Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:12292


This item is only available as the following downloads:


Full Text


/s.

'

mo XLVI. NUMERO 288
PARA A CAPITAL
Por tres mezes adiantados .
i'or seis ditos dem ... .
*orum anno dem!.....
'Cada mumero avulso. ,
E LCABES OIDE liO SE PAGA P01TE.
6000
124000
241000
320
TERCA FEIRA DE DEZEMBRO DE 1870.
PARA DEITBO E FOSA .
HA PBOVUCIA.
Por tres mezes adiantados
Por seis ditos dem. .
Por nove ditos dem .
Por um aono idem .

6|7lt
13500
20*25
27#00
Propriedade de Manoel Figneira de Faria & Filhos.
(W
m*
- iAO HWBXTKSI:
Os Srs. Gerardo Antonio Alvos & Filbot, no Para ; Gone^lves Pinto, no Maranhao ; Joaqnim Jos de Oliven-a, n^Cear; Antonio de Lemos Braga, no Aracatj ; Jo5o Mara Julio Chaves, no Ass ; Antonio Marques da Silva, no Natal; Jos Jnitin
Pereira d'Almeida, em Mamangoape; Antonio Alexandrino de Lima, na Parahyba'; Antonio Jote Gones, na Villa da Penha; Belarmino dos Santos Bnlcao, em Santo AntSo; Domingos Jos da Costa Braga,
em Nazareth ; Francisco Tavares da Costa, em Alagoas ; Dr. Jos' Martas Alves, na Baha ; e Jos Bibeiro TJasparinho no Bio de Janeiro.
PARTE OFITCIAL
GoTcrao da provincia.
KIPEDK3TE DO 1\ l' M UF/.SJIB10 DR i870.
Actos:
O presidente da proviucia. tendo em vista o
?alu tneUou Cecilia no Jos R beiro de Vasconcolloj, e
a informara prestada pelo director goral da in*-
troegao pblica em 6 do corrate rub n. 383, re-
salvo nomea-lu profossor publico da caieira de
instruegaj primaria da povoacJJo de Alago i-
Seeca.
O presidente da provincia, ten lo em vista o
resalta-id do concurso, a,que se proceden em 30
te abril ultimo, e a infocmacao ministrada pelo
lircrtir geral di iiitruvfn pabliea em 18lie no-
vaa.br i ultimo sib n. >M, resol ve nomear a Au-
asM 1 )~ Mauricio Waalerley, profe-s.ir publico
laeadeira de astruceo primaria la Pa Magdalena.
() presdame di provincia, imdo em vista o
ranltil.; dn contarse, a que ltimamente s" sub-
. lirtteu J i Paulino da Silva Fdbo, e a informacao
rolBistrr.da pelo dire:tor geral da instruccao pu-
blica em 18 de nevembrn lindo, sob n. 3tii, resol-
vj Mata io professor publica, di eil.sira de ins-
:racgai primaria da p ivoacl) de Crreme.
O prerideale da provincia, teodo em vina o
rcealUdJ do concurso, que se proceden no dia
19 de agost) .lindo, e a mf rmacio min'utcada
tufc jreetor geral d i initruccio publica em 22
de oeemliro ultimo, so!> :i :t'', resol va nomear a
Mara daCinceicao Azevedo, professora publica
lacador. de ioitfaegio primaria da villa d; In-
gaawa.
Kxpedimn-M as necesjariaseommunicicoe.
i") pr bidente d i provincia, a vista do offlcio
i Oc Me de poli ;ia n. 16>6, de lije datado,
i asolve conceder a > bai-harel Pedro de Athayde
Lobo 3 ise iso, a ex onei\icio que padio do cargo
.re- sabdelegado da freguezia da Roa-vista nesta
idadr.
presidenta di provincia, conformando-se
coas a proposta do Sr. Dr. chela de polica, n.
i>W, i', hoje datad >, retorre minear para o car-
(jde sulelezali di freguezia da Uu vista nesta
-;laJ 1 teaeeto-cirra-l Dicto de Aquiai Fon-
teca.
Inleirou-se ao chefe.
O preei late di provincia resolte niraaar o
.charol Luide Meaetes VasconcelDis de Drum
mbI, para o lugir vafe dfl pr.itan'. da thesu-
i .ria provincial.
O>muiamcpu-$o ao injpeelor.
Oftiii- :
Ai J-jembargad.r procurador da corto,
> "ni de interpor o seu pjrocer sjbre o pro^asso
de legitimara ie malicio de posie d.i Mara Jos
a Cou:eic>, e Mullirn hlbs a bem do direito
ios iaifrasiado?, a eareoienjia da expedicio dos
lutos de natureza idntica, que prendom de seu
pareoar.
vo inspeetat da thesoararla de fazenlv la-
iranloo de haver resolvido em vista desua in-
i irma^iie das entras esta^o, onceJer ao major
Rellarmino do Reg Itirros eoutro*. mediante as
esffes, eanstaales do requenmen'.o junto, am
temae anaex i ao que j obtiveram para a cons-
tracco de armazens de recolher gneros e recom-
MBdando qav> depois da pago3 os direitosdevidos,
Mande lavrer o competente c Mralo.
A o mesmo, commnnican do haver o Juiz mu-
nicipal e de orpaios do lerato da Agua preta, ba-
eaarai Man el Annes Jiomo Pires, reasurai-
i no lia 10 Jj corronle o ejercicio do sea
caifo.
Ao mesmo, preveoioduo -.le que o juiz, ma-
O'dpal o de orpha do terrai de Ingazeira, ba-
eaarel Migael los Aojos Barros, no dii 5 do or-
r alte, entrou no go'so i i lieeaea, que Ihe fora con-
'did.
Ao raesmo, dlzeodo que o bacharel Jos do
Pereira e Silva, rea-sumira n> dia 21
bro ttttrmo o exerdeio do lazar de juiz
'pa! e do orphios do termo da Bia-
Ao in-pfetir la iliesouraria provincial, de-
.::!) q.t-j, de eonTorraidade coto a ioforraacio
dDr. enefeds polieia, dave erpago aosubdelc-
tido di distrieto de fregae-iii de Aguapr.'ta,
treeaae de Castro S Brrelo, a importancia
dea '' n >< |. a! i.rv da ca-s, qja servio de
loartal n> detuaaraeato di distrieto d Montes,
rm o qnal aja-lu eontas o propnelario da refe-
rida ca-a, Mariano de S. Jj r- C^vaicante.
Ao mesmo, mandand i pifar ao bacharel
J taqatm las Perretra da Rocha Jnior, a quantia
E:51t#-3S rs. praveaieote da despeza f.-ita cora
I raed Beato do saetelo e -listas para o? presos
la ca a de deteacio, durante o mez de no-embro
jaUimo.
Cimrannicon-se ao Dr. chefe de polica.
Ao juiz de direito Ja l' vara iesta capital,
.- n oil.iuJ i que envi; para ter o conveaiente
eeliaa, e edital. poneo em eoneoru a erveniia
vita'ici d ts otBeios d i deslriDOi lor de n ilas e d^s-
tribuidnr e eootador do juiz o de orphios.
Aojuiz lo direito de Tae-.raui, approvando
* modili, \as tomn le aeeordo com o delegado
respecv.t, de mandar o alfares commandanta d>
destKimeatO d; Tacir.n para o de Floresta, \\-
>uBdo ne*se lerow o teoente Joaqnim llerculano
Pereira Calda*.
In'eirou se o eommandante do corpa de po-
lica.
Ao director do arsenal d
do a autorisaca', que solicitou
mercad i frinfa e sele cadeiras e trinta e seis tam-
lreies con assento de palhinha, allm de serem
-atisfeitos os pedidos do i- batilho de i afn ta ra
do c irpo de p ilicia, ralo tet esso o raeio mais
fcil da obtar taes ohjictO'', e pjjr precos mano-
res da ijua se fossem fabricados n'aqnelle ar-
uaal.
Ao mesmo, declarando qu3 n?ande entregar
a general eommandaato das armas os objectos
vmdos da surte com destino aos.batalhoes 2* o 9
4e infaniaria.
CommuniiMu-se ao general.
Ao coramaodante do brigue-barca llamara-
--i, dizendo que mande por em liberdade, como se
tielerramou em 10 do crrente, o recruta Florenti-
no Josa dos Prazeres, qae provoa isencao legal,
visto nai ptoce ler a razio, qae aegou para nao
camprir eli ordem, porquanlo nao tero applica-
;o especie o ari. 13 do decreto n. .'lO'i-'i da !2
de Janeiro de 1863, o sim o art. 32 do de a. 1591
-l I de abril de 1855.
Ao jai! municipal d^ termo de Igaarass,
Vara informar com urgencia qual o estado ero que
se aeha o proles*, em qae ^ro Manoel Pilar de
Vera-Cruz, e no caso de estar prompto para ser
submetlido a jalgaraento, o motivo porque nao foi
r-ju'isiudo com lempo o dito reo, qae se ach
jireto na cana de deienco.
Ao juiz municipal do termo de Olioda, decla-
rando ene proeede a tua dnvida, relativamente a
-^rrentn dos ofllcios de 2" tabelliao o escrivio do
ivel e miis annexos de3e termo, convindo, po-
rem, qae o serveniaario do offlcio de escrivio do
jury e exeenjoe, qae a lei 83i> de o de de
, mho 1e 1868 anoexra qoelle?, se moUre para
e-.es habilitado por exame de sufficiencia, do que o
prevenir, aflra de enviar opportuna|!ieate o titulo
fiara ser apostilla o.
Ao engeBheiro chefe da repartiere das obras
pabiieas, para organisr e remetter com brevida-
de a planta e ercamento de urna estrada, qae par-
ando da estacao terminal da de ferro do Recife a
S. Francisco, v a povoaoio de Capoeiras, da con-
forraid.'idn com o % do art. 48 da lei do orea-
'mtnio vigente.
Ao coramandante do corpo de polica, trans-
miltindo por c pia o offlcio do juiz de direito da
comarca le Tacaran^ aiim de que proceda de con-
furmldad8 com o respectivo regulamento no senti-
do de serem punidos o inferior e pracas menciona
das no citado offlcio, as quaes far snbstituir por
oa tras.
Communicou-sa ao juiz da direito.
Ao mesmo, attm de que mande apresentar
ao Dr. chele de polica nm de-tacaraeato volante,
composto de um tenonte, dons alferes e 30 pragas,
sob o commando do um capitao para coadjuvar as
autoridades policiaas do interior da provincia na
perseguicao dos criminosos, requisitando as pro
vilencias, qneenleadr necessarias, para que
quanio antes siga elle a .-eu destino o preencha a
sua missao.
Communicou-se ao chefe.
Despachos:
Almino Alves Alfonso.Informe o Sr. regedor
do Gymnasio.
Abixo assignado3 moradores e propnetaros em
Caxang.Informe o Sr. inspector da thesouraria
provincial.
Abaixo assignados guardas do 1, 2o, 3o 4' dis-
trictos da iiluminaco publica.Informe o Sr. ins-
pector da ihestviraria provincial.
Augusto Jos Mauricio Wanderley.Passe por-
tara nomeando o supplicante para a cadera da
Passagem da Magdalena.
Capitao Camilla Augusto Ferrcira da Silva.In-
forme o Sr. coramandante do corpo de polica.
Ciciliano Jos Ribeiro de Vasconcellos.Pa portara nomeando o supplicinte profossor da ca-
larra de Alagda-Sueca.
Claulino Jos de Mello.Informo o Sr. inspec-
tor da thesoui'.iria de faienda,
Chrislovao Santiago de Oliveira. Entregue-se
em termos.
Eduardo Bissoni de Alaieida.Informe o Sr.
Dr. juiz de direito da i1 vara.
Henrique c*a Cunta Torriao.Prejudicado.
Jos Caetano de Albaquerque.Eocaminho-se.
Tenente Jos Francisco Paes Brrelo.Nao tem
lugar o que requer.
Joao Francisco Aniunes. Dirija-so a thesoura-
ri. provincial.
Joa-t Feliciano da Motta e AlbuquerqaeInfor-
me o Sr. rigedi)r do Gymnasio.
Padre Jos Ildefooso Rodrigue} da Silva Da
ira.Infirme o Sr. inspector da th^nnraia pro-
vincial.
Joviniano Jos Siradts.Informe o Sr. Dr. direc-
tor geral da instruccao publica.
Jos Paulino da Silva FilhoPas-e portara
nomeando o supplicante para a cadeira da povoa-
gao da Correntes.
Jos Hyppoliio Mariz Franco.indeferdo em
risia do disposto oo arl. 4* % 2 do decreto o. 3579
de 3 de Janeiro da 1866.
Jos d'Annunciagao.Informe oSr. Dr. chefe de
polica, ouvindo o administrador da casa de da-
tencao.
Jos Correa de Araujo.Infurme o Sr. comnan-
dante superior da guarda nacional do Brejo.
Jos da Silva Loyo, Francisco Ferreira Bailar,
Bellarmino do Reg Barros e Jos Joaqnim Aotu-
nes. -A'- thesouraria de fazenla com ofDcio desta
data.
Luiz de Menezes Vasconcellos de Drummond.
Passe portara nomeando o supplicante.
Manoal Joaqnim Barbosa.Prejuiicado.
Mara daConceigao Azevedo. Passe portara
nomeando a supplicante professora da cadeira de
instruego primaria de Ingazeira.
Marianna de Sao Jos Cavalcante.Mandou-se
pagar o alu^uel da casa ao ex-subdelegado do 2o
distrieto d'Agua-Preta.
Manoel Ferreira Carreiro.Informe o Sr. Dr.
chefe de polrcia.
Tiburtmo Jos des Santos.Informe o Sr. Dr.
juiz de direito da comarca do Itamb.
Aquilino de Mello Carneiro.Informe o Sr. Dr.
diredlor geral da instruccao publica.
EXPEDIENTE DO Ot\ 12 DE DEZEMlllW.
Oftlcio :
Ao Dr. chefe de polieia, declarando, de or-
dem da presidencia, que segundo participou o
iuspe.'tor da thesouraria provincial foi paga pela
collectoria do municipio da Escala a quanlia de
70, proveniente do al oguel, vencido de julhoa
seterabro desie anno, da casa quo serve de prisao
naquelle termo.
PERNAMBCO.
REVISTA DTJLItlA.
i guerra, codee Jen-
para comprar no
Repartido da polica.
2." soccao.Secretaria da polica da provincia
de Pernambuco, 19 de dezembro de 1870.
N. 1664.Illm. e Exm. Sr.Levo ao conheci-
mento de V. Exc. que, segundo consta das parti-
cipigoes receid is hoje n'esta repartigo, foram
hontem recolhidos casa de deteagao os segura-
tes individuos:
Ni dia 17 lo correte, a minha ordem, JJoo
Baplista de Vasconcellos, por embriagnez.
No dia 18, ordem do subdelegado do Recife,
Williara Rivarn. Niel Campbel, Inglezes, requisi-
sigio do respectivo cnsul.
A' ordem do do Santo Antonio, Joaquim, es .'ra-
ro de Antonio Jos Machado do Azevedo, por dis
turbios.
A' ordera do de S. Jos. Amancio Jos dos San-
tos, por disturbios, Anna de tal, por espancamento
e dasordem, e los Antonio, por oflensas moral
publica.
Ommunicou-me no dia 17 do corrate, o dele-
gado do termo do CabA que pronunciara, como
incurso as penas do art. 201 do cod. criminal, a
Ignacia Urbana Mara da Conceigao, pelos fer-
mentos que fez aa pessoa de Igaez Senhorinha de
Jess
Participon-me hoje o subdelegado do distrieto
do Recife. que pelas 9 h iras ia noute de hontem,
estando o preto Antonio, escravo do comraendador
Jos da Silva Loyo, morador faa do Mrquez de
Olinda, um ponco embriagado e a dormir sobre
urna janella do oitao do sobrado succedeu preci-
pitarse para o lado da ra, dando-lhe a queda em
resultado fiear com a perna direila fracturada ;
pelo que comparecer immediatamente all o Dr.
Malaquias, e prestar ao offendido o devido soc-
corro.
Deu-me sciencia e subdelegado da Capunga por
offlcio datado de hmlem, que pelas sei^ horas da
maoliaa do mesmo dia, sendo informado que no
rio Capibaribe, jauto a ponte da Torre, achava-se
um cala ver completamente n, embaragado n'um
tronco de mangue, o qual fra levado pela en bru-
ta do ro, cmo presume-se, o mandara tirar d'a-
gua; e que no acto de proceder competente
visioria, veriflcoa-se ser d'ura porluguez de trinti
annos pouce mais ou menos de idade, ter cabel-
los pretos, pouea barba e estatura regular, cons-
tando que e.sse in'ehz era trabalador de u/n sitio
na Passagcm, e mjirrra de asphixia por suliraer-
sin.
Deus guarde V. Exc.
Illm. e Exm. Sr. conselheiro Diogo Yelho Cavab
cante de Albuquerque, presldeate da provincia.
O chefe de polieia, Liiz Antonio Femandes P-
nheiro.
PROFESSORES PBLICOS- Por portaras aa
presidencia da provincia, de lo de oorrente, fo
ram norteados professores pblicos de iastruegao
primaria : Ceciliano Jos flibeir de Vasconcellos,
da cadeira da povoagao de Alagoa-secea ; Augus
lo Jos Mauricio Wanderfay, da cadeira da Pas-
sagem da Magdalana ; Jas Paulino da Silva Fi
Iho, da caieira da povoagao de Correntes; e D.
Mara da Conceigao Azevedo, da cadeira da villa
de Ingazeira.
ELEICO SENATORIAL. Temos, em resut%
do, reunido os votos do ultimo collegio qae (al-
tar* para o completo da apuragao geral da lista
sxtupla, do seguinte modo :
I. Desembargador Alvaro 1493
2.' Dr. Barros Brrelo 1474
3." Monsenhor P. de Campos 1460
4. Dr. Ferreira de Aguiar 1442
5." Dr. Ignacio Joaquim 1424
6. Dr. Augusto de Oliveira 1412
COMPANHIA PERNAUBF'IAXA. Alteadondo
i graade necessiJade que sentia a importante ci-
lado do Penedo, na provincia das Alagas, de
um edifllcio para nelle funecionar a alfanduga
icaba a gerencia da companhra Pernambucana
de arrendar, por tres anuos, a thesouraria de fa-
zenda daqnella provincia o magnifico edificio que
all possuo a companbia.
A raesma corupanhia promove a aavegagao
vapor no rio S. Miguel, leudo ja feilo duas via-
gens redondas, trazan Jo reboque de cada vez
duas lanchas carregadas de assucar e algolao
para a capital.
Informam-nos mais qus as duas companhias da
navegagao vapor, Pernambucana e Bahiana,
acham-se em negociagoes para que a priioeira se
encarregue da t uar carga em nosso porto para
a florecont villa do Pilar, o a segunda se in-
cumba de alli fazer mellorar o servigo da laga.
DINUEIRO. Os vapores Jeqnm e Jaguanbe
trouxeram no domingo para uS Srs. :
Andrade & Reg 2:500|000
Joaqnim Jos Goncalves Beltro 1:895*360
H. Forster & C. 1:860*090
Jos Pinto da Costa LoOOioOO
Pereira Irmaos l:406|000
Thoraz T. Maciel Pinheiro 1:200*000
F. Joao de Barros Jnior 1:000*000
Pocas &C. l:000*00i)
Joao Francisco de Souza 972*000
Antonio A. Pereira da Silva 509*000
ACCIDENTE.-As 9 horas da noite de domingo,
estando o preto Antonio, escravo do Sr. Jos da
Silva Loyo, morador ra do marquez de Olinda.
na freguezia do Recife, bastante emhriagtdo a
dormir sobre urna janella do oitao do sobrado,
cahio d'ah ao mel da ra, fracturando a perna
direila. Foi soccorrido e medicado pelo Sr. *r.
Malaquias.
CADVER.=Do rio Capibaribe, junto ponte
da Torre, foi tirado no domingo s 6 horas da na'
nhia o cadver de um homem branco, de cerca
de 30 annos de idade, com eabel os pretos, pouea
barba e estatura regular, em completa nudez
Das pesquisas que procedeu a polica local, re
sultou saberse ser o infeliz trabalhador em um
sitio na Passagem da Magdalena, c ter fallecido
do de asphyxia.
S0NH03 DA MOCIDADE. 3)b este modesto
titulo acaba da publicar o Sr. Eduardo de Carva-
Iho um volume comeado as suas melhores poe-
sas, aigumas das quaes j sahiram a luz no domo
Diario. Divide-se o livro em qualro partes, as-
sim denominadas Lyrada Patria, Lyra Intima,
Lyra dos Tmulos, Lyra da Amizade. Agradece-
mos a offrta de um exemplar.
THEATRO SANTO ANTONIO.Faz hoje btaeft-
eio neste thaatro o sympathico artista caricato da
companhia franceza, Mr Carn, com as chistosa i
operetas : Os dons cejos, A noute de 15deoulu-
bro e o Groad Papa de la Ckanson. Devendo em
breve retirar-se seu paiz, ser esta um dos alti-
mos espectculos em que irabalha este intelligenle
arli-la.
FESTA DO MONTE EM OLINDA.Pedem-nns
para declarar qua est fesia foi lao lmente de-
terminada por S. Exea. Rvma, o Sr. D. abb.ide de
S. B^nto, de accordo com o Sr. com i.endador Ma-
noel Luiz Vires. juiz perpetuo dessa devocao, e
que nao foi nenhum dellas o organisador do pro-
gramma publicad -i nos jirnaes desta eidade, visto
como, adiando se aigraja bastante arruinada, nao
permite que se celebre pontifical, n-m T-Oam.
SERGIPE.Recebemos jornaes do Aracaj at
3 do eorrenle
Lemjs no Jornnf fo Aracnj ;
No dia 30 de novemhro foram recebidas per
S Exc. o Sr. presidente da provincia as propostas
para a estrada de rodigem de Lirangeiras a Ita-
baiana e navegagao a vapor do Pomong e apa-
rataba.
t Apresenlaram propostas para a estrada os se
nhores :
t Engenheiro Mornay, tres, Dr. Luiz Jos Car-
neiro de Souza Lacerda, e Helvecio Muniz Talles,
urna, engenheiro Pedro Pereira de Andrade outra'
e finalment- Sabino Pessoa una outra.
c Para a navegagao :
Dr. Jos Lniz Coelho e Campos, Camarn e
Smith e los Rodrigues Vieira ama, o Dr. Lniz
Jos Carneiro de Sausa Lacerda e Helvecio Mu-
r>iz Telles outra.
Concluido o reebimento das propostas S. Exc.
entregnos urna commissao composta do ins-
pector da thesouraria provincial, do respectivo Dr.
procurador fiscal e de um dos enganheiros ao ser-
vigo da provincia, para discut-las, examina-las e
emittirem sobre a conveniencia dellas opiniao mi-
nuciosa e detaltuda.n
t Consta por commonicagoes offlciaes quo o ter-
mo do Rosario comega a ser infestado por quilom-
bos formados por escravos fgidos as manas de
um dos engenhos prximos villa d'aquelle no-
rae.
O juiz municipal supplente do indicado ter-
mo, dirigi pessoaimenle urna deligencia com-
posta de guardas nacionaes no da 19 do correte
mez.
t Os fugitivos ao serem descobertos, oppozeram
resistencia, disparando algnns tiros.
i A escolta responden Com oulros. Morreu
um escravo que desappareceu na occasio d i c in-
flicto, appareceudo o cadver das depois, j em
estado de putrefago, e cou oulro ievenieute fe-
rido, ambos perteucentes ao major Francisco Vi-
eira de Mello.
t O Dr. cheffl de polieia mandou instaurar o
competente processo pelo supplente immediato ao
juiz municipal que dirigi a deligencia.
c A presidencia, por sua parle, expedio as con-
venwnths ordens aflm de seguir para o Rosario
urna forg com instrucgdes de despertar os referi-
dos quilombos.
t Teodo o Dr. chefe de polieia sciencia de que
na freguezia ao P do Banco, em poca reuna, se
dera um -a$sassin3tn, pratieado por Manoel dos
Santos Serpa, em Felisarda Mana da Conceigao,
anda urna teatativa do morte em Manoel Flix de
Jess, dirigio-sa ao subdelegado ao iatuito de es-
clarecer o fado.
< A syadicancit precedida fundamenta o pro-
cesso que j est instaurado. Serpa, que resida
no P do Banco com todas as regalas de am bom
e pacifico cidadao, acba-se recolhido prio ; a
!rem exactos os fados que se Ihe attribuera tara
responder psr elles ante os tribunaes campa-
nles.i
PENEDO.O rio trazia grande quantidade de
guas tur vas, o que denota abundancia de chu-
las no centro. Em canse |ueocia disso, comega-
m^a apperaccr ferros endmicas.
" iCEIO'.-O major Manoel da Cunha Lima Ri-
beir\lfurriou no dia 8 ilo correte, a sua escra-
va Atoa, crioula de 30 annos de idade.
Nacida le das Alagis grassavam com inteasi-
dade varilas.
FERNANDO DE NORONHA.No domingo che-
gou deje presidio o vapor Jaguaribe. Por elle
nos escWeu nosso correspondente o seguinte :
Aqn chegiu o vapir Jaguanbe no dia 9 do
andante.Vazend > a seu bordo o Sr. coronel Jos
Anselo dUioraes Reg, que assumio no seguinte
dia o colmando do presidio, soja bem vindo
o Sr. curoral Miraes Reg, em quera muito coa-
iamos. \
Neste presidio nada ha ocorrido que merega
mongao. \
Meu chab amigo, tendo na minha ultima mis-
siva, na parteWn que traioi do rezresso do ex-
commandante^Sr. tenente-coronel Sebastian An-
tonio do Reg tarros, com sua Ilustro familia, vi
que a palavra \illuslre foi com> isla con: typos
diffareaies, o ui* bastante rao encomawdoa, e de-
sejando que sea\al palavra reposta era seu vaeda-
deiro sentido, fag* o prsenle reparo, iflm de ar-
redar da mim qu^quer juizo menos justo.
< A paz e a traiqulidade neste presidio vai se
tornando iualterav, louvado seja o Senhor.
PROCLAMAS. Foram lidos no domingo 18 na
matriz da fregueziaJe Santo Antonio os proclamas
aguintes:
1.* Onuncacao.
Gregorio Aoastacio ,da Silva, com Mara Meren
ciana do Rosario.
Antonio Gomes de Olveira e Silva, com Emilia
Rosalina de Oliveira. \
Manoel Floriano Vieiri Pessoa, com Clara Del-
vina Cavalcante Lins.
Jo- Perrera de Minnda, com Anua Julia de
Miranda.
Henrique Hermeto Muniz, com Julia America
de Oliveira.
Adilfo Marques dos SOjtos, oom Hermina Al-
vas Barbosa.
Landelino Rocha, com Tmreza de Je3us Fernn-
les Viaona.
Joao Leandro Carneiro, cm Rosalina Mara da
Conceigao.
Joaquim Muniz Gomes, con Hoaorata Mara do
Sacramento.
2." denuncUgao.
Jos Gomes Monteiio, quer so mostrar desein-
pedido.
Vicente Ferreira dos Sanios, com Aaria da Con-
ceigao.
Franr/seo Fafreira d'Aouuneiacao, cora Anna
Amelia de Oliwira Moura.
Jos Jacintno Colao da Silva, com Canuda Fe-
liciana liezerra de Mello.
Joo Ferreira Pioto Guimares, com Mara Es-
pindola da Costa Santos.
Miguel dos Santos Cista Jnior. Joanna Bilten-
court de Mello.
3. denunciagao.
Antonio Jos di Ca>tro Azevedo, cen Rita Maria
Raposo.
Hirtulsno Jacob de Medeiros, com Rosa Filome-
na deVAndrade
Caetano Francisco Duraes, com Anna Gongalv-is
da Silva.
Antoni.i Muniz do Ros, com Firmina Theodora
ae Franga Lima.
Antonio Francisco de Mello, com Aquiliua de
Ji sus Rodrigues Hendonga.
Thenistocles canuto de Aguiar, com Aibino
Das Leal.
CAS \ DE DETENCAQ.Neste estabelccimeato
existam, no da 18 d correte, 333 presos, entra-
ram 1!, sabio I, e Acarara cxisiindo 343, sendo :
24 braslleiros, 8 muheres, o?> estrangeiros, 06
escravos. Nesse dia foram alimentados custa
dos cofres pblicos 267.
Tiveram baixa para a enfermara : Jacob Ro-
mualdo da Silva, ole ; e Lucas Jos Evangelista
(pleuritt-i.
LOTERA. A que so acha venda a 176", a
b ueficio da irmaodade do Senhor Boui Jess da
Via-Sacr, que carre no da 24 do corrent.
HOSPITAL PEDUO II.0 movimenlo desse es-
ubaleeimento de 12 18 de dezembro de 1870 foi
le 251 doentes existentes, entraram 30, sahiram
88, falleceram i, existan 2o, sendo 101 horneas,
a 91 mulheres.
Advertencia.
Foram visitadas as enfermaras nesses dias
as 6 l/i\ 7, 6 i/2, 6 8, 6 1/2, pelo Dr. Ramos;
as 10, 10, 10, 9 1/2, 10 1/2, 10, 10, pelo Dr. Sar-
ment.
Fallecidos.
Alexandrino Jos dos Prazeres ; tubrculos pul-
monares.
Anna Joaquina Bastos ; enterite chronica.
Jos Francisco Pereira ; febre amarella.
Luci Jiiaquim de Sa.nl'Anna ; ttano.
CEMITERIO PUBLICOObituario do dia 17 do
c irr.-nte.
Mano 1 Joaquim de Alrteida Mondonga, branca,
Portugal, 12 anuos, Santo Antonio ; febre beliosa.
Eugenia, preta, Pernambuco, I mezes, S. Jos
convnlses. |
Luiz brauco, Pernambuco, 6 annos, Boa-Vista ,
Francisco Antonio, pardo, Pernambuco, 40
nos, solteiro, Recife ; singado.
nhecendo, flzessem o melhor jaizo da sna roorali- dos herdeiros daqnella finada, dizem que ne'nhnm.a
da- nullidade labora na rrrematagao e venda dsaoelle*
Basta notar por ora que tendo o Sr. major so jonjelos; que o Sr. Santos Neves nenhum airen
refrido na sna publicagai a certas allu?(5es nao as' tem s acedes futuras, que ameaga, quando mes
esclarece* nem se jusiiticou convenientemente. [ mo ellas tivessem qualqtur fundamente ; % Onal-
Quem houver lido ossa publicagao, absirahindo ; mente, que nao conseniirSo que um simples ad-
n que est rodigid, estranhar sem | ministrador, para dar pasto aos seus capricho'.
autorldade que as- ou para promover o seu ioteresse individual, es
Irague. e diminda a massa inventariada cora de--
pozas da questes infundadas e caprichosas e eni
notorio prejuizo dos verdadeiros donos da lierzn-
jz. O Sr. Sintos Neves parece qne perdeu o bom
senso; tal a njustiga do seu procedimento toilo
censuravel na administrgao de bens alheios, o mu
paseamos a mostrar :
II
Sim : vio, finalmente, praga publica, no d'i
fluvida a arrogancia e lom da
sumo o sen autor.
O Sr. major arvorado em dUratidor de negiicios
que eutendem com a moralidade e proceJimento
de pessoa1*, que j mais o poderiam receiar por
esse lado, o maior escarna) atirado esta loca-
lidade e ou'ra, mesmo onde elle bom conhe-
cido, se as ebronicas merecem f.
Suppor que a sociedade est tao corrompida
qne nao conhega ou confunda o homem honesto
com o que debaldo invocara e-tes foros urna ir- 20 do correte, por" venda, hte *o Juizo do'orphaos
n?ao.
O ioteressee a cubiga piren, levam a estes de-
satinos.
Desejar conseguir o impossivel urna lula hor-
rivei para fazar suecumbir vontades miito onergi
ais, quanto raals quem desalina e desconcerta tio
uenressa.
Entre lanto aialysaremos os fados e os viliosos
docamarttos que os comprovam e servirlo de base
tremenija aecusagio do Sr. major ao Sr. Satyro.
Os documentes son n. I c 2 relativos a prisao do
remita Pedro Ferreira d Cruz, provam que este
fra recrutado depois que obtiveram ordera de
habeas-corpus do juiz da direito que julgra pro
vada isengao legal 3eu fivor.
O delegado de polica procedeu regularmente
anaullando a compiteocia extranba e invasora do
suas attribnigoes.
O acto, pois, da prisao do Cruz, sendo legal nao
pode ser consi lerado violento.
0 tacto de nao ser encontrado o delegado de po-
lica para receaer o oflkio do juiz de direito em
que se Ihe pedia ioformagao de seu acto, nao tem
signiticagao alguma para que se deva mais insistir
sobre este ponto.
do termo do ('abo, a safra de canna< em estad''
de colhita do engenhoGarap do mesmo le -
mo, rogis, boiada, eavatlos, aoutrascousai diixa-
das pelo fallecimento de D. Amia Deltlna Baes Bar
reto, requerimento de todos os seus h;ideir-.
maiores e menores, representados ejles pi r sen-
respectivos tutores, curadoras e curador geral dos
orbaos.
Honra ao juiz indpendente e jusiicciro, Dr.
loao Gonzaga Bacellar, por lio acertada e justa
providencia : ao juiz digno e honrado, que, oiu
estando, felizmente, no numero daqoefles, qne al-
guem dissa, publicamente no hotel do Cab', se-
rem vestidos por sua loja.... leve a dgoidad
precisa para calcar ps as IniaMaa e capricho-
sa* opposigoas feitas es lamenleiro da inventariada, auxiliado /hoj" II...I
para isso com o .-guiante do procurador fiscal d:
(aseada provincial, o celebre e tristemente eetebrt-
bacharel Mavignier; ao juiz que, por amor re-
ligiao do daver, acautelou com aquella providen-
cia os legtimos interesses dos orpnos sua u-
risdiccao o cargo, revestindo com evanglica pru-
dencia o soberana honeslidade todos os niel s
olfensivos, in3ultuosos o araeagadores. dos quai-
Outro facto attribuido ao Sr. Satyro o dapri-se langoii mao para verse so tile racuava d
sao do individuo de noma l'hemislocles da Gota cumprimeato de um dever, como se trrn juiz, rom 1
Limeira, pnrlencente a um bando de aganos, e que o Dr. Bacellar, que descanga na conciencia
alm de requisilado pelo juiz municipal de J5. Ben- urna vida pura e brilhantemente pura, qur com-.
lo ora suipeito de haver feito duas martes. | homem, qur como juiz ; r, alm disto, dolad
Os documentos em que se baseia a aecusagio |de boa fortuna particnlar, qne o torna indeien-
no provara qua por ra fe o delegado delivesso deni.c : nao reeue nunca do caminlm, pira o qu:i!
injustameote e por falso pretexte Limeira na ca 3 chama o comprmante do dever, por meros tro-
deia; pelo contrario o fez seguir logo, para o termo' pegos, ainda que violentos, opposl >s por hoineos
de S. Benlo diposigao da autoridade dali que | qa6) p8]0 interesse pessoal, nao he-itando em (ira
me deu destino ; e informou isto mesmo ao juiz de (car faetos vergonhosos e altamente inimorae-,
direito. socobrom dechigas punidas,que os *eparam pe-
Se o delegado nao reilisasse a prisao de Lirqeira ra aempre do leito, coramunhio e proteceo da ao-
seria acensado de proteger a um individuo sobre \ ciedade
PUBLICACOES A PEDIDO.
Xegoc'os de Cimbres.
O Sr. major Pantaleao de Siqoeira Cavalcanti
tem per ido seu tempo e seu lalim, distrahindo se
de sua vida acliva e laboriosavpara atlacar na im-
prensa o carcter e reputago de seus desaffedos,
como o fez ltimamente em ama publicagao inser
ta 00 Ubrral de 7 e oo do 9 do correte.
Os motivos que o levarama aecusar o Sr. Satyro
Ferreira Leite, vereador da cmara muuicipal.
suppleule do juizo mauicipal o da delegacia de po-
hcia e eleitor, o procurar laucar sobre esie oridi-
culo que nao o attioge, s pode ler explicagio no
fado de se nlo prster o Sr. Salyr j a concurrer
oara que o Sr. major Pantaleao esbalhe a cmara
desta villa de grande part- de seu patrimonio.
O Sr. major ser capaz de empregar tedos os
meios possiveis e impossiveis para remover obsta-
culos 10-nperaveis e vingar-se de todos quantos
Ihe tem sid > contrarios era urna quoslo que elle
tem conscleacia de perde-la, quando o tribunal de
qne pende liver de julga-la.
E'.porm, fora di proposito vir a mprensa ef-
fenl'-r.a nm homem que se nao Ido conhecido
como o Sr. major, pode destruir cabalmente os
seus aleives, e r duzl-lo a posigao desairosa, le-
van lo-o ? um terreno onde elle j mais se deferf
doria, arrependeudo-se tarde das suas impruden-
cia.
Provarla o Sr. Satyro at a evidencia fados at-
triboidos ao Sr. majar Pactaleio que so o nao fl-
zes-em corar, tornara asuaprobidade mnitoequi-
vo;a, aiada mesmo para aqnelles, que o nao co-
o qual pesando serias impulagoes do crioies gra-
vissimos, era requisitada a saa pnsao por autori-
dade competente.
Sobre os oulros fados de que se oceupa o Sr.
major, una nio se pode n referir ao Sr. Satyro _e
oulros j foram explicados convenientemente e nao
augmeotam de proporgao a medida que forera sen-
do repeiidos.-
As ordens attribaidas ao Sr. Satyro sobre o mer-
cado ou f'ira desta villa nao taxavam o prego dos
gneros vendidos e apenas foram urna medida au-
lorisada pelas posturas raunieipaeso obrjgar aos
vendedores de turtos gneros s poderem dispor
delles por atacado depois de certa hora.
Isto e o que diz o Sr. major, publicando attesta-
ls de pessoas to dignas de credit que sao des-
conhecidas, moilo dilferente ; prescindindo nos
de apreciar o carcter dessas pessoas, como faz o
Sr. major com relagao a outras, alias qualificadas
pelas funegoes que exercem e conceito de que
gosam.
E' ioexplicavel na referida publicagao documen-
tos que nao se relerem ao Sr. Satyro nem a ou-
iras pessoas que nella figuram, parece terem sido
publicad s para encher papel e dar proporgoas
mais vastas a e3se amontoado de falsidades e ma-
ledicencia.
Em ultimo lugar ocupa-se o Sr. major Panta-
leao de suas questes com a cmara, o que nao
vem ao caso p- ra o Sr. Satyre, que parto ape-
nas como vereador ; e tambera phantasia violen-
cias commettulas por ordem do delegado no acto
da prisao de Pedro Ferreira da Cruz, o qne cons-
tituD, como dissemos, materia velha.
Nao convrn deixar passar sem conteslagao o
fado de ter o Sr. Satyro em.1862 mandado eman-
car o Jos Rola, pelo que respondeu ao jury^
Felizmente para o Sr. Satyro cuja reputago 3e
pretende denegrir, o Sr. major publica a sentenga
que reformou o despacho de despronuncia que
comprehendett o Sr. Satyro como co-ro daqueile
fado.
Jos Rola foi, nao brbaramente espancado, mas
offendide con alguns acontes ou golpes de um ca-
breste de couro ou instrumento semelhante, sem
nao depois de praticados por oulros.
Jo? Rola, individuo turbulento e de m ndole,
foi afagado, peitado e quasb obrigado a denunciar
dos que deviam figurar como autores de offensas
graves, qualificadas taes em corpo de delicio feito
pelo Sr. major Pantaleao como perito e presidido
por um jui. de paz, inimigo tidagal e vingativo da
familia do Sr. Satyro.
Kste urna vez envolvido no processo, requereu
um exame desanidado no olfandido que desde o
da da offeosa andava a cavallo por loda a parte.
Apilar de ludo o exame de sanidade feito cera
as garantas deja-liga e iraparciafidade que falla-
vam ao corpo de drlicte nao annullaram a este
que exiga 30 dias nao decorridos para a cura do
offendido ; e assim era consequenle que fosse jul-
gado o Sr. Satyro, vendo o perito do corpo do de-
licio, o Sr. major Pantaleao accusa-lo como pro-
motor publico interino !
aSr. major Panialeio ou prevaricou, nao ap-
pellando da sentenga de absolvigao decretada pele
jury, ou reconheceu que este tribunal fez jusliga,
livrando o Sr. Saiyro de inimigos tanto mais mes-,
quinhos quanto perseguiram-no somente por odio
a sua familia.
Accusagoes desta ordem como lim de mancha-
rema reputago daquelles a quera sao dirig as
cobrera de opprobio e vergonha aos que as pro-
duzem.
O Sr. Salvro nao dcixar passar sem resposta
cabal o qu aventurou o Sr. major Pantaleao e
Ihe tomar severas contas pelos meios legaes.
Sentindo sempre o mo elteito do polmicas des-
ta ordem, reconlrecemos que tem a vanlagem de
fazer cunbecer melhor certos caracteres.
O Sr. major Pantalo talvez ainda se arrepenta
quando se conveocer de que o gosto de desabalr
as suas questoes pessoaes nao compensar sacrifi-
cios e incommodos que possam Ibe castar a sua
leviandade.
Pesqoeira 15 de dezembro de 1830.
O imparciaJ.
Ao puMIeo e trlbivn\ph Jndiela-
rlos e adraialstratlvos.
CONTRA-PROTESTO
I
Os herdefos de D. Auna Del fin a Paes Brrelo
contra-protestando o protesto (hespanholada...)
do Sr. Jos dos Santos Neves, impresso no Diario
de hoje, em que ameaga cos e trra com ques-
toes de lucros ce-sames, damnos emergentes, des-
pezas indiciaos e exira-judiciaes, contra quem ar-
rematar o gado vaceum, cavallar, trastes, rogas e
plantaoes de cannas do engenho Garap do termo
do Cabo, mandadas vender em praga pnblica pelo
i
Entretanto, esse acto do juiz seoearsdo grave-
mente pelos que querem especular e gmliar com
a fortuna alheia ; e se diz estar ameaga 1 de aer
translornado pelo tribunal superior : e com qnan
te nao acreditemos no que por ah se pspalha.
apressamo-no era sobmetier ao jnizo publico h
questjp, para que a ignorancia della p de sosa cir-
cumstancias nio sorprenda, e obtenha um JuiZ"
injusto devido inverso dos fados.
III
A ju-tia e neceisidade da venda da simples
intuigo.
1.
A inventariada em sen testamente deixoa dis-
posigSes no valor de 18:000*000 ; e d.ix u em
dinheiro mais de 16.0005, e os ben- que vo ser
vendidos : o seu testamenti-iro o Sr. Jos dos Saf-
ios Neves, o qual nao herdeiro della.
Sendo nomeado pelo juiz inveniari-inte um her-
deiro, morador no termo e no engenho limiirophe.
ao era que morreu a inventariada, casado com
una sobrinha legitima da meama, foi e.-sa nomea
gao revocada pelo tribunal da retagiti em aggravo,
pelo qual mandou nomear inveniarianie o lesia-
menteiro, nao herdeiro, e morador na eidade do
Recife, termo estranho ;o da jarisdicao do juiz do
inventario
Cumprido esse accordao, e empossado o testa-
nienteiro, elle sem licenga do juiz, e sem arbitra-
meato ou base alguma para regular as despeus
da colhela da safra do engenho Garap, deu prin-
cipio a tira-la, sem a menor saiisfagao ao juiz.
No mesmo engenho j existia faln ica e t-nipre
gados do commendador Paulo de Ainorim Salga-
do, dono di engeuho, creando a sjra nova. O
sen genro foi o inveniarianie destituido pela re-
a gio.
Como muito natural appareceram desgostos
naquells luda judiciaria e mais adame a intriga
entre o testimenteiro e o dono do engenho, e sen
genro.
Todos conhecem a necessiJade da harmona
que deve haver eutre o dono ou c Ihelor da aa
fra, e o douo do engenho, e da safra aova j: pela
falta de legislago, que regule bem os direitos e
obrigagoes de amlus, e j pela dejienteocia, .
que esto os interesses do outro. O dono di en
genho tem direito a casa e commojos para si v
seus lavradores, tem direito a raz das catn >- (a-
socas) estas, estao dependendo do bun o eoovo-
niente corle e raoagem, feilo pelo dono da safra .
esse3 differentes direitos s pdera ser bem 1
lado?, havendo harmona entre aquellas duas enii-
dades. Esta nao existindo, v-se logo naaes so
rao as consequencias dessa juneco de fabricas
empregados oppostos dessa lucia qmir-na de
interesses contrarios, por assim oiter-se duu-
luimigos morando e vvenlo na me-ma casa.
Nesse estado as cousas fcil da preer-se
risco e os prejuizos que dahi corren, e podem cor-
rer para os herdeiros, os nicos prejadicadof com
urna m eolheita da safra, que em taes circumstan-
cias, nio pode ser bem feila.
O extravio do mel e a destruigo de canas sao
espantosas. O empregado do lesumenteiro queixa-
se da fabrica do dono do eogenho; cooira o ilu-
da, oo acha remedio : ludo Moi:hgi>u ao co-
nbecimento do juiz, como est no conhi cimento de
todo?. E como se evitar esses prfjuizos para
herdeiros seno por meio da venda da safra.
2.*
Estamos com nm verlo terrivel : tem ae:' I
com todo o pasto do cercado do engenho Garap,
cercado feito para apenas comportar os anima-
da inventariada mas o dono do engeuho tem
tambem direito ao cercado para teros animis
precisos para a creago de sua safia : dahi re ol-
la ter o cercado qurnlidade de animaes superio-
res as forgas delle. Nestas condigoes a conse-
quencia da eolheita da safra pelo testamenteir
ser alm da morte de muitos bois, deixara a
botada em tal estado de nada vailer, e o prejniZ"
evidente, que disto resulta aos herdeiros como fm
acautelar seno por meio da venda da safra '
3.
O incendio de canoas, consa que pode succeder
por quatquer descado, e principalmente esUnJ'
o engenho naquelle estado, a eorropgao das can-
nas e a necessidade que tem de entregar o tefta-
uienleiro em roaio vindouro, a casa de vivenda e
do engenho ao sea dono, para prep-ra-lo para a
nova eolheita ; ainda mesma nao tendo elle mma
e colhido toda a safra, tudo isto nio raostra a ne-
cessidade aa venda, como meio uoico doeviiar-!e
prejuizos tio ameagadores f
A moradia do testamenteiro na eidade da Reei -
a frtnie de sua loja de fazendas, a sua absoln
r
juiz de orpbos do raesmo termo requerimento I safra nao pode sabir do engenho, e .mesmo
ta inexperiencia de serv.oos *["',"J
auzencia do eogenho, a colbe.ta da safra a merii-
dos libertos pela testadora, ameagam ne^ssa colbei-
ta serios prejuizos aos herdeiros : e todos sabem
trae na eolheita jasumente quando o dono da
___11. ..t.:. An siuunhn a munij aSSiUi
aaa


jfij de sPeinambiico Tenji eira 20 de Dezenibro de 1870
e determina-1 de?-
' -* ...
*,
'.
.


tiestas veie< nao ple evitar certas
dos extravos e prejuizos.
5.
Os librtete Dio terio direito, como mi>;
san, a nao aefsugeilarem ao cumjrfr- .,* pea-
diclo lestameataria de tirarem ^etto da too-
dooarem os servicos ? eifra, e aban-
Neste eao : com k-
safra ? Quando c aein tirar o testamenteiro a
-al o fim ; -* t. libertos se sogeiit-m a tira-la
dos ?.-" uo terau dtreito 4 exigir o pagamente-
(i .-sserviros prestados una vetque acia
-yao do teslameoto na) lhs impde a obrigacao
.-"de tirarera a safragratuitamentetatauraas ha
do tirarem ( isso quo-iVs filiaras, e futuros aeoBteeimentos,
que virao a acarretar a lasssa, desposas, difcul-
dades. demora no inventario e eonieginwmente
prejnizns T
6,'
A venda determinada alm de prevenir prejui-
ios serios, resultante* de todas aquellas referidas
eventualidades, reclamada pela natureza do. in-
vyart >; visto como i o meio de coi.cluir se sem
demora, cpmo quer o direito.
Que juiz. poi?, ma vista de untas con-ideraco.'s
valiosa* dcixaria de proceder essa venda, alten
dendo que, alm de ser isto u"cessub e til pa-
ra a massa, era requerida por todos 03 herderos
nuiores da ip venta riada, o pelos tutores carado-
res dos inenofes, os donoj nicos da heranca '
Quero, e com que pretexto (todera um iuiz ne
gala?
Rutrrtanto o Dr. Becellar, por demais escrupu
loso, ni deferio logo ; mandou ouvir o tesla-
menteiro, que nada tinha e netn nada lera com
Isto, porque desde que elle lem em si dinheiro pa-
ra o cuinj>ri Tiento do lestaoi.mto (sua aniea mi<-
sao), nada tem com essa venda, a qaal somonte af-
fectava e affecta os interesses e direltos dos her-
deiros, douos da beranca, acerca dos quaes nao se
esto#J o me* rao testamento.
<> testamenteiro ento, se oppoz fortemente a
venda e.instou para tirar < lie a safra : os tutores
e caradores do* menores allegaram alada, que nao
se oppuuham que o testamenteiro tirasse a safra,
que elle quera tirar, para que por essa forma fl-
cassem acautelados o* intereses dos meDores das
even uali laJcs refrldas..\ada mais natural o
justo. O quH, porm, respondeu o testamenteiro ?
Vai ver o publico :
Respondo por escripto que naj garanta a
importancia da avaliacao : e que se oppunha a
venia da ssfra 1 I I
F > depois des*a resposta, (eu;a apreciacao dei-
xamos ao criterio do publico), que o digno juiz
mandou vende-la em praca publica.
III
Fcou o testamenteiro furioso cora essa provi-
dencia do juiz, requereu vista suspensao para era-
Dar? is de nullidade a nterluctona que orden >u a
venia ; o juiz coneadeu-lhe em apartado : aggra
vou de petigao desse despacho, fundando se na ul-
tima parte do j do art. 15 do re-g. de 15 de mar-
ro de 18S2 ; o juiz mistrou que nao tinha lugar o
apgravn, e mandn nao obstante, que se tomasse
m separado : requereu, que o juiz se averba se
de rnspeKo ; o juiz despachoo que nao so reco-
nhecia susp-ito.
Em quo se funda o testamenteiro para tiio de-
sespera I.-. niiposigao veriada da safra ? No tes
lamento T Nao : porque nem o cumprimenlo do
estamento depende colheila da safra ; pirque ha
dinheiro par o cumprimeoto delle, n nem no tes
tamentn ha dispoticao alguma, mandando que o
testamrnleiro tire a safra. No accordo da rea
^ao, eomo allega ? Nao : porqne este, apena, o
nomecu inventariante : isto est coroprido, elle foi
nc-meado e empossado na inventarianca ; e esse
fado u i erapede a venda ordenada, e nem coos-
titue di^iYsoeiio ao accordo. Em algum direito
dos bens da heranca ? Nao, : porque elle nao o
herdeiro.
E porque tao furioso ameaca empedir a venda
com mi ndados compulsorios e outros recursos ex-
traordinario< ?
ignorar que esse manda los compulsorios e to-
dos os nenrsos extraordinarios fta) revogados
pe i art. 179 da const. da Imp., e Keg. de lo do
marco de 1842. que reduzio e marcou quaes os re-
curso' permetlido- em causas civeis? Se nao
Ignora ; como, e porque fundamento quer oble- lo?
Qual a njnstiea, que Ihc fez o jiiz com acuelles
despachos?
Em Mneed T-lhe vista era apartado pana seu3
pretendidos embargos ao despacho, que ordenou a
venda ?
Ra : porque .-He devia negar-lhe a vista em fa-
ca do art. 14 da De>p. Prov., que pnhibe embar-
gos antes da siitenca final, salvo os que as ac-
i sammariae servem de contestarao a aegao :
0 'ectretsnto que foi benvolo era conceder-Ihe em
aparta lo.
Em nurodar tomar em separado o aggravo de pe-
tir" interp sto da decisao sopra ?
Rio : p rque o 3 3 do art. lo do rep. do 13 de
marc de I8J, cm que se funlou o aggravo no|
> pDitte : viste como ahi. se cncfde fggravo da
egacio de vista fu concessao nos proprios au'-os,
ou em apar) i lo uo caso nico de exeuQaoque
somante o acto, pelo qaal se reduz a effeilo a
sen! lija contsmnatoria, cousa toda distincta em.
naiii f-.irmnl.is de uro despacho administra
tiv>, que mandou proceder a venda da safra em
o-, lo.
Alm d'isto em taes casos ojuitem o arbitrio
de man] r tomar em separado o pr-prio sggravo
d" pe icio, por quanto trata-se de um eoterluc'.o-
r, proferido em autos de inventario cora o fim de
a li nta-lo e proieder logo as partilhs: como en-
BliM P. S. e l'ereira de Carvalho na nota 7 as pa-
lavra< inda nsle caso poder o juiz mandar es
ei:".- i aggravo em separado, e sempre o dever
t. : |uan lo vir qus o dicto nggravo frivolo, e so
tendente a demorar
O procedimento, porlanto, do juiz, nao poda ser
ontro, alvo se quize-se -acrifiiar a administracao
' 3*^4* -diga jui* de o^Aaos, qae to alta
HoWMMite se ten Corbcado essa questo; a
jastiija e acorto de sou procedimeoto nao morrer
nunca no pvj dos caTtorios do Cabo ; nao : pprine
estaos era todo o easo disposlos a nao dtixar
que a forca dos nossos direitos seja vencida pela
torca do patronato.
Villa do Cabo, 19 de dezembro de U70.
O herdeiros da testadora.
da insties sos golpes Ja naaii grosseira chicanaj o
os I niinos interesses da mas-a, edos orphaosaos
caprichos, ou interesse pe^soal do testamenteiro.
I'- is que I o testamenteiro declara que quer ti-
r ir, e c.Iher a safra do engenho Garap, e se
> pi e, por isto, a venda d'ella ; declara por cs-
eripto no< autos a requerimento de nm herdeiro
que nao garante que o resultado de sua colheita
do a imprtasela da avaliaco : e assim declaran-
do, fe oppoa venda da mesma safra que nao po-
deni nunca, ser feita por preco inferior a da ava-
liac,ai !!
.0 que exprime sto? como se traduz um seme-
Hiante proc dimento ?
De duas urna : ou o testamenteiro quer tirar a
safra do engenho, para por esse meio evitar as
partilhs, demorando o inventario, e tirar por esse
mido proveilo nao t dos 16:0004, queja lem em
yi, como dos dinheros que frlapuranjo, da colhei-
ta ou a sua cpposicao o exercicio de um acto
todo caprichoso: no primeir i caso, o sen interesse
pessoal nao deve prevalecer contra os direitos e le-
gtimos intoresse* dos herderos: no segundo o ca-
pri-iio pode ter algnm mrito nos proprios nego-
ci a d individuo que o lerrf, mas nunca nos neg-
os tinelos, dos quaes se apenas nm adminis-
trador de quera nao polo mais vir dzer abu-
sa-tes do minha confianca.
V.
Mas o testanmentein mogo de grandes recur-
sos, achou metera para sahir-se Dm do dilemma
no nacharei Carlos Mavignier, que para alguns
casos ,'orao o velho La Roy que serve ao mesmo
temno de remedio para todas as molestia do peile
e barriga........esa* bacharel que hontem tan-
to i fl ndeu ao testamenteiro querendo at abrir Ihe
faenca pelos 16:0005 da masa inventariada,
lujo se acba ello ligado, como a ostra ao rochdol!
Ent'i, transformados dora a rapidez do raio le-
dos os 'Mmenlo*, e rosolacoe anteriores, que
n i inventaro tinha aquelle riscal da azenda pro-
vincial, tornou-se urna maquina movida pelo me-
nor impulso do testamenteiro : o primeiro grito
de i pflosieto a venda da safra parti delle, que a
motivou, originou para dar ou abrir estrada ao
t-Htnienteiro aflm de saliir-se*daquelle dilema, e
ciiegu- ao seu fim. Urna sapposla nullidade da
avatofio da safra foi entao argid i pelo flseal e
i lo fundamento falso de qae nao foi feita, nem
i porovada pelo seu Inuvado a referida avaliacio I
R at onde podo porm chegar falsidade per-
fi lia, e escndale d nm empregado poblieo 11
O publico rae ver as certidoes abaixo publi-
pidas, na i 'o que a avaliacio foi feita e approvada
pelo lonvado daquelle Ascal.-qiie a fez como bem
ouiz, como tamhom a razio vergonbosa a espeeu-
hci o pivvarieacao torpe, pela qual o flseal e
seu louvado nao quizera> assigna-la dpoi< de
redunda a termo pelo eseriva de aventario : e
mveneend, de que aenhuma nullidade ha na
avaliaca\ ver que neohama razao existe que
,a lio frentica opposicao a venda da' de ij.rap, que nao tem outra cansa sanio en o
rapncb do testame.ntero, donde podo resanar s-
rias consequencias, ou o interosse poesoal do mes=+dim
lemootrado, cota detrimento e sicrificio da
jusilla, e dos direitos dos donos da heranca.
Sooie obstante, porm, todo isto, as oxtincta?
ompulsonas, e ontrot rw;os extraordinario,
sorprendedore, impedirem
Illm. Sr.Diz Jos Gonc-alves da Rocha, qae
precisa, a bem de seu direito, qae V. S. mande
por seti^respeitavel despacho, que o escrivio de
orpbos d'es'e termo, revendo os autos de inven-
tario dos bens da Asada D. Anna Delfina Paes Bar-
reta, i lie d por eertidio de wroo ad verbum o
theor de certido afl. 79 e a uiformacao fl. 2i0 :
e requer V. S. loo mande dar certido pedida.
E pede i V. S., Illm. 3r. Dr. juiz municipal e de
orphos, Ihe delira por merc
Como requer.
Cabo, 17 de dezembro de 1870.-Bacellar.
O capkao Manoel Jos de Santa Auna e Araujo,
serventuars vital.co dos offlcios de segundo
tabelfie do notas, escrivao do crimo e civel de
orphos e ausentes da villa e termo da comarca
do Cubo da provincia de Pernarabuco, por Sua
Magestade Imperial e Constitucional o Sr. D. Pe
dro II, a quem Deas guarde, etc.
Ceirte i que dos autos deinventarin dos bens
deixados pela finada D: Ann. Delfina Paes Bar-
reto, herdeira que foi d> engenho Garant d'este
termo, consta a fl-. 79 e 240 a certido e inlorma-
cao pedida por certido, e ludo Jo theor se-
guinte :
Cer ido.
Certifico que tendo o Dr. Carlos Eugenio Douar-
cheMavignier, ajudanle do procurador ftseal'da fi-
zonda provincial, na casa de sua murada do en-
genho Garap d'este termo, lonvado-so em Jos
Nicolao Vieira da Psx para avaliador por parte da
fazen la provincial, com a presenta d i Dr. jola
municipal e de crphaos, do inventariante e her-
deros, araos por m b como procuradores dos
mais herderos, que tambem se louvarjrra ero ou-
tro avaliador, concordando o dito ajudanle na lou-
vacao do desempatador, como ludo consta dos
termos folbas 73 o folhas 74, procedeu-se ava
liaco dos beus declarado e apresenlados pelo-
inventariante, os quaes foram todos avallados e es-
criptos, assistindo o mesmo Dr. Mavignier, sem
que (i.esse reclamacao alguma ; porque se o ti-
vesse falto, teria sido por mim escripia por or-
dem do juiz, como foram os bens c seus valores,
e tudo ultimado e bocado, assignando o juiz e
partes, nao quizjram assignar e sjudante da fa-
zenda e o seu louvado avaliador, isto sem que
dsse n as razos por que deixavam de assigoar, e
tendo de proseguir o inventario seus termos, rum-
pre me certificar o ocurrido e dou f.
Villa do Cabo, 10 do rn.ven.bro de 1870.O es-
crivao, Manoel Jos de Santa Auna e Araujo.
Informa cao.
Illm. Sr. Dr. juiz municipal e de orpho-.De-
vendo subir cnclusao de V. S. os preseates
autos de inventario dos bens eeixados pela Banda
D. Anna Delfina Caes Brrelo, rendeira do engenhi
Garap, em defeza de minha reputacao sou obri-
gado a dar a seguinte informacao, para a qual
peco venia V. S.
Cera quanto as'araliacoes quo so procederam
de lodos os bens que existiam no dito engenho Ga-
rap, fosse cim.j presenca de V. S., do ajudante
interino do procurador fiscal da fazenda provioci I
neste lermo, o Sr. bacharel Carlos Eugenio
Douarch Mavignier e paites interessada*, e por
V. S. tuJo authentcado, c b.tsuva, como so v a
lis. 7o\ fls. 74, e fl<. 78 verso, todava, v-se a I1-.
37 verso, ama coarclada do Sr. ajudante da fa-
zenda, em que diz que nao se realisaram as ava-
liaces por nao terem merecido a spprovacao do
avaliador por parte da fazenda e nem d'elle. As
avaliaces foram feitas e realisndas, os valores de
todos os beus apresentados pela inventariante fo-
ram dados, com preferencia peto avaliador pro-
posto pelo Sr. ajudanle da f.izenda, e com todoi
os valores concordoa o avaliador por parto do*
herdei-o* maiores o orpbios, deixando smente
de concTlar este com o valor dado safra do
dito engenho Garap, e parlo das roe is que f >;
desempatado pelo avaliador desempatador, entran-
de na avaliacio quando foi transcripta sempre 56
carros de conas que declama o inventariante
torem sido lirados para sement, como tudo so v
le fls. 76 verso, e fls. 77, e todas as avaliacoes fo-
ram feitas perante o Sr. ajudante da fizenda, que
nenhuma reclamacSo fez, como j certifiquei fls
79. Nao foi transcripto o calclo do mel, calculo
este smente feito pido avalin-ior do Sr. jadante
da fazenda e por elle lancado no fim e saa nota
das av.iliaces, porque tal mel nao foi apresentado
nem ihclarado pelo inventariante ou por outro al-
gara herdeiro, e o inventariante logo reclaraou,
declarando qae avallada a safra, nunca hoirver.i
exorelo do calcular-se o mel de safra avahada,
Para coraprovar o que levo informado V. S.,
junto a estfs aatos a nota das avaliacoes feitas e
escripias pela propra lettra de Jo: Nicolao Viei-
ra da Paz, avaliador proposto polo Sr. ajudante da
fazenda no dia 8 de novembro do correle anno,
no engenho Garap, as quaes tendr.se ultimado
no mesmo dia, depois do oI posto, dita nou me
foi entregue pelo referido avaliador do Sr. aju-
dante da fazenda para transcreve-la nos auto*, e
foi ella tai qaal transcripta menos o mel, como se
v de fls 75e78, eoncordandi o avaliador dos
herderos com todos os valores menos o da safra,
e parte das rocas. Ainda dvo informar Y. S.
3ue, segundo disse minha presenca o Sr. ajo-
ante da fazenda (como disse tambem a outre.-)
quando me entregou a nota das avaliacoes que
junio, no'quiz a 11 jal assignar as diiis avaliacoes
depois de transcriptas porque elle pretenda ser
logo pago do servico e com tres estada*, quando
smente deve ser Ihe contada urna e meia atada
por ter prin piado o trabalho das avaliacoes no
Engenho Garap as oito hora3 da manhaa do dia
oilo de novembro, e ullimado-se no mesmo dia
depois do sol posto, com > se v de fls. 73 e da data
da mesma nota das avaliacoes escripia pela sua
propria letra, e tal vez fose esle o motivo que tam-
bem den lagar an Sr. ajndan e da faVnda provin-
cial, intimo amigo e, hospede de sen avaliador
Jos Nicolao Vieir da Paz, para declarar na
coarclada folhas 237 verso, que as avahaQ'-
no mereceram a approvaeSo de sen avaliador e
nem d'elle, por talvez mais se nao lembrar que
em meu poder e cartorlo exislia a nota das ava-
liacoes feitas e escripia oela propria I itra do seu
avaliador, e por este entregue para transcreve la,
a qual exhib e vai jauta adiante. Villa do Cabo,
3 de dezembro de 1870.0 escrivao, Manoel Jos
de Santa Atina e Araujo.
E mais se nao continua em dita ceriidao e in-
forniajao que bem e fielmente, flz pissar aqui por
ceriidao dos proprios autos de inventario ao qual
me reporto, e esta vai sem censa que duvida faja
porimim subscripta e assignada, conferida e con-
certada nesta villa do Cabo, aos 17 dias do mez
de dezembro do anno do nascimento de Nosio Se-
nhor Jess Christo de 1870.
Subscrevo e assigno.
Villa do Cabo, 17 de dezembro de 1870. -Em
t de verdade, Mmoel Jos de Santa Anna
Araujo.
convencido qae a verdade foi alterada na
Cao do Sr. Le te.
Recife li de dez;rabro de 1870.
JL
Tendo o Mottiro, correspondente desta cid
para o liberal, me attribaido a paternldade da
sao do ferrreiro Alexamlro Florencio^ e sto
em urna das suas orropondencias; dou me pressl
em declarar que foi inteiramente alheio a esi
acto da polica, ao qual deu cansa esse Sr. okirf
com os seos raaos conselhoa.
Paco esta declaracio nicamente para evi
que os qae me nao eoohecem facam de mim
juizo da ser eu um hornero qae se applica a faz<
nul aoa outros, e nio por que ma iucommodedi
forma algu:r a as apreciarles e argaices do Mole!
ro, de qnem nao se. deve esperar senao maldadd
e tudo quanto prnprio dos caracteres abjeclos i
vi.
Cidide de Nazaroth, 10 do dezembro de 1870. j
Dommfos Jota da Costa Braga.
3
MOVIMENTO DO PORTO.
Pedro
iVano jnni'do no ita 19.
Pari-Pataeho portuguez Maru, anio
Martins Branco, carga assucar.
Navios mirados uo i 19.
Terra-Nova-3* dias, brigue ioglez Courttnay,
de 18o toneladas, eaoitae E. G. Perrein, affll
pagem U, carga 20H barricas cora bacalbao ;
- a J Montevido-33 dias, polica heapanhola Detntia-
da, de 140 toneladas, capillo Exequiel Moras-
tanyequlpagem 10, carga 3274 qnintaes hes-
panhoes de carne ; a 1J, G. Beltro.
Navios sakidot no mamo da.
Lisboa-Lugar pjriuguel mi, capilao Joo de
Barros, carga assuoar.
Oeerreafo.
Fundioa no Jamarlo urna escuna mgleza, mas
oo leve communicaco cora a trra.
Protesto.
O abaixo assignado, testamenteiro e cabeca de
casal de D. Anna Delfl a Paes Aarret-, protesta
oelo modo mais solemne c-ratra quem quer qae
rar, que arrematar o gido vaecom. cavatlar, tras-'
les, roea-i e plantar,-> de caonas do engenho Ga
rap,_ que de erdeh do Dr. juiz municipal e
EDITAES.
0
Dr. oao Gonzaga Bacellar juiz municipal e de
orphos da villa e termo da comarca do Cabo
da provincia de Peroambuco. por Sua Magesta-
de o Imperadur e Constitucional o Sr. D. Pedro
II, a quera Deus guarde, ele
Faefl saber que tendo-ae .fflxado o edi tal para
se' no dia 6 de fevereiro do prximo futuro anno, se-
quem
?^lJll?m du U J rf ,r a hasla pU; rem arrea'aU ios em praa publica, e por
bllca perante elle, no da 20 do crreme me maor reco ufrerecer,na ca*ade vivendado
(tera-feira) porqnanto a dita arremacao labora nnr) Garap, os bens deixados pela finada D.
uas mais in.-anavei> na idados. COmn unn.irtiina rv-m__ni n___..'i; __i,.J__ ___
as mais iaaaoavaU nullidades, como Hpportuoa Delrtaa pjej Barretoj avadadas
ment e pelos meius competentes se demons-
trar.
Outro sim, c abaixo assignado protesta ha ver di
quem quer que fr u arrematante lucros cessan
les, damitos emergentes, despezas judiciaes e e/-
Irajudiciaes a que elle der causa por esse sen ao,
a despeilo de ter sido em dovido lempo prevenido
e avisado a respeito, por este meio da mat pu-
blicidade possivel.
Recifd, 19 de dezembro de 1870.
Jos dos Santos leves.
N. 203.AGUA DE FLORIDA DE M\RAY E
LANMA.V.J la val esse lempo em quepor meio
fie bem elaborados e eogenhosos annicios nos
jornaes pblicos, se alcan?ava o emp^mar-se e
in rodoar-se um artigo inferiora a&itacao pu-
blica. As essencias ordinarias o de una emanacio
acerba, fabricadas de leos baratos, dia umversalmente rejeitadas em desieito de todas
a< impresas certidoes comprovauva ; em quanto
que este admiravel e riqutssimo perame e cosme-
lico.-composio o cxlrabido por am/ respeitavel e
responsavel firma de raras e dicadas flores
o plantas naturaes, o sobreaneira estima-
do na America do sal o Mexioi, de preferencia
todas as mais perfumaras o amas cheirosas
vai grangeando e adquirindo p.ra si de dia em
dia nova fama, novos trhimpna, > por meio de
de todas as cli-s's do mundo evilisado, aem outra
recommendaco mais do que sUa incontestavel
excelleucia. Nenhuma senhoM, a qual haja es-
parcido alguma- gotlas d'esK deliciosa essencia
florida sobre o sea lenr;o, ouhaja osado a mesma
n'am estado de diluico, cono um cosmtico ; por
cerio hesitar um s insiaJte em perfeitemente
coincidir com as senhoras eaonhorHai da^merica
llespauholn ; a< i\v%e a ten usado para mais de
vinte annos, mediaoe un completa exclusio de
todo e qualquer cutro perree.
,i
N. 207.AGUA LE FlOHIDA DE MURRAY E
LANMAN.T'.dis as prparaides chhnicas envrl-
vem. em s irailacoes gresseira? do essencias de flo-
res exirahidas de muita csta de ingredientes de
ama natureza acre e rv liante : p rm o refrige-
rante o deleitavel aro ia que dimana do natural
incens das ver Jadeins llores da nalureza, quan-
do, por assim dizer, anda n'um estalo virginal de
adolescencia, sendo iocemente embaladas pelas
gentis brisas dos tropees, ja mais nJe ser simu-
li la. Daqui provrr e nasce toda a superioridade
oeste admiravel l afamado perfume, a eonceny
irada essencia de fiares, colhidas por entre os en-
ramados jardins da Florida, sobre todos os de
mais perfumea exisient-js: e finalmente dahi nasce
essa innata lenarjjaje com que ella se apega tu
do que loca, sem j.i mais variar on desmerecer.
Nao conhe eraos, pois, cousa alguma neste genero
que aponas do levo se posi-a approximar ou com-
parar em delicadeza o persistente durabilidad!,
excepcao dos extractos mais finos de Pars; e no
enianto a agua de florida de naroente preterida
pelas senhoras da Anerica'cenlral e do sul. Mi-
xico e Anlilhas at mesmo ao melhor d'elles, e
para mais ajuda o seu cnsto segundo nos consta,
nao chega a exceder a metade d'aquclles eotros.
enge-
Anna
e Consta i te do
me>mo dit.il a requermenlo dos herderos e pa-
receres do Dr. curador geral dos or|)hos e do
herdeiro uzete ; aliendeodo o qae novameole
represeniarara os herderos, e sendo do dever des-
le juzo acautellar os interesses dos orphos por
meu despacho proferido em dita representarlo,
nau-Jei passar o presente edftal para simiente cor-
rerem *s tres pravas, atim de seren ditos bens
arrematados em ultima p'raea publica no dia 20
do corrale mea as 10 horas do da, presidida por
este juizo na casa de vivenda do engenho Garap,
e constante 3o edital j affixade e do scripto em
[poder do porteiro deste juizo.
lepara quo cbogue a noticia de lodos mando que
fesie seja afflxado no lugar publico e do costme,
e se passe scripto ao porteiro para apregoar as
tres pracas.
Dado e passado nesta villa e termo da comarca
do Cabo ans 15 de dezembro do anno do Nasei-
menio da Nosso Senhor Jess Cbrislo do 1870.
Eu Manoel Jos de San? Anna e A rao jo, escri-
vao o escrevi.
Joo Gonzaga Bacellar.
Ao sello 300 rs. Valba sem sello ex-causa.
Buctllar.
SCRIPTO.
O porteiro deste jaizo o offlcial de justica
Jos Ferreira Quintino, traga a pregas para se-
rem arrematada em pra^a publica e por quem
maior preco offerecer no dia 6 de fevereiro do
prximo futuro anno, pelas dez horas do jlia na
casa de vivenda do engenho Garap, confWme o
edita! affixado na porta da igreja matriz desta vil-
la os bens deixados pela finada D. Anca Delliua
Brrelo, e sao os segaintes :
Gado vaecom.
Bo Mar fim
de seis ooca* a de qaatro, sal, viDegre, azeite doce,
baealhao. reijio malatiuho, ou preto, toocinho de
Lisboa^ aletna, masarrJo, marroellada. viaho do
Porto generse e de Lisboa. Contrata igualmente
o incerto e lavagem da mapa da mesma enfer-
mara.
Os pretendemos devedo presentar at o dia
23 do crreme a? daz horas da mauha suas pro-
poslas em earta fechada a secretaria do awsmo
deposito mTquartel da Soledade.
Quartel na Soledade em Pernarabuco na eidade
do Recife JO da dozembro de 1870.
Jos Ignacio Ribeiro Rema.
Tenente secretario,
Pela reeebedona de rendas internas geraes
se faz pabllco qoe neste mez de dezembro qae
as irreandades religiosas, os bancos, companhias e
sociedades ammymas. e qoaesqoer aasociaQes
pas, beneflcente.s ou religiosas teem de pagar a
decima de mao morta, livrede malta, relativa ae
! semestre do ixercicio correte de 1870-71, e
que, fiado o referido praso. ser paga com a mol-
la de60|0. .
Recebedoria de Pernambneo de dezembro de
1870.
O administrador,
Manoel Carneiro de Soaza Lacerda.
La ehmoa...)
) Valtnonca.
Lisette.......)
Mr. Carn terminera le speclacle par Sa era-
iien.
A LA BONNE UEUR' PABLBZ MOI D'CA.
On eommencera 8 heores raoins 1|4 precises.
Oo terminera 11 heures mois 1|4.
OBSjrtri^O
Serio vendidos separadamente os lugares nos
eamarotes de primeira ordem.
O jardim estar ilnminado dorante a noule.
vPRACA DO RECIFE 19 DE DEZEMBRO
DE 1870.
AS 3 1/2 HORAS DA TARDB.
Gotages ofGciaes. \
Assucar Canai 2*100 pjr 15 kil.
Cambio sobre Londres 90 d/v 23 3|4 por 1000
Cambio sobre Portugal pagavel em Londres 24
d. por i.
0iii.ll) Jos Alfonso,
Presidente.
Mesquita Jnior.
Secretario.
ALFANDEGA-
Reudiraenlo do da la 17. .
Idom do dia 19 ,
491:888*827
19:736*873
511:645*700
%'ovlEueuo la alfaodega.
Volumcs entrados com fazenJ&s
" com gneros
Volumes sahidos com fazendas
com gneros
314
-----314
89
401
------490
Descarregam hoje 20 do dezembro.
Patacho inglezSea Birdvarios gneros.
Barca inglezaDelphin -diversos genaros.
Barca ioglezaG/ Patacho norte-ailemi)Soc/e/fivarios gneros.
Barca ingleza Kahi-noor ferro e carvao.
Patacho inglezIsmircarvao.
Barca portuzuezaS. Miguelcarvao.
Barca ingleza Rosamondferro*.
Barca inglezaPara;>racarvlo de pedra.
Patacho americanoHerriet Breseste varios g-
neros.
S agora li no Liberal, urna deelaracao do Sr.
t nenie coronel Parias Maciel, cnhecido porcapi-
ba, em que peda ao governo qae, se eo requerer
por elle a reforma do posto que ocenpa na guarda
nacional com a mxima ufana, considere falso o
pedido.
E' estranho qae e Sr. Maciel fizesso orna deela-
racao desta I
Ha dous amws den-me elle urna proenraco,
da qual ni flz nzo, e afioal extraviou-se, bem
como a tal patente de alferes, de qoe falla; disto
lh dei conhecimenio.
Me pareca, pois, que oSr. teneutecorooel ca-
l-riba detfera estar Iraoqoillo e oada receiar no sen-
tido de ser reformado; mas se Wnda o srormen-
lamsuspeitos e mos sobhos, devo pura e sim-
mesmeale declirar-lhe que, ainda que onservasse
procaracao qae me passou, della nSo faria nzo
contra o seu desejo ; son Incap.n de abusar da
confianca qae em mim se deposita, oo me jolgoe
por si oem poraqaelles com quera vive e con-
vive.
Recife 17 de dezefdbro di 1870.
J. P. B. de Mello Reg.
A correspondencia na air.b.i derjintlicar om
Sr. Joaquiro Leile do Boiqne, argalndo as autori-
dades d all pela proteeeSo que diz preslarem ellas:
ao criminoso Magiflhes, deve conter cxageracSo e
infldolidade. '
Conheceraos perfelameo'3 as aotoridades poli-
ciaes do Boique, a h(m( procedan, eduvidamos qoe tenham tido o proae
ment qae Ihe attrihoem.
O Sr. Lete est sob a m i:npresso do MHSmm-
w oe seu infeliz irmio, e isto deve ter-lhe pertnr-
oaao a juanea, cora qoe cmvioha apreciar os ac-
tos daa antondades a que nos referimos.
. sorprenuedores, impedirem avendadaMfra.de Esperams exae>cr ,n, .JL1!* ~ .x
tarap (o que nio aereamos), e por esse nido | e coSTyZ, S?SK tllasXlo ?5lB
Despachos de exportaco no dia 11 de
dezembro
Na galera ingleza Harmione, para Liverpool
carregaram : Saunders Brothers & C, 100 saccas
cora 7,439 kilos de algodo.
No brigue portuguez Judilh, para o Porto
carregaram : Keller & G 120 saccas com 5,537
kilos de algodo.
Na barca portugueza S. Mttnl II, pan o
Porto carreRsram : OliveiraFlIhos & C. 100 sac-
cas com 8,809 kilos de algedio.
No patacho pertuguez Restaurado, para
Lisboa carregaram : Oliveira Filhos & C. 10 sac
cas com 1,534 kilos de aigodo.
Importa^e.
Vapor brasileiro jequ, fiado de Araeaj e
Alaceio, manifestou :
179 saccas algodo; a Alvaro Augosto de Al-
meida.
36 ditas dito ; a Heorique Saraiva.
,39 ditas dito; a F. X. B. Coelho Guima-
raes.
56 ditas dito; a Augusto Ocaviaoo de Sorna.
litas dito ; a Tasso Irmos i C.
Jos Goocalves Beltrao. -
7 caixas 16 barricas e t saceos cravo, cevada,
leniilhas piraenia da India, e tecidos de algodo
a Ib. Chrisliansen.
79 meios de sola ; a Silvno Chaves.
5 caixas objeclos de uso; a Robilharl.
1 dita com piano; a J. Rhigas.
RECEBEDORIA DE RENDAS INTERNAS
GERAES DE PERNAMBUCO
endimeoto do dia 1 a 17. tiomini
dem do dia 19 '. J?S{^
45:387*953
CONSULADO PROVINCUlT'
Rendimeot-j &o dia la 17. .' .- 81533*810
*!..... 5933*596
80S000
Pinlaclvo 7QIO00
Cabo Verde 8flg000
Brilhuile 70*000
Memoria 50*000
Menino 80*t00
Boa Sorte 80*000
Mangaba 30*000
Rfgalo 70*600
D jurado 80*000
Dejejado 73*000
Vleme 70*000
Lavrzdor 80*000
Mariano 60*000
Saruhiui 80*000
Carleiro 80*000
Alegre ^ 75*000
Mcror 70*000
Traquino 80*000
Deregoro 80*000
Eslrito 75*000
Brioso 70*000
Caxito 75*000
Generle 80*000
Faceiro G5*0U0
Galante 78*000
Fec,i, 30*000
Cupido 50*000
Bft Forma 60*000
Molalinbo 70*000
Valeroso 70*000
Bom Succejso 60*000
Namorado 80*000
Canario 75*000
Treloso 70*000
Primor 70*000
FolgueJo 75*000
Fortaleza 80*000
Gsrroto crioulo caxito 60*000
Garrote crioulo mascando 50*000
Vaeca B infeila 70*000
Vacca Pintainha 00*000
Vacca Bella 60*000
Vacca Molairaha 55*000
Vitello pequeo 15*000
Vitello maior 20*000
Outro dito 20*000
Vacca Nobreza 45*000
Vitello castaoho 16*000
Vacca Azeitona 80*000
Vacca Caboccla 40*000
Cavallos.
Cavallo ruco, velbo 60*000
Cavallo alazao/vclho 25*000
Movis.
2 redes osadas 20*000
2 pessas de algodo da Baha 20*000
1 dita americana 3*000
150 saceos novosa 1* 103*000
102 saceos velhos a 500 55*000
22 cascos de barricas a 320 8*960
7 carros, I novo, 2 rodas e
5 em mo estado 280*000
4 arrobas assucar braoco 16*000
4 ditas de masca /ado 12*000
10,000 covas de rocas de
3 mezes 400*000
10,000 oovas de rocas de
2 aseaes 2!0*000
Safra de canas do engenho
e lavradores 9:454*000
Villa do Cubo, 15 de dezembro de 1870.
O escrivao,
_____________Manoel Jes de S. A. Araajo.
O Dr. Abilio Jo.- Tavares da Silva, offlcial da or-
dem da rosa e juiz privativo dos feitos da fa-
zenda nacional el;.
Faco saber que em vista da exeeuco qae a fa-
zenda oacional encaminha contra os herderos de
Julio Pereira Mattoso, ex-collector do Cabo, fez-
se penhora em ama escrava de norae Monica, ava-
hada per 600*. era consequencia do que e em
face do decreto n. 1693 de 15 de setembro de
1869, sao convidados pelo presente quaesquqr li-
citantes para apresenlar suas proposts dentro do
praso de 30 das, achando-se a mesma escrava no
deposito geral nesta eidade. E para que chegue a
noticia de todos mandei passar o presente que
ser publicado pela imprensa e afflxado no lugar
do costume.
Dado e passado nesta eidade do Rcife aos 16
de dezembro de 1870. E eu Luiz Francisco Bar-
rero de Almeila, escrivao que o sobterevi.
Abilio Jos Tavares da Silva
Conselho de compras
navaes.
O cooselho no dia 24 do corrate mez contrata
vista de propostas recebidas at as 11 horas da
mnha o fornechneolo por tres mezes fiados oo
ultimo de mareo prximo vindooro, de cobertores
de la e colchas de algodo para aprendizes ar
pillees.
Tambem o cooselho per igual forma promove
no mencionado dia 24 do crreme mez a compra
dos objeclos do material da armada segnintes '
10 baldeadeiras de folha, DO duzis de chicaras
e pires de folha, 20 funiz de folha, 6 foles inglezes
de 8 ps de comprimento e de largo, 100 lapis
de cores, 200 lapes prelo?, 2 oculos de alcance, 8
duzias de tigelas de folha dobrada, 6 vares de
ferro de 4 polegadas em quadro, 6 vergonteas de
pinho para mastros Je escaleres de 25 ps de com-
primento e grossura no meio 6 1|2 polegadas e 6
vergonteas de plnho pira paos de cutello de 35
ps de comprimento e grossnra no meio 7 pole-
gadas.
Sala das sessoes do conselho de compras navaes
19 de dezembro de 1870.
O secretario.
Alexandre Rodrigues dos Anjoss.
Subdelegada de polica da freguezia da Boa-
vista 19 de dezembro de 187.
Por esta subdelegada se declara que casa de
detencao se achara reculhidos presos os escravos
segaintes, que devem ser reclamados por seas
respectivos seobores : Marlioho, escravo de Joa-
quina Coimbra Ferreira Guimares ; Benedicto,
escravo de Joao Pereira Moutinho ; Eafrazia, es-
crava de Fraocisco de Paula ; Andr, escravo" de
Augusto de Carvalho, e Jos que diz ser escravo
de Ignacio Luiz de linio Taborda.
Os referidos seuhores devero apresenlar os t-
tulos de dominios conhecimentos de laxa e matri-
culas.
O sobdelegado,
______________Pecio de Aquino Fonsesa.
Consulado provincial.
Na forma do art. 50 1 da lei provincial n
903, avisase por esta reparticao, a qnem interes-
sar possa, que com o mez de dezembro prximo
brese o praso de 30 dias all marcados para o
pagamento voluntario dos impostos da decima
urbaoa e de 5 00 sobre a rend dds bens de raz
de corporacoos de maj morta, relativos ao se
nestre do correte anno financeiro de 1870-71,
incorrendo os contribuintes que nao realisarem o
mesmo pagamento no referido prasoj ne commi-
naci do 3o do citado artigo.
Consulado provincial 21 de novemmbro de
1870.
S'vindo de administrador.
. A-. Wrrivio P. B. e Accioli de Vasconcellos
SANTA CASA DE MISERICORDIA DO
RECIFE,
A Illma. junta administrativa da Santa casa de
Miser c rdia do Recife manda fazer poblieo qoe
na sala de suas. sessSes, do dia 22de dezembro, pe-
las 3 horas da tarde, tem de ser arrematadas a
quem mais vaotagens offerecer pelo lempo de um
a tres annos, as rendas dos predios em seguida
declarados;
ESTABELECIMENTOS DE CARIDADE.
Ra de Sania Rita.
Casa terrea n. 32.......161*000
Ra da Matriz da Boa-Vista.
Casa tarrea n. 5r)........202*000
PATRIMONIO DOS ORPHOS.
Ra de S. Jorge (outr'ora Pilar)
Casa terrea n. 105................. 151*009
dem dem n. 9f>................... 365*00d
Os pretenden!;? devero apresenlar no acto da
orremataco as suas flaneas, ou compareeerem
acompanhades dos respectivos fiadores.
Secretaria da Sama Casa de Misericordia d,o Re-
cife, 30 de novembro d 1870.
O escrivao,
_______________Pedro Rodrigues de Sonza.
Santa Casa e Misericordia
do Recifa
DlaUeiro vista.
A [nina, junta administrativa da santa casa de
misericordia do Recife contina a recaber propos-
tas para o fornecimento de medicamentos, carne
verde e gneros qoe tiverem de consumir os esta-
belecimumos seo pargo oo trimestre de Janeiro
a margo vindouro, na sala de suas sessoes, pelas
3 horas da larde do dia 22 do correte, na sala de
suas sessoes.
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do
Recife, 17 de dezembro de 1870.
O escrivao.
Pedro Rodrigues de Souza.
THEATRO
DA
lWim\ HSPASIOLi
NO
CAMPO DAS PRHCEZiS
Oiiarta eira 24 de dezembro
A pedido de varias familias, sobir a scena pela
ultima vez a aopiandida zarzuela cm 3 actos
CaVAMNE
Principiar s 8 i|2 horas,
tlm qaarto de hora depois do espectculo ha-
tera um trem expresso do Recife para Apipucos.
AVISOS MARTIMOS,
(KWA1H1A BRASILEll)
DE
Paquetes a vapor.
Dos portos do sol esperada
at o dia 22 de dezembro o vapor
Tocanins, commandaote Jos Ma-
ra Ferreira Franco, o qual de-
pois da demora do costume se-
guir para os portos do norte.
Desde j recebem-se passageiros e engaja-se a
larga que o vapor poder conduzir, a qual devera
ser embarcada oo dia de sua ciiegada. Encommeo
las e dioheiro a frete at as 2 horas do dia da sb>
tbida.
Nao s recebem como eacommuudas senao ofe
ectosde paquean valor e que nao excedan a douu
irrobas de peso cu 8 palmos cbicos de medicao
rudo qoe passar destes limites dever ser embar
:ado como carga.
Previoe-se aos senhores passageiros qoe suas
oassagens s se recebem ua agencia, ra da Crm
a. 57 primeiro andar, eseriplorio do Antonio Lolz
le Oliveira Aievedo 4 C.
DE
Paquetes a Vapor
Dos portos do norte esperad
at o da 26 do crreme o vapor
Arinos, commmdaife J. de P.
Guedes Alcoforado, o qaal depois
da demora do costme, seguir
para os portos do sal.
Desde j recebem se passageiros e engaja-se a
carga qae o vapor poder conduzir, a qual devera
ser embarcada no da de sua chegada, eneom-
meodas e dinheiro a frete al as 2 horas da tard<-
de sna saluda.
Nao se recebera como encommendas senao ob-
jeclos de pequeo valor, e que nio exeedam a 2
irrobas de peso ou oito palmos cbicos de medi-
cao. Tudo qae passar destes limites dever ser
ambareado como carga.
Previne-sfc aos 3rs. passageiros que suas pas-
agens s sS recebem na agencia, roa da Croz n.
57, primeiro andar, escripterio de Antonio Loi'
le Oliveira Azevedo 4 C
PORTO
Pretende seguir, com rnoita "brevdade, a barca
portugueza Social, por ter a maior parte de seu
cirregameoto engajado ; e para o poneo qoe Ihe
falta, trala-se com o sen consignatario Joaqoim
Jos Gonralves Beltro, ma do Commereio.
fili'
Segu para esse porto com a possivel brevidade
o hiate novo, bem construido D. Lutza, para car-
ga e passageiros : a tratarle com Games de Mat-
tos frmos ra do Vigaro n. 26.
BAHA
Para e referido porto segu dentro de seis dias
a polaca italiana Sura, e por isso qnem quizer
aproveitar carregar a frete commo-'o, dirija se a^
consignatario Joaquira Jos
ra do Commereio n. 17.
Goncalves Beltrao a
Correw
geral.
Relajo das carias registradas, procedentes
do sol e norte do imperio, existentes na
repartido do eorreio em 19 de dezembro
de 1870.
Anna Olyrapia dt Campos, Cesario Manoel Frao-
cisco dos Prazere-, Ernesto de Aqoioo Fonseca,
Francisca Mara de Jezus, Jos Jeronymo Montei-
ro (2), Jos Rollao de Araujo, Loureoco Jostioiand
Hollaoda e Souza, Dr. Manoel Fraocisco Teiteira,
Mara Avelina Monleiro, Niela Gallo (italiano),
Vicente de Paola de Oliveira Vi les Boas.
O encarregado do registro,
Manoel dos Pasaos Miranda
THEATRO
Idom
87:487f40f
O inspector Interino da alfandega fizpublico
que existindo na guardaraor a desta reparticao um
jacas com queijos da Minas, sem marca nem dl-
reccao, descarregado em 12 do correte do vapor
francez Smdh vindo dos portos do sul.eiguorando-
se quem seja o seu dono, oa codsigoatario, pelo
presente convidado a vir despacha-lo dentro do
nrasb de 30 dias, sob pena de, Ando elle, ser veo-
dido por saa conta sem que Ihe liqoe competinio
allegar contra s effeitos desw venda.
Alfandega de Pernarabuco 17 de deiembro de
1870.
O inspector interino,
Lolz de Carvalho P.\es de Andrade.
DECLARACOES.
O conselho econmico do deposito de recru-
tas, contraa para roraecimenlo das pracas do
mesmo deposito, e para oajoentes da enfermara
i-illtar os gneros seguiuW: arroz, assocar re-
floado^branco e'sumeno, bolacha, bisenuto. caf
em grao e muido, chi, carne-veede, diu db cbar--
que, dita de porco, dece de gojaba. faripha do
raandic-ea, dita de ararola, diu do Maraoho, dita
de milho, galllohas, frangos, lelte, leoha, fachas)
manteiga ingleza, dita franceu, oves," pao branco
EMPREZA-COIMBRA
iioj i:
Reelta eKtraoi'dinarU
KM BENEFICIO DE
CARN (caricato)
LINDO E VARIADO ESPECTCULO
DiriDlDO KM TftBS PARTES
PRIMKIRA PARTE.
Les detis Aveugles
Bouffonnerie rousicale. (ttmsique d'Offenbich).
Pauehoo.. >.. Maris.
Giraffler....i. Caroo.
SEGUNDA PARTE.
LA NUIT MJ 4 OGTOBRE
Operette railitaire eu un act. (Musique de Ja-
cobt).
Mr Lartigoa (broitteur). Daroa.
Duraodal capitaine).... Maris.
Clapier (pre).......... Raynaod
Mlle. Camille........... Mlle. Brescia.
Li scM se passe Avall >u chei Duraodal.
.TEftCBIRA PARTE
Le gran(1 papa de la chanson.
Joan Ruisseau.)
) Marli
Beranger.....}
RIO DE JANEIRO
Para o refer-Id porto pretende sepoir com omi-
ta brevidade a barca brasileira Santa Mana por
ter a maior parta do carregamenlo engajado,'
para o resto que Ihe falta e escravos a frete, ira-
ta-se com o coosignatario Joaquim Jos Goncalves
L'eltro a ra do Commereio n. 17.
COMPANHIA. PERNAM13UCANA
DE
Navegando costeira por vapor
Parahyba, Natal, Maco, Mossor, Am-
caty, Cear, Mandaba, Acarac e
Granja.
O vapor Pirapama eommandan-
te Azevedo, seguir para os por-
tos cima no da 31 do correte
as 5 horas da tarde. Recebe car-
ga at o dia 30, encommenda-
passageiros e dinheiro a frete at as 2 horas da
arde do dia d sahida : escriptorio no Forte de
Mattos a. 12.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DC
t'avegafo costeira por vapor.
Mamangaape.
O vapor nacional Corurtpt,
commandaote Silva, seguir
para o porto cima no dia S8
do correte as seis horas da
tarde.
Recebe carga passagelrat,
ancomnendas, e dinheiro a frete al as 2 horas da
tarde do dia da sahida, ni escriptorio do Forte
do Matas n. 11_______________________
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
\aregacSo costeira por vapor.
Macei, escalas e Penedo.
O vapor Jafuaribe commandaote
Guilherme, seguir para os portos ci-
ma no dia 31 do correte as 5 horas
da tarde.
Recebe carga at o dia 30, ercommendas.passa-
eiros e dinheiro a frete at as 2 horas da tar-
M*
de do dia de sua sahida
do Matto n. U.
no escriptorio do Forte
COMPANHIA PERNAMB
.Vavegacs
por vapor.
DE
eostelra
Goyanni.
O vapor Poraajffra seguir* pa
ra os portos cima no dia 26 V
correte as 9 horas da oonte.
Recebe carga, encommendas.
passageiros e dinheiro a frete ni
escriptorio do Forte do Mattos o. 12.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
VavegacSo eostelra
Parto de Gafinhas, Rio
Tamandar.
TB%r O vapor Parak
"4 portos cima no
fls owia aoiie.
Recebe carga, eacommesdas, paasageiros e d -
nheiro a frete: no escriptorio do Forte do Mattos
n. 12.
por vapo*.
Fermoso e
ira paca ik
o corrate a
t
>
>
I____ILEBfVEL J


/
22"a 8- / W. rfeveBdu Mh|r dentroTre
r**co* das visto qoa j,i letn a mjior parte eoga-
\S Wr* P00** <'ue ttu rato-se cora o
2J) na pr*ca cu na rea do Vfgarfo
MI I .1.1
a. I, i
ttOFINA
PJMyJ. Pergynbygo TerSa feira 20 de De2ombro fe 18*).
LEILOES.
GIIAO
tflTqSru-Hr T U ^ loto8 a *on-
LEIIAfl
DE
Siapohces dotbeatro. de Apollo e 8 ditas,
da companbia Vigilante de vapores de re-
boque d esta cidade, a 22 do corrente
Por despacho do IHra. Sr. Dr.juiz eMeiai do
cammerc.o, daudo em 17 d'este mea. l% n
SES dSVS dN"relh ** provincia,
5E2i *r "* do imperador n. 18 a roncfoir
ffSJT"! qn1.V- S^e comprometteu S-
&SL erCe'ra ?bamada e3le Jrna'. >> fin
de dezembr prjimo passado, e depois para ja
neiro, passou a fevereiro e abril, e na la curnorm
amo se achava no estado nesta cidade.
Ama
Precisa-se para o servioo interno de casa de
Fundnjo de ierro, bronze e fa-
brica de machinas, na ra do
Brtim ns. 160, 102 e 104.
Cardo*o IrmJos.
Os vapores sao da melhor qualidade e itruaes
so C ZTS^rL0i eo^oX MaSo-GrSs
&r --^if.M' ue Poa> ^r exami-
1 fylrt
Precisa-se de ama ama iivre
coa conducta, pira casa de mui
na ra de Sania TliaB n lj
de meia idade e
pouca familia :
_____. .. Quinta-feira
aVi5Ta em D0Dt0' Sl'u criptorio roa da
n. 53, pruneiro andar.
teem completo sortimeoto de todas as fer
Li?fminP,ara en?h0'' e o ealabelecimento per-
fetamento mentado para apromptar qnalquer obra
com promptidao o perfeicao. H
Precisa-se de urna ama forra ou captiva tiara
coanbar em casa de familia : quera bem podr
desempenhar esta inisse, querendo tratar dirija
se aro do Duqne de Cixlis, loja ni. '
M agencia consolar .le 9mvgal do terme
deSerrabJam em Gamelieira orriaa^
te Qr86DCa a8 SrS- SK
nados sobre negocio que Ihe diz respeito
;rrrdi,5dia8aconi-^-'
A viuva on herdeiros de Franjeo da
S ?goaSmGorV9aiCan,e LLacjlno Affoso
eiio, morador em Brreiros
Gimelleira 13 de dezembr de 1870
Jaantko Soares de Menczes.
Agepte.
4RMAZEM
madapolSei a^arjados, quinta-
Caira 22 de dezembr ao
meio f ia.
No escriptorio do ageste Pinio, rna da Crar n
*, em continuas, vender o
fardo de algodo azul,
apolo francez.
ca|Km1^5-e-r.
ra do Visconde de Pelotas (Aragao) '.37 '
do-
na
EttaAftoaejara-
Ida du florw do
Pirus Japnica.
- sua suavidade
isuaa proprieda-
dea benficas.
axoade os oos-
metiaosmais oelabres; tendo sido a-
doptada pop todaa aooiedade elegante,
Deitadanos banhos.dumperftime
i delioioso. oonsoUda as carnea e fax de-
P^Mer s eapinha. oomlahoas e as
oas da palle.
. -REgO 1^500.
Uoico deposito no Bazar da Moda n. 50
rna do BarSo da Vicioria ontr'ora Nava
CAFE PURGATIVO
A* ESCAMONEA
Be B" Barral
orasoea-
c^m / T a casa darna lPeri*1 n- 7ebm
?nnS CPr98,para f3milia: ,,araver n
mero' "* prac* da IndePendencia nu-
mesmo agente um
caixa com castores e ma-
M
LKIO
BE
CASA EM OLINDA
commodos para grande familia. A tratar
00 Rectfe, ra Bella n. 37. As chaves
acham-se em Olinda, defPonte do convento
^vSrTMTrar'08^3111'130^^0
ttTnn^! e dt ura ""Mae, que renha 10 n
1 Iraur n,U m^Sin, de um ne8ro de meia 'dade:
car n 46 ^P8"^ refiuacao de assa-,
Precisa-se de
que d fiador a sua conducta, para o <=ervco n-
caixas com massas, quinta-feira 22 do
correte, s H e meia horas em
ponto.
O agente Pinto levar a leilao, por oonta a men
Ra dr Cruz n. 38.
0 Nova Mundo
peridico ilustrado mensal, publicado em New.
York.
Um bomem Iivre ou escravo
-,- conducta, para o
temo da padaria da ra do Rangel n Al CASA
Aluga-se o 2 andar da casa n. 36 da ra Di-
ve esta defronte na loja n. 29.
Assignatura por seis metes
Rs.-5000.
LIVRAR1A FRANCEZA.
, DE
uas barricas com fio para sapateiro, 1
cana com lmha em uovellos, 1 dita com
d4se;^iv^n^tcaKiso
CRIADO
alSSi^f am rapaz para criad0 o Pero de
fif,m ,pessoa,Jue o retre para o mato ou para
fora desta provincia : a tratar no beTco dos Fer-
reiros n. S, offlina de torneiro.
Precisa-se de um caixeiro que seia brasileir
oaporingunr para o Restaura* de Pars ra
A n ?a!P,l,aCeirt,C-CbfnilcO
tum mS\i i o scRaril. "!?e C
mitrarn aA mJ^^ l nia's moflo de admi-
So ffi nne,ra T servando a sua ac-
ft? rsa^eSr^^ Vo
Pero, pnrq,e irritaeije^ de eatouS tafl a a
tfiMe en.ranfcaS so .u,vuvejSSSto o ut"
sa a^fc*-1 Ji30 -^de Sar
ved,0fflC^h^e,? par PW'moI o aroma sua-
caf l,',gSleu,c !nico e excitante do
4ubs S farra 7"5^ awi,f 'os ^^gantes dos
sStanJi V e*c, "*bor e aJuda a aeco
MFi? ^r.03^^' o Pavimentos 1*S-
Sj intestino, e prevenndo o sen ffoito
e*cl^7Je *<*>i3o. Misturado com
e sem Sica, ftarnrin^^63 Com Pr""P"o
aertr Ai J ,' tornase, m Purgante brando.
sWv?n^wia^ma-r e Pref,nvel a todos os
iivo una radicado e-peci.il da
o nico juti,
ennrea" W? -.d Caf pnrgatvo Permitte de
emprega-lo em todos e? eaws simples Desper-
ando a atonk do intestino e aerando a Jcre
&?* dne"re a'dnr^ ^ ventre! as vento-
Sitedes, as navidades e excita o appetite Em-
as pessoas que a esirc ^ Drediposta=. g
V ,-";1 .- -i"009 LE Ei^REGO.
E tao simples corto fcil. O cat nnrmU
fUu a '^l0 no a?ocarado, ou agua asquea-
rada O vidro inteira a dos ordinaria nar
r^h ra;doa? C0Ihires de caf KES S
pu CHRYSTAES
na- DE
EiJi_.M.! 0 S
Ra Primeiro de i arc(
Irmioi. 0 LresP n- i5. sob a razo social Pereira 6
de w/cTa S0SSS^ST,dSJ?*? 8 Kanrncian,es 52? *
necefisidades da poDulaco S Z' ded,cam- os tem habilitado a asfazer as
. Orespeitivel publico, dignndose d^ "taMecMtodeite geoero.
^J^if^c^^ com-
uniros
qual o medico
o. Clorrelo de potassio. '
Bi-carbonato de soda.
de potasea.
* de cal.
de magnezia.
de ferro.
Acido silcico.
carbnico Iivre.
sulfrico___)
A'um!na..........) vestigios.
Materias orgnicas.,)
<,,m atando hoje na pratica da
sejam pouco conhecidas
? ? p. ? qnart. pa,:e da vidro mnie XI
das Larangeiras n. 4.
n-
n. 4, das 9
mmarre- T^Jl m Cnada "U9 saiba >"
;-mmar a tratar na ra de ad "
da manba as 3 da tarde.
mrihar^8*."'8 ae Um home,n> send0 Portuguez
Ti. I .Pafa enearre"'--^ de um pequeo jar-
?^al41" a Boa-vista, ra do vUnde de
Goyanna n. 51, outr'ora ra do Mondego
da Cruz n. 38.
AMA
un piano de Jacaranda de 3 cordas, 1 moblia de
jacaramla aLu,z XV. 1 diu de 'amarello com
pedra, 1 masa elstica, 1 dita com 9 palmos, 1
guarda louca, 1 commoda de Jacaranda, m
guarda-roupa de mogno, 1 espelho grande t
commoda de amarei,>, l machina para costura
1 cama par casal, cadeiras de amarello avul'
sas ditas de Jacaranda, marquezas, contlos
cadeiras de balance, ditas de bracos, mar.iue-
1 burra de ferro, mesis de pinho, lavatorio^
oas de amarello, dito de Jacaranda, 1 alcafa
louea para ahno5o, candeiros a gaz, relaaios
muttos outro objectos lagios e
Quinta-feira 82 do corrente
p?lo agente Pontual
no armazem da rna do Imperador n. U, s 11
horas em ponto, ao correr do martello.
Precisa-se de uma, preferindo-se escrava nara
co-mbar: trator na ra da PulT-u*' pa"
Precisa-se de um oficial
estrella do Rosario n. 14.
de alfaiate : na ra
CASA DA FORTUNA
Aos 5:000|
Bilhetes garantidos.
A rna Primeiro de Marco (outr'ora roa
Crespo) n. 23 e casas do costume.
li,S, a33i*nad9. ,endo vendido nos seus fe-
izes mlhetes um quarto de n. 1337 comSOOOZOOO
romq4UGaDriooon;13i,, Cm mt>' nm AoSlS
com 400*000 e outras sones de 100*000 e 481000
da lotera que se acabou de extrabir (173*]I, *Z
d'
o mau balito
em agua,
vida aos possuidores a virem receber na confor-
raidade do costume sera descont algura
5.AnC.^3.e a.Z2?dA...wJhe! garantidos da
LEILAO
MOVIS
SENDO :
Urna moblia de Jacaranda quasi nova com 18
cadeiras de guaraicao, 2 ditas de bracos, 1 sof
2 consolos 0 jariiuo.ra om pedra, I mesa elstica'
LSSA 2 aParador^. guarda louca
gurda roupi, m^ias commodas, marqoezas ca-
Si.,d" 'Vni,re1" Para sala d jantar," de
amarello, candelabro e* serpentinas de crvstal
irros e mullos outros objectos que estaro or-
acto do leilao
Senh^rteR^S.!,Ot0rif' abonflcio daIrmandadedo
Senhor Bom Jess da Va-Sacra (176'). aue se ex
trahira sabbado 24 do corrente mez
PRECS.
Bilhele inteiro 6*000
Meio bilhete 3*000
Quarto liSOO
Em porcao de 100*000 para cima.
imele inteiro 5*400
Meio bilhete 2*700
Quarto UM)
Manoel Martins Fuia.
sentes n
Quinta-feira
a .. 22 do cor'ente.
i.mngen l"Js far leila,> Pr orde le uma
Si\T? '7dU de re-si,1e8ia. dos objectos
avisos diversos::
ATTENCAO
TRILHOS URBANOS DO RECIFE A
OLINDA.
J1 lnd. con'uido os trabalhos incetados
na ses5a da assembla geral dos accionistas da
companhiados trunos urbanos do Recife Olinda
de 19 do corrente, o film. Sr. presidente convida
?, hacciDI3tas a r3Unire-se novamente
lugar do costume no dia 21 do presento me?
Rrfiod,0. ,ra,,aJhos sejam oncluidos '
Recife 19 de dezembr de 1870.
______ Manoel Ribeiro Bastos.
Previ
ine-se a qnm interes-
si r possa qu? totlos os bens pos
suidos pelo Sr. Jos Luiz Inno-
cenr^io Pogge, se acham hypo-
thecados e dados em penhor pa-
ra garanta Je debito superior
no valor dos meamos bens, por
escriptura em nota oSt. tabel-
liao Porto Carreiro.
nrfr a'nT.e',luraE.,0e^flh0' tm contratado com-
2l\n,L nn?1 3> ,,,vre e "esembaracada de
?o de'dun .^kT a claasula de flcar Prodnc-
1, /stabal.ec,n,90t0 era se Poder para p.
?ffartodlSnlKdZ.41 Tmos Sri- *' onde Lanman.
Sr.i. Producto. Se alguera, se julgar com
diMio a qnalquer reclamago, tenha a bondade
nn SE? V anaunciante, na mesma 'uaTS
*?*l a.- de .3 d,a! flBd0 9 1* nenhuma re
clamacao podera admittir. uiuui ie
Recife, i9 de detembro de 1870.
i-'*- '4;,':
A MU AFAMADA
AGUA DE FLORIDA,
PE
He o mais delicado e mimoso ao mes-
mo tempo o mais estavel de todos os per-
fumes, e encerra em si, no seu maior auge
de excollencia, o proprio aroma das verda-
deras flores, quando ainda na sua flores-
cencia e fragancia natural. Como um meio
seguro e rpido allivio contra as dores de
caneca, nervosidade, debilidade, desmais,
flatos, assim como contra todas as formas
ordinarias de accidentes hystericos; de
summa efflcacia e nao tem outro queo
iguale. Igualmente, quando destemperada
com agua, torna-se um dentifricio o mais
agradavel e excellen'te, dando aos dentes.
aquella aivorae aperolada apparencia fo
altamente apreciada e desejada pelas Se-
nhoras.
Como um remedio contra
da boca, depois de diluida
summamente excellente, faz remover neu-
tralizar todas as materias impuras que se
criam roda dos dentes e das gengivas,
tornando-as duras, sadias e d'uma linda cor
encarnada. Quanto a delicadeza, riqaeza
e permanencia do seu fragrant aroma, ella
por certo no tem igual; e a sua supe-
nondade sem rival. Ella igualmente tor-
na-se um meio mui excellente, para fazei
remover de sobre a pelle do rosto, toda a
qualidade de brotoejas, ebulices, sardas,
pannos, manchas, impigens e espinhas.
Quando se queira servir della como reme-
dio para fazer desaparecer qualquer um
destes disfiguramentos, e que tanto desfei-
amas lindas feicoes do bello sexo; devera-
se usal-a n'um estado de dilluic5o,' destem-
perando-a n'uma pouca d'agua ; porm no
ratamento de qualquer espinha, usar-se-ha
della pura em toda a sua forca. Final-
mente como um admiravel meio de com-
municar as feicoes trigueiras e paludas,
uma pelle macia e d'uma transparente al-
vura, dando-lhe uma linda cor de rosa :
para um tal fim, ella leva a palma a todos
os perfumes que se teem inventado at ho-
je, e existe em plena soberana sera rival.
Bem entendido tudo isto se refere nica-
mente a Agua de Flompa de Mrkay A
vidro
de c^.t-, t. a ,jr,irIa parle d. vidro'n nteahaV
xo desta idade contra a gostta
facii dPo0rnT.sd'?!na aSmin^*Sao mui.o mai
Da-ae immedistamenie
parado ou callo leve,
de cha preto ou de tilia.
JPJ deP,s'o na pharmacia e drogar a de
Bartholomen & C. : rna larga rio Rosario n 34
tepoMeite quente as-
duas ou tres cha venas
Caxias d
sonnecidas nesta provincial annnnrinS? St^*- !"
psito em PeruambL/Kar^Sruo^ir^
gasosas, e como
;a.
ra Duque a.
Ama.
ZLl "Ta nma Par* se"'S le uma
as, de pouca fm.l,a : a ra do Vigarfon. 1, 3.
e as 7 ho
vesperas com todo o
conen nn^ aiQ que,ra ter a ''ondade de
concuir o negocio que tem com os pronrietarins
ca lypographia Mercantil, o qual 6 d Tin2
para o mesmo Sr. Dr. mieresse
Manoel Alves Fer reir A C. mudaram n sen
ATTENCAO
S'f2 Proe?rido Pela residencia da Sra. D.
A'lea.de Le ,pMioa arneiro Chaves para Ihe ser
entregue um. carta viuda -:, Rio de "neiro e
""t ^centrado, pede -e a mesma senho
Franci?n.e2'9emaDdar recebe"'a a "a de S.
SOCIEDADE LOTEIICA
ESPERANCA FELIZ.
A esta sociedade perlence-lhe o bilhten 4294
os meios ns 1 48 e 867 da lotoria 339 da Corte e
o bilhete n. 2761 da le.eria 175 da provincia
Antooi Juaquim de Brilo,
__^______Secretario.
inh.PPre?'5a ?e de uma ama f,ara comprar, co-
zmhar e fazer o mais servico de nma ns, i
teira
servico de nma pessoa
na rna do Imperador n. 75, 2- andar.
so!
Precisa-se de
rvico interno e
na ra BpII n. 35.
ura preto de meia idade para
o servico interno e externo de uma casa de rami-
lla : na rna RpIIq n -<\
AVISO
O Sr. Cmneno Saboia desde 30 de novembro
deixou de ser caixeiro de Joaquim Jos Ramos.
Precisa-se de uraa ama para casa de uma
pessoa e para todo o servico ; na ra de S Fran-
cisco n. 48.
Oiidda
IVogramuia da testa de w. m. do
monte.
Fe-ta de N. S. do Monto.
Xo dia 7 de jaaero prximo vindouro ser has-
le? la com toda a pompa e magnificencia o estan-
darte da Excelsa Senhora do Monte
ras da noute entrarao as
lirilhantismo.
No da, seguiste ser solemnisada a festa de tao
txcelsa Padroeira, com a pompa e magnificencia
que costoma acompanhar a essafests, a mais con-
oorrida da provincia, e certamente a de maior de-
vu^ao pelos innmeros e portentosos milagrea
com que tem sido protegidos os fiis devotos de
ja) antiga e popular devocao. A festa ser so-
lemnisada com pontifical pregando no Evangelhi o
Rvm. padre Antonh de Albuquerque Mello, e sen-
a orcncs'a dirigida pelo bem conhecido prife"-
sr Traja no Felippa Nery de Barcellos.
Tanto na vespera como em todo dia da festa e
rara constantemente ouvir as mais bellas sympho-
nas, ejecutadas nao s em frente a erraida, como
na estacao dos trilhos urbanos do Recife esta
cidade, pois essa companhiacoadjuva com todas as
veras para o brilhanlismo de tao antiga e resnei-
tavel devocao. r
A' tarde e a noute, ubirao ao ar os mais bellos
e bem construidos bal5es.
Depois do TeDeum com que deve ser rematada
essa grando solemnidade ser queimado um lindo
rogo de artificio, ao qual preceder o arrear-se o
estandarte da excelsa Virgem.
Pede-se a concurrencia de todos os fiis devotos
atlm de se tornar ainda mais brilhanie esa tao'
solemne como desejada festividade.
Os donos de casas de molhados que amigamen-
te fechavaraosestabeliciraentos, para irem render
gracas e admiraretoosinnumeros milagros da virgem
esperamos que renevem os antigos cjstumes pois
a companhia dos tnlhos urbanos do Recife blin-
da, ja se comprometteu pelo jomaes fernecer
trem a todas as horas desde a vespera, afim de
que nao ralle conduccao aos innmeros devotos
'iisseminados por todas as ras da cidade e estra-
das dos arrebaldes.
Recife, 12 de dezembr de 1870.
.PnAp1da^'lparas,erveDdil,a """jacio e per-
tenees da taberna do piteo do Terco n. 11, milito
LrPrr.'!Lpara 1u*l9.uer Principiante e tambera
PWaqnem quizercoiloor um estaheleciruento bem
montado per ter a casa commodidades para iso
a qual tem quintal e cacimba, e o seu aluguel
1*1 x cedeBdo-M ao eomorador a residencia do
sobrado de um andar por cima da mosma. uma
vez que precise delle para sua habitado : a tra-
tar no mesmo sibrado. .
Grande novidade.
BUSTOS DE HOMENS CELEBRES, trabalho
muit esmerado em diversos lmannos : no salo
de pisues e de mosicas, ra da Imperatriz n. 14
loia, onde se r cebem enennmenda
las.
AO
10
MjP?*?oa Pinamente habilitada (iTerocese
fhILadmin,!trar qualquer estabelecimento de mo-
33, L m eom ea,xeiro 8inda Para liquida-
f^aalff negocio na capital da Parahvba
do Norte, onde esteve 32 auno; ainda mesmo'na
referida cidade para fiscalisac d^ pesos de a"-
opacar, embarcados Vara fra della, ed
eSS,gi?.trWMraa da "Mn^ftn.
~" Augi^se
o 3 andar do sobrado n. 8 da ra da Imueratriz
atratar eom J. J. de M. Reg ra do CommXsi'.
AMA
Precisase de ama, escrava ou li
vrejna ra do iJaldeireiro n. 68
VICTOWANO PLHAUES~----------
do da 12 lio corrente, do
primeiro andar do sobrado sito a ra da Impera-
"ii n. 16, na occasiio em que eram conduios di-
versos objectos do mesmo sobrado para as carro-
ff&taSS pa/adis a p0"8 da rua-um bab|
de (landres quadraflo, de tamanho regnlar, con-
sana os'n ^!, n8 pfv'a8urti """P" varios P^res de
roldo furto pS=f,de Pem 8eJam os o-
INTERESSANTE C0MP0SIC0 LITTERiRU'.
CONTENDO .
A noite do xtasis. s
O sorriso.
A noite do assombro.
A lagrima 1
A noute do delirio.
O mysteno. ,
>CTmnan.acarU critica dirigida ao autor pele
Jr. T. B. Rigueira Costa. F
1 volume brochado 2*000.
AS CENTELHAS
Poesas patriticas sobre a guerra do Paraguav
- volume brochado 1*000
NA
LIVRARIA FRANCEZA
As imttaces que se tem feito na Franca.
Allemanha, assim como em outras partes ;
s5o inteiramente inuteis e invaliosas ; por-
tento recommenda-se mui especialmente
s senhoras, que tenham toda a precauco
e cuidado, de quando comprarem, esteiam
certas que compram.
A Genina
' AGUA DE FLORIDA
PE
MlIRRAY & LANMAN,
A qual preparada smente pelos uniros
Proprietarios,
LANMANN 4 KEMP, DE OVA YORK
Acha-se venda nos estabelecimentos*de
P. MauerAC, J. C Bravo & C. A
Caora, B. M. Barboza e Bartfaolomeo & C
Precisa se de nma ama que cuzinhe, engom-
me e compre : na rna das Trincheiras n. 14
,k~ pnreci5as'3 de nm caixeiro para taberna de
14 a 18 annos de idade, e que d fiador a sua
conducta, paga-se bom ordenado: a tratar na ra
da Santa Cruz n. 3, padaria.
Precisa-se
AMA.
J, Gordo
Mfrfnatp.ir diaheiro aares procurando a
desgrana oara a ouira t toma tenencia com as dna
apaixonadas de S. Jos e ra Imperial
Precisa-se de uma ama para casa de hornera s
que lave, engomme e cotinhe f na ra da Cruz n
24, 1 andar, por cima da botica.
Ama
Precisalse de uma ama para cosinhar : tra-
tar na rna da Alegra n. 8.
de ura rapaz que saiba trabaliiar em velas .
carnauba, que i-nha boa conducta
Vigario n. 26, fabrica.
na ra do
OiTk
cial de barbeiro
Paeci-a-se de ura bom ofllcial de
ra da Cruz n. 24, andar.
barbeiro: na
Precisa-se de uma mulher para lavar e T
geminar era casaide familia das 6 horas dama
bdo" M rUa d Cabuga "
80-
Agua para Olindo,
O preto Feliciano, erfearrega-se de levar diaria-
mente para Olinda, agua em canecos, por barato
tratar com o Sr. Jo* C-elho. no Vara-
preco
douro.
Prjcisa-se alugar um menino de 10 a 15 an-
nos, para criado : nesta typographa se dir qoem
ipropria
muito perto
7,MSa da'(IM,a aluga-se uma escra-
va para todo servico de raa casa ne familia.
~9 gommado de uma casa de familia, mande traiar
ja rna do Cahug n. 18, sobrado. ,ra,ar
Joaquim Jos Gonpal-
ves Beltro
Ra do Trapiche n, 17, Io andar.
Sacca por todos os paquetes sobre o banco d(
Jlinbo, em Braga, e sobre 03 segnintes lucares en
Portugal:
Lisboa. ,
Porto.
Valenca.
Caimanes.
Coimbra.
Chaves.
Viseo.
Villa do Conde.
Arcos de Val de Vez.
Vianna do Castello.
Ponte do Lima.
Villa Real
Villa-Nova de Famelico.
Lamego.
Lanos.
Covilhia.
Vascal (Valpasso). 1
Mirandella.
Beja.
_______Barcellos._________
PADARIA.
Aluga-se a padaria allema em Santo Amaro e
as condicSes sao fevoraveis: a tratar cora seu do-
ne na ra da Guia n. 56.
Venda de predios na villa da
Escada.
O liquidante da caixa filial do banco do Brasil
oesia provincia, vende separado ou juntamente
onze casas sitas na estaco da villa da Escada,
que pertenceram a Joaquim Salvador Pessoa de
siqueira Cavalcanti ; assim como vende o sitio
denominado da Olaria, e a oarte do sitio da Ca-
cti oeira.
A' ra do Brum n. 92, precisase rallar com
os brs. capitaes de campo, a negocio de seu inte-
resse.
CONFITAilA
1A p
m
Aluga-se
A casa da ra do Progresso, no Forte dos Mal-
los n. $3.
Attenpo
Precisa-se alugar ama casa para pouca
familia, em qualquer das fregaezias de San-
to Antonio ou S. Jos desta cidade ; on
tambem permuta-se ama casa muia boa oa
ra Augusta com uma oatra em ditas fre-
gaezias : tratar nesta typographia.
RUA DO IMPERADOR N. 26.
O proprietano deste estabrlecimento avisa aos
seus numerosos e bons fregueze;, que acaba de
preparar um grande sorlraent 1 d raelhores ee-
neros do mercado para rechear ae despensas a-
queiies quo tiverpm bom paladar e disp-isicM pa-
ra gastar os cobres, no lempo da festa do Natal
Ah1 eniontraro ex alientes presentes de fiambre
vinh.is, licores e cognac de todos os rubricantes,'
boa cerveja, roarmelada portogueza, ameixas em
caixinhas, conservas rrancezas e portuguezas, do-
ces de todas as qualidades seceos e em calda,
tambera enconlraro bolinhos para cha de todas
as qualidades, bolos francezes e inglezes, paj-de-l
pudras, tortas, amendoas confeitadas, e quantdade
do onlros objectos que seria enfadonho enumerar
Estrada do Chacn
Aluga-se uraa me-agua
para o Poco.
rbaBho,cacimbTcorboqaUaDgna,anqae
par wat.o verio,i'itomtfa,
da estacao Chacen ou Casa Forte
frente a^^MtnVutrVr^
com cinam tratar '*ue aenara
com qnem tratar.
Deseja- pitaw.de campos, negocio de seus
teresses, na Boa-Vista ra
priado.
CASA 00 010
Ba do Ba-o da
Victoria n. 63
( Outr'ora ra Nova. )
BUketfM garantidos da pro-
vincia.
Esta ieliz cas, acaba de vender entre os sen
muito reliiei bilhetes a sorle de 400*000 em um
meio de n. 913, a sorte 200* em bilhete inteiro de
ulll3, e dons m?ios do n. 3272 com a sorte de
IWJi, atem de outios premios menoie podendo os
seus possuidores virem receber, que prumpu.mea-
le seno pagos.
O abaixo asaignado convida ao respeitavel pu-
bli para virem no seu esUbeieciineuto eomuru
os fehzes bilhetes garantidos, que nao deixarao df
tirar qualquer premio como prova pelos mesmos
annuneos.
Acham-se venda os rauito felises biThetes a
randos em beneficio de S. Bom Jezus da Via-Sa-
'" qne sera xtrabid sabbado 24 o corrente
mnibus para transporte da es-
taco de II. I ti a Beber! be.
Nos das semanarios as 8 luras e um auarto
da manbi;
A' tarde, -is 5 e meia horas;
Nos domingos s 7 horas di
ngo
as 6 e meia.
horas da manha, e tarde
nm feiror para rjTi to, pre-
a traiar na ra da Scniallanova
era
moz
Na ra do Duque de. Caxiis, outr'ora do Quei-
mado, n. 14, andar, precisase de am criado
forro on captivo, de idade de 12 a 16 annos.
Precisa-se de uraa ama para casa d<
familia : a tratar na rna das Cruzes n. 14.
pouca
Saber deve
se
nham
estes tem de entrar cora
n. 22.
ue seus m- ew in ae entrar eom certa quantia logo que
dos Prazeres *J> mo^or isso que nio toi muito por gost
"eres delles, porm sempre obteve. E tu agora que M-
j ie? nada, esperarei pelo dia. M
JPRECOS.
Inteiro 6*000
Meio aiOOO
Quarto ijsoo
De 100^000 para c;ma.
Inteiro 81400
Meio ja700
Quarto lajoO
Joo Joakn da Costa Leite.
Divilendo
na1aw 6" ii,iea^ da assa ailida de A-
2!?!??12*.?-i *o le 3 0|0, todas, as
sextas-feint das 11 horas da manha
de, uo eacrtptorb da vn do Vigirio
mein mam*."
a 1 da lar-
n. 13, pfl.
CADEIRAS
Um elegante sortimento de cad airas de faia a
imitacao de mogno, e outras de Jacaranda, e bem
assim pretas douradas. obra de gosio : vende-se
as duzas no armazem de Tasso Irmaos A C, no
caes de Apollo. '
Precisa-se de um feilor para engenho, prefe-
rinflo-se portuguez, dando se bom ordenado e fa-
zendose vaohgens : a. tratar no engenho Bonita,
freguezia de Naiarottr, ou rna do Mrquez de
Olinda (onlr'ora_ Cadeia) n. 56, 1 andar.
Preciss-se d
fere-e casado:
numero 30.
Agencia em reruambue-
Do Dr. Ayer
Peitoral de Cereja
Cura a phthysica e todas as molestias do peit<
la'sa parrha
Cura ulceras e chagas antigs, impigen e
i 03.
Tnico
Conserva e limpa os cabellos.
Plalas cathartieas.
Puramente vegetaes sem mercurio ; cura se-
ioe, purgao e purificam todo o systema humano.
Vende-se eflectivamente em casa de Samuel P.
Johnston A C rna da Ssnzalla Nova n. 42.
A luga se
Para passar a fesu uma casi pequea, compi-
ti e frocieiras, na Varzea, por preQo comraodo :
tratar no mesmo Ingar em a casa contigua.
Aluga-se um preto muito bom cozinheiro,
refere-&e aluga-lo para casa estrangeira : na roa:
o Amorioi n 45 para tratar.
dar-
1
Dase 231 mensaes
preto de meia idade, que
Ranfel a. 9.
pelos servidos
seja fial: na
de um
ra do
MMBnaE


, A-B^-g^,-
>v
ftiario fe Vttmtk eqa fera U de DezemW de 1870
''"r-**"***^fc^~
BOTICA
Precisase de una ca.xeiro com alguma ortica
de pua/saci: trr *rM do Doqae de *'
xias a. 57. ___.----------g-p-
-- Precinte 'ogar uml^g^^0111
Jjg lrBUM 1
^mSItSocSsultorio
rai" HOMEOPATHI0O B
Dirigido P*',p;r. *
santos MEI^q
Os habitantes do 'iUlerj0r podera-no
consultar por er*.^ que serao sa-
tisreilos com pf.'.mpudao.
. Presta-so 'tambera a chamados para, o
interior. 'a preso mdico.
O.uslua, no consultorio-das 10 oras
n meio dia.
Chamados, a qoalquer hora.
Aos pobres gratis.
43Ra do Bario da Victoria4d
(Anliga ra Nova).
BF^THOLINI C
^^^ ^M TfG" ebIm, conhbcioa fabrica.
CHAPEOS DE SOL
c Precisase de um menino de ti a 14 anuos,
para caX na padaria da rna do Rangel na-
I mero 9. -----
no.
I Vende-se uro piano era pereito.estado ido fv
bricai.te Trtuimann por preco razoavel na rna
do i.irramantop. 38. armazem do Balisa.--------_
O salo de pianos e de
msicas
mudou-sedaruaNova n. 58, i- andar, para a
roa da .
iDiperatriz n. M, loja,
ende eonlina recommendando-se ao Illm. pn-
ollCO- G. "Wertheimer. _______


\. ;
-ITp7cl^e"de urna am que lave e *<]8mme
,om perfeico : na ra de Barao da Victoria n. 61,
Io andar_________ .-------------------------
~~SO^oo
BsOa i venda os Mires bilheles da .lotera da
lUhinacasafeldoarcoda Conce.cao, loja de
oortoa na Recife.____________---------------_
~_ Na -.raca da Independencia n. 33 se da d:-
it.eiro "bre perores de curo, pratae pedra
rariosaa <,iaqa3lfor aquantia; e na mesm.
V? e r pra e vende objectos de ouro e prata
palmen e se faz toda e qualqucr obra Je en
cSnSetudoe.qualquer concert leuden
roesma arte_________________-__. 4 < 1 ai
--^T5rr7u7THBm)R0 chmstian (10 161.
- SEN, ra da Croa o. 18, eucontraro-se
STctifaSfile todas a qnefidadea de v.nbo
[tiTiteara. Bo-'g-'gaw e do Rnm._________
"Gompanhia Allian segaros martimos estabelecida
na Babia em 15 de Janeiro
Je 1870.
CAPITAL. R. 2,000 000*000.
Toma seguro d mercanonas e din eiro a risco
.So em navios de wUan.apcrna!W>
tro e fra to Imperio Apenen a ra do.Com
L.cio n 17, escriptorio de loaqnwn Jos Gon-
calvts Bell rao. -_______,_______
Au besexe
COLD CREU1 OF ROSES.
Cette Cr.-ine dalicieuse, universellement repao-
dne en Anglelerre, o les emmes senl9,Jf'?m-
raees Dir la be; ieinu doil s rputation aux lments balsam.ques
el onctueux qui la cmposent, aios. q cons-
tante efllcaci p.ur aducir la pean, arcndre
plus Manche, ct omtribuer aras, a la sant el a la
uer.ut qui. lonlonrs, sont neparables.
On la re.v.mma.de ecntre k* irnlation* de
I cpiderme, lelles que Doutons, E"'!. V,
, DI otBSe, B0D0WJB8 M FWOTB^J
,,tre los taches Epatbiqce el les ffloreslw-
- Cene Cr.me convient P*^'^^0* S
iros enciDl-s pour prevenir LE MASQUE, auquei
elles sont sujaics.-Oo s'en sert encor pour em-
pcher la Ogure de se haler par le fro.d ou la trop
grasde chaleur. .
fe Prix 1:500 res
Senl depOt au maga>in Basar de la Mode-50
Ru do Raro da Virb ria.
Eateajitigo estabelecimeno, acna-se hoje montado n'uma
i? 3r servir vantaiosamenle os seus freguezes, atten-
asala de poaer servir vutjuo brilhantes, que

RUARTE .
MANUEL & C
1 E,If5L" que en, v.sla_ de.ser-lhes i

-


,>'.'^;
4I Htt DO B\R\0 DA VICTORIA 41
np Assim como
1
COiyiPftKHIA
DOS
IROS URBANOS
Neste novo armazem tem um
variado sortimento de fzcndHS
f.an.ezas, mglezas, a\lemas e to-
das todas se vendem por precos
oidicos, afim de aci editar a este
novo armazem.
Gasemiras ioglezas,
francezas, de todas as
qualidades, brins de
;;res e brancos, colei-
rii.hos modernos, cha-
peos de sol de seda,
tinos.
ARRUA IRMOS.
DO
ttj.BFE A' OLIXDA.
AVISO
Nos dominaos e das santificados, parti-
io de Olinda trens a noite emquanto bouve-
rom passa.eiros suflicientes embora j se
lenba escotado o numero de viagens marca-
do as i 'bellas.
Na vcspera e dia de Natal partirSo quer
do Recife quer de Olinda treos todas as
horas do dia e da noite desde o meio da
de 24 al 10 horas da noite de 25 para 26
do corrente tuez. Os iren< expressos nao
wnduzirSo passageiros de 3 classe, mas
n3o param em eslaco alguma nem interrom-
perao as viagens designadas as labeHas,-e
no presente annuncio.
eclara-se mais que os relogios das es-
Uces serlo regulados pelo do observatorio
do arsenal do marinba, para o que est um
empregado especialmente encarregado desse
sftrviro
as naces do Recife e Olinda trocam-se
constantemente por moeda legal os brinetes
qoe por ventura houverem recebido os
passageiros por falta de cobrepara troco.
Recifc, 6 de dezembro de t870.
O superintendente,
A. de Abreu Porto.
ede-se aos Srs. assignantes que tragara
os seos bilheles de asignaturas para apre-
senlarem, sempre qoe iransjtarem nos trens
sem o que terSo de pagar suas passagens,
igual pedilo se faz aos Srs. que tem passe
do governo e desde j apresso-me em agra-
decer aos mesmos Srs.
Recife, 9 de dezembro de 1870.
O supreintendenta.
A. de Abreu Porto.
RA
aaio ta Victoria
antiga ra
como tem nma grande
oficina de alfaiate, montada com
todo? os preparos que ha de melhor,
dirigida por habis artistas, que
pela sua promptidSo e perfeico
nada deixam a desojar.
Roopa de todos os
amaubos para homcn
meninos.
por todos os paque
les recebem-se as me-
mores e mais moda-
as casem'iras que ha
na Europa.
RA
Dv
Barfio dajvlctoria
antiga rna
Folographia imperial
t. i,i:riv de pimtura
DE
J. Ferrara Filela
Desde o dia 7 de abril pausado acha:se aberto (
tovoestabelecimento photographieo U a ruad'
vibn n. 18, esquina do pateo .la matriz. U9l* ,
os Sue dasde en tan, tem sahide, de sa offleina I
m geralmente agrandado sendo reeotado. por
ilznne com admiracio pelo exUaord'f,r phr
res que ltimamente tem ''d8r>PhsoUn^Phfa
por outros com alegra, por verem ?""
dotada com um estabeleeimenlo digno iI ella,
eontesuvelmente o pri^.ro qne nse gegeri
hoiepossue : tambara nao nos poupamos em coum
! urna pnra monia-lo no p em que e acna, es
aerando que o publico de Pornamnuco saber.
fpreciar n^sos ^forense rec,mpens,rnosfos ai
"Kdamos a todas *} SfVSSSt
* stranseirat aue gosiam das arte^ ou nvereu
aecesSe deq rabailios de photugraphia a-^
Sm o ncX i slabeteeiment, que estara seniprt
fberTo esu;. dispoeieo todos os das desde es ,
,e5? maS;:; dos 4AmMM
nglezej e allro.mae,, ci>mo sejam .r J
retan Hermas s, Thnraaz Ross, Voiguani.. i
> ih Wulf Ultitnani,nte recebemos tres nova.-
SLUi sendo nma d.las IJ^L^S
lohre o mesmo vidro 4 ou 8 imagens n versas e
te ladas, e ontra de 6 a 12 imagens diversas e
guyente soladas, de sorte que f-^
rande concurrencia poderemos iretratar obr
'ma nica "chapa at 8 penaoas diversas ..sola
das para eaitoes de visita, e ass.m em nteoeiioe
;,m nnarto de hora despachamos 8 dilterenie.
esTsque pecan, cada urna, umaduzia de carto
^isou menos, com os seus retratos somente, oc
*m grupo com ontras. airperc
Encarregamos-nos exclnsivamen e da reecat
h feiiura dos trabalhos de photographia dei-
tando!PeS?la e talentos do disimulo pintor
llemao, o Sr.
Jorge A. Hoth
JS trabalhos de pintura, a aquarela, a oleo, e a
paneSr Roth acha-se ligado a nossa empresa por'
amaScrfpura publica,) at o presente tem-se
iesvellado na execucao de sen tral^*"
No nessoestabelecmerto acham-se W"
tros trabalhos im.iorianus do Sr. Jo*, tndem
miniaturas aquarellai come.a olee, gjgj
.leo cuadros sacros e diversos onlros trabamos.
Tomamos encommendas de retrato. .a oleo a
.amoho natural, assim como de quadroa saca-
para ornamentacao de igrejas ou capellas. Tam
bem aceitamos encommendas de quadros bision
CAssegnramos que os pre^s dos diversos ira-
oalhos da nossa casa sao mu. rasoaveis.
CARTES DE VISITA NAO COLOMDOS A 1U0UU A
SUZIA
CARTES DE VISITA COM 0 C0L0RDO AO NATO-
RALi6OOOADUZlA
Retrates em miniatura i oleo ou a. aqnareHa dt
ifi iTiOOOO cada nro, indo convenientemente en
iilharem moldura dourada o jjjtajdo
onsto da pessoa retratada de 3 a i poegaaas
?odo o quadro palmo e meio do tomanho.
Julgamos que bas.aro os ^
Infca^ c'peciaes pde-se tambera retratar qual
,UNosPtoa'dechuva, ou por tempe.ombrte po-
lomos retratar e asseguramos que esses das sar
mmait Svoriveis aos trabalhos de photograph.a
Mta docura"^persistencia da luz, e p.r termos c
so eQmco 'construido com W*g
iielboramenu, qne a.nda 4wJ
ihum inconveniente ha para fazer-st bellos re
J. Fmeira Villela
i Ae7ba""Thegar pasa a lo^N
1 hzendae de Antonio *
Roiim & C ra do Buque de
Casias n. 31, os segamies ar-
S'sedas de corsrtn* superior
a popeline, pelo baratissimo prejo ae
I2C-dediearobrance,epfetoSpa-
ra homem a 5*.
Dites de castor brancos a 8#.
Cassas francezas pintadas^de deneads. |
padr5es e superior qualidade a 500 r?. o
'"Se* de easemira decores, faienda
qne todos vendem a tO*, a '*
1 Alpacas lavradas E"0*,
Crtes de lia com 15 nados, aze
superior a 5*500. ~
Ditos de cassa a Amelie a #>
ac Camisa* de linho inglezas a .
m Alcatifa eom 1 palmos de largura a
500 rs. o covado.
i^iiiiiii
B icos espelhos de Yeneza.
Vende-se na loja de Bernardino Dnarle Cam-
po^ & C, sita ra Primeiro de marco n. 16, o
mais elegantes espelhos de chrisal.
Gadeiros^e gazeco"-
nomico
Acaba de chegar rova remessa dos lio desja-
dos4andieiros todo de porcolana e. W***
se acrame dam pela gnranp aec. 10 e econnm*.
e ainda pela exccllente luz preferivcl mil vezes
kerosene": vahara antes que se cabem, anteo
deposito da ra larga do Rosario n. 84, botica.
ItTECaT
Vende se urna canoa de carregar 1,200 a 1,300
tijolos : a tratar na ra ireitan. i
Farelo muito novo, saceas grandes, e gaz ro rn
bom em grandes e pequeas porcoes : lado *
precos razoaveis, no armazem de Mathen, Aost.p
& C.: na ra da Semala Velha n.J06._________
Alten?o,
Vende-se duas casas na cidade de Olinda, sendo
urna casa terrea grande na ra da M.ser.cordiai
um sebrado na ra de Mallas Ferreira : a iratrar
na ra de Hortas n. 96._______________,_______
na ra do Amor'.m n. 46 barrizinhos com axeitona
muito boas a 600 rs. para acabar.______________
Gaz.
Vende-se gaz do antier, fabricante Devoes, o
lata i eom torneira a 7600, em garras a .00 rs.,
manteiga para tempero a 360 a libra, npzes novas
a 80 libra : no pateo do Carmo, esquina da ra
de Hortas, armazem n. 2. ___________.
Attenpo.
Vende-se borracha para limas de primoira qoa-
lidade o chegada ultimament?, por preco tomm'-
do : sno largo do Carmo n i.
NOVIDM)
p
(,om rinito maior vautagem compram-se
uro, prata o j..draa m^dos^nj)bras vdhw na
:oja d .
Cabug.
Coraca de Ouro n. 2 D, ra do
ChuMbTTestaho
veho.
.;ndes e pequeas porgoes ; na
O Cosa, proprietario do armazem da Pedra
Maamore a ra das Qretti n 42, olTerece por *-
nheiro contado o que de melbor ha no mercajte,
por ler recebid multos dos gneros desenpto
pelo ultimo vapor. q.onn
Qneljos tlamengos do ultimo vapor a 9*800.
Biscoutos em caixinhas de conflguraSes diver-
sas proprias para festas as enancas.
Velas sieaimas a 640 rs. a libra.
Chocolate de la 1*800 a libra.
Especial i> anieiga ingiera e franceza.
ltorialices para sopas denominadas Julieone, que
substitue perfetamente as mais freseas vas.
A verdi.de.ra farinha americana viuda de conu
propria a 320 rs. o maco de urna libra.
Bolachinhas de todas as qualidade* 9 dos me
Ihores fabricantes.
Ervilhas francezas e porluguezas.
Vinho de todas as qualidadesv ,..--,
Especial e aromtico sabao de familia a oMJ
o kilo.
Amebas8''manncladas dos melhores fabrican-
tes. .
Caf de Mfka._____________________________
1 L. Vende -s"m excellenje piano i risontal pro-
prio para principiante, por prec.o muito cmmodo;
na ra do Livram..nto n 3
T
K 41.
.

Compn se cm g
ra Nova ti. M.
- Comufa-sq um victoria nova en em Jcm
P^isdo co'ii i. > mtenles arreos : a tratar na
ruaS ibufc, n. 18. armazem Flor do Progreso.
NOVA
N. 41.
-i nn liSuriAH mnCCint ________________ '
Vr.NDAS.
urna canoa deamarello toda pregada a cobre, a
qual carrag, 10 pcssoa>: para vir no porto da>
canoas, e a tratar na ra do Apollo n. -.
alo se tornar roassante
iiiimSsfmii
inriiiiAiirn!
AM4
Precisa-se de rrena ama para tratar de crian-
ras : na ra do Crespo n. 7, Inja de miudezas.
Frederico Maya
Cirurgiao dentista.
Acha-se em ser consultorio para os trabalhos
)e sua arte nos dias uteis das 8 hora* da manhaa
as 3 da, tardp, e aqnellee 5es nao poderem comparecer nesse* dias o acha-
ro dar 9 horas da manha a 2 da tarde nos do
miogos e dias santificados. Tambem continua a
prestar se a qualquer chamado, tantp na cidade
imo para fra della, sendo prtcuradoem seu
.ousulKrflo a roa do Duque de Casias, sobrado
amarello com entrada pela prca 4 Ppdro II.
Paga-* 30*raerlaes pelo aluguel de um
preto : na rna Direita n. 129.
Na travessa da rna
das Crozes n, 1, pri-
meiro andar, da-se di-
nheiro sobre penhores
de onro, prata e bullan-
les, seja qual for a qnan-
tia. Na mesma casa com-
pram-se os mesmos me-
taes e pedras.
Prevengo
O abaixd* assignado previne a quera Interessar.
je a escrava BenedicU, pertencente ao Dr. Can
odo Jos Cacado Lima, "Ihe est empenhada por
escriptura publiea passa^a era noUs do labelliao
Almeida ; assim como que pelo juizo municipal
da 1* varada capital se promove a devida execu-
cao. Ninguem, portento, poder legalmente fazer
iransaccao alguma com a precitada escrava, pro-
testando-se proceder criminalmente contra querr
a occultar. Recife 25 de novembro de 4870.
Amaro Joaqoim da Fon eca e Albuquerqne.
Ama.
Precisa ie de urna ama de leite sem fllho o que
seja sadia : a tratar na ra do Mrquez de Olinda
n. 33.______________________ -
Precisa-se de urna mullir idosa e de boa
conducta, para creada de tfm homem soltelro, exi-
ginoo-se que saiba engomroar e tenha habililacoes
para bem administrar o servico de nma. casa-
na ra do Imperador, armazem n. 36.
iue
ferro
RA DA CRUZ Wo
Chapas de ferro galvanisadas para telheiros, etc.
Tathas de ferro para assucar, etc.
Formas de ferro para assucar.
Arados americanos.
Carrinhos de mo.
Venezianas para janellas.
Macbinas de descarocar algodb.
Machina de cortar fumo.
Mchica de cortar papel.
Motores para dous cavallos.
Machina a vapor para mover machinas de algodto. mmalha de
Bataneas, prencas, cofres de ferr, fogoes de ferro, enxofre, {salitre .hmalba oe
moitos outros artigos. ^
Competencia
Estamos na semana em que se deve reche ar
as disoensas ( unto em grande como em pequea
e ca a) de bons e escolhiSos gneros propno- paja
% andes dias de festa. Por es^e motivo o CAM
POS da ra do Iroperadof n. 28, tem por meio
d^o annuncio avisar nao s aos numerosos fre
nezese amigos, como tambem ao publico em ge
d*l one enua ero competencia com os seus colle-
JW Smenlo ios gneros alimentaos pro-
rTcAMPOs'pra!qne seu armazem seja-prefe-
ridoparaosfor^ent,^^
Eacontrar-se-ha continuadamente nm escolhi
do sSento de garantidos alimentos e diversos
aepipes tanto V'^Zll** _
Encontrar-se-ha umitas sisudez nos tratos.
POR QUE NELLE
Ha sempre a disposicao dos compradores, um
portador seguro paya a conduccao dos gneros a
seu destino, dentrda cidade e estacn dos ca
romhos de ferro. _..-*.-
Neste estabelecimento encarrega-se de mandar
apromptar presuntos e outros quaesquer manjarn.
W-VISTO
ra 1' de Marco n.
l
FALSIFICA^OES
dasPILULASdeBLANCARD
(CZkVE DOLM)
A nossa correspondencia do Brazil nos faz I commercio. estes honrados intermedanos
saber que as piafas d'este paiz achao-se ua6 se moslrem dignos daconfianva dos seus
actualmente inundadapor urna multiddode fregut;/os; nao t de duvjdar iguahncnte^quc
falcificacet vis dos nossos productos (textual.
Para garanlir-se contra estas composifos
mai* on menos periizosa,' que esoondem-se
d'essa maneira por delraa das ni^as marcas
de fabrica e mesmo da nossa firma, rogamos
aqu com rjjstancia aos mdicos e aos do-
entes de astegurar-se sempre a origem das
IUJLXSque trazem o nos o nome.appellando,
entre outros meios j.racticos,.pela bol f dos
nossos collcgas, os phanoaceulicos. Nao de
dtividar que n'ama questa que int^ressa tad
seriamenti; a saude publica e amoralidadedo
Aaa-sc at aonu Filulus
i
Comprou-se nm novo sortimento de Km traji-
nadas com lista de seda, fazenda de 8o0 rs. ven-
Se se Jara acabar a 400 rs. o cevado na ra do
Queimado n. 1, loja de Gaspar Antonio V. Guiraa-
raes.
So na loja do barateiro
(antiga ra do Crespo).
Madapolao francez com 24 jardas a ooo.
Cassas francezas cores flxas covado a 280 rs.
Chas rxas e claras, covado a wu rs.
D tas percales, covado a 400 rs.
Pecaste algodao com 4 palmos dn largura a
Ditas de cambraias brancas com 10 jardas a
Duzias de toallias lcochoadas a 7*.
Diias de lilas felpudas tinas a 9*500.
Pecas de brilhantinas brancas com 18 covado
^ffit^idS'-WlOOi Ule snaleja
do barateiro rna de Marco n. 1.
Pecas de l bordado a "*
Camisas bordadas, duzia a 60*
Chapeos de sel inglezes a 13*.
Alpacas modernas muito finas, ultimo gosto, de
800 a 1*200 rs. o eovido. t .^..
Algodo trancado infestado propno para tainas,
vara a U400 : ao barateiro, ra 4 de Marcp n.
1( |o]a do Agosllnho Feneira da Silva L-'ai o >
Banhos de Olinda
Acaba de sahir luz esta muito linda -y"Jj:
Iba para piano, preco 1*000 : na roa Nova n. II,
armazem de pianos e msicas do Aieveoo.--------
----------------1--------------------::..' _.__ n.f5i>n mniti
N

repudiando toda solaridadc com os falcifi-
cadores e-os seus cunipliccs. ellos naonaia-
co um dever d'oi em diente de procurar
as vekadehus I'iuxas ne Blauciud em H
origens certas, cndcrecahJo-se, quer a n6s- J,
mesmos em Pari, quer indirectamente a.
nossos principa** correspoi .
at carneas m /?s ~ 'fx
mendaveis da FranjayfMjM/y' 1
ou do seu pair. 0S'ui' <
Pt-chi'cha sem igual.
Vende-se um excellente burro nnvn de cor ruca,
com crinas amarelladas, muito andador cheaado
ha ponen do seraosla msignificanle qaantia
de 75*000. Sua dona desfaz-se do mesmo por ter
de "esuirno prximo vapor para a Europa e por se
achar o mesmo animal achacado dos pos: na ra
fDuqne de Casias n. 9,1* andar._______________
- Vende-se sement de coentro eTalface multo
novas : na rna da Guian 7. taberna.
<
^ DOCKS. FRUCTAS E FLORES.
Na ra da ^ruz n. 13, vende-se mangas e mol-
dan de llamarac.
-y-.
-~ Phormacentico, ra l)onaparle,mI-ar
A
Semen-
ra da Caic:
-, tle liortalic
Mer-
de fazemlas, na ra do Baro
daVictbr.an. 12, antiga roa
Nova.
a hi. ateodoes, briu?, cambraias,
s\end^n, na preus. da'-.njsco de algodao.
Me\ Sia para ardamento dos meninoi
barragan. ?*", e marinha, 0ro rrande-
d .EES! SroS feilas de lotlM as qualidadn
ortimento d .roya- enfadwlw
roeSn^.e^sev^e baratissimo preco
para acbar.
Vewe se latas ara due-
o pateo da Sania Cruz n. 24.
a eruto:
Luvas deJouvin
A'lealdaderua dalmperalriz n. M **
menii



Diario de Femambuoo Ter^a feira 20 de Dezewbro de 870.

:
-*~.
Venham, fregueses,
nanir-ae ra Duque de Caxias (amiga-
mente raa dtUSruies), sobrado das pe-
Cas de artilberii n. 6.
Nesle oovo estabelecimento encontrarlo os ama-
dores de agpa freca e saborosa os melhores ob-
yectos de barro, pois se acba prvido de todo o
sor Imento como sejara : quarliiir.as dos melhores
fabricantes desta provincia, jarras, morin?ues,
resrtodores, bilbas, garrafas pjlidas e torneadas,
tudo do melhor barro e gosto; as?m como jarras'
potes, quaninhas, bilhas, jarros e vasos para fio-'
re, tonca vidrada de todas as qualidades, e mui-
tos ootros objecto seru serem polidos, tudo de oli-
lidade para as casas de familias.
rao wiTtt
Tem venda era seus armazen?, alm de outros
artigos de seu neg io regular, os segaintes, que
stao vendendo a precos maia baratos que em ou-
:ra qualquer parte :
PORTAS de pinho almofadadas.
FARELL em sacos grandes a 3*500.
GRADES de ferro para cercados.
ESTEIRAS da India para cama e forrar sala.
GANOS de barro trance para esgoto.
GESSO superior em barricas e as arroba?.
CEMENTO de todas as qualidades baixos
jrecos
MACHINAS de descarocar algodo.
BARKIS crrandes cora peixe da Suecia.
LONAS e brinzoes da Russia.
OLEADOS americanos para forro de carros.
FOGOES americanos muito fcons e econmicos.
VINHO 'le Bordeaux em caixas.
COGNAC superior de Gautier Freres.
MILHO de Fernando a 34 o sacco.
AGUA florida;
BAHRIS de carne salgada de poreo e de vacca
!Uf M un
Fspenadore.s a U : ra do Crespo n. 25 A.
^portas n. 53,rwa Direita, 3 p ras n. 53,antiya]
foja do Braga
O abao assignado, dc;.o deste antigo estabelecimento, tendo em vista apreaentar umj
S completo sortimento do ferragons, miudezas e cotileria, tem resolvido mandar buscar em '
diversos pontos da Europa os melhores objectos de seu estabelecimento dos fabricantes
mais connecides; pelo que convida ao respeitavel publico e a seos numerosos fregueres,
8 a virem se servir doS objectos de sua carencia,-aende enconlraro por menes 10 0(0 do que
em outra qualquer parte, um sortimento completo de machinas para descarocar algodlu, i
do bem conhecido fabricante Cottorr Gin A C, ditas para costura, motores para animaes,
ditos para fogo, moinhos para caf de todos os lmannos, da fabrica do Japi, espingardas de 8
dons canos e de um, tanto inglezas como Iranceaas, louca do porcelana, facas e garfos M
de diversas qualidades e precos, bandejas chinelas, salitre, bren, barbante, enxofre, papel e M
limalha do ferro, aeo, e agulha para fogueteiro ; assim como enconlraro consume- 2
mente grande porejio de fogo do ar, e recebe-se encoramenda de fogos de visu, alera de um I
cera numero de objectos, que se tornara enfadonho numera-lns : venham ra Direita n. Wf
t>3, loja de Lenidas Tito Loureiro, antiga loja do Braga.
mmammmmaammmmwmmnmm uiiii
PRMOSA 1IESC0BERTA
PAVILHAO M AUA
i
i1
3
41
aovas musi'-as para piano.
Danse des negres do maestro Cazalbore.
Margarida, linda scholtisch.
Urna folia a Homa, q-iadrilha.
LUNDS
Dansas paTagoayas. .
Habanera.
Los negros.
Noites rte Luque.
Palomita paraguaya.
Tambero recebeu as seguintes :
A opera Guarany, o os melhores pedamos
da mesma para piano e piano e canlo.
Quadrilhas
Walsas
E polkas
Quadrilhas :
Risetle.
Satn.
Jardim das Fadas.
Heroica.
Cap^nga, Carea C.
Ilomnu do mar.
Juvenlud; Ccmmercial.
floC-mbclf.
Ponte d'> Biabo.
Ten nle do Diabo.
Imperial marinheiro.
A sultana como linda.
Independencia das senhoras.
O Club X.
Regresso do conde d"Eo.
Caminlio de ferro.
Goarany.
Walsas :
Sonbo da virgetn.
VoUivel.
Dansa d'amor.
Ultimas valsas de um doido,
Arijo da meia noite.
C n iv sea.
Guar iv.
Plki
Cabrito.
Gorgeiu do 'ibi.
Belicosa.
Gapenga nao forma. -
Querida por lodos.
A riv.il.
Por lodos querida.
Zas Trg.
Palomita paraguaya.
Bi-mark.
Moreninba.
Sorpreza.
Chora pitonga.
Gloria.
Guarany.
venda no erraaaem de pianos e msi-
cas do Azevedo, roa Nova n. 11, boje roa
do Bario da Victoria.
TNICO DELSUC
O TNICO DELSUC qoe hoje apresenta ao publico, depois, porm, de am severo
exame e de reiteradas experiencias, tendo a certeza de que possue tuna superioridade
incontestavel a todas as outras preparares, que at boje tem apparecido, reeommenda-se
por sua bundade, e pelo bnlhante lustro que prodznos cabellos, tirando immediaiamen-
te todas as caspas e coceiras, fazendo com que appareca em bom estar impagavel.
Esta agua comp5e-se de substancias cuidadosamente escolhidas, purificadas, e
confeccionadas com o maior cuidado, e alm disio combinadas de modo tal a dar-rhe
nma accSo verdadeiramente efficaz. consoladora, e benigna.
Derrama-seestaaguana cabeca, e esfregase levemente ; immediatamente ficara
os cabellos ltmpos e com um brilho magnifico.
Deposito
smente em casa do autor, Andr Delsoe cabeeireiro de Paria.
Ra Io de Marco (antiga Crepo) n. 7 A Io andar
IVOTICIA
MOMTEIRO
Veto operar uma completa revoluqHo no artigo
Tinta para escrever.
Una da Imperatriz n. 2
A' este novo e snmptuoso estabelecimenio de fazendas acaba de ebepar directa
mente da Europa o mais explendido sortimento de fazendas propnas para a fifia, tanto
para borneas, como para enboras; descrever e especificar o que de moderno e de ir ais
aparado gosto nelle se encorara seria impossivel; ma3 para que se po?sa faxtr uma
apnximada id?, mencionaremos com especiali Jade :
Rio'8 cortes de vest Jos para casamento, ebegadosno oliimo vapor!
Ditos ditos de ditos de seda deseuhos inteiramente novos.
Ditos ditos de dit<8 de 15a com barras, faxeuda iaieii ament nova.
Vestidos de cambraia para baptisado.
Popelinas da seda dos gostos mais modernos, variado sortimento de c.imtn>ia, e
cassas de cores, lindos e mtdernos desenhos.
Sedas lisa?, letradas, pretas e de cores.
Cretone para vestidos, modernos g>strs.
Alpacas de c r ?S ^nas,c,aras' escuras, pretas, odescri^tive o varidissimo soitiment".
BalBesde todas as qualidades, cores e umanbos, ntreos quaesuns sio inteiramente
nowdade.
Saias bordadas para senlioras, graDde quaniidade de gostos.
Camtsinbas bordadas para senhoras muito moderLas. grande variedade.
Entremeios e tiras bordadas em todas as larguras.
Camisas para bomem, bordadas, lisas, e collerinhos, completo sortimento,
Leo?os de cambraia bordados, lisos e de barras.
Chapeos de velludo, palha, merino: feliro, o que ha de mais moderno e liotJissiracs
SIS. I t
Cortinados bordados, e ricas colchas de seda, e de crochet.
Bareges de pbantasia, fazeoda propria para baile.
Taratanas de cores com palmas lindissimos gostos.
Bortts de are para senhoFas.
Gravtas para homem, grande sortimento em feitios e ceros.
Breanhas, esgui5o e bramante de todas as larguras.
Laazinhasde modernos padrees e lindos gostos.
- Metim da India fazenda inteiramente nova psra vestidos ede lindo effeito.
Finalmentj-eate tste estabelecimento ludo que de ri'elhore mais moderno se pode
encontrar era faendas como em perfumaras finas, das quaes tem um comn'elo sor-
timento. \ i
A A0SCVALHEI410S
Offerece icualaent^a vantagem deencontraiem oeste estabelecimeuto:
Pannos finos, rVetos e de cores.
Cavemiras preta\ finas, e ricos gorgorSes para collete.
Ditas de cores, de quadros, lisos e de listri-s, completo sriimento.
Brms brancos de/W.o de todas as qualidades.
's de cores, lista e trancados, gran.e sortimento.
a cortar e dirigir qoalqoer obra, que s se entrega a contento
do
Um bobil artista
fregu z.
Urna modista igual
rige os que lbe s5o
dc-s a mais completa
conc
pers
ite iccupada nos trabalbos do PAVILHAO DA AURORA, di-
entes, apromptando a capricho qoalquer TOILET, gar?ntin-
'-ligSo nos seus trabalbos.
resumo concluimos
Por cbamar alinelo do tespeitavel publico para o oosso esiabelecimento, que alm
? n1tA que Se p0de dfc8^'Tem faZ8ndas e perfumaras tem o mais COMPLETO SOR-
TIMENTO DE ROUPA FElTAi para homens e meninos. ManJaai se as fazendas em
sa das Exmas. familias, e dam^e amostras.
Um completo sortimento de esteiras da Inila, por menos preco que em outra qual-
quer parte.
Aberta das 6 horas da manha s 9 horas da noute.
O Cazar da Moda rece Leu novo sortimen-
to de fazendas do ultimo gosto para vesti-
dos, assim como chapeosinbos, casacos,
borns, coques, camisinhas, etc. etc.
Continua sempre o grande e afamado sor
timento d miadezas e prfamarias verda-
deiras. que tudo se vende por baratissimos
procos.
Dam-se amostras e manda-so em casa das
Exmas. familias o que desejarem, roa do
Bario da Victoria, outr'ora Nova.
ATTENCA
Chocolate nacional.
Duas medalbas de prata e uma meneJo ho-
norfica.
si villa Irrndo r O,
Rnanova de Santa
Rita
u. I
m m m
-i -.------>w, w >|u.ui uv >whuu wu ym tlUfl
< t retaiDii por menos preco do que em ontr oaa1-
ner oxrte.
Nunca se vio um processo mais perfeito e que aitinja de tal forma a satispazer as
exigencias mais severas da escripturaclo.
A ua cor lindissima e nao precisa de cuidado algum para se conservar no
tiDfeiro sempre com a mesma cor. sem borra, crsta, bolr ou sem todas essas mazel-
las inherentes a t das as tintas at agora coubecidas, ainda mesmo dos melhores autores
6Sti3ngciros *
tr^rin f0^^ esje cstimavel prodocto n5o ala.a as peonas de ac, antes polo con-
trario, a penna adqu.re um malte acurado qoe, sendo interessante, asss proveitoso
riSni* fli na Sed0 esPeci;lmeD'e para copiar, d comtudo doas, tres ou mais
S PIS de elCnp,a; precLc por^' deixiMhro pape) bemmolhado
SV ^arCrm0-n,a"a"b0rr30' Pr^ae 5o Ha o meo de berrar Para se tirar
? o Cp'a' lia ,St a8!t,n5C''"n l"as folbas quantas copias se quercm tirar,
ra^s vaese com o or.g.nal brando uma a uma tantas quantas se defojan; semque
original fique prejudicailo pelas exlraccoes. J q
____0cco"e *)0 diz.er (l"e> Para ^P'31" mPr,a maila intellrgencia e habilidade, sem
o que a melhor Huta nao satefei, e o deleito recae sempre sobre a tinta, que muilas
vezes qoem menos culpa tem.
A dupla qualidado desia tinta extremamente apreciavel, pois que evita que
em qualquer escriptono baja mais do que uma tinta para os diversos misteres.
Emquanto sua durabiiidade, nao ha a oppr a menor duvida, pois qu esta tinta
depois de esenpta soffre o choque de cidos fonissimos.'sem se decompr; ora, se os
cidos nao tem ac^o sobre ella, muito menos a acelo do tempo a pode destruir islo
e plausivel. w
N5o s ao comicercio que este meu producto veio ser til; os professore* dos
collegms investigando todos os meios para o adantamento dos seus discpulos, tem
aprove.tado esta tinta, que com.rulo a acbaram apta para desvolver "gosto nos v ZS S'wmX
fS?S mV^TT" da be"CZa d'\Cr e faci,idade de correr na PVa B Al tf ^ fiS-h batimento de 10 0,0
liquidez. Ha exemplos de enancas que haiia moito tempo lnhfm uma rnunnarri fl de an>(*a Darfl cima 0 '
extrema para a ecripla.rogo que foindmitiidaesta linfa no coilegio, apoderon-se dllaJ
a cunosidade e o gosto, e pouco tempo depois o sen fidantamenlo era manifto
Esta tinta, par de tantas vanlagens, tem um i nico inconveniente, delirio a ao contacto deoatra qualquer; convm pois l-la em tirteiros isenios do men r vsinm
bre de outra tinta e evitar est rever coma penna suja de orna pn paracao differantA <
nSrtm?ST"" rMS"psra "Sr*"n!a *""Su '*a VI0LE
Venili -sr um can caslanho andrino, cri-
oulo, andador baixo, muito novo, mnilo bonito, e
vende-se por causa de nao ler coromodo ?nmiro :
laem prpiender dirija f ao pontal da Cabanga,
asa dn Francisco Jps de Abren.
V-nde se uma taberna mnito afreguezada
no largo da Penlia n. J2: tratar na mesma.
Obse?vac.
Diversas falsificacots e semelbangas tem apparecido, coja dorabilidade aviM*
Os Srs. compradores podem evitar o engao dirigindo-se /asas circumspect?s onpriin
do a tinta que eu fabrico peain
, si. O. Monteiro.
Eival sem segundo,
RA DUQUE DE C.tXlAM X. 49
(Antiga roa do Qucimado)
Contina a vender tudo muito bom e
muito barato a saber:
Libras de areia preta muito boo. .
Tesouras finas para unbas e costu-
ra a......., .-
Papis de agulhas francezas a ba-
ilo a.........
Caixas com seis sabonetes de.fruta
Libras de lia para bordar de todas
as. cores a.......
Carriteis-de linha Alejandre a. .
Frascos com azeite para machinas
Gravtas de corestnuito finas a .
Grezas de botoes madepersla fi-
nissimos a.......
Novello de linha de 400 jardas a.
Caixas com 100 envelopes muito
Rival sem segundo
RA DO DUQUE DE CAXIAS N. 49
Estou drsposto a coniinuar a vender toda;
as miudezas pelos bara'issimos precos abai
xo declarados, garantindo ludo bin e pre-
cos admirados.
Duzias de palitos seguranca a----- 120
Duzia de palitos seguranca caixa
grande a................... 320
Frascos com ol obaboza muito fino. 320
Pacotes com p's de arroz o me-
lhor que ha a............... 320
Navalhas muito linas para fazer
80000 barba a.................... 5000
100 Caixa de linha bran. do gaza.. 500
500 Vara de franjas de lidho para toa-
800 Ibas............."......... 160
Caixas com permas d'a;o de eny
500 superiores -............... 300
00 Lencos de cassa brancos e pint-
dosa
120
500
60
1,0000
superiores s ..... 600 Caixas cora 20 quadernos de papel
un too Tilto/lnc niro monnic n '-)'t(\ .x*.4n4n
240
!0O
200
200
Pentes volteados para meninas a.
Tinten os com tinta preta a 80 rs. e
Pecas de fita elstica muito fina a
Lata com superior banba a 100 e.
Frascos de oleoPhilocomo muito
fino a.........
Frascos de macaca perola a. .
Frascos de extracto muito b nitos a
Duzia de sabonetes muito finos a.
Sabonetes inglezes a 600 rs. e. .
Frasco com agua de colonia Piver a
Dito de oleo babeza a.....
Caixas de lamparinas a. .
Sabonetes a forma menino muito
superiores a.......
Cartilhas da doutrina fazenda nova a
Libras de linba sortidas de todos os
nmeros a.......
Capachos muito bonitos e grandes a
Carriteis de retroz preto, com 2
oitavas a........
Agulheiros de osso enfeitados a, .
Libra de linha ranceza superior
qnalidade a.......2420
Ricas touquinhas de fil para me-
ninos a 200
Bolinas de couro para meninos a 24500
Caixas com agulhas de fundo
dourado a 240
Pecas de tiras bordadas muito G-
a 500, 600, 800 e 1^000
500
240
500
720
15200
500
500
40
24C
400
1 700
640
240
Exi^tem poneos alimento? simples e snbstan-
ciaes como o chocolate, estimulando suavemente
os ervos, d ao corpo o mais puro elemento de
nutricio, e ao mesmo tempo fortifica os orgos di-
gestivos. Todos os mdicos sio unnimes re-
coromendar este alimento como o mais proprio e
substancial para as pessoas de complexao frca e
debilitada,
Vende-se
Primeira qualidade t|2 kil. 800 rs.
H'imeopatha t|2kil. UOOO.
He-paiihnl t|2 kil. 800 rs.
Vanoille l|3 kil. UOOO.
Al meja arreba far-se-l.
e de arroba para cima SO 0|0
Caf muido a' vapor
garantido sr-m mi-tura a 800 ps. o kil., em maior
quantidide ter abatimento de 12 0|0.
Tambera ha pacotes de 1|2 kil. empicotado em
papel de miinho pira o observar sempre frese.
Vende-se bom fumo de Garnbuns: para
pautado
Caixas com 50 novel!os de linha
do gaz a....., .
Duzias de meias cruas superior
qualidade a.......
Pecas de tiras bordadascom 12
metros cada pi>ca a 15500 e.
Pecas de fitas para eos de qual-
quer largura com 10 varas a.
Pecas "de tranca lisas, brancas e
de cores a.......
Duzia de linha frxa para borda-
dos a 400 rs. e. .
Pares de meias cruas para im>.'
nos diversos tamanhos a. .
Duzias do meias brancas mnilo
finas para senhora a. .
Pares de sapatoa de tranca do
Porto........
Pares de sapatos de tapete a. .
Duzias de baralbos para vultarete
Sylabarios portuguezes a. .
Cartoes com colxetes -carreras a
Aootoaduias para collete diversas
qualidades........
Caixas com penna de ac muito
boa de 320 a......
Caixas com superiores obreias a.
Duzia de agulha para machina a.
Libras de pregos francezes todos
os tamanhos a. .... .
Paeote de papel com 20 quader-
nos...........
fte: ma de papel pautado superor
Resma de papel liso muito supe-
rior a...........
100
70i
400
3560b
2i500(:
500
40
500
320
4550'
25000
1(5500
35000
400
20
400
500
40
25000
240
400
45000
35600
RoD-ante-rheumi tico.
Remedio efficacissimo contra as dores rbeuma-
ticas at hoje o mair conhecido pelos seos mara-
vilhosos.resultados.
XAttOPE DE AGRIAO. um dos medicamen-
tos que sua efflcacia as enfermidades, toase e
sangue pela bocea, bronchites, dores e fraqueza
no peito, e^crobuto e molestias de figado, que me-
Ibor tem aprovado.
TINTURA DE MARAPUAMA- A celebre r..i
de raarapuami, cuja energa e efflcacia as para-
lysias, iutorpf ciraenio, etc. etc. muilo se recom-
menda.
Todos esses preparados se enconiram na phar-
macia e drogara de Bartholomen 4 C, nnico de-
posito na ra larga do Ro.-ario n. 34.
Prensa <1e Hthographia.
Vende se uma ou m.-.is de uma : qnom precisar
annnnclo para ser procurado.
GAZ
c\
1/
Latas cora torneira
ULTIMA [NVEXCO,
Qnem comprar do paz nessas latas nao precisa
ver a m.sira a n,,.! T. ,v uneID comPrdo paz nessas latas nao precisa
SurS %5 m. ihff. i Ba7'?la a p,sa-10 |)ara l,rrafci ou **"**> P Que pode
fina;L d"S "' '* ija" re" Irar oar os ndieiros todas as veies que preel
'ar sem derramar ou perder uma |ota :'vpride-se
no armazem do Juao Rosa, trave.-.-a Jj Madre de
Dos d. U.
um fogao americano novo proprio para casa d_
grande familia: a tratar ca ra do Apollo nn-^
mero 28.
,Atten.5_
Vende?e nma airoaeia p>r barati p>,o e em
ira qualijuer ftegpco : a traUr
Alloiados, la o S. Miguel n. 3i.
DO
GALLO VIGILANTE
Hii.i do Crespo n. %
Os propnetariofcdoste bem conhecido estabel-
cimenta, alm dos muitos objectos que tinham i :.-
postos a apreciaco do respeitavel publico, man- *
daram vir e acabam de reeeber pelo ultimo vapor
da Europa um completo e vanado sortimento d*
Ojias e mui delicadas especialidades, as quaes si-
tio resolvidos a ve.nder, como de seu costuran,
por precos muito baratinbos e commodof para >
dos, com tanto que o Gallo....
Muito superiores luvas de pellica, pretas, bran
cas e de mui lindas cores.
Mui boas o bonitas gollinhas e punhos para aa-
nhora, ueste genero o que ha de mais moderno.
Superiores pentes de tartaruga para coquea. .
Lindos e riquissimos enfeitos para caberas da
Exmas. senhoras.
Superiores trancas proias e de cores com vidn-
lbos e sem eiles; esta fazenda o que pode nave*
de melhor e mais bonito.
Superiores e bonitos leques de madreperol.
marm, sndalo e osso, sendo aqnellea branco;
com lindos desenhos, e estes pactos.
Muito superiores meias fio de Escossia pera ?c-
nhoras, as quaes sempre se venderam por 3)*00r>
a dnzia, entretanto que nos as vendemos por 20.
alm destas, temos tambem grande sortimento d*
outras qualidades, entre as quaes algumas" muiu
finas.
Boas bengalas de superior canoa da Intia
castao de in^rfim com lidas e ene:iDtr.dnra* 'ku
ras do mesmo, neste genero o que de melhor s
pode desejar ; alm destas temos tambem tTaii.
(juanlidade de outras qualidade?, como sejam. m*
deira, baleia, osso, borracha, ce. etc. etc.
Finos, bonitos c airoso" chiectinhos de caiiwa
de outras qualidades. "
Lindas e superiores ligas de seda e borracr.
para segurar as meias.
Boas meias de seda para senhora e para meiu
as de 1 a 12 annos de idade.
Navalhas cabo de marfim e tartaruga para faiei
barba ; sao muilo boas.e de mais a mais sio ga
rantidas pelo fabricante, e nos por nossa ves tm
bem asseguramss sua qualidade o delicadeza.
Lindas e bollas eapeas para noiva.
Superiores agnlhas para machina eyara orox
Linha muito boa de peso, frouxa," para enebet
labyrintho.
Bons baraliiof de cartas para vollarete, aasir
como os tontos para o tnesmo flm.
Grande e variado sortimento Jas rcelhore3 por
fumarias e dos melhores e mais conhecidos per-
fumistas.
COLARES DE ROER.
Electrices magnticos contra as convu!s33,
fafilitam a danfcao das innocentes erianras. S>
mos. desde muito recebedores destn prodigioso
collares, o continuamos a recebe-los por tottas o
vapores, afim de que nunca faltein no mercada
tomo j tem acontecido, assim pois poderlo aque-
les que dellcs precisaren, vir ao deposito do galle
vigilante, aonde sempre eneontrarto destes verda-
deiros uoHares, e os qaea attendendo-se ao fia
para que sao applicados, so venderao com uin rma
diminuto lucro.
Rogamos, pois, avista dosobjeetoj que deixsmoi
declarados, ao3 nossos freguezes e amigos a viren
comprar por presos muito razoaveis aloja do gallr
vigilante, na t!o Crespo g. 7.
3 cordeir previdnt^
Bisa do Queisuado o. i..
Novo e variado Batimento finas, o cutios *bject03.
Alm do completo sortimento de pt !
mariss, deque efictivamoaU! est pro'
;o]a do Cordeir Previdente, ella acal i
reeeber um oufro s-Ttimeno que ai
ootavol pela variedade de o^jeetj. si
jade, (pinlidaiies e efJmmodidxdea de |
eos; assim,pois,oCordciroPre^'denOi i-o
e esperr continat a merecer a apr-
oo rtspeila-vel publico era gral e da ,
boa fre.gczia en particttlar, dIojm al
lami elle de son bom coofteddai
e barateza. Em dita l.^ja fcucootrario
apreciadores do bom:
Agua divina de E. Condrny.
Dita verdadeira do Murraj A Laato
Dita do Cologn? inglesa, americana,.'
ceza, todas dos mollares e mavar re '
fabricantes.
Dita de i3or de itrangeiraa.
Dita dos Alpes, o vilete [>ara te"
Elixir odontalgico para rouservij e
sseio da bocea.
Cosmeiques de mperior qnalidcd-i .
ros agradaveis.
Copos e latas, maiores e menon
pomada fina para cabello.
Frascos com dita japonesa, transpsreri'
e ootras qualidades.
Flos extractos ingleses, atBoricje,sj
francezes em frascos' simple:
Essencia imperial do fino c apr; g
ro de viol
Outras concentradas' e de
mente finas e agradavais.
- Oleo pbilocome wrdideiro,
Extrac.o d'olco de *nporior qnih'tjac
entes tananbos.
Sabonetes em br.rras. m.ioreso menor
para m5os.
Ditos transparentes, redondo? e d .:.
ras de meninos.
Ditos muito finos em caixinba para bartu-
Caixinbas com bonitos sabocetes iai.u-a*
fructas.
Ditas de madeira invornisada conteao
aas perfnmarias, muito proprias para pr
lentes.
Ditas de papelao igaalmeote bonitas, tav-
bem de perfumaras finas.
Bonitos rasos de metal coloridos, c *
moldes novos e elegantes, com p de irr ..
e boneca.
Opiata ingleza e franceza para dentea.
Pos de camphora e outras differrta^-*
qualidades tambem para deutns.
Tnico oriental de Kemp. \
AiKda seis eioques.
m outro sortimento de coques r.-
vos s bonitos moldes cem filets e vidnla
9 alguns d'elles ornados de flores e ita>
esto todos expostos 4 apreciadlo de qua;
os pretenda comprar.
GOLLINHAS E PNKOS BORDADOS,
Obras de muito gosto e pereicSo.
rirellns Beta fara cln b'eo e varir-lo sorlimu'o do taes bi-
tos, fiesndo a boa escolha ao gosto do c
prador.
JoaquimRciiriiiiesTa- *
vares do Mello, i
TEM PARA VENDER
em s?u c?criptoi io, prsfa do Corpo Santo
n. ir :
I-unto m folha
do 1* o V qnalidade, e, vende nro nn mai.
farde? a vonlade do? compradores.
Cal de Li.boa
ultima cliegarta.
Potassa da Russia,
Farluha de mandioca.
Vftiho tordeaux.
>-t qualidade. Tudo de vende mai-
b r.-.io do mer part<.
-i ros tgTts^
Mappas burrt-seos ~ ck Europa.
A U cada um : qa raa .Nova d. II, arm,
do pianos do Azevedo,



-i


k


' V..'.ti


6
Diario de Pernambuco Terca feira 20
GRANDE
BAZAR DO PAVAO
60-RUA DA IMPERATRIZ-60
DE
1
PEREIRA DA SILVA ICL
Neste impf rtante estabelecimento encontrar o respeitavel publico, nm grande e variado sortimento de fazendas do oais
purado gosto e todas de primeira necssidade, que se vendem mais baratas do que ero outra qualquer parta, vto que os no-
'os socios desta firma, adoptaram o systema de s veoderem DINHEIRO ; para poderem vender pelo custo, limitando-se apeDas
i ganharem o descont ; as pessoas que negociam em pequea esca'a nesta loja e armazem poderlo faaer os seus sortimeatos
pelos mesmos precos que compram as casas inglezas, (importadoras) e para maior commodidade das Exmas. familas se darlo
imostra8 de todas as fazendas.ou lhes levam em suas casas para escolherem.
TAPETES i GROSDENAPLES PRETOS
Chegou para o Bazar do Pavlo o mais Chegoa para o Bazar do Pavlo um gran-
elegante sortimento de tapetes grandes, pa- de sortimento dos melbores grosdenaples
pretos que tem vindo ao mercado, que se
ra sofs, com 4 cadeiras, d'tos mais peque-
os, para duas cadeiras, ditos para
pianos, camas, portas ; etc. vende-se por
menos do que em outra qnalqner parte.
ROUPAS PARA HOMENS
No accreditado Ba?ar do Pavlo encontra-
r o respeiUvel publico um grande sorti- res espartilbos, qne fe vendem
ment de roupas para homens tanto bran- moito em conta.
vendem de 1)5000 at 55000 o covado
s5o todoa muito em conta.
ESPARTILHO.
No Bazar do Pavao recebeu-se um elegan-
te sortimento dos mais modernos e melbo-
por preco
cas como de cores, a saber
Camisas com peitos d'algodln e de linbo,
oara todos os precos e qua'idades.
Geroolas de linbo e algodSo.
Meias cortas francezas e inglezas.
Palitos sobrecasacos de panno preto e
casemira.
Calcas de brim branco e de cores
Ditas de casemiras pretas e de cores, com
colletes iguaes
De todas estas roupas ba para todos os
precos e qnalidades, e tem de mais mais
am perito
ALFAIATE
Por quera se manda fazer com prestes a
e aceio qaalquor peca de obra a capricho
ou gosto do fregoez, tendo n'este importan-
te estabelecimento todas as qnalidades de
panno fino, as melhores e mais moder-
nas casemiras, assim como os melhores brins,
qur brancos, qur de cor; e quando qual-
quer obra nao ficar inteiramente ao gosto
dos fregoezes fica por conta do estabeleci-
mento.
FUSILES DE COR E BRANCOS
Vendem-se bunitos fostes brancos e de
cores, proprios para vestidos e roupas de
meninos, sendo de cores a 800 ris o cova-
do e brancos, a 400 e 640 ris, pe-
chincha, no Bazar do Pavlo ra da Impa-
ratriz n. 60
CHITAS BARATAS
a 200 ris.
a 200 res,
a 200 rers.
Vendem-se chitas largas com muito bons
pannos e cures fixa, pelo barato preco de
200 ris o covado ; cortes das raesmas com
10 covrjos a 2?0'O, pechincha, no Bazar
do Pavao.
AS CASSAS DO PAVO
Covado 200 ris.
a 200 reis.
a 201) ris,
Vende n-se bunias cassas de cores raiu-
dinnas palo barato preco Je 200 ris o c )
vado, no armazem do Pavlo ra da Im-
peratriz n 60.
PANNOS PARA SA1AS A 1*000, O METRO.
N i lazar do Pavao vende-se bonita fa-
reoda branca encorpada para saias, sendo
com babados e pregas le !im lido, dando
i lardara da faze;da o compriuento da
saia. 3 qual se pJe fazer com 3 ou 3 1|2
netros o ven1e-se a 10, 10280 e 10600;
as.iiu como tambera no mesmo estabeleci-
PECHINCHAS
DO
PAVAO
Ra ca Imperatriz 60.
Para Tender depreasa
LINDAS JAPONEZAS PARA VESTIDOS A
A 500 RS.
enapre a \otji Eaperanea!!
AO BELI.0 SEXO.
Esta leja bem conhecida pela sua elegancia e
superior i dade de seos ubjecOs, acaba de recebar
muitos artigo, para o que.respeitosamente convida
ao bello sexo a viiita-la, afiro de compraren) aqoil*
lo que i reciarem para prepares de vestidos tl-
lete ou tocadores, e mesmo qualquer objecto para
fazer algum prezente.. Jpois que si na Nova E?pa-
ranca flearao satMeitos, ji pela qoalidade 6 pre-
^ ratoaveis, e mesmo por que a Nova Esperan-
za tfana-se em sao se impacientar em dar a es-
cplfter o objoctoJ, prostando-se com o agrado
csaaue cosiimm receber a todos, aflm de qne
saiban com o Arme proposito de voltarem ou
mandare a mesma loja, logo qne precisen) de
qualquer artigo por pf qeno qne seja.
LUVAS DE PELLICA.
Recebeu-as de Lii-boa a Nova Esperance para
homens, senhora e meninos,' sendo hraueai e de
cores.
N0V1DADE.
Bico de quipnre preto com branco, a Nova Es-
peranca e qnem tem I 11
Caixas para joias.
A Nova Esperanza recebeu boas caixas de sn-
dalo para guardar joias.
Filas largas para cintos.
Recebeu-as de mu tas qualidades a Nova Espe-
ranza.
Para extinguir panos ou sardas.
Nova Esperanca tem leite de rosas brancas.
Para tingir cabellos.
Tem a Nova Esperanza a verdadeira tinta io-
gleza.
Para refrescar a pelleeaformozia-la.
A Nova Esperanca roa Duque de Canas n. 63,
vende verdadeira albina branca de Lais.
Qoaftdo
GRANDE KOVIMK
- "u *.AGUIA BRRNCA, mais precisa scieotiScar ao respeitavel pubticee
gerai, a em Bartular a aua boa fregnezia, da imnfensidade de objecto* qoe ultimases
te tem recaudo, 6 Justamentefquando ella menos o pode fazer e porqae esaa falta mvo
tontera ella confia e espera na benevolencia de todos qne UYa attenderlo e relevarlo
continuando portento a dingirem-se a bem conhecida, leja da ACIA BRANCA i na d<
Queimado n. 8, onde sempre acharlo abundancia em sortimento de snperiridade e
qnalidades, modicidade em precos e o sen nunca desmenttido AGRADO E SINCERIDAD*
Do qne cima fica dito se conhece qne o tempo de qne a AGUIA BRANCA poda
dispor, empregado apezar de seus custos no desempenho de bem servir a aqaellea qne i
honram procurando prover-se em dita loja do que necessium, entretanto sem entuna*
rar os objectoa qne por sua natnreza sio mais conhecidos ali, ella resumidamente indi-
car aquellas cuja importancia, elegancia e novidade os tornam recommendaveis, cena
bem seja :
Corpinbos de cambraia, primorosamente
PANNOS DE CROCH PARA CADEIRAS, u
O Bazar dQ Pavlo recebeu um grande Chegou um elegante sortimento de las-
sortimento dos melbores pannos de croch, iona8 ^ JaP3- con padre de seda e de
proprios para cadeiras de balanco sofs, maii0 boa qoalidade. que( se vendem a
E pecbiochi, no Bazar
Imperariz n. 60.
pianos, tamborete8 e at proprios para cu-i'" ls- covado.
por
: do Pavao, raa d
brir almofadas e pratos; vendendo-se _
menos do qne em qualquer ptfl. poupkunas do japAo a W600 o covado.
PARA LENQOES Chegou um elegante jbrtimento de lin-
No Bazar do Pavao vende-se sn >erior diss'mas poupelinas Japonezas, com os
bramante d'algodJo com 10 palmos de lar- raais delicados gostos.endo mu;to lustro
gura a 10*800 o metro, dito de linho com a e com l'Strinhas de se, sendo esta Dova
mesma largura a 2,5800 cada metro, pannos fezenda qnasi da larjdra da chita france-
dslinhodoportocom3 1/2 palmo&delargura za e vende-se pelo tralo preco de 106CO
me'-t so -en le bouitjs saias brancas bor-
dis, n lo qiiairo pannos cada urna, ditas
de laa le cores j promotas, urnas com
barras .!ffereot s da mesma fazenda 44000,
e oii.i- ^ ooj barras brdalas 63 e 70OO;1,
led i isto moderno e barato.
CARNAUBA.
Vende-se caroaobaem saceos, na roa da
mperatriz n. 60, Bazar do Pavo.
TARLATANASLISTRADAS CORTE A 6*500
Cheg u para o Bazar do Pavao um bonito
sortiuieiito de tarlatanas listradas, sendo
verdes, cor de rosa, lirio, tendo esta bo-
nita farenda muita phantasia, e Mquida-se
cada corte a 6^500, pechincha ; na roa
da Im CASAQUINHOSDEGIPUREA 10^, 124,
16,$, E 20^.
Cbegaram para o Bazar do Pav3e os
mais molernos casaqainhos ou basquinas de
guipure com cintora, ricamsnte enfuitados
com lacos, e vendem se pelo barato preco
de 101, IH, 160, e 200, pechincha,
ra da Lope atriz n. 60.
LENC'H DE MORIM A 30500 A DZIA
Vudem-se duzias de lencos fioissimos,
branc o de morim, sendo fazenda muito
encorpada, a 34500 a dazia. Ditos de
cambraias finissim-s, fazenla que sempre
se ven leu a 54000 e liquida-se a 34500 a
doza por haver muita porc>, no Bizar;do
Pavao a ra da Imp"eratriz n. 60.
CORTINADOS DO BAZAR DO PAVAO A
84 104 424 E 164
Gbe lhores cortinales bordados, proprios para
camas e janellas, qne se vendem pelo ba-
rato preco de 84,104, \2&, e 164, o par :
ra da Imperatrii n. 60.
MADAPOLO ENFESTAOO PECA A
34200
Vendem-se pecas de madapoiao francez
enfestado, tendo H metros cada peca a
3(52 JO : pechincha no Bazar do Pavao,
a ra da Imperatriz n. 60.
DAMASCOS PARA COLCHAS
No Bazar do Pavao, vende-se damasco
enfe.-tado com bonitos dezenhos, tendo 6
palmos de largura, proprios. para colchas,
pelo barato preco de 14280 cada covado,
dito, dito, com 8 palcos muito flno a
44000, assim como muito bonitas colchas
de damasco de la que se vende na loja do
Pavo ra da Imperatriz n. 60
RETALH03 DE CHITAS E CASSAS PRE-
TAS.
No Bazar do Pavao vende-se por.ao de
retalhos de chitas e cassas pretas sem li-
mite no preco : ra da Imperatriz n. 6d.
de 720 at 14 a vara, assim como umg ande
sortimento de H;mburgo ou cregueilas de
todos os nmeros, pregos ou qualidades,
que se vendem mais barato do qne em ou-
tra qnalqner parta ; aproveom-
ATOALHADOS
No Bazar do Pavao veade-se snperior
atoalbado trancado, com 8 palmos de largu-
ra a 14600 o metro, dito dalintro adamas-
cado o &elhor que tem viudo ao mercado a
34500 o metro ; ludo isto muito barato.
FAZENOAS PARA LUTO
No Bazar do Pav3o vende-se constante-
mente o melhor sortimento de fazendas
pretas para luto, como sejam :
Laasinhas; retas lisas.
Cassas pretas de la.
Cassas pretas, francezas e inglezas, lisas
e com salpico.--.
Chitas pretas de todas as qaadadss.
Alpacas pretas lisas.
Ditas lavradas com branco.
Merinos, cantos, bombazinas, qoe sa
vendem raaisbarat do qsie em outra qual-
quer parte.
CACHE-NEZ A 6;<000.
No Bazar do Pav3o venJem.se bonitos e
grande! cachi-nez de pura laa, pelo bara-
to preco de 65000 cada uai
pehicncha em cambraias victorias, a 54,
64, 74 80l0.
Vende-se um explendido sortimento de
finissimas cambraias victorias, por precos
mais baratas do que em outra qualquer
parte, tendo cada peca 10 jardas a 54, 64,
64500 e 74030, finissimas a 84500 ; todas
esias cambraias valem muito mais dinheiro
e liquidam-se por esto preco em relac3o a
urna grande compra qoe se fez no Bazar
do Pav5o. -
BABADINH)S
No Bazar do Pav5o vende-se um grande
sortimento dos mais finos babadinhos borda-
dos tapados e transparentes, assim como
urna grande porc3o de entr miios largos e
estreitos, que para acabar se vende moito
em conta e mais barato do que em ontra
qualquer parte.
SET1NSDE CORES E GROSDENAPLES.
No Bazar do Pavao vende-se nm sortimen-
w completo dos melhores setins e grosde-
aaples de todas as cores, que se vendem
muito em conta.
Colchas brancas 352)0, 34300e 74000.
Para o Bazar do Pavlo chegou nm grande
sortimento das melhores colchas pretas,
sendo das melhores e jiais encordadas que
tem vindo 74000, ditas nm pouco mais
baixa 3(5500 e ditas 34200; tambem no
mesmo estabeleciraento, se vende nm grande
sortimento de Bretones e chitas proprias
para colchas que se vendem amito em conta.
Sedas de qnadrinhas a 142S9 as covado
. Vende-se um elegante soriimento de sedas
de qualrinhos, com Hnd ssimas cores, para
vestidos e roupas d meninos, e vende-se
14280 cada covado; pechincha no
Bazar do PavSo.
CHALES DE RENDA.
Chales 200J.
Chales 2000.
Chales 2000.
Vend :-se urna grande porcao de chales
pretos de renda qu croch, sendo pretos
cm 4 pontas, fazenda que sempre se ven-(
deu 54000 e liquida-se a 24000 cada nm,
pechincha no Bizar do Pavao, a ra da
imperatriz n. 60.
LINDAS BAREGES A 320 RS. O COVADO
No Bazar do PavSo vende-se o mais bo-
nito sort ment de finissimas bareges trans-
parentes com as mais bonitas listas de cores
proprias para vestido, e liqaida-se a pataca
o covado por estarmos muito prximos da
festa ; ditas mescladas, fazenda muito las-
trosa e com lindas cores a 400 ris o covado,
pe;biGcha a roa da Imperatriz n. 60.
LENCOS DE CASSA DUZIA 34000
Vendem-se finissimos lencos de cassa
com delicadas cerca loras, de corrs xas
j embao ha des, sen Jo proprio para borneo-
e seirhoras pelo baratissimo preco de 340> 0
a dozia, no Bazar do Pavlo a roa da Impe-
ratriz n. 60,
TOALHAS A 74500
No Bazar do Pavlo fez-se urna grande
;ompra de toalbs alcochoadas, proprias
para rosto, bastante encorpadas e grandes,
pie sempre se venderam a,124000, e li-
juidam-se a 74500 a duzia^ou a 640* rs.
ada urna, boa pechincha.
cada covado, no Bazar do Ha-o.
AS POCPELINAS DO PaVO A 24000, O COVADO.
Chegou para o Bazar do Pavlo um bo-
nito sortimento das mais modernas e ele-
gantes poopelinas de lioho e seda, que se
vendem pelo biratis-imo preco de 24000
cada um covadA, assim como ditas com
gostos escosseees a 24400, pechiucha no
Bazrr do Pa\ao.
SEDAS A 2"4000
Chegon tu elefante soriimento do boni-
tas seda de listrinhas, com as cores mais no
vas qua tem vindo aa mercado e veodem-se
a 24000 o covado, na ra da Imperatriz
Bazar do Pavlo.
CRErONE FORTE A 24000 O METRO
S no Bazar do Pavao.
Chegou o verdadeiro eratone francez pro-
prio para lencoes tendo 10 pa!raos de lar-
gor, e mrito eneorpado, sendo preciso ape-
nas para cada ler,gel 1V ou 1 '/a metros, alm
d'esta applitaclo tambem esta larga e en-
corpada fazenda propria para loalhas, saias,
ceroulas, etc. e liqotda-se pelo barato pre-
code 24000 cada metro.
CASEMIRAS A 24600 CADA COVADO
No Bazar do Pavlo.venfie-se um grande
sortio uto de bonitas casemiras de nma
cor, sendo asul, lirio, mesclada, jen'lo de
duas largura?, proprias para calcas, palitos,
e.rou.aspara menino, e vendem se pelo
barato preco de 24500 o covado, 'raa da
Imperatriz n. 60.
BONITAS LASFNHAS A 500 RS. 0 COVADO,
Vende-se delicadas llasinhas com dife-
rentes gosto pelo barato preco de 500 rs.
o covado, do Bazar do Pavlo.
ALPACAS BRANCAS.
Vende-se um bonito soriimento de finis-
simas alpacas brancas lavradas, imitaclo
de seda, proprias para vestidos de baile ou
oasamentos no Bazar do Pavao.
ALPACAS LAVRADAS A 4*0, 560 E 6i0 RS.
Vende-se um grande sortimento de lin-
das alpacas lavradas de todas as cores para
vestidos e vendem-se a 400, 550 e 640
e ata mil etantos res o covado, no Bazar
do Pavao.
AREGES DE QADR^NHOS A 400 RS. 0 COVADO
Vende-se as mais lindas e moderdas lla-
sinhas oo bareges de quadrinhos, proprios
para vestidos-, tendo qoasi largura de chita
frsnceza. e bquida-se a 640 rs. o covado,
no Bazar do Pavlo.
MERINOS DE CORES RARA VESTIDOS.
Vende-se bonitos merinos de orna s0
cor com cores moito proprios para vestido
e roupas para creancas por ser orna fazen-
da de pura lia e moito. leve, vende-se a 14
o covado, no Bazar do Pavlo.
GLACS A 14000 PARA VBSTTOOS.
Vende-se nm elegnte sortimento desta
nova fazenda denominada glacs sendo ama
fazenda de lia muito larga e com delica-
di3simas cores, tendo tanto brilho como a
seda e vende-se pelo barato preco de 14,
covado, no Bazar do Pavlo.
CASEMIRAS A 74000
Veodem-se cortes de casemira ingleza de
cores para calcas sendo fazenda qu vale
moito mais dinheiro e liquida-se a 74000
o corte de calca, no Bazar d Pavlo a roa
da Imperatriz n. 60.
Perfumaras
As melhores, e do mais eonhecido fabricante,
tanto francez como inglez, esli expostas venda
na ra Duque de Casias n. 63, na Nova Espe-
ranca.
Extractos, banha, oleo, sabonetes, agoas de co-
lonia, de laranja^florida e de lavande, etc., etc.,
tudo de superior qualid.-de : vende-se na Nova
Esperanca roa Duque de Caxins n. 63.
Agora sim !
A Nova K-per.wn, a ra Duque de Cava n.
63, recebeu um lindo sortimento de laa para bor-
dar, vindo as cores mais procurada?, branca, pre-
la, escarale etc. etc. h olla antes que se acabe I
Aos cigarreiros.
A Nova Ecperaoea vende .papel para cigarros
(Mais) a 45100 a caixinha barato I
enfeitados com fitas de setim e obras essas
caja nevidade de molde e perfeiclo de ador-
nos os tornam apreciados.
Fitas mni largas de diversas cores e qua-
lidades para cintos.
Leqnes uesse objecto muito se poderia
dizer qaerendo descreve-los minuciosamente
?or suas qualidades, coree e desenbos, tal
o grande e variado sortimento qne acaba
de chegar, mas para nlo massar o preten-
dere so me apresentar o qoe poder de
melhor.
" Entremeios em pecas de 12 tiras.
Guipure branco e preto de diversas qua-
lidades e desenhos.
Ditos de algodao com flores e lisos.
Veos de seda para cbapelinas e monta-
ra.
Meias de seda para nonas.
Ditas abertas de o de Escossia.
Costamos oa uniformes para meninos.
Enxovaes completos para baptisados.
Touqninhas de fil, sapatirmos bordados
e meis para ditos.
Camisinhas bordadas para ditos.
CHEGARAM
Pocos instantneos aperfeiqo-
ados por preco muito commo-
do: na ra Nova n.28, loja de
Antonio Pedro de SouzaSoares.
Bombas completas para ca-
cimba, por diminuto preqo, na
mesma casa.
CEMENTO
O verdadeiro portland. S se vende na raa da
Madre de Dos n. 22, armazem de Joso Msrtins 3*
Ftarro*
Capellas brancas para meninas.
Grande sortimento de flores finas.
Fil de seda preto.
PERFUMARA
Grande e constante sortimento de dita.
sempre melhor qualidade.
Lindos vasos com pos d arroz e piniei
Caixinhas com ditos aromticos.
Bonitos e modernos pentes dourado? pa
ra circular o coque.
Bonitos brincos de plaqueo.
Aderecos e brincos de madreperoi
Caivetes finos para abrir latas.
Thesouras para frisar babadinboi.
Aspas para bailo.
Novos stereoscopos com 48 vistas,
quaes sio movidas por um machimas*
urnas sobstitaem as outras.
Vistas para stereoscopos.
Bonitas caixinhas de vidro enfeitados coi
pedras.
Ditas de madeira envernisada com vispo
ras e com dminos,
Bollas de borracha para brinquedo i
criancas.
Diversos objeoos de porcelana, propria
para enfeites de mese e de lapinhas.
.3
I
M
SL 3.4IM MCAWfi4N.A.
II
Com este titulo acha-se aberto inteiramente transformado este antigo
estabelecimento de joias, onde os freguezes e amigos encontrarlo tudo qnanto
a moda e o bom gosto tem inventado na arte de ourivesaria, o Collar de Ouro
observar delicadeza no trato e senciridade e modecidade nos precos.
Espera que o respeitavel publico venha ver o que existe de melhor em
aderecos de brilhantes, esmeraldas, robins e perolas, meios aderecos, pul-
ceiras, brincos, alneles e anneis de todas as qualidades, prata de lei faquei-
ros, colheres, paliteiros salvas e outros moitos objectos que seria enfadonho
mencionar.
Compra-s ooro, prata, brilhantes e pedras finas, pormaior preco do
qu em outra qoalquer parte, troca-se e concerta-se todo e qualquer objecto
pertencente a esta arte.
A ARARA
nmm para
Acabam de chegar ao GRANDE BAZAR
UNIVERSAL, raa Nova n. 22-carneiro
viannaom completo sortimento de ma-
chinas para costara, dos autores mais co-
nhecidos, as qoaes esto em exposiclo no
mesmo Bazar, garantindos-e a soa boa qoa-
lidade, e tambem ensina-se com perfeiclo
a todos os compradores. Estas machinas
sio igoaes no seu trabalho ao de 30 costa-
reiras diariamente, e a soa perfeiclo e tal
como da melhor costureira de Pars. Apre-
sentam-se trabalhos executados. pelas mes-
mas, que muito devem agradar aos preten-
dentes
ATTENCAO
Loorenco Pereira Mends Gaimarles, participa a todos os seni devadon
tanto da praca como do mato, que estando I quidando suas casas commerciaes. o qn
deve fazer at o fim do corrente anno, por Isso roga a todos os seas dewdores a viren"
saldar seus dbitos o mais breve possivel; outro sim, declara aos seas devedores, qu
os que rio estiverem na loja tem de pagar todos os seus dbitos, provaodo isto se arJ
o abatimento que for preciso para a liquidaclo dft suas dividas, para isto poderlo di
jigir-se raa da Imperatriz n. 72, loja da Arara.
Uervej branc i e preta
DA
engarrafada por
Bloodo Wolfe & C.f
especialmpntepara o Brasil
NICOS AGENTES EM PERNAMBUCO.
J. Jefenes $* C.
46# Ra do Commercio 46.
Aos Srs. fumantes.^
Ao resto das pechinchas
Vende-se cortes de castores para calcas. I bales de arcos
500 rs. Cortes de brins de cores a Vecde-se bales de i5
1(5500; cortes de gangas para calcas a 1#, e 10500
cortes de casemiras preta para calcas a
30500, 44, 50 e 65000.
Crtcs de chitas a 2:500.
Vende-se cortes de chita para vestipos
a 25500. Ditos de cassa para vestidos a
20506.
Pechincha a 40000.
Vende-se pecasjde algodo a~40, 50, 60
a 10000.
a 30 arcos a
II
Charutos .finos da Bahia, do afamado
fabricante Joaqoim Jos dos Rete, muito
(X superiores, por precos mdicos : na fa-
** brica a vap >r de cigarros na antiga ra
do Quartel de polica n. 21.
A 1^000
Espanadores de palha os mais bem fei o. possi
GRANDE PECHINCHA EM CAMBRAIAS TRANSPA-
RENTES a 40, 5&60, 80, e 100000
Vende-se finissimas cambraias soissas, de
muita phantasia tendo 9 varas a 80500 e
100000. Ditas "hispo com 10 jardas fazen-
da muito fina a 50, 60 e 70000. Ditas fi-
nissimas azuladinhas, qoe valem muito mais ^f's: n P?* da Independencia n, 39
dinheiro, a 80 e 100000: todas estas cam-
braias, em relaclo a qoalidade, pelos pre-
cos cima sio mais baratas do que em oo-
tra qoalqoer parte, no Bazr do Pavlo.
CAMBRAIA ALLEMAA COM 8 PALMOS DE LAR-
6URA A 1*600, U E 2*300.
Vende-se fioissima cambraia branca tran-
pa ente com 8 palmos de largara, qae faci-
lita fazer-se cm vestido apenas com 4
varas e bquida-se a 10600, z0 e 20500 a
vara, fazenda qoe vale moito mais dinheiro.
E pechincha no Bazar do Pavlo.
CAMBRAIA TRANSPARENTE
Peca a 40000
Vende-se moito finas pecas de cambraias
brancas transparentes, tendo 8 l|2 varas ca-
da peca e com om vara de largura a 40.
E pechincha, no Bazar do Pavlo
A' ra da Imperatriz
n 60.
Bazar. 4o Pavao sitj i da Imperatriz n. 60, esta' constantemente abert.
>t das b horas da manda as 9 di noiite.
FARINHA
de trigo a 5*000 a Barrica : no armazem Ba-
liza, tna do Limraento n. 38.
INDEMNISADORA
Em umprimento do disposto no art 19 doi
estatutos da mesma companhia sero vendidas 80
de suas asedes em seis lotes, sendo :
1 lote de 20 aeces de ns. 181 a 200.
1 dito de 5 ditas de ns. 271 a 175.
1 dito de 20 dita; de ni. 376 a 395.
1 dito de 5 ditas de ns. 616 a 6.
i -dito de 5 ditas de ns. 51 a 655.
i niito de O ditas de ns. 971 a 990.
i dito de 5 ditas .le ns. 996 a 1000
Os pretendentes deverao dirigir suas propostas
por ntervenfo de correteras gerses at o dia 27
do corrente ao escriptorio da dita companhia, ruaj
do Vigario n.4. "" ^"
R^cie 15 de dezembro del870.
Os directores,
Antonio Jos Leal Reis.
Joo da Silva Regadas.
Jos da Silva Loyc.
Para liquidar a 30SOO.|
Pegas de madapollo com 12 jardas a
35500. Ditas de dito com 24 jardas a 50,
60, 60300, 70, 80 e 90000.
LIQUIDADO.
Pecas de algodlosiobo de listra proprio
para roopas -de escravos cem 42 jardas a
60500 e covado 160 rs. pira liquidar.
Chitas escuras para vestidos a 280, 320
e 360 rs. o covado.
Para acabar.
Vende-se pecas de cambraias victoria, fi-
nas a 60, 60500 e 70000.
E* muito barato.
Colarinhos de papel a 240 rs. a dazia.
Cortinados para janellas a 50000.
Vende-se cortinapos para janellas a 50
o par. Brim pardo liso para calca de ser-
vico a 500 rs o metro.
Cortes de percales a 60000.
Vende-se cortes de percales d doas
saias de bonitas barras a 60000.
Cobertas de chita.
Vende-se a 10500, ditas flnaj a 25500.
ditas encarnadas e adamascadas a 30500,
ditas forradas 50000.
Gangas para calcas a 260 o covado.
Brim de listra ao lado para calcas a 400
rs. o covado.
Lencos brancos a 20000 a dozia, para li-
quidar ; grande porclo de mantas para
gravatas a 200 rs. cada ama para liquidar.
Cassas francezas a 280 rs.
Vende-se cassas fraaeezas 'para vestidos
a 280 e 320 rs. o covado.
0rjrandy8 de cores para vestidos a 400
e 640 o covado.
Alpacas de cores para vestidos a 500 e
640 rs. o corado.
Llasinhas para vesdos'a 320, 400 e 520
rs. o covado.. de musa ina a 10600 rs. Para
O proprietari da loja denominado Arara, declaa ao respeitavel publico a awe
seus fregnexes qne est concluindo soa liquidado, por isso queo qojier monir-se df
boas fazondas por pouco linheiro tenha a bondale de irigir-dr ihrna da Imperara o.
72, desde as 6 horas da maobla as. 9 da uoute.
cada um. Cortes de cassas en;
papel a 20500 cada um, para liqaiaar
Bramante de linbo e alguo cem 10 pal-
mos de largura o 10800 o metro.
Panno de linbo a 760.
Vende-se bramante de 10 pal -y s de iar
Sara proprio para lences a 20800 o metro
Lencos de seda a 80;; rs.
Vende-se urna porclo de lencos de sed
a 800 rs. cada om,
Chales de eissa a 10000.
Vende-se urna granbe porclo de chaiei
de cassa a 10000 cada um, para liquidar.
FustS a 360 rs.
Vende-se fustlo de cores para vestido
a 360 rs. o covado.
Algodlo enfestado a 900 rs.
Vend-se algodlo enfestado para lencei
e traillas a 900 rs. o metro, dito transa-
do a 10200 o metro.
Chales de crin estampadla a 20000.
Vende-se cuales de merino estampado*
cm barras a 20, 20500 e 3-5 para acabar
Grande porclo di retarnos.
Vende-se grande porclo de retamos d*
cassas e chitas a 240 rs. o covado.
A festa est na porta
Boupa feita encontrarlo
Por precinto raioayel
Todos se en'rouparlo.
- A SABER :
Liquida co de roipa frita.
Vende-se pal :itots de brinsinho^ de Iinht
proprio para andar em casa a 10500 ; di-
103 de ganga a 20000 ; ditos de meia ca-
semira a 3^000 ; ditos de alpaca de cor
30500 e 40000; ditos de panno fine
preto a 60, 80 e 100000 ; ditos de case-
miras de cores, a 60 e 80)00 ; coitete*
de cassinetas de cores, a 10560 ; ditos de
brins de quadrinhos a 10OHO ; drtos de ca-
semiras de cores, a 2|50O, 30 e 40000.
Calcas zoes para escravos a 500 rs ; ditas
de algodaosinoo de listra a 8u0 rs. ; ditas
de brim pardo a 10609, 20 e 20500 ; di-
tas de dito branco de linho a 30500 e 40 ;
ditas de casemiras de cores a 50, 60 7#
e 80POO ; camisas de chita a i 000 ; di-
tas de atgodlosinho, proprias para o ser-
vico por ser.fazpnda ferie, a 10^80 ; Jas
10600 rs. Para liquidar.
v,?



I
30


Diario de Pernaiobuco Ter^a eira 20 de Dezembro de 1870.
ROTOS SORTIMEBTOS
rtu i
11 *
Ao arainzcm da Va-
por Fraaccz, rua
do Haro da victo-
ria (out.'ora ra
\ova) ii. 1.
Ao ai-iuazein do Va-
por Franccz. rna
do Bar So da Visto-
ra (ontr'ora rna
Xova) n. .
Perfumaras, quinquilharias e brinquedos
para meninos.
Europa tttSCS fe,M chegados da
precos nsaUU/H o mais possivel; o ariigos seguitcs : 8reCe 30 pab,,co em *eTi)> Pr
GUARANY
Em breve se principiar a dar una catalogo do grandissinw sorauuto deste es-
Uibelecnnenlo. EBcarrega-se de DCadernacoes etc.
GRANDE S0RT1MENTTM MSICAS
SAlilO DE PIAMOS E BE MSICAS
Ba da Imperatriz n. 14 loja
Para tlanta, clarnetta/rabeca de pequea e grande- orcbeslra, para banda
militar e harmonio, .ISo proprio para este tempo de fostas e para augmentar a solemni-
dade dos actos religiosos. .
Todo pedidj d,s provincias ot- ZT.V3Z*. serao promptamente auendidos.
N0VID4DES
DO
tlotmas para seahorasVdura|ue branco, nreto
e de outras muila= cures escolhidas do ultimo Ros-
to da moda.
Bolinris para meninas igual sortiment.
>apatinbjs de sallo para senhora duraque pre-
lo, branco e do core-, c de conro de lastro.
Rumba, para crianga?, proprias de baptisa-
do?.
Botinas de diversas qualioades para hornero.
B1U1 russianas para montara, lauto inglezas
de conro da Rus-ia para viagem, como francezas
de Melier, bezerru liuo, para passeio?.
Molas perneiras para meninos de 10 a 16 au-
no^.
Sapatos de brim Betico para humen-.
Sapalos do vaqueta de lustro com sola de rna-
deira, propriis para bairfioc
Sapatus ilu borradla para homens e senaras.
Sapalos abotinad.., de di&smnvH modelo*, mui-
to bons o fortuspara meninos e meninas.
Sapalos de tapete, avellud.ido, Charlot. casi-
mira preti, Je tranca portuguezes, para homens,
senlioras o meninas.
Prfum rias.
Extractos linos, birthas, osmtico?, oleo?, opia-
tas, aguas de Culogne eui garrafas Ue crvsial para
presentes, agua divina, agua florida, dentifrice la
vande, agua de tcilel, tintura para barba e cabel-
los, poma a Ii ogroise para bigodcs, pos de arrez
e sabonetas, tudo isto de primeira qualidade. dos
nbncantes Cftndrty, Piver e Lubin.
Quinquilharias
i s de pellica brancasJonvin.
EspdlK'S grandes dorados para salas, quartos
e gabinetes.
Leques para senboras e meninas.
Joias de ouro, brincos, transelins, pulseiras,
bok.es de pandos, de abertura, c Trentes e chaves
de retogio, ludo de ouro bom de lei.
Brincos de plaqu imitacao de ouro.
torrentes para relogio.
Abctoaduras para cohetes c para punhos.
Albuns do velludo e marroqu para retratos.
ammadeins de ridro para enancas.
Laixinhas de costura, novos modelos com mn-
wea, propnas para presentes.
Qaurinfa >s dourados para retratos.
Toucas e sspatlabs de lia para enanca?.
Capillas para noivas e para pastoras do prc-l
Canenhas Mm Vfdros do ausmeito para ver-'
se -m ponto grande a photographia dos retratos.
Pes de vidrn para pianos.
Thosouri.;!ins para eos ura e unhas.
Boleiflnas de seda e do vellido.
Cestinbas para braco de meninas.
Kslains para costura.
Cea os d'arame pratiado para frutas e paa a
mesa. '
Ricos artigas de phsntasia necesarios para toi-
Ihetes e proprlos de presentes.
Jarros e bouquets de porcelana para santua-
nos.
Registros de papol Ra> mui lelicados.
Quadros prompios pira collocar vistas.
Molduras douradas para qua tro?
Estampas de bellas paysagehs da cdades, de
figuras e de santos.
E Carteiras para notas e para dinheiro.
Uixmha de msica de dar se curda.
Pooteiras de espuma para cigarros e charutos
bravatas de stda pretas e de cores.
Bengalas de cana com castoes de marflm.
Bitas de balcia, junco e de muilas qualidade1".
P.-ntes finos de marflm pira caspas.
Escovas para facto, par?, cabello e para dente?.
Lunetas ou pencinei de prata dourada
Ditos de tartaruga e de ac.
Oeulos de prata dourada e de ac.
Reverbero transparente para candieiros.
Ditos para laBternas de pianos.
Coto? econmicos para relias de permaecte
Cordas para viclo.
Port-pratos para mesa.
Caixinhas de diversos modelos e precc.
bjectos novos de magias o melh'or possivel,
para divertir meninos.
Malas, saceos e boleas para viagens.
Estojos de viagens, completos com navalha?.
hsporas de metal branco para saltos.
(.tncotfs fortes com martello para viagem
Ditos de mnitos modelos, de junco e de baleia?.
Luvas de fio de Escocia brancas, e de cores.
Ditas de camurga amarellas.
Machinas para lazer caf.
Globos do papel de cores para lluminacoes de
testas campestres.
Baldes de cores, de subir ao ar fcilmente.
J0(M de domin, da gloria, visporas, rodetes,
bagatela e outros j^gos allemaes.
Esterioscopos com as mais bonitas vistas, de
liguras destacadas grupee de familias.
Armnicos nn accordims de todos os tamanhos
e novo* modelos com trmulas.
Realejos pequeos com novas msicas.
Cosmoramas de varios tamanhos, coai differen
tes vistas mui pitorescas.
Para lapinhas.
Presepios completo coin todas as pecas e sorti-
mantos avulsos de figuriuhas, animaes, casas, jar-
dn.?, etc.
Attenpo
Todos os ampos mencionados neMe annuncio
vendem-se muito baratos, nao s pelos abaiimen-
tos obtidos dos fabricantes em altencao as gran-
des e repetidas compras, como pelo bom syflema
de vender muito ainda mesmo com diminutissimo
lucro.
7 Eua doQueimado 7
BASTOS
de
Su
fazendas
E' chegado a este novo estabeleciracnto o mais bello sortimenio
Inai, sendo sua especialidade enxovaes para noivado.
Vestidos de blond de ,sda ricamente bordados.
GorgurSo de seda branco para vestido.
Cok-has de seda pura, para cama cm ricos desenhos.
Ditas de lia e seda, id-m idem.
Ditas de crox, idem idem.
Cortinados ricam-nte bordados para camae janellas.
Croxs p ra cadeiras e sofs.
Vestidos de cambraia branca bordados.
Popelines de lindos gostos.
L5as de diversas qualid;ides, lindos gostos e modernas.
Ricos b urnus para passeio, com listras de setim.
Sahidas de baile o que ha de mais rico. >
Cretones para vestidos com lindos desenhos.
Carnizas bordadas e seno bordados para senlioras.
Camisas bordadas muito finas para bomens.
D tas inglezas para homens e meninos.
Serouias de liuho, e um grande sortimento de roonas feitaa e de /az^odas aue
enfadonho mencionar. 4
Luvas frscaa de Jonvin
Sortimento de tapetes para guarnicoes de salas, alcaas para forro de sala, e o
fraude gortimenlo das acreditadas e verdadeiras

<*
JOS ALVES TEHOWO & C. |
.-vK

m
RA ESTREITA DO ROSARIO N. 5
JoF Alves Tenorio, professor em bomeopathia, tendo-se retirado do laboratorio
homeoptico e consultorio de seu ustro e finado amigo o Dr. Sabino O.L Pinto
que por minios anuos estiveram "sob sua direccao, lera se e.-tabelecido, fob firma
Jos Alves Tenorio & C, a ra estreita do Rosario n 3, i>nde ;nimadu pela contianca
com que honraram-na os amigos da bomeopathia lhes oiT.rece e ao respeilavel publico
um completo sortimento de tedas as prepararles turaeopatteas cenhecidas, recebidas
das mais acreditadas casas de Londres e Pariz, e indigmas, bm como ludo qnanto diz
respeito a bomeopathia e sua pratica, esperando que contluueiu a honra-lo com a mes-
ma cutHianea, para o que nao &e poupar esforcos.
' i>.
7

*8

_ GLBULOS.
1 botica de 12medicamentos.
1 24
l 36
f -48
1 60
1 tfO
Jr'recos das boticas
10*000
20*060
30*000
35*000
tojooo
70*000
TixNTURAS.
1 botica de li medicamenlo?.
1 24
1 t 36
i 48
i c 60 .
i 120
16*000
2j*000
40*000
SOOOO
60*000
110*000
r
1
MEMO DE MSICAS
NO
SALAO DE PIANOS E DE MSICAS
Ra da Imperatriz n. 14 loja
conem :
.MSICAS PARA PIANO das mais facis at s mais difficeis, nda dos autores
mvin.nM .lk moderaos as melhores edicoes da Europa e do Rio.
NOMDADEb quadnlhas, polkas, walsas.
CANGOS. Habaneros, modinnas, cancoes brasileiras e hespanhola, romances francezes
v anas e cavatinas. '
Operas intuirs proprias para presentes
tuao p:ta piano e para canto da opera
mais
1
Nova loja de joias
RA DOCARUGA' N.9 A.

.O 70*000 1 120 IMboO :'. -
bao uteis essas boticas aos Srs. mdicos, senhores de engei.ho, fasend iro ebe- -^'
tes de ramillas, capitaes de navios, e em .geral todos quantos quiztrem dedicar se a *?;.
pratica da homeopathia. a^;.
i a Me^icaent9 avulsos pelos precos das outras drogaras, bem cor: o chocolate de *?S
Londres e do Maranhao para uso dos doentes em tratamento pelo systema- bomeopathico.
Manoel da Gnnha Saldanha & C.
flfa68i,a.dabr*'e-este, est,abelecimento de joias, o qual lera grande sorti- i
ment de todas asjoias de ultimo gosto, as quaes vender o mais barato pos- g;>

W'
(S r
? elvel.
Todas as joias ser5o garantidas ouro de lei, pois os sens denos tendo em :
rZZ apoSegaeZ,a "50 1Vdar3d' Vender bom e Pr W os -
satSda*Se PUbl'C0 3 V'r 3 6Sle estaDeleciment0' ^rtode qae ficar J;-
MW_____A* MO DE OUORRUA DO OABUCA N. 9 A
mmmk
CONFEITARIA
DOS
ANANAZ
Ra da Cruz n. 16
DOS PREMIOS DA
5.
SHC,,K.r,a"e sempre : i AMENDOAS confeitadas: xarones rpfri
in.WL^f-Pa;a 5: P,3 d6 I 5" geraDtes i vinh0 KSSi brando e n
?r2f;H? ,.dedlffflr8n,?8 (lua,,dades' Praprio para mesa ; vermouth ; absroto
doces de fruclas, em calda e secco, em cognac; vinhos finos, champagne
barnlmhos em latas. 'F-tsuc.
CAIXINHAS com amendoas e pastilhas, i PAPIS para sortes, ditos vendado,
proprias para presentes ; cha preto, miudo, para cobrir bolos. tendadt
de superior qualidade ; latas com pecegos,
3 im' nrprnru, J PRESUNTOS e fiambres.
c,r onm i. f M'fE cncommendas de bandejas com boiinhos. com armaco de assu-
2 2 V13; dft,p de l0 e bol/ enfeitados com disticos e sem ellas: e de ou roe
'muitos objectos propnos para grandes jantares, bailes, etc., etc.
175.
a
PARTE DAS LOTERAS CONCEDIDA POR LEI PROVINCIAL. N. 393, A BENEFICIO DA MATRIZ DE BARREIROS,
EXTRAHIDA EM 19 DE DEZEMBRO DE 1870.
s. pni
!
9
12
13
17
19
23
26
3i
35
38
48
58
71
83
86
88
%
09
11
li
17
i
23
30
3o
41
48
M)
oi
65
C9
81
82
88
M
Si
95
M
98
99
101
~i0
12
15
17
18
Ci
.NS. PRE31S.
40
6*
10*
227
36
38
39
43
48
52
55
63
64
69
73
8*
i
95
97
98
3C0
1
t
12
14
19
23
25
39
43
44
51
61
64
67
71
89
88
62
94
97
402
7
9
l
29
30
37
38
41
6/
KS. PREJJS. -\S. PREMS.
40*
6*

444
47
48
53
57
58
60
68
69
72
73
81
98
500
6
7
16
18
29
3o
36"
45
51
56
60
70
7.7
8S
90
601
4
14
18
10
SI
31
30
40
43
4i
45
51
58
68
76
78
6i
10*
6*
W*
685
86
89
70i
19
24
29
32
33
38
41
46
56
62
67
73
78
79
84
85
87
92
94
99
803
9
10
15
18
22
23
26
32
35
38
42
53
61
Ci
68
69
73
75
77
92
93
96
10*
6,5
10*
6*
KS. PREMS. i ks. PREMS.
10*
6*
899
901
6
8
13
14
16
18
19
20
21
28
33
39
4&
41
42
43
54
56
57
73
78
80
86
89
93
93
96
1000
1
7
9
10
14
21
24
38
52
58
69
64
6
73
74
75
6*
100*
6*
100*
10*
6*
1081
83
si
90
91
93
>5
1105
8
13
18
23
26
31
33
35
39
40
46
49
51
55
58
62
69
70
96
99
1201
9
10
11
12
11
16
32
24
h
26
28
-* .
46
48
51
53
54
G*
NS. PREMS.
6*
200*
G*
12G3
65
68
69
72
77
87
92
93
94
97
1303
7
8
19
24
19
30
34
41
42
46
. 49
t*
i-
8u*
64
10*
56 6*
57 3:000*
60 6#
Si
63
6
?68
69
81
87
88
94
1405
H
17
18
90
22
29
31
40
44
51

KS. PREMS.
1452 6*
57
78
80
82
84
85
90
95
97
6*
1504
10
12
17
2o
29
41
. 43
56
64
69
84
88
M
1607
11
23
26
32 N
33
36
39
45
46
58
59
60
64-
C5
C9
71
75
79
10*
64
1689
92
95
1710
25
27
30
32
37
38
40
47
49
56
59
65
71
79
80
81
83
85
87
98
99
1801
6
10
ir
12
21
24
26
30
36
45
59
64
. 72
75
76
78
83
85
91
6*
NS. P REMS. KS. PREMS. KS. PREMS. NS. PREMS. KS.
1900 c* 2125 6* 2321 10* 2561 64 2779
1 29 46 64 62 85
i 32 52 63 __ 87
13 36 69 66 ^M 91
24 38 10* 62 77 _ 92
27 45 64 64 85 2807
28 30 71 89 .._ 12
32 31 75 2602 __ 13
36 52 76 3 15
46 - 53 77 10 Ba 20
47 - 10* 64 79 13 i 46
56 6* 67 88 21 __ 62
58 69 92 32 53
61 70 98 33 _ 56
-66 71 90 34 _ 98
69 73 2406 33 _ 60
73 77 , 14 36 ^^ 61
78 86 22 -38 _ 64
84 ' 2201 26 40 *m 66
88 7 31 46 ^M 67
92 20 37 56 , 69
98 22 36 58 _ 71
2000 25 61 66 _ 78
2 26 62 10* 67 83
5 10* 30 69 64 74 * 84
12 6J 34 71 75 mm 88
22 35 74 87 W4 90
32 37 79 91 64 91
33 42 85 97 94
37 45 87 20* 99 2902
3f 47 88 64 2706 _ 6
41 49 .- 89 9 9
43 30 92 204 10 --- 17
46 54 94 6* 14 _ 18
49 1 2500 W* 21 " . 23
60 63 8 64 24 31
61 1 67 11 25 _ 33
73 i 71 12 30 _ 34
84 75 14 33 _ 36
91 80 17 p 37 _ 37
i 86 21 41 40* 53
97 M M 46 6* 56
99 92 47 50 69
Wt 10* 2307 49 59 _ 60
7 e* 9 464 55 61 H 67
9 . 19 64 58 , 61 68
6*
20*
64
, NS. PREMS. NS. PREMS.
2969 6* 3192 6*
76 3200
82 1 _
83 5 w
92 7 i
98 19 _
99 21
3003 28 __
17 30 MMp
22 37 x
36 37 41
49 47 ,.
51 48 _
54 30 __
58 51 ___
69 52 i
84 54 M4
85 56 >04
- 86 57 64
90 66 104
93 72 100*
3108 73 64
18 81 .
19 86 _
22 87 _
26 92 ,104
ti 94 6*
28 3304
29 12 __
31 18 _
42 24 _
45 31 100*
47 04 35 64
50 64 40
5A 45
55 54 .
.37 39 w
63 61
67 62
70 65
73 66
7 67
83 204 68
86 64 83 -
89 88 mm




Diario de Pernambuco Terca feira 20 de ftezembro de 1870

_.


LITTERA'
. lo jury provar que esta
de u:ti dado e que es se
!
'-
DEDO DO DESTItfO
pon
Mayne Red
( onclusi
Enla > allirma q ie o general HarMing
recreo urna segunda caria de sea li ho
Henrique ? perguatou o advogado
aothor. depois que Lawso beij-m a B '
__Aflirmo respouieu esio.
Na.) rae refiro s cartas que j toram
subm UidiS ao exarao do jury, mas riin i
ui outra que parece foi escup \ pelo ch-fo
de salteadores Corvino. verdade te-la o
general recebido ?
Sem duvidj.
E pode dar provas disso ?
Foi elle proprio que m'a dea a lor e
raa confbu. ~
Qaando te e isso logir.'
Pouco lempa antes da morte do ge-
.eral, no raesmo di i em que elle diclos o
testamento.
Qual testamento ?
Aquello que fox o objecto da reclama-
rlo lio author.
- Sabe piando o general a recebeu ?
A estampilhi indica a data c a proce-
dencia della.
Tero essa caria 9
Aqu est.
A lestemunba tirn da algibeira lira pa-
teta, que eniregou ao advogado, o qual o
pasMn ao jaiz.
Era aquella um papal exleriormenle u-a-
do, coberlo de estarapilhas do correio e
omh lodos os requisitos sai generis de do-
cum i.io dejuslica.
P^to a sua honra disse o advogado do
author, indinando-se pira ojuiz se sirva
aodionsar a leilura deste documento parante
os ir s. jurados.
Pois naoacudi o juiz. I,oa se
(i do nmonto. '
Era elle a caria dirigida por Corvino ao
pai do prisioneiro, a qual encernva a liir-
nvel anual;.', e um contheudo mais horuvel
inda;
A sai leiiura producto no auditorio pro-
uada sensacfic.
Agora prosegnio o advogado, tanto
que a ge ral commoco se acalinoa m \\<
pee respeitavel testemuuha'qoeira fallar
aos Sis. orados do objecto que enterra o
involucro dneta caria.
O general dWse-me que era um dolo de
seu i lu, sobre o que loe nao poda rstar
a menor dnvida, por caasa bem conbecida deli'. cousistindo no vestigio
'. una acada que o irman doauthor dera
tie, andando os dous Cica, anda jovens.
E onde existe esse dido ?
Est aqu.
A tesiemunha apresrnlou o dedo humano.
A horrivil coollrmacao do facto ifesper-
toa era lod >? os raembros do jury a mais
solemne demwisiracao de enternecimeato,
Lavson d-'ix.r o banco de testemunhas.
Si uonra disSe o advogado ao pre-
s lenta perroitte-me que interrogue o au-
ir.or Haorique Harding 1
Ou a pefcsoa que se inculca como tal I
inierrorapeu o advogado constituido por
Wuotet.
Mis que ha da provar que lem o direito
de.ertar em juizol bradoo o advogado
v,;rsario.
Oolida a nulorsacao do juiz presidenio,
tomou logar no banco das Ustemunhas lien-
e Harding, que logo se tornou o objecto
' -al espe .lal va.
V.isii! elle com simplicidade, mas esme-
. 11 nenie, conservando as lu*as calcadas.
Qu.'ia descalcar a sua luva, p?se-
. io advogado a da mo esquerda, ja so
de.
O inli rrogado assim o fez.
Agora teri a bondade fie erguer a
forma que os Srs. jralos a pos-
examinar vontade.
H-nriqoe estendeu o braco e mostrou a
. :i qual fallava o dedo mnimo.
.viva e profunda sensafo se manifestou
na sala.
O advogado do autor sabio eaio frente,
e, gieu com d ilicadeza a mo do seu cliente,
coltoeoa a pa'te amputada do dedo ao resto
deltej e disse em vt-z alta e commovenle :
Queiram sua honra o Sr. presidente e
dignos membros
fui privada
i aqui est !
N3o havia, com effeito, menor dnvida
tobre a sua denudado.
O saleo esbranqaifado do antigo go'pe,
partin'o das costas da mo, proloogava-se
longitudinalmente le 4 raz da unba.
Um jury qualquer, anda mesmo subor-
nado a torga de dinbsiro, nao poderla negar
que o dedo cortado perlencia aquella mo.
A eommocio acabava de tocar o seu
maior ange.
Este incidente poz termo aos debates. O
advogado (Io rea deixon o sen lugar, seguido
logo por Woilet, e ambos com a physiono-
mia transtornadj.
Nao se fez espirar o vere Mitin do jury.
Momentos depois era publicada a sentenca
na cansa do 11 irding contra Harding, resol-
vendo por unaniraidade em favor de Man-
rique e condemnando Nigel as cusas.
EPILOGO.
Poucos mezes depois era cu convida lo
por urna caria para ir a B'echwood-Park,
prevenindose-me do que a lapada e.-tava
repleta de caga de penna e de pollo.
E nao pense o leilor que este convite era
feito por Nigel Harding on Bella Mainwaring.
0-r novos proprietarios eram outros ; fe-
lizmente, erara os nossos conhecimentos do
Paran, Henri pie Harding e sua bella spsa
italiana, denitivamente installados nos seus
doffjnios.
Alm de mim, havia all mnitos outros
convidados. O pal icio regorgita-va de visi-
tas, em cojo numero live o gosto de encon-
trar o anlig) syndico do Valle de Orno, e
Luigi Torreani e sua formo** argentina.
Comqnsnlo Hjnrique Harding jamis po-
desse recuperar o dedo pe dido, tinha ao
monos a salisfafao de encontrar amigos ve-
llios, aos qnaea agora se ad iicionavam ou-
iros novo, raiando de formosura no centro
da festa sua encantadora esposa Lucelia.
Era Beechwood-Park gozava-se agora
mais, e sena-se urna alegra mas franca e
legitima do que ao lempo era que as felfas
ni eram presididas pelo sensdboro Nigel
llirding e sua pouco amavel metide.
Timbera n3o inrnei a ver um nem outro,
porque nunca mais appareceram naquelles
sitios, ma? ouvi fallar delles, e souoe que
o sen viver, posto que asis m idesto era
rclacao ao aniigo esplendor, ra lodavia,
anda cercado de todas as commcnlidades e
conforto.
Heririque nio conhecia o sentimento do
rancor e por isso esqueceu completamente
as nffensas que tinha do irmo.
verdade que eram filhos de diverja
mi. mas erava-lhes as veas o sangue do
mesmo pai. Pelo amor e respeilo devido
memoria paterna.. Henriqne nao s affastou
de si lidi a iddi <1q vinganca, mas at des-
envolv u para com o irm5o a mais nobre
generosidade.
As mil libras esterlinas do legado paterno
addicion >a Henriqne mais nove mil, eollo-
candn assim seu meio irmo e cunhada ao
abrigo d* qoalquer privarlo, mesmo quando
qnizessero viver na Inglaterra.
Nigel, porm, odiava agora o slo bri-
tannioo, e era acompanhado neste sentimento
Qlo*"5 por Bella Miinwariog como pela
melanc'lica uuva, os quacs nao podiam
idenliricar-se com a idi da perda de urna
fortuna t5o cabilmente empolgada.
Pareeeu-lhes que a India era a sua Ierra
de promissao e l se foram estallar. Nigel
fez-s3 magistrado pira naturalmente mi- is-
Irar injitstica aos Taloukdnrs ; sua mulher
contlnuava a distribuir com a pos ivel igual-
da le os sois encantadores sorrisos pelos
diversos ollicaes; a viuva buscava oesque-
cimento dos seus pesares em alguma ca-
lumnia forjada eoire visiuhas e comadres.
Inf >rmaco's posteri rmente oblidas me
permitteO dtaeer em poncas palavras o que
foi feito dos principaes personageas .desla
historia.
Mr. Woolel contina no exercicio di ch-
cana. A sua ascsssa clientela mal Ihe for-
w.c os meios de sustentar um carro e ter
ora escrevenie-, ca]o principal officio o de
espilo, mas nao ebegon nunca a ser admit
lido entre os grandes da cidade: destes foi
o general o primeiro constituinte e Nigel o
ullm '.
Doggi Dck terminou por abandonar a
banditaam, nao pirque 3 profisso repug-
narse sua consciencia, mas porque ibe
dasagradava j vida de proscripto.
L) pois de ha ver explorado suflicientemen
te aquella carreira na Ita'a, parcceu-lbe que
havia afia menos garantas de sega ranea,
pessoal do qoe na vida de cacador furtivo
em Inglaterra.
Regressou, pois, sua antiga profisso.
De tempos tempes distrahiase da mono-
tona della com alguna roubo violento oo
mesmo assassinato.
Era natural o resultado de l) nnocentej
passaiempo. m anuo depois do son re
gresso Inglaterra, passaram-lhe em volia
do pescoCo urna grvala de canbamo to
aperlada como qinlqaer das que ello cingira
ao pescoco d militas victimas. Esta rec-im-
oensa m recira-a elle muilo antes ainda de
fugir para o slo italiano.
Mas affastcmos a vista de to repughante
personagem para nos occoparmos de pes-
soas da nossa sympaiaia.
Tomasso. o perseguido e dedicado To-
masso, caminha sera pre na senda do dever,
que a prosenpeo o toreara a abandonar.
Eiel ale ai fanatismo quelle que o arran
cara do captiveiro o aquella cuja honra aju-
dou a silvar, acha-se frente da adminis-
tradlo interna do Beecliwaod-Park. Pode
ver-se o zlo e vigilancia cora que elle de-
lineia os menores pormenores de servido,
percorrendo incessante as vastas dependen
ciaa daquello magnifico dominio.
a elle que o-autor deste livro deve as
circumstancias aqui relatadas sobre a vida
dos salteadores. ^
(iracas influ ncia do novo constituinte,
pode Liwson pai conseguir urna cadeira no
parlamento, com boas esperarnos de obler
igual graca para o filho.
B'sta-me agora desempenhar orna missj,
a raais agndavel de todis, qual 6 a de pro
var a prosperidade das pessoas mais impar-
tant-'s da narrac3b.
Depois de langa permanenca nos mmies
('.mitren, o syndico, e Luigi Torreani e sua
esposa regresSaram ao Paran, dando en-
trada na siM casa, que ple dzer-se de
adopeo o de dilecclo. AsSira vivesse ainda.
O antigo syodico pas>a na sua vasta es-
tancia nmja vida de patriarcha bb'ico. S^u
liho, mei) cultiva lor meio arista, aufere
o mesma proyeito dos seus dominios, e a
esposa sabe ser boa dona da casa e junta-
mente sen'nora de sala.
E* nuto provave! que raais tarde ou
mais cedo esta~companhia seja completada
oam a presenta de Henriqne Harding e Lu-
cetta, porquanto, apesarda grande?a luxuo-
que os cerca, sem embargo da influencia
social que nao s a colassal fortuna, mas
sobretudo a exccllencia de carcter, Ihes
grangeou, os dous amados esposos nao ees-
s ira de fallar com saudade da sua modesta
habitaco da America meridional.
E nc difficil de comprehender aquelle
sentimento. Para os caraces bem forma-
dos o socego do espirito vale tanto como as
riqnezis. E depois, o livre exe.cicio das
torcas physicas nao preferivel agitago
febril da nossa soeiedade, que chamam
civlisada ? O113 P1'2 ^a Europa, por mais
farinoso que seja, pider compararse com
os esplendores selvagens da natureza ame-
ricana ? Que fl mttaa ? que prados I
E' all que res de a futura sdc da Li-
berdade ; aquelle o poni indicado hu-
manidade pelo Dedo do Destino I
campos, expulsa diante dos seus exercilos
as nossas familias arruinadas, e tem at ha
peno (le 50 di* en jorrado Paris sob o fogo
das bateras, por detraz das q-iaos se eo-
tpncheira.
f Nao, ella quer destruir-nos para sa-
tisfazer a ambico dos homens que a go-
vernam.
t O sacrificio da afio franceza ulil
conservafo do seu poder, e proraov>m-n'o
framente, eslranhan lo que nao sejamos seus
cmplices, entregando-nos s fraquezas que
a sua diplomacia nos aconselh*.
Empenhada a Prusia n'esse caminho.
feicha os ouvidos opinij io munlo.
Sabonlo que olTende iodos os sent
ment' jus os, que abala t dos os interes-
ses conservadores, circumscree-se um
ystema de isolamento e suatrahe-se assim
condemoago que a Europ', se fosse ad
mil: ida a di mullir o seu coraportamento,
nao deixaria de inflingir Ihe.
No entanto, apesarda sua negativa, in-
terfieran) quiltro grandes potencias n-Mitraes
e propozeram-lhe urna saspensSo de armas
ora o fim definido de permittir Franfa
que se consulte si propria, retirando rana
assembla.
Que eousa mais raciona), mais equita-
tiva, raais oecessaria ?
. Sai os esforcos da Prussia despmhou-
'se o governo imperial.
No d a segrale, os bomras quera a
necessida le revestio d i poder propozeram-
lhe a paz e para negociar as snas condi-
ces, reciamar^m urna tregua indispensavel
;i constituirlo de urna representafo na-
cional.
A Prussia rogeilou a i lea de urna tre-
gua subordinand >-a existencias inaceita-
veis, e os seus exercilos crcaram Pars.
Disserara-lhes que a submisso era
fcil,
O cerco dura ha cincuenta das e a po-
pularlo nao desanima.
* A sedieco prometida fez-se esperar
por muilo lempo e veio em urna occasio
propicia para o negociador prussi>oo, qoe
a annnnciou ao nosso como um previsto au-
xiliar ; porem ao rebentar perraiilio ao pa-
vo de Paris legitimar com urna vot-fo im-
ponente o governo da defeza nacional, que
adquire por isso, aos olhos da Europa a
consagrarlo do direito.
t Pertencia, p>K ao governo provisorio
conferenciar sobre a propo ta do armisticio
das quatro potencias, e p dia sera receio,
esperar um nom xito.
Desejoso, antes da tudo, de obscure-
cer-so ante os ma dalarios do paiz e de
chegir por elles a oraa paz honrosa, aceitn
a negociaco o entbolon-a nos termos ordi-
narios do direito das gentes.
O armistici i devia comprehender:
VARIEDDE
FOLHETIW
\ mi IHPDIS DE MOttT\
POB
Xavier de Montpin.
PtNTR TERCEIRA.
A CNDESS.rDE RABN
(i'.onlinnaco don.287J
XXIX
Pelas mas de Parla.
Depois de ter andado, ou para melor
dizer, depois de ter corrido durante duas
horas, achon-se a condessa, sera saber co-
mo, beira do Sena, perto de Nossa Se-
rdiora.
Tinha parado a chuva ; o sol apparecia
finalmente no horisonle, dissipando as ou
vens. e annuDciando um dia formse.
as ultimas horas, tinha a senhora de
Rahon gasto com excesso a sua energa, e
assim a rear.fo leve de ser violenta e ra-
cida.
As soas furfas, sostenalas at enlo
pela sobre-excitafo nervosa e pela embria-
guez da liberdade reconquistada, desampa-
rara n-na de repente, e totalmente ann>-
quiitada, assentou-se, ou para melbor di-
zer, deixou-se cahir n'um banco de pedra,
p'o orando refloctir, eousa que at entao
Jhe nio fftra possivel.
Reuni as snas ideas, nao sem custo,
porque a sua pobre cabega esta va ainda mui
to fraca, e encaroo de frente a sitoacao
em que esta va.
Seguramente acabava de alcanzar ama
grande vid ra ao fugir da Salpetrire ;
mas qoe seria d'ella, sozioba, sem recur-
sos, qoasi sem vestidos, no meio d'aquelle
irom^nso Par s, no qual nao sabia para
onde havia de se dirigir, perqu nunca ti-
nha transitado por laes roas seno de
trem ?
O conde Annibal havia de ter morrido,
parque, do contrario, como teriam podido
os seus desconhecidos iniroigos fazer a sua
esposa victima d3 mais infame traifo ?
Possnia de certo orna grande riqueza ;
mas que-m devia dirigirse paca entrar ni
immediata posse da sua parle, limitada que
fosso, de urna grande riqueza ?
E nao obstante, era urgenle decidir-se.
porque a tome nao tardava.
Mal conhecia os tabellies e procurado-
res do conde ; e alara dasso, se fosse ter
com ellas, como havia de exp icar-lhes a
sua sP.ua 3o ? '
Teria de referir a historia singular, io-
coniprehensivel, da sua demencia e capti-
veiro, historia verdadeira, que mus pare-
ca nm e nto inverosirael ?
Evidentemente seria tomada por doud.a,
se teniasse fazer loes acreditar to absurdos
fados.
De modo que por todos os lados surgiam
era torno da infeliz os mais rasuperaveis
obstculos.
O desespero e o abatimento com^cavam
a apoderar-se da condessa ; mas resisti
animosamente ; disse comsgo que Dens nao
poda desampara-la depois de a ter favore-
cido para lev r cabo urna evaso quasi
impossivel, e, amparada por este pensamen-
to, resolveu bater porta do sen palacio.
O porteiro e sua mulher eram antigos cria-
dos, que para logo a conheceram, e ha-
viam de recebe-la cheios de jubilo, propor-
cionando-lhe os priraeiros meios de voltar
sua legitima posifo.
Reanimada com esta esperanfa, levantou-
e a condessa do banco, e perguntaado aos
que encontrava, encaminhou-se para a ra
de Clon ture Sai ate-Catberine, onde era situa-
do o se^n palacio.
Levoa muito lempo para l chegar, por
qoe os seus doridos ps supportavam com
difficalda'de o peso, bem leve por certo, do
sea franzino corpo.
Parou aflnal diante do notavel edificio,
cuja porta monumental era coroada pelo
escudo da familia.
Al'i fra feliz e rica; alli se vira obse-
quiada e adulada ; all, em samma, vivera
n'uma es .raer to superior que pareca im-
possivel qoe ebegassem at ella o sopro
das vicisitudes e as mudancas da fortuna.
E agora de p> no meio da ra, coberta
CIRCULAR DE JULIO FAVRE.
Eis a circular qoe o Sr. Julio Favre, mi-
nistro dos negocios estrangeiros em Franfa.
dirigi aos agente; d'esta n.aro no estran-
gero, e da qual demos apenas um exlracto,
transcripto dos telegrammas dos diarios bes-
panhees:
Mea charo senhor.A Prussia regeiton
o armisticio prop-sto p?las quatro grandes
potencias neutraes Iaglatenv, Russia, Aus-
tria e Italit, o q tal linba por fira" a convo-
caea de urna assembla nacional.
D'esta forma demonstrou mais urna
vez qoe contrauava a guerra c>m nm fira
mequohamente patsoal, sem se-knporir
com o verda leiro interesse dos seus sub-
ditos, e sobre tudo, do dos Allemes, a
quera arrasta aps si. Pretende, verdade,
ver-se isso obrifada pela nossa negativa
cederraos-lbe duas- das nossas provincias.
P.rrra essas provincias, que nao queremos
ceder-lhe, e cajos habitantes isso se re-
cusara enrgicamente, occipa-as ella e nao
para conquista-las que destrn os nossos
do humildes farrapos, que qualquer pobre
leria regeiladw, sem recursos e sem nome,
conlemplava aqu.dle escudo onde vio as
suas ai mis, aquella casa que era sua,
qual, todava nao ousava biler.
Aquella argo'.a de bronze esculpida, onde
os seus criados baiiam dant-s para annun-
ciar a ebegada da soa carroagem, proiuzia
n'olla o eff'ilo da cabeca de Medusa, e te-
ve do fazer um violento es torco sobre si
propria para se animar a deis a -la cahir.
Abrio-se a port inmediatamente.
A condessa ia a entrar ; mas urna figura
desconhecida Ihe lomni o passo ; aquella
figura era a do novo porteiro, parque tlm
bem se cstendera ao palacio de Paris a re-
novafo do pes-oal iaiJada pela formosa
Olyrapia no castello.
O porteiro, interpondo a soa tormidavel
pessoa com toda a impertinencia que na-
tural nos funccionarios d'essa especie, ex-
claraou broia'mente:
EbJ eh abo ah, boa mulher. Pensa
que se entra n'esla casa como em qualquer
cavalUrica ? Ora vamos a ver, que qoe
quer ?
Maria recuou e sentio o coraco to
dolorosaraente opprimido. que chegou a
lembrar-se de fugir; mas alli, e s alli,
podiam informa-ia das cousas qoe prcisava
saber ; ioi esta idea que a obrigou a de-
ter-se.
Esperava encontrar Langevin e sua
mulher, balbuciou a condessa.
Ah ah I os antigos porteros I Pelos
modos eram seus conhecidns ? pois despe-
diram-nos; agora andam ahi por esse
mundo de Cbristo, se os nao levou j o
diabo. Eu e a mraha esposa Eodoxia ficmos
no logar d'elles.
U senhor conde <"'e Rahon est em
Paris ? pergontou a fugitiva cora voz agita-
da, porque esperava receber a ternvel
resposta de qoe ro>>rrera.
P^r isso vio o co aberto quando o bar-
rigudo poiteiro, de pbysiooomia impertinen-
te, responden :
O senhor con le est as suas proprie-
dades da uvernia, e nio tenciona vir
catital 15o cedo. Ora bem, j sabe at de
maij, n5o acha ? accrescentou com voz as-
A eleifo do3 deputados em todo o
territorio da repblica, incluido o inva-
dido. *
Urna durajo de 2o das.
O abastecimiento proporcional essa
duraco.
A Prussia nao fez objeccs s duas
primeiras condifes. No entanlo, ennun
ciou a proposito da votacio da Alsacia e da
Lorena algumas reservas que mencionamos,
sem as examinar maK porque a sua nega-
tiva absoluta em admillir o abastecimento
tornavam intil toda a discusso. t
L t Elfeclivampnte, o abastecimento a
conseqoencia forfada de orna suspenso de
armas apphcada urna cidade sitiada. Os
vveres sao nella um elemento de defeza.
Tirarlh'os sera componsacSo cfear-lhe
um des'uualdade contraria juslifa.
Atreverse hia a Prussia a pedir as
que deixassemos derribar, em cada dia,
pelas soas pefas um lenco d3S nossas mu-
ralhas sem nos permittir a resistencia ?
* T-dvez nos collocassem em urna peior
situaoa obrigando-nos a consumir, em um
mez, sem nos b.atermos, quando, per-
manecendo ella sobre o posso solo, espera-
ra que nos vssemos acossados pela tome
para continuar a guerra.
O armisticio sem anastecimento. seria
a capitulafo em prazo fixo. sem honra e
sem esperanfa.
Negando-se, pois. a Prussia ao abas-
tecirarato, nega-se a) armisticio. E d'esta
vr-z, nao s o exeredo, mas sim a nafao
franceza quera pretende anniquiLar, redu-
zindo Paris aos horrores ia tome.
t Tracta-se, eftoctivamente, de saber se
a Franfa poder reunir os deputados para
de iberar sobre a paz. A Europa pede essa
reunilo. APross''a>egeit-a submeltendo-a
a urna condifo iniqua e contraria ao direi-
to romraora E no enlamo, so devemes
diT crdito nm documento publicado sera
ser desmeutido e qoe parece emanar da sua
chancellara, alrsve se a aecusar o governo
da defeza nacional de entregar Paris a nma
tome certa! Queixa so de se ver obli-
gada por isso cercar nos e sitiar-nos por
tome!
A Europa 3valiar o que valem seme-
jantes imput ces. Sao o ultimo rasgo
d'essa poltica, que prinepia por empaliar
a palavra d) soberana em favor da nafa
franceza, e t> rmina regeitando systematica
intrate idas as comb'ratfoes qua possam
permittir Franfa o exprimir .a sua vonta-
de. Ignoramos o quo pen-'aram tal res-
peilo as quatro giandes potencias nentrae?,
cujas propostas sao repellidas com tanta
altivez, lal -ez adivinhem por tim o que
Ibes reservara a Prossia, chegando pela
victoria realisar todas os Seus desig-
nios.
t Quanta nos oVde jemos um dover
imperioso c simples, persistindo em manter
a sna proposta de armisticio cerno o nico
meio de fazer resolver por urna assembla
as ternero? as qnesHbs que os crimes do go-
verno imperial permittirem ao inimgo pro-
por-nos.
* A Prussia, que conhece o odioso da
sua negat va, dissimula sob um disfarce
que nao pode engaar nihguem. Pede-nos
um mez dos nossns vveres, que como
pedirnos as nossas armas. Empunhamo-
las com mo resoluta e nao as deporemos
sera corabater. Fizemoi quanlo podem fa-
zer homens da honra para deter luda.
Fecham-rios a sabida e nao lomos ontro
remedio seno inspirar-nos no nosso valor,
declinando a responsabilidade do sangue ver-
tido sobre os qoe systematicamente se oppe
a toda a transaefo.
* Ainda podem ser immolados sua am-
bifo pessoal mhares de homens; e quan-
do a Europa commovida que deler os
combatentes na fronteira d'esse campo de
sangue para chamar elle os representan-
tes da nafo e proenrar a paz, sim, dizera
os Pni3sianos, porra com a c ndifo de
que essa populaco que sofre, essas mn-
Iheres, esses Olhos, esses ancios que sao
as victimas innocentes da guerra nao rece-
ban) soccorro algnm, afira do que expirada
a tregna nao seja possivel aos sens defen-
sores combater-nos sem fazelos raorrer de
fome.
Eis o que os chefes prussianos nao re-
ceiam responder proposta das quatro po-
ten :ias. Damos por teslemunhas conira
ellos o direito c a jastifa, e estamos con-
vencidos de que se, c rao nos, a sua nafo
e o seu exereito podessem votar, condena-
naram essa poltica deshumana.
t Que ao menos fique bem estabelecido
que at ultima hora o governo da defeza
nacional, zeloso dos immensos e preciosos
interesses que Ihe eslSo confiados, fez todo
o possivel para facilitar lima paz que seja
digna.
i Negam-lhe os meios de consultar a
Franfa. Consulla Paris, e todo o Pars se
levanta armado para mostrar ao paiz e ao
mundo o que pode um grande povo quando
defende a sua honra, o seu lar e a indepen
dencia da patria.
t Nao vos custar muito, senhor minis-
tro, fazer comprehender verdades to sim-
ples e assen'a-las romo ponto de partida das
observaces qoe tiverdes qae fazer em oc
casio opportuna.
Recebei, etc.O ministro dos negocios
estrangeiros, Julio favre.
pera. Agora arredar se para en fechar
a porta. Vamos, toca a safar d'aqoi I
A condessa, tratada d'esse modo em sna
propria casa par um criado de seu marido,
sentio subir-lbe ao rosto o fogo da indigna-
fo. .
Insolente! radoo ella com altivez.
Tome copla no que est dizendo, que Ibe
pode custar bem caro I
Devoras ? perguntou o porteiro com
ar de zumbara.
Sabe com quem est fallando ?
Talvez com alguma fidalg^rrona des-
rabada : palavrinha que nao me espantava;
i3so e muito raais piomette a sua Cara e o
sea aspecto... E' per ahi... alguma
duqueza, pelo menos, nao verdade ?
Son a condessa de Rahoa I Sou a
esposa de seu amo !
Mal que Maria pronunciou estas palavras,
o rolifo porteiro poz as mos as ilhargas e
entrn a rir estrepitosamente, interrompen-
do-se apenas para gritar :
Eudoxia l Eudoxia anda c...
andac... olha que isto vale a pena I
A esposa do porteiro appareceu quasi
oo mesmo instante.
Vs ahi essa esfarr-apada, essa vaga
bunaa ? prosegnio o marido. Ah! ah !
olha^que lem pilheria 1 J te previno que
vais morrer de riso Sabes o que ella
vem c badalar ?
Em to m'o dizendo j eu sei.
Pois vem c dizer que a condessa
de Rahon, nem mais nem menos I Olha
que j preciso ter descaramento, nao te
parece ?. Vai i dentro, Eudoxia,- vai l
dentro e traze roe o cabo da vassoura para
medir as costellas esta desavergonhada
E' escusado baterlhe, respondeu a
mulher, basta po-la no meio da ra.
' Ora adens I Urna eorrecco bem
merecida, nunca de mais. As mario'as,
d'esta laia metiera se as casas dos gran-
des para roubar. Palavrinha o,ue lia de
lovar ama lifo. Traze-me o cabo da vas-J
soura, anda espozioba, traze-me o cabo da
vassoura,
Esta nao tem'cara de ladra.. mas
parece me douda I
Pois olha... modo que tens razio;
aquella cara encovada, aquellos olhos es-
RE1N0 DE PORTUGAL.
Entre os differenles mezes do kalendario
lem sido era todos os lempos o de novera-
bro um dos mais fataes aos principes e pes-
soas notaveis de todos os pa'zes e especial-
mente de Portugal. Seno veja-se pela se-
guate lista :
Em 15 de nevembra do 1853 falleceu a
Sra. D. Maria II.
Em II do noverabro de I8GI falleceu o
Sr. D. Pedro V.
Em 6 de novembro.do mesmo anno falle-
cen o Sr. infante D. Fernando.
Em 7 de novembro de 1053 falleceu o
Sr. D. Joo IV.
Em li de novtmbro de 18GU falleceu o
Sr. D. Miguel de Braganfa.
Era 12 de novembro de 1863 falleceu o
Sr. Jos da Sirva Passos.
Em I de novembro do 1531 fallecen o
condestavel D. Nuno. Alvares Pereira.
Em 12 de novembro de 1591 falleceo o
jurisconsulto portouu?z Ayres Pinhel.
Em igual dia do auno de IUDG fallecen o
jurisconsulto portuguez Manoel Alvares
PdJZAS
Em' 14 de novembro de 1577 falleceo o
juri consulto portuguez AfTouso Alvares
Guerreiro.
Em 17 de novembro de 1796 fallecen a
impera'riz da Russia Calharina II
Era 6 de novembro de 1793 morreo gni-
Iholraado em Parizo duque de Orleans.Fe-
lippe Eg'alit, pai i Luiz Fehppe.
Era 3 de novemb|0 de 1793 morreo o
general vendeano Lescure.
Era 10 de novembro de I67i morrn o
o cel-bre poeta inglez Milln.
Em 12 de novembro. 334 anuos antes de
Jess Chrislo, morreu Alexandre Magno
Em 13 de novembro de 1460 faleceu o
infante D. Henrique, filho de D. Joo I.
Em 14 de novembro de 1716 falleceu O*
celebre philo opho allemo Leibuitz,
Era lo de novembro de 1848 foi as-
sssasraado o ministro Rossi em Roma.
Em 8 de novembro de 1517 fa'l-ceu o
cardeal Xunenes, um dos maiors homens
de estado de Hespanha e que por duas vezes
governon aquelle reino como rgeme.
Em 19 de novembro de 1649 falleceo em
Ughento o-celebre jurista e canonista portu-
guez Agostinho Barbosa.
Em 23 de novembro de 1667, D.Affonso
VI f.i obrigad) a renunaar o governo do
reino.
Em 27 de novembro de 1637 falleceu
em Ale-baca o historiador portuguez Frei
Antonio Brando,
Em ii de novembro da 1825 morreo o
eneral francez Foy, author da Historia
da guerra di Penraula
Em 2 do novembro de 1512 o duque de
Braganfa D. Jayme matou era Villa-Vifosa
sua mulher D. Leonor de Menezes.
Era 5 de novembro de 1836 falleceu em
Goritz Carlos X de Franfa.
Em 8 de novembro de 1793 morreo gui-
Ihotinada a girondina Mme. Rulland.
. Era 7 de novembro de 1823 foi juslif ado
era Madrid o general Riego.
Em 16 de novembro de 1633 morreu
Gustavo Adolpho na batalha de Lutzen.
Em 23 de novembro de 1840 morreu o
celebre escripior francjz Bonald.
Era 26 de novembro, cinco annos antes
de Cbristo, morreu U >racio.
Em 28 de novembro de 1530 morreu o
cardeal Wolsey, ministro de Henriqne VUI.
Em l de novembro de 1112 fallecen o
fundador da monarehia, o conde D. Henri-
que.
Em igual dia do anno de 1130 IVleceu
sua .mulher, a ranha Thereza.
Era 25 de novembro de 1487 falleceu
D. Rodrigo de Mello, conde d Olivenfa.
Em 10 de novembro de 1657 fui assas-
sinado em Fontainebleau Monadelschi, val
do da exrainha Cbristina, d'. Suecia.
Em 15 de novembro de 1793 suicidase
o ex-minislro girondino Rallaod. marido da
celebre Mme. Rolland j mencionada.
Em 17 de novembro de 183S falleceu o
celebro medico Broussais.
Em 19 de novembro de 1703 morreo na
Bastilha o celebro e raysterioso Mascara
de ferro.
Em igual dia do anuo de 1518 morre o
celebre marechal de Trivulce.
Em 22 de novembro de 1735 morrea
preso no caltello de Sant'Angelo, em Roma,
o ultimo geral dos jesutas no tempo de Gan-
ganelli.
Em 25 de novembro de 1795 abdicou
Estanislao Poniatowski, ultimo re da Po-
lonia.
Em 1 de novembro de 1682 fallecen em
Lisboa o celebre escripior portuguez Anto-
nio do Souza de Macado.
Em igual dia do anno de 1700 morreu
Carlos 11 de Haspanha.
pantados. nao tem que ver urna doudf
Vai tu quanto antes fallar ao eommissario
de polica.. que a prendam e que a le
vem para a Salpetrire.
Muda, immovel e quasi inanimada, assim
a senhora de Rahon tinha onvido o repug-
nante dialogo que acabamos de transcre-
ver.
Nao quera dar crdito aos seus ouvidos.
Mas quando ouvio o nome da Salpetrire,
iraaginou que as portas da tormidavel pri-
so se abriam dianle de si, e sentindo-se
colhida pelo medo, soltou um grito surdo
e fugio sem voltar a cabefa.
Canfada e offegante, teve de parar uns
com passos de sua casa, onde um criado,,
que veslia a sua libr a tinha cobardemente
insultado, e incapaz de dar mais um passo
que fosse, assenteu se nos degros orna
porta, escondeu a cara enlre as mos e
cborou.
E^tranho e terrivel destino o seu.
Acabava de saber com immnso trans-
porte de alegra, que o senhor de Rahon
uo tinha morrido. Aquella noticia pareca
assegnrar a sua salvacao, porque, reuniudo-
e cora o seu amado esposo, encontrara
n'elle um protector contra todas as machi-
infes, um defensor contra todos os ini
migosf
Reanir-se cora o conde Ah nio se
assemidbava essa esperanfa s engaosas
miragens que mostram ao viajante perdido
no deserto o fresco e risonho oasis onde
se ostentan) exquisitos frtelos e corre lm-
pido e crystalino arroio por baixo de nm
fk rente veo de verdura ?
Em presenfa da fallaz imagem, a tome
parece mais cruel, a sede mais insupporta-
vel, a agona mais sinistra.
Annibal de certo a jnlgava morta. Como
desengana-lo T Eraprehenderia um cami-
nho comprido e penoso p e em absoluta
miseria ? S pensar n'isso era loucura.
Escreveria ? Bem i mas emqnanto a
carta ebegava ao castello, a condessa snc-
cumbiria ao camaco, f aqneza e tome.
Sim, fome 1 Aquella aristocrtica se-
nhora linha tomo, e como nao possnia ab-
solutamente nada, se quizesse viver havia
do implorar a compaixo dos transentes
e receber o p3c. de esmola.
Em 24 de novembro de I88 fugio de
Roma para Gaeta o actual pontfice Po IX.
Finalmente e como additamenlo acs Tac-
tos ominosos que se eommuemorao niesle -
mez e que acabamos de me donar :
Em 1 de noverabro de 1755 teve lugar
o" terrivel terremoto de Lisboa.
(Cunlinuar-se-h).
Mas antes de mendigar o seu sustento, a
condessa de. Rabn teria expirado cera ve-
zes sem pronunciar urna palavra, sem
exhdar um queixume, envolvtmdo-se no
seu orguluo e na sua altivez como n'um
supremo sudario.
A condessa fez todas estas reflexoes, e
sentindo que a sua menie vacillava sob o
peso de taes ideas, e temendo que endu-
dece>se outra vez, obrigou os seus canta-
dos ps a encetarem de novo o caminho, e
decidio-se a fazer algumas tentativas des-
esperadas.
Enlre as senhoras qu tmbam sido suas
intimas amigas, havia duas, a princ za do
Soubisse e a condessa de Lude, por quem
linba particular affeifo.
Arrastoa-se lentamente at s suas res-
pectivas casas, para ver se a recebiam. A
princeza de Soubisse estava tora dr Paris, e
os criados da senhora de Lude repelliram
a desgracada condessa, lomando-a por urna
pobre vagibunda ou por urna aventureira.
Reslava Ihe j a esperanfa em Deus. En-
trn, pois, n'uma igreja, prostrouse sob as
frias lousas do pavimento e lentou resar ;
mas embalde foi: a fome despedafava-he as
entranhas; m circulo de ferro Ibe oppri-
raia a testa; tinha nos ouvidos um continuo
zumbido, escureciam-lue os olhos u.oas nu-
vens negras semeadas de faiscas luminosas.
N'ora estado assim, foi Ihe impossivel en-
contrar algoma d'essas palavras de amor e
confiaofa qoe ootr'ora se Ihe sollavam dos
labios para sobirem ao co.
Urna especiejde letharge, que nao exclua
o suffrimeoto, se foi apoderando d'ella pou-'
co ouco, a p*8saram-se horas sem que
a fiialga dsse por isso.
A condessa estremeceu nio obstante,
quando urna mo Ihe bateo no hombro a
urna voz Ihe disse:
Vai-se. fechrr a igreja, a senhora tero
do sabir.
Maria obedeceu pacientemente e sabia
do templo. Era noote. Paludos lampeos
alloraiavam as ras.
\onde irei en morrer ? disse a con-
dessa entre si.
(Cottmiar-M-*a.)

.
YP. DO DIAIUO RA O J MW! O* UXUk\


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E8B2P3NTK_5IF2GD INGEST_TIME 2013-09-14T03:48:46Z PACKAGE AA00011611_12292
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES