 640 rs. o covado,
ditas finissimas cornos mais lindos lavoree
ma largura 10800.
SAIAS BORDADAS A 40500 E 60009
O Pavao vende graade pecincha em saias
brancas ricamente bordadas, tendo cada urna
4 pannos, e vende pelo barato prego de...
40500 e 60000, sendo fazeoda que sempre
vendeu-se por 80 e 100000.
Fazendas ptra saias a 10200, 108O e 1050
O Pa /o vende superior fazenda bordada
oZcom pregas proprias para saias 10200,
10280 e 105(0 a vara, sendo preciso para
urna saia specas 3 varas oo 3 1|2.
ios 3000 corles de easbraia a 20520
O Pavao vende urna grande porg5o de
cortes de cambraia organdys; tanto brancas
como de cores, sendo com listrinbas de
cores tessidas e n3o estampadas, e liquida-
se pelo bara.o prego de 20500, cada corte,
fazenda que vale muito mais.
Aos 2000 cortes de cambalas bordadas a 50OOC
O Pav5o vende urna gande quantidade
de cortes de cambraias brancas bordadas
para vestidos, sendo com os desenos mais
lindos e mais vistosos que tem viudo ao
mercado, tanto em listras corridas como ada-
gonaes, e com muita fazenda para um ves-
tido, e liquida-se pelo baratissimo prt'co de
50000, sendo fazenda de multo maior va-
lor, grands pechincba.
CAMBRAIAS
O Pavao vende grande quantidade de pe-
fas de cambraias brancas tapadas e trans-
parentes, teado, de 30 a pega at mais
fina que vem ao mercado.
CHITA A 160 RS.
O Pavao vende chitas largas com bonitos
desenos e cores fixas. pelo barato prego
de 160, o covado, grande pechincba.
LAASINHA A 160 RS. O COVADO
O PavSo vende bonitas Uasinhas transpa-
rentes pelo birato prego delbO rs. o ova-
do, pachiocha na roa da Imperatriz o. 60
CORTES DE CASSA A 20500
O Pav5o vende bonitos cortes de cassa
tranceza viudo cada um em seu papel, pelo
barato prego de 2*500 ) corte, ditos muito
lindas 30COO, pecbiocha.
CASSAS FRANCEZ AS A 20 RS. O COVADO
O Pav3o vende bonitas cissas de cores
para vestidos, pelo barato prego de 200 rs.
o covado ditas finissimas com os desenhos
mois modernos que'tem v ndo ao mercado,
pelo barato preco de 500 rs.
CRETONES
O Pa?5o vende fioissimos crotones escu-
ros matizados, proprios para vestidos e
chambres, pelo barato pre;o de 640 rs. o
covado, ditos de fl roes, proprios par co-
Popelinas de seda, fazenda nova, a 20.
Vestidos feilos de cambraia branca, rica-
mente enfeitados, a 160 e 200.
Basquinas de seda de 100, 180 e 200.
Superiores grosdenaples preto de 10800
a 50 o co vatio.
Grenedines de seda a 10100 o covado.
Completo sortimento de iaas e alpacas
de cores, o que ha de mais gosto. de 640
rs. a 10.
Cambraia de salpico branco e decores.
Dit-s victorias de 30500 a 90 a pega
Ditas transparentes de 30500 a 100 a
pega.
Cortes de cambraia branca com listas
bordadas, fazenda de muita pnantasia, a
100.
Ditos ditos tambem de listas a 40500.
Organdy branco de listas.
Cortes de cassa de cor a 20500.
Pegas de babados bordados, de todaa as
larguras, o que ba de melhor e mais gosto.
Panno trangad e liso para toalhas, com
9 palmos de largura vara a 10500.
Toalhas para mesa, fazenda superior, a
50.
Toalhas felpudas para rosto duzia 90.
Ditas lisas para rosto duzia 70 e 90.
Pegas de hamburgo superior a 905OO.
Pannos de chrocbet para cadeiras e so-
fs
Tapetes de todos os taraauhos e pregos.
Sortimento completo de meias para se-
nhoras e homens.
Grande variedade em chitas e para todos
os precos.
Madapoiao francs superior a 70300 a
pega.
Sortimento de madapolo de 30500,
40500. 50. 60 6 60500.
Cortes de cambraia bordada a 30, gran-
de pechincha.
Cortinados bordados para camas e janef-
las.
Camizinhas e corpinhos brancos para se-
nhora a 30 cada um.
Panno de linbo abretanhado, fazenda
propria para seroulas, lences, toalhas e
outras muitas coosas, pegas com 20 vara?
por 90500.
Bramante de linho para todos os pre-
gos.
Todas estas fazendas s3o grandes pechinchas vista do prego.
nico- legalmente autorado e approvado
pelo conseibo de saude.
NICO DEPOSITO
em
PERNAMBUCO
- Pharmacia e drogara
de
BARTHOLOME & C.
34Ra larga do Rosario34.
melbor
den Joao do
lo n. 4.
que tem vindoa este mercado
Reg Lima 4 Filho : rna do Apol
A 6^000 o par.
Vende se borzefuins traneezes, obra pontiada e
boa qualidade, venham a elle, antes que se aca-
oe : na bem eonhecida ioja de miudezas da ra da
cadea n 50 A confronte a ra da Madre de Dos.
S
imitagso de agracianas a 8(0 rs. o covado, berta, sendo fazenda muio encorpada pelo
Dunitos glaces com delicadas cores e lus barato prego de 8u0 rs. o covado
trosas como seia 10000 o covado, e ou-
iras muitas fazendas de goito e luxo para
vestido, na raa da Imperatriz n. 6o.
POPEUNAS
O PavJo resebeo as mais delicadas e me-
lhores poapelinis de seda para vestidos,
Basquinas tu casaqainhos a 200 e .
Pavao vende basquinas ou casaqainhos
de seda pntos ricamente enfeitados, pelo
baratissimo prf c > de 200 e 250000, sendo
muiio modernos, assim eolio ditos de ero-
chet e rendas pretas que se vendem muito
com os mais modernos lowes, e outaas li-1 em coota. Da ra da Imperatriz n o
zas com as cores mais novas que tem v.n te,
e veode-is 20000 cada c vado, assim
como del cadas sedas de listinhai, tanto
para vest los de senboras como de neoinas,
q vende-se 20000 cada covado.
SETINS DE COR
O Pavao tem constantemente am bonito
sortimento d4 eolios e grosdenaples de to-
das as cores, que vende-se em conta.
ROUPAS PARA HOMENS
O PavJSo tem constantemente um grande
sortimento de roupa, tanto de panno como
de brha braoco e decores, ds case-
miraj, para todos os precos e qualidades,
e tambem se manda fazer qualquer peci de
obra c;m tjdo aceio e promptido, para 0
que se tem am perito

Cutas entrangidas aaratokerUs a 360 rs. ? corado
O Pavao vende chitas entramadas com
delicados desenhos para cobertas ou c mi-
nas de cores fixas, sendo fazenda muito en-
corpada pelo barato prtgjde 360 o cooadO.
ESPARTILHOS A 40500
O PavO vende os mais modernos e me-
lhores esparlilhos, tenio de todos os l-
mannos, pelo ^barato prego de *I500
CASEMIRAS
O Pav3o veade om elegante sortimento
de delicadas casemiras ingiezis, endo to-
das de 12a e muito levesinhas, tinto pro-
prias para homens como >ara mangas, e
dita mais eocorpadas, tea lo de urna e da
duas larguras, qoeseverjde ornis barato
# possivel, di ra da Imperatriz n. 60.
So na loja do barateiro, ra do Crespo
o. i, junto ao argo de Santo Antonio.
Algodao americano cora um pequeo
tcque de a-varia a 3j a peca.
MadapolSo tino, idera a 54 a peca.
Cuitas fina9, fazenda boa a 240 e 260
rs o covado
dem dem idem a 280 rs. o covado.
S o barateiro, rna do Crespo n. 1..
Bnns pardos trancados a 340 reis o eo-
vado.
LPil0S de tres transados superiores a-
- 700 n. a vara.
Cambraias de cores fixas a 260 r. o*
covado.
Chitas finas, padroes modernos a 360
I e 40J rs. o covado.
Pecas de Cambraia transparente e U-
" pada, cora 10 jardas a 44."
dem ganga para eoberla a 380 rs. o i
j covado.
8" Cambraia oisaa transparente, fazeada
fina com 10 jardas a 2*800 a peca.
Pecas de madapolo francez, fazenda
- Boa com 20 varas, a 74500,.8* e 94.
S Pecas de brilbantina branca com 1
covados a 5/.
Cambraia para cortinado com 20 varas
pelo barato preeo de 84 a pega.
S na loja do Barateiro 1
M Toalhas de linbo, fazenda fina 3 74 a
dnzia. *
i Lencos de cambraia de linho, fazenda ""'
Z fina, ja abanbados a 74 a duzia. *
Ditos de exguio de linbo a I4500 e 5'4
Qj| a duzia.
E um variado sortimenle de fazenda *
S de todas as qualidades, que vendem por I
| muiu limitados pregos.
S na loja do Barateiro, rna do Crespo j
n. 1, junto ao arco de Santo Atonio.
flllliilllll"
X*rope peitora de James.
nico legalmente habilitado pelo conselhd de
saude, ensatado e aprovado nos hospitaes: nico
deposito na pharmacia americana de Ferreira
Maia A C, roa Duque de Caxias n. 57, ( amiga
do Queimado. l
GRANDES PECHINCHAS
t BCA DA OIPEBATRIZ. 15
320 rs.
SS fin !,tM p f,nas alplcas de lodas as c6res Para vestid0'e matas otras
V.!2 S g>MM. miudezas, calcado, chapos, perfumaras, qainquilharias,
hSlm'. T' P01"?6'3"38' l<**> lovas de pelica, preta, de cores ebraS para
aS?rsssolcados p3"forr?de carrvarieSades e a|snns move w* wo-
S 5? Ey!,WI .mu,t0 reson,,dos. Por serem nossas compras feius dinheiro.
portadoras l Pr C6Bt0 do desconto

\

a melhor cerveja Qcionaldo
Brai'l e sobretodo de Pernambuco.
a. B.Em vista da melhora do cambio, a cer-
veja tem soflrido abatimento no preco desde o 1 .
do correte.
N. 2P.ua do Barao da Victoria n. 2, amiga ra
Nova d. 2.
Amaral Nabuco & a propietario deste grande
estabelecimento acabam de receber dos porlos da
i-uropa o mais bello variado sortimento de cha
pos de seda e de velludo para senbora e meni-
na?, garantindo e bom gosto e fazenda ; e convi-
dam a seos amigos e tregeles para virem ver
o que ba de mais moderno Deste genero, assim
como um bello sortimento de cukes a Thirs,
Tambem receberam,
Calcas de meia de seda com p para dangari-
nos, luvas de pellica pretas, brancas e de cores
para homens e senhoras e meias de lia para ho-
mens, senhoras e meninas, proprias para a esta-
cio '"ernosa e para quem padesse de rbeamalis-
mo, hldade e beriberi.
Alcatifas para forro de sala, tapetes aveludados
grandes e pequeos para sof, ditos para janellas,
capachos de palha de edeo para portas de escada
e satla, pannos de crochj para encost de sof e
cadeiras.
15 BUA DA IMPERATEIZ. 15
IMSSES & imuo.

V
Leques
Chegou pelo ultimo vapor da Europa am bello
oMtment) de leques desndalo com seda e sera
sed, e de osso emiiando marflm, o que ha de
melh,or e mais moderno : na ra Duque da Ca.
X'as d, 49, loja do Tnmpho,
PARA LIQUIDAR
. li>0O0 CADA UM .
a com cabos de faja, sendo os maceados de ago muito bom, proprios para caroioaa
oo engenhos : vend-se roa Nova n. H. Tuna
Cadeiras americanas
com bfacos e assentos de pallioha: ra Nova, armazem n. 11.
Pregos americanos
de 2 a 3 pollegadas, proprios para barricas, a 80 rs. a libra: ra Nova, armaiem
Taxas americanas
cabega redonda de 5/8 de comprimento, proprias para Umanqueiros, ou outro aualoner
mistet com toque de ferragem. a 80 rs. o mago de meia libra, ou U a caiu com 150
magos: ra Nova, armazem n.'II.
t t VELOCIPEDES
SSam Bd"A.pr0pri8 p2ra bTem'v m cada Dm- fc de ra. mudndoos vir
costana 1500 cada nm: vndese ra Nova, rmazem o. ti.
a aa ^^P08 de Po para segurar roupa
SSri madeira- Proprios para prendr a roopa que se bota a seccar em cerdas
240rs. a dazia ou H a caixa, com 36'duiu. E' dar, n8o vender: roa No
n. 11.
Nov
a PARA EIGEIHO
om reeebedor e conductor de bagago da moeoda, levando por si o baoaco na u.
qae se quiier, economisando o trabalho de duas pessoas. E' talvez o nico qoe exilla
oesta provincia; vende-se nqitp barato, roa Not d. II. '


*
Diario de PcrifemkiMo -* Segn da feira >ft de Mai de 1871.
u.
7
1
ATTENCO
m
A arnazem do
vapor Fraacez,
roa 4o Bario
I da Victoria (ou-
r'ora ra Ao-
va) 9.
Ao armaiem do
Vapor Francez,
roa do Bario
da Victoria (ou-
ora ra Xo-
7.
m
Perfomarias* qinqnilharias e brin-
quedos para meninos.
Aeabam ile chegar novas faturas com importante sorliraento dos artigos abalxa
mencionados a procos mais resumido que possivel.
fl A f i a n| Cesiinha? para bra^o de meninas.
%sJm.m\/J% lilf Balaios para costara.
Botinas para senhoi asduraqne branco, Qetvt d'ararae pratiado para frutas e
preto e de ontras omitas cores escoltadas pi a^mesas
do ultimo gost > da moda. Ricos artigos de phantasia necessarios
Botinas para meninas igual sortimento. para toilhetes e proprlos de presentes.
Sapatinhos Je salto para enboraduraqne | Jarros-e bonqaets de porcelana para san-
preto, braueo e de core*, e de conro de las- tuarios.
de bap-
d I versas qualidades para ho-
B *
ira,
Buiinhas para criancas, proprias
tisad >s.
Botinas de
mem.
Botas russianas para montara, tanto in-
glezas le coa-o da Russia para viagera,
como francezas da Melier, bezerro fino, pa-
ra passeios. -
Meias perneiras para meninos de 10 a 6
au ios.
Sapatos de brim branco para borneas.
Sapatos de vaqueta de lustro com sola de
ma 'ira, propr'.os para banhos.
Sapatos de borracha para bomens e se-
nhoras.
Sapatos abotinados, de differentes modelos,
mu u bons e lortes para uiaaaios e meni-
ui.
Sapatos de tapete, avelludados, Charlot,
casimira prfta, de tranca portaguezes, para
horneas, >nhoru e meninas.
Perfumarias.
Extractos finos, bannas, cosmticos, leos,
opia as, aguas de Cologue em garrafas de
erystal para n-esente*. agua divina, agua
florida, dentfrica lavande, agua de toilet,
untara para barba e cabellos, pomada non-
groise para bigidcs, pos de arroz e safco-
netes, tudo isto de primeira qualidade, dos
fabricantes Coudray, Piver e Lubin.
Quinquilharias
Lavas de pellica brancaspreeas e de cores
Espelhos grandes dourados para salas,
quartcs e gabinetes.
Leques para senboras e meninas.
Jolas de ouro, brincos, transelins, pul-
seiras, sotoes de puchos, de abertura, cor-
rentes e chaves U reiogio, lado de ouro
bom de lei.
Brincos de plaqu imitacao de ouro.
Correntes para reiogio.
Abctoaduras p;.ra colletes e para puchos.
Albuos de velludo e marroquini para re-
tratos.
Mammadeiras de /idro para crianzas.
Caixinhas de costara, no vos modelos com
musita, proprias pira presentes.
Qnadrinhos dourados para retratos.
Toncas e sapatinhos de lia para enanca?.
Capellas para noivas e para pastoras de I Cosmoramas de varios tamanhos, c
precios ; differentes vistas
Caixinhas com vidros de aagmeito para
ver-se em ponto grande a pholographie
dos retratos.
Ps da ndro para pianos..
Thesourinhas p.ra cos.ura e unhas.
Registros de papel fino mni leleados.
Quadros promptos para collocar vistas.
Molduras douradas para quatros.
Estampas de bellas paysagens de cida-
des. de figuras e de santos.
Espanadores de penas e de palha.
Carteiras para notas e para dinheiro.
Caixintfa de msica de dar se curda.
Poateiras de espuma para cigarros e cha
rotos.
Grvalas de seda pretas e de cores.
Bengalas de cana com castoes de marfim.
Bitas de baleia, junco e de muitas qnali-
dad>s.
Pentes linos de marfim para caspas.
Escovas para facto, para cabello e para
denles.
Lunetas ou pencinez de prata dourada.
Ditos de tartaruga e de ac.
Ocnlos de prata dourada e de ac.
Reverbero transparente para caudieiros.
Ditos para lanlernas de pianos.
Cotos econmicos para vellas de sperma-
cote.
Gordas para violao.
Port-pratos para mesa.
Caixinhas de diversos modelos e precos.
bjectos novos de mgicas o melhor pos-
sivel, para divertir meninos.
Malas, saceos e boleas para viagens.
Estojos de viagens, completos com nava-
Ibas.
Esporas de metal branco para saltos.
Chicotes fortes com martelo para viagem.
Ditos de muitos modelos, de janeo e de
baleias.
Lavas de fio de Escocia brancas, e de
cores. -
Ditas de carnerea amarellas.
Machinas para fazer caf.
Globos de papel de cores para Ilumina-
5es de festas campestres.
Baloes de cores, de sabir ao ar facil-
meute.
Jogos de domin, da gloria, visporas,
rodetes, bagatela e outros jogos allemes.
Esterioscopos com as mais benitas vis-
tas, de figuras destacadas e grupos de fa-
milias.
Armnicos ou accordions Me todos os ta-
manhos e novos modelos com tremlos.
Realejos peqhenos com novas msicas.
Cosmoramas de
mu pitoreseas.
Brinquedos
" NOVA PUBLICAgAO
MUSICAL
Phantezia Polka.
Acaba de poblicar-se esta lindistima peca
de msica para piano, composigaj do insig-
ne e Ilustre maestro.
J. Smoltz.
enda
Grande
LIQUIDACAfl.
Na ra do crespa n. 20.
Loja de Gnilherme.
160, 200 e 240 o co-
Acba-se
mazero, de pianos
Jos de Azevedo,
Barao da Victoria.
Preco
no bem conbecido ar-
e msicas de Antonio
ra Nova n. 11, boje
25000
A'> sehoras.
A' chapellaria da roa Primeiro de Margo n. 6,
acaba de chfgar da Eorepi, pelo ultimo vapor,
om lindo e variado sortimento de chapeos echa-
pelinas da ultima moda p:.ra senhoras, que se
vendom por precos multo rasoaveis: n? rcesma
chapellaria ha nm grande sortimento de chaqjf
de todas as qualidades para homens e meninos.
Machina oara costura
Vende-Fe orna machina para costura, em per-
feito estado,, po.r prejo commndo : na roa de S.
Francisco n. 52.
m
Fe.ro galvanizado.
V-ndese ferro galvanlsado era folhas de diffe
rentes tamanhos : em casa de Adamson H'wie &
C. rna do Cnromereio n. 40.
Vende se por preco medico um ternno ex-
cellenle para edificar-re um engenbo, que ter de
irabalhar com sgua, irndo j feilo pela nalureza
mor parle do paredJo do ajudc. 0 terreno de que
cima trata-se coctm bstanles matas virgecs e
antig is partidos ri plantario de canna, os quaes
serviram a nm muito antigo engenho qoo alli
nouve, e coatni para mais de meia legoa de leste
ao oeste, e de penco menos de sul aonerte : quem
pois qoizer 'aier negocio lio vaniajoso, dirija se
ao propietario do engenho.Velho da fregaezia de
laboatao, que far;i todo negocio.
Chitas claras e escuras a
vado,
tas riseados prussianos a 280 o eovado.
Ditas chinezas para coberia a 240 o eovado.
Cambwias, organdys miudas a 240 e 280 o eo-
vado.
9itas bT!aas brancas e de cores para corti-
nados, a 310 o eovado.
Ditas bispo lisas finas a 34 a peca.
Ditas brancas com 10 varas, a 3*000 e 31500
a peca.
filia Victoria, a 4; a peca.
Mussulina branca, a 400 rs. o covade.
Madapolao francez, a 6* a peca.
Dito ingles de bom a especial, a 4*000. 54, 6*
Algodosiabo a 34, 3*500 e 44 a peca.
Alpaca de cor com usas, fczenda superior a
440 rs. o eovado.
Dita branca, cora flores miadas mallsadas a
500 ts. o eovado.
Dita preta cos flor branca, o 500 rs. o eo-
vado.
Ditas de cores padrees miudos e modernos a 360
r.. o eovado.
Lencos de cassa cera barra de cor, a 120 rs.
cada um.
Ditos de linho en.bainhados a 4* a duzia.
Cbila, fazenda bemeonbecida pela sua furtidio,
mais larga que chita para roupa de escravos, a
200 rs. o eovado.
Casemira preta superior, a 1*500 o eovado
Corles de casemira de cor, 3 Cortes de meia casemira, a 1*!C.
Casineta preta e de cor, a 500 n, o eovado.
Ganga amsrella lisa e de lista, a 320 rs. o eo-
vado.
Algodao iargo merca T a 5* a peca.
Dase amostras com peohor.
ATTEI^AO
UB
Bolejnhas de seda e de veiudo.
O maior sortimento
de todasorte de brinqi
diversos paizes da
ment das enancas.
que se pode desejar
uedos fabricados em
nropa para ntrete-
H^l
PARA
Sementes novas de
hortaliza.
Aimaz^m Dous Irmaos
RA DA PENHA N. 8.
Gaz a 320 rs.a g.irrafa.e 6*600 s lata, vinho F-
gueira superior a 500 rs. a garrafa e a 3*800 a
caada, arroz o que ha de melhor a 100 rs. a libra
e a 3* a arroba, toucinbo a 500 rs. a libra, pas-
sas e ligos supeiiores a 320 r?. a libra, doces sec-
eos, idem em calda, marmelada fin, lombo de
porco assado, linguica fina prompta, latas de lodo-
os tamanhos com bolachinhas e bicoutos de todas
as qualidades, ameixas franeezas era caixinhas,
irascos e latas diversas, vinho Bordaux francez a
600 rs. a garrafa e a 64 a caixa, e ootros muitos
gneros que se vendem a pTeco? razoaveis.
DISCURSOS E DIVERSOS ESCRITOS
PELO
Dr. Aprlglo lastfnlano da Silva
ulniarSes.
Lente de economa poltica na faculdade de
direilo do Recife,
NATURAL DE PERNAMBUCC.
Um vol. de 480 psg., ntidamente impresso, na
typographia de C. E. Mullen.
Acha-se 00 prelo, e assignase rna do Impe-
rador n; 27,1* andar.10* cada exemplar.
O autor collige algans de seus disenrsos, que
to benvolamente haj sido acolhidos por maitos,
retocando-os e annotaedo-os e inclue no sea li-
vro algans escriptos, que suppoe interessarem,
embora francamente, a lula de ideas ere que o
paiz se vai empenbando : precede ama tonga in-
trodcelo.
O livro nao_ tem a cor de ama poltica de parti-
do coro relacao ao imperio ; e sim tem a cor de
ama poltica de Liberdade, que e ser sempre a
dos homens de bem de lodos os bandos polticos e
de todos os paizes.
Ra Nova d. 22
Para esle estabelccimento acaba de chegar um
riquissimo sortimento de objeclo?, todos novos, o
quaes sao das segeintes qualidades :
Machinas para fazer caf, em cinco minutos, K-
quaes fazem o caf cora todo o aroma, e com me-
nos qaantidade do que se costuma a usar, por se-
ren de nm systema inleiramente moderno.
Estas pepa importarrti3simas podem tambera se-
vir para cima de mesa, sendo os seas precos de
cinco at cein rail reis.
As explicacoesparafazer-ss o caf veem em por-
tugnez e inglez.
Tan bem ha para vender neste estabelecimento
requissiraas esleirs brancas e de cores, para for-
rar salas, poj precos muito baratos. Bem como
muito boas vassouras para lavar casas ladrilhadas
e assoalhada, as quaes sao de qualidade inleira-
mente nova neste mercado.
vestidos, com grande variedade de cores, a Na loja de Ferreira GuimarSes & C. roa
240 rs. o eovado
Na ra Primeiro de Mar$o (outr'ora do Crespo)
n. 13, loja Jas Columna?, de Antonio Crrela de
Vasconeelloe.
Vende-sa 34000 o aacco de feijo molati-
nho. com faro : no trapiche Fontes : no Forte
do Mattos n. 6.
Duque de Casias n. 95.
Vende-se *"
duas casas terreas em chaos proprios, em bom es-
tado, com gaz e agua do eoeanamento, junto da
estaco do Manguinho n. 29 e 31: tratar na
ra da Soledade n. 2.
A1$800
Bramante de linho para lencoes, tem dous me-
tros de largara ; anda ba na rna Duque de Ca-
xias n. 65. amiga do Queimado. Aprovetem a
pechincha I)
A 60OO
o corte de casemira, fazend > que val 94-
perder a occasiio : s na roa Duque de
o. 65, antiga do Queimado.
nada de
Caxiaf
FIO
Para saceos e foguetelros.
SACCOS
PAItA ASSICAR
CERVEJA DE MABG4
K
Engarrafada especialmente para o Brasil.
Charutos de Havana
-tosa para velas
Cambraa Victoria
As verdadeiras trazem os nmeros estampados
as pegas e nao as etiquetas
Vendem-se .
Era casa de
. T. JEFFERJES & C.
46 Ra do Gommercro 46
BRINS DE ANGOLA
OS LEGTIMOS
Trazem em rada peea am bllhe-
te com o uonie
. D0S
nicos importadores
T. JEFFERIES & C.
Vndese um terreno de 1,000 bracas de
frente e 1,200 de fundo, no lagar de Jatob; termo
de Agna Preta, com proporcSes para nm bom en-
genho, visto serem as trras de muito boa pro-
dcelo e estar perto da estaco da via-ferrea ;
sendo que, estando o mesmo terreno hypolhecado,
o respectivo credor intervir na venda : qaem o
pretender dirija-se a ra do Bom Jess, oulj'ora
ra da Cruz, no bairro do Recife. n. 38.
Ruada Lmperatriz 13 A
DE
JOAQUIM BEZERRA PESSOA & C.
Os propriet'ros desle novo estabeleci-
mento de fawndas veem screntificar ao res-
peitavel poblico em geral e'. em particular
as Exms familias desta cidade e fora della
qne chegado pelos ltimos paquetes da
Eoropa, o mais bello sortimento das mais
lindas fazendas que it hoje sao vistas em
nosfocommercio, e que est3o despostos-
venderem por todo preco.aflm de venderem
moilo e apurar dntieiro, saber:
L;ndos cataqainhos de gurgorSo preto
enfertados para todos os precos.
Cortinados ricamente bordados para ca-
mas e j-EPts.
Om'sinhas de linho bordadas para se-
nhoras.
Ri:os tapetes avelludados com lindos de-
zenli >s para 2 e 4 cadeiras.
RC3S giinaldas e capellas para noivas e
meninas.
L3a para boalar,de todas as c&res por
commodos precos.
Chapeos de so! deda ingles a balo
per todos os pn eos.
Ricos o Modernos corles de organrJybraa
eos com modernas listas.'
Ditas d cambiaias de salpicos brancos
e de tedas as cores a 50C0.
Pecas de cambraias finas a Victorias com
10 e i i jardas a 3,i, 40, P#, 00 e 70OCO,
Ditas tfai:spar otes linas para lodos os
precos rom larguras.
Va.'iadis.ximo e elfgaantes sortim=nlo de
laas para vestidos de lodos os prec >s e qua-
lidades, que, quem as vir a vista dos pre-
cos comprar.
Modernas popeinnas com stras a 120
rs. o eovado barato.
Grande variedade em chitas finas, para
200, 240, 280, 300 e 3*0 rs. o eovado.
Pecbincba em alpacas de cores lavradas
e omito finas, o eovado 400, 500 o 600 rs.
na Flor da Moda roa lmperatriz 13 A.
GRANDE PECHINCHA! A ELLA ANTES
QUE SE ACABE ?
Sao camisas franeezas finas a 1 .-5500 cada
urna, dmira a vista da fazenda. S na
Flor da Moda ra da lmperatriz n. 13 A.
Chapeos de sol de alpaca pelo baralissi
mo preco de 30000.
Madapoloes finos e largas com 20 varas
a 40, 50 e 60000.
Brim pardo trancado de linho fino o
eovado a 30 e 400 rs. admira.
QUEM QUIZER VENHA COMPRAR NA
FLOR DA MODA -RA DA 1MPERA-
TRIZN 13 A.
Cobertores de finissima 13a de cor a 80,
60, e 40000 brancos.
Cambraias de cores fixas e finas a 200,
240 e 280 rs. o eovado.
Lencos de chitas grandes e bonitas a du-
zia 20OCOrs.
Grande quanlidade de lencos para me
nios e bomens sendo :
Com barras de biebinchos e caluog-as V-
zendo gynastica a dozia 10200, 10500,
20600 e 20500.
Ditos brancos finos a 20300.
Ditos de linbo ambareados finos a 60 e
70000 a dozia.
Camisas de meia o melhor qne b, urna
10, e 10500.
Ditas inglezas finas de linho para homens
e meninos por todos os precos.
Collennhos, .panWs, gravitas, meias,
toalhas, lencoes. crochets para cadeiras e
jardineiras. -
Completo sortimento de cassimiras preta
de cores.
Pannos finos pretos e de todas as qoali
dades, brins brancos pardos e de cores por
todos os precos.
j Roupas eitasna Flor da Moda
Sobre-casaeos, palilotssaccos e fraks de
| todas as qualidades pnco couimoJo.
Calca de casemiras prtas: de cores, de
brins brancos, pardo* e de cores.
Ceroolas franeezas de linho e de algodao
i commodos procos.
No mesmo estahelecimenlo tnccn'ma
os amaveis frequezes um htm alfaiale para
lomar medidas dos que qciztrrm mandar
fazer suas obras e bjeiiarjVoos a.ficar
com aquellas que n5o sahirem a contento,
afim de bem servir todos aqnelles que 003
honrarem com sua proleccSo neste esiirbr-
lecimento urna enaidado de artiga que
deixamos de mencionar p3ra r,5o so temar
massante ao leitorest o e.labelecimenl
est aberio das 6 as 9 horas da noite s
oidens do respeitavel publico.
N.-13 A RA DA LMPERATRIZ N.-l* A
A

Ruado DnqnedeCaxla 91
Cbamins para gaz a 32l> rs. !lt
Chamins para gaz a 320 rs. I!l
Chamins para gaz a 320 rs. III
Diqualqoer lamanho a 320 rs. I!l
97 RA DO DUQUE DR CAXIAS-97
CEMENTO.
O verdadeiro porlland.
ra da Madre de Deus n.
Ji;3o Marlins de Barros.
S se vende
22, armazcm
DJ
de
\ ende-se 80 asobees da Companliia Pernamhn-
cana, de valor de 20f' cada urna, dndose o def-
conto dj dividendo vencido nj ann> prximo p3i-
sdo. Isto orna boa cqnisico para tf\WB
quizer empregar dinlieiro, visto como a dita cora
panhia, tem dado os seus dividendos regulare?,
e o po?oidor da9 mesmas apolirfs ?s \eode por-
quetemde relirar-se para a Eurepa, jteDJ
por esle motivo liquidado todos os eus uegocios
ntsia praga : a peysoa qne pretender toda* ou
parle della?, pode dirigirle roa Nova, caa n.
24. que achira com qaem ttaiar.
DE
VIDAGO
nico deposito
Pharmflcia americana de
Ferreira Maia# C, ra Du-
que de Caxias n. 57, anti-
ga do Queimado,
Vende-se un habito de Aviz, um dilo &.;
Chnsto e urna medalha da restfurarao da Bahin,
lodo por preco commodo : na ra Nova n. 63.
GRANDE
QUIDACAO
Na roa do.Duqoede Caxla?, artiga roa o I
Queimado n. 49, vende-se chitas de cores os-
curas e roatisadas pelo preco do 200 rs. o covaoo,
cambraias de cores, bonitos padrees a 240 rs. o
eovado, e pecas de cambraias branca fina com 10 -
varas a SJ e ditas ecm 8 ditas boa por 4, pecas
de madapolao de 4 J. 4*500 a 3J, e algodao bran-
co de 3*500 e 4*000 a peca; indo per preco
qne almira.
Vende-se
ou aluga-se urna casa no Caxang, na volta do
Ouleiro da liba, muito prxima da stacao do ca-
minho de ferro de Apipucos ao Casanga, coai I
salas, 3 quartos, cozinha ra, cacimba e animal,
com algumas fructeiras : a tratar ca tua do Im-
perador n. 67, andar.
Chocolate bomeopalbico de LoHdres e to Ma-
ranhao, vende-se na ra estrella do Rosario d. 13,
Irogaria hrraeopatbica.
Libras stnlias.
Vndese no armazem de fazendas de Angoste
F. de Oliveira & C, roa loTommercio n. 42.
i:
LISTA GERAL

192.
a
f
DOS PREMIOS DA I. PARTE DAS LOTERAS CONCEDIDA POR LEI PROVINCIAL N. S93, A BENEFICIO DA MATRIZ DO GRANITO, EXTRAHIDA EM 13 DE MAIO DE 4871.

NS. PREMS. NS. PREMS.
I
6
3
83
*
45
46
II
M
56
86
61
71
73
78
4
90
M
6*
*#
H
40*
tOC'*
loo m
n
K
U
93
3t
47 -
II
5t
61
^17
M
74
m
m
w
84
IM

16
II
34
._

:
'
10*
6/
10*
6*
240
43
44
47
49
69
68
78
79
80
83
87
89
94
95
96
361
4
S
7
H
23
30
46
50
M
54
86
59
60
62
56
71
73
79
81
84
93
%
401
3
40 -
II
13
16
100*
NS. PREMS. 1 NS.
426 6* 631
29 32
36 40* 33
41 6* 39
44 40
45 _ 46
51 49
52 55
03 57
57 64
58 66
59 73
60 _ 74
61 76
63 __ 84
78 93
79 _ 97
82 __ 704
88 . 11
6 1!
91 16
97 -_ 11
98 17
506 28
9% . 3?
W 35
11 36
22 42
14 45
19 58
31 62
37 65
43 68
50 71
51 10* 75
59 H 60
66 90
74 98
85 807
90 0
94 10
608 15
13 M 14
17 H M
19 > 31
18 #- 34.
1 i 36
NS. PREMS. NS. PREMS.
6*
10*
6*
10*
6*
166*
6*
__
J
f
t
10*
6*
841 6*
42
45
50 -
59
62
.63 -
65 -
68
75
92
95 -
903 -
6
19 -
25 -
39 -
48
49
53
57
58
61 5:000*
61 6*
3
65 _
67 _
W -
1001 -
10 -
15
K -
16
19 -
86 -
49 -
41
m
13
61
64
m
74
n
-41'
U
NS. PREMS.
6*
1084
92
93
99
Uil
12
15
17
21
28
35
39
47
55
61
63
71
72
87
84 -
NS. PREMS.
NS. PREMS.
________

tOJ
3
4
10
22
14
30
31
47
46
55
(30
61
63

0
*
4
6
se
46
n
<
m
1322 6* 1530 6* 1755
39 37 56
31 42 67
37 57 65
39 _ 61 67
43 63 70
44 . 64 71
46 . 66 20*' 73
48 72 6* 74
51 74 78
55 78 ' 79
58 94 _ 86
59 .W 1602 89
65 6* 10 93
68 13 94
74 11 __. 99
76 m 29 11 1811
85 6* 31 ~ *
90 ~"" 47 25
98 j- H . M
1403 56 31
7 ' "~ 57 43
32 58 "~ 5 45
33 _ 65 46
36 71 57
38 79 >mm 58
41 81 71
52 89 . 76
55 . 90 1 80
56 , 93 - ,] 87
66 ^ 4704 __ 18
66 _, 5' 99
67 . 7 ~~ 1998
73 8 1 M
78 11
86 * 43 _ i 12
91 --- 16 ; %
1644 16* 11 ; 34
4 14* II i 38
7 > 13 43
25 _ - 114
ti i 96 - t 181
KS __ 34 W
'ft _. -'44 _ ' ;5
21 _ 1 51 ^_ 157
15 _ 51 _ l 189
NS. PREMS.
6*
NS. PREMS.
10*
6*


1964
71
73

80
81
84
89
93
94
99
2001
3
15
34
37
39
44
51
53
54
56
60
63
66
70
75
76
65
86
90
' 91
96
97
69
1106
14
6*
400*
6*
'200*
6*
_
40*
*
-'* 18 -

16*
_ i
20
34
35
14
81
. 52
45
K*
NS. P REMS. NS. F REMS. NS.
1156 6* 2329 6* 2522
58 37 26
II 41 28
66 44 29
69 45 34
71 48 ^~ 36
- 82 50 37
83 70 _ 41
85 79 10* 42
86 81 6* 46
92 83 47
97 63 49
96 90 _ 50
2201 97 . 60
3 94 63
4 1 2460 67
7 6 74
12 9 _. 73
13 12 75
15 15 81
m 19 83
17 20 94
20 | 24 . 2603
13 17 10* 8
26 39 6* 17
30 41 28
34 42 . i 37
36 45 _ 81
40 1 46 im 55
41 41 M 60
46 ' 54 , . 63
53 61 qpa 69
60 66 10* 7i
68 69 6* 94
69 10* 70 96
78 4* 76 __ 1707
78 | 78 M 11
41 .. 81 _ 13
66 _ 86 _ 11
86 i 91 M
91 3 51
93 Zt 3503 -- 83
44 8 _ 89
47 ! .4 _ .
2321 A 63
18 * "11 --- - 64
NS. PREMS. I NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS.
6*
10*
6*
16*
6*
16*
4*
2767
68
70
73
75
78
88
89
94
95
97
2801
4
17
26
18
29
30
34
35
38
40
48
56
66
67
70
72
76
82
87
98
98
3900
I
11
n
14
13
26
N
34
44
51
84
6*
10*
6*
2962
71
76
77
85
89
90
94
96
3001
18
16
19
II
31
34
38
81
6*
10*
10*
6*
40*
10*
6*
61
67 _
68 .
69
71 .
74
7 61
96 *
3100 6*
3 %
11
11
17
18 _ *
36 _ 'i
39 i
34 flm
36 <
86 _
69 ml
73
73 _
78 900*
76. 44
84
64
4*
40*
6*
3190
95
98
3200
10
11
16
10
II
45
26
36
47
46
69
81
83
81
96
97
3307
8
14
18
20
21
34
38
30
31
38
37
43
44
56
61
63
48
74
75
7
43
47
68
46


8


UTTERATBA.
O DIREITO DE- REPRESENTADO DAS
MINORAS
(Cootinuacao)
E linda issim, repelimo-lo, tomamos os
algarismo, mais plcvados e m nos favora-
veis nossa t'ese. Qnantos riepuludos po-
deraraos agora citar qae e?t5o neste caso,
tanto entre o; conservad tres como na op-
* psito, tanto as provincias como em Pa-
r3. Entretanto o mandatario assim el dio
passa em toda a parle cmo verdadeiro re-
presentante do sen districto. Cada di*,
fallando de ura dop otado eleito por 48.00!)
suffcagios,algarismooffcial,chimam !h;
aflbatamente mandatario de 40.000 clei-
torea! i
Mas, dirao alguns, essa n3oa regra ge-
ral. equando os deputados reunidos deci-
dera subsranameote, pode-se estar certo de
que a soa decisao est d? accordo com a
maior parte da n^cio e se apoia na naiorii
lo corpo eleitoral. Naolaipda neste pon-
to reina a iacerteza e o arbitrio. Vimos
cima cue o systema actoal, qaaodo nao
leva o desanimo at a abstengSo, r-duz a-
talraeite a se acoalisaremopin^es que se
sentera fracas qnaodo separadas. O resul-
tado por em frente um do outro apoma
dous partidos, em um dos qqars.quer q "'i-
ra qoer n3o, todo o candidato, todo oe'ei-
tor deve ir fundirse. Votase, e um dos
(loas partidos, mais numeroso,- molhor dls-
ciplinado, melbor ajadado do acaso dos (lis-
tridos, langa m3o de q asi toda a repwerf-
tacSo naoioaal. Que acontece no dia se-
guinte ao da victoria ? A cmara comp os
ta de elementos coalisados, mas nj homo-
gneos, divide-se em una qiiost5o, Qae
representa entSo a decis3o tomada ? Un
tergo, talvez nm quarto da nag3o, porque
a cmara j nao representava mais do que a
maioria delta, o eis que por sua vez essa
raaioria se divide em dous grupos, dos
qnaes o mais numeroso que d as
cartas. '
E o3o nos veuham aecusar de inventar
caprichosamente bypotheses phantaslicas;
os exemplos nao esto longe de eos. Esti-
r esquecido que em 4852 o corpo legisla-
tivo era absolutamente composto de depu-
tados bonmartinas ? Estar esquecido que
em 4867 apenas 45 dessidentes poderam lar
accesso na cmara ? Pretender-se-ha aca-
so que entao o paiz todo era bonapartht,
som nenhnrna divergencia ? Ver-se-ha o
contrario disso. se acerteza de seren ven-
vncidos nao aconselhassc abstenco sos
opposicionista3 de todas as cores'. Nada
mais fcil de prever, aindi na amencia de
toda a press3o governamenlal, que a repe-
tico le semolnante facto. Um partido,
ainda que vigoroso, por ponco que sej dis-
simiDaio e honesto, deve succambir em pce-
senca de urna coali-ao organisada e prestes
a nao recuar diante de neohum mel. E
jnstaraente entao que, apenas ganha a ta-
taib, faz-*e a ciivUo entre os alliad.08 da
^espera, e a minora da representsco e a
minora nao representada dos eleitores po-
'Jera constituir .untos a raaioria da narao,
de mare-ra qua a final a menor parto do
piiz pode goveraar a maior.
Taes s5o os froctos do actual systema:
aniquila o direito de nraa porcao de elei-
tores, lanca no coracao da nac3o o antago-
nismo, a luta e o odio ; viola nos cidados
Diario de Pernambumo
Segunda feira
IV de
Maio de
-------*--------
1871
trvos.
Cll"
gios eleitoraes. Le*ariamds o trrto novadlo at fuedar os dislrictos elenoraes
as bases ios districtos administra!
dando a cada um o sea depatado ?
fessemo? francamente que, tanto n'um como
n'ootro caso, no ponto de vista do direito e
da verdade, a impresa nos ejndifferente.
N3o nos doleremos seqoer em discutir se
na primeira hypotbesese poderia seriamente
esperar urna di-tribuicSo dos eleitores mais
esiavel e conforme com as necessidados
locae?, e se na segunda n3o haveria entre
os colegios urna extranha desproporcao
da populacao e da exten o. Contra tres
medidas, reclamamos a questSo previa,'e
aso p^ruma smp'es r.izao: uma roform
dt-sle gcnjjro nao uma reforma, uma pu-
ra1 variante. Qoe viria ella remediar?
Impedira que a maioria em toda a parte
esm?gasse a minera? Acabara com s divi-
f-ojs e as lutas qnc engendra forzosamente a
oecess dade de escollando um nome, excluir
outro ? Restituira ao'eleitor orna parcel-
la de liberdade, ao abstencionista urna som-
bra do esperanca e de coragem ? Destrui-
ra amflm essa confusao fatal entre a deci-
sao e a representacao que a cada instan-
te pode por as m3os da minora o exer
cicio da soberana ? Nao, nada disso. Sa-
bemos bem que os partidarios dessa refor-
ma barata pretendem, multiplicando os
dislrictos, multiplicar as probabilidadee da
minora: mas que? mulliplica-se uma
quantidade problemtica ? Ora, sendo o
numero ; maioria em cada colegio a ra-
zio sopreraa, as probabilidades da minora
nao sahmi dos limbos do arbitrio e do aca-
so. Sjbimos que, Qxao lo definitivamente
os collegio;, cuida-se por os eleitores e os
candidatos ao abrigo dos caprichos da
adroinistracao. V quo seja fica assenti-
do que na vespera do escrutinio n3o se po-
dera alterar os dislrictos; mas ern primei
ro logar isso apenas um dos lados da inge-
rencia administrativa, a mesma ingeren-
cia administrativa nao mais que um dos
accidentes da molestia; a molestia o sys
tema, que nao ca al'crado em sua essen-
ch; teremos apenas alguns deputados mais
eletos com os mesmos pergos e iojasticas.
!'raucamente, para tal resultado, vale apenas
tocar nasin-tituices?
Mnita gente aceita como dinheiro de con-
tado essa apparencia de referan, precisa
raepte porqus 6 a qae menos loe altera a
rutina ; outro3, parecem estar com nosco e
dizem; Nao, isso n3o reforma seria.
E' preciso ir mais loage, necessario fazer
urna mudanc radical. At ahi ludo vai
bem ; por desgraca acrescentam : Pre*
cisamos do suffragiopor dous graos ; eis o
verdad :iro systema, eis a panacea. Aqui
j nao ha accordo pojsivel comnosco.
Antes de lodo, as-entemos uma cous, e
i!
a liberdade do voto, produz a abstenejb e
a odifferenca para com os negocios pbli-
cos e emfim, para coroar a obra, conce-
dendo ? a maioria o direito de representa-
do, a arrisca-?'? a fazer-lfle perder o di-
reito de decido, qae a manifestacao de
soberana. Nistas conseqaencias fatacs de
uma inconcebivel confu35o qoe reside
n'almente todo o mal. Conbecemo-lo ago-
ra. AoUn de indicar qual na nossa op-
niSo o iidko remedio, vejamos de passagem
algn" pallialivos qun e propSem.
III
O : rimeiro, e, cumpre dize-lo, o que.
parece termal probabilidade de ser adoptado
no dia em que se nio puder deferir mais a
rearma promettida, consiste simplesmente
em augmentar o numero dos representan-
tes e subtraliir ao capr'cho da administra-
c3o o direito de delimitar os dstrictos elei-
toraes. Na re4idade, nao sahiriamos do
crcolo das nossas inst tuic5es actoaes, nao
haveria mais que um chase-crois de ds-
trictos, uma mudanza interior.
Como se realsaria essa reforma ? Li.
mitar-nos-hiamoi, a dar s popularles res-
pectivas o algariimo normal dos deputados
qae Ihes devido, e fixaruma vez portlas
por uma lei definitiva os limites dos eolio-
FOLHETIM
O FILHO 00 CALCETA
que os que assm fallara, n3o refleclem,
porqamt), anda no ponto de vista delles,
a sua reforma uu irapratcavel on soberana-
mente pcrig3a. N3o ha de um modo ab-
soluto mais que duas maneiras de compre-
hender e applicar o saffragio por dois
graos: da parte dos votantes ou um voto
de confian? i ou um mandato imperativo
Ou a massa pupular, renunciando ao exer-
cicio integral di seu direito e convencida
da sua ineptido para eleger com cnbeci-
m^nto de cansa os seus representantes, de-
lega o seu poder electivo a uma pequea
fraeclo de mandatarios a quera d sera con-
dicao pleno poder de eleger a quera Ihes
parecer, em uma palavra uma especie de
caria branca, ou ent3o, recusando abdicar
o S'U direito, n3o ve nos eleitores do se-
gando grao seno uns commissarios eocar-
regadps de depositar ua urna um nome
coovencionado "de antemo, e n3o os elege
se-o depois de Ihes impr a escolha e as
vontades proprias. Ora, que esperam elles,
os que pe lera boje o suffragio por dous
graos? Qual o seu firn ? Assustados com
ver, gracas ai suffragio universal, que s a
massa do povo d a lei, receaado o abafa-
.rae.vo da intelligencia pelo numero, tremen-
do emfim de se verera irreraediTvelmente
afogados por eSS mar endiente, querem
sem o parecer, oppr um dique onde se
quebr a oada invasor. Restringir abso-
lutamente o snflragb universal nao o ousa-
riim elles; massabtilisa-lo, apossar-se delle
pira llie tirar asvantagms, outro caso.
O suffragio de dous graos a pelotica com
aquil querem bifar o suffragio. C ntam
que o eleitor confiante s demillir as
oa" is delles, e reponsar do cuidado de di-
rigir es negocios. Horneas ebeios de illu-
s5es, pe-dei essa esperanca; o povo fareja-
r o vo^so pen ^amento oculto e n3o se dei-
xai engaar. De um golpe vos deraolir
a machina, ou entao, se consentir em faze-
la trabalhar, ser a sua vontade, e em pro-
>eito seu. Corrigi-la-hi ajantando-lhe orna
rodw, o mandato imperativo no priraeiro
grao, e entao'qae tereis globo f Deixareis
de ser esmigados p?lo namero ? resigoar
vos-lieis ao simples papel de porta-voz? e
pensis qae ir36 ter eonvosc% ? IllusJo f os
oradores de clubs qae blo de merecer a
confianza publica. Qu>nto a vos, gente
tranquilla e timorata, a vossa influencia n3o
pesar mais um g 3o qae dantes.
Qaanlo anos qoe, desdenhando djlialqaer
preocupac3o pessoal, calculamos qae a lea'-
dade, o respeito do direito e da Justina,
valem mais que todas as astucias para-as-
segurar o triumpho da verdade. n3o pode-
rafs por nenhura preco, em bypotbWne-
tihuraa, acceitar o suffragio de dous g-os.
Vot > de confluya ou mandato imperativo,
sempre para nos o resaltado de uma onfu'-
sSo de principios 4 a fonte de jasticas fu-
nestas. Se, o que impossivel, populado
eleitoral qoer acceitar o soffragij de dous
graos, como pretendem aquellas qae l'i'o
apresentnm; se constate era consiitair
sua custa, na pessoa dos eleitores do segun-
do grao, um corpo de privilegiados que s
executarSo a voz djso3 consciencia, os dic-
tamos da sua r..z3), quera nos afiaoca que
a representadlo nacin 11 n3o ser a exprs-
Jo da minora da nac3o ? E se, como pa-
rece provavel, a pratica do systema cai na
segunda by(iolhese, se os eleitores do se-
gundo grao forem reduzidos ao papel ma-
china] de intermediarios passivos. qae se
haver mudado no actuil sysieraa ?. Hiver
uma operagao mais; o resollido pocru
ser o mesmo ; seri sempre o mesmo jogo
da maioria absorvendo a represenlac3o, e os
mesmos perigos, as DMmas iniquidades
nascendo das mesmas causas.
Mas eis que se nos offereceau terceiro
remedio. Apresenta-no-lo a opini3o radical.
Sera emlr a cura ? Examinemos. O re-
medio o escrutinio de lista, lato a subs-
tuico da cdula de um nome, pela cednla
de rauitos nom.es Abi est o que nos d3o
com ares de progresso e liberdade. A lista
de muitos nomes! Talvez se admirem da
no'sa vehemencia os que neste systema s
veem a difficuldade que ter o'eleitor de
conhecer e eleger certo numero de candida-
tos. Esse o menor defeito do system :
elle principalmente e aexagerac3o, a mul-
tiplicago fatal dos erroa e das injusticas do
rgimen em que votamos, Que censra-
mos nos ao systema vigente ? Censramos
o matar o direito cora o numero, esmagar
o individuo cora a maipra, dividir os cida-
dos, forjar coalises, engendrar a absten-
do, o desapego, a indifferenca. Que faz
pois a votaco de muitos nomes ? em qae
base, em quo principio reparador vemos
qoe ella repousa ? Com o voto de muitos
nomes, como com o voto de um s, s a
maioria que domina, s ella que se apodera
da representacao. Smnte o triumpho da
maioria em ca la collegio j nao de um s
nome, e de uma lista inteira de nomes,
uma serie completa de representantes que a
maioria absolve de um s golpe
pendentes. E sera isto um progresso ?
uma reforma ? N3o I n3a! 1 mge de nos
esses remedios qae nio atiiogiriam o mal
ou o tornaran) mais perigoso 1 Abramos
m3o dos preconceitos e da rutina, dos me-
ihodos impotentes ou perniciosos,' afronte-
temos a molestia corpo a corpo, attaqne-
mol-a na soa essencia e caremol a na sua
raiz.
IV.
A raiz do mal, conhecemol-a j, a con
fas3o es'ranha, qae serve de bise s nossas
iostituigoes eleitoraes, entre o direito de
decisao e o direito de representacao. Cura-
pre sabstitnir ao principio da eleicao pela
raaiorja ara principio reparador, ara princi-
pio de razJo e de equidade. Este pria.i-
pio,j o indicamos,esse prin;ipio fra
do qual n3o ha Justina nem direito, a
proporcionali'iade da repnseniago. E' o
principio em lira que cima enunciamos de-
baixo da forma pratica, quando (lisseanos
qae em ama assembla de 30 membros,
qoe tivass; de eleger tres representantes,
se se formarera dous grupo3, am de 20
membro, outro de 40, o priraeiro dever
eieger dous delegados, e o segundo obter
sem contestcao o tererjiro tergo, isto o
terceiro delegado.
(Continuar-s ha.
e semear no paiz novos motivos de'discor-
dias..
< Asseotar a repblica sobre bases in-
3uebraotaves, entrar na vida da coacor-
ia e da salvado ; assegorar Franca, no
caso presente como no futuro, a ordem e a
liberdtde.
t Viva Franca !
Viva a repablici I
VARIEDADE
mi no^system1
A escassa-probabilidade
actual, ainda resta ~flwrori7~a,e"^e" adiar
por acaso em maioria em um districto, seo-
do alias vencida em dez ou quinze dislric-
tos vizinhos, essa o oatro systema redu-!a
a nada pelo facto de abranger de um golpe
os 10 ou 12 dislrictos. A maioria triumpha
t-e-ni massa; em massa aniquilada a mino-
ra. O voto de am raerabro damiioria vale
10 ou 15 votos, o de am memoro da mino-
rio nao vale am comiobo.
Nao pois rigorosamente verdideiro di-
zer que o despotismo da maioria, com o
voto por lista, sobe decima, decima qainta
vigsima potencia, segando fr exercido em
listas de. 40, 5 ou 20 nomes ?
Com tal systema por tanto, mais que
unn -a mister, para existir, ser maioria,
mais que nunca por coasequencia a com-
petencia ardente, o antagonismo apaixo-
nadd ; mais que nunca o exercito eleitoral
se divide em dous campos, sob duas ban-
deiras inmigas, longe das quaes nao ha so-
luc3o'nem existencia possivel. Mais que
nunca rister ser compacto, coalisar-se,
trafior consciencias: mais que nunca em-
fim o eleitor honesto, que nao v n'um on
n'outro campo companheiros cim quem
deseje combater, obrigado a ficar na sua
tonda, renunciar sem esperanca o seu legi-
timo quinho do saque, isto de repre-
sentadlo.
Ahi tem pois o qae o escrutinio de lis
ta; o despotismo da maioria decuplado,
centiplicado talvez; o antagonismo entre
concidad3o3 sobre-excitado, exasperado ; a
liberdade lo eleitor encadeada mais estrei-
tamente do que boje, emfim a abstenrao
imposta aos cidados honestos e inde-
AUSTRIA.Tendo-se fallado milito dos
conselnos dados polo governo ing'ez Aus
tria para que permaoecesse neutral na ul-
tima luta franco-prussiana, o governo aas
trao publicou os seguintes despachos, que
foram or'gem destes beatos:
O conde de Apponyi, embaixador aus-
traco em Londres, ao conde de Beust.
Londres, 8 de agosto de 4870.
Governo prussiano laraenta-se aqufdos ar
mmenlos o negocigoes diplomticas da
Austrii. O governo russo participa destes
receios, que podem modificar aSua neo
tr.didade. No ileresse do bom accordo
entre os oeutraes, e para crcumscrever a
luta, iord Granvillo pede-vos qae estejaes
alerta.
O conde de B jost, ao conde de Appo-
nyi :
Vienna, 9 de agosto de 4870. Dai
os agradeciraentos a lord Granvillo, de
quem sempre saberei aprec'ar osbons con-
seibos; mas fazei Ihe notar que os nossos
preparativos militares, mais justificados do
que os da Iaglaterra, pela nossa posico
geograpbica, tem um carcter exclusiva-
mente defensivo. Coogralulo-me de lhe
ouvir fallar de um accordo entre os neu-
traes, e rogo-vos lhe digaes que, livres de
qaalquer com.Tomisso, estamos disposto-
par a elle.
POR
FIERRE ZAGCOXE
nun nt \ parts
(Gontioaac3o dojn. 409.)
O calal>oiivo
Como j tinha dito Molinet a Beaure-
Sard, Raphael, depois do qae lhe succe-
era no bosque de Bondy, foi outra vez
levado para as gales, e estove em perigo
de vida cousa de dezoito mezes.
As feri Jas que lhe fizaram, a valente ca-
cetada qae Ibe parti a cabeca,< o pezar
com qne vio roHbaremlhe o dinheiro, que
esconder com tamanho cuidado, as mais
risoohas esperanzas no futuro marchadas
e fenecidas, todo isto Ibe deu volta cachi-
monia, e at cheg; ram a temer qae endou-
decesse. Mas m cara do desgranado po-
zeram am cuidado especial. Foi visto pe-
los mais acreditados cirargies de marraba,
e dezoito mezes passados, voltou para en-
tre os camaradas.
O calceta nao pareca o mesmo ; tinha-s-'s
virado de dentro para fra.
Dntes podiam cita-lo, como exemplo do
obediencia e de rsignacio. Anlava sem-
pre cabisbaixo e humilde, cumprindo a3
mnimas ordeos des soperiores, e non
tiveram de o reprehender por qaalqaer fal-
ta de desciplina.
Mas depois da ultima fgida, depois de
melhorar de saade, notava-se-lbe de quarr-
do em qnaodo do olbar ans brranlos de
raiva fe/oz, mostrsva os murros fechados,
e nanitas veres foram dar com elle quas
vai nao vai a deitar-s ao gasnete dos
gaardis.
Principiaram a espreita-lo.
A sua triste eoncao, as desgranas pas
sadas, e a boa fama que dantes gojra, ti-
nham-lhe ganhado militas sympathias, qo3
poderiam ser destruidas nicamente par
qualquer acto de positiva insnbordinacao.
Uma vez at o carcereiro-mr o raandou
chamare o reprebendeu com lodoocari-
nho de um pai. Dissera lhe elle entao :
Raphael, eu j o conheco e Vmc. ha
muito lempo, e n3o quero aprecia-lo mis-
torando-o com os demais criminosos, que
o rodeiam ; mas oestes ltimos das tenho
notado que nao se comporta como oatr'ora,
e precee-me antes preveni-lo do que re-
correr para logo aos meios rigorosos.
Raphael n3o responden, mas o carceroi-
ro-mr, vendo as lagrimas a rolarem-ihe
pelas faces, bradou comtnovido :
Est chorando I
Oh I qaeira perdoar, volvea Raphael.
Lembraram-me ootras cousas. Sempre
sou moito desgracado! Ser obrigado a
viver aqui preso, e l fra, as pessoas que
eu mais estimo, expostjs a ira dos meus
iaimigos.
Pois sim, mas Vmc. deva ter pru-
dencia, redarguio o carcereiro-mr ; j lhe
falta s um anno... por consegoinle, an
({ando socolado, nao tarda muito que saia
solt...
Oh I nao c por mira que desejo
sabir daqui... antes pelo contrario, tomara
ficar assim escondido, toda a mnba vida I..
Tem l por fra alguns amigos* ?
Tenho mais que isso I
Talvez alguna filbo ?
Raphael estremeceu,*e deit'am derre
dor suspeitosas olbadellas.
Um filbo I repeli elle com ares des-
confiados. Qoem lhe dissa isso ?
Nio sei I volvea 'o carcereiro-mr.
Todava, parecepme ouv-lo por ahi.
Poii quem dsser isso, mete I N5o
tenho Albos, oooca os Uve... acaso lcito
aos calcetas terera filbos |
E como o carcereiro n3o responda, ac-
crescenton condoido :
Ao que desgrasado como levara
a existencia apoqaentada^ qu3o digno de
lastima seria I Filbo de um calceta !...
mas valia nunca ter nascido !
Nao se afflija...
E' verdade, tem razao... afinal de
contas, qae me importa a mim com isso!...
podem para abi diz'er o qae qaizerem...
tanto se me d, como se me dea I
Ora anda bem. E promette andar
com juizo ?
Prometto, seohor carcereiro... pelo
menos... se nao succederem l fra alguns
casos mais extraordinarios.
Quas casos ?
C me entendo.
Tome conta.
Ora adeus qae maiores desgracas
poleraj.affligir-me ?...
Vamos l Raphael ; olhe qae me te-
nho interessado por Vmc. e hei de fazer
sempre oque poder pira Ibe aliviar os pe-
zares. .. mas ajade-me tambem oeste em-
penbo, e n3) qaeira que lance mi de oa-
tros meios.
Raphael despedio-se do carcereiro, moito
provavelmente resolvido ,a ir pelos seas
conselnos, mas como todo elle andava em-
bebido n'oatros planos, nem seqoer caidoa
em dominarse.
Oito dias depois, encontraram-no aperce-
bido fartamento de varios objectos tidos
por perigosos, o como semelbante achado!
fez desconfiar de algamar tencOss de fagida
ferraram com elle n'am calaboaco, apezar
de rogos e negativas.
Os calaboucos fleavam nos subterrneos
do tristonho edificio.
A entrada do corredor havia orna grade
rija e valente, e depois segoiam-se por all
fra moitas celias de am meo, e do oatro,
todas ellas parecidas com lmalos de po-
dra.
Eram uma gaiolas d cal e areia, onde
i claridade entrava apea por ama greta
LILLE.O conselho municipal de Lille
votou, na sua sess3o de quarla-feira 15 de
abril de 4871, sob a presidencia de M.
Cisiol-Bhegin, maire, a segointe delibera-
C3o :
t Ao chefe do poder executvo da rep-
blica fra ceza, e ao presidente da assem-
bla nacional.
RepresentacSo livremente eleita de ama
grande cidade, o coosslho municipal de
Lille, ao mesmo lempo que expressa alta-
mente a dr qae experimentou pela noli
ca da (Ola fratricida travada s portas de
Pars, considera como um dever afflrmar
os votos qae no interesse superior da pa-
tria, faz a favor de uma conciliac3o baseada
sobre sabias concesses.
< Apezir dos lamenta veis acontecimentos
destes ltimos dias, apezar desta exploso
para sempre maldita da gaerra civil, o
conseibo municipal conserva a contiego
de* que, se toda a gente, elevando-se cima
das piixes e djs odios, consente em ou
vir a voz do patriotismo e da razio, o so-
cego pode operar-se, mas debaixo de cer-
tas con Jiges essenciaes.
E' preciso, sem mais tardar, consa-
grar os votos unnimes do paiz por uma
le municipal que conceda a todas as com-
muas, pequeas e grandes, o direito de
escolher o sea maire, e por ama lei elei-
toral permittir s cidades escapar oppres-
sao das maiorias ruraes e ter, ellas tambem
a sua representacao.
< E' preciso, ao mesmo tempo e antes
de tudo, procurar no meio de todos os
desaccordos a affirmitiva poltica que reu-
nir o maior numero de vontades comrauns.
Esta affirraativa existe ; a conflrmacSo
da repblica.
t Ameacar a repblica ou continuar a
deixar reinar duvidas "sobre a duracSo da
sua existencia, seria eotregar todo ao acaso
na parede ; cada qual media tres metros
de comprimento e dous de largara ; tinha
am pa-seio de cioco metros chamado pre-
sidio, arejado por ama fcesta, e para onde
os presos s podiam ir de tempos a tem
pos ; a mobilia compnnha-se de : barra da
pao, prateleira servindo de mesa, e am
moxo.
Alli eslava Raphael, dous dias havia ; na
prateleira via-se um bal ie com agua, e a
ilbarga am pedac-i de pao negro.
O calceta nao beba nem coraia desde
pela manhia. .
Pensava em Raymundo, e nao tinha fome
nem sede t
Raymundo! t
Oa t como elle o estremeca, a como te-
ria dado qaanto Ibe resta va de vida para
o ver nm dia, orna hora, am segundo.
Scismava assentado na barra, de coto-
vellos fincados nisjoelhos, e a cara sumida
entre as duas mos.
Eslava branco de nev, revelando as
feicSes o desespero que o minava, e com
os olhos a faiscarem ferozmente de quando
em qaaodo.
De repente, suma-se Raymundo no h i-
risonte daqaelles sonhos, e apparecla-lhe
outra figura.
Era entao que a agreste poesa das ne-
cordacSes se levantava d'entre as ideas qae
Ibe refervam no cerebro'
O viver pretrito daquelle hornera era
tremendo; ainda crianga, fra colhdo por
dous genios mos, qae fatalmente o haviam
empurrado ao crime.
Raphael n3o era crealura vulgar.
No principio da vida revelou excellentes
qoalidades qae lhe agouravam bonito /ato-
ro, e as primeiras pausadas n3o se enca-
minhoa de certo para as gales. ,
Orphao de pai e m3i, tinba ficado com
algans haveres menos mos, e por nica
lei conheca apenas osea desejo. la para
onde qaeria. Andava quasi sempre via-
jando.
Um dia foi ao Goadalope. L foi en*:
PARS.Abaixo publicamos a communi-
cacao dirigida liga da Uni3o republicana, a
favor dosdireitosda capital, pela commisslo
conciliadora enviada a Versailles. Esta
tentativa nao pro juzio effeito. A communa
n3o quer sujeitar se s nicas condicoes que
poderia conceder-lhe o gaverna de Versail-
les. Eis a communicag3o : '
CidadSos:Os abaixo assignadas, en-
cirregados por vos de apresentar ao govor-
no de Versailles o vosso programan e de
offerecjr os bons officios da liga para ebe-
gar celebrcao de um armisticio, leem a
honra de dar onta da sua mis;3o
Tendo os delegados levado ao conhe-
cimento doSr. Thiers o programma da liga,
este respondeu qua, como chefe do nico
governo le^a. que existe em Franca, n3o ti-
nha que discu ir as bases de um tratado,
mas que n3i ob tan te eslava disposto' acn
ferenciar com individuos que considerava
como representantes do principio republica-
no, e a dar-Ibes a conhecer a intencao do
chefe do poder executvo.
Nos ie presapposto, o Sr. Thiers fez-nos
sobre os diversos pontos do programma as
seguintes declarages:
Pelo que toca ao reconhe.imento da re-
publica, o Sr. Tgie.-s garante a soa existen-
cia emquantj permanecer frente do poder.
Recebeu um estado republicano e da sua
honra conservar esse estado.
Pelo que respeita s inmunidades mu
nicipies de Pars, o Sr. Thiers expa que
Pars gozar das que tiverem todas as cida-
des, segundo a le coairaum formulada pela
assembla dos representantes da Franca.
Paris ter o direito commum, nem mais
era menos.
Pelo que respeita guarda de Pars,
confiada exclusivamente guarda nacional,
declara. o Sr. Thiers que se "proceder a
uma organisaco da guarda nacional; mas
que nao poderia admitlir o principio da ex-
tlncgao absolata do exercito.
Quanto sitnagao actual e aos meios
de por termo effus3o de sangue, declara
o Sr. Thiers que n3o reconbecendo o carcter
de beligerantes aos individuos empenhados
na luta contra a assembla nacional, n3opode
nem quer tratar de um armisticio ; mas diz
que se os guardas nacionaes de Paris nao
dispararem nem um tiro de espingarda,
nem um tiro de canhao, as tropas de Ver-
sailles n3o farao fogo at o momento inde
terminado em que o poder executvo se re-
solva a uma acc3o e principie a gaerra.
O Sr. Thiers accrescenla : Todo o in-
dividuo que renunciar luta armada, isto
, todo o que fr para sua casa, estar ao
abrigo de persegaigao.
O Sr. Thiers excepta nicamente os
assassinos dos generaos Lecorate e Clemen-
te Tbomaz, que ser3o julgados se forem
encontrados. r
O Sr. Thiers, reconbecendo a impossi-
bilidade para orna parte da populacao ac-
tualmente privada de trabalho, de viver sem
o subsidio que agora tem, garante o por
algumas semanas.
< Tal cidados, o succinto mas fiel re
sumo da conversag3o dos v ssos delegados
com o Sr. Thiers. N3o pertence aos vns-
sos delegados apreciar de um modo qual-
quer at que ponto as inteoces, manifesta-
das pelo Sr. Thiers, respondem aos desojo*
da populac3o parisiense. O daver dos vos-
sos delegados consiste nicamente em refe-
rirlos os fados sem commentarios e esta
exposc3o nao tem nem nde ter outro fim
seno o striclo cumprimento desse dever.
A. besonnaz.Bomoallei.A. kdam. *
TITULO HONORIFICO.-O general Vi-
noy foi nomeado ltimamente gran 3e chan-
ciller da.Legi3o de Honra. O decreto que
ordena esta nomeacao menciona os recen-
tes servicos prestados pelo referido genera!
durante e depois do cerco de Paris.
ALLEMANHA.O imperador Guilherme
respondeu nos segantes termos amansa
gem que lhe dirigi o parlamento :
E' com o corac3o cheio de reconheei-
mento que recebo a mensagem de que aca-
baos de me fazer leitura.
L'songeio-me dos sentimentos que o
parlamento alli rainife ta : provam que as
palavras do meu discurso do throno foram
(Signaes
perfeitamente comprehendidas.
de approvacao).
O herosmo dos~ exercitos al'eaaies,
que me fe dado commanda-, assim como
os seus incomparaveis feitos d'armas, mere-
cen!, cortamente, toda a gratidao; mas
necearlo primeiro qae tudo agradecer i
Provideocia Divina, caja m5o protectora se
pode conhecer a cada passo. Procuraremos
proceder sempre de modo qae essa protec-
gao nos nao Me no futuro.
t O parlamento recordou a denota da
Franca, que, depois de ter cooclolawa paz
comnosco, agora viciima de convulsoes.
Neste fa;to vem.s cs as conseqaencias das
revoluces que .sem cessar se succedem ba
oitenta annos, que desraizaram tudo at
dy as ti a, e cajo caminho nao tem fim. Qae
isto nos sirva tambem de aviso, ainda qae
pjjus sentimentos que o parlamento mema-
nlrotou nao ba necessidade disso.
< A naciooalidade allema dospaizes res-
tituidos ao imperio da Allemanba nSo se
enfraqueceu, verdade, mas"aest de facto
effedivaraente offuscada. E' 'por isso qae
u3o devemos esperar uma transformaclo
ta j prompta, mas devemos usar de pacien-
cia e de indulgench. N3o seria mesmo
para desejar, e bom seria qne ospovos, em
frente de um rompimenlo 13o brusco de
suas antigs cohenes, permanecessem io-
differentes. Pela suavidade despertaremos
pouco a pjuco o sentimento allemao nos
paizes de que se trata; desde j seclos
felizes sotanean a manifestar-se.
Possam, pois, os representantes do
povo allem3o continuar a desempenhar fiel-
mente o seu dever, para que o novo impe-
rio corresponda s grandes coosas qae o
mundo delle espera. Seja-me ainda per-
mittido, na rainba idade avancada, cooperar
para a forniaco do edificio; tenho a firme
esperanca de qoe os meus successores con-
,timarlo a trabalhar nelle no mesmo sentido,
com o mesmo fervor e a misma coragem.
Pco.vos que commumqueis estas mi-
nbas palavras, e estes meus agradeciraentos
contrar a mulber mais encantadora em que
olhos de namorado se bajara pousado. Era
orna creoula. Mostrara ter seus dezeseis
annos, mas s contava treze ; mulher j
feita, amiga da garridice, e demais disso
excitada pela arrienda do clima, viva abra-
sando-so na soda fresca do amor, e no
vivo desejo de correr mundo.
Raphael tambem era moco, ae ainda por
cima affeicoado as aventuras romanescas.
Nascia-lhe no peito o primeiro amor; en-
tregua se a elle com vertiginosa embriaguez
esquecendo se completamente dotado mais,
sem se importar com o dia de amaobSa, e
sem ao menos antever que o amor daqaella
criang havia de ser por forga um sent-
manto frivolo e passagiro.
Viveram moito tempo a occalias, mas
felizes. E' provavel qae Raphael desejasse
prolongar infinitamente aquelle doarado
soubo da sua primeira mocidade. Mas a
familia de Helena leve de voltar precipita-
damente a Franca, impellida pelos baldoes
da fortuna, e o romancinho principiado
sombra da florida marta, a abou por entre
solacos e lagrimas I
Houve ama circumstmea bemexquisiti:
ella parecen aceitar com fraca pena a ne-
cessidade do apartamento, e elle, Raphael,
ficou to abatido e tao prostrado, que para
ludo lhe fallecen a energa. S leve uma
lerabranga : Helena ia para Paris, quiz se-
guir atraz della.
O triste nem por sombras suppunha que
o esperava o crime oa capital t
' Mal poz pos em Paris, entrou logo a
porceber que a mulher amada por ella no
Guadalupe, j Ibe nao perteacia nicamente.
Apezar de ser m, arrojou se por entre os
prazores mais ruinosos, deu-se com a mais
completa loucura a todas as pbaptasias da
moda, o em pouco i tempo tinha Raphael
n5o s espadado nesse terreno infecando
o qae lhe restava da sua antiga riqueza,
mas at perdido os proprios sentimentos
de honradez e;ae tealdade.
Cqntinuava sempr0 caminhando, sem ver
ao parlamento.
TESTAMENTO CURIOSO.Diz o New-
York Times que um chapelleiro por nome
Sol Sauborn de Medford, em Massachussets
(America), acaba de fazer o seu testamento-,
pelo qual lega o seu corpo aos professores
Luiz Agassiz e Olivier Wendell Holmes.
afim de ser preparado pelo modo mais
scientifico usado na arte anatmica e col-
locado no musen de anatoma da nniversi-
dade de Harvard. Sauborn deseja tambem
que se fagam dous tambores da saa pelle.
os quaes offerece ao seu amigo o destnelo
patriota Warrem Simpson, tambor de Co-
hasset, com a con ligo deste locar nos dous
tambores a marcha nacional de Yankee
"Doodle, era frente do monumento de Boo-
ker'shl, no dia 47 de junho, tolos os an-
nos, ao nascer do sol.
Pede tambem para que se mande escre-
ver em um dos tambores a orago univer-
sal do poeta Pope e no outro a declaraco
da independencia tal qnal surgi no espirito
do seu Ilustre autor, Thoraaz Jefferson.
Sauborn deseja mais qae os restos do
seu corpj que nosirvam anatoma sejam
(segundo as suas proprias palavras) con-
vertidos em adubo para fazer desenvolver
um lamo americano que ser plantado em
qualquer estrada rural, afim de qae o ca-
minhante fatigado possa descansar e as in-
nocentes criangas brincar sombra dos seu-
ramos.
E' esta a historia do testamento do chas
pelleiro Sauboro.
Compre notar que ella procede dos Es-
tados-Unidos, paiz abongoado, onde se pr >-
duzem ptimos maranhoes;
O CHEFE DA INSURREICO Dizeci
de Versalnes que qaem realmente dirige a
insurreic'o de Paris n3o ne ihom dos
chefes, que estao mais em evidencia, mas
o coronel Rossel chefe do estado maior d
general Cleoseret.
Rossel, alumno deslindo da escola po-
lytechnica, e quo conta boje de 30 a 35
anoos de idade, era capitSo de engeabeiros
no principio de guerra, e foi nomeado co-
ronel por Gambetta que o encarregoa de
misses de confianga.
PENSES AOS COMMUNISTAS. Um
decreto da communa de Paris concede aos
feridos nos ltimos combates penses que
variam de 4,200 a 4,300 francos, segondo
o caso de incapacidade absolata ou relativa
era que os deixem os ferimentos.
o abysmo, que se abra dianto delte a pouco
e pouco.
Appareceu ao tempo em Pars um no-
mem singular, qae atirava o dinheiro s
m5os cheias, de viver principesco, pas-
seiando-se nos mais ricos trens, um extra-
vagante, sem tirar nem por.
Este apparecimento produzio certo abalo
Heleoa reparou no hornea, Ir sentio-se
presa por urna notavel particollridade: ,
ijovo perdaario parecia-se ex*aordinaria-
mente com Raphael, n3o havendo nenhum
parentesco entre os dous I
Cousas do acaso !
Raphael dea pelas manairas attenciosaa
com que Helena encarava do mysterioso
sujeito, e foi isso o qne abrevioa a saa
roioa.
Quiz rivaiisar no laxo e na extravagan-
cia ; teve que tancar raao de varios recur-
sos, e am dia, dia fatal, despenhou se in-
tetrico no abysmo, sem esperanoas de se
tornar a ergaer I
No bairro de S. Germano viva entSo um
tal conde de Borsenoe, velho a avarento.
qoe segundo era. voz constante, tinha em
casa escondidas grandes riquezas.
O velhote era muito da-familia de Heleos;
Raphael j o tinha ido visitar algomas ve-'
zes, e sabia bem os cantos casa; e dahi,
o criado nico do fidalgo anda ara mais
velho do qae proprio conde.
O diabo aspirou Ibe am crime...
Raphael eslava completamente arruina-
do ; tinha feito enormes dividas; os ere-
dores j entravam a zaogar-ae; dalli a
qaraze das, ia talves espalhar-se por
toda a Paris a noticia da ana penuria.
Nao pode deixar de empalledecer diante
de tamaoba vergonhaca.
Nos agora n3o justificamos nem dtscal-
pamos o crime, contamos como elle se
dea.
Raphael ainda heaitou.
)CotUtmr-$e-ha.
' !

TfP" DDUUIO-RUAIKJDU!


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EASOIE7MP_H435RL INGEST_TIME 2013-09-14T02:35:55Z PACKAGE AA00011611_12386
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES