Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:12336


This item is only available as the following downloads:


Full Text
If'
>
AMO XLVII. NUMERO 60
----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------1-----------------------------------------------------------------------------
PARA A CAPITAL E LUGABES OIDE IAO SE PACA PORTE.
I'or tres mezes achantados.................
Por seis ditos dem...................
Por um armo idera.....................
Cada mamero avnlso...................
6,5000
,5000
24000
820
PA1A DEIT10 E TORA DA P107DCIA.
Pur tres mezes adianttdos ,............
Por aeia ditos idem.................
Por Dove ditos idem................
Por am anno idem...............
#7t
13J600
wmo
*7#0C0
Propredade de Manoel Figneirfa de Faria & Klhos.
AO ABMTk|: "
BAMBUCO.
Os Srs. fierardo Antonio Arree t fino, do Para ; Goncalvs 4 Pinto, no Majanillo ; Joaqun Jos de Ouveira, no Cear ; Antonio 4e Lemos Braga, no Aiaeaty ; Joto Mara Julio Chavea, uo Asan ; Autonio Marques da Sita, no Natal: Jos -insta.
Pereira d'Armeida, em Mamangoapt; Antonio AJettmdrtao de Urna, na Parahyba; Antonio Jos Gomes, na Va da Penfaa; Belarmino dos Santos Bolcio, em Santo Antlo; Domingos Jos da Costa Braga,
> em Nazaretn ; Antonio Ferreira de Aguiar, em Goyanna ; Francino Tavares da CosU, em Alagoas; Dr. Jos Martins Alves, na Babia; e Jos Ribeiro Gasparinho no Rio de Janeiro.
/
DIARIO DE PERNftWBUC
REGIFE, 14 DE MARCO DD 1871.
Noticias da Europa.
Aniauhecea honlem no lamario o vapor francez
Girond, trazendu dalas de Londres e Madrid 26,
e de Lisboa 98 de fevereiro.
Kis o que colhemos dos jornaes e cartas rece-
!> id as:
FBANCA
Par- logo depois da capitulaco foi rpidamen-
te provida dos necessarios mantimentos para a
sita guarnieio; a cidade maniem-se tranquilla.
Iteuoida a assecnbla nacional em Brdeos, e
depois de verificados os diplomas dos represen-
i. ntes da Franca, o tenda-se addiado a verificado
ii diplomas de representante conferidos aos prin-
cipos da casa d* Orleans, abrio-se a assembla no
da 13 estando presentes 300 daputados; adop-
tando-se t consliluicao da assembla consttuinte
de 1819. O presidente leu urna carta de Ganbal-
ui em que renuncia o seu mandato de represen-
tante, que lhe fui conferido por rauitos departa-
mentos.
Julio Favre depoz as mos da assembla na-
cional os poderes dj governo provisorio de defea
nacional. O mmi.-terio porm continuarla a func
cionar at se constitnir novo governo.
Julio Favre pedio permissao para voltar Paris
para negociar o prolongamiento do armisticio. O
shii discurso fji vivamente applaudido.
tjuando o presidente ia levantar a sessao pedio
i ..inbaldi a palavra. mas foi tal o molim e agita-
rlo que houve na assembla que o presidente le-
vantou a sessao
Garibald pello tambem a sna demlsslo de com-
niandante do exercito dos Voges. Foi acceita,
agradecendo-lhe os seus servicos Franca e re-
publica.
O armisticio foi prolngalo por raais ama se-
mana, tendo por condico a capituladlo de belffort,
cooeedendo-se porm a sua guarnicao, em nume-
ro de dote mil horneas, sabir com as honras da
guerra. O armisticio terminara em 16 de feve-
reiro, meia noute e comprehende agora a parte
sudoeste da Franca.
A assembla nacional elfgeu o Sr. Grevy pre-
sidente per 519 votos conlra 19, na sesslo do
dia 16
Nesse mesmo dia foi apresentado por grande
numero de representantes para ser nomeado pre-
sidente do poder execulivo o Sr. Thiers.
No dia seguinte foi publicado o seguinle de-
creto :
A assembla nacional, depositara da autori-
dada sobewms<, tcnsidcraaie a urgencia ite; pre-
ver immediatamente s necessidades de governo
e ao proseguimenlo dis negociabas emquanto
uo delibera a re.peiio das losiituicSes da Praeca
Decreta :
O Sr. Thiers nomeado chefe do poder exe-
rutico da repblica francesa, e exercer as suas
funecoes sob a autondade da assembla nacional
com a cooperaco dos ministroj que desigBar e
aos quaes presidir.
O Sr. Tbiers acceitou o penoso encargo, lendo
na assembl-a o seguinte discurso :
< Senhores depuiados : primeiro que lado, te-
nho que agradecer-vos nao o petado encargo
que me confiaste*, mas o testemunho de confiauca
qoe me dest-s. Anda qne me assusle a jareta
ardua, perigosa o trste que se me impSe, s te-
nho um dse jo, o da obediencia immediata e abso-
luta vonlade do paiz, que deve ser to bem ser-
vido e amado quanto desgracado actualmente.
t Sim I E desgracio como nunca o fui_em po-
ca alguma da sua historia, to variada, to cheia
de peripecias e to gloriosa, na qual visto pre-
cipitar-se rauitas vezes no abysmo do infortunio,
para se elevar repentinamente -ao cumulo do po-
der e da gloria ( muito bem, rauito bem ), con-
tnbuindo para quanto se tem feito de grande, de
bello e de til ao mundo. ( Prolongados applau-
sos.)
c O nosso paiz est desgracado, mas permanece
FOLHETIM
0 MARTYRIO DE UMA Mil
anda ao nivel do maiores e maii poderosos da
trra, sempre firme, valoroso, de inexgotaveis
recursos e heroico sobrehilo.
c E se nao, dlga-o a resistencia de Pars ver-
dadero monumento da constancia e da energa
humana.
a Cou dando as poderosas faculdades da nossa
querida patria, entrego-rae sem vacillar e sera
discorrer vontade nacional, que vi represen-
tantes, e aqu me tendes vossa disposico, as
vossas ordens, para assim dizel-o, prompto obe-
diencia, com urna s condico de resistir-se, im-
pellidos por am sentimento generoso, mas irre-
flectido, me exigirdes o qoe a experiencia e a sa-
gacidade poltica condemnam, como ea condem-
nava ba oito mezes as imprudencias que nos ar-
rastaram a urna guerra desastrosa (sensaco).
< Attendendo unidade de acclo, deixastes-me
eleger os meus collegas do governo, e eu procu-
rei aquellos que, sem oatro motivo de pre'eren-
ca, estavam bem concetuados no publica pelo
seu carcter e capacidade.
< Nao os fui buscar a nenbum dos partidos
qne nos dividem, seno a toda; as fraccSes, as-
sim como o paiz envloa aqu representantes de
diversos matizes, apparentemeote oppostos, mas
unid s pelo patriotismo, pelo talento e pela recu-
di das suas intenedes. (Vivas demonstrares
de approvaco). Sem .duvida alguma vos con-
vencereis de que digo a verdade quando couhe-
cerdes a lista das pessoas que forreara o go-
verno.
c Falta anda o ministro da fazenda. O pensa-
ment do governo est formado; mas a pessoa
respeitavel que ba de enearregar-se desta pasta
nlo est anda em Brdeos, e julgo nao dever de-
clarar-lbe o nome.
t Notaos, sem duvida, que ea me nlo encarre-
gue de algum ministerio.
Conservo a presidencia exclusivamente, para
me ficar mais lempo disponivel e para velar assim
raas asslduamente pelos interesses o necessidades
da Franca.
Sem fazer boje programma de governo, a res-
peito do qual se procede sempre de um modo va-
go, posso dar-vos algumas indicacoes relitivas s
insplracoes e pensamento do ministerio.
N'uma sociedad* prospera, regularmente
constituida, que se presta tranquilamente ao pro-
gresso des espiritos, cada partido representa um
systema poltico e reunil-os todos debaixo da
mesma administrado seria occasionar conflietos.
a Mas a nossa situacao presente e a nossa
Franca actual ser essa sociedade regularmente
constituida, que cede doce e reposadamente s
exigencias do progresso I
< A Franca, precipitada n'uma guerra sem
motivo serio, em prenaraclo sufluiente, vio n
vadica nitade do sea territorio, destruido o sea
exercito, emmaranbada a sua antixa e poderosa
unidade, destruida a sua fazenda, os seus filaos
arrancados do trabalho para morrer nos campos
de batalha, a ordera profundamente perturbada
por sbita apparicao de anirchia, e, depois da
capitulacao forcadade Pars, suspensa ou apra-
zadi a guerra por alguus das smenle, e dispos
ta a renascer se am governo sympatbico Euro-
pa acceitando valorosamente o poder e tomando
sob sua respoosabilidade as consequencias da ne-
goeiacdes doloresas, nao consegue por termo a
lantas e to espantosas calamidades.
c Em preseooa d'eslas circumstancias, ba ou
pode haver duas polticas T Ao contraro, ninguem
admitte mais do que ama so, forcosa, necesaria e
urgente : por termo immediato aos mal s que nos
alfiigem.
< Poderla alguera dizer que nlo preciso quanto
antes fazer cessar a ocenpacao estrangeira por
meio d'uma paz valorosamente discutida, e que
nao ser acceita se nlo tor honrosa; expurgar
os nossos campos dos inmigos que os talbam e de-
vastara ; chamar das fortalezas estraogeiras os
nossos soldados, os nossos offlcaes, os nossos ge-
neraos prisioneiros ; reconstituir com elles nm ex-
ercito disciplinado e tlente; restabelecer a or
dem perturbada ; substituir depois os administra
dores demitlidos ou indignos; reformar por eleicao
os nossos conselhos geraes e municipaes dissol- Bordeo, pessoa que havia convidado para a
vidos; reconstituir desta f >rma a nossa adminis- pasta da faienda, julgava alo dever declarar o sea
tracio desorganisada ; faz?r cessar as despezas Borne. Mf. Thiers nao se enearregou de pasta al-
ruinosas ; levantar, senlo a nossa fazenda, o qne guia em especial, mas nicamente da presidencia
nlo poderia ser obra d'um dia, ao menos o nosso do governo.
crdito, meio nica de Luer tac, aaa compromi-
sos obngalivos ; devolver aos campos e s offici-
as os nossos movis e mobilisados, tornar a abrir
os ca miao interceptad >s, levantar as pontea des-
truidas, faaer com que renasca o trabalbo suspendo
por toda a parle, porque s o trabalho pode foroe-
cer meios de subsistencia aos nossos operarios e
aos nossos aldeoes ?
S le alfuem dizer-nos que ha ce usa mais ar-
gente de qae isto? E haveria aqu, por exero-
plo, algoem qne se atrevesse a discutir sabiamente
artigos de constituica) emquanto os nossos prisio-
neiros expiram de miseria em trras lengiquas,
emquante s nossas populacdes, morrendo de tome
se *m obrigadas a entregar aos soldados Miran-
geiros o ultimo pedaco de pao qae Ihes resta ?
Nao, nao, seohore*; Daciflear, reorgsnisar, levan
tar o crdito, reanimar o trabalho, esta a nica
poltica possivel e qae pode conceber-se neste mo-
mento.
Nella, lodo o bomem sensato, 'honrado, illas
trado, pensando como quizar, sobre a monarebia
ou repblica, pode trabalhar utilmente, dignamen-
te, e anda quando nao tivesse que trabalbar mais
de qae am aono, que seis mezes, poderia voltar
ao seio da patria com a fronte levantada e a cons-
ciencia 'tnnquilla.
< Sem duvida, quando tvermos prestado ao
nosso paiz os servicos argentes qae acabo de enu-
merar, quando tivermos cicatrisado as suas fe-
ridas, reanimado as suas forcas, eotrega-lo-heraos
a si propno, e enlio restabeleeido, depois de ter
recobrado a liberdade dos seus espiritos, dir como
quer vver. (Kaitt bem, grandes applauso<).|
Quando essa obra de reparsclo fique termi-
nada,e nao podar ser rauio larga,vira a oc-
casilo de discutir, de pesar as thaorias do governo,
e nae se roubar tempo salvacao do paiz.
< J am tanto allivados dos sol rmenlos de urna
revoluclo, teremos recobrado a nossa tranqoilida
de,' conseguindo operar a nossa reconstituidlo
sob o governo da repblica, podaremos fallar com
conbecimeato de causa ceres dos nossos deslinos
e i opinilo ser dictada nao por ama minora,
seno pela maioria dos cidadaos; isto pela pro-
pria vontade nacional.
Tal a nica poltica possivel, necessaria, ac-
commodada s circumstancias dolorosas em que
nos acharaos.
< Os meus dignos collegas esto dispostos a con
sagrar a essa poltica as suas faculdades experi-
mentadas : e a essa poltica, pela ninha parte,
asesar da idade e das fadiga de m* targa ^v
estou disposto a consagrar as forcas que me
tanta pela opinio
cortes estrangeiras
Esta noawaeio foi recebida
do paiz orno por todas as
muito favoravelnente.
O nove^jovern foi immediataraente reconhe-
cido pelas potencias tanto de primeira eomo de
segunda ordem.
Foi apsenlada ama proposta para qae a as-
sembla netneie oito coramssoes para examinarem
o estado das forcas militares, da marrara, da fa-
zenda, los eamiohos de ferro, das estradas, rios,
canses navegaveis, eommunca^oes postaos e tele-
grapbicas, provincias invadidas, admini-tracio in-
terior e comraereio geral da Franca, todo para se
conhecer os antecedentes necessaro, quando se
discutir o tratado fie ha de celebrar-se com a
Prusia.
O Sr. JuBo Favre pedio simultneamente, qaa
para dar is forija e a autoridade neeeasarias aos
negociadores, se nomeasse urna commissao de 15
membros que os auxiliasse. Declarada argente a
proposta, fei approvada, nomeando a cmara, reu-
nida em sesses, a commissao auxiliar composta
dos Srs. Beboit d'aiy, Pags Duport, LraMyrac,
Desjellign, Vctor Lefranc, Laronciere le Noury,
Lesperu, Siint-Marc, Girardn, Barthelemy Saint-
Hi aire, Aureles de Paladines, Lorenceau, Poryer
Qu-rier, Vitet, Batby e almirante Saislet.
O Sr. Joles Simn respondendo a ama interpel-
lacao do Sr. Gambetta disse que a commissao nao
tomava paite as negociaedes, mas que linha ni-
camente or fim a sua fucalisacao, e qae por isso
a responstblidade do tratado provisorio de paz,
pertenceria nicamente ao governo que de manei-
ra alguma quera, com* tal proposta prender a
decisao futura sobre as coodicoes do tratado.
Os representantes da Alsacia e da Lorena pro-
testaran) eeraote a assembla conlra a ce-sao
eventual do seu territorio, pedindo para continua-
rvm a fazer parte da Franca o que estavam
dispostos todos a sustentar com as armas na
mo.
Este digno protesto foi acoihido pela assembla
com as mais vivas pravas de sympatbia, mas para
se deixar iateira e plena liberdade aos negociado-
res, a assembla limitoa-se a tomar esse protesto
em consideracao.
A assembla nacional resolveu suspender as
suas sesses at conclusao das negociages da
paz.
Partiram para Pars os Srs. Thiers, Favre, e Pi-
caro. Fndas as negocaces voltarao Bordeas,
reuoindo-se novamente a assembla. Tem-se
oooserjtada. aecreus as coadioass p^az, s na-
" dta-se so que questao territorial fra
tam sem clcalo, sem oaira ambicio, vos asseguro ajustada no sentido mais favoravel aos interesses
que attrahr aos meos ltimos das a eslima de
meus concdadlos e obter depois d'uma abnegaclo
completa, justica para os meas esfjrgos.
da Franca sa/vaguardando-se-lbe a bonra. Pa-
rece qoe a Prussia cedendo aos cinselhos das po-
tencias, aeilar em vez da cessao da Alsacia e
Porem que importa, em presencado paiz que i Lorena, a neutralisacao destas provincias coojunc-
soffre e delinlia, qualquer consideracao pessoal ?
Uuamo-nos, senhores, e inculquemos que, mos-
trando-nos capazos de concordia e cordura, pode-
mos obier a estima da Europa ; a sua estima, o
seu coocurso, o anda mais o respailo do proprio
iniraigo, e esta sera a maior forca que podis pres-
tar aos nossos negociadores para estes defenderem
os interssses da Franca as graves negociages que
vio encelar se.
< Sabei, pois, adiar para prazo, qao nao pode
estar Ionge, as divergencias de principios qae
nos dividem, e nos dividirlo talvez anda; mas
nao nos entreguemos a ellas seolo quando essas
divergencias, resultado, bem o sei, de conviertes
sinceras nio mportem j nm atientaoo contra a
existencia e salvacao da patria.*
Goncluindo, disse que escolbeo, guiado nica-
mente pela estima publica, para ministros : da
juslics, Dufaore ; de estraogeiros, Julio Favre ;
do interior, Picard ; da instruccio publica, Jules
Sii on ; do commercio, Lambrecht; da guerra,
Le Fi; da raarinha, Porlhnaa; e das obras na
blicas, Larcy; qae, nao leado alada cbegsdo
POR
Henri Conscience
(SECUNDO VOLUHE
(ContinnacSo do n. 59)
VI
Era anda noute. Bem que do lado do
oriente raiava j urna claridade epbemera,
nio tarda va que a aurora viesse espargir
no espado a luz precursora de ama es-
plendida maob3a.
A ramagem do arvoredo que circumda-
va a habitarlo de Andr entreabno-se,
dando passagem a um vulto de molber.
Esta, parando, o'.bou desconfiada em todas
as direcees, tenlou rasgar com a vista a
escordao e pasaos precavidos approxi-
mon-se da casa do guarda. Gbegaodo a
urna janellinha, bateu misteriosamente e
depois chamou por Calbarina.
A janella abrio-se, e cinco minutos de-
pois Calbarina e o marido abriram a porta.
A esta hora aqu ? eiclamou a al-
de3a.Aconteceu alguma coosa notavel T
Ata I Catharina, redarguio a viova,
lancanda-se-lhe ao pescoco concedeo-me
Deas a victoria na rainba lata, e, se elle
me proteger durante algumas horas mais,
terei libertado a minha querida Laora I
Qae quer dizer com isso ?
Cale-se, Calbarina ; preciso que
ninguem nos ou$a.
Entremos; Andr ficar de vigia.
Calharina falloo em voz baixa ao marido,
e, eondotindo Martha para o interior da
casa, disse-lbe qae all ningaem as poderia
oav'tr.
EbVSo Martha contou-lhe em noacas pa-
lavras todo o acontecido, e, fazendo-lhe
ver o perigo qoe corra de ser perseguida
anda por Matbias, disse-lbe qae careca
do auxilio de alguem qae a acompanbasse
sem demora casa de Frederico Bergmans
N5o tem qae recelar indo com meo
marido, o qual se deixaria matar para a
defender contra qualquer inimi o.
N9o sei como agradecer lhe tantas
provas de dedxaco Idisse Martha. Se
as cousas, porm, mudarem como espero,
cont com a sua felicidade no futuro !
A minba melbor recompensa est na
alegra qoe me causa a sua felicidade !
Andr,disse a aldea ao marido,
argente qoe acompaobes a minba amiga,
qoe est encarregada de urna missao im-
portante.
Est bem nfnlher; dentro em doos
minutos estoa prompto para a jornada.
A senbora vai casa de Frederico
Bergmans.
Pooco me importa saber onde ella
quer irredarguio o guarda, qae j estava
em preparativas.
- Olha,proseguio a mulhertrata-se
de am negocio de maito segredo ; pre-
ciso qae ningaem a veja, pelo menos nesta
primeira meia legua.
Tenbo entendidodisse o guarda, sa-
bindo a escada, aflm de se preparar para
o caminbo.
Diga-me: prosegoio Catharina
como pode sabir do palacio a esta hora sem
a verem f
Saltando pela janella do mea qaarto.
Oh meo Deas, qae lemYdade !
Nlo poda deixar de ser, Catharioa :
desde o momento em qoe me acbei de
posse do docomeoto qoe conslitae a feli-
cidade de minha lba, o qual me arriscaba
a perder conservando-me naquella casa,
era orcoso dalli sabir. Nao bavia oatro
meio : atei oa lences da cama aos ferros
da janella, desc por elles, e, come eram
ainda cortos, dei ama queda nSo pequea,
cojas conseqaencas me nio fizeram sentir
grande incommodo, tal o estado de so-
bre-exciucio em qae estoa I
tamenle con Saboya e Niza, Picando sob o dominio
da Franca, qae se obrigana a destruir todas as
foriificacei e a nao conservar all forca alguma
militar.
Os Prusianos renunc ariain tambem entrada
triuraphal em Pars.
B' provavel qae o armisticio seja prorogado por
mais 48 horas, pois no dia iS ai a Ja nao hiviam
chegado Bordeas os negociadores do tratado de
paz, que ha de ser proposto ao exame da assem
bla nacional.
O governo francez j nomeou embaixadores
junio s potencias.
O embaixador em Londres deve tomar parte na?
conferencias de Londres.
_Diz-se qoe urna das primeiras propostas que se
bao de votar depois da retirada dos exordios alie-
mes, ser a que proclama a expulslo dos Bona-
partes, que ji ebegoa a ser apresentada, mas que
foi adiada para epois do tratado de paz.
O imperador Napolelo havia publicada urna
proclamarlo aq povo francez dizendo que foi ira-
hido pela fortuna, e desde a sua rendicao tam
A ebegada de Andr interrompeu a nar-
rac5o. O bomem, eocostando a espingarda
a am canto, disse :
Estoa s suas ordens, senhora; qoan-
do qaeira.
As doas amigas abracaram-se apaixona-
damente, trocaram ainda algumas palavras
e Martha seguio o cacador. Andr levou-a
por atalhos : ao fim de meia hora estavam
n'uma estrada mais ampia. Vinba raiando
a manha.
Diga-me, mea amigo : nao correre-
mos o risco de encontrar algoem conhe-
cldo?
Ea voa alerta, descobrindo campo.
Se vier algoem, doa signal e mettemo-nos
para o bosque.
Deve causar-lhe admirado este mys-
terio, nao verdade ?
Nio me importam as vidas albeias
redarguio Andr.Ea fa e nio me ialrometto no mais.
Orsdael vai ser testemanha de gran-
des acontecimentos: quanto i sua fiJeli-
dade, creia qae ha de ser bem recompen-
sada.
acontecimentos I repetio
o aldeo. Isso nio da
A senhora anda depressa.
mensagem exige urgencia,
guardado um silencio completo, e tem-se abstido
de pralicar quaesquer actos que possara ter divi-
dido o sentimento publico, que lera apreciado a
devoclo patritica que se desenvolveu, e que tem
desejado o triumpno de toda a defeza nacio-
nal ; agora que a iota est suspensa a oue totfa
esperanc rasoavel de victoria desapparece >, j
tempo de pedir contas aquellas que leem usurpa-
do o poder, que manJaram derramar sangue sem
necessidade, que team aceumulado ruinas sobra
ruinas sem motivos, e qae teem Ilimitadamente
esbanjado os recursos do paiz. Os destinos da
Franca nao podem ser abandonados a um governo
sem mandato. A naci nao pode por rauito tempo
obedecer quelles que nlo leem direita a orde-
nar. Pelo que lbe diz respailo, enteode nao se
apresentar para reclamar quelles direitos qoe a
Franca por qustro vezes livremente lbe coulr-
mou. Em presenca das calamidades actuaes nio
ha lugar para a ambicio pessoal, mas emquanto o
povo devidamente representado nio tenba mani-
festado a sua vontade, o sea dever dirgir-se
naci com representante verdadeiro, e dizer-lbe
que tudo quanto se praicar sem a particpacao
intima do povo Ilegal. Ha tmenle um governo,
e este deve sabir da soberana nacional qae ha de
ter forca bastante para corar as feridas do po-
vo. Um governo que possa tornar a abrir o cora-
cao do povo esperaoca, e is igrejas profanadas
as oracoes de mesmo povo; este que pode fazer
resuscitar a industria, a concordia e a paz no seio
do paiz.
Este documento causn urna penosa impressao
de tedio e desgosto em toda a Europa;a aecu-
saclo que fez aos usurpadores do poder de terem
derramado sangue sem necessidade, de terem ac-
eumulado ruinas sobre minas e de terem illimta-
damente esbanjado os recursos do paiz; essa ac-
cusaclo feita por aquellos qae declararan) de co-
rapio alegre a guerra, seno foue em assampto de
tauto horror causara riso I... Assim...
Dizia um jornal francez que a imperatnz estava
era Versailles com o Sr. Rouker, e qae d'ahi ia se-
gurado a marcha dos aconteci memos; qae, se a
assembla nacional se manifestasse republicana oa
orleanista,^ a Prnssia, cojos directores estavam no
complot nio eaderiam das segniotes coodicoes : 1*
Alsacia e Lorena; i' 10 mil milhes de francos
por indemnisac) de guerrs, pagos em 5 annos; 3*
15 navios blindados; i* l'onlichery ; 5'ocenpa-
cao de Champagne durante os 3 annos concedidos
para o pagamento da indemnisaco, oceupacao que
consiitir em 200,000 nomens mnudos expen-
sas da Franca ; 6' oceupacao de Parts por 100,000
homens em seis mezes, al que a Prussia receba
900 milhes de francos.
Estas coodicoes sendo inacetaveis, a Franca in-
dignar-se-hu" perafll taes exigencias, e nessa
occaSiSo pub tcar-e-nia um manifest de Nspo-
leao, em que se prometera a modificarlo das con-
dicoes, mas com a clausula de ser elevado ao
throno Napolelo IV. As condiQes nova) se-
riara : a cadencia da Alsacia e Meu e tres mil mi-
lhes de francos pagos em tres annos.
A assembla eollocida entre as agudas ponas
do dilemma: ou a mina completa d i Franca, com
a paz, oa a ruina completa com aguerra;via-se
na dura necessidade de transigir e supportar a
dymnastia Bonaparte?Por ora nada se pode
assegurar com certeza a respeito da futura orga-
nsaclo da Franca.
Sobre a opposiclo poltica dos membros da
assembla nacional tambem com certeza nada se
pode conhecer, pois nao houve ama nica vota-
cao, onde laes opinies se podessem apreciar. Os
ultra-republicanos estao de certo em minora, mas
nao se podar ainda saber se a maioria pertencer
aos mooarcbistas oa aos republicanos modera-
nogaram
Prussia.
a tomar parte na guerra contra a
INGLATERRA.
A rainha Victoria abri a sesslo do parlamento
ioglez no dia 9 de fovereiro, o qne ha bastarte*
anoos nao aconteca. O discurso do throno foi li-
do pelo Sr. Gladstooe. O discorso lastima protn-
damente a guerra declarada entre a maca e a
Allemanha ;diz qoe o governo ioglez tem coi
dadosameate aproveitado todas as oecasides de
usar de sua influencia com o fim do restabeleei-
mento de urna paz honrada, tem seero tnantido
urna neutraldade siricta e tem agora espeacat
que da suspensao das hostilidades resoltar ama
paz rompative com a bonra e seguranca de am-
bas as nacoes nvoividas na guerra. Referlndo se
conferencia de Londres, diz qne tem feito esfor-
cos juntamente com entras potencias para manter
a santidade dos tratados, e espera confiadamente
que o resoltado das deliberarles ser manter os
principios do direito publico, e a polica geral do
systema estabelecido pelos tratados entre as na-
COtS
Relativamente s dlfflculdades do Oriente espe-
ra que a reviso de algumas condices intentada
com espirito concili dor poder aleancar a eoope-
racao cordeal das raais potencias europeas nesta
espinbosa questao. Lastima qae fslhassem todos
os esforcos feitos para conseguir para a conferencia
de Londres um represntame francez, a diz qae k
Framja foi um dos primeiros participantes no tra-
tado de 185G, a qoe sempre ha de ser reeonheei-
da como um dos principara membros da grande
oommunidade europea.
i Referindo-se s relaces entre a Inglaterra e os
Estados-Unidos e s qaesles do Alabama e das
pencaras, diz qoe a Inglaterra tem estado em cor-
respondencia amigavel com o presidente e leo fal-
to propostas para que sejam nomeadas eommis-
f Oes internacionaes am de sjustarem estas qoes-
toes importantes.
Diz mais que as relaces da Iaglaterra eett a
potencias estrangeiras sao amigareis e annonctu
o prximo casamento da princesa Laiza com o
marquez de Lorne, e termina declarando qne en-
tre as medidas que o governo vai apresentar ao
parlamento se contara a da reorganisaeio do sys-
tema militar a do exercito em geral; a sssevera
que as condices actuaes da Irlanda sio iarotn-
paravelmenle melbores.
Calculi-se qae o augmento de despese qs
Inglaterra vai fazer com o exercite no prximo
anoo economizo, se elevar a tres milhes de'li-
bras esterlinas.
A opioiao publica manifesta-se tavoravel ao pro
jecto, que actualmente se discute na imprensa in
gleza, de fortificar a cidade de Londres seme-
baaca da de Pars, ciafiedo a ecos hiUM
fortes que lornem ine.\pugnavel o grande arsenal
de Wolwicli. O custo desia obra seria de 18,800
contos de res fortes, e levara tres amos a con-
cluir.
"Na primeira sessao da cmara dos commaas
o Sr. Disraeli proatin:iou um notavel dlsenrso
contra a poltica do actual governo, demonstrando
a debilidade da sua poltica internacional, e o
esqueciraeuto dos principios que deviam servir de
base ao seu poder.
O Sr. Disraeli, flrmando-se na necessidade da
tlxar o equilibrio europea, disse qae a rlvalidade
entre a Prussia e a Franca era um perigo cons-
tante para o accordo da* naces, conforme se ti-
nba demonstrado na questao do Luxemenrgc, re-
sol vida pacifica mate por intervencio, la Gra-
Brelaaha, e qae em consequencia disso era ne-
cessaro que esta potencia sa tivesse empenbsdo
em evl ar, quando se suscitou a candidatura Ho-
benzollern para o throno de Hespanba, qae Napo-
dos; entre os deputados chamados conservadores leao III, exaltado com o xito da celebre ptebisciir
ha hAmuna m*n Aaba!i< m nnm naln iliM nal>AC. ^m > n m i _. />tia..___ ..^ -
ha nomens que desejam a paz, cusa dos neces-
sarios sacrificios, mas que pertencem epiniao re-
publicana no que ella tem de meaos duvidoso.
As tribus rabes qae se tinbam insurreccio-
nado na provincia de Constantina, (Argel) submet-
teram-se ao governo da raelropole pedindo in-
dulto.
A rebellio foi promovida por 180 spabis qae se
borisonte, comerciado a inundar a natureza a escada, erguea-se logo e esperoa anciosa
com a sua esplendida luz.
No camnho encontrou muitos campone-
zes, qoe, de enxida oa fouce, se dngiam
para o trabalbo do campo. Quanto m is
se approximavam da aldeia, mais gente
a presenca de Frederico. Era, com effeito
o mancebo.
Maito bons das, senhoradisse elle.
A sua visita a esta bora faz-me receiar
qae lbe tenham feito soffrer as consequen
encontravam, porm Martha, suppondo-se cas da minha indiscripcio de antes de
fra do alcance dos seus inmigos, nio se hontem. Peco-lne que me desculpe e pela
importava com os olbares de sorpreza qae miaba parte farei o que poder para atte-
os transentes lbe dirigiam e foi cami- nuar o seu desgosto. Receio bem que a
nbando sempre at que Andr, parando em,infeliz Helena baja sido craelmente casti-
Grandes
macbinalmente
minha conta..
A miaba
mas se Isto o fatiga...
Nio, senhora. Sd lhe convm, an
darei mais depressa.
O guarda, para mostrar sem duvida qae
nio eslava cansado, alargou o passo por
modo, qae a viova mal o acompanhava,
bem que tal rapidez tanto qaadrava aes
seus desejos.
Martha pronuociava de vez em quando
algamas parases do intuito de significar ao
sea guia o recoobecimento pelo servico qae
lhe presta va, ao qae elle apenas correspon-
da com am sim oa nio.
Entretanto o firmamento ia se gradual-
mente aclareaodo, e, quando elles ao loa-
ge divisaram o campanario qae lhes indica-
la. o termo da jornada, ji o sol sargia no
frente de orna casa grande, disse
Aqu est a casa do Sr. Bergmans.
Manda que ea espere oa posso voltar para
Orsdael ?
Sim, amigo, pode regressar i casa.
Mas, reflectindn am poaco, prosegoio :
O-.he, melbor ficar. Nio coavm
que volte por agora Orsdael.
Pois bem, com sua licewx Voa
para o boteqaim, que tica prximo daqui.
Quando qoizer, nio tem mais do qae cha-
mar-me.
Urna criada velba veio abrir a porta; e,
mediado Martha dos ps cabeca, ras-
mungou :
Ah I temos testamento I Entre : o
tabelliio ainda dorme, mas eo voa acor-
da-lo.
Martha, entrando, disse-lbe :
Ea procuro o Sr. Bergmans Jnior.
Tio cedo ?
sj E com mnita urgencia.
Nio sei qae lbe diga : elle ainda dor-
me ; seria melbor esperar algum tempo
mais.
Por quem previna-o immediata-
mente de qae a governante do palacio de
Orsdael o procara com urgencia.
Ah 1 s m, a aya da menina de Bruins-
teenredarguio a velba.Comprehendo :
eu voa enema-lo, mas ao meos d-lhe
lempo de se preparar.
Marina flcoa s por alguns instantes. A
certeza de haver escapado i accio de saos
inimigos exaltava-lbe acoragem e eocbia a
de alegria. Qaando ouvio pasaos descendo' dida
de maio, provocasse o re Gailberme a ama san-
guinolenta lde. Declaran, que perdida toda a In-
fluencia do gabinete de S. James, em consequen-
cia da morie de lord Clarendon, devia no entre-
tanto ter a rasolucao precisa para entervir entre
os belligeranles, limitar a guerra no sea primeiro
periodo e obttar s exigencias da Prussia, fazendo
o qae a Austria fez em 1834, quando, cora a ocen-
gada I
Nio de nada disso qoe agora se
trata, senhor: trago-lbe urna grande novi-
dade. Qaeira aentar-se e oavir-me com
attengio,
Admirado da alegria qae vio raiar nos
olhos da governante, coja voz tremia com-
ino vida, Frederico fixava-a com olbar pres-
crotador.
0 destino de Helena disse Martha
experimentar boje completa mudanca.
Vai perder o nome qae tem e com ellees
riquezas a que o mesmo nome lhe dava
direito. E' possivel, senhor, qae esta mu-
danca seja am obstculo i esperanca qae
al agora nutrir: isso da sua competen-
cia deeidi-lo. Seja, porm, como fdr,
indobitavel qoe o senhor a tem amado
sinceramente, e por isso nio creio qoe se
recose a ajodar-me, qaando trato de a li-
bertar da escravidio. E' a sua coadjuva-
Cao o qae venb > aqu solicitar.
O qae diz?acodio o mancebo sobre-
saltado.Vai perder o nome e riquezas I..
Alguma aova calamidade a ameaca?...
Qaeira explicar-se.
E' opiniio sua e de toda a gente qoe
Heleoa filba do velbo conde de Bruins-
teen. Vil mentira, crimnoso emboste I He
lena ama crianca roubada em Broxellas
de casa da ama de leite I
Esta revelarlo causou tal abalo a Frede-
rico, qae, olbando para Martha perplexo,
disse:
Isso impossivel I A senhora foi illa-
Ha provas incontestaveis desse rou-
bo. Os verdadeiros pais de Helena 83o
pobres comparaiivameote com os heos de
tertulia da condesa de Braiosteen.
O rosto do mancebo assamio am especio
de alegria iodescriptivel, e, ergoendo-se da
cadeira, exclamou :
Porm ao menos cessar a sua per-
seguido I... Loavado seja Deas t Essa
innocente e amavel menina ter a sua li-
berdade, e seos pais. nio terio motivo de
me odiarem, antes estoa certo qae bio de
apreciar o mea amor por sua filba I
Diga-me, senhora, diga-me quem o pai
de Helena I Quero, sendo possivel, fallar-
lhe boje mesmo.
O pai de Helena j nio existere-
darguio Martha.Tem apenas m, infeliz
reatara qae ha dezoito annos pranteava a
morte da filba. qae dorante esse lempo
soffrea bumilhaces, vergonhas e osos tra-
tos, mas a qaem o co boje limita o croet
martyrio, restituiodo-lbe a filba tio amarga-
mente pranteada I
Frederico dea am grito, e, estendendo
os bracos para Martha, exclamou :
A soberana do sea olbar. a alegra
sincera qae se lbe manifest no rosto, essa
impaciencia febril, todo, emfim, se o cora-
Ci me nao mente, est a dizer me qoe a
senbora a mii de Helena i
E' verdade, son sua mii t
O mancebo lancna se-lhe ao pescoco
estreiiaram-se nos bracas um do oolro.
derramando ambos lagrimas de ternura.
Ah I senhora,exclamou elleante*
de saber qaem era, j ea a estiman sin-
ceramente ; agora adoro-a como se fosee
sea filbo I Sabe com qoe de>ioteressado-
amor eu amo soa filba : se ella nao possae
riquezas, ao menos techo ea os meios de
lbe assegarsr am viver modesto, por meio
do mea trabalbo, se me conceder qae ella
seja minba esposa.
(CDftfniar-e-Aa).

\
--
\


(o
da
pacto dos princioadoi Jaita
5 tierra da Crimea, oh olio*
0 medico,)gu' a togl;'i
sla eoinpetn pV-lo i
Prasia & tranquilla posse das provinsa
era troca da renoocia por parte daquOTa pcteucia
ao dominio da Alsaeia; de que entao, como agora,
P O Sr.eiHKX"^oron esta d'bilidade poltica
e eseessivaa eaofiancas por parte di. governo, di-
tendo que eom a simples idea de faier economas
comprometlen a dijrnidade do paiz, que devia ser
a norma da soa afluencia internacional, ao passo
que permlttio qae se levantaste am poder como e
do imperio da Alleroaru-
para a naci brianaiea
lossaea introdnzidas no.....
*fJ$&L accStde^DisffisTon I Mi
de o 32 3S" e om termosVm-1 dar alud expedir um milho de qaintaes para
hiffiKM nrocnraiido dBnioo*rar que era bstanle Pan*.
ffrS.^nSTlSGraoT.llaio prineipe G.r-1 Dji-se que o casamento da prinee
tschakoft, e tratando de apresooiar como om tnum roalisara ein marco ap ar g

le pos. [sto vi
^^^H^^^^^Hffl doa
ptos aue este aeontecimcnto
no jog-i qae era contra amas formosts
hospedadas no hotel Gibraltar andaram
mrtMos um par ilo reino, dons ou qnatro depula-
muitos ontroi jaimtas a que aeesa tarde on-
guem poderta chamar elegantes, porque mais pa-
reciam molelros, tanta era a farinha qae os cobria
da cabe? at os pe*.
c A polica da guarda manicipal emblrron eom
elle* e adraoestouos bruta, como sempre cos-
feito, metteu-se o toma.
carnaval, conferencia hoje, conferencia amanfia, I K' par n-Mar que o commissario geral da po-
para Dieppe quairo navios e ein breve partiriam boato dY.qal, peta d'acola, e afloal de coalas, es- licia civil estivera desde o principio assistindo
o da tas
autor i aJ rando qne o Um leleg
era contradicAo cooj o principio
igreja e do estado na Irlanda.
O governo ing'ei declama na cmara ein res-
po.-ta a urna interpellacao sobre as medidas que
havia timado para soccorrer Pars, que o aprisw- de levantar ein
menlo de vveres nos rmaseos de deposito erara milhdes.
lo consideraveis, qae havia mandado para Par*
300 quintae* de toaotimeotos no valor de ein- Nosso corresponden e
segrale em 27 de fevert
Per ora nao tem nada
i a cnegaa d ;
qae varia
Cao ao kheaive.
nega a ienc,So qne o goveri
Hespanha om omprestimo de
jo wni
30
oha muilo mala perigoso! eoeuta mil libras, sem que disso possa resultar in-
, do ane as mudaocas col-1 conveniente albura para a raarioha ingiera ; qae
continente oelas guerras j haviam partido de Po>tmoulh e de Devenport
PORTOS L.
de
Lisboa esereve o
tamos anda na mena.
J por dnas vezes o mirqnez d'A*Ha e Bolaoia
obo naDreeiave o tw conseguido qae a confe- i maitos biraos e mais clero da igreja protestante
reneia sereunisse era Londres. Falloa das dili- pedrado-se as nupcias s* nao realisaisem duranie
eraciai enrarecidas em favor da paz junto do, a quaresraa.
conde de tismaik das sympalhias dos inglezes pelo Corre que o principe imperial allemi, casado
novo fraocez, dos sens es.firc.oa relativamente ao eom outra princeza de log aterra, levara muilo a
armisticio, attributodo-se todo o ment desse ar- mal esu uniao eom um subdito da eoroa e nao
misticio asignado entre a Franca e a Prussia, e cora uin principe de sangue. ...
cooclaia maufeslrada a sua conllanca na genero- Projecia^e oulro consorcio ;ro do principe
folia e mesmo ji tinha sido empoado pelos seas
amigos, e qoaodo esta annueneia e quasi eonni-
desisti, oo por outia,*ld>-soiraou de-recom|6r o venca da aatondade tinba deixado pregredir a
gabinete; o re insisti eom elle para que nao se brincadeira al ao delirio da toncara (que nao
represeniacaj de demiltiase; a opima > publica pela voz da impren- i passava de nuveos de p de gomma) e qae a Ca-
sa unnimemente Ihe impSe a obrigacSo de apre- vallara municipal se lembra de desembainhar as
sentarse as cortes em II de margo eom o mrais- [espadase correr luiopraachada, atropellaodo os
term comuletado; as diliculdades crescem, tomara pareeiros d'aqoello j go, e os milhares de espeeta-
diversas formas alternativamente, os partidos re- L-
Qttwo e historien fitem se de manto de seda e
propoem alguos vultos secundarios para ministros
de iransicQo, porque presentem queda do gabi-
sidade dos allemes, da qual espera va urna paz
promota e vantajosa para todo o mondo civisado.
O governo apreseolou ao parlamento o litro
azul, oo a eollecgao dos documentos diplomticos
sobre as prineipaes queslSas iuteroacionaes olti-
maawate. tratadas.
D leitra desta importante collecgSo se ve qie
o governo da defezi nacional da Pran? por nuU
tas vez solicilou a meJiaci) da Inglaterra, di-
zendo-se disp isto a ajustar a paz sobre a base da
integridade absoluta do ternlerio fraocez. A In
guuerra oeclarou sempre qae nao poda fazer pro-
postas, quando oao eoatasse p*lo menos eom al-
guraas probabilidades de obter o con-entimemo
nduas partes,
imperador da Russia e a principe de t irts-
chakoff baviam declarado que nanea ratificaran!
condicdes que nao fossem eqotauvks.
Lord Graovjlle acooselhou porm o Sr. Tniers,
que zosse eom que J.1I10 Pavre pedisse urna en-
trevista ao coode de Bismark. O Sr. TOiers pede
qae a (oalaterra reoonbeea a repblica f
de Ediaiburgo eom orna fliha do rei do Hannover,
que vai estabeleeer a sua residencia em Londres,
oo. um oulro ponto de Inglaterra.
Falleceu era Praga o principe AlensdorT Die-
trlchsteins, parete da rainha de Inglaterra, ami-
go ministro dos estrangp.iros e governador da Bo-
hemia.
A cmara dos comrauQs votou unnime a
prhneira lettura do projeclo de dotacJo a pnnee-
la Luiza, esperase que na segunda leilura naja
alguraa oppoco. A cmara dos lords j o votou
sem dicusso aera demora.
HESPANHA.
A rainha D. Victoria pnuceza de la Cisterna em
viagem para entrar em Uaspanha, adoeeeu grave-
mente em Alassia, foi sacramentada e chegou a
ha ver serios receios i) q je a febre degeneraste em
um typho ; fe izraente a febre nlo progredio, e vai
entrando em coovale.'cenga, nao p..den lo, porm.
continuar a sua jornada em quanto nao se fortale-
cer mais.
Negarara-e a prestir jaramento ao rei os gene
dores que se tinhara reunido.
t A' parte o ridiculo de ver desembainhar espa-
das contra Horneas armados de pos de gomma (III)
a cansa podia ter sido seria. Ao dislincto medico
i a^^^^B^L^L^L^L^L^L^L^L^a^L^L^L^H^L^L^L^a^Ha^L^H
Minio
Mondes Vulenle, *ob a comlc3u de iicar o
barita do que era Lisboa, onde se coooora a 300, rnniratanti -nm -___^^^^^
> o kilogrammo. Os prcos dos gneros de prl- C0
meira necessidade asilo por tal forma exagerados
qae os pobres pasum fome, e os remediados vi-
vera eom difleuldade.
t No Porlo. em4
procedendo n'ot ==
i Dotniagos, tan'-
nas de bastante *Q^HI
nas eseavacoes a qne se anda
tpOft particular da cena do
Q-se^Hp
D. Sancho II (IH3-
bilhao de Q. Diniz (i 179
nete por lalta de leraentos de estsbiliade, o wi-1 braiileiro, Dr. Gama Abren vile-llte abaixar i
O govero* iaglea diz que bao poda dar om passo; raes Novaliches, Cueste. Caloago, Soavilas, Ancil-
qua prejud.oav as resoluges da Franca quando; ler Contreras, e os bngadeiros Sanz, Tnlo e Lacy.
m soas assemblas decidissem qiiestao publica.
Na eonerencia de Perrires exigrado o conde de
Bi coodides do arra-ticio, lando o Sr. Julio Favre
declarado qae ni > consentira em ceder urna po-
legada de 'erritorio e em arrancar urna pedra das
iorukleitt da Franca, o governo inglez julgoa exa-
gerada tai tbeeria, e quando em oulabro o Sr. Ju-
lioPvre reeiamava a intervengo das potencias
lord Graoville, no su despacho de 4, mostrando
a rdante sympatlaia qie lera pela Fr.raca, declara
que as poteocias naatraes nunca apoiaro eom os
seos armamentos as representac/ies qne possam
fazer Prussu, mas que a Inglaterra aproveitara
qj'lqiier circunstancia favoravel paz, ain 1a que
as thorias do governo da defeza nacional a tor-
nen) quasi impo-sivvl.
O governo dos Estados-Unidos, respondeu de
um modo anlogo, quando a Franca reclamoo a
sa inlervengao.
O governo austraco disse qae era impossivel
que a Austria tomasse a iniciativa de urna nter-
venci, us qua o assostava o lethargo da Euro
pa, e pedia que a Russia e a Iaglaterra precedes-
sem deaccordo.
A 11 de outubro, lord Graoville avisou o gover-
no francs, de que a sua negativa a respeito de
ceder ama polegada de terreno constitua um obs-
tculo iosuperave pi>ra a conclu^o da paz.
A 12, o gtbiiele austraco declarava ao gover-
no fraocez, que na impossibilidade de urna nter-
venca), havia novameote solicitado que a Ingla-
terra e a Ru-sia interviessera.
A 16. lord Granville, dingio-se Rusia pergen-
iando Se nao julgava chegado o momento de com-
binar da aeeordo eom as ontras potencias, nos
meios de appellar para a huraanidads do rei da
Prussia, e evitar os horrores do sitio de Paris ;
lord Granvi 1* aconselbaria pela na parte mode-
raca a Franca, cujo governo pareca disposlo js
a destruir as fortifl :agd de Strasbargo e de Meiz.
O principe de Gorischak >IT re^pondeuqie na-
qoejtle momento urna intervencao seria intil, por
uso que a Russia tinha ido mais loo je de que as
ontra* potencias, manifestando a esperanza de qae
nanea se exigira eosso atgama de territorio.
A 13, Mr. Tissot, encarrrgado de npgoeios da
Franca em Londres, disse a lord Granville, que a
Frang tinba pedido Italia, que inteiviesse cora
as armas na mao, a que, eom a esperanet de qae
aquelie chamamento sor tina < ffeito, se pedia In-
glaterra que Dio oppozesse obstculos.
Mr. de Chaodordy pedio a Inglaterra qie em-
pregasse a soa iaflaencia para f izr cessar a guer-
ra eom condigojs aceitareis para a Pranci. Lord
Lyons responden que a Iaglaterra uo faria a
guerra i Allemanba, e perguutoo que oatra coosa
se poderia fazer fora disso.
Em seguida veem as negociagoes de Thiers a o
raaHof ro do armslicio, por Ha na< permitr o abas-
tecimenti de Pars, lord Graoville d^elarou aoem-
baixador prusiano q >e na sua opiniao ambas as
partes erara exageradas nas soas exigencias.
O emnaixalor prossiano responden qne o conde
deBismaik eslava disposto a permittira liberdade
das eleigdes, sera necessidade de armstieio, mas
desojando qu j as potencias se envolveren o me-
BOJ pOSSVil.
Lord Granville mostra-se sorpreh*ndido por ver
orna potencia tai grande como a Allemanha mos-
trar tal susceptibilidad?, el-'declarou que pela sna
parte a Inglaterra nao tem outro amor proprio do
qae alcangar a paz, aceitando-a das mi daqoelle
que a der a Europa.
Moa principias da Janeiro em consecuencia de
orna eoave'aacao entre Mr. Bsrnsfoff declaran
Granville que a Allemanha sentira ter 007 reuel-
lir os bons offlcios das potencias neutraes. N'am
despacho de 4 de Janeiro, diz lord Graoville que
jalgaqne a capitulago de Pars ser d termo da
guerra regular, por isso que a soa resistencia era
o qne aauuava as proviocias em qoanto estas en-
chidm de ardor a capital.
N'am despacho de fO de Janeiro dii-se qne o
reetphjieajnanta do governo provwrw fraocez era
mpaesive e quanto este governo nao losse re -
conhecido por orna asserabla censtitainte.
0 nllrmo despacho do livro azul datado de SO
de i tneiro, apeespma Inglaterra, Allemanha a
coavanieocia da fater saber a-nicao franceza as
cor"
poo
O duque de Montpeosier tambera uo quiz pre
lar juramento ao rei. Diz-se que os offices
qae se negaram ao juramento sero presos e ex -
patriados.
Diz-se que chegou Madrid ora enviado do ge-
neral Espartero, portador de urna adhesa formal
doantigo regente, nova dyraoatia. Ealretanto
a opposico quer tirar toda a iraporlanc a ao fac-
i, dizendo que Espartero nao jurar fldelidade ao
novo mooarcha.
AfBnna-se que o marido de D. Isabel II fez cons-
tar a D. Araadeu que desejava recoubecer a dyra-
oa-tia de Saboya. Este fado, a ser verdadeiro,
>er motivado pela posse das gran les propriedv
des que D. Francis No da 19 s 2 horas da madrugada, h tuve
ara novo alternado em Madrid, foram disparados
tres tiros de bacamarte contra o Sr. Ruiz Z irri-
Iba, ministro de estado, na Cdle del Pez. O mi-
nistro das obras publicas o Sr. Z >rrilha ia acora-
panhatlo pelo seu amigo o Sr. D. Luiz HcroanJes.
O asias>inos erara dous e estavam escondidos
a ama esquina, so ara delles deslecbou o trabuco,
ttcaodo porm illesoj os Srs. Zirrilha e Hernndez.
As sete balas cora que eslava carregado o trabuco,
foram eravar-se era urna parede.
O Sr. Hernandos anda eorreu atraz dos crimi-
nosos e disparou dous tiros de rewolver contra el-
las ; mas evadiram se, suppoulo-se que se reto
iheram era alguraa casa queliuha a porta aborta.
Foram presos quairo horneas e urna mulher
suspeitos de cumplicidade oeste alternado.
As eleigdes estao flxadas para o da 8 de margo
e as corles convcaos-; para 3 de abril.
LTIMOS TELKOHAMMAS.
Londres 26, ai i h. da tarde Segundo um tele-
gramma de Pars, corre que o preliminares da
paz f.rara finalmente ajustados na sexta feira.
AscondicSes sao anda de-conhecidas. Bismatk
parece nao ter eompaixo, e nao cele < instan-
cias do governo francez, e o exerciio allemao ama-
nha entrar em Pars; os burros de Belleville e
La Villete vo ser occopados. Hiver em poa-
cos das, urna grande parada era preseoga do im-
perador.
O Monitor Official, de Verstiles, diz que a oc-
cupago de Pars pelo exercito allem) ser um
meio muilo efBcaz de por termo s impudencias,
mentiras e exagrragdes da imjreasa parisiense
qne insulta comante nenie o exercit) allemao.
i O Jornal de Bordeas, afBrma que o impera-
dor cedeu da aonexagi da Lorena e Metz, mas
asta eidade ter a- fortifleagdes df sraantelladas ;
a Independencia Belga diz que a Alsaeia eom
Ttiioiviiit) estiio cedidas, mas Franga conserva-
ra Metz eom a eondigi de ser desmantelada. A
indemnisago segando o mesmo de 120 milhdes
stcriinos ; arra parte deve ser paga at o da Io
de aoril. Os ftrtes de Paris hio de ser occopados
pelos allemaes at o prim-iro pagament); e a
provincia de Champagne oceupadaat o pagamen-
to total.
t Londres 26, i> 3 horas da larde.A agencia
Renter annuncia de Paris con data di hontem
qne a paz est certa e que Tniers, Favre e os
ooramissarios consultativos anoairam s segrales
eondigdes : a Franca cede a Alsaeia ; Mrtz e Bel-
fort essio restituidas Franga : a indemnt-agao de
guerra ser de cinco mil imitos de francos ; urna
porcao da Franca e fortalezas como Sedan fcaro
em pusse dos allomaos at que as condigoos este
jara cumprldas.
< Os allemaes ho de entrar em Pars na se-
gunda-feira e oc capa rao o districto do Eiise des-
de o Arco do Triumpho at a prag da Concordia.
A paz ser formalmente proclamada quando a as-
sembla nacional rectificar as condges.
Madrid 26,11 horas da noute,Bsli ludo pre-
parado para a entrada em Paris do exercito allo-
ma, oceupando os boirrosdo Bellevllle e da Vil-
lelle.
Londres 27 de fevereiro >, 11 horas da ma-
nha.O Da<7y Newspubicou un leleijramma de
Paris dizendo que os allerae* tem elfactivamente
recebido 8 milh'S de libras sterlinas de iodem-
nL-ago. Os allemaes p+ dora 130 milhfles delibras
asterlinos em fundos pblicos francezes, oii por
ouiras palavras, um rendimento anrluak de dea
miiho-'s slerlinos.
po urge, e o Sr. d'Avila, inialado entre odes;jo de
continuar a ser presidente de conselho 9ej* cora
quem fr, e as tricas dos velhos e novos bandos
polilic.-s, j se lembrou at de completar a siiua-
go cora os raai visconde de Chancelleros (actual
governador civil de Lisboa) e Correa Caldeira, qne
nao caracterizara nennurn delles, urna certa e de-
terminada parcialidade.
t O busilis ter o gabinete completo at s cor-
tes. All, se nao Uver maiora, ou se o apoio r
insignificante, ou pTopSe ao poder moderadora
dissoluco e o paiz torna a pronunciarse na urna,
ou o gabinete se dorante, e o Sr. d'Avila flear en;
cirregado de orgamsar um min>lerio toda novo ji
se v eom os elaaienlos velhos e sabidos que a nos-
sa poltica tem. manifestado mais ou menos vanla-
josamen'e.
c Eis o stalu quo:. urna apaihia eem mil vezes
preferivej a irrequieta e mrbida agiiagao dessa
pobre Hespanb.i, febril, impaciente, ml avinda
eom a repblica, descontente cora ai dynastias im-
provisada*, odenla e sediciosa, nao ja em pobres
conspiragoes em que o* proprios guurnlbeiros e
cabecilhas expuaham o paito > bailas, j igavam
eom a propna vida a son da sua cius n'um
lance arriscado, e expa vara cora altivez assombro-
sa no cadafalso arrojo imprudente de orna ten-
tativa infeliz.
Nada di>so; a agitagao solapada, rencorosa,
e a lula, para vergooba e deseridito do paiz,-se
qu o paiz p le ter impatacao na obra teaeorosa
dos sicarios, urna lua, repugaente, desigual, as-
querosa e lamentada pelos homtns de bem da-
quella nago o de toda o mundo.
A 27 de dezerobro era migo asassinado
Prim ; ha poucos das apenas, urna nova tentativa
ia sacrificando o ministro Zorrilla, contra o qual
detraz de urna poru foram di-parados tiros de tra-
buco.
t Por fortana na) suecumbio, era mesrao elle,
nem as pessoas que o acompanliavam chegaram
a ser feridos. Entretanto o crime prpetrou-se, e
os fastos polticos desse malfadado paiz la se eno-
doaram mais orna vez, continuando a marear des-
airadamente o exordio do novo reinado. Em
qaanlo iilo se passe nas pragas publicas de Ma-
drid, recebe o re Amadpu a triste nova de quo a
rainha sna esposa nao podo proseguir na v agem
para a corle, e se aeha sarramentala e em perigo
do vida. E>ta nova j Ihe f >i poucos das depoi*1
suavi
que succed.a emquaoto muito' g-oeraes e outras
patentes >uperiores do exercito hespanhJ se recu-
savam a jurar fldeldade ao rei e nova ordena de
cousa?.
c Os boitos da deporlaga dos generaos excer-
bara os nimos hespanh.s e faz<-m tedio a quem
as*ste repetgo dos auti?os erros que precipi-
taran! a dytiasiia de I-abel II do tnrono de S. Fer-
nando.
t Um paiz oji" avangon nas soas instituigo*
at ao cnsarn-MU; i vi) e liberdada do -culios. j
(por conveniencia poltica) devia ter abolido o>
juramentos p ilieos que sao escandalosa, Joi)te>
le sacrilegio para os rei-, para o#rtiagnatas,'para
os exercilos, para as magistraturas!a at mesmo
para os povus. Por Deus, nao invoquen o seo
santo oome, se a historia Hodierna esia njoslranlo
a uecpssidade de amoldar s insliluigde s cir-
cumslaneias e aos temos I Qaantas cortjittuigoes
nao tem jurado e perjurado os estadislas.mais no
lavis daquella paiz e de muitos outros paizes I ?
Dispensassem a f mua, evitariam a recusa. Se
os generaes agora se negara a promptter fldeldade
frrr.a de governo era que o eongresso rnicional
concordnu, e pessoa votada para representar a
nagiof^iemiitam-se ou sej ira demittidos os gene-
raes, mas oio Ins facain a violencia de as exilar.
nem provoqnem as iras dos partidos (que l aioda
ha partidos frtps), cora a inangurago o} restau-
ragjo d^s^e mesquinho syleraa de revindcta, op-
pressScs e ostracismos que deram em tena eom o
governo de Isabel, e pedern mais dia mraos dia
turnar anarebico um paiz lealmenle digno de me
Ihor son!
E eu a fallar-lhes da Hepanba... mas por-
que?O pirque esl dito logo nas priraeiras li-
nhat desta carta.
( Aqu nao ha aeonlecimentos polticos.
' Pois ser um ac ntecimento ver mia duzia
Esta xrgeocia representar ara augmento de
da paz. Nao diz o qae a" Allemanha res- j 333 milhdes sierIrnos o* divida nacional franceza,
mas o Imperadr da Allemanha declarou mas provavelmenie ha de chegar-se a um-aecor
ao parlamento qui at ento as potencias neutraes
nollaham jnlgado de ver ntervir em con Iig5 is de
pa& nas f pee qae a Allemanha, nio tinha mos-
trado desojo alguno disso, mas para respeitarera a
iiWrdade da futura aisembla franciza.
Hia* resumo dos doenmentos diplomticos apre-
seottdOs pelo governo inglez aprecia cao do par-
iamaojj*.
Relativamente questo do Mar Negro, o
Sr.G'adslh? declarou que aquella eslipuiago do
tratado de Paris era iosuslenlsvel, e queofalle-
cida-laraVClareodon ja asskn oentendia, e qae at
mesmo lord PaJmratnaempre prophetisara pon-
coa^MMa-da existencia aquella parte 4o tratado,
o mfwna sido ento pblico pela* discassoes da
caritara des commnos.
DSse mais que o governo tinha provas de qne
Mevvftfsfe'* 8. Petersburgn um protto contra
a circular do principe da fihrtoehakoff relativa a
questo do Mar Nfgro, potencia alguraa da Euro-
pa se queieri assnciar a es.e protesto.
V se pois qne a preconisada conferencia de
Londres serve para dar algum carcter de le
galidaae conc-ssdoda Inglaterra alterando o tra-
tado e aedaiati Rossia, o qae nem os estadistas
iofiies, aem Mr- Gladsiena, aero a Franga, nem
a Am m a Prussia jamis suppozoraw oo
-* tomaaia orna eommiss.o por parte da
Iogtajacra para se eoieaodVr m o giverno ame-
r) qneatea de Aiabama e
ra as aegoeiages e Mr.
do para sobrecarregar o meaos posstvei o morca
do monetario
> A cdade (le Paris) socegada, mas o pevo im-
paciente, por conheeer as condigos da paz.
t A imprensa de Vienna mostra surpreza de
qne s exigencias da Austria concernenles ao Da-
nubio se opponham e Inglaterra e a Turqua, era
qoanto que a Ruisla e a Prussia Ibes do om
apoio inesperado.
O prineipe Carlos da Roumara est resollido
a abdicar.
Madrid 27 de fevereiro, s 2 horas e 20 minu-
tos.
Bordeas !6 noute.Preliminares da paz fir-
mados. Thwre ch 'gara amanha a- irdos.
> A viagem da rainha de- Haspaoba aera por
mar, desembarcando em Alicante.
Londres 27.O Slaniart publieoa om tele-
gramma do Bor eos dizendo que o armisticio fi
proregado at o dia Ia de margo.
A sesso da assembla deaois da ebegada de

vananie reallur-ie m eaojara dos
de amigos reunirem-se n'uraa sala, toraarera cba e
fundarem on pr-ijeciaretn om peridico,? Ser
fconteeiroento ver o Sr. marquez d'Avila ser tra-
tado agora pela imprensa do partido reformista
(que nada reforovm). pelo Sr. Boa na ? A mesma
iraprensa que o puuha nas nuveos quando preci-
sa a do sea nome e pre-tigio iiaocetro para dar
alguma* semanas mais de vida situaga de que
diziam ser alma o Rvd. hispo de Viz^u ?
' Pode elevar se altura de um acon'ecimento
a noticia de qae ora chega, Ora (lea a vi.jar o mar
quea d'Aogeja, muito boa pessoa, muito amavel,
mas que nao tem importancia poltica propra
mente dita ?
Ple chamarse aconlecimentos s Recusas
que os Histricos e regeneradores tem aprsenla lo
para eir.prestarem algons do? seas eaadilbos mai
ola veis ao Sr. Avila, propon lo outros persona-
gens de problemtica importancia emquanlo Ss
Excs. Itcariara na penumbra do ama calculada
reserva, esperando pelo hirraear dasltoag'o, para
ento appar-cerera como deas x-macMna a salvar
a patria aflicta ?
Pois sero estas bhgiarias om acootecimenlo
ero presenga dos soccessos qae alm Pyriaeus se
esto ffai-saodo ?
Isso, meus amigos, hesito anda se hei de classifiear
le feliz ou infeliz a esta apaihia era que nos va-
mos arraslando, sempre cubicosos de fazar_as
exequias i9 dficit, em qne maldito se efge
mais anafado vai zombando eom incrivel desfa-
gatez dos erapyrismos eom qae os mlleos encar-
tados procurara melte lo urna cem varas abaixo
do chao !
O dficit o nosso D. Basilio. Qnandn toda s
gente o juiga na hora exuoma, ei-lo que *fta os
bracinhos de fra e entra a fazer ftas aos m-
dicos I
t Receitoo'lhe'ha dias o Sr. Cario" Bento, um
dos horneas de mais espirito que o sol nbre, a
resauraivio do monopolio do tabaco; rene un
oilo ou Jez amigos e conhecidos de diversas'cores
partidarias, para cavaqaearera respedo, como
ah se dira.
t A paoact do tabaco fez espirrar os circurni-
tintes. a impreasa diselhes: DominmtrctM, e
Mr. Tniers e seus collegas ser secreta. o Sr. Carlos Bento renuncien a fazer server ao
c O conde de Paris publicou um manifest oo paiz essa p;i ida monumental que faria. revivar os
qual nega ter qualqner ambigio pessoal. privilegios, as iseneo-s, o odioso completo de
a Pazera-seoe preparativos para a prxima par- monopolios, e engrossaria aioda mais o roaga-
lida de Napoleo d- Wnhemsliole, e tem-se telto alo do dficit cora as eem-mil Irfdemmscoes qne
todos es arrapos necessarioi para o| prisioqeiros se teriaca de pagar s importantes manufacturas
vofrarem da Allemaoha que j temos des genero, e as qpe os vendedores
i Madrid 27, s 11 oras da noale.Assegura- bvres aprejenlariam ulliraa hora, cora igual di-.
se que as c ndiges da paz a ee sao da Alsaeia reito.
e Mtt.ifrfemtiisw^io de, K,OW milhdes de fran- < A'falla, pois, de aconlecimentos, Lisha ele-
eos. O exercito prossiane entrar amanhfo (18) vou esa cathegona om barnlbo qua hnnv no
em Paris. Thier e Picard chegaram Bordos Chiado na lerga-feira gorda. C >mo os edHaes *)
esta oute. Aroanhla dar con 1-sembla do governo civil prohibissem o a tirar se ovos de pos
preilmfeares da aai oudegemm. oa paesquer oatros objectos, os
Londres 17.Rm refereneia ao acontaoiraw- rtpaiea enrinas raellwr aoledao este lao
tempo a cabega, e anda assira levos ama entilada,
de qne fleoo eom orna hgeira ferida de tres polle-
gadas, que poderia ser-lhe fatal. Muiia> outras
pesseas nVaram pisadas e raagoadas.
i O soldado di lugo preso, mas responden
consetho de investigacao e foi sollo e elogiado, dan-
do-loe o commandante haro do Zezere 8 dias de
licenea eom vencimenlo por se ler portado nem I
Como qneixnsos e reelamanles aprsenlaram-se
na imprensa os Srs. Luiz de Campas e conde da
Villa Real, depuiados. Tem j sabido daas oo tres
cartas.
Algons jornaes, ou para melhor dizer, s o Jor-
nal do Coouneicio sustenta que a polica foi beflt
e que se provou ter o soldado sido aggredido.
A aggresso parece qne nao passou de Ihe se-
guraren! as redoas ao cavado para nao esraagar o
novo, como lencionava. A Berlina', exeelienle
folha de espirituosas caricaturas, per Bo'dallo Pl-
nheiro, levar posteridade esla Grmetotte carna-
valesca, Joaquira Augusto de Otiveira autor de
rauius mgicas e oulras pegis de iheairo est es-
pivv-ndo orna soena cmica a qae pos o titulo de
Os legisladores do Chiado. Emilia, o caso qae se-
na sopar nr podia ter soas eoasequencias, e
foi muito desagralavel para as pessoae maltrata-
das. Cre que o licar porm aqai.
i Diz se que o ministro do reino, marqaez de
Avila dissera cousas poueo amavets ao bar&o d
Zezere; embora o soldado riveese SO annos de
servico, sem nota, contenlasse-se o commandante
sola-lo ; premia-o o louva-lo em ordemnacSo re-
gunenial foi urna provoeaco ao publico que con-
de mna as bravatas da polica municipal, o achara
brutal caturrico n'essas ostenlacoes de f.irca eoo-
ira gente inerme qae folga a n sejam grandes ou
simples populares.
E' preciso acabar eom sto do haver dnas no-
ticias em Lisboa; ou bem a civil ou bem a militar.
t A nossa polica-dupla tem eonfl clos frecuen-
tes ; a mana tos uniformes (toe ronito meri-
dional, miliiarlMoo de mais a palicia civil. Emflm.
Deus me defenla de disentir aqai a questo, mas
cr'ii o que a no=sa iraprensa o Acara fazaado por
mu i i dias anda, e a ser certo o desaguisado en-
tre o commandante geral da gearda, o ministro do
reino e a demisso do primeiro effectoar se, tere-
oos ah a oriifira do novtssimas intrigas e dis-
sengoes. Os offeedidos requereram um processo
em forma, e msiflem.
E a proposito de entrado; o lempo eslava mag-
nifico ; as mas foram percorridas por nraitas
mascaradas; os bailes poucos e os theatros live-
ram endientes reaes ; os bailes de particulares e
soires foram muitos e hrlhantes.
No pago da Ajoda nao houve o prejectado
baile, mas o Sr. D. Fernando reuni seas flihos e
outras pessoas terga feira no palacio das NecesBi-s
dades. '-'
E hvam todos os convidados em cosfnm* ; o
Sr. D. Fernando de Pierro; a Sra. condessa de
Eola soa esposa, apoareceu trajandoo cosime de
nnnotire de a Line ;a Sft D. Lmz de JlVpaito-
li-s (lo Fausto);1> Sr. D. Augusto de jockey e
ilguns'liialgoi jockey etc. ele.
O jornaee iniudamente contam lado isso; en
> que posso eootar-lhes qae vi terga feira S.
M. a rainha em S. Carlos no sea camerule part-
c ilar cora os seus dous lilbos D. Carlos e D. Af
fonso ambos vestidos graciosamente de pescadores
venezianos. a rainha Irajava de preio; anda
sempre assira. A ama hora da noite retiraram-
se c. M. e altezas.
i Vai felizmente em convalescenga S. M. Im-
perial a senhora luqueza de Braganga. Nao se
lulgava que resisiisse, pois deu grande enidado o
seu estado de sande.
Celebroa-sa ha dias o'um dos templos de
Lisboa ( creio qae foi em S. Francisco de Pasta)
um Te Oeun em aegao de gracas pelas melboras
de S. M. a imperatriz viuva.
< No domingo 19 deram-se sepultara os restos
morlaes do nobre conde da Ctrreira, ayo qae 6>i
do mallograrto rei o Sr. D. Pedro V, e de S. M o
Sr. 1). Luiz I.
t Os j >roaes tem publicado a biographia deste
hornera notavel a quem as letras patrias devera
oons servig *. Ei-reoSr. D. Luiz (caso que en
ir eos talvez o primeiro e nico seguramente
n'estes ntimos lempos) apreseolou-se no cemita-
rio de cisac preta para prestar a ultima home-
aagera ao seu hora amigo. Nraguem all esperara
o soheraao. A senhora condessa viuva no seu
agradecimooio pelos jirnaes s pessoas que as-s
turara ao fuiieral de seo- marido, beij* a mao a
ol-re por aquelle significativo ooaequio memo-
ria de to leal e honrado servidor, como foi Luiz
Antonio de Abren e Lima, conde da Csrreira.
< Escrevem de Vienna ao Jornal da Noite ( de
Lisboa) que S A. o ende d Eu e soa repasa a
princeza1 herdeira do Brasil,tinham sah do d'aquella
cdade, iiepoi.s de assisiirein ao funeral da prince-
za D. Leopoldina. Partiram para Iaglaterra, onde
ir enconxr.-ir a SS. Aa. S. il. o Imperador do
Brasil, que soerado na Europa.
i No dia 21 do cerrente fallecen no hotel de
Braganct, p.m Lisboa o Sr. Or. Maool Joaquira
Ribeiro reabra, medico, natural do Para qne ee
achava em tratamento de seas amigos padec-
mentns.
Foi Ihe encontrado o testamento feito na p-o-
viucia de sua nataralidade em 1838; foi aberto
pelo regedor e escrivo da freguenados {Martyres.
Parece que deixa a sua esposa universal hardeir
dos seus btras; da liberdade de cisco escra-
ves ctrn tondreges, e fer tira lgalo iraporlaule
para ser doslribuido em asmlas no dia do sea en-
terro.
o O funeral fez-se eom pompa. Os offlcios fo-
ram felpos na igreja de Nossa Senhora doa Mar-
lyres.
-Noticiis recentes da Zambezia, por ara ofi-
cial que regressou-de Mogambique pelo paquete
francas! o velo agora de Franga, do a triste-nova
de qne apenas restas 20 o a trinla pragas da ex-
pedigao qne ultimanieate d'aqui foi e que levara
ornas 600!
< isla Horneada ama coramissao para tratar da
traslada gid solemne dos usaos de Vasco da Gama
Wra o magoiilc teinplo dosJeTon>*mos, em Bb-
R5ra Pertencera commissio os Spsi Alex'ndre
Herculano, AlOano de Castro. marqoBB aJe-Niea-
(represeniante dos c->mie< da Viligueira e dascen-
denie p. r soa terc^ira av do fama?o alrairanie
dos mares da India)-* de outras pessoas cojos no-
mes me nao occorrem nesle tomento.: MegOiOoo
mausoleo sea duvid* aquelle moaurnaala roa-
nuelino, para a memoria do grande decobridor.
t O temlo dos Jeronvmos o penant do poe-
ma de CarOSas.
Esta aolemnidade nacional dever despertar
as lyras de lodos os nossos poetas, sem tallar a
de l'homaz Ribeiro, que alm, na prepria foda,
extiocto convento
varas moedas pon
de. Estas nwe las
Aluuos din**,
1248);
i Algnns dinheirt
-1325)
t Alguna reaes breos oo sidos de D. Joao I
(1383-1433);
< Alguns cutis de D. Alfonso V (1446-IWl ;
Alguns cf de D. Joio H (titl-liW) ;
Contam portan crea de 400 annos as mais
modernas desias moedas e peno de 050 as mais
antigs.
' Por am lelpgnmmi de Londres a 24 do cor-
rente, sabe-se (diz o Commercio do Porto) que o
emprestira > brasilalro zttquella praca eslava pre-
enebido. O empreatimo de $000:000 de *, eom
ttulos de 9 0/0 amortsavel em 37 annos oor ron-
pons no mercado. O prego da emi-so era de 98
e liquido para o subscriptor a 87 1/4. Os litlos
tinham nessa dau um premio de % 0/0.
A unta de liquldaelo das exiinctas eompa-
nhtas do GricPa ihraahao, Peroambueo e
Parabyba, remellen ao governo os balangos da-
qnellas companhlas do auno prximo lindo. Con-
tiooofl se eom o pagamento do 13 raieio aos
accionistas da extincia eompanhia do Gro-Par e
Marannao, bem romo 0 de ama avuitada somma
de repartieses atrasadas.
c ConservQu-se sem ajlsragao a divida do esta-
do extractas eompaohias pelos sappriraootos
feitos do tempo do sea eommercto.
A referida juma pele por isso ama indemoi-
saeao.
0 activo e pa'sivo da extincta companhia do
Gro-Par 0 Maranbio em 31 de dezembro da-
qaelie aono, foi de 1,484:719*^35 rs.; o da com-
panhia de Pemimbdeo e Parahyba fot de.......___
1,346:0434200.
A' 28 de fevereiro leereaenta o nosso corres-
pondente de Lisboa:
D Madrid communicara os despachos espe-
ciaos telegraphicos que Topete ofl*ere<*e-se defender
Montpensier perante o conselho de guerra. O
conselho de ministros oceflpa-se dos generaes des-
terrados.
Um oatro despacho, chegado depols da meia
oonte diz: *
< A eoallisao carlista federal para as eleices
est realisada em algamas provincias. Cexte
nega se ir voluntariamente para o desterro.
t Qoanto s noticias polticas de Portugal nada
tenho a accrescentar. Por este boletn) ao Diario
de Noticias d'esta madrugada verio o* litore?
{jue a solacio da crlse anda oie se effectaoa :
< Anda nao pode o Sr. presidente do conselho
organisar o gabinete, e diz se qu ressaram a*
negoeiagSes eom o partido ienem nado histrico,
e qoe proseguem aioda eom o regenera lor, nao
ha vendo certeza de qoe ahi mesmo tenham resal-
tado, e eren 11 muito* polticos qae o g verno se
completar fra d*esses partidos, oo s cora est-
ol timo. Fra deste eampo nao ha acontocment i
nenhnm notavel, o-tando a aitengo publica volla-
da para o desfecho da guerra fraor^ prassiaoa.
t O prego do po augmentou lo rs. em kilo
grammo, o da carne 20 rs. tambera em kilo
grammo.
Esqoeeea-me dizer que falleceu ha das o
Sr. Frederteo Goilherme da Silva Pereira, irmV
do finado conde das Antas, e ministro de estado
honorario.
O Sr. Frederico Goilherme era o presidente
do tribunal da Relagao de Lisboa.
c Foi nomeado o conselbeiro Lpez Braoco para
este importante cargo, o o Dr. Ferreira de Novaes
para vice-presidente.
oficias do norte do Imperio.
Timbeen chegou bontem o Vapor brasi
leiro Tocantins. iraiendo data : do Ama-
zonas 26 do passado, do Par 3, do Mara-
nho (J, do Cear 9, do Ro Grande tt'e
da Parabyba 12 do corr'ente.
AMA^OSAS.
Seguir da capilar para o Per, no
dia 7 de fevereiro, o Exm. Sr. Wilkeas de
Mallos, commissario do governo na qoes-
Uto de limites entre a repblica e o im
perio.
PAH.
O Eim.. Sr. presidente di provincia
fez orna excurs5o cjdada de Camet, so-
bre a qual assitn se exprime o Jornal do
Para:
S. Exc. o Sr. presidente da provinci;
se?uio na noite da 25 do correte, eom siu
excelleotissima familia e acompaobado do
eogenheiro Guiberme Francisco Crnz, par.
a cdade de Gameta.
Ao chegar do engenho S. Domingos, df
propriedade da commendador Domingos
Sorges Machado Acataoassi, S. Exc. fot
sanado eom ama banda de mostea e gy
rando las de fog retes; saltando no re'eriifc,
eogenbo demurou-se algom tempo, d'ondt
reurou-se recebendo muitas pro siderac3o da parte dd mesmo commenda-
dor e demais cidadaos, qne all s aeha-
vam.
Cbegando S. Exc. a eidade de Camet
no dia aegiinte foi recebi lo eom as honras
devidas sua elevada, posicao, hospedado
pelo Exm. Sr. conego Siqueira Mundos e o
.pvo cimetaense n5o poupou esforcos para
tornar agr da veis os momentos, que S. Exc
passou entre elles.
Na noite desse d^a foi S. Exc. convi-
dado para comparecer no tbeatro aue es-
teva ornado eom gosto e asseJo e all se
achou s 8 horas e meia da noite demo-
rando-se pouco tempo como havia promei
tido.
No dia seguate (27) visitn S. Exc. a
!7^ yisit)
idas, o i
alfandega, a mesa de rendas, o cemiterio, as
escojas de ambos ot sexos, o collegio de
Santa Cruz e as obras publicas, (casa da
cmara e cada) examinando todo eom a
minuciosidade, que costuma quando visita
estabeleclmenlos, que se pxeudem ao'servico
pubi'io.
< Nsse mesmo dia S. Excconvidou aos
cameiaeoses para assignarem urna subs-
cripcao eom o flm d te evaolir all um
edinco, qoe deve servir para escolas ele am
bos os sexos.
A idea de S. Exc. oi abracada eom en-
thusiasmo e aberta a subscripcio foi levada
mais de dous coatas de res, alm do o-
ferecimento d/> Exm. Sr. conego Siqueira e
de seu ifmSo tenente-coronal Siqueira que
se cOmpromateram a dar os lijlos e te-
mas qiie forem necessarios para o novo edi-
ficio.
Tendo S. Exc examinado diversos Lu-
oavrganle respirou _
prandio-o da patria que o se genio e pertinacia
imrai.rtaHsara.
E' preciso qoe o nosso poro ao naaoas eom as
memorias do paasado aprenda a estremecer a trra
qae o vio ntseer, e em aue v diluir o esp.riw ov
ciooal, iracas i tantas p^queaas miseria, egoisrao
pode inspij-ar-aa da meema brisas orientaos ejuao -, m^m^. Cfav:n\{. A^.
ousado naneante resoiroo eom oa olhos no fuwro Rares para ver onae memor conviooa -
cagS da casa que se proj-ectava, descubri
om que foi encarado cmo mais proprio
pela sua posicio.
< Existiam na eidade as ruinas de. ama
S. Exc. ma: uar o major Va-
lente, e mostrando-lhe nocessidadJ que
tinba do resto dos mate iaes para a edifi-
cado da casa, propoz Ihe a rescisSo do con*
t ato, mediante indemnisacSo ajustada.
u arrematante pedio 1?>0,5 e o eoge-
nheiro Cruz acbou razoavel o pedido qae
foi acceito, off-recndo o arrematante
nesta occasiSo 500000 para o novo edi-
ficio.
Nesle logar, ruinas da capella a qae
nos referimos, foi oollocada a primeira pv
dra, eom dons palmos da lado o faceada,
achando-se*presentes o Exm. Sr. presidente
da provincia e muitos cidadaos, que con-
correram ao acto, sendo paranympbos o
Exm. Sr. conego Siqueira Mendes, ebefe
dedivisSo naval Jos Antonio de Faria, jutz
de direito da corncea Dr. Antonio Henriqae
de Miranda e presidente da cmara lente-
coronel JoSo Baptista de Novaos.
< Finda esta ceremonia que foi feita eom
todas as solemnidades, orna banda de
msica t con o bymno nacional, diversas
gyrandolas de fogoeles subiram ao ar e o
Exm. Sr. presidente n'esta occasiao dea
vivas eidade de Camet e aos cametaen-
ses, qae tinham concorrido para aquella
obra gran liosa.
Concluido este acto foi 8. Exc. assis-
tir a collocacao da primeira pedra do caes,
obra de grande Importancia e otilidade
sendo paranympbos os mesmos ci dadlos
que o foram oa collocaQio da primeira
pedra do edificio de qoe cima fallamos,
havendo tambem toda a solemnidade.
Nesta occasiio a mu tea tocoa nova-
mente o bymno nacional e o povo den
enthusiasticos vivas ao Exm. Sr. pridela
da provincia, que por soa vez tambem
dea vvms ao brioso povo paraense, ;'
constitoicSo do impirio e a Sui Magslade
9 Imperador.
t 0 povo camelaense, na expanslo do
sea enthusiasmo, deixou ver que muilo
sperava da visita de S. Exc. p:tra a
reatisac3o dos melboramentos de que pre-
cisa a juee abencoado torrao.
Fiado este acto o filustre presidente
reeolhen-se casa onde se acbava ho3pp-
dado e d'all sabio s 5 boros da larde pa-
ra bordo do vapor Sottre, peahorad? peas
provas daaoosideragoqoe elle e soa Exm.
familia recebaram do generoso p v/j came-
laense.
No dia 26 do passado houve urna ren-
Qio dos subscriptores para a projectada
companhia de transporte de gado das Ibas
da Maraj, Cayana e Mexiana para a capi-
tal da proviocia, elegendo-sa a seguale me-
sa provisoria: Dr. Emilio Dias, presiden-
te; Manoel A. Rodrigues, e Antonio Brao-
le F. da Silva, secretarios.
Tendo fallecido o capillo Jo5o da Sil-
va Maya, secretario da saude do porto ; pe-
a presidencia da provincia fui nomeado
para o substituir o Sr Prudencio Das Fer-
reira Portugal.
Na villa do Porto de Mar fallecen o t-
lente coronel Franciscp Brat de Araglo.
O vapor ioglez Augusline levu do Para
oara Liverpool um carregamenlo de 20,081
irrobas de borracha, representando um va-
lor de 850:t00d.
A' bordo do Tocantins chegoa pro-
vincia o Exm. e Rvdm. diocesano, de vot-
ta da corte, sendo ali recebido eom vivas
lemonslracoes de apreco.
No dia i do crrante seguiram para
Vlanos, bordo do vapor Aianj, o 3"
oMtalho de artilharia de tinba, e o contin-
ente de imperial corpo de engenheiros,
itii erguer os estabelecimentos indispen-
aveis para garanta das fronteiras.
Ate 3 do corrente ascendiam as do->
;5es hi'ilioiheca provincial a 1653 '.ola-
mes, 55 folhetos e i 1H24000 em dir^eiro.
A alfandega de Belm arreca Joo nr
mez de fevereiro 355:0790316 rs., e de i
a 3 do corrente 17:3145519 rs.
Procedentes de PeraambHco chega-
ram : a 23, o patacho Santa Cruz; e a
28, o hiate americano Paul Savenrt/.
MARANH0.
Comecot no dia 21 do passado a
eleicSo senatorial, sendo conhecido a resul-
tado dos collegios da capital, Alcntara,
Rosario, S. Bento, Guimaries e Cororup.
nos quaes obtiveram maiona dij votos o
Srs:
Dr. Candido Mendes
Dr. J. de Campos
Dr. Luiz A. Yieira
Desembargador Cerqaeira
Pinto
Conselbeiro J, Mariani
Baro da Aoajatuba
No dia 24 reunio-se a asserabla ge-
ral dos accionistas da companhia de oawe-
vaco i vapor, e approvou as seguimos
propostas :
t 1.a Ao art, 4aElevando o capital da
800:000*000 1,500:0005000.
2/ Ao art. 11Redusindo 20 i 3 o
maior numero de votos qae possa ter o
accionista.
3" Ao art. 19Subs'itoindo pela mato-
ria absoluta os dous tercos exigidos para a
approvaco da reforma dos estatutos e
augmento do capital.
c. 4.a Ao art. 41Os membros do di-*
reclorio nlo terio gratificagio alguraa.
t 5a Ao $ 1.0 do art. 39Onde diz~or-
gaoisar e entregar comnusso fiscal para
o devida, exame os balangos semesiraesj
Sejaentregar etc.
6.a Ao art. 47A este a, ligo aceres-
cente-see tambem fazer o abaiimeHto i
for necessario p ira qoe lodos os in
da companhia possam ir ncando fi-
que realmente liverem em consequeacia da,
deteriorameoto.
7.a Ao ait. 53Fique sobstituido pelo.
segainte:Todos os objectos de proprie-
dade da companhia sojeiies risco "
devero ser segures annualmenie,
se, se assim convter, ama conia pa
|m qoal serio levadaa as sobmbhs
258
257
256
255
253
243
V.
capa, otnr'on it1 ayfl$f$ aa Sajurtvawm *a/Me destloo, ittenU a 4Mkul
+*p*i*>



i
ll
I '
\\
M'
e pnlMB
lamente de ejcra* vo .a, nem -oia do Assim
rasauas. se i acaboa de a que elevados d
i villa loRnsarb j iritictra ante smente do modo o rr
p ra a capit Ja vapor Caxkts, parque ojnflria ver se era vendar i gran >iso Aro, etc.
intimo
^oneorfftr
to
-AlfredoTreariqmRe
- Prtate, e desrabar*dor Francisco paga ; M indvid
1
aciam os gosos malmiaap a auiet melhor ibes
atir n-se ao rio, ah perecendoi o subdito, i ccAti No da 5W de fevereire, no lugar sVa-j
portagaei Antonio Marqaes T-iuceiro. Foi Borneado prortVHor pnrtico da reir, do quartirio d$ Coitejeiras, tanto;
Na capital fallaren o desembartfador comarca da Granja, o Dr. Manoel Tlioraa da Panba, presntao-se o wifjwaoso da'
aposentado Jos Mariano Correa de Azeredo de Barros Carapello. mo.te na provincia ja Parahyba, Librala
Couinho, deixan lo ama fortuna de.......... ( tm. presidente da provincia se- aicmpanhido de 4 capangis arifia 407:1064(630 rs., sendo guio no dia 4 do corrente, a examinar M pondo m cerco a Casa de $anoel de Aie? SiaSS, T* f*!ttd'e f1 d-A"B
Ouro em mmda 18:7015000 obras do aterro e assentameatu da ponto vdo, intimaran) este para Ibes entregar Toesoureiro.Francisco Vieira Perdigo.
Prata dem idem 09WOO e viadoclo do Rio Pacoty. | un seu filho, raja nome se ignora, aia* sBSCRlfCio PHancez \. Nastm o i timos
6:0305000 No dia 7 cabiraru copiosas e abun- o condoirem forr. para Mamangaape 8' ias um eviuo ao Sr. cmsai franen botos pa-
60:1515430 dantes chuvas. sobre a capital, acompanua-'ahi o obrigarem a pagar urna divida 6:674^00 das de trovoas e relmpagos. j secundo ditiam, fora contrabi la com asi
No aez de feveriro f-lleceram, na tal Joaquina Eneas, na importancia de ana
Djiiiiogucs da. Silva.
f setretario.-Napoleio da Costa Morelra.
i secretano.-*Joo laqdhrf Aires.
fresideQto.-SW*rWpaaM^
SeerdUrta-JofellapKi de Castro e Silva Janior
Directora.-^.Jtraqrarn itraro GafeT, km
ornes de Mallos, Rayraando Remigio de HWW i cheganio os a
a Jreiraoea-
t##o Vasques e o
dem, que eoncorrewm
hspanliol Jas M<
Setehibr-n, verAra Orna altreselo oudsavenea,
levados por tanta alado* da talla*.
Concluido o baile, s 3-Moras da madrugada, sa-
quis o Jo< Moreira, aa roa Vate de Fevereiro,
Liremo Thimotbeo da Coaeeieto, com Emilia
sea do Saat'Am.
Lo jes Persoa d Costa, com Adelante Chri*-
tina flibeiro.
Manee! Angelo da Silva, com Ursulina BaptiaU
J." denunciaci.
Francisco BipUsU dos Santos, com Lnia Ma-
na da Concejsio.
Crisplm Gomes da Silva, com Mara Joa do Es-
v r-amm
1:5000000
Oinbeiro em papel
Letras aceitas pelo Banco
dem por aiversos
Accoes do Banco do Mara-
lo
Accoes do Banco do Brasil
Urna commeod de Christo,
pendente, e habito da mes-
roa ordem
Por ordem da presidencia da provin-
cia estiveram fechadas, no da 2 do corren-
ta, todas as repartirles publici-, eoabaii-
deirados em funeral os navios di' gunrr.i
wtafOes publicas, pelo prematn pjssa-
mento da Sra. prin ez.a D. Leopoldm >.
S. Exc. Rvm*. o Sr. bispo dicesi m
tambem mandou nesse dia encerrar os tra-
balhos da cmara ecclesiastica e dos semi-
narios.
No dia 7 do correte devia ser lan-
zado ao mar o peqaeno vapor Progresso,
propriedade do Sr. Jeronymo Tavares.
No mez de fev^reiro vieram ao mer-
cado da capital: 6452 siccascom alg do,
401 pipas com agurdente, 5878 saceos
com aasucir, 3133 alqaeires de arroz com
casca, 3i4 cuaros de boi, 6480 alquei-
res de far.nha de mmdioca.
PIAl'HY.
Apenas encontramos o segainte no
Pia iilty :
a No dia 30 de Janeiro, ao meio dia
pouco mais ou menos deu se ne.sta cjpital
um fjclo tristissirao, que consternon a to-
llos o seus habitantes.
A digna esposa do commerciaote desta
prafa, Antonio Gomes de Campos, foi crael-
meni issassinada pelo seu escr^vo de no-
rae Krederico, que com a maior perversi-
dade roubou sociedade urna matrona
dislin :ti a toda prova por saas qualidades
pessoaes.
t Eigomava o psrver*o ama cimisa, e
notando a senhora ao passar por eh para
o quarto do Inoho que aquella eslava tos-
tada pelo ferro, reprehenden-o por isso
ameacandoo de castiga lo quando voltas-
se da ra outro parceiro. lslo foi bastan-
te para assanhar os moi instinctos do ti-
gre de fei<;5es humanas, o qual laucando
uifio de um caivete grande de mola que
trazia cjmsigo (talvez premedilamente) pe-
netrou o quarto antes q chas-e e te la soccomb;r ai s golpes de 11
tacad i, das quaes 3 foram sobre o peno.
Nao eslava em casa o infeliz marido,
nem ella teve- forca para gritar bastante for-
te de modo a poder ser soccorrida, por-
que a primeira Ucada offendeu-lbe o or-
gfio da voz. Fi i todava bastante om pe-
queo gnio que deu para despertar a at
lencSu de seus pequeos filhos, que se
a'liavam janella na salla da frente, os
quaes abrindo a porta do corredor e ven-
do o malvado correr todo ensa>guenlado
na direcca > da ra, para logo compreheo-
deram a sua desgrana e desesperaram a
rilar, de modo a chamar a alinelo dos
visinhos, que pers guiram-no at a porta
de palacio, onde foi preso e levado a po-
lica.
c A consternarlo foi geral a de repente
a casa da infe iz victima enebeu-se de ho-
mens e senboras, que recuavam de dor
dunte de um qnadro 15o contristador e
pungen'e. Seu marido foi talvez o ultimo
qae ebegou em casa.
. A cra, interroga io pelo ebefe de poli-
ca, confessou com voz tirme todos os por-
menores do dolido, sem a menor demons-
trado de arrependimeoto t
t To moco ainda, pois representa ter
apenas 2 annos, mas lio perverso e eruel!!
< parece que o destino levava essa in-
feliz senhora ao seu desastroso termo;
pots consta qne esse escravo, tentando duas
vezes contra sua existencia, ella se oppo-
era apv disso a que elle fisse vendi-
do, dizendo que seus servicos Ihe faziam
f ilta, a que sendo elle maito moco virla a
i'.orregr-se com o tampo,
< No interrogatorio feito ao assassino se
acbam as segaintes declarac5bs :
Pergontado se matou saa senhora, D.
Mirii Jos d Silva Coorado ; poique mo-
tivo a dea.de quando formou o projecto de
assassina-la ? Rttponden que matou-a no
dia 30 da jmairo oltimo, depois do meio
dia, cora umeaniv6te, qae o que est na
polica, tendo para isso penetrado no quar-
to onde a meima ia banhar-se, havendo
deixado a porta cerrada; a o fez porque
desde o dia anterior tinha tido o palpite de
a matar, do que formou projecto deitando
no eos da caica o caivete para olfender
*oa senhora; quando s 7 horas da noite
do dia antecedente eslava seq senhor na
tala de jantar conversando com o Dr. Po-
lidoro, elle reo achava-se nessa occasio,
no corredor da covinba, tratando da lim-
pia dospratos e veio-lhe a idea de matar
ia senhora do outro dia, idea que j tinha
lio ba quitro das antes, pelo desgosto de
ervi-lj a por ella nio querer vende-lo,
tforao j tioha pedido a sen senhor.
Perguntado mais se detraz-no havia
alimentado tai idea ? Respoodeu que lia
doui anuos pooco mais ou meos fot bo-
fiea de Eugenio Marques de Hollanda com-
prar veneno para matar sua senhora, mas o
menino caiieir da botica de nome Joaquim
nio qui< vender foi imm-diatanaente dizer
dares. oqual foi contar a seu
ue tambera dea parte a mn-
adares a soa senhora. pelo fun-
que so tunitava com o da
esoe castigado

parela de sua senbora,
11 ^iOOO' capital, 34 pessoas, sendo 12 maiores e 22 cont de ris.
1:8OO5iX)0! menores, sobresahindo d'entre ellas Mariaj Tao am9a?adora e revoltante imposi-
M rlms da CoLceigao com 1 5 annos. Jos- c' 'a dando lugar fi scnas bem trstsT'e
; pba de tal com 80 e JoSo Francisco Soares
com 72 annos.
' Leni'-s no Cearense
desagradaveis, se na ocoasilo muitas pes^
soas nao fossem em sixvorro daqnelle ci-
dadao, nio pdenlo e!is, ealretinto, evi-
A falia de chuvas vai-ie lomando sen tar que nm dos ta*s cap*ngas 'lesfechaise
sivel Knti) pelo sertao, como pelo litoral, e sobre o soppoto devedor nma forte pau-
i temperatura hu gran ex-
aqoi
sombra tiesta cap-
t^m Slava
iraordnri), de qne nao eslavamos
acoiimadns.
* O ra.xirao calor
tal nao passava dd 3J a 31 graos centise-
raaes do ihermometro : uliirntiiient-) tem
sub.d > a 32 centi emaes, ou 87 de Tahr.
Nao vamos bem de invern. As chu-
vas tem sido parciaes. Em alguni3slicalida-
des as chovas fazem extragos, e n ou;ras a
secca vai assolando desapiedadamente. -
c Em quanto no lo o povo est affliclo
com a secca e sob um sol abrasador, de
um calor de aspbiuar, no Cralo as chovas
sao tio abundantes que tem causado extra-
gos. Or) invadi urna parte da cidade,
abatendo moitos predios.
< Deus nos livre da calamidade de urna
secca.
Temos cartas da Barbalba, qae alcan-
cam a 20 do p issado.
A' respeito de invern eis o que nos
dizem :
t Temos t'do muitas chavas, esperase
urna colbeita abundante ; presentemente
temos os celeiros abastecidos de gneros
alimenticios e por mdicos pre?os para o
que concorre a grande falta de dinheiro em
gyro. i
' O numero de individuos matriculados
na capitana do porto e as diversas esta-
cos em qne ella se divide sobe a 1292, a
saber: 446 na cabolagem, 199 no trafego
dos portos e 647 na pescara.
< Empregam-se na cabotagem 9 embar-
cares no trafego dos portos 16 lanchas, 3
jotes e 157 jangadas.
t Qianto ao numero das embarcares
empregadas na pese ra nao podemos pre-
cisar, por faltarem-nos os dado.
< Durante o aono de 1870 foi o nosso
porto vigilado por 328 embar aces, a sa-
ber 249 oacionaes e 79 extrangeiras, corn
a lotagSo de 5,719 pessoas e 93,501 tone-
ladas.
Nacionaes entradas e sabidas vapo-
rss 98, esenna 1, hiales 45. cutres 52, bar-
cacas 53, total 249, com 60,609 toneladas
e 4714 pessoas de tripolacSo, 41 2 livrse
312 escravos.
c EstraDgeiras entradas e sabidas va-
pores 24, barcas 22, brgues 8, escunas
13, lagares 5, patachos 3, sumaca 1, biate
1; tendo 32:832 toneladas e 1317 pes-
soas de Iripolagao, sendo inglezas 43, f' an-
cezas 3, hespanbolas 5, aliemes 9, por-
toguezas 12, dinamarquezas 2, aostriacal,
sueca 1, russa 1, bollaodezas 2.*
RIO-GRANDE.
Escreve nosso correspondente de Na-
tal em 11 do correte :
c No dia 4, foi recebida nesta capital
com profundo pesir a infamia noticia do
prematuro passamento de S. A. a Seren-
sima Princeza a Sra. D. Leopoldina, dn-
queza de iaxa.
f S Exc. o Sr. presidente mandn m-
mediatamente fechar tolas as repartieses
publicas por tres das, a no terceiro dia ce
lebrar um ofcio solemae pelo repouso eter-
oo da virtuosa P/incaza.
A i^reja matriz, onle teve lugar esse
acto fnebre, esteva armada decent mente,
tend>8e levantado no centro urna eci rici-
menle preparada, de 5 metros de Miara, a
qual se conservou Iluminada dis 7 hora
do dia s 8 da noite.
t Assistiram quelle acto o Exm. Sr.
presidente, os depotadns Gomes da Silva e
Raposo da Cmara, o Dr. chefe de polica,
commaodanta supeiior, membros da c-
mara municipal, toda a ofOcialidade da guar-
da nacional, cueles das differentes repa. ti-
Ci5es, todos os empregados pblicos e mui
tas pessoas gradas.
f O Exm. Sr. Dr. Silvino, sempre soli-
cito em promover a prosperidade da pro-
vincia, dirigi -aos proprietarios e fazendei-
ros n'eila residentes a carta seguin'e :
< Gabinete da presidencia do Rio-Gran-
de do Norte, 21 de fevereiro de 1871.
lllm. Sr. Sendo a introduc-cao de bracos
livres no paiz orna de suas mais palpitantes
necessidades actualmente, e acbando-se o
governo imperial ta firme resoluc3o de au-
xiliar do modo mais efic-z a organisacao
'da de if\v i'.ver, qni o ueixnu lavado em
sang.e.
Liueraiii e seus gu1 id a cosas, vend-
se cercillos pelas pessn-s, qae acudir ao
lugar do sinfctr, f giram apres-adamente.
deixwiio doos e.ivabos e do;is 'jarros sol
'.I.'iIS.
Keci"a-se que asse' rriminosos vol-
tim su{.';.(ida v.-z ,i ,11,-Hi! lugar.
O del.-gado de ioi,:i,i. icjenle-oronel
Villar, procura capturar esses malfeito-
res, contra os quaes j instaurou o compe-
tente processo.
O Sr. Dr. chefe de polica, requisi-
cSo daquella auloridade. fes seguir al-
gumas pravas para reforfir o ilestaca nenio
all estacionado sob o comraaodo ao capito
Manoel Ramos de Oiiveira Colho, ultima-
mente nomeado subdelegado do districto
de Flor, que fica tres leguas da sede da
villa.
O jury fiesta capital foi marcado para
o dia 24 do corrente.
Rndimento da alfaodega no mez de
fevereiro altimo :
Importacao.....14:41853ro
Ancoragem..... 7M250
Etporlac5o ..... 16:6785-<29
Interior......1:5493291
Extraordinaria .... 5728
3:819:4I1
parahtba.
Nada occorreu que mereca menco.
ra as familias frincezas necessitadas os Srs. .-
Bario de Bem Dea 100*000
Dtfsembargadcr So oa Leo 30*000
Thunaz Liqs de Barros, doeofleobo
' Sena i Agua 100*000
O Sr. Manuel Bernardo das Virgens, propneu-
ria dj eugeoho S. Jos, no Rio Formoso, i barris
ecm mel e t saceos com assucar.
DINHEIRO.0 vapor Tocanlitu trooxe para os
Srs. :
ia Rodrigues de Soma
oaquim Jos GoneaiwesBeltrao
4nao Ramos
asso irraos
iailiz A. Sii|ueira
Juaquim Gerardo de Basto*
doaros Primos
Domingos Perreira Mais
Pereira Vianna k C.
Trooxe mais esse vapor :
Para Macei
c a Baiua
o Rio de Janeiro
eado desU parcatla 32V:858*O0O pala o tbesou
ro nacional.
marfae_
oddiio a"
q/ie Ihe foi
fe instan-
direita
Unes, Bjpiu
Avisada a aotoridade, des incontinente todas as
irovidncias para a prisao do assassino, e tratou
ago de firer o necessario auto de Ctffpo de delicio
ou exama cadavrico.
O ferpeiradol ste arime, teado alOda as roapas
tintas de sancue, til preso honitm mesrao, l 7
hura rmotils, iwao mais otrmeoo, e reco-
Ihido a eadeia, dorando idstaarar-sa o reepeetivo
processo.
Lamentamos ama lio triste occorreneia, como
remate dos tolgaedos, qae entre risos, proiocados
pelo ridicBlo dos coMomea chiste dos ditos ti-
nhara corrido at eolio, placidos e serenos. >
L-se na Atahiaio Sul de Jagoaro :
t No dia i.* do mez vigente foi brbaramente
04*13)
1:000*000
99**600
4ll*izH)
300*000
8:000*000
4 37*W0
353:804*140
PERWAMBDCO.
KEVTST.A DIARIA.
AOS N0S503 LEITORES E AS51G.NANTE3.-
A grande demjra que tem tido en .-aas viageas
dous navios que da Europa sao esperadas deu lu
gar qae o ui-rca lo de papel de irapre,so se te-
nha resentido de fa la d'ssa genero.
Emqnanio tiremos papel do formato do Diario
imprimimo-io sem aitarag), esperando qae a ca-
da momento apparesnsse no pcr'o os navios da
quo aciaia filiamos. Estes, porm, aio tcaueba-
gado, e, ten lo-se esgotado o nosso pipel vema no*
na dura nscessidade de, por algan* (lias, impri-
mir, smsi.le 4 pigiuas do Diario, fi'n de pro-
longar por mais ternpo o apparecimento do mes-
rao Diario, e o nao snpprimir totalmente como
fjrira obrlgadjs fazer tolos os jornaei de S.
Paulo em emergencia aemelhante, ha bem poucu
teiffn. ^*
J manamos comprar pipel tanto em algunm
provincia* do norte como n'ontras do sul, ood-
houver, e nesie< dote dias de esperar que a fal-
ta desappareca, se aot disso nao ohegarem o.-
navias da Europa
Pddimos mil discnlpas aot nossos leitores e as-
signantes por urna falla lilha nica de um caso
de fjrca maior, impossiel de remediar tao promf)-
lamente como qnizeramos
No intuito de melhor satisfazer ans annuneian
les do Diario, sonprimimos as materia* qne coos
tituiam a nossa 8* pagina, publicando entretanto
no corp j do Diario a parte d'essa malaria que
for compalivel com as proporcSes que damos mo-
mentneamente fulha.
Snpprimimn* alguos annancios, dos maiores.
Tenham paciencia os seas donos e interesados,
pas qae impossirel conserva-Ios as paginas,
redozidas estas qnatro.
L >go que tenaamos papel para imprimir o Dia-
rio em 8 paginas, nos restituiremos esses annua-
cio s aos -sea lugares, repellado os enlao tantas
vezes qujutas fomos obrigados a glosar nesta oe
ca>iao.
Contamos que os nossos leitores, assignantes e
nnunciantes nos nao recusarlo ainda esta ve;
nma prora de bondade. relevando-nos d'esla falta,
como ji nos tem relevado d'outras que temos pro
curidu sempre remediar, no meio das diffl.-.ulds
des com qae temos corajosamente lutado ha cinco
annos.
AS5EMBLE V PROVINCIALNa sesslo de hon-
tem a astembia approvoa em i* disenssao o pro-
jecto n. 4 destu snuo, auterisando o presidente da
provincia conceder ao cirurgiao da casa dos ex-
postos am auno de iiceoca com venciweotns ; e
em 2*., o de n. So do anno passado, supprimindo
o districto de paz do P. co Comprido, do termo de
Garanhons; adioo em Ia discussio, depois de te-
rem orado os Srs. Pedro AIjoso e Fulippe de
Figueira, mandando ouvir a repanico de obras
publicas e o engenlwiro fiscal daestrala de fefo
de S. Francisco, a projecto n. I ti do anno passado,
qne con sede privilegio esubeoci) a trinen Evan
gelista de Oiiveira, para eonslruecao de ama es-
trada de ferro de Agua-Preta Leopoldina ; ap-
provou em 1" o de n. 118, coneedendo duas lote
rias de 120 eolitos para concertos do eoavento do
Carino de G >yanna ; em I* e nica o de n 126 do
auno passad<>, approvando o compromiso da Ir-
mandade de N. Sra. do Lvramento de Pao d'Alho.
Entrando em I' dfsensti) o de n. 134 do auno
d'associaces, que su dirijam to til um, 'passado, qae concede nma subvencao Antonio
ja facilitando a vinda dos emigrantes, e j
coocorrendo para as despeas do transpor-
te ; convido V. S. para q eem seu pro-
prio interesse, e pelos meios seu al-
cance, pr mova nesse importante municipio
a organisacSo de semelhante assooiaco
Abraho Mancho dos Santos, para ir estudar ma-
zica i Italia, deixoii de votar-se por falla de no-
mero.
A ordem do dia para boje : conlinuacaa da
anterior e mais : 1' discussio dos projectoi ns.
3,5, 6 e 7 deste anno ; SI e 84 do aono passado.
PRINCEZA >. LEOPOLDINA.-S. Exc. o Sr.
a ui auiaauat/ un coiuoiuoiuc asauuia^ai/, ----- .----- -------- -...... _....
miA fnrmari ti rtnviril a ra hrilhanta d conselQeiro presidente da proviacia, teodo roce
que lormara san auviaa aera Drttnanie oe bMo da cdrle conmaoil.a5j oflici^i do infausto
sua prosperidade. I passamento da sereni-sima prioceii a Sr. D. Leo
c Esta oecessi lade tanto mais nrgente poldina, seguuda Hilia de M. o Imperador, or-
e palpitante, quanto escassam por toda a fuou I? est.vessem fectudaj hontm as repirti-
Darte os h-aron auvaviM ao* nuaes sem &** Publicas em signal de condulencia por la,
pane os d. acos escravos, aos quaes sem MnsiTe| ^,-j;, e que w esUaet publicas conser
grande proveito tem estado entregue a agn- vassem em faneral seus pavlites, daado a* lor-
VIGAHIOs EMCOVJMSNDADOS.Pelo Exm. e
iteviu. Sr. conego vigario capitular foram Humea-
dos vigarws encomatouuados para asfregaezias :
de Papicaca o Revm. Pa-choai Lombardi; e deS
Lourauco da Milu, Fr. Paulina da Suledade.
COiDJUTOR.-Pelo Exm. e Revm. Sr. conego
vi gario capitular foi nomeado coadjutor da re-
gaezia da (aponga, o Retn. Fredeneo Augusto
Raposo da Cmara.
SEMINARIO DE OMNDA.-Pelo Exm. e Revm.
Sr. conego vifariu capitular foram nomeados para
reger interinamente, durante o impedimento dos
effectiros profoasores, as cadeiras do carao theo-
lgico do seminario de Olinda : o conego Dr. Ma-
nofl Tnomaz da Oiiveira, a eadeira de mstituicoes
acorneas; e o conego Trinquiltoo Caoral lavaras
de Vasconcellos, a e litbargia.
JrtYDO R8CIFEDixea hontem de fanecio-
nar, por falta de numero legal do juizes da lacio.
PARA O SULCim 71 recebido em nosso
port-, levoo hooiem para o sol imperio H07
passageiros o vapor Iraucez Gironde.
MERCADO MONETARIO EM LONDRES.-Os
Srs. Pinto Leite & Sobrrahoi assim se exprimera
na soa ultima circular :
Desde a nossa ultima circular tem continua-
do a mesuia nrineza em deeeuntos qae reiuoa na
previa quinzena, comtudo o juro do banco de ln-
gMerra nio soffrea, por emuuanto, alieracSo, rl-
cando a 2 1/2 /
As contiuuadas sahilas de numerario tem
feilo reluzr a reserva metlica do dito estabele-
ciuientj, que era em 8 do correte 21,781:8:13,
mas em 13 21,883:09), tendo as mesmas la-
las notas em circulscao no valor de 23,432:733
e 23,216:003 respectivamente.
Consolidados Q icluaram alguma cousa, ga
nhanlo 1/4 qua perdern em seguida, fechando
boje as mesmas eolacoes de nossa ultima circular.
A maiona dos fuados estrangeiros tem me
Inorado um pouco em valor, na expectativa do
restabelecimento da paz.
< As accoes do Englisk bank of Rio de Janeiro
ileam a 2 de premio, e Laudan & Brazilian
bank a 25 e 27 descont.
Annaociou-se a sabscrip;io de 619:900 do
esdo de MamehaseHs do juro de 3 pM 1HlM|
sendo o prego da emisiao 91 uorceoto.
Organisou-se urna eompanhia de calcadas com
um captUl de 100:000.
< Na casa ceoir.il ou ban|oeiroa as liquidares
diarias na semana dada em 8 do corrate som
njarain ato 73,037:000
e na tinM em IS do inesmo, 90,716:000
Total 163,773:000
BARO DE S. BOKJA Segu beie para a
corte, no Tocantint, b* Exm. mareehal de campo
Bario de S B.nj-t.
S. Exc. embarcar i) 4 horas da tarde no caes
12 de ovembro.
FERANUO DE NOROSIU.-Era 10 da correo-
te escreve nosso correspondente nesta i ha.
* Aqu chfgou hontem no Geqni, o 9r. Or.
jriz municipal da 1* rara do Rocifs com o s>n
escrivao, ad.o de proceder A importantes Desqui-
tas, as quaes deram em resoltado a prisao de a:-
gUns sentenciados qae j aqu se aehzvam ^or
crime de moeda ftlsa. Alguns deltos egaera ne3
te vapor, com a respectiva aotorilfede.
< Tamb-jm aqu aporiou a 30 da Janeiro am
bote com 3 iripoUnies da tarca americana Crowe,
que ia para Montevideo eoin earregament i de
irilbos de ferro, -per pretrederem altes se suble-
varen! bordo. Vo oeste vapor disposicao do
respectivo consol.
c Muito j se senta este presi lio da demora do
invern; porem, c>.m a trovoada e acosas a ebuva
iue ha duus das tem apparecido, de Jtppaaeceratu
os receios de terrivel wcca.
VIAGEM DE SS. MM. ii Leuios oe Biano do
Rio de Janeiro:
c Consta-nos que Sua Magestade o Imperador,
logo que se reunir a amwDta gerat legislativa,
Ibe reqaerer sea eooseaiimeato para sahir do im-
perio e ir Kuropa, com o duplo Bm de procurar
melboras da preciosa aade de Sua Magestade a
l.nperalriz, e trazer em sua compaahia o inoocen-
tiis principes, filos da sua marte presada e sempre
ch
RIO GRANDE DO SUL.--P.iio vapor fraoeez
Sindk recesemos domingo jeroaes do Rio Grande
at 2 do corrale, dos quaes callemos as aoeus
qOe seguem:
Carta de Bag datada de JO do me fiado,
eommuoica qoe a toase dos supptentet de verea
Jures do quatrieaoio ftedo, para gasiremta admi-
istragio municipal, al que -m proceda nova
eleicao por haver lido aanoMada nltimanrente
Lo s i no Qommercial:
i Acaba de desappareeer desta cidade o Sr. La
Page, subdito norte araericane, qo s oceupava
em correlagens de aavios.
Consta no* que alratos em sea peqaeno nego-
cio, o deliberaran) a dar esee passo.
Dizem mais que tora visto fra da barra, por
am capit) de navio, que entrara ltimamente,
bordo do lugre inglez Ltnn Pera, que sabira para
o Cnbo da Boa Bsfieranea
A" inspectora da alfandega, foi no dia 28
eommoniesdo. ter-se perdido a 12 milhas ao N da
frdfuezia de Moul.irdas a barca americana Hellei-
pont, capillo Luther CroWel, que riiiht do New
York, e segundo oirem, cw declino ao Rio da Pra
la, com carga de varios gneros.
0 Sr. Miliiio, inspector interino, dando as pro-
videncias que este caso exiga, fez no insino dia
cultura do pa2, ao passo q'ie as acluaes
circumsiatcias da Europa sao as mais favo-
raveis para semelhante desidertum.
A proviocia de 8. Paulo esta dando ao
Brasil expropio digno d: ser imitado com a
organisacSo de taes associaettes, o que tem
talezas -c navios de guerra surtos no porto u oa
saiva pela maata e outra a tarde, e om Uro de
10 em 10 minutos no iolervallo d'aquellas salvas.
Os consolados de toda aa nacoes, assoeiaudo-se
essa roaaifeetaoao de dor, p*ram tamtiem M
fuuerai teas respeciivos paviinSes, e qoasi todos
os navios mercante* funieado* no porto o mesmo rio.
oo Rio-Grande do orle, posto que muito ^rmm, ha eere* de dtas, .o npor meli*
foi preso, e seu tanhoreaj menor em populacK riqQQ o oatros rindo da Rompa.
3:4SO000
3:400*000
-nnono ""'"ado com urna punbalada na regiao ora-
fr^Ti; bral.o subdito brasflfiro Rstevio, no rugar deno-
minadoPicada do Lageadoao arroio Jagaarao
Chico.
< Esterio ia a mandado do Sr Ladislao Amaro
da Silveira, conduzca ama sedula de 300*000 pa-
ra entregar a Jote Beato Campello, no pac/) de
Santnriao. n
Segando informarles qae nos mioistram, os
assa-smos depois de consamar o crime roobaram
aquella sedula.
< O subdelegado da fregoezia do Herval proee-
dea ao compsenla eorpe oe delicie no cadver do
infeliz Esterio, e provideocia pafa deseobnr os
autores d'ess crime.
Do Jagaarao eserevera em data de 19 do pas-
sado no Echo io Sul:
Aeha-se entre nos o principe, D. Felippe, so-
brinho de suas magestades, que segu a unir se
ao sea corpo. o 3.* regiment de cavailaria, em
Santa Anna do Lfvramento.
AcompanhaoJo a sua alteza tambem aqai che-
goa o commendador alteres Thomaz de Mello Gai-
maraes, um dos Jovens jagaarensas, qae taoto se
illusirou e a tea torro natal, oa I uta qae acaba-
mos de sustentar com a repblica do Paraguay.
Saa aiten hospedou-se em casa do nosso viga-
rio, o Rvm. padre Lopes, que em nada se tem pon
pado, para que seu ilustre hospede, leve de Ja-
guaro ama recordarlo grata e saniosa ; ah tem
tido visitado pelas peasoas gradas da localidade. a
por om grande numero da cidados. De trato
ameno, delicado e atteocioso em extremo, a todo
tem penhorad > o joven principe, por saas manei-
rasfraneas vigiaasvMsj'e'quv tanto TazT-n recor-
dar, a Ugna *ympMhica e popular, da soa mii, a
nossa oortre pnncezi D. Janaaria.
Soa alteza retra-so d'esla cidade com direccio
a Santa Anna a 19 dVste mez. em eompaehia do
coronel do sea corpo, Justiniano S. da Rocha, que
aqu se achava com liceuca.
Prospera viagem e dilosa sorte na nobre car-
reir qae adopioaj desejames ao distiocto princi-
pe brasileiro.
Eis como o Diario de Pelotas, narra urna fa-
janha, da jrmandafc dos Oandidas :
i A ama hora da raanha de 20 no theatro, a
pohcia avisaba de que gritos de soecorro se eu-
viam na primeira qoadra da ra da Igreja, depois
da piar*, -ti*.
Acudindo no lagar indicado eneootraram o Sr.
Joa de tal peireiro, subdito portogaez, borrivel-
mente espancado e todo ensanguentado.
Segundo coota a vietiraa eslava dormiodo quan-
do seniio qrte Ihearromoaram a porta : ao levan-
tar-se j o aggressor oa aggressores eslavm den
tro da casa e malhavam-eo a ccete.
8e poder defender-se, grita por soccorre, afa-
gentudo assim seos aggressores.
A polica eondnzio o ferido Santa Casa de Mi-
sericordia onde Ihe (erara prodtgalisados os pn-
meiros curativos, e b'-otem de raanhaa Toi reco-
ihllo ao hospital da Beneficencia Portugueza, de
que sonlo.
A aatarldade prosegoe em indagados para co-
nhecimento d verdade. >
COMPA.NHIA PENAMBUCANA.-HoJe o ul-
timo dia em que recebara carga os vapores Pira-
pami e Giqw para os portos do norte e sol con-
forme o annnneio d mestna eompanbia.
FUNDOS BRASILErBOS -Erara Msiai coUdos
na praea de 1, mdres, a 20 do passado :
5 % de 1885 94 a 94 1/2
4 s/t 'A de 863 82 a 84.
EMRESTIMO BRASILEIRO.Lemos na Revis-
ta Finnnceira da Correspondencia de Portugal:
Por telegramma de 13 do crrente (fevereiro)
de~Londr-s, temos eonbeciraeoto de qua appare-
ceu inesperadamente naqnella pra?a, a emisso
de um emprestirao brasileiro de Si 3000:000 em
tiiulosdfl 5*/amortisaveis em 37 annos por com
,>r8s no mercado.
O preco de eraisso de 89 /, nas com o
descont das prestacSes tica liquido para os satis
criptores a 87 1/4 /..
Naquelie da ja c
i'A
Esperamos informacSes, qne pedimos, do re-
sultado Anal oe andamento da suh*crlpe->, por
oJ sabermos a que dia ella est era aherto, t
se as obtivermos as daremos ainda nesta folha.
Folgamos com i prora evidente do crdito do
Imoerio brasileiro, apt-z ama gnerra qne tantos sa-
crifi ios Ihe custju, oe prego da emiasao d'este
mprestimo.
i Devenios presarnjr qae o gororno brasileiro
tenciona impartir em msed* o producto d'este en-
pressimo ou a soa maior parte por que a nao pre-
cisar d'ella nio rw irreria a ora erilerestlme es-
iraBgeiro quando tem tido a maior acilidade na
eollocacao do?, nacionaes.
Se o producto desta operacSo for assim trans-
ferido, o resultado d'ella sobre o cambio nao ser
to seosivel como se a transferencia se fizer por
meio de eaqnes.
a A falla do respee ivo prospecto impede-nos
de eeoheeeTolifn pnidpal teata etaistao, e mai-
to bem pode ser que o uredact* d'ella tenba ap-
plieaQio oa Europa. N'esM caso o effeto sobre o
cambio seria nullu.
AMBROSE E AMAZON.Salas vapores deviam
tocar em Lisboa : aquella da I a 3 da correte,
para o Para, Maranbo e Cear ; e este de 5 a 1
do eorrente para Pernambuco.
NAVIOS A' CARGA.Era Lisboa -Julio, Sobe-
rano e aia para Peroarobocn; no PortoCorpa e
Ifnio oara Pernambneo, Adelaide para o Para.
NAVIOS CHEGADOS.-A' Lt*J>ia 17 La Pla-
ta (vapor) do Cear, a 20 Realkhde de Para, a 26
Jjinaanza ("mpor) do Maranho; ao Portoa 12
Adrlaide do Para, a 20 Unido e S. ikinoel II de
Pernambuco. :
NAVIOS SAHIDOS.De Lisboa-a !5* Bruns-
wick (vapor) para o Maranbo, a 18 Cearense (va-
por) pira o Pera, a 20 Beilm ftgntiresst o Qrati-
4iu> rflrra Pernambucb, a 22 Mrquez de Santa
Cruz paran Bar*; do Portoa tt Alfredo para o
Maranho, a 21 Ti iwiipho para Pernambucoi.
KOTi 1AS COMMEitCIAES.Sao ae seguales
as da aitima dala da Europa :
Londres, 27 s 8 h. da manha.
O mercado de algudao Aea froux aos procos de
7 i/i a 9 d. o de Pernarabuee, 7 1/4 a 7 5/8 e da
Parahyba, 7 1/1 a 8 1/2 o de Mace, 7 7/8 a 9 o
do Maranho, 7 1/i a 8 1/2 o do Rio Grande do
lo premio dos scrlps era de

1* sjsWlllJkKiM^sft.
Aatonfo nirjeirof r f sftc*9CJi rn**rrta\ uiHWkWkfc "*" < >
Frederico Columbiaoo da SUva Gsjlmaraw, com
Mamona Jacintha da Silva.
Antonio Joaqura Alvos da gilva, cea Caroilaa
deS ion Mello.
HOSPITAL PEDRO II.O movimeoto dease i
tabelecimenio da 6 a 12 de maico da
de 247 existentes, envarara 31, satura* '
cerara 5, existera 247, seodo 153 uomens I
Ulerea.
Adverteacia.
Foram visitadas aa eotaroarias estas das as
7,9, 7, 8.7 Ii2, 7, pelo Dr. Ramos ; as U, II, Ii,
1, 12 1/2,10,11, pefo Dr. Smente.
Fallecidos.
Manoel Telles Barbosa de VascooeeUoa ; febre ty-
phoide.
Joanoa Maria da Conceicao ; tubcrcaloa paitan-
ares.
Beoedicu alaria da Cooceico ; enlerue cttro-
nica.
Manoel do Nascimenlo ; bypertropbia do coracao.
Joo LOTERAA que se acha a venda a 185*
beiecio da matriz do Exii, qae orre ao dK 14.
PASSAGGIROS.Vindoe do norte no vapor na-
cional Tocatins :
Antonio Manoel de Souza Oveire, Pedro Ale-
xandrino de Moraas, Jos Luiz Nery da Silva,
Joaquim da Silva Pereira, Jo.- Thomaz Parele,
Antonio Vctor Magano e 1 criado, Jos Itovaes de
Carvalho e 1 criado, Domingos Pereira de Soza,
Dr. Ernesto Carvalho Pires de Lima e 1 criado,
Carlos Emilio de Andrade Peixoto, Udrio Al-
gusto de Moraes Reg, Dr. Joio Viaana de MeTto,
I criado e 1 eacravo, Dr. Cleawatiao Jos L Celso da Cuaba Magalbles, Jos Malaqolas, Pratl-
cisco M., 1 escrvo a entregar ao Dr. RaTmttdp
Braulio P. Lima, Ricardo Wilig, Frnciaeo |var>
Ponsidorio, Domingos Aotooie Constando, toetfia-
eorooel Francisco Colbo da Fooseca, Pierre Juftfs
Vctor, i.-idoro Cbastaigoer, Jean Smiih, Jos PhBo
de Soaza, Rodolpho Sergio Ferreirs, Joaiuia Pa-
checo Mendes, Aatonio de Amorim Garci, JoaqnJsa
de Amorim Cama, Francisco Tbaophilo da ttos*
Bezerra, Eloy Castriciano de Soasa, Belrnlfo Bap-
lsta de Souza, Alexanare Toscaoo de Brito, Ma-
noel Fernandos de Azeved, Sebastiio Antonio de
Mello Reg, presos Manoel Simos da Silva e Luda-
vico Gomes da Silva e 3 praeas qae o escoltara,
Joao Christiano Pires, alfares Felipp Carnetre Es-
trella, Lais Alves Con 6 Lopes, AVitm dos asi-
los Pereira, Francisco de AI mei da Braga, Fran-
cisco Aiexandre da Costa Lima, Francisco Soares
da Silva Retumba e 1 criado, Francisco Fenrfra
Rorges 1 criado, Jos de Azevede Mais e 1 Oibo
menor, Dr. Antonio de Soasa Carvalho e 1 Albo
menor, D. Josephina Angela Cammha, Satyrn Jos
de Maraes, Bernardino Caino, Domingos Govim.
Sega era para o sol :
Antonio de Brito Costa Cavaleaoli, Dr. Jos Csr-
noso de stoura Brasil e 1 criado, Dr. Francisco
Jaeialno Pereira Multa, ana familia e 9 eaCravae,
Antonio Pereira da Cosa Lima, E-ailio D**geet
de Oiiveira, sua senhora e 4 escravos, D. parea
Mara de Jasas, Giovani BaptisU Ceiaoo, Beraar-
dino Pereira Lcite Bastos, >ua senhora eloriados,
D. Leopoldina Rosa da Silva Pinto, D. Maria Wat-
ter, D. Alcioa Silveria Gomes Vretor, Jos Ditetes
Sagovia, Joo Jos da fosla, majdr Tula Suare*
Neiva, 5 recrutas, 1 imperlal-manaheiro, IS es-
cravos a eotregar, 1 sentenciado e 5 praess.
Viudos da Europa no vapor fraucet Gironde:
Beanael Joseptt, Joo Antonio Moreira Das, 7 fl-
Ihos e 1 criada.
Sand para os portos do sal no mesmo
vapor :
Diogenes Daro Cantalice, Hermano Breoner,
Eliseu Francisco da C'iu Naves, Manoel de S
Brrelo Sampaio, 1 irmao e 1 criado, T. R. 4a Sil-
va, Joaquim Antonio da Costa Barros Antonio de
Barros Souza, Jos Card >so K.ttfa Brasil, J.Jo
Antonio dos Sontos, J >o Estanislao da Silva Liv
qda, 13 alnmnos e t criado, Laarent Cheylanl,
Aotonio Jos da Silva Maia.
Viudos de Fernando, no vapor biasleiro
Par&hvhd i
Dr. l*aolino Rodrigues Chaves e 1 escravo, 3 al-
frres e 1 meoor, 1 lente, 38 prsoas do 9. batt-
IhSo de Infamara, 26 sentenciad", 3 presos
disposicio do jais municipal, 5 mulheres, lOiiboe
los sentenciados, Jjo D. Alves Lime, 3 marafoa
americani, J. Anna Mara Marques Tavares I
Alna, D. Raymonda de Souzt Araujo, IX Ouilber-
mina Kodriguet de Sonza e 2 Amos
Vrados de New-York, no patacho *tMleiro
Jaboatao :
George Hess e sua senbora.
Vmdos do Rio Fermoao, no vapor brasileiro
Mamanguape:
J.> Bapusii Monteiro, Antonio Botolho, Hyp-
polito Franco da S Iveira L.
CEMITERIO PUBLICO.Obituario do dia 10 de
marco :
Carolina Maria Wanderley, branca, Parnarabu-
eo, 35 annos, solter, Boa-Vista ; tubrculos pul-
monares.
Maria, parda,Pernambuco, 1 mez, Boa-Vista ;
coqueluche.
Luiz, escravo, frica, 50 amos, solteiro, Boa-
Vista ; eongestao cerebral.
Camillo, escravo, preto, Pernambuco, 50 annos,
solteiro, Santo Antonio ; dysantera.
Feltzardo; escravo, pardo Pernsmbaeo, ii annos,
solteiro, S. Jos ; phlysica pulmonar.
Maria Josepha Clemente, branca, Peroambnco,
40 annos, solvira, Bes-Vista ; pbfysica paiasenar.
Francisco, branco, Pernambuco, 18 meaes, Boa-
vi ua ; convulsoes.
Emilia, parda, Pernambuco, 18 mezes, Boa-Vis-
ta ; convulsSes.
Maria, branca, Pernambuco, Recite ; detracto.
Vtrgiua, parda, Pernambuco, 9. 'Jos ; wolsffWie
capilar.
-11 -
Mara, parda, Pernambuco, 7 horas, Santa Aa-
tonio, fraqueta eengenita.
Lmz Gomes de CarvMbo, braneo, Pemambooo,
18 annos, solteiro, Santo Antonio ; tubrculos pul-
monares.
Leonel, escravo, preto, 4 nnos, Boa-Vista; co-
qoeluch.
Maria, branca, Pernambuco, 2 mezes, Pooo ;
convnloes.
Josepba, parda, Pernambuco, 8 das, 8. Jos i
espasmo.
Andr, preto, Pernambuco, 40 aunas, solteiro,
Boa-Visu; febre amarella.
Jos A escravo, preto, frica. 50 noca, casado,
Boa-Vista ; eongestao cerebral.
seguir para o lugar do naufragio o 3 eacripturario
Francisco Jos Falh), acompaobado de 2 oardas.lflorte, 7 */B do Cear.
para se proceder arrecadacao dos salvidos. O assucar Ac sem traosarSes, senJo o preco do
Constara que se pretenda mandar o vapor de braMe-tW 3 do-iisin |g/6 a-25/8.
reboques Rio Grande no dia 1.*, a cargo do.Sr, O cacao do Par vende-ee de 4H/a 55/ fronxo.
Francisco Jos da Caoba, barra (ora, por haver a Os couroi do Brasil veodem-se de 7 314 a 9 1/2
id qua se poderia dasencalhar e salvar o navio e ossecens saJg.dosj_e de 4_3/4 a 5 1/4 os verdes.
COMMERCIO.
O English Baok of Rio
de Janeiro Limited, saca sobre
Foutd C, Paris.
MARgo
fKAtJA
carga, o qaex^iiyidjwo. PROCLAMAS.F.^m idos no'domingo na
A' requisico do respectivo cnsul, seguir para matrit da freguezia de San* Aatonio os proclamas
o logar do naufragio, o vaporee guerra Jagua- rea jalar
o. 1.' daqnnfiaafci.
- No da SI das ves para as qafljjrtoras 'da Joi> Uii Neulsaaa, sos TJsem rs Beoiviada de
manbia foi Msawioado Jjaaoel Autoaio Vasque. Su usa Das.
i de sspsteiisi, por Antonio. Moreira, subdito Aaais Rranclsee aa Costo Lobo, ees
^^trabaiqdor. Ayu tff0\% da Urna
DO RECIPE 13 DE
DE 1871.
AS 3 1/1 HORAS IU TABDS.
Assacar bruto. aStiifc H| P* **
(sabbdi
Assuw nal-U850. **-i8 ***f*""10- .
A*,* mamSfajji p^j
^Sra Londres W d/v 26' d. por 11000.
taa Ltsoea psfavel em Loeim-t 90
n. G.____
tto>
^



ihhii
de V
ern
tuco
P. J.
Piolo,
Secretario.
RECEBEDOWA DE RENDAS WTERNAS
GERAES DE PERNAMBUCO
Remenlo do di 1 a 11. 3*!M*19
IfcSndo da 13..... 2.66M104
38:082*514
MOVIMENTO 00 PORTO.
Navio entrado no ia 12.
Bordeanx e portos intermedios-Vapor fraueez
Sindk, commandante Massenet.
Navios entrados no da 18.
Tarra-Nova-33 das, eseuna ingleii Cora, de 12
-lalS, cap-tao' Jaraes Campbell, equipagera
8, carga 5.025 barricas cora bacalhao ; a Jobos-
TerraNov-25 dias, lugar-inglez Marance, de
158 toneladas, capitao G Filmore, equlpagem 8
carga 18(9 barricas com bacalhao ; a Jobosion
TerrNova-38 dias, brigue inglez Tiloma, de
219 tonelada, capillo E. M. Grey, equipagem
41, carga 2060 barricas com bacalhao ; a torga
Rtode Wiro-16 dias, barca ingiera Concord
de 376 toneladas, capito Park, equipagera 13,
era lastro ; a Eduardo Fenton. Segura para
New-York-37 dias, hiate americano I. Cari, de
' 817 toneladas, capitao Uoderhill. equipagem 7,
carea varios gneros; a Tasso Irmao.
Sette-51 dias, brigae francez Conceptton de 185
tonelada?, capitao Atena, equipagera 10, carga
vinho e sal ; a Tisset Frre.
Bordeaox e portos iotermedios16 das, vapor
fraocez Gironde, de 1,797 toneladas, eomman-
dante H. de Somer, equipanera 125, carga dine-
rentes genero ; a Tisset Frre.
Para e portos intermedios-Vapor brasileiro To-
cantins de 758 tooeladas, coramandante Jos
Mara Ferreira Fraoco, equipagera 53, carga
varios gneros; a A. L. de 0. Azevedo 4 C.
Rio Formoso-8 horas, vapor nacional Maman-
guape, de 134 toneladas, coramandante Oliveira,
equipagera 14, em lastro ; a compaohia Per-
namnucana. _
llha de Fernande-2 dias, vapor brasileiro Para-
hyba, de 104 tooeladas, commandante Julio G.
da Silva, equipagera 13, em lastro ; a eompa-
nhia Pernumbucana.
New York-40 dias, polaca nacional Jaboatao, de
195 toneladas, capitao Dupr, equipagera 9, car-
ga differentes gneros ; a HVury Forster & L.
Navio sahido no mesmo da.
Rio da Prata e portos intermedios-Vapor francez
Gironde, co nroandonte H de Sjraar, carga parte
da que tnuxe da Europa.
DECLARACOES.
Dnalngna,
O prograrama das regwseuiacdes aera publi-
cado por extensa nos dias designado.
HOJE.
Ter^a-feira 14 de marco.
Espectculo extraordinario
EM
festeja Mis aanlveraarln na-
talco ie
S. i. a Inperatriz.
Logo que comparecer no theatro S. Exc. o
Sr. conselbeiro presidente
da provincia, ser execotido pela
orcbestra
0 HTHRO WACIORAL
aeeuindo-se. depols a representacao do segurte
WtGRAMMA
L'AMOIJa QUE'Ol 'fflWrwF.M
OPERETA M 1 ACTO, DE J. NARGROT.
Mr. Choufleuri restera chez
lui le. .
OPERA BUFFA EM M ACTO.
De Offemnack.
3.
Para o Aracaty
seg* por astea dias o hiat S. Joao Baptute : a
traur com Sones do MillOgMiiiiliiii ra do Vi
gario ..faadar. ^_______________
PARAOCEVRA'
O patacho inglez Vivanieira, vindo de Trieste
em 9 do corrente, seguir com brevidad* para o
porto cima indicado com parte do earregamento
que tronxe de Trieste, tomando neate porto a car-
ga precisa para completar o earregamento; qnem
pretender dirija-se a travesa da Madre de Deas
n. 4, a tratar com es consignatarios Candido Al-
berto Sodr da Mntta & &
PARA LISBOA E PORTO
Espera-se a lodos os momeotos a barca portu-
guea Sa/ka que tem de sognlr com toda a bre
vidade para ditos portos por ter a maior parte da
carga ja prompla. Recebe o restante da carga e
passageiros, para o que trata-se com os consigna
tarios Tboraaz H'Aguino Foneeca & C. successores,
ra do Vigario n. 19.
Cear
dous bous engenhos, a 14
de abril prximo,
Por mandado do Illra. Sr. Dr. juiz de direito es-'
pecial do commercio desta cidade, a reqaerimento
dos administradores da massa fallida de Siqueira &
Poreira.0 agente Oliveira Tara leilao publico dosbem
condecidos engenhos denominados Justar e A/o-
\t d'Ouro, ambos sitos no termo de Ipojuca desia
provincia, os qnaes foram peohorados por exeeu-
oajt de ditos administradores viuva e herdeiros
do Dr. Ignacio Mery da Fonseca, e adjudicados
indicada massa :
Sexta eira 14 de abril
K)mel da em ponto, no escriptorio do referido
agente, a ra da Cruz n. 53, primeiro andar, onde
os pretendeotes pdera haver as informacSas ne-
cesarias. .

Quem T.
Polka extravagante composta por
MR. POPPE,
Passo bespanuol por Mile. Fooco.
Les troubadours.
Extravagancia mosical
Desempenhada por
Mlle. Poncelet e Mr, Hurbain.
Principiar s 8 horas.
PREgS:
Camarote de frente
Dito de lado
Cadeiras de 1* ciasse
Ditas de 2* ciasse
Platea
Seguir nesta dias o hiate Sobralense, capitao
Costa, anda rttcebe alguoia carga a freie : a tra-
tar com S Leitio Irmlos, i rna da Madn *
Dos n. 1.
de
PIRA
CEART
segu com brevidade o hiate Flor do Rio Grande o
a tratar com Gomes de Mattos Irmaos ra d'
Vtgario n. W, 1* andar.___________
14*000
10*000
3*000
MflOO
1*000
Pela inspeccao da alfandega sao convidados
os donos de cinco caixas marca S diamante H, e
111 a 115 com qoeijos llameogos, consignadas a
Silva Moreira, viudas no vapor francez Amazont,
entrado era 9 de Janeiro do corrente auno, e reeo-
hidas no trapiche do algodao, a virem despacha-
las no prazo de vtnte dias contados desta dala,
tindo o qual serao ellas arrematadas era hasta pu-
nlica, por contade quera pertencer, sem que
nada po Alfandega de Pernambuco, 9 de mari;o de 1871.
O inspector iotenoo,
Luiz de C. P. de Andrade^__
Peranle a cmara municipal desta cidade
estarlo em praca nos dias 10,11, 13, 44 e 15 do
ccrrente para serem arrematadas por qnem menor
oreco offerecer, a obra da construccao de 21 pares
de eaUcumDas para adultos e 20 para parvul >s,
de que necessita o cemiterie publico, oreada na
luantia de 6:160*. e bem assim a construccao do
cemiterio para os que nao podeni ter sepultura
eclesistica, na importancia de 5:5o\J* : aquellas
nessoas que quizerem arrematar as ditas obras,
habilitero-so na forma da lei, e comparegam no
paco municipal nos dias referidos.
Pa$o da cmara municipal do Recife 9 de mar-
r-o de 1871. ,
Bento Jos da Costa,
Pro-presidente.
Augusto Genuino de Figueiredo,
Offlcial maior, servindo de secretario.
Pela secretaria da cmara municipal desla
cidade se faz publico que por deliberacao da mes-
raa cmara foi espassado at o lm do corrente
nez o praso para a afferlcao de pesos e medidas
do novo systema. .
Secretria da cmara municipal de Olinda, 9 da
marco de 1871.
O secretario ,
Marcolino Dias de Araujo.
COMMA.NDO SUPERIOR.
Contina na secreurii do comroande superior
a inspeccao de sande para os senhores offlciaes do
4 5, 6, (e 8' batalhSes pe infantana que re-
inereram ; no dia do corrente, as 10 horas da
Secwaria do commaodo superior da guarda
naeicnal do Recife 13 de mar^o de 1871.
O secretario,
Firmino Jos de Oliveira.
AVISO
BAHA
AVISOS DIVERSOS.
Na rna de Uorias n. 43 precisase de um
caiveiro de 13 para 14 anuos, que entenda de ta-
berna.
DROGARA ESPECIAL
HOMEOPATHICA
DE
JOS ALVES THENORIO & C.
RA ESTREITA DO ROSARIO N. 3.
Jos Alves Tbenorio, professor em bomeopalhia, tendo-se retirado do
laboratorio homeopatbico e consultorio de sea Ilustre e finado amigo o Dr.
Sabino 0. L. Pinho, quepormaitos annos es'iveram sob sua direccio,, tem-
se estabelecido snb a inra de J s Alves Toenono & C ra estrella do
Rosario n. 3, onde, animado pela con6anca rom que bonraranvn'o es amigos
da homeopathia. Ibes offerece e ao respeitavel publico um completo sorii-
ment > de todas as preparares bomeopatbicas coahecidas, recebidas das nuis
acreditadas casas de Londres e Paris, e indgenas, bem como tudo quanlo
diz respeito a homeopathia e saa pratica, esperando que continaera a hnra-
lo com a mesma confianra, para o que nao t-e poupar esforco-'.
PRE.OS DAS BOTICAS
GLBULOS
AMA
Para o porto cima segu com brevidade o pa-
Ihabote nacional Joven Arthur; para o resto da
carga que Ihe falta trata-se com os consignatarios
Antonio Luir de Oliveira Azevedo & C., ra do
Bota Jess n. 57. ___________________
Lisboa e Porto
A barca Fia de S. Simiio a cnegar em poneos
dias do Rio de Janeiro, eahira para os portos ci-
ma com a menor demoia possivel ; para carga e
passageiros trata-se com e* consignatarios Oarva-
ho & Nogneiro, roa do Apollo n. 30.________
Depois do espectculo baver um trem extraor-
dinario do Recife para Apipncos, tocando em to-
dos os pontos da liona.____________^____
AVISOS MARTIMOS.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
N
Navegando costetrapor vapor
Macei, escalas, Penedo e Aracaj.
O vapor Giqui, comman
dante Macedo, seguir para
os portos cima no dia 15
do corrente as 5 horas da
Urde.
Recebe carga at o dia 14, encommendas, pas-
sageiros e dinheiro a frete at as 2 horas da tar-
de do da da sabida: no escriptorio do Forte do
Mattos n. 12.
PARA O RIO GRANDE DO SUL.
O brigae nacional Tigre, nropoe-se a tomar car-
ga a frete para o mencionado porto : as pessoas
queqaiceremengajar algnma porcio, entendam-se
no escriptorio dos consignatarios Bailar Oliveira
fcC.
Precisa-?e de urna escriva qoe engorame e faca
o mais servic > de urna casa do familia : na ra
do Visconde de Pelotas (AragSn) n. 37._________j
Cfferece-se urna ama de meia idade s para;
cozinhar : no beceo do Veras n: 24.__________|
Precisa- se de urna ama para todo o servico.
de urna casa de pooca familia, menos cozinhar :,
na roa larga do Rosario n. 12, 2 andar.________|
Quem precisar de urna mulher estrangeira '
para coser e fazer algum servico de casa, dirija >o
a Capnnga, nos qnatro cantos, ca-a n. 24.______j
Aluga-se urna escrava para o servio > inter- |
no de casa de familia : a tratar na ra ee!, taberna n. 7.
botica de 12 mediamen'os 105
24
36
48
60
120
20
30
35$
40,5
70$
botica de
n\ronA
12 medicamentos
24
l.'i-i
m
36' 40$
48
60 > tO
120 > 110$
de engonho, fazen-
Sao nteis essas boticas aos Srs. mdicos, senhores
deiros, ebefes de familia, capities de navios, e em geral a todos quantos qui-
zerem dedi ar-se a pratica da homeopathia.
Medicamentos avulsos pelos precos das outras drogaras, bem c mo
Chocolate de Londres e do Mahanho para uso dos doenies em tratam-.-ti-
to pelo systema homeopathico.
mim

wm
LEILOES.
Consulado de Porlugkl
Em conformidade com o di-posto na convenci
consular em vigor, se faz publico que tendo falle-
cido o 9ubdilo portuguez Mariano Jos Pavao, tem
de proceder-se por este consulad) ao inventario e
a Iiquidacao de seo espolio, sendo pelo presente
convidados ss creiore9 doraesrao a apre-entarem
snas contas devidamente iujflcadas, neste consu-
lado, no praso de 15 das, para screm attendiias
deniro das forcas do mesmo espolio.
Consulado de Portugal em Pernambuco 14 de
marco de 1871.
O chaneceller,
Joaquina Fernandes de Souto.
Lisboa e Porto.
A barca Flor de S. Simao tendo cnegado do Rio
de Janeiro, sahir para os portos cima nestes 15
das por ter a maior parle da carga engajada;
para o resto e passageiros trata-se com os consig-
natarios Carvalbo & Nogneira, rna do Ap lio
numero 20.______________________________
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
Navegando eos tetra por vapor.
Porto de Gallinbas, Rio Formoso e
Tamandar.
O vapor Mamangvape se-
guir para os portos ci-
ma no dia 20 do cor-
rente a meia noite.
Recebe carga, encom-
mendas, passageiros e di-
nheiro a frete : no escriptorio do Porte do Mat-
tos n. 11
PARA LISBOA E PORTO.
Seguir poaeo tempo depois de cnegar do Rio
de Janeiro a barca portuguesa Fencedoro. A car-
ga que Ihe falta e passagens podera desde ja con-
tratar-se no escriptorio de Soares Primo, ra do
Vigario n. 17. __________.
RIO DE JANEIRO
Para o referido porto pretende sabir em poneos
dias o brigae escuna nacional Mentor por ter a
maior parte de cea earregamento prorapto, e para
o ponco que Ibe falta e esc-avos a frete, trat-se
cora o consignatario Joaquim Jos Goncalves Bel-
trao ra do Commercio n. 17.
de fazendas inglezas lirapas
avariadas
HOJE
Terca-feira 14 de marco, as 11 horas.
O agente Pinto levar leilao por conu e risco
de quem pertencer, tres caixas de chitas avaria-
das bordo do vapor inglez La Plata, na sua ul-
tima viagem este porto.
Em eontinnaco vender o mesmo agente mada
poldes, algoddes azues e castores.
O leilao ser effectuado em sea es:riptorio,
rna da Cruz n. 38.
Advogacia
Os baelnrois Joao Franklin da Silveira Tavcra
e Francisco da Cunha Casiello- 3ranco podem ser
procurados para os misteres da advogacia a rna
j inp rador n. 43, da 10 horas da manhih s
3 da tarde, sendo que este uliimo tambero pote,
ser procurado para as funecoes de solicitador em
causas ppoprias e alheias.___________________
A.TTENCQ
No caff amerisano da raa da Florentina n. 22,
hver todas as trdea e noutes de especlacalos
as segaintes bebidas ..cerveji. Rass a lfOOO rs.
dita nacional, gallada a 500 rs. orvele a 240,
caf, cognac e muitas outras bebidas Unas.
AMA
Precisa-se de urna ama secca, que saiba tratar
de um recemnascido : na ra da Aurora n. 84, 2*
andar. _____
AMA
Precisa-se de urna ama, prefere-e escravaf,
para comprar e cosinhar om casa ds liomem sol-
teiro : a ra do Mrquez de Olinda n. 53, armt-
armsem Uniao Mercantil.
lima senhora de familia ollerece i para a>-
sistir ao empregj em occa iao de parus; pie
ser procurada a qualquer hora do dia e da nou-
te, para isto chamo a attencio dos pais de fami-
lia : no iaminuo Novo n 93.
Dinheiro a premio
D-se a premio.de 1 a 10 contos de reis,
com hvpotneca em algum bom predio
nesta cidade, a praso de 6 a 18 raaies.
Daconta-se ou coinpra-se algumaslet-
tras de firma? idneas, ainda que sejam
de longos prasos. Em quanto ao premio
do dinheiro convencinoar-se-ha.
A tratar na ra do Imperador n. 14,
com J. G. Villar.
O
fines.
Adinlnistraco do crrelos de
rernauhuco 14 de marco de
1891.
Mala peto vapor T cantins da companhia ira-
sileira.
A correspondencia que tem de ser expedida boje
(14) pelo vapor cima mencionado para os portos
do sal, ser recebida pela raaneira segrale :
Macos de jornaes, irapressos de qnalquer nata-
reza e cartas a registrar at 2 horas da Urde,
cartas ordinarias al 3 horas, e estas at 3 1|2
pagando porte duplo.
As cartas e jornaes que forem dirigidos ao Rio
da Prata pagaro previamente, aquellas a taxa de
300 rs. por 15 gramraas ou fraccao de 15 gram-
mas, e estes 40 rs. por 40 gramraas ou fraccao de
40 grammas na orogresso estabelecida as ta-
bellasC e Dannexas s InslruccSes do 1 de
dezembro de 1866.
O administrador,
Alfonso do Reg Barros.
THEATRO
(REPERTORIO DE OFFEMBACI
Os esoectasulos terSo lugar li
?sr lavel mente.na a
Tercas,
Quintas,
Nabbaio*.
Barca portugaeza Josephma
F' esperado este navio em pouces dias do Rio
de Janeiro, e segu com brevidade para o Mar
nbao; recebe carga a frete : trata-se com Miguel
Jos Alves, roa do Cruz n. 19.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DI
aregaeio costeara por Taer.
Goyanna.
O vapor Mamangyape seguir pa
ra o porto cima no dia 16 de
corrente as 9 horas da noute.
Recebe cana, encommendas,
_ passageiros e dinheiro a frete nr
criptorio do Forte do Mattos n. 12._________
DE
chapeos do Chile
HOJE
Terca-feira 14 de marco ao meio dia,
Por intervengo do agente Pinto
em sen escriptorio ra da Cruz n. 38, por occa-
siao do leilao de fazendas limpas e avariadas.
LEILAO
Hoje
DE
50 saceos com arroz da India, sendo 25
avariadas, terca-feira 14 do corrente.
O agente Pestaa far leilao por conta e risco
de quem pertencer, de 50 saceos com arroz da
India, sendo 25 em perfeito estado e 25 com toque
de agna salgada, as quaes serio vendidas em lotes,
terca-feira 14 do corrente, s 11 horas da ma-
nhaa armazem do Aunes defronte da alfandega.
Aluga-se ama grande casa no Monteiro,toda
retifleada de nov com 2 salas de frenie, 6 quar-
los, grande sala para jantar. cozinha fra, quarto
para escravos, grande copiar Iluminado a gaz,
assim como toda a easa, grande caixa d'agua do
Prata, com quarto e lindo banheiro para banho,
jardim, casa propria para_ despejo, quintal grande
todo murado e com portao para
na rna Nova n. 32, toja.
%li%
Fallenc'a.
Os curadores fiscaes da faileoela deJOc Anto-
nio da Costa Vleme, rogam a todos os devedores
do mesmo fallido de pagarem seu< dehitos ao Sr.
commendador Jus Joaquim de Luna Bairo, de-
positario da massa, at o li n do corrente me/,
rui do Vigario n. 27, do contrrio serao chamados
a juizo.________________________________
Precisa-sede urna ama para loiinharrm
easa de rapaz solleiro : na ra larga do Rosario
n.31._________|________________________
Quera precisar de urna ama de lene oinja-
se a ra do Vco.de d Pelotas, oulr'ora ra do
Arago, n. 16, e na mesma se dir quera di 400
a juros. __________ _
Precisase de urna ama que engomme e cosinhe
com perfei?o para casa do hornera solleiro ;
tratar na praga do Corpo Santo n. 21, 2.* andar.
Na ra da Concordia n. 23 existe una ca ta
vioda da Europa para ser entregue a Antonio Jos
Pereira Pires Goimares. _______________
Companhia
Santa Thereza.
Os senhores accionistas desta companhia podera
realisar a 4* entrada do capital subscripto a razao
de 10 8,0 at o dia 25 do corrente mez, no escrip
torio do director caixa o Exm. Sr. Bsro da Sol-
dadf, pra^a do Corpo Santo.
Recife 13 ae marco de 1871.
O gerente,
Justino J. de S. Campos.
AMA
Precisa-se alugar urna, forra, para comprar e
cosinhar : na ra do Cabuf n. 2 II.
COMPRAS.
1MA
o rio : a tratar
; r -
LEILAO
D. Maria Hermelinda do Aibuquerque Hollaoda
Cvalcanii e seus fllhos coovidara aos prenles e
amigos de sen finado marido AntODio de Aibu-
querque Holl, ouvirem a missa que maodam
celebrar pelo eterno descanso de sna alma, terca-
feira 14 do corrente, na mulriz da Boa-Vista, as 7
horas da maohaa, pelo que desde j se confessara
eternamente agradecidos.
_P
Precisa-se de urna ama para
casa de ponca familia : ra es-
ireiu do Rosario n 31, 3* andar.
Precisa se alugar um hornera forro ou es-
cravo para o servil?) ordinario de urna padaria '.
na ra da nzala Nova o. 30.
Chumbo e estanho
velho.
Compra-se em grandes e pequeas porefies; na
ra Nova o. U.__________________________
No armazem de leiloes da ra do Imperador
n. 16 compra se trastfs usados, qualquer porcao,
zendo bem conservados.
Compra se urna casa terrea que seja bastan"
te solida e com bous commodos, e que seja em
chao proprio, preferindo-se oas freguezias de San-
io Antonio, S. Jos ou Boa-Vista : a tratar na pis-
ca do Corpo Sanio n. 17, 3 andar.
__________-g-BBB
Precisa-se (aliar ao Sr. Joao Tenorio Perei-
ra de Me raes a negocio de seu mleresse : a roa
da Cruz n. 8, andar.
uu k um
Precisa-se de urna ama de
Trincheiras n. 50. 2* andar.
leile : ra das
V1NDAS.
DE
MOVIS.
O agente Pontaal vender em leilao, a reqaeri-
mento do inventarame dos ben deixados pela fi-
nada D Emilia d'Assumpclo Tavares ds Cunha, e
por despacho do Illro. Sr. ?Dr. jolz de orphos, os
movis seguintes :
Urna commoda de Jacaranda, meia dita de ima-
rello, i roarqneza, 1 cama, i santuario, 11 cadei-
ras de Jacaranda, 2 de balan? i, amarello, 12 ca-
deiras americanas, 1 sof de Jacaranda, 2 cadeiras
de braco?, amarello, 2 oonsolos. 1 mesa redonda, 2
cadeiras, 2 lavatorios, 5 cadeiras assento de pao, 1
mesa para cozinha e K.uca para alraoco e jaotar.
Na mesma eecasiao vender-se-ha ama mobilia
de Jacaranda Luis XV, 1 dita de mogno, 1 guar-
da- roupa de anarello, i guarda-iouca de amarello,
i mesa elstica, i guarda-vestidos, i cama fran-
cea para casal, 1 secretaria, 2 espalos, 3 cora-
modas de amarello e mnitos ontrus objectos, que
estaro patentes na occasio do leilao.
Qainta-feira 16 do correle
No armazem da rna do Imperador n. 16, s 11
horas em ponto.' ^____
Companhia americana e tasilei-
ra de paquetes a vapor.
Ateo dia 15 do correte esperado de New-
York por S. Thotnaz e Para, o vapor americano
South America, o qaal depois da demora do cos-
tme seguir para os portos do sal.
Para frete* e passagens, trata-se com os agen-
tes Henry Forster 4 C., ra do Commercio n. 8.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
Vavegacio eostelra por vapor.
Goyanna..
Parahyba, Natal, Mico, Mossor, Ara
caty, Cear, Mandah, Acarac t
Granja.
O vapor Pirapatna commaao-
te Azevedo, secoir para os por-
tos cima no dia 16 do correal
u 5 horas da tarde. Recebe c*r
LEILAO
DE
movis, louca e vidros e objectos para es-
"criptorio
a saber :
Um piano forte, 1 mobilia de Jacaranda coro lam-
pos de pedra, 1 dita de mogno a Lmz XV, i dita
de amarello, 1 mesa de cama, 2 grandes esperaos
donrados (12 palmos de altura), 1 costoreira <*
mogo, jarros para florea, i candelabro e 4 casti-
cea e mangas de cryslal, esearradeiras, tapetes,
quadros e venezianas.
Urna cama franceza, 1 toilel, 1 lavatorio, l ex
cellecte guarda-roopa e 1 guarda-vestidos, 2 cora-
modas, 1 marqneza 2 cabides e 2 loucadores.
Daas commodas gosto amigo (obra prima, 1 mesa
elstica, 1 guarda-loaca, 2 apnaradores, 1 sof, 12
cadeiras, 6 ditas de ferro, 1 filtrador, 1 relogio de
parede, 2 mesas pequeas, loaca para cb e jan
tar, copos, clices, garrafas, compoleiras, 1 goar-
da comida, e mullos outros objectos de casa de
familia.
Urna burra (cofre), 2 carteira?, I repartimento
de escriptorio, 1 baleio e outros objectos
QuintaJelra 16 de marco
No primeiro, sejendo e lerceiro andares do sobra-
^ -^doda ra da Crnz n. 45.
O-alent Pinto, autonsado por nma familia qoe
at o dia 14, enccimnsadii mndoo de residencia, levar a leilao os movis e
-------- iro a frtte at as t i oWectos existentes no prtmoiro, jsegundo e
^^S^llSU^f^ do SSiroTndjrM^.obrado da nu da Croa n. 45.
lllttosn.lt o leillo prtaeipiari s 10 horas.

Joaquim Rodrigues Tavares de Mello, tendo de
commeroorar na quarta-feira 15 do vigente o pri-
meiro aoniversario de sua sempre lerabrada espo-
sa D. Carolina Ursulina dos Santos Mello, convida
a seus prenles e amigos para que se digoem as-
sistir a celebrado de algumas missas em sulTia-
gio do espirito de sua finada consorte; as quaes
sero ditas das 7 para as 8 horas da manha, na
igreja da Veneravel Ordem Terceira de S. Fran-
cisco.
Em saguida mandar celebrar um memento so-
lemne pelo eterno repou-o da mesma finada.
Desdo j, roui cordialmenle agradece a lodos
os seus parentes e pessoas de sua amisade que
bondosamente o obsequiaren!, assistind a estes
actos preceituados pela nossa santa religio, pelo
qne, gravarlo em saa alma perenne reconheci-
menlo. ._________
Joao Cardoso Rabello, sua mulher e fllho agra-
decen cordialmenle a seus prenles e amigos o
caridoso obsequio qne se dignaram fazer-lhes em
acompanhar ao cemiterio publico os restos mor-
taes de sua prezada fllha no da 10 do corrente.
eujo obsequio Ibes car para sempre grardo em
seu coraco.
acao
0 reitor do collegio de S. Francisco Xavier
tena a honra de convidar os illurtrados Perr.am-
bucaqos, para no dia 16 do corrente, pelas 8 ho-
ras da manha, assbrem a soleranidade da aber-
tura das antas que por circunstancias imprevis-
tas foi transferida para este dia. Imraedialamcnle
depois da mtssa cantada recltar-se-ha um oicnrso
anlogo. Tambom sao convidados os fiis para
um triduo nos dias 16,17 e 18 tarde em honra
de S. Jos, afira de qoe este gloriosisslmo patriar-
cha, patrooo de toda a igreja cathelica ioterponha
a sua valiosa proteccao ante o throno do Altissimo
para que elle se digne por termo aos soffrimenlos
do Sanio Padre Pi IX e restituir a paz igreja
atribulada
Fallencla.
0 curador fiscal da falteocia de Maooel Julio da
Silva roga a lodos os senhores credores de apre-
sentarem seos ttulos de crdito nestes oito dias
ra do Imperador n. 12, andar, aflm do poder
fazer-se a classificagao dos raesmos como deter-
mina a lei
Cozinheiro.
Precisa-se de nm cozinheiro : na roa da Floren-
tina n. 10, fahrca de eerveja.
ltenlo,
No caes 22 de Novembro n. 9 ha para ven ler
urna porcio de cavallos para diversos precia,
vontade do comprador, e juntamente veade-se tam-
bero o mnibus de OLINA^____________
Roga -se aos Sis. Elmano, procurador de so I JuLaXX OCJlllill, Q COl
eios, et coraitante caterva, que, em vez de gasta-1 muil0 novo e de prmeira qualidade : veode-se
rem sea lempo e trabalho em mexincarem da vida | em ^j de j carrerei rua da Cruz n 34.
albeia, e calumniarem a torto e a direito, empre-,----------------------------------------------------
gera esse tempo e trabalho em endireitarem urna ; TTp ni] pf o q
ceru casa torta, que existo l para as bandas do j w a^ucuao
Cajueiro, com o que faro especial favor ao publi- envernisadas para carros e botas, mnito grandes e
co e Illma. amara municipal.
0 desconhecido.
Offerece-se um meoino de 12 annos para
criado : quom precisar dirija-se rua Nova n. 23,
ea Solicitador.
O bacharel Francisco da Caoba Castelb Brauco,
solicitador de causa?, tem sea escriptorio a roa do
Imperador, andar n. 43. _______________
de qualidade superior : vndese
Carrere, rua da Cruz n 34.
era casa de J.
Escriptorio
Alnga-se nm exeellonte tscriptorio com boas
accommodacoes : a tratar na rua do Apollo n.
25. i' andar._______________________
^dTT"
T?j
m
TTT
Tml
A Exma. Sra. D. Lucinda Philumena do as
cimento tem ama caria que ft i achada; nesla ty
pographia^_______________
Na rua airaz da matriz da Boa-Vista n. 26,
1* andar, tem duas eseravas cora habilidades para
stresn ali gadis.
USA DA FORTUNA
Aos 5:000*
Bilhetes garantidos.
A roa Primeiro de Marco (ontr'ora roa de
Crespo) d. 23 e casas do costme.
O abaixo assignado, tendo vendido nos seus fe
lizes bilhetes um meio n. 2009 com 900|000.
nm qaarlo n. 2980 com 400*000, nm quarto n
2943 com 200*. quatro quarios n. 373 com 100*
dous quarlos n. 1356 cora 100*. um inteiro n. 446
com 100* e outras sortes de 40*000 e 20*000 da
lotera que se acabou de extrahir (184*), convi-
da aos possnidores a virem receber na con-
midade do costme sem descont algum.
Acham-se venda os bilhetes garantidos da
1.* parte das loteras, a beneficio da matriz do
Extf (18">.') que se extrahiri terca-feira 14 do
corrente me?.
PRECOS.
Bilhete inteiro 6*000
Meio bilhete 3*000
Quarto 1*500
Em porcao de 100*000 para cima.
Bilhete inteiro 5*400
Meio bilhete 2*700
Quarto 1*350
Manoel Martins Finia.
Moleque.
Precisa-se de um moleque de 18 a 20 annos,
para fazer o serrco externo do Ettaminel: raa
do Imperador o. 3 i. A mesma easa precisa de
urna ama que saiba coser, engomraar e lavar.
A 5^000 o saceo.
Vende-se na rua da Madre Deus n. 7, para por-
eos on vacas.
Urna familia estrangeira tendo de retirar-e
para Earopa, precisa de orna criada para telar
duas criaocas: a tratar na rna da Cruz n. 56,
! andar.
Vendem-se favas a 240 rs. o kilogrammo e
3*300 peso de 15 kilogrammos para cima : na
rua do Rangel n. 9._______________________
BARATO.
Cambraias de cores fixas, mnito lindos padroes
a 280 rs. o covado : na rua do Crespo n. 25 A,
toja da esquina.
Vende-se
Superior vinho de uva pura especialissimo, pas-
to, era 5. e 10." de pipa.
Dito do Porto mnito lino em 20.a de pipa, pro-.
prio para mimo.
Dito dito D. Luiz I em caixas de 12 garrafas.
Aa qualidades superiores destes vinhoa daa a li-
berdade ao possnidor de garantir aos comprado-
res a pureza de sua preparacao : a tratar na roa
do vigario n. 14, primeiro andar, escriptorio de
Jes Lopes Davin.
*
Couro de bezerro
Muilo novo e ltimamente chegsdo vende-se
em casa de S. P. Jonaton & C. '. roa da Senzala
Nova n. 40.
Velas para carro
Vendem-se velas para carro na rna do Bario
da Victoria, ontr'ora Nova, n. 69.____________
Vende-se urna machina de costura em per-
feito estado, por praca commodo por ler o dono
de relirar-se para fora : na raa do Nogueira nu-
mero 26.
Mobilia de Jacaranda
Vende-se urna rica e solida moiilia toda de ja-
caranda, obra mnito bem acabada e elogante pela
simplicidade, constando de 18 cadeiras de guarn -
Co, 4 ditas de braco, 2 de balanco, 2 consolos e
jardineira eom pedra marmore braneo, esofi, pelo
preco de 1-308* : para ver e tratar aa roa da Im-
peratriz n. 13, loja.
Vende-se
Chap s de feltro, lebre. fazendas Boas e or-
dinarias, e tambem do Chille, vlndos ha pouco do
Rio de Janeiro : na raa da Cadeia do Recife o. 32,
loja._______________________
Vende-se urna mobilia de amarello em bom
estado : tratar na rua da Roda n. {48, lanera*.
TYP- DO DIARIO-MA DO DUQUE DE CAXUI
-_
r


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EPSIAB2B8_DN0YRF INGEST_TIME 2013-09-14T01:02:03Z PACKAGE AA00011611_12336
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES