Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:12299


This item is only available as the following downloads:


Full Text



v.
JUMO MI. NUMERO 295 <" *
i
t >
PASA A CAMTAL E iUGAUS O&DE IA0 SE PACA METE.
Por tres mezas adiantados......'.......
Par sei ditos idem................'..'.'
Por Bm auno Mea.. -..........
Cada mumero avulso....



6000
124000
S4JB00
DIARIO DE
i(tijafi#iia(' *
OUfUTA FEIRA 29 DE DEZEMBRO DE 1870.
PAEA DSmO E KM DA PBOVUCIA,
.Por tras nezei adiantados ..............
Por sais ditos idem. .1....... .....
Por nove ditos idea.........
Por om anno idem........
6J7I
...*....
27*00
MAMBIJCO.
Propriedade de Manoel Figteira de Faria & Filhos.
mam a
Os Srs. Gerardo Antonio Alves d Filhos. no Para ; Goncalves Pinto, no MaranhSo ; Joaqnim Jos de Oliveira, ao Cear ; Aa*io de Lmm Braga, no Araofr ? Joio Mara Jal Orne, no Ass ; Antonio Marques da SEw, no Nalal; Jos Jiano
Pereira d'Almeda, em Mamangnape; Antonio Alexandrino de Lima, na Parabyba ; Antonio Jos Gomas,* Villa da Peana; Belarmino dos Santos Btelo, em Santo Anto; Domingos Jos da Cos Braga,
em Nazareth ; Francisco Tavares da Costa, em Alagoas ; Dr. Jos Martiai tkm, na Babia; e Jos Ribeiro Gaspariabo no Rio de Janeiro.
DIARIO DE PERNAMBUCO
RECIPE, 29 DE DEZEMBRO DE 1870.
Noticias da Europa.
Ilontem pela manhaa fandeou no lamaro o va
per ingle La Muta, trazendo dalas de Londres 8 e
d Lisboa I i do correnle. Eis as noticias que co-
Iheraof :
i'.lT.HUA KHANCO-PRCSSIANA.
fados os partidarios da paz, todos aqaelles que
ilesejara a terminaco da guerra actual, som vor a
Franca esmagada, recebendo as lels impostas pelos
invasores,todos os que recaiam vero pr-domi-
nio da Prussia desptica, sobro os povoi livres da
Kcr.jpa, liveram nm momento de esperanga,
quando viram os brilhantos foilis de armas dos
francez ;*, tanto em red >r de Par?, com as pro-
ximidades de Orleau- ; a esperanga fot, porm, de
P .uca durag ; a primeiras victorias succedem
todos os dtas os revezos dos primeiros das, e o
bombardameos de Pars vira corear e rematar
a sene de trktmphos de que ^o gloriam os alie
me*.
A brilhanle sortida d) general Trochu cumecou
k iuei noute de 28 para 29 de novembro, rompen-
1o o ogc geral todos os f irles e reductos de Han
les, Bravero* e Koalfl Saquele.tornanda se depois
geral o Rjgo em tola a liona.
No dia 29 sabio de Pars o general J>acrol com
mais de cem mil homens, e airavessou o Marne.
O ataque geral comegou no dia 30 as II horas
ila manhaa entrando em fugo de parte dos prus-
ianos o cx<"rci!o Wurtemburguez a grande parte
ilo IIo corpa prussiano. Os francezes tomaram
Manneuil, Chaiupigoy e Vilisr, o combate durou
al nonte.
Parte das pose5cs f >ram, purera, tomadas pe-
los allemaes que acadiram di reNrgo aas corpos
que estavam de vencida.
Ivnqnant i se execuiava est; movimento cora
, liara e.v't i, urna parle do exercito de Loire, sahin-
e*tabeleeidtr,aasde GuillonvilleatTermniers, deu-
l!ie combate que durou do meio dia at As 6 horas
da tarde. Apezar da resistencia de viole mil ra-
nnos de tnfntar prussiaia sustentada por nu-
merosa artilharia, os francezes timaran) a bayo-
neta as primeiras posees pravianas, e em segu-
dk as de Neuville e de Villepiatf, onde estaciona-
ran) nessa noute.
O plan) deste raoviraenlo combinado do exerci-
lo de Loires e do exereito sitiado om Paris, era ef-
fecturrera a su janete, depois deste ter rompido
n cerio, e cahindosobre o exercito. sitiante obri-
;tarera-o a levantar o cerco.
Depiis de dais lias de lucla.'o general Du
'iol retirou para Pars, destruiudo as ponte d^
larcas de que so tinha servido para passar o Mar-
ne ; entretanto anda no dia 10 oceupavam os
francezes a posigo avancada de Champigny, que
i'.-iavam a defender cam fartes barricadas.
O exercito do Loire nao conlinuouo sea mo-
vinaento por ene mirar na sua frente f reas inirai-
$ as, en nue leve sempre a desvantagem, retirou a
>coupar as f irlos posicoesde Orleans.
Pa n^ute de 3 de dezembro o general Aurelles
de Paladine comnunicou ao governo a necessida-
de de evacuar rleos, e de operar a retirada para
a margena esquerJa. O giverno de Toara era con
trario a este movimento. mas justando Paladine,
. >u ie a lib Tdade d i aeco.
Na nouto de4o general Palad+e, co.mmandan-
t- era abete lo exercito do Loire, lelegrapnou que
ulia mudado deopinio e que orgaoiaaria a re-
sistencia de Orleans.
Sendo, porm, esta cidade atacada no dia 5, e
tendo o inimigo pedido a evacuacao de Orleans sob
l-'na de bombardear a cidade, os francetes eva-
cuaran Urleans eneravando priraairo as bateras
i Jtviruin lo a plvora e material de guerra. O
exordio reliron em boa ordem.
0 general Paladine fii destituido do commando
il< exercilo do Loire. O general Bourbaki foi en-
'rregado do commanda em chefe do Io corpo do
exercito do Loire, e o general Chaasy com o com-
mando em chele da 2".
Dipois da bataitia perdida parto de Amiens,
entre VilliersBretonnraux e Valenr, o exercito re-
ta -u em boa ordem para Dmlense Arras, sem
-i r p:,r^og!liJo pelo geni-ral ManteufTel.
OexeralO de general MantetTel marcha sobre o
Havre e ameac Cerburgo do lado de Evreux.
Dizem do quartel gooeral de Verstiles que
se espera que a gaarnicaa da Paris empregue
mais esfirc'is contra as linhas allemaes. Occapan-
d i os fi ancezea a posicio avancada de Charopig-
n\, pode ser que a segunda leja mais feliz do que
I i a primeira, sobretudo se os corpos de exercilo
l'ie deven operar ccnjunclaraente, dirigidos por
ivm cicles consegairem executar o plano quo
teea) iracido.
A delegarlo d< governo transferlo se de Lou-
ie pjra Bardeux para nao impedir as operacoes do
x reit i }) ]. Dizem de Berln que h uve nm conselho de
(.'".erra qae se decidi pelo borabardeamenio de
Paris que dever comoear dentro em paaco.
Correu o boato de que Gambelta pedir um
;irrcsticio e licenca para o Sr. Julio Favre deixar
Paris, afim de se eleger urna asserabla nacional
I ara autonsar o governo a tratar da paz ; mas
<.*) se-conlinnaa n ticia.
' A cidadella de Amiens capluloa no da 30
prussiaaos o commandante, 11 odK-aes, 400 sal-
dados e 30 pecas
No dia 22 de novembro s 6 horas da ma-
nlil cumeeoa o bombardeamenlo de Tliionville,
.: ndi no da 21 ao meio .dia ; capitulando o
el c nnmanJanle. No dia 23 entravam e lo
mavam posse da praga os regimeolos prusaano.
'Os prncipes allemaes reunidos em Versti-
les ofereceram ao re Guiherme a presidencia da
Jeraeao do norte com o titulo'de imperador
11 Aemanha.
Dz-se que o governo prussiano notificara ao
'le Luxemburgo que nao eslava por mais lempa
l-r'.gado a respeilar a nentralidade do territorio.
Damos era seguida o que disse o Montteur
'le Tonrs acerca dos combates de 28, 29 e 30 de
iK'vembro, 2 e 3 de dezembro :
Tonrs, 2 de dezembro de 1870.
t A delegarlo do governo recebeu, boje quinta-
l- ira 1 de dezembro. a noticia de nina victoria
alcancada ao p de Paria, dorante os*dias'de 28,
2' e 30 de novembro.
< Esta noticia foi trazida a Tonrs palo halo Ju-
lio Favre, eabide ao p de Belle-lsleen-iier.
As quatre horas, o Sr. Gambelta, membro do
governo, ministro da guerra e do interior, appa-
receu na varanda da prefeitara, e all, em pre-
senta da ama multidao consideravel, qae o accla-
mou cora enlnusiasmo, conlirmou esta grande e
f"liz noticia, no eloquente e magnifico discurso
que se vai 1er :
< Charos concidtdos.Depois de setenta e dons
das de cerco som exemplo na historia, inteira-
ineote consagrados a preparar, a organisar as for-
ras da liberuclo, Paris acaba de irnpellir para
(or de soas muralhas, rompendo o circulo de
ferro que o apena, nm numeroso e valoroso exer-
cito. Preparado cora prudencia ^or chefes con-
uraraalus, que nada pode abalar nenv cemmover
n'esia laboriosa organisafao da victoria, este ex-
ercito aeobe esperar a non propicia, e a hora
chegoa.
Excitados, animados pelas fortiOeadoras no-
ticia.' viadas d'Orleans, os chefe* do g verno ha-
vam resolvdo proceder com energa ; e todos
de accordo, esperavamos desde alguna das com
sagrad i aneiedade o resultado dos nossos esforeas
Ciimliinados.
Foi no dia 29 de novembro de manhaa que
Paris estremeceu.
U.-ua pruclamaclo do general Irochu infor-
moa a capital desta resolucao suprema : e, antes
de mar:liar para o combate, devolvou a respon-
sabilidaae do saugue que hia ser derramado, sobre
a cabera d'es-o ministro e d'esse rei," que na sua
criminosa ambiciu pisa eos ps a justica e a civi-
isagio moderna.
0 exercilo da sortida commandado pelo ge
oeral Ducrot, o qual, antea de partir, fez mane-
ra anliga, o juramento solemne dame da cidade
sitiada u diante da t-'ranca anciosa, de nao voltar
sena iiorto ou victorioso. Dau-lhes em lodo o
sen laconismo as noticias traziiaa pelo balao Julio
Fuire, ame de bara agoiro e querido Franca,
cnido cata manhaa em Belle-I*le-en-iler.
' No dia 29 de manhaa, a sortida dirigida con-
tra a linha d'mvestidura, comecou sobre a direita,
por Chosy, l'Ilay e Chevilly.
i Na noute de 29 para 30, a balalha contmuou
u'estes diversos pontos.
i O general Ducrot na soa esquerda, pissa o
Vame no dia 30 de manhaa ; oceupa successiva-
mente Mely e Mantmerly.
i Accenttia o sen movimento na sua esquerda,
passa ao M irue e, encostado ao Marne, pde-se em
batalha desde Champigny at Bry. O exercito
pas-a eoto o Mame por uilo pontes. Passa a
noute as suas poscoes, depois de ler tomado
duas pecas ao inimig).
O acontecido foi relatado em Paris pelo gane-
ral Trochu.
c Este relatorio, onde se faz o elogio de todos,
dissimula no seu silencio a grande parle que
o general Trochu lomou na aeco ; assim fazia
Tureone.
t Consta que reslabeleceu o combate n'alguns
pontos, animando a infantera com a sua presen-
ta, t Durante esta batalha, o permetro de Paris
eslava coberto par um logo ormdavel, a arlba-
na penetrando em todas as posie-.s da linha de
invest Jara. O aUaue das nossas tropas foi su -
teniad > durante toda a aegao por canfioneiras lan-
zadas sobro o Mame e sobre o Sena. O caminho
de Ierro circular de Mr. Donan, de qaera se deve
elogiar mailo o genio militar, coopercu para a
aecao por meio de wigons courajados, fazendo
fogo sobre o inimigo. N'este mesmo dia de 30,
de tarde, effectuou se ama avancada arriscada do
almirante la Roncire, se'npre na dracr-a de l'Hiy
e Chevilly.
o Acan?ou sobre Long-Jumeau e tomou as pa-
sicijs d'Epinay, alem de Long-Jumeau, posicSes
entrincheiradas dos pros ianos, aos quaes. toma-
mos numerosos prisioneiros e mais duas pecas de
artilharia.
a A hora em que lemos este despacho, ama
aeco geral se deve Ira va r em toda a linha. O
alaque do sal do da Io de dezembro fai dirigido
lelo general Vinoy.
Ite-ullad' s tai cond-raveis nao puderam al-
ciivcar-se sana gloriosas perdas i dous mil feridos
O general Renault, com nandando o 2 corpo, e o
general La Charrire foram feridos.
O general Ducrot cobrio-se de glora e mere-
ceu o reconlie:iinenio da uacSo. As perlas pros-
aiaaaa sao muito consderaveis.
T^das estas infarmaco s sao offl;aes, poia que
sao dirigidas pelo chefe de estado-maior general,
o general SchoilZ.
Por extractos confirmesLen Gambelta.
O genio da Franja, um momento obscurecido
reapparece.
Gracas aoj esforcos do paiz inteiro, voltanos a
victoria, e como para nos fazer esquecer a longa
serie de infortunios, favorece-nos em quasi todos
ja pontos. Com elteto, o nosso exercito do Lsire
tem destruido, ba tres semanas, lodos os planos
dos prussianos e repello todts os seus ataques.
A sua tctica torna-se impotente dante da solli-
dz das nossas tropas, tanta na aula direita como
na ala esquerda.
Etrpagny foi tomado aas prussianos, e Amiens
evacuado em consequencia da batalha de Palla.
As nossas tropas de Orleans lancam-se vigii-
rosamenie para a frente. Os nossos duus grandes
pxtreitos marchara ao encontr um do ouwo.
Cada effical, cada soldada sabe que tem ns mi as
i destino da patria : ba-tava isto para os tornar
nvenciveis. Quem pois, duvidar do resultado fi-
nal d'esta lula gigantesca ?
Oiprussianos poiem hoje medir a dilTaron^v
que existe entre om despota que se bata para sa-
lisfareros seas cpridos, e um povo armado, que
nao quer morrer. Ser urna honra eterna para a
repblica ter restituido Franca o sentimenta da
si propria ; e, encontrando-a rebaixada, desar-
mada, trahida, invadida pelo estrangeiro, ter-lhe
restituido a honra, a disciplina, as armas, a vic-
toria.
t O invasor esl agora no caminho onde o espe-
ra o figo das nossas populachos sublevadas.
Eis, cdadaos, o que ple ama grande nacao,
que quer conservar intacta a gloria do seu pas-
sado, que nao derrama o seu saugue e o do inimi
go seno para que triumphe o direito e a juslica no
mundo.
A Franca e o universo nunca mais esquece-
rao que ful Paris o primeiro a dar este exemplo,
J a ensinar esta poltica e a estabelecer a suprema-
ca moral, conservando-se fiel ao heroica espirito
da revolucaa.
Viva i'aris! Viva a Franca I Viva a repblica
urna e indivisivel \l.- Ainda desse jiraal traduzimos o seguinte
sobre o exercito do Loire :
t O exercito do Loire comee >a hontem o movi-
mento geral que havia sido combinado no dia 30
de doverabro a noile, no quartel geueral, em vr-
tude de ina.ruccoes emanadas do ministerio da
guerra. O principio desta operacio foi favoravel,
confirme o seguinte dspacho dirigido pelo ge-
neral Chauzy, cammandanle do 16. corpo do ex-
ercito :
Saiot Pravy, 2 de dezembro de 1870, 1 hora,
20 minutos. O general Chauzy ao general em
chefe, em Saint Jean, e ao ministro da guerra em
Tonrs.
a Patay, 1 de dezembro de 1870.
t 0 10" corpo, qae deixoa as suas posicSes s
10 horas, encontrn sua esqaerda o inimigo tor-
leraente estabelecido desde Guillonville aTerm-
niers, por Comiera.
c O combate principiado ao meio dia, prolon-
gou-se at as seis horas da noute, apezar da re-
sistencia enrgica de ama forga superior a 20:000
homens, de cavallaria e infaotaria, e de 40 a 50
pecas de artilheria. A primeira diviso tomn
soccessvamente as primeiras posic5ea inmigaa,
e depois as de Nonnevlle, Villepoin e Faverolles,
onde acampa eala no i te.
f Em toda a parte as noasas tropas a tacar a m p
inimigo com impeto irresistivel. Os prussianos
foram desalojados das aldeias a ponta de bayone-
ta ; a nossa artilheria leve urna audacia e prec-
alo que nao se p de exceder.
a As nossas perdas nao parecen) importantes;
aa do inimigo sao conaideraveia. Fazem-se pri-
sioneiros ntreos quaes alguna offlciaes. As hon-
ras do dia periencem sa almirante Jaureguiberry.
O mirmgo retirou-se na direeco "de Loigny e
de Chateao-Cambrahy. '
Peraegui-lo hei amanba.
i Communico ao raen corpo de exercito a gran-
ee noticia da sortida de Paris. Eile saber cor-
responder ao que o pala espera dalle. Acaba de
o afflrmar novameote
General Chauzy.
O Slcle publica o segnintes
ures :
3 dezembro ntute..\'ao livemos eta ma -
no eombate de Ylepoin.
relatnos mili-
nhaa nenhum incidente notavel naa nossas posi-
cSes. Desde o romper do da, os prussianos co-
raecaram urna serie de ataques de avanzadas, pre-
cedidas p"r nm pequeo e-inhonelo. O socego
refez-se promptamente as nossas posi^oes do
Marne.
t Avron continuou o seo f igo sobre os com -
boios ncessantes do inimigo, na direeco de Che-
les.
Os prussianos tiveram hontem perdas cansi-
deraveis; uumerosoa comboios de feridos, deixan-
do desde o raeio dia o campo de batalha, eram as-
signalados pelas nossas viga'.
Por informac5e3 dadas petos prisioneiros, pa-
rece qae foram esmagados regiraentos inteiros.
O dia de boje consagrado a melhorar a sl-
luaco das nossas tropas, que ja sentem muito
fri, snppertando-o com grande valor
c O exercilo do general Ducrot acampa esta
oote no bosqie de Viocennes. Repasson o Mar-
ne n'esle dia, e foi concentrado n'este panto para
continuar as suas operacd9S.
Cerca de 400 prisioneiros prua ianos, dos
quaes um grupo de offlciaes, foram trazidos hoje
para dentro de Pars.
t Por ordem0 general chefe de estado maior
geueralSckmttz.
t Paris, domingo, noute, 4 de dezembro. Pelo
balo Franklin, aereonauta Mareias.
< O dia de quinta feira foi empregado em en|
terrar os morios e aoccorrer oa feridos.
t Sexta (eir de manhaa os pru-siauos ataca-
ran) furiosamente as nossas tropas em Champagny
e diante de Vilhera. Depois de 7 horas de com-
bate encaminado, ea prussianos nao conseguiram
conquistar as noasas posiedes.
Deixaram em noaso poder, cama na qaarla-
leira, os seas mortos e feridos. A' nossas iroj>as
foram admiraveis as perdas do inimigo nos dous
das sao calculadas era 13,000 ou 20.000 harneas
As tropas ioimigas que nos atacaram na sex-
ta-feira eram tropas novas, pertenceado pela maior
parte aos contingentes saxonios e wurteinburgu;-
zes. Passavara de 100,000 bemena. Suppoe-se
que urna parte pertencia ao principe Frederco
Carlos.
< O relatorio do general Schmilz,' afflxado eala
noute, diz que aa perdaa do inimigo f iram tao
conaideraveia, qce pela primeira vez desde o ce-
meco da campanha, balido no aeu podero e no
san orgnlho, deixou paasar um no aa roa presen
atacado com tanta violencia.
Eia os ltimos telegrammas :
Tonrs, 8.Paris, 6.Ha raovimentos de tra-
pas. E-pera-se que se tome a offensiva. Ducrot
oceupa Avron.
Londres, 9. Os al emes dizem que houve
um combate serlo e vaniajoao no dia 7 perto de
Muogsur Loire. Foram tomado urna peca, urna
metralhadora e 190 priaioneiros.
Aa noticias franeexas dizem que o ininiie> f >\
repellido e que o exercito fraocez acampou naa
mesnias posteo oecupadas por elle de manhaa.
Cr-se que a lula continuar o dia 8.
Corre que Gambelta pedir armisticio e licen-
ca para Julio Favre aahir de Pars. O fi.n da a -
g )ciac.lo para eleger urna asserabla nacional
par i autorisar o governo a tratar da paz.
< Corre que a Prussia nocou ao Luxembur-
go que nao se consilera por mais lempo obrigada
a respeilar a neutralidade do ssu territorio.
< Londres, 10, as 7 horas da rnanha (agencia
teUgraphica submarina).Houve urna batalha re-
ntada na quiota-feira entre Meung e Beaugeucy,
contra tres corpo* do exercito (rancez. Os alle-
njUa aleaocaram urna victoria tomando 6 pegas e
1,00o prisioaeiros.
A raudanga da sede do governo de T^urs para
Brdeos, parece realisarse brevemente.
O general Paladine foi transferido do seu com
mando; o general Bourbaki norneado commanlo
era chefe do primeiro exercito do norte, e o gene-
ral Chausy vae lommandar o segund > exercilo.
O exercilo de ManteufTel marcha sobre o Ha-
vre e araeaca Cherburgo do lado de Evreux.
Loodres 10, ao meio dia (agencia telegrapbi-
ca aub marina). Noticias de Berlio dizem que
houve conselho de guerra na terca-feira, sobre a
queslo do bombardeam >nto de Paris, e que ae
decidi principiar brevemente a romper o fogo.
Noticias do quarlel general de Versailles di-
zem que se espera quo a guarnico de Pars em-
pregue mais esforcos contra as linhas allerres.
c Os francezes ainda man era a nasico avanca-
da em Champigny, a qual defenlem com fortes
barricadas.
O governo francez j mudau para Bjrdeos.
t Londres 11. s horas da larde. O duque
de Meckelemburgo leve combates vantajosos du-
rante tres dias com o exercito de Chaasy, que li-
aba sidofirtemente refircadode Tours,
Na sexta feira atacaran) e oceuparam Beau-
geney, tomando 6 pecis e 1.500 priaioneiros.
As tropas do principe Frederco Carlea oceu-
param Vierzon, depua de terem tido um combate
vantajoso em Salbris na sexta feira.
t O tereeiro corpo allerao avanca sobre Bour-
ges e tem batida a retaguarda do exercito de Bo-
urbaki em Genoy.
Os allemaes oceuparam Dieppe.
< Os francezes tomaram a oceupar llana e St.
Qjiolio.
Os allemaes atacaran) Belfort, e por emquanto
victoriosamente.
t Nao ha novidades do cerco de Paris.
Londres 12, 1 hora da tarde. Noticias alte-
m^s dizem que os francezes atacaran) a posigo
allem sobre o Loire no sabbado, sendo o combate
mantido com artilharia at noute. Os allemaes
foram repelidas e perdern) alguns centenares de
prisioneiros.
Diz se que o Havre foi oceupado pelos alle-
maes.
f Um jornal de Bruxellas diz que se a Allema-
nha decidase a annexaeo do Luxemburgo nao
haveria opposicao nenhuma a esta medida.
t Madrid 12, s 2 horas da tarde. Despachos de
Bruxellas dizem que a Prussia informou o Luxem-
burgo de que, estando aeparado do tratado de 1861
nao obrigado a respeilar a neutralidade.
Era Fiorenca o plebiscito de Roma foi appro-
vado. >
t Londres 13, ao meio dia. Noticias allemaes
dizem que na sexta feira os francezes foram repel
lidos era Montbeliard, perto de -Blois, e tambera
a_ue os francezes foram obrigados a voltar para
traz sobre Chambord e aos arrebaldes de Blois,
sobre o lado esquerdo do Loire que foi oceupado :'
5 pegas foram tomadas e oa francezes retiraran)
senda activamente perseguidos.
< O tereeiro exercilo persegu* os francezes
alera de Nenoy, at Braize.
Gambelta dexou o corpo de Chaasy na tarde
de sabbad" e participan que os esforcos para pre
leger a linha do Loire foram victoriosos, e nao foi
cedido terreno nenhum.
Nao ha mais novidades do Havre, e bao se
confirma ainda o boato da sua oceupacao.
f Os allemaes evacoaram Dieppe.
Corre que Garibaldi resig/.ou o seu comman-
do.
Madrid 12-, s 4 horas, b 55 mnalos da tarde.
A modfloacao ronisieml addiada para quaado
chegar o rei.
O Sr. Hadoi njorr eu era 6eM*.
A Italia arma o seo exercilo.
Madrid 13, 1 hora e 23 minlos da tarde:
[carlistas agitam-se. A comraissao das cortes-
*> d" Rordeus chetr* amanha a Madrid
No ilia ff> houve orna victoria dos francezes
| retomaran) Origny fazendi400 prisioneiros.
RBSSt.V
cmara deferentes toterpallaroes n'nma das ulti-
mas sessees do retehsralh. Na primeira per-
guota-se porque fo* proclamado o estado de si-
lio e se SKpenderam os artigas da le funda-
mental ; na 2* exige-^e que o chaneeller federal
se aprsente a responder pcraaie as cmaras a
respailo daquellas traosgre^soe coosiltucionaes ,
pesar da qaestio rnssa se aehar por rrra affec-- n V reten-te manewa como e primeiro mlnis-
oa estreos d? diplomacia, e da lingnagem do tro obrigou a aiMoridades militares a dar conu
dos abasos qae comroeBeraui contra
ta aos
eotxle o Grandviile ao principe de Grtschakoff,
serem Vxtremo amigavel e pa-ifi-adora, apesar
do Ruvej-n iogiea maeter o- primeiro procedimen
lo de nao teconhecer a Kussaa o direito de deoan-
ciaros tradus de 1850 sem o previo consent-
meato das j.tencas signalanas desses tratados,
apesar do ftnde de Grandville prnpdr a reunio
de uiua confe-encia que escu'e as pretencOos da
Russia, e lbt* a sotucao que o aMreito das gen-
tes, a justiea, io correr do lempo e mudancas as
constitaicoes (luj esUdoa da Europa, I he suggeri-
rem,a Russia ontina, parra, nos seusprepa-
rativos militares,
lima correspondencia de S. Petersbnrgo falla do
projecto de urna sibscripcao nacional para se ap-
pliear o seu proojelo construegao de navios
blindad' que tomen pjaae do Mar Negro.
A parte navegiv do*Dniester, Dniepir e Prulh
existe uma ftitilba oraegada. que, em caso de ne-
cesaidiie podera deicor os indicachis rios, entrar
no D.inabio e devasta as suas margena. Tem-se
gasto sommas consideaveis na (abricagi de me-
tralhadoras.
Tem sido fortificados^pontos roiis importantes
da fronteiras da Galitzie da Moldavia. O gene-
ral Kuizhae foi nomeadd^ commandante geral em
chefe do ejercita que % est concentrando em
Odessa par ordem superio-.
Os jornaea russos allrmam que nao ha a
menor nlengao da parle di gabinele de S. Peters-
burgo de se invalver nos\assumptos internos da
Turqua, e que as ralagdes re o Salta e o Csar
sao excelentes.
Contina em grande \scalla o armamento
das pragas fortes de todo o Ittoral dos mares Ne-
gro e Bltico : NicolaiefT, Kertchs, Sebastopol
Cronstadt e mais alguns achab-se j era urna si-
tuagao formidavel.
O povo moscovita parece, camnhar para a
su emancipaba i social, devidotalvez aos mesmos
meias que o despotismo tem uliJsado para aaae-
gurar o seu poder, e desenvolver as suas invasoes.
Abolida a a servido, ha alguns annos na Russ.a,
avang iu-se por um nkase recente no sentido do
estabelecimento da igualdade de todas as classes
Este decreto determina que tolos os subditos
do imperio Acara obrigados, sem a menor dis-
linego a tomar parte no exercilo.' A nica diffe-
renca que tica snbsistindo a que se deriva da
lei d s irapostos, dos quaes, ficara anda isenlos os
nobres e os privilegiados.
O okase que estatu estas dsposigoes fii rece-
liidu com enlbusiasrao sem igual pelos povos, quo
folie tam o ar pelo sea espirito i inminentemente
nacional.
Kai conseqnencia dossa innovacio vae ser arg-
rcemexat" o extreito na razio de um tergo da far-
sa eiistonte, du vendo por caosequencia ser extra-
ardiiaro o recrnlamento futuro, por isso qae
em 1cz de seis por rail, entraro no servgo mili-
tar oito por mil da pipulagSo do imperio.
As despezas do ministerio da guerra elevaran)
se em dez milhoes de rublos, e consta qne o im-
perador, com o o iniuito de nao sobre carregar
nraib o ibesocro, dera ordem aos demais minis-
terio) para se fazerem todas as economas qne fo-
rera necessarias.
I.XGZATEBRA
Eita > todos muilo preoecupados cora a solugao
da tueslo do Oriente. Os banqueirus e commer-
i'iQUs resolvern) celebrar um meeting para tra-
tar desta imporlanle qnesto ; receia se que os
fcDimos apraveilando-se desta distraegoda polti-
ca ingleza, tentera dar um golpe de mao na Irlan-
da fjromovendo urna nsurreigo contra o go-
verua.
P em onseqaencia do dillerente modo porque al-
guna membros desejariam ver dirigida a penden
ca com a Russia, e afumase que, pediram a
sua deraissao os Srs. Gladslanc, Bright, Cardsvell
e Childer?.
Airaprensa inglesa nao .lera abrandado as suas
iras contra a Russia, dissertando sobre o valor
dos tratad is e sobre as conveniencias, ou o direito
de aa alterar.
L rd Russell publica no Tunes urna carta ap-
provanda o procediraenlo de lord Grandville, e
nsistindo no chamamecto da milicia para haver
j cem rail homens mais, e diz que a nica polti-
ca que a Inglaterra que tem a seguir conservar
a Rsala longe de Constantinopla, que se a Russia
quer alterar o tratado, pessa t signatarias que
Ibe fagarn concessoes, se poderera ; mis que se
ella emende rasga-la por larga, deve a torga ser
repellido e quanto antes melhor; accrescenta lord
Russell que nao faltara oem homens, era meios
para a Inglaterra se armar; pois o baro de
Rilseild, quando elle era ministro. Ihe off-recera
fazer quando fosse necessaro, um emprestirao de
cera milhoes esterlinos.
Mr. Stuarl Mili publi .a tambera uma caria no
Times em resposta a lord Shafhesbury, que ha-
via contradicto a "sua primeira carta. Mr. Stuart
Mili contina a sustentar a idea que para obviar
a todas as.futuras difflculdades.se devem fczer
tratados e negociag-s por periodos curtos de tem-
po, de modo que se va i alterando segundo as na-
cessidades successvas das nages.
Atlribue se em Inglaterra a deblidade que ami-
tos notara naa notas de lord Grandville, s tenden-
cias do' partido wh;g, que a todo o cusa deseja
conservar as boas relacoes coa a Russia, nina
vez que se salvasse a honra da patria.
Dz-se que se a qaeslao se complicar, cora as
exigencias do czar, o gabinete ser modificada sa-
bindo os Srs. Gladstae, Bright, Cardwell e Chil
ders, e entrando para os substituir alguoa mem-
bros conhecidos do partido tery.
Entretanto parece, que por ora rbsolverara nao
suscitar difflcaldadei, e reunirem brevemente o
parlamento para que ae encarregue da direcgao da
poltica externa e para que livre o governo da res-
ponsabilidade, que actualmente Ihe incumbe.
Vae-se brevemente publicar o decreto onvo-
cando o parlamento.
AtXBMANHA.
O parlamento da eonfederacao da Allemanba tai
aberlo em Berlm por Mr. Delbruck presidente da
chancellara federal em norae do rei da P
dos soberanos confederados.
O discurso de Mr. Delbruck quasi inteiramen-
te consagrado a guerra cora a Franca, discutilo
a sua ordeno e aa coudigoes da paz. Trata lam-
ben) da reunio do norte e do sal sob as bases de
uma nova constiiuigao, decretada de commum ac-
cordo pelos diversos gayemos que a >sembla
actual chamada a succionar. Falla tambera na
questo masa, ra.aa a reapeito dilla mauifesla ni-
camente a espefanga de um solugao pacifica.
a liberdadx
pessoal e da imprensa e contra os Areito de reu-
nio e associag), sem que a respectiva dbposico
da consiiiuigo estivease suspensa,
Na sesso de 28' de novembro o depntado Be-
bel, a proposite do emprestirao de guerra, que
coiiibita, dirigi algunas aceusagoes ao governo
que nrosegue urna guerra vexatona para a Alie
manha, c sem motivo atgnm, por isso que conside-
ra a Alleraana re-sponsavel aos olhas da Europa ;
disse mais, qne as aanexagoes era uma origem
constanti- de lutas futuras e de odios implacaveis
ITALIA.
PuWieam os j iraaes orna carta eneyelica a>
sanio padre datada do de nevembro.E' um
protesto solemne contra a usorpagao de Roma peta*
Soverno aabalpino, o qual pablirainos em raoss
, pagina
F-rem aoppriiiiidos era Roma w Jarnaea qur
J publicaran a eneyelica, por ordem da aulortdade
I superior Habana. A irapreosa liberal de iodo r>
rtino da Italia eombate eala reaolugao qne diafar-
ece um elemento poderoso aos inimig* da liber-
dade. A Arma e a Unit Catholica, que foram
os jornaea sunprimid is, procurara demonstrar por
aquelle fa;lo, a Dece3sidade do poder temporal.
conso meio "de aasegurar a independeneia espiri
lual do papa.
As faldas italianas, qtieixam-se da medida di-
zendo que contraria aos principios admiitidos no
reino.
O seqnestro da en:yclica produzio ahruma
perturbago entre os conseleiros da re Tactor
e concluio dizendo qae o discurso real incorre evi | Emmanuei. Parece que os Srs. Correnti e Vis
conli Venasta se negaran) a approvar medida tao
arbitraria, e juiga-se que pediram a sua derais-
sao.
O cardeal Anionetli dirigi ao corpa diplomtico
ouira circular protestando contra a suppresso da-
eacyeliea, sdenunciaado aquelle acto como um
alternado sacrilego, e urna violencia exercida sobre-
o poniifice pelo governo italiano, a qual aecusa de
ma f e de impotencia para fazer admiuir as suas
pretencoes.
Fizerara-se as eleigoisna Italia vencendo em
quasi toda a parte o partido conservador, sendo
derrotados quasi todos os candidatos revoluciona-
rios. As foihas republicanas dizem qne aquelle
resultado era inevitavel por isso que o son partido
se pronunciara pela absiengo, dexando mesmo
de c Todas as ioformaedes consideran) inevitavel a
crse ministerial na Italia; as divergencias de opi-
nio no seia do gabinete teem-se pronunciado de
tal
um grave erro, quando pretende que os francezes
nao querem a paz, e sustentou que quem a regei
ta o partido feudal e militar que sujeila sua
louca ambiguo e neacio orgulho, toda a autoridade
c o poder da monarchia prussiana.
Esti- prciesto foi apoiada por outre membro da
cmara o Sr. Liebkoecki que declaroo face de
todos s realistas da asserabla, que a Allemanha
lela obra de Bismark e de Moltke peleja, nao con-
tra a Franga por ser Pranga, mas por ser repu
bu-a.
A sesso. foi bastante tumultuosa.
AIISTIIIA.
O ministerio Potocki resol veu decididamente dar
a sua demisso que fai mandada ao iraperadnr
Francisco Jo- para Buda. O chefe do gabinete
hngaro demissionario, havia sido encarregada de
reconstruir uma nova adminislraga
As delegagoes do imperio austro hungaroreu-
niram-se era Pestb, como j tvemos occasiao de
dizer.
maneira, que o menor incidente perturba a
Apenas leve logar a abertura, a delegago da harmona que entre elles devo existir. Parece que
cisleitiana oceupou-se depois da conslltuigao da lem sido assurapio de grande discussao o discurso
mesa da uma interpellacao a respeito da questo da cora que ha de ser litio no parlamenio
suscitada pela Russia, relativamente neutralisa-
clo do mar Negro.
O governo austraco j apresentou ao parla-
mento o sea hvro encarnado que se oceupa prin
cipalmente da questo franco-prossiana. Este do-
cumento, depois de fazer uma exposgo da situa-
go da monarchia relativamente a guerra actual.
O ministro dos negocios estrangeiros faz bem
patente a neutralidade absoluta da Austria, dizen-
do que ella era aconselhada por motivos igual-
mente graves, que separavam o imperio, tanto de
uraa allianga com a Prussia e com a Allemanha,
como de uma allianga com a Franga. a nnica
misso do governo austraco, accrescenta o citado
documento, era antes da guerra, procurar o resta-
belecimento das relacfies amigaveis com a Prussia
e com a Russia. Cora a Prussia trata va de es-
trellar as relagCes, contrbundo para esse fim ef-
caimaote a visita qae o principe real da Prus-
sia fez corte imperial, assim como breve via-
geni que o archiduque Carlas Luiz Berlim.
O mesmos bons resoltados se conseguirn) re-
lati 'ament Russia, em consecuencia da entre-
vista do ministro dos negocios estrangeiros, corr o
chaneeller do imperio russo, emas ainda em con-
sequencia da misso que e rei Guiherme conliou
ao archiduque Alberto, e do recebmento que a
esle se dipensoa por parle do imperador Ale-
xandre.
Da repente, accrescenta a memoria gorverna-
meotal, rebentou como se fosse um raio n'uma
atmosphera serena, a qttestao da candidatura bes-
panhola de Hohenzollern, a qual transtornou a s-
tuago pacifica.
o Nao seria justo formular ama aecusago con-
tra o governo por se ler deixalo surprehender por
aquelle acontecimento. Ninguem ple sustentar
aalmente que aquelle candidatura, so por si, fos-
se de ndole propria para produzir as incalculaveis
i! n-equencia'i. que nao foram provocadas seno
pela complicaco de circumstadeias irapossiveis de
prever. .
Nao teriam escasseado certamente s censu-
3uras mais severas contra o governo se livesse
lulgalo opportuno, a proposito daquella candidatu-
ra, que elTectivamente canheca desde rauilo tera-
po, intervir nogatlvamente neste assumplo, que era
espc-ial imporlava a nm paiz raui alTaslado de
n< pelos seus interesses.
O governo austraco declara que se apraaentou
como mediador, e assim quer fazer constar que,
longe de ler excitado o governo francez a empre-
hender a guerra que Ihe lera sido tao fatal, Ihe
apr^sentau pelo contrario as suas observagt's pa-
ra que a naa emprehendesse, e accrescenta que
nao se lite dera esperangas do seu auxilio, mas
que nao delxara Franga a menor duvida sobre
a atlitude de completa neutralidade que se va na
necessidade de observar.
Demonstra mais que a sua neutralidade tem sido
absoluta, par isso que nem quando se tratara da
neutralidade da Belgi:a, o governo ausirodungaro
sahira dessa neutralidade limilando-se ento a ap
provar o tratado feilo pelos belligerantes cora a
Gra-Bretanha, sem, pela sui parte, se compro
raetter em cousa algaraa pelo futuro.
O orgamento das despezas apresenlada
asserabla pelo ministerio commus) eleva-se a cem
milhdes de narras, os quars se deverao dividir em
partes iguaes entre a Austria e a Hungra.
O governo pede alera desta somma um crdito
extraordinaria de sessenla milhSea para atlender
as necessidudes do exercilo da marraba.
1) ?.Ta aa noticias de Onstantinopla que em
Scburala se reuni ara exercito completo com 11
batera de artilharia. Cooata que todas as forta-
leza* damargem esquerda do Danubio, Boakschouk,
Silislria,Widiur, ja estao anubadas de novo. Tem-se
feilo compras de cavallas e do cereaes na Austria
e oa Hungra.
A esquadra de evoluges est preparada para
ealrar em campanha as ordens de flobart-pach
* Ibrahim-pach. O mer-pach est eaearregado
de combinar o plano que deve servir para as ma
oobraa de ambos os exercito, de mar e de
trra.
Confiara muito os Turcos na lealdade da Grecia,
e diz-se mesmo que oa batalhoes que estavam na
Thessalia e Epiro havam marchado era direcgao
Bulgaria.
PRINCIPADOS DANUBIANOS.
Na Romana corra, o boato de que dentro em
breve sera convocado o parlamento e modificado
o ministerio. Asaegara-se que o principe Carlos,
apaas estiverera reunidos os depulados, declarar
pessoalraeute na sesso de abertura, qae nao care-
ce do seu concurso, e que assume toda a respon-
sabilidad do governo, dissolvendo por consegus
te a cmara, mandando para snas casas todos es
representantes.
Dii-se que este golpe de estado aconselhado
peta Prussia, e approvado por alguns dos ministros
O parlamento alemao ceostuuio^e nomeando daquelle paiz, que sao extremamente sympatbicos
uovamente por peelamago a mesa do anan pas
sado. Os projectos de lea apreseatados desde lo-
go pelo gavera referem-se a um nova crdito de
cem milhoes de Uulers, nova con;tUuici) e os
tratados, de ailo j asaif natos cem os goveraos
de Badn e de Hesse Darrasurt.
, Parece que o tratado com a Ba viera foi deOmli-
f vamenie-assnaado no dia xa de novembro em
i Versailles, inas dependia abada da. anego do re
l Luiz, que ae dii lar j sido aleteada.
I 0 saatao ptagroaaiv* allema forraulou aa
a corte de Berln. Ha alguns ministros que se
oppoieram, e, a respeito desles annuneia-se que
(.pediram a sua demsaao.
Era consaquencias destes boatos augmenta a in-
dsposicao contra o principe Carlos e lodos os seu
prenles; indisposiga que j exista contra alg'.ms
actos pratcaaos pela corte fulla-sa em op'era-
gdes ruinosas, em que tem parte homens '.rapor-
untes da corte, influenciados pelo princip'> qae se
presume nao ser coropleUraeots etrar^o a casas
operagoes.
Acredita-se, porm, que os ministros apuarda-
ro as primeiras discus>js do parlamento para
deixarem o poder ou para se recomporem, segn
do o modo porque correr a discussao.
O rei Victor Emmanuel proounciou o seguinte
discurso na abertura do parlamento:
t Seahores senadores, sniores deputados O
anno que se approxima do seu termo deixou atto-
nito o mundo pela grandeza dos acontecmentos
3ue nenhum juizo humano po ia prever. O nosso
ireito a Roma f >i sempre altamente proclamado
por nos, e era presenga das ultimas resolugoes a
qu me condaz o amor da patria, jnlguei do mea
de ver convocar os comicios naconaea. Cora Ro-
ma capital de Italia curapri a minha promessa.
coroei a empreza que ha 20 annos niciou mea
magnnimo pa. (Applaasoa vvissimos).
O mea coragao de rei e de fltia experimenta
uma satisfaga solemne ao saudar aqu remidos
pela primeira vez taos os representantes da nossa
querida patria, e ao prouunciar estas palavras: f A
Italia livre e uma; de ora avante s depende de
nos o faz-la t-tliz e grande. (AppJaasos).
Ao passo que nos celebramos esta solemnida-
de inaugural da Italia, reconstituida, dous grandes
pavos do continente, representantes gloriosos da
cvilisagao moderna, debalem-se n'uma terrivcl
lula. Ligados Franga e Prussia pela recorda-
go de recentes e benficas alliangas, obngama-nos
a uma rigorosa neutralidade, a qual nos impoe o
nosso dever de nao augmentar o incendio o o de-
sojo de poder em todo o lempo interpor uma
palavra imparc al entro as duas partes bellige-
rantes.
< E este dever de amsade e de I.umanidade ao
mesmo lempo nao censaremos de emprepa-l",
unindo os nossos esforgos aos das nutras potencias
neulraes para que termine uma guerra quo nunca
devera ter rebentado entre duas nagdes, cuja
grandeza igualmente necessaria cvilisagao do
mundo. (Applau^os prolongado-). A opiniao pu-
blica, consagrando cem o seu apoio esta poltica,
mostrou mais uma vez qp a Italia livre e unida
para a Europa nm elemento de ordem, de liberda-
de e de paz. Esta attiluie autorsava os nossos
aclos, quando para a (efeaa e integndade d i ler-
ritorio nacional e para restituir aos rom .nos a
liberdade de dispr dos seos destinos, os nossas
soldados, esperados como irmos e festejados como
libertadores, entraram em Roma.
9 Roma, reclamada pelo amor e pela veneragi
dos italianos, foi restituida Italia e ao mando
moderno. (Applausos). Entramos ?m Roma em
ame da direita natianal. em oome do pacta qae
vincula em todos !- italianas a unidade da na-
go: all permaneceremos cumpriado a proraes-
sa que solemnemente fizemos a nos propros ; li
berdade da igreja; completa independencia da
sede pontificia no ex 'reina da sou ministerio reli-
gioso, as suas relagSas cora o caiholicisrao. (Ap-
provaga). Sobre essas base3, e dentro do limite
dos seus poderes, o mea governo tomou as provi-
dencias preliminares para levar a bom termo a
grande obra que requer toda a autoridade, lodo o
interesse do parlamento.
c A imrainenle trasladac do governo para Ro-
ma obriga a estudar o rndi de reduzfr maior
aimplicidade o servico administrativo e judicial, e
de restituir aos mnnicipioa e as providencias as
attrbuigaes qae esperara. (Approvagi).
c Da terrivel lula que anda tem altela e sas-
peasa a Europa surgem ligues que nao licito des
prezar e um governo que quer ter garantida a
honra e a seguraaca da nago. (Bem, bem, muito
bem).
t Acerca destes themas e da tpstruegaa publi-
ca, que entre lados, o instrumenta mais efiQcaz
da forga e prosperidade da nago, ser-vos-ho
apreentados pr-Jectos de lei. Canvr-nos-ha
depais eraprebender novaraente com maior assi-
dudade a obra forgosaaonte interrorapida de re-
generar a nossa fazeoda. Coaslituida finalmente
a Italia, nio vejo outra obra que possa ser-vos
mais cara que a de consolidar com boas leis um
edificio qae todos contribuimos para levantar. (Ap-
provacSo).
c Snhores sena lores, senhores deputados: Ao
passo que a Italia avanga pela estrada do pregres-
ao, uma grande nago, que Ihe i irma pela sua
origem e pela sua gloria, confia a um ios neus
filhos a misso de najer os seus deslinos. Satis'
feilo cora a honra que se faz minha dymnastia e
Italia ao mesmo lempo, deseje e espere qae a
Heapanha se engrandeca e prospere mediante a
lealdade,do principe e a sensatez do povo; acord
que o mais segaro fundamenta des estados mo-
dernos, que por esse meio asseguram um prolon-
gada futuro de concordia, de prograsao e de liber-
dade.
HKSPAMHA.
A commisso borneada pelas cortes para ir offe-
recer ao principe Amadeo o throna de Heapanha,
j foi receida em Fiorenca pela familia real ita-
liana de quem leve uto brilhanle acolhimenio.
O presidente da tjoramissao dirigi o segrate
discurso ao rei ra Italia :
t Senber. Timos, como represenunles das
corles oonstiHiintea, offerecer ao voeso lbo, sua
alteza real 'o duque de Aosta, a wroa de tl^pa-
nha; e sendo ym raagestade chefe <^ ihmH* do
llu-ire principe, voa pedimos respeitosamente tc-
n-a. Amea d V, at no outorgar, eorao *&&
mas sela-nos licito manifesur-voa o nosso pro-
fundo reeonbecimento pela* henroa e >'.lsngu3S de
I que lemo sido ohjecio deade o Pi-ocaento Ota qaa
-
1 lliatl


i
MMaa
' -n. i


A-


r
.

*v
/?

v

,<
.<. in fiflflM^un \ px wn Rmp
'Pernambiico Quint feira 29 de Dezembro de 1870
Ha vendo- neeessi
nos spresBms as costas -italianas,
as recebido pela nossa investidura
0o, cumpriremos com gosto o
uicar esta* (nas de consideracao e braevolencia
para com s fres contititntes tomo agora, tor-
nando nos seos liis interpretes, *fazemos vetos o
co pela proepwldade do-voseo peinado, ventor,
e grandeza da uacao italiana.
S, M. el-rei Vctor Emmaouel respondan nos
seguintes termos :
v Com o vosso pedido, Irs. dopnUdos, d'spen-
saes urna assignalada honra a minba dynasiia
e Italia ; mas ped um'sacriQeio ao meu cora
cao. Todava, dou ao mea amado lilho o comea-
tmente para acuitar o glorioso ihrono a que
chama o voto do doto hospanbol. Confio etn que,
cora o auxilio da Divina Providencia, e com a le-
aldade do vosso nobre povo, peder cumprir a sua
elevada missao para prosperidade e grandeza de
Hespanha.
A commissao dirigi a S. A. real o duque de
Aosla o segninte discurso :
i Serensimo Senher.As cortes constiiuiotes
da laca i hespanhola, ao terminar e grave e deli-
cado encargo quo receberam do librrimo suffri-
gio do povo, elegeram na sessio solemne e zabu-
ca c de 16 de novembro passado, a S. A. para oc
capar o throno. Pela sua glande confianza viraos
trazer a V. A. o voto da repraseutacao de um po-
vo, senhor dos seas destinos, e convidar-vos a que,
acceitando lio e-ponianeo olterec nenio, cmj i V.
A. real e oa seus a coroa de Hespanha, que com
os seus feiios granosos cem res illustraram.
Nao compre noste momento examinar as c tu-
sas da nosa recente revolucao poltica masjre-
cordamos a V. A. que a nossa historia patria con-
signa em todas as sua* paginas, a par da lalda-
de aos mouarcbas, e da fe aos juramentos, o mor
e a niuca desraenlida deciso, com que o povo
bespanhol soube -empre pugoar pelos seus foros,
e p.-lf- su..s liberdadee. O sentimeoto monarchi-
c i da naca i hespanhola, gravado n'uma n) inter-
romptda iratiicau de seculjs do coracao de tod.is
as classes sociaes e unido boje em estreila all-
anea com o espirito do direito moderno, exige qu
a in >n irclii.i que representa as nossas glorias, e
recorta o nosso passado, subsista fundada na so-
berana nacional, e se perpetu pelo cnncui so de
todos, forte oom a indiscmivel legilimidade de sua
origem. A prosperidad e grandeza do paie, que olim aos
nossos eforgjs e o objecto constante das nossas
man vivas o*perancas.
Para'levar a feliz termo osla grande e glorio-
sa empresa, as cortes de Hespanha procurramos
casada Saboya,que soube identflear-se como
sentimeoto nacional da nobre Italia, e regola ceo
exito dito.-o por meio de ioslituicoes livres,
um priacipe a qaem investir da dignidade augus>.
ta, e a qaem confiar as elevadas prorogaliva*, qae
acoustiluieo de 1S69attribaem aoinonarclu. A
naco espera encontrar em V. A. ora re?, que, ae-
chniado pelo amor dos povos e ancioso da sua fe-
licidade, procure sarar as feridas aberlas no cora-
ra o d.i nalria par continuadas desgragas, que di
minu o pierio com que noutros lempos conso -
guio, comprehendendo e perfilhando o iramortal
genovez, conquistar para a civilisaea i um novo
munJ \ ao mesmo tempo que se mantiaha no an -
ligo com o brilho da sua gloria, o com o eco das
snas faeauhas.
A patria de tamos hroes nao morrea anda
para o futuro e p ira a esperanca.
Djcahida, prastrada eslava j, quando, no
rincipio d'esie seculo, captivo o sea rii, e inva-
ido o sea territorio assombrou o mundo pelo es-
forz, pela energa, e pelo herosmo com que luc-
loo al arroja;- do scu solo o invasor, e recobrar
a sua perdida independencia.
Povos que ainda tno3tram tao viril energa, e
sabem escrever no templo da iramortalidade os
nomes dos seus lilhos e do suas cldades, teein
direito julgar pastageiroi os seas infortunios, e
a esperar que a Providencia outorgue eompensa-
cao aos seus males, chamando os a novos e mais
altos destinos.
* En nome do povo hespanhol, mi-, seus re-
presentantes, vos offe recemos a o, roa.
Gumprida a aossa honrosissima missao, a vos-
sa altesa pertence resolver se o reger os destinos
da liespanha, cojos amigos timbres se confund
rain a- veces com os da vossa familia e cujos an-
tigua reis sao rosaos avs, estimulo bstanle
para levantar o coracao de um jovea principe,
Osejoso de imitar, com os seus actos, os grandes
exornlo de seus predecessores.
S.ia altoaa real o duque de Aosta respondeu o
t enlute :
o cloquela discurso do vosso digno presi-
deole, sondares depurados, augmenta a natural
0 prfanda emocao que em mim j tinln pro-
ducido o Vuto da assembla constituie de lles-
panhv
C m animo agradecido expore brevemente as
rasoes porijae me docido a aceitar, como aceito
1 :anle v-, com a assislencia de Deus, e cora o
nsentimanio do rei mea pai, a antiga e gloriosa
corda, que rr.o viudos offerecer.
A Procidencia j me tialia concedido urna
sorle invejavl.
Deseen lent-j de urna illtistro dynastia, parte-
ci,jei das glorias da minha antiga casa e dos des
linn de minha familia, sera ter a responsabidade
do governo.
" Vejo aberlo ante mim um caminho fcil e
venturoso, no qaal me nao faltar^, como me n5o
tcem fallado al agora, o:casioes de servir til-
mete minha patria.
Vos, sensores depulados, tendes vndo deseo-
bnr anta raeus olhos um horisonte mais dilatado;
iama-me cnmpnr um dever arduo sempre,
mas muito mais arduos nos lempos em que nos
acbamoa.
dade de
o tuspender vmmediatamenle do
Piel s tradifes dos meus antepassados, que
nunca se desviaran) ame o dever e ante o perigo,
acei'.o a nobre e elevada misso que a Hespanha
quer cooQar-me, comquanlo nao ignoro as grandes
diflhaldadea que ella oTrece, e a respansabilidade
qne, ao aceita-la, contrajo para com a Hespanha.
Alas confio em Deus, que v a reclidao das miaas
inienres e confio no povo hespanhol, tao justa-
mente orgulhoso da sua independencia, das suas
grandes tradicto religiosas o polticas, c quo tan-
tas pravas tem dado de saber harraonisar o seu
respeito pela crdem com o seu amor indomavel e
apaixonado pelas liberdades.
S -u anda, senhoras depulados, demasiado
Joven ; sao anda desconhecidos os tactos da ini-
nlia vida para que eu possa altribuir aos meus
mritos a eleicao que fez a nobre uacao he-pa
Dhola.
Tenho a certesa de que haveis acreditado que
a Providencia concedeu a minha juventud o mais
til e o rnais I-cundo ensino: o espectacalo de
um povo, que reconquista a sua unilade e a sua
indepon lela, gracas intima unio com o seu
rei, e a pratica lel das instiluicdes livres.
Queris que o vosso paiz, ao qoal a natarea
prodiga lisa todas as suas gloria, gose tambem
d'cs.a feliz unio que tem feilo e far sempre, co-
mo espero, a prosperidade da Italia.
A' gluria de mea pai e fortuna do tmu paiz
dev.i, pois, a vossa eleicao ; e para lornar-mo dig-
no (folia nao nosso deixar de seguir lealmen'.e o
exornlo das tradiccoes consti:ocionaes em que
lu educado. Soldado no exercito, serei, scuho-
res, n priraeiro cidado anlo os representantes da
na cao.
oever mWmVKt* v jornaes nespanho6' publicara urna carta
do du^e da Victoria^ geqoral EspaHaro, anatra-
aer.imenlo a 27 dopalador que se lh*,iuvaoj diri
'ido detlarandft, qhe Vr,vo a sua inabalavel resolo-
ca da nao aaeitar a torta no caso de rw ser
conferida neldS.cortea,, e a supplioa que Ihes baria
feto para que vofeasenro candidato que julgas-
se;n mais digno 4e oceupar p ihrouo, haviam da-
idido dar os seas votos ao principe Amadeu.
geoerai Prim b-j se-esoivou a reunir ai
cortea depoia do dia da elejjji do monarchi, con
forma rafcda o regala ment, para se approvar a
acta, pol, roceioa que a granie discus-o que
para eiyj da haviafiead-i adiada,-corlando o prc-
siieot a palavra lodos os que queriam comba-
ter a caaitdatura propo-ta, assastasse a familia
do candidato, ou antas do soberano eloito, e se le-
vantassem aovas difflsn dades. Eniretam >, a oom
uissSo v se em embw.icos por nto poder apif-
sentar urna copia aibenlica Ja acta que sa nao
pode extrahr antes de upprovada.
Tendose de discutir a acta depois da-occeilaco
do principe Amadeo, ha urna nova complicado
se a acia naj fr approvada.
b'oi concedida a exoneracao pedida por Fi-
guerda, sendo nomcado para ) substituir o Sr.
Mor. t, ministro das (Puncas o intername ale do
ultramar.
. Corro o boato que o novo ministro d-s daantas
projecta suspender por 20 mezes os joros da di-
vida iulerua de aejordo antecipado co.u os orioci<
paes posaiiidjres, afln de contrastar n i empres I-
ino sobre o rendimenio do tabac?, e reduzir o or-
camcnlo total do clero a 25 por cent >.
A ex-rainha Isabl publicou o seguate pro-
testo :
Aos hospanlioes. Succes-o? que oo quero
nem devo recordar, e o mea conslaote proposito
e ardenle desejo de fazar a vossa falicidade, anda
casta dos maiores sacrihios, decidiram-:ne em
1868 a abandonar o patrio slo, leudo desde enle
dirigido ao co os mpis ardentestvotos para qne
vos outorgase a paz e o bom-e-tar, qe tanto me-
recis, c de que urna minora aneiosa do poder
vos prvou por algum lempo.
Querendo legalisar este passo, lio grave como
doloroso para mira, o evitar qae, qualiflcando o
de lio da violencia, podesse servir de m itva fu
Jado para promover novos transtornos em um
futuro mais oa meaos remoto, formulei om 25 de
junlio desta anno urna livre e espontanea abdica
cao de lodos os meus direitis meramente polti-
cos com todos os que me pertenciam cora
de Hespanha, transmltiado-os ao meu muio ama-
do filho D. Affonso de Bourbon, principe das As-
turias, e reservando-rae lodos oz que ni tives-
sem o referido carcter poltico.
< Lisongeava-me que a minha abnegaco, lo
espontanea como (lacera, podes-e acalmar ai pai
xoes sobreexcitadas, inspVar coaQanra aos que,
nao me fazendo jasti^a, julgassom que adraba
pessoa 'use um obstculo garanta das lilurda-
do publicas; e conseguir que o paiz lornasse ao
e=ta1o normal, profundamente alterado por urna
revolnc3o, que nao poda dexir de produzir um
sem numero de males.
Deas, porm, nao qaiz attender miuhas
fervorosas supplicas. A revoluc'io contina na
sua marcha e acaba de descon'hecer os direitos
de meu filho, hoje vosso legitimo rei, segundo to-
das as constituigoes hespanbolas, chamando a oc-
cupar o throno de S. Fernando e de. Carlos V um
eslrangeiro, enjo mrito, por .rande que seja, nao
pode dar-lhe um titulo para ser vosso r^i, despo-
jando de lodos os seus direit js toda urna dynastia,
nica que tem seu favor a legilimidade secular
e poltica, que foi grande erro desconhecer.
t Pallara aos deveres sagrados qu? tenho, co-
mo mu e chefe de minha familia, se nao consig-
narse o mais solemne protesto contra semelhante
protesto ;e dirijo-o vos antes de mais ninguem,
pois que sois os chamados a reparar urna tao
graude viol-cao do direito, da qual victima um
innocente menino, qne nao ple nem devo serres-
ponsavel pelos erros injusUmeute atlribuid )S aos
seus antepassados.
< Bem longe do inou pensamento est a inten-
(o de appellar pira a violencia ; bstanle sangue
derramou o povo hespanhol para sustentar-me no
throno dos meus maiores; nao quero que nia-
mente se derrame para restablecer nelle o meu
querido filho. Desejo nicamente que a opinio
reclifL-ada, que o conveucimeulo de que s assea-
tando o filuro sobie a antiga e secular base da
monarchia, ple a Hespanha recuperar a elevada
o respeitavel posiQao, que oceupou por muilo tem-
po no mundo, t.-agam pacificamente, passada a
trrenle revolucionaria, que seguramente veles
com espanto, a rosiauracao que ao mesmo lempo
que. encher de jubilo o meu corac dejne,
consolar-me-ha do pesar que me eau?am, nao as
mmbas, mas as nossas desgranas. Isabel. Gene-
bra, 21 de novembro de 1870
C1IDA.
Ha noticias de Cuba por via de New York. Ha-
viam entrado em Hivana dus vapores hespa-
nhes cora 1500 borneas. 0 gtneral Caro, com-
iiian Jan'. do departamento central, ia partir para
a lhspanha. Os chefes da nsurrelco Cuesla c
Ho-drigues Zea haviam sido morios em Cieaaaa de
Zapato.
Haraon de Armas o J ,s Nodal haviam sido cap-
turados em Cimarrones. A* guerrilhas que ope-
ravam as monlaohas cap'.uraram o mataram o
general cubano D. Gabriel Fortuna, personagem
importante da revolucao.
Alguns chele* tinbam abandonado as fileiras re-
volucionaras ; entretanto o movimenle nii se po-
da considerar exiincto, porque havia aihda gran-
des forjas em campo.
FOBTUGAL.
De Lisboa escrevo njsso cirrospondente em
13 do crreme:
De todos os successos da quinzenna, quero
dizer des occorridos nesto bom Portugal, o que
mais sensacao produzio foi o ju!araeuto desse
desgranado Vieira de Castro que o ciumo fez cri-
minoso e snbmtteu ao rigor das l.-is. Muilo se
tem escripto sobre essas memoraveis sessoes em
que a mnltidao dos iodifferenles, dos ontr'ora nti-
mos d grande orador, e dos que mesmo nos tran-
ses da expacao se Ihe conaervaratn fiois e dedica-
dos, asista 'freraente de Cjmmocao e do ao ba-
quear daquelli c.lo-a! repuiacao abatida, hnmi-
inada, roda de remor-os, raorta para a vida civil,
anniquiliada para as ambiques da tribuna, repu-
diada pelas convencoes sociaes, vergando ao peso
de vehemente.-; accusac.o?J, de quo o i quli defen-
der-se, porque para defendor-se carec* de aecu-
sar. Se Vieira de Castro dizia, poucas horas de-
pois do julgamento, na Recolufo, o seu mais f.-
nalico amigo, K. Sampaio, nao amasse lano
sua mulher, nao estara no banco dos reos I Aby.s-
mos do coracao humano I A turba na) conipre-
hende que do excesso do amor ua-c* o cume!...
a Foi sublime di elocuencia a se..tmenlo a ora
(ao da Ja;, me Moniz, defeo-'or do reo. Houve eo
piosas lagrimas no auditorio. O proprio advoga-
do .-u.iplicou pelo amor de Daus que o nao applau-
dissem, porque a sensim ; lade exirema o privarla
de defender aquello desgranado.
t A audiencia durou tres das. Muitas damas
da primeira socie.lade assisliam as tribunas. ~0
jury dou o erme provado por unaniml Jade, com
eir-
1583" .WiX JW

4.*O rao commetteo o crime oom a .
cumslancia aggravaate de ter raanifesta vaotaiam
sobre a aggredida em razio do sexo, roba A a
sUnaeio t Est provado.
' 5*0 rea commellea o crime com a,crcnnj>
Unca aggravante de ser a
ma esposa ? Est provado.
t 6\O i ommetteu o crime cora a creuras-
tancia aggravante da te r recebido de sua mulher o
da familia dasta im|ortanta baafieioaf Est pro-
vado. *
7*O roeommeltetfo crin coa a circums-
i.incia iggravante de lar casado por especulacao,
u.uriiande a fortuna de sin mulher, o por sao
ter-'he dada a roerte para dalla se desewbara-
car? Naonata provad).
8'Oreo commatteno crime coma circunm
naco de Balara, segnindo de Lisboa para
Oaiscoode deValraor (3r. Fausto Gujdes) den
radia 6 um jamar ao Rvm. bispo de Lntego. oJ
un convidados os Srs. Saraiva de CarvaMio, vis-
assassinada sua legltk T0Bdrd9 Condeixa, Ferraz de Mmafia, .ministro
ilo Brasil, visconde da Gaudarinh, visconde de
Ustello de Borges, r. Alves da Fonee'ca, Sampaio,
Silveiri da Molla. Alfredo Pereira Nones e caailo
A raga. _
O invern agora val rgordao a desabrido. Ji
ae coniam alguns naufragios e nao poaws desas-
tres na costa. A ebuva lem sido torrencial e juasi
sem tregoa. Nao tirJaro oa desastres produzidoi
pelas cheias dos ros.
Ra das bouva em Paucas urna.famosa cacada
em que tomaram parte el-rei o Sr. D. Luiz, sea ic-
J
unca aggravante da o (aaer em Oasa habitada mo o Sr.-D. Augusto e os Srs. marae! de Cas.
Est provado. lello Melhor, coBde, de Vale de Beis, de Mafra e de
a 9O-reo ommetten o crime com a circums-, FicalhvOsborne Simpaio, D. JoioeD Mineel de
ainda
>il A Joaquim Felippe; m a Mauoel Fernande
da Costa & C. 2 a Corea Irmios, 40 a Cunba &
Manta, 30 a Lnh J. da Cosa Amorim, 20 a J. J.
Goucjives Bellro, 1S a Simpson A C, 2o a Ma-
galhes & Corval, 3 a Carvalho fiesha A C, 15
Correrar honrem a noite boatos,.um tanto ^T^rTr fa&^fflt&tr*"'
fundamenUdos de modilcaeao ministerial, e de t0n Pater &c-i0i Saunder, Brlhers A C
ndo da Peok*e) est em Antuerpia, a
tmibif conta da legacio em Bruxellas.
Hontem flcou voudo o bil na geoeralidade,
em votacSo nominal. Ficou approvado por 47 vo-
tos contra 18. Segaem os debates na especiali-
dad?. ^
tanda aggravante de Insistencia nos estorbos pira
o cousuinraar, umpregando a 8iiff)ca;o, depota
de frustrado o effaito do chlorof-rmio, qae
meiramenie empreg*ou ? Est prava lo.
Mello, Fernando Lapa e Dr. Taixuira.
t Fui el-rei hospedado pelo abastado lavrador
pr** d'Alcochte, o oomineudador Estevo de Ohveira e
sen filho. F.caram na casa que o Sr. Oliveira tem
. c 10.0 reo commulleu o crlm com a cif- \etn Piucas. Reuairam-se a real comitiva, muilo*
cnmslaneia aggravante do se conservar, depois I wvalheros de Evora e seas secretarios,
d'ello por muitas horas, na raesma casa em qafilr A' n?*ds en Paucas tem fjma; a opulenta
estava o cadver, ostentando depois indifterenca lospilalidade de EstevSo de Olivara torna-as aiu-
a prf-
Provada
O- annaes da Hespanha esiao cheins de nomes
gloriosos, de cavalheiros valeotes, de arrojados na-
vegadores, de graodes japities e de res famosos
Na i ;c se alcaocarei a fortuna de verter o meu
sangue pela minha nova patria, e se me ser dado
accreseentar algama pagina s innnmeraveis que
celebrara as glorias da Hespanha; mas em lodo o
c so, eston bem certo, porque isso depende de mim
1 a da fortuna, que os hespanhoes podero sem-
pre dizer do rei que elegeram :
A sua lealdale manteve-o sobrauceiro s
lucias dos partidos e nao tem na alma -cn3o
o desejo da concordia e da prosperidade di na-
t cS). >
\
O novo rei era esperado em Madrid, no dia
23, onda os teus partidarios Ibe preparara um re-
C< i'im.'nto condigno.
A candidatura, porm, mal acolbida pelo povo
hespanhol. Quas toda a mprensa Ib adversa.
iJNzentos e sessenla e um joroaes comoalem a es-
collu, vinte jornaes s Ihe sao favoraveis.
Hecca se que o clero, que anda hoje tem gran-
de influencia em Hespaoha, >roova urna reaeco
esenas domonstraefies contra a novo monarcha,
na) so porque a maiora doleru partidaria da
D. Carjos, D. Isabel, ou do duque de Montpenw ;
P^r ser o soberano escolhdo fimo de Vctor
E nnianuel, sobre quem tem recahldo duas exoom-
raunboes maiores, e sobre o qual recaten as iras
do partido caihoiico por causa da ocaco de
flJina. ^^^
O hispo de Almera dirigi nma circular >o
t da sua diocese recommendando-lbe sa re-
t que sao mini$trot da paz, e que espera
cordeu. orrspooda tao nobre missao, mas
d'elles quu ** desviar dos principios evao-
que se qualqm.. '-om o aeu coraportamento e
golicos, e manchal "'nijiario, se ver oa dura
templo o seu sagrado a..
circamslaacia aug/avanle de premedtago. O
advogado Adolpha rnsto da Fret.s di aecusa-
cao por parle da raai da^assassinada fi severo
como convioha, e se nao iguala Jayme M miz,
porque actualmente em Portugal nao temos na
tribuna forense oa parlamentar quem se Ibe avan
tage. Kepresentava o ministerio publico o Dr.
Luix da Cosa Azevetio Coutioho; Juiz, o Sr. Ara-
g.i) Mascarenhas. Acabou a audiencia depois da
meia noite de 30 de novembro. O povo lamul-
laava s portas do tribaoal. A polica fez incri-
veis esforcos para contar os impacientes. Os jor-
oaes diarios deram oxtracios nsufflcieaies das
sesses. S bontem que se poz venda um tra-
balho completo e revisto pelos advogados. Ro-
motto-lh'o. Fez-se urna- edicao de 20000 exem
piares sendo a maior parte destinada ao Brasil.
Julo q,: a primeira parte que eslava improssa
j f ii, 3 do aorrente, para o Rio de Janeiro pelo
paquete do pacifica AraucmiV. Ah poderlo ver
na su integra os nossos leitores as pricipaes
pegas do processo e os, discursos dos advogados.
< Os quesilos propostos ao jury sao os segua
tes :
I.O crime de haver voluntariamente dado a
morte a I). Claudina Adelaide Gumaiaes Vieira de
Castro, de qae o no Jos Cardoso Vieira de Cas-
tro aecusado nos libetlos, es' eu nio provado ?
st provado unnimemente.
2." -O reo commetleu o crime cm a cir-
cunstancia aggravante de premeditado resultan-
te de antecipada acquisicao de eliioroformn, di
hora e modo como proceden, e do espaco da lem-
po decorrido entre o conheeimento dalfll-lidade
de sua mulher e o momento em que rea'isin a
morte desta ? Est prov; do.
3.*O feo commetteu o crime com a cir-
cunstancia .iKgravanto de fraude prWedndo an-
tes do nime ce raedo a desviar d -'nirito de sua
raolher ?da a iu'** da receio e de corVfe/pandeDle
precaucio 1 Nao i^W Pfovado.
pelo crime qne havia praticado ?
meira parte do quesito.
1LO rj commetleu o crimo com a circams-
tancia aggravante de que a sua poicaa social, ll-
lustraco econhecimenioe do dipertw, Ihe impo-
nhara obrigac* i especial de o oo praUcar ? Est
pro va do.
12.- A circumstancia iostrnctva, allegada no
artigo 8. da couiestagio verbal da estar o reo no
momelo de commetlur a morte de que se traa,
inteiramente privado do iolelligencia, esi ou uo
provada ? Nao osla provaio que estvesse priva-
do da iolelligencia do mal que commeltia, mas
extremamente sobreexcitado, o quo o nao livra da
responsablidade do acto que pralicou.
13.A circurnstenea attenuante de ter o reo
pralieado o crime depois do ter tido conbe^meolo
de que sua mulher havia commcltido adulterio,
est ou nao provada ? E-t provado que eslava
coaveacido. /
ii.A circumstancia attenuante d/ser o reo
bem comportada, e de animo geoerosr e desinle-
interessado, esta ou nao provada ? Est pro-
rada.
15.A circumstancia altenuantfde ter "o reo
amado extremamente sua mulhei rodeanio-a
do cuidados, canudos e desvelos, e* ou nao pro-
vada ? Esljprov ida.
16. A circumstancia alteouaue de se haver
o rq casado por amor e d^sinterasadameale, est
ou oo provada f Esl provada.
_ 17.'A circuinstaueia atteniante da apresen-
laca) voluoiaria em juzo, est ou nao provada ?
Esta provada.
18.\ crcumstaoeia alternante de confis-o
espontanea do crime, est ou lio provada ? Esta
provada.
E a re.-jiirsnmcnt) do miiisterio publico :
i O crime de atientado cmlra a vida de D.
Ciaudiua Adelaide Guimarei, por meio de uso
chloroformio de qne o reo Jjis CirJoso Vieira do
Castro, aecusado no prmeiro artigo do hlulio
do ministerio publico, esti ou nao provado ? J
est provado no quesito n;9.
A seulenca condeuim o reo em dez anuos de
degredo para a Af ica, on em cinco do prisao
maior cellular.
Ha quom diga qm nos perdoe da semana
sania, (se a appeliaeio livor sabido it enlo a
ultima .instancia), ser pena d Vieira de Cs-
tro modiicada pelo pqler moderador.
A jusiiga cumpri* com o que devia a m ral
publica e expressa letermlnacao das leis. Que
se perdoe parte da p*ia a< r^, oa quo se Ihe nao
altere nem urna virgiia na senienija, um ho-
mem para si e parad soeiedade.
O que tod h l&nentam |ue o causador desse
grande infortunio sr sablrahisse a" justo castigo de
snas seducedes, j evitando o duello com o olTefl-
dido, j lugin lo dotcao dos iribunaes, a pretexto
deque lachorar ia sohdao do claustro e nos ci-
licios da penitencia e hoorar o seu crime.
Alinal, parec q e nao passou ludo isso de
urna fantasa, pois anda nao coasia que o tal Gar-
re se recolhe-se nennhum moateiro.
Deixando este assumplo porua triste, e
porque nada posso accre pode constar, passo a ontros assnmptvs.
t O paiz est muqu lo. Boatos lorm, uo
tem fallado de tentativas de alte -ac i da ordem
publica ; principalmeale ver pelo Algavro, para
onde e como crelo ler Ihes dito foi urna respeiu-
vel forc de cavallaria. Afiaal aqaelte apparalo
bellico a sarapantoo os algarvios e os supposlos
rebeldeiioa sediciosos nio appareceram eal cons-
ta que apen: s se iralava de grosso contrabanio
pela raia, quando mais fallava 'era conspiraras
de aecordo om os enlistas da Hespanha..
Antas de boniem torna presos por suspeius
de conspirarem uns cinco individuos insiguificai-
les na cdade do Porto.
Aa folhas daquella cdade commenlam o eao
e poe em relevo a pouca ou nenhuma importancia
dos presumidos amoladores.
Caso mais sene porm, foi o que ha das sue
cedea aa linha frrea, entre a ponte de Sant'Auaa
e Reguengo, pois uus doze ou quinze homens (qte
at hoje ainda ni) foram colhidas) levanlaram (s
rails ou calhas da via, do que resultaran) dois
descamnamenos com grave perigo dos passi-
geros.
Ao mesmo lempo haviam derrubado uns oko
ou dez postes de lelegrapho elctrico, que seguon
ao lado da linha. Coincdirara essas tropelas, com
o derrubaraenio de algAus postes e corles dos flus
telegrafieos na linha que vai de Lisboa a Ca
tra
Parece q ie havia plan >s de revolta da troja
de guarnico a Thomar, combinado o movimemo
com a de Loiria, mas isto nao censa averiguada.
Alguns ofiiciaes foram transferidos e a juslica
procede para haver as maos os m Ifeitores. D'al-
gumas palavras do marquez d"Avila (presidente do
cooselho de ministros no parlamento) que se de-
prehende jue o levaniamento dos carris nao fti
aclo de vinganca dos empregados oa operarios
despedidos pela empreza mas que havia um plano
que a polica deve esclarecer.
t Em todo o caso o plan) abortju; o desastre
que poda ser muito grande no caminho de ferro,
limilou-sea aignmas cabecas quebradas, o a or
dem publica nao foi altera ia ^por especuladores
imperdoaveia e indignos de que'se Ihes d quartol,
pois sejam qnae,s forera os motivos polticos que es
moyam, nunca sao suffleientes para por em risco
a vida de viajantes pacficos e a fa.enda e interes-
ses dos expedidores e da propria empreza.
A impreisa qua3i toda attribue estes desati-
nos aos penicheiros. A designaeao e viga de
mais.
t A cmara dos depulados discutio cora certo
calora eleicao de Monead, sendo proclamado o Sr.
Beraardino Pinheiro.
t Comecou a discnir-se e votou-se na geaerali-
dade o btll de inderanidade, que legaliza os actos
da dictadura (de 19 do maio a 29 de ago-to) de ca-
rcter legislativo, a excepcao de algumas medidas
mencionadas no respectivo parecer. Ah tem silo
a campanha parlamentar. Ainda ha vinte a tantos
credore inscriptos. Foi mu*) o< tavel o discurso
do Sr. Campos (minisieriaes) e nio- menos os dos
Srs. Jos Das Ferrera e D. Luiz da Cmara Leme,
ministros que foram com o duque de Sal-
daaha.
Os clamores contra a illegalidr.de da dictadu-
ra tem sido vehementes na cmara ; a desculpa
de quo tudo que ha de bom em Portugal, as di
versas dictaduras se tem devido, nao tem fallado,
e por ultimo dissejo Sr. Das Ferrera que ninguem
estara menos as cironmetancias de fulminaras
dictaduras que o propro bspo de Viseu e dos
saus amigos, pois nao a pode haver mais flagrante
que fazr dedceles com efJeilo retroactivo, alte-
rar o numero de circules eleiloraes, e eraillir ins-
enpeoes na ausencia do parlamento, e sem auto-
nsicao parlamentar como em 1869 fez o gabinete
a que perteneia o nobre prelado.
.De toda osla renliida discosso nao resulta o
minnno proveito para a causa pnWiea. Halbam
as aomadres deseobrem-se as verdades, o tempo
vai-se nassando e Unto qae as cortes foram nova-
mente prorogadas at 15 do correte, e a eterna
qnesiao de hunda flora pouco mais on menos,
no otes no p. Entretanto, alguns prajectos de
i le, dosi que forero apresentados pelo Sr. Carlos
ReQiodagiva.aclaal miftistro da fazenda, tem
S'do .disentidos na primeira parte da ordem do
da.
A cmara tem funecioaado ltimamente de
dia o do noile*. ve Vi do crrante at S de Janeiro
g sarao os depnada urnas pequeas ferias.;
Fallecen o sog?ndo Sr. Frailas e Otiverrk, de-
pulad x o conwltjero aaotador geral o tribunal de
contts,o Sr. Antonio Augusto Catibo da Maga
IbSos, advogado dUlInclo o irmao do eximio ora-
dor Jos Estevlo Tellio de Magalbes.
E' esperado em L nha, Amadaad, filho do rei'^< Ittlia, a ir nio da
rainha de Ponugji, parece qu* M botpedar no
ia mais explendi las.
Fallecen de um aneurisma o maior lavrador
los campas de Villa Franca e Chamusca, o Sr.
Vnlonio Jos Pereira Palha, irmos dos Srs. Frac-
aco Palha, Joao Palha e Jos Palha. O finado
ira de urna gerarclua distiacta e ptimo chefe de
'amilia. Deixa boa fortuna e bons eonst-lhos agr-
colas e moraes a seu filho, moco de 17 anuos de
idade.
Antes da hontem passou desta para mclhor
vida o celebre violiosta portuguez Vicente Tito
Masoni, pai do bem coohecido piaoista Eugenio
Masoni. Tmha avancada idade.
< Foi nomeado professor de pblosophia e elo-
cuencia, no collego militar o Sr. Luciano CorJei-
ro, collaborador da Revolucao e bem oonheoido
pelos seus artigos de critica Iliteraria, que andam
j colligidos em volume-
< Ha poucos das houve na cmara dos depu-
lados um conflicto de palavras entre os Srs. San-
tos Silva e Marianno de Carvalho, por causa do
termo vaxgluma (II) Eslo encarrogalos de re
solver pacificamente este incidente, por parte do
primeiro, os Srs. Silveira da Molla e Tliomaz de
Cirvalh); por parte do segundo, os Srs. Francisco
Vendes e Luiz de Campos.
Fallecen o primeiro coutador do tribuual ds
coatas o Sr. Jos Anaslacio Velasco Galeano.
4 A Real Associacao Central de Agricultura Por-
tugueza, a que muilo me honro de perteucer, des-
iribuio no domiaga 4 do correte os premios aos
expositores mais dignos de recompensa. Presi-
dio ao aclo era nome do respectivo ministro, o
conselhero Ridrigo Moraes Soarcs chefe da d-
receo de agricultura no ministerio das obras pu-
blicas, e um dos escriptores portuguezes que mais
tem con :orrid) para os raelboramentos agrcolas
do paiz.
< A fe-ta foi modesta mas significativa. Esti-
verara muitas damas e uus 60 a 70 convidados,
alm dos socios que comparecern) quasi todos.
Celebrou se aquello acto no magnifico palacio dos
Duques de Cadasal, ao Roco, que anda arrenia
do soeiedade de agricultura, uro, formosa malta
que Iba esl annexa, e onde era maio se azem as
exposicoes de floricultura e arboricultora.
Cinco foram os alamnos que na quinta regio-
nalda da Granja do Marquez (Cmira) conclairam
este auno o curso completo de inspectores de tra-
balito i agrarios. O governo cajo o estabeleci-
inento, fez annunciar as habiliucoes que os seus
alumnos linhain e as condiedes em que podiam
ser contratados. Va para o Mwanho, um del
les, pir veutura o mais dslineto, Jos Lucio do
Sacramento, quo frequeotra antes de ir para a
irania, a escola annexa a normal de MarviUa, Ha
seto nnos que este rapaz de notavei tlenlo e bo-
nesti lade, me foi entregue pelo commissario dos
estudos da Lisboa. Traha-o esse funecionarh dis
lnguido n"um curso nocturno de instrueco pri-
maria na freguezia da Lapa. Depois de algum
mezes qae passoa eomigo em Marvilla diligencia-
mos q e fosse admitlido, como alumno do Esta-
do, na quiota regional. Hoje possue un bello di-
ploma e creio qae um bom coatrato para o Ma-
raaho, como cima refer. Oxal que o saibam
apreciar e que elij cootne a tornarse credor
de estima e simpatbias.
No'o pirm que send Portugal um paiz em
que todas as industrias sao posiicas menos a agr-
cola, e havenlo governo ha mais de quinze das
aonunciado que Haba cinco Inspectores de servi-
co rural promptos para serem contratados, fosse
este o primeiro a receber contrato, e de mais a
mais para fra do paiz I Isto s mostra o qaanto,
apezar de raras e honrosas excepcoes, predomina
anda entre nos o espirito de mima Antes vio
para o Brasil que para outra parte; mis nao sei
que ealculo este do governo em faier intelligen-
les inspectores agrcolas, cuita de grande d9
pendi para os deixar livres em collocarem-se f-
ra de Portugal ou de suas provincias ultramari-
nas I Que obtenha eollocacao livre quem adqui-
ri habilitacees sua custa, enlenla-c. Mas que
o governo mantenha era estado, por um certo
numero de anuos a uns tantos alamnos, para de-
pois se desfazer o'elles para (ora de Portugal,
o que se nio emprehende l muito bem. En-
treunto para apreciar a illustracd e tino dos
proprietarios brasileiros que as>m se aprovelam
do qne nos deixaraos com t an- la improvidencia
desperdigar.
No Io do corrente celebrou com bastante
pompa a c Commissao Central 1 de Dezembro de.
1640 a comraemoraco festiva da restauracao de
Portugal.
t II j uve TDum na S, a que assisliram go-
verno e qaasi todos os vogaes effaciivos e suo-
plentes da Commissao Central.
< A maior pane apresentaram-sc com as suas
medalhas, que sao do'ouro para os primeiros, e de
prala para os segundos Pregn o lvJ. padre
Bello. O discureo vai ser impressO pela corarasso
segundo o costume.
c A' noite houve sarao patritico no palacio dos
condes de Airaada, de S. Domingos. V. all que a
commissao se rene. Usararo da palavra os Srs
Ribeiro Goncalves, Costa Goodolphira, visconde de
Trancoso, Dr. Francisco Manoel da M;ndinea e
Manuel Pinheiro Chagas, qae estavam inscripto*.
Tendo faltado denlre os ioscriptos os Srs. Osorid
de Vascoueellos e Jos Dionyso de Mello e Faro,
a mesa pedio an vogal da commissao Luiz Felip-
pe Lelie, qae n'esse memento chegava do theatro
de D. Mana II, onde se tioha representado a ira-
mortal composmo de A. Garret O. Felippa de Vi-
Ih-na, para substituir os oradores ausente.*; ao que
aceedeu, usando da palavra por mais de meia
hora.
t A reuniao esleve brlhante, e inspirados todos
os oradores. E' claro que me nio retiro ao alli-
mo por qae ou parte suspeita.
< Muitas damas abrilbantavara o sarao. A ds-
tincta poetisa D. luiomar Torreslo, a chava se tam-
bem preseute.
Em diversas ierras de provincia fez-se tam-
bem esta nacionalissiraa commeraoracao com es-
plendor.
No theatro houve verdadeir enthusiasmo.
Como porm o enthusiasmo nio basta para
garanta da independencia nacional, o que est
provando a infeliz Franca, do que nos mais preci-
samos agora de muito juzo e grande abstenrto
as cousas externas. Preso-me de ter discnrsdo
n'este sentido.
Ha dias-n cmara dos deputados o? Srs. Oso !
rio de Vaseoncelios e Mello, pediram e obtiveram
do governo, qae remeitesse e fizesse publicar a
nota detalhada dos donativos com que alguns dos
nossos compatriotas subscreveram no Brasil para
a compra de armamento para o exercito de Por-
tugal. Publicou-se. Anda por 55 comea de res
fortes, 51 d g quaes eslo na agencia flnanelal de
Londres ordem do ministerio da guerra, a o res-
tante deu entrada nos cifres do mesmo ministe-
rio. Estas sommas estad intactas. Se e o muito
bom que nao tivessem cahido para a voragem das
despezas car rentes, muito mo que ainda at
hoje nao tivessem tido a applicacio designada pe
las benemritos doadores.
i No substancial discurso do Sr. Cmara Leme,
na discassao do bil, menciona-se a despeza a fa-
ier com a forlificacio do porto de Lisboa. Nada
menos que 4 rail conlos I Ora como a qneslo fi-
nAaceira ainda se nao resolvou, nem resolver lo
cedo, e como s 4,500 cintos de reis fortes, temos
nos de deflloit no orcamento, e isto forra de snb-
metter es servoos pblicos a esse leito de Procus-
tea chamad^economas clan que pelos meioa
ordinarios ao temos de certo qaem se atreva a
votar 4 mil coutos para a fortalezar a foz do Tejo,
sam fallar no que costara a foxtifleacao das fozes
do Dooro e do Sado.
Em 1 do corrente accrescenta nosso corres-
pondente o angointa :
t Falla-Si nova prorogaea das cortes por
mais 5 das, mas nio coma resol vida, anda.
Agora que sao oa apertos.
raudancas as pastas da fazenia e da guerra.
Effeclivamento. Sr. general-Hago ainda nao sabio
de casa, pois, send feo minlatro quaudo eslava
doente de amigos frimentos era campanha, re-
crudesceu o encomrnodo e como se nio houvera
tal ministro. Ignoro os motivos que delerminava
ontiauam as diligencias polticas o as precau
coes em relacao a lio falladaconspiracao. No Al-
arve procofao o raovimento das tropas.
t Ch->gou inte-hoalam o piquete Douro dos
porios do Brasil. Causaran) boa censacao na pra-
ca as noticias commorciaes e i coudkfdas do cam-
bio.
Foi pablicado honlra no Diario d) Governo o
tratado de paz, amisade, commercio e limites, en
tra o rei de Portugal e o governo da repblica da
frica meridional, e a proposts de le para sor
raclcado pelo poder exe:utivo.
V Dizera os jornaes de hoje que sua magostado
o Imperador do Brasil vira Europa na prxima
pnmaVera. Nio sei que fundamento elles tem pa-
ra dar esta noticia.
Esi ainda em loglaterra o Sr. conde d'Eu.
FiJleeeu o general de brigada o Sr. Francisco
Dionyso de Almeida. '
Est cora 23 coates a subscripto para a do-
cta fluctuante no Douro.
t A subscripcao para os feridos da guerra est
em Lisboa em mais de 4 coutos em dinheiro afora
grande numero de kilogramraas de Dos, doce, mul-
tes centos de litros de violto generoso etc., etc.
a No Porto excede de 2 cootos de res, urna
grande porcao de vnho d) Douro etc., etc.
Parte para o Brasil brevemente a nossa iniig
ae actriz D. Emilia Adelside.
Parece que tamoem ir ao Brasil o Sr. Mea
des Leal ( Antonio ) que torna a seguir a carreira
dramtica para que tem lo pronunciada vocaco.
Arden antes de hontem o solar dos bardes de
almeirira, sem ao menos escaparen) as officinas de
iavoara.
< Foi um verdadeiro acontecimento muskal a
novaua e feslvidade de Nossa Senhora da Concei-
Co no magesloso templo dos Panlistas en Lisboa
pela soeiedade Orph-:onica, de que distincto
membro e um dos principaes influentes o Sr. Fran-
cisco Lourenco da Fonceca, commendador. O Te
Deum, eoroposico do visconde de Arneiro (Jos
Veiga ) riquissimo de nstrumenlacio. O Te-
Deum cantou-se no domingo (!1) do corrente. Al-
gunas senhoras da prhneira socieJ.de lisbonense
canuram solos, ou lomaran) parte uos coros.
Chegou a 11 do Para o vapor Maranhense,
com 32 dias, 26 do Maranho e 20 do Cear:
Entrou tambem o vapor Germina viodo de
ValparaiJo e portes do Brasil.
Conlinua a dizer-se que o mar juez de S da
Bandeira ir a-Madrid represeniar a sua magos-
tado o r?i de Portugal na acclamacao e coroarao
do re de H 'spanha Amadeu I.
PERNAMBUCO.
REVISTA DIARIA,
AUTORID\DE POLICIAL.Por pirtaria da pre-
sidencia da provincia, de 23 do crrante, foi no-
meado Antonio Josquim de Siqueira, subdelegado
do dis rielo de S. Banedieto, do termo de S. Bento
ARSENAL DE GUERRA.A' seu pedido foi
exonerado, por portara da presidencia da pcovln
ca de 23 do corrente, o Sr. Joao Duarte Carneiro
Monteiro, tercero escriptnrario da alfandega, de
membro do con=clho de compras do arsenal %.
guerra, e nomeado pr.ra o substituir o tercero es-
criptararin da alfandega Antonio Luciano de Mo-
raes da Mesquta Pimeatel.
FERIMENTO GRAVE.-No da 27 do corrente
s 9 horas da noite, na ra Imperial, da freguezia
de S. Jos, foi gravemente lerido Manoel Ignacio,
por um individuo que logrn fugr sem ser co
onecido.
DlNHEHtO.O vapor La Plata trouxe : 2,000
Sf para o Sr. J. H. B,..xswell, e 30 S* para os Srs.
Isidoro Bastos & C.
O vapor brasileiro Arinos levan hontea) de
nossa praca :
Para Macei 30:400i)O0
Para a Babia 1.-200*000
Para o lo de Janeiro 345:092*520
Sendo desta ultima parcella 332:000*000 para
o thesouro nacional.
O MandahA entrado do Aracaj e Penedo,
foi portador das seguintes qaantias para os senho-
res :
Tbeodoro Christiansen 9:000*000
Jos Duarte das Naves 499*241
Beltra >, Oliveira & C. 400*000
Joaqoim Goncalves Bellra) 400000
Santos Faldh A C. 284*260
Alfredo Garca A Irmio 200*000
Guelphe de Lailhacar 100*000
F. E de M. Cavalcanti 100*000
A. L. dos Santos Maia C0*000
PAVOROSO INCENDIO.-Hratem pouCo depois
das 8 horas da noite as igrejas da capital deram
signal de ura incendio que- se manifeston n'um so-
brado de tres andares da ra do Baro da Victo-
ria, em cajas lojas tioha o Sr. Chrstiani a sua
fabrica de Chapeos.
Pouco depois a ra estava apianada de povo e
acudiam todas as bombas a piquetes.
O incendio em poucos minutos aps sna decla-
raco assumio proporQoes agigantada?.
No tercero aodar havia geate, e as pe?oa3 que
l estavam gritaran) que j nao' podiam descer I
O povo prestoa-se a arronb.ir as portas e pra-
licaram prodigios varios individuas do 8uu seo.
A' hora em que escrevemos o incendio lavra
com proporcoes enormes : todo o sobrado arde em
chamnns quesahiodo pelas janellas tostara as ca
sas fronleras.
Parece que ser diffljilrao apagar o fogo antes
que elle se communi |Ue s casas visinhas.
P S. i I da noile. O fogo foi concentrado} no
predio onde comee ni. Salvou-se a gente do ter-
cero andar.
Amanha informaremos es leitores o resultado,
e fajemos ardentes votos para que nao seja dolo-'
roso.
' SERGIPE.Recebemos hontem jornaes do Ara-
caj al 15 do corrente :
A presidencia da provincia contratou : con
os Srs. Francisco Ferreira Borges e Miguel de
Vaseoncelios a illiiisnaco gaz da capital; e
com os Srs. Dr. Jos Luiz Coelho e Campos, Jos
Rodrigues Vieira, e Cameron Smith A C. a nnve-
gacio regular vapor nos ros Pomonga e Japa-
ratuba.
ALAGOA9.Tambem recebemos jornaes desta
provincia at 24 do corrente.
Era conhecido o resultado da votacao para
sen:d>rnos collegios dacapilnl, SantaLuzia, Ah-
gas, Pilar e Atalaia, que formava assira 3 lista :
NAVIOS A'CARGA PARA PERNAMBUCO.
Ann* Forra/a8wansea*; Atlanta, Fiying Scud,
Olive Branch em Liverpool ; Rivalel e Wrieden-
brin om Londres; Rttriter era Triestro; Ftv
Wind em New Casll* ; Despique U em Lisboa.
NAVIOS SAHIDOS PARA FERNAMBUCO.-A
20 de novembro Ringer de Navrport, Sjoelland de
Trieatre ; a 28 Sural de Triestro Thermutis de
Liverpool; a 29 Ama Sopkia do lamburg), Dol-
phm de Glascnw ; a 30 feleki da Liyerpool ; a 3
de dezembro Eudota de Liverpool, Vesempenho de
Lisboa ; a 7 Catete dem.
NAVIOS CHEGADOS DE PERNAMBUCO.-A"
S2 de novembro Adella a Biroellona ; a 26 Gla-
diator (vapor) a Liverpool, ntegridade a Barcelo-
na ; a 28 Vild ose a Falmoulb ; e a de dezem-
bro Coligny a Liverpool.
BRIGUE DESEMPENHO.-Esto navio portuguez
sahido de Lisboa para o nosso porlo. traz o se-
guinte : 130 pipas e 219 birrts vinho, 22 ditos,
55 pipas e t2 meias vioagre, 39 fardos c 1048
caixas passas, 82 ditas conservas, 130" ditas cera
em velas, 30 ditas louca, 50 ditas balitas, 90 bar-
rs azeiie, 100 ditos toucinho, 20 saceos alfazeroa,
300 ditos farello, 50 barricas cevada, 100 ditas
cal, 19 volumes drogas, 73 rodas arios de pao,
450 varas de lagedo.
BRIGUE COTETE.-Este brigie portugus, a- "
helo de LMDa para o nosso porte, traz o segnin-
te : 24 pipas e 00 barra vinho, 95 ditos o 2fi pi-
pas vinagre, 40 harris azete, 119 dir.s carne?, 60
ditos toucinho, 250 caixa; ceblas, 490 ditas pas-
sas, 4 ditas calcado, 9 volumes drogas, 43 ditos
movis, 130 barrjs cal, 60 varas de lagedo, 45-
pedras de cantara.
NOTICIAS COMMERCIAES.-Damos em seguida
os ltimos lelegrammas da praca >Londres, das
casas commerciaes de Knowles A Foster e Pmto
Leile A Sobrinhos, em relacao gneros de pro-
Jueeao do Brasil :
Londres 10 I hora da larde.O mercado
do algodao es leve fluctuante durante a quinzena
aos precos de 87/80 de Pernambuco e Macei. de
83/40 da Parahyba e Rio Grande do'Norte, e a 9 o
do Maranho e Cear.
O assucar tem melhorado, menos o ordinario.
Colamos : branco de Pernambuco de 24/6 a 18/,
o mascavado de 17/ a Si.,
,< Londres 12 s 4 horas da tarde. O algodao
frouxo aos precos anteriores.
O assucar melhorou, vendendo-se umacarpa
de mascavado regular. Aie i de C pences a i
alnllDg.
LOTERA. A que se acba venda a 177', a"
beneficio Ja matriz de Sennhaem, a qual corre no
pa 3.
PSSACEIROS.Viudas da Europa uo "vapor
La Plata :
P. J, Needham, sua mulher, urna irmaa,3 Albos
e 2 criados, Miss Marth Z., .\dol;,!i) M. Barros &
Brotber, F. B. Bloxham, sua mulber, 3 filbes e 3
criados, Manoel A. Leo, Adolpho S., Leopoldo S.
de Vaseoncelios, C. E. Redfaro e sua mulher, A.
. Dallas, G. Blamlre, J. A. Pousbacb, S. W., M.
M. de Amorim, sua mulher e fllho, Manoel de S
e Albuqnerque e sua mulher, Jos J. G. Bastos,M.
Jos da C. Pereira, J. de Braz, A. G, F. de Andra-
de, M. P. de Araujo Vianoa, sua mulher c 3 Albos,
A. P- Soares, Candida M. Pires Siares, A. J. da
Silva. A. Nunes, um filho e um criado, J Bosa e
um Qlho, C. F. Pasqnale, A. I. Base, B. de G. T.
Menezes, M. P. Barbosa, J. N. de Oliveira Gome,
M. J. Rodrigues. F. Lucas, F. Alberto, J. de O.
Freljas, I. O. F. de Andradc, A. da C. Ribeiro, A.
de S. Maia, Manoel J. Pinheiro.
Entrados no vapor Mandah :
Dr. Manoel Caldas Barrete, capillo Mariano Al-
ves do Araujo, capito Aotonm Garcindo de Gu-
ralo Lobo, 1 sargento, 5 pracas, 2 recrutas e
2 malberes, Miguel II -arique Laparrina, Joao
Ferreira Bastos, Augusto Cesar de Meadonca, soa
mulher e 2 fllhos menores, D. Isabel Mara Can-
dida, Maris da Conceiro, Jos Hypolito da Silva.
Ismael Pereira Leile, Felippe da Silva Porto, Cau-
dillo Mililo de Freas Fragoso, Joao Mondes Cm-
deiro S., sua mulher e 2 Olhos menores, Pedio
Augusto e sua mulher, Carlota Mara Conceiro,
Man i -I Cietano de Aguiar Braodio, Manoel Jos
dos Sanios, Felicio do Nascimento, e Antonio Jos
da Cuaba.
Sahidos para o sul no paquete iuglez La Piu-
la :
Jos Carneiro da Rocha, Leonce Ode, Francis-
co Alexandre da Silva Reg, Clemente Paulino dos
Santos Carvalho e sua senhora, Julio Duroad.
CEMITERIO PUBLICO. -Obtuario do dia 26 de
dezembro:
Emilia de Miranda Rosas, branca, PeroambDeo.
18 annos, casada, Sanio Antonio; febro pur-
pural.
Feliciaoo de Jess, branco, Pernambuco, 28 an-
nos, viuvo, Boa-Vista ; hydrolorax. Hospital 1%
dro II.
Joanna Mara do Espirito Santo, parda, Per-
nambuco, 50 anuos, solleira, Boa-Vista ; enterite
chronica, dem.
Joaepha Mara da Cmceicao. parda, Pernambu-
co, 28 annos, solleira, Boa-Vista ; bepalile ebrn-
nica, dem.
Mara, preta, Pernambuco, 6 annos, Boa-Vista ;
commucao cerebral.
Edeltudes Calharraa de Mattos,branca, Pernam-
buco, 2 annos, vi uva, Boa-Vista ; gastro enterite
chroico.
Mara, parda, Pernambuco, 6 usos*, Boa-Vista:
enterite.
Julio, branco, Portugal, 30 annos, sottero, San-
io Antonio'; apoplexia.
Serafina da Silva Peixoto, pardo, Pernambuco.
40 annos, solteiro, S. Jos ; phtysica.
27 -
Ignez Felicia da Cunba, Pernambuco, bran;a,
viuva, 63 anno, S. Jos ; i>hly*ca.
Perigrno, e-cravo, frica," 56 annos, soMeiro,
S. Jos ; syphiles.
Candida Paula, branca, Pernambuco, 23 annos.
viuva, Boa-Vista ; tubrculos pulmonares.
Mara, e.scrava, prela, Pernambnco, 40 ancos,
solleira ; Boa-Vista ; hepatite chronica.
Angelo, oscravo, preto, Pernambnco, G mezes.
Santo Antonio ; tubrculos pulmonares
Elizia, Pernambuco, parda, 2 mezes, S. Jos ;
convul-oes.
PBLICACOES A PEDIDO.
Dr. Jaciniho Paes de Mendonca 443
Dr. Matheus Casado A. L Aroaud 3-i>8
Dr. Alexandre Jos de Mello Moraes 298
Dr. Manoel Sobral Pite 266
Lemos no Diarios das Alag ts :
Hintem (23) segua desta capital para a villa
da Imperatriz o soldado de pohcia Jiaqnira Bar-
boza dos Santos, conzindo deatro de nma cal-
xinha de (landres a quaniia de oilo centos rail
ris era dinheiro, jer entregue as agente de
rendas provlneiaes d'aqnefta villa, remettido desta
cidade pelo seu procarador qun o havia recr-bidn
da tbesouraria, para oecorrer as despezas qno faz
o dito agente com o pagamente do sold do des-
tacamento all esiacionado.
Ao passar o dito soldada pelo logar Carrasco,
prximo ao Taboleiro foi inesperadamente accom-
metiido por quairo divdaos qae brbaramente
o aspancarani, djxan-lo-o gravemente enfermo e
roubando-lbe todo o dinheiro qne conduzia.
a 0 subdelegado do B -bedouro, logo qne teve
noticia deste fado, fez promptamente expedir urna
exaolta de paisanos acompanhada de um inspector
de quarteirao, a qual encoatrou apenas o infeliz
paciente na estrada.
Conduzido para esta capital com offlelo d'a-
qualla autoridade para o Sr.J)r. chefa de polica,
raandnw este imrnediatamente proceder o corpo de
delicio no pacieote e pessoalmente fe-lo responder
a um auto de pergnntas, depois do qae e com
a urgencia que o caso requer, tomou todas as pro-
videncias devidas no sentido de descobrit e pren-
der os autores desse brbaro atteotado.
VILLA DO CABO.Domingo 1 de Janeiro serl
celebrada, a|fesla de N. Sra.da Coacoieao, que se ve^
era na matriz da vffla do Cabo, havendo .tarde,
proclssao e nouto Te Deum.
PARA O SUL O La Plata trouxe da Europa
para o sal do imperio 107 pasiagares.
GENBROSDE ESTIVA.-O vapor La Plata
Dtf boje urna foltu que o marquot da Angeja ] trouxo par a nossa praca : queijos 12 caixas a
.
OSr. Reg Mello, qae, ao Diar-io de hontem,
appareceu proposito da noticia do espancamenio
que soffreu sea escravo Ivo, oncluio dlzendo que,
a autoridade tomou conltecimento do fado, e que
niminoso passea impunemente em Santo Amaro
das Salinas. *..
E' verdade que tomei eonheeimento do faci
procedendo auto de corpo de delicio, em pre-
senta do Sr. Mello, e a ootras diligencias; e nao
fiz recolher preso o offenser que mandei vir mi-
nha presenc, e_ em prosenca ainda do Sr. MlU,
em razio de oo ter sido preso em flagrante, r
deolarar o auto de corpo de delcto serem leves
os ferlmentos.
O Sr. Mello tem recursos legaes, qae Ihe podem
dar melhjres direitos do qae artigos de gazetu*.
Recite, 28 de dezembro de 18T0.
Dtcio de Aquino Fonctca.
Srs. Redactores da Revista-Diaria. Por us
cabar muito correcta a declaraoao da Revista-iu-
ria, que sabio no Diario da boje (97 do corren'.'
mea), peco-lhe a pul'iicacio do segrate em *u
conceituado Diario.
Daparando boje (27 de dosembro) eom o aeon-
teciinenio de 23 do cerrante mea ( e nao de 21,
como diz a soa Revista Diaria), sobro o brbaro
espancamento feito na pessoa do moa escravo do
aome Ivo, de quatorze annos ds idade, praticado
por Cassano. escravo do capito Luis Augusto
ColhoDulra: era quanto ao fermento leve que
diz ser, ponho minios duvidas, segando a opima.
d i medico que o esl tratando, proaenieoU dos
grandes golpes que receben na cabeca. Hbjn mais
nada tenho a dizer, pois logo appareco em campo,
A autoridade competente tomn couboeimeni"
do facto, o o criminoso paseeia iawnnesMBie ei
Santo Amaro das Salinas, frognezia da Boi-VitU,
Recifa, 27 de dezembro de iBOv
O assignaote,
^^^. Jkfo JMia
mmmmmmmmmgmmmmmsmm^^
^
i
C0MMERW8.
- ALtfANDEGA-
Readimentededia laS7. Wi:MSdi.90
HBAvlJ
r


**"lfr Diario de iet<#>uoo w> qrinfe.Jtip 29 de &mmbt de 4$?ft
..

\
i
Men lo dia 58
16 OIOJCIW
670:9564648
vtaMNIte da alfasMtoc*.
Voomes lirados camaiatjdw 00
ctm gantTos W7
41
Votara** sabidos cora ftzendas
I eoo gneros
527
m
Decarrogara hoje 29 de dezenibro.
Brlgue ujrte-allemao Masvarios teneros.
Birea intfezaGodWwvarios gneros.
Barca portngnnaS. Miguelearvio.
Barca inglezaOtufo bicalbio
Despachos de exportado no dia 27-eJe
detemnro
Nobrigtta.portaguQza Sacia/, para o Porto
carregarara Braga Gomes & C. 4 pipas 5[3 com.
2,400 litros de agurdente.
No brigoe portuguez Lata I, para Lisbc a
carregaram : Prente Vianna & C. 4 caliles 48
Sarralas de agurdente com 15 kilos; Thomax
8 Aqoioo Ponseca 4 C. 56 saccas com 5,114 1|3
kylw de algodo.
No vapor inglez Qnetda, para Liverpool car-
regarara : Tiiset Freres 411 ?acca3 eom 31.055
kilos de algtido; Joaquim los Gonr.alves Bel-
treo 210 saccas eom 13,900 kilos de algodo ;
Henrique tyilmer 200 saecas eom 17,956 1|2 kilos
de algodo.
- No brifete portuguez Jttiith, para o Porto
carregaram : Themax fle quino Ponseca C;
420 saccas com 34,487 Irl kilos de algodo.
Na barca portuguesa S. Manetl II, para o
Porto carreji-rara : Bailar Oliveira & C. 85 saecas
con 7,533 -kilos de algodo ; Manoel Jos do A-
gotar saccas com 189 kilo3 de algodo.
Na barca ingleza Parrgero, para Liverpool
carrejaran! : James Ryder 4 C. 1S) fardos eom
41,67* kilos de algodo ; Johuston Pater 4 C.
300 saceos com 52,500 kilos de asacar masca-
vado.
No brigoe inglez JorunAdo para Liverpool
carregaram : Saunders Brothers 4 C. 1,400 sac-
eos con 103,000 kilos de assucar mascavado.
No navio iugez Jetne, para Liverpool earre-
aarara : James Kyder 4 C. 1,700 saews cora
117,300 kilos de assucar mascavado.
No navio ioglez KiU, para New-York earre-
garam : Henrique Foster 4 C. 600 saceos com
3,000 kilos de asucar mascavado.
RECEBEDOMA DE RENDAS INTERNAS
GERAES DE PERNAMBUCO
Rendimonto do dia 1 a 27. 69:040*445
dem do dia 28..... 1:270*100
en est cuidad,n el dia 23 de diciembre del ano
prximo pasado, para qae, en el improrrogable
plazo de 30 di as, a contar dol de esta publicacin,
comparezcan en esto vico consulado, por fl por
medio de procuradores con poderes ba-tanles, y
legalmente habilitados en la forma de la lev, como
heredero heredero* del referido Antonio Mooser-
rat y no compareciendo en dicho plazo, se pro-
ceded de conformidad con lo que dispone la ley.
Para que rooste a quien intensar pueda, y
produzca sos debidos efectos, mand publicar el
presente.
Penambuco 28 de diciembre de 1870.
,________________Joan Baeon. ___________
D. Juan Buson, vice-consul de Hespanba nes
ta provincia, pelo presente chama e empraza ios
Jue se julgarem eom direito suecesiao intestada
o fallecido subdito hespanhol Antonio Monserrat,
natural de Tortosa, (Tarragona) que fallecen ties-
ta cidade, em 23 de dezembro doanuo prozimo
pastado, para que no improrogavel praso de 30
das a contar do desta publlcaco, comparecam
ueste ve-consulado, por si, oa por meio de pro-
curadores com precuracSes bastamos, e legal
mente habilitados na forma da lei; como herdei-
ro eu herdelros do referido Antonio Monserrat, e
nio coroparecendo em dito praso proceder-se ha
de cooformidade com o que dispoe a lei.
Para que conste a quem interessar possa, e
produza seus devidos effeitos, mande! publicar o
presente.
Pernarabuco, 28 dezembro de 1870.
Juan Buson.
facultativo o
os Tslado3-
us para Fn
francez serve
o dubro da
envelopes
com lacRTRe
pafc*mcto
Auk-riua
aos
medio.
ria, de
pelo
cor e*
portP, -
re. As
o o cor
viamei
tldas
pan
eses tan
itera
um signal particular ao remetiente.
Amostras de mercadorias. Su se admitiera
amostras de mercadorias para a Frasea, e ^i*w
mediante o pvio pagamento do porte de 10 refe-
por 40 grammos.
Irapressos. E' sempre obrigtorlo o previo pa
gamento do porte, e si at sen destino relativa
mente Franca e Algeria.
Direcaoria geral dos crrelos, em 10 de dttem
brode 1870.
O director geral,
ifiimr- <. Luiz Plinio de Oliveira.
70:310*515
CONSULADO PROVINCIAL.
Rendimento d dia i a 27. 130:303*407
Idaoi do dia 28 7:4751998
137:779*403
MOVIMIENTO DO PORTO.
Silvios entrados no din 28.
\: teaj e portos intermedios 40" horas, vapor
hnsileiro Mantlah, do 22 toneladas, comman-
dan'e Francisco Raymundo de Carvalho, eqni
fagem 17, carga varios gneros ; a companhia
rnamoaeana,
SonthamptoD e portos intermedios15 das vapor
ingle* La Plata, de 1757 toneladas, comman-
dant3 A. Mole, equipagem 130, carga va ios ge
eros ; a A-amsnm Howe 4 (J.
Navio sahido no mesmo dia.
Portos do wlVapor brasileiro, Annos, comraan-
dante I. do P. 6. Aleoforado ; carga varios ge-
nero?.
Itio Grande do SulPatacho brasileiro Francoln,
capitn Carlos E. Merry ; carga assucar.
Liverpool-pela Paral) y baBarca ingleza Rosamuni,
eapttSa .dardon, em lastro de assucar.
Rio da Prata e portos intermediosVapor inglez
Im Piala, cornmandane A. Hole, carga parte da
que trauxe dos psrus da Europa,
EDITAES.
O iispeclor interino da alfandega faz publico
ijue por autorisaco da thesourana de fazenda
ntida ua portara n. 172 de 20 do correte, sero
levados hista publica nesta repar.icjio no dia
.11 do corrate depois do meio da, e livre de di-
reitos ao arrematme, dous botes arruinados que
foram do servido dos postos flseaes da mesma.
Alfand"ga de Pernambuco 28 de dezembro de
1870.
O inspector interino,
Luiz de Carvalho P.ies de Andrade.
Santa Otisa de Misericordia
do Recife.
ulahelro rUtn.
A lllma. junta administrativa da santa casa de
misericordia do Reeife precisa contratar o forneci-
mento do pao e assucar que tiveram de consomir
todos os estabelecimentos pios sen cargo, inclu-
sive o asylo de mendicidade no trimestre de Ja-
neiro a marco vindouro.
Recebe propostas na sala de suas sesses pelas
3 horas da tarde do dia 29 do correte.
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do
Recife, 21 de dezembro de 1870.
O escrivo.
Pedro Rodrigues de Souza,
SANTA CASA DE MISERICORDIA DO
RECIFE,
A lllma. junta admlnistraiiva da Santa casa de
Misericordia do Recife manda fazer publico que
oa sala de suas sessdes.no dia 29 de dezembro, pe-
las 3 horas da tarde, tera de ser arrematadas a
quem mais vantagens offerecer pelo lempo de Uto
a tres annos, as rendas dos predios em seguida
declarados:
ESTABELECIMENTOS DE CAR1DADE.
Rna de Santa Rita.
Casa terrea n. 32........ 161*000
Ra da Matriz da Boa Vista.
Casa terrea n. 56....... 202*000
PATRIMONIO DOS ORPHAOS.
Ra de S. Jorge (outr'ora Pilar)
Casa terrea n. 105................. 151*000
dem idem n. 99................... 365*000
Os pretendentes devero apresentar no acto d
orremataco as snas flaneas, ou comparecerem
acompanhados dos respectivos Dadores.
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do Re-
cife, 30 de novembro de 1870.
O escrivo,
_____________Pedro Rodrigues de Sonza.
Admlnistra^So dos crrelos de
Pernamfeueo, 99 de dezem-
bro del N?0.
Por esta administraco se faz publico para co-
nhecimento dos inierescados que desde o dia 16
do corrente mez toda a correspondencia do lira
sil para a Franc, ou para os paizes que serve do
intermediario, o correio francez est snjeito a nova
tarifa abaixo declarada, fleando igualmente sujeo
a mesma tarifa a correspondencia que for recebi-
do nao franqueado dos paizes a que ella se refere,
segundo foi communicado pelo Illm. Sr. director
geral dos correios por 6u offlcio de 10 do cr-
reme.
O administrador,
Affonso do Reg Barros
TARIFA das taxas de porte qne deve pagar a cor-
respondencia expedida do Brasil para a.
Franca ou para os paizes que servem do
etermedio do correio francez, de confor-
midade com a convenco de sste de
julho de 1860, modilicada pelo accordo
provisorio que tera de vigorar do dia 16
de dezembro de 1870 era diante.
Correio geral.
Retaco das cartas registradas, procedentes
do sul e norte do imperio, existentes na
repartic3o doorreio'em 27 de dezembro
de 1870.
Antonio Jos Araojo Braga, Augusto CtJMt da
Cunha, Braz C. do Reg Barros, Cetario pUfeoel
Francisco dos Prazerea, Cesar Pereirtl da na,
Del Ano E. Corre i a Braga, Francisco Antoao "Cor
rea Maciel, Francisco Vieoa Perdigo, Fraaewea
Mara de Jezns, Franqueo da Silva Vaz, F*t**co
Martins Raposo, Jos Vianna Vaz, JosJWDjnao
Monteiro, Jos Rufino de Aranjo, JuoflaOunoa
Neves, Joo Mara Ssve, Joaona Fraaefcea *ve
Navarro, Joo 1 le r mi no Lins, loo MMpho Go-
mes, Joo E. da Silva Lisboa, Manoel Jos de 41.
Correia, Mariaona Ribeiro da Lapa, Thereza Rosa
do Jezos Siqueira.
O encarregado do registro^
Manoel dos Passos Miranda
JL
COMPANHU PERNAMBCANA
DI
Varegaeio eostelra por vapor
Porto de Galliobas, Rio Formoto e
Tamandar.
O vapor ParaAf/(KregoM para os
portos cima no da 4 de Janeiro ao
. meia noite.
Recebe carga, encoraaMndas, passageiros e di
oheiro a frete.- no escrlptoro do Forte do Mattos
tt,. _____________
vlagem v. O vpor^mnoA, oommaodante Julio, seguir
para o porto acuna n viagem extraordinaria, no
lia 31 do corrente ao meio da. ,
Recibe carga, neommendas, passafeiros e di
nneiro frete a bordo at. a hora da s*vii la.
PORTE
SIMI-LIS.
PAIZES COM OS QUAES
PODE CORBESPOND
E3i 0
ur.u
BRASIL
SE
O Di. Praatweo de Carvalho Soares Bran-
do, juiz de orph5os e ansentes da cida-
do do ilectfe e sea termo, por S. M. o
Imperador, quem Deus guarde etc.
Faca saber aos que o presente odital vrem e
d'elle" tiverem conheciraento, que por este juzo
procedeu-se exame de sanidade na pessoa do
subdito itortuguez Joaquim Vieira de Barros, e
depois da fett-j o exame subiram os autos minha
i'oncliiso, os quaes sendo por uiim vistos e exa-
minados nelies dei e profer a entenca do Iheor
se^uinte :
c Em vi3ta do auto de exame lis. 5 e do mais
do administrar seus bens e reger-se pelo que no-
meio sea carador definitivo o mesmo Manoel Jos
Dantas Jnior, provisoriamente nomeado lis. 6,
visto nio ter o mesmo examinado parente3 e co-
nhecidos ne.ua cidade e na provincia.
e O carador proceder sem demora ao inven-
tario ni forma da lei e do estylo.
a O escrivo affixar os editacs na forma do
rostamo.
Hei por amito recommendar ao carador qae
erapregus todas as possives diligencias aconseja-
das peus mdicos ver se possivel obter-se o
euabele^imenlo de sea cumulado, devendo pedir
autorlsaejo para qualquer despesa que para islo
se faca mister.
< Becf', 10 de dezembro de 1879.Francisco
d Carvalho Soares Brando.
E para qne ninguem l'aca negocio algum com
o precitaio interdicto, seno por intermedio de
sea curador Manoel Jos Dantas cora previo con-
sentimento d'este juzo, mandei passar o presente
qne ser affltado nos lugares do costume e pu-
lseado pela imprensa.
Dado o passado nesta cidade no Recife de Per-
nambuco, em 13 de dezembro de 1870.
Eu, Fioriano Correa do Brillo, escrivo, o Bz e
subscrevi.
Francisco dsCaralho Soares Brando.
^^
9CLARAC0ES.
Pela receliedona de rendas internas geraes
*d faz publico que neste mez de dezefiabro que
as irmandades rHigiosas, os bancos, companhias e
sociedades anonymas e quaesquer assoeia^des
pas, beneficentes ou religiosas teem de pagar a
decima de mi morta, livre de multa, relativa ao
! semestre do exereicio corrente de 1870 71, e
i; e, fiado o referido praso, ser paga com a mul-
ta de 6 0|0. /
Recebedaria de Pernambuco 1" de dezembro de
1870. '
O administrador,
Manoel Carneiro de Sonza L:;cerJa.
Consolado provincial.
Na forma do art 50 1 da lei provincial n.
43. aviase por esta repartrcio, a quera interes-
ar possa, que com o mez de dezembro prximo
rese o praso de 30 das all marcados para o
pagamento voluntario dos impostos da decima
urbana e de 5 0(0 sobre a renda dos bens de raii
i> eorporac.oes de mo morta, relativos ao se-
mestre dj corrente anno nanceiro de 1870-71,
iacorrendo os contribuinles que nao realisarem o
mesmo pac amento no referido praso, ne eommi-
nacao <\ f 3 do citado arligo.
Consalado provincial 21 de novemmbro de
1870.
- Senrtado de administrador.
A. Witravjo P. B. e Accioli de Vasconcellos
Don Juan Buson, vice-consul de Espaa en
esta provincia, por el presente, cllama y emplaza
los que se juzguem con derecho la sucesin in-
testada del fallecido subdito espaol Antonio Mon-
serrat, natural de Tortosa (Tartt|ona), y fallecido
71/2
71/2
71/2
71/2
71/2
71/2
7 1/2
71/2
71/
71/2
71/2
71/2
71/2
71/2
71/2
71/2
71/2
71/2
71/2
71/2
71/2
71/2
71/
71/2
71/2
71/2
71/2
71/2
71/2
71/2
71/2
71/2
71/2
71/i
71/2
71/2
7I
7/2fc0
71/1"
7 1/2
71/2
7 1/2
7 1/
1\
490
650
3*0
650
490
490
60
650
650
630
490
650
220
650
620
320
320
40
40
10
40
10
40
7 1/2H0
71/2 40
71/2
71/2
320 90
650 60
650 70
350 10
490 10
650 90
65040
320 10
490 90
650 90
Allemanha (estados d')..........
Alexandria do Egypto..........
Algeria.......................
Australia........-.............
Austria......................
Blgica.......................
Cabo Verde (llhas)............
Chile.........................
China........................
Cocbinchina....................
Dinamarca..........*.........
Egypto.......................
Estado Oriental...............
Euados Pontificios.............
Estados Unidos................
Franca........................
Gibraltar.....................
Gora........................
Goyanna Frauceza.............
Goyanna Hollandeza............
Graa Bretanha.........i......
Grao Ducado de Laxemburgo
Grecia.........................
Guadelupe.....................
Hespanha....................
Hollanda.......................
Ilhas Jnicas...................
India.........................
Italia.........................
Malta (ilha)...................
Martinica......................
Mayotta (ilha).................
Miguelou (ilha.................
Noruega..................:...
Polonia.......................
Portugal......................,
Prussia.......................
Hepoblica Argentina............
Iteuniao (ilha).................
Russia....................:...
Sandwich (ilhas)...............
Santa Maria de Magascar.......
S. Pedro (ilha)................
S. Thomaz....................
Senegal.......................
ShangHal.....................
Suecia.........................
Suissa....................
Tanis.............'........
Tarquia......................
Yokohama...................,
Paizes nao mencionados cima.
EXPL1CACOES.
Cartas ordinarias.E" facultativo e at sdu des
tino o previo pagamento do porte das cartas para
Allemanha, Alexandria do Egypto, Algeria.Austria,
Blgica, posscss&es francezas na Cochinehina
(Bien Hoa, Mytho, Pulo Cndor e Salgon), Dina-
marca, cidades do Egypto e da Turqua, cojo er-
vico feito por intermedio dos paquetes (ranee-
zea ou pelo correio austraco (Alexandrette, An-
drinopla. Antivari, Beirouth, Burgas, Caifa, Cairo,
Canda, Canea, Cavale.Cho, Conslantlnopla, Dar-
danellos, Duzazzo, GalRpoli, Ineboli, Jaffa, Janina,
Kerassunde, Larnaca, Lattaqui, Mersina, Melelin.
Prevsa, Retimo, Rhodes, Boustscboak, Salonique,
Samsonm, Sentar! d'Asia, Serez, Sinope, Smyrne,
Sophia, Suez, Sulina, Tnger. Tndos, Trebisond3,
Trinoli da Syria, Tulischa, Tunis, Valona, Varna
e Vollo), Estados Pontificios (via Franca), Bsta-
dos-Unidos, Franca, Gora, Goyanna Franceza,
Goyana Hollandeza, Gra Bretanha, Grao-Ducado
de Laxemburgo, Grecia, Guadelupe, Hollanda, ilhas
Inicas, pessessoes francezas na India ( Chaoder-
nagor, Karikal, Mah, Pondichr^ e Yanaon) Ita-
lia, Malta, Martinica, Mayota, Miquelon, Noruega,
Polonia, Prussia, Reunio, Russia, Santa Mara
de Madegascar, 8. Pedro, Seegal, ^hang-Hai,
Suecia, Suissa, Tunis, Tarquia e Yokohama.
Cartas seguras.As cartas podem ser seguras
quando destinadas aos paizes a enjo respeito
'
I
o
gr.
gr
TAXa
DE UM
PORTE
r*.
rs.
650
490
650
650
650
650
650
650
60
490
WS
t
650
620
650
650
650
320
650
71/2 40 5
71/2""
71/2
71/2
90
10
10
10
00
90
10
10
10
10
50
90
10
M
90
90
90
10
90
10
10
90
650 10
680 90
40 850
40 490
690
THEATRO '4
SANTO ATOIM
COMA IMIlHa
EMPREZACOIMERA
Quhita-ftira 29 de dezembro
Recita extraordinaria.
Em heueGcio do tenor Kaynaud, com o
concurso da muito applaudida artista
Hile. Mangle*.
PRIMEIRA PARTE.
TROMB AL CASAR
msica de Mr. Offenback :
Persenagens.
Beanjolais... Mr. Raynaud.
Vert-pann.. Mr. Maris.
Ignace...... Mr. Carn.
Violette..... Mme. Va I monea
SEGUNDA PARTE.
1." J'AIME CA, por MUe. Maretle.
2. COUPLETS DES ROIS ( Belle Ifclene ) por
Mr. Carn.
3.' LA SOEUR DU ROSSIGNOL, por MUe. Bres-
cia.
4. LA DAME BLANCHE, duo.^oieldien :
Personagens.
Jenny....... Mlle. Sangles.
Joiien....... Mr Ravnaud.
TERCERA PARTE
i 5." ARIA DO TROVADOR, por Mme. de Val-
monea.
LE CHALET, opera cmica, msica d'Adam :
Personagens.
Ifetly.... Mlle. Sangles.
Dame;... Mr. Raynaud.
Max..... Mr. Maris.
Principiar as 8 horas.
N. B.Os lugares dos camarotes de primetra
ordem sero vendidos separadamente como ca-
deiras
Val seguir em poaco -tropo o brigue portngaez
Sensivu por tera riaio^fle da carga eggajada :
quem no mesmo quizer fregar ou ir de/passa-
gem^para o que lem exe lenfts coramods,_ trate
coTn os consignalarioi Thomaz de Aquino Fo'nseea
& C. Suecessorss, na tua do Vigario n. 19.
THEATRO
;te ponn-
nU\r oa irurJdo Visin.
e carg 5 ;-
1,1
Marej;aeao costelra por rapor.
Macef, escalas e Monedo.
*fl"| y O vapor Wrprt commaadante Ca-
.^t/t4 loante Maoedo, seguir para oj por -
BknM tos cima no dia 31 do corrente as 5
horas da tarde.
Recebe carga at o dia 30, eneommendas, passa-
iros e dlnheiro a frete at as 2 horas da tar-
e do dia de sua sabida : ao escriptorio do Forte
do Mattos o. 12.
GttAOA
etes^
A f8i PrlBRiro 'fle^Sfirrjo '(oiJWIrTTTia dt
Crespo) n. 23 e casas do costume.
O abaixo assignado, tendo vendido nos seas fe-
lizes fcheteum meio n. 237 com 5:000*000, um
inteJro n. 087 com 900*000, outras sortes de
lOOOBO e 44*000 da lotera qne se acabou de ex-
trahir (176"), convida aos- possuidores a vire3i re-
ceber na conformidade do costume sem descont
algum.
Acham-se veaMa M bHhetes garantidos da
2.* parte das loteras, a beneiejo da matriz d Se-
nnhem (177.'), qus at extranir terca-feira 3 de
Janeiro de 1871.
PRECDS.
Bilhete inteiro 6*000
Meio bilhete 3*060
Qnarto 1*800
Em porcao de 100*000 para cima.
Bilhete Inteiro 5*400
Meio bilhete 2*700
Quartu 1*360
Manoel Martins Fiuu.
wuieMttHtt miai
1 AULAS NOCTURNAS M
I Para os entregados do
commercio.
OITreee-8a oaixeiro de 17 annos par Mto
e.-fazendas dentro o* tora da rid;nte : quem JK-
ftnr pode dfitter cia nela ly^iograjifia jronm
iniciaw V. R. M. .
AntoDiu Jjs'de Oliveira faz-
tavel publico e ao corpo do cofnmerelo,
vendo outro de Igual nome, passar a aseignaOf
por Antonio Ferreira de Oyrejra.
Precisase de urna ama : na ra Deita nu-
nrero 106.
ao respal-
, fluela-
[Collegio S. Pedro de Alcntara-,
da Cadeia do Recife n. 24.
rual
PARA
o
LEILOES.
O agente Garca competentemente autonsado
pelo Illm. Sr. Dr. juz do commercio substituto
dete termo do Natal em exereicio vender em
publico leilao porta da alfaalega desta cidade,
por conta e risco oe quem perieneer no da 12 de
Janeiro do mez e anno prximos vindouro*, das* 10
horas do dia em diante, a barca norceguense
Sterling, naufragada na praia de Caissara e pre-
sentemente encalhada no porto desta cidade, com
mastros, vergas, velae, ancoras, c&rrentcs e todos
os mais apparelhos e pertenees do mesmo navio,
ao estado e coodicoes em qui se acham. E para
que chegue noticia a todos .e quem interessar pos-
sa, se mandou publicar c^te armnnefo nos jornaes
defta cidade, e nos das pravas visinnas. Agencia
de leloes no Natal 22 de dezembro dt 1870.
No da 2 de janeuo vindouro abrir-se-!
[ bao os seguintes curses :
Theoria e pratica de escripturaco mer-
cantil (por partidas dobradas).
Arithmetica applicada ao commercio
(systema mtrico).
Estudo theorico e pratkV das seguin-
*tes linguas: portugneza, franceza, ingle-
ti, allema e italiana.
"Msica vocal c instrumental.
Furtaram na noite de 23 paM-dS'H eartta-
te do eu?enho Marfbeqninha da fregaezta de Mu-
ribeca 4 cavados de sella con as cores e ai gatos
saguiotes : um mellado quasl agsraado, bba SJB-
ra, tiem feito, anea nm pouco carta, ama lian
branca na testa e ao meio desta orna piala da cor
do corpo, anda Dem baixo largo, ardtfo, cas-
trado e tem os ps e as roaos cabellndas : o 2*
rudado preto eom pintas de pedrez, ama mancha
escura abiixo do,p esquerdo, com 6 polegadas
mais ou menos de c mprdo, aada de baixo a
meio, est magro e inlelro ; o ai^astauho fo-
veiro, grande, bem feit*, de boa fdade, castrado,
tem um dos quartos bem pontudo, na- borgada
direita um pape, e os.ca'-.js das mos laseadot, o
ferroHeereper extenso, o passo baralhado,
tem a frenta aborta e ardig ; o 4* caslanbo es-
curo, pequeo, bota as crinas a'esquerda, no p
da qual tem urna msela de cabellas braoos, an-
da a passo e carrega de baixo a meio, podro s
gratificase generosamente a quem der nodeia
eerta. m
------1-------------------->.,: a---------------------------
NOVA PJOM
americana i ra dos Pires n. 50, contina a fazor
'pao e bolacha de farinha especial de t*serte para
melhor agradar a seos fregnezes.
forneos
Xo ha mais eahellos
Tintura ja pone. a.
S e nica approvada pelas as academias de
scienda, reconheclda superior a toda que ten ap-
parecido at hoje. Deposito principal roa da
j Cadeia do Recife n. 51, 1* andar, em todas as bo-
ticas e casa de cabelleireiro.________
se^eact^^
n.eBarSSl lmoBriJqu?enc^ do
pesso habilitada para tratar de tudo, pols estando
ah mentada urna lyp.ffraphia em ponto peqneno,
mas com bons typos e prelo, deseja o seu proprie-
tario agradar a toaos e ser diligente as eneom-
mendas que Ibes forcm mandadas. O commercio,
boticas e todos os demais estabelecimentos, podem
de improviso fazer qualiner pedido, qae acharo
gosto e bondade ; eaui quem desojar imprimir
qualquer obra, aceita-se e se faz com asseio. O
proprietario desle estabelecimento espera a protec-
co de todos quanto o quizerem honrar.
Na ra da Senzala-velha n. 116 alaga-so um
moleque de 15 a 17 annos de idade, proprio para
qualquer servido de caa ou de ra.
Religia.
A pessoa qae quizjr Bossair urna imagem do
Senhor Cruxiflcado, obra de Lisboa, toda appare-
lhada de prata at os era vos, dirija-se a ra do
Alecrn, hojo do Padre Nbegan. 62, taberna.
Acha se desoccopada a casa terrea n 49 da
rna Velha, na B^a-vi?ta ; alnga-se com condiqoes:
para ver existe a chave detronte n. LO, e para
tratar na rna larga do Rcsario 0. 36, loja.
familias, tambem recebe internos.
Na olaria dos Coelhos n. 5 prefwwe alagar
dous moloques para o servieo da me-nia otarla,
pagando-se bem ; as.-im C'>m iiua* eannas, seo 10
urna de 600 a 800 e ontra de l.iJOO a 2,000 tijolus
grossos. _________
Avisa
O 'olieiador Juaquim de Albujuerqae Mello
declara que se n'i re-ponsobisa por qoalquer
objecto que for pedido em sen nime, sem ser
acompanhado de bilhete assignado por elle oa por
sua mulher.
QLli,
w
COMPANHIA
LRICA italiana
2 RECITA DA ASS1GNATURA.
Sexla-feira 30 de dezembro
ORDEM DO ESPECTCULO
. Primeira parte.
Acto 2o da opera
La Traviata
Segonda parte
Cavatina e Rcmance la opera
Un bailo in maschera
Do soprano e contalto da opera
La Vestale
Cancin e quarteto da opera
Bigoleto
Terceira parte
Ultimo acto da opera
La Traviata
Principiar s 8 horas. "
PREQOS:
Camarotes de 2* ordem (na frente) 20*000
Ditos de 2' ordem (nos Iad03) 17*000
Ditos de 1" ordem 14*000
Cadeiras 3*000
Os bilhetes acham-se a venda no escriptorio do
theatro.
AVISOS MARTIMOS.
COMPANHIA PERNAMBUCAM N
DE
Navegando costeira por vapor,
Parahyba, Nata', Maco, Mossort, Ara-
caty, Cear, Mandara, Acarac e
Granja.
O vapor Jaguar be commandante
Guilherra, seguir para os por-
tos cima no dia 31 do corrente
as 5 horas da tarde. Recebe car-
Ea al o dia 30, eneommendas
eiro a frete at as 2 horas da
tarde do dia da sahida : escriptorio no Forte do
Mattos n. 12.
Companhia americana e brasilei-
ra de paquetes a vapor.
At o dia 1* de Janeiro esperado dos portos
do rol o vapor americano JferrtnacA-, o qual
depois da demora do costume seguir para New-
York tocando no Para e S. Thomaz.
Par fretes e passagens, trata-se com os agen-
tes Henry Forsier & d, ra do Commercio n. 8.
PORTO
Pretende seguir, com muita brevidade, a barca
portugneza Soi-ial, por ter a- maior parte de seu
carregamento engajado ; e para o pouco que lhe
falta, trata-se com o seu consignatario Joaquim
Jos Concalves Beltro, rna du Commercio.
Aracaty e Ceara'
O hiate Stln-alnse seguir para os portos cima
nestes seis das ,- anda recebe alguraa carga a
frete : a tratar com S Leito Irmos i ra da
Madre de Dos d. i.
mobllias, piano, porcelanas, crystaes, obras
de metal superfino,
e outros adornos de casa
a 30 do corrente.
O agente Oliveira far leilo por ordem do Sr.
Rodolpha Hruckemberg, das mais perfeitas e ricas
mobilias de- bellezas e construccSes modernas,
como melhores nao poderiam "oporlar-se do es-
trsugero, nem conseguirem-se neste paiz, con-
sistindo em gnarntcoes completas para tres salas
da visitas, um esplendido piano novo de vozes as
mais harmoniosas, com cadeiras e estantes para
msicas, e-pelhos de molduras douradas, qua-
droa adiniraveis, Bguras de bronze e ouiras para
adornos, poltronas, sof com lindas cadeiras de
encost estufadas e forradas de damasco de seda,
cadeiras de baianco, mesas para jog >, cha, e para
costura, relogio bm regulador, urna extensa mesa
elstica para jantar, apparadores e guarda-loucas,
apparelhos inteiros de porcellana muito ricos para
jantar, sobremesa, cha caf, faqueiros com garios
e facas, cilheres para peixe, sopa, dessert e cha,
galbeteiras, salvas e mitras pecas de metal pouco
inferior ao custo das de prata fina, mas superiores
na apparencia pela qualidade e lindos feitios la-
vrados; bella collecQao de garrafas lapidadas,
copos para champanha e outros vinhos e para
agua, pratos para fructar-, compoteiras e outros
primorosos crystaes. como de bellos lustres, cande-
labros, lanternas e lampeoes para gaz em todas as
salas, quartos e corredores, cadeiras de varias rna-
deiras e feitios, lindas alcatifas, oleados e estetas
de forro de salas, saletas, corredores e esca-
cadas, um magnifico leito para nma pessoa on
casal, separada ou conjunctamente com enxergoes
de molas e colchoes de crina e cortinados, esplen-
didos guant-vestidos e guarda-roupas de diversos
tamanhos e moldes, commodas, marquezas, tonca-
dores com portences de porcellana, camas de ferro,
lavatorios, mesas para differentes misteres, e in-
nmeros outros artigos, eomo venezianas, ete,
todos indispensaveis urna casa quando prepara-
da com esmero, e na mor parte viudos do estran-
geiro, sem attenco a dispendio, tendo,se em mira
principalmente a combnacao do bom gosto, com-
modidade e perfeicao :
, Sexta-feira
das 9 horas da manilla em diante, na grande casa
em qae reside o referido Sr. Kruckenberg (pro-
prietario o Sr. bario de Nazareth, no lugar da
Magdalena.^uasi defronte do sitio do Sr. Barroca.
Das dividas 4a massa fallida de Seve, Futios &
C. na importancia de res 49:072*690.
Terca-feira 3 da Janeiro de 1871
O agente Fimo levar a leilo a requerimento
dos administradores da massa fallida de Seve, Pi-
lilos & C. e por mandado do Illm. Sr. Dr. juiz es-
pecial do commercio, as dividas activas da refe-
rida massa na importancia de 49;072*69O. cons-
tantes da relacao existente em poder do mesmo
agente, as 11 horrando dia cima dito em o es-
criptorio do referido agente a ra da Cruz n. 38.
AVISOS DIVERSOS.
INSTITUTO ARCfflEOGICO E GEOGMPHI-
co per
Fica transferida pan quinta-fejra, 0 de
Janeiro prximo futuro, a sessao ordinaria
que devia ter lugar amanha 29 do cor-
rele.
Secretaria do Instituto, 28 de dezembro
de 1870.
* J. Soares d'Azesedo
Secretario perpetuo.
mmmtmmammmmmmmm
Isinael Amavel Gomes da
SiKa.
Os empregados da reparticao do correio convi-
dan! aos amigos e prenles de seu companneiro
Ismael Amavel Gomes da Silva, a oiwirem missas
que por sua alma mandam celebrar na igreja do
convento do Canso, as 7 horas da raanhs do dia
30 do corrente, 30* de sea fdllecimento.
>*MHMMMNMMnr
TR1LH0S URBAM)S
DO
Recife a Apiiracos.
AVISO^
Por falta do carros de 2* classe sufficientes para
accommodar a grande concurrencia de passagei-
ros que tem havido ltimamente, declaro que nao
sero emittidos mais bilhetes da assgnatura para
dita classe, em quanto continu esta falta, a
qual ser remediada o mais breve possivel.
Escriptorio da companhia 22 de dezembro
de 1870.
William Rawlinson.
Gerente.
Bom
Precisa-se-
de urna criada (escrava) que cosinhe, com-
pre e venda na rna, e que lave e engomme
alguma coosa: no pateo do Paraso n. 8
2o andar.
Prcigramma da fesla da Seniiora do
Successo em sua capella.
Hontem 28 de corrente, pelas 8 horas do dia,
teve lugar a bencao da referida raigem, depois do
que foi basteado o respectivo estandarte ao som
da msica marcial do 2* batalho da guarda na-
cioual do municipio do Rece.'
As 6 1|2 horas da noite du refer Jo dia princi-
piaran! as noveaas cantadas p r scnhoras.tocando
urna da< melhores msicas regida pelo hbil pr-
fessor o Sr. Manoel do Sacramento da Silva.
No da 6 de Janeiro, pelas o horas da rr.anha,
urna salva de 21 tiros auQuccira a feslivdade do
to excelsa Scnh.ra, tocando testa occasio a re-
ferida msica do 2* batalho.
As 11 horas entrar a festa, ocenpando a tribu-
na sagrada o reverendo padre me.-tre Fr. Ludge-
ro do S. S. Nome de Maria, ja to conhecdo por
sua eloquencia.
A tarde a mesma musisa tecar algum; s esco-
ltadas pecas de seu repertorio em frente da ca-
pella, e subir ao ar diversos t A n-Mite haver ladainha, depois do que ser
tirado o estandarte com aquella pompa e decencia
devda.
Dar fm a toda fesla um grande e rico fogo
artificial do um dus melliurea artistas, tocando
sempre nos inttrvallos a referida msica do 2*
batalho.
Acommissao encarrgada dessa festividade nao
se tem poupado para o sea brilhantismo, e para
cojo fim espera a concorrencia do respeitavel pu-
blico e toda tranquilidade possivel ___________
AMA
Precisa-se de urna ama para casa de ho-
mem solteiro, sendo para cozinhar nos dias
uteis e dormiodo fura : na ra do Queima-
do n. 3.
Precisa-se-de urna ama que soja de boa conduc-
ta para e?sa de hornera solteiro, que taiba bem
engommar e cozinhar e teuba as habilitares pre-
cisas para dirigir o servieo da casa :. a tratar no
pateo da ribeira n. 13._____________________
=> Precsase de um raueiro com bastaute pra-
tica de taberna : a tratar na ra de S. Jos n. 2.
GRANDE ARMAZEM
DE
LODUA, imuu, VIMOS
CHRYSTAES
DE
PER EIRA, IR NI AOS
Ra Primeiro de margo n. 15, outr'ora ra do Crespo n. 15.
Ao respeitavel publico em geral e particularmente aos seus numerosos amigos
partlcipam Manoel Joaquim Pereira e Manoel Jos da Costa Pereira, que acabam de
fondar um rico e sumptooso armazem de louca, porcelana, vidros e cbystaes ra
Pfimeiro de Marco, outr'ora roa do Crespo n. 15, sob a razio social Pereira
Irmos.
k longa pratica e conbecime&tos de que dispom os annunciantes ueste ramo
de commercio, a que, ha muitos annos, se dedicara, os tem habilitado a satisfacer as
necessidades da popalf5o desta provincia e suas limitrophes, offerecendo aos consu-
midores maiores vantagens do que quilquer outro estabelecimento deste genero.
O respeitavel publico, dignaodo se de visitar este novo estabelecimento com-
mercial, verificar por si mesmo o que os anounciantes vem de dizer.
! ?!v* SJV* *v4 v S*v >
INTiBii 1
I
Precisa-se k ama ama para comprar e coainhar
para horaem solteiro : na praca da Independencia
ns. 4 e 6.
ESTABEIECIDO
NA
CIDADE DO RECIFE
SOB A VALIOSA PROTECQO
Dp
$ SA^TIllABIi: PI IX.
DIRECTOR E PROPRIETARIO
BERNARDO PEREIRA DO CARMO JNIOR.
Este anfigo estabelecimeulo de elucacao e intruccao achando-se actualmente no espa
coso, claro e bem ventilado edifica da praca do Conde d'Eu n. 31, para onde rol remo-
vido, contina a reeeber alomaos internos, sim'interoos e externos.
; 'mulla a recouei aiuinuus mveruus, suu lutoruus o c*wiuu. <>
Os bons resallados que bao colhido e eximio os muitos alumnos que tem tuto j^
itabeleclmeato, derem servir de garante e animacjSo aos paes de familias que ae- s^
rrt tap hi ana AlhAa .V^X
este estabeleclmealo,
sejarem ter ah seus Sinos.
Nos estotutos do coegio, qao estao a disposicio de qaero o qmier ler, se
acham consignadas as condiecCes de entrada.
M
' ^"^*


/


/V

'f
*
\
fMta-de Pmftiifce Qiiiut tr* >? de D^mbro de 18 #C,
HHMtlRO B ANTI60 COfWLTOWO
HOMEOPATHIX)
Dirigido pelo Dr.
SANTOS MELLO
Os habitantes do interior podem-no
consultar por escripto, no que serlo su-
lisfeitos com promplidao.
Presta-se tambem a chamados para o
interior, i preco mdico.
Consultas, no consultorio das 10 horas
o meio dia.
Chamados, a t|alquer hora.
Aos brea gratis.
43Ra do Bar5o da Victoria43
(Antiga ra Nova).
% COSlECIDA
DE
'ABMCA.
<3cC.
CHAPEOS
SOL
O salgo id pianos e de
msicas
udou-se da roa Nova n. 58, 1* andar, para a
ruda
Imperalriz n. 14, Ioja,
)de contina recommendando-se ao---IIlm. pu-
blica
____________G. Weriheimer.________
AOS 57000*5000
Eslao venda os felizes bilhetes da lotera da
Baha, na casa feliz do arco da Conceico, luja de
onrives no Recife._____________________^
Na praca da Independencia n. 33 se da di-
oneiro sobre penhores de ouro, prata e pedra:
oreciosas, seja qual Cor a quantia ; e na mesm:
asase compra e vende objectos de ouro e prata
igualmente se faz toda e qualquer obra de en
eommenda, e todo e qualquer concert tendent
\ mesma arte
Companhia Al lianpa
DE
seguros martimos estabelecida
na Bahiaem 15 de Janeiro
de 1870.
CAPITAL..Rs. 2,000 000*000.
Toma seguro de mercadonas o dnreiro a risco
martimo em navios de vtlla e 'apores para den-
tro e fra do Imperio. Agencu a ra do Com-
raereio n 17, escriptorio de Jjaquim Jos Gorr
calves Bel trio.
Au belsexe
COLD CREAM OF ROSES.
Gette Creme dolicieuse, universellement rpan-
Jue en Angleterre, n les femmes sent si renom-
:ii'-s par la beaut et la transparence de leur
tent, .i s> rputation aux elementa balsamiques
et onctueux qui la composenl, ains qu' sa cons-
tante efflcacit pour adoucir la peau, la rendre
plus blanche, et ccntribuer ain.si la sanie et a la
Deaut, qui. toujnurs, sont inseparables.
On la recommande cintre les rrtations de
I cpiderme, telles que Boutoks, pmlides, Ta-
ces de Rorosmn, Rougijcrs de la Figure, el
centre les tr.ches patiuques et les Efflorlscen-
cps Cetle Crme convient spcialement aux fero-
mea enceintis pour prevenir LE MASQUE, auquel
elles se nt s.ijettes.On s'en sert encor pour em-
beber la figure de se bler par le froid ou la trop
graade cbaleur.
Prix 1:500 res
Sel dept au magasin Basar de la Mode50
ue do Baro da Victoria.
Ra do Baro Ja Victoria, esquina.da Camba, do Carmo, n. 23 (Antiga Ra Nova")
Temos honra de participar a nossos numerosos freguezes qoe com a cticgda de um des socios da Europa, saprio-se a
casa com um completo sortimento de chapeos de sol de todas as qualidades como tambem, de todos os maleriaes para os mesmos
fabrico, como sejamarmacSes de todas as qualidades, sedas, mirins, alpacas e pannos, assim como de especial cotbiltria, armas
para caca. chumbeiros e polvarinhos. Os chapeos de sul tero batimento de ti, 15 e 25 por cento, comprando dinhelro.
Este antigo estabelecimento, acha-se hoje montado n'uma
escala de poder servir vantajosamente os seus freguezes, atten-
to o grande sortimento de joias d'ouro, prata e brilhantes, que
sempre tem e recebem mensalmente das principaes fabricas da
Europa- cujos presos sao em competiveis e as obras garantidas
de lei.
WOKEIRA DUARTE .
mm
o


UEL de C.
m

Tem a satisfago de participar aos seus numerosos freguezes, que em vista de ser-Ibes mais commodo, tem f
estabelerido una nova fabrica de chapeos de sol, na ra da Cadeia do Recife n. 9, boje ra do Mrquez de Olinda, *J+
onde acharao es pretendentes, rmiiio avultado sortimento de chapeos de sol de todos os presos, qualidades e por pre- )&
eos mas commodos do que comporla o nosso mercado : cenvidam especialmente aos Srs. compradores por atacado $j||
darern, sendo "possivel suas encommendas, pois poderao assim serem mais bem servidos, visto poderem escolher as ar- gp?
mac5es as tazendas que a demora da fabricacalo bem diminuta, (*K
11UI1UU Vi
INTERF.SSANTE COHPOSlCiO LITTERRIA.
CONTENDO :
A noite do xtasis.
' sorriso.
\ noite do asombro.
A lagrina
\ noute d delirio. .
O mystcno.
Com uma carta critica dirigida ao autor pel<
r T. B. Rigueira Costa.
I volume brochado 2*000.
AS CENTELHAS
Poesas patriticas sobre a guerra do Piragua)
'. volume brochado 2*000
NA
Urna perfeta cosinheira de masa e de san
gne se otferece para fazer banquetes de noivados,
baptisados e annos, e promette a quem precisar
que car salisfeito, visto a grande quantidsde de
variados pratos que sabe fazer : na ra do Pilar
n. rOo.____________^_______
SEGUROS
MARTIMOS
E
C01TR4 FOGO.
A companhia Indemnisadora, estabelecida
tiesta praca, toma seguros maritimos sobre
navios e seus carregamentos e contra fogo
em edificios, mercadorias e mobilias: na
ra do Vigario n. 4, pavimento terreo.
Para casa de ura homem s, preci>a-se de
urna mull! r para farer o servido interior : tra-
tar em Santo Amaro em seguimento a ra da Au-
rora n. 44, 1* andar.
Aluga-so a casa n. 34 da ra da Ventura na
Capunga, com coramodos para grande familia, e o
2* andar e sollo do sobrado n. 25 da ra de San-
u Rita : tr.tar na rna do Qneimado n. 2.
Preeisa-se alngar mensalmente uma canoa
grande, que comporte dous milheiros de lijlos :
tratar na ra larga do Rosario n. 18.
41 RUA DO BARIO DA VICTORIA 41
Neste novo armazem tem um
variado sortimento de fazendas
francezas, inglezas, allemas e to-
das todas se vendem por presos
mdicos, afim de acreditar a esta
novo armazem.
Casemiras inglezas,
francezas, de todas as
qualidades, brins de
cores e brancos, colei-
rhihos modernos, cha-
peos de sol de seda,
finos.
DE
ARRUDA IRMAOS.
RUA
Sarao da victoria
antiga roa
NOVA
N. 41.
Assim como tem ama grande
officina de alfaiate, montada com
todos os preparos que ha de melhor,
dirigida por habis artistas, que
pela sua promptidao e perfeigo
nada deixam a desojar.
Roupa de todos os
amanhos para homc-ns
meninos.
Portodos~os paqne
tes recebem-se es me-
Ihores e mais moder-
nas casemtras que ha
na Europa.
RUA
Folographia imperial
E
CALERA de pintura
DE
J. Ferrara Filela
Desde o dia 7 de abril passado acha-se aberto (
iovo estabelecimento photographico sito ra (k
3abug n. 18, esquina do pateo da matriz, Ostraba
,hos que desde entio, tem sahrdo de nossa omein
'.em geralmente agradado, sendo recebidos poi
xlguus com admirac3o pelo extraordinari) pro
gresso que ltimamente tem tido a pbou graphia
e por outros com alegra, por verem a provincia
dotada com um estabelecimento digno d ella, e tn-
eontestavelmente o primeiro que nesse genere
tioje pcssue : tambem nao nos poupamos em cousa
ilguma para monta-lo no p em que se achs, es
perando que o publico de Pernambuco saberi
ipreciar nossos esforijos e recompensar nossos sa
-TflciOS.
Convidamos a todas aquellas pessoas, nacionaes
eslrangelras que gostam das artes, ou tiverein
oecessidade de traba'.hos de photographia a visi-
taren) o nosso estabelecimento, que estar sempre
aberto e sua disposicao todos os das desde as '
horas da manbaa at as 6 da urde.
Para os trabalhos de | hotographia possuimos di
versas machinas dos melhores autores francezes.
ingleses e allmeaies, eemo sejam : Lerebours ei
Secretan, Hermagis, Themaz floss, Voigtlander el
onh eWulf. ltimamente recebemos tres novas
machina sendo uma deltas propria para lomai
sobre o mesmo vidro 4 ou 8 imagens diversas e
soladas, e ontra de 6 a 12 imagens diversas t
igualmente soladas, de norte que no caso de
grande concurrencia pederemos retratar sobr
ama nica chapa al 8 possoas diversas e isola
das para candes de visita, e assim em menas d.
am quarto de hora despacbarmos 8 difireme?
pessoas que peram cada nina, uma duzia de carloes
mais ou menos, com os seus retratos smenle, on
em grupo com ontras.
Encaregamos-nos exclusivamente da^ direcej
3 feitura dos trabalhos de photographia dei
tando pericia e talentos do distincto pinto
illemo, o Sr.
Jorge A. Roth
is trabalhos de pintura, a aquarela, a oleo, e ;
pastel.
O Sr. Roth acha-se ligado a nossa empresa poi
ama escriptura publica, e at o presente tem-st
lesvellado na execucao de seus trabalhos.
No nosso estabelecmerto acham-se exposlcs ou
tros trabalhos mporianti s do Sr. Roth, tanto en
miniaturas aquarelia como oleo, retratos i
)leo, quadros sacros e diversos outros trabalhos.
Tomamos encommendas de retratos oleo at c
tamnho natural, assim como de quadros sacros
para ornamentado de igrejas gu capellas. Tam-
bem aceitamos encommendas de quadros histri-
cos.
Asseguramos que os precos dos diversos Ira
balhos da nossa casa sao mu rasoaveis.
cart5es de visita NAO COLORIDOS A lOfJOO A
DUZIA
CARTOES DE VISITA COM O COLORDO AO NATU-
RAL 16(5000 A DUZIA
Retrates em miniatura oleo ou aquarelia de
16 20/iOOO cada um, indo convenientemente en
aixilhado em moldura doorada e regulando e
busto da pessoa retratada de 3 4 pollegadas e
todo o quadro palmo e meio de tamanho.
Julgamos que bastarlo os precos cima para
larmos idea da baratesa dos trabalhos do nosse
establec ment, quanto sua perfeico cada un
'enha julgar por seus proprios olhos.
As melhores horas para se tirarem retratos nc
qosso estabelecimento sao da; 8 horas da manhaa
I da tarde; entretanto de una hora s 5 da tarde
sm casos especiaes pde-se tambem retratar qual-
juer pessoa.
Nos dias de chuva, ou p-, r lempo sombro po-
temos retratar, e assegurann s que csses dias sae
m mais favoraveis aos traba:los de photographia
pela doijura e persistencia da luz, epir termos o
aosso terraco construido coai taes proporgSes e
nelhoramentos, que snda cliovendo ^orros ne-
abum inconveniente Tha para fazer-se bellos re-
tratos.
N J. Firreira Vil lela
MOFINA
Roga-se ao Illm. Sr. Ignacio V.eia de Mello, .
crivao na eidade de Nazarelh desta provincia,
favor de vir a ra do Ir-perador n. 18 a loncluir
aquelle negocio que V. S. se comprometteu reali-
sar, pela terceira chamada deste jornal, em flns
de dezembro prximo passado, e depois para Ja-
neiro, passou a fevereiro e abril, e na la cumprio,
e por este motivo de novo chamado para dito
flm ; pois V. S. se deve lembrar que este negocie
de m:iis de oito annos, e quando o senhor seu
Uho cp achava no estudo nesta eidade.
A higa-se a leja n. 5o da ra de Agoas-verdes
(hoje L u,o% \"nlentinas) de 18 mensae3 : para
ver, a :hav- -'.;. na casa de iunto, e para tratar
na thesnur r.a das loteras.
IIOTEI
EM
BEBER1BE.
Buhar, boipedagem^. e banhos.
Os pwpnetarios do grande hotel do Monteiro
tem aberto no aprasivel arrabaldtfde Beberibe um
hotel preparado com lodo o esmero e asseio. Re-
cebe hospedes, para o que tem todas as commo-
didadeg exigiveis. E^peram que os concorrenes'
que os honraren) em ludo-serao satisfeitos.
Ama de leife.
Precisase de urra ama de leite e paga se bem:
na ra do Banholomeu n. 33.
Aluga-se
o 3* andar do sobrado n. 8 da rna da Imperalriz:
atratar com J. J. de M. Reg ra do Commercio
Precisa-se de uma ama que compre e eosi-
nhe para casa de pouca familia : na ra Nova
de Santa Rila n. 41.

Joao AI ves Pedrosa convida aos prenles e ami-
gos do finado Jos Alves da Cruz a assislirem a
missa do stimo dia, no convente de S. Francisco,
pelas 7 1|2 horas da manhaa; e ao mesmo lempo
agradece s pes>oas que acompanbaram os restas
mortaes at o ceroiterio publico.
____AU
ROM
DYVETOT
l--Rua Estrella do Rosario.f
Compra e vende roupa feita
nova e y elha, objectos de
cosinha e de mesa, e
tudo que perten-
ce ao uso do-
mestico.
Os consignatarios da barca norueguense
SlerUng, naufragada na costa de Caissara na pro-
vincia do FUj Grande do Norte, avlsam aos dono*
da sobredita carga e a todos ne!la interessad; s que
as respectivas mercadonas acham-se recolliidas
aos armazens da alfandega de^ta provincia, onde
poderao ser procuradas pelos sobredi tos donos e
interesados, que deverao apre?eotar os respecti-
vos couhecimentos e mais documento*, si-iisfazen-
do previamente as despezas fetas coro o salva-
mento, transporte e fiscalisaco de ditas merca-
dorias. Nao tendo disposiQoes a este respeito ir
a carga a leilao conforme as leis do paiz. Natal
22 de dezembro de 1870.___________________
Correspondencia de Portugal.
Com a ebegada da Europa do paque'.e da pri-
meira quinzena de Janeiro vindouro linda a assig-
natura do prosente. anno do jornal Corresponden-
cia de Portugal. Os que desejam continuar e on-
tros que quizerem subscrever dcvtm desde ja
mandar satsfazer suas novas issigaaturas, pois
nao se far entrega do referido jornal que princi-
pia a nova assignalura seno aquelles |ue tive-
rem pago antecipadamente em casa Jo J.oM.i. i
Pestaa, ra do Vigario n. II.
GRATIFICA SE a i.aem der noticias de om ca-
vallo^melado com as crinas, cauda e topete pretos,
as maos pretas e os p brancos, estando com um
dos qnartos e a barriga ralados e o cotovello esfe-
lado, leudo t>m signal (cruz tranca) na testa, e
mnito manso; o qual desappareceu, da sexta para
o sabbado da semana passada, da casa n 22 do
caes do Ca ibaribe, onde devem ser dadas as in-
formacoes a tal respeilo.
Baro da.Vctoria
in liga ra
NOVA
41.
Este estabelecimento acaba de soffrer orna reforma radical em aca-io, artistas e commodos, e em pontoaiidade as encom-
mendas, unamente em tudo afim de melbor servir os seus numerosos freguezes deixa-se de annunciar todas as fazendas, para
nao se tornar massante
mwmmwmwmmmmimm
^ Precii-se i, uma ama forra ou captiva para
;oziLhar cr 'asa Je familia : quem bem poder
desempenhar pfta :i.i>saa, quorendo tratar, dirija-
numr
Aluga-se a pad.iria allemaa era 5anto Amaro e
as condicoes sai favoraveis : a tratar cem seu do-
no na ra da Guia n. 56.
Prensa ingleza
'Prensa ingleza
Prensa ingleza
James Ryder & C. fazem scente aos exportado
res de algodio desta praca que durante esta safra
teern resolvido enfardar este genero, a razio da
500 rs. por arroba inclusive capas, arcos e marcas
em sua prensa ra do Apollo n. 26.
11 lUllUU
Anda esi para ser vendida a arma cao e per-
lences da taberna do pateo do Terc.o n. 11, nmilo
propria para qualquer principiante e tambem
para quem quizercollccr um estabelecimento bem
montado por ter a casa commodidades para iso,
a qual tem quintal e cacimba, e o seu aluguel e
razoavel, cedendo-se ao comprador a residencia to
sobrado de um andar por cima da mesma, uma
vez que preci-e delle para sua habitajao : a tra-
tar no mesmo s >brado.
CADIRAST
Um elegante sortimento de cadiras do faia a
imitajao de mrgno, e oulras de Jacaranda, e bem
assim pretas douradas. obra de gosto : vende-so
as duzias no armazem de Tasso Irmos 4 C, no
caes de Apollo.
AMA
Precisa-se de uma arca para tratar de criac-
yas : na roa do Crespo n. 7, Ioja de mindezas.
C'axciro.
Precisa-se de um caixeiro que tonha prrtica de
taberna : na ra do Rangel o. H.
GRANITO.
Ao ftr. Hanoel Mendes de Fl-
gaelredo.
Sendo dacorrido om anno depois que encarre-
guei Vmc. da cebraoca de 1.0214220 constante de
uma letra e de nm papel de trato, e nao havendo
at boje recebido noticia alguma acerca dessa co-
branca apesar das repetidas cartas que Ihe tenho
dirigido e que lodas tem tirado sem resposu, vou
rogar Vmc. queira mandar me a importancia do
qne houver recebido ou restituir- me os rreus do
cumentos no caso de que nao tenha realisado a
cobranca. Vmc. desculparo use deste meio, uma
vez que nao lem querido respender as minhas
cartas. Recife 27 de dezembro de 1870.
________________Jos Duarte Pereira.______
Aluga-se o 2* andar a solao do seibrado n.
33 ra do Imperador ; acham-se as Qhaves no
armazem n. 3) onde daro informacSis.
Na (ravessa da rna
das Crozes n, 2, pri-
meiro andar, da-se di-
nhero sobre penhores
de oqto, prata e brilhan-
tes, seja qnal for a quan-
tia. Na mesma easa com-
pram-se os mesmos me-
taes e pedras.
Attenpo
Aluga-se ou iroca-se um aegro por uma negra
de .j annos de idade, pouco mais ou menos, mni
to robusta e sadia, propria para o servico de cam-
po on para hjrtalices : a tratar no caes de Santo
Amaro n. 4&
Precisa-se da uma ama para coziahar : na
rna da Aurora n. 50.
Offerece se para hotel ou collegio um par
portaguezes, sendo o homem para comprar e co-
zinhar e a mulher para engommadira e copeira :
Juera pretender contrtalos dirija-se a rna do
raorira n. 13, taberna, para deixarem eseripto
onde deve ser procurado.
Em c^sa de THEflORO fUHISTlAN
SEN, rna da Cruz n. 18, eoconirara-se
effeclvrarte todas as qnalidades de vinbo
B'rdeanx, Boorge gae e do Bbeno.
Precisa-se tfe uma mulher idosa e de boa
conducta, para creada de nm homem soltelro, exi-
gindo-se que saiba engommar e tenha habilitacSes
para bem administrar o servijo de uma casa
na rna do Imperador, armazem n. 36.
O Sr. Dr. Wenfbain queira ter a bondade de
conenir o negocio que tem com os propietarios
ta typographia Mercantil, o qual de interesse
para o mesmo Sr. Dr.
ferro
I
RUA DA CRUZ M, 1
Chapas de ferro galvanisadas para telheiros, etc.
Tachas de ferro para assucar, etc.
Formas de ferro para assucar.
Arados americanos.
Carrinhos de mo.
VeDezianas para janellas.
Machinas de descarocar algodio.
Machina de cortar fumo.
Mchica de cortar papel.
Motores para dous cavallos.
Machina a'vapor para mover machinas de algodo.
Balancas, prencas, cofres de ferro, fog5es de ferro, enxofre, {salitre bmalha de
muttos outros artigos.
Alnga-se a casa da ra Imperial n. 250,
com acomodasoes, para ver na casa junta e a
tratar na praca da Independencia n. 2.
CONFITARIA
Aluga-se o 3* andar da easa da ra do En-
cantamento i.hoje do Bispo Sardinha) com frente
para a roa da MaUre de Dos: a tratar u ra
dos Prazeres, hoje do Coronel Lemonha n. 16. das
i horas as 7 da tarde.
Ama
Precisa se alugar uma eserava que saba en-
gomrnjre cozinbar para, casa de mui pequea fa-
milia, e lambem se aluga uma n>grinha : na rus
do caes do Capibaribe, casa nova com porto de
ferro ao lado.-.
- Precisa-se du ura caixeird cora pratira de
taberna : no paleo de S. Pedro n. 1.
FALSIFICACOS
dasPILULASdeBLANCARO
CAVE DOLCM)
A nossa correspondencia do Brazil nos faz
saber que as pracas d'este paiz acho-se
actualmente inundadas por urna multido de
falcificaces v dos nossos productos (textual
Para garantir-se contra estas composicoL
mais on menos perigosas, que escondem-se
essa maneira por delraz.das nossas marcas
de abnca e mesmo da nossa firma, rogamos
aqu com instancia aos mdicos e aos do-
entes de asseguiar-se sempre da origem das
Pn.uusquetrazemonossonome,appellando
entre outros meios praclicos, pela boa f dos
nossos collegas, os pbarmaceuticos. Nad 6 de
duvidar que n'uma questao que nlcessa tao
seriamente a saude-publica e a moratidade do
commerciB, estes honrados intermediarios
nao se mostrem dignos da eonlianca dos seus
freguezes; nao de duvidar igualmente que
repudiando toda solaiidade com os falcifi-
cadores e os seus cumpliec, elles nJo se fa-
co um dever d'ora em diante de procurar
as verdadehus PiLtLs rE Blancam era
ongens certas, enderecando-se, quer a n>
.mesmos em paris, quer indirectamente aos
nossos principaes correspondentes, ou ento
scasasasmaisn'com- .?
mendaveis da F'anca^M
ou do seu paiz. ^X'-o^?
RUA DO IMPERADOR N. 26.
O proprietario deste estabelecimento avisa ao;
seus numerosos e bons freguezes, que acaba de
preparar nm grande sortimento des melhores ge
eros do mercado para recbear ae despensas da-
quelles que tiverein bom paladar e disposicao pa
ra gastar os cobres, no lempo da festa do Natal.
Ah etteontrario ex.-ellentes presentes de flanfore
vinhos, licores e eognac de todos os fabricantes,
boa cerveja, roarmelada portugueza, ameixas ero
caixinhas, conservas francezas e portuguezas, do-
ces de todas as qualidades seceos e em calda.
Tambem encontrarlo bolinhos para cha de todas
as qualidades, bolos francezes e ingleze?, pc-de-l,
Sudins, tortas, amendoas confeitadas'e quantidade
a outros objectos que seria enfadonho enumerar
-- Aluga-se urna preta .abendo lavar, engom-
mar e cozinhar, tndo com perfeico, pelo pr'Co de
30* mensaes : no^pateo do Carmo d.,13, sobrado.
Ama.
Precisa-se de uma ama de leite sem lilho : a
tratar na ra estreita do Rngario n. 13, drogara
homeopathta.
Precisa se de um homem livre ou escravo,
que dd fiador a sua conduela, para o servico ex-
terno da padaria da ra do Rangel o. 9.
^ Aluga se uma boa casa no Monteiro, no pa-
teo do chafarte para passar a festa : a tratar na
roa estrena do Rosario n. lo.
Manoel Goncalves de Barros faz seiente ao
repeitavel corpo do commereio, que o Sr. Jos
Joaqum Fernandes deixou de ser caixeiro de sea
refinagio sita i ra do Coronel Snassnna n. 7,
(amiga rna deHortas) desde 23 do eorrente.
Phormacentico, ra Bonaparte, em Parir.
nai prioeipaet Vharmaoiiif.
Alnga se orna excellente casa de sobrado
em Olinda, muito fresca e perto do mar,
com mnitos commodos para grande familia.
Tambem se alugam as tojas em separado:
a tratar no Recife, ra Bella n, 37. As
chaves para ver a casa acham-se emOinda
defronte da igreja de S. Pedro Martyr, ven-
da 4o Sr. Antonio da Silveira,
1 -
Ama deleite
Precisa-sn de ama am de lec ^em filho: na
pa df Ilortas u. 30, sebr.-ido.
Attenpo.
Precisa-se arrendar um sitio com bastante ter-
reno para planta$5es e oasto para animaes, prefe-
re-se perto de alguma dusestacoes da estrada de
ferro do su) : a tratu na ra de S. Goncalo n, 30.
Ra do Baro da
Victoria n. 63
( Outr'ora ra Nova. )
Bilhetes garantidos da pro-
vincia.
Esta feliz casa acaba de vender entre os seus
muito felizes bilhetes a sorte de 200*000 em um
bilbete inteiro de n. 2,771 e a sorte de 100/ em
um meio de n. 295, outra de 100* em um quarto
de n. 2,643, e nm quarto de n. 2,964 com a sorte
de lOO, alem de outros premios menores, poden-
do seus possuidores virera receber, qne prompta-
mente serao pagos.
O abaixe assignado convida ao respeitavel pu-
blico para virera no sen estabelecimento comprar
os felizes bilhetes garantidos, que nao deixario de
tirar qualquer premio como prova pelos, mesmos
annuncios.
Acbam-se venda os'moito felizes bilhetes ga-
rantidos em beneficio da matriz de Serinhaern, que
ser extrahida terca-feira 3 de Janeiro vindouro.
JPRECOS.
Inteiro 6*000
Meio 31000'
Qifarto 1*500 .
De 100,3000 para cima.
Inteiro 5*400
Meio 2*700
Qnarto 1*350
Joao-Joaquim da Cosu Leite.
.



%
- lilil
k_
D
ario de Pernambuco Quinta feira 29 de Dezenibro de 1870.
l
*
mmn riu
NOVIMDES
DO
L
A* imatDi do Va-
Sor Francez, ma
BarSo da Victo-
ria (oiitr'ora ra
Xtfra) n. 9.
Ao arniazem do Va-
Sor Francez, ra
o Baro da Victo-
ria (outr'ora ra
\ova) n 7.
Perfumaras, quinquilharias e brinquedos
para meninos.
Este estabelecimento acaba de receber pelos ltimos vapore e navios de vella chegados da
huropa todas as suas encomraendas do graDde sortimento de fesia, offerece ao publico em ral, por
precos resumidos o mais possivel, os artigos seguintes:
CALCADO
Botinas para senhorasdaraqae branco, preto
e de outras maitas cores escolhidas do ultimo gos-
io da moda.
Botinas para meninas igual sortimento.
Sapatinbos de salto para senhoraduraque pre-
to, branco e de core*, e de couro de lustro.
Botinhas para crianzas, proprias de bplisa-
dos.
Botinas de diversas qualidades para homem.
Botas russlanas para montara, tanto inglezas
de couro da Russia para viagem, como francezas
de Melier, bezerro fino, para passeios.
Meias perneiras para meninos de 10 a 16 ao-
oos.
Sapatos de brim branco para horneas.
Sapatos de vaqueta de lustro com sola de ma-
deira, proprios para banhos.
Sapatos de borracha para lameos e senhoras.
Sapatos abotinados, de differentes modelos, mui-
lo bons e fortes para meninos e meninas.
Sapatos de tapete, avelludados, Charlot, casi-
mira preta, de tranca portuguezes, para homens,
senhoras e meninas.
Perfumaras.
Extractos Anos, banhas, cosmticos, leos, opia-
tas, aguas de Cologne em garrafas de crystal para
presentes, agua divina, agua florida, .dentfrico la
vande, agua de toilet, tintnra para barba e cabel-
los, pomada hongroise para bigodes, pos de arrcz
e sabonetes, tudo isto de primeira qualidade, dos
fabricantes Coudray, Piver e Lubin.
Quinquilharias
Luvas de pellica brancasJouvin.
Espelhos grandes deurados para salas, quartos
e gabinetes.
Leques para senhoras e meninas.
Joias de ouro, brincos, transelins, pulseiras,
Dotdes de puchos, de abertura, correales e chaves
de relogio, tudo de ouro bom de lei.
Brincos de plaqu iniitacao de ouro.
Correntes para relogio.
Abttoaduras para colletes e para punho?.
Albuns de velludo e marroquirn para retratos.
Mammadeiras de /idro para enancas.
Caixinhas de costura, novos modelos com ron-
sica, proprias para presentes.
Quadrinhos dourados para retratos.
Toncas e sapatinhos de 15a para crianca?.
Gapellas para noivas e para pastoras de pre-
sepios
Caixinhas com vidros do augmeito para ver-
se em ponto grande a photographia dos retratos.
Pos de vidro para pianos.
Thesourinhas para eos ura e unha?.
Bolcinhas de seda e de veludo.
Cestinhas para braco de meninas.
Slalos para costura.
Cm os d'arame pratiado para frutas e po a
tt esa.
Ricos artigos de phantasia necessarios para toi-
Ibetes e proprios de presentes.
Jarros e bouquets de porcelana para santua-
rios.
Registros do papel fino mui lelicados.
Quadros promptos para coliocar vistas.
Molduras douradas para quatros.
Estampas de bellas pnvsagens de cidades, de
Dguras e de santo?.
Espanadore* de penas e de palha.-
Carteiras para notas e para dinheiro.
Caixinha de musi<-a de dar se curda.
Ponteiras de espuma para cigarros e charutos
Gravatas de seda pretas e de cores.
Bengalas de cana com castSes de marfirn.
Ditas de baleia, junco e de muitas qualidades.
Pentes finos de marfirn para caspas.
Escovas para facto, para-cabello e para dente?.
Lunetas ou penclnez de prata dourada.
Ditos de tartaruga e de aro.
Ocnlos de prata dourada e de ac.
Reverbero transparente para candieiros.
Ditos para lanternas de pianos.
Cotos econmicos para vellas de spermaecte.
Cerdas para violao.
Port-pratos para mesa.
Caixinhas de diversos mjelos, e presos.
bjectos novos de mgicas o melhor possivel,
para divertir meninos.
Malas, saceos e boleas para viagens.
Estojos de viagens, completos com navalhas.
Esporas de metal branco para saltos.
Chicotes fortes com martello para viagem.
Ditos de uiur.s modelos, de junco e de baleias.
Luvas de fio de Escocia brancas, e de cores.
Ditas de camurca amarellas. '
Machinas para lazer caf.
Globos do papel de cores para IluminaeSes de
festas campestres.
BalSes de cores, de subir ao ar fcilmente.
Jogos de domin, da gloria, vispora?, rodetes,
bagatela e outros jigos allemes.
Esterioscopos com as mais bonitas vistas, de
figuras destacadas e grupos de familias.
Armnicos on accordiros da- todos os tamanhos
e novos modelos com trmulos.
Realejos pequeos com novas msicas.
Cosmoramas de varios tamanhos, com differen-
tes vistas mui piterescas.
Para lapinhas.
Presepios completo com todas as pecas e sorti-
memos avulsos de figurinhas, animaes, casas, jar-
dins, etc.
TRIUMPHO
7 fina doQueimado 7
-. DE
HOREIBA & BASTOS
E' chegado a este novo estabelecimento o mais bello sortimento de fazeudas
loas, sendo sua especialidade enxovaes para ooirado.
Vestidos de blond de .seda ricamente bordado.
GorgurSo de seda branco'para vestido.
Colchas de seda pora, para cama com ricos desenhos.
Ditas de 19a e seda, dem dem.
- Ditas de crox, idem idem. \
Cortinados ricanvnte bordados para cama e janellas.
Croxs para cadeiras e sofs.
Vestidos de cambra'ia branca bordados.
Popelines de lindos gostos.
LSas de diversas qualidades, lindos gostos e modernas.
Ricos b urnus para passeio, com listras de setim.
Sabidas de baile o que ha de mais rico.
Crotones para vestidos com lindos desenbos.
Carnizas bordadas e sem bordados para senhoras.
Camisas bordadas milito finas para homens.
D tas inglezas para homens e meninos.
Seroulas de linbo, e um grande sortimento de roupas feitas e de fazendas qne
i enfadonho mencionar.
Luvas frfscas de Jouvin
Sortimento de tapetes para guarnieres de salas, alcatifas para forro de sala, e o
rande sortimento das acreditadas e verdadeiras
Esteiras da India
CONFEITARIA
DOS
Attemjo
Todos os artigos mencionados ne;te annuncio
vendem-se muito baratos, nao s pelos abatimen-
tos obtidos dos fabricantes em attencao as gran-
des e repetidas compras, como pelo ocm syslema
de vender muito anda mesmo* com diminuiissimo
lucro.
ANANAZES
Ba da Cruz n. 16
Eocontra-se sempre : i AMENDOAS confutadas: xaropes refri-
BOLINHOS para cha ; pao de l; bollo' gerantes ; vinho Botellas, branco e tinto,
inglez; pastis de differentes qaadades ;' proprio para mesa ; vermonth t absyntio ;
doces de fructas, em calda e secco, em' cognac; vinbos finos, champagne.
barrilinhos em latas.
CAIXINHAS com amendoas e pastilbas, | PAPIS para sortes,' ditos vendados
proprias para presentes; cha preto, miado,' para cobrir bolos.
de superior qualidade ; latas com ptcegos
a 1^000.
PRESUNTOS e fiambres.
RECEBEM-SE cncommendas de bandejas com holinhos, com armagao de assu-
car e sem ella ; de pao de l e bolos enfeitados com disticos e sem elles; e de outros
muitos objectos proprios para grandes jantares, bailes, etc., etc.
Punas azucaradas de Brisiol.
no'co.ntem nem calomelanos nem nenh*
octiio mineral.
A grande necessidade e falta de um ca-
thartico ou. de urna medicina purgativa, ha
muito que tem sido sentida, tanto pelo po-
va, como mesmo por meio da faculdade
medica; e por isso, infinito o gosto *
praaer que sentimos, em podermos com
toda a contanca e seguridade, recommenda
as pilulas vegetaes assucaradas de Bristol
como urna excellente medicina purgativa, a
qual encerra em si todas as partes e mais
ingredientes essenciaes, tornando-se em um
perfeito, seguro e agradavel cathartico de
familia. Este remedio nao composte
dessas drogas ordinariamente visadas na
composigo aessas pululas, que por ahi se
vendem, mas sim, s5o preparadas com as
mais finas e superiores qualidades de raizes
medicinaes, hervas e plantas, depois de se
haver chimicamente extrahido e separado;
os principios activos, ou aquellas parte.'
que contem o verdadeiro valor medicinal,
daquellas porcoes fibrosas inertes e agres-
tes inteiramente destituidas da menor virtu
de. Entre esses agentes activos ou ingre-
dientes especficos, podemos nomear a po-
dophgtn, a qual segundo a experiencia
mm demonstrado, possue um poder o mais
jaravilhoso possivel sobre as regios de
ligado, assim como sobre todas as secre-
coes biliosas. Isto de combinado com c
leptandrin, e mais alguns extractos vege-
taes e drogas altamente valiosas, consti-
tuem e formnm urna pilula purgativa, tor-
nando-se por isso muitissimo superior, i
qualquer urna outra medicina da mesma
natureza, que jamis fora apresentado ac
publico. As pilulas vegetaes assitcaradat
de Bristol, achar-se-h5o sempre um reme-
dio prompto, seguro e eminentemente effi-
caz, para a cura de molestias, des come
sejam as seguintes.
Hydropesia dosmem
bros ou do corpo
[Joaquim Jos Gon T [ ves Beltrao
Ra do Trapche 17. i" andar.
Sacca por todos os paquetes >oln > barre ik
Vlirttio, ero Braf, e sobre os scdu> lugarw cr
Poil^jaj : ^ "* -
Lisboa.
Porto.
Valcnca.
fiuimare!. ,
Cohnhra.
Chaves.
Viseo. f
Villa do Conde.
Arco^ dTe Val de Vez.
Vianna do Castello.
Ponte do Lima.
Villa Real.
Villa-Nova de Fameco.
Lamego.
Lao?.
Covilhla.
Vascal (V^lpaso).
Mirandella.
Beja.
Ba i cellos.
mais
\0VO SOUEMODE MSICAS
NO
SALAD DE PIANOS E DE MSICAS
Hua da Imperatriz d. J4 loja
contera :
MSICAS PARA PIANO das mais facis at s mais difficeis, toda dos autores
modernos as melhores edic5es da Europa e do Rio.
NOVIDADES quadrilhas, polkas, walsas.
TANGOS, Habaneros, modinhas, cangoes brasileiras e hespanhola, romances francezes,
arias e cavatinas. ,
Operas inteiras proprias para presentes
tudo para piano e para canto da opera
GUARANY
Em breve se .principiar a dar um catalogo do grandissimo sortimento deste es-
tabelecimento. Encarrega-se de encadernages etc.
GRANDE SORTIMENTO DE MSICAS
NO
SATilO di: piamos e de msicas
Ra da. Imperatriz n. 14 loja
Para flauta, clariuelta, rabeca de pequea e grande orchestra, para banda
militar e harmonio, lo proprio para este tempo de festas e para augmentar a solemni-.
dade dos actos religiosos.-
Todo pedido das provincias ou deinterior serao promptamente altendidos.
r ^-^maacjMMjwu j .1111 w ki- .^uiimwi
MEDAI.HA

-*&44yi
BIUXCO E ESCURO
L HONRA
MO DE OURO
Nova loja de joias
RA DOiCARUGA' N.9 A.
DE
Manoel da Cunha Saldanha & C.
Acaba de abri-se eSte estabelecimento de joias, o qual tem grande sorti-
mento de todas as joias de ultimo gosto, as quaes vender o mais barato pV
sivel.
Todas as joias serio garantidas onro de lei, pois os sens donos tendo em
vista so adquirir freguezia nio olvidarlo, vender bom e por precos os mois
razoaveis possiveis.
Covida-se publico a vir a este estabelecimento, certo de qae ficar
satisfeito.
A' MO DE OUORRA DO CABUC N. 9 A
Pninfeciando o Oleo i!e Fijado ;!c Bacalhi,
t ~- 'hir Chevrier duo a esla prer4nsi prepara-
',. r.-ip'ui-a um cheiro e Ubof ngradaei*
^(."rt'.MiHdtaBasviriudfs'lK'iiruin.
r..--a iuipoi'tKiue desi-oherla, que grangeou a
icUttttUir una Ucdalha de honra, vulgarisen
KO i!n (Meo de Fgadii!eBacp!l:o desinfectado.
Os mediros o reccltam prefirirelmaniea todo
"> nutro, em'tndss ss moltias onde em-
prep i> Oleo de Figado de ItacaJhio.
Ver por maispormenorr o rclatorios medi-
esps quecontem a noticia que accompanha cada
'T'JfCft.
FERRUG1NEU DE CHEVRIER
0 Senhor Chetrier eompletoa t su desco-
bert ajuntan-do t iodura de ferro to Oleo de
Btcalbo dcsinfe udo. Este Oleo de Figado je
BaeiJhao fcrrugiueo tem tods a proprieddes
do oleo e do ferro, digere-se fcilmente e nunca
causa pristo de tentre. Porlanto i preforivel
i mais preparares ferrugineas (Pilulas ou Xs-
rope), couTcm em toda a doeneas onde se
emprega o ferro. Tsica pulmonar, bronebite,
rachitismo, escrfula, impigen, gota, rheu-
matismo chronico, catarrhos amigos, dyspep-
lias, conulescencii> difcei e fraqueza de
constituicio.
3'Onruiaoia VttKTRiKf, ti ru iii Faufi. IMonttnartre
>'.-! rni-sma phartnaeia achao-sen VINKO ELIXIR da COCA, excellente prepararse tnicas.
O TAFFElVrjLNERARIOeom RNICA pira curar i cluga, ferid,a, eorudura e eontusocs.
O GRANULOS deBISMUTH compu.su contra a diarrheas.djsenteria, dflres deettomago, ele.
Depositario, cm Rio de Janeiro, DuPONCHELiE el C. Baha, Mokeira Irmao etC1*
PeriniirJiuco, Y. Malher el C*. Mnranhao, Kerheira t C". Parto legre,
V Josr Bf.i.t/>. Pealas, ptero Lettas. .
Dspepsia, ou indi*
gesto,
dAstringencia. ou..
prisao do ventre
habitual,
Azia do estomago e
flatulencia,
Perda do apetite,
Edtomago sujo,
Affeccoes do figado
Ictericia,
Hemori'bdias,.
Mau hlito, e irregu-
laridades do sexc
femenino,
Dores de eabeca.
Em todas as molestias rnie derivam
sua origem da massa do sangue: a salsa
parrilha de Bristol esse melhor de todo;
os purificadores deve ser tomado conjun
tamente com as pilulas, pois que esta.5
suas medicinas, tendo sido expressamente
preparadas para obrarcm de harmona urna
com a outra, quando fielmente assim se fia.
nao nos resta a menor duvida em dizer.
que nomaior numero dos casos, podemos
affiancar nao s um grande alivio, come
tambem urna cura prompU e radical, isto
est bem visto, quando o doente nao se
ache n'ura estado muito alm dos recursos
humanos.
CASA CAUVIN UHSn
Ph.numaceutleo privilegiado
succoseor
Il.iulevixl Sebastopol, BS PARS.
NOVAS ESPECIALIDADES A. MARINIER
Aprrseatadas a Academia de Scirudas e ao Instituto de Franca,
IM ICPP A ^D 'orn,:l l,e Pastilla, devedida e doseada para
I it U LUUnU bier de nomtato ama solur^jo
Pi eventiva e carativ* da MOLESTIAS CONTASIOSAS.
GAFE PURGATIVO
A' ESCAMONEA
De B'x Barral
Pharmacentfco-Cfc I m Ico
A utifldade des purgantes rao stfTre demon*
Ira.ao algunia : a prescrip^ao diaria que delle?
fazem os mdicos e o uso ainda mais frequtr.le
feilo pelo publico sao_ prevas irrefragaveis iani(
como a qoantidade iniumerave! deste genero. S
falla aperfeic(.?r cada ve, mais o modo de admi
nislracao, de maeira que conservando a sua ac
cao, elles possam ser temados sem repugnancia
nem a?(o e sotMudo sem receio nem perigo.
Moilos purgantes ?f. mados s devem estebrm
xito ao sen effeilo intenso e fxcessivo. D'ihi o
perigo, porque irrita^oes de eMomago, intlamma-
IcCes de entranhas sao inevitavelmente o resulla-
do do seu effiprfgo. Ni da disso tem-se de receai
com o caf purgativo.
Todos conhecem por experiencia o aroma sin
ve e o etleilo ligeiramenle tonio e excitante de
caf Elle o mtlbrr auxiliar dos purgantes do>
quaes disfama o cheiro o sabor e ajuda a acc,ac
sollicitando vagarosamente s movimentos peris-
tlticos de intestino, e prevenindo o seu effeite
muito intenso abre o estomago. Misturado cric
escamonea, facilita as evacameles cem promplidc
e sem cedica?, e torna se um purgante brando.
certo, fcil a tomar e preferivel a todos os outros
salvo ama indicacao especial da qual o medico
o nnico juiz.
A nnocuidade do caf purgativo permute de
emprega-lo em todo es casos simples. Desper-
tando a atona do intestino e activando a secre-
to deste, destre a dureza de ventre, as vento-
sidades, as Oatuosidades e excita o api lite. Em-
pregado mais a miado, convenirte para eva
cnar com vagar a bilis e os hamo, es viscosos e
e faz dessa maneira desapparecer a enxaqueca,
as dores de cabera e prev os ataques de sangue
as pessoas que a estes sao pretiisposias.
MODO DE EMPHEGO.
E' t5o simples como fcil. O cat purgativo
deve ser tomado fro, puro ou misturado cora-um
pouco de leite fro assucarado, ou agua assaca-
rada. O vidro inteiro a dos ordinaria para
um adulto ; a) colh.'res de caf bastam para
as senhoras e para toda c qualquer pessoa qae se
par fcilmente.
. ara as enancas de 8 10 annos, a metade de
vidro suficiente ; de 5 a 8 annos, urna colbei
de caf, e a qoarra parte do vidro smente abai-
xo tiesta idade :< otra a gosma.
E' por isso d'uma aoministraco muito mais
fcil do que es bi-couto?, chocolates ou bolos
purgativos.
Dase immediatamenle depois le:te quente as
sacarado ou caldo leve, e ditas ou tres enajenas
de cha preto ou de tilia.
nico deposito na pharmacia e drogara de
Bartholomeu A C. : roa larga do Rosario n. 31.
ISJECTOR-PIHLTRO
do velmiie ile um rekwjo, sorvinito de
rniLTRO e SERINGA sem os
fratta iaconveniaate da fragilidad*.
ESTOJOS
Com a forma, e de vol'ime de nm Porte-Moedi
COTB.WO TODO IR.K TXMESTO.
COL I-Y RIO Contra as affeccois das palpebras,
preparado sob a mesma forma.
Depositarios geral para e BRASIL e PORTUGAL
34, ra larga do Rosario. PERNAMBUCO.
Pharmaeeulfco privilegiado
- successor s
Boulevard Sebastopol, SS. PARI9.
NOVAS ESPECIALIDADES A. MARINIER
Aprcsentadas a Academia de Seieneia e ao Instituto de Franca. '
BARTHOLOHEO & C
CASA CAUVIN A lmu

I\' IETTAR -PIIII TDA do vollirae de um relogio, servindo
I.yjLtIUll I lULInU de F'hiltuo e Seringa sem os
Graves inconveniesten de- fragiliaade.
ITQTa^i in<5 Con formV c do volniae de um Porte-Moeda-ooBlende
tO I UJUO 7 TOBO IBATAMENTO.
COLJjYRIO Contra as affecems das palpebras, prepar;do sob a mesma forma.
a Depositarios gem para o Bll&fcll, e FORTL'GAL
^l, ra larga dfr.Roiaiio. i'BRNAMBTJCO.
III ITPP Al Soh j forma de Ptslilla, devedida e doseada para faser da
HllfuUUnU momento urna olnccSo PREVENTIVA E CURATIVA da
MOLESTIAS CONTAGIOSAS
B8TH0L0SE3&
AMA
Precisa vre: na roa do Oaldeireirj n. 68
AMA
Precisase de urna, preferindo se escrava, para
co-inhar: tratar na ra da Palma n. :H.
O abalxj assi^nado, declara a .'quem inte-
ressar possa, qae eomproa ao Sr. Joao 'Alves da
Gru, x armario e fazendai perteacentes 10 espo-
lio do finado Diego Js da C st.n, no valor de
13:300*000, que foram pagos a vista.
Pernamcuco, 28 de dez'mbro de 1870
'-.________ Taciano da Suva Rage>.
Piecisa-se de dous" ainassadores; em Santo
Amaro, ra do Lima n.- 6. ^___________
Precisa-?e de om caixein que lenha pratica
de taberna : na roa da Aurora n o9.
FEITOR "
Precisi-se de uro feitor portugaei para tratar
de om pequeo sitio na Torre : na rna do Impe-
rador n. 13.
Ama de leite.
Precisase de urna ama de leite.: na ra d* Pe
nha n. Vf, i" andaf; pr ga-?e bem.
3
Ama.
iPrecisa-se de urna :.ma
33. 2 andar.
na ra do Vig&ria n.
Prcisa-se
de um criado para acompanhar urna pesson ;-?.-
o serio : a tratar na ra de lientas ns30, so-
brado. '
Ama
Precisare de una ama para ceziohar : na ru
do RargI n. 43.
Pedro Antonio Roberto faz scicnte ao respe-
.a>el publico que exismlo outra pessoa de Igual
nome, se assignar d'ora ero diaute por Pedr i
Emilio Roberto.
COMPRAS.
(.om muito naior vaniagero *ompram-sr
juro, prata e pedras preciosas c u obras reinas:r?.
loja de joias do Co-ai;u de Onrc n. i D, roa w.
i^abtiR.
Chumbo e estanho
velho.
Comprase em grandes e pequen* r-"rt;oes ; La
ra Nova n. II.
Compra se a ooHe dos Diarios de Ip
namlitrn, de oulubro o nuven b- ''le ano
neria iy,/Ographia.
O Co.-tt, proprietario i!o arniazm da Pedra
Hasmore ma das Crnzes n. W, i Berece por di-
nheiro contado o que de melhor h* r.c mercado,
per ler recebido niailos dos generas descrir: -"
pelo ultimo vapor.
Queijos flamergos do ultimo vapor a 2*800.
Biscoutos em caixirhas de configortf&es diver-
sas proprias para festas as erarlas.
Velas stearjnai a c0 r?. a libra.
Chtcolale de \S a lf80 a libr*.
Especial nanteiga igleza e fraw i
Hortsliccs para si pas de&OBlnad*" Inlienne,
subslilue pe felamcnte as mais fre'-' er'-as.
A verdadeira farinha americana *1o4l de c> '-'
propria a 320 rs. o maco d-> urna libra.
Bolaihirrhas de todas as qualidafn" dos rr.--
Ihures fabricantes.
Ervilbas francezas e prrtrjfneas.
Vinho de todas as qurlidades.
Especial e aromtico sabio o kilo.
Mnllio inglez.
Ameixas c marmeladas dos meftori ^ fabcaa-
tes.
Caf de M.ka.
Competencia
E-tamos na semana em que se t!c-? rech-r-
as dispensas ( tanto em grande come tro pequea
escala) de bons e escolhidos gneros preprua para
os grandes das de festa. Por esse motivo o CAM
POS da rus do Imperador n. 28, tero por meio
deste annuncio alisar nao mi ars Mmeroaos fre-
gae7es e amigos, como tamh'-m ao paMMO em %i-
da! que entra era cempetmeia cmn <.- sens colie-
gas.no f>'iiuivmen'o dos genere: sliojeotcios prc-
rrios a taes dispensas.
O CAMPOS espera >jue seu arroazea: sr-ja pr :
rido para es feruecimentes.
POR QUE SELLE
Encontrar-se-ha centinuadamente um esc
do sortimento de gaianlides alimentos e divtr-:-
cippes tanto para vmt o mo para br:nde?.
It.lt (JIR SELLE
Encontrr.r-sc-ha noitas si^l!df7nos ratos.
POR QUE SELLE
lia sempre a dispcicjio di a cenara dore?, om
portador cguro para a ctnduc-,ao d'.s gneros a
seu destines, de i.tro da c ,'a1e ee:-ta(-6es dos Cvi-
minhos de ferro.
S'estc est.ibeitcin.rnto encarrega-se de mandar
apromiit.tr presoolos e entro? qoaesquer manjares.
Bartholomeu & C.
Vinho, Pilulas, Xaropb Tintura
dk juruesba simples e ferruginoso ].,
Oleo, Pomadas Emplastro da misma
planta preparados por
BARTHOLOMEU & CA
PHARMACEUTICOS-DROOUrBTAr
PER4MBUCO
A Juruheba i eta plaota hoje reeoDhaciia
coala o mai psdaroao tnico, como a molbof
desobstrnsote.e como ul aplicada do padecimenu t
do ligados baco, bepatilet, darwas, tomsre inUr-
do e especialmente do tero, nidropeaia", arjtt-
pelta, rtc; e associada ao ferro i mil naa pailita
core, cblorosea e falla de meolraaco, dejarra-
ioi ilo estomago, etc., a o ion amera cora importa ole obtiitas om 10110
preparadof ja bem coufaecido asado pele mtii
distiaclot medico do pail Pertigal. Em todo m
lojio deposito diuiboimo graii folbotea nc
melhor fB coahiotr 1 Jaribtba tec rniiUto
pplieaeo.
IDE-E
um sitio com casa nao acabada no lugar denomi-
nado Agna Fra; o dito sitio tem IDO palmos de
frente e de fundo 472! a tratar no be eco dos Fer-
reiros n. 3.
Cavall-
X'ende-se nm liodo cavallo eistnho, muito be i
andador, proprio para passeio : para ver na* oo-
cheira do Sr. Pilarte, rus Ja Roda. _________
Cal Lisboa.
ltimamente ebegada, e rxais barata do qne ero
outra qualquer parte ; ra da Crui n. 52, e?-
criptorio dfl F. da Costa Maia.___________________
Vndese mais barato que em outra qual-
quer parte fumo de Garanhuns : na loja do so-
brado da ra do Rosario.da Br.#-vista ao sah.r
para qjteo da Santa Cruz n. 93, re8nat;5o )
Vileila.



M\-




/

i>\

\
v


*
6
Diario de Pei-nambuco Quinta feira 29 de !)ezenihn> de 1870
_____f_____ i r '*i c
i'

H
BAZAR DO PAVAO
60-RA DA IMPERATRK-60
DE
. PEREIRA DA SILVA G
Neste imof rante estabelecimento encontrar o respeitavel publico, am grande e variado sortimento de fazendas do mais
ipnrado gosto e todas do primera necssidade, qoe se venden mais baratas do que em outra qualquer part, visto que os no-
'08 socios desta firma, addptaram o systema de s veDderem DINHEIRO'; parapeiierem vender pelo costo, iimitando-se apenas
ganiiarpm o descont ; as pescas que negociara em pequea esca'a nesta loja earmazem podero fazer os seos sortimeatos
pelosmeamos precos que compram oas casas inglezas, (importadoras) e para maior commodidade das Exo>as. famllas sedarlo
mostras de todas as fazendas, ou Ibes levam em saas casas para escolherem.
PECHINCHAS
D0 -*
PAVAO
Ra da Imperatriz 60.
Para Tender depressa
LINDAS JAPONESAS PARA VESTIDOS A
A 500 RS.
Cbegou um elegante sortimento de lias-
TAPETES GROSDENAPLES PRETOS
Cnegou para o Bazar do Pavao o mais Chegoo para o Bazar do Pavao uto. grao-
elegante sortiment' de tapetes grandes, pa- de sortimento dos melbores grosdenaples
ra sofs, com 4 cadeiras, ditos mais peque- pretos que tem vindo ao mercado, que se
aos, para duas cadeiras, ditos para vendem de 1*600 at 5*000 o covado ;
piano8,ramaa, portas ; etc. vende-se por s3o todoa muito em conta.
meaos do que em nutra qualquer parte. ESPARTILHO.
ROUPAS PARA HOMENS No Bazar do Pavao recebeu-se um elegan-
No accreditado Ba ar do Pavio encontra- te sortimento dos mais modernos e melbo-
r o reepeitavel publico um grande sorti- res espartilbos, que se vendem por preco
ment de roupas para bomens tanto bran- moito em conta.
as como de cores, a saber: PANNOS DE CROCH PARA CADEIRAS
Camisas com peitos d'algodio e delinbo,
oara todos os precos e qna'idades.
Cerollas de linbo e algodao.
Meias curtas fraocezas e iDgLezas.
Palitos sobrecasacos de panno preto'e
case mira.
Calcas de brimJ)ranco e de cores
Ditas de casemiras pretas e de cores, com
oliles iguais
De to las estas roupas ha para todos os
precos e qoalidades, e tr-m de mais mais
am perito
ALFAIATE
Por quem se manda fazer com prestesa
a aceio qualquer peca de obra a capricho
ou goto do freguez, tendo n'este importan-
le estabelecimento todas as qualidades de
1WA BNUNGL
SeMpre a Xova Esperase1!
O Bazar do Pavio recebeu um grande .
sortimeBto dos melbores pannos de croch, mnas do JaP3 com padroes de seda e de
proprios para cadeiras de bataneo sofs, mnte boa qnalidade, que se vendem
j pianos, tamboretes e at proprios para cu-
brir almofadas e pratos; vendendo-se por
menos do que em qualquer parte.
No
PARA LENQOES
Bazar do Pavao vende-se su)eror
800 rs. o covado. pech'rcbi, no Bazar
do Pavio, ra da fmperairiz a. 60.
POUPELINAS DO JAPO A 1(1600 O COVADO.
Cbegou um elogante sortimento de lin-
dsimas poupelinas Japonizas, com os
panno fino, as melbores e mais moder-
aascaseroiras, assim como os melhores brins,
qur brancos, qur de c6r ; e quan^o qual-
quer obra n3o flear ioleiramente ao gosto
dos fregnezes G.a por conta do estabeleci-
mento
FUSTv/ES DE COR E BRANCOS
Veoden-se bunitos fustoes brancas e de
cores, Toprios para vestidos e roupas de
seamos, sendo de cores a 800 ris o cova-
do e brancos, a 400 e 640 ris, pe-
tincha, no Bazar do Pav3o ra da Impe-
rairiz n. 60
CHITAS BARATAS
a 200 ris.
a 200 reis.
a 200 re'rs.
Venlem-se chitas largas com meito bons
pannos e cores 8xa, pelo barato prego de
200 i is o covado ; cortes das raestnas com
10 covados a 250-0, pechincha, no Bazar
]0 Pa- 30
AS CASSAS DO PAVAO
Covado 200 ris.
a 200 reis.
a 200 ris,
Ver.dem-se bunias cassas do cores miu-
iiohsa palo barato preco de 200 ris oo
.ado, oo arnazem do Pavio ra da Im-
peratriz o 60.
PANNOS PARA SAI AS A 1*000, O METRO.
',; Cazar do Pav3o vende-se bonita- fa-
eeda iranca encorpada para saias, sendo
om babados e pregas ie um lado, dando
i largura da fazenda o compriuento da
Ma, a qual se pode fazer com 3 ou 3 lj2
>: i os e vende-se a 1*, 1*280 e 1**500;
sica -orno tambem no mesmo estabeleci-
i se vende bonitas sai brancas bor-
.-, tnio quatro pannos cada urna, lilas
'e -M de cores j promptas, urnas com
arras fferentes damesma fazenda 45000,
i outras com barras bordabas 65 e 7*00i,
tud) isto moderno e barato.
CARNAUBA.
Vende-se carnauba em saceos, na roa da
mperatriz n. 60. Bazar da Pav3o.
TARLATANAS LISTRADAS CORTE A 65500
Ch3g<-u para o Bazar do Pavio um bonito
sortimento de tarlataoas listadas, sendo
verdes, cor de rosa, lirio, tendo esta bo-
nita fazenda muita phantasia, e .liquida-se
:ada corte a 60500, pechincha"; na ra
da Im leratriz n. 60.
CASAQUINHOS DE GUIURE A 100, 120,
160, E 200.
Chegaram pva o Bazar do Pavo os
mais mtenos casaquinhos ou basquinas de
guipure com cintura, ricamente enfeitados
com lacos e vendem se pelo barato prego
de 105, l0 160, e 200, pechincha,
ra da Inpe.atriz n. 60.
LENgOS DE M0R1M A 30500 A DUZIA
Vendem -se duzias de lencos fioissimos,
branos de raorim, sendo fazenda muito
encorpada, a 30500 a dazia. Ditos de
cambraias finsimas, faienda que semore
se venieu a 50000 e liquida-se a 30500 a
dazia por havar muita por^So, no Bazar.do
Pavo a ra da Imperatriz o. 60.
CORTINADOS DO BAZAR DO PAVAO A
80 100 120 E 160
Cbegou urna grande remessa dos me-
lhores cortina los bordados, proprios para
camas e janellas, que se vendem pelo ba-
rato preco da 80, 100, 120, e 160, o par :
ra da Imperatriz n. 60.
MADAPOLAO ENFESTADO PECA A
30200
Vender-se pecas le malapolao francez
entestado, tendo 11 metros cada peca a
30200: pechincha no Bazar do Pavao,
ra da Imperatriz n. 60.
DAMXSCOS PARA COLCHAS
No Bazar do P?Jo, vende-se damasco
entestado com, bonitos dezenhos, tendo 6
palmos de largura, proprios para colchas,
pelo barato preco de 10280 cada covado,
dito, dito, com 8 pal os muito fino a
40000, assim como muito bonitas colchas
de damasco de 13 que se vende, na roja do
Pavao ra da Imperatriz n. 60.
RETALIIOS DE CHITAS E CASSAS PRE-
TAS.
No Bazar do Pavao vende-89 porg3o de
retalhos de caitas e cassas relas sam li-
mite no preco : ra da Imperatriz n. 6.
bramante d'algodao com 10 palmos de lar-mais delicados gostos, tende milito lustro
gura a 10800o metro, dilo de linho com ae com l'strinhas de seda, srado esta nova
mesma largura a 20800 cada metro, pannos jfazenda auasi da largura da cbita france-
ds linbodo portocom 3 1/2 palmos delargura za e vende-se pelo barato preco de 106OO
de 720at 10 a vara, assim como nmg, ande
sortimento ue H^mburgo ou cregueilas ie
todos os nmeros, precos ou qualidades,
que se vendem mais barato do que em oo-
tra qnalqner part; aproveitem-
% ATOALHADOS
No Bazar do Pavlo vende-se superior
atoalhado trancado, com 8 palmos de largu-
ra a 10600 o metro, dito de linho adamas-
cado o melhor que tem vindo ao mercado a
30500 o metro ; tudo isto muito barato.
FAZENDAS PARA LUTO
No Baz?r do Pav3o vende-se constante-
mente o melhor sortr-neuto de fazenda?
pretas para luto, como sejam :
Laasinbas retas lisas.
Cassas pretas de la.
Cassas pretas, francezas e inglezas, lisas
e com salpico?.
Chitas pretas de todas as qoalidades.
Alpacas pretas lisas.
Ditis lavradas com branco.
Merinos, caotihs, bombazinas. que so
vendem mais baratj do que em ootra qual-
quer parte.
CACHE-NEZ A 60000.
No Bazar do Jav3o vendem.se bonitos e
grandes cachi-nez de pura iaa, pelo bara-
to prec't ie 65000 cada am.
PEUICNCHA EM CAMBRAIAS VICTORIAS, A 50,
60, 70 8001.0.
Vende-se um expleodi o sortimento de
finissimas cambraias victorias, por precos
mais baratas do que em ootra qualquer
parte, tendo cada peca 10 jardas a 50, 60,
60500 e 70000, finissimas a 80500 ; todas
esias cambraias valem muito mais dinneiro
e liquidam-se por este preco em relac3o a
una grande compra qoe se fez no Bazar
do Pav3o.
BABAD1MHS
No Bazar do Pav3o vende-se om grande
sortimento dos mais finos babadinhos borda-
dos tapados e transparentes, assim como
urna grande porc5o de entrdmeios largos e
eslreitos, que para acabar se vende omito
em conta e mais barato do que em ootra
qualqoer parte.
3ETINS DE CORES E GROSDENAPLES.
No Bazar do Pav3o vende-se um sortimec-
10 completo dos melhores sellos e grosde-
aaples de todas as cftres, que se vendem
muito em conta.
Colchas brancas k 352' O, 30300 e 70000.
Para o Bazar do Pav3o cbegou nm grande
sortimento das melhores colchas pretas,
sendo das melhores e aais encorpadas qae
tem vindo 70000, ditas nm pouco mais
baixa 30500 e ditas 30200; tambem no
mesmo estabelecimento, se vende um grande
sortimento de crotones e chitas proprias
para colchas que se vendem mnito em conta.
Sedas de quadrinhos a 10280 ao covado
Vende-se um elegante sortimento de sedas
de quadrinhos, com lind ssimas cores, para
vestidos e roupas de meninos, e vende-se
10280 cada covado; pechincha no

Bazar
Vend--se
do PatfSo.
CHALES DE RENDA.
Chales 2500 >.
Chales 2000.
Chales 2000.
orna grande porcSo de chales
pretos de renda oo croch, sendo pretos
co n 4 ponas, fazenda qoe mpre se ven-
deu 50000 elijuidi-se a 20000 cada um,
pechincha no B.zar do ^av3o, a roa da
imperatriz n. 60
LINDAS BAREGES A 320 R3. O COVADO
No Bazar do Pav3o vende-se o mais bo-
nito'sort ment de finissimas bareges trans-
parentes c m as mais bonitas listas de cores
propria para vestido, e liquida-se a pataca
o covado por estarnos muito prximos da
festa ; ditas mesdadas, fa/enda moito lus-
trosa e com lindas cores a 400 ris o covado,
pe;hincha a ra da Imperatriz n. 60.
LENCOS DE <:ASSA DUZIA 30000
Vendeiu-se finissiunos lencos de cassa
com delicadas cerca loras, de c6r:s fixas
j emba ih'd s, sen lo proprio para bomens
e senhoras pelo baratissimo preco de 30O( O
a duzia, no Bazar do Pa\o a roa da Impe-
ratriz n. 60.
TOALHJvS A 70500
No Bazar do PavJo fez se orna grande
om.ra da toalnas 'alcocwadas, proprias
para rosto, bastite encarnadas e grandes,
jne sempre se venderam a 1125000, e li-
midam-se a 7500 a duziaon a 640 rs.
ada urna, bfa pechineda.
cada covado, no Bazar do Paao.
AS POPELLNAS DO PATO A 20000, O C0TAD0.
Cbegou para o Bazar do Pa\3o um bo-
nito sortimento das mais modernas e ele-
gantes ponpelinas de linho e seda, que se
vendem palo baratisfime preco de 20000
cada um covado, assim como ditas com
gostos escossezes a 20400, pechiucha do
Bazrr do Pavo.
SEDAS A 20000
Chegou u-a elegante sortimento de boni-
tas sedas dejistrinhas, com as cores mais no
vas qua tem* vindo ao mercado o veudem-se
a 20000 o covado, na ra da Imperatriz
Bazar do Pavao.
CRETONE FORTE A 20000 O SETRO
S do Bazar do Pavao.
Chegou o vardadeiro cretone francez pro-
prio para lencoes rendo 10 pa'mos de lar-
gura, e muifoencorpado, seado'pretis ape-
nas para cada letcol 1 'Aou 1 '/j metros, alm
d'esta appli;ac5o tambem esta larga e en-
corpada fazendapropriapara toaIhas,saias,
ceroulas, etc. e liquida-se pelo barato pre-
co de 20000 cada metro.
CASEMIRAS A 20500 CADA COVADO
No Bazar do Pavo vende-se um grande
sortimento le bonitas casemirasde orna
cor, sendo aful, li io, mesclada, sendo de
duas larguras, proprias para calcas, palitos,
e roupas para menino, e vendem se pelo
barato preco de?05OO o covado, roa da
Imperatriz n. 60.
BONITAS LASINHAS A 500 RS. O COVADO,
Vende-se delicadas laasinbas com diffe-
rentes gosto pelo barato preco de 500 rs.
o covado, no Bazar do Pavao.
ALPACAS BRANCAS.
Vende-se um bonito sortimento de finis-
simas alpacas branaas lavradas imitaeo
de seda, proprias para vestidos de baile cu
pasamentos no Bazar do Pavao.
ALPACAS LAVRADAS A 400, 360 E 640 RS.
Vende-se um grande sortimento de lin-
das alpacas lavradas de todas ss cores para
vestidos e vendem-se a 400, 550 e 640
e at mil e tantos res o covado, no Bazar
do Pavao.
BAREGES DE QADRDfllOS A 600 RS. O COVADO
Vende-se as mais lindas e moderdas 13ar
sinbas ou bareges de qoadrinhos, proprios
para vestidos, tendo qoasi largora de cbita
frsnceza. e liqoida-se a 640 rs. o covado,
no Bazar do Pavao.
MERINOS DE CORES PARA VESTIDOS.
Vende-se bonitos merinos de urna so
cor com cores muito proprios para vestido
o roupas para creancas por ser urna fazen-
da de pura 13a e msito leve, vende-se a 10
o covado, no Bazar do Pavo.
GLACS A 10000 PARA VESTIDOS.
Vende-se am elegante sortimento desta
nova fazenda denominada glacs sendo urna
fazenda de 13a muito larga e com delica-
dsimas cores, tendo tanto brilbo como a
seda e vende-se pelo barato preco de 10,
3 covado, no Bazar do Pavao.
CASEMIRAS A 70000 n
Vendem-se cortes de casemira ingleza de
cores para calcas sendo fazenda que vale
muito mais dinneiro e liquida-se a 70000
o corte de calca, no Bazar do Pavo a ra
da Imperatriz n. 60.
GRANDE PECHINCHA EM CAMBRAIAS TRANSPA-!
RENTES A 40, 50,60, 80, E 100000
Vende-se finissimas cambraias suissas, de
muita phantasia. tendo 9 varas a 80500 e
100000. Ditas bispo com 10 jardas fazen-
da muito fina a 50, 60 e 70000. Ditas fi-
nissimas azuladinhas, que valem muito mais
dinheiro, a 80. e 100000: todas estas cam-
braias, em relacao a qualidade, pelos pre-
cos cima s3o mais baratas do que em ou-
tra qualquer parte, no Bazr do Pavlo.
CAMBRAIA ALLEMA COM 8 PALMOS DE LAR-
GURA A U600, U E JJ500.
Vende-se fiaissima camhraia branca tran-
pa-ente com 8 palmos de largura, que faci-
lita fazer-se om vestido apenas com 4
varas e Hquida-se a 10600,- 20 e 20500 a
vara, fazenda que vale moito mais dinheiro.
E pechincha n Bazar do PavSo.
CAMBRAIA TRANSPARENTE
- Peca a 40000
Vende-se muito finas pecas de cambraias
brancas transparentes, tendo8 1[2 varas ca-
da peca e com om vara de largura a 40
pechincha, no Bazar do PavJo
pre a Aova k*u<
AOBELIOSEXO.
Esta loja bem coohecida pela sua elegancia e
juperkwidaile de saos objecUs, acaba de recebar
amitos artigo* para o que respetosamente convida
ao bello sexo a vitita-la, aiimdecoroprarem aquit-
lo que precisaren para preparos de vestidos toi-
lele oo tocadores, e mesmo qualquer objecto para
faxer algum prezente.. Jpols ijae s j na Nova E-pe-
ranca (carao sulisfeitos, j peta qnalidade e pre-
cos razoaveit, e mesmo por qoa a Nova Esperan-
za ufana-e^m nao se impacientar em dar a es-
colher os objecto?, prestando-fe com o agrado
, ,ra que costuna receber a todos, aflm de qae
saibam cort o Qrme proposito de voitarem ou
mandaren! a mesma loja, log qoe precisen) de
ijual mer artigo por p'nucno que seja.
LUVA8 ;DE PELLICA.
Recebeu as de Li-boa a Nova E^peranfa para
horaeos, senhora e menino?, sendo-brancas e de
cores.
NOVIDADE.
Bico de qnipnre preto om branco, a Nova Es-
peranca f quem tem I 11
Caixas para jolas.
A Nova Eporanga recebeu boas caixas de san
dalo para guardar joias.
Fitas largas para cintos.
Receben as de mnitas qualidades a Nova Espe
ranea.
Para extinguir panos ou sardas.
k Nova Esperanca tem leite de rosas brancas.
Para tingir cabellos.
Tem a Nova Esperanca a verdadeira tinta in-
gleza.
Para refrescar a pelle e aformozia-la.
A Nova Esperanca roa Duque de Caxia3 n. 63,
vende verdadeira albina branca de Lais.
Perfumaras
As melbores, e do mais conhecido fabricante,
tanto francez como inglez, esto expoetas venda
na ra Duque de Caxias n. 63, na Nova Espe-
ranca.
Extractos, banha, oleo, jabonetes, agoas de co-
lonia, de laranja, florida a de lavande, etc., etc.,
tudo de superior qualid?c*e : vende-se na Nova
Esperanca ra Duque de Caxias n. 63.
T f .?

A Nova Esperanza, a ra Dnqne de Caxias n.
63, receben um lindo sortimento de l para bor
dar, vindo as cores mais procuradas, branca, pre
ta, escarate etc. etc. a ella antes que se acabe t
Aos cigarreiros.
A Nova Esperanca vende papel para cigarros
(Mais) a 4*400 a caixlnba barato
Agora sim
mm\m para
c
Acaban de chegar ao GRANDE BAZAR
UNIVERSAL, ra Nova n. cmuveiro
viandaum~toapIeto sortimento de ma
chinas para costara, dos autores mais co-
nhecidos, as quses esUSo em exposiclo no
mesmo Bazar, garantindos-e a sua boa qua-
lidade, e tambem ensina-se com perfeico
a todos os compradores. Estas machinas
s3o iguaes no seu trabalbo ao do 30costa-
reirs diariamenta, e a sua perfeico tal
como da melhor costureira de-Paris. Apre-
senm-se trabalhos executados pelas mes-
mas, que muito devem agradar aos preten
dentes.
tervej branc i e preta
DA
MiH1Z
engarrafada por
Bloodo Wolfe & C.
especialmente i ara o Brasil
UNICS AGENTES EM PERNAM8UC0.
J. Je feries tic C.
46 Ra do Coramercio 46.
Aviso importante.
Na cidade de Olinda, ra da Ribeira, defronte
da cadeia, sobrado n. 10, vende-se por preco com-
moda, como observar o comprador, doce de dif-
erentes qualidades, nao sroente secco como de
calda, em pequea quantidade, e tambem em por-
c5es maiores ; e ahi mesmo se preparara caixas
coro, ou sem enfeites de diversas qualidades de
doce, como de caj, de sidra, de laranja etc. :
Quera qoizer vi ver, e si certificar da verdado
deque flea exposto.
Pechiocha sem igual.
Vende-se um excellente burro novo de cor roca,
com crinas araarelladas, muito andador, chegado
ha pouco do sertao, pela insignificante quantia
de 751000. Sua dona desfaz-se do mesmo por ter
de seguir no prximo vapor para a Europa c per se
achar o ra>smo animal achacado dos ps : na ra
Duque de Caxias n. 9, andar.
WM
dita*
Quafldo a AfiUIA BRRNCA, mais precisa seteetifear ao HipeUaTn
geral, e em particular a sua boa freguezia, da immensiflade de obfectojHjM u_
te tem recebtdo, & jostamente?quando ella menos o pode fazer e poique assa'fafta i
luntana ella confia e espera na benevolencia de todos qu lh*a attenderSo e ifllefi
continoando portanto a dirigirem-w a bem conhecida leja da AGUIA BRAffCA ro di
QoBjmMo n. 8, onde sempre acharo abundancia em sortimento de superioridade e
qualidades, modicidade em precos e o seu nunca desmenttido AGRADOSINCERIDAJ.
Do que cima flea dito se conhece que o tempo de que a AGIA BRANC1 poda
dispor, empregado apezar de seuscustos no desempenho de bem servir a aquelles aue t
honram procurando prover-se em dita loja do que necessitam, entretanto sem ennnmal
rar os objecto que por ana natareza sao mais conhecidos ali, ella resnmidajnente indi-
car aquelles cuja importancia, elegancia e novidaderos tornam recommendaveii, coni
bem seja :
Corpinhos de cambraia, primorosamente
enfeitados com fitas de setim e obras essas
cuja novidade de molde e perfeico de ador-
nos os tornam apreciados.
Fitas mni largas de diversas cores e qua-
lidades para cintos.
Leques uesse objecto muito se pedera
dizer queFendo descreve-los minuciosamente
por suas qualidades, coree e desenhos, tal
o grande e,variado sortimento que acaba
de chegar, mas para nao massar o preten-
dente se lhe apresentar o que poder de
melhor.
Entremeios em pecas de 12 tiras.
Guipure branco e preto de diversas qua-
lidades e desenhos.
Ditos de algodao com flores e lisos.
Veos de seda para chapelinas e monta-
ra.
Meias de.seda para noivas.
Ditas abortas de fio de Escossia.
Costomes on uniformes para meninos.
Enxovaes completos para baptisado.
Touquinhas de fil, sapatinhos bordados
e meis para ditos.
Camisinhaa bordadas para ditos.
Capailas brancas para meninas.
Grande sortimento de flores finas.
Fil de seda preto.
PERFUMARA
Grande e constante sortimento de
sempre melhor qualidade.
Lindos vasos com pos d arroz e pinsel.
Ccixinhas com ditos aromticos.
Bonitos e modernos pentes dourados pa>
ra circular o coque.
Bonitos brincos de plaqueo.
Aderecos e brincos de madrepero/
Caivetes finos para abrir latas.
Thesooras para frisar flabadinhci.
Aspas para balao.
Novos stereoscopos com 48 vistas, u
quaes sio movidas por nm machinin*
ornas substituem as outras.
Vistas para stereoscopos.
Bonitas caixinhas devidro enfeitados co
pedraa.
Ditas deraadeira envero isa da com viip
ras e com dminos,
Bollas de borracha para brioqoedo it
enancas.
Diversos objectos de porcelana, proprio*
para enfeits de mesa e de lapiDhai".

i
3
-i
J
O
N. 3 A1114 DO GABII6.41\ SA.
MlulM
t3
CO
Com este titulo acha-se aberto inteiramente transformado este antigo
estabelecimento de joias, onde os fregnezes e amigos encontrarlo todo quanto
a moda e o bom gosto tem inventado na arte de ourivesaria, o Collar de Ouro
observar delicadeza no trato e senciridade e modecidade nos precos.
Espera que o respeitavel publico venha ver o que existe de melhor em
aderocos de brilhantes, esmeraldas, robins e perolas, meios aderecos, pul-
ceiras, brincos, alfinetes e anneis de todas as qualidades, prata de lei faquei-
ros, colheres, paliteiros salvas e outros muitos objectos que seria enfadonho
mencionar.
Compra-se ouro, prata, brilhantes e pedras finas, pormaior preco do
qu era outra qualquer parte, troca-se e eoncerta-se todo e qualquer objecto
perteneente a esta arte.
A ARA
ATTENCO
Louresco Pereira Mondes Guimaraes, participa a todos os sena devedort
tanta da praca eomo do mato, que estando 1 qoidando suas casas commerciaes. o qo
deve fazer at o fim do correte anno, por laso roga a todos os seos devedorea a vire
saldar seus debitas o mais breve possivel; ontro sim, declara aos seos devedore?, qua
os que n5o estiverem na loja tem de pagar todos os seus dbitos, provando isto se fart
o abatimento que for preciso para a liqnidaco de suas dividas, para isto DOdero di-
ng-8e roa da Imperatriz n, 72, loja da Arara.
Ao resto das pechinchas
Vende-se cortes de castores, para calcas, I balks: nn argos a IJOOO.
lVftf' rts ^ bnns de cores a Vende-se bales de i5 a 30 arcos a i#
i,J;>o ^cortes de gangas para calcas a !& s 1^500 cada um. Cortes de csasas en
Canieiros e gazeeo-
% nomico
Acaba de chegar nova remes.-a dos t.o deseja-
dos candieiros todo de porcolana os quaes muito
se acommodam pela seguranza, acceio e economa,
e ainda pela excellente luz preferivcl mil vezes ao
kerosene: venham antes que se acabem, nico
deposito da ra larga do Rosario n. 81, botica.
Cylindros para nadara do melhor systema ame-
ricano : vende-se a mdico preco no armazera de
Jos Duarte da Neves no caes do Apollo n. 69.
Vende-ae lentilhas muito novas de Ham-
bnrgo, em arrobas, em saceos de 15 libras e em
libras ; na padaria da roa da Guia n. 56.
Caixilhos
Vende-se r4 parelhas de caixilhos de amarello
em bom estado, com vidro : na roa Augusta nu-
mero 78.
J
A' ra da Imperatriz
n. 60.
B azar, do Pavao sito a ra da impera*Iz n. 80, esta1 constantemente aberto
das 6 horas da mantia as % da noute,
Sal do ss
Vende-ie a bordo do "brlgae Olinda fundeado
fronte do caes do Porte do Mattos: a tratar a
roa do Vigario n. 1, andar.
Fundidlo da Aurora.
Neste estabeleeimento se vendem tixas de ferro
batido mais bem construidas do que as que vera
de fra a 240 rs. a libra ; sortimento completo.
Vende-se superior vinho 'de cnampagne em
caixas de guarrafas e meias ditas por. preco mais
commodo do que em outra qualquer parte em
frente da alfandega, armazera de Sr. Annes.
cortes de casemiras preta para calcas a
34BOO, 5*6 65000.
Cartea ir chitas a 2:500.
Vende-se cortes de chita* para vestipos
3 ?lrT' Ditoa de cassa Para Tesudos a
Pechincha a 4(5000.
Vende-se pacasgde algodao a"4*. 5*. 6*
e 7 Para liquidar a 3>00.|
Pecas de madapoiao com 12 jardas a
3*500. Ditas de dito com 24 jardas a 56,
W, 6*500, 7&, 86 e 9*000.
LIQUIDADO.
Pecas de algodaosiobo de listra proprio
para roupas de escravos com 42 jardas a
6^300 e covado 160 rs. p..ra liquidar.
Cbitas escuras para vestidos a 280, 320
e 360 rs. o covado.
Para acabar.
Vende-se pecas de cambraias victoria, fi-
na a 6*, 6500 a 75000.
S' muit. barato. .
Colarinhos de papel a 240 rs. a duzia.
Ctrtiaados para jaiellas a 5*000.
Vende-se cortinapos para jaoellas a 5*
o par. Brim pardo liso para calca de ser-
vico a 500 rs e metro.
Cortes de percales a 6*000.
Vende-se cortes de percales d duas
saias de bonitas barras a 6*000.
Cobertas de chita.
Vende-se a 1*500,. ditas fioai a 2*500,
ditas encarnadas e adamascadas a 3*500,
ditas forradas 5*000.
Gangas para calcas a 280 o covado.
Brim de listra ao lado para calcas a 400
rs. o covado.
Lencos brancos a 2*000 a dazia, para li-
quidar ; grande porc5o de mantas para
gravatas a 200 rs. cada urna para !iquidar.
Cassas francezas a 280 rs.
Vende-se cassas fraocezas para vestidos
a 280 e 320 rs. o covado.
Organdys de cores para vestidos a 400
e 640 o covado.
Alpacas de cores para vestidos a 500 e
640 rs. o covado.
Liasinhas para vestidos a 320, 400 e 520
rs. o'covado.
um.
papel a 2*500 cada um, para liquidar.
Bramante de linbo e algodio cem 10 pal-
mos, de largura o 1*800 o metro.
Panno de Moho a 760.
Vende-se bramante de 10 palmes de lar*
Sara proprio para lences a 2*800 o metro>
Lencos de seda a 800 re.
Vende-se urna porfo de lencos de seda
a 800 rs. cada am,
Chales da cassa a 15000.
Vende-se urna granbe porcio de chalet
de cassa a 1*000 cada nm, para liquidar.
Fustao a 360 rs.
Vende-se fosiao de cores para vestidos
a 360 rs. o covado.
Algodao enfestado a 900 re.
Vende-se algodio enfestado para lencoea
e toalnas a 900 rs. o metro, dito transa-
do a 1*200 o metro.
Chales de aerii estancadas a 2*000.
Vende-se cnales de merino estampado*
com barras a 2*, 2*500 e 3* para acaba/
Grande porcao d retalhos.
Vende-se grande porcio de refalhoi da
cassas e cbitas a 240 re. o covado.
A festa est na porta
Roupa feita encontrarlo
Por precinho razoavel
Todos se enronparao.
A SABER :
Liqnidaeie de roupa feita.
. Vende-se paltots de brinsinbo de li-aha
propiio para andar em casa a 1*500 ; di*
tos de ganga a 25000 ; ditos de meia ca
sentir a 3000 ; ditos de. alpaca de cor
a 3*500 e 4*000; ditos de panno fina
preto a 6*. 8* e 10*000 ; ditos de case*
miras de cores, a 6* e 8*000 ; colletea
de cassinetas de cores, a 1*500 ; ditos da
brins de quadrinhos a 1*000; ditos de ca-
semiras de cores, a 2*500, 3* e 4*000.
Calcas azues para escravos a 500 re.; ditas
da algodaosinho de listra a 800 rs. ; ditas
de brim parios 1*600, 25e 2*500 ; d>
tas de dito branco de linho a 3*500 e 4* ;
ditas de casemiras de cores a 5*, 6*, 7*
e 8*000 ; camisas de chita a 1*000; di-
tas de algodiosinho, proprias para o ser-
vico por ser fazenda forte, a 1*280; ditas
de mosu'ina a 1*600 re. Para liquidar.
O proprietario da loja denominado Arara, declaa ao respeitavel publico e a o a
seus fregnezes que esta conclaindo sua liqoidacao, por isso quem qoizer mnnir-se di
boas fazendas por pouco dinheiro tenha a bondade de irigir- dr ^rua da Imperatriz u,
72, desde as 6 horas da maobaa as 9 da noute.



1
N
-
r


\
m


ti

M i.KI
Diano de i ernuinluca Quhila eira 29 de Dezembro de ia?0.
Venhaaiv regiieases,
mnnir-se ru thjque de Caxis (antga-
mmty rua das Crujes), sobrado das pe-
caste art'dfteYia n. 6.
Heste novo* e^afcotefmentb encontr.-Tfo os ama
*or9*o sgai ftwae sabwnsa os melJior ob-
lacios de. barra, p h* se aeia provid* de todo o
or manto como sejam': quarlial.as dos melhors
fabricantes desla provincia, jaras, nnrngueJ
resfrldores, frUia*, garrafas pulidas e torneadas
todo do melh.T bany gosto} nsfim como jarra'
potes, quarliuhas, bufet*, jarros o vasos para (1)-
rej, louca viJrada du tods s> qualidados, e roo-
tos outros objectos sem serem pilidos, ludo de uti-
lidad" para .19 casas de ramilla*
iiiiiil
.rta^ a em ^US MM.'ali!j de outros
*. ase neg0 ,0 rrgalar> os seguimos, que
stao vendendo a precos mais baratos qo<- era ou-
ira gualquer parto :
PORTAS de pinho alrmfadadas.
PDinnk0 ein S*C608 8ranJ*s a 35300.
t? de ferro para cercados.
pI vtILR jS Lda ,udia P81''1 cama e forrar sala'-
-SJr de barro rance'- para escoto.
!*r?tpviup<,ri"r m aricas e ^ arrobas. '
LhBEXTO do todas as quadades baixos
PTSCOS.
"^CHINAS de de?carocar alpodao.
BARIUS grandes enm peixo da Suecia.
LONAS e briotdes da Rusta
enrr1^ americanos para forro do cirros.
S.V5 Jarericauos muil bons e econmicos.
viMJO de Bordeaux em caixas.
COGNAC superior de Gautier Freres.
MILHO de Fernando a 3 o gaceo.
AGUA florida)
BARRIS do carne salgada de porco e do vaca
' i- >. rv'1 1 ': "sTr:
xw*imm;mmaemmm?MVvm
-
7
umi
'portas n. 53, rua Direita, 3 p ras n, 53, anliya
loja dt Braga
nJLab.a rr.lt r? P ?s da E,uroPa os tnelhores objectos de sen estabi-kcimenlo dos fobriruiiM
a,>emDsherv1r:dPn?^T;da 8 re?P,aveI fnMtefl iSS,ef i
rm r,Xa !,f!f objectos de sua carencia, oende encontrarlo por menes JO OO t - quadades e precos, ba
de ferro, ac, e agulha para fogueleiro ; ass'im
I.OJA
DO
Si
tina
E eT fo,!0A minh0S Pira ^ tod^s oriam^ho^ da fSa d"J.pf esTg.'
a^i^?69 e d>eJDJm> lanl0 in*lwas eomo 'ranceas, louca do porcelana Lea e Arfos
c^et^

PRECIOSA DESGOBERTA
,ma ? J'0N?X) DELSUC'qoe-hoje presenta aapublico, depois.porm de tim severo
Km,.' P bnlbante lustro que produz nos cate los, tirando immedia lamen-
te todas as caspas e coce.ras, fazendo com que annareca cm hnm ^IST
.- que appareca cm bom estar impagavel.
sta agua compoe-se de substancias cuidadosamento
sahiam a lez
novas msicas para piano.
* Daose dos negres do maestro Cazalbore.
Mirgarida, linda schoilisch.
Urna folia a liorna, qnadrillia.
LUNDS
Dansas paraguayas.
I1 H.ibanera.
2a Los negros.
8a Voites de Loque.
i1 I'dlomita paraguaya.
Tambero reiebeu as sepuinles:
A opera Guaran/, e os raehores pedamos
da mesma ppra piano e piano e canto.
Quadrilhas
WaJiis
oonfeccionadai como maior ^oT^^TZZ^^o PUr6eadaS'
urna accao verdaderamente efficaz. consoladora, e benigna
nc Mha,)errama"ee8ta a^ua Da cabeca. e esfrega se levemente ;
os cabellos limpos e com nm brilho magnifico.
tal a dar-lhe
immcdiaUmeiite ficam
Rua da Imperatriz n. "2
< este aovae f-iiirrtooso es(abe!eeiarn!o d- fazenias acaba de checar direcs
me fe oa Europa o tnafx txplendido form^nio de fc*irtas p-opr.au para a t,sti% tacto
para d. mens, como pata senboras; descrever o espe ilcar o quo de ifioderno e de maii
apura io gosto ne!|ft M fi.conlra seria imprssive ; tn.ia para que se possa f^er
n ximada H>, mencionaremos cem especiali ade :
H;c s cortes le vesli "os para casamento, chegado; no thitc vacor.
Hi'os diius de ditos de seda de>eohos itiieiraneeote oovos.
"i-a dbs de din s de la ci-m barras, fazeuda inlciramctite nova.
vesudoa de eambraia para baptisado.
Popelinas d seda ds gostoi mais modornoi, variado
cassas ae cores, lindos e modernos desenhos.
Sedas lisa, latndas, pretas e de corea.
Cretone para vestidos, modernos g stos.
Alpacas de ero?, impossivel des'reter a varieda-le de grsios t p^dfes
Lilias fins,caras, escoras,pretas. i-idekrij.iivd o variadsimo snrtimenD.
vicale f lt mn brrdadas para seolioras, grande qoaniidade de gostos.
(-.amuinhas bordadas para senhoras muito moletuas, g-at:de Tariedade
hniremetos e liras bordadas ero todas as larguras.
orlimeuti de cimbraia?, e
r.o
Deposito
somonte em casa do autor, Andr Delsa cabeileireiro de Paria
Kua Io de Bffanp (antiga Cropo) n. 7 A Io andar
E
y
polkas
Qoadrilbas:
Riselle.
Satn.
Jardim das Fadae.
Hen
Capenga, Careca C.
Homens o mar.
Juventude Commercial.
Rocaaibok5.
Ponte do Diabo.
Tenente do Diabo.
Imperal marinbeiro.
A sultana ctimo c linda.
Independencia das senhoras.
O Club X.
Regresso do conde d'Eu.
Caminho do ferro.
Guaran?.
Walsas;
Sonho dtf virgen).
Voluvel.
Dansa d'amor.
Ultimas walsas de uai doido.
Anjo da meia noite.
Garnasraleaca.
Goarany.
Polkas :
Cabrio.
GorgH:) do .
Bulirosa.
Capenga n5o forma.
Querida por todos.
A rival.
Por todos querida.
Zas Trz. r
Palomita paraguaya.
Bismsrk.
Moreninba.
Surpreza.
Chora pitanga.
Gloria.
Goarany.
A venda no armazem de pianos e msi-
cas doAzcvedo, rua Nova n. H, boje rua
do Bar3o da Victoria.
NOTICIA
isoiiTEiRn
Veio operar^ urna completa revoluq3o no artiffcT^
Tinta para escrever.
O Bazar da Moda receben novo sor'men-
to de fazendas do ultimo gosto para vesti-
dos, assiin como chapeoeinhos, casacos,
borns, coques, camisinbas, etc. etc
Continua sempre o graDdo e afamado sor
tmenlo do miedezas e perfumaras verda-
deras, que todo se vende por baratissimos
presos.
Dam-se amostras e manda-o em casa das
Exmas. familias o que desejarem, rua do
Bar5o da Victoria, ootr'ora Nova.
Camisas para bomem, bordadas, lisas, e colerinos, completo sortmento
Lencos de eambraia bordados, lisos ed barras. '
os tosCb3S de ve,lud0\Palha' n,c,ln- fiUro> 98 t:> de mais moderno e lindissim.
Cortinados bi rd.idos, e ricas colchas do seda, e de crochet.
Bareg-s de piiannsia, hienda propria"para.baile.
Tariatroaa de cores com palmas lindissitncs gos^s.
Burns de Gires para senhoras.
Gravatas par* horneas, grande sortimen:o e?a iiios e c- res.
Bretanhas, esgoiao e bramante de todas as larguras.
Laazinbas dt> rnodcrni padroes e .iodos gostos.
Metim da fcia fazeuda inteiramenla nova para vrstiiosede lindo effeito.
I'in:.lmen:erear.c =s!e estabe'e.irnto indo que de aelhore mais moderno se pode
encontrar ero fazendas como ero perfuoiarias finaf, d,s quaes tero uro completo sor-
AOSCAVALHEItOS
OlTerece.gua>ffienie a vanlagem deeoconlra.em neste esta&el ciroeuto:
Panoos finos, piolsedj cores.
Casemiras pretas finas, e ricos gorgoroes para collete.
Ditas de cores, de quadvos, lisos e d; listr.s, completo sriimcnto
Bans brancos de hnho du tudas as qualilades.
Ditos de cores, lisos e trancados, fan :e sorlimento.
Um hbil artiga para corUr e dirigir q >a!q-ier ol-r.., que s se entrega a contento
Urna modista igualmente i ecupa ia nos iraxlbos do PAVILHO DA AURORA, di-
rige os que loe sao concernenies.apromptando a capricho qialquer TOILET, garntin-
do-se a mais completa perfeico nos seus trablbos.
Em resumo coneluimos
Por chamar attenejo do respciUtel publico para o nosso estabelecimento, que alm
TiifMTA nqae se p0',e de8f"J'arem faodas e perfamarias tem o mais CMPLFTO SOR-
I1V1ENT0 DE ROUPA FEITA, pa^a bomens e meninos. Mandam-se as fazendas em
casa das Exmas. f?.rot1i2s, e dam-se amostras.
Um completo sortimento de esteirasda India, por menos preco qua em oulra q-ial-
qoer parte. ~ '
Aberta das 6 horas da manhaa s 9 horas da noute.
Rival sem segundo,
RUA DUQUE Ol CAXIS K. 4
(Anligaraa do (jHwmado)
Contina a vender tudo muito bom e
muito barato a saber:
Libras de areia preta muito boo. (20
Tesouras finas para unhas e co tu-
ra a.......... 500
,, Asua cor hndissima-e n5o precisa de cuidado algum para se conservar no
tnteiro sempre com a mesma cor, sem borra, crsla, bolr ou semi toda ^essas mazeT
SriS6?" ldaS aS UDtaS al ag0ra COnhecidas' aDda mesmo os melboos autores
Sobretodo, este estimavel producto nao ataca as pcjmas de aCo, antes pelo con-
Fareto mnini novo, saccas grande?, e eai mu
bom em grandes e pequeas pereces : todo 100I
precos raioave.,. no .-.nnaze'de^atheas Ao>up
na rua da s.nraia Velha n. 106.
AC.
.Veidu-.-e
aguas em Fra
d?VaM ,erre* e duas meias
e i ortas na rna do Pilar
tratar na rua bram r^Bj. 3. antJg" r"*r a
GtZ jtZ fiA
.Ohoo ao aatigo deporto de ean Poraltr
d, roa do Imperador, njn carrWento d ^
estrangeiro?
Sobr
original fiqtre prejudicado pelas extraccoes. oe.ejam, sem que o
Occorre aqu dizer que, para copiar importa muila intellicencia e hahili(|a,ia nm
o que a melhor Unta n5o satisfaz, e o defeito recae sempre Xe a finta une mni S
vezes e qoem menos colpa tem. qoe maUas
A dopla qualidade desta linfa extremamente spreciavel' nois .>,
Cm ^'fc^nT[0I\h*>>o q^ema tinta paraP0|" -rsa miilSl ^
a ^i ^mqaanto saa dorabilidade, nao ba a oppra menor duvida ois au u im.
K tW ,,oft1 Ch,?qne de acidos f0 "ssimos, sera se decompfi? ora n a
rplSnsfre.tCm "** Sbre e"a' mil meD0S a W d0 ,tmPO a P^alnS': Uto
iin- y\?6J SIU,aeCD 1Qe este me producto veio ser til: os Drofe^orw do*
collegios, investigando lodos os meios para o ad:antmento dos seos mffin? S
aprove.tado esta Unta, que com lailo'aacharam apia para tocSS To n?
liquidez. Ha exemplos de criancas nno K"-:- :i
Papis de agulhas francezas a ba-
lo a......... 60
Caixas com seis sabonetes de frua" 10000
Libras do la para bordar de todas
as cores a....... 80000
Carrileis de linha Alexandre a. iOO
Frascos com azeite para machinas 500
Gravatas de coresemuito finas a 500
Grozas de botesf madepersla fi-
nissimos a .' 500
Novello de linba de 400 jardas a. 60
Caixas com 100 envelopes muito
superiores a...... 600
Pentcs volteados para meninas a. 240
Tinteiros com tinta preta a 80 rs. e 100
Pecas de fita elstica muito Una a 200
Lata com superior banha a 100 e. 200
Frascos de oleo Philocomo muilo
fino a.........i 500
Frascos de macaca perola a. 240
Frascos de extracto muito bonitos a 500
Duzia do sabonetes muilo finos a. 720
Sabonetes inglezes a 600 rs. e. 10200
Frasco com agua de colonia Pivera 500
Dito de oleo baboza a..... 500
Caixas de lamparinas a. 40
Sabonetes a forma menino muito
superiores a....... 240
Larthas da doutrina fazenda nova a 400
Libras de linba soiiidas de todos os
nmeros a....... 10800
Capachos muito bonitos e grandes a
Carriteis de retroz preto, com 2
oitavas a........
Agulheiros de osso enfeitados a,
Libra de linha franceza superior
qualidade a. ...... .
Ricas touquinhas de fil para me-
ninos a
Botinas de epuro para meninos a
Caixas com sgulhas de fundo
dourado a
Pecas de tiras bordadas muito fi-
a 500, 600, 800 e
700
640
240
20420
200
20500
240
10000
Vende-se sement de coentro e alface muito
novas : na roa da Guia n 7, taberna.
que havia muito terapo tinhm u
-.- Vw.ia, wtju mu, iindmillidaesla tinta no colleok). anederon-
a MMtoM gosto, epouco lempo depoisoseu adianUmeL'eramSsto.
E>ta tinta, par de tantas vantagens, tem om i nico in ieriora
Z'T.'TJVT* qDa,quer; convm Pis ,"Ia em tic,fciros sentoa do menor NSum.
bre de oulra tinta e evitar escrever com a peona suja de urna preparacao SieiS *
Observado.
Diversas falsificacoes e semebangaa temanparecido.cii&dofiitdaAAin.;^^
4-C. Montero.
- E. R. Rabello A C. tem para vender em sen
escriptorio rua do Commereio n. 48, o seguinle:
Vinho branco.de Bucellas especial.
Dito tinto particular.
Dito do Porto multo fino em caixas.
Dito da Figueira superior.
Dito Madeira secco especial
Mercutio.
Retroi.
Cera em velas.
Cachimbos do gesso. Tudo por precos raia-
veis.
Vende-seum exeellente piano horiiontal pro-
prio para principiante, por preco muito commodo :
na rna do Livramento n. 34.
ATTENCAO
Ko armazem da rua do Brom-a. 9t, tem para
vender pre^o commodos, o seguate :
Parinha de mandioca de Porto Alegre em sac-
eos grandes.
Vmbo floe do Piirtos-em caixas.
Dotiueles de ballanco para niales e baroacas
Bacas de louca para cozinba.
Vepda-se um sitio na Boa-viageo com 200
ptinos de frente e 900 de fundo, eom algumas ar-
vores de fructo, tendo urna boa casa de lijlo mui-
to fresca, com 2 salas, G quartos e eounha ra,
a sauacao excedente.: a traur na Ilha dos Ra-
los, roa era egaimenio a pinte de Sania babel,
casa n. 4, ou rua do Imperador n. 83
Vende-te
Ps de resalas de varias quadades,
assim como de sapoti, abacate, figuoiras,
laranja cravo, e pinheira, por precn rasoa-
ve!: a tratar na Boa-Vista a roa do Visconde
de Goyanna n. 51 (oulr'ora do Mondego.
Rival sem segundo
RUA DO DUQUE DE CAXIAS N. 49
Estou disposlo a continuar a vender toda*
as miudezas pelos baratissimos precos abai-
xo declarados, garantindo tudo bom e pre-
cos admirados.
Duzias de palitos seguraba a----- 120
Duzia de palitos seguranca caixa
grande a................... 320
Frascos com oleo baboza muito fino. 320
Pacote com p.">s de arroz o me-
lhor que ha a............... 320
Na valas muito finas para fazer
barba a.................... 0000
Caixa de linha bram do gaz a.. 500
Vara de franjas de lidho para toa-
lbaa....................... 160
Caixas com pennas d'aco de lerry
superiores................ 800
Lencos de cassa brancos e pinta-
dosa..................... 100
Caixas eom 20 quadernos de papel
pautado ....... 700
Caixas com 50 novellos de linha
. do gaz a........ -400
Duzias de meias cruas superior
qualidade a....... 30600
Pecas de tiras bordadascom 12
metros cada peca a 10500 e. 20000
Pecas de fitas para cs de qoal-
quer largura com 10 varas a. 500
Pecas de tranca lisas, brancas e
de cores a....... 40
Duzia de linha frxa para borda-
dos a 400 rs. e." 500
Pares .de meias croas para ma^ *
nos diversos tamanhos a. 320
Duzias de meias brancas mnito
finas parasenhora a. 40500
Pares de sapatos de tranca do
Porto........20000
Pares de sapatos de tapete a. 10500
Duzias de baralbos para vultarete 30000
Sylabarios portuguezes a. 400
Cartoes com colxetes t carreras a 20
Abotoaduras para collete diversas
quadades....... fflfj
Caixas com penna de ac muito
boa de 320 a. ... 50C
Caixas com superiores obreias a. 40
Dpzia de agulha para machina a. 20000
Libras de pregos francezes todos
os tamaBhos a...... 240
Pacote de papel com 20 quader-
nos ........... 400
Rema de papel pautado superior 40000
Resma de papel liso mnito snpe-
riora........... 30600
GALLO VIGILANTE
Rua do rreso n. 9
Oa propnetaaioa dos bemVnbeei.lo stabe*
cimento, aira dos muitos objectos que ttnham ei-
postos a apreciacao do respeitavtl publwo, mac-
daram vir e acabam de, reccLer pelo ultimo vap<
da Europa um completo e vanado sortimento d
finas amui delicada especialidades, a* qoae t*s
tio resolvidos. a vender, como de son costua*
Sor precos muito baratiulios e cemmodos para;>
os, com tanto que o Gallo....
Muilo sujieriores luvas de pellica, pretas, brk>
cas e de mui lindas euros.
Mu boas o bonitas gollinnas e pnnlm.- para (-
nhora, uesto genero o quo ba de mais.mwierao.
Superiores pentes do tartaruga para coques.
Lindos e riquissiraos cnfcite3 para cabidas dai
Exmas. senhoras.
Superiores trancas pretas o de cores com vidri-
Ihos e sem elles; esta ir -.euda o que pode harer
de melhor e mais bonito.
Superiores e benitos leque3 do madreperefa.
marfim, sndalo e osso, sendo acuelles branco
com lindos desenhos, e estes preto.
Muito superiores meias fio ae Escossia para se-
nhoras, as quaes semj)re se venderam por 20f(M.
a duzia, entretanto que nos as vendemos por 20*.
atm destas, temos tambem grande fortimento
outras quadades, entre as (pisca algumas mniu
finas. -
Boas bengalas de superior canna da India
castao de marfim cera lindas o eufau!:.doras |o
ras do nmsing, neste genero o que de moiho. m
pode desojar ; alcm destas temos tambera grar.c
quantidade de outras quadades, eomo sejam, nu
deira, baleia, osso, borracha, tte. etc. etc.
Finos, bonitos e airosos chicotinuos de cadea
de outras quadades.
Lindas e suporiores ligas de seda e borracfc
para segurar as meias.
Boas mtias de seda para srnbora e para mem
nasT de 1 a 12 annos de idade.
Navalhas cabo de marfim e tartaruga para file)
barba; sao muito boas.e de mais a mais s5o ga
rantidas pelo alricanle, e nos por nossa vez taro
bera asseguramss sua qualidade e delicadeza.
Lindas e bellas capel'as para notan. *
Superiores agulhas para mariina e para croi
Linha muilo boa de peso, frouxa, para eacbe'
labyrintho.
Bons baralbos de oaitaa para voltarete, asio
como os teios para o oemo fhn.
Grande e variado s-jrtiaaenia das taelhores >ei
fumarias e dos nieuiurea e maia conhecidos per
fumistas.
COLARES M OER.
Elctricos mafneiicos contra as eor.-.ulsoes.
farilium a deuticao da.* inuoceutes eriaacaa. St- '
raos desde mnito recebedores deste i prodinom
collares, e continuamos a reeebe-lo c
vapores, atim do que nunca falten* co Cercado
eomo ja tem acontecido, assim poio poderaa aqnt
les que dclles precisarem, vir ao deposito do gain
vigilante, aonde sempre encontrarao dcstes vefd
deiros callares, e os r para que ,3o applieado, se lenderao core jm m&
diminuto lucro.
Rogamos, pois, avista des objectos qne daixaaw
declarados, eos nossos fregnezc3 c amigos a virea
comprar por presos muito raioavei? !oia do gal,'
vigilante, rua do Crespo n. 7.
D corde o previent^
Eob-ante-rheumi tico.
Remedio efflcacissime contra as dores rhenma-
ticas at hoje o mai. conhecido pelos seus mara-
vilhosos resultados.
XAROPE DE AGRIAO.- um dos medicamen-
tos que sna effleacia as enfermidades, tosse e
sangue pela bocea, bronchites, dores e fraqueza
no peno, escroboto e molestias de figado, que me-
lhor tem aprovado.
TINTURA DE MARAPUAMA.- A celebre rair
oe raarapuama, coja energa e eficacia as para-
lysias, nlorpecimenio, ele. etc. muito se recom-
menda.
Todos esses preparados se encontram na pbar-
macia e drogara de Banbolomeu 4 C, nico de-
pesito Ba rua larga do Rosario n. 34.
GAZ DEVOES.
Lata* com torneira.
ULTIMA INVENQO,
Quera comprar do gax nessas latas nao precisa
passa-lo para garrafas ou deposito, pois que pode
tirar para os candieiros todas as veres que preci
sar sem derramar oa perder orna gota : vende-se
no armaiem do Joio Rosa, travessa da Madre de
Dos o. 8.
Attenpao
Veade-se nm* armaei p* barati preco e em
boa locahdade pra qnalnuer negocio :
AfTogados. rua de S. Miguel n. 34
nos
a tratar
Ofieial de barbeiro
Paecisa-se de nm bom oficial de barbeiro
roa oa Cruz d. 24, i andar.
na
Rna QiariaAo B. i.
Novo e variado sortimento de perfumtr
finas, e outros objectos.
Alm do completo sortimento de per:
oiarias, de que effectivamente est prnvid;
loja do Cordeiro Prevident>?, ella acaba c
receber um outro sortimento que se ton;
QOtavel pela variedade de objectos, superior
dade, quadades e commodidades do nr
?os; assim, pois, o Cordeiro Previtent.' ; -
e espera continuar a merecer a apreciVi
do respeitavel pubcc em geral e de
boa freguezia em particular, nao h a/
lando elle de sua bem etinbeddamai
e barateza. Era dita loja encon'.rs:":. (
apreciadores do bom:
Agua divioa de E. Coudraj.
Dita verdadeira de Murray d Laminan,
Dita de Cologne ingleza, americana, frsi.
ceza, todas dos mehores e maisacreditsc
fabricantes.
Dita de flor de larangeiraa.
Dita dos Alrws, e vilete para toilet.
Elixir odontalgico para conp.cr\'aco *
8eio da bocea.
Cosmetiques de superior qualidade e ebi
ros agrada veis.
Copos e latas, maiores e menores, ct-j
pomada fina para cabello.
Frascos com dita japoneza, trnsparc
a outras quadades.
Finos extractos inglezes, amsricanoi
francezes em frascos simples e enfoitadoi.
Essencia imperial do fino e agradsvel ch
ro de violeta.
Outras .concentradas e de cheiroa ignai'
mente finas e agradaveis.
Oleo philocome verdadeiro.
Extracto d'oleo de superior quali&d:
com escolhidos cheiros, em frascos d c_3t
rentes tamanhos.
Sabonetes em barras, maiores e menor
para mos.
Ditos transparentes, redondos e em fije
ras de meninos.
Ditos mnito finos em caixinha para b: rb?
Caixinhas com bonitos sabonetes im'-tsn
iradas.
Ditas de madeira invernisada coatendo i
Qas perfumaras, muito proprias para pw
lentes. r
Ditas de papelo ignalmente bonitas, ts*
bem de perfumarias finas.
Bonitos vasos de metal coloridos, a 6
moldes novos e elegantes, com p de ar?c-
e boneca.
Opiata ingleza e francesa para dentea.
Pos de camphora e outras diflereau
quadades tambem para denles.
Tnico oriental de Kemp.
Anda maia coque-.
Um onlro sortimento de coques d di-
vos e bonitos moldes com filete do vidrilt-.
e alguna d'elles ornadoa*de flores e fita.
ostao todos eipostos i apreciaco de qc*
os pretenda comprar.
GOLLINHAS E PUNHOS BORDAPOS
Obras de mnito gosto e perfeico.
FlTelIaa c fitas para elntat.
Bello e variado sortimento de taea obje
tos, ficando a boa escolha ao gosto do coe
prador.
Joaquim BodSn^TaT
vares de Mello,
TEM PARA TfcldtER
era sen escriptork, prac do Corpo Santo
n. 17 :
Fumo em folha
'de 1' e qualidade, e vende un ou mais
fardos a vontade dos compradores. ,
Cal de htbo&
ultime chegada.
Potassa daEussia.
Farlnha do taladlaea.
. Vinho Bordeaox.
de 1* quaadft. Todo s rende mais
barato do qne em oulra qoalquer parte.
ESWJIttSDOAFrllA,rY.
Grandes a 640 rs. pequeas a 140 rs.: vnde-
se na rna da SaniaUa Nova a, W,
XF
i




/

?^W


Diario rje Pernambuco Quina eira 29 9 Dezembro de
-------i------------------------------------i-------1---------!____J______I___!------_
1870
.
w

..
y
LHTERATURA.
Carta eacycllca do aamtlaainto
padre Po i todos os par
trlarrhai. primates, arcebls-
pos, blapoa o ovtros ordina-
rio de lodos os lugares, qne
teeiaa eomatnnho eom a s
apostlica.
Venera mis irinlos. Sa.le e beuclu
apostlica.
Considerando era lulo que. o governo
ptemonh'z tem l'eilo ba rauilos annos cn;n
niaquinaioes ojio interrompidas, para rter-
rubar o principado civil cuncedidj por t'ud
pilar providencia de Dos a esta s as >s-
tolica, para que os successorcs de S. Pedro
teiiham a necessaria e plena liberdade e se-
guranca no exercico da sua jurisdicclo es-
piritual, nao podemos deixar, venera vea
irmlos, de sen ir no i..timo de nosso cora
..o urna profunda dr p-.r esta lio gran le
conspiraclo contra a igreja r]e Deus o esta
fe-ala f apostlica : neste lempo lio la*
tuoso, no qual o mesmo governo seguiudo
os conselhosde perdilo dados pelas seitis.
(ompletou, pela f rea e pelas armas, contra
todo o direito, a sacrilega invasao desta
rniii cidade, e das otitras ci lades COJO do
minio ainda no restava da prirr.eira invasao,
caequanto prostradus na presenca de Daiaa
adoramos os seus secretos conselbos, somos
olivados a proferir aq lellas palavras do
prfrih->la Eu estou cborando e os meus
oihos a derramar agua porgue est I mge
de mi:n o onsolador que converle a minlia
alma, os mana filbos eslao perdidos porque
I revalecer. o inimigo.
.la, veneraveis irruios,-com bastante cl*-
resa expoz^mos e patenteamos a lodo o
orbe cathoiico a historia desta nefasta guer-
ra, e isio fizamos em varias allocuce?, m-
ryclicas e breves em diversas pocas, a sa-
ber no djj i di novembro de 1850, 22 de
Janeiro, SC de julo de 1855, 18 e 28 de
jauto e 2 de selembro de 1859, 19 de
Janeiro de 18!0, as lettras apostlicas de
iC de marro de 18G0, e depois as aUocn-
5 B de 28 de selembro de 80, 18 de
marco e 31 de setembro de 1861, e 20 de
siembro. 17 de outubro e 11 de novem-
bro de 18-37. Nesta serie de documentos
fo:am examinadas e consideradas as grjvis-
.-imas offeosTs que o governo picmonlez
ames da oo upaco dos estados pontificios,
comecad.. dos annos passados tinha c>m-
mettido Contra a nossa suprema autoridade
e a desia santa s, ora promulgando tais
contra o direito natural, divino e ecjlesias-
t.co, ora sug-tando os ministros sagrados,
as ordens religiosas e os propriot hispas a
^exaces in >ignas, ora inf ingindo a a
que se liaba obrigado por solemnes conven-
.oes celebradas com a s apostolic-i, e ne-
gando oostiuadamente o iovioUvel direito
das mesmas na propria occas lo em que
o zia querer celebrar comnosco i.ovos tra-
dos.
Pelos meamos documentos consta com to-
da a clareza, veneraveis irm3os, e toda a
posteridade ver com que artes e com que
maquioaees astuciosas e indignas omesmo
goverao conseguio opprimir a jnsl'ca e a
sanlidade dos direitos desta s apostlica,
conlieccr ao mesniq tempo quaes forana
os nossos cuidados para refrear a sua au-
dacia que crescia de dia para dia, e para
defender a causa da igreja.
Bem sabis que no anno de 1859 as
principies cidadcs da .Emilia foram excita-
das rebelliao pulo mesmo governo que
{.ara l msndava escripios, conspira-lores,
armas e dinbeiro, e pouco depois, convoca-
dos os comicios populares e espiado; os
suflYagios, se fingi ura plebscito, e com
esse falso nome foram roubadas ao nosso
paterna! dominio as nossas provincias da-
lla regio, oppendo-se debalde os
Irnos.
tamben conbecido que no anno se-
guinte, o mesmo g-iverno para convertir
'm presa sua a outras provincias d-sla
sania s situadas no Picen>, na Humbria e
no Patrimonio, aduzindo pretextos dolosos,
cercon de improviso com um grande exor-
dio os nossos soldad >s, e a cohorte volun-
taria da mocidade catholica que movida pelo
s
FOLHETIM
OHIGIWL l)i) DIARIO DE PipiBUGO
ttI\II4 BOLSA
Summamo.Passou a tioute de Natal.\s
chucas de antes de festa. Um fado mira-
tuhso.A missa de fusta.,1 emigraran
para o cam,o.Dous pavilhoes verinclhos.
Um fado novo.As saudades da segun-
dpfeira.O club e sua endiente.Prazc-
>*'* de Olinda. Descobrio se finalOs
r-cios sociaes.Algunas virtudes e flores
di coracao. Os divertimentos da cidade.
O velho e o novo anno.Bas entradas
de anno.
Estamos 28 de dezembro, o que quer
izer que j p.issamos a noute da festa do
Natal, a noute dos encantos e d^icias da
creafo, a noute do nascimento de Jess.
Nos das anteriores 25 tinha chovido
i cantaros e a atmospbera conservra-se sem-
pre nublada e prenhe de vapores aquosos
e de el idricidade. O relmpago fuzilra
em muitos pontos, o raio fendera mais de
urna vez o espaco entre duas nuvens, e a
conseqnente detonar;1o fizera-seoovir, lan-
rmdo o susto e o terror em maitos espirrtos
pusilnimes, que nao foram talhados para
admirar as lutas gigantescas da natureza
pir meio dos elementos desencadeados da
atmospbera.
No dia 2i, porm, todo isso desappare-
ceu como por encanto 1 A aurora des
pontou ebeia de todos os primores que
guarda o co americano ; a atmosphera
lornou-se lmpida, clara e transparente, e
o co appareceu aos olhos humanos sob um
aspecto risonbo, vestindo todas as galas
de um bello azul de saphyra.
Antes, toda a flora, toda a vegetacj
estivera resequida e apresentra um aspecto
tristonbo e desconsolador ; depois das cho-
vas, ludo reverdesceu : a flor creou novas
cores e mais vico, a folha tingio-se de um
verde mais laxuriante e deslumbrante
Como que essa tempestado de alguns
das veio preparar a natureza para o gran-
de dia da redempeo, para a sublime noute
do nascimento de Christo I
Eu sou um tanto ou qnanto supersticioso,
e creio al certo ponto nos milagros.
Se perante a raz3o os milagros nao tem
explicacao, perante o coragao ellos tem
urna forca, tem nm poder descrictonario.
estrilo de religio e de piedade para com
o 'ai Cumatuin se tinha reunido de todo o
orbayara a nossa defeza, eos venceu n'uma
sanguinolenta batalba,, n) esperando elle
esta repentina Ivaso, mis batendo-se va-
lorosamente pela religiao.
Ninguem ignora o in-gne descaramento
e bypocriaia desle mesm) goverao, n5o du-
idando, p-ir diminuir a malignidade desta
ycieia ia-asilo, gabirse que tigha inva-
dido acuellas.provincias para ahrestau-ar
a oilem mora1, qnindn de faci em toda
parte projio.ia a diffo-So e. o culto da falsa
dmiina, em toda a parle s Itou as rJeas
npiudada e c.ib'ga, impondo lambem
5 nao merecidji aos. sagrados hispo*,
s ecclcsiasticos de to las as ger. rohias,
ds, quies prenden, e consentio q e fossem
v'jjii's com injoflis publicas, em quinto
.1 >\ va impunes os perseguidores e aquel-
Ir.-, q-ie nem suprema digaid.ide.do ponti-
ii--ado representado pela nossa humilde pes-
."a perdoivam.
G -osla mais, que nos pola obrigaclo do
nosso oflbio n s resistimos sempre aos
reiterados conselbos e pedaos, que nos
erain fritos, no: quaes so trata va de nos
faz r irabir torpemente a nossa obrigaclo
ou largmdo da nossa mao e entregando os
direitos o territorios da igrej*. ou fazendo
ii.na conciliac3u iniqua com os usu:padores;
mis t.mbem temos opposto solemnes pro-
te i >s na presenta de l);us e dos homns a
t sias ousadias e Grimas preparados contra
lodo o direiti divino e human), e temos
declarado que os seus aut >res ou fautores
Mti osarios as censura da igreja, e de
novo liras temos Lineado quanio tem sido
necessario.
Fina'mente bem notorio q e o sobre-
dito governo tem persistido na sua contu-
macia e as suas maquinacoes, nao obstante
as-nossas advertencias e tem tratado de
promover a rebsllil) nasoiitras nossas pro-
vincia^ e especialmente na edade de Roma,
mandando perturbadores e usando sera in -
terriipc/io de lod i o genero de artificios!
Nao ahincando resultado destes esforcos
em consequencia da inconcnssa fidelidade
dos nossos soldados e do amor e dedicacjSo
qne o nosso povo nos tem sempre mostra-
do, rompen contra nos no anuo de 18G7
aquella turbulen'a tempestade. quando no
outomno desse anno, as cohortes de ho-
mens corrompidos, inflaramados pela mal-
vadez e liKor e aju lados pelos subsidios do
mesmo governo, mmtos dos qnacs estavam
de ante-mo oceultos nessa cidade, atacaram
as nossas fronteiras c a cidade de Roma :
e da sua violencia e crueldade grandes e
singninolentos males seriam de temer,
como se varia, se Dus misericordioso sfa
tivesse tornado b/ildadrs os seus esforcos
pelo valor dos nossos soldados, e pelo va-
lioso aiixio que nos prestou a indita nco
franceza.
No meio de tantas lutas, de tamanha se-
rie de perigos, de cuidados e de amarguras,
a Divina Providencia icm-nos dado a maior
consolaco, veneraveis irmos, na vossa
piedade e dedicac3o para comnosco e om
esta s apostlica e na do? fiis entregues
aos voseos cuidados, o qne lendes mostrado
por insignes escripios e obras de oridade
catholica.
E ainda que os gravsimos em que nos
achavainos, poucas tregoas nos deixav m,
oomtudo nunca, com o a iXilio de D.?us, dei-
xamos de ter todo aquelle cuidado que era
necessario para conservar a prosperidade
temporal dos nossos subditos, e a tranquil-
lidade e seguranza pablica'dos nossos esta-
dos. O esta lo dis scicncias c das arles,
e a confianca e dedicarlo de nosso povo era
bem conhecido di todas as nagoes, das
quais grande numero de v ajantes vieram
para esta cidade por occaio de vari.-s fes
lvida lea que celebr.mos e das solemnida-
des religiosas cos'.umadas.'
Estn io ludo neste estado e gisando o
nosso povo do paz e tranquillidade, o rei
do Piemonte e o sen governo, aproveitando
a ocessiao da grande guerra entre duas for-
lissiraas nacoes da Europa, com urna das
quaes tinba tratado de conservar sem viola-
Co o actual estado pontifico e n consen-
tir que fossa violado pelos facciosos, decre-
En creio n'elles.
A transormacao atmospbarica da 23 para
2'i de dezembro apresent9u se-meao espi
rito como um faci miraculoso. Nao sei
porque, mas pareceu-rae ver ahi o dedo
de Deus.
Mas, fosse magre ou fosse um. fado
n-itural da ordem phyjica, o quo real
que 2i de dezembro o dia foi soberbi-
meote de vera e que a noute foi" linda
como s sem ser as noutes iatertropicass.

De todos os ngulos do Rcj, as ho-
ras langues d crepsculo, ergueu se com
qne nma navem di incens, qno se elevoa
at o c): era o incens mndo da adora-
Cao que aos ps de Djus mandam os seus
ftlboa nessa hora potica por excellencia
em que o co: ac_3o se in3bria- (foto o amor
da Diusao ouvir obronze sagrado tocar
ngelus,
Essa hora marca a separaco entre o dia
e a n'ute.
A 2i de dezembro, qu=ndo o sol se oc-
cOiiou no puente e a natureza reveslio o
seu manto sombro de nigras cores, come-
Cou a noute de Natal.
A cidade e o campo, depois de crarem,
entregaram-se aos prazeres proprios d'essa
niute. Urna grande parte do Recife emi-
grou para os arrabaldes.
.Quando sou a hora da missa tudo foi
movmento as ras e confuso as casas.
Todos queriam assistir ao sacrificio incruen-
to, na hora em que o Salvador veio ao mnn-
do. Todos se dirigirn) ao templo de Deus,
e essas santas casas regorgtaram de fiis
Em quasi todas as igrejas do Recife, de
Olinda e d >s mais arrabaldes bouve missa,
e em todas ellas a concorrencia foi im-
mensa.
A S, de Olinda, esteva atopetada. S.
Francisco, do Redfe.. nao tinha um palmo do
seu recinto desoecuppado, o a igreginba
de S. Jos do Manguinho acommodou povo
al no pateo.
Quanio entrei na S a primeira censa
que vi foram dous pavilhoes vermelhos,
fluctuando ao ar : eram as pontas da gra-
vata do Sr. Hanrique. O cavalheiro estava
guapo com o sen falo extra-fin.
Quem que n3o veste um fato novo
para a missa do gallo ?
Pergnntai qualquer das nossas elegan-
tes meninas ou mesmo nma rude campo-
neza se gosta detrajar um vestido novo na
noute de fasta, e ella vos responder pela
affinniiiva. 0 meimo se d entre nos ou-
taram in va lir e conquistar o resto dos nos-
sos dominios e a nossa propria s.
Quaes erara as causas que davam para
sememanle In vasa > hostil ? E* por todos
bem conbecido o contedo da carta do rei
datada do dia 8 de setembro prximo pas-
salo e entregue a nos pelo embaixidor que
o mesmo rei no* mandou, na qual, com um
longo'rodeio de palavras e de sentengas,
dando se p nome de filho amante de ca-
thoiico, e-dando por cansa a conservaco
da ordem publica, d > pontificado e di nos-
sa pessoa, pedio que n3o lomasseraos por
acto hostil a destruicao do nosso poder c
que espontineamente cedessemos o mesmo
poder confiado as promesia futeis que elle
nos fazia, com as quaes, dizia, se cncilia-
riam os votos dos povos da Italia com a
autoridade espiritual do pontfice rom rao.
Nao podemos deixar de nos admirar, ven-
do o modo com que se q eria occuliar e
dissimnlar a violencia que em breves das
se tencionava cummetter ontra nos, nem
'odiamos deixar de n s candoer da sorte
do re que impedido por conselbos iniquos,
fere lodos os dias a igreja com novos gol-
pes, e tendo mais respeto aos homens do
que a Deus, n3o pensa que est no co o
Rei dos reis e o Senbor dos senhores, o
qual, < nao exceptuar pe-soa alguma nem
respeitar a grandeza de quera quer q e
seja, porque elle fez o pequeo e o grande...
porm aos mais fortes est imminente maior
supplicio I Eraquauto, porm, ao-que se
nos pedio, nao assenlamos que se podesse
duviilar, que obedjce ido / leis do nosso
oilicio e de nossa coascieecia, seguissem >s
os exemplos dos nos os predecessores, em
especial de Pi VII, de feliz memoria, e
sendo os senlimentos da sua inviel i alma
que elle pruferio n'uni causa s:me!hante
nossa, os nos-os, convm aqu repelidos e
tomado* por nossos. Lerabremo-nos com
* Santo Ambrosio qi/e Nabuth lumem santo
p.issuidor o^uma vinha, sendo advertido
por ordem regia para entreg r a sua vi
nha, para que o rei cortmdo as cepas
t plantases ah uo'talig-a \', respondeu :
longe de mim que eu entregue a heranca
de meus pas. Muito menos julgamos
ser nos licito entregar nma heranca t i
anliga e sagrada- (o dominio temporal
possuido por nossos predecessores por
urna 13o Zonga serie de seculos por evi-
* dente designio da Providencia) ou mesmo
* consentir tcitamente que alguem gosasse
* da cidade prin pal do orbe catholic,
onde.perturbada e destruida a forma
santissima do governo, que Jess Christo
* deixon sua santa igrej i, e que foi or-
denada pelos sagrados caones, inspira-
dos pelo espirito de Deus, em seu lugar
< substituira um cdigo repugnante e coo-
i traro nao s aos sagrados caones, mas
mesmo aos preceil s evanglicos, e tra-
ria, cemo costuma a nova ordem de cou
sas que tende a jonfundir e a igualar to-
t das a< seitas e superstces com a igreja
ca holica.
Nabuth defendeu as suas yinhas com o
propria sangue como poderiamos, acn
teca o que acontecer deixar de defender os
direitos e possessesda santa igreja roma-
na. a conservac3o dos quaes, quanto nos
fosse possivel nosobrgmos com solemne
juramento ? ou deixar de reviudicar a li-
berdade da s apostlica to inteiramente
ligada com a lib rdado e u'.ilid'de da
igreja.
Os acontecimentos que agora temtido lu
gar (anda que faltassem oatros arrmen-
los) j demonstram abundantemente qual
na verdadeseja a conveniencia e necessida-
de deste principado temporal para assegu-
rar ao supremo ehefe da igreja o seguro e
livre exercicio d'aquelle poder espiritual
que lhe foi dado devidimente sobremodo o
orbe.
Adherndo estas opinies que. sempre
piofessimos em moitas allocuces nossas,
respondendo a.i rei rejeitamos as suas in-
justas propusieres, mos'rando ao m^smo
lempo a no sa amarga dunida com a ani-
dada paterna que nem aos Dlbos que imilam
Absalo pode afastar do seu cuidado.
Ainda nao tinha chegado ao rei esta car-
ta, quando as cidades pacificas e ainda intac-
tas do nosso dominio pontificio foram oceu-
iros, membros d'essa parte da humanida
de que se cbama sexo forte.
O Sr. Htnrique, pois, trajiva um fat>
novo, e no se fartou de conversar e de
admirar todas as devotas da Se, entre as
quaes destingui mutas connecidas minhas
e do leitor.
Em S. Jos do Manguinho a mes
ma cousa ; vi outros muito meus -conheci
dos en3) ma escapou ura grupo de tres
irmasora os seus pernalos parisienses.
Em S. Francisco o mesmo ainda me
aconteceu.
Acabada a missa, os trens, quer de Olin-
da. quer de Apipocos, contiauaram a sua
obra de transporte da populaco do Recife,
que na minha do domingo estava quasi
deserto.
Os arrabaldes estiveram trasbordar
de povo.
A alegra renou por toda a parle.
Por toda parte brincou se e dancou-se.
E, quindo desperto a aurora de segun-
da-fera, muito coracao sentio se partido de
saudades e mais de dous formosos olhos
enchogaram urna lagrima de amor I
II )uve reoniSo no Ciub do Monteiro, no
sabbado, o eu l estive.
Que endiente G'.nco sen horas, pas
plus ni mitins !
Decididamente o sol do Club vai descam-
bando olhos vistos para o seu poente.
A vista da enckente nao me demorei aU.
Part no trem das dez horas da noute para
o Recife e, chemin faisant, fui f ara Olinda.
Quando transpoz os liminares da velba
cidade de Olinda s encontrei festas.
Desde o Varadouro at as cumiadas onde
se assentam a S e a Misericordia, todo se
entrecava aos prazeres da dansa, da msi-
ca e do canto. A viola, o piano, a flauta e
tuti quanti, espargam pelos ares seos sons
melifluos a doces. A festa era completa.
N'uma ra transversal que vai para o
.Carmo li em letras garrafaes em orna tab-
lela :
DESCOBWOSE AF1NAL 11
N3o pude resistir a tentaclo: entrei, vi
e pasmei I
'Em nma sala quatro glutoes entregavam-
se s delicias da mesa, e devoravam famosas
terrinas de mo de vacca. Seria esse o
novo Xarope do Bosque qne dra logar ao
distico da entrada ?
Attotite!
padas pelo sea exercito, tomando com fa-
cilidade as pracas que prelen leram resistir,
a em pooco tempo axanh-ceu aquella in-
fausto dia 20 de seterabr prximo passado
em que vimos esta cidade, s do Principe
dos Apostlos, centro da religiao catholica,
refugio de todas as nacas cercida de mui-
tos milhares de soldados, e destruidas as
muralhas e iacot d j o terror pelo projetis
laucados namesma, a livemos que deplo-
rar expugnada pela forca e armas dajuelle
que bavia pouco nos tinha professado tanto
affecto filial e tanta ffielidade religiao
Que dia podia haver para nos epara todos
os boos mais triste do que aquelle ? No
qual depois de en'radas as tropas, estando
a cidade che a de urna grandj mullidlo ad
venlicia de fad toras, vimo- a ordem pu-
blica perturbada e destruida, vimos na nossa
humilde pessoa diguidade santi Jada do
supremo pnt'ficado insultada com palavras
mpias, vimos as nossas fidelissimis tropas
sujertas todo genero de injurias, e a li-
ceaca desenfreada, o desaforo dominar on-
de pouco antes o affecto filial tontiva dimi-
nuir a tristeza do Pai comraum ?
Desse dia em diante seguiram-se debaixo
dos nossos olhos cousas que n3o se po lem
referir sem ndignaclo de todos os bons.
Mos livros chiios de raentirasv torpeza e
impiedades, publicados e eposto; a venda,
muitos jornaes pub;ados todos os das,
que teem por fim a crupcao das almas e
doscustumes, o desp-ezo e calumnia contra
a rlg3o, e que inflimmm a opini) publ
ca contra ns'e a santa s apostlica estam-
pas torpes e indignas, e outras obras des-
te genero as q aaes se expjem ao ludibrio
as cousas e pessaas sagradas. Sao decre-
tadas honras e monumentos qnelles que
pagaram a pena de gravsimos crines sen-
di) condemnados conforme as leis. Os mi-
nistros da igrrji-contra o qnass se tiera
exclado o olio, s3o insultadas e alguns fe-
ridos iraicoeiramenle ; algumas casas reli-
giosas sugeilas pesquizas inju tas, as
nossas casas do Quirinal violadas e um dos
cadeaes da saita igrrja romana que ahi
tinha a sua morada, obrigado con violencia
a sair, e outros eedessiaslicos do numero
dos nossos familiares, exdu dos d'ahi e ve-
xa los ; leis e decretos publicados, que of-
fendem e arruinara a liberdade, immunidade,
propriedades e direitos da igreja ; todas os
quaes males se Deus pela sua misericordia
os nao afastar, com grande sentimenlo ve;
remos, progredr, emquanto nos impedidos
pela nossa condico de Ihe-s dar remedio
somos cada dia com maior forca advertido do
caplivoiro em qu i nos achamos e da falta
dquella plena liberdade que o governo in-
truso, com palavras mentiros s, diz que nos
foi dexada para o nosso ministerio apost-
lico que aflirma querer segurar com as cau-
tellas, que diz necessarias.
Nao podemos deixar passar aqu um
grande delicio que bem notorio vos ve-
neraveis irmSos.
Como se as possessVs e os direitos da
s apostlica t5o sagrados e inviolaveis por
tantos titul .s e tidos-por tantos seculos por
certos e inconcussos podessem ser postos
em duvida, e como se as censuras gravs-
simas rn que inco rem pelo proprio faci
e ;em alguma nova declararlo os violado-
res d'esses direitos, podessem perder sua
forca-pea rebil3o e pela ousadia popular,
para cohonestar a sacrilega espoliarlo que
soffremos, despresado o direito commum
natural e das gentes. procuroH-se aquella
aparato e icco ridicula de plebiscito como
j: se tinha fe to as provincias que se nos
trabara roubado e aquelles que costumara
exultar com as cousas peiores, nao se en-
ver^onharam de apresentar em pub'ico as
cidades de Italia, a sua rebellilo e o seu
desprezo das censuras eclesisticas n'uma
pompa triumphal, contra a opio'o sensata
da raaor parte dos italianos, cuja religiao,
dedicaco e fidelidade para comnosco e a
Sania Igreja nao se pode, mitrar livremen-
te sendo impedido por todos os modos.
Entretanto nos que lomos es-jolbidos por
Deus para reger e goveniar tada a casa de
Israel, e que fomos constituidos protectores
da suprema religil > e da justica e defen-
sores dos direitos da i ;reja, para que nao
possamos ser laxados de termos ficado ci-
N'oetra sala jogava-se um endiabrado
hmquenet.
Eram oito os jogadore e todos revela-
vam no olhar o habito- inveterado d'esse
crime. Tres sorriam e pilheriavam, eram
os qneganhavam; os outros estavam taci-
turnos, e, quando pega vara as cartas,
nbamas mos crispadas como se sentissem
a impressao de um ferro era brasa.
Cmtemplei-os por algum tempo e meu
espirito perdeu-se n'uma- infinidade de
consideraces motivadas pelo magno as-
sumpto dojoga, d'essa terrivel p3ix, que
tanta miseria tem produzido e cujas alterna-
tivas de fortuna tantos loncos tem feito !
Em outra sala finalmente reinava urna
bachanaj emtoda a sua magnitude. D.n-
sava se ao som de "tres violas urna dansa in-
fernal, e os hachantes de ambos os sexos,
de tacas erguidas, brinlavara-se reciproca-
mente sapateando e cantando canches obs-
cenas.
Que orgia, meu Deus Que abjecejio a
dessas creatoras de olhar empanado pelas
continuas libafoes e de risos estridentes,
em que se denunciava a pratica d'esses
immundos prazeres t
Quando sabi d'essa casa pare em frente
porta e contemplei cheo de urna santa
ndignac5o aquelle dHcobrio-se /iitat
Qu3o mais proveitoso n3o seria essa
gente entregar-se outro genero de diver-
timentos que, sem deteriorar saude,
enchem o coracao de urna doce sa*isfac3o
em que entram com urna boa parte os saos
principios da moral.
Mas a sociedade lem fogosamente os
sens contrastes, e preciso que ao lado da
virtud* appareca o vicio, para qne a des-
ncelo entre ambos nao escape aos espiritos
menos reflecttdos.
Sim, a sociedade tem os seus defeitos e
os seos vicios ; mas ao meaos convm que
elles se nlo ostenlem assim publicamente.
Abyssus abyssum invoca ; pois, forcoso
que, j que o vicio existe, ao menos elle
se oceulte e nlo basque attrahir concor-
rencia.
...
Foi sob essa dolorosa impressao qne
cheguei i S, onde a scena era toda ou
ira.
Ah I all sim, a piedade e a religiao bri-
Ihavam em maitos rostos e respirava-^e
no santo recinto m ar pnro a embalsama-
Ido pelos perfumes vivificantes de maitos
coraces paros e celestiaes.
O nosso novo esseociamente religioso,
fenciosos 1t presenca de Deus e da igreja,
ecom esse nos o silencio termos, prestado
consentimanta esta tai iniqua psrturba-
Clo, renovando e^confirmando tudo qne te-
mos ja declarado solemnemente as supra-
citidas Allocaces, Encyclicas e Breves, e
ltimamente no protesto qua em nosso no-
me e por nossa ordem o cardeal secret to
d'estado eniregou no mesmo dia id de se-
tembro aos embaixadores ministros e en-
carreg.dos de negiacios das naces exlran-
geiras junto nos e esta santa S : da
maneira a mais so'etme que podemos, de
claramos de novo em vossa presenca, ve-
neraveis malos, que nossa mmie, inten
ci; c vontade conservar inteiros, intactos
e inviolados tod >s os dominios e direitos
d'esta sania S, e transmitti-los assim aos
nossos succes>ores; e que toda e qualquer
usurp ca lant i esta ultima coma a que ha
mais lempo se tinha j\o, injusta, vio-
lent1, nu la e irrita, e que condemnamos
rescendim as cassamos e ahrogam >s todos
os actos dos rebeldes e dos Invasores, tan-
to os que j esto fetos como os que ainda
hajam de razar, para coufrmar de qualquer
modo que seja esta usurpaclo. Declaramos
outrosim e protestamos na presenca de
Deus e de todo o orbe catholica, que esta-
mos em la! capliveiro que nao podemos
exerc r a nossa suprema auctaridade pasto-
ral om seguranca, cora expedico e era li
berdade.
Finalmente, obed:cendos adtnoestacfaes
de S. l'aulO
Que participios ple ter a justici
com a iniquidade ? ou q e sociedade pode
ter a luz com as trevas ?
Qieaccordo pie haver entre Christo
e Belial 1 ?
Clara a abertamente manifestamos e de-
claramos, que lembrandonos da nossa d:g-
nidade e do solemne juramento pelo qual
somos obrgid s, nao consentimos cera con-
sentiremos jamis era ac >rdo algum que
destrua oudirainua de alguma mineira os
nossos direitos e portante os de Deus e da
santo S. Igualmente declararais que, pre-
parados pelo auxilio da Graca Divina, para
beber, anda na nossa avancadi idade, pela
igreja de Christo, at s fez as ocaix, que
elle mesmo se dignou beber, nunca baye-
mos dedelinqiira ponto de annnir s ini-
quas propostas que nos foram feitas ou
aceita-las. Como o nosso predecessor Pi
VII dizia :
Violentar o sumrao imperio desta sarria
s apostlica, separar o seu poder tempo-
ral do espiritual, desunir e desligar os cili-
cios de pastor e de principe, querer des-
truir e perder a obra de Deus, e trabalhar
para que a religiao soffra o maior detri -
ment, e espolia-la do pres;dio o mais effi-
caz, para que o sen soramo mestre, pastor
e vigario de Deus, nlo possa dar aos ca-
tdicos espalhados por todo o mundo os
auxilios que elles peden ao seu poder espU
ritual que ninguem pode impedir.
Como, porm, as nossas admoeslaces,
expostulacOes e protestos foram baldados
por isso, pela autoridade de Deus Omnipo-
tente, dos santos apostlos Pedro e Paulo,
e pela nossa declaramos a vos, veneraveis
irmlos, e por vos a t ida a igreja, que to-
dos aquelles por mais especial que seja a
dgnidade de que gosam, que perpetraram
a invasao, usurpaclo e oceupaelo de qual-
quer das provincias do nosso dominio e
desta alma cidade, ou qualquer destas cou-
sas e igualmente os seus mandantes, fau-
tores, ajudantes, conselheiros, adberentes e
lodos que procuraran) a exeeucio de qual-
quer d cularam, esto incursos na excommunhlo
maior e as outras censuras e penas eccle-
siaslicas comrainadas pelos sagrados cao-
nes, pelas constituicoes apostlicas e decre
tos dos concilios geraes, especialmente do
Trieniino (sess. 22.*, cap. 11 do re.) se
gundo a forma e theor expresso as nosszs
letras apostlicas cima mencionadas, data-
das lo dia 2G de marco de 1861.
Nos, porm, lembraodo-nos que exerce
mos na trra o lugar d'Aquelle que veio
procurar e salvar aquelles que estavam para
perecer, nada desej;mos com mais ardor
do que abracar os nossos filbos desvairados
comcaridade paterna. Por isso levantando
-
e para admira-lo na sua, devocie basta en-
trar n'uma igreja.
Se ahi se nota um beata que ralha e
d piparotadas nos meninos que chorara,
se se observa algum dandy que assesta
impertinentemente um -pinec-nez para al
gumi loura ou moreninha ; tarabera se
encontra. e isso mais geral, um espirito
de unca admiravel e um respeitosore-
colbimento, que diz muito em favor das
crencas religiosas da popularlo.
E esse espirito religioso nao se desaten-
t no lar domestico, onde a instrucclo re-
ligiosa dada pela mi de familia antes
mesmo de outra qualquer instrucclo, e
onde a moral praticada sincera e cuidado-
samente.
E' ahi que a mi en3na o filho a por as
ml03, a filar o co e a rezar essas fervo-
rosas oracoes que na infancia todos apren-
demos, e que slo como que um balsamo
que desde esse tempo nos purifica ocora-
Clo e prepara a alma para entrar firme e
reverente na grande escola social, onde se
ensina tudo o que de bom e de rao existe
na trra, entrechocando-se continuamente.
Felizmente existe entre nos rnuita somma
de moral ; e ce se descortina algara* vez
um? chaga dolorosa que comprfnge a vista
em coniraposiclo v-se cada momento
brilhar em muito semblante urna robusta
saude d'alma, que bem sinceramente o
estado normal do nosso povo.
\u moins ea fa plaisir.
Os divertimentos da cidade tem estado
n'uma pasmaceira tristissma i e isto, para
quera obrigado a permanecer, no Recife,
quasi sempre, de muito rao effeito.
Os tbeatros tem estado fechados e, se nao
fosse algum pre^epiozinho l para as bandas
da Boa-Vista, nlo sei o que seria de quem
gosta de distrabir-se.
Hoje, quarta-feira, parece qne serlo in-
terrompidas as ferias tbeatraes.
Annuncia se a estra de ama comparabia
lyrica italiana no theatro Santo Antonio,
e, segunda me disseram, o sea belenco
muito regular.
E' pena que nao seja completa a compa-
nhia, e.qua nlo nos possa mimosear com
alguma opera inleira do seu repertorio, que
tqpto agradou na Babia, de onde veio-ella.
A companhia tem as cinco primeiras
vozes soprano, contralto, tenor, bartono
e baixo ; e disseram-rae qne todas muito
agradaveis. Hei e owHoi para formar o
mea ]aiio. '
as mos ao co na humildade do nosso co-
relo, etnqnmlo entregamos e recommen-
ihmos a Deu; esta jastissima causa, antes
d'Elle do que nossa, pelimo-lhi e rogamos
pelas entranbas da Soa Misericordia que
nos auxlie e Sua igreja. e Msericordioso
e propicio faca que os inimigos da igreja me-
ditando na eterna perdicSo que tem prepa-
rado para si, aplaquem a sua tromenda jus-
trea antes do dia da vinganca,. e mudando
de opinilo, consolem os gemidos da Santa
Madre igreja e a nossa tri3tesa.
Para conseguir da Divina Ceme acia to
insignes beneficios, exhortamo vos venera-
veis irmlos, que juntos com 03 fiis, entre-
gues a a vosso cuidado, unaes as vossas fer-
vorosas pe;es aos nossos votos, e todos
juntos, appraximando-nos ao Throno de
Graca e Misericordia, escolhamos por nossos
intercessore3 a I nmiculada Virgem Mi de
D;ni, e~os Bemaventurados apostulos Pedro
e Paulo.
A igreja de Deus desde a sua origem
at hoje tem silo militas vezes attribulada
e mutas vezes libertada; as suas palavras
slo : iii>iitas vezes me atacaran desde a
miiihi mocidade mas nio poderam preva-
lecer contra mim, os pee:ad tres tr-balha-
ram sobre minhas costas e prolongaram a
sua iniquidade. Nem agora deixar o Se-
nhor a vara dos peccadures sobre a neranca
dos justos. N3o foi abreviada a mo do
S-mhor, nem est impotente para salvar.
Nesta poca livrar sem duvida a Sua Esposa
que remio com o seu sangue, dotou com o
Seu Espirito, ornou com dons celestes e ao
mesmo tempo eoriqueceu com dons ter-
restres.
Entretanto pedndo do fondo da alma a
Deus conceda os dons mais fertew da Ce-
leste Graca a v veneraveis irmlos-, e a
todos os fiis, tanto clrigos como seculares,
commettidos aos vossos cuidados, em pa-
uhor da .nossa caridade para com vose,
vos damos e aos nossos amados Q'hos com
0 maior amor a ben;3o apostlica.
Dada em Roma junto de S. Pedro no dia
1 de novembro de 1870 e XXV do nosso
pontificado.
2' 17 1*2
7 i 10 1 '.
9> 7 3/i
t 0
11 15
'2 n 3/4
E.XPOSICAO SOBRE A LAROl'BA DAS ESTBADA
' DK TRRO DO FUTURO V0R R. K. FAIRI.1E,
I IDA EM SESSO DA ASSOCIAf.O BRITANNICA
DE LTfERPOOL, ACOMPAMIIADA DA NOTICIA
ACERCA DOS RESULTADOS DE DUAS SERIES DE
EXPERIENCIAS COM AS MACHINAS PAIRL1E
MACHN \S FAIRLIE.
PRhlEIRA SERIE DE EXPERIENCIAS.
(Continuaclo).
O peso do trem ficou cutio sendo:
Tons. Quiis.
Peso liquido i!e 40 wages.
Carga.......
Peso bruto dos wages. .
Peso de passageiros. .
Pdso da machioa e tender .
Peso total .
A machina parti com a parte desta carga
em que os engates nlo estavam tesos, cerca
de 30 wages, (nlo podendo mover o ulti-
mo carro com 147 libras de vapor) mas
nao a pode puxar. As rodas nao escorre-
garlo, nlo bavia portaoto f dta de adheslo
e o regulador estava completamente aberto.
Desprenderam-se ento mais 9 wages,
icando o numero destes reduzido a 31 e o
peso total do trem a 90 toneladas 3 3/i
quintaos. Com este peso conseguio urna
sabida, estando o vapor a 130 libras. A
machina, depois, escorregou, fez-se-a parar
e o vapor baixoa a 148 libras. Subi de-
pois a 150 libras, poz-se de novo era rao-
vimenlo a machina que subi r m a carga
uro declive do 1 em 83.05. A presslo m-
xima foi de 150 libras e a mnima de 125
libras.
Ao parar a presso era de 138 libras.
Durante esta experiencia a machina escor-
regou varias vezes e foi man lada parar,
por signaes, depois da er subido cerca de
550 jardas, um declive de I cm 90.
Empregouse ara sobre os trillaos, para
evitar que escorregasse; smennte na sahida
de Portmadoc.
(Continuar-st-ha.)
Approxima-se o dia de anno bom, o pri-
mei.o dia do anno de 1871 !
N sei se o leitor deseja. como eu, ver
pelas costas este mu e cruel 1870 ; o que
sei que nlo sou eu o nico a maldize-lo,
e que muita gente suspira p*lo anno nOvo.
Na verdade o anno que est a expirar foi
terribilissimo. Se elle teve a habilidade de
acabar a gueua do Paraguay e melhorar as
Imancas do Brasil, tambera teve a pervers-
dade de ateiar o incendio das guerras civis
era quasi todas as repblicas da America,
na Hespanha, Italia, Portugal e AUemanha
do Sul, e levou-a soa ma'dade al o ponto
de atirar urna contra outra, n"uma guerra
sanguinolenta e cruel, duas das principaes
naces da Europa*, como sao a Franca e a
Prussia.
A'm disso o anno de 1870 vio consuir.
raar-se a ini jua obra da unitiuaclo italiana,
'custa do poder temporal do Satssimo.
Papa, do" chele- da igreja catholica !
Ainda mais; elle causn desgostos-
muita gente : i uns roubando prenles-es-
tremecidos, outros enchendo de enfereii-
dades ; estes roubando os bens; aquelles
accumulando de males. Ernm o anno de
187) teve a habilidade de semear ventos
no seu coraeeo, para colhei tempestades em
quasi todo o seu curso r
Durante es 12 mezes do anno, que ex-
pira sabbado, a humanidade foi. perseguida
pela trindade mais -malfica que existe. A
fome, a guerra e a peste devastaram o
mundo-.!-
Como, pois, ver-sa com bons- olhos um se-
raelbaale anno ?
Por isso estoa ancioso de ve-lo patas,
costas. "
1871 poda ser mo; mas impoesivel
que seja peior do que 18701
Venha elle qnanto antes affastar da trra
o caiporisma que lhe trouxe 18701 Ese
alguem ba, que foue feliz em 1870, que
esse alguem se consola com a certeza de
qno o novo anno era todo caso nlo pode
primar sobre o velho na serie de maleficios
com que nos brindou.
Desojo sinceramente boas entradas de
anno ao leitor e que a cornucopia da felici-
dade lhe seja entornada sobre a cabera.
*Am re.eor.
Svaius.
TYT- 00 DIARIO-RA Ov DOQUE DI GiiaS

,


\
?
<
v

T
'


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EVE5PP586_YIWKMK INGEST_TIME 2013-09-14T01:59:59Z PACKAGE AA00011611_12299
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES