Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:12281


This item is only available as the following downloads:


Full Text
II
JUNO XLVI. NUMERO 277.
|
TERfA FEIRA 6 DE DEZEMBR8 DE 1870.
FATU A CAPITA1 E IW1MS OfE IAO SE PACA POITE.
Por tres inca Jdhrnudos .
PA1A DHTBO E FOBA DA PS0VL5CIA.
*
nwawo --,.....m...... 04000
J seis dito* Ufo................... 42aOOt>
Uda mugiorw avuisa......... ...... 320

Por tres metes allantados
Por seis ditos dem. .
Por nove ditos idem .
Por un anno idem .



W7IO
13*WO
20*350
371000 .
Propriedade de Manoel FiAeira de Faria & Fhos.
AO Al
Os Srs. Gerardo Antonio Alves 4 Filhos, no Para ; Goncalves & Pialo, ao Maranblo ; Joaquina Jos de Oliveira, no Cear ; Monto de Lemoc Braga, no Aracaty ; J0S0 Mara Jolo Chaves, do Ass ; Antonio Marques da SHva, ao NaUI; Jos Justino
Pereira d'Almeida, era Mamanguape ; Antonio Alejandrino de Lima, na Parahyba ; Antonio Jos Gome| na Villa da Penoa ; Belarmino dos Santos Bulcao, em Santo Anto ; Domingos Jos da Costa Braga,
em Nazareth ; Francisco Tavares da Costa, em Aia.?oas ; Dr. Jos Martins Bres, na Baha ; e Jos Ribeiro Gasparinho no Rio de Janeiro.
PAUTE OFnCAL.
Governo da provincia.
KXPEDIENTH DO DA I O DEZ3WM0 DS 1870.
Acto?:
O presidente do director geral dain trucglo publica de 30 do
ooiembr o prximo finito so!) n. 378, resolve noraear
ciisdJo E'luardo lo Alve de Mello delegado
Iliterario do povoado do Ganlwtintio.
Communicou-se ao referido direclor.
O presidente da provincia, altendendo ao que
requeren Candido Jos de Oliveira, guarda do 4
armatem do almoxariMo do arsenal de guerra, e
avista da inormacao to respectivo director, resol-
ve con reder-lhe tres mez*s de licenja-eom d ms
lerdos do ordenado, nos termos do avilo n minis
terio da guerra de 2!) de outubro de 1889, pira
tratar de sua sanie.
Offlcio:
Ao Extn. presidente do supremo tribunal de
Justina, iransmiiiindo a resposia, uue deu o jai! de
direilo Caetano E*telliu Cavalcants Pesso recia-
maglo do antiguidade do bacharel Antonio Gomes
Villaca.
Ao general cemmandanie das armis, para
fazer recolherao respeciivo qo.-irlol o dosucamen
to que se acha na illia do Pina, valo lar cessado
. motivo, pelo qual foi para all enviado.
Ao roesmo, dizendo que pml permiltir, que
o soldad.i invalido Manoel Joaqaim de Sant'Anna,
Actualmente incluido no deposito do rearlas, v
re-idir no povoado TromMias, ate que chegue a
sua baixa ou reforma, ficando, porui, obrigado a
comparecercer mensalmente a* revistas de raos-
Ao inspector da ihesouraria de fazenda, com-
municando que. segundo consta de aviso do mi-
uisterio da jusiiga de 21 de novembro ultimo, soli-
citou-se a expedigSo Je ordens, para que essa the-
soararia seja habilitada a pagar a ajada de casto
ac I0*, arbitrada ao bacharel Manoel Aunes Ja-
come Pires, jaiz municipal e de orphios do termo
d'Agua-Preta.
Ao mesmo, recommendando a expedicgao de
saas ordens para que, de conformidadc com o
aviso do ministerio do imperio de 13 de novembro
ultimo, sejam pagos os honorarios dos professores
nlttmamente nomeaios para o seminario de. Olinda,
desdo a dala que dcixiram de ser abonados.
Ao mesmo, enviando copia do aviso circular
de 19 de novomoro ultimo, em que o Exm. Sr. mi-
nistro da marinha indica a providencia, que so
rtever torear no raso do ser rasuffieiente a quan
(ia de 200*., abonada na corte aos commandantes
dos transportes do estado para fornecimenlo de
pao e carne verde as respectivas guarnicoes, em
eonsequencia de tercm os mesmos transportes,
por motivo imprevistos,es bom do servieo, maior
demora, do que de costume nos portos, era que
wcarem.
Ao mesmo, declarando que, segundo o aviso
ii) ministerio do imperio de 17 de novembro fin-
do, foi concedido pela verbaPresidencias de Pro-
vinciasno exercicio correnta um crdito de
1:500/ para as despeas com a acquisieio de mo-
bilia e d. coraglo do palacio desta presidencia.
Ao mesmo, mandando aiiantar tres tres
mezes do sold ao aliares do 91 balalhio de ioan-
taria, Francisco de Panla Moreira, afina de serem
descontados pela 5* parle.
Ao mesmo, inteirando-o de que.segundo aviso
do ministerio do imperio de 17 de novembro ulli-
mo, foram approvadas as desoezas na importan-
cia de 2754820 rs. autorizadas sol a responsabi-
lidade da presidencia, sendo 1154820, proveniente
de urna ambulancia de medicamentos, que forne-
cinas 'Cato A (',., para o tratamenlo do indigentes
accommettidos do febre perniciosa no termo do
luricury; 100*000 de duas carteiras com medica-
mentos h oncEopathicos, que o Dr. Pedro de Albay-
de Lobo Moscoso venceu para o curativo dos des
validos atacados da vario! em Agua Preta; e
(DIODO despendidos rom a condcelo d'aquel la
mbulaucia.
Ao mesmo, para que, de conformidade cora
> aviso do ministerio do imperio de 22 de novem-
bro ultimo, mande abonar ao cooego, bacharel
Manoel lhomaz de Oliveira, os vencimontos^qne
Ihe compelirem, como professor d) Seminario
Episcopal, desde a data de sua reinlegracio na
codeira de thcologia 11 ral.
Ao mesmo, tran- mtindo por copia, para que
InBht a deviiaexecucao, o aviso de 17 de novem-
bro ndo, no qual o Exm. Sr. ministro da fazenda
declarou approvadas as arremataroes da com-
prehensos denominadas Eogenh novo, Cumbe
e Panganh, bem como as dos lotes da compre-
hensSo Carece o Sitio Uageiro e da denominada
CapiDaribe da Lapa, pertenecntes todas ao extiocto
vinculo do Itamb.
Remetteuse copia do citado aviso do juiz dos
feitos da fazenda e o procurador fiscal.
Ao mesmo, mandando pagar os vencimen-
tjs dos oficiaos, pracas e calcetas, empregados
no deposito de reerntas, sendo os dos olficiaes e
.lcelas relativos ao mez de novembro ultimo, e
os das pragas a 2.a quinzena do mesmo mez.
Ao mesmo, para informar, ouvindo o ins-
pector da alfandega desta capital, acerca da me-
luora de licenga, que o chefe de seccao di mesma
alfandega, Jacome Gerald > Maria Lumacby de
Mello, pede ao governo imperial.
Ao mesmo, declarando que, segundo aviso
do ministerio do imperio de 22 de novembro ul-
timo, foi autorisado no actual exercicio um cr-
dito de 6004000 paia as despezas com a compra
de movis neeessarhs ao uso da faculdade de
d-reito desta cidade.
Ao regedor do gymnasio provincia!, dizendo
que, acerca da compra de mobilia, de una sera-
pina e quadros, de que necessita aquelle estabe-
leciraento e a respectiva eapclla, va fazendo por
ronta do crdito de 3:000*000, votado pelo 8.
art. 6. da le do orgamento vigente, o que juigar
rnais urgente, e remeta opportunamonte os pedi-
dos para o respectivo pagamento.
Communicou se a thesouraria provincial.
__Ao engenheiro encarregado das obras mili-
tares, recommendando que mande executar ">de
conformidade com o respectivo orgamento, os
< oncenos de que precisa o forte do Buraco, visto
ler o Exc. Sr. ministro da guerra, segundo deca-
ron em aviso de 21 de novembro fiado, providen-
ciado para que a thesouraria de fazenda seja
habilitada com o crdito de 8794090 para esse
hm.
Communicou-se ao inspector da mesma thesou-
raria.
Ao director do arsenal de guerra, para man-
dar forneeer ao capilo quartel-mestre geral inte-
rino do commando superior da guarda nacional
d'eete municipio, Francisco Gomes de Oliveira
Sobrioho, o cartuxame de mosquetaria para as
deKirgas da tropa <|ue amanha se tem de formar
m grande parada pelo anniversario nataliicio de
Sua Magesude o Imperador.
Ao juiz de dirsito da comarca de Tacaral,
para que, en observancia ao aviso do ministerio
da jostica de 22 do mez lindo, mande por em con
curso a serventa vitalicia de scrivao do jury e
exeouges rimes duqualle termo, de cooforundade
com u disposto no riecreto 817 de 30 do agosto de
1881. ,;
Porua:
Ao gereote a compaahia Pernambucana,
mandando dar transporte para o presidio de Fer-
nando de iWunna, no vapor que para all segae,
ao coronel los Angelo de Moraes fiego, comraao
danle nomeado para aquelle presidio, e bem assim
a sua Dagagem.
Communicou-se ao general commandante das
armas.
Despachos:
Dacharel Arminio Coriolaao lavares do? Santos.
Como requer.
Antonio Jos Cordeiro de Mello.-Informe o Sr.
inspector da thesouraria de f -zonda.
Feli-mraa Pereira de Moura.Ao Sr. provedor
da Sinta Casa de Misericordia para attender a sup
plicante, se nao hauver ineonveuieate.
Francisco de Paul Moreira A' thesouraria de
fazenda, com offlcio d'esta data.
Innandade da Senhora Saut'Anaa da igreja ma-
iriz de Grvala.Por ora nao tem lugar o que re-
quer.
Ignez Pranc'sea di Conceigac Brum.Informe o
Sr. provedor da Sama Casa de Misericordia.
Jos Vicente de Paula.iodeferido, vista do
que informou o subdelegado do Recite. -
Alferes J.is Pereira LeitcAo Sr. Dr. chefo de
polica para informar com urgencia, e logo provi-
denciar como couber em suas at(ribu:gds.
Joanna d^ Siqueira e Silva.Informe o Sr. Dr.
director geral da instruegao publica.
Lniza Clementina Vieira de Mello.Informe o
Sr. Dr, director geral da Instruegao publica.
ESPEDIENTE DO SECRETARIO.
OfficiOo:
Ao exceentlssimo conselheiro director geral da
secretaria do ministerio da marinha, acensan I o,
de ordem de S. Ex;., a recepgo de um exemplar
impresso di lei n. 1803, de 12 de agosto ultimo,
lixando a forca naval para o anno tinanceiro de
1871 1872.
Remetieu-se copia da raen.'jonada lei ao_ ins-
pector do arsenal do marinha e ao capilo do
porto.
Ao bacharel Jos Francisco Ge3 Cavalcante,
juiz municipal do term > do lionil, declarando que,
segundo consta do avi^o do ministerio da jusiiga
do 22 de novembro nliimo, nao tem S. S. juz
ajuda de custo que requereu, pois que fura Bo-
rneado para o termo do Serinhem por decreto de
II de maio d'este anno, quando ainda nao \igora-
va a lei, n. 1761, de li de junho lindo.
A' Manoel Vicente da Caoba Jnior, intei-
rando-o de que se acha na secretaria da presiden-
cia a petigSo, era que S. S. impetrava ao govorno
imperial ser prvido na serventa vitalicia do offl-
cio de escrivao do jary e exeengoes do termo de
Tacaral, afim de que a iostra com o examo de
sufficieacia e informago do respectivo juiz.
* o ver no do blspado.
Cincui.AH do conkco JoAo Chmsostomo de
Paiva TonitEs, vicario capitular, aore-
VERENDISSIMO CLERO SECULAR E REGULAR
E AO POVO.
Meus rmSos. J a todos notoria a invasSo
das tropas italianas nos dominios da saqta s,
a-sim como aocenpagao diQnitiva da cidade de
Roma, ficando desta sorte reduzido o seu legiti-
mo soberano o snmmo pontfice um estado
sobre modo afllictivo e por tal raaneira precario,
que o coraran catholico nao pode deixar do ma-
goar-so cm vista desta tristissima situagao, que
lilhos ingratos sujeilaram o pai coramum dos
fiis.
Um principe da casa de Saboia aberrndose
da piedado de seas maiores quiz engrandecer o
seus estados, alargar suas fronteiras e constituir-
se arbitro de possessoes, que Ihe nao pertencem,
possessoes religiosamente acatadas por seus aii-
tepassados: sendo que paracoloar sua ambigo
ousa escrever ao santo padre affeclando amor fi-
lial, quando em seu coracao s existe ingratido v
perfidia.
E" pois desle modo quo o filho tornarle algoz,
sendo a victima o sen proprio pii.
. O ferro, que por breve psnetrn at o inlimo do
peiio, menos doloroso qno um tormento lento e
pro'ongado, pres-o vilenla e iujusta pr.iticada
contra sua santiado quo fae sangrar o coracao e
derramar lagrimas.
Quando at a pouco o catholico visitava a 'ida-
de eterna, o sumnio pontfice o recolhia em seu
coracao, e com igual caiidade auxiliav* a todos
os sius filhos, ainda que e^palhados as cinco par-
les do mundo. Agora porm o Iropheu do u nr-
pador elevase sobre os mnros de Roma, e a um
canto da qual vemos submerso na dor e na tristeza
o inariyr do seculo d^senove.
Este lamentavel estado de cousas vai dando la-
gar a nm> justa inlignago da parte dos calholi-
eos da Europa ram excepgio da propria Inglater-
ra. Alli com ehVito se protesta a face do co e da
trra, diante de Deus e dos bomens contra to re
voltante usurpagio, protesta se contra a injusta
agiressao de nm rei, que ee confessa catholico,
alfl gindo entretanto o .vigario daquelle mesmo
Deus, quo elle diz tambera ser seu.
A par dessas lao claras manifestagoes vai-se
igualmente desenvolvendo naquellas popnlacoes
o desejo de minorar as grandes privagoe-, porque
ora pasta o pai dos catholicos ; sendo que em dif-
lere.ites paizes esto abertas importantes subs-
cnpgSes a favor do santo padre, e onde tiguram os
nomes de pes-oas respeitaveis de ambos os sexos
offerecendo livre e espontneamente o seu bolo
le maos dadas com o amor filial aos ps de sua
santidade.
E sero os Ipovos da Europa os nicos, em
quem se admire esse acrisolado amor ao chefe
da christandade ?
Os filhos da America se conservarlo estaciona-
rios no meio dejsas demonstragdes ?
O Brasil o nosso catbolico Brasil, que nao cede
a nagao alguma no zelo pela santa religiao que
professa, estar disposto a encarar indifferente os
gemidos de Pi IX., bem como os solemnes protes-
tos contra a injusta usurpago dos seus esta-
dos ?
Pernambuco, a religiosa diocese de Pernambu-
eo, a primeira em ouvir o clamor, -que vem de
alm mar, deixar de imitar seus irisaos da Euro-
pa em se levantar contra a jusiiga, contra a forga
brula, minorando com seus donativos as privagoes
do pai coromum ?
Nao: a diocese de Pernambuco em lempo al-
guradeixani de ser catholica, jamis deixar de
telar a causa de Deus e de seu vigario sobre a
trra.
R' portanto nesta firme crenga que levanto a
minha voz unisona com a de todos 03 habilautes
deste bispado, e protestamos solemnemente contra
revoltanle usurpago dos dominios temporaes da
santa igreja e da oppressao, porque est passando
o successor de S. Pedro.
Somos brasileiros, e por isso desde o alvorecer
da nossa existencia habitamos um paz, que pelas
suas instituigdes sociaes, assira como pela riqueza
do sen solo nos dispen-a desejar qualquer oulro
paL Mas como catholicos, Roma nos interessa,
Roma nossa, como dos mesmos romanos, e a in-
dependencia temporal da santa s de urna neces-<
sidade indecllnavel para tranquilidade dasnossas
consciencias.
B se apronve a Divina Sabedoria pcrmitiir qne
o seu vigario sobre a trra soffrs, se permute qug
essa grande alma passe pelo crisol da irioulag >,
como filhos, que somos, appressemo-nos a teste-
munhar-lhe o nosso amor, e a imitacao dos oossos
ir naos do antigo mando, fagamos fervenles ora-
g5es ao co para que Deas exorado pelas nossas
snpplicas d a santa igrej dias bonangosos e tran-
quillos.
E neste intuito lembro ao Rvm. Clero, qne no
sacrificio do altar em iodos1 03 dias nlo classicos
addicione a orago -anlra persecutores eccle-
.Astim como ao mesmo Rvm. Clero e ao povo
da diocese pego um bolo para occorrer as gran-
des nscessidadtis o sua santidade. dignando-se os
senhores vigarios ler esta circular aos san fre-
guezes declarando-lliaa, qua toda e i)oahBMres-
molla, que quizerem dar, d ve ser rom'iiid# seguranga a esta rosidencia m palacio da Soleda-
de, afim de, por iniermodio do Excin. e Rvm. Sr.
Internuncio ler o destino conveniente.
A Providencia Divina vos eouserve em sua san-
ta graga.
Palacio da soledade l'J de novembro de 1870.
Conego Joao Chrisoslomo de Paira Torre, vigario
capitular.
Repartlcn da polica.
2." seccao. Secretaria da polica da provincia
de Pernambuo, 5 de dnzembro de 1870.
N. 1600. Illm. e Exm. Sr.Levo ao 'conheci-
mento de V. Exc. que, segundo consta das partici-
pares recebidas boje muta repartigao, foram re-
comidos casa do detoucao os seguintes indivi-
duos :
No dia 3 do crreme, ordem do subdelegado
do Recife, Panero, alleirao requicao do resDec-
livo cnsul, Joo Franc.sco Ferraz, a rejuislgao
do caplai do Porto.
A ordem do da Capunga, Francisco Joi Ale-
xandre, por crlme de furto.
Ni dia 4, ordem do subdelegado de Santo An-
tnuio, Miguel, escravo de Adtonio de Azevedo
Guedes, por disturbios e uso de armas prohibidas.
A ordem do da Boa-vista, Eludvig Haygon, por
embriaguez.
A ordem do da Capunga, Francisco Antonio
Ferreira, p>r disturbios.
Segundo declarou-mo o subdelegado da fregu-
lia do Pogo da Pauells, em offlcio desta data, fal-
lecer borrtem pelas quatro horas d tarde ao rio
Capibanbe, na occasiao em que alravessava do
engenho Cordeiro para o Pogo da Panella o indi-
viduo de nome Manoel Felippe, branco, de 47 an-
nos pouco mais ou menos: que ftzera proceder
vistoria no cadver dess'e infeliz, declarando os
peritos que a inorle do mesmo fura devida a as-
phixia por submer-ao.
O subdelegado do districto do povoado dos Mon-
tes, no termo de Agua-Prnta, por offlcio de 3 do
correnlo, partecipou-me que no dia 2, na passa-
gem do engenho Japarandtiba, tendo Alfredo de
Moraes Pinheiro, atravcss-ido a cavallo o rio, ca-
hio nelle, morrendo de asphixia por submersao,
como declararam o 1 peritos no auto de vistoria a
que se procedeu no cadver, que fra encontrado
s sete e raeia horas da nonte do mesmo dia.
Deus guarde V. Exc.
Illm. e Exm. :>r. conseiheiro Diogo Velho Caval-
:anti de Albnquerque, presidente da provincia.
O chefe de poiicia, Luis Antonio Fernanlei Pi-
nheiro.
REVISTA DIARIA.
DELEGADO LITrElURIO. Por portar da
presidencia da provincia, da do correte, foi
nomeado o Sr. Eduardo Jo- Alvos de Mello, de-
legad i Iliterario do povoado do Canliotiob.0.
ASSEMBLEA GERAL LEGISLATIVA.No dia
21 do pasudo proceden-se no 2o districto eleito-
ral da provincia, composto dos collegios de Olinda,
Iguara.-, Goyauna, Nazarh e Limoeiro, elei-
gao de mr depulado assemblca geral legislaliva,
em subiituigo d. Exm. Sr. conselheiro Joao Al-
fredo Cirroa do Oliveira, chamado aos conselhos
da cora, e foi reeleito o nesmo Exm. Sr. per
unanimidade do votos.
COLLEGIO DE S. J03.-Realisaram-se no do-
mingo os exames das alumnas do collegio de S.
Jos, dirigido pelas irmaas de Santa Doroinca, co-
meganloo acto < 2 horas c melaba tarde e ter-
minando s 7 e 3/i da uoute, com assistencia de
S8. Exeas, o Sr. conslheiro oresidente da provin-
cia e vigario capitular, crescido numero d'epes-
aftas radas, cerca do nvenla senhora, fican-
do todos em geral satisfeitos como adianlamento
las alumnas, sobretodo das t!a primeira classe as
Exmas. Sras. DD. Julia Amelia da Silva, Josepba
Arroda Beltro. Miria Pacheco Mende3, MinaAr-
ruda Beltro, Maria Antonii Miranda, Leonilla
Cardoso Ayres, Caetana A. Villas-Boas, Victoria
Gomes Forifira, Margarid 1 C'mar e Marcionilla
Barros, as qnas patentnaram inlelligencia c real
aproveitamento das materias professadas no col-
legio.
Preccdeu os exames a execugao- de um trecho
musical de J. Ascher, magistnlmente locado em
dous pianos pelas destnelas alumnas DD. Jos-
pha Arruda Beltrao, Maria Airada Beltro, Cao
lana Amazonas Villas-Boas, e Julia Silva, as quaes
f>ram bstanle applaudidas pelas pessoas pre-
sentes.
Serviram de examinadores as irmais Josephina,
Virginia e Francisca, os Srs. Drs. Joao Jos Fer-
rara de Aguiar e Jas Soares e Azevedo, e dous
Rvms. sacerdotes do collegio de S. Francisco Xa-
vier, que se mostraram satisfeiios com a preciso
e promplidlo das respostas todas as questoes
que propozerams alumnas.
As alumnas DD. Josepba Be'lrao e Maria Bel-
tro, cora tgr davel e melodiosa voz, deram pro-
vas de canto, qne muito agrada-aro.
Durante o lempo dos exames esleve exposlo ao
publico um espagoso sali com variados e lindos
trabalhus de agulha, nos quaes par de apurado
gosto se notava o aceio e o esmero com que fo-
ram exeeutidoa, sobresahindo d'enlre elle o lado
diantoiro. de urna casula bordado nuro, em alto
relevo, urna rica alraofada bordada sela, diver-
sos quadros de santos bordados sla frouxa, e
ura p de rainu.nculos, cujas fl >res erara de ex-
traordinaria e completa semelhanea.
O progrsso e o adiantamento que de anno era
anno apresentam as alumnas deste collegio, o des-
envolvimento physico que consegnem, e especial-
mente a modestia e a gravidade di porte que al-
quirem, poem Dem patente a saperioridade dessa
instiiuigo e do raethodo empregado pelas snas
Ilustradas e dignas directoras as irmaas de San-
la Dorotha, sob as vistas da virtuosa superi >ra
dessa corporagio a irma Josephina Pingiani.
Felicitando essas dignas precepioras pelo fe-
liz resultado dos trabadlos do corronle anno, de-
sejaraos-lhes rail prosperidades nos vindouros.'
MORTES CASAS.-No domingo, quando atra-
vessava o rio Capibapb do engenho Cordeiro para
o Pogo da Panella, cahio nagua e morreu asphv-
xiads Mmoel Felippe, branco, de 47 anuos de ida-
de pouco ntais ou menos.
No dia 2 do correte, na passagem do enge-
nho Japaranduba, da fregnezia do Agua-Preta,
cihio nagni e fallecen de asphyxia por saomer-
0 Alfredo de Moraes Pinheiro.
NAVIOS ENCONTRADOS. A barca ingleza
Helen Finlayson, em viagem de Glaseow para o
nosso pono, fallou : a 26 de novembro, cora a
barca iogleza Diligente, que ia de Liverpool para
Iliaca na Grecia, na lat. N. 5 20' e long. O. de
Greenwich 25* 17"; e no da 2 de dezembro, com
a barca iogleza Amiga, indo de Sun lerlaud para
R mgoon, com 46 das, na lat. S. 5 30' e lona. 0.
30 45'. "
A barca ingleza Marankam falln, na lat. 8.
7 40' e long. O. de Greenwich, com a barca ia-
gleza Pridt of Devon, indo de Glaseow para Val-
paraso, com 23 dias de viagem.
iMUalCAS.Do estabelecimento musical do Sr.
hvedo, & ra do Barao da Victoria n. II, antiga
}a Nova, sahiram mais duas novas e interessan-
omajsigSas masicaes, que alli mesmo se
khan venda ; sao ellas Margarita, schottsch,
to Sr. ECaialbori, a Usa folia Roma, qua-
[ilha, peto Sr. J. B. de M.
DEFEZA DE TIIESES, Terminou no sabbado
defeza das theses que, para obter o grao de dou-
em direit, apreseotou o Sr. bacharel Francis-
Antonio Ff ueiras Sobrinho, o qual foi appro-
do pleoameite.
NOCOES DE AGRICULTURA.-Para servir de
mpeodio aos ilumios da segunda cadeira do se-
ndo anno da Escola Normal, da qual profes-
\ acaba de piblicar o Sr Dr. Avres Gama nm
ro sob o lilub de NorSrs de Agricultura, no
al poz ao alcatce de qualquer inlelligencia, pe-
simplicidade di methodo do exposigao e pela
reza da linguagtm, o conhecimento do solo, os
ios de fertilisa-l, os melhoramentos peraianen-
, os insirumentw e machinas aratorias, os tra-
Ihos da lavonra, plaolagao e conservago dos
I arvoredos, as molestas e os insectos distribuido-
res das plantaba coiheila e preparagao dos pro-
ducios, a criago dosaoimaes domsticos, e a eco-
nomia rural.
V um livro de grande ntilidade as pessas qne
morara no campo e que se dedicam vida agrcola.
PA5SAME.NTO.-Deu hontem alma ao Creador,
aps longos padecimenHs, o Sr. Samuel Hslhday,
commerciante de carne secca. A' sua ioconsola
vel familia nossos sincera pezaraes.
NOVA PBLICACO.-Acaba de sahir luz,
sob o modesto litlo Mevt tontios, as poesas da
nossa Ilustrada comprovicciana a Exma. Sra. D.
Joanna Tiburtioa ia Silva Lins, acerca das quaes
publicamos ha duas semams ora minucioso e lon-
go juizn escripio pelo Sr. Er. J. V. Meira de Vas-
concellos.
A edigo vem precedida de duas cartas, urna
das iliaes dos Srs. Drs. Miira Vasconcellos e Viei-
ra Monteiro, que assira se exprimera sobre a
obra :
Meus sonlios sao um thesoiro de harmonas,
um formoso ramalhete de variadas e mimosas
flores, em cada urna das quaes a delicadeza de
maTiz e regularidada de forma te casara com a
pureza e suavidade dos perfumes.
. Lele, mediui estes bellos eanlos da poetisa
pernambucana, e vetis que nao sao elles pala
vras rimadas forga de querer, e que nelies nao
se enconlra a asper za, nem a'dasnaturalidade dos
que versejam pela cabega ; ao contrario, Meus so-
liot sao suspiros de indefioivel ternura que sua
alma sola, ou cancoes que seo coragi Despren-
de, lao factis e brandas como os doces gorgeios
do formoso sahy das nossa3 selva, ou como o tri-
nar melodioso do rouxinol, saudando os alvores
da aurora, ou chorando a ausencia dos ullimos
raios d. luz. Sao, emfim, um protesto elocuente
Bonlra todas as injusticas feitas ao talento da mu-
Itier brasileira e urna feconda seraenie langada
em solo ubertoso, que ha de produzir os mais
bellos e saborosos fructos do mundo. Assira o os
peramos.
< Ahi tendea o que pensamos dos versos, que
idos lr, e eremos queem breve se abrirlo as por-
tas de ouro do Paniheon Brasileiro, para dar pas
sera D. Joanna Tiburtina, que, engrinaldada de
trenles lonros o por soore um tapiz de flores,
penetrar triumphante nesse recinto da gloria. >
COLLEGIO DE S. FRANCISCO XAVIER. No
dia 7 do correle, s 4 horas da tarde, lera lugar
1 destrlbuigao dos premios aos alumnos deste col-
legio, sendo recitados na solemnidade diversos
discursos. Durante os intervallos tocar a banda
de msica dos collegiaes.
PHARMACI \ HOMEOPATH(CA.-Abrio-S9 ra
cstreita do Rosario n. 3 urna nova pharmacia h)-
meopalhica, montada em proporgoes de bem ser
vir a concurrencia publica.
De propriedale e regencia do Sr. professor
Jo< Alves Tenorio, que p>r longos annos esteve
testa de igu .1 esubelecimen'o nesta cidade, per-
tencente ao dislinclo e sempre lembrado Dr.-Sabi-
no, de quem houve o mesmo Sr. Tenorio a cou-
(ianra mis absoluta e publica era lodas as suas
rolagoes, n3> polea nova pharmacia deixar de
inspirar a conanga que merece o sea proprie-
tario, coja aptido e sutficienca tambera conde-
cida.
A esta condigao de direjgao, alias importante
om um estabelocimento d'essa natureza, ^ccresce
a nao menos valiosa de achar-se o mesmo estabe-
lelecimento prvido das melhores subatancias me-
dicamentosas, tratadas pelos melhores chimicos da
Europa, d'ondo jcabam de chegar ao referido cs-
belecimento, para serpm fornecidas ao publico,
qur cm preparagSes dyaannisadas, qnr era tinc-
luras.
D'esses estabeleciraentos, quando bem dirigidos
e com pessoa habilitada a sua frente, nunca as
grandes cidades os contarlo por excessivos em
seu seto.
PROCLAMAS. Foram lidos no domingo 4 na
matriz da freguezia de Santo Antonio os proclamas
seguintes:
l. denunciaglo.
Joaanim Ferreira de Arruda, com Amelia Ca-
valcante da Silva Cabral.
Francisco Delflno de Sant'Anna,-coni Adelaide
Calorinda Alves da Fon-eca.
Camerino Rodrigue* Collago, com Honorna Ro-
drigues Collago.
Jos Henriqnes de Almeida, com Clara Ignez
Pereira Rocha.
Candido Manoel dos Santos Mendonga.com Emilia
Leopoldina Ferreira Besfone.
2.a denunciaglo.
Jas tino Rodrigues da Silveira, com Anna Fran-
cisca Jeronyma de Jess.
Joao Evangelista do Nascimento, com Maria do
Monte Alves de Sonza.
Antonio Paes de Lacerda, cora Maria Arcelioa
Paes da Silva.
Joaquira Toeodore de Fre tas, coro Anna Joaqui-
na Viejra de Melle.
Marcos Jos de Sonza, com Lucinda Francisca
Alves.
Francelino Barbosa dos Res, com Maria da Con-
ceicio Filgueira.
Umbelino Ferreira da Silva, com Feliciana Cesa-
ra de Vasconcellos.
Manoel Francisco Ferreira da Trindade, com Ma-
na Ignacia da Silva.
Manoel do Nascimento Barbosa, com Filomena
Terfina Accioli.
Manoel Alfonso Rgueira, com Luiza d'Assnmp-
glo Mello.
Alexanlre Alberto, com Mara Angosta de Le-
ntos Cabral.
3.* denuncugio.
Jos Pereira da Silva Guimares, com Maria Ja
veniina Tavares da Costa.
Francisco Nones de Paula, cora Maria Ameregi-
oa Paulina da Silva.
Jilo Amonio Monteiro, com Francisca Adelaide
Lins.
Climerio Carlos Pessoa de Saboya, com Anna
Francisca Xavier de Souza.
Manoel Albiane de Amorira, com Umbelina Gon-
jalves Rosa.
Felippe Jos Baptista Ribeiro de Farias, com
Francisca das Chagas.
Manoel da Costa Figueiroa, com Anna Joaquina
Duarte.
Firmo Caroeiro da Cuoha, com Sebastiana Mana
Ribeiro.
Feliciano do Reg Barros Araujo, com Olvmpia
Julia Lamenba Lins.
Amquirn Manoel do Espirito-Santo, com Aquilina
Mana de Molanla.
LOTERA.A que se acha venda a 173-,
beneficio da matriz de Jaboaiao, a qual curre
hoje.
HOSPITAL PEDRO II.O movimento desse es-
tabelecmento de 28 4 de dezorabro de 1870 foi
de 245 doentes existentes, entrarara 28, sahiram
3i. falleceram 5, existem 236, sendo 145 homens,
e 90 mulheres.
Advertencia.
Poram visitadas as enfermaras nesses dias
as 7, 6, 0, 8, 6 1/2, O, 6 l/, pelo Dr. Ramos;
as 11, 11, II, 11 |/2, |, pelo Hr. Sarment.
Fallecido.
Alejandrino Pacheco ; tubrculos pulmonares.
Jos Pedro Angelo de Oliveira ; cnlerite.
Joao Gomes da Silva; tubrculos pulmonares.
Geralda Bispo da Silva ; febre amarella.
Lucinda ; febre maligna.
CHROMCA JUDMARIA.
rniiii'.vti, DO COHHERCIO
VCTA DA SESSAO ADMINISTRATIVA DE DE
DEZEMB'tO DE 1870.
RSSIDE.WIA DO EXM. SR. DBSEUBARGADOR ANSELMO
FRANCISCO PERKTTI.
As 10 horas da manha, presentes os Srs.
deputados Rosa, Basto e Miranda Leal, faltando
com participaglo verbal o Sr. dnpalado supplente
Si Leitlo, S Exc. o Sr. presidente declarou aberta
a sessao.
Lida, foi approvada a acia da sessao de 28 do
mez prximo lindo. Esleve presente o Sr. desem-
bargador fiscal.
EXPEDIENTE.
Communicagao do Sr. Dr. oflicial maior de tsr
fallecido o commerciante Jos Moreira Lipes que
era 2' testemunha de abonagao no termo do fian-
ga prestada pelo corrector Francisco Jos Silveira,
e que o commerciante Francisco Joao de Barros
que so ausentou desta praga, fiador do corrector
George Patache Inteirao.
Jornal Oficial ~e ns. 266 a 272.Ao archivo.
Foram rubrica os segnintes livros :
Copiador e diario de Amaro Jos dos Prazeres,
diario de Agoslinho Ferreira da Silva Leal A C,
dito de Victorino de Almeida Rabe.Ho, copiador de
Jos Duarte das Nevos.
DESPACHOS.
Requer mentos:
Di Dr. Julio Augusto da Cunha Guimares, pe-
diodo que se consulte ao governo sobre a gralifi-
cagao de 25 por cento sobre o sea ordenado, como
oltcal maior da secretaria do tribunal por contar
dez annos de servigo na conformidade do disposto
no art. 41 do regulamento n. 738 de 2o de novem-
bro de 1830.Na forma requerida.
De Amaro Jos dos Prazeres, cida lio brasileiro,
natural desta provincia, maior de 58 annos, estabe-
lecido ha 29 annos na roa Imperial data cidade
com aimazem de sal, plvora e chumbo por gros-
so e retalho, pVlindu ser admitiido matricula.
Em abono de seu crdito commercial, aprsenla
attestado firmado pelo bario do Livrameuto, E. A.
Hurle & C. e Costa Moreira & C. Vista ao Sr.
desembargsdor fiscal.
De Joaqnim Pacheco da Silva, cidado portu-
guez, maior de quarenla annos, domiciliado nesla
cidade, e eslabeleci lo ha mais de viole annos c m
zrande armazcm de mobilia ra do duque de
Caxias, pedindo ser tambera admitti lo matricu-
la. Junta attestado firmado por Magalhes Ir-
mios, Alfredo Henrique Garca e Josquim Mauri-
cio GoHgalves Rosa.Vista ao Sr. desemoargador
fiscal.
Da Joaquim Jos Ramos, cidadao brasileiro, de
4o annos de idade, natural desta provincia, e>ta
belecido nesla praca com escriptoro de consgna-
g5es e especulagao de conla propria, pedindo tam-
bera ser almitudo matricula de commerciante.
Aliestam em seu abono Jos da Silva Luyo & Fi-
lho, Adriano Castro & C, e L. J. C. Amorm.
Vista ao Sr. deiembarpador fiscal.
Da Antonio Climaco Moreira Temporal, cidadao
brasileiro, da idade de 46 annos, e'Ubelocilo con
estriptorio de eoosignagoes a ruada iuz n. 31,
pedindo igualmente matricula. "Atles'am tambora
era sau abono Jos Ja Silva Loyo & Filho, Adriano
A. de A. Jordao c Jase Gomes Leal. Vista ao Sr.
desembargador fiscal.
D; Garlos Pinto de Lemo3, de idade de 23 annos,
ta -ibera cididao brasileiro, commorcindo eo fa-
zendas pur grosso sob a razio social de Cario*
Pinto do Lemos & C. Sao ttestantes Augusto
Frederico do Oliveira, Tisset Freres e Alfredo
Heorique Garca. Vista ao Sr. desembargador
fiscal.
De Daniel Cesar Ramos, de idade de 34 annos,
natural da provincia do Marmhio, e estabele:ido
nesta praga, sob a razio social de E. R. Rab Mo A
C, em commercio grosso e do conta pr ipria e
alheia, impetrando tambera matricula. Attestam
L. J. C. Amorira, Joaquim Mauricio Gongalves Ro
sa e Jlo Pereira Reg.Visti ao Sr. dssembirga-
dr fiscal.
De Antonio Jos Dantas, com trinta annoi de
idade, natural desta provincia, estabelecido nesta
cidad com escriptorio de consgnagoas e negocio
de conla propria, impetrando ser admitiido ma-
tricula de commerciante. Ailestim L. J. l\ Amo
rm e Antonio Jos Silva do Brasil,Vista ao Sr.
de.-embargador fiscal.
Da Joaquim Cardoso de Almeida, commerciante
da cidade de Goyanna, pcdnho que se Ihe certifi-
que se consta haver sidoem algum lempo declara-
do em eslado de quebra.Requeira ao Sr. Dr. juii
especial do commercio.
He' Manoel Polycarpo Moreira de Azevedo, sub-
metiendo registro o seu conctrato de sociedade
que celebrara com o engenheiro Gervasio Rodri-
gues Campello, para levar lim a canalisaclo do
rio Goyanna.Juntem duplicata do contracto.
De Manoel Joaquim Ferreira Esleves, submet-
tendo- registro a nomeagao de seu caixeiro Joao
Manoel Ferreira Esteves.Como requer.
De Matbcus Aastin & C,, pediado que se Ibes
certifique se entre os exercicios de 1868 1870
fra registrada a nomeagao de seus caixeiros e
quaes sao os seus nomes.Certifique-se.
Da Jos Pires Chaves, para que se Ihe registre a
nomeagao de seu caixeiro Firraino Jos de Olivei-
ra.Registre se,
De Joaquim Beierra Peroira, para tambero se
Ibe registrar a de su caixeiro Luiz Rodrigues de
Albuquorque.Registre-se.
De Antonio Alves da Silva Jnior e Manoel Vic
tor de Jess da Muta, olTerecendo registro o sea
contracto social.Vista ao Sr. deserobarfador fis-
cal.
De Joao Quirino de Aguilar & C, snbmeltendo
registro nma procura gao bastante de seas cons-
tituales Jos Luiz de Souza Ferreira e sua ma-
Iher.Registre-se.
De Joao Baptista de Moraes, para se. declarar,
no competente registro, que o caixeiro inscripto,
quando na loja de sapatos da ra do Livramento
n. 27, o mesmo que exista actualmente na do n.
5.Como reqoer.
Duvidas do Sr. Dr. official maior, par nlo con-
ter as diraen-oes em palmos e p>illegadas do bri-
gue Galgo o certificado de sui arqneagao. Proce-
de a duvida da secretaria.
COM PARECER DO SR. DHSEMBARGADOR FISCAL
D> bario da Santa Cruz paiodo matricola.
C >mo roqoer.
De Joaquim Jos Hamos, tamben pe-lindo tp;.--
tricaba.dem.
De Daniel Cesar Ramos.dem, idem.
Da Amaro Jos dos Prazeres.dem, idem.
De Antonio Climaco Moreira Temporal.Idem.
idem.
De Antonio Jos Dantas. -Mera, idem.
De Joaqnim Pacheco da Silva.dem, idem.
De Carlos Pinte do Lemos.- dem, dem.
De Manoel Moreira de Sonza.dem, idem.
De Manoel Januario Bezerra.dem, idem.
^ De Manoel Ramos Correa e Manoel Gomes oU
Slva Amorim, destracto da firma social de Ramo
& Amorim.Registre-se,
De Thomaz Lins Caldas e Satyro Emiliano Mei-
ra de Vasconcellos, idem da firma Thomaz Lins &
Vasconcellos.Registre-se.
De Acendno Gongalves Ridri commanditario, centrado de sociedade.Regis-
tre-se.
Rehabih'tagao do commercianie Lourengo Pe-
reira Mendes Guimares. (Ficou adiado por o
iriounal nai eslar completo o ionvidou-se o Sr.
desembargador fiscal para a segrate sessao de
julgamenlo).
Sumraario (adiado da prxima passada sessaoV
contra o agente de leil5es Felippe Carneiro Estrel-
la. (Connua addiado pelo motivo siipra.
O Sr. depulado Miranda Leal apnentoo o me-
morial de Carpioteiro Filho & Sobrio., t ,>ara pau-
sar ao Sr. deputado sapplente S Leitlo, que por
nao ler comparecido, o Exm. Sr. presidente de-
terrainou que se Ihe remetlesse.
RESOIUCAO.
O tribunal nomeou para presidente, secretario
e thesoureiro da junta dos correctores a Guilher-
noe Stepple, Pedro Jos Piato e Joao da Cruz Ma-
c lo, para funceionarem do 1." de Janeiro vin-
douro em diaole e mandn que se communiqne a
dila junta.
A's 11 horas e uieia foi encerrada a sessio.
SESSAO JUDIQAR1A EM o I" DE DEZEMBRO
DE 1870.
PRESIDENCIA DO EXM. SR. DF.SR1UARGAD0R A. P. Pt-
IUtTTI.
Secretario, Julio Guimares.
Ao meio dia, adiando-se reunidos os Srs. de?
embargadores Silva Guimares, Reis e Silva, Ac-
cioli, depatados Rosa, Basto, Miranda Leal, faltan-
do cora participadlo o Sr. supplente S LeiiSo.
declaroo-se aberta a sessao.
Lida Joi approvada a acta da sessio pau-
sada.
O Exm. Sr. presidente ordenoa qae se remet-
tes^e para os cartorios competentes os autos de-
revistas, denegadas pelo supremo tribunal de jus-
tiga, entro partes, recrreme Thomaz Jefleries, re-
corridos A. Schaffter & C.; reccrrpnle Theodoro
Chrstianscn, recorrido Francisco Antonio de At-
buquerque Mello ; recorrentes A. Schaffter & C
recorrido Horatius J. Canoan ; recorrentes An-
gosto Frederico de Oliveira A C. recorridos Au-
gusto O .'liviano de Sonza A C.
ACCORDAO ASSICNADO.
Embargante Joaquim Jos Gongalves Beltrao,
embargada a cempajahia vigilante.
niLGAMENTOS. "
Juizo espacial do commercio : embargos de d*-
claragao : embrgame autor apoellado Antonio
Duarie Carneiro Vianna, embargados reos apel-
lantes a viuva e herdeiros da Diogo Jos da 'kista ;
juizes os Sis. Silva Guimaiics, Reis e Silva, Rosa
c Miranda Leal. Foram receido3 os embargos.
Juizo especial do commercio : embargante ap-
pellante reo Joaquim Francisco do E-pirito Santo,
lifuidatario da firma fallida Maia A Espirito Santo,
embrgalo appellado autor David Flack ; juizes
os, Srs. Reis e Silva, Accioli, Rosa e Miranda Leal.
Foram des resados os embargos, sendo voto venci-
do o Sr. Rosa.
A pedido dos Srs. deputados adiaram se os jul-
gamenlos d s feitos entre partea: appellanle o ad-
ministrador da roassa fallida de Manoel do Amparo
Caj, appellado Miguel Archanjo de figueiredo :
appel antes Jos Barbosa de Carvalho e Jos Alves
Barbosa, appellado Antonio de Souza Braz.
Nao tendo comparecido o Sr. S Leitlo, nao fo-
ram propostos os feitos nos quaes o mesmo Sr.
juiz certo, entre parles, appellanie Miguel Archan-
jo de Figu-iredo, appelladi o tutor das menores
M.noella e Ignez: embarganlo Antonio d' Aze-
vedo Neves, embargado Bento Jos de Macedo
Pogas ; appellanle Juaqoim Francisco do Espirit"
Santo, appellado Jos Felciano Nazareth.
DES1GNACAO DE DIA.
Nao estando prseme0 Sr. Sa Leitlo, juiz cedo,
assignou-sa o.primeiro dia mil para o julgara?n!o
dos seguinles feitos entre partes, appellanle Joa-
quim da S Iva Costi, appellado Jlo t-odrignes
Cordeiro ; appeilantes arrestados a viuva e her-
deiros de Diogo Jos da Cosa, appellanle arres-
tante Antonio Dnarte Carneiro Vianna ; ippellant^
Joaquim Francisco do Espirito Sanio, appellado*
Lehmann Frres.
PASSAGRNS.
Do Sr. desembargador Silva Guimares ao Sr.
desembargador Reis e Silva : appellanle Jos Al-
ves Barbosa, appellado Lonrengo Puggi.
Do Sr. deeembargador Reis e Silva ao Sr. des,
eoibargador Accioli : appellante Jos Francisc 1
do Reg Mello, appellados Smpson A C.
Do Sr. dosemtoargador Accioli ao Sr. desembar-
gador Silva Guimares : appellante Jos Je aqu: 1
da Silva Barreto, appellado Ivo Antonio de Andra-
de Luna.
DESTRIBUigAO.
Ao Sr desembargador Accioli : appellanle Joa-
qnim Francisco do Espirito Santo, appellado Joao
de Oliveira Leite e Souza.
Ao Sr. desembargador Silva Guimaries : ap-
pellante Joao.de Azevedo Pereira, appellado Anio
uio Gomes Pires.
AGGRAVO DE INSTRUMENTO.
Juizo municipal c do commercio de Serraliatm :
aggravantes Bernardo Jos de Oliveira Machado
outres, arravado3 Henrique Martins Saldanha
A C.
O Exm. Sr. pre-idente negou proviraento.
Encerrou-so a sessio uraa hora da tarde.
LONDON A BRASILIAN BANK, (LIMITED. 1
Capital do Banco 15,000 acgSes
de 100................. 13,333:333*33(1
Acgocs emittidas 13,000...... 11,555:555*53.
Capital pago a 43 por acoSes. 5,208: OeDOO"
BALANCO DA CA'IXA FILIAL EM PERNAMBCCO EM 30 D-.
NOVEMBRO DR 1870.
Activo.
Letras descontadas.......... I,48fc4620:-
Crditos diversos,outros bancos
e caixas filiaes.......:... ,W;5M34(
Caixa :
Em moeda correte......... 339:352*53
Rs.
Passivo.
Capital fornecidu pela calxa
matriz...................
Depsitos:
Em wnta cor-
rente...... 353:0664250
Crditos diversos, outros b-
eos e caixas filiaes........
Rs.
2,824:999*9
888:888*89
1,247:481* 10-
688:81.7*97
2,824:999*96^
i i
\ nadr


'
mi ^m i
i K
Diario d* Peraambi\co Terqa* eira 6 de Dezembro de
1870
II
S. E. & 0.
Pernambuco, 5 de dezembro de 1*70.
H. Pritchard,.
Aclg.' accounlant.
NOTO BANCO DE PERNAMBUCO
ALAKCKTB DO ROVO UNCO DB PE1NAMBUOO ESI LIQUI-
DAQAO, EM 30 DK NOVEMBRO DB 1870.
Activo.
Letras protestadas. ....... 180:017*670
Desperas gentes. '..... 9:329*670
Caixa.Pelos segrales valores

Em ouro amoedado.
Em notas do thesouro
e da Caixa Filial do
Banco do Brasil .
Em prata e cobre. .

709*080
3:195*000
1394496
Ris. .
24:063J576
183:420*916
Passivo.
Capital............. 68:762*000
Kmissao......'...... 7:400*000
Conlas correnles com juros. 3:429*999
Fundo de reswva........ 101:444*490
Massas fallidas a cargo do Banco 1:353*407
Dividendos ....... 600*400
Lucros e perdas......... 230*620
23 notas do valor de
Ris. .
DKMONSTRACAO DA EMISSO
183:420*916
30 ditas
1G dita,,
de
de
200*000
100*000
50*000
Ris. .
4:600*000
2:000000
8UOjjJOO
7:400*000
S. E. e O.
O guarda livros
Francisco Joaquim Pereira Pinto
_
PUBLICACOES A PEDIDO.
Srs. redactores. Anda una vez venho pedir-
Ihes espaco para a'gumas libas, a proposito d;i
juesl de liberdade do Anoa Igoacia, seus albos
e netos.
Acabo de lr no Diario de hoje. em resposla a
minna publcaco de do correte, um commu-
nicado assignado pelo Sr. Sabino Oenicio S. Lea
Castello Branco, em qua seu autor, em linguaiem
nsulsamento chocarrira e to mal aliuhav.ida
quante offensiva, ladeia da queslao de saber se
o ultimo accordo, proferido em favor dos liber-
tando* ou nao conforme a prova dos autos e as
dispoaicSes de direito, para insistir na affirmativa
de que tal deciso f" obliJa por meios pouco de*
corusos, e para letificar (ratificar ?) o protesto j
feito de aprecar aquelle julgado.
Sendo a as.-igpaturu do Sr. Sabino uiu pseudo-
nymo em um ce amen jurdico, exijo aa lealade
de seu advogatft, que entre em lca a peito des
coberio, e seni nome e emprestimo, cuja son-
ora possa avapc.tr paraduxos laei como o de afflr
mar que lemas lei o disposicoes, em vista das
quaes raeu sogro o Sr. d.ijembarftador Dorara-
t;ues nao se devia declarar suspeito, apezar de
-er eu advagado nos autos ; e que um advogado
tica impedido de offlciar em feiios que foram jal-
gados anteriormente por parele.
O putlico co.Tiprthiiide que ni posso nem devo
proseguir em urna discussa jurdica, na qual em
vez de apparecrr o nome de um collega.-que me
-irva de peiih-ir sufllcieute de habiliucoes, leal-
dade e respeito, figura o do Sr. Sabino que para
al liat abaiidunou o seu patrono Or. Assis Rocha
Jnior, tomando um advogado ad-hoc e smente
para a gaz-la.
Com a conicao que imponhD, aceito o preceito
omminatorio e al m-to por e.-sa dkcu-ao em-
prazada, na i|tial hei de mostrar com toda eviden
cia ; a par do direito dos libertandos, que la
foram .empregados meios guobeis e reprovados,
com o Um de tnuraphar nessa causa de liberal
de, elles nao part rain dessa pobre gente embrute-
cida por um tao longo quamo clamoroso cipli-
veiro, nemdos coragojs generoso* que por ella
se iuienssaro, mas dos suppostos seabores, que
euvidaram lodos os recursos possiveis, e quasi
imposjiveis, para verem legitimada a esctavilo de
pessoas nasudas de veulte livre.
Respeitamos a opiuo dos Srs. desembargadu-
resL. Santiago e D. da Silva, que eu Iodos os
aceordos se pronunciaran) pea reforma da sen-
tesga de 1" id.-iancia ; mas igual direito leem
ser respetados o* votos da maiorU do juiz de qualro desembargad.res, du9 dos quaes, >
Srs. desembargad res Suata Leo e Mata, fo'am
sempre juizes na apul!aclo e sempre manifesta-
ran!-se pela confirmacio da seoteuca, que re-
eonbecu a lib idade de Anna Ignacia, seus lilhos
i neti -.
Se o novo advogado do Sr. Sraino pode iuvocr
n volos daquelles juzts, para dizer que falsa
a narraea fela por mim, da historia dos libar
unidos, po*so eu invocar os n'mes e autoridade
3c eoo junes, e alera desie? do proprio Sr. de-
Ij.ivalir Almeida e Abuqueique, qu urna
o.,u a fvr de Anna Ignacia e sua prole,
rara authenticar do modo rrepagave averacidade
que expuzj e que servio de base aus trastos
\A\ feridos,
Repito anda urna vez : nao pergunto a mcus
'iluines o molivopor que me procuram. Se
na causa de Auna Ignacia minha superveniencia
i i (silo arredon um voto contrario a meus cons-
luate*, leaa-ae dado o inverso em oulros preces
sos, pudendo desde j citar a causa entro parle-
O. Juan de Aaglada e Aranagahij & C, os quaes.
, or rae conshiuirem advogado, perderam um voto
que ja se bavla pronunciado a seu favor.
E unte-se que na causa do Anna Ignacia, o fac-
i de ler eu aceitado o patrocinio deata, e ter da-
do motivo a sti-peicao do Sr. desemoargador Do
mingues, nao fui que deu lugar a deai&M do tii-
bunal, urna vez que ella fot proferida por 4 tolos.
le mudo que anda quando lal Miapaicjta nao hou-
vesaa, nem por isto deixaria de ser reonltecida a
liberdade por 3 votos.
Onde esl. pois. a immoralidade de rrae se fall ?
Oade fui que ji seacoimou de inmoral o cuncursi
preatade a causa da liberdade mais clara e ev
dente ?
Basa vocabulo tem diversas accepc8 para di-
versas pe-?uas. Para o novo advogado do Sr. Sa-
bino, cojo nome me esta a rahir da peona, a mo-
ralade consiste em laucar mo de meios torpes,
torpiaataM, sim,eu o provarei, para conservaren)
tiiquo captiveiro utna familia inteira ; ra vender
sita penna para insultar aquelles cujo procedimen
la na vespera apptovava calorosamente peran'.e.
mais d urna pessoa ; em reeeber honorario para
nao udcogar certa causa, o di>to jaclar-se coin
todo desemiiaraco; finalmente em lazer o mesmo,
c mnito peor do que aqu! o que censara Boa ma s.
Decline esse advogado sou nome, e o publico
ver i de mazellas elle nao eslao ligadas.
Mor (* de Deus em tumba carreira nao tenh
utn acl i que rae eovergoobe. O qua faco, fatjo
o luz da publicidade, sem receio da censura d>-
bomenR de bem.
" O mesmo nao peder dizer esse que se oceulta
sob o nome do Sr. Sabino. Entre n* nao temos
o paralMo a qualquer respailo ; me illusraca), de que procura campar esse advogado
dsBdo ma idea, abas merecida, de mira, preciso
confessar que nao sai superiores 3eus cochei-
nwmoS jnridicos, se e les igaaam as nogdes que
r-vella de orihogr.-.phia, sacrificada sem piedade*
em suas publicar>9.
i'i ruino a<|ni es erando pie ten ha a congna
de exhibir se em publico, qu'in a lem, de sobra,
para procu ar ferir cora brac alheio.
Re:h 5 de dezembro de H70-
Alvaro Caminlu T. da Stlta.
a mesmo por maii que te deafareea. por mais
que te mascares, s logo reeonhecido, ma pela
maldade a perversidade, qua o escriplo revela, do
que pelo esiylo. As asquerosas correspondencias
do loUtr, o digno sceessor do Job, do Jardinei
ro e do llortelao, ah esto para atteslarem o que
affirmo.
Troppm|nD, queres oavir um conselho de ami-
No escrevas para o publico ; porque, escreven-
do, tu faxes duvidar da intelligencta, que todos te
atlribaem, quando te ouvem.
.Na verdade, nada ha mais immundo, mais so-
beranamente immundo do que as toas correspon-
cias..... Que desalinbo, que falla de nexo I
Que ignorancia profunda da grammalica lu re-
velas I Encontrara se phrases verdadeirame'nte
sybiHias, ininlelligiveis. Ha periodos, que pare-
cera escriptos por um mentecapto. Tenho visto
oracoes sem agente, verbos de accSo transitiva
sem regimem directo, e at (horresco referen) I
oraces sem verbo III... Urna oracao sem ver-
bo I 11... Sabes o que o verbo, Troppomaira t
O verbo a palavra por excellencia, a vida, a
luz. Utna oraco sera verbo pode ser comparada
arga antes de reeeber o spro vivificador do
creador. Urna oracao sem verbo s escreve um
louco..... ou tu, que nao ests rauilo longe da
loucura.
E as las sentencas ? I...
Oh I as tuas seulencas merecan! ser colleccio-
nadasassira formal am o que se poderla chamar
o archivo do desconchavo, da asneira.....
Ah I Hermes, Hermes, porque tanto te distan-
ciaste do leu digno mulo ?!.:...
Mnito tenho anda que dizer te, mas paro, por
luje aqui.
s'o te agastes commigo.
Ainda has-de agradecer me este interesse, que
tomo por ti. Acredita que, apesar de ludo, sou
teu amigo.
Angusturas, 18 de novembro de 1870.
HO.UENAGEM AO MRITO DA JOVE.N E ESPERAN-
COSA POETISA PEtlNAMBUCANA, A EXMA.
SHA. O. JO ANNA TIBURTINA DA SILVA LINS.
S .e/9.
Na) de amigo a voz, que te aprega
Nem mercenaria a mo qu te iocensa
E' sim adfurgio quera te cora.
A.N'ONYMO.
Jonia, J 'iii;i I dulcsona Cantora,
Foste, n'utn surta, do Parnaso aos cumes ;
E, das Musas a par, a par dos Nurats,
Soltaste a doce voz encantadora.
Parabens I Tua mente creadora
Causa oveja s demiis, cama ciumes ;
Teu genio, que possue dous em eardumts,
Fura divino, si mortal nao fura.
Cirro fugaz o lempo... o embalde corre...
O que grande, o que justo, e digno, e bailo
Morrer nao pude nunca, nunca morre.
Unido, assira, ao verso teu sragello
Teu nome, que hoje por aqui discurre,
Ao porvir chegar na voz do preb.
Novenibro de 1870.
Francino.
aeu'exacto valor; nos supporiaroos que erta ex-
quisito e delicado perfumes e cosmetiio era Infe-
rior a algumas perfumaras estrangetras. as qaaei
tao vendida* por um preco- quatro vezes mais da-
quelie outro, em quanlo que, sna quaojidaje Dio
chega a prefazer urna (piarla parte contida n'uma
das garrafas da agua florida. %
Porm felizmente como possnimos urna maneira
livre e iudependenle de formar juizos pro-duzidoa
das evidencias dos nossos proprios sentidos; a
no*sa concluso -pois nesle particular, urna in^
tetramente mol differente. Temos por Varias for-
mas examinado esta rara praparacio e sem o mais
leve escrpulo oo hesitacao, pronunciamos a sua
fragrancia nao inlxefoivel, como tambem
fresca e suave como a daa proprias flores e em
todos os respeito* to agradavcl em seu delicado
aroma como qualquer nutra essencia qua jamis
dos tenba sido remecido, qaer da Colonia, Pars ou
Londres.
Esta pois a sentenga passada por toda a Ame
rica Hespanhola, e nos de todo o bom grado a con-
firmamos.
COMMERCIO.
O Liberal da hontem disao em seu noticiario
que cinco individuos qte eu prend como ladroes
de cavados, moradores em um engenho proxrnio ao
do Sr. Camaragbe, foram sollo* pelo Sr. Dr. chefe
de polica ;~e e-'.abelece o dilemma : ou o subde-
legado procedeu bem, e enio o Dr. chefe de poli-
ca o respousavel e criminoso perante a lei, ou
o subdelegado arbitrario e violento, e euto deve
ser demitlido e espoiisabilsado.
Ainda desia vez o Liberal andou mal avisado e
perdeu o seu latim. Os presos eram morajores do
engenho Palhtas da freguezia da Gloria de G il,
que iica muilas leguas distante do eugenho do S .
vise n le de Caraaragibe, e o fado se passou da
sepilile maneira:
No dia em que firam presos esses individuos
a que se refere o Liberal, tinha eu tambem pren-
dido a mais qualro que erara tido* c havidos. Cuino
ladroes de emito*, e con:ra quem receba todos os
das repetidas queixas de furtos pratteados neste e
era outros disiriclos sera que podessem ser apa
nhados em flagrante, e como eram solteiros e vali
dos prend-us para recrutas. Ilavendn tambem
all nas mesmas circumstancias um lal Joo I) i-
masceno conhecido por Joo d>; Franca procurei-o
e em sua casa eslavam aboletados os'de que trata
o Liberal e i.-to iodnzio-me a suspeila de que estes
eram tambem ladres de cava I los e tambem pren
di us cora o raesrao deslino, o os passei logo a da
yosicao do Dr. ch fe de poli cia. Mas t'^io rece-
bido carta e una atiesiacao do senhor do engenho
Paliitas major Caerano Correa de Araorim, em
favor densa taes individuosque eram seus mo-
radores e hotnens laboriosos- fui ao Dr. chefe -de
polica e iho mostrando a carta, este em continente
os tnandou por em liberdade. Foi assim que se
passou o fado tal e qual acabo de exir.
Magdalena, 3 de dezembro de 1870.
Belarmino do llego Baos.
. Lourent?i da Malta.
De 23 para 26 de novembro prximo passado,
por ordein do respectivo delegado, dessa freguezia,
Jos Francisco de Barros Reg, f d cercada enge-
nhoca den mima la Smti Luzia, hora aa posee de
Firmian > Jos Rodrigues Ferreira, e do poder de
qoem foi apprehendido um escravo, que se diz.
cltmiar-se Manuel e pert ncer a um subdelegado
(tilvez sera nome), da villa do Pilar, secundo diz
o mesmo Firmiano. E do a disposico do Dr. chefe de pomia, onde
provavel que revele mijsterios curiosos, porque,
antes, de ser remedido?, ja dt-sera que para o
Pilar havia sido n.?n lado um dos cavallos, que, a
varios vi3inh. a do Sania Luzia leem sido furta-
d). Parece bem que tm troc de oulros, para o
Santa Luzia vera, como, os que j lram tomados
nlii. no dia 28 do 11-do me?, nao menos de 3, e
agora no d fresco ; lulo por deligeacias que o mesmo delega-
do ten feito CiDlinuar. O delgalo parece que
esr de olbos aberto, desde que o mesmo Fir-
miano, diz que Ibe estar a chegar mais cavallya e
at burros, enviados pelo subdelegado aludido; ou
aotes o homoin da capa reta, cremas n?.
PRACA DO REGIFE 5 DE DEZEMBRO
DE 1870.
AS 3 1/2 HORAS DA TARDE.
Colarles offlriaes.
Algodo 1* sorle331 rs. por kil.
Cambio sobre Londres 90 d/v 23 1|2 por 1*000.
Goucalo Jos Affonso,
Presidente.
Mesqaila Jnior.
Secrelario.
ALFANDEGA-
Reodmenlo do dia 1 a 3 .
dem da dia 5 .
124:497*328
37:115*813
161:603X141
.Xoriiucut da alfandega.
13
218
Volumes entrados com fazendas
< < com gneros
Vuluraes sabidos cora fazendas
i i com gneros
251
m
140
----- 303
Descarregem hoje 6 de deiemro.
Patacho inglethdtthfrinha de irgo.
Barca iogleza Kahi-noor ferr e carvo.
Barca ingieza>/p,' Brigue hollaudez Weldelank~tv\o.
Patacho norte-allemao Harnoiie farinha de
trigo.
Barca ngleuL'osamond diversos gneros.
Patacho americano American Jniandem.
Origue inglezMariet bscalb.
Galera inglcza//rmfonecarvo.
Barca francozaMxico vinhe.
Barca poriuguezaSocialdi'orsos gneros.
Despachos de cxporiacD no dia 3 de
dezemfrra
Na barca ing UADretdnauglu, para o Ca-
nal carregaram : Keller VC, 616 saccas com
44.212 kilos de algodo.
Na barca ingleza Cuht, pra Liverpool car-
regara n Filipps Brothers & C, 663 saccas com
6,712 kilos de algod).
Na bares itileza Eza, para Liverpool car-
regaram : Rabo Scimmeltaui C, 193 saccas com
15,331 kilos de algodo.
Na barca francesa Jean Baptisle, para o
Havre carreg-w : Tissei frere .8 saccas com 3,506
kilos de Jgodo.
No brigue portugnez Bella F^gueirense, para
Lisboa carregaram : Euzebio Rapie! Rabello &
C, 60 saccas com 5,614 kilos do algodo; e para
Liverpool carregou: Adriano de Albnquerqne,
150 saceos com 11 230 kilos de assucar branco, e
150 ditos cora 11,250 kilos de assucar mascavao.
No brigue /irtuguez Umao, para o Porto
carregaram : Soare Primos, 26 saccas cora 2,093
kilos i.'e algodo ; Thomsz di Aqutno Fonseca &
C. Saccessotes, *0 saccas com 3,705 kilos de al-
godo. ,
No patacho iogtez Emprest, para o Canal
carregaram : Saunders Brothers A C, 2,000 sac-
eos com 150,000 kilos d assucar ma cavado.
Na barca ingleza Mella, para o Canal carre-
garam : Samadera Brothers & C, 4,600 sacces
Cun 315,000 kilos de asnear mascavado.
No brigue inglez Hermione, para Liverpool
carregaram : Augusto Frederico deOliveira A C,
1,200 saceos com 9,000 kilos de assucar masca-
vado ; Jo* da Silva Loyo & Filhos, 600 saceos
cora 15 000 kilos de assucar mascavad).
J No brigue portnguez Soberano, para Lisboa
carregaram : E. R. Rabello & C, 682 saceos com
51,150 kilo de assucar mascavado ; Amorim Ir-
mjs 4f,, 603 saceos com 43,000 kilos de assu-
car mascavado. *
No navio inglez Skeftrdey, para Philadelphia
carregaram :- Heorque Foster ct C, 3,900 saceos
com 360,000 kilos de assucar mascavado.
No navio norte americano .Viww T. Bell,
para New York errregaram : Henry Forster fe C,
6,000 saceos com 450,000 kilos de assucar mas-
cavado.
RECEBEDORU DE RENDAS INTERNAS
GERAES DE PERNAMBUCO
Rendimento do dia 1 a 3 5:220071
dem do dia 5 4:677*871
CONSULADO
Rendimento da da i a 3
-; dem do dia 3 .
9:897*912
PROVINCIAL.
. 18:689*231
. 4:196*348
22:885*579
MQVIME^TO DO PCRTO.

Joo linh Joo Baptlsta
rrop aiaou
SKTIMA CARTA.
O detractor, cm um tiro envenenado de sua Un-
g*a, faz regularmente lies mates : mata a sua
auna a jt> que o etcntn, e rouba a vida civil
;'l elle, de qvea) maldlt: A' qaem melhor do
que a Triippifcnn, podem ser anplicadas
stas palavras de S. Fraht seo de Salles ?
Com tffeito, na.) pode haver lingua mais infame
do que a laa f Nao ha repuuq.w, anda a rain
illibada, que es teja-a coberlo dos botes de tua lin-
gua viperina I...
Tn caluinniaa por despeto, calumnias por pve-
je, p ir vinganc, por odio, calumnia* at por gra
!... A calumnia e a intriga sao as tuas ar-
mas favoritas.
l'reciso eu, Troppraann, menejionar aqui os a-
mes de lidas as pessoas de Zanarelh, que tem si-
tio vil e infaoK.inonte atassalhidas por ti ? E por
que? A mor parle desas pnssoas nunca te offeo-
derara nem directa, nsm indirectamente ; mui'-as
apenas te coobecem I O que pule motivar os leus
alaques I
Que expl'caco tem o tea procedimiento 1 S
ama o horror, que o mal tem ao bem, o vicio
a virlude, as trevas luz. Escrevendo s sempre
Constando ao abaixo assgnado, que a sua
mulher D. Francisca Seuliorinha de Mendon-
C Pinto, Ululo de a imenlos, pretende
aliemr beas do casal, laclara o abaixj as-
signado ao respeittvel pub!i:o, e previne as
competentes autoridades que a sua dita mu-
lher, a qual desde II de maio de 1865
est na po.-se, adrjQinlstracjo, e goso dos
rens do casal, uaicam nte por t lerancia do
abaixo assi;;nado, n5o pode por modo al-
gum alienar bens de espacie alguma, ltenlo
i direito, que ao abaixo asignado compele
nao s como ebefe do casal, e sea adminis
iratlor, sen5o tambem atientas as clausulas
Jaesr.riptura antenupcial, lavrada etu 2 de
seiembro de 1864 ; e que, sahindo da tole-
rancia, em quo individaue lo tem jazido e
fundado nas deciso^ s dos tribunaes, e lei-
1o paiz, usura de todos os recursos, e
mios legtimos para laier valer o su di
reito contra qualquer iIIena$3o, que faca ou
preienda fazer a su mulher. e assumir a
competente administrafo e posse dos bens
respectivos.
Recife, 30 de uovembro de 1870.
Joaquim <1a Silva llego.
N. 190.AGUA FLORIDA DEMUIRAY E LA-
MANA introdoccao des le sau lavel e delcadis3tmo
porfume itieviiavelinenlu deve fazer coui que e*sas
mil e una aguas e espiritos de cbelro, compostos
principalmente de leos essenciaes fortes e de ama
iiualidade impara se Iran^fonnem n'uma verda-
deira droga nos mercado.".
A vinte ahnaa a esta.parte, ella lomou o lagar
de todos os extratos e easencias europeas nos mer
cados lanto da America do su! como nas Antilhas
sopprimindo todas as diff rentes qualidades dessa.-
chamadas E;m de fjalogne. O sea deleitavel aro-
ma tem urna apnroxtiucSo mais eslreila e anlo-
ga a respirado delicada "das verdadelras flores, do
que- aquella de neuhum outro ; rtigo em uso para
a mes du toucadur.
U*ada como urna lavagln rm enxaeoament3 da
tuca, ella igualmente neulralisa e faz desappare-
ceromgosio e balito candado pelo fumo do
charolo, melliorando a cotidico e estado dos
denles e gengives.
y avio entrado no da 4.
Liverpool28 das, barca ingleza Rosatnond, de
365 toneladas, capilar S Mardon, equipigem 14,
carga diferentes gneros; a Johnston Pater & C
Navtos entrados no da 5.
Babia7 das, barca p-rtugneza Nova ympnthia,
de 360 toneladas, canitao Guilherme L. de Souza
Lobo, equipagera 16, em lastro ; a lia lar & Oli
vera.
Cirdiff 2o das, barca ingleza Maranhau, de 247
toneladas, capitao T. P.^well, eqaipageai 9, carga
carvo ; a Eduardo Fenton.
Bueno-Ayres24 das, escuna hnllandoza Wel-
devvank, de 106 toneladas, capitao R. Geezeo,
oqttipagem 5, carga farello ; a Pereira Garneiro
ItC
Msranhao70 das, hiate portnguez Elepkante, de
107 toneladas, capitn Joo Duarle Ferreira,
eqnipagem 8, carga 2,500 saceos com farinha
de mandioea ; a Joaiuim los Goncalves Bel
Iro. Arrbou a este porto, sea destino era liba
do Sal
Baha7 dias, patacho brasiletro Palma, de 175
toneladas, capitao J is Antonio Marque*, eqni-
pagem 9, carga 9,300 arrobas de carne ; a Re-
zende & C.
Navios sihidos no mesmo dia.
Rio Grande do Sulbrigue braailairo D. Mauri-
cio, capitao Horacio de Senna Nanea, carga as-
sucar.
S. Matbr-ushiate brasileiro Sergio, capitiio Joa-
quim Ignacio da Fonceea. em lastro de lijlos.
Li-boabarca por tu g eza Gratiddo, capitao A. P.
Borges, carga assucar e couros.
Havre-barca franceza Jean Supliste, capitao Bo-
jean, carga algod a toaros
Observacao.
Sospendea d i lamarao para o Rio de Janeiro a
barca iogleza Deogaun. capitao Caughey, carga a
mesma qae trooxe de Cardib.
EDITAES.
. $i%Tl[}K DE F">R")A DD MURRAY E
laasiam.Seo simples preco de um genero qual-
quer, fosseuempre repaudo como a medida del v5o a prafa por execufjo de Jos Ftrnan-
0 Doutor Sebastio do Rege Barros de La-
cerda, juiz de direito e especial do com-
mercio n'esta < idade do Recife de Per-
nambuco por S. M. I. etc.*
. Fago saber aos que o presente edMal vi-
rem, e delle noticia tiverem que no di; 9 de
dezembro do corrente anflo se ha de arre-
matar por venda, a quem maisder em prac
publica deste juizo, depois da audiencia res-
pectiva mil percas de chitas brincas, escu-
ras, encamadas de listras de cores, pretas
e riscadinbos, cjm 23.-035 metros a (l|500u
a pe?a, importan era 6:000000, as auaes
do Gojnee, contra-JaSo- Evangelista de S,
evJo5o Antonio d'Amorim.
E na falta de lanzadores que cobra o
preco da avaliacSo ser a arrematagao feiu
pelo prego da adjodicagSo com o abalimento
da lei.
E para que chegue ao conhecimento de
todos, mandei passar o presente, que ser
publicado pela iraprensa e affixado nos lu-
gares do eos turne.
Dad e passado nesta cidade do Recife
de Pernambuco, aos 29 de novembro de
1870.
Eu, Ernesto Machado Freir Pereira da
Silva, eecrivJo o subscrevi.
Recife 29 de novembro de 1870.
Sebastio do lego Barros de Lacerda.
Facudade de Direito
De ordem do Exm. Sr. director e de conformi-
dade com o art. 3." das novas insiruccoes que bai-
xarara com o decreto n. 4430 de 30 de outubro do
anno passado, e em cumprirdento do aviso do
mmi-terio do imperio de 22 de novembro prxi-
mo Ando, faco publico a lista dos inscriptos para
o? exames de portuguez que devem comecar ama-
nhaa 6 do corrente s 9 horas do dia.
1 Antonio Jos Ferreira.
2 Antonio Manoel Raposo d'Alajeida.
3 Augusto Pereira Pinto.
4 Alomo Goncalves Metra.
5 Antonio Eaclides da Slveira.
6 Alfredo Saldaoba.
7 Alfredo d'Aquino Fonceea.
8 Acyntino Viceote Magalbea.
9 Antonio do Carmo Serafim e Silva.
10 Adalberto Elpidio de Albuquerqae Figaei-
redo.
11 Amaocio Olimpio de Andrade Barros.
12 Antonio Francisco Pereira de Carvalho.
13 Antonio Ribero de Albuqaerque Maranho.
14 Antonio Pacheco Soares da Silva.
15 Augusto de Miranda Souza Gomes.
16 Augusto Teixeira de Azevedo.
17 Alfonso Octaviano Pinto Guraares.
18 Bernardino de Senna Ribero Jnior.
19 Casimiro Rei* Gomes da Silva.
20 Cyprno Jos Velloso Vianna.
21 Chateaubriand Bandeira de Mello.
22 Domingos Jo; Marques Filho.
23 Eduardo Carneiro da Silva Guraares.
24 Eduardo Gomes Ferreira Velloso.
25 Edemando Rodrigues Germano.
26 Elisio de Mello e Albuquerque.
27 Estevo Paes Brrelo Castello Branco.
28 Fabio Cabra I de Oliveira.
29 Fernando Baptista Vieira.
30 Flavio da Cunha Lima Ribero.
31 Francisco Altino Correa de Aranjo.
32 Francisco de Assis Ribero.
33 Fraocisco Barbosa de Paula Pessoa.
34 Francisco Baptista Vieira.
33 Francisco Borges Marques.
36 Francisco Ferreira Marlins Ribero Jnior.
37 Francisco Ferreira de Siqueira Varejo.
38 Francisco Magarinos de Souza Leao.
39 Francisco Maciel de Oliveira.
40 Francisco Masques Camaxo.
41 Francisco de Paula Goncalves Sobrinho.
42 Frederico Augusto Borges.
43 Gaspar de Mentzes VasconceIIo3 de Drurn-
iiiond l'illio.
44 Galdino Pi dos Santo?.
45 Genesco Telle de Mello.
46 Helvecio Xavier Lopes.
47 Herculano Marcos Inglez de Sonza.
48 Henrique Hernesto Martins.
49 Hriirique Joo de Lacerda.e
50 Henrique de Miranda.
51 Hygtno de Bastos Mello, >
5 Isaas Gu^des de Mello.
53 Joo Augusto de Albuquerqae Maranho.
34 Joo Rapsta de Castro Rabeilo Jnior.
55 Joo Baplista da Silva Fragoso.
56 Joo Capistrano de Abreu.
57 Juie Gualberto Gomes de S.
58 J- ao Joaquim de Freitas Henriqaes.
59 Joo Pedro Honorato Corria de Miranda.
60 Joo Po da Silva Valenga.
61 loo da Silva Pires Ferreira.
62 Joaquim Cavalcanti Correa de Amorim.
68 Joaquim Cordeiro Alvim da Silva.
64 Joaquim Jeronymo Feraandes da Cunha Fi-
lho.
63 Joaquim Tiburcto do Reg Barros.
66 Jos de Amorim Salgado.
67 Josa de Aztvedi Silva.
68 Jos Bandeira de Mello.
69 Jo:- Bonifacio de Medeiros.
70 Jos Braodo da Rocha Jnior.
71 Jos Baptista Rodrigues Pereira.
72 Jos Djnato Gomes Torres.
73 Jas Evangelista da Silva.
74 Jos Francisco do Reg Maia.
"3 Jos Mara de Albuquerque Jnior.
78 Jos da Silva Pires Ferreira.
"7 ot Thomaz de Aquino
78 Jos Vianna V 7) Jos Zeft-rino Ferreira Velloso.
80 Juvniano Avelino Pereira Duarle.
81 Justiniano de Mello e Silva.
8! Juventino lofante Luiz Themude.
83 Lauriaoo Jos de Barro? Filho.
84 Leandro da A'raeida Ribero. -
85 Leonardo Pacheco de Albuquerque Arco-
Verde.
86 Leao Alvos Manaia.
87 Luiz Frederico Codeceir3.
88 Luiz Manoel de Oliveira Mendes.
89 Manoel Alves Vilella.
90 Manoel Aotero Medeiros Furia lo.
91 Manoel Aristides Fernandos Vieira.
92 M uio | Carneiro de Siuza Bandeira.
93 Manoel F.-rreira da Silva.
94 Manoel Filgueira de Menezes.
95 Maorel Francisco Rabello.
98 Manoel Gomes da Silva.
97 Manoel Joo de Oliveira.
98 Manoel Jos Ferreira.
99 Manoel Jo^ de Medeiros Corroa.
100 Manoel Jos Fernandos Barros Sobrinho.
101 Manoel Mara de Sant'Anna P.
102 Manoel de Me.-quitas Vanderley Lin?.
103 Manoel Pacheco Borges.
104 Manoel Pendra Teixeira.
MXI Manuel da Silva Bom-flm Janor;
106 Octavio Angust de Migalhes.
107 Pedro Leao Velloso Filho.
108 Perraino de Araujo Lima.
109 Raymundo Carneiro de Souza Bandeira.
110 Ridulpho Joo Barata de Altneida Filho.
111 Rodrigo Correa de Araujo.
112 Salustiano Jrs de Oliveira.
113 Santino Ghimeuer deOliveira Maciel.
114 Siadulpho Cheledonio Calafange de Assump-
co Santiago.
115 Terencio Fratictsco do Espirito Santo.
116 Uriel Gomes de Sa.
117 Victalino Cordeiro Lins.
Secretaria da Facudade de Direito do Recife, 3
de dezembro de 1870.
O ofDcial no impedimento do secretario.
Manoel Antonio dos Passos e Silva Jumor
Fraocex
1 Antonio Epinacho Cavalcanle de Albuquer-
que, habilitado por maiori de votos.
2 Antonio J is dos Saoto Porto, dem.
3 Antcoio Jos Teixeira, dem.
4 Atituoio Ignacio da Silva Jnior, idem.
5 AILnso Oliodense Ribero de Souza, idem.
6 Augusto Pereira Piulo, idem.
7 Alfredo Saldanha, por unanraidade de vo-
tos.
8 Antonio Pereira da Cmara Lima Filho, idem.
9 Andi Cavalcaote de Albuquerque Arco-
Verde.
10 Albioo Goncalves Meira de Vasccncellos por
maioria de votos.
1 Benardino Francisco de Lima Santos, idem.
12 Capitalino Pereira de Barras e Silva, unani-
midade de votos.
13 Cyrillo Osorio Porfirio da Motta, idera.
14 Cypriano Jos Velloso Vianna, idem.
15 Carlos Samal de Araujo, por maioria de vo-
tos.
16 Deomedes Goncalves da Silva, Idem.
17 Eduardo Augusto de Souza Pilanca, idera.
18 Ernesto Marques da Silva, dem.
19 Estevo Carneiro Lea>, Idem.
20 Francisco Jos de Araujo M lio, idem.
21 Francisco Correia de Araujo Vasconeellos,
dem.
22 Francisco Barbosa de Paula Pessoa, idem.
23 Francisco Soares da Silva Retamba Jnior,
idem.
24 Francisco de Assis Bezerra, idem.
25 Frederico Ferreira Franca, por nnanimidade
de VotOS;
26 Francisco Altino Correia da Aranjo, dem.
27 Joo Antunes de Aranjo Pfaheiro, maioria de
V(t09.
18 Joo Evangelista Carneiro da Cunha, dem.
19 Joo Carlos Golvio, idem.
30 Jos Lacio Moniero da Franca Filho. idem.
31 Joao da Silva Retumba, idem.
32 Jos Mara Correia das Neves, por nnanimida-
de de votos.
33 Joo Vieira da Cunha, por maioria de vo-
tos,
34 Joaquim Fernandos de Carvalho, idem.
38 Jos de Souza Castro, idem:
36 Joaquim Domcio Leopoldtno Ferreira, ideo.
37 Jos Gomea da Slveira Jnior, dem
38 Joaquim Jeronymo Fernandas da Cunha Fi-
lho, idem.
39 Jos Vianna Vaz, idem.
40 Jos Epiphanio de Aranjo Pereira, idem.
41 Leandro de Almeida Ribero, idem.
4f Luiz Antanio Peres de Carvalho Albuqaerque
por uoanimidade de votos.
43 Luiz Antonio Marques da Silva Gaimares,
maioria de votos.
44 Manoel Eugenio da Relia Saraico, unanrai-
dade de votos.
45 Manoel Bernardino de Azevedo, maioria de
votos.
46 Manoel Estellita Cavalcante Pessoa, dem.
47 Manoel da Silva Bjmfira Jnior, idem.
48 Manoel Gamillo Ferreira Landelino, dem.
49 Manoel do Nascimento Vieira da Cunha, nna-
nimidade de votos.
50 Martiniano Jos de Mello e Silva, maioria de
votos.
51 Pacifico da Silva Castello-Branco Jnior,
idem.
52 Pedro Leao Velloso Filho, unammidade de vo-
tos.
53 Tiburcto Jos Tavares, por maioria de vo-
tos.
54 Theodoro Alves Pacheco, idem.
55 Tomaz Carneiro Landim, idem.
Secretaria da Fac Idade de Direito do Recife 5
de dezembro de 1870.
No impedimento do secretaraio,
Manoel Antonio dos Pa-sos e Silva Jnior.
Inglez.
1 Antonio Manoel Raposo de Almeida, habilita-
do por maioria de votos
2 Antonio Pedro de Souza Magalhes, idem.
3 Antonio Wanderley Jacqaes, idem.
4 Aifrudo Saldanha. habilitado por nnanimidade
de votos.
5 Antonio Wanderley Navarro Lins, habilitado
por maioria de votos.
6 Albino Goncalves Meira de Vasconeellos, habi-
litado por nnanimidade de votos.
7 Augusto de Miranda Souza Gomes, habilitado
por maioria de votes.
8 Augusto Ferreira de Azevedo, idem.
9 Antonio Euclides da Slveira, idem.
10 Bernardo Antonio de Mendonca, idem.
11 Cypriano Jos Velloso Vianna, dem.
12 Chateaubriand Bandeira de Mello, idem.
13 eomedos Goncalves da Silva.
14 Deodato Cosmo Vilella dos Santos, idem.
15 Elysio de Mella e Albuquerque, dem.
16 Frederico Augusto Borges, idera.
17 Francisco de Paula Goncalves da Silva Sobri-
nho, idem.
18 Francisco Magarinos de Sonza Leao, idem.
19 Francisco de Assis, idem.
20 Francisco de Castro S Barreto, dem.
21 Frederico Lins Vieira, idem.
22 Guilherme Vieira da Cunha, idem,
23 Hygino de Bastos Mello, idem.
24 Joo Monteiro Peixoto, habilitado porunani-
midade de votos.
25 Jos Znferno Ferreira Velloso, idem.
26 Jos Donato Gomes Tavares, habilitado por
maioria de votos.
27 Joaquim Cavalcanle Leal de Barros, idem.
28 Juo do Reg Barros, idef.
29 Joaquim lympio de Paiva, dem.
30 Joaquim Jeronymo Fernandes da Cunha Filho,
idem.
31 Jos Vianna Vaz, dem.
32 Justiniaoo de Mello e Silva, dem.
33 Jos Clistrato Crrrilho de Vasconeellos.
34 Jo- Caetano Melulio Filho.
35 Jos B=ndera de Mello, idem.
36 Luiz Francisco da Costa Ferreira, idem.
37 Luiz Peres de Caivalho, idem.
38 Manoel Baliha ai Pereira Deegues Jnior, ha-
bilitado por unanimdade de votos.
39 Manoel Filgueira de Menezes, habilitado por
maioria de Vutos.
40 Manoel de Rarrus Barreto Filho.
41 Manoel arneiro de Souza Bandeira.
42 Manoel Antonio da Costa Mauricio, idem,
43 Manoel da Silva Koinfim Jnior, iiera.
44 Manoel Jos Ferreira, idem.
45 Pacifico da Silva Caslello Branco, dem.
46 Pedro Leo Velloso Filho, idem.
47 Rodrigo Correia de Araujo, por nnanimidade.
48 Salvador Elias da Rosa e Silva, idem.
49 Saoiino Ximenes de Oliveira Maciel, idem.
50 Tiburcto Jos Tavares, idem.
51 Theodoro Alves Pacheco, dem.
52 Thomaz Carneiro de Souza Landin.
Secretaria da Facudade de Direilo do Recife,
5 de dezembro de 1870.
No impedimento do secrelario,
Manoel Antonio dos Passos Silva Jnior.
Consulado provincial.
Na forma do art. 50 1 da lei provincial o.
963, avi-a se por estarepartico, a qaem interas-
sar possa, que com o mez de dezembro prximo
abre-se o praso de 30 dias all mareados para o
pagamento voluntario dos imposto da dcima
urbana e de 5 OO sobre a rend (toa baos de raz
de corpofaces do mo morta, relativos ao se-
mestre do corrente anno financeiro de 1870-71,
incorrendo os contribuiniea que nao realisarem o
mesmo pagamento no referido praao, na eommi-
oacao do 3 do citado artigo.
1870 alad pro,incial ,l de "Temmbro de
. __ Semindo de administrador.
A. Witrqvio p. B. e Accioli de Vasconeellos
Santa Casa de Jllserleordia alo
Recife.
A Illraa. junta administrativa da santa eaaa de
misericordia do Recife precisa contratar coro
quem por menos preco quizer encarregar-se de
fr.rnecer para o asylo de mendicidade os obleetos
segoinies :
100 camisas de algodaozinbo branco para ho-
mem.
100 calcas de azulo.
50 chapeos de feltro para homem
50 pares de sapatos para homem de ns. 40 a 44.
50 ditos de ditos para nulheres de ns. 34 a 38.
50 tigelas de zinco.
50 pralos de dito.
6 cubos de amarello com lampo.
Recebe para isto proposlas em cartas fechadas e
devidameote selladas, na sala de suas sessoes,
pelas 3 horas da larde do dia 9 do corrente.
Secretaria da Sania Casa de Misericordia do Re-
cife, 3 de dezembro de 1870.
O escrivo,
Pedro Rodrigues de Souza.
Inspecco do arseaal de
unrioba.
Faz-se publico que a commissio de peritos
examinando na forma determinada no regolamento
annexo ao decreto n. 1324 de 5 de fevereiro de
1854, o casco, machina, caldaira, apparelbo,
mastreaco, veame, amarras e ancoras do va-
por Mamanguape da companbia Pernambncana de
navegaco costeira, achou qae nao pode o vapor
navegar sera que concert as caldeiras.
Inspecco do arsenal de marraba de Pernambu-
co 30 do novembro de 1870.
O -inspector,
H. A. Barbosa de Almeida
Correio geral,
Relacao das cartas registradas, procedentes
do sul e norte do imperio, existentes na
repartirlo do correio em i de dezembro
de 1870.
Amelia Alves de Figneiredo, Antonio Jos de
Araujo Braga, Bernardina Mara da Silva, Herario
Manoel Francisco dos Prazeres, Francisco MfcPe-
reira Dniz, Francisco Delflno da Silva, Flix Pe-
reira Simas, Henrique Jos de Salles, Joo Pedro
H. Correia de Miranda, Joo Francisco Ha-tos de
Oliveira, Joo T. Marsillac, Jos Pereira dos Santos
Andrade, Jos Bartholomeu (4), Jos de Magalhes
Machado, Jos Vianna Yaz, Luiz Manoel de Oli-
veira Mendes. Luiz Manoel Rodrigues Valenca,
Luiz Antonio Pereira, Leandra O. Alves de Carva-
lho, Manoel Ribero Barreto de Menezes.
O eiicarregado do registro,
Manoel dos Passos Miranda
ba'LARACOES.
THEATRE
T
BENEFICE
De ordem do Illm. Sr. conselheiro inspector
da thesouraria de fazeoda desta provincia se faz
publico que no dia 7 do corrente mez, pelas 2 ho-
ras da tarde, iro praca para serem arrematados
perante a unta da mesma thesouraria, porquera
maior laen offereeer, dous cavallos do deposito
especial da in-truccao : as pessoas a qaem era-
vier devero comparecer na referida thesouraria
no dia e hora cima indicados.
Secretaria da thesouraria de fazenda de Per-
nambuco 3 de dezembro de 1870.
Servindo de offlcial maior,
Manoel Jos Pinto.
SANTA GASA DE MISKK1GOKIA DT
RECIFE,
A Illma. junta administrativa da Santa casa de
Ifisef c rdia do Recife manda fazer publico que
na sala de saas sessoes, no dia 8 de dezembro, pe
las 3 horas da tarde, tem.de ser arrematadas a
quem mais vaniageus offereeer pelo tempo de um
a tres annos, as rendas dos predios era seguida
declarados:
ESTABELECIMEXTOS DE CARIDADE.]
Ra de Hurlas.
Casa terrean. 41.......303*000
Hua de Santa Rita.
Sobrado n. 41........161*000
Ra do Nogueira.
Casa terrea d. 17......, 303*000
Travesa de S. Jos.
Casa terrea n. II.......169*000
PATRIMONIO DOS ORPHAOS.
Ra de S. Jorge (oulr'ora Pilar)
Casa terrea n. 105................. 151*000
Idem idem n. 99................... 363*000
Os pretendentes deverao apresentar no acto da
o/remataco as suas llancas, ou coraparecereni
aeempaohadus dos respectivos fiadores.
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do Re-
cife, 30 de novembro de 1870.
O escrivo,
Pedro Rodrigues de Souza.
U lili MLMU/.l
6 DCEMBRE 1870
l.r6PARTIE
Le Revanefie de Forunio
OPRETE EM 1 ACTE
Mlle. Brescia (furiunio). Mr Itaynaud (Jean bridn)
2.mc PARTE
Mlle. Marielte, LE JARDIM DE SUZOM.
Val-e ddie Mme de Valmonca, por Mr. Josa
Coelho, chef j'orchestre du theaihe, execole
grand MChestre.
Mr. Carn, A LA BONNE HERE PARLE?.-
MOI DE i;A.
Mr. Ferreira dos Santos execntera le pas des
fieurs animes,
DO D'IL TROVATOR,
Chant par Mr. Maris e Mme. de Valmonca.
l.^PARTIE
LA FAVORITE ( mon Fernand )
Chante par Mme. de Valmonca.
i.-VPAIlTIE
Le grande papa d:, la chanson.
OPPERETTE EN 1 ACTE.
Jean Rosseau.) ...j.
Beranger....) Mr Mar'8-
yseue:: Mme. de Valmoea.
Le speclac|e terminera par le brllant qaadrille
d'Orphe atix enfers dans par Mme. de Valmon-
ca, Mlle. Mariette, Mr. Carn el Mr. Raynaad, a
la ciarle des flammes de bengale.
Mine, de Valmonca a organs ce spectacle en-
lierement nouveau ; antaol poor remercier.
L'honorable public de Pernambuco ponr les
symtiathies qu'il a montr son gard.qae ponr
salisfaire le plus agrableroenle possible les per-
sonos que voudrunl bien venir hunorer cette re-
presentaron de leur prsence.
TIIE1TR0
DA
ZARZIEL.V IIE5P.UII0U
NO
C4P0 DAS MUMEZAS
De coiifonnidade com o dispo-tio no art. 16
dos estatutos de 28 de Janeiro de 1866, convoco
aos Srs. herJetrns da mesma proprieJ.ide para a
reuno geral que deve ter logar na segunda do-
minga do mez de Janeiro do anno vindouro de
1871 pelas dez horas da manba na casa de "mi-
nha residencia.
Apipucos, 4 de djiembro de 1870.
O administrador,
Joo Francisco do Reg Maciel. -
Pela recebedona de rendas internas geraes
se faz publico que neste mez de dezembro qae
as irniandades religiosas, os bancos, companbia* e
sociedades anonymas e quaesquer associacoes
pias, benefteentes ou religiosas teem de- pagar a
decima de mo morta, livre de multa, relativa ao
1* semestre do rxercicio corrente de 1870-71, e
que, lindo o referido praso, ser paga com a mul-
ta de60|0.
Rcebedoria de Pernambaco 1* de dezembro de
1870.
O administrador,
Manoel Carneiro de Sonza Laceria.
artista.
Qnarta feira 7 e quinta-feira 8 do corrente.
Prmeira represeutico da ziirzuefa em 2 aetos
msica do maestro Gastarabides.
El estreno de una
E a primeira representado da zarzuela em 1
acto
Un cabellera particular.
Principiar i* 8 1,4 da nonte.
N. B.Neste espectculo tomara parte as duas
prima donas.
AVISOS MARTIMOS.
SANTA DASA DE MISERICORDIA DO
RSCIFE
> A Illma. junta administrativa da santa casa de
miserieirdia do Recife preetsa contratar con qnem
por menos preco quizer fazer o fornecimento de
25 camas de trro para o asylo de jnendicidade,
e para isto recebe praposias era eartas fechadas e
devidamenle selladas.na sala da so sessoes pelas
3 horas da tarde do da 9 do corrente.
Secretaria da Santa Casa de" Misericordia do-
Reeifa, 3 de dezembro de 1870.
O escrivo,
Pedro Rodrigues de Sonza,
i liimimiu
DE
Paquetes a Vapor
Dos partas do sul esperad*
at o da 8 do crranle o vapor
Avinos, commandaote o 1* te-
nenia J. Candida Duarte, o qoai
depois da demora do costam,
1,'uir para os portos do norte.
Desde ji receben) se paaaafeiroa a eogaja* a
i arga que o vapor poder coadazir, a qual dever
er embarcada oo da ie su chegada,. eoeom
mendas e dinbeiro a frote al ai 2 horas da tarde
de sua sabida.
Nao se receben como eneomrorndas seaao oa>*
jectos de pequeo valer, e que nao eacedam-* i
arrobas de paso oo oito paliaos oubieos da aada
<;o. Tudo que passar destes liunies dever- sar
ombarcado como carga.
Previne-se aos Srs. taasagejros quo soa-as-
agens s se receben na agencia, roa da Crna>o.
17, priraeiro andar, escripia.' io do AmaBW-iar
le Oliveira Azevedo A C
BAHA
I
Para a referido porto segu dentro de aera dias
n polaca italiana ,r, e per isso quem qoiror
iproveiur carregar a trata comraa^o, dirija-
ixinsignaurio Joaquim Jos Goncalves Beilrao a
ra do Commercio n. 17.


X.
I

[
V
/
Diarjo de Pero*mbuco Tenja feira 6 de Dezembro de 1870.
Rio de Janeiro.-
O patacho naeirtiar Esfitga a sahlr at o llm do
me*, aiada recebe alguma carga : a tratar no es-
criptorio de Jos liara Palmeira, largo do Corpo
Saouio.i, l'Mdtr
Para Lisboa
com a maior pro-ten o brigue portuguez
Lata 1, capillo Antonio Francisco Vieira : para o
resto da carga e passageiros traga-se cora .o mes-
rao capito, ou cora os con-ignatarios Thomaz de
Aqaioo Fonseca & C. Snceessorea, a ra do Viga-
rio n. 19.
PORTO
Pretende seguir, com muita brevidade, a barca
portuguea Social, por ter a mair parle de seu
cirregamonto engajado ; e para o pouco que Ihe
falta, trata-se e >m o sea consignatario Joaquim
Jos Goncalves Beltro, ra do Coramircio.
i^K
(OniM^IIIA
BAS
Mes^egeries maritemes.
At o dia II do correte mez espera-se da Eu
ropa o vapor francez Gironde o qnal depois da
demora do costume seguir para Bnenos-Ayres,
tocando na Baha, Rio de Janeiro e Montevideo.
Para conductos, retes e pas-agens, trata-se
a agencia, ra do Commereio n. 9.
No dia 12 do crreme mez espera-se dos por-
tos do sal o vapor francez Sindlt commandante
Gtost, o qual depois da demora do costume
seguir para Brdeos, tocando em Dakar (Gora) e
Lisboa.
Para condicSes, fretes e passagens, trata-se na
agencia, rua do Commereio n. 9._______________
Bisco martimo.
O capito I*aac N Ruapp da barca americana
-Nannie T. Bell, de 3li 63|lOO toneladas de regis-
tro p. ra. o. ra. precisa lomar a risco martimo so-
bre o Mseo do dito nivio e sobre o frete para um
porto dos EstadM-Uni*, a quantia de 20:000
p. m. o. m. para occorrer as despezas feitas com
concertos do dito navio em conseq'ieneia de ava-
rias solTrias na sua re-ci-nte vitgem de New
York para este porto. Propostas em sartas fecha-
das dirigidas ao capo. ho de ser entregue no
consulado dos E->ia'los-Unidos at meio dia de 10
de dezembro de 1870.______^^____^^^_
C0MPA1IA BRAS1LE1RA
DE
c Paquetes a vapor.
Dos portos do norte esperado
at o dia 10 do corrente o vapor
Paran, commandante J. da Sil-
va Moraes, o qual depois da de-
mora do costume seguir para os
portos do nl.
Desde j recebem-se passaeeiros e engaja-se a
earga que o vapor poder conduzir, a qual deven
aer embarcada no dia de sua chegada. ncommen
das e dinheiro a frete at as 2 horas do dia da su;
tbida.
Nao se recebem como encommendas seno ob
jectos de pequeo valor e que nao excedam a dua
arrobas de peso ou 8 palmos cbicos de medicc
rudo que passar destes limites dever ser embar
cado como carga.
Previne-se aos senhores passageiros que sua?
passagens s se recebem na agencia, rua da Cruj
a. 57 primeiro andar, escriptorio do Antonio Luli
de Oliveira Azevedo 6 C.
Maranhao
A escuna Georgiana segu breve por ter a
tiuior parle do earre.iramento engajado : a tratar
com Tasso Irma is AC.
ruti'
Para o indicado porto segu em poucos dias o
brigue portuguez Realidade, por ter a maior parte
de seu carresamento prompto e pava 6 pouco que
Ihe falta a frete barati : tratase com o consig
natarin Joaquim Jos Goncalves Beltrao, rua do
Commereio n. 17.
Para Lisboa
O brigue portuguez Soberano, capito Bogigan-
ga ; para carga e pasageiros trata-se com R.
Rabello & C, rua do commereio n. 48, ou com o
capito. __________
Para Lisboa
Segu em poucos dias c m a carga que tiver o
patacho portuguez Restaurarlo l: quem no mes-
mo qutier carregar ou ir de pasagem, dirija se
xos consignatarios Oliveira Filbos & C, largo do
Corpo Santo n. 19, I* andar,_________________
MUA.
O patachj americano Leonard Megers segu
para a Babia nestps dias; recebe carga a fretes
mito commodos : a tratar com Taso lrmos 4
Companhia. _______
Para Lisboa
Sahe com a possivel brevidade o logre porto
guez Julio por ter a maior parte da carga compra
da: para o resto e passageiros trata-se com os
consignatario* Thomaz de Aquino Fonseca & C.
Successores, rua do Vgario n. 19, 1* andar.
Nos Arrombados a casa n. 27, de excellente?
commodos.
Nesta cidade do Recife, o labrado n. li da roa
do Amotim, coto frente-para eta o para a rua-da
Moeda. Vende se por ora sement a metade, por
conta e ordem de herdeiros.
LEILAl
FRANCEZAS
suissas e allamaas, para liquidarlo
HOJE.
J. Carrero far leilo por interveocao do tj
Pinto, de nm completo e vahado sortimonto de
fazendas francezas, suissas e allemas, existentes
em seu armazem do largo do Pelourinho a. 7.
Joaquim da Silva Costa faz ver ao publico que
teno no dia 2 do carrete arroba de bolachas par o freguez a ir buscar na
padaria do paleo do lerendo Sr. Camino, aeoa-
teceu que o freguez perdeu dito valle, e por i sao
flea de oenhum effeito; a se faz o presente annnn-
ci para prevenir duvidas.__________
ITCEJtfO
Na rua do Pilar a. i05 prepirase po-de-l,
pudins, pialis de nata, cangica, e outros pralos
para sobremesa, assira como prepara se jantar
para casa de poaca familia,.garante-so todo o as-
seio e pr'omptidao, e tarabem se offjrece para tora
Ja cidade.
1____
. -ftCia Wai.' uaVSJtra Qslnha, em casa de
pnuca familia : 'rua no Crespo n. 14.
Precisa-se de um caixero cuui pratica da
teberna : na rua dos Pires n. 49.
AMA
Sr. A. F. queira_eoncluir o negocio do piaa
ae aao quer passar por maior dissabor.
Precisa-se de ma ama para servico iater-
no e externo em casa de piuca familia : na rua
do Daqne de Caxias, outr'ora rua do Qaeimada
n. 22.
Precisa-se de urna ama para padana i n
rua Direita n. 129.
AMA
MOBILIA
Qaarta-feira 7 do correte.
O agente Pestaa far leilo por conta e risco
de quem perlencer, de diversos movis, como
mobilia de amarello, canslos com pedra, 1 guar-
da-roupa, mesa de jaotar, meza de jogo, bancas;
cadeiras, esleirs de sala e quartos, escarraaeiras,
vistas para janella, planta i, el avnote, msicas, ve-
necianas, bacas etc., e outros objectos que se
acbaro pateles no acto do leilo, qoarta reir 7
do corrente, na rua do Amorim n. 35, primeiro
andar.
a
LEILAO
DE
movis, louct e vidros,
saber :
Um piano com c^deira, 1 mobilia de Jacaranda
com 1 sof, 1 jardineira, 2 con-olos, 2 cadeiras
de bracos e 18 ditas de gnarnicao, 4 candieiros
a gaz, 1 dito suspenso, castices e maogas, 1
cama franceza de Jacaranda, 1 espelho grande com
columna?, 2 guarda-vestidos, 3 commodas, 2 mar-
(juezas, 2 lavatorios, 1 guarda livros; 1 machina
de copiar, 2 cadeiras de balando, 2 mesas, 1 car-
teira e i escarradeiras.
Urna mesa elstica, 2 apparadores, 1 guardr.-
louga, 12 cadeiras, 2 baodeija3, 1 armario, louija,
copos, clices, garrafas, mesas de concha e mudos
outros objectos existentes no segundo andar do
sobrado da rua da Imperatriz n. 86
Sexta-feira 9 de dezembro.
O agente Pinto levar leilo, por autorisacao
de urna familia que mu vis e mais objectos cima descriptos, existentes
no segundo andar do sobrado da rua da Impera-
triz n. 86, ende se effectuar o leilo, devendo
comecar
s 10 horas em ponto.
AVISOS DIVERSOS.
Na rua dos Acouguinhos n. 8, deseja-se fal
lar ao Sr. W. de Mello Lins.
Precisa-se de um criado de 12 a 14 annos,
forro ou escravo, e de urna ama que faca com-
pras : na rua do Apollo n. 32, primeiro andar.
OHMHr
OLINDA.
A*uga-e urna casa grande na rua do Amparo
a tratar na rua do Alecrn) n. 4.
Precisa se de urna ama para comprar, ooz-
nhar e lavar para duas pessoas : a tratar na rua
Imperial n. 134._________
O abaixo assignado declara que nao deve-
d>r a pessoa alguma, mas se algueo se julgar
seu credor porqualquer titulo, declare na-praso
de seis das por este jornal. Recife 5 de dezembro
de 1870.
Jos Carlos Manco di Ca-taReis.
PMBIa,
Aluga-se a padaria allema em Santo Amaro e
as condicSes sao favoraveis : a tratar cera seu do-
no na rua da Guia n. 56.______________^^^^
S7L PLUTO
Pertence a mesma, os meios Dilheles n. 836,
1773, do 337 lotera da erte.
O secretario,
P. X. Ferreira.
Aluga-se um escrava para todo servico in"
terno e externo : na ru? da Matrii n. 26, i* an-
dar.
Na rua do Rangel n. 6, precisa-se de urna co-
sinheira para rapazes.
Na rua do Rangel u. 6, precisa-se de um ca
xeiro praco de taberna.____________
Oaixeiro brasileiro
OTerece-se um rapaz brasileiro, de boa conduc-
ta, com pratica do taberna e com 14 a 15 annos,
i dio para o matto como para a praca : a tratar
na rua da Roda n. 32, ou na ru da Gloria n. 57.
A' rua do Brum n. 92, precisase fallar com
os Srs. capiles de campo, a negocio de seu inte-
resse.
Precisase de urna preta escrava quu saiba
coziouar e engommar, para servir em urna casa
de pequea familia : na rua los Guararapes n.
88, em Fra de Portas.
O abaixo assignado faz scieute ao respeitavel
publico e com especialidade ao corpo do comrrer-
cio, que dissolven a sociedado que tinha com o
Sr. Manoel Ramos Correa, ni taberna sita rua
do Santo Amaro n. 2, que gyrava sob a Arma so-
cial de Ramos & Amorim, licando o socio Ra-
mos obrigado pelo activo e pasivo da extincta
firma, sahindo o socio Amorim pago e satisfeilo de
su capital e lucro i.
Recife, 4 de novembro de 1670.
Manoel Gomes da Silva Amorim.
Precisa-se do urna ama, preferindose escrava
a rua da Cadeia do Recife n. 24.
AVISO
A commisso encarregada da destribnico dos
donativos agenciados por algumas senhorai em
beneflcio dos soldados de linha desta provincia,
tornados invlidos na guerra do Paraguay,-ou
beneficio das familias daquelles que fallecern,,
avisa aos inieressados, que leuresolvido prorro-
gar por man 40 dias o praso Oxado para a mes-
ma destnbniclo no aviso de 6 de outubro prxi-
mo passado, e que tem sido publicado nos jornaes
des la cidade,
Oderece-se um moco brasileiro cora bastan-
te pratica de casa de molliados, para administra-
dor ou caixeiro : fallar na rua Duque de Ca-
las n. 55, lija de miudezas.
Os Drs. Manoel de Figueira Faria, Mi-
guel de Figueira Faria, e Felippe de Fi-
gueira Faria, e seus irmos Flix de F.-
ffueira Faria, Francisco de Figneird-i Faria,
Muria da ApresrilafSo de Figueiri Faria, e
Adulaide Gandida de Figueiri Faria ctjn-
vidam aos seus prenles e amigos a assis-
tirem roissa de Rquiem, que mandam
celebrar no dia 7 do corrente s 8 horas
da rnanha, no convento de S. Francisco,
peio repouso eterno de seu lio o deao Dr.
Francisco oe Aranas, fallecido a 28 de ou-
tubro na cidade d Coimbra.
Thomaz Lins Caldas manda celebrar urna missa
no dia 6 do corrente, s 8 horas da manha, na
igreja do convento de Nossa Senhora do Carmo,
por alma de sua prima D. Feliciana Lins de Bar-
ros Wanderley, 31 dias de seu passamento : pele
ai*s seus prenles o caridoso obsequio de assis-
lirem.
BLgP"" i'.iUL i'!J
LEILOES.
ni: movis
Da rua da Soludade casi n. 5 i.
> agente Pontual, compete itememe autonsado,
venler era leilo os movis sogninies : 1 mobilia
da jacaranl a Luiz XV, 3 ricos espelhos, 4 jarros
de porcelana, 4 liguras de dita, 1 toilette de Jaca-
randa com marmora, 1 lavatorio com dito, 1 cama
de Jacaranda para casal, 1 piano, 2 esearradeiras
2 guarda-roupas, 1 bidet, 1 aparador com mar
more, 1 guarda-louca, 1 mesa elstica, 1 sof de
amarello, cadeiras de balaneo, de braco* e guarni-
eao, 1 apparelho de por-elaoa para jantar, 1 dito
de dito para cha, garrafas, compoleiras, clices e
copos, 1 cadeira para piano, 1 magnifica urna, l
machina para costura, 1 realejo, bercos, i mar-
quezo, 1 cama de amarello para casal, f sof de
nogno, I toilette de dito, 2 consol* de Jacaranda
eom espelhos, 2 pares de lanternas e muitos ou
tros oDjectos que estaro patentes na occasio dt
leilo
HOJE
'6 de dezembro
na rua da Soledade, ca^a n. 56, s II boras.
LEILAO
Hoje
6 'd<> cor ente,
a porta da Aseociaco Commercial, s 11 horas,
ruadoTMpicna.
Pelo agente E**ei>ir ario vendidos os seguales
predios, na eidade do Ohnda :
A franle ca>a terrea c-mb qointal morado e ca-
cimba de boa agua, h fruetWras, na ladeira da Mi-
sericordia n. 6, cha propros.
O sobrado n. 16 da rua d- Malhias Ferreira, com
tt aaias n 2 quartos do andar superior e salo no
arreo, e quintal para o breeodn dnselne.
Estes predios aar examinados putos preien entes a contaolo. As
chaves acbara-se na casas contiguas.

T
DO
SANTA CASA DA MISERICORDIA
RECIFE.
A jonla administrativa da santa casa da mise-
ricordia do Recife, leudo de mandar celebrar na
igreja de Nossa Senhora do Paraizo urna mi- sa de
rquiem por alma de seu fallecido irmao oBaiao
de Cruaugy, convida a Exma. familia) prenles e
amigos do mesmo para assistirem a esse a.'to, que
deve ter lugar no dia 10 do corrente pelas 8 horas
da manha.
Secretaria da santa casa de misericordia do Re-
cife 5 de dezembro de 1870.
O escrivo,
_____ Pedro Rodrigues de Souza.
m- JJfeJLttaKat.
Os primos e amigos do -empre chorado Dr. Ig-
nacio Firmo Xavier, mandara rezar urna missa
na igreja do convento do Cariro no dia 7 do cor-
rente as 8 horas da manha, trigsimo dia de seu
fallerimento.
>
M m
Anselmo de Jezus Carvalbo pretende no dia 7
do correte mandar dizer urna missa pelorepouso
eterno de seu tallecido pidrioho o Dr. Ignacio Fir-
mo Xavier, na matriz de S. Jos, pelas 7 horas do
dia, e para isso rog aos prenles e amigos do
fallecido que queiram assislir a este acto de cari-
dad* em sigoal de gratido, por fazer 30 dias de
seu fallecimento
Sf M-noel Fernandas Nogueira lendo recebido
a infausta noticia do fa leefmento de seu pai, em
Portugal, roga aos seus amigos o caridoso obse-
quio de assistirem a urna missa que por alma do
niesmo finado manda celebrar no dia de dezem
bro oa matriz de San o Antonio ; e por este acto
de religio e cardade sa confessa eternameutt
grato.
GASA DA FORTUNA
Aos 5:000|1
Bilhetes garantidos.
A roa Primeiro de Marco (outr'ora roa d<
Crespo) n. 23 e casas do costume.
O abaixo assignado, tendo vendido nos ens fe-
lizes biloete- um meio de n. 3072 com 5.O0OJO00
um quarto n. 2668 cora 900*000. um qnarto n.
617 com 400*000, um meio n. 3039 cora 2O0*00o
e ontras so'tes de 100* e 46* da lotera que se
acabou de exlrahir (172.*) convida aos possuido-
res a virem receber na conformidade do costume
sem descont algum.
Acham-se a venda os bilhetes garantidos da
6a parte das loteras, a bonedeio da matriz de Ja-
beato (173a), que se extrahira terca-feira 6 do
corrente mez.
PREgOS.
Itilhete inteiro 6*000
Meio bilhete 3*000
Quarto 1*300
Em porcao de 100*900 para cima.
Bilhete inteiro 5*400
Meio bilhete 2*700
Quarto 1*380 *
__________________Manoel Martins Finia.
Precisa se de duas amas, urna para engom-
mar e oulra para cozinbar : a tratar na rua do
Rangel, taberna n. 7, on na rua ImperiaPn. 101
defronte do viveiro do Muniz. *
Furtaram ltimamente do cerra Jo do e.ige-
nho Santos Menes, da comarca de Nazareth, qna-
iro cavailos, e entre estes, na neitt de 11 do oas-
do, ara cava'lo preto, de boro tamanho, g >rl >, in-
teiro, cora urna ralalura na sarnelha, rfego de
um qnarto, de 10 annos de idude. com o ferro se-
grate : Q : quem o apprehender e levar ao re
ferido engenbo, ser geqerosamenle gratificad o.
A vmva e os prenles do Uado Ismael Ama-
vel Gomes da Silva agradecen cordialmente as
pessoas que se prestaram a acompanhar ao cemi
lerio publico os restos morlaei do mesmo finado,
e de novo rogara para que as-i-tam as mis-as
jue sero celebradas por alma do fallecido, no
ta 7 do corrente pelas 7 horas da manha, na
igreja Matriz da Boa vista.
m
Jaynae Eneas G imes da Silva, convida pelo pre-
sente aos seos amigos e aos amigos de seu finado
irmo Ismael Amavel Gom;s da Silva, para a-sis
tirem as missas que mandara celebrar por alma
do mesmo finado, no dia 7 do corrente pelas 7
horas da manha na igiej Matriz da Boa-vista;
pelo flue de*1p j sntecipa "en reronhecimpnto.
SOGIEDADE LOTE IGA
ESPERANCA FELIZ.
Pertence-lhe o bilhete n. 1301 e os meios ns.
4143 e 4147 da leteria ir.37 da Corte.
Antonio J.iaquim de Brito,
Secretario.
Attonclo
Avisa-se aos senhores copites de campo que
venham ao largo do Carmo n. 4 a negocio do seu
ra tere se.
ATTENCAO
Constando ao abaixo a-signado qne alguns her-
deiros de Francisco Joaquim Pereira de Carvalho
procuram obter dinheiro offerecido como garanta
o sitio n 2 do H^pici., a pretexto de nao lerem
vendido todo sitio i.pressa se un declarar que
.-eu sogro comprou todas as panes do referido
sitio aos herdeiros, al a parte que t(.cou ao tes-
tamenteiro, em paga da vintena, podendo qneui
interessar ir ver as osripturas no escriptorio n.
12 rua da Crespo, ou no referido sitio. Faz a
presente deelaraco para sciencia de todcs, e
para qne ninguem se illuda.
Recife, 90 de novembro de 1870.
_____ Luiz E. R. Vianna.
Irmandade da Seniura Sant'Anna da Madre
de Deus.
Por ordem do Illm. Sr. provedor coftvido nossos
irmlos para comparocerem no dia 8 dp corrente
as 9 horas do da allm de as-i-ureirr a missa so-
lemne que manda cantar a sociedad liberal umo
benefleqpte, para o mu firamos convidados.
Recite 5 de dezembro de 1870.
Jo' Francisco de Souia,
Procarador interino,
Bartholomeu & C,
VlNHO, PlLULAS, XaUOPB E TlNTUR
de Jurubba simples b ferruoinoso ;
Oleo, Pomadas Emplastro da mbsmi
planta preparados por
BARTHOLOMEO & C
Pharnaceuticos-Droouistai
IEKXASIBi:<'0
A Jumbeb : esta planta hoja reconhecid
como o maia pederoao looico, como o malbsi
desobstruente. i como lal applicada nos padecinentoi
do ligado bafc, bepatiies, dnmsaa, tumores miar-
aos e especialmtDt do alero, hfdropesiii, errai-
pellas, etc.; saeciada ao ferro til nas pallida
coree, rhloroaes t falla de menslrnaco, desairs
jos do estomago, te., t o que diaeraoi atlesUa
ioaiuceras curas impartaotes obinlas ecm noaaoi
preparados j* bem couheeidos a laadoa pelos atair
disiioclos mdicos da paz e Portugal. Em todos 01
nossos depsitos distribuimos gratis follMloi melhor fasem conbacat a Jambaba seo rtflltM*'
a applicacto.
iFpURATfVI
BoD^GIBEfif
Imembro DA ACADFJIWdeMEDICINA
Preparado por deslauriers.PH.
Suc* DE BOUTIGNY-DUHAMEL
51 Rua de Clpy Paras
fina da Cruz n. 16
Eoconlra-se sempre : AMENDOAS coDfeitadts: xaropuiVffri-
BOLINHOS para cha ; po de l; bollo gerantes ; vinho BuceHas, brnoo o Unto,
ittglez; pastis de dtfferente <|oaiddes; proprio para mesa; vermonth ; bsyolio;
doces te-froctas, em calda e seceo, em cognac; vinhos floos, champagne.
barrilinhos em latas.
PAPIS para sortes.f ditos vendados
para cobrir bolos.
O Xaropc depurativo ioiiu rudo do Dou-
tor Gibert ofTerece, no seu emprego, um
resultado l>om, certo o constante na cura
das inwigens, escrfulas, rnolestiasdapelle,
vicio ao sangue, obstr verdes lymphatica:,
molestias contagiosas (syphiltticas), leves
u inveteradas, e de todos os accidentes que
d'ellas dependem.
A receita deste Xarope foi approvnda
pela Academia imperial de Medicina de
Paris.
Deposito nas principaes pharmacias do
Brasil.
em Pernambuco: Maubeb e Cu; Joaquim
Mabtindo da Cruz Cobreia ; Joao da Con-
ceicao Bravo e C"; Augusto Caobs ;
Bartdolomeo e C1*; Alexandbe Ribeiro;
Abbeu Ribeiro; Juod^ *** Faria elRMAO.
VERDADEIRO LE ROY
de nuaaiCT, Docteur-Mdedn
Rua da Seine, 51, t* PARS.
Km cada garrafa, ral, rntre i rolha e o papel al
que leva o oieu amele, um rotulo impresao em ana-
relio com o -ello lauau. do otinno riwcn.
S It.B.-tttm*-
fr\^y i tcndii-seiimi Mltl
-*j&^> otst&trlts*-^ ir ano (ranroa so-
bre Parla, acHUvel
80 < tom:uimo,RO-se
do alialiimntoedo
aaalor descont.
GAQUNHAS com amendoas e pastilhas,
proprias para presentes ; cb preto, miado,
de superior qualidade; latas com pecegos:
'OOO. I PRESUNTOS e fiambres.
RECEBEM-SE encommendas de bandejas com bonhos. qona armacSo de assa-
car e sem ella ; de po de l e bolos etfeitados com disticos e sem lles; e de oatros
muitos objectos proprios para grandes jantares, bailes, etc., etc.
FALSIFICARES
das PlLULAS de BLAUCARD
(CAVE
A nossa corresponrlcncia do Brazrl nos faz
saber que as {iracas deste paiz acho-se
actualmente inundadas por urna multido dt
falcificaces vis dos nossos productos (textual.
Para arantir-se contra estas composirors
mais on menos perijjosas, que escondem-se
d'essa maneita por delraz das nossas marcas
de fabrica e mesmo da nossa firma, rogamos
aqui com instancia aos mdicos e aos (l-
enles de assegurar-se sempre a origem das
Pilulas que trazem o nosso nome,appellando,
entre outros meios prcticos, pela boa f dos
nossos collegas, os phaniiaceuticos. Nao de
duyidar que n'uma qtiesta que intressa ta6
seriamente a saude publica e a moralidade do
AcJio-se as nossas Pillas
DOLCW)
commereio, estes honrados inlermediarjosj
nao se moslrem dignos da confianca dos seus
freguezes; nao de duvidar igualmente que
repudiando toda solaridade com os falcifi- i
cadores e os seus rumplires, elles nao se fa-
fo um dever d'or em djante de procurara
as VEBDADEIRAS PlLULAS DE BlaNCARD em
origens certas, cnderccando-sc, quer a nfls-
mesmos em Paris, quer indirectamente aos
nossos principaes correspondentes, ouenloi
s casas as mais recom-
mendaveis da Franca
ou do seu paiz.
7&7AL
I'luumacentico, rua Bouaparte, em Paris.
nas principaes Pbarmaoias.
ADOPTADO
NOS HOSPITAS DE PARIZ NASfAMBULA
NOS HOSPITAS MILITARES NA MARINHA IMPERIAL
FRANGZA E NA^ARINHA REAL MiZA
0 problema resolvido por Mr Ricollot com o mais feliz resultado na comnosicfto deste
papel foi conservar a mostarda todas as suas propriedades, obtendo em poneos instantes,
e com facilidade um effeilo decisivo com a menor quantidade possivel A*. *fi f ^
de medicamentos. (A BouchardatAnnuaire de thSrapeutique* de 8G8 J^fUS^&y'
Exigir a assignalura ao lado, pnr que lia falcifiradorea. A J
PARS, Ru Vk-du-Tentple, 26. t^

3SS


> ;i t

BRAKCO E ESClTiO
Drsrifprlrindoo Oleo de Figadn de Bncalhio,
o Srnkor Chevrier d a esii prreioMprrparO
i.o UnM'^pcutica am'cheitD* sahor agradaseis
i qne DcnhamadcMaavinariesthc'.iram.
Esta isapottasria de>coi>eita, ciue crangeou a
9 son auinr una Vrd.ill.a .li- honra, tul^arisio o
' !f> do Oleo di-Figadn.'ellartill." desinfectado.
Os me In os o renitam preOTiTClmeniea todos
os outros, cni todas as mol stias onde ae em-
rrega o Oleo de Figario de Bacaio.
Ver por mais pnrnieiiores os re.'atoriosmedi-
eaes quecontciij a noticia que aceompanba cada
fraseo.
I
FERRi;i;iN!. BE CnF.VRIER
0 Scnhor Cfieirier complelon a sa deseo-
berta alontas-d a indura de ferro ao Oleo de
B.ie.alhao desinic ludo Este Oleo de Figado de
Bic-'li,) ferrugmeo tem todas as propriedades
do oleo e do ferro, digere-se fcilmente e nunca
causa prisio de ventre. Porianto (. prajfcrrral
s mais preparaeOes fenugineas(Pilulasou Xa-
rope), eonveni em todas os doeneus on ie M
tnnrega o ferro. Tisira puluionar, hronrhiles.
ra- fiiiismo, escrfulas, intaigeoa, anta, rheu-
ma;i->mo cltronieo, eaian)oa anii^os, 'Ivs' <-
lias, convalesciiicia? difliicis e fraq-Jeiti de
e'Mistituie.io.
tt'Smrtmwiu tatEVMKH, Sl.r tfia Faw9. fHmtfuwrlre
ra nv-snia pnariiiaeia n'-han-sen VINHO e ELIXIR do COCA, earelsrotes pr O TAFFFTVLNrRAKIOeo i RNICA para corar as chagua, frfida,orlaouM5 :
Os GRANULOS deBISMUTl compottat contra as SiarriMas,d)'s Depositario, cm Rio de Janeiro, 1)lpom:iiei.i.e rt C". tuina, MnaniU Iiimau o C1'
Pernambuco, P. Mai:her et C". HJ-iranliao, FlBBEUU el C". P-ir/,, .//.-.://.
P*Jo8K Bw.tO. PeUll'IS, AVTFRO LtlVAS.
'^:irrr3r-",':v :::t"7^r.*t-- .. "::*-- -------
I A. MARIHIER, pharmacl'^1^'
Boulevard Sba^topol, BIS PARS.
NOVAS ESPECIALIDADES A. MARINIER
Apreseuiadas a AtadMia de Sricucias c ao Instituto de IYa:ca,
IV ICrPAfl ^^ '0TR" de Pastilla, dcvrdida c doscada para
ltCvUftU fasar de muaient.. tima solnccao
Preventiva e curativa das MOLESTIAS C0STA6I0SAS.
CASA CAUVI
ISJECTOft-FDILTRO
do volnme I UILTRO e SEMltGA sem os
graves inciinvenientes da fragilidad*.
ESTOJOS
Cora a forma, e de volume de um Porte-Moeda
COTEXnO TODO IRiTAUENTO.
COLLYRIO Coi\tra as affeccois das palpebras,
preparado sob a mesma forma.
BARTHOLOHEO C
CASA CAUVIN A. MARINIER.
*#APl#P* %#r^^# Boulevard S
a Depositarios geral para e BRASIL, e PORTUGAL
34, rua larga do Rosario. PERNAMBUCO.
Pharmaecutloo privilegiado
suc essor s
Boulevard Sebastopol, 53. PARS.
NOVAS ESPECIALIDADES A. MARINIER
Apresentadas a Academia de Sciencias e ao instituto de Kranea.
ai iropio Sob forma de Padilla, devedida e i'oseada para faser de
I rail COuAU momento urna SOtarclO PBETEHTIVA E CDBATIVA das
MOLESTIAS CONTAGIOSAS
do volume de um relogio, senrindo
iu de I'ihltro e Seringa sem os
Gravea inconvenientes de tragilmade.
Com a forma, c do volume de um Pnr*.e-Moeda coatend*
TODO TUATAMEXin.
ESTOJOS
CfOT-jI-i'YIIO Contra as affeccois das palpebras, preparado sob a mesma forma.
POICSTdAL
lI^TAY ftWF.f\ O .ra D'-posil;i ios gempara o BR4SIL e POKTI-'GAI
111,1 rrJLl'.V Ib' <-i la 3i, rua Luga do Rosario. l'^RNAMBUCO.
T
ROB LAFFECTETTR
Approvarlo em franrla, Russia, Austria e Blgica. O arrobe vegetai larfcctenr sa antto-
rizado, he aiai superior aos xaropes de euisinier, de Larrev e de safseporrilha. -
digestao, adagraved ao paladar, e ao alalo, elle cura radicalmente aaa*r*ttrl, as
aecfles da pelle. Impifena iilporcn. tunmrrm. lrer". .r"a *e***
rmda. eatrorbia to. e os accidentes provendos dos partos, da ida critica, e da. acn- )
ntonia hereditaria dos liuroores. .
O arr, be he espetialnienie recommendada contra as <* syphiliticai recentes, va*
radas ou rebeldes ao nuil curio e ao ioduro de potiiasio. ..iM.niip
Deposito cara) do erladelro ROM UrTECTEUM, 'em casa do doutor GIRADEA DE
SAINT-GERVAIS, rua Iticher, 1t, Paris.



Diario de Pernambuco Terqa eira 6 de Dezenibro de 1870
Au bel sexe

COLB CREAM OF ROSES.
Celle Crema dalicieu>e, onhersellement repto-
dae en Angielme, o ks inanes sent si renoro-
ujes par I beat et la iransparance de leur
teint, doil si rpulation aux lment3 bilsamiqoe*
l onclueux fui la eomposent, aiosi qu' sa cons-
tante efficaclt poor td ueir la pesu, la rendre
pos blanehe, coniribuer ains la sam et a la
beaot, qui, toujours, sonl inseparable?.
On la recomraaBde eontre les irrutioo^ de
1 piderme, lelle que Boutons, Lihmdks, T-
cito DB RoUSStUB, ROUGEURS DB LA PlOURE, ti
contra lea laches ptriques et les 'ffloresckh-
< es. Celia Crme convient spcialement aux fm-
ures enceinles poor provenir LE MASQUE, aoquel
elles sont sojeltes.On s'en sert encor pour em-
pecher la figure de se bler par le froid cu la trop
frase obafeur.
Prix l:t00 reis
'Seal dept au magasin Basar de la Mode30
l'.ue do Bario da Victi ra.
Aluga-se
o 3* andar do sobrado n. 8 da rna da Imperatriz:
a tratar cora J. J. de M. Reg ra do Cumrr. ercic
a. 34. _____________________________
Airar da matriz de Santo Antonio, sobrado
n 18, i* andar, faz-se comida para ra com as-
seio e promptidao.
Ama
Precisa-se de ama ama para casa de hemem
solteiro,. nicamente para cozinhar, porm isto qae
saiba com perfeicao : a tratar na ra do Mrquez
de Olinda, antiga ra da Cadeia, n. IV.
Ama
Precisalse de urna ama para cosinbar : tra-
tar na ra da Alegra n. 5.
Frederico Maya
Cirurg3o dentista
Acha-se em seu consultorio para os trabalhos
de sna arlo nos dias uleis das 8 horas da manhaa
as 3 da tarde, e aqcelles que por suas oceupa-
cSes nao poderem comparecer nesses dias o acha-
rao das 9 horas da manhaa as 2 da tarde nos do-
mingos e dias santificados. Tambem continua a
prestar se a qnalquer chamado, tanto na cidade
como para (ora delta, sendo procurado em seu
consultorio a ra do Duque de Caxias, sobrado
amarellu com entrada pela praca de Pedro II.
Joaquim Jos Gon ves Beltro
Rna do Trapicha n, i 7, Io andar.
Sacca por todos os paquetes sobre o banco de
Minho, em Braga, e sobre os seguimos lugares en
Portugal :
Lsbaa.
Porto.
Valenca.
Guimaraes.
Coimbra.
Chaves.
Visco.
Villa do Conde.
Arcos de Val de Vez.
Vianna do Castello.
Ponte do Lima.
Villa Real.
Villa-Xova de Famclieo.
La mego.
I.anos.
Oovilha.
Vascal (Valpasso).
Mirandella.
Bcja.
Barcellos.
Agencia em Peraambuco
Do Dr. Ayer
Peitoral de Cereja
Cura a phthysica e todas as molestias do peit<-<
s-.arsa parriiha
Cura ulceras e chagas antigs, impigens e dar
iros.
Tnico
Conserva e limpa os cabellos.
r PiiIas cat'>artfcas.
Puramnne vegetaes seto mercurio ; cura se
-' ?, purgao e^urificam lodo o systema humano.
Vende-se electivamente em casa de Samuel P.
Johnston & C ra da Sanzalla Xova n. 'i2.
AIJ
DYVETOT
14-Rua Eslrcila do Rosario--i4
Compra e vende roupa feita
nova e velha, objectos de
rosinha e de mesa, e
tudoqueperten-
ce ao uso do-
mestico.
ANG
DIJAPOK
NOVA AGOA
para o Toucador'
1HPMT1BA
POR RIGAUD e
rurciuTU
a. viticmw, a
- PARIZ -
EstaAoaextra-
hida das flores do
Pirus Japnica,
- sus suavidida e
.Bas proprieda-
des bsnefioas.
exoede os oos-
metieos mais oelebres; tendo sido a-
doptada por toda a sooiedade elegante
Deitada nos banhos. d'um perfume
dalioioso, oonsolida as carnes e faa de-______
sapareoer as espinbM, oomiohSes a as effloresoen-
oiaa da palle.
PRECO 1500.
nico deposito no Bazar da Moda n. 50,
roa do BarSo da Victoria outr'ora Nova.
SEGUROS
MARTIMOS
E
covrn.i i o-o.
A companhia Indemnisadora, estabelecida
nesla praca, toma seguros martimos sobre
navios e seus carregamentos e contra fogo
em edificios, merendonas e mobilias : na
rna do Vinario n. 4, pavimento terreo.
MOFINA
Roga-se ao Iilm. Sr. Ignacio V.eira de Mello,
erivao na cidade de Nazareth desta provincia,
favor de vir a ra do Imperador n. 18 a conclu!
aquello negocio que V. S. se comprometteu reali-
sar, pela terceira chamada deste jornal, em (tas
de dezembro prximo passado, e depois para Ja-
neiro, passou a fevereiro e abril, e nala cumprio.
e por este motivo de novo chamado para dito
Bm ; pois V S. se deve lembrar que este negocio
de mais de oito annos, e quanao o senhor sao
filho se acbava no estudo nesta cidade.
mm mmmmmnm mm&
SPRIMEIRO E ANTIGO CONSULTORIO
HOMEOPATIirX) j
Dirigido pelo Dr.
SANTOS MELLO
18 Os habitantes do interior podem-no I
SR consultar por escripto, no que sero sa- gS
22 lisfeilos com promptidao.
i Presta-se tambem a chamados para o J
i interior, a preco mdico. S
Consullas, no consultorio das 10 horas 2
5l ao nieio dia.
Chamados, a qualquer hora.
ggg Aos pobres gratis.
I 43Ra do Baro da Victoria43
(Antiga ra Nova).
I
0 salo le pianos e de
msicas
nudou-;e da ra Nova n. 58, 1* andar, para a
ua da
Imperatriz n. U, loja,
jnde contina recommendando-se ao Illra. pu-
blico.
G. Wenheimer.
Preci.-a se de urna ama que lave e engomme
com perfeicao : na ra do Baro di Victoria n. 61
t andar.
AOS 5:000^000
Estao venda os felizes bilhetes da lotera da
Baha, na casa feliz do arco da Conceico, loja de
ourive no Recife.
II BI PREDIO
Vende se a casa de fions andares e solo
da ra do B3r3o da Victoria, outr'ora ra
Nova n. 09, que faz esquina para a ra do
Mrquez do Henal, tem excellente vista, e
torna-se recommendavel pela localidade em
que se ada situada, urna das melhores,
sem duvida, daquella rna. Ter um excel-
lente acquisigo para o comprador, porque
do capital empregado obter um juro razoa
ve e sem risco algum : quem pretendel a
dirjase a ra da Cadeia do Recife o. 19,
que acbar com quem tratar.
Faga-se bem.
A urna ama qae cosinhe e compre pira tres
pessoas : a tratar na ra Nova n. 10.
Na ra da Aurora em Sanio Amaro, antes
de chegar a Ponte d'Starr, ha para, alngar tres
casas terreas com grandes sotos e commodos pa-
ra familia.
Ivnsiao de preparatorios, segun-
do o novo programla, para
exames.
O prolessor Torres Bandeira tem resolvido abrir,
para os moros que se preparara para a facnldade
de direito, alem dos cursos de phtlosophia, derhe-
tortea e potica, e de geograpnia e historia, um
curso especial da lingua portugueza ; e em rea
ci s senhoras, a rujo ensino tambem fe dedica,
igualmente se propSe dar licSes de lingua portu
yueza, de lingua (ranceza e de geogrophia.
Veneravel ii mandado do Senhor Bom Je-
zus das Portas na igreja da Madre de
Deo?.
(ELEICAO).
Da ordem do irmao provedor e em observancia
do disposto_em nosso compromiso, convido a to-
dos os irmos coroparecerero no consistorio da
referida igreja quinta feira 8 do corrente, as 10
horas da manhaa, aflm de em numero legal poder
on tilnir se a meea geral em sessio ordinaria, ?
procedor-.-e a elcgibilidade dos funecinnatios que
lom de reger esla irmandade no anno futuro.
Secretaria em 3 de deiembro de 1870.
Alejandre Amrica Caldas Padilha,
i _____^^ Sicrelario. ^
Precisa-se d.- urna ama para coiinhar : a
tratar na ra Cadeia do Recife n. 1.
AVISO AVISO
Griinde vaiitagem
AOS SENHnRES de ^ENGENHOS.
Um estrangeiro qne frequentuu por alguns an-
nos os collegios de Franga, se t (Terree aos senho-
res de ngenhos, na s para lecciunar o porlu-
guez em aspac de um anno, quando muito, como
para ensinar o francez cora toda a perfeicao em
espaeo de seis mezes, pelo grande conbecimento
das maoeiras mais facis de aprender-se e de eo
mo se ensiia nos colle/ios francezes, alem de ter
grande pratica por ter tambem j leccionado em
engenhos das provincias do Brasil : quem de seu
prestimo se quzer utllisar pode deixar carta fe-
chada, a qualquer hora, com endereco a Mrs. A.
I!., na ra da Cruz n. 52, loja de livrus, ra Di-
reita n. 118, botica, e na ra das Trncheiras n.
50, loja.________________________________
Na praca da Independencia n. 33 sa da di-
heiro sobre penhores do ouro, pr.ua e pedrai
ireciosas, seja qaal for a quantia; e na mesm;
asa se compra e vende objectos de ouro e prata
(igualmente se faz toda e qualquer obra de en
sommenda, e todo e qualquer concert tendenv
i mesma arte
Em c^sa ae THEUDORO f HKISTI& N
SEN, ra da Cruz o. 18, eDContram-se
effeclivamete todas as qoalidades de vinho
Bi nleaux, Bonrgogae e do Rbeno.
Aluga-se urna negrinha de idade 14 annos,
muito inielligeote e esperta para casa de familia,
mas adverte se qae recolbida e nao vai ru* :
quem qoiter dirija-se rna Formosa n. 51.
Ama
Paecisa-se de urna ama de loite : a tratar na
ra do Commercio n. 8, armazem.
Irmandade das Almas na
matriz do Corpo Santo
A mesa regedra, cujos trabalhos estao a termi-
nar, convida aos funecionarios ltimamente elei-
tos pira regereo a irmandade no prximo anno
de 1870 a 1871, a se reunirem no consistorio
na quarta-feira 7 do corrente mez, i hora da
tarde, allm de serem empossados dos sens respec-
tivos lugares.
O escrivao,
Manoel Jos dos Santos.
itEiIALDA
S
s


s
Este antigo estabelecimento, acha-se hoje montado n'uma
asala de poder servir vantaj o smente os seus freguezes, atien-
to o grande sortimento de joias d'ouro, prata e brilhantes, qne
sempre tem e recebm mensalmente das principaes fabricas da
Europa- cujos presos sao em competiveis e as obras garantidas
de lei.
JIOREIHA WIJAIITB .
IajelIT
Tem a salisfagao de participar aos seus numerosos freguezes, que em vista de ser-Ibes mais commodo, tem
p^ estabelecido urna nova ftbrica de cbapos de sol, na ra da Cadeia do Recife n. 9, luje ra do Mrquez de Olinda, ^
|&) onde acbaro os pretenderles, muito avullado sortimento de cbapos de sol de todos os presos, qualidades e por pre- i0
ros mas commodos do que comporta o nosso mercado : convidam esfecialmente aos Srs. compradores por atacado
darem, sendo possivel suas encommendas, pois poderlo assim serem mais bem servidos, visto poderem escolber as ar-
macSes as tazendas que a demora da fabricacao bem diminuta, ______^
NA ANTIGA E BEM CONHECIDA FABRICA
CHAPEOS DE SOL]
DA
Ba do Baro da Victoria, esquina da Camba do Carmo.
(Antiga Ra Nova")
Ha seoipre um grande sortimento de cbapos de sol de seda, merino, alpaca, bretaDba de linho brinco e par-
do e de aigodo os todos os tamanros e feitios, alm da immesa poigo de eda, merino, algodo e brim,
armacoes de todas as qualidades para satisazer qualquer encommenda. A modicidade de seusprecos lo conbecida
que escusa de mencionar.
CASI.
NA
Aluga-se ama casa com 2 alas, 1 grande gabi-
nete e 2 quartos, por preco mdico : a tratar na
rna do Vigario n. 19.
Boiieiro
Na ra do Imperador, tenda de ferreiro, jan lo
ae Gabinete Portuguez, se dir quem precisa de
um bom boiieiro.
Ama.
Na ra do Cabug, loja da Aguia Negra, preci-
sa-se de urna ama que saiba bem cozinhar, para
hornera solteiro, e paga bem.
Ama
Precisa-se para o servicp interno de casa de
pe juena fainih: na ra do Vigario n. 8, segun-
do andar.
Attenpao.
:'- '7
SK
11 RIJA DO IttiO Di VICTORIA 41
Neste novo armazem tem ura
variado sortimento de fazendas
francezas, inglezas, allemas e to-
das tudas se vemlem por preces
mdicos, afim de acreditar a este
novo armazem.
Casemiras inglezas,
francezas, de todas as
qualidades, brins de
cores e brancos, clei-
rbos modernos, cha-
peos de sol de eda,
finos.
RA
Baro da Victoria
DE
ARMDA IRMOS.
TI
-v.
antiga ra
NOVA
N. 41.
Assim como tem urna grande
ofcina de alfaiate, montada com
todos os preparos que ha demelhor,
dirigida por habis artistas, que
pela sna promptido e perfeig5o
nada deixam a desojar.
Roupa de todos os
amanhos para homen?
meninos.
**'
-Por todos os paque-
tes recebem-se as me-
lhores e mais moder-
nas casemiras que ha
na Europa.
RA
r*.
BarSo da[ victoria
antiga roa
NOVA
N. 41.
Gralitica-se a quem apprehendar ou der noticia
exacta de um pardo que hoje (2) deseneaminbou-
se da esquina da ra do Cnspo at a rna do Im-
perador, conduzmdo ama bolsa de viagem com
camisas de homem novas e usadas, lencos de rap
e brancos, trazendo mais cabeca ama por^ao de
carne do Cear ordinaria.
A luga
-se
o 1 andar do sobrado n. 91 na ra Direila : quem
o pretender dirija-se travessa da Madre de Dos
n. 15 : para o ver a chave est na taberna dos
Srs. Lopes & Sonza b. 95 na mesma rna.____
Dr. Pedro B. l'cha Gavaloanti.
Miguel Lucio de Albaquerque Mello Filbo manda
resar urna missa no convento de S. Francisco as 8
horas da manhaa de 6 do corrente, primeiro an-
niversario do passamento de seu amigo o Dr.
Pedro B. Ucoda Cavalcanti; e convida os prenles
e amigos do fallecido para esle acto de religiao e
caridade.
Cozinheiro
Precisa-se de um perfeito cosinheiro, e que d
fiador a sua conducto : tratar a ra do Mr-
quez de Olinda, armazem n. 35.
Precisa se do urna ama para cosinbar : na
ra Direila n. 127, 2 andar.
Casa para alugar.
Aluga-se urna casa no Monteiro, baixa do rio
Porlo do Xisto : tratar na ra do Crespo n. 17.
loja.
Aluga se utnacasa com bons commodos para
familia e bom sitio no principio da estrada dos
Afilelos, pertioho da entrada de ferro de Apipa-
eos ; a chave para ver est na casa junto : tra-
tar no Chora Menino, enm Jos Antonio Marques.
Companhia de trilhos urba-
nos do Recife a Olinda e
Beberibe.
Levo ao conhecimenlo dos senhores accionistas
desla companhia qne, em consequencia do offlc;o
da commisiao de contas, de hontem datado, no
qual declara a mesma comiriss3o, ser-lhe neces-
ario para terminar os seus trabalhos um espaca
maior de tempo at o dia 19 do corrente ; tem o
llm. Sr. presdeme da assembla geral, resolvido
espacar o adiamento da sesso, para o referido
dia 19, a hora, e no logar j annuuciado.
Recifo 2 de dezembro de 1870.
No impedimento do Io secretario.
Antonio Augusto fc Sanios Porto.
___________________2 --f creliirio.
Gratifica-se bem a quem tiver achado urna
bomba pequea de pao, que foi perdida indo em
um carro do Recife para a Capunga : quem a li-
ver_pde levar rita doCorameicio n. 48, 1* an-
dar, escriptorio de E. R. Rabello & C.
Precisa-se de tyn cozinheiro :
Livramento n, 20.
na ra ao
AMA
Este estabelecimento acaba de soffrer urna reforma radical em accio, artistas e commodos, e m pontualidade as encom-
mendas, finalmente em ludo afim de melhor servir os seus numerosos freguezes deixa-se de annunciar todas as fazendas, para
aao se tornar mas san te
Precisa-se de urna ama para engomirar : ca
ra dos Pires n. 6i,_ venda. ____________
Prevengo
O abaixo assignado previne a quem interessar,
que a escrava Benedicta, perteniente ao Dr. Can-
dido Jos Casado Lima, Ihe esl empenhada por
escriptura publica passa'a era notas do tabelliao
Almeida ; assim como que pelo juizo municipal
da 1* vara da capital se promove a devida exeeu-
5io. Ninguem, porlanto, poder legalmente fazer
iransaccao alguma com a precitada escrava, pro-
testando-se proepder criminalmente contra quem
a occultar. Recife 25' de novembro de 1870.
Amaro Joaquim da Fomeca e Albaquerque.
ALUI.AM-SE
ou vendem se duus sitios com casas de vi vend,
olaria e grande viveiro na estrada d > Giqui .
quem pretender dirija-se a ra da Cruz n. 13,
1 andar.
Precisase de um caixeiro de 14 a 16 annos,
com pratica de taberna: na ra do Viscoode de
Pelotas n. 6, taberna.
Precisa-se de urna ama de leite : a tratar
na ra da Moeda n. 35.
VICTORIANO PAUIAkES.
Apolices.
.Sarj Santa Rita n. 49 e 51, serra-
ti fe Tapor, TeQfk)-se apoliets da provincia a juro
s a8 i|2 : a tratar com Jos Ignacio Aila
Companhia Al lianpa
'DE
seguros martimos estabelecida
na Bahia em 15 de Janeiro
de 1870.
CAPITAL..Rs. 2,000 000*000.
Toma seguro da roercadonas u din eiro a risco
martimo em navios de vella e 'apores para den-
tro e fra do Imperio. Agenci ra do Com-
mercio n 17, escriptorio de Joaquim Jos Gon-
ijalves Beltro.
J\ug&-se
a casada ra do Progresso no Forte do Matlo bu-
mero 23.
Na travessa da roa
das Ciros a, 2, pri-
meiro andar, da-se di-
nhelro sobre penhores
de ouro, prata e brilhan-
tes, seja qoal for a quan-
tia. Na mesma casa com-
pram-se os mesmos me-
taes e pedras.
mniiiiiiiii
o obrado para alugar
O e andar e solio n. 6 da ra do Duque
de Caxias : a tratar no Corar'o de Oaro.
erro
RA DA CRUZ \. I
Chapas de ferro galvanisadas para telbeiros, etc.
Tachas de ferro para assucar, etc.
Formas de ferro para assucar.
Arados americanos. ,
Carrinbos de mSo.
Venezlanas para janellas.
Machinas de descarocar algodo.
Machina de cortar fumo.
Macbica de cortar papel.
Motores para dous cavallos.
Machina a vapor para mover machinas de algodo.
Balances, preos, cofres de ferro, oges de ferro, eoxore, salitre |limalha de
muitos outros artigos. _^___^_
Arna de leite.
Precisa-se de urna ama de leite sem fllha
ra de I lorias n. 30, sobrado.
na
Companhia phenix pernam-
bucana.
Os senhores accionistas sao convidados a irem
trocar no escriptort) da companhia os recibos do
capital realisado, pelas acedes,
Pernambueo du dezembro de 1870.
r Pela corapailhia phenix pernambucana.
J. H. Trindade.
Luiz Antonio Siqoeira
____________P. F. Borges.
Ama
Precisa se de unu ama : na n da Conceigao
n. 37.
OS AMERICANOS
CILYNDROS PARA PADARIAS
Tendo cbfgado ha poucos dias completo sortimento dos melhores e mais
conhecidos cylindros americanos para padarias, roga-s s pessoas tque d'elles precisa-
rem de virem vel-os ao grande deposito do ^^ _
BASTOS
IO.J M% 1L1 MACHIMAS
BM 11U W DI (llliy, 5
OUTR'ORA RA DA CADEIA
1NTEBESSANTB COMPOSICAu LliTERARM.
CONTENDO :
A noite do xtasis.
O sorriso.
A noite do assombro.
A lagrima
A noute do delirio.
O mysteno.
Com urna carta crtica dirigida ao autor pelo
Dr. T. B. Rigueira Casia.
1 volume brochado 2*000.
AS CENTELflAS
Poesas patriticas sobre a guerra do Paraguay.
. volume brochado 2*000
NA
LTVRARIA FRANCEZA_________
^- Precisa-se de urna ama qua engomme com
perleicao roupa de hemem e de senhora : tra-
tar na roa da Aurora n. 40.
Priado.
Na ra do Duque de Caxiis, outr'ora do Qoei-
mado, n. 14, i* andar, precisa se de um criado
forro ou captivo, de idade de 12 a 16 annos.
AMA
Precisa-se de urna ama livre ou escrava para
cozinhar : na fabrica a vapor de cigarros, 4 rna
larga do Rosario n. 21.
AMA
Precisase de um ama para- casa de ponca fa-
milia : na rna da Cadeia n. 21. loja de mindoias.
Botica.
Precisa-se de um caixeiro com algnma pratica
e que conheca todas as mas desta cidade para ser
encarregado da eobranca : ra da Imperara nu-
mero 77.
Precisase de um moleqae para aervreo de
hotel: na roa das Cinco Pontas n. 14. *'
Precisase de urna ama para casa de inoee
solteiro ; a tratar ni ra de Pedro Aflbn?o n. 9,
amiga roa da Praia.
X


Diario de Pernambuco
Terc^i eira 6 de
w
rr-
AO ARMAZEM
VAPOR FRANCEZ

Dezembro
______*__
de 1870.
5
17-MA
-17
Este conhocido e9tabelecimenlo acha-se constantemente bem sortido, em virtude das
rutaras que recebe por todos os vapore, e navios francezes, dos artigos abaixo menciona-
dos, precos os mais resumidos que possivel.
CALCADO FR1ICE2
Botinas para tenhoras e meninas.
Botinas pretas, brancas e de muitas outras cores, sortidas e bonitas, do ultimo cos-
to da moda, e precos mais baratas do que em outras partes.
Botinas para borneas e meninos.
Botinas de bizerro, cordavao, lustro e pellica, das melbores fabricas e escolhidas.
Botas e perneiras rnsslanas.
Botas e perneiras pan mahtaria, das melhores qualidades, de couro da Russia, lus-
tro e bizerro.
Sapatos de borracha para horneas e scnhoras
Tendeo cbegado grande porcao de sapatos de borracha vende-se pelo costo 'allra Jde '
desempatar o dinbeiro nelles empregado, sao baratsimos.
Sapatos de lustro para horneas.
Sapatos de entrada baixa de couro-de lustro com salto, de muito boa qualidade.
Abotinados para meninos e meninas
Sapatos abotinados de differentes modelos, de muito boas qualidades e fortes, tanto
para meninos como para meninas, muito baratos.
Sapatos de tpete.
Sapatos de tapete aveludado, de casemira, de charlte e de tranca francezes e por-
tuguezes para homens, para senioras e para meninos.
PERFUMARAS
Excellentes extractos, banhas, leos, agua de cologne, florida, divina, lavande, den-
triflce, de toilette, sabonetes, tintura para cabellos, pomada angroise para bigodes, pos de
arroz etc., tudo isto de primeira qualidade, dos afamados fabricantes, Condrav, Piver e Lubin.
Qninquilharias
ATTENCAO
Jos .loaqaim da Cosa Maia, tem venda no sea ajmazejD, sito no largo do
Peloorinbo n. li, oa objectos segointea, e qoe vend per presos mais commodos do
que em outra qualquer parte :
Oleo le iinhaca.
Cooro de lastro.
Saceos de estopa.
Estopa em peca.
Vinbo Bordeaoz em caixas.
Feltro em peca para forrar embarcarles.
Encerados.
Telhas de ferro galvanisado, de differentes tamanhos, para cobrir casas.
Ferro Uso galvanisado para forrar embarcares.
Pregos galvanisados.
Cantara de Lisboa.
Dita soleiras.
Dita marmore.
Taboas de marmore de differentes grossuras.
Ladriraos de marmore de differentes cores e tamanbos.
Ditos de pedra de Ansam, pretos e brancos.
Tmulos de pedra fina de differentes tamanhos. flL
Pedras para lavatorios.
Taboas de louza.
Pias de lonza para cosinha.
Lavas de pellica do conhecido fabricante Jonvn, espelhos para sallas, quartos e ga-
binetes, toucadom de diversos tamanhos, leques para senhoras e para meninas, abridores
de lavas, brincos, pulceiras, bolees, correotes e chaves de relogios e trancelins, tudo de
ouro de lei, correntes e brincos de plaqnd, a irailacao o de mais gosto do qae as de ouro,
caixinhas de costura ricamente guarnecidas e ornadas com lindas pessas de msica, albuns
e eaucilhos dourados para retratos, caixinhas com vidro de augmento para distinctarente
Ier'30. a perfeicao dos retratos, objectos de phantasia para toilettes, bolsinhas e cestinhas
de seda, de velludo e de vimes para braco de meninas e senhoras, ditas para costuras, pe-
queos registros muito finos e delicados, bouquets de flores de porcelana, jarros proprios
para gabinetes e santuarios, quadros promptos para collocar-se vistas, molduras douradas
para quadros, estampas finas de paysagens, cidades, figuras e de santos, vidros para eos-
moraraa, malas, saceos e bolsas de viagens, esporas, chicotes, bengalas, ocnlos, lunetas on
pensinez de prata dourados, gravatas pretas e de cores, abotoaduras de collete e de punhos,
carteirinhas para notas, thsounnhas e caivetes finos, pentes, escovas, ponteiras de espuma H
para charutos o para cigarros, Jozos de domin, rodetes, bagatelas e outros differentes, ve- m
nezianas modernas muito conveniente para portas e janellas, cosmoramas, lanternas magi- M
cas, estenocopos com interessantes vistas de figuras e das mais bonitas mas, boulcvards,
pragas e passeios de Paris, photographias e caixinhas mgicas, reverberos para candieiros,
tapetes de vidrilhq e de lia de cores para ps de lanternas, realejos grandes e pequeo?,
Harmnicos, acordions de lodos os tamanhos, berros de vimos para criancas, sapatinhos e
toucas de laa, carrinhos de 3 e 4 rodas muito elegantes para conluiir enancas passeio : e
outras muitas quinquilharias de phantasia, francezas e allemae?, precos muito em conla.
. p*ra.es.te ar''80 n5. na paco nem tempo para a mas?anle leitura da infinidade de
gneros de bnnquedos fabricados cm diversos paizes da Europa.
Q
" V FALQUE
iTESTA ANTIGA E CREDITATA
FABRICA
DI -
BNGOTItA SE COSSTAISTEyE.UE lili C0BPLET6 IHTI1HTI
CHAPEOS DE 80L
De todas as qualidades I
De todos os fcitios 1
De todas os precos I
RA DO CRESPO
ATTENCAO
. A SILENCIOSA
Chegaram as afamadas machinas de c sar
CAFE PUBGATIYO
V.M A! ESCAMONEA
De Bra Barra!
I*harmacetidk-o r Miuico
A alilidade dus purgamos ni si ITre demoni-
tracio alguma ; a preseripcSo diaria qne delles
fazem os mdicos e o" oso anda mais froqtiefite
feilc pvlo publico "in provas irreframv*is tanto
como a qoantidade innumeiavel desto genero. S
falla apeieicxar ca.1a voz mais p-mndo de adroi-
instracao, de maneira que conservando a sua ac
cao, tiles possam. ser tom.dos'sem repugnancia
nem a^co e sobrrludo sem receio neni pefigo.
Muilos purgantes afamados f devem este bom
xito ao seu cuello intenso e excesslvo. D'ahi o
pengo, porque rril.it.5es Je esiomago, inllamma-
ces de eniranhas sao inevitavelmente o resulla-
do do seu emprego. Nada tlisso tem-'ae de recear
com o caf purgativo.
Todos conhecem por experiencia o aroma sua-
ve e o efleito ligeiraraenle nico e excitante do
caf. Elle o melhor auxiliar dos purgantes dos
quaes disfarra o ch( iro o sabor e ajuda a aecao
sollicitando vagarosamenlo os movimenlos peris-
Utilices de intestino, e prevtnindo o seu efleito
muito intenso sebre o estmago. Mislurado com
escamonea, facilita as cvacu3c5e< com promptidao
e sem clicas, e torna se un purgante brando,
certo, fcil a tomar e preferivel a todos os outros
salvo urna indicado especial da qual o medico
o nnico juiz.
A innucuidade do caf purgativo pcrmille de
emprtga-lo em. lodos es casos simples. Desper-
tando a alonia do intestino B activando a secre-
Cao desle, destre a dureza de ventre, as vento-
sidades, as flatuosidades e excla o appetite. Em-
pregado mais miudo, conveniente para eva
cuar com vagar a bilis o os humores viscosos e
e faz dessa maneira desapparecer a enxaqueca,
as dores de cabera e prev os ataques de sangue
as pessoas que a estes sao predi.-postas.
MODO DE EMPREGO.
E' tao simples como fcil. O cal purgativo
deve ser tomado fri, puro ou misturado com um
penco de leite fri azucarado, ou agua assuca-
rada. O vidro inteiro a dos ordinaria para
umadulio ; duas Clh?res de caf bastam para
as senhoras e para toda e qualquer pessoa que se
pur fcilmente.
ara as rriancas de 8 10 annos, a metade dr
vidro suficiente ; de 5 a 8 anuos, urna colher
de caf, e a quarta parte do vidro fomente abai-
xo desta idade contra a gosma.
E' per isso d'uma administraeo muilo mais
fcil do que es biscoutos, chocolates ou bolos
purgativos.
Dase immediatamenle depois leite quenle as
sucarado ou cal Jo leve, e duas cu ti es chavenas
de cha prelo cu de tilia.
nico deposito na pharmacia e drogara de
Bariholomea & C. : ra larga do llosarin n. 'li.
Casa no Monteiro.
Alugase urna c?sa na povoacao do Monteiro,
caiada e pintada de novo : a tratar na luja de li-
vro ao p do arco di Santo Antonio.
Fl
A' 500 rs.
NA
r da Boa-Vista,
DE
Paulo Guimares.
Camisinhas bordadas para seniora a 500 rs.
Gollinhas, idtm dem a 4i0 e 300 rs.
Mantas de vareja pata sentara, proprits para ba-
nho, a 800 rs.
Chai escuras eclaras, o covado de 1^0 a 360 rs,
Mii8ulin; de cor, padioes novos, covado de 280
a 510 r.-".
Lias Amelia pj-ra ve|ido, o covado a^OO rs.
Ditas, padrOes mindinhos, o covado de400 e 506 rs.
Pecas de algido, madapolao, cambraias brancas:
rndese mais barato do que em qualquer ou-
ira parte.
A' ra da Imperatriz, n. 48,
junto piulara frauetz.
PAR i A FESIV
NA I.OJA
Pau'o Guirati riles
Palitots de brim branco Muzas, de
3 4. 5, e 6000.
Ditos de alpaca branca de 3, a 4|.
Ditos de dita de cor, de 3 a 3oOO.
Calsas brancas de brim, de 2 a 8.
Golletes brancos, de 2 a 3"00.
Grande sortimento de calsas de casimi-
ra prcta e do cor, palitots de casimira
de lodas as cores, obras todas cortadas
por un perito mestro.
Na. n.esma 1< ja se manda fazer obras
por medida e por menos O psr cento
que em outro qualquer eMubelecimenlo,
pois para i>so acham-se munidos d'um
perito mestr,e e cdleiars.
A RA DA LMPEUATR1Z N. 48.
Junto a padaria franecza.
Pe chincha.
Todos
DE
9 <*ono ^esle estabelecimento pede ao publico em geral que continu a visita-lo 91
verificando as qualidades e os precos baratos de ditos objectos por serem viudos em di-
NhUI e de conu propria.
DOCES,
13
DOCES SECCOS
CAJ'
LIMAD
ABACAXI
LARANJA
CIDRA, ETC.
POLLACK SCHMIDT
Ra do Crespo n. 4.
As mais moderoas e elegantes que tem apparecido al boje E, com effeo nada
mais se pde exigir de una machina de costura em quanto a trabalho de agulha, tal
a vanedade de costuras qie fazem as de que se trata; por isso que se pode dizei
que a Silenciosa de PollackSchmidt altinglo aos ltimos aperfeircoamentos!
A simplicidade de seu machiaismo, a adherencia de suas pe?as e belleza de que se
acbam revestidas estas machi las. sao predicado^ que por si as tornam recommendadas,
mesmo dtante da apreciado a mais escrupulosa e exigente, cuja verdade se acha gra-
vada em bellos caracteres em todas as esposiges onde as silenciosas teem sido van-
'ojosamente premiadas. i
Perto de 2,000 machinas teem sido vendidas na corle do imperio pelo seu nico
agente no Brasil no curto espado de dous annos, e continuam a ser procuradas com
enlhnsiasmo : roga-se, porlanu. ao respeitavel publico desta bella capital, e com es-
pecialidade as familias que desejarera possuir urna til e. linda pe?a de as vir ver a
examinar, na casa cima indicada onde encontrarlo pessoas habilitadas para darem
odas as expicages, e se fazem todos os cotcenos na ra Primeiro de .Marco (ou-
tr'ora Crespo.)
FRUCTAS E FLORES.
Ra da Cruz13.
ERUCTAS
ABAC XIS
SAPOTIS
UVAS
LARANJAS
-MELOES, ETC.
Neste eslabelecimunto encontrar o freguez todos
os das presuntos em fiambre, pastis, bons-boccados,
doces de ovos, e de todas as outras qualidades, sec-
eos e em calda, pudins, e tudo quanto se possa de-
sejar no corfortavel um encllente LUNCH ; fortifi-
cando, aquecendo, e refrescando o estomago com os
melhores vinhos do Rheno e Bordeaux ; xaropes de
todas as qualidades para capils; sorvetes de todos
os fructos, com especialidade ns tergas-feiras, quin-
tas e sabbados o excellente sorvete de creme.
Tudo cora muito asseio.
FLORES
BOUQUETS
PARA NOIVAS
PARA JARROS
AVULSAS
PLANTAS, ETC.
J

MO DE OURO
Nova loja de joias
RA D01CABUGA' N.9 A.
DE
Manoel da Cunha Saldauha & G.
Acaba de abri-se este ostabelecimento de joias, o qual tem grande gorti- ':
ment de todas as joias de ultimo gosto, as quaes vender o mais barato dos- *P
&ivol V i
Todas as joias serlo garantidas ouro de lei, pois os seus donos tendo em
vista so adquirir freguezia n3o olvidarlo, vender bom e por prec >s os mais
razoave? possiveis.
Convida-se o publico a vir a este esiabeleciment, certo de aae ficar
satisfeito. ^
A' MO" DE OORRUA DO CABUC N.9 A
NOVMDES
_____ DO
TRIUMPHO
7. Ra doQueimado 7
DE
,., HOREIRA & BASTOS
E cbegado a este novo estabelecimento o mais bello sortimento de fazendas
Inas, sendo sua especialidade enxovaes para noivado.
Vestidos de blond de^sda ricamente bordados.
Gorguro de seda branco para vestido.
Colchas de seda pura, para cama com ricos desenhos.
Ditas de 12a e seda, id^m idem.
Ditas de crox, dem idem.
Cortinados ricamente bordados para cama e janellas.
Croxes para cadeiras e sofs.
Vestidos de cambraia branca bordados.
Popelines de lindos goslos. ,
Uas de diversas qualidades, lindos gostos e modernas.
Ricos b urnus para passeio, com listras de setim.
Sahidas de baile o que ha de mais rico.
Cretones para vestidos com liodos desenhos.
Carnizas bordadas e sem bordados para senhoras.
Camisas bordadas mnito finas para homens.
D tas inglezas para homens e meninos.
Seroulas de lioho, e um grande sortimento de roupas feitas e de fazendas aue
l enfadonho mencionar.
Luvas fivscas de Jouvin
Sortimento de peles para guarnigCes de salas, alcatifas para forro de sala, e o-
irande sortimento das acreditadas e vtirdadeiras
Esteiras da India
Aquelles que quizerem bem satisfazer as
exigencias estomacbicas, nao tem mais que
fazer urna visita ao sempre bem sortido
armazem de vveres do Campos da ra do
Imperador n. 8, pois ahi se acham em
Grande reunido um etcolbtdo e variadissi-
mo torlimenio de eeneros proprios destes
tempos do Rega bofes.
O Campos
Limita-so a fazer raeugao dos seguinles g-
neros que serao rfcebidos com
AGRADO
a saber-:
Presuntos inglezes e de lamego.
Salames do Li n.
Conservas inglezas e francezas.
Queijos Londrinos, Flamengos o PratOS.
Toucinho ioglez para lunch.
Champanhe, su|,eriorcs marcas.
Biscouto, bolaxinha e bolinhos em latas.
Chourigas, linguigas e salchichas era ditas.
Licores estomacaes, cuminillo, caracho e
aya-pana.
Bitter Peiynees e outras marcas.
Cognac maik'II e outras ditas.
Charutos do Co;ta, por diversos pregos.
Vinhos de diversas qualidades o pregos.
Cerveja (Bass) ao torno a 320 rs. o copo.
Adobo a 200 rs. a libra.
Linguas seccas a 240 rs
C ncervas franca is cora, tobaras.
Venham tudas as dispensas, do Recife e
errebaldcs, supiiremse de gneros das
primeiras qualidades.
Domingo i di crreme, por urna hora da
tarde, desappareeeo da ra de S. Joo n. 38, tima
menina livrf de nome Cosasa, com os giguea si-
guiles : cabellos corridos o raWos, olhos pfetot,
enchrga pouco, tem um pe qui-imado no solado,
pelo que ainda ninnqueija ; levou vestido de chita
escura : quem d"ella Miaber ou irooxer na mesma
casa cima, se Ihe flear eternamente agradec
do, rogando-?e ao mc-mo tempo polica t me
cuidado, aim de que nao seja vendida por es-
crava. "
O abaixo asignado tem ju>to e contralado com
o Sr. Juaqnim Antonio Perera da Silva a ua ta-
berna sila roa de Das CardMO, outr'ura ra do
Caldeireiro n. quer onns e do debito algum : quem se jtilgar
com direito mesma,app^reca no prazo do odias,
a contar cia data d'esle.
Recife, odokbrl de 1870.
Manoel Gomes da Silca Amorim.
Precisa-se de urna mulher idosa e da boa
conduca para criada de um humem snlteiro, exi-
gindo-se que saina engommar e tenha habilitacocs
para bem administrar o servico de urna ca.-a : na
ra do Imperador, armazem n. 36.
Borzegnins de conlav o e bezerre'laxiados
cubre a 'tf, do puntos a !t, fra; rt08 a 7f :
ra Direila n. Cl, loja do raleado.
de
na
VcnJe se o sobrado de um ailar e si.lao,
grande quintal, cilios proprior, ajlo itia e.!reiia
do Bisano n. 29: a iraiar cuiu o correlor ilace-
do, na piara do Co:nmfrcio.
Attenpao
Vende-so nina ou duas carrozal e ura ou dous
bois: na tua di Alccrim uo primeiro poilao ca-
mero 37.
-'"'
A ML'I AFAMADA
AGUA DE FLORIDA,
DE
COMPRAS.
Lom muito maior vantagem compram-se
ouro, prata e pedras preciosas e a obras velbas: na
loja de joias do Coracao de Ouro n. 2 D, ra do
Cabug.
VENDAS.
QUEIJOS
empell cades, os mais novos e
melhores que desejar se pode,
desembarcados hontem a 2$200
cada um : iia armazem de mar-
more a ra do Duque da C&
xias n. 42, juuto a esta ofti-
cia.
Vende se cinco apolices de divida publica geral:
na ra do Duque de Caxias, loja de miudezas n.
55. *
Vende-se sement de coentro e alface muito
novas : na ra da Guia n. 7, taberna.
Libras sterlinas
Vcnde-se no escritorio de Joaqun Rodrigues
Tavares de Mello, lrgo do Corpo Sanio d. 17, !
andar.
Lona de algodao para velas de
embarca qoes.
Vende-se em caa de T. JeTenes & C.
46=Rua do C-ommercio 46
M U ILW1S
Fspenadores a f 4 : a ra do Crespo n. lo A.
He o mais delicado e mimoso ao mes-
mo tempo o mais estavel de todos os per-
fumes, o encona ejns, no seu maior auge
de excellenda, o propto aroma das verda-
deiras flores, quando anda na sua flores-
cencia e fragancia natura!. Comoummeio
seguro e rpido allivio contra as dores de
eabeca, nervosidade, debilidad^, desmaios,
flatos, assim como contra todas as formas
! ordinarias de accidentes hvstencoti de
j summa efficacia e nao tem outro queo
! guale. Igualmcme, (piando dostempe'rada
' com agua, torna-so um donl'ricio o mais
agradavel e excellente, dando aos dentes.
aquella alvurae aperolada apparencia tao
altamonte apreciada e desojada pelas Se-
nhoras.
Como um remedio contra o mau balito
da boca, depois de diluida cm agua,
sananamente excellente, faz remover neu-
tralizar todas as materias impuras que se
criara roda dos dentes e das gengivas,
tornando-as duras, sadias e d'uma linda cor
encarnada. Quanto a delicadeza, riqueza
e permanenf ia do seu fragrant aroma, ella
por corlo nao tem igual : e a sua supe-
rioridade sem rival. Ella igualmente tor-
na-se um meio mui excellente, para fazer
remover de sobre a pello do rosto, toda a
qualidade de brotoejas. ebuiieoes, sardas,
pannos, manchas, iropigens c espinhas.
Quando se queira servil1 della como reme-
dio para fazer desaparecer qualquer um
destes disiguramentos, e que tanto desfei-
am as lindas feicocs do bello sexo; devera-
se usal-a n'um estado de dilluicao, destem-
perando-a n'uma pouca d'agua ; porm no
ratamento de qualquer espinha, usar-se-ha
della pura em toda a sua forca. Final-
mente como um admiravel meio de com-
municar as feicSes trigueiras e paludas,
urna pelle macia e d'uma transparente al-
vura, dando-llie urna linda cor de rosa :
para um tal fim, ella leva a palma a todos
os perfumes que se teem inventado at ho-
je, e existe em plena soberana sem rival.
Bem entendido tudo isto se refere nica-
mente a Agua re Florida de Mdrrat &
Lanman.
As imitaces que se tem feito na Franca,
Allemanha, assim como em outras partes;
s5o inteiramente inuteis e invaliosas ; per-
ianto recommenda-se mui especialmente
s senhoras, que tenham toda a precauco
e cuidado, de quando comprarem,, estejam
certas que comprara.
A Genuina
AGUA DE FLORIDA
DE
MIJRRAY & LANMAN,
A qual preparada smente pelos nicos
Proprietarios,
LANMANN & KEMP, DE OVA YORK.
Acha-se venda nos estabelecimeutos de
P. MauerC, J. C Bravo & C. A.
Caors, B. M. Barboza e Bartholomeo A C.
LIQUIQACaO
DE
Calcados.
Santos Falca) & C. com armaiem de fazendas
a ra d. Mrquez de Olinda D. 45, teBiJo receido
pelo ultimo vapor procedente da Europa 500 pa-
res de botinas de bezerro e cordavao por so conta
propria, e desejando dar Ibes prompla sabida, re-
solvem vende las celo mdico preco de 7# o par ;
preco o*t?qne em parte alguma por elle se vende.
W*-Ra do Marquer de Olinda-45.
m m m
Chegou lo Mitigo deposito de
i, na do Imperador, r..
le primeira qualidade; e
i i retalho por raen
ni er parte.


\
. 7
' Jr
>

'Diario de Fetnarobuoo Terqa teira 6 le Dezembro de 1870

GRANDE
* f
i i
BAZAR DO PAVAO
60-RA DA IMPERATRIZ-60
DE
PEREIRA DA SUVA Id
Neste imprtanle estabelecimento encontrar o respeitavel publico, um grande e variado sortimento de fazendas domis
aparado costo e todas de primeira necessidade, que se veodem mais barata* 4o que em outra qualquer part, visto que os ne-
vos socios desta firma, adoptaram o systema de sveoderem D1NHEIR0 ; para poderem vender pelo costo, limitando-se apenas
i Ranharem o descont ; as pes-oas que negociara em pequea esca'a cesta loja eJ*tt"em poaerao
pelos mesmos precos que compram as casas inglexas, (importadoras) e para maior c^podidaae das
amostras de todas as fazendas, ou Ibes levam em suas casas para escolherem.
fazer os seus sortimeatos
Exiras, familas se dar >
TAPETES | GROSDENAPLES PRETOS
Chegoi para o Bazar do Pavo o mais Chegou pra o Bazar do Pavo om grao-
elegante sortimento de tapetes grandes, pa- de sortimento dos melbores grosdenaples
ra sofs, com 4 cadeiras, ditos mais peque-
nos, para doas cadeiras, ditos para
pianos, camas, portas ; etc. vende-se por
menos do que em nutra q ROUPAS PARA HOMENS
No accreditado Ba;.ar do Pavo encontra-
r o respeitavel publico um grande sorti- res espartilhos, que se vendem por
melo de roupas para bomens tanto bran- moiio em coma.
pretos que tem vindo ao mercado, que se
vendem de 10600 at 50000 o covado ;
sao todoa muito em tonta.
ESPARTILHO.
No Bazar do Pavo receben-se um elegan-
te son ment dos mais modernos e rnelbo-
preco
PECHINCHAS
cas como de cores, a saber
Camisas coa peitos d'algodo e delinho,
03ra todos 03 precos e qua'idades.
Cero-das de linho e algodo.
Meias cortas francezas o inglezas.
Palitos sobrecasacos de panno preto e
casemira.
Calcas de brim branco e de cores
Ditas de casemiras pretas e de cores, com
Golletes ipuaes
De todas estas ron pas ba para todos os
precos e qualidades, e tem de mais mais
um perito
ALFA I ATE
Por qaem se manda fazer com prestesa
e aceio qualquor peci de obra a capricho
ou goto do freguez, tendo n'este importan-
te estabelecimento t das as qualidides de
panno fino, as melbores e mais moder-
nas casemiras, assim como os melbores brins,
qur brancos, qur de c6r; e quan lo qual-
quer obra nao ficar ioloiramente ao gosto
dos fregnezes fica por conta do estabeleci-
mento.
FUSTv/ES DE COR E BRANCOS
Veadetn-se bunitos fustes brancos e de
cores, croprios para vestidos e rcupas de
menioos, sendo de cores a 800 ris o cova-
do e brancos, a 400 e 640 ris, pe-
chincha, no Bazar do Pavo ra da Impe-
ralriz n. GO
CHITAS BARATAS
a 200 ris.
a 200 reis.
a 200 reis.
Vendem-se chitas largas com moito bons
pannos e cores (ha?, pelo barato preco de
200 ris o covado ; cortes das mesmas com
10 covados a 200 iu, pechincha, no Bazar
do Pavo.
, AS CASSAS DO PAVO
Covado 200 ris.
a 200 reis.
a 200 ris,
Vendon-se bnnias cissas de cores miu-
dinha? pelo barato preco "de 200 ris no-
vado, no ar nazem do Pavo J ra da Im-
peratriz n 60.
PANNOS PARA SA1AS A 1*000, O METRO.
No Bazar do Pavo vende-se bonita fa-
lenda branca encorpada para saias, sendo
com habados e oregas le no hdo, dando
a iarj-ir da fazenda o compri nento da
sai i. a qoal se ple fazer com 3 ou 3 1|2
metro, e venle-se a 10, 15280 e I0MO;
as;ira como tamhem no mesrao estabeleci
ment se venlebonius sai is brancas bor-
dadas, tan lo quairo paonos cada urna, litas
de la da cores j promotas, urnas com
barras diferentes da mesma fazenda 45000,
e ouiras com barras borda >as 65 e 70U).,
tudisto moderno e barato.
CARNAUBA.
Vende-se carnauba m saceos, na roa da
Imoeralriz n. 60. Bazar di Pavo.
TARLATAN.*o LISTRADAS CORTE A 65500
Cheg' u para o Bazar do Pavo um bonito
sortimento de tarlatanas listndis, sendo
verdes, cor de rusa, lirio, tendo esta bo-
nita fa'en la rouita phantasia. e liquida-se
cada corte a 65500, pechinchi ; na ra
da Im ratrii n. 60.
CASAQUINH09 DE GUPRE A 105, 125,
Hi5,E05.
Chegaram p ra o Bazar do Pavo -os
mais molernos casaqoinhos ou basqui ias>
gaipure.com cintora, ricamente eofeitidos
com lacos, e vendem se pelo barato preco
de KM, 15, 165, e 2o5- pecbincia,
ra da lape atriz n. GO.
LENQOS DE MORIM A 35500 A DUZIA
Veadem-se du'.ias de lenc>s fiuissimos,
brano encornada, a 35500 a dazia. Dit'is de
cambraias fio'-sim'S, fazenia que s^ra >re
se ven leu a 55000 e liju'da-se a 355 'O a
dnzn or bavef muit porco, no B izando
Pava i a ra da Imperatriz n. 60.
C0R1INAD0S DO BIZAR DO PAVA) A
85 105 425 E 165
Ctiegou urna grande rsmessa dos me-
lbores cortina u 8 bor lados, proprios para
camas e janellas, que se vendem pelo ba-
rato prego de 85,105, 120, e 165,0 par :
ra da Imperatm n. 60.
MADAPOLO ENFESTAOO PEgA A
30uO
Vendem-se pecas de madapolo francez
enfestado, tendo H meiros cada peca a
352)0 : pechincha no Bazar do Pavo,
ra da Imperatriz n. 60.
DAMASCOS PARA COLCHAS
No Bazar do P enfe-tado com bonitos dezenbos, tendo 6
ftua da Imperatrjz 60.
Para vender depressa
LINDAS JAPONEZAS PARA VESTIDOS A
A 500 RS.
PANNOS DE CROCH PARA CADEIRAS. r.
O Bazar do Pavo recebeu um grande |: Cbegouum elegante sortimento de Has-
sortimento dos melbores paoDos de croch,
proprios para cadeiras de balance- sofs,
pianos, tamboretes e al proprios para cu-
brir almofadas e pratos; vendendo-se por
menos do que em qualquer parte.
PARA LENQOES
No Bazar do PavQ. vende-se soierior
bramante d'algodo com 10 palmos de lar-
gura a 15800 o metro, dito de linbo com a
mesma largura a 25800 cada metro, pannos
inbas do Japo, com padroes de seda e de
muito boa qnalidade, que se vendem a
500 rs. o covado. pechincha, no Bazar
do Pavo, roa da Imperairiz n. 60.
popeunas no japAo a 15600 o covAno.
Ctiegou um elegante sortimento de lm-
diss mas poupelinas Japonezas, com os
mais delicados gostos, tendo mtrto lastro
e com lis'rinhas de seda, sen lo esta nova
fazenda ouasi da largara da cbita franco-
Bi Dnque de Caifas a. 99
A Nova Esperance nao qnerendo deixar do lena-
| irar a todo geraimenle, e com especialidade i
ma constante fregoez a, o. qo ella val recebendo,
nto mais qaantoajroxima-se o tempo em que
iodos parecen mal dlspostos para iaviir as
'ligas passadas, iste A,proxwia-e o lempo cha
nad) a feta ; ella apressase era mencionar o qoe
em recebido nltimamente, pois como sabein, o
ieus objectos prlinam empr* em gosto e supefio-
dade, assim pois os apreciadores do bom dfri-
am se Nova Esperanca afta) de comprarem o
ma de melbor ewie no meruado, como seja :
Modernos adereco* de lartaruga e madreperola.
Agulbas para bordar em lia.
Lindas caitas de couro da Russia proprias pa-
ra prsenles, coniende tres Irascos de cry.-tal com
Snos extractos.
Bois agulbas cantoras.
Um va iadissimo soi tmenlo de modernos ental-
les para veslidn?.
Espartilhos de imitas qualidades.
Bonitas e elegante* ornas para costura.
Turca I de seda para crochet, de bonitas cores.
Lmdissimas honecas vestidas e despidas com que
se agrada perfeilamente aos meninos.
Delicados ramos de flores de laranja com 1 til
metro de eompriraento para regaco do vestido de
noivas.
Bonitos vasos com banha com disticos de appe-
lidos brasileiros proprios para pre.-entes.
Modernos pentes donrados para enhoras.
Bods telescopios om bonitos a ialeressanles car-
loes de vistas.
Finaa adeias de cabellos e plaqu para relogios.
Finos sabnetes de areia para amaciar as inos.
Boas meias de la para bamens e senhoras.
Um grande sortimento de tinas thesuuras e ca-
ivetes de militas qiiali laces.
Bonitas meias de cores para bomens e senhoras.
t'omada alpaca.
Esta pomada preparada com tutano de nrge
pelo afamado fabricante Pieise & Lubine, e real-
mente muito boa, e um verdadeir > antidoto para
as caspas, e existe s^m^nte ra Duque de Caxias
o. 63, na Nova Esperanza.
Perfumaras
As melhores, e do mais conhecido fabricante,
tanto francer como inglez, eslao postas venda
na ra Duque de Caxias n. 63, na Nova E?pe-
ranea. .
Extractos, banha, oleo, sabnetes, agoas de co-
lonia, de laranja, florida e de lavande, etc., etc.,
tudo de superior qualid?de : vende-se na Nova
Esperanca ra Duque de Caxia3 n. 63._______
mm mimde
Qoando a AGU1A BRRNCA, mais precisa acientificar ao respeilavel pubJp
geral, e em particular a sua boa freguezia, da immensidade de objectos que ultaipw
te tem recebido, justamentequando ella menos o pode fazer e porque essa falta pivo
luntaria ella confia e espera na benevolencia de todos que lh'a attendero e relfWrtf
continuando portanto a dirigirem-se a bem conhecida lrja da AGUIA BRANCA na d<
Queimado n. 8, onde sempre acharo abundancia em sortimento de superioridaiU
qualidades, modicidade em precos e o sen nanea desmenttido AGRADO E SINCERJUD
Do que cima fica dito se conhece que o tempo de que a AGUIA BRANCVpd
dispor, empregado apezar de seus custos no desempenho de bem servir a aquellei-floe i
honram procurando prover-se em dita toja do que necessitam, entretanto sem emuma
rar oa objectos qoe por ana natureza sao mais con nucidos al i, ella resumidamente indi-
car aquelles cuja importancia, elegancia e novidade os trnalo recommendaveis, cem
bem seja
de 70at 15 a vara, assim como um grande
sortimento de H-uiburgo ou cregueilas de
todos os nmeros, precos ou qualidades,
que se vendem mais barato do que em ou-
tra qnalqner parta ; aproveitem-
ATOALHAUOS
No Bazar do Pavo vende-se superior
itoalhada trancado, com 8 palmos de largu-
ra a 15600 o metro, dito de linho adamas-
cado o melbor que tem viudo ao mercado a
35500 o metro ; tudo isto muito barato.
FAZENDAS PARA LUTO
No Bazar do Pavo veode-se constante-
mente o melhor sortimento de fazendas
pretas para tato, como sejam :
Uasinhas :>retas lisas.
Cassas pretas de la.
Cassas pretas, fraccezas e inglezas, lisas
e com salpico.--.
Chitas- pretas de todas as qaaiidades.
Alpacas pretas lisas.
Ditis lavradas com branco.
Merinos, ca-jto.s, bombazioas, que sa
vendem mais barat do que em outra qual-
quer parte.
CACHE-NEZ A 65000.
No Bazar do ^avo vendem.se bonitos e
grande-; cachi-nez de pura la, pelo bara-
to preco >ie 600f> cada um
PEIIICNCHA EM CAMBRAIAS VICTORIAS, A 55,
65, 75 850.0.
Vende-se um explendi lo sortimento de
rinissimas cambraias victorias, por preco
mais baratas do que em outra qualquer
parte, tendo cada peca 10 jardas a 55, 65,
65500 e 753-30, Quissimas a 85500 ; todas
estas cambraias valem muito mais dinbeiro
e l|i]idam-se por este preco em relaco a
urna grande compra que se fez no Bazar
do Pavo.
BAB,\Dl\"H)S
No Bazar do P^vo veode-se om grande
sortimeoto dos mais finos babadinhos borda-
dos tapados e transparentes, assim como
ma granie porco de entr-meios largos e
estreitos, qoe para acabar o vende mnito
em coma e mais b rato do que em outra
qnalqner parte.'
3ETINSDE CtJRES E GROSDENAPLES.
No Bazar do Pavo vende-se nm sortimeii-
o completo dos tnehores setins e grosde-
aples de todas as crus, que se vendem
noito em coma.
Calchas brancas 3 52 O, 3 ">:00 e 75000.
Para o Bazar do Pava chfgou om grande
sortimfmo das melbore> colchas pretas,
sendo das mejores e .-iais encordadas qoe
ten vindo 75'JO'J, ditas um pouco mais
baixa 35500 e ditas 3520; tambera no
mesino esiabelecimemo. se ven ie um gran le
sortimento de crlones e chitas proprias
para colchas qne se vendem mnito em coata.
Sedas de qnadrinhos a I52S0 ao cavado
Vnde,-se um elefante soriimanto de sedas
de qualrinhos, com lind ssimas cores, para
vestido^ e roupas de meninos, e vende-se
1580 cala covado; pechincha no
Bazar do Pavo. .
CHALES DE RENDA.
Chales 2-.n0 >.
Chales 2000.
Chales 2000.
Vend'-se orna graude porcio de chales
< rel'S de rend ou crocit, sendo pretos
coa 4 pontas, fazenla qua se npre se ven-
den 5503.> eliuid.-se a 5)K) cada um.
pecbmcha no B.zar do Pavo, a ra da
imyentriz o. 60
LINIHSBAUEGES A 320 R3. O COVADO
No Bazar do Pa>> vfnie-se o mais bo-
nito sort meato de fui-simas ha reges trans-
parentes c m as irais benitas lisias de core-
proprias paa vertido, e it-ju da-se a oataca
o covado por estaos muito prximos da
feua ; ditas mesnadas, fa/enda moito lus-
trosa e com lindas cores a 400 ris o covado,
pe .bincha a ra la I nparatriz n. 60.
LENCOS DE CASSA DUZA 350D0
Vendem-se tinissimos lencos de cassa
com decadis cerca iuras, de cor s fixas
palmos le brgur., propiios para cobhas,! j emba-.hldis, sen lo pr >prio para homen
pelo btrato preco de 1/J430 cada covado, jo seomras-pelo baratisimo preco de 350 0
dito, dito, com 8 pal .,os maito fino a a dizia, no "Bazar do Pavo a ruada lmpe-
Corpinhos de cambraia, primorosamente
onfeitados com fitas de aetim e obras essas
cuja novidade de molde e perfeico de ador-
nos os tornam apreciados.
Fitas mni largas de diversas cores e qua-
lidades para cintos.
Leques uesse objecto muito se poderia
dizer querendo descreve-los minuciosamente
por sitas qualidades, coree e desenbos, tal
o grande e variado sortimento qoe acaba
de chegar, mas para nao massar o preten-
dente se lbe apresentar o que poder de
melbor.
ntremelos em pegas de 12 tiras.
Guipure branco e preto de diversas qua-
lidades e desenbos.
Ditos de ai goda o com flores e lisos.
Veos de seda para chpelinas e monta-
ra.
Meias de seda para noivas.
Ditas abertas de fio de Escossia.
Costumes ou uniformes para meninos.
nxovaes completos para baptisados.
Touquinhas de fil, sapatinbos bordados
e meis para ditos.
Camisinhas bordadas para ditos.
Capellas brancas para meninas..
Grande sortimento de flores finas.
Fil de seda preto.
PERFUMARA
Grande constante sortimento da dita,
sempre melbor qnalidade.
Lindos vasos com pos de arroz e pinsel.
Cixinhas com ditos aromticos.
Bon tos e modernos pentes dourados pa^
ra circular o coque.
Bonitos brincos de plaqueo.
Aderecos e brincos de madrepero
Caivetes finos para abrir latas.
Tbesouras para frisar babadinhos.
Aspas para balo.
Novos stereoscopos com 48 vistas, ai
quaes sao movidas por um machinim
urnas substituem as outras.
Vistas para stereoscopos.
Bonitas caixinbas de vidro enfeitadoi coa
pedras.
Ditas de madeira envernisada com vispo
ras e com dminos,
Bollas de borracha para brinqnedo
crian cas.
Diversos objectos de porcelana, propriot
para enfeites de mesa e de lapinbas.
45000, assim como muito bonitas colchas
de damasco da l que se vende na loja do
Pav3o roa da fm tera'nz n. 60.
RETALHOS DE CHITAS E CASSAS PRE-
- TAS.
No Bazir do PavSo veode-w porco de
retalhos de citas e cassas relas sem li-! juidam-se a 7-.500 a duia^ou a
mit 00 preco : roa da Imperatriz n. 6 >. j da urna, boa peohioena.
ratriz n. 60.
TOALHAS A 75500
No Bazar do Pavo fez se ama grande
am ira de toalhas alcoenfladas, proprias
jara roato, bastmte encorpadas e grandes,
jue sempre se venderam a 1145000, e li-
640 rs.
cada covado, no Bazar do Ha-o.
AS POUPELINAS bO PAVAO A 25000, O COVAOO.
Cheg iq para o Bazar o Pavo um bo-
nito sortimeato das mais modernas e ele-
gantes ponpelinas de linbo e seda, que se
vendem pelo baratissimo pre?o de 25000
cada um covado, .assim.como ditas com
gotos escossezes a 25400, pechiucha no
Bazrr do Pavo.
SEDAS A 25000
Chegou um elegante sortimento de boni-
tas seda de liste inbas, com as cores mais no
vas qua tem vindo ao mercado e veudem-se
a 25000 o covado, na roa da Imperatriz
Bazar do Pavo
CRETONE FORTE A 25000 O METRO
S no Bazar do Pavo.
Chegou o verdadeiro cretone franeez pro-
prio para lencoes tendo 10 pa'mos de lar-
gura, e mnito encorpado, sendo preciso ape-
nas para cada Ie; gol 1 '/i ou 1 '/a metros, alm
d'esta apph:aco tambem esta larga e en-
corpada fa/enda propria para toalhas, saias,
cerootas, etc. e liquida-se pelo barato pre-
co de 25000 cada metro.
CASEMIRIS A 25500 CADA COVVDO
No Bazar do Pavo vende-se um grande
oriimmto de bonitas casemiras de urna
cor, sendo asul, lirio, nwsclada, senrto de
duas larguras, proprias para calcas, palitos
e rou as para menino, e vendem su pelo
barato prego re 5500 o covado, roa da
Imperatriz n 60.
BONITAS LASINHAS A 500 R. O COVADO,
Vende-se delicadas lasinbas com 1 fu-
rentes gosto pelo barato preco de 500 rs.
o covado, oo Bazar do Pavo.
ALPACAS BRANCAS.
Vende-se um bonito sortimeoto de fin-
simas alpacas brancas lavra-U-, imitaco
de seda, proprias para vestidos de baile ou
-.asamentos no B. ALPACAS LAVRADAS A 400, 860 E 610 RS.
Vende-se om grande sortimento de* lin-
das alpacas lavrauas de todas as cores para
vestidos e vendem-se a 400, 550 e 610
e ai mil e tantos res o covado, no Bazar
do Pavo.
BAREGES DE QADRINHOS A 600 RS. O COVADO
Vende-se as mais li-idas e moderaas la-
sinbas on bareges de quadriobos, proprios
para vestidos, tendo qua-i largara de chita
frsnceza. e Iqoida-se a 640 r3. o covado,
no B^zar do Pavo.
MERINOS DE CORES ftARA VESTTOOS.
Vende-se bonitos merinos de urna s
cor com cores mni1 o proprios para vestid"
e roupas para creancas por ser orna fazen-
da da pora la e muito leve, vende-se a 15
o covarlo, no Bazar do Pavo.
GLACS A 15000 PARA VESTIDOS.
Vende-se um elegate sortimento desta
nova fazenda denominada glacs sendo urna
fazenda de la muito larga e com debes-
dissimas cores, tendo tanto brilho como a
seda e vende-se pelo barato preco de 15,
covado, no Bazar do Pavo.
CASEMIRAS A 75000
Vendem-se c rtes oe ca-emira ingleza de
cores para calcas sendo fczenda que vale
mu to mais di-iheiro e liquida-se a 7500o
o corte de calca, no Bazar do Pavo a rna
da Imperatriz n. 60.
GRANDE PECHINCHA EM CAMBRAIAS TRANSPA-
RENTES a 45, 55,65,85, e 105000
Vende-se fi'iissimascambaiasaussas, de
mmta phantasia tendo 9 varas a 8#S00 e
105O0J. Ditas bis,o com 10 jardas fazen-
da muito fina a 55, 65 e 75000. Ditas fl-
nissimas azuhdinbas, que vlem muito mais
dinbeiro, a 85 e 405 *),': t las estas cam-
briias, em relaco a qaalidaie, pelos pro-
cos ac'ma sao mais baratas do que em ou-
tra qnalquer parte, no B izr do Pava.
CAMBRAIA ALLEMAA COM 8 PALMOS DE LAR-
GUHA A 1600, U E 21100.
Ven le-se finosua* cambraia branca tran-
pa ente com 8 palmos de largura, que fac
lita fazer-se im vestido apenas com 4
varas e lijuida-se a 15600, 5 e 25500 a
vara, fazenda qu vle muito mais dioheiro.
E pechincha no Ba'ar do Pava u
CAMBRAIA TRANSPARENTE
Peca a 45'>uO
Vende-se mnito finas pecas de cambraias
brancas transparentes, ten lo 8 l| Tarasca-
da peca e.com om vara de largara a 45.
pechiHCha, no Bazar do Pava i
A' ra da Imperatriz
n. 60.
CHEGARAM
Foqos instantneos aperfeiqo-
ados por preqo muito coramo-
do: na ra Nova n. 28, loja de
Antonio Pedro de SouzaSoares.
Bombas completas para ca-
cimba, por diminuto preqo, na
mesma casa.
CEMENTO
O verdadeiro pnrtland. S so vende na rna da
Madre de Dos n. 22, armazem de Joo Martins de
tarros ____
MACHINAS Mil
COSTURA
Acabara de chegar ao GRANDE BAZAR
UNIVERSAL, raa Nova n. 22carneiro
viannaum completo sortimento de ma-
chiaas para costura, dos aotores mais co-
nbecidos, as quaes esto em exposico no
mesmo Bazar, garantindos-e a sua boa qu <-
lidade, e tambero ensina-se com perfeico
a todos os compradores. Estas machinas
sao iguaes no seu trabalbo ao de 30 costu-
reras diariamente, e a sua perfeico tal
como da melhor costureira de Paris. Apre-
sentam-se trabalhos executados pelas mes-
mas, que muito devem agradar aos preten-
dentes.
oji aluga-se os armazens que.foram occapados
rom a faDrica de sabao e destilacao do Sr. coronel
Franca, na ra da praia de Santa Hita nova, os
qaaes ofTetveem proporcOes para bem se montar
ijualqner fabrica do granie estabelecimento, com
a grande vaotagem para emharque e desembar-
que : a tratar &>m o commeidadnr T^s*o._____
CIL NOVA i LISBOA
Vende Joaquina Jos Ramos: na ra da Cruz
o. 8, i* andar *_______^_^^_
tervrja branct e.preta
OA
MAftCt Z
engarrafada por
Bloado Wolfe & C.^
especilmnte para o Brasil .
NICOS AGENTES EM PERNAMBUCO.
/. Jefertes r C.
46, Rna* do Commenro 46.
Kap amarelinho
Paulo Cordeiro
Fabricado pelo m^smo processo como o
de Lisboa, e acba-se Tenca nos segra-
les depo itos: ra da Cadeia n. 5, no
armazem o Novo Mando em frente a ra do
Vigario ns. 2 e II, Rjsario n. 38, Impe-
ratriz n. 2.
8REU
Vende-se a f 500 a arroba em barril : no r-
maiem da bola amarella no oitao da se -retaria da
polica.
Bazar do Favao sit> a mi da I npgrit iz n. 60, esta1 constantemente aberto
das 6 horas di minia"! as 9 da noute.
DAS
FONTES
Hauterive & Celstins
mmmmmmwmm mmmnmmmmmmmmmwM*
0 CQLLAB DE DDBQ I i
i\.3ARMD0rM(\N.a
Vende-se mais barato do
qualquer parte no armazem
gario n. 11.
que em o Ira
da ra da Vi-
%
a
re
J
0
co
?
Com este titulo acha-se aberto e inteiramente transformado este anttgo
estabelecimento de joias, onde os freguezes e amigos encontrarlo todo quanto
a moda e o bom gosto tem inventado na arte de ourivesaria, o Collar de Ouro
observar delicadeza no trato e senciridade e modecidade nos precos.
Espera que o respeitavel publico venha ver o que existe de melhor em
aderecos de brilhantes, esmeraldas, robins e perolas, meios aderecos, pul-
ceiras, brincos, alfinetes e anneis de todas as qualidades, prata de lei faquei-
ros, colheres, paliteiros salvas e outros muitos objectos que seria enfadonho
8 mencionar.
Compra-se ouro, prata, brilhantes e pedras Anas, pormaior preco do
que em outra qualquer parte, troca-se e concerta-se todo e qualquer objecto
perlencente a esta arte.
ARARA
ATTENCAO
Lourenco Pereir'a Mends Guimares, participa a lodos os seos devedore
tanto da praca como do mato, que estando I qoidando suas casas commerciaes. o qu
deve fazer at o 6m do correte aom>, por Uso roga a todos os seus devedores a virens
saldar seus dbitos o mais breve possivel; outro sim, declara aos seus devedores, qu
os que nao estiverem na loja"tem de jiagar todos os seus dbitos, provaodo isto se fari
o abatimento que for preciso para a liquidaco de suas dividas, para isto podero di-
rigir-se roa da Imperatriz n. 72, loja da Arara.
Ao resto das pechinchas
I000.
Vende-se cortes de castores para calcas,
a SOO rs. Cortes de brins de cores a
Id500; cortes de gangas para calcas i-ljj,
coi tes de casemiras preta para calcas a
30500, 4, 5 e 65000.
Cortes de editas a 2:500.
Vende-se cortes de chita* para vestipos
a2>50J. Ditos de cassa para vestidos a
2*500.
Pechincha a 45000.
Vende-se pecasjde algodSo a 4|, 5$, 60
e70QOO.
Para liquidar a 30500,1
Pecas de madap jio com 12 jardas a
3$500. Ditas de dito com 24 jardas a 50,
00, 60500, 70, 80 e 900 X).
LIQUIDACO.
Pecas de algona siubo de listra proprio
para coupas de escravos com 42 jardas a
5500 e covado IdO rs. pira liquidar.
Cintas escuras para vestidos a 280, 320
e 30') te. o covado.
Para acabar.
Vende-se pecas-de cmbralas victoria, fi-
nas a tt0, U05OI) e 70000.
E' mnito barato.
Colarinhos de papel a 240 rs. a duzia.
Cartiiidos para janellas a 50000.
Vende-se cortina os para janellas a 50
o par. Brim pardo liso para calca de ser-
vico a 500 rs e metro.
Cories oe percales a 60000.
Veode-se corles de percales d duas
saias de bonitas barras a 60000.
C iberias de chita.
Vende-se a 10'OO, ditas finas a 20500,
ditas encarnadas e adamascadas a 30500,
ditas forradas 50000.
Gangas para calcas a 280 o covado.
Brim de listra ao lado para calcas a 400
rs. o covado.
Lencos brancos a 20000 a duzia, para li-
quidar ; grande porcSo de mantas para
gratatas a 200 rs. cada ama para liquidar.
Cassas francezas a 280 rs.
- Vender cassas francezas para vestidos
a 28 e 320 rs. o covado.
Oruandys ie cores para vestidos a 400
e.GiO o covado.
Alpacas de cores para vestidos a 500 e
640 rs. o coado.
Laasinhas para vestidos a 320, 400 e 510
rs. o cova lo.
O propietario da loja denomina*' Arara, dec ara ao respeitavel publico
seus fresrnezes que est concluindo *n liqidaclo, por >so qaem quAsr manir-
boas f.izeodas por p^uco linheiro tenba a dooda le de dirigir-ae a raa da. Impertir^ n
72, desde as 6 Horas da maohSa as 9 da nonte. -
BALES DE ARCOS K
Vende-* baloas de t5 a 30 arcos a 10
e 105 )0 cada um. Cortes de cassas em
papel a 20500 cada um, para liquidar.
Bramante de linbo e alg-dao cem 10 pal-
mos de largura o 10800 o metro,
fan-m de linbo a 760.
Vende-se bra Dante de 10 palms de lar-
gara propri para lences a 208uO o metro.
Lencos de seda a 80' rs.
Vende-se urna pirc5<> de lencos de seda
a 800 rs. cada nm.
Chales de eassi a 10000.
Vende-se urna gr*uDe iiorco de chalet
de cassa a I0OOO cada nm, para liquidar.
Fusto a 360 rs.
Vende-se fusilo- de cores para vestido
a 360 rs o covado.
AlgodSo .-nf estado a 900 r.
Vend'.-se UodSo enfesudo para lencei
e toalhas a 900 rs. o metro, dito transa-
do a 10200 o m tro.
Chales de nerin estampados a 20000.
Vende se cuales oe' n erm estampado
cOm barras a 20, ^0500 e 3/} para acabar
Grande porco d retalhos.
Vende-se grande porco de refalaos dt
cassas e chitas a 240 rs. o covado.
A festa est na porta
Roupa feta enconlrarJo
Por precioho razavel
Todos seenroni.aro.
A SABER
Liqnidaeio de ranpa feiU.
Vende-se pal iluta de nrinsinno de Iraho
proprio para andar em casa a 10500 ; di-
tos de ganga a.20OO ; ditos de meia ca-
aemira a S^OOO ; ditos de alpaca de cor
a 30500 e 40''00; ditos de paoao fiQ0
preo i 60, 80 e 104000 ; ditos de .case-
miras de cflres-, a 60 e 80 MK) ; colletet
de cassiaetas de eres, a 10300 ; ditos de
brins de qoadrinliosa 10OnO; dios de ca-
semiraB de cores, a 20WO, 33 e 40000.
Calcas azues pira et.cravos a 500 rs.; ditas
de algodosinbo -de listra a 8oO is. ; djtas
de brim par lo a 10600, 20 e 20500 ; di-
tas de dito branco de linho a 30;>OO e 40 ;
ditas de casemiras de cores a 50, 60. 7
e 80* 00 ; camisas de cbita a 10000 ; di-
tas de altodaosinh \ proprias para o ser-
vico por ser fas^nda for.e, a ld*8<); ditw
de musoina a 10600 rs. P-ri lujaidar
aos
de



-.
1
I
L
y
/
Diario de Pernambuco Terqa feira 6 de Dezembro de 1870.
Vndese medidas de fulha'do novo systema
para mldalos: na ros do Aragfw n. 24, tenda
de funileiro, a saber : 1|2 lerno a 2*000, terno in-
lero 44800 e medidas avulsas a differentes pre-
gos.______
V^nham^legiezes^
manp-se ra Duque de Gaxias (amiga-
mente ra das Gruzes), sobrado das pe-
Cas de artilberia n. 0.
Neste novo eslabelecimenlo encontrarlo os ama-
dores de agua fresca e saborosa os melhores ob-
jectos de barro, poi* se acha prvido de todo o
sor imento como sejam : quartinhas dos melhores
rabncantes desta provincia, jarras, morinaae?,
resrladores bilhas, garrafas plidas e torneadas
todo do melhor barro e gosto; as.-im como jarras,
potes, quarunhas, buhas, jarros e vasos para Ai-
re louea vidrada de todas as qoalidades, e rr.ui-
tos ontros objectos sem serem polidos, tudo de uti-
IMade para as casas de familia*.
Trilla
Tem a venda em seos armaren?, alen de ontros
artigo* de seu neg io regular, os seguintes, que
estao vendendo a pregos mais baratos que em ou-
ira qnalquer parto :
PORTAS de pinho almofadada?.
KAJtELLO em sacaos grandes a 35300.
GRADES de ferro para cercados.
ESTEIRAS da India para cama e forrar salas.
CANOS do barro francez para esgoto.
ijESSO superior em barricas c as arrobas.
CEMENTO de todas as qualidades baixos
pregos.
MACHINAS de descarriar algodao.
BARRIS grandes com peixe da Suecia.
LONAS e briozdes da Russia.
OLEADOS americanos para forro de carros.
FOGOES americanos inuito bons e econmicos.
VINHO 'le Uordeaux em caixas.
COGNAC superior de Gaulier Freres.
MILHO de Fernando a 34 o sacco.
AGUA florida;
BARRIS de carne salgada de porco e de va cea
^portas n.bS, ra Dlreita, 3 p rtas n. 53,antiya'
hja do Braga
O abaixo assignado, dcL-o deste antigo eslabelecimento, tendo em vista aprcsewar vn
completo sortimeato de ferragens, miudeas e cotileria, -tem resolvido mandar buscar em
aiversos pontos da Europa os melhores objectos de seu estfele cimento dos fabricantes
mais conhecidos ; pelo que convida ao respeitavel publico e a seos numerosos fregurzes,
a virein se ervir dos objectos de >us carencia, a.nde encontraro por menas l 0|0 do que
em ouira qualquer parte, um sortimenlo completo de machinas para desearocar algodo,
ao bem conneado fabricante Cottcrr Gin 4 C, ditas para costura, motores para animae%
itos para fogo, moinhos para caf de todos os tamanhos, da fabrica do Japi, espingardas de
aous canos e de ura, Unto inglezas como francezas, looca de porcelana, facas e garfos
de diversas qualidades e precos, bandejas chinezas, salitre, brea, barbante, enxofre, papel e
urna na de ferro, ago, e agnlha para fogueteiro ; assira como encontraro constante-i
mente grande porcao de fogo do ar, e recebe se encommenda de fogos de vista, alem de um
cera numere de objectos, que se tornara enfadonho numera-lns : venhara ra Direila n.
od, loja de Lenidas Tilo Loureiro, antiga loja do Braga.
m mmmmmmm mmmmmmm mmtm
PRECIOSA DESCOBERTA
quacs uns s5o inteiramenle
variedade.
A loja de cera
tratar na mesma.
VEJUE-NE
a praga do Conde de Eu
3WMZHEJ0S
AZULEJOS.
AZULEJOS
Ha para vender algn? rnKMres dos mala lin-
dos azulejos, vinlos por encommenda do alguera
que por circunstancia os dispensa. No armaren]
de Tasso lima d C, praca do caes de Apollo
ao pe da ponte provisoria.
LOJA DA AURORA
Raa Larga do Rosario n. 38.
PE
Manoel Jos Lopes $ Trmdo.
Estao resolv los a vender barato todas as miu-
dezas existentes rm seu estabelecimento, a saber :
Um lindo sortimenlo de riqusimas fitas escosse-
zas de sarji on de seiim di* tedas as larguras, dp
que lem amostra:, e se encarregam de mandar
levar em qualquer parle.
Espartilhos do linho, fazenda boa 44500
Capachos compridos a 700 rs. a 800
Dilos redondos a 800
Pegas de Ola de la de cores a 500
Ditas de seda prea Cum pospontos mui-
toboaa jjooo
Latas cum pos de arroz 14000
Ciixas com 100 envelopes quadrados
proprias para cartois a C00
Caixas cora 100 ditos de porcelana a 14000
UoiCi'S de sso branecs para caiga, glosa.a 80
Ditos de dito pretos, glo-a, a 100
Caixas com c lebetM a 20
Ditas com cokhetes pretos a 140
Cartas com alllnetes a 80
Pegas de bibaditho bordado a 400
Caixas com guilas franerzas a 240
Pentes volteados para menina a 320
Espelhcs do culuna de Jacaranda a 25000
t u s do iiiinli i para 'menina a 100
Babados do Porto, largo, vara a 2C0 rs. e 280
Njraias para escripia a 200
Magos do palitos de deotes a 120
Assim como recebemos pelo vapor viudo do Rio
de Janeiro o raj Paulo Cordeiro amarelinho : na
rna larga do Rosario n. 38.
0 TNICO DELSUC que hoje apresenta ao publico, depois, porm, de-tim severo
exame e de reiteradas experiencias, tendo a certeza de que possue uma superioridade
mconlestavel a todas as ootras preparares, que at hoje tem apparecido, recommenda-se
por sua bondado, e pelo bnlhantc lustro que produznus cabellos, tirando immediatamen-
te todas as caspas e coceiras, fazendo com que appareca em bom estar impagavel.
. r .Lsta,agua comP5t-se de substancias cuidadosamente escolhidas, purificadas, e
confeccionadas com o maior cuidado, e alm disto combinadas de modo tal a dar-lbe
nma accao verdadeiramente efficaz, consoladora, e benigna.
ncahPi?near!fmnVo!eSta *m itCibiQa' 5 Qs{re&a levemente ; immedialamenlo Gcam
os cabellos Iimpos e com um brtlho magnifico.
Deposito
somente em casa do autor, Andr Del.^cabeileireirode Paris.
Ra 1 de Marcjo (antiga Crepo) n. 7 A Io andar
NOTICIA
^mohtte'
Veio operar urna coujpleta jevolug.o no ailigo
Tinta para escrever.
0 Bazar d Moda rec; beu novo sortimen-
lo de fazendas <1o ultimo gosto para vesti-
dos, assim como chpeoslos, casacos,
borns, coques, camisinhas, etc, ele -
Continua seropre o grande e afamado sor
lmenlo de miiidezas e perfumaras verda-
deiras, qae todo se vende por baratissimos
precos
Dam-se amostras e manda-so em casa das
Exmas familias o que desejarem, roa do
Baro da Victoria, outr'ora Nova.
A 1JK0U0
Espanadorea de pal ha o niais bem feito. possi
ass : na praga da Independencia n, 39
r
PARA AC4BAR
Superiores camisas ingUzas cora peiti de linho
ptlo diniiuuto preeo de 25300, 3*500e 4000.
Elegantes chapeos decasur braneo a >#.
Tarlaianas de cores pelo insignificante prego de
.'UO a v ra.
Liada; alpacas de cores a 360 e 400 rs. covado.
Excedente alcatifa com 4 palmos de largura,
propro para forro de sala e (juanee a 600 ra. o
covado.
Guipure braneo e preto com 6 palmos de largu-
a if500 r*. o covado.
Cortes de cdletes de gurguro preto e de cores
pelo diminuto prego de 3J e 3J500.,
Ditos de vello Jo para collete a 44000.
Gurguro de lia. fazenda superior para vestido a
WO rs. o covado.
Tapetes piqueos proprios para portas de sala?
Corlea de organdy de cores bordado eom 18 co-
vados por8ii0u0.
Toalhus pequeas para roto a 64.adozia.
oervifs de linho para mea, lendo orna toalha
com r palmos e 12 gnardaospos por 304.
Meio aervijos par mena com orna talo me-
rk 6.0ir,,ani por 154.
Lhapos pretos de polio fazenda superior a 64.
nJL^alT!.0* ar,iK" que para napias lor-
"Lh "';,"hi* d-eixamo de nomMr.
^uXir^ wtidcm ib eon-
540TA* ^ Ca"a d8 Cf Cm barrs aAnw,ie V"
Cblas a 340 rs. o covado.
Colchas braneas de fustio'a3|
Lencos de eamiiraia.barrados a j^jjflA dn,:-
Rna da Imperatriz n. 2
A' esie novo o sumptooso eslabeletim oto du fjenlas acba de chepar directa
mele da Europa o maU fxplendido sonim-nto de faiendas propr.as para a fsta, lanto
para bemens, como para senioras dtscrever e especificar o que do moderr.o e de meit
apurado gosto nelle se rocontra seria impnttive; m=is para quo se possa fazer urna
apn.ximada M?, mencionaremos c:m especiaiilade
RiC's cortes de vest los para casamento, cbegaifos no oliimo vapor.
Hilos diius de ditos de seda tieseuhos intuiramerite noves.
Ditos d tos ce diti s do la c Vestidos de cambraia para b^piisado.
Popelinas d i seda des gostos mais moderno?, vanado sortimento de cambraias e
cassa.? ae cores. Indosc modernos deseches.
Sedas lisas, lavradas, [ retas e de cores.
Crelone para vestidos, modernos g< stos.
Alpacas de ctres, impossivel descrever a variedade de gos'os e padrees.
Ciiiias finas, c aras, esaras, pretas, iodescrij,lvel o vanadissimo sortiment".
utiloes di todas as qualidades, cores e tamanhos. entre o
ooudaJe.
8aia b riadas para senhoras, grande quamidade de gestos.
Ca&isinhas bordadas para senhoras muito modernas, grande \
Inlrimeios e tras bordadas em todas as larguras.
Camisas jara liomem, bordadas, lisas, e collerinhos, completo sottmenlo,
Leocos de cambraia bordados, lisos erie barras.
Chapeos de velludo, palha, merino, filtro, o que ha de mais moderno e lindissimes
ostos.
Cortinados brrdado?, e ricas colchas de seda, e de crochet.
B;-reges de.phantasia, fazenda propria para bae.
Tarlitanas decores com palmas lindsimos gos'03.
Burns de c< res para senhoras.
Grvalas (.ara homem, grande sorlimenio em feitios e ce res.
Bretanbas, espuio e bramante de tudas as larguras.
Uazinbas dr modernos padroes e iodos gostos.
Metimda Inlia fazenda inteirammte nova para vestidos ede lindo effeito.
1'malmeoieroar.e sie eslabeieiimeao ludo que de aelhore mais moderno se pode
encontrar em fazendas como em perfumaras finas, das quaes tem um comp'eto sor-
timento.
AOS OAVALHEIiOS
OlTcrece igual\enie a vatttagem deencontrarem ntsie estaoelicimeuto:
Pannos finos, pretos e d cores.
Ca-emiras pretas finas, e riets gorgorees para collete.
Ditas de res, de qtiadros, lisos e de listas, completo srrtinKnto.
Brins brancos de lint o de t'das ts qualidades.
. Ditos de cores, lisos e trancados, gran e sortimento.
Um hbil artista para cortar e dirigir qualquer cbr.>, que s se enlreg a contento
do freguez.
Uma modista igualmentaiccupala nos IrabMLos do PAVILHO DA AURORA, di-
rige os quelhe sfo conceroenies, apromptando a capricho qualquer TOILET, garaitin-
dc-se a mais completa perfeigo nos seus trabalbos.
Em resumo concluimos
Por cbamar attenfo do respeilavel publico para o nosso estabelecimento, que alm
de ter ti*o que fe pode desejarem fazendas e perfumaras tem o mais COMPLETO SOR-
TIMENTO DE ROUPA FE1TA, paa bomens o menitos. Maudam se as fazendas em
asa das Exmas. familias, e dam-se amostras.
Um completo sortimento de esteiras da India, por menos proco que em outra qual-
quer parte.
Aberta das 6 horas da manha s 9 horas da noute.
LO.JA
120
500
60
15000
8^000
400
Nunca se vio um processo mais perfeito e exigencias mais severas da escripturacao.
A sua cor lindissima e d5u precisa de cuidado algum para se conservar no
inteiro sempre com a mesma cor. sem borra, crsta, bolr ou sem todas essas mazel-
est ngS!eS a 33 3t 8g0fa .co'lhecidas' ainda mesmo dos melhores autore
ir,r-rt ,Sobreladoj esle 8mavel producto n3 trar.o, a penna adquire um esmalte dourado que, sendo interessante, asss proveitoso
Esta tmta nio sendo espcialroenie para copiar, d ccmtudo duas, ires ou mak
opias nm mez depo.s de escripia; preciso, porm, dmar-'he o pape bmmolS
sem o enxrgar com o malla, borrao, porque n5o ha o rico de brrrar Para se i ra
mais de uma copia, n5o se agglomeram t rtas folhas qttantas copias se querem tS-
s vae.se com o original tirando uma orna tantas qoantas se desejam sem que o"
o qne
vezes
original fiqoe prejudicato pelas extractes.
Occorreaqol dizer que, para copiar importa mnia intellig.-ncia e hahilidade^sem
i melhor tmta n5o satisfaz, e o deleito recae sempre sobre a tinta, que muitas
qnem menos culpa tem. 4 Dllas
A dupla qualidade desta tibia extremamente apreciavel, pois que evita nnft
em quakmer escr.ptono baja mais do que uma Unta para os diversos mistes Q
. Emquanto sua durabilidade, n3o ba a opt r a menor dnvida, pois que'esta tinti
depois de escripia soffre o choque de cidos foriissi.raos, sem se decompr ora e os
6CpSo8vel S e'la' mUl meil0S aCCS d temp a pd^ de"ru'r': 5
Lb. Na- 5.ao c1omme,rc0 qe esle myj producto veio ser til; os professores dos
edu
liqu
"lre Pa"a cripiajogo que foidroiliida esta "tima nTcoItegorapotor^M de'
W lifi,: 88t0' P0C0 ,emP deP9 sen '*nliieDlo era ifesS. eIW
Jft,ftn, lm\* Parde tata! -ntagens, tem um mico inconveniente, deteriorase
ke de otte Vn. Pqpv ''^ m^ PS ,''3 m ^<*^* do meoTv,n.
^j^M$m\Pha mapSra seusardeUQla ^ms*a V,0LE-
i-gio*. luvesi ganuo toaos os mems para o adiantamento dos seus discioulos tem
avetado ta tinta, que erm razSo a arbanm apU para deenvolver o gSto nos
pandos, em ronsequencia da belleza da cor efaci.idade de correr m ptnna Delasna
.,'., exem'.,1('8 de criaDCas q,;e. havia muito lempo linb;m uma repugnar'cia
MONTEIRO.
_____________Observapad.
A. O, Montura.
Eival sem segundo,
RA DUQUE DE CAXlAM X. 49
(Anliga ra do Queimado)
Contina a vender tudo muito bom e
muito barato a saber:
Libras de areia preta muito boo. .
Tesouras finas para unhas e costu-
ra a.........
Papis de agul&as francezas a ba-
ilo a.......V .
Caixas com seis saboneles de fruta
Libras de la para bordar de todas
as cores a ...... .
Carrileis de linha Alexandre a. .
Frascos com azeite para machinas
Grvalas de corespmuito finas a .
Grozas do botea madeporsla fi-
nissimos a ....... .
Novello de linba de 400 jardas a.
Caixas com 100 envelopes muito
superiores a......
Pentes volteados para meninas a.
Tinteitos com tinta prela a 80rs. e
Pecas de fita elstica muito fina a
Lata com superior banha a 100 e.
Frascos de oleo Philocomo muito
fino a.........
Frascos de macaca perola a. .
Frascos de extracto muito b-mitos a
Duzia de sabonetes muilo finos a.
Saboneles inglezes a 600 rs. e. .
Frasco com agua de colonia Pivera
Dito de oleo babeza a.....
Caixas de lamparinas a. .
Sabonetes a forma menino muito
superiores a.......
Cartilbas da doutrina fazenda nova a
Libras de linba sortidas de todos os
nmeros a.......
Capachos muito bonitos e grandes a
Carriteis de relroz preto, com 2
oitavas a........
Agulheiros de osso enfeitados a, .
Libra de linha franceza .superior
qualidade a.......20420
Caixas de palito do gaz a. 00
ATTENfAO
Vende se ama canoa de carregar 1,200 a 1,300
lijlos : a tratar na ra Direita o. 101,
'A 2$~00
Vendem-se borzeguios para crianza?, obra boa
pelo diminuto pre^o de 24500 : venham loja de
miudezas dama da Cadeia n. 50.
ATCENCAO
Chocolate nacional.
Rival sem segundo
RA DO DUQUE DE CAXIAS N. 49
Estou disposto a continuar a vender todat
as miudezas pelos baratissimos. precos abai
xo declarados, garantindo tudo bom e pre-
cos admirados.'
Dozias de pa'itos seguranca a....
Duzia do palitos seguranza caixa
grande a...................
Frascos com rleobaboza muito fino.
Pacote* com p.'s de arroz o me-
lhor que ba a...............
Xas alnas muito finas para fazer
barba a....................
Caixi de linha bram do gaz a..
500 Vara de franjas de lidbo para toa-
500 lhas.......................
Caixas com pennas d'fo de Ferry
500 superiores................
60 Lencos da cassa braucos e pinta-
dosa......................
600 Caixas com 20 quadernos de papel
240 pautado .......
100 Caixas com 50 novellos de linha
200 do gaz a....., .
Dozias de raeias cruas superior
qualidade a.......SfJOOO
Pecas de babadinhos com 10 va-
ras a.........
Pecas de liras bordadascom 12
metros cada pi^a a 10500 e.
Pecas de fitas para cs de qual-
quer largura com 10 varas a.
Escovas para unhas fazenda fina a
Ditas para denles a 240, 320,
400 rs. e....., .
Pe^as de tranca lisas, brancas e
de cores a.......
Duzia de linha frxa para borda-
. dos a 400 rs. e.....
Pares de meias cruas para me.'
nos diversos tamanhos a. k .
Duzias de meias brancas muito
finas parasenbora a. .
Pares de sapatos de tranca do
Porto........
Pares de sapatos de tapete a. .
Duzias de baralbos para vultarete
Sylabarios portuguezes a. .
Cartos om colxetes i carreras a
Aootoaduras para collete diversas
qualidades.......
Caixas com penna de ac muito
boa de 320 a......
Caixas com superiores obreias a.
Duzia de agulba para mactiina a.
Libras de pregos francezes todos
os tamanhos a......
Pacote de papel com 20 quader-
nos...........
Resma de papel pautado superior
Resma de papel liso muito supe-
rior a...........
200
500
240
500
720
10200
500
500
40
240
400
10800
700
640
240
Duas medalhas de prata e orna menco ho-
norfica.
Avilla Irwdo Sf O,
Rna nova de Santa Rita n. 49.
Existem poueos alimentos simples e substan-
ciaos como o chocolate, estimulando suavemente
os ervos, d ao corpo o mais puro elemento de
oolricao, e ao mesmo lempo fortifica os nrgios di-
gestivos. Todo os. mdicos sao unnime* re-
comnwndar este alimento como o mais proprio e
substancial para as pessoas de complexa Iraca e
debilitada,
Vende-se
Primeira qoah'dade f i* kil. 880 n.
Homeopatha 1|1 kil. 14000
He-panhol 1|2 kil. 8 rs.
Vanaille l|3 kil. 1400O
Al meia arroba far-se-ha abaiimento de 10 OO
o de arroba para cima !0 0t0
Caf muido a' vapor
garant* iem raimara a 800- rs. o kil., em nwior
quantichie lera abaiimento de 12 OjO.
Tambetn ha pacotes de Irl kil. empacla do em
pjyeTl-Wl^iTh > pira t c omrvar sptnpre frase.
U i loado barato
i. Na loja da Exposicio na rna Nova n. 8, vende-
tbotiuu pretaa enfeUadai gaapiada da cotro de
w^rTsei>boTa, dtnta a J04, ditas ditas ditas
120
320
320
320
1000
500
160
800
100
700
400
500
20000
500
500
500
40
500
320
4,5500
2/1000
10500
3^0(M
400
20
400
50C
40
2,5000
240
400
40000
DO
GALLO VIGILANTE
Raa do Cre -po n. 9
Os proprietarios deste bem conhecido estabelt-
cimente, alm dos muito objectos que tinham ei-
Sostos a apreciacio do respeitavel publico, mar-
aram vir e acabam do receber pelo ultimo vapor
da Europa um completo e vanado sortimento d
finas e mui delicadas especialidades, as quaes es-
tao resolvidos a vender, como de seu cosime,
Sur procos muito bantinhos e eommodos>ara to-
ds, com tanto qne o Gallo....
Muito superiores luvas de pellica, pretas, bran-
cas o do mui lindas cures.
Hui boas e bonitas gollinhas e punhos para s-
nbora, neste genero o que ha de mais moderno.
Superiores pentes do tartaruga para coques.
Lindos e riqmssimos enfeites para cabecas da
Exmas. senhoras.
Superiores transas pretas e do cores com vidri-
Ihos o sem elles; esta fazenda o que pode naver
de melhor e mais bonito.
Superiores e bonitos leqnes de madreperola.
martim, sndalo e osso, sondo aquelles Lrancoi
com lindos desenhos, e estes pretos.
Muito superiores meias fio de Escossia para se-
nhoras, as quaes sempre se venderam por 3040CK'
a duzia, entretanto que nos as vendemos por 204,
atm destas, temos tambem grande sorumento d
outras qualidades, entre as quaes algumas moitc
finas.
Doas bengalas de superior canna, da India
castao de martim com lindas e encantadoras figu-
ras do mesmo, neste genero o que de melhor s*
pode desejar ; alm destas temos tambem grand
Snantidade de ouiras qualidades, como sejam, rna-
eir, balcia, osso, borracha, etc. etc. etc.
Finos, bonitos e airosos chicolinlios de cadeia
de outras qualidades.
Lindas e superiores ligas de seda e borracha
para segurar as meias.
Boas mflas de seda pan enhora e para meni-
nas de 1 a 12 annos de idade.
Navalhas cabo de marlim e tartaruga para fazer
barba; sao muito hoas,e de mais a mais sao ga-
rantidas pelo fabricante, e nos por nossa vez tam-
bem asseguraims sua qualidade e delicadeza.
Lindas e bellas capellas para noiva.
Superiores agulhas para machina e para crox.
Linha muito boa de peso, frouxa, para encher
labyrinlho.
Bons baralhos de cartas para voltarete, assin
como os tentos para o mesmo fim.
Grande e variado sortimento das melhores per-
fumarias e dos meihores e mais conhecidos per
fumistas.
COLARES DE ROER.
Elctricos magnticos contra as convnlsSes,
fa^.ilitam a denticao das innocentes crianc&s. So-
mos desde muito recebedores destes prodigioso
collares, e continuamos a recehe-Ios por toaos o
vapores, afim de que nunca faltem no mercado,
tomo j tem acontecido, assim pois poderlo aquel-
es quo delles precisarem, vir ao deposito do galle
vigilante, aonde sempre encontraro destes verda-
deiros collares, e os qua attendendo-se ao fim
ara que ,5o applicados, so venderao com um mu
minuto lucro.
ludamos, pois, avista dos objectos qne deixamoi
declarados, aos nossos freguezes e amigos a viren
comprar por preces muito mzoaveis loja do galle
vigilante, ra do Crespo n. 7.
3^600
de trigo a 54000 a carnea : no armazem Ba-
liza, rna do Livramento n. 38.
Rol- nte-rheumfitioo.
Remedio efflcacissimo contra as dores rheuma-
ticas at hoje o mai: conbecido pelos seas mar-
vilhosos resoltados.
XAROPEjDE AGRIAO.- m dos medicamen-
tos que aua, eficacia as en^rmiaes, tosse e
sangue peja bocea, bronchitea, dures ,e raqueza
no peito, escrobuto e molestias de flgado, que me-
lhor tem aprovado.
TINTURA DE MARAPUAM.- A celebre rali
de marapuama, cuja energa e eflkacia as para -
lysias, iolsfpecinenio, etc. eU. mao se recom-
menda.
Todos esses pjeparads se encontram na phar-
macia e drogara de Dartholorneu A Cnico de-
posilo na ra larga do Rosario n. 31.
Calcados rneezes
Grande sortimento de (Jaleados francezes para
horneo frnhoras o eriancas, bottoa de selime
dora ue brr.n -o, dita d oires, sap;ilialM-tNa-
dns de seiira braneo.itos ;leduraque de cores par
senhora.peio prego mais nommodo d que em ou-
tra qnalquer parte : na loja de calcado datla da
ooro i roa 4a Cruz n. SI, sobrado amareo
D cordeiro previdentt
Eua do QiicSiuado b. Ifi.
fovo e variado sortimento de perfanari
finas, e outros, objectos.
Alm do completo sortimento de perfe
aarias, de que effectivamente est provida
loja do Cordeiro Providente, ella acaba
receber um outro swlimento que se toril
aotavel pela variedade de objectos, suotricr
dade, qualidades ecommodidades .e prt
ios; assim, pois, o Cordeiro Previdet3 pe e espera continuar a merecer a apretiaci
do respeitavel publico em gara! e de n
boa freguezia em particular, nao se afs
tando elle de sua bem conbecida mansidl.
e barateza. Em dita loja encontraro o
ipreciadores'dobom:
Agua divina de E. Condray.
Dita verdadeira de Murray d Lamman.
Dita de Cologne ingleza, americana, tm
ceza, todas dos melhores e mais acreditado
fabricantes.
Dita-de flor de larangeiraa.
Dita dos Alpes, e vilete para loilet.
Elixir odontalgico para con3ervacao .
isseio da bocea.
Cosmetiques de superior qualidade e cl>
roa agradaseis.
Copos e latas, maiores e manores, co
pomada Ana para cabello.
Frascos com dita japoneza, transparent*
i outras qualidades.
Finos extractos inglezes, americanos
francezes em frascos simples e enfeitados.
Essencia imperial do fino e agradavol cha;
?o de violeta.
a tras concentradas e de cheiros igua.
mente finas e agradaveis.
Oleo philocome verdadeiro.
Extracto d'oleo de superior qoaiidadt
oom escolhidos cheiros, em irascos do dift
rentes tamanhos.
Sabonetes em barras, maiores e menor
para mios.
Ditos transparentes, redondos e em &tj
ras de meninos.
Ditos muito finos em caixinha para barba
Caixinhas com bonitos sabonetes imitand
fructas.
Ditas de madeira invernisada contendo I
aas perfumarlas, muito proprias para pr.
lentes.
Ditas de papelo igualmente bonitas, tas
bem de perfumaras finas.
Bonitos vasos de metal coloridos t
moldes uovos e elegantes, com p de arro
a boneca.
Opiata ingleza e francesa para denles.
Pos de camphora e outras diferoiit,
qnalidades tambem para dentea.
Tnico oriental de Kemp.
Alada mais coques.
Um outro sortimento de coquea de m
vos e bonitos moldes com filete de vidrijat .
8 alguns d'elles ornados de flores e fitai
estao todos expostas i apreciacio de qnei
os pretenda comprar.
GOLLINHAS E PUNHOS BORDADOS
Obras de muito gosto e perfeicSo.
FlTellas e fitas para ciatos.
Bello e variado sortimento do taes bito
tos, ficando a boa escolha ao gosto do cok
pr*dor.
86ftJI6G88$i8t
Joaqun Rodrigues la-
vares de Mello.
THf PARA VBNOErV
em sen escriptork, praja dofiorso Santo
u. 17 :
Fumo em folka
de 1' e 2" qualidade, e vende n oomji!
fardos a voauOe do eora^oras.
Cal ti Libfco*
ultima ofcetxU-
PttiS!daRusaBi.
FmIss*b otaadloea.
Vinho Bordeaux.
de I' qualidade. Tudo de vd mais 1
barato do que en ootra quahu'
Viiiho Xen
de primeira qualidade, em catatas .
eaMdaT, MfcrkaftC.



**.
f
8
Diario de Pernambuco Terca

feira 6 de Dezembro de 1870

LITTERATEA.
DEDO
DO
POR
DETI*0

*.-
se vio livre da
para cima da cama
'lado sori;i urna
N5o estava ello
Qua poder a o
se Corvino se
a na
quem
litna-
Mayne Rek!
(Continoacio)
XXXIV
Dinicri. bf.dacoAo
Quando o prisioneiro
sita* aiirou comsigo
folbas. a fbeditar sobre a entrevisia qoe
acabava de ter logar.
O conselho que 11)9 fra
trazo T Mas para que ?
discrifSo dos salteadores ?
elles qaerer mais ? S
aproveitava da molher pira por este meio
dar mais forca exigencia do preco do
resgate. Mas que preciso tinha o saltea-
dor de imaginar esse artificio, quando elle
proprio fui quemclitou a Baria, qual po-
deria dar formula ms decisiva que un a
ginasse ?
Adiando Dar mais tarde a explicado
das ioiencoes de 1.5o extraordinaria mu.lier,
passou a oecupar-so do sentido litteral
d'ellas. Popetta prometiera ajudalo na
realisaziq de Um plano que elle concebera
de ba muito e que s agora va meio ie
por em pratica. Era o de escrever a.Lui-
gi Torreani, em Londres, prevenindo-o do
perigo que sua irmSa corra.
Ao mesmo lempo podia escrever
pai em termos persuasivos, orno
comprehendia agora o risco da soa
Cao.
A crise era grave e o perigo inminente.
Henriqoe teve que abandonar todo o seu
estoicismo, e, sem que podesse conciliar o
somno, aguardou o dia seguinte.
Tanto qoe os i rimeiros raios da aurora
ailumiaram a sua priso, lan^ou mo do
papel que Popetta Ihe deixra, deitou-se
no chao e escreveu as duas .segrales car-
tas :
Charo pai.De ve ler recebido a caria
quo ha oito dias Ihe dirig, cojo conteudo
o ter sorprendido e que de cerlo Ihe nao
enderecava, se nao fosse ditado por um
salteador, que segua a minha mo com
urna pistola engatillada. N'eslo momento
sao oulras as circumstaneias : escrevo-lhe
deitado sobre o slo de urna priso e mo-
vido por om conselho amigo, e as escon-
didas do carcerero. Pouco poderei adian-
tar ao que en'o disse. A ameaija que se
me fez ser inrevogavelmente realisada.se
nao vier a somma exigida. O primeiro
acto da tragedia consistir em me serem
cortadas as orelhas e enviadas a meu pai.
cuja residencia Ihes foi denunciada pelo
uosso antigo guarda-caza Doggi Dick, ac-
tualmente um dos da quadrilha em cujo po-
der me acho.
Agora, meu charo pai, conhece a mi-
nha situaco, e, se julga dever salvar este
indigno tlho, dse pressa em enviar a
somma exigida. Talvez ache que a minha
* vida nao vaio tanto, como eu tambera julira;
mas, infelizmente, nao fou eu que Ihe dou
o valor agora. Se a quantia Ihe parecer
excessiva, nao Ihe ser ao menos diffkil
dispr des :e j das mil libras que me des-
tinava por patrimonio e eu verei se consigo
alguma traosaeco com os malvados em
cujas garras cah.
Esperando resposta na volt do correio
sou seu toiiieaao fliho Henrique Hardin.
Ao general HardingBeechwood-Paik
Condado de Bodes-Inglaterra.
Charo I.uigi.Mal posso dizer te duas
palavras, Acho-me prisioneiro de urna qua-
drilha de sa dadores, cujo chefe Corvino,
aohanGo-se o seu covil as montanhas napo-
litanas a quarenta milhas de Boma ewnte
millias de tua casa. Quando, no meio dos
salteadores, passei junto de la casa, vi
tua irma. que nao conheci enlo, mas que
agora -'i que era ella, e o que scube a sen
respailo o que te communico.
t Lucetta corre grande perigo ; anda sob
as vistas de Corvino 1 Assim o soube por
urna conversa que ouvi aos salteadores. Tu
sabes melhor do que eu o que has de finir,
mas cerlo que nao tens om momento a
perder,
t Todo tou Henrique Harding.
Estas duas cartas acnavam-se escriptas,
dobia tas e selladas moito antes de Tomas-
so chegar com o almoco.
O salteador, sem dizer palavra, rece-
beu-as. melteu-a no bolso e virou costas.
N'essa raesraa noute formavam ellas par
te do conteudo das malas transportadas no
paquete da correspondencia entre Civita-
Vecchia e Marselha.
XXXV
EXECUC0 SUMMAMA
Os salteadores voltaram dous dias antes
do que estava designado. O prisioneiro foi
d'isso prevenido pelo clamor que se fazia
l fra. Atravez da janella noutou eile que
os salteadores vinham mal encarados e blas-
pbemando mais do que de ordinario.
A expedizao tinha abortado, por
rera encontrado o ponto do ataqoe vigiado
pela iropa, e ter-lhes constado que forjas
combinadas vinham de Boma e trras napo-
litanas avanzando para as montanhas ; fal-
lavam at de traicS".
Exao*amente emface da janella se achava
Corvino, cuja physionomia deootava urna
disposico de espirito anormal. Praguejava
contra Popetta, invectivando-a perante a
quadrilha de epithetos ultrajantes.
Urna das salteadoras, especie de rival
d'aquella Da opinio da quadrilha, de p
junto do chefe, pareca favorecer as invec-
tivas, desempeobando o papel de acusadora
contra a esposa do capito.
Popetta perturbava-se ; o prisioneiro via
a sem poder discernir a causa daquelle seu
mo estar. Fallavam todos lo depressa e
estrepitosamente, que para elle, pouco ver-
sado no idioma italiano, era todo miste-
rio.
Nao tardou que o colloquio mudasse de
objecto.
Corvino, separando-se da turba, dirigi-
se e mais dous para a priso.
Momentos depoia foi transposta a porta
com violencia e entrava o chefe all como
qoe de om polo.
Signore /bradoo elle com voz agu-
da e rangendo os dentes Acabo de saber
que durante a miaba ausencia foi conforta
velmente tratado. N5o Ihe faltaran: boas
comidas e ale nma companheira qoe ame-
nizarse oe rigores da sna solido I
Nao sei qoe se refere, capitore-
dargoio Henrique.
Vejam qoe inooceotinbo cordeiro -.
Nio sabe eolio o qoe en quero dizer ?
No mesmo momento. Corvino deparou
com om objecto branco no cbo e exclamou:
Qispvttn I Temos papel, e um tintei-
ro e penha .' Ali 1 o .-entir teve corres-
pondencia ? Tragara-o c para lora, tragam
ludo !
E, proferindo urna horrivel blasphema,
precipitou-se a ra, emquanto qoe dous
dos scus sequazes empurravam Henrique, e
um lerceiro trazia o caderno de'papel e
mais aprestes esquecidos por Pojaetta na
pi sao.
A qiKulnlua achava so toda reunida.
Cr iradas.bradou o capito fomos
(raidos na minha ausencia : eis>aqui as
provas encontradas no caree re do prisionei-
ro I Reparem-lne as mo, ainda sojas de
lint) : de certo escreveu cartas para no*
trair! Apalpem o ; talvez ainda as conser-
ve comsigo.
O prisioneiro f ii rigorosamente apalpado.
Apenas Ihe enontrarara ama carta, a da
apresenlaco a Francisco Torreani.
A quera drigida ?pergunlou Cor-
vino, arrancando a carta das mos dos seus
companheiros.
Diavulo .' exclamou elle, lendo o
sobrescripto Eis-aqa urna corresponden
cia inesperada I
E sem mais detenca, rasgn o involucro
e leu o conteudo. io deu d'ellc conti
aos circunstantes, mas na physionomia dei
xou ver bem que a carta continha cousa que
he inleressava.
Com que enlo, signte, disse elle,
lixando os o!hos no inglez assim me
allinnou que nao conhecia ningoem de ctt
midado na Italia ? Mentio, porque tem
amigos e amigos poderosos O primero
magistrado de utm po^oaco !
Corvino, colocando o* beifos ao ouvido
do prisioneiro, rumorejou irnicamente :
De mais a mais, pai de urna formosa
rapanga! F.i pena nao poder apresentar
a sua caria de recommendaco I Mas o
mesmo; talvez em breve possa conhece-la
e aqui mesmo no racn'c Ser um en-
contr bastante romanesco, signore pitlore l
Bata nsinuaco satyrio alravessou como
urna sella, n corceo de H-rariqae. A sua
alltfico pela irma de Lnigi redobrra hora
a hora desde o dia do seu captiveiro. Es-
magado sob o peso da dr, ficou-se em si-
lencio.
O salteador proseguio :
Companheiros, est) patentes as pro-
vas da Iraico I Nao nos admiremos fgora
do que a tropa nos seguiss > os passos : s
nos resta descobrir os traidores I
Sim, sim Ibradaram os salteadores
Quem serio elles? Qae no-Ios entre-
guem !
O prisioneiroconlinuou o chefees-
creveu carias, que foram expedidas, visto
que nao ;pparecera. A quera foram diri-
gidas ? Quem lbe fjrneceu os aprestes
par.i escrever ? Ejs o que importa desco-
brir.
Quem ficou de guarda a elle ?per-
gunlou urna voz.
Tomasso responderam militas
Oade eslTomsso?grtaram todos.
Aqui estoudisse o salteador, sahindo
frente.
Fosle tu que izeste isto ?
O que ?
Quo forneceste ao prisioneiro papel e
penna ?
Nao respondeu elle com firmeza.
Nao perora lempo a interrogar este
horaem !exclamou Popetta, aposentndo-
se no meio da turbaSe ha a'guin clpalo
sou eu s.
E' \erdade! disse a sua rival em
vozbaixa aos que Ihe ficavam prximos
foi ella propria que Ihe levou ludo aqnillo
priso !
Silencio I disee o chefe com voz
atroadoraPora que facilitaste ao preso os
meios do escrever ?
respondeu Po-
explicato bradoo a
ha\e-
Pelo bem coramum
pelta.
Vejamos
quadrilha.
Cuspetto I redarguio a acensada
E' bem fcil !
Falle, falle I graram todos.
Buono buono Calem-se e eu fal-
are I
Oucamos! bradoo a turba.
Do mesmo modo que todos, des java
eo ver o dinheiro do resgate que o inglese
podia facilitar nos. A carta que. se Ihe ha-
va escripto era pouco persuasiva. Durante
a vossa ausencia, tendo pouco de que oceu-
par-me, lembrei-me de consegu do pri-
sioneiro que escrevesse outra, o que con-
segu : que mal bavia n'isto ?
Foi enlo ao pai que elle escreveu ?
Certameotereplicou Popetta com ar
desdenhoso.
E como foi a carta expedida ?
Pelo correio de Boma.
Quem a levou a Boma ?
Popetta fez que nao ouvio "a pergunta e
vollou-se para outro lado.
Companheiros,disse o chefe tra-
tera de deacobrir quem fji o porlad r da
carta. Qual dos nossos homens se ausentou
d'aqui durante a nossa expedico ?
A descoberra foi fcil: a aecusad >ra de
Popetta logo designou o portador da carta.
Era om recruta ha pooco filiado na qua-
drilha e que nem ainda tinha a prerog tiva
de pai ti par dos despojos das expedices.
A acareaoo a que foi submetlido pro-
dozio logo o resoltado ambicionado. Apezar
dos protestos de segredo citos a Popetta
fez elle orna canfisso completa.
Desgraciadamente para a molher do chefe,
conhecia elle bastante de artthmetica para
saber que fra portador de duas e nao de
orna carta, e confessoo que ama era para o
pai do preso. At aqui Popetta tinha fal-
lado verdade. Foi a ootra carta a qoe a
comprometteo : o portador aprender a
ter e declanra ser ella dirigida a Loig Tor-
reani.
Oovem ? gritaram nanitas yozes,
qoando tal appellido cabio dos labios do
denunciante, sem qae se prestasse attenco
ao primeiro nomeE* o signore Torreani, o
syndico de Valle de Orno I Eis porque nos
tumos perseguidos pela tropa; bem sabt-m
que Francisco Torreani nos bSo afleicoa-
4o.
Ainda nao todo 1 acudi a rival
de PopettaPara que foram tantas defe
rencias para com o prisioneiro 1 Para qoe
se Ihe foroeceram alimentos das nossas me
mores provi.--s ? Es'ejam certos, compa-
nheiros, qae fomos trados 1
Infeliz Popetta 1 A sna hora tinha soado.
O esposo, se o era, acabava de descobrir o
que ha muito procura va: a occasiio de se
desembarazar delta. Podia, pola, operar
impooemenle e com apparencias mesmo de
jostica.
Provocara elle a crise; vio-a, portante,
Mentar rom a feroz satisfago do animal
feroz.
Companheirosprosegua elle, dissi-
mulando a alegra cjm urna apparencia de
profunda tristezanio careco de vos dizer
qoo penoso me oovir suscitar taes sos-
peitas e accosages contra ama pessoa qoe
me to cara, tanto mais qiunto me vejo
obrigado a reconhsuer que sSo justificadas,
porm nos achamonos ligados a om pacto a
qoe devemos a mais cega obediencia, e, a
nao ser assim, correramos para a dijsolu-
Co del e ou antes para a nossa ruina. Ju-
ramos que quem o infringisse seria logo
condemnado morle, fosse om irmio, ir-
ma ou esposa nossa. Vos escolhestes-me
para vosso chefe e eo qnero mostrar-me
digno disso, dando vos um exemplo de sub-
miss3o s nossas leis.
E, fallando assim. Corvino preciptava-se
de om polo sobre Popetta.
A infeliz solioo orna exclamarlo de es-
panto e horror, a ,oe se seguio um grito
de diversa natnreza, grito agudo de pun-
gente agona, qoe gradualmente foi enfra-
quecendo at se extinguir no estertor da
morle, que a fez cahir por trra com um
punhal cravado no peito at ao cabo.
A scena que se den inferior a toda a
narraco. Nem orna lagrima de enterneci-
menlo. nem um signal de horror se mani-
festou naqoelles selvagens. C impaixao al-
guns a sentiram talvez, mas bem andavam
elles em nao a demonstraren:-. .
Quanto ao carrasco, completada a sua
misso, oiri^io-se a casa a passos lentos e
ahi se encerrou por decencia nicamente,
pois que nao era susceptivel de sentir as
torturas do remorso.
A'guns salteadores levaran) o corpo da
victima e enterraram-o n'unu valli prxi-
ma, lendo previamente o cuidado de des-
pojar o cadver de todos os ornatos pro
C0S03.
O prisioneiro, reconduzido ao^eu carce-
re, teve bastante oc;asio de meBitar sobre
o drama horrendo qoe acabava de presen-
ciar. A morle da infeliz Popetta pareca Ihe
o presagio da sorle nao menos horrivel que
Ihe estava reservada.
XXXVI
OPF.IUCAO CIRLIIC.ICV.
Nos tres dias immediaios reinou o maior
socego no covil dos salteadores. Ao sus-
sorro habitual e qoasi incessante succedra-
se o fnebre socego que 3egue ordinaria-
mente algum successo tremendo.
Ao quario dia teve lugar utn fado que
resliluio communidade a habitual ffer-
vescencia.
Um pouco antes do nascer ds sol, o sig-
na! de urna vdela annunciou a approxima-
co de um mensageiro, e um aldeo, o mes-
mo que fra a Boma buscar o dinheiro de
Henrique, chegou qoasi ao mesmo tempo ao
arraial. Desta vez era portador de um des-
pacho dirigido ao capi), qoe rpidamente
o rece bou.
O captivo tevo conhecimentj do regresso
do mensageiro pelas conversas animadas do
exterior. Fallava-se como de om grande
acontecimento. Mas nao soobe que aqoelle
fra portador de ama carta seno quando
vio Corvino entrar na priso com ella na
mo.
Com que entobradou o ebefe com
voz irritadao signore inglese teve desin-'
telligencas com seu pai ? Peior para si :
um fi lio 15o desobediente merece castigo.
So o seu comportamento fosse melhor, de
cerlo seu pai procedera de outro modo e
Ihe salvara as orelhas; qoe agora est con-
demnado a perder; mas resigne-se, porqoe
ficam em poder da familia. Ser-lheho
cortadas o melhor possivel e enviadas as
melbores condices a sea pai. Vamos, ca-
ntaradas, conduzam-o ; a operado delica-
da e ileve ser feita da d a.
O joven inglez foi condozido oo antes ar-
rastado para fra da priso, e tanto que se
achou em pleno ar vio-se cercado de toda a
quadrilha, homens e mulheres : s nao ba-
via criangas, especie banida daqoella socie-
dade.
A urna ordem do chefe Doggi Dick foi
boscar orna faca. Dous salteadores seg
ravam o mancebo de joelhos ; um terceiro
fez-lhc saltar o chapeo pelos ares, e ootro
ainda. erguendo-lhe as bellas madeixas de
cabellos, poz-lhe a descoberto as orelhas.
Todos estavain satisfeitos na espectativa
do acto sanguinario que ia pratxar-se.
Doggi Dick exagerara a fortuna do gene
ral Harding e fizra conceber aos camaradas
as melbores esperanzas sobre o resgate exi-
gido. Por isso, bem longe de se enmpa-
decerera do paciente, olhavam-o com alegra
feroz.
Finalmente a faca brilhoo e ia descarre-
gar-se sobre a orelha esquerda do pintor,
quando este, por urna sacodidela desespe-
rada, consegoio desembarazar-se de tima
das mos, com qoe resguardou a orelha
ameacada.
Este esforz convulsivo, motivado pelo
horror da situazo e p >sto em pratica sob o
impulso de um instinclo puramente physijo,
devia de ser inefcaz, como Henrique bem
sabia ; comtudo deu em resaltado salvar-
Ihe as orelhas.
Corvino, que se achava junto do paciente,
vigiando os promenores do drama, soltoo
um grito e mandou suspender a execuzo.
Acabava de reparar na mo com que o pri-
sioneiro cobria as orelhas oo antes no dedo
mnimo da mesma mo.
Diavolo I disse elle, agarrando o
captivo pela mo.Prestou um bom servizo
a si proprio, signore t Pelo menos desta vez
salvou as orelhas t Este deve ser meltior
presente para seu pai. Diz o proverbio que
a mo guarda a caben mas agora foi o seo
dedo miaimo quem Ihe guardou as ore-
lhas I
Os salteadores, ouvindoo chefe dizer isto
s gargalbadas, corresponderam-lhe em
igual tora, aera, todava, saberem o verda-
dero sentido daquellas palavras. Mas logo
perceberam. A mo da cicatriz eslava
vista e isto devia ser um sigoal para ser
recoohecida por om pai, qoe nao deve igno-
rar o estado pbysico de seo filho.
Nio desejo nosso mostrar-nos
crois sem oecessidade,disse Corviooe
at sentimos repognancia em motilar urna
cabeza qoe fez a conquista de Popetta e po-
deria ainda fazer a de... Lucetta.
Esta ultima palavra foi dita ao ouvido do
prisioneiro, o qual teria sentido menos
aOliczo se lbe cortassem as orelhas, do qoe
ouvindo taes phrases.
Nonca maior desespero se apoderara delle
do qoe naquelle momento, ao ver-se na im-
possibilidade de reagir, mas se as acetos
Ihe estavam coarctadas, restava-lbe a libar-
dade da lingaa, embora i costa da soa
vida.
Miseravel Iexclamou elle, filando
os cas nos olhos do capito.*Sa quizesseis
"roedir-vos coaigo a armas iguaes, conver-
ter-vos-hia essas phrases de insulto em gri-
tos de misericordia!. Mas de certo nao an-
nuireis, porqoe tendea a certeza de que em
ponios momentos farieis saber a esses que
vos eercam qoe sois lidgno de ser seo
chefe I Assassinastes vossa molher para tal-
vez dar lugar a urna outra ; podis matar-
me, fazer-me em postas, porm tende a
certeza que a minha morle ser vingada !
A Inglaterra, minha patria, saber o yosso
crime, e, apezir da impudencia com que
apregoaes a vossa seguranza seris perse-
guidos no faterior das montanhas, fustiga-
dos e morios como ofi ou antes como lo-
bos, pois nem tanto como aquelles va
leis I
As ultimas palavras de Henrique perde-
ram-se no meio dos gritos da turba.
Que nos importa o vosso paiz ?bra-
daram os salteadores.Nos despresamos a
Inglaterra.
Maldite seja ella! bradoo Doggi
Dick.
Inglaterra al inferno !vociferaran)
todos em coro.A Franca e a Italia, e com
eHas o Papa 1... O que podem todas con-
tra nos ? Nada. O signore que est
nossa disposizo, como Ih'o vamos provar.
E, puchando pMos punh.es, lizeram-os
brilhar janto da cara do prisioneiro
Henrique comezou a arrepfinder-se da
sua imprudencia, convenc lo de que cheg
ra a sua hora extrema, mas n-sse momento
o capito metteu-se de permeio para o li-
vrr io furor dos seos.
Alto l!bradou elle.Para que se
ncommodam com os latidos deste bull-
dogne ? Pois querem matar a gallinha que
nos ni por ovos da ouro ? Esto loncos.
Dexem o negocio por minha conta; deixem
colher o ouro e depois...
Sim, sim bradaram todos. Deixar
a velba ave por o ovo, o qual o nosso com-
panheiro Ricardo assegura tari grande 1
E airirjno-oacudi Doggi Dick.
Ninguem sabe melhor do que eu o tamanho
dos ovos que elle possue ; foi seu guarda-
caza tres annos.
Ora pois,acudi Corvinonao gas-
temos t-'mpo em conversas, que devera fati-
gar a paciencia do signore pitlore. Deixe-
mos, portanto, a tao bella cabeza os seos
appen lices auriculares: do dedo minimo
da "mo esquerda que carecemos. Se este
nao ti ver poder para extrahir o ovo a que
nos referamos ha pouco, a pro vedaremos a
mo to la, e, se ainda assim nao bastar, da-
remos ao illostre inglese, seo pai, orna pro-
va do nosso cavaheirismo, enviando-lhe
ama cabeza completa !
Este horrivel arranzel foi sau lado por
unnimes applausos.
Agoraproseguio o chefetragam-
me o dedo minimo ; intil passar alm da
segunda pbalange; cortem pela articulaco,
afino de tornar o menos defeituosa possivel
lo formosa mo! Deixem-lhe um coto para
en:ber o vacuo da lova. J v, signore,
concluio o salteador com ar de mofaque
nao quero vexar a sin preciosa pessoa se-
no a c ao ponto em que isso til aos
nossos designios. Sei que vaidoso, e de-
pois do que se passou com Popetta, n
quero impedido de apresentar tambera as
sos bomenagens a Lucetta.
Esta ultima phrase foi, com') de coslurae,
pronunciada pelo salteador em voz baixa,
qoasi indistincta. Elle nao exiga resposta.
Tambera o joven inglez Ih'a nao deu, assim
como nao offereceu a menor resistencia,
qoando o deshumano executor se Ihe apo-
derou da mo e com um nico golpe de
faca Ihe fez saltar o dedo minimo.
Foi o ultimo acto do espectculo. O cap-
tivo, reconduzido sua estreila priso, ah
ficou abandonado solido, contemplando
mo privada para sempre de symetria.
XXX VB
MBS. LAWSOX dt FII.UOS.
O general Harding, se bem que vivesse
distante de Londres apenas urna hora-de ca-
minho de ferro, nao costamava ir metro-
pole mais do que urna vez por anno, e est
nao tanto por se mostrar no mundo aristo-
crtico, como por visitar os velhos amigos e
camaradas do exercito das Indias, e o Club
Oriental.
Demorava se all daas semanas, cuja
maior parte passava na ra ou no club, re
gressando depnis ao seu retiro nos montes
Chiltren, com nm deposito de record aze?
para o resto do anno.
Nao consagrava, porm, aquello tempo
exclusivamente s conversas recreativas;
dispunha de urna parte para os seos neg i-
cios, e por isso visitava sempre o seu pro-
curador em Lincoln's Iun Fields.
O mensageiro que se aDnuncira vindo
dos estados pontificios fizra a sna appari-
Zo em Beechwood-Park no comeco daqoella
quadra em que o general usava visitar Lon-
dres, para onde, com effeito, parti das
depois. .
Esta digresso nao tinha o menor ponto
de contacto cora a visita de to extraordina-
rio visitante, qoe s deixra impressionado
o espirito do general pelo desgosto que Ihe
causava o procedimento de seu filho, a quem
no.acrediiava sobre a veracidade da sup-
plica.
verdade que, nao tendo recebido carta
alguma delle, anterior a esta, tambem nao
cogitou de saber como elle teria vivido du-
rante os doze roezes decorrdos desde a sua
expatriazo. S urna vez escreveu ao pro-
curador, pergotaodo Ihe se teria visto seu
filho. Teve por nica resposta qae o joven
Harding procurara o escriptorb havia cerca
de um anno. Quanto ao pagamento das mil
libras esterlinas, nada se fallou. visto qoe
o general a ellas nao fazia alloso. O me-
toodico correspondente, habituado de ba
modo ao maior laconismo pratiso, nica-
mente responda i pergunta qoe se Ihe fi-
zra.
Na soa carta de despedida fallava Henri-
qoe do plano de expatriar-se, o qoe at cer-
to ponto explicava o nao se saber delle em
Londres. Alm de qoe, nada se oppunha a
que elle tivesse ido para Roma oa qaalqaer
outra trra. O general dizia comsigo qoe
as viagens Ihe nao podiam prejudicar, antes
o podiam livrar de certas compaohias pre-
judiciaes em Londres. Teria at satisface
de saber qne elle sa achava em Roma, se
nao lbe fosse isso communicado pela carta
qne j conhecemos, oa qaal 'ia que, quando
nao fosse verdade achar-se elle oas mos
dos salteadores, conviva pelo meaos com
orna roda pouco apreciavel.
Assim raci.icinava o general, divagando
pelas ras de Londres. Depois qoe visoa
os clabs se/is predilectos, dirgio-se, como
de costme, a casa do sea procurador, Mr.]
Lawson, da respeitavel firma Lawson 4 Fi
Ibos, em Lincoln's Iun fields.
Nao sooba nada acerca de meu filho
depois ita minha ultuna earta ? pergun-
lou elle.
Esta pergunta foi feil* depois de regula-
dos os uegocios coi rentes.
Nada respondeu Lawson pai, ao
qual o general se dirigi, tendo o filho sa
hido neste momento do gabinete.
Aqoi est urna carta singular que elle
me escreveu. Leia e guarde com os demais
papis quo me pertencem. Aflligio-rae bas-
tante e declaro qae a nao quero levar com-
migo. .
Mr. Lawson poz as lunetas e leu a carta
que fra dictada por Corvino.
E clebre disse elle, depois de
lr Cmo recebeu esta caita, general ?...
Ella nao tem estampilba do correio.
E um cont curioso. Foi me entre-
guo cm mo propria, em minha casa, po-
um individuo extravagante... judeu. italiano
ou cousa parecida, que se annunciou como
procurad r ou advogado.
E qual foi a sua resposla ?
Nenhuma : entend, como Nigel, qm
islo era urna estrategia para me apanuar di-
nneiro, e por isso foi Nigel quem Ihe es-
creveu.
Pode saber-se em que termos foi a
resposta ?
Nao posso .saber, mas tjiso que meu
filho mais velho o censurava do seu proc;
dimento, fazendo-lhe saber que eu nao es-
lava disposto a deixar-rae assim lograr, c
isto no principal intuito de o fazer enver-
gonhar dosju viver, se que elle ainda
susceptivel d'isso, mas o rapaz cabio em
ms mos para poder voltar ao gremio dos
homens de bem.
Nao er ento que elle se acho apri-
sionado pelos salteadores ?
Cerlamento que nao, do mesmo modo
que o senhor o nao er pela sua experien-
cia do mundo.
Pois exactamente a minha experien-
cia do mundo que me leva a crer nao s na
possibilidada, mas ainda na probabilidade
do facto. Nao ha muilo tempo que n'uma
viagem qne flz a Italia soube cousas extra-
ordinarias dos salteadores de Boma o i-
ples. Talvez nao acreditasse o qne me
contaram, se p^ssoalmeole me nio certifi-
casse da priso de um viajante que, pira
se resgatar, _teve de pagar urna grossa
somma. Eu tve a felcidade de se me que-
brar a carruagem, o que me obrigou a vol-
tar para Boma, sem o que a esa Lawson
ic Filhos teria de pagar pelo meu resgafs
urna quantia talvez igual que hoja exigem
do general. Em vista do exposto, creio na
verdade da caria.
Pois eo n); devo dizer-lho que Hen-
rique sahio de casa em resultado de om*
questao a proposito de um casamento que
eu reprovava e para cojo impedimento osei
de orna estrategia qne depois Ihe contare.
Fique, porm, sabendo que consegu o meu
fim engaando um par de embusteiras fi-
nissimas. Foi por essa occasio que eu he
cscrevi para que Ihe entregasse as rail li-
bras, as quaes sera duvida extrav-gancioo
de companhia com os vagabundos como
elle, que o levaiam a osar da estrategia em
qoestao. A cousa nao era mal pensada,
mas nao surti effeito.
O general mandou que eu Ihe dsse
mil libras ? exclamou o valho procurador,
estremecendo na cadeira e tirando os oco-
tes Expliqese melhor.
Nao tenho que explicar-lbe nada, se-
no repetir o que Ihe dizia na minha carta :
que dos meos fundos entregasse a meu
filho Henrique a quantia da mil libras.
Mas ero que data me deu essa ordm ?
Ora essa I Haver um anno. Foi se-
manas depois da minha visita a Londres e
o senhor mesmo me escreveu participando
que meu filho viera ao seu escriptorio por
esse tempo.
Com effeito, lembro-mo que elle aqui
veio daas vezes, mas nao para pedir di-
nheiro e muito menos recebti-lo. Se a me-
moria me nao faina, apenas se infor-
mou sobra se tinhamas algum recado seu
para elle. verdade que quem Ihe fa-
lou foi o meu escrevente,' o qual melhor
pode dizer o que se passou ento. Vamos
ouvi-lo.
De certo acudi o general, quasi
petrificado de espanto. Islo extraordi-
nario, admiravel I
Ouvio-se retiir o toqoe da campanhia e
o escrevente app.recen promptamente.
Lembra-se Jennngs, disse o procu-
rador da vir ao escriptorio ha cousa de
tira anno o filho mais novo do general Har-
ding?
Sem duvidarespondeu o escroveate.
Veio aqoi doas vezes e ambas as visitas
devem achar-se mencionadas no registo.
Traga o registo disse Mr. Lawson.
O escrevente sahio, deixando o genera!
s com o procorador.
XL
HORRIVEL AMEAZ*.
E dillicil descrever a situazo do gene-
ral Harding perante o objecto que encerrava
a carta, a qual nao tinha coragera de lr.
No fim de alguns notantes encheu-se de
animo, estenden-a sobre a mesa e leu o se-
guate :
t Signore. Aqoi junto encontrar o
dedo de seo filho, bem conhecido pela ci-
catriz ; mas, se, ainda assim, persiste na
duvida e nao enviar o dinheiro com a bre-
vidade possivel, remetter-lbe-hei a mo para
que se certifique de que o dedo Ihe pertence.
Tem dez dias pra respooder: se, findo
elles, nao mandar os trinta mil escudos, re-
cebera no correio seguinte a referida mo.
Se, ainda assim, nao se resolver a abrir os
cordes bolsa, concloirei qu3 nao tem co-
rceo e qoe prefere o dinheiro vida de
seu filho. Nao nos aecuse de crueis, a dos
qae. forzados por leis injustas, perseguidos
como anmaos ferozes, somos obrigadoS!
para ganhar a vida, a recorrer a expedientes
extremos.
t Em concluso, e do caso da soa nega-
tiva nossa proposta, s nos resta asseve
rar-lhe qne sen filho repoosar em trra
catholica, assim como tambem pode contar
qoe, como testemonho da soa desbomaoi-
dade, ter presente a cabeza do prisioneiro,
que*lhe -aviaremos pelo primeiro paquete de
Civta-Ve.chia. Pagamos o porte do dedo,
pagaremos tambem o transporte da mo,
mas o da cabeza fica de soa con\a.
. *Por si e seus associados// capo.
t P. S. Se remetter o dinneiro pelo
correio, dirija o ap signar* Jacopi, strad Vul-
turno n. 9. Se o mandar por .proprio, all
encontrar o nosso agente. Nao pense em
nos trahir, o que de nada lbe servira.
Meu Deas Iexclamou o general,
terminando a leitnra de to siogalar eps-
tola.
E, tocando com mo tremola a campai-
nha, disse ao criado que se apresentou:
- Meo filho Nigel! Qae venha depres-
sa!..
O criado sabio estupefacto perante a agi-
tazo do amo
Meu Dens,proseguio o infeliz pai
isto horrivel mas om facto !
E, inclinamlo-se sobre a mesa, lanzava
olhares preciosos sobre o objecto em qae
nao ousava seqner mexer.
Chamon-me, meu pai ?pergantoa
Nigel, entrando.
Sim ; aproxima te : v.
. O que ? Este objecto informe ? N
sei o que seja.
Devias reconhecel-o.
Beconhecel-o ? Vejo qae um boca-
do de .dedo.
Sim, um bocado de dedo e nada mais?
Mas donde Ihe veio isto ? A quem per-
tence ?
A quem pertence?repeli o gene-
ral com voz vibranteDevias sabel-o e tens
razSes pira te deveres lembrar.
Nigel. reparando na cicatriz, recordoo-se
com cubito, mis nao se atreveu a confes-
sil-q,
Enlo ji te lembras ?acudi o vete-
rano S ibes aquem pertencia? .
Ora essa E como hei deeu sabel o*
Po s r.o vs que o dedo de leu ir-
mo ?
De meu irm) ?-exclamou Nigel,
simulando oma sorpreza e commozo de
que na realidade nao era susceptivel.
Sim, repara bem na cicatriz; ddve
ser-te conhecida.
Por nica resposta Nigel den physiono-
fcania urna novaexpressD de surpreza ecom-
moco simuladas.
Nao quero censurar-tedisse o ge-
neral,Isso foi um facto quejaz no esque-
cimento o qoe n) tem re'azo com a des-
grafa quo pesa boje sobre nos. Emfim,
tens diante de ti um dedo da tea irmol
E como sabe so, mea pai ?
L essas carias e sabers o que nao
tenho a coragom de te coniar!
Nigel pegoo na carta do salteador, leoa
rpidamente o depois correu pela vista a
do irmo.
Ento?interrompeu o general-
Vs que verdade todo ? E eu qua duvidei
quando recebi a prmeira cirta de Henri-
que!.. O que me admira tu...
Q)em podia presumir taes coasas?
replicou NigelAgora mesmo rae parece
impossveis.
Impossiveis!repetio o general, lin-
eando um olhar triste para o filho -Nao vs
sobre esta meza a mais irrefragavel prova ?
Pobra Henrique Que pensar elle do mea
procedimento?
E, aguilhoado pelos reraorsos, erguan-sa
e percorria o'gabinete a passos violentos.
Esta carta parece vir de Romadisse
Nigel, examinando o sobrescripto da carta
de Corvino com o mesmo sangue-frio cor*
que potera ver a mais insignificante carta.
E que duvida que ella vem de Roma!
replicou o general, meio indigoado pela
indiferenza que o filhojmanifestava Nao vs
as estampilhas dos Estados pontificios ? Nao
leste o conteudo ? Ser isto ainda oma es-
trategia ?
Nao digo isso, meu paiacud Nigel.
convencido di sua imprudencia.Agora do
que se trata de ver o meio de respon-
der-lhe.
Nao conhego seno um, e a carta bem
o indica.
Qual ?
Bemeiter o dinheiro ; o nnico meio
de o salvar. Nao ba que hesitar um mo-
mento, conforme o que diz esse miseravel.
Como se chama elle ?
Assigna-se il capo, E' apenas o titulo
como chefe dos salteadores.
Segando as phrases aleas* chefe de
salteadores, evidente que elles se riem de
todas as lis divinas e humanas. remessa
do dedo urna prova incontesiavel de que
nada os impedir de realisar as ameazas se-
no o pagamento do resgate.
Cinco mi! libras!rumorejou Nigel
E' urna grossa quantia !
E' verdaderelorquio o pai.E se
exigisse dez mil, deveriarrfos hesitar ? Nao
os vale a vida de tea irmo ? Para mim vale
mais a sua nica mo! Mea pobre Henri-
que, meu infeliz filho !
Muito bem ; estou de accordo. Mas
se esses miseraveis, apesar de se Ihes re-
metter o dinheiro, recosarem ainda dar a
liberdade a meu irmo ? Nao ha precauzes
possiveis contra tal gente.
N o veterano.O tempo urge; s- temos dez
dias I Valha-meDeos!.. E se a carta
vem atrasada ? Que data tem o carimbo do
correio ?
Boma 12disse Nigel, examinando o
sobrescripto.
Estamos a. 16acudi o velho.Res -
lam-nos seis dias, apenas seis dias! Um
proprio pode anda chegar a Boma... E'
preciso preparar tudo... primeiramente o
dinheiro... Felizmente, nao essa a dififi-
culdade, comtudo tenho ce recorrer a Lon-
dres aos Srs. Lawson... Nao ha um mo-
mento a perder. E' preciso partir e j;
vamos, Nigel, manda por o trem.
(Continuar-se-ha.)
VARIEDADE
Catastrophe as Anilinas hes-
panholas.
(Concluso.)
No dia t5 entrou o vapor Morro Castle
de New-York, e o capiUo diz ter encontra-
do urna tempestade que dorou 4 horas.
De Havana nada tenho qoe dizer a nao
ser que o vapor Missouri, nao pode sabir
para New-York na seguoda-feira, e sahindo
na te rz a-feira encontrn o mar to forte,
qoe o capito vio se forzado a voltar para
o ancoradooro de onde sahira oa quarta-feira
Os negociaotes e o povo quasi que esque-
ceram-se de seos soffrimentos vista das
calamidades de Matanzas, e eslo levantando
ama subscrpzo para aliviar os soffrimentos
d'aquelle povo.
J se obteve pa a mais de ($30.000 e
fi I5.0u0 j foram remettidos aog necessl-
tados em Matanzas. Esta somma e om car
regamento de maniimento e roopa denotara
bem qoe os afilelos sao lembrados em Ha-
vana.
O general Bodas ordenou qne & 400.000
fossem tiradas do thesouro publico e desti-
nados em favor dos necesitados dos outroa
9 districtos. Esta somma grande n m
for bem distribuida pode acabar com moita
mizeria._________^________________
TYP. DO IMAMQ-RUA DuDUQUK D& C*XU&

1
11 u. -


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E50W33MQX_2K6GOG INGEST_TIME 2013-09-14T01:25:42Z PACKAGE AA00011611_12281
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES