Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:12272


This item is only available as the following downloads:


Full Text
-
mm
a
i
r
f.

4 i
4NN0 XLVI. NUMERO 268.
PASA A CAPITAL E LGABXS ONDE IA0 tt PA6A POBn.
iPor tres mezes adiaotados........ ._
*or seis ditos idm ........ ...........***
Por nm anno idem............ ........ uS
rCado limero avuso ..,.% ...... ^^v
SEXTA FEIRA 25 DE NOVEMBRO DE 1870.
*
PABA DEITHO E TORA DA PBOVIICIA.
Por tres mezes adianttdos................ W760
Por seis ditos dem....... 13AKOO
Por nove ditos idea......! J .!!!!...!! 20*250
Por um anno idem ....... k .' \ \ 27(5000
Propriedade de Manoel Figueira de Fara & Filhos.

SAO AGENTE*:
Os 8rs. Gerardo Antonio Alves & Filhos, no Para ; Goncalves 4 Pmto, no Maranho ; Joaqnim Jos 'de Oliveira, no Cear ; AntoU de Lemos Braga, no Aracaty ; JoSo Mana Jolio Chaves no *A Anon M
Pereira dmeida, em Mamante; Antonio LZ de Urna, na Parah.ha ; Antonio Gomes, I Vi.U da Penha ^no L J^J^Z l/oT fij ^^^ "*
___________em Nazaroth ; Francisco Tavares da Costa, em Alagoas ; Dr. Jos Martins AMt, na Baha ; e Jos Bibeiro Gasparinho no Bio de Janeiro.
PARTE OFFICIAL.
Go rerao I* provincia.
KtPKlOR r: di niv 21 na njvsmwio db 1870.
Actos :
0 p/eii I mi* la pno.vicia. resalvo exonerar o
o hachare! Francisco I.im Caldas, do-^ga^'e
.tjulini- do procurador I i -- a I di thtouranaTJTb"-
viqcI n-> municipio de Olala, vist) assim haver
solicitado.
O pre* Jente di provincia, conforunndose
n \ prop is do !)r. chetl .le palien, en ollbio
n. 1531, de 14 do correal-.!, resalvo ex morar o ua
eharel Cintilo Valeriano da Silva Freir do cargo
de supplenie do ubJehgal) da freguezia di
Santo Antn i i desta cidade, par ler mudad.) sua
re.-idencia d i dita frejuezia.
O pre-; late di provnola, tundo eai vista o
rentado .1' concurso a i|iie ?e procedea no da
I!' da agosto iiitiino, resolv nomearaE oilia Ale-
xandriaa de Albuquerque Carv.ilho profesora pu-
blica da eadeira de insirncgao primara da povoa-
clo da Turre.
O presidente da provincia, tendo em vista o
resultado do concurso a que a? proceded no dia
19 de agistn ultimo; e a iiformaca ministrada
l''!o ditecfiT eral interino da instruccao publica
em 14 de mimbro finio, resolte malear Maria
Augusta Serpa professora publica da eadeira de
mi trueca-, primaria da Villa Bella.
O presidente da provincia, em visla do que
expi director peral da instruccao publica em
omYio de 19 Jo crrenle, sob n. 3(53. resolve crear
urna delegara Iliteraria na povoaco Je Canhoti-
uho.
Fizeram se as communicacSes do envo acerca
di-.-te* acias.
1 lili i OS .
Ao Er.m. presidente da Paraliyba, alim de
que informe cora o que coostar o Ihe oceorrer,
crea da baixa que Fidclis Jos Corroa pede, para
seo filho. Amaro Pernandes Costa, allegindo ter
este marchado para ;a carapanha do Paraguay na
qualiiade de guarda nacional dessa provincia.
Ao general coramandante dis armas, para
jue. enten ion lo se com o commandanle saperior
leste municipio, d sms ordens na sentido de
lorruarein os carpos de 1* hnha, reunidos aos da
jfuarda nicimal dosta capital, em grande para-
da no Cunp) das Princeas, afim de solemnisar
" cortejo que elligio de S. M. o Imperador se
ton de fazer no palacio da presidencia, s 4 ho-
ras da Urde do dia 2 de dezembro prximo to-
i ".tro, annivenario natalicio do mesmo augusto
senhor
Xtste entilo offlciofl-se ao commandante su-
perior.
Ao proveJor da santa casa da misericordia,
auiorisando-o a mandar admittir no ollegio das
orpliaas a n >air Maria, ni'-ta de Joaquina Maria
da Conceican.
Ao chee de polica para informar qual o
lirocediaento havul > conira o careoreiro e snar-
da< da cadeis de Villa Bella pirque facto "e em
que termos se achara os procesaos, que devem
ter sido instaurados.
Ao mesmo, Com relaeio ao seu offlcio de
IK de agosto ultimo, de laro a V. S que, ouvida
a cmara municipal desta ciJa ie sobre a repre-
sMitacio, que devolvo, do subdelegado do 2" dis-
trcto da fregaezia da B la-vista iuformou ella co-
mo ver das pecas juntas.
E porque a serem exactos os factos adduzidos
contra o referido .subdelegado e seus agentes, ha
materia para > i'. S. que trate de averiguar com) deram-se
aquello factos, e proceder na forma da le, tra-
zando > resaltado ao conhecimento desta presi-
dencia.
Compre des le ja significar ao subdelegado l
que elle nao competente para dirigir-3e direc-
tamente a cmara municipal sobre objectos de
p Iici8, que por lei estao a carpo desta ; porquan-
ti lio aeaa-sa omprebendida entre as do artigo
(53 do regula nento n. 120, de 31 de Janeiro de
18i a attribuiciio do 9 do artigo 58 : 2o que
in nos compeie-lhe, p*n face do mesmo artigo 63
e 212 do citad i regulamento, flscasar por si ou
por seas agentes a execuca das posturas muni-
cipees, impondo e cobrando multas, como abusi-
vamente lea pnticalo o son escrivao e uwpeet r
de quarteiro; segundo resa e infirmado do lii-
cal do distrirto ; o que especialmente convm
as-eriguar e reprimir.
Ao inspector da thesouraria do fawnda,
para informar acerca da lieeoca de seis metes que
.solicita o chef de seccao da alfandega desta ca
P'tal. I.uit Pranctseo de Melh Cavalcant, no re-
r-quenmento Junto, dirigid ao governo im-
perial.
Ar inspector da taeaoorerii provincial, de-
cUrandj para i)s devi los lias, liaver abonado as
faltas, que por doente deu o profesor Jo instrnc
<;ao primaria do Kosarinho, na comarca do Pao
d'Allio, Deocleciau) Ferreira dos Santos, uos me
lea de setembro e oulubro deste anno.
A) raesro.i, dizenlo que, mediante Qanga
idnea, aiaada entregar ao padre Simio de Aze-
vedo Campos, vigario da freguezia da Escada, a
importancia dos beneficios de partes de loteras,
extrahiJas a favor das obras da matriz daquella
fremeda.
Ao mesmo, mandando pagar a Jernimo Pe-
reira Marius ou a Evaristo Mendes Ja Cunha Aze-
velo, a quantia de 107 j'iu, despendida com o
sustento dos presos pobres do termo do Bro-
jo, durante os mezes de ago'to a oulubro deste
anno.
Communicon-se ao ebefe de polica.
Ao commandante superior d) municipio do
Kecie, re:ommendaad que d suas ordens. para
que urna guara tirada de um dos batalhdes sob
seu com mande superior, assista a f>sta de Santa
Cecilia, a qusl deva ter lug,;r amanhia na groja
de .V. Senhora do Livramento.
Ao commandante do corpo de polici', deca*
rando que a abortara do3 armarios e cofre de
qu"e trata o seu offltio de 20 de setembro ultimo,
sob n. 135 norneia urna commissao, de sua merc^
d raajor des souraria provincial, que ser designado pelo res-
petivo inspector para lavrar auto e relaccionar o
que nelles se encontrar.
Fizeram-se as precisas communcaces.
Ao ebefe da reparticio das obras publica^,
approTaado o expediente de collocar-se urna gra-
de de ferro batido sobre cada um dos maros de
acost 4a ponte de Caxang, afim da dar-lhes a
ecessaria segoraoca.
Fizeram-se as necessarias communicaedes.
Ao mesmo, cancedendo a aulorisacao fque
solicito, para despender at a qaantia de 2901,
com a sotemnidade da eolloca^ao da Ia podra do
paco da assembla provincial.
Communicoo se a tbesouraria provincial.
Ao mesmo, nteiraodo-o de haver concedido
a permiitao que solicitpju Amonio Pereira Pedrosa
da Lima Irmi), para cuustrue;io le um cano de
f^0** f-* a8aas pfnvtiies na ua casa na Ve-
u?mrro -*0*-*-'-*! n- *3i a" rezqaeelle
99 s2*"e, as "-mas ccudicSes impostas a oulros
LWCB-caa creomstamrias.
*- Ao coronel Domiogo Aires Matheus, convi-
aaMo-o a compirecer no palacio da presidencia
no du do eosranu, afim de fazer parte da janu,
2?r polW*' ,0, Prancisco Correia.
Poninas: j
se para
trata
a a arrematario dos impostes, de que
o seu oflleio do 15 de oatubro ultimo, fara n feitoi
com a precisa aulecedencia os annuncios do estylo
e julgaJos habilitados os respeclivos fiadores, fi-
car approvada essa arreraatacl', menos na parte
relativa ao imposto sobra farinha e legume por
ser laxado pelo 87- do art. 33 da le do reamen-
municipal em 120 rs. e nao em 100 rs. como diz a
a mesma cmara.
.'A cmara municipal da villa de Granito, de
claraod i em vista da informacr.) do inspector da
thesouraria provincial que, nao sendo a mandioca
legume, nio pode estar corapreheudiJa no imposto
do que trata o 7 do art. 33 da lei do orcamenlo
municipal vigente, e nem era justo que pela citada
lei pagasse a farinha mitro imposto alm do que
se acha decretado pelo 7o da mesma lei
Aos agentes da companhia brasleira de pa-
quetes, man laudo dar transporte para acorte por
cunta d > ministerio da guerra, no vapor que se
espera do norte, ao soldado voluntario Prxedes
Gimes deSouza Pitanga Jnior, e ao desertor do
Io batalhio de arlilharia a p, Severino Jos de
Miranda Leal.
Communiwu-se ao general commandante das
armas,
Despachos :
Antonio loaquim de Sant'Anta.Indefirido.
Antonio Pereira Pedresa de Lima Irralo.Diri-
ja-se a reparticao das obras publica.
Dojcleciano Ferreira dos Sinlos.A thesoura-
ria provincial com offlcio desta data.
Emilia Alexaddrina de Albuquerque Camino.
Passe portara na forma requerida.
Francisco Joo de Barros Jnior.limo requer.
Bacharel Francisco Luiz Caldas.Concedo a
exoneracao pedida.
Guilhermina Tavaras da Silva.-Informe o 5r.
Dr. chafe de polica.
Irmanlade de Santa Cecilia erecta na greja de
\ossa Senihora do Livramento.Fijam expedidas
asiconvenientus ordens no entilo em qua requer
a supplicante.
Joaquina Maria daCmceicao. -Dirija-sa ao Sr.
deserabargador proved)r da Santa Casa de Mise-
ricordia em sesso da junta.
Jos Antonio da Costa ValenleIadeferido
vista das informacOes.
Jos da Silva Loyo, Francisco Ferreira Borges,
Bellarmino do Bego Barros, e Jos Joaquim An-
tunes. Inf >rme a cmara municipal do Becife.
Luiza Maria das Condeas.Prove o que allega
ao praso de oto das contodos desta data.
Manoel Bodrigues do Nascimento.Informe o
Sr. Dr. chefe de poli'ia.
Maria Augusta Serpa.Passe portara nomeando
a supplicante para a eadeira de Villa Baila.
Manoel R idrigues Mchalo Lima.loforme a Sr.
inspector da thesouraria provincial.
Minoel Rodrigues Majhado Lima.Inform oe
creada urna delegada litierarfl na povoaco de
Canhotinho.
Sr. inspector da thesouraria provincia'.
Pocas A CComo requer.
Bachel Adolpho Cavalcante Ferreira.Informe
o Sr. director eral da iostraeco publica.
Padra Simio de Azevedo Campos.Dirija-se a
thesouraria provincial.
Sehastiio Antonio do'Rego Birros.Informe o
Sr. nspa'ctor da thesouraria provincial.
Sophia Carolina de Moraes.A filha da sappli -
caate nao tem ainJa a idade exigida para ser ad-
mittida no collegio das orphaas.
Umbelina Amelia da Silva.lo Jtenlo.
Vicente e Silva.Iaforrae o Sr. engenheiro che-
fe da rep irticao das obras publicas.
EXPEDIENTE DO SECRETARIO.
Ofllcios:
Ao director da companhia de Beberibe, eom-
municando que, aguado consta de aviso do mi-
nislerio d fazenda de 1 do corrente, nao p51e ser
concedida a isencao de direitos para os objectos,
de que necesita aquella companhia, sera quoen-
vje previamente ao thesouro a relacao dos que
sao precisos para oconsummo dentro de om anno
conforme letermina a circular n. 8 de 30 de de
zembro de 1869.
A John O' Cmel Doyle, declarando que para
o governo imperial poder resolver, segunda cons-
ta de aviso do ministerio di agricultura Je 16 de
aDril ultimo, sobre a permis-o, que solicitou para
es;abelecer aesta capital urna ag3ncia d i compa-
nhia ingleza da segaros The Royal Insurance
Company" torna-se necessario que S. S. iaforme,
se ou nao essa companhia a m-sma, que obteve
aulorisacao, por decreto n. 3221 de 23 de fevereirn
Je 1861, para ter urna agencia nesta praca, tor-
nando se indispeosavel oo caso negativo a traluc-
?ao dos respeclivos estatuios, revestida das forma-
lidades legaes para julgar-se do mrito di pedido.
Itepat leo da polica.
2.' secfo. Secretaria da polica da orovincia
le Pernambuco, 2i de noverabro de 1870.
N. 1953.Ulna, e Exm. Sr.Levo ao conheci-
mento de V. Exc. que, segundo consta das partid-
pafies receb las hoje ne tem recolhidos casa de delenco os seguales
individuos :
A" ordem do sublelegado do Recife. Candido,
Ascravo de Francisca Mara de Jess, a requer*
ment d'esta.
A' ordem do da Boa vista. Ravmundo Theodoro
dos Santos, por insulDs.
Por offlcio datado de 9 do corrente, commnn-
cou me o delegado de policia do termo de Cimbres,
que fura informado pelo subdelegado do primeiru
districlo de que no dia 2, no lugar do Brejioho, a
seis leguas de distancia d'aquella villa, Joaquim
Muard) Leite fora procurado nm sua propna
casa por Joaquim Jos de Torres, conhecido por
Gangarro, o qual por eslar amasiado com sua
mulher Francolina America Leite, o provocara e
travra com elle um conflicto, que deu em resulla-
do -er morto Gaogarro pela referida Francoln,
que -e achava presente e ficou gravemente ferida;
que apenas chegou ao lugar do crirae, proceden as
competentes ve lorias, e deu as convenientes pro-
videocias para a captura de Joaquim Eduardo
Leite, qne logrn evadir se ; assim como que fi-
cra tratando de instaurar o devido processo con-
tra os culpados.
Era offlcio d'esta data participou-me o subdele-
gado da Boa-vista que, chegando a seu conheci-
mento que na cambo i que llca no fundo do sitio
da fabrica do Meuron, sita a ra do Visconde de
Goyanna, apparecra um preto morto, para all se
dirigi, e tendo com efleito encontrado um cada-
ver, fez loga proceder competente vesloria, ten-
do se verificado nesse acto ser o preto Porfirio, es-
cravo do dito Meuron, e ter ralleciao de um ata-
que cerebral.
Deus guarde V. Exc.
IIIm. e Exm. Sr. cooselbeiro Diogo Veibo Caval-
cante de Albuquerque presidente da provincia.
O chefe de policia, Luiz Antonio Femandes Pi-
n/tetro.
PERNAMBUCO.
REVISTA DIARIA.
I.VaTRUCCO PUBLICA. Por portaras da
presidencia da provincia, de l do corrente, fo-
ram nomeados : D. Emilia Alexandrina de Albu-
Juerque Carvalho, professora effetiva da eadeira
a Torre ; D. Mana Augusta Seiba, professora
effectiva da eadeira de Villo-Rslla.
. D8LEGACIA LITTETAIUA. Pur uartaria da
-- A cmara municipal de lurab dizeno, que I presidencia da provincia, de 21 do corrente, M
INSTITUTO ARCHEOLOGICO E GEOGRAPIIICO.
Sob a presidencia do Exm. Sr, eonselheiro
mo.isenhor Muniz Tavares, e com assistencia dos
sr*. Drs. Soares do Azevedo, Paula Sales, B iptista
II'guera, padre Lino do Monte Carmello. e major
Salvador Henrique, funecionou esta socadade.
E' lida e approvada a acta da.antecedente.
O Sr. secretario perpetuo menciona o seguate
expediente :
Um offlcio do Exm. Sr, presidente do Rio-Gran-
de do Norte, Dr. Silvino Elvidioa. Cernero da
Cunha-, offertando nm exemplar do llelaterio eom
que abri a sesso extraordinaria da assembla
daquella provincia, em IX de malo ultimo ; e
bem assim outro com que o Sr. Dr. Pedro de
Barros Cavalcante de Albuquerque, passou a
adminislracao da mesma ao 3o vice-presidente Dr.
Octaviano Cabral Raposo da Cmara, m 17 de
fevereiro do corrente anno.Inteirado, sendo rece-
bida a ufferta com agrado.
Outro da Sra. D. Maria Wanderley da Pontea-
ra Loureiro, offertando os seguintes objectos :
um retrato de seu avo o mareclul de campo Ma-
noel Cirneiro da Silva Ponteara ; um dito de seu
primo o coronel Fernando Machado de Souza,
morto na batalha da ponte de Itoror. no Para-
guay.Inteirado, sendo recebida a ofterta com
agrado.
Outro do Sr. Lenidas Tito Loureiro offerecen-
do o seguinte : am pedapo de pao Cambar, pe-
trificado, achado margem do rio Santa Maria da
Bocea da Malta no Bio-Grande do Sul ; tres vo-
I limes da obra Juieo Errante firmado por seu
dono e achado na republiis do Paraguay; um dito
do Monitor o guia Franco Maconica cha Jo na
mesma repblica ; urna colher de prata com a
lirma F. M. tambera achada na referida repblica.
Inteirado, sendo recebida a offerla com agrado.
Outro do secretario ido Instituto Archeologico
Alagonno, remetiendo seis exemplares dos estatu-
tos daquella corporacao.Inteirado e mindou-se
archiv.r.
Outro da directora do Monte Po Popular Per-
nambucano, convidando o instituto a se fazer re-
presentar no li anniversario de sua existencia
social.O Sr. secretario perpetuo declara que all
comparecen jora outros socios e representou o
Instituto.
" Outro do Sr, Dr. Luiz Ferreira Nobre Pelinca,
acceilaado e agradacendo a sua eleica de socio
correspondente.Inteira lo
O mesmo Sr. secretario perpetuo d eonta das
seguintes offertas : varios ns. do Diarto de Per-
nambuco, pelo consocio Dr. Figueiroa; alguns ns,
da Uniiio Liberal de Alagis, Americano e Mer-
cantil de Giyanna, pelas respectivas redaceoes-;
um exemplar da dsserlacao que leu no acto da
de fes a de suas theses o bacharel D. Luiz de Souza
da Silveira, offerecido pelo mesmo Srs. ; ouiro
das Nocoes de agricultura, pelo consocio Dr. Ayres
Je Albuquerque Gima, e pelo mesmo ofertado.
Todas estas nlTerlas sao recetadas com agrado
e mandara-:e archivar.
ASSAS5INATO. No dia 2 do corrente, no lo-
gar Brejinho. distante de Cimbras 6 leguas, Joa-
quim lose de Tirres^ conhecido- p r Gangarra, in-
do casa de Joaquim Eduardo Leite, ahi travou
conflicto com este e eom sua mulher Francelina
America Leite ; resultando ser Gangarra asaas-
sinado por Francelina, e esta ficar gravemente fo-
rida.
MOBTE.Foi hontem lirado da camba do sitio
do Sr. Mearon & C., ra do viscouda de Goyaq-
na, o cadver do preto Porfirio, eseravo desses se-
nhores. o qual, indo banhar-se no ri> Capibaribe,
ahi pereceu d"uma congesto cerebral.
LOTEIUA.A qua se acha vena a 171. a
Beneficio da nova igreja de Nossa Senhora da Pe-
nha, a qual corre hoje.
re
Vi
ofTej
ou
faza1
sea
por ventura existe nesia villa grande nume-
"sa gente, porque a miserabilissima Boa-
coma escreve o Sr. coronel Jacome nao ihe
ece Hospitalidad alguma, da qual gusa urna
oiiadessas infelizes que sao condemiadas a
alia sua residencia, pela conveniencia de
seductores.....
Sr. coronel Jacome, deve-me comprohender
perfumate !---- Tanto mais quando nao deve
da mesma forma ignorar, qae os republicanos da
saa o*-vt.tta tem concorrido para ceos casos de
cnvtaenainentr, alim de nao serem perante a jus-
tievhumana considerados assassinos___I!
ra 9ea P^Pf'0 oasligo fallou o Sr. coronel Ja-
conie, em traficancias e pepineiras no despacho
ue cravos deste termo, por que trouxe a lem-
oratca do publico o lempo que o Sr. coronel como
iif P3,ic~- en'.rava n'cssa repartigo, que
ine fleixou saudaoV-s, ao menos por nao poder fa-
zer fivores a seos amigos neste ramo de exporta-
cao, por que em outro qualquer o Sr. coronel
lantligo da liberalis:,r, lanto qne recebeu 200000
dos nerdeiroj instituidos em teslamentu nuocupa-
uvo pelo tenente-corimel Manoel Nunes de Barros,
como pagamento da promessa que o aesmo Sr. co-
ronel Ihes fez de nao pagarem a taxa provincial,
como filhos mceslnosoi ou expuros ; fado que
nao pojo ser desmentiJ), por que o prejudicado
se qnelxa alta-e pideroitmenl", a em pulilico au-
ditorio, dj mal causado'na certeza da que essa
quantia podia auxiliar a \mportancia quo lem de
satisfazer ao arrematante d'esse imposto, ou a seu
respectivo cassionario.
Era resposla a parte relativa a cmara munici-
pa, que segundo a phrase o aranzel do Sr. coro-
nel Jacome fas e baptisa poi sua canta, tenho na
altura da verdade pura, o direito de dizer que o
j01"0118' -'"uresiou aos membros aecusados fal-
sidades que elles rejeitam, por que segundo a c-
mara as esclarecimentos dados pelo governo res-
peito do Ilhote do Fago nao podia deixar de
dar preferencia ao antigo possero depois das for-
malidades recomniendadas pela lei.
. TS2do' Poi.?- lra-id'J o ultimo Ian?o que foi de
"000. o antigo possero pedio preferencia, e a c-
mara Ib a concedeu por unanimidade mandando
lavrar a termo respectivo.
E' verdade que o procurador do protegido do
Sr. coronel Jacome offerece mais 3i000; porm j
a cmara nao o podia alten ler em vista da legal
preferencia que hava concedida, cujo ler no ia
er lavrado. Qjera o Sr. coronel Jacome, neces
sanamente, que a cmara actual pratcasse o que
a transacta, quando o tendo por seu presidente ;
lavrva-se lermo de arrendamento dos direitos de
passage.n do Joazeiro aos propietarios da barca,
c no da sejuinte, achando-se j o procurador da
cmara emoolsado do dinlieiro da arreraatacao,
por empenhos de am lerceiro, voltava novamenle
a praca o mesmo direito ; satisfazendo-so assim a
vontade do amigo, era prejuzo do primeiro e le-
gal arrematante.
O Sr. coronel Jacome falla em prejimo do pa-
trimonio municipal. Como esl zeloso III! evia
porm s-lo quando o antigo rendeiro da ilha do
Panansra leado offerocidojim hasta publica 2O0,
dinheiro a vista pelo sen arrendamenio, foi pela
catqNr* lo que o Sr. coronel fazia parle, rejeilad,
para ser entregue o "firmo" a nm individuo de
se nao irada d'esse caso, como
se tratasse em nada se tornaran)
indemnisacao que amigavelmente fosse arbitrada
pelo consenso voluntario.
E' justamente isto que nao s o Sr. Dr. Jos
Harnardo como suas senhorias. se compromeit
ram. Mas qne, pelo relaxameoto da administra-
Qao da empreza, so nao pode fazer effectivo ami
gavelmeate, moliros pelos quaes o illuslre doulor,
por raeio de qualm demandas, lem frustrado at
ao presente, reduzindo assim a pobre e" misera
vmva meeira eitado de raendicidado, com o
que muito se tem indisposlo o publico conira a
companhia dos trilhos e seus administradores es-
tigmatizando lo inslito procedimento.
Nao venham. portante, os senhores de Santos e
Livramento fazer ver ao publico que, sao > sol
danos com o senhor doulor em desapropriacoes,
nao so porque se nao tracta d'ese caso, enmn
porque fe de lal
admiraveis.
Agora se Ss. Ss. qoerem de desviar sobre si
encargos de coosciencia, sejam franco, digam ao
publico, nos em materias de direilo somos leigos,
por consegunte asignamos de ernz o que escreve
) doulor, visto que elle entende do rucado, se
peccamos por conta d'elle.
O que verdade que os proprietarios do sitio
cavalheirosamente consentirain em que fossem affl
xados os trilhos antes de pagos do valor da des-
apropriago e quo em retribuicao es.se seu pro-
cedimento tiveram de ver o seu sitio lodo estraga-
gado, entregue invrno dos transeunles,' levan-
tndole nelie obras do pedra e cal, quando deram
c nsentimento s para assenlamento dos trilhos e
sendo decorridos mais de 4 annos nem um vintem
lem receido sendo toreados enlreler quatro
demandas! I
Ntese que o pre:exto que os coosenhores nao
quizeram receber ama paga rasoavel; mas cha-
mara preco rasoavel o que o Sr. Dr. Alcoforado
em seu moro arbitrio quz impor aos proprietarios,
e jnlgam desculparse com esse pretexto, quand)
certo que quem qner pagar, e o credor sem ra-
zao recusa receber, ao menos deposita, que o
que atiesta a vontade de pagar o qne devido,
mas o Sr. Dr. Alcoforado entende-que esse depo-
sito nao ple permanecer era melhor lugar do
que em saa algibeira e de seus companheiros, e
seja bem protelado quatro annos sem haver ao
menos sen tenca em prmoira instancia.
Quanto nao poder anda protelar at a effecti-
va indemnisacao dos proprielanos que lo cava-
Iheiros foram para com a empreza ?
Ja vem os Srs. de Santos e Livramenfo qne os
proprietarios tecm toda a razio de queixar-se,
sempre, apazar que o capricho parte de oulros
que nao suas senhorias e neste juizo ainda per-
manecen) embora a generosidade com que suas
senhorinhas teem procurado amparar o Sr. Dr.
Alcoforado contra a odiosidade que o cerca em
relacao a esse negocio.
Recife, 21 de novembro de I8J0.
Jote Anlnnes Guimaraes.
Goncalo Jos Alfonso,
Presidente.
Mosquita Jnior.
Secretario.
ALFANDEGA-
Reudiraento do dia I a 23. .
dem do dia JkVw.
719:liOtili
31:221*43'
730:36t*58*
Xof-lineiii 4a alfandeea.
volumes entrados com fazendas
com gneros
Volnmes saludos com fazendas
com gneros
21
------- 21
218
266
-------484
PROTECTORA DAS FAMILIAS
Os senhores cootribuintes a essa associa-
o5o que prefarem mandar pagar suas annui-
dades nesta provincia, poderSo dirigir se a
i. andar, antes
PUBLIOACOES A PEDIDO.
Villa de Petrollna. 84 de outu-
liibru de 18VO.
Srs redactoresE' bem apesar meu, que ve-
nho oceupar pela primeira vez, as collonas do
seu conceituado jorntl, nao s porque me faltam
as necessarias habililaeSos para escrever para o
publico, como porque nao desejava cstabelecer
polmicas com o Sr. coronel Jacome, a quem
sempre tralei enm urbanidade que elle nao sabe
reconhecer : deparando, porm, com urna cousa.
a que chamaram correspondencia, tmpresa no
Liberal n. 195 de 7 de julho do crreme anno,
e que me diz respailo nao posso fruslar-me ao
dever, de dar uraa respista conveniente ao mes-
mo Sr. coronel, que se persuade que na sua ele-
vada posigo de commandanle superior est au-
lorisado a calumniar, sem que a verdade o possa
ferir, pois preciso urna craem desmedida, pa-
ra se mandar publicar pela imprensa nm sem
numero de falsidades revoltantes e de mias a
mais, ler a honra e gloria de assigna-las.
O Sr Jacome, ou alguem por* elle, fantosiou
oceureneias qne j mais aiguera presencion, bem
como as que rodearam o faci criminoso, pratica-
do na infeliz Felismina por um sobrinho desta de
nome Manoel Jos de Amorira personagem cor
religionario de S. S. E' cerlo a parpretacao do
delicto, maso criminoso foi preso era fl.grante,
processado e competentemente pronunciado mui-
to embora se evadisse da prsao em que se acha-
va na cach irado Roberto, e isto depois da vol-
ta das pracas que ali o havio ido buscar, nao o
irazondo por se a-'har gravemente enfermo prove-
niente das facadas que recebera. Que Manoel
Jos de Anra-im, nao prirao carnal do delegado
do termo, todos o sabem menos o Sr. coronel Ja
come, que nao qaer saber, embora este assassino
sendo mondorem termo e provincia differente'
seja coa religionario e votante do mesmo como
livro da qualili ;acao o testifica, e sabem todos qne
presenciarara elle, com sen pai e outros que
taes do mesmo quilate volar cora o dito coronel
na eljicao para eleitores especiaos de 1868.
O assassinalo praticado por Antonio Pereira de
Oliveira um fct incontestavel, mas a captura
do erirainoso veriflcouse no mesmo dia pelo sub-
delegado em exercicio, tomando Ihe armas e fa-
zend oseguil-o para acadeiado Joaseiro, por nao
haver ento na d'aqal a segaranca individual ne-
cessana.
Ninguem oosara negar nue Antonio Pereira de
Olivaira foi preso em flagrante delicio, por se
achar perseguido pelo clamor publico, e afioal
summariado e conderanado pelo jury desta villa
sete annos de pnsao ilmplea : sende assim a ei
desagravada, o crime ponido e a sociedade vm.
gada.
J se v por?, que Antonio Pereira de Oliveira
pertencendo a poltica dominante deste municipio'
n indulto de seu correligionarijg :
prote{ao dos depositarios d
10 do prximo mez de dezembro,
chegar na
parcialidade ph diminuta e ridicula qantia de raa'n lAvramM^T^lQ
5^000. NisD que parece ter havido vmneira ai? ,*I^???_?:J9!
e al lambitgem.
Termino rogando ao Sr. coronel Jacome, que me
nao obrigue com novas provocaedes a dar pnbli
cidade a fados que eu desejo se conservera no es-
quecimento, para tranqailldade de S. S.
Queiram senhores redaclore^ dar publicidade a
oslas liohas, pelo que Ihe ser eternamente grato
o de V. S. coniianle leilor obrigade.
Antonio do Nascimento Pereira: Mello.
Descarregsm Inje 25 de outobro.
Barca ingleza Kaltinoordiversos genero?.
Rrigue iiiglez-WiM iy-irilhos de ferro.
Brigue ingiezKitei lem.
Brigue poriaguez/d/ZAdiversos gneros
Bngue prrtaguez Lata I dem
Barca ingleza-S/Wto-bacalho.
Barca inglezaLat-iniaidem.
RECEBE!'ORl\ DE RENDAS INTERNAS
GERAES DE PERNAMBUCO
Rendimento do da 1 a 23. 41-2784403
dem do da 24 3:07U53t>
44:349*9-*
CONSULADO PROVINCIAL."
Rendimento de dia I a 23. 54:348X498
dem do dia 24 3:9*9*545
58:298*Oi3
MOVIMENTO DO PORTO.
Navios entrados no dia 24.
Aracaty9 das, escuna brasileira Georgiana, d<-
149 tonsladas, capilo Custodio Jos Viaena
equipagera 9, carga algodo ; a Tasso A Irman.
Li'-erpooI-64 das, brigue ingiez Misereum, de*
2.18 toneladas, capillo I. Saunders, equipagera
10, carga difireme* (teneros ; a Keller A C.
Trieste56 das, brigne ingiez Btrnecia. de 247
toneladas, capilao G. T. Wincb, equipagera 9,
carga 2,400 barricas com farinha de trigo ; a
Jonhston Pater & C.
Navios sahidos no mesmo dia.
AracatyHiate brasileiro Sobralense, capito Vi-
cente Ferreira da Costa,. carga differen'.es ge-
nero?.
Rio Grande do NorteLugar ingiez Navigator, ca-
pillo Neyraoulb, em lasiro.
Rio Grand" do SulSumaca nespanlwla Cecilia.
capuao Antonio Ribas, carga a mesma quo trou-
xe de cadix, e Graa canana.
Observacao
Suspendeu do lamaro para a Baha o brigne
ingiez Auiax, capio Humbly, com a mesma car-
ga que trouxe de Terra-Nova.
nao mereceu o
nao conloa com a
lei.
Admira, que o Sr Coronel Jacome chame de
*na4pliabeto aos empregados de policia neste mu
nieipio, quando o mesmo coronel se acha em peio-
rea condic^as; pois que mal sabe assignar o sen
nome, e por Unto ineapaz de concordar um so-
.bstantive com um aajectivo.
E' lambem admiravel Sr. coronel Jacome filan-
Sir que a villa de Petrolma, habiuda quasi oor
Ihas de Jerusalm.. at irrisorio I... 86 urna
cabecji desmlolada ser capaz de semeMnne nro-
poir,ao. r
Os testamentaros e socios do finad comrtenda-
dor Thomaz de Aguino Fonceca, na sociedade que
grava sob a tirina de Thomaz de .quino Fonceca
St (',., lend i o annur.cio que os herdiros do pri-
meiro matrimonio fizeram no Diario de Pernam-
buco de hoje, res jondem ao referido annnncio com
a transcripcao da condieco stima do respectivo
contrato.
Por morte de qualquer dos associados, sa*pro-
ceder immediato balance, para se prsersar o
capital e lucros do fallecido, e para iiquidacao e
ajustaaiento de canias tero os socios sobreviven-
tes o praso de um anno, para entregar o liquido
pertencento .o fallecido aos seus herdiros e suc-
cesores, era dinheiro, fasendas e dividas, que
?inda por ventura nao estejam liquidadas. >
O que esl determinado n'esia condiccao o
que se ha de curaprir religiosamente, entrando a
firma de qae fez parle o referido commendador,
em lijuidaco na co'ifjrmidade do contrat) e da
lei que rege a malaria, a saber : os arts. 30S, 335
n. 4 e 344 do cdigo coiumercial.
Sendo os aonunciantes socios gerentes a elles
competen) a liquidar i, que se ha de fazer, nao
vontade delles. mas pelo que clara e terminante-
mente dispoe a lei cilada c o contrato social.
Recife 22 de novembro de 1870.
Francisco Joaquim R. Brilo.
Corbemano d'Aqumo Fonceca.
afim de que os fundos possam
sede da associaf.ao no Rio de Janeiro antes
do sea vencimento 31 de dezembro de 1870.
Recife la de novembro de 1870.
Narciso Francisco de Vidal.
Attenpao
O abaixo assignado avisa a quem ioteressar
possa, qne a casa terrea n. 11 a ra de Mathias
Ferreira, da cidade de 01 inda, pertericente aos
herdiros de Maria Joaquina da Paixo, Ihe est
hypnthecada, e qne no juizo municipal daquella
cidade, trata da embrama da dita hypoiheca, nao
chegando o valor da dita casa para seu pagamen-
to, ainJa foi constrangido a pagar 5 anuos de de-
cimas, remmdo a na juizo dos feilos da fazenda
onde j eslava arrematada, com o que dispendeu
a qaantia de duzenios e vinte e dous mil e ta-
anlos res ; e porque chegasse a sua noticia qae
quaelles herdiros pretendan), fazer vender a re-
ferida casa simuladamente, a pretexto de paga-
mento de cusas de inventario, partilbas, sob par-
tidlas, etc., o abaixo assignado protesta desde j
proceder contra quem qaer qae concorrer para
semelbante estellionato, visto serem aquelles her-
diros tambera responsaveis pela bypolheca por
lerem assignado a esenptura com a finada Maria
Joaquina da Paixo : protesta igualmente, que
em lempo o juizo competente provari, qne nao
havia fazenda safficiente para se proceder inven-
tario por fallecimento daquella Hara Joaquina da
Paixo, porquanto o nico bem por ella deixado,
fdra a ca referida, cujo valor nio exceden a
4004 rs. entretanto, qae somente o principal jaros
da j referida hypoiheca excede a 8004.
Recife. 28 de novembro de 1870.
Jos Vicente de Lima.
Ao publico.
O abaixo assignado apressa se responder aos
Srs. Antonio Luiz dos Santos e Baro oo Livra-
raento dizendo Ihe qae, suas senhorias nao sao
exactos quando declaram ao publico que se acbam
de accordo com o Sr. Dr. Jos Bernardo Galvo
Alcoforado em tudo quanto este senhor lem feito
para a desupropriaco do leneoo Olho de vidro
em Parnameirim; visto que, aquello senher nada
tem feito tal respeilo, nem no la fazer, am vez
2ue, pelos conseahores do referido sitio foi canee-
ido a companhia doa trilhos, o transito com as
condiedes qae suas senhorias asiignaram ; e sao
ellas : Conservacao do sitio vedado ao iranuto pu-
blico por mel de dra oortfio e Tgh corr-tatle,
N- M8.-PERGUTTAS IMPORTANTSIMAS
PARAOS ENFEHMOS.-Se por acaso visses que
um perigo eminente vos acarcava, eneraras vo-
luntariamente que o seu contacto ineviiavel vos
pnvasse da vida ? Se urna grande e calamitosa
inundago vos amoacasse; porventura (Icarias
quedos e tranquillos at que a mesma vos viesse
arrebatar f Por cerlo que nao Sabis, pois, que
seno fazeis caso de urna losse de am catarrho,
ou de urna dor de garganta, isto poder se ha tomar
lio fatal como um incendio ou urna inunda-
cao. Cada um accesso ou paroxysrao violento de
tosse, am golpe que debilita e protra vossa vi
da. Sede pois prudentes o precavid >s co tra o
perigo, munindo-vos imin-idiatainoote do miravi-
Ihoso Peiloral de Anacaliaita de Kemp. Em suas
qualidade,3 calmantes e natutiferas se encontra a
verdadeira segaranca e a propria vida. Nem a
tosse, nem as inflaramaees da garganta, nem as
constipares e catarrhos, nem a asthma, nem a
irrilaco dospulmes; finalmente nenhuma en-
fermidada pulmonar, precursora dathisica confir-
mada, podem resistir a sua poderosa influencia
carativa; n seu poder immenso o seu valor
impagavel.
1DITAES.
.V 444.-A PttAGA NIVERS.4L.-Era todas as
regioes_ e entre as pessoas de todas occapacoes e
proflssGes, prevalecem as enferraidades pulmona-
res. Portanto, o grande a admiravel remedio con-
tra ellas e que prodaz a sua completa anniquilla
cao o Peiloral de Anacahuita de Kemp, a qual
as deve perseguir, e em seu devido lempo as per-
seguir indefectiveltnenlD at aos mais romotos
confinos do mundo.
O soldado nos acampamentos^ o mineiro as
minas de miro, o cohn^jas fronteiras, o lavrador,
o viajante por mar tS5r trra, e especialmente
todas as pessoas sujeilas padecerem de losse,
constipares, resfriamentos e catarrhos, bronchi-
les, asthma e oatras affeecSes nao menos afflicti-
vas da garganta e dos orgos da respiracao, e qae
ti) fcilmente se desenvolvem e propagan nos
lugares hmidos, inclemencia da atmosphe
ra: acharo com a mais grata satisfarn, no
Peitoral de Anacahuita de Kemp, am remedio
irresislivel e absoluto, para o completo subjuga*
memo de lo pengosas eofermidades. Compre-^e
era lempo, pois, bom estar-se prevenido.
Em resposta ao annnncio inserido na Revista
Diana do Diario de hontem contra as duas ir-
mas moradoras na ra das Trineheiras, allirma
raos que o seu cemportamenlo de conformidade
com o sea estado, exemplarissimo, pelo que fo-
ram vilmente trahidas por aquella sim, cajo com-
porta ment reconhecido pessimo; esta reconhe-
cida por Alubama, cuja caricatura assornbra e
insulta quem por junto Jella passa.
Pique, perianto, o publico sciente que o tal
annnncio nao passou da urna iraico urdida por
ama visinha das daas irmas que levada por in-
teresas mesquinhos e immoraes s procuram
desacreditar.
COMMERCIO.
PRACA DO RECIFE 24 DE NOVEMBRO
DE 4870.
AS 3 1/2 HOIIAS DA TARDE.
CoUQoes officiaes.
Frete la&tro de assucar daqui para Liverpool11
eSOiO.
Frete de algodao de^Guarapes; para Liverpool
11(16 ett 0|0.
Ffele de algoitte da Parahyba para Liverpool
ll|H e 5 OjO.
Prete de algodo do Cear
e5 0|0.
para Liverpool--11)10
COMMANDO DAS ARMAS
O Sr. alteres do corpo n. 30 de voluntarios da
patria Thomaz Luiz de Jess queira comparecer
no quarlel general para objeeto que Ihe diz res-
peilo ; e tambem o soldado do 31 corpo de vo-
luntarios da patria Antonio Soares da M'tta, alim
de receber a sua guia de soccorrimento viuda da
corle.
Secretaria do comraando das arims de Pernam-
buco, 24 da novembro de 1870.
Francisco Camello Pessoa de Lseord.t.
lente-coronel secretario.
A cmara municipal do Recife', lando de
construir um grande mercado nesta cidade, con-
vida aos Srs. engenheirus e contraanles de obras
para, dentro do praso de doos mezes, aprsenla-
rem seus piraos ; e, para mais facilitar esse tra-
balbo, offerece as bases seguinte-, que sulTrerai
as modifiraceas reconhecidas neeessarias^
i O novo mercado publico sera consirniJo no
centro da praga onde actualmente existe o mer-
cad > de S. Jos, no espaco comprehtradnlo entre a
ra de Pedro illonso e o muro actual do h >spi-
cio da Penha no prolongamento da ra de S Jos.
O novo mercado dever apresenlar ama su-
perficie coberta de 3,500 metros quadrados jioue i
mais ou menos.
a Ser de ferro fundido, ferro batido, alvenaru
de lijlo ou pedia de cantara, ou de granito do
Rio de Janeiro. O travejamento da coneria ser
de ferro batido do melhor syslema admiltido, e ^
lelhas serio de ferro, onduladas gal/andadas, ou
de barro chatas modernas, gn*
t Ter passeos em roda, de 2 metro e 20' de
largura calcados com lages de Lisboa, assim como
ras espacosas. Ter a solidez neeessaria para um
edificio destinado a um servigo publico que na o
deve ser interrompido.
Ser de urna architectun simples e elegante.
Dever ser construido de tal maneira que a
circulae-o seja fcil, que seja bem arejado e qne
se possa fcilmente enlreler um grande aceio.
(i As paredes do edificio al urna cena altura
serio de pedra de cantara de Lisboa ou de nlw-
aaria de lijlo guarnecido de azulejo, para sr
p der constantemente conserva-las liinpas.
- Todo o pavimento ser lageado com pedras
de Lisboa, escolhidas e as lages serio assentada
sobre carnadas de belume ou cemento, conforme
fr reconhecido o melhor.
O edificio ser fexado ; as abenas inferieres
menos as'destinadas pora as entradas serio guar-
necidas de venezianas, que sirvam para defender
o interior c nira o sol, as chavas e grande rali,
sem contado interceptar toda elaridade.
As venezianas internas lero de vidro, con-
forme as qne se lem eropregado- nos novoe mer-
cados da Europa ltimamente.
Na coberta ou prxima a ella deixar-so-ha
abenas, de maneira a dar maior elaridade ao edi-
ficio e arejar a pane superior.
c A divisao interna ser eit de maneira que
lenha Unto quanto fr possivel igualdade de van-
tagein nos lugares.
As ras ou passagens internas sero pelo me-
nos de 2 metros de largara e os lagares para o*
vendedores tero a mesma dimensao.
< Os balces ou mezas serio de mtdeira ama -
relio, e as lampas de pedra branca de marmore.
< Ai entradas do edificio tero grades e porto?*
de ferro.
< O edificio ser dividido da seguinte maneira:
1.* Urna parle doatinada a venda das carnes
verdes de bois, carneiros, porcos etc.
2. Urna parte para a venda de farinha, legn-*
mes etc.
3." Urna parte para a venda do peta.
t 4. Urna parte pare a venda de verduras.
< Dever ter no mesmo edificio :
i.* Um corpo de guarda.
2. Um lagar para o porteiro.
< 3* Um lugar nano admra tirador.
!. Latrina publica.
t Para eommodidaiKi dos vendeaorw ac
do mercado, dsver ter prximo ou dentro do
flcio como se ju'gar mai* conveniente agua com
-
.
v. -
aW

'

jBBjnrai
VnWI


Diam de PefnambuC6 Sexta fera 25 de Novembto de 1
----r-
JJ
f
<

abundancia ; duas. oa mais tales sio indispen
aovis.
Os concurrentes deverao apresenlar os dese-
nos seguidlas:
t Urna plante geral onde se a che indicadas' as
entradas das ruis que dio para a praca ; na es
cala 0,001a.
< lira piano do mercado na escala de 0,009 m.
Deienho do corle e elevacao longitudinal e
transversal na escala de O.Oim.
t Dexenbos representando a eleracao edetalti
4as principies junta das pecas d) ferro batido oa
Tundido, assim cono do syetema da eoberta na
.cala de O.lOra.
i Estes dezenhcs serlo acompanbadoa de urna
deseripco circumslaneiada de todo o edificio da
qualidade dos materioes e o systema de assenta-
los.__________________________________
faculdade de Direito
do Recife.
Deordetn do Exm. Sr. director e em cumpri-
ment db a'rl. 78 do regnlamento complementar
dos estatuios, faexi public. qie ao bacharel Fran-
cisco Antonio Filtfueiras Sobrinli forain marcados
para defender as tneses que apreseatou, os das
i e 3 de deiembro prximo vindouro ; devendo o
mesmo bacharel comparecer nesta secretaria tres
das antes do primeiro em que deve comecar a
deesa, afira de tirar o ponto da dissertacao qne
ser dado as 8 horas da manha, e perante o len-
te mais/migo d s sorteados
Secretaria da faculdade de direito do Recife 23
de novembro de do 18^0.
O offlcial no impedimento do secretario
M A. dos Passos e Silva Jnior.
SANTA CASA T>\ MBERICBWA DO
RECIPE.
Perante a jnqta administrativa desta santa casa
lem de ser' aforados os terrenos ns. 39 e 40 no
lugar dos Arrumbados em Olinda, os quaes ontr'o-
ra estiveram aforado Manoel Jos Lopes Braga,
que fez cesso de semelhante aforamento.
Os preteqdenles deverao presentar seus reque-
rimentos ua secretaria, onde poderlo rjeber as
infocma?5es que precisaren!.
Secretaria da santa casa de misericordia do Re-
cife 16 de novfenbro de 1870.
O escrivio,
Pedro Rodrigues de Sonza.
DECLARACOES.
Crrete geral,
RelarSo das cartas registradas, procedentes
do sul e norte do imperio, existentes* na
repariicao do correio em 24 de novem-
bro de 1870.
^Bernardina Marta da Silva, Feliz Pereira de
Sima?, Jos Bartholomeu (i). Jos Lucas Ferrer,
Jos de Souza Res, Jlo T. Marsiilae, Leandra O.
Alves de Carvalho, Manoel Ribeiro Brrelo de
Meneze, Quiridopa Mana da Coneeica
O encarregadn do registro,
Manoel dos Passos Miranda
COMPANHIA PERNAMBUCANA
\avegfo coitefra por raptar.
Mamanguape.
O vapor nacional Corante,
commandante Silva, seguir
para e porto cima no da J8
do corrate as seis horas da
tarde.
Recebe carga passageiros,
encom tnendas, e dinheiro a frete at as l horas da
tarde do dia da sabida, no eseriptorio do Porte
do Mattos n. 12._______________________
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
'Navegando costea por vapor.
Parahyba, Nata'., Maco, Mossor, Ara-
caty, Cear, Mandaba, Acarac e
Granja.
O vapor Pirapama commandan-
te Aievedo, seguir para os por-
tes cima no dia 30 do corrente
as 5 horas da tarde. Recebe car-
ga at o dia 29, encommendas
passageiros e dinheiro a (rete at as 2 horas da
tarde do dia da sahida : escriptorio no Forte do
Mattos n. 12.
THEATRO
Conselho de comprts navaes
O conseibo promove no dia 26 do corrente mez,
vista de propostas recebidas at as li horas da
manha e sob as condi?oes do estylo, a compra
dos objectof do maten..! da armada seguinles :
10 baldeadeiras de folln, 10 duzias de chicaras e
pires de folha, 30 ovados do damasco de la en-
testado, 20 funiz de olba, 100 lampides de folha
para illuminacao, 100 lapes de cores, 200 lapes
pretos, 2 oculos de alcance, 8 duzias de tigelas de
folha dobrada, e 6 vardes de ferro quadrado de 4
plegadas em quadro.
Tarabem o oonselln por igual forma contrata no
mencionado dia 26 do corrente mez o fornecimen-
t de cemento romano de boa qualidade para as
obras do porto, ten do cada barrica nunca menos
de 10 arrobas de peso.
Sala das sessoes do conselho de compras navae
23 de uovembro de 1870.
O secretario,
Alexandre Rodrigues dos Aojos.
COMPANHIA
BEBRIBE
O eaixa interino desta companhia, o Sr.
Corbiniano de Aqoino Fonseca, acha-se arj-
torisado a pagar no sen escriptorio ra do
Vigario n. 19, das 10 horas s 3 da tarde,
o 45 dividendo desta com;anhia na propor-
C-ai) de 30 por cada acfao.
Escriptorio da companhia doBeberibe
2 de novembro de 1870.
O secretario,
Dr. Prxedes G. de Sonza Pitonga.
cVrraar a. 88.
Ministerio dos negocios da fazenda.Rio de Ja
Miro 11 de novembro de 1870.-Francisco de Sal-
Jes Torres Hornera, presidente do tribunal do Ihe
soaro nacional, ordena aos senhores inspectores
da? tbesourarias de fazenda que sobrestejam, at
segunda ordem, na venda de apolices da divida
publica.
Francisco de Salles Torres Homem.
(MU!
PARA'
Segu com brevidade para o porto cima o pa-
tacho Marta, para o resto da carga que Ihe falta
tratase com Pereira Vianua 4 C, ra do Vi-
gario n. 11.__________________
Consolado provincial.
>a forma do an. 30 t da le provincial n.
963. avia se por esta reparcio, a quem inters-
sar possa, que com o mez de dezembro prximo
brese oprasode30 dias all mareados para o
pagamento voluntario dos imposios da decima
urbana e de o OO sobre a rend i do3 bens de raiz
de corporales de mo morta, relativos ao se
nietre do corrente anno (inanceiro de 1870-71.
incorrendo o* couirihuinies que nao realisarem o"
mesmo pagamento no referido praso, ne comroi-
nacao do 5 .>0 i ca lo art'go.
Consulado [>: .vincial 21 de novemmbro de
1870. ^
Se-vindode administrado~
A. Wi'nui i P. B. e Accioli de Vasconcelos-
SANTA CASA DE MISERICORDIA DO
RECIFE,
A Illma. iun'.' alministrativa da Sania casa de
Mi^er c rdia do R-cife manda fazer publico que
na sala de suas sessoes, no lia 24 de oulubro, pe
las 4 horas da tarde, lora de ser arrematadas a
quera mais vanlagens offerecer pelo lempo de um
a tres anr.os, as rendas dos predios em seguida
ESTABELECIMENTOS DE CARIDADE.
Rna de Santa Rita.
Sobrado n. 41........161*000
Ra larsa do Rosario.
Segundo andar do sobrado n. 24 A.... 3031000
Cinco Pona?.
Casaterrean. 70.......#000
Ra do Nogueira.
Casa terrea n. 17..... 303*000
Ra ta Malriz da Boa Vista. __
Casa terrea n. 56......_ 20#000
PATRIMONIO DOS ORPHAOS.
Ra do General Victorino.
-Casa terrc n. 13.....r............. 240*000
Ra de S. Jorge (outr'ora Pilar)
Casa terrea n. 08................. 04*000
llera dem n. 103.................. ?i*JS
dem dem n. 99................... 345*000
lderaidemn.96................... !S?*S2
dem dem n. 94.............<..... ??**?j
dem dem n. 32..... 1614000
Os pretenderles deverao apreaenlar no acto da
o'rematacao as soas flaneas, ou comparecerem
acompanhados dos respectivos fiadores.
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do Re-
cife, 18 de outubro de 1870.
O escrivio,
Pedro Rodrigues de Sonza.
' EMPREZACOIMBRA
Sabbario 26 de novembro.
Espectculo extraordinario era benetleio de Mlle.
Heleno Sangles ; honrado cora a presenea de sua
Exe. o Sr. presidente da provincia.
Tomara parte os artistas Mrs. Raynaud, Carn,
Maris e Mlle Brescia ; assim como os Srs. Frau-
cehno do Moura Pessoa, Antonio Martins Vianna,
Salustiano e o maestro Casalbore.
Primeira parte.
Miro ero.Mr. Raynaud.
Rond Bresilien.Mr. Carn.
Posa la mano.Mlle. Brescia.
Le Peuplier.Mr. Maris.
Aria da grande opera Barbeiro de Sevilha.
pela beneficiada.
Segunda parte.
LE CHALET
opera cmica em uro acto, msica di A. AJaro.
Daniel.Mr. Raynaud.
Man.Mr. Maris.
BetlyA beneficiada.
Terceira parte.
Variacoes para clarineta, pelo Sr. Antonio Mar-
tins.
Variacoes para fl*ita, pelo Sr Salustiano.
Aria da opere Guilherrae Tell, pela beneficiada.
Qnarta parle.
Variacoes para rabees, pelo Sr. Francelino,
acompanhado ao piano pelo Sr. Casalbore.
Duelo da opera Chanson de Fortuni > por Mlle.
Brescia e a beneficiada.
Durante os inlervalos a msica do Io batalhao
de artilharia se far ouvir.
Principiara s 8 e 1|4 horas.
Os bilhetes acbam-so a disposico do publico,
em mo da beneficiado no hotel o'Kurope.
Domingo 27 do corrente
As 6 horas da tarde
LINDO E VARIADO ESPECTCULO
Dividido em qtirtro parles.
Ouvertura pela orchesira.
PRIMEIRA PARTE.
A linda opereta em um aclo
La leqoj de musique
na qual tomam parte Mrs. Maris e Mlle Brescia.
SEGUNDA PARTE.
1. Cancooeta
J'N'ONS PAS D'ESPRIT.
cantadada por Mlle. Mariette.
1.' Cancao
LA MANDOLINE A DODO
cantado pelo caricato Mr. Carn.
3. Romance
SI VOUS N'AVEZ REN A MEDIR
exibido por Mr. Rajnaul
4.* Cancao
AH I QUE J'AYME LES MILITAIRES
exhibida por Mme. Valmonca.
TERCEIRA PARTE.
Representar-se-ha a linda opereta cmica em
urn aclo
Les Hiron&elles de ia vue
Personagens.
Pepetti........ Mlle Brescia.
Fntzmann...... Mme Valmonca.
QUARTA PARTE.
Representar se-ha a muito linda e applaudida
scena da declaracao na opera
LA GRANDE DUCHESSE.
Personagens.
La grand duchesse........ Mme. Valmonia.
Frlz general.............. Mr. Carn.
Termina com a quadrilha
CANCN I I
Entrada-----1#000.
Rio de Janeiro.
Esi carga para esse porto o patacho nacional
Bsfrega, de I marcha e classe, tendo j parte da
carga para receber : as pessoas que querem car
regar dirijam-se ao escriptorio de Jos Maria Pal-
meira, no largo do Corpo Santo n. 4,1 andar, para
trataren).
PARA'
Para o indicado porto segu ero poucos diar o
brigne portugoez Realidade, por ter a maior parte
de seu carregamento prompto e para o ponco que
Ihe falta a frete barato : tratase com o coosig-
natario Joaqujm Jos Gonealves Beltrao, rna do
Commercio n. 17.
RIO DE JANEIRO
Para o porto cima seguir, em poucos dias o
brigue nacional Galgo, de 1' classe, por ter a
maior parte da carga engajada ; e para o resto
que ainda pede receber a frete, trata-secom Fran-
cisco Ribeiro Pinto Guimaries, armaiem ra do
Sarao do Triumpho n. 96, outr'ora do Brura.
Maranhao
Segu para o indicado porto o patacho brasilei-
ro Bom Jezus, e pode receber ainda algumas mia-
dezas a frete : a tratar com o respectivo consig-
natario Joaquim Gorarlo de Bastos, ra do Vi-
gario n. 16, 1* anhar._____________________
BAHA.
Para o referido porto segu dentro em poucos
lias o patacho nacional Calado por ter a maior
parte da carga embarcada, e para o resto que Ihe
falta a precos mdicos, irnta-se com o consignata-
rio Joaquira Jos Gonealves Beltr3o. ra do Com-
raercio n. 17. r
CAFE PURGATIVO
A* ESCAMONEA
De B,N Barra!
Pharacentleo-CMmlco
A utilidade des purgantes nao soffre demons-
trado alguma ; a prescripeio diaria que delles
fazem os mdicos e o uso ainda mais frequente
feito pelo publico sao provas irrefragaveis tanto
como a qoantidade innumeravel deste genero. S
falta aperfelcoar eada vet mais o modo de adrai-
nistragao, de maneira que conservando a sua ac-
clo, ellei possamser tomados sem repugnancia
eem asco e obretudo sem recelo nem perigo.
Muitos purgantes afamados s devem este bom
xito ao sen effelto intenso e excesslvo. D'ahi o
perigo, porque irrilaeSes de estomago, inflamma-
c3es de entranhas sao inevtavelmente o resalta-
do do seu emprego. Nada disso tem-se de recear
cora o caf purgativo.
Todos conbecem por experiencia o aroma sua-
ve e o efleito ligeiramente tnico e excitante do
caf Elle o melhor auxiliar dos purgantes dos
qaaes disfarga o cheiro o sabor e ajuda a accao
sollicilaodo vagarosamente os movimentos peris-
tlticos de intestino, e prevenindo o seu effeito
muito intenso sebre o estomago. Misturado com
escamonea, facilita as evacuarse* com promptido
e sem clicas, e tornase um porgante brando,
cerlo, fcil a tomar e preferivel a todos os oulros
salvo urna indicacao especial da qual o medico
o anico juiz.
A innocoidade do caf purgativo permute de
emprega-lo em todos es casos simples. Desper-
tando a atona do intestno-e activando a secre-
cao deste, deslre a dureza de ventre, as vento-
sidades, as flatuosidades e excita o appetite. Em-
pregado mais a airado, coaveniente para eva-
cuar com vagar a bilis e os humores viscosos e
e faz dessa maneira desappareeer a enxaqueca,
as dores de cabeca e prev os ataques de sangue
as pessoas que a estes sao predispostas.
MODO DE EMPREGO.
E' to simples como fcil. O cat purgativo
deve ser tomado-fri, pura oa misturado com um
pouco de leite fro assucarado, ou agua assuea-
rada. O vidro inteiro' a dos ordinaria para
um adulto ; duas coNnres de caf bastam para
as senlioras e^iara toda e qoalquer pessoa que se
porga fcilmente.
Para as enancas de 8 10 annos, a metade de
vidro suflicienie ; de 5 a 8 annos, urna colber
de caf, e a qnarta parte do vidro smente abai-
xo desta ida de contra a gosma.
E' por isso d'uma aaministracao muito mais
fcil do que es biscoutos, chocolates ou bolos
purgativos.
Da-se iraraediatamente depois leite quente as-
sucarado ou caldo leve, e duas ou tres cbavenas
de cha preto ou de tilia.
nico deposito na pharraacia e drogara de
Bartholoraea & C. : rna larga do Rosario n. 34.
Monte pi portuguez.
Pelo presente sao convidados os distractos ca-
valheiros, membros da nova directora e conselho
fis:al, a reonirem-se sabbado 26 do corrente as 7
horas da tarde, no Gabinete Portuguez deLeitura,
afim de tomarera posse dos seus respectivos cargos.
Secretaria do Monte Pi Portuguez em Pernam-
baco 23 de novembro de 1870.
Jos da Silva Loyo,
Presidente.
Joaquim Gerardo de Bastos,
Secretario.
Ama
/v3*w."l*< LEILOES.
Precisa -=e de urna mnlalinhade idade de 10 a
12 annos para tomnr canta de urna cnanea : a
tratar na ra estreita do Rosarlo n. 14.
Alague
MOBILIAS
de acannd a Luiz XV, ditas de amarello cora
pedras, gnardasloucaf, ma para janlar, cama
para casal, enmaradas de Jacaranda, ditas de ama
relio, secretan i com estante para livros, marque
zoes, espelhis grandes, guarda roupa do mogno,
marquezas, um pequeo bilhar com os competen-
tes ulencilios, mesas para jgo, cadeiras avnlsas,
consolos, ralogios para mesa, arandallas a gaz,
candieiros, tinas, louca para almoco e muitos ca-
iros objectos
IIO JE
pelo agente Pontual, na ra do Imperador n. 16, as
11 horas em ponto, a correr do raartelle.
Alaga-se urna soffrivel casa de vivenda e sitio
com bastantes- e boas fructeiras, boa agua de be-
ber e banbo prximo casa, perto do povoado do
Caxang : quem a pretender entenda-se na esta-
co das Cinco Pontas com o sen chefe, ou as
obras publicas com o capillo Francelino.
Ama.
Na ra eslreita do Rosario n. 28, precisa-se de
ama.
AMA
AVISOS MARTIMOS.
COMPANHIA BRASILEA
Pela reeebedona de rendas internas geraes
se faz publico que neste mez de novembro que
se linda o praso do pagamento, sem multa, do im
posto pessoal. relativo ao Io semestre do exereicio
corrente de 1870 71 lindo o qual ser cobrade
com a malta de 6 010.
Recebodaria de Peruambuca 2 de novembro de
O administrador, *
klaao'l Crneiro de Souza Lacerda
" SANTA CASA DE MISEKICOR.D1A D
. RECIFE
A junta administrativa da Santa Casa, precisa
c.utraiar com quera por menor pieco Ozer os
nneerlos de que oece-sila o cano que conduz
agua da caraboa para a casa da lavagetn de roa
pa exi-tente no collegio de Sania Tbereza em Olin-
da, cuno as rae .aduras une eslo as paredes da
dita case, reboca-la por ueotro e por fra e fazer
de um lado um pareJao na oxtenso de 40 pal-
Os pretendentea deverao ir examinar os repa-
ros de que necessila diU casa e a presentar sqas
(tropostas, quinta fera pelas 3 horas da tarde na
sala das essoes da junta.
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do
!! cif?, 19 de novembro de 1870.
O eserivao.
Pedro Rodrigues de Souza,
inapce^o do arseaal de
mariuha.
Faz-se pufelieo que a eommisaao de perito*
examinando na forma determinadano regalamento COMPANHIA PERNAMBUCANA
anoezo ao decreto 1824 e 5 de revsreiro de DE
48o4, o casco, machim. caMeira, aBuarelho, vKvegm^9 coteira por vapor
ma>treaca.., veame, amarrae anteras do va- ** J^*,"
CManaaaaatM \ eompaobia Pernambueana uoyanna.
iiavgacjfcTwteira, achoo ue nao pode o ~UW ,Q ?**, f^tt y*"^
vapor lavgai- pelo mae estado das calJeiras. H- Pr.t0 ^'J"1 n. dia26 corree as
faspeeeio o arsenal de marinha de Peroamlja- IIM 9 "" dVno"e\ ..
co 24 de novembro e 170. I Recebe carga, encommendas, passageiros e d-
O inspector, | nheiro a frete, escriptorio no Forte da Mattos
H. A. Barbosa de Almeida ja. 12.
DE
Paquetes a vapor.
Dos porios do norte esperado
at o dia 26 de novembro o vapoi
Tocantins, commandante Jos Ma-
ra Ferreira Franco, o qual de-
pois da demora do costume se-
guir para os portos do sl.
Desde j recebern-se passageiros e engaja-se a
sarga que o vapor poder conduzir, a qual deven
ier embarcada no ala de sua chegada. Encomraen
las e dinheiro a frete at as 2 horas do dia da sus
tbida. #
Nao se recebem como en. ...nendas senao ob
iectos de pequeo valor equnoexcedam a du
irrobas de peso ou 8 palmos cbicos de medicc
Indo que passar destes limites dever ser emb'ar
-ado como carga.
Previne-se aos senhores passageiros que sua-
ja.isagens s se recebera na agencia, ra da Cru>
i, 57 primeiro and r, escriptorio de Antonio Lu:
le Oliveira Azevedo A C.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
lavegaeo eosteira por vapor
Macei, escalas do Peneflo.
O vapor Giqui, commandante
Macedo, seguir pira os pertos ci-
ma no dia 30 do corrente as 5 horas
da larde.
Recebe carga at o dia 19. en-
commendas, passageiros e dioheiro a frete at s
2 horas do dia da sahida, no escriptorio do Forte
do Mattos a. l.
m,
COMPANHIA PERNAMBUCANA
M
% a ves ac o eosteira por vnpor.
Porto de Gallinhas, Rio Formoao e Taman-
dar,
O vapor Parahyba seguir pa
ra os portos cima no dia 30 de
corrente a meia noote.
Recebe carga, encommenda?,
^ passageiros e dinheiro a frete no
escriptorio do Forte do Mattos n. 12.________
LEILA6
Em eoaelusSo
DE
fazendas diversas
Hoje 25
Magalhaes lrnans fina Usarlo hoje, por interven
cao do agente Oliveira, o seu leilo de fazendas
bem conhecidas de seus fregnezes, quem envi-
da, e de quem espera concurren-.ia, principalmente
por causa de madapoldes e nutras fazendas ava-
dados :
SEXTA FEIRA
s 10 horas da manha, em sen armazem ra
da Cadeia alias Mrquez de Olinda.
AVISOS DIVERSOS.
Precisa-se de urna ama livre de meia idade
e boa conduc a, para todo o servico de. orna casa
de mai pouca familia : na ra de Santa Thereza
n. ll.
Fallai vos, Almas Vivas, que as moras nada
dizem III Um predio com loja, de tres andares
e sotao, do vos patrimonio, arrendado desde o
tempo de Caetano Pinto, por 6901000 sendo pre-
ferido este, a offerta que se Ihe faz de 1:2004000,
alera ao segn por sua conta. Se queris fazer
cortezias, entra i com 510* da differenca para o
cofre pelo que seris responsaveis, e ser isto ver
dade ? E' o que se diz na freguezia do Recife, e as
Almas que vos respondan! : amen, amen. amen..
Leudo no Jornal o norae de J. Marcelino o>
Santos, que val boje responder ao jury, o abaixo
assignade declara que nao se emende com elle,
qne tem igual nome ; e para evitar qaalqner du-
vida declara que desta data por diante se assigna-
r por Jos Marcelino Paes Barreto.
Recife, 23 de novembro de 1870.
Jos Marcelino dos Santos.
Manoel Martins de Moura, com loja de joias
oa ra de Ilortas, tendo apprebendido um anel
com brilhanles no valor de 400/000, annuncion
entrega-lo quem provasse ser seu dono. Efec-
tivamente appareceu o Sr. Manoel Antonio Goneal-
ves, com lija de joias ra do Cabug. que, mos-
trando ser seu legitimo doao, o receben passando
o competente recibo; e, como o mesmo quizesse
geuorosaraente gratificar com a quanlia do 2/000
ao apprehensor pelo custo do annuneio e seu tra-
balho, este nao deve perder a upportunidade de
agradecer-lhe essa alta munificencia, dando-Ihe
um publico teslemunno de sea profundo recoahe-
cimento
Recife, 24 de novembro de 1870.
Precisa >e d'araa ama forra ou escrava que
saiba cozinhar bem : oa rna das Cruzes n. 21, se-
gundo atSaiseBirada pelo becco do Ouvidbr.
Alug^
_a-se
urna casa com muitos oommodos para familia, na
ra Angosta n. TI : a tratr na ra de Pedro A-
fenso, ontr'ora ru* da Prala n. 26.
Ama
Precisa-se alegar urna ama para cozinhar e en-
Srnimar para casa de pouca familia, no Arraii],
to da bomba : a tratar no pateo de S. Pedro
a-II.___________________
-liim laanefial i. andar, _
se libras sternaat, moedas naeiooaes, tanto
ro como depnu pele cambio da praca.
P ecisa-se de urna ama pa-
ra fazer o servido- de pequea
familia, a' qual se dar' bom
ordenado: na ra dt S. Jor-
ge, outr'ora iilar, n. 138,1*
andar.
Ama
Precisa-se de ama ama qne saiba cozinhar : a
tratar na ra do Codorniz n. 8.
Ama
Precisalse de urna ama para cosiobar : tra-
tar na rna da Alegra n. 5. _______^_
Caixeiro
Offerece-se um moco com pratica de taberna :
tratar na ra da Concordia n. 23. ___
m m Precisase de urna ama. ra da
AJMLM.Soledaden.52.
Precisa-se de om moleqoe ou pardinho
de 12 aonos para servico de casa, pagndo-
se bom aluguel; em S Jos do Manguinho
anles da igreja, sitio n^____________
AMA
Precisa-sede urna ama para cozinhar e engom-
mar para daas pessoas: a tratar oa roa do Impe-
rador n. 79, foja. ^__________^_
AMA.
Precisa-se de ama mulatinha de idade de 11
12 annos para tomar conta de nma enanca :
tratar na raa estreita do Rosario n.14.
CASA DA FORTUNA
Aos 5:0001
Bilhetes garantidos.
A rna Primeiro de Marco (ootr'ora ra dt
Crespo) n. 23 e casas do costume.
Acham-se a venda os felizes bilhetes garan
(idos da 6' parte das loteras, a beneficio da no-
va igreja de Nossa Seohora da Penlfa (171*), qut
se extrahira sexta-feira ??! do corrente mez.
PRESOS.
Bilbete inteiro 61000
Meio bilbete 3*000
Quarto 1*500
Em porclo de 100*000 para cima.
Bilbete inteiro BJ400
Meio bilhete 2*700
Quarto 1*390
Manoel Martins Fin.
Attenpo.
O Sr. Jou J. de Magalhaes Bastos tem urna ar-
ta viada de Buenos- Ayres, na travossa da Madre
de Dos n. 13, armazem de Fernandos & Irma*.
Calielro.
Preeisa-se de am caixeiro que falle Inglez ou
alleraio : no hotel Universo, n> do Cooaercfc
numero 1
Na ra das Cruzes o. 15
ama para asilar com meoinos.
offerece-se urna
*- Aluga-se a casa da roa do Progresso, acaba-
da de novo; ao Forte do Maltes o. 23, armaiem
o
H" fa FALQUE
IS'ESTA ANTIGA E CRED1TATA
FABRIC4
DI
ENCOSTRA SE COKSTINTEIIXTE Bill COMPLETO S0RTIIE1U0 DE
CHAPEO DE 'iOL:
Pe todas as qualidades I
De todos os fcitios I
De todas os preros I
RA DO CRESPO N 4
PARS
4PPR0VA00 PELA CaOEMU IMPERIAL Dt MEDICINA
em 27 daembro de 1819
PARS
AA,
I
i r t i i -J
I
//cAr
E" sobretudo s euas propriedades eminentemente abaorventes,
que o i nrvio de BeiUc deve a sua grande efficacia. Reconv
flienda-se-o especialemente contra as affecedes seguintes :
GASTRALGIAS
DYSPEPSIA
PYROSiS
A2IA
DIGESTES OIFFICEIS
oOres de estomago
constipado
CLICAS
DIARRHEA
DVSSENTERIA
CHOLERINA
M9B0 DE EMPBE60. -OCrtaodc B1U .IbrbonieBeiiK)
temo-te untes ou depois de cada comida, sob forma de P ou de
l'islillus. Cerahnente o bem, estar sente-se logo depois das pri
ineiras doses. l'ina informacao entensa acompanha cada vidro
de p e cada caixa de pastilhas.
UpoMito em Paurit*, L.. FRERE, 19, ru Jacob.
Vende-se na pharmacia e drogara de P. Maorcr & C,
raa do Bario da Victoria n. 17

T
PARS
I
/.'
I
pars
pars
pars
g5Ta:~;ffr,r~^~~sa
n i
r 3 :>1 6^ I
iliijili
LICOR CONCENTRADO E TlTULACO
0 Sfir Cuyo! che;ou a tirar ao alc;:lrJo a
sua crin* nia e o seu amargor insupporlaveis,
ikjhi olena maissoluvcl. A[>roveilnni!oe fiu rtescobtrl, elle prepara un licor ern-
i entrado J5a!carrn>, o qual, sohum pequeo
MKnnm, conlM nina erande propai-cSo de
>M",!lri|i|ii ;:clivO*.
(i A .-i :<> rtij'iH] pean jwfonM'qneneia tojas aavan-
lagena um ;i;'iin do alcairloordinaria, sem lr
d iiieoveii.ei;;.- Bada Jeitar d'elle aau
colher de caf n'uro copo (Tagua nara obu-t
lo^o um cono de exltenle ajuu de alcaii'"
i^u gusta rievagradaMi. '>! lawal i>od'-
d'essa mane ra preparar a sua aaw. de d-
c.ui ii ki ri'iMa (.r.v^.i, o que olTerere
Bowmi i dr korpo, RteMade de traa^arte
e eila o inaiivjotdo dcsagrnduvel Aataitrlo.
!' AU^irAu .:< (.ii >(.( lubstiiM Cum
alagem limitas tisanas nais ou menos
raerles* no casos de deflu\os, hiiiiicinies,
lo-se-j. e il, ,tIk s.
O aicair.-to dt Cin;m e empregado com o mai<* i-.w na* MORistiM jeguinlta :
L;! BEBIDA. Vina a.lher de cafe para um copo d'ayua uu Uva* colhcres e
tOmpara urna gara fu :
BnoiiCHires
CATARRitO CiC BEXIGA
OEFLUXOS
TOSSE PERNITAZ
IRRiTAQO OE PEITO
TCSSE CONVULSA
53 FGnEuT-vi-ES. "" Licrn"ou ,om mll0UC",'fl/,'a;
AFFEcg.S DA PELLE
COIBlCHotS
MOLESTIAS DO COURO CABELLHJO
El ISir.Cf'0L5. Vnfaparlede lic('ireqvuroti'uuup<*x)
FLUXC8 AfiTIGOS OU RECENTES
CATART.HO OA BEXIGA
O Alc;att*ao 6* t;.yot fot exurnen!d!o com un vudcdeno cilio MU
lirinnpucs kvtptae ..ue, para os tempos de calor, elle c mtilw a bebida a rn;w kytjicnhk, e h
oretudo durante os tempos de cp'uUmn. Ihiui .inicio uceunrpuuhacada vidro.
Vende-se na pharmacia e diogaria de P, Hjw-
rer & comp., ra Bario da Victoria n, 17


4o xarope VnetaifH me rW^S^^BrPRii^ffi^j^HBIof
34 RA lARCA DO ROSARIO.3*
?t-j| coiVQiDmoi procarar ittMUdot para erediur
mm artoiradoi, tiumt qa pplietco os
aludo obtidpMupMsoueM m di(aanMeeU.
'. Ibw data crdiu o| ; popa** *> wMpr* m
itUstidoi coniklernio gnlnitoi, e delle qo* Itaf*
ato cherlf tioiuoa; mu ni aserrado ofieader t pei-
iiii pi mmtmmmatm$*tkm$m*m,m \t laitso
lo tr
1MSI
m
tid* Dosto taropt.
nituMS.
Plms. 8ta. iMtlMteiBM A C. eon t nui nbid
*infcto que dtclvo er o itratc AaNrcM* de na
ifBoelt eiitiordimri. pois jae topesdo ha diu da
ttfiti tosse. ponto de ro poder dormir noit
>eilo BMtmo de e\'lii-i-mcmo qne tomavi. i elle
corrit ao icttn c -inet lu llri*lo. de ledotae
> ue soeteiite de qMi
Ikat OMailtsUDdo-lhes
io, eeooreode qve veobm
I aotokaoU qo um mere-
C
'.*t rwBlUdo manileote
- P Vr. s. eiie, e
*r%4*r eobrigadr. M; sr.t ViegJ* folor.
B ea 9" '
<< l Henkoridisiimoeom
> itm n b* ujl ui hvmoim o*o do xtfepe
Veceul merwtoo. de oa eeoipotielo,
tcieva keMiDM doeou do om* eonitiaocae, oae bh
Uroon compleUOMote looeo e qoo Uoon man lote
tosst. me impoMlbiliteo do cooaporoo aooo anote*
de cantor d* emprcra lrica, vea. tgridecei-lae* ateo
completo reMabeleciqwato, qne oott coa ota ai tur
do meime nrope, depoia de ktver roearrioo a tale
trtMOMotoa. iouiotoi joo oottoo ooo oo ro
o oo larepe per* ** venoi oMitadii do Oo I
iaoommodo, too fctol i
relo oeottae o ott de V*.'
tiritado. Laix Crootoot.
detWS.
Illma Sr* Btrtfcolooee4C-0 i
ricaoo oe Tv. S*. UJo aajfU 11
cae i* per* o eonUvo d**i
oUciode.0 meo Blfce
eonec; %ittm4Twm_ Jef
eoeoooou o^ooeoo*Aooll
de gre*W oe.oe.de. ootawita

ietalCj
upreitMi alumonu titetm de meo ro
servicc
_opt.
aitrato Rae* 9 ta eoiahre # OM.



Diario de Pemaai>uco Soste
O ft J., H.T.
remlfro de

ALERIA
PINTURA
^|
E
n
DE
J. IFerretra Vhia
Desde o dia 7 de abril pasudo acha-se aborta o
oto estabetecllneilo hoiofrapTco sito i ra do
Otaya-d- 18,eumaao ateo angwe-*> eolio, em sabido de noaaa officina
teae f abusn agradado, aaodo resabidas por
ati.Mina amiraeio polo extraonaiaato pro
gmea qae ltimamente Um tto a phobgnpbia,
faW.MMilim afegria, per vareo a proviaoia
ottdta eom m estabeteciawBto digno d ella, e ia-
eentoeta val menta o primeiro que nesse gero
neje poa&ae : tamben nio nos pouparaos em eousa
algas* para mouta-lo no p.era que se acfaa, es-
perando que o publico de Pernambuco saber
apreciar nossos Mforcos e recompensar nossos sa-
crificios.
GBdwttnios a todas aquellas pessoas, naetonaes
MWaflra que goetam das artes, oo tiaetem
aoceesidade de trabalhos de pholographia a visi-
tarem o noeeo estabelectmento, que estar sempn!
aborto 4 aoa alanoaico todos o das desde as 7
borai da manblta at as 6 da urde.
Para o trabalhos de ibotograpbia possuimos di-
machinas dos memores autores traacetw,
i e aJImeme*, como seiaet : Lereboars el
ib, Secmagis, Themaz Roes, Voigtlander el
e Wulf. U.'jaaaawate recebemos tres nova;
achinas* sondo urna deltas propria para tomar
oteeo oiesow vidro 4 ou 8 imagens diversase
iaoiadas, aoulra de 6 a 13 imagens diversas
igualmente soladas, de sorte que no caso de
ranee coacurrencia poderemos retratar sobre
aoja, mu chapa al 8pessoas diversa e sola-
da* fiara carios de visita, e assim em menes de
am quarto de hora despacharmos 8 diferenies
aeatoasque pecam cada urna, umaduiia de cartes
mais ou meos, com os seus retratos smeale, oo
em grupo com outras.
Encarregamos-nos exclusivamente da ajreceao
a feitura dos trabalhos de photograpbia dei-
xando a pericia e talentos do disiincto pintor
allemao, o Sr.
Jorge A. Roth
os trabaibos de pintura, a aquarela, a oleo, e a
pastel.
O Sr. Roth acha-se ligado a.nossa empresa por
urna escriptura publica, e at o presente tem-se
destellado na execucae de seus trabalhos.
Po nessoestabelecimepto acham-e exposlos ou-
tros trabalho* iuipnriantts do Sr. Roth, tanto em
miniaturas aquarella como oleo, reiralos
oleo, quadros sacros e diversos outros trabalhos.
Tomamos eocommendas de retratos oleo at o
tamnho natural, assim como de quadros sacros
para ornarnentacio de igrejas ou capellas. Tam-
bera aceitamos eaeonimendas de qnadros histri-
cos.
Asseguramo? qne os presos dos diversos tra-
balhos da- nossa casa slo mu rasoaveis.
CABTES O VISITA NAO COLORIDOS A iO)SOO A
DUZIA
cartn de visita com o colobjdo ao nat-
iulA16)5000adzia
Retrates em miniatura oleo ou aquarella de
16 20*000 cada uro, iodo convenientemente en-
caixilha'lo em moldura dourada e regulando o
busto da pessoa retratada do 3 4 pollegadas e
todo o quadro palmo e meio de tamanho.
Jalgamos i|ue bastarlo os precos cima para
darmo* idea di baratesa dos trabalhos do nosso
establec aiento, quaoto sua perfeicao cada um
vanha julgar por seus proprios olbos.
As melhares horas para se tirarem retratos^ no
nosso estabelecimenlo sao das 8 horas da manhaa
1 da tar Je; entretanto de urna hora s 5 da tarde
em casol especiaes pde-se tambem retratar qual-
quer pessoa.'
Nos dias de chuva, ou por tempo sombro po-
demos retratar, e asseguramos que esses dias sao
os mais favoraveis aos fabalhos de photograpbia
pela doeura e persistencia da luz, e p< r termos o
nosso trrac^ construido com taes proporcoes e
melhoramentus, qne-amda chovendo ahorros ne-
nhum inconveniente ha para fazer-se bellos re-
tratos.
J. Frreira Vlela_____
O professor Joi Jts Barroso da Silva Ju-
venis, removido da cidade de Goianna, renuuciou
honteiu o testo da Hornea que nbteve para a sua
mndanca daquella ci la-le, e e itrou hoje no exer-
cicio de seu m*gistiio, na 1* cadeir da 2* seccao
da ra Imperial de*tt ci lade, sendo a escola na
casa n. 259 da mes na na.
IXP08ICI0 DRimrjAL DE 1851
acOALH* A uiit
tf. LABAjriMNft & c :
Qmim
APPBOVADO U ACADEBW DE
DE PARIZ

0 Qulnliim Labarrarjue.* um 1 qual os mdicos e os deentes podem sempfe
vinho eminentemente tnico e febrfugo que deve contar,
ser preferido todas as outras orenaracoes de
preparacoes
t
quina.
CASA DA FORTUNA.
RIJA 1- DE M VltCO OUTIfORA DO
CRESPO N. 23.
Aos 20:000^>00().
O abaixo asign ido tem sempro exposlo ven
da osf'-liz-s bilhetes do Rio de Janeiro, pagando
proinntamontt', con entuma, qualquer premio.
PRECOS.
Inteiro 24*000.
Meio 1009.
Qiarto 6*000.
Manoel Martios Finaa.
Os wihos de quina ordinariamente emprega-
dos na medicina preparaatvee com cascas' de
quina cuja riqueza em principios activos extre-
mamente variavel; parte disso, em razao de seu
modo de preparacao, estes vinhos contem ape-
nas vestigios de principios activos, e em propor-
coes sempre variaveis.
0 Qaaliiitini Labarraque, approvado
pela Academia de medicina, constitue pelo con-
trario um medicamento de composicao deter-
minada, rica era principios activos, e com o
0 Qulolum Labarraqae prescripto
com grande xito s pessoas iracas, delibitadas,
seja por diversas causas d'esgotamento, seja por
antigs molestias; aos adultos fatigados por rana
rpida crescenca, s meninas qui tera difficuldade
em se formar e desenvolver; s mulheres depois
dos partos; aos velhos enfraquecidos pela idade
ou doenca.
No cazo de chlorosis, anemia, cSres plida,
este vinho um poderoso auxiliar dos ferrugi-
nosos. Tomado junto, por exemplo, com as pil-
las de Vallet, produz effeitos maravhosos, pela
sua rpida aeco.
0 salo de pianos e de
msicas
nudou-se da ra Nova n. 58, andar, para a
ra da
Imperatriz n. II lojn,
mde contina recommendando-se ao lllm. pu-
blico.
G. "Vr^rtWlwr.
VICTQWAW) PAWIAHBS.'
j I I Vi M' UV **m UM m. m.%. \M Mm i
1NTERESS ANTE G6IPOC9A LinWURM.
coirre^oo :
Anolte do'xtasis.
O sofrito.
A noite do assombro.
A lagrima
A noute do tetarlo.
Onvitatu).
Com urna carU critica dirigida ao autor peto
Dr. T. B. Rigueira Corta.
I votan brochada 9*000.
AS CENTELflAB
Poesas patriticas sobre a guerra Ao Paraguay.
1 volme brochado 2*000
NA
________LIVRARIA FRANCEZA
Joaquim Jos Gon^al-
ves Beltro
Rna do Trapiche n, 17, I* andar.
Sacca por todos os paquetes sobre o banco do
Minti, em Braga, e sobre os seguales lugares em
Portugal-:
Lisboa.
Porto.
Valonea.
Guiarles.
Coimbra.
Chaves.
Viseo.
Villa io Conde.
Arcos de Val de Vei.
Viannado Castello.
Ponte do Lima.
Villa Real.
Villa-Nova de Famelico.
Lamego.
Lanos.
Govilhaa.
Vascal (Valpas.-o).
Mirandella.
Beja. '
Barcellos.
Deposito em Pars, L. FRERE, ru Jacob, 10
RO Janeiro, Duponehello? Chevolot.
Pernambuco, F. Sfanrer y C1".
Baha, Haase y '".
Ouro-Preto, Candido Wellerson.
Maranhao, Ferrehra y C*.
Pelotas, Anteiro Lelvaa.
Maceio, Falco Das.
Porte Alegre, Francisco Jos Bello.
A. t
(jiielle deronte, mon Dieu I
Quelle cnttuade, saprsti I
Ehl eh I iht
Un direuteiir important
Ah I ah ah!
J. M.
__ A SILENCIOSA
TR1LH0S URBANOS DO BEfflFE A' APIPCOS.|Chegaram as afamadas machinas de coser
Passeio Apipucos. Ida e volta.
i'orI:ORUaI,vclasse,
bilhetes especiaes
PARA QUALQUER TREH
mus e mis s
Ama
Precisa-se para o i-ervico interno de casa de
pequea faroili : na ra do Vigario n. 5, segun-
do andar.
AMA
Precivi-3 e dea um ama, na ra estreita
arto a 8. __________
oRo
A(4il CHRESTOMATHIA
DA
LINGUA INGLEZA,
KltL
J. C. RODRIGUES.
C*aMn4: um Tratado sobre a origem e o
il lecta agStpadasos dos principa* scriptores i
e w abocos biographicos e crticos desties
as estapoes
Do Recife, Offic;nao, Soledade. Caminho-Novo, 8. los,
Torre e Ponte de Ucha.
ObservadoS tervem para o da da compra. .
POLLACR SCHMIDT.
Rna do Crespo n. 4.
Asomis modernas ee(egantes%que lera apparecido al hoje E, com effeito nada
mais se pode exigir de urna machina de costura em quanto a trabalho de agnlha, tal
a variedade 4e costuras que fazera as de qae se trata; por isso que se pode dizer
que a Silenciosa de Pollack Schmidt attingio aos ltimos aperfeircoamentos f
A simplicidade de seu machiflistno, a adherencia de suas petjas e belleza de qu* se
acham revestidas elas machinas, sao predicado; que por si as tornara re'commendadas,
mesmo diante da apreciado a mais escrupulosa e exigente, cuja verdade se aeha gra-
vada em bellos caracteres em todas as exposiges onde as silenciosas teem sido vaa-
tajosamente premiadas.
Perto de 2,000 machinas teem sido vendidas na corte do impena pelo seu nico
agente no Brasil no cuito espaco de dous annos, e continuara a ser procuradas com
enlhusiasmo: roga-sq, porlant. ao respeitavel publico desta bella capital, e com es-
pecialidade as familias que desejarem possuir urna utfl e linda peca de as vir ver e
examinar, na casa cima indicada onde encontraro pessoas habilitadas para darem
todas as exp.icaces, e se fazem todos Os coacerlos na raa Primeiro de Marco (ou-
tr'ora Crespo.)
DOCES, HUCTAS E
13Ra da Cruz-
PLORES.
13.
i forma um volme de 438 pag. iu 3",
llMiaitiBtn etectrotypado, a encademado.
PRE50, 5I000.
~" Ll -rt ...i ni ,.\t.tiZA.
OfafHC seuiim aniH para cozinhar e com-
pra* : a 4Jtnr aa rita H nas n H, lo)a.
"- fratasarse atugax urna
ai raa; atraer m ruivh
negra para vender
;nci Tontas n. 43
' Kracioa-M de una nenbora com a< tuwlita-
jJaj awairso para en.-mar meninas em um enga-
rnio a s arliar hab! i d, rtir:jn--e a praca
(Ujtdo Saoto n. t7. primeiro andar, das 7 horas
da Biaabaa s 4 rRUCTAS
ABACAXIS
SAPOT1S
UVAS
LARANJAS
MELOES, ETC.
Irmaiidada das Almas
do (jcrgo S nt)
T*a4-. coa.o.-.J wtU setfuuu^ re mesa
' i>sia noaa innandade para a reunfio qna
'r:;r'n' di- '? d' f .:rz'\ afl 11 de
rt&*-tM*(*.i n'''''i 4" '"te"1" da mBma
irmtwaade, ia di-cntnl<> e apreciado em mean re
adora ; e ira o numero de Ir-
n* para constituir se ; de nuvo convoco e oon-
tid'> atndoaaacada om de nossos irmos, pela
tefaMra int, a reunirem-se para o indicado flm no
dia 17 do torrente mea, s i 1 horas da manhia
evitando se por asta f .rma a neces^idade em que
ticar roil.ieada a anual riles* de providenciar
OOmO DO C'iSO Ca
iiistorio. aos
DOCES SECCOS
CAJ'
LIMO
ABACAXI
LARANJA
CIDRA, ETC.
Neste estabelecimento encontrar o fregoez todos
os dias presuntos em fiambre, pastis, boos-boccados,
doces de ovos, e de todas astmtras qualidades, Sec-
cos e em cadafl, pudios, e ludo quanto.se poss'a de-
sejar no corfortavel um excelleote LUNCH ; /ortifi-
cando, aquecendo,, e refrescaodo o estomago com os
naelhores vinhos do Rheno e Bordeaux ; xaropes de
todas as qualidada* para capils ; sorvetes de todos
os fructos, com especialidade as trcas-feiras, quin-
tas e sabbados o excelleote sorvete de crame.
FLORJKS
BOUQUETS
PAR\ NOIVAS
PARA JABROS
AVULSAS
PLANTAS, ETC.
BUASCO E ESCURO
Desinfectando 0. Oleo Je Fijado d Baealh,
liar r.bevrit it a $U pretiosijgfpara-
aei
3o UiTiipfuiica "um ohfiro e saboj ^
i nmh*n,a (la^pe*irt^Hia4rin^_
. fciaii'MitlU.As*erl<,|aaKrdJp)ou a
seu unir urna Medalha de honra. lulfiBseu
uiudo Ulco deKi|do.-?Uaell4o csiSfcflado.
Oamedi.oso'rceitam prefrriTettneiiiaa 10: 1
[US oujros. ca.todas as molsliaf or.dat ni-
prr-ga o Oleo do Figoilc < Satolbo.
ViTpor mais pornien,ore ns rela!oriiBed.-
coa quecouloui anoiioia qn* acctu; anba ea 5
raco.
(ia bnnia phars .lila'**iiQ-4e o VI""
0 TAfrETVlJWAlUO com, A
MB
FEltItLL\fcU DE CHEVIUER
O Senhor Chorior eomplotoa a toa deaeo-
borta njuntan-do a iodiira d ferro ao Oleo de
Ri:.IMo siuf' lado. Este Oteo i r'igado de
EacalMo ferniiiiiico um todas u propiedades
dolNO do ferro, digere-se fcilmente e Mines
causa priso de rentre. Portanto i preferiTol
iS BIS4S nri.'parat4es ferruginoaa (PiliMasoo Xa-
rope), on'riu en todas as doen^as onde se
omirega u ferro. Ti>ica pulmonar, bronche*.
nulaJamo, escrufulas, impigena, gota, rh.-
r.atUiuo chronico, catarrbos amitos, d;
aias, convaleseencias difficeis e 1. aquetas de
eeaatitalcaa.
. e ELIXIR de COCA, excMlenvi prepara;6s lonijaj-.
CA para cirarascagas, feviitas, eortadureae coniusfi.
_____t:___l. ^ J_^ r ^ i r> ri a 1^. OsGRAitVQS dBlSMOTi^mpBIe6nt'i*#dUrrbea,df^eut*a.d6redtuaag", I
Df.psitaMO, cm Rio'de Janeiro, Dcp.tiHB' e et U". fiw, M* lf**oei .
lamiliifaco, P..-UaoaL et O. M0w, Fi^aaiu *< C". /'"o *gr+
Va Jos*; Bello. Prfntus, VvTKHO I El vas.
de 1870.
Sanioi.

A
RUI
DYVETOT
14Roa Esti-eiUi do Rosario-14
Compra e vende roupa feita
nova e velha, objectos de
cosinha e de mesa, e
tuclo que per ten-
ce ao uso do-
mestico.
Na praca da Independencia o. 33 se da di-
iheiro sobre penhores de ouro, prala e pedraa
ireciosas, seja qual for a quaoiia ; e na mesma
asa se compra e vende objectos de. ouro e praia,
ijraalmente se faz toda e qualquer obra de en-
ommenda, e todo e qualqner concert tendente
1 mesma arte
gaz m m
Cbegou ao antigo deposito de Henry Forstar *
i, ra do Imperador, um carregamento de gas
le primeira qualidade; o qual se vende em parti?
1 a retalho por menos preco do que em outr* qual*
mer parte.
NIOFINA
1
i
Roga-se ao lm. Sr. Ignacio V.eira de Mello, .
crivao na cidadn de Naiareth desta provincia, o
favor de vir a ra do Imperador n. 18 a onclnir
acuello negocio que V. S. se comprometteu reali-
sar, pela terceira chamada dest jornal, em fias
de derembro prximo passado, e depois para Ja-
neiro, passon a (evereire-e abril, e na la ew^pro,
e por esa motivo de novo chamado par dito
firq ; poja V S. se aeve lea*rar qae esta efocio
de mais de oito anoo e quaodo o senhor seu
fllho se achava no estado nesto clade.
PHIKEIRO E ANTIGO CONSULTORIO
HOMEOPATHI X
8 1)1 l:(lo pelo Dr.
SANTOS MELLO
Os habitantes do mlerior po"dem-no
consultar pur *crip:o, no ijue sero sa- M|
sfeitos com prmnptiilo.
Praeta-se tambem a chamadas para o i
interior, a preco mdico.
Consultas no coasultorio das 10 horas 2
ao me da.;
Ghastados, a qualquer hora.
Aos pobre* gratis.
43*ua do Bao da Yrctoria43j
B (Aatiga roa Nova). a
mmm ? i mi
Acaba de sahir luz
Venda-se
Li\ rana Iranceza.
i pn
os
DE
NOSO SBNHOR JESS CHRrSfO,
AMA sj^nsaMA
, E
VARIOS sautos.
I %*a^^^H A saber
Setenario io Senhor Bote Jaso dos Paaaos.
OOeio do Senhor dos Pasaos.
Novena doHenino Deas.
Novena de N. Senhora da Cooceicao.
^slenario das Dores de Marta.
Oficio das Sete Dore de Mara Sanlnitoa.
Novena de N, Sennora do Carmo.
Offlcio de N. Senhora do Carmo.
Noveua de N. Seahora da Peaha.
Cnticos de N. Seahora da Peni.
Novena do B. S. Joao Baptisti.
Novena da Senhora Sant'Anna.
Treaena de Santo- Antonio.
Novena do B. S. JoseV
Um bonito voIuqm -eneaderttaao.
apopo,
Ala-se o andar d> sebn iT.
roa do Pedro Affmso, oatr'ora da Prala : a tra-
tar na toja do mesmo.
Qriado.
Na rna nova Jaa-se do
um riadobem. so
coadneta : qaem to ssver cestas coarHc/ws *
escusado la ir.

TI


Diario, de Pernaftfaoo Sexta feir* 25 de NtmAio de Mf0
Precm-Hde ama au)a para o serpeo interno e
externo de ama uu de familia fe duas pessoas
***** f iPtro Afonso (onir'ora ra da
Praia) n. 47,1 adiar.
Padaria.
Alaga-se a padaria allen em Santo Amaro, e
as condigoes lo faroravm : a tratar cora sen
dono na roa da Guia n. 56._________________
Agencia em JPeruambuco
Do Dr. Ayer
Petoral de Cereja
Cura a pbthysica a todas as molestias do palto
m Nafta parrllha
Cura ulceras e chagas antigs, itnpigens e dar.
Iros.
Tnico
Conserva e limpa os eabellos.
Pllalaa catbartlcas.
Paramente vegetaes sem mercurio ; cura se
soes, purgao e purifican) todo o systema humano.
Vende-sefefl ctiva mente em casa do Samuel P.
Johnston A C na da Senzalla Nova n. 42.
Companhia Allianca
DE
seguros martimos estabelecida
na Baha em 15 de Janeiro
de 1870.
CAPITAL..Re. 2,000 000*000.
Toma seguro de mercadonas o din eiro a risco
martimo em navios de v.-lla e 'aperes para detv
tree fra do Imperio. Ageocii ra do Com-
mereio ralves Beltro.
Nutrimento '
MEDICINA!
Preparados por
Lanman & Kemp
para tsica e toda
qualidanta dedo-
eneas, quer seja
na garganta, jei-
to ou bofes.
Express a-
mente escolbido
dos melhores li-
gados dos quaes
se ex traite o
leo, no banco
'da Terra Nova,
purificado chi-
micalmente, e
suas
p ropriedades
conservadas
com todo o cui-
dado, era todo o
frasco, se garan-
te perfeitamen-
te puro.
Este oleo tero
sido submettido
a um exarae
muitosvero, pelos chimico* de mais tale-n
ot, do governo liespanliol em Cuba,foi de-
vulgado por elle e contcm
MAIOR PORCO DIODINA
do que outro qualquer oleo, que elle tero
laminado
10D1NO ETM PODER SALVADOR
Em todo o oleo de ligado de bacalho
enaquelle no qual contera a maior porcSo
d'esta invaluavel propriedade o nico
meio para curar todas as dnenras de
GARGANTA, PEITO, BOFES.FIGADO,
Jisica, bronebites, asma, catarrbo, tosse.
R'sfriamentos.etc.
L'ns poucos fiascos d carnes ao muito
magro que seja, clarea a vista,e d vigor a
iodo o corpo. Nenbum outro artigo co-
ciendo na medicina ou sciencia, d tanto
nutrimento uo systema e encommodando
quasi nada o estomago
As pessoas cuja organisacao tem sido
destruida pelas aflecces das
ESCRFULAS OU RHEUMAT1SMO
e todas aquellas cujadigesto se acha com-
pletamente desarranjada.devem tomar
O OLEO DE FIGADO DE BACALHO
DE
B.:!5!ii;.u A. Kemp,
Em lampos modernos nenhum descubr
ment flperou maior revoluco no modo dt
curar anteriormente em voga do que o
l'EITOIIYL DE AMAHUITA
TANTO NO TRATAMENTO DA
tosse, atoro,
ASTHMA, THISICA,
ROUQUIDO, RESFJUAMEISTOS.
BRONCH1TES,
TOSSE CONVULSA,
DORES DE PEITO,
EXPECTURACAO DE SANGE.
Como em loda a grande serie de enfermi
dades da garganta, do peito e dos orgaos
da RESPiRAcAo, que tanto atormentam e fa-
zem soffrer a bumanidade. A raaneira an-
tiga de curar consista geralmente na appli-
cacaode vesicatorios, sangrias.sarjar ou ap-
plicarexteriormente ungentos fortissimos
compostos de substancias vesicantes, alero
de prbduzir empolhas; cujos differentes mo-
dos de curar, nao faziam senao enfraque-
cer e diminuir as forjas do pobre doente.
contribuindo por esta forma d'uma maneira
mais fcil e certa para a enfermidade a des-
truic3o inevitavel de sua victima Quem dif-
jerente poisto o effei admiravel do
PETORAL DE ANACAHUITA 1
VM E El DE IRRITAR, NOUTIFICAR E CAOZAF
INAUDITOS SOFFRIMENTOS AO DOENTE,
CALMA, MODIFICA E SUAVIZA A DOR.
ALLIVIA A 1RRITACO
DESEMVOLVE ENTENDLMENTO,
FORTIFICA O CORPO
e faz com que o systema
Desaloje d'uma maneira promptae rpida
at o ultimo vestigio da enfermidade. Os
melhones votos em medicina da Europa (o
Lentes dos Collegios de Medicina de Berlim)
testiicam serem exactas e verdadeiras estas
relacoes analgicas, ou alm disso^a experi-
encia de milhares de pessoas da America
Hespanbola, as quaes foram curadas com
este maravilboso remedio, sao mais que
sucientes para sustentarem a opinio do
PETORAL DE ANACAHUITA!
Deve-se notar que este remedio se acba
inteiramente izento de venenos, tanto mine-
raes, como vegetaes, em quanto que porm,
alguns d'estes ltimos, e particularmente
aquelles que sao dados sob a forma de Opio
e Acido Hydrocianico, formam a base da
maior parte dos Xaropes, com os quaes Ufo
fcilmente se engaa a credulidade do pu-
blico. A Composicao de Anacahuita Peito-
a acha-se linda-e curiosamente engarrafadas
m frascos da medida de cerca de meio
quartilho cada um, e como a dose que se to-
ma so d'uma colher pequea: basta ge-
ralmente a applicac5o d'um ou dous frascos
para a effectuacao de qualquer cura.
Acha-se venda nos estabelecimentos de
P. MamerdcC., J. C Biavo & C. A.
Caors, B. M. Rarboza e Rartnolomeo & C
s
o


\\
Este antigo estabelecimento, acha-se hqje montado n'uma
asala de poder servir vantaj o smente os sens freguezes, atien-
to o grande sortimento de joias d'ouro, prata e brilhantes, que
sempre tem e recebem mensalmente das principaes fabricas da
Europa- cujos prepos sao em competiveis e as obras garantidas
de le i.
iHOREIKA HITARTE .

MANUEL d C.
Tem a satisfacio de participar aos seus numerosos freguezes, que em vista de ser-Ibes mais commodo, tem

AOS 5.-OOO400O
Esli venda os felizes bilbetes da lotera da.
Bahia. na casa feliz do arco 3a Coneeieo, loja de.
ourives ao Recife.
Preeisa-se de orna pmo de conrlanca, v
telligente e activa que tenha conheciment e pra-
tica de drogara : a tratar na ra do lrtpoiador
n. 22._______________________
Frederico Maya
Cirnrgiao demUla
Acha-se em seu consultorio para es trabalio
de sua arte nos das ateta das 8 bcras da masoa
as 3 da tarde, o aquelles que por suas cccupa-
c6es nao poderem comparecer nesse? dias o acha-
rao das 9 horas da roanha as 2 da tarde nos do-
mingos e dias santificados. Tambem continua a
prestar-se a qualqner chamado, tanto na eidade
como para ra delta, sendo procurado em aeu
consultorio a ra do Duque e'Caxiai, sobrado
amarellu com entrada pela praga de Pedro II.
Aluga-se
o 3* andar do sobrado n. 8 da ra da Imperalriz :
a tratar com J. J. de M. Reg ra do Comntercio
o. 34.
Au bel sexe
COLD CREAM OF ROSES.
Cette Creme dalicieuse, nniversellrment rpan-
due en Angleterre, ni les femnies sent si renom-
tnes par la beaoi el la iraoeparence de leur
teint, doit sa rpatalion aux lments balsamique
et onctuenx qtii la compo?ent, ains qu' sa cons-
tante efflcacit poor adiucir la. peau, la rendir
plus blanche, et confrbuer ains la sanie et a la
beaut, qui, loujnurs, sont inseparables.
On la recommaBde c-ntre les irritations de
I piderme, telles qoe Boutons, phblides, Ta-
CHS OE ROUSSKUB, ROUGEIIRS DE LA Fl6UU, et
contre les taches patriques et les Bfflorescbi-
ces. Cette Crrae convient speialement aux fem-
mes enceintcs pour prevenir LE MASQUE, auquel
elles sont sujeites.On s'en sert encor ponr em-
pcher la figure do se hler par le froid ou la trop
grande chaleur.
Prix 1:500 res
Sel dept au magasin Basar de la Modofo
Roe do Baro da Vict< ria.
iJjg; onde acharo os pretendentes, muito avultado sortimento de chapeos de sol de todos os piecos, qaalidades eporpre- ^^
%g eos mas commodos do que comporta o nosso mercado : cenvidam especialmente aos Sis. compradores por atacado -^
%& darem, sendo possivel suas encommendas, pois poderao assira serem mais bem servidos, visto poderem escolher as ar- |g

macSes as lazendas que a demora da fabricado 6 bem diminuta.
NA ANTIGA E BEM CONHECIDA FABRICA
DE
CHAPEOS DE SOL
m
m
m

C*K-.
DA
ua do Baro da Victoria, esquina da Camba do Carme.
(Antiga Ra Nova")
Ha sempre um grande sortimento de"cba"pos~de sol de seda, merino, alpaca, bretanba de linho branco e par-
do e de algodo os todos os tamanhos e feitios, alm da immesa porco de ftda, merino, algodo e'brim,
armaces de todas as qualidades para satis/azer qualquer encommenda. A modicidade de teus presos to conbecida
que escusa de mencionar.
S
Ama.
VERDADEIRO LE ROY
Ru de Selne,
Docteur-Mcdcdn
61, & PARS.
Eb da gr, rat, tre a roibi e o papel uul
que ten o mcu tintte, um rotulo imprnio em ama
_CrZ. ~_j.j teUoumal.Un
kNHrit.aceiUrel
M de Ti.la,
MMIlMJlaHI
dodMkMntoedo
aior dwcoBto
AROPE
PURATIV
BoD^GBERf
MEMBROdaACADEWWdeMEDICIIVA
PREPARADO POR DESLAURIERS.PH.
Suc D BOUTIGNY-DUHAMEL
51 Ra de Clry Papis
Precisa se de urna ama
mais snico de urna casa de familia, preferindj-
se escrava : Da ra do Viscunde de Pelotas (Ara-
ga.) n. 37.
queengomme e faga o
41 IDA DO 111.10 DA VICTORIA \\
AVISO
Roga-se aos senberes abaixo mencionados o ob-
sequio Je comparecerem no Bazar da Moda ra
lo Baro da Victoria, a negocio que Ibes diz res-
jeito :
Joao Vtlentim Vilella Jnior.
Guilherme Dias dos Santos.
Joo Jos dos Santos Lima.
Jop Magalhes com fabrica do velas.
Jos Maria Fernanes, morador na villa do
Cabo.
Boa occasio.
Um moco brasileiro de 30 annos de idatie
}uh falla e escreve a lingua ingleza, com
todas as habilitages para caixeiro despa-
:h.'ntc, de embarques ou oulro qualquer
trabalho; precisa de nm emprego. Para
informaces dirija-se a rna da Croz n. 5.
das 9 da manha as 3 da tarde.
Ama
Precisa-se de urna ama : na
sario n. 31. 1 andar.
ra larga do Ro-
IT.I miihiii:
A o n. 13 da ra do Queimado.
Ricos lintoa cim saiotes de blonde caprichosa-
mente guarnecidos de tilas de seda e de seiim e
rec nados a chineza, alem d que adornados de
floref as mais bem trabalhadas que tem vindo ao
mercado, ubjecto de exiasiar o comprador.
Ha adequados para todos os vestidos inclusive o
da sor branca, eser bom aproveilarse antes que
se acabem, urna vpz que ppqueoa quantidade.
Hua do Queimado n. 13, V ja de Paes
Mello C.
Neste novo armazem tem um
variado sortimento de fazendas
francezas, inglezas, aemas e to-
das todas se vendem por precos
mdicos, afm de acreditar a este
novo armazem.
Casemiras inglezas,
francezas, de todas as
jualidadjs, brins de
cores e brancos, colei-
rii hos modernos, cha-
peos do sol do seda,
Baos. '
Baro da Victoria
DE
ARRUDA IRMAOS.
JApQN
NOVA AGOA
para o Toucador
lyi-ORTATiA
O Xaropt: depurativo iodurado do Dou-
tor Gibert offerece, no seu emprego, um
resultado bom, certo e. constante na cura
d&simpigens, escrfula*, molettiaidapelle,
vicio do snngue, obslruccoez Iwnphaicd ,
molestias contagiosas [syphiiuicat), leves
vu inveteradas, e de todos os acdenles que
d'el las dependen.
A recetta deste Xarope foi approvada
pela Academia imperial de Medicina de
Pars.
Deposito'as principaes pharmacias do
n Pcrnambuco: Mauiu e C; Joaodi
Mahti.nio ik Criz Cobhbia ; Joao da Coti-
ceicao Bravo a O; AllstO Caobs :
BABTHOI.OMEO e 4>; Alkianue RiBiiao
Abrec Ribeipo ; Joao da 8* Farja e Iwao.
ron RIGATJD e C1
PERFD1ISTAS
Roa Viwlrune, 8
- PARIZ -
EsiaAo.iextra-
Js dac ilores do
Pirus Japnica, pela]
- 6ua euavidade e
suas propneda-
des banefloas,
excede os cos-
mauoosmais celebres; tendo sido a-
doptada por todaatooiedada elegante
DeitAdanos banhos. d'um perfume
delioioso. consolida as carnes e faz de-
saparecer as espinhas. comiobSes e as efflorescen-
oias da pelle.
PREgO 1^500.
nico deposito no Bazar da Moda n. 30,
roa do Bar3o da Victoria outr'ora Nova.
Assim como tem urna grande
ofGoina de alfaiate,. montada com
todos os preparos que ba de melhor,
dirigida por iabcis artistas, que
pela sua promptido e perfeic5o
nada deixam a desejar.
Roupa de todos os
amachos para homens
meninos.
Por todos os paque-
tes recebem-se as me-
lhores e mais moder-
nas casemiras que ha
na Europa.
RA
i*.
BarSo da Vctor ia
antiga ra
Povoado dos Montes, estaco de Una.
Hua da Concordia n. 10.
Este hotel acha-se boje completamente restau-
rado, e com as precisas nc.imnodacoes para lo-
dos aquelles que se dignaran de o freqnentar
O n ivo propietario tem envidado seusesforcos
afm de exhibir ao r.'-peiiavel publico um estabe-
lecimento digno da importancia deste povoa-
do, e semelhanca de um dos melhores dess
capital.
Todo o estabelecimento acha-se pibtado de n:-
vo, com salas e quarlos para receber com iodo o
commodo desejavel a cavalleiros e familias.
a coj-inha ao gosto brasileiro e italiano, acha-
se sob a direceo do perito e bem conbecido Gia-
couio, aue por certo ha de sat sfazer aos palada-
res mais exigentes na forma do costme.
Tem suficiente provi>ao de vliihos exquesilos c.
de varias procedencias, lurchem a qualquer hora,
caf, cha, chocolate, etc. Fornece comida no esta-
belecimento ou para fra por preco muito rasoa-
vel. Encarrega-se de mandar preparar jantares
ao gosto e capricho do fregu*, em qualquer
parte.
O novo proprietario do cstabelocimento tem a
honra de convidar ao respeilavel publico afim de
reconhecer por si proprio a veracidade deste an-
nuncio, pagando alguns das neste povoado que
nao mais do que urna dependencia do bairro de
S. Jo dessa eidade ligado pela via frrea.
A facilid.ide, pois, do transpone, a estacao car-
mo.a que vai correndo, s apreeiaveis banbos no
rio Una, ludo, emflm, convida a um passeio a
este povoado, donde tornaran todos cem o propo-
sito de vollar.
Ignacio Manoel c Ssnt'Ana.
NOVA
N. 41.
Este estabelecimento acaba de soffrer urna reforma radical em acceio, artistas e commodos, e em pontoalidade as encom-
mendas, finalmente em ludo afim de melhor servir os seus numerosos freguezes ueixa-se de annunciar todas as fazendas, para
alo se tornar massante*
Adolpho enro.
A viuva, filhos e geuro do fallecido Adolpho
Curio, mandam celebrar na igreja da Santa Cruz,
sabbadn 26 do c.rrtnte, as 8 horas da mtnhaa, a
missa de stimo dia ; o pelo presente convidan) a
todas as pessoas que honraram seu fallecido ma-
rido, pai e sogro assistirem a este acta de can-
da de.
fKANNGA
00.
i Arlo
AOOA
PARA
TOUCADO*
IlltieC.
8
I linme
paaz
SEGUROS
MARTIMOS
E
tO\TRA FOf-O.
A companhia Indemnisadora, estabelecida
nesta prafa, loma seguros martimos sobre
navios e seus carregamenjos e contra fogo
em edificios, mercadorias e raobilias : na
roa do Vjyario n 4, pavimento terreo, f ^
Aluga te c i* andar do sobrado n. 91 na
ra Direia, a chave est na taberna do 8rs. Lo-
pes & Souza n. 93.
Parta ia
Na travessa da roa
das Cruzes n, 2, pri-
mero andar, da-se di-
nbelro sobre penhores
de onro. prata e brihan-
tes, seja qnal for a quan-
tia. Na mesma casa cora-
pram-se os mesmos me-
taes epedras.
iiiiiiiVIIIIII
oobradopara alugar
0 1 a ^ andar e sollo n. 6 da ra do Duaue
de Caxias : a tratar no Coray n de Onro q
Aluga-se a casa terrea n. 66 rita nova de
Santa Rita : trata-se na mesma ra n. 55.
jerro
RIJA DA CRUZ \ I
Chapas de ferro galvanisadas para telbeiros, etc.
Tachas de ferro para assucar, etc.
Formas de ferro para assucar.
Arados americanos.
Carrinbos de mao.
Venezianas para janellas. '
Machinas de descarocar algodo.
Vachina de cortar fumo.
Mchica de cortar papel.
Motores para dous cavallos.
Machina a vapor para mover machinas de algodo.
Balancas, prencas, cofres de ferro, fogoes de|jferro, enxofre,||salitre limalha de
muitos outros artigos.
Jos Maria Uodrignes vera por meio de-ie Dia-
rio agradecer a todas as pessoas que se dignaran)
assistir aos ltimos suffragios de sua prezada es-
posa Flora Norberta do Sacramento Rodrigues ;
e de novo roga s mesmas pessoas e igutlmeote-
irmandade de Nussa Senhora da Luz o obsequio
de assistirem a missa do stimo dia, que ter lu-
gar na igreja de S. Jos de Riba-mar, sabbado 26
do corrate, pelas 7 horas da manha.
Sociedade
Lbtral Unido
neficente.
Be-
Preeisa-se de um caixeiro que tenha pratma de
pallarla que d fiador a sua conducta ; na travos-
a da ra dm Pire n 9
- Aiuga-ae o 3 andar da ra estreita do flo
n. 43 : a tratar na fabiea de cigarros da
rna das Trtacheiras n, 43.
e ordem do conselno adminitrativo sao- con-
viados todos os socios reonirem"e em asseo-
bla fera no dia 27 lo correte mez. t Saras
da manha, na casa da m^ma .oejedide wra
llgarem a valHade da eleicao do wnilho'admi-
nistrativo que tem de funec^ar uo anno de 187
Secretaria da Sociedade Umral Uniao Lnefl.
ceote. em 23 de novembro d- i*n
Innocencia Xavier Vianna Sobnnho
l.# secretario.
Prteisa-se de urna
ama e DWjcriada par.
ervico internoe teriwde"om em da familia"
* faiar m ra*da P,ha % i, 9'm4. *
OS AMERICANOS
CILINDROS PARA PADARIAS
Tendo chtgado ba poneos dias completo sortimento dos melhores e mais
conhecidos cylmdros americanos para padarias, roga-se s pesseas que d'elles precisa-
rem de virem vel-os ao grande deposito do
, BASTOS
I40.JF MACHIMAS
. 50 A
OFTJi'ORA BA DA CADEI
Club do Montetro,
Sabbado 26 do crreme baver reumao
familiar. .
O empresario,
____^_____________P. JLajm.
Acharam ou furtaram.
0 Sr. passageiro ou empregado 4a estrada de
ferro de Apipuco? que achou em um dos wagn
m erabrulho cootendo 2 novados de panno preto
e outraa tueudas, qaereado restitui-lo o podara
fazer ae chefe da esUcao do Recife, que recom-
pensar, assim eomo a quem de mesmo der no-
ticia.
- Ojuiz da irmandade de N. S. da Saude da
freguezia do Poc/ da Panella convida novaoaeat
os roesarios e mais membros desta irmandade pa-
ra se reunirem no consistorio da matriz as; 10 t*o-
ras do dia 27 do crreme mez, para se tratar da
fe-ta de nossa padroeira e de outros negiiHos, o
que nao poude ter lugar domingo prximo pas-
sado.
O esenvo,
Alfredo T. C de VasconceHoe.
,11
DE
DE^N.
SANTA CECILIA NO CONVENTO
S. DO CARMO.
De conformidade com o capitulo 9* de msso
compromisso, tenho a honra de convidar todos os
nosaos irmaos professnres e particulares cumpa-
recerem no nosso consistorio no da 29 do cor-en-
te, as 9 horas da manha, afim de ae proceVra*
a eleicao da nova masa administrativa qoe teux.de
reger no anno futuro de 1870 a 1871.
O secretario,
Simplicio da Silva Barbosa.
Caixeiro.
Preci>a-se de nm menino para caixeiro de ta-
berna : M ra da Cadeia-non o. t3.
N
<

1


Diario de Pemambuco sexta feira 25- de Novemfcro de 1870.


=
-rrr
5
AO ARMAZEM
DO
VAPOR FRANCEZ
N.HMMH.7
Este eonhecido eslabelecimento acha-se constantemente bem sonido, em virtude das
nciuras que recebe por todos os vapores e navios francezes, dos arligos abaixo menciona-
, a precos os mais resumidos que possivel.
CALCADO FRAMCEZ
Botinas para >enhoras e meuinas.
Botinas pretas, brancas e de rauitas outras cores, sortidas e bonitas, do ultimo cos-
i aa moda, e a precos mais baratos do que em outras partes.
Botinas para borneas e meninos.
Botinas de bizerro, cordavao, lustro e pellica, das meluores fabricas e escolhidas.
Botas e pernelras rnssfanas.
tro h 6 P61"06'8 Para ma*"*> dae meltroros qualidades, de couro da Russia, lus-
Sapatos de borracha para horneo* e senhoras
Tendo chegado grande porgao de sapatos de borracha vende-se pelo custo~aBm Cde
aesempatar o dinheiro nelles empregado, sao baratsimo?.
Sapatos de lastro para horneas.
Sapatos de entrada baixa de couro de lustro cora salto, de muito boa qualidade.
Abotinados para meninos e meninas
Sapatos abotinados de differentes modelos, de muito boas qualidades e fortes, lauto
para meninos como para meninas, muito baratos.
apatos de tapete.
Sapatos de pete aveludado, de casemira, de charlte e de tranca trnceles e Dor-
tuguezes para boraens, para sentaras e para meninos.
PERFUMARAS
tiB~ f alientes extractos, banhas, leos, agna de cologne, florida, divina, lavande, den
ma de toilette, jabonetes, tintura para cabellos, pomada angroise para bigodes, pos de
arroz etc., tudo isto depruneira qualidade, dos afamados fabricantes, Gondray, Piver e Lubin.
Quinquilharias
t,n0t. V Ei'.? E?-1"* de dlversos'araanhos, leques para senhoras e para menina?, abridores
nnJZ- n os'. Pulce',as.b0le3. con-ent^s e chaves de relogios e trancelins, tuda de
^nhlw' rrMle3 e br,ocos de P'q<5. a imitacao e de mais gosto do que as de curo!
Sik de4C0Sl"ra "meme guarecidas e ornadas com lindas pescas de msica, albuns
ver S LrZlX^\T^ cIaixinHhascora vid &* augmento para dto'.incUmemo
dTJd ^Sfl??.?^** 0bjeCKt0S d! PD8Dla8a para toilettes, hosiohas e cestinhas
de seda, de velludo e de vimes para braco de men as e senhoras, ditai oara costura* ne-
na K-J ZTUS e deJC8d0S' boa(ims de flrres de Pon an^ ?arTo proprios
ntrlSd ^S,'fi qaUadr0S proMpt08,para Cl*^"-se Vistas, molduras douradas
mojama mL ?1 ^?S ** Pa>'^geDS, cidades, figuras e de sanios, vidros para eos-
D^.TJ'dTfH^L^,,0lsasde.v,ageD8' esPras> chiC0,eS. bengalas, oculos, lunetas ou
eMririnh Kn.."c3*8' 8rav?las pr6U-9 e de c6rS> abotoaduralde collete e de punhos,
nlfans m^rn^LTT' ,?09 d0 domin- rodfite3> ba*a,e,as e <"'os d.fferenies, ve-
^ 14r^,mf^m^n,J,nV;:nifnle'T,ara Prl's ianellas, cosmoramas, lanternas magi-
S^aT ,S< ^TTT?0U* ,VIS,8S de B** edas mais bonitas ras, boulevards,
E LPv S^ ^"V0'01^1*1" e "has mgica?, reverberos para caodieiros
&t t a l11!1^,,118 c^re,' """^ ?? lanternas, realejos grandes e pequeo?
E dalla Jlt ? O9.,amanhos. berfos de vime? para ciancas, sapatinhos
Ss Jnfi | outras metas quinquilharias de phantasia, francezas e allemaes, precos muito em cont
^S^SASTStiS^L1S^,nn da inflnidadede
O dono deste eslabelecimento
veriacando as qualidades e os precos
reura e de conta propria.
ATTENCAO
pede ao pnbTico era geral que continu a visita-lo
baratos de ditos objeelos. por serem viudos em di-
MO DE OURO
lova loja de joias -
RA Dip CABGA' N.9 A.
DE
Manoel da Cunha Saldanha & C.
m,iCa deJabri-se.este, estabelecimeDto de joias, o qpal tena rande sorti-
mraio de todas asjoias de ultimo gostp, as qaaes vender o mais barato pos-
Jria8J*^.a8.9eri08aranldM oro deJei, pois os seosdonos tendo ero
,!!. lquir,rfre?aezia uSo olvidar30' vndc' bom e por prec>s os mais
razoaveis possiveis.
tfeito^"M P0WC0 a-,rir a ^^ et8beleciment0> csrto de qae ficar
jA^MA M OROBUA DO CABUC N. 9 A
\TTENCA0
i
iot Joaquim da Cena Mafc, tem venda-aa-uea a mazem, sito ao largo do
feounnbo u.,JS, os objectos segdiotes, e qae vende por precos mais commodos do
que em outra qualquer parte :
Oleo de libala.
Couro de lustro. s. -~v
Saceos de estopa.
Estopa em pera.
Vinho Bordeaux em caixas.
Feliro em peca para forrar embarcafSes.
Encerados. v
Telhas de ferro galvanisado, de differentes tamanhos, para cobrir casas.
Ferro liso galvanisado para forrar embarcares.
Pregos galvanisados.
Cantara de Lisboa.
Dita soleiras.
Dita marmore.
Taboas de marmore de differeotes grossuras.
Ladrilbos de marmore de differentes cores e tamanhos.
Ditos de pedra-de Ansam, pretos e brancos.
Tmulos de pedra fina de differentes tamanhos.
Pedras para lavatorios.
Taboas de lotiza.
Pas de louza para cosinha.
NAO HA HAIS CABELLOS MR 1STCOS
A tintora jaoooeza para Ungir os cabellos da cabeca e da barba, foi a nnica admit
tida Exposifo Universal, por ter sido reconhcida superior s-todas as preparacoes
ate boje existentes, sem alterar a saode. Vene-se a IjJOOO cada frasco na.
Ruada Cadeia n. 51 'andar.
lAMOEBlF
Ra da Imperatriz n. 2
A' este novo e sumptuoso eslabelecimento de fazendas acaba de chepar directa-
mente da Europa o mais explendido sortimento de fazendas proprias para a fta, tanto
para hemens, como para senioras; descrever e especificar o qoe de moderno e de mais
apurado gosto nelle se encontra seria impossive; ma3 para que se possa fazer urna
aproximada id?, mencionaremos com especiali lade :
Ricos cortes de vesli los para casamento, chegados no nhimo vapor.
Ditos ditos de ditos de seda desenhos inteirameote novos.
Duos dtos de ditos do 13a com barras, faxenda inteiramente nova.
Vestidos de cambraia para baptisado.
Popelinas di seda dos gostos mais modernos, variado sortimento de cambraias, e
cassas de cores, lindse modernos desenhos.
Sedas lisa, lamdas, pretas e de cores.
Cretooe para vestidos, modernos g st< s.
Alpacas de C( res, impossive descrecer a variedade de gostos t padr5es.
Ctiias finas, c aras, escuras, pretas, iodescriptivel o vanadissimo sortimenH.
Balloesde todas as qualidades, cores e tamanhos, entre os qoaes uns sao inteirameme
novidade.
Saias bardadas para senhoras, grande quanidade de gostos.
Camisinbas bordadas para senhoras muito modernas, grande variedade.
Entremeios e tiras bordadas em todas as largaras.
Camisas para homem. bordadas, lisas, e collerinhos, completo sortimento,
Lencos de cambraia bordados, lisos e de barras.
Chapeos de velludo, palba, merino, feliro, o que ha de mais moderno e lindissimes
Cortinados bordados, e ricas colchas de seda, e de crochet.
Bareges de pbantasia, fazenda propria para baile.
Tarlatanas de cores com palmas lindissimos gostos.
Borns de cores para sen horas.
Gravatas para homem, grande sortimento em feitios e cores.
Bretanba?, esgui e bramante de tudas as larguras.
Laa-zinoas de moiJernos padroese iodos gostos.
Metim da Iniia fazenda inteiramente noa para vestidosede lindo effeito.
h mmeme reare :Se estabele.imer.to tuda que de melhore mais moderno se pode
encontrar em fazendas como em perfumaras finas, das quaes tem um completo sor-
timento. r
AOS CAVALHEIHOS
Offerece iual'xente a vantagem tl encontrarem ueste esUDekcimento:
PanBos finos, pretos e de cores.
Ca-emiras pretas ftnas, e ricos gorgorSes para collete.
Ditas de cores, de quadros, lisos e da lisiras, completo sertimento. "
Brins brancos <1e lin; o de t. dad as qualidades.
Ditos de cores, lisos e trancados, gran e sortimento.
Um hbil aitbta para cortar e dirigir qualquer obra, que so se entrega a contento
do freuez.
' Urna modista igualmente cccupaJa nos trabMho.s do PAVILHO DA AURORA, di-
rige osqiielbe sao eoncernentes, apromptando a capricho qualquer TOILET, garantin-
dc-se a mais completa perfeicao uos seus trabalbos.
Em resumo concluimos
'Por chamar attetr> do respeiravel publico para o dosso eslabelecimento, que alm
ti Ju4'ta n?."L?E0de j;)reui faZfi,ll|as e perfumaras tem o mais COMPLFTO SOR-
HWclNrDE BOPA I-ETA, pa-a homens a menino*. Man.iam-se as fazendas em
casa oas b.xmas. amas, edain-se amosirs.
Um corxp!eteor'.imento do esleirs da India, por menos preco qua em outra qual-
quer parte. '
Aberta das 6 horas da mnnhaa s 9 horas da noute.
Trabalhad r
P/fciMe de um traballia4or7orro H
para o sflvifo-iD m p-t; helcBeni
tralar na botica da ia larja do IWno n.'
ivo
a
eoher...... em 0lmla_
P pedras d* roa do huio Seguro para o
i|i"i tem mandado
eu terreno ra. to....... quera mandHr bola-la.^
no seo lugar so nao quer r|iie por etc mo.n
nal declarn o sin nnme a eme oolras goatilera
arespeilo Jp edifleacops h.uUk.
I
No escnptor.o de Alfredo 4 Barbosa Junioi
precisa se fai'ar cum os Mibpres ;
Francico aiques ds mstea Pina.
Joto Ga'dino Wauderley.
Bernardino de Senna Wanderlty.
Jos Alves Maciel Jnior.
Capillo Jos Bzerra avnleaoti M.ii*iel
COMPRAS.'
i
Punas assucaradas de Brislo!.
maior vantagem compram-sc
dras preciojas e n obras vehas: na
Lom mmto
ouro, prata e ped
loja de joias do Corcio de Ouro J D, ra To
Cabnga.
Lythographia.
Q'jem quizer vender um prelo do tvthographia
com pedras e 1 rolo, anouncie para ser procu-
rado.
Comprare urna casi terrea qne tentaa riuas
salas e doos quartos, em SaBte Antonio ou Boa-
Vi n. 17.
ViKDAS.
NOVIDADE.
O Cotta, proprielario do armaiem da Pedia
Maamore ra das Cruzei o. 42, odereee ^or di-
nheiro contado o que de rotlhor ha no mercado,
por ter recebido mullos ats gene-ros descriplof
pelo ultimo vapor.
Chocolate de \ a 1800 a libra.
Especial nanieiga ingloza e fr.nceza.
Ho ra I ices para sopas denominadas Julienne, que
snbstilue perfeitamenie as mais frescas ervas.
A yerdadeira farinha americana viuda do conl3
propria a 320 rs. o maco de urna libra.
Velas stearinas a 500 e 040 rs. o maco.
Bolachinhas do todas aa qualidades e dos me-
Ihores fabricantes.
Ervilha? francezas e porlagueas.
Vinbo de todas as qualidades.
Especial e aromtico sabio de familia a 300 3
o kilo.
Molho inglez.
Ameixas e marmeiadas dos melhores fabrican-
tes.
Caf de Moka.
Candie ros egaz econom e.
Acaba de thevar nova temessa dus lo deseja-
dos candieiros todo fie porcelana, os luaes muo
se recommendsm pela seguranja, asseio e econo-
mia, e ainda pela excellenle luz preferivel mil ve
ze? ao kerosene.
Venham sotes que se eabeni.
nico deposito na
Ra larga do oario n. 8i
Butiea.
NAO CONTF.M MiM CAI.0MEL4N0S NEM^N'ENH
DITBO infiEnAL-
A grande necessidade e falta de um ca-
thartico oa de una medicina purgativa, ba
muito que tem sido sentida, tanto pelo pa-
vo, como inesmo por nieio da faculdac'-e
medica; e por isso, ininito o gosto e
prazer que sentimos, em pdennos com
toda a confianza e segundado, recorameidaj-
as pilulns vegetaes assucaradas dt Bristol,
como urna e.xcellento medicina purgativa, a
qual encerra em si todas as partes e mai
ingredientes essenciae?, t)rnnndo-se em um
perfeito, seguro e agndavel cathartico de
familia. Este remedio n5o composU'
dessas drogas ordinariamente usadas na
composicao' dessas pululas, que por ahi se
vendem, mas sim, 3o preparadas com. u>
mais finas e superiores qualidades de raizes
medicinaes, iien-as e plantas, depois de se
haver chimicamente extraada e separadf-,
os principios activos, ou aquellas putei
que contem o verdadeiro valor mediemal,
daquellas porgoes fibrosas inerlcs e agres-
tes inteiramente destituidas da menor virtu-
de. Entre esses agentes activos ou ingre-
dientes especficos, podemos nomear a />.--
dophytiw, a qual segundo a experiencia
mm demonstrado, possue um poder oma;
iaravilhoso possivel sobre as regioes do
figado, assim como" sobre todas as secre-
ces biliosas. Isto de combinnro com o
leptandrin, e mais alguns extractos vege-
taes e drogas altamente valiosas, tonsti-
tuem e formam urna pilula purgativa, tor*
nando-se por isso muitissimo superior,
qualquer una outra medicina da mesmo
natureza, que jrQais fora apresentado ac
f publico. As pilalas vegetaes assucaradas
ie Bristol, achar-se-hao sempre um reme-
dio prompto, seguro e eminentemente em-
caz, para a cura de molestias, taes come
sejam as sepuintes.
Hydropesia dos mem-
bros ou do corpo
Olinda
Vende-se o sobradinho da roa de Matbias Per-
reir n. 16, com bom quintal e boas condirdes de
duracao ; e a casa n. 6 da ladeira da Misericordia,
coro bons commodos para familia, quintal mnrade,
ba'tmte grande, cacimba, e un grande f de i-
marisdo de excedente sombro quem pretender
dirija se a ra dn Crespo n. 18, Io andar, ou ar>
agente Jo Euzebio Alves da Silva, ra da Au-
rora.
Vende-se fumo do pnz bem curado, proprio
para charutos e cigarro-, send) capa seguoda e
milo, por preco eommodo : na taberna do pateu
de S. Pedro, sobrado n. 1, em Olinda.
Precisase de urna ama para todo
o> cusa de familia : rna de H. rtas n 30.
servido
Pi>ra a testa
Alugam-se duas casas terreas com commodos
para ramilla e suio coin fructeiras, oeheira etc.,
na Varea, lugar Ambol : a tratar na roa do
Crespo n. 7.
Aluga se urna casa na ra Augusta n. 92,'
com commodos para una grande familia qoera
pretender dinja-se a itia do Vigario a. >2
AMA
Precisa so de urna ama para casa de estrangei-
ro de tres oessoas, prefere-se escrava : na roa da
Imperatriz n. 9.
Para casa de homem solleiro
urna ama para o servico interno
Santo Amaro no seguimento da
i, 1* aiidar.
precisase de
tralar em
roa da Aurora n.
Precisare de ama iioa eosioheira
ra da Aurora n. 24, 2o andar.
para a
Caixeiro brasileiro.
Cflerece fe um rapan brasileiro de 14 a 15 an-
uos, com ortica de taberna : tratar na ra da
Gloria n..7.
Preoi.-a se de urna ama que lave e engomme
cotn perfeicio : na ra do Barao di Victoria n 61
2o andar. '
Ama
Dispepsia, ou indi-
gesto,
dAstringencia, ou..
priso do ventre
habitual,
Azia do estomago e
flatulencia,
Perda do apetite,
Edtomago sujo,
Affecces do figado.
Ictericia,
Hemorrodias,
Mau hlito, e irregu-
laridades do seso
femenino.
Dores de cabeca. .
Em todas as molestias que derivam t
sua origem da massa do sangue: a salsa
parrilha de Bristol esse melhor de todo?-
os purifieadores deve ser tomado conjun
tamente com as pilulas. pois que estas
suas medicinas, tendo sido expressamente
preparadas para obrarem de harmona urna
com a outra, quando fielmente assim se faz,
nao nos resta a menor duvida cm dizer,
que no maior numero dos casos, podemos
affiancar n3o s um grande alivio, come
tambem urna cura prompta e radical, isto
est bem visto, quando o doente nao se
ache n'um estado muito alm dos recursos
humanos.
A 70U0
0 Bazar ta Moda recben novo sortimen-
to de fazendas do ultimo gosto "para vesli-
dos, assim como chapeosinnos, casacos,
borns, coques, camisinhas, etc. ele
Continua sempre o grande afumado sor
timento do miodeza? e perfumaras verda-
deras, que ludo se vende por baratissimos
precos
Dam-se amostras e manda-se em casa das
Exmas familias o que desej rem, a ra d
Baio da Victoria, nutr'ora Nova.
Precisa se de urna ama para cozinhar para -duas
pessoas : a tratar na ra Direita n. 32 A, loja de
calcado. ______
Ama.
Precisa se de urna ama que
iratar na roa do Codorniz n 8.
saiba cozmhaj : a
Virginia.
Tendo-se eeiotado a prmeira reroessa deate til
e instructivo romance mandei vir mais por ser
b--atante ptveorado, e qoe se actia venda na n.
vrari.i francera. Este ivro atdeviaser adooudn
os collegioB e ambos oe sexos, pois que hiato-
rica, relimpio, e sobre todo proveitoso.
Ama
Proctsi-ae de tuna arna.qne saiba cozinhar com
perfeieao para casa de homem sotteiro : oa rr,
/lo Livpamento n. 6, toja.
- O abaixo asignado tem justo e contratado
eomprar a taberna sita na ra da Boa Hora, em
Omda, n. 24, ao Sr. Francisco Pires Llcale livre
e desembaracada de qualquer onus : se algaem
vr erodaracos a por semelhante transaccao
queira dinair-ae a raesroa taberna nopraso de
ires das. Olinda 22 de oowmbro de 1870.
Jos Ahionio da Silva Braga.
Veodj-seo e.-tabelecimeulo de mulhados silo
a'rua Direita n. 99.
PAR 4 \ PEWTA
NA LOJA
Vonle-fe l.i para borar, bootlas cores, pelo
dim;oulo pru;i rfn 75 : venbam roa da Cadeia
n. 30 A, le ja de miodeas.
Ainda existein venda algum..s filtr.-.deiras
P'oprias para urificar agu>, as qnae. evilam o
eholera, febre amoreila e outras n>olestas ; ven-
dese na ra do Commercio n. 38. "'a mesmr.
casa vende-se um relugio de ouro ingle rhi
metro.
Na ra Vende-se a selecia ie linlio, 4 palnws de largc-
I, pera eem ".0 ardas, pelo b..ralisso preco o\
SiifOOO, cambraia franeza em 7 Ii2 palmos de
laiima a 15 .i vara, cambraia victoria fin.-, a
'-OO a pega, l"zinha propria? |..ira ve-tido do
fenhura e menina a 4C0 r>. o rovaffo, toii
de linh", i Irrgura*, a 200 a van : na Foja
lo Guilherm".
Attenco
Veniese um h,im cava lio de sella de bons an-
dares : ni paleo da Ribelra o..13.
Aluga- se urna preu escrava perfeita cozi-
nhejra; a tratar na roa de Marco (amiga do
Crespo) n. 7, loja do Passo.
, PRECISASE
de am rapaz de boa onducta que tenha watie
de traba har em fabrica de vela de carnauba
rn do Vigario n. 26.
- Roubaeam no da ns de agosto do~orreote
annonco a seis camisas de madapolao com ne
to de hoho novas oatras tanUs eeroulas de jirihff
aigumaa loalhas de roslo, oito ou dez pares de
metas dealgoda*. ireslempes de linho, doze lea
eos de liotao trancos para algibeira, e maia ilm-
mas pefas que nao se sabe, todas com marea" al
romas de Hubo encarnado, e outraa de linho.
be-se qnem as roubou e aonde f.-ram vend'idaT-
queira, pois, quem as comprou, restitui-u* a^, '
siiando-asna casa da ra da Sanu Cruz' n 91*
para nao ser Implicado no processo que sa esfi
instaurando pela rohdrtegacia da B-ja-V^u -
ira o amor da roubo. Foram vendidas na Boa
. Aluga se
jrna casa terrea, sita na Capunga, eora aolo, co
jheira, e um pequeo quintal: a tratar na roa
Jo Vigario o. 31.
Aluga-se
oai sobrado na roa dj Hospicio n. 35 de um andar
e^ota, para grande famitia : a tratar na roa da
Imperatriz, loja a. 44.
Escrava.
5
m
m
s
m
Paulo Guimaraes
Palitots de brim branco biazas, de
3 4. 5, e 6*000.
Ditos de alpaca branca de 3, a 4.
Ditos de dita de cor, de 3 a 3*500.
Cateas brancas de brim, de 2 a 8.
Colietes brancos, de 2 a 3*500.
Grande sortimento de calsasde casimi-
ra preta e de cor, palitots de casimira
de todas as cores, obras todas corladas
por um perito mestre.
Na meama loja se manda fazer obras
por medida e por menos 20 psr cento
que em oulro qualquer estabelecimento,
pois para isso acham-s munidos d'um
perito mestre e omViaes.
A RA DA IMPERATRIZ N. 48.
Junto a padaria franceza.
T. Mfcriei & C, roa So Commercia n.
46, tem p:>rn tendel :
Brins de Angula l.-gitimes-
Saeeos de estopa.
Fio par i'i.gui eir>'s.
Chapeos deso baratos.
Lonas largas e esireitas.
Linha branca em novellos.
Panno ri;cado para c< Icho,
guad Viciy
Das imites
HATERIVE E CELESTIN3.
vende se por menos do que em onlra qual-
quer parle no armazem da roa do Vigario n. 11.
as
m
m
Precisa ij) a lugar um escrava que saiba cozi-
nhar : na fabrica a vapor de cigarros, roa lama
do Rosario n. 11. "
Precisa se alngar nm preto : na ra do Ran-
gp| o. 9.
^ Na codieira da roa do Inperador n. 27 ven-
de-se orna r-xcellente burra de carro, cabriole! e
de sella
")
Preca se de urna ama para engoismar em r
s% f pequea familia estraoneira, p.efermdo^e
AMA
Na roa larga.do Rosaiio n. 32, nreciaa de
ama perfeita cozinheira, e oUp comnre n^=
tas coqdicSes pa^a-se bem P ^ mia m'
Carlo> Duboix agradesse a todas as pessoas qoe
aeompanharam os restos morlaes de sua esposa
D. Locadia Emilia de Sooza Gomes Duboix ao
cemiterio publico ; e pedam se dignem assistir as
miases que pi.r trij da Boa-vijia as 6 horas da manhaa de segn
trente, si
JJdar tfiIar w rtu Blla B- 37,"
Hllilllillili
Labyrinthos.
Ghegarau ra do Crespo n. lo riquisimo'
lencos a toalhas de labyriulho do Ceu que e
vendem muilo em conta. para acabar.
A* 500 rs.
NA
Flor da -Boa-Vista,
DE
Paulo Guimaraes.
Camisinhas birdadas para sentara a 5*0 r
Gollinhas, dem dem a 640 e 500 rs.
M*n.u,s d^rpJa par* 8iuno''a proprias para ba-
nho, a 8()0 r?.
Chi-as escuras e claras, o eovado de 80 a 360 r
Mussulraas de rOr, patlri'ies novos, eovado e 280
laas Amelia pura vestido, o eovado a 500 p.
Ollas, padroes miudinhos. o eovado de 400 e SOfl r^
^Sf^'^^iHp^lo. canhraias brX ':'
ira parte '" b*rkl doque em ^^
A' ra da Imperatriz, n. 48,
,)unto padarm franceza.
ATTENfjAO
Chocelalc nacional.
Duas medalbas de prata e urna mencSo ho*
norifica.
villa IrnrdoQ'C,
Ra aova de anta Rita M
Existem poneos alimentos simples e anbstan-
caes como o chocolate, estimulando soVvZwl
os ervos, da ao corpo o mais puro XSStodl
outricao, e ao mesmo tempo fonifica os orriof di
gestivos Todoa o? mdicos sao unanimeV -re-
commendar este alimento cerno o mars proprto e
dete paraas|,easois de^i**!E!
Vende-se
Primeira qualidade l|2 leil. 800 rs
H.imeopatha 1|2 kil. um,0
He.panhil 1|2 kil. 800 rs.
Vanoille l|2 kil. 1*000.
Al meia arroba far-se-ha abatimento de 10 0,0
e de arroba para cima JO 0,0
Caf muido a' vapor
garantido m mistara a 800 rs. o kil., em maior
'inamidide tera abatimeoto de U Qjtt
Tambem ha paroles de l|2 kil. empaeoudo em
papel de es la nho para se c mservar sempre fro
Vinho Jerez
de prmeira qua I i
casa de T. Jefferies & C
vende-
Calcados francezas
Grande
aro ra a Cruz n. 21,

'



8
G R A N
BAZAR DO PAVAO
60-RA DA IMPERATRIZ-60
DE
PERE1RA DA SILVA t
Neste imDcrtante eslabelecimento encontrar o respeiUvei publico, um grande e vanado sortimento de fazendas dq mais
orado gosto e todas de primeira necessidade, que te vendem raais baratu do que em outra qualquer parta, visto.que os no-
tos socios desta firma, adoptaram o systema de s veoderem D1NHEIRO ; para poderem vender pelo cus, limitando-^ apaas
a flmbarem o descont ; as pessoas que negociara em pequea esca'a nesta loja earmazem poderao fazer os seas sorumeatos
pelos mesaros procos que compram as osas ingiezas, (importadoras) e para maior commodidade das Exmas. lamiias a darn
amostras de todas as fazendas, ou Ibes levara em suas casas para escolberem.
i GBOSDENAPLES PRETOS
Chegou pira o Razar do Pavo um gran-
de sortimento dos melbores grosdeoaples
pretos que tem vindo ao mercado, qdb se
vendem de 1(9600 at 551)00 o covado
sao todoa muitn em conta.
>
MA XOiVADOS CORTINADOS. COLCHAS.
Cbegnu para o Bazar do Pov3o um gran-
es sortimonto dos mais bonitos cortinados
bordados, proprios para camas e janellas,
que se veudeni de 100 00 at 200000 o
par, assim como o melbor damasco cem 8 -
palmo, de largura a imiUcSo de damasco ALGODO ENFESTADO PARA LENCES.
* soda, proprias para colchas, e propria- No Bazar do Pavo vend-se o melbor ai-,
ante colchas de damasco, sendr os melbo. godo^nho atntricano eofestado para leo-]
res mais bonitas que tem vindo ao mer- Ce*. tendo Jiso e eotriocado por preco
PECHINCHAS
cado.
TAPETES
Chegou para o Bazar do Pavao o mais
elegante sortimento de tapetes grandes, pa-
ra sofs, com 4 cadeiras, ditos mais paque-
os, para doas cadeiras, ditos para
pianos, camas, portas ; etc. vende-se por
menos do que em outra qaalqaer parte.
HOUPAS PARA HOMENS
No accrtditado Ba:ar do Pavo encontra-
ra o re-peit .vel publico um grande sorti-
saeoto de roupas para bomens tanto bran-
cas como de cores, a saber:
Camisas con: peitos d'algodo edelinbo,
para todos os precos e qua'idades.
Cero las de lindo e algodo.
Me.hi cartas fraacezas e ioglezas.
Palitos sobrecasacos de panno preto e
sasemira.
Gslps de brim branco e de cores
Ditas (ie casemiras pretas e de cores, com
colletas igoaes
De to.ias estas roupas ba para todos os
precos e qualidades, e tem de mais mais
am perito
ALFAIATE
Por quem se manda fazer com prestesa
8 Sflsio q s ou g t. do fre^uez, tendon'este importan-
te establecimeoto t das as qualidades -e
panno fino, as melbores e mais moder-
aasc-i*einiras, assim como os melbores bros,
qur emees, qur de cor; e qoando qual-
quer i b: i nao ficar inleiramente ao gosto
dos reg ezes fia por conta do estabeleci-
meoto.
TOALHAS A 75500
No Ba7ar do P<>v5o fez se ama grande
;om^ ri de toalbas alcochoadas, proprias
?ara rosto, bastante encorpadas e grandes,
:joe sempre se veoderara a\120OOO. e li-
faidm-SH a 7500 a duziaou a 640 rs.
a twi. bna pechincba.
CORPINHOS BIUNCOS A 35000
No Bazar do Pav3o ven.lem-se corpinhos
de era irai br^ncs brdalos, sendo fazen-
da .j j i re se veodeu a 801)00 e 10
e i i a 30O)O" por esiarem um
eou i! rata dos. peenracha, na ra da
Imp"''-'. o. vES DE COR E BRANCOS
Ve 'de 'i-se bunitis l'ustoes brancas e de
cores, rourios para vestidos e roupas de
metr os, sendo de cores a 800 ris o cova-
do e braneost a 400 e 640 ris, pe-
sbmeba, no Bazar do Pavo roa da Impe-
-air 11, r,)
CHITAS BARATAS
a c0;> ris.
a 09 re?,
a 200 reis.
Ven! m-w chitas largas com muito bons
pann-s e cores fizas, pelo barat preco de
200 i^ o covado ; cortes das alosmas com
0 cov os a 250'io, pechincba, no Bazar
do Pavo.
AS CASS\S DO PAVO
Covadi. 200 ris.
a 200 reis.
a 200 ris,
Vend1 n-se buoias cjssas de coras miu-
dinbas pelo barato preco de 200 ris o ci-
tado, no ar.oazem do Pavo* J ra da Im-
perat-riz a 60.
PANNOS.PARA SA1AS A U000, O METRO.
No Basar do Pavo veode-se boniti fa-
zeo>ia bra ica eacorpada para saias, seodo
com baiados e pregas "de am lado, .ando
a lar^ora da fazenda o compri nenio la
saia. a qaal se p le fazer com 3 ou 3 1|2
metros h vende-se a 15, 15280 e 14MO;
as-iui como tambem no mesmo estaheicci-
me"ti se \enie bonins sai *s brancas bor-
dadas, t>nlo qoatro pannos cada ama, utas
de 15a iln cores j promotas, urnas com
barras diferentes da mesma fazenda 44000,
e outras ceu barras borda las 65 e 75U)i',
Wdj isto moderno e barato.
CARNAUBA.
. Veade-se carnauba em saceos, na roa da
tmperatriz n. 60. Bazar d Pavo.
TARLATANA- LISTRADA5 CORTE A 6$500
C'ieg u para o Bazar do Pavo um bonito
sortinento de larlataoas listrad**, seodo
verdea, cor da rosa, lirio, tendo esta bo-
lita fa eoiia muita phantasia. e liquida-se
cada corle a 65500, pechincba ; na roa
da Im.ieratriz n. 60.
CAS\QUINHOSDEGIRBA 105 125,
165.E05. '
Chpzaram para o Bazar do PavSo os
mais molerlos casaqoinhos oa basqaiaasde
gaipure com cintura, ricamnte eofetados
com lacos, e v.-ndem se pelo barato preco
de lii, 12-5. 165, e 205. pechioctia,
ra da I upo atriz n. 60.
LENQOS DE MORIM A 35500 A DUZIA
Vendem -se du/.ias de len(>s Quissuno*,
branc encepada, a 35500 a dezia, Ditos de
muito barato.
ESPARTILHO.
No Bazar do Pavo recebeu-se um elegan-
ftua da Impertriz 60.
Para Tender depressa
UNDAS JAPONEZAS PARA VESTIDOS A
- A 500 RS. "
Chegou um elegante sortimeato de las-
te sortmeoto dos mais modernos e melho- inb? do Japlo, com padres de seda e de
res espartilbos. que se vendem por prego mtulo boa qnalidade. qae se vendem a
A ruad ) lauque deCaxiasn21.
{0TKk BA DO QUEMADO)
Receben seguale :
Bspetoo* fttmitt doacados, molde bonitos.
Carteiras, charaleiraa e port-cigafros de malta
qualldade.
Bonitas pastas para ppele, simples e mtisadas
Bo3s caixas vasias para oostora con saa compe-
tente ehave.
Delicadas caetas de marfira coa o bocal d
prata.
Modernos pentes de tartaruga, sobresahindo en-
tre elles os mimosos telegraphistas.
Commodos tomadores com doas gavetas e bom
espelho.
Purt boaquel, o que de melhor lem appare-
ct*>- .
Port relof ios de umitas qualidades.
Bons ulheres^ara criaacas.
Vostuario3, cbapozinbos, toucas, sapalos e meiai
para baptisados.'-
Toalhase fronhas de Isbyrinlho.
Chapeos e chapelinas para senbora, aoldes novoi
e bonitos.
Cbapozinhos gorros e boneu para meninos
meninas.
Ountiia as pQavulsoes as
mancas
Vende-se os verddeiros collares na Nova Espe-
ranza, roa do Duque de Caxias n. 21.
PARA TlflGm CABEL)S
para pretos on casianhos, reeebeu a Nova Espe
ranea a verdadeira tinta ingleza.
PARA ACABAR COM AS SARDAS
ou pannos, tem a Nova Esperanca o verdadeirc
leite de rosas brancas.
AGUA DE FLOR DE LARANJA.
Vende-se na Nova Esperanca, rna do Baque di
Casias n. 21.
PAPEL PARA ENFEITAR-SE BOLOS
reeebeu-os muito lindos a Nova Esperanca, ra
do Duque de Caxias n. 2i.____
PARA AMAC1AR E AFORMOSEAR A PELLE
tem a Nova Esperanca es sabonete de pos de
arrox ________________
Quando a AGU1A BRRNCA, mais precisa scientificar ao respeiUvei
geral, e em particular a sea boa freguezia, da immensidade de objectos que uli
te tem recebido, justamentefquando ella menos o pode fazer e porque essa falta
Iuntaria ella confia e espera na benevolencia de todos que lh'a attendero e relev
continuando portanto a dirigirem-se a bem conhecida leja da AGU1A BRANCA mtm
Qaeimado n. %, onde sempre acbaro abundancia em sortimento de snperioridade m
qualidades, modicidade em precos e o sen nunca desmenttido AGRADO E SlNCERlDAl
Do que cima fica dito se couhece que o tempo de que a AGUIA BRANCK pi
dispftr, empregado apezar de seas costos no desempenbo de bem servir a aquellos que
hooram procurando prover-se em dita loja do que necessitam, entretanto sem ennr-
rar os objectos que por toa natureza sao mais conhecidos ali, ella resumidamenU '
cara aquelles cuja importancia, elegancia e oovidade ot tornam recommendawif,
b>m seja :
moiio em conta.
PANNOS DE CROCH PARA CADEIRAS
O Bazar do Pavo rtcebeu um grande
sortiuit-to dos melbores paonos de croch,
proprios para cadeiras de balanco sofs,
pianos, tamboretes e at proprios para cu-
brir almofadas e pratos; veudendo-se por
menos do que em qn>lquer parte.
PARA LENQOES
No Razar do Pavo venderse so)erior
bramante d'algodo com 10 palmos de lar-
gura a 1(5800 o metro, dito de linbo com a
mesma largura a 2800 cada metro, paonos
ds liobodo portocom 3 1/2 palmos de largura
de 720 al 10 a vara, assim comoumgiaode
sortimento de H-mburgo ou creguellas ie
todos os nmeros, precos ou qualidades,
que se vendem mais barato do que em ou-
tra qnslqoer part; aproveitem-
ATOALHAOS
No Bazar do Pavo vende-se superior
atoalhad" trancado, com 8 palmos de largu-
ra a 10(300 o metro, dito de linbo adamas-
cado o melbor que tem vindo ao mercado a
3(5500 o metro ; tudn isto muito barato.
FAZENDAS PABA LUTO
No Bazar do Pavo vende-se constante-
mente o melhor sortimento de fazendas
pretas para lato, como sejam :
Lasin'ias retas lisas.
Cassas pretas de laa.
Cassas oretas, francezas e ingiezas, lisas
e com sal picos.
Chitas pretas de todas as qaalidades.
Alpacas pretas lisas.
Ditis lavradas com brltoco.
Merinos, cant s, boinliazinas, que se
vendem oais barat d> que em outra qual-
quer parte.
CACHK-NEZ A 6,5000.
No Bazar do Ja^3o vendem.se bonitos f
grande-* cachi-nez de pura la, pelo bara-
to preC'i e 6-QO cada um
PEI1ICNCHA EM CAMBRAIAS VICTORIAS, A 5$,
60, 75 850 0.
Vei.de-se uiu ex,leiui o sortimento de
dnissimas cambraias victorias, por preco
mais bar-ias do que em outra qualquer
pane, te'"l'i cada oeca 10 jardas a 5)5, 65,
65500 e 750JO, tluissimas a 85500 ; toda.-,
estas cambra as valem muito mais diobeirp
e liquidam-se por esie preco em relaco
urna rande compra que se fez no Baza
do Pavo.
BABA DIMOS
No Bazar do Pavo venderse um rande
sortimento d >s tuai lia >s bab' dos tapados e transparentes, assim como
urna gran ie porco de entr radios largos a
estreitos, que para acabar he vende mnit.-
em conta e mais b rato do que em outra
qualquer parte.
5EI1NSDE CORES E GROSDENAPLES.
No Bazar do Pavo v'Dde-se um sortime -
to completo dos meh'res setins e grosle-
lapies ile todas as cores, que &q vendem
muii i em coma. .
Colchas brancas i 352 0, 35300 e 75000.
Para o Ba/.ar d>> Hav chegou um grande
sortimenio das melbores colchas pelas,
sendo das meihores e tais eocor jadas que
tJio vindo 75000, dita* um pouco nais
baiza 35500 e utas 3520; tambara u>
me-mo estabelec!iiienio, se ven te um grande
sortimento de citone^ e chitas proprias
para colchas que se vendem muito emcoata.
Sedas de quadrinhos a 15280 ao covado
Vende-se hu elegante sortimento de -.adas
de qoalrinhos, con linl s^imas cores, para
vestidos e roupas de meninos, e vendd-se
15280 cada covado; pechincba no
Bazar do Pavo.
CHALES DE RENDA.
Chales 20'.
Chales i 2000.
Chales 2000.
Vend -se orna grande por(o de chales
oret"s de rend ou croch, seodo pretos
com 4 ponas, fazenda que seoopre se ven-
den 550JJ e liquid.-se a 25000 cada um.
pechincba no B.zar do Pavo, a ra da
impertriz o. 60.
LINDAS BABEGES A 320 R5. O COVADO
No Bazar do Pavo v,.nde se o mais bo-
nito sort raeoui de fiuissimas bareges trans-
parentes c.m as uiais bonitas lisias de cre^
proprias paa vestido, e liquda-sea oataca
o coado por eslanuoa muito1 prximos da
esta ; diias mese adas, (aenda muito lu -
trosa e com liodas cr^-s a 400 r s o covado,
pe lunch t a ma >a I oparaitu n. 60.
LE.\g0S DE ASSA DUZLA 350JO
Vende-i,-se liui>si uos lencos de cassa
com deiicad s cerca uras, de cor s ft%*
500 rs. o covado. pechincha, no Bazar
do Pavo, roa da Imperairiz n. 60.
POUPELINAS DO JAPO A 15600 O COVADO.
Chegou um elegante sortimento de lin-
diss-mas poupenas JapoQezas, com os
mais delicados gostos, tendo muito lustro
e com lisirinbas de seda, sendo esta nova
fazenda cuasi da largara da chita trance-
za e vende-se pelo barato preco de 156G0
cadacovado, no Bazar do t'a-o.
AS POUPELJNAS DO PAVO A 25000, 0 COVADO.
Cheg io para o Bazar do Pavo um bo-
nito surtiocento das mais modernas e ele-
gantes ponpelinas de linbo e seda, que se
vendem pelo baraiis-imo prego de 25000
cada um covado, assim como ditas com
goitos escossezes a 25400, pecbiucba no
Bazrr do Pavo.
sedas a 25000.
Chegou un elegante sortimento de boni-
tos sedas de l.striohas, com as cores mais no
vas qua tem vin lo ao mercado e veudem-se
a 25000 b co\ado, na ra da Impertriz
bazar do PavJSo
CRETONE FORTE A 25000 O METRO
S 00 Bazar do Pavo.
Chegou o vedadeiro cretone francez pro-
prio para lencoes tendo 10 pa'mos de lar-
gura, e mi iio encorpado, sendo precito ape-
nas para cada le. col 1V; ou 1 ['> metros, alm
d'esta appliac*,o tambera esta larga e en-
corpada fa'end propriapara toalhas. saia-*,
ceroolas, etc. e liquida-se pelo barato pre-
go de 25000 cada metro.
CASEM1R1S A 25500 CADA COV vDO
No Bazar do Pavo verde-se um grande
Miriid-uuj ie bonitas casemiras de, uma
cor, sendo asol, lia'o, m sclada. sen lo V
duas larguras, p.-oprias para calcas, pali: ,
e rou as para menino, e vendi-ms- pelo
barato [j-e'co Impertriz n 60.
bonitas lasinhas a 500 rs. o covado,
Ventosa delicadas lasiobas com 'iIV-
rentes gosto pelo barato preco de 500 rs.
o covado, no Bazir do Pavo.
ALPAGAS BUANCAS.
Venle-se um bonito soilmenlo de inis-
simas alpacas tirancas lavra.1^-, imilago
de seda, proprias para vestidos de baile 011
as-aineolns no B-*tar do Pavo.
ALPACAS -LAVRADAS A 400, 360 E 640 RS.
Vende-se um graude soriimenlo de In-
das alpacas lavnuu de to as m cores para
vestidos e vi^ndem-se a 400, 550 e 646
e a mil e tantos res o covado, no Bazar
do Pavo.
BAREGES DE QUADRINHOS A 600 RS. O COVADO
Vei de-se as mais li das e moderna* la-
siobas "ti bar g-s de qoa-iiinh 'S, proprioa
para vestidos, teudo qoa-i largura de cbita
iBMPft. e I q aida-se a 640 r3. o covado,
no B zar do P-tvo.
MEHINS DE CORES Ry\.RA VESTIDOS.
Veude-.-e bonitos men s ue urna so
cor com cores mu o pro,o ios para vestid
e roupas para creancas por ser uma fazen-
da da pura la e muio leve, vende-se a 15
o covado, no Ba/ardo Pa^o.
GLACS A 15o00 PABA VESTIDOS.
Veude-se um oleg-nte soniajKUtJ de>t
nova fazenda d^numi ada glacs sendo urna
fazenda de la muito larga e com del ca-
dissimas coreo, tendo lauto brilho como a
seda e vende-se pelo barato prefo de 15,
cavado, no Bar do Pv3o.
CASEMIRAS A 75000
Vendf m-se c rtes cores para caifas endn fazenda que vale
muue mais dijheiro e liquida-se a 75000
o corte de calca, no Bazar do Pavo a ra
da lu pera luz n. 60.
GRANDE PECHINCHA EM CAMBRAIAS TRANSPA-
RENTES a 45, 55,64,85, k 105000
Veude-se li.iissuuas eamb aia,s suissas, d--
moita pbantasia teudo 9 varas a 85500 e
10500o. Ditas bispo am 10 jardas fazen-
da muito boa a 55. 65 e 75000. Ditas li-
nissimas azuladinhas, que va lem muito mais
dtobeiro, a 5 e 105)0': t .das estas cam-
bras, em relaco a qualida te, pelos pre-
cos acrua sao mais baratas do que em ou-
tra qualquer parte, no Bazr do Pava i.
CAMBRAIA ALLEMA OOH 8 PALMOS DE LAR-
GUilA A 1*600, U 6 2|500.
Veoie-se flntssinn cambraia braoca tran-
pa ente com 8 palmos de largura, que fac
lita faz^r-se om vestirlo apenas ern 4
varas e lnuiia-se a 15600, tfi e 25500 a
vara, fa/eada que vale muito mais dmhdiro.
E pecnjiicha no Bazar do Pava i.
CAMBRAIA TRANSPARENrE
Peca a 45o00
Vende-se muito finas pecas de cambraias
brancas transparentes, tendo8 l| varas ca-
da pt-ca e com om vara de largura a 45.
E pecbucha, no Bazar do Pava i
A! ra da Impertriz
n. 60.
CHEGARAM.
Poqos instauUeos aperfeiqo-
ados por preqo muito com mo-
do : na ra Nova n. 28, loja de
A.ntomo Pedro de SouzaSoares.
Bombas completas para ca-
cimba, por diminuto preqo, na
mesma casa.___________'
CEMENTO
O verdadeiro portland. S se vende na ra da
Madre de Dos n. 22, armazem de Joo Martins de
Rrrn
Corpinhos de cambraia, primorosamente
enfeitados com fitas de setim e obras essas
cuja nevidade de molde e perfeico de ador-
nos os tornam preciados.
Fitas mni largas de diversas cores e qua-
lidades para cintos.
Loques uesse objecto muito se poderia
dizer querendo descreve-los minuciosamente
por suas qualidades, coree e desanos, tal
e o grande e variado sortimento que acaba
de ebegar, mas para nao massar o pretn-
deme se lne apresentar o que poder de
melbor.
ntremelos em pecas de 12 tiras.
Guipure branco e preto de diversas qua-
lidades e desenhos.
Ditos de algodio com flores e lisos.
Veos de seda para chapelinas e monta-
ra.
Meias de seda para noivas.
Ditas abortas de fio de Escossia.
Costumes ou uniformes para meninos.
Enxovaes completos para baptisados.
Touquinbas de fil, sapatinhos bordados
e meis para ditos.
Camisinhas bordadas para ditos.
Capellas brancas para meninas.
Grande sortimeniu de flores finaa.
Fil de seda preto.
PERFUMARA
Grande constante sortimento de dita,
sempre melbor qualidade.
Lindos vosos com pos de arroz e pintal
Caixkihas com ditos aromatieos.
Bonitos e mbdernos pentes dourados p
ra circular o coque.
Bonitos brincos de plaqueo.
Aderecos e brincos de madreperoi
Caivetes finos para abrir latas.
Thesooras para frisar babadinboi.
Aspas para balo.
Novos stereoscopos com 48 vistas, ai
quaes sSo movidas por um machinil
urnas substituem as outras.
Vistaspara stereoscopos.
Bonitas caixinbas de vidro enfeitados co
pedras.
Ditas de madeira envernisada com vispo
ras e com dminos,
Bollas de borracha para brinquedo 4*
enancas.
Diversos objectos de porcelana, propriot
para en/eites de mesa e de lapinhas.
PP
eambrai-.s fm-*ira'S, fazenda que s^m reja eraba h ao veu mu a 55000 e li juida-se a 35530 a e senh< ras elo baralissimo preco de'350 O
duz por bav. r muiu porco, no Bazar do a dozia, no Bazar do Pavo a ruada luipe-
Pavo a ra da Impertriz o. 60. ratiiz n. 60.
0 Bazar do Pavo sito a ra da impertriz n. 60, esta', constaatemeate aberto
das 6 horas da minttiU as 9 da noute.
COSTURA
Acabara de chegar ao GBANDE BAZAB
UNIVERSAL, ra Nova u. 22carneiro
viannaum completo sortimento de ma-
chi ias para costura, dos autores mais co-
nhecidos, as quaee esto em exposico no
mesmo Bazar, garanlindos-e a sua boa qu i-
lidade, e tambera ensina-se com perfeico
a todos os compradores. Estas machinas
. reras diariamente, e a sua perfeico tal
como da melhor costureira de Paris. Apre-
seotam-se trabalhos executados-,pelas mes-
mas, que muito devem agradar aos preten-
deotes.
oa ahifca-se os armazeos que fu rara oceupado?
com a faurica'de sabao e deslilaQlo do Sr. coronel
Franca, na ra quaes ofTer*c*m proporedes para bem se montar
jualquer fabrica de granle estrtbelecimento, cora
a grande vantagem para embarque e desembar-
que : airaiar cm o commeid^d'.r Tasso._____
CAL i\0V\ I LbH.l
Vende Joaquiin Jos l\ams:
n. 8. { andar
na rna da Gru
ervrj i branc e preta
DA
engarrafada por
Blo espectalm nfe vara o Brasil
NICOS AGENTES EM PERNAMBCO.
}. Jvferies C.
46. Ba do; \numere'o 4B
Baratissmo.
Cemprou-se grande quantidade de lias com lis-
tas de seda (azenda de 900 ris, que se vende por
44t, para acabar : 1 ja de Gaspar Antonio Vielra
Guimarao, ra do Queimado n. I.
Farlutia de uaandloea.
A bordo do brigue Murta & Virginia, fondeado
era frente ao trapiche Bario do Livramento, ven-
de-je superior formha de mandioea, reeem-chega-
da de Sania Caiharina. em porfao e avarejo : a
tratar coni los Victorino de KezenJe 4 G, ra
do Mrquez de Onnda b. 52.
ATTEUC&O
Era Olinda, ra dos Magres, taberna n. 1, ven-
de-se farioba de mandioea muito superior em
eos e a retalho p>r barato preco > tambem lem
porcao da de S. Malheu- para aniraaes. ______
Venham, freguezes,
munir-se ra Duque de Caxias (antga-
mente ra das Cruzes), sobrado das pe-
cas de arlilberia n. 6.
Ne*te novo eslabelecimento encontraro os ama
dores de agua fresca e sab.rosa ns melhoreob
jeetns de barro, pois se aeha prvido de todo o
-nr menta orno sejam : qaarlinhas dos meihores
ibricante* det provincia, jarras, moriniues,
resfriadores, b.lhas, garrafas p ili.las e torneada*,
ludo do melhor barro e gosto ; ls-im como jarras,
p >tes, quariinh^s, bilha', jarros e vasos para fl .-
re, e muitos uniros objectos sem serem polljos,
tudo de mili lude para as easa* de familia*.
Vendem-se caixas com cobolaa a 6J
do Codorniz a- 14.
na ra
0 COLLAR Uta
feo
US AMIA MC.UUGAN.3A
| ACOSTI10 (MW l
Com este titulo acha-se aberto e inleiramente transformado este antigo
eslabelecimento de joias, onde os freguezes e amigos encontraro tudo quanto
a moda e o bom gosto tem inventado, na arte de ourivesaria, o Collar de Ouro
observar delicadeza no trato e senciridade e modecidade nos precos.
Espera que o respeitavel publico venha ver o que existe de melhor em
aderecos de brilhantes, esmeraldas, robios e perolas, meios aderecos, pul-
ceiras, brincos, alfinetes e anneis de todas as qualidades, prata de lei faquei-
g ros, colheres, paliteiros salvas e outros muitos objectos que seria enfadonho
H mencionar.
Compra-se ouro, prata, brilhantes e pedras finas, pormaior preco do
m que em outra qualquer parte, troca-se e concerta-se todo e qualquer objecto
perlencente a esta arte.
MKKaiMttKnw wmmmKmmmwK
A ARARA
5
ATTENCAO
Lourenco Pereira Mends Guimaraes, participa a todos os seus devedore
tanto da praca como do mato que estando I qoidando suas casas commerciaes. o qua
deve fazer at o um do corrente aono, por lsso rosa a todos os seus devedores a viren
faldar seus dbitos o mais breve possivel; nutro sim, declara aos seus devedores, que
os que nao estiverem na loja lem ie cagar todos os seus dbitos, provando isto se fari
o abatimiento que f jr preciso para a liquidado de suas dividas, para isto poderao di-
rigir-se roa da Impertriz n. 72, loja da Arara.
Ao resto das pechinchas
Vende-se cortes de castores para calcas,, bales de arcos a'idOOO.
a 500 rs. Cortes de brins de cores a Ve de-se baldas de 5 a 3o arcos a Id
1500; cortes de garjgas para calcas a 10, e lfi5 K) cada um. Cortes de c ssas em
cortes de casemiras preta para calcas a papel a 2450') da um, para liquidar.
3i$500, 40, 50 e 6)000. Bramante de linbo e aig-o cem 10 pal-
earles de editas a 2:580. mos de largura ldStjO o metro.
Vende-se cortes de chitas para vestipos, r*an"o de linhoa 760.
a>50J. Ditos de cassa para vestidos a1 Vende-se bra oante de 10paira s de lar-
-0500. 13ara propri" para leuces a 20800 o metro.
Pecbin-ha a 40000.
Vende-se pecas de algodo a 40, 50, 60
e 70OO.
Para liquidar a 30500.
Pecas de madapoln com 12 jardas a
0500. Ditas de dito com 24 jardas a 50,
60, 60500, 70, 80 e 90OO.
, LIQUIDACO.
Pecas de algodc siuho de listra proprio
para roupas de eteravos c m 42 jardas a
(0500 e covado 160 rs. p ra Hqmdir.
Gbitas escuras para vestidos a 280, 320
e 360 rs. o covado.
Para acabar.
Veode-se pecas de fambraias victoria, fi-
nas a 60, '0500 e 70000.
p multo barato.
Colarinhos de papel a 240rs. a duzia.
Cortiaidos para janellas a 50000.
Veade-se cortinal os para janellas a 50
o par. Brim pardo liso para calca de ser-
vico a 500 rs o metro.
Corles de percales a 60000.
Veode-se cortes de percales d duas
saias de bonitas barras a 60000.
Cubera de cbita.
Vende-se a 10500, ditas Boa) a 25500,
ditas encarnadas e adamascadas a 30500,
ditas forradas 50000.
Gangas para calcas a 280 o covado.
Brim de listra ao lado para calcas a 400
rs. o covado.
Lencos brancos a 20000 a dozia, para li-
quidar ; grande porco de mantas para
gratatas a 200 rs. cada uma para liquidar.
Cassas francezas a 280 rs.
Vende-se cassas francezas para vestidos
a 28 >e 320 rs. o covado.
' Orandys de cores para vestidos a 400
e 640 o covado.
Alpacas de cores para vestidos a 500 e
tito rs. o corado.
Lasinhas para vestidos a 329, 400 e 520
fS" ^O'prcprietario da loja denomina*I
seus resoezes que est coocloindo saa liquidaolo. por: "g
noas fazendas por pouo nbeiro toaba a bood*toM amiMB i o
72, desde as 6 horas da maohJa as 9 da noute.
Lencos de ?eda a 80' i ra.
Veode-se uma p rcu de lencos de seda
a 800 rs. cada am,
Chales de cassa a 10000.
Vende-se uma granee porco de cbale
de cassa a 10OOO cada um, para liquidar.
Fust a 360 rs.
Vende-se fusio q> cores para vestidos
a 360 rs. o*ciado.
Algodo afestado a 900 rs.
Vend-se Uido enfesUdo para leuces
e toalbas a 900 rs. o metro, cuto transa-
do a 10200 o nHr.
Chalas de merm estampados a 20000.
Vende se chale de u.enn estampados
com barras a 20, 20300 e 30 para acabar
Granle porco di retalbos.
Vende-se grande porco de reamos di
cassas e chitas a 240 rs. o covado.
A festa est na porta
Boupa te ta encontrar o
Por preeiqbo raioavel
Todos se enronparSo.
A SBEB :
Iifuidaeiii de raapi M**
Vende-se patitots de briosin J
proptio para aodar em casa a lww, ui-
to> de nga a 20000 ; d-tos de Ma ca-
semira f 3^000 ; titos le !P*f cor
a 30500 e 40(00; d-ios toV*
preo 160,80elOJOOO^ miras de ores, i 60 e g~r 2 ditoa da
de cassiaetw de crea, ailj..* Jj?1 *
brins ,e q.ialrinbos a, 10*O; ditos^deca-
Us de dito branco de Imho a 30500 e 40 ,
dita* de caseairas de cores a 64,6*. 7*
e 80' 00 ; camisa* de hiU a 10000 ; ai-
tas de aUodaosinh >. P"^*^ 5
vicn por ser ht-oda fer.e, a 08 ; W*
de muso ioa a 10600 rs. P.ra hq>|^H
J



Diario de Pernambuco Sexta feira 25 de Novembro de 1870.

\t
y
f,w
Grnete reuniao!
Ra do Imperado.- n. 28, ar-
* irazem do Campos.
Como se est aproximando o tare dos regabe-
Jet, o propri vario des oM^eleeMCCo teca se
aerad* em axer reuwr ero sen mwa.iin
completo e varia dirimo ortiman de gneros
altmenrfri
Nao se pronSe de>rever nominalmenie todos
os teneros cuntid. em seo armazera por se lor-
urde rniii eufnd udw.
Garanto tornate, que sua norma de ha tnnilo
tempo /ender pao por pao e queijo por queijo.
Avisa especialmente aos ruinantes, que reeebeu
de saa especial encorameuda ama factura do cha-
ruto superiores de S. Flix da Baha, das segua-
tes marcas : exposigao, marquezes, normas, ama-
dores e paragua-soaoos.
Veoham todas a> despensas do3 arrabaldes e ci-
dade suprir-e de gneros de primeira qnalidade.
Farinha de mandioca da Bahia.
Tem para vender muito nova o superior,
em sacas, a preco raais commodo do que
era outr t qualqwr parte: Joaquim Jos
Goncalvea Beltrao, no seu oscriplorio ra
do Commercio n. 17.
3=5
i' '
Na ra do Bario da Truimptio, antiga do
orum, n. !)2, vende-se o seguinte por prego m-
dico:
Gal de Lisboa da m.iis uova que ha no mercado.
Bolinetes para barracas e liiates. ,
nm iwbm,
Tem venda em seus armaiens, alm de outros
art[gos de seo ero \a regular, os segontes, que
esio veodendo a procos raais baratos que em ou-
tra qualquer parto :
PORTAS de pinho alnvtfadadas.
FARELLO em sacros grandes a 35300.
GRADES de ferro para cercados.
ESTE1RAS da India para cama e torrar salas.
GANOS de barro trance? para esgoto.
GESSO superior em barricas e as arrobas.
CEMENTO de todas as qualidades baixos
presos.
MACHINAS de descarocar algedo.
BARHIS grandes e.im peixe da Suecia.
LONAS e brioides da Russ>a.
OLEADOS americanos para forro de carros.
POGOBS americanos muito boas e ecooomieo.
VINHO 'le Burdeaux em eaixas.
COGNAC superior de Gaulier Freres.
MILHO de Fernando a 3f o sacco.
AGUA florida;
BABRlS41e carne salgada de poreo e de vaeca
FALSIFICARES
das PlLULAS de BLNGARO
(CAVE DOLM)
A nossa correspondencia do BrazH nos fax
saber que as pracas d'este paiz acliao-se
actualmente inundadas por urna multido de
falcificaces vis dos nossos productos (textual.
Paragirantir-sc contra estas cempesicos
mais on menos perigosas, que escondem-se
d'essa maneira por delruz das nossas marcas
de fabrica c mesmo da nossa firma, rogamos
aqu conr instancia aos mdicos e aos do-
entes de assegurar-se sempre da origem das
PlLULAS que trazem o nosso nome.appeHando,
entre outros meios prcticos, pela boa f dos
nossos collegas, os pharmaecuticos. Nao de
duvidar que n'uma questao que intressa tafl
seriamente a saude publica e a moralidade do
Aio-se as nonas
commercift, estes honrados intermediarios'
nao se mostrem dignos da couGanca dos seos ]
freguezes; nao de duvidar igualmente que
repudiando toda solaridade com os falcfi-"
cadores e os seus cumplices, clles nao se fa-
co um dever d'ort em diante de procurar
as VERDADERAS PlUULAS DE BlaNCaRO em \
origens certas, enderecando-se, quer a ns-
mesntos em Paris, quer indirectamente aos
nossos principaes correspondentes, ou ente
as casas as mais recom- /?/'
mendaveis da Franca aJ,~.,
ou do seu pas. tf/av?
Pharmaceutico, ra Bonaparte, em Paris.
latas as principaes Pharroacias.
NOVIDADES
DO
Ra do Quemado
DE
Farinha ci mandioca de Santa
Catharina.
Ha para vender da motto nova e superior
ebegada recentemenle pelo patacho rabe
e barca Santa Minia ; por pre^o commodo,
a bordo dos referidos navios fondeados de-
fronte do trapiche do1 F.xm Sr. barao do
Livraitiento ou enio para tratar com Joa-
quim Jos Goocalves Beitro, no seo es-
criptorio roa do Commercio n. 17.
A luja de cera
tratar na meima.
VE^IIE-NE
a praca do Conde de Eu :
* AZULEJOS
AZULEJOS.
AZULEJOS
lia para vender algaos milheiros tos mais lin-
dos azulejos, violo* p ir encomraenda de alguem
que por circumstancia os dispensa. No armarem
de Tasso Irma) 6 C, praca do caes de Apollo
ao p da p>nte provisoria.
Acabaiii de sabir a juz as se-
guintes pegas para
PIANO
Una linda walsa d'Arditi
Ideal e realiiade muito benita
pbaolasia pelo maestro Cazal-
bore
Posltibaolinda phantasia execnta-
da (com grand applauso pela
msica allemsa
Habaneras lindas dansas para-
guayas, que tanto furor aqai twn
feifo
ACABA DE PUBLICAR-SE
a colleccSo de mosteas dos cavallinhospara
I 000
1,5000
IJ500
1?000
FLAUTA
gBecebeu mais grande sortimeato de mu-
aieas para piano, e piano e canto, e tambem
a opera _
ILfiliAKiY
para piano e canto, e tambem os memores
pedamos para piano s composi^o do Ilus-
tre compositor brasileiro
Carlos Gomes
que tanto furor fez na Italia, e boje f no
Rio de Janeiro.
A' VENDA NA
DE
MSICA
DE
A. J. de Azevedo
RA DO BABAO DA VICTORIA (ANTI-
RA NOVA N. ^i).
GA
VENDE-SE
um terreno ja cem alkerces para urna boa casa,
3,!" a ro do Ra, o qual tem 37 palmos d*' frente
e 7 e fondo para a casa e M para qnml ; o
are jo por quaaiq wr4e Mm M mprador :
p tratar na ra estreita do Rosario a. 31, toja
MTmJ&V IUDa uberna muito atogueada
no ftfar do Barro entrada para o Cboa, eontendo
fJJS*"'1 m^o com rouitas frurleiras,
prador, armario ou cida coa o moaraa
qoo sur : a tratar na meima. ^^ '^
E' efeegado a este novo estabelecimento o mais bello sortimento de fazendas
toaa, seodp saa espectalidade enxovaes para aoivado.
Vestidos de blond de,seda ricamente bordados.
Gorgur3o de seda branco para vestido.
Colchas de seda para, para cama com ricos desenhos.
Ditas de ta e seda, id- m idem.
Ditas de crox, idem idem.
Cortinados ricamente bordados para camae janellas.
Croxs p >ra cadeiras e sofs.
Vestidos de cambraia branca bordados.
Popeles de lindos gostos.
Lias de diversas qnalidades, lindos gostos e modernas.
Ricos b urnus para passeio, com listras de setim.
Sahtdas de baile o que ha de raais rico.
Cretones para vestidos cora lindos desenhos.
Carnizas bordadas e sem bordados para senhoras.
Camisas bordadas moito finas para horneas.
fictas inglezas para homens e meninos.
Seroulas de Koho, e um grande sortimento de rwpasfeftas e fliflwilx qw
bo mencionar.
Luvas frescas dt Jouvin
Sortimento de tapetes para guarnicoes de salas, alcatifas para forro ie sala, o o
rande flortimento das acreditadas e verdaderras
0 MARAVfLHOSO REMEDIO 00
DR. CHAS. DE GRATH .
OLEO ELCTRICO
KIINC OF PAIIM O RE DA DOR
PARA. USO INTERNO E EXTERNO
CURA CHOLERA E CHOLERA MORBTJS.
!>", flnxo de tangu, asa um dia.
Dc abeas, e dores de ouvido en
tras minutos.
Dar da danta, em um mianta,
neuralgia, em cinco minutos.
Dealeoacse, m vlnta minutos.
Gargantas inehadas, m des miantoi.
Colian e convulseat, em cinco minutos.
fcanssttmo, em um dia.
Fabra febre intarmitanU, n um dia.
Dor nal coiUi e nos lados, em der mi-
nutos.
Toises perigosas e rafriadoB, em um dia.
Pleuresa, em un dia.
Bardes asthma.
Hemorrhoidas bronchitis.
Inflammacio nos ring.
Dyspepsia, erjrsipelas.
Molestias de figado.
Falpitaoto da eoraco.
-nfadonbo
Esteiras da India
RESERVE SEMPRE ESTE REMEDIO EM SUA FAMILIA
AS DOENCAS SE APRESENTAX, QUANDO MENOS SE ESPERA.
OLEO EiEOTBIOO O KINO OF PAIK (O *l da dor) aquIeU e poeltiramente dlsslpa mais de dlfferentM
molestias o dmes, e alllvla mal* os soffrlmcntoi e prodm um mais perfelto equilibrio no aystema humano, o que nao w
yde enectuar no mesme tesnpo, com qualquer outro remedio mcderln.il.
Este malto popular remedio est agora usando-so geralmcnte, pela ratao que mllhares de pessoas ge tem curada
Vratis com o dito remedie pelo Dr. Oratk e outros mais.
Este importante remedio nao se ofierece para oarar todas as doencaa, porem tao smente para aquellas estipuladas
aaa noasas dlrec^oes.
Esta operando nos prlnoiplos da ohlmlca e da electrioidade e por leso, esta appllcavel para o curamento e para a
reatoni*9io da aceie natural dos orgaoa que seffrem da Irregular clrcula^o dos fluxos dos prlnclpaee nerros. Oleo
elctrico O King of Pain opera directamente nos bsorventep, Tasendo desappareeer as lncbaooes das glndulas at<
em um tempo incrlval, breve sem pertgo do sea uso debalzo de qualquer clreumstencia.
O remedio, t urna medecina para o uso externo e interno, composto dos elementos curativos, railes, berras, e cascas',
taea, como se tem usado dos sostos antepaseados, e das quaes tem grande existencia no mundo, para curar todas ai
molestias, someate gahendo-ac quaes ellas sao.
Foi um grande e especial deeejo da faeuldade de medeema durante maitos annos de experiencia para aprender os
ntelhores modos que se dertam adoptar para curar as seguintes doen9as, e que propor9e de medecina se derla usar.
NJIl
PER1VAIYIBUCO
PHARMACIA E I>ROGARIA I>E
BARTHOLOMEO & Q
B CASA CAUVIN h*9m
3poixi n. 53, ra Bireite, 3 pyrtas n. b&,anli(ja]
toja d) Braga
m
M -O abaixo assigoado. dono de?te aotttio suibelecimen, taad .ii visu apresauur umM
r. enaipleio sortimento de ferragens, raiodezas e cotileria, tam resokido mandar bascar 9 diversos ponies da Europa os melbores objeoos de sea estebe!cinenlo dos fabricantes
m K3is conheetos; pelo que convida o respeilme! pubiieo e a mbs numerosos frepueies
B" *wem se errir dos objectos de sua carencia, afndn encontrarSo por menea J0 0i0 do-qne
m outra qualuuer parte, um sortimento completo de macbuas |ara descaroear aleod a,
jK do bemeoofeocido fabncaote Cotton- g ditas para fogo, moinhos para caf de todos os tamanbos, da fabrica do Japi, espingardas de
Wt dona canos de um, tanto inglezas como francezas, loaca de percelana, facas e-garfos
m de diversas quaiidades e preces, bandejas ehinezas, salitre, breu, barbante, enxofre, papel e
| limalha de ferro, ac. e agnlha pera fbguetiro ; asscm como encontrarao constante-
WS mente grande por<;ao de fogo do ar, e recebe-fe encommenda de fugas de visu, alem do um
BK ceai numero de objectos, ^tie se toreara enfadonho numera-Jns : venham rtia Direa n
B 5, toja de Lenidas Tito1 Laureiro, antiga toja do Braga.
W. BOWMAN
EKGERHEIRd
Com fundicao
RA DO BRUM 52
Passando o ehafariz.
Chama a atteneao dos Srs. de engenlio para seus acreditados macbiofanos e
;om espectalidade para seus vapores que ainda urna vez tem melhorado.
Os vapore* fornecidos por ello o j funcciuoando lhe ho de azer melbor apre-
jiaco do que qoalq*er dito proprio.
Deseja tambem mencionar que tem feito urna redueco em seas preco*; e que
tem prompto toda a especie de oacuinisrao e outros oijectos para a agricultura.
Doulevaid
NOVAS ESPEI
ABresenadas
Pharmaceutico privilegiado
Buccessor
Sebastopol, BB PARS.
A. MARINIER
AraJeniu de Sdonoias c ao tosiulo de Franca,
II! 9Cf*PftA Sob a onlu de P**tiU. devcdi.la e doscaila para
IfavbtltfnU f-iser de moneulo uuia 5oliicc;m
Preventiva o curstlra das MOLESTIAS C0NVAGI0SA8.
IMEUfiR-riIILll
estojos ^
do *elnme iie um reloio. 5;rvindo de
1IIII.TH0 o SKKIM.A sem os
graves inconvenientes de fragilidade.
) forma, e de volume t um Porte-Mod
COTESDO TODO 7/.t TAMENTO.
COLLYBIO Contra as affeccois das palpebras,
preparado sob i mesma forma.
6ARTH0L0IE0 4 '
Depositarios geral para e BBASIL. e PORTUGAL
34, ra larga do Rosario. PKRNAMBUCO.
Eival sem sogiindo,
IV l>l Q! i: UE CVa XIM \. 4 O
(Antiga ra do (tuetoiadoj
muito bom
Contina a vender tudo
rauilo barato a saber:
Libras de areia prela muito boo. .
Tesouras Coas para utibas o costu-
ra a. ........
Papis de agulhas francezas a ba-
lo a.........
Caixas com seis 'saboaetes de fruta
Libras de la para bordar de todas
as cores a.......8000
500
60
fJOOC
400
500
500
PRECIOSA DESCOBERTA
0 TNICO DELSUC que boje aprsenla ao puilico, depois, porm, de um severo
exame e de reiterada* experiencias, tendo a certeza de que possue urna superioridade
mcontestavel a todas as outras preparaces, que at lioje tem apparecido, recommenda-se
por sua budade, e pelo brilhanle lustro que produznos cabellos, tirando immediatamen-
te todas as caspas e coceiras, fazendo com que appareca em bom estar impagavel
Esta agua comp5e-se de subelancias cuidadosamente escolbidas, purieadas a
confeccionadas com o maior cuidado, e alm disto combinadas de modo tal a dar-liP
nata acelo verdadeiramente efficaz, consoladora, e benigna.
Derrama-seesta agua na cabeca, e esfregase levemente ; immediatamenle cam
os cabellos ltmpos e com um brilho magnifico.
fleposito
gmente em casa do autor, Andr Delsnc cabeileireiro de Parii.
Ra V de Marqo (antiga Crepo) n. 7 Al* andar
CONFEITARIA
DOS
NANAZES
Ra da Cruz n. 16
Eacontra^e sempre : AMENDOAS confertadas: xaronm r*fri
BOUNHOS para cbi ; pao de ; bollo garantes ; vmbo Boceltas, branco e imto
inglez; pastis de differentes quaiidades; proprio para mesa ; vertaoutb absvntin '
doces de fredas, em calda e secco, efccogDac; vinhos finos, chamnaere
barriliohi* em latas. '
CAIXINHAS com amendoas e pastilbas,
proprias para presentes; cha preto, miado,
de superior quadade ; tatas com pecegos
a 1,5000,
PAPIS pan sortei.J ditos
paraveobrir bulo*.
PRESUNTOS e fiambres.
vemhflos
RECEBKMrSE oocommendas de bandejas com bolinhos. com armacSn rt m
car e sera elU ; d *> de t e boba eoMtados coto dirticos e le alies Vi*dZ^
mudos objectos prprtos para grande* janures, baile, etc., etc. '
Carriteis de linba Aleaodre a.
Frascos com azeite para machinas
Grvalas de cores mudo boas a .
Crozas de botoes madepersla C-
nissimos z....... 500
Novello de lioha de 400 jardas a. 60
Caixas com 100 envelopes muito
superiores a...... 600
Pentes volteados para meninas a. 240
Tintciios com tinta prela a 80rs. e 100
Pecas de fita elstica muito fina a 200
Lata com superior banha a 100 e. 200
Frascos de oleo Pbilocomo muito
fino a......... 500
Frascos de macar perola a. 240
Frascos de extracto muito bonitos a 500
Duzia de sabonetes muito finos a. 720
Saboneles ingleses a 600 rs. e. 10200
Frasco com agua de colonia Piver a 500
Dito de oleo babeza a..... 500
Caixas de lamparinas a. 40
Saboneles a forma menino muito
superiores a. ...... 240
Lartilbas da doutrina fazenda nova a 400
Libras de linlia sordas de todos os
nmeros a....... 1800
Capachos muito bonitos e grandes a 700
Carriteis de retroz preto, com 2
oitavas a........ 640
Agulheiros de osso eufeitados a, 240
Libra de linha franceza superior
quadade a....... 2(5420
Caixas de palito do gaz a. 00
Ko*'- nte-rheumtico.
Remedio efflcacissimo contra as dores rhenma-
ticas at boje o mai? eonhecido petos seus mara-
vilhosos resultados.
XAHOPE DE AGRIAO.- nm dos medicanea-
tos que sua eficacia as enfermidaies, tosse e
Mugue pela bocea, broncbltes, dores e fraquea
no peito, escrobuto e molestias de figado, que me-
Ibor tem aprevado.
TINTURA DE MARAPAMA. A celebre rair.
de marapuama, caja energa e efDcaeia as para-
lysias, iotorpeeimenio, etc. etc. muito se recom-
merrda.
Todos estes preparados se eneoBtrara' na phar-
maria e drogara de BartholomeO k C., utico de-
posito na ra larga do Rosario u. 34.
Cigarros da imperial
fabrica de S. Joo
de Nictheroy.
Onico deposito em Pernambuco caes da alfas-
lega velha n. 1 anda.
s>
Eival sem segundo
ROA DO DUQUE DE CAXIAS N. 49
Esto disposto a continuar a vender todas
as miudezas pelos baratissimos precos abai-
e xo declarados, garantindo tudo bom e pre-
cos admirados.
12C Duzias de palitos seguranca a....
Duzia de palitos seguranca caixa
grande a...................
Frascos com oleobabza muito fino.
Pacote: com p >s de arroz o me-
lhor que ha a...............
iVavalbas muito finas para fazer
barba a....................
t-ntx j de linha bran do gaz a..
Vara de franjas de lidho para toa-
lhas.......................
Caixas com pennas d'ago de Ferry
superiores.................
Lencos de cassa brancos e pinta-
dosa......................
Caixas com 20-quadernos de papel
pautado .......
Caixas com 50 oovellos de linha
do gaz a........
Duzias de meias cruas superior
qualidadea.......3|J600
Pegas de babadinhos com 10 va-
ras a.........
Pecas de liras bordadascom 12
metros cada p 'ca a i;u0 e.
Pecas de fitas para cs de qual-
quer largura com 10 varas a.
Escusas para unhasfazenda fina a
Ditas para dentes a 240, 320,
400 rs. e....., .
Pecas de tranca usas, brancas e
de cores a.......
Duzia de linba frxa para borda-
do* a 400 rs. e.....
Pares do meias croas para m.'
nos diversos tamanhos a. .
Duzias de meias brancas muito
finas parasecbora a. .
Pares de sapatos de tranca do
Porto........
Pares de sapatos de tapete a. .
Duzias de baralhos para vultarete
Sylabarios portuguezes a. .
Cartoes com colxetes carreras a
Abotoaduras para collete diversas
qualidades.......
Caixas com peona de ac muito
boa de 320.a......
Caixas cora superiores obroiaa a.
Duzia de agulha para macnioa a.
Libras de pregos francezes todos
os tamanhos a......
Pacote de papel com 20 qnader-
nos ...........
Ref ma de papel pautado superior
Resma de papel liso muito supe-
rior a ...........
120
320
320
320
0000
500
160
800
100
700
400
500
2^000
500
500
500
40
500
320
40500
20000
10500
30000
400
20
400
50C
40
20000
400
40000
TWMe seuma eanoa de carfegar l,0e a 1,300
y***: f "" na iJU-BrtUzl 101,
Tum

Vaada^a
palo minuw
miadezas darua di Cade! n. 50.
feawtMr^
30600
de trigo a ttfOOO a oarrica : no armazem Ba-
liza, roa do Livramento n. 38.
CHEGARAM
Aa terdadeiras ravas de pelica inglezas, enera-
da* ao oltmj vDper, par a lo(a da ma da Gideia
4p Beeife oo H, mb freate a botica, perto o Cer-
ende-ae sement aovas; m roa da Goia q. 7, taberna.
IiOJA
P0
GALLO VIGILANTE
Rnado Creap* f
Os proonotarios deste bem oonheeido estabeaf-
cimento, alm dos maitos objectos que linham ex-
postos a apreclacao do respeita-veT puilico, mai>
daram vir e acaram de reeeber pei< ultimo vapo
da Europa um completo e vanado f orim*ito *
finas e mui delicadas especj9dade9, ,as quaes e*-
tao resolvidos^i. vender, como u sen. cotunje.
por preco9 muro bamtinhes e eommodos para lo-
dos, com tanto qiie o Gallo....
Muito superior^ lavas de pellica, pretas, bran-
cas e de mai licas cores.
Mui boas e bonitas golHnhas e punhos para t*-
nbora, neste genero o que ha de mais moderno-
Superiores pentes de tartaruga para coque*
Lindos e riquissioios enfeites para ctbecaa a
Exmas. senhoras.
Superiores trancas pretas e de cores com vmbv
Ihos e sem elles; esta fazenda o que pode lyra*
de melhor e mais bonito.
Saperiores e bonitos kques do madreperola,
marflm, sndalo e osso, sendo aqnelles braaeo
com lindos desenhos, e estes pretae.
Muito superiores meias to de Escos^-ia para a*-
nhoras, as quaes sempre se vendern per OfOOG
a duzia, entretanto que nos as veudemos por fJi,
alm destas, temos tambem gr.-nde ?orlimenlo J
ontras qualidades, entre as quaes algurnaa moik
fina?.
Boas bengalas de appenor esnna da india
castaode iiir.rim cum lindas e erenadoras figo
ras do mesmo, neste genero o que do m,elhor sa
pdi**desecar ; alm deatas temos t^i.bem granta
Saantidado de outras qualidades, run;o sejaia,-
eira, baleia, osso, borracha, etc. ele. etc.
Finos, bonitos e airosos chiectinhos de cadeia *
de outras qualidades.
Lindas e saperiores ligas de seda e borracha
para segurar as meias.
Boas meias de seda para ^.onhora e para meja-
nas de 1 a 12 annos de idade.
Navalhas eabo de marfin e tartaruga para azer
barba; sao muito boas,e de mais a meis sio ga-
rantidas pelo fabricante, e nos .por nossa vez taav
bem assegnrames saa qaalidde e delicadeza.
Lindas e bellas capellas para r.oiva.
Saperiores agalh nara mariuua e para erox*.
Linha muito boa de peso, rouxa, para enefcei
labvrintbo.
Bons baralhos de cartas para voltrete, assa
como os tontos para o mesmo fim.
Grande e variado sortimento das melhores per-
fumarias e dos melhores mais conhecidos per
fumistas.
COLARES DE ROER.
Elctricos magnticos contra as convaisoes.
facitam a dencao das innocentes criaaca. So-
mos desde mnito recebedores denles prodigioso!
collares, e eoanaamos a reccbe-lo.1' por todos
vapores, afim de qne nmiea fslwm co mercado,
tomo j tem acontecido, assim pois podero aqne!
les que delles precisarero, vir ao deposito do galf
vigilante, aonde sempre encontrarao destes vr^-
deu"os collares, e os quaes attendendQrse aoto
Sara que sao applicados, se venderlo com um xaw
iminnto lacro.
Rogamos, pois, avista dos cbjectos qae deiiamc
declarados, aos nossos freguezes e amigos a vire*.
comprar por precos muito razoaveis i lojaoo gal*
vigilante, ra do Crespo n. 7_____________._
D cordeiro previdenti
Rita 9 Qucfniado a. f .
Novo e variado Bortimapto de perfrJrii.
finas, e 012!ros objetos..'
Alm do completo sortimeiit o -le p.*2;
marias, de que cfteclivameni* as ffr**
lo}a do Cordeiro Pre\idt'ni': ea,? 1
reeeber um outro s Qotavel pela variedade de objectos. -
dade, qualidades ecomm'.ididadps. :
eos; assim,pois,oCordaAo!rvjii, ^
e espera continuar a merecer. a,i
do respeitavel publico ej
boa freguezia era partiev .. \
lando olle de sua bem eonbecl^af .
e barateza. Em dita loja escon'!*
apreciadores do bom:
Agua divina de E. Coal...
Dita veidadeira de Murray & Umean.
Dita de Cologne ingleza, amerierrj. fr?;
ceza, todas dos melhcres e ma!s?.crtdi'c
fabricantes.
Dita de flor de larangeiraa.
Dita dos Alpes, e vilete para loilt.
Elixir odontalgia para conserva;^
isseio da bocea.
' Ck)smetiques de superior quadade ecbt
ros agradaveis.
Copos e latas, maiores e menores, eet
pomada fina para cabello.
Frascos com dita japoneza, trispircr.
e outras qualidades.
Finos extractos inglezas, americano;
francezes em frascos simples eenfeitadot,
Essencia imperial do fino eagradtvel cs
ro de violeta.
Outras concentradas e de cheiroi
mente finas e agradaveis.
Oleo philocome verdadeiro.
Extracto d'oleo de superior tJatUMi
com escolhidos cheiros, em frascos de d;
rentes tamanhos.
Sabonetes em barras, maiores e mesn
para mos.
Ditos transparentes, redondos e em tigr
ras de meninos.
Ditos muito finos em caixinha para barb-
Caixinhas com bonitos sabonetes imitan
finetas.
Ditas de madeira invernisada cobtende f
as perfumarias, muito proprias para p?;
lentes.
Ditas de papelio ignabnente bonitas, tas
bem de perfumarias finas.
Bonitos vasos de metal coloridos, e
moldes novos e elegantes, com p d im
9 boneca.
Opiata ingleza e franceza par dentsa.
Pos de campbora e outras dffiei-est,
qualidades tambem para dentes.
Tnico oriental de Rearo.
Anda naals eo^nc*.
Um outro sortimento de coquet' de i
vos e bonitos moldes com filets de vidrilbr
e alguns d'elles ornados de Dores e te-
esto todos expostos i apreciadlo de qw
oe pretenda comprar.
GOLUNHAS E PUNHOS BOJIDAD08
Obras de muito gesto e|)erfeicl*.
Flvellas fitas para latea.
Bello e variad sortimeato de Mee obla-
to*, ficando a boa seoIba ao gosto ** cs
prador.
Joaquim Kodrigu-esTaV-}
vares de Mello,
TEM PARA VENDER
em sen escriptorto, praca do Corpo' Santo
Fnmo em folha
de e l' qnilidi^e, e vende mn 0q faas
fartos a ironude dw cwrpradcres.
Cal de Lfcboa
nltima ebegada.
PotassadaEiissia,
PaHaka r aajamllma.
Vinho Bordeaux.
de f qaalMade. tndo Be tende mafs L
biMo do w em onn a^hia} parte-. M
ttMfBDMIM^ aaat^saaaaasawiaajruiT
*ogfio de .patente.
Vndese em asa dos importadores Sbaw
Bawkes & C. roa 4a Gnu n, i.
'


lgM
'




Diario de .Pernambaco Sexta (eit 25 de Noverabro de 870



f
\
imam i artes.
*------------- ___
estradas t tem.
(Coarlusio.)
_ Pdejigora occorrer a atenidos meos
onvioles perfumar se possive! construir
locomotivas que poxem grandes pesos de
trem por urna etrada com a largur.i
pos entre os mili >s, com a mesma veoc.-'
"jd qaehojasoninpreg' as estradas larga,
respondo decidido Sim. .
* A machina Fafcjie de bogie duplo pode
ser construida, nir s para puxar trens
igualmente pasados econi a mesraa velo-idi-
lio hnje rmpregada nas estradas largas, mis
i) far tala no que ss chama urna astral
Ce ferro de cinstruccio ligara {iigla rail-
wuj/) com trilhos que nio ser necessano
exceder ao peso de 50 libras por jarda, c
cue se hio de gastar naturalmente, em voz
de serem esm-gados, e moidos, como acon-
tece com oj lihhos de 81 libras empregado;
com o sysiema actual.
V-se pois pie nraa grande e impelan-
' f")n>uia pula ser realizada oa estrada
(le ferroLouion and Northwestern se a sua
lujara fasse de 3 ps entre ostrilho', em
iez da ser o 4 ps 8 '/ pilleada?, sem
i- menor mudares no sen actual systema de
.'dmuiistraf >; e que esta economa repir-
tjda entre o publico eos accionistas, rodo-
- irla muit as tarifas para aquelle, ao pr-so
que augmeutiria considera velraenle o? di vi -
cenaos desles.
.Viles de apresentar ontro exempL das
aotagens das entradas estrellas, ser tal vez
..ecess rij explicar por que o termo id dio
i |isi qupala, boje transportado pela
estrada de ferio LooJ >n and Northwestern,
tio mmlaoto c)mpa-ado com o peso dos
wagojsem pregados em carrega lo. A r,;/..11
e obvia. Ess i via frrea cobre urna gran le
.rea de terreno, e penetra em dislrictos
onde o trafica muito irregular : de molo
que deve baver um avullado numero de
vagos vasios que passam de um iocal par
ooiro afira de accommodar-se ao trafico. E'
impossivel encontrar, sahindo da m-smaes
u?o, o me-mo peso que enlra nella.
A concurrencia tambem grande, por-
a mior parte, se nao todis as edades
1 'or onde passa essa estrada, tem tambem
estajes de urna ou roiis linhas pertencen-
tes a oirtras c-impanhas de estradas de
ferro, e a populacio, lendo a escolba.apro-
'eilam-w da lula emre as companhias. O
resoltado que cada urna procura avaota-
jir-se s oulras, nSo so baixando a larifa,
js ainda offereceado maior prestez; no
i esp;whoda< cargas. Praticamente islo re-
da em timi a osta entre as coinpanbias
.'ver qual dellas expede miior numero de
-.\agons com meia carga ou vasios.
Supponharaos, por exemplo, que alguem
entrega um volume de cadenas, era orna
porfo de mercaduras, para serem enviadas
ie urna eslacSo para outra O ebefe da es
,i.To nio pode guardar as cadeiras ou as
mercaduras at ler a carga completa de um
vagio, mas deve despacha las imraediala-
mente, lalvez sem outra carga, em um wa-
gSo que deveria levar dez vezes mais frete.
Seja qual for, porm, a explicacao da pe
qoena proporco da carga que paga para o
peso que nao paga, o fado existe e pro\ a
em favor das estradas estreitas. Suppouha
se mesmo que os w-igoes viajara vasios rae-
iade do lempo. Tomem-se como exempl
ns wagbes de carvio de pedra que s fa-
cera iiota viagera com carga e voltam vasios.
Anda a vantagem p ra as estradas estrel-
las, porque os wages vasios pesam nica
mente urna tonelada em vez de quatro. No
caso do volume de cadeiras ha vei a samante
o aagaenlo lo peso desias a ateraaacntar
> de um wagSj de urna tonelada em vea
i Lz-lo ao de um wagio de qualro tone
das; de molo que, de qnalquer mo I>
-;ue se encare a queslio as vantagens serio
ipre para as estradas de ferro-eslreitas
de onsiruccio igeira.
o Na Inlia no ha concurreacia entre as
.-..inpanhi. as iercadorias at qu se obtenba a mxima
quaolidade para transportar. O lempo all
de p uca imp rtaucia, e d'ahi argumenta-
se qu; nestas circumstancias urna estrada
arga e wa5is grandes sio "os melh res,
sim deque se pissa despachar um pequ-
numero de trens pesados diariamente.
irapMsivel conceber um argumen;o
mais fallaz do que este ; e o seu empregn
^eloa a I dia com o comeco de um sysiema
de \ias frreas mijito alm do que esse paz
precisar* oestes cem annos, e talvjz ainda
por mais lempo.
c T-nho demonstrado que urna linha com
'.i ps de largura entre trilhos pode carre-
gar sem augmento na despeza de Iracco
2 \2 vezes o peso boje transportado pela
tslrada de ferro London and Northwestern
de quatro ps 8 l/ pollegadas de largura
entre tridhos. Doode nasce, pois, a neces-
sidade de construir as estradas de ferro da
ludia com urna largura de 5 1/ ps eniie
rilhes ? Especialmente saDendo-se que a
totalidade do trafico de mercaduras em to-
das ellas nao m trada de farro London and Norlbwestern
t Tomando a estrada de ferro East Indis
como a Northwestern da India, vejamos
como a ausencia de concurrencia ealargu
ra de 5 (i ps affeciam a quesio do
transporte. O numero de toneladas liqui-
das carragadas pela lioh > no anno de Isiil)
f ti de 938.62S) em 32.490 trens; montando
a cerca de 9 toneladas por trem. O ter-
mo medio dos wagoes que compuzeram os
trens foi 25 pesando 6 toneladas cada um ;
o que d 150 toneladas de trem para 29 to-
neladas de frete, ou mais de 5 toneladas de
peso morto para urna tonelada de carga,
que paga. V-se, pois, que a despeito da
concurrencia e com todas as circomsiancjas
favoraveis ao costeio da linha, a propongo
de peso morto excede a $ toneladas para
orna.
Se, porna, a largara tivesse sido de 3
ps em vec de 5 l/i ps; o peso morto,
com a mesma administradlo, lena sido re-
uaido da proporc*) de 5 para a de 1 1/4
para 1. Imagine-se a economa, somenle
em combostivel, qne esta alteracio faria,
qaaedo menos da qoarta parle do peso boje
puchado, dara a mesma accommodac3o
para a carga qoe boje existe, e produxiria o
mesmo resallado peeaniario. Nio por
certo, necessario ser pbilosopho para ved
qoe as estradas estreitas Sio infinitivamente
superiores em lodos o respeitos, mesmo
de 4 pea 1/2 potfegadis de largura en-
ir irHhoa, e deve ficar gravado na mente
de todo o engenheiro, qoe cada polegada
qm te augmentar na largura de urna e
trada, alim da qm absolutamente necee*
sarta para o trauco, augmenta o cueto da
eoiwfrwfo, a proporcio do peso morto e a

deftmFi
i Rusia o seria tambem para- os panes
Suflo;
inverte^^^^^^^^^^^^^^H
da consIruccij^B
linha d
iuha da o 1/2 foi; mesmo nesle
vnm'(lf>'te ad tonela
,l:' di na tao jfnndqoa a
estrada es;r#ta viriaaMnal a ser amweco-
nom
E' 'esaecessariffdit'- qm> o'cii^to da
':o:i>lrii.;i;3o de umi 'stciu' de i'M esli
na r.ffn i Amto da sin iarr-;*va entre trt-
ios: ero U-ti^ios minio acndeolados a es-
trada estr.ifa costara ramio menos do que
proporcio para a sua largura, act'pwso-
que em terrenos planos a proporco ser
maior, mas lo randj o tcruio medio (ex-
c lindo o trem rodanle, carcas, estacoes e
lelegrr.phos) ver-se-ba que o custo varia na
razio da largura. Nao contentes com a
mus que impuzpram i indi, o? advogados
da largura de S \/i ps esforfam se para
fmpAr o mesmo onus is nossa? colonias, e,
em demasiados Casos, teem sido bem suc-
cedidos. A colonia da Victoria, p'.r exem-
plo, tem um sy*tema da estradas de ferro
de largura de 5 l/i ps lio magnificas e
costosas que impoem a' orramenjo colonial
o insignificante dficit de 30.000 dihras es-
lerliii.as por anno.
A Tasmaoia, ora a mesraa direccSo-
tem sillo sellada com urna via frrea e 5
l/'i ps re largara entre trilhos. II oo-
Iras localidades nas mesmas crcumstancias,
jinr.ii i;i 'i> na-hs lod.s prolongara esta
expo4i(io alm dos limites devidos. Apre-
si'iiioi provas suilicientes para demonstrar o
.pie arancei ao comecar; e, por intermedio
ilasl; (Traillo associ-c'io desejo communcar
nos habitantes dos pazes qne necessilam de
estradas de ferro o meio por que as pjdem
liaver baratas e efTicazes. Em climis mo-
llera lamente temperado, 2 \i ps de
largura enlre trilhos bastar para qualqner
trafico onde quer que sejt, e podem agen
lar uma velocidade de 30 milhas por hora;
ao oasso que 3 ps largura suffi;iente para
c'imas muito quintes ou muilo fros e
agueniarao uma volocidade de 'i0 m!bas
p^r hora.
Estradas de ferco podem ser construi-
das econmicamente e ao mesao lempo in-
teiramente efflcazes ; e os qne sustentam o
contrario sao, de fact->, mimigos do pro-
gresso c da ciiHaae5o. Nao ha paiz por
pobre que seja que n5o possa ter as estra-
das da forro segundo as necessidades do
seu trafico, e estradas de Ierro fornceo) os
meios de transporte mais econ imicos quan-
do nio sio alquiladas pelos resultad >s pro
dozidos pela incompetencia e a extravagan-
cia que latftis vezes vemos associadas. Con-
sidero com dever de todo hornera n^
inundo vetbo auxiliar aos do novo indican-
do-lbes os rneios de aprovaitar a experiencia
que lio mo nos tem costado e de evitar
os e>co!li'H onde tantos acciiouttt das nos-
sas estradas de ferro tem naufragado.
\s_ act'iaes estradas de ferro da India,
comquwito iudubilavelmenle tenham o ssu
valor para fias militares, custaram cerca de
2^,000 libras esterlinas por milha. O lermo
medio qne se paga por tonelada nas estra-
das de farro da India 2 1/4 pence por
milha, c plc-se perguntar se estas l.nhas
trazein ntagem para os babiantes que
sao obrigalos a pagar grandes mpostos
para annualmenta fazer face aos juros aval-
lados do cusi, e ao mesao temoo uma
tarifa alta. Em quaesqtnr prolongamentos
na Inla deve ser nosso fim satisfazer a po-
pular) c ao m3mo lempo desenvolver o
trafico. Que differenca nSi liaveria nos re- j
sultad s, masino ag ira, se as lindas tives
sem costado 5,000 em vez de 20,000 libras
por milha, e se a tarifa tivesse sido de 1/
penny por tonelada por milba em vez de
2 t/i pence.
Nio s teria isto sido praticavel se s
tivesse aloptado as estradas estreitas, mas
a de pez i do transporte de sal, genero de
primeira necessidade naqaelle paiz, nio ex-
cede, ia 1/4 penny por tonelada por milha.
Nio poss concluir esta exposicio sem
tacar num assumpto quo boje pertence
historia ; um exemplo admiravel do modo
por qne o interesse in livdual, ou mesmo
o simples espirito conservador, pode cegar
os liomens ao ponto de nao envergaren) as
proposicoes mais obvias. Ha alguns cujo
nico d ;sejo parece ser conservar-se na es
trada que esto habituados a trilhap, e cuj >s
iuslini.tos os inciaTi a voltar-se contra
a melles que nropojm uma innovafio qual-
qner.
En Janeiro passado fui chamado apres-
sadamente a S. Petersburgn pelo ministro
duqoe de
|e protaover qual'
|ar a humanidade, e qm
la estrada de
Ierro construida expressamente para me-
Ihorar a condicio do* seo*; renderros, g-
gregou-se a nos e tomn o mai >r interesse
nas experiencias. Os seus resultados sio
coohecidos, e aquellos que os ni' conhecem
eacontrario sobre a mesa os r.-latorios res-
pectivos. "^
A commissitf volloo pira a Rossia, e
pisentou o sen relalorio declarando que
eo havia plenamente provado a
de toas as ambas asserces.
lito foi em marco; e em abril S. M.
ordenou que se construsse pelo novo sys-
tema uma va frrea do 50 terete de ex-
tenso, qire dever ser abarla'em no-.-embro
Jeste anno. As bcomotivis para esta es-
trada poderS ser examinadas no estabete-
ciarento dos Srs. Sharp, SteWart & C. de
Manchesler.
O novo systeroa foi tambem adoptado
em algumas das linhas'antigs, eo trem ro-
dante para a vi frrea Tamboff Siraiolf
est se constrnindo no mesmo estabeleci-
mento.
c Os menjoros do eon^elbo da India fica-
reveram-se 82
i.;prudencia e s-
1-1 mjdcini, em 1889 ma-
< primeiro anno dese curso
JM |
iMmdou-se coutractar na Europa um pro-
fessor d puntes e cacadas e ha o projecto
I
ram lio imprassiona-dos com as notrias
deste system, qt'e os engeoheiMs aqu ie-
sidentes das oVersas estradas de ferro lodia ret'beran> instrsc^e para-aprestmtar
as diversas directoras relatorio-* a respeuo
da onvenienca de esh*a4as de trro es-
treitas na India.
Tanho visto algons cfcsses- rotatorios,
que s5o todos uoanimes eny soa ojqosicio
a qualquer melborawento, e a toda e qual
quer erlerencia n sysiema em qu* nas-
ceram e lem vivido ; em um dstes, porm.
encontrei um argumento que merece um
moineiwo de attencio- OSr. f?wkshnp, no
relatorio qae apresentoo i directora Oa es-
trada de ferro Easlern Sengal, diz que Si-
seando os- propugnado* das estradas es-
treitas os seas argumentos em- um treio
rodante leve, esta base tambem deve ser
tomada pelos advogado? as nsiradas largas.
A nao ser esta-especie de-razio cas aggres-
soes vilenlas que o Sr. Bidder dTigio-rae
pessoalmente e ao meu sysiema, eu tena
deixado de mencionar esse relatorioe.
t Acbo, porm, que vale a pena respon-
der ao Sr. Hawkshaw, e- consignar aqai
ne o Sr. Bidder evidentemente nunca vio
meu sysiema, coroqoanto fosse par isso
convidado varias vezes ; e qoe baseou z sua
condemnacao em uma desenpeo inteira-
m^nLe errnea nio s quanto aos principios
mas tambem quanto aos detalles.
Querer agora formular cafculos par as
estradas largas, sobre a base de trem re-
dante mais leve, praticamente adimttr
que graves erros tem sido coaamettidos no
que est ho,e em uso, -erres que se quer
tneoricarnente por discute a questio da lagura das estradas.
Por mais leve, porm. que o Sr. Hawksnaw
se proponha a construir"o seu trem rodanle
para o futoro, nanea o poder- conseguir
lio leve e capaz de produzir tanto trabaibo-
nas estradas largas como nas estreitas.
O sea argumento ama confissio
plena dus erros commettidos no systeraa
aiitgo, sendo ao mesmo lempo uma tenta-
tiva para apagar o desejo geral de investi-
gar o merecimento do novo pedir per-
dio pelo passado, prometiendo fazer melbor
p'ara o futuro ; envidar todos os esforgos
alim de que os clientes nio pjssem para
uma escola nova.
< um triste incidente na historia dos
errns da humanidade ver homens nduzidos
em erros desta natureza pelos seus desejos
de resistir a innovacSes. Qumto nio seria
diverso o curso das invences qianto nio
seria acil a estrada dos melhoraraentos,
quantos annos de estudo e trabalno assiduo
nio nos seriara poupados \ rauilos de dos,
se homens desles se esquecessem das riva-
lidades, e contribuissom com seus esforcos
para a boa obra do progresso.
de mandar tambem vir dahi algum dos an-
ligos alumnos da aula de escolptora, para
della imeumUir-se.
Hi igualmente o projecto da creac. o de
vm curso de archiieciura.
Ao institoto nacional inc rporaram-se e:te
anno 219 atumno3. O e tabelecimenlo tem
exactidio mais de mil e j c mui pequeo o recinto
para esta qoanlade. 0 numero das M-
colas em toda a repblica era en* 1869 de
641, o o numero de alumnos chegava a
49,8-59. No anno anterior a inscripcio era
apenas de 10,530.
As escolas particulares gratuitas (oram
em 186* frequeotadas p ir 4,678 meninos,
isto mais 808 rio me rw anno anterior.
Estas escoles sao sustentad"* por diversas
associac5es: a soiedade e injtraccSo
primaria de Santiago sustenta- eete escolas ;
a catbolica qsatro; a de S. Tiiomoz d'Aquino
tres, etc.
Em 1868 havia 418 escolas particulares
nio gratuitas; em 1863) estabeleeeram se
mais 18. Sao todas ellas-frequentadas por
17.8-70 alumnos.
No servifo das-escolas mpregam-se 781
professores- e ajjdanies, s o numero de
livros pie ellas deMribuidos^ite l. dejonho
d^ 1869 ao 1. dejonho dt 1870, Rh de
216.7^6.
Foram creadas u'timamonte-mais 2& es-
colas, v
O ministro insiste na necessidade de aug-
mentarse o orduoadb dos prossores.
e obras publicas da Russia para tratar do
sysiema Fairie de estradas de ferro, para
o quai haviam attrabido a attenco publica
s bem .escrptos artigis sobre o Prob e-
ma das estradas de ferro que apparece-
ram no Times de 19, 20 e 21 de outubro
de 1869.
(Estes artigos foram reimressos e
acham se sobre a mesa.)
S. Exc. o ministro pedime que fizess*
uma breve-exposicio das vantagens recla-
madas para o meo systBBia. Respond que
pela adopeo daquell* systema estradas de
ferro podiam ser construidas por pouco
mais de metade da somma necessaria para
as construir pelo systema coiomum, de
modo que seria possivel dar quasi duas
raiihas pela somma boje despendida com a
construcca > de uma mitha. Que estas li-
nh'as, depois de concluidas e fornecidas de
rem rodante, poderiara carregar tanto se
nio mais do qu- as do sysiema amigo. Em
nutras palavras, poderiara transportar em
21 horas tantos passageiros e Untas tone-
ladas de carga como as melhores linhas exis-
tentes e que isto se faria redazindo o cos-
teio, alm de diminuir os estragos na via
permanente, e de augmentar a duracio dos
trilhos. S. Exc. respondeu-me qae se se
ptld-.-sse conseguir smente uma parte disto
seria para a Russia de grande vantagem, e
que o assumpto seria examinado.
Poucos das depois foi nomeada nma
commissio imperial composta de algumas
das maiores notabilidades scientificas da
Rossia, e presidida- por S. Exc. o conde
Alexis de BDbrinskoy, addido privado de S.
M. o Imperador, que receben instruccSes
para vir a este paiz indagar da exactidio
das miadas assercSes. Em principio de fe-
vereiro a CDinmissio chegou a Londres, e,
depois de examinar minuciosamente a ques-
tio pelo lado theorico, resolveu-se qae se
procedera a algumas experiencias orticas.
O cooselho da India, e B ard of Trade, a
Noruega, a franca e ontros paites enviaram
seus representantes para presencia-los, por-
que acreditou se qne o. qoe (osse vaatajoso
VARIEDADE
CWlWAO E JDSG.O aq>er's Ri-
zar refere o seguinte :
LTia cl>r3lj foi levado presenca de-
um magistrado por ter espneado am
judeu.
Querual te fez ese* homem?'pergun-
tou o magistrado.
Qt- mal ? Este bwaera auasbou as
mios no sangoe do nosse- Salvador o fui um
dos que o crucificara-a?
-Mas isto, rep.icou o-magistradct acon-
teceu ha mais de dous ra annos.
J)ev3ras ? Pois en somente soabe-o na
vespera db dia em que o-casliguei.
AS DUAS>COUSAS SMB BELLM DO
MUNDO.Km pbilosopho indio a- quem
perguntaram qaaes eraav as duas cousas
mais bellas- do mundo, resoondeu :
O co estrellado sobre nossas rajapia e
o sen tmenlo do dever en nossos^- cora-
5&es.
FOI teyi' DITO.03rl* moca eslava
para casar... como casara- eaa gerah. mais
pelo interesse do que pelo coracio. livou
he a modista o vest dt do noivado, que
em verdade era de acabado got.ro, e ven-
do-a tio alegre em examnalo e tio* orgu-
Ihosa p.-ilas jaias qce l:e mandara o- noivo,
dissa !ne sorrindo :
Pelo que vejo, a senher quer mais ao
presente do que ao futuro.
REPBLICA DO CHILE Do relatorio
di ministro da justica, culto e instruccio
publica do Chile exirahimos os dados se-
guintes :
Trabalha-se na redaccio do cdigo cri-
minal, tomando por bases os redigos d
Blgica e da Hespanha. 0 govemo chama
a attenc-io da commissio para a aefio di
polica no que diz respcito a prevencio dos
dehetos, etc.
A bbliotheca nacional foi augmentada em
1869 com mais 978 voluntes; sendo 99 de
publicacoes nacionaes e /02 comprados na
Europ'. Contem os mais notiveis trabalhos
scienlificos e litterarins, publicados nos ulti
raos dez annos. A biblioteca p >ssne actu-
almente 41,280 voluntes.
O museu nacional, assim como o obser
vatorio astronmico lutam com a escassez
de recursos e diminuto pessoal.'
Fez o museu acqusic5es importantes para
as colleccies zoolgicas e geolgicas, mas
a parte dedicada a antiguila es foi a qae
recebeu maior qaantidade de objetos novos.
O sub director do museo mandn txar ama
copia exactissima dos hierogliphos achados
na ilha de Pascua e remetteu-os sociedade
geographica do Brlin.
O observatorio astronmico entreten) re-
lacoas scientificas com grande numero de
observatorios europus, cum lodos os norte
americanos e com diversas sociedades sci-
entificas da Inglaterra, Noruega, Dinamarca,
Franca, Al'emaoha, Hespanha e Washington.
Na America do Sul pdz-se em relacoes-com
o observatorio meteorolgico de Quito e
com a facu'dade de sciencias da universi-
dade de S. Marcos de lima.
A universidade durante o ultimo anno
conterio os seguintes ttulos :
Licenciados em leis. 47
dem cm medicina. u
dem em theologia. i
Bachareis em leis. 66
dem m humanidades. 79
dem era med cia. 10
Eageoheiro8 geographos 9
dem d minas ... 4
Ha actualmente inscriptos na universidade
427 alumnos, dos quaes 23) tegaem* o
curso de leis, 97 de medicina, 43 de ma-
.thematicas e 87 da bellas artes.
A maior parte dos estallantes que obti-
veram o grao de hachareis em humanidades
em 1868 oa em principios de 1669, em
vez de nscieverenvse no corso de leis,
como antes era costo a*, passaram ao do
primairo d medicina. Asalto, ao passo qtre,
LaTTEBATBA,
O DKDO 10 BEiTIXO
POR
Majne Reid
1
MIJOS 1KKOS
Por um bosque situado des milhas de
Windsor caminhavara silencosamente deas
mancebos de espio,t?arda ao hombro. Na
f.enle corriam, farejando, dous lindos caes
de ca$a e na retaguarda caminhava um
ciia1o.de aceiada hbr. o que todo dono-
lava pertenec' a cooiiiiva 6 classe opulenta
da sociedade.
Este bosque fazia parte da grande tapa-
da pert ncenio ao pai dos mancebos, o ge-
neral Harding. Antigo olcial do eaereito
da India, arrancara, duraute \nle aunos
de zeloso servico nas possesses orientaes
inglezas, uma fortuna de duzeolas mil libras
esterlinas, sera o que nio possuiria uma pro
priedade como a que ocenpava no rico
condado da Bubs. Alii fixra a sua resi-
dencia, na esperanca de restabslecer-se de
uma doenca heptica, adquirida nas arden-
tes planicies do Indos^o.
Um soberbo palacio de lijlos vermelhos,
conslroccSo do lempo da raiaha Isabel,
evideociava n'esta materia o bom gusto < general, e uma superficie de quinhentas
geiras de parque, admiradamente arbori-
sado, bem como os terrenos cultivados ad-
jacentes ao palacio e meia dozia de granjas
lerteis, eram suiiiciente prova de que o
velho ^oldado applicava, intelligentem9ate na
Inglaterra- o psodoclo dos milbes de ru-
pias gr ngiatos nas ludias,
Os dous cacadorea que j vimos sid os
nicos filos do militar, alm de uma me-
nina de dozeseis aonos, qoe pouco impor-
tante lugar occapa n'eUa historia.
Quera olhasse para elles com attenco
reconheceria. apezar da ideniidade da esta-
tura, que bem ditleriam um do outro na
idade e na physionomia.
0 mais velho chamado Nigel, tem a cu-
tis morena, cabellos corridos e pretos.
Henrique, o mais novo, possae urna
pelle mais fina e rosada, cabellos castanhos
lustrosas descendo-lbe at aos hombros
em ondulacSes.
DitT-.-rem, pois, tanto na physionomia,
que iiinguem dir que sejam irmios.
E nio o sio na restricta accepcio da
phrase : posto que ambos possam chamar
pai ao general Harding, devem cada um o
ser i differente mii, ambas ellas ji fal-
lecidas. A mii de Nigel jaz n'um tomlo
prximo antiga cidade de Hyderabad e a
de Henrique n'um mausoleo mais recente,
que se acha no cemiterio de ama aldeia de
Inglaterra.
Muitos tem sido os homens qne tem
sugeitado o eolio por doas vezes ao jugo
matrimonial, mas talvez poucos tenbam
encontrado doas mulheres tio difiranles.
A india ni de Hyderabad difteria tanto,
physica e moral mente, da ingleza, qoe Ihe
succedeu, como a India difiere da Ingla-
terra.
Esta differenca de temperamento trans-
mittira-se das mais aps filbos e bastava ve-
los para se ter a certeza de qne o saqgue
paterno fra impotente para a equilibrar.
0 segaicte faci ser a primeira demons-
tracto.
Uma semina anteainda os dous joven.
lem i corriam como es-
i asiros "da
em ferias,
avam melbor passtiempo (foque
Posto que o bosque ptreorrido seja es-
pecialmente coutada de faizoes, os nossos
catadores procoram agora ..caca mais miu
da.
Est-se no invern : o gelo, endurecendo
o slo, opp5e se um pouco busca da caca
grossa, mas a narceja e a gallinhola, aves
jde arribaco, abondam agora nas-proxi-
raidades di agua.
E', poi--, nas margens dos rebatos que
elles agora cacara narcejis, como indica
a qualidade dos caes.
Sao estes um hranco e ootro negrov ara-
os de raca apurada, mas diversamente
ensaiado : o negro amarrado como um
roquedo / obranco, arrebatado, corre como
um galgo. J pela segnuda vez detou fura
a caca sem se amarrar.
O cao preto pertencerrte a Nigel, 9 branco
Hewique.
Pela terceira ez d o wgnal un prova
da sua incorreccio, fazendo levantar a caca
sem se amarrar.
O sangue indio referve ws veas dte Ni-
-gel, que, iepondo a espingarda contra orna
arvore e parando por uma fac;a. diz :
AqueHe diab*> care'3 de ama lic,
que t, Doggi Dick-, lia muito Ihe deveras
ter dado, se soubesses cumprir os teus de-
veres '
Por Deas-, Sr. Nigel acudi o I
guarda, quem--o-dito se diriga. Teoho
castigado o animal ; poni do debocar os
braco, porm, k- o mesmo que nada : fal
la-lhe e- instiucto de amarrar-se.
Entaoojoven anglo-iuiliano, vaneando
de fac: 1 era pnnhrv, grilava :
Guarda iqui^cfio f
O que isso, Nigel ?Jisse o rmio,
alcancaDde- o Nio- creie- qoe vas ferir o
auimal.
Que-te importa ? rtio leu, meo.
Imperta-me queniecommettasuncaeto
de crueldnde. No fim de ewrtas, o breto
nao que lem culpe,- mo talvez. romo
disseste, Degjfj DiciVqou o ensioa mak
Agradecido, Sr. Hennejue I acudi
o guarda. Eo> pago sempre as differencas,
apezar de todos os reos esJorros em sdt-
vir bem I
Doggi Dfekv nio obstante ser jo ver. e
antipathicOr acompanhnu-- a obsHrvarao de
um olhar lie feto come a sua ndole.
Calem-ee ahi ambos-1 disse Nigel
Eo vu castigar o c Gamo eolendo e
s- o qae me falta una chwta.
Mas nao foi urna chinata oae elle cortea
d aore, porm, uma>v-ar e dous cena-
metros de espessura. com a qual fnstigoo
brwaimente o-cao, cujee latidos se reper
outiram no bosque.
Debalde Burique iotercedia pelo an>-
mal. Nigel foi batendo sempre.
Fogo,fge!braava Dick K' paaa-
bem d'elle f
Quanto > ti, redarguio Henrique-
eo te recemmendarei meu pai t
Esla asseivO nao fez-mais do que exas-
perar Nigel, que cada ve* mais furioso cas-
tigara o ci.
Isso uma verdade, Nigel: aroa>
desbamanidada I.. Acaba I
Hei de deixar-lbe uma lembranca f
Henrique, vendo sea irmao araemessar
a vara e beanuir a fasca, disse ancios
menle :
O que intentas aaer ?
Cortar-lhe urna erelha a aainba iiy
tencao.
Priaeiro me cortars t a* mios I
bradou Henrique, acocorando-se e defeo-
dendo a cabeca do ci.
Tira as mos, Henrique f O cao
meu; pesso fazer d'elle o que me aprouve?.
Tira as mios !
NSo tiro I
Peier para ti ?
E, agarrando ce a ma esquerda a ore-
Iba do ao, ferio cm a direta de ailo
baixo.
O sangue, espirrando para a cara dos
dous- irmios, espalr.ou-se em llocos escar-
lates sobre a lorabada do ci, mas o- san
gue bo era d'este, era ie Henrique, cojo
dedo mnimo da mo esqu -rda tlnba sido
aberto desde a primeira articuiaco at
uaha.
E Nigel, s*m manifestar o menor pezar
pelo acto do selvageria praticado, disse :
E' urna licio para te nio metieres
nos meus negocios. Para outra, vcz Aca-
ras com as mios nos bo's-s!
A brutaiidade da observado fez afinal
referver o sangue saxonio do mancebo, ao
jual a dr da ferida nao alterara o espirito.
Cobarde 1 exclamou elle Larga
a facca e approxima-te t Apezar dos teu-
tres aanos mais, vou corrigir--te e provar-
te que te nio temo !
Nigel, fulo de raiva por se ver desafia-
do por uma erianca que eslava afbko
corrigir a sen bel pra/.er, largou a facca,
e os doos irmios bateram-se furioses, co-
mo se fossem dous estranhos.
Como dissemos, nao havia entre elles
senio pequenissiraa differenca de estatura :
Nigel,am pouco aais alto do que Henri-
que, era, em compensacao, menos robusto.
N'esta especie de lula havia da parle do
saxonio superior idade muscular sobre o ao-
glo-indiano, e por isso ao fim de dez mi-
nutos eslava este tio manifestaraenle derro
tado, que o guarda leve de intervir, do que
se houvera abstido, se Henrique fosse o
vencido.
Estava, portanto, terminada a cacada.
Henrique, embrulbando a mi no lenco e
chamando o seo ci, retomou o caminho
do palacio ; Nigel, confundido com a sua
derrota, segua o de longe; Doggi Dick ca-
minhava ao lado e na retaguarda marchava
o ci enaanguentado.
0 inopinado regresso dos cacadores sor-
prendeu o general Harding. A mi ferida
de Henrique e o rosto incbado de Nigel
demandavam uma explicacio. Cada om
dos irmios desenvolveu a sua : natural-
mente Dick apoiou a de Nigel, porm
general soube descernir a verdade e Nigel
teve qoe receber a parte mais acre da ad-
moestacio que o pai dirigi aos filbos.
Nefasto foi o da para todos, menos para
o ci preto. Doggi Dick teve a sua conta:
o general ordenu qae largasse a libr e
que deixasae inmediatamente o p-lacio,
avisando-o de que, se toroasso a por os
ps em trras da seu dominio, o haveria
por cacador fartivo.
II
DOGGI DICK
0 guarda-c*c* despedido em brVe ob-
teve coilocaffo idntica n'oraa casa cojas
propriedrtaemvimsiparadas dwdOaje-
oeral apenas por ama malta. O novo amo
chamavi-se Whibley. Eira um rica eidado
locupletado por felizes operacoes bancaria*
e qne se installra n'aqoelles dominios cora
o intuito do gosar plenamente a vida Vfi-
dalgo provinciano.
As relaces do velbo militar com o ad-
venticio nio eram cordiaes, mas antes um
pouco frias. O general Harding nntria um
despreso instinctivepelo laxo vulgar e ha-
hitualmente desenvtvido de cortos parw
mis qoe se nao dispensara de ir i missa
de caleche, apezar da sua hablacio nto
distar do adro mais de trezenlos metros,
Wnfbley era d'esses. De resto, a diffe-
renca entre os hbitos do general reforma-
do os do corrector de cambios demissio-
nario nio era a nnica razio de animoaWlade
que divida o ous vizinhos.- ltimamen-
te havia se sus ;rtadn entre elles ama die-
cussao rel.tiva ao direiio de cacar n'oaa
bella malta que se estendia traegularmea-
ie entre as propiedades respectivas aos
dous
O' negocio por si era de mediocre impor-
tancia, roas augmenfou a reciproca animo-
srdade, degenerando- esta em hostllidade
latente, mas caracterstica. ella, pois,
mais da qoe ao ment proprio, deve i Doggi
Dii!a-8ua admissio como garda-cac nas
cootadarde Whibley.
N'aquetle mesmo* aroe- Henrique Har-
ding, apaixoaado amador da caca, consta-
tou o f.*cto da escassez de- a-zes na cou-
tada da ca-a paternal, cireoeastaocia tanto*
mais notavel quanto t-ra certo qoe a coalada
do seu vainho Whibley regorgitava daquel-
ki especie de ca?, qae geraimente abunda-
va, em razio dh auno ter cerrid propicio
cmo pouces- para o seu deswvolrimento.
invesiigoo se rahurinsamentese haveria
algama cousa delertninaliva 'aquella ex-
cedi, mas nao pode descobrir*se.
HKnriqnn, reftsiiMiando, lem*roofe que
talvez os faiz>G; attrahidos por memor ali-
menso^ emigraesera para as trras do visi-
nho, e por isso manooo deitar pela malta
em qwantidade trigo roonrisco e oatras
pastagens. NSa houve resollado- e uaes-
tacio iramediata succedeu o mesmo. At
se noto a escassez das perdizes a*- mesmo
tenr po que nas ierras de Whibley1 sobre-
pnjava toda a caca:
O guarda caca do general, forcade
investigaeoes, dedarou ter observado qae
na pocrvdochoco encontrara raoit ninhos
despojado dos ovss.
Hennqoe snspeitou dee guarSa da con-
tada viiha e fallos oisso i sea pai.-o qual
prohibi qoe dahi em- diante os ditos guar-
das entrassem nas suas trras.
Na segnintt) estacio es joveas- Harding
vieram ferias exactameme na poca da
ereaco. Tambem a cootada do general
foi neste anuo mais vigiada qne nanea ; os
ninhos eram numeroso e todo fazia espe-
rar uma ezeeilente quedra de caca.
Henrique, lembrado do qae sueeede^a
nos dous annos anteriores, resolveu-se a
pesqoizar ae ansas da falta de ese*, nas
toas trras.
Eis o expediente qae se soccoanu:
Concedeu-se um da de Hcenca i todos
os criados e guardas de casa para irem
gosar de urnas corridas que deviam ter la-
gar uma dez milhas do palacio* Ucenca
esta qoe foi facultada com oito dia* de an-
tecipacio, afim de terem deBa conbecimento
os guardas do palacio visiobo.
Chegado o da, todos o guard: desam-
pararan o seo pisto.
Henrique, munido- de uai varapo, diri-
gise para-a coutada, e, caminhando-pre-
cavidamente, foi se oceuhar sentado na ra-
mada de am velbo carvalho situado n'um
terreno que havia entre as duas proprieda-
des. O local era magnifico para o fim
que elle se propuaha, porque d'alli via,
sem ser visto, qualquer pessoa qf e passas-
se das trras de Woibtey par?- as da seu
pai, e domioava ao mesmo tempo ama
grande parte da sua coutada nos legares
mais preferidos pelos faizbes para fazerem
a erescao.
Decorrera bastante tempo sem que o
o nosso vigia descobrisso cousa algoma,
lvido fumado dous charutos e principiando
o terceiro. Coaecava j a faltar-lhe a pa-
ciencia e a sentirse incommodado naqnella
posicio pouco conforlavel, e a diaer consi-
go qne sera duvida as suas coojecturas
respeito de Oaggi Dick eram ereaas. Mas,
fallai no mo apparelhai o po. No mo-
meato em qoe acabava de laaear fra &
ponta do terceiro charuto, eis que apparece-
o chefe dos guardas de-WhibWy.
Deitou prim8iramento a cabeca fra da '
bosque do amo, e, depo;s qoe reconbeceu
nao liaver quem o visse, sabio pasaos
mansos da floresta, o, atravessando o acei-
ro, introduzo se na tapada de Harding.
Chegado um ponto onde sabia que havia
faizbes no choco, abaxoorse e parece qoe
come chapeo ou pao apoderon-se da femea,
porquanto Henrique s vio o mucho levan-
tarse espantado e ir pousar mais adianto ;.
depois apanhoo os ovos, guardou-os a
espalbou no lugar do ninbo o quer que.
losse. Terminada a operacio, dispunha-se
a repeti-la neutra parte, mas Heoriqoa,
achando sufRcienie o sacrificio de um ni-
nho, sahio do esconderijo e correo em direc-
Co ao larapio.
Doggi, vendo-o, tentn ajeanfar a pro-
priedade de seu amo, mas antes de-o con-
seguir achava-se-lhe Henrique Atada i gola
do casaco. E tal foi a sacudidela qae le-
vou, que cahio por trra, eshorrachando-sa
os ovos, ficando assim bem provado o cri-
rae que praticira.
Henriqne era entio ora rapaz roaostissi-
mb e enrgico, lendo por seu lado de mais
i mais, a forca do direito; o guarda, me-
nos f rte, e conscio da sua colpa, com-
prehendeu a inutilidade da resistencia. EN
fectivamente nio oppoz nenhuma e recebeu.
impassivel a melbor dse de bastonadas que
se pode imaginar.
' E agora, ladrao !oradea Henrique^
j farto de bater, Volta para o solar da
ten amo, com qoem podes continuar a fa-
zer conluios, menos contra os aaaoa fai-
zbes !
Doggi Dick nio oosou redargir com
medo de nova dse: transaos o aceiro,
ainda cambaleando, e sumio9e na florala
de WbiMey.
Heoriqae voltou ao logar do ninbo es-
cangalhado e encontrn no chao qoantidade
de graos de trigo envolvido* a'uma espacie
do calda de assucar, que posleriormeoie se
reconbeceu ser materia veneaoea,
(CoiUiMtar-K-ha).
-
<
TYP, 00DIARIO-m* dwH^Hjim-


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EXERE3IWF_S4HDB8 INGEST_TIME 2013-09-14T04:38:55Z PACKAGE AA00011611_12272
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES