Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:12266


This item is only available as the following downloads:


Full Text

Mifti
AUNO XLVI. NUMERO 262.

i
.*
v#
V
PAIA i CAPITAL E L86AUS OIDE 140 SE PAGA POITE."
or tras maxea sdiantados
Por seis ditos iilora .
Por un uno dem.. .

WOOO
J^fOOO
24OO0
320
SEXTA FEIRA 18 DE NOVEMBRO DE 1870.
PA1A DIITBO E rOtA DA PBOYUOA.
Por tres mezes idiaotados
Por seis ditos idean. .
Por wm ditos dem .
Por nm anno dem .
DIARIO DE PE
Propriedade de Manoei Figusira de Faria & Filhos.
Os Srs. Gerardo Antonio Alves Filhos, no Par ; Gonftlves 4 Pinto, no MaranhJo ; Joaqoim Jos de Oliveira, no Cear ; Antonio de Lemos Braga, no Araeafj ; Jlo Mara JdUo Ctwreav *> Asi ; Antonio Marones da Siha, no Natal; Joa
Pereira d'Almeida, em Mamangnape; Antonio Alexandrino de Lima, na Parahyba ; Antonio Joa Gomes, na ViUa da Penha; Betarnno dos Santos WcSo. em Stfto Ano; Domingos Jos da Costa Braga,
m Natareth ; Francisco Tavares da Costa, em Alagoas ; Dr. Jos Martins Alves, na Baha ; e Jos Ribeiro Gasparinho no Ko de Janeiro. ^_________________________________
PARTE OmCIAL.
Goverao da provincia.
r.XPRBIBRTf DO DU 8 DE NOVRUBRO.
OScos:
Ao Exm. Sr. presidente da provincia de Mi-
nas, dizendo Bear scienle de haver S. Exe. presta-
do jurameaio e entrado no exercicio do carga
Ao provedor da Santa Casa do Misericordia
para mandar entregar a Igoez Mara de Moli Re-
g, sea filtio de norae Francisco de Assis Reg
Mirra?, educando do collegiodos orphos.
Ao mesmo, aatorisando aadraisso na colla-
gic das orphias da men ir Mara Engra-ia da Con-
ceico, fiiha de Candida Rosa da Conceicio Pires,
i|uo de ver apresentar a certdo de idade da re
ferida menor.
Ao chefe de polica, manlando pftr em lber-
dade a Francisco Tavares da Silva, qae se acha
ricolhdo a casa de deteneo, visto estar verificado
nao ser desertor da armada, e haver presado
flanea pelo crime por qoe foi proeessado no termo
de Iogazeira.
Ao inspector da thesouraria de hienda, com-
muoieaado que o bauharel Agnello Jos Gonzaga,
deikra no dia 8 de outabro ultimo, o exereico
das fnncciJes de juiz municipal do termo de Ca-
brob, por ter Qn ilisado o sea qaalrennio.
Ao mesmo, communicaodo que o promotor
publico di comarca de Pilmires, bicharal Ernes-
to Vieira la Mello, reassumio no dia 5 deste raez, o
exereico do sea cargo, renunciando o resto da li-
ce-nca que gesara.
A) mesmo, determinando qae, sob a respon-
sabilidad* da presidencia, mande indemnisar o co-
fre da repartilo da polica da qnantia de 601000.
qae foi entregue ao delegado do termo do Ouri-
cury, Antonio Leonel d) Alencar, para occorrer
as despeas coro o transporte de ama ambulancia
de medicamentos, remetlida para aqaelle termo
cotn destina a) Iralamenlo das pessoas desvalidas
ataeadas de febre de mo carcter.
Ao mesmo, aatorisando os seguales paga-
meatos :
A Manoei Estanislao da Costa, a qnanliaje 564
ii ir haver forneeiJo ama lancha com patria e 10
remadores para o servico da amarraeo do vapor
transporte de guerra Marcitio Das, em sua en-
trada no porto desta cidade.
A' empreza da illuminacao publica desta capi-
tal 376liiO, provenientes do gaz consumido com
a illuminacao da repartico da polica, durante os
mezes de abril a agosto oeste anu), e diversos con-
cert* feitos no respectivo encanamento, e colloca-
cao de globo?, bicos e novos registres.
A' referida empreza a somma de 3:066*300,
correspondente ao gaz consumido no semestre de
fineiro a juoho dete anno, com a illuminacao dos
luarteis, do deposito de instruccao e do hospicio ;
da casa da guarda do palacio da presidencia ; e
do hospital militar.
F zeram-se as necessarias communicaedes.
Ao commanJanle superior de Olinda, para
mandar postar em frente do convento de Nossa
Senhora das Naves, p^las 5 hora3 da larie do da
13 do corrente, urna guarda de honra, lirada do
9." batallo de infamara, aflm do acompanhar a
praei3so de S. Benedicto, ,que tem de sahlr da-
queila igreja.
Ai do limito, trausmiltioio, por copia, o
aviso do ministerio da jastiea datado de 21 de ou-
tubro ultimo, pelo qual foi marcado o segundo
uniforme para o batalbo'n. 58 de infantera.
Ao da Cabrob, determinando que faca dis-
solver o destacamento de guardas nacionaes, exis-
tente no termo de Ex.
Ao director do arsenal de guerra, para que
faca recoihar aqaelle arsenal, e d em consumo
dos medicamentos |ue compunliam ambulancia,
pertenceate ao extinelo corpo de guarnidlo desta
provincia, e acham-se inserviveis, devendo remol-
ler thesouraria de fazenda os vidro?, em que es-
to comidos ees medicamentos, aflm de serem
vendidos em hasta publica.
Coramunicou-se aquella ihesouraria e ao com
mandadle das armas.
Ao mesmo, recommendando, que admita
naquelle arsenal, no servico que for compaiivel
com o seu estado, o soldado invalido Miguel Luiz
da Purifleaco.
Ao commandante do corpo de polieia, orde-
nando que nm offleial subalterno e 10 praca? do
corpo sob seu comraando vo destacar em Grani-
to, disposicao do respectivo delegado.
Ao mesmo, autorisando-o a engajar naquelle
corpo os paisanos Ignacio Jo< Rufino. M
lugar de guarda da casa de deteneio, nomeando
para o substituir a Horacio Joaquim da Miranda
Seve.
Communcou-se a thesouraria provincial.
9 -
Oficios :
Ao mesmo Sr. ministro da marinha, partici-
pando, que o recruta Manoei Jeronymo de Souza
deixa de seguir para a orte por ter baixado ao
hospital.
Ao general commandante das armas, traos-
mil lido um exemplar impresso das instrucees
expedidas pelo ministerio dos negocios estrangei-
ros em 29 de oulubro ultimo, no intuito de regu-
lar durante a guerra entre a Franca e a Prussia,
a execucao da eondico 5' da circular de 23 de
juoho de 1863, e recommendando a expedico de
suas ordens para que ditas instmecoes sejam res-
trictamente observadas pelas estacSes subordina-
das a seu commaodo.
Neste sentido offlciou-se ao capillo do porto e
ao ccinmandante do brgue barca Itamarac.
Ao mesmo, scientiflcando o de haver o mesmo
Sr. ministro da guerra determinado que seja re-
colhido ao arsenal de guerra desta provincia, para
er reraeltido ao 7 batalhao de infantera, logo
3ue esle lenha regressado do Paraguay, e chega-
o a sea destino, o cofre contendo livros e pa-
pis do mencionado batalhao.
Ao mesmo, recommendando em camprimento
a3 aviso do ministerio da guerra de 27 de ou-
lubro ultimo, qae seja soomettido a nova ins-
peccao de sale o cabo de esquadra do 2* ba-
talhao da infantera Francisco Pereira de Brito.
Ao vigaro capitular, no sentido de provi-
denciar convenientemente, na parte que Ihe diz
respailo, aflm de qae ao dia 20 do corrente, em
que deve proceder-se a eleieao de senadores por
eta provincia para preenchimento das vagas dei-
xadas pelos Exms. marquez de Olala e conde da
Boa- Vista, lenha lugar na matriz da freguezia de
Santo Antonio desta cidade a missa solemne do
Divino Espirito Sanio, conforme o disposto no art.
72 da lei de 19 de agosto de 1816.
OOciou-se cmara municipal do Reeife, para
providenciar, de conformidade com os arts. 58 e
59 da raesma le.
Ao provedor da Santa Casa de Misericordia,
aotorisaodo-o a mandar admittir no collegio dos
orphos o menor de nome Alfredo, filho de Fran-
colina Pereira de Oliveira.
igual allenudo. attrlbuindo-se o crime a Manoei A cmara municipal de Olmda.approvando a
- arreraatacao do arreadamente do caixao da casa,
de que traa o seu offlcio de 4 do-correte.
Portarlas:
Ao gerente da corapanhi* peraambneana,
para dar passagen ar en lugar de astado at
as Alagoas no vpor de 15 do corrente a Arthur
Henrque de Figueirelo Mello.
0 presidente da proviocia, era vista do offl-
cio do chafe de polica, n. Ii88, de 5 do eorrente,
resolve exonerar dos lagares de 2, 5 e sup-
plentes do delegado do termo de Granhuns os ci-
dados Jo5o de Barros Correa de Araujo, Manoei
Juaqerm Pereira Seco, Ravmundo Perreira de Mo-
raes e Ilogerio dat Heves Brrelo.
O presidente da provincia, eonfortoando-se
com a proposia do (flor chefe de polica em offl-
cio, n. ft88 de 5 aoeoffente, resolve nomear para
os lugares de 2, 4%5* e 6 snpplentes do delegado
do termo de Garanbins os cidadao segoiotes, na
ordeno > saa colloca^ao :
Gregorio Jos Viinna!
Antonio Cardeal de Aievedo.
Joaqnm Salgado dt Vtsconeellos.
Capito Feli Ferreira da Silva.
O presidente da onvincia, cotrformando-se
com a proposta dodoar chefe de poKeia em offl-
cio, n. 1*87, de 5 do corrente, resolve nomear
para o cargo de subdelegdo do distrkto de Leo-
poldina do termo de Oabrtb o oidado Josino Ri-
beiro Torres, e para os ie suppleole do mesmo
subdelegado os cidadaos t ordem de sua collocaco :
Ravmundo Ferraz de Gouvta.
Moyss Gousalves Lima.
Amonio Severiano de Gjuvia Lima.
Raymundo da Coila Araujo.
Cypnano Rodrigues da Silva.
Jos Frezes do Nascimente.
Coramunicou-se lodo este espediente ao chefe
de polica, quem remeitea-te os competentes
ti lulos.
O presidente da provine, altendendo ao
que requeren o praticaate da thesouraria provin-
cial, Joaquim Tranquilino de Limos Duarte, e
este respeuo informaram as estaeoes competentes,
resolve nonjea lo para o lugar de 3 escripturarlo
do consulado provincial, ficando assim de nenhum
effeilo a noneacao interina de Jos Affonso do Re-
g Barros para o mesmo lugar.dmmnrcou-se
thesouraria provincial.
Faustino de AndraJe e Jrio Teixeira da Silv, a
capturados ; e mais ainda que no dia 20 no lu-
gar Pindoba fora assassinado o infeliz Manoei Ig-
nacio, por Joio Firmino, sendo este logo preso e
recolhido a cadeia.
Para estes fados chamo a sua alinelo, e re-
commendo-lhe o emprege dos meios legaes a seu
alcance para rodearerase os processos das preci-
sas pravas em ordem a deseobrir-se a verdade, e
serem punidos os delinqaentes, como de sea res-
tricto dever.
Do resallado de suas deligencias dar conta a
esta presidencia, quem requisitar as providen-
cias que forem necessarias a evitar a frequencia
de tactos de semelhante natureza, e excederem as
altribaicoes das autoridades locaes.
ao promotor publico da comarca do Rio
FormseSegundo partecipacao doblegado de
polica de Serinhaera ao Dr. chefe de polica, e
(leste a esta presidencia, Joo Baptisla Faleio, em
das do mez de oulubro ultimo fora brbaramente
espancado por Antonio Alves, que conseguio eva-
dir se.'
Compre que Vme. no desempenho de seas de-
veres, promova a prisio do delinquehte e sera de
mora os termos da formacaa da culpa com os es-
clarecmenlos necessarios para punicio daquelle,
irazendo o resaltado ao coohecimento desta presi-
dencia.
Communicou se ao Dr. chete de polieia, dizendo
que convem os seus agentes no enmprimento do
que Ibes prescreve a lei, qdaofo a preveacao e re-
pressao des crimes.
Portaras:
Mandando dar passagens no vapor Arino da
compinhia brasiloira de paquetes, por conta do
ministerio da guerra at a corte, ao sargento
reformado Jos Joaquim Alves, ao voluntario
Francisco de Assis Ramalho, qae assentoa praca
com destino ao l* batalhao de intantaria, ao deser-
tor do 4a batalhao Joo Vieira Barbosa.
dem para a Bahia a Francisco D)miogaes
Nogneira, por coola do ministen da marrana.
O coaselheiro presidente da provincia a vista
do offlcio do Dr. chefe de polica, n. 1496 de 7 do
corrente, resolve exonerar do cargo de 1* upplen-
te d > subdelegado do districto de Cruaogy do ter-
mo de Itamb.
Comraunicon-se ao Dr. chefe de polieia.
O presidente da provincia, atlendendo ao que
_______._ -ft.aa.__ __ ___,_:_,.* An fV.
- Ao inspector da thesouraria de fazenda, re- requereu o professor Ra^ico "la deira da rre-
reira dosrSantos, Fraaciso Bispo de Franca, An-
tonio Maaoel da Silva, Crecencio Ladislao do Espi-
rito Santo e Joo Manoei da Paz, se liverem ido-
neidade. ...
Aos agentes da companhia brasileira de pa-
quetes a vapor, dizendo que podem fater seguir
para os portos do sul o vapor Arinos, e para os do
norte o Tecantint.
\o gerente da companhia pernarabiicana, au-
torisanio-o a fazer seguir para os portos do nono
al a Granja o vapor Ipojuca, e para os do sin
ot Aracaj o Jaguaribe, no dia 15 do crreme.
Ao suoerralendenie da estrada de ferro do Re-
cite ao S Francisco, para que de confermidaJe
com o aviso do ministerio da agricultura de a ae
seterabro ultimo, mando construir urna parada
dos respectivos trens em trras da fazenda Lirao-
eiro, propriedade do capito Belmiro da Silveira
Lins, correado por conu do mesmo capilao e dos
oulros interessados quaesquer despezas com as
obras necessarias para e embarque e desembar:
que de passageiros e cargas, cuja fi-calisacao sera
regalada por esaa superioteodeocia, de accordo
com o engenhero fiscal, .
Neste sentido offlciou-se ao predito engenhero.
Portaras:
Mandando dar passagem no transporte Wer-
tuck, para a corle, por coma do ministerio da
guerra, ao voluntario Francisco de Assis Rama-
lho, que assenloa prara com deslino ao 1" bata
Ihao de Inanuria, e ao desertor do 4 batalhao
Joo Vieira Barbosa.
dem paraguayaGregoriaVilhalba, pagando
esta as respectivas comedorias.
O presidente da proviocia, atlendendo ao que
requeren o professor publieo da cadeira de ins-
truccao primaria do povoado de Alaga Secca,
Joa Luiz de Franca Torres, resolve de conformi-
dad, cora o art. 23 da lei n. 598, de 13 de maio
de 1854, conceier-lhe a remoee que pedio d'a-
uelli cadeira para a da povoaco de Tracunhaem.
Espediram-se as necessarias commnnicacoes.
O presidente da provincia, altendendo ao que
requeren Zeferioo Muniz Salgado, sobre a infor-
raacao do capito do porto e inspector do arsenal
de marraba de 28 de maio e 4 de joabo ltimos,
resolve conceder-lhe licenca para no praso de 60
dias, contados da presente data, tirar as malas
do engiho Estiva, situado na freguezia de Una,
comarca do Rio Formoso, e pertencente a Manoei
Ferreira da Malta, oitenta paos de sienpira para
reparos de sua bareaca denominada Vencedora,
devendo esta ser registrada na capitana do Porto.
Fizeram-se as communca^oes do eslylo.
_IPBDIBNTB DO SBCBKTXBIO DA PRBSIDBNCU.
Oflleio ao capito do porto, participando que,
despacho desta data, concedeu-se ao recruta
y Vicente de Paula, oilo dias de praso para
prorar iaeocao legal, e por isso mande sobr'eatar
na remena dease recruta para a corte.
metiendo, para os flus convenientes, 13 ordens,
sendo H do ihesouro nacional sob n. 190 a 197, 1
do ministerio da guerra datada de 25 de outabro
uliiino, e 4 em duplcala expedidas pela repartico
do ajudante general sob ns. 734 a 737, bem como
um oficio da directora geral das rendas publicas
n.7.
Ao mesmo, declarando que, segundo consta
do aviso do ministerio da gaerra de 28 de outa-
bro prximo fiado, oa raesma data solicitouse da
fazenda a expedico de ordens, para que por coa-
la do g 14Obras militare- Jo exercicio de 1870
a 1871, saja essa repartieao habilitada com o ere
dito de 356*150 ris, afim de occorrer s despezas
indispensaveis d'aquella rubrica.
Ao mesmo, para que, nos termos do aviso
do ministerio da agricultura de 26 de oulubro ul-
timo, sejam satisfeitas d'ora em diante, medida
que se forem reclamando, as despezas de passa-
gens dadas na estrada de ferro d'esta provincia,
por conta da adminisiraco publica, de modo que
ao encerrar-se o exercieu, neuhuma somma se fi-
que devendo.
Communicou-se ao superinlendente respectivo.
Ao mesrao, iransmitlindo, para os devidos
lias, o ltalo de provimento de Joo Firmo Pereira
do Lago, na serventa vitalicia do offlcio de parti-
dor do juizo le orphos nesla capital.
Ao mesmo, enviando, para que lenha a devi-
da execuQo, copia do aviso do ministerio da gaer-
ra de 29 de outubro ultimo, no qual se determina
que ao commandante e mais empregados do pre-
sidio de Fernando, sejam pag03 os respectivos ven-
cimentos, nos termos da tabella anoexa ao citado
aviso.
Igual ao commandante do mesmo presidio.
Ao inspector da thesouraria provincial para
mandar pagar :
Ao engenhero da repartico das obras publicas,
Joo Bezerra de Mello, que tem de seguir em com
misso para o interior da provincia, dous mezes
adiantados de seus vencimenl03. I
A' Francisco das Chagas Almonica o aluguel
de sua casa que serve de cadeia no termo de Villa
Bella.
Ao Dr. Adrio Luiz Pereira da Silva os seus veu-
cimentos, na qualidade de medico da polieia.
A' Francisco Pereira de Mondonga, a quantia
de 189*720 ris, em que importara os venciraen-
los relativos ao mez de outubro ultimo, dos guar-
das nacionaes destacados na villa de Agua-Preta.
Ao commandante superior do muoicipio de
Santo Anto, enviando copla do aviso do mioisterio
da justica de 27 de oulubro ultimo, no qual se de-
clara nao poderera os commandantes superiores
alterar as proposlas que flzerem os commandantes
de corpos.
Ao commandante do corpo de polica, auto-
risando a alistar n'aquelle corpo Luiz Bezerra da
Sifta, se tiver idoneidade.
Ao engenhero fiscal das obras geraes, re-
commendando que, de conformidade com o aviso
do mioisterio da agricultura de 26 de outubro
prximo Ando; proceda mais severa fhcalisacao
as despezas com as obras que correm por conta
d'aquelle ministerio.
No mesmo sentido offlciou-se ao engenhero
Luiz Jos da Silva, quanto s despezas com a com-
misso, de que se acha incumbido, relativamente
Verificacio da extenso da sesmaria oceupada
pelo amigo aldeiamento da Escada.
Ao promotor publico da comarca de Palma
res.Chamo a attenco de Vmc. para o fado da
evasao do criminoso de morte Bertrao Alves dos
Santos, da priso de qae se achava na povoaco
dos Montes, termo de Agua-Preta, por occasiao
de ser reraettido pelo jaiz municipal do Bonito,
aflm de ser submeitido a julgamento.
Segando participa o delegado de polica d'aquelle
termo ao Dr chefe de polieia, fora a- evasao deter-
minada por culpa do guarda, que vigiava o ctimt-
noso.
Convm averiguar com actividade e erapenho a
verdade do tacto, digno de severa repressao, de-
vendo Vmc. para isso promover os termos do pro-
cesso, sem esquecer a captara do evadido, e mi-
nistrando informaco circumstanciada esta pre-
sidencia.
Ao promotor da comarca do Bonito.cons-
tando-me que em dias de oatubro allirao se eva-
dir do poder da escolia, que o coaduna para o
lermo d'Agua Preta o criminoso Dawel de Oliveira
..i, n tamn aidn rM>.nlhdos a eatlea Dalo dele-
Santos, e lendo sido recolhidos a cadeia pelo d
gado de polica do lermo do Bonito, tres guardas-
oaciooaes que compnnham a escolta, recommendo
mnito instaatemenle a Vmc. que promova, segn-
do Ihe prescreve a le, a captura do referido cri-
minoso, bem como a foriuao da culpa e julga-
meato dos gaardas, e de quem mais for respoosa-
vel pela evasao d'aquelle, trazeodo o resltalo de
suas deligeocias ao conhecimepto uest* presi-
dencia.
Ao promotor publico da comarca de Llmoei-
ro.-Ao eonhecimento desta presidencia trouxe o
Dr. chefe de polica, que no da 10 de seterabro ul-
timo, no districto da villa de Limoeiro, Marcoliuoi
guezia da Luz, Joo Jos Ribeiro de Moraes, e
teno em vi instruccao publica de 18 de outubro ultimo, tob
o. 343, resolve conceder-lbe dous mezes de licen-
5a cora ordenado smente para tratar de saa
sade.
KXPBDIEffTg DO SECRETARIO DA fRESIOBNOIA
Oficio, prevsnindo aos Illms. senbores enge-
nbeiros Paulo Jos de Oliveira e Joaqaim Pire;
Carneiro Monte ira, qne existe na secretaria da pro-
sidencia para Ihes ser entregue, depols de pagos
oa thesouraria de fazenda os dreitos devidos, ama
carta imperial passada em 26 de oatubro ultimo
a favor de Ss. Ss.
10
Oficios:
Ao general commandante das armas, devol-
vendo a petico do alteres do extineto 30 corpo de
voluntarios da patria, Thomaz Luiz de Jess, alim
de que esse oficial satisf 15a a exigencia da conla-
dona da mesonraria de fazenda.
Ao inspector da thesouraria de fazenda,
transmiltinlo para o Ara coaveniente, a ordem do
tbesouro nacional sob 11. 174.
Ao mesraa, remetiendo copia do offlcio a que
se refere o do Exm. presidente do Cear, datado
de 3 do corrente, no qual a thesouraria de fazenda
daquella provincia declara haver "pago a qnantia
de 2:4204320, proveniente dos veuciraentos do
destacamento de guardas nacionaes da villa do
Granito, relativos aos raezes ds maio a agosto deste
anno.
Ao mesmo, declaran lo, para os devidos effei-
tos, que a licenQj de um raez, concedida ao al-
teres do 2o batalhao de infantaria Jos Lourenco
da Silva Milanez, foi com sold simples.
Ao mesmo, autorisando a nandar abonar
tres mezas de sold ao alteres do 21 batalhao de
infamara de lioha, addido ao 2 da mesraa arma,
Francisco Marques de Oliveira Bnto, alim de se-
rem descontados pela 5' parte.
Ao mesmo autorisando os segrales paga-
mentos : --A companhia pernarnbueana [a quantia
de 11:166*666 rs. proveniente da subvenco, rela-
tiva ao mez de ontubro ultimo.
A empresa de illuminacao gaza quanlia de
176*300 do gaz consumido, no 9erae^re de ja-
nairo junho deste anuo, com a illaminaco do.
palacio da presidencia.
Ao soldado do 9o batalhao de infantera de
linha'Jos Marques de Moraes, aquantia de.......
514340 correspondente ao sold que se Ihe esta a
dever.
Ao inspector da thesouraria provincial, de-,
clarando em soluco a duvida que trouxe ao eonhe-
cimento da presidencia, relativamente ao terapo
em que devem ser resgatadas se apolices emitti-
das para pagamento da obra do calcamemo des-
ta cidade, que tendo sido prorogado o prazo do
respectivo contracto celebrado com o baro do
Livraraento, necessarimente deve entenderse
tambem prorogado o do pagamento das apolices,
como opina a maiora da junta da thesouraria.
Ao mesmo autorisando es seguinies paga-
mentos :
A' empresa da illuminacao a gaa desta eidade a
quantia de 794300, proveniente de gaz consumido
com a illuminacao do quartel do corpo de polica
e da guarda da ribeira, duraote os mezes de julho
a selembro deste anno.
A' Francisco da Costa Maia. 2*4*730, de venci-
raenlos relativos ao mez de outubro allirao, dxs
guardas nacionaes destcalos na cidado de Rio
Formoso
Ao commandante superior do municipio de
Serinhenj, declarando-se que, nao sendo conve-
niente a ereaco de novos corpos da guarda na-
cional sem urgente necossidade do serv co o utili-
dade publica, o que se nao verifica na 9ua propos-
ta, deixa de ser encarainhada a sea destina
Ao do municipio de Flores, dizendo que, na
lei n. 601, de 19- de setembro de 1850, encontra
r meios de chamar w cumprimento do seus de-
veres o commandante do batalhao n. 33 do muni-
cipio de Ingazeira, eumprinda representar a esta
presidencia sobre a necessidade de providencias
mais enrgicas, se nu forem bastantes as de saa
competencia.
Ao coramanoante superior do municipio de
Cabrob, recommendando qne erapregue os meios
correctivos facultados pela lei n. 601 de 19 de
setembro de 1850, aflm de chamar ao oumpri-
memo dos seos doveres as oficiaos por S. S. indi-
cados ; certo de que a Ignorancia dos funeciona-
ros nao poda isonlalos da responsabilidad* le-
gal, na qoal lueorre tambera o superior que nio
a faz effeotiva, relativamente aos seus subordina-
dos omissos.
Ao director do arsenal de guerra, para man-
dar satlsfaser o pedido de ohjec',03 necessarios ao
uso dos doentes em traumep.'u) na enfermara mi-
litar. Commuolwu-se ao. emmandante das ar-
mas.
A Jos dos Santos Silva, 1 juiz de paz da
freguezia de Panellas, declarando qae segundo a
doutrna do aviso do ministerio da justca, n. 3
Se 13 e Janeiro de 185, renuncia e cargo o jui
MSPACHOS DA PRESIDENCIA DA rROVIClA 10 WA
14 DE NOVEMBRO DE 1870.
Antonio Aquilino da Costa Cabra!.J est pr-
vido o tugar qae reqaer.
Antonio Deoclecio Gonzaga.Informe o Sr. juta
de direito da priraeira vara d'esta capital.
Fraocisco Goocalves Rodrigues Franca.Diri-
Ja-se ao Sr. deseraba rgador provedor da Saata
Casa de Misericordia em sesso da junta.
Irmandade de Santa Anua na igreja da Madre
de Deas.Gimo requer.
Padre Joo Gualberto Luiz de Barros Santos.
Informe o Sr. inspector da thesouraria provincial.
Joaqaim Jos Ferreira Peuha.Dirija-se ao Sr.
desembargador da Santa Casa de Misericordia em
sesso da junta.
Joo Pereira Lagos.Informe o Sr. tenenle-co-
ronel commandante do corpo de polica.
Joo Landelino Doroellas Cmara. -Informe o
Sr. inspector da thesouraria provincial.
Jos Polyearpo de Freita9.Informe o Sr. juiz
municipal e de orphos do lermo do Limoeiro.
Joaquim Francisco de Souza Reis.J est pr-
vido o lugar que requer.
Marcelino Rodrigues Pereira.Rivalidando o
sello, volte, querendo.
Severiano Monteiro Leile.A* thesouraria pro-
vincial, com offlcio d'esta data.
Silvino Antonio Rodrigue.'.Informe o Sr. ins-
pector da thesouraria provincial.
William Rechard*. -Pagos os direltos provinciaes
e geraes, concedo a approvaeo requerida.
CSoTerno do bispado.
SEDE VACANTE.
O Exm. e Rvm. Sr. vigaria capitular, conside-
rando que as matrizes e igrejas filiaos sao os luga
res proprios para adminlstraco dos sacramentos,
manda fazer publico que jamis permittira a cele-
brarlo dos sacramentos neste lugar de sua resi-
dencia. Outrosim, que a nova freguezia de Nossa
Senhora- da Graca da Capunga sera considerada
como fazendo parte d'esta cidade, para o effeito
de serem nella corridos os proclanas que tambem
tiverem de ser publicadas nesta capitel.
Palacio da Soledade, 17 de nov?mbro de 1870.
Conego Iranquilino Cabral Tavares de Vascon-
cellos, secretario do bispado.
Repartidlo da polica.
2. seccao. Secretaria da polica da provincia
de Pernambuco, 17 de novembro de 1870.
N. 1530.-Hlm. e Exm. Sr.Levo ao eonheci-
mento de V. Exc. que, segundo consta das partici-
pacoes recebidas hoje nesta repartico, foram hon-
lem recolhidos casa de deteneao os segamtes
individuos:
A' minha ordem, Jos Lopes da Silva, ootno
susprito de ser crimiuoso de morte, Pedro no
Martins, para recruta, Manoei Francisco dos San-
ios, Antonio Joaqaim Pereira, Joo Pereira, Jos
Soares da Silva e Justino Jos de Santa Amia, por
crime de furto. ._
A' ordem do juiz de paz da freguezia de Santo
Antonio, Francisca, liberta, por falte de campri-
mento do contrato do locaoo de servico.
O subdelegado do primeiro districto da freguena
dos Afosados, por offlcio de hontem alado, par-
ticipou-me que na tarde do da 14, em trras do
engenta S. Paulo, foi ferida e espancada grave-
mente a praca do corpo de polica. 4e, nome Jos
Antonio de ouza, por Ludeero e h*?
do lenente-coronel Manoei Joaqwm do Reg e Al-
buuuerque ; que raaodoa proceder a corpo de de-
licio etica va diligenciando a eaptunt dos delio-
auetes qae se tinham evadido.
Em offlcio desta data, participou-me o subdeto-
aado do segundo districto. da referido, fregoezia
aue s 10 horas do dia anterior o menor de nome
Autonio, orpho de pai e mil, que vivia em com-
panhia de sua av, Masa da Silva Fedroza, sabia-
do a vender, por ordem desta, um eoxto de la-
ranjas no porto de ferro do sitie ena qne, na es-
trada Nova, mora o portaguez Aulonio Jos Cor-
rea, trepra-se no mesmo porUo o qual; por
estar bastante arruinado, ceden aapeeo, e cabio
sobre o dito menor, jue morrea instantneamen-
te, por ter fieado com o crneo esmagado.
Deas guarde V. Exo. _
Illm, e Exm. Sr. conselheiro Dngo Velho Caval-
cante de Albaquerque presidente da provincia.
O chefe de polica, Lws Antonio FsmanoV F-
nketro.
Subdelegado do l'-ilstriele' do termo de Flores-
la, Joaqaim Francisco de St
GOVETOfO DO BISPMK). Por ddfteraeio do
Exm. e R*m. Sr. vigarto capitstar, foi considerada
como fazeado parte da etdade o Recite a fregue-
zia de Na ss Senhora d 8rne da Capnega, para
o effeilo de-nella serem eorrifo oe proeiamas pa-
ra os casamontos.
ESPANCAMENTO. = Em tenas do engoobo
S. Paulo, da freguezia dos Aflogados-, ao dta 14 do
corrente, foi e-paneada e lrida-gramneitfe a pra
ca do corpo de polica, Josd- Antonio de Souia, por
Ludgero e Livmo, escravo do lenenee-eorontl Joa-
quim do Reg e Albnqierqne ; pondo-se em segui
da e n fuga os deliuquente.
MORTE CASUAL. As 0-horas do dia f* do
correte, na Estrada-Nova, o menor Aotoeio, neto
de Mara da Silva Pedrosa, andando eom esta a
vender frnetas, trepon-se n'om> perto arruinado
do sitio do Antonio Jos Caroetro, e, cabrado dito
porto, foi elle esmagado.
PASSAMENTODea hooten alma ao Creador,
na idade de 87 anaos, o commendador Thomaz de
Aquino Foneeca, amigo commerciaote e abastado
propnetario desta eidade, de onde era natnral.
O finado foi casado tres vezes, tendo tido 17 fi-
lhos, rendo 7 do primeiro casal, 5 do segando e 5
do tereeiro. Instituio berdeiros de sua terca
seas filhos Prescilla, Tnereza, Clara e Hortelano,
do tereeiro casal ;. nomeou seus testamente!ros
aos Srs. Francisco Joaquim Ribeiro de Brito, Cor-
biniano de Aquino Foneeca e Carlos Joo de Sou-
za Correa ; e marcou o prazo de 4 annos para to-
tal camprimento de suas disposiedes.
TRAVESSA DA BOMBA.T-Moradores deste ra
se nos queixam do mo procedmeBto de ama fi-
iha de Jerusalera que ahi habita ; a qual insulte
com os nomes mais obscenos possiveis as familias
que lera a infelidade de Ihe desagradar.
ARACATY EM DIREWURA.-O vapor Mandah
da companhia Pernambaeana segu hoje para esse
porto ao meio-dia recebendo encommendas passa-
geiros e diahero a frete al-as II horas conforme
o annuncio da mesma companhia.
GUERRA FR\NCO-PflT3SIANA. Enlre os
papis das Tulherias encontraram-se documentos
pelos qaaes se prova que a maor parte das cons-
piraoSes contra o imperio eram urdidas pela
polica.
Eis aqui o resumo que o Jhrnal Oficial, de Parai
aprsenla acerca do qae j/se' tem descoberto :
t E-t hoje demonstrado que dorante, o segun-
do imperio, a prefeitura da- polica se transforman
n'nra verdadeiro laboratorio de conspirares urdi-
das, organsadas ou prorocadas por Mrs. Lagrange
Pielri.
Exceptaando os attsntados de Orsn e de Pa-
neri, e o ultimo movimento de la Villette, a mo
da polieia imperial appareee em todo3 os proeessos
celebres, qae tem servido para a cousolidacio do
rgimen 'anido.
c Em 1863, pe
piracAe, chamada dos quatro italianos, cajo insii
gador principal, por nome Grecco, expa a saa
appareole complicidade, sendo condemnado a de
gredo perpetuo. Ora, o dKo Grecco, agente secreto
e pago por Mr. Lagrange, era de noite solt por
Mr. Lagrange, recebia os fuudos necesarios para
se transportar America, onde, durante muitos
annos, o governo imperial Ihe garanti urna pen-
so annual de 6:000iraneos (1:0804). Grecco mu-
dara de nome, e chamava-se Rabotli, pseudonymo
com que veio nesles ltimos terapos a Paris auxi-
liar a polieia da prefeitura. Grecco esl preso
agora, e assigaou a declaradlo das suas malfeito-
rias.
Pouco antes destes aeontecimentos, Lagrange
fra a Florenca acompanhado por muitos dos seas
agentes, e entre elles Alessandri, Sauret, Labouret,
N'ieque, Houlirs, etc........ A sua misso decla-
rada, tinba por fim apossarem-se da pessoa de
Mazzini oa matarera-no. Muitos dos cmplices
J desta tentativa abortada acham-se tambem pre-
sos. As suas declaraces escripias tero f perante
a justica.
Em 1869, os agentes da polica, sempre as
mesmas ordens, vestidos de blusas brancas, des-
troem os kiosques.
o A amnista pz termo ao processo, mas a am-
nista nao apagou os vestigios da provocaco assa-
lariada. ,
Em 1870j no que loca s diversas conspiraeoes
ullimamenie Julgadas em Blois, resulta dos docu-
mentos e das revelaeoes leilas, que foram provo-
cadas e orgaoisadas em parle por Mrs. Lagrange,
Pietri, (prefeito de polieia), Julio Ballot, Gueriu,
Beaury, Bernier (juiz do processo) e muito:. eu
tros : Guerin era ha muito tempo agente secre-
to; Beaury e Ballot entraram nesse servico alguns
mezes antes da conspiraco. Ballot nd recelara
pedir 500-.000 francos (180:0004); J baria rece-
bdo 208:090 (38:0004), com que tinba pago a
agentes subalternos.
t Mr. e madame Ballot flzeram importantes de-
poitnentos, que assignaram, e j a*tio juntos ao
i general a aouuhlblb, occa^
o- eoaprebeadNb oatrt os n-
AnNefls e o HbviO, tumm V
rete, diante de ^aN-rMhH.
I dos- fortes de Romatavillo e AoaervMie, aeatap
a guarda real prusstaaa, commatHiada pelo arion
pe Augnsto de WarSeaoberg.
94* corpo do seera I d'Abeaateaea, oesapn
pela direita o espaco
minbes de ferro de .
lorie do oerle e Bricte;
il)l> corpo de exeedto
caraioboe de ferro do laVrr* Versailte, i
do Epiaaf, Argenteoil o Bexons. Este cara* fe-
moa o reducto de Gennevfflicrs, e ejfea\ ai atr
Buugivat, eommnnicaade-se com +9 por wm*
ponte de teareas lancada sotar* o Sana.
< I11, aois, roda de Pazfe aove corpos i eser-
cito, com 325:000 homens; aos quaes estala ladw
dos uns i-OOt de cavaltari*.
Existe em Ptaris nm atasen que wm, ees* a
alegre indOerenca de Kpicaro, aMisndo-1 pnmm-
ciado no sea paiz aconiecimealoo de lo&u-ateire
polticas. Este bomem Auber, eH-Hire enanaaai-
tor. Nascido no reinado de Lofz XVI, icvcanae-
guido saudara primeira repblica, o arianairn i
perio, Luiz XVIII,' Carlos 2J> Lniz l~"
repblica de 1948, o segando imperio, eia
repblica em 1870
LOTERA.A qae se acha vanla a ItaV
beneficio da matriz da Capuaga, a qual afn
bajo 18.
PBLICAXOES A -EDIM.
Era 1863, por exemplo, rebenta a famosa cons- que concentram todo os seas
r ?_. ,...,------ : i.-,r .a iiiuniri. < n tudo e por inau, a
processo.
Resalta mais das declaraces das tastemunhas-
que estas diversas conspirarles foram provocadas
por ordens de Mr. Pietri, para favorecer o ple-
biscito.
-Ao Dr. chefe de polieia, devendo ficar S. Exo. Jos da Silva oara um Uro, ignorando-se o v>
inuirado de haver S. 8. concedido a Emidjo de4 autor, bem como que uo da 14 no lojar Lago? -......-
Ss Campos Cosdem a flemissq -M pedio d,ol torja, Joaqun los do Sant'Aona fcra victima, deIpoHp da guarda nacional, para que foi nomwdOj
REVISTA DIARH-
AUTORIDADES POLICIAE3.- Por portarias da
presidencia da provincia de 15 M o crreme,
f^am oomeados: ^^^
Subdelegado do districto de Timbaba, do termo
de Itamb, Virginio Velloso Freir.
fsuppmte do subdelegado do 1 dttr^ do Drancy e SoUv,
termo do Baiqae^ Joaquiai Epipowio ^ n^,,, J A< y^ do prio^jpe di Saxona
t O-jaiado summario, Mr. Bernier, nos differev
tes negocios de qoe se oceupoa, leve urna parte
tnpomaate nessas raachinages. E* eerlo que fazia
os interrogatorios no gabinete de Mr. Lag-ange.
. J se tem feito numerosas prisoes; deo-se
buscas em casa de pessoas. sobre, as quaes Becaem
vehementes suspeitas.
Este negocio e3t eatregu justica.
. c Emquaato a certas individualidades, de que a
imprenta se tem oceupado, sem podec designar
pessoas cerlas, encontraramrse documentos que o
prefeito da polica esl reioiwlo a tornar pblicos,
conforme for segurado o susamario, que. corre com
rapidez.
As tropas alleraas. que cercara Pars estao
destribuidas do seguiute modo:
Sobre as colinas de Saint-Cloud eslende-se o
quinto corpo prussiauo, snb o comaado do gene-
ral Kirskbacls, que oetabelece um reduelo na Lan-
terna de Diogenes, ao mesmo tempo que traba.ha
aivament& para, a consirueco. de bateras as
altaras do SainUAvold. m pouco mais adame,
para o este de Serres, terraiaou-se um reducto,
em frente de BUatfbourt __^
t A' direita, e diante dos fortes de Issy, VaBvre
e MontroHoe, que prolegem, as obras de ierra cons-
truidaa nos seus iutervalk*. encontram-se em pri-
meira e segunda linha, esquerda de CUmarl e a
direita do Gnoisy. os doas corpos bajaros, asior-
dens de Tann e Worlmano, ^^W?
est protegido pela reduelo do Moulm-la-Tour,
T^KTaVie bavar, es.a o redacto de
WWlejuif.
t O sea centro apoia-se em Sceaux.
< Na ilha on triangulo que formara o bena e o
Mame, acampa o 11* corpo.
Estes torcas esto valladas para o forte de
I Chareton, para os reductos de Saint-Cload e para
o forte de Vincennes.
A' direita do 6 corpo e a esquerda do --|0cl.
pe Frederieo, est o if de wu^be' g^
observando o forte deRar ejredqc!ba de
Fontenay rnais alm g^onqn priacipra o
cK-?Pr-c.pem?d&^ *
S^^de-se ataooanaldoOurcq
reductos da Bousiere, e Mon"~
rJ oante
..ail, o fortes de
\ opposica5 e o rainisterio.
Contrista observar a senda qae irilba o tb>
da opposico na imprensa desla erte. flepaao.
em verdade, err que homens do- qaHala da ataa)-
fd* reconhecidos do partido poltico de qoe **
ch o a folha a qne nos referimos, bajan amansa
do e saneeionem a reta que ella leva 1 O* Enaa*
rias, os Nabucos, o Oetavianos, e Soasa Fraaci.
os Otlonis, de certo n> pedem aweear a raapaw-
sabilidade, de semelhante direcec* sesa o saeta-
co do sea prestigio e da saa repasa(taa I _
Entretanto -eem-o preatiaio e ceai a^rftpana-
cao dessos nomos qae a tftrm, o-wfi* aoja
alludimos, ahi se ostente impvida e di
affronta o espirito publieo, nfostacasn
lastimaveis aberraeSes dos vardadaiaas
que regem os partidos polticos nornsses
vernos como o nosso, mas tambem, e o qao
ergnendo pelourinhos de calonaan o^iaosauee
sarcasmo, a que ate, para profligar a sen tatar
os caracteres mais respeitevetai ana mtmnm
seu desagrado, porque nio sataMantsn anas eaa-
denadas atpiracees j ______
O proced ment da opposico na anfr'SM*.-
seneialmente o dj Oeforma, lodnx^aaeo "*"*'
cimento de urna triste verdade arataea. Be qa*
qnando o espirito de partido, qnanda a paixao pi
lilica, se apoderam e dominam a rasa, eaiaeesfe
o passo ao frenezta, impacieoeia o ao *>*
asfarcos_em lasaOta-
sar ns adversarios em
sem o menor criterio, embura
ment imprudente sejam eav"lvloo
os direitos, os legtimos intereasoa e porveotr a
a digoidade do proprio paiz I
E vasto o campo da opposico sincera e eran-
tca : all nao falla espaco en qae o latea se
mostr em todo o seu brilno. u.ir mattaer opa se-
ja um governo, e mais acertados o sea a~sa,
urna apreciacao divergente, uma^ibeona aataatae
sa bastam para po-lo em qaesto, para aaeoootanai
les cora vantagem, oa pelo meaos, cora apparan-
cias delta.
A regio do combate ampia, desde qae tanja
cabedal de intelligencia, e desla o trioAatae swa
infallivel, todas as vezes que procure a
apoio da opinio, illastrando-a eom a,
das sas donirinas, que tazara a felicidad*
vos, e conveacendo-a com a verdade. .
Erra, porra, a opposico, trabe a son ai*a.
mais do que isso, comelte nm crime qninaX
quocendo o seotimento da naciona 'idade. profeBa
e offande os direitos o legiiaos iaMfesjM* do pai/
e renega o carcter de seos coociadao. A pa
tria ai ame sacrosanto, que nao. deve ser
irahido, nao deve ser posto em lien I
Infelizmente a opposw na imprensa, taraUtars
e sobretodo o seu mais earaeierisado eagao. a
forma, parece desconhecr inteiraoeefeeiespm-
cipios alias inconcoise* de moral pob"
Mais pronunciadamente revelon i f*i,*mm **
deploravel desvio, desde que aesumiao poder oan-
bioete actnal.
O ministerio de i6 de jultao foi, aojosu e anm
mente guerreado porque represeetava o t\cmn-
visroo do partido, !porqae votara ao o^irassos-
ao exterminio os lineraes, wrqut ai) auend:a,
sophismava os continuados mlasaos do pas- petas
mais instantes reformas.
Do alto da tribuna do senados o chele mu* prt**-
mioente do partodo liberal, o lustrado je. asan
Ibeiro Nabuco, aulotisaodo oeokorindu eom so;!
palavra eloqceete aquellas aeensaces, diziaqa-
o partido liberal nao quena o poder, porqo'' roa*-
nhecia nao ser anda, chegado o aasejo de a*sumi-
lo ; mas que o paix exiga elamoi laaensais aari-
formas, e qae esta podiam ser tetadas a e
se oo pelo ministerio de eolio, o oo Sr. visasa
de Itaboiahy, por outro ministerip forma* as
merabros disiinctoi do partido eocorvad'r, J-***
opinio indicava, como proprios para seim-isuafc
misso. m___mi
E o Sr. Nabueo. declinara os nomos aos-Srs. v
conde de S. Vicente, bario da Tros-Barras, SaBS
Torres-Homenu e oulros. *j^,
Pes bem : o, ministerio de 16 de jum>
e poder e o- que Ibe saeeeden l erfaqaiaai
pelo Sr. visconde de S. Vieeote, que eoaviaao, aar*
collegas os Srs. baro das Tres-Barraa a a\Ue>
Torres Hoenem.
Apreseaodo-se s enmaras, essi asa_**"** ana
de sessap, o, mioisterio de 19 de setssnbrn, anta
aalorisada de sea illustrado e rwpoitivaL enafc-
deu-se p.-essa em exibir nos tenaos o ana ca-
ros epositivos o prograrama de son exi*
Nesse prograrama, s signieativa i
da seuti raemos de justica e medecnco, a
a todos os direitos, e do desejo
teressado de uiilisar para o paiai
vicos dos brasiloiros, qaaesqner
opinioes poliheas, o minislono i
tenco de realisar, eom a maxim
dade, as reformas reclamadas,
ellas as mais argentes.
Os chefes liberaos loroaram s .
tativa no parlamento; osas o qaa Isa
da opposicio era presenea desta
pera ao meos algam lempo o>
bnete para conhecer e avalia
suas promessasT
Nio, infelizmente Dio:
mando as palavras dt asa
echoam no recinto do senado, n
contra o gabinete de 29 de
abertas hos'j,Vidad>, levantando
do acerr g-gej Mm outro lUo ano o asna-
^ nio se contenta a onpoi$ioosas oa
internos psrs eevar a vidos ana a
ainda mais toce.
Um dia a Jtefrrnw da*--
uc navio alleoo>*'," ^ ao foi
e que i ^ oas agai
. ^overeo ifooraaSt
por toso-a obripeao do bl
A Re/oran nio contasen a
raemos nio sabe do aan_nt
i*
ero trente
dra tactos dos noaes vio ama saa s ;anns wn
odio ao minisierio nao davina sntfanxar psan i
*Am-'


-
2
I
de Pernambxkco exta *eira
ovembro de 1870
U
lica
imperl
Dorase Ora
accusa de. tooi
ill, denuncia que o giverno
do Orienta! triraam a*in;6rpd-
iblca o Imperio, n restanele-
a Cisplatina!!
_ desacredite/-se. o gpverno,.em-
relacdes exteriores do
tea o dever de r<
Proscreva-se o
se o carcter bras
de selvageos, ludo
guerra ao ministerol
Nao basta a repgnenleWfk dos boatos, onle
a par de insulsas chcarTice, m imputan' torpe:
calumnias e as mait ridiculas ideas a hMMb it-
rios, de reputacao firmada, que eslao sflrvindo o
paz; nao basta a propaaenda da ansrchia, da des-
truico, preciso tambe o sacrificio do pundonor
nacional I
B o que fazem entretanto os chefes do partido
intitulado liberal no meio desta degeneracao de
ideas e de sentimantos dignos ? I Onde est a
conaMcacia-desses ?temen t I
Uro partido, cujos cheles nao lm prestigio e
lorca para impedir a degradacao da moral polti-
ca, que, se nao sao attendidos e obedecidos, ao
menos protesten! contra tal degradaco, nao 6 de
certo digno de subir ao poder.
O titulo de eonquista do governo do Estado a
forca da iotelligooei e das ideas nobres, o amor
da nacionalidad, a moralisacao.
Rio, 3 de oulubro da 1870.
Jko so ver ii o e imaprensa de Por*
ugal.
TRIBUTO A VERDADE.
Amieus Pialo sed magis rnica
vtritas.
Lembrou-se alguem, que por modesto, occultoa
seunome, de apresentar ao publico" e de recora-
menlar imprensa de Portugal o Sr. Antonio Do-
mrognes de Souza, como ura distinet > philantro-
po e Portuguez dedicado s cousas de sua patria,
fazendo innocentemente nytar que lo eminentes
qualidades anda nSo tivessem merecido, como
sigual de apreco, alguma das condecoracoes de
9 tdo prodigo o go cerno portuguez.
Refermo nos ao estirado e bem elaborado 'artigo,
?ue appareceo, precedido da pomposa epigraphe
nbuto ao mritono Diant de Pernambuco de
12 do corren;e.
Quem coaheeer, como nos conhecems, ao Sr.
Antunio Domingues de Souza, e llver a pachorra
de lr esse soberoo artigo, ha de por sem duvida
admirar e muito, a coragem engenhosa de seu
incgnito antor.
Por certo, s um homem dotado de muita cora-
gem se abalanzara a chamar a attencao de um
governo illustrado e da imprensa seria da um
paiz culto para a insignificante individualidade do
agente coasalar portuguez era Goyanna, physica e
moralrnente talhado pela natureza para vivar ig-
norado e esjuecido no seio da mulliJo 1
Nao somos inimigos, era temos raveja flo Sr.
Antonio Domingues de Souza, e pouco ou nada
nos importara que o seu extremoso panegirista
supplieasse e oblivesso para elle, nao s una co-
iMIgooo coa cdhoario do topea res-
pondflodo ao aununcio inserto no- Vianio
. de hontem a aasigoado .pelo -i- Casinao
- do ponto.
?.-_ "' M Pac3w M ao pateadas nos aci
itam mal.
C0MMERCI8.
o nebro.
iit|5p
de al
< 116 pjr
b RECIPE 17 DE NOVEMtf&G,
DE 1870.
Mil' 1/2 HOHAS DA TARDE.
Colarles ofieiaes.
de^9W* com puteada lo grossen& Immoral.
sioha d > ponto entende qae o pnbheo
ae nrnambaeo eleve engolir plalas mal cobertas
e actor bom e perfefto os actoe mal arranja-
03 ? JKU'l,lllr actrUp que tero representado eo
umb de Safl Antojo I
Esses nobres serihores de bonots brancos e en-
carnadosi que alinde o.Sr. Casinha do ponto, sioK-
dignos da classe a que felizmente perleBuem;
nonram sua nobre classe, e jamis praticaram ac-
eoes qne fnerecanrreprevactw do Exm. Sr. ge-
neral : visto como nao tendo elles gostadodo acto
apenas apuparam civilmente a actriz que veio em
i ernambuco vender gato por lebre.
Nao mlsler, pois, que o Sf. Casinha do panto
emeommode o Exro. Sr. genera), para coisa seme-
Ihante; S. Exc. eonhe- srs otaltrirno, e :te*
consciepjia da dignidado d'elles, alera jJe cine o
Sr. Casinha do ponto deve saber qae apopar a
pessiraas aclriu nao embriagar-, e commet-
ter actos reprovdos: sendo crtf que qoattraer
um dos que asam dos taes bonets tem mais dig-
aidade, in'elligencia e prebidade de que o 8r. Ca-
siuha da ponto, qae nao cooheeo, mas descubro-
Ihe aleivosia e (lsidades.
Sirva-lhe, pois, a presente ddlicp, c&ndoeerto
que fico na estrada para o contestar.
Un SpectaUur.
flenrique L9iden & 0. ao
Dr. Francisco Augusto da
Costa.
No Diario de Pernambuco de 17 do correle o
Sr. Dr. Francisco Augusto da Costa declara que
n5o ajustou araigavelmenta comnosco suae comas
pelos servigos prestados como nosso advogado,
tauto assim que contra nos corre urna penhora
para pagamento de seus honorarios, e que davj
Sragas a Deus por ter-se despedido do patrocinio
e nossas causas. Nao admira que o Sr. Dr. Costa
com iniraitavel coragem, que Ihe nao invejamo*,
diga que se despedir do patrocinio de nossas cau-
sas, quando contesta ter ajustado suas conlas no
dia 10 de seterabro prximo (ludo, era consequen-
cia do que aceitou nm titulo de divida da impor-
tancia de 200^000 por saldo de c-ratas, pagavel
por nos no fim do dito raz
Nao exacio que fosse o Sr. Dr. Costa qnem se
despedir; nos que o dispensamos, porque in-
felizmente nao fo nos bem succedidos no xito de
alguraas pequeas questSas nessas entregues aos
cuidado* do dito senhor doutor.
A prepria carta que o senhor doutor nos dirigi
em data de 12 do referido' mez de setembro, de-
0|0
Guzgalo JoaQtoiKo,
PNsidente.
Pelo secreterie,
A. P. d Lemoe.
ACFAplGAJ
dem do dia 17 ,
38:381^767
l A sh&l er kOm
KoTlmento da alfandega.
Volumes entrados com fazendas
t cora gneros
Volnra'es' sabidos com fazendas
t com genero*
tn
o?
218
164
453
-- 617
Detcarregam boje 18 de mu.
Galera ingieraWermMndiversos gneros.
Brigaa iagla-^ Wild Wacevtttos de ferra
Lugar inglezNavegatorrcarvp.
BaTa inglezaVA'aW-noordem.
Barca iugleafinlnntetrrrersos gsnetos.
Brigue portngneJuiithcHVersos gneros.
Barca iogjeza.Zennia idetn.
Brigue inglez1Kdilem.
Lugar pbftnguez Julioidni.
Polaca itldina^-Sird-fleTn.
CQNSUUDO PROVINCIAL.
Rendimanto o dia 1 a 16. 36:385*372
dem (Wdia 17 1:819*277
Mello.
Moraes.
de Moraes.
Jejoi'da Matta.
joaquim Gerainiano de Arrnd*
ros Jos de Medeiros.
rtlarcia.
Jnior.
Medeiros.
Antonio de Andrade Luna.
Jaym Homafwira de Aguiar.
AntMiD Luz de Oliveira Ar.eredo.
Antonio Botelbo Pinto de MoseuiU.
Manoel Al re Guerra.
Bento Jos da jilva Magalbles.
Pedro Gonewie Pereira Ceeeio.
oaquim Bernardo dos Rel.
Joaquim Lopes Machado.
Frafletsco Frwia RaUhMfaniqr
JosFerreira Balthar.
Jdaquim Francisco das Chagas e Silva.
Pedro Osorio de Cerqoetrt;
Beato Eleuieria de Souza Castro.
'Bertfirdino e'enna Pontual
Secretaria do tribuna^ do commercio de Per-
ambueo,-17 de ootem*% a 1870.
Confere.O ofllcial-maior,
Jnlm Angoste da Cnoha Geittrae/i
i i mi i^- |
A PAS CA.
Utmo-por MHe. Mtrltle.
i. Remaace
LB TEMPS DM CER1SES.
libido por Vr. "
________ exlbido Mr Mr. RaynauJ.
*. sempenhadf tur MMKraJeV
Eio-Grande do SaL
Segu com brvidad o
me Bacienal AmeU^^
lb falta, trata se m
L. 9e O. Azevedo h C, roa da trox ti, f-
tneiro
:ss
DECLARACOES.
.
38:204*849
MOVIMENTO DO PORTO.
i ---------------------
Natiici entrados no Ha 17.
Rio Grande do Sul27 das brigue escuna oaoio-
mlCysne, de 237 toneladas caaitao Jos Mon-
teiro de Almeida, equipagen 13, carga 13,000
arrobas do carne ; a A. Mora Irmao.
Navios sabidos no nesmo din.-
Rio de JaneiroPatacho americano Water Witch,
capitao Sanford, em lastro de areia.
l'erra-NovaBarca ingleza Fleetwing, capitao H.
Boiley, *m lastro de arei;.
BarceionaSumaca. hespaoiiola Ricardo, capitao
Flix Burgueira, carga jlgodao.
mo tnuitas das eondecoracoes de que prodigo o volvendo o titulo da dinda aciraa alludida, e' que
guvurno portuguez.
Ser-noj-hia lambem absolutamente ndinerente
Dina apologa qualquL'r, anda a mais hyperbolica,
que selimitasse a exaltar as virtudes .domesticas,
e o tuio e consumuda kabUidade com que elle tem
sabido adquirir urna loiiuna independente.
Mas nao pedemos, sendo Pprtuguezes e morado-
res em Goyanna, deixar passar sem um protesto
a longa enumerarlo dos suppostos servigos pres-
tados aos Portuguezes que a^ui residem, e ao nos-
so |>aE peloagente consular de Portugal nesta
ciJ.ide.
Dirara quanto quizerera, digam al socedade
qu< uHo d negociaale. hbil e possuidorde fortuna
ioJepeodente : nuuca Ihe Dzemos o inventario e
nada temos cum isto; mas nao digam que um
pitiantmo, sempre prompto a soccorrer os Por-
tuguez ;s necessitados, porque nao ha nem houve
nuuca i o Goyanoa Portuguez algum que fosse
meudigar sua porta, era elle estendeu jamis,
man protectora aos que tem precisado do auxilio
de sens compatriota?.
Digam que elle tem comprado alguns vro* ne-
cessarios aj exercicio de seu cargo, de que se or-
fc.ilha e ensoberbece a ponto de fazer rir os mali-
ciosos j isto crivil, por ser pequea a despeza ;
mas nao iligaoi que elle montou urna agencia
cwn mobi/ta accessorios necessarios; porque
'- i.l i vordadecomo ter o Sr. Domioguen de
Souza uiitido o premio Montijon por actos de pbi-
lantropia.
h un que elle sempre dos primeiros que vi-
s:tam e do3 qae mais rasgadamente cumprmen-
lira as autoridades desta comarca : quando nao
I emos testemnnhas de vlsia, fcil dos seria
acreditar isso, por sabermos quanto elle sofrie-
go em fazer eenbeeer a sua dignidade de agente
consular, e quanto aprecia o mais banal cumpri-
menlo de quem quer que possna a mais diminuta
paicelia de poder neste paiz; mas nao digam
que elle tem mantido no exercicio de seu empre-
yo, com as respectivas autoridades do paiz, a mais
rhc tmspecta harmona, sem quebra dos intereses
dos seus concidudot; porqao urna tal phrase,
assim tomada, faria suppr que elle, pelos do es
naluraes e educ cao, est altura do cargo que
oceupa, qaando incontestavel, qae Dar- inepto
nao Ihe Mta tanto quanto elle carece para ser
ph i tan tropo.
Digam que elle com a sua grotesca e aparva-
lhada gravdude, com o sea andar acelerado, com
o seu fallar ligeiro, fazer perder o folego, pare-
ce mais um bizonho caixeiro sempre a temer fo
gueles do patro, do que um serio e circunspecto
agente consular, e dirao a verdade.
Digam que o seu uome tem tgurado cm ultimo
lugar sempre e sempre com mesquinhas quotas
na! subscripjoes aqui tiradas para flus de bene-
Jjcencia, ou para perpetuar l na mi patria a
memoria gloriosa de Portuguezes Ilustres, e far-
Ibe-hao justica.
Digam mais, queem vez de procurar harmoni-
sar a colonia portngueza de Goyanna, elle concor-
re, ao contrario, a relalha-la-era partidos, fomea-
taudo intrigas, para o que nao ihe falta de todo o
jeito, e leio em apoio desta assercao o testema-
nbo dos Piriugaezes aqu residentes.
Digam, tinalraente, que el'e ridiculo, egosta,
iueptj, indiferente aos nteresses dos seus patri-
cios, esquecido da patria, da qaal somente se lem-
fcra qaand> a sua estlida vaidade Ihe faz conce-
ber a esperaaca de rnter alguma tela que Ihe
adorne o peito, e tero retratado ao natural o
agente consular o Sr. Antonio Domingues de
Souza.
Se assim com elle julgam-no merecedor de
nma p-mimenda, dem Ih'a. Nao nos oppomos a
isto. Mas nao qneirara taviar a feia pralha com
as farinosas pennas do pavo, que nao podemos
resistir lentacao de lh's arrancar.
Portuguezes generoso?, quo amara seus concl-
dadlos e estremeeem patria au-ente, h%, nao
pjucos, na cidade de Goyanna; mas nenhum des-
ses se chama Antonio Domingues de Sonza ; ne-
nhum desse3 agento consular de Portugal, no
n!.um desses mendiga condjeoraedesera pede
que Ihe queiraem podre i acenso oas azas da adu-
lacao. Tudo quanto fazem em favor dos seus pa
tricios, em beneficio da patria,' Ibes parece lo
pouco em relacaj aos sens desejos, qoe se algn-
ina circum-tania imperiosa os forcasse a fallar
oni tae3 serviros, pederan! antes descalpas do qo
recompensas.
Sao esses os verdaderos continuadores das
honrorissimas tradijeoes de amor e devotaraento
ao paiz natal de que falla o artigo a qne alludl-
nios ; sao esses os qne sabera sera carcter ofi-
cial, sim ; mas cora efflcz intelligenela eacryso-
vado patrijtismo, curar dosreaes nteresses da co-
lonia portugoezade Goyanna, que mda deve ao to
(.o vado agente consular. Bal dos Portugaezes de
oyanna se os seas nteresses preeizassem da
ucc5o e disvelo do tal philantrooo : mal das
idi o ca-
se acha nos autos de arbitramento, o desmentido
mais solemne a voluntaria despedida do 8r. Dr.
Costa,; porquanto quem d gracas Den \ por se
ver livre de urna eousa nao se molesta pdr ver-se
d'ella privado.
O Sr. Dr. Costa diz em a referida carta que em
Consquencia de termos toraado ontro advogado,
nao eslava p>lo ajuste que lizeramos.
Ora se o senhor doutor, era vrtude de havertnos
tomado outro advogado, chegou aj ponto de oc-
cultar a verdade, .do negar o que se passou em
presenca de te;temunhas fidedignas, como que
lodo chcio de si, julgaado-se laureado de urna
a;ea nobre, diz que foi quem se despedio da
patrocinio de nossas causas ? _
Se foi e -enhor doutor quera se despelira, por-
que *anto se molestou com o contracto que flze-
mos com ontro advodado ?
Parece-nos que o Sr. Dr. Costa ou nao reflicte
quando escreve, ou descoohece a forca dos ter-
mas ; pao nos engaamos na segunda parte.
Aqui Acarnos : deixanlo que o senhor doutor
se eslorca por ver-se privado d9 mais um meio de
alargar a sua clientella. Aguardamos a decisao
dos iribunaes nos embargas que oppozemos ao
arbitramento o penbora para inteirar inelhor neste
negocio o publieo que enlo sentenciar a qual de
nos assislo a razao.
Recife, 17 de novembro de 1870.
Henrique Leiden & C.
EDITAES.
~|- -- -. -
SANTA CASA BA MISERICORDIA DO
RECIPE.
Peraete junta adminismtiva desta santa casa
tem de ser aforados os terreos ns. 39 e W no
lugar dos Arrombados em Olinda, os nui oatrV
ra estiveram aforados Manoel Jos Lopes Braga,
qae fez cessio de semelhanle aforamento.
Os pretendentes deverao apresentar sens reque-
rimentos na secretaria, onde poderlo receber as
nformacoes que precisaren).
Secretaria da santa casa de misericordia do Re-
cife Ift-de novembro de 1870.
O escrivSo,
Pedro Rodrigues de Sonza.
penhad por MHRrajH
A linda caacSo
m LAMANOOLINE A-DODO
tetado pelo eaHcato Mr. Carn.
5.* Canco
LES GEUX.
eaetado por Mr. Maris.
6. Canelo.
" ,AH Q"E J'ATME LT!S MILITATRES
exhibida por Mme. Valmonca.
SEGUNDA PARTE.
IreMesentar-se-ha a linda opereta cmica
ura acto
Les Hirondelles de la ru
I'ersonagens.
Pepettiv...... MlleBreicia.
_ Fntzraann...... Mme Valmonca.
Ytm m Tendom-s* no eseriptorio do theatro
1*0(0 a entrada.
Os carnaroias de orden sio reservados pare
as ramillas a 1* cada pessoa.
Principiar s fl horas da tards.
em
SITIOS
AVISOS MARTIMOS.
AO PUBLICO
Constando a um consenhor de 3 partes do so-
brado de um andar da ra de Hurtas n. HO, e
credor por decimas que tem pago da mesma casa,
divida que prefere ontra qualquer, qae alguero
procura passar urna hypotheca que diz ter na mes-
ma casa, nao explicando que a mesmo bypntheca
urna parte smente vendida ha lempos, e horda-
da no valor de um cont e tanto, assegurando este
credor hypothecarfo que os herdeiros vendem as
outras 6 partes, o que falso, e no vende-se, pjis
tambera forara compradas, como se far valer n)
juizo competente seas direilos ; assim se previne
a este credor de urna parte que nao continu a
incommodar os herdeiros da mesma, sob pena de
ser punido judicialmente.
. ... philantropo ,
'obres virtudes qae hin sftmpre distingu
acter portuguez, se ellas caucessem para p
nar e florecer nos coragBe dos fllhos da Porta
tpj aquypdentes da iniciativa e do exemplo
dl> tal~patriota benemrito! i i
Picam, pois, que o governo estenda a snapro-
djgalidade de condecora;e9 at o Sr. Antonio
Ha vai uisto mal algum.
Je-se dar tambera 2 e|le,
M aada vala Nio pe
usa
nada vala
ima e a grati-
e de alera-ear,"
uz j^^Bf
u oltKis de
t
nud gi
tugal,
siajerae d
do ioequivuca dedi
E' o que
aobom senso.
li do novembro de 1870.
Alguns Portugiuze$ de Goyanna.
(luz
iraento.
a respeito a verdade
A castalia do ponto.
E' por certo para admirar que tal incgnito es-
teja provocando aos bonets brancos, e encommo-
dando ao Exm. Sr. marechal de campo, barao de
S. Borja, pelo simples facto de elles assislircm
alguns do3 espectculos no lliealro de Santo An-
tonio, e de applaudirem a urna actriz, que, por
certo, nao de sua ffeico.
Fique de urna vez certo (para que nao contine
a encommodar ao mesmo Exm. Sr. |, qae per-
mittido, da mesma maneira que a tolo e qual-
quer, o comparecimento dos bonets brancos nns
divertmentos pblicos, tanto mais quanto tem el-
les se portado convenientemente entre a sociedade,
e se por acaso assim nao fizerem, tem nesses en
tretenimentos ama autoridade que a competente
para reclamar a ordem publica, qaando por elles
alterada.
O que tem sido publicado prava ignorancia da
parte de quem quer que seja a respeito dos regu-
laraentns dos theatros, e tambera de nao ter fre-
quentado outros.
Esleja, pois, certo qae os bonets brancos conti-
nuarao a frequentar o iheatro de Santo Antonio,
e que nao sero ellos os primeiros a offender a
moralidade publica, mas que ser* prompios a re-'
pellir qualquer injuria que se lhe< alire.
O collar de pipocas.
N. 436. QUAL O MOTIVO POR QUE SOP-
FRE1S ? Vos outros que padecis de phtysica,
asthma, eatarrho, bronquios e toase chronica, res-
pondei esta pergunta. Na admtravel e mar vi-
Ihosa composico da anacahuda peitoral de Kemp,
se vos offereee um romwlio quasi rafallivel, ra-
pado e inteiraraente irtoffensivo. A sua prepara-
SS) composta dos secos balsmicos e nutritivos
e orna arvore mexicana chamada anacahuita,
admiravel antidoto este gratuitamente offerecido
Sela natureza, para a cara de todas as enfermda-
as pulmonares. O mundo nao encerr em si,
rasa que com ella de leve se possa comparar. Os
proprios mdicos testifico, que, quando as suas
melhores e mais poderosas meJieinas, chegaram
provar a sua inotilidade o ineffleaoia, na diminui-
ci* e curativo da tosse, oa para alliviar a rouqui-
dao e inflammacao. trache! (v6a i>re#i\f>in* r.
inflammacao. tracheal; este exoelleitte re-
medio, to agradavel como effleaz, com reqnencia
restabelece os pulraSes os bronebios e a larynx ao
seu primitivo es'ado natural.
N. 411. PROGRESSOS DA MEDICINA. A
sciencia nos d alegres novas nuneianiq-nos qae
se ha feto um grande e imprtame descobrimeolo,
e que as insidiosas amarguras e soffrimento?, can-
sados pelas molestias de garganta e dos nrgaos
da respiraco, podem ser atalhados com o mme-
dtMo uso do peitoral de anacahuda de Kemp ; c
isto coin um certeza e infallibilidade, al agina
aesconhecida u* watiea da medicina. A base fun-
lamental desle delicie,^,. (! riqui-simo xarope eon-
3te do balsmico sueco e^r^jd d* uina arvore
dliamen i !C58 C0 ama f* dij8 ***
Se,n. aeonibreea. Pez dwanpareoer a roa-
9 toras impee a possibiiidade da phtysica, -I
O tribunal do cmmercio da provincia de
Pernambuco convida aos Srs. coramerciantes na-
cionaes matriculados i residentes neste districto,
a campareccrem na da li de dezembro prximo
futuro, s 9 horas da raanha, na sala da asso-
ciacao Commercial Beneficente, para proceder-se
a cleico do dous depulados comraercantes e de
dous luppleotes que no seguinte quadrienio de
1871 a 1874 ten> de funcionar, visto lindar este
anno o praso da eleico em vrtude da qual func-
cionaram como debutados os Srs. Jos Marcellino
da Rosa o Barao. de Cruangy, e como sopplentes
os Srs. Jo Frsncisco S Leito e Antonio Jos
Leal Res, na forma do titulo nico do cdigo de
commercio e decreto n. 696 de 5 de setembro de
I8o0.
E para constar mandn o sobredito tribunal fa-
zer o presente, que, assignado pelo seu secreta-
rio ser publicado no Diario de Pernambuco e
Jornal do Recife, e afBxado na praca do Commer
ci com a lista de que trata o art. 6 do citado
decreto
Secretaria do tribunal da commercio de Per-
nambuco, 17 de novombro de 1870.
0 secretario,
Jos Marcellino da Rosa.
LISTA.
Jos Jeronymo Monteiro.
Luiz Antonio Siqueira.
Barao de Ouricury.
Antonio Jos Leal Res.
Jos Marcollno da Rosa.
Joo Ignacio de Medciroi Reg.
Elias Baptista da Silva.
Barao de Bemfica.
Jos Francisco de S Leilao.
Joa da Silva Faria.
Gabriel Antonio.
Manuel Duarte Rodrigues.
Jlanoul Antonio da Silva Moreir.
oaqoito Mauricio Gougalves Rosa.
Antonio de Souza Pavolide.
Jos (Jomes Leal.
Heorques Bernardes de Oliveira.
Antonio Gomes de Miranda Leal.
Francisco Ferreira Balthar.
Joo da Cunha Magalbaes Jnior
Thoioaz Francisco de Salles Rosa.
Joaqnim Jos da Costa Fajozea.
Jos P.odrigues Poreira.
Jos Candido da Barros.
Antonio Luiz dos santos.
Jos Pereira da Cnnba.
Aureliano Augusto de OKveira.
Pedro Joaqnim Vianna de Lima
Jos Joaquim Dias Fernandos.
Jos Velloso Soares.
Manoel Joaquim Ramos e Silva.
Vicente Mendes Wanderley.
Antonio Valentim da Silva Barroca.
Fraoeisco Aecioly de Gouveia Lins.
Amonio da Silva Ferreira Jnior. *
Barao da Soledade.
Jjs Pereira da Cunha Jnior.
Olyrapio Goncalves Rosa.
Luiz Jos da Silva Guimaraes.
Jos Moreira da Silva.
Jos Augusto de Aran jo.
Joo Baptista Gomes Penna.
Jos de Sa Leilao Jnior.
Antonio Alves Barbosa.
Manoel Joaquim Rodrigues de Souza.
Joa> Pinto deLeraos.
Vicente Jjs de Brilo.
Bartholomeu Francisco de Souza.
Jos Pires Ferreira.
Joo Pinto de Lemos Jnior.
Caelaao Cyriaco da Costa Moreira.
Lourenco Luiz das Neves.
Miguel Jos de Abreu.
Candido Cassemiro Guedes Alcoforado.
Jos Antonio Basto.
Antonio de Moura Rolim.
Joaquim Francisco Lavra.
Tharaaz Teixeira Bastos.
Jos Francisco do Reg Mello.
Jos Bom Ramos de ..Olveira.
Jos Antuuio Moreira Dias.
Joo Manoel Ponlual Jnior.
Jos Ferreira da Silva.
Jos Feliciano N'azarelh.
Jos Alves Feruaodes.
Aoionk Francisco M. Miranda.
Antonio Ignacio do Reg Medeiros.
Augusto Prederioo de Ohvera.
Jos Francisco Lavra Penna.
Hermino Egidio de Figaoiredo.
Manoel Jos da Silva Guimares.
Djinragos Alves Matheus.
Barao de Nazarelh.
Joaquim Felippe da Costa.
Tiiomaz de Aquino Fonceca.
Feliciano Jos Gomes.
Francisco Antonio da Rosa.
Paulo Jos Gomes. *
Manoel Pereira Lemos.
Franoelllno Xavier d Fobaeca.
Frene seo Joeqtiim Ribeiro de Brilo.
Corbioiano de Aquiao Fonceca.
Antuuio Jos da Silva'do Brasil.
Alfredo Henrique Garca.
Francisco Ignacfo de Olveira.
Conselho de compras navaes
O conseibo promove no dia 19 do correte mez,
i vista de propostas recebidas at as 11 horas da
manha e sob as condices do eslylo, a compra
dos objeclos do material da armada segrales :
10 baldea ieiras de folha, 10 dozias de chicaras
e pires de folha, 6 pecas de cabo de Iraho de 1 1(2
polegada, 6 pecas de cabo de linho de 2 polega-
das, 6 pecas de cabo de linho de a polegadas, 400
ajqueires de cal prela, 30 covados de damasco de
la entestado, 2 pecas de encerado para mesa, 20
funz de folba, 48 livros de soccorros, impressos,
de 50, 100 e 150 folhas, 10o larapeoe3 de folha
para illuminaco, 100 lapes de cores, 200 lapes
pretos, 2 oculos de alcance, 8 duzias de tigelas de
folha dobrada, 30 grozas de torcidas para pharol,
10 duzias de taboas de cedro de 3)4 polegadas, 10
duzias de taboas de praho de 1 polegada, e 10 va-
ros de ferro quadrado de 4 polegadas em qua-
dro. .,
Tambera o conselho no mencionado di 119 do
correte mez contraa, por goal forma, os forno-
cimentos durante o lempo de 6 mezes de cemento
romano para as obras do porto, tendo as barricas
nanea menos de 10 arrobas de peso, e de carvio
de pedra Cardill, New-casile, e do uno, propno
para forjas, para os navios da armada e estabele-
cimento de marraba.
Sala das sessdes do conselho de compras navae.-
13 de novembro de 1870.
O secretario,
____________Alexandre Rodrigues dos Anjos.
PiRA
o
Rio-Grande do Sul.
Vai carregar e seguir com breridade o patacho
portuguez Principio, capitao Jos Francisco de
Abren, recebe um resto - ae trata-se com Araorim Irmos & C, raa da
rnz n. 3.
Para o indicado porto segu em poneos dias o
brigue portuguez Realidtde, por ter a maior parte
de seu carregamenio prompto e para o pouco qne
Ibc (alta a frete barate : irata-se com o consig-
natario Joaquim Jos Goncalves Beltrao, ra do
Commercio n. 17.
lispcc?o do arsenal de
marlnh.i.
Faz-se publico qae a commtssao de peritos
examinando na tortna determinada no regulamento
annexo ao decreto n. 1324 de o de fevereiro de
1854, os cascos, machina-i, caldoiras, apparelhos,
mastrea^es, veame*, amarras e ancoras dos va-
pores Jaguaribe e Mandaba da companhia Per
nambacaaa de navegacao costeira, acbou todos
esses objeclos em estado de poderem os vapores
navegar. _
Inspecco do arsenal de marrana de Pernambu-
co 16 do novembro de 1870.
O inspector,
H. A. Barbosa de Almeida
LIVERPOOL BRASIL & RIVER PLATE
MAIL STEAMERS.
Rio de Janeiro, Babia e Santos.
Espera-sede Liverpool at o dia 23 do corren-
te o vapor inglez Httmboldt de 1,400 toneladas, qoe
seguir para os partos cima depois de indispen-
savef demora. v
Tem excedentes accoirmo-lacfes para passagei-
ros de primeira e terceira cmara.
Para fretes e passageiros, trata-se com os agen-
tes Saundcrs Brothers & C. Largo do Corpo San-
to n. II.
O agente Pontual, com
vender em leilao os predios eepriMee :
terrea grande (oa Capanga) ru 4a
28, solo proprio, cim, sitio, basUMea i
tiferas, 1 eito, sitio, roa 4a Pena
56, solo foreiro, e tendo o sitio MO
frente e 500 a 600 de fundo?, 1 grm*
rea com sitio sita estrada da Cria 4w _
2,1 casa terrea com qointal morado, salo |
sito roa do Rio n. 25 (Poco da PaaaNa.J
IIO JE
no armazem da rna do loperador a,lC,aefl
horas.
da loja de selleiro da roa da CadVia a
Recife n. 27.
HOJB.
A vrava Placido, em eooMqMMia 4 Mr 4* te-
zer entrega da casa em qoe se arla MtaMaai4e a
referida loja, e mesmo pera piglisia 4a aeaa
credores, far leilao, ns u n aaaia Mae 4aa
objeclos existentes no menci14 eataaatataBaaat
no da cima designado, e patas II aovaa Ae aen-
nha, na mesma loja.
LEILAO
da armaqao e gneros existentes
na taberna sita rna da Crin
n. 32.
O agente Pontnal vender em leilao a iiateiin
e gneros existentes na taberna sita rae 4a Crar
do Recife n. 32, pertencente ao espolio 4o fiaidn
Luiz Antonio da Cunha Lge, em en ca ai>-
tes vontade dos licitantes, a rtqaeriawa 4
invenlariante dos bens derxados pelo avesaso lan-
do, e por mandado do Ulna. Sr. Dr. }ak alHakiasI
da segunda vara
Sabbado
19 do corrente
na mesma taberna, s II boras.
Maranhao
Segu para o indicado porto o patacho brasilei-
ro Bom Jetus, o podo receber anda alguma ma-
dezas a frete : a tratar com o respectivo consig-
natario Joaquim Gorardo de Bastos, ra do Vi-
gario n. 16, 1 arjliar.
SI
Correio geral,
Relafao das cartas registradas, procedentes
do sol e norte do imperio, existentes na
repartico do correio em 17 de novem-
bro de 1870.
Antonio Augusto Ferreira Lima, Aquelino Jos
de Gulmarao3 Ferreira, Bernardina Maria da Sil
va, Elysea de Sonza Martins, Fr. Felippe de S
Luiz Paim, Flix Ferreira Lima, Francisco Muniz
da Silva Ferraz, Jeznino Alves Fernandes, Jos
Bartholomeu (2), Joao da Costa Gomes, Joo T.
Marillac, Luiz Manoel de Oliveira Mentes, Lean-
dro O. Alves de CarvalhOj Pedro Affonso de Mello,
Roddpiano Raymundo.
O encarregadn do registro,
Manoel dos Passos Miranda
THEATRO
DE
Paquetes a Vapor
Dos portos do sul esperado
at o dia 22 do corrente o vapor
Paran, eommandante J. S. Mo-
raw, o qaal depois da demora do
soflame seguir para os portos
do norte.
Desde j reeebem se passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder eondotir, a qaal dever
ser embarcada no dia de sna chegada, encom-
mendas e dinheiro a freie al ae 2 horas da tarde
de sna sabida.
Nio se recebtyn como encommendas senio ob-
ectos de pequeo valor, e qne nao exeedara a 2
arrobas de peso ou nito palmos cbicos de medi-
co. Tudo que passar .dostes limites dever ser
embarcado como carga.
Previne-se aos Srs. passageiros qne suas pas-
sagens s se reeebem na agencia, raa da Craz n.
57, primeiro andar, escriplerio de Antonio Luiz
de Oliveira Azevedo 4 C.
dt
Demetrio" ACTacro W^raotb'BastOs.
Alvaro Augusto d Almeida.
Jo Perei4VReg
Aot raio Joaquim de Vasconeellos.
loa) J.w da Silva.
Claudio Jos de Sant'Anna.
Jot> Chrysoslomo Goncalves Rosa.
Marcelino Gonca
Franeisco Antoni de Mattos.
joto j
FrancJaea a ;izern; da sflta.
Felippe Antonio Rodrigues da Costa.
Antonio ManlzJMacbado.
EMPhEZACOIMBRA
Sabbado 19 do corrente
14a RECITA DA ASSIGNATURA.
Variadissimo espectculo
DIVIDIDO EM TRES PARTES
Oaveftnra peta orche9lra.
- PRIMEIRA PARTE.
CaoconeU
J'N'ONS PAS D'ESPRIT.
cantadada por MHe. Mariette.
Ronde da
BRESILIENS.
desempenhado pelo caricato Mr. Carn.
Aria
LES SABOTS DE LA MARQIZE.
exhibida por Mlle. Bre9cia.
Romance
- MA era j
axecutado por Mr. Ravnaud.
Canco.
LE PEUPLIER.
executada por Mr. Maris.
A bore da opera
LA GRANDE DUCHESSE.
desempeuhada por Mme. Valmonca.
SEGUNDA PARTE.
Representar se-ha a chistosa opereta em 1 acto.
Les niariage anx Lanternes.
Na qual tomam parte Mme. Valmonca, Mlle.
Brescia a Mariette e Mre. Raynand e Carn.
TERCEIRA PARTE.
Sumra seena a mnito linda e applaudida ope-
reta em um aeto
^ Les Hirondelles de la rae
Personagens.
Pepetu pifaro............... Mlle. Brescia.
"""oanplacador de ra^eoa,.. Mme. Valmonca-
Os bilhetes acham-se a venda do escriptorio do
theattse.
Principiar s^S i]4 da noute.
COMPANHIA BRASIL
DE
Paquetes a vapor.
Dos portos do norte esperado
at o dia 36 de novembro o vapor
Tocantins, eommandante Jos Ma-
ra Ferreira Franco, o qual de-
pois da demora do costme se-
guir para os portos do sul.
Desde j reeebem-se passageiros e engaja-se a
sarga aneo vapor peder oonduzir, a qual deven
ser embarcada no dia de sua chegada. Bncommen
ia3 e dinheiro a frete at as 2 horas do dia da su
taida.
Nao se reeebem como encommendas seno ob
lectos de pequeo valor e qne nao excedam a doai
arrobas de peso on 8 palmos cbicos de medicio
Tudo que passar destos limites dever ser embar
:ado como carga.
Previne-se aos senhores passageiros qne snar
passagens s se recebara na agencia, roa da Cru;
o, 57 primeiro andar, oscriptorio do Antonio Lalz
de Oliveira Azevedo A C.
AVISOS DIVERSOS.
Augusto Fernando do lego
ao commercio em geral qae nio
savel por qualquer debito qoe em tea
exista contrahielo por sea irmSo
Carlos Silvino do Reg.
CASA DA mWLK
Aos 5:00O|
Bilhetes garantidos.
A roa Primeiro de Marco (ootr'ora roa
Crespo) n. 25 e casas de confueau.
O abaixo assignado, lando vendkse aaa
felizes bilhetes om inleiro a. 1701
dous quarios n. 82> com 00*. a ostras sanea em
100 o 401000 da lotera qne ee acahoat de es-
treir (169*), convida aos possuidores vareas re-
tobar na conforroidade do cosanse, sean desfru-
to algum.
Acnam-se a venda os felixaa bifaesaa ganc-
tidos da 2a parte da lotera, a beneficio de nu-
triz da Capunga (I7f>), qne se uBieiri s*im-
feira 18 do corrente mea.
PRESOS.
Bilhele inteiro C*0OO
Meio bilhete 34000
Quarlo |fi30O
Em porcao de 100*000 para cia.
Bilhete inteiro 5*400
Meio bilhete 1*700
Qnarto t*J50
Manoel Martins F
O juiz da irmaodide de N. S. da lauda da
fregoezia do Poco da Pacella convide a
masarlos e msis membros desta irmindidc i i
parecerem as 10 horas do dia SO de ear
consistorio da igreja mairir, afin de tratr-
melos de levar se a effeito a Ueste deste km
droeira.
Poco da Panelli 17 de mrmmn de
Oescrrvie.
Alfredo T. C. de Va
Aloga-se o 2* andar do sonrod da raa de V
pollo n. 28, com aeonunodacfiw para peeatt fa-
milia : a tratar no armazem do
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DR
Navegando costeira por vapor
Aracaly em direitura.
O vapor Mandah, com-
mandaBie Julio, seguir para
o por tu aciraa no dia 18 de no-
vembro ao meio dia.
Recebe carga at o dia 17,
encommendas, passageiros e
dinheiro a frete at as 2 boras da tarde da sa-
luda : no escriptorio 4) Forte do Mattos n. 12.
N. B.Previne-se aos Srs. carregadores que a
presente viagera. alera de ser o frete da carga con-
sideradamente ruduzida, tem alm disto a grande
vaotagera de ser a mes.ua carga descarregada na
cidade, e praneba. -
Para o Torto
Pretende sabir ata o ilm do corrente mee o bri-
gue portuguez Uniao : para carga e passageiros,
rata-se com os consignatarios Thomaz de Aquino
Fonseea & C, na rna do Vigano n. 19.
Companhia de segins *.(*
ulilidadc pihlica.
A direccio de conformidade eoae ee eetaMea
art. 39, convida aos senhores accienaatae e raew-
rem-se segunda-feira 21 do rntreeee I har m\
tarde, em sea escriptorio roa Y
Olinda n. 42, andar.
Recife 18 de novembro de 1S70.
Os directeren
Feliciana Jos fleenet
_ Thotnaz FerrMRdaada
Precisa-se de urna ama forre oa enema pe-
ra cozmhar e comprar : a tratar na rae fin Ca-
dela n. 53, loja de chapeos._______
Ama
Aluga-se nma ama qne sama rularan a
mar para casa do nma familia no Arraiat,
Bomba : a tratar no pateo de S. Pedro a. I
Aracaty
Segu nestes poucos dias para o indicado porto
o hiate Sobratense anda recebe alguma carga a
frete : tratar com S Leilao limaos, ra da
Madro de Deus o. 1.
Antonio Teixeira dos Santos e
decem a todas as pessoas qne
restos raortaes de sua esposa e mIJi
dida C. Teixeira dos Santos ao
e pedem se dignem asstir e nias
alma mandam resar na ordem _
cisco, tersi-feira ti do cor rento,
manha, stimo di.
SfiS
santo mm
u______
Domingo 20 do corrente
Ab 6 horas da tarde.
ESPECTCULO
Dividido em doas partos.
Segu com brevidade para o porto cima o pa-
tacho Mana, para o resto da carga qne Ihe falla
tratase com Pereira Vianna & C., rna do Vi-
gario n. H.
Os hachareis Laurino da Morera
bino de Moraes Pinbeiro, Maaoet Pe..
Pinheiro, mandam celebrar a gnraai
timo dia, pela alma do sen finado m
Cunha Arauio Pinbeiro, sabbado 1
as 7 horas da raanha, na Igreja fie S.
para o que convida aos sens saeif
sistlrem, e pelo qne Ibes BearSo m
Sociedad
Rio de Janeiro.
Esi carga par esse porto o patacho nacional
Esfrfga, de I' marcha e classe, tendo j parte da
carga para receber: as pessoas qae qalzerem car-
rear dirijan!-se ae escriptorio de Jos Mara Pal-
meira, po largo do Corpo Santo n. 4, Io andar, para
tratarem
Maraoho.
Segu com breridade pira o porte Mima o pa-
tacho nacional Joven Artltyr, para o resto do car-
5^neJibe- ^A*^"' em < s'BMUrio
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo a, ra da
LTOI B. 07.
w
Pertence i meen o MUato inteiro a. MI fin
162* lotera, que se ba de extrabir i
provincia do Ri de Janeiro.
01
____________________f. X Pi
ocleelae
Por ordem desta
socios a renaurem-ee
ciato desta ajeiedadaj
meio dia, afina de
do anno fiade, e poese da
Seerouria da Sociedefie
17 de nevembro de 1870.
ABionio^^H
O*


fe1- 'stttotbtt&b

' d' esperar qe
a OtaoSiaSe Mi compenetrando de mus detteres
M mame* digaa de teas altos fin.
i2* *s e-Jateo tara naroaao o dia da
.3J3
N0SSA SENHrU/MAl DOS HOMENS.
A mesa;Madera desta irmandade vem cordial-
mente agaecf' IrpnddiJs 'dd Senhor Boro
Jezus dos Passos, Boa Jeras das Portas, N. S. lo
Rosario,'e-|SnilAotiif daffgaeria de S. Pr.
Pedro QenMlyafi ; hntcoa ao Illfc. Sr, Jos
F^ncff !'*# IWhia^aigbo director do col-
legio d# Santo AraaM, a bdora conferir-Ihe aceitando o convite que se Ihes fe
Pftg Wfapaelarem a proemio He sna excelsa
aanjelra ;. oWro airo, aproveita o ensfjo para
igualmente agradecer aquellas pessoas que tam
Pena aTBWdJgvaram aom naa esraolas e servico*;
SocieoMe Liberal Unifto Be-
neficente
De orden do eonsefho airafnlstratlvo sao con-
vidados todos os socios a renbirem-se em assem-
bla feral no dia 20 do correte mez, as 40 horaa
da manha, na casa da mesma sociedade, para
prceder-se a elegi da nava administracao que
tem de funccionar no anno prximo firturo.
Secretaria da sociedade Liberal Iraiao Bene-
cente em 16 de novambro de 1870.
Innoeencio Xavier Vianna Sobrinbo,
Io secretario.
Perdea-so,
aado, da qui _
^3! de dexemBro prximo fatoro
nado, levando f raa daCr
andar, sera gratificarlo, desde
taw contra qualqfcr transaccao
com a mesma letra.
Recife, 14 de uovwqbro de 1870.
H. De la Grj
Aloga-se a cato n. 9 da ra do BoflVFi
na eidade de Olind, tambem se veldea dtj^M
a tratar nos ArreWados cora Manoei da Silva
Bastos.
O Sr. Dr. Maaoel Netto Gar
Bandeira convidado para corapa
ra da ?anta casa, aftm de assigoar coa ff
dor os termos de ttrendamentos das casal' que
ocenpa.
Divide-se um sitio no Campo Grande, perto da
estrada de ferro de Ojiada, pelo que se vende ter-
Recife Draiage (Jompany
Lemited
Previne se aos moradores das casas onde se tem
collocado apparelhos de latrinas, que nao devera
lan- ar nada nelles emquanto nao fr declarado
pela directora da? obras publica que 'pdern
funccionar ; alera do aviso previo, a ompanhia
tera mandado pregar os'apparebos, porem algnns
teto sido despregados para laocarem nelles toda a
sorte de irnmunJicias ; por isso previnese aos
mofadores que nao s serlo re>ponnve-< pelo
prejiiizo e damno que causarem, como terao de
soffrer as mollas impostas pelo regnlament) do
goveroo. alm das consequenciasua falla de promp-
to esgolo do que lanc.arem nos apparelhos, nao
sendo a companbia rapoosavel por isso.
Recife, 15 Je novembro de 1870.
Sociedade Emancipadora.
De.ordem do lllm. Sr. presidente, sao convida-
dos todos es socios da Socieda'de Emancipadora
para se reonirem no dia quiola-feira, 24 de no-
vembro s 10 horas da manha, nos saloes do
Club Pcrnambucano, afim de elegerern nova direc-
tora e fazer nos estatutos as modicaroes que al-
garera convenientes.
Recife, 16 da novembro de 1870.
O 1 secretarte,
_'___________ G. Compeli.
AcQnc a vend nu pdnclpaes k>ju de Uvroi, a
chreStomathia
DA
LINGUA INGLEZ
J. C. RODRIGUES.
Coatendo: ua Tratado sobre'a origetn e o
desenvolvimento d Lingua IngWia; unta se-
lecta de 150 pedajoi dos principas* escriptores |
e 100 esbozos MogTapMcoa e crticos desses
actores. i 1 ,
Esta Obra forma um rotme-de 436 pag. a 8',
aitidameatc electrotypado, e encadenado. ._,
PRECO, jfooa
UVRARl.v PUANuEZA.
renos com qunhen
e com algnns ar
no muito
nem pr
llvraria,
m preco
Tira e cal
radao, Bi
V roa esti
palmos de fondo
to, sendo o terre
chaca proprias
Imperador n.
pode tratar.
Precjsa-s
taberna: n
CRIA
na^h
^ Cresd*
atxeiro darlenha pratica de
oRangel n..*t
ta
gam-se
familia e sitio
rxea, lugar A
n. 7.
com
ructeiras, coClira etc.,
a tratara* ra- do
-------
A pessoa que precisar de urna c
cose ptimamente de alfaiate, assim
tidos de senhora, dirija-se ra Pormosa n. 2
tratar. j ...
Precst de Wia roa !tni3b>VT ^n>
cozinhe bem e engomme
Rita n. 87.
na ra nova de Santa
,
^ua.
CAFE PURGATIVO
Preci.-a-se-de urna ama que lave e engomme
com perfeicio : amada Bario diTictoriarti. 61,
8 aaar. _________
Offerece-sa nma mulher da boa
Fotograpliia ioiperial.
Dfe PINTURA
DE
/. FerrettK Vtllela
o dia 7 de abril^issado acha-se aberto 6
' 'cimento phaftgraphico sito ra do
equinado:teocia matriz. Oslraba-
e entao, tenVaahido de noesa offlein
ote agradado,, sendo recebidos por
admiracao poio extraordinario pro-
ltimamente tem tido a phott graphia,
tros com alegra, jor verem a provincia
com ara estabeleefinnto digno d ella, e in-
_stavelmente o prineiro que nesse genero
ojo possue : Umbem nionos poupamos era consa
a para monta-lo n^p em que e acha, es-
o que o publico de Pernambuco saberik
jar nossos esforcos recompensar nossos sa- QXOda Mugue, em'tn dia.
nvidamos a todas afttajl&s pessoas, nacionaes
epstrangeirasque gostam das artes, ou tiTerem
oecessidade do trabalhos de photographia a visl-
m o nosso estabeleclmento, que estar sempre
Dr. Chas, de
lu
Pra os ir
3 m
GFPAIN
te 0 RE DA D01
rara o uso interno e exterae5
GjLolfm cholera-raorbas, dlrrba,
in dia.
dores da onvido,
CURA:
a aias desde as 7
rpala
_ conducta e
ntea Wade para meretfmTTaTrhiaa'nma famttfa e
tambera serricos : quem pre:isar dirija-se i ra
Direitan.-1.
Precisa-se de um criado para um hotel em
Una, prefere-se escravo por ser para todo servico:
a tratar na roa Direita n. 16.
CURSO DE FERIAS
HWMk 1POETIIA
Francisco .le liorja e Olivcira, e-tudanie do 4o
anuida faculdade de direito do Re~8ffe, competen
temente habilitado pela directoria geral da ins-
truc^ao publica e com bsslaole pratica do ensino
primario e secundario, tem aberto em sna casa
ra dos Prazeres n. 42, um curso de rhetorica, e
ollerece-se para leccionar a mesma di.-i-iplina em
algum collegio medanle mdico e raroave hono-
rario.
O abaix* aaignado faz scinte ao eorpo do
commercio, qae desde o dia 17 do corren te deixou
do ser sed calxeiro o Sr. Jo< Ribjiro Arrabalde.
Recife 17 de novembro de 1870.
Jos Ferrara da Costa.
de ris a premio
typograpbia dir-
D-se dous a tre* contos
sob hypotheca de predio : ne-ta
se-ha onde.
m
Sabbjo, l'J do crreme, a* 7 l|2 borHs (ti i-
nha, na igreja do Parizo, dir-se-ha urna missa
por alma do muits estimavel Dr. Ignacio Firmo
Xavier, e convida-se para assistir a mesma os
seus parantes e amigos. _____
L'm amigo do HiiMiio aihjoio J"a|uin Perreira
Gomes Sampaio, manda dizer urna missa de 7 dia
na matriz de Santo Antonio, pelo eterno reposo da
alma do fallecido, no dia 19 do corrente pelas 7
horas da raanba, e para eae acto de carldade
convidase os prenles e amigos do fallecido.
Francisco Bibiano de Gouveia cordealmente
agradecece, a todas as pessoas que se dignaram
asistir ao enterro de sua presada espwa Mara da
Silva Cordeiro Gouveia, eroga a todos os seus p-
renles e amigos a caridade de ouvirem as missas
que manda rezar sabbado 19 do corrente, na ma-
triz da Boavista as 7 horas da manha, 7 dia
do seu falleclraeato.
Na ra do Queimado n. 34, precisa-se de
urna ama para cosinhar em casa de rapaz solteiro.
A' ESCAMONEA
De Bw Barral
PharnaceHtleo-C >Imito
Ajitiiidade dos purgantes a^o.aoffre dem
tra ,o alguma ; a prescripgio diaria que delles
fazem os mdicos e o uso arada mis frequente
feito pelo publico sao pro vas rrefrjg.ivpis tanto
como a quantidade innuiueravel deste genero, S
falta aperfeicoar cada vdi mala o modo de admf-
nistrafo, de inaneira ((ue conservando a sua ac
cao, elles possam ser tomados sem repognancia
Bem a Muitos purgantes afamados s devera este bom
xito ao seu perigo, porque |nria$oes de estomago, inflainma-
55es de eniranhas ao Inevitavelmente o- resulta-
do do seu emprego. Nida disso tem-se de recear
com o caf purgativo.
Todos conecjun por experiencia o aroma sua-
ve e o cllaitoli|eiramenle tnico e excitante do
caf Elle o mcMinr auxiliar dos purgantes dos
quaes disfarca n .chriro o'sabor e ajuda a accao
Wlicitado vagarosamente os mnvimentos peris-
tlticos de inte.-tino, e prevenindo o seu effeo
nluito intenso sobre o estomago. Misturado com
escamonea, facilita as evacuados com promptldao
e sem'clicas, e tornase um frargintu brando,
certo, fcil a tomar e preferivel a todos os outros
salvo urna indicaso especial da qual o medico
o nico juiz.
' A innocuidad do caf purgativo permitte de
emprega-lo em todos es casos simplos. Desper-
tan lo a atona do intestino e activando a secre-
ci desle, de.ire a dureza de venir.-1, as vento-
sidades, as flalrfbsfdads e excita o appetite. Era-
pregado mais a miildo, conveniente para eva
en 1 r rom vagar a bilis e os humores viscosos o
e faz dessa maneira desapparecer a euxaqueca,
_as dores de caneca e prev os ata jues de sangue
as pessoas que a estes sao predi postas.
MODO DE EMPREGO.
. E' to imples como fcil. O cat purgativo
deve ser tomado fri, puro ou misturado com um
pouco de leite fro assuearado, ou agua assnca-
rada. O vidro inteiro a dos ordinaria para
um adulto ; doaj colhfies de caf bastam para
as Beahoras e para toda o tjualquer pessoa que se
purga fcilmente.
Para as enancas de 8 10 annos, a metade do
vidro suflteiente ; de S a 8 anuos, urna colher
de caf, e a qnarta parle do vidro sinenle abai-
xo desta idade contra a gosma.
E' per isso d'ama administra^o muto mais
fcil do que os biscoulos, chocolates ou bolos
purgativos.
Da-se immediatamente depsis le1 te quente as-
suearado ou caldo leve, o duas ou tres cha venas
de cha prelo ou de tilia.
nico deposito na pharmacia e drogara de
Bariholomeu 4 C : ra larga do Rosario n. 84.
AMA
Precisa-se de urna ama para comprar e cosinhar
para duas pessoas, paleo da matriz de Santo An-
tonio n. 12.
HOTEL aVUIL
Ama
Na ra da Penha n. 25, 2 andar, precisa-se de
nma ama para todo nservico de ama casa de poa-
ca familia.
Bartholomeu
Vinho, Pillas, Xarope e Tinturi
de juhueeba simples e tehruqimoso !
Oleo, Pomadas Emplastro da mksil
planta preparados por
3ARTH0L0SSE0 4 C*
Ph a rmace uticos- Droguista
i*ehv*mu ivo
A Jnrubeba : esta plan e boje recoDhscid:
comu. o niais poderoso tnico, como o melboi
desobslrueule, e como ial applicada nos padeoimeDloi
do ligado e bayo, Lepantes, duresas, tomares inter-
nos c especialmente do alero, hjdropesias, arvu-
pallas, etc.; e asociada ao ferro e all tus pallilu
cores, chloroses e falta de nieu.-truacio, dessrran-
ios do estonisgo, te, e o qae disemoi allestla
innmeras curas taponantes obtidas om ooa*M
preparados j bem coubecidoa e asados pelas mu
distim-tos mdicos do paiz e foncgal. Em lodbs 01
nostos depsitos distribuimos gratis folbaios ras
malbor fasem conbecar a Jarubaba saos rtsaiu
* applicaclo.
AROPI
[MEMBRO DA ACADEMLIdeMEDICINA
Preparado por DCSLAURIERS.PH.I
Suc* de BOUTIGNY-DUHAMEL
51 Ra de Clpy Pais
e pholifapuTa'possuimos di-
Mattlim*qam *LrSMBkM
secretan, Hercaagis, Thomaz Ross, Voigtlander el
Sonh.Wulf. Cltimamen-te 'recebefnotjires tvas
machinasi sendo urna oellas propria para toinir
**re1.0 mesmo, vidro 4 m 8 imagiipa diversas e
'sotadas, eodita ea ^2 imgens versa* 9
igualmente soladas,-de sorte que o caso de
JTWde concurrencia podereras-'retrtar sobre
ama nica ehapa ate> 8 pessoas diversas etsola-
das para cartSes de visita, e assim em menea de
am quarto de hora despacharme* 8- differenies
pessoas que pecam cada urna, nma dnzia de cartoes
mais oh mens, cora os seus retratos sement, ou
3m grupo con outras.
Encarregamos-nos exclusivamente da direccao
s ferttira des trabalhos de pnotographia dei-
xando pencia e talentos do distincto "pintor
dlemao, o Sr.
Joige A. Roth
os trabalhos di vitra, a aquarela, a oleo, e a
pastel.
O 8r. Roth cha-ad ligado a nossa empresa por
ama escriptura publica, e at o presente tem-se
lesrellado na exeempt? de sew'trabalhos.
No nossoestabeleclmer-to acharn-se exposlos ou-
tros trabalhos im|orbnts do Sr. Roth, tanto em
miniaturas aquareha cbmo oleo, reiratos
leo, quadros sacros e diversos outros trabalhos.
Tomamos enccmmenl?s de r>:t ratos oleo at o
tamnho natural, assim como do quaflroa sacros
para orname'ntat;io de igrejas tm cap*llas. Tam-
oem aceitamos itncommeadas de quadros histri-
cos.
Assegurambs que os preces dos ('versos tra-
balhos da nossa casa sao mWrssoaveis.
CARTES DE VISITA NAO COLORIDOS A lOflOO A
DZIA
CARTOES BE VISITA COM O COLORDO AO NATU-
RAL A 165000 A DIZIA
Retrates em miniatura oleo ou aquarella de
16 20*000 cadi um, indo convenientemente en-
:aixilhado era moldura douTadu e regulando o
busto da pessoa retratada de 3 i i pollegdas e
todo o quadro pnlmo e meio de taotanho
Julgamos que bastarao os precos cima para
larmos idea da baralesa dos trabalhos do nosso
33tabJectmento, quanto sua perfeicio cada um
'enha julgar por seus preprios elhos.
As raelhores horas para se tirarem retratos no
losso estabelecimento sao das 8 horas da manha
I da tarde; entretanto de urna hora s S da tarde
?m casos especiaes pde-se tambem retratar qual-
juer pessoa.
Nos dias de chava, ou por tempo sombro po-
temos retratar, e asseyuramos quo esses dias sao
D8 mato favoravts aos trabalhos de photograpla
pela docura e persisteilcia da luz, 'e p r termos o
nosso terraco construido cora laes propor melhoramentos, que arada chovendu .orros ne-
ahum inconveniente ha para fazr-se bellos re-
tr*tos.
__________J. F rreira Villela
Criado.
No caes do Apollo n. 69 precisa-se de um cria-
do para servico de casa e algum mandado, nao
tendo mais de 14 anuos, paga-sobom preco.
^Juga-se
nma casa cm Olinda, ra da Poeira, com 2 quar-
los, 2 salas, cozinha, um pequeuo quintal, por
traz do Varadouro : a tratar n roa das Cruzes
namero 25.
Dor de cabeca e
ftn tres minutos.
Drdhfei, em o* infnato.
Neuralgia, era cinco minutos.
Desloares, em vrote minutos.
Gargantas nubadas, em dez mitin-
Clica e convalsdea, em cinco minu-
Rheomatismo em um dia.
Pebre e febre interniitlmltvH ata flav
as costas e loi Mtt, fe se
Dor
minutos.
Toases perigo*
dia.
erefrtedM, eaaa
tos.
Pleoresia, em nm dia.
Sordez e asthma.
Heraorrhoidas e broncb tej.
Inflammaco nos rins.
Dyspepsia e erisipelas.
Molestia de flgado.
Palpita(io de coracao.
AS
Keserve sempre este remedio na sua familia.
pOENCAS SE APRESENTAM QUANDO M&NOS
SE
rl d.ffiron I V0.100 ofPaQ-(o reda dr) aquieta e positivan
2f?is! mo'estias e ddre, e allivia mais os sofTrimentos e produz um m
equibrio nosystema ht,mano, o que nao se pode effectuar no mesrao tempo, coiV mlt
quer ootro remedio medicinal. ^^ ^^
IharpfdJ rni?a!ar rerae **li a&ora osaado M gilmente, pela razio m-
mares ae pessoas se tem curado gratis como dito remedio pelo Dr. deGraih omkm
sieuj.
Este mportmte'remedio n5o se offerece para curar todas
somente para aquellas estipuladas das nossas direccSes.
as doeocas, porte tt>
Est operando nos principios da chimica e da electricldade, e por rsso
para o cu amento e para a reslapracSo da accio natural dos orgios que
est
soi
KlDg of
irregular circulacao dos fluxos dos principas ervos. O oleo eletrcoo
opera directamente nos ubsorventea, fazendo desapparecer as incliares das gl
etc. em um lempo incrivel, brove, sem perigo do seausodebaixo de qualqoer
O remedio, urna medicina para 0 uso externo e interno, composto d*
curativos, raizes, horvas e cascas, laos como se tem usado dos nossos antepass
das quaes tem grandes existencias no mrndo, para corar todas as molestias. sabmioI
quaes ellas 85o.
Foi nm granie e especial desejo da facnldado do medicina
de experiencia para aprender os melh >re3 modos que se devisa
seguintes doencas, e que proporcoes medicina se devia usar.
nico deposito em P. rnarahu
NA PHARMACIA E DROGARA
DE
Bartholomeu & .
N, 34RA LARGA DO ROSARIOK. 3.
durante mnilos anaoa
adoptar para carar as
GRANDE SORTIMENTO
DE
DAS MlSMODEBNAS
AO
uil'
DA
I
] a Precisa-se de urna ama: ra da
Alfl.imSoledade n. 32.'
NO
Una.
Ue um eventivo seguro e certo contrrR
Ela calvice,
e d e restaura forca e sanidade a pellt
da cabecat
EHe de prorapto faz cessar a queda prema
tora dos cabellos.
Elle d grande riqueza de lustro aos ca-
bellos,
Elle doma e faz preservar os cabellos em
qualquer forma e posiejk) qae se deseje
n'um estado formoso, liso e macio,
Ele faz crescer os cabellos bastos e com-
pridos,
Elle conserva a pelle e e -cseo da cabec
limpo e livre de toda a especie de caspa
Elle previne os cabellos de se tornaren
brancos,
Elle conserva a cabeca n'um estado de fsej
cura refrigerante e agradavel,
Elle rilo e deraaziadamente oleoso, gordo-
rento ou pegadico,
Elle ne deixa o menor cheiro desagra
davel,
Elle o melhor e o mais aprasivel artigo
para a ba conservacSo e arranjo dos ca-
bellos das sennoras,
Efle o nico artigo proprio para o pen-
teado dos cabellos e barbas dos senho-
res..
Ntrtm teocador de senhora se pode con-
siderar como completo sera o
0 CABELLO.
.Ice Oriental
ni preserva, lnpa, fortifica e aformose
Acha^se-a venda nos estabelecimentos dt
A. Caors, I. da C. Bravo 4 C. P. Manre
4 C.M. Barbosa, Bartholomeu. 4 C, e en
Um as principes tojas de perfamariaf
e Boticas,
Povoado dos Montes, estaco de
Ra da Concordia n. 10.
Este hotel acha-se hoje completamente res cu-
rado, e com as precisas acommodacoes para to-
dos aquellos que se dignarem de o frequentar.
O novo proprietario lera envidado seus esforcos
afim de exhibir ao respeitavel publico um estabe-
leciraent) digno da importancia deste povoa-
do, e semelhanca de um dos melhores dessa
capital.
Todo o estabelecimento acha-se pintado de i-
vo, com salas e qoartos para receber com todo o
commodo desejavel a eavalleiros e familias.
A eosinha ao gosto brasleiro e italiano, acha-
se sob a direccao do perito e bem conhecido Gia-
couio, ane por certo ha de satsfzer aos palada-
res mais exigentes na forma do costume.
Tem sufflciente provisao de vinhos exquesitos e
de varias procedencias, lanchera a qualqner hora,
cafe, cha, chocolate, etc. Fornece comida no esta-
belecimento ou para fra por preco muito rasoa-
vel. Encarrega-se de mandar preparar jantares
ao gosto e capricho do fregus, era qnalquer
parte.
O novo proprietario do estabelecimento tem a
honra de convidar ao respeitavel publico afim de
reconhecer por si proprio a veraeidade deste an-
nuncio, pausando algrras das neste povoado que
nao mais do qne nma dependencia do barro de
S. Jo- dessa eidade ligado pela via terrea.
A facilidade, pois, do transporte, a estaeao cal-
mosa que vai correndo, os apreciaveta banhos no
rio Una, tudo, emflm, convida a um passeio a
este povoado, donde tornarlo todos cem o propo-
sito de voltar.
Ignacio ManoeJ de Sant'Anna.
O Xarope depurativo iodu rado do Dou-
tor Gibert offerece, no seu emprego, um
resultado bom, certo e constante na cura
dasimmgens, esa-ofulas, molestiusdapelle,
vicio ao sangue, obslr uccSe lympkaticaj,
molestias contagiosas {syphihlicas), leves
i inveteradas, e de todos os accidentes que
d'ellas depender.
A receita deste Xarope foi approvada
pela Academia imperial de Medicina de
Paris.
Deposito as principes pharmacias do
Brasil.
ff Pernambuco: Maureb e C1*;, Joaqim
Martimho da Cruz Correia ; Jodo da Con-
cbi?ao Bravo e C; Augusto Caors ;
Bartbolomeo e Cu; Alexandre Ribsiro;
Abreu Ribbiro; Joao da S" Faria elimlo.
Precisa-se alugar urna casa terrea no bairro
da Boa-Vista, nao exeedendo o seu aluguel de
20 mensaes : a tratar na ra de Rangel n. 9.
Lava'-se e engomma-se com perfeicao, tanto
roupa de horaem como da senhora : na ra do
Livrameolo n. 23, Io anlar.
Preci-a-se de um caixeiro de ii a 16 an-
nos, que tenha alguma pratica e d dador a sna
condula : na padaria da travessa dos Pires n. 9.
Aluga-se para familia nma escrava de 14
annos : a tratar no pateo do Terco n. 137 at as
9 da manha.
- Acocbeira de VieiraA C, ra do Baro da
Victoria, outr'ora ra Nova, precisa de nm admi-
nistrador de boa conducta : a tratar na mesma.
Ama.
???*.l?? 4ua sama bem cox-
nhar : a tratar na r,u to Q Mimad, n. 80
"T "" '**- tn latanu's-"] 1l _'_
d Vigaalo: a tratar no trapteh, Gmm.
Precisa-se alugar urna escrava para cnnntiar
em casa de pouca familia: na ra da Praia nu-
mero 60-
Aluga-se urna casa em Santo Amaron. 21.
AMA
Precisa-se de orna ama :
33, 2 andar.
n ra do Vgario n.
Criado e cozinhei o
Na ra do Bario de S. Borja n. 5i se dir
quem alnga *om.
Os bilbetes comprados para esta sociedade sao :
um inteiro n. 3010, um meio n. 4291, dona quar-
tos ns. 3630 e 5670, todas da lotera 142* da corte
A. J. de Brito,
__________Secretario.
Ama
Precisa-se de nma ama boa coxinhera para
nasa de rapaz solteiro : na raa do Lirramento nu-
mero 10.
RA DA IMPERATRIZ N. 14 LOA.
AVISO
Desde esta data dencoa de ser procurador de
Francisca Mara Claudina, Hanoel Marinho de An-
drade Silva.
AMA
Precisa-se de nma ama para casa de hornera
solteiro, em um dos ambaldes da eidade. paga-se
bom ordenado : a tratar na rna Imperial o. 47.
,h A SILENCIOSA
Cngaram as afamadas machinas de esero
DE
POLLACK SCHMIBT.
Ra do Crespo n. 4.
As mais modernas e elegantes que tem apparecido al boje E,' coa effso Mis
mais se pode exigir de ama machina de costura em qaanto a trabalno de afnuu,ul
e a vanedade de costuras que fazem as de que se trata ; por isso que se pode dassr
que a Silenciosa de Pollack Scbmidt attinglo aos nltimos aperfeircoaraeatos f
A simplicidade de seu macbiaismo, a adherencia de suas pecas e bslleza de qae se
acham revestidas estas machinas. s5o predicado, que por si as tonnm recomneodate,
mesmo diante da apreciac3o a mais escrupulosa e exigente, coja verdade se acta pa-
vada em bellos caracteres em todas as exposicSes onde as silenciosas leem sste fia-
tajosamente premiadas.
Perto de 2,000 machinas teem sido vendidas na corle do imperio pelo ssa i
agente no Brasil no curto espago de doas annos, e continaam a ser prnrn,^
enthosiasmo : roga-se, porlanto, ao respeitavel publico desta bella capital, a
pecialidade as familias que desejarem possuir nma til e linda pega de as nr
examinar, na casa cimas indicada onde encontrado pessoas habilitadas para i
todas as explicares, e se fazem todos os concertos na raa Primeiro de Mareo (m-
tr'ora Crespo)

.
a Inga-se ama casa no Poco da Panella por
Testa ou por anno, com 4 portas de frente, 4 (piar-
los, 2 salas, eoxinha e copia no qtrintal, e multo
perto do banho e da igreja da Saude : os preten-
demos dirijam-ae ra Direita n. 10, 1* andar.
Precisa-sede urna escrava para servir em
ama casa de pequea familia, assim como de nm
rooteque d 10 a II annos para o mesmo flm : na
raa do Duque de Caxias s. 31, 1 andar, sobrado
amarellO-
AMA
Na rna da Cambia do Carao n. 16 preeiaa-se
de ama ama qae compre e cotinhe para casa de
pone familia.
Aluga-se urna escrava para o servico inter-
no da casa, na ra do bit aerador n. 50.
Chegaram aoal -Capellas mortuarias as
melhures qne tora vfado ao mweodo, sortiawnto
completo, tanto de vidrilhos cora imagens, >mo
de peraetnas amarellas. Na Iota da Pita Azul,
raa do Cabtig.
Precisa-a de nm fornelro para a Sacada, -tra-
tar na ra Estreita de Rosario, n. 8.
Arrendase ama casa na raa dos Paseadores
n. 25, pelo praso de dous annos; a tratar na tra-
vawa dos Guararape n. 3.
Em fespjsta ao anonocio publicado no Dia-
rio de 15. de eorreoto omb, no jaal ae procara %%
ber aoode mar o ravewndo Joj D
Paiva, ano
ser procurada da|
Precisase de ai
paga-se bem : na raa de
a. tt etim anta
sadr
da raannia.
tave eeof
aV*.
V
ADOPTADO
W.O.O
NpS HOSPITAES DE FARIZ AS AMT
3313
HGSRT/i
f
O problema
papel foi cons
seconifccilid6dei_^
'4a SMdicament os. (jt^BI
I,fl Eiiair aMUrnatara 10 lada, por
ad
ladea, obtendff-
quantidade possivet
**&


_
Diario de Pernambuco
i e 111 uro Q6
t^hr
O saULo de pianos e de
msicas
n. 58, l andar, par a
lnperatriz n. t, loja,

AB8
udou-se da roa Nova
Toada
l
r
. -
contina
ilico.
reeommendtade-se ao Ulna pn-
G. Wenhalmef.
VICNlttli PMHAffi,
ixryttssMrts couposi^urreRiRii.
CONTENDO
A noite do xtasis.
O sonriso.
A mita Be assombro.
A lafitma
A BoOte do delirio.
CmSnTeVu critica frgida ao autor pelo
Dr. *. %. Bigaeira Costa.
I volme brochado 1*000.
ASCEITELflAS
fresas patriticas obre a guerra do Paraguay
1 vohmie brochado 2*000
NA
UVRAHIA FRANCEZA_____
Roga-se ao lttm.! r. Ignacio V.ira do Mefto, es-
tow.de vir a rea do toperajg___:<_*
amelle neg* qoe V. t se1P>'J^g!
Mr,pelatrclraAaBAdae>ra|, em fl
4e deietnbro pi%ximo (watt* de_s paraja-
Kpaasou atovereiro etA*, _*" cumprio.
Ton este motivo de doto cbanaado parad.
fliT pois VS.se deve lembrar que este negocio
de aie de oitfl annos, e quano oaennor mu
llhu ae acbava no eajaylo nesta eidade.________
Joaqun Knicisco do Espirito Santo,
concordataria da_massa faUlida de Mata 4
Espirito Sante, pede aos seos credores o fa ven-
de virera ou mandarem receber oa pagamen-
tot da 1* orestaeao de sua concordata; ae-
vendo,* para esse fim, .dirigirem-se a n
Imperador a. 41......______.,._,
I SIMWMkWM
pSeRO E ANTIGO CONSLIOHIO
HOMEOPATUIOO
Dirigido pelo Dr.
SANTOS MELLO
Os habitantes do interior ***
consultar por escripia, no que serio sa
ltrSaCra^?chamadosparao|
'"S^arKSrlodaslOhoraa!
ao meio da.
Chamados, a qualquer ora.
Aos pobres gratis.
43Raa do Bario da Victoria
i*
lS
525
so
I
s
E
ia>
rZ5
Companhia Aliiant?a
segurte eritinqf etUb
na Baia em 15 de jia**
de 1870.
CAWTAL..Ba. ATOftOaWlijX
Toma seguro da _eKaariaa _-
m um de veto J*"J2*2m
17. escriptono ie Joaajeia Jeana--
maritimo em
troe fra _
roercio n 17, escriplorio
Calves Delirio.
sabir
E
Veade-M
NA
Livraria francesa.
A
525
A luga se
Tama easa larrea, sita na Capunga, com soto, co
cheira, e tan pequeo quintal : a tratar na ra
do Vigarto n. 81.__________._______________
Joaquim Jos Gon ves Beltrao ^
* Ra do Trapiche n, 17, andar.
Sacca por todos os paquetes sobre o banco de
Mmbe, embraga, e sobre os seguintes lugares eo
Vormgti:
Lisboa.
VPorlo.
Valenca.
' Gnimaraes.
Coimbra.
Chaves.
Viseo.
Villa do Condo.
Arcos de Val de Ve*.
Vianna do Castello.
i Ponte do Lima.
Villa Real.
Villa-Nova de Famelicao.
Lamegc.
LtBOS.
Covilba.
Vascal Valpasso).
Mirandella.
Beja.
Barcellos.__________j_______________0m
A
OH
DYVETOT
14--lia Estrcita do Rosario-14
Compra e vende roupa feita
nova e velha, objectos de
cosinha e de mesa, e
tudo que perten-
ce ao uso do-
mestico.
Na praca da Independencia n. 33 se da di
ebeiro sobre penhores de ouro, prata e pedrai
oreciosas, soja qual for a quantia ; e na mesra;
istse compra e vende objectos de ouro eprata
igualmente se faz toda e qualquer obra de en
commenda, e todo e qualquer concert tendent
i mesma arte________________
-43 B
D, W. BOWMAN
ENGENHEIRO
Com fundico.
A RA DO BRUM N. 52.#
Passando o chafara
Machinas vapor sysiema meliorado.
Rodas d'agoa.
Formas de ferro para purgar assucar.
Moendas de carma.
Taixas de ferro batido e fundido.
Rodas dentadas para moer com agoa, va-
por e animaos. M .
E outros objectos proprios d agricultura.
Todo por preco omito redazido.
Este antigo estabelecimento, acha-se hoje montado n'uma
asala de poder servir vantajosamente os seus freguezes, atten-
to o grande sortimento de joias d'ouro, prat e brittantes, que
sempre tem e reeebem mensalmente das principaes fabricas da
Europa- cujos procos sao em competiveis e as obras garantidas
de lei.
MOKBIKA t?A1l?:'BM,S;
tu
O
HNunuimoii
Cosinhetro.
Precisase de um cozioheiro, dando fiador
ruado Crespo n. 9, livraria francesa.________
na
AVISO
Rogare aos senheres abaixo mencionados o ob-
sequio Je comparecerera no Bazar da Moda ra
do Baro da Victoria, a negocio que Ibes diz res-
. peito :
Joao VslentiorVilella Jnior.
Gnilherme Dias dos Santo?.
Joao Jos dos Sanios Lima.
Jos Magalhapf com fabrica de velas.
Jos Mara Fernandes, morador na villa do
Cabo.________________________________________
Boa oecasio.
Um moco brasileiro de 30 annos de idade
que falla e escrevo a lingua ingleza, com
todas as habilitacoes para cai*eiro despa-
jante, de embarques on outro qualqner
-trabalho ; precisa de um emprego. Para
joformaces dirija-se a roa da Cruz o. 51.
.das 9 da manilla as 3 da Urde.
PADAR1A
UNIVERSAL
O abaixo assignado faz sciente ao respei-
tavel publico desta cidade e seus suburbios,
que acaba de estabelecer urna padana in-
titulada Universal, ra das Tamanneiras
ns. 3 e 5, no lugar denominada Jaqueira.
Tendo envidado todos os meios possiveis
para collocar este eslabejecimento as con-
diges de poder salisfazer a necessidade
que havia de um estabelecimento desta es-
pecie no* arrabaldes desta cidade, o abai-
xo assignado espera a valiosa proteccao de
todos os seus moradores.
Promette o abaixo assignado que so em-
prega na confecc5o dos artigos que se pro-
pe a fabricar no dito estabelecimento as fa
rinhas das meluores qualidades, sendo tudo
feito pelos systemas francez, inglez, poriu-
gusz ailemo, para o que j tem contratado
trabalbadores estrangiros, conhecedores
I desses systemas.
Para maior commodidade dos moradores
desta cidade o dos seus suburbios, o dito
estabelecimento ter diversos-depsitos para
os artigos do seu fabrico em differentes
pontos da mesma cidade e dos seus arre-
dores, os quaes ser" publicados em pr-
ximo tempo pelas circulares part culares di-
rigidas aos moradores dos arrabaldes.
FRGUEZIA DO-RECIFE.
Ra da Cruz n. 13,'confeitaria do Sr.
M'guel Ferreira Pinto.
Em frente a ra do Vigari, armazem u 2,
denominado Novo Mundo
FRECUEZIA DE SANTD ANTONIO.
Ra do Imperador n. 26, confeitana dos
6rs. Rodrigues Oude se encontrar pao, desde o mdico
preco de 20 at 200 rs.
No dito estabelecimento e seus depsitos,
tanto na cidade como nos arrabaldes, rece-
bem-se encommendas de bandejas para ca-
samento, partida ou para qualquer outro
m, as quaes devero ser dirigidas em car-
ta fechada, em que se determine, pouco
mais ou menos, o valor das mesmas en-
commendas, as quaes sero-entregues no
lugar da residencia dos freguezes.
Gustavo Adolpho Wurffbain,
MANUEL &C.
"~ ANTIGA E BEM CNHECIDA FABRICA
* DE __
CHAPEOS DE SOL
Ra do Baro da Victoria, esquina da Cainba do Carmo.
(Antiga Ra Nova')
que escusa de mencionar.
1
DE
NOSSO 8ENHOR JISOS CHBISIO,
l MARA SANTISSniA

VARIOS SANTOS.
A aaber:
Setenario do Senhor Bob Jeaus dos Paato-
Offlcio do Senhor dos Passoa.
Novena do Menino Deas.
Novena de N. Senbora da Coaeeicao.
Setenario das Dores de Mara.
Oficio das Sete'_Dorea de Mara Sa_tinH
Novena de N. Senbora do Carmo.
Offlcio de N. Senbora do Ca om.
> Novena de N. Senbora da Ptaka.
Canucos de N. Senbora da Pernaa.)
Novena do B. S. Joao BaptisU-1
Novena da Senbora Sant'Anna.
Trexena de Santo Antonio.
Novena do B. S. Jos.
Um bonito volme eneadeinade.
2H0OO.
Agencia em Femambnco
Do Dr. Ayer
Petoral de Cereja
Cura a phthyaka e todas as motwliai do
MalM prrllh
Cora ulceras e cbagas antigs, i
iros.
Tale*
Conserva e limpa os cabello?.
Plalas eatbau
Puramente vegetaea sem mereorio ; e
soes, purgao e purificam todo o ^siesta
Vende-sefeOfclivatnente em easa m
Johnston & C roa da Seozalla Nova
v-
Em casa de THEODORO CHRgT
ANSEN, roa da Cro n. 18, m,mfim*
jffectivamente todas as quabdade vmU
Rordeaux, Boureo^e do Rbaa-
Preciaa-se de orna ama forra oo captiva pan o
?ervico interno e externo de urna easa de \
familia : na ra Velha n. 66.
41 M DO BARAO M VICTORIA 41
Neste novo armazem tem um
variado sortimento de fazendas
francezas, inglezas, allemas e to-
das todas se vendem por preces
DE
mdicos, afim de acreditar
aovo armazem. .
Casemiras inglezas,
franeezas, de todas as
qualidades, brins de
cores e brancos, colei-
rinhos modernos, cha-
peos de sol de seda,
finos. RA
Baro da Victoria
a este
ARRUDA IRMAOS.
Jeo Nogueia Rabello, commerciante na ci-
dade do Ico, que ba mnitos annos compra ne^ta
praca, jolg nada dever aqui ou fra, se, porm,
alguem se julgar seu credor, entender-se-ha com
os seus correspondentes no Becife, os Srs. Gomes
de Mattos Irroaos, dentro de oito das..
m m m
Chefon ao antigo deposito de Henry ForsUr *
J., -roa do Imperador, om carregamento de lai
4e primeiraqualidadejoqual se vende em partda
h a-retalho por menos preco do que em outr qnal
^ner parte
CftSfl DO RO D'VTOT
RA RSTREITA DO ROSARIO N. 14.
As pessoas que tem deixado objectos neste.
estabelecimento, 5o convidados a irem re-
tira los^deDtro do praso do 3 dias, a contar
do presente aunando, sendo vendidos os
que nSo forera retirados, semdireito i
clamarse.
Muga se a casa terrea n. 21 da/ua do Hos
picio : a tratar na mesma ra n. 23..___________
antiga roa
NOVA
N. 41.
Assim como tem urna grande
oficina de alfaiate, montada com
todos os preparos que ha de melbor,
dirigida por habis artistas, que
pela sua promptido e perfeic5o
nada deixam a desojar.
Roupa de todos os
amanhospara bomens
meninos.
Por todos os paque-
tes recebem-se as me-
lhores e mais moder-
nas casemiras que ha
na Europa.
RA
Dv
COMPMHIa
DOS
TRILHOS DRBAOS
REC1FE A OIiIMA.
Por ordem da direcloria aao convidado
os Srs. accionistas para, no praxo de d*z
dias coudos do da II ao da 21 do cor-
rente, recolberem a 2m prestacJo de sus
accOes, na raz8o de 10 %, do capftal da
2a emissao. Para este fim ser enconirtio
o Sr. tbesooreiro no escriptorio da compa-
nhia das II boras da manbJa as 2 horas da
tarde, de todos os dias ote.
Escriptono da compaoh a, 8 de oovetr.-
bro de 1870.
Joao Joaquim Altes,
1* secretario.______
E' esperado proximameole du eHaie *
do da Bahia o distioeto ocolisu Dr Jas Lacrear.
de Magalhes, que pretende dejaorar-ae pme-
tempo entre nos. Sao muito nouvsnas otr{a>0
que este oculista com grande smtssM le pra
ticado naqaelli provincia.
Baro da'vlctcrla
antiga roa
NOVA
N. 41.

Preoisa-se de urna ama que cosinhe bem, forra
ou escrava.para casa de pouca familia : 1 tratar
na me Nova n. 50, 1* andar. __________
Precisa se de una ama forra ou captiva que
saiba eosinbar bem o diario de urna casa : tra-
tar na roa do Duque de Caxias. loja n. 1.
Molequc
Precisa-se para criado de um moleque de 14 a
15 annos, fiel e diligente a tratar na ra Nova
B. 1 andar; ________________^^
AMAS.
Em S. iee do Mangoinho, casa n. % aioda se
precisa de orna boa engommadeira, e urna criado
para servieo de casa e algum ensaboado, paga-se
bem.
Protectora das fami-
lias.
O senhores contriboiates a essa associacao que
prefoEem mandar pagar sua annuidades nesta
*Tovineia,podero dirigr:se raa do Livramento
ii 19,1'andar, antes do dia 10 do prximo me z
de deierabro, alim de que oa tundos possam coa
gar na sede da associacao no Bio de Janeiro antes
do aen venehnento 31 de dezembro de 1870.
Becife 15 de oovembro de 1570.
N. T. Vidal.
priado.
Precisa.se de um criado qoe d flanea sua
conducta, prefere-se um menino de 12.a 16 an-
nos : na ra nova de Santa Bita n. 59.
AMA.
Presisa-se alagar ama ama .
para casa de familia, d se bom ordenado
fjrra. ou captiva
jm ordenado : na
ra da Concordia n. 29, oa na ra da Cruz nu-
mero 60.
Ama
Preeia se de urna ama ; na roa de Santa Rita
nW,
TEBDADEI.RO LE ROY
de liei.B, Botteur-Mdedn
Bu* de Seine, 61, o. PARS.
Km caja grrU, fu, ntrt t rolbi o fft iiul
4M Un o lata inrte, um rotulo Inprtsto a tmt-
NoMm o sitio lursiu m ovhii. nxnctx.
R'.S. ntmtl'
__ Uru
?j*-5 *? SoO nwifo io-
^Wr bKpiHt.Mdlivel
a e. m t viita.
aoanil14i 11
do ibatimrnto t do
M .Ubetecimenlo te de k refom, ra en, ^f^TtT^X'^tZZ^
mendas, finhnente em tudo afim de melhor servir os seus numerosos freguezes aeixa se ae -uuuuu.
olio se tornar massantef ___________
Companhia Phenix"
Fernambucana
A directora da companhia Phenix Pernambn-
cana deberou que os premios de seguros por ella
realisados quer martimos quer terrestres sejam
pagos no acto de celebrarse o contrato,
'ernambuco II de outubro de 1870.
. Pela companhia Phenix Pernambucana
J. H. Trindade.
F. F. Borges.
Luis A.iSequeira.
BRAZ1L1AN STREET
Railway Gompany (Limited)
E-ta companhia vender d'aqoi por dial*
nos domingos e dias santos na esUeao do
Recife bilbetes especiaea, qoe servirSo l-
mente no dia da venda, por 1<|000 cada vm,
os quaes dao direito a passage de ida1
voita em qualquer trem do Recife ao Caa-
deireiro, Monteiro e Apipocos.
Escriptorio da companhia 9 de nove-toro
de 1870.
WiUkm RavkMom.
Gerente.
Na Iravessa da raa
das tomes n, 2, pri-
fflero andar, da-se di-
flhelro sobre penhores
de ovo, prata e brilhan-
tes, seja qnal for a qaan-
lia. Na mesma casa eom-
pram-se os mesmos me-
taes e pedras.
(Sobrado para alujar
Ve fl* andar e sollo n. 6 da Toa d
d Caxias : a- tratr no Corar'n de Ouro.
. ~t....... .....
do Drfque
(erro
RVA DA CRCZ
Chapas ffe ferro galvanisadas para telheiros, etc.
Tachas de ferro para assucar, etc.
Formas de ferro para assucar.
Arados americanos.
Carrinhos de mo.
Venezianas para janellas.
Machinas de descarocar algodao.
Machina de cortar fumo.
Mchica de cortar papel.
Motores para dous cavallos. **___*
Machina a vapor para mover machinas de algodao.
bTSs. prencas, cofres de ferro, ogoes dejferro enxufre.'lsahtre lunalha de
mnitos ootros artigos.
Precisa-se de ama passoa *
telligenle e activa que leuha ei_
tica de drogara : a tratar a
n. 22.
*
5K)O04O0O
Estao venda os lelizes
Babia, na casa feliz do arco da
ourives no Becife.
. da asteria da,
C-reHii, kiata
Agua potavel p&ra Olinda.
O preto Feliciano eaearrega-sa da eaadanr aW-
OS AMERICANOS
CMNDRHS PMA PADRIAS
Tendo cbfgado ha poneos dias completo sortimento dos melnores e mais
conhecidoB cylindros americanos para nadaras, roga-se s pessoas que d'elles precisa
rem de virem vel-os ao grande deposito do____ _
BASTOS
I4O-IAT DA* MACHIMAS
preto Feliciano eaearrep-sa l_
riamenle agoa em baldea (eaaecoe) do Mecate jara
loinda, mediante ajaste: i tratara va
Oam o Sr. Juao Coelho.
Precisa-se alagar om
annos para compras do fa~a>
lia : a tratar na ra do "
2* andar
ftatt
issi
_____________
tintare lavar-.fna
1 roa de nona n -w, sooraoo.
OTR'OBA
ao r espeitavd
publico.
Antonio Mximo de Barros __^>j,l*_>l.__
bilado diosiroeco pr'nrj ?TiliJriamii
flssao de enino em JJ^^'_"_^__Z
Baro da Victoria (aatifa ****!~
na que vira para a roa do Jal ap -
gar tc^os os esrorpos e reewsea a_
ficadei5annosderoagWtlo.
no corto espaco to*W-f
de seas alnmnos. ^
vida a K do es pas*
per d.otra qo.lqr ^
Reusoupilos; assever a -----
macee pensionistas por pre-ra-* Iwkaa-
sea esubeJeeimeoto, o el o m
vel, alai da. graa4eB_MeoaB|
adverte mais (00 ^L
ensinam todos os preparatorias
pas qalare*i- _
PRECISAD
De um menino d m\*%'
ma prattaa axei do i-. d j
vrannio n. 36,
_


f
Diario de Pernambuco Sexta (eir 18 de Novembro de 1870.
5
AO ARMAZEM
DO
VAPOR FRANCEZ
H. 7IBA OIH. 1
Este conbecido estabelecimento acha-se constantemente bem sortido, em virtude das
laeturas que recebe por todos os vapores e navios francezas, dos artigos abaixo menciona-
toa, procos os mais resumidos que possivel.
CALCADO FRMCEZ
Botinas para cuberas e meninas.
Botinas pretas, brancas e de multas outras cores, sortidas e bonitas, do ultimo gos-
lo da moda, e procos mais barates do que em outras partes.
Botinas para borneo e meninos.
Botinas de bizerro, cordavao, lastro e pellica, da? melbores' fabricas e escomidas.
Botas e pernelras raaslanas.
Botas e pernelras para mamaria, das melbores qualidades, de couro da Russia, las-
tro e bit-erro.
Napatos e borracha para homens e senhoraa
Tendo chegado grande porcao de sapatos de borracha vende-se pelo eusto^a&m de
desempatar o dinheiro nelles empregado, sao baraussiroos.
Sapatos de lustro para homens.
Sapatos. de entrada baixa de couro de lastro eom salto, de muito boa qualidade.
Abotinados para meninos e meninas
Sapatos abotinados de differentes modelos, de muito boas qualidades e fortes, tanto
para meninos como para meninas, muito baratos.
sapatos de tpete.
Sapatos de tapete aveludado, de casemir, de charlte e de tranca francezes e por-
tugueses pan homens, para sentaras e para meninos.
PERFUMARAS
Excellentes extractos, banhas, leos, agua de cologne, florida, divina, lavande, den-
triflce, de toilette, sabenetes, tintura para cabellos, pomada angroise para bigodes, pos de
arroz etc., tudo isto de primeira qualidade, dos afamados fabricantes, Condray, Piver e Lubin.
Quinquilharias
Lavas de pellica do conhecido fabricante Jonvin, espelhos para sallas, quartos e ga-
binetes, toucadore> de diversos tamanhos, leques para senhoras e para meninas, abridores
Se luvas, brincos, pulceiras, boioes, correntia e chaves de relogios e trancelins, tuda de
oro de lei, corremos e brincos de plaqu, a imitacao e de mais gosto do que as de ouro,
['caixinhas de costura ncamente guarnecidas e ornadas eom lindas pessas de msica, albuns
; e caixilhos dourados para retratos, caixinhas eom vidro de augmento para distinctamente
?er-se a perfeicao dos retratos, objeetos de phantasia para toilettes, bolsinhas e cestinbas
de seda, de velludo e de vimes para braco de meninas e senhoras, ditas para costaras, pe-
queos registros multo Anos e delicados, bouquets de flores de porcelana, jarros proprios
para gabinetes e santuarios, quadros promptos para collocar-se vistas, molduras douradas
para quadros, estampas finas de paysagens, cidads, figuras e de santos, vidros para eos-
morama, malas, saceos e bolsas de viagens, esporas, chicotes, bengalas, oculos, lunetas ou
pensioez de prata dourados, grvalas pretas e de cores, abotoaduras de collete e de punhos,
carteirinbas para notas, thesounnlias e caivetes finos, pentes, escovas, ponteiras de espuma
para charutos e para cigarros, joeos de domin, rodetes, bagatelas e ontros differentes, ve-
nezianas modernas muito conveniente para portas e janellas, cosmoramas, lanternas mgi-
cas, esteriocopos eom interesantes vistas de figuras e das mais bonitas mas, boulevards,
pragas e passetos de Pars, photozraphias e caixinhas mgica?, reverberos para candieiros,
tapetes de vidriho e de lia de cores para ps de lanternas, realejos grandes e pequeo?,
harmnicos, aeordions de todos os tamanhos, berens de vimes para criancas, sasatinhos e
toncas de laa, earrinhos de 3 e 4 rodas muito elegantes para conducir enancas passeio ; e
outras muitas quinquilharias de phantasia, francezas e alleroaes, precos muito em conta.
Para este artigo nao ha espaco nem tempo para a massante leitura da infinidade de
gneros de brinquedos fabricados em diversos paizes da Europa.
ATTENCAO
O dono deste estabelecimento pede ao publico em ge ral que continne a visita-lo
verificando as qualidades e os precos baratos de ditos objectos por serem vindos em di-
reitura e' de conta propria.
fENJAO
j Joaqun, da Costa Mata, tern i venda no seu a mazea, sita no largo do
Peloorinho n. 5, os objeetos i#DlB, e qoe vende por precos mais commodos do
que em outra qualquer parte :
Oleo de i.abaca.
Couro de lustro. <
Saceos de estopa.
Estopa em peca.
Vinbo Bordeaux em calas.
Peltro em peca para forrar embarcacSes.
Encerados.
Telhas de ferro galvanisado, de dtfferentes tamanhos, para cobrir casas.
Ferro liso galvanisado para forrar embarcares.
Pregos galvanisados.
Cantarla de Lisboa.
Dita soleiras.
Dita marmore.
Taboas de marmore de differentes grossuras.
Ladrilbos de marmore de differentes cores e lamanbos.
Ditos de pedra de Ansam, pretos e brancos.
Turnlos de pedra fina de differentes tamanbos.
Pedras para lavatorios.
Taboas de louza.
Pas de looza para cosinha. !-*

MARTIMOS
E
CONTRI FOCiO
A companbia Indcmnisadura, estabelecida
nesta praga, toma seguros martimos sobre
navios e seus carregamectos e contra fogo
em edificios, mercadorias e mobilias : na
roa do Vigario n 4, pavimento terreo.
Quem precisar de ukuacusturein pawHa-
zer oliras de alfaiate, bem feitas e paleles de pa-
o fino, dirija-se a ra Formas; n. 21 qne adia-
r eom quem tratar. Tambam cose para senho-
ras teda c stura e querendo fiador das mesmas
obras se dar.
MAO HA MAIS CABELLOS BRANCOS
A lintora jaooneza para Ungir os cabellos da cabeca e da barba, foi a nica admi-
tida Exposifo Universal, por ter sido reconhecida superior s todas as preparacoes
ate boje existentes, sem alterar a saude. Vende-se a 10000 cada frasco na
Ra da Cadeia n. 51 1* andar.
MAO DE OURO
Nova loja de joias
RA DO CABUGA' N.9 A.
DE
Manoel da Cunha Saldanha & C.
Acaba de abri-se este estabelecimento de joias, o qoal tem grande sort-#j
ment de todas as joias de ultimo gosto, as quaes vender o mais barato pos-
sivel.
Todas as joias serao garantidas ouro de lei, pois os- seos donos tendo em
vista so adquirir freguezia nao olvidarlo, vender bom e por precos os mais
razoaveis possiveis.
Convida-se o pablico a vir a este estabelecimento, certo de qoe ficar ,
'aitn t
satis'eito.
A' MO DE OURO RA DO CABUC N. 9 A '
M

Q
" fB FALQUE
N'ESTA ANTIGA E CRED1TATA
FABRICA
DE
OOi3P3(Da 2>3 3d)2>
EKOSTI. SE COSSTISTEIini Mil. C0MPLEI8 SOUTIlEIiTO D
CHAPEOS DE HOii
De todas as qualidades I
De todos os lcitios I
De toJas os precos I
RA DO CRESPO N 4
XA ROPE
VEGETAL AMERICANO
E S A LID ADE
RTKOLOME
Vana em.carta as taes nuiu e rcenles, catarro* pnlmonar, aitkau; tosss oitsJm, utarrao
Sftaekiat, em gonl eastra todo os lofriaeatM u tas reipiratorii.
DEPOSITO GEI1AL
BOTICA ai DROGARA
U, Mi LARGi DO R03ARK), M
PERNAMBUCO
A Utarapaatica das diferas molestias do peito.dasds
pbarjogrte ao mil d garganta ale a til* reo lata
pulmonar, pastando pelas ditersas broacbites calarraasa
a o empbysema acaba de ser enresaecida eom mai
asta medicamento, que tosaar a primeira ordem entra
iodos at boje conhecidos. O laropa Vegetal Americano,
(arantindo paramente fegetal, nlo eontem am ana
eomposicio am s tomo de opio, a aim tmenle soc-
eos da plantas indigenaa, cujas prapriedades benficas
a cara da molestias que pertencem aos orglos de res-
piracio foram por nos obsertadas por longo tempo,
eom ptimos resaltados cada vas mais crescenies; pele
que nos jalgamos autorisados a oompor o xarope qne
agora apresentamos, a a ofiareee lo aos mdicos a ao
fabuco. Protamos eom os alteslados abano o qot la-
tamos dito, a contamos qua o eonceito da qne ja gosa
o xarope Vegetal Americano enacera da da a dia,
dtnindo muito apoa da si todos os peivoraes an toga.
lllai. Sr. Barthalomeo k C,-0 tarop Vegetal Ame-
licano, preparado asa ana conceiluadissima pbarmacia,
nm ulil remedio para comfcaier 4 lerntal aaihma.
Sofra eo aooalla molastis ba qaairo metes, sem anda
Mr eom bando os ataqoea meneaos que tinba; este altimo
qaa lite foi (ortissima que me prostoa por I das, sai,
Sorem o sen milagroso xarope, tomando apenas tras
osas, a at o presante nlo (ai de noto atacado. Prasa
4>eu, cm aa qia ratubalaue par tais tas. iaado-
CrnisiMWiiiiii !.
loa, pois as meas agrdeeimentos par me lar slltiaia *
too aorrtaat anal. Com a mais signiflcata gratidit
sabaorao-me daTmca. aflectaoso e reconbeeido criada
- gateras Dataru.Soa Casa 14 da fetarairo da 1M4
Illms Srs Bartholomeo t C. Depois da qaasi salr
nexes de soffrimenio com ama tosss incessanta, (uta
extraordinario, expectorado da am catarrho amarallt -
do, a parda total das torcas, qne o menor passafc
asa falijata completamente, cansado da tomar mais aa
tros remedioa sem resultado lite a felicidada de saber q
Vncs. preparatam o xarope Vegetal Americano, a test
alta, gri cas a Deas, me sebo resubelecido ka aula *
dais mexea, a robotto como sa nada titassa sefriea. i
indio me (orea a asta declaracto, qne poderia Tsias
lar o oto qaa qu.iierem. Soa com estima da Tata*
monos respeiudor a criada. Antonio Joaqvm
Costra- Sil**. Recita 8 da fetarairo da 1S68.
Atiesto qaa ssei do xarope Vegetal Amariaia, A
eompositio doa Srt Bartaolomea ft C. para cara da aa
forte dtfluio qaa me tronie ama muquidlo, qaa ata oot
(asa edlender, inflammacio a dor na garganta, tete*
grande falta derespiracao, a hquei complelameaU ras*
Ubelecido coa am so tidro do mesmo xarope; tas
qaa Ibes protesto eterna gratido. Recite f# da f
neirede 186S. J EsUo ratoabacidas.
BatM
Precia-se alugar urna pretaescrava de meia
idade : na travesa da ra Bella n. 8.
Frederico Maya
CirorgiJo den isla
Acba-se em sen consultorio para os trabalhos
de soa arte nos das atis das 8 horas da manhaa
as 3 da tarde, e aqoelles qne por suas oceupa-
cSes nao poderem comparecer nesse? dias o acha-
rao das 9 horas da manhaa as 1 da tarde ons do-
mingos e dias santificados. Tambero continua a
prestar se a qualqaer chamado, tanto na cidade
como para (ora delta, sendo procurado em seu
consultorio a ra do Duque de Caxia?, sobrado
amarello eom entrada pela praca de Pedro II.
Hotel Aurora
Roa das Trincbeiras numero 48.
Manoel Garrido annuncia ao publico que se
acha anorto este noto, elegante e commodo eslabe
lecimenta, em que se pude bem apreciar a cont.c-
cao dos productos da arte colinaria.
Recebe assignataras para alimentacSo, tanto no
estabelecimento como para os domicilios, e tara
bem encommendas particulares satisfeitas com
decencii.
Sorvetes de finas fructas noile, e nos sabbados
a saborosa MAO DE VACCA.
As bebidas e gneros de consamo eslo bem re
presentadas neste estabeleciment.______________
AMA
Precisa-se ama ama para casa de estran-
Seiro de tres pessoa?, prefere se escrava : na ra
a Imperatriz n. 9.____________^^______
Aluga-se
um sobrado na roa d j Hospicio n. 35 de nm andar
p. solo, para grande famitia : a tratar na ra da
Imperatriz, loja n. 44. _________^^_
CRUDO
Um Portugej vinJo agora ltimamente, offere
cese para todo o servico interno de urna casa, e
bem assim a mandados fra ; o mesmo tem prati-
cadootBciode mareineria, concerU e pr-para
loda e qualquer mobilia de gosto, qu Ihe inenm-
liam,d flanea de ua conduela : quera precisar
dirija-se esta typogrphiatm carta fechada com
as iniciaes J. P. C.
^Xgfk
Os abaixo assignado?, tendo recebido em pa-
gamento do fallec' o padre Panlo Bento Zedames
qnatro letras sacadas pelo mesmo e aceitas pela
Sra. D. Luiza de Franca Zedames e Silva, datada?
de 21 de Janeiro de 1867, a vencer a 24, 36,48 e
60 mezes, e o. rs. 760* cada urna, e tendo os
mesmos j recebido da aceitante as duas primeira*
letras, de que Ihe passaram recibo em separado,
acontece que mandaudo esta pagar as duas res-
tantes, e exigindo a entrega de todas, que estand'
em poder do Sr. Honorato Joseph de Oliveira Fi-
lueiredo, encarregado pelos abaixo assignadps de
algumas cobranzas, nao lh-is entregou anda as
referidas letras, que obteve em pagamento de urna
divida, recusando-se ainda hontera a faze-lo sob
pretexto de estar de saluda para fra. Por isso
declaram que as referidas letras de nada valem
para o rcesmo Sr. Honorato, nem qualquer outra
pessoa ; pois re&ervam-'e o direito de s desond-
rar a saa devedora com recibo de sen proprio
punho, quer seja as mesuras letras, se Ibes forem
entregues, quer em separado, flcando as mesmas
sem valor, logo que seja pago a elles mesmos o
importe das letras. Recifo 16 de novembro de
1870.
Tasso Irmans & C.________
A.ssociaqao Coramercial Beiie-
ficente.
A direccao convida aos senhores assrciados a
rennir-se em assembla geral no dia 18 do cr-
ranle a 1 hora da trle para proceder-so a etei-
'cio de tres diretores, como foi deliberado na as-
sembla gerai de 14 do correte.
Previne se que no caso de nao reunirse nu-
mero legal para constituir a casa, ser convocada
nova reuniao, que funce cnara com o numero pr-
seme de accordo com os estatutos.
Associaco Cemmernal Beneflcente de Prnam-
buco 16'de novembro de 1870.
Jos da Silva Loyo,
Presidente.
Jos Henrique Trindade,
Secretario interino.
Em tempos modernos
ment operou maior revol?*) do isodo te
curar anteriormente m voga dotfloe o
PEITORVL DE ANOHITa
TANTO O TH\T.V3IEKTO DA
tosse, chopo,
asth1ia, t1iisica,
nOLQLIDO, REsrilIAXCKTOf.
BRO.NCIirTES,
TOSSK COXWLSA,
DORES DK I'EITO,
EXPECTLIlACAO DE SANsXB.
y Como em loda a grande serie de
dades da o ai* ama, do perro e dos
oa rkspiraco, que tanto aloitueotaiD e a-
zem solTrer a liumanidade. A maneira m-
liga de Gurar consista geralmente na
cacao de vesicatorios, sangras,sarjar oi
plicar exteriormeute ungentos
compostos do substancias vesicaniei,
deproduzirempolhas; cojos ftttrtatnuth
dos de curar, nao faziam seoao enfnqae-
cer e diminuir as forcaa do pobre doete,
contribuindo por esta forma doma Mkveira
mais fcil e certa para a enfermidade a tes-
truiro i no vita ve I de soa victima f Ojaeai di-
jerentc poisto o elfo i admirare! do
PEITORAL DE ANACAIIUITA f
VM E EZ DE IRRITAR, .MORTIFICAR E CAkZAft
INAUDITOS SOFFRIUETTOS AO DOE.T1T,
CALMA, MODIFICA E SUAVIZA A M.
ALLIV1A A lI.UITAr.O
DESE.MYOLTE ENTEMUMK.NTO,
FORTIFICA O COHPO
e faz com qot! o sysusaa
Desaloje d'uma maneira prompta e rapad
at o ultimo vestigio da enfennidade. Oa
melhores votos em medicina da Europa (oa
Lentes dos Collcgios de Medicina de Bcrlim,'
testificam serem exactas e \enladeira eslas
relacoes analgicas, ou afoin dissoa exper>-
encia de milliares de pessoas da Anerk
Hespanhola, as quaes foram curadas cok
este maravilhoso remedio, sao D*ais qot
sufGcientes para siistcntai-em a oDiio do
PEITORAL DE ANACAHliTA!
Deve-se notar que este remedio se acha
inteitamente izento de venenos, tanto iDme-
raes, como vegetaes, em quat.io que porm.
alguns d'estes ltimos, e p;irlictilaruien!:
aquelles que sao dados nb a forma de Opi'i
e Acido Hydrocianico, formam a base da
maior parte dos Xaropes, com os quaes Go
fcilmente se engaa a credulidade do pu-
blico. A Composico de nacaluiita Piite-
a acha-se linda e* curiosamenle engarrafadas
m frascos da medida fe ceTca de sneios
quartilho cada um, e como a dose que se to-
ma s d'uma colher pequea: basta fe-
ralmente a applicaco d'um ou doos frasee
para a cffectuaijo de ([ualquer cura.
Acha-se venda nos eslabelecimentos
t>. Mauter & C, J. C Bizvo A C. A.
Caors, B. M. Barbosa ft Baftr,t.lr>Bifoa *
Covado a 160 rs.
Cambraia franceza para vts:UIo cua perracr
oque, covado 160 rs.
Dila dita (lila, covado 3S0. iOO .: S00 r.
Chitas escura?, covsdi S60, 320 c 360 r..
Laa para vef tido, covado a 00. 240 a 500 r.
Alpaca de listas, alia novidadr, a 14, I*. I*
Cambraias brancas victorias e tractvareate-
ueca 3t a 12.
Algod o e madapolo, pera ~i a lOt.
MoUkine?, lazenda nota i ara caira, corto a 3
Corles de vestidos braaco* com barra >
rrte a 2i.
Saias bordadas, grande ((rhio.ha. a H el30i
Sootemharques de alpacu a l'OO *at-
Na loja Flor da Boa-tlsla. tie Panto Gajaaa>ri-<.
rna da Imprralriz i- 48.
Aluga-se
o 3o andar do sobrado n. 8 da ra da Imperatriz :
a tratar cora J. J. de M. Reg ra do Curamercio
n. 34.
BRANCO
Desinfectando o Olao de f igado de BacatTi&a,
o Senfaor Chevricr tfoo a esta preciosa frepara-
y.o jcv.inputica um cli-.ro e sabor agradaveis
KMs ii!;nori:nite drscirierta, que ranpeoa a
mu aulnr una Jlnialia ric honra, vul^Hritea o
..Mulo Oleo de Fijado rleDiealh&o desinfectado.
3-f medicas o raceitani treferitelmentaa todoa
s.otlros. em todas as molestias onde se em-
irega o Oleo de Figado.o> Baealbo.
Vur por maa poroionocee os rclalorios mrdi
jas qiKcouieui a noticia.que accompauba cada
Irasco.
FEUUltilft&O DE CREVRIER
O Senbor Chetrier cumpleou a saa deseo-
berta ajnntan-do a iodura de ferro ao Oleo de
Banalhio daainfai tado. Este Oleo de Figado de
Bacaihao ferrujiueo tem todas as prapriedades
do oleo e do ferro, digere-se fcilmente e nanea
causa priso de vciure. Portanto t preferitel
as mais preparaefiss feriui;ineas(Pilulasou Xa-
rope), osntem em todas as -loencaa onde se
emprega o ferro. Tsica pulmonar, bronchitcs,
rachitisato, escrofolas, mpigeiw, gota, rhen-
niatisu.0 eronico, caiarrbos antisos, rlfaysp-
sias, conTatesceacias difiieeis e traqueis de
onstiluicao.
i-toe til* #*M0. Jtfvtttriuittye
Na mma pharniaeia achso-seo VINIIO e ELIXtB.da COCA, nxllentes |ir O TAFFFTAVLUEBAHIO( od RNICA aaia curar as cliasas, feridas, cortadura e contus6es.
Os CBANULOS deBISMOTH compostas contra aa diarrheas.djtenienu, dores decstomngo, etc.
Depositario, cm Rio de Janeiro, DvtOtrctfarJt et O*, fiastlii, .Moreira iRUtortC"
Pemainluco,.\\ M.tnr.ER Ct Cu. Marm.hao, KJIHEKA el C1*. l'nrto Alegre,
V" Josr Bf.i.lo. PJotas, Ant.ii I.biv.as.
FALSIFICA^OES
dasPILULASdeBLANCARD
DOLM)
(CAVE
' X nossa aurespondencia do Brazil nos faz
saker que as jK-aras d'este paiz acho-sc
actualmente mandadaspor urna multtd de
falcificaftet vis dosnouetproductos (textual.
Para garantir-se contra estas composicos
mais on menos perigosas, que escondem-se
d essa maneira por detraz das nossas marcas
e fabrica e mesmo da nossa firma, rogamos
aqm com instancia aos mecos e as do-
eaies de assagurir-se sempre a orige das
PiuiLASquerazem o nosso nome.appella^do,
entre outros meios praccos, pela boa f dos
nossos collegas, o.s pbarmaecuticos. aO de
dundar que n'uraa questad que ijilressa ta
aeruuneuu a sande publica e a moralidade de
commereio, estes honrados intermediarios
nao se niostrem dignos da conrianra dos
freguezes; nao de duvidur igualmente que
repudiando toda solaridadc com os falcifi-
cadores e os seus cumplices, elles nao se fa-
ci nm dever d'ora. em diante de procurar
as VERDADEHUS PlLULAS DE BlaNCUID em
erigeng certas, enderecando-se, quer a ns-
mesTnos em Pars, quer indirectamente aos
Qossosprincipaes correspondentes, ou ento
s casas as mais recom-
raendateis da. Franca
ou do seu paiz.
1
trios 4|
seos
COMPRAS.
A 75000
Compra-se a colleccao
do Diario de Pernambuco de
janeiio a junho doanno dt
1866: nesta typog dir quem compra._______
. Lom muito maior vantagem compram-se
oure, prata o pedras preciosas e n obras velbas: na
loja da joias do Coracao de Ouro n. 2 D, ra do
Cabug.
Yenie-se laa para Lordjr, U nas e res. pfc.
diminuto pre?> de Ti : tenhara rna da Catieta
n. oO A, luja de mindfzas.____________________
Atesta eiistem ttjajda algn:: s Itr.iaVira
proprias para i urificar ago. as quaes etion o
cholera, ft-bre amarella e entras mutestias ; v-
de-se na rna d.i Commereio n. 38. M ne*tr.a
casa vende-se um rel'glo de coro insjlez rtsftjaav
metro._____________
= Vende se a armaro oa loja da roa da !-
peratriz, propria para iiaiuafcaa .c f iradas : a
tratar na mesnia r; a n M.
Aguad Vichy
Das fonies
HATERIVE E CELESTE*.
Vende-se por menos do qae et oajlra ejoai
quer parte no armaxem da ra do Viprio a. II.
Compra-se orna porta, qoe tenha tre-
se e meio palmos de altara e seis de lar-
gara, que seja de marello, e qne esteja
em bom estado; nesta typograpbia se
dir.
SITIO.
Vende se por preco dimtalo un sta asvu da
praca, tem casa, agua, balsa e an
convento do Carmo, crIluta n. I.
Vender nm sitio na Capaa,
do, pi.rio de ferro ctm urna mei-agoa i
tratar na roa da Ventora d. 4,
CANOA
Compra-se urna que tenha cerca de 32 palmoi
de comprimenlo e 4 de largura ; na ra do Vi-
gario n. 26. prlmeiro andar.
V1NDAS.
7M
Pharmacutice, ra Bonaparte, em Pars.
AcaAa-te as nossas Vtalas as pt;incipaa Vharraaoias.
ROB LAFFECTEUR
Approtado em Francia, Russia, Austria e Blgica. 0 arrobe vegetal Laffecteur sa antho-
2!L?: nLn,,??r 8M ""P* de cuiDer. d Larrey e de salseparrilha. De fcil
aP?*0'.,'dT"ed ao V^u, e ao alalo, elle cura rmdicamenta staMs. aaarrrarlV,Tu \
S^& lTp,t9mm "* **!***+ !". dtli"
H
^AnL^tlfur*****?*'ornmendada contra udoencassyphitcasrecentes, invete-
nt lo e ao ioduro denotaati..
SAlSSatt Terddei,,o LAFFECIR, n can do douUr BADEA DEj
aAlwmBRVAJS, ra Rjcher, 1t, 4 Paria.
NOVIDADE.
Vende-se emente de cotssm anal
aovas : na roa da Guia n. 7, oaeraa.__________
terv^'a branc i e prct
engarrafada por
Bloodo WolfcsfcC.
espectalmfnte / ara o Brasil
UNIGuS AGENTES M PEWAIliCO)
J. JefcnesftC.
46. Pa do ('ommrTcio46.
Pedra
O Costa, proprielario do armaxem da t
Maamore roa das Cruze3 b. 42, offerece por di-" ana,r-
nheiro contado o que de melbor ha no mercado,
por ter recebido multos dos gneros descriptos
pelo ultimo vapor.
Che colate de 1J 1*800 a libra.
Especial n anteiga inglea e franceza.
Horialices para sopas denominadas Jnlienne. que
ubstitue perfeitamente as mais frescas ervas.
Queijos flardengos o qne de melbor se pode de-
>ejar a 2*800. .
CaixM de-doce de goiaba a 800, 1/, UJOO e a
U8U0, dito em latas a U e 24H00.
A verdadeira farinha americana vinda de conta
propria a 320 rs. o maco de una libra.
Velas stearinas aJOO e 640rs. r/maco
Bolachinhg de (Mas as qualidades e dos me-
lhores fabricantes.
Ervilhas francezas e portnguezas.
.-
Farelo de Lisboa deserabirciao bosta, em
'arcos grandes, a Si.
Especial e aromtico sabio de familia 300 3
o kilo.
Vende-se orna praatM ttm dJa an eaftw-
la ale leba, no logar das Araiw. frtftMza do.
Afogados ; a tratar aa ra da NniB, I.-
Fitaasul, amado
Cabug n. 2.
Sao chepado ai
pretos para homem (
101000, assim como
crochets pretos para
no mercado ; eassas da cor
chitas a 200 ral;. corte da
duas saias a 6#; entenas
ri-das a 6.1; dila da ravial, *M
Inores que tem appareeido: tndj
para acabar._________________I
CEKVEJA BAfl
De diversos engarraladore?,
tem do Jiao Rosa aa Traversa 4
Q. 8.


M
6
Digno de Peinambuco Sexta fi
de Noverabro
de
9f.
1870
i


GR
BAZAR
60-RUA DA IMPERATBIZ-60
AVAO
DE
n

PEIEIRA DA SILVA & C.
Neste importante estabelecimento encontrar o respeitavel publico, um grodee variadosortimentode fazendas domis
aparado gosto e todas de primeira necessidade, qae se veodem mais barrtas.do que em ontra qaalqaer part, visto que os no-
vos socios desta firma, adoptaraoa o systema de s veoderem DINHEIRO ; par^oilereui vender pelo costo, fimHando-se apenas
i ganharem o descont ; as pessoas que oegociam em pequea esca'a, n#sta.Tloja e armazem poderlo fazer os seus sortimeotos
pelos mesinos pregos que compram as casas inglezas, (importadoras) e para maior eomaiodidade das Exmas. famihs se darlo
amostras de todas as fazendas, ou Ibes levam em snas casas para escolberem.
PARA 1WIVAD0S CORTINADOS, COLCHAS. GROSDENAPLES PRETOS
Cbegoo para o Bazar do Povlo um gran- Chegoa p^ra o Bazar do Pavo um gran-
de sortimento dos mais bonitos cortinados de sortimento dos melhores firesdeoaples
bordado?, proprios para camas e janellas, Pretos que tem vindo ao mercado, qoe se
qoe se veoifem de 105 00 at 200* O o veodem de 14600 at 5000 o cavado ;
par, assun como o melhor damasco cera 8 slo todoa muito em coota.
palmos de largura *a imitaglo de damasco MANIELLETES DE FILO
de seda, proprias para colcha, e propria- N' Bazar do Pavlo vende-se modernissi-
mente colchas de dnnsco, send.- os melho- mos mantelletes ou liasqoiuas deil preto,
rese mais bonitas que tem vindo ao mer- o> l;,co, P' barato prego de 10(5000 ca-
cado, da om, barato.
PECHINCHAS
DO
Chegoa para
TAPETES
o Bazar do PavSo
o mais
ALGOOO ENFESTADO PARA LENCES.
No Bazar do Pav3D vend-se o melbor al-
elegantesortiment" de tapetes randes, pa-gn,lo inho americano enfestaao para len-
ra scfK com 4 cadeir?s, d-'tos maispequn- *es ten'" uso e eotrancado por prego
nos. para doas cadeiras, ditos para
pianos, ramas, portas ; etc. ven le-se por
menos do que. em outra qnalioer parte.
ROUPAS PARA HOMENS
No are ditach Ba ardoPavao e^contra-
r o re*petta*el publico nm grande sorti-
m.ni(') le roupas para homens tanto bran-
cas como de cores, a saber :
Camisas aett paitos d'algodao edelinho,
pira todos os pregos e qua'Mades.
Cero las de linho e algorio.
Mci;!s curtas francezas e inglezas.
Palito sobrecasaco3 de panno preto e
casomira.
Caigas de brim branco e de cores
Dita^ de casemiras pretas e de cores, com
Golletes igaaes
De todas estas roupas ha para todos os
pre:; s o qaalidades, e tem de mais mais
am perito
ALFAIATE
Por qnem se manda fazer com prestesa
e acei i qsalqoer pt-c'de obra a capricho
ou 20 t> lo fregoez, tendo a'este importan-
te meato Idas as qua'id pao i i, as melhores e mais m* der-
ii as, assim como os melhores orn?,
qnr brancoM, qar de c6r; e qoan !o qua!-
quer bra nao Bear inteirame 'te ;io gosto
dos fregueses fi< a por conta do estabeleei
meat).
TOALHAS A 73500
No Ba7sr do Pavo fez se nma ermde
'om ro-rt- toalbas afeoeaeades, proprias
para ro i \ bastante eoc<>rpadas e grandes,
que empre se senderara a\l24000. e li-
pidam-se a 7*500 a dozaa a 040 rs.
cada ur>a, boa nehincba.
CORTES DE CHITA
a332i0 a 34810
um -i,s20
34840 aitn
No B -zar do Pavo vende-se cortes d fi-
Bsimss 'hitas com padres claros e esci-
ros, tendo 10 11 e!2 covados; sendo fi-
zenda me vale muito mais dinheiro e liqui-
da so pelo preco acim para a-ahar, na roa
da bnperfttrz n. 60B^zardo Pavo.
COI'.P'NHOS BRINCOS A 3-SOG0
No Caz.ir do Pavo vendem-se corpinhos
dec-unDraii brancos brdalos, sendo fazen-
da que seTiure se venden a 85^00 e 105
e liquila-se a 3(J000 por esiarem um
po'i o maltratados, pecMinsha, na ra di
bnpersiriz n. (;0.
FUsTES DE COR E BRANCOS
Vende u-se bunitos fnstes brancas e de
cores, oroprios para vestidos e rcupas de
meiihios, se ido de cores a 800 ris o cava-
do e brancos, a 400 e 640 ris, pe-
chincha, no Bazar do Pav rna da Imp>
ratnz n. 00
CHITAS BARATAS
a 200 ris.
a 200 res.
a 2<)0 rere.
Vendem-se chitas largas com muito bons
pannos e cores fizas, pelo barat > preco de
200 ris o corado ; cortes das mes as com
10 covados a 20"0, pechincha, do Bazar
do Pavo.
AS CASS\S DO PAVAO
Covado 200 ris.
a 200 reis.
a 200 ris,
Vendem-se bonitas cmas de cores min-
dinhas pelo barato preco de 200 ris o co-
vado, no armazem do Pavo roa da Im-
pera triz n 00
PANNOS PARA SA1AS A 1*000, O METRO.
No Bazar do Pavo veode-se boniU Ca-
lenda branca eocorpada para saias, sendo
com babados e nregas le ara lado, dando
a iarjun da fazeuda o compri dent da
saia. a qual se pote fazer com 3 ou 3 1|2
metros e ven1e-se a 1(5, 1*280 e 1*000;
assim como tambem no mesmo estabeieci-
menti se ven ;e bonius sai is brancas bor-
dadas, ten lo qoatro pannos cada nma, ditas
de la de cores j promotas, urnas com
barras differentes da mesma fa^enda h 49000,
e ouiras com barras borda 'as O* e 7^.0,
todo isto moderno e barato.
CARNAUBA.
Vende-se carnauba em saceos, na rna da
Imperatriz n. 00. Bazar do Pavo.
TARLATANA* LISTRADAS CORTE A 65500
Cheg'U para o Bazar do Pavo um bTInio
sortiraentrt de tarlatanas listrad-s, sen lo
verdes, cor d rosa, lirio, tendo esta bo-
nita fa7emia muita phantasia. e liquida-se
cada corte a 0*500. pechincba ; na roa
da Im pratriz n. 00
CASAQUINHOS DEGUPRE A 10*, 12*,
li*,EiO*.
Chegaram para o Bazar do Pavo os
maismodernos casaquinh h ob basijni ias di
guipnre com cintura, ricamente entoitidos
om la^os, e vi nJeto se peto barato preco
de 104. U-3. 10*, e 2*>*, pechinc ,a, .i
ra da Impera tris n. 60. < .
muito barato.
ESPARTILHO.
No Bazar do Pavo recebeu-se nm elegan-
te son ment dos mais mod-rnos e melho-
res espmilhos. qae se vendem por prego
moho em conta.
PANNOS DE CROCH PARA CADEIRAS
O Bazar do. i-Mvo rrceheu um graode
soriimet-.to dos me'tiores paooos_de croch,
proprios para cadeiras piam s, tmiboretes e at proprios para cu-
brir aim< fulas e pratos; vendendo-se por
u ecoj do que em qu hju^r parte.
PARA LENCO ES
No Bazar do Payap vende-se sn)erior
bramante d'algoil,o com 10 palcos de lar-
gura a i*SOUo i'eiro, dito de linho cora a
mesma largura a 2*800 cada metro, pannos
ds I nhodo uortocom 3 1/2 palmos de largura
de 7?0 ai 1* a vara, asnim como timginde
Boctiauoto de H mburgo ou crgueilas e
todos os nu eros, presos ou qualidades,
que s ven-lera mais barato do que em ou-
tia qnslqner p AT0ALHAD05
No Bazar do Pavo veude-se superior
atoalbadti t'ancalo, com 8 palmos de larga-
ra a l*K(.0 o metro, dito definbo adamas-
cad' o elbr qiie tem lindo ao mercado a
3500 o metro ; todo isto muito barato.
FAZEN)\S PARA LUTO
No Bazar do Pavo veode-se constante-
mente o melhor sortime to de fazencla?
pretus para luto, r,tao sejam :
L i-in'ias retas usas.
Cassas pretas de ISa.
Cassaspretis, francozas e inglezas, lisas
e com salpico-,
Chitas oretas do todas as qualidades.
Alpacas prests lisas.
D.ts lvradas com branco.
.Merinos, caot s, bombazinas, qde so
veodem mais barat do que em outra qual-
quer parte.
CACfIR-NEZ A 0*000.
No Bazar do Javo vendem.se bonitos e
rande- cachi-nez de pura la, pelo bara-
to prec/. le O'OOn cada um
PEIHCNCHA EM CAMBRAIAS VICTORIAS, A 5*,
6*. 7* 8*0 0.
Vende-se um ex,demio sortimento He
floissimas cambraias victorias, por precos
ma'u baratas do que em ontra qualquer
pane, ve >do cada p^ca 10 jarlas a 5*. 6*,
6*500 e 7*1,0, frisimas a 8*500 ; todas
esias cambraias valona muito mais dinheiro
e liquidam-se por este preco em relaco a
urna grande empra que se fez no Bazar
do Pavo.
BABADlNH )S
No Bazir do Pavo veode-se um grande
sortimento dis mais finos babadinhos borda-
dos tapados e transparentes, assim como
urna grande porco de entr m^ios largos e
streitos, que para acabar e vende moito
em conta e mais barato do qne em oatra
inalqner parte.
SEMNSDE CORES E GROSDENAPLES.
No Bazar do Pavo veode-se um sortimen-
to completo dos meloores setins e grosde-
aapies de todas as cOres, que se vendem
muito em conta.
TOALHAS.
Veode-se toabas do Porto com labyrintho,
proprias para rosto, no Bazar do Pavo
ra da Imperatriz o. 60.
Colchas braoeis 352X), 35500 e 7*000.
Para o Baar do Pava1- ebegou um grande
sortimento das melho/es colchas pretas,
sendo das me'hnres e .ais ancorpadas qoe
t-m vindo 7*J00, ditas um pooco mais
baixa 35500 e ditas 3520); tambem no
me sortimento de ertones e chitas proprias
para colchas que se vendem omito em conta.
Sedas de quadrlubos a 1*!80 ao corado
Vende-se um elegante soriimento de sedas
de q >a lrinbos, com lind ssimas cores, para
vestidos e roupas de meninos, e vende-se
1*280 cada covado; pechincba no
Baz;< do. PavSo.
Mad.polio enastado a peca 3*000.
Vende se pecas de madap lio eifestado,
tendo 12 jardas cada pee* b 3*000 e 3*500,
pechincha, no Bazar do Pavo rna da
Impta riz n. 60.
CHALES DE RENDA.
Chales 2 00J.
Chales- i 2000,
Chales i 2000.
Vend '-se ,pma grande porgo de chales
rete de rend ou croch, sendo pretos
con 4 puntas, fazenda que s^ npre se ven-
den 550 > e li juid -se a 2*000 cada um,
pecbmeba no B.z'ar do PavSo, a rna da
r..triz n. 60.
MOSSWlilQUE A 401 RES Ol'COVADO
No B.zar do Pno vnde se as mais lin-
das laaiulias mossaabi-jue-., sendo fazenda
com multo lustre e muita fautazia : bqui-
dam-se a 400, ts. rna da Imperatriz n, 60
.Ra da Imperatiz 60,
*ara T8Ddcr dfpi*ffta
LINDAS JAPONEZAS PARA VESTIDOS A
A 500 RS.
Cbegou um elegante sortimento de lias-
inbas do Japo, com padroes de seda e de
muito boa qnalidade. que 16 vendem a
600 rs. o covado. pecninena, no Bazar
do Pavo, roa da Imperairrz n. 60.
OPELINAS DO JAPAO A 1*GOO O COVADO.
Cbegou um elegante sortimento de lin-
dissimas poupelinas JapcUezas, com os
mais delicados gostos, tendo muito lustro
e com lis'i inhas de seda, sendo esta nova
fazenda cuasi da largura da chita france-
za e vende-se pelo barat preco de 1*600
cada covado, no Bazar do Pa'o.
AS POUPELINAS DO PAVAC A 2*000,-0 COVADO.
Chegio paa o Ba/ar do Pavo um bo-
nito sortiaento das mais modernas e ele-
gantes poupelinas de liuho e seda, que so
vendem pelo baratsimo prego de 2*000
cada um covado, assim como ditas conr
gottos escossezes a 2*100, pechiucha no
Bazrr do Pavo.
sebas a 2*000
Ch-gou u a ele^aat* sortimento do boni-
t?s seia? de Iistrinhas, com as cores mais no
vas qua tem vin io aa mercado e veudem-se
a 2*000 o covado, na ra da Imperatriz
Bazar do Pavo.
CRETONE FORTE A 2*000 O METRO
S ro Bazar do Pavao.
Cbegou o ve. dadeiro cretona foaacez pro-
prio para tengoes tendo 10 pa'mos de lar-
gura, e muio encorpado, sendo preciso ape-
nas paa cada tai gel l l/ oo 1'/metros, alm
d'esti applica^o tambm esta larga e en-
corpa la fa-erdi prppriapara tfalhas, saias,
ceroulas, etc. e liquida-se pelo barato pre-
go de 25000 cada r eiro.
CASEMIRVS A 2*500 CADA COVADO
No Baz-r sortim n'.o de binitas casemiras de uiqi .-
cor, sendo aul, li io, mesclada, senil o de
duas larguras, proprias para caigas, palitos,
e rou as para menino, e vendem sa pelo
barato prego de /*oOO o covado, roa da
Imperatriz n 60.
BONITAS LASINHAS A 500 RSi O COVADO,
Vende-se delicadas liasinbas com iiffe-
rentes gosto pelo barato prego de 500 rs.
o covado, no Bazar do Pavo.
ALPAQASBRANCAS.
Vende-se um bonito soriimento de finis-
simas alpacas brancas bvradas hnitagao
de seda, proprias para Vestidos de baile ou
pasamentos no Bazar do Pavo.
ALPAGAS LAVRADAS A 400, 60 E 6i0 RS.
Vende-se um grande sortimento de bo-
das alpacas lavraaas de todas as cores para
vestidos e vendem-se a 400, 550 e 640
e at mil e tantos res o covado, no Bazar
do Pavo.
BABEGES DE QUADRINHOS A 600 RS. O COVADO
Veude-se as mais lindas e moderdas lia-
sinbas ou bar. ges de quadrinhos, proprios
para vestidos, tendo quasi largura de cbita
frsoceza. e Iqnida-se a 640 rs. o covado,
no Bazar do Pavo.
' MERINOS DE CORES P.ARA VESTIDOS.
Vende-se bonitos merinos de urna s
cor com cores muito proprios para vestido
e roupas para creancas por ser orna fazet-
da de pora la e moito leve, veode-se a 13
o covado, no Bazar do Pavo.
GLACES A 1*UOO PABA VESTIDOS.
Vende-se um elegmte sortimento desta
nova fazenda denominada glacs sendo urna
fazenda de la muito larga e com delica-
dsimas cores, tendo taoto brilbo como a
seda e veode-se pelo barato preco de Ifi,
2 covado, no Bazar do Pavo.
CASEMIRAS A 7*000 '
Vendem-se cortes de casemira ingleza de
cores para caigas sendo fazenda que vale
muito mais dinheiro e liquida-se a 7*000
o corte de calca, no Bazar do Pavo a ra
da Imperatriz n. 60.
GRANDE PECHINCHA EM CAMBRAIAS TRANSPA-
RENTES A 4*, 5*, 6*. 8*, K 10*000
Vende-se floissimas cambraias soissas, de
muita phantasia tendo 9 varas a 8*500 e
10*00o. Ditas bispo com 40 jardas fazen-
da muito fina a 5*, 6* e 7*000. Ditas fl-
oissimas azuladinhas, que valem muito mais
dinheiro, a 8* e 10*000: todas estas cam-
braias, em relacio a qualidale, pelos pre-
cos cima sao mais baratas do que em on-
tra qualquer parte, no Baxr da Patito.
GAMBRAIA ALLEMA COM 8 PALMOS DE LAR-
GURA A 1*600, U E 14800.
Veode-se finissian cambraia branca tran-
pa ente com 8 palmos de largura, que faci-
lita fazer-se um vestido apenas com 4
varas ebridase a 1*600, x* e 2*500a
vara, fazeDda que vale moito mais dinheiro.
E pechincha no Bazar do Pavo.
CAMBR4IA TRANSPARENTE
Pega a 4*000
Vende-se moito finas pegas de cambraias
braacas transparentes, tendo8 !|2 varas ca-
da peca e orna um vara e largura a .
E pechincha, no Baar do Pavf*
A' raa da Imperatriz
FTB^M! li I *
NrlMlivA
ixiasn21
ROA DO QEIMADO)
Mftte ;
ftHka owtdos, sioldes bonitos,
eharuteins e port-eigarroi da moitaa
nualiflaaes. .
Bonitas pastas para papl?, mpte e DHRisl&
Boas caixas vasias-p costara oom sua compe-
tente chave.
Delicadas caetas Se marn con o bocal di
prata.
Modernos pentes de tariarqft, sobresahindo en-
tre elles os mimosos Wlegraplisias.
ComtnodoB toucaderes com, duas gavetas e bota
espelho.
Pon booqaet, o qae de melhor tem appare-
cdo.
Port retogios de maltas qualidades.
Bons ialheres para crianoas.
Vostaario9, chapozmliO, toaaas, sapatcs e meiai
para baptisados.
Toalbas e fronhas de labyriniho.
Chapeos echapelinasparasenhora, moldes novos
e bonko. .'-:.[
Cnapozinhos gorros e boneis para meninos
raemoas.
Contra as convulsSes as
crianzas
Vende-se os verdadeiros collares na Nova Espe-
ranca, ra do Duque de Caxias n. 21.
' PARA TINGIR CABELLOS
para preto* oa eistanhos, receben a Nova Espe
ranea a verdadeira tinta ingleza.
PARA ACABAR COM AS SARDAS
on pannos, tem a Nova Esperance o verdadeiro
leilo de. roeas brancas.
AGUA DE FLOR DE LARANJA.
Vende-se Da Nova Esperanza, raa do Duque d
Caxias n. Hi.
PAPEL PARA ENFEITAR-SE BOLOS
recebeu-os moito Imdos a Nova Esperanga, 'rus
do Duqne de Gaxii n. 21.
PARA AMACIAlt E AFORMOSEAR A PELIlE
tem a Nova Esperara es sabonetes de pos de
arroz. &tfl^^-- ___.
Quando a AGUIA BRRNCA, aais precisa scientificar to respeitai
feral, e em particular a sua boa fregoiia, da inmensidade de objectos que i
I tem receido, justamentejquac metes o pode fazer e porque essa falta I
luntaria ella confia e espera nabsMHB|i de todos que Ib'a attenderfo e rek
continuando portanto a dirigirem-se a bem conhecida leja da AGUIA BRANCA
Queiraado n. 8, onde sempre acharlo sAondancia em sortimento de su
qualidades, modicidad* emjpregos e o seo mea desnenttido AGRADO E!
Do quera Mdite se connece que o lempo de qe AGUIA BBANCt]
dispor, empregado'ipexa^desif eustosio dssempenbo de bem servir a aquello*
honram procurando prover-se em dita loja do que necessilam, entretanto sea en
rar os objectos que por sua natnreza sio mais conbecidos ali, ella resumidamente
cara '.squelles cuja importancia, elegancia e novidade os tornam reeoosmendttMS,
(oemwa
en
cuja ne
CHEGARAl
Poqos instaiit&neos aperewjo-
ados por preqo muito comrao-
do: na ra Nova n. 28, loja de
Atobio Pedro de Souza Soares.
Bombas completas para ca-
cimba, por diminuto preqo, na
mesma casa.
5inhos-.de cimbntfa, primorosamente
s com fitas de setim o obras easas
ridade de molde e perfeig3o doador-
os os tornam apreciados.
Fitas mni lateas dtfdrfems crese qua-
lidades para ciatos, J
Loques oesse objecto muito se poderia
dizer querendo descreve-los minuciosamente
por snas qualidades, Goree e desenhos, tal
e o grande e variado sortimento qie acaba
de chegar, mas para riSo massar o pretn-
dente se lhe apresentar o que poder de
melhor.
Entremeios em pecas de 12 tiras.
Guipure branco e preto de diversas qua-
lidades e desenhos.
Ditos de algodSo com flores e lisos.
Veos de seda para chapelinas e monta-
ra.
Meias de seda para noivas.
Ditas abertas de fio de Escossia.
Costurnes ou uniformes para meninos.
Enxovaes completos para baptisados.
Touquinhas de fil, sapatinhos bordados
e meis para ditos.
Camisinhas bordadas para ditos.
de
. CEMENTO-
O verdadeiro porlland. S se vende na ra da
Madre d3 Dos n. 22, armazem de Joao Martin? de
Rurrwi ______________________________^__
Especi ~
Continuam a achar-sc a venda na ra Pireite
botica n. 88, os raui conhecidos e acreditadis re-
medios ds veame, e outrds diversos medicamen-
tos feitos em Paris, bem como o? xaropes de co-
Jeina de Rerth, de rbano iodado, de dttreto de
ferro de Blaneard e as plalas do mesmo, peitorai
le cereja, pos d Roc, depurativo de Chsble,
Jigilal de Labllony, pilulas oo eoofeitos de b>-
malho de Chevrier, e onlros medicamentos enjs
proficienci quando empregados- as doengss das
vias respiratorias as dores rhumatiras na
amarellidao, na falta eompl^ta u irregularid^'^
de menstruo, as diarrha, doengu* do eoracr.
e do estomago, tem sido .e iiicontestavel, tm
visla dos benficos resultada das experimentac.oe?
ou Oso que diversas pessoas doHes teem frito, as-
im como das Diluas flcomindas braviis in-
eomparaveis em sua eficacia nos acammetlimeo-
tos febris ou sezoe ; existindo tambem na mesmi
casa, alm de solfleiente quantidade de drogas,
um nao pequeo orlimonto de Untas, oleo de li-
ohaca e pincis, que se vendem por menos do qo<
em oatra parte. _________
MACHINAS PARA
COSTURA
Acabam de chegar ao GRANDE BAZAR
UNIVERSAL, ra Nova o. 22carneiro
vunnaum completo sortimento de ma-
rtinas para costura, dos autores mais co-
nhecidos, as quaes esto em ex pos cao no
mesmo Bazar, garantindos-e a sua boa qna-
lidade, e tambem ensina-se com perfeigSo
a todos os compradores. Estas machinas
sSo iguaes no seu trabalbo ao de 30 costu-
raras diariamente, e a sua per fe gao tal
como da melhor costureira de Paris.' Apre-
sentam-se trabalhos executadus pelas mes-
mas, que muito devem agradar aos prelen-
denles.
Capellas brancas para neoina
Grande sortimento de lores I
Fil de seda preto.
PKBFMAJUA
Grande e eeostante sortimento
sempre melhor quatidatft.
Lindos vasos com pa de arroz e
Caixinbas com diloe aromticos.
Bonitos e modernos pentes dourados+a-
ra circular o coque.
Bonitos brincos de pTaquo.
Aderecos e brincos de madreperoi
Caivetes finos para abrir latas.
Thesonras para frisar babadinhos.
Aspas para balSo.
Novos stereoscopos com 48 vistas, as
quaes sao movidas por um mac
urnas substituem as outras.
Yistaspara stereescopoe.
Bonitas caixinhas devidro enfeitadcsi
podras.
Ditas de madeira envernisada com
ras e com dminos,
Bollas de borracha para brinquedo d
criangas.
Diversos objectos de porcelana, proprios
para enfeites de mesa e de lapinhas.
N.3A8E1R0CAB1J(MU
ali
0
CO
Com este titulo acha-se aborto e integramente transformado este antigo
estabelecimento de joias, onde os freguezes e amigos encontrarSo tudo quanto
a moda e o bom gosto tem inventado na arte do ourivesria, o Collar de Ouro
observar delicadeza no trato e senciridade e modecidade nos pregos.
Espera que o respeitavel publico venha ver o que existe de melhor em
aderogos de brhanles,"esmeraldas, robins e perolas, meios adereges, pul-
ceirgs, brincos, alfintes e anneis do todas as qualidades, prata de lej faquei-
ros, colhefes, paliteiros salvas e outros muitps objectos que- seria enfadonho
mencionar.
Compra-se ouro, prata, brilhantes e pedras finas, pormaior prego do.
qu em mitra qualquer parte, treca-se e concerta-se todo e qualquer objecto
pertencente a esta arte.

ATTENCAO
oa alaga-se os armazens qae foram occapados
com i turica de sabo e destiladlo do Sr. coronel
Franca, na raa da praia de Sania Rita-nova, os
quaes offereeem proporcSes para bem se montar
qnalqner fabrica de grande estabelecimento, com
a grande vantagem para embarque e desembar-
que : a tratar com o commeodador Tasso.
CAL IVA DE LISBOA
Vende Joaquim Jos Ramos : na roa da Croz
o. 8, i andar
. COLA
do Rio Grande do Sx.
Contina a vender-so deste artigo no escrito-
rio de Jos Victorino de Rezende di C, i roa do
Mrquez de Otmd, ontr'ora dk Cadeia n. 82.
i A 3S0 rs^ na roa Direita, botica n 88, veu-
de-se tinta rGxa e preta cada botija.
As mopas do Recife
Chegoa i raa do Vigario o. 16, primeiro andar,
novo sortimento de oieos e renda do Aracty, a
prcc/s moito em conta, como li se veodem.
Lourengo Pereira Mends Guimarces, participa a todos os seos dvedore
tanto da praga como do mato, que estando i quidando suas casas commerciaes. o qoe
lleve fazer at o fim do corrent) anno, por Uso rosa a ledos os seus devedores a virem
saldar seus dbitos o mais breve possivel; outro sim, declara aos seus devedores, que
os que nao estiverem na loja tem de pagar todos os seus dbitos, provaodo isto se far
o abatimeoto que f.ir preciso para a liquidagSo de suas dividas, para' isto poderlo di-
rigir-se raa da Imperatriz n. 72, loja da Arara.
Ao resto das pechinchas
Vende-se cortes de castores para caigas. I bales de arcos a 14000.
Vende-se bales de i5 a 31) arcos a !J
e 1S5jO cada um. Cortes de cassas em
papel a 20500 cada um, para liquidar.
Bramante de linho e algodlo cem 10 pal-
mos de largura o t800 o metro. -
Panno de liobo a 760.
Vende-se bramante de 10 palmos de lar-
8ura propno para leoges a 2#8u0 o metro.
Lencos de seda a 80* rs.
Vende-se ama porgio de lencos de seda
a 800 rs. cada um.
Chales de eassa a 1(91000.
Vende-se urna graooe porcjto de chales
de cassa a 1000 cada om, para liquidar.
Fusta a 360 rs.
Veode-se fusilo de cores para vestidos
a 360 rs. o covado.
Algodlo enfeslado a 900 rs.
Vend-se algodlo entestado para lencoes
e toalhas a 900 rs. o metro, dito transa-
do a 1^200 o metro.
Chales de merino estampados a 2000.
Vende se chales de merm estampados
com barras a U, 2500 e 3d para acabar
Gran le porglo d retamos.
Vende-se grande porglo de realhcs de
cassas e chitas a 240 rs. o covado.
n. 60.
O Bazai; do Favao sito a ra da Iqperatriz n. 60, esta1 oonstaaterneute aksrta
das 6 horas da mauia as 9 "da noote,
Cal nova de Lisboa.
Barris grandes, desembarcados do logre Juo :
nde-se na r na da Madre de Dos n. 34, arma-
m de Canha trmio A G.
Vende-se a terga parte-da casa terre n. 89
da roa Velha, fregneat da Boa vista : qasm pre-
MDdtt iry se roa da Floren tina n. 6.
Veadea-se tres narros de 4 redas para um.
cavallo, sBd om de doas asuntos, ouiro le doas
a qoatro (a ventad*) e outro de qoatro, sao excel-
laotM uto *mrioaoos : oa ra da Florentina
oninro 44..
m h*u n
. caigas,
a 500 rs. Cortes de brins de cores a
ldSOO; cortes de gangas para caigas a ift,
curtes de casemiras preta para caigas a
34500, W, 55 e 63000.
Crtes de abitas a 2:500.
Vende-se cortes de chitas para vestipes
a 23500. Ditos de cassa para vestidos a
2|500.
Pechincha a 43000.
Vende-se pegas de algod5o a 45, 51, 60
e 7,JOO0.
Para liquidar a 33500.
Pegas de madapollo com 12 jardas a
3^500. Ditas de dito com 24 jardas a H,
04, 64500, 74, 84 e 94000.
LIQUIDAQO.
Pegas de algodlosinbo de listra proprio
para roupas de escravos com 42 jardas a
64500 e covado (60 rs. pira liquidar.
Chitas escuras para vestidos a 280, 320
e 360 rs o covado.
Para acabar.
Veade-se pecas, de cambraias victoria, fi-
nas a 64, 64500 e 74000.
F muito barato.
Colarinhos de ppela 240rs. a duzia.
Cortinados para janellas a 54000.
Vende-se cortinapos para janellas a 54
o par. Brim pardo liso para caiga do ser-
vico a 500 rs o metro.
^Cortes de percales a 64000.
Veode-se cortes de percales d duas
saias de bonitas barras a 64000.
Cobertas de chita.
Vende-se a 14500, ditas fina a 23500,
ditas eacarnadas e adamas idas a 33500,
ditas forradas 54000.
Gangas para caigas a 280 o covado.
Brim de listra ao lado para calcas a 4Q0
rs. o covado.
Lencos brancos a 24000 a duzia, para li-
quidar ; graode porglo de mantas para
gravatas a 200 rs. cada urna para liquidar.
Cassas francezas a 280 rs.
Vende-se cassas francezas para vestidos
a 280 e 320 rs. o covado.
Organdys de cores para vestidos a 400
e 6%0 o covado.
Alpacas de cores para vestidos a 500 e
610 rs. o colado.
A feata est na porta
Roupa feta encontrarlo
Por precinto razoavel
Todos se enroupario.
A SABER :
Liquidan! de ronpi felta.
Vende-se pallitots de orinsinho de ImBO
proprio para andar em casa a 1450 "
tos de ganga a 24000 ; ditos de meia ca-
semira a 33000 ; ditos de alpaca ae cor
a 34500 e 44000; ditos de P* JJ
preto a 64, 84 e 103000 ; daos de case-
miras de cores, a 64 e 8400 coletea
de cassinetas de cores, a 14500 i ditos de
brins de qnadrinhosa 14K); dito J-
armas* Iadepeadenc
para pagaowuto de jeus ittum
msao.
semiras d cores, a 24500, 33
Calcas zoes para escravos a' fOO rs-, <"
de algodosinbo do listra a 800 rs. mu
de brim par loa f^,JHl0 k
tas de dito branco da bobo a 34500 4| ,
dita^ de casemiras de cores a 53^94 J9
e mm ; camisas de chita a .14000, al-
tas de aUodiosinhi. proprias para o^ sjgj
Llasinhaa para vestidos a 320, 400 e 510 vigo por ser binto** *#""
rs. o covado. de masa ina a 141
. O -proprietario da loja denominado Arar; deciata aoj
seus fregnezes qae est conclaindo im fiquidacio. por isso qt* JW **+ a
boas fazendas por pooco dinheiro terha a bondadede dingtr-sa rea. da Imperatrfs dw
72, desde as 6 horas da maobla as 9 di oonte.


'

L
\


I
"'timijBB'
7
Atabam de sahir a luz as se-
guintes pecas para
Ilmlinda walsa d'Arditi
Ideal e reelidade mtiito bcnia
plianUia pelo maestro Cazal-
ere
Poslilliaolinda ph-rntasia ejecuta-
da {cm groada, applaoso pela
msica allema
Habaneras liadas dansas para-
guayas, qoe lano furor aqui tero
km
ACABA DE PUDLICAR-SE
a collecco de msicas dos -cavallinhos para
imo
1.5000
1500
l.-SOOO
R?cebeu mais grande sortiroento de ma-
ncas para piano, e piano e canto, e tambem
a opera
0 BAZAR DA MODA
DE ^^
OE de Souza Sbares & 0.
RA DO BIRlO DA VITORIA
(OUTTORA NOVA)
Apresenta-se metaaiorpbozeado no que pode haver do mais bello e agradavel em fa-
zendas Anas para Senboras artigos de alta moda em Pars tanto para senhoras como
para homens e meninos.
Miudezas afamadas, perfumaras especue?, variedade de lindos obiectos para me-
amos e brinqaedos para criancas.
GRANDE SORTIMENTO
Continuamente recebido por todoa os paquetes vindo da Europa sonde tem ha-
bis correspondentes.
Vndese muito emeonta e maada-se por em pregadas do estabelecimento fazendas
em casa das Exms. familias afim de melbor escolherem o que desejarem.
0 MARAVILHOSO REMEDIO DO
DE. CHAS. DE GRATH
MMMDES
DO
liOJA
DO
KIIVTCr OF PAIItf o re da dor
I*ARA USO INTERNO E EXTERNO
CURA CHOLERA Z CHOLERA MORBUS,
DUrru*, floze da iague, em un di.
Dr de cabera, dores de envido m
tre minuto,
Dor de dente, em nmjninnto.
Keuralgia, em cinco minuto
Deilocacaei, en vinte minuto.
Osrganta tachada, em dei minntoi.
Coito e convulMe, em cinco minuto
Bhami*ttaot em ua di.
Fetoe e fehre intermtante, em nm dio.
7 Ra do Queimado
(as,
.
IL HU
para piano e canto, o tambem os melhorcs
pedacos para pjano s composico do Ilus-
tre compositor brasilciro
Garlos Gomes
que tanto furor fez na Italia, e boje faz no
Rio de Janeiro.
A' VENDA NA
A. J. de zevedo
A RA DO BARO DA VICTORIA (ANTI-
GA RA NOVA N. H).
Pes de roaciras de varias nualijidcs ; assim
como de sapolis, abacale, ligueira, larania eravo
e pinlieira, por preco risnftvel : iralar na Hoa-
vista n;a do Visconde de Govana n. 31, outr'ora
Moti'lrcro.
Farelo
4:200.
Saceos com 100 libras do superior farelo
dlo barato preco a cima indicado, na ra
da Ma-lre do Dens n. 7
E chegado a este novo estabelecimento o mais bollo sortimento de fazendas
sendo sua especialidade enxovaes para noivado.
Vestidos de blond de.sda ricamente bordados.
Gorguro de seda branco para vestido.
Colchas-de seda pura, para cama com ricos desenbos.
Ditas de la e seda, idum idom.
Ditas de crox, idem idero.
Cortinados ricam-nte bordados para cama e janellas.
Croxs pira cadeiras e sofs.
Vestidos de cambraia branca bordados.
Popelines de lindos gostos.
Las de diversas qualidades, lindos gostos e modernas.
Ricos b urnus para passeio, com listras de setiro.
Sahidas de baile o que ha de mais rico.
Cretones para vestidos com lindos desenhos.
Carnizas bordadas e sera bordados para senhoras.
Camisas bordadas muito finas para homens.
Dtas inglezas para homense meninos.
Seroulas de linho, e nm grande sortimento de rounas feitas e de fazendas qne
* enfadonho mencionar.
Luvas frescas de Jouvin
Sortimento de tapetes para guarnicoes de salas, alcatifas para forro de sala, e o
frande sortimento das acreditadas o verdadeiras
Estsiras da India
Dor nai eoitu e noi ladoe, em de mi.
uto i
Totees perigoia e refriado, em nm di*.
Pleuresa, em un di.
Snzdes e athm.
Hemorrhoida e bronchiti
Inflammagao noi rin
Dyspepsia, eryaipelei.
Molestia! de flgado.
Palpitago de coracio.
CD1
Grande reunio!!!
Rui do Imperador n. 28, ar>
irazem do Campos.
Como so est aproximando o lempo dos regaba-
et, o proprie'ario deste estabelecimento tem se
esmerado em fazer reunir em sea armazem um
completo e variadsimo .ortimanlo de seeros
alimentlci is.
Nao se propSe a deserevor Dominatttfnte todos
os gneros coutid >s em seu am.azem por se tor-
nar de mais enfadonho.
Garante somene, qoe sua norma de ha muito
lempo Ollar pao por nao e queijo por queijo.
Avisa especialmente aos fumantes, que recebeu
de sua especial encommeuda urna factura de cha-
rutos superiores deS. Flix da Babia, das seguin-
les marcas : expsito, marquezes, normas, ama-
dores e paragua-suanos.
Venham todas as despenas dos arrabaldes e e-
dade snprir-?e de gneros do primeira qnalidade.
Fariaha de mandioca da Babia.
Tem para vend r mullo-nova o superior,
em sacca3, a preco mais coramodo do que
era outra qualqaw parte: Jo?quim Jos
Goncalves Beltrao, no scu eseriptorio ra
do Corarnercio n. 17.
_ Na ra do Bario da Tnutnplio, amiga do
Brum, n. 'M, vonde-se o seguinte por preco m-
dico: *
Cal de Lisboa da mais unva que ha no mercado
Bolinetos para parearas e biates.
ttenqSo "~
Vende-se a armaco e pertence* da taberna do
logar do Terco n. II, propria para qualquer prin-
cipiantpc, ced,-ndo-se ao comprador a residencia
do sobrado de um andar por cima da mesma :
tratar no niesmo sobrado.
Cal nova de Lisboa.
Barns grandes, e ltimamente chegada, ven-
ae-se por commodo pre;o : no caes da alfandeca-
velba, Cicnptorio de Azevedo & Barbosa Junisr
3po,an.53,rua Direita, 3 putas n. Cantiga]
foja do raga
O abaixo assignado, dono deste antigo estabelettmento, tendo em vista apresentar
completo sortimento do ferragens, miudezss e cotileria, lem resolvido mandar buscar em
diversos pontos da Europa os meluores objectos de seu estabelecioienlo dos fabrlcautes
. mais conhecidos; pelo que convida ao respeitavel publico e a seus numerosos frecuezes
a virem se servir dos objectos de sna carencia, aende encontrarlo por ir-cuos 10 0i0 do que
em outra qualquer parte, nm sorlimento completo de machinas para descarocar aleodao
do bem conhecido fabricante Cottorr Gin & C, ditas para costura, motores para animaos! 3
ditos para fago, momhos para caf de todos os lmannos, da fabrica do Japi, espingardas do M
dous canos e de nm, tanto inglezas como francezas louca de porcelana, facas e garfos S
de diversas qualidades e precos, bandejas chinezas, salitre, breu, barbante, cr.xofre, papel e ffl
lima ha de ferro, ac, e agulha para fogueteiro ; assim como encontrarao constante- *
J meute grande poryao de fogo do ar, e recbese eneominenda de fogos de vista, alem de um
cem numero de objectos, qua se tornara enfadonho numera-loa : venham ra Direita o S?
t 5J, loja de Lenidas Tito Loureiro, amiga toja do Braga.
RESERVE SEMPRE ESTE REMEDIO EM SUA FAMILIA
AS DOENCAS SE APRESEJTAM, QUANDO MENOS SE ESPEBAM.
Boletttae o dor, alllvia maU o. eoffrimento. e produ, um maU perfeito equlUbrlo no systema hnm.no o nuc nao
pode effectuar no mesmo tempo, com qualquer outro remedio mcdcclnal Q *M
^^u,sto,^^rBjsiisgeralmcn,e' ^ r-io qne nm-de""-
na foirdTr.cttt.r90le,O "^ ffe"C6"" 0Urar d00n?"' ^^tio HB, enipuUd.
reMa^Lr^t -^ *!**#? cm,ca e da 'ctrlcidado e por Iso, esta applleayol para o enrmenlo e par .
ll,!?< K,n^.rDn,atral d01,0rga* QU8 "0irrem da lrreaular <="e'So dos fluxo. do, prlneipae. ne vo. ole*
em?mt^^tl, ? "^ dl?otamenU n0 ><~ee, fa.eudo de'sapparecer a Inehaoocs das g anaula. iu
em nm tempo lncrlnl, breve sem perlgo do seu uso debalxo de qualquer circunstancia "naua. ate
,.- IT. ..'.! Umtt m1ed*clna Parn n8 cxterno o lnte"'. composto dos elementos curativos, ralzes, horvas e caima.
2:2: "i s^.~ sk-* e *quaes tem **cmenou n <' 2 sssai
Fol um grande e especial desejo da faculdade de medecina durante mullos annos de experlenoia nara : M
mejores modo, que ao d.viam adopUr para curar a. segulnles docnca^ que proporcoe, ZSSSESSSSSm
E DROOARIA DE
EM PERNAmBUGO
IVA PHAHMACIA
BARTHOLOMEO &
KT.=34 Ra Larga do Rosario.
Q
w. 34.
CASA CUVIN Ljmm.
Pharmaceutico privilegiado
succeseor
Bebaslopol, C5 PABIS.
NOVAS ESPECIALIDADES A. TAARINIER
Apresentadas a Academia de Scicucias e ao latiitalo de Fransa,
CpPA \ *b "(erma do Pastilla, devedida e doeada par
.vUtUMU fasi'r de momento urna soluccao
Preventiva e curativa das MOLESTIAS CONTAGIOSAS.
l:tdLtll
ii
ESTOJOS
um retalio, seninJo de
.. e SERINGA sem os
crave InconvenicnUt da fragilidais.
a do volase de
' niiiri'.o
Coin a firma, e de volnme de um Pnrte-Mo.'da
com.yno todo uutaubnio.
COLLYRIO Contra as afleccois das palpebras,
preparado sob a mesma forma.
BARTHOLOMEO i C
Depositarios geral para e BEIASIL e POItTBJtiAL
3i, ra larga do Rosario. iPERNAMBTJCO.
Rival sem segundo, Rival sem segundo
RA DUQUE ME CAXIAS IV. 49 RA DO DUQUE DE CAX1AS N. 49
(Anliga roa do Queimdo) 2S,,& VSSS.3S
1 muito bom e xo declarados, garantindo ludo bom e pre-
cos admirados.
120 uzias do pa'itos seguranca a.... 120
Duzia de palitos seguranfa caisa
EEEMEBO
Com fundipo
RA DD BRSI1 5:
Passando o chafasiz.
Chama a attenco dos Srs. de engento para seus acreditados machinismos e
:om especialidade para seus vapores que anda urna vez tem melhorado.
Os vapores fornecidos por ello o j funecionaudo Ibe hao de fazer meltor anre-
:iacao do que qualquer dito proprio. *
Deseja tambem mencionar que tem feito urna redncco em seus precos e que
tem prompto toua a especie de macbiuismo e oulros objectos para a agricultura.'
mui'.o barato a saber
Libras de areia preta muito boo. .
Tesouras finas para unbas e costu-
ra a. ..'....,.- 500
Papis de agalhas francezas a ba-
lao a......... 60
Caixas com seis sabonetes de fruta 1 jt000
Libras de la para bord ir de todas
as cores a.......8J000
s
I.
it,
Tem a venda em seos armazen?. alm de ontro
artigos de seu neg io regular, os seguiots, que
estao von-lendo a preces Biais baratos que era ou-
tra quali|u-r part. :
PORTAS de pioho almofadadas.
FABELLO em saceos grandes a 3,J>00.
GRADES de ferro para cercados.
E?SSi4S v a ,n!,ia Para cama e 'orrar sala.
CAAOS de barro france* para escoto
OESSO superior em barricas e as arroba?
CEMENTO de todas as qualidades baixos
precos.
MACHINAS de desear car algodao.
BARKIS. grandes com peixe da Suecia
LONAS e brintes da Russia.
OLEADOS americanos para forro* de carros
FOGOES americanos muito bons e econmicos
VINHO 'le Bordeaux em caixas.
COGNAC superior de Gantier Freres.
MILHO de Fernando a f o seco.
AGUA florida;
BARHI3 de carne salgada de porco e de va cea
Farinha de mandioca de Santa
Catharina.
lia para vender da muito nova e superior
ebegada recenlnmente pelo patacbo rabe
e barca Santa Mara ; por preco commodo,
a bordo dos referidos navios fundeado-, de-
fronte do trapiche do Exro Sr. baro do
Livramento ou enlo para tratar com Joa-
quim Jos Gonfalves Beltro, no seu es-
cript"rio /ua do CommercfoDvi7.
Farelo novo d#Lisboa
nd Maaoel Joaquira Gomg Braga, em saceos
d-100 libras a i800 : no armazem amarello de
fronte do arco da Conceicao.
ra!m a I l!S,?aBlf C ^De ^J-'aP'fsenta ao publico, depo s, porm, de nm severo
2LL?^3!?>P* len.d0 a cerleza de <* Pssue urna superioridade
S?c i i S 2S,0ltris Preparacoes, que at boje tem apparecido, recommenda-se
Ei tota .wJSAS0 bnlb?Dte i"Slr que produzns cabell,s" tirand ^media!amen.
te todas as caspas e cocoiras, fazendo com que appareca em bom estar impagavel.
,nBfi.,^ gua coraP5e:se de substancias cuidadosamente escolhidas, purieadas a
nrn -nadaS fT ma'0r Cr?idado' 6 Mm dist0 combinadas de modo ta a darhe
nma accw verdadeiramente efficaz. consoladora, e benigna
oscabelS^ inmediatamente ficam
Deposito
smente em casa do autor, Andr Deknc cabelleireiro de Paria".
Ra Io de Marqo (antiga Crepo) n. 7 A Io andar
CONFEITARIA
DOS
ANANAZES
Ba da Cruz n. 16
nm .I6 semPre : I AMEMDOASconfeitadas: xaronaa rAfri
BOLINHOS para cha; pao de l; bollo gerantes; vinho Bucellas, bran?o0u'
inglez; pastis de differentear qnaiidades; Ipropno para mea; vmonft Ib^t,'
o. cognac; vinuos flno8, dlKtpague. '
doces de fructas, em calda e secco,
barrilinh >s em latas.
CAIXINHAS com amendoas e pastilhas,
nropnas para presentes; che preto, miado,
de nperior qaalidade ; latas com pecegos
a i#000.
PAPIS para sortes,
flara cobrir bolos.
PHESUNTOS e Hambrea,
djos vendados
BECEBEM-SE encommends de bandejas ora bolinbos, rnmi'imiiMi i
^iL86B!Sla"; de Pa de l bo,0s eafeiadoa^ com dsticos *?& *J5?ASi
muitos objectos proprios para grandes janUres, baile^ etc., etc, &wttov
Garrileis de linba Alexandre a. 100
Frascos com azeite para machinas 500
Grvalas de cores muito tinas a 800
Grozas de botes madepersla fi- '
nissimos a....... 500
Novello de linha de 400 jardas a. GO
Caixas com OO envelopes muito
superiores a -. G00
Pentes volteados para meninas a. 240
Tinteiros com tinta preta a 80 rs. e 100
Pecas de Ota clstica' muito tina a 200
Lata com superior banha a 100 e. 200
Frascos de oleo Pbilocomo muito
tino a......... 500
Frascos de macaca perola a. 240
Frascos de extracto muito bonitos a 500
Duzia de saboneles muito tinos a. 720
Saboneles iuglezes a 600 rs. e. 10200
Frasco com agua de colonia Piver a 500
Dito de oleo b;.beza a..... 500
Caixas de lamparinas a. 40
Saboneles a forma menino muito
superiores a....... 240
Cartilhas da doutrina fazenda nova a 400
Libras de linha sorlidas de todos os
nmeros a....... 1,5800
Capachos muito bonitos e grandes a 700
Carriteis de retroz preto, com 2
oitavas a. '...... 640
Agulheiros de osso enfeitados a, 240
Libra de linha franceza superior
qualdade a....... 2420
Caixas de palito do gaza. 00
Ko b-:; nte-rheirai tico.
Remedio efflcacissimo contra as dores rheuma-
tlcas at hoje o mal condecido pelos seos mar-
vilhosos resultados.
XAROPtt DE AGRIAO. um dos medicamen-
tos que sua eficacia as enfermidades, tosse e
sangue pela bocea, bronchites, dores e fraqaera
no peito, ecrobulo e molestias de figado, qne me-
lbor tera-aprovado.
TINTURA DE'MARAPUAMA. A celebre raiz
de marapuama, cuja energa e efcacia naa para-
lysias, intorpecimento, etc. etc. muito se recom-
menda.
Todos esses preparados se encontram' na pbar-
macia e drogara de Ilartholoraeu & C, nico de-
pasito na roa larga do Rosario n. 3i.
Cigarros da imperial
fabrica de S. Joo
de Nictheroy.
Onico deposito em Pernambuco caes d alfan-
degaVeba n. t, anda.
grande a...................
Frascos com rliobaboza muito fino.
Pacote* com p.'s de arroz o me-
lhor que ha a............... 320
\a val has muito linas para fazer
barba a......-..............
Caixi de linha bran do gaz a..
Vara de franjas de lidho para toa-
lhas.......................
Caixas com pennas d'a^o de l'erry
superiores ................
Lencos dd cassa braucos e pinta-
dosa......................
Caixas com 20 quadernos de papel
pautado .......
Caiias com 50 novellos de linha
do gaz a........
Duzias de meias cruas superior
qualidade a.......30601
Pecas de babadinhos com 10 va-
ras a.........
Pecas de liras bordadascom 12
metros cada p-ca a 10500 e.
Pe?as do filas para cs de qual-
quer largura cora 10 varas a.
Escovas para unbas fazenda fina a
Dilas para denles a 240, 320,
400 rs. e.....
Pegas de tranca lisas, brancas e
de cores a.......
Duzia de -linha frxa para borda-
dos a 400 rs. e. .
Pares de meias croas para me.'
nos diversos lmannos a. k .
Duzias de meias brancas muilo
finas para senhora a. .
Pares de sapatos de tranca do
Porto........
Pares de sapatos do tapete a. .
Duzias de baralhos para vutarete
Sylabarios portuguezes a. .
Cartoes com colxetes i carreras a
Abotoaduras para colkte diversas
qualidades .......
Caixas com p nna de ac muilo
boa de 320 a......
Caixas com superiores obrejas a.
Duzia de agulha para macnina a.
Libras de pregos francezes lodos
os tamanhus a......
Pacote de papel com 20 quader-
nos ......._....
Rerma de papel pautado superor
Resma de papel liso muito supe-
rior a...........
Yedde se nma canoa de carregar 1,200 a 1,300
tijolos: a tratar na ra Direiu n. 101,
1*00
Vendto-se bonegutM par c/Ianoas, ob odae
pelo diminuto preco de !#500 : venham ofib
miudezas da ra da Cadeia n. 00,
320
320
0000
500
160
800
100
70f
400
500
20000
500
500
500
40
500
320
40500
20000
10500
30000
400
20
400
50C
40
20000
240
400
40000
30'.OO
Cabra
Vndese orna cabra (bicho) com 3 cabritos, boa
lelleira e manca na ra da Omiordia. n. 11.
Vttndo-re um cabriole! om perNio e.-udo
urna machina de costura, nova : no C-trredi r do
Bispo n. 55. Na mesma caa trm.i-se nma ima-
fem de Chrito, obra mniin bonita, com todos os
perteuces de prala ; e vende se Q especial xarope
de ju para raol.-iia do p_( ito.
de trigo a 5*000 a oarrica .
liza, roa do Livramento n. 38.
oo nrmazem Ba-
GALLO'TOLANTE
Rna do Crespo a. t
Os proprretarios deste bem conhei ido esubei^-
cimente, alm dos rnuitos objectos postos a apreciaeio do respeitavel pablico, mar.-
daram vi e acabaa de receber pelo ultimo vaper
da Europa um completo e vanado sortimento d*
Unas e mui delicadas especialidades, as quaes e?-
to resolvidos a vender, como de sen costum.
Sor precos muito baratinbos e commodos para tr-
os, com tanto que o Gallo....
Muito superiores luvas de pellica, pretaa, brac
cas e de mui lindas cores.
Mui boas e bonitas gollinhas e punbos para se-
nhora, neste genero o que ha de mais #ioderao.
Superiores pentes de tartaruga para coques.
Lindos e riquissimos enfeites para cabera d>
Ezmas. senhoras.
Superiores trancas pretas e de cores com vidri-
lho3 o sem elles; esta fazenda o que pode havar
de melhor e mais bonto.
Superiores e bonitos legues de madreperola.
marfim, sndalo e osso, sendo aquellos braaeo
com lindos desechos, e estes pretos.
Muito superiores meias fio de Escossia para st-
nhoras, as quaes sempre se venderara wr 30*09
a duzia, entretanto qne nos as vendemos por Mi.
alm destas, temos tambem grande sortimento d*
outras qualidades, entre as quaes algumas meit
finas.
Boas bengalas de superior carca da India
castao de ra.irt'un com linda e ene niadoras fign-
ras do mc;mo, neste genero o our de mefhor s-
jidc desejar ; alm destas temos tambro gran
JuantidaJe do cutras qualidades, como sejam, *
eir, baleia, ofso, borracha, etc. etc. ele.
Pinos, bonitos e airosos enicoflWMM de caieia
de outras qualidades.
Lindas e superiores ligas de seda e fcamali
para segurar as iieias.
l : meias de seda para snahora c pr.ra aetu
as de i a 12 annos de ida
Navalhas cabo de niarfun e Ui taruga para fazer
barba; sao muito boa.-,e de mais a mais sao f
rantidas pelo fabricante, e nos por r u v -. taa>-
bem a?seguram*(S sua qu lidade e delicadeza,
Lindas e bellas capellas para noiva.
Superiores guilas i;r.r: aacbtna epara crox-
Linha muilo boa de peso, fronxa, pira encher
labyrintho.
Bous baralho? de eaitu r:.ra ToftaMe, a*ia
como os tentos para o mesmo l'w.
Grande e vanado sonimento das rnclhores per
fumarias e dos rnclhores c luais c:U.w:oj per
fumistas.
COLARES DE ROER.
Elctricos magnticos contra as convulsos,
fatitam a donlicao asis Se-
rnos desde muito recebedores Ue.-u i pr.,di?two5
collares, e continuamos a reo i r tecas os
vapores, afini de que nunca faltcm no mereade.
tomo j lem acontecido, assim pcis podero s ,
les que delles precisartm, vir ao- dep-aito do gall*
vigilante, aonde sempre encon-arao destes verda-
deiros collares, o os quaes atlendeirlo-se ao fin)
para que sao applic?dos, se renderao com nm ajat
diminuto lucro.
Rogamos, pois, avala dosobjeclos 'jae deiamo
declarados, su nossos (ragoties e atiir.oa a viren
comprar por projos u.uito razuavdi .iluja do taik
vigilante, ra o Ce, po r.. 7. ____________
3 crdeno previeati
Rata do taetafto ti
Novo o variado sjrlimento de arii
finas, e ontros d
Alfm do completo sortimento pavi
alarias, de que cffoclivamente i i i
loja do Cordeiro Previenl
receber nm oilro aorttOMuto que 1113
aotavel pela variedade de ol
ade, qualidades ecomm
tos; assim, poia, o Cordeiro Previ
e espera con'.inoar a n.ertcer a aprr.tfi
do respeitavel publico cm gerai
boa freguezia eaa partievlar, i
lando elle de sua bum C'
3 barateza. Tm dita loja neo:
apreciadores do bom:
Agua divin?. de E. Contraj.
Dita verdadeira de Morray L'irua.
Dita de Cologne ingleza, am-.r
ceza, todas dos melhcres e maisacredi?.
'abricantes.
Dita de flor de larangeiraa.
Dita dos Alpes, e vilete para toi'
Elixir odontalgico para t,j-
sseio da bocea.
Cosmetiques d3 superior c.
os agrrdaveis.
Copos e latas, me orea e rr.
pomiir.a fina para cabello.
Fra;cos com dita japonoza, tro::
a outras quididades.
Finos extractos inglezes, am
francezes era frascos simples e caci
Essencia imperial do fino t ag -
ro de violeta.
Onlras concentradas e de cheiroi ign-
sente finas e agradaveia.
Oleo philocome verdadeiro.
Extracto d'oleo de superior quaLd i
com escolhidos cheiros, em irascos de entes tamanhos.
Sabonetes cm barraa, maiorc: <. vl:~ .
para mSos.
Ditoj transparentes, redendos e em
ras de meninos.
Dito.-, muito finos em caixinha pra! irL
Caixiuhas com bonitos sabonetes Ln>!..
fructas.
Ditas de madeira invernisada contando I
una perfumarias, muito propriaa para pr.
sentes.
Dilas de papelo igualmente bonilis, tac
bem do petlumarias finas.
Bonitos vasos de metal colorido,
moldes novos o elegantes, com po de arr.
o boneca.
Opiata ingleza erancea para denUa.
Pos de ci.fliphora e outras iSsnaU
qualidades taiibem para dentea.
Tnico oriental de Kemp.
Atada oaaSai eo^aes.
Utii outro sortimento de coquea de r
.es e bonitos moldes com filets de vidiL
a alguns d'c'lcs ornados do florea e Su.
:.8to todos expostoa i apreciaeio de que
os pretenda comprar.
GOLLINHAS E PLNHOS BORDADO*
Obras de muito gosto e perfeiclo.
. Fi t ella* e Ota* para ciaataau
Bello e variado sortimento de tae* obj*
toe, ficando a boa eacolha ao gocto do coi
orador.
Joaquim Rodrigues Ta-
vare<* de Mello,
TEM PARA VEJfOER
em sen escriptorio, praca do Cono Sana',
n. 17 :
Fumo em iblha
de i* e 5' qnalidade, e vende nm fardos a vouuoe dos cosaprnores.
Cal de Lisboa
ultima chegada.
Potassa da Russia.
Fariaha de aiUea
Viuho BorcieaoJL.
de f aalidaie. Tnd* de veada u.
^ baraWk qoe em outra uiqner par*. ,
Fog3o de patente.
Vende-se sm caa dos importadorea
flawkes & C ra da Croa n. I
Ssaw
[


I
8
Diario de Pi

f&ambuco
_____;------------
Sexta eifa 18 de Novembro de 1870


LITTERATMA.
O pmro.
A PLINTO DE LIMA.
Meo D?os *t f*o am sontao,
>'io quero viv*r roais I
Ag.wti tl<* Wft
A. di Souz\ Pinto.
Recitada no Gabinete Porluguz de Leitura.
O povo sempreo me**, sempre grande op-vo
Ou libertando o munto, ca dDdo um Mundo .\oio.
Quer do ignoto ocano encare o ruracoe\
Quer Basnlhas mmpen.lo wmagne airo: srilhOo. I
Quer o forre, suicida (esloic- heroicilade I
Grave no immenso peilo ao ver a Uberdade
Estorcer-so .norial uas garras infernis
Desse que abri a jaula as frss impenaos !
Seia CaiSo qji Hus, o kilo amigo ou aovo,
O povo seufpre o mesim>,4 *eiupre grande o povo I
A trra se envolvm em triste escuridao,
E o aojo mo do abysiuo^erguido n'amplidao,
Soluva o gargilhar sarcastico, maldito,
Como seberba arTronta e-4j iaOnito.
Trinchava a tyrannia, ali-ada em ureo altar,
As sobras do festim do grande Balthaiar :
Herdra co'o poder daquelle rei famoso,
O odie contra o fraeo, o eterno amor ao goso !
Na torva baccanal se oovia am grito jtroz,
Era o gemer do e&cravo ao vergalbar do algoz!
Nisto, cobrio-se o co de nnveos cor de rosa,
Hriluou a natnreza aos olhos mais formosa ;
Foi quando de um obreiro a pobre habitacSo
Mandou bumanidade a crenc, a rederopca'
f
Seja Ghristo oAloyss, o feito antigo on novo
O povo sempre o resmo, sempre grando o p>vo!
Volve de novo a noite.
Aquella pura luz
Que universal ra'ou as travs d'alta cruz,
D'ura escabroso monte ao pincaro elevada.
Jai dos povos na mese extincta ou eclipsada!
Agora pois suri i, vampiros, vos que amaes -
A noiu, em cuja ireva gusto vos cevaes I
Surgi, santos varoes, em quem a santidade
?; guerrear em tregoa a pobre bumanidade.
E t, nobre feudal, alma senhoril,
Do miseravel servo esmaga a fronte vil i
Mis sede prestos* ci-a! erguer-se yai o da,
E do horisonle o sol t os antros allumi* i
Mas oh que tarde ja; rompendo a cernea*.
Eis que brilhante surge am seductor clarao
E' astro a dorramar calor o luz intensa,
E- rerora, phanal, um novo deus-a mprensa .
E o escravo se levanta, encara e rt no ceo
A estrella do porvir a fulgurar sem veo !
Guttemberg oa Voltaire, o feito amigo BOJWJ,
O povo sempre o mesmo, e sempre grande o puto
Alguns sec'los ap, medonlio vendaval
Os thronos abalou; e o orgulho real
De medo estremeceu!
Ento horrivel grito
Foi chorar o perdo i portas do infinito I
Mas ia tarde ja ; irado o propno co
Nao quiz ouvir a quema ao condemnado, ao ro i
Obi que bem longo f6ra o popular tormento i
Sa a hora f ital do grande julgamenio I
A honra cabe Franca; o undcimo Luiz
Oeixra-lhe 03 signaes das plantas na cerviz !
E o dourado alcacar d'um velho re devasso
Os prticos abrir ao svmbolo do can?aco_
Duma raca enervada e gasta em corrupcao,
Que a morte ia levando ao seio da nacao.
Quasi perdido o alent, a Galha revigora,
E foi u'uui dia s Diieito e vingaora!
Noventa e tres ou Unjo, o feito antigo ou novo,
O povo sempre o mesmo, sempre grande o povo 1
O" vos quem aterra a onda popular,
Mais que ao tmido nauta as vagas do alto mar,
Amae esse gigante, ora, terrivel. forte,
Ora, niartvr sublime, entregue a dor e a morte,
Na bondade e no amor, na lula contra o mal!
Se acaso maldizei* no dia da vinganca
No eoracio do povo a sede da matanza,
E' toda vossa a culpa, vos vos condemnae,,
F.m vez de escravisar as almas liberNe 1
Naadae o maca santo, esse orvalhar divino,
A' que chamaes mentira, e o povo chama ensino
Oh! sim, deixai qae brilhe
A luz, a idea, a creuca
N'aima gigante, immensa
Da inmensa multidSo I
E o povo, sempre forte.
Ser taruhera humano;
Fazei-o soberana
Ser curdeiro ento!
O povo nao quer odios,
Nem tualdicoes merece:
E' corpo que entorpece
A' falta de calor!
Mandae o sol da vida
A' mente que delira,
O corarao que aspira
Banhae de luz e de amor!
Bemdito o que in-pirado
Nesta obra meritoria,
A' eternidade, historia
Mil sec'los conquistar I
Bemdito o genio ardente,
E o braco poderoso
Que ao rio impetuoso
D curso regular I
E quando o povo um dia,
N'um alto pensamento,
Gravar o monumento
De sua redempeao.....
Ento, a guerra, a forca
E o negro fanatismo
Irao ao fundo abysmo
Co'a torpe escravidao!
Nao mais a Prus9ia e a Franca,
Em luta fratrecida,
Inundarn a vida
As ambicoes reaes!
Nem choraro Polonias
Em jugo atroz, medouho.....
Os aaaare* dos aajas.
POEMA DE THOMAZ MOORE.
(ConlinuacSo)
Alero diio, essa beoida embriagadora da
ierra, ao raesmo lempo veneno e coosolo
do ccrrC3o, e caneca ro rromem, esse licor
encantado qaejrax aps si os puantasmaa
do todos os prazeres prolrtbldos, cujas gof-
'.is como aquellas do arco-iris, fazem sor-
rir as erraeoes que cercara o homem, abri-
Ihantara a ierra o reflectora tarobem os cos
em seus lobos scinlillanies! Eolio a taca
falal derrarooo pela pr.meira vez seo licor
em metis labios, empanando todo o qoe
liavii de luz em minh'alma desairada, e
encuendo-a de vas iltosoes, loaeps pega-
mentos, e desse desejo do mal qoe nos per-
segue na ausencia dos raios do co.'serae-
ih.mte aos lvidos lugos que serpeam o-
perticie da ierra desde qoe o dia tem des-
apparecido.
E-culai o resto. Findo o Moquete, bns-
quei-a no bosque em que a algum lempo
nos reunamos muias vezes ao por do sol,
qaando o mundo entra em repouso, nessa
hora de calma e doce claridade r Achei-a...
ah to formosa I Porque os anjos infeiizes
pa>tilliam com os homeos o fatal privilegio
de ver ? Porque razio os cos nao slo or-
nados de flores 15o lindas como a mulher ?
Seos olhos estavam como de costme vol-
tarios para a sua estrella bem amada, qoe
nesca noite pareca bri.har com urna luz
mais pura e viva, em quanto que a contem-
plando-a, ella tornava-se mais brilhante,
como se csc bello astro tivesse sido a urna
sagrada, era que seos olhos exhauriam seu
hmido briibo!
Havia nessa scena um encanto divino, um
tal poder de santidade. que. se o veneno do
derio nao houvesse desvairado meus sen-
tidos, leria sopitado os meus transportes,
como se me tivesse achado ante o throno
do Senhor. Com a alma toda abrasada,
com os labios seceos pelo ardor de meus
suspiros, flqoei immovel de vergonba e res-
peito. A recordaco do Edem voltoo cora
leda a sua forfa qujnio vi os seus olhos :
cada nrai de miohas vistas provava mu
bem a virgera tmida, quanto o amor des
enfreiado era que ardia, estava looge de
ser devido e digno de um aliar to puro.
Entretanto ella vio (oh sim. -me grato
pensar que elia o tivesse visto) que profun-
da ternura, sincera, sentida at o intimo
d'alraa, que homenagem de temnr e de re&-
peito, um mjo tribulava urna simples
mortal, que o seu casto amor elevava mul-
to cima de si! e todos os esforcos de:se
espirito decahido para domar o excesso do
delirio que abalava sua alma, quando com
uir.i em que a paixo derramava toda a
profunda melancola de seu poder, de seu
immen'.o e profundo poder, Ihe dizia: Se
preciso.. se devo revoar aos cos, sem
ser amado, sem ser lamentado, sem qoe
um penhor querido dado por ti me consol
nesse co solitario... ama s vista dessas
que os jovens amantes trocam no momento
da despedida, excedera, s pela lembran-
(ja, ludo quanto o co pode agora offerecer-
me de bens
Ah que esta fronte se indine um ins-
tante sobre este braco trmulo! Que estes
olhos, to temos, se fixera sobre os meos
sem terror, sem um pensamento de susto I
Que estes labios milito amantes para me
temerem, urna s vez ene ntrara meus tr-
mulos labios!... ou se peiir-te muito,
ao menos aproxima dos meus o seu perfu-
me I Oh !.. nao tremas assim !... Urna
s vista... urna palavra somente. dita com
ternura, e me irei; v... j miohas -
eslremecom... elias querem voar a
patria celes'e. Apartemo-nos... qoe
face toque a minha O erro d'um instante
ser-nos-ha perdoado, e o instante que se
seguir onvir-me-ba pronunciar a palavra dt-
v
aos ooridos de nenhoma creatnra viva, sa-
bida do limo da trra !
Aproa* pronnnciei-a, qnc mais ragio
qoe o pensamento, seus tibios, eme'.baoTes
ao echo, apjderaram-se do som divino.
Sdas mos e seos olho dirigirarase logo
para a novem, repetio-a tres vezes ao co,
com esse ir triompharjle que perteoce a (,
quando nenhuma nuvem de or oa dovi-
da, vapor deste valle de lagrimas, se eleva
entre ella e Deus I Nesse momento sagrado
todo o seo corpo tornon-se brilhante, e ra-
diante ; vi rlascor-jle soas espadoas de ala-
bastro doas 3i,t to magnificas como aquel-
las que radiam em volta do throno elerno
A medida que ella se elevava, sua azis
claridade da la com urna luz purar qne
por sua cor desconhecida a trra reconbeci
pela luz do Edem brilbando atravz de soas
roupagens. Vso divina! Nunca, desde o
dia em que Lucifer arrasto em sua qoeda
a terca parle das estrellas brbantes, nada
mais radiante se havia elevado da trra,
para reparar nos cos, essa perda de luz e
gloria t
Como pode contemplar coro calma sua
fuga aerea ? NSo pronunciei tambern tres
vezes a palavra poderosa qoe devte aessa
noile (no co teria sido muita felicidade i)
rearr no paraizo bossos corac5es e nossas
a'mas ? Sim.. recomece a ravocae>> di-
vina ... sappliqnei *. eiwrei... mas em
v5o! o encanto tinh perdido sua forca pora
rom r lima cad'a poderosa pareca reler-
me e zombaT de roen* esforcos quaedo
buscava elevar-me. entras t sem vigor
fic3ram immoveis, como o- fcanirn des*.
{^Piramente patritico, dessa conscioncia
a agrupados meas poros em
neo/aniepamM
^Kl ^Hnptnbar a mais alte^V !
g|o do sudo.
. NSo i certamente i falta desse sent-
ment patritico que eo devo attribnir a
aosencia entre *s dos represeolantes do
meu reino da Bohemia; mas devo deplra-
lo tanto mais profundamente quanto consi-
dero com alinelo o* graves inconvenientes
da poca aclaal, e vejo os esloras inces-
santes do meo governo. que lendem a con-
dozir os recalcitrantes ao campo commom
da actividad constitucional, e urgente ne-
cessidade de encaminhar. a formadlo inte-
rior d y imperior a om fim prospero.
c O governo ter o cuidado de empre-
gar todos os meios legaes pra asegurar
teinbem este reino o mais proropiamente
possivel orna parte noe importantes traba-
Ibos destas sessOos.
Todo vos. guiado* pelo espirito de
moderacio e de juslica, discutiris as medi-
das que foren mais propria-s para assegu-
rar na consiiltriclo o cawpo em qee deve
ssiabelecr-se necessidade partieefer de
cada paz, e dveada nacienalidade a- sa
tifaelo conciliavel com o prestigio da mo-
oarebia.
c Entre as tareft de qoe ides oceupar-
vos neetes sess&e, flgura em> prmeiro- lu-
gar a de mandar depuiados delegac5o,
Outro objeclo que solicitar' em.atto
grao a vossa attencSo, o regnlamento de
urna serie de relac&es entro a igreja catbo-
liua e o- poder do estado, que a- annullaco
a santa s tornou neces-
apresentar
tufa retbida, qnamtr ehegou eeeeda do
Bo per outro rnutre de ceremonias.
< s 41 horas ei*a no grande sallo
do tlrroao 9. M. r*rei Vctor *mraiule
acompanhado dos princip*^ rranibeilo e
Amadeo, princesa Margarida, pfneipe de
Saboia Carignan. j
Ao lado do rei collocaram-se o presi-
dente do senado, e da cmara dos depata-
dos, ministros, senadores e deputados, os
grandes corpos de estado, os cavalloiros da
ordem suprema da Annonc'ada, a junta mo
nicipal, o governador de Florenca, os sya-
dicos das cidades italianas chamados para
esse flm, os digoitaros da corte, a otfflcia-
ldade da guarda nacional e do exercito. e
varios personagens da c6rte, e da adminis-
tradlo do estad.
Introduzida a depota^lo na sala do
lhrono"p rei, e pelo governador do real palacio, o
conde de Sonn z. o presidente da jama pro-
visoria do governo de Roma, dnqne de
Sarmoneta, apresentoo ao rei Vrclor Em-
raamiel a> acta do plebiscito, annunciaodb-a
com estas palavras :
c Boma com as satrs provincia cheias
esse instante, e sempre ficaro, porqae as-'dos convemos com
sim ordena Deus offendrdo. h^.as. mea govewo vos
Foi para essa eslrelllorginqu* que eoVpara m8 as Pr0Psla8 rela,vas ao a9_
v dirigir o v8v atravz do espaco lamino
so, para essa Hh radian no mero do fir-
mamento azulado, que s*a imaginaclo lau-
tas vea* havia-visitado eonrjo-e esejos.
e que deve ser agora (digna- recompensa de
sua pureza) soa- gloriosa patria de lz !
Urna vez... seria illusSv? na^metede do
vfio que essa bella espbera* em tode o bri-
Iho de sua nova, gloria cefeslial, cw v-la
lancar nm olhar de piedad; sobre aqoelle
qoe deixava em trevas neste mundos aquel-
lo a qeem taire lamenta oda, se wn vio
pesar pode tereatrada-nos cos, e deqaem
se record venda este meado-obscuro-e
longincuo-1
Mas logo esta vislo passageira se eolyp-
sou ; seu briibo-diminuio uwia at que ella
me appareeeu cerno um ponto-to pequeo,
como essas estrellinJias lomiooaee qoe bri-
Iham alm no hprsonte, essas Vivas gottas
de luz escapadas- por ultimo, da exhaurda
urna-do sol. Equando- afiaal se lancou-ao
longe em sua estrella immortal, qaando
tnens olhos enfraquecidos perceberam. os
ltimos paludos lampejos de suas aws-, a
luz do co e do. amor se extinguiram ao
mesmo lempo em mkib'alraa, Esqueci^ mi-
nba celeste origen, minha gloriosa patrie;
prolanei minha alma, degradei minha fronte:
soboreei os grosseros deleites da trra, e
torneime. o que boje soa
(ContioHar-se-h).
'
VARIEDADE
.suinplo
Tenho- fundadas eaperanc-as wa que os
'vossosesfcrcosconduzirSo a um bora termo
e trabalbos- de ha mmlo lompo activados
ralalivamewe a urna nva< legislacao sobre o
peocesso oivil e criminal, e o do direito
penal.
A felie conclusSo destes trabalhos ser
um passo de grande importancia no cami-
nao do desenvolvimento- da nossa patria.
t A reforma das insiuicoes universita-
rias, conlrrae o estado actual da sciencia
e da ioslracfSo publica, uma necessidade
qie se fa sentir cada vez mais. O meu
governo ves presentar* m projectode lei
relativamente a este poeto:
t Submeitereis, senhares. ao veeso cui-
dadoso esame o urcamesto do estado para
o anno ptotno, e dedicareis aos projectos
de meu geverno. e soUtco das qoestes
econmicas a profunda sellieitode qoe reco-
nhece na- din solacio a garaotia de am
constante- progresso no- que diz sespeito
prosperiade material.
c Ser, em&ua submeaida a vassa. acelo
constitueional a disposiclo qae^ atienta a
urgencia, do okjecto de que se irata, deve
ser toreada por um voto de ordaaanca.
c Deus abencoar os vossos cuidados e
esforc 1
c Cheio de confianca dirigvvos o mee
appello qoe, para mi, significa ver-vos co-
mecaa a appcaQlo da vossa actividade. As
vossas palavras serao. um testemunho en-
dentada vossa fideadade, e do vosso pa-
triotismo, e os vossas. actos pacficos pro-
dunrio sem a menor duvida. ricos froctos
par* o bem estar do imperio, assim como
para a sua dignidad*, e para o affiancamen-
10. do progresso.
t Oxal que o poder e a forca que *na-
nam da concordia, possaro- eslendem. desde
vos a tojos os povos da Austria, conduzin-
do-os pela senda da Hberdade;o bem
estar e a honra servirlo, neste caso* a cada
individuo, a cada nacioealidade, a cada paiz
e a todo o imperio.
azas
sua
tua
REICHSRATH AUSTRIACO.-Teve ltima-
mente lugar em Vienna a abertura solemne
do reichsrat austraco. O imperador Fran-
cisco Jos, que assistio a este acto, profe-
rio naquella occaso o segrate discurso :
c Honrados membros das cmaras.
Conv. quei-vos n'oma poca muito grave,
afim de que possaes cumprir as vossas im-
portantes miss3os.
t Em quanto urna luta sangrenta estende
os seus effeitos devastadores a orna consi-
deravel parte do continente europeu, gosa
o nosso imperio dos beneficios da paz, e bjjcemo J^JJJ^^ UTic- oVacompanhada at 'sua residencia cora a
PLEBISCITO ROMANOOs jornaes pu-
a epigrapheapre-
ae reconheeimento parai com vosen gra-
ciosa magestade, pela haverdes Ii*ert3-
dd, com o valor do exereito italiane, da
oppresslo eslrangeira, edes armas mer-
cenarias, acdajnaram, em um uoaeime
plebiscito, por seu rei a J. M., e a sua
degcendencia. Este providencial aconte-
cimeeto, depoida larga e dedicada aspi-
raclo de todos povos da- Italia, com-
pleta eom esta nova alegra- a histrica
cora que brilha ea fronte de V. M.
Segendo-o texto* publicado-pela Gazeft
d FloreiKto, o rei Vctor Eroaanoel res-
pondeu nos seguinte termos :
Aflnal comprio-se a ardua Uirefa, e a
patria est reconetluida. 0>nome de
Roma, e-maior do que toara na bocea
dos borneo,, fica desde hoje vindo Ita-
lia, o nome mais querido do meo cora-
?lo. O plebiscito pronunciado- oom lio
maravilhosa concordia pelo povo romano,
acolhido e festejado- com unaonidades
em todo o reino, consagra de novo as
bases do nosso pacto-nacional, edemons-
ira mais urna vez, que se nlo devemos
pouco fortuna, muito mais devemos a
f evidente juslica da nossa causa.
Livre consentmenx) das vonia-les, sra-
cero cumprimento de fiis promessas ;
taes foram-as furcas qqe-fizersma Italia,
e que, segundo as nimbas previsees, a le-
varam a bora terreno.
Agora sao verdadeiramenle seehores de
. seus destinos os povos italianos. Con-
t centraodose, depois da separacio de al-
t. gnns scelos,, na idade qoe foi a metropo-
t. le do mondo, saberlo, certamariie, tirar
dos vestigios das antips grandezas os
auspicios de ama grandeza nova* propria,
e cercar de reverencia a sede daquelle
imperio espiritual quo planta os seos
pacficos ensinos aonde nlo tinham che-
gado anda s agoias paglas.
t Eu, como rei, e como catbolieo, ao pro
clamar > unidade da Ralia, persisto firme-
mente no proposito de assegarar a liber-
dade da igreja e a independencia do sobe-
rano pontfice, e com esta dsclaraclo so-
lemne,, acceito, senhores, das vossas
mos o plebiscito de Roma, e o aprasen-
to aos- Italianos, augurando que estes sa-
t berlo- mostrar-se iguaes em gloria aos
nossos aniepassados, e dignos de sua su-
preraa fortuna.
t Depois assignou-se o acto da apresen-
taclo do p ebiscito, e attrahida a attencid
do rei pelos atroadores e unnimes applau-
sob da mullidlo, apresenlou-se janella do
palacio com os principios e a corte, e agra-
deceu ao povo, ao qoal apresentoo a depu-
taclo romana.
Tornando a entrar na sata do throao
despedio-se da depntaclo romana, a qoal
*
veis da coblca fraottti; Q"M"'*"*'
datada de Meaox, M6 de eoiobre, mm-
veis dizer qoeiTP|ppfc'*l*,,Pg
a gaerra, tos meatis, 9e. mde ; 1 JJ"!."
tis. como mtoCierJFmD 1 de",*
4863, qwodo acerea da 0JMW>*rw5:
wigHolsten, apreaeolaveis a Bonpa
declaracio solemne e taxloal: *
c5 da Prussia esti regalada, eeiipna
ro lagar pelo tratado de Lofldnwlawf.
Pode lastimar-ae qae osse asaltado,ai
foi assigoado, e a Jkoara beea e*w
prudencia exigem qne nlo deixemos am
sistir dqvda alguma acerca daewaaat^lr-
lidade na observancia do tratatt-
Declaracio de qne vos relraciaTei eitee>
mezes depois, eo IS de nnio de I8#4.
uestes termos O goveroe do ni am
< pode, por qualquer modo, julgar-se ufa*
< do s obrrgacoi's qoe cootrabira, em 8
de maio de 1892, sob oatroe proseppos-
tos.
Ments, Sr eonde, ments, amo^aaei-
ties ero 2 de abril de 1865, qoaado depeis
de ter arrancado < Dinamarca, caa
dade fra garantid em 8 de maio de
pela Austria, Franca, Gra-R-etanha, T
Reesa, Suecia, o porto de bel e oat
do Elba, coejunctamente com a Austria, 1
terpretando abusivamente o artigo I.*
tratado de Gaeteio. ^ros accoeaveis o^
obcecado cmplicedas soaa teodoada
t entregar de lacio ao principe de Aagas-
temburgos aera o consentimeeto da
t sia, o Holsteia, qne pertence a S. M.
f rei da Prnssia, em conmttm tota S.
t o imperador Austria e a esta
sacio juntaveis mais esta >- 4e ter flirigi-
t do tropas numerosas com artbaria -
t tro material de guerra das proeineias
t orientas e meridionaes aostriacae para o
t norte e oeste da Ironteira-pruasiana.
c Era uma accoseco da mais insiga*
falsidadc.
t Que fe. 9r. conde, qeereis qpe a*
preste vosea palavra, e s vossas decla-
rac5es, quando se ve qoe lio- pooco as rmv
peitaes? .
A provoque segu, baseada ea orejeas
emeiaes, foi apresentada ; ea lempo, o
olhos da Europa, sem qoe nunca a tauaaeii
de inexacta :
c Christiano IX *o mico soberna le-
gitimo dos diicados.
(Discurso de Mr. de Bismark. na
ra dos deputados, em I de *
de 186%)
c Christiano IX nunca tere direitos
krv os duradas. >
(Discorso de Mr. de Bismark na 1
dos depotados em !864). _
O principe hereditario de Auttttiti-
Burgo o principe qne rene mais
successo ios ducados.
(Declaracio do plenipotenciario
no era 28 de maio de I8C4.)
O grande duqm de (Hdtmbtsrao ttm\
porventura, maisditeitos.....
(Despacho circular de junho de \m*)
O rei Christiano IXteve, se ni

artUm
irti-
menos direot t
de novembro e
ina, que dirige meu v&o aos cos
Emquanto assim fallava, a tmida virgem,
assustada por mim e por si mesma, se ha-
via affastado : como a flor que foge ante o
sopro ardente do vento do meo da. Mas,
quando pronunciei (ah bem me lembro
agora, ainda que ceg ento I)" mal tinha
pronunciado a palavra sagrada, sua fronle e
seus olhos se levautaram de novo ; um san-
to ardor trahio o sbito ciarlo que acabava
de brilhnr; t A palavra sagrada I a palavra
sagrada I exclamou ella; confia-me e eu te
abeucoarei! Ignorando o que fazia, ra-
flammado, perdido, imprim sobre sua fron-
te um bejo de fogo, e repet a palavra m-
gica, que at ento nlo tinha soado anda
FOLHETIm
\ \\U DEPOIS II MMT1
Jpoi
Xavier de Montpin.
essa paz, que guardamos to cuidadosamen-
te, deve servir, primeiro que ludo, para as
segurar as solidas bases em que se fundam
as instituices constitocionaes do estalo.
No fim da ultima sessio legislativa, o
curso regular dos debites da cmara dos
deputados experimentou algumas alterac5es,
e suscilou alguns disturbios. Para obviar a
elles, e para offerecer ao mesmo tempo a
todos os elementos do imperio a occasilo
de renovar a expresslo de seos desejos,
julguei do meu dever como soberano orde-
nar que se procedesse a novas eteic5es.
t Vejo-vos com grande satisfazlo em
volta de mim, e quero dar-vos cordialmente
as boas \indas, senhores da cmara alta, e
senhores deputados, que, representantes do
paz, estou certo tratareis de accommodar
os desejos dos diversos elementos da popo-
lacio s necessidades, do estado. Sei que
todos estaes animados desse sentimento ver-
ter mmonuel:
No dia 9 de outubro, d 11 horas da
manha, foi recebda em audiencia solemne
pelo rei Yiclor Emmanoel em Florenca. a
deputacio das provincias romanas encarre-
gada de apresenlar a acta do plebiscito.
t Compunham a deputacio doze delega-
dos da cidade de Roma, racimado o prest
dente, o duque de Sarrobneta, e o principa.
Ruppole, dous delegados por Viterbo, dous
por CivittaVecchia, tres por Frosinone, e
dous por Velletri, os quaes erara acompa
nhados pelo prineipe Colonna, conde Giaco-
mo.marqucz Luigi, e ootros tres delega-
dos ; estes seis foram convidados pela junta
provisoria do governo de Roma para se jun-
tar deputacio.
i Foaam todos acompanhados de dous
mestres de ceremonias da casa real, e con-
duzidos em coches de gala, sendo a depu-
mesma ceremonia com que tinha ida para o
palacio.
Durante este acto, repetidas salvas de
artilharia,
ment 1
annunctam o fausta aconteci-
POLITlfA TORTUOSA.Em uma carta
que Mr. Emilie de Girardin, dirige a Mr.
de B smarlc, e publicada na Ubert, achataos
algumas provas da polilica tortuosa do
chance 1er federal.
Publicamos na integra uta trecho dessa
carta, para se\ercomo a poltica prussiana.
ora diz, ora desdiz; o qae proprio da
poltica de conveniencia, que falla e procede
conforme as occasioos e os seas ioteres-
ses.
Eis aqu'o que lemis na Libert.
t Quando na vossa circular datada de
Berln, em 13 de setembro de 1870, falla-
P.IHTE TERCEin.t.
A COMA DE MHON
(Conlioaacio do n. 260J
XIX
A exhiimaco.
Dorante as primeiras horas da viagem,
o conde, qoem devorava ama violenta
febre, falloa sem cessar de Mara e fez re-
petir vinte vezes SaiDt-Maixent e mar-
queza os mais circomstanciados pormeno-
res da narrativa que ouvira no dia anterior.
Todava, a febre foi diminoindo pouco
pooco .acalmoa-se a sobre-excitacio, e An-
nibal interrogoo j menos vezes os seas
cbmpanfaeiros e deixou de Ibes responder,
at qoe afinal se encerrou n'um triste si-
lencio, do qual foi mpossivel tira-lo.
Na noute do segando dia, disse Saint
Maixent:
Antes de ir ao turnlo d'ella, quero
visitar a casa onde morreo.
Depois tornou a ficar sombro e tacitur-
no entregando-se s mais lgubres refle
xoes. Ao terceiro dia, pouco antes de se
pftr o sol, paron a carruagem defronte da
casa solitaria.
E' aqui, marmurou Saint-Maixent com
a voz mal segara, porque a idea de passar
o umbral d'aqaella casa soscitava n'ehe
orna perturbacio ivoluntaria.
O conde apeiou se do trem, e sem pro-
nunciar uma palavra, dirigio-s para a casa,
seguido por Saint Maixent. A porta eslava
fechada, como j sabemos, e ningaem res-
ponden s repelidas argoladas do conde.
Meu primo, disse o marquez, esta
casa parece deserta : n-s se quer, fcil
entrar, deitando abaixo o obstculo.
Violentar uma porta I replicoa o se-
nhor de Rabn. Nem pensar n'isso 1
Que nevemos de fazer enilo ?
Esperar; os donos nlo tardarlo. -
Saint-Maixent sabia perfeitamente que
ninguem poda voltar, ainda qne all espe-
rassem dias inteiros, e por isso fez um
signal Lzaro.
O dextro criado enlendeu o que seu amo
desejava d'elle ; rodeiou o lelheiro, saltou I
o carneado que cercava o jardim plantado
de rosas, quebrou o vidro de uma janella,
atravessoo a casa e fot-abrir a porta.
NSo est ninguem c dentro, senhor
conde, disse elle; mas achei ama janella
aberta, e entrei.
Annibal pedio Saint-Maixent qae o
guiasse, e coodozido por elle, sabio ao
pavimento superior, penetrando no prmei-
ro dos aposentos que o companham.
E' esse o leito onde minha amada
prima expiron, profero o fidalgo.
O senhor de Rabn ajoelhoa, oa para
melhor dizer, prostroa-se ao p d'aqoella
miseravel cama, cuja desordem alo fra
ainda reparada.
Parece que uma parte da sua alma
flucta n'esta atmosphera ondaexhaloao
ultimo suspiro 1 bradou elle.
Occultando em segoida o rosto entre as
mos, orou e chorou dorante largo espaco.
Ao levanlar-se, um objecto braoco cabido
atraz da cama Ihe attrabio a attencio.
Apanhou-o e vio qpe era um leaco de
finissima hollanda, bordado coa as armas
de Rabn.
Annibal cobrio de beijos o transparente
tecido, mormurando :
Talvez este lenco Ihe tocaste a bocea
reliquia, j nlo te
agonisante I Sania
apartars de mim I
Guardou o lenco no peito, sobre o co-
raco, e com acceno quasi imperioso, disse:
Varaos agora abbadia.
Tinha se fechado a noute escura e chu-
vosa quando a carruagtm entrou no vasto
rec'nto da antiga abbadia.
O superior do convento, ao saber que
ia receber o conde de Rahon, deseen al
ao vestbulo para melhor o Honrar ; e o tal
superior era om completo pemnagem:
tinha o titalo de abbade de bculo e mitra,
pertencia uma das mais nobres familias
e chamavam-lhe monsenhor.
Senhor conde, aisse elle aportando
a mi de Annibal, qaanlo prazer me dara
los de soberana, pelo
posse.
(Despachos Austria,
dezembro di I86i.)
A prapria Prussia tem, por ventura, *-
r.eitos aos. ducados (dsreitas- fundau em t-
tulos do secuto XYI)
(Despacho de!5dedeiembro de M.)
c Todo na questao dos ducados fcar m
obscuridad, at que os syndicos l
tenham manifestado a sua opinio. O
no nao se pronunciar antes de Ur
opinio dos sndicos.
(Discurso do rei s cmaras, em jaaaro
de 4865.
t A Prussia tem direitos de soberama so-
bre os ducados.
(Declaracio do plenipotenciario prosaia
no oa sessio da dieta, em 6 de abril
de 1865.)
Christiano IX era, ante* da paz dr
Vienna, o nico soberano legitimo dos duca-
dos. A Prussia c a Austria teem hoje adrjm
rido todos os direitos.
(Memoria sobre as despeza da gaerra,
apresentada ornara do depoiaos,
em 15 de maio de 186.".)
Quando, proseguindo n'um iatorto ele-
vado, se wlca aos ps a verdaV, aim de
se engrandecer, que importa depois do aac-
cesso, sei apanbado em flagrante debelo de
mposturas Quando se assigna, sea emv
palldecer, o memorndum de 10 de oata-
bro de 1870, e se leva a audacia at diri^r
a todas as potencias mentiras, de todo se
capaz, at de inculcar como Molo de gloria,
de ter ido alm de todos os limites eoebe
cidos do cynismo da diplomacia. ;_^_
Este cynismo sem igual, nao tendo indig-
nado a Europa em 1866, nao era de<
rarque a indignasse em 1870.
sua visita, se nio a devesse um motivo
tio triste!
Monsenhor, volveu o conde, venbo
pedir-vos o charo e precioso thesouro que
recebestes em deposito. E' muita honra,
de certo, o ser enterrado no cemiterioda
vossa abbadia ; mas a condessa de Rabn
deve repousar ao lado dos seus aniepassa-
dos no pantheon de familia, onde ella eeu
temos os nossos logares.
Estou prompto a restitoir esse sagra-
do deposito, senhor conde. Ainda nio me
desprend tanto das affeicoes humanas, que
nlo tomprehenda o vosso desejo, desejo
natural e legitimo como os qae o slo.
Quando queris qoe se proceda solemni-
dade da exbumacio ?
Amanhia, se o permittis, monsenhor.
A vos, senhor coode, qae pertence
ordenar a medida dos vossos desejos. To-
dos os qae me devem obediencia vo-la
prestarlo como mim mesmo.
Annibal inclinou-se, para demonstrara
soa gralidio por tanta deferencia e corte
zia ; depois continuon :
Nio desejava, todava, esperar at
amanhia para visitar o tmalo, qae por
desgraca miaba se fecbou cedo de mais so-
bre uma existencia tio pura como bella
Parece que a minha amada esposa me e>t
chamando ; parece que a trra Ihe ha de
ser menos pesada e menos tria, quando
me sentir ao seu lado.
Vou ter a honra de vos guiar eu
mesmo, responden o abbade.
O cemiterio da abbadia era muito exten-
so. Ao vermelho ciarlo dos arenles que
alguns frades levavam, a luz dos quaes era
acontada pelo vento hmido da noate, jul-
gar-se-hia ver um campo immenso ericado
de pedras brancas."
Cada uma d'aquellas pedras, muitas das
quaes contavam seclos de existencia, oc-
cultava os despojos morlaes de um religio-
so da Chaise-Deu.
Monumentos" imponentes e de austera
magnificencia, indicavam as sepulturas dos
abbades, i qaem. ainda depois de morios,
se conlinuava a tributaras honras mundanas.
O senhor de Rahon passeiou em torno de
sium olhar distrahido. Anceiava por che-
gar cbva onde, segundo eile acrftditava,
estava depositada a sua chara metade.
Entraram afinal n'am lagar reservado
do Campo Santo.
O abbade paroo diante de am montculo
de trra revolvida de pouco lempo, e pe-
gando n'om dos arenles que os monges
levavam, approxim ra-o de uma cruz preta
na qual se liam estas palavras :
como o amor, um poder
aqu jaz
a muito alta e p00er0sa senhoka
mara amanda eleonora de rahon
condessa de rahon.
orai por ella 1
Annibal deixou-se cahr de joelhos, sol-
son am suspiro affogado. e, com am gesto
cloquete,' fez compreaender aos qoe 0
rodeiavamque desejava ficar s.
Q desespero profundo-, sincero, acora*
vel, tem, assim
instinctivo.
O abbade affastou-se immediatamentc,
acompa'nhado pelos monges e pelo marquez
de Saint-Maixent ;e como caba, sera in-
terrupcio, uma chuvinha meuda, foram
esperar para dehaixo dos arcos de uma
galera que cercava o cemiterio.
Ao cabo de uma hora foi o conde ter
com elles, mais livido, mais anniquillado,
mais vacilante que um homem que se le-
vantasse do turnlo.
Ni poca em que se passavam oslados
que varaos referrado, nio era permitlida a
simplicidade aos graades da trra, nem
mesmo sequer depois de morios.
A irasladacao do cadver da condessa
do cemiterio da abbadia para o paniheon
de familia, nos dminos seuboriaes, nio
poda verificar-se sem pompa nem appa-
rato. .
O abbade deo as suas inslraccoes do-
rante a noute.
Preparou-se um carro fnebre, coberto
de ricos pannos, para receber o alhade.
Quatro religiosos deviam seguir o carro 00
proprio Irem do abbade.
Amaobeceu por flm o da, mas triste e
sombro.
Grandes e pesadas nuvens occultavam o
sol e impediam que os seos raios alegras-
9em a Ierra.
Cantou-se o officio do defuntos oa igre-
ja da abbadia, toda armada depreto, ede
pois os monges, precedidos pelo abbade e
pelo sea clero, revestiodo ornamentos de
lato, dirigirfm-se em procissio para o ce-
miterio.
Ji os tinham precedido os coveiros ;
um gesto do abbade pozeram mos obra
e resooo a primeira eachadada.
O conde, reprimindo os solucos, agarra-
va-se convulsivamente i Saint-Maixent para
Dio Air.
ao
cilmente e com grande rapidex, porqoe a
trra nio tinha tido tempo de endorecer.
Bastaram poucos minlos para qae
ferro da enchada baiesse na maderada
caixio.
O senhor de Rahon estremecen desde oa
ps at a cablea.
Dous bomens munidos de coreas des-
ceram cova, logo saltaram para ttra, e
com o auxilio d'essas corda*, qoe
disposio convenientemente, levaolaraaa
co a pooco o atbade at o porsea ao
da abertura.
Um terceiro trabalhador o fez
gar pela pendente do mootieulo, desata-
ram-se as cordas e o caixio ficoa expeale
todos os olhares.
Adiantaram-se entio qoatro frades. 1
d'elles sustentaram orna especie de
para levar o alhade al ao carro "
que alo tinha podido penetrar
do cemiterio.
Os ootros dous prepararam-se
cobrirem com om panno preto:
agrimas de prata. dividido ea
tes por umf grande crux de orate tanv
bem. ___
Eatretanto orna tremara eonvwsivs ap-
tava os membros do coode.
A sna mi dreita indicava
nio era possivel comprebesder, ae^
lempo que diligenciava proaaawar
que ninguem oovia.
Os monges, nio obstante, psi
presenca d'aqaella agitago, s <
abbade esperava morto aBlieto.
Aflnal, com a voz 80 com uma voz qa nada om
e qne pareca sabir de on abysao,
cion o conde estas palavras :
Abram o calilo I.. Ka
Deas Todo Poderoso, abram-eo.
ve-la... qofo ve-la a
di
O trabalhodos cqveiros adianteva-se fa: t^Wmawo-mja do


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EGEGZQAP8_IC272Y INGEST_TIME 2013-09-14T04:00:58Z PACKAGE AA00011611_12266
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES