Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:12259


This item is only available as the following downloads:


Full Text
I
-na
.....
*
m
AMO XLtfl. NUMERO 255



A
PABA A CAPITAL E LCABEt OISS IAO SE PACA POMI.
Par tres mecos tdiaottftos .
Por seis ditos dem .
Por om anuo iduta.....
mmiwi-o avuiso
64000
amo
24^00
390
OHfTA FEIRA 10 DE NOVEMBRO OE 1870. *


PA1A POmiO E fOBA DA P10THCIA.
Por tres roezes adiantados
Por seia ditos idea. .
Por nove ditos dem .
Por om anuo idera .



SS

RNAMBUCO.

Propriedade de Kanoel Figueira de Faria & Filhos.
MO AfiKITKi:
4)s Sra. Gerardo Antonio Alves 4 Filhos, no Pira ; Goncalves Pereira d'Almeida, em Mamanffuape; Antonio Alexandrino de Lima, na Parahyba ; Antonio Jos Gomes, na Villa da Penha; Belarmino dos Santos Bolcao, em Santo Anuo; Domingos Jos da Costa Braga,
em Nazareth ; Francisco Tavares da CosU, em Alagoas ; Dr. Jos Martina Ahw? na Baha ; e Jos Ribeiro Gasparinho no Rio de Janeiro.
PAUTE OFITCIAL.
Gnwerno da provincia.
KXPEDIKXTE ASSIfiNADO TELO EXM. SR. DESEMBARGA
DOl! KUA.N'CISGO MAM PKHKIIU ROCHA, VICB-PR8
MMWK DA POVI.NCIA KM 17 JU1HOBK DR 1870.
i' seccao
N. 409.Dito ao inspector do arsenal de mari-
uh.Del'ermdo o roquerimento de Maria Rufina
da Conceicao, pJe V. S. entregar o menor Tobias
Jos de Lyra, urna vet qae exhiba documento que
prove ser com effeito mai do referido menor, como
allega.
N. 470.Dito ao capito do porto.Expela
'Vme. as snas orden, allm de que venha minha
prsenos o recrata Joo Ferreira da Silva, que se
acha a bordo do brigne-Darca Iwnarac.
N. 171. Dito ao conselhode eompras navaes.
Approvo os contratos que, segundo o termo o otli-
<:io de 6 e 8 o correlo, celebron o conselho de
compras navaes cotn dilTerentes pessoas, para for-
eeerem ao altnoxanfado do arsenal os objectos
mencionados no di lo oflicio. O i|ue declaro ao mes-
ino conselho para os devidos efeitos.
N. 471Dito ao mesmo.Ple o conselho de
compras navaes promover a arquisico smente
Jo escaler, deixando para ser aiiendida no prxi-
mo exercicio a dos demais objt-elos de que trata o
offieio do mesmo conselho oe 7 do corrente.
1* seeco.
N. 474.=fillleio ao Exm'. Sr. presidente do tri-
bunal da relacao.Mogo Y. Exc se digne infor-
mar com urgencia se ja foi decidido por esse tri-
bunal o conflicto de que trata a portara 'esla
presidencia de 23 de marco ultimo, no caso alr-
uiavo qual a deciso.
.N. 47o.Dito ao chele de polica.lotcirado
pelo oflicio do delegado de polica de Garanhuns,
de 20 de mao ultimo, a que se refere o de V. S.
de 9 do corrente, sob n. 839, do estado pouco sa-
tisfato rio da salubridade publica nos districtos de
Palmeira e Correnles d'aquelle termo, envi V.
., alim da dar-Ihe o conveniente destino, acompa-
nhada de prescripcoes medicas, uma ambulancia
cora os remedios approprados ao tratamento de
febre amarella e cmaras de sangue, que all
grassam.
-N. 476.Dito ao commandanle superior de
'joyanaa. Por deliberaco d'esta data, maudei.
i)U" ao tenente-coronel do batalho n. t de in-
famara do municipio de iguarass, Antonio Go-
mes Cardoso de Mello, se d guia de passageio
para esse municipio, onde tem lixado a sua resi-
dencia, que Ihe communico para seu conheci-
ment.
N. 477.Dito ao commandanle superior de
Olinua e iguarass. Mande V. S. dar ao tenen:e
oirurgio do batalho n. 10 de infantaria do mu-
nicipio de Iguarass, Antonio Gomes Cardoso de
Mello, a guia de que trata o art. 45 do decreto n.
1130 de 12 de tnaio de 1853, para o municipio de
Goyanua, onde declaras ter lixado a sua resi-
dencia.
N. 478.Dito ao juiz de direit) da segunda
vara d'esta capital.Transmiltindo V. S. o con-
selho de julgamento d > soldado do corpo de poli-
ca, Jos Joaquim Das, o convido a comparecer
oeste palacio no da 21 do corrente ao meio dia,
alim de fazer parte da junta que em ultima ins-
tancia o tem de julgar, apreseniando nessa occa-
sao o relat rio do estylo, seentificando ode que
para o mesmo dia s 11 horas da manha, tica
transferida a reuniao da junta de que trata a por-
tara uV.-ia presidencia de 6 do corrente.
N. 479.=Dito ao juiz municipal da segunda va-
ra.Designo o dia 18 do corrente a 1 hora da
tarde, para ter lugar o exame de que trata o seu
otUcio de hoje datado.
N. 480.Dito ao commandanle do corpo provi-
sorio de polica.Mande Vine, dar baixa do corpo
sob o seu commando, ao soldado Manoel Joaquim,
visto tereompletado o tempo de sen engajament),
e nao querer a continuar a servir.
N. 481.Dito ao tenente-coronel Joo Valeotm
Vtllela.Convido a Vmc. a comparecer oeste pa-
lacio 21 do corrente ao meio da, para fazer par-
te da junta que em ultima iostaocia tem de julgar
o soldado do corpo de polica, Jos Joaquim Das,
-..entilicando-i, de que para o mesmo dia as 11
horas, ficou transferida a reuniao de que trata a
pertana de 6 do corrente.Igual ao tenente-coro-
nel Jos Francisco Pires.
N. 481Dito ao tenente-coronel Francisco de
Miranda Leal Seve.Convido a Vmc. a compare-
cer ueste palacio 21 do corrente ao meio dia,
para fazer parte da junta que em ultima instancia
tem de julgar o soldado do corpo de polica, Jos
Joaquim Das, scientficando-o de que para o mes-
mo dia as 11 horas, ficou transferida a reuniao de
que trata a portara de 10 desle mez.
N. 483Dito ao tenente JooDioclecio da Silva
Paula.Cora o offlcio junto por copia do inspec-
tor da thesouraria de fazenda, respondo ao de Vmc.
de 27 do mez iludo.
N. 4^4 Portara O vice-presdente da pro-
vincia attendendo ao que Ihe requereu o tenente
cirurgiao do b?klhao n. 10 de infantaria da guar-
da nacional do municipio de Iguarass, Antonio
Gomes Cardoso de Mello, e em vista do que infor-
mou o respectivo commandante superior, resolve
que se Ihe d guia de que trata o artigo 45 do de-
creto n. 1130 de 12 de marco de 1853, para c
mu' ipio de Govanna, onde lixou sua residencia.
N. 485 Dita.O vice-presidente da f rovincia
de confjrraidade com a propsota do chefe de po-
lica n. 863 de 14 do corronle, resolve nomear
para o cargo de subdelegado do prmeiro dstricto
da freguezia de Tejucupapo, do termo de Goyao-
na o actual prmeiro supplente, Antonio Goncalvei
de Azevedo, e para preeucher este ultimo cargo o
cidado Joao Ribeiro Campos de Vasconcellos.
3/ seccao.
N. 486.Offlcio ao inspector da thesouraria do
fazenda.Communico a V. S. para os devidos firis
que segundo participou o juiz de direito da comar-
ca de Tacaran!, em offlcio de 29 do mez lindo,
nessa data nomear o teoeote Manoel Francisco Bo-
teibo, para exercer interinamente o cargo de pro-
motor publico daquella comarca, no impedimento
do efleetiTo, tendo o mesmo tenente nesta data as-
sumido "fl exercicio desse cargo.
N. 487.Dito ao mesmo.Tendo nesta data ap-
provado os contratos que o conselho de compras
navaes celebrou com diversas pessoas para torne-
cerera ao almoxarifado do arsenal de marinha, os
objectos constantes do termo junto por copia : as-
sim o communico a V. S. para seu conhecimento.
N. 488.Dito ao mesmo transmiti a V. S. o
pret junto em duplcate, que me remetteu o com-
mandante superior deste municipio com offlcio de
hoje, seb n. 127, para que. depois de liquidado,
mande pagar os vencimsntos das prscas da guar-
da nacional do 1* batalho de infantaria aquar-
tellados no hospicio, relativos a pnraeira quinzena
deste mez.
N. 489.Dito ao mesmo.Depois de liquidados
os pret juntos em duplcala, qae me remetteu o
general commandante das armas com oficio de
boje, sob n. 324 e 315, mande V. S. pagar os ven-
cimentos correspondentes a primelra quinzena des-
te mez, daa pravas do deposito de recrutas dos
prisioneros paraguayos.
N. 490.Dito ao mesmo.Expeca V. S. as Ma
ordeos para que depois de liquidado o pret junto
ata duplcala, que me remettea o commandante
superior desie municipio com offieio de hoje, sob
te do Buraco, relativos a primeira quinzena deste
mei.
N. 491.Dito ao mesmo.Uavendo o theson-
reiro da administrado do correio, despendido a
quantia de 195*000, como paga dos venoimenios
de doug praticaates extranumerarios noroeados
pelo respectivo administrador de conformidado
com a auiorisaeo'do director geral dos eorraios
de 15 de feveroiro ultimo, junto por copia, para o
serrico daquetia ropartieo, recommendo a V. S.
que se nao houver inconveniente, mande indemni-
sjr i mencionado thesonreiro da quantia despen-
dida e cunstante das tres toldas de pagamento ia-
ciusas.
N. 492.Dito ao mesmo.Em vista do pret jun-
to em duplcala que me remetteu o commandanle
superior deste municipio com offlcio de hoje, sob
n. 126, mande V. S. liquidar e pagar os vencimen-
tos das pracas do 6." batalho de infantaria da
guarda nacional destacados na ilha do Pina, cor-
respondentes a primeira quinzena deste mez.
N. 493Dito ao mesmo. Communico V. S.
para os devidos lins que desigoei o dia 18 do
corrente mez a 1 hora da tarde para ter lugar o
exame requerido palo escrivo Manoel Joaquim
Baptista, na precatoria dirigida ao administrador
da recebedoria.
N. 494.Dilo ao meimo. Communico V. S.
para os devidos flns, que segunde mo parlicipou
o juiz municipal do termo de Iiamb, bacharei
Menelau dos Sanios da Fonseca Lins, em offlcio
de 7 do crreme, nessa data assuinio elle a juris-
dicco da vara de direito daquella comarca.
N. 495.Dlo-ao mesmo.Tendo nesla data,
em vista do que requereu Manoel Flix do Nasci-
ment, prnfessor publico de instruccao primaria
da povoaco de Queknadas, recommendao a o
inspector da thesouraria provincial, que faja ees-
sar o descont de 5% que de seu vencimentos
offereceu o referido protessor para as despezas da
guerra, assim o communico V. S. para seu conhe-
cimento c lins convenientes.
N. 496.Dito ao mesmo.Por conta do cr-
dito dos 40:000000 destinados a soccorros pu
blicos, mande V. S. pagar ao pbarmaceutico Joa-
quim de Almeida Pinto a quantia de 108*480,
proveniente de uma ambulancia que torneceu aos
indigentes accommellidos de febre amarella e c-
maras de sauguu na villa de Garanhuns, como se
v da inclusa conta que me remellen o inspector
da sade publica com offieio de hoje.
N. 497.Dito ao inspector da thesouraria pro-
vincial.Era vista do seu (Iflclo de hoje sob n.
377, tenho a dizer-lhe que approvo a arremata
cao i'eita perante a junta dessa thesouraria por
um triennio, que deve comecar no 1 de julho
prximo vindouro, de disimo de gado vaceum das
comarcas do Brejo, Flores, Bonito, Garuar, Boa
vista e Tacaral, sendo os arrematantes e seus
liadorcs os que vieram mencionados na nota
aunexa ao citado offlcio.
N. 498.Dito ao engenheiro encarregado das
obras geraes.Tendo Manoel Alves Guerra de
principiar os concert i precisos na ponte dens-
mimda7 de eeterabro, declaro Vme. para seu
conhecimento que fie* encarregado de Qscalisar
a obra a fazer-se na mencionada i onie
N. 499.Dito ao chefe da repartilo das obras
publicas.Providencie Vmc. para que seja feito o
que pede o chefe de polica no offlcio junto por
copia, na casa que serve de quartel guarda da
ribeira de S. Jos.
4 a seccao.
N. 502.Portara ao director geral da instruc
cao publica.Em resposta ao oflicio que V. Exc.
me dirigi em 15 do corrente sob n. 176, tenho a
dizer que designo a professora da 3' cadera da
ireguezia do Kecife Clara Olympia de Luna Freir
para examinar em trabalhos de agulha no exame
de venfleaco de capacidade professional a que se
est procedendo nessa directora.
N. 503. Deliberacao. O vice-presidente da
provincia attendendo ao que requereu Leoncio
de Luna Freir, professora publica do povoado
dos Arrombado?, resolve conceder-lhe 30 dias de
licenc* com ordenado smente, alim do effectuar
sua mudain;i daquella cadera para a i- da ci-
dadeda Victoria, para onde perrautou com a res-
pectiva professora, sendo contada a mesma licenca
do dia em que deixar o exercicio da 1* destas ca-
deras.
KXPEDIKNTB ASSIGNAD3 PELO SR. DR. ELIAS FREDERI-
CO DE ALMEIDA E ALHUQUERQUE, SECUETAR10 DO
GOVERNO INTERINO, EM 17 DE JUNHO DE 1870.
1* seccao
N. 504.Offlcio ao Exm. Sr. general comman-
danle das armas.S. Exc. Sr. o vicepresidente da
provincia manda declarar V. Ex. para seu conhe-
cimento, que nesta data reiterou a thesouraria de
fazenda a necessaria ordero, alim de mandar pa
gar os vencimentos das pracas do deposito de re-
crutas e dos prisioneiros de Ruerra paraguayos,
relativos a primeira quinzena deste mez.
I' seccao.
N. 505.Offlcio ao chefe. de polica.De ordem
do Exm. Sr. vice-presidente da provincia trans-
miti os ttulos juntos do subdelegado e prmeiro
supplente do prmeiro districto da freguezia de
Tejucupapo do termo de Govanna de conformida-
de com sua proposla em oiucio n. 863 de 14 do
crreme.
.N. 506.Dito ao mesmo.Foram expedidas as
convenientes ordena no sentido de que trata o of-
licio de V. S. de 14 do corrente, sob o. 861 ; o
que Ihe communico de ordem deS. Ex:, o Sr.
vice-presidente da provincia.
N. 07.Dito ao commandante superior de Re-
cife.De ordem do Exm. Sr. vice-presidente da
provincia communico V. S. para seu conheci-
mento, que nesta data se expedio a conveniente
ordem a thesouraria de fazenda para mandar pa-
gar os vencimentos das pYagas da guarda nacio-
nal do 2o batalho, aquarteladas no Hospicio, rela-
tivos a primeira quinzena deste mez.
N. 508.Dito ao mesmo.De ordem de S. Exc.
o Sr. vice-presidente da provincia communico
V. S. que foram expedidas nesta data as conve-
nientes ordena a thesouraria de fazenda para man-
dar pagar os vencimentos das pracas do4e6
batalboes da guarda nacional deste municipio des-
tacadas no Forte do Buraco e liba do Pina, rela-
tivos a primeira quinzena deste mez.
N. 509.Dito ao juiz de direito de Tacarat
O Exm. Sr. vice-presidente da provincia manda
declarar, qae licou inteirado'por seu offlcio de 3
do corrente, de ter V. S. convocado para o dia 20
do mez de julho vindouro, a primeira sessao in-
diciara do jury do termo de Tacaral.
N. 5fO.Dito ao mesmo. O Exm. Sr. vice-
presidente manda acensar o recebimento do offlcio
de V. S. de 29 do mez lindo, em que participa ter
nomedo o teneote Manoel Francisco Botelho para
exercer interinamente o cargo de promotor publi-
co dessa comarca no impedimento do elTectivo.
N. 511.Dito ao juiz municipal interino de di-
reito de Itamb.O Exm. Sr. vice-presidenle da
provincia manda declarar que-ficou inteirado pe-
lo seu offle o de 7 do correte, de ter V. S. nessa
ata assumido a jurisdiccao da vara de direilo da
comarca no impedimento do respectivo juiz.
N. 512.Dito a.Manoel Francisco Botelho.O
Exm. Sr. vce-presidente da provincia manda ac.-
t
cusar o recebiinento do offieio de V. S. de 29 de
mao ultimo, em qu participa ter nomeado, pelo
juiz de direito, para o cargo de promoter publico
interino da comarca de Tacarat, eujo exercicio
assumio naquella data.
N. 513.Dito ao presidente e maja memoro do
conselho de reviso da guarda nacional do Bonito.
?' '8, ?am pa,tos os vencimentos daa pracas da De ordem do Exm. Sr. vice-presidente da pro-
4.* batalho da guarda nacional destacadas no for- vincia aecueo o recebiinento do offlcio de Vv. Ss.
de 11 do eorrente, em que participan) ter nwsa
data finali'.aJo os seus trabalhos o conselho de re-
visao da guarda nacional da parochia do Bonito,
do qual tizerara Vv. Ss. parte.
4" seccao.
ti. 51 i.Offlcio ao inspector da sde publica.
De ordem de S. Exc. o Sr. vice-presidente da
provincia communico a V. S. para sea conheci-
mento, que nesta data expedio-se a conveniente
ordem a thesouraria de fazenda para mandar pa-
gar ao pharmacentico Joaquim de Almeida Pinto,
a quaotia 108#080, proveniente dos medicamentos
fornecidos para os indigentes aecommettidos da
febre amarella e cmaras de sangue na villa de
Garanhuns.
N. 515.Dito ao administrador do correio.
Exm. Sr. vice-presidente da provincia mr.nda deca
rar V. S. que nesta data expedio-se a convenien-
te i rdem a thesouraria de fazenda para ser indem-
nisado o thesonreiro dessa reparticao da quantia
dispendida com os vencimentos pagos a dous prati-
cantes extranumerarios, qne fratn nomeado3 pa-
ra o servico da mesma reparticao.
EXPEDIENTE ASSK.NADO PELO RAM. SR. DESEMBARGA-
DOR FRANCISCO DE ASSIS PEREIRA ROCHA, VICE-PRE-
SIDENTE DA PROVINCIA. KM 18 DE JU5II0 DE 1870.
1.* seccao.
N. 518.Dito ao inspector do arsenal de mari-
nha.De eoulormidade com o que soticitou o che-
fe da reparticao das obras publicas em oflicio de
honiem, sob n. 166, communico V. S. a exeedi-
co de ordens, para que seja quanto alites subs-
tituida por nutra, a baleeira que se acha na ponte
de Caxanga, visto estar fazendo mnita agua e cora
o lente quebrado, sendo augmentada a respectiva
tripulaco, como pede o referido chefe vista da
corrootta do rio.
N. 519.Dito ao commandanle de Fernando.
Para esse presidio dever seguir pelo Io vapor qne
para ah partir, o sentenciado Francisco dos An-
jos Gomes, ao qnal acompanha sua mulher Maria
Francisca da Conceicao, o que Ihe communico
par* seu conhecimento.
N. 520.Dito ao capitn do porto.Informe V.
S. qnal o servico que presta a praca do corpo pro-
visorio de polica que se acha n'essa capitana.
N. 521.Dito ao engenheiro militar.Appro-
vando a deliberacao que, segundo;offlcio de 15 doJ
crrante; tomn Vmc. de mandar por em concur-
rencia, por entender que desse ser menos dispen-
diosa, a execocao das obras de que precisa o en-
canamento d agua do arsenal de guerra, tenho a
dizer-lhe era resposta que ao inspector do thesou-
raria recommendo que designe 2 empregados d'a-
quella repanico para nos termos do arl. 18 das
inslruccdes de 31 de Janeiro ultimo, assistirem a
arremataco de taes obras.
N. 522.Dito ao conselho de compras navaes.
Approvo os contratos qne o conselho de com-
pras navaes, segundo o seu offlcio de 15 do cor-
rente, celebrou com diversas pessoas, para forne-
cerera vveres, dietas, fardamento e ontrew objec-
tos de consamo aos navios da armada, e estele-
cimenios de marinha no trimestre prximo vmdon-
ro de julho a setembro.
N. 53.Dito ao cnsul de Portugal.Pela le-
tura da copia inclusa da infoiraacao que minU-
trou-me o Exm. general comman l'anle das armas,
com referencia a materia do ollicio que em dala
de 8 do corrente, dirigi me o Sr. Dr. Claudino
He Araujo Gaimares, cnsul de S. M. Fidelssima,
ver o mesmo Sr. cnsul que abem do subdito
porluguez Augusto de Souza Dardaoo, qne so alis-
tou em 8 de novembro de 1867 como voluntario
da patria, segundo para a campanha do Paraguay
no dia immediato, nenhura com o nome de Au-
gusto Guilherme Vasconcellos de Souza se alistou
com igual destino. Renov ao Sr. cnsul de Por-
tugal a seguranza de minha perfeita estima e con-
sideracao.
2* seccao
N. 627.Dito ao mesmo n. 122.Tendo llera
dio Constantino de Paula Monteiro, pedido paga-
mento*dos objectos que forneceu para o expedien-
te da secretaria da polica desta provincia, nos
mezes de Janeiro a mao deste anno, di importan-
cia de 6104000, como ver V. Exc. do requeri-
mento junio por copia, e nao uavendo crdito vis-
to char-se esgotadaa verba consignada a secre
(aria de polica, no corrente exercicio para paga-
mento dessa importancia, segundo consta de in-
formacao do inspector da thesouraria de fazenda
tambem inclusa por copia, assiiu, ijs, cumpre-
rae levar ao conhecimento de V. Exc, para que
se digne de resolver o que se entender raais con-
veniente.
2." seccao.
N. 528.Offlcio ao chele" de polica.Inteirado
por seu offlcio n. 860, de 13 do corrente, do quan-
to expoe sobre o iucendio que houve no predio n.
8 da ra da Cacimba na freguezia de S. Fre Pe-
dro Gincalves, tenho a dizer que de parte desta
presidencia, louve as pessoas do povo e emprega
dos quese presiaram ao apagamento do incendio
e remoco das fazendas do armazem prximo a
elle, coovindo que V. S declare a causa a que foi
devida a falta d'agua de que falla o seu dito offl-
cio.
N. 529.Dito ao cemmandante superior de Ga-
ranhuns.Em resposta ao seu offieio de 25 de
mao ultimo, tenho a dizer-lhe que approvo o pro-
cedimento de V. S. com relacao ao capito Jos
Noi da Suva Burgo.
N. 530. Dito ao ommandante superior do
Goyanna.Respondendo ao seu offlcio de 1 di) cor-
rente, tenho a dizer-lhe que deve V. S. proceder
de onformidade com a lei contra aquelles offl-
ciaes que sem motivo legal abandonaremos res-
pectivos postos, nos quaes sero substituidos por
seus immediatos, que deverao prestar as informa-
coes que forera necessarias.
N. 531.Dito ao commandanle superior de San-
to Antao e Escada.Tendo por deliberacio desta
data a vista do termo de inspeceo annexo ao seu
ollicio do 16 de maio ultimo, transferido para a
reserva o capito da 8." companhia do batalho
23 da guarda nacional, sob seu commando supe-
rior, Joaquim Manoel da Silva, e designado o 5
batalho para a elle ser aggregado o referido ofi-
cial : assim o cemmunico a V. S. para seu conhe
cimento e direceo.
N. 531Dito aoDr. juiz dos feilos da fazenda.
Transmiltindo a V. S. copia da lei provincial n
926 de 28 do mez (indo, que creou os offleos de
contador e destribuidor desse juizo, Ihe determi-
no que deconformidade com a lei ponha em con-
curso a serventa vitalicia dos mesmos offleos que
devero ser interinamente prvidos.
N. 533.-Dito ao juir municipal da primeira va-
a-_: *&* Vmc- seguir para Presidio de Fernan-
do de Norooha no prmeiro vapor que nar all
ciliir n cnntnrrt.,,1. L?* ....;,.. a. ****_*
sabir, o sentenciado Francisco dos Anios Gomes. Prnaco.
e com o que dispoa o aviso cirenlir do ministerio
rii' ?aide 7 de a8itod8 I8, traosferi-lo para
rva, Meando aggregado ao respectivo 5." bata-
., a.~Dita. O vico-presidente, da provincia
anenaeodo ao que Ihe requereu Antonio Francis-
co ao, sania Auna, soldado da 5.' companhia do
601 i'o provisorio de polica, resolve conceder-lhe
o *> rejo ver sua familia.
\ xia 4* seccao.
iv. 518.Offlcio ao inspector da thesouraria de
ijzeiida a^commendo a V.S. que, sob minia
rtsposabilidade, e nos termos do art. 5 8 do
creta a. 2884 do i de fevereiro de 1862, mande
a~~, gi'Ira ,* Perera de Alcntara do O' a quantia
a- ae 120130, provenieote dos coocertos no arsenal
guerra e quartel das Cinco Pontas, visto nao
naver crdito para esse pagamento na verba obras
oo ministerio da guerra, no actual exercicio, se-
gnndo consta de sna informacao de honiem sob n.
N. 539.Dito ao mesme.Aos ofliciaos e pra-
?as de pret, prisioneiros de guerra paraguayos,
constante da inclusa relacao nominal, os quaes
soguem para a corte ne vapor Amazonns era cum-
!' vel10 de ori,em do ministerio da guerra, raan-
oe v. s. ajustar cuntas e passar-lhe guias i soc-
eornmeuto.
N. 540.Dito ao mesmo.Tendo nesla dita ap-
provado os concertos que o conselho de compras
navaes celebron com diversas pessoas constantes
do lermo junto por copia para fornecer vveres o
outras objectos da consumo aos navios de rmala
e estabelecimento de marinha no trimestre prxi-
mo vindouro de junho a selembro. assim o com-
mnnico a V. S. para sea conhecimento.
S. Sil.D|to ao mesmo.Approvando a deli-
beracao qne tomou o engenheiro encarregado das
obras militares de por em concurrencia!, poren
tender que d'este modo s ser menos dispendio-
sa a execueo dos reparos de que precisa o enca-
namento d'agua do arsenal de guerra, tenho de
reeommsndar a V. S. que designe 2 emprega los
dessa thesouraria para na forma do art. 18 das
instruccoes de 31 de Janeiro d/este anno, assistam
a arremataco alludida, que ter lugar no dia 23
do corrente.
N. 542.Dito ao mesmo.Communico a V. S,
para seu conhecimento e los convenientes que.
attendendo ao que expoz n director geral interino
da instruecj publica ero offlcio de 15 do carrete
sob n. 177, acabo da recoramendar ao inspector da
thesouraria provincial que faca cessar o descont
de 5 0/0 que dos respectivos vencimentos olTereceu
para as de/pozas da guerra o professor da 1* ca-
dera da cidade da Victoria Joaquim Elias de Al-
bu luerque Barros.
N. 543.Dito ao mesmo.Nao tendo appareci-
do licitantes para arremataco do dizimo do gado
v.iccum da comarca de Garanhuns como partici-
pou-me V. S. em seu offlcio de honiem, sob n.
375, tenho dizer-lhe que approvo a resolucao
tomada pela junta dessa thesouraria em sessao de
15 do corrente para ir de novo praca com o
bate da 5* parte ao proco porque havia sido an-
nunciado.
N. 544.Dito ao inspector da thesouraria pro-
vincial.Declarando-me V. S., em seu offlcio de
hontem, sob n. 379, nao existir eredito ua lei do
ojcamenlo vigente para pagamento da prestaco
da fianga da obra do empedramiento da estrada da
Boa-Viagem, o autoriso mandar fazer essa des-
beza pelo consignacao da verba eventuaes, como
mdieou no citado offlcio.
N. 545.Dito ao mesmo.Coramunicando-me
V. S. em seu offlcio de honiem, sob n. 376, quo,
tendo a junta dessa thesouraria, em sessao de 15
do crreme, resolvo que cora o abate da o* parte
nos precos annunriados, fossem de novo praca
os pedagios das pontes da Tacaruna e Motocolomb
por najo ter-se apresentado licitante algum arre
matacao dos ditos pedagios, tenho dizer-lhe em
resposta que approvo a resMucao tomada pela res-
pectiva junta.
N. 546.Dito ao mosrao.Inteirado de quanto
V. S. expoz em seu offlcio de Inniem, sob n. 378,
tenho dizer-lhe que approvo a arremataco feila
porania a junta d'essa thesouraria por um trenon
dos pontes da Magdalena, Catvalhos, Jaboato, Ta-
paculo, Manguinho, Capunga e Gqui, sendo os
arrematantes e seus fiadores os que vieram men-
cionados na oota anuexa ao citado offlcio.
N. 547. Dito ao chefe da reparticao das obras
publicas. Prsvidencie Vmc para que o empre-
teiro do calcamento desta cidade mande fazer, com
a possivel brevidade, o calcamento comprehendido
entre a ra das Ciuco-Pontas e o porto da esia-
ro do mesmo nome, visto ser de conveniencia
publica esse melhoramento.
4* seccao.
N. 550.Portara ao directer-geral danstruccao
publica.Providencie V. Exc. para que seja posta
concurso a cadera de allemo do gymnasio pro-
vincial, que vagou por falleciraento do professor
Carlos Steuber.
N. 551.Dita aos agentes da Companhia Brasi
leira de paquetes a vaper.Mandem transportar
corte, por conta do ministerio da guerra, no vapor
Arinos, que se espera do norte, aos officiaes e
pracas de pret prisioneiros de guerra paraguayos,
constante- da mesma relacao nominal.
N 552.Dita ao gerente da Companhia Pernam-
bucana.Mande dar passagem proa, no prmei-
ro vapor que sahr para o presidio de Fernando,
ao sentenciado Francisco dos Anjos Gomes e as
pracas que o forera escoltando, e juntamente a
mulher do dito sentenciada Maria Francisca da
Conceicao.
OBSPACHOS-DA PRESIDBNCIA DA PROVINCIA DO DIA
28 DE OUTUBHO DE 01870.
Abaixo assignados estudantes da Faculdade de
Direito d'esta cidade.Deferido.
Augusto Pereira da Costa.Satisfaga a exigen-
ca da cmara municipal de Barreiros.
Alexandre Americo de Caldas Brando.A' the-
souraria provincial cora offlcio d'esta data.
Alexandre Americo de Caldas Brando..4'
thesouraria provincial cora offlcio d'esta data.
Carlos Ernesto de Mesquita Falco e Francisco
Pacifico do Araaral.Informe o Sr. inspector da
tbesonraria provincial.
Jo- Rufino de Almeida.O sapplicnte nao
pode ser attendido, visto- estar com praca no 9.*
batalho de infantaria.
Manoel Joaquim Torres Galindo.Nao tendo a
assemblea provincial votado crdito para o que
requer, ndeferido.
Capito Manoel Caroeiro Cavilcanti de Alba-
querque Lacerda.Deferido vista da intor-
de que trata o seu offlcio de 15 do crreme
N. 534.Dito ao commandante do corpo provi-
sorio de pohca.-Pde Vmc. eliminar do coroo
ob o seu commando, Martinho Candido Jos Ma-
chado, de que trata o sea citado n. 317 de hole
datado, visto ter sido julgado incapaz de continuar
a servir.
N. 535.-Portara.0 vice-prosidente da pro-
vincia tendo em vista o termo da inspeceo a que
nos termos do decreto n. 3496 de 8 de julho de
1865 foii ubraetlido ocap.taoda 8." companhia
do batalho 23 da gqarda nacional do municipio
de Santo Antao, Joaquim Manoel da Silva, e atten-
dendo a que do referido termo se verifica achar-
se este offlcial impossibilitade de continuar a pres-
tar-se ao servico activo por soffrer de alienacao
mental, e de aleijao db pe direito, rosolve de con-
rormidade com a informacao do respectivo com-
mandanle superior interino de 16 de maio ultimo,
a pa-
Manoel Thomai de Albnquerque.D-se
tente requerida.
Oililon Australiano Braynor.0 supplicante j
est juramentado, para nao poder exercer o lugar
de supplente do juizo municipal, emquanto nao
constar que foi exonerado do orncio de depositario
geral.
- 29 -
Americo Vespucio de Hollauda Chacn.Seja
nomeado.
Bacharei Ernesto Vieira do Mello.Passe-se
portara nomeando o supplicante.
Irmandade de Santa Asna da Madre de Dea;.
Dirija-se thesouraria provincial.
Josepba Maria do Espirito SantoIndeferido.
Jos Antonio Cesar de Lima.Conceda-se, nos
termas da lei.
Manoel Pereira Qaaresraa.Rivalisado o reqne-
rimeam, cajo, sello nao est devldimeate inatllisa-
do, e sellados algum dos documentos qae junta,
ser attendido.
Capito Rozeodo Moateiro de Lima.Requeira
por intermedio do marocha! commandante das
arma*.
Justino Jos de Soma Campos.Ao Sr. inspec-
tor da thesouraria de fazenda. cora as cp.s das
informacSea do engenheiro chefe da reparticao das
obras publicas, e da cmara municipal da'cidade
de Olinda, para conceder o afbrameoto requerido,
pagos o dirito> devidos.
William Rechards.Renattido ao Sr. inspector
da thesouraria de fazenda, com a plauta e copia
das intormacoe-s do engenheiro chefe da reparticao
das obras publicas, e cmara municipal de Olinda,
para conceder o aforaroento requerido, pagos os
direitos devidos.
-31 -
Adelaide Joaquina Xavier Bittencourt.Iniefi-
riio, avista do que informaram os repartieses
competentes.
Antonio Eugenio Alves Ferreira.Informe o Sr.
inspector da thesouraria de fazena.
Engenheiro Antonio Vicente do Nasciraento Fal-
tosa.Dirija-se a thesouraria de fazenda.
Companhia Santa Thereza.Informe o Sr. enge-
nheiro chefe da reparticao da.* obras publica.
Francisco do Assis Monteiro PessoaFica ex-
pedida a conveniente ordem.
Frederico Augusto de Lemos.Indeferido a vis-
ta da informacao da thesouraria provincial.
Bacharei Joao Vieia de Araujo.Como requer.
Nicolao Vieira da Silva.Indeferia, vista do
.|ue informaran) as reparticoes competentes.
Sociedade Monte Pi Popular Pernambueano.
I'asse portara nomeando a Bernardo Falco de
Souza.
Tertuliano Ernesta de Moraes Gamillo.Infor-
me o Sr. Dr. director geral da instrueco publica.
Victoriano Antonio de Alcntara.Indeferido.
Joaquim de Paula Lopes.A'vista das informa
Coes das reparlicoes competentes, nao tem lugar o
que requer.
2 de novembro.
Antonio Francisco Dias LimaInforme o Sr.
inspector da thesouraria de fazenda.
Andr Avelino Cesar.Nao tem lugar o que re-
quer avista das ioformacoes.
Padre Antonio Domingaes de Vasconcellos de
Arago.Fica o supplicanteautorisadoja despender
cem as obras da igreja de que se trata all at a
Suanta correspondente ao beneficio da 2a parte
a lotera extra Inda era favor de taes obras, e obri
gado a prestar opportanamente conta na thesou-
raria paovincial.
Antonio Jacintho Borges.Avista da iuformacao
dirija-se a thesouraria de fazenda.
Companhia Pernambucana.Informe o Sr. ins-
pector da thesouraria de fazenda.
Francisco Gomes de Andrada.Informe o Sr.
nspector da thesouraria provincial.
Geremias Jos deSant'anna.Informe |o Exm.
Sr. mareciial commandante das armas.
Francisco Pedro Cavalcante d'Almeida Ucha.
Nao tem lugar o que requer.
Jo: Domingnes Codicera.Fioa o supplicanle
antorisado a despender com as obras da capella
at a quantia correspondente ao beneficio da 2.*
parte da lotera extrahida em favor de taes obras
e obrigado a prestar opportunamente contas na
thesouraria provincial.
Joo Francisco de Souza.Passe portara na
forma requerida
Julio Cesar Pinto de Olveira.Sim, om excep-
cao do vinho.
Jos Joaquim Lima Bairo. Ficam expedidas
as necessarias ordens para a entrega do menor
de que trata o supplicante.
Bichare! Maximiano Lope3 Machado.la foi de-
ferido, dirija-se a tnesonraria provincial.
Martinho dos Anjos.=Informe o Exm. Sr. ma-
rechal commindante das armas.
Manoel Joaquim de Vasconcellos.Indeferido
avista da informacao do Sr. capito do porto.
Sidronio Lydio de Andrade,Informe o Sr. Ins-
pector da thesouraria provincial.
Commando das armas.
}ARTF,L-GENEBAI. DO COMMANDO DAS ARMAS NA
PROVINCIA DE PERNAMBUCO, 9 DE NOVEM-
BRO DE "1870.
Ordem do dia n. 504.
O marechal de campo commandante das armas,
tendo observado que nem a lei dos uniformes e
nem as das continencias sao actualmente nesta
guarnico executadas como convm e reclama a
disciplina da tropa, c interesse da mesma disci-
plina, e em cumprimento de seu dever chama
para estes dous pontos a attencao dos Srs. com-
maodantes de corpos, e recorameda-lhes mui po-
sitivamente i fiel observancia, quanlo ao prmeiro
do qae se acha disposto as ordens do dia doexer-
cito na corte, datadas de 24 de novembro de
1857, 31 de Janeiro de 1858 e 2 de setembro de
1862, sob os nmeros 35, 44 e 326 ; e quanto ao
segundo na Imperial pwiso de 15 de fevereiro
de 1843, e no aviso do ministerio da guerra de 30
de maio de 1859, publicado na ordem do dia do
mesmo exercito n. 132.
O marechal de campo commandante das armas
aci edita que esta sua recommendaco calar no
espirito dos mesmos Srs. comraandantes dejeor-
pos, e que nao pouparao esfor$os para inialir nos
seus subordinados, preceitos t> salutares como
os que encerram as ordens do dia, e aviso que fi-
cam mencionados.
Assignado.Baro de S. Borja, marechal de
campo.
Conforme. -Emiliam Ernesto de Mello Tambo-
rim, tenente ajotante de ordeos encarregado do
delalhe.
PERNAMBUCO.
REVISTA DIAEIA.
FACULDADE DE DIREITO. No da 9 flze-
rara acto os segunles alumnos :
Io anno.
Francisco Octaviano da Njbrega, plenamente.
Francisco Antonio Rigueira Cosa, dem.
Antonio Frederico Rodrigues do Andrade, idem.
Joo Gabriel Baptista, idem.
2 anno.
Thomaz Colho de Gusm) Lima, simpiesmente.
Thomaz Argemiro Ferreira Chaves, plenamente.
Anezio Augusto de Camino Serrano, Idem.
Joo Americo de Carvaiho, idem.
Vicente Simdes Pereira Lemos, dem.
Um reprovado.
3o anno.
Xillerico Araripe do Faria, plenamente.
Joaquim Xavitr de Luna Miranda Couto, simples-
mente.
Boaventura Jos de Castro, dem.
4 auno.
Guilherme de Sonz;t Campos, simpiesmente.
Antonio Eulalio Monteiro Jnior idem.
5 anno.
Antonio Celho Machado da Fonceca, plena-
mente.
Arisiharco Cavalcante de Albuquerque, idera.
Misael da Silveira Araaral, idem.
Cassiano Bernardioo dos Res e Silva, idem.
ESCOLA NORMAL.Fieram exame hontem os
alumnos segnintes :
1* anno.
Jos Floro Xavier de Seixas, plenamente.
Honorio da Co*ta Monteiro, sil
Cinco re provados.
* anno.
Antonio Vieira d Barros, pleoameotr
Pacifico Paulino Malaqnias, ideas.
Mano! Ferreira Guedes, smpleamente.
Jos Felicio da Cuobi, idem.
DINHEIRO-Os vapores Tocantu
levaram hontem do nossa praca :
Para Macei *
Para a Babia 1877*"
Para o Ro de Janeiro 30M~
Para a Parahyba ifcj
Para o Natal 30:2
Para o Cear 38.WWWH
Para o Maranho 20-M
Para o Para 95:80..
Di parcella do Rio de Janeiro rao 3O*.OM0l
o thesouro nacional.
TR1LH0S URBANOS DE AP1PU00S.-O* 1
era diante o Sr. gerente desta emana* reMtv*i
mandar vender bilhetes de ida e votta al ,"
eos, por 14, smente nos domingos e das
cados.
PRACA DO CONDE D'EU.Iafo
a commis o encarregada do ai;
prac_a do Conde d'Ru acaba de oMer do Exm. av-
ilaran do Livramento o mandar elle bascar sa*
casta de Lisboa toda a pedra de cantera aocem
ra ao assentamento das grades.
CORREIO DE PERNAMBUCO. No mez ta m
tubro ultimo arrecadou esta repanieae.......
i:8401740 rs.
BARO DE S. BORJA.- Sabendo S. Exc. Sr
general commandante da< armas, que a
patritica Doze de Setembro pretenda
ihe ara baile, como compiemealo do
qae esta sociedade promoveo para a sna
nesla provincia, pelos ser vicos que pr
guerra do Paraguay, dirigi aos direri
mesmo baile a seguinte caria, cojo cnlita,
do a medida dos senlimentos de S. Exc. para i
os seos eompanheiros d armas inotibiad map
guerra, o mais bello elogio da aobreta Ta
do illustre guerreiro.
Os directores do baile resol verana re
qae, adiando se prevenida a lembraacae 9
Exc. por ame associac-o creada para aoaeite lm.
poda ter lagar o baile sem desaiteaeao aos gaa*
rosos senumentos de S. Exc
Consta-nos que aeba-se designado o dia 1 *
dezembro para ter logar o baile.
Eis a integra da carta a qae nos referimos :
Illms. e Exms. Srs. A immian nabr>.
que expermentei ao pisar o solo desta prc
onde tive a fortuna de ver a luz do dia,
de ama longa ausencia de 33
com as manifestaedes enthasiaccae e asi
com que me receberam mena patrie*
eos ser*icos qae prestei na guerra do Par
em defeza da honra e dignidade nacioaaL
< Com taes provas de apreco tmmtn^i-
julguei-me por deraais compensado dos aifeff
sacrificios, qae fiz para nao desatracar jama
o elevado cooceito, de que seinpre gusov u ara*
pernambueano.
< Entretanto son informado de qae beswvoiea
cia e generosidade dos meas pairiew* preemr.
anda mais augmentar a divida de Miaba gran*.
promovendo a reallsarao de um baile coa a
preleudem honrar-me"
< Se os meus patricios, penhorando-nte tmmk-
tremo com to subidas manif brilbantes victorias, qae o paiz alcanca uyaiii
campanha, permita ni me que nesla ocrasia a
nao me esquena daquelles, que, hoje invlidos da
patria, con-or'reram tambem eoa unlo valor
deuodo para aquelles triamphos.
Assim, sendo ea o motivo da lata caja ra>-
lisacao se promore, creio qne nao se ae levar a
mal convidar para-ella aquella valentes narra-
ros com os quaes foi severa a sorte da gawra, r
nate caso rogo Vv. Excs. se dignen) conseguir
sociedade patritica Doze de Setembro, qm a-
qnantias, que ss oblverem para o predito baile
sejam applicadas aos invlidos, quer voluntario*
quer de tropa de linha, ou a saas familias n-
denles nesta provincia, que josunVarea po-
bresa.
i A satisfaco deste meu pedido, qa>. segaa4
pens, nao pode desmerecer do panana* pa
triolico, que diclou a reahsarao do baile nao na
deixar menos reconberido por essa nova prova V
con silera rao dos meus patricios.
A-segurando a Vv. Ex a. os protestos de mi
nha mais cordial estima e sabido aprtro. r
Ihes se dignem transmilti-los sociedade patncti
ca Doze de Setembro de qne Vv. Exea. ,* j dignen
orgos.De Vv. Excs.AffoClaoso, patriei-;, cria-
do e obrigaJo.Sanio de S. Borja. >
DISPOSICES TESTAMENTARIAS O amo*
commcrciante de nossa praca Jos Moreira Lepe*
ltimamente fallecido no Cear, insiiiuio a raw
ros da fortuna qae possuia seos Albos, ioctaer
a respectiva terca, uma vez eurapridos as sefvm
tes disposicoes :
5:000$, a sua filha Elvira, qae s a podan r*
ceber quando completar 2o annos, mJo asn
quantia depositada jnros no banco ronwareiv
do Rio de Janeiro; e por raorfe desta, antes d
praso marcado, aos seus irmos existente*.
Suas escravas Mara e sua Una Racnet, .iirrt
com o onus de servirem 5 asnos a ana do w
tituidor.
501 fortes annnaes sna irmaa Rosa B*ur.
Lopes, e 300* por nina o vez a -eada ana V
suas sobrinhas Rosa e Emilia, fllhas de sna iraai
Ro^a.
l:000i ao seu cunhado Beav da Sara anja
Ihes, pelo zelo e interesse qne Ipaon no rar*
de sna molestia.
3:OO0i ao sea prmeiro testanattnrn o Sr. Jos-
Jeronymo Monteiro, qae nao receban viaena.
2:0001 ao sen segundo testaaenair o Sr. An-
tonio Machado Goma da Silva
2:0001 ao sea lerceiro testamna- na Sr. Joa-
quim Duarte Campos.
VIA-FERREA DE OLINDA.-li
nao na regolaridade as ora
trens desta linha frrea, devido b
dado nos relogios das esttoSa
Recife cujos ponteiros andam a
pessoa para ser adiantado ou atrasado.
mo < para isso a attencao do St.
DESASTRE.Honiem pela anaa, i
erianca na varanda do um sobrado ta i
Joao Francisco, quebroa-se a paira da
cahin Jo ella roa e fracturando crneo.
I
ta ita'S
aalattatara
t BOATO.Segando ama carta ta canta *.
Goyanna, qae honiem vimos, corra ani ar nava
na cidade da Areia, da provincia ta Paradrjna. a
empelo de om volcao, qae abiwan n aanr
parto da cidade. Pelocorre, qne I
gar de Mamanguape, qi
Areia, devenios ter pormeoora on
dessa noticia,
LOCOMOTIVAS THOMSON- No Dra ta
kia lemos o segninte :
i Extraamos do Sootor-swn ta II *
ultimo, transcripto no Eapinar, jornal
o seguate sobre a macana can ma m m
racha: _^
Nos quarteis ta ^aarn:raa^M i
feira passada nina expaienca jna i
litar do Edimborto, pea anal fci a praai
que pecas de proeiranl pan
portadas com tal mtialnfl,
ou elephante.

aa
BBHHa^an



I
8T8I 30 DM.ijV0K.3a B! Mf3
'Jh-r-W =
.
1 .

i
fl1HWQd# Vernambttoo Quinta feira 10 de Novembro
Com a machina a vapor parj
ToumsoD, duat pujas do artillara
fcram JtiMaf em ama hora a sis miihas"dt dit
taac*^^Hl_ra*srorrap1der flzeTara voKis a'um
^t^JNlfc'Vardas de iutoeiro.
E eMcla^s foram. colocadas ,em.osicao com
nm* pW&tTt r'Pdez, que dilHcileente sa pode-
Tia ublr pV quaesquer odtros dees co* peca
de igual peso.
Njte-se que ajamara v*4tf tdarMap
ir liara 'o e3i-aaas
j Te artilasri* pe-
umLJ^-1-
plicado a machi
le Thomson^-
sada.
E* roui provl
empreada em
tares.
Temos noli<
fuitreieja ella
eperetmraili
alguraaa machinas
desse genero esio se cjsfruimlo pira #s gever-
nos da Inglarerra a da Indin ; de crer-sa que,
d'ora em diaote, serio coostaiiemente usadas.em
todos os exordios civilisados.
< Portento, pode considerarse o trabalho de
sexu fefe come a estra de urna nova e im-
portante 'applicacao do vapor para Qos iden-
Ouvimos mais que o Sr. Thomson offereceu-se
a emprestar machinas para o transporte a Dul-
keilh, das pecas destinadas ao nossj regiment de
milicias.
< Pdese fazer urna idea de valor de semilhan
te applicaco, quaudo dissermoe que esta artlha-
ria pesada pode estar prompta a funccionar em
Dulkeith, distante de Edimburgo seis milhas, den-
tro dhora e meh, depois de sua recapco em
Edimburgo
LOTERlA.A que se acha venda a 16." a
beneflcio da nova igrcja de Nossa Senhora d Pe-
nha, a qual corre no da 12.
TRANSPARENCIA DE LEILAO.-O leilo de
fazeodais avariadas para hoje, no armazem du
Sr. I. Carrere, flca transferido para o da segn
da-feira 11 do corrente, em consecuencia da che-
gada do vapor francez da Europa.
PUBLICACOES A PEDIDO.
O Sr. Desembargdor
rutel.
i
A. P. Pe-
Deixf i (|ue em mea animo passasse a dessagra-
davel empressc que me causaram as calumnias
e insidias comidas na ultima serie de cilicios, que
o Sr desembarga Jur Auselmu Francisco Peret diri-
gi a presidencia tratando anda dos negocios do
Asylo de Meudicidade e fui por isto que s boje
me resolv a dar ao publico a explicacao dos Tac-
tos adulterados, e apresentar contcstaeao as tor-
pes calumnias de que se me quiz tornar viclima.
Kmbaraeado de tirar do Sr. Anselmo Peretti
o dessaggravo legal, que deseavaj, por baver elle
se posto a sombra dos membros da janla di Santa
Casa de Misericordia, nodc.aproveitarei o recurso
da imprensa para por a luz do da o carcter des-
Bes hmeos devotos, que oontra 01 maodamenlos
da lei de Dos, leantam falsos testemunhos sem
ao menos doer-lhcs a consciencial
Cmivm tainbem que se saiba que debaixo da
casca (oda uumilde e c mnela, oceulta o Sr. de-
sembarga Jor Anselmo i erelti uin coo&cj que di-
zi-in ser mais propenso ao mal do que ao beui.
E quem dei 1a que aquello devoto iucarnicado,
queem urna igreja leva horas esquecidas a fazer
cortesa aos faat, e se confessa urna vez por
semana, nao havia do vacilar e temer de comelter
o pecodo do anroveilar calumnias e.falsidades com
o reprovado lim de exercer viugancas e desabaifar
despeitos I
Has nao quero deter-me em apreciacoes aos
in-tinctos e carcter do Sr. desembargador Ansel-
mo Pc'retti, nao quero com elle entreler polemi-
micas que se estao ao seu saber, ficam muito
abaivo da degnidadea mais vulgar. Tralare apenas
de explicar es tactos mais grares de que fazem
mi::i'.o os seus oflioios, dospresanno ouiros que,
por insignificantes e reJiculos, nao merecem al-
tenro.
Urna das caluii.irii.-is> com que se me quer ccllo-
ear em p^sico esquerda consiste na asseveraco
de haver eu vendido barro do sitio do Asylo du-
rante os niezes de marco a junho, nao recudiendo o
producto a Santa Casa. Para antorisar-se urna
semillante calumnia, soceorrem-se a urna deela-
raco do Sr. Starr.
Durauie o lempo que serv o cargo de director
daqnelle e-tabelecimento s vendi tres canoas de
barro, entregando ao mea suecessor os buhes a
ollas correspondentes no da 29 de julho, quaudo
tui a;> induro Asylu restifeat os movis.
Em fis'. porm, quando pertencia, osiliodeque
v trata a empresa da limpe a publica, da qual era
.u cnlo o adroinislraJor, a instancia do Sr. Star;
v.jp.Ji [',',,: ijuatro ou cinco canoa de barro, que
:" i. -ii pegas em vista dos bilbeles uue passou.
Scnilu i.-to sabido, exegiu-se (aquello Sr.. con-
o disse elle, una declararlo de que's res-
Uva igar :is tres canoas de barro vendidas esle
efti itiu-, teuJo as nutras sido pagas em vUta ibs
i '''J que Ihe forain apresentados; e elle a
<;;u boa f, passar, porque Ibe assegura-
i i pie ato era preciso pata tirar duvidas.
l".o com esta declaracao insidiosamente obtida,
que n suppoz o Sr. di^mbargador Peretti auto-
i isada para assrjurar que eu vender barro e nao
r lii im o prodneto a Sania Casal
No HtcwDu dia em que vi publicada semelhante
d claracao.dlligi ao referido Sr. Star urna carta
qi:e f>i assim respondida.
i);.-de que V, S. tomou conta da direccao do
A-\h de Mcndicidade, s mandamos buocar tres
caros de barro, e os mais bilhetes que anterior-
mente pagamos foram de canoas que mandamos
buscar no lempo em que V. S. administrava o si-
tio da empreza Cambrone, cujas importancias fo-
ram pagas ao eaixeiro da empreza Clemente Jos
I-Vi ti ira Juninr, cuja pessoa p?dio a declaracao
ue so acha estampida no Diario de Pernambuco
de h >j>, o que tudo se pode verificar pelos twssos
luncnmenlos. *
Pode V. S. fazer o uso que Ihe aprouvr desla
nos-a re-posta. Fnndico d'Aurora, 19 de outubro
do 1870. Por proc.irac/io do testamenteiro de
C. St ir, Jtaqmim de Olivrira Mello.
Ora. vista desta declaracao, com referencia a
escripturacao regular de urna casa de commercio
imporlanle, que conceito poder merecer a asse-
ver.i:;ao do Sr. desembargador Auselmo Perelti f
E nao terei eu o direilo de dizer que contra
inim se ergue urna pcrs.'guico inqualiflcavcl, c
ue urdiduras, a) mais infames, foram empre-
ga lis 1
E o q ie pensar o publico dos magistrados que
se poseram frente dessas urdiduras ?
Outra calumnia fd a de haver sido comprada
a i-asa sadas!
Em primeiro logar, se n, casa do Asxlo flcaram
taes ca i?, naxj se pode d'zer que ellas fossera
vendidas com a casa; foram objeCos inutilizados
que lili licaram, e que uo enlraram no contrato
i' venda; em segund, nao exacto que o Sr.
coalmendador Neilo deixasse no Asylo urna cama
scaur. Jli ah esta para o dizer.'
A casa foi recibida em nutubro do 1869, e at
marco deste anno atti e-tiveram os empreados
das obras publicas fazendo os reparos precisos, e
miinforniam que nunca vkam all camas do na-
lareza algnma.
No da G do marco tomaran, conla da casa o ev-
mordumo e dous paraguayos que a presidencia
para all mandn, e nunca me fallaram em camas
I" ferro, que fossem aeoadas.
No dia .l^passei-me para o Asylo, e s depois
fui. de passag'm, fundico petlir para
serem foiPis com urgencia oscunrertos do que
precisavam urnas camas de farro, que liuham sido
'''npradas e la estavam, visto me ter dito o niar-
i)mo qno nao o qneriain fazer lempo de servi-
r-^ p:ir^ a abertura do menino Aylo.
K4M camas foram vendidas pir intermedio do
mesmo mordomo, que foi quem as aprecou eom o
>. director das obras poblica?, em u.me do Pt-
v*\ que devia ser seo amigo.
wt onheeia l'avo, com elle nao tirilla re-
Dr. Anselmo Peretti,. s por ouvir d*r, e sem ter
niva do qde avenfUrotl I
Quera3o-Tff^ieste Broceder-do-estimat^l e n-
tegerrimo desembargador um rebaixameBtn U mu
carcter, e um d,esejo iramoderado de desairar .ui|i
desaffecto quem nao podo atacar dignamente ? D
\sseguro gne as carrosas e bois vendidos ao
i barfador Aiselmo MretftVndEffinn f
de, aUlj m(b lar*, para eonfusj%&, ha IPar
patate. #
O auN* a qus ludio, e diz nao eitarem aluda
reeoBiiJos ao cartorlo, dfcerao apaarecer, e ver
semita enfc-que, bo seu empeuho- de de,iriinlr-ie,
o Sr. deaartbargador Anselmo Perr-ni nao trepida
ante a alelwsia e a falsilade, e at procoe em
o criterio e-circaawpeccjb aueeriara para Cse-
larem nm magistrado. .
O guarda Ferreira, sdgondo me disse. referi ao
Sr. desembirgador Anselmo o como se fez a trai-
saccao de um dos bois, e quem o incumbi da (a-
z-la, o se houvesse lealdade e boa f por parte
de*te Sft desembargador, eertamnite nao tewa
exposlo o fado, como o expoz, eavenenando-o, e
enredando-o em falsidades.
E' porm, assim que o santo hornern* o magis-
trado inlegerrimo, se ha de oxhibir tal qual dei-
xando cahir a masca/a que por tanto lempo o de
fende asvlstfls do publico. -
A hypocnsia, por mais que faga fortuna, tem
sempre a sua hora fatal.
Continuarei.
Uecrf?, 31 de outubro de 1870.
/. P. B. de Mello Btgo
daVaa-
Joaquma'Bonifaeia Pi-
QnestSo jurdica
Illm. Exm. Sr. conselhe.ro presidente da rea-
cao.Galdino dos Santos Xunes de Oliveira reqner
a V. Ere. se digne de mandar que o eserWSo Pe-
res revendo os autos em que o supplieante ap-
pellantp, e appellado Maniel e Azevedo Anlrado
Ihe d por eertidao, o Iheor dos quisitos de
lis. 77 a II*. 78, eo das respo^tas ou auto de exa-
me a fls. 79, o iheor da sentenc a fls. 88, e a da
que a reformou bem como o theor das allegacSes
a fls. 95.
Pode a V. Exc. assim delira.E R. M. R^clfe,
21 de outubro de 1870.O advogado, Joaqnim
Jos da Ponsera.
Sim. Recife.il de outubro de 1870.Santiago,
presidente.
Certido.Jas Peres Campello de Almeida, es-
crivSo de appellacoes do superior tribunal da rel-
5ao do Pernambuco, por S. M. o Imperador a
quem Deus guarde etf.'ele. etc.Certifico que re
veudo os autos de appellacao elvel do juizo muni-
cipal da 2" vara desta cid'ade do Reiif) era que
appeliante Gallino dos Santos Nunes de Oliveira, e
appellado Manoel d'Azevedo Andrade, delles cons-
Un as pecas pedidas por certiJao, e apontadas na
petiio rrjtro, as quaes sao do theor e forma, modo
e maneira scgulnte :
Quisitos detaldino dos Santos Nunes de Oliveira
a lis. 77.
1.* A nroviso regii, que se acha transcripta no
livro denominadoTombo, esta subscripta e
assignada por quem a tran^creveu, ou por outro
qualqner efflcial publico ?
. A demarcago e diseripeo dos foros se acha
assignada pelo Nbelliao ou por outro qualqner
offlcial publico?
3. Quem foi que escreveu o dito Tombo 1 Exis
tem enlrelinhas nos differeiitcs laneamentos?
Recife, 3 de outubro de 1858.Joaquim Jos da
Fonseca.
Em continuaco dos quisitos.; fls. 88 :
1. Depois do ultimo lancamento do livra Tombo
existe algum encerramento ?
2. Quautas olhas existem em branco ?
3.* Em que data a autorisacao que deu o ou-
vidor para o escrivao Gondim numerar o subscre-
ver o dito livro ?
Jos da
Escrivao per eleicao.
O Illm. Sr. Alfredo Themistodes Csbril
conceller
Escrivaa por eleicio.
;A MMm. o1!xma. Sra. D. Cecilia dos Sanio Ma-
Tlgnier.
Escrivio por devoeio.
Illm. Sr. Francisco Ferreira Novaos Jnior
E-crivaa P&r deyoi""
A nttia. etma. Sra."D. Joaaui
re Carnelro Montelro.
Thesoureiro
O Illm. Sr. Firmino dos Santos Vicira.
JuifBe protectores
Os Illms. Sr. :
!>r. Franefec) Jos di Silva.
Dr. AMaalo Joiquim de M iraes Silva.
Deputado provincial Joio Caaleante d'Albuaucr
. qui.' H
Br. Jeaflernardo Tenente Sebastiao Affonso do Reg Barros.'
Dr. Felipue de FigueirOa Faria.
Jesaino Telxaira dn Silva.
Bernardino da Silva Cosa Campos.
Juizas protectoras
As Exm." Sr." : _,_,
D. Umbelina Candida Sarapaio Alcoforado.
A esposa do Illm. Sr. coronel Lmz Francisco de
Barros Reg.
D. Auaa, esposa de Illm. Sr. Dr. Antonio Joaauim
Mi raes Silva. H
A esposa do Illm. Sr. Francisco Pinio da Silva
ufrfiaraes.
A Mposa do Hlm. Sr. ft\ Rufino Augusto de Al-
meida.
A esposa do Illm. Sr. Jos Clementino
da Silva.
A esposa do Illm. Sr. Joaqnim SHverlo de Soma
A esposa do Illm. Sr. Flix Venancio de Cantinee!
Procuradores
Os Illms. Srs. :
Torquato Henrlque da Silva.
Augusto Carlos de Miranda Henrique.
Joio Dnarte Coelho.
Innocencio Rodrigues Lima.
Joao Rodrigues Lima.
Procurador geral.
O IHm. Sr. Antonio da Rocha Accioly Lins.
Mordamos e mordomas
Todos os devotos e devotas de Nossa Seohora da
Saude.
f'i
Despachos de exportando no dia 8Mf%
novembro
Na barca ingleza Roderik DAu, para Liver-
pool rarregaram : Johotton Pater 4 C., 206 lac-
eas com 18,153 kilos d algodia ', Janes Ryder &
C, 74 saccas com 6,587 kilos de faradio.
Na barsa Wgfea Elisabetk, pira Liverpool,
carregaram : Thomaz de Aqumo Fonseca & C,
1S8 saonreom 16,087 ^Hlrjs-rllgodorS*M'
PriinoaAC. 43 sacca cem 1864 kilos de al-
godao.
No pata-ho hespanlol Joven Ricardo, para
Bircelona, carregaram :.Tissst Freres, 193 saccas
eom 8JK9 kilos de algodao ; Pedro M. Maury, 40
saccaa.cro 3,514 kilos de algodao.
No Brigue portuguez I/iito, para o Porto,
carregaram : Bailar, Oliveira de C., 44 laceas eom
4,008 kHos de algodao.
HECEBEOORIA DE RENDAS INTERNAS
GERAES DE PERNAMBUCO
Rendimeoio do Uta i a 8 14:571*985
dem do da"-* .... 1:862*304
Henriqoe
CONSULADO
Randimentu d dia 1 a 8
dem de dia 9 .
16:4341269
PROVINCIAL."
. 14:037*271
. 2:025*102
16:062*373
MOVIMIENTO DO PORTO.
Itersonageis.
?'!/";...... ""Kma. Valmonoa.
un".......... Mr. Caroo.
08,In1"0......... Mr.Raynaoi
Gonvlei.......... Mr.Miris.
A accao pasw-se no reinado de Luiz 3.
o ki TCMEIRA PARTE.
Subir pela primeira vez a acea, a nova e lio-
8a opereta m -m acto manir de A: da Wlebi-
chot e escripia por Mrs. Baumaine et Blondelit
Les Biroidelles de la rae
.. Prsonafeas.
Pepetu plfro. .............. MUe. Breacia.
FritimaaB tocador de rabaea.. Mme. Valnwnca-
frepara-se cem todo o expleodor que requer
seu autor, para anbir i scena pela priroeir
vez neste fbaatro wbbado 12 do corrente, a mai
oaek PmU bmum Kl' "M,8i::a de 0ffern
'camas pira caia,! con
aroarello con paira, dk a ata atta,
jaearana, marquetas, cae'
sofs, marquesas, qoadroa
das, metas para escripia, t
1 toillette da aaogao, un
logios para parale, goarda rmtiu,
doodas, 2 tinas de madain. caaes, cal
dktos o gaz, 1 lomba pera jvfa, eaixaa,!
o bmios ontroa objecaot
Sexta-fdra
Iliaco
por interveneio do afaoi
em ponto, sem reserva e prefea.
ail
Les
Lanternes
mariage an\
Os bilhetes acham-se a venda do escriptorio do
Principiar s 8 1|4 da nonte.
O coadjuctor pro-parocho,
Padre Fcente Marta Ferrer d'Atbuqutque.
Navios entrados no dia 9.
Porte-Alegre30 dias, palhabote nacional Jagua-
ry, de 136 toneladas, capitao Domingos Antonio
Peres eqnipagem Jl, carga 3170 arrobas de
carne, farinha e outros gneros; Amorim Ir-
mao & C.
Rio de Janeiro19 dias, barca franceza Saint Mi-
ckel, de 196 toneladas, capitao Pierre, eqnipa-
gem 10, em lastro; Eduard Fontoo.
Navios sabidos no mesmo da.
Portos do norteVapor brasileiro Tocantins, com-
mandante J. Mara F. Franco, carga varios g-
neros.
i Rio de Janeiro e portos intermedioeVapor brasi-
leiro An'noj. commandame 1 touente J. C Duar
te, carga differentes gneros.
Observagao
Suspenden do lamarao para a liba do Sal o bri-
gue portuguez Ovareuse, capitao J. B. Carnero,
com o mesmo lastro que trouxo do Rio de Janeiro.
R Ufe, 3 de outubro de 1858.Joaquim
Fonseca.
(Auto de exame a lis. 79).
Auto de exame, anuo do nascimento de Nosso
Renhor Jess Christo de 1868 aos 13 de outubro
do dito anno, nesta cidado do Recife era a sala das
audiencias onde se achava o Sr. Dr. ioiz munici-
pal da i' vara Arminio Coriolano Tavares dos
Santos comigo escrivao, ahi se achando prsenles
os peritos nomeados Manuel Goncalve3 Ferreira da
Silva e Gapar Antonio Vieira Gulmaraes, e des-
empa'ador Antonio Carlos Pereira de Burgos Pon-
ce de Len a estes determinou o juiz que debaixo
o juramento prestado, bem e verdaleiramente
precedessem ao exame requerido e ordenado nes
tes autos; os quaes debaixo do juramento que
prestaran) bem e verdaderamente prometteram
cumprir, e logo passaram a proceder ao referido
exime no livro Timbo e demarcaeo, que neste
acto foi apresenlado; e depois de bem examina-
ron : respouderam aos quisitos apresentados por
parle do autor pela forma seguinte :
Que, quanlo ao 1, 2', 3o e 4 quisitos respon-
liam alllrmativamenie e quanlo ao 5o e ultimo,
responderam pela negativa.
Ao9 quisitos apresentados por parte do reo, res-
ponderam :
Ao 1, une esl Iranscripta, mas nao subscripta
non assignada por quem a sub-creveu.
Ao !- quisito responderam nao ter assignalura
al g urna.
Ao 3 quisito, responderam, que ignoravam por
falta de assignatura como (lea dito no quisito e-
gundo.
Ao 4* quisito responderam pela alBrmativa.
Responderam mai9 aos segundos quisitos apre-
sentados pelo autor pela frma seguinte :
Ao Io, responderam que pelo todo representa
ser de antiga dala.
Ao 2a, que se referem ao 3o quisito do autor,
isto, quanlo a primeira parte, e quanlo a segunda
responderam qoe na Iranscripsai se acha decla-
rado que o tabelliao subscrevia e assignava.
Ao 3o quisito responderam que existem ellas
(enlrelinha-) na descripejb dos predios e seus fo-
reros, que se acha lancada no mesmo livro, em
segnimento transcripejoes do processo.
Responderam mais aos segundos quisitos pre-
sentados por parte do reo pela forma seguinte :
Ao Io reeponderam p-la negativa.
Ao 2o, r.'spinderam que existem em branco 226
folhas, a principiar*de 74 a 300.
.o 3 responderam que em 25 de dezembro de
1810.
E nada mais tea lo a proceder-se, mandou o
juiz lavrar este aulo de exame, era ]ue depois de
lido -ssignou com os peritos e procuradores das
parles.
Eu Pedro Tertuliano da Cuaha, escrivao o es-
crevi.Arminio Coriolano Tavares dos Santos.
Gaspar Antonio Vieira Guimarae?.Manoel Gon-
calves.Ferreira da Silva.Dr. Joaquim Jos da
Fonseca.Jos Joaquim Tavares Belforl.
Sentenca de 11*. 88.
Vistos e examinados enes autos etc. etc.Rece-
bo os embargos de fls. 61, e, jnlgando-os como
jolgo provados, retormo a sentenca, embarga-
da ; perdanlo pelas respostas dadas aos quisitos
de fls. 77 e 78 pelos peritos, que p-ocederam o
examo de fls. 7 venfica-se que o livro que de
nominado de Tombo des bens do morgado d'Alaga
d onde extrahida a cenidao de fls. 7, que serv"
do base presente accao nao se acha revestido
das formalidades legaes,. c sua auteuciicidade nao
pode ser recanhecida em direilo. E, asnm mi-
gando, em vista do exposlo, e do mais que dos
autos consta, jolgo improcedente a presente accao
e enndemno o autor as cusas.
Recife, 16 de dez 'muro de 1868.Arminio Corio-
lano Tavares dos Santos.
Sentenca a fls. 98 v.
Em vistas das razdes apresentadas nos autos a
fls. 97 com as quaes me conforme, por serem tam-
bem conforme o direilo, e mais provas dos mes-
mos autos, recebo os embargos de (K 91 para re.
formar, como pela presente reformo, a sentenca dp
fls. 88, e mando que se cumpra a sentenca de
IR 58, que confirmo em todos os seus fundamen-
tos ; pagas as cus'as pelo embargado.
Recife, 12 de maio de 1870.Virgilio de Gusmao
Coibo.
Dio Fordioso.
No dia 5 do corrente pelas 8 "horas aa nonte
fallecen em seu engeoho Serra d'Agoa desi'
freguezia, a Exma. Sra. D. Feliciana Lins de Bar-
ros Wa derley, mui digna esposa do Sr. tenente
Thomaz Lins de Barros Wanderlev. Ajalleclda
era senhora muito re-peitavel e querida no lugar
pelas de ser extremamente religiosa, esposa e mai exem-
plar.
Semelhante perda deixa- um vacuo immenso
nos corarles de todos quanlo a c nheciam, bem
como aos desvalidos de quem era ella um arrimo
cr listante o seguro.
A seu digno e extremoso esposo e Sr. Thomaz
Lins de Barros Wanderlev, que nao poopou esfor-
cos e recusos para salvar t.Vi preciosa vida, diri-
gimos nosso9 profundos sentimentos.
Rio Forraoso, 7 d A ..
ir-11THmtnirfimTn n 1 _n.....imk
N. 409.-ENTRE A SAUDE E A SEPULTURA.
Nao existe mais do que urna franzina separacac
e d" suppor que todos que apreciam a vida es-
tejam desejosos de fazer tod 1 o possi vel a -"vea
alcar.ee. aliin de evitar que a molestia a nao der-
rnbe. Qnem ser o lonco que se espere o ataque
final, quando o primeiro assalto pode ser repellido
com as pillas assucaradas deBristol; nma pre-
paraco tao genial e balsmica, tao investigadora,
e 00 enlanto lao forilicante; que ao par que ella
rebate a enfermidade e expulsa a sua causa, ella
restabelece e d robustez WashlAfipao di doente.
A sna composioao composia de ingredientes an-
ti-bllriosos e vetaes eathartieo-:, sendo urna segu-
ros e investigantes, o unin meio de cura contra
os desarranjos do estomago do ligado e dos meni-
nos, as quaes se poda coolar debaixa dd todas
as circumstancias, sendo a sua arelo invarivel
em qnalquer clima que seja. A idea de dores B
merecidamente associada com esses purjrantes or-
dinarios ; porm as pilulas assucaradas de Brlst'l,
nem si |uer produzem o mais leve imninmodo que
seja, sendo a ?ua operaco branda e suave. Pop-
ventora tora mister dizer-se que ellas sao o me-
ll'or catharticii o allerativo de familias at hoje
conhecJdo ? Ellas se acham acondicion.-.das dentro
'le viJrinhos e por isso a sua eonservacao dura-
dora em lodos os clima. Em l idos os casos pro-
venientes ou aggravados por impureza do sangue
a salsaparrilha de Bristol dever ser tomada con-
jnnciamente com as pulas.
EDITAES.
2* seccao.Secretaria da presidencia de Per-
namboco, em 7 de novembro de 1870.
Por eeta seerelar a se faz public para o conhe-
cimento de quem nteressar possa, o edital abaixo
transcripto do juiz municipal e de orphaos do ter-
mo do Cabo, pondo em concurso a serventa vita-
licia dos ofllcios de partidor e contador do dito
juiz, creadas pela lei provincial n. 504 de 29 de
mai) de 1861.
Os pretendentes deverao apresentar os seus re-
querimenlos devidamente instruidos na forma da
lei, no prazo de sesseou dias a cootar desta data.
O secretario,
Elias Frtderico de Almeida e Albuquerque.
O Dr. Joao Gonzaga Barcellar, juiz municipal e de
orphaos da villa e termo da comarca do Cabo
da provincia de Pernambuco, por Sua Magesta-
deo Imperador Constitucional o Sr. D. Pedro II
a quem Deus guarde etc.
F.ic.i saber que se acha concurso com o prazo
de sessenta dias, contados da data deste, os oflioios
de partidor e contador deste juizo, que vagaram
por fallecimento do serventuario Francisco Veris-
simo de Albuqu-rque Padilha, e os concorrentes
deverao apresen'.arem- se haoililados na confor-
midade do decreto n. 817 de 30 de agosto de 1851.
E para que chegue a noticia de todos, mando
que este seja atusado nes lugares mais pblicos
desta villa, remettendo-se copia para a secretaria
do goveroo desta provincia.
Dado e passado nesta villa e termo da comarca
do Cabo da provincia de Pernambuco no Io de ou-
tubro do anno do nascimento de Nosso Senhor
Je-us Christo de 1870.
Eu Mnnoel Jos dd Sant'Anna e Araujo, escri-
vao o escrevi.
Jeao Gonsaga Bacellar.
Coaforme cora o original afflxado, dia era supra.
O escrivao,
Manoel Jos de Sant'Anna e Araujo.
AVISOS MARTIMOS.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
SaTegftfSo eostelra por vapor
Macei, escalas, Penedoe Aracaj.
^lhr O vapor Jaguar ibe commandante
^M4 Guilherme, seguir para os portos aci-
msmmm mano dia lo do corrente as 5 horas
da tarde.
Recebe carga al o dia 14, eneommendas, passa-
goros e dlnheiro a frete at as 2 horas da tarde
do dia de aua sabida no escriptorio do Forte do
Matto n. 12.
nu
I
Para o indicado port segu em poneos dias o
brigue portuguez Realidade, por ter a maior parte
de seu carregamento prompto e para o pouco que
Ihe falta a frete barate : trata-se com o consig-
natario Joaquim Jos Goncalves Beltrlo, ra do
Commercio n. 17.
Maranho.
Segu com brevidade para o porto cima o pa-
tacho nacional Joven Artkur, para o resto do car-
ga que ihe falla tratase com os consignatarios
Antonio Lniz de Oliveira Azevedo & d, ra da
Cruz n. 57.
N. 410.-FELIZ E INNOCENTE IGNORANCIA.
Segnndo a epinio do finado Sir Astlev Cooper,
nenhuma pessoa dever saber, por qualqner sen-
saca pbysica que seja que possne um estomago.
Comtudo acuelles que diariamente sao adraoesta-
do.< da existencia desse orgao, por meio de deres,
e todos os mais concommiiantes da dyspepsia
cojos estmagos dieerem imperfeitamente, segnido
de certas sensacoes indescripliveis, e cujo svstema
inteiro soffre e v-se flagellado por esse memoro
rebelde; esses diremos que experimentem e
uem, ao menos urna vez, das pilnlas assucaradas
de Bristol. Tao Certo como elles assim o facam,
suas martyrisadas existencias enconlraro em bre-
ve as melhoras desejadas. Elles entao por sua'
vez esquecer-so-hao que teem estmagos, salvo
quando o apetit, criado por este genial calhartico
estomacal, Ihes lembra que o regenerado-e robus-
tecido organ,_ requer um certo supprimento de
alimento. Nao se sentir mais oppressao ou vexa-
me depois da comida, dores do lado direilo, pesa
dejos, ou conslpicao do ventre. A3 curas produ-
zcas por este puro e incomparavel a terativo
vegetal sao completas e nermaneates. Ellas achara-
se mettidas dentro de vidrinhos, e por Isso a sua
conservarlo duravel em todos os climas. Era
todas as molestias aggravadas ou provenientes de
impureza do sangue, a snlsaparrilha de Brislol
deve ser tomada conjunc.amentc com as plala?.
CECLARACOES.
Pela recebedoria de rendas Internas geraes
se faz publico que neste mez de novembro que
se Onda o praso do pagamento, sem multa, do im-
posto pessoal, relativo ao Io semestre do exercicio
corrente de 1870 71 lindo o qual ser cobrado
com a malta de 6 010.
Reeebodaria de Peruambuca 2 de novembro de
1870.
O administrador,
___________Manol Crneiro de Sooza Lacerda.
Sabbado 12 do crreme, d?pois 00 Anda a
audiencia do Dr. juiz municipal da 2* vara e pro-
vedor dos rezidoos vai praca a requerimento do
testamenteiro do finado Jo' Marlins Pinheiro, o
3obrado de nm andar e soto interno, sito a ra
do Pilar n. 119, com 24 palmos de frente e 77 de
fundo, 2 salas, 3 quartos, e cazinha no solio, ava-
hado por 4 000* ; escrivao Nunes Ferreira .
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
Navegagdo costevra por vapor,
Parahyba, Natal, Maco, Mossor, Ara-
caty, Cear, Maodali, Acarac e
Granja.
O vapor Ipojuca commandan-
te, Moura seguir para os por-
tos cima no dia 15 do corrente
as 5 horas da tarde. Recebe car-
ga at o dia 14, eneommendas
passageiros e dinheiro a frete at as 2 horas da
tarde do dia da sabida : escriptorio no Forte do
Maltos n. 12.
Para o t'orto
pretende sahir com a possivel brevidade o brigue
portuguez Unio : para carga e passageiros tra-
ta-se com os consignatarios Thomaz de Aquino
Fonseca A C, ha ra do Vigario d. 19.
COMPANHIA PEIWAMBCAA
DE
.Vavegaco costeira per vapor.
Mamanguape.
O vapor naciooal Coruripe,
commandante Silva, seguir
pira o porto cima no dia 12
do correle as seis horas da
tarde.
Recebe carga passageiros,
encomiendas, e dinheiro a frete al as 2 horas da
tarde do dia da sahida, no escriptorio do Forte
do Matt-i3 n. 12.

II)
hetal i
DOS
Perlences e movis e gneros do
roa Estreila do Rosario n. 19 (Anta
loante).
O agente Martina fara leilo, por aal
dos perlences, moris, tonca e Irew de
do hotel Agnia Brilhante da roa K-trwla
rio n. 10, em lotes, vontade dos c
Sexta-feira
11 do corrate
s II horas do dia, no mesmo botiH
DE
fazeudas francesas
suissas e alkVmias
PARA LIQUIDACO
Segonda-feira H do correaje.
J. Carrere levar a leilo, por
agente Pinto e para liqnidaco, nm e
riado sortimento de lateadas fraeetzaa,
allemas, proprias do mercado e nniieii
armazem do largo do Pelnriobo a. 7
eflectuar o leilo, s 10 horas e i
__ AVISOS WERS01_
INSTITUTO ARCHEOEOGICO GEOttAPm
E PBVUBLIA10
Ha ver sessu ordinaria quinta-feira 10 Ai
corrente novembro, pelas 11 oras da aa
nb5a.
ORDEN DO DIA
Pareceres e mais trabalbos de
ses.
Secretaria do Instillo, 7 de
de 1870.
J. Soares fAznmb
________________Secretario perpele.
tn-
COMPA]l A
Mes^erenes
DAS
Quinta feira 10 do corrente mez, depois de
Un Ja a audiencia do Illm. Sr. Dr. juiz de orphaos
tem de ser arrematada de venda a casa terrea si-
ta na ra dos Pescadores n 20, freguezia de S.
Jos, perlencenti ao menor Henrique lilhe do fi-
nado Jos oaSilva MorfTra, servndo de base para
a arrematado a quantia de 1:3303000.
COMMERCIO.
PRACA DO RECIFE 9 DE NOVEMBRO
DE 1870.
AS 3 1/2 HOHAS DA TABDB.
Cotacoes officiaes.
!hfarHd0,M?Cel i'fto-87 rs. por kil. posto
a bordo frete de 5|8 e S 0|0
Camino sobre Londres 90 d/v 22 d. por 1*000.
Fretes de algodao pelo paquete inglez entregar
em Liverpool58 e 3 OO
Pelo prealdento.
Mesquita uni'.
Pelo secretarie,
A. P. de Lemos.
_ m ALFADEGA-
Rendimento do dia 1 a 8 .
dem do dia 9 .
ATTENCA
Sa sexia-feira 11 do correnle, depois da audien-
cia do Sr. juiz.muucipal da 1* vara civel, lera de
serem arrematados por venda os bens penhorados
por execocao da legitima herdeira do finado Luiz
Antonio Vieira Bernardo Jos Rodrigues Pinhei
ro e, sua multar, cujos bens sao os seguales :
Um sobradoe soiao corrido e sobre soto na ra
do Brum n. 18, e um telhsiro no fundo, avahad j
por 10.0003.
Duas mei-aguas nos fundos da mesma casa fa-
zendo frente para o caes, avahada cada urna por
800*000.
Um caixao na ra do Brum, contendo dentro
duas mei-agnascom os us. 23 e 2>, avaliada cada
urna por 1:000*.
Urna mei-agua na ra dos Guararapes com o
n. 24, avahada por 2003.
O escriptode praca acha-se em rao do porteiro
do jnizo, onde milhor se ple ver. E' a ultima
praca.
o imperiales.
At o dia 10 do corrente mez espera-se da En
ropa o vapor francez Sindh o qual depois da
demora do costume seguir para Bnenos-Ayres,
locando na Baha, Rio de Janeiro e Montevideo.
Para conduces, fretes e pas.-agens, trala-se
aa agencia, ra do Commercio n. 9.
No dia 11 do corrente mez espera-se dos por
os do sul o vapor francez Amazone, commandante
de Joret, o qual depois da demora do costume
seguir para Brdeos, tocando em Dakar (Gora) e
Lisboa.
Para condic3es, fretes e passagens, trata-se na
agencia, roa do Commercio n. 9.
GASA DA milM
Aos 5:000|
Bilhetes garantidos.
A roa Primeiro de Marco (uatr'ora nu do
Crespo) n. 23 e casas do costee*.
O ahaix i assignado, tem i vpadido ase s*n
felizes bilhetes um qusrt n. 2331 cea 5:090*.
um ioteiro n. 1110 eom 900*, e ooiras aeffee de
100* t, 40*000 da lotera qoe se acata
trahir (168*), convida aos possaMem '
ceber na conformidade do costume,
to algum.
Acbam-se a venda os felizes
tidos da 3* parte da lotera, a beneicw
va igreja de nossa Senhora da Peona (1
se extrabir sabbado 12 o cnrrenle mm
PRECOS.
Bilbete inteiro 6*000
Meio bilhete 3*030
Quarto 1*300
Em poro de 100*030 para cima.
Bilhete inteiro 3*100
Meio bilhete 2*700
Quarto |*:i50
_______ Manoel Martins Fia
vi
Club do Monteiro.
A primeira partida teri lagar na noote
do dia 12 do correle, havend > na tres
expecial para a volla as 2 horas da
gada.
O emprezario,
_______________ P. J Layme.
Para Lisboa
A barca porlugueza Gratuito, capitao Borges
Pestaa ; para carga s passageiros irata-se com
E. R. Rabello & C, rua do Commercio n. 48, ou
com o capitao.
Aracaty
Segu para este porto o hiate S. Joao Baptisla:
para passageiros e carga, na rua do Vigario nu-
mero 26.
p RIO DE JANEIRO
Para o Rio de Janeiro segu dentro de oilo dias
o patacho brasileiro rabe por ter o su carrega-
ment prompto, podendo anda receber alguma
cousa, assim com.o miudezas e escravos a frete :
a tratar com o seu consignatario Joaquim Jos
Gonc.ilves Beltrai, roa do Cimmercio n. 17.
Escrava.
Precf a-se de nma escrava para
familia para o ser vico interno e que eaiba'
mar: para tratar aa praca do Conde d*Ea~ i 3*
Io andar. '
Aluga-se nina casa terrea e>m solea -
tantes commodos juuto a ponte pequeae a rVs-
gem : a tratar na eslrada do c jueiro, sitie a I
ou na rna das Trincharas, fabrica de
mero 1.
Preclsa-se de um bom eopeiro e de m icr-
aente que seja forro : no ii tel ranees da rea da*
Lvrangeiras n. 10.
Um rapaz brasileiro, de boa tora,
ga-se de fazer escripias commerriaes por
das dobialas : tratar na rna estreila do
rio n. 17, i' andar.
267:788*666
54:198*056
321:980*722
canas de ferro osadas, uue podesse vender
r ,LJm omo ass?urou qua as camas foram
Srifnr T? Cm> deY0 PPftr Jiue s p.r
TSZOttSiSlmu,ivo de omiUm L
^FZtJ*?^* enirou Para Asy'o "o dia
fi de marro e nao nndu safar do que antes Sfl
navia passado, e eu o interpellando jobre e i>. me disse que nao linha afflrmado coua al-
guma, e apenas, pelo que orjvira dizer, declarara
que as camas de que se trata, haviam sido cora
pradas com aj;asa.
Se, portante, o Sr. commendador Nello n3o dei-
xou camas no Asvlo, como se ousa dizer que ven-
diaas em qoe E' levar muito longe as tramas e a perversi-
dade I
Qaanu historia das carrosas e bois arrestados
Juiz, juiza, thesoureiro, escri-
vao, e mais devotos que tem
de festejara excelsa -Senhora
da Saude no anno de 1870 a
1871.
a ,uiz Pr eleicio.
o Illm. Sr. engenheiro Wiliam Baallosoo.
a m ^a,M Por eteico.
At""a- eExma. Sra. D. Cordoliua da Silveira
wns d Almeida.
n nim o ,uil Pr devocio
u lllm- Sr- Jos Ferreira Lopes Reis.
* iiim, d ,aiza Pr "Jevoclo
A Illma. e Exma. Sra. D.,Antobia de Lima Notaos.
\ovimcnto da alfaudesai
13
945
Volumes emrados com fazendas
< com generes
Volumes sahidos com fazendas
* > com gneros
193
164
938
357
Descarregam hoje 10 de outubro.
Barca inglezaFlutsstmbacallao
Brigue ioglez -Panton-farinha de'triao
Pauco iiaclonal-Ja&oaftto-atersoe eneres.
Barca fraocea-S. And)--idem
Barca americanaNannuidem.
Barca ingle/mwraierfai uha de trwo
Brigue ingleTFo/rrafdiversos gneros '
Barca inglezaZennia idem.
Navie IngiezKfteUem.
Patacho .americano Water Wiler farinha de
trigo.
Galera ingleaaHermionecarvao de ierro.
Lugar inglezNarflaJordiverso eneros
Lugar ingiezElisadiversos gneros.
Barca ingleanJunJ-diveraos gneros
Brigua ioglezCigama -idea.
Lugar portuguezJulhidem.
THEATRO
VARA
o
Rio-Grande do Sul.
A esenna porlugueza Agnia, capitao Fonseca,
recebe carga a frete : trata-se com E. R Rabello
& C, rua do Commercio n. 48, ou com i capi tao
Kio de Janeiro.
Para o porto cima segu com brevidade o bri-
gue nacional Jsabel, tem parte do seu carrega-
meno engajado : para o resto que Ibe falla tra-
ta-se cm os consignatarios Antonio Lniz de Oli-
veira Azevedo & C. rna da Cruz n. 57. andar.

COMPAiVeA AUBtt
EMPhEZA-COIMBRA
feira 10 do corrente.
* RECITA DA ASSIGNATURA.
Variadissimo espectculo
DIVIDIDO EM TRES PARTES
Ouvertura pela orobestra.
nhiri PRIMEIRA PARTE.
. scena 3 muit0 linda e applaudtda ope-
reta era um acto, msica de OfTemback
To Braz
LE VIOLINEUX.
R;nu PeraooHeae. '
MaS..........-1 Jlle-Breseia.
T"*............... r. Maris.
"*re................ Mr. Raynand.
aoWr. EGNDA PABTE.
ZmiSZr BmU0 k0da e app"adid* 0pe-
Rio-Grande do Sul.
Segu com brevidade para o porto cima o bri-
gue nacional Amelia : para o resto da carga que
Ibe falta, trata se com os consignatarios Antonio
L. de O. Azevedo A C, rua da Cruz n. 57,
meiro andar.
pri-
ASSfJ'
Para o indicado porto vai seguir dentro de seis
das o patacho portuguez D. Guilhermina, pelo
que recebe carga a frete commodo, e quem no
mesmo quizer aproveilar em oarregar, qneira tir
tratar com o seu consignatario Joaqnim Jos Gon-
calves Beltrao rna do Commercio n. 17.
BRAZILIAN STREET
Railway Company (Limited)
E-ta compaohia vender d'aqoi por diaola
nos domingos e dias sanios na estaclo do
Recife bilbeles especiaes, qoe servirio a-
mente no da da venda, por IJOOO cada mi,
os quaes dio direilo a passageej de ida e
volla era qualqner trem do Reate ao Cat-
deireiro, Monteiro e Apipooos.
Escriptorio da companbia 9 de i
de 1870.
William Rawlin
Gereoli.
IIIMII
DE
N. S. Mai dos Homens
LEILOES.
LEILAO
DE
^ MOTIS
tas de amareiio, nwas para jantar, gnarda-Jouca
Havendo a mesa regidora desla
liberado fazer sahir em proiaso s.
gem de su excelsa padreara, n*
corrente as 4 horas d tarde, pede
das ras por onde tem de pausar a
cn-ao, que limpern aa testadas de
de tornar esta solemnidad* condigna i
Virgem. A proeiss3 perorrer aa
ruis : Da Madre de Dos, da Lapa, de
do Vigario, praca do Corpo Santo, roa e
Commercio, largo da Assemtxea, roa
stravessando a rua dos fioarvapes,
Fundico, rua do Brum, travesa de
da Cruz, rua da Cadeia, caes da
da Alfandeg, a reeoiber.
Consistorio da irmandade de If. S.
mena 10 de novembro de 1W0.
O e*erivo
______________Joio Vtate da C
Ira ndade
da SoahoM oes'AeeM
Jada Medre de
Per orden do Illa. Sr. proveen
sos rmeos pan eoeerporadoe m
correleaasisHrmee a feeta eTe-Daaa
Mil dee Baeai, wef como l
mUiiumii a na pradssau no
119 noria da tarde, para e qoe
Recife 8 de OTeabro e W70,
Joio Praaciew de
O*


Jffrm.de.gcrna^uoo Quinta lan 10 ^ Jfege^ ,fc rjWM.
n

IIPOBIflr* tlIYERSU DE Ult
HMtU 0 I- CLIU
DI
B11UC
s&;
tea
III -mj
uraouoo.
. ACADtMl A IMPEklM. I M
fl iatmhroi* II

B" sobretodo As su as propriedades mi
q*e corre.-, de deve a
meuda-se-o opccralementecortri
*
APPBOVAOO PELA ACADEMIA OE MEDICINA DE PAAIZ
A
O Qiilnlun Labarraquc> um
?mho eminentemeiite toaico e febrfugo que deve
ser preferido todas as outras preparares de
quina.
;23j
i
ni
1,1 *' "H^fl

Os vinhos de quina ordinariamente emprega-
dos na medicina preparara-se com cascas de
quina cuja riqueza em principios activos extre-
mamente variavel; parte disso, em razao de seu
modo de preparacSo, estes vinhos contem ape-
nas vestigios de principios activos, e em propor-
cees sempre variaveis.
0 Oiiliilmii abarraque, approvado
pela Academia de medicina, constitue pelo con-
trario um medicamento de composicao deter-
minada, rica em principios activos, e com o

qual os mdicos e os (lente* podem sempre
contar.
0 Qiilalum Labarraque proscripto
com grande xito s pessoas fracas, delibitadae,
seja por diversas causas d'esgotamento, seja per
antigs molestias; aos adultos fatigados por urna
rpida crescenca, s meninas, qui tem difficuldade
em se formar e desenvolver; s mulheres depois
dos partos; aos yelhos enfraquecidos pela idade
ou doenca.
No cazo de chlorosis, anemia, cores plidas,
este vinho um poderoso auxiliar dos ferrugi-
nosos. Tomado junto, por exemplo, com as pilu-
las de Vallet, produz effeitos maravilhosos, pela
sua rpida acco.


CASTRA
DISPEPSIA
PYROSiS
AZIA
DIOESTfitS di fficis
DORES de estomago
C0KSTIPAC.0
CLICAS
DIARRHEA
DYSSENTERIA
CHOLERINA
BOBO DE EWPREGO. -Ounit^idiM iOvUJfitK;
~toma-se antes ou depois de cada comida, sol) forma de P oa Je
Paslila. Geralmente o bem estar senle-so logo depois das pri-
nieiras doses. Urna inbrmacao entensa acompanh cada vidr*
do p e cada caixa de pastilhas.
Deposito em Parla, L. .RIPII., f fj, rae Jaco.
Venda-se Da pharmaria e dregaria de P. Maurerd C^
ra do Barao da Victoria n. 47
PARS
pars
CASA CAUVIN A MARiiiiER.
Pharmauico arieil *,-,**,
aor:oeauo _
ler-rd Sbwtopol, S6.-PABH>
N0\kS ESPECIALIDADES A. MARINIER
Apreseaudas a Academia de Selescias i "
III.IPPPAn Sob fon" d P''Ba, ertiii e .
inUtbRU mof nto m tolaccSo PMtlITUA I
MOLESTIAS COHTAOIOIAI
IUJECTOR-EHILTRO *JSSA.T-*
Graves inconvenientes de fraiU<
CQTO IrtQ Com fon" c ,'0 feia*- te __
& I WvUO TODO TRATASE* fO
a a
COLLYEIO Contra as afleccois c^us palpaana, preparado sob a acuna forran.
Deposito em Paris, L. FRERE, ru Jacob, 19
Rio Janeiro, Dnpoachelle t. Chevolot.
Pernambuco, P. Manrer y C".
Bahia, HaaaeT y C".
Ouro-Preto, Candido Wellergon.
EZZXMZEZZJESZSZZSaGSZ^Z:
MaranhBO, Forrera y C1".
Pelotas, Antciro Leivaa.
Maceio, Falco Dlaa.
Porte Alegre, Francisco Jos Bello.
M
/v
iau _s i
LICOR CONCENTRADO E TITUIACO
O Bflt Guyot chegnu a lirar ao alcalrio a
sua acrimonia eoseti amargor insupporlaveis,
o que o lona m.'ug soluvel. Aproveilnnilo essa
fei dercoberta, elle prepara um licor cr,n-
eentrado de.ilearrao.a qual, sob um pequeo
r, conien urna grande propovcSo de
clisos,
0 ACaaejaae le Cojot ;Guudron de
Guyot) posur por romeqttencia Indis asvan-
lagens da agua do alcalrao ordinaria, sem ler
os iiiconvcuienles. Hasta deitar d'eile uina
colher de caf n'um copo d'agua para obter
logo un copo de exeellenle agua de alcalrao
sera gesto desagradavcl. Cada, qual pode
d'essa maneira preparar a sua agua de al-
calrao qosndo d'ella precisa, o que offerece
economa de lempo, facilidade de transporte
t ovil i u iiiaii'joiao dcsagradavrl doalcalrao.
0 ,tlciro -.te -uyol subslilut COHI
vanlagom muilas tisanas mais ou menos
inertes, nos oasos de defiuxos, bronchiles,
losses, eaturrhos.
CHE
GRANDE SORTIMEi\TO
Depositarios peral para o RISA.sm. e PtTI.'Hl
3i, ra larga do Rosai'o. iT;l?AiLBDCO.
!
f* FALQOE
e
N'ESTA ANTIGA E CUE1TATA
FABRIGAl
r.r.
DE


0 Atraer de tujoi emprrgadn com o maicr xito as molestias seguintes :
E.'. LLBiDA. Una colher de caf ara um copo d'agua ou dua colheres de
topa para urna garufa :
BriOKCHITES
CATARRHO DE BEXIGA
DEFLUXOS
TOSSE PERNITAZ
IRRITACO DE PEITO
TOSSE CONVULSA
EI3 FOlLNTAyES. Licor puro ou com um pouco d agua:
AFFEC56FS DA PELLE
COM1CHES
MOLESTIAS D COURO CABELLUDO
EM INJECGOF.S. Urna parle de licrequatrod'agua (eticada tntetramsai* apeeta!.)
FLUXOS ANTIGOS OU RECENTES
CATARRHO OA BEXIGA
O Alcalrao de Guyot foi experimentado com um verdadeiro xito nos
prhuipaes Iwspitaes de Franca, da Blgica e da Espanha. Foi reconhecido
que, para os tempos de calor, elle consl'ne a bebida a mais hygienica, e so-
bretudo durante os tempos de epidemia. Urna intruecuo ac'companha cada vidro.
Vende-se na pharmacia e drogara de P, Mau-
rer & comp., ra Barao da Victoria n, 17
MSICAS DAS MAIS MODERNAS
AO
SALI DI MIS IISICAS
RA DA MPERATRIZ N. 14, LOfA.
1&S>3()3 2)3 33)2.
COSTRA S CimiITlIjlfl lili COUPLET SOITIIEII l
EfAS>CM DE SOI,: ^^4^.
De todas as qualidadcs I
De lodos os fcitios f
De todas os prejos I
RA DO CRESPO N'4
Vegetal americano
ESALIDADE
BA RT HOL O M LO&C
Pifa a can certa u tmei ulifu e recentes, catarro*! pnlnwnar, uthaa 5 Um ntiIn, nIutW
fnaikat; em gonl eontra tod m oflrimentw das u resairitaritt.
DEPOSITO fiBBAL
otioa ag DnoG/vni
M, BDA LARGA DO ROZARIO, 34
PERNAMBUCO
A teripitl iu imrut molMtiu do peito detdt
. pharyngit. a m.l d. garg.nt. .t tiSrllia;
pnlmon.r, patsando netas diTersaa bronchita catarrea.
, o emphjsem. aca^. da aer amqoeeid ma nTil
esta riadir.inKnin m. in_.-t -Jj pm un
rt
VERDADEIRAS
PILULASdeBLANCARD
COM IODURETO DO FERRO INALTRAVEL
'APPROVADAS PEU ACADEMIA DE MEDICINA DE PARS, HC
Possuindo as propriedades do lodo et do farro, convert ospeeialmente oat Armenia
BCROFtrtosAS, a Tsica no principio.a (raque** de temperamento e tarabea) sos
Falta de cor, amenorrhea. em que precisa reagir sobre o sancor seja para 1
ine a sua riqueza e abundencia norraaes, on para provocar e regular o ara corso r~
N. B. 0 iodnreto de ferro impar* oa alterado i om medicamento infiel,
Irritante. Como prora de pama a de anthencidade das Tra1Jt ri-
*,la" ** lral, deve-sa exigir nosso aella e prata rraeUra n
k nosso Orna, aqni rtprodnrida, (jne se aeha na parta inferior da na
-^ k tataala verde. Deve-se descontiar daa faiiificacoa.
k Aehaaa-M eaa toatoa aa Bkaraareiaa. fkmmamuHv, rm flaj


:
Oox-np"Vestal A'
34.RA LARCA DO ROSARIO.34.
aa ciadicamento. qn toiart ttfStoXZL
iodo, at hoje eonhacidoa. O ropa "etsaUaaieBR?
iaranundo paraman.. U1, o eonUm ,mT.
tompos.clo m B6 atona de opio, .im lomenS e!
w. de planta, indigena, caj. propriedrtM bZZl
.. cara da molsuaa qn. perunenTa7LTdra
pmelo foram por oda obserr.daa por l^ l!'S
com opfmo. re.ultados cada m m^JSSJ^Sl
aa. no. jnlg.mo. .atorindo. compoTu P!
.gor. .presenumo.. ofl.r. lo .. Yc^.^
pablico. Profana cea aa atteaudo. tonTm
ano. dito. eonuaw ata a concito a. a 3 toa
o jarona Veg.tIAmere.no eraaeer doV. aj?
*>ndo anuo apa da .i t^o. M paiioraa fo:
Illa. Sr. Barihalsma C-0 nroo* TaM.i im.
ric.no. preparado em ana eonceitaadioim, Wmaeii
aa ntil remedio pin eomb.t ai\5il?
Sofri, aaaalta moU.U. ka WaaSa^ad.
UrcombatiJo oaauqa.. m.naa. qa. ShTMMaUimo
.f. tifa foi fortiaaimo qa. me proatol uikiSl mS
ui4 p,r
u.o ro loniaaima qaa me prostoa taf i rfia. ...1
hn o aea mil.gr! x.rooS, tom.K .n^Si ^
Ihe, poi oa meaa agrdaetmantot por ao Mr aliviad
lio normal mal. Coa a maia .igniQcatif. rratida.
aubscravo-ma da Vaca, affectneio a ncoBhacido erireV
- Sm DmrU.-8u*C* 14 dafavarairo daltct
Illa* Srs Bartbalomeo C. Bepoia da qaaai u,
meies de soffrimento coa om. toase inceaaanta, fui.
.itr.ordin.rio, ipeatonco de om eatarrfco amir-'1-
do, a perd. total daa forcas, qaa o menor paaae
ma fatigaf a completameate, cansado da tomar mata *r
ira remedioa aam raaaludo tive felieid.d. de aaie 11
Vmea. preparafam xarope Veg.t.l Americano, a cea
lie, tracas a Deas, aa acbo raat.balecido ba aais
doia meses, a robaste cono se nada thesse soffrids t
Slidio ma torea aata declaracao, ana poderla Vaaa
w o as qaa qoizerem. Sao coa stima da Va.*.
maHos respeiUdor e criado. Antonio /oaj t
Cutro t Silos. Bacila S do favreara d 1S68.
Attaata qne aael oa xaropa Vegetal America.; ?
eampoeaao dea Srs Bartbolomeo A C. para cara da n
arta d.Qoxo qa. me troaxe am. roaqaidlo, qaa a. aa
(axia edteader, lnfl.ma.cl. e dar oagariaata, t-n-
grande falta dra.pir.clo, fiqn.l compleumwt. aa
tabeledao coa na 6 fidro do mamo xaropa; .cfc
qne Ihe. protesto ataa gntidle. Ractfa d a
aMa 5alaaaai.^,,<" '"** *""" ***
i
XAROPE SEDATIVO
de cascas de Laranjas amargas So
BROMURETE DE POTASSIOM
> J.-P. IAHOSE, rus dea Iiiona aaiatt-Paad, 1-ar
Todos os Mdicos concordlo em que o Bromnrata de Potassinm poro tem sobra
sistema nervoso, urna accao saalatia a eelmaa,. Reunido lo Xarope Lame a>
l,ar,lnia flmaraa rain aman roneiun fnn -A0 Ae, .iM^...* ~^~ ___
Laranja amarga, caja acco regenera as rao^oes do estomago e dos intratiaoa, A
universalmente appreciaio. Sem receio d'arbidente se pode dar as peaseas - quando soffrem de wolaaaiaa de .a|a, >a. iaa disjaalivaa, o* 1
flaeim m\m r\nnt aa mi i .1______^_^.___a._____. __ n___ _____
flol costam.moa procarar atteatadoa para acreditar
Meaos preparado, a deixamoa qaa ana appiicacta e oa
fMalta*)obtidos pelas peasoasqne se dignaramacceiU-
tas, laas data endita a vocs ; porqo. alo saapr. oa
attaatadoe eooeidendoa gntoito., a dalles qo. linca
alea charlatanismo; maa ni qoerendo ofender aa pe.-
aasqsaeepont.neamente Boa ofleraearam,os qne sbaixo
latnnscriptoa, oa faxemoa publicar .nifasundo-lha
aosM iratidto pela sunelo, esparanda qaa feaban
tilea corroborar o eaneeit, e aeceiutjlo qa. tea aa
tiae soase xaropa. aariAoiomeo A C
rresTaaes.
Jims. Srs. Bartholomeo tCE eoa a maia sabida
Mtisfacto qne tteclarn ser o xarope Americano de am.
ntcscia exi.raoidin.ria, pois que offreado ba di.s da
"a to?se. t ponto de nao poder dormir a noit. .
*"**!.,_ erceir. cn|hcr lu allifiado, e de todo me

Viegl
fc i. Prr.bondi??imococi
><: o aio do saroi .-
Vegetal Americano, de aaa' Composiclo, quando at
acheta bastante doente de ama constipadlo, que dm
tornon completamente naco e qne tnaxe ama forte
toase, e me impossibiliton de eompriro. mea. devores
de cantor d. empreu Ivrica, fon agndecer-lhes aaa
completo restabelecjmento, qne obtife com oa s ridr
do mesme xanpe, depois de hater recorrido a aaitw
tratamentos. Desejani qne ontns como es recorra
ao md xarope para s. foraa .liri.dos de to terrire!
incommodo, ta fatal neate paii. Com malor coaaide-
relo contindo a ser de Vt. Ss. atiento, fenendor
de""!' ~ &>*u Recite daseteaats
lllm Srs BartholoaaaACO xarope Vegetal Abo
nc.no qn. Vr. S,. tm exposto 1 rendT de tod. eft-
cada para o enntiro d'aathas; cantoras observe!
pHcando-o m-o Hlho Joaqnim. meaor de qaatra
.nDo.; ftctima d'eaa, fiag.ll. qne U alio par feas
excedente a dons aanoa baria resietido a eatna xerapas
de gr.nde nome.d.. Qaeiram pois Vv. $.. aceeKar s
expresairo altamente sincera d. otan reeoaheeiaeaa m
??Z?Z!ZJi'"' "" PTr coa o isdaa
srope, saaMilaaftsa. pan sempre da Vr Ss errada
atiento obleado. Americo titilada Maadaaaa
appreciao.
_ d fimlaeeia.
assim que para ts laalaaiia. nervosa i a prenhea. Para as creaucas, aaa
ajltco, insomiiia. toa. dorante r clenlie.o.
Deposito m Rio de Janeiro, m Cfaaolot; em Pernambuco, w. rri
em Maceio, raleo a>ia; em Petjtas, Ani.ro X-rivaa; em BaAi'a, ao*
Porto Alegre, Joalatello; em ZaranhSo, rrrira o o*; em Ooro Preto, ^^
aC;
FEITOR
Precisa-se do um Nitor para engenho, prefere-
se pertueaez : a tratar na ra da Matriz da Boa-
vista n. 26.2o andar, oa na ra da Cadeia n, 36,
com Leal Irma a, '
Kscrnvo para lugar
Precisa-se slugar um escravo para servido
padaria da ra Direita n. 14.
na
ADOPTA
NOSliOSPLTAL, OE PARIZ WAS AMBULANCIAS
H0SP1TAES MILITARES M MAR1NHA IMPERIA
FRAWCE2A- NA MARINHA WVl. NGLEZ
. O di ol.lema resolvido por Mr Ric.ollot eom o mais elu resoltado tu nosicAo desta
. Z 'ya rr mfar!,a- todas M su propr^"11**. obtendo em ShaaS!
. e com facilidade un eiTeilo decisro eom a menor quantaade possirel ^
de medicamenlos. (^SoticAordo/ .wiuarw de th+apeutime* de 1868
U>#:f,*i? M tad* *" I" Wcifl dora.
Jos Antonio de Cas-
tro PSrte
Este senhor tem urna carta para Ihe ser entre-
gue uo caes da Gonipanhia Pernambneana n. 2,
escriptorio de Veras A Barhedo, onde a devrr
procurar, pagando o presente annuneio.
Preci nhe e compre paraca-a de prmea familia : na ra
-\ Aurora n. 40 se dir quem precisa.
zima
eaa poucos inatanU
Na roa do Mrquez de Olinda (ontr'ora Cadeia)
ti^SO. preM-a-ifl-d* nma ama para citinhar.
Para fazer Cinuanbu e ni transar a tenrus
loeomos precisase de urna multier de meia idade
jde e-iodueta exemplar : qaem a isso se quo r
frestar dirjase rus da irnperalriz, loja n. U,
ue e_dif quem precisa.
Ama
Prcciss-se de urna ama que eaojpra t
para casa de pnnea familia : na roa ala Cao fea*
do Carroo n .6.
ALUGA-SE
o andar do sobrado n. 91 na roa de
Dias, outr'ora Direita, eom 4 quartas, 1 .
na sala da frenl, despeoca, coiioba, I
para escravo?, quintal e carimba : qoea o
tender dinja-se atravesada Madre de Deoao.
lo ; e para o ver a chave aeha-e na iilmoa sha
Srs. Lopes A Sonza n* aiesroa ra o. 95^_______
Altent*io.
Precisase alagar parte de orna cao tenm ea
sobra Jo para tun r^p.z i"|ireg*i- e* coaraavaai
Tiin pretender detxe n ~u typograpfeia nrt Ai-
ch.ilt com as iaiciees J.^_______________.
Pn-i-is se de nma ama torra on ei a va
para c ilsui- acomida a aaer mai servi-sy as
urna ca^a de.h imem sjBriro: a tratar na roa l
Miadegn n. 3. '
Jc-i> X uaia Balwito, coraaarciaata aa te-
dade do I.-, que Ira ibuIo aawoa Ciwapra oaate
r prac.1, julgi nada dever aqai oa ton, se, Ma.
siguen *e jalgar sen ere**. enteaJ-r-ae-lsa aa
os seas correepaidailBs no Reetla, aa Ira. fioaaa.
de Msitos Irnuos, aeotra





Diario de Pernambuco Quinta feira 10 de Novenlbro de 1*870
O salo le pianos e de
msicas
tnuojQ-se da ra NoY a. 88, 1 miar, ptnt
roa fe
Impcratriz n. 12, loja,
osa' contina recommendando-se ao Illm. pu-
blico.
6. Werlbeimer.
\ii PALBARES.
Roga-s* ao Illm. Sr. %** V.eira te Mello, es-
erivio aa eidade te Mazareth teaU pSyincia, o
favor d vir a roa do Imperador o. 18 % concluir
aquelle negocio ose V. S. se comprometan reali-
sar, pela terceira tunada dests jonufef nos
de dezembro proximg paasado, e depois para Ja-
neiro, passou a kvataiie abril, e nala ctjiaprio,
e por este motivo de boto chmate | rt dito
fim; poli Y. S. se aefejtabrzr que sVltegocio
de mais de oito anuos, e quaoao o seahor sao
se acbava no estado nesta eidade.
Joaquina M-anciscodoEsfHrifl Santo,
iritj S:
dalia
AIT
11KESSANTI COMP0SIC.0 LITTER1RIA.
C0NTEND0 :
Aaolte do xtasis, srnSM
Onorriso.
A.aoite doassombro.
A lagrima-
^ooute do delirio.
Omysleno. < '
Gom nana carta critica dirigida ao autor pelo
Or. T. E Rigueira Costa.
i volume brochado 2*000.
AS CENTELHAS
Poesas patriticas sobre a guerra do Paraguay.
1 volume brochado 2*000
NA
LIVRARIA FRANCEZA
concordataria da massa faMIida ds Jaia &
Espirito Santo, pede aossous;credores o favor
de virem ou mandarem receber os pagamen-
tos da Ia prestaoo de sua concordata; de-
veojlo, para esse fia), ditigirem-sei ruado
Imperador a. 41.
lia nmiujis
PRIMEIRO E ANTIGO CONSUUW10
HOMEOPATHICO
Dirigido pelo Dr.
SANTOS MELLO ^.
Os habjtantes do interior podesa-no
consultar por escripto, no que serao sa-
UWtos com promptidao.
Presta-se tambem a chamados para o
Interior, a preco mdico.
Consultas, no consultorio das 10 horas
ao meio da.
Chamados, a qualquer hora.
Aos pobres gratis.
43Ra do Bar5o da Victoria43
(Antiga ra Nova).
A luga se
urna casa terrea, sita na Capunga, com sotao, co
ebeira, e um pequeo quintal : a tratar na ra
do Vigario n. 31. ___________
O Sr. Sebastiao de Albuquerque Mello o og-
ado a vir a esta typogr phia. r_______
Joaquim Jos Gonpal-
ves Beltro
Ra do Trapiche n, 17, 1* andar.
Sacca por todos os paquei-js sobre o banco de
Minho, era Braga, e sobre os segnintes lugares en
Portugal :
Lisbda.
Porto.
Valen^a.
Guimaraes.
Coimbra.
Chaves.
Visee.
Villa do Conde.
Arcos de Val de Vez.
Vianna do Castello.
Ponte do Lima.
Villa Real.
Villa-Nova de Famelico.
Larnego.
Lanos.
Covilhaa.
Vaseal (Valpasso).
Mirandella.
Beja.
Barcellos.
AU
ROM
DYVETOT
4Rua Estrato do Rosario-M
Compra o vende roupa feiti
"nova e ~\ el ha, objectos de
rosinha e de mesa, e
tudo que perten-
- ce ;o uso do-
mestico.
S? praca da Independencia n. 33 se da di-
BBerosobre .'.-mhores de ouro, prata e pedra
preciosas, se] a qual for aquantiaje na mesms
casa se compra e vende objectos de ouro e prata
igualmente se faz toda e qualquer obra de en
commenda, e todo e qualquer concert lendent
tt mesma aria
Cosinheiro.
Precisase de um cozinheiro, dando fiador
ruado Crespo n. 0, livraria franceza.
DA
s
O bacharel Celso Tertuliano mudou o
seu escriptorio para a ra das Cruzes,
boje Duque de Caxias, casa n. 3i, 1 an-
dar, onde pode ser procurado.
s
X
ll
O Dr. Riug mudou sua residencia e consulto-
ra medico cirurgico para a ra da Aurora n. 52,
4C andar, onde d consultas das 7 as 9 horas da
inanha e das 3 as 3 lloras da tarde nos dias uteis;
aos chamados devem ser por escripto e acudir a
qualquer hora do da ou da noule.
AMA
Precisa-so de urna ama para cozinhar em casa
de pouca familia : a tratar na ra do Vigario n.
9, 3 andar.
AVISO
Roga-se aos senheres abaixo mencionados o ob-
sequio de comparecerein no Bazar da Moda ra
doBaro da Vietcria, a negocio que Ibes diz res-
peito :
Jlo Valentim Vilella Jnior.
Guilherme Dias dos Santos.
Joo Jos dos Santos Lima.
Jos Magalhes com fabrica de velas.
Jos Mara Fernandes, morador na villa do
Cabo.
Sociedade Lotrica
ESPERANCA FELIZ
Pertence-lhe os meios bilhetes ns. 3079, 1080,
1082 e 1081 da lotera 331 da corte.
O secretario,
A. J. de Brito
Boa occasio.
Um moco brasileiro de 30 annos de idade
qui falla e escreve a lingua ingleza, com
todas as habilitaces para caixeiro despa-
chante, de embarques ou outro qualquer
trabalho ; precisa de um emprego. Para
informaces dirija-se a roa da Cruz n. 81.
das 9 da manhaa as 3 da tarde.
lrmandade das Almas
Erecta na matriz do SS. Sacramento da
Boa-vista.
Deordem do irmao juiz,pomao ter comparecido
numero de irmaos na segunda vez como determi-
na o art. 23 do nosso compromisso, para a eleicao,
de aovo convido a todos os nossos irmos para
comparecern) em nosso consistorio na mesma ma-
triz, domingo 13 do corrente, pelas 10 horas da
manhaa, ailm de que reunidos em numero que
possamos considerar mesa geral. elegemos a fu-
tura mesa regedora que tera dereger a mesma
irmandade no anoo de 1870 a l7l.
Consistorio da irmandade das almas erecta na
matriz da Boa-vista 7 de novembr* de 1870.
O escrivao,
^Manoe) D. te gilva Jnior,
f ara loja de relojoeiro.
Aluga-se parte de urna loja, a qual serapre foi
de relojoaria, existiodo ferraraeotas, bancas e to-
dos os precisos, para nada mais precisar do que o
pessoal; a localiaade a rrielhor possivel: a tra-
tar na ra do Rosario n. 22.
I, W. MUAN
EKGENHEIRO
Com fundiejao.
A RA DO BRUM N. 82^
Passmdo o ehaforiz
Machinas vapor systema melhorado.
Rodas d'agoa.
Formas de ferro para purgar assucar.
Moendas de canna.
Taixas de ferro batido e fundido.
Rodas denudas para moer com agoa, va-
por e animaes.
E outros objectos proprios d'agricultura.
Tudo por preco muito reduzido._____
PADARIA
UNIVERSAL
O abaixo assignado faz sciente ao respei-
tavel publico desta eidade e seus suburbios,
que acaba de estabelecer orna padaria in-
titulada Universal, i ra das Tamarineiras
ns. 3 e 5, no lugar denominada Jaqueira.
Tendo envidado todos os meios possiveis
para collocar este estabelecimento as con-
digoes de poder salislazer a necessidade
que havia de um estabelecimento desta es-
pecie nos arrabaldes desta eidade, o abai-
xo assignado espera a valiosa proteceo de
todos os seus moradores.
Promette o abaixo assignado que s em-
prega na confecejio dos artigos que se pro-
pe a fabricar no dito estabelecimento as fa-
rinbas das melhores quadades, sendo tudo
eito pelos systemas francez, inglez, portu-
gusz e allemo, para o que jff tem contratado
trabajadores estraDgeiros, conhecedores
desses systemas.
Para maior commodidade dos moradores
desta eidade o dos seus suburbios, o dito
estabelecimento ter diversos depsitos para
os anigos do seu fabrico em differentes
ponlos i'.a mesma eidade ~e dos seus arre-
dores, os qoaes ser.) publicados em pr-
ximo tempo pelas circulares partculares di-
rigidas aos moradores dos arrabaldes.
FREGUEZIA DO RECIFE.
Ra da Cruz n. 13, confeitaria do Sr.
Miguel Ferreira Pinio.
Em frente a ra do Vigario, armazem u 2,
denominado Novo Mundo
FREGUEZIA DE SANTD ANTONIO.
Ra do Imperador n. 26, confeitaria dos
Srs. Rodrigues &. C.
Onde se encontrar p5o, desdo o mdico
preco de 20 at 200 rs.
No dito estabelecimento e seos depsitos,
tanto na eidade como nos arrabaldes, rece-
bera-se encommendas de bandejas para ca-
samento, partida ou para qualquer outro
fim, as 1ju3.es devero ser dirigidas cm car-
ta fechada, em qu se determine, pooco
mais ou menos, o valor das mesmas en -
commendas, as quaes serao entregues no
lugar da residencia dos fregoezes.
Gustavo Adolpho Wurffbain,
AMA
Precisa-se de urna ama que cozinhe, compre e
tngomme para urna pessoa : na ra do Toros n.
10, 2e andar. ,
AVISO
Perdeu-se na noite de domingo 6 do correnie,
as 8 horas, na e;tacao da machambemba do Beci
fe Apipucos. ao descer do trem at a porta prin-
cipal da entrada da mesma estacao, um relogio de
ouro, de senbora, tendo urna cadeiazinha e chave
de ouro ; pede-se a qnem o ac.hou, ou mesmo
aquellas pessoas a quern Ihe for offerecido, de nao
tazerem negocio, e se dignarem entregar a seo
dono, em Pora de Portas, ra do Pilar n. 120, 2'
andar, ou no estabelecimento n. 133 de Jos Gon-
calves Beltrao & Irmao, que dar os signaes do
dito relogio, e recompensara generosamente a
quern e apresentar.
Agua potavel para linda.
O preto Feliciano encarrega-se de cooduzir dia-
riamente agua em baldes (canecos) do flecife para
Olinda, mediante ajuste : a tratar no Varadouro
com o Sr. Joo Coelho.
Precisa-se de urna pessoa de conflanca, inlelli-
genle e activa, que tenha conhecimento e pratica
de drogara : tratar na ra do Imperador nu-
mero 22.
Sao convidados os prenles e amigos do finado
Antonio Mara Bamos para assistirem algumas
missas, que por sua alma serao celebradas na
igreja de N. S. do Carino de ra 10 do corrente mez. pelas 8 horas da manhaa.
ftocledade Recreativa Terpsl-
chore
Sao podendo ter logar no dia 6 do cerrente a
eleicao da presidencia e mais membros que tem
de funecionar no anno de 1870 a 71 por falta do
numero, novamente convido ac senheres socios
a reunirem-se para a assembla geral no recinto
desta socieJade, quinta-feira 10 do corrente, pelas
5 1|2 boras da tarde, afim de proceder-se a dita
eleicae.
Secretoria da sociedade Recreativa Terpsicbore
8 de novembro de 1870.
Antonio Annes Jacome,
- secretario.
lianza
lecida
eguros ntantiffldVjMtabel
na Bahiaem 15 Bjaneiro
de 1870.'
CAPITAL..Rs. 2,00ft00 Toma seguro Aa mercadorua e tmtmn a
martimo em navios de vella e i apuna para
tro e fra do Imperio. Agencii i J
mercio n 17, escripto rio de Joaqi
calves Beltrio.
Este antigo estabelecimento, acha-se hoje montado n'uma
escala de poder servir vantajosamente os sens freguezes, atien-
to o grande sortimento de joias d'onro, prata e brilhantes, qne
sempre tem e recebem mensalmente das principaes fabricas da
Europa- cajos presos sao em competiveis e as obras garantidas
de lei.
HOREIKA DIJARTE .
Ama
Precisa-se de urna ama para casa fe
milia : na ra nova de Sania Rila NI
Acaba de sahirt lux
E
Vendc-se
NA
Livraria franceza.
10
mu Divm
ou
MANUEL C
*&
m
i
DE
NOSSO SENHOR JESS CIIRISTO,
l MARI A SANTISSIMA
E
VARIOS SANTOS.
A saber:
Setenario do Senhor Boro Jess dos Passos.
Offlcio do Senhor dos Passos.
Novena do Menino Deas.
Novena de N. Senhora da Conceico.*
Setenarlo das Dores de Mara.
Offlcio das SeleJDores de Mara Santiat'nu.
Novena de N. Senhora do Carino.
Offlcio de N. Senhora do Ca mo.
Novena de N. Senhora da Penha.
Cnticos de N. Senhora da Penha.!
Novena do B. S. Joao Baptisa-|
Novena da Senhora Sanl'Anna.
Trezena de Santo Antonio.
Novena do B. S. Jote.
Um bonito volume encadernado.
m
m
Tem a satisfacSo de participar aos seus numerosos freguezes, que em vista de ser-lhes mais commodo, tem
estabelecido urna nova fabrica de chapeos de sol, na roa da Cadeia do Recife n. 9, beje ra do Mrquez de Olinda,
onde acharo os pretendentes, -mu'iio avultado sortimento de chapeos de sol de todos os precos, quadades e per pre-
sos mas commodos do que comporta o nosso mercado: convidam especialmente aos Srs. compradores por atacado
darem, sendo possivel suas encommendas, pois poder5o assim serem mais bem servidos, visto poderem escolher as ar-
macSes as lazendas que a demora da fabricado beta diminuta,________________________________________
Ni ANTIGA E BEM COKHECIDA FABRICA
CHAPEOS DE SOL
DA
Rna do Barao da Victoria, esquina da Camba do Carmo. ^
(Antiga Ra Nova)
Ha sempre um grande sortimento de chapeos de sol de sedal merino, alpaca, bretanba de linho branco e par-
do e de algodo os todos os tamanbos e feitios, alm da immesa porcia de seda, merino, algodSo e bnm, ,
armaces de todas as quadades para satis/azer qualquer encommenda. A modicidade de seus presos e 12o conhecida ^
que escusa de mencionar.
m
2*000.
Agencia em Pernambuco
Do Dr. Ayer
Feitoral de Cereja
Cura a phthysiea e todas as molestia* do paiu
Salsa parrllha
Cura ulceras e chagas antigs, impigeas 4ar-
ros.
Tnico
Conserva e limpa os cabellos.
Plalas calharfleas.
Puramente vegetaes sem mercar!*; rara se-
soes, pnrgao e purifican) todo o systesn bastas.
Vende-sefentctivamente em rasa de SmmmI P.
Johnstcn & C. ra da Senzalla Nova o. il
Em casa de THEODORO CHR1ST
\NSEN, ra da Cruz n. 18, encontrmn
aSectiv ament todas as quadades de tiaks
Bordeaox, Bourgogne edo Rbeno.
41 HA DO BARAO DA VICTORIA 41
Nesie novo armazem tem um
variado sortimento de fazendas
francezas, ingieras, allemlas e to-
das todas se vendem por precos
mdicos, afim de acreditar a este 1
novo armazem.
Gasemiras inglezas,
francezas, de todas as
quadades, brins de
cores e brancos, colei-
ritihos modernos, cha-
peos de sol de seda,
finos. RA
Baro da Victoria i
antiga ra
DE
ARRUDA IRMOS,
m- '
NOVA
N. 41.
Assim como tem urna grande
oficina de alfaiate, montada com
todos os preparos que ha de melhor,
dirigida por habis artistas, que
pela sua promptidao e perfeic5o
nada deisam a desejar.
Roupa de todos os
. amanhos para homens
meninos.
Por todos os paque-
tes recebem-se as me-
lhores e mais moder-
nas casemiras que ha
na Europa.
RA
IV
Barao da.victoria
antiga rna
NOVA
I. 41,
Este estabelecimento acaba de soffrer urna reforma radical em cceio, artistas e commodos, e em pontnadade as encom-
mendas, finalmente emludo afim de melhor servir os seus numerosos freguezes' deixa-se de annunciar todas as fazendas, para
Qo se tornar massantef________________.__________________________________
Companhia Fhenix
Fernambucana
",'"A directora da companhia Phenix Pernambn-
cana deliberou que os premios de seguros por ella lt "' A II .4 i It Ir 'W W f
realisados quer martimos quer terrestres sejam Hw* mBA. %sMM.%)M j%
W^nmbTJtiTJ^oVe%T h?as fe /err0 galvanisadas para telheiros, etc
....^ Pela companhia Phenix Pemambucana Tachas de ferro para assucar, etc.
J. H. Trndade. Formas de ferro para assucar.
F. F.Borges. ^ Arados americanos.
rtfflMaati^l aosssr^oSir^aSft itsiaLr^BSkCIMaM r^kMl^kHr^BKBkaaSBBBa I 11111U O 6 UluO*
Venezianas para janellas.
Machinas de descaro?ar algodio.
Machina de cortar fumo.
Mchica de cortar papel.
Motores para dous cavallos.
Machina a vapor para mover machinas de algodo.
Ralancas, prendas, cofres de ferro, ogoes de ferro, enxofre,'[satre limalha de
rerro e muitos outros artigos.
Na travessa da roa
das Cruzes n, % pri-
raeire andar, da-se di-
nhelro sobre penhores
de ouro, prata e brujan-
les, seja qnal for a quan-
ta. Na mesma casa eom-
pram-se os niesnios me-
taes e pedras.
Cobrado para alugar
O 1 e 2 andar e sotao n. 6 da ra do Duque
de Caxias : a tratar no Corao'n de Ouro.
m mar A Precisa-se de urna para pouca fa-
M.lTMimmilia: na roa do Galdeireiro n.-86
Precisase de orna ama para casa estrangei-
ra de poucas pessoas; o rna da Imperairiz n.
lTloja.
ER1CAN0S
CILYNDROS PARA PADARIAS
Tendo chegado ha poucos dias completo sortimento dos melhores e mais
conhecidos cylindros americanos para padarias, roga-se s pessoas que d'elles precisa-
rem de virem vel-os ao grande deposito do
BASTOS
L[OJA ISAS HA CHIH
M i iUftUEZ i mm i % a
OUTE'ORA RA DA CADEIA
1CHIIAS
fin
Precisa-se de urna ama forra ou esputa para
servico interno e externo de urna easa de pooca
familia : na rna Velha n. t>6.___________^__
CASA DO Mil
Rna do Bamo da
Victoria n. 63
( Outr'ora ra Nova. )
Bilhetes garantidos la pro-
vincia.
Esta feliz casa acaba de vender entre os sea
muito feliics bilhetes a sorte de 20O# em doo-
meios de n. 301, a sorte de 100* em buhte n*p*-
ro de n. 1719, e outro n. 733 com 100, alead<
outros premios menores : podendo os seos poa-
suidores virem receber, que prompumente ora.1
pagos.
O abaixo assignado convida ao respeitavel pu-
blico para virem no seu estabelecimento corapnr
os felizes bilhetes garantidos, que nao deixarao *
tirar qualquer premio c;mo prova pelo aaesawi*
annuncios.
Aeham-se venda os mnito felizes biikeies ga-
rantidos em beneficio da non igreja da Pena.
que ser extrahida sabbado 12 do corrente ntex
PBECOS.
Inteiro 6/000
Mi'io 3pm
Quarto 1*500
De 1005000 para cima.
Inteiro 5*400
Meio 2*700
Quarto l*3SO
Joao Joaqnim da Costa Leite.
20*5000
D-se esta quanta de gralifi :ai;5 > qnem es-
tregar ra d i Crespo n. 19 loja, nm papagti
que boje 5 do brrente, s 6 horas da manhaa, ru-
gi, tomando a direccao da roa do Imperador
Queimado, eujo papagaio levou urna pequea cor-
rente de ferro presa ao p!.
COMPANHIA
DOS
TRILHOS RBAHOS
DO ^^^^
RECIFE A.9 OI-I^DA.
Por ordem da directora sao convidados
os Srs. accionistas para, do prazo se 4sz
dias contados do da 11 ao da 21 do cor-
rente, recolherem a 2a prestaco de ssss
aeces, na razio de 10 */ do capital da
2* emisso. Para este fim ser encontrado
o Sr. tbesooreiro no escripiorio da cosapa-
nliia das 11 boras da manbaa is 2 huras ds
Urde, de todos os dias olis.
Escriptoro da compaob a, 8 de nsssav
bro de 1870.
Joo Joaquim
1* secretario.
O abaixo assignado vera por me :
Brotestar contra o procedimesSo 1
ianoel de Siqneira pelo faelo de i
seu poder o eseravo Pairico, obre tfw
tem direito algom, e qoe pertence ao aMa no-
signado por compra qne fea ao resaeeft
prielrio, o Sr. Sevenano da Siqneira r
e bem assim protesta contra qualqi
que aquelle Sr. faja sobre tal eseravo, l
o nao pode fazer sobre pena de naiboas o
infracclo das leis eriminaes.
O abaixo assignado saber fazsr Tiler e so
direito, e faz o prsenle para que os iaeaooso ai
sejam Iludidos.
Recife, 8 de novembro de 1876.
Antonio Peswa d Siqneira Cavaleasts.


/
Precisa-sede urna ama
todo perfeic.ao para casa se
do.Livraraento n, loja.
rasas



A
Diario de Pernambuco Quinta feira 10 de Noverabro de 1870.
23
ii i i r i i iH' i
A0 ARMAZEM
DO.
VAPOR FRANCEZ
tiste conhecido estabelecimeato acha-so constantemente bem sortido, em virtude das
facturas que recebe por lodos os vapores e navios francezas, dos artigos abaixo menciona-
dos, precos os mais resumidos que possivel.
CALCADO FRilCEZ
Botinas para te a horas e meninas.
Botinas pretas, brancas e de muitas outras cores, sortidas e bonitas, do ultimo gos-
to da moda, e precos mais barates do que em outras partes.
Botinas para bomens e meninos.
Botinas de bizerro, cordavao, lastro e pellica, das aielhores fabricas e escolbidas.
Botas e pernearas russianas.
Botas e perneiras para mantaria, das melbores qualidades, de couro da Russia, lus-
tro e bizerro.
Sapatos de borracha para homense senhoras
Tendo chegado grande porco de sapatos de borracha vende-se pelo cuto'aflm [de
desempatar o dinheiro nelles empregado, sao baratissimos.
Zapatos de lustro para horneas.
Sapatos de entrada baixa de couro de lustro com salto, de milito boa qualidade.
Abotinados para meninos e menluas
Sapatos abotinados de diflerentes modelos, de muito boas qualidades e fortes, tanto
para meninos como para meninas, muito baratos.
Sapatos de tpete.
Sapatos de tapete aveludado, de caseraira, de charlte e de tranca francezes e por-
tuguezes para honiens, para senhoras e para meninos.
PERFUMARAS
Excellentes extractos, banhas, leos, agua de colcgue, florida, divina, lavande, den-
trifice, de toilette, sabenetes, tintura para cabellos, pomada angroise para bigodes, pos de
arroz etc., tudo isto deprimeira qualidade, dos afamados fabricantes, Condray, Piver e Lubin.
Quinquilharias
Luvas de pellica do conhecido fabricante Jcavin, espeibos para sallas, quartos e ga-
binetes, toucadores de diversos tamanhos, leques para senhoras e para meninas, abridores
de luvas, brincos, pulceiras,botdes, correras e chaves de relogios e tranceln?, tudo de
ouro de lei, corrcntes e brincos de plaqu, a imitacao e de mais gesto do que as de ouro,
caixinhas de costura ricamente guarnecidas e ornadas com lindas pessas de msica, albuns
e caixilhos dourados para retratos, caixinhas com vidro de augmento para distinctamente
ver-se a perfeicao dos retratos, objectos de phantasia para toilettes, bolsinhas e cestinhas
de seda, de velludo e de vimes para braco de meninas e senhoras, ditas para costuras, pe-
queos registros muito Anos e delicados, bouquets de flores de porcelana, jarros proprios
para gabinetes e santuarios, quadros promptos para collocar-se vistas, molduras douradas
para quadros, estampas finas de pays3gens, cldades, figuras e de santos, vidros para eos-
morama, malas, saceos e bolsas de viagens, esporas, chicotes, bengalas, oculos, lunetas ou
pensioez de prata dourados, grvalas pretas e de cores, abotoaduras de collete e de punhos,
carteirinhas para olas, thesourinhas e caivetes finos, pentes, escovas, ponteiras de espuma
para charutos e para cigarros, jozos de domin, rodetes, bagatelas e outros diflerentes, ve-
necianas modernas muito conveniente para portas e janellas, cosmoramas, lanternas mgi-
cas, esteriocopos com interessantes vistas de figuras e das mais bonitas ras, boultvards,
pracas e passeos do Pars, photograpuia e caixinhas mgicas, reverberos para candieiros,
tapetes de viJrilho e de la de cores para ps de lanternas, realejos grandes e pequeo?,
harmnico, acordions de todos os tamanhos, bercos de vimos para crianzas, sapatinhos e
toucas de lia, carrinhos de 3 e i rodas muito elegantes para condujir enancas passeio ; e
outras muitas quinquilharias de phantasia, francezas e allemae?, precos muito em conla.
Para este artigo nao ha espaco nem tempo para a massante lcitura da infinidade de
gneros de brinquedos fabricados em diversos paize3 da Europa.
ATTENCAO
O dono deste estabelecimento pede ao publico em geral que continu a visita-lo
verificando as qualidades e os precos baratos de ditos objectos por seren vindos em di-
reitura e de conta propria.
a

g
Cu
SO
P
p
o
\
en
S.
o
<&
P
p
3
P

p
a*
o
o
ss
MAO DE OURO
Nova loja de joias
RA DO CABUGA' N.9 A.
DE
Manoel da Cunha Saldanha & C.
Acaba de abri-se este estabelecimento de joias, o qna! tem grande sorti-
mento de todas as joias de ultimo gosto, as quaes vender o mais barato pos-
ivel. m
Todas as joias sero garantidas oaro de lei, pois os seus donos tendo em
vista so adquirir freguezia nao olvidarlo, vender bom e por precos os mais
razoaxeis possiveis.
Convida-se o poblico a vir a este estabelecimento, certo de qae ficar
satisfaito.
A' MO DE OURO RA DO CABUC N.9 A
Jos Joaquim da Corta Maia, ten venda no seu a mazem, silo no larco do
Peloorinho n. 5, os objectos seguintav e que vende por preces mais commodo do
que em outra quaiquer parte :
Oleo de inhaca.
Couro de lustro.
Saceos de estopa.
Estopa em peca. ^t^
Vinho Bordeaos em caixas.
Feltro em peca para forrar embarcacoes.
Encerados.
Telhas de ferro galvanisado, de differentes tamanhos, para cobrir casas.
Ferro liso galvanisado para forrar embarcarles.
Pregos galvanisados.
Cantara de Lisboa.
Dita soleiras.
Dita marmore.
Taboas de marmore de differentes grossuras.
Ladrilbos de marmore de differentes cores e tamanhos.
Ditos de pedra de Ansam, pretos e brancos.
Tmulos de pedra flna de differentes tamanhos.
Pedras para lavatorios.
Taboas de loaza.
Pas da louza para cosinba.
\ O HA Jf AIS CABELLOS BR1 \XON
A tintara japoneza para fingir os cabellos da cabera e da barba, foi a nica admit-
tida Expsito Universal, por ter sido reconhecida superior s todas as prepararas
ate boje existentes, sem alterar a saude. Venderse a liSOOO cada frasco na
Ra da Cadeia n. 51 1 andar.
Cabanga
Alafa pelo tempo 4a kstayuna das uylbores
casas aeste irrabaMo, a conheMa ger.tiaMbte all
pela doBoliero nurgem de fio, efeom ex-
cellentes commodos para giaode familia : aucal
pretender dirija-se a msnia casa, on no Regdjfl
ra do Hospicio n. l, que achara com qarfr
tratar"
E* esperado uroxiuiinneate nesla ciJaJs in"
do da Babia o distincto oculista Dr. Jos Lourenc0
de MagalbSes, que preteoJe denorar-se pouc0
tempo entre nos. Sao muito nuUvsis tj operacoe*
2ne este oculista com grande successo tem pra"
cado naquell i provincia. M~
COMPRAS.
Compra-se a collecgao
do Diario de Pernambuco de
Janeiro a junho do anno dr
1866: nesta typugrpohia se
dir quem compra.
0 MARAVILHOSO REMEDIO
DO
Dr. Chas, de Grath
LEO ELETRICO
KING OF PAIN
0 RE DADOR
Para o uso interno e externo.
Cholera e cholera-morbus, diarrba,".
flxo de sangue, em um dia.
Dr de cabera e dores de onvido,
em tres minutos.
Dr de dentes, em um minuto.
Neura'gia, em cinco minutos.
Destocarles, em vinte minutos.
Gargantas indiadas, em dez minu-
CURA:
tos.
Clica e convulses, em cinco minu-
Rheumatismo em um dia.
Febre e febre intermitiente, em um dia.
Dr as costas e nos lados, em dez
minutos.
Tosses perigosas e refriados, em um
dia.
Pleuresa, em nm dia.
Surdez e asthma.
Heiuorrhoidas e bronchites.
Inflammaclo nos rins.
Dyspepsia e erysipelas.
Molestia de figado.
Palpitado le corac3o.
Reserve sempre este remedio na sua familia.
AS DOENCAS SE APRESENTAM QUANDO MENOS SE ESPERAM.
Oleo eletricoO King ofPain(o rei da dr) aquieta e positivamente dissipa mais
de differentes molestias e dores, e allivia mais os soll'rimentos e produz um mais perfeito
equilibrio no systema humano, o que nao se pode effectuar no mesmo tempo, com quai-
quer outro remedio medicinal.
Este muito popular remedio esta agora usando se"geralmenle, pela razo que mi-
Ihares de pessoas se tem eurado gratis com o dito remedio pelo Dr. de Grath e outros
siera.
Este importante remedio nao se offerece para curar todas as doencas, porm to
somente para aquellas estipuladas das nossas direecoes.
Est operando nos principios da chimica e da electricidade, e por isso est appli-
cavel para o cu: amento e para a restaurado da aeco natural dos oreaos que sollrem da
irregular oircula?ao dos ilusos dos principaes nemos. O oleo eletricoo King of Pain
opera directamente nos absorventes, fazendo desapparecer as inchaces das glndulas
etc. em um tempo incrivel, breve, sem perigo do seu usodebaixo de quaiquer circums-
tancia.
O remedio, urna medicina para o uso externo o tnterno, composto dos elementos
curativos, raizes, hervas e cascas, taes como se tem usado dos nossos antepassados, e
das quaes tem grandes existencias no mrndo, para curar todas as molestias, sabendo-se
quaes ellas sao.
Foi um grande e especial desejo da faculdade da medicina durante muitos annos
de experiencia para aprender os melhores modos que se deviam adoptar para curar as
seguintes doencas, e que proporces de medicina se devia osar.
nico deposito em Pernambu
NA PHARMACIA E DROGARA
DE
Bartholomeu & C.
N. .34RA LARGA DO ROSARION. 34.
BACALHAO
PH^ 2 Ru CASTiG.iONEPfls
P. MAL RE II et Ci#, em Pcrnambv.o; JOS BELLO, em Porto Alegre;]
SILVA LOPES, em Baha; FERREIHA el C', em daranhao.
AMA
Precia-se de urna ama qae saiba cozinhar
ra do Codorniz n. 8.
na
Ollerece-se urna mulher branca de boa con-
ducta o nieia idade, para fazer companhia a urna
familia e tambem serviros: qaem precisar dirija-
se ra Direita n. 81.
No dia M do correte, na igr^jado convento de
S. Francisco, as 6 horas da manhaa, mandam*se
celebrar missa pelo bachare Antonio Cyrillo de
Sooza Dutra, 30 dia do sea passamento : roga-
se aos collegas e amigos do tinado, qneiram com-
parecer a este acto de religio.
AMA
Precisase de ama ama para cozinhar em casa
de ponca familia : na ra da Soledade o. 68. Pre-
fere-se qae nao saia ra._____________
Quem precisar de ama ama de leile sem li-
lho, parida recentemente, dinja-se ra da Guia
namero 8.
Cozinheiro.
Quem precisar de ama negrinha de portas
para dentro, dirija-se i ra da Santa Croz n. 12.
Procisa-30 de una escrava que cozinhe e
engomme para poaca familia, e um mokque de
12 a I i annos : na roa da Imperatriz n. 86, 2
andar.
Precisa se de um cozinheiro para casa de moco
solteiro : no becco da Boia n. 8.
priado.
Preeisase de nm criado de 15 a 16 annos, forro
on escravo : a tratar na ra Nova n. 50, andar.
AOS 5:0004000
Estao venda os felices biluetcs da lotera da
Bahia, na casa feliz do arco da Conce$o, leja de
ourives no Recife.
Previn-se que ninguem faija negocio com o
ho-el denominado Aguia Brilhante, sito ra es-
trella do Rosario n. 19, visto seu.proprieUrio nao
se achar desembaracado com os seus credores.
ATTENQO
A casa n. 20 da roa dos Pescadores, perteocen-
te aos herdeiros de Jos da Silva Moreira, e qae
vai pra?a do juizo dos orphaos, foreira a saata
casa da misericordia do Recife.
Na ra do Socego, casa o. 3i, alaga-se urna
escrava.
I .......
Attenpao
AMA
O abaixo assignado faz sciente ao respeitavel
publico e com especialidade ao corpo do com-
merclo, qae deixoa de ser caixeiro da casa dos
Srs. Teixeira Marques & C, de^de o dia 5 do cor-
rente, e por isso livre de todo e quaiquer compro-
m8so ; ao mesmo /tompo eommiinica aas sens
amigos e freguezes que se acha actu'.lmento n.i
loja da Conquista ra do Cabug n. 6.
_________________Antonio Jos Moreira.
Precisa-se de ama ama para o servico interno
de urna casa de daas pessoas: roa Vigario n. 1,
3 indar.
Aluga-se a casa n. 8 da roa do Jasmin :
tratar na roa da Aurora n. 50 sobrado.
Ama de leite.
Precisa-se de urna ama de leite sem filho : na
roa de Borlas n. 30, sobrado.
Precisa-se de urna
i raa Nova n. 14.
ama para cozinhir : na
Precisa-se de urna ama que cosinhe bem forra
ou escrava, para casa ds poaca familia : tratar
na roa Nova n. 50, f andar.
Precisa se de urna ama forra ou captiva que
saiba cosinhar bem o diario de ama casi tra-
tar na ra da Uu^iue de Casias, loja n. 'l.'
Olinda.
Alaga-se um sobrado em Olinda pelo temno da
festa ou por anno : trata-se na ra. do Imperador.
d. 16, 2o andar, prximo a travessa do Ouvidor A
cata 3ita na raa de 8. Pedro Martyr
Jos Ferreira de Pauta faz sciente ao respei-
tavel publico e ao commercio que no dia 22 de
junho prximo paseado dissolveu amigavelmente a
soeiedade que tinba era urna prensa de algodao
com seu irmao Francisco Ferreira de Paula, que
Syrava sob a firma Paula 4 Irmao ; e contina
9 dia 20 de outubro em diante em outra casa
com a Arma Paula & Spinola, o que por conse-
guinte nada mais tem co.n aquella firma, que j
nao deve existir.
Pede-se ao Sr. Oliveira, 1 sargento da i-
companhia do 2 batalbao da guarda nacional, o
obsequio de vir roa do Hospicio n. 30 bascar
urna carta que ahi achara para ser entregue a
S. 5.
Com muito Hiaiur vanugem eompram-se
ouro, prata e pedras preciosas e n obras velhas: na
loja de joias do Coracio de Ouro n. 2 O, raa do
Cabug. _________
Oompra-se una coP
IeceaO de leis provinciaes
de Pernambuco do nno de
1866 : nesta typogfapbia.
Compra-se urna porta, que tei.ha tre-
se e meio palmos de altura e seis de lar-
gura, que seja do amarello, e q o esteja
em bom estado; nesta lypograpbia se
dir
CANOA
Compra-se urna que tenha cerca d 32 palmos
de comprimento e 4 de largura : na roa do Vi-
gario n. 26. primeiro andar.
VNDAS.
NOVIDADE.
O Costa, propretario do armazem da Pedra
Maaroore ra das Cruze3 n. 42, offerece por di-
nheiro contado o que de melhor ha no mercado,
por ter recebido muitos des gneros descriptos
pelo ultimo vapor.
Macaes, peras e abacachis.
Chocolate de U a U8U0 a libra.
Especial u.antejga ingieza e franecza.
llortalices para sopas denominadas Julienne, qne
snbstitue perfeilaraente as mais frescas ervas.
Queijos llamengos o qne de melhor se pode de-
sejar a 2J800.
Caixoes de doce de gouba a 800, I $, li00 e a
8C0, dito em latas a 2* e 200.
A verdadeira farinha americana vinda de conta
propria a 320 rs. o maco de urna libra.
Velas stearinas a ;><>0 e G40 rs. o maco.
Bolachinhas de todas as qualidade-: e des me-
lhores fabricantes.
Ervilhas francezas e pnrtugaeas.
Vinho de todas as qualidades.
Farelo de Li-boa desembarcado hontem, era
saceos grande?, a 5\5.
Especial e aromtico sabio de familia a 500 2
o kilo.
Grande reunio!
i
Ru3 do Imperador n. 2?, ar-
ii a/etn do Camp1 s.
Como se est apreximando o tempo dos regabo-
(es, o proprie'.irio deste elab'?lecim esmerado em fazer reunir em seu armazem um
ceropleto e variadissimo sortimonto de genero?
alimenticios.
Nao se propG'i a deserever niminalmeme todos
os gneros contidos m seu armazem por se tor-
nar de mais enfadonho.
Garante someplo, ]ue ': soa norma de ha muito
tempo 'ender po por pao e queijo per queijo.
Avisa espri-ialTicnle aos fumantes, que receben
de sua especial enccmmeiida urna factura de cha-
rutos superiores deS. Flix da Bahia, das seguin-
tes marcas : exposicao, marqueze?, norma*, ama-
dores e paraguassnanos.
Venham todas as despendas dos arrnbaldes e ci-
dade snprir-se de gneros de prfmeira qnalidale.
Farinha da mandioc da Bahia.
Tem para vender muito nova e suoetinr,
em saccas, a pre^o mais cummodo do quo
era outra qualqac-r parte: Joaquim Jos
Gongalves Beltrao, no s;u escriptorio ;i ra
do Comujercto n. 17.
Cal nova de Lisboa
Vende-se na ruado Barrio do Triampho, outr'o-
ra do Brura n. 80, armaf) m de Pereira da Cunha
Irmaos.
Cvalo
Vende-se um bom qoarto proprio para todo
servico : na ra da Concordia n. US.
Vende-se a tabsrna si'.a ra <)a E-perar. a
(Caminho-novo) n. il, bem afreguezada : a tratar
na mesma.
Vende-se a casa terrea n. il, em Olinda,
ra do largo do Amparo, em chaos proprios : a
tratar no Recife n. 40 na da Cadeia.
Carrosa.
Vende-se uina carroca quasi nova, propria para
boi na rna da Concordia n. 113.
Na ra do Barao da Triumpho, anliga do
Brum, n. 92, vende-se o seguinte px prec/) m-
dico
Cal de Lisboa da mais uova que ha no mercado.
Bolmetes para barcacas e niales.
Vende-se urna casa terrea grande na raa
Imperial n. ~i : a tratar na ra do Imperador,
sobrado n. 2, entrada pela rea do S. Francisco.
Attenpo
Vende se um sitio no Barbalho confronte ao
Monteiro, com 37 bracas de frente : quem preten-
der dirija se ao mesmo Barbalho, que tratar com
Flix Alves de Luna, ou com Joaquim Lnlz Fer-
reir Leal, no pateo da-Santa Cruz n. 16.
As mogas do Recife
Chegou ra do Vigano n. 26, primeiro andar,
novo sortimento de bicos e renda k Aracaty, a
precos muito em conta, como la se venden).
ATTENCAO
Vende--e, arronJa-se ou aiuga-c um sitio na
Boa-viagem ao sul da povoaco, com duas casas
juntas que servo para grande familia por ter com-
muuicacao por dentro, sendo urna do pedra e cal,
conT bastantes res de coqueiros novos dando fruc-
tos, com agua doce na porta, peito do mar para
tomar os bons bannos salgados : a tratar na rna
de Santa Rita n. 7, e para nf irmacao na mesma
Boa-viagem cora o Sr. Joaquim Teixeira na rna
da Gamelleira.
Vende-se um sobrado de duus andares e
grande oto sito raa DirWh, preetsiDdo de um
grande concert : quem o pretender dirija-se a
ru* larga do Rosario n. !4, 2o andar.
ARROZ III \m\k
Vende se no trapiche da OunnanMn Pernambn-
cana arroz da India mvo, a SJI800 a arroba em
saceos.
Vendo so o eilatielecimeiil i de mo!uado
pito rna Direita n. 99
Vende-se a fabrica do cigarro* sita raa do
Forte n. 2, propria para prtmipianto : a tratar na
mesma.
Piluls assncarate de Iristl.
NAO COMEM NEM CALOMEI-\.V* SU KEMIO
OLTBO MINEHAI..
A grande necessidade e falta de un ca-
iartico ou de una medicina porgala, fea
muito que tem sido sentida, tanto pe po-
vd, como mesmo por meio da fanddadt
medica; e por isso, infinito fate
piazer que sentimos, em podetmoa cea
toda a coniiaiK'a e segudade, recoaaaMadar
as pilulas vegetan assucarada t Dritft,
como urna excellente medicina perpatira, a
qual enceira em si todas as partea eaaa
ingredientes essenciaes, torn;mdo-se em am
perfeito, seguro e agradawl calbartic da
familia. Este remedio nao mmwmt*
dessas drogas ordinariamente osadas na
romposifSo dessas pululas, fu^ior ahi e
vendem, mas sim, sio preparwia. coa *
mais finas e superiores qualidades de raizps
medicinaes, hervas e plantas, depois de
liaver cliimicameiile exirahido e separado,
os principios activos, ou aquellas parte*
que contem o verdadeiro valor medicina!.
daquellas porcoes fibrosas inertes t agre.'-
tes inleiramente destituidas da menor virtu-
de. Entre esses agentes activos oa ingre-
dientes especficos, podemos nornear a nr-
dophgtiin, a qual segundo a expif-H-ncia
mm demonstrado, possiu? um poder o man
jaravillioso possi\el sol.re as regies de
ligado, assim como MBTC tolas as s*'cre-
Coes biliosas. Isto de combinaran coa o
leptandrin, e mais alguns extractos regf-
taes e drogas altamente >aliosas, consn-
luem e foimam urna pilula purgativa, tor-
nando-se por isso muilissimo superior, a
quaiquer urna outra medi-ina da raesBja
natureza, que jamis foca apiesentado *
publico. As pilulas vegetan a.anear orlo-
de Briol, acbar-se-bo sentir um ren*-
dio prompto, seguro e emiiient<-mente efi-
caz, para a cura de molestias, taes cea.
sejam as seguintes.
Hydii>|">sia do> mem-
hi os ou do corp.
AlieiyiVs do figad .
Irtakin,
Heaarodaa.
.Man balito, e irregii-
lari femenino.
Dores de cabeca.
Dspepsia, ou indi-
gest5o,
JAstringencia, ou..
prisao do ventie
babilual.
4sia drr estomago e
llatulencia,
Perda do apetite,
Edtomago sujo,
Ea todas as molestias < :e dervaa
sua origem da massa do sangue: a tatt
parrillia de Uristol esse melhor dt toda
os purilkadores deve ser tomado rcnjwt
lamente com as pilulas. pois que enaj
suas medicinas, tendo sido e.xpresaaaanB
preparadas para obrarem l hannnnia aaa
com a outra, quando liclmejite assim se fai.
nao nos resta a menor du.ida em diiei.
que noraaior numero dos casos, podeov
aQjancar naosum gnnde ali\io. roat-
tambem una cura pionipt:' -.-!'
est bem visto, quando o doenle iiio --r
ache n'um estado muito alen dus recarsc-
humanos.
O
l
OOV Illil
Tem vi i Ja em 'fus arn.r ( i :>tr -
a riegos de 160 neg \o regalar, os sf-jniov, >
esto vendendo a pn-C/ s bmm i |h ta* o*-
tia quaiquer parto : '
PMTAS do i'iiilio almofidaJ
FABKI.I. cm sae ; grandi s x \')0.
GRADES d<> ferro par:, cere
ESTEIRAS >!a India p:ir.; eaaa e I rrr .a;.-
(JANUS de barra (rani para e^;
GESSO soperior un larri > ..rroi.
CEME.NT de todas h ojoaliades a l2j"
praeot
ACHINAS da de BAIIHIS grande* c >m anu da Suecia.
LONAS p briozdes da MM *.
OLEADOS amcrkanot para f-im de sam*.
FOGOES amariranos nol b a e ecMMaani.
VINHO B rdeaoi eai anana,
COGNAC sitpi iior do Gaatiar I re
MIIIIO de F. ruando a -t a
ATJUA florida;
BARttH e erne (altada de i. n-> r vati
Jorge Tasso vmdu o a nuquilico Mm eno-
reside rm S. Jos do Mangaindw, ciprirk)>-anM-i;'.
plantado, arruado, com jarana, ^rrsnaarboV-
agua poiavtl etc. etc., qnf alisbz o p* m-
aristocratico : para ver d..j 9 da manaa a- i J.
tarde c para tratar com o correlur Goafallo jVh
AiTingo na praca do Cono>*rcio, o na rna
Amonm n. :7.
Vende-se
Urna chapa p; ra oITcblaH d.i Ordem h-ia.
maito em conta ; na loja ao ourives, na roa
Imperador n. 30, defrontc da cata do tribunal d
rea cao.
Ftirnha de mandioca de 8auta
Catharna.
Na para vender da mnito nova e soperiar
cliegada recentemente pelo patacho i4*vtv
e barca Santa Mara ; por preco coaaodc,
bordo dos referidos navios fondeados de-
fronte do trapiche do Fxm Sr. bario V>
Livramento ou cnlo pan tratar coa Joa-
quim Jote Goncalves Beltrae. no sea es-
criptorio roa do Commercio n. 17.
Excedente doce re caj em od .
Vondc-so mnito b >m doce de caj em calda -
di r preco baratissimo : do palee do Paran a. I.
taberna da Estrella.
Calcados inglfzes
Borreguin inglecos de >la grossa taseadus nara
hmens a 7.4.WO e a 84 o par : na I. ja de cai(MV
da bota de ouro, na ra da Croz n. SI, rvkrad
r.marello.
Attenpao
Vende-se a armacao e perteneet da liberna >
lop.-.r do Terco u. II, propna para qnalqnrr prrr-
cipiantec,eedcnJi-e ao comprador amidene.i
d<> sobrado de um an Jar p->r cima da neam : a
tratar no mesmo sobrado.
flWMW
Ra do i abu#a' i.
E chegado a "te e-i^brccinanla chape-* #
lo o,-ra ii ii.a a ir.a nooVrnaJ u lOj.
a$>im c mo nuquinM Bro*dfnaib e rr. a pr
tos para -enbora, o m hw fue h c^d-
a f0 r. i torneo, rhitas a JOt-
r-.. corle* de --hila nlindt n e!, rias *ai*. a. (J,
rus da chita rhi i ti diaaac
ci..x 'ira a l%t, o me ni apaaracadi
tod') iioadinbfiroqae para acabar.


^^^^^^
6
Diario
de
Petnambuco
u
Quinta feira
10 de Novmbro

de 1870,


GRANDE
0
BAZAR DO PAVAO

60-RA DA IMPERATRIZ-60
DE
. PEREIRA DA SILVA & C.
Neste importante estabeleeimento encontrar o respeitavel publico,, un grande e variado sortimento de fazendas domis
aparado gesto e todas de primeira necessidade, que 86 venden mais baratas do que em ontra qaalquer parta, visto que os no-
*oi socios desta Arma, adoptaran o systema de so venderem DINHEIRO ; pra poderem vender pelo costo, limitndole apenas
a ganbarem o descont ; as pessoas que oegociam em pequen esca'a nesta loja e armazem poderao fazer os seus sortimeatos
pelos mesmos precos que compram naw asas ioglezaj, (importadoras) e para maior commodidade das Exmas. famiUs se daro
amostras de todas as fazendas, ou Ibes levam em soas casas para escolherem. y
PARA NOIVADOS CORTINADOS, COLCHAS. | GR08DENAPLES ['RETOS
Chr*ou para o Bazar do Povao om gran-' Chegon para o Bazar do Pavao um gran-
de sortfinento dos mais bonitos cortinados de sortimento dos melbores grosdeaaples
tem vindo ao mercado, qae se
so*-
i
Imperatriz 20
Acaba de chegar para a loja d fazendas finas
dSMtatoMa La VMe de Paris, um grande sorti-
mento fazendas finas, como sejam : cortes de
poil de chevre com lisuras eseocexas de urna e duas
safas o que ha de mais alta novidade, ricas pope-
linas de seda, granadines, lias escocers, alpacas,
bareges, etc., etc., e om completo sortimento de
chitas, roadapoloes, cambraias branca* e de coms,
organdys e eambraia imperatriz, e outras muitas
fazendas, mdo do que ha de melhor net te merca-
do, que todo se vender o mais barato possivel.
Chamamos--a atteocao do bello sexo que qnlzer
andar na moda, e ao mesmo lempo esperamos a
soa proleccae. Manda-s levar em casa das
Exmas, familias todas as fazendas qae nos pe-
direm.
20-RUA DA IMPERATRIZ20
Farl & Lesea.

bordados, proprios para camas e janellas,
que se venem de 105 00 at 205 XO o
par, a.ssimtcomo o melbor damasco cen 8
palmos de largura a imitacao de damasco
de seda, proprias para colchas, e propia-
mente colchas de damasco, sendt os melbo-
res e mais bonitas que tem viudo ao mer-
cado.
TAPETES
Chegon para o Bazar do Pav3o o mais
elegante sortimento de tapetes grandes, pa-
ra sofs, com 4 cadeiras, ditos mais peque-
nos, para duas cadeiras, ditos para
pianos, camas, portas ; eto. vende-se por
menos do que em outra qualqoer parte.
ROUPAS PARA HOMENS
No accreditado Ba*ar do Pavo encontra-
r o respeiUvel publico um grande sorti-
mento de roupas para bomeos tanto bran-
cas como de cores, a saber:
Camisas cot peitos d'algodao e de linho,
para todos os precos e qualidades.
Ceroulas de linho e algodSo.
Meias cortas francezas e inglezas.
Palitos sobrecasacos de panno preto e
casemira.
Calcas de brim branco e de cores
Dita1? de casemiras pretas e de cores, com
colletes iguaes
De todas estas roupas ha para todos os
precos e qualidades, e tem de mais mais
um perito
ALFAIATE
Por qnem se manda fazer com prestesa
e aceio qaalquer peca de obra a capricho
ou go:to do fregaez, tendo n'este importan-
te estabeleeimento todas as qualidides de
panno fino, as melhores e mais moder-
nas casemiras, assim como os melhores brins,
qur brancos, qnr de cor ; e quanio qaal-
quer obra nao ticar ioteirameate ao gosto
dos fregnezes fica por conta do estabeleci-
mento.
CHALES DE MERINO
Chegou para o Bazar do Pavao am elegan-
te sottimenti decha'es da merino de cores
maito bnns com padres muito decantes
para qaalquer urna senhora usar, ditos de
crpon com listas de seda o mais fino e
moderno que tem vi ido ao mercado, e ven-
da-se por proco maito em conta.
TOALHAS A 70500
No Bazar do Pavao fez se urna grande
comura de toallias alcocuoadas, proprias
para ror>to, bastite encorpadas e grandes,
que sempre se venderam a\l25000, e li-
quidam-se a 7500 a duzia^ou a 640 rs.
cada urna, boa pchincba.
CORTES DE CHITA
a 3520O a 35810
3*520 35520
35840 35200
No Bizar do Pavo vende-se cortes d fl-
nissiroas chita* com padres claros e escu-
ros, tendo 10. H e 12 c irados; sendo fi-
zenda que vale m: ito mais dinheiro e liqi-
da se peb preco a'raa para acabar, na raa
da Imperatriz n. (>') Bzar do Pavo.
BRINS DE CORES A 25500 e 3*500
Ven Jem-se moderoissimos brins de linho
de cor com as cora? fixas, seado oco-te
de calca a 2*51)0 e 355 ;0 eemvara a 15001
e 15600, pechiacoa, no Bazar do Pavo rui
da I Dooritrii n. 6o.
CORPINHOS BRINCOS A3W00
No Bazar lo Pavo vendem-se corpinhos
decmoraii bnnc.s brdalos, sendo fazen-
da que sennjre se veodea a 8*J00 e 10*
e Kqoida-M a 3*030 por esiarem um
pon11 maltratados, pacuncha, na raa da
Inippra'ne n. .0
FlUTES DE COR E BRANCOS
Vende u-se bunitis fustis brancas e de
cores, roprios p*ra vestidos e rcupas de
meninos, sendo d9 cores a 800 ris o ova-
do e brancos, a 400 e 640 ris, pe-
chincha, no Bazar do Pava ra da Impe-
ratriz n. 60
CHITAS BARATAS
a 200 ris.
a 200 reis.
a 200 reis.
Vend^rn-se chitas largas com maito bons
pann"< e cores fizas, pelo barati preco d,e i
20C ris o colado ; cortes das mes-na* com
10 cov*dos a 2J0 0, pachmcha, no Bazar
do Pavo.
AS C\SS*S DO PAVAO
Ovado 200 ris.
a 200 res,
a 200 ris,
Vende u-se tiunias cissas de coras raiu-
dinha-. pelo barato preco le 2)0 ris o o-
pretos que
venden da 1*600 at 55009 o covado
sao todoa muito em conta.
MANTELLETES DE FIL
No Bazar do Pavao vende-se moderoiesi-
mos mantelletes ou basquinas de filo preto,
om laco, pelo barato preco de 10*000 ca-
da om, barato.
ALGODAO ENFESTADO PARA LENCES.
No Bazar do Pavo vend-se o melbor al
godosinho a africano enfestaeo
Ces, tendo liso e eotrancado
muito barato.
ESPARTILHO.
No Bazar do Pavo receben-se um elegan-
te sortimento dos mais modernos e melho-
res espartilhos, qoe se veodem por preco
muito em conta.
PANNOS DE CROCH PARA CADEIRAS
PECHINCHAS
DO
Ra da Imperatriz 60.
Rara vcniler drpressa
LINDAS JAPONEZAS PARA VESTIDOS A
A 500 RS.
Chegou um elegante sortimento de las-
i leo- i i0038 do J>po, com padroes de seda e de
por preco m"'ll) ooa qnalidade. que so,vendem a
500 rs. o covado. pechincha, no Bazar
do Pavo raa da la^erairiz n. 60.
POCPELINA& DO JAI'AO A *60O O COVADO.
Chegou um elegante sortimento de lin-
dissimas poupelinas Japonezas, cornos
mais delicados gostos, tendo muito lastro
e com listrinhas de seda, sendo esta nova
O Bazar do Pavo recebeu um graode fezenda cuasi da largara da chita france-
sortimeuto dos melbores pannos de croch,
proprios para cadeiras de bataneo sofs,
pianos, tamboretes e at proprios para cu-
brir almofadas e pratos; vendendo-se por
meos do que em quslquer parte.
PARA LENCOES
No Bazar do Pavo vende-se sowrior
bramaote d'algodao com 10 palmos de lar-
gara a 1*800 o metro, dito de linho com a
mesma largura a 2*800 cada metro, pannos
ds linbodo porto com 3 1/2 palmos de largura
de 720 at 1* a vara, assim como um grande
sortimento de Hunburgo ou cregueila* de
todos os nmeros, prer s ou qualidades,
que se vendem mais barato do que em ou-
tra qnalqoer prta; aproveitem-
ATOALHADOS
No Bazar do Pavo vende-se snperior
atoalhada trancado, com 8 palmos de larga-
ra a 1*600 o metro, dito de linbo adamas-
cado o melhor que tem vindo ao mercado a
3*500 o metro ; tudo isto maito barato.
CORTES INDIANOS A 4*500.
No Bazar do Pavo vende-se bonitos cor-
tes indianos com daas saias pelo bara-
tsimo preco de 4*5X1 cada um, pe-
chincha.
FAZENDAS PARA LUTO
No Bazar do Pavo veade-se constante-
mente o melhor sortimeito de fazendas
pretas para luto, como sejam :
Lasinhas cretas lisas.
Cassas pretas de laa.
Cassas pretas, fraacezas e inglezas, lisas
e com salpicos.
Chitas pretas de todas as qualidades.
Alpacas pretas lisas.
Ditas lavradas com branco.
Merinos, canto s, bombazinas, que sa
veodem maisbaratj do que em outra qual-
quer parte.
CACHE-NEZ A 6*000.
No Bazar do Pavo vendem.se bonitos e
grande* cachi-nez de pura Ia, pelo bara-
to preco ile 65000 cada um.
PEUICNCIIA EM CAMBRAIAS VICTORIAS, A 5*.
6*. 7* 8*0.0.
Veade-se um explendi !o soriimento de
fioissimas cambraias victorias, por precos
mais baratas do que era outra qualquer
parte, teodo cada peca 10 jardas a 5*. 6*. j
6*500 e 7*0JO, flnissiraas a 8*500 ; todas
estas cambraias valem muito mais dinheiro
e liquidam-se por este preco em relaco a
urna tranJe compra que sa fez no Bazar
do Pavo.
BABADlNH )S
No Bazar do P^vo vende-se um graode
sortimento dos mais fin is babadiohos borda-
dos tapados e transparentes, assim como
urna grao'le porco de entr'm4ios largos e
estreitos, que para acabar se vende maito
em coata e mais barato do que em oqtra
qualqner parte.
SETINSDE CORES E GROSDENAPLES.
No Bazar do Pavo vande-se um sortimen-
to completo dos melar re; setins e grosde-
aapies de todas as cores, que se veodem
muito em conta.
TOALHAS.
Vende-se toahas do Porto com labyrintbo,
proprias para rosto, no Baar do Pavo
rn* d-i Imperatriz n. 60.
Colchas brancis 3 52 0, 35500 e 7*000.
Pa'a o Ba sortimeo'o das melhores colchas pretas,
za e vende-se pelo barato preco de 1*600
cada covado, do Bazar do Pa -o.
AS POUPELINAS DO PAVO A 2*000, O COVADO.
Cbegiu para o Bazar do Pavo um bo-
nito sortirxeoto das mais modernas e ele-
gantes ponpelioas de linbo e seda, qoe se
vendem pelo baratsimo preco de 2^000
cada um covado, assim como ditas com
goftos escossezes a 2*400, pechiucha do
Bazrr do Pavo.
sedas a 2*000
Chagou un elegante sortimeoto de boni-
tas sedas de listrinhas, com as cores mais no
vas qua tem vindo ao mercado e vendem-se
a 2*000 o covado, na roa da Imperatriz
Bazar do Pavo^
AOS 2000 VESTIDOS PECHINCHA ADMI-
RAVEL.
a 2*000, a 2*000.
a 2*500. a 2*500.
a 2*000 a 2*000.
So no Bazar do Pavo.
Vende-se bonitissimo cortes de vestidos
de phaotasia com lindos gostos, sendo fazen-
das traparentes com delicados bordados e
listras qoe a nao ser um grande pechin-
cha qae se fez na compra seria para muito
mais dinheiro, e liquida-se a 2* e 2*50
uoicameoto uo Bazar do Pavo.
I.AASINHAS TRANSPARENTES A 400 RS O COVADO
Vende-se delieadas lasinhas transparen
tes com listrinhas miudinbas, imiacao de
urna s cor e muito brilbantes, pelo bara-
tssimo preco de 400 rs. o covado, no Ba-
zar do Pavo
BONITAS LASINHAS A 500 RS. O COVADO,
Vende-se delicadas liasinbas com diffa-
rentes gosto pelo barato preco de 500 rs.
o covado, no Bazar do Pavo.
ALPACAS BRANCAS.
Vende-se um bonito sortimento de fins-
simas alpacis brancas lavradas, imitaco
de seda, proprias para vestidos de baile ou
;asamentos do B^ar do Pavo.
ALPACAS LAVRADAS A 400, 560 E 6i0 RS.
Vende-se um grande sortimento de lin-
das alpacas lavradas de todas as cores para
vestidos e vendem-se a 400, 550 e 640
e at mil e t3ntos res o covado, no Bazar
do Pavo.
BAREGES DE QUADRINHOS A 600 RS. O COVADO
Vende-se as mais lindas emoderdas la-
sinhas oo bareges de qoadrinhos, proprios
para vestidos, tendo quasi largura de chita
frsnceza. e I qoidase a 640 r. o Covado,
oo Bizar do Pavo.
MERINOS DE CORES BARA VESTIDOS.
Vende-se bonitos merinos de urna s6
cor com cores muito proprios para vestido
e roupas para creancas por ser urna fazen-
da da para la e muito leve, vende-se a 1*
o corado, no Bazar do Pa5o.
GLACS A !*JOO PARA VESTIDOS.
Vende-se am eleg-nte sortimento desta
nova fazenda denomiuada glacs sendo ama
fazenda de la muito larga e com delica-
dsimas cores, teodo tanto brilho como a
sedae vende-se pelo barato preco da 1*,
covado, no Bizar do Pavo.
CASEMIRAS A 7*000 P
Veodem-se c.rtes de casemira ingleza de
cores para calcas sendo fizenda que vale
muito mais diaheiro e liquida-se a 7*000
AMA
A roa do Duque de Caxias n 21.
(lTIGA RA DO QUEMADO)
Rcbeu sefruinte :
Espelhos grandes doarados, moldes bonitos.
Carteiras, charuteiras e port-cigarros de moita
qualidades.
Bonitas pastas para papis, simples e matisadas.
Boas caixns vasias para costura com sua compe-
tenle chave.
Delicadas caetas de marflm com o bocal da
prata.
Moderaos pentes de tartaruga, sobresaliindo en-
tre ellos os mimosos telegraphistas.
Commodos roncadores com daas gavetas e bom
espelho.
Port bonqoet, o qae de melhor tem appare-
cido.
Port relogios de muitas qualidades.
Bons lalberes para enancas.
Vostuarlos, cnapoxiQhos, toacas, sapatos e meiai
para ba plisados.
Toalhas e ronhas de labyrintbo.
Chapeos e chapelinas para senhora, moldes novoe
e bonitos.
Cbapozinhos gorros e bonets para meninos
meninas.
Contra as couvulsSes as
criancas
Vende-se os verdadeiros collares na Nova Espe-
ranza, ra do Duque de Caxias n. 21.
PARA TINGIll CABELLOS
para pretos ou castanhos, receben a Nova Espe
ranea a verdadeira tinta iugleza.
PARA ACABAR COM AS SARDAS
ou pannos, tem a Nova Esperanza o verdadeiro
leite de rosas brancas.
AGUA DE FLOR DE LARANJA.
Vende-se na Nova Esperanza, rna do Duque d*
Caxias n. 21.
PAPEL PARA ENFEITAR-SE BOLOS
recebea-os muito lindos a Nova Esperanza, ra
do Duque de Caxias n. 21.
PARA AMACIAK E APORMOSEAR A PELLE
tem a Nova Esperanca es sabonetes de pos de
arroz
CHEGARAi
Forjos instaiit&neos aperfeiqo-
ados por prego muito comrao-
do: na ra Nova n. 28, loja de
Antonio Pedro de Souza Soares.
Bombas completas para ca-
cimba, por diminuto prego, na
mesma casa.
, NWIMOE
Quaodo a AGUIA BRANCA, mais precM scientiflear ao rtspiitvil pablet
*
luotaria ella confa e espera na*benevolencia de todos qoe lh'a aUendero e
continuando portaoto a dirigirem-se a bem conhecida leja da AGUIA BRANCA i
Qoeimado o. 8, onde sempre acharSo abundancia em sortimento de superioridad ob
qualidades, modicidade em precos e o seu nunca desmenttido AGRADO E SINCERIDAD*.
Do qae cima fica dito se conhece que o tempo de qoe a AGUIA BRANCA
dispr, empregado apezar de seos castos no desempenho de bem servir a ;
bonram procurando prover-se em dita loja do que necessilam, entretanto
rar os objectos que por ata natureza sao mais conhecidos ali, ella nmmL-
car aquelles coja importatieia, elegancia e novidade os tornam rxwiilinio,
bem seja :
Corpinhos de canbtaia, primorosamente
enfeitados com fitas de setim e obras essas
cuja novidade demolde e perfeicio da ador-
nos os tornam apreciados.
Fitas mni largas de diversas cores e qua-
lidades para cintos.
Leqnes oesse objecto mmto se poderia
dizer querendo descreve-los miouciosameote
por soas qualidades, coree e desechos, tal
6 o grande e variado sortimento qae acaba
de chegar, mas para nao massar o preten-
deote se lhe apresentar o qoe poder de
melbor.
ntremelos em pecas de 12 tiras.
Guipare branco e preto de diversas qua-
lidades e desechos.
Ditos de algodao com flores e lisos.
Veos de seda para cbapetmas e monta-
ra.
Meias de seda para noivas.
Ditas abertas de fio de Escossia.
Costurnes oo uniformes para meninos.
Enxovaes completos para baptisados.
Touquinhas de fil, sapatinbos bordados
e meis para ditos.
Camisinhas bordadas para ditos.
Capellas brancas para
Grande sortimento defiorts Boas.
FH de seda preto.
PERFUMARA
Grande 0 constante sortimento de
sempre melbor qualidade.
Lindos vasos com pos de arrdk e
Caixiobas com ditos aromticos.
Bonitos e modernos pentes dourados
ra circular o coque.
Bonitos brincos de plaqueo.
Aderecos e brincos de madreperot
Caivetes finos para abrir lata.
Thesouras para frisar babadinboa.
Aspas para bailo.
Novos stereoscopos com 48
quaes sao movidas por nm
ornas substituem as outra*.
Vistas para stereoscopos.
Bonitas caixinbas devidro
podras.
Ditas de madeira enverniaada
ras e com dminos,
Bollas de borracha para br
criancas.
Diversos objectos de porcelana, proprist
para enfeites de mesa e de'
!*ffl^*E2HgSa SilHHIIIII
CEMENTO
O verdadeiro portland. S se vende na ra da
Madre de Dos n. 22, armazem de Joo Martins de
Barro
Especialidades.
Contlnuam a achar-se a venda na ra Direita
botica b. 88, os mui conhecidos e acreditados re-
medios de veame, e outros diversos medicamen-
tos feitos em Pari?, bem como os xaropes de co-
deina de Berth, de rbano iodado, de iodurcto de
ferro de Blancard e as puntas do mesmo, peitnra
de cereja, pos de Rog, depurativo de Chable,
digital de Labellony, pilulas ou confeitos de bis-
muiho de Chcvrier, e outros medicamentos cuja
proficiencia quande empregados as doencas das
vias respiratorias, as dores rheumatieas, na
amarellidao, na falta completa ou irregularidade
de menstruo, as diarrhas, doencas do coraQo
e do estomago, tem sido e iucontestavel, em
vista dos benelicos resultados das experimentacocs
ou uso que diversas pessoas delles teem feito, as-
sim como das pilulas denominadas bravinas in-
comparnveis em sua efflcacia nos acommeltimen-
los febris ou sezoes ; existindo tambem na mesma
asa, alm de sufficiente quantidade de drogas,
um nao pequeo sortimento de tintas, oleo de li-
Qhaca e pincis, que se vendem por menos do que
am outra parte.
d
0
N.5AIIL4MCABUGAN.3:A
AG0ST1NH0 & IRIOS
Pd
e
9
CO
Com este titulo acba-se aberto e ioteirameote transformado este antigo
estabelecimento de joias, onde os fregaezes e amigos encontrarao tudo quanto
a moda e o bom gosto tem inventado na arte de ou mesara, o Collar de Onro
observar delicadeza no trato e senciridade e modecidade nos precos.
Espera que o respeitavel pnblico venba ver o que existe de melhor em
aderocos de brilhantes, esmeraldas, robios e perolas, meios aderecos, pul-
ceiras, brincos, alfnetes e anneis de todas as qualidades, prata de le faqoei-
ros, colheres, palileiros salvas e outros muitos objectos que seria enfadonho
mencionar.
Compra-se ooro, prata, brilbantes e pedras finas, pormaior preco do
| que em outra qualquer parte, troca-se e concerta-se todo e qualqner objecto
perteoceote a esta arte.
ammmammwmam
A ARARA
*
ATTENCAO
sendo das rne'hores e tais ancor jadas
vado, no arnazem do Pavo ra da
perat'iz n 00
PANNOS PARA SA'AS A lOOO, O METaO.
Ni Bazar do Pavao >..,ii.-, bonit- ta-
zen .. tranca -jaco-padi para saiis, seodo
coin l i a l >s e ireg a lar ri iia faze >d o cnmoin'n'o la
qoe
l-m vindo 70JOO, dit3< uoi pouco mais
baixa 35500 o litas 3,520o ; tambem no
mesmo esiabelecimento, se ven le nm grande
sortimento de crtones e chitas proprias
I p ra culchas que se venjVm nito em conta.
Sedas de quadrinlus a 1#2S0 ao covado
V^tidH-e m elefante soniroento de sedas
san.
metrt-.
as-mi
me '
daii i .
de li
bar r
e ou i
tod -
Im
Ui
qo i se ^ ie f-tser co n 3 ou 3
rente-M a tfi, 1. 8 H'-'o:
ra taoviem r>-> me-mo esUoeH-1
d le bonitu sana bnmcjaa bor-
,n qaaipo pasoseada una, Utag
'resj pri.rn.ia. umi,
"'H siJaui ,<;<
i oarra" hortta
. o mude "o e barato.
C4RNAU0A.
arn m a -n cos,
i:. Ih, Ba.ar d Pa-aj.
im- de q lair-nhos com Ho1 miam cores, para
. vestidos e roopis d^ meninos, e vende-se
15280 c? 'a eivado: pechincha no
Bizi d Pavjo.
Mu olio enfnstado a peci 35900.
Veu.in su p'Ctle miUp 1*1 e ifestidn,
teodo 12 j-i.i-sci.l ppc a :t<5 )00 e 35500,
.ie iiin','1!, Bazar do Pjv5j ra da
Im a.riz a, 'l.
. .ilALliS HE RENDA.
Caes 2-i0 .
Chalos t'OO.
coa! COates 2000.
Veod'-se orna grande poroto de chales
pret s .lo re* oo croch, sendo pretos
ron \ o-mUs, f../...n) i]a -npre se Vdo-
ded a .'ii> ri H ,,,1,1 -* a 4 >0 cada um,
ra d.> pecrinietn no B zar do 'avo, a roa da
fi'.-nda iiOiij,
*s aOie 0 ,
novara.,/. d. G-J.
o corte de calca, no Bazar do PavSo a ra
da Imperatnz n. 60.
GRANDE PECHINCHA ESI CAMBRAIAS WANSPA-
RENTBS A 4,J, 55,65, 85, E 105000
Vende-se fioissimas carab.aiassaissas, de
mota phantasia teodo 9 varas a 85500 e
I05O0J. Ditas bispo com tO jrrdas fazen-
da maito fina a 55, 65 e 75000. Ditas fi-
oissimas azuladiohas, qae valem muito mais
dinheiro, a 5 e 105 JOJ: todas estas cam-
braias, em relacSo a qualidale, pelos pre-
cos acata sao mais baratas do que em ou-
tra qualquer parte, no Bizr do PavSo.
CAMBRAIA ALLEMAA COM 8 PALMOS DE LAR-
GUKA A 1*600, U E 2*300.
Veo1e-se finissiim cambraia branca tran-
pa ente,com 8 palmos de largara, que faci-
li.a fazer-se um vestido apenas com 4
varas e liioidase a 15600, 25 e 25500 a
vara, fa?enda que vale muito mais dioheiro.
pechincha no Ba'.ar do Pavo.
CAMBRUA TRANSPARENrE
Peca a 45uOO
Veode-se muito finas pecas de cambraias
brancas transpirentes, tendo8 i|2 varas ca-
da peca e com um vara de largura a 4ijl
E pechiocha, no Bazar do Pav3)
A9 ra da Imperatriz
V60.
PARA
COSTURA -
Acabam de chegar ao GRANDE BAZAR
UNIVERSAL, ra Nova o. 22-carneiro
viannanm completo sortimento de ma-
chiaas para costura, dos autores mais co-
nhecidos, as quies estSo em exposiclo no
mesmo Bazar, garantindos-e a sua bfta qua-
lidade, e tambem ensina-se com perfeicio
a todos os compradores. Estas machinas
sSoguaes no sea trabalho ao de 30 costu-
reras diariamente, e a sua perfec5o. tal
como da melhor costureira de Paris-. Apre-
sentam-se trabalhos executados pelas mes-
mas, que muito devem agradar aos prelen
dentes.
todos os seos devedere
casas commerciaes. o qoe
Lourenco Pereira Meodes GuimarSes, participa a
taoto da praca como do mato, que estando 1 qoidando suas
deve fazer at o fim do correte aooo, por lsso roga a tedos os seus deveoVrs a ?*
saldar seus dbitos o mais breve possivel; outro sim, declara aos seus devedores, qoe
os que Do esliverem na loja tem de pagar todos os seus dbitos, provando islo se tari
o abatimeoto que for preciso para a liqodacao de suas dividas, para isto poderJo di
rigir-so raa da Imperatriz o, 72, loja da Arara.
Ao resto das pechinehas
Veode-se cortes de castores para
ATTENGA
Vende-se a taberna do pateo do Carmo n. 13,
na esquina do becco da Bomba, muito afrejrueza-
da para a Ierra e para o mato, com os fandos
existentes, e tambem sein el les, a vontade do cura-
praaor, e tero commodis para morada dos caixei-
ros e connha : os prentenles polem dirigir se
a mesma taberna, que acharao cn-n qnem tratar.
0
m do }'avao sito a ^ua da Im^tat \z u. 60, estaf constantemente aberto
das (i horas da maiuai as 9 da noute,
ou alan-se os armazns que foram necupados
com a fabrica de sab.ii e dsulaeao da Sr. coronel
Franca, na ra da praia de Santa RiU noa, os
quaes offerecem propor^les para bnm so montar
qualqner fabrica de granle e-tib^lecimento, com
a grande vauta?em para embarque e disembar
que : a tratar cora o commc idul r Tasso.
CAL IVA DG LISBOA
Vende Joaquim Jos Ramos :
o. 8,1 andar
na roa da Crui
calcas,
a 500 rs. Cortes de brins de cores a
15500; cortes de gangis para calcas a i5,
cortes de casemiras preta para calcas a
35500,45,55e6J030.
Cortes de c'iIjs a 2:300.
Vende-se cortes de chitas para vestipes
a 25503. Ditos de cassa para vestidos a
2550D.
Pecbio.ha a 45000.
Veode-se pecas de algodao a 45, 55, 65
e 75O0.
Para liquidar a 35500.
Peca? de madapoiao com 12 jardas a
o$500. Ditas de dito com 2 i jardas a 55,
05, 6,J500, 75, 84 e 950)0.
LIQUIDACO.
Pecas de algod .siobo de listra proprio
para roupas de ecravos com 42 jardas a
65500 e covado 180 rs. pira liquidar.
Chitas escaras para vestidos a 280, 320
e 360 rg. o covado.
Para acabar.
Vende-se pecas de ctmbraias victoria, fi-
nas a 65, orJ300 e 75000.
E' moito barato.
Colarioho3 de papel a 2i0rs. a duiia.
CrtQ3dos pira jantllas a 5$000.
Veode-se cortina os pira j mellas a 5$
o par. Brim pardo li>o para calca de ser-
rC0 a 500 rs o metro.
Corles de percales a 65000.
Vende-se cortes do percales d daas
saias de bonitas barras a 65000.
Codertas de chita.
Vend-se a 15 0), litas thai a 255")0,
ditas eocirnala? e adamis:adas a 3$500,
ditas forradas 55000.
Ganga} para calcas a 280 o covado.
Brim de listra ao lado para calcas a 400
rs. o covado.
Lencos brancos a 95X)0 a dozia, para li-
quidar; grande poica") de raanU* para
graiatas a 100 rs. cada nma prra liqaidar.
Cassas francezas a 280 rs.
Vende-se cassas fr*n;ezaj para vestidos
a 28 )e J320rs. o covado.
1#
BALr.S DI'. ARCOS A 150'.-O.
Veode-se balos de 15 a 30 arcos a
e 155 )0 cada um. Cortes de cassas em
papel a 25500 cada um, para liqoidw.
Bramante de linbo e a!g dSj cem 10 pe-
rnos, de largura o 15800 o metro.
Paon.o de linbo a 760.
Vende-se bra naote de 10 pal na s de br-
Sura proprm para leuces a 25800 o metro.
Lencos de seda a 80 rs.
Vende-se ana porco delen;os de seda
a 800 rs. cadi om.
Chales de cassa a 15080.
VenJe-se urna graoDe corcJo de chales
de cassa a 15000 cada nm, para liqaidar.
Fuslao a 360 n.
Veode-se fusilo de cores para vestidos
a 360 rs o covado.
Algodao infestado a 900 rs.
Vend-se alzodao enfestado para lenfos
e toalhas a 900 rs. o metro, dito trama-
do a 15200 o m tro.
Chales de merm estmpalas a 25000.
Vende se cbales de merm estampa Tos
cm barras a 25, 25500 e 3 J para acabar
Gran le porcao d reUhos.
Vende-se grande porcS) de re/alhos de
cassas e chitas a 240 rs. o covado.
A Testa est na porta
Roupa tolla eocontrario
Por precinho razoavel
Todos se enroouario.
A SABER : 0
Liquidaba de raaii feita.
Venle-se pai.itots da unosinho da Hob0
proprio para andar em casa a 15500 ; ci-
to de ganga a 250JO ; ditos de aaeia ca-
semira a 3>000 ; oitos de a'paca de cor
a 35530 e 45 K);); ditos de pinoo im
preto a 6$, 85 e 10*000 ; ditos de caso-
miras de aires, a 65 e 85 0; colleO
de cassiaeta* de c res, a 15500 ; ditesdo
brins e qiadriohosa 1 j$'>0; d.losde ca-
semiras de core*, a 25 WO, 3J o 40800.
Calcas azues p ira escravos a 50'J rs.; ditai
dj algolJo^inbo d* li*tra a 8X) ra.; di
de brim par lo a 15CO0, 25 e i

. *
Organdyj iie cores .para vestidos a 400 j us de dito branco do iiotio a 3J50W lli
e 610 o covaJo.
Alpacas de cores para vestidos a 500 e
6i0 rs. o coado.
UasinbM para estidos a 320, 400 e 50
rs. o covaJo.
O pr-vprietario da loja denominado Arara, destara ao ropoitavel publ.ee e t
seus fre?nezes que est conclaioio sua HqiidicSo, por isw qjea quawr muirle i
mas f.zendas por pouco iinoeiro tenha a boolalede dirigirse i nuda Imperatriz^.
72, desde as 6 horas da maohaa as 0 da noute.
dita; de casenins e 85.(00 ; camisas de ;niU a 15000; -
tas de aUodosinb. propras para O ser-
vi;o por ser fas-nda foriO, a 15280 J dilM
de mjsaiaa a U600 rs. P.ra liqaidjr *
\ vm 1



*.
iario de Pernambuco
Quinta feira 10 de Novembro de 1870
Aoabam de sahir a luz asse-
guintes pecas para
limalinda walsa d'Arditi
Ideal e realidade milito benita
ph.mtasa pelo maestro Cazal-
bore
Poslliolinda p'hantasta exec:.!a-
da [cora grande applatis pela
msica allemaa
Habaneras lindas daosas para-
guayas, que tanto furor aqui tem
feito
ACABA DE PBLICAR-SE
uollecfao de msicas dos cavallinhos para
16000
15000
l,S0O
1^000

--------.*
FLAUTA
Recebeu mais grande sortimento de rao-
skas para piano, e piano e canto, e tambem
a opera
TRIU
NOYTDADES
DO

OLEO
Jos de ffouza Soares & Xf.
RA HO ARAO BA VITORIA
(OUTIVORA NOVA)
Apresema-se metan* rphozado no que pode haver de mais helio e gradavel em fa-
zendas finas para Senboras artigos de alta moda em Paris tanto para senhoras como
para horneas e meninos.
Miodezas afamadas, perfumaras especiis, variedade de lindos objectos para me-
ninos e brinqaedos para criancas.
GRANDE SORTIMENTO
Continnamente recebido por todos os paquetes vindo da Europa onde te ha-
bis correspondentes.
Vende-se maito emcdbla e manda-se por em pregados do estabelecimento fazendas* %?****'tMtd**,*aflra*'"*u,n**
em casa das Exms. famfias afim de melbor escolherem o que desejarem. c*be(;'< A0** <>*** >
Dr de dente, em nm minuto.
ICeuratgi, em elneo mijmt,,^
Dwfloeagee, em rtate minuto*
Oarganta. ineaad., en dei minntof.
Clica e oiwnlaaa, em cinco minuto.
M"nntimo, m um di*.
Pebre e ebre intermitwite, em um di.
0 MftRAVILHOSO REMEDIO DO
I>B. CHAS, DE GRATH .
o
KHffG OP PAIW O RE DA DOR
PARA USO INTERNO E EXTERNO
CURA CHOLERA E CHOLERA MORBUS,
Ba doQueimado
IL
para piano e canto, e tambem os melhores
pedamos para piano $ composico do illns-
tre compositor brasilciro
Carlos Gomes
que tanto furor fez na ltali;i, e hoje faz no
Rio de Janeiro.
A' VENDA NA
1r
DE
Dor na ooita e nos lado, em des mi-
nuto.
Tmmi per%oa e refriado, em nm dia.
Pleuresa, em nm dia.
Surdex e iturna.
Hamorrhoidaa e bronchiti.
Inammacfto no ria.
Dyspeptia, eryipelaa.
Molestia de ligado.
Palpitacao de eoracao.
HISKA
DE
A. J. de Azevedo
RA DO BARO DA VICTORIA (ANTI-
GA RA NOVA N.-H).
Covado a 160 rs.
Cambraia frar.cez.i para vestido com peonen
toque, covado 160 rs.
Dila dita dila, covado 3?0. 400 e oOO rs.
ahitas escoras, covado 280, 320 o :t60 r>.
Laa para vestido, covado a 200, 210 a 300 rs.
Alpaca de Matas* alia novidade, a 15, ls, tj.
Cambraias brancas victorias e traaaparaBttt.
peca 3i niU.
AIkoJ o e madapoln, pega 5 a 10-3.
Motklnes, lazedla nova para caiga; corle a 3.4.
Lories de vesdos trancos cora barra de cor.
corte a 2j.
Safes bordadas, jjrande peehineha. a is ef500
Soutembanjues de alpaca a loOO o 24.
Na loja Flor da Bia-visia, de Panlo Guimaraes,
__________roa da Imperatriz n. 48.
Fogao de patente.
Vende-se era casa dos importadores Shaw
Hawkes & C, rui da Cruz n. i.-
*
DE
MOBEIRA & tm
E' ehegado a este novo estabelecimento o mais bello sorlimento de fazendas
loaj, gendo sua especialidade enxovaes para noivado.
Vestidos de blond de,seda ricamente bordados.
Gorguro de soda branco para resudo.
Colchas de seda pura, para cama com ricos desenhos.
Citas de la e seda^ id>m dem.
Ditas de crox, idem idem.
Cortinados ricamente bordados para camae janellas.
Croxs pira cadeiras e sofs.
Vestidos de cambraia branca bordados.
Popelines de lindos gostos.
Las de diversas qualidades, lindos gostos e moderna?.
Ricos b urnus para passeio, com listras de setim.
Sahidas de baile o que ba de mais rico.
Gretones para vestidos cora lindos desenhos.
Carnizas bordadas e sem bordados para senhoras.
Camisas bordadas incito linas para bomns.
Dtos ingieras para homens e meninos. .
Seronlas de linho, e um grande sortimento d ronpas feitas e de fazendas que
enfadonho mencionar. ^
Luvas frescas de Jouvin
Sorlimento de tapetes para guarnieses de salas, alcatifas para forro de sala, e o
grande sortimento das acreditadas e verdadeiras
Esteiras da India
RESERVE SEMPRE ESTE REMEDIO EM SUA FAMILIA
AS DOENCAS SE AI'RESEKTAM, QANDO MESO SE ESPEBAM.
-otaSif.S?3.1 mP lKWff?F PAIN" ( "' da d0r"inlctae positivamente diMlpa mal.de dlfferente.
nfo^TreSrem0'UO "" """^ *" "^ ^" 'le'"!"' ^^ ** ^^ *"* ** *****
Um, c*Z r.?T'1 P"a TeXteta 'ntCrn0'COraposto M olemento" oara,"l". "Hi. herva, ecuca.
IVA
EBS PERN1MBCO
PHARMACIA E ROOARIA DE
BARTHOLOMEO & Q
W-=34 Ra Larga do Rosario. IV. 34.
CASA'CAUVIN A. MARINIER, -
war-.sarar *,- y B[| lioulevard Bb.
. .NOVA LOJA DE FAZENDAS, ROUPA
FE1TA E POIt MEDIDA. DE
PINTO A MAHTINIANO, A RA DO BA- v
_ RAO DA VICTORIA, N. JSt,
^ (ANTIGA RA -NOVA) &
O respi'iiavcl publico achara neste no- 2
novo estabelccinipiito o mais completo ?
fy onimento de pannos, cazpmiras, gorgo- Xi
^ roes ebrins; e para traD.-f.,rirar estas V
>^ fazpndas no< mais el-gantes fraques, na- R
Q letot, colletes e calri? ; tem este mesrao ^
p'tabelpeimnnio um dw mais habis al- Mates desta rpita!. &
jg Tambem so acha prvido de muitas S>
vg/ boas camisas Lor.l.'.das e lizas, seroulas -
K meia?, lenev,chapeos de sol, grvalas,
ni vas do pellica, etc., c:c.
'portas n. 53, ra Direita, 3 portas n. 53, antiya
hja d) Braga ,
jb.aixo ?$'P,ado- d.ono de?1 antigo e?tabe!ecimento, tendo em vista aDreentar uml
completo wrbmenlo de femgens, miudezas e cotilcria, tem resolvi mandar busor emi
L'KnK8 daE,nrPa os m|lhores bjectoe do su estabelecimenJdo ^ fabricantes
mais condecidos ; pelo que convida ao respeilavel publico e a sens numerosos freaueVc'
a virern se erv.r dos objectos de sua carencia, aentle encootrarao por mrnes tTo,0 doTue
em oatn qoalqaer parte, umeorl.menio completo de machinas para descarocaf alpodio
do bem conhecido fabricante Cottorr Gin 4 C, ditas para costara? motores paVa animae"'
tt S!L,8g0S m0IDh^S P3ra Caf de ,odos os ,amanb0'- *> W*& o Japi, espingard s de
dous canoa e de nm, tanto ingleas como rancezas, lnca de porcelana, facas e garfos
vJ hf (inalldi,de9 e precos bandejas hinezas, salitre, nreu, barbante, euxofre, nipel e
Slima ha de ierro, ac, e agulha para fogueteiro ; assim como encoutrario constante-
mente grande porcao de fogo do ar, e recbese encommenda de fogos de vista, alem de um
m ?,ra,nuero de objectos, que se tornara enfadonho numera-los : veuham ra Direita n
g jJ, loja de Lenidas Tito Loureiro, antiga laja do Uraga.
m\
m
A TEQUEZA
Xova loja de (randas finas de Pinto A |K
gj Marliniano. ra do Barao S
XA da Victoria n. 9 (sntiga ra Nova.) 9
^ E.-te novo estab l-cimeoto, alm do
completo sortiiueuto de que se acua pro- v2
vido, acaba de receber as seguintes fa-
zendas : \a
M ivas alpacas de cores. S
Poyaa popelines. J/
Noras musftilinas. w
Novos chapeos de velludo.
Novas luvas de pellica. f
Entre-meios e babados bordados. q
Villa do Gabp.
na
no, rauito perto do banho da estacao : Irala-se
na ra Nova n. 27, loja de ^elUiro
^ Vende-se o gnnrte armazem de drogas 2
W e tintas da ra do Imperador n. li. Es- &
igi te estabeiecimento est bem montado, na- >.
^ da de ve e n5o tem compromisso algum ; *J
e por isso acba-se as conJsoes mais 0
10 favoraveis para er negociado : tratar Mf
^ no me.-ir.o estabelcimento.
i
V de roseiras de varias qualiiades ; assim
como de sapotis, abacate, tlgueira, laranja cravo
e pinheira, por prego rasonvel : tratar na Boa-
*ista rna do Visconde de Goyana n. 81, outr'ora
fondego.
LIBRAS STEBLI1US.
Vendem se libras sterlinas : na ruado Mrquez
de QUnda. criptorlo n. *9.
JCERYEJA BASS
A*",erB09 agarrafadores, vende-se no arma-
nm do Jcao Rosa na Travessa da Madre de Deas
n. o.
Farelo
4:200.
DAVID W. MWUN
EfGEfHEfflO
Com fnndicc
RA DO BRUM 52
Passando o. ch? fa; iz,
. Chama a attencSo dos Srs. de engenho para seus acrediiados macltinismos t
;om especialidade para seus vapores que anda urna vez tem melliorado.
Os vapores foraecidos por ello o j funecionando Ibe bao de fazer melhor apre-
;iaco do que qualquer dito proprio.
Deseja tambem mencionar que tem feito urna -rednccSo em seus precos ; e que
tem prompto toda a especie de machinismo e oulros objectos para a agricultura.
Pharmaceutlco privilegiado
euccessor
itopol, 65 PARS.
NOVAS ESPECIALIDADES A. MARINIER
Aprsemelas a Aca.'cmii de Ssioncias e ao l;.slitulo de Fnnfa,
Iftt IFri*An s"''a formj d(! P*IWl lrU&.uwfUJ fjsi'r ao momento nota solacti
PrevsntiT e ccraliva da> MOLESTIAS CONTAGIOSAS.
L\JECT0R PUILTUO
do volme i'e nm rolotio, servindo de
I HILTItO e SMUMlA em os
graves iacoaveaienle de fragilidde.
ESTOJOS
Com a i.irma, e de volunte de nm Porte-HooJ
COTISNDO TODO IR.KTAHKSTO.
COLLVBIO Contra as affeccois das pali preparado sob a mesma forma.
BARTHOLOMEO C
Depositarios geral para e BRASIL e PORTL'CAaL
34, ra larga do Rosario. PSBNAMBTJCO.
Eival sem segundo
Eival sem segundo,
RtJA OlJQtEDE CAXlA.fi RJ. 49 RA DO DUQUE DE CAXXs N. 49
Anl'ff! PIIl A Anoima [Mlli^ I Ud UU VUeiIUdJJJ as raiudeZas pe|0S baratissimos precos abai-
Continua a vender tudo muito bom e xo declarados, garantindo ludo bom e pre-
muito barato a saber:
Libras de areia preta muito boo. .
Tesouras finas para unhas e costu-
ra a......., .
Papis de agulhas francezas a ba-
o a....... .
Caixas com seis saboneles de fruta
Libras de la para bordar de todas
as cores a.......85000
Cos admirados.
120 Duzias de palitos seguranza a....
Duzia de palitos seguranca caixa
500 grande a...................
Frascos com r Ico baboza muito fino.
60 Pacote? com p.'.s de arroz o me-
10000
'1EI0SA DESCOBERTA
O TNICO DELSUC qoe boje aprsenla ao publico, depois, porm, de um severo
pxame e de reiteradas experiencias, tendo a certeza de que possue urna superioridade
Vndese duas esas terreas nameiia villa, sitas jlfr^!;!! das 8S, ouktr" P^Pf^es, que at boje tem apparecido, reconuaenda-se
i antiga ma do Vapor, hoje do General Victori \?\ s"a Donaa La.sn te todas as caspas e coceiras, IV/endo com que apparega em bom estar impagave!
Esta agua compoe-se de substancias cudadosmente escolhidas, nunfifiain a
confeccionadas com o maior cnidado, e alm disto combinadas de modo tal a dar hJ
nma accao verdadeiramente efficaz. consoladora, e benigna
rt01,,Kfl.)ert?ma"feesta{,gualnaLcabeca' e legase levemente; immediatamente ficam
os cabellos Iimpos e com om brilbo magnifico. cam
fieposito
smente em casa do autor, Andr DeUaz cabedeireiro de Paria.
Ra Io de Margo (antiga Crepo) n. 7 A Io andar
CONFEITARIA
DOS
Ra da Cruz n. 16
glez ; pastis de differenl, finaiirta^a ^ronr, lili* _"an> e tinto,
ingle, pastis de different,* qoaitd^s; ^opr^r*^^T^A^SS'.
dwes de fructas, em calda e secco. ern toc. vinhn, fl^, ,*lS^i_'. abyn0 >
bamlinho8 e.m latas.
* k -- uiuvviit'9 uunnu^uu ,
."T*. frae!as' 'd e secco, em jogac;'vmhos Anos, cbawp^ne.
ditos vendados
GATXINHAS em amendoas e paftilbas,
propnas para presentes; eb preto, niodo,
^MHI^'q^We; latatveMD peeegos
a 15000.
PAPEK para sortee,
para cobrir bufos.
PRESUNTOS e fiambres.
KBLBBbM-SE CDcommendas de bandejas om btrttohas watKm*f*i\ Han
w.f :! *V?de M e bolos Wtado7com disitws t. 25^*2S
maito objectos propio para grandea jantares, bailes, etc., etc. ***
Carriteis de linha Alexandre a. 100
Frascos com azeite para machinas 500
Gravatas de cores muito finas a 500
Grozas de botes madepersla fi- ,
nissimos a....... 500
Novello de linha de 400 jardas a. 60
Caixas com 100 envelopes muito
superiores a...... 600
Pentes volteados para meninas a. 240
Tinleiros com tinta preta a 80 rs. e 100
Pecas de fita elstica muito fina a 200
Lata com superior banha a 100 e. 20C
Frascos de oleo Philocomo muilo
fino a......... 500
Frascos do macaca perola a. 240
Frascos de extracto muito bonitos a 500
Duzia de saboneles muito finos a. 720
Saboneles inglezes a 600 rs. e. 1?200
Frasco com agua de colonia Piver a 500
Dito de oleo babeza a..... 500
Caixas de lamparillas a. 40
Sabonetes a forma menino muito
superiores a....... 240
Cartilhas da doutrina fazenda nova a 400
Libras de linha sorlidas de todos os
nmeros a....... 1,5800
Capachos muito bonitos e grandes a 700
Carriteis de retroz preto, com 2
oitavas a........ 640
Agulheiros de os$o enfeitados a, 240
Libra de linha fraoceza superior
qualidade a....... 20420
Caixas de palito do gaz a. '. 00
120
320
320
320
,5000
500
160
800
100
Rob-ante-rheumatico.
Remedio efficacissimo contra as dores rhenma-
ticas at boje o raai; conhecido pelos seos mara-
vilhosos resultados.
XAROPE DE AGRIAO.- nm dos medicamen-
tos qoe sna efflcacia as enfermidales, tosse e
sangae pela bocea, bronchites, -dores e fraquea
no paito, eicrobuto e molestias de ligado, que me-
lbor tero aprevado.
TTNTUflA DE MARAPUAMA.- A celebre raiz
de marapnama, caja energa e eficacia as para-
lysias, intorpecimenlo, etc. etc. muito se recom-
menda.
Todos esNes preparados se encontram na pbar-
macia e drogaria de Bartbolomeu 4 C, tnico de-
posito aa roa larga do Rosario o. 34.
RAP.
Paulo Cordero
Vende-se rap Paulo Cordero fino rlajado. em
latos, bmio *rosso e rinagrlnho : no deposito da
m 4o Tigarta-n, II.f andar.
Cigarros da imperial
fabrica de & Joao
lhor que ha a
Navalhas muilo finas para fazer
barba a....................
Caixa de linha bran do gaz a..
Vara de franjas de lidho para toa-
Ibas.......................
Caixas com pennas d'aco de Perry
superiores.................
Lencos de cassa braucos e pinta-
dosa......................
Caixas com 20 quadernos de papel
pantado ....... 700
Caixas com 50 novellos de linha
do gaz a....., 400
Duzias de meias cruas superior
qualidade a.......36O0
Pecas de bibadinhos com 10 va-
ras a.........
Pecas de tiras bordadascom 12
metros cada p^a a 10500 e.
Pecas de fitas para eos de qnal-
quer largura com 10 varas a.
Escovas para unbas fazenda fina a
Ditas para dentes a 240, 320,
400 rs. e....., .
Pecas de tranca lisas, brancas e
de cores a.......
Duzia de linha frxa para borda-
dos a 400 rs. e.....
Pares de meias cruas para m.'
nos diversos tamanbos a. .
Duzias de meias brancas muito
finas* para senbora a. .
Pares de sapatos de tranca do
Porto........
Pares de sapatos de tapete a. .
Duzias de baralhos para vultarete
Sylabarios porluguezes a. .
Cartes com colxetes t carreras a
Abotoaduras para collete diversas
qualidades.......
Caixas com pQnna de ac muito
b6a de 320 a......
Caixas com superiores obreias a.
Duzia de agulha para macbipa a.
Libras de p?egos francezes todos
os tamanhos a......
Paco te de papel com 20 quader-
nos ...........
Ref ma de papel pautado super or
Resma de papel liso muito supe-
rior a ........
500
2,3000
500
500
500
40
500
320
44500
2,5000
1,5500
30000
400
20
400
50C
40
2^000
240
400
40000
306OC
na ra da
So armazem ib M>ii Lathara A C.
Crn n. 38, ven.i. e
Lona larga d. :*i *i'*g:3*.
Dltaeslreia ;. 15 i.
Saceos va8Mij <-*ri a-.-upar.
Sellins, silhrV r' r. r. .....
Vinho de B-'VViax-Uiioei.caixa.
Sabo ingleivn fciixa.
gabonetes tti>> Uto.
Vnde-5p a c i-hfira da ma do Sot n. 17 emn
carros e cavallus, imito barato para acatas, por o
doioter des*retirar,: a tratar na nema ra na
roa do Rosario da Boa-vista n, 56, em fireBte nu
do Arigio.
GALLO, VIGILANTE
lina ilo Crespo f
Os pTopnetarit* de*te bem inirlflo aaaitii
chnen!^, alm dos oaitoa Ifeciiw qu tMu
postof a apreciacao do reaiiekave pnbiiro ym"
daram Tir e acabara de reeeber pelo ui.
da Europa nm completo e vanado on
finas e tan! delicadas esperiafdadei. as qaaoi e.
tao nsolvidos a vender, como de sen cettaob*.
ior precos muito baralintios eoznaadoa prate-
os, com tanto qne o Gallo....
Muito superiores lavas de pellica, pretas, trast-
eas e de mu lindas e&rrs. *
Mu boa* e bonitas goiiinhas e prrobos para, s*-
nliora, neste genero o que ba de miis masm.
Superiores pentes de tartaruga pax&atoquaa.
Lindos e riqnissimos enfeites para catacaa ca>
Ex ni as. sen liaras.
Superiores trancas pretas e de corea eon vieV-
Ihos e sem elles; esta fazenda o qne pode Jsa*r
de melbor e mais bonito.
Superiores e bonitos leqnes.de madr-per!*.
marfim, sndalo e osso, sendo queiles iranei
com lindos desenhos, e estes pre!-.
Muito superiores meias fio de Escossia para ar-
nhoras, as qaaes seuipre se vead..i aia pr 3C40O
a duzia, entretanto que nos as vendemos por 10.
alm destas, temos tambem gran<> sorttauMB a
outras qualidades, eutre as quits algnmaa awoc
finas.
Boas bengalas de seperior canoa ala India *
castao de marfim com lindas e erranladors aw-
rasdomesmo, neste genTo o naeile n
pode desejar ; alm dess trmes* tan ari
quantidaUe e outras qualklaties, eofl aajat,u-
deira,baieia, osso, borradla, etc. rcete.
Finos, bonitos o airosos chicotiuhos de cadi
de outras qualidades.
Lindas e superiores ligas de *eda e be-
para segurar as meias.
Roas meias de seda para senbora a para mear
as do i a (2 annos de id
Navalhas cabo de mar'm e artaregr. pan '-aer
barba ; sao muito boas, e de mais a nuts sao ga-
rantidas polo fabricante, e nos per asa ves tan-
bem asegurarnos sua qualidade a delkadeza.
Lindas e bollas capellas para noiva.
Superiores agulhas para machina e para ereie
Liuha muito boa de peso, frouxa, para nefctr
labyrintho.
Boas baralhos de cartas para vollarete, asan
como os tontos para o mesmo Um.
Grande e variado sortimento izi atAavas per-
fumarias e dos melhores e mais onnteido per
fumistas.
COIARES DE ROER.
Elctricos magnticos contra as convulsoes,
far:ilitam a donticao das innocentes criabas. S-
mos desde muito recebedores destes prodip
collares, e continuamos a recebe-lo< por tocas ti
vapores, afim de qne nunca fritera no mer-a.
tomo j tem acontecido, assim pois poueri jc* -
les qne delles precisartm, vir ao de,iosio do .
vigilante, aonde S'-mpre encontrarn :es ve?r?a-
deiros collares, e os qnaes attendendo-sc a.
para que :.ao applicados, se renderao cota mu mu.
diminuto lucro.
Rogamos, pois, avista dos objectos yae dei" l
declarados, aos nossos Irefaezes e anifoa a
comprar por precos maito razoaveis loja do .
vigilante, ra o Crespo n. 7.
Dcordeiro prevMen -
Boa do <&ue!iari > a. t H.
Novo e variado sortimento de pe. jei.
finas, e oulros obj'-clos.
Alm do completo sortimento dd p:
marias, deque efleclivamente esUprov
loja do Cordeiro Frcvidente, cil *'
receber um ootro sortimento que ve. I
notavel pela variedate deobiccios, s
dade, qualidades e eommoJid.'.J. i i
?os; assim, pois, o CordeiroPrcvid? U .
e espera continuar a merecer aiirec
do respeitavel publico em
boa freguezia em particalrr, nao i
lando elle de sua bem eonnetdara w
e barateza. Em dita Iota bo
apreciadores do bom:
Agua ditina de E. Coudray.
Dita verdadeira de Murray & Lamatax.
Dita de Cologne ingleza, mmWktak,'.
ceza, todas dos melhores e mawacrsd:'!
fabricantes.
Dita de flor de Iarangeiraa.
Dita dos Alpes, e vilete para toilet
EUiir odontalgico para coaservafio a
isseio da breca.
Ccsmetiques de superior qcaliddc
ros agradareis.
Copos e iat?.s, maiores e menores
pomada fina para cabello.
Frascos com dita japoneza. taMp
s oulras qualidades.
Finos extractos inglezes, auerioao.
francezes em frascos simples e eofeitadae
Essencia imperial (lo fino e agradaval c
ro de violeta.
Outras concentradas e de cneiroo fu,
mente finas e agradaveis.
Oleo phi locme verdadeiro.
Extracto d'oleo de superior qualidad
com escolhidos cheiros, em irascos do t.<
rentes tamanhos.
Sabonetes em barras, maiores e im.
para mos.
Ditos transparentes, redondos e en flft
ras de meninos.
Ditos maito finos em caixinha para tan.
Caixinhas com bonitos sabonetes bjul '
fructas.
Ditas de madeira invernisada contend i
aas perfumaras, muito prepriaa para m
lentes.
Ditas de papelio igualmente bonitas, u.
bem de perfumaras finas.
Bonitos vasos de metal coloridos, e t
moldes novos e elegantes, com p de i.
a boneca.
Opiata ingleza e franceza para
Pos de camphora e outras
qualidades tambem para dente?.
Tnico orienta] de Kemp.
Alada sala caajtFrs.
Um ontro sortinento de coques de *
vos e bonitos moldes com filis de vidrilfc
* alguns d'eiles ornados de oru e tu.
'.stao todos expostos i apreciacao de faa;
os pretenda comprar.
GOLLrNHAS E PUNHOS BORDADOS
Obras de muito gosto e perfeicao.
FlTellaa e fltaa para elariaa
Bello e vanado sortnaeoto de taes oait>
tos, ficando a boa escolta ao foeto do at
prador.
Joaqiiim Rodrigues Ta-
vwre de Mello,
TEM PARA VENDER
W em aeu e.^nutoiio, praca-do Corpo Sana
a.fi
0 I imoetn f,,lha
M de I* el'ui.alidade, e vande nm *
T- ferdoa a vavie do* compradores
2 rtil de Li boa
V ultitni chu(a PotasKidHllussia.
X Farlashn a> laawaga
Vinho Bordeaax.
W de 1' qnalirt^ov. Tnd de vende maJ
^ barato o (|uaa otra qnalqoer
Vende-se nma hada ealeca : aa teeai m
offleina de ferrador rna do Imperador diaTiiaali
de S. Francia ae ir \vm


8
Diario
de Pernambuco Quinla
feira
ovenr
A6MC1TRA.
r
HeUUrlo da Imperial la.tituto
Flnaalaense de agricultura
(ContinuagSo)
Desses trabalhadores \nte, se Unios, mi
pregam-se na laroura propriameDte dia,
t~ndo a seu cargo to 'o^ os servaos do Jar-
dim Botnico do Fazenda Nacional. Dos res-
tant s occupam-se ires na? oflicinas do fer-
reiro e carpintero, e m outros nos .teros baflios de ass'eio, comer vacio e reparo?, e
da cosinha e abegjara, condcelo de car-
ros, aceii e conservaban de machnis o ins-
mo -fiado, en) lodos os das uteis, das 6
lloras,,^ mauhSa s 9 da noute, quando
ii aos cbmingos e das santos
ea iaa permiUiflo.
Trouxe esla medida, porm, algum des-
pendi para o Instituto, preveniente j da
gratifkac5o p?rcebia pelos Invlidos da
rutria, que obtive, grabas boa vaotade d)
Exm. ministro da marmita, bario de Co-
tegjpc. afim de manter se a'poficia e naces
sarja vigilancia, j do grande numero de
visitantes, <> qual so por si encarece os tra-
trumentos agrcolas.
Na fabrica de chapeos ha agora, alera d
mostr peruviano, nm ollicial muilo perito,
antigo aprendiz do jardim, servindo de con-
tra-mestre com o salario annuaJ da 240 JUDO
* sustento. Impoitam os venciranlos de
ambos em 7*0,5000 que toda a despeza
da fabrica, nio comprehendendo a allim-ra-
tac3o e vestuario dos aprendices, pagos,
assim como aquellos dous operarios, pula
prestado .e 2400000 com qne mensalmen-
te concorre o governo imperial para o pes-
soal e material.
A receita do Instituto fui oo anno de 1809
de 47:2080349 a saber: juros do cipital
17:466390 prestarles dos cofies poblaos
12:000$, ^nnuidades recebidas dos socios
7445, auxilios do thosouro nacional com
applicaces especiaes 10:880(5, subsidio con-
cedido pela provincia do Rio de Janeiro
para a revista trimensal de igrieoltara [ira-
tica 5.-O00J. e 1:1170440 provenientes da
venda de plantas dos viveiros, e de in-tru
raemos agrcolas fabricados, por encomien-
da de algons fazendeiros, as ofTiciaas da
Fazenda Normal.
O capital do Instituto actualmente de
l28U:73O0, havendo. portanto, o augmento
de 39:4840*590 sobre o de 241:245*310
que exista em dezembro de 1865.
Aquella somma representada por leitras
do thesouro nacional a differentes prasos,
e ap Mees do emprestirao nacional autorisa
do pelo decreto n. 4244 de 15 de seteni-
bro do anno de 1868, com excepgao d*
quanlia de 17:7420231 em conta correte
com o banco inglez do Rio de Janeiro.
Addicionando-se ao capital, assim repre-
sentado, a quantia de 25:1460 por cobrar
de animidades e inscripces, subir o total
a 305:1254930.
Continuam-se a applicar os devidos e3-
forcos para hir-se effectuando a arreczdago
do, que se deve ao Instituto por aquellas
duas verbas. Quasi nada, porm, se lera
conseguido, e pretendo por isso na priraeira
sessao da" directora e do conseibo fiscal,
propr se tomem as providencias que pa-
recerem mais eflicazes para a-suacobranca.
Jardim Botnico
Vai se mautendo este estabelecimenlo em
p mui satisfactorio
Sea estad i de aceio, e conservado nada
deixam a dosejar. Todos os tanques, repu-
chos, cscalas arlificiaes, grammados. pon-
tes e outras obras de arte, demonstrara o
cuidado que ha em repara-las e melbcra-
las, assim que soQYem qualquer damno.
De dia em dia augmenta a concurrencia
de visitantes, cojo numero durante o anno
patuda foi oreado pelo director em mais
de cincoenta mil.
Tao notavel affluencia devida nao s
maior facilidade de raeios de transporte
menos dispendiosos, e melhoramentos rea
Usados nos ltimos tempos mas tambem
deliberaco qae tomei demandar franquear
o jardim, d(sde 4 de julho do anno proxi-
distrao os tiahalSadures de outros ser-
vidos. *?
Nao obsta de, p leso conservar todo o
jardim ieinpre limpo o varrido, ao passo
que rcalisararr-se durante o anno novas
obras de alguma importracia.
TVs foram :
O nivel! amento de mais urna porco nio
pequea de terreno ao lado direiio da ra
principal.
Foi elevado, e completamente esgotado,
dejis de revolvido a arado era toda a sua
extenso, o de ter-s i cora muito costo extir-
pado grande qnanlidade uie raizes profundas
e chamado a un centro as aguas, que fi!-
tcavam de diversos pintos, formando--e
um'.anqaa d'agua viva de 78 metros de
compriment > e 40 de larguras.com urna pe-
quena ilha revestida de differentes plantas.
Prepuou-se e nivelloa-so outro terreno,
no qual plantaram-se diversas arvores fruc-
tferas, e arbustos de ornamento, sendo
gramm-ido em toda sua rea.
S o moviinento de trras montn em
102,000 pos cbicos.
Fez-se tambem una porco de grandes
canteiros aovas, e apromptaram-se 0,480
metros de banquetas de relva, elevando se
a sui extengo a 18,628 muros: a'.m da
I8 banquetas redondas pan ornar e pro-
teger 03 ps de palmciras reaes.
Assim, pda-se
que enfeitam e sepirara as difterentes qaa-
dras ajardinadas; renovaramie os cara-
manchos, alguns quasi CMaplelaritatte :
Qzeram-sc mis 3 mesare l bancos, e
concertaram se os antigua,-.
Ha hoje no Jardim 8 masas e 57 bancos.
Tendo porm a exoerienci mostrado n3o
serem aioda bastantes pan o' numero de
visitantes, sobreludo em canos dias.recom-
mendei iodirector qae os v augmentando
na proporg3o dos recursos do Instituto.
E urna medida requerida, nao s pela
commodidado publica, mas tambena'pela
conveniencia de evitarse que se deteriorem
as banquetas e escadas, servindo, nos dias
de grande concurrencia, de assentos e me
sis,.como fivquentemanta tem acontecido.
Recdumeodei igualmente que. medida
que o permitlirem os trabalhos das offleinas
mande conslroir de ferro as mesas e ban- actualmente dizer, que
nao ha no Jardim urna s ra sera aquella genero, obtor-se-ba mais
ornamento. apzar de custoso em geral, etmelhoraniento com a acqoisica
principalmente nos
lugares
eos, porque, embora mais caro, sua maior
daracjto compensar o acresimo d des-
peza.
J se comecou o novo muro e gradil do
ferro que tem de ser continuado por toda
a frente do jai dim, ainda na extensio de
3,760 metros, fra a parte do salitre, pre-
dio nacional actualmente nsufruido pelo
Instituto.
E' obra nacessaria, mas por muito des-
pendiosa s paulatinamente se poder ir
effectuando vista da escassez da receita
do Instituto para tanta coosa urgsate.
Espero, no correr deste anno, ralisar o
dovo syslema de 1rrrgc3o. de que tratei no
ultimo relatorio, e fzer esgotar e rsvellar
o grande bosque desaproveitado entre o
antigo pantano do Jacar, e a parte culti-
vada do jardim. E'tugar alagadico, por
vezas pantanoso, e cojo escoameuto ha de
dar algum trabalbo.
Se, porm, conseguir, eomo espero, uro
pequeo auxilio do governo, tao ioteressa1-
cb na salubridade publica, eonto que antes-
de linda a estacio propria para obras deste
importan'e
de grand
incremento qne ha tido de-tempos a esta
parte ; porqaanto, alera doraiis, toda a rea
cultivadanS) excodi -de cem mi metros
qutdrados, sendo na a:tualdade de duzenlds
e vate mil a seis centos.
ccresce, como j tive occasiio de pon
drar, a necessidado de, quando menos se
espera, reparar diflerentej encanament03,
tanques, repuchos, cascatas artificiaos e ou-
trts obras de arte ; tratar de perto de vinte
mil metros de comprmanlo da banquetas
de relva, e do grande extans3o de terrenos
grammados; proceder a frequentes regas;
cuidar de um avultado numero de arvores;
coBservar em bom estido quasi seis mil me-
tros de crea; manter polica vigilante, dia
e nout para evitar estragjs e furtos, e si-
multneamente ir melhorando seapre o Jar
dim por meio da novas obras de aformosea-
que exigem o
I
FOLHETim
ORIGINAL DO DIARIO DE PEHAHBLGO
HliVHA BOLSA
mmmahio Alfiumas erolucOes do espirito
humanoA 'imaginafaoe a susperslico
Oriqctn do inferno e do ParaizoA
ignorancia, o orgulho, o fanatismo e o
mednso as fontes da supersticoO in-
fern> tal como o viOs jesutas no impe-
rio de Plutoma trindade jesutica
Nao fallo do thcatroA primeira pedrt
da nova igreja da PenhaO bello e o
grotesco se entrechocandoOlinda csuas
noites de luarAs ruinas do <]armoA
renascencia OlindenseOs banhos do
marBactificaco de un pedido.
O espirito humano recua e sempre re-
cuou ante a idea de um termo existen-
cia individual : elle nao pode admmittir
que a vida finde com o corpo.
O sentimento que tem o homem de um
principio immaterial que o anima, e a im-
possibilidade em que elle se acba de con-
ceber seu annquillamento, renniram-se
para fazo lo a mitiir a continuado da exis-
tencia r.l m da tumba.
A imaginado apossou-se d'essa creuyt
e d'abi fez surgir as ideas de um inferno
e de um paraizo, para castigar ou premiar
as ms ou as boas obras individuaes prati
cadas na habitado da materia.
Cada povo figarou o inferno e o paraizo
seu modo, cercando-os sempre de mys-
terios mais on menos grandiosos, mais ou
menos mpenelraveis, e em constante har-
mona com o seu grao de civilisago, e de
accordo com os seos coslumes, gostos e
natereza intellectual e moral dos bomens
onde essas ideas liaban nascimenlo.
A crenga no inferno, em sua origem,
entre os povos nmades, era apenas um
sentimento vago e confoso da immorlali-
dade.
Com o correr dos tempos e o aperfeicoa
ment e desecvolvimento da intelligencia,
essa idea se foi melhor constituindo e to-
mando formas mais precisas, at que em
m ergueu-se altura de um dogma reli-
gioso.
Quando se examina detidamente os dif-
ferentes cultos dos povos, acba-se sempre
as diversas religioes embutidas de mil
erros, e as ideas da di vi n da de cercadas por
um chaos do superst coes ridiculas.
N5o hoove nem ha nacao por mais sel-
vagem que fosse ou seja que nao acbe em
si mesmo, em sua alma, as harmonas da
natureza, no complexo do universo, a elo-
quente prova da existencia de nm Deas.
Longe, porm, de recoohece-lo pelo sen-
timento e pela razao. cada homem, ca ia
nacao, constitae a Divindade como nm v3o
idolo formado sua semelhanca, para me-
lhor fazo lo servir suas paixo is. 0 mo
faz d'elle um monstro; o ambicioso, um
potentado; o covarde, um brbaro ; e o
fantico, om tyranno, qae s respira vin-
ganga ; s o hornea honesto o representa
como um pai.
transporte, grande distancia, de relva e
de tarra.
Plantaram-se cerca de tres rail arvores,
e ai bustos, parte fructferos, parto de sim-
ples ornamento, alm de oulros vagetaes,
innitos dos quaes inteiramante novos, e
procedentes, em nao pequeo numero, de
fra do Brasil.
Para o bosque silvestre de que lallei no
antecedente relatorio, hoje um dos melho-
res lugares de recreio, encanon-se agua po-
tavel em quantidade suflicenle, abrindo-se
para isto um reg d> 200 metros de com-
primento. 1 de largura e 2I|2 de profun
ilidade, e fizendo-se escadas de relva nos
lugares mais apropriados.
Esse bosque o mesmo que, por muito
tompo inteiramente abandonado, foi, acerca
de dous anuos, limoo o arruado, cobsui-
v.inlo-se didremes ps do sapucaias, can-
geranas, mirindbas, pao ferro, ips e o -
tras madeiras delei, samambaia-ass, ce'-
tas especies de sipo das matas virgens das
iaontaiihas, c palmeiras de diversas quali-
dades. Acha-se hoje cortado de caminho!
sombros, formando zigzags em toda a sua
extenso, com mesas e bancos em distan-
cias convenientes.
Ser ainda melhorado, abalando-se mais
os caminhos e cebrindo-os de carnadas de
ara, logo que o permittam outros traba-
lhos a que compre de preferencia atten-
der.
Concluio-se o novo repucho do bosque
de bambs; repararam se lodas as cercas
sao
Entretanto a maioria das religioes
puras na sua oscencia e origem.
Se um povo considera a Divindade como
um Ser creador ;; quem offerece os pri-
meiros Iructos da Ierra, outro presta ho-
menagom e culto ao Sol como o pai da luz
e da fecundidade, outro finalmente, e este
bem ppqueno, reconhece urna Providen-
cia invisivel, cuja escencia toda clemencia
e amor. A c-ta religi5o pertencera os ho-
locaustos cojo fogo consumidor s3o as vir-
tudes, e s ella tem por templo o universo.
Este culto, porm, nao bastou por muito
lempo ao homem, amigo nato do maravi-
Ihoso e da mentira. Foi-lhe myster crear
fbulas e inventar ceremonias ; e este pri-
me ro passo, povoando o espirito dos ob-
jectos exteriores, fez esquecer bem depres-
sa o Deus quem se prestava culto.
Invenlou se enlo os espiritos malignos
Os vicios foram consagrados : Jpiter foi
incestuoso e parricida, Jnnno vingativa e
e invejosa, Marte altivo e cruel, Venus
prostituida, Mercurio ladro, etc. Os Ari-
mane, os Satn, os At, os Moloch, o Deus
do mal dos mexicanos, e todos os mais ge
nios toalleitores procederam da mesma
fonie.
Abandonou-se o Deus supremo, creou-se
os demonios como seas agentes, e aquella
Div ndade, isenta de vicios, deixou de S9r
amada para ser temida. D'ahi nascerara os
sacrificios para apasigua-la.
Jess Christo, abolindo esse derrama-
menlo estulto de sanguc, veio destruir as
praticas supersticiosas. Entretanto a su-
perstieo reina entre os christos com tanta
ou talvez mais inlensidade do que entre os
pagaos.
Ella provm de quatro fontes : a igno-
rancia, o orgulho, o fanatismo e o medo
cada qual mais cruel o mais terrivel.
O inferno, cheio de raeger de dentes,
de fogos eternos, de espiritos malignos, de
lagrimas constantes, de horriveis padec
montos de todos os gneros, e de expec
tos, sombras, e mi guanti; urna das
mudas superstices affeicoadas dos povos.
Nos hvros sagradus vem consignada a
id3a do inferno ; a interpretado, .falsa ou
verdadeira, de algumas palavrasdo Christo
produzio a mesma idea.
A religio chrisl5a apoderon-se d'essa
cenca antga, e o inferno, segundo a
crenga chnsta, o lugar onde as almas
dos mos v3o purgar os seus peccados de-
pois da morle, e onde se acham privadas
para sempre dos divinos raios da luz de
redempeao.
Pois bem, estimaveis leitores, ea,
Sirias, vo830 bamilissimo servo, estivo no
nferno, e por minha vez voa dizer-vos
alguma cousa do que por l vi.
Horribik visu 1 exclamaro, sem
duvida.
Pos tant de bruit, meuieurs. Foi
apenas em sonbos que l eslive, e o que
voo contar-vos nao vos ha de desagradar
totalmente.
Fui transportado, sem saber como,
aquella morada, qae ea at ento snppu-
oba sombra e terrivel ; e pasmei I
O qae all vi foi muita luz, muila alegra,
e-pago de terreno at- o pre?anhr inutHbado
e malfico, e que, entretanto,- com dntmuta
despeza pode t irnar-se, dentro em po-jco,
um novo logar de recreio; livre de emwia-
goes mephitcas.
Alm desta* obras, o- director est aca-
bando de nvellar e aformosear o terrece,
ltimamente esgotado, entre a fabrica' de
chapeos da Chin e a casa denominada do
palacete, acbando-se o largo em frente do
edificio j convenientemente grammadoe or-
nado com um grande canteiro no centro.
FMENDA N"0RM..
Permanecendo ainda as causas espostas
nos antecedentes rea torios, oo, por outra,
nao diepondo o-Instituto de sufcient ren-
da, o da extenso de terrenos necessana
para collocar a fazenda normal em sea ver-
dadeiro- p, nao de admirar que esta nao
lenba atlingido, seno- peHeico, arme-
nos a nm mais elevado grao de deseavol-
vimentoi
Ten>se, entretanto, coosegnido moito,
attendendo-se -exiguidade dos meios.e a
que o estabelecimenlo nenhum-subsidie re-
c-be di.-s cofre pblicos que apenas son-
correm com a quantia annua) de l:COO0,
por certo, muito- quem das despezar in-
dispensaveis s para a conservacio do-Jar-
dim Botnico.
Basta observar que, nicamente com- o
antigo Jardim, o governo despenda por auno
24:0000000, pouco mais ou-menos, maulen-
do all para cima de 100 escravos, dos quaes
50 a 60, pelo menos, aproveitados no ser-
viro activo, quando o jardim n3o ttoha o
trabalho bem, regulado, ama mole adminis-
tradla perfeitamente bem organisada, fi-
nalmente I felicidade completa em todos os
habitantes do antigo reino de Pluto.
Disse do antigo reino, porque as ideas
monarchicas representativa que aqu do-
minam, all acharara pleno acolhimento, e
S. M. o Sr. D. PlulaV) boje imperador
censtitocional do inferno.
Achei alli quatro poderes polticos per-
feitamente bem descriminados, cada ora
com a sua esphera de aeco, sem se cho-
caren) era se metterem uns pelos outros.
Eram esses podores: o legislativo, exercido
por duas cmaras baixa e alta ambas
temporarias; o moderador, exercido por
D. Pluto ; ojodiciario, exercido por nma
alluvio de individuos mais ou menos ins-
truidos, formando diversos tribunaes e
juizes simples ; e finalmente o esecutivo,
exercido por varios ministros, tendo como
presidente e chefe do seu conseibo o illus
irado D. Pluto.
O territorio do paiz dividido em pro-
vincias administradas por presidentes elec
tivos, e em cada urna d'essas provincias
ha urna asseoobla temporaria que cuida
dos seus interesses privados.
Emfim eem ultima analyse, achei o sys-
tem representativo fiel e religiosamente
praticado, porque o Sr. D. PlolJo, compe-
netrado do seu papel de monarcha consti-
tucional representativo, n3o faz poltica e
sabe manter-se na altura que lhe tracou a
constituicjSo.
Os povos d'alli vivem velizes e salisfei
tos. Todos qoantos d'aqui v3o. s3o rece-
bidos como irmSos, entrara logo no goso
de direitos polticos e sociaes, e participan),
na proporcSo de seo* talentos, de todos os
cargos e dignidades do feliz imperio.
Vi alli ministros, coohecidos nossos d'es-
te mondo; alguns em posices invejaveis
e superiores as que desfruclavam na trra,
outros porm em ms circumstancias e re-
baixados seus papis reaes, isto infe-
riores ao que tinbam n'esla morada da dr
e das injosticas.
A instrueco acha-se alli adiantadissima :
ha universidades em todas as provincias, e
por l vi algons dos nossos lentes oceupan-
do os lugares de bedis e de porteiros.
Alguns dos nossos ex-ministros, ex-pre-
sidentes, ex-jurisconsultos, ex-senadores,
ex-depatados. ex-magistrados, ex-chefes de
repartieses publicas, etc. etc. etc..., vi-os
ea engrachando botas, tocando realejos,
dancando ns pracas como arleqains, trans-
formados em sapateiros, barbeiros, pala-
freneiros, alfaiates, estalajadeiros, marojos
e moitas outras cousas.
A par disso vi tambem mnitos brasilei-
ros, qne aqni nunca passaram de vintem
chemeftem, occapando os mais altos cargos
e as mais elevadas posices, adquiridas
por um merecimento real que na trra
nunca Ibes foi reconhecido nem aprovei-
tado.
Ao invez do que por este mando se ob
serva, reina no imperto de Plutio a jastica
e a liberdade completa* baseadas- n'uma
igaaldade de direitos cvis e polticos qae
causara inveja aos americanos do Norte, se
de recreio e commodidade publica, e por
outras de nivellamento que se vjo conse-
goindo dentro dj3 recursos do Institoto.
guando smente para estas exigia-se, n5o
ha muitos annos, a quantia de mais de eem
corttos de r'S.
Atfenda-se a lo lo isto, e recoohecer-se-ha
que, s cusa de sacrificios muito pesados,
de perseverantes esforcos, e exlraordinar o
zelo, se poderia ter dado aos servicos da
fazenda normal o impulso que te tido, e
torna o Instituto merecedor da atlencSo dos
poderes pblicos, para ao meos elev,r-se
o auxilie ora concedido quantia que se
despenda antes de ficar a seo cargo con
servio e roelhoramenloe do jardim.
C>m esse augmento o co:icesso dos
terrenos adjaceates, de que adiante me oc-
coparei, para estender-se rea cultivada,
posso assaverar a V. Exc que dentro em
pouco lempo a jazenda normal se achara
em circomstancia-.* de desempenbar mais
prompa e satisTastoriamenle os 6ns de sua
creagc
Nao obstante, perm, todas as difficulda-
des com que luta o-Instituto, fo'go de re-
conhecar stue elle nio tem esta lo--em inaeco
e antes ba prestado- e vai prestando alguns
servicos, j ao governo pela promptido
cora que ten sempre satisfeito suasrequisi-
Ces de semeotes, muras de caimas, e outras
plantas,como fim de salisfazer os-pedidos de
fra do Imperio, j ao< fazendeires-e avra-
dores-de muittis de nossas provincias, em
repetidas distrbuices gratuitas de plantas
e sementes e informajes prestada- acerca
de assomptos (.oncernentes lavoura, coos-
IruccO'do machinas e instrumentos por
prego mais baiso do que-do mercado; crea-
co de em' asylagrcola,.publicagae de urna
rev star e de importantee-memorias- de al-
guns soeios sobre pontos jne intepossam
agricultara ; e nealmente-as exposi^es de
producto*-do Brasil.
Alm disto, coatinuou-ee a maater em
bom estado as plaotago s de canna das 14
variedades que actualmente passue o Insti-
tut i, a saber :
Roxa da Batavia, verde- Penangv rosa,
Cayenna molle, Si Juliao, '.irada de rxo
e verde, imperial au fita, prela, Cayenna,
creoula oomirim, Ub, ferro, amarello e
rco, e verde e preto.
A exceptan das ares ultimas, atada em
pequea quantidade, ha abundancia de plan-
las de todae as variedades cima declaradas,
para opportunameoae seren>distribuidas por
quera as qoiier cultivar.
As canoas verde Penang, rosa, e roxa da
Batavia foram no ultimo aneo muitoprocu-
radas, e remettidas para diferentes logares
das provincias do Rio de Janeiro, Bahia,
Alagas, Pernamboco. Cear, Pauhy, S.
el les podessem estudar esea habiSagao da
verdade sm. gener N3o ha alli caprichos
nem vootades predominantes que prejud>
quera. & ostracismo ignorado.
Obt feliz trra, felizes povos aqnelles .'
O cdigo poltico- da nacSo nSo consagra
religio de estado. Ha completa liberdade
de cultos.
Couversei com algons e vi representaates
de quasi todas as religos da trra e de
suas diSereotes subdivisSes. Ao lado do
christo vi o mahometano, ao lado do mor-
mon vi o budhista, ao lado de fethiehista
vi o adorador de Osiris, todos amigavel e
fraternalmente conversodo e oceupados dos
seus e dos negocios do estado.
E, cousa celebre vi jesutas, perfeitos
e sinceros jesutas, estreitamente ligados
pelo coraco o pelas ideas, fratsrnisarero
uns com os outros, ? pezar de suas diver-
sas procedencias e suas religioes differen-
tes na trra, e viverem na maior intimi-
dade t
Entre oulros travei relages com urna
trindade supinamente jesutica. Era ella
composta de Ariednab, arabe-mahometano,
Gueidorifi, rosso-budhista, e Onitraqui, ila-
Iiano-christ3o.
Esses homens viviara estreitamente liga-
dos, e a sua privaoga convenceu-me de
que o jesuitismo mais antigo do que ge-
ramente se suppe.
Deixemos, porm, por hoje o inferno,
I-de que me occupare n'outra occasi3), e
fallemos da trra.
Eu quizera poder dizer-vos alguma
coosa do galante thealrinho de Santo An-
tonio ; mas, qual! nSo posso, impossivel.
Ha tres semanas que voo aquella priso
de Bertha, e acno como merenda, n'um
dia nozes e araendoas, n'outro amendoas e
nozes... para variar.
Irra I exclamei a ultima vez que !
estive, basta de Pantins de Violette e de
Grande Duchesse. Isto assim om mor-
rerde aborrecimento. Sempre a mesn
cousa para variar 1
Por isso fiz protesto de passar em si-
lencio o theatro, e hei de cumprir a pro-
messa... por noje.
Eslive domingo no langamento da pri-
meire pedra da ihreja da Penha. Foi urna
bem interessante festa e que leve para mim
o cunho e os attractivos de urna oovidade.
Os capucbinbos sao realmente muito ser-
vicaes. N3o se Ibes pode negar acrysolado
amor esta trra, pela qual tem elles feito
ludo quanto tem pedido, quer moral, quer
materialmente,.
O novo templo nSo ser a notu maravi-
Iha do mando ; mas dizem os entendidos
que um bello e magnifico monumento.
Para mim, qae sou profano na sciencia do
engenheiro, esse monumento vira ser o
melhor do Recif. Sea aspecto, quer exte-
rior, quer interior, grandioso : ha em
ledo o edificio pureza e correcelo de esty-
los archi tetonicos, que sao coasas bem raras
n'esta trra e n'estes tempos.
Mais de seis mil pessoas assistiram as
ceremonias.
Ea, de ama janella da ra da Assump-
clo, admirei o bello panorama qae 99 des
Paulo e Mmas-Geraas, e n3o peqaena por-
g3o ee ida a pessoas do mnaiclpio dV rte.
Da restante foi urna parte reservada para
expe^JBocias comparativas, e incremento da
plaolafSo, e oulra aproveitada no fabrico de
alcool para oso do laboratorio chimico.'
As novas plantagoes proraettem resaltado
que permittir maor distribuigo no corren-
ta anno.
Alera da porgSo de canna imperial envia-
.da ha tempos para a ilha da Reuniao, a pe-
dido da Imperial Sociedade Zoolgica de
Accmago de Parts, fez o Dr. Guilberme
Schu^h de Capanema, delegado d3 mesma
socieda le, mais urna remessa de seis espe-
cies para a ilha Mauricia, das quaes chega-
-ram em bom estado e vingaram de 12 a 20
mudas de cada urna.
O mesmo doutor receben uIlraKinente
on'ro pedido para Malaga, ao qoal vai den-
tro em pooco tempo salisfazer, tendo, de
accordo comigo, se entendido j para esse
fim com o director da fazenda normal.
Recebando a Sciedade Auxiliadora da
Industria Racional um pedido da cmara
municipal da illa de Sania Luza. da pro-
vincia de Sergipp, de mudas- de canna de-
diversas quabades, e principalmente d if
solangor e lisrada, para sobstituirem as
qualidades alli eallivadas queSeem ultima-
mente degeneradb, dirigio-se ao Instituto
afim de attander acuella reqnisieao
Logo que passou> a estago nwis sei'ca,
oraeuei ao direetc* da fazenda normal que
preparasse alguns1 caixotes com< as ditas
cannae, devendo eir^ra-los. por um dos pr-
ximos paquetes por vapor da linha do nor-
te, con dir gSo ao presidente da arovin-
cia, e assim o commaniaoei camar;' mu-
nicipal en> nome da mencionada sociedade.
Igoa pedido, e por idntico motivo^ me
foi ha dws feilo pelo ecnselheiro Joiijoim
Ant3o Fernandos Leo, por parte da cmara
municipal da cidade de QUeloz, na provin-
cia de Minas Seraes. ^cooimendei qoe
fosse satisfeito, entendendo-se o director da
fazenda normar com o mesmo conselheiro
sobre o raeio'deeffectoar-se'a conduego de
modo que as plantas nao oe imitilisem na*
agem.
Em atten?o aae pedidos qae recebi dej
alguns senhores de engenho*. roguei a V.
Exc. mandasse v;r da Guayenna Franieza
mudas de canna cayenna, afina-de substituir-
se por novas plantas- a cultura actual da-
qirtlla varedade nos lugares oade a moles-
tia a tem Kcommettido, visto nao estar an-
da resol vida a questf) das cansas do mal.e
sroste alSribnido por pessoas-autorisadas-
degenera ao da es^cie, em aonsequenci*
d>a-falta de renovagao da semecle.
I
sement das plantas, qne nao sao i
por ootra dos logares de asa origen."
Informado tambem qoe da Nova Calado
na tinham ido almaaieole navas espacies
de canna para a ilba Jfattrid*, padi esclare-
cimeotM a reapeito da aaa qoatidae, e
aproveitando-me da circomataoda da lar o
Instituto com presteza aatiaMIl to
ges do nosso consol honoraria aa
ilha, roguei a V. Exc, lhe
a acqaisigio de algumas des das dtes
especie;, afim de serem caivadas e espe-
rim otadas na fazenda normal.
"" Constando-me, outro sim, por orna noti-
cia extrahida do peridico inglez TheSttrt,
cae, exclusivamente creado para proaover
os ioteresses dos lavradores de canoa e de*
fabricantes de assucar, aexiatencia naBtxa
Cochinciiina, e princpalimote na proviocia
de Haytkoa, de ama especie de extraordi-
naria grandeza, com o nome de Elephante,
ou Ma fo, qoe attinge em sais otezes a al-
tura de 11 ps, com o dimetro da 7 poHe-
gadas ; e vendo o laclo confinoado oa He
vista martima e colonial pablicada na lo
gl aterra pele ministerio da manaba e coto-
nas, com a circomstancia de ser a referida
caaos muito rica d sueco sacharme, tratei
logo de escrever a este respeilo a div
pessoas da Europa alia de obter ali
mudas.
Alm disto, por u;n dos ltimos pa
dirigi-me> pur inlermedo do Dr. Ca
i:>a, Imperial Sociedade Zoolgica de Ac-
climago de Pars, de cuja benevolencia te
nlio mais de urna prova, pedindo sua coc-
perago, e ao mesmo tempo ioformagef-
sobre as espe -.es de canna, da ove trata oas
dos escriptoves mais aolaveis-Mste assoap
to, com aa denominares de ero e caw<
posto qae. qn-nto a es4a. pense, pela dea-
cripgao- que i'h, n3o ser ella senao a oKasas.
ha mnitos annos cultivada entre nos, coa s
denominiigSo de crionla. ou miria. e da
qual j'po8suiraos mais de urna varedade.
V. Exc. teve a bondade de coamonicar-
me, por aviso de 4 docorrente.haver expe-
dido as recommendaees necessarias ao
nosso cnsul naqnelle logar, afn de salisfa-
zer a minha requisigSo. E porta oto de es-
perar que ea pouco tempo fique o Instituto
As experiencias fe i tas sobre acaaaa ob.
vinda do monicipio de Campes em 1868.
tem continuado a demonstrar que, coa a
transplaolag-ao e successiva soltara, vai par-
iendo, oomo se esperava, a qualidade de
salonra que a tomava imprestavcl para o
fabrico do assuca?.
Tem-se observado qoe j conlm bastante
sueco sacharino qoer a cultivada na (aseada
normal, qoer as que para comparagao aao-
dei plantar era outros logara. Qoaado.
porm, nao chegne a conter tanta nqoeu
sacharu. como outras variedades, nem
por isso deve-se deixar de apreciar a ulili-
diiJe de sua cultura a mais de nm rea-
peito.
Desenvolve-se rpidamente, cresee muito.
filia extraordinariamente, tem os eolmosaoi
largos, e excedente para forragem, rasia-
lindo mais- qae o proprio capia de Angola
habilitado para corresponder rases urna vez1 demora as umps, e aeco do-sol, c
_ ._ J__--i---- -___'* ___._ _t _----_ ,1 -. o A tatn VAfnnnAmnn nnaintn <*a j* aos desejos- manifestados por algons de
nossos proerietarios reraes, que to graves
prejoizos team soffrido neste iraportantissi-j esta parte,
rao ramo de produeg nacional.
Enrretanto, sabendo que na provincia do
AlgoBS-trabalhos aobservages kaportaa
tes, no tocante canna de assucar, annua-
Br a aana.cavenita.sa.emceoaervadoat^P.^^'y^ ",to>' ?-
. _.......:.1 a___.-___.a.a^ *;.;; ^ bhcados na Mam Agrcola.
o presente isenta da eeermidade, dirig mi*
ao Exm. presidente da mesma provincia, o-
ao tenente coronel Antonio Peretra da Sil
reir Frade pedindo-lhes igualmente mudas.
Ainda quando nao seja exacta a opinio
dos que veem na causa cima apontada a
origem do-mal, sabe-Y. Esc. qae sempre
otil a renovagao, de tempos a tempos, da
enroloo ante meas olhos no recinto do con-
vento. Aquellas seis mil almas alli reuni-
das, trajando roupas de todas as cores e
fe i ti os; aquellas Iwndeiras, que adornavam
o recinto; aquella procissSo, qoe conduao a
pedra;; aquelles soldados de armas aos
hombros, de feigees mescladas e de fardas
remendadas ; aquellas beatas rotundas, co
radase lvidas, de lencos brancos na ca-
bega e de chales verdes e encarnados as
espaduas ; aquelles pintos,, s pintdes, met-
lidos em vetustsimas casacas ; aquelles
malditos moleques, que nao deixavam um
instante de assobiar; aquella msica locan-
do Iunds, como estribilhos das rezas ;
aquelles fogoetes, dobres e repiques ;
aquelles padres a entoarem a ladamha de
todos os Saotos ; tudo isso misturado,
confundido, conglomerado, confraternisado,
agtando-se, revol vendo -se, fervilhando. co-
mo formiga no assacar, todo isso formava
um panorama sorprendente, admiravel, en-
cantador, sublime, todisivel I
E eu l de cima, da minha janella do 2.
andar, contemple enthusasmado aquello
agitadissimo mar e lamentei profuadamente
n3o ser pintor para debachar em grande
tella todas aquellas maravilhas do bello e do
grotesco em ooiSo fraternal, como se acha-
vam.
Sim, devia ser portentoso semelhante
quadro, e com elle eu levara mea obscuro
nome posterdade. Mas.......tristes
est anima mea t... consolei-me cora a
minha ignorancia na arte dos Miguel Angelo,
e, linda a festa, fui tomar o trem de Olinda
s 7 horas, e, alli chegando, je me suis ba-
lado dans les res paur jouir du beau clair
de lune.
Como sonhadora aquella Olinda!
Quanto sao lindas as ruinas do vetusto
convento do Carino, l, oo pinculo d'aquelle
montculo de verduras, quando a la estende
seu manto argentino por sobre a face en-
languescida do nosso triste planeta I
Urna noute de luar em Olinda um sonho
raaravilboso: sente-se a alma voar para as
regios zoes da fanlazia eeeoragao vibrar
todas as suas cordas mais suaves.
A natureza como quo se ergue cima do
seu nivel ordinario n'atjuellas poticas pa-
ragens da encantadora rainha oriental. Tudo
alli, n'uma noute de luar, se reveste de om
manto phanta-tico para soletrar amor, e
para, eosiaando amar, abrir ao homem as
portas do paraizo do coraco e illuraina-lo
com as cbammas purissimas de urna celes-
tial encarnago do bello.
Eu adoro as noutes de Olinda, e especi-
almente as noutes de luar. Revejo-me em
cada canto d'aquellas poticas monianhas,
cujas fimbrias o ocano beija enternecido,
porque alli passei os primeiros annos da
minha infancia.
Outr'ora ea lamentava-a sinceramente,
porque va a decadencia resultante do aban-
dono prestes langa-la no abysrao; hoje,
o3o, as coasas v3o tomando outro ramo, e
a vetusta Olinda rejuvenesce i olhos vistos
e caminha incessante para nm futuro todo
de rosas. Para leva-la-a um auge extremo
de prosperidade basta-lhe a trindadeagua,
se tem Feconhecido dorante as seccas por-
que bavemos passado de quasi uaanoo a
S3o os segaintes
O supplemento apresen lado pelo cbiaico
do Instituto ao sea relatorio sobro a Mo-
lestia da canna por elle examinada o> pro-
vincia da Bahia.
(Continuar-tt^ka.)
!oz e estrada de ferro. Temos j a ultiaa.
as primeiras teremos dentro em pooco.
E, quando eu coasidero qae para essa
metamorpboze foi apenas bastante a receita
medica dos banhos de m r, livO quase de
queixo cabido!
Ah .' poder da medicina. ti es grsade
como o proprio progresso.
O-eograndecmento e reoasceaca de Olinda
de poneos annos, e aos mdicos deve ella
o que hoje e o- que ha le tfr ser, so a
ondas preguicosas do atlaotico cootioaarem
i quebrar-so oas alvas areias das praias do
Carmo e S. Francisco, offereeeodo sempre
s formosas rivaes te Venas mais aa thea-
tro exhibig'io de seas encantos par de
um calmante- aos oervos e de oa citante
a certas enormidades iangudas do coraco.
Segunda feira s 6 horas da aaobla fui
assislir ao banho das mogas. Colloqoei-aa
no mais alto ponto da colima do Carao, e.
de binculo em pnnho e assestado contra
as nyades de fofas e jalecos de la, obser
vei a deslumbrante scena.
0 sol nado co oriente dardejava seos dou
rados e luminosos raios qoase horisootal-
mente.
Do seio agitado do ocano ergniam-se a*-
taneiras ondas, que vinham lamber tmidas
e suunissas as prateadas areias da saspkos
praia, quebrando os seus impetos aos pos
das gentis sereias qae volteavam pressaro-
sas no salinoso e esverdinhadas elementos.
A manha era fresca e bella, como sao
as manhs de vero sob os trpicos.
Urnas cincoenta mocas e algons eem ca-
valheiros formavam a parte animada do
magestoso quadro. A maioria dos cavalbei-
ros conservava-se como ea respeilosa dis-
tancia, mas tinha os olhos fiaos no pama
e a alma toda embeveeida na contemplacab
das evoluces quase instantneas que a
davam n'aquelle gigantesco proscenio do
grande theatro da natureza.
Como lindo um banho de mocas oo
ocano I
Quanta perna escultural, quanto p pro-
vocador, quanto roslinho divinamente ange-
lical, nao observa o espectador conscieate
do sea papel e admirador das gracaa ni
raes do ente mais interessante da
da mulher I
E os ternos olhares qae se trocavao os
amantes, qaando as oodas se espraiavaa
sassurrosas I E os gritos nervosos das mais
frageis creaturas d'esse mondo mythologico
que se chama mocidade I E as quedas, e
as risadas argentinas, e as vestas azoca e
encarnadas desenhando as formM transceo-
tentaes da esculptora moderna I
Ah t qae prazer assistir um baoho da
mogas, aos primeiros albores da manhia }
Ea padera ainda accrescenUr alguna
cousa respeito, mas este fo.bem j vae
mui loDgo ; faco ponto por tanto, leabran-
do leitora o mea pedido do quinta feira
passada para o Club do Monteiro, a \1.
Au revoir.
Snuvg.
TYP. 00 DIARIO -RA D) DVQE DB UJlAi,
r
_i


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E9X5GPKZU_JOVQET INGEST_TIME 2013-09-13T22:12:28Z PACKAGE AA00011611_12259
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES