Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:12268


This item is only available as the following downloads:


Full Text
-:- -^i
AJIJIO XLII. NUMERO 264.
I



PARA A CAPITAL E LUGARES OSDE HAO SE PACA FOI1X.
Por tre nezes adaotadog.................. tyOOO,
Por Mis Mtot idem............-...... 12000
Por ut_anno idem..................... 3*0000
4da isuu&er r*Mso.................. sao
DIARIO DE
SEGUfBI FERW 21 BE iOVEMBRO DE 1870.
PAIA MI TO C F01A DA PB0YI5CIA,
Por tras imms adiantados ..................
Por vis ditos idem. .'.".'...............
P* nove ditos. dem -...............
Por om auno dem.................. .

6fTO
27#0O0
Fropriedade de Manoel ligtpira de Faria & Filhos.
---------------------------------1
Os Sre. Gerardo Antonio Alves & Filbos, no Para ; Goncaives & Pinto, no Maranhio ; Joaqnim Jos de Oliveira, no Cear
T!
e Lento Braga, no Araeaty ; JoJo Mara Julio Chaves, no Awfr ; Antonio Marques da Silva, no Natal; Jos Justino
Pereira d'Almeida, era Mamangaape; Antonio Alejandrino de Lima, na Parahyba ; Antonio Jos Gome, a Villa da Penba; Belarauno dos Santos BnlcSo, em Santo Antao; Domingo Jos da Costa Braga,
en Naxareth ; Francisco Tavares da Costa, em Alagoas; Dr. Jos Martina Atys, na Baha ; e Jos Ribeiro Gasparinho no Rio de Janeiro.
PARTE OFFICIAL.
Governo da provincia.
i <:.DitWTt oe da 15 s ifovEwao de 1870.
Acto :
O presidente da provincia, confirmndose eom
a proposta do Dr. chee i polica, resolte Bornear
para a cwgo do subdelegado do distrieto de Tim-
baba do termo de ltamb o cldadao Virginio Vol-
bso Freir.
Communicou-se ao mencionado doctor.
Odicios .
Ao Exm. Sr. ministro de estrangeiro, remet-
iendo em execucao ao aviso de 13 de julho ultimo
o traslado do processo instaurado, a Johu Henry,
tripulante do navio ingles Olind a.
Ao Exm. presidente do P*i, recoramendan
d? a expedirlo de suas orden, para que pelo
tuzo competente sej enviada a guia.do sentencia-
do Mithias Ignacio Jos P-reir, como solicita este
no requer ment, de que se remelle copia.
Ao Exm. presidente das Ahgoa?, afun de que
tenh.un transporte de Pendo a Piranhas 1 olllcial
o l pravas do corpo de polica desta provincia,
que vio destacar no Granito.
Expe.lio-se portara ao gerente da companhia
Peroambucana para fizer transportar desta capi-
tal al Macei essa forja e communicou-se ao
commandante do corpo.
An proredor da Santa Casa de Misericordia,
tnnsmillindo copias da informarlo o mais pega*,
qu< pr.si lencia dirigi o juiz dos feitos da fa-
ze-ida sobre o objecto do seu of;io de 21 de ou-
lubro ultimo, acerca dos negocios do Asylo de
Mend.:idade.
Ao inspector da thesouraria de fazenda, para
I ; mande ajustar contas e passar guia de soc-
rorremeoto ao al fe res do 12 batalhao de infanta-
na, Manoel Ferreira Guimaraes, que tem de se-
guir para rrte a reunir se ao seu batalhao.
Expedio-se ordein para o trausporle desse ofTl-
c 'I e '.'ommuieon-se ao commandante das armas.
Ao mesrno, declarando haver o commandan-
te do presidio de Fernando participado qus no va-
l Mamlth forara remecidas para esta capital,
por conta do governo, a serem entregues nessa
thesouraria 20 saceas com laa de produegao da-
quella ilha, pesando todas Ht arrobas e 4 libras.
Ao mesmo, para mandar satisfazer o pedido
Je r.hjectos precisos ao presidio de Fernando, se-
guud i consta de clicios do respectivo comman-
daote, de 15 do Brrenle.
- Ao mesmo, enviando as relngoe< nominaes de
pagamentos e alteragSe** occorridas nos mezes de
.-eterahro e ontubro deste anoo, com as pragas do
1" 2' J l 6 e 3' batilbei de infantarii da
Suarda nacional desle municipio, que estiveram
e-tacadas no presidio de Fernando.
Ao mesmo remetiendo, para os (iris conve-
n:a:tes, as coalas documentadas da receita e des-
laza da enfermara militar, relativas ao mez de
efmbro ultimo.
Ao mesmo, providenciando para que a cada
uti d s alferes Jos Hypolito Mariz Franca, do 9o!
batalhao c.'e infamara "de linha, e Leoncio Luiz
Pato Ribeiro do 8* e addidu ao 2o da mesraa arma,
sejam abonados 3 mezes de solio para lhes seren
descontada* pela quinta parte.
Ao mesmo, mandando pagar a Vicente los
de Oliveira a quntia de 153000, que se Ihe est a
dever de concert, que fez na illuminacao do pa-
lacio da presidencia.
Communicou-se a repartiese das obras pu-
blicas.
Ao mesmo, communicando haver o bacharel
Jos Tavares da Cunba e Mello prestado juramen-
to e entrado em 9 do correte no exercicio do
cargo de promotor publico interino da comarca de
ltamb, para o qual foi noraeado a 7 desle mez,
no impedimento do effectivo.
Ao mesmo communicando ter o promotor pu-
blico da mella comarca, bacharel Joaquim Guedes
Correa Gondim entrado 7 do corrente no goso da
lieenca que Ihe foi concedida.
Ao mesmo, inteirando de que o juiz munici-
pal do termo de Santo Antao, bacharel Jos Ricar-
do Gomes de Carvalho passara por encoramodos
de saude an 1* suoplente o exarccio do seu cargo
no dia 17 de oulubro ultimo.
Ao inspector da thesouraria provincial, re-
coramendaodo quo mande pagar a Francisco Jos
Leite, nao s a quantia de 2623260, de vencimen-
tos relativos ao mez de outubro, dos guardas oa-
conaes destacados na villa do Cabo, mas tarabem
a de "595, correspondente as despezas feitas, no
mesmo mez, com o fornecimento de lnz e agua
para c quartel daqnelle destacamento.
Communicou-se ao commandante superior res-
pectivo.
Ao commandante do presidio de Fernando,
dizendo flear inteirado de haver desapparecido o
sentenciado Francisco de Senna, que se snppoe
ter sido arrebatado pelas ondas por empregar-se
na pescara e nao ter sido encontrado, apezar de
ser procurado, e recommendando que continu a
averiguar se efectivamente falleceu, ou qual o
fim que teve esse sentenciado.
Ao commandante do corpo de polica, autori-
sando o engajamento dos paisanos Manoel Bezerra
Delgado, Joao Thomaz de Barros, Antonio Fran-
cisco de Moraes, Manoel Feliciano do Espirito San-
to e Candido Ferreira dos Santos, se tiverem ido-
neidade.
Ao mesmo, paro mandar apresentar diaria-
mente ao juiz de direito da 2* vara desta capital
e presidente da 5* sesso do jury, em qnaoto ella
durar a torga que do costme.
Communieon-se ao mesmo juiz.
Ao juiz municipal da 1' vara, transmiitindo
as guias dos sentenciados constante* da relacao
junta, cem exeepcao das dos tres ltimos, os quaes
vieram para esta c-pital a erem apresentados ao
Dr. ebefe de polica por terem cumprido ou esta-
rem a concluir as respectivas penas.
Relacio a que se refere o officio cima dos sen-
tenciados a que j cumpriram suas penas.
Antonio Estevao de Mello.
Joaquim Jos Nepomuceno.
Joao Roberto Pereira.
Francisco Jos Ignacio de Mello. '
Manoel Vicente do Nasci ment.
Joao da Cunba Reg Cavalcante.
Emygdio Jos do Cano.
Dos qne esto a Andar suas penas.
Manoel Alves Teixeir.
Agostinbo Alves Pereira.
Amaro Solero de Andrade.
Avelmo Ferreira Lopes.
Luiz Soares de Albuquerqne.
Antonio Carlos Tiberio.
Ao mesmo, remetiendo, para os devidos fios,
03 autos de vistora e identidade de pessoa, pro-
cedidos nos cadveres dos sentenciados Leoncio
Pinto de Mello, Manoel Qairioo da Silva, Joao
Ricardo de Assis e Joao Baptista de Jess,
fallecidos no presidio de Fernando de Noronha.
Porta ras:
A' cmara municipal do Reeife, devolvendo
o requerimento em qne a companhia de tnlhos
urbanos do Reeife Olinda pede a designacao de
lagar para a constrnecao da estacao central no
burro de Santo Antonio, e determinando, em vista
de saa ioformagao, que seja conservada proviso-
riamente a referida estacio na ra da Anrora.
Ao gerente da companhia Pernambucana,
mandando dar nma pasaagem de estado proa
at Maeai i Manoel Canudo Ferreira Guma-
riei.
Deipacbos:
Antonio Eugenio Alves Ferreira.Reforme o
supplicantc i planta apreseouda, por nao estar
de conformidade cora as prescripeOes do art 2
1- e do decreto n. 4105 de M de fevereiro
1868.
Benjamn Ismael Alvares Santos.A pretencao
do supplicante acha,se prejudicada, por ter sido
apresentada. fura de lempo, e j esta prvido o lu-
gar de que traa.
Elias Francisco Bastos.Junte attestado meieo,
provando que est doente, como allega.
Flavio Jos dos Santos e Silva.A' vista da in-
formaco, nao tem lugar o que requer.
Francisco Xavier Neporaoceno Accjoly.Infor-
me o Sr. desembargador provedor da Sania Casa
de Misericordia. -
Joviniano Jos Siraoe1.Rivalidado, volte.
Jos Hyppolito Mus Franga.Dinja-se toe
souraria de fazenda.
I^eoncio Luiz Pinto Ribeiro. Dirija-se a thesou-
raria de fnzenJa.
Manoel Joaquim Barbosa.Informe o Sr. ins-
pector da thesouraria prrvincial.
Thora Rodrigues da CunhaReforme o sup-
plicante a, planta apresentada por nao estar de
conformidade com as prescripgdis do arl. 2o Io
e 2o do decreto n. 4103 de 22 de fevereiro de
186*.
EXPEDIENTE DO SECRETARIO.
Offlcios:
Ao inspsetor da thesouraria de fazenda, ro-
gando que nao d execucao portara de 14 do
crreme coneedendo tres mezes de licenca ao te-
nenie de commsso, Jos Maria Marques Cezar,
sera que conste da verba Janeada por eslf secre-
taria, haver elle pago os respectivos emolumentos,
que fazem parte da receita provincia!.
Ao juit municipal da 1* vara, participando
terem vindo do presidio de Fernando para esta
capital, serem apresentados ao dontor che fe de
polica, os sentenciados Martinh) Gome3 Vidal
Joaquim Manoel Bezerra e Jos Vieira Rezende.
Reraetieram-se a* respectivas guias thesoura-
ria de fazenda.
EXPEDIENTE DO DIA 16 DS NOVEXBRO DE 1870.
Actos:
, O presidente da provincia, conformando-se
com a proposta d* doutor chefe de polica era offi-
cio, n. 1316, de 14 do corrente, resolve nomear
ara o cargo de subdelegado do 1 di-tricto da
l'reguezia de Floresta o capito Joaquim Francisco
de S.
O presidente da provincia, em vista do offi-
cio do doutor chefe de polica, n. 1317, de 14 do
corrente, resolve exonerar do cargo de Io supplen-
le do subJelegado do termo do Buique o cidado
Jos Paos de Mello Cavalcante.
O presidente da provincia, conformindo-se
com a proposta do doutor cnefe de polica em offi-
cio, n. 1517, de 14 do corrente, resolve nomear
para o cargo de 1" supplento do subdelegado do
1 districio do termo de Buique o cidadao Joaquim
Epiphanio de Mello.
Communicaram-se ao chefe de polica todos
estes acios.
Officios:
Ao director geral da iostrucao -publica, de-
clarando que, por nao existir quota na le do or-
camento vigente para o aluguel de urna casa, onde
possa funecionar essa directora, oem haver ac-
commodacio sufficiento em qualquer dos edQcios
pblicos para esse ftm, resolve aguardar a reunio
da assembla legislativa provincial, para que esta
providencie como entender conveniente este res-
peito.
Ao inspector da thesouraria de fazenda,
transmittlndo, para os fins convenientes, as contas
documentadas das despezas da enfermara militar
do presidio de Fernando, nos mezes de seiembro
o outubro deste anno.
Ao mesmo, para que, at o dia 15 de Janeiro
vindouro, fomeca os necessarios esclarecimentos
acerca do estado das diiferentes estacoes sob sua
jurisdieco, afim de serem levados ao conhecimen-
to da assembla legislativa provincial na sua pr-
xima reunio.
Nesie sentido offlcion-se 3 outras reparticoes,
Ao mesmo, cimmunicando ter o juiz de di-
reito da comarca do Cabo, bacharel Manoe) Cle-
mentino Carneiro da Cunha, reassuraido no dia 12
do corrente o exercicio do seu cargo por haverem
cessado os seus encommodos de saude.
Por esta thesouraria raandou-se pagar :
A' empreza da illuminacao publica desta capital
a quantia de 296AI00 do gaz consumido com a il-
luminacao da companhia de menores do arsenal
de guerra, durante o semestre de Janeiro a junho
deste anno.
Communicou-se ao director do arsenal.
A' mesraa empreza a de 280*000, era que im-
portou o gaz consumido cora, a illuminacao do ar-
senal de marinha e da casa da nspecelo, no tri-
mestre de julho a setembro deste anno.
Scientificou-se ao inspector do arsenal
Ao inspector da thesouraria provincial, au-
torisando o pagamento dos venciraenlos do pro-
fessor de iostrucao primaria da Cruz aas Almas,
Francisco Carlos da Silva Fragoso.
Ao promotor publico da comarca de Gara-
nhuns.Inteirado do que expende em officio de 29
do mez passado, relativo ao processo instaurado
por o -casiao do assassinato praticado em Ricardo
Ferreira da Silva, recommendo-lhe instantemente
que proraova pelos meios a seu alcance a captura
e puoico dos indiciados Joaquim Ferreira da Sil-
va e Ignacio Jos .Ferreira Jatob, e nsando em
lempo opporiuno dos recursos que julgar conve-
nientes.
E porque, segundo a sua exposicao, parega
evidente que Martiniano Soares Vilella, 2* supplen
le do juiz municipal, proteger oesl qualidade os
referidos indiciados, proceda Vrac contra elle de
conformidade cora a lei, alim de soffrer por ?ua
vez a sanecio penal, se fr provado o crime de
prevaricagao ou falta de execucao no curaprimen-
to de deveres.
Para curaprimento do que incumbo-lhe requi-
sito a esta presidencia as medidas de que necessi-
tar, se por ventora forem-lbe recusadas pelas au-
Dridades locaes, de cuje procediraento aguardo
participarlo.
Portara :
Ao conselho de compras do arsenal de guer-
ra, para promover a compra de diversos objecios
necessarios ao provimento do almoxarifado do
mesmo arsenal.
Coramunicon se thesouraria de fazenda.
Despachos :
Francisco Carlos da Silva Fragoso. A thesou-
raria provincial tem ordem para pagar ao snppli-
Joao Francisco de Meura Cunha.Informe o Sr.
inspector da thesenraria provincial.
Jos Firmo Pereira do LagoO titulo que trat
o supplicante acha-se na thesonraria de fazenda
para serem pagos cu respectivos direitos.
Jos Gomes de Oliveira Coutinho. Como re-
quer.
Jos da Silva Loyo, Franciico Ferrefra Bailar,
Belarmino do Reg Barros e Jos Joaquim Anlu-
nes.Informe o Sr. inspector da thesouraria de
fazenda.
EXPEDIENTE 00 SECRETARIO.
Ao jniz de direito presidente do tribunal do ju-
ry, solicitando a despensa de tmit na presente
sess) daquelle tribunal o Dr. Joao Diniz -Ribeiro
da Cunha, chefe de seceo da mesma secretan?,,
onde lornam-se ndtspensjveis os seas tervicos.
Repartlfio da polica.
2." seceo. Secretaria da polica da provincia
de Pernambuco, 19 de novembro de 1870.
N. 1537.Illm. e Exm. Sr.Levo ao conheei-
mento de V. Exe. que, segundo consta das partici-
pagues recebidas hoje oesta reparlicao, foram hon-
lem reciilhidos casa de detengi os segrales
individuos :
A' miuha ordem, Gervasio Jos de Souza, par
recruta.
A' ordem do subdelegado do Reeife. Joaquim,
escravo de Joaquim de Siqeira, por disturbios e
insultos.
A' ordem do de Santo Antonio, Manoel Bene-
dicto, como suspeilo era crime de roubo, Vicente
Coimbra da Silva e Mara Cecilia de Albuquerque
por disturbios.
A' ordem do de S. Jos, Antonio Jos Pereira,
como indiciado era crime de morte.
Por offi:io de 6 do corrente, cirarauneou-me o
delegado de polica do termo de Floresta, que pe-
las 12 horas da manhaa do dia 2, no lugar Fazen-
da de S. Jos, distante d'aqueila villa 5 leguas,
propnedade de I). Catharina Maria de Barros, nm
escravo d'esta de nome Januario, com 23 anuos
de idade, assassinara com 5 lacadas urna par-
ceira de nome rsula, de cor parda, em conse-
qmsncia de zelos que nutria por ella, e fra por
isso preso e recolhidj a cadeia; que proceder ao
competente auto de corpo de delicio, e cava ins-
taurando o competente sumniario; assim como
que pelas 10 horas da manha do dia Io, ihe fra
apreseatado pelo major Aotonio Alves da Luz o
criminoso Valdivnio Francisco Ribeiro.um dos que
se evadiram pilo arrombamento feito na cadeia,
na noite de 27 de junho ulii.no, o qual cava
recolhido de novo a mesma cadeia.
O delegado da termo de Buique participou-me,
por offlcii de J4, tambera do corrente, que das 9
p.ira as 10 horas da noite do dia 12, no lugar de-
nominado Cap eir, em distancia de meia legua da
villa, Antonio Fernandes Ferro, pardo-escuro,
assassinara com urna facada a Joviniana Bezerra
Le te, sua amasia, e ferira gravemente a Antonio
Januario da Sil va, que o acompanhava ; que pro-
ceder aos competes corpos de delicto, e llcava de
agenciando a captura do crimoso.
Deus guarde V. Exc.
lllm. e Exm. Sr. conselheiro Diogo Velbo Caval-
cante de Albuquerque presidente da provincia.
O chefe de polica, Luiz Antonio Fernandes Pt-
nheiro.
PERNAMBUCO.
REVISTA DIARIA.
ELEICO SENATORIAL.Temos o seguinie re-
sultado da que fui hnntera encetada na provincia :
Collegio do Reeife.
Compa recera m 226 eleitores.
A mes licou composta dos Srs. :
Prndente Dr. Antonio Joaquim de M. e Silva.
Secretarios Dr. Francisco Joao C. da Canlia.
Jos Pedro das Neves.
EscrutadoresManoel Joaquim de P. Pinto.
Theodoro M..F. Pereira da Silva.
Obtiveram votos para senador os Srs. :
Dr. Ignacio Joaquim de Souza Leao 199
Dr. Francisco do Reg Barros Brrelo 188
Dr. Joao Jos Ferreira de Aguiar 169
Desembargador Alvaro B. U. Cavalcanti 164
Dr. Augusto Frederico de Oliveira 126
Monsenhor Joaquim Pinto de Campos 123
Conselheiro Francisco de Paula Baptista 83
Dr. Joaquim Pires Machado Portella 79
Dr. Francisco de Assis Oliveira Maciel 28
Desembargador An3almo Francisco Peretti 17
Seguera-se outros meno3 votados.
Collegio de Olinda.
Dr. Aguiar 30
Dr. Barros Barrcto 49
Dr. Augusto de Oliveira 49
Desembargador Alvaro C. 48
Mousenhor P. de Campes 46
Dr. Ignacio Jiaquim 44
Conselheiro Paula Baptista 32
D3S9mbargador Peretti 10
Seguera-se alguns menos votados.
Collegio io Cabo.
Dr. Ignacio Joaquim 55
Dr. Barros Brrelo 53
Desembargador Alvaro C. 46
Monsenhor P. de Campos 45
Dr. Portella 38
Dr. Aguiar 36
Dr. A. de Oliveira 35
Conselheiro Paula Baptista 28
Dr. O. Maciel 19
Resumo dos tres coHegios.
rarijos.
pes*as_
Dr. Ignacio Joaquim 298
Dr. Barros Barreto 290
Desembargador Alvaro
Dr. Aguiar 253
Monsenhor P. de Campos 216
Dr.A. de Oliveira 210
Conselheiro Paula Baptista 145
Dr. Portella 117
Dr. O. Maciel 47
VISITA.S. Exe. o Sr. presidente da provincia,
acompanhado dos Srs. inspector do arsenal de
marinha e Dr. inspector da saude do porto, visilou
ante-hontem o Lazareto do Pina.
As noticias que ltimamente tem apparecido de
casos de febres especialmente desenvolvidas em
cidades da Europa que estao em constante com-
muaicago com o nosso porto, levaram S. Exc. a
apresser-se em observar e examinar logo as obras,
qne se conslruera. n'aquelle estabelecimento, d'on-
de mandou.'S. Exc. remover o deposito de plvora.
S. Exc. colbeu circunstanciadas informaedes e
habiliton-se a prevenir de prompto qualqoer even-
tualidade, e era todo caso Acara o estabelecimento
destinado a preencher os fios para qne foi creado.
FACULDADE DE DIREITO.-Fizeram acto hon-
tem os seguimos alumnos:'
2a anno.
Francisco de Siqeira Cavalcante, simplemente.
Julio Adolpho Vaz-curado, plenamente.
Ernesto Augusto da Silva Freir, simplesmente.
Thomaz Accioly de Guralo Wanderley, idem.
Joaquim Guedes Alcoforado, plenamente.
Manoel do Nasciroento Pontos Jnior, idem.
3 anno.
Emiliano Gomes de Andrade e Silva, plenamente.
Jos Cavalcante de Albuquerque Ucnoa, idem.
Jos Antonio Mara da Cunha Lima, iespiesojeate.
Francisco de Paul Lacerda de Almeida, plena-
mente.
4 anno.
Jlo Zenobio Accicly de Vasconcelios, plenamente.
r)eraoslhene3 Constancio Avelino, idem,
Pedro Cbermond Miranda, idem.
Jos Maria de Araujo, idem.
5* anno.
Miguel Ferreira dos Santos Jnior, plenamente.
Jos Felippe de Toledo, idesa.
Alfonso Arihur Pereira Monteiro, idem.
Sebastio do Reg Barros, idem.
INSTRUCCA PUBLICA.Pela directora geral
sao convidados todos os professores pblicos e
particulares, bem como todos os directores de col-
legios, tanto de nea como de ontro sexo, qne anda
n remetieran) os mappss de meviroento de seas
estbelecimentos e escolas relativos aos trimestres
j vencidos, a remeits-los qunalo antes i respec-
tiva secretaria, por intermedio dos delegados mte-
Igualmente avisa a directora geral a ditas
pesabas que o mappa do qnarto trimestre correo-
te deve ter eniregne na secretaria da instrnegao
puMca em principios do mez da Janeiro vindonro,
alisa de que se possa completar a estatisliea qne
tem de acompanhar o relatora do anno corrente.
J8RY NA VILLA DE CABROBO'.-Desta locali-
dad* nos eecrevem sobre os trabalhos do jnry
do termo:
Jftemna-se o jary nesta villa- no da-1 do on-
lubro do correle anno.. N'esse dia nao honve
casa, por falta de numero.
i io dia 20, comparecendo numero sufficiente
de forados, foi subraetlido iulgamento o reo Se-
cundo Jos de Barros, por crime de tentativa de
morte, sendo condemiado 4 anuos e 8 mezes de
prisio.
a No dia 21 entrou em jalgamento o reo Manoel
Hilario, por crime de tentativa de morte, foi absol-
vido._
No dia 22 entrou era julgamenloo mesmo reo
Manoel Hilario, por crine de resistencia, foi se-
gunda vez absolvido.
A' 24 foi submeltido julgameato o reo Ma-
noel Goncaives, por crime de feriraentos graves,
foi tambera absolvido.
No dia 25 entrou em jalgamento o reo Cela-
no Gjngalves des Santos, pr crime de morte pra-
ticado na pessoa do teneote-coronel Saturnino
Jos da Silva, fui condemnado gales perpetuas.
Este reo depois de sentenciado, declarou como
se praticara o assassinato, e quem fora o mandan-
te e mandatarios.fcuj declaracao foi que Fran-
cisco Barbosa fra o mandante, Secundo Jos de
Barros e Liberato Soares da Silva os mandatarios,
e elle Caetaoo espia, isto qoem se encarregou
de avisar os mandatarios da hora em que o infeii;
tenenie-coronel sabia de sua faxenda Quixaba para
a outra sua fazenda Fuma da Onca.
t No dia 26 entrn era julgamento Jos Dmaso,
por crime de feriraentos graves, oi absolvido.
A 27, foi submettido a julgamento o reo Fran-
cisco Barbosa, por crime de morie, como man-
dante do assasinalo do tenenle-coronel Saturnino
Jos da Silva, fui condemnado gales perpetua.
i No dia 28 finalmente, entrou em julganento
revea o major Ernesto da Cosa Agr, por cri-
me de dainno, f<>i absolvido, e appellado pela parle
que o aecusava.
E' preciso notar que o reo Secundo Jos de
Barros nao entrou em julgamento pelo crime de
morte perpetrado na pessoa do lente-coronel
Saturnino,- por que nao eslava anda processado,
assifi como o seu corapaobciro Liberato Soares
da Silva, nao estando anda preso este, eraprega a
polidia todos os esforgos para sua captura.
pSASSINATO.No termo de Buique, das 9
10 horas da noite de 12 do corrente, no logar
ra, f ii assa^sinada, com urna lacada Jovraa
ra Leite, por sen proprio amante Antonio
ndes Ferro, paralo escuro,-que poz-se era
tennis de crime e de forir gravemente An-
tomo Januario Ua Silva.
No lugar de S. Jos, cinco leguas distante da
villa ita Floresta, Jannarlo, de <3 annos, escravo
de D. f'.-i'h irin.a Maria de Barros, assassiooa com
-!> ucais a mi pareeira rsula, parda, por zelos.
CAPTURA.A" cadeia da villa de Floresta foi
recolhido o criminoso Valdivno Francisco Ribei-
ro, que se evadir dessa pnso a 27 de junho ul-
timo por ura arrombamento. Esse criminoso foi
apresentalo ao delegado do termo pelo major An-
tonio Alves da Lnz.
FEST1VIDADE RELIGIOSA.A irmandade de
Santa Cecilia, erecta na igreja de Nossa Senhora
do Livramento, celebra amanha a festa de saa
Padroeira, com a pompa e brilbantismo com que
9e sempre faze-la, oceupando a tribuna sagrada
o Rvm. Frei Joao de Sania Thereza ao evangeiho,
e o Rvm. Sr. Antonio de Mello e Albuquerque ao
TeDeum.
A' orchestra, sob a direegao do artista Colas Fi
Iho, excutar grandiosa missa qne se intitula
JVoi Senhora do Livramenlo, sendo os solos can-
tados pelos principaes artistas da actual compa-
nhia de Zarzuela*, que obsequiosamente se pres-
tam, e por alguns dos irraaos.
O professor Antonio Marti as Vianna executar
no clarineto urna brilhante phantasia, antes do
sermo da festa.
A' noite exibir-se-ha Te Deum, composigao do
artista Colas Filho, que foi por elle dedicado ao
imperio da Santa Cruz, pela terminacao da guer-
ra ; queimando-se depois nm lindo figo de arti-
ficio, mandado fazer as espeusa dos moradores do
paleo do Livramento.
ESPANCAMENTO.Enviam-nos o segrate pe
dindo sua publicado :
Na quintafeira (17 do correnle) das 8 para 9
horas da noute, um individuo espancou, com um
grosso cip-po, a um outro que eslava desarma-
do na esquina da travessa do Forte, sera qne a is
lo se oppozesse alguem do povo, que se agglome
ron para ver a briga dos dous, sahindo o deln-
queme eu salvo, sera qne ao menos nra inspec-
tor de quarteirao ou um soldado apparecesse para
evitar que bouvesse semelhante escndalo.
Fados de3t ordem temos visto por mais de
urna vez naquellas iraraeliagSes, nao obstante mo-
rar bem peno um inspector de quarteirao.
Lerabramos ao Sr. subdelegado a cenvenien-
cia publica de ser dispersado um grande grupo,
que se rune todas as noutes no espago entre as
duas travessas, para praticar qnanta immoralidJ-
ra h] u *
CORRECCO INDISPENSAVEL.Nos dados es-
ftatisticos da freguezia de Santo Antonio, onde se
l 10712 escravas e 990 livres, deve ler-je 10712
lvres e 990 escravas.
LOTERA.A que 9e acha venda a 171." a
beneficio da nova igreja de Nossa Senhora da Pe-
nhs, a qual corre no dia 25.
PASSAGEIROS.Sahidos para o Rio Grande
do Sul no patacho brasileiro Garuldt :
Jos da Silva Magalhies, Joaqoim da Silva, L.
Pereira da Silva e 1 escravo a entregar.
CEMITERIO PUBLICO.Obitaario do dia 16 de
Marcolina, escrava, preta, Baha, 30 annos, sol-
teira Graca: febre maligna.
Be'lisario Francisco da Corta, pardo, Pernam-
38 annos, casado, Boa Vista; hydrope-
Commendador Thomaz de Aquiao Fonceca,
branco, Pernambuco, 86 annos, viuvo, Afogados ;
ensephalite chronico.
Angelo, escravo, preto, Pernambuco, 2 annos,
Santo Aniooio ; eclampsia.
Maranna Caudida de Moura, branea, Pernam-
buco, 28 annos, .solteira, Afogudos ; irriteo nos
intestino.
Antonio Tavares da Costa, branco, Pernambu-
co, 14 annos, Afogados contn-oss.
Maria, recem nascida, parda, Prnamenco, Boa-
visia ; espasmo.
Damiana, escrava, parda, Pernambuco,.! aono,
Boa-vista ; inte rite.
Joaquim, escravo, pardo, Pernambuco, 3 annos,
Boa-vista : inlerite chronico.
escrava, preta, Pernamboco, an-
buco,
sia.
Francisca,
nos, solteira, S. Jos ; P^ca pulmonar.
jlo, escravo, preto, Pernambuco, It annos, Boa
Vista ;'congeiao cerebral. ,
Mara d'Assumpcao, preta, Pernamboco, 45 as-
nos, solteira, Graoa; molestia interna.
Eduardo, pardo, Pernamboco, 6. annoe, Reetfe ;
febre cerebral.
Mara, branca, Pernambuco, 1 da, Graca, nawi-
da prematuramente:
Arthur, braneo, Pernambuco, 2 mezes, Reeife ;
Jos, pardo, pernamboco, 3 annos, Reeife ; tu-
brculos pulmonares.
Ir'rao, pardo, Pernamboco, i mez, S. Jas ; con-
mbJSM*
"Joao Martioho da Silva, pardo, Pernambuco, 25
annes, soiteiro, Reeife; pneumona.
Emilia Candida dos Santo<, branca, Pernambu-
co 40 anoo3, casada, Santo Aotonio ; pneumo-
na. _
Jacintho Luiz Gacela do Amar al, preto, Per-
namboco, 60 asnos, soiteiro. Boa-vista; dyarrha
chronica. _
Rosa Maria do Espirito-Salto, parda, Per-
nambuco, 45 anos, ma, Hacife ; caaero ao
BtefQ
CHRONICA .111>< IARM.
ntiiuxAi. da hi:l\i,io.
SESSO EM 19 DE NOVEMBRO DE 1870.
fRBSU)NGIA DO EXM. SR. CONSELHEIRO C. SAHUAGO.
Secretario Dr. Virgilio Colho.
As 10 horas da manha, presentes os Srs. desera
cargadores Gitirana, Guerra procurador da cora,
Lourenco Santiago, Almeida Albuquerque, Doria,
Domingues da Silva, Souza Leo e l.Ylioa Caval-
cante, faltando com causa os Srs. desombarga-
dores Motta, Assis e Regueira Costa abrio-se a
3essao.
Passados os feilos, deram-se os seguintes julga-
nentos :
AGCRAVO DE INSTRUMENTO.
Do juizo municipal da Escada. -Aggravante, Bal-
miro da Silveira Lins; aggravado, o juizo.Juizes
os Srs. desembargadores Lourenco Santiago, Al-
meida Albuquerque e Gitirana. Deram provi-
mento.
RECURSO CRIME.
Do juizo de direito da Imperatrz.Recrreme,
o juizo; recorrido, Antonio Joaquim da Fonseca
Galvo.Juizes os Srs. desembargadores Gitirana,
Domingues da Silva, Souza Leo e Uchoa Cavalcan-
te. Improcedente.
appelleq5ks civkis.
Do juizo municipal do Reeife.Appellante, Jos
de Souza Nunes Braga; appellados, Francisco Gen-
calves Serrino e outro.Despresaram os embar-
gos.
Appellanfe, Carlos Hjlmis; appellado, Manoel
Margues de Oliveira. Despresaram os embar-
gos.
Do juizo municipal de Po d'.Mho.Appeliante,
Jos Caldoso d'Almeida ; appellado, Sevorino Jos
de Farias. Despresados os embargos.
Do juizo municipal de Pedras de Fogo.Appel-
lantes, Manoel Lins de Albuquerque Pessoa e ou-
tros; appellado, Joao Colho de Sonza.Despresa-
dos os embargos.
Do juizo municipal de Pao de Assucar.Appel-
iante, Jos Rodrigues Delgado rfAqnino ; appella-
do, Manoel Soares Pinto Fitho.Confirmada a sen
tenga,
Do juizo municipal de Batnrit. Appellantes,
Jos Luiz de Lima e sua mulher ; appellado, Pe-
dro Guedes de SouiomaiO'.Annullaram a II. 13
em diante,
APPBL!.ACOESCRniES.
Do jury do Rio-Formuso.Appeliante, o juizo ;
appellado, Jos Antonio Lui: Pereira.Improce-
dente.
Do jury da villa de S. Mattieus.Appeliante, o
juizo; appellado, Carlos Jos de Castro.A' novo
jurv.
Do jury de Porto-Calvo Appeliante, o juizo ;
appellado, Francisco JjsA' novo Jury.
D) jury de Flores.Appeliante, o juizo; appel-
lados, Joao Pedro da Silva e Francisco da Silva
Solero.Improcedente quanto ao primeiro reo, e
mandaram o segundo a novo jury.
ASSAGKNS.
Do Sr. desembargador Gitirana ao Sr. desembar-
gador Guerra :
Do juizo municipal de lpojuca.Apiellante, Jos
Lourengo da Silva; appellado, Joao Mauricio Car-
dse. Do juizo municipal de Catle do Ro-
cha.Appeliante, Joao Baptisia da Cunha Co-
lho ; appellados, Anna Ignacia, seus filhos o net-
tos.
Ao Sr. desembargador Loureogo Santiago :
Appellago crime do jpry do Ico.Appeliante,
o juizo; appellado, Antonio Jos Dias. Do jury da
Imperatrz.Appeliante, Joaquim Alfonso Chaves
de Mello; appellada, ajustica. Do jury do Pil-
lar.Appeliante, o jury; appellado, Antonio de
Lima Buarque.
Do Sr. desembargador Guerra ao Sr. desembar-
gador Lourengo Santiago:
Appellago civel do juizo municipal de Naza-
reth.Appeliante, Manoel Thomaz de Albuquer
que Maranhio ; appellado, Ignacio Vieira de Mel-
lo. Do juizo municipal do Recite.Appeliante, D.
Henriqaeta Elisa Bancks de Miranda; appellado,
Jos Luiz de Souza Ferreira. Do juizo municipal
do Sobral.Appeliante, Manoel Duarte Repardo;
appellade, Francisco Alves da Fonseca Appelian-
te, Antonio Lopes de Aguiar; appellado, Luiz An-
tonio da Silva. Do juizo municipal de Cama-
r.Appeliante, Joao Antonio Gomes; appellado,
Manoel Alves Pereira. Do juizo municipal de Pe-
nedo.Appeliante, Jos Ludovico Soares; appella-
dos, Manoel Jos Ferreira Loz e outros.
Do Sr. desembargador Almeida Atbuquerque ao
Sr. desembargador Motta:
Appellacoes cveis.Appeliante, a liberta Ignez;
appellada, D. Joanna Mara das Dores. Appelian-
te, Joaquim Monteiro Guedes Gondim ; appellado,
Virginio Horacio de Preitas. Appel'ao'e. Paulino
Peres Fakao; appellado, Joao de Azevedo
Maia. Appellages crmes.Aopellante, o juizo ;
appellado, Claro Alves de Oliveira. Appeliante,
Mnoel Alves Pintado; appellando, ojniio. Ap-
peliante, FranciscoBorges Barbosa; appellado, Jos
Aranha de Vasconcelios. Appel aute, Joao Fran-
cisco dos Res; eppellado, o juizo. Appeliante,
Marianno Jos da Cruz ; appellada, a jusliga.
Do Sr. desembargador Doria ao Sr. desembar-
gador Domingues da Silva:
Do jury deCamaragibe.Appetlantes,Jo3 Fran-
cisco da Silva e outros; appellada, a justica. Ap-
pellago cvel do juizo municipal do Recite.Ap-
pel lante, Galdioo dos Santos Nunes de Oliveira ;
appellado, Manoel de Azevedo Andrade.
Ao Sr. desembargador hegueira Costa :
Do juizo municipal do Reeife. Appellantes,
D. Monica Goncaives Rodrigues Fonseca e outros ;
appellado, Justino Pereira de Faiias.
Do Sr. desembargador Souza Leao aoSr. desem-
bargador Uchoa Cavalcante:
Appellacao civel. AppeBantes, Jos Alfonso
Ferreira e outros; appeHado, Flix Jos da
Ora Appeliante, Dr. Joo Francisco Cavalcante
de Albuquerque ; appellado, Dr. Antonio de Vas-
concelios Menezes de Drummond.
Ao Sr. desembargador Gitirana :
Appellago civel.Appeliante, D. Carolina Ame-
lia Prente; appeHado, Manoel Ferreira da Pon-
te.
Do Sr. desembargador Ucha Cavalcante ao Sr.
desembargador Gitirana:
Appellacio orme. Appeilante, o juizo; appel-
lado, Manoel Gomes de Menezes.
DBLIGKMCIA CRUJE.
Victorino de Resende & C.; appellados, Monteir
Corra&C.
Appellantes, Joaquim Ribeiro de Maraes e ou -
tros; appellados, Manoel Pereira de Magalhies .
outros. j
APPELLACAO CHIME.
Appeliante, e juizo; appellados, Antonio Lniz
Pereira e outros. I
BiSTRIBUICOBS.
Ao Sr. desembargador Gitirana :
Aggravo de petieao.Aggravanle, Jos do Reg>
Mello ; aggravado, o juizo.
Ao Sr. desembargador Guerra:
Aggravo de petigo. Aggravante, Francisco
Pereira Raposo aggravado, o juizo.
Ao Sr. desembargador Lourengo Santiago :
Aggravo de Petigo. Aggravante, Francisc-
Amonio Alves Mascarenhas; aggravado. o jui-
zo. Recurso crime do juizo de direito de Maman-
guape.Recrreme, o juizo; recorrido, Augusto
Cesar Colasso.
Ao Sr. desembargador Assis:
Appellago civel do juizo municipal de Cim-
bres. Appeliante* a cmara municipal; appellaao
o major Pantalio de Stqueira Cavalcante.
Ao Sr. desembargador Doria :
Do juiz i municipal do Reeife.Appeliante, o cu-
rador da prela Francilla ; appellado, Loiz Aug:l<>
Kolim Mavignier. Appellacao crime do jury da
Victoria.Appeilante, o juizo ; appellado, Isabel
Joaquina da Conceigo.
Ao Sr. desembargador Domingues da Si va :
Appellacao crirae do jury de Tacarat. Appei-
lante, o promotor publico; appellado, Pedro Gar-
ra.
Lvantou-se a sessao aofmeio-dia.
PUBLiCACOES A PEDIDO.
Srs. redactores.Somente agora ti ve conheci-
mento do artigo publicado no Liberal n. 290 de i
do corrente sob o' ttuloAguas Bellas.
O autor do alludido artigo, sob a irresponsabi-
lidade do anonymo ecora o intuito de ferir minlu
repuligo de meu re-peitavel pai, o Sr. capito Si-
virino Rodrigues Lins de Albuquerque e de mea
irrao Benigno Rodrigues Lias de Albuquerque,
denuncanos como envolvidos na morte do infe-
z alferes lago Rodrigues Lins de Albuquerque,
j como maullantes, j como protectores ostensi-
vos dos assassinos do referido alferes e com o fim
de prevenir ao governo geral, contra a proposta
que de mira fez o Exm. Sr. vice-presidente Assis
Rosha, para tenente-coronel commandante do ba-
talhao de Aguas-Bellas, d me como morador em
Traip, termo de Alagoas : principiarei a respos-
ta por esta ultima falsidade.
E' exacto que pela morte de meu infeliz cu-
nhado, o major Lourengo Bezorra de Albuquerque
Maranhao, de saudosa rec rdagao, eu, meu pai e
meu irmo, recejando igual sorte, aliento o carc-
ter perverso dos indigitados a.aassinoa, retrame-
nos para Traipii; mas depois que cnegou a Aguas
Bellas o outro meu cunhado, o tenente-corone
honorario Appllinario Florentino de Albuquerque
Maranhao, aqui residente com sua familia, resol-
vemos villar para Aguas Bellas, e effecriyauenteo
flzemos, en e men innio, em consequencia do que
solicitei a precisa guia de passagem do batalhao
Jaquella provincia para o de Aguas Bellas :
visto, porlanlo, que, estando restituido provincia
e ao batalhao, a referida proposta est nos termos
da lei.
Quanto participago que se nos altribue, na
morte de lago, respondo que, tendo-se instaura-
do o respectivo processo, era eu, nem mea pai,
nem meu irmo fomos nem se quer pronuncia
dos, como tambem o nao foi o major Manoel Car-
neiro Cavalcante de Albuquerque Lacerda no ou-
tro processo por occasio amorte do caboclo Ma-
noel Alves, como o provaiu as nossas folhas cor-
ridas : cotrelaiito, porque assim convm ao co-
varde calumniador, somos indigilados como as-
sassinos I E por quem f lalvez por algum dos
mandantes ou o proprio mandatario do brbaro
assassinato do major Lourengo.
Chamar a responsabilidado o encapotado ca-
lumniador, seria a resposta mais conveniente ; pa-
ra isso era preeiso que a dolorosa experiencia dos
factos se nao encarregasse de demonstrar a ine-
ficacia do meio. Assuma o calumniador a respon-
sabilidade e ver como o arei pagar seu teme-
rario arrojo
. Diz ainda o calumniador que se S. Exc. se qu-
zesse informar de pessis insuspeitas, como do cx-
subdelegado Borba e do ex-promoior Abren Reg,
se convencera da veracidade do exposto. Quanio
ao Sr. Dr. Abren Reg, nenhuma observaco fa-
rei, porque estou certo que suas informaeoes nao
nos prejudicaro em vista do conceo que delle
fazerao3; outro tanto nao direi quanto ao ex-sub
delegado Borba, que por de mais parcial e adil
aos indigitados assassinos do major Lourenco, Li
comensal delles dorante o lemDO era que, porin-
felicidade de Aguas Bellas, exrceo o lugar qu;
tanto rebaixou.
Aguas Bellas, 12 de novembro de 1870.
Constantino Rodrigues Lint e Albuquerq.ie
ELEIQaO
Ao Sr. desembargador promotor da Justica:
Ribeiro.
Appeliante, o juiao; appellado, Miguel Jos
Assignou-se dia para julgamento dos seguintes
leitos:
APPKLLAQOKS CIVEI3.
Do juizo municipal do Reeife,Appellnie, Jos
dos juizes, juizas, escrives, thesoureiro e
mais flevotos que bao de festejar no anno
de 1870, a excelsa Santissima Virgen
do Rosario do frontespicio da igreja do
Rosario da freguezia de Santo An-r
tonio.
Juiz por eleicao.
Illm. Sr. Joaquim de Almeida Pinto.
Juiza por eleicao.
Exma. Sra. D. Isabel Maria de Mello e Silva, espo-
sa do lllm. Sr. Joaquim Moreira da Sttw.
Juiz por devocao
lllm. Sr. Francisco Garrido.
Juiza por devocao
A Exma. esposa do lllm. Sr. Dr. Ayres de Albu-
querque Gama.
Juizes protectora
Os Illms. Srs.:
Joaquim Anton.o Pereira.
Dr. Bartholomeu Tariuato da Suva.
Ilermino Ferreira da Silva.
Francisco Ferreira Maia.
Joaquim Bernardo do Reis.
Jos Mana Palmeira.
Luiz de Franca Souto.
Manoel Jos Lopes.
Jos Moreira da Silva.
Dr. Francisco Leopoldino de Gusmao Lobo.
Dr. Francisco Teixeira de S.
Manoel Antonio Viegas Jnior.
Jaitas protectoras
As Exm." Sr." :
D. Maria Cezar de Vasconcelios Lima, ejposa d.>
lllm. Sr. Jeronymo da Costa Lima.
D. Oivmpia Romana de Castro Jess.
D. Joanna Emilia de Moraes Pereira.
D. Maria Joanna dos Santos Viegas.
D. Maria Antones Villaga. esposa do Illa- **
noel Ferreira Antones Vi llaga. .
D. Anna Rosa dos Santos Feroaodes, esposa
lllm. Sr. Manoel Ribeiro Fernanoes.
Escrivao por eleicao.
lllm. Sr. Manoel Francisco Teixeira.
Escrivio por devocao.
Illm. Sr.Unlonio Jos Pewra.
a
i *


7. S
.otei 3!
C RJ11UI
t 1RT
Pernamb&co Segunda eir*. 21 de Novembro .de 1870
i ** r n"vi
IUoi. Sr.
Thesoureiro
Illm. Sr. Custodio Antonio Soares.
Ojilfpcurador, geral. t
Wpjwferreira Lima.'
* "WBr08 e mar Joma,
Todos os mfMHdas ras terca e estrsita do-
Rosario.
Consistorio db igreja do Rosario da fregu
xia de Santo Antonio, enu!9 da.deaatbro
h O tari
Antam Marn* Ca
TO DljKfW.fAXo. SMANA Mil A 26 Dt
NOVEMBRO DI Pd70,
Mercadrias: Unidades. V;
Abanos \ : daza'
Alfodlo em c*roeo ...... kMog.-
Idem em raro* ou em la. ... .
Carneiros vivos.......um 4*000
emnosro
Os abaixo assnrdtios tB-impraitetao do
trilhos urbanos do Habite a ApipuM-, declarar
que tadi quano tera'-fao o Sr.-Dr. Josernar.
do Galvo Alcoforado oa qualidade de advogad
da mesan empreu na questao de desapropri;ieHO
do terreno do filio no Parnameirim pertenceota
10 Sr. Antones GafroaraeS outros, teon-CIdo de
commum accordo com os abaixo assignados, os
quaes tem tida iuteiro eonheciraento do que tem
occo.rdo, a tem approvada. Recite 19 de novem-
bro de 1870.
Antonb Luiz do3 Santos.
D do Livratnento.
Portos idem.
Arrotum cassa.
dem descascado ou pilado
Assuttf braaco ....
Ideo m^cavado.
[do
Gallil
Pap; __
Azeta de ameodoiin ou men-
doMm.........
Idem de coco ......
ida de mamona.
Batatas alimenticias.
Baunilha.......
Bebidas espirituosas efarmentadas:
Agurdente cachaca. .... litr.
dem do caima......
Joao Rodrigue deMuura e seus.irraos, folla-
riam aos seos "mal Imperiosos deveres, se dei-
xassem de dar un publico testemunbo de eterna
eratido e profundo reconbecimento ao lllm. Sr
Libanio Candido Ribeiro e a Exma. familia pela
maoeira oarinhosa e verdadeiramente pateroa!
eom qae serapre trataram soa presada irma Ms-
riana Candida de Moura e especialmente durante
a grave enfermidade a que infelizmente sucumbi.
Tanta amisade, unto desvelo e solicitude, gra-
"va-se profundamenje no3 coracoes d'aquelles que
consideram a gralido como um dos primeiros de-
veres da hornero.
Disculpe o Sr. Libanio esta sincera manifesta-
cao de reconhecimonto, que guardaran no fondo
dersuas almas, se fosse possivel guardar-se silen-
ciosa a lembranca de lio grandes favores e lao
valiosos servido.
Deui que julga as acedes dos homeos nao dei-
xar de recompensar o Sr. Libanio a sua Exma.
familia, derramando sobre elles as benc s cetas-
tes e prodigalisanno Ihes todas as prosperidades.
Recife, 19 de novembro de 1870.
Ao publico, e aos Srs. Tasso
frm&os & C.
Acaba de chtgar-me s mos o Diario de Per-
nambuco de hnje, e sorprehende-me o annuncio
qne os Srs. Tasso Irmaos di C. flzeram nelle pu-
blicar com reiacao ao abaixo assignado ; em se-
gu ment de viagem para algnmas freguezias cen-
traes nesta provincia, a nao podendo d'aqui dar
cabal resposta aos Srs. Tasso Iraos dt C. por
me serena preciso ler vista, cartas e documentos
qne se acham na casa da rainha residencia no Re-
cife, apresso-me apaas em dizer qne nao ver-
dade dos Srs. Tasso Irmos de C que eu me ne-
garse a fazer-lhe entrega das lettras de que trata
em sen annuncio, porque tinba de fazer viagem ;
se os Sr1. Tasso Irroios & C. tivesse tido minha
primeira carta da 15 do correte com os olbos da
inteligencia, nao se animariam a virem em publi-
co faltar a verdad* I
Hai de- voltar breve a cidade do Recita, e pro-
vare ao publico e convencere! aos Srs. Tasso Ir-
mos de que este senioras faltaram a verdade
em sen aonuucio a qna respondo, quando a fir-
man qne Ihes nao entregaei as lettas pretextando
sur de viagem, provare qne na> entregue! as
lettras como quena entrgalas, porque os Srs.
Tassos, as nao quena receber com as declaracoes
justas e necesarias que eu exiga, e anda exijo
que ellas o facam.
E porque publicarles desta ordeni, podem ao
publico parecer que devo qnalqner quanta aos
Srs. Tasaos, releva que para desapparecer qual-
qner impressio qne me saja desfavoravel, declare
to.d ja qiM nada devo aos Srs. Tasso taaos de
C. qio ao -contrario soo antes redor de nao
penueaa quantia, proveniente de honorarios wnc
d <> >up,jrimento de diobeiros para dffcrenles
quc.-iOo* sua*.
Villa da Escada, 17 de novembro de 1870.
/tatora jases* dr Obren* Fifuttrrto.
% aVw silva lUats.
Pjrinla-s m Sr. Dr. Ranos se as u-
>i las qon minitesioQ acntca da moiesUa do
Dr. Victoriano de S4 Albu-juerque se
nchau ji deasipadas pela aoalyse chiuiics
(\*u na Babia e nesse caso esclarec ao po>
buco con sua opoo actoai.
Protectora das faiuiliaa.
Os senbores contribuiotes a essa associa-
* olo qtw prefisrem nundar papr soas auoui
dados no>ia provioaa, poaeria dirigirse a
roa do Livraacala n. 19, I.* andar, antas
d< dia 10 do prximo mea de dezembro,
afim de tjo os fundos possaa, ebegar na
sede da associacJo no Rio do Janeiro antes
dnsea vmdmtato 31 de dexembro de 1870.
Redfe 15 de novembro de 1870.
Saraso Francisco N. K&-A MEDICINA POR EXCELLENCIA
DO SECLO.Nao ha nenhura remedio que leuha
recebido roais elogios de todas as partes, como se-
ja a salsaparrlba de Bristoi.
Ella tem sido approvada pelo espaco de Uiata e
cinco anoos, por vais de mil peridicos princ
paos e netos don ores, rhimicos e escrptores m-
dicos de todos os paites. Fax quinze anoos que
toda a faenldade medica de Bufato, den um teste-
mnnho unnime, de suas ine^timaveis virtudes cu-
rativas, experimentadas durante a tonga urlica
da sua prolissao.
j-urentijmedifos, destnelos domiciliados em dif-
ferenles povMcSesdo estado de New York, sus-
tcaiarara-nos eom un outio tesumunho nao me-
nos Binphalieo e summameble lisongero; e des-
ale entio cinco oitavas partes da mais escolhida da
prolissao, tem contestado seos mritos, debaixo da
responsabilidad de suas assigoaturas, suas curas
de escrfulas, cancros, tuaores toda a casta de
io!estias aruntiveia e ulcerosas, uunca serio es-
que.-idaj m qnanto a lingua iogleu for li la a
fallada.
Em urna palavra altas Um sido escripias am to-
dos o idtoaMS moanan a aosad a adreiraco
de ludo o mundo civilisado.
.-. r* *.'7-
Ulo
orna
litro
:
kitog.
y^ es
17
280
i
lO
5Q00
937
73
noiwpro DToito:
....... Sj
...... ow
.

dem genebra
(dein restilada
Idom-alcool.
dem cerveja ,
emvinagre .
fdm vinho de caj-
Bolacha fina, comprehendidos os
bscoitos......... kilog.
dem ordinaria, propria para
embarque. ....... i
Caf boin......~.
dem escolha on restolho ...
dem torrado on raoide, ...
Cal branca. ........
dem prcta........
Carne secca ( xarque ). >
Carvao vegetal.......
Cera amarella.......
dem de carnauba em bruto. >
dem idem em velas, ....
Cha..........
Cocos seceos.......cento
Colla.........kilog.
Couros de boi, seceos salgados.
Idem idem espichados....
Idem idem verdes ...... i
Idem de cabras cortidos um
(dem de onca........
Doces em calda......kilog.
(dem em gela ou massa. >
Idem seceos....... .
Espanadore3 de pennas grades duzia.
(dem pequeos...... .
tem de palha.......
Esteiras de carnauba .... cento
(dem propria para forro on estiva
de navio........
Estopa nacional......kilog.
Farinha de ararula..... >
(dem de mandioca.....
Feijao de qualquer qualidade.
Fumo charutos......centro
dem cigarros......
Idem em tuina bom .... kilog,
Idem em Coma, ordinario ou res-
tolho ........
dem em rolo e em latas bom >
(dem, ordinario ou restolho. '
Rap..........
Goinma de mandioca, (polvilho).
Ipecacuanha ( raz )......
Angico (toros). ...... duzia
Caibros ........um
Enxams.........
Frechaes........ >
Jacaranda (coucoeiras) duzia
Lenha em achas......cento
Idem em loros <..... >
Linhas e esletos......um
Loar s (u-anchoes)......
Po Brasil ......... kilog.
Idem de jangada......am
Quiris ......duzia
Vinhatico costadinho de 55 a 30
millimetros de grossura. .
Idem pranebbes de doos costa-
dos atf 50 millimetros de gros-
sura .........
Idem tatuado de menos de 25
millimetros de grossura .
raboado divorso......
ratajoba........kilog.
Praves ......... urna
Yaras para pescar. .... du-ia
tem paraagoiltiadas
Mem para Canoas.....ama
Quenas d socapira(em obra) > "
fiixos d cicapira pan cano. par
101
54US0
195
3001
330
300

rancet, 8/1 d. e 8 >/ em navio^entral; carregan
do na Parabyba 11/16 d. por libra e 5 V. carri
ende no W j;% Bte.lai do aasnear, para Liverp
gor tonelada fi*/,, em navio neutral, 'car
* e para o Canal 35/6

porto,'
76
204
476
442
989
39
57
288
189
442
436
763
4*360
4*000
1*438
474
640
260
380
10*000
1*133
784
2*180
48*000
24*000
12*000
16*000
12*000
136
681
92
272
3*000
350
1*090
613
681
848
2*180
170
1*703
60*000
360
1*800
8*000
95*000
3*000
12*000
6*000
10*000
103
5*000
6*000
um 16*000
V Naviot (Htraim no jfe i L
Rio- G-ando do Su!26 das, prigne braaHeiroi
Constantt tio, de 265 tonelada, capillo Va-
leriano Perein dos Sanios, eqoipageti lt car-
ra 13,000 aWobas de atrae ; aFraoico Ribfr
ro Pi nto- Gaimarie;.
As;-*17 das, brigne ponuguez Mtiaiit, de 200
" toneladas; apito Joaqulm de liveira equija-
ggm 10, carga sal; a fiarnos Temporal!
Navio takido no nesmo dia.
io"Grantre do StrrBrigne brasleiro Amelia ca-
pit5p_Manoel da Silva Lourero, cargaasaucar e
ouirs gneros.
Navios entrados no dia 20.- '
Santa 'atharina pela Babia57 das sendo do ulti-
mo porto 16, brigue brasleiro Matine Virgin*,
de 195 toneladas, capitao Joaqu la, aqupagem 10, carga 7,000 alqueires de
farinha de mandioca ; a Rezende ft c.
Navios sthidot na tnetmo dia.
Rio Gran le (Jo SolPatacho brasilero Garibaldi
capila Maaoel Jos Prestello, carga assnear
outeos genero.
Rio Grande -do SalEscuna oortuguez Ayuia,
capillo Pairo Augusto da Fooseca, carga va-
rios genero?.
indo Francisco Nogueira.
> Ulo Galditro de Araajo Cunta,
idtio Vanderley Navarro Lin.
^mmu\^> Moreira Gomes.
o Goncalves Meira de Vasooocalke.
lio Eudldes da Silveira.
'Augusto Paes Brrelo.
15 Adalfp da Rocha Vanderley.
16 Antonio Margues da Sili-^rnimaraes.
17 Antmio do Carmo Serilm' a Silva,
18 Augusto de Miranda Sffza Gamo.
19 Bernardo Antonio de tendones.
20 Cfcatcaahrisnd Bandeira de Mello.
2f CfprJatfJps Velloso Vianna,
22 Cfard1ia V
ED1TAES.
20*000
duzia
ktof.
1441000
96*000
33
6*000
2*400
6*000
1*000
3*300
16*000
90
320
68
1C
JOOO
817
31
18
34
4*396
160
X 381.A MORTK M SAIWUB.Sim, no san-
gue onde se- gata, a* semiaaesi das enfermidnr
da nmHa AtaqoBiuo-las i.is com essa deter-
jteut. o mais andaroso de-todbs, a salsa parrirha
Ibttco iinooriaqmVm'iIcstiasejerpois qmrse-
am esoffitei. ejry tjso, fWrestaa|rskmote8tiida koiHi. ou n>-
DoUntai u seaJee,.a origeotdattawfcdtvh- -h bus-
car am smtpifr, aiacandb-ao yac* Ibgp a
ma ii te.
KMo znmh^aattoamisaattatliaaai nssmmsi mop^
ajotaiia^s^aaifcdftrnaaaailai saipiiat.fcaupafcdfcj,
Ossos.........
Pama de canaula.....
Peehary........
Podras desmatar .....
Mesada Slrrar......
Idem de rebollo ...
Peanas de ema. ......
Piassara.........
Pontas oa chifres de snrimo oa
raeca.........
Sabio .
SaL ...,...., .
Satsaparrilha.......
Sapatos de couro braaoo .
Seno ou graxa emrama .
dem em velas. ."...,.
Sola e vsquela.....,
Tapioca.........
Unhas de boi.......
Vassouras de carnauba .
dem de piassava.....
dem de imb. j .
Alfandega de l'eraabmbuco, 19 de novembro de,
1870.
01. conferente.Antonio Cyde P. Borges.
O 1* conferente Joaqun* da C. Ribeiro.
Approvo.Alfandga, 19 de novembro de 1870.
Paes de Andsade.
Conforme. Joaquim Tertuliano de Medeiros.
RECEBEDORIA DE |RENDAS INTERNAS
GERAES DE PBRNAMBUGO
Rendi manto do dia 1 a 18. 32:037*127
dem do dia 19..... 1:631*06"
kilog.
B*
cento
duzia
2*800
348
10
2*043
800
340
476
1*200
204
380
768
1*200
960
33:738*292
CONSULADO PROVINCIAL
Rendimento da dia 1 a 18. 43:773*680
Mam do a 19 2:114*465
mcA do arara ~
bx ft9> na .lovmiBRo db 1870. as 3 iiobas ox tmjdi
m
sabwt
nasri
r 'ii
_ a dtt taHMAuns fe
ft^OLpmru
Faculiade de Direito.
De ordem de Exm. Sr. director e de conformi-
dade com o art. 3o das novas inslrnccSes que bai-
xarart com o deereto n. 4430 de 30 de outubro
do anno passsdo, faco publicar listas dos ins-
criptos ptra 09 prximo ex ames que devem co-
raecar no dia 55 do crreme mra de novembro.
Francez.
1 Antonio Epinacho Cavalcinte de Albuquer-
que.
2 Antonio Jos dos Santos Porto.
3 Antonio Jos Teixeira.
4 Antonio Ignacio da Silva Jnior.
5 Antonio Pinheiro Lobo de Meoeees.
6 Angelo Custodio de Medeiros Corris.
7 Antonio Ulysses de Olivera.
8 Antonio Henrique de Miranda Jnior.
9 Arthur Marques de Araorrm.
10 Alfredo Saldanha.
11 Antonio Pereira da Cmara Lima Fillro.
12 Andr Cavalcante de Alboquerque Arco-Ver-
de Filho.
l.'-Abiiio Albertino da Cmara Lima.
14 Antrogineo ATonso Perreira.
15 Antonio de Arroda.
16 Affnso Olindenses Ribeiro de Souza.
17 Antonio Cesario Cardoso Ayres.
18 Arthur de Barros Falcao de Larerda.
19 Albino Goncalves Meira de Vasconcellos.
20 Augusto Pereira Pinto.
21 Antonio Brandao da Rocha.
22 Antonio Paehec Soares da Silva.
23 Aseendino da Silva Villar.
24 Abdisio de Vasconcellos.
25 Alfonso Lopes de Miranda.
26 Alfred i Abdon de Loyola.
27 Bazilio da Silva Santiago.
28 Braz Olavo Carneiro LeSo.
29 Bernardao Praneisco de Lima Santos.
30 Capitalino Pereira de Barros e Silva.
31 Carolino Panlino G-mcalves da Silva.
32 Cyril o Osorio Porfirio da Motta.
33 Carlos Samuel de Araojs.
34 Cyprano Jos Vello*. Viaona
33 Caetano EsteliU Cavalcante Pessa Junwr.
36 Diomedes Goncalves da Silva.
37 Diomedes Thejtomo de Carvalho.
38 Daaifl OliTeira Barros de Ahnrida.
39 Delfirio Cavalcante de Albaqoerqne Lias.
40 Dommgos Jos Perreira Gaimaries.
41 Edoardo Aogu-to de Souza Pitaap.
43 Edmando Rodriga rniiima
U Knwsto Marques da Silva.
44 Ernesto Demetrio da Costa Amorim.
43 Eeydo Owrm Virfirio da Meta.
46 K-ievao Caraetm 1/a?.
47 Riysto de Mello Awaqswrqne.
48 Prederieo amara Fraaca.
49 fnaateo Jum Raadlo FaaSL
50 FraokiiB CavaJcante da Barras Ribeiro.
51 Francco Jos de Araajo MVUn.
32 Vnacbco Carrea de Araajo TiiihIim
33 FrcderK do Reg Barras.
54 Pi-anrisco Joaquim de Obvoira Caoba.
53 Fraaeisoo Baib sa de Pauta Pesaua.
56 Fekx Joaqaim Datara Caralcaalc
57 Fraaco AUao Coma de A rao jo.
58 Praadsoo Tcixeaa de VaaoaaosUss.
53 Fraodsoo Soares da Suva mm Jbbot.
60 Fraociioo Al ves de Sooza Carvalbo Ketto.
61 Fraadsco Gomes Vinar.
62 Fabu Asliriiaao Murara T lapnnl
63 Fnccisco liaciaoo Teizeira.
64 Francisco de Assi< Rexerra.
65 Goslavo Olympio de M'P'rfi Fontoara.
66 Ilercoiano de Oiiveira Torres Galindo.
67 Isiduro de Carvalbo Goncalves da Rocha.
G8 Ignacio Francisco Colbo e Suva.
69 Ignacio Neves da Foneeea.
70 Ignacio Ferreira da Cesta Jnior.
' 71 Joao Antones de Aranjo Pinheiro.
72 Jos Machado da Multa Pimentel.
73 Joaqmm Fernandes de Carvalbo.
74 Jos de Souza Castro.
75 Joao Evangelista Carneiro da Cunha.
76 Joao Carlos Golvio.
77 Jos Pinto da Cunha Souto-Maior.
78 Jos Lucio Monteiro da Franca.
79 Jos Cavalvante de Caldas Albuquerque.
80 Jola da Silva Retumba.
81 Jovin'o da Silva Santiago.
82 Joaquim de Azevedo Carvalbo Siqueira Va-
rejao.
83 Jos Pedro de Almeida Pernambuco.
84 Jos Gomes da Silveira Jnior.
85 Jos de Moraes Vieira da Cunha.
86 Jos Mara C irra das Nev*.
87 Joao Vieira da Caoba.
8 Jos Francisco dos Stotos Almeida.
80 Joaquim Jeroavmo Fernandas da Caoba Fi-
lho.
90 Joaquim Filgueira da Mamiii
M load Manaoo Cirneiro da Agoiar Cavateat*.
92 Jos Viaaaa Taa. ^^
93. Jeaot Goawarb Gomas da 9a.
94 Julio Corinlano Di.
95- Juan Goma da Casa JansaK.
96 Joaiuiim. 1'AmeiHa. aasaav.
9B larpaia da Costa, fama
98> Jos Epiftnio de Aaanjp
2 "-ii ipnio !!ii rmplfui
aMU avnaiidlJtom
Ifaadh*
."Velloso Frelre-
23 Deomeaaoncalves da Silva.
24 Deodatg Satino Villela dos Santos.
23 Eamuadt-'f odrigues Germano.
26 Eugenio Lauro Haciel Monteiro.
27 Elisio de Mello Albuquerque.
28 Pradeos Augusto Boran.
29 Francisco de Paula Goncalves Silva Sobn-
nho.
30 Francisco Maga rio de Souza Lean.
31 Fabio Anstncliano Moreira Temporal.
35 Pransisoo de Castro S Barreto.
33 Francisco Joao Serra Cardoso.
34 Francisco de Asis Borges da Fonseea.
35 Francisco Barboz^ de Paula Pessoa.
36 Francisco da Gama Porto..
.17 Feliciano do Reg Barros e Arauio J-
nior.
38 Flavio da Cunha Lima Ribeiro.
39 Franeiseo Bapiista Vieira.
40 Pabia Cabra! de Oiiveira.
41 Frederleb Luiz Viira.
42 Francisco -e Assis.
43 Francisco de'Assls Beierra.
44 Franeiseo Muniz da Silva Ferraz.
45 Galdino Po dos Santos.
46 Guilherme Vietra da Cunha.
47 Gustavo Orympio,de Miranda Fontoura.
48 Henrique Pereira Mara-Vinagre.
49 Higino de Bastos Mello.
50 Herculano Moraes Inglez de Souza.
51 Innocencio Peregrino Alves Arouxa.
52 Jos de Amorim Salgado.
63 Manoel Manleiro Peixoto.
54 Jos Zeferino Ferreira Velloso.
55 Jos Bonifacio de Medeiros.
56 Jos Bandeira de Mello.
57 Jos Donato Gomes Ferreira.
58 Joo Po da Silva Valen.
59 Joao Augusto da Albuquerque Maranhio,
60 Joaquim Cavalcante Leal de Barros.
61 Joao do Reg Barros.
62 Joaquim Olympio de Paiva.
63 Joaquim Jernimo Fernandos da Cunha Fi-
lho.
64 Jos de Souza Castro.
65 Jaeinths d'Assumpcao Paes de Mendonca.
66 Joao Cavalcante ce Mello Azddo.
67 Joo Ardan-a da Costa Imbuzeiro.
68 Joaquim Filgeira de Menezas.
69 Jos Vianna Vaz.
70 Joaqnim Boarque de Sampaio Jnior.
71 Jos Calistrato Carrilho de Vasconcellos.
72 Jos Caetano Metulio Fllho.
73 Jusliniano de Mello e Silva.
74 Lourenco Bezerra de Albuquerque Mello.
75 Leandro de Almeida Ribeiro.
76 Luiz Franeisoo da Costa .Ribeiro.
77 Liandro Pacheco de Albuquerque Arco-
Verde.
78 Leao Aires Manis.
79 Luiz Antonio Pires de Carvalbo e Albuquer-
que.
80 Manoel Jo? Ferreira.
81 Manoel Alves Villela.
80 Manoel Jos Ferreira.
81 Manoel Alves Villela.
82 Manoel Ribeiro de Carvalbo Jnior.
83 Manoel de Barros Barreto.
84 Manoel Filgueira de Menores.
85 Manoel Pacheco Borges
86 Maaoel Balrtnsar Pereira Deeguis Jnior.
87 Manoel Domiogues Paes Jnior.
88 Manoel larneiro de Sooza Bandeira.
89 Manoel Jos de Medeiros Corri.
90 Manoel Vieira da Suva.
91 Manoel de Soasa Bago Barros.
92 Manoel Aristides FeroandV* Vieira.
93 Manoel Antones da Costa Mauricio.
94 Manoel Esterna Cavakaole Pesan.
95 Manoel Aodibx Carneiro de Albuquerque.
96 Maaoel da Silva Bomftm JanW.
97 Pedro Leao Veftoso Fino
98 Pacifico da Silva CasaEas-Braaeo Juor.
99 Rodrigo Correa d* araojo.
?00 SiodoJpbo Cbeledosio Calafaoge d'Asaanaaeio
aaaaam
101 SaWaaur Elias da Rota e Shrj.
105 Salvador G^ra de Si e Benevide.
103 Saatino Xiaseacs de Olivera Mael
MI TaMfcao Pire de Albaoneraae Maraabo.
MBTdHircMJtM Tararea
106 Tbeoloro Alves Pacheco.
107 Taomaz Caacto de Soma Laon.
iMim.
1 Asnasso Maaoel Raposo T Akaeda.
i Antonio lof Ferreira. .
3 Aatomo Pinheiro Lobo de Meaezes.
4 Aatomo Marques da Silva Gauraef.
5 Adalberto Cmara Carrea de S.
6 Arthor de Barros Falcao de Lacerda.
7 Augusto Teixeira de Azevedo.
8 Aaimao Rraadao da Roeba.
9 Antonio Jos Freir.
10 Abilio Albertino da Cmara Lima.
11 Aodr Cavalcante d'Albuquerque Arco-Verde
Filho. -r h
12 Antonio Pereira da Cmara Urna.
13 Antonio Cesario Cardoso Ayres.
14 Antonio Euclide da Silva.
15 Albino Goncalves Meira de Vasconcellos.
16 Antonio do Carmo Seraflm e Silva.
17 Antonio Pacheco Soares da Silva.
18 Alfredo Saldanha.
19 Amonio Vauderlei .Navarros Lins.
20 Alfredo Abdon de Loylla.
1 Braz Olavo Carneiro Leao.
22 Cesario Antonio Cardoso' Ayres.
23 Caetano Eslelita Cavalcante Pessoa Jnior.
2i Cypriano Velloso Vianna.
25 Carteo Crumencio do Reg Barros.
26 Domingos Jos Ferreira Goitnares.
27 Deodato Cezino Villela dos Santos.
28 Eduardo Augusto de Souza Pitanga.
29 Estevao Paes Barreto Castello-Braoco.
30 Eduardo Carneiro da Silva Gmmaraes.
31 Ernesto Marques da Silva.
32 Eiizio de Mello Albuquerque.
33 Frederieo Ferreira Franca.
34 Pelix Joauotm Dallro.
35 Praneisco da Silva Rosa e Silva.
38 Franeiseo Atas Correa d'brujo.
37 Praneisco d"Assis Brito Joslsr.
38 Praawaco Soares da Silva Reaanaaa Jaaasr.
39 Praasfan da Rocha MoBaiti Cavaba
i Pal Ao-riciiano. Mbraw TeaanaraL
* PramnaeD Ibettom db Panto
*ndhsftgslafe<
gj Luir Praneisco Pit e Albuqnerqae.
89Luiz Antonio Marques da Silva Guimarefl.
it Paulino Cavafcaoc. de Albuqerdue.
i i t l0?10 Pirea^e Carvalho Albuquerque.
rz Luiz Jos Corroa da S. .
93 Luiz Manoel d'Oliveira Mendos
94 Manoel Joi Ferreira Mendes '*
05 Manoel Balthasar Pereira Dicgls Jnior
J Manoel Domagat Paes Jtalor.
97 Manoel do Reg Mello.
96 Manoel Vilra Ja Cnoha.
99 Manoel Tome Das d'Aranjo.
100 Manoel do Jvascimanto Vieira da Cunha.
101 Manoel Mara d'Aranjo.
102 Manoel Eslelita Cavalcanu Pessoa.
103 Manoel Joaquim de Mendonca Jnior.
104 Manoel Barbosa da Silva Jnior.
105 Manoel Cimillo Ferreira Lsndin.
4106 Nero Ramos da Silva Gusmio.
107 Pedro Barbosa da Silva Jnior.
108 Pedro Goncalves Carneiro Leao.
109 Pacifico da Silva Casleilo Branco Jnior.
110 Raymundo Jos de Souza.
111 Rodolpho Pi da Sil va Va lenca.
112 Raymundo Pereira Castello Branco.
113 Rodolpho Joao Barata d'Almeida.
114 Sindulpho Cheledonio Calafaoge d'Assumpcao
S. Tiago.
115 Thom Joaquim d'Oliveira Jnior.
116 Thaodoro Alves Pacheco.
117 Thomaz Cancio de Souza Landira
118 Vicente Ferreira de Barros Vanderley e
Aranjo.
119 Victaliano Cordeiro Lins.
120 Zozimo Zenades da Cmara Lima.
Secretaria da Faculdade de Direito do Recife, 18
de novembro de 1870.
0 ofJSeial, servindo no impedimento do secretario,
Manoel Antonio dos Passos t Silva Jnior.

*EFF
Onvertnra oela orchosira.
PRIMARA PARTE.
A opereta phantastica em nm acto, msica de
Ad. Adato -.
MES
Pantins de Violette
PitsonageM amores
Alcofrftas............ Mr. Ra/nand.
Pierrot......... Mlle. Mrescia.
violette............. Moas, talmonca.
Policblnelle........... Mr. Caln.
epresentar se-ha chistosa opereta em i acto.
rauslca de Offemback
Les mariage aro Lanternes.
Na qoal tomara parte Mme. Vatmoaca, Mlle.
Brescta e Manette e Mrs. Raynand e Carn.
TERCE1RA PARTE.
subir a scena a muito linda e applaudda ope-
reta em um acto
Lts Hirondelles de la roe
Personagens.
Pepetti pifan,............... MUe. Breseia.
rritzmann tocador de raheca.. Mine. Valmonca-
Os bilhelas acbam-se era mi no Sr. Francisco
Jos da Costo na rus de Horlas n. 58 e no da do
espectculo no esenptorio do theatro.
Principiar s 8 1|4 da nonte.
THEATRO
0 Dr. Jos Bernardo Galvo Alcoforado Jnior.
juiz municipal supplente da 1' vara nesta cidade
do Recife de Pernambuco e sen termo, em vir-
tude da lei, etc.
Paco saber pelo presente que nos termos do
art. 1* do dec. n. 1695 de 15 de setembro do anno
prximo passado, dentro do praso de 30 dias con-
tados da publicarlo desse edilal recebera este
juizo propostas por cartas fexadas para arremata
cao por venda do escravo seguate:
Um escravo de nome Jos, preto, de idade 22
anuos, de servico de campo, natural d'esta provin-
cia avallado em 1:000000, o qual foi penborado
por execucao de Rodrigues Almeida A C. contra
Francisco Thomaz de Baros Campello e sua ran-
Iber, e se acha dito escravo depositado em poder
do depositario o mesmo executado Francisco Tho-
maz de Barros Campello.
E para que conste mandei passar o presente
que ser publicado pela imprensa e atoado no
lugsr do costme.
Dado e passado nesta cidade do Recife aos 16
de novembro de 1870.
Eu Manoel Jos da Motta, escrivo do civeL o
subscrevi.
Recife |6 de novembro de 1870.
___ Aleo forado Juxior.
O Dr. Jos Bernardo Galvo Alcoforado Jnior,
juiz municipal suppleDle da primeira vara d'esta
cidade do Recife, em virtude da lei, etc.:
Faco saber pelo presente, que nos termos do
art. 1.* do decreto n. 1695 de 15 de setembro do
anno prximo passado, dentro do prazo de trila
das, contados da publicaco d'este edital, receber
esto juizo propostas por cartas fechadas para arre-
maucao por venda dos e-cravos seguimes :
Um escravo de nome Jos, preto, crionio, natu-
ral d'esta provincia, idade 22 anno, servico de
campo, avallado por 1:0004000.
Urna escrava ds nome Joaquina, preto, de na-
eao Angolla, idade 48 anoos, sjlteir.i, servieo de
campo, avahada eu 400*000.
Os quaes foram penbirados por exeeneo se Ro-
drigues Almeida di C eoolra Jos Plortoeo de
Olivera e Silva, e dito eseravos se aebam deposi-
tados em poder de Praneisco Thomaz de Barro
Campello.
E para que &*ie a todos, manda passar o pr-
senle, para ser affixado n > luagr do costme e po-
blieado pela apreofa.
Dado e passado aoi 16 de catabro de 1870.
Ea, Maaoel Jos da Motta, escrivo. o sabs-
brev.
Bacila, 16 de ootofcro de 1870.
Akofora hmwr.
DECLARACOES.
a
- O IBas. 8r. am'Okeiro inspector
rara da proviac de Permmmmt manda aier
svbfaca ewem virtade da tiesa da praaMwri
ao do 26 do eorrasse saat, atsas 2 beca da awda,
seria irrrasalJliM aerate a jantt 4a masan ate-
soorana sor oarm aner laac/> Menta, des ca
vasas peneseeatet as depofiw esacdal as tev
Maaeaa.
As afssaas a ansa eeaver severas
car aasta dsesooraria ao dia e hora acasa adt-
aaaaa.
Secretaria da ibefoarara de (azeada de Per-
18 de aovaoabro de 1870,
Semadode caselasatr,
Maaoel Jos Pteto.
Peto recebedona de readat aeras gerae*
ce faz pasbeo oe neete mez de awveaaaro se anda o praso do aagameoio. semasoba, do im-
posto seesoai taimo ao I* seosealre do exereicio
corrale de 1870 71 fiado o qual ser ruaran
eom a malta de 6 010.
Reoebodara de Peruambuca 2 de novembro de
1870.
O administrador,
Manoel Carneiro de Souza Laeerd a
SANTA CASA DE MISERICORDIA DO
RECIFE
A junta administrativa da Santo Casa, precisa
contratar cora quem por menor preco fizer os
concertos de que necessita o cano que conduz
agua da earaboa para a casa da lavagem de rou-
pa existente no collegio de Santa Thereza em Oliu-
da, como as Tachaduras que estao as paredes da
dita casa, reboca-la por dentro e por (ora a fazar
de um lado um paredo na oxtensao de 40 pal-
mo?.
Os pretendentes devero ir examinar os repa-
ros de que ne?essita dita casa e apresentar suss
propostos, quinta-(eir pelas 3 horas da urde na
sala das .'essoes da jnota.
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do
Recife, 19 de novembro de 1870.
O escrivo,
___________Pedro Rodrigues de Souza,
BENEFICIO DA ACTRIZ '
BSEbS-S- &$<&&*
Soire para familiac
Oalnta-feira 24 do crreme
LINDO E VARIADO ESPECTCULO
Dividido em tres partes.
Logo que a orchestra liver desempenhado ama
de suas melhores ouverturas, dar principio o di-
vertimento.
Primeira parte.
Representar-se-ha a muito linda opereta em om
acto,
LA NUITB BLANCHE,
na qual tomam parte os artistas Mrs. Maris e Ca-
rn e a beneficiada.
Segunda parto.
1.* Canconeta
VAISEZ-VENS JDSEPH
desempenhado por Mlle. Marieite.
! Conpleto
DES ROIS DE LA BELLE HELEINE.
cantado por Mr. Caros.
3.* Romanee
LES TEMPS DE CERISES
exhibido por Raynand,
4. Valsa, desempsnhada pela bteirtidi
M* Ahajas
OH f LA f GROS VLKS A BORRE
cantada por Mr. Mari.
6. Arta da apera
TROVADOR
ramada por Mase. Valamara.
Terceira parid,
A aova t mujo fiada sasreta en asi acto,
ra soine orna me, coxthi*.
wjM tosaa parle Max. Valcaaaca a saaeft
e'mut> mieriimm* aac a asaiirtii Um
beara t tmmtmm aa ittjmvim p*W r*'
nmntmt, V naca casera tasa aast ms*
Meas,
A han aira a, tmtmm) krtmsmm, i **
nnmiAt* sfradecar a Masa sateos<*-' "
asaras bsarar a im ttftmtnU,
Masera sm aaarto 4$ iWa 4aasa 4a ttfwu
csla asa Utm asaacfal #w torw cal mt >
fi&ttt as boba ar Asasa***.
Os babeis arhaai iti~<$mU asasaads be**-
fcaada, a as cas s apartarais m mrtflmjm *
ftM4t*t*M9*.i+tom
COMPAIf HU FEHXAM&KJU
M.
TOffe
Macead, eacalac do Peoedo.
O vapor CiftU, eMtataia\aase
Maeedo,segairaparaosaerto aci-
am oe dia 30 da correase as 5 bora
da Urde.
Beeebe carga ata dia 2, a-
v Passageiro e diaboir a arete at as
2 horas do du da sabida, aa etcrajaorio de Fort-
do Manos n. 12.
COMPANHU PEBJAMBCAjU
aa
IWart-eCMfiv roHleira pxr ?>.
Porto de Gallinhas, Rio Formlo e Taman-
dar.
O vapor Parahyba seguir pa-
ra os portes cima so dia 30 do
crreme a meia nonte.
Recebe carga, encommendas.
, passageiros e dmheiro a frete no
esenptorio do Forte do Mattos n. 12.
9AS7A CASA f>4 MMmCORDiA DO
KCTJsarw 9 JtrwWm aWMMRPWalwval v$Wm 9 lea ds sor atoglss o*t$rnm m, 30 bt)m
^BBa* fa*^8 JMrTa^r^^^vv fflw x/frwm^f 99 fla^pf^T ^n^vrW*
sawwraas aswasas a asaass? jssy Masa Brasa,
^PP^i7 fVar M^^k*BWJ W^& S^aj^>oj>P"S^BajjgBB> 4rw^^m/f^mmmV^
(Obayrleatfcaaw aVaaro aareseity sea rwaas-
siasaiS9 as seewsartay oaste soderay resear as
Mbsassjasv qW ssastMaMR-
itammm db ssaoJacaasd* wmmt9* V H-
b**mmn)ru*rm*, _
O t$tHH90'f
COMPANHIA PPffMBUCANA
DE
WaTegafio eostelra av>r rapor.
Goyanna.
O vapor Parahyba seguir pata o
porto cima no dia M do crreme *>
_ 9 horas da nolte.
Recebe carga, encommendas, passageiros e di-
nlielro a frele, eseriptorio no Forte do Msttos
mi.
&
. i
afABBBTYatttaat tmtf^mm
mf^^wrkw ^*^a^r aa^^^^^^^al
^B^_ ^p^_a| ^p, ^aaaBBBaai Ja^a IpavahaBalallBaB ^abaaBaBSaS^Bal ^Bfeal
^^mW c^V m* m^SWwV TfM*J' ja)^|WJ^"5#p^*y ^^r^F^^^^v&^r r^nr
WJ& rUP POR*
coMpAKHfA mmA!mxj&
M
^affjpja4joier #rraaw*Pa paf vwfwri
r \JivffTTanfjan10 o^Twmf W^wtnZm
_ **"*? tth avmmm
tttwftmm mmm
' *J" IMtflAtf m\% a^UaaBBaatlafdW

* t\
_ .MWTA WTOAOasWAtU
Variadissimo espectculo
isbmuo m TR8S rASTia
saat-
Ma gramas U imV
THEITM


tortea roa da Croan. 53, |
LIVr imL BRASIL &
>LATE
MAIL STF.AJHWtS.
srotos.
kaper arpool ate di t3 da piren-
vapor iagtez fu6ot de 1,400 toneladas, que
seguir para os portas cima depois de indispen-
Tem oUktBt aecortmoiacSes pan pass^gei-
m He (IT\rMh> tercHri cfSara.
Cara (rels e passageiroa, trata-se coto os aten-
te Sauuaers Brothers k C. Largo do Corpo San-
VPH.
Maranhao
Segu para o In
ro Btm Jezus
deus a frele
oatario Joaqu
gario n*J6,
porto o patacho brasilei-
J r ainda alguraas rain-
o respectivo consig-
Bastos, ra do Vi-
IIWIM
i
Paquetes a Vapor.
* Dos portes do sol esperado
at o dia 22 do correte o vapor
Paran, eommandante J. S. M0-
raes, o qual depois da demora do
tosame segnir para os portes
Desde j recebera se passageiros e engafa-se a
carga que o vapor poder eonduzir, a qual deveri'
ser embarcada no dia de sua chegada, eocoru-
mendas e dinheiro a (rete at as 2 horas da larde
de sua sahlda.
.Nao se reeebem come encomraendas senao ob-
jeotos de pequeo valor, e que nao exeedam a 2
arrobas de peso ou oilo palmos cbicos de medi-
co. Tudo que passar destes limites dever ser
embarcado eomorarga.
Previne-se aos Srs. passageiros que mus pas-
sagens s se reeebem na agencia, ra da Cruz o.
87, primeiro andar, escriptoiio de Antonio Luir
de liveira Azevedo A C.____________*
C0MPA1U BRASILE1RJ
DE
Paquetes a vapor.
Dos portos do norte esperado
at o dia 26 de oevembro o vapor
Tofantitu, eommandante Jos Ma-
ra Ferreira Franco, o qual de-
pois da demora do eostume se-
guir para os portus do sul.
Desde j recebeen-eo passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder eonduzir, a qual deven
ser embarcada no dude sua chegada. Encommen
das e dinheiro a frete at as 2 horas do dia da su?
unida.
Nao se reeebem como eacommendas senao ob
jectos de pequeo valor e que nao exeedam a duai
arrobas de peso ou 8 palmos cbicos de medicao
Tudo que passar destes limites dever ser embar
cado como carga.
Previne-se aos sensores passageiros "que sua?
passagens s se reeebem na agencia, ra da Crui
n, 57 primeiro andar, escriptorio de Antonio Luiz
de liveira. Azevedo A C.
AVISOS DIVERS
O Sr. Jos Balista Marques
carta viada de Lisboa : no largo
n. 19. andar. !
Ama
Precisa-se par* o servico iotlro
pequea farailU : a* ra do Vigaito n. 8, 'seno-
do andar.
reiiau
Precisa-se atjjma ama de lejte :' naTa Di-
a. 127, 2* andar.
Para o Porto
Pretende sahir at o flm do corrate mez o bri-
gue portoguez Unio : para carga e passageiros,
trata-se cora os con-ignatarios Tbomaz (le Aquino
Fonseca A G, na ra do Vigario n. 19.
Aracaty
Segu nestes poneos dias para o indicado porto"
o hiate Sobralense ainda recebe algumi carga a
frete : tratar com S Leito Irmos, .i ra da
Madre de Deus n. 1.
f
Segu com brevidade para o porto cima o pa-
tacho aria/ para o resto da carga que Ihe (alta
trata-se com Pereira Viaona & C., roa do Vi-
gario n. U.
Rio de Janeiro.
Rsi carga para esse porto o patacho nacional
Esfrega, de 1' marcha e classe, tendo j parte da
carga para receber: as pessoas que quizorero car-
regar dirijara se ao escriptorio de Jos Maria Pal-
meira, no largo do Corpo Santo n. 4,1 andar, para
tratarem
Maranhao.
Segu com brevidade para o porto cima o pa-
tacho nacional Joven Arthur, para o resto do car-
ga que Ihe (alia trata-se com os consignatarios
Antonio Luiz de liveira Azevedo A G, rna da
Cruz n. 57.
Rio-Grande do Sul.
Segu com brevidade para o porto cima o bri-
gue nacional Amelia : para o resto da carga que
ihe (alta, trata se com os consignatarios Antonio
L. de O. Azevedo & C, roa da Cruz n. 57, pri-
meiro andar.
BAHA.
Para o referido porto segu dentro em poneos
dias o patacho nacional Calado por Ver a maior
parle da carga embarcada, e para o resto que Ihe
falta a precos mdicos, trata-se com o consignata-
rio Joaquim Jos Goncalve3 Beltrao, rna do Com-
mercio n. 17.
LItOEl
DE
fazendas diversas
do cerreite
Magalbaes Irmos (ario IMIo, per intervencio
do agente liveira, do mais completo sortimento
de fazendas de algodao, linho, laa e de seda, as
mais proprias do mercado :
TERCA-FE1RA
pelas 10 horas da manha, em sea bem eoahecido
armazem sito ra da Gaieia, alias do Mrquez
de Olinda.
armaqo e-generos existentes na
tabern sita ra da Cruz
O age^^Hual, competentemente aotorisade,
vender em leilio os gneros e armario da taber-
na cima, em diversos lotes, sem reserva de
precos
QUARTA-FE1RA
el* corrate
Na m*v taberna, as 11 horas.
Dj .
sal refinado e ^botinas para
lime
a 24 d
livera fr 1*^, pt
.1 e nCn p (viom n
RMIBO
Na nente de t? do corrate roubaram
de onndes na raalstreita do Rosario n.
objeclos seguintes :
8 cadeias de ouro.
1 trancelim chalo.
. H * itaa-com c*rai e e*uz.
6 1|2 aiiorecos de onro mu papel.
i pire* de rosetas- con pedrea.
5 pare3 de rosetas lisas.
J parea de brincos. Usos.
alrtoMe*, *' k lisos e nn rom pelra.
2 pares de bntens para pnnho, lisos.
;i efuzes eom tedr*s.
1 par de brim-j de filagr.nu, grandes.
3 pare de rosetas grandes.
* eaasoletts de diversos gostos.
1 vernica e diversas cruzes lisas, ligas de c
ral e outras obras miadas, levando tambem algnns
didaes de prata e phanlasia ; assim corno 6 ca-
deias de plaqu, rogase as autoridades policiaes,
aos Srs. ourivas ou a quem orem dilos objeclos
offerecidas a aprehensao dos mesmos.
if
dora.e man
ger oui
Nio po|
da mesa"
aaaS|

feteicix
um dos membroa
de esperar q
seus devef
5a-
lo o dia
De ord
dos todos ci
para se retobea o
vembro ;M 10
Club-Pernaienj
(Oria e farer rfai
m, sio convi*
^BPP Emancipada
dia qainta-eira, 24 de no-
da nubil, nos saldes do
jrem nova dkec-
flcacSes qae*Jul
Sua ingleza,;
J. C. RCmiGUES.
): um Traaidi obra a origem e o
nento d LTnJua Infera; urna se.
150 pedacos da principies escriptores;
biogfajjpicos e crticos desse*
conveniUes.
fe, 16 de ndtewlm) de 1870.
O 1* secretarte,
G.Ca
a.
tmenle babiudo pela irectoria gerai da to~ eoma a qu*ad*a Jeouq*vel datft aeuero. S
treccjto puWiea e ora bastante pratica do easfae iaWpera)i^>ft/y^ Vea euis moStM tdaii-
Aluga-se o 2 andar do sobrado da ra do A-
pollo n. 28, com acommodacjCss para grande fa-
milia : a tratar no armazem do mesmo. "
Companhia de seguros martimos
publica,
A dreccao de conformidade com os estatutos
art. 39, convida aos senhores accionistas a reuni-
rera-se segunda-feira 21 do correte a 1 hora da
jtono a ra *o Mrquez de
tarde, em sea escriptori
Olinda n. 42, 1* aadar.
Recife 18 de novembro de> 1870.
Os directeres
Feliciano Jos Gomes.
'____________Thoroaz Fernandes da Ganha.
Precisa-se de urna ama orr* ou escrava
ra coznhar e comprar : a tratar na ra de
deia n. 53, luja de chapeos.
E
ELQUENC1A POBTJCA
eo de
nno da (acaldado de
lo ft c i fe,~ com pe I en i
primario e secundario, ten aberto em sua casa
rna dos Prataree n. 12, um rso-de Theinrira, e
orTerece-se para leccionar a rntomi disciplina em
algara co llagie mediaote mdico e raaeavel hono
vario. __________
O abalxo assignado (az sciaale ao corpo do
commercio, que desde o dia 17 do eorrente deixoii.
de ser sea calxelro o Sr. Jos Ribairo Arrabalde.
Recie 17 de noverabro de 1870.
Jos Ferreira da Cosu.
Na raa do Qaeimado n. 31, precisa-se d
urna ama para cosnhar em casa'de rapaz solieiro.
Ama.
Precisa-se de urna ama que saiba bem coz-
nhar : a tratar na ra do Qaeimado n. SO*.
Irraandade
de Nossa Senhora do Rosario da fregoezia
de Sanio Antonio.
Tendo o Illm. Sr. Dr. provedor do capellas de
gnado o dia 20 do correte para se proceder a
elelcio de jaiz desta irmarldade,. de yconormidade
ao art 61 cap. 8 d) compjpmrsso qoe ha de re-
ger esta irmandade, sao convidados todqs os ir-
mos comparecerem no reerido dia as 9 horas
da manhaa para assembla gersl.
Consistorio da irmandade 17 de aovembro de
1870.
Libanio Luiz da Ganha,
._ __________Secretario. m
J'recisa.-ee de urna ama qne lave e angomme
com pereicao : na roa do Barao di Victoria n. 61,
2o andar.
Irm ndade
Ama
Aluga-se urna ama qu saiba coznhar e engom-
marpara casa do-urna familia no Arraial, sitio da
Bomba : a tratar ao pateo de S. Pedro n. 11.
Antonio Teixeira dos Santos e seus fllhos agr-*
decem a, todas as pessoas qne acompanharam os
restos raartaes de sua esposa e mii D. Emilia Can-
dida G. teixeira dos.Santos ao cemHerio publico ;
e pedem se dignem assistir a missa que por sna
alma mandam rasar na ordem teroeira de S. Fran-
cico,_teri-eira 22 do corrate, *s 7 horas da
manhaa," stimo dia.
das almas da matriz do Corpo Santo.
Nao tendo comparecido no dia 17 do correte
numero da irmos sufllciente. para se constituir
mesa geral, a mesa regedora de novo convida a
todos os irmos para se rennirem, no consistorio
da irmandade na quarta-teira a 5 horas da tar-
de, aflm de em mesa geral rratar-se de negocio
de iuteres-e da irmandade.
, O escrivao,
Manoel Jos dos SanDs.
Padaria.
Alaga-je a padaria allema em Santo Amaro, e
as condicoes sao favoraveis : a tratar cera seu
dono na ra da Guia n. 56.
ociedade Lotrica Plato.
-Pertence menna o BtTheta- inteiro n. 1169 da
142* lotera, qne-se ha de exiahir em Nietherov,
provincia do Ri de Janeiro.
O seorelario,
.F. X. Ferreira.
Au belle sexe
CLOD CREAM OF ROSES.
CeMe Creme dallcieue, unversellement rpan-
due en Angleterre, o les emmes sent si renom-
mes par la beani et la transparence de leu/
teint, doit si rpntation aux lements bal6amiques
el onetueox qul la composeut, aiasi qa' sa coos-
tanie efflcacit ponr ad >ucir la pean, la rendre
plus blaoche, et contrbuer ains la sant et a la
beant, qui, toojeurs, sool inseparables.
On la recommaBde contre les irritation- de
I piderme, le I les qne Bootons, pjilides, Ta-
ches 0E RODSSEH, ROUGEOBS DE X.X FlUURE, et
contre les taches patbiqdes et les Efflobescen-
ces. Celta Crme convient spcialement aux em-
mes enceintes pour prevenir LE MASQUE, auquel
elles sot spjettes.On s'en sert encor pour em-
pcber la figure de se bler par le froid ou la trop
grande cbaleur.
Prx 1:300 res
Senl dept au magasin Basar de la Mode-50
Ru do Baro da Victoria.
Ao n. 13 da ria do Queimado.
^icos sintos om saiotes de blonde caprichosa-
mente guarnecidos de fitas de seda e de setim e
recortados a Chineza, alem do que adornados de
flores as mais bem trabalbadas que tam vindo ao
mercado, objecto de extasiar o comprador.
Ha adequados para todos os vestidos inclusive o
de cor branca, e ser bom aproveitar-se antes que
se acabara, urna vez que pequea quantidade.
Ra do Qaeimado n. 13, tola de Paes
Mello & a
= Na cocheira da rna do Inparador n. 27 ren-
de-se urna excellente burra de cerro, cabriolet a
de sella.
Os administradores da raassa fallida de Luiz
de liveira Lima Jnior convidara aos respectivos
credores d mesrna massa para por st on por seus
procuradores receberem o dividendo que a oada
um tocar. Recife 19 de novembro de 1870.
Os administradores.
Pelo Englisb Baak o Rio de Janeiro Limited,
Joseph Lambley.
L. Henderson.
Acting. managers.
V-,
D. Mariana Candida de Moura.
Joio Rodrigan* da Moura seos irmos cordial-
mate agradecen as pessoas que acompanoaram
ultima morada os restos mortaes de sua prenda
irraia D. Mariana Gandida de Moura. Os -mes-
mos rgam aos seos amigos o obsequio de asiis-
tirem as miesas qne pelo repouso eterno da alma
de sna irmaa mandam celebrar no da 23 do cor-
rele pelas 7 besas da manha (stimo dia do seu
passamento), a (groja do Garmo. Desde j ante
cipam Seus agradec mentas as pessoas que se
digaarem comparecer este acto de religio e ca-
ridade christaa.
O tesmenteiro, fllhos, genros, e enteados do fi-
nado eommendador Thomaz de. Aquino Fonceoa,
iiigns e prenles, o
de assistir s exequias
ovo rogam par
mandam res ir
I^^^H^^^I^^H o0rae di manha de
Virginia.
Tendo-se esgo'.ado a primeira reme-sa deste til
e instructivo romanee-mandji vir mais' por set
b'Stante procurado, e que se acha venda na li-
vraria frarrceza. EsteJivro at devia ser adoptado
aos collegios de ambos oa. sexos, faja que hist-
rico, religioso, e sobre tudo proveitoso.
-------^----
AMA
P-aeisa-se de una ama pa-
ra fazo o servido de pec[ueaa
familia, a' qual se dar' bom
ordenado: na ra dt 8. Jor-
ge, out.'ora illar, n. 138, Io
andar.
Aluga-se urna casa na ra de S. Francisco
n. 29, com boos commodes, quintal murado, e
com sahida para traz : a entender-se com o Dr.
Christovo Xavier Lopes, Ou com o Sr. Bernardino
Pontual.
ATTENCAO
GRANDE WOVDADE
a; bismarck e a: moltke.
Na padaria da ra Visconde de'Albuquerque
numero 20.
Comecar a
corrente.
venda amanha terca (eir 22 do
Aluga-se a casa terrea n. 66 ra nova de
Santa Rita : trata-se na mesma ra n. 55.
Os aDaixo assiirnados declaram que
nunca tiveram transacfOes cm os Srs. li-
veira Filbos d C, qae motivassem saccar
contra elles ietra alguma, e consegaiote-
meDte qae falsa qualquer qoe possa ap-
perecer nesse sentido ; assim como tam-
bem sao falsas as letras que foram descon-
tadas no Englesb Bank of Rio de Janeiro,
do alor de cerca de onze centos de-ris,
em que fijoram os mesmos abaixo assig-
nados como saocadores, e os Srs. liveira
Filhos A C. como aceitantes, sendo isto ex-
tensivo a de 00980 falsificado saquee aceite
tambem falsificado de Sr. Antonio Jos Leal
Res, descontada no mesmo Banco.
Recife, 19 de selembro de 1870.
Jos da Silva Loyo'dk Filhos.
forma um ntame de 438 pag. in 8"
te clectrotjpda, encadenado.
PREQV. Sfcoo.
livrarlFFranceza.
lili
Mili,
Wsaeic ipipncdsr.
1
Ida e voita.
npc
GAFE PURGATIVO
A' ESiHlONEA
De B'^arral
Pharinaceiitleo-C i Imlco
A nttl'datle des porgantes nio soffre demons-
tra ;a
to pelo' pV *iff nretu Trrbfragaveis tanto
mstracao, de maoeira- qoe conservando a so
-fl&o, eUes posam4er waiftp tem -\ep
nem a .Mpitos pnegaotea atVasados dewm *ste bom
Mll ao spb erTeiavIoiteriso e aleAealvo. I7ahi o
pengo, porque irrit*c5e3 de estomatfo, inflamma-
coes de entraoaae sfie Mevitaveltaente o resulta-
domo seumprego.uHiBa disllm-s6 de'recea)
com o ca purgativo. L '
Todos eonhecem por experieadW o aroma sua-
ve e o efleito ligeiramente tnico e excitante do
ea( Elle o melhor auxiliar dos purgantes dos
quaes disfarca o chtiro o sabor e ajuda a accao
sollicitanio vagarosamente os moviraentos peris-
taliicos de tntestfoo, e nrevniodo o sea effeito
moito intenso sebre o estomago. Misturado com
escamonea, facilita al evacuares com protnptido
e sem clicas, e torea se um purganta brando,
eerto, fcil a tomar e preferivel a todos os outros
salvo urna ndicaJo especial da qual o medico
" nico juiz.
A raneen idak_de ca purgativo pernrttte de
emprega-lo em Wos es casus. simples. Despea-
tando a atona do mlestino e activando a seere-
cao desle, d^stre a dureza de ventre, as ento-
sidades, as flatnoeid&des e excita o appetitc Em-
pregado mais a miudo, conveniente para eva-
cuar com vagar a bilis e o< humores viscosos e
e faz dessa rrmeira desanparecer a enxaqueca,
as dores de rabeca e prev os ataques de sangue
as pessoas qite a estes s2o "predt'postas.
MODO DE EMPliEGO.
E' tao simples como Jacil. 0 cat purgativo
deve ser tomado (rio, pare a misturado com um
ponco de leite fri a-suarado, ou agua aasuca-
rada. O vidro inteiro a dos ordinaria para
um adulto ; duas colhres de ca bastara para
as senboras e para toda e qualquer pessoa que se
pnrga fcilmente.
Para as crianzas de 8 10 annos, a melada 4c
vidro sufllciente ; de 5 a 8 annos, ama colher
de caf, e a quarla parle do vidro smente abai-
xo desta idade contra a gesma.
E' per Isso rfuma admmtstra$o muito mats
(acil do que es biscoutos, chocolates ou bolos
purgativos.-
Dase inmediatamente depois Ie:te qdente as-
sucarado ou caldo leve, e duas ou tres chavenas
de cha preto ou de tilia..
nico deposito na pharmacia e drogara de
Barlholomen & C. : ra larga do Rosario n. 3.
AMA
Precisa-se de ama ama para comprar e eosinhar
para duas pessoas, pateo da matriz de Santo An-
tonio n. 12.
Povoadn dos Montes, estacSo de Una.
Ra da Concordia n. 10.
Este fantel acha-se boje completamente restau-
rado, e com as precisas acommodages para to-
dos aquelles que se dignarem de o (requentar.
O novo proprietario tem envidado seus esforcos
afim de e.thibir ao respeitavel publico um estabe-
leciment > digno da importancia deste povoa-
do, e emelhanca de um doi melbores dessa
capital.
Todo o estabelecimento acha-se pintado de n--
vo, com salas e quaftos para receber com todo o
commodo desejavel a catalleiros e familias.
A cosinha ao gosto brasilei ro e italiano, acha-
se sob a direccao do perito bem flonhecid Ga-
corno, uue'por certo ha de satisfazer aos palada-
res mais.exieentcs na forma do cosTume.
Tem sufflcienle provisao de vinhos .^xquesitos e
de varias procedencias, lurchem a qualquer hora,
caf, cha, chocolate, etc. Furnece cernida no esta-
belecimento on para (ora per preco muito rajoa-
vel. Encarrega-se de mandar preparar jantares
ao gosto e capricho do reguer, em qualquer
parte.
O novo proprietario do estabelecimento tem a
honra de convidar ao respeitavel publico aflm de
reconhecer por si proprio a veracidade' de3te an-
nuncio, passaado alguns das oeste povoado que
nao mais do qae urna dependencia do bairre de
S. Jo- dessa cidade ligado pela via frrea.
A (aeilidade, pois, do transporte, a estaco cal-
mosa qa* val correndo, os apreeiaveis banhos no
rio Una, tudo, emtim, convida" a um passeio a
este povoado, donde tornarlo lodos cen o propo-
sito de vollar.
Ignacio Manoel de Sant'Anna.
. A' TBMDER-1E
Ras estacos
Do Recife, Offioma*, Soiedade. Oaminho-NOvo, 8. Io,
Torre e Ponte de Ucha,
________ObcrTa?ao tntm par o tW da fmjrm.________
DOCES.
13
ERUCTAS E FLORES.
-Rti da Cruz13.
DOCES SECCOS
CAJ'
LIMO
ABACAXI
LARANJA
CIDRA, ETC.
FRUCTAS
ABACAXIS
SAPOTIS
UVAS
LARANJAS
MELES, ETC.
FLORES
IOUWCTS
PARA NOIVAS
PARA JARROS
AVULSAS
PLANTAS, ETC.
Neste estabelecimento encontrar o freguez todos
os dias presuntos em fiambre, pastis, bons-boccados,
doces de ovos, e de todas as ontras qaalidades, sec-
eos e em caldas, pudios, e tndo quantu se possa de-
sejar no corfortavel um excellente LUNCH ; 'unifi-
cando, aquecendo, e refrescando o estomago com os
melhores vinbos do Rheno e Bordeaos ; siropes de
todas as qualidades para capils; sorvetes de todos
os frnctos, com especialidade as terfas-feiras, quin-
tas e sabbados o excellente sorvete de creme.
Tudo com muito aseio.
CHEGOU
SORTIMENTO
DE
MSICAS DAS MAIS MODERNAS
AO
1
DA
PRECISASE
de um rapaz de boa conducta que tenha pratica
de trabalhar em (abriera de vela de carnauba na
raa do Vigario a. 1*.
Ama
Precisa-se de urna ama que saiba cozinhar
tratar-fia rna do Codorniz n. B.
03 abaixo assiguados, fllhos legitimes, herdei-
ros e successores, do Uado eommendador Tho-
maz de Aquino Fonseca, avisam a qnem convier
na sociedae que gyrava nesta cidade sob
a de Tbomaz de Aquini Fonseca 4C, e de
qae erara socios o dito sea pai e os Srs. Francisco
Joaquim Ribeiro de Brito e Corbiniano d'Aquino
Fonseca,nao pode continuar a praticar qnaesquer
traQsac59es, nem ter gyro algum mercantil ; por
isso que, se acha ella dissdvida pelo (acto da
norte do mesmo pai dos abaixo assignadjs; e de-
vendo por conseguate entrar desde essa poca
em liquidacao, a preetacao de eontas, em viriude
do proprio contrato social registrado no tribunal
do commercio, e do que dispute o Cdigo Commtr-
eial.
Os abaixo assiguados ainda protestam azerem
prevalecer todos os direetos peles meios competen-
tes, contra qnem praticar taes iransaccoes,
prejudicaudo assim os seos interesses, a des-
peito de serem por ste modo bem publico previa-
mente avilados, em ordem a eviterem, como dese-
Jam os abaixo assiguados, quaesques questoes iu-
dieiaes
Reeile, de setembro de 1870.
Dr. Joaquim Ernesto iTAquino Fonseca.
Dedo i Aquino Fonseca.
Antonio Augusto da Fonseca.
Divide-se um sitio no Campo Grande, parto dan
estrada de farro de Olinda, pelo que sa veoJe ter-
renos com quinbentos e tantos palmos de (ando
e com alguns arvoredos de (ructo, seudo o terre-
no muito bonr de plantaeao, e chaos proprias :
quem pretender dirjase roa do Imperador n.
54, livraria, que se dir com quem se pede tratar.
Ama
preeisalse de orna ama para
tar na ra da Alegra n. 6.
ooitnhar: i tra-
Caixeiro
Offerecese um moco com rratica de taberna
tratar na ra da Ccbrdia n. U.
Preo4sa:se de um caixeiro qae tenha pratica
de taberna e d fiador a sua conducta : tratar
na rna de Paysandd n. 39, esquina da ra qae
vai para o hospital portegnez.
m mM M Preoisa-ee de urna ama. ra da
AlTaLSoiedade n. 61.
Precisa-se de um muie.jue ou pardiobo
de 12 aonos para e casa, pagando-
S. Jos do Manguinho
antes i. i.
Para a festa
agam-se dhas casas terreas com coran
para familia e sitio com froeteiras, coefc^^H
na Vartea, lugar Ambol : a tratar na ru
Crespn. 7.
AMA
RA DA IMPERATRIZ N. 14 LOfA.
A SILENCIOSA
Chegaram as afamadas machinas s osero
DE
POLLACK SCHMIDT.
Ra d > Crespo n. 4.
As mais modernas e elegantes que tem apparecido at boje! E, con tirito nada
mais se poda exigir de nmi macbina de costura em quanto a trabilbo de agatha,tal
a variedade de costuras que fazem as de que se trata ; por isso qae se pode dizer
que a Silenciosa de Pollack Schmidt attingto ao? ltimos aperfeircosmentos f
A simplicidade de seu macbiaismo, a adherencia de suas petas e belleza de qjoa m
acbam revestidas estas machinas. sSo predicado, que por si as toroam recotnaaodadas,
mesmo diante da apreciarlo a mais escrupulosa e esigenta. cuj verdade se acha gra-
vada em bellos caracteres em todas as exposic53 onde as silenciosa] leea sido Taa-
tajosamente premiadas.
Perto de 2,000 machinas teem sido vendidas na corte do imperio palo sea aaico
agente no Brasil no curto espaco de dons annos, e continuara a ser procuradle coaa
enthusiasmo: roga-se, prtanlo, ao respeitavel publico desta bella capital, a coaa es-
pecialidade as familias que desejaretn possuir ama til e liada peca de as vir ver e
examinar, na casa cima indicada onde encontraran pessoas habilitadas pan daraaa
todas as explioacSes, e se fazem todos os Consenos na roa Primeiro de Mareo (ou-
tr'ora Crepo.)
CASA DA FORTUNA
Aos 5:0001
Bilhetes garantidos.
a A roa Primeiro de Mareo (outr'ora raa
Oespo) n. Ai o asas do Mstcne.
de
ltBn-aa'a vena o*leiiees ilaetea |aran-
tidos da 6" parte das.loteras, a eeaiflcio da no-
va ktreja de Nossa ^nhora da Penha ^71^, qu
sa eSrahii sexu-fea3"
Dilhetenteiro' 61001 .
Meio blhete 3*000 r\
Quarto 1*500
fim pofcio de iOOiOOO para cfana.
Bilhete inteiro (UMO
Meio bilhete 1*700
Quarto 11350
Manoel Martins Fiuxa.
i fc i i i > ^
Era respoeta ao annuncio publicado no Dia*
rio de 49-do corrente mez, no flual se procata sa-
ber aerad* mora o reverendo Jos Bernardino de
Prrva,! oaina e Livramento- n. *6 exist ama
pessoa qm arf noticias do dito padre, poaendo
ser tirocuiada das 8 as iO'oraVda manha
^^ -------..--*. *
Prdtlu-se de nma ama que Uve e engejmi
pag a-se
isa-so de nma'ama que Uve e enge
na roa-de Hartas n. 1
ame,
Criado e coznnei o
do Barao de S. Borja n. 54 se dir
m
-T
aftnal Capellas -normaras as
iMihewBque tem vmdo ao mercodo, sortimento
eom-jleto, tanto de vidrilhos eom imagens, c i-po
de perpetnas amarelits. Na toja da Pita Azul,
raa do Cabay._______......
Aalonto Jos da Silva socio da firma Wial
Minios Silva, estabelecida com taberna ra
das Nymphas n. 18, verificando pelofcalanca pro-
cedido em dito estabelecimento t dia 11 do cor-
rente, que seu. socio Antonio Luix Mariins em
qualidade de gerente tem feito compras dos g-
neros na maior parte sob sua nica firma, e alem
disto pagou tambem em sea nene quiltro -
adiantados d'aluguel da
TtoHtara : roas
asi mso
Rna do Baiuo da
Victorian.e8
( Outr'ora ra Nova. )
IIII hele garaaileioa ala art-
TJncta.
Esta feliz casa acaba de vender entra os na*
muito felizc bilhetes a sorte de S0O eaa ana
bilhete inteiro de n. 109, ala de 1004 taaaaae*
em bilhete inteiro de n. 3174, e um quarto Ae a.
52 com 1001, e alem' de outree premios i
podando os seas poseaMoree virem
promptamente serio pagos.
X) abaixo assignado convida ao i
buco para virem no sea eataMcaH
os felizee bilhetes garantidos, aoa aJadataaf da
tirar qualquer premio ceno prora
annuncio*.
Acham-se venda oe araho fctaL
nanos em beneficio da nova tartjr a !
qae ser extrahida sexta-feira SS ao corrale i
lateiro CIM|
Hato 31000
Qaarto 11009
De 40f>|000 para c mi.
lateiro 8*400
Meto 91700
Qaarto 11380
1 fco Joaquim da i
Precisase alagar ama casa terrea ao
da Boa-Vista, nao exeedeno
301 mensaes :
ATTE
a afeagaaV
ar1
O Sr. Mnaaaaaaaaaal
ss
Ssst
Precia a-se de i har e engom |
rador n. 79, loja. . 1a ra do Impe-1 Hkaoosao
lA
m



de Penumbuco Segunda feira SI de Novembro de 1170
O salto de pianos e de
msicas
Miiani te roa 3ro a. 58, andar, pan a
""" taaenlrii n. 12, leja.
erte coartada ratc-mandando-se ao Illm
WHc_
^ Q. Wermlroar
YICTOUANO PALQArIr:
MOFINA
----------aoUHm. flr. Ifnacio Vaira
erbio na aktate teNaiareth desta
latera Tira roa do Imperador .
aquella aefc L*l ------
K3
Man raali-
em Has
pu-
nwyin obsio jwruai,
mo paaiado, t depois para U-
fretro a abril e~na te ompno,
4 novo diamado para dUo
ierra do Paraguay.
!*000
BH1MSS1M1 OOVfSIfil UTT8R ARIA.
CONTBTOO :
A Mita do exl-is.
Osarra*.
A asile do asssmbro.
A lagrima
A Mate do delirio.
O mysteno.
Com ama carta critica dirigida ao autor pele
Dr. T. R. Rigueira Costa.
i toIotos brochado S#000.
AS CENTELflAS
Poesas patriticas sobra a
i toIobk brochado
NA
UVRARIA FRANCEZA__________
A luga se
urna casa terrea, sita na Capuoga, com sotio, co
cheira, e om pequeo quinul : a tratar na roa
do Vigario ti. 31._____________________
Joaquim Jos G-onpal-
ves Beltrao
Ra do Trapiche n, 17, i' andar.
Sacca por todos os paquetes sobre o banco d(
limbo, em Braga, e sobre os seguimos lugares en
Portugal :
Lisboa.
Porto.
Valen ex
Gui maraes.
Coimbra.
Chavos.
Viseo.
^ Villa do Conde.
n Arcos de Val de Ver.
Vianna do Castello.
Ponte do Lima.
Villa Real.
Villa-Nova de Famelicao.
La mego.
Lao*.
Covilha.
Vascal Valpasso).
Miraudella.
Beja.
________Barcelloa.__________________________
AIJ
__,.pla"tereelra chamada d
da teesraaro prximo
Miro, paasoo a tetan
e por eata motivo 4 noto chamado para _
ta ; pois V. S. se dore lembrar qoe as negado
de nais da lo annot, e asando o sennor ato
n_oas achava m eatodo naata catada._________
Joaqun Francisco do Espirito Sanio,
concordataria da masa taHlid de Maia &
Espirito Santo, pede aos moa credores o favor
de viran ou mandaren) receber os pagamen-
tos a I4 prestido de saa concordau ; de-
vendo, para esse fim, dirigirem-se ruado
nttMkmM
PRMEIRO E ANTIGO CONSULTORIO
BOUEOPATBICO
Dirigalo pelo Dr.
SANTOS VELLO
Os habitantes do interior podem-no
consultar por eseripo, no que seria sa-
tisMtos com promptidio.
Presta-se tambom a chamados para o
inferior, a preco mdico.
Consulta, no consultorio das 10 horas
ao meio dia. -
Chamados, a qualquer hora.
Aos pobres gratis. i
43Ra do Barao da Victoria43 I
CompanhiaAllian^a
eelebelecida
secaros _
na BdbUem lSdejueiro
de 1*70

DYVETOT
M-taa Eslreita do Rosario-14
Compra e vende roupa feita
nova e velha, objectos de
cos'mha e de mesa, e
ludo que perten-
ce ao uso do-
mestico.
Na praga da Independencia n. 33 se da di
aheiro sobro penhores de ouro, prala e pedrai
oreciosas, seja qual for a quantia; e na mesm
tuse compra e vende objectos de ouro e prata
igualmente se faz toda e qualquer obra de en
commenda, e todo e qualquer concert tendent
mesma arte
AVISO
Rogase aos senheres abaixo mencionados o ob-
sequio Je coinparecerem no Bazar da Moda ra
do Barao da Victiria, a negocio que Ihes.diz res-
pelto:
Joao Vslenlim Vilella Jnior.
Guilherme Das dos Santos.
Joao Jos dos Santos Lima.
Jos Magalhes com fabrica de velas.
Jos Mara Fernandes, morador na villa do
Cabo.________________________________
Boa occasio.
Um moco brasileiro de 30 annos de idade
que falla e escreve a lingua ingleza, com
todas as bsbilitaces para caixeiro despa-
chante,, de embarques ou oulro qualqoer
trabalb ; precisa de um emprego. Para
informaces dirija-se a roa da Cruz n. 51,
das 9 da manha as 3 da tarde.
(Amiga roa Nova).
0BHM HMHM
D, W. B0WM4IS
EIGENHEIRO
Com fundido.
A RA DO BRUM N. 5_.#
Passando o chaforiz
Machinas vapor systema memorado.
Rodas d'agoa.
Formas de ferro para purgar assucar.
Moendas de canoa.
Taixas de ferro batido e fundido.
Rodas dentadas para moer com agoa, va-
por e animaes. *
E oatros objectos proprios d'agricultura.
Tudo por prego muito rednzido.
PADAMA
UNIVERSAL
0 abaixo assignado faz sciente ao respei-
tavel publico desta cidade e* seos suburbios,
que acaba de establecer cma padaria in-
titulada Universal, ra das Tamarineiras
ns. 3 e 5, no logar denominada Jaqoeira.
Tendo envidado todos os meios possiveis
para collocar este estabelecimento as con-
dieSes de poder satisfazer a necessidade
que havia de um estabelecimento desta es-
pecie noj arrabaldes desta cidade, o abai-
xo assignado espera a valiosa protecejo de
todos os seus moradores.
Promelte o abaixo assignado que s em-
prega na confeccao dos artigos que se pro-
pe a fabricar no dito estabelecimento as fa-
rinhas das melhores qualidades, sendo tudo
feilo pelos systemas francez, inglez, portu-
gusz e ailemao, para o que j tem contratado
trabajadores estrangeiros, conhecedores
desses systemas.
Para maior commodidade dos moradores
desta cidade o dos seus suburbios, o dito
estabelecimento ter diversos depsitos para
os artigos do seu fabrico em differentes
pontos da mesma cidade e dos seus arre-
dores, os qoaes sern publicados em pr-
ximo tempo pelas circulares part culares di-
rigidas aos moradores dos arrabaldes.
FREGUEZIA DO RECIFE.
Ra da Cruz n. 13, confeitaria do Sr.
Miguel Ferreira Pinlo.
Em frente a roa do Vigario, armazem u 2,
denominado Novo Mundo
FRECUEZIA DE SANTD ANTONIO.
Roa do Imperador n. 26, confeitaria dos
Srs. Rodrigues &. C.
Oude se encontrar pao, desde o mdico
preco de 20 at 200 rs.
No dito estabelecimento e seus depsitos,
tanto na cidaae como nos arrabaldes, rece-
bem-se encommendas de bandejas para ca-
samento, partida ou para qualquer outro
fim, as quaes devero ser dirigidas em car-
ta fechada, em que se determine, pouco
mais ou menos, o valor das mesmas en-
commendas, as quaes sero entregues no
lugar da residencia dos freguezes.
Gustavo Adolpho Wurffbain,
Este antigo estabelecimento, acha-se hoje montado n'uma
escala de poder servir vantajosamente os seus fregueses, atien-
to o grande sortimento de joias d'ouro, prata brilhantei, que
sempre tem e recebem mensalmente das principaes fabricas da
Europa- cujos presos sao em competiveis e as obras garantidas
de lei.
1IOREIRA DVARTE .
ATrENCAO^
GAZ GAZ GAZ
Chegou ao antigo deposito de Henry PorsUr 4
_, roa do Imperador, um carregamento de eai
de primeira qualidade; o qual se vende em partida
a retalho por menos preco do que em outr* qaa
Priado.
Precisa-se de um criado que d flanea sua"
conducta, prefere-se um menino de 12 a 16 an-
uos : na ra nova de Santa Rita n. 59.
ARIA.
Precisa-se alugar urna ama forra ou captiva
para casa de familia, d se bom ordenado : na
ra da Concordia n. 29, ou na ra da Cruz nu-
mero W).
Ama
Precisase de urna ama
.o 66.
na ra de Sania Rita
Aluga-se
um sobrado na ra d > Hospicio n. 35 de um andar
e soto, para grande famitia : a tratar na ra da
Imperatriz, loja n. 44.
Associatjao Cornmercial Bene-
ficente.
Nao se tendo reunido os membros desta asso-
ciacao em numera sufllciente conUitutr-se a as-
amblea geral, convocada para o dia 18, sao no-
vamente convidados para reunirem-se terca-feira
23 do corren te a 1 hora da tarde, na sala das ses
ses da mesma associacao.
A9sociacao Cemmercial Beaeficente de Prnam-
*>uco 18 de noverabro de 1870.
Jos da Silva Loyo,
Presidente,
"Jos Henrique Trindade,
Secretario interino.
AVISO
Pele-se ao Sr. Jannario Raymando Gomes, es-
tadante de preparatorios, fllho da provincia do
Maranbao, que tenba a bosdade de vir rna da
Esperanca (Camnho-novo) d. J7, reajar o nego-
cio que nao deve igaorar, e sao o fazendo como se
pede, se publicar neste Diario a razio por que
chamado.-
Precisa-sede urna ama forra ouescrara que
cozinhe Inm e engomme : na ra nova de Sama
Ritan. 57.____________________
Aluga-se o i andar do sobrado n. 3 na ra
Ai Vigario ; a tratar no trapiche Querr,
Aluga-se a casa terrean. 21 da ra do Hos
picio: a tratar na mesma rna n. 23..___________
Ai
Precisa-se de urna ama que cosinhe bem, forra
ou escrava, para casa de pouca familia : tratar
na ma Nova n. 50, 1 andar.
Precisa se de urna ama forra ou captiva que
saiba cosinbar bem o diario de urna casa : tra-
tar na rna do (inane d Cxia. loja n. 1.
VERDADEIRO LE ROT
de IClltCmET
Rus de Saine,
Docteur-MMedn
51. A PARS.
Em cada garrafa, val, entre i rolhi e o ptpel un
relio com o Sillo 1mpial m COTnNO rsAwcii.
S JT.B.-Reme-
/L/' ** tendo-Mumalettra
-4_^> ^->* brePjrli.icdtiTel
a 60 o maxuno^on-M
do abtUmento e do
malor deHMto.
AMA
Precisa-se ama ama para casa do
geir de tres pessoa?, prefere se escrava
da Imperatriz n. 9.
estran-
na ra
AMA
Agencia em P___mko
Do Dr. Ayer
Peitoral de Cereja
Tem a aatil^ de participar aoa seos numerosos fregnezes, qne em vis de ser-lbe W_h mam^tm
tahsWido ama nova fabrica de chapeos de sol, na roa da Cadeia do Recife n. 9, b(j roa do Ma qoex de inda.
onde ach ro ?s pendentes, muilo avuludo sortimento de chapeos de sol de todos os precos, qoahdadea e por pw-
\v______.. ~, _rH ___ Ar.prJ>imAn_ aos Srs. compradores por atacado
ierem escolber u ar-
rmr^_mXTocompoHa o^so" merddo7 c^dam 9__T___S **\ *___S ^
darem sendo possivel suas encommendas, pois poderlo assim serem mais bem servidos, visto poder
macoes as tazendas qne a demora da fabricaco bem diminuta,___________________________________
NA ANTIGA E BEM CONHECIDA FABRICA
CHAPEOS DE SOL
ra DA
Eua do Barao da Victoria, esquina da Caniba do Carmo.
(Antiga Ra Nova^
Ha sempre nm grande sortimento de chapeos d sol de seda, merino, alpaca bretanha > j-t f^
do e de algodo os todos os tamanbos e feitios, alm da immesa porco de teda, menn-f_!___.
armaces de todas a? Q-^ades para satisiazer qualquer encommenda. A mod.ctdade de seus precos tao coobeada
qae escasa de mencionar.
II m DO BARIO D4 VICTORIA 41
Precisa-se Vin urna ama
33, p andar.
n roa do Vigr
Neste novo armazem tem um
variado sortimento de fazendas
francezas, inglezas, allem5as e to-
das todas se -vendern por precos
mdicos, afim de acreditar a este
novo armazem.
Casemiras inglezas,
francezas, de todas as
qualidades, brins de
cores e brancos, colei-
rinhos modernos, cha-
peos de sol de seda,
finos. RA
DE
ARRUDA IRMAOS.
ilaro da victoria
antiga rna
NOVA
N. 41.
Assim como tem ama grande
officina de alfaiate, montada com
todos os preparos que ba de melhor,
dirigida por habis artistas, qoe
pela sua promptidio e perfeicao
nada deixam a uesejar.
Roupa de todos os
amanhos para bomens
meninos.
Por todos os paque-
tes recebem-se as me-
lhores e m*is moder-
nas casemiras qae ba
na Europa.
RA
Barao da victoria
tig.-i roa
NOVA
N. 41.
Este estabelecimento acaba de soffrer urna reforma radical em acceio, artistas e commodos, 8 P^-***___*__
mendas, finalmente em tudo afim de melhor sen-ir os seus numerosos freguezes deixa-se de annanciar todas as razenaas, para
oo se tornar massantef________________
Companhia Phenix
Pernambueana
A directora da companhia Phenix Pernambu-
eana deliberon que os premios de seguros por ella
realisados quer martimos quer terrestres sejam
pagos no acto de celebrar se o contrato.
Pernambuco i 1 de outubro de 1870.
Pela companhia Phenix Pernambueana
J. H. Trindade.
F. F. Borges.
Luiz A.{Sequeira.
SWMMWMW0KM9BKKMW
Na ravessa da roa
das Oazes n, l, pri-
meira andar, da-se di-
nhelro sobre penhores
de onro, prata e brilhan-
tes, seja pal for a (pan-
lia. Na mesma casa com-
prarse os mesmos me-
taes e pedras.
ag
(Cobrado para alugar
1 e 2 andar e eotao n. 6 da rna d
0
de Caxias
,_ do Du-jue
a jratar no Corar'n de Puro,
Escrava.
Precisase de urna pira cosinbar e lavar :"oa
rn de Hortasn 30, sobrado.
ferro
RCA DA CRU3B H. t
Chapas de ferro galvanisadas para'telheiros, etc.
Tachas de ferro para assucar, etc.
Formas de ferro para assucar.
Arados americanos.
Carrinhos de _2o.
Venezianas para janellas.
Machinas de descarocar algodSo.
. Machina de cortar fumo.
Mchica de cortar papel.
Motores para dous cavallos. .
KMKT KttatVo. __.*_. _- ^
muitos outros artigos. __________1-______M_______
OS AMERICANOS
CILYNDRS PARA PADARIAS
rem de virera vel-os ao grande deposito do ^^ ^^
BASTOS
IiO.J,t! DAS MACHIMAS
rbo __m_'K mp w i
OUHVORA BA DA CADEIA
ni.
rrecUa-M t i
_*_
ferra
l-ri
COIHPMHIA
i_I_OSJu__IOS
RECIFE V OLnDA.
Por ord_i da d.rrrtoria ao ccavi__n
os Srs. aciooisias para, m pmo de dtx
das contados do da II ao da I > car-
rente, recoibertm a 2a pres_rio "
aeces, na raiio de 10'/.. do caprtal da
i* eoissio. Pan este B_ ser* efomio
o Sr. ibesooreiro no cripter 4a coapa-
nhia das II horas da dh__ te 1 born da
Urde, de todos os das alcia.
Escriptorio da lp_ a, 8 4t Maca-
bro de 1870.
Joao Jomqmim Ahn,
I secretario.
Precisa m te ana prwoa nti_ti, _-
telligeMe e acta, qor laaka eoobec__ e pr-
ca te drogara : a Halar aa rea te If r~<:
n. H
5.-0004000
Esli vate m fe iats Mteaw te bsu te
Babia, na casa feliz do rcate Coaecte, loja te
oorTes no Recife.___________________________
SEGUROS
MARITIMOS
E
CONTRA FOCO.
A companhia Inemnisadora. esubelecida
nesta praca, toma segaros martimos loore
navios e seos carregameotos e contra fogo
em edilirios, mercaduras e mobias
roa do Vigario o. 4, pavimento terreo.
rrecisa-se alagar orna arela erara te ate*
na ravessa da ra Baila a. 8.
idade
Frederico Haya
Orurgiao dentista
Acha-se em seo coasallorio pan os
de sua arte nos dias nleis tes 8 horas te i
as 3 da urde, e aqoellea qae por toas ocenaa-
;des nao poderem comparecer acaa teas o acba-
rao das 9 horas da manbaa as 1 da tarte no* te-
mingos e dias santificados. Tambem continna a
prestar se a qualquer chmate, lano na ctete
como para (ora delta, sendo procurado ea a
consultorio a roa do Duque te Cax_i, sbrate
amarellu com entrada pela praca te Pete II.
Hotel Aurora
Roa das Trincbeiras numero 48.
Manoel Garrido aannncta ao pobtico qoa e
acba aberte este nore, eleganle e eo_modo ettabe-
lecimento, em qne se pote bem apreciar a eoafee-
cao dos productos da arte enlinaria.
Recebe assignatnras para alimentacio, uoio ao
estabelecimento como para os domicilie*, e tam-
bem encommendas particulares salisfeilas com
decencia.
Sorvetes de finas fructas noite, e nos sabbados
asaborosaMAODEVACCA.
As bebidas e gneros de consamo esli bem re-
presentadas neste eslabeleciment
Aluga-se
o 3 andar do sobrado n. 8 dama da Imperalrii:
a tratar com i. 1. deM. Reg rn#o Commercio
n. 34.
O Dr. Joaquim de Aquino Fonstca, bacharel Er-
nesto de Aqolna Fonseea, Antonio Augus-to da
Fonseca, Decio de Aquino Fonseea e Pergentmo de
Aquino Fonseea (ausente), agradcem a. todos os
seus amigos e pareles o caridoso obsequio de
assistirem as exequias de sea floado pai o eom-
mendador Thoma de Aqalno Fonseea ; e te novo
rogara se dignera asentir a mista que por sna alma
mandato resar na capella do ceroiterio publico,
quarta-feira S3 do correte, as 7 horas da ma-
nbaa. .._
A pessoa que precisar te ama ^ostorslra,
qne cose ptimamente de alM^^^VM0 ***"
tidos de sentua, dir Faraaau
tratar.


- - Diario de Peraambuco Segunda eira 21 de Novembro de 1870.
3=
I
AO ARMAZEM
DO
VAPOR FRANCEZ
1.7-MIi 1M-1,1
Este conhecido estabelecimento acha-se constantemente bem sortido, em virtude das
facturas que recebe por todos os vapores e navios francezes, dos artigos abaixo menciona-
dos, precos os mais resumidos que possivel.
CALCADO FRMK
Botinas para enhetras e meninas.
Botinas pretas, brancas e de multas outras cores, sortidas e bonitas, do ultimo gos*
(o da moda, e precos mais barates do que em outras partes.
Botinas para horneas e meninos.
Botinas de biierro, cordavao, lustro e pellica, das melbores fabricas e escelhidas.
Botas e pernelras russlanas.
Botas e peroeiras para mantaria, das melhores qualidades, de conro da Russia, lus-
tro e buerro.
Sapatos de borracha para horneas e senhoras
Tendo chegado grande porcao de sapatos de borracha vende-se pelo custef afim de
desempatar o dinheiro nelles empregado, sao baratissimos.
Sapatos de lustro para horneas.
Sapatos de entrada baixa de couro de lustro com salto, de muito boa qualidade.
Abotinados para meninos e meninas
Sapatos abotinados de differentes modelos, de muito boas qualidades e fortes, tanto
para meninos como para meninas, muito baratos.
Sapatos de tpete.
Sapatos de tapete aveludado, de casemira, de charlte e de tranca francezes e por-
tugueses para homens, para senhoras e para meninos.
PERFUMARAS
Eicelientes extractos, banhas, leos, agua de cologue, florida, divina, lavande, den-
triflee, de toilette, sabenetes, tintura para cabellos, pomada angroise para bigodes, pos de
arroz etc., tudo isto de primeira qualidade, dos afamados fabricantes, Condray, Piver e Luoin.
Quinquilharias
Lavas de pellica do conhecido fabricante Jonvin, espelhos para sallas, quartos e ga-
binetes, toucadore- de diversos tamanhos, leqnes para senhoras e para meninas, abridores
de lavas, brincos, pulceiras, botes, correles e chaves de relogios e tranceln*, tudo de
onro de lei, correntes e brincos de plaqu, a imitacao e de mais gosto do que as de ouro,
caixinhas de costura ricamente guarnecidas e ornadas com lindas pessas de msica, alhuns
e caixilbos donrados para retratos, caixinhas com vidro de augmento para distinctamente
ver-se a perfeicao dos retratos, objectos de phantasia para toilettes, bolsinhas e cestinhas
de seda, de velludo e de vimes para braco de meninas e senhoras, ditas para costuras, pe-
queos registros muito finos e delicados, bouquets de flores de porcelana, jarros proprios
para gabinetes e santuarios, quadros promptos para collocar-se vistas, molduras douradas
para quadros, estampas finas de paysagens, cidades, figuras e de santos, vidros- para cos-
moraroa, mates, saceos e bolsas de viagens, esporas, chicotes, bengalas, ocuros, lunetas ou
-pecsioez de prata dourados, gravatas pretaa e de cores, abotoaduras de collete e de punhos,
carteirinhas para notas, thesounnhas e caivetes finos, pentes, escovas, ponteiras de espuma
para charutos e para cigarros, joeos de domin, rodetes, bagatelas e outros differentes, ve-
nezianas modernas muito conveniente para portas e janellas, cosmoramas, lantemas mgi-
cas, esteriocopos com interessantes vistas de figuras e das mais booitas rnas, boulevards,
pracas e passeios de Pars, photographias e caixinhas mgicas, reverberos para candieiros,
tapetes de vidrilho e de la de cores para ps de lantemas, realejos grandes e pequeo?,
harmnicos, acordions de todos os lmannos, bercos de vimes para crianzas, sapatinhos e
toucas de lia, carrinhos de 3 e 4 rodas muito elegantes para conujir enancas passeio ; e
outras muitas quinquilharias de phantasia, francezas e allemaes, precos muito em conta.
I 3^Q9^3Q)(D3 P&B& 12131311(393
Para este artigo nao ha espaco nem tempo para a massante leitura da inflnidade de
gneros de brinquedos fabricados em diversos paizes da Europa.
ATTENCAO
O dono deste estabelecimento pede ao publico em geral que continu a visita-lo
verificando as qualidades e os precos baratos de ditos objectos por serem viudos em di-
reitura e de conta propria.
w*;
MO DE OURO
Nova loja de joias
RA DO CABUGA' N.9 A.

DE
Manoel da Cunha Saldanha & C.
Acaba de abri-se este estabelecimento de jias, o qaal tem grande sorti-1
ment de todas as joias de ultimo gosto, as quaes vender o mais barato pos- '
sivel.
Todas as joias sero garantidas otiro de lei, pois os seas donos tendo em
visto so adqainr freguezw aao olvidarlo, vender bm e por prens os mais
razoaveis possiveis.
Convida-se o publico a vir a est estabelecimento, cierto de aae ficar
-_ tisfeite. H
A' MO DE OURO RA DO CABUCA N,D A
ATTENCAO
Acaba de sabir htz ESTiBT0 5
Jos Joaquim da Costa Maia, tm venda no sen amasan, silo no largo do
Pelourinho n. 5, os objectos seguintes, e que vend por precos mais commodos do
que em outra qualquer parte :
Oleo de inhaca.
Couro de lustro.
Saceos de topa.
Estopa em peca.
Vinho Bordeaux em caixas.
Feltro em peca para forrar embarcarles.
Encerados.
Telhas de ferro galvanisado, de differentes tamanhos, para cobrir casas.
Ferro liso galvanisado para forrar embarcaedes.
Pregos galvanisados.
Cantara de Lisboa.
Dita.soleiras.
Dita marmore.
Taboas de marmore de differentes grossuras.
Ladrilhos de marmore de differentes cores e tamanbos.
Ditos de pedra de Ansam. pretos e brancos.
Tmulos de pedra fina de differentes tamanhos.
Pedras para lavatorios.
Taboas de looza.
Pas de iorjza para cosinha.
A M A MAIS CAUEIIONBRINCOS
. A tintura japoneza para Ungir os cabellos da cabeca e da barba, foi a nica dmit
tida Escposifo Universal, por ter sido reconhecida superior s todas as preparaces
ate boje existentes, sem alterar a saude. Vende-se a 1(5000 cada frasco na
Ra da Cadeia n. 51 r andar.
B
Vende-se
NA
Livraria franccza.
A
m ira
NOSSO SENHOR JESS CHKISTO.
IMARLA SANTISSIMA
E
VARIOS SANTOS.
A saber:
Setenario do Scnhor Boro Jess dos Passo?.
Offlcio do Senhor dos Passos.
Novena do Menino Deus.
Novena de N. Senhora da Conceicao.
Setenario das Dores de Marn.
Offlcio dns Sele'Dores de Mara Santsima.
Novena de N. Seutiura do Carmo.
Offlcio de N. Senhora do Ca r.io. -
Novena de N. Senhora da Penha.
Cnticos de N. Senhora da Pcnha.;
Novena do B. S. Juo Haptis'.i.g
Novena da Senhora Sant'Anna.
Trezena de Santo Antonio.
Novena do B. S. Jos.
Uro bonito volume encaderaado.
FAVILHAO DA AURORA
Ba da Imperatriz n. 2 *
A' este novo e sumptuoso estabelecimento de fazendas acaba de chegar directa
mente da Europa o mais esplendido sortimento de fazendas proprias para a fasta, tanto
para homens, como para senhoras; descrever e especificar o que de moderno e de mais
apurado gosto nelle se encontra seria impossivel; mais para que se possa fazer nma
aproximada idea, mencionaremos com especiali lade :
Ricos cortes de vest los para casamento, chegados no ultimo vapor.
Ditos ditos de ditos de seda deseubos inteirameote novos.
Ditos ditos de ditos do 13a com barras, fazenda inteiramente nova.
Vestidos de cambraia para baptisado.
Popelinas d seda dos gostos mais modernos, variado sortimento de cambraias, e
cassas de cores, lindos e modernos deseobos.
Sedas lisas, lavradas, pretas e de core.
Gretooe para vestidos, modernos g stes.
Alpacas de c res, impossivel descrevnr a variJade de gostos e padr5es.
Gbilas finas, claras, escuras, pretas, iodescriptivel o variadsimo sortiment.
Bjlloes de todas as qualidades, cores e tamanbos, entre os quaes uns sao inteiramente
novidade.
Saias bordadas para senhoras, grande qoaniidade de gostos.
Camisinbas bordadas para senhoras muito modernas, grande variedade.
Entremeios e tiras bordadas em todas as largaras.
Camisas para homem, bordadas, lisas, e collerinnos, completo sortimento,
Lencos de cambraia bordados, lisos e de barras.
Ch.|os de velludo, palba, merino, feltro, o que ha de mais moderno e lindHsimcs
gostos.
Cortinados bordados, e ricas colchas de seda, e de crochet.
Bareges de phantasia, fazenda propria para baile.
Taratanas de cores com palmas lindsimos gost03.
Borns de cores para senhoras.
Gravatas ^ara homem, grande sortimento em feitios e cores.
Bretanhas, esguiao e bramante de todas as larguras.
Laazinhas de modernos padres e 'iodos gostos.
Metim da Inlia fazenda inteiramente nova para vestidosede lindo effeito.
Finalmente rene sie estabelecimento tudo que de melhor e mais moderno se pode
encontrar em fazendas como em perfumaras finas, das quaes tem um completo sor-
timento.
AOS lUVALHEItOS
Offerece igualnvenie a vantagem daencoatrarem nasie est'Delecimeuto :
Pannos linos, pretos e de ores. *
Casemiras pretas fo?s, e ricos gorgoras para collete.
Ditas de co.es, de quadros, lisos e de listras, completo sortimento.
Brins brancos Je linbo de f das as qualidades.
Ditos de cores, lisos e trancados, gran e sortimento.
Um babil artista para cortar e dirigir qoalqoer obra, que s se entrega a contento
do freguez.
Urna modista igualmente i ecupaia nos trabolhos do PAVILHO DA AURORA, di-
rige os que ILe s2o concernenies, apromptando a capricho qualquer TOILET-, garantin-
dc-se a mais completa perfeicao nos setis trabalbos.
Em resumo concluimos
Por chamar-attenco do respeitavel publico para o nosso estabelecimento, que alm
de 1er tu 'o qoe se pode lesear em fazendas e perfumaras tem o mais COMPLETO SOR-
TIMENTO BE ROUPA FEITA, pa a homens e meninos. Man lam-se as fazendas em
casa das Esoas. familias, e dam-.e amostras.
Um compieto sortimento de esteras da India, por menos preco que em outra qual-
quer parte.
Aberta das 6 horas da manha s 9 horas da noute.
PARS
':
I
PAFIS
I
E*sd)retudo s suas propriedades eminentemente absorbentes,
que o menda--o especialemente cntra as affeccoes seguintes
GASTRALGIAS
DYSPEPSIA
PYBOSiS
AZIA
DIGEST6ES OIFFICEIS
DORES OE ESTOMAGO
CONSTIPACXO
' CLICAS
OIARBHEA
DVSSENTERIA ,
CHOLERINA
MODO DE EMPBEGOr crodBWlloe (liarliondBelliirj
toina-se antes ou depojs de cada comida, sob forma de P ou de
rutilliM. Geralniente o bem estar sente-se logo depois das pri-
mearas dose*. Una nformacao entensa acompanha "cada vidro
ile p e cada cnixa de pastilhas.
Upoaito em Paria, L. FHERi:, 19, roe Jacob.
Vends-se na pharmacia e drogara de P. Maurer C,
T
y 't

PARS
I
"
I
PARS
23000.
Vinho, Pilulas, Xarope e Timtuu
M JURUEBA SIMPLES E FRhUQlN.030.
Ot-eo, Pomadae Emplastro da mesw.
,'lakja preparados ph
8ARTH0L0HE0 & C
Pharmaceuticos- Droguista
l'E^li.MUHO
A Jnrubeb : ettt plactt boje reconhec:.
corao o mais pederoso inico, como o mli:
j'.obsiruentc, ecoiou lal applicaria aoi padecimeiitO;
do figtdoe bago, bepaiiiea, dareias, turnares ;.dii
no e e'pecialmenl do ntero, hjJropesias, erj-
pellas, tic.; e a^sociada ao ferro ulil aas pallida.'
cores, cbloroMs e falta de menatraaco, desama
ios do estomago, etc., e o que disemos atiesta;
iunumeras coras importantes obtidas eom dosi>
preparados j bem couhecidos e asados pelos i..
lislioctos mdicos do paiz e Portugal. Em todbs ei
uossos depsitos distribuimos gratis folbele* qu
melhor fasem conhecer a Jurabais saos rasilud
applicaelo.
Salsaparillia de BrisIoL
LEGITIMA E ORIGINAL
tu nt.\scos GANDES
Loro muito maior vantagem compram-se
ouro, prata e pedras preciosas e n obras velhas: na
loja de joias do Coracao de Ouro n. 2 D, ra do
Cabug.__________________
Compra-.se urna porla, que tenha tre-
se e meio palmos de altura e seis de lar-
gura, que seja de unarelln, e qi e esteja
em bom estado; oesta typographia se
dir.
VENDAS.
NOVIDADE.
O Costa, proprietario do armazetn da Pedra
Maamore ra das Cruzes n. 42, ollerece por di-
nbeiro contado o que de raeibor ha no mercado,
por ter recebido rauitos dos gneros descriptos
pelo ultimo vapor.
Cbocolate de I a 1,1800 a libra.
Especial o anteiga i.glera e frajiceza.
Horialices para sopan denominadas Julienne, que
substitue perfeitamente as mais frescas ervas.
A verdadeira farinha americana vinda de conta
propria a 320 rs. o maco de urna libra.
velas stearinas a 500 e 640 r. o maco.
Bolachinhas de tod<.s as qualidades e dos me-
lhores fabricantes.
Ervilhas francezas e portuguezas.
Vinho de todas as qualidades.
Especial e aromtico sabo de familia a 500 2
o kilo.
Molho inglez.
Ameixas e marmol iJas dos melhores fabrican-
tes.
Caf de Moka.
Vendem-se tres carros de 4 rodas para um
cavallo, sendo um de dous asfentoi.outro de dous
a quatro (a vontade) 9 outro de quatro, sao expel-
ientes carros americanos : na ra da Florentina
numero 14.
Aguad Vichy
Das fontes
HAUTERIVE E CELESTINS.
Vende-se por menos do que em outra qual-
quer parte no armazem da ra do Vtgario n. 11.
Farelo novo de Lisboa
Vende Manoel Jo^mira Gomes Braga, em saceos
de 100 libras a 4*800 : no armazem amarello de-
fronte do arco da Coneeicao.
OGRANDE PURIFICADO!, t>0 SANGUE!
Esta excellente e admiravel medicina, e
preparada d'uma maneira a mais scienti-
ca por Chimicos e Droguistas mui doutos e
d'uma instruccao profunda, leudo do raui-
tos annos de experiencia ao par d'uma lon-
gae laboriosa pratica.
A sua composico nao consiste d'um sim-
ple extracto d'um s artigo; mas sira,
composta d'extractos d'um numero de rai-
zes, hervas, cascas, e folhas, posauindo to-
das ellas, sua virtude especial ou poder
em curar as molestias as quaes teem sede
ou esento, no sangue ou nos humores;
e estes differentes extractos vegetaes, acham-
se por urna tal forma combinados poni
de conservarem em toda a sua torca, o cu-
rativo especial de virtude, que cada um de
per si possue. A raiz da planta de Salsa-
parrilha, produzida as Honduras, a que
nos usamos nesta preparado, sendo a qua-
lidade que todos os mdicos mais prozam
e estimam. Na composico da Salsa-
parrllha de Bristol entra mais de 50
por cento deste concentrado extracto. Ella
nao encerra em si cousa alguma, que pos-
sa por leve ser perigosa ou injuriosa ,
sade; e tanto n'este, como em quasi to-
dos os mais respeitos, ella inteiramente
diversa de lodas essas mais preparaces,
as quaes debaixo do nome de Salsaparr-
Iha, sao acondicionadas ou postas em gari
rafas pequeas, sendo reeditada em doses
mi diminuas d'uma colher de cha por
cada vez. Nos pelo contrario engarrafa-
mos a
SALSAPARRIltt DE RR1STOL
em frascos grandes, e assim por este modo,
dividimos com os consumidores, o grande
proveito e vantagem alcajifailo por aquelles
que acondicionara sua preparaco em gar-
rafas pequeas. Cada' um dos frascos d
nossa Malsaparrha de Bristol
oonteem a messa quantidade igual porcc
contida naquellas garrafas pequeas, e alm
disso, possue anda muito mais forea e
virtude medicinal do que aquella, que por
ventura se possa achar contida dentro do
seis garrafas de pequeo tamanho. Por-
lanto mui natural, que aqnelles, que se
acham oceupados em preparar e vender as
suas produeces, em garrafas pequeas,
murraurem e gritem contra os nos&os fras-
cos grandes proclamando, que a nossa Sal-
saparr.llia de Brsto! nao possue a
menor virtude; porm quo eTectivamen-
teso elles fwstos em silencio, miando indi-
oamos, ou simpksmente referimo-nos para
com essas centenares de certides e tes-
temunhos authenticos, por nos recebidos
de lodas as classes da sociedade, nos quaes
plenamente attestam o poder curativo e vir-
tudes maravilhosas da nossa.
SALSAPARR1LHA DE RRISTOL.
A vantagem de termos os nossos pro-
prios agentes naquelles lugares aonde as
differentes raizes, drogas, hervas, e plan-
tas de que se compem as nossas medicinas,
s3o produzidas, que nos habilita exer-
cer aquello constante cuidado e disvello na
minuciosa escolha; e o que assegura e ga-
rante uniformidade de excellencta.
Em quanto que, por outro lado, nos nao
nos poupamos nem dinheiro, nem dili-
gencias ; afim de alcan^armos o melhor
e nicamente o melhorde cada um artigo
ou ingrdient que entra na sua composi-
co ; pois levados e compenetrados da
mais firme c persuasiva confianza; que po-
demos afoutamente dizer aos doentes de to-
das as naces, e de todos os paizes, que na
Salsapari'ilha de Bristol. possuem
um remedio mais efficaz e seguro; do qui
nenhum outro, que vos tenha sido offere-
cido at hoje, e o qual por cerlo nao tiade
mallograr vossas expectativas., na prompta
e efiectiva cura_das seguintes enfermidades:
Escrfulas, Tinha,
Chagas antigs, Syphils,ouMal Ve-
nreo
CHEGARAM
As verdadeiras luvas de pelica inglezas, chega-
das no ultimo vapor, para a loja da ra da Cadeia
do Recife no II, em frente a botica, perto do Cor-
po Santo.
Ulceras, Humores Escrofu-
losos,
Feridas Ulcerosas, n'regularidadesdo
Sexo
Tumores Feminino, .
Abscessos Apostemas, Nervosidade,
Erupces, Debilidade Geral,
Herpes, Febra e Malignas e
Salsagem Febre e Sezes
Impigens, ^ Biliosas,
PILULAS
OE PEPSINA DE
PHC0 2RUF UNE
HOGG
jOvosiTo i p. MAUBEB et C'V Ptmtmkm, JOS BELLO, m Pon AUtrti[
ILVA LOPE, MdMi FEBBEIBA a C", m MarvJw.
1 -mmmmmmmmmmmmmmmm
Baratissimo.
Comprou-se grande quantidade de laas com lis-
tas de seda, fazenda de 900 ris, que se vende por
444, para acabar : I ja de Gaspar Antonio Vieira
Guimarao, ma do Qneimado n. I.
Vende-se urna carroca nova com todos
es arreios, propria para cavallo; quem pre-
tender dirija-se ao pateo do Terco n. 40, para
tratar.
Chocelate nacional.
Duas medalnas de prata e ama menco ho-
norfica.
Avilla Irrr.do Sf C,
Ba nova de Santa Bita u. 49.
Exilem poneos alimentos simples e substan-
ciaes como o chocolate, estimulando suavemente
os ervos, d ao corpo o mais puro elemento de
nutricio, e ao mesmo tempo fortificaos orgos di-
gestivos. Todos os mdicos sao unnimes re-
eommendar este alimento como o mais proprio e
substancial para as pessoas de complexan frca e
debilitada,
Vende-se
Primeira qualidade l|2 kil. 800 rs.
Homeopatha Iji kil. 1 000.
Haspanhol 1|2 kil. OO rs.
Vannille l|l kil. 14)00.
At meia arroba ar-se-ha abatimento de 10 0i0
e da arroba para ci-na JO 0|0
Caf muido a' vapor
garantido sem reteir a 800 rs. a kil., em maior
quantidida ter abitimeoto da li 0|0.
Tambem ha paeoles de i {2 kil. empacolado em
papel de estnm pa? ootwervK sempre fresco.
Lepra, febres intermitientes e remittentes,
hydropesia e ictericia, etc., etc.
Ontro-sim, achar-se-ba, que para' o bom
resultado e perfeito curativo de todas aquel-
las enfermidades cima apontadas o adian-
tamento da cura, grandemente promovi-
dos apressurado; usando so ao mesmo
tempo das nossas mui valiosa pHulas
vegetaes assncaradas de Bristol,
tomadas em doses moderadas em connec-
cSo ou conjunctamente com.a Salsaparrilha;
ellas fazem remover e expellir grandes
quantidades de materias morbficas e hu-
mores viciados que se desprendem e livre-
mente circulam espalhados pelo systema,
isto causado pelo uso da Salsaparrilha; 9
por esta forma facilita a volta e o exercicio
normal das operaces funecionaes,
Acha-se a venda nos estabelecimentos de
A. Caors, J. da C. Bravo 4 C, P. Haurer
SITIO.
Vende-se por preco diminuto um sitio perto da
praca, tem casa, agua, baixa a arvoredos : no
convento do Carmo, celiula n. 1.
A 7#000
Vend-se la para bordar, bonitas cores, pelo
diminuto preco de 7 : venham ra da Cadeia
n. 30 A, loja de miudeas.________,________
Cal nova de JJsbo
Barns grandes, a ltimamente chegida, ven-
de- se por'commodo proco : no caes da alfandega-
velha, ecriptorio de Azevedo A Barbosa Jnoir.
Ainda exisJem venda algum^s filtrdeiras
proprias para purificar agua, a quaes evitara o
cholera, febre amarella e outras molestias; ren-
de-fe na ra do Commercio n. 38. .Na mejma
casa vende se um relu|io de ouro inglez ebrono-
njetro.

1
Vmde-se sement de ooentro e alface n
na ra da 6uia n 7, taberna,
,^F


6
Diario de Pei-nambuco Segunda ira 21 e Novembro d<
1 OYA


____u
i

BAZAR DO PAVAO
60-RUA DA IMPERATMZ-60
DE
PERE1RA DA SILVA & C.
Neste imprtante estabelecimento encontrar o respeitave pnblico. ara grande e vanado sortimento de fazendas do mais
apurado gosto e todas de primeira necssidade, qne se venden mais barata do que em ootra qualquer part, visto que os do-
tos socios esta firma, adoptaran!;o systema de svenderem DINHEIRO ; para pdercm-vender pelo costo, limitando-se apenas
* ganbarem o deseonto ; as pessoas que negociam em Dequena esea'a. nesta loja e armazem poder3o fazer os ?eus,sortimeatos
oelfs mesraos preces que compram na casas inglezas, (importadoras) e para maior commodidade das Exroas, familas se daro
amostras de todas as fazendas, ou lhes levam em suas casas para escolherem.
PAIU JKHTAD08 CORTINADOS, COLMAS.
Chegou para o Bazar do Pova"o um gran-'
GROSDENAPLES PRETOS
Chegon para o Razar do Pavao nm gran-
de sortimento dos mais bonitos cortinados' de sortimento dos melbores grosdeoaples
bordados, proprios para camas e janellas, Pretos que tem vindo ao mercado, que se
qne se vendem de 100:00, at 200000 o vendem de 10600 at 50000 o covado ;
par, assim como o melbor damasco cem 8 s3o todoa muito em conta.
palmos de largara a imitac3o de damasco ALGODAO ENFESTADO PARA LENCES.
de seda, proprias para colchas, e propria- No Bazar do Pavao vend-se o melhor al-
nente colchas de damasco, sendt os melho- godSo^inho americano enfestado p-ra len-'
res e mais bonitas que tem vindo ao mer- ces, tendo liso e entrancado por preco
cado. J muito barato.
PECHINCHAS
DO
TAPETES
Chegou para o Bazar do Pavao o mais
elegante sortimento de tapetes grandes, pa-
ESPARTILHO.
No Bazar do Pav3o recebeu-se um elegan-
te sortimento dos mais modernos e melho-
ra sofs, com 4 cadeiras, d'tos mais peque- res espartilbos, que ae vendem por preco
nos, para diias cadeiras, ditos para
pianos, camas, portas ; etc. vende-se por
menos do qne em ontra qoalnner parte.
ROUPAS PARA HOMENS
No accrtditado Ba-ar do Pavo encontra-
r o re^peit-ve! publico nm grande sorti-
mento de roupas para bomens tanto bran-
cas enmo de "cores, a saber:
Ca-nisas cooupeitosd'algodao e delinbo,
para todos os precos e qnalidades.
"Cerollas de oho e algodio.
Meias curtas francezas e inglezas.
Palitos sobrecasacos de panno preto e
casimira.
Cnlgas de brim branco e de cores
Dita < de casemiras pretas e de cores, com
colletes gases _
De todas estas roupas ha para todos os
precos e qualidades, tem de mais mairl
am perito
ALFAATE
Por qnera se manda fazer com preslesa
e aceto qualquer peca de obra a capricho
on cn ti do fre^uez, tendo n'este importan-
te estabgleciment todas as qualidiJes de
panno fino, as melhores e mais moder-
na-cisemiras, assim enmo os melhores brins,
qur brinco?, qar de cor ; e quando qual-
i ner obra nao ficar inteirameote ao gosto
dos freguezes fka por conta do estabeleci-
meot i.
TOALHAS A 70500
No Bazar do Pavao fez se orna prande
compra do toalhas alcochoadas, proprias
para ro ti, bastante encorpadas e grandes,
ue spmp're se vendpram a 1120000, e li-
qurdam-se a 7500 a duziarjou a 640 rs.
cada ama, boa pechincha.
CORptNHOS HR IRCOS A 30000
No Bazar do Pavo ven Jern-se corpinbos
decimiraia brincas bordados, sendo razn-
da j'ie se aire se veadeu a 80000 e 105
um
di
e liqaida-se a 3,5000 par estarom
pon :n maltratados, pee incha, na rea
Imppra'riz o. tiO.
FUTwES DE COR E BRANCOS
Ve-ile n-se bunitos ustoe3 brancas e de
cores, roprios p-ra vestido:, e renpas de
meninos, sendo de cores a 800 ris o cova-
do e l reos, a 400 e 6i0 ris, pe-
chincha, no Bazar do Pavo rna da Irnps-
ratrizn. 60
CHITAS BARATAS
a 200 ris.
a 200 reis.
a 200 reis.
Van! m-se chitas largas com muito bons
pann o cores fiza?, pelo barati preco de
200 ris o covado ; cortes das mesnaas com
10 covados a 20O')O, pechincha, no Bazar
do Pavo.
AS CASSAS DO PAVlO
Covado 200 ris.
a 200 reis.
a 200 ris,
Vendem-se bunitas cassas de cores miu-
dinha pelo barato precede 200 ris oca-
vado, no armazem do Pavao J ra da Im-
peratriz n 60
PANNOS PARA SAIAS A 1*000, O METRO.
No Bazar do Pavo vende-se bonita fa-
zenda branca encorpada para saias, sendo
com babados e pregas de ooa lado, dando
a largura da fazeoda o compri uento da
saia, a qual se pode fazer com 3 ou 3 1(2
metros e vende-se a 10, 1#280 e 10600;
as-im como tambem no mesmo estabeleci-
meni > se vende bonitis saias brancas bor-
dadas, t :n lo quatro pannos cada ama, ditas
de 13a de Cores j promptas, urnas com
barras differenAes da mesma fazenda 45000,
e ouiras com barras bordadas 60 e 70CO1,
tado isto moderno e barato.
CARNAUBA. '
Vende-se carnanba em saceos, na roa da
Imperatriz n. 60, Bazar do Pav5o.
TARLATANAS LISTRADAS CORTE A 65500
Cheg' u para o Bazar do Pa\o om bonito
sortimento de tarlatanas listradas, sendo
verdes, cor de rosa, lirio, tendo esta bo-
nita fa7enda muita phantasia, e liqaida-se
cad* corte a 60500, pechincha ; na roa
da Im eratriz n. 60.
CASAQUINHOS DEGUIPURE A 100, 120,
160, E 200:
Chegaram pira o Bazar do Pavo os
mais moderos casaqoinhos on basquinas de
guipure com cintora, ricamente enfeitados
com laeos, e vendem-se pelo barato preco
de 10*. I ti, 160, e 200, pechincha,
i ua da Imperatriz n. 60.
LENQOS DE IORIM A 30800 A DUZIA
Vendem-se duzias de lencos fioissimos,
branc .s de morim, sendo fazenda muito
encorpada, a 30500 a dazia. Ditos de
cambraias fioissimos, fazenda qne sem >re
se ven l -a a 50000 e liquida-se a 30500 a
don* por haver muita porcSo, no Bizar do
Havao a roa da Imperatriz o. 69.
mono em conta.
PANNOS DE CROCH PARA CADEIRAS
O Bazar do PavSo recebeu am grande
sortimento dos melbores paonos do croch,
proprios para cadeiras de balanco sofs,
pianos, tamboretes e at proprios para cu-
brir almofadas e pratos; veniendo-se por
menos do que em qniqaer parte.
PARA LENCOES
No Bazar do Pavao vande-se saaerior
bramante d'algodo-com 10 palmos de lar-
gura a 10800 o metro, dito de linho cora a
mesma largura a 20800 cada metro, pannos
ds linbodo portocom 3 1/2 palmos do largura
de7Oat!0a vara, assim como nm glande
sortimento de H mborgo pu. ereguellas ie
todos os nmeros, prcg s oj quadales,
que se vendem mais barato do qoe ea ou-
tra qnslqner parta ; aproreitem-
ATOALHADOS
No Bazar do Pava"o veode-se seperior
itoalhada trncalo, com8 palmos de larga-
ra a 10600 o metro, dito de linbo adamas-
cado o c elhor que tem vhdj ao mercado a
30500 o metro ; tudo isto 6 muito barato.
FAZENDAS PARA LUTO
No Bazar do PavSo veode-sa constante-
mente o melhor sortkieito de fazendas
pretas para lutr-, como sejam :
Lasinhas retas lisas.
Cassas pretas de 13a.
Castas pretas, france.:as e inglezaSj lisas
e com salpico?.
Chitas pretas de todas as qaalidades.
Alpacas rretas lisas.
Ditis Iavr,v1as com branco.
Merinos, canto s, bomb:>zi">as, qne so
veadem mais barat i do qu,i em ootra qual-
quer parte.
CACIS-NEZ A 60000.
No Bazar do av3o vendem.se bonitos e
grandes cacbi-nez de pura 13a, pelo bara-
ta preca e 6?OO0 c&da am
a 50,
PEHICNCHA EM CAMBRAIAS VICTORIAS,
60, 70 8001:0.
Vende-se um expleudi o sortimento de
finissimas cambraias victorias, por pre?os
mais baratas do que em ootra qualquer
parte, ieido cada pega 10 jardas a 50, 60,
60500 e 70000, fluissimas a 80500 ; todas
estas cambraias valum muito mais dinheiro
e liquidam-se por este preco em relacio a
urna grande compra qae se fez no Bazar
do Pav3o.
BABAD1NH )S
No Bazar do Pav3o vende-se om grande
sortimento dos mais finos babadinhos borda-
dos tapados e transparentes, assim como
urna grande porco de entr maios largos e
estreitos, que para acabar te vende mnitn
em conta e mais barato do que em otitra
qualquer parte.
5ETINS DE CORES E GROSDENAPLES.
No Bazar do Pav3o vende-sa am sortimen-
to completo dos melhores selios e grosie-
aaples de todas as cores, qae se vendem
muito em conta.
Colchas brancas 30200, 30500 e 70000.
. Para o Bazar do PavSo chegou nm grande
sortimento das melhores colchas pretas,
sendo das melbores e mais encorpadas que
tem vindo 70000, ditas um pouco mais
baiza 30500 e ditas .30200 ; tambera no
mesmo estabeleci ment, se vende am grande
sortimeuto de crtonos e chitas proprias
para colchas que se vendem milito em cuota.
Sedas de qaadrinhos a 10280 ao corado
Vende-se um elegante sortimento de sedas
de qoadrinbos, com lind ssimas cores, para
vestidos e roupas de meninos, e vende-se
10280 cada co?ado; pechincha no
Bazar do Pavao.
CHALES DE RENDA.
Chales 200).
Chales 2000.
Chales i 2000.
Vend-se orna grande porco de chales
pretos de renda on croch, sendo pretos
com 4 pontas, fazenda qae sempre se ven-
deu 50000 e liquida-se a 20000 cada am,
pechincha no B -zar do Pavo, a roa da
imperatriz o. 60.
LINDAS BAREGES A 320 RS. O COVADO
No Bazar do Pavo vende-se o mais bo-
nito sortimento de finissimas bareges trans-
parentes com as mais bonitas listas de cores
proprias para vestido, e liquida-se a pataca
o covado por estarmos muito prximos da
festa ; ditas mescladas, fazenda muito lus-
trosa e com lindas cores a 400 ris o covado,
pechincha a ra da Imperatriz n. 60.
LENgOS DE CASSA DUZIA 30OOO
Vendem-se fioissimos lencos de cassa
com delicadas cercaluras, de crts fizas
ja embaohades, sendo proprio para bomens
e senhoras pelo baratissimo preco de 300; O
a dnzia, no Bazar do Pavao a roa da Impe-
ratriz n; 60.
Eua da Imperatriz 60,
Para Tender depresga
LINDAS JAPNEZAS PARA VESTIDOS A
A 500 RS.
Chegoa om elegante sortimento inbas do Japo, cora padrees de seda e de
muilo boa qnalidade. que se vendem a
500 rs. o covado. pechincha, no Bazar
do Pavao, raa da Imperairiz n. 60.
POUPELINAS DO JAPO A 10600 O COVADO.
Chegou um elegante sortimento de lin-
dissimas poupelinas Japonezas, com os
mais delicados gostos, tendo muito lustro
e com lMtrinhas de seda, sendo esta nova
fazenda qaasi da largura da chita france-
za o vende-se pelo barato prajo de 106CO
cada ovado, no Bazar do Pa-o.
AS POUPELINAS DO PAVAO A 20000, O COVADO.
Cheg o para o Bazar do. Pavao um bo-
nito sortimento das mais modernas e ele-
gantes ponpelinas de linho e seda, que se
vendem pelo baratsimo preco de 20000
cada um covado, assim como ditas com
goft'-s escossezes a"20iOO, pechiucha no
Bazrr do Pavo.
sedas a 20000
Chgoa a a elegante sortimoato de boni-
tas seda da listrinhas, com as cores mas no
vas qua tem vindo aa mercado e veudem-se
a 20000 o covado, ca roa da Imperatriz
Bazar do Pavo.
CRETONE FORTE A 20000 O METRO
So no Bazar do Pavao. -
Chegou o verdadeiro cretonfi francez pro-
prio para lencoes t-:ndo 10 pa'mos de lar-
gura, e muito encorpado, sendo preciso ape-
nas para cada le.gol 1 '/4ou 1 '/i metros,alm
d'esti applijacio tambem esta larga e en-
corp.rla fa/.enda propria para toalhas, saias,
ceroulas, etc. e liquida-se pelo barato pre-
Co de 20000 cada rretro.
CASEMJR'.S A 20500 CADA COVADO
No Bazar do Pavao vende-se um. grande
ortim'n'o de bonitas caserairasde urna k5
cor, sendo asol, li o, msclada, sendo He
duas larguras, proprias para calcas, palito,
e rou jas para menino, e vendem se pelfi
barato p.-eco de f05OO o covado, roa da
Imperatriz n 60.
BONITAS I.ASINHAS A 500 RS. 0 COVADO,
Vende-se delicadas lasinhas com diffe-
rentes gosto pelo barato prco de 500 rs.
o covado, do Razar do Pavao.
ALPAGAS BRANCAS.
Vende-se um bonito sortimento de finis-
simas alpaca brancas lavrad3?, imitaco
de seda, proprias para vestidos de baile cu
jasameolos no B>zar do Pavo.
ALPAGAS LAVRADAS A 400, 560 E 640 RS.
Vende-se um grande sortimento de lin-
das alpacas lavraias de todas as cores para
vestidos e vendem-se a 400, 550 e 640
e at mil e tantos res o covado, no Bazar
do Pavo.
BAREGES DE QDADRINHOS A 600 RS. O COVADO
Veude-se as mais Indas emoderdas 13a-
sinas on bareges de qoadrinbos, proprios
para vestidos, tendo quasi largura de chita
frsnceza. e lqnida-se a 640 r. o covado,
no Bazar do Pavio.
HER1NS DE CORES HAR TESTTDOS.
Vende-se bonitos merinos de ama s6
cor com cores muito proprios para vestido
e reupas para creancas por ser orna fazen-
da de pora la e muito leve, vende-se a 10
o covado, no Bazar do PavSo.
GLACS A 10000 PARA VESTIDOS.
Vende-se um elegmte sortimento desta
nova fazenda denomioada glaes sendo urna
fazenda dissimas cores, tendo tanto brilbo como a
seda e vende-se pelo barato prego de 10,
covado, no Bazar do PavJo.
CASEMIRAS A 70000 *
Vendom-se curtes de casemira ingleza de
cores para calcas^endo fazenda que vale
muito mais diaheiro e liquida-se a 70000
o corteje calca, no Bazar do Pavio a rna
da Imperatriz n. 60.
GRANDE PECHINCHA EM CAMBRAIAS TRANSPA-
RENTES a 40, 50,60, 80, e 100000
Vende-se finissimas cambraias suissas, de
muita phantasia tendo 9 varas a 80500 e
100000. Ditas bispo com 10 jardas fazen-
da moito fina a 50, 60 e 70000. Ditas fi-
nissimas azuladinhas, qnevalem moito mais
dinheiro, a 80 e 1O0OOO: todas estas cam-
bra ias, em relacao a qualidade, pelos pre-
cos cima sao mais baratas o qae em oo-
tra qualquer parte, no Bazr do Pav3o.
CAMBRAIA ALLEMA COM 8 PALMOS DE LAR-
GURA A 1*600, U E 2*500.
Vende-se finissima cambraia branca tran-
pa-ente com 8 palmos de largura, que faci-
lita fazer-se um vestido apenas com 4
varas e liquidase a 10600, 0 e 20500 a
vara, fazenda que vale muito mais dinbeiro.
pechincha no Bazar do Pavao.
CAMBRAIA TRANSPARENTE
Peca a 40000
Vende-se muito finas pegas de cambraias
brancas transparentes, tendo8 1|2 Tarasca-
da peca e com om vara de largura a 40.
E peehiicha, no Bazar do Pavao
DI
I ra ddlBuque de Caxias n 21!
BA DO QEIMADQ) \
Recebeu semipi :
Bpelho'rt Garieiras, dtaraelras e pon-cigarros de nrait*
qtwlidads. ''
Bonitas psls para papis, simples e matisadu
Boas caixas vasiae pm costura om sua compe-
tente chave.
, Delicadas ranetas de marflm om o bocal di
prata.
Moderaos pentes de tartaruga, sobresahindo en-
tre elles os ffllmosos telegraphTstas.
Commodos wiicadores om das gavetas e bem
espelho.
Port booquet, o que de melhor tem appare-
cido.
Port relogic* de mnitas qnalidades.
Bons talharoi para criao^as.
Vostuarios, chapoziahos, toucas, sapatos e meial
para baptisado3.
Toalhas e fronbas tfe labyrintho.
Chapeos ecbapelmtsparasenhora, moldes novot
e bonitos.
Cbapozinhos gorro e bonets para menino
meninas.
Contra as convuls5es as
criancas
Vende-se os verdadeiro collares na Nova Espe-
ranza, ra do Duque de C.xias n. 21.
PARA UNGIR CABELLOS
para fretos ou castanbos, receDeu: a Nova Espe-
rauca a verdadeira. tinta ingleza.
PABA ACABAR 0M AS SARDAS
on pannos, tem a Nova Esperanca o verdadeiro
leite de rosas brancas.
AGUA DE FLOR DE LARANJA.
Vende-se na Nova Esperanca, rna do-Buque di
Caxias n. 2t.
PAPEL PARA ENFEITAR-SE BOLOS
receben-os muito linios a Nova Esperanca, ra
do Duque de Caites n.-11.
PARA AMACIAH E AFORMOSEAR A PELLE
tem a Nova Esperanca es sabonetas de pos de
arrox. '
Qoaodo a AGHIA BRRNCA, mais precisa scientificar ao respeitave po
geral, e em particular a saa boa fregwzia, da immensidade de objectos que alt^
te tem recebido, e justamentefqtittfdo ella-menos o pode fazer e porque essa falta
lontaria ella confia e espera na benerolencia de todos que lh'a attenderao e rU
continuando portanto a dirigirem-se a bem conhecida leja da AGUIA BRANCA
Queimado n. 8, onde sempre acharan abundancia em sortimento de superiorida
qnalidades, modicidado em presos e o sen nunca desmenttido AGRADO E S1NCEI
Do que-aoima flea dHo se conhce que o tempo de que a AGUIA BBANC]
dispr, empregade apezar e seas custos nodesempenho de bem servir a aquelle*
honram procurando prover-se em dita loja do que necessilam, entretanto sem eoi
rar os objectos que por sua natnreza sao mais conbecidos ali, ella resumidamente.L.
cari aquellas coja importancia, elegancia e novidade os tornam recommefidrois, tema
bem seja
CHEGARAM,
Poqos instaut&neos aperfeiqo-
ados por preqo muito coramo-
do: na raa Nova n. 28, loja de
Antonio Pedro de Souza Soares.
Bombas completas para ca-
cimba, por diminuto preqo, na
mesma casa.
Gorpinhof de cambraia, primorosamente
enfeitados cem fitas de setim e obras essas
cuja novidade de molde e pereicio de ador-
nos os tornam apreciados.
Fitas mni largas de diversas cores e qna-
lidades para utos.
Leques uesse objecto moito se poderia
dizer querendo deserevo-los minuciosamente
por suas qualidades, coree e desenbos, tal
e o grande e variado sortimento qoe acaba
de chegar, mas para nao massar o pretn-
deme se lbe apresentar o que poder de
melhor.
Entremeios em pecas de 42 tiras.
Guipare branco e preto de diversas qua-
lidades e desenbos.
Ditos de algodo com flores e lisos.
Veos de seda para chapenas e monta-
na.
Meias de seda para noivas.
Ditas abertas de fio de Escossia.
Costnmes ou uniformes para meninos.
Enxovaes completos para baptisados.
Touquinhas de fil, sapatinbos bordados
e meis para ditos.
Camisinhas bordada para ditos.
CEMENTO
O verdadeiro portland. S se vende na ra da.
Madre de Dos n. 22, armazem de Joo Martins de
Barro
iw PARA
COSTURA
Acabam do ebegar ao GRANDE BAZAR
UNIVERSAL, ra Nova n. 22cabneiro
viannaom complet sortimento de ma-
chi jas para costura, dos autores mais co-
nbecidos,, as quaes est5o em exposiejio no
mesmo Bazar, garantindos^e a sua boa qua-
lidade, e tambem ensina-se cora perfeiejo
a todos os compradores. Estas machinas
sao iguaes no sen trabalbo ao de 30 costu-
reiras diariamente, e a sua perfeicao tal
como da melhor costure ira de P.tris. Apre-
sentam-se trab?.lhos ejecutados pelas mes-
mas, que muit devera agradar aos preten-
dentes.
Capellas brancas para meninas.
Grande sortimento de flores has.
FH de seda reto.
PERFUMARA
Grande coistan.tev sortimento dar dita,
serof re melbor qualidtade.
Lindos vasos com pos d arroz e pinsel.
Caixinbas com ditos aromticos.
Bonitos e modernos pentes dourados pa-
ra cireolar o coque.
Bonitos brincos de plaqueo.
Aderecos e brincos de madrepero/
Caivetes finos para abrir latas.
Tbesouras para frisar babadinbos.
Aspas para balao.
Notos stereoscopos com 48 vistas, a
quaes sao movidas por om machinism
amas substituem as outras.
Vistas para stereoscopos.
Bonitas caixinhas devidro enfeitados con
pedras.
Ditas de madeira envernisada com viipo
ras e com domines,
Bollas de borracha para bricqnedo d
criancas.
Diversos objectos de porcelana, proprio*
para enfeites de mesa e de lapinhas.
i :
1

ARElDOCABUGAN.Uf
Mtmi unios i
Com este titulo acba-se aberto e inteirameote transformado este antigo
estabelecimento de joias, onde os freguezes e amigos encontrarlo tudo quanto
a moda e o bom gosto tem inventado na arte de ourivesaria, o Collar de Ouro
observar delicadeza no trato e senciridade e modecidade nos precos.
Espera qae o respeitave publico venha ver o que existe de melhor em
aderocos de brilhantes, esmeraldas, robins e perolas, meios aderecos, pul-
ceiras, brincos, alfinete e anneis de todas as qualidades, prata de le faquei-
ros, colheres, paliteiros salvas e outros muitos objectos que seria enfadonho
mencionar.
Compra-se ouro, prata, brilhantes e pedras finas, permaior preco do
qu em outra qualquer parte, troca-se e concerta-se todo e qualquer objecto
perioncente a esta zrte.
A ARARA
Mi
S
ATTENCO
<
ou aluga-se os arnaazens que forana oeenpados
com a fabrica de sabio e d^siiiacao do Sr. coronel
Franca, na rna da praia de Sania Rita-nova, os
quaes offereeem proporcoe9 para bem se montar
qualqner fabrica de granie estabelecimento, com
a grande vantagem para embarque e desembar-
que : a tratar com o couimeadador Tasso.
Lourenco Pereira Mends Guimaraes, participa a todos os seos devedore
tanto da praga como do mato, que estando 1 quidando suas casas commerciaes. o que
deve fazer at o fim do correte anuo, por lsso roga a todos os seus devedores a virem
saldar seus dbitos o mais breve possivel; outro sim, declara aos seus devedores, qne
osquo nao estiveremna loja tem de pagar todos os seus dbitos, provando" isto se fara"
o abatimento que for preciso para a liquidado de suas dividas, para isto poder3o di-
rigir-se roa da Imperatriz n, 72, loja da Arara.
Vende Joaquim Jos Ramos: na roa da Cruz
a. 8, i andar
A' ra da Imperatriz
n. 00.
0 Bazar do Pavao sito a ra da Imperatriz n. 60, esta' constantemente aberta
das 6 horas da manh&i as 9 da aoute.
do Ri-3 Grande do Sv.
Contina a vender-so desle artigo no escripto-
rio de Jos Victorino de Rezende & C, i roa do
Mrquez de Olinda, ootr'ora da Cadeia o. 58.
A 30 rs., na ra Direita, botica n. 88, ven-
de-se tinta rxa e prea ca la botija.__________
Vende-se nm sitio na Cipunga, todo mura-
do, porto de ferro com ama mei-agua dentro : a
tratar na ra da Ventura n. 4, taberna.
Ps de roseiras de varias qnalidades ; assim
oomo de sapotis, abacate, ligueira, laranja cravo
s pinheira. por preco rasoavel : tratar na Boa-
rista pa do Visconde de Gyana n. Si, outr'ora
tfondgo._______________________________
Fita asul, na ra do
Cabug n. 2.
Sao chegados a este estabelecimento chapeos
pretos para horaem (formas as mais modernas) a
104000, assim como basquinos de gros-de naples,
crochets pretos para senhora, os melheres que ba
no mercado cassas de cor a 240 rs. o covado;
chitas a 200 rs.; cortes de chitas olindenses
duas saias a 6; cobertas de chita cometa for-
radas a 6 ; ditas de crochet,, ricas, a tf, u me-
lbores que tem apparecido: lado a dinheiro qae
para acabar.
lervttj* branc e preta
DA
MARCAZ
engarrafada por
Bloodo Wolfe&C.
especialmente para o Brasil
NICS AGENTES EM PERNAMBUCO.
/. Jefenes .
46.Rua dotJommegcio 46.
VBde-s- orna"
ta de ti
A fugados ; a tratar I^^H
andar.
^^Haipa cober-
^^Rue/.ia dos
Ao resto das pechinchas
Vende-se cortes de castores para calcas,
a 500 rs. Cortes de brins de cores a
10500; cortes de gaDgas para caifas a i&,
cortes de casemiras preta para calcas a
3,5500, 40, 50 e 63000.
Cortes de chitas a 2:500.
Vende-se cortes de chitas para vestipos
a 25500. Ditos de cassa para vestidos a
20500.
Pechincha a 40000.
Vende-se pecas de algodSo a 40, 50, 60
e 70OOO.
Para liquidar a 30300.
Pecas de madapolao com 12 jardas a
30500. Ditas de dito com 24 jardas a 50,
00, 60500, 70, 80 e 90000.
LIQUIDAga
Pecas de algodosioho de listra proprio
para roupas de escravos com 42 jardas a
60500 e covado 160 rs. para liquidar.
Chitas escoras para vestidos a 280, 320
e 360 rs. o covado. '
, Para acabar.
Vende-se peces de cambraias victoria, fi-
nal a 60, 60500 e 70000.
1' mito barato.
Colarinhos de papel a 240 rs. a dnzia.
Certiaades pira janellas a 50000.
Vende-se cortinapos para janellas a 50
o par. Brim pardo Uso para caifa de ser-
vico a 500 rs o metro.
Cortes de percales a 60000.
Vende-se cortes de percales d duas
saias de bonitas barras a 60000.
Cobertas de chita.
Vende-se a 10500, ditas finas a 25500,
ditas encarnadas e adamascadas a 30500,
ditas forradas 50000.
Gangas para calcas a 280 o covado.
Brim de listra ao lado para caifas a 400
rs. o covado.
Lencos-brancos a 20000 a doiia, para li-
quidar ; grande poretto de mantas para
gravatas a 200 rs. cada urna para liquidar.
Cassas francezas a 280 rs.
Vende-se cassas francezas ,para vestidos
a 280 e 320 rs. o covado.
Organdys de cores para vestidos a 400
e 640 o covado.
Alpacas de' cores para vestidos a 500 e
o corado.
LSasinbas para.vestido! a 3*0,400 e 520
rs. o covado.
O proprietarie da loja deoomtaa& Arara, declara ao respeti
seos fregnezes qae esta concluindo sna liqnidaclo, por isso que qaiza*
640 rs.
BALES DE ARCOS A 10000.
Vende-se balees de lo a 30 arcos a 10
e 10500 cada nm. Cortes de cassas em
papel a 20500 cada um, para liquidar.
Bramante de linho e algudlo cem 10 pal-
mos, de largura o 10800 o metro.
Panno de linbo a 760.
Vende-se brabante de 10 palmes de lar-
gura proprio para lences a 20800 o metro:
Lencas de seda a 80'J rs.
Vende-se urna porreo de lencos de seda
a 800 rs. cada om,
Cales de eissa a 10600.
Vende-se urna granbe porco de chales
de cassa a 10000 cada om, para liquidar.
Fostao a 360 rs.
Vende-se fusto de cores para vestidos
a 360 rs. o covado.
Algodao enfestado a 900 rs.
Venda-se algodao enfestado para lencei
e toalhas a 900 rs. o metro, dito transa-
do a 4-^200 o metra.
Ctales de merino estampados a 20000.
Vende se chales e merm estampados
cm barras a 20, 20500 e 30 para acabar
Grande porcSo d retalbos.
Vende-se grande porcio de refalaos de
cassas e chitas a 240rs. o covado.
A festa est na porta
Roupa feita encontrarlo
Por precinto razoavel
Todos se enrouparSo.
A SABER :
Liquidaco de roupi feita.
Vende-se pallitots de brinsinho de linho
proprio para andar em casa a 10500 ; Oi-
tos de ganga a 20000 ; ditos de meta ca-
semira a 3000 ; ditos de alpaca de cor
a 30500 e 40000; dito de panno tino
preto a 60, 80 e 100000 ; ditos de case-
miras de cores, a 60 e 80000; colletei
de cassioetas de cores, a 10500 *, ditos de
brins de qoadrinbos a 1001)0 ; ditos deca-
semiras de cores, a 20300, 30 e 40000.
Calca9 aznes para escravos a 500 rs.; ditas
de algodosinbo de listra a 800 rs. ; ditas
de brim pardo a 10600, 20 e 20500 ; di-
tas de diter branco de linho a 30300 e 40 ;
ditas de casemiras de cores a 50, 60, 70
e 80000 ; camisas de chita a i 0000 ; di-
tas de algodosinho, proprias para o ser-
vieo por ser fazenda forte^ a.l0i89 ^ ditas
de mosu ina a 10600 rs. BMlJifloida r'
e sos
t-sa- de
boas fazendas por pouco d
22, desde as 6 horas da
9 da noute.

d
H


to
/
f

I
Diario de Pernambuco Segunda feira 21 de Noiembro de 1870.
I
JtWto
1:200.
H
Sawtos eofn 100 libras de superior farel*
deto&arsw prcd a ctaa indicado, na rds
da Madre1 d DferrSn. 7
le rettni&o!
Ru* o o Imperado.- u. 28, ar
n azern do Campos.
Como se est aproximando o lempo dos reoabo-
fe,, o proprie'ar.o dtate esubeleefmento t esmerado em laiot reunir em seu armaiem uro
o, wnfiWH* deerever Borainalmprna todos
KSSfc SCU PT .^
Garante somente. que sua norma de ha omito
^L'endCTp?p0r ~M e ineljo por queHo
r. ^ eial eD,C0.nnntia urna aetur de cha-
tes marcas: exposicao, marqneies, normas ama-
oresu paragua^uinoj. u., 4iua
Vanham todas as despeo? dos arrabaldps e el-
qadesagrir-ae de genero de primeira qaalldade.
Farinha de mandioca da Bahia.
Tora para vender muilo nova o superior
em saccas, a preco mais connnodo do que
em Qutra qualqaer parte: Joaquim Jos
uoncalves Beltraj, no seu escriptorie ra
do Commercio n. 17.
b Sa do Baro da 1'riumpBo, antuca do
Bruro, n.9i, vende-se o seguinm por prejo\S
l d.e,Li8b0a t1 jnaB uo?* <" a no mercado.
Bofetea para barcacas e hiatos.
AtteiiQo "
iJ^trlL"^?0 e Pertence' da aberna dn
dnPffitaen,,0"se 5o romPradl- a residencia
?i Um andar Pr citna da mesnia :
traTarno mesmo sobrado.
-tf
Jos de Souza Soares & C.
RIJA DO BIRAO DA VITORI4
(OUTR'ORA NOVA)
,a.re8 Dta~se me*ai>1.rph zendas unas para Senhoras artigos de alta moda em Pars tanto para sen hora a como
para nomens e meninos.
i.m0de*' afarraadas' perfumaras especaes, variedade de lindos objectos para rae-
oraos e brraquedos para enancas.
r ,. GRANDE SORTIMENTO
Continuamente recebido por todo* os paquetea vindo dar Europa eonde teem ha
Deis correspondentes.
m rS?'fePin,,to#em?n,a e m**-** Pr em pregad, g do estabeleci ment fazendas
em casa das Exms. familias afim demelhee oscolherem o que desejarem.
TRIUMPHO
7 Ba do Queimado 7
DE
MIRA & BASTOS
de fazendas
aJ? a Venda em seu8 arraa^ns. alm de outros
ar igos de sen neg 10 regular, os seguintes, que
too vendendo a preeos mais baratos que era on-
tra qualqaer parte : H
PORTAS de pinho almofadadas.
uS.em 8ae'50S nde a 35500.
FCT^A8eHf,7Var* CerCat50S-
rvncTS k a IndJa para cama e ,orrar s*'-
rccoW ro france? Para esgoto.
i'pmp vin-pei.,>r ('m baTricas e arrobas.
pircos a8 ,aalidadej a baixoi
?.A,'iN'AS de derrocar algodao.
i nS.o r"!'des com P-'i*e da Suecia.
ui.\AS e bnaedes da Russ^a.
f'/SP5 am?rleanM Para forro de carros.
vS. ^T^anos ",uit9, bons e econmicos.
JtSZRn Bordea"x em calxas.
i w .V^9 s"Perior de Ga atier Freres. "
,rnPne eM"|o a 3< o sacco.
AGUA florida;
BABRIS de carne salgada de porco e de vacca
Farinha de mandioca de Santa
Catharina.
Ha para vender da muito nova e superior
cnegada recentemente pelo patacho rabe
e barca Sania Mara ; por preco^commodo,
a bordo dos referidos navios fundeados de-
ronte do trapiche do Exm Sr. baro do
Livramento ou entSo para tratar cora Joa-
quim Jos Goncalves Beltro, no sea es-
cnptorio ra do Commercio n. 17.
VBSfDB^SB
trana mesma" a p^ d^oDde de Eu :
4n f' CQe8ado a este ovo estabelecimento o mais bello sortimento
toas, sendo sua especialidade enxovaes para noivado.
Vestidos de blond de,seda ricamente bordados.
Gorgurao de seda branco para vestido.
Goletas de seda pura, para cama com ricos desenhos.
Ditas de 13a e seda, id'm idem.
Ditas de crox, idem idem.
Cortinados ricamente bordados para cama e janellas.
Croxes psra cadeiras e sofs. S
Vestidos de cambraia branca bordados.
Popelines de lindos gostos.
Las de diversas qoalidades, lindos gostos e modernas.
icos b .uraus para passeio, com listras de se-im.
bahidas de baile o que ha de mais rico.
Cretones para vestidos com lindos desenhos.
Carnizas bordadas e sem bordados para senboras
Camisas bordadas muko finas para homens.
Ditas inglezas para horoeos e meninos.
. em^nhortnciodnartah0' "* *** Srtmnt r0npMfeita8 fa!sewJ*'
Luvas frescas de Jouviu
ra^ SSS tfSSJEl FS8Lsahs'a,caWas para *- de -e
REMEDIO DO
DR. CHA9T5WB GBATH .
ELCTRICO
PAIW O RE DA DOR
INTERNO E EXTERNO
CUBA CHOLERA E CHOLERA MORBUS,
,Tir,.;?>ft
KIIffG OF
IARA. TJSO
l^anlie, flnxo4 Mngve, em tun da.
D* 4e eri tMimtautei.
Sr de dente, m um alante.
ITeuralgi, m oineo ainntoi.
Beelo*^!, em Tiste mianto.
0rganU inohada, em dei minuto.
CoUo eonvojia*, 6m tneo mlantoa.
l'e'nutUBio, em um di.
'ebre fbre iatenwUat, em om du.
Sor ui eoitaa e no ludo, em de mi.
uto.
Toiset perfgmaa e refriade, em um di.
Pleureia, em um dia.
Surdez e asthma.
Hemorrhoidu e bronchi.
Inflammacio no riai.
Dy>epri, eryalpele*
Molwta de flgado.
Palpitadlo de eoraeio.
RESERVE SEMPRE ESTE REMEDIO EM SUA FAMILIA
AS DOEN1S SE APRESENTA, QAIWO MENOS SE ESPEBAM.
ss= 2 me... ^.r ;r,r o^mr^errequiiibri0"" ^^^ 3 ->* h
-"jSSnBS "**"*' ^'"^""J^*"i-------"r-niA,Miiiii^iiii.,
WrScSl.SLrL^^ ^ '? ^ ^-.lara o curamonto para .
mole*,, nr.^ sssr^ qu"* 8r"ae exteieau nmun-10' m
r r- oiuw u juiniea doenv,e 1e propor9oe de medaclna se devia uar.
Est@iras da India
AZULEJOS
AZULEJOS.
AZULEJOS
,i tri" VeneT> a,'aD3 lhe'ros dos mais lin-
dos azulejos, vindos por encommenda de alsuem
que por c.rcumslancia os dispensa. No armaiem
doTasso frmao & r,., a praea do caes de A JoS
aopedji pinte provisoria.
3|po?t*n.53,ma 0rail, 3 prta* n, 53,/?/aj
/o;a do Braga .
PXaUffAIOBVGO
NA I>HARM^CIA E DROGARA DE
BABTHOLOMEO & Q
M-=34 Ra Larga do Rosario. IV. 34.
CASA CAUVI.N a^aarinier,phsas^'*4**
IOJA
^(oievrd Sebastopol, CS PABIS.
NOVAS ESPECIALIDADES A. MARINO
Aprteealadas. Academia d Scicncias e ao Inslitcto de Franca,
1 J JElfO Sob f0?*a ^ P'M^ imito e deseada pan
HWkUUHU fas Preveativi e curativa da MOLESTIAS CONTAGIOSAS
GALLO VIGILANTE
II aa do Cre|M n. 9
Os proprietarioa dcste^em tnhecido enabtk-
cimente, alm dos muitos pjectos que nham ex
posts a apreciarlo do respeitavel publico, maD-
daram vir e acabam de receber pelo ultimo vaper
da Europa uro completo, e vahado sortimento d
fina? e mu delicadas espocialidade?, as qnaes es-
tao resolvidos a vender, como de seu cosjume,
por preeos muito baratinhos e cominodos para to-
dos, com tanto que o Gallo....
Muito superiores luya* da pellica, pretaa, bran-
cas e de mui lindas res.
Mu boas e bonitas golliubas e pgnbos par* s*-
nbora, rieste genero o que ba de mais moderno.
Superiores pantos de tartaruga para coque3.
Lindos e riquissimos enfeites para jbecas da
Exm as. senhoras.
Superiores trangas pretac e de cores com vidh-
luos e sem elles; esta faieuda o que pode haver
de melhor e mais bonito.
Superiores e bonitos leques de madrepetola.
marfm, sndalo e osso, senda aquellcs br-tficoi
com lindos desenhoe, e estes pretos.
Muito superiores meias o de Escossia para'se-,
nhoras; as quaes sempre se venderam por CO^GOl1
a duzia, entretanto que nos as vendemos por 20*,
alm destas, temos tambera grande sortimento di
cutras qualidaJes, entre as quaes algumas malc
finas.
Boas bengalas d8 superior "auna- da Inla_
castao do marfim com lindas e encaiitadoras Age-
ras do mesmo, neste genero o que de meliior se
pode desojar ; al.hn desu temos tambem grana
auantidade de opiras qnrilid"!es, como sejam,ma-
deira, baleia, ossr, borracha, i ic. etc. etc.
Phios, bonitos e airosos ch:cotinhos de cadeia
de oulia,quaiidades.
Lindas e superiores gM C'i.isda e borracha
para segurar as meias.
Bojs meias de seda para senhora e para me-
as de i a 12 auno? de* iiiyde.
. Navalhag cabo de. nwliu e tartaruga para fater
barba; sao nuito bas,e de mais a mais sao ga-
rantidas pelo fabricante,,e nos por uossa vex tam-
bem assegurainss stta quarWade e decy.deza.
Lindas e bellas capellas' para nora.
Superiores agulhas para macluna e para erox
Linlia muilo boa de peso, frouxa, para enche*
labyrintho.
Bons baralhos de cartas para voltarete, assim
como os tentos para o mesmo lira.
Grande e variado sor amento (tas ajelborej per-
fumarias e dos melhores e mais cobc.Hos per-,
fumistas.
COIiARES DE ROEB? -
Elctricos magnticos con* M onvuisoes, t
faiiilitam a denticao das iciioiantes criancas. So-
mos desde muito recebedores destes prodigioso
collares, e continuamos a recebe-los por todes o
vapores, afim de que nunca faltem no mercade.
eomo ja tem acontecido-, assim pois podero aquel-
es que delles precsaria, vir ao deposito do galic
vigante, aonde sempre encontrar^ destes vero*,
deiros collares, e os quaes attendendo-se ao a
para que sao applicados, se venderao com um raui
diminuto lucro.
Rogamos, pois, avist dos objectos que deixsmoi
declarados, aos nossos freguezes e amigos a virerc
comprar por preeos muilo razoaveis loja do gac
vigilante, ra do Crespo n. 7.
. (o Tolunie rfe
IHII.TRO
ora rclogio, servindo de
* SEI1INCA sem os
IWECTfltHILTRO
ikvuuiuui lIlLlllVertm incoamienle de fragilidad.
ESTOJOS Com
BAfiTHOLOMEO i Ca
*_.(""?" de 'olume de um Port<'-Moed
COIENDO IODO 7R\TAUBNT0.
COLLTBIO Contra a affeccois das palpebras.
preparado sob a mestaa forma
7
Depositarios geral para e BRASIL e PORTUGAL
34, ra larga do Rosario. PBRNAMBXJCO.
>AMBW._
ENGEWHEIBO
Com fundieo
RA DO BRUM 52
Passando o cfasfariz.
m haS.3 aUeDC8 d0S SrS* de engeDh0 Para seus acreditados macbinisaioft
.om especialidade para seas vapores que anda tima vez tem meiborado UMCUmuiHte*
,;nn^ a vapoM forneckl8 Por elle oj funccioaaiido ie hao de fazer melhor ar.
aiacao do que qualquer dito proprio. ^,Dor aprB"
t*m nmD.es*tambem meBConar quetem feito urna redueco em seus nrecas a am
tem prompto toda a especie de machuco e outros objectospara a agrkE
Acabam de sabir a luz as se-
guintes pecas para
PIANO
J!ma~|inda walsa d'Ardi
Ideal e realidade muito benita
pbaagja pe]o maestro Cazal-
bore
Postilhao^-linda phantasia execota-
, da cj)m grande applauso pela
msica allema
Habaneras lindas dansas para-
guayas, qne tanto furor aqu tem
feito
ACABA DE PUBUCAfl-SE
a colleccao de msicas dos eavallinbt para
10000
'10000
10500
10000
PRECIOSA DESCOCERA
FLAUTA
Uecebeu mais grande sortimento de mu-
aicas para piano,, e piano e canto, e tambem
a opera *
para piano e canto, e. tambem os memores
pedacos p- piano s eomposicao do Ilus-
tre compositor brasilciro
Carlos Gomes
que tamo'Yoror fet na Itall, e boje faz no
Rio de Janeiro
A" VENDA NA
A. J. de Aevedo
A WK % inl*0,I)A VTCTOBIA (Alffl-
GA RA NOVA N. H> K
exime bS^^^^I^^V^ dep.ois, porm, de om severo
^^nlitatou^l^^fa'^&J1?* p0SSU6 ^Perioridade
nmaac^overdadeiramenteeinca^nsoK "^ t3' a daf-,he
smente em casa do autor^Andr Delsa^Sireiro de Paria.
Ra 1 de Marqo (antiga Crepo) n. 7 A andar
Kival sem segundo
BUAAUdUlIOE CytXlAS I. i
(Antiga m iifarnto)
Contina a vender tudo muito bom
muito barato a saber :
Libras de areia prea muilo boo. .
Tesouras linas para unbas e cotu-
ra a.........
Papis de agulhas francezas a ba-
jo a.........
Caixas com seis sabanetes de fruta
Libras de lia pura bordar do todas
as cores a........
Carriteis de linba Alexandre a. .
Frascos com azeite para machinas
Grvalas de cores muito finas a .
Grozas de boioes madepersla G-
Difisimos a. ... .
Novello de linba de 400 jardas a.
Caixas com 100 envelopas muito
superiores a...... .
Pentes volteados para meninas a.
Tinteiros com tinta preta a60rs. e
Pecas de fita elstica muito fina a
Lata com superior banha a 100 e.
Frascos de oleo Pbilocomo muito
fino a.........
Frascos de macaca perola a. .
Fraseos de extravio muito bonitos a
Duzia de sbemeles muito finos a.
Sabonete6 inglezes a 600 rs. b. .
Frasco com agua de colonia Pivera
Dito de oleo babeza a.....
Caixas de lampariuas a. .
Sabonetes a forma menino muito
superiores a.......
Cartilhas da doutrina fazenda nova a
Libras de linha leriidn do todoros
nmeros a......-p
Capachos muito-bonitos e grandes a'
Carriteis de retroa preto, com 2
oitavas a. -......
Agulhetros de osso enfeitados a, .
Libr de-'linha franceaa superior
qualidade a.......20420
Caixas de palito do gaz a. 00
80000
100
500
500
500
60
600
240
100
200
200
500
240
500
720
10200
500
500
40
240
400
10600
700
640
240
120
320
320
320
0000
500
160
800
100
700
400
500
Enconase sem -------*-<* H. 10
doX: rfSf d6 mnaT' qD,j,"des = ^ wSto^LBaCll!5Jl^o. o tinto,
aoces de fractas, em calda e secco, em
barnlinhos em latas.
CA1XINHAS com ameDdow e pailfftas,
SITiy3 P1"?.8?01^; M preto; miado,
a iJBft r qMlldadBi,|l,*'PwepM-
Rob-3nte-rln3unitico.
Remedio efflcacissimo contra as dores rheama-
ticas at hoj5 o mais conhecido pelos seus mara-
vilhosos' resultados.
XAROPE DE AGRIAO.- um dos medlcamen-
tos que sua eficacia as enormidades, toase e
sangue- pela-b#cca, bronebites, dore e fraqueza
no pelfo, eserouuto e molestias de flgado, que me-
lhor' tem aurorado:
TINTURA- DBUAILPUAMAv- A cetebM rail
de roarapuanM, euja nergi* e eficacia as para-
lysias, inurpecimealo, ele. etc. maite se recom-
menda. ,
Todos eses preparados se encntram na pbar-
mact e droga** de Bannolorneu 4 C.,'uni de-
pesittf na roa-taiga do Rosar n. 34;
cogrjw; viobo*finoj, chattrpagrle.'
PAPIS para sortw,
pira cobrir bolos.
PMBBWTOfflB firabt
dHs verirJadbS
______ -- *j~
* ede'otjtfoi
oar e sem mJSXSS^MSSSSl hlBt'2
Cigarros
fobrica de S. Joo
de Nictheroy.
Rival sem segundo
RA DO DUQUE DE CAXIAS N. 49
Estou disposto a continuar a vender toda
as miudezas pelos baratsimos preeos abai-
e xo declarados, garantiado tudo bom e pre-
ces admirados.
120 Duzias de palitos seguranca a____
Duzia de palitos seguranga caixa
5U grande a...................
Frascos com o leo baboza muito fino".
AXV,Paoto MW j Ihor que lia a...............
\avaibas muito finas para fazer
barba a....................
Caixa de linha bram- do gaz a.!
Vara de franjas de lidho para toa-
lhas .-.....................
Caixas com pennas d'aco de' Verry
superiores *...............'
Lencos da cassa braucos epinU-
dosa..................
Caixas com 20 quadernos de papel
pautado .....
Caixas com 50 novellos de" linha'
do gaz a.....
Duzias de meias cruas superior
qualidade a.......3*G0()
Pecas de babadinhos com 10 va-
ras a........
Pecas de tiras bordadascom 12
metros cada peca a 10500 e.
Pecas de fitas para eos de qual-
quer largura com 10 varas a.
Escovas para unhasfazeuda fina a
Ditas para denles a 240, 320,
400 rs. e. .".
Pe?as Je tranca lisas, brancas e
de cores a......
Duzia de linha frxa pira bordad
dos a 400 rs. e.....
Pares de meias croas para me '*
nos diversos tamanhos a.
Duzias de meias brancas muito
finas para senhora a. .
Pares de sapatos de tranca do
Porto ........
Pares Duzias de baralhos para vultarete
SyIabario8 portugueses a. .
CartSes com colxetes 2 carreras a'
Abotoadutas para colleta diversai
qualidades........
Caixas com peona de ac maito
boa de 320 a......
Caixas com superiores obreiasa.
Duzia de agulha para macnina a.
Libras de pregn francezes todos
os tamanhos a,.....
Pacota de papel com 20 anadea
nos.......
Resma de papel pautado superior
Resma de papel liso muito supe-
rior a..... ^
20000
500
500
500
40
500
320
40500
20000
105OC
30OOC
400
20
400
50C
40
20000
400
40000
Ocordeiro previdentt
Ra do <#uclaiado u. 1G.
Novo e variado sortimento de perfuman
finas, e outros objectos.
Alm do completo sortimento de perii
rnarias, de que effecvameate est provids
loja do Cordeiro Previdente, ella acaba i
receber um outro sortimento qus ae ton
uotavel pela variedade de objectos, superior
dade, qualidades e commodidades de p/i.
eos; assim, pois, o Cordeiro Previdente ps
e espera continuar a merecer a aprecia*i
do respeitavel publico em ger; o i .
boa freguezia em particular, nao se al.
lando elle de sua bem conhecidam.-.::;
a bar&teza. Em dita luja encontfaiJ
apreciadores do bom:
Agua divina de E. Condray.
Dita verdadeira de Murray Lammaa.
Dita de Cologne ingleza, americana, i ..
ceza, todas dos melhores e mais acredito i<
fabricantes.
Dita de flor de larangeiraa.
DU dos Alpes, e vilete para ic^i,
aJS^ odontalgico pan coamu&i
sseio da bocea.
Cosmetiques de superior qualidade e ce-
ros agradaveis.
Copos e latas, maiores e menores, cci
pomada fina para cabello.
Frascos com dita japoneza, tapare;:
e oatras qualidades.
Finos extractos inglezes, americano'
francezes em frascos simples e enfeitadoa
Essencia imperial do fino e agradavel ci
ro de violeta.
Outras concentradas e de cheiroe icu*,
mente finas e agradaveis.
Oleo philocome verdadeiro.
Extracto d'oleo de superior cualidad
com escomidos cheiros, em frascos do difi
rentes tamanhos.
Sabonetes em barras, maioraj e menor
para mos.
Ditos transparentes, redondos e em fin
ras de meninos. -
Ditos muito finos em caixinha para barb-
Caixinbas com bonitos sabonetes jaitan;
tuctas.
Ditas de madeira invernisada contendo ft
as perfumaras, muito proprias para tn
entes. *
Ditas de papelSo igualmente bonitas, tae
oem de perfumaras finas.
Bonitos vasoa de metal coloridos,
moldes novos e elegantes, com p de arro
e boneca.
Opiata ingleza e franceza para dente
Pos de camnborafe outm dififereats
quabdades tambem para dentea.
Tnico oriental de Kcmp.
Anda mais cotices.
Um outro sortimoito. de coques de a<
vos e bonitos moldes om filete de vidriljje
3 alguns d'eUes ornados de flores e fita,
esto todos expostos i aprecracao de retr
os pretenda comprar;
GOLL1NKAS- PUNHOS BORDADOS
Obras de muito gosto e i>ermicao.-
FlTollae e fita para elntoa.
BeBo e varimsortlinento de Uei^olrlt
tos, ficando i boa escom io gosto dcor
prador.
Joaqi
30600
Cabr
leiteira e manea : na ra da Concordia a. .
TWB
ai.300.
?lPBlV--
l.i Vendem-ia boneguin pi eriaie. r,h dm
Ved9.t>atBieafcriole om parfaito esudo
wl??Su&*mn''m* : no.Corredor do
Sftu iSi .Na KmMIDa tt0*'! Bffla toa-
S?JL*i*^2r*JDn'^ taB,?/ eom ^oa os
iuimEodr%ue8 la-
vares de Mello,
TEM PARA VENfiERr
em^seu esoriptorii^praca.iTGorpo Saaio-.J
Fnmo em foHiia,
de i' e t qualidado, e-vende-umouamu
I lardos a voutade dos pradores. '
Cal de Iisfcoa
ultima.ohegad*.
Pota8a daitona
Farlaia e maalMi.
Vni** Bbnfanx.
Ukm
bra *>^rnrra quakrBer parte;-
mais.;
a 5*000
lia ra do Lirrameato n, 8,
Fogfc* da patente.
Vende-se tn casa des taportadore
Snaw


-*
8
Diario de Pernamfcco Segunda eira 21 de Norembro de 1870
*

18EICETEA.
algodo.
(CoDctasSo.)
J'7!f'a aterra portn volar Jo
904,790 francos en ag'odes fiado torillo
estoalgarismo elcvou-a i 5/008.750fnnros
* nije 700 midioes do francos. Segundo
o relato-rio da commisslo franceza da Expu-
^cao do Londres, publicado-'em i854, xs
fabrica ingl-zas empregavjiu nessa po.:a.
277 milhoes de algodlo bruto, e produzitfm
247 milhoes de kilograinmas de los ou de.
lucidos, dos quaes 73 miib5es para o ;on-
summo interno e 174 milhoes para o co.n-
merwo exterior.
Do importante catalogo offkial da scelo
br.taorca, apresentado E*posci > Univer-
sal de 1867,'em Pars, v-se que a Ingla-
terra importou. no aooo d J8G5, e n r-
godees brutos o valor de 66,0au sterlmas; do qual 18,834.258 foram reex-
portados, e 47,197.935 forao destinados a
alimentar suas fabricas.
Nesse mesmo anno de 1865, as fabricas
Kiglezas produiiram em tecidos de algali
o valor de 48,923 384 libras sterlioas, das
segwotes especies*
Pac brancas e lisas.... 27,791.035 *
Ditas impresa de cor. 17,085.328
Linhas para coser....... 753.3 0$ i
Rendas e filos............. 465 Gil
Weias........................ 240.534
'Diversos artigas de pas-
samanaria.............. 587.550
Os Estados-Unidos da America sfio, nao
smente, o p-iz onde a cultura do algodo-
iro a mais extensa, romo slo tambero.,
depoi $* Inglaterra, aqueile onde a mano-
factura do aigoo tomoa o maioi desen-
volvimento; estas duas" fonles da riqaeza
nacional tomaram all to rpido incremento,
que causa verdadeirg assombro: A priroeir-'
exportado de Mofli feita para a lnla-
KZ*, em 1771," de Charlestown, foi de 7
fardos oa cerca de 1,000 kilogrammas. Em
1784. foram exportados, pelo mesmo porto,
9 4-10 mil kilogrammas. Porm. desde o
annode 1786, comecpu-se a plantar na Ge-
orgia o celebre Sea-Island, que provinba de
tiahama; o terreno e o clima eram to fa-
\oravois esi- variedade. dealgodoeiro que
iua cultura, como a de diversas outras es-
pecies, propagou-se rpidamente na Caro-
lina do mh, em Mobile, no Alabama, ele
Desda 1701, is Estados-Unidos exporla.-am
86.00) ki ogrammas de algodlo, e 3 milhoes
em 1795. Era, porm, isto apenas o pre-
udios; por quinto, as exporlaco.-s de al-
gOilio nesse paz ehvaram-se 80 mil oes
4820, 358 em 4840, t448 era 18:. i;
finalmente, em 1853, allingiram o numero
de 587 mdnoes de k togrammas, no valor
de 600 millies de francos.
Ouaiilo s manufacturas ou fabricas amr-
rieanas, as primeiras remoutOo ao atino
da 1824; porm cada orna dellas igaala
tin importan i> ao- maiores estabelecimen
Io ingleses ; e. este respeilo, Lowel nao
cede o passn i Manchester. As fabricas
americanas c ns imem urna massa de algo-
. rol qe se elevoa de 1.200 000 k-
. ;i s, em r8f^, 1-21 milhoes em
1833, isto urna quantidade ceutupl'.cad
en om periodo de 28 anuos.
A industria manufaciureira do algodlo.
em ?ranca, nao remonta alm do seclo
X.VII. Em l8, (ora importado naquelle
/. 220.000 kilogrammas de algodo em
rama, e 708.708 kilogrammas de algodlo
,, oa tecido. Em 1750, a importado
do primero foi de 1.875.000 kilogrammas,
e a do segundo de 986.344 kilog. A cida-
de deAmiens foi urna das primeiras, onde
sata industria se Citabeleceu em larga es-
cala. Entretanto, foi rnente depois da
revoluco, e prin palmenta depofs da que-
da do imperio, que esta industria adquiri
alta importancia. A importado do a godo
bruto para as fabricas francesas, que eram
de 4.770.2i kilogrammas em 1789, ele-
varam-so 10.716.465 em 1803; ....
16 414 G06 em 1815 ; 24.667.312 em
1825 ; 38.759.S19 em 1835, c assim
por diante, progressivamente. at boje. Em
1856, attingiam ao numero de 84.200.000
kilogrammas. As exportarles teem, natu-
ralmente, seguido una progressio anloga;
entretmto, foi a partir de 1822 ou 1823,
que o seu movimento de alga se pronun-
ciou definitivamente. Assim, a Franca ex-
portou, em 1780, 21.289 000 francos de
tecidos de algodo ; em 1812, 19.507 918
francos; em 1815,8.977.807 francos ; em
1825, 42.820 340 francos; em 1835,
6G.C087J2 francos, e tm 858,76 000-000
franco?.'
Acabanijsle psasar eia revistar os tres
estados*, onde a inda Aria do algodo mais
ftoresce. Citai'emos ainda, na ordem da
producto dos tecidos fabricados com sta
u'.ilissima materia Yestil, os segototes pai-
zes : a Russia, a Austria, o Zollverein. a
HespiBtf. a Balgica e Soissa. Falla in
formarles sgum obre a importancia da
faiiic3c3o na Asia e na frica ;'sabese,
apenas, que a China manpfdctera cerca de
120 milhoes rj.: kilogrammas de algodlo,
dos quaes 45 njdiov'S ife s3o foruecidos
p-la india e pala &me*ica, e o resto por
son proprio sij.
E;nprega a ndjstri do a'goiaa mais de
da Manchester.Em 1740, o negociantes
ecaram Jar as ordiduit
aof lecaloM, > qiiodo os
tes ibas eram enr*gos, BnB,m-oo*L e s
condoziam depois costas de cavallos s
princinaes cidades 4o reino. Em 1733,
china para fiar o algodo; dM fabricas fo-
ram estabelecidas em Birmingbam e em
Snnthamploo; porm ambas mallograram-
se, e nenhom vestigio foi conservado desta
invenco.
c Em 1760, adoptotMe o emprego da
iancadeira, imaginada- era 1738, por Jlo"
Kay, para dar maor largara aos estofos.
Eoi nesse mesmo anno que Roberto
Kay, filho de~Jo5o Kay, inventon a caixa de
uno estranjeiro. E esti a raicbina de cy-
lindr ios inglazaa, a a Cnuinue
dos maiioaciureiros .francez*s. O algodo
aubraetudo pres So de ion* pares de
cyliodros, am dos quaes longitudinalmente
sulcado (cannal) para dentar passir o fio

Watt magDOu, segundo se diz, urna ma- que se vai adelgacando e toreando, e depois
5 milhoes de li ;mens, dos- quaes 3 mil's corrediza, por meio da qoi o tecffo pode
se occuplo no lr.ibi1bo mnnfaclureiro. O
valor das ma binas, que elfa emprega,
calculado cm tan mithar e meio tie francos,
por meio dos quaes cria -ama nassa de pro-
ductos, que enlrega ao consumo, no valor
de 3 mimares.
Em o anno de #853, some/ite a Europa
consumi 679 milites de kilogrammasJle
algodo em rama, dos quaes 587 raWioes
foram produzidos pelos Eslados-Unidos;
31 milh5es pelo Egypto ; 30 milfiSes pe fas
Indias Orieataes : 25 mhoes pefo Brasil, e
3 milhoes elos otros paizes.
Pelo seguinte cuadro y v se quaf /oi o
movimento doi algodoes em Inglaterra,
dornie o periodo M 1856 1866'. Os Hu-
meros teem por unkdade o fardo (bae) do
peso 200 kilogrammar-
r- a a o a a y :n v v.
ai!ii-Mit-00 "13
-. hC hC _
aw* lj ix '"i '--i w "o
c: t'. po o i& m te ^j O
i- a ^1 a "o '- V "x i:
-iSMaooji-'Xw's
cu- **- ia O M .*
T.

-C*WO "-1 OS 3 1 1! Ot y 1*
taoo --sofflsso
-JX!4 X W M P ^J O? 3> i*
Oi05'55'&*HGe'w^'3""J
0-^-J'*3ca--
-s-saao-*.*-
- > o^cp-Mt^*-t*a3
>_ 6 l- _-- X p ~j Vt ii O ti.
cj '. c *-- -- x 1.0 V/eio
00 ti, X CO C-. i! 4f- --1 l f O
Si ^ i: 4- ce?" C --J O CJ t,'. J
i,; l, >S -^ t _W_l J* t& l&
C l '~ O -C X t* -4 tO l M3
Cct 14. X S -I x 2 *-
O is -i iJ O Ce p p f" p ^J
"^! ^i -i ic ns x so o: so
-- 5i it *- -- D r. i w
c: is so S -J 14 C M x cep- s:
o
GD
8
ex
o
en
I
<=r
o
03
O.
-o
cS"
2
o
c
ai
a.
H
c
ZT
3
o
se enrola no carretel (bobine).
Foi Kay, segando diz se, que conilroio
a pr-imeira Continua sobre o modelo de ma-
deira do seo anligo companheiro de infor-
tunio. Sando neces?ano nmi f irca consi-
deravel para pdr esta machina em movi-
mento, na") podia ela servir scnSo em as
fabricas, que, antes da app'icaQo do vapor,
disponham de quedas d'agoa; deu-se-lhe
por isso o nomj de tear bydraulico (tbros-
tle). Em sumraa, o fio produzido por este
tear milito mais torcido do qoe o da
ienntj. e ronvm especialmente pira ajica-
das dos tecidos. Assim, depois da valga-
risacao da machina, dita Conlbrta, fhva-se
as cadas as manufacturas, ao passo que a
trama ou ordidara era (eita pelas machina?,
ditas Jenny, pelas molheres e WAtn dos
tecel5es.
t O tear hfdranlico era a invenco favo-
rita de Highs ; assim, volgarisando a ma
cnifta Jenny, esP>rQra-se e(le por conservar
ero reserva, e si> para.5i, a fiaclo por cy-
servr-se aternalivamente de tres lancadei-
ras, eontendo cada urna destas urna trama
de diversa cor, sem ser preciso tmalase
colloca-las depois no encaixe. Foi iotrodo-
zido na mesma poca a urdidor oa doba-
doura prismtica, de ba omito conheeida na
industria dos lanificios. Era 4759 organi-
aoo-se urna segunda classe de negociantes
chamados mestrs de fiistdes, qoe residiam
nos1 campos e enapregavam oa teceloes.
Dirigiam-se olies a Manchester e ver*
diam ae pecas daqtfelles estofs ao nego-
ciaafed cidade, qofl os tingiam e os ex- lindro, atr que Ihe fosse' possivet obter ca-
los, otarraidOT ta ac* das amargorado*
oa mais profunda miseri.
A Jn*y a ConUiitti. pi grande
consum qae fnm da tram:i, ponhim os
cirJadows em graaoV aiiliouldade, pjra f'jr-Jf#ator usa recompensa pecuniaria. Esta
neeer a affttdao neile estado. Iimbotiroff falla descoberta foi segoda do melbora-
a introdcelo das cardas, ditas bloc. Norte
aperfeicoam0f>to, as cardas slo em numero
desanimo,, por qoaato a fab-ica que CartW'
rifht constraio em Doncaster nSo teve gran-
de soccosso : porm o parlamento, reque-
riment de v.rioj fabricantes, conceda ao
pedianr depois para os logares d'oude' '>
nliBra sido feitas as encommendas. Em
1760, fa&rrcon-se para cima de 5 milWies
de franoos de algoiSw.; porm, paryir
dessa poc, Manchester xfwto fostes"
em quantidade eonsideravel pra a Italia,
pital paraestabelecer ama fafefiea.
< ifeliawento, Bghs era nessa poca
pouco favorecido peia fortuna e sua famifia
assaz numerosa : os votos to tegltimos do-
genio, debateedo-se as garras da miseria
n5o deviamser atiendiiH e, asti, a des-!
Allemanba e-colonias do-norte da America,.Yoberta dsse' homem dedicado- deveria
V
Tmhnologia. N3o temes a pretengo de
tratar n'est'e ai ligo, com todos os pormeno-
res, da coDstracQio das machinas mais ou
meaos complicadas, que sao actudmeute
wxipfegadar as fabricas d'algodo ; pdu-
cos essas particularidades interessariam, e
essas pssoa poderlo encontra-las, com
todos os desenvolvi'mcntos, em obras es-
peciaes. Portanto, extrataremos apenas
d 3 Lifes de economa industrial, dadas
no conservatorio das artes c olicios, de P.i-
ris, por B anqui, a historia succinta das
grandes invem;3s que fizeram subir to
alto a industria do algodo.
0 meio mais simples de fiar o que
se ob:m com o instrumento elementar cha-
mado roca, ainda hoje usado nj HindosiSo.
este modo de tecer devido a superior-
dade das gangas e de outros tecidos india-
08, a roca dispon Jo mais igualmente as fi
bras do algodo, e torcendo-as melhor do
que as machinas rnais aperfei?oadas. Este
processo, lento e incompleto, nlo tem sido
empregado na Europa. No condado de
Lancastre, em o comeco do seclo XVIII,
somonte a trama dos tecidos era de algo-
do. a cada ou a ordidura era de hnho de
Allemanha ; o algodo puro era empregado
para a confecelo de pavios de vellas. Em
summa, a cardadura fazia-se mo, a fiaclo
roda, e a tecelagem por meio de um tear
mui simples. Os productos desta fabrica-
r ) ftntiam o nome de fttstoes ; e o teeelio,
que era ordinariamente um camponez, os
venda, ainda nao curados, os negociantes
em tal escala- qoe os Saodeiros na> podiam
fornecer bastante trama aos tceeiues. A
fabricaco aguarda va, pois-, novo impulso de
um oulro Chrstovl-'j Colombo.
Um dia, no-anno de KT84, tinrmodw-
to fabricante de pernea de ttello, ou cardas.
Thomaz Ifighs, achando-y em Leigh-, no
Lancashire, em ca*a d'um > seus ristcht,
vio entrar o filho deste, alquebrad'o pefa-fa-
diga. Este mancebo eorrra-todo-o dw-e
procura de trama, e intilmente. Dftsde
esse instante Highs nlo cesso de combinar
em seu espirito urna machina cai>az de for-
necer trama era grande quantitfcde.
Cora esta idea na mente, dirigio-se '
casa de um relojoeiw da menw cidade;
chamado Kay, quem> commwacoo o spa>
projecto e o- resultado. Enthcsiasmou 30
este por sua vw, e os doos inventores reo^
niam-se todos os dias no-celleiro de Highs,
com as portas bera cerradas, para soofeccio-
narem as rodas-e as diversas pecas da-ma-
china, producto de suas vigilias. Entretan-
to os vizinhos tiabam devassado o mysterio
dos dous- pobre idelogos-, e epigraaimas
chuviam-lhes de todos os fados.
Muitos mezes-se passafam sem-resul-
tado apparente, qaaBdo um bello dV, di-
pois de um accesso de desespero e de des-
a imo, as rodas foram atiradis pcRla-janoHa
fra pra maior di7ertiraerto dos zombetei-
ros. K y tomara logo um partido acertado;
quando o questionavam acerca da mechioa,
elle responlia que renunciiea> I semeihane
projecto e entrava tambera a zombar cora
os outros. Highs, pelo contrario, procede-
r diversamente; apanljou as rodas, qoe,
em um momento d ira, proyectara roa,
onde s,i tiahiin c)iwirado ; le celleiro, e. depois. de1 novoe- esforcx,. con-
seguio fazer trabalhar esta machina, to de-
sejada, e qoe corresponden victnriosaav&ote
ni so aos fabricantes- de fceigb e do Lin-
casbiro, como aos de toda a Inglaterra, aos
quaes ferneceo-a trama. Highs tinbe orna
fila, que partilbras os pesares-, paternos;
chamava-se Jenny, e Highs f-la mdrinha
de sua machina, que foi baptisada com o
nome de Spinnina? Jenny, isto Joanmnlia
a fiandeira.
t A primeira machina Jenny tioha urna
vara quadrada e seis fosos (broches); mais
tarde Highs construio-ae com 24 fusos.
Tres annos depois da invenco do- pobre fa-
bricante de pentes, James Hargraves de
Blackburn introluzio algumas iodificace&
na pinga da machina Jitnny. As pessoas,
que conhecemestamichina, sabem que se
da este nome s deas pe-jas de madeiraqne
manteem a taso, sobre o qual se enrola o
fio. Este lacto nduzira erro alguas his-
toriadores, que attribuiram I Hargra.ves a
descoherta de Highs. Este erro foi ainda
vulgarisado por urna memoria de Arkwri-
ght, que citaremos mais adianle. A machi-
na Jenny. s produzia a trama ;'porm
Highs completou-a depois, de modo a tor-
na-la capaz de fiar o algodo no grao de
consistencia e de fhura que exige a cada,
que al essa poca se fazia com o fio de U-
aproveilar a ostros, e EOosi.JaMiveraos
cccasilJ de citar o nome de Ricardo
Ajkwngh'. Este homem, nascido de urna
familia obscura, conseguir-, por inftigavel
perseveranca, e por urna habilidade particu-
lar em (erigir os uomens, grangear orna
fortuna eonsideravel par de orna reynta-
clo popular. Arkvighl, que mostrara sem-
p.re josto pronunciado pela raechanica, era-
piegava todo o zelo em apropriarse das
descobertas dos ootros, e sabia tirar delas
o partido mais conveniente. Pobre, como
Higis, seu-espirito menos modesto nao te-
m as bnmlhc5esi- solicitando socios^e
protectores- pan a sua emprerrj e foi por
duplo das carda i mo : urna fixada so
bre om banc, e applicase a oatra cora as
daas mos. Este melhoram^nto nlo era
ainda bastante; e,fo a michino de cardar
que veio eneher esta lacnni. Esta machina
nlo foi ideada por um s inventor; repre-
senta ella a somma d) muitos aperfeicoa-
mentos soccessivis operados ero diversas
pocas. um eylindro de madeira guarne
cido de cardas, girando era torno de um
ma horisontal sob urna abertura cncava,
tambera guarnecida de carda?. No pringo,
o a'godao era estendido mSo sibre o ey-
lindro, e depoi tirado- com cardas I rafio ;
mais tarde?- addieiono-se um segando ey-
lindro que tirava o afgodo cardado pelo
primeir; e un r'o suteado longitudinal-
mente q*e coiBprimia-o e retira va >alg>d;l>
por pecpienas por^es (I iqaetes). Ena 177
.telo Lees imaginen o apparolo > alimenta-
dos qoe transmiti o algod ao cylmdro ;
no nresrao anno, J*nes Hargraves, qoe
aperfeifoara tambera a machina Jenny. imi-
ginoo a aroore dobra&j e o pente destiaido
a destacar o algod) do eylindro ; final-
mente, em 177'3, Thomwz Higl e \Vij)d
organisftram doo cylindVos por meio dm
quaes obteve-se o-algodo cardado sob
forma de nma fita1 contiou.
A todostria manofactor? do algodlo
progrele cpra extraordlnarva rapider. Era
1S80, sem conlar as numeresas Jennys dos
pequeos- fnndeiros. bavia 20 manufacturas
erapregaudb toares hydraolico^ pertenceotes
a Arkwrighfc- oh pessoas que Ihe linbam
pago premie-; e de 5783, posa em que
expjraram as-patentes, at 1790, bavia 140,
por toda a Inglaterra, e-principalmente no
condado de GMea. Nesa poca, a Wm/-
Jenny veio dar ws novo- irapulso- esta fa-
ricaoao, j tac vivificada pelo geam do in-
feliz Highs, e pek> saber aproveitar-se do-
astuto Arkwright, A macia JUtrit^Jenny
om composto d* Jenny e d> ter hydrauly
co ; foi Samuer Croraptoir, de BfiHon-les-
oiento realizado por Aastia de Glasgow,
em 1789, e do notave apparelbo de Tho-
mas Johnson de Bradbury, em 1803.
Antes da invenfio deste apparelho
(mtier A apprter), era necessario om te-
cello em cada ter vapor, e boje om me-
nino de 14 annos pode dirigir dous teres,
o faz ir tanto trabalho como o mais babil
operario, aera contarse a vantagem qoe
resulta da regularidade do mecanismo,
muito.superior dos movimento do homem
mais ejercitado.
Depois da poca era que o ilitfJtre prn-
issor do Conservatorio das artes eofflcios.
Me Manqui, fazia esta interessante expo-
sicS, diversos melboramenlos, mi ou
menos importantes, foram introdozidos- as
machinas de cardar, de fiar e de tecer o at-
g.)da. Sentimos nlo poder e*por todo -a
pormeoores que se referen taea melborS''
memos; citaremos apenas, para a fiacios
os teres, ditos self-actng' mmf, no* quaes'
os fios desenrolam-se por s meamos, sem
que o operarh tenha outro trabaloo a'm
do de ememtar os fios, que accidentafmente
se rompem; e para a tecelagem', a appli-
caclo- do ter, dito Jacquard, fbriaclo
de ceptos tecidos lavradoe
Antes de trajinar este longo artigo, da-
remos a explicarlo de um termo tecbnieo
que se emprega ft eanentemente na industria
imano'actnreira do a'godio. e vem a- ser a
significar;*) do sigoal N" (abreviatora da
llavra numero), applicavel aos fioa- oms
que se fabricara a varias sortes de tecidos
de algodlo. Era Franca, o 19 d03 fios re-
presenta o numero de kilmetro? qoe mede
um fio sob o peso d 1/2 kdegramma. Na
Ingaterra, representa o name>e de meadas
ou negalhos de fio de 800 jardas (804-
melroe. 66*) de coroprimentor cada um,
contidos em uraa libra ingleza (453 gram-
m s, ti).
Miguel Antonio d> Silva.
Reoista de Instituto Flumineate de Ayri-
isso- que, gratas so immensa'octividade-,. Moors,.qne, en> 4775, tev a Jerabrasca de
.consegu- reunir acokwistis en-diversas-
'pocas e 'azr com qae desembol-asse
as somma neces-aria? para realisar oe-
seus projecto. M>iilos- destes ir*j v nga>--j
rami; porm elle nlo esmoreca, ~e logra va
ajuas* sempro-enthiisiitsmar a nvo* socios.
Arkwright, er>1760, exarcia a profissip de
casar es-tas daas ideas do primeiro io-ventor
Nesta cva machina a mecba pasea entre
os cyliodros por dtraz dos-toares, o-ebega
aos fusosr que e*tlo situades- aa parto- aot.'-
rior, poeP meio rfe ipm carrinho m-vei. A
{.medida que os fosan trabalhant. o carrinho
bfasta-se-dos cyliodros um :>ouco mais- de-
burbeiro entBeHoa'les-^oirs, e goeava de'pressa, do que ela lornecem as meofeas.
certa noraeata pela cor que sabia- dar aos Os dous prwaeiros cylindros; pocham a me-
cabellos que vendia em-sua loja. Gasn-se ..cha do carPiteL; o segundo estende a e
com urna muiber d^ Loigb, e-foi ne dadft qie elle teve nolicia da avenlo do
infelii Higos. Imaginr-se-ha, taWez, que
elle- procuroo-Iravar re'.sees com-o iBven-
tor, afim de ihe sorprender o-projecto ;
usoo, pormv de urna .astucia mais fina.
Sabendo que Hay, o relajwiro de que falla-
mee, e que Irabalhra com Highs. resida
env Wnington, p.oncas leguas de L-igh,
mtroduzio-se em casa dalle,- ob opretexio
ga-a Por estas dispoeic-es e outras maiis,
om cujos-detalhes n8r> podemoe entrar, b-
tem-se orna mecha mu fin do que con a
ifany. ora cora a cwtmua simples, qoe- s
d cadeias-e tramas, mui grossoiras, eto
X)as para a leas grossas de-algodo, icmo
os calico9s-6 outros- estofos anlogos. Na
poca me nos referimos, esses tserdos
erara fabricados ervFranca, oa Saxoma e
na Siiissa, c>m fios- prodnzid9 pela roca de
c?i//Mro)
Vanitaffs-ns
d' cuitara
sol.
4o siria
de mandar tornear algumas pe-jas de cobre telo ;.e o naixo pre?o da rao d'obra com-
destinadas, segundo diiia, confec-co de pensava as vaotagens. que es ioglezs? tifa
FOLHETIIW
k m\ MfllS .ni M0UT1
umgrand- nMhinisin-ouj'ae elle imaginara,
que ia resotver o problema do moto-con-
tinuo.
Um da, em 1767., conduzio o relojoeiro
k/-y urna casa de pasto para conversaren^
sobre medttnica ; ly, assaz lisongeado-
pela benevolencia de nm h -m^ntde genio,
eno tende, provavelraeote. principios beia
definidos sobre o direito de propriedad,
aconselho Arkvrriglt que se occupa?se
antes de ama machina de fiar.prometten.-
do-lhe ao taesmo terapo rainistrar-lhe algu-
^mas informacoes tal respeilov
Receben o astuto Arkwright este con-
seibo coa apparenle indiffefeaca ; porm.
iogo no da seguinto,procurou-encontrar-se
com o relojoeiro e coosefuio obler deste o
modelo da 'Continua de Highs.Arkwright
raostrou o modelo varias pessoas, e achon
logo um capitalista que Ihe fornec^u a som-
ma necessaria. No -lia 3. de julho de/68,
obteve urna patente em Notogham para fiar
com cyndros execotados por K^ que
elle, ajustara, para este servi-cp, mediante
salario. Ark,wright, por eate^ meiof.cor.-
seguo juntar urna grande fortuna, e obteve
honras, qpe couberam nlo ao mrito porm
riqueza ;. morreu emGomfOrd. no conda-
do de Derbysbire, com a idade de 59 an-
nos, nos postos de cavalleiro e grande
saen/daquelle condado. E o pobre Highs?
nmguem pensou neHe, nem nos seus meri-
POB
Xavier deMontpin.
fam'I'K tkrc s:m %.
\ C0SBESS4 Wt MHON
(Gonlinoacb do n. 263;
XXI
Um a|iote.
A hora combinada, dirigio-se o criado
do marquez para os aposentos da senhora
de Chavgny, ostentando a saa melhor
libr, e ainda por cima, com o cabello fri-
sado, a barba muito escanhoada, e todo
cheio de pomadaa e perfumes. Tinha-se
contemplado de frente, de costas e de lado,
n'oma moUidao de espelhos, e pelo caminho
murmurava :
Se eo fosse Uto presumido, como bo-
nito rapaz, que teria direito a suppor ?.
0 myalario qoe rodeia esta entrevista ,
de corto, bem significativo. A marqueza
esprame... sur sozinha... e nlo
quer que meo amo saba... Eo tenho
boas cores, olbos vivos, formosa dentadura,
perno bem torneada, ar gracioso, e em
somma, om nlo sei que de seductor, e as
grandes damas alo, pelo qoe se diz, muito
caprichosas. Pessoalmente, a cousa que
nonca experimentfli, mas o certo que mui-
to ao murmura. marqueza formosa
e o caso seria dos mais.agradaveis... Em
fim, nos veremos.
O patife ioterrompeo os seus amorosos
sonaos para bater suavemente porta.
Entre I dase a voz da formosa Olym-
pa.
0 criado nlo wfisperou que lh'o disjej-*
sem seganda m, o eptrou, daodo-se ares

de triumphador, na saleta que preceda o
dormitorio da marqoeza.
Lzaro, disse a senhora de Chavgny,
sente-se disposto a fazer o que for do meu
agrado ?
Para obsequiar a senhora marqueza
atirar-me-hia ao fago I volveu calorosa
ment o criado.
Devras ? disse Olympia sorrindo.
Ao fogo ou agua... a senhora
marqueza po.de escolber.
Nlo Ihe peco nem urna nem ontra
cousa.
Tanto peior Desejava provar
senhjra marqueza ornad zelo.
Pode provar-m'o de outro modo.
Estou proropio.
Lzaro, creio que o senbor um
bom servo.
Pode acreditar que sim, senhora mar-
queza.
Amigo de seu amo, proseguio Olym-
pia.
Oh l quanlo isso, a minha ad-
heslo prodigiosa.
Muito bem ;.mas suppopbo que essa
amizade nlo impede de gostar de dinheiro.
Est claro; a vida sem dinheiro
muito triste... mas tambem o senhor
marquez promettea fazer a minha fortuna.
Isso nlo passa de promeUimento
Ha de cumpri-lo.
E como poder cumpri-lo ? 0 se-
nhor de Saint-Mai&ent nlo rico.
Mas ha de vir a ser.
Qucflm sabe se se engaa 1
Como 1 mormurou Lzaro abrindo
desmesuradamente os olbos, porque aquel-
la duvida manifesla pela mulher que devia
trazar a riqueza Saint-Maixent caosava-
ihe o mais vivo assombro.
Qum vive s de prometlimentos,
corre o risco de morrer do fome, proseguio
a formosa Olympia. .
Nada menos seguro. Se en ver'dapa-
lavreado Ihe oferecesaem ama fortuna im-
mediaU, dava-lbe de conseibo qae. toeei*
tassoi
vam dos seos aperfeic^oameaes na indsatria
manfactapeira da fiarlo do algodo ;: por
polro lado,, porm^ estes o-ao tinham rivaes
na fabricaco das nuisselinas unas. .Vis po-
derosos instrumentos de HSgos e de 8rom-
pton, aquella industria recebw na raesma
poca (1790) o vapor, cujos-eueitos prodi-
giosos Y/jtt acabiva de volgatisar. A cadeia
ingleza fot iraraediataraento ialroduzida no
eontinecto etiropeoc, que nao cessou desde
aquella poca da topiar os processos da
Grl-Bretanha.
f Para completar a historia da manufac-
tura do algodlo,.resta-nae tratar das-primei
ras machinas de-tecer. e-dos melbo-ramen-
tos que foram successivatoente adoiHados
A primeira teotetiva da tecelagem micanica
remonta, conforme se diz* ao anao de 1693,,
poca^ em que um corto Gennes imaginara
am ter, que foi descripto as Tiwnsaciion
philtsophiquearf porm a primeira fab'ica
de tecidos, movida por agua, foi-construida
em.1765, por Garside. fabricante do Man-
des ter. Diz-se qu*essa fabrica era pnyida
le teres mventados pelo celebre mecnico
Yaucansoa, e anlogos aos que se acham
descriptos na Encyclopedia'methodica. Daz
annos depois, Gartwright operou una revo
lucio na tecelagem com a, inven?o de um
apparelbo de tocor, destinado a sei tocado
por agua e pelo vapor. Este novo ensaio
teve tambem seos primeir-os momentos de
Urna conversaco principiada d'este mo-
do fez cahir Lzaro do quinto do co das
suas anacrenticas illasoos ; mas nlo. tar-
dn em tomar o seo partido e considerar
a qnesiao sob um ponto de vista totalmente
diverso.
Trata-se de atraicoar moa amo, disse
entre s. Falta agora saber se a marqueza
pagar bem.
A senhora de Chavgny abri um cofre-
zinho, lirou algons rolos de lufzes e po-los
em cima da mesa, diante de Lzaro.
Esto all dez mil r, proseguio ;
bem v, ama bonita confiaba. Se qoi-
zer, soa.
Isto se eu aceitar as condierjes da
senhora marqueza, responden Lzaro, dis-
posto a regatear.
Naturalmente.
Que tenho a fazer ?
Cousa pouca. Trazer-tne um papel
que est nos aposentos de seu amo. Esse
ppele umapromessa de casamento assig-
oada por mim.
Com todos os diabos! exclamoo La-1
zaro dando um polo. E chama > senhora
isso coosa pouca I Apoderarse urna
pessoa de um papel que o thesouro mais
precioso qae mea amo possue Um the-
souro que elle at defendera custada
sua vida t Um thesouro qae est occolto
do mais recndito segredo do mais solido
armario I Semelbante empreza quasi
de todo o ponto impossivel, sem cootar
qae o senhor marques me honra com a sua
confianca, e abasar d'ella seria ama acelo
indigna.
Diga-me, Lizaro, perguntu Olympii
sorrindo, j vio porventora ama boa acelo
qae dsse de ganho de mil 2* ?
L isso nunca ; nlo o neg.
Por conseguinte, offerecendo-lhe en
essa quantii, nlo para o estimular a fa-
zer om seto de virtude.
Rogo a senhora marqoeza qae me
Serdoe, mas clcalo qae, por maito hamil-
e qae seja a miaba existencia, setupre
vale mais de de mil 3f,
E' bem eonhecida'a planta cuWvada em
nossos jardas, coma -ornamento, por suas
vistosas flores, de largo disco e oor ama-
rel'.a, as quaes-acompanbam o sel em sea
giro, e d'ahi Ihe veio o-nome que tem de
yira-sol, ooWi'antfaKHelianthus ancana).
Ajrtence esta planta ao grupo vegetal,
mais vasto de quantos formam o ramo das
dicotyledoneas, e que coosMoe a familia das
Synanthereasv ou Comp'ostis, por causa da
organisaclo complexa de suas fl&nes, que
slo numerosas aggregacpes de florinhas oa
floseulos, inseridos sebre om disGO ampio,
figucando assim urna simptes (16r, qpando
reelmente um corap eto de muitas- e pe-
queas flores.
P-ois bem, o gira-sol qwe, em-gerat nlo
foraece entra- nos outra otilidade mais do
qua o agrado-oa encanto aos olhos dos flori-
cultores, ama planto que encerra quali-
dades diversas, e que pdem ser aproveita-
das mais utilmente do qae para o simples
recreio da vista. E' assim, que de todas
as suas partos pode-se tirar immenso pro-
veito econmico: as bastes e os discod, que
formam os capitulo ftoraes, fornecem boa
materia corabustivet; as cinzas, provenien-
tes da combustlo dquelles orglos^ encer-
rando grande quantidade de potassa,polem
fornecer esta substancia, que a base de
vanas industrias, sobretudo para a fabrica-
cao do sabio ; e, finalmente, ns sementes,
.quepodem directamente nutrir as-aves do-
mesticas, conteem um oleo assaz bom e
que prjduz urna luz clara e inodora.
Para obter este oleo, basta subraetter as.
sementes do gira-sol urna descorticaclo,
aproveitando-se ainda, alm do oleo, as.
pelliculas (os pericarpei). para queimar, e o.'
baaago que provm da ameodoa das se-
mcQles, depois da espremedura do oleo, %
iwira a confcflo de especies de tijolos, ou
tiirtas, excedente alunentopara o gado ;.oo
no caso da alteraco ou fermentado destoa
pastis oa tortas, podem ser ainda ulilisa^
dos como combustivel.
(Continuat-se-ha.)
A sua existencia 1
-! De certo, porque se o senhor mar-
quez me sorprende no acto de eu esqua-
dnnhar os papis e inventariar o que est
nos armarios, manda-me logo os milos
pelos ares com o maior sangoe fro ;e fran-
camente, nao poderei queixar-mo do cas-
tiggo.
Arranje as ce usas d3 modo que nio o
sorprendam.
Isso difficil. O senbor marqoez e
to astuto... adevinha as coasas mais ro-
callas. .. tem trosolhos qne leem no fundo
da alma. Atrevo-me a afflrmar senhora
marqoeza qae o perigo eminente.
O senhor acaso am cobarde ?
m certas occasioes, sou.
E agora est n'uma dessas occasioes ?
Ah l estou, senhora marqoeza !
E a sua cobarda nlo tem remedio ?
S conheep am.
Qual ?
Vou jogjr jogo franco com a senhora
marqoeza. Dez mil nio bastam para
triumphar dos meas prudentes receios.
Vate mil restituiam-me. talvez toda a mi-
nha audacia.
Pois bem, duplico a oferta.
N'ease caso, pode a senhora mar
qaeza cootar comigo ; estou j ola valente.
Quando pora mos obra ?
O mais depressa possivel. Espreita-
rei a occasiio mais favoravel, e mal qoe
ella appare-ja, nio adeixarei fogir.
Est bem. Em troca da promessa
assignada por mim, recebera a quantia es-
tipulada.
Lzaro retiroa-se perplexo.
Bavia, efleclivimente algam perigo em
despojar o marquez de om documento, que
liaba para elle immenso valor, porque, che-
gando a descobrir o roubo, a sos colera
seria terrivel e de fataes consequencias para
o autor do attentado.
0 honrado homem perguntu 4 si mes-
mo se nlo Valeria mais revelar i sea amo
a empresa qae i, senhora de Chavgny
qaeris associa-lof sotcitir d'elle ama som-
ma equivalente da quantia promeltida, e
realisar d'este modo o ganho. sera se ex-
por ao perigo.
Nlo tardn, porm, em regeitar essa
idea.
Toda a esperanza da riijueza do marquez
descaocava no futuro casamento com a for-
mosa Olympia ; e agora era evidente e claro
como a luz do dia, que esse casamento nlo
ebegaria a verificar sede modo algum ; por
tanto, o marqoez de Saint-Maixent conti-
nuara a ser um fidalgo arruinado e inca-
paz de pagar vinte mil ao seu fiel ser-
vidor ; havia, pois, vantagem manifesta em
o atraicoar com proveito da marqueza, e
Lzaro nio hesitou.
Est dito f murmuroa elle. f de
qoim sou, roubarei o papel.'
Tomada esta resologio, o criado levou
toda a noute a preparar com rame varias
gaznas de diversas formas, engenhosos
instrumentos que os larapios parisiense-
cha mam rouxines, e dos quaes se ser vem
para substituir as chaves falsas.
A occasiio de as emprogar apresentou-se
no dia segointe.
Saint-Maixent mandn aparelhar o ca-
vado depois de jantar e. sahio a dar o sea
eos turna do passeio.
Lzaro foi logo aos aposentos de seo
amo, correa q ferrolho da porta' que dava
para o corredor e poz mios obra.
O hornera contava com duas horas, e em
duas horas pode fazer-se muitas cousas.
Na segunda parte d'este livro descrece-
mos o aspecto interior do dormitorio do
marquez, e sabemos que encrrava uns
poneos de movis de precioso trabalho.
Qual d'aquelles trastes apresentava maio-
res probabilidades de encerrar o documen-
to cobijado ?
Lzaro nio pode resolver esta questlo, e
por conseguinte deixou-se guiar pelo acaso,
qoe nao o favoreieu, porque os dous pri-
meiros movis qoe abri i maito listo e
esqaadrinhou minuciosamente, nio conti-
nham o objecto das ton pesqaizas, e eq->
tretantp, liaba passado nma hora,
Cansado, mas nio desanimado, o digno
criado dirigio-se para oterceiro movol.
Deixemo-lo trabalhar, e volteaos ao
marquez.
A meia legua do castello, Jlwrottr, o
cavallo em que elle montava, dea am passo
em falso e principiou a couxjar.
O marquez apeiou, mettoa a rdea no
braco esquerdo, e tomn o caminho das
cavallarlas. Mal que deixou Mesrowt no
compartimento, snbio aos seus aposentos.
para mudar da fato. Mas ao ebegar
porta, e quando ponha a mi da argola,
estremeceu e parou de repente. Acabava
de ouvir o ruido sui generis que faziam os
rouxines de Lzaro funecionaado com
granne actividad*.
O' l I disse entre si Saint-Maixent.
Nio ba duvida f est de certo aqoi dentro
algum ladrio arrombando as minhas gave-
tas.
Tentou abrir a porta empurrando-a bran-
damente, mas como o ferrolho eslava cor-
rido, nio cedeu. Saint-Maixent sahio do
corredor, descea a escada principal, tornoo
a subir por ama escada particular qae
commuoicava do andar terreo com o sea
gabinete de toucador, e vio com alegra
que o desconbecido ladrio se ti oh a esque-
cido de fechar a porta por aquelle lado.
No gabinete de toucador estavam algumas
armas.
0 marques pegou n'uma facca de mallo,
de folha curta e aliada, poz no cinto am
par de pistolas, e abri de repente a porta
da alcova no momento em qae Laxara bra-
dava com accento de triampho :
At qae aflnal l achei a mmba tor-
tuca / .
Acabava, effactivamente, de veaaer a re-
sistencia do terceiro movel, e o primeiro
objecto emqaese fit
a
assenatara da marquesa de Chavgny por
baixo da promessa de ostasototo.
(CDnlmm}!h*-*o).

fYP.'Db DIARk)-UA U Wtt^ l>* UJUK


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EQSPZWDVO_W7NI35 INGEST_TIME 2013-09-14T03:28:16Z PACKAGE AA00011611_12268
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES