Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:12384


This item is only available as the following downloads:


Full Text
!
*


{
ANNO XLVl. NUMEBO 108
i *i
\t
< i



-- '-----------------------------------------1------------------------ -"
?AIA A CAPITAl E L6AES OTD IAO SS PASA rOHTJ.
Por tras smzm ?.liantal,is................. OOO
Fur m ditos-uiM................... 124000
ror om a ano idem.. .
Cada omero avalao.
....'...............
*-?
. SEXTA FElflA 12 DE IMAIO DE 1871.
t *
.
320
FAl MmO E rORA DA PHOVDfCjX
Jor tras mezes aditntados .................
Por sen ditos dem. ...................
Por doy. dito. dem..................
ror om son dem.................. ,



81719
iSJBOO
tomo
7*000
;

-

Propriedade de Manoel Figueira de Faria & Filhos.

.

bao Aoiarr:
Oa Srs. Gerardo Antonio Alvos 4 Filhos, no Para ; Ganptai t Pinto, no Maranhlo ; Joaqnim Jos de freir & Filho, no Ceari ; Antonio de Lomos Braga, no Arte*/ ; Jlo Mara Julio Chives/no Am ; Antonio Mrgaos da Silva, no Natal; Jos Josti*
Pereira d'Almeida, em Mamanguape ;Felippe Estrella < C, na Parahyba ; Antonio Jos Gomes, na Villa da penha; Belarmino dos Santos Baldo, em Santo Antio; Domingos Jos da Costo Braga,
em Nazareth ; Antonio Ferreira de Aguiar, em Goyanna ; Francin Tavares da Costa, em Alagou' Dr. Jos Martins Alvos, na-Bahia; e Leite, Serqoinho & C. no Bio de Janeiro.
._________----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------_____________- _______________________________________________________.*______________________________________________ _. *

PEMAMBUCO.
ASSEMBLEA PROVINCIAL.
SESSAO ORDINARIA EM 14 DE ABRIL.
rHKSIDENCl*. -0 SR. DR. ACCIAR.
Ao meio da, feila a chamada, aeham-se pre-
tales os Srs. Amaral, Pedro Alfonso, Tolentino
da Qarvalho, Ribeiro Viaooa, Ra'.is e Silva, Firmi-
do de Novaes, Aguiar, Hennque "Mamede, I'aes
"Brrelo; J. Joaquira, Felippe de Figueira, Ges
ilavaJcaate, uaba Gvalcaute, Piulo Jnior, Bar-
ro i Waadertoy, de Drummond, Hollaoda Ca-
v.iicauto.Rufiuo de Almeida, Gusmio Lobo, An-
tonio Paulino, J. Mello llego, Pernambaco Filtro,
Visita de Aranjo, Oliveira Andrade, Teixeira de
S, Oliveira Fonceca Cjrreia de Araujo, Eduardo
de Oliveira o Ernesto Vieira.
Abre se a sessao, li da e approvada la acta da
antecedente.
O Sr. i" secretario d coala do seguate
EXPEDIENTE.
C'ffleios :
Do secretario do governo da provincia, iran-
mittindopara (er o destino os autographos das re-
solacjSasde ns 967 970 sancionados pelo Exm.
Sr. conselheiro presidente da provincia. A ar-
chivar.
Do mesmo, transmittindo o autographo da reso-
I ufo da assembla de JO do mez rindo, que dei-
xou de ser saaceonada pelas razoi* declaradas
pelo Exm. Sr*. conselheiro presidente da pro-
vincia. A' commissao de constrtuicOes e po-
deres.
Do mesmo, remetiendo por copia o regolamen-
tu Dar a xecucio dos art.-. 48 e i'.I da lei n. 963
de 25 de julho do anuo passado.A' archivar.
Do nie-mo, remetiendo por copia o offlcio da
cmara municipal da cidade da Victoria em que
faz sentir a necessidade de um clrargo para os
presos pobres daquella cidade.A' commissao de
remenlo municipal
Do mesmo, remetiendo por copia o contrato ce-
lebrado nos termos da lei d. 931, para o prolonga
ment da estrada de ferro do Jaboatio a cidade da
Victoria.A' commissao de obras publicas.
Do mesmo, remetiendo por copia as informac^es
do chefe da reprtelo das obras publicas, sobre
is peticoes do Dr. Antonio Borges da Fonceca e
Manoel Ferreira Lima. A quera fez a reqni-
sico.
PetieSes :
Da irmandade de Nossa Senhora da Luz, erecta
ua igreja de S. Jos de Riba-mar desta cidade, pe-
dindo un auxilio pecuniario para edificar sua
.greja e a concesaio de algumas loteras extrahin-
jo-se no prximo exercicio i parles de preferen-
cia para o tne>rao fim.A' eommissio de orna-
mento provincial.
Da compautiia de trilbos urbanos do Recite i
ninda, pedindo nm privilegio por 90 annos para
o proloogamemo da estrada at oa limites norte da
provincia.A' commissao de obras publicas.
Sio approvados os seguintes:
Pareceres :
Tendo sido subraetliio a consiJeracao desla as-
amblea um projecto de lei conceden lo a lotsria
que solicita a sociedade Monte Pi Popular Per-
nambucano, por isso a commissao de pelicSes dei-
xa de emittir seu parecer acerca da presente, peti-
>>o c a remelle para a Ilustre commissao de or-
ignenlo provincial, atirn de pensar sobre a prefe-
rencia na cxtracQo da lotera que pede a mesma
sociedade no caso de Iho ser concedida.
Sala das commissoes, 14 de abril de 1871.
e$ Cavatcante.Paes Barreto.
< A commissao de peugoes, quem foi presente
i de Miguel Candido de Medeiros Pinto, na qual
solicita desta assembla lieenea pira conservar o
avi Iho denominado Santa Izabel, at a reedifica-
cao do theatro do mesmo nome, necessita para
dar sen parecer acerca da mesma petieao de in-
forma(oes da cmara municipal desta cidade, o
que raqaer.
Sala das commissoes, 14 de abril de 1871.
i'aes Bane'.o.Qes Cavukante. a
- A commissao de obras publicas para emittir
parecer acerca da peticSo do cidadao Adolpho Ca-
valeante de Oliveira Maciel, que pede privilegio
para construir urna parle que ligue a liba de Ita-
raarac ao confidente, cobrando um pedagio du-
rante 50 annos necessita de informac/Jes respeito
(j as solicita das obras publicas por intermedio do
presidente da provincia, o que reqaer.
a Sala das commissoes, 14 de abril de 1871.
F. de Figueira.G. de Drummoni.
Sao julgados objeetos de deliberado e manda-
dos imprimir os segaintes:
Projecto:
c A assembla legislativa provincial de Pernam-
fauco resolve:
Art. nnico. Ficam perleneendo a (reguezia de
Santo Antio da cidade da Victoria, todos os terre-
nos do engeohu Campo Alegre sito na mesma fre-
guezia, de propriedade do majar Manoel Ca val can-
ti de Albuquerque S; revogadas as disposi^Ses
m contrario.
Pago da assembla, 14 de abril de 1872S. R.
Ues Cavalvanli.Paes Brrelo. Barros Wan-
de: ley.Hatn e Silva.Heame Mamede. Cu-
nha Cavalcanle.Gaspar de Drummond. Pedro
Alfonso.
< A assembla legislativa provincial de Pernam
buco resol ve :
c Art nico. Flca a Villa do Cabo elevada a
cathegoria da cidade coin a denouinaco da cida-
de de Santo Agostlnho.
< Paco da assembla provincial de Pernambuco
14 de abbril de 1871.Ratis e Siloa.
A assembla legislativa provincial de Pernam-
buco resohe :
Art. nico. Fica o presidente da provincia auto-
rizado a reformar a secretaria do governo, deven-
do aer a reforma sem preinizo de exe jucao ap-
provada por esta assembla.
lei n. 633 de 1866. Revogadas at is'pffsttdes em
contrario.
Sala das sea-as 14 de abril de 1871.S. R.
Ges Ctivalcanti.Pinto Jnior.Paes Brrelo. >
A assembla legislativa provincial de Peroam
buco, resol ve:
< Art. nico.Ficam desmembrados da freguezia
de Limoeiro e pertenoendo de S. Jos de Bezer-
ws os lugares denominados Passos, Camarad.
Riacho dos Bpis. Varzea escondida, Amexas, Cam-
pos e.Gaviio.- Ravogadas as disposicoss em con-
trario.
< Piteo da assembla provincial 14 de abril ae
187!.-Pra de Mello.J. Vieira.R. Vianna.
A ommissao de oetiees attendendo ao gra
vissimo encommodo de saude que soffre o peticio-
nario Amador de Araujo Pessoa. alferes do corpo
de polica, como se v do parecer da jonta medi-
ca que examinou-o de opinio que seja adoptado
o seguinu projecto de lei.
A assembla legislativa provincial de Pernam-
buco, resolve :
Art. nico.Fica o .presidente da provincia
autorisado a conceder dez mezes de licenca com
todos seus vencimentos ao alferes do corpo de po-
lica Amador de Araujo Pessoa. Revogadas as
Jisposicojs em contrario.
< Sala das commissoes 13 da abril de 1871.
S. R.Ges CavalcantiPaes Barreto.
i A commissao de petices a quem foi presen-
te a petieao de Leopoldino Antonio da Fonceca, na
qual solicita desta assembla a admissao de nm
seu filho de nnme Augusto Leopoldiao da Fonceca,
s aula- do gymnasio provincial, como alamno
externo independente de contribuico, de pare-
cer que seja deferida a petieao do snpplicante,
pelo que offerece a considera^ao desta assembla
o segninte projecto de lei.
Art. nico.Fica o presidente da provincia
autorisado a mandar admittir no gymnasio pro-
vincial, como alumno externo, independente de
contribuico, i Augusto Leopoldino da Fonceca
Filho de Leopoldino Antonio da Fonceca. Revo-
gadas as disposiedes em contrario.
< Sala das sessdes das sommissoes, 14 de abril
de 1871.Paes Brrelo.Ges Cavalcanti.
< A commissao de petlc-.-s apreciando devida-
mente a pretenco do Dr. Antonio Annes Jacome
Pires, offlcial-maior da secretaria do governo, que
solicita desta assembla a sua aposentadora com
dous tercos dos vencimentos que actualmente per-
cebe, e attendendo que o peticionario se acna m-
possibiltado de continuar no exercicio de sea em-
prego, tendo servido sempre com todo zelo e dedi
cacao, julga que se deve deferir o seu pedido ; e
portaoto de parecer que se adopte o seguinte
projecto de lei :
< A assembla legislativa provincial de Pernam-
buco, resolve :
< Art. nnico!Fica o presidente da provincia
autorisado a aposentar o Dr. Antonio Annes Ja-
come Pires, ofReial-maior da secretara do gover-
no, com dous tercos dos vencimentos que actual-
mente percebe. Revogadas as disposicoes em con-
irario.
Sa'a das commisses, 13 de abril de 1871.
Encorrala a discussao o projecto posto vo-
tos e approvado.
2.a discussao do projecto n. 144 do anno passa-
do, autorisando o presidente da provincia a con-
tratar a construccao de om ramal de- trilhos de
ferro para a povoaclo do Arraial.E' approvado.
1.' discussao do project5 n 61 do anno passado,
sobre postaras da cmara municipal da Victoria.
E' approvado.
Verificando se nao haver numero, o Sr. presi-
dente designa a ordem do dia e levanta a sessao.
Revagadas as disposicoes em contraro.
i Paco da assembla, em 13 de. abril de 1871.
S. R.-1. Vieira.-J. a\ Millo Reo.E. de Oli-
veira. i
t A assembla legislativa provincial de Pernam-
buco resolve:
< Art 1.* Fica o presidente da provincia auto-
risado a despender a quantia de 13:0004, com a
onstroceao de nm edificio na villa de S. Jos de
Agua Preta, com acommodacoes necessarias para
q1m foncclonar a cmara municipal, aervindo o
andar terreo para cade.a da mesma villa.
t Art 2.* Ficam re rogadas as disposijoes em
contrario.
> 4a assembla legislativa provincial de
baco, 14 de abril de 1871, Ratis
Silva. *
t A assembla legislativa provincial de Pernam-
buco resolve:
f Art nnico. Fica supprimido o 2* districto
de paz da froguezia de S. Lourenco da Matta, pas-
aado a pertencer ae t* todo o terreno de que
elle se coapanha. Fica revogadas as disposcfos
m contraro.
c Paco da atsembln provincial, 14 de abril de
11*71.HoUana Ca volcante Pinto Junior
Totoilmo de Carvalko.-C. de Arauio.-R. Yianna,
-F. A: da Co$ta.-P. de Ffueira.
< A aseeaaMa legtataiva provincial de Pernam-
bBCa, resolve:
Art nico.Fica pertenoendo a iraguezia de
Nossa Senhora da-uffe** a cadeira do sexo ferni-
Oioo creada para a Passagem da Magdalena pela
Ges Cavalcanti.=Paes Barreto.
c A commissao de ptticoes a quem foi presente
o reqnerimento de Hermenegildo Marcelino de
Miranda, bedel do gymnasio provincial, solicitando
a graca de Ihe ser contado paaa a sua aposenta-
doria o tempo em qne esleve fra do exercicio do
cargo de amanuense do amigo lyceu por ter sido
demittido, sendo depois reintregado, entende que
por eqnidade se deve conceder o que pretende o
snpplicante, ama vez que igual favor se tem con
cedido a ouiros, como succedea na sessao do anno
prximo passado, e assim de parecer que se
adopt) o seguate projecto de lei:
t A assembla legislativa provincial de Fornam-
bnco resolve:
t Art. nico.Se contar a Hermenegildo Mar-
celino de Mirauda, bedel do gymnasio provincial
para sua aposentadora o tempo em que deixoa
de exercer o cargo de amanuen-e do antigo lyceu
do qual foi demittido por portara de 17 d.e agosto
de 1847 at o dia om que foi reintregado no Ingar
de escripturario do mesmo estabelecimento. Re-
vogadas as disposiedes em contrario.
Sala das commisses, 13 de abril de 1871.
Ges CavalcantiPaes Brrelo.
ORDEM DO DIA
Continua a 2' discussao do projecto n. 138 do an-
no passado que autorisou o presidente da provincia
a contratar a construeco de urna estrada de, ferro
de Goyanna a Itamb.
O SR. OLIVEIRA ANDRADE faz algumas coa-
sideracoes. -
Vai a mesa e apoa-se a seguinte emenda:
Supprima-se o art. 2.Figueira.
Encerrada a discussao, approvado o projec-
to com a emenda
2* discussao do projecto n. 68 do anno passado
que regula o exercicio dos cilicios da jostica da
comarca de Nazareth.
Vai a mesa eapoia-se o seguinte artigo substi-
tutivo :
Art. nico.O actual escrivao do jury, civil
e crime e tabellio de notas por destribuico do
termo de Nazareth fica d'ora em diante exercendo
privativa e nicamente o offlcio de tabellio de
olas, passando o mas para o escrivao compa-
nheiro.S. R.C. de Araujo! J. Cavalcante.
O SR. ALMEIDA PERNAMBUCO combate o pro-
jecto subslitntivo
O SR. CORREIA DE ARAUJO justifica o subs-
titutivo e responde ao precedente orador.
Encerrada a discussao approvado o art. subs-
titutivo.
1.* discussao do projecto n. 35 deste anno au-
torisando o presidente da provincia a mandar pa-
gar ao professor publico Aquilino Jo? de Guiraa-
res Ferreira ordenado do tempo em que por
doente este ve fura do ex r ciclo.E' approvado.
1.a discussao do projecto n. 31 deste anno que
abre diversos crditos suppiementares no orna-
mento vigente.E' approvado.
2.* discussao do projecto n. 17 deste anno de-
terminando que na aposentadoria do profesor
Joo do Prado Martins Ribeiro se cont a gratifi-
caco que percebia por mais de 12 annos de ser-
vico.
Vai a mesa e apolado o seguinte artigo adi-
tivo:
c Art. 2.Fica entendido que as gratificares
concedidas em virtade das leis de 10 de juoho de
1837, 12 de maio de 18S1 e 14 de raaio de 1855
dos professoret que contam 12 ou 14 annos de
ser vico, sero a Hendidos na jubilacao. Gutmdo
Lobo.
Encerrada a dio approvado o projecto
com o aditivo.
I* discussao do projecto n. 49 deste anno aato-
e risando o presidente da provincia a aposentar o
ex-lenente de corpo de polica Jos Antonio Pes-
taa.E' approvado.
i* discussao do projecto n. 43 deste anno, au-
torisand" o presidente da provincia a conceder
nm anno de licenca com vencimentos ao 1* escri-
pturario do consolado provincial Antonio Joaquim
de Oliveira Badnem.E' approvado.
1.* discussao do projecto n. 38 deste anno, ele
vando a mais de 20 0/0 os vencimentos dos entre-
gados da ihesourara provincial.
O SR. O. DRUMMOND declara nao poder prestar
o sea vote ao projecto, por entender que as ac-
tuaes circnmstanelas Inanceiras da provincia, nio
deve mesmo aer adoptada, nio obstante nio ser in-
tenso classe des funcionarios poblicos.
O SR. OLIVEIRA ANDRADE faz algamas coa-
sideracSes,
pes de Aimeida, abastado proprietario desta ci-
dade.
SOCIDADE EMANCIPADOR.\.-Em beneficio
desta paufatropiea e humanitaria associacao deve
ter lugar-4* paviHiie- Santa habel, (theatro de
zarznella hespanhola) no dia 10 do crrante, um
espectculo dramtico, que Ihe foi olTerecido pela
sociedad* dramtica, que ltimamente trabalhoa,
com apptaasos gerae, no theatro do Monteiro.
Ningaem ha, pensamos nos, que ignore os re-
levantes aervicos que ji tem prestido a Sociedade
Emancipadora cans sublime, boje acolhida
corno ama indeclinavel tecessidade, da emancipa-
cao dos eacravos; nragutm, pols, pensamos tam-
bem, se pseusar eontrikuir com um obulo, an-
da que mojlso, para qne ella contine marchar
imponente, como se tem mostrado, para os seus
magnnimos (Ins.
Generoso foi o peusament.; da sociedade dram-
tica, qne offertou os seas fabalhos Sociedade
Emancipadora; generoso, sem davida, ha de ser
o nosso publico, indo i esse espectculo que an-
nunciamMras assim contribualo para que a nobre
Sooiedade Emancipadora nao faltem os meios de
progredir n'essa earreira ta > liminosa de arran-
car aos duros ferros da escraviio ama porcao de
infelizes ereatnras. e, regenerando-as, pelas aizuas
lustraes da liberdade, abrir Ibes as portas d'esse
futuro dearado para que camuflara oasados os
povis americanos.
Sim, confiamos que esse especf.culo dramtico,
verdadeira festa de iiberdade, nao seri esqnecido
por aqnedes, e sao numero*, que prestam coito
idea da emancipaoio, boje felizmente inscripta
era todas as bandeiras polticas di nossa socie -
dade.
A Sociedade Emancipadora eredora, por ceno,
de om esplendente resaltado nesse .usto teotamen
de obter recursos pecuniarios para applica-los i
libertario de criancas; e, repetimolo, confiamos
que o povo desia importante cidade anda ama vez
saber estender mao generosa i tao generosa idea,
Srotundo assim a pureza de suas iatences e a
ondade de sea coracao.
Desde JA pdese encontrar os bhetes para o
espectculo em mao dos directires da Sociedade
Emancipadora. *.
COMPANHIA DO ^EBERIBEAo Sr. enge-
nheiro deesa empreza recorremos, em bem da,
mesma eaapraza e do publico, afira de que mande
concertar^Rieanamento noHUrro dos Afogados,
onde ooiinformam qse elle rebeatou, dando lu-
gar ama grande perda "agua, perd tanto
raaapenaivetpaiMo em oatros pontos tem falta-
do por vete*.'! tadispensavel genero.
PRONUNCn FiVoram pronunciados pelo sub-
delegado daflnguezia de Santo Antonio^ Raymun-
do de Tal e s veri no de Tal (ausentes) como in-
cora no aft. 193 do cdigo criminal, e a Tniago
Vctor Ferreira na do art. MI do mesmo cdigo.
JEWUJffif) GRAVE.No dia 21 do mez prxi-
mo (HHsaAay ao lagar Batateira do termo do Boni-
to, foi gravemente fe rilo i por Francisco Mendos
Santiago com ama panhalada o furriel do corpo
SESSAO ORDINARIA EM 15 DE ABRIL.
PRESIDENCIA DO SR. DR. AOUIAR.
Ao meio da feita a chamada aebaram-se presen-
tes os Srs.: Ribeiro Vianna, G>s Cavalcante,
Amaral, Gusmio Lobo, Rates e Silva, H. Mamede,
Firmino de Novaes, Ignacio Joaquim, Pedro Aff^n-
so, Pernambuco Fimo, Conha Figueiredo, Banos
Wanderley, Cunha Cavalcante, G. de Drumond,
Aguiar, Rufino d'Almeida, Ernesto Vieira, Tolenti-
no de Carvalb >, Pinto Jnior, Hollanda Cavaleenle,
1. Mallo Reg), Teixeira de S, Antonio Paulioo,
Fellipe de Figaeira, Oliveira Andrade, Vieira ds
Araujo, Paes Barreto, Eduardo de Oliveira, Correa
de Araujo e Joo Cavalcante.
Abre-se a sessao, lida e approvada a acta da
antecedente
03 SRS. VIEIRA DE MELLO E HENRIQUE MA-
MEDE fazem algumas considerares sobre a acta,
a qual approvada, com ama alteracao.
0 Sr. i Secretario di conta do seguinte
EXPEDIENTE.
Peticoes :
De Virgilio Vieira da Costa Pinto, pedindo que
se Iho mande pagaros vencimentos que se julga
Com direito dorante o tempo que foi demittido de
professor primario.A' commissao de i ns trueca)
publica.
De Antonio Jos Vieira da Cunha, pedindo li-
cenca para comprar e vender desembarazadamen-
te em sea estabalecimento, no lagar Avencas do
termo do Brejo da Madre de Deas, o algodio que
vera ao mercado.A' omraissio de negocio de
cmaras.
De Graciliana Felecissima Cabral, profesin pu-
blica de instruccao primaria da villa de Barreiros,
pedindo um anno de licenca com todos os seos
vencimentos para tratar de soa saude.A' cora-
missao de peticoes.
De Francisco de Assis Monteiro Pessoa, profes-
sor de instruccao primaria da 3.a cadeira de San-
to Antonio, pedindo que se augmente a ve.-ba des-
tinada aluguel da casa e expediente, e indemni
sacio dos preiaizos qae tem soffrido com o forne
cimento de objeetos indispensaveis sua aula.
A' eommissio de fazenda e orcameoto.
De Manoel Lopes da Paz, professor publico de
instruccao primaria da casa de deteocio, pedindo
qae se aatorlse a directora geral de instruccio
pablica, para dar o forneciment de livroay papel,
peonas, etc., visto o estado da pobetza So* seos
alumnos.A' eommissio de fazenda e#rcoMBto.
Parecer: ,
E' approvado o seguinte :
A commissao de ordenados, tendo examinado de polica Maaoel d Rosa e Souza 0 criminoso
com attencio a petieao de Antonio Carlos Se Le-
mea>Duarte, continuo do consalado provincial em
que peda qae se Ihe marque o ornamento pro-
viocial urna gralilicacio por ter sido-, empregajo
em servir i de escripturacao da mesau fesarUJi,
considerando que o suppiicante nao pwltwRIgman-
to de seas vencimentos, porm sim ama gratifica-
cao extraordinaria pelo trabalho accrescido ao qae
era obrigado, de parecer qae seja a petieao re-
raettida a commissao de orcamento provincial para
sobre ella decidir como entender de justica.
< Sala das commissoes, 15 de abril de 1871.
Pinto Juntor.Tolenlino.Oliveira Andrade.
Projeclos :
Sao julgados objecto do deliberacao e mandados
mprimir os seguintes:
t A assembla legislativa provincial flsjPernam-
buco resolve :
Art. 1. Fica o presidente da provincia autori-
sado a contratar com quera melhores vantagenso f-
ferecer a construccao de duas pontee sobre o rio
Araaragi, sendo nina no lugar denominado Duas
Barras; e outra no engenho Amaragi de Animaes.
< Art. 2,* Revogadas as disposiedes em con-
trario.
Paty> d'Assembla provincial de Pernambaco,
15 de abril de 1871.Rates e Stha.
A assembla legislan va provincial de Pernam-
buco resolve :
c Art 1.* Fica o presidente da provincia auto-
risado a contratar com quem melhores vantagens
offerecer a construccao de tres pequeas pontes
na villa de S. Jos de Agua Preta, sendo urna so-
bre o riacho denominado, Barra da Lama, ao sul
da entrada da villa ; outra dentro da villa sobre o
riacho conhecida por Ivo, que separa o povoado da
ra denominada Si\eira Lessa, e outra no norte
da villa e na sna extremidade sobre o riacho de-
nominado Conselro.
i- Paco d'assemb'a provincial de Pernambaco,
13 de abril de 1871.Rates e Silva. >
< A assembla legislativa provincial de Pernam-
baco resolve :
< Art, 1. Ser contado em dobro para a jubila-
cao dos professores de instruccao elementar o
tempo em qae hoaverem regido as escolas noctur-
nas.
Art. 2.* E' applieavel a precedente disposicio
a todis os professores de instruccao elementar
qae devidamente aatorisadas, manteaban) inde-
pend -ntemente de qaalqaer gratificacio nma es-
cola nocturna frequentada por mais de 10 alum-
nos.
t Paco da Assembla, 14 de abril de 1871.
Gusmao Lobo. >
(Continuar-se-ha).
REVISTA DIARIA.
ASSEMBLA PROVINCIAL. Na sessao de
bontem a assembla approvoa era 1* diseassio o
projecto d. 91 deste anno, creando mais nm lugar
de escrivio de orpbios no termo do Bonito; em
2* o do n. 63 mandando contar na aposentadoria
do bedel do gymnasio, Hermenegildo Marcelino de
Miranda, o tempo em que esteve fra'do exercicio:
em 2a as emendas ofierecidas em 3a ao projecto
n. 54, que concede ama lotera de 120:000*000
sociedade Monte Pi Popular Pernambucano ;
em 2a as emendas ofFerecidas ao projecto o. 108
do anno passado, autorisando a construccao de
ama e.-trada de ferro de Goyanna Pedras de
Fugo ; em 2' discusiao o de n. 53 de 1869, dis-
pensando dos direilos de exportaco o olea de ri-
cino fabricado na provincia; em 1 o de n. 97
deste anno, mandando admittir no gymnasio, co-
mo alumnos gratuitos i diversos menores.
Continuando a 2a diseassio do orcamento pro-
vinci>l, foi approvado at ao art 23 inclusive,
tendo orado os Sr?. G. Lobo, Pinto Jodobm Oli-
veira Fonce:a.
A ordem de dia para boje : continuaco da
anterior, Ia discusao dos projeclos as. 106,109 e
110, 2a dos de ns. 83 e 87 deste anno.
PASSAMENTOS.Falleceu Bontem pela raa-
nhaa, aps longos padecimentos, a Exraa. Srs. D.
Joaquina Plresrerreira Csrneiro Mcoteiro, viova
do fallecido tensnte-corcnel Florencio Jos Carnei
ro Monteiro, na a vaneada idale de 65 aoaos. Era
senhora de alma bemfazeja e caridosa. e de aoaeaa
e agridavdl trato. "A* aeos inoonsolaveis, flujos
nossos sincero peamos.
I Tambern falleceu hntem. -o Sr. Joaquim Lo-
foi logo capturado, contra quem se instaura va o
processo harendo-se procedido a corpo de delicio.
LOTERIAkarA qae se acba A venda a 192a
beaelicio da matriz do Granito, a qual corre no
( i a 13 do correte.
CEMITERIO PUBLICO.Obi toarlo do dia 9 do
corrate :
Francisco Jos Alves de Albuquerque, branco,
Pernambuco, casado, Boavista ; diabetes.
Jos Faustino' de Araujo; pardo, Pernambuco,
40 annos, casado, Boavista ; diarrhea.
' Paulina Mara da Coneeicao, parda, Pernambu-
co, 54 annos, solteira, Boavista ; tubrculos-pul-
monares.
Lniz, branco, Pernambaco, % anno?, Boavista;
anazarca.
Joao de Castro Redondo, branco, Portugal,
40 annos, casada. Sanio Antonio; hepatite ebro
niea.
Marcolina, Pernambaco, 9 das, Boavista ; es-
pasmo.
CMARA MUNICIPAL.
SESSAO EXTRAORDINARIA AOS 12 DE ABRIL
DE 1871.
PRESIDENCIA DO SR. DR. GAMEIRO.
Presentes os Srs. Dr. Moscoso, Costa Moreira,
Henriques da Silva, e Dr. Pitanga, abrio-se a ses-
sao e foi lida e approvada acta da antecedente.
Lea-se o segninte
EXPEDIENTE.
Um offlcio do secretario da assembla provin-
cial ao secretario da presidencia, com despacho de
S. Exc, mandando informar a cmara, acerca da
petieao de Jos Joaquim di Costa Maia.A' com-
missao de peticoes.
Um reqnerimento da companhia Reeife Drayna-
ge, com despacho da presidencia, mandando infor-
mar acerca de algons melhoramentos importantes
3ue pretende fazer a mesma companhia, no largo
as Cineo-Pentas.Ao engenheiro e commissao
de edlficacio.
Um offlcio do secretario da assembla provin-
cial so secretario da presidencia, com despacho de
S. Exc, maodando a cmara informar eerca da
petigao de Nascimento Silva A C, na qual pedem
licenca para a collocacao de trunos de carris de
ferro as diversas ras, qae vio 4a estacao das
Cineo-Pontas ao bairro do Reeife.Que se infor-
me i S. Exc, ditendo qae a cmara refere-se in-
formacioja dada acerca do qne requereram Belar-
mino d jatego Barros e oatros.
Outro do director das obras publicas, com des-
pacho da ajssidencia, mandando informar eerca
do que refUsenta o mesmo director, de nao ter
a cmara aawfeito a ordem de S. Exc, guando
mandara entregar a quantia de 2:000*000 pira
oecorrer as despezas da demolicio dos pre iios in-
cendiados roa do Mrquez de Olinda.Inteirada,
e que se responda i S. Exc, dizends qne a ques-
tao se acha resolvlda, como ver do offlcio desla
cmara de 29 de marco ultimo, sob n. 41
Outro do contador, ditendo qae nada pode in-
formar ceres do qne requeren Jos Francisco de
Souza Lima, por nio ser da sna competencia, e
sim do procarador. Qae ae devolva o requeri-
menlo ao mesmo contador para dixer ae ba oa nio
qau.
Outro do mesmo, informando aj)eticao de Joo
Francisco de Souza Lima, na qual pede cmara
Krmissio para pagar o sen debito de 600*000, em
ras de 304 mensaes, de Mar que, entendeado-se
com o procarador atirn de serem saccadas as di-
tas letras, o mesmo procurador pozera duvida em
eonseqaencia de haver anda outro debito do re-
ferido LimaQae o contador enmpra o despacho
exarado na mesma petieao.
Outro do engenheiro cordeador, informando ta-
voravelmente o reqnerimento de Jos dos Santos
Nev' A Irmio.Coneedea-se.
Outro do mesmo, informando favoravelmente o
reqnerimento de Padre Jos de Freitas, Cotice-
deu-se.
Outro do mesmo, informando contra o reqo*r-
mento de D. abbade do Mosteiro de-%.'Bento.In-
deferiose.
Outro do mesmo, remetiendo o orcamento e
planta da estrada da Torre.Q".a se peca autorl-
sacio,
Outro do mesmo, informando o nmerioMatn ae
Jesoino Ferreira da Silva, no qual (as renasr;* da
quantia de 531000, agencala* vars^ mora-
dores da fregosla dq Pogo, para, ser levado a
effeilo o comeco do planto de arvorgf fl & nivela-
ment do terreno do largo da Casa-Forte. Ao
raesmo para fazer o orcamento.
Ontro do fiscal da freguezia de S. Fre Pedro
Goncalves, remettend om termo de infraeco la-
vrado contra os proprelarios dos sobrados incen-
diados raa do Mrquez de Olinda. Ao procu-
rador.
Outro do fiscal da freguezia de S. Jos, remet-
tendo o cenheeimento da quantia de 18*000 que
recolhea ao cofre da Santa Casa de Misericordia,
importancia liquida da arreraalacio de animaes
suinos e cabrura apprehendid na freguezia.Ao
archivo.
Outro do administrador do cemiterio publico
desta cidade, remetl-ndo a autonsacao da pro
prietaria do sitio contiguo ao mesmo cemiterio, na
qual permute a abertnra das tres janellas na casa
da secrataria.Que se annuncie para o dia 19 do
corrente.
Outro do fiscal da freguezia dos Afogados, in -
formando o reqaerimento de Li vio de Souzi e Sil-
va.Ao engenheiro para marcar o lugar em que
lera de estabelecer a fabrica, flcando o bieiro no
permetro de 100 metros distante de qualquer ha-
bitacao.
Um parecer da eommissio do raatadouro conce-
bido nos segointes termos:
< A eommissio do matadouro publico desta ci-
dade, a quem foi presente o requerimenlo do ba-
'harel Luiz da Silva Gusmio, em que pede om
privilegio para estabelecer um matidooro nesta
cidade, e receber a renda qne elle propoe, pon-
eo tero de accrescentar ao bem elaborado parecer
do director da repariicao das obras publicas, em
que vem descriptas as razes por que nio pode ser
concedida lio desarrasoada prelencio. Esta c-
mara tem estodado sofflcientemente as necessida-
des de sea manicipio, e a nio ser a falta da renda
acaderia promptaraente a todas ellas, mas nio po-
dendo remedia-las a um lempo,' j pedio assem-
bla provincial a concesaio de conlrahir om em-
presumo para construir nm matadouro em lugar
em que se pjssam encontrar as condlcSes hygienl-
ca* indispensaveis a estabelecimentos desta ordem.
Nio pJe ella, por tanto, alienar suas rendas > m
beneficio de pessoas qae, apenas sonbando lacros
ohantasticos, se lernbram de exhibir pretencoes es -
droxulas como esta, de que se traa na petieao do
bacharel Lniz da Silva Gusmio, que julga a eom-
missio que nio ple ser attendida.
c Paco da cmara municipal do Reeife, 12 de
abril de 18H.Dr. Lobo Moscoso e Henriques da
SilvaApprovada. -#lv
Dous da eommissio de edlficacio tambem con-
cebido nos seguales termos :
1.' A eommissio de edificacio a quem loi pre-
sente o reqnerimento da companhia Reeife D.-ay-
aage, em que pede ao preaidoote da provincia para
perraittir que seja o terreno do commendador Jos
Pires Ferreira na roa dos Pires aquelle em que a
companhia occapa cora as obras da lorre e machi-
na destinada para o bairro da Boa-Vista, que de-
vlanow^PTT) terreno qae Ihe flca frontetro, nos
sanios da casa qae occapa o Dr. Jos dos Anjos,
de parecer qne se informe que se informe favo-
ravelmente, visto como os terrenos occapam a
mesma zona, e offerecem as precisas aceemmo-
daedes.
< Paco da cmara municipal do Reeife, 12 de
abril de 1871.Dr. Prxedes Gomes de Souza Pi-
tanga e Jos Mara Freir Gameiro. >
2.a Tendo Andr de Abren Porto requerido
liceiica para edificar um sobrado com 30 palmos
de frente, na roa da Guia, despachou esta cmara
a 23 de novembro do anno prximo passado que
juntasse titulo, o qne foi cumprido pelo snppli-
cante a 28 de fevereiro, juntando titulo de compra
de um terreno cem 23 palmos; e como alm de
ser menor o terreno comprado do que aquelle era
qae qaer edificar o raesmo Abren Porte, viodo
assim a ser feila a edificacio parle em terreno
alheio, accresee que esse mesmo terreno est de-
signado na planta para o alargamento do becco ;
por essas razdes a commissao de opinio qae nio
se conceda em caso algnm a licenca pedida, e que
seja o terreno desappropriado.
< Pago da cmara municipal do Reeife, 12 de
abril de 1871.Jos Mara Freir Gameiro e Dr.
Prxedes Gomes de S>uza Pitanga. Appro-
vados.
O Sr. vereador Moscoso apresenlou a seguinte
proposta :
Antonio Peregrino Maciel Mon teiro, segundo
bario de Itaroarac, foi incontestavelmente um dos
pernambncanos qae maior brilho derramoa sobre
esta heroica provincia. Desde o seo exame para
obter o grao de bacharel em scieocias na Sorbona,
durante o qnal os eminentes sabios qne o exami-
naran) Ihe aconselharam qae se dedlcasse espe-
cialmente ao estada das scieocias physicas, para
o qne mostrava nolavel aptidio, e de qae j tinba
conhecmentos mnito superiores ao que se exigem
para conferir o grao de bacharel em sciencias ;
at a pnsio e condemnacio do conde de Bulhoes
complicado no fabrico de sedulas falsas destinadas
ao Brasil, fado nanea visto, e devido menos sua
qualidade de ministro do Brasil em Portugal, do
que as suas relacoes com todas as superioridades
daquelle reino as seiencias e as lettras, a vida
de Maciel Monteiro foi ama perenne illustracao do
seu paiz natal. Dotado das mais variadas apti
does coDgenitos para todos os ramos das sciencias
das lettras, do rido estado dos phenemenos org-
nicos, da severa applicacio desse estado, elle n'am
momento de enthusiasmo, fazia brotar de sua penna
os versos mais suaves, mais temos, elegantes e me-
lodiosos, qae se tem feito em Pernambaco.
< Erara como ama exploso do estro potico que
o anrasava, e passada ella, nem ao menos tratava
de conservar tao preciosas poesas, cuja mxima
parte >-> perdeu. Como orador nio honve igual
em Peroambaco. Possuia as qnalidades physicas
indispensaveis aos pouctis qum a natureza pre-
senteou com o preciso dora da eloquencia : esta-
tura proporcionada, pbysionomia agradavel, gesto
correcto e grave, voz forte e melodiosa, Maciel
Monteiro tinba estes dons natnraes, lio poucas
vezes unidos disposicio de sna vasta intelligen-
cia e de seus profundos e variados conhecmentos.
Que mnito, qae do complexo destas qualidades, re-
sultasse o grande poder da soa palavra as assem-
bla! polticas, e o encanto, o xtasi de todos qaan-
tos o ouviam.
A tao preclaro vario, ao pernambucano qae
Untas glorias graogeoa i sna provincia, deve in-
contestavelmente o municipio do sea nascimento
urna prova de reconheciment, nm stgoal de gra-
lidio, nma homeoagem de consideraco e res-
peito. A esta cmara como representante deseas
municipes compete iniciar, e at onde poder, rea-
lzar esta idea. Proponho, portanto, qae se peca
cora urgencia presidencia, aatorisacio para gas-
tarse a quantia de 1:500* eom a construccao de
um modesto mausoleo no cemiterio desta cidade,
onde se depositen! es restos mortes de tio conspi-
cuo pernambucano. A mencio da resoluco des-
ta samara no mausoleo ser a soa verdadeira
osidade, j qae o estado dos cofres mani-
nio permitte maior bomenagem a tio subli-
ibo.
12 de
lamente nio est em relacio com a grandeza da
provincia, reqpeiro qae se pe$a com urgencia sn-
torisacao assembla provincial para se gastar
at a quantia de 8:000* com a decoracao e compra,
de movis de que esta cmara tem indeclinavel ne-
eessidade, das sobras de oniras verbas.
f Paco da cmara municipal do Reeife, 12 de
abril de 1871.Dr. Lobo Moscoso.Approvado,
e que se offleie por intermedio do presidente a
assembla provineial.
Um parecer dado pelo mesmo Sr. vereador Mos-
coso, acerca do regnlameoto de loques de sinos,
que o Exm/ Sr. vigario capitular propoz ao Exm.
Sr. presidente da provincia, tambera concebido ao
seguintes termos :
Tendo esla cmara me ordenado que dsse osea
parecer respeito do regnlamento de toques de-
sino que o Exm. Sr. vigario capitular pronos ao
Exm. Sr. presidente da provincia, e sobre o qnal
S. Exc dignon-se mandar ouvi-la : e vendo-me-
muito embancado em cumprir eom o meu dever
por me faltaren) as habiliacoes necessarias em ma-
teria tio importante ; e nio podendo eximir-me de
obedecer ordem, para mim muito merecedora de>
acatamento, desta cmara, passarei a axpdr a mi-
aba opinio conforme me ajudarem minhas torcas.
Direi em prmeiro lugar, que sou o primeiro a
respeitar as virtudes e o saber do nosso Rvm. vi-
gario capitular, e mais que lado os preceitos da
nossa santa religiao : porm com sammo petar
sou obrigado a discordar da sua opniio exarada
no offlcio de 17 de tevereiro do corrente annoja
respeito dos toques de sinos que esla cmara pro-
poz-se a limitar.
< Vejamos em primeiro lugar o qae diz a cons-
tiinicio do areebispado a respeito de signaes de
defuntos, e depois anda nos soccorreremos de os-
tras disposiedes legislativas, qae nos servirio para
provar que a cmara andou acertada em sen pro-
posito.
A ermstituicao do areebispado em seu titulo 48
n. 828, pagina 291 Edicio de S. Paulo, diz o se-
gninte :
< Justamente se introduzio na igreja c itholica o
aso e signaes pelos defuntos, assim para que >i
fiis se lembrem de encommendar saas almas a
Deas Nosso Senhor, com) para que se incite e avi-
ve nelies a memoria dos morios, com a qnal n s
reprimimos e ansiemos do peccado. Porm por-
que a vaidade humana, e oatros menos piedosos
respeilos tem introdnzido neste particular alguna
excessos ; para que daqui em diante os nao baja-
Ordenamos e mandamos qae nisso naja toda aquel-
la moderacao, que a prudencia christa e religio-
sa pede,
< E para que se ponha algum termo certo, man-
damos qae tanto qne fallecer algara lioraem, se
fajara tres signaes breves e distmetos e por rau-
Iheres dons ; e se forem menores de sete annos
at quatorze annos de idade te far nm signa! so-
mente, seja macho oa femea, e por esles signaes
do falleeimento nio se levar salario.
< E depon, amado forem levados a enterrar,
oulros tantos signaes, e ao tempo que os sepulta-
ren) outros tintos, da manaira que ao todo se nio
ficam maisignaes que at nove por borneo), seis
por mnlher e tres pelos de menor idade, o que se
entende na igreja onde fregnez ou se enterrar o
defuneto somente.
< 829. E no dia das exequias se guardar o
raesmo, fazendo se as vesperas deltas noute nns,
pela manbia ontros e no tempo dos oflieios outros,
de sorte que por todos nio venham a ser mais os
que mandamos.
E os sachrstios oa thesoureiros que nio
gusadarera esta constituicao sero castigados ar-
bitrariamente, e pelos ditos signaes nao pedirio
mais eslipendio que o costumado. d
V-se portanto da lettra da constituicao do ar-
eebispado, que o toque dos sinos pelos defuntos
nao da essencia das praticas religiosas, e sim
nm aso iotroduzido na igreja, e como ha muilos
usos qae tem cabido em esquecimento, nns por
serem inconvenientes e outros por serem filhos de
crencas despidas de todo fundamento, julgo que
os signaes oa dobres de sinos ou repiques, esli
no mesmo caso, porque deltas nao resolta provei-
to algum a religiao e menos a bumanidade ; pelo
contrario podem ser e sao com effeito nanitas ve-
zes causa de males e incommodos, e tanto isto
eanbecido em toda a parte onde a civisacao al-
raejada e querida de todo*, que abolicao dos do-
bres e repiques foi causa qae se fez sem reluc-
tancia de ninguem.
O lempo em que nasceram os pequeos sinos oa
campainbas est oceulto as trevas da antignjda-
de, e aquelle era que comecaram a ser introdozi-
dos na igreja, lambem se nio sabe ao certo, ape-
zar dos effeilos misteriosos que Ibes eram atribui-
dos e que alguns canonistas resamem nos segua-
les versos :
Laudo Dumjverum, plebera voceo, congrego cleram
Defunctos ploro, festera fugo, testas decoro.
abril de
lo da cmara mpotoianj do Reeife, 12 di
a 1871.Dr^LoboMoiWlo.Approvado, i
Parece, porm, que nao so fabricaran) os gran-
des sinos antes do quinto secuto : os primeiros fo-
ram fundidos era ola, era. Campania, sob o pon-
tificado de S. Panlino no ann> de 420.
Dahi se espalhoa immediataraeals o uzo no oc-
cidente, ao principio para annuilar as solemnida-
des da igreja, e logo depois para tudo quanto era
acontecimento nolavel, ejnao tardn que a supers-
ticio houvesse de atribuir Ihe lodos as virtuder e
effeitos miracolosos : sera extremamente fastidio-
so enumerar todos quantos milagros acreditavam
os nossos aotepassados que faziam os sinos: regis-
traremos, porm, algons.
Surius assevera que em moitos mesteiros e sino
dava signa! por si mesmo, quando algum religioso
exhalava o ultimo suspiro.
Geraldes Cambrensio que vivera no scalo XII
(alia de om sino, sobre o qual se pronuneiavant
todos os das palavras mysterosas, porque se o
nio fizessem, elle (agira para outra igreja.
Acreditava-se qae o som dos sioos afugentava o
demonio, e com esta intencio atavam-se eampai-
nbas (on talvez guizos) ao pescopo dos meninos. <
E do qnadre dos prodigios que faziam os sioos, .
nio escapou a medicina de ter soa parte muito
importante : assim c,nsiderou-se o som dos sinos
como remedio prompto para apressar o parto,
para curar as dores de dentes e mnilas entra
molestias. Emflm o poder de affastar as tempes-
tades, foi o mais dtfflcil prejuizo qne honve a ven-
cer as populacoes dos campos.
O aso oa cosame de tocar os sinos pelos mor-
ios tambera antigo e fazia parte ordinariamente
de urna verba testamentaria. I
E' moilo curiosa esta verba do testamento da
Franajsco I, duqne de Bretanha em 1450 :
Antes de comecar o offlcio, o sino grands do
mosteiro dar dote badaladas e dobres, distando
ama da outra o tempo que se guia ordiniriimea-
t para dixer nma Ave Mara, e depois continua-
damente e por tanto tempo quanto preciso para
dixer nm Padre Nosso, nm Grada e Miserere. E
para execucio deste mandato, tamos fnadado ama
renda de duzeatas libras ao dito oaosleiro, etc.
Nio devendo, porm, o espirito aamaoo fiear es-
tacionario no meio das trevas da ignorancia, M-se
poueo a pooco desvaneeendo isercajda laperKleio
mara^fcas-dos sinos, e sobstimiado por pratisaa
mal dianas de elevar o espirito a Dans e Im adop-
tada M Tnstltui^io das missas, offloiM (unearas e a
oraelo pala qnal todos pedimos a Daos a reanis-
qM as peca %ntorisscio*i assembla provincial por
iotsrraei'ro da presidencia.
U"j) reqaerimento do mesmo Sr. vereador Mos-
coso, concebido nos seguintes termos:
c Tendo esta enmara de se malar para a casis* da nossos w ltimamente adquirida por compra, a qnal precisa nos ^paos aer-os aHirnos em gozar dos beoeB-
de aceto ; e cenbecendo nos o eitado de aniquila-. o, dftWWleio e ao verdadero progresso d
ajenio a qae estb rednzldos'os seas poneos rae;?)*.' espirito hfmatlo, atada toje somos aiormealadtja
e a poaea deeencia qne apreentam, o qa* cer-lpeb lJ*iHf


/


Diario d Verti&mbuco Sexta feira 12 de Maio d 1871
rt\
V
-..
^=t=
333=
A
-' j.l wn:ri *i
-JL
ros dos sinos. Dorgu | UTAr 8?Q lTMHW. T1
dios e losimorqoeii wpflvps palos saenristaos oa
xeladores das rejas para'abi pratcarara toda es-
pecie de immoralids des e desacato a relfgrao, Ja nao
fallando mMssimo iocommodo que produiera
* quem mora ra pissa perto das igrejas ; e para
nao irmes muito lo age, parece que nSo ei mono
remota a apecha en qe aquella infeliz sacbristao
da ordem tercetra do Carmo, foi assassinado na
lorre pelos tangedo.-es de sinos, e bem triste 6 que
anda no tempo presente lio sequeira acabar com
semelhante dismanlo I I I
Sendo portante, como flca exposio, o toque do9
dos mera invencao doi hoMas,' uso oa costame
enio le da religiao de atristo, evidente que
esse nso pode e deve sar'aMMdo, log que se con-
verte em abuso oa que se eenbeee que elle pre-
judicial sale oa bem estar dos homens, e nem
se allegue que o usa insume le, porque a propria
le per mais vetusta que seje revogada sempre
que se eonhece que a eivltoacao, a illastracao, o
progresso, ou como queiram chamar, tem a tor-
. nado intil oa necesitada de modificaees ; e se a
le que de lei tem forca, passa por taes reformas,
porqae nao as nao de soffrer igualmente os uso3 e
costame?, logo que se turnara prejudieiaes ?
E anda para prova de que nao ba oactuaidade
de sinos para chaunr os Gris a oracao temos mes-
mo entre o Tacto man significativo, e quo gracas a
Deus, do ninRuem deseonhecido.
Nao ha igreja mais concorrida para assisteocia
dos oficios diversos do que a igreja da Peona. Oa
a raissa de madrugada ou a qualquer hora, ou a
festa, ou o sermo 6 sempre tal a concorrencia no
a maior pane da gente rica na ra, entretanto nio
ha sinos quo meaos se oucara do que os desse
convente, porque aquelles venerandos religioso*
nao fazem coasistir os actos sgralo* em toques de
sinos, a nao entrega as torres aos moloques e aos
vadios. Anda mais outro faci Nao ha h>je igre-
ja raais procurada para a oracao de que > cabella
que tem os padres da couipaohia de Jesuseo seu
eollegi) ru do Hospicio ; entretanto ha ahi so
mente urna campa que apenas aos domingos ou
das santificados d algum pequeo sigo!, E' qae.
pelo respeiio e acataraento com |ua nessas duas
igrejas se celebrara os actos religiosos, correo pa-
ra ellas todos ajuell es que nulrem em seu cora
cao verdadeiros sedimentos de amur de Den?.
Comprese esso badalar de tarde* imeiras,
como tem feit > estes ltimos das os sinos de algu-
nas igrejas para annunciarem o sermo, cora> de
proposito para esoarnecerem da prolibieao que
ibes foi imposta, e pensar-se muito bem que nao
sam duvida o seoumeuto religioso, mas sim a
falla de respeito as ordets emanadas das aulorida-
de superiores qnera autorse semalhanle pratica
abusiva e contraria as proprias dispesicoes da
eoestiluicao do arcebispado, que sao muito lermi-
nautes alias, que pareceos squecidas por quera
as devia ter muito de memoria..
Provada, portante, a desnecessidade dos toques
de sinos para nos fazer lembrar da morte, porque
obrigacao de ludo ebristo lembrar-ae do outro
mando para nao psecar oeste, assim como resar
todos os das pelas almas que se achara no purga
torio, e provada larabem adesaecessida dalle*
para eliamar os fiis aos templos, porque cou
valo que a concorreocia dellea muito maior no3
ea que nao se asa de sinos, passarei a provar
qae a eoastituicao do arcebUpado aludo menos
autorisa o badalar ncessanie do* sinos para cha-
mar os Sais a acompanharem o sagrado Viatico; e
qae portante, a pralica entre nos admiuida contra
expressa di-pasicac das leis da igreja, de hdala
rea os sinos muito lempo como a rnese frecuen-
tes vezes, causa de morrerem os doenies sera re-
ceberem o sagrado Viatico por cansa da demora
ea levarem-no a espera que se ajume gente.
Vejamos o qae diz a conslituicao do arcebispa-
do, t!. 36 o. 101 Sao os parochoa obrigado
por obrigacao e varao do seu officio a sdmillircra
a sagrada Eucnarislia a seus paroebianos eafer
mos. Pelo que mandamos que ni) so com sum-
ma deligen-ia e cuidado levem o Senhor a seus
freguezes doentes, sondo chamad., mas qae coa o
mesmo procurera saber se na sua paroehta ha al
1 nos eofermos que estejara em perigo de raorte,
aos quaes se h .ja de administrar para que com
tempo se Ibes administre, e nao sueceda que por
sua culpa raorram seus freguezes sera receber
este espiritual mantimente das almas.
E assim admoeslem aos enfermo-, anda que o
nao estej ra gravemente a que tom :m a sgrala
Encharis.i, e quando houver de levar o Santiesi-
.no Sacramooto, mandar fazer o signsl com o
sino maior da igreja, e iaagr a campainha pelas
roas: salvo se neceuidaie do enfermo for tal
que nao de lugar a iuo :e mandara que a casa
do enfermo esteja lirapa e preparada, e que baja
ama mesa segura com loalbas lavadas e duas ve-
jas aecesas, capaz de por sobra ella a ambula do
Santissinso Sacramento em cima dos aorpofaes que
levar um clrigo na forma costumads. E en-
rommendamus a todos os nossos subditos, qae ou-
vindo' o signal aecudara logo e aompaohem o
Senhor.
E as dignidades e eoneges da nossa s exhor-
tamos qae tambera o acompanhero na forma de
-fie estatutos para qae delles tornero todos exem-
plos. f
-X vista de dhposieao to termioaote de lei que
na est revogada, como que se manda quo
SaMMm Sacramento nao sais sem que hajana
mero toffisiesle para con^ritair acompanhamenlo
decente, e qne por consegaioto os sinos dobram
horas inteirjs dorantes as qoaes o doente morra
sem receber o Sicramento da Euehsfistia, o qae
remmente nlo da vontade da igreja, e est lao
laraojente determinado? Se a constitaic,ao do
arcebispado mandt qae o pareeho tenha summa
delnreoeia e cuidado em levar o Senhor aes seus
freioezes enfermos, como qae o muito respeita-
vel Sr'vigarlo capitular ordena qae elle nao saia
sem acirapanhamento decente ? Oa por outra que
o doenle qne as ve:cs perece que fas um ultimo
esforc sobre a mortaa para nao morrer sem 8a-
cramentar-3e, morraIn ter esse lenitiva, tio su-
blime para saa conscfenela ? Ou a eooetitaicao
nao esta em vigor, coa ordem do Rvm. Sr. viga
rio capitular contraria a ella e aos principios re-
ligiosos por nos eatholicos professados e eslabele
cidos por lei.
Se nao fos?e a materia to melindros e en lao
pooco habilitado para entrar em ama difassao de
unta magnitud?, dina que para a verdsdeira de-
cencia e resjeito devido a grandeza de Dos e da
nossa santa religiao, converia restringir o mais
possivel as vezes que tem de andar exposte visto
do Hela (e dos inflis e mesmo dos impos qae boje
nao faltan) o Santi-simo Sacramento para nao
acontecer o que todos nos presenciamos diariamen-
te. E tanto verdadeira essa nosa asserco qoe
ontros paizes nao menos c3tholicos do que nos
adoptaran) o systema de levar o parocho con>igo
o sagrado Viatico ao enfermo sem acompanha-.
mente, sem badalar de sinos e sem essa descom
munal vozeria entre nos usada qaando sai i noufe
o aagrido Viatico.
Aeno que esse seria o meio de evitar a irreve-
rencia e desrespeito aos inlei~, e o exerapla sem
pre cootagieso das cnusas ms, e buje nao Taita
quem queira se mostrar espirito forte e superior
as renlas de nossa santa religiao : o como fui
netlas creado e pretendo arme aellas morrer, coa
o fator de Deus, julgo de meu dever como verda
deiro catholico romano protesUr, como protesto,
contra ludo qae pode acarretar falta de acatamen
toa respeito ao supremo Creador; e nesse nume-
ro considero nioitas praticas individamente tolera-
das que absieoho-me de mencionar, porque as
autoridad- compet ut9s sabem melhor qae eu o
qae propriameote litburgia.
E* esensado diter algaraa coosa a resp^Ko da
sensacao ineomraoda, desagradavel e mal usa qa
produi sobre o organismo animal o toque dos si
no, principalmente os dobres, porque nao ha
qae nao ten a exoerimeatado a auliecb, a ago-
na, a sobre-excitacao nervosa qoe se soffre qunn
do ae oove por muito tempo o son logabre, fue
re, ou mesmo alegre, mas por maito lempo conti
nnado dos sinos. E o qoe verdade que as
pessoas qoe mais ded cacao mostrara s crece**
religiosas sao is qoe mais desejam que se acibj
com os toques de siaos. E' a cerracao desse oso
anle-bumaiiitario e ante-religioso que nos consi-
deraran, como eminentemente orlhodoxa, 9ub|inte
e grandiosa e necessaria a verdadeira religiV de
hriHo.
Resumindo e conclorado diremos:
Na Franca, onde o calholcismo conloo em i Jiaaoleao o seo baluarte vigora a lei de 18 garmi
al do-armo 9. coatafMeta da eoneordato de 1*
iejurh de WHI.
Dispoe o ano detw lei:
Obispo se Maafr com o prefeito nara
regalar o mo # tintar o fbeis pira $* *m*$
diinos, petos \atsn 1 smoe. Por qmiiqaaMa
Ira eao mittia da polica Jcal.
V-se qae os djreites e nees#
o HfiB. o m'iiio resiicitsTel Sr. rigarw anaMihr
ale si alo en son piedosa asente :
do sajara ia rucados oa usos oa ora jm
_"_ le, alias ig^hadi em ,
maila partes do atonto do toqui 4**lf>s, e
aesax eo-alfaaiM do Brasil, paraca qi*d fl*0 *
vem ser esquficidaa ooiraa oircomstaaciai que
acorapannavam iudispensavclraenle os tuques de
sinos1: par ttmpfc :MnK>lllMt 1 ^culos os
sinos eram tangidos por ara menorista ; e quando
os leigos foram sendo admilUdos a isso, ordena
ram os concilios que se revesti-sem de habite ec
clesiastlco e de orna sobrepelliz. Arada na Fran-
ca, pela ordenanca de li de Janeiro de 1S5, os
curas das paroebias coraos oomeiain e demiltem
os taogedores dos sinos e as outras nomeiam os
fabnqueiros por proposta dos curas. ,,
Conbine-ee o que flca posto com o uso a
p rauca admlttida entre nos de se entregaren) as
torrea aos molcques captiva e aos vadios; traga-
se i memoria os iooonve.niataj, os males os ori
mea mesmo resultantes de tal pratica anti-rehgio-
sa, e digam que nao tem razio quem pugna
pela extirpaco de semelhante aiuso.
Com o devido respeito, pensamos que o Rvm.
Sr.'yigario capular d a esta questao de sinos
mal importancia do que ella tan quanlo II-
lurgia : porque o toque da canipaloha nao
essencial e indspensavel na elevadlo da Hos-
tia, e al prohibido as missas das capailas
papes como uma ditlinccao honorfica, pois qoe o
papa est oa sopp5e-se preente ; e alm disso,
se Urtaos o ApoeAiypse de S. loao quaodo ee
descrove a vfeauque ao domingo, acharemos a
descrip{ao de nana asseasMa presidida por um
pontfice veneravel, 'alsentado sobre ura thtone, c
rodeado de 2 velho ou padres, habitas sacerdo
uies, luuicas brancas, oinus, coras, iqs.|aB|uentos
do culto divino, um altar, cand/labros^xhurlbulos.
ura ivro, hymuos. cnticas, fuole d'afua que n
vida, etc., etc., justamente o que faz parto da li-
thurgia.
Por tidas estas razoas entendemos que esta ea*
mar dave insistir em 9eu procediraento, n
prestando a sua acquiescencia ao projeclo do mul-
lo respeitavel Rvm. Sr. vigario capitular, o qua*
pareos que vem aagravar ainda mais a sitaa^ao
actual relativa ao effeclivo uso dos sinos.
Paco da cmara municipal do Recife, 11 de abril
de 1871.Dr. Lobo Moscozo.
Un officio deManoel Pires Ferreira, enviando a
esia cmara dous offloios, sendo um do flstal da
freguezia de Jaboatao, dirigido ao mesmo Pires,
e oatro desto em resposta ao dito fiscal, pedindo
providencias acerca do assnropto do; dous refer
dos uffleios.-Que se officio as engenheiro para in
formar, e Mauoel Pires, commucilcando que
nesia dala se tomara as providencias aecessarias.
Um requerimento de Joo Saraiva de Arauj
Galvo o Guilherme Augusto de Alhahyde, pedra-
do que se peca autorisac) asserabla provine;!
para tornar effativa a propqsta por elles feita, e
aceeila por esta cmara, de prestaren) seus servi-
co* como escrivJes dos jaizes mooicipaes desta
cidade nos processos crimes em qae ja-'ica pu-
blica decabida, mediante a quanlia de 200*000
anauaes. Que se pega autorisacao asserabla
provincial, por intermedio do governo.
Despacharan)-se as peticOe* de Antonio Moreira
Reis, Aurelio dos SantosCoimbra, Antonio Fran
cisco Marlins d Miranda, Antonio Jos Leal Rei,
Antonio Jos de Azevedo, Antoaio Fausto Jos Ro-
drigae*. Antonio Fernandas de Figueiredo Paiva,
padre Albino de Carvailio Lessa Benevides & C,
Cosario Arrellano Ventura, Felippe Santiago de
Aqoion, bachorel Francisco d Cuaba ilastell
Braoco, HvpoNlo Jos Roberto, Isaac Esnaty, Jos
dos Santos" Neves, Joo de S e Alboriuerque, J -
viuo Baoder, Jos Mara de Mello Janior, J >io
de Sooza Pereira, Joaquim Genialves Vianna, Luiz
GoncaKts da Silva, Manoel lbdritaes T ixeira,
Manoel dos Sanios de Oliveira Goocalves, Manoel
Felippe de Goava Cavalcante. e o viscondo de
Suassuaa, e levaalou-se a sesso.
Ea Lourenco Bezerra Ctroeiro da Guoha, secre-
tario suhscrevV
B'nto Jos da Costa Jnior, pro-presidente.
Dr. Peiro de Mkayde Lobo Hoscoso.Jos Mar i a
Preiri Qameiro.Cutiano Cyriaco da Costa Mo-
reira.Ignacio Pessoa da Silva.Angelo ffenri-
tanga.
PUBLICACOES A PEDIDO.
" ........ "- ". "v" -------- '
FstracUde ferro do
Limoeiro
As duas publicjciles, feiUs no Diario. pelos Srs. Dr. Peiro Affonso Eerreira e J..4e Mel-
lo Reg, vieram anda mais contencer-re da
procedoocia das fundamentos da petica* qoe di-
rig ao Exm. Sr. conselheiro Dlogo Velhj afira do
nao uear da autorisa(o que pela assemWa.prai-.
vinci.il ihe foi conferila para rever o conlruo da
estrada de ferro do Limoeiro.
O Sr. Dr. Pedro Affonso diz qae o Sr. desem-
bargaior Assis collocou os licitantes < uas mais
acerbas difflculdades.....e qoe dessa circums-
tancia proveio ficar o Sr. batan da Sqledade com
a empreza em coridicoes desfavorsveis de modo a
ser considerada mexeqaivel. > Nao me encarrs-
ga, aecresceata o Sr. Mello Rogo, de deraoos-
trar que o Sr. barao da Soledade nao fes o con-
trato com as Cun.lic.oe3 estipuladas por gosto pro-
prio, e sim por hde cent coaee qae- i he impo
ssram (I), nao me faco osrg) de demonstrar que
o argumento da concurrencia Iludida demasia-
do mico em face das circamstaoeias qae oeeor-
reraej... ,
Estas palavras alm de improcedentes, impor-
tara injuria ao Sr. bario da Soledade e ao Sr. de-
ssmbargador Assis Rocha.
Uma conenrrencia para um contra'o, nao
uma embiscada ; o hornera de bem qae se pro
poe a realixar um contrato, ipresenta-se com os
seas elementos, e com este smente cunta : nao
alimenta o pensameato de Maquear a boa fe dos
saus competidores, nem do governo da provincia.
Neste caso aehava-so o Sr. bario da Soledade.
S. Exc. aceitn o contrato com as cndilos que
poda, na sua onsciencia, realizar ; nao loe pas-
sou pela idea pedir modifica.,Oes asemeles;
nio foi coagido por mngoem. Essa presaaapejto,
qae hoja insinuara os Srs. Dr. Pedro Affonso
Mello Reg altamente offensiva ao carcter de
Sr. barao da Soledade: diga-se qoe este foi inex
cnente, mas nao se sonancia qae acei'oa :
coacedo indecente do Sr. Assis Rocha. Timbera
este, esqoeeeria a sua mis-o se proeedesse co-
ttto o inculcam os brs. Dr. Pedro Afonso e Mal
io llego.
Que o Sr. bario da Soledade estova ceriissimo
de que podia cumprir o seo eoatrate, ahi est a
clausula expressa qae aceitan de nio solicitar
favor on modiflcaco alguma da assembla. Um
hornera de bem, eama o Sr. bario da Soledade,
sao aceitava semelhante clausula com o animo
firme de illndi-l.
O contrato inexeqaivot, verdade ; mas para
mi'ii, para o Sr. Wariag e para os ontros eon-
carrentes; para o Sr. bario da Soledade, qae o
aeeiioo, nao.
Circunstancias supervenientes. Eu as des-
conbeco : Dio me consta qae su leotaa j in-
corporado eompanhia para a eonstroccao da
estrada, qoe se livessem comecado os seas traba-
Itios ; ai cireomsla acias da baje sao as raesmas
do tempo era que se elloctaoa o coatralo. Uma
nica deseas circamstaoeias enuaeco oa. Sei que
se quer vender a estrada ; e lalural qne ma-
guera queira arriscar seo draheiroem urna empre
za tio onerada. Mas ersio que isto nm nego-
cio particular, e nao de ioteresse publico.
Se, pnis, o Sr. Bario da Soledade, proeedendo
de boa fe, como da crer, peceou pela soa inex-
periencia, neste caso sujeite-se s cooseqaeacias
lo passo qae dea; convenha em nova concurren-
cia.
A dnulriaa que se esforcam os Srs. Dr. Pedro
AITon-o e Mello Reg por sosteotar, nao encootr*
sectarios; permutam-me dize-lo das mas*
funestas coosequencias. Um cidaoao honrado, do
elevada posicao, que inspira toda a cootiaflca, cea
corre para um eootrato; um governo exigente
impoe-lhe pesados encargos; esse eidadio ac-i
la-os in tolttm, a por ente faeto sao excluidos te-
dos os mais cooearreatAs. Das depois, quando
esses eoBcorreotes estao fra da lica, vera o con-
tra taute pedir que Ibe retirem os onus qae aeei-
tou, e i-to sem qae prove. seqndr %na eireamotan-
eias supervenientes ao contrato vteram-ao emba-
razar. Assim nao tardar quem se aprsente em
eoeorrencia cen puoeas: por este majo ansia todas os co
dores, mas esto ceno da ser depois inderam
E' eerto que al^uns contratos se tem mi
ado; mas nenhum que me consto em taes coi
ces. 0 contrato Mornay modiflcoo-se, maa
condiedes diversas, ^maranseam o Sr. Macal
(foiooaieo eoacurrea, ao>d fnaboave^ajfBW
treaqa ; em segualo lugar,1 priawipal aisiilaal
o do seUfcContrato consisti em- m oy) vi aoja .pan
tm dtnMro wm parla, do auaHif qm ***>
- igada a dar em-apoliem, Qiwnto a mim, p^r
e, qaab* am* prev.aria des ereoitoveomo a de Pernambnco,
_ pragmaoaa para 4H era HiaiSarwi p^far por uta* ai outr* fer-
iar a neeewldadd, alus a*ae4a|ajd |_ em ibtiatido ana d"Wa.d?.<^ t?eiu#Jomo spa
rar-s de jaros. Alea ls*), Iiavla onu flrcums
pederesa : as apatices provinciaes nio -
nham curso em Londres, e cora ellas nio pedia o
Sr. Mornay comprar o material para a estrada.
Quanlo i estrada dd Olinda, as modiflaces
quo taabo aoUcia flzeram-se ao tempo em '
eslava incorporada a eompanhia.
Tndo 5 diflsrente do que agora se passa, com
assombro geral, oo contrato de Limoeiro.
O Sr. Dr. Padro Affono declara que as modifl-
cacoos nao sao de nenhum modo prejndieiaes aos
ulereases da provincia. ~^^m- mmr jt~
Nao estr.iahe S. S. iiue Ihe diga que ha inexac-
:lidio: -todas as modilesQSas, era aisla do coo-
trat ji celebrado, sao prejndieiaes a provincia.
- Pois ipdifferenie a esta lar a estrada ama
tarifa modosa?
Essa tarifa estava e das modifkacoes ac bou com ella.
0 contrato exiga fram ruda na para haver Bar.
servic regular; oulra modjflccao diminuto;
o contrato dava a provincia a faculdade de
resgatar a estrada depois de 30 annis cora apoli
ees de 6 0/0; uma modificacio retirou Ihe essa
faculdade; linalmeole, o conlratanto se obrigava a
nao pedir novos favores, urna ultima raomNeio
deixa-lhe plena liberdade.
B nem se diga -qmr esta clausula ertravagan
te : erabora severa figura, era termos aeueilian-
tes, em quasi todos os ltimos contratos* celibrdos
pelo governo geral.
Concelam-se multo embor estes e outrbs favo-
res; mas peles meios regulares e nao. nullicandu
garantia que todos n<5s ouvemos respeiiar.
Assim. contino a pensar, a comiulgo presumo
qoe qs b ^mens [mparciae's, que ser uin ins-
te exemplo- que demos dos nossos oostunMs, modi-
ficando as clausulas do, contrato da estrada de
ferro do Limoeiro, quando o proprio contraante
era vista do mesmo contrato, reonnciou a toda e
gualquer modirteac/wou Tavor.
Esto meu jaizo alo importa otTsasa auamola
provincial, como se quer insinuar: por misos ti
lulos nao podara eu faltar consiJeracao .devida
asseuabla da miaa provincia.
Parece qae se quer enxergar conlxadiecao no
fseto do Sr. conselbtiifo Drago Velho tes senecio-
oado a l-j que concedeu as maditicacoes da estrada
do Limoeiro e o despacho qiw den era a miaba pe-
ticao. Tenho oezar que se oqae neste pealo, por
que soa obrigado a declarara opinio do Sr. coa
seiheiro Diogo Velho, conhecida tajves de, alguns
dos Srs. deputados pro'inciaes, e que rpm foi
externada depois de txarado o seudaMAlM :
i. Exe. pensava que as coniieoes do coa i ralo
eram onerosas; mas teodo-as o cu trtame aceita-
do em concurrencia, se as nao qaizos.se cumprir.
dovia abrir mao do tonurato para que ora nutro
fosse celebrado era noa concurrencia, at patale
o motivo por que S. Exc sanecioncu ejei : esta
impunha lam) -m no'os onus e pennutja oglros
da eompanhia de carrs, qae tmha co.mrorals k
cora a administracc; e nio pudendo saneciouar
a lei em parle, (o obrigado a aceita-la tal quai
veio, reservando-s a realisar o seu pensameato
qaaado livesse de asar da autorisacao que Jti -
foi coofenda, com. se col!ige do sea despacho.
Quanto prolela^fc qus podia oppor o contra
lame, era preciso que houvesse presdeme qie a
isso se suj'-itasse: ainda nsso o Sr. Dr. Pedro
Alfonso cuota coa o desmancho com que se Iraiam
no paiz a: nossai cou.-as publicas.
Devo aiada le'antar de mira e dos meas amigos
polticos algumai insinu3i;oes do Sr. J. Mello Reg.
A lei que aiciei oa assembla provincial, e de
Iue lana carga se me fax, linba por lira decretar
uma rede de estradas oa provincia, e oa meios ne-
cessarios suz xeouco. Essa lei foi talvez o
melhor tnico qae pres'tei como depatado provin-
cial. A ana exaiuco nao correspoadea s miuhas
vista. Que cuif-a lenbo eu otisso ? Leiam a lei, e
julguem-m entao
O contrate Mar cay foi celebrado como paite de
txecucao da lei ; e com joanto o- tivesse eu
concorrido para a sua confercaok *no o^repulei
atoo.
O engenheiro que o dictog foi meu amigo
o Sr. Dr. Gervasio Carapedo, a quem umguera
negaraaqualidJede juno elosO. Ejaceootrato
iralu lacunas, como sempre o disse, maatnao tio
grandes como se le empresto va m. Nao concurr pa-
ra a moliciela desie conlrato ; 0#Ja cora au-
sento na assembliia geral a esse lemaflMava essa
loodilicacao, cotiM cima disse, JB Kdjuarente e
em condicoes diversas das da esfrrol^ Ltmoei-
ro ; e aquelles que a cooepderam, estoWerto, Dio
a decrelariam o o Sr. Moroay livesse aceeitade
era concurrencia todas as cond'njoas qoe ae ffie
qu zessem impdr, e mais o eompromissp de nada
pcitir a asembla provincial. 1| '
E' a meu pezar qne me eccnpo ainda a estra-
da de ferro do Limoeiro ; e s contratan! nosia
discussio, se a islo fcr impelHdo de novo, e a for
tratado com a mesma cortesa com que escrevo.
ReeMs, > de maio de 18?I.
Buarque dV Mace.
sMdaa-eo- -*
Elehlo dos tleroiris (jae tem
de festejar a Exce'sa enho-
ra das Dores no convento
m
Francisco Antonio de Albnquerqae Melle.
Dr. Jos Tiburclo Pereira de Magalhaes.
Goncalo Jos Affonso
Jos RuQno Climaco da Silva.
Joirf Walfredo de Medeiros.
Jos Francisco de S Leitao.
Antonio Jos Duarle Colmbra.
Victorino de Almeida Rabello.
Mordomas
As Exms. Sras. :
Consorte do Illm. Sr. Manoel GoLcalves Agr.
Consorte do Illm. Sr. Antonio IJomingos Pinto.
Consor do Illm. Sr. Dr. Cosme de Si Pereira.
Consorte do film. Sr. Jos Firmo Xavier.
D. Francisca Genoveva Borges de Castro
Nobra.
D. Aooa de Queiroz Albuquerqoe.
D. Igoat Coni de Araujo.
D. Thereza Telles Baadoira de Mello.
Juiz
Affonso L. de A. Mello.
Fscrivio
Joaquim Lacio de Albuquerque Mello.
Procurador geral.
Antonio Fernandes Jorge.
Tbesoureiro
Ernesto Po de MeHo tms.
Recife,- 24 de setembro de 1870
A niPlH:NBA LIBtlUL DO IMPERIO.
Na quaiaade de redactor da Opinioo Nacionil,
recebo aiaito hoje as folhas liberaos de telas as
provincias.
Suspensa, ha quasi um anuo, amioha tarefa de
jornalsta, eslou convicto da impossibilidade de sua
coniinuago ; e s pelo mao estado da minba sau-
de, e pelas miabas multiplicadas occupacdss, nao
(k as despedidas nos dvidos termos, o qae farei
logo qae me seja possivel.
Entre linio, sirvam estaslinhas de aviso aos col-
legas da imprensa liberal, aos quaes maito agra-
dece os auxilios e anjmacio durante a minha in-
gralissraa jornada.
E protesto quese na licu da imprensa peridi-
ca ha de menos o mais fraco luiador, onde qur
que possa erguer-se a minha iraca voz, oa correr
a minha tosca penna, fallarei e escreverei pela
iHi liharal
idea liberal.
Reeilo, abril 1871.^
-1*
prik (
Guimardts.
Eieico '
Dos devotos e devotas, qae ten de pro-
mover a festa da milagrosa imajem de
S. Jo que se venera na igreja matriz,
da Nossa Seuhnia da P,u dos Affogados,
oo anuo de 1872.
* Juiz por eieico.
0 Illm. SfT-Ansooio da Silva Carnelw.
Juiza por eieico.
i Eiaa. Sn. D. Mana Lilia, esposa do Illm. Sr.
coronel Coriolano Velozo da Silveira.
Julzss por devoiii >.
Os Itlms. Srs.:
Capito Jos Buarque Lisboa.
Candido The. Ionio da Cmara Santiago.
Juiza por devocao.
A Exm.' Sr." D. Anna. filha do Illm. Sr. capito
Manuel Gomes da S.
Juizes protectores.
Os Illms. Sr. :
Padre Estoves Vianna.
Manoel Luiz des Santos.
Joo Luis Vianna Jnior.
David da Silva Maia.
J )o Goncalves de Sonta Beiro.
Justino Teixuira de Moura.
Manoel Bernardino Alves.
Francisco^ Simoes da Silva Mafra Jnior.
Jos Francisco da Silva.
Jos Marlins Lopes.
Major Joo Francisco da Cunta.
Severino do Reg Baptista.
Jaizas protetoras.
As Ex mas. Sras.:
D. Elvira, esposa do Sr. Dr. Jos Roberto Moraes
e salva.
D. Ermeliuda do Carrao Pereira de Macedo Mon-
ta rrolbo.
D. Mara Joaquina da Conoeicao Pocas.
D. Telviua, ti iba do Sr. toiieuie Paulino Rodrigues
da OveHa.
D. Rita, filha do Sr. Manoel Bento Mendonca.
D. Francelina Kianci-ca Pereira.
D. Idalina-Teixeira Leal Villela, esposa do Sr-
Joo Ferreira Viilela.
D. Capitalina. Carlota de Azevedo
IX Anna francisca de Paula Lias, filha do Sr. l-
ente Jos Lacio Lias.
a Cardukaa, espoaa do Sr. Lino Francisco das
CtUM
de Santo Aiitonio do Recife
no anuo de 1871.
Juiz por eieico.
O Illm. Exm. Sr. barao de Ulinga.
JLjta por eieico
A Exma. Sra. Df Amen, fllhi do Illm. Sr.
coronel Joo do Rege Berros Falco.
Jaizes por devoaab
Os Illm. Srs.:
Capito Belmiro da Silveira Lias.
Coroael Anlr Das de Arante.
Alfredo Nonato Skeiyt
Emilio Xavier Sobreir da-Mallo.
Jaitas ftor deveelo
A Exmas. Sras. DV l
Francisca, consorte du Vuv Sr. commeodador
Antonio dos Santo* Ponina).
Seih*rh)ha Emilia Jorge.
Leonor, consorte da Illm. *. Antonio Angosto
des Santo Porto.
Carolina, consorte dHHm. Sr. Dr. Henriqoe Ma-
mede Lias de Almeida.
Jones perpetuos
Os Utas. Srs.:
Dess nbargador Francisco Desnragues da Silva.
Commeadador BoaMnaos Alvos Matbeas.
Coronel Domingos Affonso Nerv s^eTteira.
NksolA CHiary.
Jotas per peino
As Exma. Srh. De.:
Idabna, lilba de lltm. Sr, Joo Pereda ^lou-
tJDho.
Baroneza de Beberibe.
Esposa da-Uta. Sr. Dr. Luis Antonio Fernandos
statatro.*
Amata Augusto Halo de Oliveira,
Juizes aroMctore
Os Illms. Srs.:
Coroael Rodolfo Jro Barata de Abnetda.
Capilio Tiburcic Hilarle da Sdva Tavares.
Williara Hawlin^ea.
Fraocisco Goncalves da Sirva.
Jaizas protectoras *
As Bxmas. Sras. :
Bowoezae Vilo-taltr.
Consorte do Mra. Sr. chsfe de
neglldo Aaiooio Barbosa de _
Ama, consorte do Illm. Sr. Dr. Buato Jos do
CosU.
Cemora do Hlm. Sr. Antonio Luiz dos Santos.
Juizes bemfciloKs
Os Illm Sr..
D. Jue A agala.
Commeodador Antonio Jos Gomes do Crralo.
Dr. Manoel Buarque de Macado.
Othon Xdvier de OKvet/a.
Jaizas bartrfoHors
As Exmas Srae. D.:
Umbelina Alcoforado
Fttrooeza de IpoljfCaJ.
B ironeza de Mnribeea.
Consorte de Inm. Sr. Dr. Maooal d Pigoelroa
Farm.
Escriviwnar slaioao
Os Illms. Srs. Dr.:
Sebeatiao de Laoerda.
Joio Thom da Silva itl lllt"
Esenvien por elsiio
A Exmas. Sraa. D. i
Mara, Consorte do Um. Sr Dr. Soares
o.
Consorte do lita; Sr, sajpr Joaquim da
qoorqae Mello.
Escribe por devoeo
O lita*. S. t
Joio Cavaleaote de Albaqaerqae.
MaoeelJoidda Suv araar^
, aVri^.fctaoJ
Aa Eimas Sru.: ,
Consone d apea, to'iaartato da htorae Pfc
nbnra. .
Consorte do Illm. Sr, aTbyit )<** fe Mola.
Os Illm. %h*.
- diviB)fcerae-
Brao-
Os Utas. Srs. :
A adverse ir ante Sooza.
JosAqflbdn Sant Anua.
Franetooe Alves Pinto.
Joo Canelo Jaste dos Saatos.
Jo- ConaoVe Mello.
Franeisoo Goncalves Svioo.
Padre Antonio de Mello Albuquerque.
Tente Francisco de Paula Caraeifo Ucboa.
Manoel Jos da Costa Caer al.
Tertuliano Pereira da Cucha.
Jos Tbeolonio da Silva Borges.
Miguel Arcbanjo da Hora.
Alferes Igoaass Xavier da Costa.
Maxiraiano Antones Tavares.
Galdino Pereira Tavares.
Ignacio Romn de Paria.
Antoaio Jos Vicente das Chagas.
Joo Pedro Cetosiiao.
Mordomas.
A Eximas. Sras.:
D. Anna Francisca Cavalcante.
D. Rosa, filha do Sr. Mauoel Goa?alves Telles.
D. Josepha Mara de Albuquerque.
D. Ama Joaqnma Tavares.
B. Maria Delphina, espoa do Sr. lgnaeie Correa
de Melle.
D. Ama Maria da Coneeicao.
D. Geral lina Mar da Coneeicao.
D. Ignacia Llns de Meno.
D Mara, esposa do Sr. Manoel Goncalves Ri-
bewa.
D, Josepha Thomazia de Sania Rosa.
I). Ana Amelia, lima da Sra, Alta Angosta
CampaUo- Cavalcante.
Thesonreiro.
O Illm. Sr. Joro Antonio Pinto.
PToeurajior par al.
O Hlm. Sr. Antonio oanuim dos Santos.
Procuradores. :*!
Os Ulna. Sra.: J .'''-
Jos da Silva Araujo. y i t
Jos Bernwdtao de Seca*. tt
Maneel JosSoares.
Smyro Jo- da Pan.
Inneceooie Ferreira da Luz.
Manaes Nemezio Jnsio dos Sanios.
Daadino dos Santos Ribeiro.
Rasaos Barbosa,
ijamira Fraocisco Pereira.
Affjgadoa 19 de marco 1871.
Ovigarie,
Joaquim Jos de Faria.
lo f Sahrando sempre o mea dlreito de ti
rar isto bem limpo, nao fazendo tio pou
co qaestlo da pequea conwssSo, alias doa-
(2o, que fomos levados a subscrever, tendo
apenas acceito a quest3o primitiva no terre-
no mesqnioho, em que foi collocada, meo
fim est conseguido, e .... tanto basta !
Engenbo Agua \zul na comarca de Itam-
b, 8 de maio de 4871.
Luiz C. de Araujo P. Palma.
Len jo no Diario de 8 do correte, urnas per-
guntas feitas por algaaapas de familia ignorantes,
com relacao prefessora publica desta fregoezia,
o abaixo assifodo como sea marido vem respon-
der, nao elles, porqae nioJJjresponde a pessoas
qae alm de ignorantes se esconden) nos farrapos
do anonyrao, a sim ao Ilustrado publico, para
qoe nao fac;m jaizos desfavoraveis, que na di
rt doria geral da instrucco existera as provas
a,ue destroem essas desenxabidas perguntas e que
consistem em attestados dos distioclos cavalleiros
que nesta freguezia teem exercido o cargo de de-
legado litlorario para o tosteraunho dos quaes
como desmentido solemne esses pas de familia
invisiveit apellarei se tanto for preciso.
Digo em, concluso que se esses anonymos teem
em si o sent mentes de dignidade que ornam a
mascara paja dopois de confundidos, se tornaren)
c nheeid >s do publico, como vis calumniadores.
Gameleira, 10 de maio de 1871.
Fraiciseo Asteara de Mera Lima.
Ilha do Fraando
O Sr. coronel Je s Angelo de Morses Reg, ex-
eommandante de Fernn id, disse hontem e repetio
hoje ao Jornal do lale, que os terrenos da ilba
quando elle l chegoo eslavara p r til liadas pelos
empregados e vivandeiros, e que o proprietario
raais pobre ero o guvein > I Deveras I
E tem uma (orea quando diz qae todos o acre-
ditara I
Era o governo o proprietario mais pobre, mas
o antecessor de S. S. havia remetiido da ultima
eolheita por conta desse proprietario, quatro mil
alqaeires de milho, grande quaniidade de feijo.
algodo e g-remuns a ihesouraria de fiz-nda;
ha/ia dado constaalemeaia raacho a fariartios
sentenciados, e. ainda deixadko (como S. S. eocon-
trou) os deposito ohetos de gneros de produ
cao da ilba destinadas a este raistor e a semeBtos,
sendo que a quaniidade deixada foi tai, que, como
bem diz S. S., os sentenciados tiveram rancho
consta memento no seo ominan Jo de quatro me-
zes.
E' preciso ver como falla Sr. Moraes Reg I...
Diga-nos: com que gneros deu S S. rancho a
quindenios ou seisceolos sentencia ios ?
Cora que smenles plantn c replanlou a illia
toda? "
Responda-aos agora Sr. capito Joaquim An-
tonio de Moraes : os veBelmeutos dos sentencia-
dos passavam das mos do almoxanfe para as dos
foroecedores dos meamos sentenciados, co eram
estes que depois d receberem o que tinham ven-
cido pagavam o que deviam ?
Na mesa do alraoxarife, no acto do pagamento
se fazian desconlos para os vivandeiros ? Diga a
verdad I
Quando o Sr. Moraes Reg ehegou a Fernaa-
do haviam laboleiro de bolos ou outras vendas
pelos h oienciados ?
Os empregados linham raais de quatro rama-
radas V
Esperamos as resposlas.
Recire, 11 de maio de 1871.
H.
N. 481.-A ANACAHU1TA PEITOR\L.-De cu-
jas virtudes especificas tantos annuncios appare-
ceiam em nossos jornaes, uma eompo9icao de
vegetaes peitoraes, e nao contm nenhum adslriu-
cenie vonenoso oo morlalmenle narctico. E pre-
parada em forma de um xarope delicioso, Ac,
um poderoso e efficaz renedio para irritaco dos
pulrooes, anginas, catarrho, tosse, resfriamenio,
rouquido, alfeccoes catarrhaes, escarros de san
gue, e todas as innmera veis molestias qun allecl
taro os orgbs da rospiraco. Cuidadosa e seiea>
'.ricamente preparada por Lanman e Kerap. em
Nova York.
Porcos idem.......
Arroe con casas. .
dem descascado on pilado
Assucar braoco ....
Mera masca vado, .
tdein refinado.....
Gallinhas :*P\ .
Papagaios
kilg.

"ta;
'.
A
uma

ou men-
: kikg.
. >
efernientadas:
.... Btr.


Azeite de amendoim
dubim. .
dem de coco
dem de mam
Batatas alimenticias.
Baanilba ....
Bebidas esin'rituosas
Agurdente cachaca.
dem de canna .
dem genebra
dem postilada .
idem alcool. .
dem cerveja .
dem vinagro
Idem vnh de caj.....
Bolacha fina, coraprehendidos os
biscoitos........
dem ordinaria, propria para
embarque........
Caf bom ......
Idem esculla ou restolho ...
tdem torrado ou moide. ...
Cal branca........
dem preta........
Carne secca ( xarque ).
Carvo vegetal........
Cora aoiarella........
dem de carnauba em bruto.
dem idem em velas.....
Cha _...... 1
Cocos seceos......iv cerno
Colla......... kilog.
Couros de boi, seceos salgados.
Idem idem espichados. ...
Idem idem verdes.....
tdem de cabras corlidos uxn
dem de onca........
Doces em calda..... kilog.
(dem em gela ou massa.
dem seceos........
Espaaitores de pennas grades diizin.
Idem pequeos...... >
tem de palha ....... *-
Bsteiras de carnauba .... eento
Idem propria para forro ou estiva
de navio........
Sstnpa nacional...... kilog.
farinha de aramia..... >
dem de mandioca.....
Peijo de qealqner qualidade.
Pumo charutos...... centro.
dem cigarros...... >
dem em folha bom kilog,
dem em folha, ordinario ou res-
tolho .......,
Idem em rolo e eni latas bom
Idem, ordinario uu restolho.
Rap..........
florama de mandioca, (polvilho).
(pecacuanha ( raz ).....
Angico (toros).....,
Cairos........
Bnxamcs........
Prechaes........
Jacaranda (soncoeiras) .
Leona em achas...... cont
tdem em toros......
Linhas e esletos...... um
Loor s (Manchos).....
Pao Brasil........ kilog.
WOOO
68
m
SO
150
430
i #000
5*00
37
678
SU
10J
544W
137
300
330
300
337
600
300
660
kilog. 476

duzia
um
>
t
duzia
504
476
442
959
39
J7
558
168
441
436
763
4*360
i#000
1*438
479
640
260
350
10*000
1*133
7a4
U180
48*000
14*000
1**000
16*000
12*000
130
681
92
272
3*000
320
1*090
'34
5*000
6*000
dem de jangada. -. um
Quiris ......duzia
vinhatico costadinho de 25 a 30
millimetros de grossura. nm 16*000
dem pranendes de dous costa-
dos al 50 tr.ilmaeUos de gree-
sura......... V)O(
Idem tabeado de menos de 25
millimetros de grossura -. ~. dozia

COMMERCIO.
THE ALLIANCE BftrTISB Life and Fire Assurance Company eslabeleeida
m 1924. Capital 5,000,000
Os agentes desta eompanhia tomam seguros
0 afcfia, spo-a do 5r. Marcolino Ferreira LirasV ntra fogo sobre predio, gneros e fazendas e
I. Mnrdomos. pagara aqai prejuios devid imente provados.
Rsbe Schmettao A C
Corpo Santo n. 15.
KKACA DO RBC1F8 11 DE MAK)
DE 171.
AS 3 1/2 BOBAS DA TABDB.
Gotac5es offieiaes.
Algodo 1" sorte*90 rs. por kilo.
Algodo da Parahyba 1" sorte 524 rs. por kilo
posto a bordo a (rete de 1|2 d e 5 0|0 por lib.
Aceites da Companhia de Beberibe80*000 cada
uma.
Carabio sobre Londres 90 d/v 25 d. e do banco
24 3|4 d. por 1*000.
Carabio sobre Portugal 90 d|v 117 00 de pre-
mio do banco.
H. G. Slepple.
Presidente.
P. J. Pinto,
Secretario.
ALFANDEGA
Anditoeoto do dia 1 a 10. .
do dia 11. ... .
301:890*253
34:228*037

339:118*290

anda vem a proposito.
Em apr.io da moka dnolaracSo publicada
neste Diario da 4 do crranle seja-me licito
addicwbar loe osaguiote:
e lllra. anvgo e Sr. Sobre o qoe per-
guta-me a respeito da detnarcacSo ver-
dade, que appafHcen a diferen^a em favor
e Agua Azul de quatro o meta bracas u'um
canto e oito e meia n'ootro (sobre oilocen
tos e tffnt e cinco) ende feita a medi
pelas parte mais ds urna vez, e sempre
WoTiiueato d alfaadega.
Voloraeg antrades com. fazendas
com gneros 566
Volamos habidos com fazendas
eou gneros.
368
199
329
----- 528
Descarregam hoje 12 da maio.
Brigoe KTtQffim^LaiM /.lagedos.
Logar inglezl/wovarios gneros.
Bproa iDgltza IFicA of the Teign canos e car
vio.
r'naBtiho ponapMRestauradlovarias gneros.
Pseacho aorta- aHemoWunaideoa.
Patacho americano Carolina farinha da trigo.
iPatacho InflszAliciavarios gneros.
Patacho inglexAiorctovarios gneros.
Patacho ingles0. Sprayidem.
kilog.
uma
duzia
urna.
Stif.
ilg.
Eaboado divorso.
rataiuba. .
Travs.........
Varas para pescar.....
dem para aguilbauaa .
Idem para canoas ,
Cavernas de sucupira(em obra)
Eixos de oicupira para carro. .
Melaeo........
Mel de abelha.......
Milho..........
Os509 -....,..
l'alha do carnauba.....molaos
Pechory. ....... kilog.
Pedras de.amolar..... >
dem de filtrar......
(4em de rebollo .<.<..
Peonas de ema. ...... >
Piaseava.........molaos
Pomas ou chifres de novilho eu
vaoca........cenlo
Sabio ,......kilog.
Sai..........
Salsaparrilha.......
Sapatos de coaro branco par
Sebo oo graxa einrama kitog.
dem em velas. .*....
Sala e vsquela....., >
Tapioca........
Unius de boi.......ceato
Vassouras de carnauba dozia
Idem de piassava.....
Idena de isab. .}.....
Alaadeg na Pernarbuco, 6 de maio de 1871.
O 2,* cenferonle. Florencio D. da Silva
O 2.* conferenfeJ. I. de Carcalho Mrndong*
Appruvo. Aifandega, 6 de maio de 187, -r
Paes de Andrade.
Conforme.Joaquim Tertuliano de Medeiros.
\ECEBEDORIA DE RENDAS INTERNAS
GERAES DE PERNANBUCO
eadkaeoto do dia t a 10. 17:631*557
2*sa-
3iH
10
2*0t
880
340
m

?a
1*200
960
dem do da 11.


1-337*036
19:00a|irJ3
Despachos ie exgortafio'no dia JO de
maio.
-r t<*. brigae glez Willium Wilson. para Li-
verpool osraegou : Tboaaaa Jefferies 81 sace
com 3,921 kilos de algodo.
No navio aliemao Augusto^ para, o Rio da
Pratasarretea,: Joaquim Jo*e Qoajalves Beltrao
180 barricas com a9.9K) kos de assucar masca-
vtwlo, 100 ditas e 100 naiaa ditas com lS72a d.Ho>
de di lo brnco.
No vaear mglez /iiaaa, para Liverpool car-
rregararo : J..a*s Hadar C 120 fardos com
24,945 kilos da alaxai; Sannders Brothers & C.
73 fardos com 30.72 kilos de algodo a 100 coa
pros seceos salgados com 1,20) Jtos a Robert
' Legtbeboae 00 ditos verdea cora 7,200 kilos.
_ No patacho brasileiro Plcano, pra o Rhi
e"* Qraojie do SU carrsgjju :. Bailar OlWeira JOO bar-
IC0 'rices com 23,8*9 kilos de assucar somen>a, 350
'' eom 2^2(9dMsde di|o maacavado, 930bar
nm e 100 malas ditas com 107,872 ditos de dito
danio esse'resultada ; e por uiaa conven
'fie (que acce tani enrregaram t aWlar C. WO saeeas com 0,448
kilos de algodo.
Na. bafea franaeza Viandera* para o Port>
enmara : tiaila'-ne Carneira da Gea 1 saaoa
t.m 73 kilos ae cuV a 2harneas eem 231 Wos
di assoear bran**.
Na- barca soeea OUsaM, para Livftpoel
carrefan i Thoosaa Jefsrtse 108 saneas aom 8,963
i lea de algodie.
Ka bare iransesa. VtmHam*. para o H*vm
clrregaram : K. A. Burle 4 C. 102 saueas com
7! 214 kilos da-aviddfo.
razio de ser n8o fui dtsmonstrada) prevale-
cea urna outra Haba tirada pelo Sr. Abilio,
firaodo, porm. Agiia Azul com esse pre-
jaizo e Cinto A egn aa potse: ere ter
dito iastamejite 0' q S*ve. Son, etc.
WgjSpx, 3 de maio rt7!.7#)
Pauto ctpiro. *
A r^piatir cima do- proprio agrimerj-
sor qw proceden a demarcar^RJ, qoe me
senho referid j. Dalla teffi' o ptrblo se
nao tej^no rati para ostentar triampho
moral, que bttve, e ae am faee dense re-
ludo devii e-podi, deceoiesianlB, accei-
MbjUa imm* Um^m **; SS em caroo
racao, qoem agrava o mmw, qoe Ibepo- fliVem rnaMra em la.
flWse pfrieQCVt ... nio bavri eflotraria- Carneiros vivos.....
'TABELLA dos pancue; no astnsaas soaows a at-
KBTO DI n>0HTAiL UIUM &{* lf>M
HMOM IBfl.
a2arcMarliat
CONSULADO PROVlNaiL.
leodimentn da dia 1 a 10. 1.043*313
dem do dia II. ... 2:803*391
,r..90*8
M0VIMENT9 19 PWTO.
Oitertaeio.
Dia 11.Xaohcuveram miradas nem sabiJae.
DECURACOES.



Previno aos Srs. mocadores da roa da Can-
dela abaixo mencionados que se aeham cohecrado
para pagar o* Imposto pessoai no exercnafr'HI
1871 a 1872.
ftiii da Cadea.
Gouiribuiotes Valor locafjve
N. 3.Jos Joaquim de Castro Meara
dem 5.Dr. Antonio Gomes Tavares
dem 25.Manoel Antonio Yieh*a
(dem 47.-Carios Halhdy
dem 49.Affonso Xavier de Vfacedo
Idim 55.Antonio Gomes Pires
Idera 53.Manoel de Azevedo Pont63
dem 59.Viaana* Guiraaries
dem 2 Angelo Roque
(dem 4. Manoel Joaquim da Silva Ros
Idem 12.Domingos Mnuuof Martins
Idera 30.Joao Rodolpho de Miranda
tem 38.MMS-TompsoB
dem 38.Tlnvade Joaqaim da Costa
Moreira
dem 40.Rocha Lima Guimares
I lem 46,-fniderico Pinto
dem 5t -Bernardo Josff de Araujo
Idera 5*.Jo? da Silva Loyo Janior
dem 6i.Dr. Krmiro de Sorna Cou-
Re
10 de maio do 18?i.
7Ttteoda% d Satta.
m*>
fniio nos tttm% m t*xt*m\
kbr.
ojm
D or*am de Eiaa, S. De. J* *W
zenda, faco constar aos ai rematantes
oosnoe acidas Carie*
Lia vioaana.ai) nla*a, W be
Vae'9ir dlanjldfe t*****' a#
tbecas, e tu\namSf9Hfm^,
VUom.Uuraiia' d>t*>Ma. sol t 30a> asffeito as mesraas vendas.
Roerte 4 de aia.ua tfli. ^
LoiiFranaainal are*


i
.


e i ernambuco
., i
Sxla eira
2-!,rt
Maio
*!." fofl.
**

IVev.no tos d.jiior dos e3tabelocimantos di
roa a Cadea auo irataclatiadas qae foram ol-
lactados para lagarera t irn^osusobre industrias
a profisaoes oo exerckilo de 1871-1871.
Rui da Caieia.
Contribuioles Valor locativo
N. LSara & Carioso, mercador por
f rosto do lateadas 300*000
dem 3. Jos Joaqaim de Castro
Maura, ampreiari.) a oicriotorij
de coramisaois 201*000
dem 3.Joaqaim Baptista > Arta-
J, marcador de roapa do pan J40J000
Idas 8. -Dr. Antonio Gimes Tavares,
,!# 100*000
dwBT.Manoel & C., fabricante e
marcador de chapeos da sol 360*000
Estevao da Conha ed.eiroe, empre-
sario e escravo de commissoes 1802000
Mea 15.-*anoel Antonio Vieira,
marcador de lonca frna da porce-
lana 900*000
dem 59Vianna & Goimariw, mer-
cador por grosso a miado de fer-
rageos 1:0002000
Idtoi 1 Silva A Cardoso, dem,
adtan |la fatendas (Deposito) 300:000
lata VAntonio Valer,tim da Sil-
va Barroca, mercador por grosso
dataasodas 1:1002000
dem 60.Thomaz TeUeira Bastos,
arcador de perfumaras ()epo-
at) 1:2002000
Idam 6LDr. Ermlro Casar Coo-
nho, medico 1002000
Reara, 10 de maio d. 1871.
O lancador,
Jtm ThMdoro de S^n.
A cmara inuaicipal desta culada faz puulieo
para aoaheetmeata de quera interessar possa, que
undo dado preferencia ao plano do edilicio do
mareado publico, presentado pelo sea engeuheiro,
Movida tos preU'oileuUs para aprsenla rsm anas
propastas no praso de lio das, aflu de se levar a
afrailo soa eon-truccao.
Neo da cmara municipal do Reefe, 4 do maio
e 4871.
tonto Jos da Coala
Pro presidente.
Ijijoreai;) Bierra Cameiro da Cunha
Secretario.
laspecjao do arsenal de ina-
rinha.
Faz-se publico qae t commlssSo de peritos
axaminando na forma determinada no regoJaroento
aonexo ao decreto n. 1814 de 5 de fevereiro de
1854, o casco, machina, caldeira, apparelho,
mastreaco, relame, amarras e ancoras do va
por Caruripe da companhia Pernambneana de
oavegacao costeira, achoa todos esses ebjeetos em
estado de poder o vapor navegar.
Inspeccao do arsenal de marinha de Peroam-
buco 11 maio de de 1871.
O Inspector Interino,
_________Francisco Jeroatmo Goncalves.
Santa Casa de misericordia do
Rcelfe.
A Ilima. junta adronblraiiva da Santa Casa da
Misericordia do Recife teodo de recoasiruir o pre-
dio- que poasue o patrimonio dos esiabeiecimenios
4a aridade ra da aloeda, cora dous andares e
sarao, transformando-1 em outro de uro s andar
jue conten! dous arriazens, uru no pavimento
tarreo a outro no sobrado, precisa ooalralar a
factura tlewa obra com quem meis vairtagens
offerecer, tomando-se por base a qaamia de
5:0002'00 ja proposta por um individuo ; poden-
de o contratante aproroitar do amigo predio o
materiaes que forera jolgados em boro estado.
Secretaria da Sama Casa de Misericordia do Re-
cite, 6 de maio de 1871.
O eserivio,
Pedro Rodrigues de Sonta.
O inspector da alfandega faz pnbic" qae
flet transferid! pira segunda kaira 15 de
corrento a parte do leilo annoociado para
hoje e qae por falta de licitantes deiiou de
de ser effoclaada ; a saber : os candieiros
para gaz e o gazotnetro porttil, todo no
valor de 2>5 J00O. e o ferro guza no valor
de 184000, constantes do respectivo edita!.
Alfandega de Pernambnco, 8 de maio de
de 187!.
O chefe da 3.1 secfao servindo de ins-
pector
Luiz de Carcalho Paes de Andraie.
INSPECCAO 00 Ali^.NAL DE MARINHA.
De ordera do Exm. ;>r. inspector faco publico
qae acha-se marcado o praso de 60 das, a con-
tar da data do presente, para concurso a qae se
ra proceder nesu inspeccao para preeochimento
da vaga da um logar d s amanuense da secretaria.
Oa pretndanles devirao ioserever-se no men-
conido praso, e as habilitares que exigi-se-
Ib.es, de eonforraldade com o regnlameoto de lo
de maio de 1869, sao :
Pro vi de boa eompartamento e da idade de 18
annos, pelo menos.
Mostrarem no escrever boa letra o conhecimea-
to perfito da grammatica e lingua nacional, asgi.ii
como da aritbmelica a. a theorra das proporcSiS!
inclasivamente.
Inspeccao do arsenal de marinha de Pernambu
co, *9 de abril de 1871. SSB)
-v *---*; O secretario,
""""Alexandrt Rodrigues dos Aojos.
Eiscalisacao da fregnezia do Poco da Pa-
nella 10 de*maio de 1871.
Acha-se depositado nesta fiicalisaco um caval-
lo de cor alasao que foi pagado distruindo lavou-
ras em um sitio oo Arraial ; quem se jnlgar com
direito ao raesmo comparece testa Bscalis&cao,
qae pagando os direitos que marca a lei liie sera
entregue.
O fiscal,
___________Sebastiao AHon.so do Reg Barros.
Conselho de compras de ma-
' rinha.
O eonselh) promove no dia 12 do corrate m
avista de propostas receidas at as 11 horas da
inanbia sob as condic9es do estylo a compra dos
objectos do material da rmala segu otes :
10 baldiadeiras de fblha, 4 bales de folha dobra-
iia, 100 cobertores de algodn, 100 cobertores de
lia, 12 dutias de colheres de ferro estanhado. 6
cargas de carvo de madeira, 10 dozias de chisa-
rss e pires de fo'ha, 6 cassarolas de ferro. 30 li-
bras de cera preta para lustro, 26 peeas de cabo
de lioho, sendo 2 pegas de 5 polegadas, 2 de t, 3
de 3, 4 de 2, i de 1 3|t, 3 de 1 1|2, 4 de 1 i|4 e
4 de I, 50decancos de-metal, 6 varoes de ferro
quadrado de 4 polegadas, 20 funis de folha, 12
facas de cozinha, 20 libras de flor de ail, 12 f-
chaduras de camarote, 2 fogarros de ferro, 20
lencos de ferro de 1 1|16 de grasara, 90 barras
de ferro inglez de Ii2 pollegada de grossora, e 1
\\\, 1 3|4, 2 polegadas, 2 1|4,1 1|2, 3 1|2, 3 3|4 e
3 5|8 de largo, 90 barras de ferro inglez de 3|8 de
grossora, e 1 1|2, 1 3|4, 2 polegadas, t 1(4, 11|2,
2 3|4, 3 polegadas, 3 1(2 e 4 polegadas de largo.
20 guarda-morroes do folha, 100 lapes de cores,
200 lapes pretos, 20 duzias de lapes de pedra. 4
livros grande; de 200 folha?, 6 jogos de medidas
de fi.lha, 4 libras de obreia franceza redonda, 500
pucaros de folha, 50 paos de quiri, 6 panelas de
ferro, 6 meios de sola atanada,4 terrinas de folha
dobrada, 6 dozias de taiheres, 8 dozias de tabeas
de po-carga de 3)4 de polegada, 2 tornos grandes
com 3 ps e 6 polegadas de oomprimento e 6 a 7
de bocea, 1 torno menor com 3 ps e 6 pollegadas
de emprmenlo e 6 a 7 de bocea, 100 medidas de
verniz de collar, 6 vergooteas de pinito para paos
de cutello com 35 ps de comprmento e grossora
no meio 7 polegadas, e 50 varoes de ac fundido
de 4|8, 5,8, 7,8 e 8|8.
Tambera o conselho no mencionado dia 12 do
correte mez, de igual forma, contrata o forneci-
mento no correte trimestre de abril a junho de
assucar braoco grosso para os navios da armada
e eslabelecimentos de marinha.
Sala das sessSes do conselho de compras de ma-
rinha de Pernamboea 9 de maio de 1871.
O secretario,
Alexandre Rodrigues dos Arijos..
THEATRO
(REPERTORIO DE OFFEMBACH)
espectculos tero lagar la-
varlavelaieate na
Te reas,
jiilutas,
Habitados,
fc Domlugos
COMPAiNKA IVKNAMDUGaNA
VaTegaeSo rosteira arrapar.
Macei, estalav mleoo flracaju.
O vapor ,*acioa2l Muniah
commandante Julio, seguic
para os portos cima no or
15 do crreme ai cinco ho-
ras da tarde.
Recebe carga at o dia 13, eucommendas, pas-
sagelros e dinheiro a frete at s 2 horas da tar-
de do dta da sabida : ao esorlptorio do Forte do
Manas n. 12._________________________.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
Navegando costeira por vapor,
Mamanguape.
O vaper Co'urrp*, com*
mandante Silva, seguir
para o porto cima no
dia 12 do correte as 5
horas da tarde.
Recebe carga encom-
mendas, passageiros e di
aneiro a frete : no escritorio do Porte do Mal-
los o. 12.
iLei]|p
niVTaS
11
>b<4v
aaPlf!
((MIPAVIIIl
DAS
Messegeries maritimes.
No dia 12 do corrate mez espert-se dos por-
tos do sal o vapor francez Amazone, commandan-
te Joret, o qualdepois da demora do costme
teguir para Brdeos, iocaodo em Dakar (Gore)
e Lisboa.
Para coodieSes, fretes e passagens, traU-se ns
igencia, ra de Goramercio n. 9.
i

Companhia americana e brasilci
ra de paquetes a vapor.
At o dia 15 do correte esperado de New-
York por S. Thomaz e Para o vapor ame-
ricano Merrimaek, o qual depoi3 da demora do
costme seguir para os portos do sol.
Para fretes e passagens, trata-se com os agen-
tes Henry Porster C., roa flo Commercio n. 8.
LEILOES.
LEHA0
t DE
Urna casa terrea : y na rna do Jasmim n.
7, com grandelsitrre^no frente e uine
pori5o de ferro
0 agente Pontaal, competeaemente aotorisado,
vender em leilo a casa terreaacima, edificada em
solo proprio
Hoja
no armazem n. 16, roa do Imperador, s 11
horas.
Segosda-ft:lr 15 do torrente, ao meio d
0 g,*SS? *>Q,J ,Tr Satamente e pela
vez a leliio por epacbo jo Tli. 3r. r. ,
especial do commercio ai dividas a^tival da
raassa falHIa de Cj-lrJte A vas 4e Mttza,
na importancia de 3:1511110, sen indo de base a
ollera obhda no leilo do dia 11 do contte, de-
vendo aaqiielia. oecasio efoctuar-aa a vsnda oam
quem melbor offerta fizer.
O lllSo ser efteetdo a9 meio iaJo dia 15
do crtente, na loja da rna do Imperlfor a. 80,
por oceasiao do lairio do espolia da francas An-
glada.
de 200 saceos com farinha de mandioca
Seronda-feira 15 do corrente.
O agente Pestaa fara leilo por eonta e risao
de quem pertencer, de 200 saoco* com farinba da
mandioca, as quaes sero vendidas e 1 ou mais
lates, no dia segonla feira 1 do odfteote, s II
horaa da manhaa, no armaaera do Anees.
d 800 sarria peqoenr.s com peixe
TERC \-PEIUA
Id da corrate
Serlo vendidos pelo agenta Pestaa, em leilo,
no dia terca-leira 10 do corrente, por coala e risco
de quera pertoncer, de 200 barns p.-quenos com
peixe*, em 1 ou mais Tote.*, oo caes da Alfandega,
armazem n. 3 A.
LEILO
8o sobrado de 3 andares n. *} i fu do Se-
nhor- Bom Jesut (onlr'ora ra da Cruz
QUARTA-FE1RA
17 do corrente, s II lloras em ponto.
O agente Pinto snfceder fcllfc, a raqoerl-
mento dos herdeiros da finada D. Joanna J. M.
Pires Ferreira, e por mandado tto lllrn. Sr. Dr.
juiz de orphos, da oasa de subrado de 3 andares
da ruada Cruz n. 7, s 11 horas do dia cima
dito, em sen esetiptorio ra da Cfaz n. 38.
AVISOS DIVERSOS.
D. Carolina Soares de Amorim Horeira, seas
pais, irmos e cunhidos agradeeem s pessoas do
seo conhecimento e amizade, a cartdosa altencao
que tiveram em assistir os ltimos suffragios pres-
tados aos restos mortaes de tea presado marido,
genro, cunhado e irmao Candido AITooso Morelra;
e rogam-lhes novamente o obsequio da soa pre
senca ao seto da missa de rquiem e memento,
que pelo eleroo descaoco da soa alma, se ha de
celebrar oa sexta-feira 12 do corrente s 8 horas
da manba na igreja do Corpo Santo.______
LEILO
-
Koq


CIRCO EQUESTRE
LARGO DASTRINCEMSj ,
Companhia brasileira, equilibrista, equestre, gymnastict e
acrobtica.
DIlteCTOR E ARTISTA
Sabbado 13 de maio de 187.
Se o lempo permittir haver o !. espectculo com om eacolbido procramma
pela primara ves, aesu capital, trabalbando o diitincto a sympatbico artista pernrii*acano
prtmmro e^ltbrtsta do Brasil Joao Teriuliano Ferreira de MagalhSes.
.... Prhicrpiar as 7 horas em ponto.
UeulS naC'n D t0P< ma8tro do crco' sigQal cert0 ^baver
O bilhetes tendem se em casa da companhia roa de Santa Isabel n 1 das 10
norii da mat,b3a at a hora de principiar o espectculo, pelos preeoe setruintw
Camarotes para cinco pessoas lflOOO
Gideiras tanto para senboras como para borneas 2|O00
Entrada geral para todos OO
l. DOMINGO, SEGUNDO ESPECTCULO, PWNCfflARA' AS 6 HORAS DA TARDE.
O programma dos seis espectculos que a companhia ten de dar consecutivos
serio sempre vanados e nos das santos e domingos principiarlo sempre as 6 horas da
tarde, e nos das otis as 7 horas.
SABBADO AS 7 HOBAS. Urna hora antes do espectculo a porta do circo ser franca ao resoeitavel d-
btlco desta illustre e generosa capital, de quem espera toda proteclo.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
Savegaco costeira por Tapor.
Parabyba, Natal, Macao, Mossor, Ara-
caty, Cear, Mandah, Acarac e
Granja.
O vapor Jaguaribe commandan
la Goilherme, seguir para os
portos cima no dia 15 do corren ti
as 5 horas da tarde. Recebe car
_kr !* at o da 13, encommenda-,
las- passageiros edinhelro a frete at as 1 horas s
oio tarde do dia da sabida : eeclptorfo no forte de
Mattoa n. i*.
I
AVISOS MARTIMOS.
Maranho.
tai i carga para c porte aetma o ptlbabote
Ocibaldt: 4 traur uom Tatso Irmaos 4 C, a
rea do Amorim o. ,'7.
I
i
llha e 8. Miguel
Para e porto cima pegue at 30 do correte o
pa'habote Golena : para o resto da carga a p
ugairos, trata-se am os seos consignatarios,)
k Reg Lima & Filho. ra do Apolla n. 4.
.^v
t'jftfi
de lonca, movis, vidros e como
sejam :
Urna rrobilia de Jacaranda. 1 saoetaario, 39 ea-
deiras de Jacaranda, 6 tapetes, 3 caderas da ba-
taneo, 3 mesas redondas, 1 eamt da Jacaranda;'
mesa qnadrilrnga, 1 goards-roopss, 1 eaOrde,
commodas, 14 caderas, 1 cama-pe, e mangas, 1
armario,-^ jarras. 1 earteira, 1 candelabro, i por-
ta-licor, 1 candieiro, fc latas com gsr, 50 meias bo-
tijas com cerveja, 1 quadro, 1 lavatorio, 1 pnarda-
louca, 4 mesas, 1 marqueta, 4 bancas, 1 armario,
trem de cozinba, 1 apparelhos para cha, 8 garra-
las, 18 copos, 8 solas, 8 camas de ferro, 1 cade-
ras americanas, i marquezas, 1 meia cotnmoda, 1
lote lonca, 3 lavatorios, 1 baca de cobre, 5 taboas
de louro e orna grade ____
HOJE
30 agente Pinto levar leilo, reqnerimento
de Corbiniano de Aquiao Fonceca, inventariarte
dos bens que Acarara por (allecimento do com-
meodador Thomaz de Aquino Fonceca, por man-
dado do Illm. Sr. Dr. juiz de orphos, e com an-
noencia dos herdeiros, es movis e mais objectos
cima mencionados, existentes no sobrado da ra
do Hospicio o. 54. onde se electuar o leilo.
Principiar s 10 horas.
10 HERCIO
Joaqaim Gertldo de Bastos, em na digressao
aos portos do corle do inpari, deizt como pro-'
curadores de sua ea*a commercal no Recife os
Srs. Antonio Adolpho Leite do Reg e Jos
Joaqaim Aires em 1 lugar, e era 8* o Illm.
Sr. commendador Jos da Silva Loyo, e como pro-
curador do sea astabeleciment em Oiinda o Sr.
Joaquim Bernardo Barrairos, socio do mesmo es-
taboliilaawti daade t* do abril pretrito.
Recife, 9 de maio de 1871.
-_________Joaquim Gerardo da Bastos.
agento da lelloe F. J. "Pinto precisa falbu
com o Sr. Franciseo Bttarra Cavalcaute. e nao
sabeodo sua reidfjnda, pede ao mesmo Sr. se
digne comparecer em sen escriptorio: roa da
Crozn. 38.
. Precisase, no Cae* 32 de Novmbro, n. 32,
de um coxioheiro nn cozinhelra.

imperial
B w
AJERIA DE PIMTIRA
J. Ferrtra P'ilhla
Desde o dia 7 de abril passado acha-se aberto o
jovo etabeteeiraento pbotographico sito a rna de
'labug b. 18. esquina do pateo da matriz. Ostraba-
lbos qae desde entao, tem sabido de nossa offleina
tem geralmente agradado, sendo recebidos por
uguns cora admracao pelo extraordinario pro
gresso que ulmamente tem lido a photr graphia.
i por oatros coin alegra, por verem a previncis
lotada eom om estableeimento digno d la, e io-
ttratestavelmente o primeiro qae nesse genere
aoje possue : tambem nao nos poopamos em cousa
ilguraa para monta-lo no p en que se aeba, es-
perando que o publico de Pernambneo sabeti
ipreciar nossos asforeaa a recompensar nossos sa-
riflcios.
Convidamos a todas aqawilas pessoas, aaeioDae;
eetrangeiras que costara das artes, oo trrerem
aeceesidade de trabaihos de photograprija a risi-
tarem o notto estabelecltneato, qae estar sempre
iberio e a soa disposico todos os das desde as 7
Doras da manhaa at as da tarde.
Para os trabaihos de photographia possoimos di,
rersas machinas dosmelhores autores (raaceies-
nglezes e allmemes, como seiam : Lereboors el
Secretan, Hermagis, Thomaz Reas, Voigtlaoder et
5odd ewolf. Ultiraameote recebemos tres novas
machinasi sendo urna dellas propria para tomar
robre o mesmo vidro 4 oo 8 imagens diversas t
soladas, e outra de 6 a 12 imagens diversas e
igualmente soladas, de sorte que no caso di
jrande concurrencia pederemos retratar sobre
ama nica chapa at 8 pessoas diversas e isola-
las para cariSes de visita, e assim em menas de
ira quarto de hora despacharmos 8 differenies
pessoas que peeam cada urna, ama dozia de cartdee
mais ou menos, com os seus retratos smeote, oo
*m grupo com outras.
Eacarregaraoa-nos eicluslvamenle da direcck
hitara dos trabaihos de pbotographia dei-
undo pericia e talentos do distiocto pintor
Ulemo, o Sr.
Jorge A. Roth
>s trabaihos de pintara, a aquarela, a oleo, e
pastel.
O Sr. Roth acha-se ligado a noisa empresa por
ama escriptura publica, e at o presente tem-se
lesvellado na execncao de seus trabaihos.
No nossoestableeimento acham-se expostos ou-
tros trabaihos importanu s do Sr. Roth, tanto em
miniaturas aqoarella como oleo, re ratos
leo, qoadros sacros e diversos outros nobalhos.
Tomamos encommendas de retratos oleo at o
taranho natural, assim como de quadros sacro;
para ornamenta^io de igreias ou capellas. Tam-
bem aceitamos encommendas de quadros histori-
aos.
Asseguramos qae os precos dos diversos tra-
oalbos da nossa casa sao mu rasoaveis.
cartSes de visita nao coloridos A 10^00 A
DOZU
OARTOES DE VISITA COM 0 COLORDO AO NATU-
RAL 165000 A DUZIA
Retrates em miniatura oleo ou aquarella de
16 20*000 cada um indo convenientemente en-
;aixilbado em moldara deurada e regulando o
busto da pessoa retratada de 3 4 pollegadas e
do o quadro palmo e meio de tamanbo.
Jolgamos que bastarlo os precos cima para
larmos idea da barate-a dos trabaihos do oosso
tablecimento, quanto sua perfeico cada om
reoha jnlgar por seas proprios olhos.
As melhores horas para se tirarem retratos no
oosso estabeleclmatlo sao das 8 horas da manhaa a
I da tarde; entretanto de ama hora as 8 da tarde
m casos espeeiaes pde-se tambem retratar qoal-
Toerpaasoa.
Nos das de chova, ou por tempo sombro po
lemos retratar, e asseguramos qae esses dias sc
mais favoraveis aos trabaihos de photographia
pala docura e persistencia da luz, a por termos o
iosso terraco construido com taes proporcSes e
uelhoramentos, qae anda chovendo jorros ne-
ohum mconveoiente ha para faier-se bellos re-
tratos.
/. Ftrretra Villela
Maasa fa
s 8baixo no-
da ra do
,'
1IK
2*400
'
!4i0
45*780
3*220
39*580
8*008
:i: 044*860
47*070
38*080
19*000
840*000
284*404
33*000
59*360
50*880
88*877
20*140
28*000
78JK2
200
86*400
94A50O
B| Aloga-se a com aa raa du Carrosas n. 9
na rna de S. Francisco n. 6.
AfJ A Precisa-se de ama ama para engora-
AJILA mar: na roa Ifova n. 22. _______
Antonio vct da Silva, vai a Europa.

Aluga se urna escrava para ama de leite
na ra Direita n. 133, loja de cera.

LEILO
DE

PREDIOS
NA CAPUNGA
O agente Pootual, competentemente aotorisado,
vender em leilo duas casas terreas sitas ra
das Creoulas ni. 33 e 35 (solo proprio), grandes
quintaos eom arvores fructferas e cacimba, % di-
tas sitas roa da Ventora (oo Quatro cantes n?.
13 e 16 (solo proprio) tambem com grandes quiu-
taes, cacimba e arvores fructferas, um sitio com
urna excellente casa cem sotao (solo foreiro) sito
i ra da; Perntmbucanas n. 60. sendo o sitio
todo murado e teodo de frente 50 palmos e 600
de fundo, e todo plantado de arvores escolladas
HOJE
19 do corrente.
no armazem da roa do Imperador nf 16, s 11
horas.

LEMO
de 10 caixas coniendo 500 latas de em-
itas, 100 saceos com Cariaba de rao*
dioca, e 80 barris naanteiga franceza,
sendo metade ioteiros.
A 18 do corrale.
Por mandado do Illm. Sr. Dr. juiz de direito es-
pecial do commercio desta cldade, a reqnerimento
do depositarlo da massa fallida de Jos Mara Pal-
meira, o agente Ollveira far leilo dos gneros
supra declarados
SEGUNDA PE1RA
principiando as 10 horas da manhaa em ponto,
no armazem do Sr. Ames, defronte da arcada da
alfandega. jjjj ^j
LEILO
----------
-


de reloglos novos e americanos de differeutes ta-
manbos e qnalidadVs, de parede e de mesa, 1 re-
logio grande de madeira para amostra, ea'xiohas,
vMros e molas para reloglos, 1 variado seritmento
de ferramenta para relojaeiroe, t mesas eom ga-
vetas, 8 armarios, 1 hlelo, 1 grade e 83 garrafa
com cognac
Segonda-feira 15 do corrente s 10 horas
' Na relojoaria
- da rna do Imperador n. 30.
O agaate Pinto, aotorisado palo Sr.*eonsul de
Franca, levar i leilo, era preasnea de tea chau -
cellej, e por canta e risco de quem perteocer, o
baldo, relogios a mais objectos cima daelarados,
perteoceotes ao espoiio do finado Achules Angla
da, e existentes oa casa Ja roa do Imperador o.
30, onde se effeetaari o lati, as 11 horat ak dia
cima dito.
Na masma oesittlo ve*isehattmb6m roupi
usada e outro objectoafarMoeeates a owot w
pollo, ^^ ^
ESTRADA

DE
i
BEBERIBE
abertura provisoria.
No domingo, H do correRte, pedido dos
moradores ta povoacao nova e velba de
Beberibe, por ordem do Exm. Sr.'presiden-
te da provincia, a tabella ser a sagnte:
Domingo, <6 25j-7 25-8 289 25
da manhia. Volta as 7, 8 e i), e a Urde
1 252 25-3 25-4 28-5 25-6 25-7
25, ida t, 3, 4, 5, 6 e 7 tarde de volta
Dias otis do Fundi 6-1/2-7 l/-8 1/2,
vinda Encrazilbada 6 457 458 45 pela
manba; da Eocruziloada tarde 343.4
45-5 45-7 -45, *o|U do FundSo 4 4/2
51/2-7 1/2-do Recife as 11 bora e
55 minutos da manbSa um trem de carga
eipresso al Eocruzilhadi e d'abi tocan-
do em todos os pontos at o Porto daMa*
deira.
Escriptorio da companhia 11 de maio de
1871.
O superintep dente,
A. de Abreu Porto.
/rjtqnim Lopes d^ AI ni e i da
D. Rila Hara Firmina.de Almei-
da, Joaquim Lope da Aloteida Ju
.niot, Bita Mara de Aleida No-
gof ira, Mara Francisca da Almei
oa Gomes e saos lhos, Esmeoia
Ippfs dt Almaida. Mara Lopes da
Lapa, JMopo a. de Almeida, Mara da Conceicao
de Almaida, mulbtr, Albo, filnts, neis, irmia e
sobriobet d tallecida fcafim Lopes de Almeida,
agradeeem a todos os sennorea qoa Ibes liieram o
bsequio de assistir ao sen funeral, e de novo con-'
Idam, bem como a tolos os seos amigo e do fal-
lecido MSlstlrem a mlssa do stimo dia, qae ha
de celobrar se na quarta-feira 17 do correte, as 7
horas da manhaa, na matriz do Corpo Sanio.
Companhia Allianpa
DE
* DE
AMOIUM, FRAGOSO, S.
PlVIDBNbOS PA
Sao convidados o tenhores
tdos comnarecerem np escrL
Vigario n. 13 primeiro arjrjar, paHTIeceberem as
ijuantias que.'he pertencem, provenientes do 1.*,
8., IA i.'..'efc dividendos. Os pagamentos
sei o felos todas as qurntss-leirti das 11 horas
da raabha 1 da tarde, e at o da 26 do cor-
rele.
Recife, 3 de maio de 1871.
Os Srs. :
Abraham Ewstivard
Antonio Fernandes Ribelro
Antonio Barbosa de Barros
Antonio Domingos Pinto
Antonio Bernardino Ssana
Antonio do Reg Medeiros
Antonio Mara O'Coonel Jersey
Antonia Mara do Rosario
Al ves A C.
Antonio Leite de Msgarhes Dastoe
Barbosa & Snnes
lahia Irmos A C
Celestina da Costa
Caelaoa Carolina da Costa Ramos
Caetana Olympia da Cotia e Silva
Campiaoo A Cordeiro
Carvalhe A C
Caixa Filial do Baes do Brasil
Domingos da Rocha
Eduardo Pre?ton
Pehsarda da Coala
Francisco Lwi de Oliveiva Azevedv
Francieo gimoes da Silva
F. H. Cordts
Francisco Gcredes de Araojo
Francisco GoBfalves da Silva Pereira
Francisco Men
Francisca Pereira de Medeire
Francisco Manoel Barroso
Ferreira A Martina
Flix Aatoiiir Altes Mascarenbav
Francisco J<< de Barros
Guiberrrte Ferreira Pinto
I-abel Mara dj Cesta
J.lm Lili.y
Jos Gomes Vieira
J >s NVgoeira da C..-ta Stares
Jos Baptisla da FoDseea Jnior
Jos Luis Ferreira da Costa
Jos de Funtes
Jos Mara Ffrreira
os Falippe Manins
Jos l'ortella da Costa a S-lva.
Joao Jos Gouveia
Joo Silverio de Souza
Joo Baptista de Albuquerqoe
Joanna Mara dos Prazeres
KrabbeTho.-n & C.
Lucrecia, escrava de L J. C Amorim
Lucio Fio-culo da Silva
Manoel Alves da Costa Braoeaate
Manoel Gonalve3 de Olveifa
Manoel Antonio de Carvalhj
Manoel da Silva Sampaio
Manoel Ferreira da Silva
Manoel Alves Barbosa
Manoel Joo Antones Torres
Mara Eleoleria
Mara Isabel da Costa
Mara Isabel Baptista da Fonceca
Massa de Jos Luiz Pereira Joaior
Massa de Fraocseo do Reg Mello
Marqoes Barros A C.
Mello A lrmo
Orphos de Agostinho Baptista da Fon-
ceca
P. Maorer
P. Won Shosten
Raymundo Carlos Leite A lrmo
Simeo Joo Alves de Carvaiho
Simn Leoo Ploy
Thomaz Ferreira da Cunha
Thomaz Caboro
Tbeodora Joaquina de Souza Braga
Victorioo Augusto de Carvaiho
Vianna A Guimares
Dividendo embargado por Maa & Espi-
rito Santo : de Manoel Azevedo Ca-
nario
Recife 23 de abril de 1871.Os administrado-
res, Jos Jeronymo Monteiro, Justino Jos de Souza
Campos.
SEGUROS
MARTIMOS
IB
88J608
516
74*200
16*383
18*390
23*36p
4&A0OO
*e74
120*000
76*000
i;*59o
119*880
234*000
18*00
1*080
19*00
28*220
47*500
10*800
4M709
41940
17*490
3760
399*456
10*640
38*000
26*882,
30S#4tO
650O
3*750
54*720
192*662
19*000
338*830
35*760
148*400
24*000
127*168
72*000
95*930
44*290
29*280
843*600
CO\TRl FOGOa
k companhia Indemnisadora, estabelecidt
oetti praca, toma seguros martimos sobre
navios e seos carregamentos e contra fogo
em edificios, m :rcadorias e mobilias: ni
roa do Vigario o. 4, pavimento terreo.
Na travessa da raa
das Crazes n, 2, pri-
meire andar, da-se di-
nheiro sobre penhores
de ooro, prata e brilhan-
les, seja qoal for aqoan-
lia. Na mesma casa com-
pram-se os mesmos me-
taes e pedras,
seguros martimos estabelecida
na Babia em 15 de Janeiro
de 1870.
CAPITAL..Rs. 2,000-000*000.
Toma segare de mercaderas a dinheiro a rtoec
martimo em navios de vetta vaporea parteen
tro a fra do Imperio. Ageocii i roa da Om-
marelo n 17, escriptorio de Joaqaim Jos Goo
jal ves Beltrao.
ADVOCADO M
9 Dr.- Joaooim Cotoa de Aracjo
m 7Roa do Imperadorti7
ROM
DYVETOT
nica casa neste genero
N-Raa EstreiU do Rosario-i^
Compra e vende roupa feita
nova e velha, objectos de
cosinha e de mesa, e
tudo ce ao uso do-
mestico.
Advogados
FRANKLIJ TAVRA
E
CASTELLO BRANCO
m. Ra do Imperador u. 43, 1 andar.
** ********
da frente.
I
O bacftarel Pranalico da Conha Cas-
. tallo Branco tem sen escriptorio de soli-
citador roa do Imperador B. 43, -j
9, aviar, sala__da frente.
8
PRIMEIRO E ANTIGO CONSULTORIO
HOMOPATHICO
Dirigido pelo Dr.
SANTOS MELLO
Os habitantes do interior podem-
consultar por ascripto, no que serio aa-
tisfeitos eom prompdao.
Presta-se tan:' em a chamados para o
interior, prw mdico.
Consaltas, no usultorio das 10 horas
someto dia..
Chamados, a qualqoer hora.
Aoa pobres grat-,.-.
43Roa do Brio da Victoria43
(Antiga ra Nova).
iiiiiinn
O advogado Manoel Jos Pereira de Mol- |
lo passoo soa residencia para o segundo
andar do sobrado n. 19, m roa da Penha
e o escriptorio para o Io andar do goDra-
8 do o. 43 na ra do Imperador, onde exer-
oar soa profisso, e podar ser proco-
ABlwlS iSI91 ai SlalKI m*
RIVAL SEM SEGUNDO
RA DUQUE DE CAXIAS N. 49.
Jote Bifodiabo, com loja do miudezjs,
aviaa a todos o* os seas fregaezes qao est
torrando todo pelo preco, a vista da fazen-
da, para todos admirar, a sabor:
(Irosas de bofas de lout;a branca a 120
Capachos omito bonitos 6(0 e 700
Caixas com 100 envelopes faietda
fina a 800, 600 o 800
Pares de sapato* do 12a par* me-
ninos a 320
Espelbos de moldara dourada a
800 o 11000
Pentes pretos volteados para me-
ninas a 240
Tmteiros com lila preta a 80 e 100
Pecas de fita elstica muito fina 200
Latat com superior banha 60,100 o 2C0
Latas grandes com superior banha a 320
l'rseos eom oleo do Fhilocme a
500 e 8CO
Frascos com macass Peruta a 240
Caixas com 12 sabjneles muito
finos a 1*0000
Frascoo om agua do Colonia taffla-
deri a ^000
Ditos com oleo de ba suderior a 320
Syllabario portngaei livro muito
bom para criancM t 400
Carritels do retroz preto com 2 '
oitavas a 600
fti.as toaquinbas do 616 para me-
ninos a 200
Caitas com agalbas Crancezas o 160
160 240
Peeas de liras borJadas a 500, 600
800 0 14000
Garrafas com a verdadein agua
florida a i 0300
Cirtilbts da Poutrina Caristao is
mais modernas a 400
Livro das missoea ireviadas a. 11500
Copes grandes com superior banha 14500
Mago de pallitoi parJ Woo o
wfbor qoe ha a *60
Pceles com 3 sabonetes inglezes
fazenda fina a 600
Caixas va pos para bmpar dentes
JU*:.t*r*' 200
Escora saito finas para limpar oa .
donMB 940



...


Diario *! Periiambuce 'Sexta fira 12 de Majo do 18*1
'.*
4>

/
Da importante e bem conhecida loja e fabrica de chapeos de sol da ra do Bario da Victoria esquina da Camb* do Garmo.
O dono daquelle estabelecimento, qoerendo acabar com elle at o fino do torrente ajino, convida tos seos numerosos
' freguezes a sproveitarem a circumstancia para mnnirem-se por barato preco de todos os objIRoa existentes no mesmo, constando
de chapeos de sol de todas as qualidades, tamanhos e feiiios, tecidos, irmagoes e mais aviamentos para os meamos, armas de
fogo, cuiilaria, bengalas, chicotes, e urna inflnidade de ostros objectos, entre, os quaes os afamados afiadores para navala de i.
Pradines, premiados as exposigSes de Pernambuco, Londres e Paria.
ejajganT
Tem a utisfacio de participar aos seos numerosos fregnezes, qne em vista de ser-Ibes mais commodo, tem
eitabelecMo urna nova fabrica de chapeos de sol, na roa da Gadeii do Recife n. 9> boje roa do Mrquez de Olinda,
onde achario os pretendentes, mu'uo avallado sortimento de chapeos de sol de todos os procos, qualidades e por pre-
sos mas commodos do qe comporta o nosso mercado: convidam especialmente aos Srs. compradores por atacado
dareor sendo possivel suas encommendas, pois poderSo assim serem mais bem servidos, visto poderem escolber as ar-
mac5tsastazeodas que t demora de fabricacjto bem diminuta.
O verdadeiro vinho
DA
BURRADA
O Caapos da rna do Imperador n, 28,
pera a aatisfacio de avisar muito particular,
aos amantes do j bem conhecido vinbo da
Bairrada, que est naunica pone d'uma re-
messa desse necfar, vindo pelo brigue So-
berano, e qoe no v3o por annuncios bom-
bsticos, que sao ardis muito de proposito
inventados, para nelles cshirem os inexpe-
rieotes.
Assim pois, aqoeltas que quizerem sabo-
rear o verdadeiro nctar das viohas da
Bairrada, nlotem mais que dirigir-se aoar-
mazem do Campos da roa do Imperador n.
28, onde encontrlo amostras do dito vinbo
que se darlo tambem para as casas "particu-
lares. .
Vejara
Cuidado
Muga-se


k\ RA DO BARIO D4 VICTORIA 41
NOMO novo armazem tem om
"variado sortimento de fazendas
francezaj, inglesas, anemias o to-
ilaa'todas so vendem por r-recos
mdicos, afim de acreditar a este
aovo armazn.
Casemiras inglezas,
francezas, de todas as
qualidades, brins de
Ares e brincos, colei-
rinhoe modernos, cha-
peos de sol de seda,
RA
DE
ARRUDA IRMiOS.
da victoria
antiga ru
NOVA

I. 41.
Assim como tem orna grande
oficina de alfaiate, montada com
todos os prepares que ha de melhor,
dirigida por habis artistas, que
pela sna promptidSo e perfeic5o
nada deixam a desojar.
Roupa de todos os
amanbos para homens
meninos.
Por todos os paque
tes recebem-se as me-
mores e mais moder-
as casemiras que ba
na Europa.
RA
Bario da; Vctor la
NOVA
S*. 41.
Este estabelecimentc acaba de soffrer urna reforma radical em acceio, artistas e commodos, e m pontualidade as encom-
snendas, finalmente em tndo afim de melbor servir os seus numerosos fregnezes deixa-se de annonciar loda ae fazendas, para
alo te tornar massante
Precisa-se a lugar ama escrava que
saiba cosiobar cotnperfeifo, agra-
dando paga-se bem. .Na fabrica
vapor de cigarros; rna Larga do Ro-
sario p. SI.________
Thomaz de Figueiredo pode ser procurado
para demarcacao de trras, nivelamentos, plaotas
eludo mais qaanto fr tendente i na profisso,
no Recife ra larga do Rosario n. 51, Ia andar,
para onde podm os pretendentes dirigir seas eon-
vites.____________________________________
D-se 400* gobre bypotbeca : a dirigir-se _i
roa do Duque de Caxias n. 42.
Segaros conlra-fojo
COMPANHU
NORTHERN.
jum
Precisa-se de urna ama que saiba
b?m engommar e cozinbar, sendo de
boa conducta para casa de bomem
solteiro, tratando de ledo servico da
do pateo da Ribeira n. 13.________
Arrenda-se o engenho Carnario ; moente e
crreme sita na fregueiia de Santo Amaro Jaboa-
tao, por um cont e qninbentos mil reis ananaes,
por seis anuos, com seis conloa de reis a vista :
a tratar no mesmo engenho on no Recife : ra da
Penca n. 8, 1* andar.
Precisa se de urna ama : na ra
de S. Francisco n. 5i, para comprar
Capital. a . . 20,000:000*000
Fundo de reserva . 8,000:000*000
' Agentes,
Mills Lathan C.
RA DA CRUZ N. 38.
AMA
-* eoiinhar.
Precisa-se de nma ama que saiba
engommar, sendo para casa de pouca
familia, preferindo-se pessoa ja de ida
de : quem estiver nestas condi
rija-se rna Jo Li
quera tratar.
AHA
i'ernambuc Street Raway
(osapany
De ordem da directora convida-se aos Sn. ac-
cionistas desta eompannia a realisarem, dentro do
praxo de Tinte das, a terceira entrada de 30
do valor das acoSes no escriptorio de H. Forster
& C, rna do Com mere io n. 8.
Recife, 1* de maio de 1871.
H. H. Swift.
Assistant Treassnrer.
Na ra da Cruz (hoje Bem Jess) n. 33,
precisa-se d'am amanara cosiabar o diario de
urna casa de pouca familia; pagase rasoavel-
mente.
Na refiih(#o
da ra Direiu numero 22 precisa-se de um for-
nalbeiro.
lindes di-
..ivramento n. 8, que acbar com
Hontem 9 do correnie, a noute, fsi escondi-
do ou desappirecen nm cacborrinbo fraldeiro, de
cor branca, orelbas pouco araarellas, cabellado e
com os cabellos das mios cortados, com carao-
nhos nos ps, respondendo ao noroe de Ruff. A
pesaos que o devolver na imperial fabrica de cer-
veja, a roa do Sebo que ser bem recompensada.
Precisa-se de ama ama para todo o
servico de urna casa de familia com
tres pessoas : i roa da Conceicao nu-
mero 37.
Ai
AMA
Precisase de ama ama para engom-
mar para duas pessoas : tratar na ra
do Imperador n. 79, loja.
CRIADO
D-se trinta mil reis por urna criada que ira-
balhe com perteicao: na ra de S. Francisco n.
72, collegio.
MOFINA
e examinem........
com as imitac5es
CASA DA FORTUNA
RA DE MARCO OUTR'ORA DO
CRESPO N. 23.
Aos 20:000^000.
O abaixo asignado tem sempre exposto ven-
da os felizes bilbetes do Rio de Janeiro, pagande
promptamente, como costuma, qualquer premio.
PRECOS.
Inteiro 244000
Meio 12*009.
Qnarto_________6*000-
Engommadeira.
Precisa-se de urna mulher que engomme, bem,
e Afluidos, sitio n. 33, logo no principio ao entrar
Kilo Manguinho i direiu, ou ra da Cadeia do
eclfa n, 21, loja.___________
Hotel da prapa *
PATEO DA RIBEIRA DE S. JOS NU-
MERO 9.
O aovo proprietario dette estabelecimento (ou-
tr'ora Hotel da Boa Fama) tendo novamente orga-
nisado-o, vem mui respeitisamente participar ao
respeitavel publico, que os seus frequentadores
poderlo apreciar a especialidade dos gneros ali-
menticios, e tambem reeebem assiguantes e se en-
carregam de mandar comidas em qualquer casa,
ludo por preco commodo.
N.9Pateo da ribeira de S. JosN. 9.
Precisa- se para casa de pequea familia de
orna ama, que engomme e que tome conta de
orna menina; tratar Praca da Boa-vista n. 30,
2* andar.__________________________________
AOS 6:0004000
Sstao i venda os feliies bilbetes da lotera da
labia, na casa feliz do arco da Conceicao, loja de
mrives no Recife.
Roga-se ao Ulna. Sr. Ignacio V.eira de Mallo, <
envo na cidade de Naxaretb desta provincia.
favor de vir a ra do Imperador n. 18 a concluir
aqnelle negocio que V. 8. se comprmetteu realK
ser, pela terceira chamada deste jornal, em fin?
de derembro prximo paseado, depois pan Ja-
neiro, passou a tevereiro e abril, e na-la cumprio,
e por este motivo 4 da novo chamado para dito
fim ; pois Y. S. se deve lembrar que este negocio
de mais de otto anuos, e quando o senhor sen
fino ae aehava no es \ *\U .
A Sra. Mara Candida Vilella, professora
particular, que moros eu mora em N. S. do 0'
em Goyanna. rogada a vir rna do Cabug nu-
mero 2 B.
Precisa-se de nma ama que
saiba cezinhar e comprar com
perfeicao, para urna casa de
pouca familia : na ra da Aurora n. 84, 2 andar.
vm
Tasso^ Irmaos & C, consignatarios -do navio
norte allemio duna, entrado de Hambnrgo, pe-
dem aos Srs. recebedores de mercadorias mani-
festadas i ordem, dos volumes abaixo menciona-
dos, mandareis ao sen escriptorio ra do Amo-
rim n. 37, declarar seos nemes, para se ibes fazer
entrega de ditas mercadorias na descarga.
Marca B 13 amarrados com 104 eaixas, fo-
4go da China.
dem 12 litas com 96 ditas de dito.
Idea M B M 8 eaixas com objectos de-vidro.
dem 4 d. tas ditos.
dem 2 ditas com drogas.
dem J M R 10 ditas com phoepboros. "
dem P t B 100 alias com bebidas. ,
Jiotel da praca
PATEO DA RIBEIRA DE S. JOS NU-
MERO 9.
N te dot* hotel baver todos os doraiagw e
dias santiticadof boa mo de vacca; : ssim como
lia todos os djas .pea manba excellente papa da
bem conhecida gemina de milbo de Glasgow e
JS'ew York, stodo este ultimo alimento mais bara-
to que em outra, quaJqner parte. Previoe-se que
o cozinheiro d;sa eaaa leve bom mestre e emen-
de per/eitameute de sos arle.
N: Pateo da ribeira de S. Jos-N. 9
Sargento reformado de
polica 4
Queira vir a ra de Vidal Negreiros, cumprir
negocio que fez na refinacao dos AITogados
com o caixeiro da mesma, do contrario se aecla-
rar por extenso neste ornal o aegocinhoj I
O eonselbeiro Dr. Jo Bento da Cunha Fi-
gaeiredo offerece o sea diminuto prestimo na cor-
te a todos os seus amigos e constituales, de quem
nSo pode despedir-ee pessoalmente e avisa a es-
tes que sea irmao padre Antonio da Cunha Fi-
gueiredo e sen iiho Walfrido da Cunha Figueire-
do ficarao substiluiodo-o nos trabalhos forenses.
Serra do Pontea
__ Parabyba do Norte.
Pde-se ao Illmo. Sr. Antonio Lelis de Soma
Pontea, que queira mandar ultimar negocio de
sen ulerease com os abaixo assignados nesta ci-
dade, que pedem desculpa de nao ir ou mandar
l pela grande distancia e incommodo que Ibes
causa, como pela incerteza de o encontrar.
Recife, 28 de abril de 1871.
Tasso Irmaos,
___________Em Hquidacao.
Precisase de urna ama para casa
de urna familia de duas pessas :
tratar na roa Nova de Santa Rita,
serrara a vapor n. 31.
CASA 1)0 010
Ba do Baito da
Victoria,
Outrora ra Nova n. 63 e casas
do costume.
Bilbetes garantido* la pro-
vincia.
O abaixo assignado acaba de vender entre 01
seus muito felizos bilbetes a sorte de 5:0004000 em
bilhete inteiro n. 2454, a sorte de 100*000 em um
quarto de n. 74, e um bilhete inteiro de n. 743
com a sorte de 1004, alm de ouiras serles meno-
res de 404000 e 204000 da leteria que se acaboo
de extrahir (191), podendo sena passuidores viren;
reeeber, qtw promptamente serio pagos.
O mesmo abaixo assignado convida ao respei-
tavel publico para virem ao seu estabeiecimentc
comprar os felizes bilbetes garantidos, que nac
deixar 4 tirar qualquer premio como prova peloi
meemos annuncios.
Acham-se venda os muito felizes bilbetes ga-
rantidos da i* parte das loteras em beneficio da
igreja matriz do Granito, que ser extrahida no
sabbado 13 do correte.
(PRECOS.
Inteiro 64000]
Maio 34000
Qnarto 14500
De 100)9000 para cima.
Inteiro 54400
Meio 24700
Quarto 14350
Joao Joaquim da Costa Leil.
urna casa e sitio, om commodos para familia, ten-
do algumas fructeiras, espln para 2 a 3 cavados
e algumas flores, terreno excellente para hortali-
ee; o sitio todo murado, com excellente cacimba
e doas tanques junio de um grande eopiar, muito
perto da estacao do caminho de ferro, e pela porta
passa o mnibus que vai at laboatao, na ra
de S. Miguel nos Afogados: a tratar na rna da
Imperatrfz n. 8, armazem.
A luga
se
ama pequea casa no beco do Fundi n. 5, en-
trada pelo n. 5, ra da Gloria, hoje n. 41, ra Vis-
conde de Albuquerque: a tratar na ra da Im-
peratriz n. 8, armazem.
Aluga-se urna escraga que sabe co?iobar e
lavar para casa de pouca familia : na ra da Ca-
deia- Velha n. i, 2* andar.
Milita attenpao
Antonio Jo; Alves de Brito, previne aos se'as
amigos e especialmente aos do respeitavel corpo
do commercio, qne nSo se responsabilisa por g-
neros, ou dinheiro que em seu nome vo pedir
embora com documento apresentado, por quem
quer que seja, visto constar-lbe qne Ihe esli far-
lando a firma.______________
Novo Mez de Mara.
Est para chegar da Corte um novo mez 4e Ma-
ra eomposto pelo conego Dr. Manoel da Cosa Ho-
norato, e approvado pelo Exm. Sr. Bispo do Rio de
Janeiro. sta obra torna-se recommendavel pelo
novo metbodo adoptado pelo sea autor, e pela im-
portancia de seu assumplo, pois nella se conim
toda a vida de Mara Santissima. Lego que che
goe a esta cidade ser exposlo venda em casa
de Noguf ira & Medeiros.
Chapellerie desdamos
Este estabelecimento previne as Exmas. senho-
ras que acaba de reeeber pelo vapor Sindh om
lindo sortimento de chapeos para senhoras e me-
ninas, ternando-se recommendaveis pelas lindas
formas, que sao mais elegantes que o aos (amigos)
Tiroliens : portanto rogamos s Exmas. Sras. que
queram visitar nosso estabelecimento, que se
acba aberto at 9 horas da noite, aoude enconlra
rio os chapeos de mais gosio que tem apparecido
actualmente.
Chapodarle des dames, rna do Cabug n. 12
1* andsr.
Cozinheiro
Paga-se bem a um coziabeire o a um servente :
no hotel francez, rna das Larangeiras n. 10.
AVISO.
Pede-se aos senbores passageiros que teem tra-
tado passagens na barca Vencedora, o favor de vi-
rem legalisalas e trazerem seus passaportes at o
dia 13 do corrate ao escriptorio de Soaros Primos
ra do Vigario n. 17, porque o navio sane aem
falta na dia 14.
Ama de leite
Precisa-se de urna ama de leite, preferindo-se
sem ilho : na roa dos Guaralapes n. 01
COMPRAS.
Compra-se nm Manual Homeopatbico pelo Dr.
G.'H. G. Jahr : na ra da Cadeia do Recife n. 1.
CONPRA-SE
Gompra-se urna casa terrea dentro da praca, de
valor de dous a tres contos de reis; quem tiver
para veuder, queira deixar em carta fechada a in-
dica^ao de >ua moradia. no pateo do Panizo n.
9, ou qualquer oulro eseiarecmeoto, para ser pro-
curado.
VNDAS.
0
Attenpo
Pergunta-se a quem souber responder se certo
ter se perdido a barca portugueza Zulmira, bem
assim se o frete, earregamento e navio est no
seguro ? Serio cousas de quem est feito ? II
Os papagaios.
Engommadeira
Paga se bem a orna boa engommadeira : na es-
treda da Ponte de Ucha, casa n. 2, antes da igre-
ja de S. Jos._______________________________
Mpleque.
Precisa se alugar um moleque de 14 a 15 an-
uos fiel e deligente para servico de creado ; tam-
bem se compra : tratar na 'ra Nova n. 19, 1*
andar.
E' no elegante armazem Junto ao Diario, que
qualquer ebefe de familia fomeee sna dispenaa do
melhor qoe existe no mercado e por preces mui-
to favoraveis, como sejam arroz a 100 rs. a libra,
velas stearinas a 640 rs. o masso, vinho figueira
por 500 rs. a garrafa e tambem ha mais barato,
balaios do diversos tamanhos, eaixinhas propria.
para mimos, caf de moca, ervilbas portaguezas e
francezas, ameixas em frascos, latas e boeetas,
marmelhada de Fernando Rodrigues, conservas,
molhos e mostarda, licores de diversas qualida-
des, doce de goiaba em caixio e latas, holaxinbas
de diversos autores, massas para sapas, sebolas
Srandes, azetonas em baris e latas, vinnos finos
o Perto dos melhores autores, qneiios praio e do
reino a 34000 e a 34300 ; o proprietario deste ar-
mazem" responsabilisa se pela boa qualidade 4os
gneros vendidos em seu armazem, assim come ga-
rante todo assio o limpeza, em virtude do qaal
convida a seus numerosos fregnezes e amigos a vi -
rem visita-lo._____________________________
Bx)b-ante-rheumatico.
Remedio efucadssimo contra aS dores iheusaa.
ticas at hojeo mait conhecido pelos seus mara-
vilhosos resultados.
XAROPE DE AGRIAO. um dos medicamen-
tos que sna efficacia as enfermidades, tosse >
sangne peja bocea, bronchites, dores e fraqueza
no peito, escrobuto e molestias de flgado, que me-
lhor tem aprovado.
TINTURA DE MARAPUAMA. A celebre ?an
de marapuama, cuja energa e efficacia as para-
lysias, intorpecimento, etc. etc. muito se recoro-
menda. ,
Todos esses preparados se encontrara na pbar-
macia e drogara de Bartholomeu & C, nico de-
posito na rna larga do Rosario n. 34.
Irmanrlade
do Divino Espirito Santo
De ordem da mesa regedora convido a todos os
nossos irmaos a reunirse em nosso consistorio
domingo, 14 do correte, pelas 9 horas da manhia,
afim de comprirem o di-posto na ultima parte do
art. 102 do nosso compromisso, e em seguida da-
ris exeeucao ao que ordena o 1* do art 95 do
mesmo compremlsso.
Secretaria da irmandade 10 de maio de 1871.
O escrivio,
_______________F. J. dos Passos Gaimaries.
Sociedade provisoria ph i-
lomia.
Por ordem do presidente desta sociedade aviso
a todos os seas membros, que as sessoes ordina-
rias foram mudadas para os dias de quarta feira
s horas do costme.
Bosventura R. de Amorim,
Secretario interino.
americano
Usado as gotas este elixir em um copo com agua
um excellente conservador das gengfras e lim-
peza da bocea, boebechando todas as laaobiaj. K
tambem um poderoso e verdadeiro calmante as
dores de dentes.
DEPOSITO
Na pbarmacia americana, ra Duque de Caxias
nuttero 57.


Arrenda-se urna casa com grandes commo-
dos para grande familia, na Capuoga, rna das
Pernambacaoas n. 44 : a tratar no Chora-Meni-
nos com Jos Antonio Marques.
m
Aluga-se
um sitio na estrada de Joao Fernandes Vieira
n. 5, com casa de vivend, com cento e tantos ps
de coqaeros, multas amores de fructo, viveiro e
grindes baixas para capim, canas e verduras etc,
mangues para lenha, urna cacimba e um bom
tanque para banho e lavagem de roupa, com en-
canamento d'agna do Beberibe: quem pretender
arrendar dito sitio dirjase rna estreila do Ro-
sario n. 10, 3 andar. t
me para urna pessoa.
Na rna do Torres n. 16, 2a
andar, precisa-se de urna ama
que cozinhe, compre e engom
Veude-se deus cavalios andadores no corre-
dor do Bispo n. 33._____________________^_
Offerece-se ama mulher seria, e de boa cen-
duta para servico de casa de borneo solteiro :
3uem precisar dos seus servicos dirija-se a ra
a Guia n. 53, primeiro andar.
Vende-se
duas casas terreas em chaos proprios, em bom es-
tado, com gaz e agua do encanaroento, junto da,
estacao do Manguinho n. 29 e 31: tratar na
ra da Soledade n. i.
Calcados
ROUBO
Caixeiro
Precisa-se de nm-menino portuguez de dade de
11 a 12 anuos para padaria : na roa estreita do
Rosario n. 19.
Jos Gomes 'Villar, re tirando-se para Europa
fieixa enoarregado de seus negocios os seus ami-
gos os Srs. commendador Dr. Francisco de Paula
Peona e Monleiro A
viova, flihos e genros de Francisco Jos Al-
ves de Albuquerque agradeeendo aos seus paran-
tes e amigos que acompanharam a saa ultima
morada, de novo os convida para a missa do 7*
dia que se celebrar seguods-feira 15 do corren-
te as 7 horas toras da manha na capella do ee-
miterio panuco.m Aranartt
Precisa-se
de um preto para o servico de padaria : na ra
estreita do Rosario n. 19, deposito.
0 Sr. Herraj lo Ctaves de
Souza
Por se ignorar sua morada, pede- se-lne que
ebegue ra do Amorim n. 37, concluir nega-
co de seu ulerese.
Tasso Irmaos & C
Aluga-se o 2* andar da ra de aguas-Ver-
Llvramento n. 25.
AMA
Predis-se de tima para asa de
lena familia : na ra jastreita de
osario n. 32, 3 anar.^l
AMA
Na rna do Corredor do Bispo n. 9
pretisa-se de urna ama para carregar
umi crianca.
Sociedade monte-pio popa-
lar pernamlracaBo.
J>e ordem da .Hraetoria convido os Srs. socios a
comparecer donslgo 14, ae 10 eras da ma-
nba, para, .en setal da ateembia feral, onvi-
tm Jeilumjj relatorio dos irabaloe dos C
ineies /indo*, t ratarse de ontros negndos de
inttortanci,
Secretaria da ioeiedade monte-po papular per-
nambucano, 9 de maio te 1I71.
& secreurio,
s t _______Orbantv % Mj ^i
Precia se tle orno mus
roaDnqawda Cai; 0. t
Francisco Manoel Wanderley Lins Jnior, Joao
Manoel Wanderley Lio., convidan) aos seus p-
renles e amigos para sssistirem a missa qne por
alma de sua presada irrua, Mara Elisa Wan-
derley Cintra, mandara eeitbrar na igreja de N.
S. do Carmo, no dia 13 do correte, as 8 horas da
manhia, stimo de sen passamento.____
^Mtodw Jos Alves Guimaraes, nico socio ge-
rente da casa commercial de Gaimaraes, Popes
* C, desta praca, previne quem interessar pos-
sa, que esta promovendo a dissolufio da mesma
wnja, e entrari|em seguida na respectiva liqui-
dacao; sendo que nio ha letras pelas quaes esteja
a Brnta responsavel, e nem o annonciante as pre-
tende firmar durante a mesma diesetaeio e liqui-
Aluga-se o 3.* andar e sotio ao sobrado da
rna da Imperairiz n. 14, com excedentes commo-
dos para urna grande familia, tem a vantagem
de ter agua e gaz encanados, e pintado de novo,
aluga-se tambem a loja do mesmo sobrado ; a tra-
tar no 1. andar do sobrado da ra do Vigario
CiSA DA FMTB1U
Aos 5:000|
Bilhetes garantidos.
A roa Primeiro de Marco (ootr'ora rna dt
Crespo) n. 23 e casaa do costme.
O abaixo assignado, tendo vendido nos seus fe-
lizes bilhetes um meio n. 2062 com 480*000
um quarto n. 2915 com 100*000. dous quartos n.
74 com 100*000 e outras sorte/ de 40* e 20* da
lotera ene se acabon de extrahir (191-), convida
aos posnoJIofes a virem reeeber na conformidade
do costume sem descont algum.
Acham-se venda os bilbetes garantidos da
.' parte las loteras, a beneficio da mairizdo
Granito (192.*), que se extratar no sabbado 13
do correte mez.
PRECOS.
Bilhete inteiro
Meio bilhete
Qnarto l
Em porcio de 100*000 para
Bilhete Inteiro
Me bilhete 2,
Quarto 1*350
Manoel Martins Fluxa.
Em aditamento aos objectos que foram rouba-
dos e lanbem publicados pelos jornaes roa de
S. Miguel dos Afogados, da casa de Thomaz Tei-
xeira Bastos, menciona-se mais os segulntes :
1 chambre de chita eom dezenbos cor de rosa.
1 caixioha de folha, redonda envernisada cor
de caf, com dinheiro de cobre.
1 castical grande com pingente e pedra azul,
tendo spermacete de cor azul. .
2 ligellas de lonca branca fina eom flores ro-
sas e filete prateado.
i saeco de chita de coberta eom roopa saja.
1 rodinha de rame Magnesinm que mui-
to se assemelha ab rame de prata.
i vi Iros redondos com nitrato de prata crysta-
lisado, para uso du pbotograpbia, um dos vidros
anda lacrado.
1 escova para cabeca, cabo de- bfalo.
O Dr. Galherme Nacgeli, medico ocu-
lista de volta da sua viagem a Baha, con-
gj^ tina a dar consaltas no seu escriptorio
no caes da Companhia Pernambncana
as horas acostumadas.
Botinas de brim e dnraqne branco bordadas de
seiim a 6* o par : rna do Boro Jess n. 21.
loja. ___________________________
Gal do Lisboa
Chegada'pelo brigue J.oia, vende-se na ra o
Apollo, armazem n. 30, de Antonio II. Hodrigues
A C.
Cimento portland
Vende-se o verdadeiro Cimento Pertland
largo da Alfandega, armazem do Annes.
no
Batatas inglezas
Asmelhores que tem vindo a
1*600 reis a arroba : na ra do
iravessa da Madre de Deus n. 15.
este mercado, a
Amorim n. 39 e
OpmiaV Nacional.
Vende-se collecciSes completas, encaderoaeV
na livraria de Jos Nogueira de-Souza A C.
NUVENS ;
Versos de Plinio de Lina
Assignatura na typographia do Crrela Pematn-
bucano e livrarias dos Srs. Laillacar e Medeiros.
-^
DISCUBSOSg DIVERSOS ESCRIPTOP
_.___. FILO
ttr. Aprlglo tastlaalauM da #IWa
lH*riei.
Unte de economa petttica na faculdade He
direito do Recife,
NATU1UL DE PER.NAMBUCO.
le C. E. Me
Cozinheiro.
Preeiu-se de um eozinneiro : na ra da
rentina n. 20, fabriea de srvela.
Fio-
ra da Imperatriz n
1 Preoisa-se te urna ama pa-
ra todo serrino de casa de fa-
milia pequea : tratar na
. 13, lobrada
se
iraflPna
iU
Pteemte, para aaprar e coamhar:
na roa da IniperiKri n. SU, Jeja da J Femira Ud.
Rosa Branca.
Irmandade do Divino Espirito Santo erecta
no Convento de Santo Antonio a
Cidade do Recife.
De ordem da mesa regedora, convido a todos
os nossos irmaos para reunirse no domingo 11
do corrate pelas 9 horas da manhia n> consisto-
rio da nosea Irmandade, aum de eieger-mos nova
mee que ten Je tanecieoar no anuo de 1171 a
Secretara da irmandade do Divino Espirito San-
to de S. Francisco 11 de maio de 1871.
O secretario,
_________Marcollno Augnsto da Silva Villar.
O abati aseigoatto dMIara que vai a a%Mi-
Sil o dtixa encarregad 4a saos negocios a# Srs.
loatinim d;
Manoe! wtcaiv Ferrei!
Officina de marmore
Rea dan CrHzes BHHtere li,
Gravam-se letras a 60 rs., a pedra para as dita.'
1* o palmo em qoadro.
Limonada e agna gazoza
Os Srs. Henrigue Leiden i C. teem a honra de
participar ao respeitavel publico, que desde egora
sao promptos em satisfazer qoalquer pedido neste
refresco, seja par negocio ou para particulares,
iiembramo* novameote a oosaa eerveja nacional,
branca e pjeta
Precisase de urna ama para conbarrem
casa de fionca famHia : na ra do Cabug n. 2,B.
Precisa-se da quantfa de 2:000*000 com by-
potbeca em escravos : quem quizer anouncie pa-
ra ser procurado, pagsndo-se o premio que for
oenvwcieoade.
Precisa-R, para caea
de pequea familia, de
um ama, que engomme
eaode com urna menina:
trauma p'ac da Boa-
viatfcir- TO/l^aqdir.
Os lnot, genro e netos do fallecido Antonio
Roberto, tendo de conmemorar o 1 aoniversario
do seu passamento, rogara todos os prenles e
amigos do finada para assistir as missas de re-
Suiera e memeoio que bao de se rezar na matriz
e Santo Antonio, sabbado 13 do correte pelas
6 li2 horas da manha, pelo que se confessam
desde ja gratos.__________________________
A viuva D. Delfina Marinha Tarares Cordeiro,
seu oai* filhos e genro agradecen! cordealroente
a todas as pessoas que assstiram ao acto fne-
bre de seu presado amigo, finado Jo5o Baptista
Larapiano e acoropanbara.n seos resina mortaes
ao cemiierio publico, eertos de seu earacter reli-
gioso os convidara a assistir a missa de stimo
dia, pelas 7 horas da manha do dia 12 do or-
le. n^igre^ayaJreDens^^^^^^
Prechs-se de nma para co-
ziohar e engommar para nma
_ pessoa : no beoso de Jos
Caelano n. 2, 2 andar.
O abaixo assignado, proprieurio da fabrica
de caldeireiro na ra do Bario do Triampbo n. 7i
faz ver ao respeiuvel publico que o seu caixeiro
FraoRisco Vicenta Vatleo tendo deixado de exer-
cer esse lugar por algum lempo pelo motivo de
molestias, e que eessaodo esta, que elle contina
a exerser o dito emprego, como dantos. Outro
sim que muito agradece os bous servicos que Ihe
prestou Manoel Jos Piolo Martins, como substiti-
teaoaetoa'. Reciro H de maio i 181.
Jos da Silva Villana.
"1
Um vol. de WXrVg., nitidaraeate sspresso, na
typographia de C E. Mullen.
Acha-se no pralo, e aasigna-se roa do Impe-
rador n. 27, i* andar.10* cada excnplar.
0 autor colhge algans de seus disenrses, que
tao benvolamente blb sido acolhidos por muitos,
retocando-os e auotano-os ; e inclue no sen li-
o algans escripias, que sappoe interessarem,
embora francamente, i lula de ideas em que o
paiz se*vai empenbando : precede ama looga in-
trodcelo.
O tivro nio tem a cor de ama poltica de parti-
do com reiaeo ao imperio ; e sim tem a (6r de
ama poltica dt LAtrdade, que e sera sempre a
dos boiieos de bem de todos es bandos polilieos e
e todos os paizes.____________________________
AljJrHOO
Bramante de linho para lencses, tem dous me-
tros de largura ; anda ba na ra Daque de Ca-
xias n. 65, amiga do Queimado. Aprovetem a
pechincha I)
A
t*m
Baldes, o que tem apparecido de mais moderno,
rus Duque de Caxias n. 9S, auriga do Queinta-
do, sao para senhoras, tambera tem para meninas
~ l 5000
o ertede casemira, fazendi qae val 9*. na la do
perdfr oooanlln : so" na ion- Doque de Caxu
n. 6& antiga da Queimado.
A 700 rs.
- TrtSSO IRMAOS EM LIQUIDAC-AO,
oorarem a residencia do Illm. Sr. Manoel Bernar-
dino Vieira Canlcante, vem por este meio rogar
Ihe oebsenaio de entender-se c'm elles em so
essrirdrlo raa do Amirlra n. 37, a negocio de
jtere rfCiproci
VanJe-se espanadores de palha os mais bem
re tos nossveis : ua ra do Bario da Victoria no-
uero 41.
Nao du
que na roa Daqne de Csiia AS, amiga do Quei-
mado. se vende peen de eMdnnolao, narna sem-
a varia. a 3*503 e mais preco, e pecas de algodao-
a 3*, o qne admira.
Ao bello sexo feme-
nino.
Oigand)i (aseas final
linda sortimento,
roa Duqne
na n
y


I

i
- :




D.Jtio de Pernambuco Si'ila elra 12 Je Maio Je 17
ATTENCAO
A armazem do
Vapor Francez,
rail do Bario
da victo ria (o 11-
Ir'ora
ra) n.
Ao rmazem do
Vapor Francez,
roa do Baro
da Victoria (ou-
tVora ra Xo-
va) n. J.
Perfumaras, qninquilharias e brn-
quedos para meninos.
Acabara de chugar novas (ataras cora importante sortimento dos artigos abaixo
mencionados a precos mais resumido que 6 possivel.
te^

CJJLCADO
Botinas para senhorasdnraqne branco,
Sreto e de outras mnitas cores escolhidas
o ultimo gost i da moda.
Botina para meninas igual sortimento.
Sapatinbos Je salto para sonhoraduraque
preta, branco e de cores, e de eonro de las-
tro.
Botinhas para criancas, proprias de bap-
tisadoa.
Botinas de diversas qaalidades para ho-
mem.
Botas rnssianas para montara, tanto in-
glezas la couro da Rassia para viagem,
como francezas de Melier, bezerro fino, pa-
ra pessoios.
Meias oerneiraa para meninos de 10 a 6
tatos.
Sapatot de brim branco para bomens.
Sapato:i de vaqueta de lastro cora sola de
maieira, proprios para banhos.
Sapato de borracha para homns e se-
nhoras.
Sapato. abotinados, de differentes modelos,
mofo bous e fortes para niooraos e meni-
nas.
Sapatof, de pete, avelludados, Charlot,
casimira preta, de tranca portagaezes, para
homens, enfloras e meninas.
Perfumaras.
Extracos finos, banhas, cosmticos, leos,
opia as, aguas de Cologne era garrafas de
crystal para presentes, agua divina, agua
florida, dentfrico lavande, agua de toilet,
tintara para barba e cabellos, pomada non-
groise jiara bigodes, pos de arroz e sabo -
netes, tildo isto de primeira qualidadc, dos
fabricantes Coadray, Piver e Lubin.
Qninquilharias
Lavas de peluca brancaspreeas e > cores
Espelbos grandes dourados para salas,
quartos o gabinetes.
Loques para senhoras e meninas.
Jotas tle oaro, brincos, transelins, pul-
searas, sHdes de punhos, de abertura, cor-
rentes e Chaves le reiogio, tudo de ouro
bomdtelei
Brjeos de plaqu mitacio de ouro.
Correales para reiogio.
ibotonduras para colletes e para punhos.
Albans de velludo e marroqaia para re-
lfHnmdeiras de vidro para crianzas.
v-aiiinhas de costura, no vos modelos com
i mastca, proprias para presentes.
Quadriuhos dourados para retratos.
Toacas e sapatinhos de Ka para criancas.
Capailas para noivas e para pastoras de
pre unios
Caniias com vidros de augmeito para
ver-se em ponto grande a photograpkie
dos retn.tos.
Pe de vidro pera pianos.
Tuesoartahas para cosura e unhas.
Bolanias de seda e de veludo.
Cestinhat para braco de meninas.
Bilaios para costara.
Ces.os d'rame pratiado para frutas e
pi a!mea
Ricos artigos de pbantasia necessarios
para toilhetes/e proprios de presentes.
Jarrle bonquets de porcelana para san-
tuarios.
Registros de papel fino mui delicados.
Qaadros proraptos para col locar vistas.
Molduras douradas para qualros.
Estampas de bellas paysagens de cida-
des, de figuras e de santos.
Espadadores de penas e de palha.
Carteiras para notas e para dinheiro.
Caixinha de msica de darse corda.
Ponteiras de espuma para cigarros e cha
rutos.
Grvalas de seda pretas e de cores.
Bengalas de cana com castoes de msrfira.
Ditas de baleia, junco e de mnitas qaali-
dades.
Pentes finos de raarflra para caspas.
Escovas para facto, para cabello e para
denles.
Lunetas ou peneinez de prata dourada.
Ditos de tartaruga e de ac.
Ocalos de prata dourada e de ac.
Reverbero transparente para candieiros.
Ditos para lanternas de pianos.
Cotos econmicos para vellas de sperma-
cete.
Cordas para viollo.
Porl-pratos para mesa.
Caixinhas de diversos modelos e precos.
Objectos novos de mgicas o melbor pos-
sivel, para divertir meninos.
Hales, saceos e boleas para viagens.
Estojos de viagens, completos com nava-
lhas.
Esporas de metal branco para saltos.
Chicotes fortes com martello para viagem.
Ditos de muitos modelos, de junco e de
baleias.
Luvas de fio de Escocia.brancas, e de
cores. i
Ditas de camurca amarellas.
Machinas para facer caf.
Globos de papel de cores para Ilumina-
c3es de (estas campestres.
Baldes de cores, de subir ao ar fcil-
mente.
Jogos de domin, da gloria, visporas,
rodetes, bagatela e oatros jogos allemaes.
Esterioscopos com as mais bonitas vis-
tas, de figuras destacadas e grupos de fa-
milias.
Armnicos ou accordions de; todos os ta-
manhos e novos modelos com tremlos.
Realejos pequeos com novas msicas.
Cosmeramas de varios lmannos, com
difireles vistas mui pitorescas.
Brinquedos
O maior sortimento que se pode desejer
de todasorte deVr.Inquedos fabricados em
diversos paizes da Europa para entrete-
meuto das criaaoas.
i--
SALAO DE CABEILEIREIRO
Roa Primeiro de Marpo {antiga Crespo)
n. 7 A 1 andar.
Neste bem montado estaberecimeoto, os amadores C. >eda encontraro o qut
ha -de mais moderno e delicado para ponteados, como sajara; bonitos e encllente*
odkes, (nacas, cache-pnes, asstm como ftz-se iodo e qualqoer trabalho de cabelk
qoe se acoromendar.
Acba-sa tambem o acreditado Tnico Delsac que se reoommenda pela sua ex-
peliente oomposico. O dono desie eslabelecimento, d'ora em diante, pode ser pro-
corado a qu.'Jquer bora do da para os misteres de sua proGss3o.
f^BELLEIREIBO
A TRANCA MONSTRO

Sapatos de borraxa
Para senbort on rapazes qne calcem 35'e 36;
borzeguins para homem a 4*500 rs. e una com-
pleto sortimento de calcado por preco mtaimo ;
ra Direita n. 4.1
Cambraias brancas avaradas
Na loja de Pavao i ra da Imperatriz n. 60,
vende-se fioissiroas pecas de cambraia branca
transparente com ura leve toque de avaria, ficando
perfeltas logo que se lavem, e vende'se pelos ba
ratos precos de >/800 s 3/500 a pera'________
Vende-se remedio contra os callos, experi-
mentado por diversas pessoas, as qoaes tem tira-
do bom resultado; rna Primeiro de Marco n. 3
(antiga roa do Crespo) roa do Mrquez de Olra-
da n. 60 A (antiga da Cadeia). __________
Libras sterliaas.
Vende-se no armazem de faz en das de Augusto
F. de Oiiveira 4 C, ra lo Commercio n. 4i.
Agurdente.
Agurdente de caj e de laranja, teem para
vender Canha Irroaos & C, na ra da Madre de
Dens n. 34.
V1RH9 COLLARES a
Vende se o verdadeiro vinho de Collares, vindo
nltimamente pelo-vapor Olinda, em barril de d-
cimo : na roa da Madre de Dos n. 28.

DE
VIDAGO
nico deposito
Pharmacia americana de
Ferreira Maia $ C, ra Du-
que de Caxias n. 57, anti-
ga do Queimado.
Vende-se un habito de Aviz, ora dito de
Christo e urna medalba da restauracao da Babia,
tudo por preco commodo.: na roa Nova n. 63.
Deposito para agua
Vende-se nm rico deposito para agua, de ama-
relio, forrado de chambo, com tornelra de bron-
ze, c qual se acba em bom estado, e pode conter
15 on SO canecos d'agua : quem o pretender pode
dirigir se a ru Nova, casa n. 52, que achara com
quem tratar.______.'__________
Vende-se a taberna sita na roa da Conquista
n. 1, com poneos fondos, propria para princi-
piante : a tratar na mesma ___________
ATTENCAO
cem
Vende-se urna jardineira de Jacaranda
lampo de pedra quasi nova, por muito ponco di-
nheiro : pessoa que qaizer dirja-se *
na ra do Amparo n. 29, casa terrea.
a Olinda
Ra Saque de Caxias n. 59 1 andar
Salo para cortar, barbear, frisar e ungir os cabellos com aceio
e perfeirao.
Recebe-se encommendas de todas as quaiidades de posticos, tanto para a provin-
cia como para fura delta.
ARTIGA FAMGA BE PUflOS
DE
Me VIG1S Kcora. J. RHIGAS
IB ROA DO IMPERADO 5. SS.
Grande sortimento de pianos, garantidos e especialmente coacruidos para o
cuna 4e*le paiz.
Encontra-se neste esiabelecimeoto um grande sortimento de muecas ciassicas
e modernas para piano, cante, flauta, etc. etc.
Os coneartos de pianoe e affioacSes sSo Mtos com o maior cuidado e rapidez
posea veJ.
Ceocertam se os pianoi velhos de uaneira a se toraarem novos.
Aviso aos Srs. de en-
genho.
Theod Christiansen, ra da Grnz n. 18, encar-
rega-93 de mandar vir formas para assuear, de
ferro galvamsado, estanhado e pintado, aos precos
da fabrica. Tambem toma encommendas para
qosesqaer instramentos e machinas para a gri-
coltura_______________________^_
Sementes novas de
hortaliza.
Na loja de Ferreira Guimaraes 4 C. i roa
Doqne de Caxias n. 93. ______
Veade-se ama viciara em muito bom estado
com urna parelba de cavallos gordos e bonitos :
a entender-se na loja de livros, rna 1* de Marco
'ooirtaa do Crespo).
! 1 N.lO HA MAIS 11
MOLESTIAS DO PEITO!
f XAROPB DE FKnEGOSO.
E' de ama efficacia verdaderamente ma-
ravilhosa como,calmante do sy^t.ema ner-
voso e e applicado contra a pralysi, asth-
ma, tosse convalsa on coqueluche, tos'ses
recentes ou antigs, sufTocacoes, catbarros
bronchicos, etc. e em geral contra todos
os soffrimentos das vias respiratorias, e na
.htisica pulmonar, e sua virtude contra o
ttano on espasmos, e convolsoes, incon-
testavel, e ningnem ba qtie a desconbeca.
Yarope peltoral de rabo de tatft
(CONTBA A TOSSE)
PLANTA DO BRASIL.
Este xarope, de sabor mnito agradavel,
empregado com constantes resoltados
contra as tosses antigs ou recentes, ca-
tarros, bronchites chronica, bemoptise, co-
queluche, suflocaco, e em geral contra
todos os padecimentos, cansados por irrita-
c9o das vias respiratorias. O sea aso con-
vm igualmente para alliviar os soffrimentos
cansados pela phtisica.
XAROPE PE1TORAL DE HER1CINA
E' o mais poderoso medicamento contra
as defluxoes, catbarros, tosses recentes,
ebronicas e convalsas, e contra a asthma.
Tem grande repntacao na Europa.
*ODr. Ghrestien de Montpellier, diz o se-
guate respeito deste xarope:
< Depois de 50 annos que exerco a me-
dicina, ainda nao encontrei remedio mais
efTicaz de qne oXarope de Hericina(Es
cargots) contra as irritaces do peito. >
XAROPE DE AGRIO
E' um medicamento coja efficacia as
enfermidadestosse e sangue pela bocea,
bronchites dores e fraqueza no peito, es-
corbuto e molestia do ligado melbor tem
provado.
O NICO DEPOSITO D'ESTES MEDICA-
MENTOS
NA PHARMACIA DO PINT
antiga ra dos qoarteis, hoje ra larga
do Rosario a. 10
JUNTO AO QUARTEL DO CORPO DE POLICA.
PARA
vestidos, com grande variedade de cores, a
240 rs. o covado
Na roa Primeiro de Marco (outr'ora do Crespo)
n. 13, loja das Columnas, de Antonio Correia
Vasconcelos.
de
pechincha sem igual.
Superiores lias escocesas de cores muito linJas,
fazenda de gosto para vestidos a 400 rs. o cova-
do vende-se na rna Primeiro de marco, onir'o-
ra do Crespo n. 13, loja das columnas, de Anto-
nto Correa de Vasconcellos._________________
Couro de Bezerro
Muito novo e ltimamente chegado vende-se
em casa de S. P. Jonston A G. : roa da Senzala
Nova n. 40._____________________________
Aos cigarreiros
PAPEL DE SEDA E DE LINHO PARA CI-
GARROS.
Acaba de chegar ama grande encommenda de
papel de seda e de linbo largo, para cigarros, na
ova Esperanca, rna Duque de Caxias n. 63. _
Grande
LIQUIDACAO.
Na ruado crespo n. 2#.
LoJ de Ciullherine.'
Chitas claras e escuras a 160, 200 e 2i0 o co-
vado,
Bitas riscados prassianos 280 o covado.
Ditas cbinezas para coberia a 240 o covado.
Cambraias, organdvs miudas a 240 e 280 o co-
vado.
Ditas bordadas brancas e de cores para corti-
nados, a 310 o covado.
Ditas bispo lisas Anas a 3 a pcQ*.
Ditas brancas com 10 varas, a 31000 e 3*300
a peca.
Bita Victoria, a 4* a peca.
Mussulina branca, a 400 rs. o covado.
Hadapolao francez, a 61 a peca.
Dito inglez de bom a especial, a 41000, 5f, 61
e 7 a peea.
Algodaosiobo a 31, 31500 e 41 a peca.
Alpaca de cor com listas, fazenda superior a
440 rs. o covado.
Dita branca, com flores miudas roalisadas a
500 rs. o covado.
Dita preta coa flor'bran;a, o 500 rs. o co-
vado.
Ditas de cores padroes miudos e modernos a 360
t. o covado.
Lencos de cassa com barra de cor, a f 20 rs.
cada nm.
Ditos de linhaembaiohados a 41a dnzia.
Chila, fazenda bem contienda pela sua forlido,
mais larga qoe chita para roupa de eseravos, a
200 rs. o covado.
Casemira preta superior, a U500 o covado
Cortes de casemira de cOr, 300, 4 e 51.
Cortes de meia casemira, a ii!00.
Casineta preta e de cor, a 500 rs. o covado.
Ganga amarella lisa e de lista, a 320 rs. o co-
vado.
Algodao iargo merca T a a peca.
D-se amostras com penhor.
ITTEIOftO
s
CONT1NUAQAO DA GRANDE LI-
QUIDACAQ DE FAZENDAS LIM- j
FAS, A' RA DO DUQUE DE j
CAXIAS N. 49.
Chitas finas, claras e escuras a 160, i
200, 240 e 280 rs. o covado ; cambraias
de cores a 200 e 280 rs.o covado ; alpa-
cas de cores com flores e de listras a 400
e 500 rs. o covado; algodao branco
41000, 41500 e 51 a peca; madapolao a
41000, 41500 e 51; dito largo a 51500
e 61 ; algodao de listras proprio para
ronpa de eseravos a 160 ai. o covado ;
brim pardo trancado e escaro a 500 rs.
a vara ; chales de merino lisos a 21 ; di-
tos estampados a 21500 ; chitas para co-
berta a 240 rs. o covado; cambraia bran-
ca a 21500 e 31 ae corte; dia victoria
fina a 41500, 51 e 5*500; toalhas felpa-
das a 83000 a dnzia : lencos brancos a
11600, 211, 2*500 e 31; ditos grandes a
31500 e 4* ; ditos de seda pequeos a
500 rs. cada nm; ditos de linbo fino a
53500 e 6* a duzia; cambraia para forro
a 1*800 a peca.
Vende-se a 3*000 o sacco de fejao raolalj-
nho, com faro : no trapiche Pontes : no Forte
do Mallos n. 6.
Aos cigarreiros
Papel de milho e arroz, chegoa roa do Mr-
quez de Olinda n. 15.
KA\I>E
LIOUDDACAO
Peca de algodao azul 55 covados po r 5*000
nr rna dq Crespo n 20, loja do Guilherme.
I
Vende-se a rOlOOO a barrica : to armazem Ha
bola amarella, no oitao da secretaria da polica.
VENDE-SE
a banda da barcaca Bom Successo: a tratar na
do Mrquez deraa Olinda n. SI. loja de miudetas.
V^nda de terreno
Vonde-se om terreno proprio com 234' palmos
de largura, na ra do Destino, logo no prinoieio
o entrar pela ra do Hospicio : m 3* andar do
sobrado n. 36 da rna das Cruzes.
Mulla.
Vende-se ma malla muito boa para cabnoiet,
carro;.a ou sella, .grande, nova e esta bem tratada:
para ver e tratar na roa do Sol, eocheira n. 37.
Vende-se am terreno de IjOOO bracas de
frente e 1,200 de fondo, no lugar de iatob; termo
de Agua Preta, com.proporcoos para nm bom en-
gento, visto ser m asierras de .uno boa pro-
duceao e estar perto da estaco 4a vi a-frrea ;
sendo qne, estando o e-rao terreno hypothecado,
o respectivo ereder intervir na venda : quem o
atreteuder dirija-se ra do Bom Jess, ouU'ara
roa da Cruz, no bainro do Recite.a. 38.
A TRQUEZA
Esta nova oja tero, aim de o;opleto sortitoeoto vend barato :
Crotones de cores rhaif 400 rs. o covado.
f Moito boas musso inat a 480 rs. o dito.
Baplislas a S60 rs. o dito.
Fustfies de coree para vestidas a 600 e 800 rs. o ditcr.
Laaiinh is a 440 e 660 rs. o dito.
Alpacas de cores 700, 800 e 900 rs. o dito.
Sedinbaii de listras a 1*900 o dito.
Orgaodjs brancos a 800 rs. a vara, .
Saias de ta e branca de 4 a I20()0.
Lindas lamizinbas a f 000O.
Lacoe in fila para doto a 40 e 5000.
Ponbos e goliat de grife a 4*)00. .1 *;|
CWee ite merino etampedm a Wm\ j
W5-*i 3000.
V ra io BirSg ja Vudw v. 9 (antiga roa.Nofa) \o'\z da,TROUEZ,
Vende-se p<*r pFeco commodo nm carro am9-
rieine de quatro rodas, muio bem Mudo, for-
rado de aovo, exceilenie a todos tratar na eocheira de Mr. Gorgean, a roa da Fio
lenna M. 16.
NOVA PBUCACAO
HClICiL
Phantezia Polka.
Acaba de publicar-se esta lindissima peca
d msica para piano, composigo do insig-
ne e Ilustre maestro.
J. Smoltz.
Acha-se venda no bem conhecido ar-
mazem de pianos e msicas de Antonio
Jos de Azevedo, roa Nova n. 11, boje*
Bario da Victoria.
Preco 2.OO0
AN senhoras.
A' chapettaria da rea Primeiro de Marco n. 6,
acaba de ottegar da Europa, pelo ultimo vapor,
am linde -e variado sortimento de chapeos echa
pelinaa d ultima moda para senhoras, qoe se
venden) por precos muito rasoaveis: na mesma
chapellaria ha ym'grande sortimento de cbaqos
de todas as qaalidades para bomens e meninos.
Machina para costura
Vende-fte ama mcehizra para costura, em per-
(eito estado, por pre;o eommodo : na roa de S.
Francisco n. 61
U
Ra Nova d. 22
Para este eslabelecimento acaba de chegar am
riqaissimo sortimento de objectos, todos novos, os
qoaes sao das seguintes quaiidades :
Machinas para fazer cafe, em cinco minutos, a
quaes fazem o cafe com todo o aroma, e com me-
nos quantidade do qne se costuma a usar, por se-
rem de nm systema inleiramente moderno.
Estas pecas importantissimas podem tambem se-
vir para cima de mesa, sendo os seus precos de
cinco at cem mil reis.
As explicaresparafazer-ss o caf veem empor-
tuguez e inglez.
Tan.bem ha para vender neste eslabelecimento
reqaissimas esleirs brancas e de cores, para for-
rar salas, por precos mnito baratos. Bem como
mnito boas vassoaras para lavar casas ladrilhadas
e assoalnadas, as quaes sSo de qualidade intera-
mente nova neste mercado._________________
FIO
Para saceos e foguetelros.
SACCOS
PARA ASSUCAR
CERVEJA DE MABC\
Engarrafada especialmente para o "Brasil.
Charutos de Ravana
Lona para Telas
Cambraia Victoria
As verdadeiras irazem os nmeros estampados
as ecas e nao as etiquetas.
Vendem-se
Em caa de
T. JEFFERIES & C.
46 Ra do Commercio 46
BRINS DE ANGOLA
OS LEGTIMOS
Trazena em cada peca nm foithe-
Ic com o nome
. D0S
nicos importadores
T. JEFFERIES & C.
13 A flaa da Imperatriz 13 A
DE
JOAQUIM BEZERRA PESSOA & C.
Os proprietarios deste dovo estabeleci-
meoto de fazendas veem scieotificar ao res-
pettavel publico em eral e ;em particnlar
as Ezms. familias desta cidade e fora deila
que ebegado pelos ltimos paquetes da
Europa, o mais bello sortimento das mais
lindas fazendas que at hoje sao vistas em
nosio commercio, e que est5o despostos
venderem por todo preco.afim de venderem
muilo e apurar dinbeiro, saber:
L'ndos casaqninbos de gurgorao preto
enfeitados para todos os precos:
Cortinados ricamente bordados para ca-
mas e janellss.
Camisinbas de linbo bordadas para se-
nhoras.
R:os tapetes avellodados com lindos de-
zenhos para 2 e 4 cadeiras.
Ricas grinaldas e capellas para noivas e
meninas.
La para bordar de todas as cores por
commodos precos.
Cbapos de sol de da inglezas a balao
por todos os precos.
Ricos e modernos cortes de organdy bran-
cos com modernas listas.
Ditas d cambraias de salpico brantos
e de todas as cores a 5/JOOO.
Pe^as de cambraias finas a Victorias com
10 e 12 jardas a 30, 45, 5,5, 6 e 70OOO,
Ditas transparfntes finas para todos os
precos com 2 larguras.
Variadissimo e "eleganies sortimento de
las para vestidos de todos os prec s e qaa-
lidades, que, quem as vir a vista dos pV
eos comprar.
Modernas popelinnas com listras a '
rs. o covado barato.
Grande variedade em chitas finas,
200, 240, 280, 300 e 320 rs. o covr
Pechincha em alpacas de cores I:
e muito finas, o covado 400, 500 e
na Flor da Moda ru* Imperatriz I
GRANDE PECHINCHA A ELL>
QUE SE ACABE ?
S5o camisas francezs finas a '
urna, dmira a vista da fazen
Flor da Moda ra da Imperair
Cbapos de sol de alpaca
0o preco de 30000.
Madapoloes finos e largas
a 40, 50 e 60000.
firim pardo trancado
covado a 30 e 400 rs.
QUEM QUIZER VENO
FLOR DA MODA Rl
TR1Z N.
Cobertores de fiois
60, e 40000 brancos.
Cambraias de crr
240 e 280 rs. o co-
Lencos de cbita
zia20(KOrs.
de biebiachos' e calungas k-
duzia I02OO, J05OO,
i20
para
ido.
jvradas
600 rs.
.3 A.
ANTES
i0500 cada
la. S ns
zd. 13 A.
pelo baratissi-
coij 20 varas
de liflbo fino o
admira.
A COMPRAR NA
JA DA IMPERA-
ISA.
ima 15a de cor a 8<>,
efinas a 2C0.
js fixas
/ado.
i grandes e bonitas a du-
60 e
qoe b, urna

Ferro galvanisado.
Vender ferro galvanisado em folhas de diffe
rentes tanunhos: em casa de Adamson Howle &
C roa do Commercio n. 40.
Vende- se por preco mdico nm terreno ex
cellente para edificar-se am engenho, qae ter de
irabalbar com agua, tendo j feito pela natareza
mor parte -do naredio do a ende. O terreno de qne
cima trata-se centn) bastantes matas virgens e
antig partidos de plantacao de eanna, es quaes
serviram a am mnito amigo engenho qne all
ncuve, e cootm para nuis de meia legoa de leste
ao oeste,de pouco menos de snl aonerte : quem
pois qnizer fazer negocio to vaniajoso, dirija se
ao proprietario 4o engenbo Velbo da fregaezia de
Jaboatao, que far lodo negocio.
Madapolao
A 4*600 pe<;a, hienda de 6o00.
A 5/600 a eca, fazenda de 75O0.
A 8/000 a-peca, franeez, superior.
Na loja de Gaspar Antonio Vieira Guimaraes,
rna Duque de Casias d. 43 (antiga do Queimado
numero I).
Licor de akatrlo de Goyot a lr>600 o
frasco.
Para ura de eatbarros da bexiga, vias urina-
rias, polmoes etj. Vando-se a botica Popular da
ra.i da J/nneratriz n 77.
Vend-an nma armaeao no pateo'de S. Jos
n. SI, propria para qoafcjuer principiante ; a ca-
sa bitanie afr^guezatla para letra i tratar 01
meema.
Algodozinho ava-
llado.
Na loja do Pavao rna da Imperatriz a 60,
v jade-se o mais largo e encorpado algodozinho
com im leve toque de avam, por preco muito
barato.________ .
Vende-se guairoceutos estacas, e dnzenta
e dneoenta cinws, tudo unadelra de qualidade,
as quaes podenrservjr para carral de gado :
tratar em Fra de Portas, no largo do Pilar n. 14.
ga oevichy
DAS
Vende-se 90 apolices da Companhia Pernambu-
cana, de valor de 200/ cada urna, dando-se o des-
cont do dividendo vencido no anuo prximo pas-
sado. Isto ama boa acqoisico para quem
qaizer empregar dinheiro, visto como a dita com-
panbia, tem dado os seus dividendos regulares ,
e o possnidor das mesmas apolices as vende por-
que tem de relirar-se para a Europa, jateado
por este motivo liquidado todos os seos negocios
nesia praca : a pessoa qae pretender todas ou
parte aellas, pode dirigir-se ra jva, casa n.
22, que achara cora quem tratar.
CADE
e bomen
Com barras
zendo gynasti
20000 e20r m
52b;; m nos a 20300.
jjftnn. ^ l,Dbo anubados finos a
/wwu a c ozjJ
1 .a8 dS de mea o nelhor
* } .0500.
. z dS inglezas finas de linbo para homens
e nios por todos os precos.
Jollennbos, punhos, gravatas, meias.
V jaibas, lences. crochets para cadeiras e
jardineiras.
Completo sortimento de c*sumirs prela
de cores.
Pannos finos pretos e de todas as qoaii
dadea, brins brancos pardos e de cores poi
todo os precos.
Roupas eihsiiaMor da Moda
Sobre-casacos, patols-saecos e fraks de
todas as quaiidades prcocouimoJo.
Calcas de casemiras pretas, de cores, de
brins brancos,. pardos e de cores.
Cerottlas francezas de linbo e de algodao
commodos precos.
No mesmo estabelecimeDlo eDContraro
os amaveis frequezjs um km alfaiale para
tomar medidas dos qae qoizerem mandar
fazer suas obras 6 sojeitando-oos a ficar
com aquellas que n3o sahirem a contento,
afim de bem servir todos aquellos que nos
bonrarem com sua proteccio neste eslabe-
lecimento orna enfjaidade de artigos qoe
deizamos de mencionar para nao se tornar
massante aos leitores, o eslabelecimento
est aberto das 6 as 9 horas da noite as
ordens do respeitavel publico.
N.-I3 A RUADA IMPERATRIZ N.13 A

-
1
*
Para os Srs. de eugcuho ver.
Chila, fazenda bem conhecida pela sua forlido,
mais larga qne chita, para ronpa de eseravos, a
200 rs. o covado na roa do Crespo d. 20, loja do
Guilberme. '
Fon tes
SHmleme e Cetelim,
Vende-se em grosso e a po nlho
m noarmaz"in dn ra d>Vigarin. II
. Armazem Dous Irma5s
RA DA PE.NHA N. 8.
Gaz a.320 rs.a garrafe.e 6/060 a lata, vinbo Fi-
gueira superior a 600 rs. a garrafa e a 3/800 a
caada, arroz p qne ha de melbor a 100 rs. a libra
e a 3/ a arroba, umeinno a S60 rs. a libra, pas-
sis e figos supeiiares a 320 rs. a libra, doces see-
', dem em efda, marmelsda fio, tombo de
poroo assado, llnguif* fina protopl, latas de todo'
os umaohos com bolaoainbas ftnieoutos de todas
as lualidades, ameias franjeas em caixinhas,
frascos e latas diversas, vinbo Bordsax francez a
600 rs. a garrafa- e a <3/ a caxa, e ontros muitos
gneros ue se vendeui a pTecos razoaveis.
Nao ietam
A tito rt. o eovado
Orfandys o mis moderno ^NiveJ, pnra va.
los : pa ra Dmo? de Zn<\ F^g Ai Qel-
madj, n. 67. '
GRANDE
LIQUIDACAO
Na roa do Duque de Caxias, antiga ra do
Queimado n. 19, vendo-se chitas de cores es-
curas e matisadas pelo preco de 900 rs. o covado,
cambraias de cores, untus padroes a 240 rs. o
covado, e pecas de cambraias branca fina com 10
varas a 3/ e ditas Ct.ni 8 ditas boa por 4/, pecas
de madapolao de 4/, 4/500 e 5/, e algodao bran-
co de 3/500 e 4/000 a peca; ludo por prego
qne almira.
99 Ruado Dizque de Caxias 91
Cbamins para gaz a 320 rs. II!
Cbamins para gaj a 320 rs. M!
Cbamins para gaz a 320 rs. III
3 qualquer tamanbo a 320 rs. III
97 -RA DO DUQUE DE CAXIAS-97
CEMENTO.
O verdadeiro portland. S se vende na
ra da Madre de Deus c. 22, armazem de
Jeo Martina de Barros.
I

k
Veade-se
ou alaga-se nma casa no Caxanc, na volta do
Outeiro da Ilha, muit prxima da eslacao do ca-
minho de ferro de Apipucus ao Caxanga, com S
sala?, 3 qoarto, cozinha "fra,-cacimba, e quintal,
cam aignmas frneteiras: a tratar na roa do '
'rador n. t", andar.
Vende-se saceos com raridia de mandidca, me-
dindo 18 cuias, pelo baraii.-siBio proco de 5/ eada
sacco ; na ra ao Marques de Olinda o 40, t.-
crip torio.
e viee..-versa,
- Ct!
lanbaV^
Jrcgria
^niefpslhic'-. de Ltf
e-? u r?3 ??r"i* i'
kt.
Vende-se as seguintes obras :
Diccionar^ francej-penupuz
tcmos'eBoadernados por 3/000.
As Tres Lagrima^ tmio encaduao por
Solfejos de Hodoipho dk^dernado por 3/.
Msica taiiiuladti LodJIeia Brrgia em bioxara
1/000.
liem do celebre nieFBerUni id^ra 4/.
Um favo em baaneo para copiar msica 8/.
JaiopoAo nvariado
landapol
| de avaria. por preco nuito barato.
S


4

V,.

-' 5
c
A


VEHDE-SE
J ki lai.n Jos RaoM,iia ra da Cruz o. 8, I*
andar, vende algortac azul americanos verdadeiro
e pregos americano n. 3 e 4.
Agencia em Feraambuco
I>o Dr. Ayer
Peitoral de Cereja
Cara a phthysica todas as molestias do paik
Nalsa parrilha
Cura ulceras e cuabas antigs, impigens dar
Oros.
Tnico
Conserva e limpa o cabellos.
Plalas eatbartleaa.
Paramnnte vegetaes sem mercurio ; cura se
ades, purgao e parificara todo o aystoma humano
Veode-se eftclivameote em casa de Samuel P
lohnston & C ra da Senzallit Nova n. 41
ft ka cual cabellos branca.
Tintura japonesa.
S e nica approv.trta pelas as academias de
^ciencia, reconhecida superior a toda que tem ap-
parecido at boje. Deposito principal rna da
adeia do Iteeife n. 51, 4 andar, em todas ae bo-
tic.is e casa de cabelleireiro.
A
lT
1
il
Scmpre a \c\a Euperanca!!
AO BELLO SEXO.
Esta loja bem conocida pela soa elegancia e
*uperioridade de seos objectjs, acaba de reeeber
moitos artigos para o que respetosamente convida
ao bello sexo a vitita-la.afira decomprarem aquil-
lo que precisaren para preparos de vestidos tl-
lete ou tocadores, e mesmo qaalquer objecto para
fazer algum pretente...|[j>oi que s> na Nova Espe-
ranza llcaro saUXeiloa, j pela qoalidade e pro-
cos razoaveis, e mesmo por que a Nova Esperan-
za ufana-se em nao se impacientar em dar a es-
colher os objectos, proslando-se cora o agrado
eam que costo .ra reeeber a todos, aflm de que
saibam com o firme proposito de volUrem ou
inaudarem a mesma loja, logo que precisem de
qualquer artiga por pradeo que seja.
LUVAS DE PELLICA.
Recf beuas de Lisboa a Nova Esperanca para
homens, senhora e meninos, sendo brancas e de
eores.
NOVIDADE.
Bico de quipure prelo com branco, a Nova Es-
peranza s quem tem 111
Caixas para joias.
A Nova Esperanza receben boas caixas de sn-
dalo para guardar Jatos.
Fitas largas para ciotos.
Recebeu as de umitas qualidades a Nova Espe-
r.anca.
Para extinguir panos on sardas.
A Nova Esperanca tem leite de rosas brancas.
Para tingir cabellos.
Tem a Nova Esperanza a verdadeira tinta in-
gleza.-
Para refrescar a pelle eaformozia-la.
A Nova Esperanca ra Duque de Caxias n. 63,
vende verdadeira albina branca de Lais.
Perfumaras
As memores, e do mais conhecido fabricante,
tanto francez como inglez, estao expostas venda
na ra Duque de Caxias n. 63, na Nova Espe-
ranca.
Extractos, baflha, oleo, sabonetc?, agoas de eo-
lonia, de laranja, florida e de lavande, etc., etc.,
tudo de superior qoalidpde : vende-se na Nova
Esperanca ra Duque de Caxias n. 63.
*
LOJA E ARMAZEM
oo
PAVAO

NA BA DA IMERATRIZ 00-
DE
'
FLIX PEREIRA DA SILVA ft C.
Os propietarios deste grande astabeleciment teodo em ser ama atufada porcio de
fazenda, e tendo continuado a reeeber por todes os vapore e navios immeosa pordk)
das raasmas, tem resollido f.zer urna GRANDE LIQUIDACO, afim de demiouir o gran-
de deposito e apurar DINHEIRO. De todas a fueadas qae se vende baraiissimu ae d3o
as amostras, ficando pennor oo te mandam levar em casa dasExmaj. familias, asaim como
as pe-soas qne negocam em menor escala, n'esle estav.elecaeato se podero sor ir em
pequeas perces pelos mesmes preces que oompram Das casas exportadoras.
Agora sim
! f f
A Nova Esperanza, a ra Duquo do Caxias n-
6:5, recebeu um lindo sorlimento de la para bor.
dar, viudo as cores mais procuradas, branca, pre-
ta. psi-nrlaie ate, etc. a ella antes que se acabe I
SAL.
Vende, Ju> Dia? Soares (em Maco)^ superior
superior sal era pedra, o alqueire a 400 rs, para
barcaca, e 4'jO reis par navios, posto a bordo,
embarcando-se qaalquer encommenda por maior
que seja .-ora toda a presteza posMvcl. PJe tra-
tar se travessa dar, com Antonio Pcreim do Miranda.
1
i Fazendas baratas
RA DO CRESPO N. 25 g|
Loja de
Maiiocl Das Xavier.
ALPACAS trancadas de cores, lindos g
5= p.^droes. a imitacao de merino, a 3:0 rs. ~
i3 o 1'. ivado. g
'-.l CAMDRAIAS victorias muito finas com B
= 10 j irdas a /, e com 20 jardas a 8*000 5
8JB a p t -3 C.OLCHAS;adamascadas brancas e de BK
55 cores, muilo grandes, a 3*000, 4300, S
f^ 3* 64O0OI...
fea CHALES de merino pretos e de todas 1
g a cores, iuoj. a 21500, e estampados a ?
8 4*000. jg
LENCOS de esguio mnito finos a ii, m
S? e de cambraia finos a 2600 a dutia.
gB CAMBRAIAS bordadas brancas e de W
jfg core* ou de salpico branco a 360 rs. o M
CHITAS de todas as qualidades, muito |
BS bons panos, a. 160 rs. o covado.
MADAPOLN Ixira e muito floo a |
m 2J500, U, 3*500,4*, 4*500, >&, 5*500 M
|B e (>* a pee*.
ALGODAOZINHO de muito boa quali- Jg
-M dale a 3*, 3J500, 4*K00, 5* e 5*300, e @
gj superior a O* a ('i;a.
SE Dao-se amostras com penhor, na ra S
W do Crespo n. 25. {g
mmmwmmmmmm nm
Jornaes da Europa.
Assigoaturas para todis os jornaes da Europa
Poutualidade e garanta un servico.
_________LIVItAniA FRANCEZA._________
Tabellas. Vermitogas
E.ne medicamento o nico que pelo seu bom
aroma e gosto agradavei se torna o mais proprio
para a expulsio dai lombrigas. E' fcil de tomar
porque o 9<>u gesto igual ao do chocolate, e de
prompto effeito.
DEPOSITO
Pharmacia aroericeua de Perrelra Maia k C, ra
Duqua de C.xias n. 57.
Jabonete 'Je alcalro.
Este novo preparado 6 applicado com grande
aproveitamenio contra as molestias de' pelle caro-
fileas e rebeldes empigens, manchas escuras ou
pannos que ven ao rosto e peito, borbulbas, sar-
na, lepra e comlebdes, mesmo aquellas qae em
certas partes delicadas do corpo tanto mortifican),
finalmente o uso continjado deste saboneta con-
tnbue para tornar a pelle asss mimosa. E' igual-
mente eficaz para amaciar a pelle do rosto on
omras parles do corpo, que por motivo de erysi-
pellas tleam speras e f scamosas. Preco de cada
saboneta 640 ra.. em dunia se fara abatimento.
nico deposito em Pemimbujo, pbarmaca ame-
ricana de Ferreira Maia \ C, ra Duiue de Caxias
n, 57, miga do Qaeimado.
ATTECAT
Venda-se na villa daliseala daas moradaade
casas, sendo urna deM|ra e eal con commodida-
di para grande ramilni outra de uipa propria
para um bom eaubelepimento, aitas na ra do
Commeroio da mesma vina : quem pretender di-
rija-sa ruado Apollo 11.'49, i* andar, eacriptorio
de Aff n-o Moreira T^mK>ral.
Vende-so urna cario.a com cavallo
todo novo e bam : traur na roa I
218, pao aria.
PARA LUCTO
0 PaIo tem um grande sortimento de
fazendas pretis cara loeto, como seja: 15a-
siobas flnaspara vestidos 400 e 440 rs.,
merid muito leve para vestidos e roupas
para homens 2,5 e 2*200, alpacas com:
lavares brancos, cassas pretas lisas e eom
braocos, bombazinas preas, cantos, e oo-
tras muitas tizenrlas todas proprias para
lulo, que so ven le mais barto que em
outra qualquer parte.
CHITAS DE CORES
0 PavSa tem recebi Jo grandes sortimen-
tos de chitas finas, tanto claras como escu-
ras, tendo tambera grande sortimento d is
mais delicada* percalles miudinbas proprias
para vestidos e roupras deraocas, e ven-
de-se por menos do que em outra qnalquer
parte, na roa da Imperatriz n. 0.
LENCOS BRACOS A DZIA U'Q
O Pa\o vende fini simos lencos brancos
J* embanhados, em dozia pelo barato preco
de 3*000, e ootras muitas qualidides, tanto,
de esguio como de cambraia de linbo, e
CQinezes.
Toalhas do Porto a 10*000 a duzia
O Pav2o vende su eriores toalbas para
rosto, sendo de linho do Porto 10*000,
ditas de roco fazenda muito boa 12*0fX)
n duzia, ditas coalchoadas a 7*500 dnzia
ao 640 rs. cada toalha.
COLCHAS A 3*000
O Pav5o vende colchas bracas de f jso
sendo bistante grandes pelo barato prego
de 3*000, ditas de cores muito fina ...
7*000, ditas milito.graodes brancas de fus-
ilo e muito encorpadas 6*000, ditas de
croxet, proprias paracamade ooiva 15*.
ORGANDYS BRANCO
0 Pav5o receben os mais finse delicados
organdys brancos para vestido, sendo todos
com lavore3 miudinbos, e vende se pelo
barato preco de 800 e 1*001 rs. a vara,
fazenda que vah muito mais^inheiro.
GUARDA BAMIA
O Pavfo vende urna grande porcSo de
panns de crochet proorios para encost de
cadeiras, tanto de braco como de goarnic3o,
ditas paYa encost de sof-, ditas para cobrir
pian: s, assim como ditos redondos para co
brir difieren tes movis ou outros quaesqner
objecios, e pode-se vender por menos do
que em outra qualquer parte, attendeudo
grande compra que se fez.
CHALES DE MERINO' A 24500
O PavSo vende chales de merino muito
grandes e encorpaJos 2500. ditos
tmitico de cbineze 2*500, ditos pelos
de renda com 4 ponas 2*000.
CHALES PRErOS BORDADOS
O Pavao vende os maiores e melhores
chales de me in pretos ricamente borda-
dos com largas franjas de retroz, e vende
por menos do que em outra qnalquer arte.
CAMISAS PARA OMENS
O Pavo vende um grande sortimento das
meiores camisas ioglezas e francezas com
peitos d3 hnbo para todos os precos e qua-
li lades, assira como ditas de ditos de
algoo para todos os preces e tamaitos,
lendo tambem para criancas, e no mesmo
estabeleciaiente tambem se vende ceroalas
de linho e algodSo, tendo para todos os
presos, assim como metas cruas ioglezas
para homena e meninos, que tudo se veade
por preco muilo limitado.
CORTINADOS BORDADOS
0 Pjv5o tem a ntaotemeote um grande
sortimento dos melhores cortinados borda-
dos para camas e jai ellas, que vende-se de
8*U00 at ao mais rico qae .ostuma a vir
n'este genero, assim cerno bonitas cambraias
adamascadas, tan'.o lapadas como transpa-
reaies, proprias para o mesmo fin, colchas
da crochtt, damasco para camas de noiva,
e cortinas, e vende-te no B*zar do Pavo.
LAASINHAS BARATAS
O Pavao tem um g ande sortimento das
mais bonitas laasinbas para vaslilos, tendo
de todos os preces cores e qualidades.
princip ando de 200 rs. rara cima ; porm
tao grande a qaantidade que seria enfa-
donba especificar qoalidade por qoalidade,
s a vista do freguez e das amostras se loe
venderao por precos tao cmodos que
engue n deixar ae fazer um vestido de
lia por to pouco dinheiro.
ALPACAS DE CORDO A 640 R8,
O Pavao vende as mais lindas alpacaa de
cordSo para vestidos e roupas de criancas
pelo barato preco de 640 rs. o cvado,
ditas oissimas cornos mais lindos Iavoree
imitacao de agracianas 8( 0 rs. o covado,
bonitos glacs com delicadas cores e las
trosas como seia 1*000 o covado, e ou-
tras muitas fazendas de gojto 9 luso para
vestido, na roa da Inaperatriz a. 60.
POUPELLNAS
ALFAIATE
qne se encarreg de executar qualquer en-
commenda da sua arle vontade do Ir
guez, e o proorietario d'e&te grande esta-
belecimen'o e prometle servir bem a todos
os freguezes que Ihe bonrarem a sua cata.
ALGODOSINHO A 3500 A PECA
0 Pava o vende pecas d'algodlosiobo de
muito boa gnadade, teodo 20 jardaa cada
peca, pelo barato preco de 3*500, dito mui-
to largo e encorpado 6*000, dito o me-
Ihor que tem vhdo ao mercado, muito en-
corpado e largo para lene .es, pelo baralo
prec de 6*500, grande psebncba.
MADAPOLAO A 4*000 E 4*500
O PavSo vende pecas de madapoiao com
24 jardas, sendo fzeada motto superior
pelo barato preco de 4*500, di'as. eom as
mesnoas jardas a 45000, ditas fioissimas a
5*500,6*000 75500 e 8*000. pechincha
MADAPOLAO FRANCEZA 10*
O PavSo vende pecas de fiaissimomada-
polo verdadetramerjte francez, tendo 22
metros ou SO varas, pelo baratissimo preco
de 10*000 peca,endo fazenda que sem-
pre se veodea 44*000, e lk|uiia-se por
este barato pre?o por estar alg.ma cousa
encbuvalba'la m ponta de fra.
ALGODAOSINHOENFESTADO A I* 1*280
O PavSo vende verdadeiro algodiosinho
americano, teodo 7 pateos de tof ara e
muito encorpado, proprio para leDCoes i
7*000 a vara, dito da mesma'argura sen-
do trancado e muilo encorpado i*20.
BRAMANTES PARA LENCOE3 A SjiuO 2S8003*
O PavSo vende o verdadeiro bramante de
linho tendo 10 palmos de largura, que ape.
as preeisa para umltacol orna ara eema
quaria, pelo barato preco de 2*400 vara.
dito nelhor de 2*8 0 e 3*000, tendo- at
do melhor que vem ao mercad;) 3*500
e 4*000, assim- como crotones fortes para
lencoss, sendo ama encorpada faztnda frao-
ceza com 10 piraos de largan 200 rs.
o metro, e bramante d'algodSo com a mes-
ma largura 1*860.
SAIAS BORDADAS A 4*00 E 6*00^
O PavSo vende grajde pecrocha em saias
brancas n:a nente bordadas, tendo cada urna
4 pannos, e vende- peto baralo pre$o -de. -.-
4*500 e 6*600, sendo fireeuda que sempre
vendeu-se por 8* 9 10*000.
Faiendas para saias a 1*200, f*ttO e 1*56^
O Pavao vende superior fazenda bordada
aj-com pregas propnas para saias, a 1*200,
1*280 e 1*5(0 a vara, sendo preciso para
urna saia apecas 3 varas ou 3 1|2.
Ao 3000 cartea de cambraia* a 2*SC0
O PavSo vende ama grande porcSo de
cortes de eambraia organdys; tanto brancas
como de cores, arado com bstrinbas de
cores tessidas e nSo estampadas, e liquidar-
se pek),bara!o preco de 2*500, cada corte
fazenda que vale muito mais.
ios 2686 curtes de cambraias bardadas a 5*0fX
O PavSo vende urna g-ande qaantidade
de cortes de cambraias brancas bordadas
para vestidas, teodo com os desenbos mais
lindos e mais vistosos que ten viado ao
mercado, tanto em lastras corridas como ada-
gonaes, e com muita fazenda para um ves-
tido, e liqaida-se pelo baratissimo preco- de
5*000, sendo fazenda de mu'to maior va-
lor, grande pechincha.
CAMBRAIAS
O PavSo veade grande quantidade de. pe-
cas de cambraias brancas tapadas e trans-
parentes, teodo de 3* a peca at mais
fina qae vem ao mercado.
CHITA A 160 RS.
O Pavo vende chitas largas com bonitos
desenhos e cores fixas, pelo barato preco
de 160, o covado, grande pechmcoa.
LAASINHA A 160 RS. O COVADO
O PavSo vende bonitas laasinbas transpa-
rentes pelo birato preco deloO rs. o cova-
do, paohincha na rna da Imperatriz o. 60
curtes de cassa a 24500
O PavSo vende bonitos corles de cassa
franceza viudo cada um em sea papel, pelo
barato preco de 26500 corte, ditos muito
lindas 3*000, pechincha.
CASSAS FRANCEZ 1S A 20U RS. O COVADO
O Pavao vende bonitas cassas de cores
para vestidos, pelo barato preco de 200 rs.
o covado ditas fioissimas com os desenhos
mois modernos que'tem v ndo ao mercado,
pelo birato preco de 50 rs.
CRETONES
O Pa*So vende floissimos crotones oscu-
ros matizados, proprios para vestidos e
chambres, pelo barato preco de 646 rs. o
covaio, ditos ale fl i9os, proprios pira ca-
berla, sendo faznda muij encorpada pelo
barato preco da 8 O rs. o covado.
IBasaaina ao casaquinta a 20* e 254
O Pavo vende ba^q jias oo casaqainhos
de seda pritos ricamente enfeitados, pelo
baratissimo pn g i de 20* ^25*000, sendo
SACHIN4S
PARA COSTURA
Cargaran ao Bazar Universal da roa No-
va a. 22, om sortimento de machinas pa-
ra costera, das melhores qualidades que
existe na America, das qnaes muitas j sSo
bem cnhecidas pelos seas autores, como
sejam Weller 4 Wilson, Grover & Boka,
silenciosas, Weed e Imperiaes e outra
mottas qae oom a vista deverSo agradar aos
compradores.
Estas machinas teem a vaotagem de fa-
zer o trabalho |ue trinta coatureiras pdem
fazer diariamente e cozem com tanta per-
feicSo, como as mais perfeitas coatureiras.
Garante-se a soa boa qualidade e en-ina se
a trabalher com perfeigSo em menos de 1
hora, e os precos s5> tSo resumidos que
divem agradar aos pretendentes.
A' AGIA BRANCA
RA DUQUE DE CAXIAS N. 50
(Outr'dra Queimado n. 8.)
InjMfo amercioa.
i.spedaIIdade dos pharmaceud-
eaM Ferreira lala fc c.
E^ta injeccao composta es pee I al mente para a
cora das purga^es antigs ou modernas, foi com
feliz resallado easaiada pelos mais habis e reeo-
onecidos mdicos, a por lies confirmado ser asta
injeccao a nica qoe radicalmente cora era menos
tertob qualqoer aajnorrha on purgacio jntigan
njokTna, sem o auxilio de outros medicamentos.
E tambem til as leucorreas oo flores brancas,
fiuer sejam antigs ou modernas.
DEPOSITO
Na pharmacia americana, roa Duque de Caxias
_______________numero 57.
Em casa de THtiDORO CHKISTIAN
SEN, roa da Crnz n. 18, encontram-se
efectivamente todas as qualidades de vinbo
Brdeauz, Bonr(;ngae e do'Rheno.


9 ve o z
aieo legatmene autorisedo e approvado
peto conselho de sade.
orneo DKpesrro
em
PERNAMBBCO
Pbermacia e drogara
de
BAB/FHO1.0MEO d> .
34Ra larga do Rosario3^
Lingukjas da llhae em latas
O melhor que ten vindo a este mercado-: ven-
dem Joao do Rege Ilima & Filho : ra do Apol-
lo n. 4.
LENCOS BRANCOS PARA ALGIBEIRA
A Aguia Branca na roa Duque de Ca-
xias a. 50, est vendando baratamente len-
cos brancos e de tamanbo regular para aI-
gibeira. Os difierentes precos de 2*.
2*400, 2*800, 34200 e 44000 a dozia
lio os que de mais barato se pode encon-
trar em tSo boa fazenda. Tambem ha ou-
tros com barras de cores fixas, e fazenda
nova mais fina a 4* a dozia.
TOALHAS E FRONHAS
de labyriotho com bonitos desenhos, e per-
feita imitacao do tecido no paiz.
BONITOS ENTREMER3S BORDADOS
em eambraia tapada, transparente e outros
em pecas de 12 tiras, e prqprios para cor-
pinbos, etc., etc.
MEIAS PRETAS PARA PADRES
ditas de 13 de cores para criancas.
PAPEL DE CORES FOLHAS GRANDES
proprio para enfeites de bandejas, ba-
ldes, eto., etc.
TORQAL PRETO, BRANCO E ENCARNADO
em miadas e retroz em carriteis.
Panoramas ou stereoscopos em ponto
grande.
Esses panoramas com 24 vistas, bellas e agr
daveis, dao um perfeito intretenimento para reu-
nios de familias.
Objectos para luto.
Bonitos e moderaos adereeos pretos com
borlas lapidadas.
. Brincos de bfalo, e crystal, lapidados, e
com pingentes.
Correles pretas de borracha.
Contas grossa, redondas e lapidadas para
pescoco.
Voltas de contas, tambem redondas e la-
pidadas, com cruzes.
Pulseiras pretas.
BARRETES EM PONTO
meia para recem-nascidos.
LIVRINHOSCOM DESENHOS
para crochet, marca etc.
FOLHAS DE PAPIS COM DESENHOS
em ponto maior para os mesrooi fin.
NOVAS TRANCAS DE PALHA
para enfeites de vestidos de 13a.
PERFUMARAS 1NGLEZAS
A Aguia Branca tem recebido finas per-
fumarias inglesas, sendo extractos concen-
trados de agradaveis chelros, pomadas f
as entre as quaes se nota a d'alpaca,agua
da colonia, dita de lavander etc. etc. anana
como finas escovas inglezas, e opiata pin
dentes. Tambem receben variado sorti-
mento de aabonetes, qoe os est vendando
baratamente.
Caixinbas com 3 sabonetas aromrteos a
1*. ditas com 3 ditos transparentes t ti.
1*500 e 2*000.
Sabonetes areentos a 500 rs., ditos de
alcatro a 80u e 1*000 rs. cada um.
Pasta de amendoa para lavar o amaciar
as mSos e o rosto a 1* o frasco.
E assim muitos ootros objectos de per
f ornara.
Alfinetes pretos com pingentes e tea
elles.
Guarnicoes de botoes pretos para pnnnoe,
abertura e collarinhes.
Peanas de ac Lico d laifa
Caixas com urna grosa 500 rs.
MATA MOSCA.
Chegou nova remessa de papel mata
mosca e continua a ser vendido na loja da
Aguia Branca.
i
i-
A 6$)00 o par. *-
Vende-se bonegaim franceies, obra pontiada e
toa quaidade, renhsm a elles, antes que se aea-
*e : na tem contienda foja de mindezas da rna da
Cadeia b 50 A confronte a ra da Madre de Dos.
0 PavSo reiebeu as mais delicadas e me- ma'l moderaos, ssimcowo ditos de ero-
hores poupelinas de aoda para vestidos,
com os mais molernos iorores, e outaas li-
zas c im as cores maia novas que tem v.n 'o,
e veade-aa 2*u00 cada c vado, assim
como del cadas sedas de lisliohas, tanto
para vesti los de senioras como de aeninas,
q vende-se 2*000 cada covado.
SET1NS DE COR
O PavSo tem constantemente um bonito
sortimento ddcotinse grosdenaples de to-
das as cores, qoe vende-se em coota.
ROUPAS PARA HOMENS
O PavSo tem constantemente om graode
iprt'mento de ronpt, tanto d panno como
de bros brinco e decores, ,ds caso-
njiras, para todos os preces e qoalidade.},
J tambem se manda fazer qaalquer peca de*
ara e >m t>do aceio e prompUdao, para o
qae se tem im perito *
chet e rendas pretas que se vendem muito
em contaJ na roa da Imperatriz n. gO.
Caitas eatraoaia'M aaraeabertas a 390 ra. a trala
O Pavao vente chitas encangadas coa
delicados desenhos para cobeitas on cali-
nas de corea fixas, sendo fazenda muito en-
corpada pelo barato prcde 360 o cooadO
ESPaRTILHOS A 4*800
O PavSO vende os mais modernos e me-
lhores espartilhos, tenio de todos os la-
man hos, pelo barato prco de 4*800
CASEMIRAS
0 PavSo veode um elegante sortimento
de delicadas casemiras ioglezas, sendo to-
das de 13a e multo levesiaoas, tanto pro-
prias para homens como para criancas, e
aitas mai< eocorpadaa, teo lo de orna e de
duas larguras, qae se vende-o mais barato
possivel, ama: da Imperatriz a. 6D.
i
s
&. na loja do barateiro, raa do Crespe-
n. b> junto ao argo de Santo Antonio.
Algodao am-Ncaoo eom um pequeu-
ti que de avaha a 5i a peca.
abdapolao Oso, dem a 5a. a peca.
Cnuas finas, /aaenda boa a 340 e 260>
rs o covado.
dem en dem a 80 ra. o aovado.
S a barateiro, roa do Crespo n. t.
Bnns pardos trancados a 340 reis o co- 5
vado.
Ditos de cores trancado; uperiores a. M
700 n. avara. ^ *
Cambraias de cores fixas a 260 rs. eifl
ovado.* 3
Chitas finas* padroes medernos a 360 *
e 40 Pecas de Cambraia transparente e t> K
pada, com 10-jardas a 4
tdem ganga para coberta a 380 rs. o
covado.
Cambraia soissa transparente, fazeuda
fina coa 10 jardas a StfOO a peca.
Peeas de madapolao (rancez, fazenda
fiaa com 20 varas, a 7|S00,84 e 9.
Pecas de brilhantia branca com 18
covados a iii.
Cambraia para cortinajo com 20 varas
pelo barato preci de Sai a pe,ca.
S na loja do Baiateiro I
Toalhas de linho, Duenda fina a 7* a
duzia.
Lencos de cambian de linbo, fazenda m
Coa. ja abanha los a 7* a dozia. ?L
Ditos de eiguiao de linbo a i00 e bf i
a duzia.
E om variado-sortimento de fazendas
de todas as qualidades, que vendem por I
muito limitados precos.
S na loja do Barateiro, roa do Crespa
n; liuoto ao arco de Santo Atonio.
ftrope peitoral de James.
nko legalaente habilitado pelo conselho de
aaude, ensatado e aprovado nos hospitaee : unio
deposito na pharmacia americana de Ferreira
Maia & C., roa Duque de Caxias n. 67, ntica
do Queimado. v B
a melhor cerveja nacional do
Bra-il e sobretodo de Pernambuco.
N. B.Em vista da melhora do cambio, a cer-
veja tem soffrido abatimento no preco desde o I*
do corrente.
N. aRa do Bario da Victoria n. S,'amiga ra
Nova o. 1
Amaral Naboco & C. proprietarlo desta grande
estabelecimento acabam de reeeber dos portos da
Europa o maia bello e variado sortimento de cha
pj9 de seda e de velludo para senhora e meni-
nas, garantindo o bom gosto e fazenda ; e convi-
dam a seus amigos e freguetes para virem ver
o qoe ha de man moderno neste genero, assim
como um bello sortimento de cokes a Thirs,
Tambem receberam,
Calcas de meia de seda com p para dancari-
nos, tovas de pellica pretas, brancas e de cores
para homens e aenboras e metas de lia para ho-
mens, senhoraa e meninas, proprias para a eata-
cio invernosa e para quem padesse de rhenmatii-
mo, fialdade e beriben.
Alcatifas pata forro de sala, tapetes aveludados
grandes e pequeos para sof, ditos para janellas,
capachos de paloa de coco para portaa de aseada
a salla, pannos de crochs para encost de sof e
Aadt-iraa.
GRANDES PECHINCHAS
I* BIJA DA IMPERATRIZ. Ift
o covado de bonitas e finas alpacas de todas as cores para vestido, e muitas outras
fazendas finas e grossas, miodezas, calcado, chapeos, perfuarias, qHinquilharias,
crysues, vtdros, porcelanas, loucas, levas de pelica, preta, de odres e brafteas para
hornern e senhora, oleados para forro de carro, variedades e alguns movis qoe ven-
demos trido por presos muito resumidos, por serem Dossas compras feitas dinheiro,
tirando nos somonte o lucro de 10 por cenlo do descont que temos as casas im-
portadoras.
.


15 RA DA IMPERATRIZ. 15
tJLYSSES & IRMAO.


PARA LIMDAR

i ra
Leques
Chegou pelo ultimo vapor da Europa om bello
aortimenti de leques desndalo com seda e sem
aeda, e de oseo emifando marfim, o que ba d>
melhor e mais moderno : na raa Duaua da a-
ta r, 49,-foJa do Tnnmpfao. '
armazem
15000 CADA UM
com cabos de faia, sendo os macnados de ac muilo bom, proprios para carpioas
ou engenhos : vende-se ra Nova n. 11.
Cadeiras americanas
com bracos e assentos de pallinha: ra Nova, armazem n. 11.
Fregos americanos
de 2 a 3 pollegidas, proprios para barricas, a 80 rs. a libra:
n. II.
Taxas americanas
cabeca redonda de 5/8 de comprimento, proprias para tamanqneiros, on outro qualquer
mister, com toque de ferrugem, a 80 rs. o maco de meia libra, ou 80 a caixa oom ISO
macos: roa Nova, armazem n. II.
*7 VELOCIPEDES
com duas rodas, proprios para bomem, a 20$ cada um. & de graca, mandaado-os vir
custam 1500 cada um: vende-se ra Nova, armazem o. II. -
Grampos de pao para segurar rom
sendo de madeira, proprios para prender a roupa que ie bota a seccar em cprdag, a
240 rs. a dozia oa 64 a caixa com 36-dozias. ff dar, nlo veoder: ro Nov
D. 11.
PARA E V<; E\HO
om recebedor e conductor de bagado da moeoda, levando per si o bagac nadiataacia
que se quizar, economisando o trabalho de duas pessoas. E* taltez 0 Bateo q existe
oesta provincia; ve&de*ie muito barato, i roa Non o. li.


I
},
l
Mr!
w&ffifc^-
. s^intW, qtJe
moflees fM era oa-
sdaa^sa^ofcfcd.
----------1 pira cama e forrar sajas.
[ANOS da barro francs par* esgoto.
I Superior ui porpes e a contento.
frO m lodu u qualidades.
[AS de discarocar algodo.
" i arhioes da Rnssia.
* aroeritaBo para forro da carros.
UMrtpaMs maito boas e econmicos.
VlNHO de Bordeiiux.
PiJESpX) em sacos grandes a 30500.
AtfCA florida legitima* ___________
OLINDA
r Veade-se na ra de S. liento nm terreno
eott *$ palnits de I reme e centu q tantos te fun-
d : qnetn pretender dirija se trivesa dos 3ua-
LIQIDACAO
HA D0 CRESPO N.* iO
m ,800 cortes de casimira
Cortes de easimir.1 de cor fatenda superior lisos
da qoadros a 4*0Q0 o 5*000 o corte,-eximir
preta superior pelo baratissimo preco de 14500 o
avid
MUSEO
K
. I RUI ESmiT W USMIO .
AO BOM TOII
I
de
BELDGIO
otiro e prata
dos fabricantes m;iis acreditados da Joropa, o
mathor que se pode tosejar neste gmero, para
honiens e senbaras, vende-3e por presos at boje
deteonheridos na loja da joiasEsmeraldara
doCabugitt.15
Moreira Duarte &. C.
Acaba-ituto abrir este Importante eaUbeUcimento-de raiudezas soperiores, atigofl ds kuo e da moda para bornease e~
lrav n j*v 80rlIMn*ofo perfamarias dos mas aflamados fabricantes de Parisl Londres, como sejam Piver, Lubia, Con-
uray, Kegand, Piaaud, Cbonueaax, Monpelas, societ hygienique, Gosael, Rimmil e Piesse Lnbin, etc. eto.
No Museu Elegante
eocontrarSo as pessoas faltas de vfstt nm
completo sorlimento de oculos de arQ de
Payilhao da Aurora,
Roa da luiperatrk n. 2
O done deste snjide e acreditado estabeleci-
ment de fazenda* (loas de todas as qualidades,
avisa a eus mirar rosos fre'gneres que acaba de
recebar m* antfe wrtiraeDto de vestidos de cam-
braiaa toraoeas bwd.idas Anas para senhora, os
qnaea vandemuito barate, assim como entras
muitas fattmla9 <3e muito bom ^o>lo, iw quaes
M jando redocao de prefos para menos, afim
de vender mais tarato de que em ontra qualquer
Pundi^o
C 9tarr4c. em iquidacia vendem por preces
mato baratos do que em osara qualquer parte,
uias de ferro-batido a cnado, aiaobiqnes, moen-
das e roeias moendiis, rodas e rodelas, e rodas
d ajgna pa ngenlKv crivos boceas de fornalba,
ajnindastee *oia< Ajoto de fego (rite b. ick), y-
lindros para padarh tanta iaglezes como america-
",, arados todos da ferro, et., etc.
-. -----, --.., uuvuuwiUi 1UUUJICI<
Novdades do Museu
Capas e perneiras de borracha, azenda
superior por preco baratissimo, tapetes ave-
lodados maito lindos para sof e portas,
panos de crochet para srf ecadeir*. gran-
de sorlimento de jarros finos de i0# a..
250000 o par*
dJUIITO BARATO.
Camisas inglezas cora peito de Iinbo moito
finas a 520 e t5tf00# a duzia, ditas bor-
dadas fazenda de aporado gosto a 1100 a
duzia, as mais finas camisas imitando as de
linho por 33/5000 a dozia, ceroolas de li-
nho a 34)5000 a duzia, ditas soperiores in-
glezas a 44,51000.
As mSSg de familias.
Encontrarlo no Museo Elegante nm com-
pleto sorlimento de roopinbas para recem-
nascido, corpinbos de fustSo e de cambraia
bordada a 800 e 10000, vestido parasrian-
Ca a 20, -35 e 40000, coHarinhos bordados
com bico para senhoras ji 320.500, rs. col-
leirinbos e punhos para* senhoras a 640,
800 rs. o par, collerinfcos e pnnhof irisados
e bordados a 1,9000 e ItfSOOo par, fazenda
que sempre se vendeu a^/l e 4^000
murto ricas e modernas goliiihas para se-
nhoras, as mais modernas grvalas de fil
bordado a 0OOO e 20000 cada urna.
Lafcyrintho*
Q Mozen Elegante ^nde toalhas grandes
todas de labyrintho, fazenda qoe semnrf.
vendeu-se a Ue 150000. por 80800
fronbas de labyrintho a 640 rs. as pequeas
as maiores a lAOO, bicos rendas todowor
proco baratinho.
-
Museu Elegante
actia-ae Drovido de nm lindissimo aortimen-
to ae .Dabadinhos e entremeios tapados e
transparentes, e de ricos e modernos espar-
taos de 40 a 120 cada m.
Museu Elegante
recebe por todos os vapores luvas de pelli-
ca da pnmeira fabrica de Lisboa, assim como
encontrar as Exm." familias neste impor-
tante estabelecimeoto om grande sortimtnto
de artigos para c?smenlo, como sejam ri-
cas, grjnaldas, finissimas meias brancas de
seda, ligas, tovas brancas, jeques fino
franja branca de seda, fajenda soperior,
trancas, gafos,"bolSes, bicos de blond,-fi-
tas de grosdenaples e de seoi de n. la
80, ditas do velludo, bicos de crochet bran-
co e preto, verdadeiro breo valencienne, ba-
leias pare vestidos, caarbrara franceza prela
e branca para forro.
Cutilaria do Museu
Elegante
Navalhas maito finss, cabo de tartaruga,
marfim e bototo, do aflamado fcbric^nte
Rodger, caivetes superfinos com cabo de
madreperola, tarlarnua, marfim. tesouras
finas para shas, costura e cabeMo, talberes
para mesa o para doce, de diversos'preces
e qualidades, ditoe tnuito finos com cabo de
marfim, superiores garfos de meta) 'branco,
grande sortimenlo de colberes para cha,
e sopa de metal-unto fino, trinchantes com
cabo deniarfira por barato preco.-
ATTENCAO
rtaroga, bfalo e a?o, e Umbem pencinez
de tartaruga, bfalo, ajo
Aos cabellos brancos
MUSEU ELEGANTE
vende a muilo acreditada tintora ingleza
(a qual mostra o sen bom effeito pouco de-
pois de applicada) e o sublime liquido repa-
rador da cfjr dos cabellos (colorigenio Ri-
gand) qrje em menos de oito dias d aos ca-
belles a sua c6r e brilbe primitivo, e depois
deste tempo s bastar usar de oito em oito
dias para conservar o matiz adoptados
Exposi MUSEU ELEGANTE
vende lencos brancos finos a 40700, 20700
e j BbanbaSbs a 30500 a duzia, e muilo
finos de esguiSo tambem abanhados a 60500,
70, 90 e 120 a duzia.
ESTle-Sff ACABANDO.
ReducpSo depregos para acabar
As mantinhas Olindenses de 10500 a 40
cada orna, toalhas para roaos e para
ps a 40iOa dazia, ricos estojos paravja-
gem com todos os accessorios por barato
preco.
PLORES ENFEITES PAIA CABECA.
O Museu Elegante recebes ricas ?rinai-
das de cores, e ilndos enfeites e chapeos de
velludo para as Exais. senhoras, asfim
como fitas lisas e esooSsocw muito largas
para cinto.
*


:'




TL
NOMSE ELEGANTE
i Ra Estreita do Rosario N.

F12KHI3IKA
DE
I,
Ce>


DO
u m u mfumi \ u
-- : o
GRANDE ARMAZEM
DE
FB&UEREDO & LOPES.
< -
i
E* oo-^a loja acha-se completamente sortida de fa7eodas de gpsto de todas a
tanoa dar sabida ;is mesoaas estSo resolios a vende-las por prefos 15o mdicos e
acoramoados ao iatereese de todoe que por certo agradara aos prelendentos.
Os proprtetarios desta loja coiwidam, por tanto, s excellentissimas familias,
aos mascatese todo-em geral, a visitaren sua supradiu nova loja ,e seofferecem
a dar as mostras a mandar as fazendas s-casas, prometiendo toda a co'mmodidade nos
precos e sieeridade no trato.
mam. ras:
HnMnM
STA VEN8END0 0 RESTO DE SA8 PECHINCHAS
HA RA DA IMPERATR1Z H. 72
LiASINHA a 160 rs. o covado
Ytnde-se 5 corase moin., e'o barato preco de 160,
OO e 400 rs. o coudo.
HiTAS LARGAS A 1C0.RS. O COVAD
Vende-e cbitas france aspara vestido de
easa, a 200, 40, 280,30 e 360 rs. o cj-
vado.
CASSASFRANCFZASA240RS OCOVADO
Veode-ie Catff francezas paravettidos
240, 80, 400 e 440 rs. o covado.
ALPACAS DE COhES A EOO RS. O COVADO
Vende-fe alpacas de .res para vestido
de seohoraa 5t O e 640 rs, o covado.
BRILHAXTINA BRAN'.A A 00 BS. O COVADO
Veue-sa Drttaantina brama 500 rs. o
covado
FUS'l'AO DE CORES A 3G0 R5. O COVADO
Veo.de 8 a fu 15o de coi es para vestidos
360 is. o ooMdn.
ALPACAS tRETAS A 5"0 RS.
Veu rs d.us do li.ijs ^siti'.aias bea, parf
nabar.
ALGODO DE LISTA A 160 RS. 0 COVADO
Veole-e algotf de lista pata rcupa
de craTc, i tit rs. o et-vad".
UH1.M I.OiNA A SCO R-i O METRO
Neaie-fe-biiro luna par.io para calcas de
queco tiabattia por ser muilo f^fle, 500
rs. o raairo ou 360 rs. o covado.
CHALES DE CASSA A 50 RS.
Vende-se chales de cassa branca 500 rs.
CORERTORESDE AL 10DAO A 104CO
Vende-se cobertores de algodSO 10400
para acabar*.
CHALES DE MERINO' ESTAMPADOS A 20
Vende-se chales de merino estampados
20000 e ?0OO para liquidarse
CNHTES DE GANGA ESCURAS A 800 RS.
Vende-se corles de ganga para calca de
hornero 800 rs., para liqoidar-se.
LENCOS RRANCOi A 0OCO
Vende-se lengos brancos 20000 duzia,
para acabar.
BRAMANTE DE LINHO A 20800 0 METRO
Vende-se bramante de linho com 10 pal-
mos de largura proprio para leles
20800 o metro. ,
COBERT^S DE CHITAS A 20500
Vende-se cobeitas de chitas 20500 cada
orna.
RESTO DE C0LAR1NH0S
Vende-se nm resto de cilannbos de papel
200 rs. dozia.
MADAPOLO A 30260 A PECA
Vende-se pec>s de madapolo enLstado
302OO, ditas inglezas com 24 jardas 50,
50500. 60, t05t>O. 70, 8, 95 e 100.
CORTES DE CASEM1RAS DE CORES A 5
"Vende-se artes de ca emiras da cores
80000,
ALGODO DE 20 JARDAS A 3800
Vende-se pecas de algou3o com 20 jar-
A SABER :
das 6 30800, 50,-60 o 70.
CORTES DE CASEMiRA PRETA A 30500
Vonde-sp cortas de casemira rrtta para
calca 3050. 40 eBJ paraHqutdar-se.
CORIES DE CMtRAIA A 2^500
Vndese cortes de cambraia de coree i
0500 para liquidar-se
Vende-se 2 registro e 1'andfero para
gaz, na ra da Imperauiz n. 72
GRANDE LIQIDAglQ
- DE ROUFA FE1TA -
Vende-so paliiotsde panno i reto faecca,
a 60, 80 e 100, dito- ae.casemira de cores
50 e 60, ditode albaca preta 430 e 40,
ditos de brim de cores 4 05 (, 90-
205)0, diios q utia casemira ?0 e 30,
cilios fraques de caseutiras de c. res 80 e
100, codeies de brm, de ies U e
1500, ditos de caseaira da cores 20000
2/5.0 e 3/50D, drio#pretode anuo, u
de eastmira preu, 30560 e i4. ditos de
merino para luto e bombazirja, 30 e 40,
calcas de caiemira decores, a 46 50,
60500 e 80, ditas de ditas prtta, para 60,
6500, 80 e ms\ d tas de triai (.rdiia-
rio,a 10, 10600, 20 t 205flO,;para acabar,
ditas para loto de alpaca de coca\ e prin-
cesa 30 e 30500, ditas zoes psra estra-
ves 510rs, ditas-de algooSode lula
800 rs, camisas do riscado paraurvico do
campo 800 is. e 10 O, para liquidar-s*.
oatras muitas ronpas feius qne te vendo
sem rtserva depr tas, tcm algumas difeus, o qie te,
vende mai* barato do qoe et annuciado.
GOLLINHAS JARV ACvBAR
Vende.-'e gollionas part senhorjs e mt-
n;nas 100 e 2f O M,
GOLINHAS E MANGUITOS PARA LltUlAR-S
A900RS.
Pra liq lidar-sa vende-se golinbas de
traspasso, muito boni as 5 500rs. cada urna.
N0V10ADE .
Roga-se a todos o* de ved res da nwssa
filli a de GuiuHi^s dt silva. eBomioadu
Jardim dsa Dam s, o "favrr de vir taldaz
suaa cootas ou dbitos mais breve pps&ive;,
o que assim nao fuer ser seu nonie declarado
por exten8o neste Diario, derijam-se a
roa da Impevatriz n. .7.
COMVM LER
Precisa-s* fallar cwn os seguinles Srs i
negocio que Ibe diz respeito a reus inters-
ses, na ruada lm erairiz n. 72.
Augusto Ferrira Marlips Ribeiro
Baltazar Marques de uliveira.
Jos Thomz do NascimentO/
Manoel da Costa Trav;ssoe
>ebastio Amonio de AILuqr.erqca, -
Adelino da, Silva Pinto.
Julo Isidoro dt Costa Jambozeiro Juoior.
Ignaio Francisco Gousea.
J jf Roberto do N*,-cimento.
Feliciano da Cautas C. de Albuqusrtuer*

dflosdeaapieg preto.
Ha na completo sorlimento deste artigo
que vendemos por precos baralissimo.
USriesMiylca Teams oa mais lindos grosdenaples de
cores de superior qualidade, que vendemos
por precos baratsimos, por termos feto
osn grande comp ra.
Poupelinas d cores.
Recebemos om sortimeato completo, tan-
to com llores como em xadrez, e vendemos
por menos fue outro qualquer.
tas de ca>nes.
O Cysire recebir os mais lindos setins
de cores, tanto maco como do outras qua*
didas, qoe vendemos por menos qoe outro
qaafqoer.
Afpaeas.
Ha nm bonito sorlimento, trnto lavradas
cono Hs e por precos commodos.
MJt cosa lisera de seda.
O tysoe receben )Sas com listras de seda
d Hados padrdes, e preco conrnwdo.
Dlas Usa de nata s cor a 400
N rs i corado.
Ditts com xadrez padrSs muilo modernos
qos- vendwaos por 500 m o covado,
pecbincba.
HadspaiSes.
I?M tem am completo sortimento
d% raadpol5e8 de todos' os preros e quali-
dades.
Ternas urna qualidade de madapolo fran- !*
csx que especialidade, lano no preco
como na qnalidda e.
carsalasa fttarladMa.
Tomos camisas bc.rdaoai do meftor gos-
to, proprias para casamento, que vendemos
muito barato.
Camisas franicezas e laaaiezas.
Temos camisas desde o pre^o mais ba-
rato at ao mais c ama qualidade qce vendemos a 3080TP,' e
parasqoal chamatoOs aattonefio doa-nossos
frtgusiss.
Camisas du flaneflt de1 cdr.
E5?!Lon,t C0IDPr *?***'* fla-
co>, qaa endemos por baratwsraos
,******* <*!?*) ospwcos; (ataos
mtamt*ft mufco-npei'ior com iialras
dme, ese woav* rwj.
TWas bardadas.
;j bordadas largas e i
o, entremeios., cordados,
sotes, qoe vende por me-
Casemira de cores
Temos om bonito sortiraento de casemi-
ras de cores e preas, qoe vendemos muito
barato, assim como um sorlimento de pan-
nos pretes.
Casimira de Vienna
Ha casimiras do Vienna com xadrec, gos-
tos bonitos e de superior qualidade.
T petes.
Temos lindos tapetes para guaroiclo de
sala, desde os maiores at os menores, e
oe precos s3o baratsimos.
Cu ruados
para cama e janellas.
, Temos o melhor sorlimento desta artigo,
tanto para cama como para janellae, os pro-
cos sao por menos que era ontra parte.
Tambem (emos cambraia para cortinados,
que vendemos por barato preco.
Fuste8 brancos.
Temos lindos fustoes brancos com listri*
nbas, proprios para roupaa de meninos o
mesma de seatioras.
Cortea brancos do cassa
Recebemos cortea brancos com listra bjsr-
dada, proprios para, bailes,, (azoada nova e
de Dom gosto, baratissimo.
Coias brancas -de edres.
Temos coisas brancas, grandes e peque-
nH, e tambem temos de coras se superior
qualidade e barato preom
f CHALES
O Cy.'na lera om bonito sortiraento de
chales de merm da cores e pretes, com
franjas de seda, e entre estas qualidades ha
as que vendemos por 20500, e qoe seu
preco foi de 40iOO.
Espartilhos.
Ha espartilhs de todos os traanhos e
das melhores qualidades.
Cambraras de cores.
Temos cambraias de cores proprias para
ronpas de meninos e de senhora do lindos
padrOes e ptima qualidade.
Meiaa para homens e senhoras
O Cysne lem comp'eto sorlimento de
meias, tanto para homens como para~ se
nhoras, meninos e meninas.
Fazendas para loto.
Tomos fazendas para loto, de todas as
qualidades, como sejam: alpaca, contao.
prinoza, merino, cambraias, laas pesias,
ai&ote.
Cambraias braceas.
Ha um completo sortimeato de organdys
com listra assetinada de lindos gostos e mo-
dernos.
DE
PERrtfvA, IR HOS
lisia Priaieiro de marco a, 15, asitroracua 4oO?eapo n, 15.
Ao respeitavel publico em geral e particularmente aos seos mamerosos amigos
participara Manoel Joaqoim Pereira o Manoel Jos da Gosta Pereira, cree acabara de
ftmdar nm rico* sumptuoso aimacem de losca, porceraaa, vrdros-e cbystaes i roa
saeiro de Mareo, oolr'ora roa do Crespo a. 15, sob a razio sookd Pereira
* ***** "tica o coabscimentojide que dispbem a aumnetassas neste ramo
de oasasiercava que, ha asuitos annos,.e dedicara, os tem habilitado a satisfazer as
naseasidadesan populacao desta provincia e esas limitropbes, offereeondo aos conso-
midores masases vantagens do qoe qualquer outro estabelecranento deste genero.
O respeitavel publico, dignabdose de visitar este novo estabaiaeimento cora-
msaotal, verificar por si sasamo o^oe oa anaouciantes vea 4e dizer. .

1MP0ETAITE LIQIDi^lOi
BAZAR DA



DE 6. RIEOER
Agua deolriSee duzia .
DE L. LE6RAND
Agua de flores de Orisa dozia

410000
200000
18000
I
m-fbTTQto (fferestea manhos.
flu** vapaS da {vt9 givalnisadas para telheiroa*
XlXItUUo americanos para ranea e ladajra.
m 0 ^C^W' vapore de oortir, masa
"niios ^ mo para UMOi e tUerr08
VeneziaimSp^j^,.
Balancas decaWflS e ony^
BDXOfre Mtra, eto, etc.!
stes artigoi acbam-se a venda
casa doe importadores
Suaw, Ha-wkes d C,
roa a*. rdz 4.
IfMl
Agua dentrifice Elixir dem
extractos ssiperiores
E. COUDIUY
Extracto de sndalo duzia .
Douqut dos Alpes ....
Diversos Unos dozia 40500 e..
DE B. BIEGEIl
Es&encia de rosas duzia. 2O0COO
Triple extraxto..... *W0QO
dem........ 2i000
dem........ H05OV
dem........ 210000
100
50500
Bua da Cabng n. 6
D
Aat(toio Francisco dos Santos & 0.
Este novo esubeieciaiento acaba de raasber um completo sormento daob-
jectos do gpsto e mteiramente oovos* a sabef;
Iba Imporatrz a 9$.
* uDoimr, mas por tana
f ficodeiamosdasfcter. Partemoa.faraDtif qaa.oaosaos
->i ? ae mn Poupelraas de sedaT con nado?.dase-
J&seea-da aada da. edres a fran.
Cortes de cambraia bordados
Grande sw timento o> Ifci e aj^cas par
Cortinados ricamente bordados pira ca-
^V w.pwfta__________
?mquaMaas ^qoepAf!
De om grande sorlimento de perfumaras finas, dos afamados fabricantes-d
Parts E. CoodrayEd. PinaudL. LegrandViolelGell FrereMoropelsDleu-
se-HadancoortCottance-e do moito acreditado G. Rieger de Francfort.
Recebido tudo directamente dos ransmos perfumistas, e vendd-so pelos admi-
raveis precos seguimos:
Paamadas finas de E. Coodray
Em lindos vasos de porcelana
sonidos dozia .... 2O0TOO
Dita milanesa '. 400000
Dita flor dftlarangeira. 80000
Dita transparente .... 90600
Dita schic-scbic..... 1O08< O
Dita de viagem..... 200000
Dita cosmetiques superfinos a
2500, 50000 e. *. 7500
Dita cold-cream para o rosto
dozia....... II0COO
DE G. RIEGER.
Dita moella de Ro. H0OOO
Dita geouina ..... 120 Ot)
DiUpbiloeoroe grandes. 140tOO
Dita dita pequeos. 90000
DitaDuqueza ....... 240000
Dita cbioeza para os bigodes. 60OOO
Dita cosmMiqoes dozia 70000,
H0OOO e .* 1400(0
. DE MOELPMS
Dita surfina duzia .... 90500
Dita de urso dem. fc 110000
Dita cosmetiqne fino 70000
DE BLESE-HADANCOURT
Dita da Eiposico dozia 24:000
Dita-especial do Razar da -
Moda....... 90000
DE COTTANCE
Dita mandarina em latas duzia 800
Dltrmenages dem. .
Dita universal dem' 1080o
DE VIOLET
Dio esld-cream para o rosto
duzia. ...... 110000
Oros superiores
DRE. CODHAY
Olea superfino dozia 50800,
40800-e...... 20800
Dito E. Coudray^duzia 50800 a 90501*
Dttoebilocome dem.. 90500
DE 6. RIEGER
Ojeo pbilocoae dozia 110COO
DE COnAlCE
Oleo philocoaw duzia '. 90000
Agnas para toilettes
DE E. COUBRAY
De coliBia op^rior dozia 50300
MWO, 130 00. 1505OJ,
WmOi 23^580at)Oe .
dem sonidos
Rouqoet do Reino ....
. DE MOilPELS
Das bonitas damas dozia. .
DE ED. PINADO
RooqoetJardim da Italia dozia
Ess.encia de violetas dem
JockeiClub dem ....
DE E, CODRAY
Cbineaes para os denles dazia .
w Dentrificios dem .
10200 De arr01 m. ricos vasos de por-
celana doorada dozia. .
Era pacotes dw> 40 a. .
DR'G.'Mfi0BR
Pos dentrificios superiores duzia
DE MOMPELS
Linda caijae cum pos de arroz
dutiaU0a.....
Wabooetrs
DE E. COUDRAY
Violetas do Bof qoe dozia .
DE G. RIEGER
Transparentes fiuos ducia-60500,
80500 e ......
' DI na NHAUD
Transparente fina dnai*. .
DE VIOLET
Flcrdfl arrea djmia^ ...
DE GELLEH FRERES
Em forma de roes.....
de caaiNCE
Bresiliennes duaia
200000
400000
180COO
23jjoqo
230CCO
100090
50000
80000
320500
70000
170000
201600
90000

110500
160000
70500
35C0
0fls
Crochets aira cadeiraa e sof.
Cwlsbas de ras a sads para eam
Casaqoiaaas de gorgorie prato.
Riges, enxovaes para baptiiados.
Cfiapetanas e chapeos para senhoras, oj
^bademeltaoc. .
Usaos da aba, camisas lisas a borda-
^daa aaqmnbai.
com nnalmasr ob
640000
AVISO
Vsnds-ie par atado em duzas e descoata-se 10 0/0 i qoem, comarar fii>iu
i vista quaatia aupetior 41OP0OCO.- *n
Jor de Souzfi Soareg C.
Risa No* m. (ko|e da
COTRUTQ
softimenlo de m ibados no Ur-
sa do. Carmo n. 33
^SQUWA OA aOA.CX SANTA TSEBEZA.
Acha-se wmpre prompto este noso>
804, aflWVeis f/O^BZPS COBUim SprtiflWOb
rcomiRQ;
darna ennjpB ^^fcftDMdor.grad?r4 e porc
y


8


ttri* m Fiibuw. fcetU "feirt r* ite Maw YABIEDAD

V
-*-*
A COMMUNA.
A tommuna, segando foi instituida pela
jaota revolucionaria do Hotel de Ville, tinlia
91 membros, mis o numero est hoje mu
diminuido. Blanqui eGambon esto prez>s
na provincia. Flourens e Duv*l morrcram
em combate. Ha aove vagatoras de (mim-
bras da communa eleitos por diflerentes
bairros, e parto de (riata deram a sua de-
misso. Algn- estilo ausentes em lervico
da causa. A iiiulaco da cmara dosMoMs
em Inglaterra, o membro da communa elei-
to por dous ou tres circuios, rota duas ou
tres vezes, como fazia lord Wellington cora
procaracea de pares ausentes, systema que,
segundo observa um jornal francez, concede-
ra ao Sr. Tbiers o direito de votar na as-
semnla de Versailles viole e seis vezes
Na communa actual de Pars ba commu-
cilas, federaes, girondinos, jacobinos, par-
tidarios do principio da autoridad?, e terro-
ristas. Socialistas sinceros poneos. Libe-
ral nenbum Albert le Ro, Robiaet, Tirard
e Meline, republicanos a toda a prova, n5o
acceitaram a eleico para membros da com-
muna. Mural, lligon e Tolaio, membros
da Internacional., nao quizeram reconhe^er
a insurreicia'do HJ de marco, e Ctaau ley
e L-nglois, os clous testamenteiros de Pr.ud
ram gostosamente revo'ta, j deram a sua
detnisso Loisdau-Pinson, Ranc, Ernesto Li-
vre e Ulysse Paran, apezar de serera ul-'
tra republicanos e jacobinos, por nao que-
rerem aecilar a responsabilidade dos des-
atinos ordenados pelos seus collegas.
Os membros activos da communa sao de
Huas especies, burguezes e operarios : os
piimeiroi quasi lodos jacobinos; o* segun-
do^ membros da Internacional de Genebra.
Ao& burguezes pertencem Delescluze, Flix
Pjat. e Frederico Cournet. Sao os que sup.
primm jornaes, mandam prender pad es,
e resuscitam a lei dos suspeitos e os tribu-
naes. revolucionarios. Depois segue-se Ver-
miel, mancebo de 30 annos, discpulo dos
jesutas deLyon, jornalista aggressivo e sus-
peito de ter sido comprado pelo governo <1o
imperio para sernear a sizanea entre os de-
mcratas e provocar os rigores officiaes.
Era amigo de Rouher.
Temos ainda Arthur Arnould, de 35 an-
cos, antigo empregado da municipalidade e
collaborador insignificante da Opinin Na-
onale e de oatras Toldas ; Jales Valles,
de 38 aDnos. timbem empregado da muni-
cipalidade. redactor do Fgaro sobre as or-
dens de Villemessant, um dos chefrs da
Bohemia tteraria de Paris e pouco affeigoa-
do a combates que nao sejam de penna.
Foi sempre s.uspeito de re?eber dinheiro da
polica imperial Pascal Oroosset, igualmente
empregado da municipalidade, moco de 30
aiiQus, natural da Crcega, einimigo de lo
caparte, amigo redactor do Fgaro e actual
ministro dos negocios estrangeires, pouco
amigo de batalhas; J. B Clement, redactor
do Cassette; Raoul Rigault, de 28 annos,
professor livra de ra alhema ticas, antigo re
dador da Marseljieza, hebenista, atheu, ho-
mem erudito e actual prefeito de polica;
o doutor em madi na, Goupil, anarcbisia;
o doutor Regrt, amigo veterinario em
Bjrdeos; o doolor Pariset, sonhador da re-
pblica universal, e actual ministro do com-
merco, e Gusta'o Tridon, de 30 anuos,
muito 'rico, discpulo de Blanqui, advogado
sem clientes e j< rnalista.
Protot, ministro da jostica, um advqg*
do muito moco o exaltado, mas al certo
ponto convencida de que a sua posico
filsa e inepta. B. Vaillant, autor do artigo
regicida contra os Orleans, estudou coat se-
riedade a medicina em Franca e em Alle-
manba, e pelo sau carcter fri e medita-
bundo chegou a rens Leo Meillet, rapaz eloquente^e exal-
tado. Eudbs, estadaole de pharmacia, de-
pois caixero de urna toja de camisas, e
discpulo fantico de Bfanqui; em 1870 foi
conJemnalo norte por caasa das desor-
den* di Videlte, protegido per Gambetta,
e solt> pelo governo de Trocha que Ibe deu
o commaudo de um batalbo di guarda
nacional. E' valente. Beslay, presidente
da communa, teta 70 amo, e foi repre-
sentante do povo em 1848, votando sempre
com a montanba. Depois do golpe de es-
tado de 2 de dezembro abrangeram n'o as
perseguidas desse- lempo. Na guerra Con-
tra os prusianos alacou sempre o governo
da defesa nacional em Paris. O filho de
Beslay pertence ao partido clerical e re-
dactor do jornal Le Franjis. Hales Miot
tem 6) annos. foi boticario na ra de Rivo-
li, membro da cmstituinte e proscripto pelo
imperio qae o prandeu diversas vezes. E'
pouco iotellgente, de carcter suspeitos) e
passa por honrado.
Lefrancais tr 35 annos, foi empregado
da companba Ttichier, instruido e hab'
orador. Foi sempre exaltado, e tanto que
os republicanos sinceros chegaram a sus-
petar da sua b >a f, a a supporem que
trabalbava por ordem da poltica imperial.
JulejvAfirl, inventor dos caraces sympatbi-
c s, funl*ado- de clubs de mulheres, e por
vezes encerrado na casa dos d,ud.s. Ter
55 iodo;. Oudet, hornera de 32 annos,
amigo de Delescluse. Babick, fldalgo pola-
co, doudo varrido, Bergeret, chafe'da ca
que no theatro Beaumtnchais, e redactor
de um insignificante peridico iheatral. Gus
lavo Floureos era sabio, rico e doudo. Com
este se encerra a lisia d > burguezes.
E' dos pieiros entre os operarios Luiz
Eugenio Varlin, actual ministro da fazenda,
ha de ter 32 annos e era encadernador. E'
um dos ebefes da Internacional. Passa
por activo a ntolligeote. Adolpho Alfonso
Ass, tem 30aan>s, roa hni>ta, desertor do
101 de liaba, e chefe das desordens de
Creusot por c:usa dasqnaos foi processado,
mas ab'orvido. Passa por ser o chefe da
Internacional era franca e foi o director do
movimento de 18 da marco. Maleo, era
depatidj do Sena. Luiz Joo Pindy, lera
31 anuos, era marceneiro, e foi quera orga-
nisou a secgo da Internacional em Brest.
Agostinli > Avral, macbinista, de idade de 30
annos, chefe de batalbo da guarda nacional
depois de 4 de setembro Alberi Toeizs,
operario gravador, e director geral dos cor-
reos, ter 32 annos e dos mais activos
agentes da Internacional. E' hornera de
com o pagamento dos qoas cntam^atisfa
zer os seus compromissos.
Um negociadle de Paris que iuigava po-
der pagar a 30 de agosto 10,000 franees a
um credor de Burdeos, com os 10,000
francos que lbe deviam ser pagos na mesma
data por um devedor de Paris, declralo
em estado de quebra conforme o cdigo
nacional do commercio, emquanto que os
regulamentos da communa permittem ao
mesmo negociante que continu livremenle
o seu commercio.

o wuriret Os adjacentes entre os seus mem-
bros por totacao secreta a maioria absolu-
ta. Se depois de duas vtacbes nsnhom
candidato tiver oblido maioria, preceder-se-
ha a nova votaejo entre os dous candidatos
O decreto da communa qu manda adop-
tar a bandeira vermelha e prescreve a tri-
color precedido de um prembulo oestes
termos :
... os cid?dios farSo desapparecer im-
mediatamente a bandeira tricolor, a qual
depois de ter sido a da revoluc3o e sua glo-
ria, fji depois mandada com todas as trai-
C5es e todas as vergonhas da monarchia, e
agora a bandeira dos assassinos de Ver-
sailles. >
%
A communa publicou a seguinte lei :
Art. !. Immedialamente depis de pu-
blicada a presente lei, as commisses mu
meipaes, os presidentes de commisses mu-
nicipaes, nao presidentes de coxmiss5es, os
annos, pintor de casas. Emilio Vctor Du-
val, o general mono em Chatillon, liaba 30
n
I
bon, fizeram oulrolanto. Dos qae adben- !,nnos e era operara de roa'Jic) de ferro.
FOLHETIM
O FILHO DO CALCETA
|l0fi
IMEFRE Z\CCONE
]>RIHG1R1 PART
(Gontinaaclo do n. 107.)
IX
No ramliiho de Bresf.
Nos das seguirdes, toda a ente fallava
do roub extraordinario feto nos arma-
zeas dos irmSoj Dubar de G.
Os peridicos jntraram a commentar o
caso de maneiras diflerentes, a constou que
toda a polica andava de atalaia, e qae nao
levaria muito lempo a desencantar os atre-
vidos ^re.
Erronlo averiguado que os mariolas se
tinta iotroduzidoAa casa do tio Robn,
temporariamente forado muitas parsdes bem grossas e bem
solidas, que aps ama tarefa, necesariamen-
te de bastantes das, tinham arraojado ci;
minho at aos sul)terreneos da casa onde
tencionavam fizer o roobo.
TuJo isto fra lavado a cabo com tama-
aba dextreza e tanta sagacidade, que nanea
deram axomioinia suspeita da visrnhanca.
O to ltoMl feic logo de Bondv mal se
divulgoa sHoticia do roabo. Foi aper-
Foi elle quem dirigi a (rece da sua classe
em 1870.
Tambera pertencem aos operarios Luiz
Gbalain, 20 annos, funlidor da cobre, ho^
mem intelligente e enrgico; Camillo Pedro
Langevm, de 28 annos de idade, torneiro
de cbrele um dos principaes agentes da
Internacional; Leo Tankel, 27 annos, ope-
rario de ourivesaria, allem) e nunca se
naluralisou franesz. da Internacional
Amouroax, de 28 annos, contra-mestre de
ihapelleiro, e orador de clubs; Dereure e
Verdure, ambos sapateiros e redactores da
Marselheza ; Dupont, 30 annos, operario
da fabrica de machinas, estava condemnado
por crime poltico a 2) annos de' priso e
foi sollo pelo governo da defeza nacional.
Foi quem resuscilou a lei dos suspeitos.
Ranvier, homem de 50 annos, antigo pintor
de esmaltes, foi obrigado a fallir sem culpa
sua, e desde ento fez-se agitador.
Ha mas 18ou 20membrosdesta c'asse,
quas todos operarios, mas inteiramente
desconhecidos.
J iam esquecendo Bllioray, homem j
de certa dade, que tocava sanfena as ras
e nos patees das casas em Paris e que ad-
quiri desta modo carto capital com que
vive hoje commodaraente. Tem seu talen-
to este msico aposentado, hoje membro da
communa.
O actual director das conlrlbuicoes indi-
cedas um tal Coaabault, mancebo de 33
annos, que trabalhava para os ourives do
Palais Royal antes de se comprometter nos
negocios da Internacional por causa dos
qiaes leve de refogiar-se em Inglaterra,
onde a assocaclo lbe deu lugar no conseibo
geral. E' homem activo, itelligente e mo-
derado. Outro individuo mui notavel e. o
redactor em chefe do Jornal official da
communa, C. Longuet Ter 30 annos e
tornou-se muito saliente, como estadnnte,
no. bairro latino, pjr causa das suas opi-
nioes exaltadas. Cnegou at a sor condem-
nado por artigos publicados nos jornaes.
Sao tambem influentes na situar ao o pin-
tor realista Gustavo Courbet, de quem ba
muitos annos andava roendo os figa los o
abotre da ambicao, nao da ambicio de go-
vernar mas de or,'anisar as bellas artes ; o
jornalista Rogeard, autor do folheto Les
l'ropos de Labienus, e amigo de Flix Pial;
o medico Regnard, celebre pelas suas ma-
nifestacoes de atheismo ; J clard que foi
adjunto do maire de Batignolles, e Landeck
operario em joas e membro da Internacio-
nal. Foi encarregado de insurreccionar
MarseUia, cooseu o faze-Io e esc*par-se
quando as tropas atacaram a prefeiiura.
Estes sao os horaens mais rtotayeis que
drigem os negocios da communa, que se
preparara para governar a Franca inlera e
instaurar depois a repblica universal, e
que por enguanto fazem guerra civil., man-
dam prender os cidados, e julga-los em
conselho de guerra, rltixam sajuear as ca-
sas, ordeoara que se fecbem as ..rejas, e
lie ieem o miirai) pensamenlo de pro-
gresso e de reforma pelo qual se possa dar
por bem empregado o sangue que se est
derramando e por desculpaveis as violen-
cias que todos padecer.

valor. Francisco Eugenio Graldin, de 401 maires e os adjuntos em exerccio e-eleitos
'Ara do conselho municipal cessaro nos
seus cargos provisoriamente e at a i'nstal-
laco dos amos conselhos mnnicipaes, as
franceses de maires, de adj unios e de pre-
sidentes das mesas eleilorajjs nos muuici
pos administrados por commissSis moni;i-
paes oa por maires e adjuntos que nao
pertencam ao conselho municipal serSo des-
empenbadas pelos membros dos ltimos
conselbos municpaes elit.s, segundo aor>
dem da inscrpeo no quadr*. SerSo can-
si Jerados como ltimos eonseio* munic-
paes eleitos os que foram eleitos no dia 25
de setembro do 1870 ou depois e que se
acham ainda em exercicio no momento da
publicaco da presente lei.
Art. 2.'' No prazo mais breve depois
de promulgada a presente lei, o governo
convocar os eleitores em todos os munici-
pios para proceder rnovago integra dos
conselhos munuipses.
Arl. 3. As eleices terio lugar por
votaco de lista para todo o municipio. To-
dava o municipio podar ser dividido em
secedes, das quaes cada urna eleger um
numero de conselbeiros proporcionado
cifra da populacho. Em nenoum caso po-
der fazer-se esse fraccionamento de modo
que urna seccao tenha que eleger menos de
doas conselbeiros. O fraccionamento far-
se-ba pelo conselho geral e por iniciativa,
quer do prefeito, quer de um membro do
conselho geral, ou por ultimo do conselho
geral do municipio interessado. Todos os
annos o conselho geral proceder por um
Irabalho em conjunto que comprehender
iodos os municipios do departamento re-
viso das secces e formar um qoadro que
ser permanente para as eleices munic-
paes que houverem de fazer-se no anna.
Em quanto nao se proceder reeleicjo dos
conselhos geraes, a diviso em secgoes ser
feita por accordo dos prefeitos..
Art. 4.* Sao eleitores todos os cida-
dSos francezes de 21 annos que estejam no
gozo de todos os seus di re tos civis e po-
lticos e que teoham pelo menos um aono
de residencia no municipio. Sao elgiveis
para o conselho municipal de urna povoaco
todos os eleitores de 25 annos que reunam
as coadicoe* previstas no paragrapbo ante-
rior, excepto os casos de incapacidade e de
incompatibilidade previstos pelas leis vigen-
tes e o art. 5 da presente lei.
Art.
Iheros municpaes
< 1. Os jaizes de paz titulares nos can-
icies em que exercara os seus cargos; 2.
Os membros removiveis dos tribonaes de
primeira instancia nos municipios do seu
districto.
* Art. 6." Dos tres dias segrales pu-
blicarlo da presente lei formar-se h3o em
todos os municipios as listas especiaes para
as eleices manicipaes. As reclamac.es
sero recebidas nos tres dias qae se segu
rem ao prazo anterior e julgadas nos tres
das successivos por urna conmisso com-
posta de tres conselheiros, segundo a ordem
da inscripcao do qoadro, salva a appellaco
para o juide paz e o recurso para o tri-
bunal de cassaco, que seguiro o seu cur-
so sem que possam demorar-se as opera-
C5es eleitoraes.
Art. 7. Em todos os municipios, qual-
quer que seja a sua populado, a votaco
nao durar seno um dia. Ser aberta e
fechada no domingo. O apuramento dos
votos far-se-ha immediatamente.
c Art. 8. Os conselhos municipios no-
meados permanecern em exercicio at a
promulgado da lei orgnica sobre as muni-
cipalidades. Todava a dnraco desses car-
gos nao poder exceder a tres annos. No
intervallo nao se proedeer a aovas eleices
seno quando o numero de conselheiros es-
tiver reduzdo a ama quarta parte.
.< Art. 9. O conselho municipal eleger
eme tiverem obtido mais siiffragios. No
emo de ifu4ldade desle ser noaeado o
mais velho. Os maires e os adjunclos as-
sim nomeados sero revogaveis por decreto.
Os maires demittdos nao seio reeleitos
tarante um anno. A nomeaco dos maires
e adjonctos ter lufar provisoriamente per
decreto do gobern as cidades de 20,000
almas e as capilaes de departamento e de
district >, qualquer que seja a sna popula-
Cao. Os maires sero nomeados de entre
o conselho municipal. Antes de proceder
nomeafo dos maires prover-se-bo as
vacaturas que Mistara no conselho muni-
cipal.
Art. 10. Os vate districlos da cidade
de Paris nomearo cada um qnatro conse-
lbeiros. Estes quatro conselbeiros sero
eleitos por votaco individual e raa:oria ab-
solota a razo de um conselheiro por
bairro.
Art. 11. O conseibo municipal de Pa-
ria ter como os ootros municipios qnatro
reunioes ordinarias, cuja duraco nao po-
der exceder dez dias, excepto a reunio
ordinaria em que se discuta o orcamento
ordinario, qoe poder durar seis semanas
Art. 12. No principio de cada reonio
ordinaria nomear o conselho por votaco
secreta e maioria o seu presidente, os seas
vce-presi lentes e os sens secretarios. Para
as reunioes extraordinarias que tenbam lu-
gar no inlervallo servir a mesa da ultima
reunio ordinaria.
Art. 13. O prefeito do Sena e o pre-
feito de polica teem entrada no conselho.
Sao ouvidos sempre que, o pecara.
Art. 14. O conselho municipal de Pa-
rs nao poder oceupar-se, sob pena dennl-
lidade das suas deliberares, seno de as-
sumplos de administrac commanal. No
caso de infraeco pronunciar-se-ha a nulli-
dade por decreto do ebefe do poder execu-
livo.
Art. 15. As incapacidades e as incom-
patibilidades eslabelecidas pelo art. 22 da
lei de 22 de jonbo de 1833 sobre os con-
selhos geraes sao applicaveis aos conselbei-
ros manicipaes de Paris, independentemen-
te das que se acbam estabeleerdas pela lei
vigente sobre a organisaco municipal.
t Ait. 16. Haver um maire e tres ad-
jonctos em cada um dos v.nte districtos de
Paris. Aquellos sao tleitos pelo chefe do
poder execativo da repblica. Os maires
de districtos nao tero ontras attribuices
seno as que expressamente Ihes sejam con-
feridas por leis especiaes.
< Art. 17. Ha incompatibilidade entre o
cargo de maire ou de adjunto da districto
com o de conselheiro municipal da cidade
de Paris.
t Art. 18. Provisoriamente e ero quant
a assembla nacional nao tiver estatuido so-
bre estas materias, contiouaro observan lo-
se as leis vigentes na actualidade sobre a
organisaco a as attribuices mumeipaes
oaquellas das sais disposiges que iwo sa-
jara contraras presente lei.
Art. 19. Os cargos de maire, de ad-
juntos e de conselheiros municpaes sao es-
senciahnente gratuitos.
Art. 20. Os decretos de 27 de dezem-
bro de 1860 e 16 de Janeiro de 1867 con-
tinuam vigentes para a Argelia.
o flm
5. Nao podem ser eleitos conse

A communa publicou um decreto fixando
urna demora de tres aanos, a comegar da
15 de julho prximo, para o pagamento das
dividas de qualquer naiureza e que tenbam
prazo estabelecido Os subscriptores oa
endossant-s dos bilhetes, residentes em Pa-
ris, podem ter credores nao s fra da ca-
pital, mas tambem fra do paiz ; podem ter
devedores fra de Paris e ses podem
igualmente, cobrar na capital os dbitos,
guntas, interrogaram-o a respeito das des-
confiabas que teria, e elle respondeu sem-
pre oegativameate, sem lhe poderem ar-
rancar ama nica palavra acerca do succe-
dido.
Abalou-se muito quando lhe narraram o
crime. s vezes at entrava a fazer-se
mulo branco a todo a tremelicar ; mas
afinal de contas nao dea justga nenhuns
pormenores oa informaces qae prestas-
sem.
Por eotre a circumstaaciada relago do
caso, era de notar-se o subitneo desap-
pareemento 9a Rayraundo. Nanea mais o
viram.
A quem isto deu primeiro que pensar,
foi a Leo ; nao lbe pareceu natural a
desapparigo ; quiz dar-lbe cortos motivos,
teotou justifica-la ; mas s conseguio aira
paibar-se mais.
- O medico onde eslaria ? Que feto sera
delle ? Tambem fazia scismar o nao ter
elle prevenido ninguem daquella extraor-
dinaria ausencia.
O roobo commetiido oa casa Dubar & G.
dera lhe dos seus crditos delle um safano
menos mi. Noventa con tos de res
quantia muito consideravel. Era quasi
ama fluencia, porqoe Lelo sabia perfeila-
mento como corriam os negocios dos ir-
raaos Dubar, e nao adivinbava como pode-
rtm wpporlar tamanho rombo.
Neste Unce qoe Leo se revelou mais
temoso qae nunca. Foi digno dos maiores
encomios, pelo zelo e actividade com que
aodoa. Mais dias paseados, onvenceu-se
de qae eram moteii as saas dilgentas;
quanto mais se embrenbava na meada,
mais se embrenbavam e embaragavam os
fios mais se encontravam e contradiziam as
informages colbidas. Esta immensidade de
obstculos qae lhe tomavam o passo, ainda
augm^ntaram nelle a teimosia, e chegou at
a promelter que s dara fira as pesquizas
quando encootrasse os criminosos.
Era caso, para muita paciencia e para
muita forga de vontade ; mas Leo em
dando a sua palavra bavia de compri-la.
Urna tarde apparecerara doas sajeitos
na estaco das diligencias *qe ha na roa
de Joio Jacques Rousseau, e caa qual to-
mn bilhete para o trem qae fazia a car-
reir de Bresl.
Beauregard era um desss viajantes ; o
outro foi indicado com o nome da Renar-
dio, na relago que se entregava ao con-
ductor. *
Muitos dos nossos leitares ainda se bao
de -embrar das velhas diligencias, qae foram
enterradas pelos caminhos de (erro, e que
ao tempo de morrerem nao gastavam me
nos de quarenta e oito horas de Paris a
Brest.
O trem qae afldava no caminho de Brest
era dividido ao majo ; de um lado, ca-
biam tres pessoas, quando maito, e do
oatro ia s o correio com i correipooeo-
cia; era alta a almofada donde oboleeiro
guiava os cinco sendeiros, por meio de
um mlbo de rede, que nunfa las
mos.
A diligencia parta der Pars por volts das
seis horas, e ebegava a Brest dilli a dos
das, quasi i mesma hora.
Vejamos agora o decreto da commona
qae lenta por um dique s arbitrariedades
que os seas adeptos esto commettendo em
Paris: x
Art. 1. Toda a priso ser notificada
immediatameote ao delegado de justga da
commona, o qual interrogar oa far inter-
rogar o individuo preso e far registrar o
seu-nome nos livros respectivos se julgar
que de va raanter-se a priso.
t Art. 2. Toda a priso que nao fr no-
tificada ao delegado da justga no prazo de
ik horas ser considerad .como arbitraria
eperseguidos os qae a levarem a effeito.
Art. 3. Nao podero fazer-se pesqo-
zas Oera visitas domiciliarias sem ordem da
autorilade compatente os seas delegados
immediatos, prvidos de mandados legaes
expedidos em nome dos poderes constitu
dos pela communa.
IMPORTANTE EXPLORACAO.No dia
Io de maio correnle devia partir de New-
York para a babia Comana (oa Venezuela),
a barca Nellie Gays, sob os auspicios da
compaahia Submarina, levando algons mer-
gulbadores, a fira de explorarem o casco
do aotigo navio de guerra hespanbol S.
Pedro de Alcntara, a bordo do qual bou-
ve urna tremenda exploso no anno de 1815,
na supradtta baha onde desde ento se
acha afundada.
A historia da per la deste navio, das
mais horriveis.
Em meados de (evereiro de 1815, sabio
de Cdiz urna exnedigao rivalisando quasi
com os seus noventa e nove navios, famo-
sa armada bespanhola, que ha mais de
Quasi a noate fechada, qae Beaure-
gard se mellen no trem, nao podendo por
consegoinle miadar a seu gosto o reparo
que fizera no companheiro de vagem.
Era homem j de certa idade, cincoenta
annos pelo menos peqenino, rolico, em-
brulbado n'uma (arta capa, e com a cara
meia sumida entre as pontas de um col-
larinbo ramenso, e a immensidade da
manta.
Os doas viajantes comprimentaram-se
dentro da diligencia, e cada qual arromou
se para om canto.
Vai para muito looge, mea charo ie-
nhor *l pergantoa Beauregard ao compa-
nheiro.
Vqu a Brest, reipondea o outro.
Tal qual como eu.
Iremos juntos todo o caminho.
Quarenta e oito horas sem parar I
Por isso mesmo, se me d Ucenca,
vou ver se adormego um pedacinho.
Boa noute, meu charo senbor.
At amanba.
Depois q> cortezia, accommodaram-se
melhor, e dalii a urna hora j o velhote
roncava admiravelmeote.
Beaaregard qae nao dorma, pensiva
em Brest.
A cousa era importante; largoa todo
para ir s gales. Tinham-lhe dito na ves-
pera qae RapoieHeotava fogir, e antee do
.infeliz calceta levar a cabo to difficil tare-
fa, precisara o corsario de lbe fallar, para
dar solacio a muitas cousas principiadas.
Eotre Beauregard e Rapbael, haviam so-
gredos passtdos e communs, e iKtqoelU
300 annos, sabio do Tejo com
destruir u escuadras ioglezas.
. A expedigo toba porflra o sobjngir
as nasceotes repblicas da America do Sal,
3ae ento se tinha revollado contra i soa
ominadora, a Hespanha. '
A expedigo consista do navio almirante
S. Pedro de Alcntara, ae 74 pifas, 3 fra-
gatas, 30 navios mais pequeos tambem
com p- ras montadas de calibre 18 a 32; e
65 transportes com 18:00 soldados.
O navio almirante tinha a bordo cofres
que contiuham 3.000:000 de dollars era
dobtes hespanhes, e todos os navios che-
garam felizmente baha deCnraana.
Parte dos soldados desembarcaran!, e al-
guns encontros infructferos tieram lugar
com os insurgentes, que se tinham intrin-
ebeirado ao p da cidade de Cumaaa, que
ento tinba 30:000 habitantes.
Os leaos bespanhes e a uobreza, vendo
qoe o rei de Hespanha, se ternava cada dia
mais impopular, decidiram transportar es-
sas familias e riquezas para bordo do S, Pe-
dro, cujo comman lante Ibes offerecea toda
a bospitalidade.
O transporte das alfaias de oiro e prata.
etc., para bordo do navio gastou quasi 15
dias, depois. de lerem soffrido urna serie de
grandes revezes da parte dos insurgentes,
os hespanhes resolveram saquear a magni-
fica cathedral da Conceigo, bem como to-
das as oulras grejas de Cumana ; e depois
de traosportarem lodo o saque para bordo
do navio almirante, abandnaram a empre-
za. Assim foi feto, e no dia seguinte todos
os navios deviam partir, reconduzndo as
tropas .os hespanhes que se tinham con-
servado fiis para Hespanha.
Na vespera da partida manifesteu se fogo
a bordo do SfPedro (no spiriUroom) e as
chammas qoasi immediatamente se vr sabir pf las portinbolas das pecas de popa a
proa.
O fogo depressa alcancou o coavez, e
tornou impossivel teda a tentativa de se re-
fugiarem aos botes, e como as pecas esta-
vam cerregadas, nenham dos oatros navios
se atreven a aproximarse. As chammas
tambem prestes alrangavara os paies.
Instantneamente bouve urna terrivel ex-
ploso ; o navio afundou-se em 60 ps de
agua, e 800 pesfoas que estavam a bordo
pereceram afogadas.
Des'le ento tem-se feto diversas expe-
diges, a flm de se recuperar o dinheiro e
valores que havia a bordo.
Em 1645 urna companhia franceza ten-
t u debalde recuperar aquello tbesouro
mas em 1850 o capito Coutluvay navegou
de Boston at ao naufragio, e depois de
alguna mezes.de trabalho consegaio retirar
70:000 dollars em dinheiro e alfaias, indura-
do orna cruz de brilhantes do valor de
10:000 dollars.
Em 1857, a tripolaco do brigoa Mo-
nagos de Boston, depois de dois annos de
trabalhos, consegaio retirar 40:000 dol-
lars.
Em 1867, o capito Scandella, qae tinha
estado oceupado em levantar algons dos na-
vios naufragados durante o grande furacao
em S. Tbomaz, foi at babia de Cumana
na escuna Mary Gaye, e quando chegou
all disseram lhe que ama dwaga de nau-
fragios, pertencente a ilha da Trindade, ti-
nha trabalbado no casco do S. Pedro, e ti-
nba encontrado urna corda de ouro ornada
de pedras preciosas, qae tinha pertencido
amigamente imagem da virgem, na cathe-
dral da Conceigo, e qae era avahada em
12:000 dollars.
Algunsmergulhadoresteem tambem adia-
do no casco do S. Pedro grande quantidade
de ossos humanos e bastantes joas. Um
grande pedago de coral, em que estavam
encamados alguns dollars hespanhes tam-
bem foi encontrado.
A expedigo que vai sahirnol0 de maio
levar a bordo os melhores apparelhos e
ser dirigida pelos mais experimentados
mergulba dores.
A quantidade de ouro em espide, alfaias,
jolas e pedras preciosas que ainda, existem
a bordo do casco do S. Pedro, diz-se ser
fabulosa, e quasi todos os cofres que conti
nham o numerario hespanhl, que existiam
a bordo do dito navio julga-se que estaro
intactos, visto serem todos de ferro,
as bata!has dos coramonistaa deviam ser
comparadas ao combate dos prophes ka
milhares de annos; qae era o combate de
Quisto e es teas discpulos. >
t Disse mais qoe o partido de Tbiers
representara oa propietarios ritan, o
systema de pbagem, e que os republicanos
vermelbos eram representantes da joatica e
diretos dos bomens.
. c No fimdestes e anlogos discursos,
annunciavam que se ia proceder a orna
snbscripco para occorrer s despezas do se-
guinte meeting: mas a esta oova mais de
melada do ajuntamento eclypsou-se.
DUZENTOS MILHOES DE SOBERANOS.
Um jornal inglez, The Manckeiter Guar-
dian, faz algons cariosos ealeolos com re-
relagao a libras steriinas, acerca da indem-
nisaco de guerra qae a Franca tem a pa-
gar Allemanha. Essa indemnisaelo, como
sabido, a enorme somma de 5,000 mi-
Ihes de francos oa 200 milhes de libras-
Diz o referido jornal:
< Nao se pode formar ama idea exacto do>
que sao realmente 200 milcoes de sobara-
nos sem praticamente apreciar rao enorme
somma.
< Duzeotcs milhes de soberanos pesam
l,59 toneladas. Para acarretar esta som-
ma seriam precisos 3,138 carros de meia
tonelada, levando cada om 03,735 sobera-
nos. Daodo-se om espago de 6 ps de
carro a carro, a distancia entre as eabecaa
dos cavallos se ia de 20 ps, isto aquella
somma assim acarretada oceuparia urna
extenso superior a 12 milbas.
c Se collocassemos aquella -soflama- em
wagons de caminho de ferro, serian- pre-
cisos 4 comboyos de 40 carraagen cada
um.
c Se fosse possivel collocar os sobera-
nos uns sobre os outros, formaramos ama
columna de ouro de'urna altara supe-rlor
a 197 milbas; oa, por oatra, se se collo-
casse em Manchester a base da columna o
esta cahisse, alguns soberanos podam cabir
as ras de Bristol e visinhangas de Batb.
< Se estendessemos em linba estas moe-
das pelo cbo, encostadas urnas s outras,
formaramos um cinto quasi de 2,754 mi-
lbas de extenso, oa igual s costa de In-
glaterra, Gllese Irlanda, t
c Se collocassemos as rooedas no chao
junto amas das ouiras, abrangeriam espago
sofficiente para por sobre altas poderem
manobrar mbares de soldados.
* Para con ter esta somma seria preciso
um salo de 10 ps de altura, 10 de lar-
gara e 63 ps de comprimeate.
t Um individuo que quizesse contar esta
somma, empregando para ansa fim 6 horas
em cada om dos 311 dial de trabalho do
aono, e contando 100 soberanos por mna-
lo, teria de trabalhar l7aaatos, 14 sema-
nas, 4 dias, 3,horas e 20 minato?.
PRINCIPE JAPONEZ. Chegou ultima-
mente aeriim o principe japones chama-
do M tz-no-Mja, tio do micado do Japo,
acompanhado de um ageste plenipotencia-
rio do governo japonez, por nome Sae-
jima, que ficar naquella capital na quali-
dade de encarregado de negoeios, repre-
sentando a sua nago.
O prncipe tenciona demorar-se algons
annos em Berlim para aprender o allemo,
e estudar com attenglo as sciencias mili-
tares e polticas- da Prussia'. Um outro
seu irmo est j ha um anno em Londres
coma mesmo fim.
LONDRESO Timesdescreve o meetog
que bouve em 9 de abril de manba, em
Londres, nos seguinles termos:
< A reunio consista pela maior parte de
rapazes nnos, artfices das mais baixas
classes, e trabajadores irlandezes.
Os oradores, quasi todos rapazes muito
novos, entre outros descocos expenderam
as segaintes ideas :
< Os parisienses combatem para qae o
nasci ment nao d mais o direito s rae-
Ihore porges da trra, para qae os artfi-
ces gosem-os Tractos do sea trabalho ; qae
os qae fabricara os pannosno continaem
a andar ns como at agora; que os que
construem palacios nao sejam obrigados a
morar em cubculos ou aguafurtada...
Outro disse: Qae as classes mais ri
cas viviam costa do suor dos pobres. Qae
occasio andava arriscado o futuro de om
e de oatro.
A fgida de Rapbael poda malograr-te
e Beaaregard oo quiz deixar ao acaso a
realisago de ama conferencia em qae elle
se empenhava tanto coo, o proprio cal-
ceta I
Preso a estas reflexes, nao pode pregar
olho em toda a noate, e s de madrugada
qae passoa pelo somno.
Quando acordoa era j dia claro, a o seu
companheiro espreitava pelas vidragas as
verdejantes paysagens qae lhe iam passan-
do diante dos albos, attenoadas pittoresca-
mente pelos primeiros raios do'sol.
Ah I ab 1 pelos modos adormec I
disse Beauregard ; que horas sao ?
Oito horas, redarguio o outro, depois
de ver no relogio.
Em que ogarejo vamos ?...
Palavra qae.nlo sei... agora que
estava reparando mais...
Ser a primeira vez que vai a
Brest ?!...
E' pura verdade, meu charo se-
nbor. viajo muito, sim, mas nunca vim
para estas bandas.. Tenho andado mais
pelo sal.
Ji foi a Marselha ?
J. E a Toulon tambem. .
Pois olbe, posso afliangar-lhe que ha
de gostar desta passeiata. Brest o
nosso primeiro por de guerra, e todos
os estrangeires o admiram.
Assim dizem. Infelizmente, pouco
me poderei por c demorar.
Isso mi.
EMIGRACO DE PARIS. A emigraco
em Pas toma proporcea considerareis;
no boolevard S. Migael, d'antes lo anima-
do, apenas se veem algamas pessoas os
cafs sao pouco concorridos e a maior par-
le das lojas e&to fechadas. O mesmo scc-
cede no boaevard Montparaasse.
Os conventos foram todos abandonados,
achando-se es religiosos e religiosas dis-
persos por diversas partes. Mirtos aasen-
taram-se de Paris e ootros esto escandidos
em casa dos amigos.
Em diversas igrejas suspendeo-se a cele-
brago das funegoes religiosas. Os eccle-
siasticos nao se atrevem a pregar em par-
te alguma.
Os lycos e colegios despediram os seos
alumnos, e a maior parte dos institutos
lvres fizoram o mesmo, de modo qae o
esino secundario ficou completamente
sapprimido em Pars.
EMBAIXADA CHINEZA. Os embaixa-
dores do celeste imperio mandados pelo
sen governo a Parts com o fim de explica-
ren! e attennarem os excessos commettidos
em Irin Sin foram recebidos no dia 10 do
correte em audiencia pelo ministro dos
negocios estrangeiros da repblica, em
Versalbes.
Os embajadores em vo tinham pedido
essa audiencia desde o mez de fevereiro.
em que tinham chegado a Bordaos..
A ceremonia da sua recepgo foi o mais
simples possivel e em nada parecida com
a solemnidade que d'antes costamava tazar-
se em iguaes circunstancias.
nao
Mesmo assim, ba um sitio onde
deixarei de ir.
Qaal T .
As gales,
Ah t ab I O senhor gosta dessas
cousas ? redarguio Beaaregard.
Se gosto Acho todo por all muito
carioso. O senbor j vio as gales de Brest ?
Eu I
Dizem qae sao famosas I
Creio que sim.
Confesso, talvez no qae levarei
mais tempo.
Beauregard cabeceoo approbativamenle.
O velhote tinha deseorolado do peacoco
a grande manta, e agora podia o conario
examina-lo bem a vontade.
Come ji disemos, Renardjm tinha cm
coenta anuos ; mas o vigor dfi constitualo,
a vivacidad nos gestos, o ornar espanto-
samente irrequieto, todo revetava um eote
excepcional e activo, urna intelHgeacia ae-
pedal, auxiliada por msculos da Mnrtx
Beauregard espantou-se qoapdo i
nisto pelo miado. Era excellente
vador, e nio gostava de
homem quem sera ?
dava ares de martimo,
nem de militar, nem de rc
balde ae matara proc
a que perteisfia o
(Contifmttrke-ha).
' .
TTP- DO DlAftlO-AUA DO DtJttOK-D CI1U


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EDXMAINGZ_Y04TNA INGEST_TIME 2013-09-13T22:14:41Z PACKAGE AA00011611_12384
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES