Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:12264


This item is only available as the following downloads:


Full Text
MNO JfLVI. NUMERO 260.

I
\1
ll
MU A CAHTAL E LWAHK DE HAO SE PA&A POIH.
3V#r Iros raercj idiauUdos ....
i'or aeu ditos idum ... !........
PrtrwaanBOidi?m.. *.............
Cada amero avoUo .' .'.'''.[ ........
000
IOOO
4,1000
320
0UA8T* FEIRA 16 DE NOVEMBRO DE 1870.
PABA DMT30 E FOlA DA PBOVIICIA.
Por tres metes adiantados............ .* ,
Por seia.ditos iden.................
Por Dov#Hitoi dem................
Por mn tono dem..........
#
DE PEMAMBJCO.
Fropredade de Manoel Fgueira de Fara & Fhos.
SAO AtESTEN
fl Srs. Gerardo Antonio Alves 4 Filos, no Para ; Gonfalves & Pinto, no Maralo ; Joaqoim Jos de Oliveiri, no Cear ; Aalwo de Lemos Braga, no Aracaiy ; Joo Mar Jnlio Chaves, no Ass ; Antonio Marques da Sita, so Natal; ot
Pereira d'Almeida, em Mamangnape; Antonio Alexandrino de Lima, na Parahyba ; Antonio Jos Gomes, na Villa da Penha; Belarmlno dos Santos Nclo, em Santo Antao; Domingos Jos da Cos Braga,
^em Nazareth ; Francisco Tavares da Costa, em Alagoas ; Dr. Jos Martins Alves, na Babia ; e Jos Ribeiro GaepardBo no Ro de Janeiro.
PARTE OFFICIAL
Covci-Bi) da provincia.
. \"i'::i)iK.\rr: do w\ 3 dr .vo\Kiinno.
Oficio 1 fitm. Sr. infointrv da just>ci, remet-
teDdo a certidao de exercicio do srrventuario dos
oflfltios de 1 tebelliao e eterivlo do cvel e mais
anoexo do termo de Olinda, Uacharel Francisco
Lih Caldas.
Ai mesmo, partecipandohaverojuizds direi
lo bacliarellraz de Albuquerque Marlms Pereira,
declarad) acceitar a comarca do Crato na provin-
cia 4o Cear, que llie foi designada para seu ejer-
cicio.
Aofixm. Sr ministro da marinha, enviando o
mappi domivimento di enfermarla da marinha
no raez de natuna prximo (indi.
Ao general romnvindinted?armas,soleitan
do o seu parecer depois do? nece.-s uius exames,
acarea da proposta, que faz o eonselhero Jerony
ni) Mirtraiano Figneira de Mello, com referencia
ao predio da ra d) Hispido n. 16.
Ao ine-nu, para que, em cumprimento do a vi-
so do ministerio da guerra do 17 de outubro ul-
timo, remo va o ( eirnrfiio do exercito, Dr. Joao
Honorio Bezerra de Ueneies, do presidio de Fer-
nando de Nornnha, para o lugar de enearregado
da enfermara dos menores do arsenal de guerra
desta provincia ; passando o Io cirurgio refor-
mado, Dr. Francisca Gracilves de Moraes, a ser-
vir no dito presi lio.Conimunicou-?e ao director
i t do n'smo arsenal e a thesouraria de fa-
zenda
Ao mesmo, recommendando a expedieo de
suas ordens, para qiieamanhaa as 8 horas do dia,
10 pravas da (brea que tcm de ir para o presidio
de Fernn! i se apresentem na caa do detoncao
arlm de receherem seis sentenciados, destinados
aquelle presidio.
Ao inspector do arsenal de marinha, dizendo
que deve dar exoeuco ao aviso do ministerio da
marinha de 29 de novembro do anno prximo pas
sido, impo sando o 3* escripturario da contadoria
d> marinlii, Antmio Polroda Silva, no lugar de
ejcrivaoalmoxarf.wlo daquelle arsentl, para que
fon di-signado pela mesma contadoria, visto
nao procederem as duvidas por V. S. susci-
tadas.
Ao mesmo, solicitando a remessa ate o dia 15
de Janeiro pnximo vindouro, das necessarias o-
forwacSes acerca do estado das dilTerenteJ estaedes
militares soh su jurisdiec e aflu de seren leva-
das ao conheciciento da assemhla legislativa pre-
v ncial na sua prxima rennio.No mesmo sen
t'da ao capitao do porto, comtnaodante do.presidio
de Fernando e director do arsenal de guerra.
Ae chefe de polica, approvando o contrato de
alugael da casa de Pdro Jos de Lyra, feito pelo
subdelegado da freguezia do Poco da Paneila para
servir de quarlel ao destacamento daqnella fro
tr;eia, mediante a paga de 164 mensa?. Coro-
municou-se a thesouraria provincial.
Ao mesmo, declarando em resposta ao seu nffl-
fio de 27 deoutnbro ultimo, sob n. 1481, que a 21'
ti? mai > de-te anno exjiedio-se ordera a tlissonra-
rla de fazenda alim de remetter ao delegado do
termo de Villa Bel a a quantia de 1:5863720, para
pagamento dos venc memos, correspondentes ao
mam de abril a junho deste anno, do destacamen-
to do mencionado termo.
Ao in-pector da thesouraria de fazenda, iotei-
rando-o de que a licenga de tres mezes, concedida
por prrtaria de 22 de ooiobro ultimo, a Horacio
Gusmio Coelho, escrivao das ofHcinas do arsenal
de marinha, para tratar de sua saude, com veo-
cimento, como faealta e decreto n. 2583, de 30
I > abril de 1860.Igual decaracao se fez ao Ins
pector do referido arsenal.
Ao mesmo, para mandar ajuntar contas e pas-
sir gula de soccorrimento ao capito Antonio Go-
mes Pimentel, que segu para a corte no vapor
que se espera do norte.yQJkion se a agencia da
corr.panhia brasileira de paquetes a vapor para
d'ir tran-porte a e-te offlcial, e communique-so ao
i'onmandante das armas.
Ao mesreo, mandando pagar ao Dr. Joao
Thomda Silva ou ao hacharel Itufino Augus-
to de Almeida, a quantia de 238S260, que se
e.-ta a devnr de diarias abonadas plo delegado
do termo dd Onrieury a quatro recrutas, que
d'illi vieram pela provincia do Cear, e forain re
nvido* ao commandante das armas.
Ao mesmo, para pagar ao lente Pedro Paulo
d '5 Saniosos vencimientos relativos ao mez do se-
temuro ultimo, do ofkial e praeis di guarda na-
cional destacados na villa do Pesqueira ou Cimbres.
Scientificou-se ao chefe de polica e ao com-
nundaate superior do municipio do Brejo.
Ao mesmo, dizendo que pode remetter ao al-
mr.xanfadttdo presidio de Fernando, a quantia de
12:0003,afim deque possa occorder as despejas
a sen cargo.
Ao mesmo, antnrisando-o a maular adjantar
tres mezes de sold ao alteres do 9o batalnao de
infamara de linha, Joao Bernardo do Reg Barros,
e ao tenente em comraissao do referido' batalnao,
Augusto Frederico Pes?oa de Carvalho, para Ihes
serem descontado pela 5" parte.
Ao inspector da thesouraria provincial, dev !
vendo para os fins convenientes, as contas.e rela-
ces comprobatorias das despezas feitas com o
sustento dos presos pobres da cadeia do termo
de Cimbre?, durante os mezes de fevereiro a julho
desle anno, pois qneacha-se satisfeita a requisi-
<;.io comida em seu offlcio de 26 desetembro ulti-
mo sob n. 611.
Ao nie-rno determinan!) que pagneaCassiano
Beis (Jomes da Silva, a quantia de 15 0003, que
se julga com direlo por haver fornecido, de con-
formtdade com o seu contrato, 600 fardamentosde
panno ara* para o corpo de polica. Communi-
que se ao respectivo commandante.
Tambem mandou-se pagar a Manoel Joainkn
de Miranda e Soora, a quantia do 1103, preve-
niente de hvros que forneceu e de encadernacoes
que fez para a secretaria da presidencia.
Ao commandante superior do Recife, solicitan-
do suas ordans, para que no dia 6 do corrente, t-e-
las 4 horasda tarde, seja postada em frente do
hospicio de Nossa Senhora da Penha, um baia-
Ihao da guarda nacional sob sea commando supe-
rior, arlm de fazer as honra? devidas no acto da
f ollocacao da primeira pedra da nova igreja, que
a'. so vai construir.
Expedio-se ordem ao director do arsenal de
guerra, para foraecer, mediante indemnisacao, o
"trtuxatne necensario para a salva que tem de dar
0 mesmo batalnao.
Outra guarda de honra mandou -se dar para o
T'-Demm que no mencinalo dia 6, tem de man-
dar celebrar a irmandade de Nossa Senhora da
'-tu na igreja de S. J >s de Riba Mar.
Ao commandante superior de Olinda, para que
em frente da igreja matriz da villa de Iguarass
seja postada ao dia 4 de dezembro vindouro, ama
Suarda tirada do batalhin n. 1 de inrantaria, aflm
I fazer as honras de vidas por occasio da festa
dos Santos Cosme e Damio.
Ao chefe da repartidlo das obras pnblicas,an-
torieando-o a mandar executar por adrainistracSo
os reparo urgentes, de que necessita a ponte de
1 na na povoaoio de Jabaatao na importancia de
1:5403009.Scientiflcon se a thesouraria provin-
cial.
Ao mesmo, mareando o praso de tras mezes
para o cancurso do logar tago de cendnetor do
3' diitrieto daquella repartigao.
Ao commandante do presidio de Fernando,
traasmittindo as guias dos seoteociados que so
gue;n para aquelle presidio no vaporMandah, com
excepcao da de Thomaz- Vicente de Carvalho, que
ja foi enviada. Expedio-se ordem para o trans-
porte de-ses sentenciados.
Ao me imo, determinando que em cumprimento
do avisado ministerio da guerra de 17 de outa-
bru ultimo, receba opportanamente uaquelle presi-
dio quarenta sentenciados, que ara all tem de
ser remettiJos da provincia de Minas-Geraes.
Portara. O presidente da provincia de con-
lormidade com a proposta do chefe de polica ea
olficio n. 1444 de 21 do mez Ando, resolve crear
um novo disricto de seubdelegacia na freguez'a
de Fazenda_ Grande do termo de Floresta, cora a
denorainaeao de districto da Penha, o qual ter os
limites seguintes: dividir com o distrido de Fa
zenda Grande na ribeira dentre as serras aonde
divide o quarleiro deste nome com o do Poco de
Pedra, rumo d'reito ao sudoeste do Riacho de Ca-
pim grosso no lugar sitio do Mathias, aonde divi-
de com o quarleiro de Capim grosso, seguiudo o
mencionado rumo a mesma direccao at onenn-
nar as aguas do rio S. Francisco, aonle divide
com o termo de Cabrob, subindo pelo menciona
do riacho do Cipim-grosso at onde dividem as
aguas cam o lermo de Cabreb, inclusive o. quar-
teiro da Serra do Arapu e o sitio do Mathias
para o nascente, e nordeste dividindo com a fre
guezia da Serra Talhada e terreno de Villa Bella
e para o norte e noroeste dividindo om a fregue-
zia e termo de Salgueiro.
Dita.O presidente da provincia, conformndo-
se com a propo-ta do chefe de polica em offlcio n.
1444 de 25 do mez lindo, resolve nomear o capi
tai) Antonio Gmcalves Torres e Sil va para o logar
Je subdelegado do novo districto da Penha da fre-
guezia de Fazenda Grande do termo de Floresta, o
para os logores de Io, 2, 3, j 4\ 5 e 6" supplen-
les do mesmo, os cdados ab'aixo mencionados na
orcen de saa collocio !
Tenente Joao Gonealves Turres e Silva.
Alferes Cypriano Gomes de,S.
Jos Victorino da Silva Brros.
Major Antonio Alves da Luz.
Francisco Gomes deiS.
Francisco Victorino da Silva Barros.
Dita.O presidente da provincia, de conformida-
pe com a prnposla do chefe de polica em offlcio
n. 1455 de 27 do mez lindo, resolve crear um no-
vo districto de subdelegada do termo de Agua-
Preta, comprehendendo os limites da freguezia dos
Montes, e com sta denomnacio separado do dis-
tricto de Carsnipe, que flear sendo o 3 do refe-
rido lermo.
Dita.O presidente da provincia de corfTormi-
dade com a proposta do chefe de polica em offlcio
n. 1453 de 27 do mez (indo, resolv nomear para o
cargo de subdelegado do districto dos Montes do
termo d'Agua-Preta, o tenente-coronel Joaqoim
Lucio Monteiro da Franca, e para os de I 2o 3*
4 5 e 6a snpplentes do dito subdelegado os cda-
dos seguintes na ordem de na colioeacao:
lote Irinto da Silva Santo*. Joao CUudino de
Inoj isa Varejao, Christovao Jos Machado, len-
lo Leocadio Antonio de Leo, alferes Manoel Elias
Temudo Lusa, Joao Diniz Machado.
Dita.O presidente da provincia, conformndo-
se com a proprsta do chefe de polica em offlcio
n. 1455, de 27 do mez Ando, resolve nomear para
o cargo de subdelega la do districto de Carsuipe
do termo d'Agua-Preta, o lente Herculano Fran-
eelini Cavalcante de Albuquerque, e para o de 1*
supplente do mesmo subdelegado o cidado Pa-
lmillo Pita de Albuquerque.
Dita. presidente da provincia em visla de
offlcio do chefe de polica, n. 1455 de 27 de oulu-
bro fiado, resolve exonerar dos cargos de 2o 3* 4o
e 6o supplenies do subdelegado do districto de
Carsuipe do termo d'Agua-Preta os cidados alfe-
res Manoel Panla do S, Evaristo Emeliano da
Silveira, Ignacio Araerico de Almeida e Francisco
Coelho de Moraes. Acerca de toda estas portaras
expediram-se os competentes ttulos, e communi-
cou-se ao mencionado chefe.
DitaO presidente da provincia, attendeaao ao
quo retjuereu Eufemea Luiza Maria das Virgens,
resolve conceder-lhe permiss) para ir ao presidio
de Fernando de Noronha, no vapor da companhia
pernambueana, que para alli seguir, levando com
sigo os gneros constantes da relae,o junta, assg-
nada pelo secretario di presidencia, nao podendo
porm, effectuar o desembarque dos ditos gneros
sera que por parte do commandante daquelle pre-
sidio se proceda a exame, aflm de verificar se ha
agurdente ou outra qualquer bebida espri-
tuisa.
Iguaes acerca de Joao Francisco de Souza s Ju-
lio Cesar Pinto.
Dita.O presidente da provincia attendendo ao
qne requeren Joaqnim Jas Bello ex-flseal da fregu
;ia dos Affogados, e usando da attribuicao. que Ihe
confereo art. 3'da le n. 960de 12 de junho ultimo,
resolve era vista dasinformac5es da cmara munici-
pal do Uecifede 17de agostoe dalh-.soumria provin
cial de 24 de outubro do corrente anno, aposenul o
de conformidade com a lei'n. 498 de 29 de maio de
1861 e 2- do art. 1 dalei, n. 276, de 7 de abril
de 18'il, com o ordenado por. inteiro, visto haver
provado t*r exercido o seu eraprego por mais de
irnta annos.
Por diversas portaras mandou-se dar trans-
pone para a presidio de Fernando, no vapor dalcom-
panhia pernambueana, prestes a seguir para alli
as muflieres, que acompanham as pravas do 9*
batalho de infantera, que vio destacar no mes-
mo presidio, a Josep'na Mana da Conceicao e Sil-
va, mulher do alferes Paulino Vieira de Mello e
Silva, e Joaquina Maria da Conceicao, mulher do
sentenciado Manoel Jos da Silva, ao sentenciado
militar Pedro Marcellino dos Santos, e finalmente
a um caixote, contendo artigos de fardamento pvra
as pravas incluidas no deposito de recrutas. que
exisiem naquelle presidio.Fizeram-se as neces-
sarias commnnicajOes a este respeito.
Offlcio ao commandante das armas, dizendo Q-
carsciente deachar-se anojado pelo fallecimento de
sua canhada, e que deve S, Exc. dcsaaojar-se ou
passar o commando de armas ao sea substilato
legal.
Ao vigaro capitular remetiendo copia do aviso
expedido pelo ministerio do imporo de 22 de ou-
tubro ultimo, cem relaco ao offlein em que S.
Exc. ihdieon a inconveniencia de fazerem se
accrescentamentos nos semilernos existentes,
para que em observancia da imperial resolu-
to do 20 abril deste anno, naja nelles espaso, em
que possam sspultar-se aquelle? aquera a igreja
nao concede sepultnra em sagrado.
Ao mesmo respondendo, com a copia da infor-
maeaoda thesouraria de fazenda. o offlcio de 24
de setembro ultimo, em que S. Exc. pedio esclare-
ciraentos acerca das formalidades precisas, para,
que os vigarios licenciados possam receber suas
congruas.
Ao inspector da thesouraria de fazenda, intev
rando-o de harer e juiz de direilo da coramarca, *
Rio Formoso, bacharel Marcos Correia da Gfitf' *
Tamarindo, entrado, no dia 21 de ontubr^"- -ira
no go.o da licencj de trila dias, qu lh" m "
concedida pela presidencia. Por offljj*-' lne Idra
tario do governo te deciaron ao. (*?' .seCKe'
cbarel ficar S. Exc. inteirado. acionado Da-
Ao mesmo, autorisaodo-. .
formidade com a saa infor' proceder, de cotr-
ment que reclama o a' v?0- acerca do paga-
doria de marinha, AW)' ^ertoturano ^da conta-
da parte de jada'4 M P6dr. de a, nao so
!. esUbelecimenw. -u*Jp. relativa a despea de
servir em comrai' Pr na,er 8,do designado para
seal de vw** '-
seas vencmentos, correspondentes aos mezes-de
julho a setembre- d'esta anno.
Ao mesmo, recommendando que. visto nao ka
ver crdito, mande pagar sob a responsabilidale
da presidencia, e nos termos do decreto n. 2884,
do I." de fevereiro de 1862, a ajuda de casto qae,
na importancia de 1:2003, foi arbitrada ao iuiz de
de direito Hermogooes S icrates Tavares de Vas-
concellos para sna viagem ao Para, na qualidade
de chefe de polica d'aquella provincia.
Ao mesmo, remetiendo, nos termos dos arts.
34 e 5.> dos decretos ns. 43S4 e 4356 de 17 e 24 de
abril do anno prximo passado, os ttulos de Joo
Augusto do Nascimento Pereira, Joo Antonio Ro-
drigaes e Manoel Jos Pereira de Albuquerque,
aflm de serem entregues a quem sa mostrar com
petentemenle autorisado a recebe-Jos, depois de
pagos os respectivos direitos.
Ao inspector da thesouraria provincial^ para
mandar entregar ao thesoureiro da reparticao das
obras publicas, a quan'ia de 12:7003, para pecor-
rer s despezas com as obras por adminislracao
no crreme raez.Communicou-se ao chefe d a-
qnella reparticao.
Tambem mandou-se entregar ao mesmo the-
soureiro mais 2003, para seren aliantado?, como
ajuda de ca-to, ao engen&eiro Joo Bezerra de
Mello, que se acha designado para ir em com-
miwo ao interior da provincia examinar as
obras que se execulara por contrato era div*r-
sos logares, e estudar os projeclos de oulras de-
cretadas na lei do ornamento vigente.Inleirou-se
ao chefe da reparticao das bras publicas.
Ao mesmo, mandando pagar os vencmentos
reUtlvos no tempo deeorrido dji.de agosto-a 22
de setembro d'este anno, destacados na povoaco de Gamelleira.Com^u-
nicou-se ao commandante Superior de Serinhea.
- Ao commandante superior do Recife, recom-
mendando a expedicao de suas ordens, para que
dous cirargies da guarda nacional d'este muni-
cipio se apre.-entem, no dia 10 do corrale s 10
horas da manhia, na secretaria dj 9.a batalho de
infamara de Olinda, para, como requisita o res-
pectivo commandante superior, comporem a junta
de sade que deve reunirse nesse da.
Ao thesoureiro das loteras da provincia, de-
terminando, em vista do que requereu o padre Jos
Vaz Grulerres, cora da Se e zelador da igreja de
Nossa Senhora do Carmo de Olinda, e da informa
cao da thesouraria de fazenda, que fac extraiiir
a 1.a parle da lotera concedida pela lei n. 867 de
12 de junbo de 1869 a favor das obras d'aquella
igreja, e qne se acha enllocada no n. 29 da lei do
orcamento vigente.
Ao vice-presidente da cmara municipal de
Agua Preta, declarando, em solueo ao sea offlcio
de 16 do outubro ultimo, que, em vista do que
dispoem os avisos ns. 34 de 5 de marco de 1847, e
335 de 21 desetembro de 1866, o vereador que
aceita emprego de fazenda, para que foi nomeado,
lem renunciado aquelle cargo, e por ssa nao pode
mais exerce-lo.
A cmara municipal da villa de Floresta :
ResponJendo ao offlcio que a cmara municipal da
villa de Floresta dirigi a esta presidencia em 14
de oatubro prximo Ando, lenho a declarar-lhe o
seguidle :
Approvo a deliberacao, que tomou, de rcanlar
fornecer luz a cadeia dessa villa pela verba even-
tuaes visto achar-se extincta a qata marcada na
lei do orcamento do exercicio Ando; advrta-o
porm, de que irregularmente proceden, por
qnanto, segando o art. 30 da lei n. 776 de 11 de
julho de 1867, nao poda isto fazer sem pedido
previamente justificado, e autorisacao expressa do
presidente da provincia.
Approvo tambem a transferencia da casa de suas
sessoes para oulro edificio em melhores condicoes,
com tanto que o respectivo aluguel nao exceda a
quantia de 6O3OOO. marcada na lei do orcamento
vigente. E' Ilegal, e por lano insubsistente, o
acto pelo qual foi transferida a feira da villa de
Floresta do lugar emque exista para o indicado
em seu offlcio, podendo, porm, a cmara propor o
que julgar conveniente, de conformidade com o
10 do art. 66 da lei do f de outubro de 1828.
Nao contrario a lei que um particular exija
certa quantia como compensadlo do uso de om
predio de sua propriedade, se os que o utilisam
para deposito de genero? e mercaduras a isto se
prestara sera coaccao. Deve a cmara reme-
diar a falta de mercado pelo modo propasto ao
seu offlcio.
Portara ao gerente da companhia Pernambu-
eana para que faga transportar ao presidio de Fer-
nando de Noronha por cunta do ministerio da
guerra no vapor Mandah, os objeclos constantes
da relacao junta, 03 quaes oram comprados pelo
corrector geral Francisco de Miranda Leal Seve
por couta da fazenda nacional.
Dia.O presidente da provincia, attendendo
ao quo requeren Jos Antonio Cesar de Lima, por-
teiro do arsenal de guerra, e tendo visla a in-
f innacao do respectivo director de 8 de outubro
liado, sob n. 139, resolve conceder Ihe 3 mezes de
licenca eora ordenado na forma da lei, para tra-
tar de sua sade.
EXPEDIBNTE DO SECRETARIO.
Offlcio ao chefe d > reparticao das obras publi-
cas, declarando haver S. Exc. approvado o plano
apresentado pela companhia de Santa Thereza e
pelo contratante da illuminacao a gaz de Olinda
para as respectivas obras.
*"*e'fl compriment destae diapesiedes-, ser
na parte diana mencionada e tambero o qae-heu-
ver oecorrido.
Ojnesmo marechal da campo accrescenta ae re-
!8 d,lK,ic6es. a de que o preso se for hrro-
peado, traga os forros por cima da caiga preso a
cintura, como de lei.
. Assjgnado.-Baro de S. Boija maree!? de
campo.
Coaforme. -Emiliana Ernesto de Millo Tambo-
rm, lenla ajudante de orden encarregado do
dettUhe.
Repartido da polica.
2.see$io. Secretaria da polica da provincia
de Pernanbuco, 15 de novembro de 1870.
N. I520.Ilim. eExm.Sr.Levo ao conhoei-
mento de V, Exc. qtfe; segundo consta-das partci-
pacoes receidas hoje nesta reparticao* foram hon-
tem reeolbid3 casa de dtenca- os-segoiotes
individuos: ,
A" miaba oMem, Joaquira Alves da-Silva, para
recruta, Jos Joaquim de Sam'Anna, como sospei-
to de ser crimiioso, e Jos, menor, at que se ve-
rifique a sua verdadeira condk-rao.
A ordem do Dr. delegad 1 da capital, Tibortino
Jos de Saat'Anfta, como indiciado era crirne de
rmibo.
A' ordem du sukdrlegado de Sanio Antonio, Ma-
noel Ferreira, por crime de furto, Roea Mirando-
lina Carneiro de Milo, por offensas a moral publi-
ca, Joao Franciseo |os Santos e Benedict), escra-
vo do padre Raphael Antonio Coelbo por distur-
bios.
Por offlcio datado de hontem, parlicipou-me o
subdelegado do distrito do Poco da Panella, que
pelas cinco horjs da Urde do dia anterior, Anto-
nio Joaqnim Fernandes Gomes Sampaio, indo ba-
nhar-se no porto de Begguela daquelle districto,
em companhia de outrs, caho em um pero, e
ali pereceo ; qne fizera virar do lagar o cadver
d'esse infeliz, e proceder acto de vistoria, do
qual resultou verificarse cue a raorte fraa con-
sei|uenca de asphixia por submerso.
lllm. e Exm. Sr. conseihelro Diogo Velho Caval-
etnte de Albuquerque presidente da provincia.
0 chefe de polica Luiz Fernandes Pinheira.
PERNAMBUCO.
REVISTA DIARUL
JURY DO RECIFE.Deixoa do insUllar-se no
dia 23 do corrente a sesso de jury do Recife, sob
a presidencia do-9r.Dr. juiz de direito Manoel Jos
da Silva Neiva, por s terem comparecido quinie
juizes de faci, sendo saneados para completar
o numero legal os Srs.:
DemoMbene da Silveira Lobo.
Or. Candida Jos Lisboa.
Chnsiovo Guilherme Brecltenfeld.
Antonio Leonardo d Menezes Amorim.
Dr. Jo) de Hollanda Caoba.
Antonio Jos d 1 Silva Azevedo.
Dr. Jos Antonio de Figueiredo.
Joaquim de Gusmo Coelho.
Joaqnim Pedro Brrelo de Mello Reg.
Antonio Gomes da Silva.
Joto Jos de Miranda.
Augusto Cesar Pereira de Mendonea.
Aflonso do Reg Barros.
Antonio Carneiro Machado Ros.
Antonio Cescrio Moreira Dias.
Dr. Alexaodre de Souza Pereira do Carmo.
Dr. Antonio Maria de Parias Neves.
Dr. Manoel de Figueiroa Faria.
Antonio Maria de Miranda Seve.
Antonio Ignacio do Reg Mcdeiros.
Augusta Ferreira de Oliveira.
Antonio Augusto Rodrigues Sete.
Justino Jos d Sonza Campos.
Horacio Pires Galvao.
Dr. Caetano Maria de Farias Neves.
Dr. Cycero OJon Peregrino da Silva.
Dr. Amaro Joaquira Fonceca de Albuquerque.
Dr. Maeoel de Siqueira Cavalcante.
Manoel Antonio Viegas.
Joo Velloso S jares
Jos Theodoro de Senna.
Amaro de Barros Correa.
Joaquim Mendes Carneiro Leo.
Aracaty 3003O9
Cear 26:6823660
OYMKMIO PROVINCIACEsle importante es-
tabelecimenlo foi o primeiro qae merecen ama vi-
sita offlcial'do Exm. Sr. eonselheiro presidente da
provincia, que signiflcou assim a soiicitude qne
Ihe merecem 03 melhoraraentos moraes da pro-
vincia, que:me foi confiad*.
Tendo percerrido todo o edificio e assistido a
janlar dos eseholares, consta-nos-que, reconhecen-
do os melheramentos j introdazi pelo aclaal
regedor, noten graves deferios- no rgimen inter-
no determinados em grande parte, nao so pela
falta de idonedade do pess9al, como da insullici-
encia de accommodacSes.
Realmente frtam alli coaag indtepensaveis i
um eslabelccimento de tal nainreza.
E' mo o sysienra de larnnas, ha taita d'agua,
os dormitorios repugnara vista e ao olfaclo, os
alumno? nao tam lugar proprio para recreio e
exercrcios ao ar bom, etc. ete:
Ha conseguidamente mnito- que fawr; mostran-
do-se o actual legpdor cheia de vonlade, j de-
monstrada por acto3, para regenerar o eslabeleci-
ment, e consta nes qne S. E3tc: animando o, nu-
tre serio empenho em coadjuva'to, aflm de prepa-
rar mocidade Pernambueana, oj meios de rece-
ber educaco e instroeeo, as condieSes exigi-
das de hygiene e moralidade, indispeneaveis ins-
tiiuicdes de to grande alcance; e que tanto in-
fluem no futuro do-paiz.
ESCOLA NORMAL.S. Exe. o Sr. coaselheiro
presidente da provincia honro cora saa visita
este importante eslabsleeimento, percorrendo todas
as aulas, e asaislindb aos exames que all se pro-
cedan).
Consta-nos que S.- Exc. mostrou-se salisfeito
com o que vio, notando a insuficiencia do predio,
onde inconvenientemente existem dous armazens
de molhados ou carne secca, coja remocao deter-
minan ao respectivo director.
Noloa tambem falta de movis e utencilios in-
dispensaveis ao rgimen escoliar.
Lonsta-nos que S. Bxc nutre a ideia de, por
meio de donativos particulares e dos auxilios que
puder ebter dos cofres pabteos, construir am edi-
ficio adaptado s necessidades da escola normal,
qne em todo deve servir de modello para a ins-
(ruegao primaria,-qae coavm diffandir pela po-
pulacho em largas proporgoes, sem augmentar
rauito as materias de eosino.
ASYLO DE MENDJCIDADE.S. Exc. visiteo
tambera hontem este estabelecimente publico, qae
encontrou em condigdes de regularidade exigiveis
no sea es 1 a do actual, notando, porm, a diarera-se
all detids individuos bons, remetiidos por auto-
ridades que desnaturando o fim da nstitaicao,
entendem que aquella casa deve servir de prisao
correccional de ebrios e vadios.
Consta-nos qae S. Bxc. julga urgente concluir-
se o edificio, e dota-lo dos raelhoramenles neces-
sanos satisfagao do philantropico fim a que 6
destinado.
. etee-
aftaudrlW
\-
.sao o
4'esta provmcD, mas timbera de
Commando das armas.
,it" \H IT.I.-r.INT.n Al. DO COMMANDO DAS ARMAS NA
PROVINCIA DE PERNAMBUCO, 15 DE NOVEM-
BRO DE 1870.
Ordem do dia 507.
O marechal de campo commandante das armas,
tazendo transcrev&r em seguida, as disposigoes I',
2", 3", 4", 5* e 6", da ordem do dia deste com-
mando de 21 de Setembro de 1865, recommenda
aos Srs. comraandantes de corpas e fortalezas,
nem s a exacta observancia deltas, mas anda tor-
na-os rtsponsaveis pelas iofracroas. que por ventu-
ra se derem.
i.* Que nenhum preo, au sentenciado, saia de
sua priso, so nao por delibera gao da compete ote
auioridade, sob cojas ordens estiver, oo ento
para o servlgo que Iba for designado ota conse-
quenca de ordem superior.
2.' Que quando, algom tlver de sahir da prisao,
seja escoliado por 0as guardas, sendo previa
mente nomeado. uro Wmo responsavel, nao con-
sentidlo qo* elle M embriaga?, e neu tio peuco
que sob ptetextu a'.gum Ihe permute entrar em la-
jas, tabeaaa*, i caas pariicolares.
?" 9a* distancia dos guardas ao preso, nao
seja maj,r dfl doas pass0S) para qQa|quer la-
*YV; tiver de ir.
. ? 0.ue oaentenciados ferro-peados sejam revis-
\}r .os, examinando-se as chavetas e correntes,
empre em preseng da escolta pelo commandante
da guarda, tanto na occasio de sahirem como na-
de se recolherem.
5." Que todos os dias se revistem as pri?5es e
eaixas aellas existentes, ama ou mais vezes tomao
do-se todos os instrumentos perforante*, coatan
denles e cortantes, que sobre qualquer pretexte se
encontrar.
6.' Finalmente que se conserven as prises no
melhor estado de asseio, nao se consentmdo que
se faca comida dentro dallas, anda mesmo am
fogareiros.
Qne ellas sejam caladas de 6 em 6 mezes, as
camas lavada?, preferlndo-se para isso a agua
salgada, qae os vasos de limpezas se Ijvem a nio
exhalar mo eheiro.
FACULDADE DE DIREITO.Fizeram acto ante-
hontem os seguintes alumnos:
1 anno.
Bertino Jos de Miranda, plenamente.
Umbelino de Souza Marrano, dem.
Acyodino Cavalcante Simdes e Albuquerque, idem.
Um reprovado.
2 anno.
Samuel Tertuliano Henrique, simplesmente.
Luiz Accioli Pereira Franco, plenamente.
Eluardo Jayroe Gomes de Araujo, simplesmente.
Domingos Olympio Braga Cavalcante, plenamente.
Augusto Pinto Alves Peaueoo, idem.
Francisco Leal do Miranda, idem.
3 anno.
Jos Zeterno de Meuionc* Uehoa, plenamente.
Porfirio de Souza Freir, idem.
Antonio Agripino de Gusmo, simplesmente.
Antonio Elias de Aguiar. plenamente.
i anno.
Joo Ferreira de Araujo Pinito, plenamente.
Francisco Manoel Wanderley Lins Jnior, idem.
Felippe de Azevedo Faro Jnior, idem.
5* anno.
Horado da Silva RabeUo.e Castro, plenamente.
Primitivo de M'randa Souza Gomes, dem.
Cecitiano Mamede Alve? Ferreira, idem.
Manoel de Barros Mfanderley, dem.
Hontem fizeram acto o seguales alomaos :
1<> auna.
Demetrio Blzena di Rocha Moraes, plenamente
Joo Feliciana da Motta e Albuquerque, idem.
Augusto Hy8no da Gunba Souto Maior, idem.
Affonso Cafcne do Valle, simplesmente.
2.a anno.
Juvenal Rodrigues Pinheiro, plenamente.
Eneas, de Arroxellas Galvao, idem.
Manoel Rodrigues Nogueira Pinheiro, dem.
Francisco Barbosa Aranha da Foncea, idem.
Um reprovado.
3.' anno.
Jos Domingos da Costa, plenamente.
Manoel Duarte Ferreira Ferraren.
Antonio Rodrigues da Silva 0 Soma.
Fraacitco Margal da Silveira Garca.
i,* uno.
Adolpho de Siqueira Cavalcaote, plenamente.
Joas Pocarpo de Figueiredo, idem.
Flix. Jos da Serra, dem.
5.* anno.
Manoel Tertuliano- Travasso de Arruda, plena-
mente.
Francuco Alves da Nobrejtt, dem.
Loureogo Bizerra Vieira de Mello, dem.
Candido Vieira Chaves.
D1NHEIR0.ft vapor Uemmack levou a se-
guintes quantia :
Para o Rio de Janeiro 800JC00
O vapor Jeqm tronxe para os Srs. :
Jos Rodrigues de Souza 8001000
Perei ra Carneiro 4 C. 600*000
Fr. Antonio de S. Gamillo de Salles 1(^l000
1 Os vapores Jagilaribe e fao/uca ievaram
hontem :
ParaMacet 600*000
Natal -*> %0:300|000
EMANCIPAgO.-Lemos no Jornal da Forta-
leza :
De Batorit nos escrevem :
No dia 7 d'este o noso digno e Ilustrado pro-
motor, Dr. Franciseo Cordeiro da Rocha Campello,
para solemnisar o anniversario da independencia
do Brasil, e em cumprimento s ultimas voniades
de saa virtuosa esposa, ha pouco fallecida n'ess-
capital ; dea a carta de liberdade um sea es-
cravinho de dade de 15 mezes.
O Dr. Campello om moco qae grangeia ca-
da dia novo? ttulos a consideragao desta porcao
de patricios qne o eercam, e que nao cessam de
testemunhar-lho asmis significativas pro vas de
apregn, pelas suas qualidades pessoaes e pelas
grandes habilitaedes que tem revellado no sea
cargo de promotor publico e em geral nos-seos
trabalhos forenses.
Pens que cada cidado qne depoe o ?eu.obu
lo no altar onde se sagra a liberdade do homem
redusido ao capliveiro, nra benemrito.
O acto do Dr. Campello alera d'isso foi tito ge-
neroso quanto modesto. Da expontaneidade ao
estrepito, era acg5es d'estas, vai a grando distan-
cia que existe entre o mrito verdadeiro e o mri-
to falso, cem que os pedantes proeuram seaco-
bertar guiso de phylanlropos, etc. >
MELHOR AMENTO DO PORTO Duas visitas
lera S. Exc o Sr. presidente da provincia teto ?
obras do roelhorarr.ento do porto, pereorreado os
pontos adjacentes, em companhia do Sr. inspector
do areenal de marinha.
Na primeira excurso, era horas e baixa-mar,
examinou os Ir jares actualmente obstruidos pela
accumulago d'areias, coraparando-os com os ca-
naes mais profundos que servem da aneoraiouro;
na segunda, em horas de preia mar, percorrea a
parte do rio Capibaribe, que passa- pela ponte dos
Affogados, observando inlerameate cobertas as
grandes coras que antes vira, descobertas na
baixa-mar.
Em resultado de suas visita, consta-nos que S.
Exc. resolveu nao consentir que fosse obstruido o
canal da roa de Riachuelo, que commonica cora o
da fundcao do Starr ou ponte de Santo Arnarn,
mandando em consequoncia assentar a poule de
ferro destinada ra da Autora, annullando assim
a resciso resolvida pela, adminislrago transada,
Quanto ao porto parece flear assenlado no espi
rito de S. Exc, que o caelboramento mais vanla
joso e exeqaivel de prompto, a escavacao em
larga escalla de toda a extengo obstruida na parte
comprehendida peloArreeifo e maralha construida
em prolongago desie ilha do Nogueira
E esta Urabem a idea, seguodo nos coosta do
Sr. engn'jheiro 6alvo, que pelo minizterio d agri-
cultur?. fez detidos exames sobre esta magna quss-.
tao que affecla lio de peno os interesses desta
provincia.
E' de esperar que S. Exc. activo e deligente
como tem dado provas, trate quantoaoles de dar
impulso a semelbante melaoraraento, que vira
I marcar urna nova ora na pagina do nosso com-
mercio e navegago.
Para realiaaco, porem, destes raelhoramentos,
?o indispensaveis as dragas encommfndadas que
j deviam estar neste porto, bem como que, tenham
vigoroso impulso as obras do prolongamente do
caes em direcgo fortaleza do Brum, e assim
tambem as da rouralha em direccao ilha do Pina.
Concluidas estas obras, Acara habilitada a rece-
ber navios de grande lotaco, a grande baca com-
prehendida entre as pontes do Recif* e caes do
Ramos, ponte de ferro da via-frrea do S. Fran-
cisco em direcgo rauralha cima referida, e
toda parte do porto actualmente aprovoilada.
SANTA CECILIA.-Coraegarara no domingo 13
do corrente as novenas da virgem e martyr San-
ta G'cilia, qne se venera na igreja de Nossa Se-
nhora do Livramento desta cidade, cora a pompa
e brilhantismo com que sempre as cosluma cele-
brar a respectiva irmandade ; sendo no Ara can-
tados versos om louvor aquella Virgem Santa, pro-
tectora da msica.
A eomposioSo musical dos versos de nosso in-
signe e sympalhico maestro Colas Filho, que mais
ama vez niostrou a exuberancia de sen talento, e
sobre tud o gusto e primaiia coro uua sempre
" (1
PE5T1VIDADE RELIGIOSA.-^
lebrada, com toda magaifleeoei
sa Senhora do Bom Successo dos
igreja do Pilar.em Fra de porta*
vaniamento da bander o* noote dr' 18
BENEFICIO' PTJBLKOi-PMm ir 4
bremos ao Sr.Dr. director da rapariie-m
publicas da provincia, aigaate a
ha de ser embarreado o casto do f l
de Agna Fra, na estrada de Beberibe, w la
tran-itavel tanto 00 vera com a ante tosa*. -
no invern com o lamaral
VAPOR IKQlU Cmfoa Matea *r Aran
% Penedo e Macei,' esle vapor da eaapaalb.
Pernambueana.
O presidente da provincia da Sarg'af, re
formn a inslrncoio publica da provincia, erran
do na eaptal nm Alheen crai aove aoias, jaoa
gend' om corso de escola normal e ostro 4rks
manidades.
No da 21 de outabro foi seJrmasado o sas-
versario da indepeadenda da proviscia, cs an
IV" Dtttm sumpluosA, no qoai octmoes a 11MM1
sagrada o Rvm. vigaro Barro**
N dia 1* do crreme loi dada a acsek> i
capella do cemiterio da cidade da Magow.
Em Penedo fallecen o Rvm. HaaoH Ferreira da
AMBaasaio.
Atpresidenda da provincia da Alagsi aarto
etncurso, por 60 di, para a coaatruc^a da pos
le sobre o rio Camaragibe, tmlorsada pata
bla respectiva.
QUERR FRANJO PHl'SSfANAv=0
das prisioneiros francezes, nao ferios, aa
atente estao na Allemanha, iocluindo o
e soldados francezes prsioneirai sa casi
daf fortalezas de Laon, Tool a Sfrasborg,
a 3,577 offlciaes e 123,700 soldado?.
D'este numero total acham-se 1,8*4
92,302 soldados as fortalezas do norte
manha ; em Magdenbnrgo, per exraaplo,
offieiaes e 10.046 soldados ; em Mafoacia. 7
em Coblens, 9,000, ete. A Bavieraffes 1 oaV
ciaes e 9,116 soldados frao ceas asMasassa :
Wertemberg, 73 oQciaes e 1,511 soldado. Con
relaqo ao numero dss. prisiooairo fkaasaaes fr-
ridos, nos diversos lazaretos, nao sa I
do ainda dados ce?to?, mais podas
n'uns 25 a 30,000 ramens.
Segnndo refera o 1Viidssilirt Umri
Zsitime, um numero c< nsideravel de prJaiasaarae
francezes estn erapregados em diversa- afeis
publicas na Allemanha. as obras do casal *>
Hawkenfoehr em Nerdborue, %o aave asir
Eras ao Vechte, esli empregadoe JPi asase-
ros. Onlros 500 coaslroem ama estrada sai
desde Kellerberg a Rutenbrock, e um caaal Jas
este ponto Sbstfam.
Outros 1,000 devem prolongar o casal de Wfcrt-
e sni-le an de P.sanderfetin.
Foram construidas pelos prisiooairo *
seas guardas, casas de madeira, qae laaraai
cuidas em 30 de setembro e iaasortarar m
de 50:0001000.
Os pnsioneiros prussianos em Franca
cem na inaego.
=De nma caria de Pars da dia 3 de
publicada em aiguns diarios francesa?. x
mos o seguinio.:
O governo- encarregou-se de rrgsiar a
da carne e do-p, que ha em abusaaseta.
) pao ostia 23 cntimos \90 reas) a im r a
carne a 1 fran:o (500 res-.
O prego dos gneros nltraroaraoa si
sucar c caf- sao parece ter augmentado,
quanto aos oatros artigos, a espeenlacao
rea se delles- e infelizmente n) fcil
semelbame aboso,
t O carvao valle 16 franco?, o sacro, en re do
; o queijp 2 francos e 40 cntimos a libra, a
manteiga de porco 2 francos a M* cntimos, *
manteiga salgada de vac :a 5 frasees ; e anaoto *
fresca c escusado fallar de um ausente, a ultimas
libras venderam-se ha mais de orto dias >K
francos.
Nao se admirem 3e ihe disser qae P.ri- < ]
um completo qaartel ao mesmo tempo que aa
campo intrncheirado.
E' por isso qne os prusianos arlsptas
perceber que dewriam ter principiado < rere
mais cedo.
O governo da defeza nacional de Fraar*
adoploa nm novo sello. No anverso tem a ftrur.-
da liberdade, com esta legenda : Ja mme iUf
frencez ; no reverso lem ama grinalda de carva-
lho e de oliveira.eom urnas espiga- de irigo. N-
centrr da grinalda esto gravadas as paUyras
fijMiWica frarjeza democrtica sm r ikirimwtt
era volta : liberdade, igualdad* t frmtnmiiid*.
As perdas do exercito sitiador so Met, re-
gando os clculos de origen frasee, brasa a?.
seguales :
14 de agosto, era Borny, ,00 boovess fera d^
combate.
16 de agosto, em Gxavelotte, 80,000.
18 de agosto, em RezouviU* e Saial'Pnv*.
iO.000. __.
31 de agosto s 1 de setembro, en 8awts-*STlr>
e Sainte-Rufflne, 10,000. Total 120.000 born***
fra d combate, que foraiu snb'tilnido* p.'!a laas
wehr. Bazaine perdeu uns 30,100 borneo.
Eis, segundo ura diario estraogeiro, c eaiss
que tsaem os allomis >brs as depzs '^ **'"
ra e oniras indemnisaeoes que a Fsas^a rtaser:
pagar. Estes clenlos differem maito ds estr>
que ha lempos pnblicaram os peridicos aliasae .
pois sao as duas.qnioias parles d'sqoeUe, ata s^
clevava a 5 iKK) milaos, impossivois dassr psf-
pela FrancA seguodo a opinio de todo a fcn-
mens que conhecem a esialisca e-fsrea prsdssass
do paiz : _
v Fraseo?.
i,pttia*oct
f
-

atrer..
impedir
sabe razer ohresnhlr p buril Ja a frtil iraagi-
A eaeouoSo tem sido, oorao era Je e?perar, mai-
tissimo satisfactoria.
Convidamos, portante, ao publico ral
apreciador da sublime arle d'vina, ha
var o bello e magnifico conjuucto
par da religiao.
Despezas da guerra
Iodemniagoes aosallemes er^ulso
Pensoas a invlidos
Viavas e orpbaos
Dotagoo de g neraes
Botaeio a cavalleria da Croa de Ferro
Indemnisacao ao|commereio
Total
O Tflegrapko-Auioatapho gas sil.
Tours, refere a seguiste ancdota, enja e
offereee algnma? dovidas : .
Os nossos leijores baviaaa de Mr sswvssja
mente noticia, pelo telegrapho, de bosta saa tez
reu de ter cabido o rei Guilherme em 1
.Miradores francos. Esta noticia tsts aj
damento, apesar do resallado nio tralas
que se soppoa. O fceto dsa-se do sigussMi sasss
t O rei Cuilberme, acompaasaio fsr_djrr
offlciaes superiores, parto no da JO de Tasas*-
para Bngival. S. M. U B'ama carrssgssi.
ehgar quasi a asta potoaso, aa sao aasa
pareca abandonada, lleras ssas>ear^crrr
sobra a carroagem, qne ficoa a
matando don* dos iodividece 1.
escolte. Esta e a cairoagem vollai
mente as costas, san qne o rs
gama.
. Temos dado eoottida_
toridade prussiana Isa proes____
mderatas illemaes, 'p'?'
dl adoptadas a pri*so 1
ohtros patrelas. _w
llT bser-
daquella arte
Isasaarsv
nawfc "".r* li -- -
protsstodatia^jl*" ________
id-general do ral **&
o documento a osa |B*Y
, Exeellenaa
FalWenstein,
a^r^isf.r


Mi PernamKco Qu^vt fei* 6 de Novembro de 18T0

..
*>*<*

\s.
reo.
A
reito de rea
des, i. c:o.daiidoj i *m*
ig, p) na ra-
na reun*) firt-
"aeao. da Alsaeia e da Le-
conatituconaes rejana o di-
de assoeiacao Jio delxanm Je
estar em vigor om ooosequenca da declaracao
da estado da sitio na nafta Kutf'Q* ~* reuMKi
dequesatrata toi, stfdbd.i Ifc lea, aaMBciadl
polica, e .liguaj agentes d polica asetetiratfl a
lia at o flm. 3"
O mea discurso, nobliesio pelos oraana, Hau
contera couaa algn pela qnal possa\-a*f pu-
nido, n nao affrootei, que cu siba, uenlraaai das
dispo.'lcfies penses.
Exeelleneu 1 Ciai q iane tonha sito Minore
adversario dscMMto da vossa poltica, ftaho, oo-
mo uoman, euMRnft eaaflanca em vcm para a:ra-
dtsr nuequanto eaiiver ao vosso alcancenao
permitiireis que, a pretexto da lei marcial, so ira-
pooham penas arbitrarias a innocentes.
i l de seterubro de 1870.Br. Jodo Jaeoby. >
WTERIA.A que so acha venda da 17.* a
beneficio da matru da Capunga, a qual corre.no
dia 18.
PASSAGHROS.Viudos do Aracaj e parios
intermedios, no vapor Jequia:
Manoel A. deCirvallm, A. Tavares de Macarte,
Joaquim DiasFalco, Luiz A. Moreira e 1 escravo,
Aristides S. de llevar, -Frederico L. Pater, D. Ma-
ra Chrisliaoi e 1 fillia, Joao Tavares Cordeiro,
Mal Vieeei*e 4 fliha, FraaeHee He-ehiade* de
Siqueira, Joao Moreira de Vascaacello?, Joao A. de
Figareio, Oadllio de O. Pinto, A. Jo^ Pinto
Jnnior.
Viodes de Genova no brigue italiano Sari :
Antonio G. Bomlico, Lzaro A. Necodemo,
Paulo P. Hiehel, BeTtine Guisseppe de Nieodemo;
tro. .
' Appeltantn D. Tnere>.a /a!
Francisco Alfonso Boielhi. -
AppeUante, Manoel Jos* da Guea, a
Jos.Gregorio l|artiar
ppalla-io,
ppellante, "cnsul'poflugez;' appellada, ti.
Varia Joaquina de Oliveira Campos.
MMjIaute. totamr "Jnrtfere;
LnFwnzafa*de Sonta.
ppellatlon
CBR0NIC1 JUPirURI.1.
11HBt7.VIL Di IECACAO.
SESSO EM lo DE NOVEMBRO DE 1870.
PKCSfDBXCIA DO RXM. SU. COXSBLHRIR0 C. SANTIAGO.
SnmArtr Dr. Virgilio Coho.
As !0 horas da manha, presentes os Srs. deseoi-
bargadores Gitirana, Lourenco Santiago, Almeida
Albuquerque, Multa. Dina, Domingues da Silva,
Assis, Reguetra Costa e Souza Leao, Tallando com
causa os Srs. desembargador as Guerra procu-
rador da corta o Uchoa Cavalcante, abrio-se a
sea.
'Passdoatos feitos, derara-se os segrate* jura-
mentos :
AOGRAVS DE PETIQAO.
Aggravante, Tiie doro Justino ; aggravado, o jui-
xj.Juizes o< Srs. desembargadores Assis, Rega-
ra Costa o Doraiugues da Silva.Nao tomaran)
conheci manto.
Aggravante, Chrislovao da Rocha Cunta Sou-
tomaior; aggravado, o juizo.Juizes os Srs. des
embargadorej Souza Leao, Domingues da Silva o
Dira.NIo tomaram eonhechnento.
Aggravaale, Antonio Auirornicho de Souza Ma-
galiiaes; argr*vado o jjiiz).Juizes os Srs dos3rn
bargalbres Doria, L urea o Santiago o Gitira-
na.Negaram provinrenlo.
RBCORSO CniME.
Do juizo de direito d i Parahybi.Recrreme, o
juizo; recorrido, Benlo Alves Rodrigues tupinim-
b.Juizes os Srs. desembarga lores Regueira
C>sta, Doria, Gitirana e \ssis. Iraprocedenla.
APPELLEgOES CIVEI3.
Do juizo manicipil do AcsractL Appellant?,
Manoel Ferrcira Gomes dn Minezes; appelladu,
Anastacio Francisco Draga.Receberam os em-
bargos.
Do juizo municipal de Macei. Apnellante, Ro-
drigo Antonio Bra-ileiro Macei ; appellado, Maca-
rio da Costa Moraes.uespresados 03 embar-
gos.
Do juizo municipal ^do Recife. Ampollante,
Theotooi i Alves Ferreira; appellado, Joaqunn
Fiacisco Larra. -ConfirmaJa a senlenca.
App-illante, Jacihlho Luiz da Silva;' appellado.
Francisco de Salles TlMdeu.Conroiaram a sen-
tenca.
APPELI.AgOES CaiMES.
Do jury de Campia.Appella-jte, loaj) Correa
de Xenezes; appellado, Jos Joaquim do Reg Ly-
raImprocedente.
Do juiy df Serinhem.ppellante, Loii de
Franca Ventana; appellado, o ]u'uo.A' novo
jury.
DIA de apparkcrr.
Do juizo municipal doltecife. AopeHante, o
maj t Jf Gomes da silva; appellado, Joaquim
Duarte Peroira.Julgou-=e diserla a appcllacio.
HABEAS CORPUS.
Exiglram-se novos esclarechnentos a rcpeiio
do'pajii.'nio Antonio Jos Viegas a o dia 19 do
corrente.
PASSAGENS.
D-j Sr. desombargauor Lourenco Santiago, ao
Sr. desembargador Aliada Albuquerque :
Do juizo municipal de Pedras do Fogo.ppel-
lante, Juaquim Monteiro GueJes Gondim ; appella-
d>, YirgiDir Horacio de Freitas. Du juizo munici-
pal do Resifo.ppellante, Joa piim Francisco de
Albuqnerque Saniiagj; appella .la, D.Francisca
Thomazia da Coneeieao Cnnha.
Do Sr. desi'mbargador Almeida Albuquerque ao
Sr. desembargador Motta:
AppeUaQio civcl do juiz municipal do Reci-
fe.Appellantes e juntamonte appellado?, a viuva'
e herdeiros do Dr. Jos Mamado Aives Fer'eira, e
D. Mara Joaquina da Cunha e ontros. ppellante
Jos Jacome Tasso ; appellada, a irraandade de S.
Pedro. ppellante, Francisco Goncalvea fetto
tutor do menor Arlnur; appellado. Manoel Joa-
quim Baptista. Do juizo municipal de Pao dos
Ferros.ppellante?, Silvano Jos de Carvalbo e
ou'rus; appellada, D. Racherde Souza Lima Car-
valh Do juizo moflicipai du Benito.ppellan-
te, Jo? Fraueisco Xavier Cravello ; appellado,
J So Francisco Xavier de Azcvedo, buje sua vluva
Jiahthiada. D.) juizo mnnicinai do Sobral.ppel-
lante, Jos do Oliveira Lima ; appellados, Joo
Furreira de Carvalbo e ouln 3. ppellante, Anto-
nio Birroso Valente; apuellado, Jos Fuado
Barbosa. Appallagaes crite-. Appellanle, Dioni-
sio Pereira de Mal; appelLda, ajurlica. p-
pellante, o jdizo;'appellado, Francisco, escravo de
Antonia Vicente da Coi la
Do Sr. desembargador Multa ao Sr. desembarga-
dor Souza Leao:
Da juizo mniii;ipal do Sobral. ppellante,
I*. Carolina Amelia Prenlo; appellado, Manoel
Ferreira da Ponte.
Do Sr. desainbargador Assis ao Sr. desembarga-
dor Doria:
A,opellacao citel.Appellantes, Francisco Jos
Leito e outros; appellado, -o administrador da
capella de X>?sa Senh>ra da Santa Cruz. Appel-
laato, Seimndo Sergio dos Santos; appellado,
Vicente Ferreira Padilha Calamby.
D) Sr. desembargador Domingues da .Gilva a
3r. desembargador Regueira Costa :
I) p jury da Fortaleza. ppellante, Mara Ferrei-
sa di Espirito-Santo ; amellada, a justica. D i
jnry le SJasA de M pun -ppellante, Pedro Ju*
d Mell i; appellado, o juizo.- Do jury de A'|iii-
rs.Appellant, Raymnndo Card'oSo da Silva ;
appellado, o juizo. Do jury e Mara Perei-
ra.ppellante, o juizo; appellado, Francisco
Bayirnndo de Souza Braga. Di Jury do Limoei-
Tro.ppellante, Antonio do llollanda, Cavalcan-
te; appa lado,.........
Do Sr/dn--emfrarg.'idar Regueira Costa ao Sr..
J"'mbargador Souza Leao :
Do jni municipal lo Recife. Appellanto, Joa
qnim R'bein de Moraes.; appellados, Manoel Pe-
reiraripfigalhiies e onttas. Appellacao rime.Ap-
l'el|IWi', B juiio; apoellados, Antonio Lima Perei-
Ht Revista rival,Recrranles, Costa A
radorea dos administradores dos tun
vn.i eVajim; recorrido?, Manoel
Itonies e ontro.
flr. deembargador Sj)a Leao ao Sr. desem-
lu: a Cavnioanie:
n;oescrimo8.ppellante, o juizo; appel-
lado, Manoel Gomes de Meoeaas. ppellante,. o
j'.iiza; apjirliado, Manoel Rudrigaes Lopes. Appel-,
lae.tn civeLAppellantes, SeraSs Ignacio Paes
Ilai relote sua mullier; appellada, Auna Mara da
leetyio.
Ao Sr- desembargador Gitirana:
pella^ie eivel.Appellaote, Jos Lourenco da
11, Jofio Mauricio Cfrdoso.
DoSn daacaitargador Gitirana ao Sr. desembar-
gador Lour.-rici} Sili.Tgo:
crin do jury da Ssboeiro.Appel-
; appellado, Carlos Jo.- da um-
' 'lacio cirel do jnizo municipal de Fio
Itaate, Joo Pedro da Silva; appellado,
o FraiKmeo da Silva Soterij.
Assigmm-so da para julgamento dos segninies
Aaaai ,bis.
APpel ie Albuqnesaue Xa-
vr a Coati Silva.
AppeManie ilaaNevea; appel-
lada, a cmara mum de Aqair
Apellante, MigoeK Francisco da CosUMacb*.
i. Jote i>orfi
appellado, Joe Joaqoim de Almej
APPKLACAO OniMK.
Do jury da CampiaAppallautej
do Manezes
Lyra.
DELieiSCIA UR1MK.
Ao Sr. d*aembargdor promotor da justiga:
De jui-v de Caruard..\pp_ellante, o proroqtor;
apuaUdo, Jos de Ferias ite Laiao. Do jury do
Uacife. Appelienta, Jom HVqnes de EipW-
to-Santo ; appellada. a justica.
BISTRIBUICOES. Drt'fl
Ao Sr. desembargador Motta :
Aggravo da juizo muuicipal do Limoeiro.Ag
gf av*tM#9, Aonio Vreeirte Ferreira e ana nm-
Iber; aggravado, o juizo.
Ao Sr. desembargador Doria :
Conflicto d lurisdicao.Enlre os juizes mua
pf e o dos feilos da razenda do Recrfe.
Ao Sr. desembargado!- cli'ta Cavalcanle:
Aggrato do juizo municipal do Rcife.Aggra-
va mes, Manoel Vicente Parreira.4 t; aggravado^
o juizo.
Eoeerrou~ie a se. sao a i hora da tarde.
DO COMMERC1U
ADMINISTRATIVA DE ii DE
IHBBU VAI.
.CTA DA SESSAO
NOVEMBdO DE 1870.
fRBSIDBNCIA DO BXM. SR. DUSTMBARQADO ANSELSIO
FRANCISCO PERETTI.
As 10 horas da nianuaa, presentes os Srs.
deputados Miranda Leal, Basto e nomeado o Sr.
Miranda Leal para servir e secretario no impedi-
lenivKdo Sr. deputado liosa, que faltou com par-
teciuacao verbal do n3o poder hoja comparecer S.
Exc. o Sr. presidente abri a sesso.
Fui lida o approvada a acta da sesso de 10.
EXPEDIENTE.
Offlilo do presidente u secretario da unta dos
correctores, cobijado o ultimo bolclim corainer-
cial.Foi man lado para o archivo.
Jornal Oficial do na, VS3, 251. 235,236 e 257.-
Tamben para o archivo.
Foram mandados rubricar os seguinles livros:
Copiador de Antonio Duarte Machado, dito de Jo.-
Mara Palmeira.
Foi expedida a sortaria que pmrngou por mais
ura auno a licenca concedida eoi"27 de setmbro
do anno prximo passado ao corrector da pnca
de Macei, Guilhermfc Garret, para tratar de sua
Side. E di-lo se deu conbecimeoto ao respeclivo
conservador e a presidente da junta de correcto-
res.
DESPACHOS.
Rciiueriments :
De Uiysses & Irmo, ulTerccendo registro a
i'.omeacao de sen eaixeiro Antonio G.-ncalves Cui-
Iho.Seja registrada.
Dd Manoel Jos Carneiro Pinto, reqnerendo no-
ta no registro competente, visto nao ?er mais seo
caixeiro Caetano Xavier da Silva.Como reqaer.
Di Jeronymo Joaquim da Silva Braga, snbmet-
tendo registro a n uneacSo de ssu caixeiro Eduar
do Borges de Siqueira.Reghtre-fe.
De Joo do Bego Lima & Fdho, apresentando
registro o seu contracto social.Sellada com es-
tampillas a2' via do contracto, volle a petlcao,
Do Simpson DuJer A C apr??entando igual-
mente registro a nomearao de seos caixeiros An
tonio Jos da Costa Guiniaraes e Joao Pinto Co-
Iho.Como pedem.
De Antonio Gongalve Torre--, proprietario do
hrigue Galgo, re.|iierendo o registro do mesmo e
untando para esse llm os do .-ti ment? do e-t\l i.
Vista ao Sr. desembargador ll'cal.
Informaco da secretaria sobre a II inga presta-
da por loan da Silva Braga.-A' visia do que dis-
pde o ait. 42 do cdigo do-coinmercio, nii lem
jugar a liaoca, que presin o snpplieante, e assim
j o tribiml decidlo em caso idenlieo.
COM INPORSIAgAO DO SR. DESESTOAflOADOR FISCAL
Matriculas :
De los Luiz de Soma. Adiado por faltarem
dous membros,
De Joaquim da R:ch* Moreira Jnior.Adiado
pelo mesmo mrmvo.
Contracto social de Jos Rnlrigues do Nas'l-
mento e los Antonio-Vilella.Sellada com estam-
pilha de 2 via, volto a pelicao.
Pedido de moratoria do commerciante J.>ao Nc-
pomneeno Pcreira dts SanUis.Aatoada pelo ofiB-
cial Dinamerico AusustO do Reg Raogel, que se-
r o escrivo nesio processo, o iribuaal nomela os
credores Joao Qairino de Agui ar k C, e Silva
Hucha & Machado para liscaes, aOm de irem veri-
ficar a exaeiido do btlanco aoresenlado vista
dos papis e livros do suplicante na forma do
art. 899 do cdigo commercial, c-manda quose
expecam ofllcins ao desembargador juiz do com-
mercio de Mamangoape, e ao desembargador juiz
de direito especial do commercio desta cidade,
allm de ss procederera com os credores do seus
dislriclos i\ diligencias proscripta? no mesmo ar-
o, fazeoilo-se depois para esle tribunal a remes-
sa de qao trat o art. 900 do cdigo, i que se al-
inde.
rbsolucao.
O tribunal marcou o dia lt do mez prximo fu-
turo para a eleicao do dous deputado e doussop-
p|en*es, e que se olBciasse diroecao da Assoeia-
ci Commercial, pedindo para aquelle Om a sala
de sua? sessoes, fazendo depois as publicacoes
pr'cisas.
A's 11 horas e meia foi encerrada a sesso.
SESSAO JUDICIAIUA EM 14 DE NOVEMBRO
DE 1870.
PRESIDENCIA DO EXM. SR. I'KSEMBARGADOR A. F. PE-
RETTI.
Secretario, Julio Qnimaraes.
Ao meio dia declarou-se aberta a.ses?ao, estando
reunidos os Srs. deemhargndores Silva Guima-
raes, Reis e Silva. Accio, deputado-- Basto e Mi-
randa Leal, faltando com partecipacJo o Sr. Rosa
e sem ella o Sr. S Leiao^
Lida, foi approvada a 'acta da ses?ao passada
com as segninies emendas; Quando se tratou do
julgamento do feito entreparte?, ppellante Theo
doro ChristianseD, appellados Rabe Schamettau A
C, por engase disse, quanto diligencia, que
smente votou por ella o Sr. llosa; entretanto,
deve dizer-se, uo a diligencia nao passon com o
voto do Exm. Sr. presidente, sendo voto? vencidos
os Srs. Res e Silva e Rosa.
O escriVo Albuquerque registrou o ultimo pro
testo, de lettra 8 do presente mez sob o n. 2129;
e o escrivo Alves de Brito 10 do 'Ifo mez sob
o n. 2101.
ACCORDAOS ASSIGNADOS.
ppellante Tbeodoro Chrislianspn. appellados
Rabo Schamettau & C ; embargante Joaquim
Francisco do Espirito Santo, embargado Nattan
Danheisser ; embargantes E. A. Burle C, em-
bargados Oliveira, Filhos A C.; ppellante Salva-
dor de Siqueira Cavalcante, appellado Leopoldo
Ferreira Martins Ribeiro ; embargante D. Gartru
des Anglica Joaquina, embargado o hachare! Joa-
quim Francisco de Miranda ; arobirgante Maool
t'ereira Magalhaes, embargado I). Juan Bur-son ;
appellanto Jacob Cah, appellada D, Delphina Tel-
les de Menezes.
JULOAMBITTOS. /
luizo municipal e do commercio de Macei :
embargante ppellante jo Jos de Oliveira Lima,
embargado appellado autor Joaquim de Souza Fer-
juizes os Srs. Res e Silva, Accioli, Basto e

qae na pedi pw^r per ma*
dola, s^ uproveitar o-a3B

2S*"'' ^M ^- ^xe-' Miando na fcc.w'A rpj^pjHpj^pj^pj^pj^pj^pj^pj^pjjpj^pj^pj^pj^pja
datooasio, donde tmha vmdo, dHHB Ktt a seu padrasto por um cariiMa.

em ffliib ptaacuca o estado d'esse estar fern-se espklhado, nio aabemoaM.com razio
to, sorprehendendo-so quando soube jue en tinha
sido o regedor dsolle. antes do Rvm. Sr. ce'
Rochael, e qae Mb repwn salaa/acloa nm
sotavam inenjiaf ao do tual refedor, ma
Seus anleceaaoms.
"Esses facioa, ieguado*dii o Bmral, foram :
ta de motis ; acaahamaato dos dormitorim,
lena detotavel dai lalrtnas ;'cupim em tai
col mappaa-ograpliic, e no tecto do edlncl
Eu i odia dispe.n?ar-me de responder a lo ma-
lvolo eesboste. S. Exc. Sr. reaidente ha de
recordase peifeitameaia dosaaa fBlafras, qoan
do e prennnciou etora-os meHtorameatoa de que nao se lenrbra u mais se elle existe.
i iwndo-se por t$i
a Aiagas, nao guar- [
e esclarecerem tilico a
da denuncia que dn o ba cha ral Guennes
ou se-calumniosamente, (inclinamo nos a esta ni-
tima hypothese) qne'o dito bacharel commeltera
um apo daate, que em cerk* clattes da socie Jai
iitene deve ser lavado son o salgue
itasU'iios tao barbara theoria ; e que
qua aa julga ultrajado pretende tomar vio-
nka o aobre?alto em que vire o bacharel Guen-
nes, o gual ^aereudo chamar em aeu auxilio a
proteccae 4a- anioridade publica, aam deaar para
a sua pesaoa, lembrou-fe de atirar a projectda
vingaoca aa costas de adversarias polticos que
esta casa
ipada a
Errata.
i r
do r
Ao
careca oNGymnasio, e do quo eu tive a honra de
paiidtar a S..Exc. ma relaoai peculiar a rainha
raspoiuahilidade, durante o Wmpo era qua reg
aquelle intrnalo. Mas, devo ao publico a de-
inonstraea.? daverdade e da injustiga com que son
aecusado pelo Ltheral+o que passo a fazer neate
termos :
Em prjmeiro luaar, falso que S. Exc, fen-
drf. quando estevwiia Escola, considerares ^bre-lblieo; a al se apona o
o Gymnasio, a aeerca do estado anual d'eile, mo-
lestasse-'iio por fbrm algoma ; e'tivesse em visl
ra|opjisabiliar-me pelas faltas, (ue all se notam.
^, por ventura, af*urrta rsponsabiliJade me
coubes* pw sa faitAs.-eem duvida que S. Exc
esolheria occasio mais azada para a censura ; t
nao se pronunciarla pelo nwlo inconveniente que
denuncia o Liberal, na primelra visita que faala ao
eslabelecimento de qne eu era chefe, e na pre-
sen?a dos demals empregado*.
Agora, quanto ao? motivos da snpnoeta acensa
cao, vejara ende pode ser capitulada a minha rea-
{jon^abilidade.
Palia de movis. *
Oblive da assembla provincial a concesso de
urna anot'na iei do orijamenio para a comprados
que eram nees?firios; e por diversas veces, ro-
-pi.'sentei a presidencia, pediodo banco? pan aa
aulas, ao qne se atienden ; mas, tendo logo Jepois
aahido da r*(feara, uJ me restou lempo pira le-
var a elTeilo a aulorisaco, e prover necessidade
que hovia desees move'i*.
Acanhaiuento dos durraiiorios, e systeraa deles-
tvei das lalrinas.
Il.-m v o publico que eu nao poda alterar com
faciliJade os compartuaenios do edifici. Repre-
ootei conlra o sy-iema por que tinhamsido feitas
as lalrinas. __ a p're-idenoia uuodou o Sr. director
da reparli'cad das obras publicas examina-las, e
este mandou inmediatamente preparar o qne era
necessario para melhorar o apparellw das mesmas
lalriuas, fjzeuJo consirnir um tanque para depo-
sito d'agua, e concertar as boaslia? que estavam
iautiiisada?, trahalho este que so agora que foi
concluido. E a respailo dos dormlorios lizcram-
se exames c estudos para se Ihes dar melhores
proporco.-s, e islo em virtude daiequisicao miaa.
Cupira em mappas e po tecto (o edificio.
Quaado eu enlroi' para o Gy.onasio certo que
acliei alguns mappas desolado* das traveseas de
Kiiarnicao, o? qnaes mandei Ioo concertar ; mas
fcil de coinprehender que, assim concertados,
elles nao podiam ficar orno novos. O que porem
os estragn, o que nao se sabe pre isamente :
poda ter silo o cupim, ou a humidade. Ainla
agora no lempo da desvedada, zelosa e econmica
administraco tU-Sr. Rscluel, Uto poda dar-se
~e-n culpa soa.
A ruina do tecto do edificio nao descubr, por
que nao ti ve o acaso era meu fav r.
De certo, s casualmeete ella podia ser eonhe-
cida ; mas, si bero me record, pedi u na ou mais
vezes que se examinase essa parte do edificio ; e
isto deve coastir do regi?tro d )? oIBeio? da rege-
dorTn na secretaria d:>]u Nao fallarei da? iiserinfes o pintaras; que.
certamenie nao datam de mmtia aLhnini-tracao no
Gymn'.so, feita? as paredes Internas d ea'licio,
o que aliunie lem sido urna cen-ura aleivosa lei-
ta a miio, anda afora p>* aoe o Liberal omillio
essa circurastancij que, se fosse lev ida em culpa a
mini, c^mpromettlria sem duvida a solieltude e zelo
do actual regedor, conservando-as at hoje, come
um orpo de d>dicto de sens antecessores.
Sao estis as extilicagois que eatendo dever dar
ao publico para formar sen juizo entre mim e o
Liberal. ~-
Rccife lo de outobro de 1870.
Alvaro Uchoa Catalcante.
Melhor seria que este bacharel se enlendesse
reservadamente com o Sr. Dr. chefe de polica o
Iba exaozesae elrcumstnaiadaraeate que *e$o$
de lamilia sao estes com que, segnnd i diz o sup-
posto denunciante, querem iesevipar-se os msn-
danles da pro/telado assassinato.
O fact, que se pretende fosse praticado pelo
bacharel Guennes, est hoje no dominio do pu-
Iugar nesta cidade onde
dizem reside a victima : melhor guia nao pode ter
a'jyolfeia para conheeer da verdad da denuncia
dada ao Sr. Manoel alimento Santos, e prevenir
qao se rfialise niais Um crinie.
ganca toda pessoal, supposios inimigos polticos
de Porto Calvo, requintada maldade.
Concluiremos repeundo que dos conservadores
de Potto Calvo neohom mal tom a recetar o ba-
charel Guennes: p le S. S dormir desoanoado.
Se a soa consoencia est tranquilla nada deve
temer.

reir
Miranda LeaL Foram Jdesprezad'o? os embirgos"
Nao estando presente, o sr. Bosa, llcam sobre, a
mesa os feitos diados na? se??3as anleriore?, en-
lre parles, embrgame Joo Louroico Virlato de
Va-concellos, embargado- Jos Ridrignas^ereira ;
ppellante Jo- Alves de Anular, appellados os ad-
mini-lratfires da massa fallida de Antonio Joe de
Figucired.
PASSAOffN.
Do Sr. deeembargador R^is e Silva ao Sr. Jes-
embargadnr Accinli : appolianic Andr Barbosa
Soare?, appellada D. Candila Mara dos Prazeres ;
ppellante Antonio de Azovedo Neves, appellado
Denlo Josd de Macedo- Pocas,
, AGGRAVOS.
Jinzo especial do commercio : aggravante Joa-
quim Salvador Pesaoa do Siqueira Cavalcante, ag-
gravado Salvador de Siqieira Cavalcante ; aggra-
vante exiiquente Joaquitn Salvador Pessoa de Si-
qneira Cavalcante, aggravado execwlado Salvador
de Sfnuelra Cavalcanle.
Ouxm. Sr. presidenio oegou provimonto.
Encerrou-so a sesso 1 hora da larde.
PUBLICACOltS A PEDIDO.
Liberal.
Noticiando a Liberal t visita que S. Exc o i_
presidente da provincia se digoou fazer 4 Eacola
Srt. fedaclom : Por isso qne Vv. Ss. abrem
esp.igo, om seu oonciiiuadi Diario para se escla-
recer o publico o as autoridades do quanto podem
os Srs. empresarios du irilhos urbanos do Recife a
Anipucos; rogoihe? a puolicidade destas linha?.
O^decreti n. 2679 de 30 de novemoro de 1860,
im;>); a obrigaco s adminislracoes, direetoria?,
gerencia? dos bancos, caixas liaes, agencias,
companhias e sociedades anonyraas, nacionaes on
estraogeiras que funecionarem dentro do paz (art.
4. dec. n. 26S6 de 10 de novembro de 1860), de
pnblicarem seus balancetes Jde receita e despeza,
pele menos (as sociedades anonyma9 ou compa-
nhias), semestral mente, ou as pocas marcadas
nos seus estatuios; sob commiuaco de multa?,
que de7erao ser cebradas administractivamente.
Pois bem I sao decorridos cerca de 6 auno?
quo essa empresa esi es'abelecida e al a pre-
sente data ainda os Sr?. empresarios nao eatisfl-
zeram o preceito legal nem a mnlta foi cobrada.
Incurra qualiuer outra enmpanhia em seme-
Ihania falla, e ver como de prompto multada.
Be-tam-no? outras consiieracoes que tambem
attestam os gigantescos privilegios resullanles da
bandeira que cobre a causa; por ora, s que,vi
mos de ponderar adlitamos, qne, ie em das fe-
riados esto venda bilheles de ida c volta at
Apipucos pela quanlia de 1J0OO, com o abatl-
mento de 600 h. em jada bilhete, continuam os
assignantes a pagar a msraa quanlia primitiva-
mente impost.
Contra esles c outros caprichos nao permittldo
reclamarse, porque, a'm do privilegio da bandei-
ra ahi e?iai os humens depoise sempre dispos-
tos a thuriferarem os capricho! e abasos por mais
desconliados que estes sejaia.
Pela n'i3sa parle estigmatisaremos essas arbitra-
riedades, sem nos importar bandeira, nem passados
qne de ha muito arreme3sanos para as carvoeiras
la locomotiva.
W.
O bacfaarel da Uva Helio e os conserva-
dores de Porto Calvo.
No Diarto de Pernambuco o no lornal do Recife,
ile ante-hontem publicon o bacharel Joaquim
Guennes urna caria ene diz elle fra escripia por
um ehristdo ao Sr. Manoel do Nascimento Santos
(seu padraato) em que o caridoso chiislao o pre-
vine de que, no dia 12 do correnle tinham chega-
do de Porto Calvo tros tasaseinos, mandados pelo?
conservadores para o assassioarem, e que isto (a-
ziam agora para se disculparen com negocios de
familia.
Talvez que o leitor se persuada, que o signata-
rio da puhlicaco citada seja algum vuo impor-
tante da opposic^o era Porto Calvo, c que tanto
mal pode fa?er a situaco, que valesse a pena
crameiler-se um gr.ave erime, cora tanto que esse,
obstculo invencivel desappareoesse, erabora os
conservadores aquelle poni da provincia das
Alagoas licassem perdidos.
Engao Manifest,
O bacharel Gueonbs nenbuma importanoia noli-
tica teve duranto dominio Hgueiro. Nunca cau-,
sou embarazo serio aos conservadorea em Porlo
Calvo. Apenas, quando ali foi juiz municipal,
pretendeu perseguir adversarios polticos, mas
foi devidamente contido pelo jaiz de direito ; e
por mais de urna vez teve de defender se em-
orocossos de responsabilidade.
Viva era nimia pobreza e sera importancia po-
ltica no lugar era qae era juiz.
Depois que deixon o cargo lutou com serias
diflculdades para reiirar-se para esta capital, onde
vive sabe- o Deus como.
Apenas desapparecldo da scena, em que peoen-
u exercer vmganQas poltica?, ningaem majs em
publico.
Fui- arrastado do Rio de Janeiro, a requeriment
de Jos* de Castro Ribeiro, que se dizia ealxa da
compahhia equeetre, e eoaduzido casa de deten-
cao, tendo de soffrer por is^o proeesso.
No da em que deyia comecar a instrocco do
proeesso, ausentou-se Ribeiro, coavicto lalvez da
sua calumnia levantada contra mim, e contra
meu primo Antonio da Silva Paiva, qne ter bons
fundamento para explicarse, logo qne o poasa.
O que celebre, porm, que o Sr. Ribeiro se
lembrasse de eumprometier-me como wnplice em
seus negocios cora mea primo, negocios" que me
foram sempre estranhos, ? pelo faci de ler-se
ausentado d'esta cidade dito meu primo, quando
eu seguir cora passporte e publicamente para o
Rio de Janeiro e Montevideo.
Fez minha defeza o Sr. Dr Antonio Borges da
Fonseca, eom a qual se cenformaram os muito
dignos Srs. Dr. promotor publico, Dr. delegado e
Dr. juiz municipal da segunda vara, sendo eu por
despronuncia posto hoje em liberdade.
Meus agradecimenlos a todos esses senhores.
Tendo assim dado cont de mim ao regpeitavel
corpo de commercio d'esta praca ; espero qne fl
que desvanecida qualquer ra impresso que po-
desse ter resultado de minha tao extraordinaria,
como inesparada prisio.
Ep?ro dos Srs. redactorea do Diario de Per-
nambuco a publicaco d'este artigo.
Recife, 15 de novembro de 1870.
Antonio Centeio dAguiar.
Ao corpo eleitoral.
Ao corpo eleitoral d'esta provincia, apresento-
aie candidato eleico prxima para dous sena
dore, supolican^o a cada um dos Srs. eleitores,
se ttgtie honrar-me cora o sen voto.
Di minlias habililacSes e de raen* aervicos p-
blicos uada digo ; pois que qualquer que porven
tura possa ?er o mea mereciment, aeima d'eile
est a generosidade de meus concidados, eleito
res, sendo eua a fonte, a qne me soceorro, e da
qual espero me vira a honra e o beneticio que ira
ploro, e peb qual flcarel profundamente agrade
cido.
Recife, II de novembro de 1870.
Dr. Francisco de Paula Baptista.
Ao SapientissirHO (T?) medalha
de mrito.
MOTTE.
Medalha foi infeliz
Co' a cousa que publicoj.
Gojo
Na ra da Imperatriz,
Ao passeiar, sem querer,
Uuvi um moco dizer :
Mtdalha foi iufeliz.
Para abi nao faQo vis,
Porque muito ae arriscoa,
Se_ da primeira escapou,
Nao se mella em coiio nova,
Pois merec 3 urna sova
O/ a cousd que publicou.
0 amolador sem ventura.
Monte-Pio portugnez.
Pedo-se a directora qae ti aja de promo-
ver cm orgdncia owneaco de presidente
d'esta a8ociac5o, -e que seja um assumptj
de mais zelo, cuidado, e a.-iividado, de que
aquelle, qae Ihe tem mereciiio at agora,
o qne desejamos; esperamos do Exm. S--.
conseibeiro presidente da provincia na per-
rogativa de seu exclusivo direito toda a cir-
cumspaccao na respectiva escolha, e que
ella nao se far tardar, como muito exige
os interesses da sociedad .
Muitos socios.
Ao Dr. Silva Raaos.
Pergunta-se ao Sr. Or. Ramos se as dl-
vidas que ma'nifestou acerca da molestia do
Dr. Victoriano de S e Albuquerque se
acbam j dessipadas pela analyse chimica
feta na Babia e nesse caso esclaroca ao pu-
blico com sua optniSo actual.
N. 390.-OLEO PURO MEf'ICINAL DE FIGA-
DO DE BACALHO, DE LANMAN 4 KEMP.
Nenbam chimico tem podido at hoje dizer-n}s
em que consiste os priacipaes curativos do Oloo
de Figado de Bacalho. Porm nao importa. Bas-
ta que se saiba que um remedio seguro e effl-
caz para os pulmoes debis e as gargantas enfer-
mas, para as glndulas escrophnlosas e os sysle-
mas extenuados Porm, aqu deve-se fazer ama
reserva disliactiva. Deve ser puro e legitimo, pois,
que de contrario para nadapresta. Se desejaes ter
nes lo particular ama completa scgnranc, con-
dal-vos nicamenteo que podis fazer com toda
a seguranca -do oler) poro medicinal de Figado
de Bacalho, de Lanmarj & Kemp-;-extrahido"de
ligados frescaes, prova contra todas as* mndan-
cas de climas, excellent? era lodos os respeitos.
O agente balsmico pode ser lodo, brome, ou qnal
quer outra consa. Porm i3to 8ca sendo um se-
gredo da natareea, sabemos comludo, que o ele-
mento conservador da vida seja elle qual fdr, nel-
le exlfle. Os doentes raajilentos e paludos, mar-
tyrisados pela tosse e extenuados pelos copi isos
suores nocturnos, deverfio pira desde j langar
mao ueste especifico ajiprovado, se qae do o
menor apreco as suas sales. Porm, por amor
de vos meamos, nao perdaes lempo, toda a demora
6 i"SiJ|.
ron
ningaem majs
era para o bem,
Porto Calvo se lerabrou d'eile
nem para o mal.
O esquecimento de soa pessoa e de sens actos
foi completo pois ningaem ali o consideren res-
ponuvel pelas arbitrariedades que comraettea e
muito menos Ihe guardou o odio
Oomo pois quer hoje atlribuir aos conaervadores
de Porto Calvo a vmganga panijular, que suspeita
luert'r alguem lomar do acto vil que com nafta
oo sem ella Ihe aliribuem ? 4
r parte dos conservadores de Aianaaa e espe-
eiataentedoa de Porto Calvo lbe garantimos que
na^a-acontecera ae Sr. bacharel Guannes, parque
renire elle nao. ba inimo pessoal de s! T, ae
he deseje o mal que saspeita. A raesma tranqm-
lidade Ihe pudessa giranlir o chefe da- familia,
o dizem S. S. nltfajonl "".
mo o negocio parece atrio, e para elle
ebamoua allencao do publico a especialmente do
N. 396. O FIGADO DE TODOS OS BACA-
LAOS DA TERRA NOVA, CONT UM ELE-
MENTO MEDICINAL DB 1NESTIMAVEL VALOR.
-*E le baixo da forma do oleo paro medicinal de
Figado de Bacalho, de Lanman & Kemp, possai-
mos esle balsamo martimo em toda sua excel-
leocla nativa, com tolas aa auas propfiedades cu-
rativas, puras e sem aiteraco, Ul qual nos foii
tnnamiuido pelo Creador.
As curas que est preparacSo es.t fazendo,
quer no paiz, quer no esfrangeiro, e nos casos de
phtysica, escrophuUs, afTaecio do figado, assim
como todas as molestias agudas e chrboieas qae
esorgao da repiracao se aobam expoatos; sao
as suas raellures credenciaes. Taalas fraudes ge
lera commettldo com o Oleo de Figado de-Baca-
Lm i ** 6Xten8a e vergonhoaamente tea sido
diluido, adultralo e falsificado, que o publico a
nautoridade medica; saudam cora jubilosa ale-
8!,a Qroa prepara cao hygienica para, na qnal ae
pode nanflajT com toda a segurauca. Os que dee-
*? T'* ma KP superar xceUeucia, adap-
ttdo todos o climas e sem rival para a cura
da toese,_ reatrliunentos
-------- enormidades conse-
guitl!rv S5**i#,*r oleo P> medicinal de Fl- Wdem dem n. 9i.....
gdo mnm% de Laoman 4 Kem, a reparar dem idem n. 32.......
. Na publicaco relativa ao deposito, do contrato
secial de Jos Alves Tenorio & C, houvo erro ty-
raphico, quanlo diz que dito contrato fleava
Ivido, dedo ler-sajoa cava archivado
forma da ki para vigonr por ton^o de anas
tonos, salvo aceOrdo doa socioa ele.
Secretaria do tribunal do commercio de Per-
nambuco, 18 de" novembro de 1870.
O offlcial-malor,
Julio Guinares.
I ii egagaagaesBi
COMMERCIO.
PftACA DO RECIFE 18 DE NOVEMBRO
DE 1870.
A8 3 1/2 HORAS 0A TABDI
Cotac5es odiciaes.
Frete de assncar daqui para Liverpool 12(6
sem capa (hoje).
Frete de algod? daqni para Liveapool 8|8 tea
capa ((hontem e hoje).
Frete de algodao de Gnarape para Liverpool6|8
e 8 0i8 sem capa ^ontem).
Lastro ae assncar de Gnarapes pan Liverpool
20| por tonelada 5 0[0 (hontem). -*
Frete de conree seceos salgados 48j por lone-
ta la (hontem).
Goucal-3 Jos Alfonso,
Presidente.
Mesquita Jnior.
Secretorio.
ALFANDEGA-
Reudi ment de dia i a 14. .
dem do dia 15 .
472:973#273
49.818*197
822:791*470
Xo vi ment da alfaadega.
Volumes entrados eom fazendas
com gneros
Volumes aahldos cerni-fazendas
com gneros
93
317
-----410
211
631
-----842
Descarregam hoje 16 de oulubro.
Galera ingleza/fcrmionadiversos gneros.
Lugar portuguez Julioidem.
Logar inglezNavegatorferro e carvo
Barca inglezaBri/Aaniediversos gneros.
Brigne portuguez Judithdiversos gneros.
Brigue inglezKitei lem.
Barca franceza S. Andr idem.
Brigue inglez Wild Vatteidem.
Barca inglezaZennia idem.
Despachos deexportaco no dia 1\ de
novemfrro
Na barca ingleza Nbula, para o Canal, car-
regaram : Keller & C, 221 saccas com 10,938
kilos de algodo.
Na barca franceza Sainl Yves. pira Liver-
pool, carregaram : Habe Sehmmettan & C, 817
saccas com 37,819 kilos de algodu.
No patacho hespanhol Themoteo 11, para Bar-
celona, carregaram : James Ryder d C, 300
saccas com 21,812 kilos de algodo.
RECEBEDORU DE RENDAS INTERNAS
GERAES DE PERNAMBUCO
Rendimento do dia I a 14. 14:1851783
dem do dia 13 1:723*032
25:880*8:17
CONSULADO PROVINCIAL.
Rendimento do dia I a 14. 2i.837906
Idem do dia 13 ... 10.234*254
33:072*162
MOVIMENTO DO PORTO.
Navios entrados no dia 15.
S. Matheus21 dias, hiate brasileiro Sergio, de 71
toneladas, capitio Joaquim Ignacio da Fonseca,
equipagem 8, carga 2,130 alqueires de tarinha
. de mandioca ; a C. C. da Costa Moreira.
Aracajd e portos intermedios5 dias, vapor na-
cional Giqu>, de 2!l toneladas commandanie
Matado, ejuipai-m 24, carga differentes gene
ros ; a companhia Pernambacana.
Geaova 45 das, polaca italiana Sara, Je 209 to-
neladas, capillo Oliveira, equipagem 10, carga
diflerentes gneros; a Joaqnim Jos Goncalves
Beltro.
Navios sahidos no mesmo du.
Rio de JaneiroPatacho hrasileiro virote, capitio
capito Antonio Marque? Pereira, carga assncar
e sal.
S. Matlvms-Hiato brasileiro Mos I, capillo Ma-
noel Francisco de Castro, eai'ga varios genero.
Granja e portos intermediosVapor brasileiro
lpjma, commaudanie Moara, cariza varios ge-
eros.
Canal Brigue inglez Jane, capitio R. Me. Don-
gall, carg assncar.
Aracaj e portos intermediosVaoor brasileiro
Jaguaribe, commandante Guilherme, carga va-'
rios gneros.
LiverpoolBarca ingleza Roderick Dhn, capillo
Gallowil, carga algodao e outros gneros.
EBITAES.
O Illm. Sr. conelheiro inspector da thesou-
raria da provincia de Pernambuco manda fazer
publico que, em virtule da ordem d > thesuuro na-
cional, aehaso autorizado a vender apolices da
divida publica do jdroi de 6 OjO ao auno pelo
valor nominal das mesmzs apolices.
Secretaria da Ihesouraria de fazenda de Per-
nambuco 11 de novembro de 1870.
Servindo de offlcial-maior,
Manoel Jos Pinto.
Pela recebedoria de rendas internas geraes
se faz publico que neste mez de novembro qne
se fiada o praso do pagamento, sera multa, do im
posto pessoal, relativo ao Io semestre do exercicio
correnle de 1870-71 fiado o qual ser cobrado
com a milla de 6 010.
Recebodaria de Peruambuca 2 de. oovembro de
1870.
O administrador,
M.iiw-1 Crueiro de Souza Laeerda
Os ,'(.-
orromatai^^^^^^^^H
acorapanhadoa dos m^^T
Secretaria da Santo Cas de
cife, 18 ae aotabro de 1870.
______ Pedro B
SffA CA^I 0E
RE
A Illma. junta adaaintolrativa
misericordia do Recife, an sala de
pelaa 3 horas da tarde do a 17 do
cebe propostas pan o tuiMtlaaali de p
lacha qae bouver de ser eoasam
mendleidade no mez de deaeobro
Secrtearia da Santa Caa dn
Recifa 12 de novembro de 1870.
O escrivo,
_____________Pedro Rodrigues it Ssaaav
Conselho de compras
O conselho promove no da 19 do
vista de propoataa reeebidaa at aa II
raaoha e sob as condices do Mtyto, a
dos objeclos do materia I da armada
10 baldea letras de folha, 10 dazias
e pires de folha, 6 pecas de cabo de lina da I
polegada, 0 pecas de cabo de lioho de 2 _
das, 6 pecas de cabo de Imho de 3 potngadtf,
alqueires de cal preta, 30 conloe de
lia entestado, 2 pecas de encerado nafa
faniz de folha, 48 livros de soceorros,
de 80, 100 e 180 Nhas, 10o lamoafaa
para iliiiraioacio, 108 lapes de cores,
prelos, 2 oculos de alcance, 8 duzias e
folha dobrada, 30 gr 10 duzias de taboas de cedro de 3ft
dazias de tabean de piano de I polegada,
roes de ferro quadrado de 4 potegadae aa f
dro.
Tambem o conselho no mencionado dit 19
corrate mez contrata, por igaal forma, <
cimentos dnrante o lempo de 6 mezee de
romano para as obras do porto, tendo aa
ounca menos de 10 arrobas de pea\ a da
de pedra Cardift*. New cas lie, a d Boa,
para forjas, para os navios da armada n
cimento de marinha.
Sala das iessoes do conselho de eompraa
15 de novembro de 1870.
O secretario,
__^______Alexandre RjJr aes doa Aadea.
Santa casa da misericordia do
A Illma. junta administrativa di SaaU
Misericordia do R-icife, na sala de i
pelas 3 horas da tarde do dia 17 do >
cebe-proposlaa para o fornecunaata da |
honver de consomir o Asyta da
mez de dezembro prximo.
A saber :
Aletria, killogramma.
Arroz, litro.
Azeie de carrapato, idem.
Azeite doce, idem.
Bacalho, killogramma.
Batatas, idem.
Caf em grao, idem.
Carne secca, idem.
Cebollas, cento.
Coa hysson, killogramma.
Cha preto, idem.
Farelo, sacca.
Farinha de mandioca, litro.
Feijo, idem.
Fumo do Rio, killogramma.
Gn, lata.
Manleiga ingleza, killogramma
Manteiga franceza, idem.
Peixe fresco, idem.
RaDfr Meuroo, bote.
Sabio, killogramma.
Sal, litro.
Toueinho, kilograram*.
Velas de carnauba, idem.
Velas ile permac te, idem,
Vinagre de Lisboa, litro.
Vinho brinco, idem.
Vinho tinto, idem.
Os concurrente* poderao aaretealar
postas em carias fechadas e selladas aa i
veno ter a ordem e-tabeerida aa i
nnnoio
Secretarla da Santa Casa de Misericordia do la>-
eife, 12 do novembro de 1870.
O eserivio.
Pedro Rtirtftt it Aiasa.
SANTA CASA DE MISERICOIWMA DO
RECIFE.
A Illma jnnta administrativa da Sama Casa de
Misericordia do Reeife, na sala de sosa saaaaa*
pelas 3 horas da tarde do dia 17 do correan, sn-
cebe propostas para o fornecimento da aanaana*
relia-do de 1* e 2* sorte para o asylo da mandi-
cidade no mez de dezembro vin loara
Secretaria da Santa Casa do Miserieordia i
Recife, 12 de novembro de 1870.
O eserivia,
Pedro Rodrigues do Soau
THEATRO
ipaa-
whbi wm
EMPKEZACOIMBRA'
O'unla-IWra 17 de cTfilf
RECITA EXTRAORDINARIA
Variaiissimo especU(k)
resolT-*
Santa Casa de Hlserieordla lo
Recife.
A Illma. junta adnuni.-irativa da santa casa de
misericordia do Recife, na sala de snas sessdes
pelas 3 horas da tarde do dia 17 do correnle, re-
cebe propostas p ra o tornecimento de carne ver-
de que bouver de consumir o asilo de mendicida
de no mez de dezembro vindouro.
Secretaria da Saota Casa de Misericordia do
Recife 12 de novembro dp 1870.
O eservio,
Pedro Rodrigues de Souza.
SANTA CASA DE MISERICORDIA DO
RECIFE,
A Illma. junta administrativa da Santa casa de
Misenc rdia do Recife manda fazer publico que
na sala de suas sess5es, no lia' 17 de outnbro, pe-
las 4 horas da tarde, tem de ser arrematadas a
quem mais vantagens offerecer pelo tempo de um
a tres aonos, as rendas dos prelios em seguida
declarados:
ESTABELECIMENTOS DE CARIDADE.
' Roa larga do Rosaio.
Segundo andar do sobrado n. 24 A.... 303/1000
Roa de Hortas.
Sobrado 0.41........302*000
Ciaco Pont?.
Casa terrea n. 70.......2211000
* Rna do Nogueira.
Casa terrea o. 17......303*000
Ru da Matriz da Boa Vista
Casa terrea o. 86...... 2021000
PATRIMONIO DOS ORPHOS.
Ra do Geoenl Victorino.
Caa tarrea n. 13................... 240*000
Ra de S. Jorge (.}nr*on Pilar)
Casa terrea q. 108....... ......... 204*000
Idem,idem n. 103.................. 181*000
dem idem n. 99................... 348*000
dem ideoj n. 96..........,........ 203*000
204*000
161*000
Logo que a orch'-tra teaha exee
tara do cosame, dan principio ao
Dividido ero tres partes.
PRIMEIRA PARTE.
A pedido de rnuilas pessoaa a eaepresa
levar nova mente scena a linda operan
tica em um acto, msica de Ad Adas
UBI
Fantins deViolette
Personagens
Alcofribaa............
Pierrot...............
Violetle.............
Polichinelle...........
Afttm
Mr. Rtvaaa.
........ Mlle. Bmata.
....... Mae. Vatmaav
....... Mr.Caraau
SEGUNDA PARTE.
Subir pela segunda vez a scena a mata
opereta em um acto msica do iigaa
Les nariage anx
Na qual tomam parte Mme. Ti
Brescia e Marette e Mrs. Raynand t
TERCEIRA PARTE.
Representar se-ha a chistosa e
na da declaraco na opera
La Grand Duches
Personagena.
La grand dnchesae........ Mata Tai;
Frtz general.............. Mr. Cara.
Termina com a qnadrilha
Le grand canean!
Os bilheles acbm se a venda d
theatro.
Principian s 8 1*
AVISOS MAUTMn.
PARA
*o
Rio-Grande do
Val carragar e aegnir
C fT
portuguez Principio, eaaMa Jaad
Abreu, recebe nm resto de era a
qne mta-ee com Aaaonaa IraMae 4
Cruza. 3.
Pan o indicado pon
brigue portuguez H-alidi
deseo
Ihe ftu a
natano Joaqun
Commercto n. 17.
FU'


twtes
wrm
portos do sol esperado
h da t! do corren* o vapor
> Pnmn, comraaHdante J. S. Mo-
o qaal depois da demora do
'cosame seguir para os portes
imene
' Bale ja reebere-se passagetres e engaja-ae a
carra que o vapor poder eonduzir, a qaal da ver
ser' embarcada no da de sua chegada, encom-
roeodas e dinheiro a frete at as I horas da larde
de ana aahida.
Kio *a retoben com > encormeodas sanio ob-
jectes de pequeo valor, e que nai exeedam a 2
arrobas de pejo ou oite palmos cbicos de med-
cio. Tudo que passar destes limites dever se>
embarcado como carga.
Previne* aos Sm passafejpos que saas pas-
sageus so se recebera jia agencia, ra da Cruz d.
37, primeiro andar, escriptoiio de Antonio Luiz
de 0<"jlr Awvado A C.
tmmw \mm\
DE
Paquetes a vapor.
-i. Dos portos do norte esperado
------ at o dia 26 de novembro o vapor
Toecmtins, eommandante Jos Ma-
ra Ferreira Franco, o qaal da-
pois da demora do costume se-
guir para os portos do sal.
Dando J recebem-se passajreiros e engaja-se a
carga que o vapor poder eonduzir, a qaal dever;
ter embarcada no diade sua chegada. Baoommex
das e dinheiro a frete at as i horas do dia da su
aahida.
Naoserecebemcomo eacornmendas seno oh
jectosde pequeo valor e que nao excedam a dua-
arrobas de peso on 8 palmos cbicos de medicar
ludo que pasear destes limites dever ser embar
cado como carga.
Previne-se aos senhores passageiros que sua-
pas.-agens so se reoebem na agencia, roa da Crui
n, 57 primeiro and ir, eseriptorio de Antonio Lu*
de Oliveira Azevedo A C.__________
Para o -'orto
Pretende sabir at o flm do corrate inez o bri-
fue portuguei Una? : para carga e.pasageiros,
tnta-se com os consignatarios Thomaz de Aquino
Fonseca A pa ra dn Vigario n. 19.________
Kio de Jaueiro.
E? carga para es Esfrega, de l* mareha e classe, tendo j parte da
carga para recebar : as pessoas que quizerem car-
regar dirijan) se ao eseriptorio de Jo.- Mara Pal-
meira, no largo do Corpo Santo n. 4, Io andar, para
tratareni_______________________________
Maranho.
Sogue com brevidad para o porto cima o pa-
tach > nacional Joven Arlhur, para o resto do car-
ga que Ihc fulla trata se com os consignatarios
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & C, ra da
Cruz n. 57.__________^________'
COMPANHIA PERNAMDUCANA
DE
Navegando costetra por vapor
Aracaty era dimitir.
O vapor Uandah, com-
mandanie Julio, seguir para
o porto cima no da 18 do no-
vembro as 4 horas da tarde.
Recebe carga at o dia 17,
encommendas, passageiros e
dinheiro a frete at as 2 hora* da tarde da sa-
bida : oo eseriptorio do Forle do Maltos n. J.
N. B.Previne-se aos Srs. carregadores que a
presente viagem. alera do ser o frote da carga eon-
sidcradamep.il> reduzida, tem alera disto a grande
vantagem de sor a mesma carga descarregada na
cidade, e prancha.

I
Sexta-feira 18 do corrente.
A viuva Placido, ero consequencia de
zer entrega da casa em que se acha es
referida loja, e mejuno para pagamento
credores, far leilao, em um oa mais~
objectos existentes rjp mencionado esta!
no da cima designen, e pelas 11 no;
obaa, na mesma loja.
AVISOS DIVE
Arrematapo
Vai a praca de venda no dia 17 do crrante 1
parte da casa de sobrado n. 23 na raa do Pilar,
avallada na quanlia de 816#66Q rs. pertenente.-
aos herdeiros de Antonio Rodrigues de Oliveira.
Venda e aviso.
Vende-se a taberna da ra da Boa Hora} em
Olioda, com poneos fundos, propna para quem
quizer principiar, por ser em bom local : a malar
na roa da Cruz n. 37. Avisa-se tambem qrfe q
se julgar credor de Antonio Lopes de Oliveira Ja
nior, proprietario d* taberna cima, a apreseotar
saas c ata* doauneoiadas* no praso de He* das,
para entrar no ratio do qnj Ihe tocar, debaixo
da boa oombinac^o com o uaaior credor : na ra
da Groi n. 3?. Recat 14 de novambro de (976.
CASA H FWTUNA.
Aos 5:000(9
Bilhetes garantidos.
A roa Primeiro de Mar$o (eutr'ora roa di
Crespo) d. 23 e caas do costme.
O abaixo assignado, tendo vendido nos seus
felizes bilhetes um inteiro n. 1702 com 5:000/,
dons quarios n. 82 com iOOj, e outras sortes de
100/ o 40/000 da lotera que se aeabou de cx-
trahir (169a), convida aos possuidores virem re-
ceber na ouformidade do cosame, sem descon-
t algum.
Acham-se a venda os felizes bilhetes garas
tirios da 2' parte da lotera, a beneficio da ma-
triz da Capuoga (170a), que sf ztrabirl sexta*
feira 18 do corrente mez
PRECOS.
Bilhete inteiro 6/000
Meio bilhete 3/''00
Qaarto i/500
Em porcao de 100/006 para cima.
Bilhete int.-iro 5/400
Meio bilhete 2/700
Quarto 1/350
Manoel Martin? Fraza.
Divide-se um sitio no Campo Grande, peito d>
estrada de ferro de Olinda, pelo que s i vende ter-
renos com qunhentos % tantos palmos de fondo
e com alguna arvorsMBwructo, sendo o terre-
no muito bom sVMHL# chaos proprias :
quem pretendnaB^Ln a*M*B. do Imperador n.
84, llvrariaj|U raen r$0\-%$ pode tratar.
iigiHBe
9or proco otosm* rm grande stto cem casa de
P*dra e cal, grande haixa de eaeiai, no lagar do
Pondo, BibinHe de baixo, perio do rio : a tratar
na raa esireita dettosario n, 41. foja-.
&
Folograpliia imperial
Valeria
\
PI^Tl'R.4
DE
Precisa-feds U
taberna : 1% rae do
07
que tenha pratica de
elB.il.
awta
Alugam-se duaa-casas tesyeas com o
para familia e silio eej< .frocieiras, coehejr etc.,
na Varzea, lugar Awwl : a tratar na raa de
Cresfap n. 7.
t A pessoa que pvfcisar de urna COSM
rcose ptimamente de alfaiate, 9>im cnnio^rae-
rTdos de senhora, dirija-se ra Formos'a & V,
- tratar. _________________
' Preetea-se de rpa ama. forra ottescrav que
ebzinhe bem e engomrae : na roa nova de Santa
,fiila nv7.
Precisa -se de urna ama .que lave e engomme
com perfeico c na roa do Barao di Victoria n. 61,
f amfer-___________________.____________
AoBSr.Hexir4iLei.
dea & C.
Em resposta ao sen annuncio publicado no Dia-
rio do boje, tenho a dizer-lhes que se enganam,
quanda declarara ao publico que no dia 10 de se
tembro do corrate anno ajustaran! soas coalas
enmigo ; pois qae tal nao acceden, visto que s
honlem foi que fe proeedeu a penhora era bens
dos mesraos senhores para pagamento dos meas
honorarios, como setr advogaao qne fui, o qne
consta do cartorio do Sr. e.-crivao- M)Ua : deca-
rando-lbes, que don grabas Dos, por ter eu me
despedido na dia 12 de setembro do corrente anno
do patrocinio 'de sas causas.
Reciie 12 de novembro de 1870.
_____Francisco Augastoda Costa.
Precisa-se d urna ama qne lave e engomme,
paga-s bara : na ra de Hurtas n. 1.
Offerece-se urna mulrier
de boa conducta e
meia idade para fazer companhia a ama familia e
tambera ervieos : quera precisar dirjase roa
Dire-ta 81-
PRECISASE
De um menino de 12 a 14 annos e tenha algu-
ma pratica da caxeiro para luja do pateo'do U-
vramento n. 36.
ftio-Grande do Sul.
Segae com brevidado para o porto cima o bri-
:w nacional Amelia : para o resto da carga que
be falta, trata se con) o consignatarios Antonio
L. de O. Azevedo & C, ra da Cruz n. 57, pri-
meiro andar.
Aracaty
Segu uestes poucos dias para o iadicado porto
o hiate Sobralensc anda recebe alguma carga a
frete : -tratir com S Leitao Irmaos, ra da
Madre de Daiis n. 1.
LEILOES.
urna mobilia de mogno com 12 caderas de guar
nica<\ 4 ditas de bracos, 2 consolos cora pedra
e 1 jardineira, 1 secretaria de Jacaranda, 1 es-
tante para livros, 1 mesa de amarello para es-
eriptorio, 1 comraoda de amarello, 1 meia dita,
1 coslureira, 1 toucador de Jacaranda, 1 toillette
Qe dito, 1 cama de ferro para casal, 1 eos tu rei-
r, 1 aparador, 2 boas guardas-vestidos, 1 gran-
de guarda-louc, 1 mobilia de amarello a Luiz
XV com 12 cadeiras de guarnicao, 2 de bracos,
2 de bataneo, 2 conjol-n, 1 sof e jardineira, 1
mesa de jamar, 1 apparelho de louca verde
para jantar, I bidet, 2 lavatorios de ferro, 2 con-
sotos de Jacaranda com pedra, lanternas, escar-
radeiras, garrafas para vnho, camas de lona,
ditas de ferro, fraseos, taboa para engommado,
jairas, mesa de cosinha, 1 taixo grande de co-
bre e muitos oulros objectos
Quinta-fcira
11 do correte
0 agente Martins far leilao dos movis cima,
no segundo andar do sobrado n. 43 da raa Es-
trella do Rosario, as 11 horas do dia.
LEILAO
quatro
DE
caixas com 48 qu ijos londrinos
Quinta-feira 17^1o corrente.
O agente Pestaa far leilao, paca fechar eontas,
de ejojatro caixas com 48 queijos londrinos, as
que* serlo vendidas em um oa rais lotes a von-
tade e-eem reserva, no da quinta feira 17 do cor-
reata, na porta do armazem do Aunes, as 11 horas
da manhaa.
LEILAO
DE
cerca de 70 arrobas de figos em raeia cai-
xas e qoartos.
Qainta-feira 17 de corrente.
0 Agente Pestaa levar leilao, porcontae
rtseo de qoem ferteneer, e cerca de 70 arrobas
de feaUenies figos perleitos, em malos e qoartes,
os qtues sero vendidos em um ou ma3 lotes, na
qoinu-feira 17 do corrate, pelas 11 horas da
anida, no armazem do Annes, defroote da al-
farsiega.
O agente Pontnai, eoflapetcntemente autorisado.
vsnder en leilao es predios segiotes : 1. easa
terrea grande (na Capung) raa das Crioulas n.
S, solo proprio, c im sitio, bastaetas arveres fruc-
uferaa, 1 dito, situ, roa das Peraaoibaeanas n.
/:aeo tornto, e teaio o sitio 100 palmos de
frente e 500 a 000 de faodo, 1 grande eaaa ter-
rea cam sitio siu estrada da Craz das Alaus n.
t, 1 eaaa tarraa com qaiatal murade, solo proprio,
wto na do Rio n. 2o (Poco da Panalla;
Saxia-feira 18 do crrante
m armazera-da ra do Imperador o. 16, s H
Aon*.
Aviso ao respeitavel
publico.
Antonio Mximo de Rorros Lfte, professor ju-
bilado diostrucr^ao prraaris, contina na fu pro-
Mss5' de encino m sua casa de residencia ra do
Barao da Victoria (anliga ra Nuva n. 60, esqui-
na que vira para a ra d : Sol e promelte empre
gar todos os esLrcos e recursos do sua louga pra-
tica de 43 annos de magisterio; aflm de conseguir
no corto espago de lempo b bom adiantameHto
de seus alumnos. Pelo que o annuncianto con-
vida a ti dos os pais de familias quer desta cidade,
quer d'niitra qualqu;';1 parte para lhe cjnfiarem
seus pupilos; as eyerando aos pais dos mesmos
que acceita pensionistas por preco muito commo-
do era relacao ao estado do paiz e em quanto ao
seu establecimento, elle o mais arejado possi-
vel, alm das grandes aceoramodacoes que tem :
adverte mais ,ue em dito sen estabeleeimento se
ensinam lodos os preparatorias conforme seus
pas quixerem.
S^>

D. Antonia Isabel do Couto agradece cordeal-
mente a todas as pessoas que assistiram ao enter-
ro e acompaabaram ao cemiterio puolico o cada-
ver de seu presad) marido Ignacio Jos do Couto,
b de novo convida a todos os parentjs e amigos
do dito finado a fazerera o caridoso (bseqnio de
assistirera a missa do stimo dia que ter lugar
na matriz da Boa-vista, sexta-feira 18 do corren-
te pelas 7 horas da manhaa, e desde j se anteci-
pa a dar seus cardeaes agradecimentos._____
A cmara municipal do Recite qae va ver
e admire a especialidad" que se est edificanda a
toda pressa na ra do Marqnet do Herval (outro-
ra raa da Concordia) junto a casa n. 138, uns di
zem que ama cadeia, oulros que um grande
galinlieiro, oulros finamiento dizem ser curiieo,
nao se pode saber o que ser ; o Sr. fiscal da
fregueiia de S. Jos (se que o ha) quem pode-
radar alguma explicado.
Louvo a boa justica que tem feito o Sr. ins-
pector Minervino de Miranda da Rocha Pitia, na
Ribeira da freguezia de S. Jos do Recife, na qual
lera erapregado todos os meios para conservar os
gneros princpaes e nao cnsente em iaberna al-
guma verder-se, as quaes r-clamara contra o mes
rao. Deas o consem eerapre assim para bem
dos Srs. paes de familias e peco ao Exm. Sr. pre-
sidente qae veja a boa justica do digno inspector,
afira de ter algum proveito.
Recife, 13 de novembro de 1870.
Um pai de familia.
Letra perdida
PePfea-se ama letra aceita pelo abaixo assig-
oado, da quaatia de tres eontos de res, a vencer
em 31 de dezembro prximo futuro : quem a ti-
ver achado, levando raa da Craz n. 13, pri-
meiro andar, ser gratificado, e desde j proles-
ta-se contra qualqper transaccao qae se flzr
com a mesma letra.
Recife, 14 de novembro de 1870-
E De la Grange.
Alaga-se a eaaa n. fl da ra do Bom-Fim,
na cidade de Olinda, tatrJbem se vende a me.'ina :
a tratar nos Arrembados com Maaoel da Silva
Bastos. _____________________
O Sr. r. Maooel Netto Carnet ro de Souza
Bandeira convidado para comparecer secreta-
ria da pauta casa, aflm de assignar com o sea Ma-
dor os termos de arrendamentos das casas qae
occopa.
Andr Ferreira de A'.meida e sea fllho A-
quelino Jos de Gnimaries Ferreira cordlalmente
agradecem a mdas as pessoas que se dignaram^
acompanhar os restos mortaes de sua grezada fl-
Iba e irmaa Roaalina Lybosa de Guioaaraes Ferrei-
ra ; e rocam a lados os saos parantes e amigos a
caridade de oavirem as missas qae mandam resar
no convento do Carmo, as 6 horas da machia do
dia 18 do correte, stimo de sen falleramente
PROTESTO
0 abaixo assignado tendo jasto e contratado com
os srs. Luiz dos Santos Fernasdes e Joaquim 4Vu
nes Vianna a compra das partes qae os mearnos
possuem oo sitie Caja, frejuezU de S. Loareneo,
e tendo pago a sisa da mencionada venda por con-
ta da qnal os vendedores j reoaberam IO/000 :
protesu contra toda e qoalfuer venda qae os
mesmdS vendedores fa ;am a outrem, e para evitar
gnos faz o presente. Recife 18 de novembro
de 1870.
Lniz de Franca Ferreira.
M>itjque
1 p'5ei,M lagar WB bom moleqoe i
das Trindioirw o. W.
na roa
Ra do Ba"So da
Victoria n. 63
( Outr'ora ra Ni iva. )
Bilhetes garantidos da pro-
v.racla.
Esta feliz casa acaba de vender entre os seus
muito felizes bilhetes a sorte de 900/ em ora
meio de n. 338, a sorte de 400/ em bilbete intei-
ro de n. 1468, oulra de 100/ tambem em bilbete
inteiro n. 1701 e um meio com 100/ de u. 1577,
alera de cutros premios menores : podendo os
seas possuidores virem recebor, que prompta-
mente sero pagos.
O abaixo assignado convida ao respeitavel pu-
blico para virem no sen estabeleeimento comprar
o. felizes bilhetes garantidos, que nao deixarao de
tirar qualqucr premio como prov.i pelos raesmo?
aonuncios.
Acham-se vendaos muito felizes bilhetes ga
rantidos em beneficio da nova igreja da Capooga
que ser extrahida sexta-feira 18 do corrente mez
PRESOS.
Inteiro 63000
Meio 3/000
Quarto U300
De lOOrSOOO para cima.
Inteiro 8/400
Meio 2/700
Quarto 1/380
Joo Joaquim da Costa Leite.
Precisa-se de um criado para um boiel em
Una, prefere-se escravo por ser para todo servico:
a tratar na roa'Direita n. 16.
/. FcrretKfi Vtllea
"^* o dia 7 de abril pausado acha-se aborto o-
' eatabeleeiroento plwtographico sito ra de
jjjwg* A 18, equina do pateo >ia matriz. Osl/aba-
inoe qne desde ent3o, lem-sahido de nossa offleina
i ganajniente agradado, sendo recebidos por
gnt com admiracao nelo extraoedinari > pro-
irdwo que ltimamente tem tido a phoUgraphi,
>f\nntros com alegra* por verem a provincia
com um estabeleeinjento digno.d ella, e ia-
tvelmente o primeiro que nesse genero
aoje possue : tambera nin nos poupamos em cousa
alguma para monta-lo ao p em que se acha, es-
raudo que o publico e Pernambuco saber
iar nossos esforcos e recompensar nossos sa-
os. ~
nvidamos a todas afusilas pessoas, nacionaes
Otrangeiras que gostanhdas artes, oa tiverem
necessidade de trabalhos de photographia a v/si-
tarern o nosso estabeleeimento, que estar sempre
iberio e sua disposieao todos os dias desde as 7
horas da manrjM al as -6 da t*ra>.
Para os trafcaibos de,t'hologmphia possumos di-
versas macrrinas dosmelhor^a autores francezea,
fieces o allmeie?, c>mo sejam : Utrelwurs et
Secretan, Hermagfs, Thomaz ltoss, Voigtlander et
Sonh eWulf. ltimamente recebemos tres novas
machinasi sendp una dellas "propria jara tomar
obre o mesmo vidro 4 ou o iroogens diversas e
soladas, e ontra de 6 a 12 imagens diversas e
igualmente isoladas, de sorte qne no aso de
grande concuxrerr$a poderenios retratar sobre
ama nica chana at ftiossaA diversas e isola-
las para cartSes de visita, e assm em menas de
am quarto de hora despacharnwa. % dilferemes
pessoas que pecam cada urna, urrtoddsa dfrcartdes
msis ou menos, cora os seus retratos smente, oo
am grupo com outras.
Eacarregamos-nos exclusivamente da direceo
feilura dos trabalhos de photographia dei-
r.ando penda e talentos do distlncto pintor
Ulcmti, o Sr.
Jorge A. Roth
)s trabaihos de pintura, a,aquarela, a oleo, e a
pastel.
O Sr. I\oth Cha-se ligado a nossa empresa por
ama escriptuM pubfle, e at o presente tem-se
lesveIJado a execuc^o de seua trabalhos.
No nesjoestabelecimerio acham-se exposlos ou-
tros trabalhos im|iortanti s do Sr. Rotb, tanto em
miniaturas aquarelia como oleo, reiratos
'leo, quadro fecros e diversos outros trabalhos.
Tomamos encoramendas de retratos oleo at c
lamnho natural, assim como de qnadros sacros
para ornanientaclo de igrejas oa capellas. Tam-
oem aceitamos etcoramendas de quadros hisiori-
Assegnramo3 qut os procos dos diversos tra-
oalhos da nossa casa sao mu rasosyeis.
URTES DE VISITA NAO COLORIDOS 10000 A
MOA
1ARTES DE VISITA CftM O COLORIDO AO NATU-
RAL A 160GOO A DZIA
Retrates em miniatura oleo ou aquarella de
16 20/000 cada un, inno convenientemente an-
;aixilhado em moldura, donrada e regulando o
bu?1b 4a pessoa retralada le 3 4 plegadas e
;.odo o quadro pamio e meiode tamanho
Julgamos que bastarlo os precos cima para
larmos idea da baratesa dos trabalhos do nosso
jstablecimento, .quanto sua vrfeicao cada um
?eahasjnlgar por seos proirio< olhos.
As memores horas para se tirtrem retratos no
josso estabeleeimento sao das 8 horas da manhaa
I da tarde; entretanto de urna hora s 5 da tarde
im casciespeciaes pde-so tambem,retratar qual
iuer pessoa.
Nos diaa de chuva, oa por lempo sombro po-
lemos raimar, e assegur mixs que oses dias sao
)s mais favoraveis aos trabalhos je photographia
pela docura e persistencia da luz, e pir termo- o
esso terrado construido com taes proporcocs e
nelhoramentiis, que anda chovendo Jorros ne-
ihum inconveniente ha para fazer-so bellos re-
ratos.
J. F, rreira Villela
CHtefede
OLEO EL
king op m\
w OREIBAD0H
Para o usa interno e externa
CURA:
Cholera e cholera-morbos, diarrha,
floxo-de sangoe, em nm da.
Dor de cabeca e dores de ouvido,
em tres minlos.
Dr de dentes, em om minlo.
Noralgia, em cinco minutos.
DeslocacOes, em vinte" minutos.
Gargantas indiadas, em dez miua-
tos.
Clica e convalsdes, em cinco minu-
Rheomatismo em um dia.
Febr.e e lebre inlenaitlenie, tmwmfm.
Dor nac costas e tns Mfc, amfiv
miagtoi.
Tosses perigosas e rertarle, mwm
da.
Pleoresia, em nm dia.
Sordez e asthma.
Hfmorrhoidas e kroiwMm
Inflammacaf) nos ria.
Dyspepsia e erysipela?.
Molestia de ligado.
Palpitarlo de coracao-
-w- i wv|/ayv \m*j vvioivvw*
Keserve sempre este remedio na sua familia.
AS DOENgAS ^SE APRESENTAM QUANBO WNOS SE ESPOUIL
Qleo eletrico-0 King ofPain-(o rei da dor) arjuieU e posrtivaroerrte fosan
ae diflerentes molestias e dores, e all va mais os soffrimentns eprodoz om ibmmi
equilibrio nosysi-ma humano, o quenlose pode elTecloar no mesmo lew tm m
quer ontro remedio medicinal. *^
Este muito popular remedio est agora osando se geralmenle. pela razio ejw m-
mares de pessoas se tem curado gralis com o dito remedio peh Dr. eGmk 9 m*m
Este importme remedio n5o se offerece para curar todas as doeiva, Breas B.
somente para aquellas estipuladas das nssas dtrecoea.
Est operando nos principios da chimica e da electricidade, e por"* est ai
cave para o cu amento e para a resiaoracao da accao naloral dos orgios que se**
irregular ctrculaco dos lluxos dos principies ervos. O oleo eletricoo King o
opera directamente nos absorventes, fazendo desapparecer as inchacSes das tfa
etc. em um lempo incrivel, breve, sem perico do seo usodebaixo de Qualaaerci
tancia. ^^
O remedio, urna medicina para o uso externo o interno, compoito dos
coratvos, raizes, hervas e cascas, taes como se tem osado dos nossos aatog
das quaes tem grandes existencias no mundo, para corar todas as molestias,
quaes ellas s3o.
Foi om grande e especial desejo da fcnldade de medicina durante ramios sarao*
de experiencia para aprender os melhores modos que se deviam adophr para curar as
seguintes doencas, e que proporcoes de medicina so devia usar.
nico deposito em P^rnambu
NA PIIARM.VCIA E DROGARA
DE
Bartholomeu & C.
N. 34RA LARGA DO ROSARION. 34.
Ama
Na ra da Penha n. 25, 2 andar, precisa-se de
urna ama para todo o servico de urna casa de pou-
ca familia. ,
Bartholomeu & C,
VlNHO, PlLULAS, XAROPB TlNTUIU
D .TrjRUBCBA SIMPLES E FERRUGINOSO
leo, Epmaoae Emplastro da me;-,
plamta preparados por
SARTHOLOMEO & C
Pharmaceutioos-Droooistai
PWJIAHBIICO
4 Jwuliti : MU plaDl* boje reconnc i
orno o iims ptdtroso Inico, como o melhs)
!e.< >hMriiaie, eoo ul pplictda nos pidfcimen'.c
l.> '-parin beo, hspaiiiei, duroMs, lumsres inUr
ao e aipeciilmenu do ulero, hydropesiu, orr.
peM, etc.; eassocitda o ferro o aul om pilhla.
curi; ebirai e falla de menalnuco, desarrsa
tiLoSMf), etc., e oque diaaffloi altent'
cimer" caras portilles obudes om Dotta
prciiaitiios ja bem evabecidos e aaadoi pelee aun
sliccUM ctadico do peii e Portugal. Em todbi o
oosss tepoiito distribnimos gratis (olbetoe q*
melbor faaem ooolueer a Jinababa aaa* reeilul
apslicatio.
5oDFiGIBERi
MEMBRO DAACADEMUDEMEDICINAl
Preparado por dcsuuriers ph |
SucR qe BOUTIGNY-DUHAMEL
31 Raa de Clpv Pais
O Xarcpe depurativo iodurado do Dou-
tor Qibert offerece, no seu empreo um
rsulado bem, certo e. constante na'cura
das imm$ens, escrfulas, molestwsdapelle,
vteto do sangue, obstr uccCe* lymphaticu,
molestias contagiosas {typhiliticas}, leves
w inveteradas, e de todos os accidentes que
,d'elhu dtpenem. *
' A reeota deate Xarope foi approvada
Sla Academia imperiaJ de Medicina de
ana.
Deposito as principes pharmacias'do
em Pernambuco: Madei e C- JoAOSOt*'
MAaTurao da Caoz Coasnu: Jofto da Cbs-
gmw B^vo e f>; AotBJwo, Zm ;
Barthoiomso C*>; Alixaiidu Ba nao-
k*wUMQih*4Zsr9iMKs\K.
Criado.
No cae do Apollo n. 69 prpeisa-se oe ura cria-
do para servico t casa e algam mandado, nao
tendo mais de 14 anuos, o'ga-.-ebora prego.
^luga-se
urna caa flm Olinda, roa d? Po^ira, com 2 jo^r-
tos, 2 salas, coinha, ura pequeo quintal, por
traz do Varadouro : a tratar na roa das Cruzes
nnmero 21
CRIADO
Prec-a-sfl de ara
Rosario n. 28
criado: na ra e^lreita do
Na'rua da Priia n. 60 precisa-ae de nma
mulber para coznhar em casa de pouca familia,
prpfere se oacrava.
a -rafa- m Precisa se de urna ama: ra da
mi"Mim.Soledade n. 52.
Perda.
Perdeu-so da ra do Huspjcio Bemiiea um
pequeo trancelim de ouro com urna figa de coral
e urna cruznba de ouro quem achar taes ob
jectos, qaerendo restitu-los o poder fazer na ra
do Hospicio n. 51, que se gratificar se for pessoa
qne o exija.
Precisa-se alugar urna casa terrea no bairro
da Boa-Vista, nao exeeJendo o seu aluguel de
205 mensaes : a tratar na roa do Rangel n. 9.
Lava-so e engomma-se com perfeico, tanto
roupa de beraem como de senhora na ra do
Livramento d. 23, 1 andar._____________
Precisa se de um caxero de 14 a 16 an-
nos, qne tenha algnma pratica e d fiador a sua
condota na padaria da travessa dos Pires n 9.
Caixeiro
Precisa se de nm menino brasile.iro de 15 a 10
annes, sendo do mato embora nao saiba ler neni
eicrever para o armazem de sal e garapeira : na
roa Imperial b. 249, de Vatdevino da plvora.
wmm urna
SHUH RUZ.
Os bilhetes comprados para esta ociedade sao :
nm inteiro n. 5010, um meio n. 4291, dous quar -
los ns. 5T330 e'8670, todas da lotera 142* da curte
A. J. de Brito,
_______________________Secrptrio._______
Em resposta ao annuncio publicado na Dia-
rio de 15 do corrente mez, no qual se procura a
bar aonde mora o reverendo Jos Bercardno da
Paiva, na rna do Livramento n. 16 exitte nma
pessoa que dar noticias do dito padre, podendo
sar procurada das 8 as 10 horas da manhaa.
3
RANDE SORTIHENTO
DE
i.^S DIS M^iSMODEHNtS
musis:i
AO
" Rl
RA DA IMPERATRIZ N. U LflfA.
CASA CAUVIN L*Sm
PhmrrnarentSro pTlvihPsjtK^et
UOr. -) -
Si>n8topol. HB. PARIK.
NOVAS ESPECIALIDADES A. MARINIER
Apreseatadas a Aeadeaiia de Sotar u e ao haRita* de tn
IV I COPA n Sofa forma de Ptsnlla, eitWt e Vea* para awav Om
I lili CUUMU monn-nto ana solivie riETiaTrV I CMUIIfl k
MOLESTIAS CONTAGIOSAS
IKJECTOR-PBILTIO
do volume de um ratafia
de Iiiiltro f .- taiNc v
Grovos inconvenientes de IracMinad'.
ESTOJOS ^",or~''t":"
TODO 1 IT \ST.
5TJ!'2IO Contra as aneareis (Ul palpcbras, preparado sob a meaaia I
RTfiOIsdlEO & C:
Depcsitarloa (JWl para o BES.&I3, e
34, ra larga do lo* o. a. .VAaifJCX^.
priado.
Precisa-se de um criado qae d llanca I sna
conducta, prefere-se nm menino de 13 a 16 an-
nos : na ra nova de Santa Hita n. 59.
AVISO
Un hornera habilitado irabalhar em machibm
a vapor offerece-se aos senhores que das manas
marera, taato a engaito coma em tazanda de
algolo, serrarra oo entra qualquer grtaoUura,
etc. : o senhor que elle precisar pode dajplffjr-re
ao hecco da Bota n. 14, qne aehar cora qaem
tratar,
HlnflHi
m m w a m m
- Pracisa-se alugar ama ama forra oa captiva
para casa de familia, d Be bom ordenado : n
roa da Concordia n. 29, eu na roa da Craz au-
ra ero 60.
Precisa-se da, ama ama hoa cozinheira Ikn
nasa de rapu llBi^^HioUTTamento bu-
tnero 10.
Vi
VERDADEIRAS
PILULASdeBLANCARD
CW tOOUMTO QO FIRItO INALTCMVIL
- 'AmOTADAS *|U ACADEMIA DI MEDICINA DE PARS, ETC.
r foasarado m propriedades do ledo ai do farr*. convera Mpeetalmaito raa* Affl
satoruxosAS, a Tsica no prlncipio.a fraawxadt tempenunonto a taaabaaraea i
Falta m cor. amkRoimia. em que precisa kkaotji somounaa saja pan 1
Uia a ua riqueza a abundancia normaea, ou para piovrxaareftraroannnBr~
N. B. OkMJaMtodatorrjrmporoan alterada a adieUDito lae<,
Irritam Caer prava de paran a da aatkenddada daa iat teieiraa an- j
arra-a m$w arara aaa a 9f*\ ,
. aqa raproa'uaitet, erra m acha. na parta u
rafia vejrele>. Dave-ai deaconfiar daa I
ta lata a*
Hmrmmttmttto, raa
problema rasolvido por W Rjgollot com bu
T J tbl conserva]
t a em Arfljhap um aoeik> deciarra com a menor quantidade \\
aWniiarri Ultra. WoBouck atiat i Anmuiirt Sato a jKwiu-a lo lado, por que ha fakifirartorw.
fAJS, Ru \iiW4-i*-Ttmplt, 26.


tU
'.-j = iii-) de U
S

I
?
!'
WIOFINA
O salt Ha nianos e de
mnsicas
udoo-sedaroaNov. d.5*. *ftr, r.
TO*d* Imperalriz n. fi, loja,
ende conifta reeommeodaodo-se ao Illm. pu-
G. Wfftbeimer.
wm mmr
blio.
Roga-se ao lita. v.aira de Mello
erhfc di cidade de Natareih desta pro-,..,"!T
iSnrir^'r^ '-.MVSSfc*-
^tj-.a terceirt enlajad* deas* Jonal. em fina
o sssmbro pnafao ojeado, e depois para Ja-
Miro, passou a teversro abril, a nala coroprio,
e por eate motivo >M novo chamalio para dito
m ; poto V. B. <, dew iembrar que este negocio
de mal a^01|t &nB08i e ^fo 0 senhor wm
!gP_? '^cbava no eatndo oesta cidade.________
Joaquim Francisco do Espirito Santo,
concordataria da massa fa'llida de Mala 4
Espirito Santo, pede aos seos credoces o favor
de viremoumandaremreceberos pagamen-
tos da i* prestacSo de sua concordata ; de-
vendo, para esse fin, dirigirem-se ruado
Imperador n. 41.
AM-dOA
INT1RSSSA.NTE COMPOSIfJo LITTERARIA.
C0NTEND0 :
A noite do xtasis.
O sorriso.
A noite do assombro.
A lagrima
A noote O mysteno.
Com urna carta crtica dirigida ao autor pelo
Dr. T. B. Rigueira Costa.
I volunre brochado 5*000.
AS CENTELHAS
Poesas patriticas sobre a guerra do Paraguay.
1 volme brochado 1*000
NA
IVftARIA FRANCEZA_________
A luga
se
PRIMEIRO E ANTIGO CONSULTORIO
HOMKOPATHICO
Dirigido pelo Dr.
SANTOS MELLO
Os habitantes do interior podem-no
consultar por escripto, no que serio sa-
tisfeitos com promplidao.
Presla-se tambem a chamados para o
interior, a prego mdico.
Consultas, no consultorio das 10 horas 3
ao meio dia.
Chamados, a qualquer hora.
Aos pobres gratis.
43Ra do Bario da Victoria
(Amiga ra Nova).
DE
seguros^ man ti moa
na Baha em T5 de Janeiro
de 1870.
AL..B*. MP*
4a ssereaonas t san a se
m da asila vasas ?
A|Wii W ipmv
da JsssjbJb Jssesa-
CAPITAL..I
Toma seguro
martimo em afio*
tro e (ora do Ion*rio.
mereio n 17, escriploris
calvas Bellrio.
Acaba de sabir bu
E
Veaae-sa
JU
Livraria Irn
A
urna casa terrea, sita na Capunga, com soto, co
cheira, e uir. pequeo quintal : a tratar na ra
do Vigario n. 31.' ________
Joaquim Jos Gonpal-
ves Beltrao
Roa do Trapiche n, i 7, 1* andar.
Sacca por todos os paquetes sobre o banco flt
Minho, em Braga, e sobre os segantes lugares en
Portugal :
Lisboa.
Porto.
Vateaca.
Qm maraes.
Coimbra.
Chaves.
Viseo.
Villa do Conde.
Arcos de Val de Vet.
Vianna do Castelle.
Ponte do Lima.
Villa Real.
Villa-Nova de Famlica.
Lamego.
Lanos.
Covilhaa.
Vascal (Valpasso). ,
Mirandella.
Beja.
____ Barcellos.
Ai
RO
DYVETOT
MRua Eslroita do Rosario-14
Compra e vende roupa feita
nova e velha, objectos de
cosinha e de mesa, e
tudo que perten-
ce ao uso do-
mestico.
Na praoa da Independencia n. 33 se da di
ubeiro sobro penhores de ouro, prata e pedrai
oreeiosas, soja qual for a quantia; e na rnesm;
secompra e vende objectos de ouro e prata
< igualmente se faz toda e qualquer obra de en
coinmenda, e todo e qualquer concert tendenu
roesraa arte
Cosinheiro.
Precisare de um cozinbeiro, dando fiador : na
ruado Crespo n 9, livraria franceza.
I
O Dr. Kdr mudou sua residencia e consulto-
rio medico cirurgico para a ra da Aurora n. 52,
i andar, onde da consultas das 7 as 9 horas da
manbla e das 3 as 5 horas da tarde nos dias uteis;
aos chmanos devem ser por escripto e acudir a
qualquer hora do dia ou da minie.
AVISO
Roga-se aos senheres abaixo mencionados o ob
sequo de coraparecerem no Bazar da Moda rna
do Bario da Victoria, a negocio que Ihes diz res
paito :
Joao Valentim Vilella Jnior.
Guilherme Dias dos Santos.
loso Jos dos Sanios Lima.
Jos Magalhaes coro fabrica do velas.
Jos Mara Fernandes, morador na villa do
\Cabo.
Boa oecasio.
Um moco brasileiro de 30 anuos de idade
que falla e escreve a lingua ingleza, com
todas as habilitares para caixeiro despa-
chante, de embarques ou outro qualquer
trabalbo ; precisa de um -emprego. Para
informaces dirija-se a ra da Cruz n. 51,
das 9 da manha as 3 da tarde.
Ama
Na ra do Mrquez de Olinda (outr'ora Cadeia)
$a 50,, prejisa-se de urna ama para cotiooar.
Haverendo padre Jos Ber-
nardino de Paiva
Hecorapesa se com generosidade a quem der
uoticia em que parle dssta eidade ou mato reside
> reverenda padre portuguez ^Jas Bernarrfiao de
Paiva : a pessoa que delle queira dar aoticia, an-
nunoie para ser-procurado..
Aluga-se pu secar sociedade padaria al-
1e.r aa.em Santo Amaro, a qual est bt'm montada
afreguezada, teedo encanamento de a.faa e gaz,
bastante commoJo. as condicoes sao fa vara veis:
trat-sen mesmologar ou na roa da G-uia nu-
>iMroS6.
D, \\. NWUN
ENGENHEIRO
Com fundiejo.
A RA DO BRUM N. 52.#
PasSundo o chafariz
Machinas vapor systema memorado.
Rodas d'agoa.
Formas de ferro para pulgar assucar.
Moendas de cansa.
Taixas de ferro batido e fundido. _
Rodas denudas para moer com agoa, va
por e animaes.
E outros objectos proprios d'agricultura
Tudo por preco amito rednzido._______
Este antigo estabelecimento, acba-se hoje montado n'uma
asala de poder servir vantajosamente os sens fregnezes, atien-
to o grande sortimento de joias d'ouro, prata brilhantes, que
sempre tem e reeebem mensalmente das principaes fabricas da
Europa- enjos presos sao em competiveis e as obras garantidas
de lei.
JIOKEIK1 HITARTE .
PADARIA
UNIVERSAL
O abaixo assignado faz sciente ao respei-
tavel publico desta cidade e seus suburbios,
que acaba de estabelecer orna padaria in-
titulada Universal, ra das Tamarineiras
ns. 3 e S, no lugar denominada Jaqueira.
Tendo envidado todos os raeios possiveis
para collocar este estabelecimento as con-
dicoes de poder satisfazer a neeessidade
que lia vi a de um estabelecimento desta es-
pecie nos arrabades desta cidade, o abai-
xo assignado espera a valiosa proteccSo de
todos os seus moradores.
Promette o abaixo assignado que s em-
prega na confeceo dos artigos que se pro-
pe a fabricar no dito estabelecimento as fa
rinhas das melbores qualidades, sendo tudo
feito pelos systemas francez, ingtez, poriu-
gusz e allemao, para o que j tem contratado
trabalhadores estrangeiros, conhecedores
desses systemas.
Para maior commodUade dos moradores
desta cidade o dos seus suburbios, o dito
estabelecimento ter diversos depsitos para
os artigos do seu fabrico em differentes
pontos da mesma cidade e dos seus arre-
dores, os quaes ser" publicados em pr-
ximo tempo pelas circulares partculares di-
rigidas aos moradores dos arrabades.
FREGUEZIA-DO RECIFE.
Ra da Cruz n.. i3, confeitaria do Sr.
Miguel Ferreira Pinlo.
Em frente a ra do Vigario, armazem a 2,
denominado Novo Mundo
FRECUEZIA DE SANTD ANTONIO.
Ra do Imperador n. 26, confeitaria dos
Srs. Rodrigues &. C.
Oude se encontrar pao, desde o mdico
prego de 20 at 200 rs.
No dito estabelecimento e seus depsitos,
tanto na cidade como nos arrabades, rece-
bem-se encommenda's de bandejas para ca-
samento, partida ou para qualquer outro
fim, as quaes devera") ser dirigidas em car-
ta fechada, em que se determine, pouco
mais ou menos, o valor das mesmas en-
commendas, as quaes serao entregues no
lugar da residencia dos freguezes.
Gustavo Adolpho Wurffbain,
Jeo Nogoeia Rabello, commerciante na ci-
dade do Ir, que ha muitos annos compra nesta
praca, julga nada dever aqu ou fra, se, porm,
alguem se julgar seu credor, entender-se-ha com
os seus correspondentes no Recite, os Srs. Gomes
de Mattos Irmaos, dentro de oito dias.
Escravo para alagar
Precisa-se alagar um escravo para servico : na
padaria da ra Direita n. ii^__________________
Precisa-se de urna ama que engomme, eoz-
ohe e compre para casa de pouca familia : na rna
da Aurora n. 40 se dir quem precisa.
Muga sea casa terrean. 21 da ra do Hos-
picio : a tratar na mesma ra n. 23..
AMAS.
Em S. Jos do Manguinho, casa n. 2, ainda se
precisa de urna boa engommadeira, e urna criada
para .servico de casa e algum ensaboado, paga-se
bem.
brJ
i
Precisa-se da ama ama que cosinhe bem, forra
ou escrava, para easa de pouca familia : i tratar
na rna Nova n. 50, 1" andar.
Precisa se de orna ama forra ou_captiva que
saiba cosinhar bem o diario de urna casa : tra-
tar na ruadoLuquedeCaxiasJoja n. 1.
Irm ndade
das almas da matriz do Corpo Saoto.
Autortsado palo nosso irroao Juiz convido a todos
os nossos irmaos comparecerem no consistorio
da irmandaiie na quinta-feira 17 -o corren mez,
as 3 horas da tarde, aflm de em mesa gciral ira-
ar-se de negocio de ioteresse da irmandade.
O escrivo,
Manoel Jos dos Santos.
gaz m m
Cheg ju ao antigo deposita de Henrr Porstar *
<--, nu io Imperador, um carregamaolo da tu
*U primeara qualidade; o qual se rende em paroda
a retamo por meftos preco do que n outr* qual-
mar parta.
Alaga se o sitio junto do Sr. Dr. Alcoforado-
oo Caldeireiro, pelo tempo de festa, tende fructei:
ras, baixa com capim, e han lio no fundo do siti .
quem o pretender dirija-se ao pateo do Collegio,
no escriptorio do Sr. Dr. Fonsca, ou no mesmo
sitio.
MANUEL C
ou
^ DB
NOSSO SENHOR SUS
MARA SANTISSIUA
I
VARIOS SANTOS.
Asakrr:
Setenario do Senhor fio* Jetos 4oa I
QIcio do Senhor dos Pastos.
Novena do Menino Deas.
Novena de N. Senhora da Coieaieio.
Setenario das Dores de Mara.
Offlcio das SeleVDores de Mara
Novena de N. Senhora do Can
Offlcio de N. Senhora 4o Caas.
Novena de N. Senhora da Proba
Cnticos de N. Senhora da Pesas.)
Novena do B. S. Joao BaptistaJ
Novena da Senhora Sasl'Assa.
Trezena de Santo Antosio.
Novena do B. S. Jos.
Um bonito volme encadenado.
2#000.
de ser-Ibes mais commodo, tem gjfg
Tem a satisfago de participar aos seqs numerosos freguezes, que em vista
estabelecido urna nov fabrica de chapeos de sol, na roa da Cadeia do Recife n. 9, btje ra do Mrquez de Olinda,
onde achar5o os preendentes, muito avnltado sortimento de chapeos de sol de todos os presos, qualidades e por pre-
cos mas commodos do que comporia o nosso mercado : convidam especialmente aos Srs. compradores por atacado
darem, sendo possivel suas encommendas, pois poderio assim serem mais bem servidos, visto poderem escolher as ar-
rnacSes as tazendasque a demora da fabricaco bem diminota,________________________________________________
NA ANTIGA E BEM C0NHEC1DA FABRICA
CHAPEOS DE SOL
v DA
Ra do Baro da Victoria, esquina da Camba do Carmo.
(Antiga Ra Nova")
Ha sempre um grande sortimento de chapeos de sol de seda, merino, alpaca, bretanha de lioho branco e par- ,
do 9 de algodo os todos os tamanbos e feitios, alm da immesa porco de >eda, merm, algodao e bnm, ^
armacoes de todas as qualidades para satisfazer qualquer encommenda. A modicidade de seus precos 13o conhecida ^
que escusa de mencionar. c^
Agencia em Fernambuco
Do Dr. Ayer
Feitoral de Cereja
Cura a phthysiea e todas
Nalsa parrllha
Cura olearas a chagas antigs, i
jos.
Tale*
Conserva e limpa os cabellos.
Plalas eatbariiea*.
Paramente vegetaes sem mercan* ;
soes, purgao e purifican lodo o sysstn
Vende-se|efltdivamente eis casa se
Johnston & C ra da Sentada Nora n. 4S.
Em casa de THEODORO
ANSEN, roa da Gnu n. 18,
inactivamente todas as qualidadns s
iordearii. Boareoenft do Rho.
41 RA DO BARAOIIV VICTORIA W
Neste novo armazem tem um
variado sortimento de fazendas
francezas, inglezas, allemas e to-
das todas se vendem pr preCs
mdicos, afm de acreditar a este
novo armazem.
Casemiras inglezas,
francezas, de todas as
qualidades, brins de
cores e brancos, colei-
riimos modernos, cha-
peos de sol de seda,
finos. RA
Baro da victoria
DE
ARRUDA IRMAOS.

antiga ra
NOVA
N. 41.
Assim como tem orna grande
officiua de alfaiate, montada com
todos os preparo* que ha de melhor,
dirigida por babeis artistas, que
pela sua promplidao e perfeic5o
nada deixam a desejar.
Roupa de todos ps
; amanhos para bomens
meninos.
Por todos os paque-
tes recebem-se as me-
lhores e mais moder-
nas casemiras que ha
na Europa.
RA
Baro daivlctorla
antiga rna
NOVA
. 41.
Este estabelecimento acaba de soffrer urna reforma radical em acceio, artistas e commodos, e em pontoalidade as encom-
mendas, finalmente em tudo afim de melhor servir os seus numerosos freguezes' deixa-se de annunciar todas as fazendas, para
alo se tornar massantef
Compauhia Phenix
Peruambucaua
J3A directora da companbia Phenix Pernambu-
cana deliberou que os premios de seguros por ella
realisados quer martimos qaer terrestres sejam
pagos oo acto de celebrar-so o contrato.
Pernambuco 11 de outubro de 1870.
Pela compauhia Phenix Pernambucana
J. H. Trindade.
F. F. Borges. -
.. -,^ Luiz A.lSequeira.
AMA
Precisa se de urna ama que saiba bem cozinhar
e paga-se bem : a tratar na roa do Queimado
loja de mindezas ta Boa Fama n. 38.___________
Molequc
Precisa-se para criado de um moleque de 14 a
15 annos, del e diligente : a tfatar na roa Nova
n. 19, 1* andar;
AVISO
Pede-se aserto capic. arrotador da conios de
res, que manda liquidar suas comas do contra-
rio botarei o sea neme por tense : oo Forte do
Mattos n. 13, armazem.
Na Iravessa da roa
das Crozes n, 2, pri-
meiro andar, da-se di-
nhelro sobre penhores
de onro, prata e brilhan-
tes, seja qual for a quan-
tia. Na mesma casa com-
pram-se os mesmos me-
taes e pedras.
fSbbradopara alugar
Ore 1? andar e oto n. O da roa do Duerna
de Canas : a tratit bq Coracrn da Onro.
10 ,M J*"? C0l); : o
RIJA DA CRUZ M, 1
Chapas de ferro galvanisadas para lelheiros, etc.
Tachas de ferro para assucar, etc.
Formas de ferro para assucar.
Arados americanos.
Carrinhos de mSo.
Venezianas para janellas.
Machinas de descarocar algod3o.
Machina de cortar fumo. 11 /
Mchica de cortar papel.
Motores para dous cavallos.
.Machina a vapor para mover machinas de algodo.
Balacea, prencas, cofres de ferro, fogoes de iferro, enxfre,'[salitre hmalha de
jerro e muitos outfoa artigos.
OTMRTAiW
CILINDROS PARA PADARIAS
Tendo ebegado ha poucos dias completo sortimento dos melbores e mais
condecidos cylindros americanos para padarias, roga-se s pessoas que d'elles precisa-
ren! de virem vel-os ao grande deposito do
BASTOS
liOJA DiS MACHIMAS
l.m.;>;i
EXTAtDA CADEI
i
Precisa-se de urna ama forra oa
servico interno e externo da ama
familia : na roa Velha n. 66.
ara
da avoca

COMPANHIA
DOS
TRILHOS UBBiHOS
RECIFE A9 OI.I\A.
Por ordem da directora sio convutaalos
os Srs. accionistas para, r o praxo da n
dias contados do da II ao dia 21 do tor-
rente, recolherem a 2* prestacJo da m*
aegoes, na razo de 10 */,, do capital da
V emisso. Para este fim ser encoalrado
o Sr. thesooreiro no escriplorio da coospa-
nhia das 11 horas da maohaa is 2 hitan 6
tarde, de lodos os dias otis.
Escriptorio da cumpaob a, 8 de Miem-
bro de 1870.
Joao Joaquim Alus,
I* secretario.
E' esperado proximameoie aesla i
do da Babia o disiincto ocnlista Dr Jas I
de Magalhaes, qup pretende denorar-t?
tempo entre nos. Sao mallo notarais a* aaa
que este oculista com grande ucee* tas tV>
ticadonaqu^lliproTincia. _______
BRAZILIAN STREET
Railway Company (Limitetl)
E>ta companm'a vender d'aqoi por dtaoU
nos domingos e dias santos su asfalto do
Recife bilbeles especiaes, qoe serriro se-
ment no dia da venda, por IJOOO cada sm,
os quaes do direiio a passagta de kb
volta em qoaiquer treno do Rddfs ao Cal-
deireiro, Monteiro e Api pocos.
Escriptorio da companbia 9 de notfJsJkfS)
de 1870.
William Rmckmm.
Gtirwrt.
Precisa-se da orna prstoa da
telhgeote e activa, qoe tauba
tica de drogara a tratar aa roa do
n. 22.
AOS 5.000x1000
Esli venda os folian Mlketea
Bahia, na casa feliz do arco da
ourives no Radie.
tajada
AVISO
Na ra do Vigario n. 19, prcdaa-i
segnintes senbores:
Christovao Goilharna BrekeafoM.
Jos Martins Gaimaraes.
ALUGA-SE
O pfmeiro andar do sobrado a. 91
Marcilio Dias (oatr'ora DsraUa) eeaf
gabinete oa salla da reate,
qnarto para escravos, qoiaul a
o pretender dirija-sa a iraraa
Deus n. 18, a para haar a etava
da dos rs. Lopes A Soma, aa
Agua potare! pira Ojiada,
O preio Feliciano aBcarrega-sa itmamkr i
ament agoa em baldea (caaeeas) d
riameote _^
loinda, mediante sju>te :
Oam o Sr. J(*> CaallH.
i tratar s Ta
Alnga-se
nra sobrado da ara andar satis
91, qoe taz esquina \
com 3 quartos a deaJBH
ios, a com janeMS^B^B^B^Bj
nascenie, quintal
dirija-sa a roa da S. B
mero 10. >Jh
asco

SEA
i traiar oa "
rstT
r


ove

I


-'
M
H.
GAO
AO ARMAZEM
VAPOR FRANCEZ
Este eonheeo eslabelecimento acha-se constantemente bem sonido, em virtude das
helaras que recebe por todos os vapores e navios franceies, dos artigos abano menciona-
eos, precos os mais resumidos qae possiveL
CJUL^JLDO FRATCEZ
Botinas para enharas e meninas.
Botinas pretas, brancas e de omitas outras cores, sortidas e bonitas, do aliimo gos-
to da moda, e procos mais barates do que em outras partes.
Botinas para borneas e meninos.
Botinas de bizerro, cordavao, rastro e pellica, das melhores fabricas e escelbidas.
Botas e pernelras rnsslanas.
Botas e pernelras para mantaria, das melhores qualidades, de couro da Russia, lus-
tro e bizerro. _
Manatos de borracha para homens e senhoras
Tendo chegado grande porcau) de sapatos de borracha vende-se pelo custo^aflm Bde
desempatar o dinheiro nelles empregado, sao baratsimos.
Sapatos de lustro para homens.
Sapatos de entrada baixa de couro de lustro cora salto, de muii"boa quahdade.
Abotinados para meninos e meninas
Sapatos abotinados de differentes modelos, de muilo boas qualidades e fortes, Unto
para meninos como para meninas, milito baratos.
Sapatos de tapete.
Sapatos de topete aveludado, de casemira de charlte e de tranca francezes e por-
tuguezes para homens, para sentaras e para meninos.
a A venda do gen a mazem, silo no largo do
e que vendo por precu9 mais commodos do
Jos Juaquim da Cosa Atis,
Pelourinho d. 5, os objectos segointes
que em outra qualquer parte :
Oleo de inbaca.
Gooro de lustro.
Saceos te estopa.
Estopa em peca.
Vinho Bordeanx em caixas.
Feltro em peca para forrar embarcacoes.
Encerados.
Tenas de ferro galvanisado, de differentes lmannos, para cobrir casas.
Ferro liso galvanisado para forrar embarcac5es.
Pregos galvanisados.
Cantara de Lisboa.
Dita soleiras.
Dita marmore.
Taboas de marmore de differentes grossuras.
Ladrilhos de marmore de differentes cores e tamanhos.
Ditos de pedra de Ansam. pretos e brancos.
Tmulos de pedra fina de differentes tamanhos.
Pedras para lavatorios.
Taboas de louza.
Pias de louza para, cosinha.
MAO IIA MAIS CABELLOS BRINCOS
A tintura jaooneza para Ungiros cabellos da cabeca e da barba, foia nica admit-
lida i Exposifo Universal, por ter sido reconhecida superior s todas as preparaQes
ale boje existentes, sem alterar a saude. Vende-se a 10000 cada frasco na
Rua da Cadeia n. 51 |' andar.
PERFUMARAS
Excellentes extractos, banhas, leos, agua de cologne, florida, divina, lavande, den-
triflee, de toilette, sabenetes, tintura para cabellos, pomada angroise para bigodes, pos de
arrox etc, tudo isto de primeira qnalidade, dos afamados fabricantes, Condray, Piver e LuDin.
Quinquilharias
Luvas de pellica do conhecido fabricante Jouvin, espelbos para sallas, quartos e ga-
binetes toucadore de diversos tamanhos, leques para senhoras e para meuinas, abridores
de luv'as, brincos, pulceiras, botoes, crrenos e chaves de relegios e trancelins, tuda de
ouro de lei, correntes e brincos de plaqu, a imitacao e de mais gosto do que as de ouro,
caiiinhas de costura ncamente guarnecidas e ornadas com lindas pessas de msica, albuns
e caixilhos dourados para retratos, calxinhas com vidro de augmento para dlstinctameiite
ver-se a perfeicao dos retratos, objectos de phentasia para toilettes, bolsinhas e cestinhas
de seda, de velludo e de vimes para braco de meninas e senhoras, ditas para costuras, pe-
queos registros muito finos e delicados, bouquels de flores de porcelana, jarros proprios
para gabinetes e santuarios, quadros promptos para collocar-se vistos, molduras douradas
para quadros, estampas finas de paysagens, cidades, figuras e de santos, vidros para cos-
morama, malas, saceos e bolsas de viagens, esporas, chicotes, bengalas, oculos, lunetas ou
pensinez de prata dourados, grvalas pretos e de cores, abotoaduras de collete e de punhos,
carteirinhas para notos, thesourinhas e caivetes finos, pentes, escovas, ponteiras de espuma
para charutos e para cigarros, Joeos de domin, rodetes, bagatelas e outros differentes, ve-
nezianas modernas muito conveniente para perlas e janellas, cosmoramas, lanternas mgi-
cas, esteriocopos com interessaotes vistas de figuras e das mais bonitos ras, boulcyards,
pravas e passeios de Paris, photographias e caixinhas mgica?, reverberos para candieiros,
topetes de vidrilho e de 1 de cores para ps de lanternas, realejos grandes e pequeo?,
harmnicos, aeordions de todos os tamanhos, bercos de vimes para crianzas, sapatinhos e
toncas de laa, carrinhos de 3 e 4 rodas muito elegantes para conduzir crianzas passeio ; e
outras muitas qinquilharias de phantasia, francezas e allemes, precos muito em conto.
Para este artigo nao ha espaco nem tem'po para a massante leitura da inflnidade de
gneros de brinquedos fabricados em diversos paizes da Europa.
ATTENCAO
O dono deste estobelecimento pede ao pubtico em geral ^ue continu a visita-to
verificando as qualidades e os precos baratos de ditos objectos por serem viudos era di-
reitura e de conto propria.
B" fFILIOE
N'ESTA ANTIGA E GRED1TATA
FABRICA

DK
llCtHla SE t.O.\STAM'MEME IIL U C8IPLET6 S01TIBET0 DI
CHAPEOS E SOL:
De lo Jas as <]uu:iJ*des I
De lodos os fcitios I
De toJas os pregos I
RUA DO CRESPO N 4
l'ara a cara caria tai tuses iniiju e reeentei, caUrrhts pulmonar, asuma Utt* coanlsi, uturir
?rootaiai, e em goral contri todos 01 loffrimenlos du as reiiintcriai.
DEPOSITO GERAL
BOTIGA 133 DROaA.HIA.
M, BOA LARGA DO R0ZAR10, S4
PERNAMBUCO
A iherapeutica da diversa! molestia! do peito, desda
i pbarjngite ou mal d* garganta at i tnberen laclo
pulmonar, passaudo pela* ditenai bronchitea catarrhaei
o emphjseina acaba de aer enrequecida com maia
este medicamento, qae tomar* a primeira erdem entre
iodos at hoje conhecidos. O larope Vegetal Americano,
rarantindo paramente regelai. nio eoniem em ana
compoMcio am so tomo de opio, e aim aomeote suc-
toi de plantai indgena!, enjai propriedadea beneflcaa
a cora da molestia! que perteneem aos orgios de res-
oiracao foram por noa observadas por longo lempo,
com ptimos resultados cada et mais cresceoies; pelo
qae nos julgamos autorisados a oompor o xarope que
igora apresentamo!, e a oBerece lo aos mdicos e ao
publico. Protamos com os alteslados abano o qne le-
'amos dito, e contamos qae e conceilo de qae ja gosa
o xarope Vegetal Americano crescer da da a da,
asilando muito apos do si todo* oa peitorses ao toga.
Ulan. Sr. Barthalomeo CO larope Vegelal Ame-
.ic->, preparado emana conceitnadissima pbarmacia,
i am til remedio para combater A territel aatbma.
Sofra eu aaaella molestia ha qaatro mezes, seffl anda
ter combatido esauqaea menaaea qae tinha; este al timo
qne lite foi (ortisiimo qae me proston por S diu, asei,
Sorem o lea milagroso xsrope, tomando' apenaa trea
oses, e at o presenta nlo fui de uoto atacado. Prua
Qas. qi* fiqa* rnubalauda per i*- **. Rindo-
Iba, pota a* mea* agrdecimantos par na lar alivala *
Uo borrifel mal. Com a nuil lignifieaT* gratili
snbscravo-me de Vmcs. affactnaao a reconnecido riaas
Sesera* flttsrts.-Saa Casa 1* de eweiro de IH
Illms Srs Bartbolomeo t C. Depois da qiaai se*
mate* de aoffrmanlo com ama tosse incalante, bata
extraordinario, eipecloracAo da am calarrho amarella
do, a parda total du forcaa, que o menor ****
me faiigsa completamente, cansado da tomar maii *a
tros remedios sem resnltsdo ti*e a (elicidade de aaaer ^
Vmcs. prepariTam xarope Vegetal Americano, a eea
alia, grecas a Deas, me echo restablecido ha asan A
dois metes, a robusto como se nida tiiesse leffria*. /
ratidio me forca a asta declara?Jo, qne poderle Va*
atar o aso qae qaiterem. Son coro estima de Vmct
muitos respeiUdor a criado. Anto* Jo*tum *
Caist* Silea. Bacif* 8 4* favaraira de 1868.
Atiesto qne aaai do zaropa Vegetal Amanea**,
eompoaieio doa Srs Bartholomeo k C. para cara de w
forte deOuxo qae me trouie orna rouquidlo, que me ti
faiia adtender, inflammacAo a dor na garganta, toi
grande (alta deraspiracAo, a riauei complelamenla rae
Uoeleeido com am i ridro do mano xarope; pe
qae lbea protesto eterna gratido. Recie II de f
eiro de 1888. ioaataat Pmn in*M',Jmm,
EnAo rowaheidM.

I -T ,^'ier*
DE HONRA
ESCURO
BRA\C0 E
Dfsinfcclando o Oleo de fijado de Bacalhi,
n Senhor Chcricr d" esta prer|oa prepara-
i-ii iherapeutiea aiu cabree tabor igruiineia
ieoh :ms daauwviriudrsliieraai.
11. un il*).<-otirrtr, qne gramteoa a
:j ili.d i'.ia ile honra, 'iganse o
uto do v\e~o de Kigado deacalb&o desinfectado.
OsmedirOB* reMitam prcfcrirnlmcntea todo*
os ostros, era t>)da> as mol lias mide se ea-
.nga o Oleo de Figadn de Bai .<\'i^o.
Ver por iiuiii pyirmennres lrlaii.-rios medi-
ris qrerontAin a nolisia que atcoiDiianha cada
FERRIIGISEO DE CIIEVRIER
O Senkor Cbetrier ccuipletou a sua desco-
berla aiuntan-do a iodura de (erro ao Oleo d
K.icalhlo dcsinfecudo. Esw Oleo de Figado de
Bacalbio ferruginco tem todas as propriedades i
doclco e do ferro, digere-fc faeilmar e minen X
causa prisSo de tontea. Perianto prefeme! gi
as mais preparaces ferrugineas (Pilulasou Xa- 1
rojuO, conten cm tedas es doctas nfair 5
" eu-iircg o ferro. Tsica pulmonar, bronclii'.c;. (3
ra.iiitismo. escrfulas, iuipigeus. gts, rbtn. U
iMaiiimo chronko. cj!ai,rhoj aniij.-.s, rs. \.-
sisa, contalescancias dii'llceis c fraque/.is de fcj
.'nnstitucAo.
Phumuiciit C'SKVr.nnrt, SI Featr. Mt4t*Juutrtfi4-
Na meima pliarmaeia achao-se u V1UHO e ELIXIR de COCA, .tleift.i prMi. 0 TAFFF.TA V'JLItE^A'O rom ARKIC. \ OiGItANULOS deBISkiTJTB compostos contra as diarrneae.djsenteiiai,dores deeslunugo, r\:
[)f,pos:taiuo, cm Rio de Janeiro, I)i:po.>ciiem.b l U". Buhii, Uoueiua IkauiC'
VenuimLuco, I*. \l*itii <;l C*. Manji.hao, FhRBtiiU el C". i'-''<- .-''>.'..
I-** Jos IKII.0. Hrrui .:,. tMKKtr I.EIVa?.
?.)* a J .' a* .il t"-.#r--v k i%
MAO DE OUKOf
Nova loja de joias
ntii rtrt r>tiiTri nn i
Nova loja de joias
RUA DO CABUGA* N.9 A.
DE
Manoel da Cunha Saldanha & C.
Acaba de abri-se este estabelecimento de joias, o qual tem grande sorli-
mento de todas as joias de ultimo gosto, as quaes vendar o mais barato pos-
|W1.
Todas as joias sero garantidas ouro de lei, pois os seus donos tendo em
vista.so adquirir fregnezia u5o olvidarSo, vender bom e por precos 03 mais
raao heis.
VH
tatisfeito, I

FALSIFICA dasPILULASdeBLANCARD
(cavE
A nossa coire^Omlencia do lira/il nos fai
saber que as pi-cas d'este paiz achao-se
actualmente mu ndadas por urna mulido de
falcificaces vis dos nossusproductos (texlaa!.
Para ainnr-se contra estas coniposicos
mais on menos perigosas, que escomlem-se
d'essa maneita por delraz das nossas marcas
de fabrica e mesmo da nossa firma, rogamos
aqu com insinncia aos mdicos c aos do-
entes de assegurar-se sempre a origem das
Piuilas que trarem o nosso nome,apptjllando,
entre oatros mcios prcticos, pela boa f dos
nossos collejas, os pliarmacoutices. Nao de
duvidar aue n'uma questad que inlressa tad
sertamenl.: a saude publica e a moralidade do
AoaAo-se as bos Vllulas
DOLliM
commertio, estes honrado intermediario1
na tregeles; nao de duvidar iguMmenle que
repudiando toda solaridadc com os falcill- .
cadores e os seus cumplices, elies nao sufa- ;
cao um dever 8'ora em diante de procurar j
as VERDAWBRAS PlLULAS DE BlaNCAIU) em.]
origeas certas, enderecando-se, quer a nds-,
mesmos em l'aris, quer indirectamente aos
nossos principaes correspondentes, eu r.nto
as casas as mais recom-
mendaveis da Franca
ou do seu paii.
&&'/
Pkarmaceutko, ri na* principaes' Pbarmacitia.
ROB LAFFECTER
Approvado em Francia, Bussia, A#tria e Belgiea. 6 arrobe vegetal Laffecteur ta aotho- i
mado, be mu superior aos xaropes de cuisinier, de Larrey e de salserjarrilha. De fcil
yes.ti'/da,a?ed ao Paladar, e ao aUato.velle cura radicalmente ***n anereairl*, ai
-Teco* da pelle, Isnplgcaa, alprc-a. Amiorea, nlecrmai, Mraaa este- j
lermdm. acorbuio, e os accidentes provendoi dos partos, da idale crito, e daacri-
ID0",a humores.
^^^^HBdo verda' UR> cas* do doaUr GIBAUDr^U DE
IrVAJS. rua Raaaaaaaai B^
x
unuu
f
COMTRi FOGO.
A companbia Indemnisudora, esiabel:i li
nesta prafa, toma seguros marilimus ir
oavios e seus carregamentos e contra fogo
e,m edificios, mercadorias e mobilias: na
rua do Vigario n 4, pavimenlo terreo.
Ouem precisar de urna cu>lureia pua la-
ter obran de alfaiate, bem feitas e paleles de pa-
o fino, dirjase a. rua Formcis* n. 21 que acha-
ra com queni tratar. Tambein cose para senho-
ras toda c slura e querendo fiador das mesmas
obras se dar.
Nutrimento
MEDICINA!
P f parado sxrr
M
Preclsa-se alugar urna" prea escrava de meia
idade : na travs? da rua Helia n. 8.
Prederico Maya
Girurgi9o den isla
Acha-se em sea consultrio para os irabalhos
de sua arte nos dias utHs das 8 horas da manhaa
as 3 da tarde, e aqrelles que por suas oceupa-
cte nao poderem comparecer nesse dias o acha-
ro das 9 horas da manha as 2 da tarde dos do-
mingos e dias santificados. Tambera continua a
prestar se a qualquer chamado, tanto na cidade
como para fra della, sendo procurado em seu
consultorio a rua do Duque de Casias, sobrado
amarellu com entrada pela praca do Pedro H.
Hotel Aurora
Rua das Trincbeiras numero 48.
Manoel Garrido annnncia ao publico qoe e
acha aberto este novo, eleganto e eommodo fta*e
leeimeoto, em que se piie bem apreciar a centte-
cao dos productos da arle culi^sria.
Becebe assignataras para alimentacao, tanto no
estabelecimenio como para os dotnielH, e inm-
bem encpmmendas particulares satisfeilas com
decencia.
Sorvetesde finas fruclas noile, e nos sabbados
a sakorosa MAO DE VACCA.
As bebilas e gneros de consumo estao bem re-
presentadas neste estabelecimenL________
Sociedade Monte Pi Bra-
sileiro.
De orden do Sr director convido a todos os
os senhores socios para se reunirem na sala de
nossas sessoes na quinta- feira 17 do correnie afim
de tratar-se de negocio argente da mesma socie-
daile.
Socretaria da sociedade do Monto Pi Brasileirj
15 de novembru de 1870.
Manoel de Miranda Castro,
Io secretario.
paral
IWJBBiftij
1'irfM, AJaWT Xj
oa garjmta,
lo oo botes.
Eipressa-
m
ae extrae
leo, oo koaco
da Terra Noa,
p ropriedaaks
coaservaias
rom lodo
dado, i
frasco, M |
te
te

AMA
casa de
Preeisa-se urna ama para ti uo
geiro de tres pessoas, prefere se escrava
da Imperatriz n. 1).
estran-
na rua
COMPRAS.
-- Compra-s a collecco
do Diario de Pernambuco de
janeiio a junho do aniio dt
1866: nesta typog pohia se
diraquem compra._______
Uun muito maior vatiiagera cotnpram-se
ouro, prala e pedras preciosas e n obras velhas: na
loja de joias do Coradlo de Ouro n. 2 D, rua do
Cabug. ______________
Ounipra-se urna col-
iecca de leis provinciaes
de Pernambuco do anco d^
1866 : ne ta typog?aphia.
muitoseve.ro, pelos chimicos de
ot, do governo liespanlwl oa Cwkujti tfa-
vulgado por elle e contea
MAIOR YOK&O D'IODINA
do que^ oulro qoalqoer oleo, que elle le
exanvoado
I0D1N0 E'M PODER SALVADO
Em todo o oleo de figado de
e naquelle no qual conten a bnw
d'esta invaluavel propredade o aafo
meio para curar todas as doetacas da
GARGANTA, PEITO, BOFES.HGADO,
Tsica, broDchiles, asma, calarrho, toase,
resfiiameiitos,etc.
Uds pouens frascos di ames ao saasto
magro que seja, clarea a vista.e d vigor a
lodo o corpo. Netihum oiiu-o-artigo -*-
abecido na medicina oo s.-ientia, d taate
nutrimento ao systema e eii:omsaedsa>do
quasi nada o estomago
As pessoas cuja organisaco tem sd*
destruida pelas alTecres das
ESCRFULAS Ol klIEU3L\TBM0
e todas aquellas rujadigestao se acbacm-
pletamenle desarraujada,devem turnar
O OLEO DE I1GAD0 DE BACALnA^
aa
.aman ft Meaq.
Se que desejam ver-sclivres i eiepasm
Je ermidades

,i!
(L
Tem venda em seus armazen?. atm
arligos de seu r.ego io regular, os segnaMe, ajav
estao vendendo a precos msis raratoj roe em -
tra qualquer parle :
P0KTA3 de pinbo almcfsdada.
FARELLO em saecrs grandes a 3JW0L
GRADES de ferro para cercado.
ESTEIRAS da India para cama e torrar sala.
CANOS de barro francez ftn ffgrl*.
GKSSO uperior tm barricas e a arroba*.
CEMENTO de todas as quauatedej Swr. -
;Compra-se urna porta, que tenha ire-
se e meio palmos de altura e seis de lar-
gura, que seja de -marello, e qre esteja
em bom estado; nesla typograpbia se
dir.
CANOA
Compra-se urna que tenha cerca de 32 palmos
de comprimento e 4 de largura : na rua do Vi-
gario n. 26. prlmeiro andar.
V1NDAS.
precos.
MACHINAS de decar. -;ar algodao.
BARUIS grandes c- m perne da Saecia.
LONAS e brinzoes da Ro-s a.
OLEADOS americanos para forro de carros.
FOGES americanos n uito bou ecimasic?.
VINHO 'le Bordean x em caixa.
COGNAC uperior de GanrierFre:
Mll.HO de Fernando allfo *cco
AGUA florida;
BARRIS de carne nalgada t-1 p> r^-o e te vaeca
Farinha d; maiulioca de Santa
Cathariia.
Ha para vender da moito nova e layener
ebegada recentemente pelo pata bo Ara'
e barca Santa Mara ; por preeo rosemos i.
a bordo des referidos na\ fronte do impiche do Exro Sr. bario do*
Livramenlo ou enlo para tratar com Joa-
quim Jos Gorc:lves BeltrSo, do seo es-
criplorio rua do Commercio o. 17.
NOVIDADE.
O Costa, proprielario do armazem da Pedra
Maamore roa (tas Cruze* n. 42, offereco por di-
nheiro contado o que de melbor ha no mercada,
por ter recebido muitos des gneros descriptos
pelo ultimo vapor. ,
Chocolate de U a 11800 a libra.
Especial rranteipa ingleza e fmnceza.
Hortalices para sopas denominadas Julienne, que
subslitue peifeitamcnle as mais frescas ervas.
Queijos flamengos o que de melbor se pode de-
sejar a 2800.
Caixoes de doce de goiaba a 800, U, 1*200 e a
11800, dito em latas a 2 e 2*500.
A verdadeira farinha americana vinda de conts
propria a 320xrs. o mac* de urna libra.
Velas stearinos a ?00 e 640 rs. o maco.
Bulaehinhas de todas as qualidades e dos me-
lhores fabricantes.
Erviihas francezas e portuguezas.
Vinho de todas as qualidades.
Farelo de Lboa desembarcado bontem, em
saceos grande?, a Xf.
Especial e aromtico sabao de familia a oOO o kilo.
CASA DO RO DTETOT
RUA RSTREITA DO ROSARIO N. 14.
As pessoas que lem deixado objectos nesta
estabelecimento, sSo convidados a irem re-
tira los dentro do praso de 3 dias, a contar
do presente annuncio, sendo tendidos os
que nao forem retirados, sem direilo re-
clamado.
Aognslo Fernando do Reg previne
ao commercio era geral que n3o respon-
savel por qualquer ebilo que em sea neme
exista conirabido por seu irmSo menor
Carlos Silvino do Reg.
=. Vende se a arma^ao da loja da rua da Im-
peratriz, propria. para iniudezas ou fazendas : a
tratar na mc;ma'rua n. 44. ________________
Aguad Vichy
Das fon tes
HAUTERIVE E CELESTINS.
Vende-se por menos do que em outra qual-
quer parte no arnwzem da roa do Vtgario n. II.
Aioda exislem venda algum^s filtradeiras
prof-rias para purificar agua, as quaes evitara o
cholera, ftbre amarella e outras molestias ; vea-
de-se na rua ilo Commercio n. 38. Na mesma
casa vendse um relugio de ouro inglez obrouo-
metro.
Covado a 160 rs.
Caonbraia fi anecia para vestido c.a P^favr
coque, covado 160 rs.
Dita dita (tila, covado :iirt. iOi) e 5W r;.
Chitas escura*, ccv-.t.. mi, :>ii e W) r*.
Lfia para vestido, covado a 00, MO S 9W r*.
Alpaca de lista?, a'ta novidade, a I, l>V U
Cambraias brancas vu-i.ina- c inwparesw*-.
jeca 3| a \t>.
Algod o e midapola>, pera 5* a JO*.
Mobkint', tazenda nova ara calca, crls a 34.
Cortes de vestidos brancos com larra t car,
rte a 2i.
Saias bordadas, grande prchiseba, a id ti
Sontembarqoes de alpaca a t*30t W-
Na loja Flor da Bua-vista, de Pan*
rua da Imperatriz n. 411.
Para a festa
Chapeos de palha amarella
chatos a 3lW> : na praca
meros 7 e 9._______________________________
Farelo novo de Lisboa
Vende Manoel Joaquina Gmm Brega, sm aaamw
de 100 libras a 41800 : aa ai
fronte do arco da Conceicio.
Vende-se urna easa cora garateara
e-irada do Caxang, moito afraaatae,
cimba de pedrr- e cal e agua de besar
quintal muito bem plantado : qrieta praS
rija-se a mesma estrada a tratar can a
mesmo estabelecimento.
i
t
FARINHA
OB MANDIOCA a 54S0O o meca, drt s
54000 a du rica : oo arnusrm Bala, rea d
Livramenlo n. 38.
Cal nova de Lisboa
Barns grandes, e ltimamente ckej
de-se por eommodo preeo : no esas"j
velba, escripiorio de Antas di B
Cabriolel.
Vender um eabriolet arwrieaiw
do reformad* de aovo coas aoaeria|
na rua do Imperador n. 9
Cal n
No arman1 atna'rHo defr ab*



6
Diario de Pewambuco Quarta feira 16 .le Novembro de 1870.
'
".

'
-
GRANDE
BAZAR DO PAVAO
60-RUA DA IMPERATRIZ-60
DE
PEREIRA DA SILVA k C.
Neste importante estabelecimento encontrar o respeitavel publico, um grandee variadosortimentode fazendas domis
aparado gosto e todas de primeira necessidade, que se vendem mais baratas do qne em outra qualquer parta, visto qae osno-
?os socios desta firma, adoptaran) o systeaa de j veoderem DINHEIRO ; para poderem vender pelo costo, hmitando-se apenas
aganbarem o descont ; as pesroas qne negociam em pequea esca'a nesta loja earmazem poderlo fazer os ?eus sortimeatos
pelos mesmos precos que compram as casas inglezas, (importadoras) e para maior cornmodidade das Exmas. familas se daro
amostras de todas as fazendas, on Ibes levam em suas casas para escclberem.
PARA NOTTADOS CORTINADOS, COLCHAS. | GROSDENAPLES PRETOS
Chegou para o Bazar do Povo um gran-' Chegon para o Bazar do PavSo um gran-
de sortimpolo dos mais bonitos cortinados d sortimento dos meluores grosdeoaples
bordados,'proprios para camas e janellas, Pretos q tem vindo ao mercado, qne se
que,ee vendem de IO0OO at 20,5300 o vendem de 10600 at 55000 o covado ;
par, a?siin como o melbor damasco cem 8 sa todoa muito em conta.
palmos de largara a imitaco de damasco MANIELLE1 rILO
Receben I
Espetaos
PECH1NCHAS
de seda, proprias para colchas, e propria- N-j Bazar do Pavo vende-so modernissi-
atente colchas de damasco, send; os melbo- mos mantelletes oa basquinas de fil preto,
res e mais boDitas qne tem vindo ao mer- '-on foco, pelo barato preco da 100000 ca-
cado. da um, barato.
TAPETES
Chegou para o Bizar- do Pavo o mais
elegante sortia>eoti de tapetes grandes, pa-
u q u e de Caxi as n 21.
ROA DO QUElffiADQ)
mandes, mold9 bonitos.
CaMeiras, cliaroiairas e port-cigarros de muita
qualidades.
Bonitas pastas para papis, simples a matisadas.
Boas caxas* vas para costura com sua compa-
tente chave.
Delicadas caetas de marflm com o bocal d>
prata,
Modernos pentes de tartaruga, sobresahindo eo-
tre elle o mimosea teiegraphistas.
Cummodos tentadores cora dais gavetas e boa)
espelho.
Port bouquot, o que de raelhor tero appara
cido. .
Port relogio aeranitas qaalldades.
Bons talheres para changas.
Vostuarios, chapcatenos, toncas, sapatcs e meiai
para bapti?ados.
Toalhas e fronhas de labyrintho. '
Chapeos e chapclinas para senhora, moldes novoi
e bonitos.
Goapozinhos gorros e bonets para meninos
meninas.
Centra as convulsas as
mancas
Vende-se os verdadeiros collares da Nova Espe-
raaca, ra do Dnffni de Caxlas n. 21.
PARA TINGIR CABELLOS
para pretos oa eastiohos, recaben a Nova Espe
Qoando a AGUIA BRRNCA, mais precisa scientificar ao_________
geral, e em particular a soa boa freguezia, da inmensidade de objectoa ja
e tem recebido, jastamentefqnando ella menos o pode fazer e porque eaaa fi
Inntaria ella confia e espera na benevolencia de todos qne lh'a atteaderfo e _
continuando portanto a dirigirem-se a bent conhecida Ir ja da AGUIA BRANCA I
Queimado n. 8, onde sempre achar3o abundancia em sortimento de snp
qualidades, modicidade em precos e o seo nanea desmentido AGUADO E Si
" Do qne cima fica dito se conhece qne o tempo de qne a AGUIA
dispr, empregado apezar de seas castos no desempenfao de bem servir a
bonram procurando prover-se em dita loja do que necessitam, entretanto
rar os objectos que por sua natureza sao mais conbecidos ali, ella r
cara aquellas coja importancia, elegancia e novidade os tornaaa
bem eeja :
Gorpinhos de cambraia, primorosamente
enfeitados com fitas de setim e obras essas
cuja novidade de molde e perfeico de ador-
nos os tornam apreciados.
Fitas mni largas de diversas cores e qua-
lidades para cintos.
Leques uesse objecto muito se poderia
tlizer querendo descreve-los minuciosamente
por suas qualidades, coree e desenhos, tal
o grande e variado sortimento qqa acaba
do chegar, mas para nao massar o pretn-
deme se lhe apresentar o que poder de
melhor.
ALGODO ENFESTADO PARA LENCES.
No Bazar do Pavo ?end-se o melbor al-
gndo-inbo americano enfestado para len-
ra sofs, com 4 cadeirjs, ditos mais peque- Ce^ tendo liso e entrancado por preco
nos, para doas eadeiras, ditos para
pian :s, camas, portas ; etc. vende-se por
menos do que em outra qualquer parte.
ROUPAS PARA HOMENS
No accreditado Ba:ar do Pavo encontra-
r o respeitavel publico um grande sorti-
mento de roupas para horaens tanto bran-
cas como de coros, a saber:
Camisas con: peitos d'algodo e delinho,
para todos os precos e qna'idades.
Cetonias de Moho e algodo.
Simias curtas francezas e inglezas.
Palitos sobrecasacos de panno prelo e
casemira.
Caifas de brim brando e de coros
Ditas de casemiras pretas e de cores, com
colletes iguacs
Da todas estas roupas ha para todos os
preces e qualidades, e tem de mais mais
nm perito
ALFAIATE
Por quem a manda frzer com prestesa
e aceio qdalqner i-ci do obra a capricho
ou noto do fre^uez, tendo n'este importan-
te estah."locimonto t dss a? quidiies iie
.) fi, as melbores e m;iis moder-
"emiras, assim como os memores brins,
jar brancos, qner -'o cor; e qoanio qual-
quer obra nao fkar inteirameite ao gosto
ios fregnezes fia por conta do estabeleci-
monto.
CHALES DE MERINO
Chegon para o Ba7ar do Pavao am elefan-
te sottiment'i (lechales da merino de *ras
muito bnn3 com pa Irnos muito decantes
par^ qualquer urna senhora usar, ditos de
crpon com listas do seda o mais fino e
moderno que tem vi ido ao mercado, e ven-
de-se por preco mu"o em ooota.
TOALHAS A 74500
No Bazar do Pavao fez se urna grade
:ompra de toalhas alcoenoadas, proprias
para rosto, bastmle encapadas e grandes,
que sempre se venderam a\t25000, o li-
jnidam-8e a 75O0 a duza^ou a 640 rs.
cad; u';a, boa pechiacha.
CORTES DE CHITA
a W}0 a 30840
3 .520 3520
20840 35200
No B-zar doPavSo vende-se cortes d fi-
is- imas chitas com padrees daros e esca-
ro?, tendo 10. II e 12 covados; sendo fa-
zendi qne vale moito mais dinheiro e liqui-
da se pelo preco cima para acabar, na roa
da Imp'ratriz o. 60 Bazar do PavSo.
BRI.N'S DE CORES A 2J5C0 e 35500
Ventem-se modernissimos brins de linho
de cor com as cores fixas, sendo ocote
de calca a 2.-55K) e305 0 eemvara a 10000
e I60o, pechiacha, no Bazar do PavJo ru3
da Imopratriz n. 6o.
' CORPINHOS BRINCOS A 3.4000
NoB3zar do'Pavo vendem-se corpin!;os
de cambraia brincos borda ros, sendo fazen-
da que sem ore sa veadeo- a 80000 e 100
9 liquida-se a 30000 por estarem um
ooiro maltratados, pectimcha, na roa da
Imperatriz n. 60.
FUSTOES DE COR E BRANCOS
Vendem-se bunitos fustSes brancas e de
cores, oroprios para vestidos e rcapas de
meninos, sendo de coces a 800 ris o cova-
do e brancos, a 400 e 640 ris, pe-
chincha, no Bazar do Pavao ra da Impe-
ra triz n. 60
CHITAS BARATAS
a 200 ris.
a 200 reis.
a 200 reis.
Vendem-se chitas largas com mnito bons
pannos e cores fizas, pelo barati prego de
200 ris o covado ; cortes das mesmas com
10 covados a 20OUO, pechincha, no Bazar
do Pav3o.
AS CASSAS DO PAVO
Covado 200 ris.
a 200 reis.
a 200 ris,
Vendem-se booiaa cassas de cores miu-
dinhas pelo barat preco de 200 ris o co-
vado, no armazem do Pav5o ra da Im-
pertriz n 60
PANNOS PARA SAIAS A 1JO0O, O METRO.
No Bazar do Pav2o vende-se bonita fa-
zenda branca encorpada para saias, sendo
com babados e pregas de aa lado, dando
a largara da fazeda o compriliento da
muito barato.
ESPARTILHO.
No Bazar do Pavao recebeu-se um elegan-
te son ment dos mai* njod--rnos e melho1-
res espartilhos, que se vendem por preco
moiio em conta.
PANNOS DE CROCH PARA CADEIRAS
O Bazar da PavSo receben um grande
sortimento dos me'borcs paonos de croch,
proprios para cadeiras de balance ofs,
pianos, timboretes e at proprios para cu-
brir almcfadas e pratos; venlendo-se por|
njenos do que em qu^lqunr parte.
PARA LENQOES
No Bazar do Pavao. vende-so snoerior
bramante d'algod3o com 10 palmos de lar-
gura a 10800 o metro, dito do linho cora a
mesma largpra a 20800 cada metro, pannos
ds I nhodo pnrtocom 3 1/2 palmos de largura
de 7Oat 10 a vara, assiin como umg1 ande
sortimento de II mburgo ou cregueilas ie
'odns os nmeros, precr,s oa qualidades,
que se vendem mais barato do que eai nu-
tra qnilqner p-rt; a,)r
ATOALHAOS
No Baz^r do PavSo vender nperior
atoalhad-) trancado, com 8 palmos de larga-
ra a 106(O o metro, dito delinho adaatas-
cado o uelrior que tem fiodo ao morcado a
30300 o metro ; tudo isto muito barato.
CORTES INDIANOS A 455CO.
No Bazar do Pao ven.le-se bnitoscor-
les indianos com doas ans palo bara-
tsimo preco ia 40o )0 ca Ja um, pe-
chincha.
FAZENDAS PARA LUTO
No 3az^r do PavSo yoodo-sa constante-
mente o melhor sortimento de Bzenda3
pretas para luto, como sejam :
LSasinhas retas li-as.
Cassas pretas de laa.
Cassas pretas, francazas o inglezas, lisas
e com salpico?.
Chitas pretas da todas as qualidades.
Alpacas pretas lisas.
Dtas lacradas com branca.
Merinos, caates, b.'cobazinas, qaa so
vendem maisbaratj do que em outra qual-
quer parte.
CACHE-NEZ A 60000.
No Bazar do PavSo vendem.se bonitos e
grande- cachi-nez de pura !5a, pelo bara-
to preco PEIIICNCIIA EM CAMBRAIAS VCTOniAS, A 50,
60, 70 80Oi 0.
Vende-se am esplendido sortimento de
finissimas cambraias victorias, por precos
mais baratas do qua em outra qualquer
parle, tendo cada peca 10 jardas a 50, 60,
60500 e 70OJO, finissimas a 80500 ; todas
es e liquidam-se por este preco em relaco a
urna grande compra que se fez no Bazar
do PavSo.
BABADINH )3
No Bazar do PavSo vende-se um grande
sortimento dos mais finos babadinhos borda-
dos tapados e'transparentes, assiin como
urna grande porcSo de -entr^maios largos e
estretos, que para acabar se vende mnito
em conta e mais barato do que em ootra
qnalqner parte.
SEHNSDE CORES E GROSDENAPLES.
No Bazar do PavSo vende-sa um sortimen-
to completo dos melbores setins e grosde-
oaples de todas as cores, que se vendem
muito em conta.
TOALHAS.
Vende-se toalhas do Porto com labyrintho,
proprias para rosto, no Bazar do PavSo
roa da Imperatriz n. 60.
Colchas brancas i 302:0, 30300 e 70000.
Para o Bazar do PavSo chegou um grande
sortimento das melhores colchas pretas,
sendo das melhores e inais encorpadas qaa
tem vindo 70000, ditas um pomo mais
baixa 34500 e ditas 30200; tambera no
mesmo estabelecimento, se vende um grande
sortimento de crtones e chitas proprias
para colchas que se vendem mnito em conta.
Sedas de qnadrinhos a 10280 ao corado
Vende-se nm elegante sortimento de sedas
de qnadrinhos, com fiad ssimas c&res, para
vestidos e ronpas de meninos, e vende-se
10280 cada covado; pechincha no
Bazar do PavSo.
Madapoln enfestado a .peca 30000.
Vende se pecas de madap -o e ifest'dn,
tendo 12 jardas cada peca >30OOO e 30500,
filia da Imperatriz 60/
0A|ifa VAiiiaJiii Mm tf* M% 1* l a* r m
Rl d TaTBxB^Tar Ul/prr99||
LINDAS JAPONEZAS PARA YES!IDOS A
A 500 RS.
-Chegou um elegante sortioiento de 15as-
inhas do JapSo, com padroos de seda e de
mnito boa qnalidade. que se vendem a
500 rs. o covado. pechincha, no Bazar
do PavSo, roa da Imperairiz n. 60.
POUPELINAS DO JAPO A 10600 O COVADO.
Chegou um elegante sortimento de Id-
dissimas poupalinas Jipooezas, com os
maii delicadas gostos, tendo muito lustro
e com lia'rinhas de seda, sendo eita nova
fazenda cuasi da largura da chita rance-
za vende-se pelo barato preco de 106CO
cada covado, no Bazar do Pao.
AS POUPEUNAS DO PAVO A 20000, 0 COVADO.
Chegaa para,o Bazar do PavSo um bo-
nito sortia:ento das mais modernas e ele-
gantes ponpalinas de. linho e seda, que se
vendem pelo baraiissimo pre?o de 20000
cada m covado, assim como ditas com
gostos escossezes a 20100, pechiucha no
Bazrr do PavSo.
sgoas a .20000
Chsgoa n :j e%ant sorthnento de boni-
tas seda* de listrinbas, com as cores mais no
vas qua tem vindo ao mercado e veadem-se
a 20000 o covado, na ra da Imperatriz
Bazar do PavSo.
AOS 20C0 VESTIDOS PECHINCHA ADMI-
RAVSL.
a 20r0, a 20000.
a05OOr a 2J500.
a 20000 a 2K)0O.
S5 no Bazar do PavSo.
Vende-s% bonitsimos cortes de vertidos
de phantasia coja lindos gosto:, sendo fazen-
das traparenies com delicados bardados e'
stras que a filo ser urna grando pechin-
cha qne se fez na compra seria para mnito
rauca a verdadeira tima ingleza.
PARA ACABAR COM AS SARDAS
on pannos, tem a Nova Esperanca overdadeiro
leite de rosas brancas.
AGUA DE FLOR DELARANJA.
Vende-se daVova Esperanca, ra do Duque d
Caxias n. 11.
PAPEL-PARA ENFEfTARSE, BOLOS-
recebea-ns mnito lindos a Nova Esperanca, ras
do Duque de Caxias n. 21.
PARA AMACtAK E A FORMSE AR A PELLE
tem a Nova Esperanca es sabtmete3 de pos de
arroz.
CHEGARAM
Foqos instantneos aperfeiqo-
ados por preqo muito commo-
do: na ra Nova n.28, loja de
Antonio Pedro de SouzaSoares.
Bombas completas para ca-
cimba, por diminuto preqo, na
mesma casa.
ntremelos em pecas de 12 tiras.
Guipure branco e preto de diversas qua-
lidades e desenhos.
Ditos de algodSo com flores e lisos.
Veos de seda para chapelinas e monta-
ra.
Meias de seda para noivas.
Ditas abertas d3 fio de Escossia.
Costumes on uniformes para meninos.
Enxovaes completos para baptisados.
saia, a qaalse pode fazer com 3 ou 3 I [2 pechincha, no Bazar do PavSo ra da
metros e vende-ee a 40,10280 e 10600;
assitn como tambem no mesmo estaheleci-
menta.se vende bonitas saias brancas bor-
dadas, ten lo quatro pannos cada urna, ditas
de -lia de cores j, promrxas, amas cora
barras differentes da mesma fazenda 40000,
e oairas com barras bordadas a 60 e 70CO11,
tndo Uto moderno e barato.
CARNAUBA.
Vende-se carnauba em saceos, -na roa da
Imperatriz n. 60, Bazar do Pavao.
Impeaairiz n. 60.
CHALES DE RENDA.
Chales 2000.
Chales 2000.
Chales, a 2000.
Vend '-se orna grande porco de chales
pretos de renda oa croch, sendo pretos
eos 4 pontas, fazenda que sempre se veo-
deu a 54000 e l.juid;-se a 20000 cada um,
pechincha no B zar do Pav9o, a roa da
[imperatriz o. 60.
unicamento no Bazar do Pav3o.
lAasinhas thanspahentes a 400 rs cccvado
Vende-se oelicadas Uasinbas transparen
tes com lisirinhas miudinhas. imitaco de
urna s cor e muito briloantes, pelo bira-
t ssimo preco do 4C0 rs. o covado, no Ba-
zar do Pavo
BONITAS LAASINHAS A 500 RS. O COVADO,
Vende-se delicadas l^sinhas com -iSTe-
rentes gosto pelo barato pr^o-da 300 rs.
o covado, no Bazar do PavJo.
ALPACAS BRANCAS.
Vende-se um bonito sortimento de finis-
simas alpac-ts brancas Isvrada*, iraitaco
de seda, proprias p^ra vestidos de baile ou
oasameolos no Bnzar do Pavao.
ALPACAS LAVRADAS A 400, 560 E 610 RS.
Vende-se nm grande sortimento de lin-
das alpacas lavraaas de todas as cores para
vestidos e vendem-se a 400, 550 e 640
e at mil e lautos res o covado,'no Bazar
do Pavo.
BAUEGES DE QADRINII0S A 600 RS. 0 COVADO
Vende-so as mais lindas e moderdas Ha-
sinhas ou bareges de qnadrinhos, proprios
para vestidos, tendo quasi largara de chita
frsnceza. e lqoida-se a 640 r3. o covado,
no Bzar do PavSo..
MERINOS DE CORES HAR VESTIDOS.
Vende-se bonitos merinos de urna s6
cor com cores muito proprios para vestido
e roupas para creancas por ser nma fazen-
da de para 13a e muito leve, vende-se a 10
o covado, no Bazar do Pav3o.
GLACS A 10000 PARA VESTIDOS.
Vende-se um elegmte sortimento desta
aova fazenda denominada glacs sendo urna
fazenda de lia muito larga e com delica-
dissimas cores, tendo tanto brilbo como a
seda e vende-se pelo barato preco de 10,
covado, no Bazar do PavSo.
CASEMIRAS A 70000
Vendem-se cortes de casemira ingleza de
cores para caigas sendo fazenda que vale
multo mais dinheiro e liquida-se a 70000
o corte de calca, no Bazar do PavSo a ra
da Imperatnz n. 60.
GRANDE PECHTNCHA EM CAMBRAIAS TRANSPA-
RENTES a 40, 50,60, 80, E 100000
Vende-se finissimas cambraias suissas, de
muita phantasia tendo 9 varas a 81500 e
100000. Ditas bispo com 10 jardas fazen-
da muito fina a 50, 60 e 70000. Ditas fi-
nissimas azuladinhas, qne valem muito mais
dinheiro, a 80 e 100000: todas estas cam-
braias, em relacSo a qnalidade, pelos pre-
cos cima sSo mais baratas do que em oa-
tra qualquer parte, no Bazr do PavSo.
CAMBRAIA ALLEMA COM 8 PALMOS DE LAB-
GURA A 1*600, U E 2*800.
Vende-se finissian cambraia branca tren-
pa ente com 8 palmos de largara, que faci-
lita fazer-se om vestido apenas com 4
varas e liquidase a 10JJOO, f e 20500 a
vara, fazenda que vale muito mais dinheiro.
pechincha no Bazar do PavSo.
CAMBRAIA TRANSPARENTE
Peca a 40UOO
Vende-se mnito finas pecas de cambraias
braaeas transparentes, tendo 8 trt varas ca
da peca e com om vara de largura a 40.
E pechincoa, no Basar do PavSo
CEMENTO
O verdadiro pnrtland. S se vende na rua da
Madre de Dos n. 22, armazem de Joao Martin de
Especialidades
Ccntinnan'. a ?chir-se a venda na na Mreit
botica n. 88. os mu conhecido3 c acreditad' a re-
medios de veame, e oulro9 diversos medie;. lien-
tos feitos em Paris. bem enmo o? xarone* de co-
ieina de Berth, de rbano oda do, de. iodureto de
forro de Blaneard e as pilnlas do me Je cereja, pos de Rog, depurativo de Chabto,
ligital deLaii.-llony, pilisoneooreitoi de bis-
mutho de Chcvrier, e ontros medicamentos cuja
proficianciu quaido empregados as Aoencaa ai
vias rapInlortM. as dftres rheumntien, na
amarellido, na falta cmplela ou irregularidad*
le memtruo, as diar-has doen?a-- di eor
e do eviomago, tem sido e iueoatestavel, em
v.u dos GeneQcos resultados das experimentacoes
'lu uso qde diversas p?oa9 aerlrt im como das pillas donoinmada- bravioas in-
comparaveis em -ua elflcacia i- mettimen-
. tos febris ou Mpea i exiliado lau)b.)in na mesma
mais dinheii'O.-o-l^meh-se a^0-O 205OD,- 3a, aim de snBcientequaniidadi de drogas.
um ao pequeo sortimento do tintas, oleo de li-
nhaea e pincis, que se vendem por menos do qnf
em outra Darte. ______
Touquinhas de fil, sapatinhos bordados enancas.
Capellas brancas para meninaa.
Grande sortimento de flores flaaa.
Fil de seda preto.
PERFUMABIA
Grande e constante sortimento
sempre melhor qoalidade.
Lindos vasos com pos de arroz
Caixinbas eom ditos aromatice*.
Bonitos e modernos pestes den
ra circular o coque.
Bonitos brincos de plaqueo.
Adereces e briacos de madrepam
Caivetes finos para abrir
Thesouras para frisar
Aspas para batao.
Novos stereoscepos eom 48
quaes sao movidas por a
urnas substituem as outras.
Vistas para atereeacopoa.
Bonitas caizmbas devidro en
pedral.
Ditas de madeira envernisada cosa
ras e com dminos,
Bollas de borracha para brinqnes
e meis para ditos.
Camisinhas bordadas para ditos.
Diversos objectos de porcelana,
para enfeites de mesa e de lapmhai
i is^iffiiisiiinff
PL 3 A1114 N GAHGAL Ufl
P
1
"
3
CO
Com este titulo acha-se aberto inteiramente transformado este anajo
estabelecimento de joias, onde os frepuezes e amigos encontraro tudo qaaaia
a moda e o bom gosto tem inventado na arte de ourivesaria, o Collar deOvrt
observar delicadeza no trato e senciridade e modecidade nos precos.
Espera que o respeitavel publica venha ver o qne existe de melfcor en
aderacos de brilhantes, esmeraldas, robins e perolas, meios aderecoa, prf-
ceiras, brincos, alfinetes e armis de todas s qualidades, prata de lei faqaci-
ros, colheres, palileiros salvas e ontros muitos objectos que seria enfadonco
mencionar.
Compra-se ouro, prata, brilhantes e pedr.is fins, pormsior preco da
qu em outra qualquer parte, troca-se e concerta-se todo e qualquer objec*
perlencente a esta arte.
-. .^.... .
j*ag|^**r^* f-VCI **v*
i, mu
ATTENCA
A' ra da Imperatriz
n. 60.
0 Baxar do PavSo sito arna da Imperatriz nrftD,
das 6 horasdamankftaas .93
eafe' coiataitewnte aJwto.
aoute,
MACHIMAS P4B4
COSTURA
Acabam de chegar ao GRANDE BAZAR
UNIVERSAL, ra Nova n. 22carneiro
viannaum completo sortimento de ma-
chinas para costura, dos autores mais co-
nbecidos, as quaes esto em exposicao no
mesmo Bazar, gnrantindos-e a sua boa qua-
lidade, e tambem ensina-se com perfeico
a .todos os compradores. Estas machinas
s3o iguaes no seu trabalho ao de 30 costu-
reras diariamente, e a sua perfeico tal
como da melhor costureira da Paris. Apre-
sentam-se trahalhos execulidos pelas mes-
mas, que mui'o devera agradar aos preten-
dentes.-
oa alaga-se os armazeas que forara oceupados
eom a fabrica de sabao e destila^ao do Sr. coronel
Franca, na ra da praia de Santa Rita nova, os
quaes oflferecem proporeSes para bem se montar
qualquer fabrica de grande estabelecimento, com
a grande vantagem para embarque o desembar-
que : a tratar com o commendador Tasso.______
GAL NftVA 1 A
Vende Joaquira Jos Ramos : na ra da Cruz
a. 8, andar
Lourenco Pereira Mends GuimarSes, participa a t^dos os sea*
tanto da praca como do mato, que estando 1 quidando suas casas commerciaes. i
deve fazer at o Gm do correte anno, por lsso roga a todos os seus deredrrea a r
saldar seus dbitos o mais breve possivel; outro sim, declara a^s seas devedons, raa
os que Do estiverem na loja tem de pagar todos os seus dbitos, provaodo Maat tari
o abatimento que for preciso para a liquidaco de suas dividas, para isto pa darlo aV
rigir-se ra da Imperatriz n. 72, loja da Arara.
Ao resto das pechnchas
Vende-se cortes de castores para calcas,
a SOO rs. Cortes
COLA
do Rio Grande do Su\.
Contina a vender-so desle artigo no esdripto
rio de Jos Victorino de Rezende A C, ra do
Mrquez de Olind, outr'ora da Cadeia n. Si.
A 320 rs., na raa Direit, botica n. 88, ven
de-se tinta rxa e preta cada botija. ^^^^^
As mopas do Eecif e
Cbegoa i ra do Vigario n. 26, primeiro andar,
novo sortimento de bicos e renda lo Aracaty, a
precos mnito em conta, como l se venden^______
Cal nova de Lisboa.
Barrisgraadee, deaembarcados do laere Julio :
nde-se na r na da Madre de Dos n. 34, arma-
m de Cnnha Irmaos & C. -
Vende-se a terca parte da casa terrea n. 59
da roa Velba, freutiada Boa-vista : ovem pru-
teuew dirija se roa aa Plof eatln 6.______
Vendem-3e tres carros de 4 rodas para um
cawllo, sende um de doas asseato, entro de dous
a quatro (a vontade) e outro de quatro, slo excel-
lentes carros imaricanos : na ru da Florentina
numero 14. ______
Venite-se
o anwwp lod u do Raugel n. 3,
iva PHPSP* bttos: a tratar no
de brins de cores a
id500; cortes de gangas para calcas a 1A,
curtes de casemiras preta para caigas a
34500, 40, 50 e 65000.
Cortes de chitas a 2:300.
Vende-se cortes de chitas para vestipos
a 25500. Ditos de cassa para vestidos a
20500.
Pechincha a 40000.
Vende-se pecas de algodo a 40, 50, 00
e 70000.
Para liquidar a 30500.
Pecas de madapolo com 12 jardas a
30500. Ditas de dito com 24 jardas a 50,
00, 60500, 70, 80 e 90010.
LIQUIDADO.
Pecas de algodosiobo de Nstra proprio
para roupas de escravos com 42 jardas a
00500 e covado 160 rs. pira liquidar.
Chitas escuras para vestidos a 280, 329
e 360 rs. o covado.
Para acabar.
Vende-se pecas de cmbralas victoria, fi-
nas a 60,, O03OOe 70000.
E' mnito barato.
Golarinhos de papel a 240 rs. a duzia.
Cortinados psra janellas a 50000.
Vende-se cortinapos para janellas a 50
o par. Brim pardo liso para calca de ser-
vico a 500 rs e metro.
^Cortes de percales a 60000.
Vende-se cortes de percales d doas
saias de bonitas barras a 60000.
Cobertas de chita.
Vende-se a 10300, ditas finai a 20500,
ditas eocarnadas e adamascadas a 30500,
ditas forradas 50000.
Gangas para calcas a 280 o covado.
Brim de listra ao lado para calcas a 400
rs. o covado.
Lencos brancos a 20000 a duzia, para li-
quidar ; grande porfo de mantas para
gravatas a 200 rs. cada urna para liquidar.
Cassas francezas a 280 rs.
Vende-se cassas francezas para vestidos
a ,280 e 320 rs. o covado.
Organdys de cores para vestidos a 400
e 640 o covade.
Alpacas de cores para vestidos a 500 e
640 rs. o covado.
Lasinhas para vestidos a 320, 400 e 520
rs. o covado. -------------
O propietario da loja denominado Arara, declara ao
seos regoexes que est coocloindo raa liquidado, por so qw
boas faxendas por poaco dinbeirp tenha a bondade de dirtgir-ee a roa oa
72, desde ai 6 horas da maoha as o da Doute.
BALOES DE ARCOS A 10OOO.
Vende-se baloes de i5 a 30 arcas a
e 10500 cada um. Cortes de
papel a 20500 cada no, para
Bramante de linho e algJo ceas 10 pal-
mos de largura o 10800 o Metro.
Panno de linbo a 760.
Vende-se bramante de 10 pelara 4a lar-
Sara proprio para leocea a 20600ai
Le neos it seda a MU n.
Vende-se urna porcao de I"
a 800 rs. cada om.
Chales de caan a
Vende-se urna granee porcjto da
de cassa a 10000 cada om,
Fusta a 360 ra.
Vende-se fusiSo de corea
a 360 rs. o covado.
Algodo enfestado a 900
Vendi-se algodo entestado]
e toalhas a 000 rs. o metro,
do a 10200 o metro.
Chales de meria* estaapai a
Vende se cuales de oaeno
com barras a ti, 0500 e U
Grande portfo di relhoa.
Vende-se grande porcSo de
ossas e chitas a 240ra. 0
A fetta est na porta
Roupa fetta encontrarlo
Por precinho raioavet
Todoa se enronpario.
A SABER :
Liqnidaci da raaaa Wa. ^^
Vende-se pal.itots de brinalaaMad
proprio para andar em caaa a *
tos de ganga a 20000 ; ditoe
semira a 3*000 ; ditoe da alpaa aa m
a 30500 e 40000; ditos de paaai
prato 60. 8# e 10#000J/
miras de coree, > M <*
de cassinetas de cores, a 0f"
brins e qnadrinhos a lJj.l0;1aT
semiras de cores, a a*300!L*
Calcas zoes para escravos *> v 1
de algodosinbo de liatra aww **_t_*
de brim pardo a tM> Vll
tas de dito branco de Iinoo a ag a,
ditas de casemiras de corea a #jO| *
e 80000 ; caeaisas de caaaa a
tas de algodaosinlf). propriaa^aii
vigo por ser to^M******
de nosa'ina a iow ra.
^ i



e rernamb
de Novembro

f
I
1
Acabam de sahir a luz as se-
"gtm* pecas para
!>! I
lflUJ
Jcs de Souza Soares & C.
RA BOBIRlO DA VITORIA
(pi'TIVORA NOVA 1
.Aprouma^e meUEyrphozado do que pode havcr de mais bello e agradavd em fa-
zendas fiis para Sentaras artigos de alta moda eco Paris lano para sentaras como
para bomens e meninos.
Miudezas afamadas, perfumaras especies vaiiedade do lindos objectos pafa me-
amos e brinqoedos para"crancas.
. .GRANDE SGRT1MENTO
tonnuamenfc recebido por todos os paquetes vindo di Europa onde tem ha-
oeis correspondentes.
Vende-se muito emcouta e maada-se, pnr ero-pregada do estabelecimeiito fazendas
em casa das Exms. familias afim de melbor escolaerem o que desejarem. *

limalinda wa!a d'Ardili
Ideal e reajidade-^muio ibcaa
phantasia peo maestro Cazal-
tare
Postiio linda phntasin executa-
da'roorn grande appUuso pela"
musita allemaa
Habaneras Jindas, dansas para-
guayas, qne tanto furor agu tem
eilo
ACABA DE PUBLICAR-SE
a coHeeca de msicas dos cavalnhos para
loOOO
lrJOOO
SOO
DO
imo
Receben-mais grande sortimenlo de mn-
ticaspara piano, e piano e canto, e tambem
a opera
n
ir
TRIU....
7Ra doQueimado
DE
MINIA I
0 M1RAVILH0S0 REMEDIO DO
DB. CHAS. DE CrRATH ,
ELCTRICO
KI1VG OF FAUV O RE DA DOR
r*AR.A T7SO INTERNO E EXTERNO
CTJRA CHOLERA E CHOLERA MORBTJS,
Birrlie, flnxo de tangne, em na 41.
D* de cabe*, dores de orlde em
t*s minuto.
D de dente, em un manto.
anlgl, em einoo aiantei.
Deiloescoei, em Tinte nnntoi.
0rgntas incndM, em de minuto,
Oolie oonvulMe, em einoo minuto.
Rhenmatismo, em um di.
Pebre e febre intermitente, em um di*
para piano e canto, o t pedacos (jara piano s. composiciio do Ilus-
tre compositor brasilciro
Caries Gomes
qne tanto furor fez na Italia, e boje faz no
Rio "de Janeiro.
A' VENDA -NA
A. J. de Aztitfcdo
A RA DO BARAO DA VICTORIA CANTI-
GA RIJA NOVA N. U
Pe de roseir.ts de varias qnnr!d*ds ; assim
como de sapotis, abaeate, ligneira, laranja cravo
e pnheira, por precn ra?oavel : tratar na Roa-
'isla ra do Visoiadc de Govana n. 'iI ulr'ora
nqtfnm.
Farelo
4:200.
Saceos com 100 libras de superior fprelo
dlo barato preco a cima indicado, na roa
da Madre de Deus n. 7.
Giide>eiuiiaot!!
Rui do Imperado- u. 28, ar-
r.azem do Campos.
Como so est non simando o tempo dos regala-
fet, o propriaario tfcsie estabelecmiento tem se
esmerado em fazer reunir coi sea armazem um
completo e variadissimo sortimanto do teneros
alimenticios.
Nao se propSe a deserever nominalmenta todo?
os gneros coudos em seu armazem por se tor-
nar de mais enfadonln.
Garante somonte, que 6 sua norma de ha muito
tempo /end-r pao por pao e qiteijo por waer}n.
Avisa especialmente aos fumantes, que rer.t-b'Hi
de sua espe.ial enc;mmenda urna racin de cha-
rutos superiores de S. Flix da Baha, das seguin-
tes marcas : exposicao, marquezes, normas, ama-
dores e paraguayano*.
Venham todas as despensas dos arrahaldes e c-
. dade sunrir-se de gneros de priineira -enalidftde
Venda-se no trapiche da Cump'nhia Pernambu-
cana arrvz da India mvo, a 2$X0o a arroba em
saceos.
DE
E' cliegado a este novo estabeleciroento o mais bello sortimenlo de fazendas
loas, sendo sua especialidade enxovaes para noivado.
Vestidos de blond de,seda ricamente bordados.
forguro de b**. branco para vestido.
Colchas de sdj ,'jia, para cama" com ricos desenbos.
Ditas de 13a e seda, id'm idem.
Ditas de crox, idem idem.
Cortinados ricamente bordados para camae janellas.
Croxs pira cadeiras e sofs.
Vestidos de cambraia branca bordados.
Popelines de lindos gostos. v
Laas de diversas qualidados, lindos gostos e moderna?.
Ricos b -urnus para passeio, com listras de setiro. / '
Sahidas de baile o que ha de mais rico.
Crotones para vestidos com lindos desenhos.
Cami::as bordadas e sera bordados para senhoras.
Camisas bordadas-muito finas para homens.
D tas inglezas para homens e meninos.
> w a Jeroulas de linho, e um grande snrtimento de ronpas feitas e de fazendas que
enfaaonbo mencionar. H
Luvas frescas do Jouvin
Sorttmento de tapetes para guarnices de salas, aiuatif.is para forro de sala, e o
gao* sorttmento das acreditadas e verdadeiras
Esteiras da India
Dor as eoitet e noi lado, em de mi.
utos.
Tese parigoM refriados, em um di.
Fleuresi, em um di.
Sardes e sthm.
Hemorrhoidu e bronchiti
Inflamma^Ao nos rins.
DyspepsU, erysipel,
Moleetias de ligado.
Palpitado de eoneao.
wmmmm&mwm
'portas n. 53, ra Direita, 3 p rtas n. Z>Z,antga
hja d i Braga
O abaixo a.ssignado, dono de.te autigo estabelecimenlo. tendo em vida aortseniar umf
completo sortimenlo de f^rragens, miudezas o ctileria, tem resolvido niandSr bo"scYr em
diversos ponios da Eoropa os mejores t.bjoctos de seu cstabelecimen'o Oos bbrlcaotes
man conhecidos ; pelo que convida ao respejtavel pub^co e a seos numerosos freeticze,
a virem se servir dos objecto3 de sua carencia, a^nde enconlrarao por irer-es {O OO do que
ora ottira qualqucr parte, um ortimenio completo do machinas para descarocar alaudao!
do bem couhecido fat.r.canle Coliorr Grn & C, ditas para costura, motores para animae
ditos para fogo, moinhos pira caf de todos os lmannos, da fabrica do Japi, espingardas de
, doo.3 canos e de um, tanto inglezas como francezas, looca de porcelana, facas e carros
i lllSr8? fmal,dade9 e precos, bandejas chinezas, salitre, bren, barbante, cnxore, papel e
; S! rde,fcrro f! eag5lha para 'WMteiro ; assim como encontraro constante-
mente grande porc^o de logo do ar, o recebe-so enccicmenda de fogos de vista.alam de um
! cera numero de objectos, que se tornaria enfadonho numera-las : \enham h ra Direit,< n
; bS, toja de Lenidas Tilo Loureiro, antiga loja do Braga
^EESERVE SEMPRE ESTE REMEDIO EM SUA FAMILIA
AS DOBKCAS SE APBESENTAJI, QAJDO MENOS SE ESPEBAM.
ota*a^.o^2^^Knl^?' PA,N" "" d& d0r"">l"elaeP03'"^te ^^^X^^Tr^Z:T:2 gera,mCnlC' "U "^ -- ~ .- curad.
n ^.T^ rem,di0 "^ '* ffere0e *"* atU td" M doCnV"- vonm tao .mente |M **, e.UpnUdM
^^eHESr^^^
TS-A.
EM PEPalffAMBUCO
PHARMACIA E ROGARIA DE
BABTHOLOMEO S C
W.=34 Ra Larga do Rosario. KT. 34.
CASA CAOV
I A. MRINIER, Pharmaco8ua^s^ivi,eeiado
Bonlevaid Sebastopol, 55 J'AIIS.
NOVfiS ESPECIALIDADES A. MRINIER
preseaiadjs a Acaiieoij ile Scieueias e ao Instituto de Francj,
|?i pr-PSft SilS a u"i ls Pastilla, devedida o do-jada para
lUttuNu Um le mouu-.to aau seloefio
Prevcat.va t cutalUa das U0LE3TZ..S COKTAGIOSAS.
U1ILTR0 c SERlnCA sea es
graves inconvenientes de fragilidad*.
ESTOJOS
Com
a f.rma, e do volame de um Portc-Mooda
COTSDO TODO 1MTA.VENT0.
COLLTBIO Contra as affeccois das palpebras,
preparado sob a mesma turma.
BARTHOLOMEO C
Depositarios geral para e BElASIL e l>ORTUCiAti
34, roa larga do Rosario. 'PERNAMBIJOO.
Farinha de mandtaca da Babia.
Tem para vender rmiito nova c superior,
em saccas, a preco mais commodo do que
_ em outra a^wlqaer parle : Joaqpim Jos
Ooncalves Riltrao. no seu escriptorio roa
do Commercio n. i 7.
Na rus do Bario da Tnnmpho,
Bruin, n. 92, vende- dico:
Cal de Lisboa da mais uova que ha to mercado.
Botinetes para barcacas hiates.
amiga d-i
pre^o mo-
Attenco
i Vende'e a rmacao e pertence? da taberna do
topar ao lergo n. i i, propria para qnalquer prin-
cipianiec, cedendo-se ao comprador a residencia
ao sobrado de um andar por eiraa da mesma :
tratar no mesmo sobrado.
Doce de caj em calda
Superior dco de caj em calda por preco mui-
ter mdico : no pateo do Paraso n. t.
A SIIsEffCIOgA*
CHEGAAU AS AFAMADAS
Machinas de coser de
Pol ack Schmidt.
RA DO CRESPO "N. 4'
.f ?iai*J3,u.d,rna* e eiB*ntes que-lem appaw-
cido al luje I E, com elTeito nada mais e nflde
exigir le ama machina de costura em manto a
trabalbo de ageH.*, tal a variedade de cSas
qae fazem as do qne se trata ; per i**, que 8fl
j.ode dizer qtie a Silenciosa de PoUack Schmidt
att'.ngioaos ohircos aperfeigoamenlosl
A simoliciJaiU de seu mschinismo, a adheren-
cia de al&s pecas e belleza de que se aeham re-
vestidas estas machinas, Bo predicados .rae por
si a tornam rm>raraeidadas, mesmo diaote da
apreciado a niais cropuulosa ejexignie, cuia
verdaflo se acha gravada em bellos caracteres em
wd*s as cxpMicdw onde as silenciosas tecm sido
vantsjosamente premiad
Pitto de 2,0(K) nnchroa fceo srdo vendidas na
corte do jinpeno pelo sea uoim agento no Brasil
nocartoe<>pa?}di> dous ranos, e eonlinoam a se>
praeoradas com nthn^iasmo : roca se. portante
^Si Dutov o. 4, onde
jr*ora Crespo.)
Fogao de patente.
'Je-se em eaia dos raWrtadores
flawkes & C. roa da Croi.T^^^
EGER]
Com funipao
Passando o ch? fas iz.
. Chama a aitenfSo dos Srs. de engsoho para seus acredados machitiismos e
;om cspecmlidade para seus vapores que anda urna voz tem melhorado.
Os vapores omecidos por ello c j funeciocando lite bao de fazer melhor 3Dre-
nacao do qne qualaucr dito proprio.
Deseja tambem mencionar que tem feo urna reducto em seus precos: e que
iem protnpto toJa a especie de macbioismo e outros objectos para a agricultura.
Eival sem segundo, Bival sem segundo
Rl'A U9JaU DE CAXIA8 W. 48 RA DO DUQUE DE CAXtAS N. 49
(Ani(r:i Pii da AifAm'i(lnl Eston disposto a continuar a vender todas
(AMigd ra uo vneiraaaoj as miudezas pelos baralissimos precos abai.
do muito bom e xo declarados, garanlindo ludo botu e pre-
cos admirados.
120 Duzias de pa'itos seguranca a___ 120
Duzia de palitos seguranca caixa
500 grande a................... 320
Frascos com k o baboza muito fino. 320
6o Pocote ora p. s do arroz o me-
MflQGj ihorquehaa............... 320
| Va vainas muilo finas para fazer
muito barato a saber:
Libras de areia pela muitoboo. .
Ttsuuras finas para unbas costu-
ra a.........
PapoijJ agu-ihas francezas a ba-
lo a. .......
Caixas com seis sabonetes de fruta
Libras de 13a para bordar de todas
as
cores a.......8flM)00
O TNICO DELSUC que hoje apresenta a-o publico, depois, poim, de um sevArn
iennfJ QS" Piepcas. teoio a certeza de que possue urna supslrK
nar;f9rlaidaS 2. 22 PIc6eS.-q0B at hoje temapparecido. re com Sa -o
KA V, Jn' ^ P bnlhrn,e i"str 1ue Produz"^ "8. toando mmediS^n
te todas s campas e coccim, farendo com que 3pParefa cm bom estar inmaavel
,nf,, -Y80" comP0:sede substancias cuidadosamente escolhidas, TuriflLda, .
l,T*$ZT ma,0r c^idad0' e alradis, combinadas de modo t" a drih!
nma acco verdadetramente efficaz. consoladora, e benigna lhe
. Derrama-fe esta agua na cabera, e esfrega-se levemente ; iramediatamentP ns,
os cabellos limpos o com um brilho masnifico. 'mmeoiatamenie ficara
fieposito
smente em casa do autor, Andr Del?u; cabelleireiro de Paria.
Ra Io de Mar^o (antiga Crepo) n 7 A Io andar
CONFEITARIA
DOS
ANANAZE
Ba da Cruz n. 16
wSivu; serDpre : AMENDOAS confeiudas: xaronm. r*fc^
. BOLWMos para eh; p5o de l; bollo gerantes; vmbo Bucellas an^?"
nglez; pastis de differentcs quaidades ;' proprio para mesa; Termoot m'
de fructas, era calda e secco,
' PAPIS para sorles,
para cobrir bol
CA!Xi!HAS co" amcihisas e patttafl,
Jdm objectos proprioa M e.T2SK baTea *
absyrrtio;
oac; vinhos finos, champage.
ditos rendados
PRESUNTOS e fiambres.
Crriteis de linha Alexandre a. 100
Frascos com azeite para machinas 500
Grvalas de cores muito finas a 500
Grozas de botes madepersla fi-
nissimos a....... 500
Novelio de linha de 40 jardas a. 60
Caixas cem 100 envelopes muito
stiperieres a...... G00
Pontea volteados para meninas a. 210
Tinteiros comUmta preta a 80 rs. e 100"
Pegas de fita elastira muito fina 200
Lata com superior banha a 11K) e. 20C
Frascos de oleo Philocomo muito
fino a. ... '..... 500
Fiascos de macacaperola a. 240
Frascos de extracto muito b .Ditos a 500
Duzia de sbemeles muito finos a. 720
Sabqnetes inglezes a 000 rs. e. 1)5200
Frasco com agua de colonia .Piver a 500
Dilo de oleo baboza a.....' 500
40
Caixas de lnmparinas a.
Sabonetes a forma menino muito
superiores a....... 24'.
Lartilhas da doutrina fazenda nova a
Libros de linha sorlidas de todos os
nmeros a.......
Capachos muiio bonitos e grandes a
Crriteis de retroz preto, com 2
oitavas a........
Agulheiros de osso enfeitados a, .
Libra de linha frauceza superior
qaalidade a....., 2,5420
Caixas de palito do gaz a. 00
400
1800
, 700
640
240
000
500
160
Rou-3ate-rheam.-tic>. '
Remedio affluacissioio contra as dores rheuma-
ticas at boje o mais coheeido pelos seus mara-
viihosos resultados.
XAROPE DE AGRIAO. nm dos medicamen-
tos qoe sua -elHuaeia as enformidadee, tosse e
sangue peta bocea, bronenites, dores e fraqueza
no yeito, eacrubolo e molestias de ligado, qae me-
fhor tem aprevado.
fliTURA DE HARAPUAMA.- A celebre rai?.
de marapaama, cuja energa e efficacia as para-
lysias, iotorpeoimento, etc. ele. muilo se recom-
menda..
Todos esses preparada se enconiram na phar-
macia e drogara de Bartholomea C, troteo de-
posito roa terfa-do Rosario n. 34.
bar Caixi de linha bran do gaz a..
Vara de franjas de lidho para toa-
Hni.......................
Caixas com pennas d'aco de Ferry"
superiores................. 800
Lencos da cassa braueos e pintt-
dosa...................... 100
Caixas com 20 quadernos de papel
pautado ....... 700
Caixas com 50 noveilos de linba
do gaz a....., .
Duzias de meias cruas superior
qualidadea. ^ .
Pecas de bibadinhos con 10 va-
ras a. ., '.
Pecas de tiras bordadascom 12
metros cada p.'ca a la e.
Pecas do fitas para cs de qual-
quer largura com 10 varas a.
Escovas para unbas fazenda fina a
Ditas para denles a 240, 320,
400 rs. e....., .
Pocas de tranca lisas, brancas e
de cores a...... .
Duzia de linha frxa para borda-
dos a 400 rs. e.....
Pares de meias cruas para nw.'
nos diversos tamanhos a. .
Duzias de meias brancas muito
finas para senhora a. .
Pares de sapatos de tranca do
Porto........
Pares de sapatos de tapete a. .
Duzias de baralhos para vultarete
Sylabarios portuguezes a. .
Cartoes com colxetes 2 carreras a
ASotoaduras para collcte diversas
qualidades.......
Caixas com penna de ac muito
b6a de 320 a. ... .
Caixas com superiores obreias a.
Duzia de agulha para macnina a.
Libras de pregos francezes todos
' os tamanhos a......
Pacote de papel com 20 quader-
nos ............
Reema de papel pautado superior
Resma de papel liso'muito supe-
rior a...........
Cigarros da imperial
fabrica de & Jeao
de Nictheroy.
Baieo deposito em Prnatalcno cesela alian-
fBaVerhaB., faatda.
*}, vwa
400
3)91000
500
'24000
500
500
500
40
500
320
4J50C
2KXX
l(S50C
3/J00C
40C>
2C
400
50C
4C
2.500C
240
400
4.5O00
LO TflLAr
Bloa do ermm m. f
cunante, a!m A>s muilos ufcjacto s^i-1
pontos a apreciacao io resp< itaTcl pobrw
daram vir e acaham de m*Bfi ataav, m
d Europa nm completo e vanis artT~
finas e mui delicadas e: ptcalida^en, a* l,
to resolvidos a vender, ct iw eew
por precos moito baratinies
dos, com tanto que o Gallo....
Moito soperiores lavas de pefriea, praasi.ti
cas e de mni lindas coras.
Mui boas e bonitas goHinluu
ahora, neile genero o que ha da 1__
Snperiorts pantos de tarta Tifa pan 1
Lindos e riquissimos enfeiies para
Ex mas. senhoras.
Superiores trancas preus de edran 1
Ihos e sem elles; asta fazendu o qae 1
de melhor e mais bonito.
Soperiores e bonitos leqres de _
marnm, sndalo e osso, senda minias j
com lindos desanos, e estos f retas.
Muito superiores meias fio de t tsaail para se-
nhoras, as qcaes sempre se vendern por Xf&*
a duzia, ealrelanto que nos as veadtjiraa'Bor &f.
alera destas, temos tambem grande wrwaanaa dt
outra3 qualidades, entre as qtma aaaM
Anas.
Boas bengalas de superior cania da
castao le marfim com lindas e encantas"
ras do mesmo, n.:::te genero t qoe de aw
p6de desejar ; alm destas leraoe
Suantidadc de ontras qualidade.', c
eir, bale.a, osso, borrad) 1, etc. etc. >xc.
Finos, bonitos e airosos chV tinhos da cadeu
de oatiasi|ualidades.
Lindas e superiores iiyzs de soda a herma
para segurar as meias.
Boas meias de seda par. sanaora o para assaa
as de 1 a 12 annos de idade.
Navalhas cabo de martim e tai tanga pan faaar
barba; sao amito boas.e de mais a asase sia> ga-
rantidas pelo fabricante, nos por noaia aaa taav
bem asseguram*,'s sua qualidade e delicadesa.
Lindas e bellas capellas para n va.
Superiores agolhas para maemaa a para na*
Linha mniio boa de peso, froeza, pan aaaaar
labyrintho.
Bons baralhos de cartas pan vokarete, asean
como o tentos para o mesmo flm.
Grande e variado sortimenlo das amselas per
fumarias e dos methorea a atis nna Triaos per-
fumistas.
COLARES DE ROER.
Elctricos nuguetieos contra as 1 u 111 alijas, a
facilitam a denticao das innocentes erttBjcna. Se-
rnos desde maito recebedores desle pw
collares, e continuamos a reaese-lee par
vapores, afim de qae nanea faltes no 1
como j tem acontecido, assim pois poded* <
les qne delles precisirem, vir ao deposito do |
vigilante, aoude sempre encontrarlo *
deiros collares, e os quaes ra-
para que tao applicados, se ve-
diminuto lucro.
Rogamos, pois, avista dos objectos qne -~
declarados, aos nossos frognezes a amif a
comprar por presos muilo raioavew loja, 1"
vigilante, ra do Crespo n. 7.
1
3^680
ATTENCO
Venderse, arrenda-se ou aluga-se om sitio na
Boa-viagem ao sal da povoacao, com dnas casas
juntas que serte para grande familia poner cora-
eiuacacao per dentro, sendo ama de pedra e cal,
rreno }i eom alteerces fura amn bo* case,
Ijfla^aa^ te31 palana derraaw
a tfW o nu estrella do Rosario a 3J, loja, l leiter e
1 no vos dando frac
na porto, parlo do mar para
^ tratar na ra
r. Joaqi- Teixeira na raa
Dcordeiro prevident
na do Movo e variado soriimecto de infal 1
fina, e &uiroa objectos.
Alm do completo sorttmento o.e pe
alarias, de qne efectivamente e.yi .nuaMi
loja do Cordeiro Prevident, t\
receber um outro sortimento ae se Ion
uotavel peia variedade deobiecto'-. -
dade, qualidades eeommnaidaleV ti
?ob; assim.'pois.oCoroeii-
e espera continuar a merecer a aprociaci
do respeitavnl publico em fcra
boa fregnezia em particular, r tando elle de sea bem erbecid'
e barateza. Em dita
apreciadores do bom:
Agua divina de E. Coudray.
Dita verdadeira de Murray & Laracnar.
Dita de Cologne ingleza. americja, l-
ceza, todas dos melhores e maisacredtu.
fabricantes.
Dita de flor de larangeiraa.
Dita dos Alpes, e vilete par.
Elixir odontalgico para tmstm,
isseio da bocea.
Cosmetiques de superior qn*ti roa agradaveis.
Copos e iatas, maiores e matar:.
pomada fina para cabello.
Frascos com dita japouea, trmjgfaVat.
e outras qualidadea.
Finos ex:ractos inglezas, acHitansa
francezes em frascos simples eesreitadoa.
Essencia imperial do ino e agra-iavol cae
ro de violeta.
Outras concentrada t de cheiroc ifea
mente finas e agmdavtL-i.
Oleo philocrinie verdadeirn.
Extracto d'oieo de superior quidad
com escoihidos cheiros, em fraaeoa de diff.
"entes tamanhos.
Sabonetes em barras, naiords % naawn
para mos.
Ditos transparentes, redondo* e lj
ras de meninos.
Ditos muito finos en earrinha para httit:
Caixiuhas com bonitos aabonetca ssl
fructas.
Ditas de madeira inverciaada toisodo i
oas perfumaras, muito propria? para j
lentes.
Dilas da papello ignahMjaHe loz&x, ta
bem de perfumaras finas.
Bonitos vasos de metal colorid, t t
moldes novo elegantes, coa p de un
e boneca.
Opiata ingleza e -ancaupara dattM.
Pos de camphora e ootrat diSartau
qna'idadcs tambem para denaac.
Tnico oriental de Kemp.
Alada auala eoqrea.
Um outro sortimento de coquea da a*
ves e benitos moldea con filata de iseWL-
9 alguns d'ellea ornados de forte Hi
eatao todos eipostos i apreoiacSo de ajoe.
os pretenda comprar.
GOLLIMIAS E PUNHOS BORDADOS
Obras de muito gosto e parfakao.
Flrcllaa e aUaa pava) nfcmliM.
Bello e variado sortimento de taee oa>
tos, ficando a boa eacolna ao geato ca as
prador.
Yt&XC/X&M .WQejsjOggask^gsB^av^
Joaquim l^dirim'fli-
vares de Mello,
TU! PARA."
em sea
n. i7 :
FoTnoea* UXhm
de f-ifquadaee, e vende
fardos a vontade des
Cal de
ni tima aaagasa.
ruiiiMiiti >

leen

109. DOdi I CB
ti.
amaeraa
le pedra e eal:.
diu taberna.
aaitar


8
lirio de Peftiambco Quarta erfl .16, d Novembro de 1870
T-
agmccltura.

tHHai, pf
<
f'
Relatorio do laaperlal Instituto
FlnaalaeMae de agrlcultara
{Conttuo).
Agora completara a informaclo aceres-
contando nlo ter silo baldado nosso erape-
aho, porque pelo^paquete da 8 da agn-to
conseguimos mandar trinta voluraes
algodlo, caf, cha, assucar, arroz, agur-
denle, malta, fumo, familia, a.nylos e dro-
gas de diffjrenws qualidades, alora do un
caixa com amostras de todo! os propnelos
remettiJos, grness iboa tontada dos fa/. o-
deiros c vradores, cujos nones eeo*ta "
do quadro junto, eao auxilio, que rompa
e efllcazroeote preslounos o presiden'e da
directora da companhia Uno e Industria.
o cnmraendador Mariano Prpcopio Fer.eira
Lage, fazendo nos presante de m titos e va-
riados objedoa,"da expqsiclo, que em juuli >
aoleejdente havia realisado na escola agr-
cola da povoacSo do Juiz de Fra.
Foi um verdaleiro servico. digna por
certo de bem merecido apreso, prestado por
todos esses eidadios nossa agricultura.
Em conseqnencia, porqa, da eetrtttsza
do tempo dtyanfret, grande distancia d-
alguns logares e nutras circnmslancias, us
productos s p deram chegar a Hamburgo
depois de nlgados. e premiados osodjti >s
exhibidos na esposielo, cuja abertura I >i a
1 e nao a 8 de setembro como aqu sesup-
punha.
Assim tanas os nossos esforcos se to-
riam inutilizarlo, se de par com a benevo-
lencia, a que nilo podemos
essar-nos meit > gratos, da comraisso ita
exposicSo iwernacional, e com muita espe-
cialidade do seu digno presi lente o Dr.
Merk, mini tro dos negocios estrange'ros,
nlo Ihe acodissem o zelo e diligencia do
nosso consol goral as cidades Hansealieas
Francisco Muniz Brrelo de Araglo, que
desenvolveu actividade credora de elogios,
auxiliado pelo Dr. Blumenao, director da
cok'a deste nome, que, nesse como era
otitros assumptos, prestou-nos all muito
bons servir ;e pelo cnsul da Brasil em
Stettio Jos chiend que se lia mostrado
sempre dedicado aos interesaos brasileiro-*.
Por esta forma conseguimos qoe os re-
feridos productos fossem admiitido3 e co -
vertientemente collocados, sendo em goral
apreciados por maoeira milito bonrosa aos
nossos propietarios ruraes.
Nao s differenles jornaes allenSes do?
mais acreditados e as correspondencias de
Hamburgo publicadas nc Jornal do Com-
mercio denm notciides3a exposiclo de
modo mais lisongeiro com referencia ao im-
perial instituto e agricultores brasileos;
mas arada f" o mesmo instituto distinguido
cora o; primeiro3 premios, tanto pelo jmy
da axposico ^de Hamburgo, como pelo de
Aliona, onde igualmente izerara brilhante
figura os raesmo? productos pela lembranca
que leve o mencionado cnsul geral na
primeira daquellas cidades de para all en-
viados.
Sendo 25 os expositores brasileiros, in-
durado o imperial instituto, 25 forara os
premios concedidos em arabas as exposi-
e'S, consistindo no diploma de bonra e
urna medalha de ouro ao instituto, duas
medalhas de praia, oito de bronze e ireze
mencQes honrosas.
Viram desta arte os nossos agricultores
mais urna vez gloriosamente reconhecidos,
em urna das mais importantes festa3 da
industria universal; os froctos de sen Ira-
balho, e inteligencia, em concurso com os
grandes productores de oulras naces mais
antigs, e adiantadas na agricultura ; sendo
coroados de xito feliz, os esforcos desta
associaejo, que se congratula com ogover-
no por mais esle triumpho alcancadu pela
lavoura brasileira.
Parte dos productos foi reservada para
us museos das duas referidas cidades, para
(i de Bern e o resto vendido em banecio
uo Asylo Agrcola.
Na Revista do instituto foi publicada a
correspondencia mais importante trocada
sobre esse assumpto com a legacSo do
Brasii em Berln e com o consulado gral
as cidades Hanseaticas, bem assim os no-
raes dos premiado-. Logo qne cheguem
os premios, serlo remeltidos s pessoas a
quem perlence.
Corre-me o dever, de accresccntar que
sao tambem credores de nosso reconbeci-
raento o presidente e o secretario geral da
commiss3o da exposic3o de Aliona, W. de
Pastan e A. Smeffers pela promptidl' e
delicadeza em acolber nossos proluct'S,
qoer destinando Ibes espaco necessario para
sercm exhibidos, n3o obstante achar-se j
aberta e adianlada a respectiva exposiclo,
K>rga0>
signQWti 'piaa nb
mos
Para novo commettmento deste genero
prepara-se agora o Instituto, firme em seas
principios.do corresponder sos deseos do
jovemo iraporOil e prestar serviros 3 agr-
cultora, .cediendo, sem hesita'-, ao convite1
que'V. Exc. Ihe dirigi por avisf da 40 de
margo prximo passado.'afim de anxiliaros
>ro'ltr.tons nacionaes ni exposiclo univer-
sal ili cidade, de Cor.1nv.-i, na Repblica Ar-
gentina, annaneieda para o dia 15 de outu-
bro p: iximo til'.uro.
Ni lesropenho desta commisso fomos
ainda incumbido* en n o Io vico-presidente
do c msellio fiscal birlo dis Tres Birras.
Arnbis recebemos uira carta muit) obse
piiosa do enviado extraordinario e ministro
plenipotenciario da Repblica Argeotini o
general D. Wenceslao Paunero, com quem
ji me tenho entendido sobre este ob-
jecto.
Apezar do ponco tempo, at o fim de
agosto, em queao maia tardar os productos
devein ser d'aqui remeltidos, espero algum
resollado deste n.)vo certamen industrial, ao
Menos cpianto seja indispensavel para que a
:m lortan'issima e variada prodcelo do
! <]i bem representada na primeira
i universal dos estados do Prata,
t a'guns de nossos gneros ainda nao
sfo h mu conijccidos, e outros nao tem po-
di.lo sir apreciados na escala sufficiente
para abrir Uies novo e vasto mercado.
Tenii pora mira qia assim acontecer,
ir de eon- espQttialmenlfl a cha, fumo e mate, e tam-
bem ao caf, estacar, agurdente e chocola-
te. D; ledos esses artig03 e de alguns ou-
iros so ios prometle remelier, em tempo.
pi.iiitid.l> necossaria para ser exhibida.
Esperam?8 tambem da companhia UaiSo
e lniliHtrij, que feli/.mente ja annunciou
para 21 de jtrabo urna feira na povoacSo do
Joiz de Fra, com a qnal nos pode auxiliar
innito. servico igual ao prestado por occa-
lifo da exposicao de Hamburgo.
fchdei preparar no Inditnto dos Menino:
C-gos alguns trabalhos semelhantes aos que
t admirados foram na ultima exposc3o
nai mil. O digno provedor da Santa Casa
la Misericordia, o senador Zacaras de Ges
e Vascon-ellus. satisfaz-nJo ao convite que
tambem loe dirigi o general Paunero e de
tecordo comnosco, pz disposico do Ins-
tillo primorosos trabalhos artsticos dos
alienados recolhidos ao hospicio de Pedro
II, e outros productos preparados no reco-
Ihimento da mesma Smla Casa.
Na pro ncia do Cear temos sido coad-
iuv.id.s pelo senador Thomaz Pompen de
Souza Brasil, e commendador Joaquim An-
tonio da Coalla Freir, de quera ha pouco
lempo r-ecbi urna carta prometiendo diffe-
renles productos que attestaram 03 progres-
sos ltimamente leilos naquella provincia
na callara e fabrico de certos productos.
O mesmo acontece no Para, gracas ao
commendador Manoel Antonio Pimenla Bue-
no de qiM'm hi poneos dias recebi resposta
satisfactoria, e em Minas-Geraes aos esfor-
co; do senador Manoel Teixera de Souza.
Ni Fazenda Normal, alm de oulras cou-
sas in'erestantes, est3o-se preparando ma-
chimas, e instrumentos agrcolas de invencSo
do director, ou por elle aperfeigoados.
Alguns do nossos fabricantes promeltem
tam >em enviar specimens dos seus melho-
res productos.
Todo, p is, nos induz a crer que ainda
d sla vez o Brasil nao passar desapercibi-
do, finhora nao tenha carcter official a
presentarlo dos producios desua industria
agrcola e raanufactureira.
Accre$ce ipie, segundo estou informado,
a sociedado dos expositores estabelecida
nest.t corle, dfaejosa de corresponder aos
patriticos fins de sua creagSo, conta enviar
variados o iraport.ntes objeelos de algumas
de nossas fabricas e ofli'inas mais acredita-
las, que to luzida ligura' lizeram as duas
ultimas exposicoes de Inglaterra Franca.
Terminando o que tenho a informar sobre
esle ponto, reproduzirei o que disse no re-
latn) do anno passado. por occas.5o de
tratar da exposicao de Hamburgo. pena
que 18o curto seja o tempo disponivel, e
impropria a quadra para cerlos productos de
nossos estabelecimen'os ruraes.
Nao pouparemos, porm, os mais decidi-
dos esforcos, e se, nao obstante, pouco
consegnrmos, teremos ao menos preenchi-
do nosso dever.
Para previnir dilliculdades de momento,
solicite! de V. Exc, e sei que foram ex-
pedidas as necessaras recommendaces ao
nosso ministro-oa R 'publica Argentina, afim
de em lempo reservar-se no edificio da ex-
i a colloeaio dee oh
i i fla p '*weap a Pt-
unU Njrmal, sey.in \> t-ubn
HSe representada ao governo. estender
a cultora de ce/tos gneros ia pr'mclpal
producf,36 nacional na ralor escala pos-
siuel. a +$k
E' isto,essencal afim de tornar maia
Iproteitaveis econvaieotes as experiencias
que em pe oto pequeoo tem o Instlalo por
lilTerenles vezes. feito, no inlqito de proar seos fimnlos pralicar no mmeio de ta^s
casas
para
'OtO.
Desde logo podara-) estas servir pira Id
var-se a elTeito a escola pratica dos traba*
Ihos-de ralo, e outros instrumentos agr-
colas, e de novas e cusiosas machinas que
os fazendeiro recelara comprar sem conhe-
cer seus effeitos reaes.
H fazmdciros que desejanlo mandar
aos proprietarios ruraes, n3o havsr, rigoro
smeme fallando, larras cansadas, e qu as
abandonadas por este motivo, podem pres-
tar ainda vantagens reaes, applieando se
Ihjjs os meios ensraidos pela scienc.i de
Sos dadas com a pratica. medanle o en-
preg > de alg im trabslho, e de despena iu
feriores s que em geral suppe. .
A fazendeiros nossos tenho visto pir ve-
zes, ao ob^ervarem experiencias nesle sen-
tido em nm pequeo terreno, duvidarem di
sua efleacia, qnando se trate de realisa-las
em maior extenso. Attribuem-a a um tr-
balbo tal, e a despezas ti) consideraveis,
que a tornam incompitivel com a* forjas
de q e dispem.
Nestas circumslancas, n^m sempre, ou
antes qnasi nunca, o raciocinio s por s
capaz de demover conviccoes enraizadas
pelo lempo e por tradicional usanca, sobre-
ludo, qnando nasfbresUs virgens, embora
distantes das habitaces, encontrara recur-
sos para prodcelo abundante s com o tra-
balho do machado e a aeco rpida do
fogo.
Se, porm, os que assim du.dam dos
benficos elfeitos dos meios que a sciencia
offerece com tanta segura tija, viren pros-
perando urna vasta cultura em terr.is senn-
Ihantes s,que, com Unte detrimento do
presente e pesados sacrifios lancados so-
Dre o futuro, lera sido por elles despreza-
das; e se, eutraido as investigafoss as
mas minuioas, reconhecerem, sem mais
poderem dovilar, que to f lia resultado
pJe ser obtid > sem gran le dispendio, an-
tes com mmediata e real vantagem, ouiro
ser sem duvida o seu modo de pensar.
Em assumpto3 desta natureza, s exps-
riencias completas e em larga escala podem
combater hbitos iaveterados, protegidos
por graides e mai promptos lucros, pr>
tegtdos por grandes e mais promptoj lu-
cros, provenientes da cnltura dos principaes
productos em trras de mallo virpem. Ora
este desidertum que o imperial Instituto
oo poder' conseguir em qoanto for oori-
gado a manter os trabalhos da Fazenda
Normal nos limites da pequea rea de ter-
reno disponivel, a que est circumscriplo.
E, se quando nlo se tratava de orna fa
zenda noria d, mas somente do jardim bo-
tnico, seus directores, desde o anno de
1850. constantemente pediam qne se aiar-
asse o terreno existente; se os poderes
do estado assim o julgaram indispensavel,
utorisando o govorno para annexar-lhe as
chcaras adjacentes, cojas bemfeitoras se-
riam pagas com a alienar;.io iio dominio di-
recto das que sobrassem na antiga fazenda
da Laga de Rodrigo de Freitas. como dei-
xar-se de levar a effeito to providente me-
dida, hoja que alm do jardim botnico tem
o Instituto o encargo de fundar urna fazen-
da normal ?
Felizmente, pens qoe vai ser agora re-
movido esse grande obstculo com que lua
o Instillo, e o tem impedido de realisar
um dos principaes fins de sua creaclo. Ani-
a im-me as providencias por V. Exc. u.ti-
mamente tomadas pedindo, reqnisiclo do
ministerio da fazenda, informaces circums-
tanciadas" sobre os terrenos de .que carecem
o jardim e a fazenda normal, as quaes j
ministrei, e mandando aprsenlar-rae um
engenheiro pira medir os ditos terrenos e
proceder avaliaejo de snas bemfeito-
rias.
Se assim acontecer, e ao raesmo tempo
o Instituto alcancar o augmento de subsidio
que em outro lugar deste relatorio juslifi-
quei, nutro a mais boai fundada esperanca
que sua missao ser desempenhada por mo
do muilo mais satisfactorio, ficaodo habilita-
do para combater com a pratica e com o
exemplo preconceitos de longa dala que tan-
to teem concorrido ptra obstar, entre nos,
o progresso da lavoura.
Sem isto, porm, ha de V. Exc. permit-
tir-me que repita, pouco mais poder olns
titulo fazerdoque at o presente ha feto
custa de muitos sacrificios, e superando a
cada passo difculdades de grande monta.
Releva anda ponderar que a concesslo
dos terrenos indicados e meios pedidos,
alm dos beneficios mencionados trar o de
poder-se manter melhor a polica do jardim
e fazenda normal, de se esgotarem grandes
FOLHETIM
,\ \\U II11S M klHT i
POR
jXavier de Montpin.
PARTE tbrceiua.
A CONDESSA DE R\1IDN
(Continaaclo do n. 259J
XVIII
A partida.
O conde de Rabn assentou-se e fez
signal Sarat-Maiient e senhora de Cba-
vigny para se assentarem direita e es
querda d'elle.
Reuni as mos de ambos entre as snas
e murmuron depois de um instante de si-
lencio :
Pedi Dos que me dsse forjas...
foram oovidos os meus rogos, bem o co-
nheco ; vem qoe estou tranquillo. Preciso
de saber todo, terei valor para oovir at
ao fim. Digam me, pois, como foi que
ella morrea, sem omillir nenhura porme-
nor, sem nada oceultar. Sei que nlo a
tornarei a ver; mas quero ouvir fallar d'ella;
ser essa a minba derradeira consolaclo, e
nlo m'a negam de certo. Falle, querida
Olympia.
Mea primo, balbacion a senhora de
Cbavigny, nlo est na minba mo o satis-
fazer-vos. Faltar-me-hiam as fbreas, e logo
is primeiras palavras d'essa cruel relaco
viriam os solucos suffocar me a voz.
Falle entlo o ifleo primo, accrescen-
tou o conde voltaodo-se para Saint-Maixent
O seobor ama va tanto como Olympia a qoe
deixon de existir ; mas hornera e ter as
forcas qne i ella .Ihe faltam.
O marquez inclinou-se, e com a vos se-
gundo pareca muito commovtda, principiou
instrumentos, e aprender a concerta-lo', n3o
podjm fiz lo por n3o ter o Instituto edifi
cios para accommoda los.
Sem embargo, continuiram durante o in-
vern passado nos dias e horas mrcalas
is trabalhos de arado e de alguns ihUrn-
raentos de lavoura com assislencia de diver-
sas pessoas.
De nm anno a esta parte, mais do que
nos anteriores, recebea o director da fazeo-
da normtl consullas verbaes sobre objeelos
concernentes lavoura, a que sempre sa-
tisfez, como era do seu-dever.
E para que se tenha a esle respeilo idea
exacta, recommer.deilhe que de ora em
dante, lance em livro especial n3o s as
consultas sobre taes assumptos o suas res-
pistas, mas tantbem os nomes dos que as
frieren.
Entre os terrenos, a que aeabei do refe-
rr-rae, ha um cuja totd annexac3o fazen-
da normal nao me animei a prop r, alten-
dendo ao miior valor dos seus edificios e
oulras bemfeitorias. e pir'.anto ao mais ele-
vado preco da desapr ipriae). Ainda as-
sim, porm, releve V Exc. que observe, o
thesonro lucrar muito, readqnirindo o e
codeado ao Instillo o uso-l'ructo.
N3o s ne se encontram algn manan-
etaes mandantes de agua potavel, como
tambem ser esse. o nico meio eSficaz de
salvar maltas virgens, e com ell s boas ma-
deiras de leK qoe ainla restan perto da
cidade, apazar da devastacloqm de alguns
annos para c lera ellas solri lo.
Reserando-se a maior parte dessas mat-
tas, sendo convenientemente conservadas as
madeiras de mdhor qualidade, e augmenta-
da sua plantac3o, o Instituto poder utili-
sar-se de n3o pequea extenso de ferlilis-
simas varzeas, e grande numero de collinas
pouco elevadas, com magnificas grntas mui-
to proprias para a cultura de certas plan-
tas. Desta med la resnltarSo sem duvida
mais vantagens para o estado do que ac-
tualmente tira dos insignificante* arronda-
raetos dos referidos terrenos.
S pelo lado da conservarlo de malta?
to prximas, anda com madeiras de le
estou certo que este assumpto ha de mere-
cer a alinelo do governo.
A escassez de lae? madeiras, algumas das
quaes possuera qnalidades preciosas, vai-se
tornando cada da mais sensivel.
Actualmente vem d* muito longe, e nos
lugares mais alfasla los da corte e das gran-
des cidades as difculdades de transporte
fazem que sejara conmmmidas pelo fogo,
nico meio empregado, por mais prorapto,
nos estabelecimenlos roraes, onde slo con-
sideadas embarazo real para a cultura.
D'ahi resulta que para coistrucgas nos
povoados do litio-a1, importamos boje por
preco muilo alto o pinho, madeira inferior
a muitas das de nossas maltas, em vez de
constituir expjrtaclo destas, como poda
ser, urna das mais productivas fontes de
renda.
. Entretanto nlo se deve perder de vista
que o pinho importado nao de prodcelo
expontanea, mas o resultado de urna cultu-
ra esmerada.
Com este exemplo nlo pode a geranio
presente descuidar-se por mais tempo do
futuro, continuando a deixar progredir a
destruidlo de nossas florestas, e abando-
nando o estudo do cultivo das madeiras de
le.
O major Archer com sua aerseveranc-a, e
correspoadendo s ntencoes cora que se
mandou crear a floresta iracional da Tijuca,
est praticamente demonstrando que mais
facii, e em menos tempo do quj em geral
se presuma, preparar-nos por semelbante
meio, pata termos no futuro o supprimento
exigido pelo consumo.
Est igualmente provado, cora cerca de
40,000 ps de arvores de lei de diversas
qualidades j bem desenvolvidas, alm de
milhares de outras em vivetros, que se
podem aproveitar em lio til destino terre-
nos abandonados por notis, e considerados
esteris para a plantado do caf e outros
arligos de lavoura, como esses de que ele
se tem servido nos pincaros da Tijuca e
proximidades do Bico do Papagao.
Nao tendo at agora chegado as batatas
nglezas que o anno passado soiicitei do mi-
u.a narrativa era que foi intercalando a
verdade com a mentira, com a babilidade
de que j tinha dudo tantas pruvas.
Disse que poi.c s d as depois de partir o
conde para Pars, a senhora de Rahon tinh
ficado n'um desasocego- 13o vivo, to in
suportavel, qne augmeutou muito a sua
doenlia fraqueza.
A condessa, cada vez mais dominada por
aquella crescente inquietaejio, entrou a fallar
em so retirar da Auvernia e ir ter com seu
marido.
As supplieas e observares da senhora
de Cnavigoy e de Saint-Maixent, que deli
genciavam demonstrar-lbe qoanto eram chi-
mercos os seus receios, tinha respondido :
Se nao querem acompanhar-me, irei s.
Que fazer, em presenta de urna resola-
no lio irrevogavel ? Podiam elles, ainda,
que deplorassem a imprudencia da condes-
sa, podiam dele-la contra sua vontade no
castello ? Isso era de todo o ponto ai-
pos si ve I.
O nico recurso que lbe restava era nlo
a desarapararem, velarem pela sua vida,
e serem, nlo os cmplices da sua locura,
mas os protectores da sua fraqueza.
O marquez interrompea-se, pergantando
ao primo :
Tinhamos ou nlo razio ? Approva
o que fiz ?
Se approvo orna abnegago como a
sua, que nlo para dante de oenbum sacri-
ficio t volveo o senhor da Rabn. Podem
acaso duvidar ?
Continuando a sua verdica historia, con-
tou Saint Maixent os principaes incidentes
da viajera : a sbita doenca do boleeiro,
que ficara meio caminbo da aldeia de
Mauriac. e a exaltacao da condessa, que de
dia pira dia e de instante para instante a
tomando proporcoes assustadoras ; o acci-
dente sem nenhuma importancia saccedido
ao trem diante-da casa solitaria ; a hospi-
talidad qoe Ihes tinha pfferecido ama po-
bre tttolner 'aquella casa, e analmente,
nistero a eirgo dr; V. Exc das melhor
quali -sim
as semen is, qnini. e
outras pl qoellis regios, indicadas
pelo s'ci irlo do listituto o conse-
Iheir Feiippe bopes Netto, leve V. Exc. a
bdodade sentido expedido a* providencias necessa-
ras, bem, como para a remessa de raudas
das novas e importantes especies d bambas,
de qa8 dea noticia o Dr. Ihrman Blnrae-
neau em am officio, ha lempos dirigido ao
governo, e que foi presente ao Instituto.
Espero da provincia do Para, por inter-
medio do tmente coronel Antonio Pereira]
la Silveira Frade. ama porejio de sementes
de plantas daquella provincia, ainda n3o ex
istentes na Faceada Normal, visto ter-se
extraviarlo um caixote quo o anno passado
rae enviara o dito tenente coronel, em con-
seqnencia de recommendico que a mea
pedido receben do consellieiro J >s Banto
da Cunha Figueiredo.
Espero ainda outras do Rio da Prata e
di Pacifico, tend o Instituto j fornecido,
com promessa de troca, sementes e plantas
de seus vveiros ao Dr. Ensebio S Estevcs,
de Buenos-Ayres ; e ao ex-ministro da re-
publica do Per Ll Torra Bueno.
N5o tend i vingado a plantadlo de batatas
de topmambiur, o anno passado. offereci-
das e Fazendt Normal pilo socio C. Harin?,
foi agora remivada com as que trouxe da
Europa e presenteou ao Insiiluto o mesmo
socio.
InfelizTirate a demora de seu recebimen-
to fez deteriorarse a maior parle.
Ao Dr. Hermano B'omeneau deve o Ins-
litlo a offerla de quatro especies rarissi-
raas de araucarias, que vlo-se desenvolven-
do bem.
Ao ciQselheiro do Estado visconde d4 S.
Vicente a de a guraas mudas de arvores do
Para e 'le nutras locares e ao Dr. Capanami
sementes de diversas qua i ledes de milho.
Em Montevideo recebi da D. Jos Buc-
cbentall para o Instituto, um pa;ote com
somantes de plantas preciosas da Australia,
cultivadas em sua graude quinta, prom^tlen-
do-me mandar na eslaco mais propria mu-
das de ontras.
Oj vveiros foram alm disto enriqueci-
dos com sementes recebidas pelo D\ C.
Glasi, hoje em correspondencia com os di-
rectores dos jirdins botnicos de Java, de
Melbonrne.-e outros logares para a troca
de piratas.
O digno socio da directora, visconde de
Barbacena, em urna d -s ultimas sessas fez
a expoiielo das vantagens de urai machina
de torrar farinna, de recente invancao de
Aleixo Ferraira de Vajconcellos, por quem
j tem sido construid
systema, que hlo produzido resultados sa-
tisfatonos, e offereceu ao Instituto o respec-
tivo modelo, que fi-.ou exposto na sida das
sesses para ser examinado.
A todas as pessoas cima mencionadas
agradec estas provas de zelo a bem da rea-
lisaco dos fias do Instituto.
Tendo assim prestado a V. Exc. as in-
formaces qu8 me pareceram m lis necessa-
ras, devo, antes de c ncluir, communicar
que o digno socio correspondente Dr. J. M.
da Silva Continuo, tendo de ir residir por
alguns annos na capital da provincia d>
Para, pretende all preparar um estabeleci-
mento que deseja considerar filial da Fa-
zenda Normal, com o 0m de acclimar muitas
das mais preciosas plantas sylvestres da-
quella provincia, o estudar a sua cultura,
brindo correspondencia com o Instituto e
fornecendo por troca sementes e raudas das
ditas plantas, cora o fim de promover a sua
iotroducclo e cultura no Rio de Janeiro, e
em mitras provincias.
mais am relevante servig que prestar
esse cidadlo, embora nao mais valioso que
os j- prestados por elle nossa agricultura
e ao futuro commercio do Amaz as e Para
com suas afanosas investigacoes pelos rios
e matlas de ambas as provincias, e nteres-
sa.itissimas pub icacoes.
Terminando este relatorio exiga a gra-
tido que o fa?a renovando os protestos do
mais profundo reconheciraento de todos os
membros do Instituto para com o seu au-
gusto protector, como -sempre, incausavel
as repetidas e animadoras prov-s, com qoe
o lera honrado, de benevolencia e confianza
no futuro da instituico.
Exige tambera o dever que oxpresse
nosso sincero agradecimento ao governo im-
perial em geral, e especialmente a V. Exc.
e seus dignos antecessores, dos quaes ha o
Instituto sempre recebido sinceras demons
traeres de boa vontade.
Pela minba parte o mesmo devo fazer
com relaclo a todos os m imbros da direc-
tora e do conselho fiscal, secretaria de
ir.
i
Estado do* rainiterio i cargo de Y.
cna muita particalariaa leo
ebefe, os jnaes lee _a
inequvocos testemoocos de coi
pessoal, a qoe sou moitograto, c
cota sua cooperaflt efflcax para o
pendo da tarefii qoe goverao
bouve por bem confiar-eae. -
Deas guarde a V. EicIlla. lia. Sr.
conselhairo Diogo Velbo Civaleaati tUM-
buquerque. muito digno miaistra
tarn de Esta o dos negocios dai _
commercio e obras publicas. MMe >
Bom Retiro, presidente do Imperial
Fluminense de Agricultura
YAMEDADE
Vi ter nativas p*rae tea
do Komi deade
rio at a
Roma, a soberba capital do asando i
to foi fundada sobre 7 collinas. Hoja Ma-
ta 12, a saber:
0 monte Avenlino, Capitolino, Pdstiao,
Qurinal. Vaticano, Viroioal, Esqailiao. Jss-
cula, Cali ou Litberano, TesUceo. Coreo
e Pinicio.
Roma possue os raaiores e mais asa
edificios do mundo. Tem actualmente 15
portas sendo a uiedior a M Popuio. (Aati
gnmente contava 37 portas).
Roma teiu passado por duras provas,.
pre bella, sempre grandiosa, s-mpre
maca, e por isso tanto mais para W i
a soberana que ella sempre tuve em leda a
mundo.
Vamos ex por resumida e chrnoologica-
raenle os acontecm ralos mais notaveis ajaa
se teem dado.'nessa cidade desde a sai fea
daclo at a actualidade :
753 annos antes de Christo. Focuiaci
le Roma. E' Romulo o seu fnodadar.
509. E expulsa a realeza em Tarqnnio.
o Soberbo. (Havia durado i\\ annos). Pra-
clama^lo da repblica.
203. A repblica derrota Pyrrho oa ba-
talha de Benevente, o que implica a sobnis-
slo da Italia.
163. Comecam as guerras publicas (car-
thagmezas); al' leve lugar do aoo 854
a iI antes de Christo; a r de 21a!
e a 3a do anno 149 a 116.
1 C. Deslruico de Cartbago. faa
emula de Roma; por Scipilo, o Africana.
131. Comecam as guerras civis proao-
vidar pelos irmos Gracbos, por Mirio, Sylla
Cezar e Pompeo.
31. Batalha de Accio em que Octavio
derrota Marco Antonio. Fim da repblica
romana.
30. Cometa o imperio dos 12 Guiares.
(9 da familia Auyustn, desde Julio Cazar at
Vitelio ; e 3 da familia Flaviamta : Vesna-
siano, Tito e Domiciano.)
3 i da era vulgar. Sobe i cadera ponti-
ficia o apostlo S. Pedr), vigario de Jeso*
Cnristo ni trra. Reinava ento ea Roa
Tiberio.
a morte repentina da condessa, qae o me-
dico linha attribuido ruptura de um
aneurisma.
O conde ouvia aquiUo ludo com as la-
grimas a correrem-lhe pelas faces.
Assim, pois, a minba amada esposa
nlo leve seqaer a consolarlo de morrer em
sua propria casa, n'essa casa que Ihe era
to querida ; porqae n'ella tinha vivido fe-
liz t No estreto aposento de am misero
casebre exhaloa o ultimo suspiro I Os
seas olhos moribundos ni) poderam repou-
sar-se n'alguns d'esses movis familiares
que representam am papel na vida e que
sao quasi os nossos amigos, e hoje
hoje descanga em trra estranba, longe dos
seus anlepassados, e longe dos meus I To-
do o meu corpo se abala e estremece s de
pensar em tal desamparo / Nem urna la
grima, nem ama flor sobre essa cova ape-
nas fechada I A triste mora jaz em com-
pleto esqoecimento e admira-se talvez da
sua soledade! Ah vou partir... lirare
a minba amada esposa d'essa sepultura des
conhecida... leva-la-hei comigo, e j que
o meu carinbo nlo poder resuscita la,
restiturei ao menos os seus sagrados res
ios trra cujo nome tinha, e que a rece-
ber com amor no seu saio.
O marquez empalldecea e trocou um
olhar com Olympia, que tambem eslava li
vida. Os dous cmplices trabara, medo.
Que sucedera se o conde, procedendo
exhumadlo na abbadia da Chaise-Dieu,
quereria ver ainda urna vez o semblante da
que linha amado ? Que soccederia entlo ?
Reconhecera aquella rosto ? Illudi-lo-bia
ama vaga semelhaaca ? Sahiria a verdade
como am raio do entre-aberlo atade para
ferir e castigar os criminosos ?
Emquanto Olympia e Saint-Maixent fa-
ziam l entre si estas insolvaveis interroga-
ces, o senhor de Rahon, como se fallssse
contigo mesmo, mas em voz bastante alta
para ser ouvido, mermara va :
- Tudo aciboo parj mim a'este mondo.
Eu viva para ella... ella morreu, nada
me resta j. Se Deus me lvesse dado um
filtra, ligar-mebia isso com vinculo sagrado
existencia que me foge... teria entlo
um dever acumprir... Mas nlo tenho
filhos... estou s... o meu corpo ainda
poder talvez vegetar dorante algum tem-
po na trra... mas morreu-me boje a al-
ma l...
0 senhor de Rahon deixoa pender a ca-
bega sobre a peito e ficoa absorto em to
fonda e prolongada meditaelo, que ao cabo
de urna hora Saint-Maixent decidise
interrompe-la,. e tocou levemente no braco
do conde, que estremeceu e olhou para
todos os lados como se despertasse em
sobresalto de algum sonho.
Meu primo, disse o marquez na sua
voz mais suave, prometteu-me que teria
forca, valor e resignacio.
Parece Ihe qoe nlo compro a minha
palavra ? replicn o conde com amargura.
Nlo, meu primo ; entrega-se lodo
sua dr, e essa dr mata-o.
E que importa ?
Importa muito ; esquece-se do nosso
carinho 1
E' verdade, balbuciou o conde, es-
qaecia-me d'elle... Coofesso que fui in-
grato ... Que quer ? Tenia se a hita...
mas depois pensa-se... vem as recorda-
ces. e afinal somos vencidos I
Permteme que Ihe faca urna per-
genia ?
Um gesto do conde servio de resposta
affirmativa.
Que tenciona fazer ? proseguio Saint-
Maixent.
Partir.
Quando ?
Amanbla.
Para onde ?
Ji o disse : para ir ao cemiterio da
Cbaise-Dieo, tirar o mea nico tbesoaro
daquella trra asiranba e levar para o cas-
tello d.e RiIwq eise jorpo sen vida, -jae
6i. Incendio da cidade de Roma
do lanzar pelo infame ero qoe iapulaeete
borrivel enrae aos christaos.
96. Cometa o imperio dos Aotoaiaos.
(Deu 6 ifloperadores desde Nana at Coa-
modo).
493. Comeca o imperio dos principes
syrios e com elles a pocha conbecMla pela
dO despotismo militar, (frodoiio 7 ianara-
dores desde Sptimo Severo al AJcxandra
Severo).
235. Batalha de Mayense na qnal Alo-
xandre e sua mi slo immolados pelo feroz
Maximino. Usurpaeo militar qoe di 44
imperadores desde Maximino at GaUiano.
o nltimo dos trinta tyrannos).
268. Cerco de Millo. Morir Je GaUiano.
Comeca o imperio conheeido na historia pdo
da aristocracia militar. (Prolitiio 7 (ape-
radores desde Claudio II at Carin).
285. Batalha de Margos na qnal Cario i-
Ino de Caros morto pelos partidarios de
Diocleciano. Comeca o imperio momrekko,
que produzio 15 imperadores desde Diode-
ciano slo Theodosio o grande.
313. Edito de Millo pelo qial CoosUn-
tiuo Magno estabelece a Religiao chrisl aa
jeu imperio.
332. FuiAlaco de Constantinopla para
asylo dos christaos por Constantino Magno.
393. Parlilha diflioiiiva do imperio por
testamento de Theodosio, o Grama, i' a
imperio do Oriente dado a Arcad o, a o 4a
Occidente a Honorio.
\CoHtintua-it-ka.)
foi lio formoso, esse coraco inanimado,
que fazia parte do meu, para eu mais vege-
tar que viver ao lado do fretro onda re-
pouse Mara, at qoe Deus disponha de
mira : esle o meu anico pensamento, o
meo anico desejo, o mea nico sonho...
Est bem, meu primo, volveu o mar-
quez ; faca-se a sua vontade ; amanilla par-
tiremos.
Partiremos ? repeli o conde admira-
do. Tencionam ento acompanhar-me 1
E pode suppor que n'umas circums-
lancas tao dolorosas nos apartaramos do
senhor, eu e a senhora de Chavigny ? Nlo,
cem vezes nlo. Ainda quando quzesse-
mos afastar nos de si, temariamos em
acompanha-lo.
O senhor de Rahon tomn outra vez en-
tre as suas as mos de Saint-Maixent e da
fownosa Olympa.
Affasta los de mim. meas amigjs,
raens filhos I balbuciou elle com a mais
viva commocio. Ah I Livre-me o co de
semelhante idea Repellir ons coraces
como os seus seria um crme Venham,
pos nlo me desamparem ; e do alto do
co vos abencoar o anjo que choramos.
Annibal assentou-se diante da secretaria
e principiou a escrever com mo trmula
n'ama grande olha de papel.
Participou ao ministro qae, victima de
urna d'essas desgracas imprevistas, qae
prostram o animo de um modo irreparavel,
parta para as suas trras em busca do si-
lencio e da.soledade, afim de chorar eter-
namente sua esposa, e conclua pedindo
que Ozesse aceitar pelo rei a soa demisslo
do cargo de lugar tenente general.
' Assignadl esta carta, metteu a n'um so
bre escripto sellado com lacre pret), orde-
denou que a levassem immediatamente ao
palacio do mioistro, e murmuron :
Acabo de desatar o ultimo' laco qdej
me una ao mondo. Quebrei a nimba ra-
pada j oxal que Deus quebr bm depres-
$8 o fio da minba existencia,
a ceta e
e os seos
Era j de noute.
Domingos annunciou qae
esperando o senhor conde
pedes.
Aonibal nlo qniz s*ntar-se masa
Olympia e Saint-Maixent conseguir
elle, vancendo a sua repugnancia,
algum alimento para sostentar a
fallecidas forcas.
Voltou depois para o sea gi
apeiou o retrato de Maria e enrolon a pre-
ciosa tela, da qual nlo quena apartarse.
s isto o qae levo d'cita casa
onde passei tantos dias felizes, e aoada
nunca tornarei. Gosos. de aaor, antena
da fortuna, jubilo da ambicio isatailj.
que foi feilo de vos todos ? Eslava aa
grimpa e acbo-me no abysao. Tala m
derrocoo n'um tomulo.
Como passou e conde aqoella noota ?
E' fcil de adevinbar, us iapaaiat de
descrever. Hi padecimientos lio
e terriveis que nlo se prestaa
Annibal tinha dado as suas
criado grave. Pozara aa i
correio n'aquella mesma noote,
preparar os cavallos de moda, da
em distancia, ainda quefosse
ga los peso de ouro.
O nico desejo qoe sobreviva
do nobre conde era chegar o ass
possivel abbadia da Chaise-Dien.
Mal o primero alvor da
apparecido no horisoate, ji na'
palacio eslava prompta
tirada por qoatro cavados.
Annibal, Saint-Maixent e a
vigoy ; os animan paiiiraa
nosa rapidez, e assim mi
dade onde a condessa t
cerrada lalvea pan eaej
laboocos do bospiul de doudos.

4
(Qalsaaraai).
tW, do DiAJUO-noa po pqqm m Sai


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EL60H249M_TI778Z INGEST_TIME 2013-09-13T23:04:21Z PACKAGE AA00011611_12264
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES