Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:12291


This item is only available as the following downloads:


Full Text
/


liHHO XUI. NUMERO 287.

Y
PALA A CAFITAI E L0CA1K 0*DE 110 S PACA PORTE
L O"
------------
*or Irta meses sdiaatsdos .
flr se dito* ffMm.....
& *-4d numero avuiso. .


XGHM FEIRA 19 DE DEZEMBRO DE 1870.
MEA DttTM I TCKA M ottsu. Io
Por tres meza* atalantados
Por seis dito idem. .
Por nove ditos Me* .
Por om anno idem .

' tuto**

-

Propledade de Manoel Mgbeirda de Faria & Filhos
-------------------------- .,.. ---------.- j i .,,.,.
17*
i
'-"
AO AMtoTMt
0> Sft Gerardo Antoeo Alves TAH, s fas* ; Gasxalves Pinto, no Maranhlo-; Joaquina Jos de (Xfwirs, no Ceart ; Aonio dUm Braga, no Aracaty ; Jlo Maa Jobo Chavea, no Ase ; Antonio Marques da Iva, no Natal; Jos Justino
Perora d'Alaacada, en Maaungwpe; Antonio Alexaadrino de Lima, na Parabyba ; Antonio Jos GomesV na Villa^t fenha; Belarmino dos Santos BukSo, em Santo Antao; Domingo Jos da Costa-Braga,
am Ifxaretb ; Francisco Tavares da Costa, em Alagoas; Dr. Jos Martini Alves, na Basta; e Jos Ribeiro Gasparsoo no Rio de Janeiro.
PASTE OfmAL
florera da prmtimti*.
EXPEDIEVTE DO DIA I Bit DEftMBOu DE 1870.
Actos:
O presidenta da provincia, a vista do pare-
cer do conselbo de invcstigayo que respondcu
o coronel Alexaodre Je Barro Albuquerque por
faltas arguiJas. na n .li'.ide de cotnmandanle do
corpo de polica, resolve, conformndole com t
decuso do mesmo eonselho, declarar improce-
dente a accasa^io e justificado o referido coronel
honorario.
O prenderte !a provincia designa o jnii de
ilireilo da 1* vara Francisco de Assis Oliveira
Maciel e os tenerte? o rois Manoel Joai|ui o di
llego Alboqaerqoe, Francisco Antonio Pereira da
Silva e Joaquim Maximiaio Pereira Vianna para
comporem a jnnta, quo ero nltima int-iuc 11 tem
de julgar o soldado do carpe de polica Manoel
Mara uares.
Expediram-se as necessarias commooicacoes.
O prendante da provincia, attendendo ao qne
reqoereo o alteres da 3* companhia da 15 seceo
de reserva do manieipio de Serinbiem. Sebastiao
Hendes Bandeira Guimares, e a vista do qne in-
forowram m commaoilanles superior e da dita
seceo, resolve qne Ibe seja dada a gaia da que
(rata o arl 45 do ctereto n. 1130 de 12 de marco
de 1833, para o do Rio Formoso, aonde tem fixado
a saa residencia.
O presinale da provincia, attendendo ao qu*
requeren a sodedadeAmor ao prximorosol-
ve, de conforraidade com o 5* do art. 59 do
decreto n. 2711 de 19 de novembro de 1860, no-
mear a Jo'. Chrisostomo Pereira Soares para o
cargo de presidente da mesma sociedade
O presidente da provincia, aitendendo ao que
ejnereu Elias Francisca Bastos, ubelliao e ea-
crivo do civel e mais annexos do termo do Brejc,
icsoiv eoncedr-lhe dous mezes de licenca para
tratar de sua ade.
Offieos:
Ao Exm. Sr. ministro do imperio, acensando
recehimeoto do aviso de 29 de novembro ultimo,
em qne communieou liaver sido por decret d'a-
quela data nomeado para exercer interinamente
o cargo de ministro e secretario de estado dos ne-
gocios da agricultura, commercto e obras publi-
cas.
Ao enviado extraordinario ministro pleni-
potenciario do Brasil em Londres, transmitfrodo o
balance- e copia da acta da hquidaco, a qne se
urocedeu as cortas da estrada de ferro do Reci-
fe a S. Francisco, relativamente ao roez de novem-
bro ultimo.
Ao Dr. chefe de polica, recomreendando que
d novas ordens para a forraaco de culpa contra
l'iem for responsavei pela faga do criminoso Joao
Corris de Araujo, visto nao se poder connecer do
IBoi. do delegado do 3* distncto desta capital
|ual o culpado por essa fuga, e providencie acer-
ca da captura do referido criminoso.
Ao mesmo, approvando at ulterior delibera-
cao o proeedimento do delegado de polica de Ca-
brob de conservar naquella localidade o destaca-
mento de guardas nacionaes, por nao U-r ainda
ch^gado o do polica, jtia para fii mandado.
Communieou-se a thesouraria de faienda.
Ao inspector da tbesouraria de fazenda, com-
niiiicando haver o juz Je direito da comarca do
Itio Formoso, bacharel Marcos Correia da Cmara
Tamarindo, passado por miiestia, no 1* do corren
te o exercicio di funcecs de seu cargo, ao 1*
substituto bacharel Jos Julio Rigueira Pinto de
Souza, juiz municipal daquelle lermo.
Ao mesmo autonsando-o a mandar abonar
por adiaotamerto tros mezes de sold a cada nm
dos alferes do 9 batalho de nfantaria de liuha
Manoel Jos da Silva Leite e Justino da Silva Car-
dim, ah'm de Ibes 9erein descontado pela quinta
parte.
Ao inspector da tbesouraria provincial, de-
clarando para os flns convenientes, que, do aerar-
do com a sua nformacio e da thesouraria de fa-
nda, a transferencia de carris de ferro entre ej-
11 cidade e seus suburbios a Domingos Moulinho.
nao est sugeila ao pagamento dos iraposto9 esta-
bclecidos, quer pela lei provincial n. 963 de 2o de
juih) do c rrenle anno, art 16 o"*, por ser tsta
losterior ao contrato respectivo celebrado, no R,io
de Janeiro a 1 de junho ultimo, quer pelo decreto
n. 'i 398 le 17 de abril de 1859, por ja ter sido
pago naquella oceasio o sello proporcional com-
petente.
Ao mesmo approvand3 a redaccao e modelo
que remetteu para a inipressao das apoliees, que
levam ser emitlulns em virtude da portara e re-
gulamento de 3 deste mez, e autorisando-o a man-
dar tirar logo 12,209 exemplares, correndo a res-
pectiva despe7a pela verba eventuaes, conforme
propoe, visto nao haver crdito especial para esse
fim.
Ao mesmo dizendo flear inteirado das ra
loes que expendeu o administrador do consulado
provincial, acerca das faltas dadas pelo 1 escrip-
turario Antonio Joaqnim de Oliveira Baduen,
que sendo omisso nessa parte o regnlamento de
21 de junho Je 1868, cumpre qqe nos pontos re
mettidos mensalmenle presidencia, sejam decla-
rados os motivos que occasionirem as faltas dos
*mpregados dessa thesouraria e do mesmo consu-
lado
Por essa thesouraria mandou-se pagar:
* Bento Jos de MaceJo Pocas os vencimentis
relativos ao me?, de novembro ultimo, dos guar-
das nacionaes destacados na villa de Agua-
Preta.
Communieou se ao comraandante superior res-
pectivo.
Ais agentes da companbia brasileira de paue-
los a vapor nesta capital a qnantia de 4324000,
proveniente de pasagens dadas por conta da
provincia no vapor .liinos. a nm alferes e 46
pracas do corpo; do polica, que vioram de Ma-
ceio.
Ao capitao Antonio Bento de Oliveira, ou seui
pircuradores Fernandos 4 Pereira, a de 503000,
ic-p-nlida com o alugnel de cinco mezes, venci
dos m'novembro ultimo, Jacas que serve de pri-
so no termj de S, Bento.
Cimmunicou se ao ehefo de polica.
Ao capillo do porto para maottar por a dis-
(>icao do Dr. chefe de polica o recruta Gervasio
J >s'de Souza, que se acha recolhido ao brigue-
barca Itamarac.
Ao eommandanto do corpojd* polica, appro-
vando o engajameoto dos paisanos, Manoel Soares
f? da Silva e Jlo Manoel Pereira, s forem
aptos.
Ao director do arsenal de guerra para man-
dar fazer com brevidade os concertos de que pre-
cisa o relogio da fortaleza do Brum, indispensavel
para regalar o servico da guarajei*.
Communieou se so geoertt comraandante das
armas.
Portaras:
Ao gerente da compaohia Pernarabucana
mandando dar passagens por conta do ministerio
a guerra noa vaporea de 15 do correrte.
Ao ex-1* cadete do extincto batalho n. 30 de
voluntarios da patria, Nabuco Ottonl de Alinear,
a re at Penedo.
A praca do mesmo batalho Manoel Felcio,dos
Santos, a proa para o Rio Grande do Norte.
Despachos:
Antonio Luiz de Oliveira Auvedo & C A the -
turnia provincial com offlcio desta data.
Antonio Jos Joaqnim de Oliveira. Informe
Sr Dr. che de prtkia.
Francisco Jlaa>trali.lolorme o Sr .provedor da
.Santa Casa de Misericordia.
FrancUco de Piula Mello Brrelo. Informe o
Sr. inspector da thesouraria provincial.
Ildefonso Ignacio di Amaral.Ioforme a cama
rr. muuicipal da cidade da Victoria, ouvindo o ar-
rematante.
Jos Augusto de Araujo.Volte ao Sr. engenbei
ro chefe Ja roparticao das obras publicas para in-
dicar o lugar mais adoptaJo a collocagao da bar-
reira.
Joo Pereira Lago. Infirme o Sr. n.poctor da
ihe^ouraria provincial.
Joo Pereira Lago.Informe o Sr. inspector da
thesouraria provincial.
Jii-iini Lopes Cavalcanle.A thesouraria de fa-
senda com otcio desta data.
Joaqnim Cavalcjrte de II llanda Albuqaerque.
S.iiisaca o disposto n > I 2' do art. 2 do ddc. n
2853 de. 7 de dezembro de 1881.
D. Laura Maa dos Passos Miranda.Como re-
quer.
Manoel Jos da Silva Leite. A thesouraria de
fazenda cora oflicio desta data.
Sebasiio Mendes BanJeira Gnraaraes Defe-
rido.
Sociedade Amor ao Prximo.Nomeio o segn
do da lista.
Superintendente da estrada de ferro do Recife a
3. Francisco.Sim.
Ignacio Vieira da Silva Coqueiro. Indeferido a
vista Ja inforraaco.
SXPDIKNTE DO SECRETARIO.
OAlci:
Ao agent da companbia pernambucaoa decla-
rando os de erdera da presidencia, ;nue pode fazer
seguir os vapores Ipojuca e Mandahu, este para os
portos do snl, e aquello para os do norte, ama-
nh.i a hi ra Indicada em seu olllcio.
N. 1C58.Secretaria da polica de Pernambuco
m 16 dedeiembro de 1870.lllra. e Exm. Sr.Te-
nho a honra de passar as raaos de V. Exc. a copia
junta do officio, que sob a data de hontem diri-
gio-me o subdelegado da Capunga, da qaal ver
essa presidencia que as autoridades pollciaes nao
despresaram tomar conbeeimento do fado de que
irata o Liberal de hoje no noticiario sob a epigra-
pheEspancameato pela policacabendo-rae ape-
nas acrescentar que tendo vindo a esta reparticao
queixar-se o offendido, de nome Them Jos dos
Santos, mandai logo proceder vistoria, e sendo
considerados leves os fermento, ordenei nlo s
que se instaurasse o processo, como tyx toan de-
mttiJo o inspector de quarteiro Jovino Jos de
Mello, que serva interinamente.
Deus guarde a V. ExcIllm. e Exm. Sr. con-
selheiro Diogo Velho Cavalcanle de Albuquerque,
presidente da provincia.O chefe de polica Luz
Antonio Fernandos Pinbeiro.
Copia.lllra. o Exm. Sr. Commnico a V. Exc.
que boje as 7 horas da manba, apresentou-se
nesta subdelegada, com diversas contuso:?, ama
brecha na cabera, e, ensangnentado, Thora Jos
dos Santos, morador no boceo do Espinheiro, di-
zendo que o inspector de quarteiro daquelle lugar
Jovino Jos de Mello, tinha-o espaneado, pelo mo-
tivo de ter expulsado do sitio era que mora, e
onde todos os das vai lar lar mangas o filho do re-
ferido inspector, e eu mandando chamar o inspec-
tor, e indagando do ficto disse-me que lhe havia
dado com um talo de folha de dendezeiro, e que as
contusoes seriara naturalmente de urna queda que
o referido Thora bavia dado sobre urnas raadeiras
que all se achavam.
Em vista da inacredtavel exposicao daquelle
inspector mandei que se recolhesse a prisao, o que
logo fez, e ordenei ao fe rilo que fosse inmediata-
mente ao medico da polica na ra do Hospicio
n. 50 para ser visloriado, e que feto isto voltasse
a minha presenta, para proseguir-se no processo
ao deliquente, na forma da lei.
Deus guarde a V. ExcSubdelegacia da Ca-
punga, 15 de-dezembro de 1870.lllra. e Exm. Sr.
Dr. Luz Antonio Fernanjes Pinheiro, chefe de po-
lica de Pernambuco.0 subdelegado em exercicio
Augusto Jos Goocalves Les&a.
Conforme.Na ausencia do secretario Agostinho
Jos de Oliveira.
Reparticao da polica.
2." seceo.Secretaria da polica da provincia
Je Pernambuco, 17 de dezembro de 1870.
N. 1660.Illm. e Exm. Sr.Levo ao coohecj-
raento de V. Exc. que, segundo consta das parti-
cipaefies receidas hoje n'esta repartiejio, foram
hontem recnlhidos casa de detenejio os segua-
les individuos :
A' jrdera do subdelegado do Recife, Domingos,
escravo de Amorim 4 Irmo. requermento
deste.
A' ordem do de Santo Antonio, Miguel Joaquim
das Chagas e Benedicto, escravo de Luiz Gomes
Ribeiro, para averiguacoes sobre crime de roubo.
A' ordem do da Sos-vista, Jos Pedro da Silva
Lima, e Andr Gomes, escravo de Augusto de
Carvalho, por disturbios.
Communicou-me o Dr. del'gado da capital, nes-
ta data que o subdelegado di Bol-vista Ibe parti
eipira que hontem s cinco e meia horas datar-
de, tendo apparecido prximo ao caes da ra da
Aurora e ponte dos tnlhis urbanos ura feto
involvdo em urna toalha, fe-lo retirar d'ali, e pro-
eedeiido ao competente acto da vistoria, declarou
o facultativo Dr. Jos Soriano de Souzi que o dito
loto era de sexo masculino, pareca ser branco e
ter quatro mezes, assra como quo a morte fra
motivada por falla de viiahdade.
Deus guarde V. Exc.
Illm. e Exm. Sr conselheiro Digo Velho Caval-
canle de Albuquerque, presidente da provincia.
O chefe de polica, Luiz Antonio Fernandes Pi-
nheiro.
PERNAMBUCO.
REVISTA DIARIA.
GUARDA NACIONAL.Por portara da presi-
Jencia da provincia, de 14 do correrte, mandou-se
dar guia de passagem pura o municipio do Rio
Formse, ao alferes da 3.' companhia da 15." sec
<;o de reserva do municipio de Serinhem, Sebas-
tio Mondes Bandeira Gulraare?.
SOCIEDADE AMOR AO PRXIMO.De confor
raidade cora o artigo 29 do decreto n. 1711 de 19
de dezembro de 1860, por portara da presidencia
da provincia, de 14 do correte, fol nomeado pre-
sidente desta sociedade 0 Sr. Joo Chrysoatomo Pe-
reira Soarss.
COBPO LE POLICA.Por portara di presi-
dencia Ja provincia, de H do correrte, i vista do
parecer do eoselho denvesgaco que respon-
den o coronel honorario do exerclo, Alexandre de
Barros Albuquerque, por faltas argidas na qua
lidade de comraandante do corpo de polica, foi
declarada improcedente a aecusacao, e justificado
o dito corona honorario. #
IGREJA DA MADRE DEUS.Instituio-se nesta
greja urna JevocAo dedicada Nossa Senhora Mi
dos Homens, devendo ser celebrados os seas actos
todos os sabbados s 7 horas da noite.
ARMAZEM DE LOUGA.A" raa Primeiro de
Mareo n. 15, sob a razio commercial de Pereira
Irmsos, a;aba de abrir-se um novo aromen) de
i louca. crystaes e porcelanas, onde se acha om
lmenlo variado, por preeos extremamente eos-
modos.
FESTIVIliADE. Tecca-feira 20 do correrte,
celebrar-se-ha na malea do povoado de Gamellei-
ra a feslivi Jade de Nossa Serttora da Gonceicao,
cantando a sua primeira. missa o Rvl Joo Augus-
to do Nasciinento Pereira, lendo por paraoymphos
seculares os Illnu Srs. coronel Coriolano Velloso
da Silvein, tenente-eorooel Ceacinato Velloso da
Silveira e raajor Jos Pedro Velloso da Sil vai ra J-
nior, e por assisteales ao altar os Rvms. vigarios
Hercnlano Marques da Silva e Floriano de Quei-
roa Coutinbo. Pregar em toda a sulemnidada o
padre Jos Estoves Vianna. A orchastra ser di-
rigida por um dos melhores professores.
SOaEDADE LIBERAL UNIO BENKFICENT^.
Montera leve lugar o empoisaraeoto do novo
conselho administrativo d*essa sociedade, fleando
assim composto:
Presidente.Antonio Getuiio Villat-Boas.
Vtce-presidente.Joaquim Texera Peixoto Fl-
Ihn.
I." secretario.Theopbilo Pedro lo Rosario.
2. dito.Bento FerreiTa da Costa.
Procurador.Manoel Lopos Ferreira.
Thesoureiro.Polycarpo Ramos de Jetus.
Vogaes.Andr Xavier Vianna, Inoocencio Xa
vier Vianna Sobrinho, Franciseo Gabriel das Cha-
gas, Bibiano Jos Regs, Luiz Gomes de Figuei-
redo.
FREGUEZIA DA BOA VISTA.Acba-se no ex.
ercicio de subdelegado desta freguezia o Sr. len-
te coronel Decio de Aqnino Fonceca, por nomea-
cao da presidencia da provincia de 15 do correrte.
Foi ama acertada nomeac.So, que vem dar ga-
ranta de propriedade e do vida aos moradores da
freguezia, de ha muito em sustos continalos.
MANCA MORTA.-Do ro Cabibaribe, no caes
da ra da Aurora, foi tirado na tarde do di 16
do correrte, o cadver de ama criaaca, do sexo
mascono, branca, de cerca de 4 mezes, erabru-
Ihado n'uma toalha. No exame, qne precedeu
o Sr. Ur. Soriano de S raza, reconheceu-se ser a
morte proveniente de fraqueza vital.
RECTIFICACO.-Segando fomos anle-hentem
informados pela propria autoridade, relativamente
ao acto do roabo pratcado no sobrada n. 28 da
Camba do Carmo, estamos hoje antorisados a de-
clarar, segundo lambem declarou o propri mo-
rador peraate a polica, que os larapioi apezar de
baverem pratcado arrorabamentos em diversos
movis, comludo nao acertaran) com os lagares em
que havia quaniia -uperior a 15:0001 inclusive
objectos de valer.
FALLECIMENTO.Tendo na sexta-(eir pana-
da Ido para a pesca em urna jangada Francisco Car-
doso coohecido por capadinho e Jos Fumo, de
volta, por oceasio de estar aquelle amarrando a
valla, foi accommetldo da gotta, molestia que ha
muito era acostumao a ter, do que fallecen,
teadOj este cora grande diuculdade poddi apa-
nhar o cavaver de seu lompaaheiro para o con-
duzir torra.
ALBARROAMENTO.Trazendo a reboque o va
por Camaragibe os brigues francez Luiiae o bra-
silero Therezinha, e partndo-se a espa daquelle
foi de encontr a este, resultando a perda de um
bote ao primeiro, que seguio viagem, e ao segun-
do, que parti a verga do tranquete, acha-se no
laraaro a espera de nova verga para seguir seu
destino.
QUESTO DO ORIENTE.-Leraos o seguirte >
Jornal do Commercto de Lisboa :
t Nao se pode negar que a Russia tem proce-
dido eom a raaior olma acerca da questao do
Oriente, e que soube esprar a occasi) propicia
para vingar-se das potencias occidentaes, tomando
urna desforra da guerra da Crimea e do famoso
cerco de Sebastopool.
c O colesso do norte foi ferido pela eolligaco
da Inglaterra, Franca e Italia, que acudiram em
auxilio da caduca Turqua, que nao teria podido
resistir ao seu poderoso iaimigo.
O autcrata nao se satisfaz cora os immensos
territorios que possne na Europa, Asia e America,
que passam de 22,000:000 de kilmetros. Desde
que o tratado de Kainardji assegurou aos Russos,
era 1774, a livre navegoco do mar Negro e do
mar de Mirmora, e mais tarde era 1787, a posses-
sao da Crimea, eslava claro o futuro da Turqua.
Quando a Semiramis do Norte, Catbarina II,
foi tomar posse da Crimea com grande pompa,
Potewkin, seu ministro e favorito, mandn por em
Cherson ura marco ondo se la esta inscripcao :
Caminho de Bizancio : o que foi muito do agrado
da sua soberana.
< A acquisico da Crimea o do porto de Sebas-
topool Jeu Russia sobre o mar Negro e contra i
Turqua urna p -ico offensva, cuja importancia
se concebe pelos progressos da sua raarnha.
i Fechado a todos os pavos da Europa o mar
Negro, foi aberto aos Russos pelo tratado de Kai-
nardji, como cima dizemos, mas nicamente aos
seus navios de coramercio.
Querendo a Russia adantar a sua obra, oDri-
gou a Tifiquia, em 1833, a abrir aos seus navios
de guerra os estrelos e a entrada do Mediterr-
neo ; mas, era 1841, o tratado dos estreitis aboli
o de 1833 ; lepois a convenci de 1856 impoi
llu-sia limites que hoje, sexuado parece, nao est
disposta a reconhecer.
t A ambicio moscovita ficar satsfeta em par-
te, quando a Rus.-ia, sonhora de Conslantinopla e
dos estreitos, livra de communicacao o Meditorra
neo, se ache.to ligada Europa Meridional como
j o est a Europa do norte pelo Bltico.
a Depois ha de querer ver de perto as posses-
soes inglezas.
GUERRA FltANCO-PRUSSIANA. Lemos no
Coitrrer des Ardennes, que se publica era Charle
ville-Mezires.
Os nossos franco-atiradores comegaram a en-
trar em cmpanna, e priacipiaram no da 26 de
outubro, por um brilhanla feto.
Havia cinco seman.is que doze cavalleirJs do
l. regiment de dragSes meiklemburguezes esta-
vara postados em Launos, para escoltar o crrelo
prossano q le faz duas vezes por dia o trajecto da
Sedan a Rethel. No dia 26, s seis horas da noi-
te, o lente d?s franco-atiradores, disfarcado, en-
tra na tjberna, principia a beber cora elles, em
quanto dez homens seus cercara a casa. Os Prus-
sianos principiaran) a jogar as cartas, o tenerte
sahe, manda entrar algnns dos seus homens, e lz
para os Prussiauos, aportando para elle3 um re-
volver :
i Rndam-se, ou disparo.
Os dragdes, que tinbam deixado os sabres na
cavallarica, n.io podiam defendar-se ; o offlcial su
baHerno que os commandava, apagn a luz, e gri
tou-lhes que se evadlssem pela janella. Dous
d'eiles que tentaram esta retirada, foram recebi-
dos pelos atiradores e mortos.
c N'este mmenlo o laberaeiro entra com urna
luz; vio-se ento que os dragSes esuvam escon
uW d'alles matasse comente
Jos das, dentr> de vate
unr
dias
AcabamoJ.dtf a*er qne se formoo em Mexi-
am corpo j|u tomoo a denominacio de Javaiis
er-ArdenmsjjS aiampaaitado por um destacamen-
to le opera))*; j corraram a esirada-errea en-
tr"*Q-anx-fliis e Laanoy. Morreram muitoi
allames por cinsa de om descarillamerto.
LOTKRIA.-AWe se ada veo Ja a 175', a
boaaflcio da miHz de Barreiros, a qaal corre
hoje. \
HOSPITAL POR\jJGUBZ:-Est de semana oes-
te estabelccimento 4Sr. roorJo no BernarJino da
Silva Costa Campoi
LCiLO. Fica trfasferid o leilo de movis,
pertancantes aos herftiros do lina lo Sr. Jos Mo
reir Lop, para quado se anounear.
TllLHOS URBANOSDO RECIFE A OLINDA
Itoje ha a reunio dos accionistas desta empreza
U 10 horas da manhna eslaco da ra da Au-
rora, como tem sido anunciado.
PA8SAGEIROS-VqL do Aracuj e portos
ioteraedios no vapor Ghti :
Dr. Jarlos Vagnsto Va\ de Oliveira, Jos de Oli-
veira Machado Peixulo, liria Rosa de Luceoa,
Manoel Raymundo de Luana. Paulo Qnerino de
Lima, Jos Joaquim Alves, Antonio Francisco de
Souza Magaihes e sna furnia, Jos Francisco dos
Santos, Silvino Menelo da L Chaves, Joaquim da
S iuzi Ferreira.
Vindos de Fernando di Noroolia ao vapor
Jaguanbe: \
Lonreneo Justinlano de P. yavalcaate, Antonio
G. S., Francisca R. de S illes,, e am liUto, atieres
Mariano Per. ira da Silva, 36 pracas e 72 sen-
tencalos.
PASSAGEIROS.-Sahidos pah o Rio da Prata,
no patacho baspanhnl Initnctiei
Jeroayma Baptisia de Moraes, bronyma Baplista
de Moraes Soares e 1 lilli > menor, e Antonio dos
Santos Souza.
CEMITBRIO PUBLI('.0.-Obituao do dia 15 do
correrte.
Aula, branca, Pernambuco, 6 meza, S. Jos; me-
negile.
Mara da Gonceicao Baptsta Aranjo, branca, Per-
nambuco, 16 aonos, solteira, Boavsta; tebre be-
liosa.
Rodolpho, brinco. "Pernambuco 18 nezes, Santo
Antonio ; hepatite chn nico.
Lopoldodraa Braselina de Souza Cooiseire, bran-
ca, Pernambuco, 25 anno?, solteira, Boavista;
cancro do estomago.
Joanna, parda, Pernambuco, 2 annos, Santo Anto-
nio ; febre perniciosa.
Traoquitiaa de tal, parda, 30 annos, solteira, San-
to Antonio ; pbthvzica pulmonar.
- 16-
I>naventora, escravo pard, Peruambuco, 4 annos,
Racifif j eBVeoenanwrto.
Bernarda Mara da Gonceicao, preta, Pernambuco,
80 annos, solteira, Graca; enterite.
Jos Manoel de Saot'Anoa, Pernambuco, 25 aanos,
solieiro ; Boavista, hospital militar ; gastro en-
terite chronico.
Bernardino, branco, Pernambuco, 18 mezes, Boa-
vista ; bepacto enterite.
Maria Camilla das Dores, parda, Pernambuco, 7
mezes, Santo Antonio, casa dos expostos ; con-
vqjs6e3.
Anna Joaquina Bastos parda, Rio Grande do Nor-
te, 35 annos, solteira, Boavista ; enterite chro-
nico.
Joaquim, Pardo, Pernambuco, 4 mezes, Boavista ;
dyarrhea.
Pedro Jos dos Santos, pardo, Pernambuco, 40 an-
nos, soltero, S. Jos; golla.
Mara da Gonceicao Chaves, branca, Pernambuco,
63 annos, viuva, Boavista; phlhysica.
Rosa Maria de Souza, parda, Pernambuco, 68 an-
nos, vava, S. Jos; dezenteria chronica.
Hilaria, preta, escrava, Pernambuco, 00 anuos,
viuva, Graca; erysipella.
Pedro do Alcntara Monte Lima, brsnco, Pernam-
buco, 45 anuos, casado, Santo Antonio ; ulce-
ra intestinal.
CHRONICA JUrliJAKU.
Tiiiarvaa. Di relaqAo.
SESSO EM 17 DE DEZEMBRO DE 1870
'RKSIOBNCIA DO EXM. SR. CONSELHEIRO C. SANTIAGO.
Secretario Dr. Virgilio Colho.
As 10 horas da manha, presentes os Srs. desem
aargadores Gitirana, Guerra procurador da cora,
Lourenco Sanliago, Almeida Albuquerque, Motta,
Assis, Doria, Domingues da Silva e Souza Leao,
faltaudo com causa o Sr. desembargador Uchoa
Cavalcanle, abrio-so a sesso.
O Sr. desembargador Regueira Costa ofDciou a
presidencia, comraunicando entrar no g030 de Ires
mezes de licenca concedidos pela presidencia da
provincia.
Passados os feitos, deram-se os seguintes julga-
raentos :
RECURSOS CR1HES.
Do juizo de direito da villa do Passo.Recor-
rentes, os vereadores da cmara municipal; re-
corrido, o juxo.Juzes os Srs. desembargadores
Lourenco Santiago, Almeida Albuquerque, Assis a
Gitirana.Dorara provmento.
Recorrerte, o juzi; reiorriJo, Joaiutm Angelo
de Souza Juizes os Srs. desembargadores Almei-
da Albuquerque, Domingues da Silva, Doria e
Molla.Improcedente.
Do juizo de direito de Bonito.Recorrerte, o
juizo; recorrendo, Luz Portella da Silva.Juizes
os desembargadores Motta, Domingues da Silva,
Gitirana e Almeida Albuquerque. Improce-
dente. -, i -
Do Pillar.Recorrerte, o juizo; recorrido, Joao
Felippe da Conceico. Juizes os Srs. desem-
bargadores Souza L'io, Doria, Almeida Albuquer-
que e Gitirana.Improcedente.
appkllao5escrimes.
Do jury do Ip.Appellanle, o jo'xo; appellado,
Jos Goncalves Ferreira.A' novo jury. ,
Do jury do Crato.Appellante, o juizo ; appel-
lado, Agostinho Alves de Alencar. -A' novo ju-
Tybo jury de Pao d'Alho.Appellante, Claudne
Fragoso da Silva; appellada, a justica.A' aovo
jury-
Do jury de GoyaninhaAppellante, Manoel Alves
Pintado; appellaa, a justica.A' novo jury.
Do jury do Pillar.Appellante, Jlo Francisco
dos Res; appellada, a justica.Improcedente-
Do jury de S Joo.Appellante, o promotor
publico; appellado, Misael Jos Ribeiro.A' novo
Jury.
Do jury de Baturit.Appellante, loo Rayraan-
do dos Santos; appellada, a justica.A' novo
jury.
Do jury de Palraera dos Indios.Appellante, o
Campos JrSobriirho; appettado, o visconde ele
Suawaaa. Appellarte, D. Marianna da Conceico
Pereira appellado, Joo Antonio d'Almeida. Ap-
pellante, Francisco do* Anjoa Carado; appellalos,
Loii Gomes Siiverio e sna mnlber. Do joizo mu-
nicipal de Macei:Appellante, Joao Correa Leal;
appellado, Jos-.Joaqun de Farias Caroeim Do
juizo municipal do Sobral. Aopeltarte, Hanoel
Duarte Ripardo; appellado, Francisco Alves da
Foneeca.
Do Sr. desembargador Almeida AHnqoerojae ao
ir. desembargador Mbtta:
Do juizi mumcipM do rTetfe.Appellarte, Joo
Martin de 8rros -r appellado, Antonio Jos da
Silva do Brasil. Do juizo municipal da Prtale-
St.Appellante, Maooel da Costa Lima; appella-
m, Saunders Brothers dt C. Do juiao moniopel
de Maraanguape.Appellarte, Jo: Lodovico Soa-
res ; appellados, Manoel Ferreira Loyo e oatros.
Do Sr. desembargador Motta ao Sr. desembarga-
lor Doria:
Do juizo municipal da hoperatriz.Appellante,
tenerte-coronel Manoel Frreirados Santo Nato ;
appatrtdo, Zeferino Lopes de Barree.
Do Sr. desembargador Doria ao Sr. desembar-
jador Doraiagues da Silva:
Do juizo municipal do Recife. Vppellante, An-
tonio Peregrino Cavalsaote AlbaqaerOJe ; appeMa-
do, Joo Pinto de Lemos Jnior.
Dj Sr. desembargador Assis ao Sr. desembarga-
dor Doria:
Do jury do Recife. Appellarte, o juizo; appel-
lado, Emyglio Jos Pedro Mendes. Do jury de
Mamanguape.Appellante, o juizo; appellado,
Florencio Munz dos Anjos. Do Juizo de direito de
Biturit.Appellanle, Pedro Colho da Silva; ap-
pellado, Jos dos Santos Lessa Jnior. Di jury do
Pillar.Appellanle, o juizo ; appellada, Candida
M.ria do Espirito-Santo. Da jury de Serinhem.
Appellarte, Floriano Mareos da Silva; appella-
da, a justica. Appellaco civel do juizo municipal
do Recife.Appellarte, o juizo; appellado, Custo-
dio Antonio Soares.
D Sr. desembargador Souza Leao ao Sr. des-
embargad r Uchoa Cavalcanle :
Appellac/5es crimes.Appellante, Jacintho Ra-
mos Machado, por seu curador; appellada, a jus-
tica. Appellante, o juizo; appellado, Manoel de
Barros Lima.
Ao Sr. desembargador Gitirana :
Appellaco civel Appellante, Antonio Pedro do i \
Rosario; appellado, Joaquim Beato da Mello.
DEUQENCIA CKIMB.
Ao Sr. desembargador procurador da justica:
Appellante. o juizo; appellado, Araaocio Jos
Nogueira.
Appellarte, Antonio A. da Silva ; appellada, a
justica.
Appellarte, Jos Pedro Rodrigues; appellada, a
juanea.
DEUOONCIA CIVEL.
Ao Dr. curador gerai:
De jnio municipal d'Areia.Appellante, Anto-
nio de Farias Souto; appellado, Jos Bezerra Ca-
valcanle.
Do juizo municipal do Recife.Appellante, o
curador da preta Fruscella; appellado, Luiz Au-
gusto Rolim Mavgnier.
Ao Sr. desembargador procurador da cora :
Do juizo dos felos da (azenda.Appellante, a
fazenda provincial; appellado, Antonio da Silva
Guimares Jnior.
B1STRIBUICOES.
Ao Sr. desembargador Gitirana :
Aggravo do juizo municipal do Recife.Aggra-
vante, Joo Munz Portes; aggravido, o juizo.
AoSr. desembargador AlmeidaAlbuqnerque :
Recurso ctime do Catle do Rucha.Recorrerte |'
s juizo ; recorrido, Joaquim Angelo de Souza. Ap- i'
pellaco crime do jury de Iguarass.Appellarte, *
J.s Pedro Rodrigues; appellada, a justica.
Ao Sr. desembargador Assis:
Recurso do juizi de direito de Pianc.Recor-1'
renie, o.juizo; recorrido, Dellino Pereira de Je-1 *
3us. Appellaco crime do juizo de direito do Re- '
cife.Appellarte, Antonio Gandolphe; appellada,
a justica. Appellaco civel do juizo municipal de
Batur.Appellante e appellados juntamente,,'
Jos Antonio Nogueira e Jos Lobato da Silvei
ra.
Ao Sr. desembargador Doria :
Recurso Jo juiz de direito do Bonito. Recor-
rerte, o juizo; recorrido, Luz Portella da Sil-
va. Appellaco crime do juizo de direito de Na-
zareth.sppellanle, Antonio Gaspar de Azeve-
do; appellada, a justica. Appellaco civel do jui-
zo municipal do Recife.Appellante, Manoel Alves
Barbosa Sobrinho; appellada, Th.reza Goncalves
de Jess Azevedo.
Ao Sr. desembargador Motta :
Recurso crime do juizo de direito do Bonito.
Recorrerte, o juizo; recorrido, Luiz Portella da
Silva. Appellaco crime do jury do Porto de Po-
dras.Appellanle, Herculaao Antonio de Jess;
appellada, a u-lca. Appellaco civel do juizo
municipal do Recife.Appellarte, Trisio Francis-
co Torres; appellada, Senbornha Germana do
Espirito-Santo.
Ao Sr. desembargador Domingues da Si va :
Outro do mesmo, informando favoravelmente (f
reqnerimento de Antonio Hanrique Rotfrigtief.
Coneedeo-ae.
Outro do mesmo, io'ormindo favoravplment? o -
requermento de D. Francisca Rosa Pacheco.
Conetdeu-se.
Outro do fiscal da freguezia de S. Jos, com--
muneaodo ter mu>tado a Joao Ferreira da Silva,
e feto entrega de re>pecirvo termo de infracto
ao procurador, para proctier nos termos da lei.
Inteirada.
Um parecer da commisso de edtfieacio con-
trario ao reqoerimetrtt) de francisco Marioho de
Albutprerque Mello. A conmisso enearregada
> de examinar se o terreno demarcado pava o
ma ladooro do Poco era o mesmo qne resa a
< eseriptira da venda fcits por Francisee M.irinh >
da Aiboquerqae Mello-, oa se eulro ftira o ierre--
no comprado, examinen a deraareaco leia
pelo eagertieiro da cmara, eencontroa-a exae-
ta, peK> qne de parecer que se indeflra o re-
qoerimeata do peticionario, e qne se mande
preparar um grande temeiro que sirva de ma -
tadowo provisorio, coavidaado logo os mar-
enantes a irem elfeeiuar a mataoea naquella lo-
caudado, mareando para bso om prazo impro-
rogvret, aftm de qne elles prepare ra os r arraes
< aecessarios para aconservacao do gado, man-
dando esta cmara proceder limpvza do rio,
alargameoto a baca que tem de servir de be-
< bedouro e do mais que Rr necessario para o
Km destinado. Paco da cmara municipal do
Recife, 30 de novembro de 4879.Dr. Prxedes
Gomes de Souza Pitanga e los Mana Freir
Gameiro. >Approvadj, e que se offlcieaoen-
genheiro para orear.
Outn da raesm*, favoravet ao reqaerimeutn do
Exm. Visconde de Suassnna Coneedeu se.
Outro da mesraa, sobre o reqnerimento de Jos
da Silva Loyo oatros.i A commisso de edifi-
f cacao, a quem foi submettid) o requermento de
Jos da Silva Loyo e outros.qoe pedem permissao
para estenderem os arraazens que tm de fazer
< em eonlinuacao aos da alfandega at junto da
i ponte de Recife, de parecer que nenhum in-
c conveniente ha em dita pretenco, urna vez
que se enlendam os peticionarios com a coropa
< nhia de Beberibe, e que se obrlguem peranto
i ella a satisfazer o que for mais conveniente em
relago ao chafariz que ahi existe, e que for
nece agua para o mar, afim de que sejam res-
peitados nao s os inleresses da mesma compa -
nhia, como a eommodidade qne encontrara os
i navios em satisfazer suas neeessidades, pagando
cmara os direitis i que sao obrigados. Paco
c da cmara municipal do Recife, 30 de novembro
de 1870.Dr. Prxedes Gomes de Souza Pitan-
ga e Jos Mana Freir Gameiro. Approvado,
que se officie ao presidente, informan lo oeste
sentido. .
O Sr. vereador Pitanga d eonta da commisso
do aloguel de um andar do predio do Dr. Sar-
ment para as sessSes do paco municipal, caso o
mesmo senhor se nao quizesse sujetar a vnde-
lo, nos seguintes termos :
f Tendo sido encarregado de me entender com
t o Sr. Dr. Sarment cerc3 do aluguel de um
andar de seo predio para servir de paco rauni-
el pal, caso o mesmo senhor se nao quizesse su-
jeitar a vndelo, dependendo de approvaco da
t asserabla, e tenda sido o Sr. inspector da the-
souraria tambera encarregado de preceder a
t acquisifo de outro andar por aluguel para
t nelle funeconar a assembla provincial, este
i me dirig, e elle delegou essa commisso no Sr.
Dr. procurador fiscal, que devia intervir com
t sua opinio. Juntos procuramos o Sr. Dr. Sar-
ment, que depus de nossa proposta responden
i nao alugar o mesmo predio, mas que o venda
por cem cortos de res, ainda que os recebes-e
t em apoliees. Avista d'esta deciso terruiaartc
< da necesssidde que tem a municipalidade de
t ura edificio que sirva de paco, do augmento de
preoo dado a casa que serve hoje a esta cmara,
do valor que ter de gastar, para eleva-la a ;on-
dico de prestar servico, da difflcnldade da cons-
trueeo de seu pago municipal, da carencia tam-
- bem que tem a provincia do paco provincial,
\ minha opioiao que se pega a presidencia da pro-
!. vncia para mandar efiectuar a compra, concor-
. rendo a cmara com os 30:000*000 que ped
' i permissao para applcar, e ficando a presidencia
t com direito a um andar para o paco provincial.
Paco da cmara municipal do Recife, 30 de n -
verabro do 1870.Dr. Prxedes Gomes de S u-
i za Pitanga. Approvado e quo se officio ao
presidente no sentido indicado.
Fui approvado o seguirte requerimecto do Sr.
vereador Gameiro :
t Requeiro que se peca providencias ao E
morios, dbus oatros feridos.
Os franco-atiradores trouxeram sete prsio
neiros para Roerey eom os despojos dos de mais.
Siga-se este exeraplo, imtem os franco-atiradores
de todas as provincias, os da Alsacia, da Lorena
3 da Normandia. Liberte, m-nos d'estas hordas de
barbaros, que levam a toda a parte a mortandade
e o incendio. Nao ad^rmecam n'uma falsa segu
ranga os departamentos nao invadidos. Se se nao
levantaren), sero tarabem invadidos e saberlo en-
to o que significa a palavra lavaso.
Se houvesse em Frailea 60,000 Iranco-stirs-
didos debaixo da mesa ou da cama ; dous estavam juizo; appellado, Manoel Pereira de Oliveira Ca
belludo.Nao toraaram conhecimento.
Do jury da Floresta.Appellante, o juizo ; ap-
pellado, Mariano Jos da Cruz Improcedente.
PASSAGENS.
Do Sr. desembargador Gitirana ao Sr. desembar-
gador Guerra:
Do juito municipal da villa do Passo.Appel-
lante, Mariano Mirinho da Rocha Wanderley ; ap-
pellado, Manoel Jos de Lima.
Do Sr. desembargador Lourenco Santiago, ao
Sr. desembargado!* Almeida Albuquerque :
Do juizo municipal da R,eci(e. Appellantes,
Appellaco crime do jury do Sobral.Appellan-
te, Luiz Nunes Cavalcante; appellada, a justica.
Ao Sr desembargador Souza Leao :
Aopellaijo crime do jury da comarca de Teixei-
ra.Appellarte, Rraz Vicente Ferreira Lima; ap-
pellada, a justica: Aggravo do juizo de orphos
do Recife.Aggravante, Claudio Dabeux ; ggra,
vado, o juizo.
Ao Sr. desembargador Uchoa Cavalcante :
Agravo de peticio do juizo municipal do Reci-
fe. Aggravantes, Antonio Duarte deFgueirelo
& G.; aggravado, o juizo.
Encerrou-se a sesso a 1 hora e 20 minutos da
tarde.
CMARA MUNICIPAL.
SESSAO EXTRAORDINARIA AOS 30 DE NOVEM-
BRO DE 1879.
PRESI01NCIA DO SR. DR. SOUZA LEO.
Presentes os Srs. Dr. Hoscoso, Gameiro, Dr. Pi-
tanga e Costa Jnior, abrio-se a sesso e foi lida e
approvada a acta da antecedente.
Leu-se o seguirte
EXPEDIENTE.
Um olilcio do Exm. presidente da provincia, or-
denando esta cmara que, em curaprimaoto ao
aviso do ministerio da agricultura, coramercio e
obras publicas de 31 de outubro ultimo, faca co-
Iher e remeta para serem enviadas quelle minls -
lerio, amostras de madeiras de construeco civil
e naval, devendo ser acompanhadas de esclarec-
melos cobre sua altara, dimetro, applicacao,
juartidade, valor e exporlacso. viada taes amos-
tras com ra nimios das mesmas arvores, secco
previamente ao sol, e cobertos com algunas flo-
res, oa fraetas.Inteirada, e que sefflce s c-
maras.
Outro do secretario da presidencia, communi-
cando, de ordem de S. Exc, ter aposentado o ex-
flacal Joaquim Jo- Bello, com ordenado por in-
teiro, de conformidade com a lei n. 498 de 29 de
mao de 1861 e 8 1-* do art. { da lei de o. 276 de
7 de abril de 1857, visto haver provado ter exer-
eido o seu emprego por mais da 30 annos.In-
teirada.
Outro do engeaheiro cordeador, informando o
requerimenio de D. abbade do mosteiro de S.
Bento, em que pede de novo licenca para reedifi-
ea;o da easa n. 3 da roa do Livraroento e que faz
igualmente frente para a ra do Rangel.Inde-
ffrio-ie.
i presidente da provincia acerca di mo estado
om que so achara as ras do Rosario (larga o
..estreita), pateo do Carmo e a ra das Cinco
t Portas, que erara calcadas, e em que tem hit i
escavacoes a companhia de esgot i e limpeza rt
t cidade. Paco da cmara municipal do Recite. 30
b de novembro de 1870.Jos Maria Freir Ga-
meiro. .-Que se officie ao Exm. presid nte da
provincia.
Outro do Sr. vareador Pitanga, sobre a compr a
de barro para a construeco da estrada da Pirata
de Ucba em direccao nova freguezia da Grapa :
Requeiro que urna vez aberta a estr da qi'"
c do Manguinho condnz nova freguezia re Nos-
sa Senhora da Graca, que se mande proceder
t ao atterro e factura da bomba na mesma estra-
t da, podendo servir para baso do calculo a res-
posta do gerente da companhia da estrada de'
a ferro de Apipucos na consulta por mim fcits.
t Paco da cmara municipal do Recife, 30 de no-
c verabro de 1870.-Dr. Prxedes Gome3 deSoozi
Pitanga. Approvad\ e que se remeta ao enge-
nta? ira para fazer o orea memo.
Desparharam-se as peticoes de Antonio Honri-
que Rodrigues, Antonio da Silva Barros, Antnni
Pereira Pacheco, Lima & Irmo, D. abbade di
mosteiro de S. Bento, Bento Mouieiro da Silva,
Bento Caetaoo Muniz Vieira, compaohia do* tnlhos
urbanos do Recife Olinda, Francisca Rosa Pa-
checo, Francisco Jo< da Cosa Ribeiro, Fran-
cisco Theotonio da Cmara Santiago, Fr.ii-
cisco Furtado, Guilherme Celestino do Carmo
Joo Ribeiro Pesaoa de Lacerda Jnior, J??o
Geroncio Soares de Carvalho (2), Jo Lop -a
de Azevedo, Joo Ferreira Ramos, Jo> Fran-
cisco dos Santos, Dr. Jos Soriano de Sonzav
Joo Alves Pedrosa, Jos Maris Monteiro, Jo-iV
Joaquim Martins, Jos Ignacio Ferreira Rabello.
Luiz Cosario do Reg, Lourenco Pereira Mend>-<
Guimares, Luiz Manoel Rodrigues Valenca, Ma
na Rosario de Oliveira, Manoel Aniunes Corroa,
Manoel Cypriano Ferreira Rabello, Manoel Pirraron
Ferreira, Manoel Ignacio de Oliveira Martins, D
Maria Barbosa, Manoel Silverio da Silva. Perpetu i
Maria da Conceico, Silva & Malta, D. Thereza de.
Jess Azevedo e viuva de Joaquitp da Costa M"-
reir, e levanton-se a sesso.
Eu Lourenco Bezerra Carneiro da Cunha, sa%
creiario, a subsfirevi.
Ignacio Joaquim de SonzaLtao, pro.prosi,i>nto.
-Dr. Pedro de A/Aagd Lobo Hoscoso-^-lose Man;
Freir Ganeiro.-Caetono Cyrtaco da Costa Mo-
reir. -Dr. Proa*** Gomes de Souza Pitonga.--
Bento Jos da Cosa /unior.-ijnaco Pmjo.i d i
Silva, -
I

Vt
'
rrv,

V-


i
I
0181 3Q DfliJWJDQ-30 ei AAI31 HHWD* *"*** -Ifegund fe 19 nombro de ino rg OflBMH ;V1X OWIfc
PUBLICACOES KnknBUWEft-tiOtE &#
Estat
ana
ominada plsVil
COSfPAtfy,
roipahl Per-
Htrtct Kallway. ]
'Cicao ou companhia ser de
MBCO StRSfBT RALWAt,
tendo por flm o etabeleeimento de
um servico regalar nafa* ttgnspaJir'asliassaflF
ros em carros puxsdgi ffor alimaoyem fly os le
ferro as roas e arrdsnftes de Parnambae'
jeitandYse em todas u sua* operaeoes Braiil
as leis brasHeiras.
Art. 2." A sede da Msoeiftjk ou o
ser na cidade de Nevr-Yorfc, *ond se e
rio os principaes livros de ooutas, e as <
dai accoes serb registrado* transfer
rm a directora poderj, se flflgarelidir,
lecjr um ccripiorio em PejrtambrjtVt para a trans-
ferencia das accoes, nomeando pessoa comnetente
para ests ser vico.
Art. 3. O capital da companhia ser* de 600,000
dollars, mola dos Estados-Unidos, divididos em
ser elevado por dous tercos de votos dos accio-
nistas, dep.'M de legtimamente registrados, se se
jalgar necessaria, devendo e augmento er divi-
dido entre es aeckmfka mu pWtyortae' 4* *u%s
accoes.
Art. 4" A chamada das entradas aera 'ftttel
dfreotoria, confirme o progresso da9 obras, tranca,
perni, mais de urna no espaco de trinta das, avi-
sndole com aatecedaccia de visto di* o lampo e
o lugar do pagsmenm Pagar-e ta ttff do va-
lor da* acedes ao pama occasiao da sHh.tripoij.
Art. 5.* Os acciomsta sao fesponsaveis ornela
pelo flilor de suas ac$Ss.
Art. Cada aoeao so contara como um voto,
e s se considerar habilitado a rotar las q'uestes
em que tenha Vhaver votaeao o accionista que
aliver presente por si ou por procurador: aer
vendo toda a procuraco ser iinoressa ou feiu por
escriplo com a assignalura dtvidajaente reconb
cida
Arl. 7." Hatera cinco directores, cada um do
quaes ser accionista pelo meaos de 10 acoe,-' na
occasi-M di sua eleieo, e as conservar duran-
te o lempo do -eu ex'ecicio, que ser de tas an
no;, ou al quo se eleja suceessor; um presidetaj
um thesoureiro e uro secretario que tambem ser-
viro por tros annos, ou at que se Ihea eleja suc-
cessor; os primeiroi cinco soro eleitos aelos ac-
cionistas, o os tres ltimos peles directores. O
lempo por que cada um deve servir ser contado
da data desta orgaoisaco. llavera tambem um
ajudante do th&suuretro que ser eleilo pela di-
rectora. < servir pelo lempo que esta aprou-
ver, dando as garantas que a directora julgar
conveniente.
Art. 8 A alininstracao da companhia nos tres
primeir annos r assim composta :
Uinctores.William 11. Garrisou, John Mervcn
Carrero, Albert 1L Haaer, Bvron G. Hager e Hum-
phreu H. Swft.
Presidc-nte.William R. Garrison.
Tliesour.iiro.Mortmer Ward.
Secretario. Mortmer Ward.
Art. 9. A tranferenca das accoes s se far
q lando ii espaco em brinco as costas do certifi-1
cado de transferencia no todo ou em parto estiver
devidamente elisio com o numero das aceites e a
quem ttm de ser transferidas, assij;oado pelo
transieren!? ou sea procurador e canceil.ida pelo
thesoureiro oa .-eu ajudante em Pernambuco, e
este certiQcad > ser annexo, na lalao. do livro das
accoes de que foi ori.ioalmento tirado; depois do
quo novo certificado, so para o numero das ac-
coes cedidas, ser enjillido, devenido ser recebido
pelo tran>ferido en seu procurador, e toda a
iransferedca da accoes se notar no hvr das
transferencias.
Art. 10. No caso de perda ou destroicao do cer-
tificad), o accionista provar o fat) satisfactoria-
mente e pir e-;riplo perante a dlrecioria, e, se eita
o juU.r [irovalo, nota-loba no mesmo escripto,
que sea considerad* como um certificado trans-
erivel, quo podo ser endosaado as costas, como
no art. H-, deveodo-se iocliu'r no mesmo escrlp' i a
'cao, assignada pelo transironte e transfer-
idendoi
,.j, quando
assira o ordonar a directora.
3v Guardar owa'CoMa gmt dos nW#fi
cprnoanaia, dar canias aaouaes e-o bulanco"
a directora, deje ajresent#r as xeupide
nanas dos accionistas, assignar os cerli!
ds atcoes, ler* a s*eu carg*o o' livfo beslre
. o o livro das translerencias^ e taier a
lafifcbe a> ajotante dt> wsoureiro,
dim n PeniaitiiKO, o sefatote
her as entradas doi aetaonistas re$l-
Bra, depoaiiar a reeeita diaria da es>4
um' ou mais Imncos acreditados de
PeraumBco, ni 09 que ter urna copla aler--i
ta ertmetler au tbtaotirnro em Sw York to-
das as aobras tjue nao l ,jient precisas par as
hras da estrada, dfM iti p'uride iar sotat
'pagamentos exiraordinarios era Pernambuco fse
os touver).
V. Assignar os ceriilicados em Pe_
ter a seu cargo u livro das transferencias
hniba substancia mineral. Pde-se (dminictrar
com toda a seguranga s enancas e l'seti
leoero as molestia*
s ao seu sexo, acl
a seus padeci meo
=?=
.
ft ~T "'
onal.....
araruta .
andioca ....
* r*ijin Kqualquer qualidade,
*e dsWH*- i*j*apiahaTutos.....
jLilOg.

Adw
igado e e
do coi:
tefi"
b suavia o
,o com .
iflCNf
as, e raiLer dzena de batalhas, merece por ce)o um altar
M
nho com
as magmas lranfatnn*iM dan aeed*-(iiii Paraar.- alio o raenosH^m buco) como se providencian nbs arts. 9 e 10. ma. Quando os tranquillos e flenanaticoa pbser
Art. SO. Ao secretario incumbe : vadores, e os mdicos os mais diaincts di t*)a
modo com fintecedoneia do cinco. dia, butrar
actas liis o verdadoiras dos-'tratamos* das ibes-
mas, rounioes, e convoca-las quer ordinaria quer
extraordinariamente, tanto a* remtSes dos accio
ni>ia>. como dos dirtieiorett, i|u n*r o presidente exacta* da iiiestnas retauoa.
i*. Tupiar nota das. motada* dos aoeio,wsia, e
(olpiasjfiasiWlidencias sio salutep!
appetite, foriinca o estomago, regala
yentre, cobre o corpo magro e
rnes^asflppTh, dtVTfl
msculos, 4aVlsticidad<
tpirito..
. Basta dizeiSM qae deliro do espi de trinKt
"tuco anaos,'wmca cmssoa qm lata se ama sft
vet no curativo das enformUs'durlBfroas 0 erop
*tivs.
' Ni 36*--SALAl
mvetjloreade poderosa* raiehJrSB*
laes^ni^-ArmsWiaffr whitnoy,"1
nmrtalisaram se.
^farros
^nre o- Tm em fol
'V
APAHWLHA I
RUTOL.-Ot
wslraM
con;!
do (havendo transferencia) o pelo dono no caso
contrario, de i.idemnisar a companhia peloi pre-
jaizos d'aui re.-ultantes; e na duvida pode a di-
rectora pedir maior soguranca.
At\. II. D-pois do auno de 1870 celebrar-se-
hao regularmente ua cidade do New York assem-
blas annnaes dos ccioo'stas oa primeira terca
feira do mei de junlio de cada annq, onde se apre>
sentar n relalorio da directora ao nllini) anuo
at o 1" de abril, conlenJo a conta e balanco do
thesoureiro, os quaes, se algum accionista quizer,
serd examinados por urna commlsso do tres
membros, que serio designados, os quaes, sem se
prorogar a assembla, darlo o relatorio de -eus
trabalbis; i;nmedatamente depois da que os ac-
cijinistss habilitados para votar procedtrao elei-
cio da directora, quando o lampo de sua duracao
eitiver a finlar.
Art. 12. RenuiSos ordinarias da direclorta ou
dos aceioniUs ocJom ser convocadas pelo pres-
delo j lando for do nlereaso da companhia, as-
sim como reaaioes dos accionistas, quando forem
requeridas por escripti por tantos desten qaanto
representem um quarto do capital da companhia.
As reuni, s dos aceionlsias s se considerarn de-
vidamenie -on-iiiuidas quanlo pelo menos um ter-
co do capital csiivcr representado. E todas e.itas
rciin res tera lagar em New-York.
Arl. 13. A directora, logo que for cleita, elege-J
r lamhem um thesonreiro, um ajudante do the-
son ..ro um cretario, para servrem como l
fji -:; c;!i-ado. Na ausencia do presiJnut-, o
director, que r.ceber maior numero de votos, ou
no caso de etrbate, o que fr tirado sorte o su-
bstituir, e assignar os certificados, etc. No ca-
so de vaga do presidente, por morte on por ou
ta maaeira, os directores designarao um de sus
membros para substitu lo durante o tempo em
que tinha ainda de servir. No caso de vaga de al
gu- director por goal causa, os outros directo-
re aomeario um dos accionistas para substitu lo
al.-a seuin'ecleUjao regular da directora.
Art. li. llover um rommissao execuliva qns
Mcompor do presidente e do dous directores ; e
ser eco!hida, assim como as vagas que se dorem
sera 1 preenchidas, per votos da directora.
Art 13 O presidente, tertas segaintes attri-
buico :
i. Convoear ordinaria e extraordinariameate as
r.unioes di directorae Jo- aecit) listas,* quaes de
ve;a pr-si lir, e bem assim assignar os contratos e
lodos os d icamontos leg-.es e os certifleados da;
accS', excepto o que e3tiver de outro modo pro-
vi lnn ;iado.
2o. Determinar e regular o methodo da es-
cripturacao dos livros, e fazer tirar o* resnmos
da? cmias que davera ser remettidas ao thesau-
reiro em New-York.
3. Representar a companhia perante o gover-
no provincial era todos os contratos, aceSes, actos
oa negocios que interes6em a mesma companhia,
para e-te fim ello fica investido dos poderes neces-
saiir-s o especiaes.
Art. 16 Incumbe commisso executiva, o
seguate :
Io. Nomear e demitlir livremeBte todos os em-
pregarlos da companhia, marear suai obrigacSes,
salario, etc.
2 Fazer todos os contratos e estiplaeos pre-
cisas liara as obs da estrada e pari que di-ser
respeito ao servigo da carapaahia.
3. Prover a todo que for i bem da companhia,
iacluisive materiaes, animaes e bens ii raz, ven-
ir- los ou alwna-los por qalqur forma, nos 0-
leres-n' lia companhia.
4*. Todos os poderes e obrigaijoee da directora I
anda nao delegarlos aos fuoccionaros da com
panhia, ou delegados pela directora a outras co*n-
tnisses, sarao exercidos e campndos durante a
:> usencia da directora pela commisso executira.
Arl. 17. A commisso execuliva marcar as
is de sua* reunffies ordinarias, podendo aer
convcala p.ir algum de seas memuros para ne-
gocios especiaes. bous membros constituido o
iquorum), Dunaro legal da commisso em qual-
qtior 1 euniao regular ou especia^ coja noticia
tenha ehegado a todos. A commas^o/ar actas
regulares de sea Irabalb'os, ,qUe em lodo o caso
ivein ser assisnldas nelns' memhrns nrmwntei.
tnandar-lhes os avisos preci>os.
Todo o aviso se considerar legaimeat* fet,
qaaido posto no c rreio cun a morada indica Ja.
pela secretario.
Arl. il. Dos lucres liquides da. compantojH- rea-
liados todos os seis niezos, a jallo da directo-ia
so dedaair certa soimna para prover deterio-
j racan dos materiaes e capital fhictuante a orear
.ti o fuo Jo de reserva. U resunta dos lucre* l-
quidos, se houver, sera dividido semestral:nente
nos priiiieiros das de jaiieuo a julho. entre os
i-i-ioQi4ias regateados oa occasio de feeaarein se
os livro* por orden la sreetoria.
O fundo de re.*rva ser exclusivamente desti-
nado para reparar quaesquor prluizos no ma-
terial Muctuante outra qual juer propriedade da
companhia, e nenhum dividendo s far eraquanto
.viudles nao lenham sido coibpletamenle restar-
cidos, mas de vez em quando o lando do reserva
poder ser applioado ans dividendos, se o carta i
nao esli ver diminuido. Ss a companhia ti ver pro
juizes qne absorvam metade do sou capital, alti-
ejonado o fondo de reserva, ser onsideN-ta dis-
solvida, e_entrar logo em liqnidacao, veadend0-
59 eni leilao tudo quauto possoir para applicar O
sea preducto ao pagamento 1 de snas divida.*, e
todo o restante ser dividido entre os accionistas,
prooorcionalmeoltt < snas asedes.
Art. Si. Os membros desta tssoefecao con ven-
c onam subscrever o numero de acedes adijnic
dos seas respectivos nones e pagar as contriboi-
joes, quando so flzefeni as chamadas para a cons-
trcelo da dita estrada de ferro, debaixo das
condicoes antecedenles. e tambem esli do ac-
cordo em nerdirr, .t jnizo da companhia, todas as
coiilribuiccs que liverem sido pagas o ledos 03
direnos s suar acuds, se nao paparju as entra-
das em 30 diis dupois quo ellas forem devidas:
Nova-Yoik, 22 de agosta de IWq.
dnWsMiao ^oW'i'eMir Mtt
desdem, dizeodo, a o creio
Woepa?a dVtrrat* e cratd afcs, teto est* re-'
medio, o maior e o meitior dos oowrno*, alcanza-
do taes victorias sobre is urtrmides escropliu-
I isa*, eaacorusas e erop! i veis,. e-01 nttetMaaiBno,
e'.e, juo o mundo aauca a hoanra rido pos-
SKeis.
Tan iriu:iiphaatemeiiie prosegaitt a sai mar-
cha por Sobfaos decadentes tmulo! de can falsi-
lieacoe o imitago-s diversa*, e car* vatadiaota
a^augmelila niai.
______
.
COMMERCIP.
PRA^A DO REGIFfi 17 DI /DBZEMBRO
DR 1870. /
AS 3 1/2 HORAS DA -ftJlDE.
Colagoes olcis.
Algodao 1" orte-551 rs. por 1. (honteml
Cambio sobre Londres 90 d//23 3|8 por UOOO.
Accoes dos trilitos urbanos doRccife a Olinda
ao par.
Pelo/residente,
Wsqnita Jnior.
Pelo secretario,
A. B de Lemos.
ALFANtrloA-
Rendimeato do dia i a 16.' 469-:3l3*32
dem do dia 17 J 2:flO3#,305
49I:8W^27
%ovini ia all;mtles;a
Volumes- entrados' com jrendas
- '
com/geueros
Volumes sabidos comfs'endas
con gneros
451
------411
88
196
584
Tribunal ti Caaimerel.
Na eleicio para deas depatados e dons supplen-
las deste tribunal, obtiveram votos:
Prtrd depuadot.
No 1. escrutinio, em quo votaram 102 pessoa* :
' J Antonio Basto. .*li
Alvaro Atigasto de Almeida. 80
Candrde R. Grrdes Alcoforado. 43
Bario de Nazireth 39
Joio Ignacio do llego Medeiro.
Casca. 4
Brito, Malbeus, Joao Josa da Silva, Lemos, Luiz
GoncalveS da Silva, SirDoes, Joan PereiTa fiego, S
Liitao e Rosas 1 cada um.
No 2. ejcrotinio foram recebidas fW sedlas,
das quaes 6 perdidas, obleado votos :
Candido Alcoforado. 47
Alvaro de Alnjeida. 46
Parta S'tppltnets.
No 1. eserntin), cni que tomaram parte 83 vo-
tante., foram volados.:
Jos Francisjj de S Leilao. 49
Alvaro de A'meida. 20
Rosa 23
Reg. 23
No 2. escrutinio rotaram 65 pessoas, nos Sr?.:
Alvaro. 33"
Rosa. / 32
Aos Srs. directores da c m-
pauhiados trilhos urbii-
iios quem me dirijo.
Era urna lista pregada no escri,rrtorio da
companhia declra-su que me d-spedj de
empregada da mesma companhia, onde ser-
vi s por dous dias, sem explicar-se o mo
tivo.
' de meu rigoroso dever declarar a
companhia os motivos de minha despedida.
A' pedido de S. Exc. o Sr. D. Abbade de
S. Bento ao superintendente da mesma com
panhia para qneJosse eu admittido era um
dos lagares mais decantes da mesraa estra-
da, apresentei-meno dia i I do correte ao
Sr. superintendente no seu escriptorio, este
eotregou-me ao chefe Vum dos treas, ten-
do anle3 tid 1 com o rae-rao chele urna con-
ferencia particular ; e com sorpreza minha
fui eicpregidu como brequista, e mais
tarde me foi dada uma tina cora agua e una
vassoura para baldear os trens : cumpri
a ordem que me foi determinada, e immedia-
lamente communrqttei a S. Exc. o Sr. D. Ab
bid o occorrido, e ficando o mesmo Exm.
Sr. sorprendido, ordenoume que me ret-
rasse, visto ter sido menospmado o seu
pedido pelo mesmo superintendente, e esta
foi a razao da minha despedida.
No aconloceu s coorigo este fado,
mais tembemeom outr>s, inclusive o Sr. Ko-
dolpho Rodrigues Vires, sobrinho do Illm.
Sr. commandador Mauoel Luiz Vir5es,
gnem o Sr. superintendente offere:eu o lu
gar de ajudante de chefe de treno, pontro-o
depois no breque, de vassonra o bikle, o
qual juntamente despedio-ae comigo.
De;ulp-rae minha decIaraQ5o, filha s do duver e doj
xelo de minha reputaco.
Recife 18 de diiembro de 1870.
Rodotpho Joaqun da osa.
Dsoorregom lije 19 de dezembro.
Barca ioglezaD/p**-diversos swniroe.
'atacho americanoUiemel Brnetle varios g-
neros.
Patacho norte-allenSo Harmonie farinha d 1
trigo.
Brigue n rte-allemJoHe/iovarios gneros.
I'jiadto norle-alle,uSoc/a/uvarios ganaros.
Barca ingloz.iftwamo/idferros.
Brc.i iBglezaIfyrajeracarvio do pedia.
Vapor iijglezAki2ovarios gneros.
Patacho 1nglezli Birdvarios genero?.
Barca iugleza Kal-noor dem.
Brigue nglez -Uscrin ferro e carvo.
Patucho inglcz/iwtrcar'o.
liarca portu|uezaS. Mgtulferrageas.
Despachos de exporiaco no dia 16 de
dezemtro
No brlgae inglez Avmiont, para Liverpool
*rregou : Lamaun Prere 510 saces* com 36\698
kilos de algodo.
No brigue portuguez tota l, para Lisboa,
tarresaram : los Nogaeira de Sinza XI aacas
com !,738 kilos de lg ido ; Amorim lrSnos &
C. 60 couns seceos salg.idos com 3,SM kilos ;
KuaaMb 11. Rabelto di C. 100 **eco3 com 7500 ko<
deassacar brnoo,oi57 ditos com 31,975 kilos
dea-so ir mascavado ; Luiz Jos da Silva Gal
maraes 100- siccos com 7,500'kilos de assocar
braoco e 250 ditos com 18,750 kilos de dito mas-
cavado.
Na barca porturueza S. .Wigtc II, para o
Porlo carre ram : Bailar Oliveira & C. 116 lac-
eas com 10 173 kilos de algodo.
Nd brizne portuguez Jndith, para o Porto
carregaram : Meodes Azevedo & C. 120 saccas
com 10,961 kilos de algojao.
Na barca portuguezi Social, para o Porto car-
regaram R. H. Rabello k C, 870 sac3 com
20,850 kilos de assuc.ir br?nco.
No lugre portuguez Julio, para IJsboa car-
regaram : Thomaz du Aqaino Pooseca & C 50
saceos com 5,250 kilos de assaear braceo e 130
ditoicom 9,750 ditos de dito maesvado ; Carva-
Iho nogaeira & C. 80 saceos com 600 kilos do es-
sucar brance e 20 ditos om 150 ditos de dito mas-
cavado.'
Na escuna hollandeza Wilduvank, para
Rio da Prala carreizaram : Pereira Carneiro & C.
70 barricas com 15,66' kilos de assncar branco e
2?0 ditos com 22,239 ditos de dito raascavado.
Ni) patacho oeriogaez Rutnuraco, para
Li-boa carregaram : Oliveira Filhos A C, 294
couros seceos salgados com 3,528 kilos ; Antonio
Jos Dantas 22 fardos com 1,503 kilos de fumo em
fol ha.
Nal.arc franceza Santo Andr, para o Ha-
vre carrepram : Keller & C. 3,000 couros verdes
com 63,000 kilos.
folhabom
dem em folha, ordinario oa res-
tolho
!d
1
92
J7S
3#ooe
386
krtof, 11090
em rok) em latas bam >
rordiaariaourestolha,
pff.........
iomma da mandioca, (polvilhc). >
Ipacacuanaa ( raz )..... >
Anfflb (toros)...... duaia
Caiferos ........ j^t
Ensarnes........ >
Frechaes........
Jacaranda (apucoeiras) duzia
Leona em aellas...... cento
dem em toros
LMOTe
ldr^-lprAflMe*).
Pao Brasil ........ kuog.
Idenr de Jangada...... anr
r.|M...... duzia
;icJ"costdinho de 25 a 30
1tt oeXfcosu: ** iWOaD
;SmM:^
0*000
360
1*500
6*000
95*000
1#0
#;
muattMm i^eia dafcdos id*
este seja afiliado no lugar publico e do costume,
e se passe setipto, ao poreiro para apregoar a*
tres pravas.
Dado e passado nenta villa e termo da comarca
do Cabo aos 15 de dezembro do aono da lasci-
meato de Nossa Senhor Jess Christo* de 1870.
Eu Manoel Jos de Sani'Anna e Araujo, esen-
SU rlio o escrevi. *v ^t~~TUf
S?i L o0 O-wa* BMtar.
Ao sello 30*n. Vana seai sello ex-causa.
ic SCRHTO.
O porteiro de.te jaiao t 6fflc ia I da justica
Jos FerreiraQointino, traga a pregad para *e-
rem arremaMas em praga publica a por anea
maior preco olarecer ao da 6 de fevereiro do
prximo futuro anno, palas daz horas do dia na
casa de vivend d 1 eogenho Garai, eonformao
edflal afosado na porta da igreja matriz desta vil-
os beBs deuados pela finada D. Anna Belflna
os segaintes:
Gadovaccnm.
Boi Marfim
103
51OOO
6*000
dos at SO Miljimelros da groa-
snr......... 1
dem. Uboado de menos de 85
80*000
'mfBrnrttros de grossura duzia 1441000
Taboado diverso...... 1 98*000
Tatajuba........kilog. 33
Travs.........nma 6*000
farsa para pasear. .... du/a 8*400
(dem para aguilhadas ... 1 6*000
dem para canoas.....uma 1*000
Cavernas de sucuph-a(em obra) 3*500
lixos de cicupira para carro. par 16*000
Mslaflo........ kilog. 0
Mel deabelha. ...... 320
Milho........... 66
Ossos......, 16
Palha de carnaaba.....molaos 1*000
Pechurf. .......kHog. 817
Pedras de amolar..... 31
dem de filtrar...... > 18
dem de rebollo ... > 34
Pennas de erna. ...... 1 4*796
Piassara.......,. oaolha* 160
Poaias ou chifres de novilbo ou
vaeca......... canto 2*800
jabo.........kilog. 348
Sal- ,...... 10
Salsaparrillia........ 2*043
Sapatos de couro branco par 800
Sebo ou graxa emraina kilog. 340
dem era velas. ....-. 1 476
Sola e v.squela....., > 1*200
Tapioca......... > 804
Unbas de boi.......eeato 380
Vassouras de carnaaba duzia 768
idera de piassava..... > IjSOO
dem de Imb. j 960
Alfandega ue l'ernabrabueo, 17 de dezembro de
1870.
O i.' conferente.Joaqun A. Wanderlty.
0 t. coateraBloJoaquim'J, de C. Mendonca.
Approvo,Alfandga, 17 de dezembro de 1870.
Paes de ndrade.
Conforme.Joaquim Tertuliano de Mtdeirot.
REGEBEDORlA DE RENDAS INTERNAS
GERAES DE PERNAMBUCO
Rendimento do dia 1 a 16. 31:598*010
dem do dia 17 1:384*254
33:98**264
CONSULADO PROVINCIAL.
HenJinemo d-i dia I a 16. 79:677*837
dem do dia 17 1:875*973
81:553*8(0
2*800
3*100
Protesto.
kilog.
>
uma
>
IA BELLA dos pnEgos dos gneros sojbitos a m
REITO DE KXPORTACAO. SEMANA Di 19 A 24 DE
DEZEMBRO DE 1870.
Mercadoras: Unidades.
Abanos.........duzia
Algodo era caroco.....kilog.
dem em rama ou em laa.
jarneiros vivos. .*. nm
Porcos dem.........
Arroz cora csea. ....
idem descascado ou pilado .
Assucar branco......
(dem mascavado. ......
idem refinado. .......
jallinhas........
Papagaios.......'
Azeite de amendoira ou raen-
dobim........ ntro
(dem de coco ...... >
(dem de mamona......
Batatas alimenticias.....kjlog.
'launilha....... ,
Bebidas espirituosas eformentadas:
Aguardante cachaca. .... litr.
dem decanna...... ,
dem genebra...... ,
dem restilada...... ,
:dem alcool........ B
demeerveja....... ,
emvmagre....... ,
dem vinho de cajn...... ,
Bolacha finafcoraprehendidos os
biscokos...... ki|0B.
ordinaria, propria para
dem
Valores.
300
165
503
4*000
2*000
68
177
250
151
436
1*000
5*000
937
675
525
102
5*450
195
300
336
300
337
600
300
660
476
aguadas pelos membros prosentes,
pa.-.-i provar a evidencia d>j seu acto, Estas acias
i registradas era ora livro qae para sso-deve'
haver no e-i-riptono da companhia os trabalpos
* i ommis-aj deem ser preeutados ora umi
reunan da direcforia, a eoja approvaco seraosu-
jeitas as actas da mesma eromis3p.
Art. 18 \o the-oureiro incumbe o segninle
1'. Pazer a chamad i das enrafas dos accionis-
liundo .direct'ixia manar; recibirs
mesmas entradas dos qns rsidirem nos Esti'do*-
s, assim como todas as obra* dos dinhelro
onpanbia, para o que se nao tiver proriden-
fiad o da outro modo ; aze-las depositar em norte
da companhia em algara banco acreditado de
New York, e dar comas exactas aos aeeionistas
duran.c a construeco da estrada.
2*. Pagar os materiaas para a mesma eonstruc-
$ao todas as vezes qne as costas forem acaada*

O abaixo assgnado, testamerlteiro ecibeca de
casal de D. Anna Delflua Paes Aarret, protesta
pelo modo mais solemne contra qaemqnerque
for, que arrematar o g-tdo vafenm. cavallar, tras-
es, ro;as e plantadlo fferannas di engcnbo Gj
raa, que de ordem do f)r. jarz municipal e de
erpnos do termo do dio rtei-ervo ir a hasta pa-'
,Mca perante elle, no dia O do eorrenl mez
(tera-felra) por<(nant-i a dita ar/emar3o labora
as mais insanavels nnHitfa'a*es, como opportina
menle e pelos mrfos eirfipfcieptes' e demons-
trar.
Outro sm, o abaixo assignadp protesta haver de
quem qner qne fr,oarremat30!e lucros cssan-
les, amnos emergente, despeas jadicines e ex-
traiudiciaes a qae elle der causa por esse sen acto,
a despeinxdo ter.sido !m devido temp^. prevenido
e a vi* ido a respiiio, por este mei > a'.ntjfiQr pu-
Wlcidade p ssivel.
Recife, 19 de de*mbro de 1870.
Jos dos S'intps Heves.
N 368,-SUAVE,POKM PTJDEROSO. Aps-
fKr ^ W? B PromPH*2o eim'qge a Salsparri-
ins de Bnstol, lata contra is mofeMiaj s m.ils
pecopbsntas. Gbmtudo a sua aecSo nave eseus -----
3mSn-getaes' ">*nntom?ni curativos efdeni propria para forro ou estiva
fortificantes, nao se achara desvirtaalisados por I de navio. .... .
embarque.
r bom.....
riera esculla ou restoibo ,
da torrado on molde. ,
Gat branca.......
dem preta ........
Carro secca ( xarque ). .
Carvo vegetal......
Ceta amareira......
dem de carnauba era bruto,
dem idem em velas. .
cha.... r..
Cdcos seccoa.......
da.........
ros de boi. seceos salgados,
dem espichados....
idetq verdes.....
dem de cabras cortidos .
Idetn de onga.......
Doces em calda......
[dem em galea, ou aiassa. .
['in sceos.......
madores de pennas grndri ,
1 pequeos. ......
de palha ., .
Esleirs de canudba
PRAGA DO RECIFE
CM 17 DE DRZBMBnO DK 1870, AS 3 HORAS DA TARDE
asi;vista *i:ti %\ vi..
Cambios.Sobre Londres regulou a 83 1/4, 23
3/3, 23 0/8 e 83 3/4 d. por 1*. Sendo que as
Irao'accoss efectuadas durante a semana chsga-
ram a 70,000.
Aioodo. --Vendeu-se o da Pernambuco eseo-
lhido e regular de 8* a 8*300; o de Maeei, pos-
to a bordo a 9*600 e o da Pa ahyba, idem, a 9*500
por arroba ou 15 kdogrammas.
Assucar.Vendeu-se obrancj de 4*700 a 5*300
o rnenos de 4*400 a 4*S00, o ma*cavado par-
gado de 2*450 a 2*690, do bruto da 2*300 a
2*WX) e o do Canal le 2*150 a 2*200 por arro-
ba.
Arroz.O puado da India vendeu-se
a arroba.
Azeitb-docbO de Lisboa vendeu-se
o alo.
Batatas.Vendau-se a 4* a arroba.
Bolachinhas.dem a 6* a barriquinba.
Cak.dem de 5*300 a 6* a arroba.
Cha.dem de 2*200 a 8*800 a libra.
Cervrja.Idem de 3*000 a 9*500 a duzia de
botijas ou garrafa*.
LouqaVendeu-se a ingleza ordinaria a 320
por cento de premio sobre a factura.
Mantbk5a>A ingleza veodeu-se a 980 rs. a
libra, e a franceza a 1*.
Massas.Venderam-se a 10* a caixa.
Oleo de limhaca.dem a 2*200 o galo.
Passas.dem a 7* a caixa.
Presuntos.>-Idem a 18* a arroba.
Qukuos.Os Oamengos venderara-se a 2*400
cada um e o prato a 750 rs. a libra.
Sabao.Vendeu-se a 170 rs. a libra do inglez.
TouctNHo. Vendeu-se o do Rio-Grande do Sul
a 8* a <> e o de Liboa a 12.
Vinagre.O do Portugal vendeu-se a 140# a
pipa.
VinhosOs de Portugal venderam-se de 200*
a 220* e os de outros paize de 200* a 210* por
pipa.
Velas.As de composicao venderam-se a 580
rs. o pacote de 6 velas.
FretksDo algodo, earpegando em nosso porto
para Liverpool, a 5/8 d. e 5 % e dos poitos visi-
nhos 3/4 d. e o % Do assucar para o Canal car-
regando neste porto, nomioal, e em Maeei 40/ e
5 %i d'aqui para os Estados-Unidos 40/ e 5 / e
em lasiro para Liverpool 15/ e 3 /
MOVIMENTO DO PORTO.
Navios sahidos no da f.
Assi -Patacho brasileiro Principe, capillo Roberto
Pinto de Magalbes, em lastro.
Maeei -Escuna ingleza Jessie, eapitab Tbomaz
Roelford, em lasiro.
Canal-Baraa ingleza Dreadnougkt, capitao Pallot,
carga algodo
CanalBarca ingleza Savinia, capitao Me. Kenzie,
carga assucar.
Maeei-Brgae francez Luiza, capitao Leraerle,
em lastro.
Rio da PrataPatacho bespanbol Invencivel, ca-
pitao Francisco Maristany, carga assncar.
Observagao.
Nao houverara entradas.
Navios entrados no da 18.
Aracaj e escalas,3 dias e 17 horas vapor nacio-
nal Giqma, de 223 toneladas, comraandante Ma-
cedo, equipagem 21.
Fernando de NoronhaA3 horas, vapor nacional
Jaguaribe, de 459 toneladas, comraandante G.
Lastro, equipagem 30,
Pin tacifiro
Cabo Verde
Brilhante
Menino
Boa fcrie.
Mangaba
ftpstto ,1 ; '
Dourado
Desejado
i
Lavrtuor
Ms ranle
Surubidl
Carteiro
Alegre
oror
raquino
Deregoro
strilo
Brioso
Caxito
Gedrojo
Faceiro
Galante
Fei$o
Cupido
Boa Forma
Molaiinho
Valeroso
Bom Snccesso
Namorado
Canario
Treloso
Primor
Folgoedo
Fortaleza
Garrote crloulo caxilo
Garrote crioulo malcarado
Vacca B'-mfeila
Va.-ca Piolainba
Vaeca Bella
Vacca Molalinha
Vitello pequeo
Vitello" maior
Outro dito
Vacca Nobreza
Vitello castanho
Vacca Azailooa
Vacca Caboccla
Cavallos.
Cavallo rugo, velho
Cavallo aiazo, vclbo
Movis.
2 redes usadas
2 pessas de algodo da Babia
1 dita americana
150 saceos -novos a f*
102 -accos velbos a 500
22 cascos de barricas a 320
7 carro?, 1 novo, 2 rodas e
5 era mi estado
4 arrobas assucar branco
'i ditas de masca,-ado
10.000 covas de roca de
ilD^TO covas de rocas de
2 mere i
Safra de canas do eogenho
e lavradbres 9:434*000
Villa do C3bo, 15 do dezembro do 187a
O escrlvio,
_______Manoel Jos de S. A. Araujo.
80000
70*000
80*000
70*000
54HWO
80*000
80*600
30*000
70*000
80*000
7S1000
70*000
80*000
60*000
80*000
80*000
73*000
70*000
80*000
80*000
75*000
70*000
75*000
80*000
65*000
75*000
50*000
50*000
60*000
70/000
70*000
60*000
80*000
75*000
70*000
70*000
75*000
80*000
60*000
30*000
70*000
G0*000
60*000
55*000
15*000
20*000
20000
45*000
16*000
80*000
40*000
60*000
25*000
20*000
20*000
3*000
103*000
53/000
8*960
280*000
16*000
12*000
400*000
230*000
Nao houve sahida.
ObservacSo.
EDITAES.
U/WO
O Dr. Joao Gonzaga Bacellar juii municipal e de
orphaos da villa e termo da comarca do Cab3
d provincia de Pernambuoo.por Sua Magenta-
de o Imperador e CoosUluolOaal oSr. D. Pedro
H, a quem Deus guarde, ale.
Pa^o saiier no ma 6 de fevereiro do prximo futuro anno, se
rem arremata los em praca pubUca, e por quera
maior preco offerecer, nacaia de vivenda do enge-
"b0.Garap, os bensdexados pela finada D. Auna
Demna Paes Brrelo, j avahadas e consur.te do
mesmo edital a requarimeato dos berdeirosa pa-
receres do Dr. curador geral dos orphaos e do
nerdelro, auzeote ; atiendendo o que novamente
preseoiaram os berdeiro, e sendo do devar des-
ta juizo acautallar os iulareases dos orphaos por
meu despacio pro/ando, en? diu representaeo,
jtaodei passar o presenil edita! para somenle eor-
rerera trea prac^s, alm 4e serem ditos .bebs
arrematados em. ultima praca publiea ao da 20
M ao crrenle mez as 10 aeras do da, ortaidida por
este jwzo na caaa de vendado engenho Garap,
e conalanle do edital j alfixada elo scripto em
poder do porteiro deste joixo. y
O Dr. Jos Bernardo Galvo Alcoforado Janior.
jaiz municipal suuplenie da primeira vara d'esta
cidade do Recife, em virtude da lei, etc. :
Fago saber pelo presente, qne nos termos do
art. I. do decreto n. 1693 de 15 do setembro do
anno protimo passado, dentro do prazo deliinta
d.as, coudos da publicacao d'este edital, receber
este juizo propostas por carias fechadas para arre-
matcao por venda dos eseravos seguimos :
Um escravo de nome Jos, prelo, crioulo, nalu
ral d'esta provincia, idade 28 annos; servico de
campo, avaliasofcor 1:000*000.
.Uma escrava ds nome Joaquina, pretende na-
gao Angolla, idade 48 annos, solleir.t, sarvico de
campa, avahada em 400*000.
Os quaes foram penhorados por execucSode Bo-
dngues Almeida & C. contra Jos Flor*neio de
Oliveira e Silva, e ditos eseravos se acbam deposi-
tados em poder de Francisco Thomaz de Barros
Campello.
E para que conste a todos, manda passar o pre-
sente, para ser amxado no luagr do costume e pu-
blicado pela imprensa.
Dado e passado aos 16 de outubro de 1870.
Eo, Manoel Jos da Molla, escrivao, o subs-
brevi.
Recife, 16 de outubro de 1870.
__.______________________Alcoforado Jnior.
O Dr. Jos Bernardo -Gatrao Alcofirado Jnior,
jaiz municipal supplente da vara nesTa cidade
do Recife de Pernambuco e seu termo, em vir-
tude da lei, etc.
Faco saber pelo presente qne nos termos do
art. 1 do dec. n. 1693 de 15 de setembro do anno
prximo passadcvdeulro do praso de 30 dias con-
tados da publicacao desse edital receber este
juizo propostas por cartas fexadas para arremata-
cao por venda do escravo segulnie:
Um escravo de nome Jos, preto, de idade 22
annos, de servico de campo, natural d'esta provin-
cia avahado em 1:000*000, o qual foi penborado
por execugao do Rodrigues Almeida & C. contra
Francisco Thomaz de fiaros Campello e sua mu-
Iher, e se aeba dito escravo depositado em poder
do depositario o mesmo execatao Francisco Tho-
maz de Barros Campello.
E para que consto mandei passar o presente
qne ser publicado pela imprensa e alisado no
lugar do costume.
Dado e passado nesta cidade do Recife aos 16
de novembro de 1870.
Eu Manoel Jos da Motta, escrivao do cvel, o
subscrevi.
Recie |6 de novembro de 1870.
_____________________ Alcoforado Juxior.
O Dr. Abilio Jo.- Tavares da Silva, olHcial da or-
dem da rosa e juiz privativo dos (eitos da fa-
zenda nacional et\
Faco saber que em vista da execucao que a fa-
zenda nacional encaminba contra os herdeiro* de
Jnlio Pereira Mattoso, ex-eolleetr do Cabo, fez-
decima fl m nwrtaHTvr de multa,"relativa ae
( 8emestre.^aa||itlrfcin(rt1i0-71, e
que, finio o refcrido.iutaso, sera paga coa a mul-
Recebadoria de Pernaurtraeo r> de dezembro de
1870. ...
.fc I.13UUJU
administrador.
Manoelj >rjeiro
GttP
Ni forma do ai
963, aiha-sc po
-ar poaaa, que com .m'
abre-se o praso de 30 dfas a
pagamento voluntarlo do*
provincial i.
m i mere s-
ro prximo
dos para o
mpdaHa da decima
urbana e de5 0|0sabr* rend imbens de raz
da.corporac3es de o mota, raladtos ao se-
mestre do carrate anno ffa*ai'*lru de 1870-71,
iocorrendo os coniribuinies qne nao realsarem a
mesmo pagamento no referido praso, ne eommi-
naco do 3 do citado artigo.
Consulado provincial 21 de novemmbro de
1870. 3------------------ -
Servndo de administrador.
A. Witrovo P. B, e Accioli de Vaseoneellos
0 consejo econmico do aatallio de infaa-
taris n. 9, contrata tto dia 20 do eofreln'.e mez, es
gneros alimenticios abaixo mencionados, e para
oque convida ao senhore3 negoeiantas a apresen-
tarem snas propostas na secretaria do mesmo ba-
talbo pelas 9 horas da manhia do mencionado
da, preveaiado quw os gaeras devem er d pri-
meira qualidade e qne o contrato vigorar do 4*
de Janeiro a 30 de juaba da aono viidoaia :
Arroz, ;*iurar m**3ad o rautiad., anate do-
ce. ba:aUi). cafe, carne verde, carbe setca,la-
raha de maudica, feiio, leuha, manleiga, pss
de 6 ongas, dilo* ds 4 mica*, fnembo, e vinagre.
Quarlol no Hospicio, em Pernambuco, 15 de
dezembro de 1870.
Francisco Antonio de S Barreto.
, Teneate secretaria.
SANTA CASA DE MISERICORDIA DO
RECIFE,
A Illma. junta adoTlnistraiiva da Sania casa de
Misericordia do Recife manda fazer publico que
na sala de suas sessdes, no dia 22de dezembro, pe-
las 3 boras da tarde, lem de' ser arrematadas a
quem mais vantageos offerecer pelo tempo da am
a tres annos, as rendas dos predios em seguida
declarado*:
ESTABELECIMENTOS DE CARIDADB.
Roa de SanU Rila.
Casa terrean. 38. ...... 161*00t
Ra da Matriz da Boa-Vista.
Casa terrea n. 56.......202*00
PATRIMONIO DOS ORPUAOS.
Ruada S. Jorga (utr'ora Pilar)
Casa tecjtea n. 103................. 151*00
dem Mera n. 99................... 365*006
Os pretndanles devo.rao aprciontar no acto da
orremaucao as suas aucas, ou compareeerem
acempaahados dos respectivos fiadores.
Secretaria da Santa Caa de Misericordia do Re-
cife, 30 do novembro de 1870.
O escrivao,
__: Pedro. Rodrigues da Souza.
Santa Casa de Misericordia
do Recie.
Janeiro vista.
A Illma. jcmta administrativa da santa casa de
misericordia do Recife contina a receber propos-
tas para o fornedmento de medicamentos, carne
verde e gneros que liverem de consumir os esta-
bekciniL-n os seu cargo n i trimestre Je Janeiro
a margo vindouro, na sala de suas sessoes, pelas
3 horas da tarde do dia 22 do correnta, na sala de
snas sessdes.
Secretaria da Santa Casa de Misericordia di
Recife, 17 do dezembro de 1870.
O escrivao.
Pedro Rodrigues de Sooza.
AVISOS MARTIMOS.
Para Porta
esl recebendo carga a frete mdico a barca por-
tuguesa S. Manoel II, devendo salnr dentro em
poueo* das visto qnej tem a maior parte enga-
jada < para o poncoqoe Ine falta trala-se com n
cipiiSina praca ou na ra do Vigario d. 1. I
andar.
COMPAA drASILEIIU
DE
Paquetes a vapor.
Dos portos do sul esperadi
at o dia 22 de dezembro o vapor
Tocantins, comraandante Jos Ma-
ra Ferrcira Franco, o qual de-
pois da demora do costume se-
guir para os portos do norte.
Desde j recebem-se passageiros e engaja-se a
iga que o vapor poder conduzir, a qual devera.
ler embarcada no dia de suachogada. Encommcn-
las e dinheiro a frete at as 2 horas do dia da sus
unida.
Nao se recebem como encommendas senao cb
loctos de pequeo va'.or e que nao excedam a dua
robas de pes ou 8 palmos cbicos de medico
fado que passar destes limites dever ser embar
ado como carga.
Previue-se aos senhores passageiros que suas
jasagens s se recebera na agencia, ra da Crui
1. 57 primeiro anJ.r, escriptorio de Antonio Luis
!e Oliveira Azevedo & C.
DE
Paquetes a Vapor
Dos portos do norte esperada
at o da 26 do correnle o vapor
Arinos, commandanle J. de P.
Guedes Alcoforado, o qual depois
da demora do costume, seguir
para os porlos do sul.
Dosde j reeebem se passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir, a qual devera
ser embarcada no da de sna chegada, encom-
meBdas e dinheiro a fr^-le at as 2 horas da tarde
Je sua sabida.
Nao se recebem corno encommendas senao ob-
lectos de peque.no valor, o que nao excedam a 2^
arrobas de pe?o ou oito palmos cbicos de medi-
oo. Tudo que passar destes limites dever ser
embarcado como carga.
Previne-se aos Srs. passageiros que suas pas-
^ageBs s se recebem na agencia, ra da Cruzn.
37, primeiro andar, escripioiio de Antonio Luir
le Oliveira Azevedo & C.
PORTO
se penhora em uma escrava de nome Monica, ava-
hada por 600*. em enri.-equencia do que e em
face do decreto n. 1695 de 15 de setembro de
1869, sao convidad- pelo presefe quaesqner li-
citantes para apresenlar snas pfopostas dentro do
Sraso de 30 dias, abando-se a mesma e-crava uj
eposito geral nesta cidade. E para que ebegue a
noticia de todos mandei pasiar o presente-, que
ser publicado pela imprensa e afAxado no-lugar
do costume.
Dado 6 pasado nesta cidade do Rtcife aos 46
de dezembro da 1870. E eu Luiz Prancisco Bar-
reto de Almeila, escrivao que o subscrevL
Mo Jos Tavares da Silva
Pretende seguir, com muila brevdade, a barca
portugaea Social, por ter a maior parte da seu
cirrepamonto engajado ; e para o poaeo que Ihe
i o seu consignatario Joaquim
rna do Commerew.
falta, trata-so
Jos Concalves Beltrn,
Rio de Janeiro.
Segu para o porlo cima em poucs dias o bri-
gue brasileiro Mdnv Virginia : par carga trata-
se a ra do Mrquez de Olinda, outrora Cada [o.
52, escriptorio de Jos Victorino de Resende
& C.
O inspector interino da alfandega aepahJro
que exislioijona gardmora dasU xeparticao um
jacas com quejos d Minas, sem marca naso di--'
reocao, descarregado eral do C(*:recto do vaaor *os Irmaos do Vigario n. 26.
francez Sindh viudo dos porto* do-snLe ignoraaaX
se quem seja o seu dono oa consignatario, pelo
presente convidado a vir despacha-la dentro do
praso de 30-dia, sob pena da fihdb elle, ger ven-
dido por sna Conta sem que me quVc-Mtoetindo
allegar contra os effeftos desta venda.
,0A]wv!eSa de PerDambuco 17 de dezembro de
O inspector interino,
Luiz de Carvtriho P.\es do Apdje. '
Segu para esae partooom possivei brevidade
liiato navo, bem construido D. Luisa, par* ear-
passagairos : a tratar-* com Gamas de Mat-
...

BSHW*
DECUSMOES,
Para a referido porto segu dentro de seis i^
a polaca italiana Surt, e por isso qaem quizar
aproveitar carregar ai frete- eommBdo, WH)a consigoaiario Joaqa Jos Goncalvea fMtrio >
ra do nammercio n. 17.
- Maireaehedort de/ Mn*>iinternas, enes
* laa pubijeo qua-e natte sea do dasambro raai
as irmauades religiosa!, o* baneos, toauahias
sociedades abonymas e quaesqner jwoiaooas
pas, beneficales oa religiosaj Mea de pajara
aioiE
Pira^efafsVpirrt frtum seguir com rboi-
U bTevidade a barca brasileira Santa Hart pnr
tora maior parta- do oerregment fugsjad
para o resto o*M iba rafa eaecravos a frute,' tra-
ta-se coa e consignaurio Joaquim Jos Gonealve?
ijeitrao a roa do Coomercio n. 17.

NP>

I







(Diario-de Perntnftueb Q4> Segunda e*** 14) 'fetoeumbio 4e HHM.
- i
i


3
o
OtOOTUIgnl
Gorpo Saato n. 19, andar.
SU".
meide
ara Por
sahe impreterivelment al a dia
ezembro correrte o bnejne po
para o resto da carga, e passa^ir Vale-ie toa
es confie oaiarros Tnotnaii Ja Aquino Fonseca A
G. Saeeessores a roa do Viflrio
41
.
4m
a. w.
fe
ii..i< i-
J*
em rtuscos ^nkkois
o plices do tbeatro do Apollo e
da companhia Vigilante de vapor
boque d'esla cidade, a 22 do con
Por despacho do Illra. Sr. Dr. jai
commereio, datado a 17 d'eite raez, e
rimento dos administradores da mass*
Amorim A Filaos, o afate Oiireira fa Ji
apolices supra-mencMudu
(Jwnta feira
ao meio dia em pont, no seu csrriptrfk rta da
Cruz n. 53, primeira andar.
AVISOS BIVERS
ATTENGAO
Prev
terfcs-
'ine-se a quem ni
sar possi que iodos os bens pete
suidos pelo Sr. Jos Luiz Tnno^
cenco fogge, se acharo hypo-
thecados e dados fto peuhor pa-
ra girantia ie debito superior
no valor dos nieuus bens, por
esriptura em nota do Si*, tabel-
lo Porto Carfeiro.
MOFINA
Roga-se ao Illm. Sr. Ignacio V.eira de Mello, .
crivao na cidade de Nazareth desta provincia,
favor de vir a roa do Imperador n. 18 a r-ooeluir
aquelle negocio que V. S. se couprometteu reali-
sar, pela tereeira chamada deste jornal, em flns
de dezembro prximo passado, e depois para Ja-
neiro, pas9ou a tevereiro e abril, e naia cumprk),
e por esto motivo de novo chamado para dito
flm ; pois V S. se deve lembrar que este negocio
de mais de oito annos, e qotndo o senhor seo
filho se acbava no estudo resta cidade.
Ama
Precisa-se para o servico interno de casa de
pequea familia : na roa d Vigario n. 5, segun-
do andar.
\TTENC10
Fartaram na tarde do dia 12 do corrente, do
primeiro andar do sobrado sito a ra da Impera-
triz n. 16, na occasiSo cm que eram condazidos di-
versos objectos do mesiAo sobrado para a cara-
cas que e-tavam paradas porta da ra, um balni
de rtandrc? quadrado, de tamauho regular, con-
tendo urna salva grande do prata, xoval para
menino, diversas pecas de roupa, varios pares de
sapatos novos para senaora e menino e ontros ob-
jectos de valor. Pede se a quem guardn tal ha
h, talvez sem saber que era fuado, que o va
entregar na loja n. 10 da raesma na, onde se dar
urna gratiftcacao pessoa qao flier a entrega. As
autoridades polieiaes ja tiveram conhecimento do
fact?, e ha desronu* anea de quem sejam os auto-
res do furto. Pede-?e tambem aos sennores ou-
rives que apprchendam a dita salva no caso de
Ihes ser oftavcida.
Prt-cisa ?e de urna ama para serv ico intern
* externo de casa de pou 'a familia : na ra do
Duque de Caxfs, ontr'ora ra do Queimado nu-
mero 22.
Fundicao de ierro, bronze e fa-
brica de machinas, na ru do
Brum ns. 100, 102 e 104.
Cardoso Irruios.
Avisam a seas freguezes e amigos que recebe-
ram da Europa, nova remessa de vapores de for-
ra de i e 6 cavallos, formas para paes de aisucar
pintadas e estanhadas.
Os vapores sao da melhor craalidade e iguaes
aos que vendemos para os eagenho?, Matto-Gros-
so, Bom Successo e Sap, que podera ser exami-
nados : teera completo sortinwato de todas as fer
rageos para engaitos, e o estabeleciment per-
itamente montado para apromptar qualquer obra
' >m promptidu e perfeicao.
Precisa-se de urna ama forra ou captiva para
fozinhar em casa de familia : qnem bem poder
desempenhar esta missao, querendo tratar, dirija-
Mj ra do buque de Caxiae, loja n. 1.
...ai
Precisa-s. lo urna escrava para o servico do-
mestico de casa de familia, e que engomme : na
ma do Vic mde de Pelotas (Aragao) n. 37.
CASA EM OLINDA
Aliw se urna casa de sobrado em Olinda,
muito fresca e perto db mar, com maitos
commodos para grande familia. A tratar
no Racife, ra Bella n. 37. As chaves
acbara-se em Olinda, defronte do convento
do Carmo, em casa do Sr. capitao'praneiscrj
Xavier de Moraea.
O Novo Mundo
peridico ilustrado mensal, pahlicado era New-
v irk.
A3ignalura por sois metes.
IK-5JO0O.
LIVKARIA FRAN'CEZA.
Jos Duarte P're;-a, subdito portoguez es-
tabelecido com ama muir a raa da [toda n. 43,
declara que a execucao que move Francisco Pe-
reira Raposo pelo jaizo de paz do 2 distrieto
da freguezia da Boa vista contra Jos Duarte Pe-
reira, como se tem annanciado, nao se entende
<-om o abaixo assignado e sim cora nm ontro indi-
vidio de igual nome e morador na Soledade.
Recife, 16 de dezembro de 1870. .
Jos Duarte Perelra.
OGRAHOT PUfllFIGADOR OOSASOUEI
Esta exeeente e adtniraVet ntedicrii,
preparada_ jj'uma maneir majasi
a w tos anns de experiencia ao par d'uma lo-
ga e laboriosa pratica.
A sua composico b3o consiste d'um sim-
ple extracto d'um 16 'artigo; mas sim,
composta d'ex4r6liiW 'm aumero de rai-
zes, hervaf.'cas^. torojlrjpssuindo to-,
das ellas, tft 'vrtde SJSbcW ^ou poder
em curar molestias ir g6as feem sede
bPessnfo, rifo Sa'njrfe u W numoresj
estes dreiites etractosf^es, acharri-
a por una al terina cdfiaifaos pont
ffe conserhiref ai toda f'a/forca, o cu*
rativo especial d vTrtde, ; per si pos^fi. A raft: da plaWa de Salsa-
parrilha, prroirzida as rTojWruras, a
ii'is usamos nteta'prpwfacto, S(inr,f>
que todos s meificos mais;
am. Na coiiosico da
I ha de Brlmoi entra rrraii
bto deste conbrotrado extrafl.
ncerra em si cousa alguma, qV|AJ&-.
sa por leve ser perigosaou injuriosa
sade; e tanto n'este, como em uasi to-
dos os mais respeitos; ella inteiramente
diversa de todas essas mais preparaces,
as quaes debaixo do nome de Salsaparr-
Iha, sao accondicionadas ou postas em gari
rafas pequeas, sendo receitada em doses
mui diminutas d'uma colher de cha por
cada vez. Nos pelo contrario engarrafa-
mos a
SALSAPARRIRA DE BRJSTOL
em frascos grandes, e assim por este modo,
dividimos com os consumidores, o grande
proveito e vaqtagem alcanzado por aquellos
que acondicionara sua preparado em gar-
rafas pequeas. Cada um dos frascos da
nossa ttalsaparrilha de Brlstol
oonteem a messa quantidade igual porcao
contida naquellas garrafas pequeas, e alm
disso, possue ainda muito mais forca e
virtude medicinal do que aquella, que por
ventura se possa achar contida dentro de
seis garrafas de pequeo tamanho. Por-
tante mui natural, que aquelles, que se
acham oceupados em preparar e vender as
suas produccoes, em garrafas pequeas,
murmurem e gritem contra os nossos fras-
cos grandes- proclamando, que a nossa Sal-
saparrllha de Brtstol nao possue a
menor virtude; porm quo efectivamen-
te s5o elles postos em silencio, guando indi-
oamos, ou simplesmente referimo-nos para
com essas centenares de certidSes e tes-
temunhos authenticos, por nos recebidos
de todas as classes da sociedade, nos quaes
plenamente attestam o poder curativo e vir-
tudes maravilhosas da nossa.
SALSAPARRILHA DE RRISTOL.
A vantagem de termos os nossos pro-
prios agentes naquelles lugares aonde as
differentes raizes, drogas, hervas, e plan-
tas de que se compoem as nossas medicinas,
s5o produzidas, que nos habilita exer-
cer aquelle constante cuidado e disvello na
minuciosa escolha; e o que assegura e ga-
rante uniformidade de excellencia.
Em quanto que, por outro lado, nos n3o
nos poupamos nem dinheiro, nem dili-
gencias ; afim de alcancarmos o melhor
e nicamente o melhorde cada um artiga
ou ingridiente que entra na sua composi-
?5o; pois levados e compenetrados da
mais firme e persuasiva confianca; que po-
demos afoutamente dizer aos doentes de to-
das as nac5es, e de todos os paizes, que na
Walsaparrilha de Brlstol. possuem
um remedio mais efficaz e seguro; do que
nenhum outro, que vos tenha sido offere-
cido at hoje, e o qual por certo n5o hade
mallograr vossas expectativas, na prompta
e effectiva cura das seguintes enfermidades:
A roa Primeiro de Maroo (ontr'ora roa dfc
Crespo) n. 23 e casas do costme.
O abata) assignado, tendo vendido nos seos fe-
Itxes bilheces um meio de n. 217 com 960*001
dous qqartos n. 46 com 400*000, e ontras sortes
di 1uW e 40* da loteria que se acabon de ex-
trahir (174*), convida aos possuidores a virem re-
ceber na conformidade do costnme sem descont
Uto**; .;uL
Acham-se yenda os bilhetes garantidos da
5' pane das loteras, a beneficio da matriz de
Brrtirts (17S<), qa w extrahirt sefonda-felra
19 do oorrente tnez.
Precisa Ise
'ar na ra
sfeffift
l'fi'Cita.fe ac uiu;.
*ja sadia, paga- beta
lo, 3 andar.
har
Pretw-se
eoot perfe^Jo ; .
61, segando andar.
: a ma Jos Q&uien a.
> .'
e ama an qa'e Jaf- egomaie
na roa do Bario da Vietoria
PRESOS.
Bilhete intelro
Empor
ilhete
Escrfulas,
Chagas antigs,
Ulceras,
Fridas Ulcerosas,
Tinha.
Syphilis,ouMal Ve-
nreo
Humores Escrofu-
losos,
Irregularidadesdo
Sexo
Feminino,
Nervosidade,
Debilidade Geral.
Febrae Malignas e
Febre e Sezes
Biliosas,
CRIADO
. Offerece-se nm rapaz para criado oa copeiro de
alguma pessoa que se retire para o mato ou para
rora desta provincia : a tratar no becco dos Fer-
reiros n. 5. offi-ina de torneiro.
frecisa-se de um caixeiro que seja brasileiro
ou poriugnet p^ra o Keslaurant de Paris ra
das Laraogeiras n. 4.
Precisa-se de urna enada que saiba bem tn-
gommar a tratar na roa de Apollo n. 4, da3 9
da manhaa as 3 da tarde.
Preeisa-re de um homen\ sendo portugnez
raelhir, para encarrenar-c de nm pequeo jar-
dim : a tratar na B-ia-viita, rna do Visconde de
fioyanna n. 51, ontr'ora na do Mondego.
AMA
Precifa-e de ama, preferindo-a escrava, para
CQrinhar- tratar na rna da Pahua n. 34.
Prectsa-se de um offljial de alfaiate : na ra
-streita do Rosario n. 14.
Tumores
Abscessos Apostemas,
Erupces,
Herpes,
Salsagem
Impigens,
Lepra, febres intermitientes e remittentes,
hydropesia e ictericia, etc., etc.
Ontro-sim, achar-se-ha, que para o bom
resultado e perfeito curativo de todas aquel-
las enfermidades cima apontadas o adian-
tamerto da- cura, grandemente promovi-
do e apressurado; usando so ao mesmo
lempo das nossas mui valiosa pllnlas
vegetaes assaearadas de Brlstol.
tomadas em doses moderadas em connec-
fo ou conjunctamente com a Salsaparrilha;
ellas fazem remover e expellir grandes
quantidades de materias morbficas e hu-
mores viciados que se desprendem e livre-
mente circulam esparhados pelo systema,
isto causado polo uso da SalsaparHlha; o
por esta forma facilita a volta e o exercicio
normal das opera^oes funecionaes,
Acha-se a venda nos estabeleciraentos de
A. Caors, J. da C. Bravo 4C.,P. Maurer
Agua para Olndo,
O preto Feliciano, encarrega-se de levar diaria-
mente para Olinda, agua em canecos, por barato
prego : tratar com o Sr. Jos Coelho, no Vara-
douro.
6*0QD
3*000
1*900
)*000 para cima.
'Blrlli>lnteiro *400
Meio bilhete 2*700
Qnarto 1*330
Hanoel Martins Fitua.
CASA I 010
Sua do Baro da
Victoria n. 63
^ Outr'ora Ma Ncva. )
Wmkctc garantidos da pro-
. TlBla.
afta feliz casa acaba de vender entre os sen
muito felizes bilbetes a gorte de 900*000 cm nm
faieio de n. 217,e dous qdSf-tos de n. 46 com a sor-
tejde 400*. e um bilhete inieiro de n. 1777 com a
de SOO*. alem de ontros premios menores,
do os sens possuidores virem receber, que
lamente serio pagos.
_ abaixo assignado convida ao respeilavel pu-
Mico para virem no sen estabelecimento comprar
os felizes biihetes garantidos, qne nao deixarao de
tirar qualquer premio como prova pelos utesmos
annnncios.
Acham-se i vend o mnHo felizes biihetes ga-
rantidos em beneficio da igreja matriz ele Barrei-
ros qoe sera extrahida segunda-feira 19 o cor-
rente mez.
JPREgoS, .
fmeiro 6*000
Meio 3*000
Quartu i30
De 1000000 para cima.
Iuteiro S*400
MeTo 2*700
Qnarto 1*350
Joao Joaqnim da Costa Leite.
Na agencia bonsular de. Portugal do t
deSerinhaem em Gamelleira; ppeci.
fallar com urgencia aos Sr. aHUtome
nados sobre negocio que lhe diz M
rito no praso de 15 das a contar <1
Sent data.
A viuva ou herdeiros de TrtMtisco
Chagas Cavalcnte Mnb Affonso
Jacinlho Soares de Meoeie$.
m.
VICTORIANO I'ALHAfES
INTERESSANTB COMPOSIQAO LITTF.ltARIA.
CONtENDO :
A noite do xtasis.
O sorriso.
A noite do assombro.
A lagrima
A nout do delirio.
O mysteno.
Com ama carta critica dirigida ao autor pek
Or. T. B. Rigueira Costa.
i volme brochado 2*000.
AS CENTELHAS
Poesas patriticas sobre a guerra do Paraguay
1 volme brochado 2*000
NA
LPVRARIA FRANCEZA
Ama
Preeisa-se de ama ama livre
boa conducta, para casa de mu
na ra de Santa Thereza n. 11.
de meia idade e
pnca familia :
Julio Isaac, eucarregado por prouuracao bas-
tante de N Danheisser da casa de penhores tra-
versa das Crozes n. 2, avisa a quem ti ver joias
em sen poder, que far leilao por intervencao do
agente Martins, no dia 15 de Janeiro prximo. As
pessoas qne desejarem gnardar por mais lempo
em maos do annnncianle sens penhores, venham
pagar os premios que esiao a de ver a
leilao, depois do qual nao lerj direitu
maSes.
di.i do
recia-
PAR 1 A FESTA
NA LOJA
DE
3 4. 5,
Paulo Guimurftes
branco biazas,
Palitots de brim
e 6*000.
Dito* de alpaca branca de 3, a 4*.
Ditos de dita de cor, de 3 a 3*500.
Calsas brancas de brim, de 2 a 8*.
Cohetes branco-, de 2 a 3*500.
Grande sortimento de calsas de casimi-
ra preta e de cor, palitots de casimira
de ledas as cores, obras todas cortadas
por um perito mestre.
Na mesma loja se manda fazer obras
por medida e por menos 20 por cento
qoe em outro qualquer e-tabelecimento,
pois para isso acham-se munidos d'nm
perito mestre e officiaes.
A RA DA IMPERATRIZ N. 48.
Junto a padaria franceza. -
Precisa-se alugar nm menino de 10 a 15 an-
nos,-para criado : nesta typographia se dir quem
precisa.
Prenisa-.-ie de am moleqae que lenha 10 a
13 annos, ou mesmo de um negro de meia-idade:
tratar na roa da Imperatriz, renacao de assu-
car n. 46.
Precisa re de um servente e d- urna ama
qne seja forra oa captiva : na raa da Larangei-
ras n. 10, hotel francez.' -
Precna-se de um homem livre ou e9cravo,
qne de nadnr a sua conducta, para o -ervico ex-
terno da padaria da roa do Rangel n. 9,
CASI
Alnga-se o 2* andar da casa n. 36 da roa Di-
reita, oom commodos para rando familia, a cha-
ve est defronte na loja n. 29.
NAN6
CUPN
NOVA AGOA
para o Toncador
IMPOSTADA
l RIGAUD E O
PIFC18TA5
R vMeue, t
PARIZ
. j "iilobs-
u-a.-ao alguma; a preJcnpeo diaria que delles
fazem os mdicos e^ o asq alada mais frequeme
reno pelo publico slo prova's irrefragaveis unto
cerno a <|Oantidade icnumeravel deste genero. S
falta aperfeicoar cada vez mais o modo de admi-
mstracao, de maoeira que conservando a sua ac
cao, elfe pnsn ser tomacD sera repugnancia
uem a.-cu e sobretudg ma receio nem Mngo.
Muitos purgantes afamados s evem p<\t bom
xito ao yu effein iot^nso e excessivo. D'aTii o
pengo, porqu irriucooa do estomago, inllamma-
o6es de ent^anhas s5o inevilavelmente o resalta-
do do sen enprego. Nada tfisso tem-se de recear
com o caf [urgalivo.
TodosrOMCecem por, experiencia o aroma sua-
ve e efleno tigeiramehte tnico e excitante do
caf. Elle e o melhor auxiliar dos purgantes do?
quaes disfarg o chfiro o sa'bor e aguda a ac?ao
solliritan'do vagsroSamente ns njovimentos pers-
t,.!ticos do iuie.-iiou, e pu-venindo o seu.efeito
muito intenso stfcre o estomago. Misturado com
escamonea, facilita a evarna^Ses oom .promplido
e seai cvliea?, e torna e um porgante branda,
certo, fcil a tomar e preferivel a todas os oulros
salvo urna indicaca e-pecial da qual o medico
u Ullicii juiz.
A innocuidade d caf purgativo permitte de
emprega-lo em todoi es casos simpte. Desper-
tando a atohia do intestino e activando' a ecre-
gao deste, destre a dureza de ventre, as vello-
sidades, as fiataosidadts e excita o appetite. Em-
pregado mais miado, conveniente para eva
cuar com vagar a lidia t b humores viscosos e
e faz dessa maneira detapparecer a enxaqaeca,
as dores de caneca e previ os ataques de sangue
as pessoas que a e^ss .-o predispostas.
. "fr1 '3MODO DE EMPREGO.
K tSo simples como ff/l. O cal purgativo
deve ser tomado fiio, puiu ou misturado cora am
pooco de leite fri assucarao, ou agna assaca-
rada. O vidro inteiro a dos ordinaria para
um adulto ; duai culi.-ies de caf bastara para
as seohoras para toda e qualquer pessoa que se
por fcilmente.
. ara as olancas de 8 10 annos, a metade do
vidro suficiente ; de 5 a 6 annos, urna colher
de caf, e qaarta parte do vidTo smeute abai-
xo desta ioade contra a gosma.
E' por bso d'uma administra cao muito mais
fcil do qoe es biscoutos, chocolates ou bolos
purgativos.
Dase inmediatamente depois lite quentc as-
sucarado oa caldo leve, e duas oa tres chavenas
de cha preto ou de tia.
nico deposito na pharmacia e drogaria de
Bariholomeu & C. : raa larga do Rosario n. 34.
Ama.
Precisase de urna ama para o servico le ama
eaa de pouea familia : ruado Vigarie n. 1, 3."
andar.
-r O Sr. Dr. Wrafbain qneira ter a boodade de
eonenir o negocio que te- com os proprietarioa
da typographia Mercantil, o qual de interesse
para n me-mo Sr. Dr.
Manuel Alves Fer reir & C. modaram o sea
esenptorio da raa da Moeda n. 5 para a ra do
Vigario n. 3, 2o andar.
ATTEIVCAO
o
Tendo-se procurado pela residencia da Sra. D.
Adelaide Leopoldina Carneiro Chaves para lhe ser
entregue urna carta vmda do Rio de Janeiro, e
nao se tendo encontrado, pede-se a mesma senho-
ra a hondade de mandar receb-la na ra de S.
Francisco n. 29._____________
SOCIEDADE LOTEhM
ESPERANQA FELIZ.
A esta sociedade perteoce-ihe o hilhte n. 4294,
os meios ns. 1 '48 e 867 da lotera 339 da Corte, e
o bilhete n. 2761 da leteria 175 da provincia.
Antonio Joaqaim de Brilo,
Secretario.
Precisa se de ama ama para comprar, co-
zinhar e fazer o raals servico de urna pessoa sol-
tifa : na ra do Imperador n. 75, 2* andar.
Pede-se ao Sr. Antonio Hosmfnio da Coala
o favor de apparecer no sobrado n' 39 da ra
Nova, visto que deixando o 3' andar do sobrado
n. 47 da ra da Imperatriz nao disse onde foi re-
sidir.
Vai a quem toca
Diz^me nma cousa, tu nao interessas nada do
navio Antonio (eo nada) oi nadal escata, falla tua
verdade aqui para nos, eu o sei e os meninos da
Candinha o dizera que tu, que lo marchas n'um
conteco. Nada melhor, dessa maneira estaes com
a vida ganba, por favor me arranja ora tambem
para pagar cora o que ella traz. Na verdade s
quem sabe metter agulhas por alflnetes qnem
gosa dessa feliciiiade.
EstaAgoa extra-
hida das flores do
Pirus Japnica,pli
- aua suavidada e
as proprieda-
dee benficas,
exoede os cos-
mticos mais celebres; tendo sido a-
doptada por toda a sociedade elegante.
Deitada nos banhos. d'um perfume
delicioso, consolida as carnes e fas de-
saparecer as espinhu, oomiettoes e as effloresoen-
oias da pella,
PREQO 1AU00.
nico deposito no Bazar da Moda n. 50,
rna do Bario da Victoria otitr'ora Nova.
Alogase a casa da roa Imperial n. 250, com
acommodacSes para familia : para ver na casa
junta, e i tratar oa praca da Independencia nu-
mero 2.
imiNG
O"
'arlo
ACOA
rat
TOOCADOH
UtlU eC.
8
|ln Vitinu
naz
AMA.
Precisa-se de urna ama para casa de homem s,
que lave, engomme e cozinbe : na raa da Cruz n.
2", Io andar, por cima da botica.
AMA
Preeisa-se de ama ama : na raa eslreita do Ro-
sario n. 28.
Precis-se de um caixeiro de 12 a 14 an
nos de Idade que tenha pratica de taberna : na
ru do Rabgel n. 8.
Precisa-se de ara preto de meia idade para
o servico interno e externo de ama casa de fami -
lia : oa roa Bella n. 35.
_____
AVISO
O Sr. Ciiinen j Sabina desde 30 de novembro
deixoa de ser caixeiro de Joaqnim Jos Ramos.
Precisase de urna ama para casa de urna
pessoa e para todo o servico ; na raa de S. Fran-
cisco n. 48._____________________________
a u; a Precisa-se de urna, escrava ou li-
xml?S./m. vre: na ra do OalJaireirj n. 68.
Precisa se de ama am i que cozinhe, engom-
me e compre : na raa das Tnncheiras n. 14.
Precisase de nm caixeiro para taberna de
14 a 18 annos de idade, e qne d fiador a sua
conducta, paga-se bom ordenado: a tratar na roa
da Santa Cruz n. 3, padaria.____________________
Joaqnim Jos Gon vs Beltro
Raa do Trapiche n, 17, 1" andar.
Sacca por todos os paqnete3 sobre o banco d(
Miobo, em Braga, e sobre os seguintes lagares ea
Portugal :
Lisboa.
Porto.
Valenca.
Goimaraes.
Coimbra.
Chaves.
Viseo.
Villa do Conde.
Arcos de Val de Vez.
Vianna do Castello.
Ponte do Lima.
Viua Real.
Villa-Nora de Famelicao.
Lanos. '
Covilhaa.
Vaacal (Valpasso).
Mirandella.

DE
UE- .-H Ji
PEREIRA&IR1A0S
Ra Primeiro de margo n. 15, outr'ora rfia Oxeipo n. 15.
i Ao respeilavel publico em geral e particularmente iW1 sens tromerosos amigo
partlcipam Manoel Joaqnim Pereira e Manoel Jos da .Cosa PerflVgne acabam de
fundar um rico e sumptuoso armazem de louca, pofcelana, ros e ciya*aes ama
Primeiro de Marco, oatr'on Irmaos.
A longa pratica e coahfeiriWhios de ot dlSp5em os annunciantes mu amo
comme,rc|o. a que, ha muitos annos, se dedicara, os tem habilitado a ^tisfazer as
nrorasiajites da porjalacTo desta provUre e saas mnitreptes, olTereceBdo aos esnfa-
midoresipjort vantagnrto flue qualquer outro estabeleciitpjbste genero.
O rspe!taveUp|bfi), Signando se d> vjsitar este novo estabelecimento com-
mercial, tariflcira par I njtso o que os annunciafates vem ddier.
'

H
MI
sisuaaOBi ssmt...

g .. ".
3t O f i cl.P7f.ll a tir:,: ,-*, ,, ,:i 4 ,,e ,,.,.,..,. ..,,,..
(\ w .<. i ,.ei ;i:hh;ii ;,! ,C.;,M,,ilU.,. y.
i|i!,- .!,, i ,._. :..:, :r'iivp|. Ai, re 'si,.'. <.,.,, .,.
$ '" 'i,,i" v .. ..,, :,.'... ',:. %
I Cnilr.' .'i-, !:... O qual, .'I..:,., Ilf.;,;..:,,, rj:........ ,,. i
j........... '. 'jl'rtl, !')!' >\U (IfCK.MO r:i!.!i> .;., : ,..
9 "di ion -tiuJ .! -rl, de i i-i i .
L '-- l>" Uf ." .-nr :,..:> I- I : :.S :.- 1
B -o'-'- :-' I I .:!;., ..,- .: ; ,. ..
p <:- i, .,.,;, rftiif di i'i |u 11 h --. i i

i
i
i
O I i....J.. -" t ./.(.' .i "I ,.'.-, I.,
,1 #/* fl/Y .-. .(,
un i
........MiH-re* e
:;:: r-Ci f-:s

n
F05? '- : Iti Z
ir;.:.,-..; .; .,:.; Pi ro
T/Se <.*;i;ji
kFtCQt '.. c u L i
- j. K ::-. S
::oLrrTAS oc Ctu j ::r;... i :o
......* i
t. l.-.j i J. -. '' ''f'f.l r.-ircr !..i>.,H'.l4
!
Fljx;^ i.. .. i. .
.'
., .:,-
i
0 ''.:':> i1-- ij!.! rm '<>;;,_ rwii inn rmlc.eini xito nos
(.;v tr* | :.. iL l:.r:. :r \ !/h : flc ." -*/i .-^. .(do.
^ Vir. /.. C : i :, ,./ O ".../. >. :!: :' 1 be'.:-' .( ,.,. -o- X
t ontiwv llura.-.iC ot lemposeei.cuMt U a iatruguo(reeu.i. Yende-se na pharmacia e drogara de P, Mau-
rer &comp., ra Bar&o da Victoria n, 17
^aa
) ..f .
1 a 1 jk, .... *V;1
i

^fe"

.1oj cottomimoi proenrir tieiudo? para creditir
cssoi jirepursrtos, e deixamoi que fot applkaelo e oa
ualt'doa obtidos pelas pensoasqne se digoaramacceita-
es, (bes deers creiliis oga ; porqna sao semprs os
tta; 'doa coasderadoa raloitoa, delles qne lanc
ato o charlatanimo; saas ni qneremlo ofender aa pea-
tuqueesj-outaneamenle nos offerceeram. os qos sbsiio
io transcripta*, os (azenoa publicar naaisstaso-lbes
;os;a gratidlo.pels aUMiclo, sspsrsndo qae Tsobam
ales corroborar o eoDceite, e aeeeilaclo qua tem mera-
ida nosao xarpe. Bartholonuo C C.
TrDTAoes,
lllms. Srs. Bartbolnmeo ICE com s nair sabida
atiafscso qis declaro ser o larope Americano de urna
feecia eri.a-i'(l'ii">. roi <]' rffr-nn fci das ds
;teus luisa, a uoiilu speito nesr:o Se Ricd1*8atenibs -.corti e na tereeira cnier fui alliviado. e de todo ma
<-oo ; -o .;. son rite de qnes^
slo li ; 1 --.-e 1..- :l[\- 'lo man: \slo i
' S i.i V. i-s. amigo. e-
.'... j u.i. '".i-0j? .nor.
- '--\ .-
ht 1. :. o. ta
Vegetal Americano, de sos comfosirio. qnands ai-
arhen bastante doente de ama ronstipacto. qne at
lornou completamente roaco e j.e trouxe aos ferts
tosse, e me impojsibilitoa de cutnprir os meas,deie/ee
de cantor da emprou Itriea, oa agradecer-Ibes
completo restabejeciroemo, que obtirecom am sa vidrt
do mesmo xarope, depois de haver recorrido a miitet
tratamentes. Desejarei qae entres como en recoma
ao sen xarope para se rerem aliviados de Uo terrir*
iDcommodo, Uo fatal na*M pas. Com rnalor eaaslde'
recio contino a ser da V. Se1, tiento, venerador e
obrigado. Lajx Cremone. Recife 5 de setemkr
de 1868.
lllms Srs BarUsolomee *C0 xarope Vegetal i
ricano qne Vv. Se. tem exposto a. renda i de tea i _
cari? para o curativo d'aslbma, cmforme uiaerrei a>
pUcenao-o a meo tilho ioaqcim. menor de qaat;.
anona; siriima d'esse flagelki, qne al entteaer espeta
excedeata a dous annns baria resist'" a ostros xaroaat
de grande ntn>',ida. Oneiram poi V. Ss. eleertar s
ex|'n;ssioalla Bteritorio setfiett que Iba prestarais c; m o indieaev
xarope, cre-!itani*.-,tus ,;ra sembr de Vv. Ss. cria'-.
%" :''<" \ 1 :o NtUi. d Mendjut:. -
I *>S!;
VERDADEIRAS
PILULAS
DE
COI IODURETO DO FERRO INALTRAVEL
APPROVADAS PEU ACADEMIA DE MEDICINA DI PARS, ETC.
Posuuindo as propriedades do lodo at do ferro, convem MpaeialtMitej dm Ainreccols
pcaOFCLOSAS, a Tsica no principio,a fraquexa i temperamento tambem no caso da
Palta de cok, amenorrhsu em que precisa hkaoi sorna o sjwouk soja para restituir
lhe a tua riqueza e abundenciajiorroaes, ou para provocar regular o sea curso peridico.
IV. t. O iodnreto de ferro imparo oa alterado e nm medicamento infla!,
trriUnte. Como prova de anrexa e de anthencidade das Tersteelett H
aalata ala Mamasu-et, dere-se ex|f4r nosao aaHa ata aaraata aeaealia ^
Beato Irasa, aqai reprodttxtda, qae ea acba aa parta inferior aa aa
rataia varea. Deve-te deeeonflar du ftliiflcacos.
i taaTaai tm aaarase I fkarmoemHc; sata
>f**<
I
PILULAS
PHC. 2 RU S.S.&TIGLIN'
RA m I G
HOGG
Dmm'l F. MAURER et Cu, cm Pirnamhu* JOS BELLO, eat Porta Attgvti
SILVA LOPES, em Bahi; FERREIRA et O. aa MarnAio.
I




:

i "* M B*laf
conhtcidu aguas _,
no filo ducado de |
ser emprendas oofl
i" Div
3. Em diversas
s agua&jn%BH*s app:
ichy em FrayB dJKN
:sau, de Rodera, da M
hqio mettior vantegem
formas de dispepsias.
es donado e das tlsoeraj abdomloaes.
afnecf
-ae qoantoataa compolicio tmate, das bem
de Bilio, em Bohemia, da Faehingem e Gelaau,
CloprUk, na vizmliaruja da Krostadte podem
qne estas as moltsas seguales ;
Diario de Pernambuco Segunda fei 10 dt Dezembra de 1870
des crnicas da membrana no caso do sy-tema digestivo oa respiratorio.
4. Era alguns, caaqa dfgo e ae.thhiasis
5.' Nos catarral uafcaes etc. I
Segundo a soaryse feita polo dMiacto analvaador o Df. Afoitioho Vicente Loarenco, estas
preciosas guss conten *^-a- v < j i
Clorrelo de polassio. _
Bi -carbonato de soda.
a K i dtatoMMuj a
i de'eaL
t de-raagoexk. ->
de ferro. .
Addo sicko. 'Tino onsinn^
Materias orgnicas.) f o.ssaana oeo
Estando hoja na pratica da mediana, tanU va oto estas aguas alcalinas ganos, como
sejam ponco conhecidas nesta provincia as annuncitmos para eonbecimeoto de publica.
Deposito em Pernambuc. phanaaeja amanean* de Ferreira, fcUia & O, ra Dnqoe V
Afil3Rq
I
Precisase de um caixeiro com alguma pralica
de paarmacia: a tratrr na roa do Daqae de Ca-
xlas n. W.__________. _______
Precisa-se alagar ura escravo par eonduzir
Mas : trata-se no largo de S. Pedro n. 9.
fa
Canias d. 57.
..B ,
-------T------
------
Olidda
raunaa ala testa de N. S. do
un? '.
-------------
I
j i
i N. do
.
Festa de N. S. de Monte. Ainda esl para ser vendida a armacao e per
No da 7 de jaaeiro prximo vmdouro sera has- lenCeg da u||fc do pateo do Terco n. i!, milito
toada com toda a pompa e magnificencia o estn-1 propria para m^m principiante e tambera
darte da Excelsa Senbora do Monte, e as 7 no para quera quiiercoHocarm estaheleciraento bem
Tas da noute entrarao as vesperas com todo o nwnUdo por ter a casa commodidades para isso.
brl'haiitismo., -- < > -r a qual tem quintal e cacimba, e o sen aluguel
No da segarme sera solemoisada a festa de too raMavel, cedendo-e ao comprador a residenciado
roa .- DarlPf>Airi mim t ruinii a m*rrnitif*anffi4 *
sobrado de ura andar por cima da raesma, ama
vez qae precise delle para sua habitacao : a tra-
tar no mesmo sobrada
Prograaana da festa do reco-
Ihlancoto das freirs de Olin-
da.
Festa de N. S. da Conceico do reclhimento
daquella cidade.
No dia 18 do correte tem de ser celebrada
com toda a pompa e magnificencia a testa de N.
S. da Conceico excelsa padrocira do reclhimen-
to das freirs de Olinda.
Excelsa Padreeira, cora a pompa e magnificencia,
que costnma acompanbar a essa festa, a mais con-
corrida da provincia, e cortamente a de maior de-
vocao pelos innmeros e portentosos milagrea
com qne tem sido protegidos os liis devetos de
too antiga e popnlar devoeao. A festa ser so-
lemnisada com pontifical pregando no Evangelho o
Rvm. padre Antoni > de Albuquerqae Mello, e sen-
do a orehesta dirigida pelo bem conhecido profes-
sor Trajann Felippe Nery de Barcellos.
Tanto na vespera como em todo dia da festa se
far constantemente ouvir as mais bellas sympho-
nias, execuladas nao s em frente a ermida, como
naestacSo dos trilbos urbanos do Recie a esta, Negge dja cantara ,ua imeira migga Rvd Sr
cidade, pon r^ssa companbiacoadjuva com todas as Francisco RlvmnnJo dap Canha Pedroga teo
veras para o br.lhantismo de tao antiga e respe- orador n0 evangelho e Te Dtum o Hvm. Sr. padre
lave aevocao. __. I Jos Esteves Vianna cuja palavra autorisada e es-
AUjde e a noute sub.rao ao ar os mais bellos t lo gublime ?5l benj cJODnecido Da tribona 9a_
e bem construidos baldes. a*
Urna das melhores bandas de msica execntar
' tanto de dia como de noute as melhores sympho-
nias, de seu repertorio.
A tarde subirao differentes baloes da gosto ex-
quisitos e novo, e lindo o Je Deum ser desarvo-
rado o estandarte dd excelsa padroeira e condoli-
do por meninas candidamente trajadas de branc.i,
concluindo o festejo com outros tantos balSes, de
peis dos quaes haver trem para o Recife, to-
cando em todas as estaejies Intermediarias.
Recife, 12 de dezembro de 1870.
Os devotoi eticarregados da festa.
essa grande solemnidade sera que
fogo de artificio, ao qual preceder o arrearse o
estandarte da excelsa Videra.
Pede-se a concurrtncia de todos os fiis devotos,
aflm de se tornar ainda mais brilhanie essa tao
solemne como desejada festividade.
Os donos de casas de molhados que amigamen-
te feichavamoseUabelieir.ientos, para irein render
gracas e admiraremosianuineros miligres da virgera
esperamos que rennvem o antigos cjstumes, pois
a companhia dos tnlhos urbanos do Recife Olin-
da, j se cimprometteu pelo j irnaes fornecer
trem todas as roras oesde a vespera, aflm de
3ue nao falle condcelo aos innmeros devotos
issemioados p.->r todas as ras da cidade e estra
das dos arrebaldes.
Recife, 1? de dezembro de 1870.
Venda de predios r a villa da
Escada.
O liquidante da caix% filial do banco do Brasil
uesti provincia, vende separado ou inntament)>
orne casas sitas na estacao da villa da Escada,
que perlenceram a Joaquim Salvador Pessoa de
Siquoira Cavalcanti ; assim como vende o sitio
denominado t!a Olaria, ea parte do sitio da Ca-
chooira.
A' ra do Brum n. 9J, preeisa-se fallar com
os Srs. capites de campo, a negocio de seu inte-
rese.
Aluga-se
.4 casa da ru.i do Progresso, no Forte dos Ma!-
tos n. 3.
I
Aluga-se um sitio na Capunga ra das
Pernambueanas n. 25, cuja casa tem muitos cora-
modos e milito fresca : tratar na ra Nova
n. 13, e tambem se aforam terrenos que foram
do mesmo sitio.
Grande novidade.
BUSTOS DE HOMENS CELEBRES, trabalho
muito esmerado em diversos tamanhos: no sallo
de pianos e de msicas, ra da Lnperatriz n. 14,
loja, onde se receben! encommendas.
(I
Urna pessoa plenamente habilitada offerece-se
para administrar qualquer eslabelecimento de mo-
lhados, armazem d estiva, algodao ou assucar
anda mesmo como caixeiro ; ainda para liquida-
cao de qualquer negocio na capital da Parahyba
do Norte, onde esteve 32 aunos; ainda mesmo na
referida cidade para flscalisaco dos pesos de al-
godao e assucar, embarcados para fra della, e d
fiador idneo : a tratar na ra da Senzala-velha
escriptorio n 138.
iillrtllllll
PRIMEIRO E ANT1GO CORSULTOKIO !
HOMEOPATffl
Ulrigldo pelo Dr.
SANTOS MELLO
. Os habitantes do interior podara-no I
consultar por escripio, no qae serie ta*
tisfeitos com promptidio.
Presu-se tambem a chamados para o
interior, a preQO mdico.
Consultas, no consultorio das 10 horas
ao meto dia.
Chamados, a qualquer hora.
Aos pobres gratis.
43Ra do Bario da Victoria43
(Amiga rna Nora).
CONHECIDA FABRICA.
PE
0 salao de pianos e de
msicas
n. 58, f
andar, para a
nudou-se da rna Nova
liada
Imperalriz n. M, loja,
recommendando-se ao Illm. pu-
jnde contina
blico.
G. Wertheimer.
Precisa -se de urna ama que la\e e engomme
com perfeicao : na ra de Barao da Victoria n. 61,
! andar.
AOS 5:000^000
Estao venda os felizes bilhetfs da loteria da
Bahia, na casa feliz do arco da Conceico, loja de
ourives no Recife.
Na praca da Independencia n. 33 se da di-
iheire sobre penhores de ouro, prata e pednu
oreciosas, seja qual for a quantia; e na mesm;
asa se compra e vende objeoos de ouro e prata
igualmente se faz toda e qualquer obra de en
sommenda, e todo e qualqusr concert tendont
i mesma arte
Em casa de THEDORO CHKISTIAN
SEN, roa da Cruz a. i8, eucontram-se
effectirameote todas 78 qnalidades de vinbo
Bordeaux, Boorgogad e do Rbeno.
LUIZ ANTONIO MESQTTA FALCO.
Therezi de Jeus Pestaa Falcao, viuva de Lofc
Antonio Me-qnita Falcao, os filhos, filhas, ora,
genros o netos do mesmo fiaado, agradecem dr-
dialmente pe.-soas que se dignaran! acumpa-
nhar o *cadave ao cerailerio publico, e de novo
os convidara para assistir missa do 7" dia, que
deve ler lugar no lia 19 do corrente pelas 7 ho-
ras da ni, nlia na igreja matriz de S Jos, e anto-
cipam por esse novo obsequio os seus agradec-
meotos. ____________
Gonipaiiliia dos tri-
lhos urbanos do Re-
cife Olinda e Be-
beribe.
Levo ao conhetimento dos Srs. accionis-
tas desla companhia que, em consequencia
do oficiu da coramisso de contas de hon-
Um datado, no qu.il declara a mesma com-
miss5o ser-lhe necessario para terminar os
seas trabalhos, um espado maior de lempo,
al o dia 19 do corrente, tem o Iilm. Sr.
presidente da assembla geral resolvido es-
padar o addiamento da sessSo para o refe-
rido dia 19 bora, e no, lugar j annoociado
Roce, 2 dezembro de 1870.
No impedimento do i secretario
Antonio A. dos Sontos Portt.
_____ 2o secretario.
Amase copeiro
Para casa de pequea familia, precisase
de duas amas, orna para engommar e ou-
ira para algum emsaboado e servico de
casa, e um copeiro de 12 a 14 annos, ga
rante-se bom alugoel e tratamento: em S.
Jos do Manguinbo antes da igreja casa n. 2.
Aluga-se
o 3* andar do sobrado n. 8 da ra da Imperatriz.
i tratar com J. J. de M. Reg ra do Commercir
CONFITARA
Companhia Aliianpa
DE
seguros martimos cstabelecida
na. Bahia em 15 de Janeiro
de 1870.
CAPTAL..Rs. 2,000 000*000.
Toma seguro da mrrcadnrias e din erro risco
martimo em navios de vella e \apores para den-
tro e fra do Imperio. Agencii ra do Com-
mercio n 17, escriplorio de Joaquim Jos Gon-
Calves Beltro.
Au belsexe
COLD CREAM OF ROSES.
Cette Crome dalicieuse, nniversellement rpan-
due en Ang'eterre, o les fimmes sent si reBoro-
mes par la beaut et la transparence de leur
eint. doit s i repulation aux lraents balsamiques
el onctueux qui la composent, ainsi qu' sa cons-
tante efflcacil pour ad ucir la pean, la rendre
plus blanche, et contribuer ainsi la sant et a la
beaut, qui, toujours, sonl inseparables.
On la recommaede centre les iniations de
I piderme, telles que Bodtoks, riiLrots, Ta-
ches DE ROSSEUR, ROOCERS DK LA FlCtRB, et
eontre les taches Epatriqces el les /Jfflorescen-
ces. Cette Crme convient speialement aux fem-
mes enceintes pour prevenir LE MASQUE, auquel
elles sont sujettes.On s'en serl encor ponr em-
pcher la figure de se hler par le froid ou la trop
grasde chaleur.
Prix 1:500 reis
Sel dept au magasm Basar de la Mode50
Ru do Baro da Victoria.
CHAPEOS DE SOL
DA %
Ra do Barao da Victoria, esquina da Gamboa, do Carmo, n. 23 (Antiga Roa N Temos bonra de participar a nossos numerosos fregezes qne com a ebegada de um des socios da Europa, suprio-se a
osss com um completo sortimenlo de chapeos de sor de todas as qualidades como taObem, de todos os materiaes para os metmos
fabrico, como sejam armacoes de todas as qnalidades, sedas, mirins, alpacas e pannos, assim ceno de especial cotbilf ria armas
para caga, chnmbeiros e polvarinbos. 0$ chapeos de sol terio abatimento de 12, 15 e 25 por canto, comprando i dinbero
Este antigo estabelecimento, acha-se hoje montado n'uma
escala de poder servir vantajosamente os seus freguezes, atien-
to o grande sortimento de joias d'ouro, prata e brilhantes, que
sempre tem e recebem mensalmente das principaes fabricas da
Europa- cujos prepos sao m competiveis e as obras garantidas
de lei.
J9IOREIRA DlIARTE .
WH&>lM> (S^) fScnsxSj' &\3@> -.x>A*S \*&\&:
MANUEL & C.
, darem, sendo possivel suas encommendas, pois podero assim serem mais bem servidos, visto poderem escolber as ar-
'^~, maces as tazendas qae a demora da fabricacSo bem diminuta.
^. Tem a satisfacSo de participar aos seos numerosos freguezes, que em vista de ser-Ibes mais commodo, tem
*|| estabelecido urna nova fabrica de chapeos de sol, na ra da Cadeia do Recife n. 9, Lije ra do Mrquez de Olinda,
j^ onde achar5o os pretendentes, muilo avallado sortimento de chapeos de sol de todos s precos, qualidades e por pre-
5 eos mas commodos do que comporta o nosso mercado : convidam especialmente aos Srs. compradores por atacado
41 NJ4 DO BARIO Di VICTORIA 41
RA DO IMPERADOR N. 26.
0 proprietario deste esubelecimento avisa aos
seus numerosos e bjns fregueies, que acaba de
preparar um grande sortimento des melhores g-
neros do mercado para rechear ae despensas da-
quelies que tiverem bom paladar e disposicio pa
ra gastar os cobres, no lempo da festa do Natal.
Ah eojontraro expelientes presentes de fiambre,
vinhos, licores e cognac de todos os fabricantes,
boa cerveja, marmel.-^a portuguesa, ameixas em
caixinha3, conservas francesas e portuguezas, do-
ces de todas as qualidades secco3 e em calda
Tambem encootraro bolinhos para cha de toda-
as qualidades, bolos francezes e inglezes, pac-de-l
pudras, tortas, amendoas confeiudas, e quantidade
do ouiros objectos que seria enfadonho enumerar.
Attenpo
Precisa-se alogar orna casa para pouca
laaailia, em qualquer das fregoeziasde San-
to Antonio ou S. Jos desta cidade ; ou
tambem permuta-se orna casa muita boa na
ra Augusta com urna outra era ditas fre-
ueziasj tratar nesta typographia.
Joao Antonio de Siqneira, manda celebrar urna
missa no da 19 do corrente as 7 horas da manha
na igreja da Madre Deus, por alma da sua chora-
da mae, fallecida na cidade do Porto em 18 de ju-
nho do crreme anno; convida, pois, a toaos o
seus prenlese amigos qae se dignem assistir a
este caridoso acto, pelo que desde j se cunfessa
eternamente grato.
Onaulbus para transporte da es
ta?5o de Beleui Beberlbe.
Nos das semanarios as 8 horas e um quarto
damanha; '
A' tarde, s ,' e meia horas;
Nos domingos s 7 horas da manhaa, e tarde
as 6 e meia.
Precisa-se de urna mulhcr idosa e de boa
conucu, para creada de um hornera soltelro, exi-
gindo-se que saiba eagommar e tenha habilitacSes
para bem administrar o servico de urna casa
na ra do Imperador, armaiem n. 36.
"CADERAS"
Um elegante sortimento de cadeiras de faia a
imitacao de mogno, e outras de Jacaranda, e bem
assim pretas donradas. obra de gosto : vende-se
as dnzias no armazem de Tasso Irmaos & C no
caes de Apollo. ''
Agencia em Pernambuco
Do Dr. Ayer
Petoral de Cerej
Cora a phtiyfcica e teda* as molestias do peo
fea isa parrllha
Cura ulceras c chagas antigs, impigens e dar-
%T03.
Tonleo
Uncserva e lircpa os cabellos.
Plalas ca#f;arlcas. ,'
Puramente vegetaes igra mercurio ; cura se-
5e, pargao e puriflcam oii o system humano.
Vende-s cnectivamente ei.i caaa de Samuel P.
Johnston 4 C rija d Sanzalla Nova a, 41 '
AO PUBLICO
Perguqta-se ao bucharel Jlo Goozga Baeellar,
juiz municipal do Cabo, a que horas e annde deve
ser procurado para despachar as partes, visto
como de ma/ibaa esl dormindo al as i horas,
as tiesta no banho, ao meio da esl jamando,
sane a rna, nao despacha, volta as 3 horas da
jardo diz que nao despacha aquellas boras. Re-
corla-me agora das pergunlas innocentes feitas
?2n'T Perriambucaw> d) 17 de novembro de
18b9. Pedimos ao governo providencia a respeito
pois ao averno que compete tomar-Ihes stas
Cabo "
COMPANHIA
DOS
TRILHOS DBBAHOS
DO
RECIFE A9 OIjnVDA.
AVISO
Nos domingos e das ..notificados, parli-
ro de Olinda trens' noilc emquanto bouve-
rem passageires sufficientes t-mbora j se
tenha esgotado o numero de viacens marca-
do as ubellas.
Na vespera e dia de Natal pariiro quer
do Recife qoer de Olinda trens loas as
horas do dia e da noite desde o meio dia
de 24 al 10 horas da noile de 25 para 26
do corrente mez. Os tren> expressos nlo
conduzir3o passageiros, de 3* classe, mas
nao param em estac-So alguma nem interrom-
per5o as viagens. designadas as tabellas, e
no presente annoncio.
Declara-se mais que os relogios das es-
tacoes serlo regulados pelo do observatorio
do arsenal de marinha, para o que est um
empregado especialmente encarregado desse
servico.
as e constantemente por moeda legal os bilhetes
que por ventara bouverem recebido os
passageiros por falta de cobre para troco.
Recife, 6 de dezembro de 1870.
O superintendente,
. de Abreu Porto.
Pede-se aos Srs. sssignantes que tragara
os seus bilhetes de assignturas para apre-
sentarem, sempre que transitaren) nos trens
sem o que terto de pagar suas passagens,
igual pedido se faz aos Srs. que tem passe
do governo e desde j apresso-me em agra-
decer aos memos Srs.
Recife, 9 de dezembro de 1870.
O supreintendeote.
___________ A- de Abreu Porto.
Neste novo armazem tem um
variado sortimento de fazendas
francezas, inglezas, allemaas e to-
das todas se vender por precos
mdicos, afim de acreditar a este
novo armazem.
Gasemiras inglezas,
francezas, de todas as
qualidades, brins de
cores e brancos, colei-
ri hos modernos, cha-
peos de sol de seda,
tinos.
DE
ARRIJDA IRMAOS.
RA
Baro da Victoria
antiga rna
MOYA
N. 41.
Assim como tera orna grande
ofQcina de alfaiate, montada com
todos os preparos que ha demelhor,
dirigida por habis artistas, que
pela sua promptido e perfeifo
nada deixam a desejar.
Roupa de todos os
amanhos para homens
meninos.
Por todos os paqne
tes recebem-se as me-
lhores e mais moder-
nas casemiras que ha
na Europa.
RA
i*.
Baro a]f rf coria
antiga roa
NOVA
N. 41.
Este estabelecimento acaba de soffrer urna reforma radical em acceio, artistas e commodos, e m pontoalidade as encom-
mendas, finalmente em tudo afim de melbor servir os seus numerosos freguezes deixa-se de annunciar todas as fazendas, para
q5o se tornar massante
contas.
-abo 13 de derem'jro de 1870.
Jos Paulo do Reg Brrelo.
Praoisa-sode nm feitor para um "sitio, p
Precisase de um f itor para engenho, prefe
nndo-se portuqer, daodo se bom ordenado'*Ja-
zeodo-se vant.|*s ; a tratar no engenho Bonito
t/eguezia do Nazaretb, ou ra do Mrquez de
Ulinda (untr'ora Cadeia) o. 56, andar.

pra-
Precisa-se de
gas
AMA
urna ama para tratar de erian-
na rna do Crespo n. 7. loja de miudezas.
Na travessa da rna
das Crnzes n, 2, pri-
meiro andar, da-se di-
nhelro sobre penhores
de onro, prata e brilhan-
tes, seja (nal for a quan-
tia. Na mesma casa cora-
pram-se os mesmos me-
taes e pedras.
,
Ao passageiro do vapor Gironde que Ihe tiver
faltado um bah gra--'- -'*-
grande,
da Cruz, armazem n. 54.
ple procura-lo na ra
ATTENC)
0 administrador da tasa
convida seus amigos para ir
rr.ao de yacca feta por um hbil cosinhelro chi-
nez, no domingo {rofimo ai hora da manhaa.
de lour em Olinda
irem aborlal a boa
Prevencao
O abaixo assignado previne a quera fnteressar,
que a escrava Benedicta, perteneente ao Dr. Can-
dido Jos Casado Lima, Ihe est empenhada por
escriptura publica passala em notas do tabellio
Almeida ; assim como que pelo juizo municipal
da vara da capital se promove a devida execn-
cao.. Kinguem, portanlo, poder legalmente faier
iransaccio alguma com a precitada escrava, pro-
testando-se proceder criminalmente contra quem
a oceultar. Recife 25 de novembro de 1870.
Ag;aro Joaquim da Fon-eca e Albnquerque.
O abaixo assignado na qnalidade de proeii-
radorque fi do M->ci |J
clara, ano cutregou r.c.t...: .
Irmaos & c, a procuraco em que a Vise ndeca de ,'
Loures, como nica hordeira de mu finado n
do os constitus seas segundos procaradores i
Cilade. |
Pernambuco 14 de dezembr* de 1870.
P. P. de roen marido Elias Baptiata da Silva, I
Genoveva Rosa da gilva. I
ferro
RA DA CRUZ \. i
Chapas de ferro galvanisadas para telheiros, etc.
Tachas de ferro para assucar, etc.
Formas de ferro para assucar.
Arados americanos.
Carrinhos de mSo.
Venezianas para janellas.
Machinas de descarocar algodao.
Machina de cortar fumo.
Mchica de cortar papel.
Motores para dons cavallos.
Machina a vapor para mover machinas de algodao.
Palancas, prencas, cofres de ferro, fog5es de ferro, enxofre, ^salitre [limalha de-
muitos outros artigos.
FALSII CA^OL8
dasPILULASoeBLANCARO
DOLUM)
(CAVE
A nossa correspondencia do Brazil nos faz
saber que as prncas d'este paiz acho-se
actualmente inundada* por urna multiddo de
falcificafes vis dus nossos producios (textual.
Pura garantir-se contra esLis composicos
mais on menos periysas, que esooudein-se
d'essa maneira por detrae das nossas marcas
de fabrica e mesmo da nossa linna, rogamos
*qui com instancia aos mdicos c aos do-
pre i' ori".
nossos collef.
duvidar qu4
seriamente s.
couimeixio,. esles honrados iulermedianos
nad se montan diguos da coolianca dos seus
freguezes; nao de duvidar igualmente que
repudiando toda solaridailfe rom os lalcifi-
cadores e os seus rumplices, riles naosefa-
co um dever on cm dianlc de procurar
1S_ VEIIDADE11US 1'iLULlS LE lL\NCy<0 COI
origens terfas, cnil''rcanilo-se, quer a ns-
mesnios cm Pars, quer indirectamente aos
principaes correspondentes, ou ento
isasas mais recosa-
ivci da Franca ,
lo seu paiz. C's1*'.
do 1'harviaceMiUo, ra Bpnaparte, em Park.
jo-se ai noiui Flala Mi principaei Pliarmacia.





A
Diario de Pemambuco Segunda feira 19 de Dezeuibro de 1870.
=
2=
A* arsaaxe do Va-
pw Franco*, raa
da Bario da Victo-
ria (Mitr ora
Nra) n. f.
" lI.T'lf
.
Ao armaxem do Va-
por Fraaeez, raa
do Bario da victo-
ria (ootr'ora roa
*ova) a. 9.

, quinquilharias e brinquedos
para meninos.
Este estabelecimento acaba de receber pelos ltimos vapores e navios de vella chegados da
Europa todas aa soas eoeoromendas do grande sortimento de festa, offerece ao public' em feral, por
pregos.muid* mais possivel, os artiges seguirnos:
CAJLfCADO
Bolinas para senhoras^-duraque branco, preto
e da oatras muiuu corea escolbidas do ultimo gos-
lo da muda.
Botinas para meninas igual sortimento.
Sapatinbos de salto para senhoraduraque pre-
to, branco e de core*, e de couro de lastro.
Botinhas para criaogas, proprias de baptisa-
dos.
Botinas de diversas qualidades para hornera.
BjUs russianas para montara, tanto inglezas
de couro da Hussia para viagem, como francesas
de Melier, beserro fino, para passeios.
Meias perneiras para meninos de 10 a 16 an-
DOS.
Sapatos de brim branco para homens.
Sapatos de vaqueta de lustro cora sola de tna-
deira, proprios para banbos.
Sapatos de borracha para bomens e seaboras.
Sapatos abotinados, de differentes modelos, omi-
to bons e fortes para meninos e meninas.
Sapatos de tapete, avelludados, Cbarlot, casi-
mira preta, de tranca porluguezes, para bomens,
senboras e meninas.
Perfumaras.
Extractos finos, banbas, cosmticos, leos, opia-
tas, aguas de Cologne em garrafas de crystal para
presentes, agua divina, agua florida, dentfrico la
vande, agua de toilet, tintura para barba e cabel -
los, pomada hongroise para bigodes, pos de arroz
e sabonetes, todo isto de priraeira qualidade, dos
fabricantes Coudray, Piver e Lubin.
Quinquilharias
Lnvas de pellica brancasJouvin.
Espelhos grandes dourados para salas, quartos
e gabinetes.
Leqoes para senhoras e meninas.
Joias de ouro, briqcos, transelins, pulseiras,
botoes de punhos, de abertura, crrenles e chaves
de relogio, tudo de ouro bora de lei.
Brincos de plaqu imitagao de ouro.
Correles para relogio.
Abctoaduras para colletes e para punhos.
Albuns de velludo e marroquia para retratos.
Mammadeiras de .'di'o para crianzas.
Caixinhas de costura, novos modelos cora mu-
sir, proprias para presentes.
Quadrinhos dourados para retratos.
Toncas e sapatinbos de Iaa para enanca?.
Capellas para noivas e para pastoras de pre-
sepios
Caixinhas com vidros de augraeito para ver-
se em ponto grande a photograpbia dos retratos.
Ps de vidro para pianos.
Thesourinhas para eos ura e unhas.
Bolcinhas de seda e de veludo.
Gestiona? para braco de meninas.
Balaios para costura.
Cess d'arame pratiado para frutas e pao a
mesa.
Ricos arligos de phanlasia necessarlos para toi-
Ihetes e proprios de presentes.
Jarros e bouquets de porcelana para santua-
rios.
Registros de papel fino rnui delicados.
Quadros proraptos para collocar vistas.
Moldaras douradas para qua iros.
Eslampas de bellas paysagens de cidadas, de
figuras e de santos.
Espanadore de penas e de palha.
Carteiras para notas e para dinheiro.
Caixinba de msica de darse curda.
Ponteiras de espuma para cigarros e charutos
Grvalas de seda pretas e de core?.
Bengalas de cana com castdes de marfim.
Ditas de baleia, junco e de muitas qualidades.
Pentes finos de marfim para caspas.
Escovas para faci, para cabello e para dente?.
Lunetas ou pencinez de prata dourada.
Ditos de tartaruga e de ac.
Ocnlos de prata dourada e de ac.
Reverbero transparente para candieiros.
Ditos para lanternas de pianos.
Cotos econmicos para vellas de spermacele.
Cordas para violo.
Porl-pratos para mesa.
Caixinhas de diversos modelos e prego?.
Objeclos novos de mgicas o meltor possivel,
para divertir meninos.
Malas, saceos e boleas para viagens.
Estojos de viagens, completos com na vainas.
Esporas de metal branco para saltos.
Chicotes fortes com raarlelo para viagem.
Ditos de muitiis modelos, de junco e de baleias.
Luvas de lio d- Escocia brancas, e de core?.
Ditas de camurca amarellas.
Machinas para fazer cafe.
Globos de papel de cores para illuminag5es de
festas campestres.
Baldes de cores, de subir ao ar fcilmente.
Jogos de domin, da gloria, visporas, rodetes,
bagatela e outros j gos allemes.
Esterioscopos com as mais bonitas vistas, de
figuras destacadas e grupos de familias.
Armnicos ou accordi ras de todos os tamanhos
e novos modelos com trmulos.
Realejos pequeos com novas msicas.
Cosmoramas de varios tamanhos, com difieren
tes vistas mu piurescas.
Para lapiahas.
Presepios completo com todas as pecas e sorti-
mentos avulsos de fi^urinhas, animaes, casas, jar-
dins, etc.
Attenpo
Todos os artigos mencionados ne-to annnncio
vendem-se rauito baratos, nao s pelos abatimen-
tos oblidos dos fabricantes em attencao as grao-
des e repetidas compras, como pelo bom systeina
de vender muito anda mesmo com dirninutiss'imo
lucro.
7 Ba do Queimado 7
DE
Nova loja de joias
RA DOICABUGA* N.9 A.
DE
Manoel da Cunha Saldanha & C.
Acaba de abri-se este estabelecimento de joias, o qual tem grande sorti- *2|
lento de todas as joias de ultimo gosto, as quaes vender o mais barato pos.- nS
ment
Bivel.
pos.- w
'II
Todas as joias sero garantidas ouro de le, pois os seus dones tendo em 2
vista $o adquirir freguezia nSo olvtdaro, vender bom e por prec ra os mai
razoaveis possiveis.
Conrida-se o publico a vir a este- estabelecimento, certo de qs Gcar
tatisfelto.
A' MO DE ORRUA DO CABCA N. 9 A
i~m
HOREIBA i BASTOS
h.
de
fazendas
E' chegado a este novo estabelecimento o mais bello sortimento
tnai, sendo sua especialidade enxovaes para noivado.
Vestidos de blond de^sda ricamente bordados.
GorgurSo de seda branco para vestido.
Colchas de seda para, para cama com ricos desenhos.
Ditas de lia e seda, id-m idem.
Ditas de crox, idem idem.
Cortinados ricamente bordados para cama e janeilas.
Croxs para cadeiras e so fas.
Vestidos de cambraia branca bordados. OllltlfUJIlfl
Popelines de lindos gostos. RI \ J f[\\
L5as de diversas qualidadas, lindos gostos e moderna.
Ricos bnirnus para passeio, com listras de setim.
Sabidas de baile o que ba de mais rico. .
Crotones para vestidos com lindos desenhos.
Carnizas bordadas e sem bordados para senboras.
Camisas bordadas muito finas para homens.
D tas inglezas para bomens e meninos.
Seroulas de linho, e um grande sortimento de roopas feitas e de fazendas que
< enfadonho mencionar.
Luvas frescas de Jouvin
Sortimento de tapetes para guarnieses de salas, alcatifas para forro de sala, e o
(rande sortimento das" acreditadas e verdadeiras

Esteiras da India
carj
*
fe
JOS ALVES TENORIO & G.
RUA ESTREITA DO ROSARIO N. 5
Jos Alves Tenorio, professor em homeopatbia, tendo-se retirado do laboratorio
homeopatbico e consultorio de sen illustre e finado amigo o Dr. Sabino 0< L. Pinbo,
que por riinitos annos estiverara sob sua direccao, tem se estabelecido, iob a Arma
Jos Alves Tenorio & C, ra estreita do Rosario n 3, onde animado pela confianea
com que honraram-na os amigos da homeopathia Ibes offerece e ao respetavel publico
um completo sortimento de tedas as preparares homeopticas eonhecidas, recebidas
das mais acreditadas casas de Londres e Pariz, e indigmas, bem como tudo qnanto diz
respeito a homeopathia e sua pratica, esperando que continuetn a hnralo com a mes-
ma confianea. para o que nao se poupar afanos.
l'recos das boticas
GLBULOS.
i botica de 12 medicamentos.
t~4
1
'0
m
10*000
20*000
30*000
35*000
40*000
701000
24 c
36
48
GO a
120 c
Sao uteis essas boticas aos Srs. mdicos,
fes do familias, capites de navios, e em geral
pratica da homeopath2.
Medicamentos avulsos pelos procos das outras drogaras, bem como chocolate de
Londres e do Maraohao para uso dos doentes em tralamento pelo systema homeopathico.
TINTURAS.
botica de 12 medicamentos.
24
t 36
< 48 c
60
120
sensores de engenho, fasend iros, che
todos quantos quizerem dedicar se a
13*000
25*000
40*000
50*000
60*000
110*000
KA
KA

g
: ?
JA
s
t
CONFEITAMA
DOS
ANANAZE
Eua da Cruz n. 16
Encontra-se sempre : AMENDOAS confeitadas: xaropes refri-
B0LINIIO8 para cha ; pao de l; bollo gerantes; vinho Bucellas, branco e tinto,
inglez; pastis de differeut-'S qualidades; proprio para mesa; vermouth ; absyntio;
doces de fructas, em calda e secco, em cogoac; vinbos finos, champagne.
barrilinh is em latas.
CAIXINHAS com amendoas e pastilhas l'APEIS para sortes,"1 ditos vendados
proprias para presentes ; cha preto, raiodo, para cobrir bolos.
de superior qualidade ; latas com pecegos
a i 0000. PRESUNTOS e fiambres.
RECEBEM-SE cncommendas de bandejas com bolinhos, com armaclo de assu-
car e sem ella; de pao de l e bolos enfeitados com disticos e sem elles ; e de outros
muitos objectos proprios para grandes jantares, bailes, etc., etc.
FRUCTAS E FLORES.
13Ra da Cruz13.
DOCES SECCOS
CAJ'
L1MO
ABACAX1
LARANJA
CIDRA, ETC.
FRUCTAS
ABACAX1S
SAPOTIS
UVAS
LARANJAS
MELOES, ETC.
FLORES
BOUQUETS
PARA NOIVAS
PARA JARROS
AVULSAS
PLANTAS, ETC.
Neste estabelecimento encontrar o freguez todos
03 dias presuntos em fiambre, pastis, bons-boccados,
doces de ovos, e de todas as outras qualidades, sec-
eos e em caldas, pudins, e tudo quanto se possa de-
sejar no corfortavel um excellente LUNCH ; fortifi-
cando, aquecendo, e refrescando o estomago com os
melhores vinbos do Rheno e Bordeaux ; xaropes de
todas as qualidades para capils; sorvetes de todos
os fructos, com especialidade as tergas-feiras, quin-
tas e sabbados o excellente sorvete de creme.
Tudo com muito asseio.
NOVO SORTIMENTO DE MSICAS
NO
SALAO DE PIANOS E DE MSICAS
Ra da Imperatriz n. 14 loja
contera :
MSICAS PARA PIANO das mais facis at s mais difficeis, toda dos autores m;
.,.,. modernos as melhores ediedos da Europa e do Rio.
NOVIDADES quadrilnas, polkas, walsas.
TANGOS, Habaneros, raodinhas, cances brasileiras e hespanhola, romances francezes,
arias e cavatinas.
Operas inteiras proprias para presentes
tudo para piano e para canto da opera
mais
GUARANY
Em breve se principiar a dar um catalogo do grandissimo sortimento deste es-
tabelecnnentu. Encarroga-se de encaclernac5es etc.
GRANDES0RT1MENT0 DE MSICAS
NO
'SAI/lO E PIAMOS E E MSICAS .
Ena da Imperatriz n. 14 loja
Parafhuta, clarinetta, rabeca de pequea e grande orcheslra, para banda
militar e harmonio, lo.proprio para este-tempo de festas e para augmentar a solemni-
dade dos actos religiosos.
Todo pedid $ d.'.s provincias ou Z32 ser3 Pr "aptamente alteodidos.
A luga te
sari: fe.ii urna lio ftflWeira^ na Varze* ftor frp^otfiWido :
tralar do o)esn>o logar cm a casa conlif ua.
ftuW.
Vende se um puno em ferfeMb el;ido, do .fa-
bricante Trasimaim por prec.) razo;.-el : na rea
do Llvramenlo n. 38, armaiein do flas.
Precisa se de om menino de !2 a 11 annos,
para caixelro ; na padaiia da rqa do H-ngel nu-,
mero 9. f
hviJendo
Paga-fe o 6* dividendo da ma.-sa f ,|lida de A
morim Fragoso A C, raio de 3 0,0, todas as
5x9-fcira das 11 liaras da natiha a 1 da-tar-
de, no eacriptorio da ra do Vigario o. 13, pri-
mairo andir.
AU
DYVETOT
HRua Estreita do Rosario-i^
Compra e vende roupa -feitu
nova e ^ elha, objectos de"
cosinha e de mesa, e
tudo que perten-
ce ao uso do-
mestico.
Frederico Maya
CirurgiJo den'isla
Acba-se em seu consultorio para os trabalho:
de sua arte noa dias uteis das 8 horas da manha
as 3 da tarde, e aquelles que por suas oceupa-
c<5es n5o poderem comparecer ne?se dias o acba
rio das 9 horas da manha as 2 da tarde noa do-
mingos e dias santificados. Tambem continua a
prestar se a qualquer chamado, tanto na cidade
como para fra dalla, sendo procurado em seu
consultorio a ra do Duque de Caxias, sobrado
amarello com entrada pela praca de Pedro II.
PAIlilllt,
Aluga-se a padaria alleniaa em Santo Amaro e
as condeses sao favoraveis : a tratar cern seu do-
ne na ra da Guia n. 56.
priado.
Na ra do Duque de Caxias, outr'oi a do Qnei-
mado, n. Ib, 1* andar, precisa se de uoi criado
forro ou captivo, de idade de 12 a 16 annos.
COMPRAS.
NOVIDAOE.
O Cesta, proprielario do armazem da r*.dra
Maamora arca dCruaesn. 4, nfferefpor ci-
nheiro con'add o que de meltor ha no mercad.u
por ter recibido mallos dos gneros descripio*
pelo ultimo vapor.
Queljos flamengos do ultimo vapor a !#S00
bicootos em caixinhr-.s deconfifyra^es diver-
sas proprias para ferias as criancas.
Vela sftarinas a 6i0 n. libra.
Chocoble- de U a 1/800 a libra.
Especial n anleifta ingleza e francea
Ilurialices para sopas denominadas Jalienne, qct
snbstitue perfeitamentc as mais frescas ervas.
A verdadeira farinhaamericana vinda d costa
propria a 390 rs. o maco de urna libra. *
Bolachinhas de todas as qualidades e dos me-
lhores fabricantes.
Emita? fraocezas e portuguezas.
Vinho de todas as qualidades.
Especial e aromtico sabao de familia a 500 *
o kilo.
Molho inglez.
Ameixas e marmeladas dos melhores fabricas-
les.
Caf de Moka..
Todos
LomJ muito maior vantagem compram-sc
ouro, prata e podras preciosas e u obras velhas: ua
!oja de joias do Coragao de Oaro n. 2 D, ra di
Cabug.
Chumbo e estanho
velho.
Compra se em grandes e pequeas purgues ; na
ra Kova n. U._________________________
Compra-se'urna victoria nova ou etn Im
estada, com os c mpetenies arreios : a tratar n>
ra do Cabug n. 18, armazem Flor do Progreso
V:K0AS.
Aquelles que quizerem him satisfazer as
exigencias estomachicas, nao tem mais que
faz-r tima vizita ao smpre bffi fsfrtido
armazem de vveres do Campos <'a roa do
Imperador n. 28, pois ah se chana em
Grande retiido um escolhido e \ariadissi-
mo sorlimento de gneros proprios destes
terapos do Rega bofes.
Limita-se a fazer menc3o dos seguinles g-
neros que serSo rrcebidos com
AGRADO
a saber:
Presuntos inglezes e de larcegc
Salames de Li' n.
Conservas inglezas e franeezas.
Queijos Londriuos, Flamengo* e Pratos.
Toucinho ioglez para lunch. ;
Champanhe, superiores marcas.
Biscouto, bolaxinha e bolinhos em latas.
Cuouricas, linguir,as e salchichas em ditas.
Licores esiomacaes, cominfflo, curaclo e
aya-pana.
Bilter Perynees e outras marcas.
Cognac maitell e outras dilas.
Charutos do Costa, por diversos refos.
Vinhos de diversas qualidades e prefos.
Cerveja (Bass) ao torno a 320 rs. o copo.
Adubo a 200 rs a libra.
Linguas seccas a 240 rs
Concervas franciz s com. tularas.
Vende se um excellente piano crisontal pro
prio para principiante, por prego muito cmmodo:
na ra do Livramnnto n. 3i
, a
das
? eebr-
P irto
38.
urna canoa de amarello toda pregada
qual carraga 10 ptssoa-: para v r no
canoa?, e a tratar na roa do Apolle n.
Vndese
na ribeira da Bjavista n 43. fatinha de Horibe
ea a 720 r., da Escada a GX) rs. e de Goyannaa
iiOO r?., com a vista dos compradores onuccer >
a verdade.
de Mirgo n. I
Ricos espelhos de Veneza.
Vende-s na loja de Bernardino Puarte Cam-
pos & C, sita ma Primeiro de margo n. 16, os
mais elegantes espelhos de rhristal.
Candieiros e gaz eco-
nmico
Acaba de chegar nova remessa dos tao deseja-
dos candieiros todo de porcolaua es quae muito
se acommrdam pela segurang-a, accio e economa,
e ainda pela excellente luz prefervcl mil veies ar
kerosene: venham antes que se acabem, nico
deposito da ra larga do Rosario n. 8, bolicr.
ATTENCAO
9
Vende se urna canoa de carregar 1,200 a 1,300
lijlos : a tratar na ra Direita n. 101,
CAVALLO
Vende-se um cavallo, rudado apatacado, bom
andador de baixo, meio, e e>quipador; lude isto
com perfeigao, sendo muito novo e inteiro, sem
achaques encoberios e desemeobertos, proprio pa
ra os amantes dos bellos passeios da festa : tra-
tar no patio da Kibeira n. 25.
Acabam de i negar pasa a loja de ]
fazendas de. Antonio de Mnura j
Roltm A C, roa do Duque de j
Caxias n. 31, os seguin'es ar-1
ligos.
Lindas sedas de cores,fazend> superior ]
a popeline, pelo baratsimo prego de j
2J500 o covado.
Chapeos de feltro brancos e pretoj pa- }
ra homem a 5|.
Dites de castor brancos a 8.
Cassas francezas pintadas de delicades 1
padrSes e-uperior qualidade a 500 rs. o ]
metro.
Cortes de casemira de cores, fazenda j
que todos vendem a 104, a 7.
Alpacas lavradas a \i o covado.
Cortes de Iaa com 15 co ados, faenda
superior a 530O.
Ditos de cassa a Amele a !>i.
Camisa) de linho ingieras a 3i.
Alcatifa com 4 palmos de largura a
500 rs. o covado.
tea** ****
Farelo multo novo, saccas grande--, e gaz mnrn
bom em grandes e peqnenas prgd^s : ludo iooi
pregos razoaveis, no armazem de Matheus Austip
& C. : na ra da Se na la Velha n. 106.
ltenlo,
Vende-se duas casas na cida le de Olinda, sendo
urna casa terrea grande na roa da Misericordia t
om sobrado na ra de Malhias Ferreira: Icalrtr
na ra de Hortas n. 96.
VENTOS-HE
na ra do Amorim n. 46 barrizinh^s cjm azeitot as
muito boas a 600 rs para acabar.
Venie-se bom fumo de G^aranluins: para
vdr a mosira na ra do Rosario da Boa-v sta ao
volver p ra Sania "ruz, sobrado n. 53, na loja, re
flnaeSo di Vilella.
S na l...ja d baraleiro
(amiga ma do Crespo).
Madapnlo fr:'.rrez C'-m 2i y ( r00.
Cassa* francexis corea fixas, envido a 80 rs.
Chitas rxrs c claras, c > d > i 2*0 rr
D tas percales, covado a 400 rs.
Pegas de algodSd cim 4 toaloot d>; largona
4J0OO.
Ditas de cambraias brancas com K jarda- a
iloOO.
Duzs de loaili.'1 : 1 icheadas a 7.
Ditas de ,ia> felpuda! Unas a 9]fSfJ0
Pjeeasdebrilb ': is brft-caa com lr eovbdjf
pelo barato prego dcrJ'iOO.
Ditas dilas assetinadas a 8jo00. l-t. f Da I .
do Laralciro rua.l* di' Marco n. 1
um fogao ameritiBO novo proprio pare tu
grande Lmilia: a Iratar ra roa do Afollo nu-
mero 28.
Latas com toraeira
ULT.sIA LNVLNiJ.V,
Qaem comprar d > ga?. nesta> latas i prensa
passa-lo para garrafas ou dcpssLto. p -, ie pode
tirar para os candieiros todas as vi-zes que preci-
sar sem derramar ou perder Una gata : vende-se
no armazem do LTu IV.ss. trasera da Madre de
Dos n. 8.______________________________
Vende-so sement de co novas : na ra da f-iia n 7,laberoa,_________
0 QUE !!
rame a 40 rs. por libra ? verdade ; ningeem
por certo deixara de cmpralo pr>r fsle prego,
tendo de cercar sitios, hortas, jardiBs, etc. ; por
tal prego serve at para carmniacha e galinhei-
ros: vende se no armazem da b la amarella no
oilao da secretaria 'la polica._______
INDEMNISADORA
Em eomprimento do disposto no arl. 19 do<
estatutos da mesma companliia serio vendidas 89
de soas acgJies em seis lol'*, sn 1 lote de 20 aegoes de ns. 181 a 2iO.
1 dito de S ditna de n?. 271 a 27o
1 dito de 0 dita- de da 37C a fi$.
1 dito de 5 dilas de ns. 616 a 620. -
1 dito de 5 ditas de ns. 651 a 65T.
i dito de 20 dilas de n-. 971 a 990. .
1 dito de 5 ditas de ns. 996 a 1000
Os pretendentes devero dirigir suas propostas
por intervf nco do correlores gerans al o dia VI
do correnle ao escrip'.orio da dita ctmpanbia, ra
do Vigarm n. 4
Ric.l'i'. 15 de dezembro de 1870.
Os directores,
Antonio Jos Leal Res.
Joan da Sita Regadas.
Jos da Silva Loyo.
Gaz.
Vende-se gaz do amigo fabricante DvV!S, em
latas c >m torneira a 7*60, em garras a 400 rs.,
manleiga para tempero a 560 a libra, not?s r
a 280 a [ibra : no palo do Carino, esqui.; da ra
deHorta*. araiazem 2.
ittenQo.
i*h* para limas de primMri qna-
cliegada ltimamente, por prego c<>mmo-
' rmo n. 4.
de fazendas, na ra do Baro
da Vctor a n. 12,antiga ra
Nova.
Vende-se chitas, a'gndes. f'ri cambraias,
(hales, basiuioas p de Igndio,
timiama propria [ara fitfdam.oto dos menr
(o arsenal de inerr. nwi e um gran*;
tDr[ as qualidades
mim ra eofadorh''
mencionar, e qno se
para acbar. _______
Tlvas de Jouvin
A L'-a'.daileTua n 70 re''
irlo ultimo var rtimeuto de lu-
jas brancas e i enhorai e


V
Diario de Pemambuco Segunda feiru

S
-l
_
BAZAR DO
60-RA DA IMPERATRIZ-^

ODBflTj
DE
PEREIRA DA SILVA &
peta mwmos prei qoe coi^ das Exroas, familai se-daro fc fJJ g^S^lfbea ^calxas *"
PECHINCHAS
DO
Neste imp'rante estabelecimento encontrado reapeitavel pnbliaa. nm grande e variado sortimento de fazendas do mais
parado gosto e todas de primeara necssidade, qoe te vendem mais baratas do que era outra qualqoer parta* visto que os ne-
na socios desta firma, adoptaran o systema de s tenderen DINHEIRO ; Pra gftderem vender pelo costo, limitando-se apeoas
ganharem o descont ; as pessoas que negociara enu pequea esca'a, nesta loja, a armazem poderlo fazer os eos sortimeatos
pelos meamos precos qoe compram as casas nglezas, (importadoras) e para
mostras de todas as faiendw, .oa lhes ley^m esa saas casas para escoTherenv
TAPETES GROSDENAPLES PRETOS .'-"
Chegou para o Bazar do Pavo o mais Chegea para o Bazar do Pavo um graa-
alegante sortimento de tapetes grandes, pa- de sortimento dos melhores grqsdenaples
ra soft, com 4 cadeiras, ditos mais peque- pretos que tem vindo ao mercado, que se
aos, para doas cadeiras, ditos para veDdem de 10600 at 50000 o covado ;
pianos, camas, portas ; etc. vende-se por sao todoa multa em conta.
menos do que em outra qualqoer parte. | ESPARTILHO.
ROPAS PARA HOMENS | No Bazar do Pav5o recebeo-se nm elegan-
No accrtditado Ba ar do Pavo encontra- te sortimento dos maismoderoos e melho-
r o respeitavel publico nm grande sorti- res espartilbos, qoe se vendem por prego
ment de roupas para bomens tanto bran- moito em conta.
;as como de cores, a saber : PANNOS DE CBOCHJ PARA CADEIRAS
O Bazar do Pavo receben nm grande
UWA. ISnUNGlL
eaapre a \ova Esperanza!!
AOBELIOSEXO.
| Esta loja bem conhecida pela saa elegancia 6
superioridade de seus objecl >a, acaba de receber
mqoi artigo para o qae ivpeitosimente oenvida
ao bello sexo visita-la,fimdecomprrem aqoil-
lo que preciarem para preparos de Tenidos toi-
lete ou.tocadores, o meamo qual|uer objecto para
f|er algum prezeatf.. fpois qoe s > na Nova E^pe-
fa.flcarSo sattMtos, ja pela qualidlro e pre-
riajaveii, a sesmo por qoe a Nova Esperan
19Nde Dezembro de 1870.
------------------,---------j---------------------------. ---------------
,raaca (Icario satt-Mtos, ja pela qualidafle e pre
coi rawaveij, e sesmo por qoe a Nova Esperan
ca ofana-se em nlo se impacientar era dar a es-
colher os objeetos, prastando-se cora o agrado
cm queoeaWffia receber a todos, aflm de que
saiapat mayaren a mesma luja, logo que precisera de
qualqoer artife por ptqueno que seja.
LUVAS DE PELLICA.
Recebeu as de Lisboa a Nova Esperanza para
horaens, senhora e meninos, sondo brancas e de
ore.
NQVIOADE.
Bico de quinare preta com uraco, a Nova Es-
peranza s quem (em 11 I
Caixas para jotas.
Camisas con: peitos d'algodo e de iinbo,
para todos os precos e qtia'idades.
Cero .las de Iinbo e algodo.
Meias cartas rancezas e ioglezai.
Palitos sobrecasacos de panno preto e
-asemira.
Calcas de brim braoco e de cores
Ditas de caserairas pretas e de cores, com
:o leles i?uacs
De todas estas ronpas ha para todos os
precos e qnalidades, e tem de mais mais
am perito
ALFAIATE
Por qnem so manda fazer com prestesa
e aceio qaalquor peca de obra a capricho
on gosto do freguez, teodo n'este importan-
te estabelecimento todas as qaalidades de
panno fino, as melhores e mais moder-
nas casemiras, assim como os melhores brins,
qur brancos, qur de cor ; e qnando qual-
quer obra nlo ficar inteiramente ao gosto
dos fregnezes fi>a por conta do estabeleci-
mento
FUSTwES DE COR E BRANCOS
Vendem-se bunitos Cusidos brancos e de
cores, proprios para vestidos e ronpas de
meninos, sendo de cores a 800 ris o cova-
do e brancos, a 400 e 640 ris, pe-
:hincba, no Bazar do Pavo roa da Impe-
ratriz n. GO
CHITAS BARATAS
a 200 ris.
a 200 res.
a 200 re'rs.
Vendem-se chitas largas com moito boos
pannos e cores fixas, pelo barato preco de
zOO ris o covado ; cortes das mesmas com
10 covado* a 2 <0 'O, pechincha, no Bazar
io Pavo.
AS CASSAS DO TAVAO
Covado 800 ris.
a 200 rpis.
a 200 : ais,
Vende n-se bonitas c:ssas de cores miu-
iinnas pelo barato prego de 203 ris o co-
vado, no armases! do Pavo ? ra da Im-
peratriz n (50.
PANNOS PARA SAIAS A 12000, O METRO.
No Ba/.ar do Pavo vende-se bonita fa-
Bn ; a eacorpada para saias, sendo
com babadoj e pregas le na lado, dando
3 lamn da faze ida o comprinento da
sai, a qi; I se p)e fazer com 3 ou 3 1|2
metros i venie-*e a 10,1,5280 e 1*5600;
's!> n cimn tam^em no mesmo estabeleci-
n? > n te bonitas saias brancas bor-
jala qnatro pannos cada nma. Jilas
4 !ka de cbrps ja prometas, urnas com
ff-rent >s da mesma fazenda 45000,
it.. i b bar? brdalas 65 e 7iJ0Ol,
Isto moderno e barato.
CARNAUBA.
Vende-se carnanba em saceos, na ra da
mperatriz n. 60. Bazar do Pavio.
TARUTANASLISTRADA5 CORTE A 65500
Chegu para o Bazar do PavSonm bonito
sortimento de tarlataoas listradas, sendo
verdes, cor de rosa, lirio, tendo esta bo-
nita fazenda milita phantasia, e liqaida-se
cada corte a 6|50O, pechincha ; na roa
da Imoeratriz n. 60.
CASAQUIXHOSDEGUIDUREA 10,5, 125,
165, E 205.
Chegara n pira o Bazar do Pav3o os
mais molernos casaquinhos on basquinas de
gnipore coro cintora, ricamente eofeitados
com lagos e vpndem se pelo barato prego
de 105, li, 165, e 205, pechincha,
ra da Inpe ritriz n. 60.
LENgOS DE MORIM A 35500 A DUZIA
Vendem se du?ias de lengos finissimos,
branos de morim, sendo fazenda moito
encorpada, a 35500 a dzia. Ditos de
cambraias Boissut, fazenda qne semore
?e ven1"u a 55000 e liqaida-se a 35500 a
duzta por hav^r muita porgSo, no Bazar,do
Pavo a ra da Imperatriz n. 60.
CORTINADOS DO BAZAR DO PAVAO A
85 105 125 E 165
Chegou urna grande rsmessa dos me-
lhores cortinajes bordados, proprios para
camas e janellas, qoe se vendem pelo ba-
rato prego d1 85,105, 125, e 165, o par :
roa da Imperatriz n. 60.
MADAPOLAO ENFESTADO PECA A
35200
Vendera-se pegas de maiapolo francez
enfestado, tendo H metros cada pega a
35200: pechincha no Bazar do Pavo,
ra da Imperatrii n. 60.
DAMASCOS PARA COLCHAS
No Bazar do Pavo, vende-se damaso
enfestado com bonitos dezenhos, tendo 6
Ra da Imperatriz 60.
Para Tender depressa
LINDAS JAPONEZAS PARA VESTIDOS A
A 500 RS.
Chegou nm elegante sortimento de la*-
sortimento dos melbores pannos de croch, innas do JaP3 w padroes de seda e de
proprios psra cadeiras de balango sofs, muil Doa qnalidade. que se vandera a
pianos, tamboretes e at proprios para cu- 500 rs. o covado. pechincha, ao Baaar
brir almofadas e pratos; vendendo-se per do Pav3 raa di> Imperatriz n. 60.
menos do que em qualqoer parte. whjpelinas do japAo a 15600 o cotado.
PARA LENCOES Chegou um elegante sortimento de lin-
No Bazar do PavSo vende-se so ;erior dissimas poopelinas Japonezas, m os
bramante d'algodlo com 10 palmos de lar- mais delicados gosto?, teado malo lustro
gura a 15800 o metro, dito de linho com a e com 'su-inhas de seda, sendo esta nova
mesma largura a 25800 cada metro, pannos da qnasi da largura da chita france-
ds Iinbo do porto com 3 1/2 palmos de largura z* e vende-se pelo barato pieco de I56C0
de 720 at 15 a*vara, assim comonmgande
sortimento de H-mburgo ou cregueilas ie
todos os nmeros, pregos on qualidades,
que se vendem mais barato do qoe em nu-
tra qnalqner pirta; aproveitem-
ATOALHADOS
No Bazar do Pavo vende-se superior
atoalbado trangado, com 8 palmos de larga-
ra a 15600 o metro, dito de linho adamas-
cado o melhor que tem vindo ao mercado a
35500 o metro; tudo isto mnito barato.
FAZENDAS PARA LUTO
No Bazar do Pavo vende-se constante-
mente o melhor sortimento de fazendas
pretas para lato, como sejam :
Lasinbas retas lisas.
Cassas pretas de la.
Cassas pretas, fraocezas e inglezas, lisas
e com salpico?.
Chitas pretas de todas as qualidades.
Alpacas pretas lisas.
Ditas Iavradas com branco.
Merinos, cao toes, bombazinas, qoe so
vendem mais barato do que em outra quol-
qoer parte.
CACHE-NEZ A 65O00.
No Bazar do Pavo vendem.se bonitos e
grandes cachi-nez de pura la, pelo bara-
to prego de 65000 cada nm
PEI1ICNCHA EM CAMBRAIAS VICTORIAS, A 55",
65, 75 850C0.
Vende-se um esplendido sortimento de
finissimas cambraias victorias, por pregos
mai3 baratas do que em outra qualquer
parte, tendo cada pega 10 jardas a 55, 65>
65500 e 7500O, finissimas a 85500 ; todas
estas cambraias valem muito mais dinheiro
e liquidam-se por este prego em relaco a
tima grande compra qoe se fez no Bazar
do Pavo.
BABADINH )S
No Bazar do Pavo vende-se nm grande
sortimento dos mais finos babadinhos borda-
dos tapados e transparentes, assim como
urna grande porgo de entrmeios largos e
estreitos, que para acabar se vende moito
em conta e mais barato do qoe em ostra
qualquer parte.
5ETINSDE CORES E GROSDENAPLES.
No Bazar do Pavo vende-se nm sortimec-
o completo dos melhores setins e grosde-
laples de todas as cores, que se vendem
ttaito em conta.
Colchas brancas a 352)0, 35500 e 75000.
Para o Bazar do Pavo chegou am grande
sortimento das melhores colchas pretas,
sendo das melhores e mais encorpadas qae
tem vindo 75000, ditas um pouco mais
baisa 35500 e ditas 35200; tambem ao
mesmo estabelecimento, se vende um grande
sortimento de ertones e chitas proprias
para colchas qae se vendem mnito em conta.
Sedas de quadrinhos a 15280 ao covado
Vende-se um elegante sortimento de sedas
de quadrinhos, com lind ssimas cores, para
vestidos e ronpas de meninos, e vende-se
15280 cada covado; pechincha no
Bazar do Pavo.
CHALES DE RENDA.
Chales 20OD.
Chales 2000.
Chales 2000.
Vend'-se urna grande porgo de chales
pretos de renda oa croch, sendo pretos
com 4 pontas, fazenda qae seaapre se ven*
dea 55000 e liquidt-se a 25000 cada um,
pechincha no Bazar do Pavio, a ra da
imperatriz o. 60.
LINDAS BAREGES A 320 R3. O COVADO
No Bazar do Pavo vende-se o mais bo-
nito sort ment de finissimas bareges trans-
parentes com as mais bonitas listas de cores
proprias para vestido, e liqaida-se a pataca
o covado por estarmos muito prximos da
festa ; ditas mescladas, fazenda moito lus-
trosa e com lindas cores a 400 ris o covado,
pe:bincha a ra da Imperatriz n. 60.
LENCOS DE CASSA DUZIA 35000
Vendem-se finissimos lengos de cassa
com delicadas cerca loras, de cdrs fizas
palmos de largura, proprios para colchas,'j embanhados, sendo proprio para bomens
pelo barato prego de 15280 cada covado,
dito, dito, com 8 pairos moito fino a
45000, assim como moito bonitas colchas
de damasco de 15 que se vende na loja do
Pavo ra da rmperatriz n. 60.
RETALHOS DE CHITAS E CASSAS PRE-
TAS.
No Bazar do Pavo vende-S9 por.o de
retalhos de chitas e cassas pretas sem li-
mite no prego : roa da Imperatriz n. 6>.
e senhoras pelo baratissimo prego de 350:0
a duzia, no Bazar do Pavo a ra da Impe-
ratriz n. 60.
TOALLAS A 75500
No Bazar do Pavo fez se nma grande
-tmpra de toalbas alcochoadas, proprias
wra rosto, bastante encorpadas e grandes,
jae serapre se vedderam a'125000, e li-
raidam-se a 7A5O0 a dttzfa^ou a 640 rs.
ada urna, boa pechincha.
cada covado, no Bazar de Hao.
AS POl'PBUNAS DO PATAO A 25000, O C0VABO.
Cheg u para o Bazar do Pavo um bo-
nito sortitrento das mais modernas e ele-
gantes poopelinas de linho e seda, qoe se
vendem pelo baratissimo prego de 25000
cada um covado, assim como ditas com
goftos escossezes a 25400, peehiucha no
Bazrr do Pavo.
SEDAS A 25000
Cbegoa uu elegante sortimento de boni-
tas seda de listrinhas, com as cores maB no
vas qoa tem vindo ao mercado e veodem-se
a 25000 o covado, na roa da Imperatriz
Bazar do Pavo.
CRETOrfE FORTE A 25000 O METRO
S no Bazar do Pavo.
Cbegoo o verdadeiro cretone francez pro-
prio para lengoes tendo 10 paJmos de lar-
gura, e mnito encorpado, sendo preciso ape-
nas para cada lee gol 1 y. ou i y* metros, alm
d'esta apphcago tambem esta larga e en-
corpada fazenda pronriapara toalbas, saias,
ceroalas, etc. e liqwda-se pelo barato pre-
go de 25000 cada metro.
CASEMIRV9 A 25500 CADA C0V\D0
No Bazar do PavSo vende-se nm grande
sortimento de bonitas caserairas de ama 6<
cor, sendo asul, lirio, mesclad, sendo de
duas larguras, proprias para calcas, palitos,
e roa,.as para menino,, e vendem se pelo
barato prego de "i5500 o covado, roa da
Imperatriz n. 60.
BONITAS LASINHAS A 500 RS. O COVADO,
Vende-se delicadas lasiobas com dife-
rentes gosto pelo barato prego de 500 rs.
o covado, no Bazar do Pavo.
ALPAGAS-BRANCAS.
Vende-se um bonito sortimentode finis-
simas alpacas brancas Iavradas, imitago
de seda, proprias para vestidos de baile ou
pasamentos no Bazar do Pavio.
ALPACAS LA VIUDAS A 400, 560 E 640 RS.
Vende-se um grande sortimento de lin-
das alpacas lavraaas de todas as cores para
vestidos e vendem-sa a 400, 550 e 640
e at mil e tantos re o covado, no Bazar
do Pavo.
BAREGES BB QUADRINHOS A 600 RS. O COVADO
Vende-se as mais lindas e modernas la-
sinbas oa bareges de quadrinhos, proprios
para vestidos, tendo quasi largara de chita
frsnceza. e liquida-se a 840 ra. o covado,
no B >zar do Pavo.
MKR1NS DB CORES RARA VESTIDOS.
Vende-se bonitos merinos de urna se
cor com cores muito proprios para vestido
e roupas para ere angas por ser orna fazen-
da de pora la e muito leve, vende-se a 15
o covado, no Ba?ar do Pavo.
GLACS A 15000 PARA VESTIDOS.
Vende-se um eleg-nte sortimento det?
nova fazenda denominada glacs sendo umi
fazenda de la muito larga e com delica-
dsimas cores, tendo tanto brilbo como a
seda e vende-se pelo barato prego de 15.
cevado, no Bazar do Pavo.
CASEMIRAS A 75000
Vendem-se cortes de casemira ingleza de
cores para caigas sendo fazenda que vale
muito mais dinheiro e liquida-se a 75000
o corte de cal$a, no Bazar do Pavo a ra
da Imperatriz n. 60.
GRANDE PECHINCHA EM CAMBRAIAS TRANSPA-
RENTES a 45, 55,65,85, E 105000
Venderse finissimas cambraia* suissas, de
muita phantasia tendo 9 varas a 85509 e
105000. Ditas bispo com 10 jardas {asea-
da muito fina a 55, 65 e 75000. Ditas fl-
oissimas azdladinbas, que valem muito mais
dinheiro, a 85 e 105000: todas estos cam-
braias, em relago a qaalidale, pelos pro-
cos cima sao mais baratas do que em ou-
tra qualqoer parte, no Bazr do Pavo.
CAMBRAIA ALLEMlA COM 8 PALMOS t)E LAR-
GURA A U600, 2* E JJ500.
Vende-se finission cambraia branca tran-
pa-ente com 8 palmos de largara, qae faci-
lita fazer-se cm vestido apenas com 4
varas e liqaida-se a 15600, 25 e 24500 a
vara, fazenda que vale muito mais dinheiro.
E pechincha no Bazar do Pavo.
CAMBRAIA TRANSPARENTE
Pega a 45000
Vende-se maito finas pegas de cambraias
brancas transparentes, tendo 8 l|2 varas ca-
da pega e com om vara de largara a 45.
E pechincha, no Basar do Pavio
Fitas largas para cintos.
Recebeu-as de multas qualidades a Nova Espe
ranea.
Para extinguir panos on sardas.
Nova E?peranca tero leite de rosas brancas.
Para tingir cabellos.
Tem a Nova Esperanca a verdadeira tinta in-
gleza.
Para refrescar a pelleeaformozia-la.
A Nova Esperanca ra Duque de Caxias n. 63,
veade verdadeira albina branca de Late._______
Perfumaras
As melbores, e do msis conhecido fabricante,
tanto francez como inglez, esto expostas venda
oa ra. Duque de Caxias n. G3, oa Nova Espe-
ranca.
Extractos, banba, cleo, .abnete?, agoas de co-
lonia, de iaranja, florida e de lavande, etc., etc.,
Iludo de superior nualidrde : vende-se na Nova
Esperanca roa Duque de Caxias n. 63.
Agora sim !
A Nova Esperanca, a rna Duque de Caxias n.
68, recebeu um lindo sortimento d lia para bor-
dar, viada as rres mais procuradas branca, pre-
ta, escarale etc. ete. a pila antes que se asabe t
Aos cigarreiros.
A Nova Euperaoe veade papel para cigarros
(Mais) a 4J4O0 a eaixinha barato t
mm pida be
Ojiando a AGUIA BRRNCA, mais precisa scienlificar aj> speitavaj tfat a
geral, e m particolar a saa boa fragrjMia, da menfcitlait i^r#cMdti 1mT|ii)
te tem receido, 4 jnstamentelqnando eBa menos opofcrwr^olbm||ssa'faM*TO
luntaria ella conflf e espera na benevolencia de todos que lh'l alrjf-lje|MV16
continuando portaato a dirigirem-se a bem conhecida leja da AfcOIAAacI I A
Queimado n. 8, onde sempre acharo abundancia em sortimento de superioridade e
qualidades, modicidade em precos e o sea nanea desmenttido AGRADO E SINCERIDADJ
Do que cima flea dito se conhece que o tempo de qoe AGOIA:BWBWA'"
dispr, emprtgado apezar de seus costos no desempenho de bem aervir a tq*edWjoe l
bonram procurando prover-se em dita loja do que necessitam, entretanto eja flfumat
rar es objeetos que por sua natureza alo mais conhecidos ali, ella resmnlfimete indi-
car aquellas coja importancia, elegancia e novidade os tornam recommehdirvfl/'cemt
bem seja :
CapeHas brancas para meninas.
Grande sortiaiento de flores finas.
IfR^MARIA
Grande e constante sortimento de dita,
sempre melhor quattdade.
Lindos vasos cOm p's r? arroz e pTnl
Caixinhas com ditos aromticos.
Bonitos e aiodernos pentes donrados p
ra circular o coque.
Bonitos brincos de plaqueo.
Adetece* e brincas de msrfrepefdf
Caivetes finos para abrir latas.
Thesouras para frisar babadinaos.
Aspas para balad.
Novos stereeacepos com 48 vi*a, >
quaes sao movidas por um machinita
urnas substituem as ontrai.
Vistas para stereescopos.
Bonitas caixinhas de vidro eofeitadof ooa
pedras.
Ditas de madeira envernlsada com vispo
ras e com dminos,
Bollas de borradla para brinernedd *
Touquinhas de fil, s'apatinhbs bordados! CTiangas.
e meis para ditos. Diversos objeetos de porcelana, prop^rl*
Camisinhas bordadas para ditos. para enfeites de mesa e de lapinhas.
Corpinhos de cambraia, primorosamente
enfeitados com fitas ie setim e obras essas
cuja novidade de molde e perfeigo de ador-
nos os tornam apreciado.
Fitas mni largas de diversas edres e qua-
lidades para (los.
Laques uesse objecto maito se poderla
dizer qnerendo descreve-los minuciosamente
por saas qaalidades, coree e desenhos, tal
o grande e variado sortimento que acaba
de chegar, mas para nao raassar o pretn-
deme so rhe apresentar o que poder de
melhor.
Entremeioe em pegas de 12 tiras.
Gnipure branco e preto de diversas cua-
lidades e desenhos.
Ditos de algodao com florea e lisos.
Veos de seda para chapelinas e monta-
ra.
Meias de seda para noivas.
Ditas abortas de fio de Escossia.
Costamos ou uniformes para meninos.
Enxovaes completos para baptisados.
CI1EGARAM
Pojos instantineos aperfeiqo-
ados por prego muito coramo-
do: na roa Nova n. 28, roja de
Antonio Pedro de Souza Soares.
Bombas completas para ca-
cimba, por diminuto preqo, na
mesma casa.
CEMENTO
O verdadeiro portland. S se vende na ra d
Madre de Dos n. 22, armazem de Joio Martina dt
Ranw
-
JLSAIMMIKiilU
ACOSTTMOA IUL\S
es
00
rt iiuviiiiiivu aa1.11aii.yu ^
Com este titnlo acha-se aberto e inteiramente transformado este antigo
estabelecimento de joias, onde os fregoezes e amigos encontraro todo quanto
a moda e o bom gosto tem inventado na arte de onrivesaria, o Collar de Ouro
observar delicadeza no trato e senciridade e modecidade nos precos.
Espera que o respeitavel publico venba ver o qoe existe de melhor em
adereeos de rimantes, esmeraldas, robins e perolas, meios aderecos, pul-
ceiras, brincos, alfinetes e anneis de todas as qualidades, prata de le faquei-
ros, colheres, pahteiros salvas e ontros moitos objeetos que seria enfadoDbo
mencionar.
Compra-se onro, prata, brilhantes e pedras finas, pormaior prego de
que em ontra qualqoer parte, troca-se e concerta-se todo e qualquer objecte
pertencente a esta arte.
M ra da Imperatriz
n. 60.
Bazar, lo PvHo sito a na da Iraperatiz n. 60, esta* constantemente aberto
dos 6 horas da manbJU as 9 da noute.
MACHINAS PARA
COSTURA
Acabam de chegar ao GRANDE BAZAR
UNIVERSAL, rtia Nova o. 2-2^-cabneiro.
viannaom completo sortimonto de ma-
chinas para costara, dos autores mais co-
nhecidos, as quaes eslo era exposigo no
mesmo Bazar, garantindos-e a sua boa qna-
lidade, e tambem ensina-se com perfeigo
a todos 03 compradores. Estas machinas
sao iguaes no sen trabalho ao de ;0 costu-
reiras diariamente, e a saa perfeigo tal
como da melhor costureira de Paris. Apre-
sentam-se trabalhos ejecutados pelas mes-
mas, que muito devem agradar aos preten-
dentes.
lervejtbranci e preta
DA
engarrafada por
Bloodo Wolfe & Cf
especialmente i-ara o Brasil
NICOS AGENTES EM PEBNAMBUCO.
J. Je feries ir C.
46. Hua do (ommerc'o 46.
A ARARA
TEMA NAO VENDE,
ATTENCO
Loarengo Pereira Mends Guimares, participa a todos os sena dsvedore
tanto da praga como do mato, qae estando I qoidando snas casas commerciaes. o qa*
de?e fazer at o flm do correte anno, por lsso roga a todos os seas devederea a vire
saldar seus dbitos o mais breve possivel; outro sim, declara aos seas devedores, que
os qae nao estiverem na loja tem de pagar todos os seus dbitos, provando isto se far
o abatimento que for preciso para a liqmdago de suas dividas, para isto poderlo di
rig;r-s6 roa da Imperatriz n. 72, loja da Arara.
Ao resto das pechinchas
Vende-se cortes de castores para caigas, balOks dk arcos a IdOOO.
a 500 rs. Cortes de brins de cores a Vende-se baloes dei5 a 30 arcos a U
15500; cortes de gangas para caigas a i&, e 10500 cada um. Cortes de cassas em
cortes de casemiras preta para calcas a papel a 20500 cada nm, para liquidar.
3^500, 44, 50 e 65000. Bramante de linho e algrdo cem 10 pal-
Cirtes de chitas, a 2:300. mos de largara o 10800 o metro.
Urna economa que nao deve-
nios experdicar.
Baloes de madapolS qne quakjuer senhora eco-
nmica, de um pode farer dous, a 2. Cortes de
vestidos de duas saias, 6. Leos brancos ba-
nhados, duzia 3.4.300. Siotos pretos com veirtlhos
l. Infaites modernos a 42, ( objecto de 62 e
82). Guardauapos para meza, a duzia 32. Tbaihas
para rosto, duzia a 42, a ditas felpudas a 102000.
Colxas para cama a 22800. Chales de merino lizo
a 32800. Grvalas de seda preta e do cores a
500 rs. Chitas roxas mofadas, panno bom o tintas
rks 240 rs. o covado. Cambraias de cores a
480 rs. a vara. Bareges para vestidos 200 rs.
ocovido. Pecas de cambraias brancas tapada e
transparente a 52, ( baratissimo). Pecas de cam-
braias brancas de listas ooni pouco deleito a 22-"00.
Alpacas lizas e de cores a 500 rs. o covado. Pe-
cas de organdyz branca e com listas a 62200, e um
completo sortimento de saias brancas e de cores,
lisas e bordadas, com babados e sem elles a 3|.
32500. 42, 42500 e 62
A' ra do Queimado n. 17, loja de Carlos Jos
de Medeires & C.
Aos Srs. fumantes.*!
0
Charutos Anos da Baha, do afamado
fabricante Joaquim Jos dos Res, mnito
superiores, por precos mdicos : a f-
brica a vapor de cigarros na antiga roa
do Quartel de polica n. 21.
A l#l)0
Espanadores de palha os mais bem feito. poss
I-.veis : na praca da Independencia n, 39
FARINHA
de trigo a 52000 a uarrie : oo armazem Ba-
liza, roa 4o Livramento o. 38.
Vende-se cortes de chita* para vestipes
a 2S500. Ditos de cassa para vestidos a
25O0.
Pechiocha a 40000.
Vende-se pecasBde algodo a '44 53, 6/>
e 7.J0O0.
Para liquidar a 30500.1
Pecas de madapolo com 12 jardas a
3^500. Ditas de dito com 24 jardas a 50,
60, 60500, 70, 80 e 90000.
UO^JIDACAO.
Pecas de algodcsiobo de listra proprio
para roupas de escravos cr;m 42 jardas a
60500 e covado ltO rs. p:ira liquidar.
Chitas escoras para vestidos a 280, 320
e 36*) rs. o covado.
Para acabar.
Vende-fe pecas de cambraias victoria, fi-
ns a 65, 0500 e 70000.
E' auito barato.
Colarinhos de ppela 240rs. a dazia.
rertindes para janellas a 50000.
Vende-se cortinados para janellas a 50
o par. Brim pardo liso para caifa de ser-
vico a 500 rs o metro.
Cortes de percales a 60000.
' Vende-se cortes de percales d doas
saias de bonitas barras a 60000.
Cobertas de chita.
Vende-se a 10500, ditas Unas a 20500/
ditas encarnadas e adamascadas a 30500,
ditas forradas 50000.
Gaogas para calcas a 280 o covado.
Brim de listra ao lado para calcas a 400
rs. o covado.
Lencos brancos a 20000 a duzia, para li-
quidar ; grande porgo de mantas para
gravatas a 200 rs. cada nma para liquidar.
Cassas francezas a 280 rs.
Vende-se cassas fraocezas 'para vestidos
a 280 e 320 rs. o covado.
Organdys de cores para vestidos a 400
e 640 o cotado.
Alpacas de cores para vestidos a 500 e
640 rs. o corado.
Lasinbas para vestidos a 320, 400 e 590
rs. o covado.
Panno de Iinbo a 760.
Vende-se bramante de 10 palmes de lar-
Sara proprio para lonces a 20800 o metro.
Lencos de seda a 80U rs.
Vende-se ama pncu de lencos de sed
a 800 rs. cada um,
Chales de cassa a 10000.
Vende-se urna granbe >orco de chale
de cassa a 10000 cada um, para liquidar.
Fust a 360 rs.
Vende-se fusilo de cores para vestido
a 360 rs. o covado.
Algodo enfestado a 900 rs.
Vendi-se algodo enfestado para lence
e toalhas a 900 rs. o metro, dito transa-
do a 10200 o metro.
Chales de neni estamBadM a 20000.
Vende-se cuales de merino estampado
com barras a 20, 20500 e 30 para acaba>
Grande porcSo d) retalhos.
Vende-se grande porco de realhos da
cassas e chitas a 240 rs. o covado.
A resta est na porta
Houpa feita encontrarlo
Por preciono razoavel
Todos se enronparo.
A SABER :
liqnidacit de ronpa hita.
Vende-se paltots de brinsinho de linba
propiio para andar em casa a 10500 ; di-
tos de ganga i 20000 ; ditos de meia ca*
semira a 30000 ; ditos de alpaca de cor
a 30500 e 40000; ditos de panno fine
preto a 60, 80 e 100000 ; ditos de case-
miras de eores, a 60 e 80000 ; colleta
de cassioetas de cores, a 10500 ; ditos de
brins de quadrinhos a 10000 ; ditos de ca-
semiras de cores, a 20500, 30 e 40000.
Calcas aznes para escravos a 500 rs.; ditaa
de algodosinbo de listra a 800 ts. ; ditas
de brim pardo a 10600, 20 e 20500 ; di-
tas de dito branco de linho a 30500 e 40 ;
ditas de casemiras de cores a 50,. 60, 70
e 80000 ; camisas de chita a 10000 ; di-
tas de algodosinho, proprias para o ser-
vico por ser fazenda forte, a 10280; ditaa
de m"su ina a 10600 rs. Pora liquidar.
N

i
sV
O proprietario da loja denominado Arara, declaa ao respeitavel publico e aote
seos fregndzes que est concloindo saa liqaidado, por isio quem quizer manir-se de
boas fazendas por pouco dinheiro tenba a bondale de irigir- dr ra da lmperatris tj
72, desde as 6 boras da maobSa as 9 da .nonte.


I

Diario de Pernambuec
Vejiham, fregueses,
manjr-S ra Duqua deiCaxiaa (anga-
ote ra da Cruzes), sobrado das pe-
dida ariKharia n. 6.
eslaurleciaicnt ueo&trarao os ama-,
ore* (Jfcjwira fresPa e sab'orosa os melhores ob'
jeeWStftf barro, \Ms se acha pnrtioV Je' tofo o
8orJnMt)'.&)mo-fftj.im : finar tintos dos melbore
fabrcale* desla provincia, jarras, riuringae*
resfrldures. bilha-, garrafas p>li ludtf dVmelnor barro c g" M; a-m como arras'
potes, quarlinhat, Mitas, juros vasos par fl>
re, to^a vidrada de todas as quadades, e mui-
tos entro objectos san screm p .lidos. ludo do
lidade para as casas de familia
Segunda eira 19 de Uezeiubro da 1870.
H,

. Ji? a vend* emSeus rm6ns. alera de otttros
isl LaSCl nt* ^**>*'V o guinlea. que
stao venden.do a precos mais baratos que era ou-
tra qnalquer partf :
PORTAS de piuhn almofadala?.
ru^H,4l,,er" *c*,a raad* a 35300.
UHALH.S de ferro para cercados.
r IELRjS a ,ndu para cama e SorT:a sar'-
ree> *"' franp*r P" esgOtO.
S^ superior era barricas e as arrobas.
CEMENTO de todas as quadades baixos
PrCwS,
MACHINAS de devanear agtxBq.
BARRIS grandes C'Thificixe da Sueeia
LONAS e briocoes da Rusa ;i.
pa^aS?S americanos para funo do cirros.
KNiUfiS americanos rauito bjns e econmicos.
vINHO de Bordeaux cm cautas.
COGNAC superior de GauHer Freres.
MtLHO de Fernando a 31 o saceo
AGUA florida;
BARRIS de carne salgada de parco e de vacca
NM u lDBiS
Fspenadores a if : ra do Crespo u. 5 A.
, "~ 1
^portas n. 53, ra Direita, 3 p ras n. 53, mlwd.
hja dj Braga
eoSpffiJhSAfeJ^i8 ^"5 ^^ectmento, tendo era vista, aprontar i
ffiSSr^rk-' llicr'a. rasolaiJo mandar buscar em
).?.. L a fcturP os melhores objectos de seu estabo recento dos ferricantes
a?v em ,hevVdPnf;t?^7'da a rc?P*itavel Fu,',ico e a -Ceroso, fgSi:
aTt !. T r dos obecu de su* carencial senda encontrarlo por menas 10 OO *m outra qaalquer parte, nm sortiraesto cMbpk-lo de machinas dL de cardar aleodl.
do bem conhecido fauricante Cottorr Gin 4. (i, dita rara .Mora raoltres narauimae '
S-Si^CSTar^ d6 'dCm *? tamaUbf? da^Sa d0 a tcSardaTde'
dVdiv? ?ri?& Lan^lBg,5xa8* eooio ranoeaa, loura de porcelana facas o arfes
hmalhHpqf ; ^ 6 PwPVmfcJaa chiaetaa, salitre, oreu, barbante, enxofre, papel e
S' Brande n?^?0,?flefo.agfa parti **** "* come encon'trarao con6tante-
Srrf numero rt^E,^8 ^f ** ?r e I:ecbe:s nwmmenda de fogos de vista, alera de um
m S iZT? ooj'ctos.qoe so tornara enfadonho numera-Lw : veobam ra Direiia n. ;
I 60, loja de Lenidas Tito Loareiro, antiga toja do Braga.
-i--.; i.i* tj -~
=:
i r >-
......r^^

A
Ra da Imperatriz n. 2
k' esle novo ?nmptuso eslabeteciteniod^ fa^tnlas a
L
PRECIOSA IISCOBERTA
TNICO
apnximada id1, mencionaremos c ni espdaii iade :
Rc s cortes de vesli ios para casamento, ebe^do? no oltltno vapor.
>iios ditos dedfiosde seda deseuhos iii.eiramente ndvos.
"i{o? dtos de dit< s de ISa com bnth. m i da latch ajente nova.
vestidos de cambraia para baptisado.
Popebnas d i seda dos gostoi tois moderno
cassaaoe cores, lindse moderaos desenhos.
Sedas lisa,- labradas, -prets e de cores.
glorie para vestidos, modernos g sf s.
AJjjjai do w ms, possivel descreyera varredade de goslos 6 padtes.
i ir AnAS' c'vas' esc,rasPretBS- wdeicri;tivel o varudissimo snrtiment1.
no ida le tod''sas 1,w,ldae9tcores e taman.os, entre o-, quacs uns slo inttiramente
va.-hdo sarlitnent) de camtria?,
00..
a ? J0N!f DELSUC qoe-hoje aprsenla ao publico, depois, porm de um Avrn
?n,S,J,deire!t!adM "Per'encias- lenda certeza de que p,.ssuePraT D"rio dade
meo.tesl.v6l. (odas oulr.. preparacoes. que at hoje'tcm^ppaw^nSKS^S

S-ias borladas para set-horas, grande quan.idade de grsi
Mhiisintias bordadas para senboias mui.omoJergas, tr-an
modo
imtncda!amcnte 8cam
urna acc3o verdaderamente efficaz. consoladora, e benigoa
.,,hnir "ama-eesta 38ua na "beca, e esfrega-se levemente ;
os cabellos limpos e corfl nm brilbo magnifleo.
Deposito
somonte em casa do autor, Andr Dek.6 cabedeireiro de Paria
Kua V de Marqo (antigaCrepo) n. 7 A !' andar
purificadas, e
tal a dar-lbe
novas luus as para piano.
Danse des negres do maestro Cazalbore.
afargwhftr, Ntraa sehdtflicii.
Uma f.ilia a Ruma, qtradfiHia.
LUNDS
Dansas paraguayas.
Ia Habanera.
2a Los negros.
3* Nuiles de Luque.
4* Paloniia paraguaya.
Taotbem recebe, as st-gumles:
A opera Guaran/, e os melbores pedios
da meprna para piano e piano e canto.
Quadrhas
WalSas
n .,. E polkas
Qttaoruns:
Ristt:.-.
Satn.
Jardim daj Fadas.
Heroica.
Captnga, Oreca A- C.
IIom*r;s to mar.
Juventud.) Commercial.
Rocamb'/|p.
Ponte d i iabo.
Ten rito do Diabo.
Imperial mnri:.heiro.
A sultana como linda.
Independencia das senhoras.
O Gftm x.
Regresso da ronilo d*.
Cammbo de ferro.
Guarany.
Walsas:
Sonho da virgem.
VolOTOf.
Dan-a d'amoT.
Ultimas watsaa d i .tu dortfo.
Anjo da meta noite.
Carn ivai
Goar. ov.
P ll5S :
Cab
Gorgeig du sabia.
Buliij
Capnnga n2o forma,
Querl i p lodo).
A rival.
Pof todi s querida.
ZsTiz.
Palomita paraguaya.
Bmark.
Moreninha.
Surpr>z'.
Chora pMa&ga.
Gloria.
Guaray.
venda no irmazem de pianos e mosi
Azevedo, ra Nova n. II, boje ra
NOTICIA
Velo operar urna completa revoluc o no ]
Tinta para escrever.
g
do Bario da Victoria
O Bazar da M da reeebeu novo sortimen-
to de fazendas ao nltimo gosto para vesti-
dos, assim como chapeosinhos, cosacos,
borni'is, coques, camisinhas, etc/etc
Continua si-rr.pre o grande e afamado sor
timento de misefezas e perfumaras wrda-
deiras, que tudo se vende'por baraHssimo?
presos
Da*-ss amostras e man*-so"*ffi' casa das
Exujas. familia? o qtie deWJarera, ra do
Bario da Vicaria, outr,ora"Nova:
m mm
i* pnptfntruiitefeoquai fe>W< pftrEf
a rotalh rw menoe iro^ o^n^eai o.tn tnain
ner rjrr
C
grstos.
, g-atde vaiiedade.
tnircm-'tos e tras bo-dadas cm todas as lar^nras.
Camisas para homem, bordadas, lisas, e coHeiiobos, complete sor tmenlo,
Lencos de cambraia bordados, lisos e rte barras.
Chapeos de velludo, paiha, merino, fetn, o que ha de mais moderno e lindissiBvs
os tos.
Cortina los bordados, e ricas cokhas-de seda, e de crochet.
Bareg^s de phanlasia, fazenda propria para baile.
Tarltanas de cores com palmas lindissimos gos'os.
Borns de c; res para senhoras.
Grvalas para hornea, grando sortimenlo em feitios e ce rea,
BrAana.*, espoiS. e bramante de todas as larguras.
Laazinbas dt modernos padrees e rindo, gestos.
M8l;m da In lia fazenda inteiramente nova para vestiosede lindo effeito.
Finalnentu rene sie eslabele-imento tudo que de melhore mais moderno se pode
encontrar em fazendas como em perlumarias finas, das quaes tem um comp'eto sor-
timecto. r
AOS CAVALfEIaOS
OfJerece sustaentc a ntagem deeacoritra'em neste estabtltcimeulo:
Pannos finos, prelos e do cores.
Caemiras prelas Boas, e ricos gorgores para collete.
Ditas de co:es, de quadros, lisos e d; listrs, completo senimento.
B rns brancos de UnLo de todas as quadades.
Ditos de cores, lisos e trancados, gran e sortimento.
Umbal.il aitiita para cortar e dirigir qualqser obra, que s se eutrega a contento
do frefuez.
Urna modista gaahne.te .ccapada nos traadlos do PAVILHO DA AURORA, di-
rige osquelbe sao coceroenies, apromptando a capricho qnalquer TOILET, garantin-
dc-se a mais completa perfeicao nos seus trab-lios.
Em resumo concluimos
Por chamar attencSo do respeitavel publico para o nosso estabelecimento, que alm
tmjpUia nqae Se pode H.1LNTO DE ROUPA FE1TA, para bomens e meninos. Mandamse as fazendas em
.asa das Exmas. familias, e datn-se amostras.
Um completo sortimento de esteiras da ludia, p >r menos preco que em cutra anal-,
quer parK r H M
Aberta das 6 horas da manha s 9 horas da noute.
Rival sem segundo,
BIA DIQUE DE CAXlA* W. 4
(Antiga ra do Ooeimadoj
120
50C
60
1,5000
Contma a vender tudo muito bm e
muito barato a saber:
Libras de areia prela muito boo. .
Tesouras finas para unbas e costu-
ra a......., .
Papis de agulbas francezas a ba-
lan a.........
Caixas com seis sabonetes do fruta
Libras de 15 para bordar de toda
as cores a.......
Carriteis de licha Aleandre a. .
Frascos com azeite para machinas
Grvalas de coresfinuito finas a .
Grozas de bote^madepersla fi-
nissimos a.......
Novello de Ihiha de 400 jardas a.
Caixas com 1-00. envelnos muito
superiores a......
Pentes volteados para meninas a.
Tinteiros com tinta preta a 80 rs. e
Pecas de fita elstica multo fina a
Lata com superior banha a 100 e.
Frascos do oleo Philocomo muito
fino a.........
Fraseos de macaca perola a. .
Frascos de extracto muito benitos a
Duzia do sabonetes muito finos a.
Sabonetes inglezes a 600 rs. e. .
Frasco com agua de colonia Piver a
Dito de oleo baboza a.....
Caixas de lamparinas a. .
Sabuneles a forma menino muito
superiores j.......
Lartilhas da doutrina fazenda nova a
Libras de linha surtidas de todos os
nmeros a.......1,J800
Rival sem segundo
RA DO DUQUE DE CAXIAS N. 49
Estou disposto a continuar a vender todat
as miudezas pelos baratsimos precos abai-
xo declarados, garanlindo tudo boni e pre-
cos admirados.
Dozias de palitos seguranca a....
Duzia de palitos seguranca caixa
grande a...................
Frascos com oltobaboza muito fino.
Pacote< com p's de arroz o me-
lhor que ba a .... ...........
Navalhas muito finas para fazer
8000 barba a...................
100 Caixi de linha bram do gaz a..
) Vara de franjas de lidbo para toa-
lbas.......................
120
320
320
320
000
500
500
Caixas com peonas d'aco de Perry
500 superiores.................
60 Lencos d cassa braucos e pinta-
dosa......................
600 C3xas com 20 quadernos de papel
240
100
200
200
500
240
500
720
10200
500
500
40
240
400
Nunca se vio um processo mais peifdto e que anima do tal forma
exigencias mais severas da escritcracao.
a satisazrras
para se conservar no

i tinta nao sendo especialmente para copiar, d ccmludo' do; trfs
mais de urna copia, n5o
m^s vaese com o original tirapdo nma oa~lantas
porque n3o ba o rco de
ou mais
papel bemmomado
birrar. Para se tirar
se agglomeram Utas folhas qnanbs copias "se queVcm"tirar
ongtai 6qne m^c^tSi^r,an,as qam*" ^ m^ '
Capachos muito bonitos e grandes a
Carriteis de retroz preto, com 2
oitavas a........
Agulheiros de osso enfeitados a, .
Libra de linha franceza superior
qualidade a. '.....
Ricas touquinhas de fil para me-
ninos a
Botinas de couro para meninos a
Caixas rom agalhas de fundo
dourado a
Pe$as de tiras^ordadas muito fi-
a 500, OJO, 800 e
700
640
240
2(5420
200
205001
240
10000.
rjS.""actSo sobre *'m0 0,b:m "*" p S8*iS,:T
N3o s ao commercio que este meu nroducto vpin Pr mt- ( ,r
collegios, instigando todos os me ios Uzo^Zo^im&^;t?0%
aprove.tado esta tmta, qne com tzaa^^nm^fm^-^^^^
^ZM'nT^^f^L^^J^ ^etidadede co^cr
ebaram apta para defenvoheroTcsto nos
i mnito kmpft tirdjtm urna repugnarcia
ila tinta n colleyo, appderou-se
mf.F o seo dinlmento era manifest
!?]?* ^ ,de t8nlaf vsntagec^tem um coito inconveniente: fcrffi
extrema para a ecrip.a, logo gue^dmitiida etiil^&^^ZT^
a cuHondadeeo gosto, e pouco lempo decois o sen Vd:iarrPSA,aW^Hi!4el,i*s

nerpar
7 Vi1V'<'LH'n cava"~caMa7|:
onlo, anda.icr balso, muito novo, nriira bnn ve
vende-se pw 0*ofa, ^corara1 seSuro
qaem pretenler dir.j.. se ao pontal da Cab naa
asa de Franeijco Jos de Abren. ^t,
T ^91 .uma "*er"a WMiio fretuia*' t
W fargod fonha n. 12 : tratar pa SKl "f
m few.SU|aJea nina ^M^^S
ao enntacte,
bro de outra
Observadlo.



ss falifi.'cr**.e serne!bincas,temi3pnareoido. ca diiriiii,t Aa ai -j
do a tinta que eu fabrico
4> O. MQntei'ro,
ATTENCAO
Chocelale nacional.
Duas medalbas de prata e uma mencio ho-
norfica.
Jvilla lrirdo$C,
Ra cova de Santa Rita n. 49
Exislem poucoi aumentos simples e substan-
ciaos como o chocolate, estimulando suavemente
os ervos, d ao corpe o mais paro elemento de
nu|r5ao, e ao mesmo tempo fortifica os orgaos di-
gestiros. Todo3 o? mdicos sao unnimes re-
efimeodar este alimento como o nais proprio e
sobstancial para as possoas de coropleso frca e
debilitada,
Vende-se
Prlmeira qualidade Ifl kil. 800,r.
H. Hi*panhMj2 kil. 800 rs.
VaoqiWo l|f kM, 1#G0.
Al meia arroba far-ae-ha abatimento dj 10 OO
s do a/roba para .ciroa Vf 0|0 1M
Gaf muido a' vapor
garlito;.w mi/tara,a 800 rs. a kil, en maior
HuaDlidide lera abatimeato d liOiO.
Tambera ha bacotes de l|2 kil.. empaequda em
papel deestanho para se cjaser?ar semi>n- frese
pautado
Caixas com 50 novellos de linha
do gaz a....., .
Duzias de meias cruas superior
qualidade a.......
Pecas de tiras bordadascom 12
metros cada peca a 10500 e.
Pecas de fitas para cs de qual-
quer largura com 10 varas a.
Pecas de tranca lisas, brancas e
de cores a.......
Duzia de linba frxa para borda-
dos a 400 rs. e.....
Pares de meias cruas para me,'
nos diversos tamanhos a.
Duzias de meias brancas muito
finas parasenhora a. .
Pares do sapatos de tranca do
Porto........
Pares de sapatos de tapete a. .'
Duzias de baralhos para vultarete
Sylabaros portuguezes a. '. .
Cartoes com colxates i carreras a
\botoaduras para collete diversas
quadades .......
Caixas com penna de ac muito
boa de 320 a......
Caixas com superiores obreias a.
Duzia de agulha para machina a.
Libras de pregos francezes todos
os tamanhos a......
Pacoto de papel com 20 quader-
nos ...........
Rerma de papel pautado superior
Resma de papel liso muito supe-
rior a...... .
160
800
100
70C
400
30600
20000
500
40
500
320
40500
20000
10500
30000
400
20
400
50
40
20000
240
400
40000
30600
GALLO VMLANTE
Ra do Crtspo n..9
Os propnetarios desie bem ecnbcrido estabele-
elmente, alm dos mtfitss objectos qne tinham e>-
postos a apreciacao do respr.ilavcl publico, mar
daram vir e acabam de recebor pel ultimo vapor
da Europa um completo e vanado sortimento di
finas e mui delicadas especia!Idades, ai quais es-
t5o resolvaos a vender, cono de -eu coaian.
por precos muito baratinhost coamiodos para tc-
dos, com tanto que o Galle...
Muito superiores luvag de pfllfict, preta?, bAi-
cas e de mui liadas a.res.
Mui boas e bonitas gouiobj' a punboe par s-
nhora, neste genero o que l;a de mais moderno.
Superiores pentes de tartoru&a para coques.
Lindos e nqnissimos enfeitj para caLecas di'
Rxraas. senhoras.
Superiores trancas prctas c de cores com vidr?-
Ihos e sem elles; esta faftiida o que pode baw
de melhor e mais bonito.
Superiores e bonitos le4r.es de madrepercl.
marfim, san.lalo e osso, sendo squsRn branca
com lindos desenhos, c astea pwtos.
Muito supeiiores meias fio I: Escossia para se-
nhoras, as quaes sembr SC 'ideram por Ofi
a duzia, entretanto que ros ?.s Vendemos por aOV
aim destas, temos lmbem g,"aads 3. rti.entc *
outras qpalidades, entre a.1 auets a!:uii aa tinas.
Boas bengalr.s de sopcffo; canea da India
casto de marfim cma lindas -. titean i aSdrsg.
ras do mesmo, n^ite genero 0 que de melhor s
pode desejar; a!n aestas len> tan bem gra.d
Suantidade de outras qualidad. jsm, m#
eir, Laleia, osso, borracha) cir. ete. etc.
Finos, bonitos e airosos esvcolislfoi de cadeia
de outras quadades.
Lindas e superiores liga; de seda e fcorraeiu
para segurar as meias.
Boas meias de seda para .; ohorl 3 para meu:
uas de 1 a 12 annos de idadt.
Navalhas cabo de mailiin e :1..laru.'ra para fase:
barba; sao muito boas,e de lois a mais sao g
rantidas pelo fabricante, e nos por nossa vez tan.-
bem asseguram*s sua qualMado c delicadeza.
Lindas e bellas capellas para uoiva.
Superiores agulbas para luathina o'pr.r?. crex*
Linha muito boa de peso, rouxa, para encao.
labyrintho.
Bons baralhos de cartas para voUarete, assia
como os teios para o tncsino ;;a.
Grande e vanado sortimento das melhores ptr
fumarias e 'dos melhores o mais eQSbiioa per
fumistas.
COLARES DK ROER
Electricoi magnticos contra as onTuIsoes, 1
facilitam a denticao das innocentes criaucas. Si-
taos desde muito recebedorei destcsprjdia0{"-.
collares, e continuamos a recebe-los por tods>h
vapores, afim de que nunca faltcm no mercada
tomo j tem acontecido, assim pois poder&a aque
les que deiles precisarrm, vir ao deposito do gaj>
vigilante, aonde sempre eucoutrro dests verc*;-
deiros collares, e os qtf.es attendendo-ae ao t-z
ara que tao applicados, se Tenderlo com ttm ttt^
iminuto lucro.
Rogamos, pois, avista dos objqeJM qua'deam
declarados, aos nossos freginzcn e anuges a~v:r
comprar por pregos muito raioavels toja do gal;
vigilante, na do Crespo n. 7.
c:
Roh-aute-rheumatco.
Remedio efflcacissimo contra as dores rheuma-
ticas at boje o mai.- conhecido pelos seus mara-
vilbosos resultados.
XAROPE DE AGRIAO.- um dos medicamen-
tos que sua efflcacia as enfermidades, loase e
sangne pela bocea, bronchites, dores e fraqueza
no peno, escrobuto e molestias de figado, que me-
lhor tem aprovado.
TINTURA DE MARAPUAMA.- A celebre raiz
oe marapuama, caja energa e efflcacia as para-
lysias, intorpecimento, etc. etc. muito se recom-
menda.
Todo? esses preparados se encontram na pbar-
macia e drogara de Bartholomeu A C, nico de-
posito na ra larga do Rosario n. 34.
r
;
MILHO
Na ra Mrquez de Olinda n.
se saccas com superior roho.
61., vende-
CSM-nitos de. Havana
circum^a^e ,. MiU MUM
Ta
para a trra e- prbprla'paTa
|tarnaroaIiDporiln,t
olBiajieTa ra-
Preiisa Vende se ama ou mais de ama : qnem precisar
annuocle para ser procurado.
Banhos de Olinda
Acaba de sabir A luz esta muito liada quadri-
*f ^1 P'anP Pieo l*flO0.: na ru* Nova n 11
arpazepi.de pianos e tnusjeas do Azeveda
AttemjaS
yend.se aqu armac^o p>r barata px^co e en
boa locahdade para qnalquer netoefe ; V
B03 Affogados, roa de S. Miguel a" 3i.
a tratar
3 cordeiro prevident*
Raa do Qelmado n. f 8.
S'ovo e variado soriWeto de perfu:
finas, e antros Objectos.
Alm do completo sortimento e per:
alarias, de que effectivamen'e est pri :
ioja do Cordeiro Prevident'
receber um outro sertiroei o qu
aotavel pela variedade.' -. ofc
dade, quadades eqmmodiddi :
{os; assim,pois,o(
a espera continuar a merecer aapr
do respeitavol publico ,::-. gei .'.
boa fregviezia em pr&cs1 r, ;;r
tando elle de sua bett
a bar ateza. E'm dita lo/a encurtir
apreciadores do bom:
Agua divina de E. Condray.
Dita verdadeira de fiurray de Lamiaan.
Dita de Cologne inglez?, amarica, fr;_
ceza, todas dos melhores e maisaered 't
fabricantes.
Dita de flor de larangdraa.
Dita dos Alpes, e violeta, para loiie.
Elixir odontalgico pr coosemclB t
!88eio da bocea.
Cosmeiques de arperior go a el
os agrada veis.
Copos e latas, maioMfi e mocores,
pomada fina para cabello.
Frascos com dita japoneza, transasto
a outras qualidades.
Finos extractos inglezes, amenes
(rancezes em frascos simplea e enfeitados.
Essencia imperial do ano e agradave cb;
ro de violeta.
Outras concentradas o de choires Ljua
tnente finas e agradaveis.
Oleo philocome verdadeiro.
Extracto d'oleo de suporior qoaJ
om escomidos ebeiros, em frascos de tiff:
'entes tamanhos.
Sabonetes em barras, maioros e menor*
para mos.
Ditos transparentes, redondos o em fie:
ras de meninos.
Ditos muito finos em caiiiaha para barb:
Caixinhas com bonitos 3ab&te8 imitaos
fructas.
Ditas de madeira invornisada contend i
as perfumaras, muito. proprias para ur
lentes.
Ditas de papelo ignalmenle bonitas, tai
bem de perfumaras finas.
Bonitos vasos de metal coloridos, e i
moldes novos o elegantes, com p d arre
a boneca.
Opiata ingleza e franceza para dentec.
Pos de camphora a' outras diffete;
palidades tambem paja d^lea,.
Torneo oriental de Kemp.
Anda BJaSe eoyc
Um outro sortimento de 'coques de l-
vos e bonitos moldes cbm filets de vidrift
9 alguna d'elles oraados de- sflpi'as e fiL
98t3o todos exposts apreciacao de q
qs pretenda comprar. v
GOLLDSHAS E PUNHOS.BORDADOS
Obras de muito gosto. e perfeicao.
. Flvella. fitas para elatoax
Bello e variado sortimento de taes ojv
tos, ficando a boa eecolha ao gosto do coe
prador.
JoaqiiimE4r^ueria-
vars de Mello,
TEMARA VENDER '
em wn escnptonp, p5T A^rpo Santo
Fumo em plha
de 1" e 2- qualidade,' e vende nm ou mais
fardos a vontade dos compradores.
Cal de Lidio
ultinu, chegada. '" "
Potass daBisw
Farlmfca.de snasidloea.
Vinho Bordeaux.
de 1 qualidade. Tad d vende mais -
barato.do qqe em outra qnalquer partee
la
m
A H cada am : na roa
de pianos do Aaeveo,
Rota


>' I






1

ll
Diario de PefaffibttC Segunda feira 19 6% DeZenobro de lf
j-

-i_

-.tstv.iT'JW
IdTTERATRA.
BBUO DO DKITIVO
POR
Mayne Red
(Continuado)
Mas qual o ten plano ?perguntei
eu
F levar c amosco o amigo Ma do 1mp$: jara que pja Ii-1 > p,r aquel'a
ante, corapendo te.^em prevenga das re-
lage* era que -ests amelles, tjm.tr a ov
larra e illtici.jac-nos sobro o ciso
Nio tenho a menor davida.
Estamos de accordo. Agora passo a
trata* de ver o meio de te lazer paisa." o
erapoe mais agridavelmente posaivel, mas
recojo me esta casa de cebatario te pre-
a demasiado montona comparativamente
com aqjulla qjie-acabas de deiw : o pur-
gatorio depois ojo- panizo!
Sera po i.rr i-bar de concordar com a
analoga da asserglo. iratei de dlsforcar la
Mea com as risadas que o-gracejo do meu
amigo me provocon.
LXf
SU Nl'.VIERO DO t T1MKS
Apesar da prevengo do raeu vvlho IMfe
N3o me de-conbecida a dama, efcida com as da Estancia da Amarica do 8i
deciaro-The que raou i-m3o e ella oasceram
para fazercra a felc;dade um do ootro. Es
fa certo que gao dous caracteres perfeita-
raente homogneos /
Senhor como eu eslava da vida dalle,
entend d-ver abiler-me de quelquer con-
siderado reiat vamtnte.ao pasaado, e p >r
sao mudn do aa^umpto, perguotando-lhe :
Qjrt lonciona fazer a respeit) do an
nunc do Times? Bem v que se trata de
negocio de alguma importancia.
Gr. io que do ponen monta elle
rg.iio H..-nrijie.Deveni ser urnas mil
rrtiras que tii pa' dizia legar-me depois
Ma lori.-, e is;o por inri o do um tes
tfento que
como ama prslo de Newgate com um qaarto
do palacio de Buckingbam.
Entra va eu no ompoeirado Oicripiorio
do lettrado Lawson, de Lincoln's Iun
F.elds
Recebeu-me o ebefe da casa, homem de
aspecto cavalneiresco, e," como depois ti ve
occasiSo de cerlili :ar-me, a apparencia fal-
lava a verdade.
Em q e posso servi lo, capit5o ?
perguntou-me elle .ilenciosame.'.te, Usando
o ciliar no carlSo de visita por meio do qual
me izera annonciar.
A qui est a respetadase eu, apre-
sentandc-lhe o numero do Times e indcao-
do-lhe o local do annuncio citado com pm
"gemente, mis de sbito assumiu ora ar
alegre e disse:
Es:e testamento que me deshi-rdou
do ve causar-me alegra rec'Xdaglo, porque
foi a caasa de eu tu .linter a minha adora-
da Lucetta. Creo que convir contraigo em
que era a maior das desventuras deixar
:le possuir um ente to perfeilo.
S:ria nma indelicadeza da amia parte
nao encarecer o'jqoolla occarilo as quali-
dados da possoa de ijue se trata v?, e por
sso disse n qa' jne pnrecia a tal resptHo.
Elle continuara ladetiaiilainente a fa Jar'00
go e comp,ntH-,TO do collegio com respe7toi**,smo o!*'ietto, *e nao se aproximaste o
falta de di-tracefos na sua cjsa, tal foi 0 {mrcenlo de rimos a companhar as senho-
seu empcnbo em se me tornar agradavel,
que os oitodKwde permanencia a II, em
tez da me seremfastidiosos, me pareceram
curtos.
Na mariha do nono da ach-ava-me a ca-
yado na dispon icao de regressar do Rosario,
'acal da e.-tancia de Henrique, a qoeni j
oio podia ousiJeiar como estranbo, se,
om efcit-i, elle era o filho do general \Ur-
ing.
All me dirig acomp.mbido do meo '-aro
caffMMp/tendo a sat'sfaclode est^b lo-
cera mais pronunciada sympatbia entre dous
doi meus compatriotas, dignos ambos de
raanterem mais estreitas relaces do que
as'iam lila at all.
A signara Locetta houvese para rom-
r.osco "43o amavelmente como desde o pri-
aeiro H da minha apreseata^So e denlro
em poufc eramos tratados como pessoas de
familia.
V hospi&lidade que durante bastantes
.Jias all recebemo- foi denatareza ques-rh
rapossvel d-iiear de lamentar o perdela, e
f!evo ac editar que o meu ve I no amigo ce-
gressoo ?ua solitaria etancia na Irrme
disposicSo de se converter em benedictino.
Eu desda hg>> deUci --ser tratado como
^traflho.; o mea- h-jpede americano do
suf era o proprio Albo do gmeral Harding,
de Boochwood-Park, aquelle a que se refe-
ria o annuncio do Times, o exilado espon-
taneo at agora intilmente procur.do.
Ni entrevista que tivemos momentos de
pos do meu n gresso contou-me elle a sua
historia, tal qual me propuz a narrar na
saginas ant'.'cedentes.
K qoaoto a is o ?perguntei eu, in
iicando-lhe o annuncio Jo jornal.
f.mca o lirespondeu ellee a
ritoeira ve?, qne se me falla em tal coasa.
Mas nao sabia do-fal'.eeiBaento de seo
nai?
Ah I sim, soube pelos jornaes essa
triste noticia pouco depois do successo...
Infeliz pai! Quem sabe se eu fui inconside-
rado no meu procedimento ? Agora, porra
nao ha lugar reparaco do erro!
Gomo eu \isse que a pbysionomia se Ine
iranstomava de saudade ao recordar se de
seu pai, trjtei logo de mudar de conversa,
bando a com a seguinle prgnnta:
E nao soube do casamento de se.i ir-
: 0 ?' ...
Naorespondeu elle surprenendido.
Poia casou-se ?
De certo e ha j anuos. O seu caa-
nlo tambera foi annunciado nos peiiodi-
e com bastante ppparato. Admrame
'e o n3o soubesse.
Ah meu ango, depois da tri-to no
i do alleeimento de meu pai, nao abri
mais afulhi de nm peridico inglez : deles
I -, tono tudo o mai3 procedente da In-
glaterra Talvez mesmo j saiba que at
evito a Intimidado aqui com inglezes Mas
diga-me :piostguio ellequem foi a rao-
Iher qu Mr. NigM Harding se dgnoa lor-
iar feliz ? E* natural que a conhega.
Gasou com Miss Bella Mainwaring
redargjM eu com certo ar dissimulado, mas
3 e-preita da impresslo que 3 noticia pode-
rla causar. .
Enganei-me : o man ebo ficou impassive
com a novidade e disse com ar irnico :
;K suspendu a pbrase. sorrindo-se amar-1 trago ,'apis vermelho.Creo que sui
casa que devia d rigir-me.
Sim I exclamou elle, dando um pa-
lo na cade ira, como se eu 1 lie boovesse
apresentado urna pistola aopeito.Esttin-
ouncio foi publicado durante bastante lempo
e nao ha duvida so!.re a sua veracidade.
' !a dar-me nforma^es da pessi a i qua
elle se refero ?
Tai.ezrespond en com reserva, por
ignorar at que ponto poderia coo6ar-mii
no procurador.
E vive ainda Mr. Henrq-ne Harding ?
Assim o devo crer; pelo renos anda
ha dous mezes estire com tie.
O legista, eniha^hw-mado, soliou urna ei-
pressao anii-prolissional,- mas que Ibe sabio
da- bocea espontneamente, provucda pela
singalaridade da .-;tua?3o.
Mas serio o negoc'o,prosegw
elle-'Diuito serio f... Ora diga-me, o S;.
caph*o: d'onde vem ? 0 creo conheerer
o seu nomo e julgo pode recebe-lo com
CfUtidRca. Ten acaso intioidadd com Mr.
Nigel flarding"?'
Se tenho !acodi eu.Basta dizer-
Ibe quo sei que Mr. Nigel Harcng o ul-
tiinr boraem s regDsijar-se ccr* a' noticia
da exiltencia de sei7irr5o.
Estas pogeas palanae prodoziratn* sonre
Lawsoa o afeito de urna machina elctri-
ca. Logft" vi que elle se interessav pela
caosa de Hewi ue: a%m d'isso, ba^tom-
f?n, pu'o que aproveitei a occaso de tomar
a psuv'ra sobre oobjocto particular da no-
sa conversa, dizendo-ilu:
OuaiKiu rn.smo nao sojam mais de mil
bbras. eslendb valer apena tratardisso.
Sera duvidaredaruio elle.Tenho
j pensado oisso; quero1 diier, nesles lti-
mos lempos, porqae no priocipo consffr-
'vaiw lai resei>timeuio' do qoe pasaei em In-
glaterra^ que resolv reuaucr a esse pro-
prio iegadj. e. para Jiz'er a verdade, no
Uniu c*o fonana aqui, an*e* me considero
mais um cayeiro de meu sogirv loque pro
pri. tirio; poi'lanio a quanfi do mil libvas
nao me deverii' ser iadilTeresle.
_ Nesse cas' que decide t Besolve-se a
ir comigo a Inglaterra buscar esaa sarama fj
Da forma alg.una. Ainda-*>ue se tra-
tasse de urna quantia de dez md'Jrbras es-
terlinas, nao m resolveria a deixar y ame-
no vivar deste territorio. Se, con sup-
ponbo, as mil libras est3o em podter de
Lawson & Filhos,podt?r bavel-as por meio
de procurado. 3o rae disse que i* par*
tirpara Inglaterra?
Sem duvida pelo primeiru paquete.
Multo bem. Mas receio lornan-oae
importunuo, roubar-lbe tpt> aos seus ue-
gotii s...
au sai elles t3o consideraves, qne
me embaracem de oceupar-tue de qnalquer
encargo que se digna confiar-me,redar-
g en e creia que estimara desobrigar-
uie at certo ponto da divida que contrabi
no goso, de i3o benvola hospitalidade.
Nao fallemos nisso,acudi elle, rin-
do setanto mais que nao mim que
deve e.se servgo. Foi Locetta quem pri-
meiro o atolheu. Se eu aqui estivesse, re-
conbecendo no meu amigo um compatriota,
Ur-lhe-ia logo emprestado am cavallo, do
que resultara a sua immediata ausencia, e
dar-me-ia por satisfeito ficando em troca
com a sua magnifica orsa. Eu pnferia
proseguio ellea sua coadjuvagao neste
negocia de qualquer procurador do olli-
ci. Visto Ir a Londres, pedia-lhe que pro-
curasse Mrs. Lawson de Eilhos, do Lincol-
ns'Iund Fields. Se elles teem o dinheiro
em seu poder, cntregar-lh'o-b^o sem dil-
cudade. Dar-lhe-hei urna carta autorisan-
iio-o a recebar esa quantia, qual me far
o obsequio do envir a qaalquer binqueiro
en Buem.s-Ayres, que m'a remetiera pu
correspondenie em Rosario* Pode fazer-
me e.to s. ivigo?
Com a maiors.tisfacorespond eu.
Esi, pois, definido este nejocio. As
s nboras esperara-nos. Sei que gosta de
ouvir tocar violo e parace-me que ou;o
resoar o do Locetta ; Lu-gi canta qual ouiro
Mario, e a seorita, como elle chama sua
qoarida argentina, 6 um verd?deiro rouxi-
nol. Onga: estilo nos chamando. Venda,
cepito.
Es usado dzer-so com que boa vonta-
do eu .comparihci o meu obsequioso hos
aae info'raado que tinbo texado de jer
precoridor doj-dominios1 ifeBeecwood1.
a?severa>me que eite est vivo-
pergOQtoo Lawson com uaa rntimativa q&e
.r_
indicara- o intersese que elteligava re qaera d'jwidava responder.
deiro Henrique e legando as mil libras a
Nigel
MM. Lwjon di Filhos era-n nomeados
testamenteiros, d^terminando-xe ijoe as ul-
timas vontades do testador nao lossem com-
raunicadas a Nigei sento no caso de Henri-
que apparecer vivo. Para se poder ebegar
esse resnltado de'eriam os testamentei-
ros empregar 03 esforgos possiveis. Eo
trelanto Nigel .continuara de posse dos
bens, nos termos do primsiro testamento,
e, provan io-se que linrique fallecer, fi-
cava o segundo testamento sem effeilo
Por um codicllo deixava o general sua
irmSj urna pen 3o annoal do duzentas libras
esterlina paga pelo renli.-oeoio de seus
bens.
Taes erara os termos do nofcve! testa-
mento que o proenrador submetlsra mi-
aba apreciago. Escusado ser dttor a sa-
tisfag3o e a sorpreza que a sua letora me
causn.
O meu eslimavel hospede o joven estan-
ciero do Paran po-lia agora conniderar-se
indepeadenie do aoiilrcr de seu sogro, e,
por pouca alfeigjj que elle manifestasse para
com a Inglaterra, qnasi se poda afiangar
que a posee da grande beranca paterna de-
ia mudiftcar-lbe os preconceitos contra a
trra natal.
Bestia do que leiodisse eoque
Mr. Henrrqw Harding vem a ser o orneo
proprietario da Beechwooil-ParW ?
Indobitavelmente responden Lsw-
son. De lod a forlooa di .sen pai, ea-
cepg) das nit lbr e de ouiro pequeo
legado
Deve ser urna sorpreza bem potreo
agraarel para Nigel dfsse eo.
- B para Woolet iguatoente. Eftes fi-
zeram' todo o possivel p^ra me impedirem
[da publtear ns nuncios ttmcernantos ao
Wdeiro ausente. Provavejiaonle peosa-
vam que # consa limitava a um objeeto
da mil lbr esterlinas, quand e3ta quan^a
ejie vem a' ser o ico: patrimoriio de Nfr-
ge?. Veremos agora K>mo se ?* de o Sr-
Woolet pagnr de seus honorario*!' Plavra
que deve ser um abalo respaitavfc! Vou
tomar as Loinhas precio9>es para-1 appli-
car i-m: o.
g q .e teociona faser ?pascantei-
Ibe eu.
O lettrado fijwarne profoad8menie,corao
n'uma reoniao, nao ^Be -ea'ando
a menor
p. de ;ala prxima, onde aquella> melodio-
sas vozes rtclamavam as nosas presen-
gas.
fOLHETIM
XLII
0 TKSTAME.NTO 1)0 GBNBB VL.
[loas mezes depois achava ma :ob um
co bem d ff.rente daque'le que domina re-
gioes do Paran e n'uma samara t3o pare-
posta.
4qi est a eselhor prova-irlssores1
pondi e!>, apresontando le arcarla de au-
tiirsagao- pnra liqui&r a herang das mil
libras esfietlinas.
Mil bras teietamou o procoridor,
depois de ler a carta.Mil libras V...- Cem
mil qi vale o legado, afora o juros
capitalizado* b as hypctiwcas adjudicadas, e
os desperdicios de Woolet. e-se misera
val... Arr.da bem queebegou a tora da
puaifSo de Mr. Nigel Havdmg e sea cara
me tacle f
Eu nao coof^va- cora lal sabida. Bfciaai.
oois, a Lawson oocasio de se acalnur e
por ira ped-be expl cagues.
Explicasi5es V-brsdoa; eHe, pondo o
o3ulos com aa magistral..4 senbor voa
d r-lb'as cora o raaaor praaer : esta carta
apresenta-m'o como pesso* da maior con
lianga. Cora qce eafio o rapai e.-t viso-"?1
O liHt querido de- meu velbo- amigo; coa
elle dizia boca Ja morte!' Anda otra*
que vive e que poderainos pair o usinrptH-
dor, assim come o tal tratailo tte Wooltt:
lato o a mais agradavel-de todas as nove-
dades: corresponda nma ressturreigao 1
Nio comprebendo bem frqeo me dc
aeedi eu.O que sei qne- veaboproca
ra-lo 4a parte do meo amigo Ifnriqae 11-
ding, quem enconlre casualmente na Ame-
rica do Sul, as margeos do Paraa, come-
elle refere nessa carta; que o raesrao me
encarregoo de umacommissoem cay> boca-
xito me empenho, eonsistindo em tdma^
eu conta de mil libras esterlinas que se
pai Ibe legara, e que suppoe existireau em
ppdt-r lo Sr. Lawson.
Mil libras 1proseguio eHe no mismo
tem de exc'amagan.Pois s o dominio de
Beechwood n3o valer mais do-qaa isso ?
Ora lea, capt3o, lea.
E, assim fallando^ esiendia-me-ixaa grande
folha de pergaminho, que acababa de tirar
de um armario.
Era um testamento, que me limitare i
descrever em resum.
Revogando a sua anterior di<>po8icotes-
tamentaria, na qual deixava a--totalidade
dos bens -a eu filho Nigel e o legado de
mil libras a Henrique, o general Harding
neste d>cumenlo inverta sorapletamante
os termos, instkuindo por universal her-
Descnlpe-rae, Sr. Lawson,aco# en
mss esta pergout* um* simpler cn-
^iosidade;'beraSK qoe cora jso nada le-
nto.
Enfaoo-se, csnrto; desrolpe a fraa-
qpeza' coa* qjae o tsracto, maa o negocio;
amo seo, visto que-Harding o constitae-
so representante iirsotidtim.
E' verdece, maa -lo n bjrpothese
de que a quantia a receber e-ro de at'A>
libros esteritoas. Afcer tracta-se, come
diz,.de urna heranga (N cera mil, o-'qne faz
graad ditlereo^a, e eu roceio qoe-*isso ex-
ced o peder- que n fbrara cn#srdos.
Ma* se eu nao senho por- mim s poderes
par accionar era joizo, estou' a*- menos
constituido, petfes fineza>-qoe devo ao man
amigo Itardr-g; na obriga^io de ajadar o
seu i procurador am tudo o qne eawja ao
meu alcance.
roR
- Er exactaiafse o rgw eu -soRita, a-
;por isso ha poareo besita*'a< na mmba- res-
aosts. Folgo com'a certesa daso*coope-
raglo, e crea qne n3o se larga assim' urna
fortuna d'esta ondem sena disputar com
uahas e entes. D^vmo* esperar por ama
locta importante;, revestiojo- e maaejos de
una deitencia emms que dtwidosa, tendo
por adversario un1 homw- "orno W)c4et,
o chicanejro mafe*onsom*Dedo que se lera
v>ta.
Mae como se pode soniestar \ito les-
amacto da mais absoluta slarexa e positivis-
mo,, sendo, como-scppoto, o mais recente
na data ?
E asignad pelo general RlrJksf, na
vesroera da sua aaorte, perate testemuohas
o pe-feilamento legal ero todos os seus ter-
mosaccresceatoa o letrado.
E ent3o?
Sim...e ento? Obrkar r.s-h3o a
comprovar a ideotidade do leg.atario, o que
-o.ponto capial da qaesto Diga-me :
C'.'nj quem se parece o mancebo ? Ter a
physionomia aoito modada desde que dei-
xou a Inglaterra f'
E* o que eu naopossn afianar.
Pois nio rae disse o que o vio-ainda ha
dous mezes ?
E' verdade mss qossi se pode dizer
que foi essa a priraeirri vez, porqnanto ape-
nas o encontrara ha eousa de seis annos
idea da sua physionrxnia do er-tao.
A'qoelle lempo era elle ben jovtn ;
hoja deve eslar muito mudado. Depois, o
captiveiio entre os salladores, os combates
as barricadas, a barba crescda, a tez bron-
ceada pelo sol americano, tudo emfira deve
ter transformado o Henrique Harding de
ouiro tempo Palavra que antev>,jo n'este
negocio gr.ndes dificuldades. De mais a
mus, boje encontra-se por nbi gente capaz
de jurar tudo o que sa qu.ha, at de jurar
que o branco reto ; o ca?o est na paga.
o caso presente nao falt r dinheiro nem
a determinagio de o applicir conveniente-
mente. Woolet nao hornera que hesite pe-
rante dilliculdac'e algti'na ; Mr. Nigel Har-
ding n3o ser lalvez rak'i{ escropuloso, n3o
fallando em Mad. Harding e *a respeitavel
ini. Temos grande lucia, pode cre-lo,
capitao f
Mas o senhor nao me parece sentir gran-
de receto quanto ao resultadodfese eu,
depois de observar o ar triompuante com
que elle se exprimir,
De cerhrqne d3oredarguo eHe,
Pouco me importan) *s dilliceudades ; ellas
que se apresentem, ,'ois me nao faltara raeios
de as combater. Portapto o capillo otrja
tranquillo e eu optevinirei'convenien.emen-
te ; 80 me basta poder reanir o tribunal
todos o interessados.
R de parecer"que se proponha des-
de j a demanda.
Nao ; o primeiro passo a dar faz r
com quo Mr. Henrique*.Harding'veoba a Lon-
dres. Traet&ms de o mandar rir ; creio
que a sua resMoncia actual estancia
Torrean, em Rosario, no Parando Men fi-
lho va partir HBmediatamente par* Am rica
do Sul ; longa-a viagem. mas n3o importa.
Agora tenho dnae cousas a p*dir-lue,- capi-
llo ; a pnme'rra o favor de escrever- j
urna carta ao ^eo traigo Henrique Hrd:ng;
narraodo-lhe tudoo qne so tura1 paosado
aqu, &t qual ser portador i*u filho, e- a
outra coM e o segredoinviotevel at a che-
gada do mesmo seu amigo.
Gomo ara dei esperar, acceitei e compro-
misso : de a Lawson*Jnfor todas-as indcv-
oes necesswrias para faciliur a sua viagem
transatlntica ; depois- deixei o nam ende-
rece Lawson Snior pan que AM se po-
zcsae era contacto cc-raciigo, semprequeo
jolgBsse converMoote, e em seguida ansentei-
rae do gab nete, onda aoabava de azer a
mais valiosa' drscobena de toda a^sanba
vida.
LXJH
Da DO OESTfVO
Seis atezes depois era cbaasado ao ttba-
nal cono testeraoaia em umprocesso alias
bemtriricl : o Jacontestag* de um tasta-
mento.
Este processo, porm, ena> vestido de
circumstaaeias murt partcolsrea, e tamtem
adquiri, em raza > da posigla social de ai
gomas das: psrtes, t8o excepeioaal impw-
laocia, qua-bem-po-lia ser contado no na-
aero das cansas celebres.
Hardinj contra Harding > bi o titulo
ce o qual a causa dea entrad em juizc.
0 reo era Mf. Nigei- Harding, esquire de
aeedcwood-Prrk, Buclnham-3aire ; o au-
iberMr. Henrique Haiding, supgosio irmo
do sen adversario.
,-t-demanda liaba por objeeto uow fortu-
n3 avahada era cem nal libras esterlinas,
empuja posse se achava o demandado, por
virtade de uro testamento feito pelo gene-
rad Harding, seu pai, una anuo sales de
roorrer e perfectamente autheotico/
Bsle lestamento, tlahorado por um ta-
belIilO'e proviaeia denominado- Woolet,
rebocadoeencearadopelo proprov eperseu
esoreveate, na validado de teeteaonha,
coneria ao filho primoganito Nigsl- a. total-
dale depatrimonio, cora* eiclso-de mil
li&ras, como legado para- o filho segando,
chamada- Henriqoe.
A doacao era terminante o sofefcfrmulas
ragularss, e comqoanto a paitlbaparecesse
niqua, djzia-se que t'nM suas razeos de
ser, naVse atrevendo ningem a contestar o
din to co testador.
Apparecia, po.-m, -iraa ilifficulJa,!e : era
vexistsocia de uiite^tamiaio -comv>data pos-
terior qaelle, e qoo da-v em resaltad'-,
urna vez admittida a sua authenlicidade,
destruir complotamente as forgse do prV-
meice-, visto que-logava- tola a foruna aa
filho mais novo rail libras penas ao ma
ve I be.
Esta singular, mudasga de disposigSo da-
va-so em circomstancias mais siagolares ain-
da. A leitora do segundo testamento de-
moastrou que o mais novo de irm3os se
acbava no estrsngciro ao tempo da sua
confeegao e aindi mais que $o suppqaba
m rto.
O testador, portanto, ettava em davida
sobre o falleciraenlo do legatario, e por isse
inserir no testamento a condigno de que
sen filho, caso apparecesse, seria iurestido
na posse tranquilla de todos os beqi, com
excepgao das mil libras referidas, e O lega-
tario universal do segundo testamento bavh
regressado ; pelo menos assim o allegava
Herir'qu Harding, na qoalidade de auihor.
N3o Ihe fo'.porm. dada a pa ifka pos-
se, como determinava o testamento; ao
contrario, os sens direit s am passar pelo
crysol da legalidade, e ser contestados com
toda a energa e argucia mais on menos le-
gal a que se socorren os demandntas n'esfa
especia dequestoea.
Ainda assim, a dtfeza no atacava a va-
'ade do segundo teslawento, escripto e
rrferendadoporain legisla de concuss*re-
"peitabrFidade.
O ponto vjlneravel era o* a deLtidado
do author.
O reo allirnrava n3o s que o anthor n3>
era sea irralo, i> i que entre ellos se nao
dava o menor grau de paren*.e;tav
Ainds que nio ba?a certeza abaoota da
raurte de Henrique. acreotava-so,- todava
como fado acontecido.
Em abono d'esta supposiglo prod\nia a
defeza as cartas db anthor, por onde se
prevava ter slle sido a)ri' (Madrilha de salteadores, quo affirraavamt
dar-Ihe a mo7te, no co- di n3o Ih^s ser
enviada urna certa quant' para o resgatar.
Prcyvavs-se que tal quantia r>3o fra ea*'
tregne aos salteadores e isso mesmo confes*-
savam ?s testemimhas do ultbor.
Prestvmia-se, pois com bias rsze, que'
os malvados linharo effectuado-o a*assinato
com que,- pela bocea de sea etefe Corvino,
fra ameajada a familia Harding;
Foram1 estas ideas mentidas no animo do
jury pelo eloqenle discurso do-eminente
advrgado I1 quera Woolet confiCTi os inte-
resses do sea constitunte, e erara considera-
dos incriveis-os argumentos do autler, por-
qoanto seria- absm do suppor se qoe o filho
de nm nobre'kiglez se dedicasse espont-
neamente boajlde condeso de pintor de
quedros, exilando-se dep> i n'um paia'-coreo
a--A marica do Sai, esquecendo ahi a braban-
te" posiglo que fee eslava reservada rwsu
le^-a para s setembrar disso casualmente
annos depois.
6mprehendia-se a expatralo volunta-
ria n^uffl rapaz de ootn claese social, roas
era inverosmil no-fiNio de nm-general, se*-
nhor de grande forteaa.
Ghe^ou o jury acreditar no facto d
aprisioeafimito pelos salteadores, mas o do
exilio espoalaneo n2o naerecia crdito algnm.
Tal era o estado da causa, depois de
muitos dias de audiencia coosaodos era.
interrogatorios sem fim, aproximndose j
a concluslo do processo.
O lepoimeato de todas as testemunhas
lo author lora impotente para provir a sua
denudado; Foi impossivel meller na cabega
do jurados inglezes qae ojoveo barbado e
de tez morena,' apresentado como preten-
deote ao dominio de Beeebwood-Park, po-
desse seroft do aotgo propietario do
mesmo deminio, em qoaoto qoe acrdila-
vaaa que a-proprietar'io autoal, o cavalhero
qoe tinharai-diaote de si>oilencioso a-de rosto
paltido, er* indobitavelmeate o verdadeiro
sesbot delia.-.
Xavier le Montpin.
rlHfE TKIU'FIH.%.
A CONOESSV DE ION
(Continaag3o don.28U
XXVIII
A ultima noute.
\ enndessa, qne j tinba firmado o seu
plano e eslava decidida tudo, resolveu
aproveitar-se da primeira noute em que
sror rsula estivesse de servigo para fa
zer orna tentativa de evas3o.
Essa noute fez se esperar muito.
S faltavam tres dias para a poca fsUl
qoe o medico fnra para a. convalescente
voltar soa divislo.
Devoravama a impaciencia e a ancieda-
de. Urna febre continua lhe"abraava o
sangoe Das veas.
Finalmente, ao terceiro da, pooco antes
das dez da noute, sror rsula entrou no
dormitorio coramum em companhia de ou-
tra gordanebuda religiosa, que se chamava
sror Leonor.
Esta ultima foi para o gabinete, onde
pouco depois se oovio o mais suave reso-
nar, emquanto sror rsula, de rosario ca
m3o, principion a primeira ronda.
Axondessa liaba-te deitado vestida.
O uniforme do hospital consista n'uma
tuuica comprida de cor ciozenta e um cor-
po, que se apertava na cintura por meio de
nm cordao cosido fazenda.
Deram onze boras, depois meia noote.
Os minotos partciam scalos condessa;
as vetes pergiinta-a ri mesma se nao a
sullcear am rs palpitagois do coragao.
L ia, na ra, oovia-se cahir thtva
torrei.tes, e o vento agitaba com formida-
veis mugid s s arvores dos pateos.
Ou nbo, oa es'.ou douda, dizia en-
tro si a ci-ndesaa ; urna noute s nio pode
durar linio.
Bad^larara duas horas. Sror Leonor,
poetad como os soldados ou como os ca-
gadores que acordara hora exacta, sahio
do gabinete, onde foi substituida por sorror
rsula.
A gordanchuda religiosa fez urna ronda,
parando consciencosaraente diante de cada
cama e recit-ndo cora voz surda e mon-
tona os Padre-Nossos e Ave-Maria do seu
rosario.
Ajoellnu depois ao p de um erucifixo
que se va na extremidade da sala, e afinal.
assentou-se n'uma cadera de bragos, e
foi passando por entre os os dedos as con
tas do rosario, qoe durou "at occasiSo da
segunda ronda, que fez s Ires em ponto,
jorque em tudo empregava urna regulari-
dade systematica.
Terminada esta ronda, voltou para a car
deira.
" A condessa tinha-se erguido um pouco
para nao perder nem am s dos seus mo-
vimentos.
Vio sowr Leonor mover a cabega para
am e ontro lado e inclina-la sobre o peto;
vio-a deixaj cahir os bracos ; mas logo le-
vantoua cabega, e ascoatas do rosario eon-
tiooaram a passar por entre os dedos.
Era evidente qd*.a boa da religiosa lu-
tava com valor contra o somno que a per-
segua. Sahiria victoriosa de semelhante
lula ? Tal era para a condessa o Tobeor
not !) be de Shakespeare.
Afioal vencen o somno, A cabega id-
clnoa-se e nio se tornoa a levantar ; o ro-
sario cabio no. chSo, e entroa a ouvir-se
no meio da profundo silencio da noute um
roncar que semelhava com bastante
exactidlo s notas graves de am orglo.
A senhora de Rabn s esperava aquella
occaso.
Saltou da cama, e andando, de gal in has,
ebegou ao gabinete e entroa n'elle toda tr-
mula.
Sror rsula dorma.
A condessa pegou ao chapeo, no habito
e no manto que coasutuiam o trajo da re-
ligiosa.
N'ura rpido relancear de albos vio que
a chave eslava no sea lagar, pendente d<>
cinto, e com um sopro apagn a luz, para
que sror rsula nao podesse notar, se
acordasse, a desapparigio dos seas ves-
tidos.
Voltou depois sata, vestio o habilo das
servas de Deas por cima do seu praprio
fato, mettea debaixo do travesseiro o cha-
peo que a poderia denunciar, e tornou a
detar-se, tendo todo o cuidado de se co-
br* at cabega cora 1 roupa da cama,
porque o instante da evas3o nio tioha che-
gado ainda.
Mal tinha terminado to feliimente a pri-
meira parte da sua arriscada, empresa, acor-
dou sror Leonor e passoa a vista roda
de si.
Tudo eslava tranquillo.
A posse-vate pelo titulo diz o velbo
adagio, e qando, de mais a mais-, essa
pesse se refere a urna grande fortuna, con-
verte-se o adagio em axioma per3ote um
jurty de cooMnerciantes pglezes.
A cansa o-author pareca perdida. A
despeito de todos os fictos conhecidos pelo
leitor, a reivindigag3o proposta em juizo
po* Hunriqoe Harding ia ser solemnemante
ligada como teotativ de dolo.
Bvam oe-debates seguido ^cua-tramites
e-acbavamso prestes a. fecbar-se, quando
o-advogado dO'author rrclamou n>vo inque-
rite de urna testemunba que j lora pergun-
taaa relativamente ao prinaeiro tastamento,
o cajo depoimento dera resultado poaco
propicio para o seu constituinte.
Esta testemunha uo ara mais nem menos
do que Lavson Snior, da casa Lauwson i
Batos, lettrados de L'ncoln's lun Fields.
Ao tonvr lugar no t>anco das testemu-
n!s, o velbo lettrado percorrou o aidto-
rio com oluar irnico a malicioso, o qual s
mais tarde foi comprehendido pelos dozo
bamens boas e chlca-qoe compuabam o jury.
Passaram-se minutos, depois boras.
A chuva, impellida pelo vento, agoutava
os, vdros das janellas, e a menor densida
de das trevas l por (ora annunciava que
nao tardara em ama: hecer.
Iam d^r seis boras ; sror Lj30bor, de-
pois de innomeras voltas ao rosario, tinba
adormecido de todo ; raas'as vibrages do
reiogio haviam de acordada certament, e
com ella sror rsula.
Mea Deus I mormurou a condessa, i
vos me entrego, salvai-me I
Poz na cabega o chapeo de religiosa, cu-
jas abas Ihe occaltavam os cabellos e parte
da caaa, 9, com as metmas precauges qoe
erapregra para se dirigir ao gabinete, en-
camiohouse para a porta da sabida.
Essa porta era qi opposta extremidade
da sala, maitQ |onge, por QOQsegain.te, de
sror Leonor, e no eslava eehada chave
porque deilava paea am quario onde dor-
miam duas enferxneiras, dispostas a acudir
era auxilio das religiosas, se durante a
noute so declarasse alguma douda em aber-
ta rebelli3o.
A>. condessa. entroa u'aquelle qaarto e
cerrou brandemeote a poria ape si.
Urna das enfermeiras acordou e ergueu-
se no leitCs. esfregando os oihos cofa as
costas da mo.
Era oraa robusta rapariga* maito babil
na applieaglo do colete de forgas.
A senhora de tfcabon estuemoceue sentio
correr-lhe pela testa nm suor gelado.
A enfermeira jnlgon reconliecer sror
rsula, e disserlhe coma voz somnolenta:
Vai-se ailo cedo, minha irma. J
amanheceu ?
S5o seis horas, balbociou a con-
dessa.
J I... Enlio toca a levantar. Deas
v na sua guarda, miaba irma ; corra o
ferrolho de cima ; bem sare que est al-
goma coasa perro.
A senhora de Rahon n3o respondeu ; o
lerrolho resisti aos seus esforgos, e j prio-
cipiava a perder a cabega, tremendo como
varas verdes.
Espere ahi, disse a enfermeira eu l
vonv
O ferrolho cedeu afinal, e a condessa
vio-se na escada.
Teria querido correr, mas n3o se atreveu.
Por um lado a prudencia ordenava o cami-
obar de vagar, e por ootro lado, era muito
possivel que a soa fgida se descobru-se
de um instante para o ouiro.
A fugitiva chegoa afinal ra iaterna, e
a chava bateq-lhe na cara. Foi direita
grade, e com a mo trmula mettea a cha-
re na fechadura. *
Quem vat abi % perguntou o por-
leiro.
Son>eu, sror Ursola.
Muio bem, minha irmla ; desculpe
a nao ir abrir a por?*, porque esloa fa-
aeodo a barba,
A condessa sahio, e a grade fechourse
aps si ciimMiiistro ruido.
J restava s ei,ire a fugitiva e a Hber-
dade urna porta ; mas ao lado d'essa porta
dous horneas astavam fallando, nao ohstanle
a chuva.
Aquellas, dous homens conhecam, talvez
sror rsula e as demais religiosas, e de
certo se admira.! iam de ver urna cara aova.
Quam.sabe se a condessa ia sogobrar
n'aqaelle ultimo escolho ?
Deram seis boras... N'aqu&lle instante
despertavam talvez m enfermara as duas
religiosas... e viam. que eslava urna cama,
sem ninguem ... e que o fato bavia desap^
parecido...
De um momento para o onlrq corra
como urna faisca. slectrica a voz da fgida.
Peta segunda vez se poz a fugitiva as
mos de Deus a se adiantou com passo r-
pido, mas desigual, porque as pernas vacil-
lavam sem ella querer.
O crepsculo matutino ainda nio tinha
dissipado de todo as trevas. A chuva e o
vento tirvaam augmentado de ntensidade.
Os dous homens que pareciam estar de
guarda porta erara o porleiro mor e nm
dos seus aldanles.
O porleiro deu um passo para a con-
dessa.
Estoa perdida, pensou a senhora de
Rahon ; va cortar-me o passo.
Nio obstante ato, continan avaaganda.
O porte*Vez com a m3o a continencia
militar, pwqqe era um velho soldado.
Que diz ao tempnho que va fazendo,
minha irmSa ? perguntou elle cora entona-
do respeitosa e jovial um tempo. De
boa vontade Ihe ofierecia um gurda-chava;
mas a miaba irma nao era capaz de o
agnentar, com esta endemoninhada venta-
na. Entlo, Gregorio, accrescentou vol-
tando-se para o ajodaate, qoe ests fazen-
do ? Deixas a nossa irma incommodar-se
em abrir a porta ? Avia-te, homem I
A senhora de Rabn nio tinha torgas
para pronunciar nem urna palavra ; cooipri-
mentoq coa a cabega, e passoo,
(Continnar-se-ha.)
Um estremecimento de jubilo reanimou
os seus membros entumecidos, quando
pisou a trra livre, quando se violera do
recinto da casa, maldita.
Acommetleu-a, porm, ao mesmo tempe
novo, receio. A porta nio se tinba fechado
ap&si. O paiteiro da-ceito a segma coros
a vista ; e a coodessa tgnorava Complela-
meoti em que direcg3o Ucava o convenio,
pera onde apparenlemente se havia de di-
rigir.
A menor hesitaglo da sua parle bastara
para despertar suspeitas; mas n3o basilou,
e, confiaado-se ao icaso, tamou resoluta
mente para a esquerda.
Favoreceu-a o acaso, porqae efectiva-
mente bavia escolhido o bom caminho, e o
porteiro voltou para o sea coebiebolo sem
que pela menta Ihe passasse a menor sus-
peita.
Em todo o espago que a vista pidia
abranger, a ra eslava deserta e apresen-
lava o aspecto de um immenso lodagal.
A fugitiva deitoaa correr.
D'alli i poneos minutos vio diante de si
urna casa, aa para melhor dizer, um par-
dieiro, ebeo de ruinas, e abandonado ha-
via tempo. -
A condessa entrdu all para despir o fato
de religiosa, que seguramente a denuncia-
va se algaem sahsse oa sua pista.
Feilo islo, segio novamenie seu cami-
nho, e alravessou correndo o intrincad*
ddalo de ras estrellas e populosas que
mesmo actualmente anda enchem as im-
mediages da montanba de Santa Geno-
veva.
A fugitiva n3o sabia para onde ia.
Gaminbava sem voltar a cabega por en-
tre a chuva e a 1- ma, s com o fim de se
afastar o mais possivel do hospital.- O ar
livre a o movimento embriagavam-a e
davam-lbe forgis sobrenaturaes.
(ObnltaNar-at-Aa).
____
YP. DO DlAHIQ-aUA IK> OQUB D8 CAXU3
P
"




,.


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E6VDTZ7WL_J7RHK0 INGEST_TIME 2013-09-13T23:23:21Z PACKAGE AA00011611_12291
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES