Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:12279


This item is only available as the following downloads:


Full Text

aaasap
mm\t I ~"iTi iii'iMi'ini'ni
*_

ANNO XLVI. NUMERO 275
0T8 0b


y
r
PARA A CAPITAL E LUGARES OIDE lO SE PACA PORTE.
Por trw*ia&<>iaeta i\r seis diio*]ti(u................... 1230&
'"[f \n!!klPm" *...........-...,... 24,0000
IflneAtViSj................. ^. ,. 320
&'


#m**>i iEMBUDO 3 DE DEZEMBRO DE 1870
*} PiU MHTBO E POSA DA PROYIICIA.
Pofr trafi-roezesadiantados '^^^^^^H^^^^^H
Por seis ditos idr>. .
Por aove ditos dem .
Por mn anno idem .







*

13*600
20#280
274000
Propriedade de Manoel Figueira de Fara & Filhos.
ACBMTB#:
O Srs. Gerardo Antonio Alves Filhos, no Para ; Goncalves & Pinto, no IJaranhao ; Joaquina Jos de Oliveira, no Cear ; Antonio df Lemos Braga, no Aracaty ; Joo Mara Jdo Chave, no Ass ; Antonio Marques da Silva, no Natal; Jos Jottino
Pereira d'Almeida, em Mamangaapc; Antonio Alejandrino de Lima,- na Parahyba ; Antonio Jis Gomes, na Villa da Penha; Belarmmo dos Santos BrfcSo, em Santo Ant3o; domingos Jos da Costa Braga*
em Nazareth ; Francisco Tavares da Costa, em Aiagoas; Dr. Jos Martina Alves, na.Bahia; e Jos Ribeiro GaspariDho no Rio de Janeiro.
.
PARTE OmCIAL
Goverao da provincia.
.NOVSUBttO K 1870.
fcXJFGtMICMrf DB -DA 21) O
. Acto :
O presidente da provincia designa o juiz de
direito da 21 vira, Dr. Mauoel Jos da Silva Nei--
va, o coronal Rndolphn Joo Barata de Almeida e
> t Mientes coronis Decio de Aquino Fonseca e
Joo Valentn Villela para fonnarom a junta, que
em ultima instancia tetn d julgar o soldado do
coreo de polica; Joa^franciseD dos Sanios.
Eipediram-se as naces arias ommuniuages.
Offl esos:
Ao Exni. Sr. ministro da guerra, transrait-
(otlo. era cumprimento do aviso de 22 de setem-
bro ultimo, o resultado dos exaraes praticos da
arott de nfaularu, procedidos no 2 batalbio,
beta como duas relages nominaes, urna dos otli-
ciaai d'este baialho, e ouir dos que, pertencendo
ao wsrao, iram ultimaraetiie clasificados etn
oalros corpos, ambas cora ieclararo da data do
a: Ao inesnio, remetiendo, para os flnsconve-
Dientes, as tontas dos objectos forneeidos pelo ar-
senal pue-n i desu pMviacia a diversas repar-
tiros., nos mores de selembro e outubro ; lti-
mos.
Ao vigario capitular, convidando-o para ce
iebrar a ceremonia religiosa da collocago da pri-
mara pedra do edificio, d slinado ao pjc.i da as-
seosWa legislativa provincial desta provincia, aclo
que cera lugar ra da Aurora desta cidade pelas
o hora* da tarde do da 2 de dezembro vindouro.
Ai inspector da thesouraria de fazenda,
Iransmtttindo, para os devido* lias, duas ordens
do (ha m duplcala, snb n*. 701 e 702, expedidas
pela repartir) do ajudanie general.
Ao mesmo, declarando que o vapor da eom-
paahia* Pernnmbmana, que tem de seguir para o
presidio de Fernando a 6 de dezembro vindouro
largara ao meio dia.
Pizeraro-se as ou'ras corainunicaroe*.
Ao mesmo. autoriando- a mandar despen-
da, sob a r-ssp >n-abilida1e da presidencia, nos
termos do decreto, n. 2884, do i" de fevereiro de
1862, a quantia de 1631168 r<., que falta para
omptetar o pagamento de 400*000, que se est
dever ao ex-coinmanante do presidio da Fernan-
do de Noronha, teaente-coronel Sebastin Antonio
do Reg Barros, de grat ficagio, que venceu nos
metes de janho de 186) fevereiro d'este anno,
visto achar se qua*i extracta a verba votada no
exerciein em liquidado de 1869 1870 para cora-
missSes militares di ministerio da guerra.
Ao inspector da ihesonrana provincial, re-
conaraendando, em virtnde de requisigo do te-
nente-eoronel commandante do corpo de polica,
que mande adiam ir dous m^zes de vencimentos,
para mn offkial e 13 pmeu que se adiara em
diligencia na cidade di: Nazareth ; um olQcial e
12 prars destcalas no Limoeiro ; o subalterno e
16 "pravas existentes em Itamb; e, flnamenle nm
raex de igua-s vencimientos para o ubaiiernt e 12
praxis que eslo esa Pao d'Alho, tudo a contar do
I* do corrente.
Communicou-se ac referido tenente coronel.
Ao raesmo, para mandar indmpisar o mf-
o:-terio da guerra da quanlia de 5:597*070 rs.,
importancia dos objectos, que foram pelo arsenal
de guerra fornecidos ao corpo de polica, durante
os metes de selembro e outubro d'este anno.
A) commandante do corno de polica.
Em resposta ao oilicio de Vmj.. n. 291, de 24
I > corrente, declaro, que a lei provincial n. 941,
d'este anno deve ser entendida em termos, tendo
preferencia nos engajamentos para o corpo sob
s?a commando os ia lividuos que tiverem servido
oomo voluntarios da uairia ou guardas nacionafs
na campanha do Paraguay, quando estiverem em
igaaldade de c indic/ies com oulros concorrentes.
A gualdade, porm, desapparece logo que o vo-
luntario ou guardi nacional se mo-tra inepto para
o servico do corpo.
lto posto, n Vmc. com criterio e prudencia
desligando os soldados incorrigiveis, que por j
lereai servid3 no excrciio nao poden) ser para elle
remanidos, e snbstiturado os por outros idneos.
Eulretanto applique severamente as mfdilasre-
pressivys do regulamenio, embora, como pudera,
sejam muias vetea ioefilcazes.
Ao engenhein encarregado das obras mili-
tares, declarando que>deve mandar fazer oliente
o que I he foi determinado em officio de 14 do cor-
rente, relativamente as prauleiras precisas as
reservas do 9 Latalhao de infantaria.
Ao juiz de orphaos do "enno desta capital,
determinando, em cumprimento do aviso do mi-
msterii da jnslica d^ 5 do corrente, que na arre-
tadacao dos bens de pessoas fallecidas fra do
sea domicilio observe as terminante? disposicS'is
da ordem do ihesouro, n. 405 de 9 dez>-mbro de
1864, cuja loulrioa est de harmona com os prin-
cipios qne regulam a ordem do juito.
dem aoajuizes mumeipaes e de orphos dos
termos da provincia.
Ao promotor publico da comarca de Cabroh,
recommeudado o processo que ja deve ter instau-
rado o delegado d'aquelle termo contra Liberato
Soares da Silva e Secundo Jos de Barros pelo cri
me de homicidio, perpetrado na pessoa do tenente
coronel Salarnino Jos da Silva, convindo colligir
fiiovas e empregar as d-ligancias legaes a sen al
ranee, para que tenha o summario regular anda-
mento, e sejra punidos os reos.
Penarlas!
Ao conselho da compran navaes, appros'ando
a compra qu-f promoveu dos objectos, menciona-
dos em sen offijio de hontem, os quaes sao preci-
sos para supprnntnto do almoxarifado de mannha.
Communicou-se a thesouraria do fazenda.
A cmara municipal da E-cada, declarando
f ite approva as arremaiaces dos impostos, cons-
tante! de sea officio de 27 de selembro ultimo,
Despachos:
Antonio Francisco de Sonza.Trata-se da exe-
cacio de ama verba testamentaria, questao alheia
por sua natureza competencia administrativa.
Declarando, portanto, sem effeito os despachos an-
teriores, remeti o supplieante as juslicas ordina-
ri as-
Coronel Alexandre de Barros e Albuquerque.
Informe o Sr. inspector da thesouraria proviacial.
Catuno Goncalves Lima.Informe o Sr. inspec-
tor do arsenal de marinha.
Felippe Benieio Cavalcante de Albnqnerque.
Sim mediante recibo.
Francisco de Lemos Daar;e.Infirme o Sr. ins.
pector da thesouraria provincial.
Alteres Francisco Correa de Mattos.-Consedeu
a permis i pedida.
Francisca Maria de Jess. Informe o Sr. Dr.
chele de polica. ,
Manrique da Cunha Torreao.Informe oSr. ins
tctor na thesouraria provincial.
Ignacio Gomes Coutinho.Informe o Sr. Dr.
Chela dapoticia.
Jote Hearique Trindade.Informe o Sr. inspec-
<9,* *ariria JotaSaarea Mmtsiro.Junte procuracio e o ti-
tal 46 aferamento do terreno.
ftn Leonillo da Cnh Alcanfor.Opportuna-
maaM aera tundido.
Leopohno Antonio da Fonceca.Eolreguem-se
Sebastio Antonio do Reg Barros.X thesou-
raria de fazenda, com officio desta data.
Theodoro Jos Tavares.Informe o Sr. inspec-
tor da thesouraria provincial.
EXPKDIKNTK DO SECRETARIO.
Offlcios :
Ao Sr. provedor da Santa Casa de Misericor-
dia, participando de ordem de S. Exc. que ne re-
qoerimeoto, em que Antoek) francisco de Souza
pedia o pagamento de um legido a que sua mu-
llier Alexandrina Soares Pereira Nunes se julga
cora direito, proferio despacho remeneado o sup-
plieante para as justicas ordinarias.
Ao coronel Amaro Jos Lopes Continuo a-
zendo Gcar S. Ex-, ioteirado de baver S. S. reas-
sumido, no dia 21 do corrente, o exercieio d
commandante superior do municipio do Limoeiro.
Ao director da escola normal, participando
haver S. Exc. concedido a permisso, que soli.-iiou
o alferes honorario do exercito Francisco Correa
de Mados para matricular-se n'aquelle estabule-
cimento.
Ao chefe de rep.irtir.ao das obras publicas,
declarando xchar-se S. Exc. iotoirado de baver
sido o e engenheiro do 2* districto autorisado a
mandar o arrematante dos reparos da ponte do
Anjo collocar mai um esteio em cada urna das 7
lilas iransversaes, que sustentara as quatro linhas
da me-ma ponte para maior solidez, custando ca-
da um esteio cem mil ris.
Communicou-se a thesouraria provincial.
Ao juiz de direito da comraarca do Pao d'A-
lho, prevenindo-o, de ordem de S. Exc. de que ao
seu officio de 22 do corrente deixou de acorapa-
uliar o edital para o preenchimeoto da vaga de es-
crivao do jury n'aquella comarca, o qual convm
seja remetiido para ter o conveniente destino.
EXTERIOR.
magostado ver com prazer a solacio que Iha in- Meui
dicaes. *tTeto e
N. 7.O Sr. eonde de Bismark ao raimstro pie- i nba provi
nipotenciario da Confederado da Allemanba da de modo t
Norte em Madrid, 28 de outubro de 1870 : Eu
Fomos os primeiro* em re-onhecer n'um disenr-, para conv
so do throno o direito qne a Hespanha tem para sabe perfi'
decidir por si propria sobre o sea futuro. Nrrnos I trioiismo,
affastarcmos hoje deste principio, nem Imitaremos
o exemplo que a Franca deu antes da guerra, pro-
curando intromeiter-se nos negocios internos da
Hespanha, fazendo depender a sua solucao do con-
sentimehto da Franca.
i Esperaoaos as resolucoes qne a Hespanha
adopte nos seos proprios negocios, e mcoubecere*
raos o resultado, fazendo os mais sinceros votos
pela sua felicidade.
N. 8. O ministro dos negocios estrangeiros ao
ministro de S. M. neerlandeza em Madrid :
Haya, 28 de outubro de 1870. 0 re ver
com satis fario a ele i cao do duque de Aosia.
S. M. espera que esta eleicao contribuir para ad-
segurar a pr jsperidade de Hespanha. >
N. 9 O ministro plenipotenciario de S. M. I
e real apost lica em Madrid ao ministro dos nego-
cios estrangeiros de Hespanha :
a Madrid, 30 de outubro de 1870. Sr. minis-
tro : Desojis saber de que modo verla o gove no
imperial e real a candid aura eventual de S. A. R-
o duque de Aosta ao throno de Hespanha.
Tenho a honra de poder partecipar a V. Exc.
que lonze de elevar a menor objeceo contra essa
can Hilatura, o governo de S. M. I. e R. A. faz vo-
tos para que a exaltarn deste principe possa as-
segurar a prosperidade de Hespanha.
N. 10. O encarregado de negocios de Hespa-
nha ao Sr. ministro dos ef trangeiros :
Per, 3 de novembro de 1870. O gran-visir
encarrega-me de dizer V. Exc. qne o governo
oitomano v com grande prazer a escolha do duque
inkores.
'. As innmeras pravas, de
sideraco que tenho receido em mi-
a natal, rae, tem penhorado o coracao
que nao sei explicar-vos.
precisa va de mais esta manifestacao
r-me de que esle povo, to brioso,
mente juntar magnaoimidada e pa-
ma excessi va generosidade.Somante
este valioso e significativo
a ella posto altribuir
ofTerecimeo.
' u.mP4 ">ea dever como soldado e como
brasjleiro, lefeiideudo a minha patria de barbaros
aggressoref
Se ba gloria nisto, aos Pernambueinos, mais
que a nnn perlence ella, porque delles foi* que
prend a Jedicaco e esforco no cumprimento do
dever.
o Aceito^ entretanto, cora reconheciment, que
mai posso iignificar-vos, mais esta prova da ge-
nerosidade deste povo, a quem devo o cora-
cao.
A's 2 horas da manuaa foram as senhoras con-
duzidas para o sala do festim, onde se achava
preparada f ma magnifica meza para cem talheres,
e foi ineetado um luxuoso, delicado e profuso
banquete. Na meta, ilm das senhoras, lomaram
assenlo o Exm. presidente da provincia, o Exm.
general baro de S. Borja e varios outros cava-
llieiros.
O Sr. Dr. Buarque d Macedo, em nome da so-
eiedade patritica, representante dos sentiraeutos
do povo parnambucano, ergneu o primeiro brinde
dirigido ao Exm. geneial, exprimindo-se oestes
termos:
Exm. Sr. maredial.Na vida dos povos, como
na do hornera, s ha um momento de verdadeiro
regosjo, e de real felicidae : aquelle em que a
consciencla do dever sobrepuja a todas as paixoes
e vaidades sociaes.
Aquelle para quera esse nobre comraettimento
de Aosta para o throno de Hespanha. Esta cau-ld* Jiumanidae o alvo constante de suas acedes,
Laura Marta dos Paseos Miranda.Satisfaga o
o fin elige o art 4 do decreto a. 32 de 27 agot>
to 4 1849, e selle o ultimo documento.
Harta AWiaa da Siiu.-Pre$a4eado,
Caudldatiira do duque de Aosta
A Gazeta, diario official de M .drid, ablica o
protocolo dai negociaces offi^iaes que pelo mi-
nisterio dos neg icios estrangeiros de Hespanha se
feram em Italia e junto dos governos das nu-
tras potencias para a apresentacao da candidatu-
ra do duque de Aosta ; e bem as ira o extracto
das comraunicacjs de carcter exlra-offi;ial que
mediaran) na negociacao da mesroa candida-
tura.
Desta publicaco transcrevamos do Commercio
do Ptrto o seguiote extracto :
Resposta das potencias europeas consulta confi-
dencial que por meio dos seas representantes
era Madrid se Ihe fez sobre a candidatura do du-
que de Aosta.
a. 1.Resumo de um despacho telegraphico di-
rigido pelo ministro dos negocios estrangeiros ao
mini-tro de sua magestade britannica em Madrid
com data de 22 de outubro de 1870.
Se a candidatura do duque Aosta fosse
agradavel na cao hespanhola, o g verno de sua.
magestade vera com grande prazer qne sua al
teza fosse aceito como re de Hespanha, e neste
sentido enviou urna communicacao ao ministro
de sua magestade em Florenca. >
N 2.Despacho lelegraphho.O chanceller do
imperio ao encarregado de negocios da Russia em
Madrid :
S. Peter-burgo, f2 de outubro de 1870. Se-
gundo os principios que dirigirn) sempre as re-
lacdes do governo imperial cora as potencias es-
trangeiras, a Kussia julga dever abster-se de qual-
quer juizo ierca do rgimen interno que a Hes-
panha queira estabelecer. (Assignado^Gortscha-
kolT.
N. 3.O ministro plenipotenciario da Blgica
em Madrid .10 Sr. ministro de estado de Hes-
panha :
Madrid, 24 de oatubro de!870.Sr. ministro :
Accedendo aos vossos desejos, tenho a honra de
repetir por escriplo o que de viva voz disse a V.
Exc, que se digoou perizuntar-me se a Belgi:a
poderia ter alguma ooservaco a fazer sobre a
candidatura ao throno de Hespanha de sua alteza
real o principe Amadeo, duque de Aosta.
A Blgica, potencia neutral, qu-rendo perma-
necer estrictamente na situaco que Ihe crearain
os tratados e o direito publico da Eoropa, nao ten?
opinio alguma a manifestar relativamente a e-te
assumpto.
Creio-me, porm. completamente autorisado
para declarar a V. Exc. que sua m'gestade el-
rei e o seu goveruo agradecen! a altenciosa cor-
tezia deste passo, e que na viva sinceridade de
seu votos pela ventura c prosperidade de Hespa
nha nao podero deixar de applaudir as resolu-
coes de ura povo amigo que dispoe de si mesmo
lixando os seus destinos.
1 Aproveito, ele.
N. 4. Despacho telegraphico. O ministro
dos negocios estrangeiros ao encarregado de
negocios de sua magestade Udelissima em Ma-
drid :
Lisboa, 25 de cutubro de 1870.Respeitando
sempre todas as decisoes do governo hespanhol,
foi vista com omita salisfacao a annunciada esco-
lha. a
O ministro dos negocios estrangeiros ao encar-
regado de negocios de sda magestade fidelissima
em Madrid :
< Lisboa, 26 de outubro de 1870.Recebi o seu
officio de 24 de crreme, no qual me participa ter
sido mformado pelo ministro dos negocios estran-
geiros de He de a presentar s cortes a candidatura cora de
Hespanha do duque de Aosta ; candidatura ac;ej-
ta pelo mesmo duque com a reserva da adbeso
das potencias eur< peas, manifestando o menciona-
do ministro o desejo de ser informado por esse go-
verno, se Portugal tem que fazer alguma objec-
co aquella candidatura.
A importante queslao da cleico do soberano,
chamado a elevada honra de dirigir urna naci
eomo a Hespanha, nao pode era geral ser para o
governo portuguez seno o objecto dos desejos de
que essa eleicao assegure a prosperidade de tio
nobre naci. Pelo qne, no caso da candidatura
annunciada, o governo porluguez julga dever de-
clarar, accedendo ao honroso convite feil* pelo
ministro de estado bespanh I, que ao nosso paiz
nao pode deixar de ser mu agradavel que a Hes-
panha crea achar, na pessade um distinelo prin-
cipe italiano, a- vantajosaj condiedes polticas que
o uosso paiz encontrn na dynastia actual, to in-
timamente ligada pelos lagos de parentesco e arai-
zade com o principe escolhido.
N. 5.O delegado do ministerio dos negocios
estrangeiros ao encarregado de negocios de Fran-
ca em Madrid -
t Toara, 26 de oatubro de 1870- Sirva se V.
S agradecer ao governo hespauhol a communi-
cacao que nos mandn transmiltir por occasio da
candidatura do duque de Aosta e responder que o
governo da defeza nacional, no meio das prsen-
los difficnldades e am coosequencia das suas re-
lacotfs com os oatios estados, nao ple tomar unft
deciso acarea da pergunta que se dignaran) diri
gir-lhe. Todava a candidatura do duque de Aosta
e, de todas as que .podiam apresentar se sobo
ponto de vista monarchico, a qne mais nos coa-
vm ; porm, fiel ao sentimanto da sua origera e
ao principio das voalades populares, o governo da
defeca nacional conforma-se com a decio do
paiz, representado actualmente pelas cortes. >
N. 6.O ministro los negocios estrangeiros ao
ministro de sua magestade em Madrid : ,
t Sloekolmo, 27 de outubro da 1870,-^im ; soa
didatura snmmamente grata ao sullo, que co-
nhece pessoalmente o principe. >
N. 11.O encarregado de negocios de Hespa-
nha ao Sr. ministro dos negocios estrangeiros
Madrid :
Roma, 4 de novembro de 1870. Ao notificar
a candidatura real, o cardeal Anionelli respondeu
qne Tazia os mais sinceros votos, para que a Hes-
panha se coostitua definitivamente qu.inio antes,
consolidando se o governo. Esta noile o cardeal
fallar com o papa e amanha saber i a resposta
directa de soa santidade.
Retpostat dadas ao telegramma dirigido aos re.
presentantes de Hespanha n> estrangeiro, par-
I/apando Ihes a apresentacao s cortes da can-
didatura do duque de Aosta.
Despachos telegraphicos : N* 1. Urtuellas, 4#
de novembro.Madrid b\ O ministro de Hespa-'
nha ao Exm. Sr. ministro dos estrangeiros. Ma-
drid :
Recebi o despacho telegraphico de T. Exc.
datado de hoje, oarticipondo-me a apresentacao
corles da candidatura do Sr. duque de Aosta, o
que communiquei a este governo, segando as or-
dens de V. Exc. Este Sr. ministro de negocio* es-
trangeiros nuvio com a maior satisfacio to impor-
tante noticia.
N. 2.Tours, 4 de novembro. O encarregado
de negocios de Hespanha ao Sr. ministro dos ne-
gocios estrangeiros:
t Cumprindo com a ordem que V. Exc. se ser-
vio darme no seu telegramma de h mtem, que
acabo do receber, participei ao conde de Chandor-
dy, qne o presidente do conselho de ministros
tinha apresentado s corles constitumles a candi-
datura do Sr. duque de Aosta ao throno de Hes-
panha; e o conde manife^ton-me, em nnrae desse
governo, que recebia com o maior .'grado a noti-
cia, dsejando sinceramente que a riacao hespa-
nhola inaugtirasse, com a sua constiiuicl) defini-
tiva, urna nova era de paz e de prruperidale.
N. 3.Londres, 5 de novembro. O ministro de
II -spanha ao Exm. Sr. ministro dos estrangeiroa.
Madrid :
Respondendo ao officio em que Ihe dava noli- 1
ia da apresentacao s curtes da candidatura do |
duque de Aosta, lord Granville pede-me que feli- i
cite o governo por ter prap-ista a dita candidatura. I
c accrescenta que saber com satisfaco que
agradavel s cortes e nacao.
N. 4.Roma, 5 de novembro. Madrid.O en-
carregado de negocios de Hespanha ao Exm. Sr.
ministro dos estrangeiros:
f Sm santidade, inleiralo da candidatura jeal
presentada s cortes, resp mdeu, que pede fervo
rosamente Dens que a Hespanha, an eleger rei,
assegure sobre flrmisMmas bises a tranq lillidaie
e bem estar para a prosperidaie do paiz e aug-
mento da religio. >
N. 5. Vienna, 5 de novembro. Madrid, idem,
idsm.O ministro de Hespanha ao Sr. ministro de
estado:
t O chanceller deste imperio, conde de Beus,
a quera dei cooheeimeMo da apresentacao s cor
les da candidatura do duque de Aosta para occu
par o throno de Hespanha, acaba de manifestar
me que, como j telegraphou, e V. Exc. sabe
por va do representante austraco em Madrid, que
este governo v com satisfaco a referida candida-
tura, que tem merecido o assentimento dos gabine-
tes europeus.
PERNAMBUCO.
REVISTA DIARIA.
BAILLE.Teve lugar effectivamente, ante-hon-
tem, nos salde do Club Perniimbucano, o baille
que, em nome do povo de fernambuco, offereceu a
sicidale patritica Doze de Selembro ao Exra. Sr.
general baro de S. Borja.
Os saloes estavam explendidamente decora-
d s, havendo no vestbulo de entrada e no alto da
escadaria varios trophos de armas.
Cerca de sessenta senhoras e de tresentos cava-
lliniros abrilhantaram a testa, durante a qual rei-
nou a melhor harmona e a mais do;e cordialidad
de, dansando-se com animacao desde s 10 e 1/2
h.ir.s da nonte at s 3 horas da inanha.
N'um dos intervalos das dansas c no sali prin-
cipal urna commisso da socielade patritica offe-
receu ao Exra. general a corita de louros, que Ihe
foi votada, pronunciando o Sr. Dr. Joaqun) Correa
de Araujo as seguiote* palavras, como interprete
dos sentimentos da provincia :
t Exm. Sr. marechal. X gratdo nao achou
ainda termos, que a podesse exprimir.
* E' por isto que este puvo, que tos aprecia e
venera, como urna reliquia desta trra de bravos,
salva de sanguinolentos combates, sent no peito
o *ncero enthusiasra:, que provocara vossos glo-
riossimos feitos, mas nao sabe como maoifes-
lar-v a o seu reconheciment.i, como agradecer-vos
o explendor, que dstes ao nome pernambucano
em tao memoravel guerra.
No meio desta festa que se fai em vossa hon-
ra, o povo quer dar-vos mais ama prova dos sen-
timentos, que o dominara, offerlando-vos esta cora
de buros, symbolo tradicional do triumphn.
t De todas as distiBccSes com qne se tem lenta-
Jo remunerar vossos servicos ao paiz, esta vos
deve ser a mais cara, porqae nestas smgeleta folhas
se prendera milhares de coi agdes.
t En Sr. marechal o vsrdadeiro presente da
patri'd agradecida.
V guinte forma o Sf..pi. Araojo:
terao sempre por si a justira uoiversala mais
ambicionada de todas as recompensas.
Nessa epopaa que chanou-se campanha do
Paraguayfoi o dever, nobre, elevado e intransi-
givel, tal qual o mpoe a moral, a divisa nica que
se lia nos estandartes dos-soldados e no corago
do pov brasileiro.
A naco ultrajada nao arabidonava as conquis-
tas nem as glorias dos modernos Afilas: procura-
va a desafronta e a repararlo, zelava a sua honra,
cumpria o seu dever. O pov nao Ihe pedia
mais; e seus filhos, embora inebriad pelos trinm
phos ineessantes e assombrosos, nunca foram
alm.
E' este senher marechal, o mais brilhantc tbrao
da victoria das nossas armas; e, o mais honroso
titulo dessa rtima e sympatbia que por nos e pela
nossa cusa nos testemunboo o mundo civili-
zado.
Desse senliment di nacao vos fustes um dos
mais liis i0trepreies no campo da tataib.
Dissestei cun a ptlavra aos vossos commaoda-
dos o qoe elles J sentan) em seos coracoes : raos-
trastes-lhes o earainho da honra; e voltaes hoje,
vos e soldados, ufanos e contentes dizendo-nos
apenas -cumprimos o nosso dever,
De tanta nobreza, de tanto elevacao de senti-
mentos se orgulha a patria, de quem vSs ontros
bem raereeestes.
E' a partba dessas glorias, vossa e da vossa
provincia que vos vio nascer, que viomos aqui fes-
tejar.
Pernambucn nao flcou quera das suas irmas
nos esforc >*, na ardor com que seus deoodados fi-
lhos se empenharam na lucta ; e cojbe-lhe anda
a rara ventura de ver frente do exercito nacional
um dos seus lilii k queridos, cujo nome a historia
escrever em caracteres iodeleveis.
Esse nome, Sr. mareehal, o vosso. A elle se
preodem feitos memoraveis, que por si s fazem a
honra de urna naro.
QianJo ura dia os vindouros compulsaren) as
lenda- desse calaclisma moral da repblica do Pa-
raguay, tambera ahiemeada inscripro se encon-
trar esse nome ligado aos mais ousados commet-
timenlos ;c ento os nosso? filhos orgulhos, di-
rs : era o nome de um Pernambucano.
Bem vedes que aquello que tantos titubs rene
nussa graiidao, na 1 podia voltar esta ierra, que
tambera a sita, e da qual ha mais de um quarto
de seculo se ausentara, sem que um a um todos
nos o saadassemos.
Interprete d'esse sentimento, e para saldar urna
divida nacional, a sociedade patritica12 de se-
embro poz se frenle d'esta manifestarn qne
aqu hoje recebis ; e me incumbe de, em nome da
provincia, de que ella se conslilue orgo, saudar-
vo? pelos vossos relevantes servicos nacao, e pelo
vosso feliz regresso ierra natal.
Senh ires I Eu proponho iim brinde ao mare-
chal Victorino Jos Carneiro Monteir.
Em seguida o Exm. Sr. general proferio as se-
gnintes palavras de agradecimento ao povo per-
nambucano e a sociedade patritica, sua fiel repre-
sentante, cooi'luiodo por erguer um brinde esse
mesmo povo:
Senliures.Agradero com o mais profundo
reconhecimenlo esta prova to significativa da
consideraco e apreco, com que me honram meus
comprovincianos.
0 Se enihusiastas das glorias, que o paiz con-
eguo na campanha do Paraguay, elles applau-
dem e festajam o obscuro soldado, que nessa luta
memoravel, procurou sempre nao desmerecer do
prestigio, com que nossos antepassados cercaran)
o valor pernambucano, devo dizer-vos, senhores,
que s rae pertence a satisfaco de ter cumpndo
o meu dever; pois que o legado glorioso, que nos
deixaram nossos maiores, ha de ser sempre cum-
prido quando chegar a soa vez, por todos n-,
que tivoraos a fortuna de nascer nesta provincia.
1 Assim, nesta festa, que me offereceis em nome
do povo peroambucano.eu descubro um laeo intimo
qae nos prende a todos nos por um legitimo or-
gulho, que sentimos, reconhecendo que nenhum
de nos In de mentir s tradiccoes gloriosas, em
que fomos embalados, sempre que a patria exi-
gir nossos serviros e nossa dedicaco na defesa de
sua dignidade e de sua honra.
f Brindo, pois, ao brioso povo pernambucano,
aqu representado especialmente pela sociedade
patritica Dose de Selembro.'
Alguns minutos depois o mesmo Sr. general er-
guen um outro brinde dirigido ao Exm. Sr. presi-
dente da provincia, que, por sua vez ergueu o
brinde de honra a S. M. o Imperador
Pouco aps o Sr. V. Palheres reclou as se-
guintes patriolicas eslrophes dedicadas ao Exm.
Sr. general :
Estamos alm do mundo,
Sobre urna nesga do co
Que vemos ? A Taz dos astros
Roma laurea Pompeu.
Assim que o povo paga
Ao braco, funte que o alaga
De flores ou de clares
Cbegamos a ser sublimes
Vingamos todos os crimos
De velhas iogratides.
Pernamhuco, este En^eladov
Que os Andas pisara a rir.
Argonauta dos abysmos,
Ensinai nos a surgir.
Ah I se a gloria um precij>tax.
as a*as do sacrificio
'Galgaste-o, e paraes nos reos !'
Santifkae a escalada
Nos copos da vossa espada
Apresentae-nos i Deus.
V. Pautares.
Na segunda mesa hooveram mnitos e variados
brindas, entre os qoaes alguns de sympatrtia de
estrangeiros pelo Brasit e de brasileifos para com
diversas nacet all representadas.
Nos intervalos dos brindes urna banda de-mn-
siea touava no salo do festim, e durante a estra-
da dos convidados pata o bmte, tres band; de
msicas tocavam no vestbulo do edificio.
FE3TIVIDADE RELIGIOSA.Celebra-se aa-
nha, com toda a pompa, a festa 'de Santa Rita de
Cassia, era sua igreja. Ser orador do Evaogeltso,
o Rvra. prgador da capella imperial Prei Joaquim
do Espirito Santo, e do Te-Dettm o Rvm. Fre Jo>
de Santa Thereza. A msica da fasta, composi-
cio de Guiseppe Sivori, ser dirigida pelo insigne
professer Fraucelino Domiogues de Moura Pessoa,
e cantaro os solos alguns particnlares. A igreja
ltimamente reemfbada, achase elegantemente
adornada.
DIA DOUS DE DEZEMBRO.-Hontem. da ani-
versario do uaulicio deS. M. o Imperador, estive-
ram embandeirados os navios surtos no porto, as>
etacoes publica* e as casas consulares, dando a
foruim do brura e o brigue-barca ttamnrac as
salvas do estyllo.
A' tarde houve cortejo efflgie de S. M. o Io>-
perador, no palacio da presidencia, o qual foi
bastante coneorrido.
A tropa de bnha e a guarda nacional, divid las
era duas brigadas, arrumaran) no Campo das Prin-
cezas, para fazer as honras devidas, havendo
noute espectculo em grande gala no thealro de
Santo Antonio e no pavilho Santa Isabel.
PACO DA ASSEMBLEA.-Como tnha sido pr
viamente determinado, effectuon-sa houtem s >
horas da tarde, com a solemoidade usada em tae>
actos, o laucamente ofUcial da primeira pedra do
edificio do paco daassembla provincial de Per-
namhuco.
Achararase presentes ao acto Ss. Excs. o Sr.
presidente da provincia e commandante das ar-
mas, o Sr. Dr. chefe de polica, director das obras
publicas, alguns depu'ados geraes e provineiaes,
chafes de rsparticss publicas, offlciaes de trra e
mar, e malta* nutras pessoas gradas, alm de um
concorto numeroso de cidadios de todas as
ca-sen. I
Fizeram as honras militares os batalboes de li-
nhi actualmente na provincia.
Na occasio do lancamento da pedra subi ao
ar urna grande qiianlidade de foguetes.
IRMANDADE DA SOLEDADE.-Amanha deve
reuoir-se a assembla geral d'esta confraria, alio)
de proceder eldicao da mesa administrativa para
o anno do 1870.
HOSPITAL PORTUGUEZ DE BENEFICENCIA
Para a eleicao da junta administrativa d'este
estabeleciraento, deve reunirse amanha a assera-
bla gerat dos respectivos accionistas.
LTILIDADE PUBLICA.-Deve reuuir se hoje,
s 2 no.-a- da tarde, a assembla geral dos accio-
nistas d'esta comianhia de segaros, de conlormi-
i.iti com o art. 39 dos seus estatutos.
CELEBRE CORRESPONDENCIA. Damos em
seguida alguma* cartas intimas trocadas entre
dous personagens 'Ujo procedimento foi fata
Franca, o ex- imperador apoleo e Mr. de Mor-
ay :
Napoleao Moi-ny.19 de dezembro de 1848.
Charo amigo.Celebra-se amanha a sesso so-
lemne da minha insinuaran ; vos, qne conheceis
os meu* projectos, ides rir-vos s bandeiras des-
pregadas quando me onvirdes prestar juramento
de obediencia e felidade repblica.
a Km todo o caso, nao faltis, p)rque dese-
jo que me digaes se fiz bem o meu panel.Piupo-
leao.
' tlorny Napolcao.20 de dezembro de 1848.
Meu charo piesidenie.Dou-vos e ie nome ns-
pera de vos poder d .r outro melhor. Eslivestes
hoje magnifico.
Por muito boa opinio que eu tivesse do \osso
sanguc fri u da vossa dissiranlaro, nao Julgava
achar-vo to cninp'et).
Quando estendestes a mo para pronunciar as
palavras sacramenta.s, nem uu s msculo da
vossa pbysienomia se alterou ; nao pude descu-
brir o mais leve sorriso debaixo do vosso bigode ;
parecieis to c nvicto, tao sincero, que ouvi
urna voz gritar das tribunas : Muito bem jura
elle.
Pelo qnevos felicito,Morny.
P. S.Das primeiras migalnas do festim que
vos cahirem entre as mos, ruuio vos agraiiecerei
que dirijaes algumas para a minha bolsa, que es-
t vasia.
Napoleao Moray.Fevereiro de 1851. ao
vos ecculiarei, meu charo amiga-, que a assera-
bla nacional me enfastia.
E' ura perpetuo conflicto entre a minha auto-
Essa cera de fogo;
Sae do peito de um volcn
Tomae na testa essa aurora
E destombrae a smplidao.
Cem tal areola as frates
Mos ra tos aos honsontes,
E o sol da otaria vira,
De tona em zona toband
Per cima de vos rolando
Affagr o party.
ridadeoaque pretende impor-me, e bem sabis
que na) estou disposto a supportar senaelhante tu-
tella.
t A demissao de Changareier, cuja iaterven-
Qo me desgostava sonre modo, excito nova-
meote eontra mm lodos esaes alborotadc#es que,
se querero vingar mseravolmente, recusando-mea
bagatella do 1,800:000 francos de que tenho im-
periosa ne:*essijade para as minlus duspezas de
representa gao.
Por isto nao pude satasfazer a vossa ullima. exi-
gencia.
Tralae de fazer com que oa vossos credores
tenham paciencia. Da vira em que pessamos dis-
par da chave do cofre.Napckao*
* llcrnjj NapoUo.Novembro de 1851.Eo-
lio t Que esperae ? Que vos maulem para Vm-
cennes t
A situaco s pode ter por desentaca um gol-
pe mostr ; procuremos conservar o comman-
do. E demais, j tempo de acabar cora isto,
falta-nos o dinheiro, rejeitam os nossos crditos,
e os ag-uaeii vieram boje penhorar os meus tras-
tos.
Procede com aotividade. Morny.>
Nopoleo Atomy.Io de dezembro d 1851.
Esta ooita ida ao Colisseu com Maupas, Mag-
uan e os demais. Amanha do mauhaa passainos
o Bulacon. Tratemos de nao nos afogaraos.Na-
poleai1.
< Morny apoleo.I' de dezembro de 1851.
A ordem reina em Varsovia. S ba republica-
nos em Cayenne e Lambessa.
t J ha veis de saber que alguna* se deixaram
fusilar estpidamente 00 boulevard Moot-marlre.
Isto de curiosos sao ineorrigiveis.
< Nao vos esquegaes de me reeomraendar a
Mague.
Agora podemos estar descaugailos.Morny.'
Napole&e iorny 23 de deaembro.Meo
acharo cmplice :
, t Mague ha de mandar entregar-vos boje um
bond de 200,000 francos sobre o thesouro, para
podtrdes salvar vossos trastes.
Sabis o numero d votosT 7,500:000.
t Qne pensis do povao fraocei f Yepo-
Ifaflo.
Morny Napoleo-. 10 de dezembro d
183. Isto est feito ha oito das. O, her^
rdicalarisado de Strasburgo e Boologne chama-
se Napoleio III, imperador ds fraocezes.
Atreve'-vos a negar boje a forca do en des-
tino e a influencia da estrella dos Napoleoos, de-
que tanto lendes cagoado.
Notac esta coincidencia de datas :
t de dezembro de 180t>, baialha de Ausw-
litz.
10-de dezembro de 1848, miaba nomea ?ao d*-
pfesideote.
20 de dezembro de 1848, o meo jurame.lt.
2 de dezembro de 1*51, o galpe de estad.
21 d9 dezembro de t8*l> o meo primeirople-
biscito.
2 de dezembro lelUfca tatrt assesso :<
threno.
mo agosto o de Augusto.
Aftaty Naitoteao.Achei dona vlkks que BM
conveem admiravelmente.
Sahi da legalidade para entrar Bo'ireito. bM
para os malvolos, 0.
Sa!#ei a sociedade da aaorebia. Isto para o? -
toloi.Merny.r
ESTABELECIMEXTO DE ttARIDABE. Movi-
mento de hospicio de aliesedob na Misericordia
d Olindh, do 1 ao nltimo de novembr de 1870.
Exisaro 28 hontens e 48 malhere*, entraram
3 homens e 1 mulher, sahiram I humen e 1 rou-
Iher, m irreram 2 mnlberes, existem- 30 hwnens e
46 mulSeres.Total 76.
Existtm 10 empregados neste estabeseerrjto, 7
homens e 3 mulheres, sendo: 1 regente, I medico,
I capello, porteiro- > sachristo inierinwl; 2 en
fermeiro, 1 barbetro, 2 eofivmaira e 1 cosi-
hheira.
Foi visitado o mesmo estabeleciHaent peto Sr.
Dr. Joo Maria Seve, nos da 4 e 8, as 7 horas
da mauhaa o qual eslava fazendo as vezas ri .
fallecido Dr. Firmo, e no- diaalt; 14, 18, 21, 2.%
e 29, as 6.1/2, 7, 7 1/2 e 8 horas da mantea pelo
respectivo medico o Sr. Dr. Iriniro Cesar Couli-
nbo.
Advertencia.
Entraran :
Nn da 'O; ura homem de nome AugusDo- Carlos
da SHva Costa, branco, solteir, cora tf> anuos de
idadee natural do Recife.
No da 14, ura hmnera de noae Joo Antonio de
Barros e Silva, branco, casado, com 45>aaoos de
idade e natural da villa di Escaria.
Ne dia i.'., um hornera de neme Augusto Jos
Perer 1, nardo, soi.eiro, com 4d aho ds idade e
natural do Recife.
No h 17, urna mulher de nome Adelaide Maria
da Conceigo, parda, solteira, cem 24> aos de
idade e natural dos Afogados.
Sahiram :
No dia 6, um homem de nome Joaquinv Pereira
da. Suva, pardo, solteiro, com 39 anav* de ida i-- .
natural da Parahyba, e entrou para este esUbelc-
cinienlo a 7 do jiinho do correte anno.
No dia 23, urna mulher de neme Maria Joaimin.i
dh Conceigo, parda, solteira, com 3Jhtei de
idade e natural da Parahyba, e-entrou. para este
estabeteeimento a 13 de fevereiro do currenb*
anno.
Fallecern :
No dia 9, ama mulher de aorae Vitalioa Maria
da Conceifo, branca, solteira, com M annns de
idade e natural do Aracaty; de inflaina^o n" li-
gado, e entrn para este estabelecimeaio a 14 de
novembro do anno passado.
No dia 12; urna mulher de nome Mergelina de
Mello ',,-.: Ramos, branca, o&sada, oom 25 anno
de idade o natural da Parahyba: de ioflamaga
nos imtestinos, e entrou para e>te estab leciineul-
a 29 de jolito do eorrente anno.
Existem neste estabeleciraento, 76 alienados, 7
a costa da caridade e 5 que pagara a casa.
Hospicio de alienados em Olio Ja,. Io de dezetu
bro de 1870-
O mordomo do raez,
Amaro de. Burros Corren.
O regarte,
LuizdoReifO Bu/tos.
LOTERA.A que se acha veoda a. 1734a
Deneficio da matriz de Jaboalik), a qual corra ;ii-
da 6.
CEMITERO PUBLICO.Obituar* do 'dia CO-.dV
novembro.
Maria, preta, escrava, 21 aaoos, solteira, Saata
Antonio; gastro hepattte.
Luiza, escrava, parda, Pernaaaiuc, 12 anuos.
Santo Antonio ; febre amarellai
Adolph, pardo, Pcrnambucov 3 annos. Boa-
vista ; gastro hepate.
Joaquina, parda, P^rnambuco 20 annea; soltei -
ra, Graga, pleuriz.
Lnia Francisco Roberto, parto, casado, 30.an-
nos, Graga ; espasmo.
Daraio (recem-nascidn), pardo, Pe>nambuc.
Boa-vtsto ; ao nascer.
Rosa, parda, Pernamouco, 3 nnos, S. Jos ;
coqueluche.
Geraldo Bispo da Silva pardo, Pernaral>ncn, 20
annos, casado, Boa-vista ; febre amareila
Mana Francisca Rosa,, prela, PerBanbu<',>. 60
annos, solteira, Boavista ; tubrculos pulmonares
Jos Vicente Becerra, Indio, Pemansbucj, 2i .
anios, solleiro.S. Jos ; febre typhoioV.
Jos, pardo, Pernambocn, 2 mores, Santo Aot
od ; fraque congenita. ^
L*de dezembro.
Mana (recem-naseida), parda, Parnambuc :
pouco depo:s que nasceu.
Leoncio, braoeo, Pernambnco, 16 mez',S.
Jos; dyarrhea.
Ignez'Maria da Conceigo, branca, Pernambnco
85 annos, vi uva, Santo Antonio ; velhice
Jos, branco, Pernambuco, 10 raezes, Boa.vi.ta .
msse convulsa.
Ismael Amavel Gomes.da Silva, branco^ 39 an-
nos, casado. Roa-vista; endigestao.
Mara de S. Pedro, pirda, Pernambuco, 42 an-
uos, solteira, Boa-vista, phtysica pulmonar.
Lucina, preta, 50 annos, solteira, Boa-vista : fi-
bra maligna, hospital Pedro II.
PUBLICACOES A PEDIDO
Itamardca'.
Eu abaixo assigoado A. F Aleatharro, Oilise
ro, ex-subdelegado do lempo da liga, oavalleir -.
da Rosa da mesroa poca, em pagamento de mi
nhas faganhas 01c. etc.
Declaro sob minha palavra de cavaUeirn, :
verdade a sorra que tomou o ci ladrador, iv
sertao, sabendo elle melhor do que eu o nome
desse sertio, pois d'oode veio ltimamente
at quem o Kvrou da d~e ser maior, foi orna res-
peiiavei pessoa moradora oa cidade do Gyyaaoa
que n'essa occasio estava temporariamente resi -
dindo na juelle lugar.
tem, que o mesmo cao na soa folii poca d.
subdelegado surrou e deu palmaloadas em vanas
pessoas livres deste lugar, sendo a mais escanda
losa a que soffren a parda Paol, amarrada 6
suspensa n'um dos eairos do qnartel do desta-
camento (j pagon no serlio); prenden por des
abafo do suas paixes polticas, proprieUrios 1*5-
peitavei e remetteu-os para Igoarass montados
a cavado, sendo estes puxado pelo cabresio,
alm do recratamento que fez a W#0Q0 por ca-
'N^


J





Safcbad
o 3 d Dczembro de 1870
m\m mt WM&
tem, qae M a autoridade competente o quizar
processar pelo cnme das surras supracttadas ha
muiias leflatedMha* de vista, prompU a deporem,
e eatlo l \ri o pobre cao habitar pela segunda
*n a cadeia de Iguaras tende sido a primeira
pr um tiro que desfechou no inofensivo velho
Antonio Joio, do qUal estove a roerte, e Isto por
negocio de uro rogado (parcce-me que dcase crime
anda se nao livrou no jury).
Infelizmente a cadeia de lgcarass nao tero
professor de instruccio primaria, porin so o cao
for parar na casa de deleneao no Recife, (o qne
tarde on cedo succederi piar que quero muitas
faz ero algumaj ca), la encontrar o profesar
Manoel Lopes prompto a eusinalc a fazer corres
pondencias, por.n someule o far bolos.
tem finalmente .qae o cao est agora peior da
maloquice nada lh tendo servido Os banhos cam-
bronesados que to.Tion no grando tanque das
Cinco* Ponta no Recife, d'onde veto a poneos
das.
Concluindo tenho a pedir ao cao ladrador qne
nao suppnma suas correspondencias do Liberal,
como d a entender no do Io do crreme n. 313,
porqne conheco varios amigos que assignaram
su por causa deltas ; um dellcs est compondo
nm diccionario de asneiras, e suas corresponden-
cias Itae tem sido ura auxiliar poderoso i outro 'iz
que ellas servem de scenas cmicas ao Li-
beral.
Ora, j v o cao que se eio continuar a dar
copia de si, deixa muita gente desgostosa : Oca
nao faca isla senhor cosiuao I
Ooiteiro.
Constando ao abaixo assignado, que a sua
mulher i). Francisca Seutiorioba de Mondon-
ga Pinto, a titulo de aimentos, pretende
alienar bens do casal, declara o abaixo as-
signado ao respeitave publico, previne as
-competentes autoridades que a sua dtta mu
llier. a quai desde 41 de maio de lti
^est na posse, administragio, e goso dos
bens do casal, nicamente por tolerancia do
abaixo assignado, nao pode por modo al-
gum alienar beos de especie alguma, atteoto
o direito, que ao abaixo assignado compete
n3o s como ebefe do casal, e seu adminis
Irador, seno tambem atientas as clausulas
da escriptura antenupcial, lavrada ein 2 de
setembro de 1864 ; e que, sabindo da tole-
rancia, em que individame1 te tem jaido e
fundado as decisoes dos tribunaes, e leis
do paiz, usura de todos os recursos, <
meios legtimos para lazer valer o seu di
reito contra qualquer alienado, que faca ou
pretenda fazer a sua mullter. e assumir a
competente adminstrac5o e posse dos bens
respectivos.
Recife, 30 de uovenabro de 1870.
Joaquim da Silva Reg.
te dte inCBiio branco refinado, alc^ria, aramia, assocar braacoj
grosso, bacalho, IjoUeha, botacbiite ameriae**,
caogica ou roilbe pilado, cafe ero gran, caf **
do, cha hvsson carne verde, eevadinha, carie
secca d Rio Grande do SAI, carnauba era velas,
feijae, farinha de mandioca da trra, gatinhas, le-
nha, matte, manteiga ingiera, roatneiga franceza,
pao. sabio maasa, sal, Umicjbuo de Luaoa, tapioca^
tijofo de alurnaria gryjsa, ceiba, vrnno de Lisboa,
velas stearinas, vinagre de Lisboa, e velas steari-
nas de 8 em libra propria para lasternas.
Tambem o conselho no mencionado da 5 do
crtente mez, de igual lrma, -promove a compra
dos seguintes objectos do material da armada :
10 baidaaderras de foiha, 10 duzias de chicaras
e pires de folba, 20 tuniz de foiha, 100 lapes de
cores, 100 lapes pretos, 2 o mos de alcance, 8
duda? de tigelas de folha dobrada e 6 va roes de
ferr quadrado de 4 polegadas em quadro.
Sala das sessdes do conselho de compras navaes
1* de dezembro de 1870.
O secretario,
Alexandre Rodrigues doe Anjos.
mmmsfm
Paquetes a vapor
- "P TVva nnrtni An ni i -. Ar.
MOVIMENTO 00 PORTO.
Navios entrados no da 2.
.Vw-YorK 48 dias, patacho americano Amrica
Union, de 292 toneladas, capito Collins, equipa-
gera 8, carga farinha ao trigo e outros gene-
ros ; a Juhnston Pater 4 C.
New Castle55 dias, lugar inglez Ameba Wilson,
de 208 toncadas, capito John Watson, eqnipa-
gem 8, carga carvio : a Wilson & He. Seguio
para o Rio de Juie. ro.
Terra-Nova3o dias, escuna ingleza ilerit, de 218
tonelada;, capito Caunter, epuipagem 8, carga
2.629 barricas com bacalbo ; a Johnston Pater
&C.
Maoio sahido no mesmo dia.
Liverpoolbrigue inglez Agenora, capito War-
risson, carga algodo
EDITIS.
O Doutor Sebastio do Reg Barros de La-
cerda, juiz de drelo e especial do com-
mercio uesta .dade do Recite de Per-
nambuco por S. M. 1. etc.
Fa;o saber aos que o presente edital vi
rem, e delle noticia tiverem que oo 'u 9 de
dezembro do corrate auno se ha de arre-
matar por venda, a qnem ruis der em praca
publica (leste juizo, spete da audiencia res-
pectiva mil pe^as de chitas brancas, escu-
ras, encamadas d* li*tras do cores, pretas
e riscadinhos, c i:n 23.-98H metros a 6)J000
a peca, importara em iOOGflOOO, as quaes
vao a praca por eteco^So de Jos Fernan-
do Gomes, contra ioio -Evangelista de S,
e Joio Antonio d'Amorim.
E na falta de lanQadorw que cobra o
preco da avali;!f't ser a arrematado feita
pe pr-co da adjodjcaeJo cora o abatimento
da lei.
E para que cliegue ao cunhecimento de
todos, mandei putar o presente, que ser
publicado pela iraprensa e aixado nos lu-
gares do costume.
Dad.* e paseado nesla cidade do Recife
de Pernambuco, aos 9 de noveoibro de
1870.
Eo, Ernesto Machado Freir Pereira da
SiUa, eecrivo o subscrevi.
Recife 29 de novembro de 1870.
Sebastio do Reg Barros de Lacerda.
FAlULDADB lE D1RE1TU UO
RECIFE.
D-i ordem do Exm. Sr. director, e em cumpri-
eaealo do aviso do minuterio dos negocios do im-
. n:rio de 22 de novembro do corrente anno, se faz
publir-i que a inscripeo para os exames de lin
gua naii na!, se abrir-boje Io d> corrente, e
''minear at o dia 5. O que se preten J r los-
ererer deveri fazo lo na secretaria dfsta Facul-
dade por meto de requerimento ao Exm. Sr, di
redar, com a declaracaa da materia a que se lera
deioscrever, eattestaio do director do collegio,
ou professrfr que o hoaver entinada cenillcanco,
-na hitbililaeao : a letra e assignatora do reque
rmenlo, devem ser do ptoprio punho do exarai
naodo ; ludo de coofurmidade com os artigos 1' c
2 da MistrucQoes que baixaram com o decreto
n. 4430 di 30 .le onmhro de 1869.
Secrtria da Faculdade de direito do Recife 1"
r dezembro de 1870.
O secretario interino,
.".U.-.oel Antonio dos Passos e Silva Jonior
Parante acamara inuni;ipn| d'esta cidade de
Olinda, e*iari em has'a pabca nos dias 1, 7 e 1K
do mez de dezembro prximo viodouro, para ser
arrematado por qnem mais nfferfeer, o impasto da
aferico de pesos e medidas do nwa padro-.do
imperio, pl quaotia de 1:1131, sendo o arrema-
tante obngado a aferir os da mesma cmara, sem
Bdemoisaco alguma.
E porque s-js dita arrematado feita um pouco
-lariln, dve ter lujar a aferico do corrente ann>
munii-ij.il nos mezes de juuno e juibu, e uos an-
bw .-i-untes de oi't-.bro a dezembro, o de abril a
junho.si'Bdo, porin, os aconjues obngados a re
ferero de tre em tres raezV?.
Eitar tambem eoi hasta publica nps dias cima
omeionadoa, o afuramento perpetuo de 15 pal-
mos de terreno sito no becco denominado Carim,
de conformidade cniti o di-po>to an aru45 das
5 de 2S Ae
jaldo ao corrate anno, pela quaoiia de 3*00S
annual. Os priendentes deverao comparece' nos
referido dias eom sen- fiadores, comuetenlemenlc
h iMUlado, na f.-,- la fei.
i .) ai cmara municipal de Girada, 24 de no-
vml)ro do 1870. Manoel Antonio do* Pattos e
Mea, pro-prcsllente..Marcofmo Dio?de Aranjo.
secretario.
Consulado provincial.
Xa forma do art 50 g 1 da lei provincial n.
963, avi-a-se por esta reparticSo, a quera inters-
sar possa, qne com o mez de dezembro prximo
brese o praso de 30 dias all marcados para o
pagamento voluntario dos imposto da dcima
urbana e de 5 0|0 sobre a rend dos bens de raz
de corporaedes de mo morta, relativos ao 1* se-
mestre do corrente anno financeiro de 1870-71,
incerrendoos conlribuinies que nao realisarem o
mesmo pagamento no referido praso, nifcommi-
nacao do 3 do citado artigo.
Consulado provincial 21 de noverambro de
1870.
Se'vindo de administrador.
A. Witruvio P. B. e Accioli de Vasconcellos
SANTA CASA DE M1SEH1COKIA DO
RECIFE,
A Illma. junta adjmlnistniliva da Santa casa de
Misenc rdia do Recife manda fazer publico que
oa sala de suas sessoes, no dia 8 de dezembro, pe-
las 3 horas da Urde, tem de ser arrematadas a
quera mais vantagens offerecer pelo tempe de un
a tres annos, as rendas dos predio em seguida
declaradas:
ESTABELECIMENTOS ^E CAIUDADE.
Ra de Hortas.
Casa terrea n. 41.......303*000
Ra de Santa Rita.
Sobrado n. 41........161*000
Ra do Xogueira.
Casa terrea n. 17....... 303*000
Travfessa de S. Jos.
Casaterrean.il....... 169*000
PATRIMONIO DOS ORPHAOS.
Ra de S. Jorge (eutr'ora Pilar)
Casa terrea n. 105................. 151*000
dem idem n. 99................... 365*000
Os pretendentes deverao apresentar no acto da
orrematacao as suas flaneas, on comparecerero
acempanhados dos respectivos fiadores.
Secretaria ds Santa Casa de Misericordia do Re-
cife, 30 de novembro de 1870.
O escrivo,
Pedro Rodrigues de Sonza.
Pela recebedona de rendas iuternas geraes
se faz publico que naste mez de dezembro que
as irmandades religiosas, os bancos, companhias e
sociedades anonymas e quaesquer asoeiac5es
pias, beneficente ou religiosas teem de pagar a
decima de roao morta, livre de multa, relativa ao
1 semestre do txercicio corrente de 1870-71, e
que, fiado o referido praso, ser paga com a mul-
ta de60|0.
Recebedoria de Pernambuco 1" de drzembro de
1870.
O administrador,
Manoel Carneiro de Souza LacerJa.
Crrete geral.
RelacSo das cartas registradas, procedentes
do sul e norte do imperio, existentes Da
repartc5o do correio em 2 de dezembro
de 1870.
Amelia Alves de Fipneiredo, Antonio Jos de
Araujo Braja'. Bernardina Mara da Silva, Heraro
Manoel Francisco dos Prazere?, Francisco M. Pe-
reira Diniz, Francisco Delfmo da Silva, Flix Pe-
reira Simas, Hearique Jos de Salles, Joo Pedro
H. Correia de Miranda, Joo Francisco Batos de
Oliveira, Julo T. Marsillac, Jos Pereira ds Santos
Aodrade, Jos Bariholomeu (i), Jos de Matiaibiis
Machado, Jos Vianna Vaz, Luiz ManoeJ de Oli-
veira Mendes, Luiz Manoel Rodrigues Valenca,
Luiz Antonio Pereira, Leandra O. Alves de Carva-
Iho, Manoel Ribeiro Barreto de Menezei.
O encarregado do registro,
Manoel dos Pa>sos Miranda
Arrematapao.
Vai a praga no dia 5 do corrente depois de
Anda a audiencia do Sr. Dr. joiz de orpbos, 1
supplente, e pelo cartorio do escrivo Guimares,
urna pequea parle que possuem as menores Ma-
ra e Joaquina, na casa de sobrado de um andar,
sito a ra de Hortas n. 110, pela quantia de
412*138.
THEATRO
L11A IMiCEM
EMPREZACOIMBRA
Domingo 4 do corrente
AS 5 Ir! HORAS DA TARDE
Grande' e variado espectculo
Dividido em quatro partes.
PIBA Billt
Primeira parte.
A linda opereta em um acto
Les Hirondelles de la ru
Segunda parte.
K grande scena da declaraco na opera
LA GRAND DUCHESSE
Terminando com a quadnlha
CANCN!
Terceira parte.
A mu to linda e mimosa opereta em um acto,
Chicard et Bo
Quarta parte.
A linda canca> a hore da opera
LA GRANDE DUCHESSE.
Toma parte neste espectculo toda a rompa-
ama.
Entrada-----1*000.
SECLABACOES.
Conselho de compras navaes
O conseibo contrata no dia 5 do correte mez.
vista de proposta recebidas at as II oras da
liae sobas c ndicfiesdo eaiylo, o fornecimen-
ti no trimestre de Janeiro a mar^o do anno prxi-
mo viadouro, aos na' ios da armada e eslabeleci-
meutos de marluha, de viveros e outro objectos
de consumo seguutea :
Arroz do Maran'io, azeite doce de Lisboa, atei-
P
AVISOS MARTIMOS.
COMPANHIA PERNAMBCANA
N&vegagdo costara por vapor
Fernando de Noronba.
**

As doze bura da maobia
do dia 6 de dtzerobro prxi-
mo futuro seguir para aquel-
lo porto ura dos vapores tiesta
__________w compaiihi.
Recebe carga at o di* S, encommenda, passa-
geiros e dfnherro a frete at as 10 horas da ma-
nbaa do dia de na sahida : no escriptorio do Porte
do Mattos o. 11
Rio de Janeiro.
O patacho nacional Esfirga a sabir at o Oro da
mez, anda recebe alguma carga : a tratar no es-
criptorio de Jos Mara l'almeira, largo do Cor'po
Santo n. 4. I' andar
Para Lisboa
Sahe c*om a maior presteza o brigue wtuguf z
Una l, capito Aatonm Francisco Vieira : para o
resto da carga e pasageiroyraaa-se com o raes
mo capito, ou com os consignatarios Tnomaz de
Aquioo FonsecaA C. Suc- sore, ama do Viga-
rio n. 19.
.L^k
*A%
Dos portos do snl esperado
at o da 8 do corrente o vapor
rtNW, coaMnandante o 4 U-
i nenie J. Caodidj Duarte, o qnal
___________ depois da demora do costunje,
{Dir para Desde jreeabem se pawageiros e engaja-ae a
carga qae o por poder cooduzir, a quaTleveri
j.er embarcada no da de tua ebegada, encom-
mendas e diaheiro a frele at as t (oras la tarde
de sua sabida.
Nao se reeebem como eneommendas seno ob-
jectos de pequeo valor, e que nao exeedam a i
arrobas de peso ou oito palmos cbicos de medi-
gao. Todo que passar destes limites dever ser
wibarcado como carga. t
Prevlne-se aos Srs. passageiros que sua pas-
sagens s se reeebem ai agencia, roa da Cruz n.
57, prmeiro andar, scripierio de Antonio Luiz
le liveira Azevedo & C.
LEILAO
DE MOTIS
na rw da Soledade can n. 56.
O agen Pontaal, competentemente autensado,
vendar eavMIo os movis loguintas : 1 atobilia
de Jacaranda a Lniz XV, 3 reos eapetho, 4 jarro
de parcelaba, i figuras de dito, 1 toilette de jaca-
randa com marmore, 1 lavatorio com dito, 1 cama
de Jacaranda gara casal, 1 piano, S escarradeirai
2 guarda-reapjas, 1 bidet, 1 aparador eom mar-
more, 1 guarda-louca, 1 mesa elaatiea, 1 sof de
amarello, cadeirasde balanco, de bracos e guarn-
cao, 1 apparelho de porcelana para {antar, 1 dito
de dito para cb, garrafas, compoteiras, clices e
copo, 1 cadeira para piano, 1 magnifica urna, 1
machina para costura, 1 realejo, berco*, 1 mar-
quezo, 1 cama de amarello para casal, 1 sof de
moguo, 1 toilette de dte, S censlos de Jacaranda
com espelbos, 2 pares de lanteraas e mu tos ou
tn eojeetos que estaro patentes na occasilo do
leilo
Terea-feira
^ de dezembro
na ra da Soledade, casa n. 56, as 11 horas.

=
COMPAMflLlA
DAS
Mes^egeries Tnartenies.
At o dia 11 do corrente mez espera-se da Eu-
ropa o vapor franeez Gtronde o qual depois da
demora do costme seguir para Bnenos-Avres,
tocando na Baha, Rio de Janeiro e Montevideo.
Para conducSes, frele e passagens, trata-se
na agencia, ra do Commerelo n 9.
No dia 12 do correte mez espera-se dos por-
tos do sul o vapor franeez Sindh commandante
Giost, o qual depois da demora do costme
seguir para Brdeos, tocando em Dakar (Gora) e
BSbpa.
Para condicSes, fretes e passagens, trata-se na
agencia, ra do Commercio n. 9.
WAilA BRASIElUi
DE
Paquetes a vapor.
Dos portos do norte esperado
at o dia 10 o corrente o vapor
Paran, coteroandante J. da Sil-
va Moraes, o qual depois da de-
mora o cosiume seguir para os
porios do sul.
Desde, j recebem-se passigeiros e engaja-se a
rga que o vapor poder conduzir, a qual deven
ier embarcada no rliade suchegada. ncommen
las e dinheiro a frete al ai 2 horas do dia da sn~
lahida.
Nao se reeebem como eicommendas seno ob
jectos de pequeo valor e que nao excedam a doa;
irrobas de peso ou 8 palmos cbicos de medict
rudo que passar destes limites dever ser emba
.ado como carga.
Previne-se aos senhores passageiros que sua^
passagens s se receben? na agencia, ra da Crui
a. 67 prmeiro audar, escriptorio de Antonio Luiz
le Oliveira Azevedo A ''..
BAHA
Para e referido porto segu dentro de seis das
a polaca italiana Ssa, e por isso quem quizer
aproveur carregar a frele commo^o, dirija se ao
consignatario Joaquim Jos Goncalvcs Beltro
ra do Commercio o. 17.
PARA'
Par* o indicado porto segu em poucos dias o
brigue poringoec Realidade, por ter a maior parte
de seu carreeamento prompto e para o pouce que
Ihc falta a frete baratn : trata-se com o consig-
natario J>aquira Jos Goncalves Beltro, Yua do
Comim-rcio n. 17._______________
Para Lisboa
0 brigue porluguez Soberano, capito Bogigan-
ga ; para carga e pf sageiros trata-se com E. R.
Rabello 4 C, ruado commercio n. 18, on com o
capito.
Para Lisboa
Segu em poucos dias com a carga qne liver o
patacho portuguez Restaurago : quem no mes-
mo quizer carregar ou ir On passagem, dirjase
aos consignatarios Oliveira Filnos & C, largo do
Corpo Santo n. 19, andar,
O patacho americano Leonuro Megeis segu
para a Babia nesies dias; recibe carga a freles
mutn commodos : a tratar com Taso Irmos &
Oompanha.
Para Lisboa
Sahe eom a po&sivel brevidade o lugre porta
guez Julio por ter a maior parte da carga compra-
da : para o resto e passageiros trata-se com os
consignatarios Tbomaz de Aquino Fonseca & C.
Sucesores, "rna do Vigario o. 19, 1 andar.
Para o Porto
Acba-se quasj p ompto de carpa o brigue por-
tuguez Unio : recebe passageiros e trata-se com
os consignatarios Tbomaz de Aquino Fonseca &C
Suceessores, ra do Vigario n. 19.
Para o Porto
Acha-se pronosto o brigue portuguez Juiilh,
tem parte da carga engajada, e para o resto e
passagojros trata-se com os consigoatarios Thomaz
de Aquino Fonseca & C. Suceessores, a roa do
Vigario n. 19.
t..^^is\u.jfniia
H ._.._ ijl I
LEILOES.
movis, !ou<;a, crvstaes, um ca-
briolet americano, um caval-
lo para o mesmo, um dito de
sella, um sellim e um silho,
a saber :
Um piano forte do beta conbeado fabricante
Cari Sckeel la cassel, uina mobilia de castanbeira
forrada de damasco, 1 esLiote para msica, conso-
los e mesa com podras, tapete (forro de sala) ca-
deras de balanco, eandieiros a gaz, quadros, es-
taoies para livros.
Urna mesa elstica, 2 apparalltos, 1 guarda-Ion-
ca, 1 sot, 8 cadeiras, louca para cb ejantar, co-
pos, garrafas clices, aarfos, facas e colbe/es de
electro-Oate, bolanca, ffaodres e trem de cozioha,
Um esnelho, 1 relogio, 4 epnjiflodas, 1 guarda-
roupa, 2 lavatorios com pedra, 1 cama de ferro
para crianca, eadeir de balaslfo, mesa?, camas,
cadeiras, 1 bomba e 1 limpador de facas.
m elegante cabriolet americano coperto, de
quatro rodas, arreios e um cavallo para o mesmo,
um cavallo de sella, um sellim nm silbio
Segnnda-feira
S do dezembro, na Eataacia, sitio no oitio da
*F>
Jos Lathara, tendo de retirar te para a Europa,
far leilo por intemneg do agente Pinto, dos
movis e mal- objectra perteucoaie i ca*a de sua
residencia na Esiaaeia.
A'- 10 e meta horas, da cima dito, pariir
do largo do Corpo Santa a oieaino para trans-
portar gratuitamente ba eaorteMas o.lilq> de-
vendo parar oa roa do Creapa, pan reeaber os
que abi estiverem.
O loilao principiar as 11 botas.
LEILAO
TERCA FEIRA
6 do cor ente.
aportada Associaco Commercial, as H horas,
ra do Trapiche.
Pelo agente Eaaebio sero vendidos os seguintes
predios, na cidade de Olinda :
A grande casa terrea eom quintal murado e ca-
cimba de boa agua, e fructeiras, na ladeira da Mi-
sericordia n. 6, chaos proprios.
O sobrado n. 16 da ra de Malhias Ferreira, com
t2 salas e Squartos no andar superior e salo no
erreo, e quintal para o becco do Conselhe.
Bates predios acbam-se desoecopados, e pdem
ser examinados pelos preten entes contento. As
chaves acbam-se as casas contiguas.
Nes Arrombados a casa n. 27, da excellente-
commodos.
Nesta cidade do Recife, o sobrado n. 11 da ra
do Amorim, com (rente para euae para a ra da
Moeda. Vende se por ora sement a metade, por
conta e ordem de herdeiros.
Jaboatao.
O proprietario da linha de omaibus de Jaboatao
avisa ao respeltavel publiso que para poderem
gosar dos aprasivels banhes dessa lo :alidade, tem
deliberado fazer partir todos os demingos um om-
nibos as 6 horas da maoha desla eidade e vol-
teado as 5 1(2 da tarde, por 1*000 viageca re-
donda.
+
Precisa-e de urna ama para Coinhar em
casa de homem solteiro, prere-se aaerava : na
roa Nova o. 14.
AVISOS DIVERSOS.
A' Illma. camar > municipal.
Sendo a cidade do Recife urna das primeiras do
imperio, e nao tendo logar nenhura proprio para
dL"traco dos seus habitantes, lembramos a e>sa
respeitavel corporaco a grande utilida te que re-
sultava, mandando botar grades em roda no largo
de Pedro K, collocando dentro bancos, podeodo
formar no centro um pequeo jardn) : seria moi-
to til e de pouco dispendio, am raza o de achar-
se j arborsado, havendo alguns moradores que
at se prestara a sagar a um empregado para con-
servaco e limpesa do mesmo, logo que le acbe
em condicoes que necessite desse empregado.
. Mnito moradores de Santo Antonio.
A pessoa que achou om embrulho
coutend um palitot de brim braoco para
se cozer, e que foi perdido de urna prroca
que segua do becco do Peixe Frito para
Tygipj, na segunda-leira desla semana, faca
o favor de restituir nesta typographia (se
tiver consciencia), que se gratifica o traba-
Ibo, ou no mesmo lugar Tygipio, casa do
Sr. Joao Viclnr de Snuza.
Na roa dos Acuuguinhos o. 8, deseja-se fal-
lar ao Sr. W. de Mello Lins.
Hospital PorlHgoez de Renefleen-
cia em Pernambuco.
Para a eleico da junta administrativa.
Em face do 3* do art. 17 da lei vigen'.e, sao
convidados todos os dignos socios para se reun-
rem em assembla geral no dia 4 de, dezembro
prximo futuro, as 11 horas da manha.
As 10 horas do moncionado dia estar postado
ura orooihus na ra de Io de Marco aQm de con-
duzirao lugar competente aos senhores associados.
Secretaria do Hospital Portuguez de Beneficen-
cia em Pernambuco 29 de novembro de 1870.
Alfredo Cardoso Pereira,
Secretario,
CASA DA FORTUNA
di
Na roa da Aurora em Santo Amaro, ante-
de ebegar a Ponte d'Starr, ba para singar tres
casas terreas eom grandes sotos eeoonDodos pa-
ra familia.______________________________
Nutrimento
MEDICINA!
Preparados por
Lanman -Kemp
para tsica e toda
qualidanta dedo-
encas, quer seja
na garganta, pei-
to ou bofes.
Express a-
mente escolhido
dos melhores fi-
gados dos quaes
se extrabe o
leo, no banco
da Terra Nova,
purificado chi-
m clmente, e
suas
propriedades
conservadas
com todo o cui-
dado, em todo o
frasco, se garan
te perfeitamen-
te puro.
Este oleo tem
sido submettido
a um exarae
muitosevero, pelos chimicos de mais tale-n
ot, do governo hespanhol em Cuba^oi de
vulgado por elle e contem
MAIOR PORgO D'IODINA
do que outro qualquer oleo, que elle tem
examaado
10DINO E'M PODER SALVADOR
Em todo o oleo de figado de bacalho,
e naquelle no qual contm a maior porcSo
d'esta invaluavel propriedade o nico
meio para curar todas as doencas de
GARGANTA,.PELTO, BOFES,FIGADO,
Tsica, bronchites, asma, catarrho, tosse.
resfriamentos,etc.
Uns poucos frascos d carnes ao rauito
magro que seja, clarea a uista.e d vigor a
todo o corpo. Nenbum outro artigo co
nhecido na medicina ou sciencia, d tanto
nutrimento ao systema e encommodando
quasi nada o estomago
As pessoas cuja organsaco lem sido
destruida pelas affectes das
ESCRFULAS OU RHEUMATISMO
e todas aquellas cujadigesto so acha com-
pletamente desarranjada,devem tomar
O OLEO DE FIGADO DE BACALHO
DE
Lanman <& Kenip,
Aos 5:
Bilhetes garantidos.
A ra Primeiro de Marco (outr'ora ra
Crespo) n. 23 e casas do costme.
O abaixo assignado, tendo vendido nos seus fe-
lizes bilhetes ura meio de n. .'1072 cora o:0005000
um quarto n. 2668 com 900*000. um qnarto n.
617 com 400*000, um meio o. 3059 com 200400o
e outras sones de I00 e 40* da lotera que se
acabou de extrabir (172.a) convida aos possuido-
res a virem receber na conformidade do costume
sem descont algam.
Acham-se a venda os bilhetes garantidos da
6* parte das loteras, a beneficio da matriz de Ja-
boatao (173*), que se extrabir terca-feira 6 do
correle mez.
PRECOS.
Blbete inteiro 6*000
Meio bilhete 3*000
Quarto 1*500
Em porco de 100*900 para cima.
Bilhete inteiro 5*400
Meio bilhete 2*700
Quarto. 1*350
Manoel Martin' Finza.
waarMraririiaVHairaavxnBa
ir.;V .
M Pi V
No dia 3 do crrenle mez sero celebradas al-
gumas missas por alma do coaseibeiro Dr. Lou-
renco Trigo deLoureiro, na matriz da Boa-vista,
pelas 8 horas da manba, para o que san convi-
dados todos asseas collegas da faculdade, do foro,
discpulos e amigos.
CASA.
NA
VI
Aluja-se urna casa com i alw, frande gW-
nete e i quartos, par praen mdico : a tratar na
ra do Vigario o. 19
flolelro
Na ra do Imperador, leda da fcrreiro, jarato
ao Gabinete Portuguez, se dir quem precisa de
um bom balieiro.
Ama.
Na ra do Cabug, loja da Aguia Negra, preei-
sa-se de urna ama que saiba bera cozinaar, para
hornera solteiro, e paga bem.
Ama
Precisa-se para o servico interno de easa de
pequea famili-.: na ra do Vigario n. 5, soguea-
do andar.
Attenpo.
ALOiAM-SE
ou vendem-se d us litios com casas de vivenda,
otaria e grande viveiro na estrada ilu Giqui .
quem pretender drja-se a ra da Cruz n. 13,
! andar.
Xo preciso eneommendar, j
est proppto.
Alugam-se duas ricas baudeijas para casamen
(os: quem preteader dirija-se a esta typographia,
que dir com qnem se trata.
O baeharel Luiz Antonio Pires convida aos amigos
e prenles do seu amigo Dr. Jos Candido Dias para
ouvirero urna missa que manda dizer por alma
daquelle finado, na matriz de fanto Antonio pe-
las 7 horas da manba do dia 6 do corrente, s-
timo de seu fallecimento. ___
Bartholomeu & C,
VlNHO, PlLULAS, XAROPE K TlNTUfU
de jurubba simples e ferruginoso .
Oleo, Pomadae Emplastro da mbsm
PTANTA PREPARADOS POR
3&RTHOL0ME0 & C"
pHARMACEUTICOS-DROGUISTAt
PERNAMBUCO
\ Jurnb!' : >ta plaa i boje reeonbeeid
como o uais psderoso toDico, como o ntlhu1
irsobsirucriie,e coniu tl applicada uos padecimaDloi
do ligados bafo, hepalilea, durrsas, tomsre miar
ao- e sspACialmeDte do altro, lijdropnf las, .m.-
pailas, etc.; e aa&ociada ao farro ulil o** jaii.ai
cores, chloroses e falla de meu^traa;ao, deiarrsi-
jo( do estomago, etc., o que disemoi alUaU>
innmeras curas imporuotes obtidaa oom aoaaw
prauaradoa j bem couhecidoa a asados pelo* a;.
ditiaclos aadicoado pan Ponufal. m lodkt m
Boaaoi dapoaitoa diauiboimoa alia felbatw
nwloor fasam conhacar Jmbela aeoa ntaiueV
a pplieaelo.
ATTEIVCAO
Ura mojo brasleiro cora pratca de eobranca,
oft*erece-e para a mesura, dando fiador de sua
conduela : quem de seu presumo precisar deixe
carta techada ne* a ivpographia cora as iniciaes
A. J. P. J. v e
MONTE PI BRASLEIRO.
De ordem do Sr. director, e em i bservancia ao
artigo 5J do nossos estatutos, convido a todos os
Srs. socios para comparecerem no dja 4 de de.
zembro prximo futuro, s 9 horas da manha,
de astistirem a posse do novo co^elho, qne tem
de aflmirH-trar o anno de 1870 a 1871.
Secretaria provisoria do M ote Pi Brasleiro,
28 de novembr de 70.
i^saerelaTio
___________ Manoel de Miranda Castre.
Irecua-ae de duas ima, u.i.a para engom-
mar e outra para coznbar: a tratar na roa do
Mijal, laberati n. 7, ou na ra Imperial n. 191
defronte do viVeiro do Muir.
Ama,
Paaciaa-se de urna ama de leite : a tratar na
roa do Commercio a. S, armazem.
Gralifica-se a quem apprebendar ou der aoticu
exacta de um pardo que boje (2) deseocamiobou-
se da esqu oa da ra de Crespo at a roa-de Im-
perador, cjnduzraJo urna bulsa de viagem a>>m
camisas de homem novas e osadas, lencos de ri*
e brancus, tiazeado mais cabeoa urna porco de
carne do Idear ordinaria.
A luga-se
o 1 andar do sobrado n. 91 na ra Direita : quero
o preteuder dirija-se travessa da Madre de Beos
n. 15 : para o ver a chave est na taberca os
Srs. Lopes & Souza n. 95 na mesma ra.
4 >>fcM
Dr. Pedro B. Uehda Gavaloanti.
Miguel Lucio le Albuquerqne Jnior manda >
sar urna missa no convento de S. Francisco as^S
boras da manha de 6 do correle, primeiro an-
iversario do passamento de seu amigo o Dr.
Pedro B. Ucoa Cavalcanti; e convida os prenles
e amigos i fallecido para este acto de religue e
caridade.
D. Marcolina Guilhermina de Seuaa Castro
agradece a todas as pessoas que a com pan harn
ao cemiterio publico os restos mortaes de eea
marido Bento Eleuterio de Souza Castro, e ol-
vida para no dia 5 as 6 horas da manba asaiati-
rem a missa do stimo dia na igreja do e"i
de Santo Antonio do Recife.
Cozinheiro
Precisa-se de um perfeito cosioheiro, e que d
fiador a sua conducto : tratar a ra do M..r-
qnez de Olinda. armazem n. 35._______
Precisase de urna ama para cosinlur : La
ra Direila n. 127, 2* andar._______________'
Casa para alugar.
Aluga-oe uma casa no Mnnieiro, baixa do rio
Porto doXisto : iratar na ra do Crespo o 17.
loja. _____
luga >e urna casa com bous commodos para
famln e bom sitio no principio da estrada do>
Afflictos, pertinho da estrada de ferro de Apipo-
coa ; a chave para ver est na casa junto : a tra-
tar no Chora Menino, com Jos Amonio Marones.
Compaiiiiia de trilho- urba-
nos do Recife a Olinda e
B beribe.
Levo ao conhecimento dos senhores aeeioaistas
desta companha que, em con-equencia do oflleio
d > commissao de comas, de hontem datado, ao
qual declara a mesma commissao, ser-lbe neees-
sario para terminar os seus trabalbcs um espato
maior de tempo at o dia 19 do corrente ; tea
Illm. 9r. presidente da assembla geral, resohrido
f spacar o adiamento da sanio, para o referid*
dia 19, a hora, e no lugar j annuncado.
Recife 2 de dezembro de 1870.
No impedimento do 1 secretario.
Antonio Augusto i SohIo Porto.
2* secretario.______
Gratifica se bera a quem tiver aehadn urna
boinlia pequea de pao, que foi perdida indo em
um carro do Recife para a Ca punga : qnem a li-
ver pode levar ra doCommeicio n. 48, 1* an-
dar, escriptorio de E. R. Rabello & C.
Precisase de um cozinheiro : na raa <
Livramento o. 20.
AMA
Precisa-se de uma ama para engommar : na
ra dos Pires n. 61, venda.
ATTENCAO
Constando ao abaixo a-signado que alguns her-
deiros de Francisco Joaquim Pereira de Carvalho
procuram obier dinheiro offerecido como garaalia
o sitio n. 2 do Hospicio, a pretesto de oio teiea
vendido todo sitio apressa se em declarar gae
seu sogro comprou todas as parles do referid
sitio aos herdeiros, al a parte que tocn ap les
tamenteiro, em paga da vintena, podendo qnem
interessar ir ver as essriptnras no escriptorio .
12 ra do Crespo, ou no referido sitio. Paz a
pre.-ente declaraco para sciencia de todos, e
para que nioguem se illuda.
Recife, 30 de novembro de 1870.
Luiz E. R. Vianna
Tl
Das almas da matriz do G rpo Saoto.
Nao se havendo ainda, atiesar de repetidas eom-
mttoicacoes, reunido no da 27 deste mee, aaaaa
geral desla irmandade para o ira de deliberar***
sobre o arrendamento do predio n. 2 do largo >>
Corpo Santo a respeim do qnal se oflereeeoa p-
posias vaotajosas : agora por despacho do Um.
Sr. Dr. juiz de capeilas e residaos eonvoca-ae a
ref rida meza geral a reunirse no consistan* d*>
irmandade no sabbado 3 de dezembro as 5 oras
da larde adra de re-olver-se definitivamente po*
j se acha autorisado pela meza regadora, oar-^
tos de que seguudo o que dispoe o raencioa*d
despacho, o negocio ser cHoidido por qualajiwr
numero de irm >s que comparecer.
Consistorio aos 30 de novembro de 1870.
O escrivo,
Manoel Jos dos Santos.
AVISO
Jos Joaquim Aives avisa a Quem candor, yje
foi n-ni-ado administrador da maasa faJJidft dj
Alneida Borges 4 C,, e que o xratMta na&
arreeadar e vender o que periencer, a IV, |li*|fj*>
Recite 21 de novembro de 1870.____________
Prevengo
O abaixo assignado previne a qn*a
3ue a escrava Beoedicu, perteneenta
ido Jos Casado Lima, Ihe est e
escripiura publica paasa 'a asa notas
Almeida ; assim como qae .pe* "~
da i' vara da capital se promova a
$io. Ninguno, portante, p*den "
iransaccao alguma eom a preelada1
justando-se proceder criminalmente
a oceulur. Ree* 28 de onianra
Anro Joanuim da Fonseca e A
Ha roa nova de Santa Rita n, 49.,I, s*
ri a vapor, vende-se apobets da provincia a^H
de a8 l|2 : a tratar com Jos afraao Mtli*
t


t

ir,
ll


\
\);
/
-Btiarjp de, PernwnWct ^feaa. 3( de Dezen^ro de 1870.
ESTABTO MEWELECIEM 1832
St^Mfede ftristol.
LEGITWE origitiu
"----------------
fllANDfi.PUWnCADO DOSANGUE!
rjita excedente e admiravel medicina, e
prtfttfada d'araa maneira a mais seientifi-
afor Chmeos e Droguistas raoi doutos e
ftmi instruccSc profunda, tendo lido mui-
tos unos de exfrienda ao par d'uma lon-
ft e laboriosa pratica.
A sua composicio nao consiste d'um sim-
ft tracto d'um s artigo; mas sim,
cmfeMsta d'extnictos d'um numero de rai-
zesIhsrvas, casias, e fofhas, possuindo tor
da fias, aa virtude especial ou poder
mont as molestias as (fuaes teera sede
en asente, no sangue o nos humores;
estes differentes extractos vegetaes, achara-
se sor urna tal forma combinados ponto
de coBservarem era toda a sua forca, o cu-
rsara especial da virtude, que cada um de
per si possue. A raiz da planta de Salsa-
parrilha, produzida as Honduras, a que
sos osamos nesti preparaco, sendo a qoa-
tidsdb que todo; os mdicos mais prezam
e estimam. Na composigao da ttalsa-
parrllha de Brlstol entra mais de 50
por cunto deste concentrado extracto. Ella
nlo ene erra em si cousa alguma, que pos-
sa por leve ser perigosa ou mjuriosa
sade; e tanto n'este, como em quasi to-
dos os mais respeitos, ella inteiramente
diversa de todas essas mais preparacoes,
as quaes debaixo do nome de Salsaparr-
laa, sao aceondicionadas ou postas em gari
rafas pequeas, sendo receitada em doses
mui diminutas d'rana colher de cha por
cada vez. Nos pelo contrario engarrafa-
mos a
SALSAPARRIRA DE BRSTOL
em Irascos grandes, e assim por este modo,
dividimos com os consumidores, o grande
proweito e vantagem alcancado por aquelles
que acondicionara sua preparaco em gar-
rafas pequeas. Cada um dos frascos da
nossa Salsaparrilha de Brlstol
oonteem a messa quantidade igual porcao
contida naquellas garrafas pequeas, e alm
disso, possue anda muito mais forca e
virtude medicinal do que aquella, que por
ventara se possa achar contida dentro de
seis garrafas de pequeo tamanho. Por-
tante mui natural, que aquelles, que se
acham oceupados em preparar e vender as
suas prodceles, em garrafas pequeas,
murnrarem e grtem contra os nossos fras-
cos grandes : proclamando, que a nossa Sa.1-
ftaparrilha de Brlstol nao possue a
menor virtude; porm quo effecvamen-
te sao elles postos em silencio, quando indi-
camos, ou simplesmente referimo-nos para
com essas. centenares de cerlides e tes-
temunhos authenticos, por nos recetados
de todas as classes da sociedade, nos quaes
planamente attestam o poder curativo e vir-
tudes maravilhosas da nossa.
SALSAPAR1ULHA DE BRISTOL.
A vantagem de termos os nossos pro-
pros agentes naquelles lugares aonde as
differentes raizes, drogas, hervas, e plan-
tas de que se compoem as nossas medicinas,
sio produzidas, que nos habilita exer-
cer aquelle constante cuidado e disvello na
mmuciosa escolha; e o que assegura e ga-
rante aniformidade de excellencia.
Em quanto que, por outro lado, nos nao
nos poupamos nem dinheiro, nem dili-
gencias ; afim de alcancarmos o melhor
e nicamente o melhorde cada um artigo
o ingridiente que entra na sua coraposi-
cao; pois levados e compenetrados da
mais firme e persuasiva confianca; que po-
demos afoutamente dizer aos doentes de to-
das as nacSes, e de todos os paizes, que na
Walsaparrilha de Bristol. possuem
na remedio mais efficaz e seguro; do que
nentram ohtro, que vos tenha sidb offere-
cido at boje, e o qual por certo nao hade
mallograr vossas expectativas, na prompta
e (lectiva con das seguintes enfermidades:
IXP08ICI0 BjrtWSAL DE uss
M0*I.N4'r a> Ctatat
-V. LAUttttDE ft t?
.oanr/or!
m

8^M
APPMVADO KUtAOUM 0 MMCIHA DE PARIZ
t qnal os mdicos 6 os doentes podan sempft
contar.
0 Qnlnlam Latmrraque, um
Tinho eminentemente tnico e febrfugo que deve
ser preferido todas as ontras prepararles de
quina.
Os vinhos de quina ordinariamente emprega-
dos na medicina preparam-se com cascas de
quina cuja riqueza em principios activos extre-
mamente variave!; parte disso, em razao de seu
modo de preparaco, estes vinhos conten ape-
nas vestigios de principios activos, e em propor-
c&es sernpre variaveis.
i ..
0 Oulnliini Labarraquc, approvado
pela Academia de medicina, constitue pelo con-
trario um medicamento de composicao deter-
minada, rica em principios activos, e com o
0 Qlnlum abarraque prescripto
com grande xito s pessoas fracas, delibitadts,
seja por diversas causas d'esgotamento, seja por
antigs molestias; aos adultos fatigados por urna
rpida erescenca, s meninas qui tero difficuldade
em se formar e desenvolver; s mulheres depois
dos partos; aos velhos enfraquecidos pela idade
on doenca.
No cazo de chlorosis, anemia, cSres plidas,
este vinho um poderoso auxiliar dos ferrugi-
nosos. Tomado junto, por exemplo, com as pun-
as de Vallo-, produz effeitos maravilhosos, pela
sua rpida accao.
Escrfulas,
.hagas antigs,
Ulceras,
Feridas Ulcerosas,
Tinba.
Syphilis.ouMal Ve-
nreo
Humores Escrofu-
losos,
Irregularidades do
Sexo
Feminino,
Nervosidade,
Debilidade Geral,
Febra e Malignas e
Febre e Sezoes
Biliosas,
Tumores
Abscessos Apostemas,
Erupcoes,
Herpes,
Saisagem
Irepigens,
Lepra, febres intermitientes e remittentes,
hydropesia e ictericia, etc., etc.
Ontro-sim, achar-se-ha, que para o bom
resultado e perfeits curativo de todas aquel-
las enfermidades, cima apontadas o adan-
lamento da cursi, grandemente promovi-
. do e apresswado; usando s ao mesmo
tempo das sosias mui valiosa punas
-regesaen azucaradas de Brlstol.
tomadas em doses moderadas em connec-
cao ou conjunctamente com a Salsaparrilha;
ellas fazem remover e expellir grandes
quantidades de materias morbficas e hu-
mores viciados que se desprendem e libre-
mente circulam espalhados pelo systema,
isto cansado peto uso da Salsaparrilha; e
por esta forma facilita a volta e o exercicio
normal das operaeoes funecionaes,
\cha-se a venda nos estabelecimentos de
A. Caors, J. da C. Bravo C, P. Maarer
Monte pi popular penam-
bucaoo.
De ordem da dlreetoria eoovMo aos sentare;
saeios a epsreswem demisf 9 (4) as tu horas
4amMbi, par em sio da assembl* geral
erem appro adasxs oontai da admnisra^o pas-
s*4a, e tratar-se de ontros neldos dp impor-
tancia.
Secretaria, dt-ao-edade monis s* posater per-
. UMJimcaw) 1- fe O 1* secretario,
Cdlano K. Machado Antunes.
'...
OompaRhisi phenix pernam-
bucana.
M senheres aeeionistts sao contidado a ireni
tronar o eaeriptecio da oompaohia o* recibos do
.isital realisano, pola acede*,
>rsamboeo i* de deiemhro de i 870.
M companhia_nh-Bh pernambucana,
Deposito em Paris, L. FRERE, ru Jacob, 19
Rio Janeiro, DuponcheHe t Chevalnt.
Pernambuco, P. lurcr y C\
Baha, Maeme y C".
Ouro-Preto, Candido WellerM*B.
Maranhao, Perreinv y C".
Pelotas, Antteiro Leivaa.
Maceio, Wmiem Dts.
Porte Alegre, Fimaefctco Jtm Bello.
A SILENCIOSA
Chegaram as afamadas machinas de coser
DE
POLLACK SCHMIDT
Ra do Crespo n. 4.
As mais modernas e elegantes qne tem apparecido at hoje E, com effeo nada I
mais se pode exigir de nma machina de costura em quanto a trabalho de agulba, tal!
a variedade de costuras que fazem as de qae se trata; por isso qae se pode dizer I
que a Silenciosa de Pollack Scbmidt attingio aos ltimos aperfeircoamentos f
A simplicidade de seu macbinismo, a adherencia de was pecas e belleza de que se
acham revestidas estas machinas. s5o predicado* que por si as tornam recommendadas.
mesmo diante da apreciacao a mais escrupulosa e exigente, cuja verdade se acha gra-
vada em bellos caracteres em todas as exposicoes onde as silenciosas teem sido van-
tajosamente premiadas.
Perto de 2,000 machinas teem sido vendidas na corte do imperio pelo sea nico
agente no Brasil no curto espaco de doos annos, e continuara a ser procuradas com
enthosiasmo: rogn-se, portento, ao respeitavel publico desta bella capital, e com es-
pecialidade as familias que desejarem possuir urna til e linda peca de as vir ver 9
examinar, na casa cima indicada onde encontrarao pessoas habilitadas para darem
odas as explicaces, e se fazem todos os concertos na ra Primeiro de Marco (ou-
tr'ora Crespo.)
MEDALHA
U HONRA
BANCO K F.SC.l!tO
Desinfectando o Oloo <1 Pijada de Bacalh,
Sesihor Chcrrier den es's piMma pftfar
. S.o lh.'rp-w'ira niii rh'irn e '-ir grl%Tei
q neiihuiiuileu-.sviniiilcs'lieiiiam.
Kmk ini|>ortante thuvhtrt*. ipie granfeaa a
.-.ix aaloi urna Miilalha de i" un, volgBriso
Mfodo Oleo de Finado dtB icalbio lesiowetade.
Osmediioso receilaai DruierivalOHatta W'Lo
u> ouiros, trm loi'.as U n.n. sl.as onde -J em-
prega o Oleo de Pipada de Rtealbe.
Ver por mais pornicnorc 01 relntnriosmrdi-
raes qneconieui a nolisia que aecoiiipanha cada
Irasco.
FERP.l'GIXL MI CHBfRirR
O Senlior Cherier eonipletoa a sua dates
berta aiuutaa-do a iodura de ferro au !eo u
Ewialo iliiljafinilndi Este Oleo da Figmlo .'
BecaJbio ferrugiueo tem todas -.s ]iropriei!a.')"i
dooloie Hn ferro. ';cri,- fcdlraen* e M:i"-i
cnuse prv"in rt" ->'-iMe. l'onanu> prefrritel
s mais 1 -ri'p:.i-:n;< s fcrri!gineas ropo), coijiin um todas as diei--is ou k. -
euiprega oCerau. 1 uii.-a putiuoitkj. tu-uti. !:tt...
rarbilismo, ei'.crufuia--. ..; r. 0 '.
mati>mo i-tirotiito. r: arr'iof ;
sis. i-nnvi!esrni" d'ftrei. ^ '
eoti*titniea DOCES, HI1CT4S E FLORES.
13Eua da Cruz13.
DOCES SECCOS
CAJ'
L1M0
ABACAXI .
LARANJA
CIDRA, ETC.
FRUCTAS
ABACAXIS
SAPOT1S
UVAS
LARANJAS
MELOES, ETC.
FLORES
BOUQUETS
PARA NOIVAS
PARA JARROS
AVLSAS
PLANTAS, ETC.
Neste estabelecimento encontrar o freguez todos
os dias presuntos em fiambre, pastis, bons-boccados,
doces de ovos, e de todas as ontras qualidades, sec-
eos e em caldas, pudins, e tudo quanto se possa de-
sojar no corfortav^l um'excellente LUNCH ; fortifi-
cando, aquecendo, e refrescando o estomago com os
melhores vinhos do Rheno e Bordeaax ; iaropes de
todas as qualidades para capila; sorvetes de todos
os fructos, com especialidade as tercas-feiras, quin-
tas e sabbados o excellente sorvete de creme.
Tudo com muito a-seio.

VERDADEIRAS
PILULAS DE BLANCARD
coa iooureto oo nnmo inalteravcl
APPHOVADAS PIU ACADEMIA DB MEDiaNA DB PARS, ETC.
PoarafMD ai propriedadesdo Isals tio ftrrs, eontem efosclalmcnta nai Amccois
gscsoruuMUS, Tsica no principio,a praqyna d$ ttmperammta tamt.em nos eanos de
Falta de efl, amekorshea, em que precita macis sobm o sangue seja para restituir
Ib* a tua riqueza e ahundenda normaea, ou para provocar e rej o seu rurso peridico.
N. B. 0 todnrelo de farro impare oo alterado an wtediramento infW, y?S
(rriunte.' Coeao prora de punta e de aathencidade dat eeretoeWreui H- -rlf
k tutu MaaMarS, der ee eligir noeao prala r<-U e^/^^,
meo airoi raprodaridn, qae ae acha naxr*rt interior de aa
reiareae*e>. Deraee deaecanar dat bJtifleaeo*.
--------~---------r""
lata a Weew*
meo anaua. airai
faMiariorde.1
aa Maaae
aliairaanlaai.
ar a^r^BS((%T4a^n*aCW t^aW t^^^B^^^^^w* 4V>
asCO. I mm. f
M*irtntr<*i>t !}K%rn9Ett,Z.ruC #?#. .Me-,'.,.- .
Ha atrtma jibar.-iae:x arhan-teu VlHtUni IMFnKdn CCA. --m- m*...
0 MFFETVUUiESAUK*'> ACHICA eure*!. rwm, u.. ,..-.
0 SRAiiULOS ikBISSUTH raiuir.nsioi coatra v <:i;iriM'a>. \* i. < '
i BWOBTARiO, COi Rio 'le Janeiro, l^ftSaVIaffAl %nf\ 1 OyAw. -i..,,:.* .:,.; n <"'
Pernambuco, P. MAOkER I C*. Mnrnrihan. l-kBMIaaU i; '--<.. ,>.'.
% K" loas Iei.b". /''/
TI.S LSIWAA.

CASA CAVIM -JSSSft
Pharmaceutico privilegiada
Raocessor
Sebastopol, 88 A.RIS.
NOVAS ESPECIALIDADES A. MARINIER
AVMaeu'ulaa a Academia de Scieaciu c ao Instituto de Franfa,
lil ICr 1A Sob a forma de Pastilla, Jcrcdida e deseada aera
llttJLLvAU f.n.T ilc momento ama oliirelo
rrereatiTC e caratffa dea atOLB8TI48 C0ltTAS!08S
niMTOE-PHILTIlO
do rolueif c DB reloeio, seniodo de
I UILTRO e SERlSfiA seta os
frates lacoarmlintas da frafilidade.
ESTOJOS
Con a fonoe, e de volate de m Portc-Noeda
COTSNDO TODO IRATAUEXTO.
COLLTBIO Contra as afleccoia das pahpebra,
presando sob a nesau forma.
BARTHOLOIEO &
DepoaiUrios geral para e BRASIL e PORTI Ala
34, na larga do Boaaria. PIRNAMBTJOa
ROB LAFFECTEUR
Approrado era Fraatct*. Ruetia, AMtria a Beifioa. Oarraaa vagetal Lafteeteor naartae-1
rtaMo, he bmi auperior aoa larepee de cuisinier, de Larrea a da salseparrilha. Da fcil
dinstae, adagraved ao paladar, a aa attto, alte cura radiralnteala aestat aaetrcaarlo, aa
affacoea da pelle, laaapl>aaa aalaaaaaiaaa. tnaaieiraa. uWmrmm, aaraut Srato-
eraela. e>-rkaHia>, e oa aoctdentet proTasnaa do aartot, da idala crtica, e da acri-
monia hereditaria dos humores.
0 arr. be he especialmente leceeamendafla eoaATt as naasoaj i^phiritMai reoeneat, hwan
radas on rakeldea aa ntercurio e ao iodara da jaaaasltV
Deposite saral do aerdadeire ROB UrTEfiTtllL das asa do doutor GIR\DEAD Dt
SAINT-GERVAIS, na RieAer, 11. k Pan*.
cojfTEPmo:
A noit do xtasis.
Oorriso.
A noite do assombro.
A lagrima
A noule do delirio.
0 myaierio.
Com nma earu critica dirigida ao autor pato
Dr. T. B. Rigueira Casta.
1 volnme brochado 2|000.
AS CENTELBA,
Poesiis patriticas sobra a guerra do Paragtuy.
I volme brorhado 2*000
A
LIVRAMA KRANCEZA **
Precisa-aa d urna ama qua eagomme com
perfeico roupa de homam e do seohora : i tra-
tar na ra da Aurora d. 40.
Criado.
Na roa do Duque de Caxits, outr'ora do Qoei-
ntado, s. 14, t* andar, precias sa d- ara criado
forro Mudaitca
Gabriel Antonio mudou e seu
a ra de Hortas o. 17, entrada palo
Pedro.
escriptorio para
becieS.
AMA
Precisa-se de nma ama livre on eterava para
cozinhar : na (abijes a. vapor de cigarro?, ra
larga do Rosario n. II.
Precisa-se de nina mulner poriugueza os
brasileira qae entenda de costura e lasos nona
eostames para tratar de urna menina de 7 anuos
em casa de homem solteiro : queni estiver Mate
caso pode indicar sua residencia ra de S. Fran-
cisco n. 30 para.ser procurada.
Precisa-se fallar aos Srs. Uanoet Luis ii-
beiro, ioaquim Jos de Souza Lima, na rna do Vi-
gario n. 19, i* andar.
AMA
Precisa-se de nma ama para cozinhar : na pra-
ca da Iodepandencia na. 8 e iO.
AMA
Precisa-se de urna ama pata casa da posea fa-
'"' na rna da Cadeia n. 21. loja de mindexa*.
milia
Precisa-se
no largo do Garmo n. 4, fallar com um eapltao de
campo a negocio de sen ioteresse.
Aluga-se o 1* e 2* andar do sobrad n. 25 da
roa de Sania Rita : a tratar na roa do Queimado
numero 2.
Allnga-se o primeiro andar do sobrado da
ra do Vigario n. 3, propro para familia, oa es-
npetorio : tratar no trapiche Queiroz,
Botica.
Precisa-et; de um caixeiro com algoma pratica
e que conhega todas as roas desta cidade para ser
encarregado da cobranza : ra da Imperatriz nu-
mero 77.
Premio.
D-se algum dinheiro a premin sob hypotheea
em predio, e at recebendo-s o aluguel pelo joro
na casa de baaos da rna da Cruz n. 17.
Precisa-sc de un.a ama
sar n. 31, Io andar.
a
na ra larga da Ro-
Precisase de nina senhora oom ai habihta-
coes precisas para enslnar meninas em nm enge-
nho : a que se achar habilitada, dirja-se a praca
do Ci.rpo Santo n. 17, pnmeiro andar, das 7 horas
da manhaa as 4 da tarde.____________________
Precisa-se de um moleque para servicode
hotel: na ra das Cinco Ponas n. 14.
A MUI AFAMADA
AGA DE FLORIDA.
DE
IRRAY & L WlIAX.
He o mais delicado e mimoso ao mes-
mo tempo o mais estavel de todos os per-
fumes, e encerra em si, no seu maior auge
de excellencia, o proprio aroma das verda-
deras flores, quando anda na sua flores-
cencia e fragancia natural. Como um meio
seguro e rpido allivio contra as dores de
cabera, nervosidade, debilidade, desmaios,
flatos, assim como contra todas as formas
ordinarias de accidentes hystericos; de
sumraa eflicacia e nao tem outro queo
iguale. Igualmente, quando destemperada
com agua, torna-se um dentifricio o mais
agradavel e excellente, dando aos dentes,
aquella alvurae aperolada apparencia to
altamente apreciada e desejada pelas Se-
nhoras.
Gomo um remedio contra o mau hlito
da boca, depois de diluida em agua,
summamente-excellente, faz remover neu-
tralizar todas as materias impuras que se
criam roda dos dentes e das gengivas,
tornando-as duras, sadias e d'uma linda cor
escamada. Quanto a delicadeza, riqueza
e permanencia do seu fragrant aroma, ella
por certo nao tem igual; e~ a sua supe-
rioridade sem rival. Ella igualmente tor-
na-se um meio mui excellente, para fazer
remover de sobre a pelle do rosto; toda a
qualidade de brotoejas, ebulicoes, sardas,
pannos, manchas, impigens-e espumas.
Quando se queira servir della como reme-
dio para fazer desaparecer qualquer um
destes disfiguramentos, e que tanto desfei-
am as lindas feifSes do bello sexo; devera-
se usal-a a'um estado de dilluicSo, destem-
perando-a n'ums pouca d'agua ; porm no
ratamente de qualquer espinha, usar-se-ha
della pura em toda a sua forca. Final-
mente comaum admiravel meio de com-
municar as feicSes trigueiras e paludas,
urna pelle macia e d'uma transparente al-
vura, dando-lhe urna linda cor de rosa :
para um tal flm, ella leva a palma a todos'
os perfumes que se teem inventado at bo-
je, e existe em plena soberana sem rival.
Bem entendido tudo isto se refere nica-
mente a Agua m* Florida de Murrat 4
Laman.
As imitages que se tem feito na Franca,
Allemanha, assim como em outras partes;
sio inteiramente imitis e invaliosas ; per-
ianto retxiniriteoda-se mui especialmente
s senhoras, que tenham toda a precauc5o
e cuidado, de quando comprarem, estejanr
certas que compxam.
A Geiina
AGUA DB FLORIDA
DE
MURAY 4 LAilMAN,
A qual preparada smente petos nicos
Proprietarios.
LANsjANN ii KEMP, DE OTA YORK.

I
1!


\
Diario de Pernambuco Sabbado 3 de Dezembro de 1870



Au belexe
COLD CRBAM 0F ROSES.
Ctte Crome delicense, universellement rpan-
flne en Anglelcrre, oii les femmes sent si renom-
mes par la beaut et la iransparence de lew
teint, doit sa rpuuiion aux element balsaniiques
el ooetuenx qui la composent, aiosi qu' sa cons-
ume efflcacii pour adoucir la peau, la rendre
plus blandi, el contribuer ains la sanie et a la
beaut, qni, toojours, sont inseparables.
On la recoraraaBde centre les irriations de
t piderrae, telles que Boktons, pulidks, Ta-
ches DE R0USSK.CH, ROUGECRS DB LA FlGUBK, el
contre les taches Epatriqces et les fklorescbm-
cts. Cetfe Crtme convieol spcialeraent aux fero-
nv enctintes pour prevenir LE MASQUE, auquel
elfes sont sujeites.On s'en sert encor pour em-
pecher la figure de se bler par le froid ou la trop
grande ctuleur.
Prix 1:W0 res
Seal dept au migasin Basar de la Mode 50
Ru do Bario da Victoria.
AMA
Na ra do Mrquez de Olinda (outr'ora Cadeia)
*j. 30, precisa-se de urna atoa para coiinhar.
Aluga-se
o 3* andar 4o sobrado n. 8 da roa da Inperatriz:
a trltar coa i. J. de M. Reg i ra do Commercio
n.34.
- Atr;c da matriz de Santo Antonio, sobrado
n 18, l* andar, (az-se comida para fra com as-
seio e promptido. __________
Ama
Precisa-se de una ama para casa de lemem
solteiro, nicamente para cozinhar, porm isto qae
saiba oni perfeicao : a tratar na ra do Mrquez
de Olinda, amiga ra da Cadeia. n. 14._________
Est por se alugar urna ca*a no Caxsnga
por detrazdo hotel, com commodos para pequea
Mmilia : a tratar no sitio da llha do engenho
Poeta______________________________________
Ama
Precisalse de urna ama para
-tar na ra da Alegra n. 5.
cosinhar : ira-
Ol JAPN
NOVA AGO
para o Toncad
IMPORTABA
por R1QAD B t>
mfflHkfii
8, Ba VUifun*, 8
PABIZ
EstaAJoaextra-
h Ja das flor do
Piros Japoaioa.P'
- sua suavidade e
isuas proprieda-
' des benafloas,
exceda os cos-
TMiiooB-iaiB celebres; wndo sido a-
doptada por todaasooiadade elegante.!
Deitada nos banhos. d'um perfume
delioioeo. consolida as oarnes e fas de-
saparecer as espiohu, oomiohoee e as efflorescer.-
ciai da pelle.
PRECO 4,5500.
nico deposito oo Bazar da Moda n. 50,
roa do Barao da Victoria oclr'ora Nova.
a. EsmBEn
a

, :"
i
-i
I
~a
Dividendo.
Pagase o 0* dividendo da massa fallida de
Amorim, Fragoso, Santos & C, a raiao de 3 0|0,
as tersase sextasfeiras das 11 horas da ma-
nhaa a 1 da urde, n> escriptorio da ra do Vi-
cario n. 13,1' andar________________________
Ensino secundario
O bachaiel A. R. de Torres Bandeira, professor
da segunda cadeira de geographia e historia no
gymnasio provincial oe Pernamboco, tero resolv
do abrir, na ca.-a de sua residencia, roa dos
Martyrios n. 2, f andar, um curso de
Geograpbia e historia,
Rheorica e potica,
Phtlosophia.
E est prompto para ensinar estas disciplinas
ein qualquer collgii>. Tambem se offerece para
dar lieoes de lingua franceza e de geographia s
senhoras.
m haz m
Citrn ao antigo deposito de Henry forsser
de primeira luaiidade; oqual se vende em partiaai
a retalho por menos preco do que em outr* roa
qner uarte.
Frederico Maya
Cirurgi5o dentista
Acha-se em seu consultorio para os trabalhos
de sna ai le nos das uleis das 8 horas da manhaa
as 3 da tarde, e aquelles que por suas oceupa-
coes nao poderem comparecer nesse das o acha-
rao das 9 horas da manha as 2 da tarde nos do-
mingo? e dias santificados. Tambem continua a
prestar se a qualqner cbamfdo, tanto na cidade
como para lora della, sendo procurado em seu
consultarlo a ra do Duque de Casias, sobrado
amarello com entrada pela praca de Pedro II.
Joaquim Jos Gonpal-
ves Bltro
Ra do Trapicha n, 17, Io andar.
Saeca por todos os paquetes sobre o banco de
Minti, em Braga, e sobre os segnintes lugares en
Portugal :
Lisbaa.
Porto.
Valeoca.
(inimares.
Coirabra.
Cd.ves.
Viseo.
Villa do Conde.
Arcos de Val de Vez.
Vianna do Castello.
Ponte >lo Lima.
Vola Real.
Villa-Nova de Famplicsi.
J.amego.
La nos.
Covilhaa.
Vsscal (Valpasso).
Mirandella.
Oeja.
Barcellos.
Agencia em Pernambuco
Do Dr. Ayer
Peitral de Cereja
Cura a pfethysica e todas as molestias do peito
*afsa parrllha
Cora olearas e chagas antigs, impigens e dar-
Tonteo
Gocserva e limpa os cabellos.
Plalas catbartlcaa.
Paramente vegetaes sem mercurio ; cura se-
Sei>, purgao epuriflcam todo o systema humano.
Vende-se eftfdivamente era casa de Samuel P.
Johnsion & C ra da Senzslla Nova h. 42.
DYVETOT
44-Rua Estreita do Resario-14
Compra e vende roupa feita
nova e ve]ha, objectos de
cosinha e de mesa, e
tudo que perten-
ce ao uso do-
mestico.
115113 PREDIO
Vende se a casa de 'loas sudares e solao
da ra do Bar3o da Victoria, oolr'ora ra
Nova o. 60, que faz esquina para a roa do
Mrquez do Herval, tem excellente vista, e
torna-se recoraraendavel pela localjdade em
qae se sha situada, urna das melbores,
sem duvida, daqnella ra. Ter um excel-
lente arquisiejo para o comprador, porque
do capital empregado obter nm jaro razoa
vel e sem ri-co algom : quem pretendel a
dirjase a roa d< Cadeia do Recie n. 19,
qne achar com qr.em tratar._____________
Pa^a-se be7
A oidi am ijoe cosinhe e compre pira tres
pessoas,; a tratar na rna Nova n. tO.
t
SEGUROS
MARTIMOS
E
COTR... FOCiO*, .,
A cotpanbia Indetnnisadora, establecida
nesta praca, toma seguros martimos sobre
navios e seus carregamentos e contra fogo
en edirii-ios, nercadorias e mobilias: na
roa do Vibrio n. '4, pavimento terreo.
M0F1NA
Roga-se ao film. Sr. lf naci V.eira de Mello,
crivao na cidade deNaiareth desta provincia.'
favor de vir a ra do Imperador n. 18 a i oncluir
aqoeBe negocio que V. S. se comprometteu reali-
sar, pela terecira chamada deste jornal, em flns
de dmembro prximo passado, e depois para Ja-
neiro, passoe a fevereiro e abril, e nala cumprio,
e por este motivo de novo chamado para dito
flm ; pois V. S. se aeve lembrar que este negocie
de mais de oito annos, e quando o senhor san
filho-se achava no estudo nesta cidade.
mwmmwmmmm&
PRBfEHtO E AMIGO CONSULTORIO M
IIOMEOPATHI ,0 jg
Dirigido pelo Dr.
SANTOS MELLO
Os habitantes do interior pedem-no 1
consultar-pnr escripio, no que serio sa- ttj
tisfeitos com promptido.
Presta-se tambem a chamados para o ?%
interior, a preco mdico.
CoHsultas, no consultorio das 10 horas 2
eo meio dia.
Chamados, a qnalquer hora.
Aos pobres gratis. .
43Ra do Baro da Victoria43 88
Antiga ra Nova).
Este antigo estabelecimento, acha-se hoje montado n urna
sscala de poder servir vantajosamente os seus freguezes, atien-
to o grande sortimento de joias d'ouro, prata e brilhantes, qne
sempre tem e recebem mensalmente das principaes fabricas da
Europa- cujos presos sao em competiveis e as obras garantidas
de le.
1IOREIR1 DUIRTE .
im____i_^I^Sii_^.^iSi*^^P

0 salo ie pianos e de
msicas
nudou-se da ra Nova
*ua da
n. 38, 1* andar, para a
emperatriz n. 14, luja,
jndo contina recommendando-se ao lllm. pu-
blico. T
G. Wertheimer.
Precisase de urna ama que compre e ooti-
nhc para casa de pouca fanilia : na ra nova de
Santa Rita n. 41._________________________
Preci.-a se de urna ama que lava e engomine
com perfeicao : na ra do Barao da Victoria n. 61,
2o andar.
Emilia Laura Leal, Manoel Paulino do Nasci
ment, Henrique Soares de Azevedo e Virginia
Laura Azevedo, cordialmente agradecem a todas
as pessoas que se dignaran assistir as t-xeqnias
e acompanhar os resto* m>rtaes de seu muito pre-
zado esposo, genro e cunhado Julio Cesar Leal, e
convid;im as mesmas pessoas para ouvirem nma
missa que por alma do mesmo tinado mandara
re.-ar na igreja do Espirito Santo, no dia 1* de de
zembro as 6 horas da manha. ____
.aJcWft.: i iiwiiMMHH MI MI
M noel Fernandes Nogueira tendo recebido
a infausta noticia do 'falecimento de seu pai, em
Portugal, roga ao> seus amigos o caridoso obse-
quio de assistirem a urna missa qne por alma do
mes-no finado manda celebrar no dia 1 de dezem
bro na matriz de San o Antonio ; e por este acto
de religtlo e caridade se confessa eternamente
grato.
AOS 0:000,5000
Esto venda os felizes bilhetes da lotera da
Babia, na casa feliz do arco da Conceico, loja de
ourives no Recie.
MANUEL & C.
;*^

Tem a satisfago de participar aos seas numerosos freguezes, que em vista de ser-Ibes mais commodo, tem i^
estabeleckio ama nova fabrica de chapeos de sol, na roa da Cadeia do Recife n. 9, beje ra do Marque? de Olinda, :-f
^^ onde achar3o os pretendentes, muito avultado sortimento de chapeos de sol de todos os presos, qualidades e por pre- jg|
ufe eos mas commodos do que comporta o nosso mercado: convidam especialmente aos Srs. compradores por atacado <*
'%& darem, sendo possivel suas encommendas, pois podero assim'serem mais bem servidos, visto poderem escolher as ar- ^^
*?? maces as tazendas que a demora da fabricarlo bem diminuta, ___ <^t
2^-----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------gg$
m
&
s&

HA ANTIGA E BEM CONHECIDA FABRICA
CHAPEOS DE SOLi
DA
g
Ra do Baro, da Victoria, esquina da Camba do Carino. |
(Antiga Ra Nova') S
merino, alpaca, bretanba de linho branco e par- ifw9
Ha sempre nm grande sortimento de cbapos de sol de seda,
do e de algodo os todos os lmannos e feitios, alm
k armaces de todas as qualidades para satisazer qualquer eucomnituda
III qae escasa de mencionar.
da mmesa potgo de stda, merino, algodo e brim, ?f*
A modicidade de seus presos to coDbecida
m
A RVA DO BARIO DA VICTORIA 41
ffi-9
Fotdgraphia imperial-
E ,
CALERA B PISIUHA
J^- DE
/. Ferretra atilda
Desde o dia 7 de abril passado acb-s aberto o
novo estabelecimento photograpbwo ito ra do
iatmg n. 18, esquina do paleo >la matri* Oslraba-
hos que desde entao, tem sahido de nessa ofBcin
tem geralmente agradado, sendo recebidos por
guns com admiragao pelo extraordinari pro-
resso que ltimamente tem tido- phoUgraptua,
a por outros com alegra, por verera a provincia
dotada com'um esUbelecimemo digno d ella, e in-
wntestavelmente o primeiro que nesae genero
hojepossue : tambem nao nos poupamos-em censa
tlguma para monta-lo no p em qne ie acba, es-
perando qne o publico de Pernaobseo saber
apreciar nossos esforcos e recompensar nossos sa-
crificios.
Convidamos a todas aquellas pessoas, nieionaea
e estrangeiras que gostam das artes, oo trvercm
oecessidade de trabalhos de pootograpbia a visi-
tarem o nosso estabelecimento, que estar sempre
iberto e s- sna disposico todos os dias desde as 7
horas da manhaa al as 6 da t-irde.
Para es trabalhos de pbotographia possuirnos di-
versas machinas dos melbores autores raneexes,
inglezes e allmemes, como sejam : Lerebours et
Secretan, Hermagis, Thomaz Ross, Voigtlander et
Sonh eWolf. ltimamente recebemos tres novas
nachinasi sendo urna deltas propria para tonar
wbre o mesmo vidro 4 oo 8 imageos diversas e
soladas, e ontra de 6 a 12 imagens diversas a
igualmente soladas, de serte que oo caso de
grande concurrencia podaremos retratar sobre
ama nica chapa at 8 pessoas diversas e sola-
das para cartees de visita, e assim em menas de
nm quarto de hora despaeharmos 8 diferenits
pessoas que pecam cada orna, urna dnzia de candes
mais ou menos, com os sens retratos gmente, on
im grupo com outras.
Encarregamos-nos exclusivamente da diraccao
a feiiura dos trabalhos de photographia dei-
tando pericia e talentos do distincto pintor
illcmao, o Sr.
Jorge A. Roth
J3 trabalhos de pintura, a aquarela, a oleo, e a
pastel.
O Sr. Roth acha-se ligado a nossa empresa por
ama escriptnra publica, e at o presente tera-se
lesvellado na execucao de seus trabalhos.
No nosso estabelecimerto acham-se expostos ou-
tros trabalhos important* s do Sr. Roth, tanto em
miniaturas aquarella como oleo, retratos a
>leo, quadros sacros e diversos outros trabalhos.
Tomamos encommendas de retratos oleo at o
tamnho natural, assim como de qnadros sacros
para ornamentadlo de igreias ou capellas. Tam-
oem aceitamos encommendas de quadros histri-
cos.
Asseguramos que os precos dos diversos tra-
oalhos da nossa casa sao mui rasoaveis.
CARTES de VISITA NAO coloridos A 40J(K) A
DDZIA
CART5ES DE VISITA COM O C0L0RD0 AO NATU-
RALA 16,5000 ADUZIA
Retrates em miniatura oleo ou aquarella de
16 20*000 cada um, nao ccnveuientsmente en-
aixilhado em moldura dourada e regulando o
basto da pessoa retratada de 3 & pollegadas e
todo o quadro palmo e meio de tamanho.
Julgamos que bsstarao os precos cima para
larmos idea da baratera dos trabalhos do nosso
astablecimento, quanto sua perfeicao cada nm
'enba julgar por seus proprios ollios.
As melhores horas para se tirarm retratos no
iosso estabelecimento sao das 8horas da msiihi.i a
} da tarde; entretanto de urna hora s 5 da tardo
am casos especiaes pde-se tambem retratar qual-
uer pessoa.
Nos dias de chuva, ou por lempo sombro po-
temos retratar, e asspgur.imos que esses dias sao
)S mais favoraveis aos trabalhos de photographia
pela docura e persistencia da luz, e pt r termos o
iosso terra*;^ construido com taes proporges e
melhoramenlos, qne anda chovendo orros ne;
ahum inconveniente ha para fazer-se bellos re-
ratos.
J. F-rreiia VHiela
Neste novo armazent tem um
variado sortimento de fazendas
francezas, inglezas, altamas e to-
das todas se vendem por precos
mdicos, am de acreditar a este
a jyo armazem.
Gasemiras inglezas,
francezas, de todas as
qualidades, brins de
cores e brancos, colei-
rii hos modernos, cha-
peos de sol de seda,
unos.
DE
ARKUDA IRMlOS.
.......i

RA
llaro da Victoria
antiga ra
J\WA
N. 41.


Assim como tem ama grande
ofcina de alfaiate, montada com
todos os prepares que ha de melhor,
dirigida por habis artistas, que
pela sua promptido e perfeicao
nada deixam a desejar.
Roupa de todos os
amanhospara bomens
- meninos.
Por todos os paque-
tes recebera-se as me-
lhores e mais moder-
nas casemiras que ba
na Europa.
RA
BarSo dajYicforia
antiga rita
NOVA
N. 41.
Este estabelecimento acaba de soffrer urna reforma radical em aectio, artistas e commodos, e ni pontoalidade as encom-
mendas, finalmente em lado afim de melhor servir os seus numerosos freguezes deixa-se de annunciar todas as fazendas, para
alo se tornar massante ___ ___,

BE!f#i '

AVISO AVISO
Gmnde vaiitagem
AOS SENHNRES DE ENGENHOS.
Um estrangeiro qtie frequentou por algnns an-
nos os collegios de Franca, se offerece aos senho-
res de ngenhos, na s para leccionar o porlu-
guez em espaco de um anno, quando muito, como
para ensinar o francez com toda a perfeiclo em
espaco de seis mezes, pelo grande conhecimento
das maneiras mais facis de aprender-se e de co-
mo se ensioa nos collegios francezes, alero de ter
grande pratica por ter tambem j lecciondo em
engenhos das provincias do Brasil : quem de seu
presumo se quizer utllisar pode deixar caria fe-
chada, a qualquer hora, com endereco a Mrs. A.
B., na ra da Cruz n. 5, loja de livros, ra D-
reita n. 118, botica, e na ra das Trincheiras n.
50, loja.____________________________________
Na praca da Independencia n. 33 se da di-
heiro sobre penhores de o uro, prata e pedra;
ireciosas, seja qual for a quantia; e na mesin;
asa schcompra e vende objeetos de ouro. prata
lignalmento se faz toda e qnalquer obra de ov
: mtnenda, e todo e qnalquer concert tendent-
i mesmaTarte-
Em cisa ie THKUDORO CHKISTIa N
SEN, ra da Cruz i. 8-, eocootram-se
effectivannote todas as qnalidades de vinbo
B nteaax, Bq.trgfyie e do Rheno.
Pagase o 3 diviaVido
Joao Jos de Figneiredo a
ra da Cadeia, escriptorio n. W, devendo ser
apresentado os rrtpeelivos ututos,
; O abaixo as.-ignado declara qne o aann
chamando ra do Vigario n- 19, dSo seeteMe
com elle e sim com outro de igual acn
Manoel Lins Hieir
Na Iravessa da roa
das Crazes n, % pri-
meiro andar, dase di-
nhelro sebre penhores
de onro, prata e brilhan-
les, seja qnal for i quan-
tia. Na mesma casa com-
pram-se os mesmos me-
taes e pedras.
Sobrado para alugar
O 1 e 2* andar e soto n. 6 da ra do Duque
de Caxias : a tratar no Corarn de Ouro.
ferro
RVA DA CRUZ V 1
Chapas de ferro galvanisadas para telbeiros, etc.
Tacbas de ferro para assucar, etc.
Formas de ferro para assucar.
Arados americanos.
Carrinbos de mao.
Venecianas para janellas.
Machinas de descarocar algodo.
Machina de cortar fumo.
Mchica de cortar pape i.
Motores para dous cavallos.
Machina a vapor para mover machinas de algodo.
Raanos, prencas, cofres de ferro, fogoes de ferro, enxofre, salitre |hmaJha de
muitos outros artigos. ___
da massa fallida de
razo ae 1 1|4 0|0,
Ir mandad
de \o*sa Scnhora d.i oledade.
ELBl^AO.
De ordem do lllm. Sr. joiz sao convidados todos
os irmaos desta Ilustre irmandade compereoe-
rem no consistorio 4a [reja da Soledade domingo
4 de dezembro prximo vindouro, pelas 9 hor s da
manha, aflm de assisiirem a missa votiva, e em
segnida proceder-s na forma do compromisso a
eleicao da nova mesa que tem de reger a irman-
dade no anno de J871. Recife 28 de novembro
de 1870.
Manofl Barbosj.de Araujo,
Kicrivo intriiw.
Precisa-se de urna ama para cosinhar:
tar Pa roa do Qabog n. 7, loja de joias.
idad'i4 annos,
jar. casa de familia,
fa e nio v*i roa :
[iposap. 2f.
OS AMERICANOS
CILYNDROS PARA PADARIAS
Tendo cbpgado ha poucos dias completo sortimento dos melhores e mais
conbecidosl-cylindros americanos para padarias, roga-se s pessoas que d'elles precisa-
rem de virem vel-os ao gramie deposito do _
BASTOS
IiO.JI DAS FACHINAS
OirrB'OBA BJSA DA
Em tempos modernos nenhum descubr-
ment operou maior revolucao no mod d
curar anteriomiente em voga do qu o
PEITORVL DE AYICAIIUTA
TANTO NO TRATAMENTO DA
T0SS1, CR0P0,
ASTHMA, THIS1CA,
ROUQU1DO, RESFHIAMENTOS.
BRONCHITES,
TOSSE CONVULSA,
DOItgS OE PEITO,
EXPFCTURACO DE SUMOS.
Como em loda a grande serie de enfra-
dades da gafiganta, do peito e dos okgaos
oa respiraco, que tanto atormentara e fa-
zem soffrer a humanidade. A maueira an-
tiga de curar consista geralmente na appli-
cac5o de vesicatorios, sangrias,sarjar ou ap-
plicar exteriormente ungentos fortisaimos
compostos de substancias vesicantes, alm
deproduzirempolhasi cujos differentes mo-
dos de curar, nao faziam seno enfraque-
cer e diminuir as forcas do pobre doente,
contribuindo por esta.forma d'uma maneira
mais fcil e certa para a enfermidade a des-
truido inevitavel de sua victima Quem dif-
jerente poisto o effei admiravel do
PEITRAL DE ANACAlfUITA I
VM E EZ DE IRRITAR, MORTIFICAR E CA17 \
INAUDITOS SOFFRIMENTOS AO D0E.NTR,.
CALMA, MODIFICA E SUAVIZA ADOR.
ALLIVIA A IRRITACO
DESEMVOLVE ENTENDIMENTO,
FORTIFICA O COHPO
e faz com que o,systema
Desaloje d'uma maneira prometa e rpida
at o ultimo vestigio da enfermidade. Os
melhores votos em-medicina da Europa (os
Lentes dos Collegios de Medicina de Berlina)
testifican! serem exactase y erdadeiras estas
leaces analgicas, ou al m dissoja experi-
encia de milhares de pessoas da America
Hespanhola, as quaes foram curadas com
este maravilhoso remedio, sao mais que
suficientes para sustentarem a opiniao do
PEITRAL DE ANACAHU1TA l
Deve-se notar que este remedio se acha
inteiramente izento de venenos, tanto mine-
raes, como vegetaes, em quanto que porm,
alguns d'estes ltimos, e particularmente
aquelles que sao dados sob a forma de Opio
e Acido Hydrocianico, formara a base da
maior parte dos Xaropes, com os quaes tSo
fcilmente se engaa a credulidade do pu-
blico. A ComposicSo de Anacahuite Peito-*
a acha-se linda e curiosamente engarrafadas
m frascos da medida de cera de, m,
quartilho rada um, e como a dose que se to-
ma s d'uma colher pequea ge-
ralmente a applicar,
para a effi;ct_iic
ra
lm
.



/


Diario de Pemmbu Sabbado 3 de Dezembro de 1870.

.
1 i nmfx V 1 t
'* =





AO ARMAZEM
DO
VAPOR FRANCEZ
, HU il-I ?
Este eoobecido estabelecimento acha-se constantemente bem sonido, em virtude das
facturas que recebe por todos os vapores e navios francezes, dos artigos abaixo menciona-
dos, precos os mais resumidos que possivel.
CALCADO FRANCEZ
Botiua para enhoras e meninas.
Botinas pretas, brancas e de rauitas outras cores, sortidas e bonitas, do ultimo gos-
to da moda, e precos mais barates do que em outras partes.
Botinas para horneo e meninos.
Botinas de bizerro, cordavao, lustro e pellica, das melhores fabricas e escelhidas.
Botas e perneiras rnsslanas.
Botas e perneiras para mantaria, das melhores qualiades, de couro da Russia, lus-
tro e bizerro.
Sapatos de borracha para homens e senhoras
Tendo chegado grande porcao de sapatos de borracha vende-se pelo custo>lira ^ae
I desempatar o dinheiro nelles empregado,-so baratissimos.
Sapatos de lustro para homens.
Sapatos de entrada baixa de couro de lustro cora salto, de muito boa qualidade.
Abotinados para meninos e meninas
Sapatos abotinados de differentes modelos, de muito boas qualidades e fortes, unto
para meninos como para meninas, muito baratos.
sapatos de tapete.
Sapatos de tapete aveludado, de casemira, de charlte e de tranca francezes e por-
tuguezes para homens, para senhoras e para meninos.
PERFUMARAS
Excedentes extractos, baohas, leos, agua de cologne, florida, divina, lavande, den-
I trice, de toilette, sabonetes, tintura para cabellos, pomada angroise para bigodes, pos de
I arroz etc tudo isto de primeira qualidade, dos afamados fabricantes, Gondray, Piver e Lubin.
Quinquilharias
Luvas de pellica do conhecido fabricante Jouvin, espelhos para sallas, quartos e ga-
binetes, toucadore? de diversos tamaitos, leques para senhoras e para meninas, abridores
de luvas, brincos, pulceiras,botSes, eorrentss e chaves de relogios e trancelins, tuda de
ouro de li, correntes e brincos de plaqu, a imitacao e de mais gosto do que as de ouro,
caixinhas.de costura ricamente guarnecidas e ornadas com lindas pessas de msica, albuns
e caixilhos dourados para relratds, caixinhas com vidro (Te augmento para distinctamente
verse a perfeigo dos retratos, objectos de pbantasia para toilettes, bolsinhas e cestinoas
de seda, de velludo e de vimes para braco de meninas e senhoras, ditas para costuras, pe-
queos registros muito finos e delicados, bouquets de flores de porcelana, jarros proprios
para gabinetes e santuarios, quadros promptos para collocar-se vistas, molduras douradas
para quadros, estampas finas de paysagens, cidades, figuras e de santos, vidros para cos-
morama, matas, saceos e bolsas de v'iagens, esporas, chicotes, bengalas, oculos, lunetas ou
pensinez de prata dourados, grvalas pretas e de cores, abotoaduras de collete e de punhos,
carteirinhas para notas, thesounnhas e caivetes finos, pentes, escovas, ponteiras de espuma
para charutos e para cigarros, jozos de domin, rodetes, bagatelas e outros differentes, ve-
nezianas modernas muito conveniente para portas e janellas, cosmoramas, lanternas mgi-
cas, esteriocopos com wneressantes vistas de figuras e das mais bonitas ras, houlcyards,
pracas e passeios de Pars. phoio tapetes de vidriltio e de la de cifres para ps de lanternas, realejos grandes e pequeo?,
harmnicos, acordions de todos os tamanhos, bercos de vimes para crianzas, sapatinhos e
toncas de laa, carrinhos de 3 e i rodas muito elegantes para conduiir crianzas passeio ; e
oatras muitas quinquilharias de pbantasia, francezas e allemaes, precos muito em conta.
iSMpa^ psm. araos
Para este artigo nao ha espago era tempo para a massante leitura da nnnidade de
gneros de brinquedos fabricados em diversos paizes da Europa.
O dono deste estabelecimento pede ao publico em geral qne continu a viaita-lo H
verificando as qualidades e os precos baratos de ditos objectos por serem vindos em di- j
reitura e de conta propra. m
ATUNCAO
Jos Joaqatm VtJosi* Ma, -lem a" venda no sea Irmazeru, sito no largo do
Peloornho n. 5, os objectos segrate, e que vtnde por precos toa commodos do
que em outra qualquer parle :
Oleo de libala.
Cdttto de lastro. I | J z \
Saceos de estopa.
Estopa em pega. i
Vinho Bordeaox em caixaa. ,
Feltro em pe?a Para forrar embarca?oe-
Encerados. '
Telhas de ierro galvanisado, de differeates tamanhos, para cobrir casas.
Ferro liso galvanisado para- forrar embarcares.
Pregos galvanisados.
Cantara de Lisboa. >
Dita soleiras.
Dita marmore.
Taboas de marmore de differentes grossuras.
Ladriraos de marmore de differentes cores e tamanhos.
Ditos de pedra de Ansam. pretos e brancos.
Tmulos de pedra fina de differentes tamaitos.
Pedras para lavatorios.
Taboas de louza. titif
Pias de louza para cosinba._________________________________________
T MO DE URO
Nova loja de jolas
M
RA D0|CABUG.V N.9 A-
DE
Manoel da Ganlia Saldaulia & C.
Acaba de abri-se esle estabelecimento de joias, o qaal tem grande gort-
nnnto de todas asjoias de ultimo gosto, as-q^aes vender o mais barato ocs-
sivel. ^ #
Todas as joias ser3o garantidas utp de lei, pois os seas donos tendo em
vista so adquirir fregoezia nao olvidarlo? vender bom e por preces os mais
razoaveis possiveis.
Convida-se o publico a vir a este eSaboiecimento, certo de qae car
satiafeito.
A' MO DE 0UORR! ).\

e
H" fFALQUE
N'ESTA ANTIGA E CRED1TATA
FABRICA
DE
MCINTIl SE te\STASTRHEME Sil CPHPLET6 SORTISF.NO D
<'IIAPEOS DE SOI.:
De todas as qualidades I
De todos os fcitios I
De todas os precos I
-------------------
RA DO CRESPO
jlrh W 4 Yenda uta principies lajas de livro,
CHRESTOMATHIA
LINGUA INGLEZA,
roa
J. C. RODRIGUFS.
Contendor um Tratado obre a origen e o
desenvolrimento da Lingua Ingleza; una se-
lecta de ijopedagos dos principaes escriplores;
e ioo esbo$os biographicos e crticos desses
auciores.
Esta obra forma um volume de 438 pag. n S,
ntidamente electrotypado, e encadernado.
PREC0, 5|ooa
LIVrUKlA KBANCEZA.
CAFE PURGATIVO
a
Libras sttrlinas
Vende-se no escritorio Ir Joaqun Rodritroe*
Tatures de Mello, Isrgc do Corp Sanio n. 17, fr
andar.
= Vende re um terituo un rta proprios
cern 30 palmo? de frente e SOO de funis : na roa
doAraton. IC, da6a* 9 horas (Ja wanha e
le- 2 em ihanf". ^^_^^________
Fan*
?>
r
rs^-ysagsg^:
1X33
v^. *>'<**/ .*.*;:.:*
LlCOfl COCENTB*00 C TITULADO
A' ESCAMONEA
De BIN Barrai
Ihar 111 aceH i -" linico
A utilidad* ilws pury^iiie.'i iiiv lie demons-
tra lo alguma ; a pfescriba diaria que dces
faiem os mdicos e o um> aiwta mais frequente
feite pelo publico sao piows irrer?.gaveis lantrj
como a quaniidiiJe innutueravel deste genero. S
falla aperfeicoar cada vtt mais o medo de admi-
oistra?ao, de maneira que conservando a ?ua ac-
cao, tiles possam ?er lomados sem repugnancia
Bem a-co e. mbiriudo -em receio nom perigo.
Muilos puigaiii>-s ;r..anadoss devem e>le bum
xito ao seu effeito intenso e exces-ivo. D'ahi o
perigo, porque irrlac&fl de estomago, iutlamma-
c6es de eniranhas sao inevitavelmeme o resulta-
do do sen empr>go. N. i-* di-.-i; leni-sc de recear
com o cal purgativo.
Tudes cctihecein por experien'-ia o aroma sal-
ve o efleitn li(>.>iramente inico p. Hxe'tsnte do
caf FMI" melher auxit-r do* ptirgaoit-s rtit
quaes di-Iaiga o ch' iro o sabor e ;ijuua, a kC\o
sollicilanJo v.-g.irnapientp os nwjn'pntn* iwria-
talticos de intestino, e preveumdo o seu elleiio
muilo intenso thre o M>Unnaeo. Mstorudn "ir.
escamonea, facilita as evacua^oe- com promplido
e sem colitas, e torna se um parpante br.in'lo:
cerlo, fcil a turnar e refervr a 1; < s os t-niro
salvo urna inYcaeJk) u.-peciai d;. qaal o iBCOe o nico juiz.
A innocuidad* lo caf purgativo per>ilie .e
emprega-lo em ludo* es csm s siiupk. Dwper
lando a atonia do intP eo desle, desire a riimia ile ttuttr, is veoto-
sidades, as tlatuosidades e excita o appe.Ue. tm-
pregado mais a mindo, omveniente para eva
cuar com vagar a bilis e os hntpores viscosos e
e faz dessa maneira desapparecer a enxaqueca,
as dores de cabera e prev os ataque? de sangue
na9 pessuas que a esies sao predi-postas.
MODO DE EVIPREGO.
B* Uto timples como fcil. O cat perptito
deve ser tomado fri, puro ou misturado com um
pouco de lee fri wsoearado, ou agua assuca-
rada. O vidro inteiro a dos ordinaria para
umadulio; dnas coih?res de caf bastam para
as senhoras e para toda o qna.quer pissra que e
pmga faeilmerile.
Para as enancas de 8 10 annos, a metade de
vidro sofllcient ; de 5 a t) annos, urna colher
de caf, e a qoarta parte do vidro smeute abai-
xo desia idade centra a gosma.
E' ptr isso d'uma adminislraeao muito mais
fcil do que os bi-ecutos, chocolates ou
Vende-so
dnus lernuos na amiga estrada w Ap.a
C(,i,fr-utar ivni a etfnrtl nova. lend-. alguma- ar-
vores fructferas : a liatarna iraves.-a da ra ..a*
Cruies n. \\._________________________,______
Vendi-se um terreno na quina da campia
da Caa Forte, tendo orna frente para a mesma
campia p nutra para a roa, com doietios e eio-
coenta palmos de frente nes'a e dnzentos e seten-
ta e cinco naquella, e cento e rstenla no fundo,
com urna pequea casa de pedra e cal rom vmic
e dons palmos de frente e cincoenta e ciuco de
tunde : para tratar na ra da Imperador n. 10,
com Francisco Xavier Correu de Bnto. ou com
o Dr. to Birnardo Galvao Alcoforadn Jnior, oa
com Genuino Jos Tavares, no Montero.________
A 1#000
Espanadores de palhi os mais beimfelio. possi
Aeis : na praija da Independencia -n. "'
39
A' 500 rs.
NA
Fl r da Boa-YiSta,
DE
Paulo Guimares.
Camisinhas bordadas para senhnra a 500 rs.
Gollinhas, dem dem a 440 e 500 r?.
Mantas de vart-ja para senhora, proprias para ba-
nho, a 800 r?.
Ornas escuras e claras, o novado Mussulina* de cor, padroes novos, covado de 28<>
a 440 r. ..
Laas Amelia prj e-tido, 0 covado a
ira parte.
A' ra da Imperatriz, n. 4,
junto padarla franetza.
i
P1IH, A FUSTA
NA LOJA

DE
Pai'o Guimii-aes
branco biazas,
de
:1
H t Ir r.-.-'ii Hif^'ini ,a tirar ao aleairio a
;i e o --n -iHiargor insupporiaveis,
rtia mais soluvel. Aproveilandoei'a
; rta, eHc prepara um licor cn-
,1 ] -.'r:': :. qi:al, sol) um pequero
. :i urna grande propa-.vjo i>
...o.
) .\:c:iir& de Oajot (tioudron i /1 nossoe porcdhBf'ii 111 '-i 'idas asvan-
i^geaw da aiiua de alcalino ordinaria, sem ler
Bieonvenientes. Basta d*itar d'e.'U urna
collier de. caf n'um copo d'agua para obter
k 'i n.;\ cojm de escolenle agua de alcatrao
sem fjesh) d'**sa maneira preparar a sua agua de al-
r,.ro qii.iiiiio l-i>lla precisa, o que offerece
ma de lempo, faciiidade de transporte
e et ita o OUnKJQ lao rlcsagradavel doalcalrao.
O I;tui--">i> dr tn.ot Sllbstilue com
r.'irlagM) militas iKanas mais ou menos
i. ...-. nos (SSM de delluxos, bronchits,
losscs, catarriMS.
bolos
r
o
I
trn de tinyot empregado com o nwiof exio as molosrias seguintes :
ailli.-r de. caje "11 um copQ d'iiyua ou duas colhcret de
uj 1 Hira urna ,c.ofa :
b*ojx;hitiZS
CfiTAiliO OE BEXICA
OEFLUXOS
T05SE FERNITA2
IRRTAQO OE PEITO
TOSSE CONVULSA
YZ FOIKIlAUllS.
Licor pnrocti m um pouco d'agua:
Af COMIU^ES
y.:.;2.E5 'IA8 DP CCirRO CABELLiJOO
i
I
'& i' tTJSu0S. "~ ViHepuried liereip airo F.UXCS AKTIGOS OU RECENTES
UATARF.HO CA 8EXIGA
1; '.,, u.i.i.-. iU- '.,.t.f. foi e.; :;. 'i tat<0 com um verdadeiro xito nos
i prini-.:..(.-.; fw<|ff# de tranca, n .t;;..o f da Espaia. Foi reconhedo
I ( retuto durante --.s lempo* di apienua. (Jma ntvur.:.o auoiafam cada vidro.
Yeude-se na pharmacia e diogaria de P, Mau-
ro r & comp., ra Barao da Yictoria n, 17
PARS
CAfiVAO de BELLOC
aPPROVAOO PCL ACAOCm* IMPCRIAL OE MEOICIN*
em 27 daembro de 1810
purgativo?.
Dase immedialamente depms le'te quente as
sucarado ou cal-Jo leve, e duas ou tica ehavenat
de cha prtto ou de tilia.
nico deposito na pharmacia e drogara de
Bariholomeu & C. : roa larga do Rosario n. 3t.
O Sr. Antonio Ko^ers de Souza tem urna car-
ta recommendada em n so do abaixo assignado, a
ra do Vigano n 2o, 1" andar. .
Jo- Goncalves d Medeires Jnior.
^iompanhia Al lianza
DE
seguros martimos estabelecida
na Baha em 15 de 1870.
CAPITAL..Bs. 2.0C0 Of05COO.
Toma seguro de mercaduras o din- eiro a risco
martimo em navios de vella e tro e fra do Imperio. Agencii ra do Com-
mercio n 17, escriptorio de Joaqnim Jos Gou
galves Beltro.
siior
Rna do Baio da
Victoria n. 63
( Outt'ora ra Nava. )
Bilheles garanifdos da pro-
vsBcIa.
Esta feliz casa acaba de vender entre os sen*
muito felizes bilhetes a sorte de 3:000000 em um
meio de n. 307i, outra de IKlOOCO em um quarto
de o 2668, outra de 400000 tm duOS quartos de
n. 617, e um meto de n. 3221 com a surte Je 10.
e alem de outro- premios menores; podendo os
seus possuidures virem receter, qoc promptamen
te sero pagos.
O abaixo assignado convida ao respeitavel pu-
blico para virrm nn seu estabelecimento comprar
os elrzes bilhetes garantidos, que nao deixarlo d
tirar qualquer premio como prova pelos mesnw
annuncios.
Acham-se venda os muilo felizes bilhetes ga
rantidos em beneficio da matriz de Jaboato, que
ser extranida terra-fpir.a 6 do correte mez.
" JPREQCS.
Inteiro 640003
Meio 3J>000
Quarto 1*500
De IOOJOOO para cma.
Iuteiro SMOO
Meio 2*700
Quarto 1*350
Joo Joaqnim da Costa Leiie.

I
PARS
pars
pars
t' sobretodo s suas propiedades eminentemente absorventes,
que o (iw.io de Beiioc deve a sua grande efficacia. Recom-
meuda-se-e especialemente contra as affec^oes seguintes {
GASTRALGIAS
OYSPEPSIA
PYROSS
AZIA
OIGESTES OIFFICEIS
DORES DE ESTOMAGO
CONSTIPAQAO .
CLICAS
OIARRHEA
OYSSENTERIA
CHOLERIN
r, E^rfiEQO. ~ t* leBelloe ,Chrbon deBellot)
pois ilp oada comida, sob forma de P ou de
,) beni estar seiite-se logo depois das pri-
informaQao entensa acompanha cada vidro
i' p i! cada caixa de pastillw.
.;>**to cm Par?, L. FRI.RE, 10, rae Jacob.
Vondese t.a pbarroa'ia e drogara de P. Maurtr& C,
ra o t^ro da Vktoria n. 17
PARS
Palilots de brim
3 4. o, e 65000.
Ditos de alpaca branca de 3, a 4*.
Ditos de dita de cor, de 3 a 300. eg
Calsas brancas debrim.de 2 a 8*.
Cohetes brancos, de 2 a 3*500. jjsj
Grande si rtimento de calsas de casimi- ^
ra prea e de cor, palilots de casimira
de todas as cores, obras tudas corladas gg
por um perito meslre. g
Na mesma loja se manda fazer obras g
por medida e por menos O p*r cento %g
(iue em outro qualquer ertabelecinn-nto, r^t
pois para i?so acham-se mauidos d'um g
perito mestre e offieiaes. f|i
A R\ DA LMPKrWTRIZ N. 48.
Junto a padaria franc za.
;
wmm
Venham, freguezes,
muir se ra Duque de Casias (amiga-
mente ra da* Cruzes), sobrado das pe-
gas de ardlheria n. 6.
este r.uvo estebeleelmento rncontraraoos ama-
dores de agua fresca e ttbofOM os melhores ob-
icQtos de barro, pois se acha prvido de todo o
ro imento como sijam : quarlinhas dos melhores
fabricantes desta provincia, jarras, morinsne?,
resfriadore?, bilha?, garrafas pjlidas e torneadas,
ludo do melhor barro egnslo; as.im como jarras,
pote?, quar'iiih.iS, buba?, jarns e va-s parafl)-
rfi', loura vidrada de todas '.> qualidades, e mol-
tos outros objectos sem serem poHdol, tudo de uti-
i-i.lf ;;t;i :.s 'M-.k de familia". ^^_____
Vendi-se
Urna armario com tidos os seus perlense:
n para familia: tratar na mesma casa.
>>
ACABAR
COMPRAS.
Com muito maior vantagem compram-se
ouro, prata e pedras preciosas e u obras velbas: na
loja de joias do Corarlo de Ouro u. 2 D, ra do
Cabug.___________________^__
Cjinnra-M um arreio novo ou com pouco
uso, para dous cavallos: na nbeira do peixe n.,19
"
VENDAS.
QUEJOS
empellickdos, os mais runos e
melhores que desejar se pode,
desembarcados hontem a 2|i200
cada um : na armazem de mar-
more a ra do Juque da Cu-
xias n. 42, junto A esta ofi-
cina.
Kap amar-linho
Paulo Grdeiro
Fabriezdo pelo mf?mo proersso romo o
de Lisboa, e acba-se Yenda n"s seguin-
tes deposito: ra da Catleia n. 5, no
armazem o Noy Mundo em frente a ra do
Vigario ns. 2 e II, Rosario n. 3S, Impe
ratriz n. "i.
3RE
Vmde-se a 14300 a arriba em barril
mazem da hla amir'a do aillo 4* ?e'cetaria da
polici;\
Jt 1 > m-i x I
.Suoeriores camisas inglfzas com peito de llnh)
pelo diminuto pinjo de 3-i'OO, 3J500e 4000.
Elegantes rnapos derastir braneo a ^|.
Tsrlataas de cores pelo mt-ignilieante prego di
3t. a Nvfa.
Lindas alpacas de cores a 360 e 400 t*. covad.
Exeellenle alcatifa cm 4 palmos de largura,
proprio pata fono (e sala e quartos a 500 rs. o
covado.
Guiprrr. braneo e prtto ivx 0 palmes de larga-
r. 11300 rs. o cova '.i.
Corles de eolletes de eorgoo prelo e de coi
pe diminuto preco i!e .1^ e 34900.
Ditos de vello to para Coflele a 000.
Cortes de cas.-a prtadis com 7 varase rOres
Bxas por 233C0.
Gorguro de i;ia faznda superior para vestido a
800 rs. o covado.
Tpeles piqnenos proprios para portas de sala?
a 3*000.
0 rtes de organdy de cores bordados com 18 Be-
fados por 8J0O0.
Toalhas pequeas para resto a 6 aduzia.
Services de linho para mesa, tendo urna toalha
com 15' palmos e 13 gusrJanapos por 30 5.
Meios servicos para mesa com urna loalha me-
nor e 6 guardanapos por lo*.
Chapeos pretos de pello fazenda su; erior a 6:.
E outros muitos ariigos que para nao nos tor-
Darmos enfadonhos deixamos de nomear.
Na r'ia do Duque de Casias o. 31, loja de Anto-
nio de Monra Rolim & C.
1
n
TTENCAO
Vndese medidas de folha do novo systema
para molhados: na ra do Arago n. 24, tenda
de funileir,o, a saber : l; temo a 2*000, temo in-
teiro 3*000 e medidas avulsas a differenlas pre-
cos.
JAROPE
Depurativo
imembro da acammluiemedicinal
Preparado por OESLAURIERS.ph.|
Suc de BOUTIGNY-DUHAMSL
51, Ra de Clpy Papis
O Xarope depurativo ioilu'rado do Don-
tor Gibett offerece, no seu emprego, um
resultado bom, certo e constante na cura
da&itnpigetis, escrfulas, molvstwsdapelle,
vicio do sangue, obstr uecoe Itfmphatica^,
molestias contagiosas (syphiliticas), leves
uu inveteradas, e de. todos os accidentes que
d'ellas dependan.
A rnceita deste Xarope foi approvada
Sin Atademia imperial de Medicina de
Deposito na principaes pharmarias do
Brasil.
Mautisuo da Cruz Correia ; Jofco da Cos-
ceic.ao Bravo o Cu; Alglsto Caors ;
Bartuolomeo e C"; Alexahie Ribeiro;
Abreu Ribuuo ; joto da S" Fasu e Ihmao.


"
f
Diario de Perambuco
SabWo 3 le Dezembro de 1870
__________________

PECHINCHAS
DO
Neste impcrtante estabelecimento encontrar o respeitavel pnblico, om grande e tarjado sortimento de fazendas do mais
apurado gosto e todas de primeira necessidade, qae se vendem mais baratas do que em outra qualquer part?, visto qoe o* no-
tos socios desta firma, adoptaran o systema de s venderem D1NHEIR0 ; para poderem vender pelo cost, limitando-se apenas
a gsobarem o descont ; as pes-oas qoe netrociam em pequea esca'a nesta loja e armazem poderlo tazer os seus sortiroeatoa
pelos mesmos precos qne compram as casas inglezas, (importadoras) e oara maior commodidade das Exmas. famkwis se daro
amostras de todas as fazendas, oa Ibes levam em saas casas para escolherem.
TAPETES GROSDENAPLES PRETOS
Chegoa para o Bazar do Pav3o o mais Cbegoo para o Bazar do Pavo um gran-
elegantefortiment" de tapetes grandes, pa- de sortimento dos melhores grosdeoaples
ra sutts, com 4 cadeiras, ditos mais peque- pretos qne t*m vindo ao mercado, qoe se
bon para duas cadeiras, ditos para vendem de 10600 at 55oOO o covado ;
pian camas, portas; etc. vende-se por sao todoa muito em conta.
menos do que em ontra qualqaer parte. ESPARTILHO.
ROUPAS PARA HOMENS No Bazar do Pavio recebea-se om elegac-
No acerediiad'i Ba.ar do Pavo encontra- te sort ment dos mais modernos e methe-
r o respeit vel publico om grande sorti- res espartilbos. que se vendem por preco
ment cas como de cores, a saber: PANNOS DE CROCH PARA CADEIRAS
Camisas con: peitos d'algodSo e delinbo, O Bazar do. PavSo receben um grande
GRANDE
BAZAR DO PAVAO
6Q-RA DA IMPErMTRIZ-60
PEREIRA DA SILVA 4 C.
Qaando a AGUIA BRRNCA, mais precisa'scientificar ao respeitavel,,
eom especialidide a fdrai> n particular a soa boa fregaea, da immensidade de objectos qne n
te tem recebido, justamente?orondo ella menos o pode fazer e porque essa falta
tantaria ella confia e espera na benevolencia de todos qne lh'a attendero e rel
continuando portanto a dirigirem-se a bem conhecida leja da AGUIA BRANCA i M 4
Qneimado n. 8, onde sempre achsrfo abundancia em sortimento de superioridad! e
qualidades, modicidade em presos e o sen nunca desmenttido AGRADO E SINCERIDAD!
Do qne cima fica dito se conheee qne o tempo de qne a AGUIA BRANCt fod
dispr, empregado apezar deseos castos nodesempenho de bem servir a aquellos qpe t
honram procurando pwver-se em dita loja do qne necessitam, entretanto sem enlame
rar os objectos qoe por soa natureza sio mais conhecidos ali, ella resumidamente Indi-
car aqutlles coja importancia, elegancia e novidade os tornan recommendaveis, eem
bem seja
oara todos os precos e qualidades.
Cero .las de liono e algod5o.
Maias cortas francezas e inglezas.
Palitos sobrecasacos de panno preto e
casemira.
Calcas de brm branco e de cores
Dita- de casemiras pretas e de cores, com
colletes iiroar-8
De todas estas roopas ha para todos os
precos e q..ali lades, e tem de mais mais
om perito
ALFA1ATE
Por qoem e manda fazer com prestesa
e acei quaiquer peca de obra a capricho
ou en t do fregaez, teodo n'este importan-
te estab-lecimento todas as qualidades de
panno fino as melbores e mais moder-
nas casemiras, assim como os melbores bros,
qur brancos, qor de cor; e qaando qoal-
qner obra nao ficar ioteiramente ao gosto
dos fregnezes fica por conta do estabeleci-
meotn
FIHT^ES DE COR E BRANCOS
Vpndeo-se bunitos fostes brancos e de
cores, roprios para vestidos e rcopas de
meninos, sendo de cores a 800 ris o cova-
do e brancos, a 400 e 640 ris, pe-
chincha, no Bazar do Pavio roa da Imps-
rairiz n. 60
CHITAS BARATAS
a 200 ris.
a 200 res.
a 200 reis.
Vendm-e chitas largas com mnito bons
pannos e cores fizas, pelo barato preco de
200 r>s o colado ; cortes das mesmas com
10 covdos a 20OQO, e pechincha, no Bazar
do IV 5o.
AS CASSAS DO PAVO
Cnvadi. 200 ris.
a 200 reis.
a 200 ris,
Vende o-se buuias cassas de coras miu-
dfoba> pelo barato preco de 200 ris pc>
vad", no ar tiazem do Pavio roa da Im-
pei'4tri n 60.
PANNOS PARA SA1AS A 1*000, O METRO.
No Bazar do Pav3o vende-se bonita fa-
xeii'ia branca encorpada para saias, sendo
com bagados e pregas de un lado, dando
a lar sai, a qual-se pJe fazer com 3 ou 3 lr2
metros e vende-se a id, 14280 e 10600;
asom como tambera no mesmo estabeleci-
ment se vende bonitas saias brancas bor-
dadas, ten lo quatro pannos cada urna, ditas
de la d* cores ja promotas, urnas com
barras ,rentes da mesma fazenda 45000,
e ou'ras eom barras brdalas 65 e 7000..',
tod i isto moderno e barato.
CARNAUBA.
Vende-se caroaoba em saceos, na roa da
Ira >eratnz n. 60. Bazar d Pavio.
TARLATANA- USTRADAS CORTE A 6S500
Cneg u para o Bazar do ^o um bonito
soni.nenio de tarlatanas listrad sendo
verdes, cor de nsa, lir^>, tendo esta bo-
nita fa en i:i muita phanta c-ia corte a tSO*, pechincha ; na ra
da Im Tatrit n. 60.
casaQui.nhos msgupurf a io,$, m,
4o0, E 200.
Chegaram Dir o Bazar do Pa3< os
mai< mo ter ios casaqointios ou bajunas d>*
gnipure cora datara, ncamnte enfjitidos
era lafs, e ventero se oelo haiaio preco
de I o, l \j, 165, e 2 '0. pechincia,
ra da I ope atrz n. 60.
LENg W DE MJRIM A 30500 A DUZIA
Vj dem t branc o'e raorim, sendo fazenda moito
en'O'p.ida. a :<03uO a dnzia. Dit-s de
ea i hraias m-sims, faz^n a qoe s mire
se veuleu a 500'iO e li|udi-se a -<03)Oa
d izi< o>r h'V r iDuit* porc >, no Binando
Pav5 a roa da Irap'rat'iz o. KO.
C0RI1NVD0S DO B4Z\R D PAVA A
80 100 tt E 1K0
Chepou urna granoe ramuja dos me-
lbores cprna c rato piec i d- 80, 100, 120, e lo;5,o p r :
ra da Irapd at'ii n. 60.
MADAPOLAO ENFESrAOO PEQA A
Ve adera se ppcas 1" malapoli francez
enfeudo, tendo H metros cada peca a
3i>2 Ki: iiecniocua no Bazar do Pavi.i,
a ra da Iupe atm n. o.
DAMsSCS para colchas
N Basar do P vS., vende-se lamas o
enfe tado com bonitos d-z-nbos, te ilo 6
p linos le lirgnr p opiios paraco|;bas,
pel> bo-ai preco d-- ^t6\i caa cuvado,
dito, dito, com .8 pal os muito fino a
40)Oi>, asim c-moraui.-i b nius colchas
de t-ma>co de la que se eui^ na l.ja do
Pvo p\* da Irn -r* r z n. 60.
RETALH3J DE CHITAS E CASSAS PRE-
TAS.
No B.izir di P.ivjo vode-s^ por 3o de
reiaiho< de p >itas e cassas retas sem li-
mite uo prego : ra di Inpjratri n. 6 .
sortimento dos melbores pannos de croch,
proprios para cadeiras de bataneo solas,
pianos, t iraboretes e al proprios para cu-
brir a I mofa das e p ratos; vendende-se por
menos do qoe em qaalquer parte.
PARA LENQOES
No Bazar do Pavio vende-se soMror
bramante d'algodio com 10 palmos de lar-
gura a 10800 o metro, dito de linho com a
mesma largara a 20800 cada metro, pannos
ds linbodo porto com S 1/2 palmos de largura
de720 at 10 a vara, assim como rrm grande
sortimento de H imburgo ou creguellas de
todos os nmeros, prec/is ou qualidades,
qae se vendem mais barato do que em on-
tra qnalqner parte; aproveitem-
ATOALHADOS
No Bazar do Pavio vende-se snperior
atoalhado trancado, com 8 palmos de largu-
ra a 10600 o metro, dito de linho adamas-
cado o melhor que tem vindo ao mercado a
30500 o metro ; tudo isto moito barato.
FAZENDAS PARA LUTO
No Bazar do Pavio veode-se constante-
mente o melbor sortimento de fazendas
pretas para luto, como sejam :
Liasinbas pretas lisas.
Cassas pretas de lia.
Cassas pretas, francezas e inglezas, lisas
e com salpicos.
Chitas pretas de todas as qualidades.
Alpacas pretas lisas.
Ditas lavradas com branco.
Merinos, cantfjss, bombazinas, qae 89
vendem mais barat i do que em outra qaal-
quer parte.
CACHE-NEZ A 60000.
No Bazar do Pavio vendem.se bonitos e
grandes cacbi-nez de para lia, pelo bara-
to prego de 60000 cada om
fEIIIOCHA EM CAMBRAIAS VICTORIAS, A 50,
60, 70 80000.
Vende-se um esplend lo sortimento de
fioissimas cambraias victorias, por precos
mais baratas do que em outra qaalquer
parte, teodo cada peca 10 jardas a 50, 60,
60500 e 70000, fioissimas a 80500 ; todas
estas cambraias valem muito mais dinheiro
liquidam-se por este preco em relaco a
orna grande compra qae se fez no Bazar
do Pavio.
BABADINH )S
No Bazar do Pavio veode-se om grande
sortimento dos mais finos babadinbos borda-
dos tapados e transparentes, assim como
urna gran e porcio de entr m-jios largos e
estretos, qoe para acabar te vende mnito
em conta e mais barato do que em oatra
jualqner parte.
JETINS DE CORES E GROSDENAPLES.
No Bazar do Pavio v^ode-s om sortimeo-
to completo dos mehores setios e grosde-
aaples de todas as cores, que se vendem
nnito em coma.
Colchas brancas i 352 A, 3 -iOO e 70000.
Pa a o Baar do Pavi ebegou um grande
sorliaiento das memores colcias pretas,
sendo das memores e tais encordadas qoe
t ni vindo 7000), dita um pouco mais
baisa 36500 e mas 3520); tambemno
ue-mo eaiapeteciQieotu, se ven le amgrande
sortimento de ci iones e cbitas proprias
p^ra colcnas que se enit-m oaitoemcoata.
Sedas de qoadrinhus t I02SO ao corado
vvnd'.-ve m ele^^nte soriinento de sedas
de q ia l.-inOn-, t-x)' lint s>iioas cores, para
vestidos e ronp is d meninos, e vende-se
i 10280 ca.ia covado; pechincha no
Bazar do PavSo.
CHALES DE RENDA.
Coaies t oO >.
Chales a 2000.
Chales i 2000.
Vend -se orna grande porco de chales
relas de reod> ou croch, sendo pretos
co o 4 p'iotas, fazen la q.u sempre se ven-
ten 50011 e li iuid - pecinncha no B lar do Javo, a ra da
imnnr^ti'iz n. 60
LI\')\SB\REGES A 320 R*. O COVADO
No Bizar > Pa^i' vlese o mais bo-
nito sort meato de fi lissimas hareges trans-
parentes c m a< iu iis bonitas listas de cores
propias pa a vest 1o, e hquda-sea pataca
o covado por estarnos moito prximos da
fe la ; ditas moscadas, fa-enda moito lus-
trosa e com liodas cr-s a 400 ris o covado,
pe hn cli i a tua ia I np ninz n. 60.
LENCOS DE ASSV DUZIA 30030
Venteu-se tiai-stu"S lencos de cassa
com de icad >s ce ca uras, de cr.-s fixas
j eiuha hid s, s n lo pr prio para ho-aens
e sen'i r^s io biratissimo pre^o de 300 0
a d i/.ia, no Bazar do Pavio a ra da Impe-
rar iz n. 60.
I-0ALHA3 A 70500
No Ba'.ar di Pdvii fez se urna grande
om t-i de t alnas alcoc madas, proprias
jara ro-t>, bistmie encarnadas e grandes,
jue sempre se vendaran a\l25')0, e li-
jU'daiu-8i a 7 500 a. duzia->u a 640 rs.
ada uaja.' boa pe;iucoa.
PAVAO
Ra da Imperatriz 60.
rara vender depressa
UNDAS JAPONEZAS PARA VESTIDOS A
A 500 RS.
Chegoa am elegante sortimento de lias-
inhas do Japio, com padres de seda e de
moilo boa qoalidade. que se vendem a
500 rs. o eovado. pecninchi, no Bazar
do Pavio, roa da Impera ir iz n. 60.
POUPEUNAS DO JAPA0 A 10600 O COVAOO.
Chegoa um elegante sortimento de lin-
dsimas poupelinas Japonezas, com os
mais delicados gostos, tendo muito lustro
e com listrinhas de seda, sendo esta nova
fazenda qoasi da largura da chita france-
sa e rende-se pelo barato preco de 14600
cada covado, no Bazar do Paio.
AS POCfELINAS DO PAVO A 20000, O COVADO.
Chegoa para o Bazar do Pavio om bo-
nito sortimento das mais modernas e ele-
gantes ponpelinas de linho e seda, qne se
vendem pelo baratsimo preco de 20000
cada um covado, assim como ditas com
go-tosescossezes a 20400, pechincha no
Bazrr do Pavio.
SEDAS A 20000
Chegoa a a elegante sortimento de boni-
tas sed a* de listrinhas, com as cores mais no
vas qua tem vindo ao mercado e veudem-se
a 20000 o covado, na roa da Imperatriz
Bazar do Pavio.
CRETONE FORTE A 20000 O METRO
So no Bazar do Pavio.
Cbegon o verdadeirocretone francez pro-
prio para leeros tendo 10 palmos de lar-
gura, e moito encorpado, sendo preciso ape-
nas para cada leu?ol 1 '/* ou 1 '/* metros, alm
d'esta applisaco tambem esta larga e en-
corpada fazenda propriapara toalhas, saias,
ceroolas, etc. e liquida-se pelo barato pre-
co de 20000 cada metro.
CASEM1RAS A 20500 CADA COVADO
No Bazar do Pavio vende-se um grande
sortimento de bonitas casemiras de ama
cor, sendo asul, lirio, mssclada, sendo de
duas largaras, proprias para calcas, palitos,
e roanas para menino, e vendem se pelo
barato preco de 20500 o covado, roa da
Imperatriz n 60.
BONITAS LAASINHAS A 500 BS. 0 COVADO,
Vende-se delicadas liasinbas com di Efe-
rentes gosto pelo barato preco de 500 rs.
o covado, no Bazar do Pavio.
ALPACAS BRANCAS.
Vende-se um bonito sortimento de fiois-
simas alpacas brancas lavradas, imitacio
de seda, proprias para vestidos de baile ou
^smenlos no Bazar do Pavao.
ALPACAS LAVRADAS A 40U60 E 640 RS.
Vende-se om grande sortimento de lin-
das alpacas lavraaas de todas as cores para
vestidos e vendem-se a 400, 550 e 640
e at mil e tantos res o covado, no Bazar
do Pavio.
BAREGES DE QADRINHOS A 600 RS. O COVADO
Vende-se as mais li das emoderdas 15a-
sinhas on bareges de quadrinhos, proprios
para vestidos, tendo qoasi largura e cbia
frsnceaa. e 1 qnida-se a 640 t. o corado
no Bazar do Pavio.
MERINOS DE CORES RARA VESTTOOS.
Vende-se bonitos merinos de ama so
cor com cores mui o proprios para vestido
e roupas p-i-a cranlas por ser orna fazen-
da de pnra lia e muito leve, veode-se a 10
o covado, no Basar do Pavio.
GLACS A 10OO PARA VESTIDOS.
Vende-se om eleg nova fazenda denominada glacs sendo urna
fazenda de lia muio larga e com, del'ca-
oissimas cores, teodo tanto brilho como a
seda e vende-se pelo barato preco de 10,
2 covado, no Bazar do Pavio.
CASEMIRAS A 70000
Vendem-se c rtes >ie casemira ingleza de
cores para calcas endo fazenda que vale
mnito mais dianeiro e liquida-se a 70000
o corte de caifa, no Bazar do Pavio a roa
da Imperatnz n. 60.
GRANDE PECHINCHA EM CAMBRAIAS TRANSPA-
RENTES a 40, 50,60, 80, e 100000
Vende-se fioissimascambaiassuissas, de
muita phantasia tendo 9 varas a 80500 e
10000o. Ditas bi-..>o com 10 jardas fazen-
da muito tina a 50, 60 e 70000. Ditas fl-
nissimas azuladinhas, qae valem muito mais
dinheiro, a 80 e 100 Hfc : t das estas cam-
Oras, em relacio a qualidaie, pelos pre-
cos ac>ma sio mais baratas do que em oo-
tra qualqaer parte, no Bizr do Pavi >.
CAMBRAIA ALLEMA COH 8 PALMOS DE LAR-
GUIIA A 11600, SJ E 2*500.
Venle-se finissira. cambraia branca tran-
pa-ente com 8 palmos de largara, qae fac
la fazer-se cm vestido apeoas com 4
varas e liquida se a l600, 20 e 20500 a
vara, fazenda que vale muito mais dioheiraY
pechincha no Bazar do Pavio.
CAMBBUA TRANSPARENTE
Pega a 4$o00
Vende-se muito finas pecas de cambraias
brancas transparentes, tendo8 l| varas ca-
da pp?a e com om vari de largura a 40.
pechucba, no Bazar do Pavij
A' ra da Imperatriz
d. 60.
jme de Ca&Us n. os
TRov
arar a.fc
sna ooastante tregoasa, o qae ella vat recetando,
unto mais qoanto auroxima-se o tempo em qae
todos pareces) msis ttpoatos para luavfir as
fadigas passadas, ista iprexn-se o tempo cha-
mad > a fesla ; ella apreesa-se en mencionar o qoe
tem recebido ltimamente, pos como sabem, os
seus objectos prtmam sempre em gusto e superio-
ridade, assim poie os apreciaiore do bom diri-
jam s Kuva Esperanca ara do comprarem o
qae de melhor existe nujnercao, como seja :
Modernos aderecos de tartaruga e madreperola.
Amibas para bordar em lia.
Lindas caixas de conre da Rttnm proprias pa-
ra preaeole, coatende tres fiasco de crystal com
finos extracto*.
Boas agulhas cautofas.
Um variadlssimo sortimento de modernos enfei-
tes para vestidos.
Espartilhos de umitas qualidades.
Bonitas'e tlefaatea caixas para costara.
TTCtl de seda para crochet, de bonitas cores.
LinalsfiRias boneeas vestidas e despidas com qua
agrada perfertamente aos meaiBos.
Deoao* ranos de flores de taran ja eom 1 til
metro de eomprimeato para regacp de vestido de
neivas.
Bonilos vasos com banha eom disticos de appe-
lidos brasileiros proprios para prentes.
Modernos nenies doorados para senboras.
Boa leleoeopios eos bonito e interessaates car-
toes de vistas.
Finas caletas de cabellos plaqu para relogio.
Finos satentes de areia para amaciar ai nios.
Boas metas de la para hamens e senhoras.
Um grande sortimeato de finas thesonras e ca-
ivetes de maita* quahdaoes.
Bonitas meias de cores para bomens e senhoras.
hornada alpaca.
Esta pomada preparada com totano de orco
pelo afamado fabricante Pirase & Lubine, e real-
mente muito boa, e um verdadeir antidoto para
as caspas, e exi.ite sonriente ra Duque de Caxias
n. 63, na Nova Esperaoca.
Perfumaras
As melbores, e do mais eonhecldo fabricante,
tanto francez como inglez, estao expostas venda
na roa Duque de Caxias n. 63, na Nova Espe-
ranza.
Extractos, banba, oleo, sabooetes, agoas de co-
lonia, de laranja, florida e de lavande, etc., etc.,
ludo de superior qualidrde : vende-se na Nova
Esperanca roa Duque de Caxias n. 63._______
k
Corpiobos de cambraia, primorosamente
eneitados com fitas de setim e obras essas
coja novidade de molde e pereicio de ador-
nos os tornan apreciados.
Fitas mni largas de diversas efires e ca-
lidades para cintos.
Leques oease objecto moito ae poderia
dizer qoerendo descreve-los minuciosamente
por soas qnalidades, coree e desenbos, tal
o grande e variado sortimento que acaba
de chegar, mas para nao massar o preten-
dere se lhe apresentar o qoe poder de
melhor.
En treme ios em pecas de 12 tiras.
Guipare branco e preto de diversas qna-
lidades e desenhos.
Ditos de atgodlo com flores e lisos.
Veos de seda para chape linas e monta-
a.
Meias de seda para noivas.
Ditas abertas de fio de Escossia.
Costamos oa uniformes para meninos.
Enxovaes completos para baptisados.
Tooqninhas de fil, sapatinhos bordados
e meis para ditos.
Camisinbas bordadas para ditos.
Capellas brancas para meninas.
Grande sortimento de flores fiaas.
Fil de seda preto.
PERFUMARA
Grande e constante sortimento de dita,
sempre melhor qoalidade.
Lindos vasos com pos de arroz e pinsel
Caixmbas eom ditos aromticos.
Bonitos e modernos pentes doorados pa-
ra circular o coque.
Bonitos brincos de plaqueo.
Aderecos e brincos de madreperof
Caivetes finos para abrir latas.
Tbesooras para frisar babadinhot.
Aspas para balio.
Novos siereoscopos com 48 vista, a*
qoaes sio movidas por om machanga*
ornas sobstitoem as outra*.
Vistas para stereescopos.
Bonitas caixinhas de vidro enfeitadot co
pedras.
Ditas de rnadeira envernisada com rispo
ras e com dminos,
Bollas de borracha para brinqoedo d
crianzas.
Diversos objectos de porcelana, proprio*
para enfeites de mesa e de lapinhas.
CHEGARAM:
Poqos instantneos aperfeujo-
ados por preqo muito commo-
do: na rna Nova n. 28, loja de
Antonio Pedro de Souza Soares.
Bombas completas para ca-
cimba, por diminuto preqo, na
mesma casa.
CEMENTO
O verdadeiro portland. S se vende na roa da
Madre de Dos n. 22, armazem de Joao Martins de
Barro
1IACIIIMS PARA
COSTURA
Acabam de chegar ao GRANDE BAZAR
UNIVERSAL, ra Nova o. 2carneiro
viannaum completo sortimento de ma-
chinas para costura, dos autores mais co-
nhecidos, as quaes estao em ezposico no
mesmo Bazar, garantindos-e a sua boa qoa-
lidade, e tambem ensina-se com perfeicSo
a todos os compradores. Estas machinas-
sao iguaes no seo trabalho ao de 30 costu-
raras diariamente, e a sua perfeipao tal
como da melhor costureira de Paris. Apre-
sentam-se trabalhos esecutados pelas mes-
mas, que muito devem agradar aos preten
dantas.
oa aluga-se os armazens que foram oceupados
com a brica de sabao e destilaran do Sr. coronel
Franca, na roa da praia de Santa Rita nova, os
quaes offerpeem proporcoes para bem se montar
qualqner fabrica de gran le e?tabelecimento, com
a grande vaatagem para embarque e desembar-
que : atralar C'n o commeid^dnr Tas-io.
CAL NOVA 1LISKOA
Vende Joaquim Jos Ramos:
a. 8,1* andar
na ra da Criu
cervt-ja branc i e preta
DA
engarrafada por
Bloodo Wolfe & C.y
espectalm-nte nara o Brasit
UNICi)S AGENTES EM PERNAMBUCO.
J. Jefenes fy C.
46. Ra do Uommerc'o 46.
iiitts^iK^w^Hn b^b:?es>:3b
0
S
s
m
13

o
cj3
s
0 COLLAR 9 DRQ
N.3ARIAD0(M(\NXA.

0
ca
Com este titnlo acha-se aberto inteiramente transformado este antigo
estabelecimento de joias, onde os fregneies e amigos encontrarao todo qnanto
a moda e o bom gosto tem inventado na arte de onrivesaria, o Collar de (raro
observar delicadeza no trato e senciridade e modecidade nos precos.
Espera qne o respeitavel pnblico venha ver o qne existe de melhor em
aderecos de brilbantes, esmeraldas, robins e perolas, meios aderecos, pul-
ceiras, brincos, alfinetes e anneis de todas as qnalidades, prata de le faqnei-
ros, colheres, palileiros salvas e outros mu i tos objectos que 'seria enfadonho
mencionar.
Compra-se onro, prata, brilbantes e pedras finas, pormaior preco de
qne em ontra qnalqner parte, troea-se e concerta-se todo e qnalqner objecto
pertencente a esta arte.
A ARARA
3
ATTENCAO
Lonrenco Pereira Meodes Guimares, participa a todos os seos devedore
tanto da praca como do mato, que estando I qoidando suas casas commerciaes. o qn
deve fazer at o fim do corren t anno, por lsso roga a todos os .seos devedores a viren
saldar seus dbitos o mais breve possivel; ontro sim, declara aos seus devedores, qn
os que nao estiverem na loja tem de pagar todos os seos dbitos, provando isto se lar*
o sba'.imento qne for preciso para a liquidaco de soas dividas, para isto poderlo di,
rigir-se roa da Imperatriz o. 72, loja da Arara.
Ao resto das pechinchas
Vende-se cortes de castores para caifas,
a 500 rs. Cortes de brins de cores a
balOes de arcos
Vende-se ba!5-js de t5
a 1*000.
a 30 arcos
Parlaba de tuandlnca.
A bordo do brigue Mana 4 Virginta, fundeado
em frente ao trapiche-jilara; do Lirramento, vea-
de-se superior farinba de mandioca, recem-chega-
da de Sania Catharina, em prelo avarejo : a
tratar com Jos Victorino de Rezende & C, raa
do Mrquez de Olinda n. 52.
Calados franceies
Grande sortimento de calcados franeeze? para
homens, smhoras e criancas, botina" de setim e
dura uei#ano, ditas de cores, sapanhos borda-
dos de setim branco.ditos deffura |ae de cores para
senhJFa,peP\p|co mais commodo de qua em ou-
tra qualqaer parte : na loja de calcado da bota de
ourq ra da Cruz n. 21, sobrado anarello
-f*-------------------_---------------------------
Bazar do Pavao sito a mi di -np^nt iz n'. 60, esta' canstanteinente aberto
das 6 horas di maiii as 9 di n)ute,
DAS
FONTES
Hauterive & Celestins
Vende-se mais barato do
qoalquer parte do armazem
gario n. 11.
que em octra
da ra doVi-
lioOO; cortes de gaDgas para caifas a 10, e 195LiO cada um. Cortes
cortes de casemiras preta para calcas a
30500, 40, 50 e 65000.
Crtrs de cbitas a 2:500.
Vende-se cortes de chitas para vestipos
a2 2*500.
- Pechincha a 40000.
Vende-se pecaste algodo a 40, 50, 60
6 70000.
Para liquidar a 35500.*'
Pecas de madapolao com 12 jardas a
00500. Ditas de dito com 24 jardas a 50,
60, 60500, 70, 80 e 900 K).
LIQUIDACO.
Pecas de algotS sir.ho de listra proprio
para roupas de escravos cem 42 jardas a
ti500 e covado 160 rs. p.ra liquidar.
Chitas escuras para vestidos a 280, 320
e 36') rs. o covado.
Para acabar.
Vende-se pecas de cambraias victoria, fi-
nas a 65, 60500 e 70000.
E' mito barato.
Colariubos de papel a 240 rs. a dnzia.
Cartiaadas para janellas a 5000.
Vende-se cortinapos para janellas a 55
o par. Brim pardo liso para caica de ser-
nco a 500 rs o metro.
Cortes de percales a 60OOO.
Veode-se cortes de percales d dnas
saias de bonitas barras a 60000.
Cuberas de chita.
Vende-se a 10:>OO, ditas fina? a 25500,
ditas eacarnadas e adamascadas a 30500,
ditas forradas 50000.
Gangas para caigas a 280 o covado.
Brim de listra ao lado para calcas a 400
rs. o covado.
Lencos brancos a 20000 a dnzia, para li-
quidar ; grande porcSo de mantas para
patatas a 200 rs. cada orna pira liquidar.
Cassas francezas a 280 rs
Vende-se cassas franiezas 'pira vestidos
a 28) e 320 rs. o covado.
Organdys de cores para vestidos a 400
e 640 o covado.
Alpacas de cores para vestidos a 500 e
6.0 rs. o coado.
Lasinhas para yeslidos a 325, 400 520
rs. o cova-lo.
!#
de cateas ea
papel a 25500 cada nm, para liquidar
Bramante de liobo e algudao cem 10 pal-
mos de largura o 10800 o metro.
Pan'-o de linbo a 760.
Vende-se bra nante de 10 palmos de lar
3ura proprio para leuces a 20800 o metro.
Lencos de seda a SO" rs.
Vende-se urna porc3o de lencos de seda
a 800 rs. cada om,
Cbales de cassa a 10000.
Ven1e-se urna gr-nDe i>orc3o de chales
de cassa a 10000 cada um, para liquidar.
Fusta a 360 rs.
Vende-se fusilo de cores para vestido
a 360 rs o ovado.
Algodao fnf8tado a 900 rs.
Vend :-se 1 >dao enfestado para lencet
e toalhas a 900 rs. o metro, dito transa-
do a 10OO o m tro.
Cbales de meiin estampadas a 20000.
Vende se cnales de erin estamoados
cOm barras a 2d, 20500 e 35 para acaba;
Gran le porcod rtUlbos.
Vende-se grande porco de retalhos da
cassas e chitas a 240 rs. o eovado.
A Testa est na porta
Roopa teita eocontrario
Por pr^cinbo razoavel
Todos se enrospar2o.
A SABER :
Liquidar de rtopa frita.
Venle-se pal itots de brmsinho de Hubo
propiio para andar em casa a 10500 ; di-
tos de ganga a 20000 ; ditos de meia ca-
semira a 3-jOOO ; ditos de alpaca de cor
30500 e 40-tOO; ditos de panno fino
pre o i 60, 80 e 105000 ; ditos de case-
miras de we*. a 60 e 80'0 ; colleta
de eassiaeta< de cre, a 10500.; ditos de
brins de qialrinhosa 10OnO; d>losdeca-
semjras de cores a ^)O0, 35 e *0OO<
Cal?as zoes p ra escravos a 500 rs.; ditas
de aigodaixioho da listra. a 8uO rs. ; mu
de brim par lo a iW% e 20500 ; di-
tas de ditu branco de Uobp .J00".} *%
dita<( de casemir>s de cores a 5^5. '
e 80^00 ; camisas de obiti a Ifluu; ^i-
tas de akodaosinh', pn.pnas para o ser-
vico por ser faz-nda forte, a 10*80; dius
de mjsu ina a 15600 rs. P.ra li_qouU r
O pnprietario da loja doaopinado Arara, dec ara ao respeitavel publico ev os
eus fregnezes que est condumio m liqmdicio. por so quem quizar 0Duair'*5 de
hoas fazendas por lonco dinheiro tedha a boadalo de, dirigir-se i nn da Imporami .
72, desde as 6 horas di maoha at 8 da oottte.


u



v*
Grande rewrifto!
*%u% d*> Imperador n. $8< ar
ttiazem d Ca tupos.
i
/
Diario de Pernaiubiioo Sabhaclo 3 de Dezeiubro de 1870.
1*1
Goak) 8 esti'pproxiieD'rJo o tempo dos rgaee
>, o tKOiVieliriG deste estabetecimnto te
saraNtoiunfeur-mMir ent seu armaren)
tem se
oapieio wriaki5iw sortinwoto da ceoerus
alimenticio!.
Rao se propc a Jescrcvor noaiinalmcnte todos
*s geoeros comidos em seu arraazem por se tor-
nar Je mais enfadonho.
Gnate lmente, que sua norma de ha muite
lema Avisa.especialmente ans f aman tes, que recebeu
de sna especial eacouwieflda ama factum de cha
rutee superiores deS-Kelix da Baha, das seeuin-
MssMrcas : exposi,, marqaeiea, norums, ama-
dores .e-paragnassaaoos.
Venhaoi todas as despelas dos arrabaldes e ci-
flaoe sopnr-8e.de genero* de primeit-a qualidade.
a ~ Na lili8 d0 Barto d* Tfiumpho, antiga do
orum, n.92, vende-se o sejfuinte por preco mo-
GJ de Lisboa, da .inais uova. que lia no mercado.
Bolinees para barracas e hiates.
mm l
Tem a venda em seas armazen?, alm de outras
amigos de seu neg o regular, os segnintes, que
estao vandendo a precos inais baratos que eai ou-
tra qoalqner parte :
PORTAS de pinito alirmfndaito.
KARELLO em saeo.grande a 'fi'OO.
GRADES de ferro para cercaJos.
ESTEIRAS da India para cama e torrar salas.
'3AW0S de barro frincer para esgoto.
KSSO soperior em barricas e as arrobas.
'.EMENTO de todas as qaalidades baixoa
das PLt AS oe -BUffCAirO
DOLTJM)

f (CAVE
A nossa eerresjwndeneia do Brazir nos faz
saber que w piucas deste paiz acho-se
aiAmlntne inuudadas por urna multidodt
faloficcifes vis ios nossos productos (textual.
Para gartfntir-se contra estas composiroi's
mail on menos perigesas, que esconden)-se
d'essa inaneira por detraz das nossas marcas
de fabrica e mesmo da gossa tirina, rogamos
aqui com instancia aos mdicos e aos do-
entes de assegurar-se sempre a origera das
PiLULASqoe trazem o nosso neme,apellando,
entre outros meios prcticos, pela bou f dos
nossos collegas, os plianuaccuticos. Nao c de
duvidar que n'uma questa que inlressa tad
seriamente a saude publica e a moralidadedo Pharmacentko, ra Bonapartc, emPar.
AeJo-je as noiiu Pilulas as principae Pharmacia.
commerois, estes honrae* iutermediai ios
nao se aiastram dignos da ^iin inca dos sous
iegurzes; nao de duvidar igualmente que
repudiando toda solaridade cem os falcifi-
cadores e os seus rumplices, clles nfio sefa-
cao um dever d'oit em dimite deproouiar
as VEHDADEtIUS 1'lLLLAS DE BUNCARD em
o igens certas, cndei ecando-se. quer a nos-
niesmos em Pars, quer indirectamente aos
nossos principaes correspondentes, ou entile
as casas as inais recom-
mendaveis da Franca
ou do sea pas.
ACHINAS de dWearoear alpi-do.
BARRIS (rrandes oni peixe da Suecia.
LONAS e brinzdes da Russ-a.
OLEADOS americanas para forro de carros.
FOGOES americanos muito bons e econmicos.
VINHO de Bordeaux em caixas.
GOGMAC superior de Gautier Kreres.
M1LH0 de Fernando a 3 o sacco.
AGUA florida;
BARRIS de carne salgada de pirco e de vacca
A loja de cera
tratar na mesma.
a praja do Conde de En
AZULEJOS
AZULEJOS.
AZULEJOS
.a para vendor algatw milheirus dos mais Mn-
^los azulejos, vio.los por unommend de al^uem
que por circnra>tancia os dispensa. No arinazem
de Tasso Irraao 4 G., praca do caes de Apollo
ao p da ponte provisoria.
TRIU
NOVIDAUES
DO
7 Ra do Queimado
DE
A.cabam de sahir a luz asse-
guintes pe(?as para
PIANO
malinda walsa d'Arditi
Ideal e realidade multo benita
pbaotasia pelo maestro Gazal-
oore
Poslholinda pbantasia execnta-
da (com grande ajiplauso pela
masica allemaa
habaneras lindas dansag para-
'?oayas, que tanto furor aqui tem
feito
ACABA DE PUBLICAR-SE
* coilecgo de msicas dos cavalfinbos para
I-jlXK)
imo
I45CX)
1:5000
JIOBEIBA & BASTOS
E' chegado a este novo estabeleciment o mais bello sortimento da (sendas
Ina, sendo sua especialidade enxovaes para noivado.
Vestidos de blond de.,seda ricamente bordados.
Gorgur5o de seda branco para vestido.
Colchas de seda pura, para cama com ricos desanos.
Ditas de 13a e seda, id m dem.
Ditas de crox, idem idem.
Cortinados ricamente bordados pura cama e janollas.
Croxs pira cadeiras e sofs.
Vestidos de cambraia branca bordados.
Popelines de lindos gostos.
L5as de diversas qoalidades, lindos gostos e modernas.
Ricos b urnus para passeio, com listras de setfli.
Sabidas de baile o que ba de mais rico.
Cretones para vestidos com lindos desenbos.
Carnizas bordadas e sem bordados para senhoras.
Camisas bordadas muito finas para homens.
D tas inglezas para bomens e meninos.
Seroulas de lioho, e um grande sortimento de roupas feitas e de azendtes oe
* nladonho mencionar.
Luvas fffscs de Jouvin
Sortimento de tapetes para guarnicr>es de salas, alcatifes para forro de saja, e o
rrande sortimento das acreditadas e verdadeiras
Esteiras da India
UUtti
Ena da Imperatriz n. 2
A' este novoe sumftuoo estabeietimrnio de fazendas icaba de chfpar di ecia
mede da Europa o maiifxpleodido sonimeoto de faztndas picpnas pira a festa, tanto
para horneo*, como para senboras ; descrevec^ e e.-pecificar u quede moderno e de trais
apurado gost nelle se encontra seria impf.-SHve'; vah para que-se possa brer urna
aproximada id?, mencionaremos cem esptcieii itde.:
Rices cortes de vestiios para casamento, ctaegados no lmo vapor.
Ditos ditos de ditos de seda deeeuhoa inteirameute no vos.
Ditos ditos e ditts do laa cem barras, fazenda inteiramnte nova.
Vestidos de cambraia para baptisado.
Popelinas d; seda dos gostos aia modernj-, variado soilaeoto de cambrcia?, e
catsasfle cores, lindseaiddernos desenbos.
Sedas lisas, lavradas, .retas e de cores.
Creone para vestidos, modernos g Alpacs de ct.re, ioopossivel destrevsr a Natiedade de gosios t psdrofs.
Cbi'as finas, ciaras, escoras, pretas, iode6ctiptivel o va: .adissimo sortimeot".
Ballbese tonas as qoalidades, cores e laawnaos, entre os quatsuns sao inleiramenie
covidade.
Satas b rd.:das para setihoras, grande quan idade i'e gestos.
Caiiisidias bordadas para senhoras muitomolerLas, graode vatiedade.
tniremtiios e tiras bordadas om todas as largoras.
Camisas para hornero, bordada, lisas, e colleiinhos, completo soitimento,
Leec*;s de caubrara bor.iados, lisos eae barras.
Cbijios de velludo, patita, merino, fero, o que ba de mais.moderno e liadissimos
estos.
Cortinados bordados, e ticas colchas de seda, e de crochet.
Baregcs de pbaQtasia, lazeeda propria pata baile.
Tarltaaas de-oar-es com palmas lisdissimos gostos.
BorDiis de ci res para senboras.
Gravatas para hornera, grande sortimento m feitios ec^res.
Bretaoeas, espuio e bramante de todas es larguras.
Liiaztnbas dt> modernos padroese indos gestos.
Metim da In-a fazenda inteiraHitnte owa para vestidosede lindo etfeito.
Filialmente reuce tete estabeieeimepto wdoquede o^elbore mais moderno se pode
encontrar em fazendas como em perfumaras finas, das quaes tem ura completo sor-
timeoto.
AOS 0AVALHH0S
Offereoe igualmente a vsstagem d encontr em neste estaOeUcimeato:
Paonos 'finos, pretos e de cores.
Ca^emiras pretas fia?s, e ricos gorgorees para collete.
:Sttas ce ooies, de qoadros, lisos e de Usina, -completo srrtimento.
Bris braceos de Ifnr.o ae t< das *$ qaalidades.
DiUiS de cores, lisos e trao?ados, gran e soraimento.
Um babil artbta para cortar e dirigir qoalijv-e. obra, que s se entrega a contento
do fretuez.
Urna modista igualmente ccupaia nos trajalbos doPAVILHO DA AURORA, di-
rige os que ibe sao concernentes, atromptando capricho qualquer TOILET, garDtin-
do-se a ais completii perfe-cSo dos secs trabaloos.
Ebi resumo concluifios
Por chaar aiteoco do respeitavel publico para o rKsso estabelecimento, qoe alrc
de ter lulo qoe se pede dfgpjarem fazendas eperfomarias tem o mais COMPLETO SOR-
TIMENTO DE ROUPA FEliTA. pa>a bomens o menmo!. Mandam-se as fazendas em
casa das Exmas. familias, e dam-se amostras.
Um cottpleti) sortimento de esleirs da ludia, por menos preco -que em outra qual-
qoer parte.
Aberta das 6 horas da tuanhfia s "9 horas da noute.
IiOJA
GALLO VIGILANTE
Roa do Crespo n. y
Os proprietarios deet bem eonhecido estabeW-
cimente, alm dos mnitos objeetos que tinftam et\-
stos a apreciacao do respeitaveJ publico, ma-
ram vir e acabam de reeober po nltimo vaptu
da Europa aro completo e vansao sortimento d
Anas e mui delicadas especialidades, as oaaes es-
tao resolyidos a vendor, como de sea Btame.
por preco muito barainBes e commodoa para to-
dos, com tanto que o Gallo....
Muito superiores lavas de pellica, pretas, bran^
cas e de mui lindas cores. *
Mui boas e bonitas goinhas e punhos par s-
nhora, ne3te genero o que ha de mais moderno.
Superiores pentes de tartaruga para coques.
Lindos e riquissimos enfeitcs para caberas d>
Exmss. senhoras.
Superiores trancas pretas e-de cores eom vidri-
ihos e sera elles; esta fazeuda o que pode bav
de melhor e mais bonito.
Superiores e bonitos tcques de madreperola.
marfim, sndalo e osso, sendo' aquellas branco
com lindos desenbos, e estes pretos.
Muito superiores meias (lo de Escoseia para se-
nhoras, as quaes sempre se venderam por Wt a duzia, entretanto que ros as vndenlos por 10#.
aini destas, temos tambera grande sortimento d
o'.itr.is qualidades, entre as quaes algnmaa muiu
finas. i
Boas bengalas de superior canna da Inaia
castao de marfim com lindas c encantadoras figo
ras do mesmo, neste genero o que de melhor s
pode desojar ; alm destas temos tambera grcil
auantidade de outras qualidades, como sejam,Bja
eir, baleia, osso, borracha, ote. etc. etc.
Finos, bonitos e airosos chicotinhos de cadeia,*
de outras qualidades.
Lindas e suporioros liges de ceda e borraciu
para segurar as meias.
Boas meias de seda para senhora para meni
as de 1 a 12 annos de idr.c.
Navalhas cabo de marfim eartafufa para faze?
barba ; sao muito boas.e do mais a inais sao ga
rantidas pelo fabricante, e nos por uossa voz tajE
bem assegursmss sua qua! idade e delicadeza.
Linda* e bellas capellas para noiva.
Superiores rgalhas para machina apara croxe
Linha muito boa do peso, frouaa, para encbei
labyrintho.
Bons baralhos de cartas para voltarete, assa
como os t?n!os para o mesmo fim.
Grande e variado sortimento das mclhores per-
famarias e dos memores e mais conheeidos per
fumistas.
COLARES DE BOER.
Elctricos Magnticos contra as convnlses *
vcilitam a denticao das innocentes eriancas. Se-
rnos desde muito recebdores destes prodieieiw
collares, e continuamo- a reeebe-los por todas n
vapores, atim de qoe nunca altom no mercado,
como j tem acontecido, a.jsim pois podera* aquel-
es que delles precisarem, vir ao deposito do galle
vigil?nte, aone serapre encontraro destes verda-
deiros coljares, e os quaos attendendo-se arb te
para que tao applicados, so venderlo com um mu
diminuto lucro.
Rogamos, pois, avista dos ebjectos que deixamo
declarados, aos nossos freguezes e amigos a viren-
comprar por precos ranito r?ioaveis loja do jralW
vigilante, ra do Crespo n. 7.
3 cordeiro prevident
'portas n. 53, ra Direita, 3 p i-tas n. 53, antiga)
hja di Braga
O abanto assignado, dct;j de?te anligo estabelectmento, teado em vista aprestar
completo sortimento de ferragens, miudezas ^ cotilfinj, ^om resoivido. mandar tmrtar cm
mais eonecidos; pelo que convida ao respeitavel publico e a seas numerosos fregueies, j
a virem so servir dos ofejectos de sua carencia, aente encontraro por mensa 10 OfO do ase i
em oatra qualquer parte, nm sortimento completo de machinas para descarecar alcodao, I
do bem conhecido fabricante Gottorr Gin 4 C, ditas para costura, motores para ammaes 1
ditos para fogo. moinhos para caf de todos os ta machos, da fabrica do iapi, espingardas de
OOUS canos e de nm, tacto ingieras como Iranceas, louca de porcelftna, facas e garfos
de diversa? qualidades e precos, bandejas cometas, salitre, breu, barbante, enxofre. papel e '
; urna na de ferro, ac, e agnlba para fogueteiro ; assira como encoatraro constante- '
: mente grande porcao de fogo do ar, e recebe-se encommenda de fogos de vista, alem de um '
e,ra1nuinro de objeetos, que se ternaria enfadonho namera-los : venham ra Direita n
: -5J, loja de Lenidas Tito Loureiro, amiga loja do Braga.
PRECIOSA 1IESC0BERTA
Rival sem segundo, [ Rival sem segundo
RA CU K DE C AXIAH X. 4 j RA 00 DQE DE CAXIAS N. 49
.nUffM Pili lia (iiu>imi ^AllH^O roa IW yK/llnauvJ ag miudezas pelos baratissimos presos abai
Contina a vender todo muito bom e i xo declarados, garantindo tudo bom e pre-
|Cos admirados.
120 Buzias de palitos seguranca a.... 120
Buzia de palitos segnranca caixa
muito barato a saber:
Libras de areia preta muito boo. .
Tesouras bnas pata untias e costu-
ra a. ......... 900
Papis de aguibas francezas a ba-
jo, a......... 60
Caixas com seis sabonetes de fruta :500o
Libras de la para bordar de todas
as cores a.......:$#0OO
Carriteis de linha Alexandre a.
Frascos com azeite para machinas
Gra va tas de coresrmnito finas a .
: Grozas de bote* madepersla fi-
nsimos a.......
Novello de linba de 400 jardas a.
Caixas com 100 cnvelopes muito
grande a...................
Frascos com nk o babaza muito fino.
Pacote" com p."s de arroz o me-
Ibor que ba a...............
Navaihas muito rias para fazer
barba a....................
iOO Caixi de linha bran dogaza.l
500 Vara de franjas de lidho para toa-
500 Ibas.......................
Catxas com pennas d'aco de Herry
500 superiores ..............
60 Lencos de cassa brancos e pinta-
dosa.
superiores a ..... 600 Cantas com 20 quadernos de papel
FLAUTA
gRecebea mais grande sortimento d' mu-
ticas para piano, e piano e canto, e tarabem
opera
jara piano e canto, e tambem os meihores
-jedacos para piano s composfto do Ilus-
tre compositor brasileiro
Carlos Gomes
jue tanto furor fez na Italia, e boje faz no
lio de Janeiro.
A' VENDA NA
UJSICl
DE
A. J. de Azevedo
RA DO BARAO DA VICTORIA (ANTI-
GA RA NOVA N. U).
OBaz,3rdaida isW-beo povosortimep-
to de fazenda* ru ultimo gosto para vesti-
dos, a*im ovo cbapaosiott, eas.acos,
boros. vwt*. caiaiinaas, ele, etc
Cosiifwa wpjn-e o.grpikde # ajamado sor
umpiiu de miedezaa e perfumafias verda-
deiras, que todo se vende por baratissimos
prefes
Dam^fvHMItWAfianda.so em ca8a das
Enjaas. familias o que desejsrem, ra do
Bario da Victoria, ou-'ora Nova.
botu: oarua4aGt*in.7#taberna.^^
O TNICO DELSC qoe hoje aprsela ao publico, depois, porm, de um severo
exame e de reiteradas experiencias, tendo a certeza de qoe possoe tima superioridade
mcontestavel a todas as outras preparaces. qoe at boje tem apparecido, recommenda-e
por sua bondade, e pelo brilbante lustro que p-.oduznos eabeilos, tirando immediatameo-
te todas as caspas e coceiras, (alendo com que apparega em bom estar impagavel.
Esta agua comp5e-se de substancias cuidadosamente escolhidas, purifieadas, e
confeccionadas com o raaior cuidado, e alm disto combinadas de modo tal a dar-lhe
nrua ac(fo verdadeiramente elficaz. consoladora, e benigna.
Derrama >eesta agua na cabeca, e esfregase levemente ; mraediatamente ficam
os cabellos liuipos e com um brilho magniti',o.
Deposito
smento em casa do autor, Andr Debuccabeileireiro de Pars.
Ra 1 de Mkr^o (arttiga Crepo) n. 7 A 1 an-lar
Pentes volteados para meninas a. 210
Tinteiros com tinta preta a 80 rs. e 100
Pecas de fita elstica muito fina a 200
Lata com superior banha a 100 e. 20C
Frascos de oleo Phocomo muito
fino a......... 500
Frascos de macaca perola a. 240
'Frascos de extracto muito bonitos a 500
Duzia de sabonetes muito finos a. 720
Sabonetes inglezes a 600 rs. e. 1200
Frasco com agua de colonia Pivera 500
Dito de oleo babaza a..... 500
40
de linha
320
320
320
000
500
160
SO-
100
701
40
CONFEITARIA
DOS.
ANANAZES
Ra da Cruz n. 16
vm?iZSani-: a u k' AMENDGAS coweiUdas: uropai refri-
BOLINHOS para cha; pao de l; bollo gerautes ; vinbo Rucellas, braaco e tinto
toglez; pastis de differentes qualidades; proprio para mesa ; vermoota ; abSTDo:
doces de fructas, em calda e secco, em cognac; vinhos finos, champagne
barrilinb? em latas.
Caixas de lamparinas a.
Sabonetes a forma menino muito
superiores a....... 240
Larthas da doutrina fazenda nova a
Libras de linha sortidas de todos os
nmeros a.......
Capachos muito bonitos e grandes a
Carriteis de retroz preto, com 2
oitavas a........
Aguibeiros de osso eufeitados a, .
Libra de lioha franceza superior
qualidade a.......2^420
Caixas de palito do gaz a. 00
400
10800
700
640
240
CAIXINHAS com amendoas e pastilhas,
proprias para preseotes ; cha preto, miudo,
de superior qualidade ; latas com pecegos
a 15000.
PAPIS para sortes,"
para cobrir bolos.
PRESUNTOS e fiambres.
ditos vendados
RECEBEM-SE oocommendas de bandejas com bonhog. com arfeacao de iMn.
car e sem ella; de pao de l e bolos enlejiados com disticos e seo lies e de ootras
muitos objeetos proprios para graodes jamares, bailes, etc., etc.
e com tai i
de medicamcto
r^Milvido
rvar ____
S" ------ -.......- ---------------------- -.....
\Bovekarat 'Annuairedeih*rapeiuiqa* dtidd
}^n JftUo, tir nut lu Ctlcifir.-vlona,
Rut YitHU-4w-temfU, 36.
T flicLwrr tum o iius itUt taA'tkMh *a puto b i<
ATTENCAO
Vende se nma canoa de carregar 1,300 a 1,300
tijolos : a tratar na ra Direita a. 101,
a m oo
Vendem-se borzegains para eriancas, obra boa
pelo diminuid'preco de 2*500 : vennam loja de
miudeas daroa da Gadeia o. 50.
ATTENJA
Chocelale nacional. '
Duas medallas de prata e urna menco ho-
norfica.
Avilla Irwdo f C,
IIua aova de anta Rita n. 49.
Exiflem poneos alimentos simples e substan-
ciaes tomo o chocolate, estimulando suavemente
os ervo*, d ao eorpo o mais poro elemento de
naircaa,'e ao meemo lempo fortifica os orgos di-
gastivos. Todos os iredicos sao unnimes re-
C,mmen(lar este alimento cerno o mais proprio e
substancial para as pessoas de comploxio frca e
debilitada,
Vende-se
Primeira aualidada l|2 kil. MO n.
Homeopalba t|J kil. JOUO
He-pauhol L2 k. 800 rs.
Vainille.Ijf kil. 14000.
Ale me' arroba fer-se-ha abatlmento de lOOift
e t ustaba para ota !0 ft0
Caf mido tf vapor
larantWo sem Tnistura a 800 rs. o kil., em maipr
u,patii ule leri abamente *e 0,0.
'lv^Ja-paitoU4Jt JdL amotify m
pifiel 4>yMnnQ pwa ae cJoseraar sempre frese.
pautado
Caixas com 50 noveilos
do gaz a. .
Duzias de meias cruas superior
qualidade a.......3^601
Pe?as de babadinhos com 10 va-
ras a.........
Pecas de tiras bordadascom 12
metros cada prca a 1^500 e.
Pecas de fitai para cs de qual-
quer largura com 10 varas a.
Escovas para unhas fazenda fina a
Ditas para dentes a 240, 320,
400 rs. e....., .
Pecas de tranca lisas, brancas e
de cores a.......
Duzia de linha frxa para borda-
dos a 400 rs. e.....
Pares de meias crua para m.'
nos diversos tamanbos a. .
Duzias de meias brancas muito
finas parasenbora a. .
Pares de sapatos de tranca do
Porto........
Pares de sapatos de tapete a. .
Dozias de baralhos para vultarete
Sylabarios portuguezes a. .
Cart3es com colxetes 2 carreras a
Abotoaduras para collete diversas
qualidades.......
Caixas com penna de ac muito
boa de 320 a......
Caixas com superiores obrejas a.
Duzia Oe agulha para macbina a.
Libras de pregos francezes todos
os tamanbos a......
Pacote de papel com 20 quader-
nos ...........
Resma de papel pautado super or
Resma de papel liso muito supe-
rior a.........
50t
200<<
501
50T
aoc
4l<
50('
32(
4$5(X
200(
(80J
3,$00<
40C
2f
40<
50
40
2^00f
241'
40('
44000
3tfftOT)
lv
iOOO.
FARINHA
de trigo a 34000 a baruca oo armazem Ba-
lita, roa do Livramento i. 38
VENDE-SE-
vinho do Parto engarrafado vdho e de encllenles
qualidades como srj-m : Ha-tsrdo, Malvasja, Da-
qqe do Porto, Buqae del axias e outras mareis
bem ooohecidas, assim c< rro em barrs de* 4*, de
3* e anooretas : n<> criptoria de Soares Primos
ra do Vigaru n. 17.
Rob- nte-rhennitict.
Remedio efflcacissimo contra as dores rhenma
ticas at boje o mab conhecido pelos seus mar
vilhosos resollados.
XAROPE DE AGRIAO.- qm dos mediuiMO-
toi qae stta eflli-acia oas enfermida les, tose e
aanfue pela bocea, bronchit*s, doral e fraqnea
no pofto, escroboto e moleaNu de rindo aue me
lhpr tero aprc4>. '
TlftUBA DB tiARAPUAlA.- A eelekre r.ir
da mmfHami, coja eBergii e efflcaci o; para
ijriiii, raterpcimento, ete. te. muito se reeom-
meo4*.
Todos esses preparados se encontram qt ptur
SSi*.**? ^Bartholomea 4 C., nico de- deprtmeira
pesito na ra lua do Rosario a. 34,
Rna do Qnelcnado n. l.
%vo e variado sortimento tf perfumaciT
finas, e octros objeetos.
Atm do completo sortiaietito de per;
marias, de que effectivamente est provid
oja do Cordeiro Previdente. ella vaha
receher um outro sortimento que >i tul
aotavel pela variedad? de objeetos. sr,r
iade, qualidades e commodid'id;: \, pt~
eos; assim, pois, o Cordeihn Previdetita ^et.
e espera continuar a merecer a aprecia;!
do respeitavel publico em geral e .'
boa freguezia em particular',- nSo
tando elle de sna bem ctmhecrda r;
a barateza. Em dita loja iBOCOBlram .
preciadores do bom:
Agua divina de E. Coudray.
Dita verdadeira de Murray Laminan
Dita de Cologne ingleza, americana, frat
ceza, todas dos meihores e maisacredi;.'..
fabricantes.
Dita de flor de larangeiraa.
Dita dos Alpes, e vilete pora toilet.
Elixir odontalgico para cocservaclo t
jsseio da bocea.
Cosmetiques de superior qualidade di
os agradaveis.
Copos e atas, maiores enenOi-83, ,.
pomada fina para cabello.
Frascos com dita japonoza, transparast
* outras qualidades.
Finos extractos inglezes, SEericanos
francezes em frascos simples e enfeitaoo.
Essencia imperial do finen agradavei ck
o de violeta.
Outras concentrada e de cheiros igua?
nente finas e agradaveis.
Oleo philocome verdadeiro.
Extracto d'oleo de superior qnaidad
;om escolhidos cheiros, em frascos do dit
'entes tamanbos.
Sabonetes em barras, maiores e menor
para mSos.
Ditos transparentes, redondos e em jr
ras de meninos.
Ditos muito finos em caixinha para barfe;
Caixinhas com bonitos sabonetes imitan
fructas.
Ditas de madeira inTernisada contendo I
oas perfumaras, muito proprias para xir
entes.
Ditas de papelao igualmente bonitas, tas
oem de perfumaras finas.
Bonitos vasos de metal coloridos, e 4
moldes novos e elegantes, com p de arre
-. boneca.
Opiata ingleza e francesa para dente.
Pos de campbora e outras daffereati
cualidades tambem para dentes.
Tnico oriental de Kemp.
Alada Mafia eoqnea.
Um outro sortimento de coquee de n#
"os a bonitos moldes con filets de. vidrlas
< alguns d'elles ornados de fieras e tU
sto todos expostos i apreciacio de que;
ii pretenda comprar.
GOLLINHAS E PUNHOS BORDADOS
Obras de muito gosto e pereico.
Flvella e fltaa para elnoa.
Bello e vanado sortimento de tana obiat
toa, ficando a boa escolha ao gosto da cot
ordor.
g0WH|rJW 9.00J9O6rJft9B&
Joaquim Rodr'rues la-
vares de Mello,
TEMPABA VENDER
em sea eseriptorio, praca do Gorpo Samo
n. 17 :
Pnmo em fc4ba
tt de i' e > qualidade, e vende nm no mats
X ferdes a ventad* dos compradme.
Cal de Lr-fcojt
X ulto enerada.
Potassa d&fiussia.
J Parlaba m aiaatilaaa.
Vinho Bordeaux.
de I' qualidade. Too ae wade mal* _
barato soqueen, oor qnlqnweerte. q%
Vintio Xerez
iaalidade,_em caixas : vndese ua
i
ca de T. Jeeries 4 C.



\

%
Diario
de Pemambuco

LTPrERATRl
APONTASIENtOS BIOGHAPHICOS DI CONSELWCIBO
DR. LOt'ftK^CO THIGO DE LOOBEIBO.
I
Nasca Lnurenco Trigo de Liureiro ero
Vizea, cidade municipal da Beira Alta. (P.ir-
tugal\ aos 3 de dzemhro de 1793. liilm
legitimo de Jlo Aabeilo Trigo, o do !)
Angela Feliciana de joureiro.
Padecen <"< T'da a^emirj de l'S7ii
na Cidade do Recite, provincia di P.-r.iam-
bjco, com 76 annos. lt mezes e 2 dios.
A,vjsta i> sciencs, seus pais, depois de bavere.n-
ao l?iio eudar na sua trra natal os pre-
paratorio* o mandarara para Universidad.*
de Co mbra afiin.de rntrcu!ar-se na Faeul-
dade de Direito ; a quai s- deixou de fre-
quentar por t-r emigrado para o Kio de
iraeirp ero, marco de I8K), por causa da
invasio dtv. exereito francez, coramandado
por Missena.
A li foi nomead) em Janeiro de (84$ por
Decreto l.nperial. professor de primeins
letim. e de francez do Collegio de-S. J>a-
quim (hoje denominado Podro II); de ojo
empreo, pe lio de.missio para estabelecer
na mesma -C-te do Imperio um collegio de
nstruceSi primtria e secundaria,. que so
torruu. amito acreditado.
ti
Q.undo- hmoiiD a i li- li aun utrera do m-
Janeiro de I8.'H o.coocurso da cadeira de
Sabbado
3 de Dezenibro de 1870

qnalihnes rorans, e cvicas, modestia
siri,-.!!e7,a ex malares: coslumes austeros, e
1-s ii ni li.inradez a toda a prova. Era de
um coracioboidadoso, qma alma pota, ge-
nerosa e bamfazeja; tracto multo delicado
e geai. p*esiadh.; pej quagozava da esti-
ma con constituidlo decidido protector dos eslu-
Jabes, qio muito o prezavam; tanto assim
|U em 18(3) duereceram-lhe o seu retrato
garanta a fjjng egaflo da Faculdade, e no
relo disenthujiajlicii ovaeoas.
VIII
Mittti sdmor-o tm (Miras do* partido li-
heral, m < t\ uapriicox i necessaria mode-
raco o urd.vti. p.vrrriis-da vcrdadeiro pa-
iriota, pilo qnj f.ji nma di.- vid mas rano
centtamistadas peh revo'lfjlo de 1848.
Exerceu serapre coiu mitita disiMV.cSo e
probidada n i Cidade de Oinda e fiesta Capi-
tal a pr iS'So de advogaio ; lendo alli oc-
cupid i sempre todo* os cargos de sufragio
popular, os d Promotor nteTino.e Juizmu-
Dffoipil supplente.
Pir valias vetea foj Depirtyda Assem-
bla Lagsiaiivadesta Provincia ultiitranien-
le son digno Presdeme.
I\
Sons chroni :os padec memos fevaram-n
prematuramente i sepultura. Resta ao me-
nos a doce eouStaciondM que leve a mve-
javsl m>rle de un verdadeiro justo, repas-
sado da mais adiwrav&l contricco*ed mais
plena confianzaem Drm, gire o havia rflr
snlour,sgunnV as suas cwitinuas exprs-
Sea proferidas at o- sei derradeir boce-
'-i no Collegio das Artes anexo aoi
Curso Jjridico de O'inda, el:e inscreveu se. !J
Ilecebeii (tods os cofVurlos espmoaes, e
lia lo al o seo uUubo suspiro
miuislros do aliar.
Acliou-se sempre cercado al os ahimos
momentos de sua vid'a disraaisexlrwftosos
.w p-.r-rv i.> diivellS d'apjella sua feliz ora, riova,
no tiiirso ju- .i..-
,- S() ja quai dentarte olevo-se .! maifw ahora
MtoM da um dos pFimeiros Wn,-dy,m'' !n,'f ^k^ .*" .*-*
...des, nr sen reconhecido talento, lrh'jj "J1 ,a Ffca]* J"2
Autran. Des. Fi*peredo, TafqpMM eriHD-
v.iiau jjnuico ae uioaa, eie mscreveo se. .
Ten do sido plenamente approvado foi p" >-, .l,ecee" l^
.ib- nessa cadeira por Decreto Imperial dv ^C0^M
<:.'de fovereiro d'aqaelle mesmo anno. e pel^,l:
cbogfl'j a Pornambaco no seguinte me/ de j
ni33Q0.
Ea'segaidamatricaloa se
ndico i Oiinda, onde coasegoio
pplca<;3o'>- e exemplar procedimento, me-
riendo sempre plena npprovato e moito*
elogios.
Em I83 oble ve o grao de Bacharel for
roado em tcieoctas sociaes e jurdicas na-
li-ielle curso, onde por deficiencia de pee-
ioal babilitado para o respectivo' magisterio
:vcperiort e avista dessa sua bera eeobeeida
j[t?dSo foi chamado para exercer as fonc-
f/5ee de substituto at que foram ellas con-
sideradn iccoapaUveis- s d'aqueli'oiiro
seu &\itcorado.
30q,8:3 deendep brilbantemente tbesfs
ora .eesiua Academia juridi:a ; e depois th
[i enamcnte apnrovado, obteve o grao de
Ooutc".
III
Nes.e mosmo armo Coi nomeado pela Ite-
^eBcia Lente Substituto interino d'aquella
Academia, fevereiro de 1835. E fo4
dispinsado por Iwver cessado a falta de
oppositores o qiw ento motivara essa no-
roeaeie
Pur baver-se opposto em concurso a nma
des vagas que eaitian na dita Academia, e
crecido preferencia na respectiva proposta
foi definitivamente n' meado Lente Substituto
dea por Decreto Imperial do 1. dejulho
de 1840.
Assim servio sem inteiropco alguma ate
S5, em qus passou a ser Lente Cathedra-
tco da Faculdade de Direilodo Reate da 1.a
Cadeira do 5.' anno (Economa p.ditica); da
nual foi transferido em 1855 para a i a ca-
deira do i.anno. isl'o. de Direito civil, que
e&ereea comadmiravel assiduidade at olim
de 1869, sendo qoe desfai'.e contava elle l'
n s*n falleciawate, 47 anuos de magisterio.
IV
N cooformidade dos Estatutos da Facti!
, I), que asseguram ao Len'e, qoe conta^ 25
2uaoa de effectivo exercico, a Carla de Coti-
lo, fii-lhe concedida, a ia.lo com o O.'Gcialato da Rosa, avista do
prprip olerecimento ao Governo lm
: il e do da mocidade Acadmica, qae
mato an mou para marcbarem para a
en a do Paraguay ; sendo que esto mesmo
titulo elle ole pode tirar por falta de recur-
jos pecnni ros, confessando-se alias milito
) 9 S. M o Imperador por assim m
baver outhoreado.
V
Era cas -do. e leve 5 filos, dos qoaes
tres 89 formaram em direito mquella Aca-
demia a saber l. Ovidio Tngo di Alt-
\ro, h je Juiz de di eito no Rio Grande do
Sal, i." Antonio Manoel Fernandes Trujo
de toureiro, que havendo terminado minio
dignamente o seu primeiro quatrienio de
loiz municipal e de Orph5os do Termo de
Garanhuns. foi nomeado para igual, mais
muim espihos > cargo no centro da Provin-
cia da Bihia, em ra^o da desordem e anar-
chia que alli reinava. Em viagera porm
para alli morreo repentinamente, >em poder
asim cor esponder a subid confianca, que
Ibe foi depositada pe!o Governo Imperial,
pela noticia do seu assas comprovado cri-
terio, reeonbeida lubilidade e energa, a
par de toda rectidio, e bastante illutrac i;
y." .1 meneo Trigo de Loureiro, que se do-
di-a aoensino secundario; 4. Abilio Trigo
de L ureiro. qu1, abracou o commercio e a
agricultura, 5." Mmoel Antonio Fernandes
Trigo de Loureiro, que actualmente Olfi
cial do tbesouro publico nacional.
Teve ainda 2 filnas. das quaes urna
hoje viu'a de um bravo ofcial, que morreu
na campanba do Paraguay, e outra sol-
tera; as quaes ambis residem em compi-
nhia da sua mai virtuosa Mi na Corte do
Imperio.
VI
Vivia em companhia do Conselheiro Lou-
reiro sua ora, viuva d'aqoeile Jaiz munici-
pal e seos dous netos tilbos delle, bem
como o d,ito sea ultim > Girio Dr. Americo,
dos quaes era o nico arrimo.
O conselheiro Dr. Lourenco Trigo de
Loureiro publicou diversos Compendios ex-
celentes para o ensino das sciencias sociaes
e jurdicas do imperio, como os Elementos
de Pratica do Processo civil, e os de
Economa Poltica; as nstitwces de Di-
reito Cit'l Brasileiro (obra, que chegou a
ter tres edieces successivas); urna Gram-
matica da lingua nocional; e algnmas impor
tantes tradueces do francez; emfim deixa
inditos ootros trabalhos preciosos, como
a versan do latim do Compendio de Dimto
Bcclesiasticu pelo Cardeal Soglia, e algumas
Monographiat.
VII
Era o Conselheiro Dr. Loureiro dotado de
incomparavel dedicacSo ao estado, e ao
trabalbo, tanto assim que sempre viven vida
mnito particular; e era um dos Lentes da
Faculdade mais asadnos, e promptos para
qualquer servir/).
Possoia em elevado grao as melbores
morid (aos quaes recomaeodon e pedio
muiti) queamporasaem a dita surt voto t
a sous netis jMos dea).e oi vsadi>
fpnJ0 Director da Faculdade, e por todos os
entro* Lentes ; bem como ^or al;un<> do*
sus discpulos.
X
A despeitodi todos essesdistinclosprece-
dtiotcs. honras de desembargador. caia'de
onsellio, Okialalo da Rosa, tratameoto de
Gxcelloncia et?^ depns de 42 annos de-re-
levautes servidos Patria na ardua cweira
das sciencias morreu pobrissimo, detsaodo
sua familia na mais extrema miseria a par
do mais honroso nome. Que tristisoima
e.ondifo do servidor do Estado !!!
O seu eateirofoi eito expensan dos
diios seu^ coegas, com a neeessaria decen-
cia, t grande acompantiamento desde a Ma-
l iz da Boa Vista at o Ceauterio publico-;
sendo em todo esse trausilo o seu cadver
c irregado mo dees, dos scus discpulos
e amigos.
XI
Rea!isou-se emfim por mais urna vez
o que disse o Dr. Drummond. Lente na
mesma Fai^uldade em sua Memofia Ifjstori-
caperante ellaapresentada em Mareo
de i^i4.
E guando emfim a morte {fallando dos
Untes) corlar-llie os fios da vida, o seu
c cadver ser conduzido ao Ccmiterio Pu-
f blico pelo carro da Visericoriia, oh s
expensas dos discpulos e Collegas.
Mas, com toda a certeza a >ua pobre
* familia ter de chorar dupla desgraca
* a perda do seu chc(e, e a miseria inevi
tacel.-cm que Jicara para sempre jazend >
ipor que a stti nica herangaseral-
guma boca, borla, c livros velltos, como
i exactamente succedeu infeliz familia do
noM sempre chorado oilega o Dr. Joa
quim ViHla de Castro Tarares,(a) e di
Dr. Ilalaquias Aloes dos Santos; um dos
miis afamados Lentes da Facdade de
Medicina da liahiu.
< Assim mullas que contam mais de 25 e
alt! '} annos de sercico. olham sempre
t para esse triste futuro com o coraco re
passaio d- viv dor; e, nao obstante,
pao comonjaminitale prosequindo no
fiel cumprihento das sous deoeres, ap-
t pellmio s para DettS, que niihca des-
i ampara, seus ftlhos, e confiando na Alta
Munificencia Imperial, que principalmente
i tretas dolorosos occasioes sempre inde-
fcctivl, co-no se mosrrju ha bem pomo
lempo, soccorrendo com una penso a
i viuva, e filhos do Dr, Francisco de Paula
Menezes, Ilustrado Professor do Collegio
de Pedro 11, se me nao engao.
Nao e por eerio com esse desdem, como
* ao leao da fbula, que se devem tratar
os mestres dascicucia:
t Por isso jhouve quemouzassecompa-
c rar aposic&o d >s Lentes dis nossas Facul
t dudes, a ilos cmicos dos subirbios, que
depois de terem representado de Clao e
Pompeo, acabam de sapotOS rotos i cAa-
t peo aborrachado.
XII
E poisde&appareceu para sempre um dos
principaes ornamentos da nossa Faculdade;
um dos melbores e mais encanecidos servi-
dores do estado; um mui disncto Ad-
vogado e um optim Cidadoa todos
os respeit .s.
A Ierra lhe seja leve, e a bem aventuran-
ca lhe seja othorgada e justo premio da
suas reconbecidas virtudes.
Pulvis el timbra sumas....
Recfe. 28 novembro de 1870.
A.D.
Os amores dos aojos.
POEMA DE TBOMAZ MOORE.
Nao eram smete as maravilhas derra-
madas com profusa i sobre toda a naturesa,
que ella anbelava conhecer, nem os glori-
sos thesouros visiveis e materiaes, que bn-
lilao como oatras tantas luzes nesta trra
encantada. N5o; era tudo quantoinvisivel,
e etheno habita longe dos limites da rasSo
humana, involto em sua propria intelligen-
cia : O misterio desia eterna Font< de que
d corre o espirito de vida, o sopro da exis-
tencia sep que assim os homens, os anjos,
as flores ou os ses; as inspiraces do
Omnipotente, quando pela primoira vez tro
cou no cabos os contornos do mande, e
que no meio do tenebroso espago, vio for-
niar-se gradualmente este grande e sublime
quadro.cono se v o arco iris desenhar-se
o sabir, da cor em cor, da nuvem ebuvosa;
depois a al ianca que D us fez com a espe
ce humana; as cadas do deslino cue
se snbmette assim como o honsem, ati qoe
sua larefa gloriosa seja cumprida (): at
qae pela via da dor e do peccado, o mal
krie o bem, o odio faca nascer o amor, e
que a sorte partindo a ama cada de forro,
tudo se torne lrvre e radiante I
Taes eram os grandes mysterios, as vesos
inda mais profundos, mais incomprebensi-
veis qoe ella onsava apprender, e oa ensi
nar-lhe. tio longe quantopodia o pensa
ment- de urna mulber, ou que uro espirito
dei-aido e proscripto podesse attingir. Cleia
ile-se saber celeste, e mesclando sua luz
pura aos falsos claros com os quaes a ima-
ginado bavia provado sua alma, ajoveuen-
thusiasta entregava-se seus transportes ;
fallava del fes como inspirada, e sua raga
ainda reergulhada as trevas, abandonaba
o cuidado de sene aliares para correr a
oovir s seas accentos. e contetnplar o seu
santo e lindo rosto. Fallara de cousas va"
gas e incoherentes', entretanto, entre os
furoos do erro que a imaginado colora, e
reveete de formas seductoras, brilhavam al-
gn clama da verdadeira rebgio Soleos
luminosos precursores do dia, que nao tem
despertado- o mundo ainda adormecido,mas
'qae o oi estremecer no' meio de seas so-
nos. Ah mais de urna verdide sublime
que De^s quisera oceultar aos homens, al
jo temp>ho, escapou cessas reveiecois
Obscura prophecias que- tem precedido
-mlinos sculos o brilhante Salvador!" Sem
elle ter a esse crepsculo iaperfeito, a essa
raca luz escapando dos signos do Lodlnco,
qpe acetara a meio-o Oriente ainda ea< tre-
vas, antes da verdadeira apparicoda ao-
roff.
Assim p288aram-se alguns meses de fe-
licidade para aquella que nao via sooo
amor e saber sobre- a trra e aos ecos.
Sen olhos e- seu coraco amante, contem-
plavam em inim um rival do sol, a luz des-
te mundo, o- espirito do mar, da trra e to-
ar -r cuja influencia, por toda parte sentida,
tinha por centro o corado de Lilia, e se es-
tenta at as estremas do mundo.- Tambero
ella percorria este mundo com um vo elo-
vado e rpido, perdendo de vista a trra
para s ver os eos, do quai sea imagina*
gao, argnlhosa edivre, mostrava as portas
entre abertas.
c ffe'iz entbusiasmo. ? Ah a despeito do
fri mortal de mea coraco^ a dspeiio
dessa borrivel dor que jerguil ae- mesmo
t'-mpo soas vista no pssado a no futoro,
que cocrtempla a vespera e o dia seguinte,
e v arabos tristes e desconsolados, sim, a
despeito da meuj soffriaentos, poderla an-
da ludo squecer vendo-a feliz, ou se roi-
ulia dor tivesse repellido o esqueennento.
ter-me-hia ao manos resignado em mur-
murar.. Quando o pensamento de um Daus
olendido vinha opprimir-me de susto,qaan-
do a fembranca de minia f lia qae preci-
piando-me no abysmo, sabia ser ttiremis-
sivel, despertava em minha alma urna an-
gustia que dor alguma humana pode attin-
gir ; tortura reservada quelles qae eonhe-
cem todas as cousas, e, supphcio c- mais
borrivel f. que coahecem e araam a.virtude
perdendo-a Eatao, sua preseni; i me cal-
mava,. adocava meus males, torna\a-me a
vida i-quasi a felicidade; se por ventura a
sua delicada flor pode abrir-se em urna
baste to cheia ^amargura Se sorriso
radiante trasia-rae valor e lux-, senio o re-
pouso : como a claridade da la luz sobre
o mar agitado, e abrhanta a t^ropestadade
que nao pode acalmar. Tamben mudas
vezes, esse temor oppressivo que se apo-
dera de todos aquellos que amam n'esle
mundo, quando contemplan), os oojeetc*
queridos da sua ternura, o terrivel peas-
ment la raorte se me oflerecia em todo o
seu borror. Pensamento desolador que se
msela as mais doces alegras do homem,
que o perseguoem sua morada, cuj triste
presa cobre de um veu fnebre os as
orilnantes dons do co, emmurcheceu a fres-
cura do infante, e cava um tmulo aos ps
dos jovens amantes, Temor t5o triste para
tolos e para mim anda mais amargo pelo
pansamento de ser preciso continuar a vi-
fver depois de haver ella desaparecido, co-
mo a nev cabida bontem nos mans! Eu.
a quem o co tinha poupado o sello de
todas a5 miserias humanas, e que dovia sen-
tir eternamente o aguilhao da moite sem
poder rnorrer I
Pois bem. eslas crueis angustias cediam
ao encanto de suas ternas caricias (nunca
mais vivos abramos apertaram a uniao de
dous coraQes), suas ternas vistas dissipa-
vam todas as nuvens, ou se fleavam, saa
sombra obscurdade, desapparecia sob um
novo brilho. Hvia em seu balito embal-
samado urna frescura lal que pareca des-
afiar o poder da morle. E sua voz, oh !
quem poderia duvidar que seus melodiosos
accentos, raui doces para morrer, seriam
immortues como a harmona das celestes es-
pheras ? I Seus labios tremu'03 oceultavam
urna vida d'ambro-ia, semelbante aquella
iue fermenta no fructo banbado pelo orva-
Iho delicioso do Edn; p>dia por vezes
chegar a crer, embora os tivesse conhecido
e amado como mortaes, qoe se baviam tor-
nado a forca de delicias, tio celestes como
os meus!
Mas ah I nao dado ao culpa lo peccador
serpormnit tempo feliz I Ella tambero
foi envolta pelas trevas do peccado ; trevas
de morle que matam ludo que tocam, muito
profundas porque sua alma podesse traspas-
sa-ias, e evitar a afliccao qoe trazera I Ou-
vi, e se resta urna lagrima em vossos cora-
cjs, lancai-a sobre mim I
Foi na noite de ora dia que haviamos
gasto em sonbos de amor; nesse mesmo
jardim, em que bailando sobre a trra si-
lenciosa, despojado de minba corda, e fe-
chando minhas azas cujo brilho era por de
mais deslumbrante pira os olhos mortaes,
lhe bavia apparecido pela primeira vez ; alli,
linha-me visto, h I delicias qae o auge da
dr nao.pode fazer esqoecer! Sim, tinba-
me vislq adorado, como so Deas deve s-lo,
e amado como homem nunca o fu. Esta-
vamos ambos nesse jard-m, pensativos e
apoiados um ao ouiro, os olhos de Lilia es-
tavam voltados para o co, e saa fronte ra-
diava com seus pensamientos ntimos. Nan-
ea serio mais calmo e bello colorio as va-
gas e bosques, sor rindo do alto do co
como se o mal nos tivesse ousado mostrar-
se n'uma hora tio doce I Entretanto, lera
bro-me, Qcamos tristes vendo essa clarida-
de I Lilia, com ocoraclo tio novo, e a fron-
te tio alegre, sentio a respeiLavel e muda
-o'emnidade dessa hora, e creu ver nesse
repouso nao s a morle da luz, mas i de
todo o mondo encintado, afino de todas as
coosas beljae e brrltorofe. o ultimo por do
sol, aos rafas do qnal a mesma natureza
mo.-ria con calma .'
Aflnal, como ae atgom pensamento appa-
receodo de repente, agilasse o sea seio, se-
melbante ao passarinho qoe o fim do dia
sorprende no meio de seo mohos, voltoo
para mim seus grandes olhos negros, que,
as emoces da alegra, dr colera, da sor-
preza, se abriam como para rteixarem esca-
par mais vida. Collocando eua mi acari-
ciadora sobre minha cabeca, sorrio e
disse:
Ti ve na noite ultima mna visan seme-
de*'ti,
() Deus eterno nao teve principio e
nem tera fim. Seu destino o So tem limites,
saa vontade nio soffre restriccoes. Este
(a) E a do mui digno lenta da mesma
Facultado Dr. Braz Florentino Henrique trecho porem deve ser entendido como urna
de Souza... I liberdade potica
hante esses sonbos divinos que te prece-
diam. como o preludio de urna doce melo-
da, antes que destesses dos cos. Tio
deslumbrante, como se tivesse sido formada
da luz das estrellas, a mesma griaalda or-
nava tua fronte ; tuas azas, agora sombras
immovais. faiscavara agtando-se em torno
sememantes meteoros inflam
mados.
Radiante,, como nesses sonhos felizes,
iropunhas nwis a adoraco do que o amor.
Ser divino! exhalando a faz por todos os
pc#os como as- flores exhalara perftiroes.
* Da repente, senti-ma attrahidb para
0 leu coracao, onde ternacnenie apertado^
v-roe envolta aessa atmoepbera luminosa
emanada de ti.
Em quanto me conservavas assim so-
bre otea seio, a cbamma pa^sou de tua al-
ma ceteste rwnha, e cont tu. obrmo
ment por deraais delicio^o, tornei me espi
rito e Amonede.
Do: porqoe- razio este sonho to-bri-
Ihanle me tem visitado, se ao despertar de-
ve esvair se e fugir? Quando ser qaeo
meu eberobim hrHfcar tio radiante, como
bri hava no co ?
Qoasdo poderer. despertada, contem-
plar esses-encantos perfeitos, de ter abrasa-
do, sem que urna sombra ou tn nevoetro
terrestre se eleve eatre as ?
Oh r qoe de opgnlbo nao terei podendo
dizer: E4o, o me arijo, raeu, divino,
paro, deslumbrante, novamente descido des
cos; meo, meu-!" *
Pensas araso qae. se tua Lilia tivesse
sido, como-to, om Raimante desee co Ion
g-ioquo, teria qoerido-faftar urna s de saas-
gracas, uoujoico raio da sua 3*oria, aos-
ofbos do sao amante-?
Nao t Nao! Se amas tanto como eu,
brilba pois joven espirito, com iodo o bri-
lho de tua soberba ivindade, ^io temas
ferir os olhos d'uma mortal !
Tenhu por muito- tempo sustentado o
fogo de teas olhos acdeoies; eu os tenho
umitas vezes procarado com amor, como
agora mesmo: maus albos se tem aproxi-
mado muito dos astros- em reaeiar a mais
sublime e a mais luminos: visan.!
Nio oeceies pois p r mim cousa algu-
ma ; o! r qoe sabe sa este sonho nio, se
comprr, ese meu e9frito bem aven'ura-
do nio se revestir de teas rs, al tor-
nar-se per. saa vez celeste ?
t Que oa sinla uaaa vei ao menos a
cbamma de uias azas-. abertae, o orgulho-
transformar minha natureza, e loa appro-
ximacio deificar o meo Assim fallava a virgen) desacostumada s
refu>as de Deus e dos borneas. Dir-se-hi
que, certa de sua influencia sobre todas as
cretturas, qaaesqoer qne foswn, e nio pt>
dendo efevar-se ai-aos cos.querii ao me-
nos faae-las descer al si!
Ah ella e eu, sim, eu proprio, cojo ser
esta va meio inmerso na noite do peccado,
como o planeta ero que vivemos nio es
clareado do sol senio do um s lado, nos
estavamos longe ambos de prever a espan-
tosa sorte... Onde acbar termos ? b !
Deosr... Pintar taes angustias ainda
sent-las... mas meu coraeio opprasso de
amargara quebrar-se-ha, seno exbalar a
sua dr!
Sombros preseotroenios tinham, coofes
so, atravessado um instante meu coraco : o
lemor de um per-go vago, desc :lie 'ido.
que ameacavaum de nos, e lal vez ambos!
A i lea das coosequencias funestas- que po
da ter esse rgulhoso- pedido Logo, po-
rm, estes tristes presagios se esvaec3ram:
nio vi mais cousa alguma que podesse se
oppor a minha inteira revelado ; nada, se-
no o temor desse primeiro deslurobramen
to, a vista de. urna gloria radiante, deseo-
orindo-se de repente a olhos nao affeitos a
1 luz do co : ainda o amor e seus cuidados
carinhosos poda eosinar-ihe supportar
esse brilbo, como as aguias novas suppor-
tara o do sol; porque sabia que o fogo
derramado por soore as minhas azas, qnan
do se desdobravam com orgulho, era de
urna namreza fugitiva, pura e innocente,
como a luz que o vagalume suspende
noit3 aos ramos das arvores, para chamar a
companheira sob o seu verde docel. Mui
las vezes em um rpido vo, tinha suicado
as nuvens onde dorma o raio, prestes
lancat-se do seu retiro, e nio o tinha des-
pertado, emtora milhares de scentelhas ca-
hissem era chova de minhas azas. Muitas
vezes, tambera, a nuvem ligeira (de que
gosUva em meus das de innocencia, por
causa de sua brancura), descia da nuvem
am torno de mim, semelhante as pennas da
pomba celestial, e a grinalda, que cingia
minba fronte, brilhava com ura logo to ce-
leste, que agitando suas flores, cada floco
se destacava tio puro, tio inteiro, to bello,
lio gelado como nellas h .via cabido.
Nio tinha eu volteado om torno de Lilia
mesmo, durante o seu somno ? Nao havia
pairado sobre seas encantos, tocando-os
com meus labios, radiantes? E entretanto,
nio havia ella despertado pela manhia, des-
se doce repouso, fresco e brilhante como a
rosa, confiada e sem man:ha, recebendo to-
da a noite, entretanto, os beijos da mosca
de fogo ? Quando os raios qua lancava pe-
netravam al o fundo de sua alma adorme-
cida, nenhum tremor agitava seus membros
immoveis, tio sobiil e etherea era a cbam-
ma que lio viva como O raio que funde a
espada sem tocar na bamba, poda attingir
a alma e dissolve-la sem fazer-se sentir ao
corpo!
Livre de todo susto (cria-o assim, ceg
pelo peccado !) contemplando seus meigos
olhos flxos sobre os meus, como se os cos
que se mostrarem s esperassem um signal
meu, podia acasq refusar-lhe alguma cousa ?
Poda dizer ama p-davra que podesse des
pertar em seu coracio um temor, orna da-
vida qae os raios qae havia trazido do co
eram todos de la ? Sentado a sen lado, le-
vaotei-me lentamente, em quanto que tam-
bera em p, modo e tremolo, nio de susto
mas de esperanca, toda desejos, esperava o
cumplimento de minba pr> messa, como as
sacerdotisas espreitam com olbos iaflamma
Itnca-las no delirio. Nada fallava minha
gloria, ex-epto a corta deslmn&rante, qoe
descende pela nitima vez dos cos, havia
deixado all... onde vds essas nuvens
que caminam ao occidente. Alli, anda
ella est suspensa, brilbando ao longe, mas
semelhando urna estrella, que o diadema de
nm anjo decabido Nao a possuia, mas a
minha fronte luminosa eslava eoroada dos
anneis de meus cabellos donradis pelos
raios .do sof, meosorhos, brrthando coro o
doplo brilho do co e do amor, derramavam
urna luz descoobecida a elles proprios, em
quanto as minhas aza destendidas, brota-
vam como duas- frates radiantes, ama nu-
vem de scentelhas, semejantes ao orvalho
de espuma que sabe de orna cscala. Tudo
quanto havia conservado dos ornatos do
co, desse rico vestuario ijue reveste um
cherubim, no mais- bello dia de gala, linha
lomado. Altivo de brilhar a seus olhos
:um tod<> o brbo divino, lancei-me em
seus bracos que haviam ficado- abertos para
recebar o amanle qm nao oooava contem-
plar, quando (incapos de sustentar urna
vjso tio deslnmbrau>8> sua ca!>eca pend
sobre o sew seio.
Grande Deus corno- ten casttgo pode
pesar assim sobre um ser tio brilbaale ?
Como a mi qoe creoo tees encantos pode
anoiqnilfa-los, mesmo nos bracos de amor?
Mhl bavia tocada o seu corpo tremolo, que
sent. -. Oh1 f lembranca borrivel !...
sim, sent ; aada faise* desse fogo tio
puro qnando babitava entre os astros, con-
verteo-se, desnalorado por meu crime, em
ur fogo terrestre, groeseiro, que consa-
mia todo quanto toca va, to rpidamente
quant a vista poira seguir soas chamraas
devoradoras, at-o momento (oh .' Deus
porque te vingaste n'ella ?) em que a vi:
reduaida crazas- entre os m^us bracos !
Essas faces radiaeies de felkidade, esees
labios cuja approximaco era para mim- o
que para a sede de um anjo criado de
novo, a-prm-ira e gloriosa taca da immor-
'.alidada r esses bracos cujo doce amplexo
formava- o borisoete do mea- coraco, os
limites de minh'S esperanzas e de meu fia-
toro, or.de encontrav os cos-; to ternoe
nesse momento temivel, que quando elles
me abtacaram pela ultima ves, a mesma
roorte na pode desunir, ardentes, me ti-
nham anda enlacado-! Esses- cabellos qoe
como ara veo negro sombreavam seu col
de alabastro, que se via atrave delles>
como urna teta branca que se v brilhar,
por intervallos, cl*rdade da loa, no meio
de vagas sombras ; esses cabellos que qui-
zara salvar, a custa d* minha vida, sequer
ao menos urna de suas trancas Tudo
ninrj', sendo diffici! crer que accentos tao
melodiosos bajam nateido deHe. Em se-
guida eta voz qne se casa va ao instru-
mento, como a brisa ao raido das vagas,
(lano pareca animar o dcil alade).acomi
panhou tremendo esses deliciosos accentos,
traduzindo suas alegra, saa dr, e juntan-
do as ligeiras azas das palavras a mai de
ora pensamento, qae a nio ser ella tena
ficado eoire as cordas, moda e incapaz de
elevacio.
Todos estremeceram a taes accentos,
elles porm commoveram inda mar o ler-
ceiro anjo, cuja physionomia, embora mar-
cha como as dos seus companheiros, tinha
o cunbo de urna dr mais sania e mais
doce. Dir-se-hia que mesmo bo meio dos
pezares e dos males, a esperanca nio o
uavia abandonado, e qoe essa pedra pre-
iosa havia fkado inteira no fundo da taca
da dr, para brilhar qoando ella estivesse
vazir fazen-lo esqoecer o amargor da be-
bida. Ainda que saas vitas mostrassen
mus prazer qe sorpreza, elle as volvea
'primevo para bosque donde sabio essa'
doce e solitaria meloda, depois dirigindo
suas vitas arrebatadas sobe* seus brhan-
les companheiros, prestou oovidos a vor
j que dizia :
f Vero suppliear comigo, eh! meu bem
ama o Seraphim, meo senhor e meu aoje !
Vem orar eomigo, era vio mena labios tem
buscado nesh noute dirigir ao co ama
santa supplica, me os joelbos poden>
curvar -se, meus labms mover se, mais-
orar nio po9o sena- ti t
Tenbo rjatrido com as gotta da arvore
que produz o inenso. a cbamma do aliar
no bo-que, a tenho abrigado do vento e da
chuva ; e entretanto ella arde tristemente
durante amaraba lenta das horas, como se
nao podesse como eu conservar a vida e o
brilho longe de ti!
Batel lancado mei noute, sem pi-
loto e sem leme, no seio do tenebroso mar,
alaode cojas cordas se bao partido ; passa-
ro ferido ao qoai nio resta senio ama aza
para sulcar o espaco, eie-o que son' sem
ti!
Espirito adorado, nao-te separes-non-
ca de mim na vida ou na morte e quai orna-
do como brilho deso, percorrem de novo
a trra encantada do Edn, deixa que mi-
aba sombra prosternada poje a ten lado,
inda assim mais ditosa do que sem t
Os oantes bav bosque (descendo em seaai-circulo dessa
aerea altura, attingir o logar em que se
achavam os anjos) brilbou de repente a luz
de um lampada, ao passo que esclareca a
fronte daquellc qoe elevava sna cbamma
tudo o qo ora minuto antes respirava amor (Como para dar mais cUridade ao grano
e seus perfumes, eslava esteodfdo diante, jUQt0 embaixo) fazendo apparecer no meio
de mim, ennegrecido,, consumido, acabandoda sombra folnagem, dous ofbee brilhantes;
dos a apparicio do .disco da loa, cujo's raios
(ellas o sabem e tito podem eviu-lo) devem
em angustias! e era de miabas chammas
qoe bavia nascido tal- desolaco Era eo
o demonio cojas caricias envenenadas tinham
destruido tantos encantos Idea borrivel!
Lembranca despedacadora .'is... ouvi.
aindi o mab horrivef f Se a morle tivesse
sido a anica maldicoque tivesse feito des-
cer sobre ella, se a eipiacio tivesse acaba-
do quando sua mocidade e frescura, nao
eram mais do que poeira. e que a alma
nao tives.-e berdado essa funeste maldifo,
minha sorte seria menos borrivel Ap-
proximai-vos, a trra estremecera ouvindo
esta espantosa narrago. No instante em<|
que seas olhos extinctos e velados, disse-
raro-me seu pungente e derradeiro adeus,
e fixaranvsenos meus. (oh que olha!.
Poder vingador, seja quai for o "inferno qne
deslines aos mortaes, o meu existir nesse
olhar !)
Durante sua ultima luta com a morte,
seus labios lvidos imprimirn) em minha
froote um bijo deverador! Sinto-o anda!
Era de logo, mas de um fogo manos puro
que o meu ; pareca a essa chnmma cujo
nome s, faz tremr os aojps, eteroo ele
ment do inferno f Penelrod como um
dardo em todo o meu ser, despertando em
sua passagem a dr e a angustia ; veda
aqu sua marcha, v le aqu a iKidoa indele-
vel, qae deixou sobre minhi fronte,, sulcada
por este ultimo beijo do amor o do pecca-
do Mancha que o orgulho. qo o brilho
destes anneis brrlhantes, nao pode occul
lar, e cujo contacto impuro os repelle para
loage !
Mas ser possivel, temivel Providencia,
ser p ssivel que ella que teria honrado o
mesmo co, seno fra esta ur.ica falta do
orgulho e d amor, tenha sido condena-
da... nao posso dize-lo... Nao Deus
misericordioso Nio possivel !... Tu
uo quizeste tal f Nunca labios divinos
lero podido proferir tio horrenda sen-
tenca ,
Eatretanto, esse olhar... esse olhar to
cbsio de angustias nuis que mortaes, de
um tal desespero... Esse fogo novo e
devorador que n tem 'goal no co ou so-
bre a trra... essa nodoa que tragocuoi-
go !... Oh pela primira vez depois da
minha queda, eu me prosterno anle li, po-
der Supremo, se ao Lirado de minba sap
plica, consentes em revogar leus decretos,
perdoa essa a'ma, e lauca sobre mim,
sobre mim s que desvairei o seu orgulho,
lodas as ondas do leu termal castigo! V
tambem, junto de mi a, doufwoulros pros-
criptos de joelhos qae tambem decahi los e
perdidos ousio anda apiedar-se, ete roga-
rem por essa pobre mortal I
Ah Elles conhecem muio bem a dr,
a penitencia, o remorso, com que as pai-
xes opprimem os seres os mais lindos,
os mais castos e mais temos Oh quera
ser salvo, se estas almas brilhantes e des-
varadas nio obtiverem perdi ? Ellas,
pie errio tio contra vontade, e cajos des-
varios se inclinan para o lado do co ?!
Deus justo, oave os meos brados, oppri-
me-rae com os soffrimentos dessa anglica
creatura Eu s fui quem corametten o
crime. Eu s devo ser punido I Poupa-
Ihe um minuto de dr, e que a minha dore
a eternidade !..
Calou-se; curvou sua fronte ardente,
emquanto os outros anjos ajoelbados perto
delle, compariilbavam a sua angustia, como
se tivesse sido a sia. No meio da calma
silenciosa da noute, em quanto a brisa er-
rante brincava tristemente com suas pennas
que nio mais deviam voar para a celeste
patria faziam internamente essa moda sop
plica qae s pode chegar aos oovidos da
misericordia. Devia ter sido ouvi a, ou
Deas nio seria tal qm\ o proclama esse
universo glorioso o brilbanto.esse mundo
de bellesa, bondade, luz o amor inHrjito.
Eslavam ainda ajoelbados, quando de am
bosque qae coroava essn aerea soliJio, sa-
biram soos lentos e incortos, como os de
alaode qae vibra ulna inspraco feliz e
mormura em volta de sua nova pliantasia.
soos tio doces como os da rola, em aeu
taes como v a ioagioacio nessas ligaras
que acompanham o poeta ero seus passeios
nocturnos, presidindo do alto da verde fo-
i ha geni a seus sonbos de amor e do co.
Foi apenas uro instante, o rubor qae
colorio todas as soas feicoas, ao pensa-
ment de ser visto, tio sozinba na noute,
por ootros olhos que nio aqoatles que brin-
cava, tinha apenas brilhado um instante
atravez da negra foloagem, dnsapparecendo
logo avista. Ella se havia esvaido. como
um meteoro que luz. de repente sobre nos-
sas cabecas, e foge no momento em> qae
se exclama : vede, vede !
Entretanto, antes da desapparico da jo-
ven seu oovido recolhen estas palavras:
Eu vou, eo vou, minba Namah, pronuncia-
das com essa voz doce clara e bam coohe-
cida, que chama a confianca, a paz domes-
tica, a doce intimdale que approximadous
coraceat fazer um s, a f sincera, em
m tudo o que o amor mais presa ouvir !
Msica deliciosa, revelando o passado, o
presente e o fotuto, da quai a esperanca e
a memoria prolongara a harmona at o
ultimo de nossos das.
Aquella a quem se dirigi essa doce cha-
memento, nao resisti por minio tempo,
elle contou logo a curta historia dos seus
castos amores qae seas companheiros
mais decahidos do qae elle da feheidade e
lo co, j sabiam.
Ei-la, nao como elle a contou, mas tal
como ficou grvada sobre taboas que foram
outr'ora >alvas do diluvio por Charo ; ta-
boas cobertas de legendas sublimes e affii-
gidoras, dos espilos gloriosos mais 'des-
varados desses lempos : a desso joven aojo
estava assim tragada.
HISTORIA DO TERCEIBO ANJO
En;re o puros espintos de chamma ab-
obados em volta do ihrono do Omnipoten-
te ; circuios de luz que -se alashndo do
eterno centro, transmitiera os seus raios
a lodos os lados, (semelhaotes as espheras
aereas que propagam em torno, as oadu-
lcoes dos harmoniosos soos) al que o bri-
lbo difundido ao longe se perca no infinito,
p.-imeiros e em p junta ao throao, como
os escolbidos de Deus, se enllocara, os Se-
rapbins. Sobre suas flucluantes banderas
se leem estas ardentes palabras. Amor di-
vino. Sua bierarebia, suas honras exce-
dem muito aquellas dos Cherubios de so
berbas frontes, embora estesconhecio tudo.
tanto mesmo no co, o amor excede a
sciencia / Entre elles coni*%a-se outr'ora
Zarapb nunca espirito consumido pelo fogo
sagrado aspirou para o Eterno com um
desojo mais vivo e ardente. O amor nio
era para a sua alma apaixonada o que era
para os outros aojos, urna porgo somonte
da existencia, mas a vida inteira, o sopro
mesmo do seu coracio.
Muitas vezes qnando da frente do Omni-
potente escapava um raio mais vivo para
todos iosuportavel e todos os Saraphins co-
briam os rostos com suas azas. enao ou-
savam contemplar a luz, os alaos desse es-
pirit) procuravam essa luz terrivei. que te-
nho orgulho de adorar, preferiodo perder
a vista nesse xtasis, a deixar de admirar f
Do mesmo modo tambem quando os anjos
cantavam a misericordia de Deas, e qaan-
do elles temperavam saas barbas para ce-
lebraren! com doces acordes o instante,
observado por todos os olhos, om que quai
quer peccador arrependido tocava o paiol do
co, a voz pora,e tnelodiosa de Z-raph
elevavase sobre as outras no bymoo da
alegra. O amor animava cada om dos seus
acceotos ; esse amor qoe somante pode
pertencer |aos anjos felizes, e qae s pede
prestar mesmo aos anjos, cantos Ufo ce-
lestes !
(GmMtwr-if-JMi.)
TYP. DO DUMO-mM DOPUQW M CAJ^i
f

f


-
i
v


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EOU3U2BCA_G5YVTI INGEST_TIME 2013-09-13T22:03:03Z PACKAGE AA00011611_12279
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES