Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:12278


This item is only available as the following downloads:


Full Text
MITO XLVI. NUMERO 274. 6m .b
mam \,\i ::'' i' alta
n a tMimi t i*
mt
rv
**? mi* di'.os i.tom .
.Nrim aoM dem.. .
Cija fiomero ambo J

..... *.,
> >
3*0
A %
SfclTA FEIRA 2 DE OEZEMBRO D 1870.
PA1A SUinO E FOiU DA nftfUOA.
Por (rea meas adiaatados............,
Por Mis dito Mea..........-<.......'
Por nov ditos. idem.....-...........
Por am asno idem .....


8I7W
I3H0O
SOM80
x7|000
Propriedad(

________
A* ACBHTBA:
Os &*. Gerardo Amonio Aires 4 Filhos, no Para ; GoBcalves 4 Puto, no Maranta*, ; Joaqoi Jos de Oliveira, no Ceari ; Antn*. d Lea* Braga, no Aractfy ; JoSo Mar.'. Mi Chavea, no Aea ; Antonio Marqnes da Silva, no Natal; Jo Jnrtine
Pereira d'Almeida, em Maaangoape; Antonio Alexandrino de Lima, na Parahjba ; Antonio Jos Gomes, na Vffla da Penha; Belarmino dos Santos BoJcao, em Santo Antio; Domingos Jos da Costa Braga,
_______________ m Nazareth ; Francisco Tavarea da Costa, em Alagoas ; Dr. Jos Martma Alvei, na Babia ; e Jos Ribeiro Gaaparnho no Rio de Janeiro.
PARTE OFFICIAL
Wlateterlo dos neoc'os estraa-
getrs>.
Rio de Janeiro 11 de novembro de 1870.-Nao
formiuindo aa achines aircomsUncia jue km
fina aran conmuto pwMJ eom Kraaca em sobs-
i 'uicio da quo fot denunciada pelo Brasil e sendo
argente prover ao serrino da correspondencia en-
tre os dous paiies, Dio dnvida o joverno brasi-
letrt em concordar que n convengan actual con-
liooe em vigor", por mais uro anno, a conlar de
I1" de dezembro jo eerrenle, comanlo que o cam
l)io, dorante este aecordo provisorio, seja de tira
tranco por 400 r, em vei de 330 rs. como at
agora.
ftespondendo aJm a pane final da nota, que o
Sr. Paulo Honnelle, encarreg.ido do, negocios da
Franca, dirigi a este ministerio em 17 de agosto,
e a de 3 do rnenle mfz, divo acerescentar que
o governo imperial se pronunciara opportunameu-
t? sobre o pn-jeclo de convenci que acompanhon
a primeira das riladas notas.
Aguardando, par a expedico das convenientes
uf dens que o Sr. H ocmelle me declare o seu ac-
:rdo nio s qaanto ao prazo addicional, mas lam-
r.om qoanfo ao cambio, aproveito o ensejo para
r iterar-lhe as segurancas deminha consideracao
mu i disiincta. Viseante de S. Vicente.\$ Sr.
Paulo II melle.
Legaran de Franca no Brasil.llio de Janeiro,
13 de novembro de 1870.
Sr. visconde Recebi csrla que em data de 11
iii qual me informa que o governo brasileiro, nao
-iando disposto a c incluir nova convenci postal
tus cireumstancias u'tuacs, consenle im prolon-
gar por um anno o tratado existente entre a Fran-
ca e o Brasil. V. Exc, conitudo eslabelece a con-
di ao de que a cambio ser calculado, a contar
de 16 de dezemhro pn-xi no, em 400 rs. por fran-
e*, em vez de .130 r*_ como i era anteriormente.
Agradece a V. Exc. a medida que est disposlo
j :omar, e quanto a mim, creio poder dar-lhe a
m.nha adhesa), em nome d t governo francez.
Quanl'i questao do cambio, se per um la-
1 recebi ordem de pedir pura e simplesmente
a prolongaco do tratado exilenle, tambem por
iCtro lado no prajeeto de convencao que fui en-
carregado de dirigir ao goveano imperial, a taxa
do cambio est propnsta oa razio de 400 rs. por
franco. Creio. portante poder assumir a respon-
-.blidade de acceitar a eonrtco estabelecida por
V. Exc, sem pedir novas nstrnccSes.
Assim, pois, considdro enadHMO o aceordo pelo
jual a cnnvenn portal existente actualmente en-
tre a Franca e o Brasil prolongada por um anno,
a contar de 16 de ueambro prximo, coro a modi-
t'icacao de que, dorante este anno, cambio ser
encalado na raza i Oar-rae-hei press:i em informar o goteruo fran-
?z desle arraejo, para que sejam dadas as ordens
n??etnriM ailmini.'traco do correios de Franca.
Approveito esta occasiao, Sr. visconde. para re-
i ar a V. Exc. B:i seguranzas de tninha muito
alta consideraao.P. llKmeUe.k S. Exc. o Sr
v3coode de S. Viconte, presidente do conselho e
ministro do negocios esirangeiros.
Joao Paulino Mar-
overa da provincia.
lWWHHS DO DI.V 28 DS .NOVEUBRO DE 1870.
Actos:
O presidente da provincia, conformndose
a proposta do tcnente coronel commandaute
1' batalhaj de arlharia da guarda nacional des-
i- municipio, sobre a o.n.al informou o respectivo
corcmandanto anperior em offlcio de Si do cor-
rele, sob n. 212, resolve, de conformidade com o
art 48 da lei n. 60, de 19 de setembro de 1830,
tornear para o referido batalhao os offlciaes se-
3^.intes:
Estado maior.
. lenle secretario Paulo Pereira S-moes Ju-
ai'.r.
I* companhi._
Captlio o 1" teneats da 6"
loas.
6* companhia.
t' leneute o 2o dito secretario Corbiniaoo de A-
fQino FoDceca.
O presidente da provincia, vista de cilicio
do r. chefo depoli:i,i, n. 1,361, de 23 do corrente,
resolve esmerar dot cargos de 3o e o0 suppleptes
do subdelegado da freguezia da Gloria de Goit do
termo de Pao d'Alho, os cidadnos Jos Coelho de
Mello e Paulino de Andrade Bezerra Lima.
O presidente da provincia, cooformando-se
a ptoposta do Dr. cVL- de polica em offlcio,
o. 1.361, de 28 do corrente, resolve nomear para
cargos de 3 a i* sopplentes do subdelegado da
I euezia da Gloria de Goit do termo de Pao
d'lho os cidados abaixo nw'tieionado?, na ordem
da sua collocacio:
Joio Jos de Arru ia.
Ar.tonio Bezerra do Mcdeiro?.
O presidente da provincia, vista do oEcio
do r. chele de policia, n. 1,561, de 23 do corren-
te, resolve exonerar do cargo do o supplente do
subdelegado do 2a districio do termo de Pao d'-
lho o cidalo Manoel Francisc) de Souza.
0 presidente da provincia, conformando-se
ora a proposta do Dr. chefe do policia em offlcio
n. 1,561, de 25 do corrente, resolve nomear para
3 lugares de 2* e 5 supplentes do subdelegado
do 2* distrieto do termo de Pao d'Alho, os cida-
dos abaixo mencionados, na. ordem em que vo
designados:
Mogo Soares Carneiro !e Albuquerque.
Lcurenco de Hollanda Cnalcanle de Albuquerque.
O presidente da prov ncia, conformndose
ocn a proposta do proctrador fiscal da thesoura-
r:a provincial, datada de 5 do correle, e sob n.
i59, resolve nomear o promoter publico da co-
marca de Olinla, bacharcl Mannel Isidro de Mi-
rinda, para o lugar vago de ajudante do mesrao
procurador fl>cal naqnelle municipio.
Expediram se as neeessarias communicacoei.
OH:
. Ao Exm. Sr. ministro da justica, transmiltin-
do, em observancia ao aviso de 17 de marco de
ld55. copia do offlcio, era que o jniz de direit i da
comarca de Cabrob d conta dos irabalhos da 1"
~-ao dojurj? daquelle termo.
Ao Exm. Sr. ministro da marinha, partici-
pando que o reernia Jos Eleulerio da Tnndade
deixa de seguir para a cc*irte, por ter sido requisi-
tado pelo Dr. chefe de policia.
Ao Exm. Sr. ministro da guerra, transmitira-
do, em cbserrancia ao disposto no aviso de 9 do
corrente, o titulo de divida do soldado reformado
do exercito, Jos Antonio de Paria*, passado pelo
cotnmandante do 9* batalhao de infamara de li-
nha, ao qual vao annexos os papis, que acorapa-
nharara ao citado riso.
__Ao general coatmandante das armas, dizendo
que flea iatoirado de quanto expoz eom referen-
cia a nma pubi^co feita ao Diario ie P'nam-
Hoo, de 15 desle mez contra o procediraento "de
alguns offlciaes aas noute de espectculo no
theatro Santo Antonio, folga de saber que sao
oeiaetas as arttuices comidas era dita publica-
cao, e que a oBciadade sob sea comowndo por-
-s'e coBTenienimente, como era de esperar dos
uroprio brio do bom emplo dos seos obeles.
Ao meeroa, aotorisaado a conceder ao sol-
dado da V balilbie de Infaateria, Antonio Clau-
drao te Poneeea, um raez de licen^a para rr a
Terra-Nova. ... .
Ao provedor da Sania Casa de Misericordia,
dizendo1 que p)Je ehiregar a Maria Januaria da
Conceicao aa anas du:n eoliadas, Cesara e Gui-
Ihermina, eduran Ja? do collegio das orphaos.
Ao mesmo, para mandar foraecer os objec-
tos constantes da relajo Junta, os quae sao re-
quisitsdos pelo director do asvlo de raendiciJade,
como idepe!a*eij aquello "estabelscimento.
Ao Dr. chela de pjlicia, rece rameo lando a
expeficio de aoras t tertniaaaies orden, aflm de
serem captralos 9S indichdos no critrie de ho-
micidio, perpetrado na pe33oa do tenante-coronel
Saturtino J )? da Silva, que aiala' n5o foram
presos.
Ao inspector da the murara de fazenda, de-
clarando, para os fins conveniente?, que, segundo
consta de offlcio do eommandante superior da
gnarda nacional di Cabrob, em 18 do corrente
inaudiu dissolver o destacamento existente na
villa do Granito.
Ao mesmo, intirando-o de rae o bacharel
Paulino Bodrgues Fernandes Claves em 23 do
crreme prestou juramento e entrou no exercico
do cargo de juiz muiicipal di Ia vara desta ea-
5 i tal, para o qual fura rejonduzido por decrero de
deste mez.
Ao inspector da thesouraria prcvineijl, man-
dando pagar os vencimemos da professora de
instrueco primaria da freguezia de Tracnohaem,
Francellina Forjz de Lacerda, correspondan tes
aos viole e dous das a contar de 10 de agosto
ultimo, em que, por incofjraodo de sanie deixou
de dar aula.
Ao mesmo, para que pela verba do 14 do
art. 4* da lei do orcamento vigente, sejam pagos
os venc atentos da professora da 3a cadeira de
inslruccao primaria da freguezia da Boa-vista
desta cidade, Luiza Eudoxia Baptista, visto nai
existir no actual exercico quota para essa ca-
deira.
dem acerca dos venciuientos do professor
da 5* cadeira da freguezia do Santo Antonio desta
cidale Joao Lindelino Djrnellas Cmara.
Ao regedor do gyranasio, dizendo que, se a
vaga mencionada no final de su Informacao de
26 do corrente, ha do alguns dos lugares conce-
didos a alumnos pobres pe i art. i'M da lei n.
369, de 14 de maio da 1833, mande admittir o
menor Emilio Ambrosio Marinho Falco, filho
de Domingas Paulina Ayres.
Ao eommandante superior da guarda nacio-
nal do municipio de Xazareth, devolvendo, visto
nao poler ser spprovada a proposta que remetteu
organisada pelo eommandante interino do batalhao
n. 20 de Tracunhaem ; pois que o aviso do minis-
terio da justica de 23 de dezerabro de 1834, de-
termina que as propostos para offlciaes dos cor-
pos da guarda nacional, sejam feitas pelos eom-
mandante < elTeclivoso nao pelos interinos, salvo o
caso de impedimento prolongado d'aquelles, e por
conveniencia do serico, o que nao se verifica da
inesnia proposta.
Ao capilo do porto, para que, de conformi-
dade com a sua informacao, mande por em obser-
vacao na enfermara militar, o recruta de ma
rioha, Bicardo Jos Diniz, lno de Jasepha Maria
do Espirito Santo, aflu de se veriflcir-9 e *at.
fre a molestia peridica que allega.
Ao chefe da ropartico das obra's publicas,
aut irisando o a mandir fazer por administracao
os reparos mais urgentes de que precisa a casa do
delencao.
Communicou-se a thesouraria proviucial.
Ao dir^tor do arsenal de guerra, para que
faca desembarcar de bordo d> vapor Paran,
apenas chegue a este porto de valla do norte, os
quatro caixdes com fardamento c instrumentos
de msica, vindos da corte, visto que deixaram de
ser desembarcados do referido vapor na sua pas-
sagem por esta provincia.
Tlecommendou-se aos agentes da companhia de
paquetes a vapor que auxilian) esse desembarque,
e pediram-se nformaede? sobre o motivo da falta.
Ao promotor publico da eomsrca do Brejo, cha-
mando sua attenco para o fado, que commuai-
cou o chefe de policia, de ter sido a^sassioado
Joaqum Josc Torres, conhecido por Gangarra, em
um conflicto com sua mulner Francelina (Amrica
Leite e Joaquira Eduardo Leite com quera estava
amasada saiodo esta por sua voi gravemente fe-
rida, e recommendando o emprego dos meios le-
gaes a seu alcance, atira de que tcaha regular an-
damento o processo, e sejam capturados e puni-
dos os verJadeiros delinquenies.
Despachos:
Adelo Publio de Moraes Carvailio.Informe
o Sr, inspector da thesouraria provincial.
Baro de Santa Cruz.Eniaminhe se.
Balthasar Augusto de Oliveira Costa.luforme
o Sr. Dr. director geral da instruegao publica.
Domingas Paulina Ayres.Dirija-se ao Sr. re-
gedor do Gymnasio provincial.
Domingos Mouinho.Informe o Sr. inspector da
thesouraria provincial.
Francelina Forjaz de Lacerda. A ih;souraria
provincial com offlcio desta data.
Heraclico Constantino de Paula Moateiro.la-
forme o Sr. inspector da thesouraria provincial.
Josepha Maria d3 Espirito Santo.Nesta data
se expede ordem no sentido que requer suppli-
cante.
Joaqum Jos da SilvaDiga o Sr. Dr. chefe
de policia.
Joao Landelno Do-mellas Cmara.A thesoura-
ria provincial com offlcio desta data.
Lourenco de Menezes vsneiro Bandeira de
Mello.A thesouraria provincial cora offlcio desta
data.
Luiza En loscia Baplist.A' thesouraria provin-
cial cora offlcio desta data.
Mathias Antonio de Souza.A vista da infor-
macao nao ha que diferir.
Maria Magdalena da Conceioao.-O filho da sup-
plicanie poder ser admiilido quando houver vaga,
se f >r julgado apto.
Minoel Rodrigues do INasciajfluto.Provc que
tero estabelecimento.
Maria Januaria daXonceicao L'irija-se ao Sr.
desembargador provedor da Santa Casa de Mise-
ricordia em sessao da junta.
Paula Mana da Goncecao.Ioforme o Sr. Dr.
chefe de policia.
Thom8z Ferreira Maoiel Pinheiro,Passo por-
tara. "
eXPBDIBNTE DO SKRCTAMO,
Offlcios: .
Ao Exm. provedor da Santa Gasa de Miseri-
cordia, participando car S. Bac. inteirado de
haver sido nomeado o tenente-coronel Justino Pe-
reira de Faria para exercer as funeces de the-
soureiro d'aquella Santa Casa, no impedimento do
commendador Jos Peres Ferreira que retirouse
para fora da cidade. .
Communicou-se a thesouraria provincial.
A juiz de direilo da comarca de Flores, m-
tnirando, de ordem de S. Bic, que, por decreto
de 3 do corrente, foi declarado de nenhum effeito
o de 20 de abril deste anno, que removeu a pedi-
do o bacharel Francisco Luiz Correia de Aodrade
do termo de Santa Lona B proviocia das Alagas,
para o de Flores nesta comarca.
A' ord im do subdelegado do Recife, Jame Pe-
ter Larsar, Augusto Lollyagena e Augusto Fetou-
meno, allemles, requisico do respectivo coosul.
A ordem do de Santo Antonio, Luiza, escrava
de Hermenegildo Severiano Goncalves, i reqoeri-
mento deste.
A" ordem_ do de S. Jos, Pedro J >s dos Santos,
A' onfem d Antonia Maria da Trlndade, por insultos, e Joio
Machado da Cateara, por enme de entrada era
otsa alheia.
Parteeipou-me o subdelegado da fregnezia do
Poco da Pao>-lla, por offleio desta data, qne por
ama hora da tarde de hontem, indo banhar-se no
CeleMir Soaree Jos Lopes da Silva frovio,
provadw plenamente.
ap-
no Capibaribe, no logar denominado Chacn, a
parda escora de nome Joaana, de quarenta anuos
de idad?, pooco nu3 ao menos, a qual se chhva
em estado de embriaguez, morrea de asphixia |r
submersio, como deoteraram os peritos no a ato
de vistora que proceder.
Deas guarde i V. Exc.
Illm. e Exm. sr. conselheiro Diogo Velho Cavil-
:anti de Albuquerque, presidente da provincia.
O chere de noticia, Luiz Antonto Femantes P-
nheiro.
* Angosta Pereira da Silva Guimares,
an >el Victorino da Coala e Luiz Manoel
approvados plenamente ; Antonio da
a Jnior e ;rlos Maximaao de Axe-
approvados sirapletmeme.
ama reprovagio.
> telmiea).-Gustavo Xair te S*a Ca-
panema^aJento Jos de Souza Jonior, AolOflIo de'
Piula M ecarenhas e Jnlio Francisco Terres, ap-
provadj pleuanaonte, Manoel Gomes Betfort, ap-
provado Implesmeote.
1.a aa i pharmaceutici.Arthur Heoriqoe San-
ies, Alf lo Elisario de Carvalho, Francisco Ro-
dando logar graves desastres
cansara. Sendo hoje dia de parada, viio pedir
ao Exm. Sr. eommandante das anuas d snas er-
dens para cessar seraelhante aboso, ordeoando o
devido castigo qoelre qne infringir suas ordens.
TRILHOS.URA*<0S DE APIPICOS.-A geren-
cia desta empreza, para manir cjmmodidade pu-
mica, duUbsrou angqnlar do f "do corrente em
Oante nuls dous trefis, um do BecUe pa ra Api-
pucos is 10 horas mHa d^. n"-ute,e outro de
Apipucos para o Recife 10 horas e 35 mirra-
toa.
-r
dngues me Camargo e Aotonio Vctor David, ap-
pro vade plena monte.
Houw ama reprovacio.
2. ai io pharmaceatioo -Joio Soares de Alrnei-
da, app orado simplesmente.
A andega te corte rendeu de l a 24 do
passado 1,873:0184663 ris.
- Oiteberanos (t) vendiare-se a 104100 ris
DIARIO DE PERNAWBUCO
RECIFE, 2 DE DEZEMBRO DE 1870.
%'otirla* do Rio de fJaaeira e
Baha.
Chegou Inntem ao raeio dia o vapor americano
Memmack, Irazendo joroaes do Bio de Janeiro do
dia 23 o da Babia de 29 de novembro.
RIO DR JANEIRO.
S. M. o Imperador visitou, no dia 24, na forta-
leza de S. Joio o deposito de aprendizes arti-
Iheiros.
Por decreto de 16 de dezembro, foi nomeado o
capilao Elias Polydoro une
da seccao do batalhao da rserva n. 9 da guarda
nacional da provincia do Maranhao.
Por decretos de 23, houvo S. M. o imperador
por bem perdoar aos seguintes reos :
Isidoro Augusto de Sampaio, escravo, a pena de
':00 agites, a que foi condemnado por accordao da
relacao do Rio de Janeiro, reformando a sentenca
do jury da corle.
Antonio Ferreira Quinhentas, o resto da pena
A apolices geraes vendiam-se de 96 a 97
DAHIA.
iccorren que roerega mencao.
alfandega rendeu de i a 28 do passado
1068 ris.
c.unbir) sobre Londres regulava 23 1/1 d.
"i, e sobre Pjrtugal 124 1/i %.
ihio para Peraatnbuco, no dia 27, a barca
portugieza Nova Sympathia. -
PERNAMBUCO.
REVISTA DIARIA.
GU/WDA NACIONAL.Por portara da presi-
dencia da provincia, de 28 do passado, forazn no -
s major eornniaatenie I raead* RJr.f l'^'M de arlharia do muni-
i cipio lo Recife : r> teaenle secretario Paulo Pe-
reira iuno ;s Jnior, capilo da Ia companhia o i*
tenenb da 6' companhia Jjo Paulino Marques ;
Ia teaenle da 6a companhia o 2a dito secretario
Corbiiane de Aquioo Fonceca.
AUTORIDADES POLICIAES.Por porteras da
presidiada da provincia de 28 do passad*, foram
nomealos :
3* e5* supolentes do subdelegado da tregaea
de 14 mezes de pnsao'irnposta pelo joiz de dreito da Gloria do Goil, do termo de Pao d'AlhoJoio
ALFANDE.vEsta reuarlao arrecadou no
mez de novembro 866:1931830.
AFFOGAMENTO.-A' 1 hora da larde de 30 do
passado, indo baobar-se no rio Capibaribe, no lu-
gar Chacn, raorreu affogada a parda escrava Joan-
na, de 40 annos.
DIN'HEIRO.O vapor ameneano Mtmmack le-
vou hontem de nossa praca para a do Para......
Uo-.OOOlOOO.
EM TRANSITO.Com 3 recebics em nosso
porto, levou para o Para, S. Tboraaz e New-York,
o vapor Merrmack 18 passageiros.
HESPANHA.A ex-rainha Isabel dirigi ao cir-
culo poltico conservador de Cdiz a seguinle carta,
era reapesta am respeitoso escripto que aquel le
circulo dirigir i amiga rainha de Hespanha :
* Grata em extremo foi para mim a manifesla-
cao que me haveis dirigido com data de 2 do cor
rente, como representagfto do circulo poltico, re
cernemente estabeleeido nessa cidade.
O meu coragio aceita agradecido os vossos
por
da comarca de Campos, a proviocia do Bio de
Janeiro, por crime de farlencia.
Commutar, sobre consulta da secgao de jusliga
do conselho de estado, na pena de gales perpetuas,
a de raorte, imposta pelo jury Prete, na provincia de Pern'ambuco, ao To Loiz,
escravo do bacharel Pedro Gaadiano de Bats e
Silva Jnior.
Por decretos de 9, foram nomcados para a
repartigo fiscal annexa secretaria de estado dns
nogaaioa Ai gnarri \
Chefe de secgio, o Ia escriturario Francisco
Augusto de Lima e Silva.
Pnmeiros escriplnrarios, os segaados ditos Ma-
noel Ignacio da Rocha e Jesuin Jos Vjiiorino de
Barros.
Segundos oicrplurarios, os tercoiros ditos Lu-
ciano Alves da Silva e Jos Albano Frajoto.
Por portaras da mesma dala foram nomeados
lerceiros escrpturarios daquella repartigo, os
quarlos escripturarios addid w mesraa, Joat|um
Augusto Pereira Pontea e Augusto Ferreira de,
Andrade.
Por ttulo de 23, toi nomeado Joio Joaqum '
Gongalves para e lugar do pralicant? da secretaria
de estado dos negocios da fazenia.
O resultado dos exaraes da primeira cadeira
do torceiro anno da Bserl Central, no dia M, foi
o seguinle :
Approvados plenamente com e gri 7, los i
Freir de Andrade Parreras Honv Augusto Co-1
Pimenta de Laet,
Jos do Arruda, e Antonio Bezerra de Medeiros.
2a e J^ supplemes do subdelegado do 2a distrieto
do terun de Pao d'AlhoDiogo Soares Carneiro
de "Albuauerque, Lourenco de Hollanda Cavban-
te de Abuquerque.
MUNICIPIO DE OLINDA.-Pot portara da pre-
sidencia da provincia, de 28 do passado, foi no-
! meado o Sr. Dr. Manoel Isidro de Miranda, para
ajudante do procurador fiscal da thesouraria pro-
vi neta I, no municipio de Olinda.
El.o;;-.n cuv .taiii i BMhmAQ hnnlnm n
resultado dos seguintes collegtos :
Buique.
Dr. Aguiar 70
Monfenhor P. de Campos 70
Dr. Augusto d'Oliveira 70
Dr. Barros Barreto 62
Desembargador Alvaro 62
Dr. Ignacio Joaqum 38
Conselheiro Baptista 10
Ingazeira.
Mmsenhor P. de Camp,.
Dr. Barros Barreto
Dr. Augusto do Oliveira
Desembargador Alvaro
Dr. Aguiar
Dr. Ignacio Joaqum
Dr. G tncalvcs Lima
Dr. Joaqum Portella.
Conse'helro Baptista
Re-sumo dos collegios do Becif>
Iho da Silva, Carlos Maximiano nraania ae uaei, i Qiinia Iuira$M Goyanna
Pedro Betim Paes Lerae, Minoel de Mendonga Gui Gab 'Escala "Ana Prelai' Victoria
maraes, Antonio Jos Ribeiro da Cru' Bangel, A I uio Fr;i,og0i Batreiros, Bonito, Car
Repartidlo da polica.
2.a seccao. Secretarte da policia da Drovincia
de Pernamboco, de deiembro' N. 15Kt.-Iilm. e Erna. Sr.-Lero ao conheci-
roenlo de V. Exc qne, segnote consta das partici-
pagoes recebidas hoje aaste parlicao, foram hon-
tem reoolhidos asa dedetanQio os aegmntes
iodividoos:
A' minha ordem, Franeisce eerro sn'peito de
ser escravo e andar fagid*.
berto Eugenio do An Irado Parreiras Horta e Gal-
Jino Alves Monteiro; e com o grao 6, Jorge Bene-
dicto Ottoni, Ballhazar Bernardino Baptista Pereira,
Antonio Gomes Sudr, Jos Theodoro do Souza
Lobo,-Jos Carvalho de Souza. Tobas Rabello Loi-
le Jnior, Jeronyrao Furtado de Mendonga, Marcos
Thomaz da Costa e Si.
Approvados simplesmente, com o grao 5, Fran-
cisco Jos de Mello Souza Jnior, Arminio de Fi-
gueiredo e Joao Bamos de Queiroz ; com o grao 4,
Alcino Jos Chavantes, fneophilo Benedicto de
Vasconcellos e Joao Luiz Pinto Campista ; com
grao 3, Jalo ie Freilas e Castro, Francisco Sve-
rano Braga Torres ; com o no 2, Francisco
Carlos Cosa Beal.
Houve um reprovado.
Terminaram, no da 24, os exames da pri-
meira cadeira do tercero anno da Escola de Man-
aba, francez, inglez e esgrima, e de topographia
oara o segundo, os quaes deram o resultado se-
guinle :
Primeira cadeira do terceiro anno. O alumno
paisano Leopoldo Bandeira de Gouva, approvado
simplesmente, grao i ; era observatorio, |idem
idem.
Topographia.2. anno Aspirantes : Joaqum
Deniz Cordeiro e Virialo Antonio da Silva Bubiao,
approvados plenamente, grao 3.-3." anno. Aspi-
ran te Jtay mundo de Mello Furtado de Mendonga,
Paisanos : Manoel Venancio Campos da Paz, Ni-
colo Veralo Chaves Barcellos, idem, idem, plena
mente com o grao 2 ; Carlos Jos de Araujo Pi-
nheiro, plenamente com o grao 2 era francez e s.;m-
plesmnte com o grao I em inglez; Francisco
Agapito da Veiga, Luiz Lemelle, Perciliano Olym-
pio Nogoyira Neves, Caodido Floriano da Costa
Brrelo, Sabino de Azeredo Coulinho e Leopoldo
Bandeira de Gouva, idem idem, simplesmente,
com o grao 1.
Esgrima.Aspirantes : Aroerico Lenidas Bar-
bosa de Oliveira, plenamente, grao 3 ; Duarte Huet
Itcellar Pinto Guedes, simplesmente, grao 1 ; Joao
de A 'drade Leite, plenamente, grao 2 ; Antonio
Angosto da Costa Lacerda Jnior, implesmento,
grao 1 ; Jos da Cunha Ribeiro E-pindoia, idem ;
Joaqum dos Santos Magalbies Jnior, idem ;
Francisso Pimo Torres Neves, dem ; Antonio Al-
ves Cantara, plenamente, grao 2 ; Adclpho Pinhei-
ro, idem, grao 3 ; Prederico Das de Sa, simples-
mente, grao 1: Carlos Vidal de Oliveira Freilas,
idem ; Anstides Speridiio de Seunt Braga, idem ;
Raymundo de Mello Parlado de Mendonga, dem.
Paisanos : Francisco Agapilo da Veiga, idem;
Manoel Venancio Campos da Paz, idem ; Nicolao,
Virialo Chaves Bareellos, idem ; Luiz Lemelle,
dem ; Candido Floriano da Costa Barreto, idem ;
Perciliano Olyrapio Nogueira Neves, idem ; Sibi-
no do AzereJo Coutinbo, idem ; Carlos Jos de
Araujo Pinheiro, idem ; Leopoldo Bandeira de
Gouva. idem.
O resaludo dos exames ua Faculdade de Medi-
cina, no dia 24, foi o seguinle :
2.a anno medico.Constantino Ferreira Lea',
Joao Antonio da Silveira Magicli, Francisco Correa
Dutra Jnior, Guilherme Ferreira de Abru e Joa-
quira Jos Marques, approvados plenamente ; An-
tonio Jos de Fara Fino, approvado sircples-
raente.
3.a anno medico.Luiz Jos de Alvarenga, Fre-
derieo Marinho te Azevedo e Sergio liustachio
Ferreira de Oliveira, approvados plenamente, lof
29
27
27
24
54
24
10.
10
i
Pi d'Alho,
Nazarth. Limoeiro,
Serinhaem,
Caruar, Bom-
nubres senliraentos de adheso e de lealdado
mira e por meo querido filho.
t Movida sempre pelo vehemento desejo de ver
a nossa amada patria prospera e feliz, nada omitti,
durante o meu reinado, de quanto para esse lira
devia contribuir, na opino dos meus eonselneiros
constiiucionaes; e agora, depois dos snecessos qoe
dilaceram o meo coragio pelos males que tera tra-
zido Hespanha, mas qne nio tem deixado nem
raneor, nem odio, a respailo dos qoe os promove-
rn), esse mesmo vehemente desejo me impellio a
transmittir a meu innocente filho o dimito que
herdei de meios maiores, formado pela victoria,
e sanecionado constantemente pelas cortes do
reino.
c Prasa aDeus que meu filho seja lago de uciio
e prenda de ventura para a nossa patria I Para o
conseguir por meios pacficos, nicos que concebe
o meu ardente amor pela Hespanha, ha de contri-
buir poderosamente a profunda conviegao, o pa-
triotismo e a enrgica lealdade dos que, como vs,
consideram com razio indisputavel que o restaba-
(aciment do dreito, apoiado na mais sincera ex-
presiio do voto nacional, o nico termo possivel
das desventaras da Hespanha.
_t Tae sao os votos que forma o meu cora-
gio; tal a gratissima esperanga que mitiga, de
algum modo, a amargura em que vivo louge desse
paz qoe to carraosamente amo.
< Desejando que aceitis vs, e os vossos repre-
sentantes, estes mesmos sentimenios, e pedindo a
Ao regente da Hespanha foi dirigida orna
exposicao em que se pede o indulto a favor de
dous carlistas sentenciados a raorte pelo conselho
de guerra
A exposigo a que nos referimos, redigida por
urna senhora, c assignada s por seulioras, con-
cebida oestes tormos:
Serenissimo senlmr. As senhora?, visinhas e
residentes em S. Sobaslio, abaixo assgnadas, ex-
pdera a vossa alteza que souberam com indisivel
sentimento a resolugao do cooselho desta praga,
que coodemna a serem passados pelas armas o
capilo graduado, tenente do exercito des Filppi-
nas, D. Manuel Vasques Apolinario, e o soldado
desertor do regiment de Gstela, Fidel Domenecb
Eloz, por terem lomado parte na ultima insurrei-
cao carlista.
t Eslranha pelo sen sexo as dissensoes polti-
cas, mas no dever por isso mesmo de aecudir em
consolagao dos que suffrem as con-equencias
dessas lucias, as senhoras abaixo assgnadas re-
cordam-se com effuso. para fundar suas esperan-
gas, que sua alteza tem fama tradicional de ser
inimigo dos fuzilamentos. Este, quo um senti-
mento innato do seu coragio, responde, uestes lem-
pos de tantas mudangas, a necessidade de suavi-
sar os castigos que successivamento, por diversos
criterios, julgara os conselhos de guerra que me-
recer estes ou outros.
Do eo esperamos que este sentimento huma-
no, servindo de base aos governos Ilustrados, le-
vara os homens a supprimir a peBa de mora para
os delictos polilicos; mas entretanto, j que feliz-
mente vossa alteza a prerogpliva de perdoar, sup-
plicamos-lhe esm todas as nos-as forgas que a
favor destes dous desgrgadjs. Sao jovens, e an-
da podem servir a patria; e teodo visto to prxi-
ma a hora da morte, quando roceberem a graga
do indulto bio de sentir a sua alma aberta a todas
as emogoes boas e sensatas ; e se forem dous sqI
dados de menos para o exercito, serio dous homens
^Z'r^Jf*^ Posicfes. Na segunte-fcira rie^i-
era Mayence. Terca-eira paison em BerkeafleW.
onde tomou ola das alturas junto it minas di
caslello-velho. Passoo a aoote era Saafbrack.
notou as disposigoes de defeza aa estaete e no ca-
nal. Hornera este ve em Siarloois, onde anda huj.-
se acha. Nao obstante o min tenpo, sanio estt
niiihia era carruagem e visito aa altaras que
aaaaaadam Vaudevangae a Bfraes. Tanbo rada-
para acrediur que est aoote, ou amateia pela
tnaabaa, partir nara Treves, desente depon o
Moselle. Ser necessario que o siga? A reeaotta
pode ser enviada a estagao teief racaioa te Por-
bacfi.
A resposte foi : a Siga-o. >
No dia 19 de ontubro ultimo, fot dado am
lauto jamar no palacio imperial em Schonbriiui
Entra os numerosos a destnelas convivas eeu-
verara os seguintes : Chalis Bey, embaixador da
Turqaia, viscoode de Santa Quiteria, ministro a>
Portugal o sua esposa, general conde Sehweiniii.
Mr. e madame Minghelti, os principes de H >healo-
he, o chanceller imperial, a |irinceza T^xia, o prin-
cipe Lobkijwitz, etc. etc.
A uoihcagio da Allemanaa motiva de
preoccapagio em toda a parte. Bis aqu o qoe so-
bre este importante assumpio escreve am corres-
pond-mte de Londres :
< Reconstituida a Allemanba, sera mudado eni
imperio sob o sceptro do re Guiiherme te Prus
sia.
Nao haver mais de um corpo diplomtico
para todos o estados alleraaes, o qual ser pago
pro ma pelos seus respectivos subditos ; mas a
sua direcgo estar exclusivamente as raaos do
imperador.
As corles de meio dia lero a liberdade de
enviar representantes ao estraogeiros, se as*im
Graselho, Buique, Garanhun*, Cimbres, Ingazeira.
Desembargador Alvaro 1:241
Dr. Barros Barreto 1:230
Dr. Ferreira de Aguiar 1:174
.Mooseuhor P. de Campos 1:170
Dr. Ignacio Joaqum. 1:133
Dr. Augusto d'Oliveira 1:128
VISITA.O Exm. Sr. presidente da provincia
visilou hontem o hospital Pedro II, percorrendo as
enfermaras,-capella, botica e mais partes da casa
e fazeodo sobre ludo observago alienta, ao n-es-
mo tempo que exiga informages acerca da eco-
noma e rgimen do ejtabeleciment, que tendo a
seu cargo servicos era granle escala pelo crescdo
numero de enfermos que contero, S. Exc. quiz de
perto fazer mais completa apreciagio.
Visitn S. Exc. tambem o collegio dos orphaos,
cujo edificio perjorreu, nao examinando cerios
servicos, como as aulas de msica e de instruegao
primeira por ser a hora de recreio : ouvindo a m*J*** hl
respeito o respectivo director.
DIA DE GALLA.Por ser hoje o qoadragesmo
quinto aniversario natalicio de sua magestade o
Imperador, haver salvas s 6 horas da manhia
e a 1 e 6 horas da tarde ; os navios surtos no por-
to embandeirario e igaro os respectivos pavilhes
os consulados ; haver cortejo efflgie de sua ma-
gestade o Imperador no palacio da presidencia e
arrnraamento de tropa no campo das Princezas.
JURY.Responden honlem este tribunal o reo
Manoel Fevreira de Santa Anna, pelo crimo de fe-
ri ment grave prticado era Jos Anisberto Dnar-
te. Em vista das respostas didas aos quesito*. foi
o reo conlemnado no grao medio do art. 203 di
coligo criminal, interpondo appcllagio.
DOUTORAMEXT. Hontem teve lagar o prin-
cipio da defeza de theses do Sr. bathare Francisco
Antonio Filgueiras Sobrinho, lendo por ar-
gueutes os Drs. Tarqoino, Correa de Araujo e Joao
Them, tieando marcado o dta de sabbado (3) para
a eonclusao do mesmo, tendo por examinadores os
Drs. Silveira de .Souza, Piguctredo, Bandeira Fi-
lho e Pinto Jnior.
ESPECTCULOS. Haver hoje espectculos
em grande gala no tbealro da Santo Aotonio e no
pavilbo Santa Isabel, cantando-so em ambos o
hymno nacional.
No pavilhio a companhia hospanhola cantara a
zarzuela Julgar com fuego, estreando a prima-do-
na Luiza Lartyller. .
No theatro de Saoto Antonio eaolar-se-ba as
operetas Le violonneux, Un soire ckez Mine. Coa
tais, e, psla primeira vez, Tromb-al catar
PAQO DA ASSEM8LEAE' boje s 5 horas
da tarde o langaraento da primeira pedra d esse
edificio.
ESTRADA DE JOAO DE BARROS.-Solicitara,
nos que recommendemos i um morador d esse lu-
gar, cujo sitio se conserva era aberto, que prenda,
ao menos durante o dia, urna mahlbn de caes que
possue e que encorara'oda seriamente aos visinhos.
Esperamos ser al tendidos.
FALLECIMBNrODeu bouteni alma ao Crea-
dor o oficial papelista da adminUtragao do cr-
relo Ismael Amavel Gomes da Silva.
ABUSO BEPRRHEN3IVEL.E' inveterado cos-
tme entre nos dispararen os gnardw nacionaes,
que voitam das paradas nos dias de grande ga'a,
S. Sebastin, 27 de ontubro de 1870.Alera
da assignatura da autora do escripto, Carolina
Coronado, elle assignado por mais 40 senhoras,
todas ellas pertencentes a principal nobreza da
localidade. >
GUERRA FBANCO-PRUSSIANA.Mr. Cb.The-
ler, thesoureiro particular do ex-imperador Na-
peleio, dirigi urna carta a Independencia Belga,
para responder a outra de Mr. Max Pol, que fez
publica urna relagio dos fundos eslrange.iro, que
Luiz Nap leio possue.
Mr. Thelier sem contestar as assercoes do dito
Max Pol, enumera todas as despezas que o ex-im-
perador Napoleio fazia por conta da sua dotagao
de 27 milhoes,dos quaes s aproveitava para as suas
despezas particulares 3 milhoes. e os 22 restantes
applcava-os em variados suosidies e donativos
para differentes es'.abeleciraentos e sociedades,
para soccorros, etc., elevando-se nos 18 annos do
imperio a 73 (nilhues. ,
O que tem graga na lista das despezas mencio-
nadas por Mr. Thelier, o capitulo dos estmulos
dados as artes, s sciencias e i industria no qual
lomos o seguinle :Ksperiencias de artilkana na
offeina de Meudon, que vanlajosas experien-
cias I O ex-imperador depois de advertido dos
melhoramentos consideraveis que os. prussianos
introduziam na sua artlharia, conservou a intiga,
despresou as advertencias, e atiaal os exercitos
frao:ezes teem sido exterminado? pela artlharia
prussiana I
A Independencia Belga fez algumas considera-
rles carta de Mr. Thelier, e diz que na verdade
resta saber quaes erara os fondos d'onde o ex-lm-
perador tirava os que tinha empregados, visto que
nio proviara da sua dotagao; mas interrogue Mr.
Thelier, diz o jornal belga, o cofre do exercito
francez, no qual durante os 18 annos de imperio,
entraram 7 mil milhoes, e que no principiar da
guerra estava qua> sera vintem. Indague as can
sas da insuffleencia do material, das munigdes,
dos forneci memos e al da forra offecliva do oxer-
cito, a causa de todo qoanlo contrikwio para o
perder, e talvez eolio o mysterio dos fondes es-
trangeiros, que diz ignorar, ae Ibe revelar.
Entre os papei3 imprtaos das Tnlherlas en-
controu-se am curioso despacho, datado Forbach,
abril 9,1868, e dirigido por ama tal capilio Samuel
ao mioisiro da guerra em Paris; diz o nefwnte:
c Desde segunda-feira algo o general Mmtke,
o quizerem, mas nicamente eom o titulo de pes
soal.
Qaanto ao exercito corapor-se-ha da toda-
as tropas confederados. Cada nm dos estados le-
ra que pagar um orgaraedto comroum da guer-
ra, na razio de 223 thalers por cada miliciano cu
soldado.
A applicagio destas sommas ser por nm
certo tempo da competencia dos estados, mas de-
bati da vigilancia dos inspectores iraperiaes eo-
arregados de fazer votar os fundos, comioter-
vengao no aso qae delles se possa fazer. >
Sao estes os pontos da nova organisacio, segunda
o correspondente inglez.
UMA NOVA DONZELA DE ORLBANS.-Sob
ease titulo publica o seguinle uro corre -poodeote
qqe a Gazeta it Colonia tem em Versaillis :
Emquanto se taaom forraldTeis preparativo
para atacar Paris, e se prepara um gigantesco par
quo de artlharia para corabater a capital que foi
do imperio Ma Franca, parece qoe os trancez.--
confiam a defesa do seu territorio a meios e recur-
sos menos materiaes. Assegnrara-nos de orna ma-
neira positiva que depois da oecapacao d'Orleaus
apparecen orna joven, nova loanna de Are, sahi
da do departamento de Loire inferior, a qual se
espera inspirar novo alent e ardentcs esperan-
gas no coragio dos franceses,
sora aufante" oJMffifWTfeilaros "V .fTW^fteOfA.
e tera onvido a voz da mi de Deus, nao parece
que iolgon necessario desta vez submetter ao exa-
mi) das pessoas competentes se est ou nio em
commnnicagio com o re das trevas, ou possuida
dos espintos malignos. Tambera nao leva agora
esta Joven era a armadura, nem a espada da im -
mortal donzella, mas veste um comprido e largo
vestido prelo, cortamente para manifestar com o
luto, a profunda tri>teza que opprime o seu cora-
gao pela afOicta situagio da sua raie patria.
Nao sabemos aioda que e Ihe tenha confia-
do o mando superior do exercito do Loire, mas
marcha frente das tropas que anda exstem em
Tours, levando adianto urna bandeira de seda, na
qual esla represenlanda a Sanlissiraa Virgem com
o menino Jess, e ludo finalmente d a entender
que na realidade os autores desta rppreducgao
obram inspirados por minucioso esludo da obra
do Schiller, intitulado a Donzella dOrleans.
As anteriores noticias, por mais que parecara
urna fbula, foram oficialmente communicadas pe
lo estado-maor do exercito do sul e merecem por-
tento ser publicadas.
LOTERA.A que se acha venda a 173.a'
beoeflcio da matriz de Jabbatao, a qual corre no
da 6.
PASSAGEIROS.=-Sahidos para o norte no vap. i
americano Merrimack .
Chermont, Onolle A. Derby, D. Borden Wilmo'.
M. de C. Barrate, Genlil de M. Bitlencourt.
Sahidos para os portos do sol no vapor bra-
sileiro Giquia :
Augusto 6. Barros Pimentel, Francisco Anto-
nio Vieira Caldas, Benedicto Monteiro, Dr. Joan de
Almeida Lopes, Aureliano Nobre Vasconcelos, i
Antonio de Araujo, Francisco Pereira da Sil.
Jos Maria de Oliveira Castro, Martinho Cesar Sil-
veira Garcia, A. Antonio Ribeiro e Silva, Manoel
Daarte Ferreira Ferro, Joio A. de Figueiredo. sua
senhora e 1 cunhado, bacharel J. D", Barreto, \Vm>
Olio, Constantino da Silva Tavares, Mantel Bar-
bosa Alvares Ferreira, Jos da Silva Camp-s.
Entrados dos portos do sul no vapor ameri
cano Merrimack :
Miguel Gomes da Silva, Jos Antonio P ("e li-
to Basto, M. Cardoso da Silva, Luiz F.rreira, Ja
Campos, HeurySanderson.
Sahidos para os portos do norte no vap' r
Pirapama:
Tenenle-coronel Pessoa de Araujo e i nllio m" -
or, Antonio de Araorim Garca, B. de Souza A!bu
querque, Arselino de G..S. M. Pereira de V.i?coi
cellos, Placido de T. Pessoa, Jos S. Cblacpfer.
Francisco Bibeiro da Costa Vasconcellos, Sami'K'
B., Francisco Jos Gomes, D. Anna Costa Macha
do e l filho menor, D. Thereza Loureiro Puntes.
Antonio G. de Sooza, Joao Manoel Marques Cama
cho, D. Mara J. H.-Pedro Velho Albuquerque Ma
ranhio, Joaqum Luiz Gongalvos Petera, Antoni-
de Carvalho e Souza, Manoel de Carvalho e Souza-.
Alexandrina, L. Angosto Moraes Rogo, Jos I,iva.
de Souza Bangel Netto, Manoel Antonio Pires, Leo
nilla Severina Duarte, Henrique Pereira Maia Vi
nagre e 2 irruios, Dr. Antonio de Oliveira Sobr.-
nbo, Dr F. Jos Maia Sobrinho, D. Francisca d..
Silvo Saldanha e l criado', R. Hughes, Bento Pi
nheiro Coste, padre Jos Gomes Monteiro, Antonio
do Oliveirr Pinto, padre Ladislao Affonso Salles.
Joio Paulino Pinto Aguiar, Libanin Costa Pinheiro
Joio Pinto, Paschoal Vctor, Antonio Fechine, Bm
Fechine, Antonio Lacasa, Luiz Albuquerque Mu-
niz Pereira, sua senhora, 5 filhos menores e 1 cri
ado, Manoel Justiniano da Silva, 1 menino e i
criado, Antonio H, Manoel Maria de Seixas Bor-
ne, Dr. Laurino de Oliveira Cabra), sua senhora,
i filhos e 1 escrava com 1 Albo, Daniel A. d.-
Queroz Lima, sua senhora e 1 criad, padre Ma
noel G. P. da Silva, Peiro Aroerico da G. Duarte.
tiros pelas roas da cidade inrorarnodando ? qoic rjne ta visitando as fronteiras da Franca 9 nata-
PUBLICACOES A PEDIDC.
A COMPANHIA DOS TR1LHOS URBANOS DO RECI-
PE A APIPCOS E A QCESTAO DO SITIO OLMO
DE VIDRO.
E' mana da epocha discutir-so na impreasa <-
discutirse por modo violento e incoo veniente,
questees que se debatem ante os tribonaes *'
paiz, e que anda pendetn de suas dedswe- rre-
.-.
1

ti
- i


X8i 30 OfiS
*11
II T|io de Pernambuco Sejrta ifr 2 de Dezembro d 1870

fffiun .WJXWIU


;
ende-ae que a altivez do contendor, desesfot-
ura da liajuagem, os doeslos lancados aos pair-
los da aaun, e mais que tudo, a appella exa-
erario tOWtMi por fingidas persenteSes a min-
ias viuoa*, rtiuztdas a mendicidad* por tientan-
das iy'tuiu, c.jn>eguiro abalar d antmo dos jul-
gadores'e sipprir a Talla da bom direito.
Engao manifest; porque o adversario calum-
niado, tmbela pde^ acorrer e imgrensa para
provar a sem rano awnifce se fetelle espiar a
benevolencia do publico para una catata injusta,
e os meios loiiuaaes que te empregaes pra illu-
dir-se a juslica.
Nao leudo (-or motivo qn ignrame,
toa da compaohJa dos irilaos
pa te tornese tan uaiversalraeota p ipular. 0>
teatemunhos e atistalos de suas innumeraveis
curas, em casos de losse, anginas reuajaidio, In
flamroacio d) peito, bropehites, asUjma, c*arrbo,
constipeSen, etc. s i recebem centenares por cada
crrelo, enviado) de todas 'as paites do mando.
nQMMCDr.UL
uiMHincnuiVa
ron um oraco
'41
fto, e as aSm a
t direc-
.'arbante'rtspaudi-
do as publiea.;5es vitas pelos inieressadoe nd'sitio
do Olko de Vidro, vamos, como accKfcieU e lote-
ressada no boa andamento don negocios essa
companhia, elareeer o pubVen a respeito da
questao e mostrar qurnS ha razao p"sra wdit-r,
que a companhia dos trilitos urbanos de Apipucos
1em redundo a ntendicidade a pobre e misera Diu-
ca mMra do sitio Oiho de Vid o com quatro de-
mandas injustas.
Para conseguir o noSso lim limitar-nos-nemos
a eapr simplf-smente qaaes as questes que so-
bre a pequea parte, por onde pas-am os trilhos,
tem sustentado eaempr ileiros dos trilhos urbauos,
boje substituidos pela companhia que se organison
em Londres. .
As questes que tem sido propostas, quer indi-
vidual, quer conectivamente, pelos consenhores
do sitio Olko de Vidro, pendentes todas de deci-
sdes dos juigadores sao quatro, a saber:
Primeira, embargo as ebras de urna estacao
cometa la a faier-se na nesga do terreno, onde
existe o desvio do Panmtnwi're.
Segunda, embargo requerido para empatar a
repoicfc dos trilhoe so meM lugar em que es-
uvam por oecaete da eollocacio da segunda or-
deni de encinameoto das aguas da companhia de
Rr*Kf*rihr*
Terceira, embargo para impedir a factura do
paredo, qoe a afreaa se tioha compromettido
comawnpaobja de Bberibe, (confrentuarla do
terreno em qiesUo).av'lado da bomba qcre all
existo.
Qoarta. analmente, a aeeae ordinaria para a
deranisaclo do terreno oceupado pelo desvio do
Parnamerim, e das soppostas perdas e dtanos
que se allegou resoltarera da passagem dos trilhos
naquflle ponto.
Da segunda questao que linha por flm nter
romper o tramito da lima frrea, decabio o em
bargante, que interpoi appellaclo, e a ttreoira ti-
rn sem objeeto, porque a obrigaclo contrahida
para com a companhia de Beberibe se resol veu
em indernnisaqao pecuniaria. Restam a primeira
e a qoarta, dependentes de julgamenlos.
Na qoarta questao se proeelea a avaliaoao por
peritos na forma da lei, e offereceu se o eposito
da quantia arbitrada, o qoe nao se effeoioou por
nao 1er sido aioda ordenado, provavelmeote pela
razio de nao ler se entendido a avaliacao por
modo, qoe tripticava o valor dado e mandar o
juiz que os peritos exphcassem o sea arbitra-
ment.
Gonvm expor para esclarecimento da verdade,
e lio somonte em alinelo ao publico, todo qnan-
tose passoo, antes qne tivesse lugar a aeco or-
dinaria mentada pelos consenhores do terreno em
qaestio. O publico julgar se houve ma da par-
le dos empreiteiros, ou se estes pelo contrario pro-
curaran) ebegar a am aecordo razoavel e ami-
fanal.
Apenas constan ter chegado da Earopa uro dos
ronsemores do sitio Olho de Vidro, >i preenrailo
pelos empreileiros para fe realzar dita iodemni
sacio, e tendo-se convencionado azer-se o muro
da frente, e collocar-se dous portSes, foi esse con-
oshor encarregado do ajuste e directo da obra,
o que aflnal do leve lugar, por exigir elle que
lamhem ?o fiessem os moros lateraes do sitio,
nbra que exceda a 4:000*800.
Nomeon-se depois por parte da empreza o Sr.
Dantas para amigavemeste avahar a indemnisa-
cao, mas o coasenhor dis?ideote nao ^uiz nomear
outro arbitro.
Mabelereo-se anda om novo record, oara t%.
zer se porcio do moro em itasia>> mas que n|>
selevou a effrito por Ma consenhor residente em Portugal.
Ainda depois disto dons dos empreiteiros pro-
.orarara chegir a um aecordo amigavel com os
interesados, e o Sr. W. Ravrlnson, como gerente
da companhia, offereceu 7:000*000 pelo terreno
comprehendido na nesga que formam os dons tri-
lhos, e o que Ihe (lea frouteiro e e-t incnlf, sn
geilando assim a companhia a adquirir terrenos
de que nio neeessitav, emente para acabar esta
questao, e nada foipo_ssiYcl.Son.segj^r-ae........uviu
julicial, que alias nao importa recusa de justa
in1>>mni-;ieao.
E nem se poder dizer que o faci Je nSo an-
nuir se ao ligamento do valor pedido pelos inte-
ressaitos, si-j: idea d>sejo do exeusar-se ajusta
indemnisaeao da nesga de terreno inculto que
occopam os truno* n>. Purnameirm.
Apuarlem c iir.eresad >s as JeeisSes dos tri-
hunacT, e^rlo de :|iie Justina plena Ihes ser
fita.
Nao vira ilestas deei o-;s a miseria para a pobre
viuvamceira. eomo se tem dito. Se por ontros ca-
naes nao lrn> resottar a mendicidade qnelnean
guram, rer! mente nao proceder ella de actos da
'r.mpanliia dos trilhos urbanos, que nao deixou
de empregar todos n roeloj para amigavelmente
indemoisar o valor da peo/.iena parle de terreno
inculto, que i ecupano sitio (Uhode Vtdro.
Os insultos m respeilavol advogado da compa-
nhia quem desarrazoadamente se quer (azer o
onico respensavel pelos actos da companhia, nao
proJuzirio os resultados qoe se ealcnlaram.
A companhia nao de-iste do seu bom direito so-
m nte porque se lanca mao do insulto como meio
do defez.i. Tom conflanga najustica da sua causa,
6 nos trinunaes do paiz.
O advogado, alvo do doestos de que vera re-
ctaeisdas as publicacoes de um djs consenhores do
s;tio Olho de Vidro tem reputaco solida, fundada
em honrosos precedentes : at elle nao chegar a
lama que se Ibe atira.
Um accionista.
PRAGA DO RECIPE i* DE DEZEMBRO
DE WO.
AS 3 i/i RORAS D\ TARDK.
Cotse5es offlciaes.
Assucar Caoal-l#80 pir 18 kil.
Algodao Ia sorte >68 e 571 rs. por kil. (**>-
tem).
Algotao sem itispeccio5i4 rs. por kil.
Aerees da divida pOTHcaS5 0|0 de premio.
Pelo presidente,
Mesquila Jwior.
Pelo secretario,
A. P. de Leroos.
teudimentu do
ALFANDEGA-
dia 1 .
40:242*583
Voviineu la allandega.
Volumos entrados com fazendas
, t t com gneros 341
Voluraes saludos com (azendas 106
t coro gneros 660
34
766
Doscarregam h >jo 3 de dezemro.
3rigue inglez WUd Wuve diversos gneros e
carvo.
Patacho americanoMegeisidera.
Briguo inglez-firniirtlarioha de trigo.
Brigue inglezJesstebacalho.
Barca francetaHticov'inbo.
Navio inglez -Miserin carpi machimsmo.
Barca ingleza Kahi-noof'. ferro o earvo.
Patache inglez*-Eleonordiversos genero3.
Barca porluguezaSocjaidera.
Despachos de exportago no dia 30 de
novemfrro
Na barca ingleza Eliza, para Liverpool car-
regarara : Rabe Scbmmeitau 4 C, 247 3accas com
18,420 kilos de algodo.
Na barca ingleza William Jones, para o Ca-
nal carreearam : Rabe Sehmmettau A C. 40-ssc-
cas com 3,735 kilos de algodo.
Na barca ingleza Euba, para Liverpool car-
regara n : SaundersBroihers & C.,37 saccas com
4,980 kilos de algoi) ; Filipps Brothers C, 413
saccas com 35,533 kilos de algodo.
Na barca ingleza Brilltante, para Liwrjool
osrregaram : Antonio Alves de Moraes, *8 ceas
com 2,225 kilos do algodo ; Peroira Carneiro &
C, 82 saccas com 8,138 kibs d algodo.
Na bar-Ja franceza Vigoro, para o Havre
earregaram : Eduardo Alexsndre Burle 4 C., 140
saccas cum 9,797 kilos de algjdao.
Na escuna diuamarqueza Tylla, para o Rio
da Praia earregaram : Pereira i^arneiro 4 C, 260
barricas cora 30,022 kilos de assucar branco e
150 dilas com 18,355 kilos de assucar masca vado
No patacho inglez Emprest,. para o Canal
earregaram : Saunders Brottiers 4 C, 1,400 sac-
eos cora 105,000 kilos de assucar inaicavado.
No navio inglez Slg Boots, para Porlland
carretn Adriano Albnquerque, 400 saceos com
30,000 kilos de assucar masca vado.
Na barca portuguoa Gratiddo, para Lisb
carregon : Luiz Josda Silva Guimaraes, 50 sac-
os com 3,750 kilo de assucar branco, 50 ditos
com 3,750 de dito mascavado.
Nc brigue porluguet Bella Figueirense, para
Lisboa earregaram ; Eazehio Kapuael Rabello 4
C, 100 saceos com 3,750 kilos ds assucar masca-
vado.
RECEBE^ORIA DE RENDAS INTERNAS
GERAES DE PERNAMBCO
Rendimento do dia i 2:394*369
M8VIMENT0 DO PORTO.
Navios entrados no dia i'. I
Baltimore44 das, patacho inglez Eleonor Miller,
de 197 toneladas, capitn Baird, eqojpagem 8,
caria farinha de mandioca e outros gneros;
Tasso lrmo.
Merrimnck, de 2000 nneladas, commandante
W. Wcir, equipagem 70, carga caf e oulros
gneros; Henry Forster 4 C
Navios sahidos no tnesmo da.
Cear Barca ingleza Cavalier, capito W. Rae,
em lastro.
New Ycrk e portos intermediosVapor americano
Mcrrimack commandante W. Weir, com ames-
ma carga que trouxe dos portos do sul.
EDITAES.
De ordem do Exm. Sr. conselheiro
presiden'.e da provincia convida-se a todos
os funecionarios poblicos para assislirera ao
crrt*;jo que se lera de fazer em palacio
efigie de S. M. o Imperador pelas 4 horas
da tarde do dia 2 de dezembro vindoaro,
aoniversario natalicio do mesrao augusto
senhrr.
Secretaria do governo de Pernamboco 123
de novembrode 1870.
0 secretario.
Elias F. d'Almeula e Mbuqiterque.
AO EXM. SR. CONSELHEIRO PRESIDEN-
TE DESTA PROVINCIA.
Bst a srigair para o presidio de Fernando de
Noronha o pequeno vapor Mandah da Compa-
gina Pernambncana, vapor este tio pequeno, que
mal comporta a carga da miel que e tio somente
daas mil saccas com farinha, no enlanto ha raais
carregad' res de gneros de primeira necessidade
como ssja carne, assucar, caf, ele. etc., que nio
teodo fugar para earregar no dito vapor pedem
providencias a S. Exe. para qne se digne fazer
com que a dita Companhia Pernambncana envi
em logar daquelle vapor o Jaguaribe, qne se acha
no ancoradouro sem destino, e com as acommoda-
ro;s precisas para conduzir toda a carga.
A-i n o esperamos,
N. 180.- .\U PALAVRA RELATIVAMENTE
AS MOLESTIAS DOS PULMOES E DA GARGAN-
TA. Toda a vez q le os pulindes se achem em
termos, pode b era toda a certeza dizer, que o
leme acha-se a borJa de urna enfermidade in
cnravel e o primeiro passo para to perigosa situa-
dlo a tosse. Ti rna-se pojs de inaior importan-
cia j alaiha,-:e para desde logo.
Se perguniar Jes como iso se possa realisar ou
e inseguir, re.-ponderemos. com o peitoral de ana-
cihuii v de Kmi), o qual extrahido e preparado do
Meco balsmico do urna arvore Jo Mxico, conhe-
cida desde UUitoa seculos pelos oaluraea da-
qaell'j p ,iz, como remedio poderoso e santo para
todas as enormidades dos orglos da respi-
racae.
t-ti almiravel preparaclo, curar a tosse
dentro em potiCus dias, e ate mesmo as vezes em
pooras horas, slliviar a a-thma, curar a ii.llam-
maga i mucosa do larynx ebronshio, e impedir
a llueca.
Em conirario aos peitoraes e xaropes fabricados
(M rada e delicada composicao, nao entra ne-
nhoma parlicnl.i r!:;.acido jjrur-sico, e como igual-
- te acba iivre de aalimonio, ingrediente este
ipie abundantemente se eocontra na composicao
daquollos pairos, nao produz pois nauseas de
qnaliJade alguma.
0 Doutor Sebastio do Reg Barros de La-
cerda, juiz de direito e especial do com-
mercio n'esta i idade do Recife de Per-
nambuco por S. M. I. etc.
Faco saber aos que o presente edital vi
retu, e delle noticia tiverem que lo dia 9 de
dezembro do corren te anno se ha de arre-
matar por venda, a quem ruis der em praca
publica deste juizo. depois da audiencia res-
pectiva mil pecas de chitas brancas, escu-
ras, encarnadas de listras de cores, pretas
e riscadinhos, com 23:035 metros a 60000
a peca, importam em 6:0005000, as quaes
vo a praca por execucao de Jos Fernan-
do Comes, contra Jlo Evangelista de S,
o Jo. Antonio d'Amorira.
E na falta de lanzadores que cubra o
preco da avaliacao ser a arrematarlo feita
pelo prco da adjudicacSo com o abalimento
da le.
E para que chegue ao conhecimenlo de
todos, mamlei passar o presente, que sera
publicado pela imprensa e aD'xado nos la-
gares do costme.
Dad) e ptasado nesta cidade do Recife
de Pernambuco, aos 29 de novembro de
1870.
Eo, Ernesto Machado Freir Pereira da
Silva, eecrivo o subscrevi.
Recife 29 de novembro de 1870.
Sebastio do liego Barros de Lcenla.
imperio, pela quantia de 1:113!, sondo arruma-
tanto obrigado a aferir os da mesa cmaro, sem
mdonaisoeo alguma.
E pnrojoe seja dita arroma laclo foita um p-raeo
larda, devo ler lugar a afericio do
municipal dos mezes de junlio e j
eos segurotos de outabro a dezemwo,
junlio, sendo porm, os acougues obrigados i re
vern de (MfnOM tres dmoso.
Estur utreosai em kMU paftMca bm dial atima
mencionados, o afjraaaento porpeao de t5 pal-
mos de terrono -sito ao fceec Honjinado Canlm,
de contonrilade c.m o dhootto no m-t. 45 das
disposiejoa feraes da lei municipal n. 9do oe
julho do (jorrale amo, pota quaaii do;3l00
annual n pretendan!* deverio comparecer nos
rereriiW-tfas c4n sft^fladdfM, compttenMnMDte
habilitados, na formada le.
Pacoda cmara natoieipai'do linda, 24 da ao-
vembrode 1870. Sanoel Antonio dot Pastos i
Silva, pro-proslJi!nt(.rr.larcoiino Dias de Aroujo,
secrojd/io. .-
De ordem do Ulm. Sr. con-elheiro inspector
da thesoararia do faxenda desia provincia se faz
publico para conhecimenlo dos otereisados, que
o tribuaal do thesouro em ordem n. SU de 9 do
gerente mez aulorisou o pagaVMMo de divida-
de exercicios findos, cajos credoraj sao os segn;as
tes : Agnello Jos Gonzaga, Guilherniino Ferreira
Alcntara de Miranda, Manoel Ignacio da Silva e
Caoomaatfrunes da Sm* ~*iitr >OB
Secrattria da thesoararia da- hiuato de Par-
ambua S de novensbro de 1870.
Servindo de oflkial-maior,
Maaoel Jos Pial.
A cmara municipal do Recife, tendo dfc-
aoBSiroir om graode mercado nesta dade. con-
vida aos Srs. engenheiros e contratantes de c
para, dentro do praso de dous mezes, apr
rem seus planos ; e, para mais facilitar esse ira-
baHio, offerece as bases segrale*, que soffrerao
as niodilicaeees reconhecidas necessaria^ :
t O novo meroad pubeo sera eonsfriiido so
centro da praca onde actualmente existe o mer-
cado do S^ Jos, no espaeo eomprehrolido entro a
ra de Pedro iQonso e o muro actual do hospi-
cio da: Penha no protongamwrm da roa de S. Jos.
i O noft mercado devera aareseatar urna sn-
perlicie coberla de 3,500 metros quadridos poooo
mais a menos.
Ser de ferro fuadido, ferro batid
de lijlo ou podra de cantara, ou d
RO do Jaaeiro. O iravejament da
de ferro batata do moUtor ysiema ad
telhas serlo de ferro, onduladas gal;.
de barro chatas moderna.
i Ter passems em roda, de 1 aw
largura calcadus ooin lapes de Lisboa,
ras espacosas. lera a solidez oecessari
edificio destinado a nm servico publi
deve ser Interrompido.
Ser do ama architectura simples
Doveri ser cooslruido de Ul mano
RECIFE,
A I lima, junta administrativa da Saata casa de
MisencbrU do Recife manda (atar pabiieo qne
na sala do las sessoes, no dia 1 de dezembro, po-
las 3 horas da tarde, tem de ser arrematadas a
quem mais vaniagena. oflerecer pelo lempo de una
altes auM, as rendas dos predios em seguida
iecraraobs:
ESTABELECIMENTOS DE CAR1DADE/,
,hr Roa de Hortas.
fflfclfrsa ti.il.......3034000
Ra de Santa Rita.
Sobradon.il........161J000
Ra do Nogueira.
Gasa ierres o. 17....., 3O3!O0
Travessa de S. Jos.
Gasaterreao.il.......169!000
PATRIMONIO DOS ORPHOS.
de
como
Ira uro
i ijoe nao
egaoto.
que a
circulaco seja fcil, que seja bew ar>aie, o que
se possa fcilmente entreter om randa ateio.
a A3 paredes do edifieio at urna everp altnra
serlo de pedra de cantara de Lisboa ou narra de lijlo guarnecido de azulejo, para se
p der constantemente conserva-las Incpat
Todo o pavimento ser lageado com, pedras
de Lisboa, e?colhidas e as lages sern asentadas
sobre carnada* de betume ou cemento, ctaforme
for reconhecido o melhor.
O edificio ser feixado ; as abertas iieriores
menos as destinadas pora as entradas ser guar-
necidas de veneziinas, que sirvam pura (ender
o interior c nlra o sol, as chavas e grandf venK,
sem contado interceptar toda claridad;.
As veneziaaas internas ero de vidrt, con-
forme as qoe se tem eropregado nos nova mer-
cados da Europa ltimamente.
< Na cuberu ou prxima a ella deixarse-hlo
abertas, de manefra a dar ma'tor clarldadeao edi-
Icio e arejar a parte superior.
A dilr>ao interpa ser'feita de manein que
tenha tanto' qnano-ror ptolvel ignaldade ce van-
tagem nos lugares.
t As ra ou passagens Internas serlo pdo me-
nos de metros de largura e os lugares pira o?
vendedores terio a misma dimensao.
Os bale&es on mezas serio de raedeira ama-
relio, e as tampas de pedra brauea de maimore.
As entradas do edilicio terlo grades e porteos
de ferro.
O edificio ser dividido da egoinle maneira:
i. Urna parle destinada a vena das arns
verdes de lios, carneiros, porcos ele.
1. Urna parte para a venda de farinba legu-
mes etc.
a 3. Una parte para a venda do peixe.
< 4. Urna parte para a venda de verdnris.
Dever ter no raesmo edificio :
< 1.* Um corpo de guarda.
i.* Um logar para o porteiro.
3. Um logar para o admin strador.
4. Letrina pnoliea.
Para commodidade dos vendedores e acceio
do morcado, dever ler prximo ou denir do edi
licio como so julgar mais conveniente agua com
abundancia ; duas oa irais (ontes slo ndispen-
saveis.
Os concorremes devero apreentar os dse-
al)l,3uri5uplR!6i5a: gerai onne se adi indicadas a?
entradas das mas que dio para a praca ; na es
cala 0:001m.
Um plano do mercado na escala do 0,00b m.
Dezeoho do corte e ele va cao longitudinal e
transversal na escala de 0,01m.
< Dezenhos representando a eleva cao e detalh
das principaes jimias das pecas di ferro balido ou
fundido, assim como do systema da robera na
e.-cala de 0,10m.
Estes dezenhos serlo acompanhados de ama
descripeo circumstanciada de todo o edificio da
qualidade dos materiaes e o systema de asinta-
los.
CECLARACOES.
COMMANDO SUPERIOR
Quarrel do commando superior interino da guarda
nacioaal do municipio do Recife 29 de novem-
bro do 1870.
O Ulm. Sr. coronel commandante superior inte-
rino convida aos senhores offlciaes dos corpes do
servico activo que nao animara em parada, e dos
da reserva para comparecerera pelas 4 horas da
larde no palacio da presidedeia. no dia 3 de de-
zembro prximo futuro, aura de assistirem ao
cortejo iue se tom de fazer efflgie de S. M. o
Imperador, dando nesse dia o 4" batalhao de in-
faniana da guarda nacional a guarnico da praca.
O secretarlo,
Firminb Jos de Oliveira.
De ordem do tiln. Sr. conselheiro inspector
da thesouraria de fazeuda desta provincia se faz
publico que (ka transferida para o dia 30 do cr-
reme mez, as i horas da tarde, a arremataco dos
10 cavallos pertencentes ao deposito especial de
instruccio.
Secretaria da thesouraria de-fazenda de Per-
nambuco 2Cde novembro de 1870.
Servindo de offlcial maior,
Manoel lofi Pinjo.
N 480.UM REMKDI) VEGRTA'TdT'TJma
1'itODIGALfDAOE ASSOMBROSA.-Alittl chegon
o dia em qne se descobrio dentfa da cincentrada
esseneia do um producto vegetal, um remedio
t *igio-a e absoluto para a cura do loda<
as molestias precursoras da tbiaica. A ar-
ore salular da ida, pois qae assim que verda-
irahe CTitoraciojo e iaestiaavel tbesouro, a
aoacahnitl*) Mxico, oo paitoral de anacabuita
do Mamp,* preparaclo por eaeolleacii qae ob-
a maior faeiiidado a victoria sobre todas
as oMMnidades pulmonares. Jamis houve reme-
dio algum, que dentro de (o corto espaco de tem-
FAGULDADE E DIREITO
RECIFE.
De ordem do Exm. Sr. director, e em enmpri-
meiito do aviso do mioiitcrio drt negocios do im-
perio de 82 de novembro do crrente anno, se faz
publico que a inserip^io para os exames de lin
gua nadional, se abrir hoja t do corrente, e
continuar at o dia 5. O que se pretender ins-
crevtr dever faze lo na secretarla dtsla Facul-
dade por meio de muerimento ao Exm. Sr, di
rector, cora a declaracao da materia a que se tem
de inscrev.'r, o atiesta Jo do director do collegio,
ou profes8or que o houver ensinada certiflcanto,
ua habilitadlo : a letra e assigoatura do reque-
r i monto, devem ser do proprio punho do exaral
nando ; tudo de confirmidade com os artigos Ia e
1 das instruccois que baixaram com o decreto
n. 30 d* 30 Je outubro de 1869.
Secretaria da FaculJade de direito do Recife 1
de dezembro 0 secretario interino,
Manoel Antonio dos Passos e Silva Jnior
Conselho de compras navaes
O con-elho contrata no dia 5.do corrente mez.
vista de propastas rereb.das at as 11 horas da
manhla o sob as condiepes do estylo, o (ornecimen-
to no trimestre de Janeiro a marco do anno prxi-
mo vindouro, aos navios da armada e estabeleci-
mentos de marrana, de viveros e oulros objectos
de consumo seguintes :
Arroz do Maranhao, azeite doce de Lisboa, azei-
te dito interior, agoardeote de 20 graos, assucar'
branco retinado, aleiria, aramia, assucar branco
grosso, bacalho, bolacha, bolachinha americana,
cangica to mili pilado, caf em grao, caf moi
do, cha hyson, carne verde, eevadinha, carne
secca do Rio Grande do Sul, carnauba em velas
feijla, faiioha de mandioca da trra, galinhas, le-
nha, matle, raauteiga ingleza, raanteiga franceza,
pao, sabio massa, sal, loucinho de Lisboa, tapioca,
Ululo de alvenaria grossa, telha, vinhi de Lisboa'
velas tearioas, vinagre de Lisboa, e velas sleari-
nas de 8 era libra propria para lanternas.
Tambem o conselho no mencionado da 8 do
corrento mez, de igual forma, proraove a compra
dos seguintes objeeto do material da armada
10 baldeadeiras de f ilha, 40 duzias de creeara*
e pires de olha, 20 (uuiz de folha, 100 lapes de
core, 200 lapes preio, t 0 nlos de alcance 8
duzia? de ligelas de folha dobrada e 6vardes'de
ferro quadralo de 4 polegadas em qoadro.
Sala das sessoes do conselho de compras navaef
Io de-dezembro de 1870.
O secretario,
__________Alexandre Rodrgaos dos Anjos
~^-r-
T ''
SAritJl CASA DE MlSBHIGRDA DO
Ra de S.. Jorga (outr'ora Pilar)
Casa terrea n. 105----...'..,.,..... 15i#000
"Tdem idem n. 99................... 36>!000
Os pretendentes devcrlo apresontar no acto da
orremataclo as suas flaneas, oa comparecerera
acompanhados dos respectivos dadores.
Secretara da Santa Casa de Misericordia do Re-
cife, 30 de novembro de 1870.
O escrivlo, ,
Pedro Rodrigues de Soaza.
Pela reeebedona de rendas internas guraes
so fat publico qoo nesle raes de dezembro que
as irmaodades religiosas, os bancos, companhias e
sociedades anonymas o qaaesquer associac.5es
pias, benefleentes ou religiosas teem do pagar a
decima de mo mora, livre do muiu, relativa ao
1* semestre do exercieio corrente de 1870-71, e
qoe, lindo o referido praso, ser paga com a mal-
la de6 0|0
Recebedoria de Pernambnco 1* do dezembro de
1870.
0 administrador,
Manoel Carneiro de Sonza LacerJa.
THEATRO
MPREZA-COIMBRA
Lindo e variado espectculo em
cande galla para so-
lemnioar o feliz natalicio
de S. o Imperador.
Sexta feiro 2 de dezembro
Logo que chegar ao sea camarote a antoridade
competente a orebestra execatar ama de suas es
colhidas pec.as.
'Em seguidaa Sra. de Valmonea cantar
O hymno nacional
Fazendo < oro toda companhia.
Seguindo se o espectculo dividido ero 3 partes.
PRIMEIRA PARTE.
A muilo linda e upplaudida opereta em um ac
TO BRAZLE VIOLLN'EUX.
Personagens.
Ra'nette.............. Mlle. Brescia.
Malhieu.............. Mr. Maris.
Pierre................ Mr. Raynand.
SEGUNDA PARTE.
Represeniar se-ha pela primeira vez a rnuito
linda opereta em ora acto, musiua de Offemback
e in-trumentacao do regente da orchesira Jos
i.oemu uaroosa.
TROMB AL CASAR
naqual tomara pirte Mme. Valmonea e Mr. Ma
ris. Carn e Raynaud.
TERCEIRA PARTE.
A mu to linda e mimosa opereta em um acto,
UN SOIRE CHEZ MLLE. CONTATS,
na qual tomam parle Mines. Valmonea e Brescia.
Os bilhetes acham se a venda do escriptorio do
iheatro.
As pessoas que teem encommendado bilhete
para este dia lenham a boodade de os mandar
bascar at qurata-feira ao meio dia.
Principiar s 8 horas.
THEATRO
A
IWmU HESPA.iOOL.1
NO
campo das nmim
Sexta-fiira 2 de dezemb o.
Espectculo em grande galla
para solemn'sar o annlversarlo
natalicio de S. U. o Sr.
D. Pedro II.
Honrado com a presenta do Exm. Sr.
presidente da provincia.
Estreia da prima dona
D. MZi RIBERA LARTYLLER.
Depois dos artistas que tomam parte no diver-
timento canlarem
ante a augusta efllgie de S. M. o imperador, re
presentarse-hapela 1" vez, a linda zarzuela era
3 actos
Personagens. Actores.
Duqueza do medrna...... I). Luiza.
Gcodessa............... Sr. Garca Granados.
Duque de Albuquerque.. Sr. Jo Garca.
Mrquez de Caravaca----- Sr. Rioea.
Flix, fidalgoe la montana Sr. Castillo.
Antonio, primo de Flix.. Sr. Granados,
Loquero................ Sr. Corroa.
Coros de cavalleiros e damas da corte e coros
de doudos.
A serna passa-se em Madrid, na roroacia de
8. Juan, no siiio do BUEN RETIRO.
Os bilhetes acham so a venda no escriptorio do
theatro.
Principiar chegada do Exm. Sr. presidente
da provincia.
gira pa
DE
Paqnetes a Vapor
Dos portos do sal esperado
at o dia 8 do corrente o vapoi
Mines, aaaamandaate o te-
Dente J. Candido Doarie, o qual
dais da demora do costme,
portoo doasMe. .
Desde ja raeebem-so paaaafeiros a engtja-se a
carga que o vapor poder eooduzir, a qual datera
ser embarcada no dia de ana chegada, eneom-
mendas e dtakeiroa (rete at as S oras da Urde
de ana sabida.
Nio se raeabem eomo eaeommeudas sendo ob-
jectos de pequeo valor, o qoe nao excedan a t
arrobas de peso oa oilo palmos cbicos de medi-
co. Tudo que passar destes limites dever ser
embarcada como carga.
Previne-se aos Srs. passageiros qne saai pas-
jagenss soneabe naagoaoia, rao da Cruz n.
-57, primeiro andar, escriptoiio de Antonio Luiz
le Oliveira Azevedo 4 C.
AVISOS MARTIMOS.
Peraote a cmara rauni iipai d'esta cidade de
Oliada, estafa em hau publica nos dias 1, 7 o 15
do mez de dezembro prximo vindouro, para sor
arrematado por quem ma;: 'fferecer, o imposto da
afericio de pesos e med Jas do novo padrafdo
Consulado provincial.
Na forma do art. 50 t da lei provincial n.
063, avisa se por esta repartcao, a quem interes-
-ar possa, que com o me-/, di dezembro prximo
abre se o praeo de 30 dias alli marcados para o
pagamento voluntario dos imposlos da decima
urbana e de 5 0|0 sobre a rend dos bens de raiz
de eorporapes de mi mora, relativos ao t* se-
mestre do crranle anno ttoanceiro do 1870-71
mcorrendo os eootribuintn qae nao* realisarem
mesmo pagainenio no refafido praso, n commi-
aaclo do 3 3 do citado artigo.
CoMoJaoo provincial :li de noveuunbro de
1670.
Servindo de administrador.
A. Witruvio P. B. e Aeeioli de Vasconcellos
GOMPANHLV PERNAMBUCANA
Navegando nostetrapor vapor
Fernarnlo de Noronha.
As doze horas da manhla
do dia 6 d deaembro prxi-
mo futuro seguir para aquel-
lo porto um dos vapores desta
cooapaobia.
Recebe carga al o di a 5, encommendas, passa-
Sa08!8 .d,oheiro free at as 10 horas da ma-
nnia Jo da dosoa sahida : noescriptorio do Forte
flo Maitos a. 4 i.
DAS
Mescegeries maiitemes.
At o dia 11 do corrente mez espera-se da Eu-
ropa o vapor fraocez Gtronde o qual depois d.
demora do cosame seguir para Buenos-Ayres,
tocando na Baha, Rio de Janeiro e Montevideo.
Para conduedes, fretes e passagens, trata-as
na agencia, ra do Cramereio n. 9.
No da 12 do corrente mez espera-se dos por-
tos do sal o vapor fraocez Sindh commandante
Giost, o qual depois da demora do costme
seguir para Brdeos, tocando em Dakar (Gora)
Lisboa.
Para condicoes, fretes e passagens, trata-se aa
agencia, ra do Commercio n. 9.
COMPANHIA BRASILERA
DE
Paquetes a vapor*
Dos portos do norte esperad*
at o dia 10 do corrente o vapor
Paran, commandante J. da Sil-
va Moraes, o qual depois da de-
mora ao costume seguir para os
portos do sal.
Desde j recebem-se passageiros e engaja-se a
sarga que o vapor poder conduzir, a qual deveri
ter embarcada no diado sua chegada. ncommen
las e dinheiro a (rete at as 2 horas do dia da su
lahida.
Nio se recebem como encommendas senlo ob
jectos de pequeo valor e que nio excedam a dua>
arrobas de peso ou 8 palmos cbicos de mediele
rudo que passar destes limites dever ser embar
;ado como carga.
Previne-se aos senhores passageiros que sua>
passagens s se recebem na agencia, ra da Grtu
a. 37 primeiro andar, escriptorio do Antonio Luiz
le Oliveira Azevedo A C.
BAHA
Para e referido porto segu dentro de seis dias
a polaca italiana S.ra, e por isso quem quizer
aproveitar carregar a (rete commo^o, dirija se ao
consignatario Joaquira Jos Goncalves Beltrao
ra do Coramercio n. 17.
lili'
------~~--------------^----------------------------,
para crianca, caderas de balando, mesas, camas,
cadeiras, 1 bemba e 1 limaador de lacas.
Um elegante cabriole! americano eoberto, de
quatro rodas, arreioa e um avallo paca o mesmo,
um eavallo de sella, um sellim e um simio
Segunda-feira
lt do dezetaaro, na EaUncm, aillo no oilao da
ITeja.
Jos Lalbam, (ando 4retirar se para a Enrona,
far lellao por aterveoeao do agente Pinto, dos
movis e mais objectos pertenceatas casa de sna
residencia na Estela.
A's 10 e meta oras do dia cima dito, pariir
do largo do Corpo Santo o omolbos para irans-
porlar gratuiumente os oceurreates ao leillo, de-
vaado parar na ra do Crespo, para reeeber os
qoo ah eetiverem
O loillo principiar s 11 horas.
N
LBILAO
DE 9IOYEII
oa ra da Soledade casa n. 56.
O agente Pontnal, competeolemente autonsado,
vender em lei lio os movis sognintes : 1 mobilia
de Jacaranda a Luiz XV, 3 ricos espelhos, 4 jarros
de porcelana, 4 figuras de dita, 1 toilette de Jaca-
randa com marmore, 1 lavatorio con dito, 1 cama
de jacarando para casal, 1 piano, 1 escarradeiras
2 guarda-roupas, 1 bidet, 1 aparador com mar-
mcre, 1 goarda-lonca, 1 mesa elstica, 1 sof de
amarelo, cadeiras de bataneo, de bracos o guarni-
rlo, ( apparelho de porcelana para jantar, 1 dito
de'dito para cha, garrafas, compoteras, clices e
copos, 1 cadeira para piano, 1 magnifica urna, 1
machina para costura, 1 realejo, bercos, 1 mar-
quezao, 1 cama da amarelo para casal, 1 sof de
mogno, i toilette de dito, 2 consolos de Jacaranda
cora espelbos, 2 pares de lanternas e amitos ou-
lros eojectos que estarlo patentes aa oceaaiio do
leilo
Terca-feira
6 de dezembro
na roa da Soledade, casa a 56, s 11 becas.
LEILAO
G
Na ra dos Acouguinbos
lar ao Sr. W. de Mello Lins.
Para o indicada porto segu era poucos dias o
brigue portugnez Realidade, por ter a maior parte
de seu carregaraento prompto e para o pouco que
Ibe (alta a (rete barato : tratase com o consig-
natario Joaquim Jos Goncalves Bellrao, ra do
Coromerelo n. 17. ___________
Para Lisboa
O brigue porluguez Soberano, capillo Bugigan-
ga ; para carga e patsageiros Irata-se com E. lt.
Rabello & C, ra do commercio n. 48, ou com o
capillo.
Para Lisboa
Segu em poucos dias com a carga que liver o
patacho porluguez Restauracao 1: quem no mes-
mo quizer carregar on ir de passagem, dirjase
aos consignatarios Oliveira Filbos & C, largo-do
Corpo Santo n. 19, 1* audar,______________
MHIA.
O patacho americano Leonard Uegers segu
para a Bahia nesles dias; recebe carga a (retes
rnuito commodos: a iratar com Tas?o. Irmaos 4
GompjnWa.
Para Lisboa
Sabe com a possivel brevidade o lugre porta
Suez Julio por ter a maior parte da carga compra-
a: para o,resto e passageiros trata-se cornos
consignatarios Thomaz de Aquino Fonseca A C.
Sucesores, ra do Vlgario n. <9. 1 andar.
Para Lisboa
Sahe com a maior presteza o brigue portoguez
Lata 1, capillo Antonio Francisco Vieira : para o
resto da carga e passageiros trasa-se com o mes-
mo capillo, ou com os consignatarios Thomaz de
Aquioo e'onsecadc C. Successores, a roa do Viga-
rio n. 19. ___________________
Para o Porto
Acha-se quasi p omplo de carga o brigue por-
tugnez Uniao : recebe passageiros e tratase com
os consignatarios Thomaz de Aquino Fonseca AC
Successores, ra do Vigario n. 19.
Para o Porto
Acha-se proposto o brigue portugnez Judith,
tem parte da carga engajada, e para o resto e
passageiros trata-se com os consignatarios Thomaz
de Aquino Fonseca A C. Successores, a ra do
Vigario n. 19.
LEILOES.
LEILAO
DE
164 saceos cora farinba de mandioca
lOeii:
O agente Pestaa (ara leillo por conta e risco
de quem perteocer, de t4 saceos com (arinha
de mandioca, as quaes serlo vendidas boje s 11
horas da manhla, no trapicha Bario do Livra-
ment, no (orle do Mittos.
Agradecimento.
Manoel Jos Pinto Marlins, e sens irmaos, fllhos
do finado Jos Joaquim Pinto Martin?, pi pdem
deixar de dar o mais solemne lestemunno do sen
profundo e eterno reconhecimento aos Illins. Srs.
Antonio Alves Lebre, Custodio Antonio Soares e
ntonio Joaquim d'Almcido Croa, pelo acto de
caridade e reHgilo, de mandarem trasladar os os-
sos-de seu mu presado pai, do cemiteno publico
desta cidade para o seu jazigo na oonfraria de S.
J t d'Agmia, e nao o pudendo mostrar o seu re-
conhecimento por outro meio, o (azera pelo pre-
sente pedindo-lnes descnlpa se com isso ofTendem
a modestia dos meamos Srs.

jSo de Janeiro
O patacho uacknal ^sfrega a sabir at o um do
ax, arada recebo alguna carga : a tratar no es-
criptorio de Jos Maria Palmeira, largo do Corpo
Santo n. 4, andar.
movis, louqa, crjstaes, um ca-
briolet americano, um eaval-
lo para o mesmo, um dito de
sella, um sellim e um silho,
a saber :
Um piano forte do bem coobocido fabricante
Cari Sckeel ia cassel, urna mobilia de castanheira
forrada de damasco, l estante para maslea, eoaso-
los i mesa cora jfedra3, tapete (f >rro de sala) ca-
deiras d&rbalanco, candieiros a g,u, anidros, es-
tantes para livros.
No dia 3^0 corrente mez serlo celebradas al-
guraas missas por alma do eoaseiheiro Dr. jj0u.
renco Trigo de Loureiro, na matriz da Boa-vista
pelas 8 horas da raaoha, para e que aio coovl-
dados todos os seus collegas da (acaldada do (Oro
discpulos e amigos. '
o
Um mogo brasileiro eom ortica de eobranca.
offerece-se para a mesma, dando, fiador de sua
conducta : quem de seu prestimo nrocuar deh
caria fechada nes a typographia com i a iniciis
A. J, i J.
Urna mesa elstica, 2 apparelhos, 1 guarda-ron
, I sot, 8 cadeiras, louca para cha e Janlar, co-
* farraas clices, jaras, facaa e cytrs de
ca
_
electro-flate. bolanca,
Um espelbe, 1 relogi,
roupa, 2 lavatorios com
o trsm do cqzinha,
I com modas, 1 guarda-
pedra, 1 cama de (erro
MONTft PO BUSU^H
De onlem do Sr. director, a amata*._
artigo 5t dos nossos psutntos, convido a i
Sr. socioa para eomoareeerem na- aaf a !
sembr prximo fataro, is 9 horas a
de asihtirem a poeae do aove coamiiM, de admini-trar o anno do Mf0 091.
Secreria previsoria do M ate Wo Brasilem,
M de novembro da 1870.
Precisa se de daaiatnas, oma^^^H
mar o ouUa para coziotoar m ni
Rangai, taberna a. 7, ott aa ma rmnerial n.
defronte do viveiro do Manir.
B
a
TERiJA FEIRA
do cor ente.
aportada Associaclo Commercial, s II horas,
ra do Trapiche.
Pelo agente Pestaa serlo vendidos os segoinfes
predios, na cidade de Olinda :
A grande casa terrea com quintal morado e ca-
cimba de boa agua, e (ructeiras, na ladeira da Mi-
sericordia n. 6, chaos proprios.
O sobrado n. i ti da ra de Mathias Ferreira, eom
t2 salas e 2 quartos no andar superior o sali no
erreo, e quintal para o neceo do Conselhe.
Estes predios acham-se desoccopadj?, e pdem
ser examinados pelos preten 'entes contento. As
chaves acham-se oas casas contiguas.
Nos Arrotnbados a casa n. 27, de excedentes
commodos.
Nesta cidade do Recife, o sobrado n. 11 da ra
do Amor ira, cora frente para ota e para a roa da
Moed. Vende se por ora sement a metade, por
conta e ordem de herdeiros.
AVISOS DIVERSOS.
n. 8, deseja-se fal-
Hospital Porluguez de Beneficen-
cia em Pernambuco.
Para a e lei gao da junta administrativa.
Em face do 3* do art. 17 da lei vigente, sao
convidados todos os dignos socios para se reuni-
rem em assembla geral no dia i de dezembro
prximo (atoro, as 11 horas da manhla.
As 10 horas do raoneionado da estar postado
um oronihus na ra de 1 de Marco aflm de con -
doxlr ao lugar competente aos senhores associados.
Secretaria do Hospital Portnguez de Beneficen-
na nm Pernambuco 29 de novembro de 1870.
Alfredo Cardoso Pereira,
____________________Secretario,
CASA DA FORTUNA
Aos 5:0005
Bilhetes garantidos.
A roa Primeiro de Margo (outr'ora ma de
Crespo) n. 23 e casas do costme.
0 abaixo assignado, tendo vendido nos seus fe-
lites bilhetes um meio de n. 3072 com 5:000*000
um quarlo n. 2668 cora 900*000, um quarto n.
617 cora 400*000, um meio n. 3059 com 200*00o
e outras sones de 100 e 46* da lotera que se
acabou de extrahir (172.a) convida aos possuido-
res a virera reeeber na conormidade do costme
sem descont algum.
Acham-se a venda os bilhetes garantidos da
6* parte das loteras, a beneficio da matriz de Ja-
beado (173a), qae se extrabira lerea-feira 6 do
corrente mez.
PRECOS.
Bilhete inteiro 6*000
Meio bilhete 3*000
Quarto 1*500
Em porclo de 100*000 para cima.
Bilhete int ro 5*400
Meio bilhete 2*700
Quarto 1*350
Mauoel Martins Fiuxa.
i
I #0


Ubk
Qitfo de Pernambucp
Sexta
feira
2 de Dezembro de
____
1870.
\y
l
Preotaa-se de ama na para engommar : na
roa doi Picos n. 64, venda.
.....m
Constando ao abaixo a> signado, que alguns ber-
deiros de Francisco Joaqalm Pereira de Carvalho
procurara obier dinfieiro olfereeHo orno garanta
o sitio n J do Hispile, a protesto de nao terem
vendido todo sitio anressa se ero declarar que
sen of ro comprou todas as partea do referido
sino aos hereiro?, at a parte que tocn ao tes-
tamenterro, em paga da virtfena, podando quem
interetsar ir ter as escri otaras ne escriptorio n.
11 roa do Crespo, en no referido sitie. Paz a
presente deetaraco para sciencia de vodca, e
para que ningaero se Iluda.
Recife, M de novembrn de 1870.
Lalz E. R. Vianna.
II
Das alnas da matriz do C rpo Santo.
Nao a fcawende aioda, apesar de repetidas eom-
muaieaeSea, reunido no da 17 deste mez, meta
geral desu irnaandade para o tira de deliberarse
sonre o arrendansento do predio n. i do largo do
Corpa Santo a respeito do qual se offeraae pro-
postas 'vaaikiosas ; agora por despacho do Illm.
Sr. Dr. jaix de capel las o residuos convoca-se a
referida meta geral a reunir se do consistorio da
irmandade no aabbado 3 de dezembro as 8 horas
da tarde anos de resolverse definitivamente o que
ja ae acha antorisado pela meza regadora oer-
tos de q despacho, o negocio aera icidido por qualquer
numero de irn t que eomparoeer.
Gonaistorio aos 30 de aoveaabro de 1870.
O escrivo,
Manoel Jos do Santos.
m\ M
Ra do Bavao da
Victoria n. 63
( Outr'ora ra Nova. )
llilhees garantidos da pro-
vincia.
Esta feliz casa acaba de vender entre os sea!
mto felizoe bilhetes a sorte de 5:000*000 em um
raeio de n. 307, outra de 900*000 em um quarto
de n. 8608, outra de 400*000 em dou3 quartos de
n. 617, e nm meh de n. 3221 com a sorte de 100*,
e alera de outros premios menores; podendo os
seus possuidores virem reeeber, que promptamen-
te serao pagos.
O abaixo assiguado convida ao respeitavel pu-
blico para virem no seu estabelecimento comprar
o? felizes bilhetes garantidos, que nao deixaro de
tirar qualquer premio como pro va pelos mesmoe
annuncios.
Aeham-se venda os mnito felizes bilhetes ga
rantidos em beneficio da matriz de Jaboalio, que
ser exirahida terca-feira 6 do correte mez.
IPRECOS.
Inteiro 6*000
Meio 3*000
Quarto 1*500
De 100,5000 para cima.
Inteiro 5*400
Meio 2*700
Quarto 1*350
Joo Joaquiro da Costa Leite.
AVISO
Jos Joaquim Aves avisa a quem convier qae
foi nomeado administrador da massa fallida de
Almeida Borgef A C, e que o eompetente para
arrecadar e vender o que pertencer a dita massa
Rccife 24 de novembro de 1870
Precisa-se de urna criada e prefere-se es-
trangeira, para acompanhar nma familia qae se
retira do paiz : a tratar na roa da Cruz n. 53.
Prevt
ren#io
O abaixo assignado previne a quera interessar,
3ue a escrava Benedicta, pnenseme ao Dr. Can-
ido Jos Casado Lima, llie est empenhada por
escriptura publica passa1a em notas do tabelliao
Almeida ; assira como que pelo juizo municipal
da 1' vara da capital se promove a devida execu-
cao. ingaem, portanto, poder legaimente fazer
transaccao alguma com a precitada escrava, pro-
testndole proceder criminalmente contra quem
a occultar. Recife 25 de novembro de 1870.
Amaro Joaquim da Fonseca e Albnqoerque.
A prevenqo
do Dr. Amaro Joaquim da Fonieca e Albuquer-
que respondo repellindo e devolvendo-lhe intacta
a idea de negociarlo oa de oceultacao da escrava
em lilijio peranteos tribunaes.
Recita 28 de novembro de 1570.
______________Candido Jos Casado Lima.
A prevetiQo e o Dr. Candido Jos
Casado Lima.
Para que melhor respondesse o Dr. Casado Li
mi. devolvendo intacta, em toda sua virgindade,
a idea de nege eiacao oceultacao da escrava Be-
nedicta, que empenhou ao abaixo assignado, era
mister e at mais consentaneo com seu honrado
rvacter, sua alta po-ican de Ilustre professorde
francez do co legio das artes e provada intelligen-
ra como medico pela academia de Pars, devol-
ver intacto o respectivo pagamento desempe-
nhando por tal modo a referida escrava, sem ser
preciso para esse fina a accao da justica e o triste
cortejo de seas officiaes.
Recife 29 de novembro de 1870.
Amaro Jiequim Fonseca de Albaquerque.
VICTORIANO PALMA ES.
WreRISSAITE C0IP0SIQ0 LITTERARU.
CONTENDO :
A noite do xtasis.
O sorrise.
A noite do assombro.
A lagrima
A noute do delirio.
O mysteno.
Com ama carta critica dirigida ao autor pele
Dr T. B-Rlgueira Corta.
i volume brochado 2*000.
AS CENTELHAS
Poesas patriticas sobre a guerra do Paraguay
1 volume brochado 2*000
KA
LIVRARIA. FRANCEZA W
W*m
.Gabriel Antonio muden mu eeeriptorio mm
a roa de Horta o. 17, latNo*fMo aoeco SI
Pedro.
AMA
EJTABTU
!
Satapil
LEGITIMA E-ORIGINAL
EM FRASCOS GRANDES
Precisa-se de urna ama livre ou escrava. para
cozinhar : na fabrica a vapor de cigarros ii ra
larga do Rosario n. 2d.
orttfno**
totha b
Precisa-se de ama mnlher po,
brasileira que entenda de costura e torta bons
costames para tratar.de urna menina do 7 somos
em casa de homem solteiro : quem eeUver oeste
caso pode indicar sua residencia rna de S. Fran-
cisco n. 30 para ser procurada.
D. Mara Leopoldina de Mello, Francisca Leo-
poldina de Mello, Joao Mariano de Mello, Mariada
Penba de Melle, Joo da Cruz de Mello, Rosa Ma-
ra da Coneeicao Limas, Jos Flix da Silva Tel-
xeira Mello, Maria Ferreira Bailar de Mello, Jos"
Fernandes de Mello, Francisco Fernandos da Mello,
Miguel Fernandez de Mello, Maria Feroaides de
Mello, Theroia Fertaadee de Mello, Francisco Al-
ves da Costa, Manoel Alves da Costa, Miguel Es
leve* Alves, Antonio Estevas Alves, Jeao Estoves
Alve, mlher, filhos, sogra, mano, currhados e
sobrinhos do fallocd Manoel Feriantes de Mello,
agradcela cnceramente a todas as peiscaa qne se
dignarara acompanhar ao jazigo o corpo do fal-
lecido ; e de novo ibes rogara a candada do as-
sistlrem as missas e memento do stimo da qne
lera lugar sexta-fei 2 do corente, ao 8 horas da
manla, O* vaneaavcl onlem lerceira do N. S. do
Carmo, com o que se confessam summamente
gratos._________________________________
Precisa-se fallar aos Srs. Manoel Luiz Ki
beiro, Joaquim Jos de Souza Lima, na ra do Vi-
gario n. 19, andar. _______^
AMA
Precisa-se de nma ama para cozinhar : na pra-
c da Iodepaodencia ns. 8 e 10. _______^^
Precisa-se de daas boas costureiras: na rna
de Santo Amaro em frente a i Bazar das Modas.
Nao se olha a preco sendo noa. ______
PROGRAMMA
da festa de Nossa Seahora do Amparo era
Olinda.
Amanhaa, 2 de dezembro, pelas 6 horas da rna-
nhaa, levantar-se ha a bandeira, tocando sealgnmas
pec,as de ransica marcial do 9.a batalho da guar-
da nacional de Olinda, ha vendo novenas e versos
acoir.pandadas de piano e symphnnia. No dia 11
do mesmo mez, celebrar pela pnmeira vez o Rvm.
Sr. Manoel Jos Martins Alves de Carvalho, oran-
do no Evangelho o Rvm padre tnestre Manoel Joao
Gomes, asslstindo urna guarda de honra. Haver i
tarde rasoura do costme e TeDrim sendo ora-
dor o Rvm. psdre meslre Jos Raymundo Baplista,
para cujo tira a respectiva irmindade nao poupar
todos os estarlos para qae seja taita a festa com
aquelle brilhanlismo do costume.
Olinda, 1 de dezembro de 1870.
O juiz
____ Manoel Ignacio da Silva Braga.
AMA
Precisa se de urna ama para casa de pouca fa
milia : na ra da Cadnia n. 21. loja de miudezas.
O Sr. Antonio Ro&ers de Souza lera urna car
ta recommeodada em mi do abaixo assignado,
ra do Vigario n 25,1 andar.
Jos Goncalves de Medeiros Jnior.
Precisa-se
no largo dd Carmo n. 4, fallar com um capllao de
campo a negocio de seu interesse. ________
Aluga-se o 1"
ra de Santa Rita
numero 2.
e 2* andar do sobrado n. 25 da
a tratar na ra do Queimado
Alluga-se o primeiro andar do sobrado da
ra do Vigari i n. 3, propro para familia, ou es-
ripetoro : tratar no trapiche Queiroz,_____
Botica.
Precisa-se de um caixeiro com alguma pratica
e que conheca todas as roas desta cidade para ser
encarregado da cobranza : ra da Imperatriz nu-
mero 77.
Premio.
Dase algum dinheiro a premio sob hypotheca
em predio, e at recebendo-se o aluguel pelo juro
na casa de banhos da ra da Cruz n. 17._____
Paga-se bem.
A urna ama que cosinhe e compre pora tres
pessoas : a tratar na ra Nova n. 10.________
Aluga-se urna sala,
para familia,
tes, por 10J : em Santo
mero 21.
dous quartos e cesinha
sendo estes comraouos independen-
Amaro das Salinas nu
FETOri
Precisa-se de nm feitor pertuguez que entenda
de jardim e ructeiras, para tomar conla de nm
pequeo sitio em Paroameirim, pode entender-se
com o dono na roa das Cr azes n, 36, 1* andar,
das 2 as4 horas da tarde, on ni mesmo siiio.
Os abaixo a- massa fallida de Fon convidam aos devedores da mesma ma>sa, quT
re-idanti s ne-ta praea ou fra delta, a mandarem
satisfazer seas debitas dentro de 15 das, contados
do presente, rna do Commercio n. 48, 1* andar,
oa aos depositarios Mendes 4 Coelho, rna da
Madre de Dcos. Findo esse lempo ter de se pre-
ceder jadielilmentfi contra aqaelles que nio hou-
v-reri pago. Recife 28 de novembro de 1870.
________________E. R Rabillo & C________
Piecisa-se de uina ama qua engomme com
perfeicao roupa de homem e de senhora : tra-
tar na rna da Aurora n. 40.
\ma
Precisa-se de una ama
saro n. 31, 1 andar.
na ra larga do Ro-
OGRANDE WIMEKAlXIR DO SANGE!
Esta excatieaie e i^airavel 'medicina, e
preparada d'uma tuooira a mis scientifc
ca jpor Chimico..e-Drogrjrta mui doutp* e
d'aou instracc3o pyonnda, tendo tido mol-
tos sanos de experiencia ao par d'uras lon-
ga e laboriosa pratica.
A srb composicSooo consiste d'um sim-
ple ^tracto d'um s6 artigo; mas sim,
Composta d'extractos d'um numero de rtl-!
zes, hervas, cascas, e folhas, possuindo to-
das ellas, sos virtude especial ou poder
em curar as molestias as ipiaes teem sede
ou essento, no sangue ou nos humares;
e estes differentes extractos vegetaes, acham-
sa por urna tal forma combinados ponto
de conservarem em toda a saa forca, o cu-
rativo especial de virtude, me cada um de
per si possue. A raiz da planta de Salsa-
parriHia, produzida as Rondaras, a que
nos usamos nesta preparacSo, sendo a qua-
lidade que todos os mdicos mais prezam
e estimara. Na composicSo da Nalsa-
parrilha de Brlstol entra mais de 50
por cento deste concentrado extracto. Ella
q3o encerra em si cousa alguma, que pos-
sa por leve ser perigosa ou injuriosa
sade; e tanto n'este, como em craasi to-
dos os mais respeitos, ella inteiramente
diversa de toflas essas mais preparacOes,
as quaes debaixo do nome de Salsaparr-
Iha, sao accondicionadas ou postas em gari
rafas pequeos, sendo receitada em doses
mui diminutas d'uma collier de cha por
cada vez. Nos pelo contrario engarrafa-
mos a
SALSAPARRIRA DE BRISTOL
em frascos grandes, e assim por este modo,
dividimos com os consumidores, o grande
proveito e vantagem alcanzado por aquelles
qu acondicionam sua prepara?ao em gar-
rafas pequeas. Cada um dos frascos da
nossa Salsaparrilha de Brlstol
oonteem a messa quantidade igual porc5o
contida naquellas garrafas pequeas, e alm
disso, possue ainda muito mais forca
virtude medicinal do que aquella, que por
ventura se possa achar contida dentro de
seis garrafas de pequeo tamanho. Por-
tante mui natural, que aquelles, que se
acham oceupados em preparar e vender as
suas produccoes, em gaiTafas pequeas,
murmurem e gritem contra os nossos fras-
cos grandes proclamando, que a nossa Sal
saparrllha de Brlstol nao possue a
menor virtude; porm quo effectivamenj
teso elles postos em silencio, quando indi-
oamos, ou simplesmente referimo-nos para
com essas centenares de certides e tes-
temunhos authenticos, por nos recebidos
de todas as classes da sociedade, nos quaes
plenamente attestam o poder curativo e vir-
tudes maravilhosas da nossa.
SALSAPARRILHA DE BWSTOL.
A vantagem de termos os nossos pro-
prios agentes iiaquelles lugares aondo as
differentes raizes, drogas, hervas, e plan-
tas de que se compem as nossas medicinas,
sao produzidas, que nos habilita exer-
cer aquee constante cuidado e disvcllo na
minuciosa escolha; e o que assegura e ga-
rante uniformidade de excellencia.
Em quanto que, por outro lado, nos no
no poupamos nem dinheiro, nem dili-
gencias ; afim de alcncennos o melhor
e nicamente o melhorde cada um artigo
ou ingridiente que entra na sua composi-
c5o; pois levados e compenetrados da
mais firme e persuasiva confianca; que po-
demos afoutamente dizer aos doentes de to-
das as nacoes, e de todos os paizes, que na
Salsaparrllha de Brlstol. possuem
um remedio mais efficaz e seguro; do que
nenhum outro, que vos tenha sido offere-
cido at hoje, e o qual por certo n5o hade
mallograr vossas expectativas, na prompta
e effectiva cura das seguintes enfermidades:
Escrfulas,
Chagas antigs,
Ulceras,
Feridas Ulcerosas,
11 M FIEMO
Vende se a casa de <1oas indares e sotao
da ra do BarSo da Victoria, outr'ora ra
Nova n. 69, que faz esquina para a roa do
Mrquez do Herval, tem excellente vista, e
toraa-se recommendavtl pela localidade em
que se acha situada, urna das melhores,
sem duvida, daquella ra. Ter um excel-
lente acquisico para o comprador, porque
do capital empregado obter um juro razoa
vel e sem risco algum : quem pretende! a
dinja-se a ra que acbar com quem tratar.
Hi,
Precisa-se de urna ama
bem para urna familia de
nesta typographia,
que engomme e cozinhe
Juas pessoas : a tratar
Tinha.
Syphilis,ouMal Ve-
nereo
Humores Escrofu-
losos,
Irregularidades do
Sexo
Feminino,
Nervosidade,
Debilidade Geral,
Febra e Malignas e
Febre e Sezes
Biliosas,
Jaboatao.
O|Warieiak> douhi di mnibus de Jaboatao
-P*oWpo^puijHpe para poderern
gotar dus auraivei banhis de.*-a Toralidade; lem
fazer partir todos os domingos um ora-
horas da manha desta cidade e vol-
5 l|i da tarde, por 4*000 viagem re-
Precisa-se de urna ama para cozinhar tn
cas de homem solteirp, refere-so escrava : na
rna ova n. 14.
Ama
Prodas-OB para o servido interno de casa de
ijuena fcaih.: na ra do Vigaro n. 5, segun-
PiOPisa-se de nma escravo que cozinhe, compre
e fac mais algum senico em casa do pouca fa-
aaiiia, e qae tenha bons eostumes: na roa do
Qilttniado n. 46.
NutTnnto
MEDICINA!
Preparados por
Lana a n & Kemp
para tsica e toda
qualidanta dedo-
eneas, quer seja
ni girganta, pai-
to ou bofes.
Express a-
mente escolbido
dos melhores fi-
gados dos quaes
se extrahe o
oleo, no banco
da Terra Nova,
purificado chi-
micalraente, e
suas
propriedades
conservadas
com todo o cui-
dado, em todo o
frasco, se garan-
te perfeitamen-
te puro.
Este oleo tem
sido submettido
a um exame
muitoievero, pelos chimicos de mais tale-n
ot, do governo hespanhol em Cuba.foi de-
vulgado por elle e contem
MAIOR PORgO D'IODINA
do qae outro qualquer oleo, que elle tem
exam'oado
IODINO EUM PODER SALVADOR
Era todo o oleo de ligado de bacalho,
e naquelle no qual contm a maior porc3o
d'esta invaluavel propriedade. o nico
meio para curar todas as doencas de
GARGANTA, PEITO, BOFES.FIGADO,
Tsica, bronchites, asma, catarrho, tosse,
resfriamentos.etc.
Uns poucos frascos d carnes ao muito
magro que seja, clarea a uista.e d vigor a
todo o corpo. Nenhum outro artigo co-
ohecido na medicina ou sciencia, d tanto
nutrimento ao systema e encommodando
quasi nada o estomago
As pessoas cuja organisaco tem sido
destruida pelas affeccoes das
ESCRFULAS OU RHEUMATISMO
e todas aquellas cujadrgesto se acha com-
pletamente desarranjada,devem tomar
O OLEO DE FIGADO DE BACALIIAO
DE
______Lanman fc Kemp,______
ALU;\M-SE
(U vendem-se dous sitios com casas de vivenda,
otaria e grande viveiro na estrada do Giqui .
qnem pretender dirjase a ra da Cruz n. 13,
1 andar.
s
A
1
mm mms Wbecife a apipcqs
Passeio Apipttcos. Ida e volta.
BILHETES ESPECIAES
PARA aUALQUER TREM
Bartholomeu Se C,
Apol
O bachirel Luiz Antonio Piroa eonvida aos amigos
e parontes do sea migoDr. Jos Candido Das para
onvirm urm mi-isa qoA manda dizer por alma
daqaolle Unido, na mitria da Santo Antonio p
las 7 horas da aanfeaa do dia 6 do corrento, s-
timo de ea f.lloe memo.___________________
priado.
Na rna do Duque de Gaxii, ontr'ora do Qnei-
mado, n. li, I* andar, precisa se de nm criado
forro o captivo, de idads dff lt a 16 annos.
Precisa-se de nma ama para /oainbsr: tra-
tar na rna do Cabug n. 7, loja de joias.
ices.
Na rna nova de Santa Rita n. 4 e 51, serra-
r a rapor, tendo-ae apoliets da provincia a juro
de a8 1|2 : a tratar cora Jo Ignacio Avilla
Tumores
Abscessos Apostemas,
Erupees,
Herpes,
Salsagem
Impigens,
Lepra, febres intermitientes e remittentes,
hydropesia e ictericia, etc., etc.
Ontr'o-sim, achar-se-ha, que para o bom
resultado e perfeito curativo de todas aquel-
las enfermidades cima apontadas o adian-
tamento da cura, grandemente promovi-
do e apressurado; usando s ao mesmo
tempo das nossas mui valiosa pilulas
vegetaes a sanear a das de Rristol,
tomadas em doses moderadas em connec-
c5o ou conjunctamente com a Salsaparrilha;
ellas fazem remover e expellir grandes
quantidades de materias morbficas e hu-
mores viciados que se desprenden e livre-
mente circulam espalhados pelo systema,
isto causado pelo uso da Salsaparrilha; 8
por esta forma facilita a volta e o exercicio
normal das operares funecionaes,
Acha-se a venda nos estabelecimentos de
A. Caors, J. da C. Bravo d C., P. Maurer
Os administradores da massa fallida de A~\foio
Pedro de Mello convidam com urgencia aos ere-
dores da mesma massa apresentarem seus tralos
de crdito dentro do praso de oito dias, contar
desta data, para seretn classiQcados : na rna do
Vigaro n. 2b, 1 andar.
ltecife, 26 de novembro de 1870.
Silua & Joaquim Filippe.
- Precisa se de uiua senhora com ai habilila-
<;<5ef precisas para ensinar meninas em nm nge-
nho : a qne se achar habilitada, dirija-so pra$a
do f. rpo Santo n. 17, pr.meiro andar, das 7 horas
da manliaa s 4 da tarde.
O abaixo asignado declara que o annuncin
chamando ra do Viga* n- 19, nao se ntende
com elle e sim cora Odtro de igual nome.
Manoel iins Ribeiro.
Monte po popular pe nam-
bucano.
De ordem da directora convido aos senhere*
socios a comparecerem domingo (4) as 10 horas
da manliaa, para em sesao da assembla geral
serem approvadas as eontts da administrara > pas-
cada, e tratar-se de out'os negecios de impor-
tancia. *
Secretaria da snciedade monte po popular per-
nambucano 1* de dezembro de 1870.
O 1" secretario,
Hrliano N Machado Antnne?.
firmo, Pilulas, Xarope e Tinti'R
ds juiu-'beba simples e ferruginoso ,
Oleo, Pomadae Emplastro da m' m
planta prepai-.anos por
aARTHOLOSIEO & CA
PnARMACEUTtC0S-DR00UI8TAI
PERAMBLCO
A Jurube!)*: eila pUutt hoje reconhecia.
:oiao o mais pederoso tnico, cono o mtih.
l-sobslrcenle, e como tal pplicd nos padeein-eatoi
J i Pgadoe b^o, hcpMites, dnreMS, lamer* inUr
bp" e espci! mente do otero, hydropesiai, erjf'
n-lla, 'le; e associada o ferro e all as plli,
core, chtorutea e (lia de meoUTiaco, dewrr-
|oa do estomago, etc., e o qor diaemoa allefUi
..eras curas importantea obtida eom aostoi
p^paradoa j btm coubecidea aadoa pelel *!)
5ifl!cto isedicoedo plz Pertopl. Em lod6 1
ic epofitp* distribaimos gratis folhetoi
wibor (aaea coahecer a Jorobaba aeoa reetiU
i ariolieacto.
Companhi? phenix pentam-
hucana.
O* senhores accionistas sao convidados a irem
trocar no escriptori da companbia oa recibos do
capital realisado, pelas jccoi-s,
Pernamfcueo da dezembro de 1870.
Pela companhia nh^nix pernambucana,
i. II. Trindade.
Luii Antcnio Siqaeira.
P. W Borges.
A9 TK*liER-SE
Has esta Do Recife, Officinas Soledade. Caminho-Ndvo, 8. los,
Torre e Ponte de Ucha.
Observado -% servem para o da da compra.
DOCES,
13
DOCES SECCOS
CAJ'
LIMAO
ABACAXI
LARANJA
CIDRA, ETC.
FRUCTAS E PLORES.
Ba da Cruz13.
FRUCTAS
ABACAXIS
SAPOTIS
UVAS
LARANJAS
MELES, ETC.
FLORES
BOUQUETS
PARA NOIVAS
PABA JARROS
AVULSAS
PLANTAS, ETC.
Neste estabelecimento encontrar o freguez todos
os dias presuntos em fiambre, pastis, bons-boccados,
doces de ovos, e de todas as outras qualidades, sec-
eos e em caldas, pudins, e tudo quanto se possa de-
sear no corfortavel um excellente LUNCH ; fortifi-
cando, aquecendo, e refrescando o estomago com os
melhores vinbos do Rbeno e Bordeaux ; xaropes de
todas as qualidades para capils; sorvetes de todos
os fructos, com especialidade as terfas-feiras, quin-
tas e sabbados o excellente sorvete de creme.
Tudo com muito a-seio.
I**
g.^
'Tr a w i-i
SBffas;
sra-sl
JEfl Tf ffi p^
fiOB g a> a

Bim

^Sg?
igsl
ST-a 2.
i-i i
| P"? o
iKSIraHr
PRPHILAXIA
OU
MEIO DE ATALHAR AS MOLESTIAS DO PEITO
TAES COMO
Pthysiy, bronchites, asthma, catbarro, tosse convulsa
ou coqueluche, tusse rect me ou aiiti^a,
suffoca^oes, etc. etc.
COM 0 XAROPE DE FEDEGOSO OE PERNAMBUCO^
preparado por J. d'Almeida Pinto.
Nio se conhecia al hoje remedio algum, que podesse atalhar a plhisica pulmonar ou mo-
lestia do peito ; eslava reservada a planta, conhec da em Pernambuco sob a denomiuacao aej-ede-
goso, 63S1 etOcacia mas para que se posaa eonseguir ro^nlcodo, so fax preciso que a medicacao de
xarope dessa planta seja empregada lopo que a existencia da ptbisica pulmonar for evidente, ou mes-
mo su>peilada a molestia do peito. A accao do xarope de Fedegoso, como curativa ou preventiva, e
completa, e nao hesitamos em dizer que superior a todo e qualquer medicamento at hoje eonne-
cido. Temos visto um grandissmo nnmero de doentes suspeitos de pthisiea pulmonar, ou ja con-
firmados, que submettidos ao tratamento desse xarope, flearem completamente restabelecdos, JNin-
guem ignora que a pthisiea pulmonar entre nos nma dis mais graves molestias, e que dizima
urna grande parte de nossa populajao : convem pois que todas as pessoas, ou eliefeo de raniilia.-
conhecara, ao menos de um modo geral, os signaes que indlquem estar qualquer m imbre de sna
familia atacado de ama molestia do peito, e algumas regras que devera seguir no emprego do ni-
co meio certo para atalhar o mal.
As veres com cansa, c por vezes sem ella, muitas pessoas sao susceptivas di fraquea,
com privacSes e dissabores, fadigas e excessos, prenhez, alimentos, perda de cores, f tite e de forcas, dores e oppressSes no peito, ou as cosas, e languidez, e estes syoiptomas portem
levar a crer que es as pescas caninhara para o desenvolvimento d > mal de quem sao precursores.
serias inquietacoes ,. .... __. ,
Se depois de todos esses incomraodos, apparecem no doente febre da tarde para a nome,
suores, ou humidade da pelle durante o son no, particularmente era torno da anega, e ?e o aoante
escarra sangue, est provado que a tubercnlacao j se vai desenvolvendo nos pulmocs.
Se o doente apresentar-se com esses sympiomas na dade de puberdade, e e3|?c.ialmente
se outros membros da familia tem soffrido molesas do peito, nao restara duvida a respeiio da exi<-
Se lugo que qualquer pessoa estiver incommodada de deflaxo, ou do symptoraas Ja des-
criptos, comecar a lomar lodos os dias o xarope de Fedeg.iso de Pernambuco, vera que vao des
aparecendo esses incoramodos como por eucanto, o, se continuar no nso do xarope por algum lem-
po, gosar dentro em pouco de urna saude como nunca em sua vida desfrnctou.
Se qualquer pessoa, que ja soffreu de urna molestia do peite, desejar evitar recahidas de-
ver usar de algumas garrafas de xarope de Fedegoso : e, se sentir qualquer dos symptomos que
acabamos de deserever, devera acelerar-se em tomar o dito xarope por espaco de tres a qnatro
nico deposito, na pharmacia de Joaquim de Almeida Pinto, ra larga do Rosario o. tO,
junto ao qnartel de polica.


|lH
/...., .?<-j,i#> DE HONRA
FEltttUlilivKU DK CHETRIER
O Sf-nhor Chevrier tompleon a su deaeo-
brl ajunia?-do t iodur de ferro ao Oleo de
Bscalhio .lesinfe.Udo. EtOleo de Fipdo e
IftANCO E ESCURO
MriaOMIOMle o Oleo de Figado de Bacnlhl,
fvhof Chevrlw de" a esti preetoaofrenare
M i ao uiorapei:tiea um cheiro e 'abor ngrdiiii
.....Himar ilesilns -Irnide^lietirini.
r;,.. ,.ii|m.ii. i,ie lU.-.ub.li., que gtan^UU a
Ulitr nma alaJUIi de honva, "'.mus o
d< Oleo del gado dBaealhao >lcsinIirtr.do.
r>-, b!". "!nl IIM y*;''Tiv'V'entP odn
'i- rniros. fm Was M moleJia ud* m-
irga o Oleo de t"ido de lTiealli*o.
\e.t i or mais pnriu^nores os reieiurio med-
oes (ieouU:iii a iieia qae e*omi>nba cada
Ka
Irtl'.ffe e, V"T1 e ELIXI1. <0
Ben!ho femcir.eo leui lodaa M ffojwWade
do oleo e do Ierro. Uigerr^e IkeilmmU e imni a
cousa priaio d reir. Pmulo i prefuntel
as mais preparacOcs ferrugiiieas (Plalas ou Xa-
ro-H), convem em lo** li i '
eniprega o ferr Tijir potn-on
rar'lii'taio. eacroAiMi ir
mnli>mo ehronico, kurtha amii.-. ajsi.*-
ains. convaleacencia difli.eis e frqueisi de
eonstitul'l'.
. rtttt 4ft Fit'J *f"'?'"'*S

OWrjtMIlO OWr**,- WniCM. J
V, -ir-r^u'ni'KrPAHincoii'A'lWICApara cu:ar a cl.-n.Tas, fiidaa, ona.l .1 1 e c fc
I r>FrosiTAH'o. ctoilu, clavare, DojK)CHEi.lil i'.-. llMa, Wufo** '"
aM I^" ti Brno. ?'''-'" N^'F'<' I.eivaS.
^:s-
y-


*

Diario
de
Feriambucd Sexta feira 2 de Dezembro de
1870

Au belsexe
COLD CREAM OF ROSES.
Cene CrwMelHieuse, naiverselleraaot rpan-
-le eo Aogietire, o les femmes seot si renoro-
mM pir la \ntm et I transpareoce de leor
teint, doit sa reputa tkra aux elementa tralsamiques
et onctueux quila composent, ainsi qn'i sa cons-
tante efflcacil pour adcacir la pean, la rendre
plus blanche, et contribuer aiosi la saot et a la
twaut, qu, toujours, sont inseparables.
Off lecoratBaade centre les Irrialions de
l pUerrne, Mil que Boutons, Epblidks, Ta-
HKS DE RoUSSIua, BoOOBUKS DE LA FlUW, el
i-ofltM lea taches mtriotcs et les Efflorkscbn-
f.rs. Cette Crme eonvient specialemeot aux fem-
mes encrate* peor prevenir LE MASQUE, auquel
elles sont sujettetOu s'en sirt encor ponr em-
pcher la figure de se bler par le froid ou la trop
grande chaleur.
Prix 1.300 res
Sel dept au nagasin Basar dla Mode-30
Bue do Baro da Victoria.
AMA
Aluga-se
Na ra do Marque* de Olinda (outr'ora Gadeia)
i). 80, precisa-se de urna ama para coiinhar.
Precisa-se de urna ama Irvre ou escrava para
casa de estrangeiro : a tratar na Capunga, porto
Lasserre n. 26.
o 3* andar do sobrado n. 8 da rna da Imperalm :
a tratar com J. J. de M. Bego i ra do Coramercio
p.34. ________________
- Atrai da matrii de Santo Antonio, sobrado
n 18, 1* andar, fai-se comida para tora com as-
seio e prompiidao________________________
Ama
Precisa-se de urna ama para casa de nemem
sulteiro, nicamente para coxinhar, porm isto que
saiba com perfeicao : a tratar na ra do Mrquez
de Olinda, antiga roa da Cadeia, n. 14.________
Est por se alugar urna caa no Caxang
por detraz do hotel, com commodos para pequea
tamilia : a tratar no sitio da llha do engenho
Poeta
------------_
A ESMERitLat
rescen-
Alague i
Aluga-se tima soffrive casa de vivenda e sitio
coni bastantes e boas fructeiras, boa agua de be
bpr e banho prximo casa, perto do povoado do
t'axang : quem a pretender entenda-se na esta-
rao das Cinco Pon tas com o sen chefe, ou na>
obras publicas con o capito Fraocelino.______
Ama
Precisalsc de urna ama para cosinliar : tra-
tar na ra da Alegra n. 5.
EsttAftoaaatra-
hida das floree do
Pini6 Jsponlo&.pel
- sus euaviiide e
suw proprieda-
des beneficie,
exoede os ooe-
metieos tnais calebree; tendo sido &-
doptada por todas sooledada elegante
- Daitada nos banho6,e d'um perfume
delioioso, oonsolida as carnes e fas de-
saparecer as espinht*, ooro oboes e as
oas da pella,
PRECO 500.
" nico deposito no Bazar da Moda n. oO,
ra do l)ar5o da Victoria oqtr'ora Nova.
SEGUROS
MARTIMOS
E
c ovritA FOCO.,
A coropanhia Indemnisadora, estabelecida
nesta praca, toma seguros martimos sobre
navios e scus carrf gameDtos e contra fogo
em edifirios, mercadorias e mobilias : na
roa do Vigario n 4, pavimento terreo.

Td
io
7K7

Este antigo estabelecimento, acha-se hoje montado n'uma
asala de poder servir vantajosamente os seas freguezes, atten-
to o grande sortimento de joias d'ouro, prata e brilhantes, que
sempre tem e recebem mensalmente das principaes fabricas da
Europa- cujos prp^os sao em competiveis e as obras garantidas
de le.
JflOREIRA IIARTE .
MI M
NIOFIMA
Dividendo.
Pagase o 6o dividendo da massa fallida de
Amorim, Fragoso, Santos & C. a razao de 3 0|0,
as tergas e sextas fciras das II horas da ma-
nhaa a 1 da tarde, n> escriptorio da ra do Vi-
gario n. 13, 1* andar_________________
Boga-se ao Iilm. Sr. Ignacio V.eira de Mello,
crivao na cidade de Nazareth desta provincia,
favor de vir a ra do Imperador n. 18 a oncluir
aqoelle negocio que V. S. se comprometteu reali-
sar, pela terceira chamada deste jornal, em flns
de dezembro prximo passado, e depois para Ja-
neiro, passou a fevereiro e abiil, e na la cumprio,
e por este motivo de novo chamado para dito
ftm ; pois V. S. se deve lembrar que este negocio
de mais de oito anuos, e quanao o senhor seo
filho se acbava no estudo nesta cidade
Ama.
Precisa se de urna ama : naru* e^reila do Ro-
sario n. 28.______________________________
Ensino secundario
U baebaul A. It. de Torres Bandeira, ^rofessor
da segunda cadeira de geographia e historia no
pymnasio provincial de Pernambuco, tem resolv
lo abrir, na ca>a de su.i residencia, rna dos
Martyrios n. 2, 2 andar, um curso de
Geographia e historia,
Hhctoru-a e potica,
Pbllosophte.
I" est prompt) pita ensinar estas disciplinas
em qualquer collegio. Tambera se offerece para
ilar licoes de lingua francesa e de geographia s
senhora*.
WWW
.&egou ao antigo deposito de Heory Forstar i
d, roa do Imperador, um earrogamento de tas
4e primeira qualidade; o qua se vendo em partifu
a retalho por menos proco do que em outr* quai*
uner parte.
Ama de leit i
Precisa-sa de urna ama de leite sem filho, prefe-
rindo-se osera?* : na ra larga do Rosario n. 12,
2 andar. i
Freerico Maya
CirurguSo dentista
Acha-so em seu consultorio para os irabalhos
de sua arte nos dias uteis das 8 horas da manhaa
as 3 da larde, e aquelles que por mas oceupa-
Ses nao poderera comparecer nesse dias o acha-
rao das 9 horas da manha as 2 da tarde nos do-
mingos e dias santificados. Tambera continua a
prestar se a qualquer chamado, tacto na cidade
como para fra d Ha, sendo procurado em sen
ousultorio a ra do Duque de Caxias, sobrado
amarillo com entrada pela pra?a de Pedro II.
Joaquim Jos Gonqa-
ves Beltro
Ra do Trapiche n, 17, 1" andar.
Sacca por todos os paqueUs sobre o banco di
Miaho, em Braga, e sobre o seguintes lugares en
Porrngal :
Lisboa.
Porto.
Vaicnca.
Oaimaries.
Coimbra.
Chaves.
Visco.
Villa do Conde.
Arcos de Val de Vax.
Vianna do Castello.
Ponte do Lima.
Villa Beal.
Villa-Nova de Fam Lamego.
La nos.
Oovilha.
Vascal (Valpasso).
Mirandella.
Beja.
Barcellos. ________
Agencia em Pernambuco
Do Dr. Ayer
Peitoral de Cereja
Cura a phlhysica e todas as molestias do peito
Matea parrllha.
Onra ulceras e chagas antigs, impigeos e dar-
tres.
Tnico
Conserva e limpa os cabellos.
Plalas cal bar ticas.
Puramente vegetaes sera mercurio ; cura se-
tdec, pnrgao e purificam todo o systema humano.
Vende-se eftf divamente em casa de Samuel P.
Johnston & C ra da Senzalla Nova n. 41
PRIMEIRO E ANTIGO CONSULTORIO
HOMEOPATHIOO
Dirigido pelo Dr.
SANTOS MELLO
Os habitantes do interior podem-no
consultar por escripto, no que sero sa-
lisfeitos com prompiidao.
Presta-se lambem a chamados para o
interior, a prcQO mdico.
Consultas, no consultorio das 10 horas
ao me i o da.
Chamados, a qualquer hora.
Aos pobres gratis.
43Ra do BarSo da Victoria43
(Antiga ra Nova).
i
m
1
s
O salo le pianos e de
msicas
nudou-se da ra Nova n. 38, 1' andar, para a
ua da
Impcratriz n. 14, loja,
jnde contina recommendando-se ao Illra. pu-
blico.
6. Wertheimer.
Precisase d.; urna ama que compre e con-
nh! para ca?a de pouca fau ilia : na ra nova de
Santa Rita n. 41. .________________
Preeii-a-se de uraa ana que lave e engomme
com perfeicao : na ra do Barao da Victoria n. 61.
2 andar.
Aluga-se nm sitio no lugar da Torre, de-
trente da Ponte de Ucha, com casa coromoda e
arejada, baixa de capim e bastante terreno para
plantacao. Qnem pretender dirija-se ao Io andar
andar da casa n. 57, ra do Imperador ; entra-
da pelo caes 22 de Novembro.
, ,\.v
? Si- *
Emilia Laura Leal, Manoel Paulino do NaseJ
ment, Henrique Soares de Azevedo e Virginia
Laura Azevedo, cordialmente agradecem a todas
as pessoas que so dignaran) assistir as exequias
e acompanhar os resto? nnrtaes de seu muito pre-
zado esposo, genro e cunhado Julio Cesar Leal, e
convidam as mesmas pessoas para ouvirem urna
missa que por alma do mesmo finado mandam
resar na igrtja do Espirito Santo, no dia de de
zombro as 6 horas da manha.
DYVETOT
il-Rua Estreita do Rosario--!4
C5ompra e vende roupa feita
nova e velha, objectos de
cosinha e de mesa, e
tudo que perten-
ce ao uso do-
mestico.
Manoel Fernandos Nogueira tendo recebido
a infausta noticia do failecimento de seu pai, em
Portugal, roga ao seus amigos o caridoso obse-
quio de assislircm a urna missa que por alma do
mesmo finado manda celebrar no dia i de dezem
bro na matriz de San^o Antonio ; e por este acto
de religio e caridade se confessa eternamente
grato.
AOS 5:OOOOOO
Estao venda os felizes bilhetes da lotera da
Baha, na casa feliz do arco da Conceico, loja de
ourives no Becife.
MANUEL C. ,
Tem a satisfacSo de palicipar aos seas numerosos fregnezes, que em vista de ser-Ibes mais commodo, tem |gg|
estabelecido urna nova fabrica de chapeos de sol, na ra da Cadeia do Recife n. 9, beje rna do Mrquez de Olinda, gjg
onde acbar3o os pretendentes, muito avultado sortimento de cbapos de sol de todos os preces, qualidades e por pre- ^
eos mas'commodos do que comporta o nosso nwcado : convidara especialmente aos Sre. compradores por atacado fim
darem, sendo possivel suas encommendas, pois poderio assim serem mais bem servidos, visto poderem oscoluer as ar- |
mac5es as tazendas que a denora da fabricaco bem diminuta,_______________________________________
NA ANTIGA E BEM CONHECIDA FABRICA
CHAPEOS DE SOL
DA
Ra do Baro da Victoria, esquina da Camba do Carmo.
(Antiga Ra Nova")
Ha semnre um grande sortimento de"cbapos de sTde sea7 merino, alpaca, bretanha de linho branco e par-
do e
todos os tamanhos e leitios, alm da immesa p'orc'o de da, merino, algodo ebrim, |g
arma^eTdetodarasWquaidVdes para satisazer qualquer encommenda. A modicidade de teuspregos
que escusa de mencionar.
lo conhecida j**
rm
'A Rl A DO MHO Di VICTORIA 'A
Neste novo irmazem tem um
variado sortimento de fazendas
francezas, ingleza:!, allem5as e to-
das todas se vendem por presos
mdicos, afim de acreditar a este
novo armazem.
Casemiras ingle zas,
francezas, de todas as
cualidades, brins de
cores e brancos, cclei-
rinhos modernos, cha-
peos do sol de seda,
fios.
RA
DE
ARRUDA IRMAOS.
Assim como tem urna grande
officina de alaiate, montada com
todos os preparos que ha de melhor,
dirigida por habis artistas, que
pela sua promplidSo e perfeifo
nada deixam a desejar.
Fotographia imperial
CAl.ERB*. DE MWfimA
J. Ferretra Filela
Desde o dia 7 de abril passado acha-se abertc c
ovo estabelecimento photographico sito roa do
uabug n. 18, etquraa do pateo ila matriz. Ostraba-
ihos quo desde entao, tem sabido de nossa offleina
tem geralmente agradado, sendo recebidos por
ilguns com admiracao pelo extraordinario pro-
gresso que ltimamente tem lido a photc grapnia,
e por outros com alegra, por verem a provincia
dotada com utn estabelecimento digan d ella, e in-
intestavelmente o primeiro que Dcsse genero
boje possue : tambera nao nos poupamos em cousa
ilguma para mont-lo no p em que se acba, es-
perando que o publico de Pernambuco saber
ipreciar nossos esforcos e recompensar nossos sa-
crificios.
Convidamos a todas aquellas pessoas, nacionaes
t estrangeiras que gostam das artes, ou tiverem
aecessidade de irabalhos de photographia a visi-
taron o nosso estabelecimento, que estar sempr-
berto e i sua disposico todos os dias desde as 7
horas da manha at as 6 da tarde.
Para os irabalhos de i hotographia possuimos di-
versas machinas dosmelhores autores francezee,
inglezes e allmemes, como sejam : Lerebonrs et
Secretan, Hermagis, Thomaz Ross, Voigtlander et
3onh eWulf. -ltimamente recebemos tres novas
machinas! sendo urna dellas propria para tomar
sobre o mesmo vidro & ou 8 imagens diversas e
isoladas, e outra de 6 a 12 imagens diversas a
igualmente isoladas, de sorte que no caso de
grande coneprrencia poderemos retratar sobre
ama nica chapa at 8 pessoas diversas e isola-
Jas para cartees de visita, e assim em menas de
jm qoarto de hora despacharmos 8 differemes
pessoas que pecam cada urna, urna duzia de cartdes
tnais ou menos, cora os seos retratos smente, ou
am grupo com outras.
Encarregamos-nos exclusivamente da direccao
j feitura dos trabalbos de pholographia dei-
zando pericia e talentos do dislincto pintor
illemao, o Sr.
Jorge A. Roth
>s trabalbos de pintura, a aquarela, a oleo, e a
pastel.
O Sr. Roth acha-se ligado a nossa empresa por
ama escriptura publica, e at o presente tem-se
iesvellado na execucao de seus irabalhos.
No nossoestabelecimer-to acham-se exposlos ou-
tros irabalhos importanu s do Sr. Roth, tanto em
miniaturas aquarella como oleo, reir* a
>leo, quadros sacros e diversos outros trabalbos.
Tomamos encommendas de retratos oleo ate
tamuho natural, assim como de quadros sacpi?
para ornamentagao de igrejas ou capellas. Tam-
bera aceitamos encommendas de quadros histri-
cos.
Asseguramos que os precos dos diversos tra-
balhos da nossa casa sao mu rasoaveis.
CART0ES DE VISITA NAO COLORIDOS A 10(500 A
DUZIA
CARTES- DE VISITA COM 0 COLORDO AO NATU-
RAL A 16(5000 A DUZIA
Retrates em miniatura oleo ou aquarella de
16 20*000 cada uro, indo convenientemente en-
jaixilhado em moldura dourada e regulando o
busto da pessoa retratada de 3 i pollegadas e
todo o quadro palmo e meio de tamanho.
Julgamos que bastarlo os procos cima para
darmos idea da baratoa dos irabalhos do nosso
sstablecimento, quanlo sua perfeifo cada nm
/enha julgar por seus proprios olhos.
As melhores horas para se tirarem retratos_ no
aosso estabelecimento sao das 8 horas da manhaa a
j da tarde; entretanto de urna hora s 5 da tarde
jm casos especiaes pode-se tambera retratar qua! -
iuer pessoa.
Nos das de chuva, ou por tempo sombro j -
lemos retratar, e asseguramos que esses dias sao
>s mais favoraves aos trabalbos de photograpbia
pela docura e persistencia da luz, e p< r termos o
aosso terraf) construido com taes proporQ5es e
nelhoraraentus, que anda chovendo ;orros ne-
ahum raconveniente ha para fazer-se bellos re-
ntos.
J. Firreira VUlela


Baro da Victoria
antiga ra

NOVA
N. 41.
Roupa de todos os
amaDhos para borneas
meninos.
Por todos os paque-
tes recebem-se as me-
lhores e mais modei-
nas casemiras que ha
na Europa.
RA
Baro dajvictoria
antiga rna
NOVA
K. 41.
Este estabelecimento acaba de soffrer urna reforma radical em acceio, artistas c commodos, e m pontoalidade as encom-
mendas, finalmente em tudo afim de melhor servir os seus numerosos freguezes deixa-se de annunciar todas as fazendas, para
Qo se tornar massante____________________________
AVISO AVISO
Grande vantagem
AOS SENHNRES DE ENGENHOS.
Um estrangeiro que frequenton por alguns an-
nos os collegios de Franca, se eflorece aos senho-
res de engenbos, na s para leccionar o porlu-
guez em espaco de um anno, quando muito, como
para ensinar o fraocez com toda a perfeicao em
espago de seis mezes, pelo grande conhecimento
das maneiras mais facis de aprender-se e de co-
mo se ensina nos collegios franceses, alera de ter
grande pratica por ter tambero ja leccionado em
engenbos das provincias do Brasil : quem de seu
presumo se quizer ulilisar pode delxar carta fe-
chada, a qualquer hora, com eodereco a Mrs. A.
B., na ra da Cruz n. 3, loja de livros, ra Di-
reita n. 118, botica, e na ra das Trincheiras n.
SO, loja.___________________________
Na praca da Independencia n. 33 se da di-
iheiro sobre penhores de ouro, prata e podra;
)reciosas, seja qnal for a quantia ; e na mesm:
asa se compra e vende objectos de ouro e prata
(igualmente se faz toda e qualquer obra de en
somraenda, e todo e qualquer concert tendenu
i mesma arte
Precisa se de urna ama : na ra da Concei-
fia r. 37.
Em casa de THEoDORO CHHISTUN
SEN, roa da Cruz a. 18, encontram-se
efftctivam.iDte todas as qoalidades de vinho
K'Tileaua, Bourgogae e do Pheirn.
Pagase o 3 dividendo da miassa fallida de
Joo Jos de Figueredo a razie-do 1 1(4 0o,
ra da Cadeia, escriptorio n. 49, devendo ser
apresntado os respectivos ttulos,
Na Iravessa da roa
Crazes n, 2, prt-
meiro andar, da-se di-
flhelro sobre penhores
de ouro, prata e brilhan-
tes, seja qoal for a qnan-
tia. Na mesma casa com-
pram-se os lesmos me-
taes e pedras.
Sobrado para alugar
O 1* o 2* andar e solio n. 6 da ra do Duque
de Caxias : a tratar no Corar*n de Oaro.
Irmandade
de Nossa Senhora da Soledade.
ELEigAO.
De ordem do Illm. Sr. juiz sao convidados todos
os irmaos desta iliustre irmandade comparece-
rem no consistorio da igrej da Soledade domingo
4 de dezembro prximo vindouro, pelas 9 horas da
manhaa, afim de assistirem a missa votiva, e em
segaida proceder-se na forma do eorapromisso a
eleicao da nova mesa que tem de reger a irman-
dade no anno de 1871. Reeife 28 de noembro
de 1870.
Manotl Barbosa de Aranjo,
Escrivao interino.
Aluga-se uraa negrinha de idade 14 annos,
multo intelligente e es])eru para casa de familia,
mas adverte se que recolhida e nao vai ra :
quera quizer dirjase i ru3 Formosa n. 21.
RA HA CRU25 M, 4
Chapas de ferro galvanisadas para telheiros, etc.
Tachas de ferro para assucar, etc.
Formas de ferro para assucar.
Arados americanos.
Carrinbos de mi.
Yenezianas para janellas.
Machinas de descarocar algodo.
Machina de cortar fumo.
* Mchica de cortar papel.
Motores para dous cavarlos.
Machina a vapor para mover machinas de algodo.
Ralancas, prencas, cofres de ferro, fogees de ferro, eniofre, salilve [limalha de
jerro muitos outros artigos. ____
^AMMCAT
CILYNDROS PIRA PADARIAS
Tendo chegado ha poucos dias completo sortimento dos melhores e mais
conhecidosjcylindros americanos para padarias, roga-se s pessoas qoed'elles precisa-
rem de virem vel-os ao grande deposito do _
BASTOS
JLOaaf H MA -MACHI MAS

OUTR'ORA RTJA DA CADEIA
Em lempos modernos nenhum descutr-
ment operou maior revolufao no modo ie
curar anteriormente em voga do que o
PEITORVL DE ANACAHIITA
TANTO NO TRATAMENTO DA
TOSSE, CR0P0,
ASTHMA, THISICA,
ROUQUmO, RESFRIAMENTO?.
BRONCIIITES,
TOSSE CONVULSA,
DORES DE PEITO,
EXPECTURACO DE SANGE.
Como em toda a grande serie de enfermi-
dades da gafkjanta, do peito e dos orga^s
da respiraco, que tanto atormentam e fa-
zem soffrer a human idade. A maneira ai.-
tiga de curar consista geralmente na applc
cacSo de vesicatorios, sangrias.sarjar ou ap-
plicar exteriormente ungentos fortissimo?
compostos de substancias vesicantes, alm
de produzir empolhas; cujos differentes mo-
dos de curar, nao faziam seno enflaque-
cer c diminuir as forcas do pobre doente,
contribuindo por esta forma d'uma maneira
mais fcil e certa para a enfermidade a des-
truico inevitavel de sua victima 1 Quem dif-
jerente poisto o effei admiravel do
PEITOILVL DE ANACAHUITA !
VM E EZ DE IRRITAR, MORTIFICAR E CACZAR
LNADDITOS SOFFRIMENTOS AO DOE.NTE,
CALMA, MODIFICA E SUAVIZA A DOR.
ALLIVIA A IRRITACAO
DESEMVOLVE ENTENDIMENTO,
FORTIFICA O CORPO
e faz com que o systema
Desatoje d'uma maneira prompta e rpida
at o ultimo vestigio da enfermidade. Os
memores votos em medicina da Europa (os
Lentes dos Collegios de Medicina de Berlim)
testifican* serem exactase v erdadeiras estas
leacbes analgicas, ou al m disso'a experi-
encia de miliares de pessoas da America
Hespanhola, as quaes foram curadas com
este maravilhoso remedio, so mais que
suflicientes para sustentarem a opiniao dc
PEITORAL DE ANACAHUITA!
Deve-se notar que este remedio se acba
inleiramente izento de venenos, tanto mine-
raes, como vegetaes, em quanto que porm.
alguns d'estes ltimos, e particularmente
aquelles que s3o dados sob a forma de Opi"
e Acido Hydrocianico, formam a base da
maior parte dos Xaropes, com os quaes tau
fcilmente se engaa a credulidadu do pu-
blico. A ComposicSo de Anacahuita Peitc-
a acha-se linda e curiosamente engarrafadas
m frascos da medida ,de cerca de meios
quartilho cada um, e como a dose que se to^
ma s d'uma colher pequea: basta ge-
ralmente a applicacSo d'um ou dous frascos
para aeffectuacao de qualquer cura.
_+
Precisa se de una ama para pi
ru3 Diretla n. 189.
.*_i-


c
Diario ce Pernambuco Sexta eira 2 de Dezembro de 1870.
5
'i-*
AO ARMAZEM
VAPORFRANCEZ
1.7-RUA
-17
Este conhecido estabelecimento acha-se constantemente bem sonido, em virtude das
facturas que recebe por todos os vapores e navios francezes, dos artigos abaixo menciona-
dos, i precos os mais resumidos que possivel.
CALCADO FIIAICEX
Botinas para caberas e meninas.
Botinas pretas, brancas e de muitas outras cores, sortidas e bonitas, do ultimo gos-
to da moda^e precos mais baratos do que em outras partes.
Botinas para bomeuse meninos.
Botinas de biierro, cordavao, rastro e pellica, das meibores fabricas e escelhidas.
Botas e pernelras russlanas.
Botas e peraeiras para mantaria, da-s meibores qualidades, de couro da Russia, lus-
tro e buerro.
apato* de borracha para honeng e scnhoraa .
Tendo chegado fraude porcao de sapatos de borracha vende-se pelo custo^aflm Jde
desempaur o dinheiro nelles empregado, sao baratissimos.
Sapatos de lastro para homens.
Sapatos de entrada baixa de eouro de lustro com salto, de muito boa qualidade.
Abotinados para meninos e meninas
Sapatos abotinados de differentes modelos, de muito boas qualidades e fortes, tanto
para meninos como para meninas, muito baratos.
Sapatos de tapete.
Sapatos de pete aveludado, de casemira, de charlte e de tranca franceses e por-
tngnezes para homens, para senioras e para meninos.
PERFUMARAS
Exceilentes extractos, banbas, leos, agua de cologue, florida, divina, lavande, den-
trifice, de toilette, sabonetes, tintura para cabellos, pomada angroise para bigodes, pos de
arroi etc., todo isto de primeira qualidade, dos afamados fabricantes, Condray, Piver e Lubin.
Quinquilharias
Lnvas de pellica do conhecido fabricante Jouvin, espelhos para sallas, quartos e ga-
binetes, toncadores de diversos tamanhos, leques para sennoras e para meninas, abridores
de luvas, brincos, pulceiras, botoes, correnUs e chaves de relogios e trancelins, tudo de
ouro de lei, correntes e brincos de plaqu, a imitacao e de mais gosto do que as de ouro,
caixinhas de costura ncamenie guarnecidas e ornadas com lindas pessas de msica, albuns
e caixilhos dourados para retratos, caixinhas com vidro de augmento para distinctamente
ver-se a perfeicao dos retratos, objectos de phantasia para toilettes, holsinhas e cestinhas
de seda, de velludo e de viines para braco de meninas e sennoras, ditas para costuras, pe-
queos registros muito finos e delicados, bouquets de flores de. porcelana, jarros proprios
para gabinetes e santuarios, quadros promptos para collocar-se vistas, molduras douradas
para quadros, estampas finas de paysagens, cidades, figuras e de santos, vidros para cos-
morama, malas, saceos e bolsas de viagens, esporas, chicotes, bengalas, oculos, lunetas ou
pensinei de prata dourados, grvalas pretas e de cores, abotoaduras de collete e de punhos,
carteirinhas para notas, thesounnhas e caivetes finos, pentes, escovas, ponteiras de espuma
para charutos c para cigarros, jn;:os de domin, rodetes, bagatelas e outros differentes, ve-
nezianas modernas multo conveniente para portas e janellas, cosmoramas, lanternas mgi-
cas, esteriocopos con interessantes vistas de figuras e das mais bonitas ras, boulevards,
pracas e passeios co Paii, photoraphias e caixinhas mgicas, reverberos para candiei*os,
tapetes de vidrilho e de 15a d cores para ps de lanternas, realejos grandes e pequeo?,
harmnicos, acordions de todos os tamanhos, berros de vimes para criancas, sapatinhos e
toncas de 15a, carrinhos de 3 e 4 rodas mnito elegantes para condujir enancas passeio ; e
outras muitas quinquilharias de phantasia, francezas e allemaes, precos muito em conta.
Para este artigo nao ha espaco nem tempo para a mssante leitara da infinidade de
gneros de brinquedos fabricados em diversos paizes da Europa.
ATTENGAO
O dono deste estabelecimento pede ao publico em geral que continu a
verificando as qualidades e os precos baratos de ditos objectos por serem viudos
reitura e de conta propria.
MO DE OURO

Jos Joaqun da Costa Maia, le vendan seu armazem, sito ao largo do
Peloartoho n. 5, os objectos segtotes, e que veofc por precos mais commodot do
que em oatra qualquer parte :
Oleo da hobaca. O^ i
Couro de-lustro. ^
Saceos de estopa.
Estopa es peca.
Vinho Bordeaux em caixas.
Feltro em peea para forrar embarcacSes.
Encerados.
Teihas de ferro galvanisado, de differentes tamanhos, para cobrir casa?.
Ferro liso galvanisado para forrar embarcares.
Pregos galvanisados. *,
Cantara de Lisboa.
Dita soleiras.
Dita marmore.
Taboas de marmore de differebtes gros*urs.
Ladrimos de marmore de differentaa cofres e tamanhos.
Ditos de pedra de Ansam. pretos e hrancos.
Tmulos de pedra fina de differentes tamanhos.
Pedras para lavatorios.
Taboas de loaza. nonm*nn
Pias de louza para cosinba.________________i^,
_____
I
i" FALQUE
N'ESfA ANT'IG E^AfiDlTATA
FABRICA
. i
@2&5>a(D3
HCOJTIl SE C0S&TA11F.11S1E ll'l C
HrEos njF/
De todas as rjualidtifea I
De todos os fuilios
De todas os presos 1
RA
------------_
DO CRESPO
.___
fiLCATRAO BE 60TOT
n
LICOR C0NCENTRAOO C TITULADA
visita-lo
era di-
i-.:i .-i-iiidiiiaposi-u amargor insupporlaveis,
i lia mais soluvel. Aproveitando essa
.. i l rta, elle prepara um licor cr.n-
.i, .!c !. .'ir.":i-,o qua!, sob um pequeo
ii um. grande propoj'(;ao de
O \:enivuu de fcu'oi (Goudron de
possuopor a todas as van-
os da agua de ileaMD ordinaria, sem ler
...oiivenientes. Basta deitar d'elle uuu
colher de caf n'um copo d'agua para obter
logo um copo de excedente agua de alcatro
seui goslo desagradavel. Cada qual pode
d'e-sa maneira preparar a sua agua de al-
ca i rao qiwndo d'clla precisa, o que offerece
: le lempo, facilidade de transporte
e "vila o manejo lao desagradavel do alcatrao.
) Atcalrft* le Ciuyol substiiue com
viii gein umitas tisanas mais ou menos
ii: i .es, nos casos de defluxos, broncliites,
los^es, cundios.
O *iri.-fco te Giivoi pmpregpdo com o ni.v r p*3f r.is molestias seguintes -:
L. BEBIDA. l ra o ihxr de ca. iTtt um copo d'aijua ou duas colheres de
tom-ara urna gara fu :
r,
6BOr.CHI,TJ
CATARRH DE BEXIGA
DEFLUXOS
TOSSE PERNITA2
- IP.r.tTACO 0E PEITO
TOSSE CONVULSA
CS FftMERftOQES. ~ UrirflM' iwjwwd trepar
"ArrcCyCa:, PA PELLE
COHICitC^S
SOltS-!AS DO CCURO CABELL'IOO
ESI RUSGI
lii'.ajinntilc licoreqvrJci d'iifjl-.i Huemcla,hrttf>M>l> tmptei*: )
FLl,:-:':; AJTIGs OU RECENTES
CATARP.t^O DA BEXIGA
;,.-...j :- LiB.vi j\ji (.;<",, 'arfo com um verdadiro xito nos
jirintipaet kosfitav de t'ianca, da B i/iai e-dn V.smnha. Foi reconhecido
vretudu didtanct vi lempos ii epidemia. ';U nltuci-utiLCumpunhacuda vidio-.
Vetid-se napharmacia e drogara de P, Mau-
rer& comp., ra Barao da Victoria n, 17
pars
PELA
f nn t t'-----f-'-r'r"" '"!'" ""* ""*~ *
CHRESTOM^tHIA:'
DA
LINGUA IN6LEZA,
J. C. RODRIGUES.
Contendo: um Tratado sobre oiigem e o
desenvolvimenio da Lingua Inglesa; urna se-
lecta de i jo pedacos dos principaes eteriptores ;
e loo esbozos biographico o crticos desses
auctores.
Esta obra forma um volume de 428 pag. in 8,
ntidamente electrotypado, e encadernado.
PREQO, 5I000.
HVKAlllA KUaXlL/A.
CAFE PURGATIVO*
A' ESCMNFA
De B,x Burral
Pharmaccnllco-C I mico
A ntHWade dos puf gantes ro softire demons-
tra ao alguma ; a prcscrip^a-i diaria que delle
fazem os mediros e o uso ainda mais frequente
feitc pelo pul'liw So nrovss irrefragaveis tanto
como a quanliade umumera\ei desle genero. S
falta aperfeic/iar cada vc mais o me do de admi
nistracao, de maneira que conservando a fu ac
ele, dles poam fer tomados sem repugnancia
nem a-co e otir tuav. sem receio nem peripo.
Muitos puig.ioies afamados devem este bom
cxilo ao seu elfoilo miento e excessivo. D'ahi o
pengo, porque irritacOes de estomago, infiamma-
c3es de eniranhas sa.> io^vllav"imfnt" o resolla-
do do se* empri yo. Ktdu dUsj U m- U di. recear
com c caf pnrgsiive.
Todos conhecm por ejperiencta o aroma ui-
veeo.efleito |ip;irameit l pico e ca tl!e c < uulli r f.uxiliai J.* iurgi.n!> st'fls
quaes disfarca o rluiro o sabor e .jada a acrao
SolliciUudu Vd^dlusaUcliU us luuVllucUtuS l!<4-
talticos de intestino, e preveoindo o s 11 effeilo
muito intenso sbbre o esu,tna(to. Mi.-iui^du L->.n:
escamonea, farilha .i pvacm^ja com promptiio
e sem colinas, e torna pp um nuruaoo- Lihii-Ao,
certo, fcil a tomar o prelpuv.i u*1o ns nuiv
salvo urna indii:(o pspecial da qnal o medico
o nico jniz.
A innocuidnde do i-aP pl%,iti8 pprrt.iie de
emprega-lo em lodos es casos simples. Desper-
tando a aionia do intestino c activanio s. rrcre-
^o daste, deslre a dunza de \li.U : v> nto-
iilades, as flatudfiddes o excita o sppete. Em-
pregado mais i n-.iud cru-wc^'o para eva
cuar com vagar a btt;s c os knjubtVf viscosos (
e faz defsa maneira desapparecer a enxaqueca,
as dotes de cabrea c prev os ataques de fanguc
as pessoas que a estes sao predispostas.
MODO DE EMPREfiO.
E' lao simples cuino fcil. O cal pulsativo
deve ser tomr.do fro, puro ou misturado com um
pouco de leite fri a^ucar^do, ou agua assuca-
rada. O vidro inttiro a dos ordinaria parfl
um adulto ; dnai rolhires do caf lastam para
as senhoras e para tuia o qualquer pessoa que se
putga fcilmente.
Para as criancas de 8 10 annos, a metade de
vidro sufflcienie ; de 5 a 8 annos, ava culher
de caf, e a qnarta parte do vidro .meute abai-
xo desta idade contra a gosma.
E' por isso d'uma adminislracao mnito mais
fcil do que os biscoulos, chocolates ou bolo?
purgativo?.
Dase immediatamente depols le'te quente as
sucarado ou caldo leve, e duas ou tres chavenas
de cb preto ou de tilia.
nico deposito na pharraacia o drogar a de
Barlholomeu & C. : ra larga do Rosario d. 3i.
Pecas de fila ela.Mica bracea a
Didaes de ac para
sen hora cada um do
^LOJADAAROBA
^Rfa Larga do Rosar o n. 38.
DE
Manoel Jim Lupes $ In
Estio veiidendope.ubari.>:iii:o piero os obj -
tes abaixo mencionados :
Carriteis de ilnua eom 00 jardaf a 6t) r?,
duzia
Ditos de Ifnba com' 100 jardas a O t*5.',
duzia
Carloes ctm linha de 200 jarda< a :0 r?.,
duzia
Ditos 50 jardas a 30 rs.,
duzia
Miadas de lu.ba frxa de algodao para
bord*r
Caixas coiit penas de ac
Caixts de lamparina do gaz a 80 e
Carriteis de ac,u com 300 jardas de liaba
propria para machina a
id:
100*
Didaes de oco para seuhora cada um
Pazenda de crochet preto e blanco preQo
commodo.
Caixas de melal com espelbo para sabo-
nete a
Caixas com alflnetes preto a
Resmas do papel de peso paulado a
Pacotes de papel anisado liso a
Caixas com 100 envelopes a
E-panadores de pennas de todos o ta-
manhos. vende-se barato para acabar.
Duzia de phosphoros cegranca a
Caixas com etiquetas a
Carloes com corchetes de 2 carreiras a
Caixas cem linha do gaz com SO ncvellos
Novellos de linha corn 400 jardas a
(liosas de baldes de louea para camisas
Verdadeircs collares anodinos magnticos
" p;ra crianya a
Agulheiros de madreperola mnito finos a
Ditos de m.ullin muito bonitos a
Meias para senhora muito finas dnzia
Jogo de dminos muito lino* a
Pegas de entre-meios b> rdadis a
Camizinha--. para fefihora f.izeuda fina pe-
lo diminuto pre{ de
Lapis de burraxa proprios para esrripta
Pinceis [>ara baiba muito tous
Pega; de lila de algodao lustrosa a imila-
jao de seda propria para debrum a
Aboluaduras para menino a
Ditas para homem a
Grvalas de cores | ara meninos a
Carleiras com a guillas de todos os tama-
nhos o qualidades a
Fita de llnho de cores, larga, propria para
blezianas, pega
Assira mmo um variado girlirr.eoin de eslam-
pas de pintura' finas a saber : a marte do jtsi.
dita do pecrador, o inferno, o Paraito, o'qnndro
das iitades. a inizo final, oquadro-de lodos os rei-
de Franga al Napol-n III, diUis de. lodos os papa-
at pi IX, dito do concilio em Roma, todos por
pregos baratissimos, oeste c-?tabe!lecimentn ha
empre um completo oriimento de rap de tada-
as qualidades o mais fresco que ha no mercad"',
o que recebemos por lod. s os vapores, laja da
Aurora na ra larga do Rosario n. 38._____
evo
M)
3
100
120
220
900
2(0
m
80
StOtt
000
600
280
00
40
60
60
160
4*001
800
320
440C0
1JOOJ
320
3S00
320
400
500
200
800
50)
500
2JOJO
Precisase de um moleque pira servicode
holel: na ra das Cinco Puntas n. 1 i.
Companhia Al lianpa
- DE
seguios martimos estabelecida
na Baliia em 15 de Janeiro
de 1870.
CAPITAL..Rs. 2,0C0-0"0*OO0.
Toma seguro de mercaduras o din eiro a risco
martimo em' navios de vella evapores para den-
iro e fra do Imperio. Agencii roa do Coni-
mercio n 17, escriplera de Joaqnim Jos Gon
calves Beltrao. _____________________
Appareceu no quintal da casa n. 20 da ra
dos Ooelhos um papagaio : quem for seu dono
pode manda lo buscar, que dando os signaos cer-
tos Ihe icr entregue.
A JJUO
Espanadores de palha os mais bem'feito. possi
Aeis : na praga da Iidependencia n. 39
A' 500 rs.
NA
Fl r da Boa-"Vista,
DE
Paulo Guimaraes.
Camisinhas bordadas para senhora a 500 rs.
Gollinbas, idtm dem a 410 e 500 rs.
Mantas de vareja para senhora. proprias para bi-
nho, a 800 rs.
Chias escuras e ciaras, o covado de 280 a 360 rs.
Mua-tilias de cor, padres noVos, cuvado de 2-?0
a 440 tt.
Lias Amelia pura vestidOj o cuvado a 500 rs.
Ditas, padroes miudinho?, o covado de 400 e 506 r?.
Pegas de algido, madapolo, cambraias branca?:
vende-se mais barato do que era qualquer ou-
ira parle.
A' ra da Imperatriz, n. 48,
junto patifra frane< za.
Vende-se sement de coentro e alface muito
novas : na la da Guia n. 7,taberna.
PAR i A FKSTt
NA LUJA
A' IffiL. camar niuuicipal.
Sendo a cidade do Recife urna d2? primeiras do
imperio, e nao tendo lugar neol.um proprio para
di-tracao dos seus habitantes, lembiamos a ess?.
respeitavel eorponcio a grande utilda le que re-
solta-a, mandando'botar grade* em roda no largo
de Pedro 11, coliocando dentro bascan, sofflno
formar no centro um pequeo jardim : caria mui-
to til e de pouco dispendio, am razac de adiar-
se j arborisado, havendo alguns moradores qne
at se prestan) a lagar 3 um empregado para ecn-
servacao e limpesa do rresmo, logo qno e aehe
em condigov que necessite de.-se empregado.
Sfilos moradores de Santu Antonio.
u\)l\
Pau!o {juimjraes
braneo Lluzas,
de
COMPRAS.
Com
muito
maior vantagera
isas em
Corgao de Ouro
conipram-se
v.l
n. 2 D, ra do
em 37 dntmbro de 180
&&
PARS
pars
Nova loja de joias
RA DOICABUGA' N.9 A.
DE.
Manoel da Cunha Saldanha & C.
Acaba do abri-se este estabelecimento de joias.,0 qaal tem grande sort-
mento de todas as joias de ultimo goslo, as quaes vender o mais barato pos- .
nivel-
Todas as joias sero garantidas ouro de lei, pois os seos donos tendo em
vista so adquirir fregaezia nao olvidar3o, vender bom e por prec)s os mais j
razoaveis possivis.
Convida-se o publico a vir a este estabelecimento, certo de qse ficar
satisfeiio.
A' MO DE Ol'ORRUA DO GABUC N.9 A
PARS
M
E' sobretudo Ls suas propriedades eminentemente absorventes.
(jue o tarTfto de Beiioc deve a sua grande efcacia. Recom-
menda-se-o especialemente con-a as affeccoea seguintes;
GASTRALGIAS
DVSPEPSIA
PYROSS
AZIA
DIGESTES DIFFICEIS
DORES DE ESTOMAGO
CONSTIPACAO
CLICAS
DIARRHEA
DVSSENTERIA*
CHOLERINA
r.JDO CE ESFKliGO.-Ot:.^fto,ieUell fliarsoiielellK)
>e untes mi depofc de cada comida, sob forma de U ou de
ililis. tiialircnlc o bem estar sente-se logo depois das pri
m doses. Lina informacao entensa companha cada vidro
'V pj- e.ida caixa de paslilhas.
n;|MM*ito m Pars, L. Iltilli:, i, me Jacob.
Vende-se na pbarmacia e drogara de P. MarerA C,
ra do Bario da Victoria n. i7

ouro, prala e pedras preciosas e n obras vellias: na
loja de joias do
Cabng. _______________________
Lythographia.
Qnem quizer vender um prelo de lythographia
com 4 pedras e 1 rolo, annuncie para ser procu-
rada______________________________________
Compra-se um arreio novo ou com pouco
uso, para dous cavallos : n ribeira do peixe n. e
P 3 4. o, e 6*000.
Dito? de alpaca branca de 3, a 4$. H
Ditos de dita de tf, c" 3 a 310.
Calsas brancas de brim, de i a &t.
Cuteles braucos, de 2 a 3*500
Gt n e si rliineii'.o de caltas de c.^-ui.i-
ra prea p de rr, paitots d casimira g
I de inl.s as cures, obras l.das cortadas g
i por un perito ine^ire. g
Ka mesma l-fa se niaed? .tzer obras g
I por medida c por menos Hf p*r cento |
1 que em ontro quaiqTer e!::Leleemniio, j
I pois para i?so acham-se r..unidos d'um
i perito meslie e ofiieiaes.
A RA DA LMPEKATRIZ J. 48.
Junto a padafia fraoceza.
VENDAS.
PARS'
O /A
QUEUOS
empellicatlos, os mais 110vos e
melhores que desejar se pode,
desembarcados hontem a 2#200
cada udi : na armazem de mar-
more a ra do Duque da Ca-
sias n 42, juut/ a esto ofli-
cina._____________________
Libras Btrlinas
Vende-se no escriptorio de Joaquix Rodrigues
Tavares de Mello, largo do Corpo Sanio r. 17, 1-
andar.
Venham, freguezes,
mnnir-se ra Duque de Caxias (amiga-
mente ra das Cruzes), sobrado das pe-
Cas de artilberi n. 6.
Nejle novo estabelecimento enconraraoos ama-
dores de agua fresca e saborosa os m-lnores ob
jectos de barro, pois sor imento como sejam : quartinnas dos meibores
fabricantes desta provincia, jarras, morinaes,
resfriadores, bilhas, garrafas polidas e torneada*,
tudo do melhor barro e gosto; assim como jarras,
potes, quartinhas, bilhas, jarros, e vasos para fl>
res, louoa vi Irada de todas as qualidade, e nui-
tos outros objectos sem serem polidos, indo de nti-
lidade para as casas de familia*._______________
Vende-se
Urna armaco com tidos o seus pnense:
nos Affoirads ra de S. Miguel, tem commods
para familia: iralar na magma casa.
oi
= Vende-ee um terreno cm daos |iroprios
cem 30 palmos de frente e 200 de fundo : na rui
do Aragao n. 16, das 6 as 9 horas da mironas e
da? 1 em dianle. ________^^____________
Vende-so
dos* terrenos na antipa estrada cV Afrot. t'ria a
confrontar com a estrada nova, tendo alhemas ar-
vorsa ructiferas : a traUr na travetaa j ra das
Cruzes n. 14.

RIS

Vende-se um terreno na quina da campia
da Casa Forte, tendo urna frente para a racima
campia e omra para a rna, com denles e cin-
coenta palmos de frente nesta e duremos e seten-
' la e cinco naquella, e ceoto c sessenia ao fundo,
i com ama pequea casa do pedra e cal com vinte
e dous pa 1 o de
tunde : par aUr na ra do Imperador n. 10,
jrom Fra' Correa de BriH. cu com
lo Dr. Jo vio Alooforadn lanipr, 011
i com Genu ', noMoofiro.
PURA ACABAR
JBSuperiores carr,iss ingl#ras com peim do llnho
pTlo diminuto preco de 8*500, 3J300c 4A000.
Elegantes chapeos de castor branco a Hf.
Tarlalanas de cores pelo insignificanie preco de
300 a vara. .
Liadas alpacaj de cores a 360 e 400 r?. eorMo.
Excellenle alcatifa com V palmos do largura,
proprio para forro de sala e quaries a M)0 rs. o
covado. ,
Guipure branco e prelo com 6 palmos de largu-
a USOOrs. o covado.
Corles de colletes de gurgurao prelo e de ewes
pelo diminuto preco de 3* e 3S00.
Ditos de velludo para collete a 4*000.
Corles da casia pintades com 7 vara e cores
"orgurio de la farenda superior para vestido a
800 rs. o covado. ,
Tapetes piqnenos proprios para portas de k
a 3*000
Cortes'de organdy de cores bordados coof 18 co-
vados por 8#000 n .
Toalbas pwjuenas para rosto a 6* a duzia
Servias de, linbo para mesa, tendo urna waiUA
com 15 palmos e 12 goardanapos por 30
Meios servlcos para mesa coro nina toa
or e 6fuardanapos por 15*.
Chapeos pre faaenda supe
E outras mn
narmos-enfadoi
Na rna do Di
nio de Moora P.

~
i

^s
I
L
un


Pemamhuco Sexta
eira
de }ezembrp
de 1870

<





BAZAR DO PAVAO
60-RUA DA IMPEMTMZ-60
DI
PEREIRA DA SILVA & C.
Neete imDcrtaole esUbeiecimento encontrar o respeitavel publico, tro grande e ?ariado sortimento de fazendas do mais
aparato gosto e todas de primeira necssidade, que se vendem mais baratas do qae em oatra qualqoer parta, visto que os k>-
oa socios desta firma, adoptaram o systema de s venderem DINHEIRO ; para poderem vender pelo costo, limitndose apena*
i ganharem o descont ; as pessoas qae negocian em pequea esca'a. nesta lqja e armazem poderlo fazer os feus sorlimeates
pelos mesmos precos que compram as casas ingleai, (importadoras) e para maior cemmodidade das Exroas. famildg se darn
amostras de todas as fazendas, ou Ibes levam em suas casas para escolberem.
TAPETES i GROSDENAPLES PRETOS
Cbegou para o Bazar do Pavao o mam Chegoo para o Bazar do Pavao om grao-
elegante sortimento de tapetes grandes, pa- de sortimento dos melbores grosdenaples
ra sofs4, com 4 cadeiras, ditos mais peque- pretos que tem vindo ao mercado, qoe se
nos, para duas cadeiras, ditos para vendem de 10600 at 53000 o covado ;
pianos, camas, portas; etc. veo4e-se por s9o todoa muito em conta.
meaos do que em outra qualquer parte. ESPARTILUO.
ROUPAS PARA HOMENS No Bazar do Pavo recebeu-se um elegan-
No accrcditado Ba-.ar do Pavo encoatra- te sortimento dos mais modernos e melbo-
ra o respeitavel publico um grande sorti- res e&partilhos, que se veodem por preco
ment de roupas para bomens tanto bran- muio em conta.
PECHINCHAS
DO
cas como de cores, a saber:
Camisas con: paitos d'algodao e delkibo,
para todos os precos e qua'idades.
Cero nas de linho e algodao.
Meias cortas francezas e inglezas.
Palitos sobrecasacos de panno preto e
casemira.
Caigas de brim branco e de cores
Ditas de casemiras pretas e de cores, com
rolletes iguaes
De todas estas roupas ha para todos os
precos e qualiJades, e tem de mais mais
um perito
ALFAIATE
Por quem se manda fazer com prestesa
e aceio qualquer peci de obra a capricho
oo gosto do freguez, taado p'este importan-
te estabelecimento todas as qualidades de
panno fino, as melhores e mais moder-
nas casemiras, assim como os melbores brins,
qur brancos, qur de cor; e qoando qual-
qoer obra uo ficar inteirameate ao gosto
dos fregnezes fica por conta do estabeleci-
mento.
FUSTwES DE COR E BRANCOS
Vendem-se bunitos fustes brancas e de
cores, proprios para vestidos e roupas de
meninos, sendo de cores a 800 ris o cova-
do e branecs, a 400 e 640 ris, pe-
chincha, no Bazar do Pav2o roa da Impa-
ratriz n. GO
CHITAS BARATAS
a 200 ris.
a 200 reis.
a 200 reis.
Vendem-ne chitas largas com muito bons
paDnos e cores fixas, pelo barat) preco de
200 ris o covado ; cortes das mesmas com
10 cov?dos a 20000, pechincha, no Bazar
do Pavao.
AS CASSAS D PAVO
Covado 200 ris.
a 200 reis.
a 200 ris,
Vende"B-se Dunias cassas de cores miu-
dinhas pelo barato preco de 200 ris oo-
vado, no aromem do Pa?5o ra da Im-
peratriz a 60.
PANNOS PARA SAIAS A 1*000, O METRO.
No Bazar do Pavao veode-ae bonita fa-
jeada branca encorpada para saias, sendo
com babados e pregas le ua lado, dando
a larton da fazenda o comprinento da
saia. a qual se pie fazer com 3 ou 3 l|2
metros e vende-se a 10, 15280 e 10*500;
assim como tambem no mesmo estabeleci-
mera i se ven Je bonitas saias brancas bor-
dadas, tanto quairo pannos cada orna, ditas
de 15a dft cores j promptas, orna* com
barras difirenos da mesma fazenda 45000,
e ooVts com barras brdalas 6,3 e 7000c,
tudj tofo moderno e barato.
"CARNAUBA.
Vende-se carnauba em saceos, na raa da
Imperatriz n. 60. Bazar do Pavo.
TARLATANAS LISTRADAS CORTE A 6J500
Chegf u para o Bazar do Pav5o um bonito
sortimento de tarlatanas listradas, sendo
verdes, cor de rosa, lirio, tendo esta bo-
nita fazenda milita phantasia, e liquida-se
cada corle a 65500, pechincha ; na roa
da Itmeratriz n. 60.
CASAQUINHOS DEGUIURE A 104, 12,3,
16,3, E 20,3.
Chegaram p?ra o Bazar do PavJa os
mais mo leos casaqninhos ou basquinas de
gnipure com cintura, ricamente enfeitados
com lacos, e vendem se pelo barato preco
de 100, lid, 165, e 20*. pechinena,
ra ila I tnpe atriz n. 60.
LENQOS DE MOTUM A 35500 A DZIA
Vendem-se duzias de lenes fioissimos,
branc >s de morim, sendo fazenda muito
encorpada, a 35500 a dazia. Ditos de
cambraias fioi'-sians, fazeola que semore
se ven leu a 55000 e liquida-se a 35500 a
dazia por havr muiti porreo, no Bizarjdo
Pava j a ra da Imperatriz o. 60,
CORTINADOS DO BAZAR DO PAVO A
85 105 125 E 165
, Cbegou urna grande rsmessa dos me-
lhores cortina jos borlados, proprios para
camas e janellas, que se vendem pelo ba-
rato preco da 85, 105, W, e 165, o par :
ra da Impeatrii n. 60.
RUDAPOLAO ENFESTADO PECA A
35200
Vendem-se pecas de madapolSo francez
enfestido, tendo H metros cada peca a
35230: pechincha no Bazar do Pavao,
a ra da Impe--atnz n. 60.
DAMXSCS PARA COLCHAS
No Bazar do P.vSo, vende-se damasco
enfestado com bonitos dezenoos, tendo 6
palmos de largan, p.oprios para colabas,
pelo baiat) preco da 15280 cada covado,
dito, dito, com 8 pal os moito fino a'
45000, assim como muito bjoitas colchas
de dama.sco de 13 que se venda na lija do
Pavo roa da Imperatriz n. 00.
RETALHOS DE CHITAS E CASSAS PRE-
TAS.
No Bazar do Pavao veude-ta porc3o da
retalho de cuitas e cassas pretas sem li-
mite oo preco : ra da Imperatriz n. 6J
PANNOS DE CROCH PARA CADEIRAS
O Bazar do Pavao recebeu om grande
sortimento dos melbores pannos de croch,
proprios para cadeiras de bataneo sofs,
Eianos, tamboretes e at proprios para co-
r* almofa das e p ratos; vendendo-se por
menos do qoe em qualquer parte.
PARA LENgOES
No Bazar do Pavao vende-se suDerior
bramante d'algodao com 10 palmos de lar-
gura a 15800 o metro, dito de linho coro a
mesma largura a 25800 cada metro, pannos
ds linbo do porto com 3 1/2 palmos de largor
de 720 at 15 a vara, assim como umg ande
sortimento de Htmborgo ou cregueilas de
todos os nmeros, precos ou qualidades,
qoe se vendem mais barato do que em ou-
tra qnalqoer parta ; aproveitem-
ATOALHAUOS
No Bazar do Pavlo vende-se snperior
atoalhado trancado, com 8 palmos de largu-
ra a 15600 o metro, dito de linho adamas-
cado o melhor que tem vindo ao mercado a
35500 o metro ; tudo isto moito barato.
FAZENDAS PARA LUTO
No Bazar do Pa v3o vende-se constante-
mente o melbor sortimento de fazendas
pretas para luto, como sejam:
Laasiohas pretas lisas.
Cassas pretas de 13a.
Cassas pretas, francezas e inglezas, lisas
e com salpico*.
Chitas pretas de todas as qaaiidades.
Alpacas pretas lisas.
Ditas lavradas com branco.
Merinos, cantOes, bombazinas, qoe sa
vendem mais barat 1 do que em outra qual-
quer parte.
CACHE-NEZ A 65000.
No Bazar grandes cachi-nez de pura 13a, pelo bara-
to preco de 65000 cada om
peuicncha em cambraias victorias, a 55,
65, 75 850lO.
Vende-se um expleodi lo sortimento de
finissimas cambraias victorias, por precos
mais baratas do que em outra qualquer
parte, tendo cada peca 10 jardas a 55, 65,
65500 e 75000, finissimas a 85500 ; todas
estas cambraias valem muito mais dinheiro
e lquidam-se por este preco em relacao a
urna grande compra qoe se fez no Bazar
do Pav3o.
BABADINH1S
No Bazar do Pav3o vende-se um grande
sortimento dos mais finos babadinhos borda-1
dos tapados e transparentes, assim como
urna ganda porc3o de entremetes largos e
estreitos, que para acabar se vende moito
em conta e mais barato do que em ontra
qualquer parte.
SEHNSDE CORES E GROSDENAPLES.
No Bazar do Pav3o vende-se om sortimen-
to completo dos melhores setins e grosde-
aaples de todas as cores, que se vendem
amito em conta.
Colchas brancas i 33*2JO, 33500 e 75000.
Para o Bazar do Pav3o chegou um grande
sortimento das melhores colchas pretas,
sendo das melhores e aais encorpadas que
tem vindo 75000, ditas um pouco mais
baixa 35500 e ditas 35200; tambem no
mesmo estabelecimento, se ven le um grande
sortimento de ertones e chitas proprias
para colchas que se vendem mnito em conta.
Sedas de qaadrinhos a 15280 ao corado
Vende-se um elegante sortimento de sedas
de qoalrinbos, com liad ssimas cores, para
vestidos e roupas de mamos, e vende-se
15280 cada covado; pechincha no
Bazar do Pav3o.
CHALES DE RENDA.
Chales 2J00J.
Chales 2000.
Chales i 2000.
Vend>se orna grande porfo de chales
pretos de renda oo croch, sendo pretos
con 4 puntas, fazenda que seupra se ven-
den 55000 e liquidi-se a 25000 cada om,
.pechincha no B^zar do Pavo, a roa da
imperatriz o. 60
LINDAS BAREGES A 320 R3. O COVADO
No Bazar do Pav3) vende-se o mais bo-
Lito sort ment de fiaissimas bareges trans-
parentes com a\ mais bonitas listas de cores
proprias para vestido, e liqoda-se a pataca
o covado por estarmos muito prximos da
fe na ; ditas mescladas, fazenda muito lus-
trosa e com Modas cores a 400 ris o covado,
pe hincha a ra da Imperatriz n. 60.
LENCOS DE OASSA DUZIA 35000
Vende n-se fiaissiaios lencos de cassa
com delicadas cerca luras, da cor s fizas
j embaabades, sanio proprio para iojnen-
e seohoras pelo baratissimo preco de 350 0
duzia, no Bazar do PavSo a roa da Impe-
PAYAO
Ra da Imperatriz 60,
Para vender de prona
LINDAS JAPONEZAS PARA VESTIDOS A
A 500 RS.
Chegou um elegante sortimento de iSas-
inhas do Japao, com padroes de seda e de
muito boa qnalidade. que se vendem a
500 rs. o covado. pechinchi, no Bazar
do Pavlo, roa da Imperairiz n. 60.
POUPELINAS DO JAPAO A 15600 O COVADO.
Cbegou um elegante sortimento de lin-
dissimas poupelioas Japonesas, com os
mais delicados gostos, tendo moito lustro
e com listrinhas de seda, sen lo esta nova
fazenda quasi da largara da chita france-
za e vende-se pelo barato preco de 156C0
cada covado, no Bazar do Pa lo.
AS POUPEUNAS DO PAVO A 25000, O COVADO.
Cheg 10 para o Bazar do Pavao um bo
nito sortimento das mais modernas e ele
gantes ponpelinas de linbo e seda, que se
vendem pelo baratissimo preco de 25000
cada um covado, assim como ditas com
go-tos escossezes a 25100, pechiucha no
Bazrr doPavSo.
SEDAS a 25000
Chegou u a elefante sortimento deboni
tas sedas de listrinhas, comas cores mais no
vas qua tem vindo aa mercado e veudem-se
a 25000 o covado, Da ra da Imperatriz
Bazar do PavSo.
CRETONE FORTE A 25000 O METRO
S no Bazar do Pavao.
Cbegou o verdadeiro cretona francez pro-
prio para lengoes tundo 10 pa'mos de lar
gura, e muito encorpado, senlo preciso ape
oas para cada ieucoi 1 '/* ou 1 '/i metros, alm
d'est i applioacao tambem esta larga e en-
corpada fazenda propria para toalhas, saias,
ceroulas, etc. e liqmda-se pelo barato pre-
co de 25000 cada metro.
CASEMIRAS A 25500 CADA COVADO
No Bazar do Pav3o vende-se um grande
sortiinnio de bonitas casemiras de urna f
cor, sendo asul, lirio, masclada, sendo de
duas larguras, proprias para calcas, palitos,
e roupas para menino, e vendem s pelo
barato preco de 5500 o covado, roa da
Imperatriz n 60.
BONITAS LAASINHAS A 500 RS. 0 COVADO,
Ven ie- delicadas laasiohas com diffa-
rentes gosto pelo barato preco de 500 rs.
o covado, do Bazar do Pav3o.
ALPACAS BRANCAS.
Vende-se um bonito sortimento de finis-
simas alpacas brancas lavradas, imitac3o
de seda, proprias para vestidos de baile ou
I pasamentos no Bazar do Pav3o.
ALPAGAS LAVRADAS A 400, 560 E 640 RS.
Vende-se um graode sortimento de lin-
das alpacas lavradas de todas as cores para
vestidos e vendem-se a 400, 550 e 6i0
e at mil e tantos res o covado, no Bazar
do Pav3o.
BAREGES DE QUADRJNH0S A 600 RS. O COVADO
Vende-se as mais lindas emoderdas laa-
siohas oo bareges de qoadrinhos, proprios
para vestidos, tendo qua-i largura de chita
frsnceza. e 1 quida-se a 640 ra. o covado,
no Bazar do PavSo.
MERINOS DE CORES P.ARA VESTIDOS. -
Vende-se bonitos merinos de orna s
cor com cores muito proprios para vestido
e roupas para creaocas por ser urna fazeo-
da de pora laa e uno leve, veode-se a 15
o covado, oo Bawdo Pavao.
GLACS A 1|000 PARA VESTIDOS.
Vende-se om siegtDte sortimento de.-t?
nova fazenda denomioada glacs sendo urna
fazenda de 13a muio larga e com delca-
dissimas cores, tendo tanto brilho como a
sedae vende-se pelo barato preco de 15,
" cevado, no Bazar do PavSo.
CASEMIRAS A 75000
Vendem-se cortes fle casemira ingiera de
cores para calcas sendo fazenda que vale
moito mais dinheiro e liquida-se a 75000
o corte de calca, no Bazar do Pav3o a roa
da Imperatriz n. 60.
e de Caula*
quenado deixar de lera-
, eom eapecialidade
sita comame fregaeiia, o qoe ella vd recebendo,
tanta mais quanto a jroxima-se o lempo em qoe
todos pareceos mato dtopojMoa para saaviiar as
radicas pastadas, ist aproximn-ee o lempo cha-
mad} a festa; Ha apreesa-se em mencionar o qae
tem recebido ltimamente, pois como eabem, os
seus objectos primara empre era aosto e soperio-
ridade, assim pois os apreciadores do bom diri-
jan) se 4 Nova, Bapemaa* aa de comprarem o
que de JBeihor exiwo bu mercado, como seja :
Modernos aderecen de tartaruia e madre per ola.
Agulhas para bordar em Ha.
Lindas caixas de coure da nossia proprias pa-
ra presaste?, eoateade tres frascos de cryslal com
Unos extractos.
Bou agulhas caatoa.
Um vailadissimo sortimento de modernos enlej-
es para vestido?.
Espartilhos de muaamiBiiaaries.
Bonitas e alegantes caixaa pata costura.
Torea I de seda para crochet, de bonitas cores.
Lioaissimas nonecas vestidas e despidas com que
se agrada pcrfeftaraeate aos menino*.
Delicados ramos de toras de laranja s>m 1 liS
metro de comfriBwoto para regaco de vestido de
noivas.
Bonitos vasos com banha eom distrios de appe-
lidos brasileiros proprios para presentes.
Modernos penies donrados para senhoras.
Bees telescopios com bonitos eioterossaules car-
toes de vistas.
Fitas cadeias de cabellos e plaqu para relogios.
Fiaos saboneles de areia para amaciar as rnos.
Boas meias de laa para meos e senhorai-
Um grande sortimento de finas thesouras e ca-
ivetes de militas quahdaoes.
Bonitas meias de cores para bomens e senhoras.
Jr*omada alpaca.
Esta pomada preparada com totano de urgo
peto afamado fabricante Pis. mente moito boa, e om verdadeir antidoto para
as caspas,e existe smente ra Duque de Caxias
o. 63, na Nova Esperanca.
Perfumaras
As melhores, e do mais eonhecido fabricante,
tanto francez como inglez, eslao expostas veada
na ra Duque de Caxias n. 63, na Nova Espe-
ranca.
Extractos, banha, oleo, sabonetes, agoas de co-
lonia, de laranja, florida e de lavande, etc., etc.,
tudo de superior qualidrde : vende-se na Nova
Esperanca ra Duque de Caxias n. 63.
CHEGARAMi
Foqos instantneos aperfeiqo-
ados por preqo muito commo-
do: na ra Nova n. 28, loja de
Antonio Pedro de Souza Soares.
Bombas completas para ca-
cimba, por diminuto preco, na
mesma casa.
CEMENTO
O verdadeiro portlaud. S se vende na raa da
Madre de Dos n. 22, armazem de Joo Mirtius de
Barrn
GNPIMfl
Qoando a AGUIA BBJVNCA, mtu precisa acientificar ao reapeiUvel poblicoa
tfal, e em particolar a soa boa frejoexa, da iamensidade de objectos qoe oltmuaai
te tem recebido, justamentefqoando ella menoa o pode fazer e porque essa falta iaft
luotaria ella confia e espera na benevolencia de todos qoe lh'a attenderao e relevaiie
Caitinoando portante ^a dirigirem-ae a bem conhecidaleja da AGUIA BRANCA i roa"4*
Qoeimado n. 8, onde sempre acharSo abundancia em sortimento de superioridade JB
qualidades, modicidae em preces e o seo nanea deementtido AGRADO E SINCERJDAM
Do que cima fica dito se conhece que-o tempo de que a AGUIA BRANCA pM
dispi-, empregado apezar de seos costes no deaempenho de bem servir a aqoellea qae
honrarn procurando prover-se em dita loja do que necessilam, entretanto sem ennua>'
rar os objectos qoe por soa natoreza s5o mais conhecidos ali, ella resumidamente iaft-
car aquellas coja importancia, elegancia e novidade os tornam recomaendaWB; cea
bem seja :
Corpinhos de cambraia, primorosamente
enfeitadoi com fltM de setim e obras essas
coja novidade djjnolde e per feico de ador-
os os tornam apreciados.
Fitas mni largas de diversas coree e qua-
lidades para cilos.
Loques oesse objecto muito se pedera
dizer quereodo descreve-los minuciosamente
or suas qualidades, coree e desenbos, tal
o grande e variado sortimento qoe acaba
de chegar, mas para n5o massar o pretn-
deme se lbe apresentar o qoe poder de
melbor.
Entremetes em pecas de 12 tiras.
Goipure branco e preto de diversas qua-
lidades e desechos.
Ditos de algodao com flores e lisos.
Veos de seda para chapelinas e monta-
dita,
l
na.
Meias de seda para noivas.
Ditas abortas de fio de Escossia.
Costamos oa uniformes para meninos.
Enxovaes completos para baptisados.
Toaquinhas de fil, sapatinhos bordados
e meis para ditos.
Camisinhas bordadas para ditos.
Capellas brancas para meninas.
Grande sortimento de florea fina*.
Fil de seda preto.
PERFUMARA
Grande e constante sortimento de
sempre melbor qualidade.
Lindos vasos com pos de arroz e pi
Gaixinhas com ditos aronaticea.
Bonitos e moderaos pentes dourados pa
ra circular o coque.
Bonitos brincos de plaqueo.
Adereces e brincos de madrepero
Caivetes finos para abrir latas.
Thesouras para visar babadinhoi.
Aspas para balao.
Novos ateraoseopos com 48 vistas, a
quaes alo movidas por om machiniam
amas substituem as outras.
Vistas para stereescopos.
Bonitas caixinhas de vidro enfeitados co
pedras.
Ditas de nudeira envernisada com viapo
ras e com dminos,
Bollas de borracha para brinqoedo d
criancas.
Diversos objectos de porcelana, proprioi
para enfeites de mesa e de lapinbaa. '
IN. 341111 ngakhlu l
I ACDSTIIO HUAOS i
Com esto titulo acha-se aborto e ioteiramente transformado este antigo
estabelecimento de joias, onde os fregnezes e amigos encontrarlo tudo quanto
a moda e o bom gosto tem inventado na arte de ourivesaria, o Collar de Ouro
observar delicadeza no trato e senciridade e modecidade noe precos.
Espera qae o respeitavel publico venha ver o qae existe de melhor em
derecos de brilhantes, esmeraldas, robins e perolas, meios aderece*, pol-
ceiras, brincos, alfinetes e anneis de tedas as qualidades, prata de lei faquei-
ros, collieres, paliteiros salvas e outros muitos objectos que seria enfadohho
mencionar.
Compra-se ouro, prata, brilhantes e pedras finas, pormaior preco do
que em outra qualquer parte, troca-se e concerta-se todo e qualquer objecto
pertencente a esta arte.
MACHINAS PARA
COSTURA
Acabam de chegar ao GRANDE BAZAR
UNIVERSAL, raa Nova n. 22carneiro
viannaum completo sortimento de ma-
chi aas para costura, dos autores mais co-
nhecidos, as quaes estao em exposiejo no
mesmo Bazar, garantindos-e a sua boa qua-
lidade, e tambem ensna-se com perfeico
a todos os compradores. Estas machinas
sao iguaes no seu trabalho ao de 30 costo-
reirs diariamente, e a sua perfeico tal
como da melhor costureira de Pars. Apre-
sentam-se trabalho* executados pelas mes-
mas, que muito devem agradar aos preten
dentes.
oa a luga-se os armazens que foram oecapados
com a faonca de sabo e destilacao do Sr. coronel
Franca, na raa da praia de Sania Rita-nova, oa
quaes offerecera proporgoes para bem se montar
qualqner fabrica de grande estabelecimento, com
a grande vaotagem para embarque e desembar-
que : a tratar com o eommeod^dur Tasso.
GAL NOVA DI LISBOA
BALES DE ABCOS
Vende-se bal5as de 5
Vende-se cortes de castores para calcas, f
a 500 rs. Cortes de brins de cores a'
10500; cortes de gangas para calcas a 10, e I05JO cada um.
curtes de casemiras preta para calcas a
305OO,4, 50 6 6J000.
Crtes de caitas a 2:500.
Vende-se cortes de chitas para vestipes
a 23500. Ditos de cassa para vestidos a
20500.
Pechinsha a 40000.
Vende-se pegasJde algodao a 40, 50, 60
e 70OO.
a 10000.
a 30 arcos
Vende Joaquim Jos Ramos
a. 8,1* andar
na raa da Cruz
l'emja branc i e preta
DA
ratriz n. 60.
TOALHAS A 70500
No Bazar dj Pavlj fez se orna grjnic
x>mpra de toalhas alcocbnadas, proprias
tara rosto, bastite encapadas e grandes,
roe sempre se venderain a\\2yj:)Q, e li-
roidam-8e a 74500 a dusa^u a 6i0 rs.
da urna, boa peduchu.
GRANDE PECHINCHA EM CAMBRAIAS TRANSPA-
RENTES A 40, 50,60, 80, B 100000
Vende-se tiaiissimascaa)b;aias soissas, de
moita phantasia tendo 9 varas a 80500 e
100001). Ditas bispo com 10 jardas fazen-
da muito fina a 50, 60 e 70000. Ditas fi-
nissimas azuladinbas, que valem muito mais
diubeiro, a 80 e IO0JOO: todas estas cam-
braias, em relacSo a qualidate, pelos pre-
go cima s5o mais baratas do que em ou-
tra qualquer parte, no Bazr do Pavjj,
CAMBRAIA ALLEMA COM 8 PALMOS DE LAR-
GURA A 1J60O, U E X4300.
Veole-se finissim cambraia branca tran-
pa ente com 8 palmos de largara, que faci-
lita fazer-se cm vestido apenas com 4
varas e liraida-se a U600, 20 e 20500 a
vara, fuyenda qua vale moito mais dinheiro
E pechincha no Barar do Pava).
CAMBRAIA TRANSPARENrE
P^a a 40000
Vende-se muit fioas pecas de cambraias
brancas transparentes, tendo8 ||2 varas ca-
da pega e com um vara de largura a 40
E pechincha, no Bazar do Pava" j
A' ra da Imperatriz
ti. 60.
Miau z
engarrafada por
Bloodo WoIfe&C.^
especialmente para o Brasil
NICOS AGENTES EM PERNAMBUCO.
J. Jefertes & C.
46. Ra do Uomrercio 46.
Farlnha de maadiaea.
A bordo do brigue Mana 4 Virfinia, faodeado
em frente ao trapiche Baro do Livramento, veo-
dse superior farinha de mandioca, reeem-chega-
da de Santa Catharina, em porfo e avarejo : a
tratar com Jos Victorino de Rezende dt C raa
do Mrquez de Olinda n. 52.
Calcados Trnceles
Grande sortimento de calcados fraocezes para
bomens, senhoras o criancas, botinas de setim e
dura iue brando, dita de cores, sapalinbos borda-
dos de setim branco.ditos deduraque de cores para
snhira,pelo preco mais eommodo de que em ou-
tra qualquer parte : na loja de calcado da bota de
ouro ra da Cruz n. 21, sobrado amarello
Bazar do Favorito a ra da Impe*atrz n 60, osta' oonstaatemente aberto
- aas i> oras da maniaa as 9 di uoute,
DAS
FONTES
Hauterive & Celestina
Venderse mais barato do
qualquer parte no armazem
gario n. ii.
que em outra
da coa do Vi-
Para liquidar a 30508. '
Pecas de madapoln com 12 jardas a
3^500. Ditas de dito com 24 jardas a 50,
00, 60500, 70, 80 e 90010.
LIQUIDACO.
Pecas de algodS.siobo de listra proprio
para roupas de escravos com 42 jardas a
500e covado 460 rs. pjra liquidar.
Chitas escoras para vestidos a 280, 320
e 360 rs. o covado.
Para acabar.
Veode-se pecas de c-imbraias victoria, fi-
nal a 60, 4500 e 7#)00.
raattoftirato.
Coiarinbos de papel a 240 rs. a dazia.
Cartiaadas para janellas a 50000.
Vende-se cortina;os para janellas a 50
o par. Brim pardo liso para calca de ser-
vico a 500 rs o metro.
Cortes de percales a 60000.
Vende-se cortes de percales d duas
saias de bonitas barras a 60000.
Cobertas de chita.
Vende-se a 10500, ditas fioai a 25500,
ditas eacarnadas e adamascadas a 30500,
ditas forradas 50000.
Gangas para calcas a 280 o covado.
Brim de listra ao lado para calcas a 400
rs. o covado.
Lencos braceos a 20000 a duzia, para li-
quidar ; grande porfo de mantas para
gratatas a 200 rs. cada orna para liquidar.
Cassas francezas a 280 rs.
Vende-se cassas fraaezas para vestidos
a 28) e 320 rs. o covado.
Organdys de cores para vestidos a 400
e 640 o covado.
Alpacas de cores para vestidos a 800 e
640 rs. o cdvado.
LSasinhas para vestidos a 320, 400 e 520
rs. o covaio.
14
Cortes de cassas eoc
papel a 20500 cada um, para liquidar.
Bramante de linbo e algndio cem 10 pal-
mos de largura o 108UO o metro.
Panno de linbo a 760.
Vende-se bramante de 10 palmos de lar-
Sara proprio para lences a 20800 o metro.
Lencos de seda a 80o rs.
Vende-se orna porca~o de lencos de leda
a 800 rs. cada om,
Chales de cassa a 10000.
Ven le-se orna granoe porejo de chalet
de cassa a 10000 cada um, para liquidar.
Fusto a 360 rs.
Vende-se fusilo de cores para vestidoi
a 360 rs. o covado.
Algodao enfastado i 900 rs.
Veodi-se al^odo enfestado para lencet
e toabas a 900 rs. o metro, dito trufa-
do a 10200 o metro.
Chales de merino estampados a 20000.
Vende se coales de merm estampados
eom barras a 20, 20500 e 30 para acaba]
Granie porcao d re talos.
Vende-se grande porcio de re/alhos dt
cassas e chitas a 240 rs. o covado.
A festa est na porta
Boupa fe la encontrarlo
Por precinto raxoavel
Todos se enronpirSo.
A SABER :
Liqiidacn de raspa laita.
Ven le-se pai.itots debrinainho de linhc
proptio para andar em casa i 10500 ; di-
tea de ganga a 20000 ; ditos de meia ca-
sentir a 3>000 ; ditos d alpaca d cor
30500 e 40000; ditos de panno fine
pre o a 60, 80 e 100000 ; ditos de case-
miras de anres, a 60 e SfQDO ; collete
de cassiaetas de cores, a l#800ic, ditos de
brins e q-.ia Mohos a 10OuO ; d tos de ca-
semiras de cores, a 20500, i$ e 40000.
Calcas zoes p ;ra escravos a 500 rs.; ditai
de algodosinho da listra a8O is. ; ditas
de brim paHoa 10600, 20 e 20500 ; di-
tas de dito braujo de linbo a 30500 e 40 ;
dita* de casemiras de cores a 5, 60, 70
e 80 OO ; camisas de chita a 10000; Ci-
tas de alrfodosinhL pnprias^parao ser-
vido por ser fazenda lorie, a
de m us u i na a.f06oO rs.

i
ARARA
TEMA III VENDE, Mil
ATTENJO
Loureoco Pereira Mondes Guimaraes, participa a todos os seos devedore
tanto da praca como do mato, que estando 1 quidando suas casas commerciaes, o qo
deve fazer at o fim do corrente anno, por lsso roga a todos os seos devedores a viren
saldar seus dbitos o mais breve possivel; outro sim, declara aos seus devedores, qut
os que n5o estiverem na loja tem de pagar todos os seus dbitos, provando isto se fari
o abatimento que for preciso para a liquidacSo de suas dividas, para isto poderlo di-
rigir-se roa da Imperatriz n. 72, loja da Arara.
Ao resto das pechinchas
>
(I
. !0i8O; dita
Pra.liqaidar *
O proprietario da loja denominado Arara, declara ao respeitavel pobbco e joi
seus fregoezes que esta oncluimlo saa liqoidacJo, por iso quem qolzer munir-se da
boas fazendas por pouco dinheiro tenha a hndale de dirigir-se roa da Imperatrii
72, desde as 6 horas da maoha as 9 da ooote.


3 Diar
10 a t i eniumouco "sexta teira

. *

>
y
artiga do
proco roo-
fraada rtafit)!!!
Roa do Imperador n. 28, at-
rnaaem to Campos.
Coolo se est aproximando o teropo dw rjaiio-
fti, o proprie arfo -deso ?iabteeirnenlo lera se
amerado em fazer reunir en sea armazem um
otfcpteto 9 VriadiHrtmo sortirtianto de genero*
Umtntfek.
Nao se propSa i descrcver nominalmmie todos
os teneros comidos eni seu .'rmazim por se lor-
aar de mais en.'adonho.
Garante somate, que 6 sus norma de ha mnite
iepo /ender fo per pa e queijo por queijo
Avisa especialmente a is fumantes, qae recebeu
de na especial encomniemk urna factura de i-Jia-
rutos 8*p*tore. deS. Fe, da Baha, das secuir,
es marcas : exposicao, marquezes, normas, ama-
dores a paraguaya amis.
Ventura todas as dementas dos arrabaldes e ci-
qaae supnr-se de gneros de primeira qualidade.
_ Na "'a do Bario da Trmmpho,
Brum, n. 92, vende-?e o scguinte por
Gal de Lisboa da mais nova que ha no mercado,
clmeles para barracas e liiate?
SlH
Tero a venda em sens srnaaTr. alem de ontros
ariigos de seu neg n regalar, ns segaiRles,-que
estao vendendo a preces ruis La ratos que em ou-
ira oualquer parte :
PORTAS de finho alm-.fad.-ija!>.
FARELLU em saceos grandes a 35300.
GRADES de ferro para cercados.
SSTEI.RAS da Iodia par. cama e forrar sala.
GANOS de barro francer. para esgnto.
GESSO superior em barrica* e as arrobas.
CEMENTO de toda as qualidades baixos
procos.
MACHINAS de descare car algodao.
BARRIS grandes com pene da Suecia.
LONAS e brinzes da Ros a.
OLEADOS americanos para forro de carros.
Srr?MrtSJamerican"s niuil,> bi'ns econmicos.
VINHO de Bordeaux em caixas.
COGNAC superior de Gautier Freres. _
MILHO de Fernando a 3 o sacco.
AGUA florida;
BARRIS de carne salgada de pirco e de va cea
I.- J
FALSIFICARES
w PILUUS de BiftUCftRO
(CAVE
-A'^'P'^^^^.^^anM^icoarmercta, este? ht-hrados intermediarios
saner que as pracas deste pa nchao-sejnno
actuelmeiU&inundadas per urna multido de
falcificafes vis dos nossos producios (tcxtuaL.
Para garantir-se contra estas composicos
mais on menos perigosas, que escondem-se
d'essa maneira por detraz das nossas marcas
de fabrica e mesmo da nossa firma, rogamos
aqui com instancia aos mdicos e aos do-
entes de assegurar-sc sempre u origem das
PiLULAStjuc trazem o nosso neme, appdlando,
entre outros meioi practico, pela boa f dos
nossos collegas, os pliarmaccuticos. Nao da
duyidar que n'uma questa que inlressa tad
leriamenteasaude publica e a moralidade do
se mostrem fignos dn confiarla dqs-seus
freguMed; nao 5 de diividar igualmente mtk I
repudiando toda soiuridade com os falcifi-
cadoces e os seus ciimplices, ellos no se fa-
cAo um dever d'ori em rtiante de procurar
as VERDABRmAs Ptuxas W Rl.xncuid em-'
origens certas, cnderccamlo-se, quer a no*
mesmos em Paria, quer indirectamente aos
nossos4>riicipaescoj respondentes, ou entdo
s casas ns mais recoc- y?
metidaveis da Franta Xl/
ou Jo seu pala. tf/COn
Phartnaceuico, rua Bonaparte, em Paris.,
Rua da Imperatriz b. 2
A' se novo e suroptooso estableiiornio dn tecnias acaba'de chipar di ecia-
da Birepa o mm pxpleodko sonimento de fai<-ndas p:oprias para a f:sla, arito
UMJn
para horr-eus,
Ac^o-s. i nosiai Pilulas nas princiyaea PbarDioiui
NOVIDADES
ion para ten hora s; descrever e pecificar u que de moderno e de mais
ar,urajo f-osto nelie se encontw soria impttfiv-e ; ra is -para que se possa fazer orna
ipr< Ximada ido?, aeficioBaremos cem esfclt i; de :
RiC"g corlea de vesii 'os para Casament', obelados tro ultimo vapor.
Wtog ditos de ditos de seda i.'eseubos inteiramenie nevos.
i'os ditos de diki fie 13a cem barias, fazcodi inteament nova. s
Veaiidos de cambraia para baptisado.
Poisimase "da dos gastos iD-vs moderno vj isdo sotlioiento de cimbreas e
cKsaj ae cores, 1 nilos* ti demos deseobos.
Sedas Usar, teridas, frats e de coref.
<>etnne para vellidos, "modernos eosU s.
DO
A loja de cera
ratar na mesma.
VC2VBE-SE2
a prnca do d nde d Eu
iPF*
'"I
u
ZLEJ
Ha para vender lgMs Rilhelro dos mais lin-
ios azulejos, frita pnrMn (ae por circu;'.istancia ns dispmisa. No armazem
Je Tasso Irmao & C, praca do caes de Apollo
o pe da ponte provisoria.
TRIUmPHO
7 Rua do Queimado 7
BASTOS
h ebegado a este novo estabelecimento o mais beHo sortimento de razemlas
waj, endo sua especialidade enxovaes para noivado.
Vestidos de'blond de.sda ricamente bordados.
Gorguro de seda branco para vestido.
Colches de seda para, para cama com ricos desenbos.
Ditas de 13a e seda, id^m idem.
Ditas de crox, dera idem.
Cortinados ricamente bordados para camae ianellas.
Croxs pira cadeiras e sofs.
Vestidos de cambraia branca bordados.
Popelines de lindos gostos.
Laas de diversas qualidades, lindos gostos e modernas.
Ricos b urnus para passeio, com listras de setim.
Saludas de baile o que ha de mais rico.
Crotones para vestidos com lindos desenhos.
Carnizas bordadas e sem bordados para senhoras.
Camisas bordadas muto finas para homens.
D tas nglezas para homens e meninos. "
fcj ?erouIas.de linho> e un grahde sortimento de roupasfeitas e de fazendas qae
i eniaaonho mencionar. M
Luvas frfscs de Jouvin
,.,r,^?'!!men!0 e ^6[e!- P*ra f?uarnCoes de salas, alcatifas para forro de ala, e o
rand sortimento das acreditadas e verdadeiras
Estairas da India
'mmm
Acabam de sahir a luz as se-
guintes pecas para
PIANO
{imalinda walsa d'Arditi
ideal e realidade muito bcna
pbanlasia p.!o maestro Caza!-
bore
Postilholinda pbantasia executa-
da {com grande applauso pela
msica allema
tlabaneras lindas dansas para-
guayas, qae tanto luror aijui tem
eito
ACABA DE PUBLICAR-SE
eolhccjo de msicas dos cavallinhospara
I? TOO
I 000
tfloOO
1;)000
FUIITA
gRecebca mau grande sortimento de mu-
ecas pora piano, e piano e canto, e tambern
opera
jara piano e canto, e tambem es molhcres
oedacos para piano s composito do illas-
ir compositor brasileiro
Carlos Gomes
me tanto furor fez na Italia, e boje faz no
tio de Janeiro.
A' VENDA
A. J. de Azevedo
RUA DO BARO DA VICTORIA (ANTI-
_____ GA RUA NOVA N. 11).
O Bazar da Moda receben novo sortimen-
lo do fazendas do ultimo gosto para vesti-
dos, asekn como chapeosiobos, casacos,
borhs. ctqoe, camisinhas^ etc, etc
Coniinaa sempre o grande e afamado sor
timent'/d>: mirdezas e perramarias verda-
deiras, que tado se vende por baratissimos
precos
Dam-se amostras e manda-so em casa das
Exmas. familias o qae desejarem, rua do
Bar3o da Victoria, oatr'ora Nova.
Veada-se um cafiriole novo de daaa roda*
por eoetmodo prd{o : a ver e tratar na roa do
Jasmim d. 90.
'portas n. 53, rua Direita, 3 partas n. 53, antiya]
loja d> Braga
O abaixo assignado, dc..j deste antigo estabelecimento, teiido era visu annxeiiMr n
S% m meTJe ferrageD8' mindezas IJ '"". m remitido mandar boar em
diversos pentos da Europa os melhores efectos de seu estabelecimento dof Kaiit
mais eonhecides; pelo que convida ao respei.avel publico eTsu^numerosos rSnezS !
m S^ra8e,r,r dS .bje0tOS *fna careDCia' aBnd0 encoBtraro por ZZ OO.0To ote:
a? 1 (|ua'('a^r nm sortimento completo de mach.nas para desearoear aleodao '
do bem conhecido fabricante Cottorr Gra & C, ditas para costara motores oara anima'
&! ^!;fog0A moiaho? Pira caf de tod< os tamanbos, da fabrica do iapl espingardas de
-Ir^PS!'. Umt0 1Dl?za9. ("no. francezas, louca de porcelana, facas e garios
ea tira qaalqaer parte, nm sortimento completo de marineas para descarocar alcoda
ahecido fabricante Cottorr Gm de C, ditas para costura me
. ..'in. mninhna nin K-tt Aa tA~i .. ------1... j- *.t__
dous caaos
ment rSt Th 6f m}b,i **** fue,eiro > Mi >no encontrarlo corlante-
mente grande porcao de fogo do ar, e recebe-se encommenda de fugos de vista alem de
cem numero de objectos quo se tornara enfadonho numera-l. : wnham ra
5J, loja de Lenidas Tito Loureiro, autiga loja
do Braga.
nm
Direila n.
SGOBERTA
bovidade.
S vis b r.lariB* fftra senioras, grande quan idade ;'e j< stos.
utLntMM bopiadas para senhoias muiomoierna, g ai de variedade.
cnirpmcios e ma w.'d,1as om todas as teraora?.
Cstaifas fara bon*. bordadas, litas, e colleiinbos. competo sortimento,
|^nv*;S de oambrwa bonlados, lisos roe barras.
**, oS de ve!lodo>;Palna> meriti, fl'ro, o que na domis modernoe lindUsimc
C-rtinados brrdados, h ricas colchas de seda, e < Bsregps de pbantasia, fazeod-a propria para baile.
Tari; tanas decores com palmas lindsimos ros'os.
Bi.rt)s ce c- rea par-a sentioras.
Gravatas |ara bomero, grande soitimento em fitios ec res.
Brtifni a-, espuiSu e bramant-j de todas as la guras.
Laayinhas de modernos pndrrjsse iodos gostos.
Meioi iia in ia faaeoda in^iraannle nja para restiioseda lindo effeito.
v malmeme rcui e sie estabe'e. imeMo ludo qne de Belhor e mais moderno se pode
encoDtrfr en-fazenJas como om perfumaras finas, d:s quae* tem um corop'eto sor-
'WD. AOSCAVALHEIfiOS
erece iiualnetie a vattagem deencontra em oeste etabeUcimeuto:
Pannos finos, pretos. e d cotes.
Ca^ertiiras pn tas Boas, e rici s porgeroes pari coilele.
Ditas -e cores, de qiatroi, lisos e de lisias, completo sortimento.
Biins brancos ae l.nro de t< das s qualidades.
Diti s Um l^bil artista par; cortar e dirigir qoalqte- obra, que s se eoirega a contento
do freuez.
Urna modista igulm?nte eccapa ia nos irab^lhos do PAVILHO DA AURORA, di-
rige os que lbe sai coi cementes, a^romptando a capricho qualqner TOILET, ganntin-
do-se a mais completa perfeico nos seus irabalhos.
Em resumo coijcluimos
Por chamar attercao lio respeitavet poblico para o nesso eslabelecimento, que
de'ter tu o que se pode dpspjar pm fazendas e perfomarias tem o mais COMPI FT(
TINENTO E ROUPA PEITA. pa a homens e meninos. MaoJam-se
casa das Exmas. farei'ias, e d?m-Fe amostras.
Um complete sortimento de esteirasda India, por menos preco que em outra aual-
qner parte. H
Aberta das 6 horas da,,manhaa s 9 horas da noute.
alen
FTO SOR-
as fazendas em
Eival sem segundo, Eival sem segundo
RUA DUQUE DI? CAXIAN X. 49
HUA DO DUQUE DE CAXfAS N. 49
intifr'M'll d fiii*ini (Anugd rua UO yueiUIdj as miudezas pelos baratissimos precos abai-
Contina a vender tudo muito bom e. xo declarados, garanndo ludo bom e pre-
| eos admitidos.
120 Dtizias de paitos seguranza a____ 120
Duzia de palitos seguranza caixa
500
muiio barato a saber:
Libras de areia preta muito boo. .
Tesouras finas para unhas e costu-
ra a......., .
Papis de agnlhas francezas a ba-
lo a.........
Caixas com seis sabonetes de fruta
Libras de la para bordar de todas
as cores a.......84000
60
1*000
avo ? 1 -f DELSUC qae boje aprsela ao publico, depois, porm, de um severo
fn,nnf.l .re!l!irada8 exPer,enwas' ,fcndo y *" ^ <\ possue urna saperioridde
nnr^ 6HaidaS ", .8 PreP,ar3,;es' que at N tem apparecido, recommeS-5S
por sua bondade, e pelo brilbante lustro que prodoz nos cbelos, tirando immedialamen-
te todas as caspas e coceiras, fazendo com que appareCa em bom estar impaeavel
Esta agua compe-se de substancias cuidadosamente escolhidas, nurifieadas a
confeccionadas com o maior cuidado, e almdis:o combinadas de
nma acco verdadeiramenteefficaz. consoladora, e benigna.
Derrama-se esta agua na caneca, e esfregase levemt
os caoellos impos e com um brilho magnifico.
Deposito -
smente em casa do autor, Andr Del.-ac cabeeireiro do Paris.
Ba Io de MarQo (antiga Crepo) a. 7 A Io andar
remente
modo tal a dar-lhe
immediatamenie ficam
CONFEITAMA
Carriteis de linba Alexandre a.
Frascos com azeite para machinas
Oravatas de coresjrmuito finas a .
Crozas de boteC madepersla i-
nissimos a.......
Novello de linha de 400 jardas a.
Caixas cum 100 envelopes muito
superiores a......
Pentes volteados para meninas a.
Tmteiros com tinta preta a 80rs. e
Pecas de fita elstica muito fina a
Lata com superior banba a 100 e.
Frascos de oleo Philocomo muito
fino a.........
Frascos de macagperola a. .
Frascos de extracto muito benitos a
Duzia de sabonetes muito finos a.
Sabonetes inglezes a 600 rs. e. .
Frasco com agua de colonia Piver a
Dito de oleo baboza a.....
Caixas de lamparinas a. .
Sabonetes a forma menino muito
superiores a.......
Carlilhas da doutrina fazenda nova a
Libras de linba surtidas de todos os
amaros a.......I 800
Capachos muito bonitos e grandes a 700
Carriteis de retroz preto, com 2
oitavas a........ iO
Agulheiros de osso enfeitados a, 240
Libra de linha franceza superior
qualidade a.......242G
Caixas de pauto do gaz a. 00
100
500
500
500
60
00
200
800
240
500
720
10200
500
500
40
240
400
320
320
320
000
500
160
SOO
100
700
400
500
DOS
ANANAZES
Rua da Cruz u. 16
AMENDOAS confeitadas:
nm v 6mPM a u ,1 u. comeadas: jaropes refri-
BOLINHOS para cha; pao de lo; boljo. gerantes; vinho Bacellas, branco e fin o
inglez; pastis de differentes quaiKbdes; propno para mesa; vermooth : absvn io
em cognac; vinhos finos, champagoe '
doces de fruclas,
barrilinhos em latas.
CAIXINHAS com amendoas e pastilbas,
proprias para presentes ; cb preto, miudo,
de superior qualidade ; latas com pecegos
14000.
PAPIS para orles," ditos
para cobrir bolos.
PRESUNTOS e fiambres.
vendados
RECEBEM-SE oncommendaa de bandejas com bolinhos, com armacao de as car e sem ella ; de pao de lo e bolos enfeitados com disticos e sem ellos; e de ontros
muitos objectos proprios para grandes janlares, bailes, etc., etc.
irqMo par U' Aigouo-i imrt fciu rMUhado u ofOsi
T 4 iU0*tar^U toda* M *uas,M)redades, okendo m Znia^
.Wpelfoiconse-. propriedades, "Ltendo
. e con. facihdadr -nlfelaito V
w
Ofendo "bajito
ir t astlgnatura io ludo. que la Md
?ART, Rut VwE&TenyU,
li:
PAR
Itfcadra.-
36.
ATTENCAO
Vende ge tima canoa de carregar 1,200 a 1,300
tijols : a tratar na rua Direita n. 101,
A 2* 00
Vendem-se borzeghos para criancas, obra bo
pelo diminuto pre^o de 2/500 : venham loja de
miudezas darua da Cadeia a. SO.
Clioeetale nacional.
Duas medalbas de prata e urna menco bo-
norifica.
tvilfa Irwdo $ C,
as a de Santa Hita u. 4
Existem poucof alimentos simples e substan-
ciaes ebmo o choc-ilatp, estimulando suavemente
os ervos, d ao ctrpo a mais puro elemento de
nnlric>o,'e ao mesmo letflpo (unifica os orgos di-
gestivo?. Tudq os roedicoi sao unnimes re-
commendar este a|in;finto corno o mais proprio e
substancial para as p8oas de complexao frca e
debilitada,
grande a...................
Frascos com oleo baboza muito fino.
Pacote com p.'s de arroz o me-
lhor rjue ha a...............
Na\ albas muito finas para fazer
barba a....................
Caix i de linha bran do gaz a..
Vara de franjas de lidho para toa-
lhas.......................
Caixas com peonas d'aco de Perry
superiores.................
Lencos d dosa......................
000 Caixas com 20 quadernos de papel
240 pautado .......
100 Caixas com 50 novellos de linha
do gaz a........
Duzias de meias cruas superior
qu3dadea.......3|J600
Pecas de babadinhos com 10 va-
ras a.........
Pecas de tiras bordadascom 12
metros cada pica a 1500 e.
Pecas de fitas para cs de qual-
quer largura com 10 varas a.
Escovas para anuas fazenda fina a
Ditas para denles a 240, 320,
400 rs. e....., .
Pe^as de tranga lisas, brancas e
de cores a.......
Duzia de linha frxa para borda-
dos a 400 rs. e.....
Pares de meias cruas para ma,'
nos diversos tamaitos a. fc .
Duzias de meias brancas muito
finas para senhora a. .
Pares de sapatos de tranca do
Porto........
Pares de sapatos de tapete a. .
Duzias de baralhos para vultarete
Sylabarios portugaezes a. .
Cartees com colxetes carreras a
Abotoaduras para collete diversas
qualidades.......
Caixas com peno a de ac muiLo
boa de 320 a......
-Caixas com superiores obiei.s a.
Duzia de agulha para machina a.
Libras de pregos francezes todos
os tamanhos a......
Pacote de papel com 20 quader-
nos ...........
Resma de papel pautado superior
Resma de papel liso muito supe-
rior a...........
Rna Os propnetarios desie bem conbeeido estafce!*-
cimente, alm dos nitos objectos que tinham ex
postos a aprcriacSo do respeavel publico, man-
daram vir e acabam do receber pelo nlflmo vajjor
da Europa um completo e vanado ortimen d
Anas e mni delicadas e?prcialldades, as qaaes et-
tao resolvidns a vender, como do seu cosame,
por precos mui^to baratinhos e commodos para to-
dos, com tanto que o Gallo....
Muito superiores- lavas de pellica, pretas, bran-
cas e de mu lindas cores.
Mui boas e bonitas goliinhas e pnnhos para sa-
nbora, neste genero o que ba de mais moderno.
Superiores pentes de tartaruga para coques.
Lindos e riqni?simos enfermes "para entecas d*
Bxmas. senhoras.
Supt riores traocas pretas e de cores coa vidrv
Ihos e sem elle; esta faieuda 6 o que pode havw
de melhor e mais bonito.
Superiores e bonitos leques de madreperola.
marffm, sndalo e osso, sendo aqueiles brancoi
com lindos desenhos, e estes pretos.
Muito superiores meias li'/ o Escosaia para g^-
nhoras, as quaes sempre fe veiidcjam por 30#00('
a duzia, entretanto que nos as vendemos por Ki.
atm destas, temos tambem gn.nde sortimento d
outras qualidades, entre as quaes alguoaa nraik
finas.
Boas bengalas de superior carina da India
castao de marflm com lindas e eiu-antaoaras figo
ras d mesrao, nesto ronero o ojie de melhor m
pode desejar ; alm iloslas tiiiio3 tambem graed*
3uantidade de outus quadadoj, como sejam,ra-
eira, baleia, osso, borracha, ate. etc. etc.
Finos, bonitos e airosos chicoinbos de cadeia
de outras qualidades.
Linda3 e snperiores ligas de seda e borrad!
para segurar as meias.
Boas meias de seda para senhora e para mec
as de 1 a 12 annos de idr.de.
Navaihas cabo de marlim o tartaruga para farer
barba ; sao ninito bnas,-e de.mais a mais sao ga-
rantidas pelo fabricante, e nos por nossa vez tam
bem asseguramsg sua qualidade o delicadeza.
Lindas e bellas capellas para r.oiva.
Superiores agulhas para machina e para croxa
Linha muito boa de peso, frouxa, para encbtr
labyrintho.
Bons baraios de cartas para voltarete, iim
como os tentos para o mesmo fin.
Grande e variado sortimento das melhores per-
fumaras e dos melnoros e mais eonhecidos per
fumistas.
COLARES DE ROER.
Elctricos magnticos cunlra as convulsoe,
facilitam a denticao das innocente* iTianea?. Se-
rnos desde mno recehedores defle prodifioew
collares, e connuaiiws a recebe-los por toaos m
vapores, am do que nunca falim no mercado,
tomo ja tem acontecido, assim pois podero acuel-
les que dees precisaren, vir ao deporto do galle
vigilante, aond? sempre encontrarSo destes venia
deiros collares, o os rjnaes attendpndo-se ao mx
para que sao applicados, se vendero enm um mm
diminuto lucro.
Rogamos, pois, avista dos cbjectos que d6ixamoi
declarados, aos nossos freguis e amigos a virens
comprar por precos muito r^Toavpis j ota do pall<
vigilante, rua do Crespo n. 7.
2000
500
500
500
40
500
320
4500
2f50O0
1<5500
3^000
400
20
400
50C
40
2*000
240
400
4.J000
3,5600
FAEINHA
de trigo a 5000 a oarrica : no armazem Ba-
liza, rua do Livramento n. 38.
Vende-se
Primeira qualidade l|J leil. 800 rs.
Homeopatba l|8 kil. 1*V0
He-panhol i|2 kil. 800 is.
Vanojlle 1|2 kl. 1,5000.
Al meia arroba rar-se-ha abatimento de IOOiO
e de arroba para cima !l> 0|0
Cafe mwido &l vapor
garanjidfl sem miatora AfiOO rs. o kil., em maior
qnariiWide tert brtlments de 12 tfio.
fWBemhapaOBteelif kH. empacla do em
papel de euiatto para ae e-servar sempra frese.
vinho do Porto engarrafado velho edo exeellentes
qualidadei como sejara : Ha-tardo, Malvaeia, Du-
que do Porto, Duque de Cnxias e outras marcas
bem conbtcidas, assim cerco em barril de 4o, de
o* e ancoretas : n.i eseriptoria de Soares Primos
roa do Vigario n. 17.
ni.ia Koaa^n. 8, vende-
riadaa de cauro de
tas ditas ditas
fl Ro;-. nte-rheumntioo.
Remedio effleacissimo contra as dores rheuma-
ticas at boje o m*L coaliecido pelos teas mar-
vilhosos resultado?.
XAROPE DE AGRIAO.- um dos medicaraen-
tos que sua eflicacia as enfermidales, tosse e
aaapK pela bocea, broochites, dores e fraqueza
no peito, eseriuto e moteslias de figado, qae me*
Ibor lea aprevado.
TINTURA DE MARAPUAMA.- A celebre raix
d marapnama, cuja euergia e efflcacia as para-
Ivsia, ujrpfcir.iemo, etc. etc. muito ae iillOM
asida.
Todos essej preparados se eucontram^na nhar-
macla e dtogaria de Bartholomen & C.. nniM de-
posito na rua larga do Rosarlo g. 94,
D cordeirc pi evtdent*
Rna Novo e vai'iado sortimento fie perumfni
finas, e entros ohjcc'.os.
Alm do completo rartieato de per:
marias. de que effectivamente est pr^ilr?
loja doCordeiro Prevflerjie, ella uari -
receber om orrtro nwijmo qr.-' m- I
ootavel pela variedade deobj^ios, sn--1
dade, qualidades e BumtnodtSain d
eos; assim,pois, oCordein, P^viaPt- pai
e espera continnar a merecer a apreciacl
do respeitavel publico em geral e dn
boa fregoezia em particular, Obi se ;:':
tando elle de sua tem oonhecida aaaitici
e barateza. Rm dita !o.i- watlwi'ifl
apreciadores do bom:
Agna divina de E. Coudray.
Dita verdadeira de Mnrray Lamawn.
Dita de Cologne ingleza, linrruftM. raj
ceza, todas dos melhores e maisacreid.
fabricantes.
Dita de flor de larangeiraa.
Dita dos Alpos, e vilete p-ra toet.
Elixir odontalgicc para coiicervacS t.
*sseio da bocea.
Cosmetiques de superior ouaii;'ado e ch
ros agradareis..
Copos e lats, maiores e msMrt, coi
pomada fina para cabello.
Frascos com din japoniza, transpareni
e ontras qualidades.
Finos extractos toleees, ai^Ticanc
francezes era frascos simpl'3 eeafctodos.
Essencia imperial do fino e agradavel cb*
ro de violeta.
Outras concentradas e de cheiros igtia:
mente finas e agradaveis.
Oleo philocome verdadeiro. %
Extracto d'oleo de superior qualidade
com escolhidos cheiros, em frascos do diff*
rentes tamanhos.
Sabonetes em barras, maiores e menor*
para mos.
Ditos transparentes, redondos e em ift
ras de meninos.
Ditos muito finos em caisinha para barb
Caixinhas com bonitos sabonetes imitac
frnctas.
Ditas de madeiri invernisada costeado f
oas perfumarias, muito proprias para pn
S6ntes.
Ditas de papello ignalmente bonitas, twr
bem de perfumaras finas.
Bonitos vasos de metal coloridos, a i
moldes novos e elegantes, com p de urr*
9 boneca.
Opiata ingleza e franceza para dentei.
Pos de camphora e ontras differenU
^rnaUdades tambem para deptes.
Torneo oriental de Kemp.
Aluda mas eoqoet.
Um outro sortimento de coqaes de ttt
vos e bonitos moldes com filets de vidrh*
3 algnns d'elles ornados de flores e ftai
estSo todos expostos apreciaclo de (jn
os pretenda comprar.
GOLLINHAS E PNHOS BORDADOS
Obras de mnito gosto e perfeico.
FIrelias e fitas para ciato*.
Bello e variado sortimento de taes obje;
tos, ficando a boa eacolha aofosto do i
prador.
JoaquimRodrigues la-
vares de Helio,
TEM PARA VENDER
era gen eserlptorio, praca do Corno'Sallo
n. 17 :
Fumo em folha
de i* e qualidade, e vende om oa mais
fardos a vouiade dos eoopradoaaa.
Cal de Lisboa
al tima ctwgada.
Potasa daEussia.
Farlnha de mandlaea.
Vinho Bordeaux.
de i* snalidade. fado de vende m* \
barato te que em outra quaquar parte-
da primeira qualidade, em caixas : vende-e es
can de T. Mm C.
^'.#w*|



^*
M,
8

\r
Diario
de Pernambnco Sexta feira 2 de"

rey.en.bro e J87()
_________________________:____________________ii
1JTTERATRJL_
DESTINO
DHM
DO
POR
Mayne Reid
(Continuacao)
O general coosartra-ft de p. com os
oibos injeclado? d* sangue ; os labios fer-
barba erieada. Durante algum

renles,
tempo pareceu decidido a fazer prendar o
estr-ngeiro, afim de o punir da sua auia-
i'ia, mas depois resolveu o contrario pen-
le a ila do mo elloilo que o caso pro-
daziria.
Escreve a Henrique ? pergnolou
Nigel, como quem coolava com a negativa.
Nem urna pala ra. Collocou-se em
ms circunstancias por rulpa sua; agora
que se arrauje. Quinto historia dos sal-
teadores...
Ora, iso nm merece discuss3on-
terrompeu Nigel.Os salteadores em cojo
poder elle se acha s3o os parsitas, os es-
troinas de Roma: soccorreram-se a este
procurador, se que o para realisarera
tira bem urdido plano.
Oh! meu Oeus! Desgracado rapaz!
exclamou o genpral.Associar-se a se-
melhautes creativas, prestar-se a un tai
contato e contra sea proprio pai I...
B, soltando um sentido ai, o veterano ca-
liio prostrado sobro um snph.
S.) eu llie escrevesse. meo pai ?
acudi Nigel.Apenas algumas palavrasern
que Ihe lizesse sab-r a magoa que causa a
meu pai ; talvez um bom consellio o coa-
masse ao verdadero c.-.minho I
Faz o que quizeres, mas eu nao creio
na eflicacia do expediente.Ah Lucia.Lu-
cia, infeliz esposa Se frsses viva, nao re-
sistiras a este golpe !
E>l exetunaco foi soltada em voz un
perceptivel e antes de Nigel dexar a .-ala
da comida na intengo de escrever a caria a
Henrique, a qual nessa mesma noite foi re-
digida e entregue ao procurador. Fiel a;>
compromisso, o italiano conservou-se ni
hotel at depois do meio dia, em qu> foi
para a estago visinna. afim de se dirigir
cidade das sete colimas.
XXVII
VIDA INTIMA DOS SAI.TEADOHKS.
Henrique esteve alguns dias encerrado
na sua prisao, sem ver outro rosto huma ni)
alm do do salteador que Ihe servia i co-
mida.
. Era este orna especie de auloraato : tn-
m I lie o frugal alimento acompanbado da
tnlha d'agna e voltava costas sem dizer urna
palavra.
As diirerentes tentativas feitas pelo jovea
metes para o ievar a descerraros labios to-
nta >colhi(Us com indifferen<;a completa ou
lirulalinente repeilidas.
Heirique vio se. forjado a renunciar au
sen intento e a comer tambera em siten 'o.
Somente de noite gosava de completa iran-
qulidade.. Durante o da o sussurro exle
rior atordoava-lhe osonvidos, sem embargo
.la estreiteza da janella, em frente da quai
era o ponto de rennio favorito dos saltea-
dores, que all passavam a maior parte do
lempo. Era neta consumido do jogo e em
.lisputas. Nao decorria urna hora sem que
se sus itsse algnma polmica, degenerando
en luta particular ou geral. Enlo ouvia
se a voz alroa tora do chefe, e as or lens
terminantes, as maldices e as pancad s.
ilutas vezos ouvia-se resoar o estampido
ue um Uro de pistola, seguido dos gemidos
de aiguem. Opven inglez lembravase du
que acabavam de infligir o castigo a algum
'U'li'iquente, por isso mesmo que em segui-
da havia um longo silencio, como o que se
cede quasi sempre a um caso de morte.
M s esia borrivel impresso logse des-
\ anecia : os salteadores nao tardavam a re-
comear o jogo favorito das cruzes ou ca-
obos.
Reoriqae, collocando se nos bicos dos
, segua as peripecias do jogo, o qual
ixistituia a principal distracc>j da qua-
drilh
Na-; sortidas ao campo o salteador de
Italia tem outras dis'racces. A sorpreza,
a captura, a fuga da tropa, s vezes urna
escaramuza, sao incidentes bstanles para
os livrar do aborrecimentp. Este nao pesa
sobre o salteador seno quando o di beiro
da*aal resgate, depois de distribuido entre
iodos, se toma propriedade s de alguns,
gratas s inevitaveis alternativas do jogo.
F. ento que o salteador comeca a htigar-se
da sua inacQo e a meditar novos planos de
xpedicoos. laes com > o saque de algums
opule .ta quinta ou antes a detenco de
qualquer galantuomo. cejo resgate Ins en-
che as algheiras para logo se despejarem
por raeio do jogo.
O joven inglez pode estudar vontade a
existencia daqaetles horaens emperpetni
hostilidad^ com as Mi.
Entr a elles e o chefe havia urna pequea
distineco. Em geral a presa era dividid*
igualmente, asaim como igua mente se re-
creavam ao jogo. Cervino sociava sem re-
buco com os seus subordinados agrupados
em volia de urna mesa de verdura e aven-
tura va como elles os seus pezzos : o jogo.
\ autoridade nao prevaleca seno para o
effeito dus castigos. Nioguem Ihe contesta
va o direito de dar um murro ou orna bas-
tonada, porque essa correcgo poda logo
ser convertida n'uma punhlada ou n'um tiro
de pistola. A sua ascendencia sobre a qna-
drilha poderia provir de ser elle o organi-
sador primitivo delta, mas a causa principal
derivava-se de ser o mais intrpido e san
guinarij do bando. Um chefe de salteado-
res fraco pooco tempo se pode conservar no
posto.
O que mais preoecupava a attengao de
llennqoe eram as malberes, as baniiitas.
Havia na quadriiha ornas viole. Henri jue
ao principio julgava se serem horaens, por-
3uanio os fados pouco differiam dos delles,
enunciando se apenas pela falta de barba.
Usavam jaqoea, collate e calce3, trazendo
a mais daquelles urna profuso de ornamen-
tos em voila do pesclo e aunis nos d
dos. Algumas andavam litteralmenle carre-
gadas de joias, perolas, rubis, topazios e
bi libantes, despojos dos delicados dedo; de
mais de orna rci signorina. Os cabellos
cortados curtos, como os dos bomens
Muias asavam carabinas, e todas punhaes e
pistolas, de forma que nao podiam distin-
guir-se dos companheiros senSo por urna
certa rotund'dade da formas, que, anda as-
sira, n3o era geral. Nao Ibes era permiliido
jog-irem, uorque tambem n5o participavam
do producto da riscatta, mas tomavam par-
te nos perigoa das eipedices armadas. No
remanso domestico trocavara as armas pela
agolna, mas raras vezes se entrega vam ao
frabalho de lavar roupas.. Eitae func^S, i
consi.erada? interiores '. dignidade de urna
banilitta, uni confiadas is nwherfe de
campoaezes sggregados quadrilba, sem,
todava, faterem della parte integraate,
a s quies s* dava o nome de rmnHtengot
ou auxiliares.
Nos primaros dias do seu captivetro po-
de o joven ingl-'z faier todas estas obserra-
?5os e m lis a n la pre*en;iaria, se a janella
nSo fivs trio alia ; mas, forjado a collocar-
se nos bicos dos ps. s adoptiva amella
postura quando algum f.clo mais curioso o
fiaba despertar da-sna cama de fothagem.
XXVffl
NOTICIAS fOOOi ANIMADORAS.
I);correram uiuios da* sem que hou
vesse alterarao no esta^l do prisioneiro, o
qual chegou a convencerse de que o seu
capliyeiro n3o era um simples grac jo, mas
que amearava prolongar se indelinidamente.
Desde esse momento foi forgadi a prestar
f s historias dos salteadores, as quaes ou-
ira contar no* primeiros dias de perma-
nencia em Roma e a qm nio dora maiscri
dito do que Ihes davam os seus incrdulos
compatriotas. Agora era elle um triste
expropio da sua aothenticidade comecava
a exasperar-se contra o seu amigo Luigi,
coja carta de.apresentaclo o collocra na-
qiulle extremo. Esta carta conservava-a
elle ainda, porquanlo os salteadores se ba-
viam limitado a trar-lhc o dinheiro e as
joias.
Com o nico fim de passar o lempo, li-
rn-a da algibera e poz-se a le-la. Um pa-
rarapbo, que ao principio Ihe merecer
pouca atteocSo, im[iressioaava-o agora viva-
mente.
[levo crerdizra a cartaqm minha^
irma Lucelia est urna mulher adulta; ve-
lem solcitamente por elia at ao meu re-
gresso. Espero para enlo pode-los ir bus-
car a todos e arranca-Ios ao perigo que nos
tem amcacado.
Quando Henrique Harding, dnrante a sua
viagem, lera aquellas phrases, n3o Ihe ligou
grande importancia; supp z que ellas se
referiam situacao pouco favorecida da
fortuna em que se achava a familia do seu
amigo, o qual esperava melhorar'.h'a em
breve, gratas ao producto do pincel. A'm
disso, B:lla Mainwaring preoccupava-lhe
fineta o espirito bastante para que elle o
applicasse a qualquer ootro object >. Mas
agora, a'.li encerrado, tendo presente na
imaginaco a formosa irm5a de Luigi, que
vira no primeiro dia do seu captiveiro, Hen-
rique cumecou a interpretar diversamente
aquel'as phrases ambiguas. Quereria Lu'g
fallar da falia de recursos pecuniarios? Re-
ferir se bia ao perigo natural a qae eslava
sujeila a formosa filha do syndico ?
Era a hora do por do sol. A escuridao
cada vez mais profunda que invada o car-
cere do prisioneiro obrigra o a fechar a
carta e mett-la na algibeira. Todava con-
tinuav i a meditar sobre o seu contedo
quando onwo vozes da parle de fra. Todo
o que p)de-se combater a monotona da
sua recluso o despertava, at mesmo a
conversa dos salteadores. Aproximon se,
pois, di jane la e applicou o ouvido com
tanta mais perseveranQa quanto Ihe pareceu
distinguir um nome familiar.
Njo foi precisaraen'e o nome de Luigi
Torreaniqne salvo da bocea dos salteadores,
mas um outro que tioha relacSo com elle
o de Lucetta.
Henrique Hirding daba militas vezes ou-
vdo o seu amigo fallar da irma. Escotou,
pois, c >m in'.cressy. Nao faltariam talvez
outias Lucelias por all, mas a predisposi-
c.30 de espirito em que se achava levou-o a
acreditar que se tralava daquella que o in-
teress3va parlicularmente.
E isso ter lugar na nessa prxima
riscatta,diza o salteador que pronun-
ciara o nome de Lucelia podes estar
certo.
per rhv:' pergunlou o outro.O
vellio (ydico, a despeito do seu orgolho,
nao poderia pagar o resgate d.) um gato.
De que servira, pjis, tal presa?
D qo ? Isso i com o chefe. O
que cu sei que a rapariga Ine deu no
goto. capaz de a roubar, sem mesmo
temer as furins de Popetta. Nao sei se te
lembras da scena do valle de Main* entre o
chefe e a digna esposa, por causa da filha do
aineiro Pfcli, a qawa Corvino den um col-
lar, o qual, quando Popetta o reconheceo,
Ih'o arraocou do cello, fazeudo-a prostar aos
ps, e dep is pucliou de um punhal para
elle.
Ah! sim, e traspassa-lo-hia, so elle
se nao desculpa ed ao negocio o carcter
de brincadeira, o que a tra iquillisou um
ponto. Mas que furia I Cosprlto Os olhos
scinlillavam-lhe como lavas do vezuvio !
E a rapariga fugio ?
De certo, e nem Corvino se atrevera
a erguer os olhos para elle mais perante a
esposa. Quanti, porm, filha do syndi-
co, o casle diverso. E' urna joven de ou
iro na cimento, qfbe o olha com indilleren-
ca, e mais um mo'i o para elle se apaixo-
n?.r por ella. E, realmente, Lucelia Tor-
reaai formosa quanto possivel!
Dito i>to, foram se^altastanJo.
Henrique otivira a conversa dos salteado-
res e sentia-se como ferido de um raio. A
joven a que se referiam era a irma do seu
imigo, a encantadora crealura que contem
piara janella e que constitua o objecto de
seus pensamentos.
Henrique, vergaodo ao peso da affliccSo,
alirou comsigo ao seu leito de folhas.
XXIX
THISTKS REFLEXES.
O joven inglez conservou-se muito tempo
n'um estado prximo do desvario. Pouco
Ihe importavam agjra os infortunios pausa-
dos ; o que o affligia era a idea do perigo
que ameacava a irma do seu amigo, aquella
formosa creatura que apenas vira por alguns
momentos, mas que o:cupava um lugar to
dislincto no seu corceo. E nao eram va
as suas appreh6nses: por experiencia pro-
pria conhecia elle o carcter dos salteadores
e a sua poderosa influencia, tanto mais ter-
rivel quanto aquellas homens, fra do al-
cance da jei, nada teraiam. Um crime mais
nao augmentava a conta qae deviam i jos-
tiQa e para o c ^mmetter n5o careciam senSo
do ensejo. O motivo podia elle ajuiza-lo
desde a ooute passada com os salteadores
na aldeta; a conversa que acabava de ouyir
dissipava Ihe todas as duvidas. Cervino* vira
a irraaa de Luigi Torroani, apaixonando-se
por ella ; o resultado nao podia prever-se.
Quanto ao ensejo, a quadriiha traba meio
de o deparar. A aldaia assemelhava-se a
um rebanho sem pastor. As dtgress5es dos
salteadores, a sua seguraocr absoluta offe-
reciamlbes ensejo de fazerem o que quizes-
sem. N'um momento podiam reatisar o seu
ptoo-; usaalmente execatavam elies as suas
operacoes estratgicas com uau celeridade
e destrua incriveis.
Corvioo e a sua quadriiha podiam routjar,
quando les aprouvesse, a irmia de Luigi,
bem como raetade das jovens ale.Vade de
Orno, sem perigo de defesa. Em resultado
seriam perseguidos talvez pela forca publica,
mas infructuosamente.
Henrique tivera em temp raformac5e*
do estado do banditismo na Italia, e por
isso nao Ihe restava duvida sobre o perigo
que corra Lucelia.
Lembrou-se que urna nica pessoa poda
salva-!o da desgraca : era Cora Popetta. O
pensamenlo de Henrique fixeu-se, pois, na
mulher de Cirvino.
Se estivesse na sua liberdade, nao care-
cera de esperar por urna to incerta pro-
teceo, mas que elperanca podia ter elle
na sua libertacio ? Convenceu-se de que
nao sahiria do seu cancere seoo para ser
encerrado n'alguma prisSo mais segura
ainda ate valia do mensageiro mandado a
Inglaterra ou ao pagamento do sea resgate.
Pela primeira vez se elicitava de ter obe-
decido a Corvino. Se quelle tempo sou-
besse o que sabia agora, nao teria carecido, qualquer pessoa que !o pranleie !...
estrada fra orna Iraga flleira, em perse-
guico. areva*etmeme djs-stUeadores.
San, mas nao os agarrara. Nunca o
consegairam. Cheg>m sempre tarde Af-
fasta-te da janella, minha til lia ; eu vuu sa-
hiNhes ao encontr. Hio de querer qoar-
teis, comida e vinho, e o peior que nada
pagam ; por isso os nossos aldeos prefe
reas dar hospitalidade aos salteadores, que
ao meqos saldara regularmente as suas
cuntas. Mesmo assim, importante o lu-
gar de syndico n'esta localidade ; se o ve
Iho Bardoni auizer. ficar senhor das mi-
nhas propriedades e igualmente do empre-
go. do qual por certo sabara tirar mais
proveito do que eu.
Assim fallando, o syndico tomou o bas-
ti, sua insignia, e, pondo o chapeo, sahio
apressadamente a receber os soldados.
L vem om offlcial exclamou Lu-
cetta, espreiundo jaie.laSe elle tivesse
coragem para arrancar o formoso inglez ao
poder dos salteadores, muito agradecida Ihe
cana eu Potero pltore! Justamente
como meu irmo. Quem me dera saber
se elle tambem tem alguma irm3a ou outra
Mas
de ser rogado para dramatisar o apello que
dirigir ao pair Agora tinha urna esperanza
de ser attendido e de que o resgate viria
dar-lba a liberdade, e ] fazia planos do
modo por que se aproveitaria della.
E se o resgate nao viesse ? Esta proba-
bilidado era lgica. At certo tempo a
recordaco de Bella Mainwjring torora-o
inditlerente s adversidades da vida ; agora
pensava araar^uradamenle ua sua desher-
daf5o. na recosa de seu pai em Ihe adiantar
a miseravel somma que constitua toda a
sua legitima. Nao poderia elle igualmente
recnsar-se a pagar o resgale ?
u offlcial ecaminba se para aqu com meu
pai e acompanha os outro efficial mais no-
vo ; provavetmente slo nossos hospedes
para o jantar c nao tenho seno alguns ins-
tantes para me toucar convenientemente.
Momentos depis deixava a sala, que de
pressa foi oceupada pelo syndico e pelos
dous officiaes, seus hospedes.
XXXI
0 C.IPITO CONDK GUAHDIOLI
A aldeia de Valle de Orno acbava se mi-
litarmente oceupada. nao sendo, portanto,
de re;eiarnova visita dos salteadores.
Os soldados, un numero de nos cem,
Submerso n'-este cahos de reftex5es pe. torara aboletados por causa das principaes
nosas, o prisioneiro passou sera fechar os
olhos longas horas da noute, ora estn lido
no leito de folhas; ora passeiando na es-
treta prisao, na esperanca de que a loco-
moco Ihe sobreexcitara o espirito e lbe
dara ensejo de conceber um plano de sal
vacio psra Lucetta Torreani.
Quando raiou a aurora, nao chegara an-
da a resultado algum. Teve, por tanto,
que repousar sot> a fraca esperanca de ver
chegar o dinheiro do seu resgate e na falta
d'este sobre a duvidosa proiec?ao de Po
petta.
XXX
A FAMILIA TOBREANI
Na noute em que os salteadores invadi-
rara o lugar de Valle de Orno o syndico
foi prevenido de um facto qie Ihe mspirou
os raaiores receios com relaco ao futuro.
A audaciosa empreza da quadriiha era
por si bastante para o convencer de qae
elle nada podia, no caso dos salteadores
quorerem violar as leis da hospitalidade.
Francisco Torreani logo comprebendeu
o alcance das vistas de Corvioo a respeite
de sua tilha. Bem conhecia elle os atrac-
tivos da sua notoria belleza, que dera bra-
do em Roma, onde Lucetta recebeu as bo-
menagens dos mais distractos titulares.
Corvino vira Lucetta Torreani duas ve-
zes, e o syndico comprebendeu que estas
vezes j eram de mais e que o terceiro
encontr po lia lanzar o loto na sua casa.
Nao podia suppor-se que a joven favo-
recesse jamis as vistas de um salteador ;
pelo contrario, era sabido que ella nutria
por aquello mUeravel o mais bem merecid
despreso e aversSo. Era, pois, o princi-
pal objecto da praoccapacao do syndico o
modo de evitar um novo encontr de sua
filba com o salteador.
Ni dia da visita da
syndico algnma cousa
maneiras de Lucetta, e
Nao pareces hoje
E' verdade, meo
Ests incommodada ?
Verdaderamente nao, mas pens em
algunm e sinto-me triste.
E qoem esso algnem, mnha que-
rida filha ?
E' aqaelle joven inglez prisioneiro
dos salteadores. Lembra-me que meu po-
bre irmo se poderia acbar as mesmas
circumstancias t
E' verdade !
E que Ihe podo acontecer ? Correr
risco a sua vida ?
Nao dire tanlo, se os seus amigos
Iho enviarem o prego do resgate.
Mas se elle nao tiver amigos, como
bem pode sucGeder ? Vinha muito mal
vestido, e, todava, tioha aspecto de um
galantuomo. N5o Ihe parecen, meu pai ?
Nao reparei bem, minha filha, pre-
oceupado como estava com os negocios da
nossa aldeia.
* Sabe, mea pai, o que disseram esta
manha nossa criada ?
O que ?
Que aquelle jovcn um artista in-
glez. .,
Nao duvido ; os inglezes residentes
em Roma sao, pela maior parte, artistas
qua vem esludar as nossas pinturas e es-
culturas de antigos tempos. Lamento
aquelle rapaz, en favor do qual nada po-
demos fazer, porm maior ser a sua des-
grana, se elle fr um milord ; em quanto
quadriiha notoa o
extraord naria as
por isso Ihe disse :
a mesma, filba!
pai'
porera
ta\3, oo 011O fr Uiu uiuuiu i----
que, reconheceado os salteadores que elle
nao tem por onde pagne, talvez Ihe deem
a liberdade.
Oxal que assim seja I
Mas porque motivo te interess3S as-
sim por aquelle prisioneiro ?
E' porque me lembro, meu pai, de
que elle artista como meo irmio Luigi,
que a esta hora pode achar-se exposto a
igual sorte na Inglaterra.
NSo tenhas esse receio. Prasa a Deas
que nos vivessemos n'um paiz igual, sob um
governo onde todo seguro, a existencia
a fortuna e...
O syndicj parou aqu e Lucetta prose-
goio
Porque nSo havemos de ir Inglater-
ra ? Luigi, na sua ultima carta, falla dos
seus infehze? resaltados artsticos. Talvez o
joven inglez por aqu volte e possaraos ob-
ter d'elle algumas inf jrmacoes a respeito
do seu paiz.
Iremos para esse ou outro, visto que
ajuiza-lo i nao pode nos permanecer na Italia, ondeo
governo do Estado cara tio pooco da pro-
teccSo de seus subditos. Sim, querida filha,
nunca estivo 13o disposto a abandonar esta
trra. Eslou quasi resolvido a acceitar a
proposta que me fez o signare Bardoni de
comprar as minhas propriedades. O preco
offrrecido 6 bem inferior ao valor d'ellas,
mas em presenca das circumstancias...
Porm qae rumor este ?
Lucetta. correa i janella.
Qae ves ta f pergaatoa o pai.
Soldados--respoiwaa elU.Vea pela
pessoas e os officiaes oceuparam o Albergo.
O commandante vsa-a o quartel mais
confortavel e resolveu aposentar-se em casa
do prmtiro magistrado, o syndico. Nao
que tal hospitalidade Ihe fosse offerecida
do melhor grado, mas as circomstancas
eram criticas e nSo coavinha dar de mSo
aos defensores.
Pela sua parte, Francisco Torreani devia
tratar os soldados do papa cortezmentc,
pelo menos na apparencia. Passava por
partidario da poltica tiberal, que sob as
inspiracSes de Mazzini ten lia a restabelecer
a repblica romana. D'este modo forzoso
era haver-se com circumspeccSo peranto os
officiaes das Iropas pontificias.
O commandante solicitou a hospitalidade
urbanamente, mas de modo a nlo admittir
recusa.
O syndico teve de acceder e o offlcial
sahio da hospedara seguido do criado com
as malas, deixando assim os seus subalter-
nos vontade
Torreani acbou tal procedimemo extraor-
dinario, mas nao abri bocea.
E' um espiSo dsso elle comsigo.
Vem commissionado por Antoielli.
Todava esta suspeita era errneo : o ca-
pitn Guar lioli nao recebera rastroeces al-
gumas d'essa ordem, se bem qae, segando
as melhores indueces, se podia cror que
elle communicaria no Vaticano as a polticas do syndico de Valle de Orne.
desejo de receber hospitalidade em
casa do syudico proceda de urna idea que
se Ihe suggenra desde a primeira vez que
all fra.
Era ella das mais simples. Entrevira a
filha do syndico no momento em que ella
atravessava um corredor e o conde Guar
dioli nSo era homem que podesse ser in-
dfferente a to arrebatadora valo.
Pobre Lucetta I Assediada de um lado
por um ehefe de ladrees e do outro oor
um capitSo do exercito pontificio !
Felizmente para a sua iranquillidade,
ignorabas intences de Corvino, posto que
Ihe n3o escaparam as vistas do militar.
O capitSo Guardioli era um d'estes fa
tnos que se creem amados por todas as
mulheres, e nos circuios onde viva tnha
a reputacao de heroi de aventuras, grapas
sua triple aureola de conde, capito e
cavalleir.
Desde a primeira vez que vio Lucetta
sentio-se extasiado ; pareceu-lhe ter desco-
berlo um thesouro at alii desconhecido
do mundo e que nao resistira aos seus
altractivos.
Assim o pensou elle, mas docorrera urna
semana da sua estada all e reconheceu que
nao Azora a menor .impresso no corago
de Lucetta. E' certo, porm, que ello se
senta escravisado, por quanto o seu amor
pela joven Gba do syndico adquirir urna
tal intensidade, que j nao era mysterio
para ninguem.
Ceg pela paixo, nao carava de a dissi-
mular, e por tal modo se impunha, que
caba no maior ridiculo.
Nada d'islo escapava a Francisco Tor
reani ; assi-tia contristado a t-3o deploravel
scena, sem ter forjas para ibe por termo,
encontrando apenas lenitivo na idea de que
Lucetle repellia no cora?o as homenagens
de Guardioli.
*E, todava, nem todos pensavam igual-
mente. E' verdade qae o carcter da jo-
ven nada tinha de galanteador, mas como
era excessivamente delicada e ensivel, nao
tinha forca para tratar com indifferenca
qualquer pessoa, e por isso recebia as li-
songeiras palavras do capitSo de om modo
brando e resignado, que poderia tomarse
por sincero.
S o pai avaliava isso de ootra ma-
oeira.
XXXII
MtTOAWVV B TfrATAMttNTai '
Decorreu orna semana desde que os sal-
teadores baviam recolhido ao sea covil.
A presa effectuada achava-se mononolisa-
da por tres ou qoatro maM favorecidos da
sorte. Eram estes os mais ricos da qua-
driiha, porqaanto as montanhas de Italia,
do mesmo modo que em Hamburgo ou em
Badn, o banqueiro afinal quem rene em
si o ganho de todos os mais jogadores.
D. Fortun-i concede aos seus eqaaes
passageir. s favores, mas o mais ousado ou
o mais hbil para Ihe sustentar os revezos
quem r.onsegue domina-la.
Entre os felizes de certo estava o capito ;
por i3so se va Cora Popetta com os dedos
carregados de anneis e o eolio de bri-
Ihantes.
Nao tardou que se lallasse n'uma nova
expedico, destinada a fornecer novos ele-
mentos para o jogo favorito dos salteado-
res.
Esta expedico nao devia ser de grande
demora.
Calcu ava-se, com a ajuda da sorle, sor-
prender no valle prximo qualquer ri;o pro-
pretario que da cidade viesse visitar as uas
propriedades ou ento saquear alguma al-
dea.
Forcoso era entreter o tempo at ao re-
gresso do enabaixador enviado a Inglaterra.
O confrade britannico fallara largamente aos
collgas "da immejisa rq.ieza do general
Harding, fazendo Ihes conceber as mais li-
songeiras esperanzas sobre a remessa do
resgale pedido. Com cinco mil libras es-
terlinas, cerca de Irinta mil pezzos, podiam
elles jogar durante um mez e dormir duran-
te outro, sem se inquietnrem muito com a
tropa que os perseguisse.
A expedico era breve foi organsada, de-
vendo fazer parte della ires quartaa panes
da quadriiha. As mulheres, comprehendo,
j se v, Cora Popetla, ficaram nos ar-
raiaes.
O prisioneiro nSo se apercebeu da ausen-
cia dos salteadores seno pelo socego rea
t.vo em roda da priso. Conlinuavam as
disputas, porm s entre mulheres. As vo-
z>-s eram menos vibrantes, mas nao menos
enrgicas, e as expresses igualmente gres-
seiras.
O vocibulario, manera das caberas
tonsuradas. perder loda a elegancia. Se
Henrique Harding tivesse o espirito mai-
tranquillo, talvez se hotivesse entretido ou-
vindo as quest5es que se debatiam prximo
do seu carcere, mas agora s pensava n'uma
cousa: no estado de degradaco moral em
que pode cabir a mulher, desde o momen-
to em que se desviou do caminho da vir-
tude.
Depois da sahida da expedico, um rato
de esperanca Ihe Iluminara a prisao, ver-
dade que lo fraco como a luz qoe a estrei-
ta (resta nella coava ; porm o espirito do
prisioneiro, raarlyrisado pela escravido,
agarrar-se bia mesmo sombra, como o
alTogado a orna palha. m dessas palhas
parecen deparar-se ao joven inglez. lu'gou
ser-lhe fcil corromper o carcereiro. Nao
era este j o individuo moroso e taciturno
que at alli o servia, mas sim outro saltea-
dor, seno mais amavel, ao menos mais
-ommonicativo. Henrique conceben a idea
de fazer deste homem a'guma cousa, por-
quanto na saa conversa percebeu que To-
masso tinha alguns hstinctos bons. A pri-
meira refeico que este Ihe Irouxe nao se
assemelhava s precedentes. Em vez de
um macaroni mal preparado e inspido,
apresentou-lhe carneiro grelhado, salsichas,
confetti e urna garrafa de Rosolio.
Quem me envia tu lo isto ?pergun -
tou a si mesmo o mancebo, admirado de
tal mudanca.
Guardn as rellexoes para si at so jan-
tar, o qual foi to bem servido como o al-
moco.
carta nio tenha ama resposta affirraathr**
sea tai eqpe a falta de reawasa do:preco
do seo resgate traga* grandes despapas.
Mas dgame : a repugnancia que notei da
sua parte em assignar aquella caria funda-se
n'alguns desgostos de familia, n'algomas
desintelligencias com sea pal ?
E' isso pouco mais ou menosres-
pondeu o joven ngiez, qoe nSo via ratio
alguma para occaltar a verdade, achando-se
to longe do seo paiz.
Bem o presuma eudisse Popetta.
E essa desintelligencia de natnreza a
impedir que elle Ihe enve a riscatta ?
Talvez I
Talvez, signare I E trata estas cousas
com to pouca attenco? Admiro a sua
grandeza d'alma e o que aqu me traz.
Estas palavras foram acompanbadas de
um profundo snspiro, que fez redobrar a
sorpreza do preso.
Ignora acaso a sorte que o espera, se
a riscatta nao vier ?
Que sorte, signora ?
E' borrivel, borrivel I
Porm... j isso est deliberado n-
tecipadamente ?redarguio Henrique.
Est e de ha moito. E' essa a or-
tica de Corvino.
Nao comprehendo replicou Hen-
rique.
Em primeiro lugar, cortar-lhe-bao as
orcinas, que enviaro a seu pai, solicitando
novamento o resgate, e. se o dinheiro nao
vier, soffrer nova mntilaco.
De que modo ?
Nao Ih'o posso dzer, signorc. Ha
diversos modos de mutuario que en nao
conheco, porm melhor seria que a respos-
ranza de resgale, porque ao menos escapa-
ra tortura e seria momentneamente fusi-
lado.
Est gracejando, senhora ?
Gracejando, eu ? Nao o crea. Tenoo
visto assim praticar e nao faro agora o
contrario.
Vejo que seu intento dar me algum
conselho, e, portanto, poderei esperar sal-
var me.
Sem davida: minha opmiao que
escreva a algum amigo verdadero. qoe pro-
cure seu pai e Ihe foca ver o perigo que
corre; ser este o nico meo de se salvar
da borrivel sorte que o espera.
Ha talvez outraacudi Henriqne.
A sua protecc3o.
E como posso ea exerc-la ?
Facilitando os meios da minha eva-
so.
E' possivel, mas moito dfflcil: sena
mister arriscar a minha vida ; se assim o
quer...
Nao
porotal preco.
Ah I n3o imagina como ea sou espia-
da : para vr aqni tive qoe sobornar To-
masso. O ciuroe de Corvino... Ah sig-
nore inglese, ootr'ora passei por formosa...
Talvez n3o o creia...
Henrique, simulando a maior credntida-
de, fez-lhe um camprimento, que a lison-
[geou.
Popetta proseguio:
Se elle soobesse desta entrevista, se-
ria eu condemnada morte ; as nossas leis
s3o termmsntes; mas nlo creia por isso
que deixarei de o ajodar.
A tropa pouco servico prestava povoa-
CSo. Urna ou outra vez sabia em diligen-
cias para qualquer ponto circumvizinbo,
onde contava terem apparecido os soltea-
doaes, mas onde nunca os encontrava.
O commandante eximio se sempre a
acompaoha-los ; nSo podia doixar om mo-
mento a presenta de Lucelia e encarregava
aos officiaes subalternos as fadigas da cam-
panba.
Os soldados dorante a noute espalhavam-
se pelas aldeias, embriagando-se oas taber-
nas, insultando os povos e tornando-se ge-
ral mente to odiosos, qoe nao tardou qae
fossem considerados mais prejudiciaes que
os proprios salteadores.
Foi, pois, com grande satisaco que cor-
rea a noticia de qae a torca militar era
chamada a Roma par proteger a Santa S
contra os republicanos.
O boato da queda do governo chegou aos
pontos mais remotos da montanha, onde
nao faltava qoem repelase o alegre grito :
EvtvoldrtpwMtoH
Talvez o proprio sytf|ico tosse om dos
primeiros a sotatr atse irado regenerador.
Decidise, pois, a formular a interroga-
co perante o criado.
E' a signorarespondeu altenciosa-
mente Tomasso.
Assim correu o dia, at que noite a
signera trooxe pessoalmento a ceia.
la o sol a pr-se quando urna mulher en-
trou na prisao. Henrique estremeceu ante
urna tal apparigo.
A pequea prisao onde eslava encerrado
era contigua a um quarto espacoso, especie
de deposito onde os salteadores guardavam
varios despojos e provses. Esle quarto
tiuha urna vasta janella, alravz da qual bri-
Ihavam os raios da la. Foi quando se abri
a porta e deu passagem claridade daquella
janella que o joven inglez pode fixar bem o
vulto da visitante.
Pela elevada estatura e forma dos vestidos
reconheceu logo Henrique a mulher do ca-
pito dos ladrots. Bem reparara elle an-
teriormente que esta era a enica que pri-
raava em usar os fatos do seu sexo.
Henrique, vendo-a entrar como que as oc
cultas, nao sabia o que conjectHrar.
Com effeito, Cofa Popetta penetrou no
quarto immediato, sem fazer o menor ru-
mor, e do mesmo modo abri e fechou so-
bre si a porta de communicaQo.
XXXHI
COBA POPETTA
O prisioneiro estremeceu e Gcotrde p
no meio da priso.
Nao se arrecee, signor inglese I
disse em voz baixa a recem-chegada.Eu
sou Cora Popetta; n3o sei se se lembra de
mim.
Sim, signora; a esposa do chefe
Corvino.
Esposa!... Sedissesse escrava, tal-
lara mais acertado. Mas deixemos isso,
que pouco Ihe iateressa.
O preso ficou eslupefacto e esperou pelo
resultado do incidente.
Deve estar sorprendido de me ver
aqudisse ella com ares de grande senho-
raSegundo oque tem .presenciado, deve
crer-me possuidora de um coracQ de mar-
more, e direi que tem o direito de assim
pensar.
-NSoacudi Henrique, ainda sem es-
tar senhor de si. Eu creio que a signora
mais infeliz do que culpada.
Assim ,interrompeo ella como o-
vidaporm eu nao vim aqui para fallar-
mos do meo passado, mas sim do sea fu
turo.
' Do mea faturo ?
Sim, signte, e creia assastador. -
a Porque ? acudi Henrique. Eu
Creio que em breve serei post em liber-
dade. Que importara mais alguns dias ou
menos de captiveiro ?
Charo signare, quanto se engaa I Ea
nao trato do seu captiveiro, mas sim do qae
lbe pode succeder no regresso delles. coja
brotalidade por certo no est ao seu al-
cance comprehender: receio qoe aquella
EnlSo quer que eu escreva ? E con*'
chegar a carta ao seu destino
Eu me encarrego disso: aquHhe tra-
go os aprestes para escrever. Qoando To-
masso Ihe tronxer o almoco, entregue-lhe a
carta. O resto fica por minha conta.
Quanto lbe agradeco!exclamou Hen-
rique, apoderando-se dos objectos qu ella
Ihe apresentou.Farei o que me deter-
mina.
liuona tiottcdisse a mulher do sal-
teador, apertando-Ihe apaxooadamente a
mobuona notle, galantuomo. Durma
tranquillo. Se carecer da vida do Cora Po-
petta, dsponba della. _
Henrique sena-se commovido por tantn
dedicaco, porm ao mesmo lempo, quanlo
vio desapparecer aquella visita compromet-
tedra, nao deixoo de experimentar algom
allivio no seu espirito.
(Continuar-se-lt).
YARIEDADE____
tierra franco-prussiana.
(Concluso.)
< Porgados a estar de arma no braco no
Rheno, enfraquece-mos. Nos provocamos
necessariamente, as eventualidades possi- .
veis, conspiraces e insurrei?oes. N5o fo-
ram presos, no principio da guerra os de-
potado do Scheleswig, Kryger, e Ahlefe dt ?
Nos proprios impellimos os francezes a .
todas as colligacoes que no futuro possam
orgai isar se contra nos.
Todo o alsacio que emigrar, em resul-
tado da annexacSo, torna-se o'am agente
poltico, conspirando contra nos, e agitando
a guerra.
A Alsacia esta aniquilada. Pooba-se,
pois com condicio da paz o voto universal
da populaco, e diga-se aos francezes;
Pagareis todas as despezas .da guerra, de-
molireis todas as fortalezes, Pronunc.e-se
o paiz se quer pertencer, Franca du
Allemanha eproceda-se segando soavoa-
Ude. Teremos entio a paz. a pas ^ndm^
ra, os alsacios serJo para nos bons v
e guerra de <870 leftsido panna aau
temp^stade, apoz a qual
quillos e felisee.
l
vieram dists trin-


m


**v
|
fuir Yogr.
fW,* DIARK)-A tO IWQI l>tUAaS
V


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EOLUHXQYY_HMXNQ2 INGEST_TIME 2013-09-14T02:39:39Z PACKAGE AA00011611_12278
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES