Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:12258


This item is only available as the following downloads:


Full Text
uamm
i
I
4NN0 XLW. NUMERO 254.
.t
l
i

4
>).
\
I


PAU ? -CAPITAL B L06MS OIDE 110 SE PAGA POETE.
Por tres mezea diantados........~ umi\
Por seis ditos dem......... "..... .rj)**;
Por ura anoo idem......... ........* 12*1000
da mumero gvulso. ..............* ***100O
*.............. 320
AMATA FEIB4 9 DE NOVEMBRO DE 1870
PAEA DIITBO E FOKA DA P10VIICIA.
Por tres mezas aflautados.............
Por seis ditos dem. .
Por nove ditos dem .
Por nm anuo idem


Propriedade de Manoel Figueira de Faria & Flhos.
SAO ACSBaVTES: ^^
Os Srs. Gerardo Antonio Alves Filhos, no Para ; Connives Pinto, no Maranhao ; Joaqnim Jos dB Oliveira, no Ceara" ; Aolenio de Lean Braga, no Ancaty ; J<*> Mari* J Chavea, no Ass ; Antonio Marae, da Suva, Mi I M
Pereira d'Almeida, em Mamanguape; Antonio Alexandrino de Lima, na Parahyba ; Antonio Jos Gomes, Villa da Peaha; fielarmiao dos Santos Bolea, m Sanio Antao; Domingos Jos da Costa Braga,
_________________________________________em Nazareth Francisco Tavares da Costa, em Alagoas; Dr. Jos Martins AJvea, na Bahia ; e Jos Bibeiro Gasparinhono Bio de Janeiro.
PARTE OFFICIAL.
CioTcrno da provincia.
EXPEDIENTE ASSIG.VADO PELO BUL SR. DESEMBARGA-
DOR FRANCISCO DE AS3I5 PRREIRA ROCHA, TICB-PRE-
SOENTE DA MtOVI.XCIA, EM 15 DE JONIIO DE 1870.
1." seccao.
fl. 427.OfBok) ao Exm. Sr. general comman-
dante das arma?.Urna vez que, seguado coasta
do termo de importancia annexo ao sea offleio de
10 do corrate, sob n. 313, sao mcapazes para o
servio> do exercito, 01 recrnta* Lniz de Franca
Carvalho, Antoni, Gmgalves de Oliveira e Firmi-
no los da Silva, pide V. Exc. mndalos por em
berdade.
N. 428. Ditj ao inspjjior di arsenal de raari-
nba.Tomando em considerado o qua expoz a
chefe da repartios > das bras "publicas em cilicio
de hontem, sob u. 161, recommenJo a V. S. a ex-
pedicao as suas ordens.lpara que seja substituida
por outra a tripulagao da balioira existente na
ponte do Caxansi, visto nao querer presUr-se a
exigencia do servir i a qne destinada, deixando
de cumpnr as ordens do engenheiro all residente.
N. 49.Dito ao mesmo.V.sto qne ha vagas
na campanhia de aprendizes artfices de*so arse-
nal segundo informa V. S. em ofil ;io do 10 do cor-
rele, sob n. 1979, Kja transfer lo para urna
dellas o menor Joaquim Cypriauo de Amorira, Q-
Iho de Luciana Maria de Mello, o qual acha-se
acjualmeute alistado na de aprendizes raariuboi-
ros. O que declaro a V. S., par a devida exe-
cugao.
N. 430.Dito ao conselho de corapras do arse-
nal de guerra.Proraova o oosellu de compras
do arsenal de gierra a acquisicao dos livros cons-
tantes do incluso pedido, os quaes sao precisos
para a escripturagao da receita e despezi do
mosmo arsenal no oxercieio de 1870 a 1871.
2' seegao.
N. 431.Offleio ao Dr. chefe de polica.Cora
n offleio junto por copia ao desembargador prove-
dor da Santa Casa de Misericordia de 10 do cor-
rente, sob n. 2748, respondo ao de V. S., ao mez
indo n. 802, qaanto a adraissao no hospital dos
alienados, do enfermo Feliciano.
N. 432Dito ao euramandaole superior do Re-
cife. Expela V. S. as cooveniente< ordens para
que seja dispensado do servigo activo da guarda
nacional at dicisio do conselho de reviso de
3ualiflcagio perante o qual deve fazer valer o seu
ireito, a praga do 3 batalhio de infamarla deste
municipio Francisco Pereira Arante, a qaem al-
lude o sen offleio n. 120 de 3 do corrente, visto
se achar comprehendido na hypothese do artigo
J.5 5* da le n. 602 de 19 de setembro de 1850.
N. 433.Dito ao raesm).Recommendo a V. S.
que satisfaga o que pede o chefe de polica no
final do offleio de II do correnle, sob n. 832, jun-
to por copia sempre que transite pelas rna3 desta
capital msicas niarciaes, afim de se providenciar
de modo a evitaren)-se os disturbios e conflictos
que soem apparecer em taes occasiSes.
N. 433.Dito ao juiz de direito de Flores.In-
teirado de quanlo V. S. nformou em offleio de 31
do mez liado com relacao a portara desta presi-
dencia do 6 do dito mez tenho a diz.;r-lhe que
aguardo o resaltado ao processo de responsabili-
de que V. S. julgou de seu dever instaurar.
N. 435'.Dito ao juiz municipal da 2a vara des-
ta capital.Respondendo o offleio de 11 do cor-
rente tenho -a dizer-lhe que como foi declarado
em portara desta data o exame deve ser feito n
repartigao fiscal respectiva na forma do deireto n.
oi2 de 16 de abril de 1847, sendo que logo que
pega da para essa deligencia ; ser elle marcado
de conforraidade com o citado decreto.
N. 436.Dito ao juiz municipal de Olinda.
Respondendo aos offlcios de Vmc. de 1 e 11 do
corrente, tenho a dizer-lhe que se como uformou
se achara prvidos os odiaos de escrivo do jury
e execacSes crimes, vitaliciamente, deve ser pos-
ta em concurso a serventa dos offl nos de 2o ta-
bellio e escrivio civel e annexos creados por lei
provincial n. 833 de 1868 declarando o edital nao
ir a concurso aquelles offlcios de esenvao do jury
e execuges, por estarcm prvidos vitaliciamente,
Meando livre ao servenlua.-io actual delles habili-
ta r se e concorrer aos outros.
N. 437.Dito ao juiz municipal de Nazareth.
Envi Vmc. ao juiz municipal da 1* vara guia
do reo Luiz Antonio, escravo de Reinaldo Gomes
Pedrosa que se acha preso na casa de detencio.
N 438.Dito ao juiz municipal de Pao d Alho.
Envi Vmc. ao juiz municipal da 1" vara desta
capital, que as pede era offleio de 15 do corrente,
as guias dos sentenciados Miguel Simplicio dos
Aojos, Jos Antonio da Silva e Antonio Martins
Barbosa a que sem ellas d'alli vierara e se acham
na casa de dettencao.
^ N. 439.Dito ao juiz municipal do Bonito.
Envi Vmc. ao juiz municipal da I' vara desta
capital ajjuia do sentenciado Manoel Antonio di
Assumpcio, que sera ella veio e se acha recolhtdo
a casa de detencio.
3.* seccao.
N. 441.Offleio ao inspector da thesouraria de
fazend.Era addiamento a portara desta presi-
dencia, de 8 do corrente, transmiti a V. S. o offl-
eio por copia do chefe de polica n. 858 de 11 des-
te mez, em que irata do fechamenio da casa que
servia de cavallaria em Sanio Amaro.
N. 442.Dit) ao raesrao.Transmiti a V. S.
para os fias convenientes, as inclusas contas do-
cumentadas da receita e despeza da enfermara
militar sob a alministracao do conselho econmi-
co ao deposito de recrulas, relativos ao mez de
maio prximo lindo, e bem assira annexo as men-
cionadas coatas o parecer da junta de saude que
examinou-as na forma da lei.
N. 443.Dito ao mesmo.Ficam dadas as pro-
videncias para que a deligencia requerida pelo
juiz municipal da 2* vara, o que allude o offleio
de V. S. de 9 do corrente, sob n. 413, seja feito de
conformidade o disposto do decreto 512 de 16 de
abril de 1847.
N. 444.Dito ao mesmo.Autorisande o con-
selho de compras do arsenal de guerra a promo-
ver a requisicao dos livros cinstantes do pedido
incluso por copia, os quaes sao precisos escrip-
turacao da receita e despeza do mesmo arsenal no
exercicio -de 18701871; asxim o communico a
V. S. para seu conhecimento e direecao.
N. 445.Dito ao mesmo.Recommendo a V. S.
qne se nao houver iaconvenieote e em vista das 2
inclusas contas em duplcala, que me remetteu o
engenheiro encarregado das obras militares com
offlcios de 11 e 14 do corrente, mande pagar a
Jos Pereira de Alcntara do O' a quantia de
126^150 rs. de que tera direito, sendi 983780 rs.
proveniente dos concert* feitos no iogramento e
cano de esgoto do arsenal de guerra, e 27*370 rs.
tambera de concertos que executou no quartel das
Cinco Ponta, como se v das meociooadas contas.
N. 446.Dito ao inspector da thesouraria pro-
vincial.Se nao houver ioeonveniente, e em vista
do certificado no induse requerimento, mande V.
S- pagar ao lene ote-coronel Jos deMoraes Gomes
Ferrara, a quantia de 2:849*715 a que se julg
com direito por baver feito entrega provisoria das
obras da bomba sobre o reacho Mal de Cavallo, no
6 hinco da ramificaeao do Cabo.
N. 447.Dito ao mesmo.Remetta-rae V. S. a
mformacao exigida por despacho laucado no re-
queriments de Wllun Richard sobre a illumina-
ao i gaz para Olinda.
** seeco.
R. 450.Dito ao proveder da Santa casa de Mi-
sericordia.De conformidade cora. su iaforma-
cao de 10 do corrente, sob n. 2745, autoriso a V.
Exc. a mandar adrailiir no' collegio dos orphaos
iiuaod) houver va'ga o menor Antonio, filho de
llellarmma Francisca Lobo de que trata a inclu-
sa cerii lo de idado.
N. 431.Dito ao mismo.Em resposta ao offl-
eio de V. Exc. de 10 do corrente, sob n. 2750, te-
nho a dizer que se a junta administrativa desta
santa casa entender que ha razio para admiltlr-
se, a excepca- de que trata o inordomo docolle-
?io das orphaas no parecer annexo ao sea citado
jflkto, mande V. Exc. recollher aquelle collegio,
quindo Inuver vaga, a menor Amalia, fllha de
Mana Eugenia dos Sanio?.
N. 432.Dilo a cmara municipal da villa de
Agua-Prea.Accuso recebido o offleio de 4 do
corrente, em que a cmara municipal da villa de
Agua Prela, manifestando o seu jubilo pela glo-
riosa terminagao da guerra contra o govarno da
repblica do Paraguay, felicito a esta presidencia
pelos brillantes feitos dls armas brasileiras. Em
resposta tenho a diz*r a mesma cmara que, aco-
Ihendo eheio do prazer as suas patriticas man-
fesiagoes vou leva-las ao conhecimento do gover-
oo imperial.
N. 453.Dito ao gerente da companhia Per-
nambuean*.O Sr. gerente da companhia Per-
nambucana mande dar urna passagem d'estado a
r at a Parahyba a Joo Francisco de Albuquer-
que Maranhao.
N. 454.Portara. O vice-presidente da pro-
vincia attendendo a que nao esl incluida a lei do
orcamento que tem de vigorar no prximo ruturo
exercicio, resotve usando da attribuigao que Ihe
coufere o art. 1- da lei de 12 de agosto da 1834
prorogar a presente sessao da assembla legislati-
va desta provincia al o dia 23 do corrente.
N. 435.Dita.O vicepresidente da provincia
attendendo ao que requ9reu Maria Hermina Jar-
dn) do3 Passos professora publica da cadeira de
instrugeao primaria de Alaga Secca e tendo era
vista a informagao. do director geral interino da
iostruegao publica de 28 de mato ultimo sob n.
164, rssolve conceder-lhe dous mezes de licenga
com ordenado smenie para tratar de sua sade.
EXPEDIENTE ASSIGNAD PELO SR. DR. ELIAS FREDERl-
CO DE ALM8IDV G ALBUQUERQUR, SECRETABIO
INTERINO EM 15 DE JUNHO DE 1870.
I.* seccao.
N. 456.Offleio ao director do arsenal de guer-
ra.S. Exc. o Sr. vice-presideme da provincia or-
denando a satisfacao do oedido que veio annexo ao
sen offleio de 14 do corrente sob n. 85 de livros
n cersarios a escrpturagao de receita e despeza
desse arsenal no exercicio prximo vindouro,
assira o manda coraraunicar a V. S. em resposta
ao citado offleio.
N. 457.Dito ao engenheiro militar.S. Exc. o
Sr. vice presidente da provincia manda declarar a
V. S. era resposta aos seus offlcios de 11 e 14 do
corrente que a thesouraria de fazenda pode pa-
gar a Jos Pereira de Alcntara do O' as quan-
tias constantes dos citados offlcios.
2 seegao.
N. 458.Offleio ao commandante superior de
S. Antao.De ordem de S. Exc. o Sr. vice-pres-
dente da provincia transmiti a V. S. os papis
juntos que por engao do empregado que feichou
o expediente deixaram de ir na portara de 14
do correnle.
N. 439.Dito ao juiz municipal da 1* vara
desta capital.O Exm. Sr. vice-presidente da
provincia manda declarar a V. S. em resposta ao
seus offlcios de hoje, que nesta data se expedio
ordem aos juizes municipaes dos termos de Bo-
nito, Nazareth e Pao d'Alho para reme'terem a
esse juizo as guias dos sentenciados de que tratam
os ditos offlcios.
3" seccao.
N. 460.Offleio ao inspector da thesouraria
provincial.-De ordem de S. Exc. o Sr. vice-presi-
dento da provincia transmiti a V. S. para seu
conhocimenlo e fins convenientes a inclusa deli-
beradlo desta dala, pela qual resolveu prorogar
at o dia 25 do corrente a presente sessao da as-
seaibla legislativa provincial.
N. 431.Dito ao chefe da repartigao das obras
publicas.S. Exc. o Sr. vice-presidente d pro-
vincia manda declarar a V. S. era resposta ao seu
offleio de hontem sob n. 161. que fleavam expedidas
as convenientes ordens para ser substituida por
outra a tnpolago da balieira existente na ponte
do Caxaog.
4a seegao.
N. 462.Offleio ao Dr. Francisco Teixeira de
S, 1 secretario da assembla legislativa provin-
cia!. N. 153 S. Exc. o Sr. vice-presidente da
provincia manda transmittir a V. S. para ser le-
vado ao conhecimento da assembla legislativa
provinc'al, a inclusa copia da deliberagao desta
dala pela qual resolveu prorogar at o dia 25 do
correnle a presente sessao da raesma assembla.
N. 463.Dilo ao mesmo.N. 154.S. Exc. o
Sr. vice-presidente da provincia manda transmi-
tir a V. S. para seren presentes a assembla le-
gislativa provincial as inclusas copias das infor-
m ag I as ministradas pelo gerente da companhia
Pernambucana, associagao coramercial Benefi-
ceHte e capitao do Porto, relativamente ao 1, 2* c
3 quesitos do offleio que V. S. me dirigi em 4
do corrente sob n. 74.
N. 464.Dito ao mesmo.N. 155.S. Exc. o
Sr. vice-presidente da provincia, aquem foi pre
sent o offleio de V. S. de 14 do corrente sob n. 77,
manda declarar-lhe para fazer constar a assem-
bla legislativa provincial que hoje as 12 horas
da manhaa receber no palacio a commissao da
raesma assembla que tera de apresentar alguns
actos legislativos a sanecao de S Exc.
N. 463.Dito ao mesmo.N. 156.S. Exc. o
Sr. vice-presidente da provincia manda transmit-
ir a V. S. acorapanbado da informagao junta
por copia ministrada em 13 do corrente pelo
inspector da thesouraria provincial para ser pre-
sente a essa assembla o incluso requerimento
dos terceiros escripturarios d'aquella repartigao
que acompanhou o seu offleio n. 73 de 3 deste
mez, que Qca assim respondido.
N. 115.Illm. e Exm. Sr.Dando como rae
cumpre execugo ordem de V. Exc. communi-
cada era offleio reservado de 5 deste mez, so-
licitando deste caminando inforraagoes sobre o
faci desagradavel de que faz raengo o noticia-
rio do Liberal d) referido dia n. 291, sob a epi-
grapheAbuso de autoridadetenho de informar
a V. Exc. que infelizmente o faco se dea na tar-
de do dia 4, e o seguinte, segundo as partes re-
cebidas.
Havendo o calceta de juuiga Luiz Antonio da
Silva, empregado no servigo da fachina do forte
do Buraco, sahido pela manhaa do citado dia,
acompanhado de dous soldados do destacamento
do 2* batalhio de infamar Clementino Antonio
Rodrigues e Jos Bezerra, a fazer as compras do
cosame, succedea qae o calceta, illudindo a vi-
gilancia de seus guardas, lograsse evadir-se, mas
o soldado Jos Bezerra, que segaio ao sea en-
caigo, pede a grande distancia desta cidade cap
lura-lo e con duzi-lo guarda da thesouraria com
o (ira de pedir ao alferes commandante della urna
praga para o ajodar a conduzir o preso para 8
Forte, nao so para evitar a tentativa de urna no-
va fuga, como porque a noite se ia approxi mando,
maso coramar,daoift da guarda, alferes do 2* ba-
talhio de ip.aniaria Franklin Benjamn Feruaodes
de Moraes, longe ae aceoder ao rasoavel e pru-
dente pedido do soldado Bezerra, rompeu no ex-
oesso djj mandar por mero capricho castigar v
corpo da guarda ao calceta com cncoenta e rt.i.
dif|tf.U. 'v
Acs gritos da vlclima, o povo foi affluindo- para
o lugar do castigo, e agglomeraJj all prorora-
peu em censa** contra o alferes, que anda leve
a imprudencia de mandar carregar a baymeta o
pov para o dispersar, o qu deu lugar a rnuoir
se de padras par.repeliir o insulto
Felizmente o tenenle-coronel Alexandre Augus-
to de Fr&s Villar, sabendo do castigo, dirigio-s
a guarda para pessoalmente informar-se do oe-
corrido, dizendo apenas o ofihial que mandara
castigar o calceta por capricho, e para nao tirar
o prestigio dos soldados do sea batalhio. Eolio
o raesrao tenante-coronel persuadi o povo a dis-
persarse, ditendo-lhe que as autoriladas toma
riara conhecimento do laclo, e puniran) o deln-
queme aa forma das leis, e tez retirar para os
quarteis alguns soldados que se achavam presen-
te?, sera pertencerera a guarda.
Nesle cmenos corapareceu o odlcial de ronda
maior que accordon em prender o commandante
da guarda, mandando viroutro offleial para o subs-
tituir, e elle mesmo eonduzio o preso ao seu res-
declivo quarlei, com o qaa o povo dispersoa-se.
Man lei no dia o proealer tira conselho da
investigajio, para era vista dalle respon.-abilisar o*
culpado no de guerra, e tambera mandei pren-
der os dous soldados que gaardavam o preso.
Eis o qu houve com rsspeito ao fado de que
trata o Liberal.
Aproveito a oceasiio para tambera informar a
V. Exc. o outro fado desagraiavel que leve lu-
gar no da 5 entre o clcela Vicente Jos da An-
nunciagio, dous soldados do 9 natalhio que o
eseoltavam e diversas pragis do corpo de polica,
fado que vem hoje narrado n) Diario de Per-
nambuco, e o seguinte :
O calceta Annunciaga? sahio compras acom-
panhado de dous soldados do 9 batalhaoe encoa-
trou-se com os soldados do corpo de polica que
dzera as panes reeeaidas, proedraram aggredir c
calceta cora qnem linham rixas particulares o qual
poJe desarmar a um delles, e farir a dous dos ag-
gressores, o que tudo se passou em um momento,
tendo apenas os dous soldados da escolta podido
tomar a arma do calceta, e a cusi conduzi-lo ao
quartel do Hospieio, sendo no trajecto perseguido
dos policiaes, que armados chegaram a porU do
quartel, d'onde os expelliri o offlcial de eslado
maior capitao Aurahano Augusto de Azevedo Pe-
dra.
Nao obstante, jalguei conveneniente morali-
dade da tropa e a disciplina mandar investigar es-
ta oceurrencia, para responsabi Usar quem nella se
achar culpado e prender os dous soldados da es-
colta.
Do resaltado de um o outro conselho de invest-
gacao, darei coma a V. Exc. como c de meu de-
ver.
Dan* guarde a V. Exe.. q i artel general do
commando das armas de Pernambuco, 7 de no-
vembro do 1870.Illm. e Exm. Sr. conselheiro
Diogo Velho Csvalcaoie de Albuquer^ue, presi-
dente da provincia.Bario de S. Borja, marechal
de campo.
INTERIOR.
RIO DIM4VIIIIO
27 DE Ol'TUBBO
Por decreto n. 4616 de 23 do corrente foi ele-
vada a cathegoria de legagio do Brasil aa Russia
a de enviado extraordinario e ministro plenipoten-
ciario.
Por decreto da mesma data forara : promovido a
enviado extraordinario e mioistro plenipotenciario
na Russia o Sr. Jos Ribeiro da Silva, com os ven-
cimenlos que percebia como ministro residente :
removido para Liverpool o cnsul geral no Esta-
do Oriental do Uruguay, o Sr. Melchior Carneiro
de Mendonga Franco, sem vencimento algnm, fi-
cando comprehenddos no seu districto consular
s nenie os seguintes vice-consulados : Glasgow,
Manchester, Newport, Milfort, Swancea, Cardiff,
Gloucester, Bristol, Falraouth, Southampton, Du-
blim, Cork, Belfat e Limerick ; e ncraeado cnsul
geral no Eslado Oriental do Uruguay o Sr. Edu-
ardo Carlos Cabral Descharaps, com o ordenado
anoual de 1:300*
comoinagio com aquelte-outro j vinha em mar-
cha para-o sol.
Em Montevideo ainda o- governo nao alisara
o empresumo de que carela. Era all esperado
o sr. conselheiro P.aranhos, de euja idarhavia
noticia. *
29
Foi dirigida ao ministro dos negocios estrasgei-
ros da Rolivia a seguinte nota :
Rio de J.eiro.Ministerio Jos negocios estrau-
grs 2? de omtrbTo -tf-r 70.
Cumpro grato dever de acensar a recepgo
o nota que, ora data de 3 de setembro ultimo di-
rigio-me S. fite. o Sr. D. M. D-. Muoz, ministro
da5.re'?C'es exteriores da repubKcada Bolivia.
u objecto Jessa nota negar solemne e formal-
mente as assergoes de urna correspondencia, pu-
blicada no Chile e transcripta pela imprensa de
Buenos Ayres, acerca de actoi atlribnidos ao en-
carregado de negocios do impt rio e tambera ao
Exm. Sr. presidente da repblica em nm banque-
te por esto dad* na cidade de La Paz.
Respondendo ao Sr. Muoz, apresso-me a decla-
rar-lh) que o governo de Sna Magestade, embora
considerasse sempre semelhanles assercSes como
Ornas de revoltantu calumnia, receben a communi-
cagao de S. Exc. cora viva salisfagio, por ver nella
mais nraa prova da imizado que o governo da
rapublica da Bolivia consagra ao de S. M. o Impe-
rador do Brasil, o qual nem por um momento con-
siderou as impoiagds aleivosas comidas na cor-
respondencia- alludlna, j porque reconhece e
aprecia as altas qualiades o o criterio que des-
tn guem a pessoa de S. Exc. o Sr. capitao-general
Melgarejo, presidente da repblica, nao menos qne
as demonstrarles de sympalhia que do sea go-
verno tem merecido o imperio, j porque reconhe-
ce tarabera e faz a devida justica ao carcter dig-
no e aos sentiraento* patriticos do represen-
tante do Brasil na mesma repblica.
A seguranca que d S. Exc. o Sr. Muoz em a
nota a que respondo, do esfargo sempre emprega-
do pelo Sr. Callado para que cada vez raais se es-
trellera as relacoe entre a repblica e o imperio,
de conformidade com as recommendaedes cons-
tantes do governo de Sna Magestade, sera du-
vida mais um motivo de prazer para o mesmo go-
verno.
Rogando por minha vez a S. Exc. o Sr. Muoz
se sirva levar ao conhecimento de S. Exc. o Sr.
praiideote da repblica o exposto na presente
not, aproveita a opportunidade para manifestar a
S. Exc. as segurangas da minha mais elevada
consideragio.Viscondede S. Vicente.Ao Exm
Sr. D. M. Muoz, ministro das relagoes exterio-
res da repblica da Bolivia.
as 13 palmos, como tambem coabeeeram que o
basco esl licaodo mais baixo do oee tera estado
ateao presente.
D Santa Catharina nao ha notlcn alguma de
interesse para os- nossos leitores.
. O Fmlamonhaitr/abense de 23 do con-ent3 no-
ncia o seguinte :
O Sr. bario de Pindamonbangaba, de quera
constantemente regjslraraos actos de verdadeiro
patriotismo e muita earidad, acaba de eonceder
liberdade a cinco de seas eseravos, os i|uaes
o : Jos; Manoel, Luiz, Braz e Felipppr todos
de nagao ; as alforri foram som condigo al-
guma.
O Sr. Bento de gerqneira Paes, fazeadeiro
desie muniaipio, tambem consedea berdade a
sua escravar parda, Jusiiniana, pelos boas servgos
que Ihe ha prestado.
m
*>
Per titulo de 23 do corrsnte foi nomeado Anto-
nio Nunes de Oliveira para o lagar de admi-
nistrador da mesa de rendas geraes de Itaguaby.
O offlcial dispensado por portara de 20 do cor-
rente, do exercicio de ajudante da directora do
arsenal de guerra da corte, por conveniencia do
servigo, o leme reformado do exercito e te-
nenle-coronel da guarda nacional Joao Bernardioo
de Vascoocellos Coimbra.
Por portara de 23 de outubro de 1870 leve li-
cenga para residir na provincia de Pernambuco, o
2 cadete reformado Cornelio Affonso Ferreira,
de vendo ser pago de seus vencimentos de reforma
e pela respectiva thesouraria de fazenda.
28-
8. M. o Imperador, acompanhado de seus sema-
narios, chegou hontem s 9 1/2 da manhaa ao ar-
senal de marinha, onde visitn as diversas offlei-
nas ; era seguida embarcou na galeota imperial e
foi a i ha do B dependencias daquelle estabeleciraenlo, e a urna
e meia hora da urde desembarcou no arsenal de
guerra.
Por decreto de 23 do corrente :
Foi concedida transfarencia para o corpo de
estado-maior de artilharia ao capitao do 3 ba-
talhio da mesma arma a p Mareos Bricio Porti-
Iho liantes.
Por decreto da mesma data foi determinado na
conformidade do parecer da secgio de guerra e
marinha do conselho de estado, exarado em con-
sulta de 12 do corrente, que, ficando de nenbum
effeito o decreto de 1 de maio do anno prximo
passado, que reformou o alferes do 8 batalhio
de infamara Antonio de Bastos Vrela, seja elle
restituido ao quadro dos offlsiaes effectivos da
raesma arma.
Por decreto de 26 do corrente mez foi jubilado
com todos os seus vencimentos, nos termos do de-
ereto legislatiuo n. 1861 de 7 deste mez, o lente
catbedratico da faculdade de direito de S. Paulo c
conielheiro Manoel Dias de Toledo.
Pelo vapor ingle Lacydon recebemos hontem
folhas at 18 do crreme, um dia alm das uae
tinhamos. '
Apenas trazem alguns pormenores mais sobre
a batalha de Santa Rosa, em Entre-Rios, termi-
nando pela derrota de Lpez Jordn, que se diz
rugir para Montiel seguido apenas de ooahomens,
de-9000 que metiera em linha de batalha Foi
esta renhida, segundo as noticia* que encontramos,
pois o exercito nacional contava apenas 4000 ho-
rneas, e embora superior ti, rebelde em infanta-
ra e artilharia, era mo'.'o inferior em cavallaria
A dos rebeldes envolveu-o por tojos os lados, che-
gando urna vez tt perto des canhSes, e por mais
de quatro horas esteve indeciso o combate al que
a disciplina trinmphoa do numero.
Do Sst^o:0 Oriental apenas se refere que o gene-
"*' (J*raballo, tendo reorganisado o sea exercito
*2 norte, j esta va com 3000 horneas promptos
para por se em marcha, faltando nicamente roa-
pa e petrechos.bellicos que requisitara do governo
Por decreto de 22 do corrente mez foi o ex-
impenal narinheiro da 2" classe Manoel Guilher-
me Cordeiro, reformado coo) o sold por inteiro,
na conforraidade do decreto de- 11 de dezerabro
de 1815, visto haver-se invalidado em servico.
30
S. M. o 1 operador acompanhado do seus sema
na ros chegou hontem s 9 horas da manhaa ao
arsenal de marinha onde, embarcando na ga-
leota imperial, diiigio-se a foTtaleza da Santa
Cruz.
Aj i foi S. M. recebido pelos Srs. general Jardim,
meTiibros da commisso de melhoramentos do ma-
terial do exercito, capillo tenente Cerqueira Lima
e general Bruce e offleiaes da fortaleza. Na praga
acbava-se formado em linha o t* batalhio de ar-
tilharia a p eommaolado pelo Sr. coronel Seve-
riano Martins da Fonceca.
Sua Magestade. depois de passar revista ao ba
talhio, orden ju que se recolhesse a quarteis.
Em seguida assistio Sna Magestade s experi-
encias a que a comraissio.de raelhoramentos pro-
codeu eranm reparo de praga e costa para ca-
ntinea de 120 a Wilwocth, com os quaes tem de
ser armadas as baleras daquella fortaleza.
Construido no nosso arsenal de guerra, sob as
vistas e segundo prescripgdes da referida commi3-
sio, o reparo aprsenla um systema de corapressa
cujo plano foi dado pelo Sr. capillo Cerqueira Li-
ma e que lera por fim diminuir e attenuar os ef-
feitos do reco palo estrado, por onde corre o
mesmo reparo; o systema funeelonou bem e sem
o menor inconveniente.
Findas as experiencias, Sua Magestade percor
reu toda a fortaleza, vi3ltou os quarteis, obras,
prisSes, enfermaras e mais dependencias, e ret*
rou-se 1 horada tarde.
Por aviso de 27 do corrente,coneedeu-se ao che
fe de divisio, Victorino Jos Barbosa de Lomba, a
exoneragio que pedio de commandante da forga
naval estacionada no Paragaay, sendo na mesma
data nomeado para substilui-lo o chefe de diviso
Raphael Mendes de Moraes e Valle.
Por aviso da raesma data foi concedida a Joao
Bernardo Marcena! a exoneragio que pedio do
lugar de pratieanle da contadoria da marinha.
Por portaras de 29 de outubro, foi exonerado
Carlos Monteiro Sarzedes, do lugar de ajudante da
repartigao geral dos telegraphos e nomeado o pra-
ticante Carlos de Azevedo Thompson, para o logar
de adjunto da meima reparticio.
Na mesma data concedeu-se licenga por tres
mezes ao engenheiro ajndante de 1* classe da es-
trada de ferro de D. Pedro II, Henrique Joaquim
da Costa, na forma do % Io do art. 2o do decreto n.
4484 de 7 de margo deste anno.
- 31
Pelo vapor Galgo, entrado hontem do Rio da
Prata, recebemos folhas de Buenos-Ayres e Mon-
tevideo at 22 e 23 do corrente.
Occupam se aquellas ainda cora os pormenores
da batalha de Santa Rosa em Entre-Rios, publi-
cando as partes offleiaes dos rebeldes, que incul-
cara aquello feilo de armas come um triumpho
por elles alcancado. Qae o nao foi, evidente,
vista dessas mesmas parles; mas por outro lado
tarabera parece que para as armas do governo a
victoria nio foi tao decisiva como devera ser se de
9,000 livessem ficado redzidos a 600 os horneas
que acompanham Lpez Jordn.
Era Montavido trabalhavase activamente em
organisar melhor a defaza e emrinobeirar a cida-
de, conUndo-se com um prximo ataque dos
blancos, que estavara, na Florida transformando
em infernara parte das suas foreas do cavallaria.
Acreditava-se geralaiente que so urna revolugao
interna, alias pouco provavel, Ihes podena abrir
as portas da capital.
O governo eslava recolhendo a Mootevido a in-
famara que linha nos differentes departamento
circumvisinhos, medida que o Sigla censurara,
por importar deixar os exercitos em earapaoba re-
dusidos sua cavallaria, em que eram inferiores
aos invasores. O general Saarez, segando se dizia
achava-se a 22 leguas de Payssand, marchando
para a capital; pareca, porm, que entre elle e
CarabaJIo nao remava toda a intelligencia que fura
para desejar-se.
i
Pelo vapor Santa Cruz entrado hontem, recebe-
mos noticias de Porto-Alegre at 18, Rio-Grande
do Sul 22, e Santa Catharina al 24 do cor-
rente.
Nao se tendo reunido nnraoro suficiente de de-
putados em Porto-Alegre, nao se poder ainda
abrir a assembla provincial.
O Conmeraal do Rio-Grande, em data de 24,
publica a seguinte informagao sobre o estado da
barra:
Sahio oo vapor ncansavtt, levando urna, oa-
Sepulton-se hontem Urde no cemiterio de-S.
Joao Baptista o conselheiro Joao Pedro Dias Vieira,
senador do imperio.
Reprfsemon a sua provincia natal na cmara
temporaria, e desde 27 de abril de 1861 no se-
nado.
Fm parte do gabinete de f5 de Janeiro de 164
como ministro efectivo dos negocios da marinha e
interino dos estrangeiros e do de 4 de oatubro do
mesmo anno como ministro effectivo desta ultima
pasta. t
Ei-a offleial da ordem da Rosa e gra-cruz da
ordem Ernestina da casa ducal da Saxonia.
1.' DE NOVEMBRO
Pelo paquete inglez Magellan, da liona do Paci-
fico, recebamos hontem folhas do Rio da Prata,
at 27 do passado.
Nada referom de importancia relativamente a
repblica argentina. No estado oriental, porm, os
blancos de Aparicio em forga de 4,000 horaens, se-
gundo se calculava, appareceram as immediaces
de Montevideo, vindo at no Cerrito, e tendo troca-
do por vezas alguns tiros com as avangadas do go-
verno, investiram a capital, onde j na manhaa de
27 nio deixaram entrar as provisoes habituaos,
carnp, leite, legnmes, ele. Ameagavam elles um
assalto, mas, apesar de trazerem comsigo alguraas
pegas de artilharia, nao pareciam dispor de forga
sufflciente para um ataque rio, pois que a nica
infamara que possuiaro era cavallaria desmonta-
da, sem instruccao da arma em qne deva servir
agora.
Assim, a nica esperanga de bora xito punhara-
na elles em algnm movimento dos seus parciaes
dentro mesmo da praca. Sabia-o, porm, o gover-
no e acautelava-so. Nomeado chefe poltico o de
polica da capital D. Jos Candido Buslamente,
descobrio na ra de Maldonado un deposito de es-
pingarda o barris de plvora oceultos na casa de
um raembro do partido blanco. Imraediataraenle
vierara a? medidas de rigor contra os desta par-
cialidades poltica, e no raesrao dia fizeram-se 35
prisoes.
Um decreto charaou todos os eidadaos s armas
no praso de 24 horas, sob pena de servirem dous
annos na tropa de linha os que nao se aprsenlas-
sem.
Ao me>mo tempo nraa proclamagao do presiden-
te, acompanhada de urna lei marcial pajj o estado
de sitio, comrainava pona de morte a quem alei-
vosamente nostilasse dentro da cidade as forgas
empenhadas na defesa.
A pasta da fazenda ainda se conservava vaga.
O governo conseguio finalmente conlrahir um em
presumo cora a firma Lanus, Fmn & C As con-
dicoes, porm, sao onerosas, o importam receber o
estalo 1,730,000 pesos para restituir no praso de
seis annos 3,550,000. A este emprestlmo hypo-
thecaram-se os edificios e os 4 % addicionaes de
direitos da alfandega,
O Sr. visconde do Rio Branco (conselheiro P-
rannos), ebegado a 22, ainda ficava em Monte-
video.
de effecloar urna exp'eragio aaoas
Ivahy, encontrn em nata da as
indio da tribu dos botoeudos, qae a*
soal da expedirlo, leniou fugir. Muda,
com maoeiras alavers, o depois de i
brindes, mostrou-se satisfeito, e
iido posto em liberdaite para icgssi a i
acompanhou a expediao em tea logiawu Mr;
colonia, onde se acha.
< Pretenda o director fondua-k a* lagar m
que foi encontrado e daJ segu lo ao ifijiini
d* iribo, aflm de prnenror atlrani-te Mra a co-
tana e aldea los.
No dia 13, diz o Ccmmereio i* Ptirmai, ca-
bra um raio sobre o pilar da casa da fajeada 4
Sr. capkao Felippe Salgada, daquelle distrda A
faisca eletririca percorrec es apsseatos sm
damno.
Informan) mesma foi! qne foi tal a
prodiizido, qae as diversas 'possoas qae
ichavam reunidas ficaranveoi osudo do ;
hdade durante alguraas horas
As trovuadas, acompanhadas do renosn afcam.
linham sido frequentes as oliknas inaaaaa
ww"* fo'ha aoe** wn *-"
O Os*rorjo em nm de seos Dameros pasca-
dos, publicando a noticia da viagoro do vico-are
sideme da provincia ao Rio das Podras, trafcsa do
urna padraira de marmore sobre a qqai daa
achar-se eollocada a casa 4a residencia dar
major Joaquim Jos Pereira.
No intuito de dizerraos alguna*- palavns a
respeiio, solicitamos e obtiveoaos do dilo Sr. Pe-
reira algumas amostras do mineral assim datan
eado, o qual pelo sea brlbo e transpareacia aa
recen-nos nao ser marmore.
i Para certificar nos disto, submoUosso-!a) a
analyse de pessoa habilitada, que ao* prsstoaaaw
obsequio, e o resuludo fui rrcaabecar aosta
< crystal de rocha.
Segando as informaedos qne nos dea e Sr.
Pereira, a mina pode abranger nm esaaes de 3
bragas mais ou menos, encontrando-** ada mi-
neral de variadas cores.
< As amostras que temos a escriptorio desta
folba, disposigo das pessoas qae as qaaacrasa
ver, sao de cor branca violcea, mais ou aosa-x
brilhante, como costumam ser es ervsta** aa sea
estado bruto.
s. PAULO.
Alcangam a 30 de outubro
l*~
as
tas
amasas da-
da faenl Jado de dt-
Por titulo de 29 do passado loi nomeado Antonio
Francisco Pessoa, para o lugar de administrador
da mesa de rendas geraes da cidade de Bag, na
provincia de S. Pedro.
Pir portara da 29 do passado foi nomeado ad-
junto directeria do arsenal de guerra da corle,
o alfares reformado do exercito Olympio Aurelio
do Lima c Cmara.
Por portara de 27 de outubro ultimo foi nomea-
do o Dr. Joronymo Rodrigues de Moraes Jardim,
ajudante do inspector geral das obras publicas do
municipio, com o vencimento marcado na tabella
que awmpanhou o decreto n. 2,922 de 10 de maio
de 1862, para os engenheiros de 2* classe com
transporte pelo mnimo.
Por portara de 28 do mez prximo passado, foi
concedida a Avelino Martins de Jess Passagem, a
demissio que pedio do logar de praticaate-portei-
ro di adrainistragio do correio da provincia de
Sergipe.
Por portara da mesma data foi nomeado Laa-
rindo Ferreira de Paiva Machado para o menciona-
do lagar, com es vencimentos da tabella a qne se
refere o art. 25 da lei n. 939 de 26 de setembro de
1857.
Hontem, ao raeio dia, grande nnmero de subdi-
tos portuguezes dirigi sea resideucia do Sr. coo-
selbeiro Matbias de Carvalho e Vasconeellos, aflm
de offertar-lhe as ricas insignias do graa-crnzda
ordem imperial da Rosa de que ba dias demos no-
ticia.
Na oceasiio de seren entregues a S. Exc. as re-
feridas insignias foi proferida a iogaiaie allocu-
5a0 :
Illm. o Exm. Sr.A alta disliaceio honorfica
da gria cruz da ordem da Rosa que V. Exc. acaba
de recebes-de S. M. o Imperador do Brasil, ga-
nhou particular realce, j por vir tio a prepsito
confirmar o elevado conceito que- os portuguezes
do Rio de-Janeiro a pouco manifestaran) em refe-
rencia a V. Exc, j pelos termos honrorissimos
em que- Ihe foi conferida.
c Riifloctem na nossa amada patria as hon-
ras que a V. Exe. procurara, como lucrara os
interesses portuguezes no Brasil com a estimae
coosKleragao qao V. Exc. pessoalmente con-
quista.
Queira V. Exc. aceitar dos abaixo assig-
aAdos as insignias dessa condecorado como pro-
va de reconhecimento pela raaita honra que
no Brasil faa ao seu paiz e do desejo de que o
continu aqu a representar por largos an-
nos. >
traa a reboque, o inspector da praticagem eom a
de Montevideo. Do general furez duia-$e"que de respectivo immedalo, e nio o encontraran apa-
DIARIO DE PEBIHMBUCO
Noticias do sal do Imperio.
RECIFE, 9 DE NOVEMBRO DE 1870.
Chegou hontem pela manhaa 0 vapor Tocanhns,
trazendo jomaos : do Rio de Janeiro at o i*, da
Bahia at 6 e de Ala.as at 7 do corrente.
Sob a rubrica Interior damos por extenso as
noticias mais importantes, alm das quaes encon-
tramos nos jornaes as que seguem :
PARAN.
Recebemos folhas da capital at 19 e de Pa-
ranagu at 22 de outubro.
- O Dezenwe de Dezetnbro de 12 do corrale
refere o seguinte :
t O director da colonia, Tbereza, por occasio
A congregagio dos lentes
reito resolveu o seguinte :
Comegario os actos do 5>, 4% > I
dia 28 do corrente.
Sao examinadores do 5a anno os Srs.
ros Ramalho, Furtado e Carrao.
Do 4* anno os Srs. Drs. Antonio Carlos, Fa*r.>
Filho e Daarte de Azevedo.
Do 3 anno o Sr. conselheiro Dias de Talad a
Drs. conego Andrade e Joao Tbeodoro.
Do 1* anno os Srs conselheiros Brolero, Chns-
piniano e Dr. Jacimho de Aodrade.
Findo o 4* anno entrar em exame o 2* ana
com os seguintes examinadores : conselheiro Jfar
tim Francisco, Drs. Justino de Andrade e Pasta
Filho.
Os e 2* annos serio examinados em tarara.
de oito alumnos; o 3*, 4- e 5* em tamas d
quatro.
Os actos comer.iram no da 28.
Fura contratada com os Srs. Faro, Aage Aaa-
ral e C. Dutlev a consiru vio da liaba terrea ga-
ra lid.
Os empreileiro? obrigaram-se pelo contrato a
dar promptos o leito da estrada e as obras da ar-
te at 31 de margo de 1972.
Noticia o Diario de S. Paulo qae o 5- anaim
Antonio Jos Vieira FeTaz, por occaao > lo-
mar o grao de bacharel, conceder a librrdade a
um seu pagem de nome Jeronymo.
L-se no Correio PaiUisluno ;
c A 24 do corrente foram declralos livres ai
pia do baptismo (em Campias) : Csn'iann, os-
era to do Sr. Alexandre Mailei, e Cheralxna, <-
crava de D. Maria Francisca dos Prarores.
i O capitao Bento Pereira da Molla, fazeadeiro
na villa de Cagapava, ba poneos dias, por oera-
siao de baplisar urna criar.ga, sna esertva, dra i
mesma liberdade, promeilendo as^m proeeaVr
para com lodos os filho de eseravos seos qne as-
cerera depois daquelte tempo.
f No dia 10 do correte, em Gcaratinirneta, a
Sra. D. Anna Rosa Mareondes Bieado, eonceaVa
liberdade condicional a Mara, parda, -ua es-
crava.
No mesmo dia o Sr. Jos Brecdo de Siqoosn.
Salgado pralicou igual acto libertando mndisie-
nalmente o seu escravo pardo de nome Joao, d-i
dous annos de idade.
bio dk jan-rao
No dia 27 assumio as redeas da adroiumra
gao da provincia do Rio de Jaaeiro, o Exm. ir
Dr. Theodoro Machado Freir Pereira da Silva.
Lemos no Jornal do Comwtercio :
Effesluou-se ao paco Imperial a festa arnai
versara desta congregagio,
com a presenca de SS. MM.
res da instUuicao.
Era numeroso o concurso de seahoras e n-
valheiros. ___
A Sra baroneza de Gorupy, superora geral
em nome de S. M. a Imperatriz, presideatr per
petua da congregado, iladarou abertoaos trata
Ihos procedendo leilura de nm discurso em ajar-
solicitando de suas irraias a contiauarao dt aa*
servicos-do earidad em mver dos desvalides, *
convidou a empenbarem. sebs valiosos ssfbreos ea
auxilio da obra de que ora se oeenpa a eaixa sfc
nicipal de Benaficencia, qual a da faadacao di
asyto destinado a mendiridade.
c O Sr. Victorino de Barros fez a leara do re-
latono dos Irabalhos d-i instituigao, pelo ojee *e
verifica que das qnantias entradas pela eongregv
go para a Caixa Mnnicipal de Beaeaceacia, pro
venientes dejoias e annuidades de saas trsaaas
resulta que seu rendimenio fex mee a 30 das 114
pessoas que a dita eaixa confera. ^
Qae a congregagio durante o tanodo da
guerra, nao esquecendo os nossos brasas sjese
batiara pela honra nacional, mes eaviava roaaas
de cama, fios etc.
t Que ao trabalbo a qc se prestam as Sra-
congregadas no servico das esmolas nos srasga
devem as cominissoes municipaes a maior e aaai-
segura randa para os beneficios qne outorgaaa.
c Para o conferimento do dote aja* devia a sor-
te decidir entre as Seas. D. Josepaiaa Caadada d-
Rocha Ma->carenhas e D. Cleroeatma Aaaiiaa So
drigues Gomes, a S. M. a iraperatriz foi efcrtada
a urna contendo estes dous noraes, dajaiaai ^*
Sua Magesude tirar a sorte. Wieitoa ata a Sra
D. Ctemenlina.
t Nesse acto, a Sra. baronesa da Garap? ateu
rou que um igual dote caberia i
recida pela sorte, dote para o qual
alguraas das Sras. congregadas.
* Os Srs. Drs. Josino, Alvares 4a
V-arejio pronunciaram lambeta I
Corra na corte qu* nao "
guerra o general visconde de '
A alfandega da cort*
tubro 2,664:793*803.
Eis as noticias eomaMreiae
EfTeciaaraavse traasaecSos aawas aa* rag
lares em cambio sobre Londres a %
cario,
a qual loi *viarada
jnperiaes, proteeto-
Aarvadoe
h


IM
ktfJ^ d Petnambuco C- Quaita feira 9 de Novembro de 1870
x
-----r-

I '

plices geraes da 6 / 98 /. e 98' 1/1 /.]($
ditos a 96 /., nf ditos a 96 1/S "/. draheiro, 300
ditas a ti */ftn o dia .30 do novembro. 100 ac-
eces do Banca i Bra i a 1734500,100 dilasa
a 17U 100 ditas a 1754000. >
espirito swrro. _
FaMeeeaa e padre Maooel Antonio dos San-
tos Bibelro, vigario collado da Iregoetia de Nova
Almeida, cora setenta auus de idad*.
IAIHA. i a.
A congregacao da Paeoldade de Medeeina,
m sessio de 3 do correle, nomeou para exami-
nadores os segrales aenpore :
l anno medico.-Drs. Magalbaes, Rodrigues e
Honra. <
2 anoo medico.Drs. CerqtMira- flato, Gordi-
lho e Bornum. ... -
3 anno medico. Coaaeheiro Pedroxa, Brs.
Goes e Sodr.
4*. anno.Conselheiro Aranha, Sampoyo e Dr.
Demetrio. .
5 anno.Drs. Freitas, Demetrio e Laiz Al-
vares.
6* anuo.Drs. Souto, Seixas e Cunha.
CHnica medica e crurgica.Drs, Farla, Moara
e Marlins.
1" anno pharmacoutco. Conselheiro Maga-
lhes, Drs. Rodrigues e Virgilio.
2* arino pharmaceutico.Drs. Cwqueira Pinto,
Rodrigues e Bomlim.
3 anno pharmaceutico.Drs. Bomflm, Luiz Al-
vares e Cunba.
Pharmacia pralica. -Drs. Rodrigues, Cunha e
Luiz Alvares.
No dia 5 devia ter lugar, no Iheatro publi-
co, nm esoeclaculo em beneficio dos feriaos e das
familias d'aquelles qae fallecerera na guerra fran
co-pruss;ana.#
Leraos ao Jornal: *
< No dia 15 de oulubro foi assassinado, ao meio
dia, em sua fazenda Jeronymo, do termo de Porto
Seguro, o eapitio Joio Caetano Montelro Tavares,
com un tir > de clavinote, que Ihe foi disparado
por Joo do Couto, conhecido por Sapatao, qnando
o infeliz Joio Caotano voltava do ervico, e se di-
riga para repousar no seio de sua familia.
t O assassinado era geralmente estimado n'a-
quella villa, e sua mone causn profunda eras-
ternaco.
t Consta que a causa foi o haver sido o assassi-
no despedido da casa do eapitio Joao Caetano,
onde tinha sido admittido coma trabalhador, por
haver espancado a ura escravo da casa, e por ser
esse facto por elle reprehendido.
t O assassino, nao poJendo ser de novo admit-
tido ao servico do eapitio Joio Caetano, parti
cavallo para Nossa Senhora da Ajuda, pequea
povoaco fronteira villa, e dirigindo-se casa
de Mamel Fenanles, ahi comprara plvora e
chumbo, no di 14, e dirigindo-se a permitir em
casa d > urna sua comadre, por alta noite limpou a
a arma, o desappareceu sera ser presentido, dei-
xando a porta aberta.
No dia segrate, ao abrir o assassinado urna
cancilla, quando voltava do servico, receben o tiro,
que se empregou na eabeca e na cestella em di
reccio ao coracjto, produzindolhe instantnea-
mente a morte.
t O Dr. delegado proceden a corpo de delicio, e
tem dado todas as providencias para a captura do
criminoso, o que espera effecluar.
Foi logo Instaurido o processo, era que j
depozeram seis testemunhas. que provam o fado.
Ante hontm (13) noite a corporacio dos
saveirislas foi praca de palacio saudar a S. Exc
o Sr. Bario de S. Lourenco, presidente da provin-
cia, que na sua primeira presilencia realisou o
pensamento de entregar exclusivamente a horaens
livres o servijo dos saveros, que al enlio era
feito por cscravos. Dapois de Ihe dirigirera vanos
discursos e ds levantarem muios vivas, S. Exc.
agradeceu-lhss a doraonslracoes que Ihes davam,
era ura pequeo discurso em quo demonstrou que
o trabalho que d a riqueza e a independencia,
e que, devendo em um futuro muito prximo des-
aparecer todo o servico escravo, era mister que
a pnpulacao so fosse dispondo pira rehabilitar as
diversas industrias, que ainda se alimentara cora o
suor do captiveiro.
Os saveiristas respoederara com rauitos vivas,
e retiraram-3e, pendo assim remate a festa, que
haviara comecado no dia 1.
No dia 30 do outubro, reunidos em maioria
ni casa da socielals Mrate Pi dos Africanos, os
typograr:hos, Iylhograhos o livreiros, trataram de
fundar urna associacao de socorro mutuo.
t Procndendo-sa eleicao da mesa provisoria,
foram escomidos:
Para presidenta0 eapitio Joao Capistrano
Fernandes.
t Para Io 3ecretar:o-0 alferes Joaquira Cassia-
no Hvppolito.
i1., ra -" ditoJos Odorico Paranhos.
9 ea ntiio rogulava aobro Londres 32 a 22
I lia nl^ga renden (o mez de outubro.....
/I! ris, e do Io a i do corrente......
1230 ris.
Sitio para Pernambuco, a 3, o brigue Ma-
.- Yiginia.
ALAC0A8.
<; -n^aram, no dia 31 do passado, na matriz da
. preces publicas pela paz e tranquillida-
da greja romana.
Leraoi no Jornal tai itogtu :
i Ha uatroannos e um mez e meio que jaziam
pnlla liis na capella-mr da nossa matriz os res-
i injruea di Sr D. Maooel do Reg Medeiros
.!atre ii terrainou sea peregrinar neste
uado.
S ibra a campa Jesse dlstinjo prelado nem
n sigaal existaqoe denotasae o deposito sagra-
i ana ca cacerrava, e que convidasse aos fiis a
-.vauiar nina prece ao Omnipotente pelo repou-o
eterno do bispo quo passou.
Puis bera, esta falta est reparada : no dia Io
do correte foi eollocada sobre a sepultura do lina-
iHtfliffllBO urna lapida de raarmore com a mo-
3eHa inscripciio seguiute :
Dr. D. Matml do Reg Medetros, 2(7 bispo ae
Pernambuco, /allecido nesta capital a 1G de outu-
bro de 186U.
Foi um testemunho de respeitoe gratidao que
o R>m. Sr. vigario Fraccisco Peixoto Duarle pre?-
loa a honrosa memoria do illustre finado, perpe-
tuando lisongeiras e tristes recordaoes. >
Foi nomeado promotor publico da comarca
e Anadia, o Dr. Alfonso Jos de Mendonja Ueha.
1%'otietas do norte do imperio.
Chegou hontem tambera o vapor brasileiro Afi-
nos, trazendo datas : Para 31 do passado, Mar-
libio 2, Cear i, Rio Grande o e Parahyba 7 do
corrente.
PARA
Encerraran-se no dia 27 do passado os trabalhos
da assembla provincial.
A alfandega renden de 1 a 30 do passado
390.1714325.
- E-iavam car^a os navin : Linda e Liberia
I ira o Havre ; Ligeirn e Uniao para Lisboa ;
nele Sun e C. Thompwa para New-York.
mu: LikXo
Na dia 28 do passado assumio as redeas da ad-
ministra cao- da provincia o Exm. Dr. Augusto
O.ympio Gomes de Castro.
Fallecen, na capital, o Dr. Domingos Feli-
dao Marques Perdigao, direeur do collegio
Pcrduj'i).
.V varila, quo grassava na capital, comejava
a decrescer.
A alfandega rendeu no mez de outnbro.....
203:3824191
O cambio sobro Londres regttiava 22 d. por
1,3000 e sobre Portugal 16i %.
Eslavara carga os navios : Formosa para
o Porto; L'nioo para Lisboa ; Mara para Li-
-. erpool.
Lemos no Paiz :
Os trabajadores das prensas resolceram ele-
var o preqo dos seus servidos, conforme una ta-
bella, que foi publicada no ultimo numero deste
jornal.
.\'o ha razio que justifique essa exigeocia :
nem o preco que so pagava era lio pequeo, que
de*roKtentas9e os livres, nem sao os jornaes dos
escravis to levados, que se vissera obrlgados a
deixar o servifoou a pedir raaior paga.
Reclamam contra a alta os que negociam em
llgodio, e dizem que, se os danos das prensas
quizessero, os seus trabalhador es nio lerlam tido
tat lembranca.
Ja haviamos escripto estas llnhas qnando son-
Demos que a commissao da Praea mandando cha-
mar os ebefes das cangas mostrou-lhes qae a ta-
bella por elles feita nao era admissivel, e propoz-
Ihe outr.i, sob pena de, se nao concordassem,
croarse urna companhia de trabalhadores para
esse servico, a qual seria de um capital do 50
romos e tena 40 eaeravos.
< Por um clenlo approximado ganham estes
irabalhadores 24 contos. A companhia dando 12
cont para a aUmeuaeSo, l500 para a alforria ;
aanual de np escravo, 13* ara o que substi-
tuase, e igual quanUa para aguma motle, anda
MRB ficava cora ara exeelieate lacro.
< Os aWH da caaga aceitaram as modifica?5es
qae lhes Toram proposUs.
CIARA.
A' bordo da birca portugueza Mafia Caro/ia*
tinnam chgado da ilha de S. Miguel 23 colonos.
A alfandega reodett no mez de outubro
217:8034311 ris.
Grasiava na capital, com algum iptensidade,
o garrotllho. ir*r
ato Ga&Hoa.
Prosegua em seus trabalhos a assembla
provincial.
ARAUTB*.
A portara da presidencia convocando extraor-
dinariamente a assemb a provincial assira con-
cebida :
Palacio do governo da Parahyba, em 29 de
outnbro de 1870.
O presidente da proviacia atlendendo aque,
em consequenca da considcravel diniiouico da
Venda provincial, existe um grande dficit no or-
namento vigente, mal que se aggravar no orna-
mento do anno prximo futuro, o que, eomo no-
toriamente sabido, eaevido nimia esiassezda
colheita, resultante da irregularidade da estacio ;
e sendo consegulntemente irapossivel que com os
recursos ordinarios possam ser satisfeitas as des-
pezas publicas, ainda as mais urgentes e nesessa-
rias, tornando so portanto indispensavel que se
adoptem medidas no sentido da mais severa e ri-
gorosa economa, bera como que se recorra a ope-
racoes de crdito, afim de supprir o referido d-
ficit, e nao cabenuo as altribuigoes da presiden-
el i a adopcio de todas essas providencias, resolvs,
mtorisado pelo disposto no 2.* do art. 24 dalei
de li de agosto de 1834, convocar extraordinaria-
mente a assembla legislativa provincial para o
dia 3 de dezombro do corrente anno, devendo a
sessao durar at o dia 18 do raesmo mez.Frede-
rico de Almiida e Albuquerqut.
:r
REVISTA DIARIA.
IXSTRUCCAO PUBLICA Por portara da pre-
sidencia da provincia, do 7 do corrente, foi conce-
dida a permisso pedida pelas professoras publicas
da cidade de Nazareth e da povoacao de Olho d'A-
gua dos Bredos, D. Mara Benedicta da Motta Sil-
veira e D. Antonia Faustma de Barros, para per-
rantarem as respectivas cadeiras.
SAUDE DO PORTO.Por portara da presiden-
cia da provincia, de 7 do crreme, foi nomeado o
guarda da reparti da sade do porto, Jos Ri-
beiro de Vasconcellos para exercer interinamente
o lugar de secretario dessa repartijao, emquanto
durar o impedimento do offectivo ; e Manoel Cae
tao Cavalcanti de Albuquerque, para exercer in-
terinamente o lugar de guarda.
aPOSEXTADORIA.Por portara da presiden-
cia da provincia, de 3 do corrente, foi aposentado
o ex fiscal da cmara municipal na freguezia dos
Afogados, Joaquira Jos Bello, de conformidade com
a le provincial n. 498 de 29 de maio ultimo.
FACULDADE DE DIHEITO. No da 8 fize-
ram acto os seguintes alumnos :
1 anno.
Thomaz Gomes da Silva, plenamente.
Rodolplio Epiphanio Dantas, dem.
Geminiano da Costa Barbosa, idem.
Jos de Barros Albuquergue Lins, dem.
2o anno.
Luiz Antonio Andrade Jnior, plenamente.
Ignacio Lucas de Souza Rangel, simplesmente.
Francisco de Gouva Cunha Barreto, plenamente.
Joio Marinho Carneiro de Albuquerque, simples-
mente.
Antonio Gomes Tavares Jnior, plenamente.
Augusto Emilio da Fonseca Galvio. idem.
3o anno.
Jos Laonillo da Cuuha Alcanfor, simplesmente.
.Manoel Menelio Pinto, plenamente.
SimeSo de Faro Mendonca, simplesmente. _
4o anno.
li lymundo Mendes Morlins, plenamonte.
Aurehano Ferroira de Carvalho Ventura, idem.
Salustino Gomes da Srveira, simplesmente.
o anno.
Jos Antonio Guimaraes Neito, plenamente.
Cesar Quirino da Silva, idem.
Liberato Villar Barreto Coutinho, idem.
Aristides Elias Penalva de Faria, idem.
ESCOLA NORMAL. Fizeram exame hontem os
alumnos seguintes :
1 anno.
Adolpho Silvino Bandel, plenamente.
Casimiro Lucio dos Santo?, idem.
Maxlmiano Lopes Machado Jnior simple^rflenle.
Dus rcprtftados.
Ura levantou-se.
2o anno.
Jos Belisario Marinho Falcao, plenamente.
Joo Ferreira Villela, simplesmente.
-ous reprovados.
DINHEIRO.Os vapores ^ocanlins c Arinos
trouxeram para o Srs.
Jos Rodrigues de Souz
A. Hyernat 4 C.
A. L. de Oliveira AZoido & C.
Cramer Frey & C.
Manoel Martina Fiuza
Joaquim Gerardo de Bastos
Antonio Muniz Machado Jnior
Joaquim Jos Goncalves Beltrao
J. J. da Costa M,i
Miguel Jos Alves
L. Antonio Sequeira
Antonio Jos Monteiro Ferreira
Juvenco Augusto de Alhayde
Demosthenes Constancio A".
Esses vapores trouxeram mais
Para o Natal
Psra o Ceai
Para o Maranhio
Para o Para
PW a Bahia
Para o Rio de Janeiro
NOVOS PHARO'ES.-Pelo ministerio
3:6004000
3:0Q0i000
3:0004000
1:8905000
1:2004000
9705000
857450
8004000
600OOO
5633520
4004000
3944000
3004000
3004000
3004000
4204000
8:7503000
6004000
1:4904000
82.1535530
da mari-
nha forara mandados publicar as sejruintes noti-
cias sobre a collocacio de novos phares :
Pharol do porto de Castellamare de Staba.
Para assignalar o novo prolongamento do molhe ou
caes no porto de Castellaa re do Slabia. acendeu-
se no dia 20 de jnlho de 1870 um pharolete sima-
do na extremidade de fora da3 ditas constracs.
< A luz fixa e de cor encarnada, Oeando na
altura de 10",6 sobre o nivel do mar, e pode ser
vista a duas milhas de distancia com atmosphera
clara.
A dita luz acha-so eollocada n'um mastro que
tem o p cravado n'am pedestal cylindrico de al
venarla e fica affastado 84 metros do pharol de
quinta ordem que indica o porto.
Mar do Norte.Ilhas Britannicas.A Trini-
ty House faz constar que, do conformidade com os
annuncios 41 e 42 de 10 de dezembro de 1869, as
novas boias que assignalam os canaes do norte do
Tamisa, bera como diversos escolhos e perigos o a
dre.C'.ao doa canaes da cosa d9 leste da Ingla-
terra entre Berwck e Orfordmesi?, j foram col
locados nos respectivos lugares.
Mancha.Entrada Occidental.O almiranta-
do raglez annnncia que o Brisk, bar?a telegraph >
de que j se deu conheciiLOoto aos navegantes em
~ de Janeiro de 1870, acha-se definitivamente
ta-
H
fundeado com armacao no sen lugar sobre o
boleiro do Almiranlado.
O.-eano Attlantico Septentrional.Illnroiiiacao
do porto de Charleston (Estados-Unidos ).O go
verno dos Estados-Unidos communica que no dia
1." de maio do corrente comecaram a funecionar
os dous phares da ilha de Morris, conhecidos pelo
nome deluzes de direcco--do canal Principal
ou canal Pumpkim Ilill, iua indica o porto de
Charleston.
A Inz exterior fixa, de cor branca, e acha-
se eollocada n'uma lanterna mntala sobre urna
balisa de madeira de 4"5 de altura, d'oode Ilumi-
na todo o horisonte.
O apparelho de luz dioplrico ou lenticular e
da quinta ordem.
A Inz interior fixa, de cor encarnada, e
funceona n'uma lanterna eollocada sobre um pe
destal de madeira aberto junto a base e feehado na
parte superior da altura do 10* 6.
O apjarelho de luz dioptrieo e da quinta
ordem.InstruccSes.Para entrar na barra e se-
guir at o porto pelo canal principal, ou canal
Pdmpkim Hill, dev-i-se cufiar as duas luzes ama
pela outra ao rumo 72* NO at que barca pha-
rol de Wechawken ( situada por 32 43' 14" N e
82 lt'2" O) demore exactamente ao norte, em
eujo comento se aproar direito a ella at passor
por seu lado de bono bordo.
Costa S. O da Hespanha.=Pharol no cae da
Haelva.O governo hespanhol annuncla que no
da 5 de abril de 1870 comecou a acender-se urna
luz na Ponto da Cruz pira indicar a extremidade
do caes em construceao de fronte da cidade de
Huelva.
Esto laz esto eollocada n'uma lanterna espoe-
rica, tem a cor branca Da parte superior e eacar-j
nada na inferior e ach-te a 6 metros acusa 4o ni
vel da preamar ordinaria.
i Mediterrneo.Awndeu-se o pharol do cabo
Creux (costo de Hisnanba ).Em addamento ao
annuncio de 25" de fevereiro de 1870, informa-se
^LSSS^Sh^au iV^^i COnCert0' P ton *"r"" **> PSIBrMD g^1nco7n"moT
novanwnta aceso no dia 15 de abnl corrento. Afc- 9 nnblico ~
novanrenio ceso uo un 10 ue aom corrente. AC- do ublco
lualmente a sua Itvz de lampejos, encarnados com.. ,, ,
o intorvallo da-Iras minAtet.
ORDEM BENEDCriNA. Palo Ministerio do
imperio foi expedido o seguate aviso ao Rvm. D
abbade geral da ordem benedictina :
Rio de Janeiro, em 27 de outubro de 1870.
Consta officialmente ao governo imperial que apre-
lentou-se em Roma Fre Joio de Santa Genrudes,
do mosteiro da corto, aeompaohado de tres jovens
brasileiros Francisco Jos Ferreira Villaca, Jos
Thomaz de Faria e Hermenegildo de Araujo Sara-
paiu, qae eutraram como novicos na ordem bene-
dictina, correndo p r eonia do raesmo mosteiro as
despetas que elles all fizcn.
i Nio pode o goverao imperial nem deseja obs
tar a que os subditos brasileiros, dirigindo-se s
paizes estrangeiros, professem aas ordeas regula-
res que nelles existirem se o permttir a legisia-
co respectiva ; mas devo ponderar a vessa pater-
nidade reverendsima, que, estando cassadas, por
circular de 19 do maio de 1855, as licencas con-
cedidas para a admisso de novicos uas ordens re-
ligiosas do imperio, seria frustrada esto determi-
oacao sem estar competentemente revogada se fos-
se licito aos Brasileiros qae professarem em or-
dens regulares estraogoiras fazer parte das com-
munidades existentes no Brasil.
Manda, por tanto, sua magestade o Imperador
declarar a vossa pateroidade reverendsima, que,
ainda quando os referidos Brasileiros professem
em Roma na ordem benedictina, nao poderio, voJ-
tando ao imperio, formar parte da de que vosaa
paternidade reverendissima o abbade geral.
c Deus guarde a vossa paternidade reverendis-
sima.Joo Alfredo Correia de Oliveira.
GUERRA FRA.NCO-PRUSSIANO.Pelo ministe-
rio dos negocios estraogeiros foram expedidos o
seguinte aviso c nstruecSes :
c Rio de Janeiro, 29 de outubro de 1870.Ulm
e Exm. Sr.Te nho a honra de acensar a recepc
do aviso que V. Exc. dingio-me, com a data de
27 do corrente, relativamente ao projecto de ias-
!rurc3e8 deste ministerio, que offereei a conside-
rago de V. Exc. com o meu aviso de 22, para o
fim de regulare facilitar a sahida dos portos do
imperio das embarcados de guerra e mercantes,
pertencenles s nacoes belligerantes, de conformi-
dade com as exigencias do servico pablieo.
< Inteiadodas observarles de V. Exc, e tendo
harmonitado com ellas as mencionadas instruccoes
cabe-rae agora remede-las a V. Exc. definitiva-
mente formuladas nos termos constantes da copia
inclusa, e rogar a V. Exc. se sirva expedir pelo
ministerio a seu cargo aa orden necessarias para
que em todos os portos do imperio sejam restrie
lamento executadas.
< Reitero a V. Exc. as seguranzas de minha
perfeita estima e distincto coisideracio.Viscon-
de de S. Vicente.A S. Exc. o Sr. Luiz Antonio
Pereira Franco.Semelhantemente ao ministerio
da guerra.
Rio de Janeiro.Ministerio dos negocios es
trangeiros, em 29 de outubro de 1870.
t No intuito de regular o disposto na eondicao
quinto da circular de 23 de juaho de 1863, cura-
pre que, durante a guorra entre a Franca e a Prus-
sia, sejam observada as seguintes providencias :
1.* 0< navios de eommercio de nm dos bol-
l'gerantes quizerem sabir do porto, devero dar
aviso por escripto, cora antecedencia de 24 horas,
ao commandante da esiaco naval do dia e hora
em que tem de sarpar. No aviso declarario se
sio a vapor ou a vela.
a 2.* O commandante da estacio naval, se nao
tiver sido prevenido da ahila de .algum navio de
guerra do oulro belligeranle, mandar intimar aos
respectivos commanlantes, que nao poderio dei
x ir o porto se nao depeis de passado o tempo da
sobredito eondicao quinto. Faralm disso os ne-
cessarios avisos s fortalezas e erabareacoes do re-
tiitro.
a 3.* Os ditos navios mercantes nao deverao sar-
par sem que lenham resposto por escripto decla-
ratoria do que estio dadas as devidas providencias
e que, por tanto, podem retirar-se. A resposta
sera dada com toda a brevldide.
t 4." Nos lugares onde nao honver commandan-
te de esla?ao naval, o aviso das embarcacoes mer-
cantes ser dirigido ao capitn do porto ; na falta
deste ao commandante da fortaleza de registro ;
e, nao ha vendo fortaleza, ao de qualquer navio
de guerra brasileiro que ahi se aehe ; e, em nllimo
caso, npinr autoridade poli-ial da localidade. O
funecionario, a quem o aviso nos sobreditos ter-
mos for dirigido ; o competente para fazer a in-
limacao aos navios de guerra belligerantes.
a .* Os navios de guerra dos belligerantes, que
nao quizerem ter a sua sahida impedida pela re-
tirada successiva das embarcares mercantes, ou
de navios de guerra contrarios, deverao commu
nicar com anticipacao de 24 horas nos termos so-
breditos, a pretenco Ja sua retirada. A prion-
dade da sabdi sera regulada pela da entrega do
aviso.
6.J Alera do que ftea disposto, 03 navios de
guerra nao poderao deixar o porto sem que pri-
meiro cntrem as embarcaedes mercantes do outro
belligeiaute, que esrejam barra, ou tenham sido
annunciadas pelo telegrapho, ou pelos alvicareiros,
salvo se derem os respectivos commandantes sua
palavra de honra ao commandante da estacio na-
val, e na falla ao funecionario competente, de que
nao lhes farao mal alguna ; e, se, alm disso, nao
estiverem impedidos do sahir por outro motivo.
Viseonde de S. Vicente.
PRAg.V DO HOSPICIO.-Parece que a polica
da freguezia da Boavista nio existe, tantos e tio
repetidos sao os furtos e roubos praticados em di-
versos lugares, e especialmente as ras da Sau-
dade e adjacentes, situadas na antiga praja do
Hospicio.
A) amanhocer de hontem tiraram os ladroes
quanto existia no quintal da casa n. 6 da ra da
Saudade ; e penetraram no quintal de urna da3
casas de azulejos era frente do collegio de S.
Francisco Xavier, d'onde, sendo presentidos, po-
zeram-se em fuga, sendo um d'elles preso a esfor-
503 dos criado i de um vizinho ; e quasi que dia-
riamente se repetem esses factos.
Por que razio se nao cuida de por frente da
polica dessa freguezia nm homem mais activo ?
E' lempo disso, visto que, approximando-se a festa
do Natal, deve tornar-se bastante actrva a compa-
nhia dos ladroes.
ESPUMAS FLUCTUANTES.E' este o titulo
com que appareceu ao lume da litteratnra patria
um volume de 200 paginas do poesas escripias
pelo intelligente e sobremodo mimoso poeto haitia-
no, o Sr. Castro Alves, estudante do 4o anno de S.
Paulo.
O Ilustrado moco,'o symaathico poeta, j van-
tojosamente conhecido na repblica das lettras
brasireiras. Seu nome nio ura d'esses tantos
que apparecem na tona d'agua paradesapparece-
rera para sompre, como as fugaces bolhas da es-
puma das ondas ; nao, Casino Alves um neme
que pesa na litteratura e que sobre-nada, sem re-
ceio do naufragio, quaesquer que sejam os ventos
que osculera a superficie agitada dos mares da
poesia.
O que dizer das Espumas fluctuantes ? O no-
me, apenas o nouw do poeto, mais que suffi-
ciente para dizer o que esse livro-thesouro, que
o joven poeta offerece consideracao do publico
e s investlgacoes dos Iliteratos.
O livro, a3 poesas ^sio pois de Castro Alve, e
isto dtve bastar.
Agradecemos cordial mente ao antor aremessa
que nos fet de um exemplar.
C XYENNANesta possessio franceza reina
cora intensidade a varila.
CIDADE DE OLINDA.-A irmandade de Nossa
Senhora do Guadalupe erecta na igreja dessa in-
vocacio na cidade de Olinda, celebra domingo (13)
a festa de sna padroeira, com o brilhantismo do
coslnme.
AGRICULTURA.Sob esta rubrica encelamos
hoje, em nossa oitava pagina, a publicarlo do im-
portante relatorio do Imperial Instituto Fluminense
de Agricultura, apresentodo ao governo imperial
pelo seu respectivo presidente, o Exm. Sr. Bario
do Bom Retiro.
E' nm nota vel trabalho pelo acert das aprecla-
coes e pelo grande numero de dados cerca de ira
porUnles raelhoramentos em lado quanto diz res-
peito agricultura. E' ao menino lempo a historia
do rnovimento dessa associacao de tonto ulildade e
das vantagens que j tem produzido para o paiz.
Senlo a agricultura a tonto principal da riqueza
d'esle paiz, sem duvida, digna de animacio e de
roconhecimento a associacao qae tanto se tem es-
freado em proraove-la e meloora-la, estadando e
indicando Indo quanto de mais aperfeicoado vai a
scieucia apresentando.
PRETO DOUDO. Informam-aos ue na iraves-
sa do Carmo exista, a'uma casa, am preto em
completo estado de alieaacio mental, qae bastante
incoflunoda os moradorea detia *4ai prximas
ras. Chamamos para isso a auencla da autorl-
dade competente.
IMHTJNDICIA. Pedem-nos qae chamemos a al-
teocao do Sr. fiscal da freguaua de S. Jos, para
ura obrado da roa NovaJanta Rito, da onde se
pulmo-
169." a
Pe
POVOADQ DOS REMEDlOS.-Remettem-nos o
seflnte, pedindo sna pnblicacio :
Peda-te a cmara municipal, ou a qaem com-
petir, queminde proceder a numeracio das casas
dos Remedios, de conformidade com os lancamen-
tos da respectiva collecta, afim de evitarem-se
os rntgamt qae quotidianamente apparecem quan-
do se (em de cobrar execulivamente qualquer im-
posto provincial nao pago dentro do competente
praso.
c Antonia Maria da Conceicao, leve ataa peque-
a casa na travessa dos Remedios, qne vendea-a
e boje esto reedificada e habitada pela propieta-
ria : pois bera, sempre que se tem de cobrar ain-
da Antonio Maria da Conceicio o imposto dessa
casa, como semelnante mulher nio existe mais no
lugar, sa atira o offlcial da dellgencla sobre a po-
bre viuva Antonia Maria da Paz, que nessa mes-
ma travessa tem urna outra pequea casa, onde
mora, com seas (litios, arruinada, e que por essa
causa, e por ser desvalida, nao paga imposto al-
guno, favor que Ihe concedido pela lei.
a Essa slmplicidade do offlcial, parecendo-lhe
qae Paz o mesrao que Conceicio, tem tldo a
graca de encommodar a pobre mulher cansando-
Ihe receiosj de ver seu nico abrigo.era praca, e
ella obrigada aos encomraodos sobrevenientes desss
acto.
< Fot ltimamente noetificada para pagar den-
tro de 24 horas o imposto devido sol pena de pe-
nhora, e isto por Antonia Maria da Conceicio, q'ie
nao sabemos porque, ainda deve i rapo-tos de urna
casa vendida a mais detresanneal Reclamndo-
se por se engao do offlcial no cartono do feito,
responden o respectivo esorivio rSqueira.
i Para que engaos toes se nio reprodusam,
convm sereno as casas numeradas, e que nos man-
dados de notificarlo se menciono sempre o nome
ro da casa devedor.
HELEN'E SANGLES. VelO de passeio esta
provincia a Sra. Heleno Sangles, nina das pnmei-
ras cantoras do alcacar do Rio de Janeiro, que,
segundo estamos informados, se far aqu ouvir
em duas repre?entac5es, em que nos pretende dar
0 prazer de apreciar o seu talento artstico.
HOSPITAL PEDRO II.O rnovimento desse es-
tabelecimento de 31 6 de novembro de 1870,
de 214 doentes existentes, entraram 28, sahiram
25, fallecerara 3, existen 214, sendo 135 homens,
e 9 mulheres.
/ Advertencia.
Foram visitadas as enfermaras nestes das
as8. 6, 6, 6,6,6, pelo Dr. Ramos; as 11 1/2,
10 1/2, 11, 11 1/2 12, 12 1/2, pelo Dr. Sar-
ment.
Antonio da Silva Pinto; tubrculos pulmonares.
Delmira Maria da Conceicio ; tubrculos pulmo-
nares.
Joaquina Josepha dos Santos; tubrculos
nares.
LOTERA.A que se acha venda a
beneficio di nova igreja de Nossa SeuUora d
nha, a qual corre no dia 12.
PASSAGEIROS. O vapor Tocantins viudo dos
portos do su I, trouxe os seguintes :
D. Casemira Joaquina, major Custodio Floro da
Silva Fragoso, Joio da Fonseca Barbosa, D. Fran-
cisca Paula Guilherme, D. Maria Augusto Wele,
D. Anna Felicia da Conceicio, alferes llypolito de
M .raes, lente Jos Placido Lucas -Bion, Porfirio
Machado, Joaquim de Carvalho, Antonio Moreira,
coronel Jos Angelo de Moraes Reg, Jos Firmo
Pereira do Lago, Mr. Sangles, Mme Sangles e 1
filho menor, D. Mana Isabel Ferreira, 1 luna e 1
escrava, Manoel Ferreira Lima, D, Claudina de
Azevedo Dias, D. Jacintha Emilia da Puriflcaeio.
Rodolpiano Raymundo da Silva, Cypriaoo J. da
Gama Kelly, sua senhora e 1 fiiha menor, Jos
Carneiro de Oliveira, sua senhor e 1 filho menor,
Ignacio da Cunha Candido Vianna, Joio Baptista
de Castro Rebello, Harmindo Marlins Curvello
1 escravo, Francisco C. Vieira Dias, Candido Ro-
drigues Vianna, Pedro Leao Velloso filho, Luiz
Antonio Pires de Carvalho, Domingos Alves dos
Santos, 4 prajas de marinha, Joio Nunes Correia,
Joio Raytnundo Marlins, Joaquim Jos Gomes, Dr.
Antonio B. de Gusraio, Manoel Porfirio de Al-
meida, Tbeotonio Torquato Brandao, Manoel Fran-
cisco de Oliveira, Jos de Oliveira, Jaques Bonne-
font, Joaquim Soares Barbosa, Luiz Pereira dos
Sao tos Lian, major Antonio Joaquim Duarle, Ma-
noel Goucalve3 Duarle e 1 escravo, Francisco C.
Duarte, Francisco Antonio Romio, E. Frorum,
Francisco Duquene, D. Alexandrina Magalhies
9 urna criado, Antonio Teixoira Jnior, Jos
Luiz Soares, Jos Dinz, Antonio Monteiro Rabcllo,
Joaquim da Costa Almeida, Antonio Evangelista
de S, Joio da Silva Freitas, Manoel de Souza Bi-
tencourt, Carmo J. de Castro, Francisco Manoel
Maris, Firmino Leocadio Lima, Francisco Macha-
do dos Santos, Manoel Estoves Alves e 1 filha,
Antonio Jos de Castro, Manoel Pinto de Araujo,
Candido Freir de Oliveira, Franciseo Jos Do-
mingos, Delfino Marlins de Ariujo, Manoel Fran-
cisco de Orino, Manoel Jos de Olivfira, Manoel
Jos de Araujo, D. Emilia de Mendonca e sua so-
brinha, D. Laura Maria Rosa de Lima, D. Ludge-
ra da C:nceicao Ferreira, Moreira Maris, Igna-
cio Francisco'Maia, Joio Lins Vieira CaBCncao
de Sinmb e D, Anna Ferreira Cali, 1 filha e 2
criadas.
Seguem para o norte :
Teoente Sigisnndo Cycoro de Alenear, Manoel
do Naseimento Braga e sna senhora, Dr. Jos Car-
doso de Moura Brasil, Joio Ramos, Jos Correia
dos Santos, Jos Pedro de Souza Queiroz, Sabino,
Francisco de Mello Coutinho Vellema, Lourenco
Pinto, Justiniano Pinto,'tcnente Gustavo Adolpho
Vianna, lente Constantino Jos Nunes, Paulo Go-
mes de Lima, Manoel Castanheira. George Ron,
Dr. Cardoso Guimaries, sna senhora, 1 filha me-
nor e 1 criado, 30 pragas para as provincias.
Viudos no vapor brasileiro Arinos, entrado
do Para :
Joao Capistrano de Abren, Victor Maria Lopes
e 2 criados, Amonio Celana, Manoel Luiz de An-
chieta e 1 cria lo, Dr. Laurinio de Oliveira Caldas
e 1 escravo, Adriano dos Santos Pereira, Francis-
co de Almeida Braga, Evaristo Joaquim de Santa
Annae 1 escravo, Manoel Pinto Porto, Alexandre
Gilberto, Orville Derby, Dr. Borden Wilmot.
Seguem para o sal :
Joio Tiburcio Ferreira, sna senhora- 8 fllhos e
2 criados, Pipi Laurent, Antonio Ferreira Pimen-
tsl Belleza, tente Jos Lourenco do Vasconcel-
los, Manoel Antunes de Oliveira, 6 escravos a en
tregar, 4 pragas para o exercito.
Vinlos no lugar portuguez Julio, entrado de
Lisboa :
Manoel de Mallos. Jos Francisco Castanhoira
CEMITEIUO PUBLICO.Obituario do dia 7 de
novembro :
Dr. Ignacio Firmo Xavier, branco, Pernambu-
co, 46 annos, casado, medico, Graga ; febre palhe-
dosa.
Maria Gertrudes do Rosario, parda, Pernambu-
co, 30 annos, solteira, Boa-vista ; luberculos pul-
monares, hospital Pedro II.
Antonio, escravo, frica, 64 annos, solleiro, S.
Jos : spdro-pericardis.
CHRftNICA Jl M I ARIA.
TRIBUNA!. DA RELAJA.
SESSAO EM 8 DE NOVEMBRO DE 1870.
RKSU0KNC1A DO EXM. SR. C0N3ELHKIR0 C. SANTIAGO.
Secreon'o Dr. Virgilio Colho.
As 10 horas da manhia, presentes os Srs. desem
oargadores Gitirana, Lourenco Santiago, Almeida
Albuquerque, Motta, Domingues da Silva, Reguei-
ra Costa e Souza Leio, fallando com causa os Srs.
desem bar gadores Guerra procurador da corda,
Assis e Doria, abrio-se a sessao.
Passados os feilos, deram-se os seguintes jura-
mentos :
, ACCRAVOS DB PKTICO.
Aggravante, Manoel Pereira Magalhies; aggra-
vado, o juizo.Juizes os Srs. deserabargadores
Motta, Lourenco Santiago e Regueira Costo.De-
ram provimento.
Aggravante, Jos dos Santos Neves; aggravado,
o juizo.Juizes os Srs. desembargadores Regueira
Costa, Gilirana e Loarenco Santiago.Deram pro-
vimento. J
Aggravante, a Santo Casa da Misericordia; ag
gravado, o juize.aJuizes os Srs. desembargadores
Domingues da Silva, Gilirana e Motta.Negaram
provirneato. -----
_ AfPELLACAO CRIHB.
Do jury da villa do Pillar.-Appellante, Antonio
fc*j V^-R'Wro ; appellados, Joaquim Mari
nho de Souza Rolim e oulros.A' novo jury.
_ BABEAS GOBPU8.
jfcxigiram novas informacSes do Dr. chefe de
polica sobre p paciente Manoel Francisco Duarte,
e negaram soltura ao paciente Pi escravo.
t\. o a >. PAM* do >r. aasernhargador Lourenco Santiago, ao
Sr. desembargador Almeida Albuquerque:
Do juba municipal do Recite. -AppeKwte, los
Jacome Tasso; appeilada, a irmandade de S. Pe-
dro. Appellante, Francisco Goncalves Netlo por
sea pupilho; appellado, Manoel Joaquim Baptis-
ta. Do juizo municipal da,Parahyba.Appellan-
tes, Jos Ignacio Nones Freir o outro; appellado,
Manoel Gomes da Cunha Lima Do jalao de er-
pbios de Porto-Calvo.Appellante, Jos de Olivei-
ra Lima ; appellados, Jos Francisco Mata e ou-
tros. Do juizo municipal do Bonito.Appellante,
Jos Franciseo Xavier Cruvello; appellado, Joio
Francisco Xavier da Azevedo, hoja sna herdei-
ra. Do juizo municipal de Pao dos Ferros.Ap-
pellantes, Silvano Jos de Carvalho e oulros ; ap-
peilada, D. Rachel de Souza Carvalho.
Do Sr. desembargador Almeida Albuquerque ao
Sr. desembargador Motta:
AppellaQdes civeis. Appellante. Luit Correa
Lima; appellado, Jos Machado de Jess. Appel-
lante, Jos Antonio de Britto ; appellado, o tenen-
te-coronel Manoel Joaquim do Rogo Albuquer-
que.
Ao Sr. desembargador Assis:
Appellaco civeLAppellante, Basiliano de Ma-
alhies Castro j appeilada, D. Joanna Maria das
lores.
Do Sr. desembargador Molla ao Sr. desembar-
gador Assis: i
Appellaco civel do juizo municipal de Balori-
t.Appefiantes, a viuva e herdeiros de Alexandre
Fraucisco Ferreira. Do juizo municipal do Reci-
te.Appellante, Galdino dos Santos Nunes de Oli-
veira ; appellado, Manoel d'Azevedo Andrade.Ao
Sr. desembargador Doria juiz certo.
Do Sr. desembargador Regueira Costo ao Sr.
desembargador Souza Leao:
Do juizo municipal do Rertfe.Appellante, Dr.
Joao Fraucisco Cavalcante de Albuquerque; ap-
pellado. Dr. Antonio do Menezes Vaeconcellos
Drummond.
Do Sr. desembargador Souza Leio ao Sr. des-
embargador Gitirana :
Appeilacoes civeis.Appellante, Manoel Ferrei-
ra Gomes de Menezes; appellado, Anastacio Fran-
cisco Braga. Appellante, Joaquim de Azevedo
Maia; appellanto, D. Isabel Cordeiro de Alquer-
que Lins.
Do Sr. desembargador Gilirana ao Sr. desembar-
gador Guerra:
Do juizo municipal de Baluril. Appellante,
Francisco Rufino de Souza ; appellado, Ignacio Al-
ves Barreira.
Ao Sr. desembargador Lourenco Santiago:
Appellaco crme do jury da Parahyba.Appel-
lante, Jos Franciseo de Mallo Barrelto; appella
do, o major Thomaz d'Aquino Mindello. Do jury
de Porto-Calvo.Appellante, Jos Antonio de Mi-
randa ; appellado, o juizo.
Ao Sr. desembargador Assis:
Appellaco civel do juizo municipal de Caja-
zeiraa.Appellante, Jos Ribeiro Campos e Pi-
res : appellado, Antonio Jos de Souza.
Do jury do Rio-Formoso.Appellante, o juizo ;
appellados, Antonio Luiz Pereira e outro. Do jui-
zo de direito de Cabrob.Appellante, Manoel Ro-
drigues de Carvalho Britto ; appellado, o juizo. Do
jury da Fortaleza.Appellantes, Candido Franco-
lino de Souza e outro; appeilada, a iustica. Dia
de apparecer do juizo municipal do Recfe.Ap-
pellado, o major Jos Gomes da Silva ; appellante,
Joaquim Duarte Pereira.
Assignou-se dia para julgamento dos seguintes
leitos:
appellacSes civeis.
Do juizo municipal da Parahyba.Appellante,
D. Joaquina Gomes da Siheira ; appellado, o major
Joio Jos de Almeida.
Appellante, Jos Rodrigues Dalgado de Aquino
appellado, Manoel Soares Pinto Filho.
Do juizo municipal do Bonito. Appellantes,
Francisco Antonio Soares e oulros; appellado, Vi-
cente Ferreira Padilha Cilumby.
Do juizo municipal do Grato.Appellanto, Fran-
cisco Xaxier dos Santas; appellados, Manoel Fer-
reira Callado e sua mulher.
Do juizo municipal do Taip.Appellanto, Jos
Joaquim Pitombo ; appellados, Jos Mende3 Ferrei
ra e oulros.
Do juizo municipal da Parahyba Appellante,
Jacinlho Luiz da Silva; appellado, Francisco de
Salles Thadeo.
Do juizo dos feilos da fazenda do Recfe.Ap
pellanie, D. Francisca Tiomasia da Conceicio Cu-
nha ; appeilada, a fazenda.
APPELLACO CRIME.
Appellaco crme do jury do Grato. Appellanto
Francisco Lopes Rodrigue',; appellado, o juizo.
DELIGBXOIA CIVIL.
Ao Dr. curador geral:
Do juizo municipal da Parahyba.ApoelUnte,
Jos Francisco de Oliveira; appellado, Domingos
de Barros Brandio.
distribuicSes.
Ao Sr. desembargador Gitirana :
Appellaco crime do jury do Crito.Appellan-
te, o juizo; appellado, Agoslinho Alves de Alen
car. Appellaco civel co juizo municipal do Reci-
te.Appellante, Joio Donsby Silva; appellado,
Joaquira Francisco de Albuquerque Santiago.
Ao Sr. desembargador Guerra:
Do juizo municipal da Fortaleza. Appellante?.
D. Joanna Marcolina de Sampayo e outra; appei-
lada; a cmara municipal.
Ao Sr. desembargador Lourenco Santiago:
Do juizo municipal do Recife. Appellante, D.
Maria Francisca dos Anjos Curado; appellados,
Luiz Gomes Silverio e sua mulher.
AoSr. desembargador AlmeidaAlbuqaerque:
Do juizo de orphos da Iraperatriz.Appellante,
Antonio Barroso Valente; appellado, Jos Fua-
do Bardo3a.
Ao Sr. desembargador Domingues da Silva:
Appellaco crime do jury da comarca do Jar-
dim.Appellante, Vicente Machado do Naseimen-
to ; appeilada, a juslica.
Ao Sr. desembargador Regueira Costa:
Do juizo de direito do Aracaty. Appellante,
Joaquim Jos de Sant'Anna; appellado, Francisco
Jos Pereira.
Ao Sr. desembargador Souza Leio :
Do jury do Assary.Appellante, Trajano da Sil-
va do Naseimento. Appellaco civel do juizo mu-
nicipal d'Agua-Preta.Appellantes, Jos Alfonso
Ferreira e outros : appellados, Flix Jos da Hora
e outros.
Encerrou-se a sessio ao meio-da.
TRIBUNAL RO COMMERCIO
ACTA DA SESSAO ADMINISTRATIVA DE 7 DE
NOVEMBHO DE 1870.
PRESIDENCIA do exm. SB, DESEMBARGADOR ANSELMO
FRANCISCO perettl
As 10 horas da manhia, estando reunidos os
Srs. depuiados Miranda Leal, Basto e supplente S
Leilo, faltando com rartecipacao o Sr. deputadu
secretorio o Sr. Risa, o Exm. Sr. presidente deca-
rou aberta a sessio.
Foi lida e approvada a acto da sessao de 3.
EXPEDIENTE.
Oflicios :
Do Exm. Sr. conselheiro presidente da provincia,
firmado ds 31 do mez prximo passado, acompa-
nhando, para ser informado, o requenmento do
conselheiro Manoel Rodrigues Villares, em que
pede ao governo imperial tres mezes de licenca
para seu filho hachar! Luiz Rodrigues Villares,
amanuense e interprete da secretaria deste tribu-
nal.A' secretaria para informar.
Do mesmo Exm. Sr.. para ser informado, at 15
de Janeiro viodouro, qual o estado do eommercio
dsta provincia, suas necessidades mais argentes,
o numero das companhias anonyraas e caixas li-
liaes existentes. A' secretaria para satisfazer a
exigencia constante do offlcie, como nos annos pre-
cedentes, depois de ebter os necessarios eselareci-
mentos.
Do presidente e secretorio da junta dos correc-
tores, remmeltendo o ultimo boletim commer-
cial.Archive-se.
Foram a rubricar-se os livros Copiador de Ra-
be Schraettau & C, dito de Keller & C.
O Sr. Jos Antonio Basto assignou o termo de
juramento e responsabilidade, como proprieiario
e armador do hiate Probidade.
DKSPACHOS.
Requerimentos :
De Vicente Ferreira de Albuquerque Nasei-
mento, para registro da nomeaco de seu caixeiro
Saloino Alves de Gouva,Como pede.
De Horacio Antonio Mingabeiro, no mesmo sen-
tido quanto Antonio Targino dos Santos. Sino.
De Joao Francisco da Coste Campos, tambem noj
mesmo sentido quanto ao sea caixeiro Manoel
Francisco de Athaydb.Como requer.
De O. Kell Bindloss & 0., igualmente para se Ihe
registrar a de seu caixeiro Alfonso de Albuquer-
que Marlins Pereira. Registre-se, depois de es-
cripia,' o numero do armazem dos supplicantes,
tendo-se satisfeito o exigido no parecer fiscal.
Contracto oocial de Jos Alves Tenorio ds C
Seja registrado.
Nada mais havendo despacho, o Exm. Sr. pre-
sidente eocerrou a sessio s 11 horas e meto do
dia.
SESSAO JTJDICIARIA IM 7 DE IfOVRBW
DB 18W.
raasnoNCLt do ara, sa. iMiawnaaiaaa a. r. n
gnu.
Secretario, Mi Ao meio dia declaroa-se afearla a i
rennidos os Srs. desembargadores SVra
lies, Reis e Silva, os Srs. dapulane Baatt, _.
da Leal e supptanla S Laftio, fritando eoat aarM-
cipaeao os Srs. dcjembargadom AecM, a Roaa.
Lida, foi approvada a acta 4a soasad aaarada,
Foi presentado o oBcfa datado de aoje do Sr.
bario de Nasaroth, commnnieaado mo podar eoaa-
parecer por se aebar encommodado.
O escrivio Albnqaerqae reglura o ultimo ara-
testo de lettra 4 do presente mez sob o n. 9tSt;
e o escrivio Alves de Brito i 3 do dito om safe
o n. 2097.
accordo assicnADo, proferido no dia 27 do
passado.
Appellante Jo Joaquim de Castro Moura, ap-
pellado Galdino Francisco de Macedo.
JULOAMWTOS.
Juizo especial do eommercio : embargaata aav
pellanie reo Bernardo Jos Rodrigues Piafe*iro.
embargados appellados autores Wilsoos k HaH ;
juizes os Srs. Silva Guimaraes, Res a Sirva, Baato
e Miranda Leal. Foram desprezados os embargos
com o voto do Exm. Sr. presidente, seado voto*
vencidos os Srs. Silva Guimaraes e Basto.
Fica sobre a mesa o feito em qne o Sr. bario
ae Nasarelh juiz, entre partes, embargante Ma-
noel Pereira Magalhies, embargado D. Jaaa Bat-
son.
Nao estando presente o Sr. desamparaor Me-
eioli, nao foi proposto o feito qae peaode ae embar-
gos entre partes, embargante Jos de Oliveira Li-
ma, embargado Joaquim de Souza Ferreira: e,
pelo mesmo motivo e por nio estar presente o Sr.
Rosa, nao foram propostos os feilos em qna sa
partes, appellante Jos Alves de Aguiar, appella-
dos os administradores da massa fallida de Anto-
nio Jos de Figueiredo; appellan e Tnaodoro Caris-
tiansen, appellados Rabe Schraettau 4 C ; appel-
lante Salvador de Siqueira Cavalcante, appeltodo
Leopoldo Ferreira Marlins Ribeiro; embargaMe
D. Gertrudes Anglica Joaquina, embargado o ba-
charel Joaquim Francisco de Miranda; embar-
gante Joaquim Francisco do Espirito Saab), em-
bargado Nathan Danheiseer.
PASSAOKNS.
Do Sr. dosembargadoj Silva Guimaraes ao Sr.
desembargador Reis e Silva : embargaata Ale-
xandre dos Santos Barros, embargado Man- el J...
de Miranda; appellante Antonio Jo-quim de Tas-
concellos, appellados os administradores da mama
fallida de Joo Ferreira da Costa Soares.
DESTRIBriCOBS.
Ao Sr. desembargador Silva Guimaraes : appel-
lantes Jonhslon Pater & C, apdellalos Tasso Ir-
mos; embargante Jos Cesara de Mallo, embar-
gado Joio da Cunha Reis.
Ao Sr. desembargador Ris e Silva : appeilact
o administrador da massa fallida de Sebaso Jase
da ailva, appellado Joaquim Lopes de Almeida.
Encerrou-sa a essio mea hora da larde.
PUBLICACOES A PEDIDO.
Dando esparo em nossas columnas s notas qne
constituem a honrosa f de oflici> do aeinal com-
mandante do 1 i* corpo de 1' linha, que faz a goar-
nico desta cidade, cumprimos nm dos devere*
mais gratos imprensa livre:fazer coafeecido o
verdadeiro mrito.
Subindo de simples scldado ao posto em qae ae
acha, o corenel Manoel da Cunha Waaderley Lins
mosira por sua honrosissima fe de offieio qne aao
foi desses predilectos da fortuna, qae, na parase
de um distincto escriplor nosso, sao agarrado*
pelas urelbas, e arrancados de sna obscoridaoV,
para serem elevado^ posicoes a qae, alias, Pa
devera aspirar o merecimento.
E' um filho de sus aslorrj os, iiae poda diaar: o
que sou a mira smente o devj, persoaiacand) o
grande principo democrtico da soberana de rae-
recimento pessial.
Publicando a vida militar do distinct > eorooei
nao urna horaenagem que rendemos ao indivi-
duo, seno o dever para com o paiz, com dirai:' a
conhecer e distinguir o mrito de seos roncHa-
daos, como um capital que Ihe compre guardar e
zelsr.
Aqu *rai o que tem sido e o qne o eoroaei
Wanderley :
Maooel da Cunha Wanderley Lins, praca vo-
luntaria a 27 de jnnbo de 1839, alfares s 16 de
junho de 1841, lenle a 33 jolbo de 18, capital
a 29 de jnlho de 1853, major por mereeimeoa a
22 de Janeiro de 1866, tenenle-coronel, por actos
de bravura, a 22 de selembro de 1866, coronel,
por actos de bravura, a 11 de dezembro da
1868.
Marchou voluntariamente para a provincia Alagas, quando rebellada a 7 de setembro de
1839. Marchou para o Maranhio a 20 de jan^ir
de 1810, onde fez toda eampanha al sna paeea-
cao em 1841. Assistio a surpreza faita ao ejerci-
to inimigo em novembro de 1844. na campanfea ia
sul, em Porangos. Fez a eampanha do Estado Oriea-
ul desde julho de 18.51 al junho de 185J. Dna-
te lodo este largo periodo, foi diversa vesos sem-
pre honrosamente elogiado pelos valiosos servir*
que, cora lodo ae'o, bravura, tino e honradez prm-
tou causa da ordem e da intezndade do paiz por
muilos commandantes de armas, presidentes de
diversas provincias e governo geral. Fet panada
3a brigada da 1' divisao ligeira, qae segaio pora
as pomas do Ibiroeay. Passando depois para a ~>
brigada, marchou, em observa i > ao inimigo, pan
a cidade de Uruguayaona, sitiando ameama, eauo
oc upada pelo inimigo, sendo, em ronseqaeacia de
seu bizarro comportamenio, bonresameale elegia-
do pelo muito bravo e distincto Sr. bario de Porto
Alegre, commandante em chefe, em ordem do am
de 19 de selembro de 1865. Por aviso do mmrs-
terio da guerra, e em ordem do dia do eommanio
em ebefe do exercito de 23 do dito mez foi tamtem
elogiarlo por S. M. o Imperador pela sna altitud*,
edihusiasmo e pericia, teslemunhadas pelo mena
senhor na mr.rcha para o inimigo. Foi condeco-
rado cora a medalla de prato, pendente do petto
direito, commemorativa da rendicio do inimigo
naquella cidade. Passou o rio Paran com a 1*
divisao a'16 de abril, e heroicamente tomn parte
no combate de 17, junto a forte de Itapiru, i
elogiado em ordem do dia n. 152, do como
em chefe do 1* corpo, pela actividade ferav
que pateateou durante o dito cmbale.
ao ata jue de 2 de maio em Estero Belbcay
portou-se intrpida e valentememe. Asaiaa
combate de 20, tomando as trinebeiras iaaaip
Passo da Cidra. A 24 a-sisilo e tomn parle i
portante na batalha de Tuyuty, no centro da l
do exercito, sendo loavado em ordem do am do
coraraando em chefe de 28 do mesmo mes palo sea
valor, calma o sangue-frio com qne sempre diri-
8o o sen batalbio. Assistio ao ataas aa W aa
ito mez, tambpm em Tuyuty. A9dejnaho,
testa de seu batolbao, as linhas de freate da van-
guarda, foi atacado pelo inimigo, a dorante 1 horas
de horroroso fogo, bridando com o malar eaoao
e a mais impassivei calma, susienton a fama de
seu nome, j to gloriosamente respailado por todo
o exercito e temido pelo inimigo.
Fazendo parte da exercito adiado, i amata aa
vanguarda, assistio aos bombardeies de 14 e 19 de
junho, quando foi gravemente ferido, leado, eatre-
tonto, anda sem estar reslabelecido, aa aprmtata-
do e tomado parte nos diversos reeoolroa bavide,
pelo que foi de novo elogiado pele coammada da
14a brigada. Por aviso do ministerio da ganara
de 2 de junho foi louvado, em nome de S. M. o
Imperador, pelo brilhante feito de armas da pama-
gem do Paran, a 16 de abril. Por am ofenda da
Exm. Sr. general commandante am chata da osar-
cito alliado, D. Bariholomen Mitre, kn elogiad ante
herosmo e valor com qne portou-at aa ataoaae dr
28 de maio. Por outro do mesmo de 15 de anana
foi umbem elogiado palo denodo e laagae tria
que mosirou as 5 horas de bombardew ao do 44
do dito mez de jnnbo. Por decreto de 17 da aana-
l) foi nomeado cavalheiro da Imperial >
Cruzeiro, em aitencao aos importantes a 1
ser vicos prestados nos combates de 16 e 17
2 e 24 de maio. Assistio tambera, na vi
onde sempre se achoo, ao bombarde
oulubro.
Por decrete de 22 de setembro fai l
tenenle-coronel, por actos de bravura,
de sea batolbao, de guarnicao a f '
teiros da vanguarda, assistio ao bal
de Janeiro. Erabareoa com o Patolhio
da Patria, e protegea a pasaageaa do-> <
exercito no alto Paran. Foi eaoofl
Sr. teen te-general maraas do Harral, aama im-
poriantes servico ore&taaaa amTnraty a tanme
como commandante de brigada, osmalis aa anav
bardeo de 19 da fevereiro da INao, i
e foi elogiado pelo commandante em
as torcas, o Exm. Sr. diana na Caitos,
cuinpndo saUstoetoriamanla atoa dnveras,
do mais ama anv por nooart^aoowiaa diattoek- a
roso, a jusca cot fia adquiri o ama de'
ebriosa.
da 17 de
I
A'
na

h.


Diario de Pemamfcuqo Quarta feira 9 de .Novemla de 1070,
Assistio o comba de l do mareo', onda e
*sifBio ratreptdameaio. Assu(io as Mohas
tvttendat ***io i llnmavi dorante todo mez.
de juoho; e bem assim aos no nbsfdeios deJ. ,
iJj \A *. *8.lfl. *7- *9/,l- *! *5 *5.e
do lo na, e m do mez de jaiba i* o dai6.
A viva torca aucou a mesma frtaiexa no comoa-
te tratado ani soas irineheiras m -W jalho,
sendo por taes feltos elogiado pelo Exm. Sr. mar
quez do Herval. Fez parte das Hnhas que sitiaram
os fugitivos da Haraayta at 15 de agosto, quando
ae renderam.
Foi el jgiado palo commandante em cbefa palo
empenno, valor a dedicaeio eom que 'trabalhou
para o bom xito dessa operac). Fax as ar-
chas contra as fortiflcacSes Qimigas as margena
de Tybiquary, em S. Fernando e Palmas, desde 10
de agosto al 24 da seterabro.
Fez parte do reconbecimento e do combate as
trincbeiras de Angostara do 1 de outubro, e foi
elogiado pelo commandante em chefe, pe a cora-
gem. galhardia e calma com que se portou. Fez
a marcha de fhneo na vanguarda do 3" corpo do
exercito, tomando activa parte no combate de 6
de dezembro, em Lambar. a vanguarda do
ezercito combatea intrpida e valentemente na
bata!ha do Avahy, a II de dezembro de 1868,
onde foi gravemente ferido por bala de fuzil,1 me
I be fractnrouo radius, 3endo pelos actos de bra-
vara qae pralicou promovido a coronel, e conde-
corado ora a medalba do mrito militar, pelos
seas releirados actos de bravura e herosmo, sen-
do compreheodldo nos louvores feltos oor S. M. I.
e pelas cmaras, era virtude dos repetidos e ira-
portantes servicos de campanba, como consta das
ordens do da do commando em chefe da 12 de
margo e 7 dejulbo. Agradeeeu o resto da licen-
(a com que se acbava tratando se em Pernamou-
co, e de novomarchou e apresntou-se no tbeatro
da gaerra, sendo por isso elogiado pelo commando
em chefe.
Depois de diversas e penosas marchas entre Lu-
que, Taquaral, Passo dePirahyu, lando flanquea-
do as posicoes inimigas pela sua esquerda alo o
desQIadeiro da Sapucahy, abri urna picada, pela
qual peoetrou e tomou a fortificacao inimiga cora
com toda sua artilharia.
Na tarde do mesmo dia, e de ordena de S. A. o
Sr. principe commandante em chefe, marehou,
reconheceu, e, depois de um reunido combale, to
mou as foriiQcasoes da estrada de Valenzuela,
desalojando o inimigo, qua] alli deixou feri los,
morios, prisjooeiros e armamento, como consta da
ordem do dia do raesmo serenlssirao principe de
li de novembro. Marehou sobre a villa de Valen-
zuela, onde entrn na maoha de 7, avanc,\ndo
sobre a praca de Pirabebuy a 10. Nessa noute
avancou para Barreiro Grande e na de 12 atacou
as fortiflcacoes inimigas, tomando as de assalto,
e pondo o inimigo em completa debandada, at
que se renden ; sendo por este heroico feito de
armas elogiado pelo commandante do 2 corpo
de exercilo, e o commandante em chefe S. A.
o Sr. conde d'Eu, pela bravura calma e pericia
cora que animou e guiou as torcas sab seu com
mando, que forara as primeira* de todo o exercito
a se arremessarem e tomarera a dita pra$a, como
consta da ordem do dia d 14 de novembro. Mar-
ehou delta praca era direccao a Gacup a 13,
con'.ra-raarchou com a brigada sob seu comman-
do a lo parao Birreiro Grande para cortar a reti-
rada do ini nitro vindo de Ascurra, onde assistio a
batalha de 16, naqnellescampos
Goramandoa as torcas que, na vanguarda, ata-
caram e tomaram heroicamente as fortifieacoes
da malta de Caquijuru a 18, sendo pelo comman-
dante em chefe S. A. o Sr. conde d'Eu, de novo
elogiado pela intrepidez e decidida bravura, ainda
esta vez provada diante de tao feroz inimigo. Sera
descancir, segurado em perseguicao aos restos do
exercito inimigo, acampoo na villa de Caraguata-
hy na tarde do mesmo dia 18. Teve parte nos
elogios e agradecimenlo da assembla provincial
do Itio Grande do Sul pelos extraordinarios e m-
pnrtantissimos servicos prestados em toda campa-
nha.
Marehou com a brigada para Ibitimy no 1 de
selombro, passando pelas villas de Barreiros, S.
Jos e Valenzuela, e a 11 por Villa-Rica, villa de
Ilap, para Caaguazu, corlando assim a retirada
do inimigo, que se acbava em S. Joaquim, tudo
em das de setembro. Foi de novo comprehendido
no elogio feito por S. A. o Sr. conde d'Eu, com-
mandante em chefa, por S. M. o Imperador, e as
cmaras legislativas pelos importantes e gloriosos
feitos do rnez de agosto. Por decreto imperial foi
agraciado com urna medalba pelos servicos presta-
dos na campanba do Paraguay, e por outro novis-
simo com o ofllcialalo do Cruzeiro pelos combates
de dezembro de 1868, e nos das Cordllheiras. >
(Extraktdo do Diario da Bahia.)
A o Dr. Silva Ramos
Pergunta-se ao Sr. Dr. Ramos se as da-
vidas que manifestou a cerca da molestia
do Dr. Victoriano de S e Albuquerque se
acham j dessipadas pela analyse chimica
feita na Bahia e nesse caso esclareca ao pu-
b'ico com sua opinio actual.___
tinto Formoao.
No dia 5 do correte pelas 8 horas da nouta
falleceu em seu engenho Serra d'Agua d'este
freguezia, a Exma. Sra. D.Feliciana Lins de Bar-
ro? Wanderley, mu digna esposa do Sr. tenente
Thomaz Lins de Barros Wanderley. A fallecida
era Sra. muito respeitavel e quirida no lugar pelas
suas boas maneiras, e actos caritativos alem de
ser extremamente religiosa, esposa e mi exem-
plar.
Semelhante perola deixa um vacco iramenso
uos coracSes de todos quanlo a conheciara, bem
como aos desvalidos de qdera era ella um arrimo
constante e seguro.
A seu digno e extremoso esposo o Sr. Thomaz
Lins de Barros Wanderley, que nao poupou esfor-
cos e recursos para salvar tao preciosa vida, diri-
gimos nossos profundos sentimentos.
Rio Forraoso, 7 de novembro de 1870.
A.
Monte Fio Brasiloiro.
Esta Fociedade procedendo a sua eleicao no dia
6 do correte, foram eleitoi os segaintes senhores
para a directora de de 1870-71.
Joaquim de Gouveia Cordeiro.
Joaquim Vilella de Castro Mariz.
Jeronymo Bruno.
Se:nndino Jos deFarias SimSes.
Para vogaes da directora.
Antonio Lino Pereira Dulra.
Archanjo C de Gouveia Cavalcanti.
Manoel Leopoldo Soares.
Flix Francisco da Paz.
Para orador.
Dr. Joaquim M. Carneiro. Vilella.
Para thesoureiro.
Jos Roque Antunes Villana.
Para commisso de contas.
Manoel Joaquim Das.
Manoel de Miranda Castro.
Domingos Bruno.
to trasparente como mbar ou crysUF.
o melbor especifico moderno no sea estado
aaais efficaz, e tio ieftlfeai|joi casos de
tosse, resfname'alos, asthma, angfnasTTo.
flimnacio dos polmOes e bronebioa, tlebi-
lidadade, emmagrecttnento, e todas af nais
eafermidades que terminam em tyae, ou
naaflecclo tuberculosa confirmada* de bofe.
N. 384.OLEO PURO MEDICINAL DE
FIGADO DE BA.Ca.LHAO, DE LANMAN A
KEMP.Urna toase pertinaz e fatigadora
que de vez em qaaado arranca saagae.
com dor e oppressio no peito, pulso al-
terado e febrii, extraordinario rubor ou
vormelhido das faces, suores nocturnos,
magreza, e debilidade crescente, annunciam
ao doenie tsico, que a sua vida se acba
em perigo. Os Aoodynos, os Expectoran-
tes, os Tnicos e Xaropes, e at mesm > a
mudanza dejares, sao oralmente em vio,
Abandone pois o doente todos essos meios
paliativos e experimente o Oleo Paro Me-
dicinal de Figado de Bacalbao, de Lanmaa
d Kemp. E' orna preparado preciosa da
aoica consa que a experiencia lem'demons
irado, que se pode em todos os casos de-
pender e confiar d'ella; e os seas bons
effeitos nunca falbao, E oleo de figado de
Bacalbao, lmpido e puro, o remedio
miis poderoso e efcaz para as enfermida
des dos pulm5es, garganta e bofes, de
quantos se teem discoberto at agora. De-
positai pois inteira f nelle e expermentai-o
sem susto. Porm nao vos esqueceis de
pedir a preparado nica e verdadeira de
Lanman & Kemp ; porque o mercado infe-
lizmente acha se inundado de composicoes
fraudulentas em si to ms como inuteis.
Examine se pois o letreiro e a capa alim
qae possas ver a marca commercial da
casa.
Paco da ca
ate de i do
to linda opereta en o acto, msica de lfem-
Secretarlo.
DECLARACOES.
Pela reeebeoria de rendas internas geraes
se faz paWieo qae nesta mex da novembro qae
se anda o praao do pafametio, sem malta, do im-
posto pessoal, retathro to 1" semestre do exercicio
crreme de 1870-71 lodo o qual ser cobrado
com a malta de 6 OH).
Recebodaria de Peruambnca t de novembro de
1870.
O administrador,
_________ Manotl Carneiro de Souza Lacerda.
De ordem do Illm. Sr. eoaslheiro inspector
da Uiesonraria da fazeode deata provincia sa faz
pobico que nao teodo comparecido licitantes na
I* e t* praca annunciada pira a arrematacio das
casas, barracao, torno de oiaria, e raais objetos da
extineta colonia militar da Pimenteiras, Bca mar-
cada ama terceira praoa. que ter lugar no dia 11
do correle, as 2 horas da tarde.
Secretaria da theaooraria de fazenda de Per-
nambaeo 4 de novembro de 1870.
Servindo de offlcial-maior,
Manoel lc*i PhKo.
esm(*c t lanlfiTics
ieham-se a venda do eseriptorio i
Principiar s 8 1|4 da noate.
AVISOS MARTIMOS.
m
COMMERCIO.
PRACA DO RECIPE 8 DE NOVEMBRO
DE 1870.
AS 3 1/2 BOBAS DA TARDE.
, Cotacoes olciaes.
Algodao 1" sorte619 rs. por kil. (hontem).
dem idem idera612 rs. por kil. (boje).
Algodao da Parahyba sorte 667 rs. por kil.
posto a bordo frete de 3|8 (hontem).
Dito de dita 2' sorte 599 rs. por kil. posto aberdo
frete de 3(8 (hontem).
CainDio sobre Loadrea 90 d/v 22 por 1*000.
Dito sobre dito 90 d|v 22 por i& bancario.
Cambio sobre e Porto 90 drv lio 0|0 de pre-
mio.
Descont de letras11 0/0 ao anno.
Goncaio Jos Alfonso,
Presidente.
Mosquita Jnior.
Secretario.
Sabbado.12 do corrale, depois te Anda a
audiencia do Dr. juiz municipal da 2a vara e pro-
vedor dos reiiduos vai praca a requerimento do
testaraenteiro do finado Jo.' Martins Piaheiro, o
sobrado de um andar e sotao interno, sito raa
do Pilar n. 119, com 24 palmos de frente e 77 de
fondo, 2 salas, 3 quartos, e caziuha no sotlo, ava-
hado por 4 000* ; escrivao Nunes Ferreira .
Para o indicado porto segu em poucos dias o
briftre portuguez Realidad, por ter a maior parte
*> earre/3memo P""on>Pto e para o penco qae
roa falta a frete barate : trata se com o consig-
natario Joaquim Jos Goncalves Bellrio, 4 roa do
Lommercio n. 17.
Maranho.
Sague com brevidade para o porto cima o pa-
tacho nacional Jopen Arlhur, para o resto do car-
ia que lhe falta trata-s eom os consignatarios
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & C, ra da
Cruz n. 57.
ALFANDEGA-
Rendtraento do dia 1 a 7 .
Idera do dia 8 .
223:865*152
43:923*51
267:788*666
X o vi ment da alfandega.
Volumes entrados com fazendas 154
t < com gneros 567
Volumes saludos com fazendas
< > com gneros
-----721
196
446
-----642
Descarregam boje 9 de outubro.
PaUcho americanoWatt Hentfarinha de trigo
Patacho inglezMulato-diversos gneros.
Galera ingiezaJ/ermionediversos gneros.
Brigue holiandezCometi Gerlrudesliriahz de
trigo.
Brigue inglezWo/Vdiversos gneros.
Brigue inglezMarisbacalho.
Patacho naaionalJoftoaaodiversos generes.
Brigue inglezCigana -idem.
Barca inglezaZennia idem.
Navio inglez'iei lem.
REGEBEOORA DE RENDAS INTERNAS
GERAES DE PERNAMBUCO
Rendimento do dia 1 a 7'. 12:448*773
dem do dia 8 2:123*192
14:571*963
CONSULADO PROVINCIAL.
Rendimento de dia 1 a 7 12:750*303
dem do dia 8 1:286*968
14:037*271
N. 383.OLEO PURO MEDICINAL DE
FIGADO DE BACALHO, DE LANMiN 4
KEMPE.as molestias qae conduzem
tysica Dio ha lempo perder-se oom ex-
perimentacoes inuteis. Ellas sao rpidas e
as raais das vezes fataes. A tosse qae hoje
se despreza, pode converter-se n'ama se-
mana depois em ama pneumona, bronebites
ou tysica. S existe um remedio para os
casos agudos da molestia pulmonar, quer
ella seja chronica oa recente. Tal e
assim o proclama toda a faculdade medica
o oleo extrahido do figado de bacalho.
Porm mister qae o deente esteja parfei-
tamente seguro e certo qae possae o reme-
dio verdadeiro. Se o mesmo or o oleo
puro medicinal de figado de bacalbao, de
Lanman dr Kemp 9 doente nesse caso ter
a melbor preparac9o possivel do pulmonico
r> mais segoro e efficaz que se conbece.
Lanman 4c Kemp empregam agentes peritos
qae residem as pescaras, os quaes os
colhem para este tlm, os figados s5os do
fsixe mais fino que se colhe nos bancos da
Wra-Ifovi. D'elles se extrae o oleo em
quanlo estilo ainda pereitameite frescos, e
depois de concluida a opertco, tornase
MOVIMENTO DO PORTO.
Navios entrados no dia 8.
Para e portos intermedios8 dias, vapor
brasileiro Arinos, de 900 toneladas, com-
mandante o Io tenente J. C, Duarte,
equipagem 33, carga differentes gneros;
a Antonio L. de O, Azevedo C.
Rio de Janeiro e portos intermedios7
dias e 13 horas, vapor brasileiro Tocan-
tins, de 750 toneladas, commandante
Jos Mara F. Franco, equipagem 52,
carga differentes gneros ; a Antonio L.
de 0. Azevedo & C.
Goyanna6 horas, vapor brasileiro Para-
hyba, de 104 toneladas, commandante
Oliveira, equipagem 14, em lastro; a
companbia Pernambucana.
Lisboa38 dias, lugar portagaez Mi, de
277 toneladas, capitio Joio. de Barros,
equipagem 13, carga vinho e outros g-
neros ; a Thomaz de Aqaino Fonseca
&C.
Rio-Grande do Sul40 dias, brigue brasi -
leiro Tigre, de 135 toneladas, capito
Manoel Francisco da Cruz, equipagem 9,
carga 7,900 arrobas de carne ; a Olivei-
ra Filhos & C.
Rio-Grande do Sul28 dias, patacho brasi-
leiro Bemfica, de 217 toneladas, capito
Manoel Vieira das Neves, equipagem 11,
carga 8,920 arrobas de carne ; a Bal-
tar Oliveira & C.
Navio sahidos no mesmo dia.
Rio de Janeiro e BahiaTransporte nacio-
nal Wcmeck, commandante o capito de
fragata Thomaz Pedro Bittencourt Colrin.
Aracaty pelo AssHiate brasileiro Nossa
Senhora dos Navegantes, capito Antonio
de Souza Castro, carga differentes g-
neros.
Quinta-feira 10 do correte mea, depois de
linda a audiencia do Illm. Sr. Dr. juiz de orpbos
tera de ser arrematada de venda a casa terrea si-
ta na ra dos Pescadores n 20, freguezia de S.
Jos, pertencente ao menor Henrique filhs do fi-
nado Jos oa Sil va Moreira, servindo de basa para
a arrematafao a quantia de 1:530*000.________
lnspecqao do arsenal de
marinha
Faz-se publico que a commisso de peritos exa-
minando na forma determinada no regulamento
annexo ao decreto n. 1324 de 5 de fevereiro de
1854, os cascos, macbinas, caldeiras, apparelhos,
mastreacoe, velames, amarras e ancoras dos va-
pores Parahyba da companhia Pernambucana de
navegaco costeira, Camaragibe o Moteque da com-
panhia Vigilante de reboque, achou todos esses
objectos em estado de poderem es vapores con-
tinuar no servico em que se empregam.
lnspeccao do arsenal de ccarinha de Pernambu-
co 7 de novembro de 1870.
O inspector,
H. A. Barbosa de Almeida.
ATTENCAO
o
Na sexta-feira 11 do correle, depois da audien-
cia do Sr. juiz municipal da 1* vara civel, tem de
serem arrematados por venda os bens penhorados
por execuclo da legitima herdeira do loado Luiz
Antonio Vieira Bernardo Jos Rodrigues Pinhei-
ro e sua mnlher, cojos bens sao os seguales :
Um sobrado e sotao corrido e sobre soio na rna
do Brum u. 18, e um telheiro no fundo, avallad)
por 10:000*.
Duas mei- aguas nos fundos da mesma casa fa-
zendo frente para o caes, avahada cada orna por
800*000.
Um caixao na ra do Brum, contendo dentro
duas mef-aguas com os ns. 93 e 25, avaliada cada
urna por 1:000*.
Urna mei-agua na ra dos Guarsrapes com o
o. 24, avaliada por 200*.
O eseriptode prac.a acha-se em mo do porteiro
do jnizo, onde m Ihor se pie ver. E' a ultima
praca.__________________________________
Tribunal do commercio.
Esta secretaria faz publico que nesta dala foram
submettidos matricula os Srs, A'bert Forster
Damon e Nicolao Hartery, aquelle ridarto dos Es-
tad:s-Uiiidos da America, e este inglez, estabele-
cidos nesta cidade com casa de commercio de gros-
so trato.
Secretaria do tribunal da commercio de Per-
tarabuco, 3 de novembro de 1870.
O offlcial-maior,
Jufio Guimaraes.
Administradlo dos correos de Pernambuco
9 de novembro de 1870.
Mala peto vapor Arinos da companhia brasileiro.
A correspondencia que tem de ser expedida boje
(9) pelo vapor cima mencionado, para os portos
do sul, ser recebida pela forma segrate :
Magos de jornaes, impressos de qualquer nata-
reza e cartas a registrar at 1 hora da tarde, car-
tas ordinarias at 2 horas e estas at 2 1)2, pagan-
do porte duplo.
As cartas e jornaes que forem dirigidos ao Rio
da Prata pagaro previamente, aquellas a taxa de
300 rs. por 15 grammas ou fraccao de 15 gram-
mas, e estes 40 rs. por 40 grammas ou fracelo de
40 grammas na progressao estabelecida as ta-
bellasG e Dannexas s instruccoes do 1* da
dezembro de 1866.
O administrador,
Alfonso do Reg Barros.
EDITAES.
Cmara municipal deeta eidade de Olinda,
em virtude do art. 46 das disposiedes geraes da
lei proviucial a. 965, de 25 de julho do crreme
anno, faz publico a quera interessar, que coo.-i-
deraado rescindido o contrato feito com Luiz Jos
Pinto da Costa do arrendamento do terreno devo-
luto com 38 palmos de (reate silo roa de S.
Pedro Martyr, estar novamente em praca dito
terreno nos dias 8, 0 e 10 do corrate mex, ser-
vindo de base a quantia de 4*100 rs. por qnanto
se achava arrendado, afim de ser aforado perpe-
tuamente ao mesmo Luii Joa Pinto, oa a
quem maiores vaotagens efferecer. Assim como,
tambera se achara era praca nos sobreditos dias,
o irrendaneoto de ora terreno sito ra do Al-
jube esta mesma cidade, com 83 palmos de fren-
te e i da fondo, pela qnantia de 8*300 rs. na
razio de 100 rs. o palmo.
Oa pretndanles deverio comparecer noe indi-
cados dia.
Admlalstraco dos crrelos de
Pernambuco de novembro
de 19 90.
Mala pelo vapor Tocantins da companhia bra-
sileiro.
A correspondencia que tem de ser expedida hoje
(9) pelo vapor cima mencionado para os portos
do norte ser recebida pela maneira segrate:
Macos de jornaes, impressos de qualquer nata-
reza e cartas a registrar at 1 hora da tarde,
cartas ordinarias at 3 horas, e estas at 3 1|2,
pagando porte duplo.
Q administrador,
Alfonso do Reg Barros.
THEATRO
W.U1.1 FRAMEZA
EMPKEZACOIMBRA
Ouina-feira 10 do crate.
12a RECITA DA ASSIGNATURA.
Variadissimo espectculo"
DIVIDIDO EM TRES PARTES
Ouvertnra pela orchestra.
PRIMEIRA PARTE.
Subir scena muito linda e applaudida ope-
reta em um acto, msica de OITemback
To Braz
Renette
Mathieu
Pierre..
LE VIOLINEUX.
Personagens.
.......... MUe. Brescia.
.......... Mr.Maris.
.......... Mr. Ravnaud.
SEGUNDA PARTE.
Subir scena a muito linda e applaadida ope-
reta em um aeto
Personarais.
Elvira............ Mme. Valmonoa.
Cotignac.......... Mr. Carn.
Mosquito......... Mr. Ravnaud.
Goncalez.......... Mr.Maris.
a A accao passa-se no reinado de Luiz 13.
TERCEIRA PARTE.
^Subir pela primeira vez a scena, a nova e lia-
da opereta em um aclo msica de A. de Villebi-
chot e escripta por Mrs. Baomaine et Blondelit
Les Hirondelles de k roe
Personagens.
Pepetti pifaro............... MUe. Brescia.
Fritzmann tocador de ratera., ama. Valraonca.
Preparante eom todo o esplendor que reqner
o sea autor, para sabir i rtena pela primeira
vez oeste thaatro sabbado I* do corrate, a mai-
COMPANHIA PERNAMBUCANA
Navegando costeira por vapor,
Ptrahybs, Natal, Maco, Mossor, Ara-
caty, Cear, Mandaho, Acaracft e
Granja.
O vapor rpojuca commandan-
te, Maura seguir para os por-
tos cima no dia lo Tdo eorrente
as 5 horas da tarde. Recebe car-
ga at o dia 14, encoramendas
passageiros e draheiro a frete at as 2 horas da
tarde do dia da sabida : eseriptorio no Forte do
Mattos n. 12.
Para o Porto
pretende sahir com a possivel brevidade o brigue
portuguez Uniao : para carga e passageiros tra-
ta-se com os consignatarios Thomaz de Aquino
Fonseca & C, na ra do Vigaro n._19.________
COMPANHIA' PERNAMBUCANA
DE
Vayegaco costeira por vapor.
Mamanguape.
O vapor nacional Coruripe,
commandante Silva, seguir
para o poito cima no dia 12
do eorrente as seis horas da
tarde.
Recebe carga passageiros,
encoramendas, e dinheiro a frete at as2 horas da
tarde do dia da sabida, no eseriptorio do Forte
do Maltee n. 12.______
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
%*avegaco costefra por vapor.
Porto de Gal lionas, Rio Formoso e Taman-
dar.
O vapor Parahyba seguir pa-
ra os portos cima no dia 10 do
eorrente as 9 horas da noute.
Recebe, carga encommendas
, passageiros e dinheiro a frete no
eseriptorio do Forte do Matlos n. 12.
COUfPAMHIA
DAS
Messegeries imperiales.
At o dia 10 do eorrente mez espera-se da Eu-
ropa o vapor francez Sindli o qual depois da
demora do eostume seguir para Bnenos-Ayres,
tocando na Babia, Rio de Janeiro e Montevideo.
Para conducSes, frete e passagens, trata-se
na agencia, raa do Cuuinicioio n. o.
Ho da 11 do correte mez espera-36 dos por-
os do sul o vapor francez Amazone, commandante
de. Joret, o qual depois da demora do eostume
seguir para Brdeos, tocando em Dakar (Gorea) e
Lisboa.
Para condicoes, frotes e passagens, trata-se na
agencia, ra do Commercio n. 9. _________
Para Lisboa
A barca portugueza Grati ao, capito Borges
Pestaa ; para carga s passageiros trata-se com
E. R. Rabello A C, ra do Commercio n. 48, ou
com o capito.______________
Aracaty
Segu para este porto o hiate S. Jo<7o Baphsta:
para passageirqs e carga, na ra do Vigaro nu-
raero 26.
RIO DE JANEIRO
Para o Rio de Janeiro segu dentro de oito dias
o patacho brasileiro rabe por ter o su carrega-
ment prompto, poden Jo ainda receber alguma
consa, sssira com.o raiudezas e escravos a frete :
a tratar cora o seu consignatario Joaquim Jos
Goncalves Belirao, rna do C)raraercio n. 17.
o
Rio-Grande do Sul.
A esenna portugueza Aguia, capillo Fonseca,
recebe carga a frete : trata-se com E. 9 Rabello
& C, ra do Commercio n. 48, ou com c capito
Rio de Janeiro.
Para o porto cima segu com brevidade o bri-
gue nacional Isabel, tem parte do seu carrega-
men'o engajado : para o resto que lhe falla tra-
ta-se cora os consignatarios Antonio Luiz d Oli-
veira Azevedo A C, rna da Cruz n. 57, Io andar.
Rio-Grande do Sul.
Segu com brevidade para o porto cima o bri-
gue nacional Amelia : para o resto da carga que
lhe falta, trata se com os consignatarios Antonio
L. de O. Azevedo & C, ra da Cruz n. 57, pr-
raeiro andar.
LEILAO
a 9 de correte
O asente Olinlra fiar lelllo, por ordem dos
Srs. Keller 5: C, como lfquldatarros da casa dos
Srs. H. Cottli & C, de todos os pertences de es-
eriptorio d'estes, consistlndo em casteiras grandes
e menores, com motos, secretarias, estantes, mesas
diversas em feitios, sofs, cadeiras nsuaes e de
bracos, balco, repartimento da eacriptorio, arma-
rios grandes e pequeos, mesinba com batanea
para dinheiro, prenca e superiores livros inglezeo
novos para cepladores de cartas, relegio de pare-
de magnifico, machina lyrographica com perten-
ces, caixa com vidros de amostras de assaear do
padro holiandez, mappamundi, enma excelleote
burra de ferro grande, patente taglez, e enlre ou-
Lros 2Jlect03 ** caixs com aQ* de S*'11 ceni
ie 1,600 garrafas novas vasias, viadas de Ham
burgo, e mais 60 caixas com vinho Bordeaux aa-
perlativo.
E tambem
na mesma oncasio se far leilao, a dinheiro oa a
prazo, por ordem e conta do Sr. H. Numeyer, de
cerca do 300 dtuias de chapeos de feltro e de ba-
ta finos e entre-finos ebegados do Havre pelos l-
timos navios :
HOJE.
as 10 horas da manhaa
no primeiro andar da casa ra do Commercio
n. 3. conjunta Associago Commercial.
LEILAO
DE
10 saceos com nozes novas, 5 caixas com
60 latas com sardinhas em calda
HOJE
O agente Pesua far leilao por conta e riseo
de quem pertencer, de 10 saceos eom nozes novas
e 5 caixas eom 60 latas eom sardinhas em calda,
quarta-feira 9 do eorrente, s 11 horas da ma-
nhaa, no armazem do Aunes.
Ama.
Precisa-se por alugueI de umasec qae en-
gorome e faca o mais servico de urna casa de fa-
milia, assim como de entra que cozinhe e compre:
na roa do Aragao (Visconde de Pelotas) n. 37.
LEILAO
DE
FAZENDAS
INGLEZAS
Hoje
9 de novembro.
Augusto C. de Abren continuara o sea leilao de
um esplendido sortimenio de fazendas iaglezas,
hoje 9 do eorrente, s 10 horas da manhaa em pon-
to, em o seu armazem ra da Cadea.
ASSl
Para o indicado porto vai seguir dentro de seis
dias o patache portagaez D. Guilhermina, pelo
que recebe carga a freto commodo, e quem no
mesmo qoizer aproveitar em carregar, queira vir
tratar com o seu consignatario Joaquim Jos Gon-
calves BeKro' raa do Commercio n. 17.
DE MOVIS
na ra da Praia n. 49, segundo
andar.
O agente Pontnal, competentemente aatoriaado,
vender em leilao os movis segaintes : 1 mobilia
de Jacaranda, 1 candelabro, 2 serpentinas, 1 guar-
da-roupa para seahora, 1 coramoda de Jacaranda,
i meia commoda de amarello, 1 excedente mesa
elstica com seis taboas, i gaarda-louca, 2 mar-
quezs de amarello, 1 sof de dito, 1 mesa redon-
da, 2 consolos, 1 cama de an-arello para casal, 1
quarlinheira, um cabide, 1 lavatorio, meio appa-
relho de porcelana para cha, 3 ditos de dita para
Jantar, 5 garrafas do chrystal para viobo, 6 com-
poteiras, copos para agna, calioes, 3 tpelas gran-
des, 1 barco da amarello, 1 banbeiro, 1 grande
viveiro para passaros a-rauits outros objectos
HOJE
no segando andar 4o sobrado aito i raa da Praia
i. 49, as 11 horas.
DE
fazendas francezas
suissas e allemas
PARA LIQUIDACAO
Quinta-feira 10 do eorrente
J. Carrero levar a leilao, por intervencao do
agente Pinto e para liquidacao, um completo e va-
riado soriimento de fazendas francezas, suissas e
aeroa?, proprias do mercado e existentes em seu
armazem do largo do Pelourinho n. 7, onde se
ellectuar o leilao, s 10 horas do dia cima dito.
LEILAO
DE
MOVIS
(No armazem da ra do Imperador n. 16).
Sendo de mobias de Jacaranda a Luiz XV, di-
tas de amarello, mesas para jantar, gnarda-lodca,
camas para casal, I commodas, apparadores de
amarello com pedra, ditos sem ella, commodas de
Jacaranda, marquezas, cadeiras avulsas, consolos,
sofs, marquezas, quadros com molduras doura-
das, mesas paca escripta, 1 machina para costura,
1 t nlletle de mogno, carrinhos para meninos, re-
logios para prele, guardas-vestidos, mesas re-
dondas, 2 linas de madeira, copos, clices, can-
dieiros o gaz, 1 bomba para jardim, caixas, bahs
e muitos outros objectos
Sexta-feira
11 do eorrente
por intervencao do agente Pontaal, s 11 horas
em ponto, sem reserva de precoe.
.rao de nEPAum
AULASESPICrAKS 1'AItA OH Al.tMfll QGE 1___
DE FAXES E1AME RS NAftCO I ifclSO, C RO
DI DO A>NO LECTIVO
Ceografi&la.
Histeria. V
lor(ufiue7. -r
Francez,
Jos Soares d'Azevedo, proMSor de ta-
gua e lilleratora nacional do gymnasto pro-
vincial do Rectfe, tem aborto en na casa,
roa Bella n. 37, aulas especiaos de prepa-
ratorios, para os alomos qae tiverem de
fazer exame em marco prximo, oa na te
do anuo lectiva Dirigir-se indicada re-
sidencia, a qolquer hora.
I
Precisa-se de ama ama que cosiohe bem, forra
oa escrava, para casa de pouca familia : tratar
na roa Nova n. 50,1 andar.
Precisa se de ama ama forra os captiva qae
saiba cosinhar bem o diario de urna easa : tn-
tar na ra do Duque de Caxias. loja n. 1.
Olinda.
Aluga-se um sobrado em Oltoda pelo laneo da
festa ou por anno : trata-se na rna do Impeaador
n. 16, 2* andar, prximo a travs do Ouvtftor. A
casa sita na ra de S. Pedro Martyr.
Jos Ferreira de Paula fz sciente ao respei-
tavel publico e ao commercio qae no dia 22 de
unlio prximo passado dissoiviu amigavelmente a
sociedade que linba em urna prensa de algodao
eom sea irmo Francisco Ferreira de Paula, qae
gyrava sob a firma Paula A Irmo ; e contina
do dia 20 de outubro era dianle em oulra easa
com a firma Paula A Spinola, e que por conse-
guale nada mais tem co.n aquella firma, que j
nao deve existir.
Pede-se ao Sr. Oliveira, Io sargento da !
companbia do 2 batalhao da guarda nacional, .o
obsequio de vir roa do Hospicio n. 30 batear
ama carta que ah achara para ser entregue a
S. S.
AMA.
Precisa-se de urna ama que saiba cosinbar com
todo perfeicao para casa de rapaz salteiro : i roa
do Livramento n. 6,.loja.
Precisase de urna ama para easa estrangei-
ra de poucas pessoas: na ra da Imperalriz n.
9, loja.
O abaixo assignado vem por meio da imprensa
protcsiar contra o procedimento do Sr. Joaquim
Manoel de Siqneira pelo facto de conservar em
seu poder o escravo Patricio, sobre o anal nao
tera direito algum, e que pcrlcnce ao abaixo as-
signado por compra que fez ao respectivo pro-
pnelrio, o Sr. Severiano de S queira Barbosa :
e bem assim protesta contra qualquer negocio
que aquelle Sr. faca sobre tal escravo, porque
o nao pode fazer sobre pena de nnllidade e com
infraccao das leis criminaes.
O abaixo assignado saber fazer valer o sen
direito, e faz o presente para que os incautos nao
sejam Iludidos.
Recife, 8 de novembro de 1876.
Auiuuio Possoa de Siqneira Cavaleaute.
___AVISOS DIVERSOS. _
INSTITUTO ARCHEOEQGICO GBOGRAPCO
E PERXAMtlVO
llavera sesso ordinaria quinta feira 10 do
eorrente novembro, pelas 11 horas da ma-
nhaa.
ORDEM DO DIA
Pareceres e mais trabalbos de commis-
soes.
Secretaria do Instituto, 7 de novembro
de 1870.
J. Soares d'Azevedo
Secretario perpetuo.
lrmandade das Almas
Erecta na matriz do SS. Sacramento da
Roa-vista.
De ordem do irmao juiz.porno, ter comparecido
numero de irraos na segunda vez como determi-
na o art. 23 do nosso corapromisso, para a eleicao,
de novo convido a todos os nossos irmos para
compareeerem em nosso consistorio na mesma ma-
triz, domingo 13 do eorrente, pelas 10 horas da
manhaa, aiim de que reunidos em numero que
possamos considerar mesa geral. elegemos a fu-
tura mesa regedora que tem de reger a mesma
irmandade no anno de 1870 a 1871.
Consistorio da irmandade das almas erecta na
matriz da Boa;vista 7 de novembre de 1870.
O escrivao,
___ Manoel D. da Silva Jnior.
CASA DA FORTUNA
Aos 5:0001
Bilhetes garantidos.
A roa Primeiro de Marco (outr'ora roa de
Crespo) n. 23 e casas do eostume.
O abaixo assignado, tendo vendido nos seus
felizes bilhetes um quarto o. 2331 com 5:0001.
um inteiro n. 1110 com 900, e outras sones de
1004 a 401000 da lotera qae se acaboa de ex-
trahir (168'), convida aos possuidores virem re-
ceber na conformidade do costme, sem descon-
t algum.
Aebam-se a venda os felizes bilhetes garan
tido i da 5* parte da lotera, a beneficio da no-
va igreja de nossa Senhora da Penha (169*), que
se exorahira sabbado 12 o correnta mez.
PRECOS.
Bilbete inteiro 61000
Meio bilbete ; 31000
Quarto 11500
Em porco do 1001900 para cima.
Bilbete int.iro 51400
Meio bilbete 21700
Quarto U330
______________Manoel Martins Finta.
Club do Monteiro.
A primeira partida ter lugar na noute
do dia li do eorrente, bavendo um trem
especial para a volta as i horas da madru-
gada.
O empresario,
P. /. Layme.
COMPANHIA
DOS
TRILHOS URBANOS
DO
RECIFE A9 OLINDA.
Por ordem da directora sao convidados
os Srs. accionistas para, no prazo de dez
dias contados do dia 11 ao dia 21 do cor-
rente, recolberem a 2a prestacao de soas
aeces, na razao de 10 %> do capital da
2a emissao. Para este flm ser encontrado
o Sr. thesoureiro no eseriptorio da compa-
nhia das 11 horas da manhaa s 2 horas da
tarde, de todos os dias uteis.
Eseriptorio da companh a, 8 de novem-
bro de 1870.
7oo Joaquim Altes,
Io secretario.
AVISO
Perdeu-se na noite de domingo 6 do eorrenie,
as 8 horas, na estacao da machambemba do Reci-
fe Apipucos. ao descer do trem at a porta prin-
cipal da entrada da mesma estacao. um relogio de
ouro, de senhora, tendo nma cadeiazinha e cbave
de ouro ; pede-se a quera o achou, oa mesmo
aquellas pessoas a quem lhe for olferecido, de nao
tazerem negocio, e se dignarera entregar a seo
dono, em Fora de Portas, ra do Pilar n. 120, 2*
andar, ou no estabelecimento n. 135 de Jos Gon-
calves Beltro <\ Irmo, que dar os signaes do
dito relogio, e recompensara generosamente a
quem o apresentar._______________________
O salo
de cabelleirero do Javme precisa de offlciaea de
barbeiro. _____________________
,- Precisa-se de um bom copeiro e de um ser-
aente que seja forro : no hotel irancez da roa das
Lvrangeiras n. 10.
Agua potaTel para liada.
O preto Feliciano encarrega-se de coodnnr dia-
riamente agua em baldes (canecos) do Recife para
Olinda, mediante ajaste : a tratar no Varadooro
com o Sr. Joo Coelho._____________________
Precisa-se de urna pessoa de conlianca, intelli-
genle e activa, qne tenna conhecmenlo e pretiea
de drogara : tratar na ra do Imperador Da-
mero 22.
Sao convidados os vrenles e amigos do finado
Antonio Mara Ramos para assistirem algunas
missas, qae por sua alma serio celebradas na
igreja de N. S. do Carino de ra 10 do eorrente mez. pelas 8 horas da manhaa.
Sociedade Recreativa Terpsl-
chore
Nao podendo ter lugar no dia 6 do correte a
eleicao da presidencia e mais membros que tem
de funecionar no asno de 1870 a 71 por falta do
namerd, novamente convido aoe senharea socios
a reunirem-se para a asembla geral na recinto
desta socieiade, qunta-feira 10 do correte, pelas
5 1|2 borai da tarde, afim de proeeder-se a dita
Secretaria da sociedade Recreativa Terp'tcaore
8 de novembro de 1870.
Antenk) Annes Jaeome,
secretario.___
Escrava.
Preciie de urna escrava para urna pequea
familiaparo servico interno e,que_sai ha.eneona-
raar "para tratar na praca do Coode d Bo t. 30,
1 andar^__________ .----------------------.
"" Alma-se' ama eaaa terrea com solea e bs-
tanles commcdoe jualo a ponte pequea da Pasat-
dem a tratar na estrada do Cajaeiro, sitio a. 1,
oa ama daa Trincbeiras, fabrica de peales nu-
mero I.




!
*
i -


i r
I
Diario de Peraambuco 'Qaria eira 9 tU Novenibv0 de 1870

\
i^B.-"---
O salo de pianos e de
msicas
Bmflou.setora.Nova n. 8, 1* indar, para
"""toperatriz il 12, loja,
ende contina reeommBndndo-se ao Illm. pa-
sa- Prtia-M de atoa ama para casa de pouca
familia : IMUr roa do Cabug n. i loja.
~ Retama-se torreaos m Porto da Madeira em
Beberibe. A posicao topographica dos mesmot
terrenos, sua boa quatidade para plautacoes, como
se poder ver pelos sitios nelle j situados, omito
os recemmenda: os pretendentes encontrarlo pes-
soa habilitada para qaalqaer negocio relativo a
ditos terrenos, no referido logar, nos domingos at
as 9 hoPas da amanhSa.
MOFINA

*lico.
Q. Wertheimer.
O
Roga-se ao Ulm. Sr. Ignacio V.eira de Meo, es
crivao na cidade de Nazarelh desta provincia, o
favor de vir a roa do Imperador n. 18 a < oncluir
aquelle negocio que Y. S. se coraprometteu reali-
zar, pela terceira chamada deste jornal, em nns
de derembro prximo passado, e depois para Ja-
neiro, passou a fevereiro e-abril, e na la curapno,
e por este motivo de novo chamado para dito
flm ; pois V. S. se deve lembrar que este negocio
de mais de oilo annos, e qcanao o senhor seu
filho sa acbava no estado nesta cidade.
A- kaSBKaHL^MJ A
INTERESANTE COIPOSICAO LITTERARIl.
CONTENDO :
A noite do xtasis. &*i&f\
O sorriso.
A norte do assombro.
A lagrima
A noate do delirio.
O ntyslrio.
Com ama carta critica dirigida ao autor pelo
Br. B. Rgueira Costa.
1 volme brochado 1*000.
ASCENTELHAS
foesias patriticas sobre a guerra do PaMguay.
i volame brochado 21000
MA
LIVRARIA FRANCEZA
fraspassa-se o arreadamente do engenho Com-
portas, sito na freguezia de Muribeca, com urna
das melhores machinas a vapor, comprada o anno
pasaado, deslllacio muilo bem mouda, excelleote
cercado todo de vallado, proporcSes para grandes
safras e urna tegoa d:siante da eslavo do Praze-
res. No caso do pretndeme fazer negocio com
os tres annos de arrendamenlo que falta e quier
comprar a safra nova, vende-fe Umbem gadol
cavarlos, burros e adguns escravos, visto o acta,
rendeire nao querer continuar raars em engenho:
a tratar no mesan.
lA
i
O
3
i
Companhia Allianpa
seguros martimos estabelecida
naBahiaem 15 de Janeiro
de 1870.
Capital..Ra. i,ooo:0oq*ooa-
toma seguro da roercadorras o dianeiro a tuco
martimo era navios de vella e vapores para den-
tro e fra do Imperio. Agencu i roa do Com-
mercio o 17, escriplorio de Joaqun Jcs um-
?alves Beltrao.
PRECISASE
De um homem, livre ou captivo, para distri-
buir pao ; e igualmente de ama ama que saiba en-
gcmmar bem cosinhar; trata se ra do Vi-
irario n. 16, andar._________
A luga ae
nma casa terrea, sita na Carranga, com solio, co-
cheira,e um pequeo quintal : a tratar na ra
do Vigario n. 31.. _
O Sr. ISebasiiao de Albuquerque Mello o ,og<
ado a vir a esta typogrphia. _____r
Joaquim Jos Gonpal-
ves Beltrao
Ra do Trapiche n, 17, 1" andar.
Sacca por todos os paquetes sobro o banco, tk
inho, em Braga, e sobre os seguintes lugares. t tortuga' -:
Lisboa.
Porto.
Valenca.
Guimaries.
Coimbre.
Chaves.
Viseo.
Villa do Conde.
Arcos de Val de Vez.
Vianna do Castello.
Ponte do Lima.
Villa Real.
Villa-Nova de Fatcecao.
Lamego.
Latios.
Covilhaa.
Vascal (Valpasso).
Mirandella.
Beja.
Barcellos.
AU
DYVETOT
H-Roa Eitoila do Rosario-14
Compra e vende roupa feita
'nova e ve!ha, objectos de
cosinha e de mesa, e
tu ce ao uso do-
mestico.
Na pra;a da Independencia n. 33 se da di -
nheiro sobre penhores de ouro, prata e pedra;
preciosas, seja qual for a quantia; e na mesm;
asa se compra e vende objectos de ouro e prata
igualmente se faz toda e qualquer obra de en
commenda, e todo e qualquer coucerto tendenl
a mesma arte
Csinheiro.
Precisa-sede um cozinlieiro, dacdo fiador : na
ruado Crespo n. 9,-livraria franceza.
VMWKb
O bacharel Celso Tertuliano mudcu o
seu escriplorio para a ra das Cruzes,
hoje Duque de Caxias, casa n. 34, Io an-
dar, onde pode ser procurado.
Joaquim Francisco do Espirito Santo,
concordataria da massa faUlida de Maia A
Espirito Samo, pede aos seus credores o favor
de virem ou mandarem receber os pagamen-
tos da i* prestacJo de sua concordata; de
vendo, para esse fim, dirigirem-se ruado
Imperador u. ti.
Este antigo estabelecimento, acha-se hoje montado n'uma
escala de poder servir vantajosamente os seus freguezes, atten-
to o grande sortimento de joias d'onro, prata e. brilhantes, que
sempre tem e recebem mensalmente das principaes fabricas da
Europa- cujos presos sao em competiveis e as obras garantidas
de lei.
MOREIRA DIJARTE .
Ama
- -
Precisa-se de nma ama para casa de pooea fa-
milia : na roa nova de Santa Rila n. 73.
Acaba de sahir & luz
E
Vendc-ae
NA
Livraria franceza.
uiu iwi
ou
Corbtnauo do Aquieo Fooseca faz saber a
quem mteressar possa, qae se acha autorisado por
procwacao bastante de seu pai o commendador
Thomiz de Aquino Fonsoca para, receber e dar
quitacao dos alugueis de suas casas, e por isso
faz^onstar que somonte elle o competente para
este fim. Recite 29 e outubro de 1870.
Trabalhadores
Precisa-se de um ou dous trabalhadores para um
eslabelecimenlo ierro ou captivo : a tratar na na
do llosario Larga n. 31.
PRIMEIKO E ANTIGO CONSULTORIO
HOMEOPATHI50
Dirigid* pelo Dr.
SANTOS MELLO
Os habitantes do interior podera-no
cooseltar por escripto, no que serao sa-
tisfeitos com promptido.
Presta-se tambem a chamados para o
interior, Consultas, no consultorio das 10 horas
ao meio dia.
Chamados, a qualquer hora.
Aos pobres gratis.
43Ra do Baro da Victoria43
(Antiga ra Nova).
fara loja de relojoeiro.
Alaga-se parte de urna loja, a qual sempre foi
de relojoaria, exisndo ferramentas, bancas e to-
dos os precisos, para nada mais precisar do que o
pessoal; a localidade a melhor possivel : a tra-
tar na ra do Rosario n. 23._________________
D. W. BOWMAN
EHGENHEIRO
l'om fundi A RA DO BRUM N. 52%
Passando o chafara
Machinas vapor syslema melhorado.
Rodas d'agoa.
Formas de ferro para purgar assucar.
Moendas de canna.
Tajxas de ferro batido e fundido.
Rodas dentadas para moer com agoa, va-
por e animaes.
E ouros objectos proprios d'agricultura.
Tudo por preco muito reduzido.
PADARIA
UNIVERSAL
ti
Dr. King mudou sua residencia -e consulto-
rio medico cirnrgico para a ra da Aurora n. 52,
i' andar, oade d consultas das 7 as 3 horas da
raaohaa e das 3 as o horas da urde nos dias uteis ;
*os chamados devera ser por escripto e acudir a
qualquer hora do dia ou da noute. M
Precisa-se de um moleque de 16 a 20 annos,
que seja eseravo para o servigo de casa de pouca
familia : a tralr na ra do Baro da Victoria
- AMA
Precisa-se de urna ama para cozinhar em casa
9, %' andar.
AVISO
Roga-se aos senheres abaixo mencionados ob-
sequio Je comparecerem no Bazar da Moda A ra
do Baro da Victcria, a negocio que Ibes diz-res-
peito :
Joo Valentim Vilella Jnior.
Guilherme Dias dos Santo?.
Juo Jos dos Santos Lima.
Jos Magalhes com fabrica de velas.
Jos Hara Fernandos, morador na villa do
Cabo.
Ama
Precisa-se de urna ama livre, de meia idaie e
boa conduela, para o servido interno e externo de
asa de muito pouca familia : na ra de Santa
Thereza n. H.
Sociedade Leterica
p ESPERMCA FELIZ
Pertence-lhe os raeios bilbetes ns. 3079,1080.
1082 e 1081 da lotera 334 da corte.
O secrelario,
(______________ A. J. deBrito
Boa occasio.
Um mago brasileiro de 30 annos de idade
que falla e escreve a lingua Aglaia, com
todas as habilitacoes para caixeiro despa-
chante, de embarques oa oulro gualqoer
trabalho j precisa de um emprego. Para
mformacoes dirjase a ra da Cruz n, SI,
das 9 da manbaa as 3 da tarde.
a t^n^ul^n 'esla uma caM na Vanea:
* iraiar no sino da Gru no corredor de 8, Joao.
O abaixo assignado faz sciente ao respei-
tavel publico desta cidade e seus suburbios,
que acaba de estabelecer urna padaria in-
titulada Universal, ra das Tamarineiras
ns. t{ e 5, no logar denominada Jaqueira.
Tendo envidado todos os meios possiveis
para collocar este estabelecimento as con-
dicoes de poder satisfacer a necessidade
que bavia de um estabelecimento desta es-
pecie noj arrabaldes desta cidade, o abai-
xo assigaado espera a valiosa proteco de
todos os seus moradores.
Promette o abaixo assignado que s em-
prega na confecclo dos artigos que se pro-
poe a fabricar no dito estabelecimento as fa-
rinbas das raelhores qualidades, sendo tudo
feito pelos systemas francez, inglez, portu-
gusx. e allemo, para o que j tem contratado
trabalhadores estrogeiros, conhecedores
de6ses systemas.
Para maior commodidade dos moradores
desta cidade o dos seus suburbios, o dito
estabelecimento ter diversos depsitos para
os artigos do seu fabrico em diferentes
pontos da mesma cidade e dos seus arre-
dores, os quaes sero publicados em pr-
ximo tempo pelas circulares particulares di-
rigidas aos moradores dos arrabaldes.
FREGUEZIA DO RECIFE.
Roa da Cruz n. 13, confeitaria do Sr.
Miguel Ferreira Piolo.
Em freate a ra do Vigario, armazem a 2,
denominado Novo Mondo
FREGUEZIA BE SANTD ANTONIO.
Ra do Imperador n. 26, confeitaria dos
Srs. Rodrigues &. C.
Onde se encontrar pao, desde o mdico
preco de 20 at 200 rs.
No dito estabelecimento e seus depsitos,
tanto na cidade como nos arrabaldes, rece-
bem-se encommendas de bandejas para ca-
samento, partida ou para qualquer outro
fim. as quaes deverlo ser dirigidas em car-
ta fechada, em que se determine, pouco
mais ou menos, o valor das mesmas en-
commendas, as quaes serao entregues no
lugar da residencia dos freguezes.
Gostavo Adolpho Wurffbain,

MANUEL & C.
Tem a satisfacio de participar aos seus numerlos freguezes, que em vista de ser-lhes mais commodo, tem
estbelecido uma nova fabrica de chapeos de sol, na ra da Cadeia do Recife n. 9, heje ra do Mrquez de Olinda,
onde acharo os pretendentes, muito avultado sortimento de chapeos de sol de todos os ptegos, qualidades e por pre-
ces mas commodos do que comporta o nosso mercado: convidam especialmente aos Srs. compradores por atacado
darem, sendo possivel suas encommendas, pois poderlo assim serem mais bem servidos, visto poderem escolher as ar-
da fabricaco bem diminuta.
DE
NOSSO SENHOR JESS CHRISTO,
(MARA SANTISSIMA
E
VARIOS SANTOS.
A saber:
Setenario do Senhor Bom Jess dos Pateo*.
Offlcio do Senhor dos Paseo*.
Novena do Menino Deas.
Novena de N. Seohora da Coneeic.ao."
Setenario das Dores de Mara.
Offlcio das SeteDores de Mara Sanlisima.
Novena de N. Senbora do Carmo.
Offlcio de N. Senbora do Carmo.
Novena de N. Seohora da Penba.
Cnticos de N. Senbora da Penha.!
Novena do B. S. Joio Baplis!s.| -
Novena da Senbora Sanl'Anna.
Trezena de Santo Antonio.
Novena do B. S. Jos.
Um bonito volnme encadernado.
2#000.
llSS mac5es as tazedas que a demora



NA ANTIGA E BEM CONHECIDA FABRICA
CHAPEOS DE SOL
DA
Sua do Baro da Victoria, esquina da Camba do Carmo.
(Antiga Ra Nova) .
Ha sempre uro. grande sortimento de chapeos de sol de seda, merino, alpaca, bretanha de linho branco e par-
do e de algodo os todos os tamanhos e feitios, alm da immesa porc3o de seda, merino, algodSo e brim,
armaces de todas as qualidades para satisfazer qualquer encommeeda. A modicidade de seus presos to conhecida
que escusa de mencionar.
41 lili DO IU.\0 D4 VICTORIA 41
Neste novo armazem tem um
variado sortimento de fazendas
francezas, iuglezas, allemas e to-
das todas se vendem por precos
mdicos, aGm de acreditar a este
novo armazem.
Gasemiras inglezas,
francezas, de todas as
qualidades, brins de
cores e brancos, colei-
rinhos modernos, cha-
peos de sol de seda,
finos. RA
Baro da victoria
DE
ARRUDA IRM10S.
antiga ra
NOVA
.-:'.1
:;n


i,'-
if .
H
Assim como tem nma grande
oflicina de alfaiate, montada com
todos os preparos que ha de melhor,
dirigida por habis artistas, que
pela sua promptido e perfeicao
nada deixam a desejar.
Roupa de todos os
am jubos para homens
i meninos.
Por todos os paque-
tes recebem-se as me-
lhores e mais moder-
nas casemiras que ha
na Europa.
RA
IV
Agencia em Pernambuco
Do Dr. Ayer
Feitoral de Cereja
Cura a phlhysiea e todas as molestias do peiio.
Salsa parrllha
Cura ulceras e cbagas antigs, impifeas e dar-
iros.
' Toaico
Conserva e limpa os cabellos.
Plalas eatnartleas.
Puramente vegetaes sera merenrie; cura se-
soe?, purgao e purificam lodo o ;stema humase.
Vende-se|efl(clivamente em casa de Samuel P
Johnston & C ra da Senz.-illa Nova m. ii
Em casa de THEODORO CHBIS"
ANSEN, roa da Cruz n. 18, encontrua-ia
flectivamente todas as qualidades de tl*
Bordeara, Bourgoene edo Rbeno.

N. 41.
. >------S3
BarSo da. victoria
antiga rna
NOVA
N. 41.
Precisa-se de ama ama forra ou captiva par-
servico interno e externo de uma casa de tosca
familia : na ra Velha n. 66.
IM DO 0
Sua do Barao da
Victoria n. 63
( Ouir'ora ra Nova. )
Bllheles garantidos a prs
t acia.
Esta feliz casa acaba de vender entre es set.-*
muito felizes bilbetes a sorie de 30Og ern don
meios de n. 501, a sorte de 1004 em bilhete iale- -
ro de n. 1719, e outro n. 733 com IOO, alem j--
outros premios menores : podend os tes* eo.-
suidores virem receber, que promptamesle sera
pagos.
O abaixo assignado convida ao respeiuvel pu-
blico para virem no sen eslabelecimenlo romir.
os felizes billieles garantidos, qae nao deissjf s*
tirar qualquer premio como prova pelos mesara
annuncios.
Acbam-se venda os muito felizes bilbetes ga-
rantidos em beneficio da nova igreja da Pent:.
que ser c-xlrahida sabbado 1S do corresle mez.
PRESOS.
Inteiro GiOOO
Meio 31000
Qnarlo 1^500
De 100.5000 para cima.
Iuteiro 5M00
Meio 2*700
Quarto 11330
Joo Joaquim da Costa '-til
Este estabelecimento acaba de soffrer uma reforma radical em acceio, artistas e cemmodos, e m pontnalidade as encom-
mendas, finalmente em|ludo afim de melhor servir os seus numerosos freguezes' deixa-se de annunciar todas as fazendas, para
nao se tornar massantef
Companhia Fhenix
Pernambucana
SSA directora da companhia Phenix Pernambu-
cana deliberou que os premios de seguros por ella
realisados quer martimos quer terrestres sejam
pagos no acto de celebrar-so o contrato.
SPernambuco 11 de outubro de 1870.
^^, Pela companhia Phenix Pernambucana
J. II. Trindade.
F. F. Borges.
Luiz A.tSequeira.
Precisa-se alugar uma escrava moca para o
iervico interno de uma casa de familia : na ra
do Crespo n. 1S, andar.
\WM HKH S3SIH11
AMA
Preci-a-;e de uma ama que cozinbe, compre e
ingomme para uma pessoa : na ra do Tores n
16, 2 andar.
AMA
Precisa-sa de uma ama para fazer o servico de
pequea familia, qual se dar bom ordenado ;
a ra e S. Jorge ( oatr'ora Pilar) n. 138 !
andar.
No escriplorio de Leal & Irmo roa do
Mrquez de OHnda n. 56, ba um mtleqne para
alagar de 18 annos de idade, apto para todo ser-
vido.
Na Iravessa da roa
Cruzes n, 2, pri-
meiro andar, da-se di-
nheiro sobre penhores
de ooro, prata e brilhan-
(es, seja qoal for a qnan-
tia. Na mesma casa com-
pram-se os mesmos me-
taes e pedras.
miiiiiiii
oobradopara alugar
9 andar e sotao n. 6 da ra d(
a tratar no Corar'n d Ouro.
01-e 2 andar e sotlo n. 6 da ra do Dnque
de Caxias -
AMAmilia; oa rna di
de nma para pouca fa-
IdC
1U A OA CRUZ Ha A
Chapas de ferro galvanisadas para telheiros, etc.
Tacbas de ferro para assucar, etc.
Formas de ferro para assucar.
Arados americanos.
Garrinbos de mo.
Venezianas para janellas.
Macbinas de descarocar algodo.
Machina de cortar fumo.
Mchica de cortar papel.
Motores para dous cavallos.
Machina a vapor para mover machinas de algodo.
Balancas, prendas, cofres de ferro, fogSes de ferro, enxofre,^'salitre limalha de
(erro e muitos outros artigos.
WlMRTCAN
CILYNDROS PARA PADARIAS
Tendo chegado ha poucos dias completo sortimento dos melhores e mais
conhecidos cylindros americanos para padarias, roga-se s pessoas que d'elles precisa-
rem de virem vel-os ao grande deposito do
BASTOS
inilA8
Jos Francisco Ribeiro de Sema, pnagido da
mais acerba dr pelo prematuro paseaaeaw de
sua muito presada mi D. GoilhenaiM f.sepeMi
na de Andrade e Souza, fallecida no Rio de Ja-
neiro a 11 de ontobro passado, lea i hoars de
convidar seus prenles, amigo* e discpulos a ae-
sistirem s missas qne manda celebrar en soa
commemoracao na matriz do Cono 8kj.
as 7 horas do dia 9 do correte, trigewo de :
fallecimenlo ; pelo que se anieeipa
se grato a esse ffflcio de caridide.
Aluga-se
Um sobrado de um andar e solio na ra Vclna
n. 92, que faz quina para o paleo da Saau Cra.
com tres quarlos e dispensa, e e solao ceas aasre
quarlos e com janellas, no trmetro asear e a
solio para o nasceate, quintal e eactaaa : asas) a
pretender dirija-se a roa do Seto i. SO.
20^000
O-se e-ta quantia de graiilearao i
tregar ra di Crespo n. 19 loja, i
que boje 5 de brrente, s 6 horas da
SIo, tomando a direccao da ra do 1
ueimado, cujo papagaio levou orna
renle de ferro presa ao p.
en-
fionbo de cavallos
Pionbaram no dia i para 3 do correa de rrter-
so do engenho Campestre freruezia da
quatro cavallos, sendo um de carro da cor i
nho claro, frente abena, os qaatto pea
tem um ferro no queixo, supootae-se ser aai Q,
o cavado bstanle grande e tea ua eeaja
mancha na barriga. Outro pedrea granee asa a
ferro (=> na anca : outro rodado, tees a'aan sm
mos um caroco ; e ontro alazio eatso, lea mi
S branco e de segunda moda. Rega-ee a
elles souber dar noticia aos Srs. Caasoes,
& C. : no largo do Carmo n. 1,
generosamente.
AVISO
Nos abaixo assignado*
ao respeiuvel corpo do comraawie, qae i
dissolvemos a miga e I mente a aaeJaSBtt fBtflSa-
mos na uberna da roa do Rasgel a. 77, ast f>-
rava sob a firma social de Rosa k Praae : ssw-
OU m'OEA BA DA CADEIA
to iodo o activo e pasivo da easa a car
Antonia Odom de S.mna Barcelloa. MI lf de
setembro de 1870.
Antonio Odom de Saaza I
Por proenracio da Joa Aeteate da
Jefa Pisto Os Ceata.


^>.



Diario d PeruAmbuco Quarta (eir 9 de Novembro de 1870
*
AO ARMAZEM
VAPOR FRANCEZ
*f
i
I
Este conhecido estabelecimento acha-se constantemente bera sonido, em virtude das
fletaras que recebe por todos os vapores e navios francezes, dos artigos abaixo menciona-
, dos, precos os mais resumidos que possivel.
CALCADO FRAWCEZ
Botinas para tenhoras e meninas.
Botinas pretas, brancas e de muitas outras cores, sortidas e bonitas, do ultimo gos-
lo da moda, e preces mais baratos do que era outras partes.
Botinas para homens e meninos.
Botnas de bizerro, cordavao, lastro e pellica, das melhores fabricas e eseolhidas.
Botas e perneiras rnsslanas.
Botas e peraeiras para manlaria, das melhores qualiaades, de couro da Russia, lus-
tro e bizerro. .
Manatos de borracha para homens e senhoras
Tendo chegado grande porcao de sapatos de borracha vende-se pelo custo.anm tade
desempatar o dinheiro nelles empregado, sao baratissimos.
Manatos de lustro para homens.
Sapatos de entrada baixa de couro de lustro com salto, de muito boa qualidade.
Abotinados para meninos e meninas
Sapatos abotinados de differentes modelos, de muito boas qualtdades e fortes, tanto
para meninos como para meninas, muito baratos.
Sapatos de tpete.
Sapatos de pete aveludado, de casemira, de charlte e de tranca francezes e por-
tuguezes para homens, para sennoras e para meninos.
Jos Joaouim da Costa'Man. tea i tenda no en armasen, sito no largo do
Peloorinho n. 5, os objectos segaiotes e qoe vende por presos mais commodos do
que era outra qualquer parte :
Oleo de i inhala.
Cooro de lustro.
Saceos de estopa.
Estopa em peca.
Vinho Bordean* em cantas.
Feltro em peca para forrar embarcacSes.
. Telhas3 de ferro galvanisado, de differentes tamanhos, para cobrir casas.
Ferro liso galvanisado para forrar embarcacSes.
Pregos galvaoisados.
Cantara de Lisboa.
Dita soleiras. #
Dita marmore.
Taboas de marmore de differentes grossoras.
Ladrilbos de marmore de differentes cores e tamanhos.
Ditos de pedra de Ansam. pretos e brancos.
Tmulos de pedra flna de differentes tamanhos.
Pedras para lavatorios.
Taboas de louza.
Pas de louza para cosinha^_______________________________________
A HA MAIS CABEMiOSBRAWCOS
A tintura iaponeza para Ungir os cabellos da cabeca e da barba, fot a nica admit-
tida 4 Exposico Universal, por ter sido reconhecida superior s todas as preparares
ate boje existentes, sem alterar a sande. Vende-se a 1J00O cada frasco na
Ra da Cadeia n. 51 1 andar._______^^
Caxang
Aluga-se pelo lempo da /esta ama das melhores
casas ueste arrabalde, a conheeida geralmente all
pela doBolTeirt) margem de rio, e? con ex-
celentes commodos para grande" familia : quera
pretender dlrija-se mesma Casa, ou no Recife a
ra do Hospicio n. 41, que achara com quem
tratar. j
COMPRAS.
Compra-se a collecc&o
do Diario de Pernambuco de
Janeiro a junho do armo df
1866: nesta typog pohia se
dir qnem compra.________
Com muito naior vantagem compram-se
onro, prata e pedras preciosas e n obras volhas: na
loja de joias do Coracao de Ouro n. 2 u, ra do
Cabug. _____________________
COMPRASE
perfumaras
ExceUentes extractos, banhas, leos, agua de cologne, florida, divina, lavande, den-
trifice, de toilette, sabenetes, tintura para cabellos, pomada angroise para bigedes, pos de
arroz etc, tudoisto deprimeira qualidade, dos afamados fabricantes, Condray, Piver eLubin.
Quinquilharias
Luvas de pellica do conhecido fabricante Jouvin, espelhos para sallas, quartos e ga-
binetes, toucadorePde diversos tamanhos, leques para senhoras e para meninas, abridores
de luvas, brincos, pulceiras, boloes, correntes e chaves de relagios e trancelins, tudo de
ouro de le, correntes e brincos de plaqu, a imitacao e de mais gosto do que as de ouro,
caixinhas de costura ricamente guarnecidas e ornadas com lindas pessas de msica, albuns
e caixilhos dourados para retratos, caixinhas com vidro de augmento para distintamente
ver-se a perfeicao dos retratos, objectos de phantasia para toilette?, bojsinhas e cestinnas
de seda, de velludo e de vimes para braco de meninas e senhoras, ditas para costuras, pe-
queos registros muito finos e delicados, bouquets de flores de porcelana, jarros proprios
para gabinetes e santuarios, quadros promptos para collocar-se vistas, molduras douradas
para quadros, estampas finas de paysagens, cidades, figuras e de santos, vidros para eos-
morama, malas, saceos e bolsas de viagens, esporas, chicotes, bengalas, ocuios, lunetas ou
pensinez de prata douradas, gravatas pretas e de cores, abotoaduras de coete e de puniios,
carteirinhas para notas, tbsounnbas o caivetes finos, pentes, escovas, ponteiras de espuma
para charutos e para cigarros, jocos de domin, rodetes, bagatelas e outros differentes, ve-
nezianas modernas muito conveniente para portas e janellas, cosmoramas, lanternas mgi-
cas, esteriocopos com interessautes vistas de figuras e das mais bonitas ras, bouleyards,
pracas e passeios de Parn, photographias e caixinhas mgicas, reverberos para candieiros,
tapetes de vidrilho e de laa de cores para ps de lanternas, realejos grandes e pequeo?,
harmnicos, acordions de todos os tamanhos, berros de vimes para crianzas, sapatinnos e
toucas de laa, carrinhos de 3 e i rodas muito elegantes para conduiir enancas a passeio ; e
outras muitas quinquilharias de phantasia, francezas e allerue?, pregos muito em conta.
@@tia@Q33 G>&aa iaaiai)iaQ8
Para este artigo nao ha espado nem tempo para a massante leitura da infinidade de
gneros de brinquedos fabricados em diversos paizes da Europa.
0 MARAVILLOSO REMEDIO
Dr. Chas, de Grath
OLEO ELETRICO
K1NG OF PAIN
0 RE DADOR
Para o uso interno e externo.
um porlao de ferro, urna soleira de pedra com 13
palmos : na ra larga do Hogao n. 22.
Compra-se uma^col-
leccaO de leis provinciaes
de Pernambuco do anno de
1866: nesta typographia.
Compra-se urna porta, que tenha tre-
se e meio palmos de altura e seis de lar-
gura, trae seja de amarello, e que es teja
em bota estado; nesta typographia se
dir.
VENDAS.
Cholera e cholera-morbus, diarrha,"
fluxo de saDgue, em nm da.
Dr de cabeca e dores de ouvido,
em tres minutos.
Dr de dentes, em um minuto.
Neura'gia, em cinco minutos.
Destcateles, em viote minutos.
Gargantas inchadas, em dez minu-
Clica e convulses, em cinco minu-
CURA:
tos.
Rbeumatismo em um da.
Febre e febre intermitiente, em um dia.
Dr as costas e nos lados, em dez
minutos.
Tosses perigosas e refriados, em um
dia.
Pleuresa, em um dia.
Surdez e astbma.
Hemorrhoidas e bronchites.
InflammacSo nos rins.
Dyspepsia e erysipelas.
Molestia de ligado.
Palptac3o de coracao.
O dono deste estabelecimento
1 verifizando as qualidades e os precos
reitura e de conta propria.
ATTENCA
pede ao publico em geral que continu a visita-lo
baratos de ditos objectos por serem vindos em di-
itiiiiiiauiu ciu um um. .--_ -
Reserve sempre este remedio na sua lamiia,
\S DOENCAS SE APRESENTAM QUANDO MENOS SE ESPERAM.
Oleo eletrico-0 King of Pain-(o rei da dr) aquieta e positivamente dissip i mais
de differentes molestias e dores, e allivia mais os soffrimentos e produz um mais perfeito
equilibrio no systema humano, o que nao se pode effectuar no mesmo tempo, com qual-
quer outro remedio medicinal.
4 Este muito popular remedio esl agora usndose geralmente, pela razio que i mi-
Ihares de pessoas se tem curado gratis como dito remedio pelo Dr. de Grath e outros
"""'Este importante remedio nao se offerece para curar todas as doencas, porm to
somente para aquellas estipuladas das nossas direccBes.
- Esl operando nos principios da cbimica e da tdectnc.dade, e por issc> estapplt-
cavel nara o curamento para a restauras*) da accio natural dos orgos que soffremda
rregufa^ dr^SJS do. fluxos dos priucipaes ervos. O oleo eletr.co^o Mi; of Pjiu
opc^ directamente nos absorventes, fazendo desapparecer ^^ififiSS
etc. em um lempo incrivel, breve, sem perigo do sen uso debaixo de qualquer c.rcums-
tanC10 remedio, urna medicina para o uso externo o interno, composto dos elementos
curativos raizes, hervas e cascas, taes como sa tem usado dos nossos antepasados, e
das quaes tem grandes existencias no mundo, para curar todas as molestias, sabendo-se
qaaeFoilaum7ranile e especial desejo da faculdade de medicina durante muitos annos
de experiencia para aprender os melhores modos que se deviam adoptar para curar as
seguintes doencas, e que preporcoes de medicina se devia usar.
nico deposito em Pernambu
NA PHARMACIA E DROGARA
NOVIDADE.
O Costa, proprietario do armazem da Pedra
Maamore ra das Crures n. 42, offerece por di-
nheiro contado o que de melhor ha no mercado,
por ter recebido muitos dos gneros descnpios
pelo ultimo vapor.
Macaes, peras e abacachis.
Chocolate de U a 1#800 a libra.
Especial manteiga ingleza e franceza.
Horialices para sopas denominadas Julienne, que
substitue perfeilamente as mais frescas erras
Queijos flamengos o que de melhor se pode de-
SeJCaixoes de doce de goiaba a 800, 1*, 1*200 e a
U800, dito em latas a 2* e 2*300.
A verdadeira farinha americana vmda de conta
propria a 320 rs. o maco de urna libra.
Velas stearinas a 300 e 640 rs. o maco.
Bolachinhas de todas as qualidades e dos me-
lhores fabricantes.
Ervilhas francezas e portuguezas.
Vinho de todas as qualidades.
Farclo de Lisb desembarcado hontem, em
saceos grande?, a 3J. _
Especial e aromtico sabao de familia a o _.
o kilo._____________________________-
Vande-se a cocheira da ra do Sol n. 27 com
carros e cavallos. muito barato para acabar, por o
dono ter de se retirar : a trolai na mesma ou na
ra do Rosarie da Boa-vista n. 56, em frente a ra
do Aragao.
Nutrimento
MEDICINA!
rnruuaoffji
hmmam Kimf
r*m*
TisM-a e toda a
qiuiidadeded-
i -a, qaeracp
iu garganta, po-
to ou bofes.
Expressa-
mente eacolbido
dos uwlMireaf-
gad<;s do* qMM
se eftrabe
oleo, no banco
da Terra Nota,
purificado cb-
inicalmeiite, e
sflas
p ropriedades
conservada
rom todo o coi-
dariOi em lodoo
frasco, se garaav
le pprfeitaBBen-
tc puro.
tste oleo tem
Mo submeUkV-
a um exam
muitosevero, pelos rhimii'os de mais tale-'.
ot, do governo hespanhol em Cuba,foi di-
vulgado por elle c contera
MAIOR PORCAO D'IODINA
do que outro qualquer oleo, que elle ttn
exam-nado
IODIKO E'CM PODCR SALVADOR
Em todo o oleo de figado de bacalhf,
enaquelle no qual cont-ni a mor por
d'esta invalnavel prnpriedade o uniro
meio para curar todas as doprcas de
GARGANTA, PEITO, B0FE9.FIGADO.
Tisica, bronchites. asma, ratarrho, tosse,
resfriamentos.ct"-.
Uns poneos frascos da OTM ao ruuito
magro que seja, clarea a vista,e d vior a
todo o corpo. Neiibuo) outro art'i?o
nhecido na medicina ou ideada, d la1
nutrimento ao systema e encommodanf
quasi nada o estomago
As pessoas cuja organisaco tem S!>U
destruida polas affecccs das
ESCRFULAS OU R1IEUMATISMO
e todas aquellas cujadife-esto se acua ort-
pletamcnte dcsarranjada.devem tomar
O OLEO DE FIGADO DE BACALH\-'
DE
l^nnman 4t Uemp,
Se que desejaa tw-eelnrres *-eiepara
di prmidadi's ____
DE
Grande reunio!
Ra do Imperador n. 28, ar-
ivazem Jo Camprs.
Como se est aproximando o tempo dos regato-
es o preprb'ario dc?te estabelecmenlo tem se
esmerado em fazer reunir em seu armazera um
completo e variadissimo sorliraonto de gneros
alimentlciL. ,
Nao se propoe a descrever nominalmenle todos
os gneros contides em seu armazem por se tor-
nar de mais eofadonho.
Garante sooienie, que 6 sua norma oe ha mimo
tempo .ender po por pao e queijo por qoejjo.
Avisa especialmente aos fumantes, que recebeu
de ua especial encommenda una factura de cha-
rutos superiores de S. Flix da Baha, das seguin-
tes. marcas : exposico, marqueze?, normas, ama-
dores e paraguayanos.
Venham todas as despensas dos arrabaldes e ci-
dade suprir-se do gneros de primeira qualidade.
Farinha de mandioc daBahia.
Tem para vender muito nova e superior,
em sacca3, a preco mais commodo do que
era outra qualqaer parle: Joaqnim Jos
Goncalves Beltrao, no sen escriptorio a ra
do Commercio n. 17. ______
No snnazein de Mills Liih3r.i A C : n ra c
'.ruz n. 38, vende se :
Lona larga de 30 potefada.
Dita eslroita de 2.'i dilas.
Sacros vasios para as-ucar.
Sellins, silliik? e irrci -
Vinhc de Dordnaux fia>i M aaim.
Sabo inglez em caixa.
Sabcnelcs dito dito._____________________-
Farelo
4:100.
Saceos com lO libras desoperief ar-
Jelobarato pieco a cima ir>d';cado, na
la Madre de Deus n. 7_____________
CiI nova de Lisiia
ehegada ultinumente prio pMeh Principio. -
dem Cunha baios & U, a ra ta Madre e Oe."
0.31.
Bartholomeu & C.
N. 34RA LARGA DO ROSARION. 34.
Vende-se urna linda caleca : na cocheira e
offleina de ferrador ra do Imperador defronte
de S. Francisco se dir quem vende
Feitor para sitio
Ainda se precisa de um feitor para o pequeo
sitio no Corredor do Bispo n. 31.
AMA
Precisa-se de urna ama que saiba cozinhar
ra do Codorniz n. 8.
na
Uj_ offerece-se urna mulhf r branca de boa con-
ducta e meia idade, para fazer companhia a urna
familia e tambera servicos : quem precisar dirja-
se ra Direita n. 81.
Precisase de urna ama para cozinhar em casa
de pouca familia : na ra da Soledade n. 68. Pre-
lere-se qne nao saia ra
Cal nova de Lisboa
Vende-se na ra do Barao do Triumpho, outr'o-
ra doBrum n. 80, armaztm de Pereira da Cunha
lrmaos._____________________________.
ATTENWO
Vende-se orna taberna com pouens fundos pro-
prio para algum principiante e tambera ;c vende
s armaejio : tratar na ra de S. Miguel n. 34
nos Affogadon.___________________________
Vndese o hotel da ra estreita do Rosario
n. 19, o qual tem bastante freguezias e acha se era
urna boa localidade : a tratar no mesmo hotel.
Tem '. venda rm seu* armazens. !m arligos de sen uego io regular, os segu..' i
eslao vendendo a precos nnis Lanos qa- -
ira qual'iuer parle :
PORTAS de pinho almofoda
FABEL.O era sacets grandes a 3.5^00.
GRADES de ftrro para cercados.
ESTEIRAS da India para cama e torrar sa
CANOS de barro francez para esgoto.
CESSO superior em barricas c a* arrota.
CEMENTO de todas as qiiali4ej a -
precos. t t.
MACHINAS de de-ear. .
BARRIS grandeseoBxi teteccbB.
LONAS e briozes da lowa
OLEADOS americanos t-r.i forra Je oinv
. FOliOES americanos muiij :.= e ce ;i .;:
VIXHO 'le Bordeanx m a.'.i-.
COGNAC superior de GMfcrFMN*.
MtLHO de Fernando a 31 o MMB.
AGUA llorida;
BARRIS de carne snlgada d p reo e iU v
Quem precisar de urna ama d-3 leite sem fi-
Iho, parida recentemente, dinja-se ra da Guia
na mero 8
Cozinheiro.
Precisa se de um eozinheiro para casa de moco
solteiro : no neceo da Boia n. 8. ________
MO DE OURO
Nova loja de joias
RA DO CABUGA' N.9 A.
DE
Manoel da Cunha Saldanha & C.
Acaba de abri-se este estabelecimento de joia6, o qual tem grande sorti-
raento de todas as joias de ultimo gosto, as quaes vender o mais barato pos-
Todas as ioias ser3o garantidas onro de lei, pois os seas donos tendo em
vista so adquirir freguezia nao olvidarSo, vender bom e por precos os mais
Convida-se o publico a vir a este estabelecimento, certo de qae ficar
A' MO BE OURO RA DO CABCA N. 9A
_" i
(Sis
m
Sia
Das Almas da matriz do Corpo Santo.
Autorisado pelo nosso irmao juiz, convido aos
raembros da mesa regedora a se rennirem no con-
sistorio da rmandade na quarla-feira 9 do cor-
rente mez, as 5 1|2 horas da tarde, aOm.de se
tratar de negocio de interesse da irmandade.
O escrivo,
Manoel Jos dos Santos.
Precisa-se de urna ama
ra do Caldeireiro n. 52.
para cozinhar : na
Criado.
Preeisa-se de um criado de 15 a 16 annos, forro
ou escravo : a iratar na ra Nova n. 80, f andar.
TT
ATTNQAO
A casa n. 20 da ra dos Pescadores, pertencen
te aos herdeiros de Jos da Silva Moreira, e que
No dia 11 do crreme, na igreja d^vtod ^""praca do juizo dos orphaos, foreir a santa
S. Francisca, a3 6 hora9 da manhaa, mandam-se casa aa misericordia do Recife.
celebrar missa pelo bachare Amonio Cyrillo de
Souza Dutra, 30 dia do seu passamenlo : roga-
se aos collegas e amigos do finado, queiram com-
parecer a este acto de religio. _____
Quem precisar de urna negrinba de portas
para dentro, dirija-se ra da Santa Cruz n. 12.
Na ruado Socego, casa n. 3i, aluga-se urna
escrava.
AMA
Precisa-se de urna ama para o serv'150 interno
- Preeiaa.se de urna escrava que coziohTe" |J nm/ sa de duas pessoas ra Vigario n. I,
engomme para pouca familia, e um raoleque de anqar._______________________ _-----
12 a 14 annos: na ra da Imperatriz n. 86, 2 Aluga-se a casa n. 8 da ra do Jasmin
andar. tratar na ra da Aurora n. 50 sobrado.
Ama d leite. ,
Precisa-se de urna ama de leite sera Qlho : na
ra de Horta9 n. 30, sobrado.
AOS 5:000^000
Eslao venda os felizas bilhetes da loleria da
Babia, na casa feliz do arco da Conceicao, loja de
ourives no Recife.
Prevme-
__ Pede-se ao Sr. subdelegado da freguezia de
Previne-se que ningueni fa$a negocio com o Santo Antonio, jue faca eonter urna mullier, ama-
ho-el denominado Aguia Brilhaote, sito ra es-1 sia de um carroceir* que mora no caes do Ramos
treta do Rosario n. 19, visto en proprietario nao \ m urna cocheira i
Olitida
Vende-se o sobradinho da rna de Mathias Fer-
rera n. 16, com bom quintal e boas condicoes de
durado ; e a casa n. 6 da ladeira da Mi^ericordia:
com bons commodos para familia, quintal mura-
do bastante grande.cacimba eum grande pede ta-
marindo deoxcellente sombro : quem pretender
dirija-se ra do Crespo n. 18, 1 andar, ou ao
agente JosEuzebio Alves da Silva, ra da Au
rora.______________
Cvalo
Vende-se am bom quarlo proprio para todo o
servico : na ra da Concordia n. 113.
Vndese a taberna sita ra da Esperan ja
(Camnho-novo) n. 27, nem afreguezada : a iratar
na mesma.
Vende-se a casa terrea 11. II, em Olinda, a
ra do largo do Amparo, em chaos proprio3 : a
tratar no Recife n. 40 ra da Cadeia.
Carroca.
Vende-se urna carroca qnas nova, propria para
boi: na roa da Concordia n. 113.
Na ra do Barao da Triumpho, antiga do
Brum, n. 92 venderse o seguinte por preeo m-
dico : ,
Cal de Lisboa da mais uova que ha no mercado.
Bolmetes para barcaga e hiate?.____________
FITA Ay UL
Jorge Tasso vende o seu magnifko ti r >
reside em S. Jo? do Mangninho, eafjrid-ar*-_-'
lilantado, arruado, com jardn, eammanc__i.
agua pouvel etc. etc., que salisai o !< a.
aristocrtico : para ver das 9 da manhaa 1- 3 da
tarde c para tratar com o correar Ge_:ih J
Affono na prai; do Comm?rcio, ou na rx
Amorim n. 37. _____
Ra do Cabuga'
r.
t
u .=- ... ^, fe, achar desemharacado com os sous credores.
Attenpao
, em nraa cocheira intitulada Cova da Onija, que
i sem o menor respeito ao decoro das familias que
all raoram, larfea palavroes indecente?, e qnando
repellida por alguem diz que as familias do lugar
__. T""" sao to boas como ella. A V. S. compete syndlcar
O abaixo assignado taz scienle ao respeitavel ,j0 exposto e dar suas aceradas providencias aflm
public e com especialidade ao como do com- je que esje de_i0Ij|0, em forma de mulher, seja
merclo, que deixou de ser eaixeiro da easa dos castigada como merece.
Srs. Teixeira Marques & C, dede o dia 5 de cor- ------r^.------------------" ni a.ii-.-i n1rt
amigos e freguezes que se acha acta.lmetUe na aeirelro on rua 3S09 n- "-------------,
loja da Conqaist ra do Cabug n. 6. Precisa-se de urna ama para cozinhar : na
Amonio Jo. Moreira. roa Nova d. 14.
E' chegao a este etab?lecimento chapeos pre
tos para homem (forma a roals moderna) a I0J,
assim como basquinas de grosdenaple e crex pre-
tos para senhora, o mebor que ha no mercado
cassas de ccres a 240 rs. o covaio, chilas a 200
rs., cortes dt chilaolind(p.-es, duas saas, a 6>,
cobertas de chita chineza ff.rradas a 6f, ditas de
crox ricas a 12#, o melhor quo tem apparecido,
tndo isto a dloheiro que para acabar.
Vende-se urna casa terrea grande na ra
Imperial n. 72 : a tratar na ra do Imperador,
sobrado n. 2. entrada pela ra de S. Francisco.
Attenpo
Vende-se um sitio no Barbalbo confronta ao
Monleiro, com 37 bracas de frene : ijuera preten -
der dirija-se ao mesmo B^rbalho, que traur sota
Flix Alves de Luna, ou com Joaqun cut -Fer-
reira Leal, no pateo da Santa Cruz a. 16.
Vende-se
Urna chana p?ra offleialato da Ordcm a Rusa,
muito em conta ; na loja de oarivw, ia roa Je
Imperador a. 30, defroote da casa o tribunal a
rea cao.
Farinha de mnnriioca de Santa
Gatharna.
Ha para vender da muito nova e twfmwt
ehegada recentemente pelo patacho Arat-
e barca Sania Mara ; por preco rowodr.
a bordo dos referidos navios foadesdot dc-
fronte do trapiche do Exm Sr. barao c
Livramento ou entao para tratar con Jo;-,
quim Jos Goncilves Beitrao, no tem w-
criptorio i roa do Commercio n. 17.
Excedente doce de caj ea cada.
Vende-se muito bom doce 4e caj rm tuu\ -
per preco baraiissimo : no pateo 4o Para.'. *.
taberna da Estrella.
Calcados ingfezes
Barzeguin inglez-s de soto grates bueee par.
homens a /.IDO e a 84 o par : sa loja ttmpi
da bota de ouro, na ra da Cruz SI, f!**'
amarello._____________________________
Vende J oaqum Jos Raime : m ra Ok
n. 8. 1* andar
Vnrie-. beribe jomo apmif, eom
mais de don* mil palew* --
com frente p' *"r* ta "" *"* m
praca da Boa-vi>la n. .
Attenpo
Vene-ao a armacao e per te d;
logar do T-rc n. 11, propria pera qnatou^r
cipiantec. cedeiidn-se ao esnpraior a
do sobrado de um andar pot c m da
tratar no mesmo sobrado.
Jr
PAGINACAOIHCORRETA


6
Diario de Pernambuico
/
1.A
Quarta
feira 9 Je Novembro de 1870.
GRANDE
BAZAR DO PAVAO
60-RUA DA IMPERATRIZ-60
DE
PEREIR4 DA SILVA 1C
Neste imprtante estabelecimento encontrar o respeitavel publico, um grande e variado sortimento de fazendas do maia
apurado gosto e todas de primeira necssidade, qae se vendem mais baratas do qoe em ontra qualqoer part, visto qoe os ho-
tos socios desta firma, adoptaram o systema de so venderem DINHEIRO ; para poderem vender pelo costo, limitando-se apenas
a ganbarem o descont ; as pessoas que negociam em pequea esca'a, nesta loja earmazem poderio fazer os seus sortimeatos
pelos mesmos precos qoe compram as casas inglezas, (importadora"*) e para maior commodidade das Exmas. famfUs se daro
amostras de todas as fazendas, ou Ibes levam em saas casas para escolherem.
PARA N0IV4D0S CORTINADOS, COLCHAS. i
Gbegou para o Bazar do Povio um gran-
de sortimento dos mais bonitos cortinados
cordados, p/oprios para camas e Janellas,
qne se veodem de 103 00 al 204000 o
par, assim como o melbor damasco cem 8
palmos de largura a imilaeao de damasco
de seda, proprias para colchas, e propria-
mente colchas de damasco, sendt os melho-
res e mais
cado.
TAPETES
Chegou para o Bazar do Pavio o mais
"legante sortimento de tapetes grandes, pa-
ra solas, com 4 cadeiras, ditos mais peque-
nos, para duas cadeiras, ditos para
pianos, camas, portas ; etc. vende-se por
menos do que em outra qualquer parte.
ROUPAS PARA HOMENS
No accreditado Bazar do Pavio encontra-
r o respeitavel publico um grande sorti-
mento de roupas para homens tanto bran-
cas como de cores, a saber :
Camisas coa peitos d'algodio e delinho,
para todos os precos e quadades.
Ceroolas de linho e algodSo.
Meias curtas francezas e inglezas.
Palitos sobrecasacos de panno preto e
casemira.
Calcas de brim branco e de cores
Ditas de casemiras pretas e de cores, com
Golletes iguaes
De todas estas roupas ha para todos os
oreos e quadades, e tem de mais mais
um perito
ALFAIATE
Por quera se manda fazer com prestesa
e aeeio qualquer peca de obra a capricho
ou gosto do freguez, tendo n'este importan-
te estabelecimento todas as quadades de
.".uno fino, as melbores e mais moder-
nas casemiras, assim como os melbores brins,
jur brancos, qur de cor ; e quando qual-
' quer obra nao ficar iateiramate ao gosto
dos reguezes tica por conta do estabeleci-
mento.
CHALES DE MERINO
Chegou para o Bazar do Pav5o nm elegan-
te souimento de chales de merino de cores
inuito bons com padroes muilo decentes
para qualquer urna senhora usar, ditos de
crpern com listas de seda o mais fino e
moderno que tem vi ido ao mercado, e ven-
-se por proco muito em conta.
TOALHAS A 74500
No Bazar do Pavio fez se urna grande
compra de toaluas alcochoadas, proprias
para rosto, bstanle encorpadas e grandes,
que sempre se venderam a 1120000, e li-
quidam-se a 7*500 a dnzaoa a 640 rs.
cada urna, boa pechincha.
CORTES DE CHITA
a 33200 a 34840
34520 34520
34840 34200
No B'zar do Pavo vende-se cortes di fi-
nissimas chitas com padroes claros e oscu-
ros, tendo 10,11 e!2 covados; sendo fa-
zenda que vale muito mais dinheiro e liqai-
da-se pelo preco cima para acabar,, na roa
da Imperatriz n. 60 Bazar do Pavo.
BRINS DE CORES A 23500 e 34500
Vendem-se modernissimos brins de linho
de cor com as cores fixas, sendo o corte
de calca a 24500 e 3450O eemvara a 14003
o 14600, pechincha, no Bazar do Pavo ra
da Imperatriz n. 6o.
CORP1NHOS BRANCOS A 33000
No Bazar do Pavo vendem-se corpinhos
decambraia brancos bordados, sendo fazen-
da que sempre se venden a 840O0 e 104
e quida-se a 34000 por estarem um
pomo maltratados, pecnincha, na ra da
Imperatriz n. 60.
FUSTOES DE COR E BRANCOS
Vendem-se bunitos fustes brancas e de
cores, proprios para vestidos e roupas de
meninos, sendo de cores a 800 ris o cova-
do e brancos, a 400 e 640 ris, pe-
chincha, no Bazar do Pavo ra da Impe-
ratriz n. 60
CHITAS BARATAS
a 200 ris.
a 200 res,
a 200 reis.
Vendem-se chitas largas com mnito bons
pannos e cores fizas, polo barati prego de
200 ris o covado ; cortes das meslas com
10 covados a 2300, pecbincha," no Bazar
ao Pavo.
AS CASSAS DO PAVAO
Covado 200 ris.
a 200 reis.
a 200 ris,
Vendem-se bunias cassas de cores miu-
dinhas pelo barato proco de 200 ris o ca-
vado, no armazem do Pavo ra da Im-
peratriz n 60
PANNOS PARA SAIAS A 1J000, O METRO. *
No Bazar do Pavo veode-se bonita fa-
zenda branca encorpada para saias, sendo
combabados e oregas de ojo lado, dando
GROSDENAPLES PRETOS
Chegou para o Bazar do Pavo um gran-
de sortimento dos melbores grosdeoaples
pretos que tem vindo ao mercado. que se
veodem de 14600 at 54000 o covado ;
sao tudoa muilo em conta.
MANrELLETES DE FIL
No Bazir do Pavo vende-se modernissi-
mos mantelletes ou basquinas de fil preto,
bonitas que tem vindo ao mer- om 'aco, pelo barato preco de 104000 ca
da om, barato.
ALGODAO ENFESTADO PARA LENCES.
No Bazar do PavD vend-se o melbor al-
godiosinho americano enfestado para Ien-
ces, tendo liso e eotrancado por preco
muito barato.
ESPARTILHO.
No Bazar do Pavo recebeo-se um elegan-
te sortimento dos mais modernos e melbo-
res espartilbos, que se vendem por preco
mnilo em conta.
PANNOS DE CROCH PARA CADEIRAS
O Bazar do Pavio recebcu um grande
sortimento dos melbores pannos de croch,
proprios para cadeiras de balance sofs,
pianos, tamboretes e at proprios para cu-
brir almofadas e pratos; vendendo-se por
menos do que em qualquer parte.
PARA LENCOES
No Bazar do Pavo vende-se sujerior
bramante d'algodo com 10 palmos de lar-
gura a 14800 o metro, dito de linbo cora a
mesma largura a 24800 cada metro, pannos
ds linhodo portocom 3 1/2 palmos de largura
de 720 at 14 a vara, assim como um grande
sortimento de Hamborgo ou creguellas de
todos os nmeros, precos ou quadades,
que se vendem mais barato do que em ou-
tra qnslqner parte; aproveitem-
ATOALHADOS
No Bazar do Pavo vende-se snperior
toalhade trancado, com 8 palmos de largu-
ra a 14600 o metro, dito de linho adamas-
cado o melhor que tem vindo ao mercado a
34500 o metro ; tudo isto muito barato.
CORTES INDIANOS A 43500.
No Bazar do Pavo vende-se bonitos cor-
les indianos com dua3 saias pelo bara-
tsimo prego de 445)0 cada um, pe-
chincha.
FAZENDAS PARA LUTO
No Bazar do Pavo vende-se constante-
mente o melbor sortimeoto de fazendas
pretas para luto, como sejam :
Lasinbas retas lisas.
Cassas pretas de la.
Cassas pretas, francezas e inglezas, lisas
e com salpico?.
Chitas pretas de todas as quadades.
Alpacas pretas lisas.
Ditas lavradas com branco.
Merinos, cantos, bombazinas, que 89
vendem mais barato do que em outra qual-
quer parte.
CACHE-NEZ A 64000.
No Bazar do Pavo vendem.se bonitos e
grandes cachi-nez de pura la, pelo bara-
to preco de 64000 cada um.
PEIUCNCHA E.M CAMBRAIAS VICTORIAS, A 54,
64, 74 84000.
Vende-se um esplendido sortimento de
finissimas cambraias victorias, por precos
mais baratas do que em outra qualquer
parte, tendo cada peca 10 jardas a 54, 64,
64500 e 74030, finissimas a 84500 ; todas
estas cambraias valem muito mais dinheiro
e liquidam-se por este preco em relaco a
urna rande compra que se fez no Bazar
do Pavo.
BABADINHDS
No Bazar do Pavo vende-se um grande
sortimento dos mais unos babadinbos borda-
dos tapados e transparentes, assim como
urna grande porco de entremeios largos e
estreitos, que para acabar se vende mnilo
em conta e mais barato do que em outra
qualquer parte.
SETINSDE CORES E GROSDENAPLES.
No Bazar do Pavo vende-se um sortimeo-
H) completo dos melbores setins e grosde-
oaples de todas as cores, que se vendem
muito em conta.
TOALHAS.
Vende-se toalbasdo Portocom labyrintho,
proprias para rosto, no Bazar do Pavo
ra da Imperatriz n. 60.
Colchas brancas 33200, 34500 e 74000.
Para o Bazar do Pavo chegou um grande
sortimento das melbores colchas pretas,
sendo das melhores e mais encorpadas que
tem vindo 74000, ditas um pouco mais
baia 34500 e ditas 34200^ tambem no
mesmo estabelecimento, se vende um grande
sortimento de crtones e cbilas proprias
para colchas que se vendem mnito em conta.
Sedas de qiudriuhos a 13280 ao corado
Veode-se nm elegante soriimento de sedas
de qnadrinbos, com liad simas cores, para
vestidos e roupas de meninos, o vende-se
14280 cada covado; pechincha no
Bazar do Pavo.
Madapolo enfrsUdo a peca 34000.
Vende se pecas de madap 13o e festado,
a largura da fazenda o compii nenio la tendo 12 jardas cada peca 34000 o 34500,
saia, a qual se ple fazer com 3 ou 3 112 pechincha, no Bazar do Pavj ra da
metros e ven1e-se a 14, 1*280 e 14400; Impelirte n. 60.
PICHINCHAS
DO
PAVAO
B,ua da Imperatriz 60.
Para Tender depressa
LINDAS JAPONEZAS PARA VESTIDOS A
A t00 RS.
Chegou um elegante sortimento de las-
inbas do Japo, com padroes de seda e de
muito boa qnalidade. qoe se vendem a
500 rs. o covado. pechincha, no Bazar
do Pavlo, raa da Impera/riz n. 60.
POUPELWAS DO JAPAO A 14600 O COVADO.
Chegou um elegante sortimento de hn-
dissimas poopelinas Jiponezas, com os
mais delicados gostos, endo muito lustro
e com listrinhas de seda, sendo esta nova
fazenda cuasi da largara da chita fraoce-
za e vende-se pelo barato preco de 14600
cada covado, no Bazar do Pa5o.
AS POUPELINAS DO P.tVO A 24000, 0 COVADO.
Chegou para o Bazar do Pavo um bo-
nito sortimento das mais modernas e ele-
gantes ponpelinas de linbo e seda, que se
vendem pelo baratissimo preco de 24000
cada um covado, assim como ditas com
goetos escossezes a 24400, pechiucha no
Bazrr do Pavlo.
SEDAS A 24000
Chegou un elegante soriimento de boni-
tas sedas de listrinhas, com as cores mais no
vaiSua tem vindo ao mercado e veudem-se
a 20000 o covado, na roa da Imperatriz
Bazar do Pavo.
AOS 2000 VESTIDOS PECHINCHA ADMI-
RAVEL.
a 24000, a 24000.
a 24500. a 24500.
a 24000. a 2400O.
S no Bazar do Pavo.
Vende-se bonittssimos cortes de vestidos
de phantasia com lindos gostos, sendo fazen-
das traparenies com delicados bordados e
listras que a nao ser um grande pechin-
cha qae se fez na compra seria para moito
mais dinheiro, e liquida-se a 24 e 2450J,
onicamento no Bazar do Pavo.
LASINHAS TRANSPARENTES A 400 U6 0 COVADO
Vende-se delicadas lasinbas transparen
toa com lislriubas miudiohas, imitacao de
urna s cor e muito brilhautes, pelo bara-
tissimo preco de 400 rs. o covado, no Ba-
zar do Pavo
BONITAS LASINHAS A 500 RS. 0 COVADO,
Veude-se delicadas lasinbas com dille-
rentes gosto pelo barato preco de 500 rs.
o covado, no Bazar do Pavo.
ALPACAS BRANCAS.
Vende-se um bonito sortimento de finis-
simas alpacas brancas lavradas, imitacao
de seda, proprias para vestidos de baile ou
pasamentos no Bazar do Pavo.
ALPACAS LAVRADAS A 400, 660 E 6i0 RS.
Vende-se um grande sortimento de lin-
das alpacas lavraoas de todas as cores para
vestidos e vendem-se a 400, 550 e 640
e al mil e tantos res o covado, no Bazar
do Pavo.
BABEGES DE QADRINHOS A 600 RS. 0 COVADO
Vende-se as mais lindas e moderdas la-
sinbas ou bareges de quadrinhos, proprios
para vestidos, tendo quasi largara de chita
frsnceza. e liquida-se a 640 rs. o covado,
no Bazar do Pavo.
MERINOS DE CORES RARA VESTIDOS.
Vende-se bonitos merinos de urna s
cor com cores muito proprios para vestido
e roupas para creancas por ser urna fazen-
da de pura la e muito leve, vende-se a 14
o covado, no Bazar do Pavo.
GLACS A 14000 PARA VESTIDOS.
Vende-se um elegante sortimento desta
nova fazenda denominada glacs sendo urna
fazenda de la muito larga e com delica-
dissimas core, tendo tanto brilho como a
seda e vende-se pelo barato preco de 14,
covado, no Bazar do Pavo.
CASEMffiAS A 74000 B
Vendem-se cortes de casemira iogleza de
cores para calcas sendo fazenda que vale
muito mais dinheiro e liquida-se a 74000
o corte de calca, no Bazar do Pavo a ra
da Imperatriz n. 60.
GRANDE PECHINCHA EM CAMBRAIAS TRANSPA-
RENTES a 44, 54,64,84, e 104000
Vende-se finissimas cambraias suissas, de
muita phantasia tendo 9 varas a 84500 e
104000. Ditas bispo com 10 jardas fazen-
da muito fina a 54, 64 e 74000. Ditas fi-
nissimas azuladinhas, que valem muito mais
dinheiro, a 84 e 104000: todas estas cam-
braias, em relaco a qnalidade, pelos pre-
cos cima sao mais baratas do que em ou-
tra qualquer parte, no Bazr do Pavo.
CAMBRAIA ALLEMA COM 8 PALMOS DE LAR-
GURA A 1J600, U E 2*500.
Veode-se flnissima cambraia branca tran-
pa-ente com 8 palmos de largura, que faci-
lita fazer-se om vestido apeoas com 4
varas e lijuida-se a 14600, U e 24500 a
vara, fazenda que vale moito mais dinheiro
E pechincha no Bazar do Pavo.
CAMBRAIA TRANSPARENTE
Peca a 44000
Vende-se muito finas pecas de cambraias
brancas transparentes, tendo8 1(2 Tarasca-
da peca e com um vara de largara a 44
E pechincha, no Bazar do Pavio
A' ra da Imperatriz
n. 60.
0 Bazar do Pavao sit a das 6 horas da mann as 9 da noute.
j
20 4- Hu* da Imperatriz 20
4eO0.T?*df*.^y,lk6 de Pari8' um ln<>e sorti-
mento de fazendas finas, como sejam : corles de
poil de chevre com ligtras escocezas de urna e duas
saias o qae ha de mais alia novidade, ricas pope-
linas de seda, granadines, faas escocers, alpacas
bareges, etc., ele, e om completo sortimento de
chitas, madapoloes, cambraias brancas e de cores
organdys e cambraia imperatriz, e ontras muius
fazendas, tudo do que ha de melhor neste merca-
do, que tudo se vender o mais barato possivel.
Chamamos a ailengio do bello sexo que qnlzer
andar na moda, e ao mesmo lempo esperamos a
sua proteccao. Manda-se levar em casa das
Exinas, familias todas as fazendas
direm.
20-RUA DA
que nos pe<
IMPERATRIZ20
Furia & Lessa.
A
A ra do Duque de Caxias n 21.
(ANTIGA RA DO QUEIMADO)
Receben e segainte :
Espelhos grandes dourados, moldes bonitos.
Carteiras, charuteiras e pon-cigarros de muita
quadades.
Bonitas pastas para papis, simples e matisadaa
Boas caixas vasias para costura com sua compe-
tente chave.
Delicadas caetas de marflm com o bocal de
prata.
Modernos' pentes de tartaruga, sobresahindo en-
tre elles os mimosos telegraphistas.
Commodos toocadores com duas gavetas e bom
espelho.
Port bonquet, o que de melbor tem appare-
cido.
Port relogios de umitas quadades.
Bons talberes para enancas.
Voatnarios, chapozinhos, loucas, sapalos e meiai
para baptisados.
Toalhas e fronbas de labyrintho.
Chapeos e chapenas para senhora, moldes novoi
e bonitos.
Chapozinhos gorros e bonets para meninos
meninas.
Contra as convulsoes as
crianzas
Vende-se os verdadeiros collares na Nova Espe-
ranca, ra do Duque de Caxias n. Si.
PARA TINGM CABELLOS
para pretos ou castanhos, recetan a Nova Espe-
ranza a verdadeira tinta inileza.
PARA ACABAR COM AS SARDAS
ou pannos, tem a Nova Esperanca o verdadeiro
leite de rosas brancas.
AGUA DE FLOR DE LARANJA.
Vende-se na Nova Esperanca, ra do Duque dt
Caxias n. 21.
PAPEL PARA ENFEITAR-SE BOLOS
recebeu-os mnito lindos a Nova Esperanca, ra
do Duque de Caxias n. 21.
PARA AMAC1AR E AFORMOSEAR A PELLE
tem a Nova Esperanca es sabonetcs de pos de
arroz
CHEGARAM.
Poqos instantneos aperfeiqo-
ados por preqo muito commo-
do: na ra Nova n. 2, loja de
Antonio Pedro de Souza Soares.
Bombas completas para ca-
cimba, por diminuto preqo, na
mesma casa.
CEMENTO
O verdadeiro portiand. S se vende na ra da
Madre de Dos n. 32, armazem de o Martina de
Barros*
Especialidades.
Continuara a acbar-se a venda ua ra Direita
botica n. 88, os mu conhecidos e acreditados re-
medios de veame, e outros diversos medicamen-
tos feitos em Pars, bem como os xaropes de co-
deina de Berth, de rbano iodado, de iodureto de
ferro de Blancard e as plalas do mesmo, peitoral
de cereia, pos de Rog, depurativo de Chable,
digital de Labellony, pilulas ou confeitos de bis-
mutho de Chevrer, e outros medicamentos cuja
proQciencia quando empregados as doencas das
vas respiratorias, as dores rheumaticas, na
amarellido, na falta completa ou irregularidade
de menstruo, as diarrhas, doencas do coracao
e do estomago, tem sido e incontestavel, em
vista dos benficos resultados das experimentales
ou oso que diversas pessoas delles t era feito, as-
sim como das pilulas denominadas bravinas in-
comparaves em sua efiQcacia nos acommettimen-
tos febris ou sezoes ; existindo tambem n mesma
casa, alm de sufflcicule quaniidade de drogas,
um nao pequeo sortimento de tintas, oleo de li-
a haga e piocis, que se vendem por menos do que
em outra Darte. .
p* mm noyimh
^.i Jl^ *iAGUU ^j^' *** Preca scientificar ao respeta*! **
ff!? em partuTolar a saa boa fregueaa, da immensidade de objectoe goopir -
te tem recebido, 6 justamentefqnndo ella menos o pode fazer e porque essa falta 4 at-
ilintara ella confia e espera na benevolencia de todos que lh'a atienden e relevarte
continuando portante a dingirem-e a bem conhecida leja da AGUIA BRANCA I rea t
Qneimado n. 8, onde sempre acharto abundancia em sortimento de superioridae en
qualidade8, modicidade em precos e o sea nunca desmenttido AGRADO E SINCERIDABt.
Do que cima fia dito se couhece que o tempo de que a AGUIA BRANCA fMe
dispor, empregado apezar de seas custos no desempenho de bem servir a aqoellee mm
bonram procurando prover-se em dita loja do que necessitam, entretanto sean ata
rar os objectos que por sua natoreza sao mais conhecidos ali, ella resumidamente I
cara aquellas cuja importancia, elegancia e novidade os tornam recommendareii
bem seja :
Corpinhos de cambraia, primorosamente
enfeitados com fitas de setim e obras essas
caja novidade de molde e perfeic5o de ador-
nos os tornam apreciados.
Fitas mni largas de diversas cores e qua-
lidades para cintos.
Leques oesse objecto muito se poderia
dizer querendo descreve-los minuciosamente
por suas qualidades, coree e desenhos, tal
o grande e variado sortimento qae acaba
de chegar, mas. para n3o massar o pretn-
deme se lhe apresentaii o que poder de
melhor.
Entremeios em pecas de 12 tiras.
Guipare branco e preto de diversas qua-
lidades e desenhos.
Ditos de algodSo com flores e lisos.
Veos de seda para chapelinas e monta-
ra.
Meias de seda para noivas.
Ditas abertas de fio de Escossia.
Costnmes ou uniformes para meninos.
Enxovaes completos para baptisados.
Tooquinhas de fil, sapatinhos bordados
e meis para ditos.
Camisinhas bordada para ditos.
Capellas brancas para meninas.
Grande sortimenio de flores finas.
Fil de seda preto.
perfumara
Grande e constante sortimento de uta,
sempre melbor qualidade.
Lindos vasos com pos de arroz e pineal.
Caixinbas com ditos aromticos.
Bonitos e modernos pentes douradoe pa-
ra circular o coque.
Bonitos brincos de plaqueo.
Aderecos e brincos de madrepero
Caivetes finos para abrir latas.
Thesouras para irisar babadinbos.
Aspas para balSo.
Novos stereoscopos com 48 vistas, ai
quaes sao movidas por om
urnas substituem as outras.
Vistas para stereoscopos.
Bonitas caixinhas de vidro laifaitadee i
podras.
Ditas de raadeira enverniaada
ras e com dminos,
Bollas de borracha para brinquedo
criancaa.
Diversos objectos de porcelana, m
para enfeites de mesa o de lapinhasl
<1
CO
%
I
s
I
0
IV. 3 A RA DO G4BUGA N. 3.A
MOSTwl MOS
e
es
I
m
co
p>
Com este titulo acha-se aberto 6 inteiramente transformado este antigo
estabelecimento de joias, onde os freguezes e amigos encontraro tudo qoanto
a moda e o bom gosto tem inventado na arte de ourivesaria, o Collar de Ouro
observar delicadeza no trato e senciridade e modecidade nos precos.
Espera que o respeitavel publico venha ver o que existe de melbor rea
aderemos de brilbantes, esmeraldas, robins e perolas, meios aderecos, pul-
ceiras, brincos, alfinetes e anneis de todas as qualidades, prata de lei faqoei-
ros, colheres, palileiros salvas e outros muitos objectos que seria enfadonho
mencionar.
Compra-se ouro, prata, brilhantes e pedras finas, pormaior preco do
que em outra qualquer parte, troca-se e concerta-se todo e qualquer objecto
pertencente a esta arte.
A ARARA

J
ATTENJAO
as jira como ,tambem no mesmo estaneleci-
ment se venlebonius saus uraocasbor-
dadas, tanda quairo pannos cada urna, litas
de la de cores j promo'as, urna com
barras differentes da mesma fazenda 4 CHALES DE RENDA.
Cnaies 2 00 >.
Chales 2000.
Cuales 2000.
Vend-se orna grmde porgo de chales
MACHAS PARA
COSTURA
Acabara de chegar ao GRANDE BAZAR
UNIVERSAL, ra Nova n. 22carneiro
viannaam completo sortimento de ma-
chi aas para costara, dos autores mais co-
nhecidos, as quaes estSo em exposico no
mesmo Bazar, garantindos-e a sua boa qna-
lidade, e tambem ensina-se com perfeiejo
a todos os compradores. Estas machinas
s5o iguaes no seu trabalbo ao de 30 costu-
raras diariamente, e a sua perfeicSo tal
como da melhor costureira de Pars. Apre-
sentam-se trabalhos executados pelas mes-
mas, qae muito devem agradar aos preten-
deres.
e ontra com barras borda -as 65 e 7*%o\, orefg ds reo i. ou croch, sendo pretos
tuda isto e modelo e paran. co < 4 pontas. f,z*n la ajne sempre se ven-
CARNAUBA. dea StoJii u ,uid -e a id'MJO cada um,
Ve.i-ia .aroaoM^m saceos, na ra da e pen>oetia nn B z*r do r'avo, a ra da
Imperatriz n. 60, Bazar Pavlo. impratrii n. 6o
ATTENJAO.
Veode-se a taberna do pateo do Carmo n. 13,
na esquina do becco da Bomba, muito afregueYa-
da para a larra e para o mato, com os fundos
existentes, e tambem sera elles, a vonlade do com-
prador, e tem commodes para morada dos caixei-
ros e connna : os pretendemos podem dirigirse
a mesma taberna, que aebarin com quera tratar.
,-"~J* co^eira da ra do Imperador n. 15 es-
tao para se vender dous borros hespanhes gne
desembarcaram ba dons dUs, muito grandes, bo-
nitos e novos proprios para crusaraento ds raja :
qaemos pretender dirija se ao t-scriptorio de|E.
R. Rabillo >C.,raa do rjomuiercio n. 48.
Lourenco Pereira Mends Guimar2es, participa a todos os sena devedore
tanto da praca como do mato, que estando lquidando suas casas commereiaes. o qm
aere fazer ate o fim do correnta anno, por hwo roga a todos os seus devedores a varea
saldar seus dbitos o mais breve possivel; outro sim, declara aos seas devedores, qoe
os que nao estiveremna loja tem de pagar todos os seus dbitos, provando islose lar
o abatimento que for preciso para a liquidado de suas dividas, para isto poderlo di-
ngtr-se raa da Imperatriz n, 72, loja da Arara.
Ao resto das pechinchas
JS?^*6 c^.r.tes de cast.r?s para calcas. bales de arcos a IdOOO.
Veode-se balos de t5 a 30 arcos a 1#
e 10500 cada um. Cortes de cassas ea
papel a 2#500 cada um, para liquidar.
Bramante de linho e algnda cem 10 pal-
mos, de largura o 1800 o metro.
Panno de linho a 760.
Vende-se bramante de 10 palmes de lar-
dara proprio para iences a 24800 o metro.
Lencos de seda a 800 rs.
Veode-se ama porco de lencos de seda
a 800 rs. cada om.
Chales de eassa a 14460.
Vende-se urna graobe poreio de chales
de cassa a 1000 cada om, pera liquidar.
Fusto a 360 rs.
Vende-se fusilo de corea para vestidos
a 360 rs. o covado.
Algodo enfestado a 900 ra.
Venda-se algodlo enfestado para Iences
e toalhas a 900 rs. o metro, dito mana-
do a 14200 o metro.
Cales de neriaa estampis a 24446.
Vende se chales de merm estampada*
cm barras a 24, 24500 e 34 para acabar
Granie poreio d retalboe.
Vende-se grande poreio de re/albos dt
cassas e chitas a 240 rs. o covado.
a 500 rs. Cortes de brins "de cores a'
14500; cortes de gangas para calcas a 14,
cortes de casemiras preta para calcas a
34500,44, 54 e 60000.
Cortes de chitas a 2:500.
Vende-se cortes de chitas para vestipes
itS3' Dit08 de ca3sa Para vestidos a
24>00.
Pecbiniha a 44000.
Vende-se pecas de algodao a 44, 54, 64
e 74000.
Para liquidar a 34500,
Pecas de madapol3o com 12 jardas a
34500. Ditas de dito com 24 jardas a 54,
04, 64500, 74, 84 e 94000.
LIQUIDACiO.
Pecas de algodiosiobo de listra proprio
para roupas de escravos com 42 jardas a
(54500 e covado 160 rs. para liquidar.
Cbitas escuras para vestidos a 280, 320
e 360 rs. o covado.
Para acabar.
Vende-se pecas de cmbralas victoria, fi-
nas a 64, 60300 e 74000.
E' mnito barato.
Colarinhos de papel a 240 rs. a duzia.
Cortinados para janellas a 54000.
Vende-Se cortina pos para, jaoellas a 54
o par. Brim pardo liso para calca de ser-
vico a 500 rs o metro.
; Cortes de percales a 64000.
Veode-se cortes de percales d duas
saias de bonitas barras a 64000.
Caberlas de chita.
Vende-se a 14500, ditas fina* a 25500,
ditas encarnadas e adamascadas a 34500,
ditas forradas 54000.
Gangas para calcas a 280 o covado.
Brim de listra ao lado para caigas a 400
rs. o covado.
Lencos brancos a 24000 a dotia, para li-
quidar; grande poreio de mantas para
gravatas a 200 rs. cada nma para liquidar.
Cassas francezas a 280 rs.
Vende-se cassas fraocezas para vestidos
a 280 e 320 rs. o covado.
Orfandyg de cores para vestidos a 400
e 640 o' covado.
Alpacas de cores para vestidos a 500 e
640 rs. o corado.
Lasinbas paca vestidos a 320,400 e 520
rs. o covado.
A festa est na porta
Roapa feita encontrar o
Por precinto razoavel
Todos se enrouparo.
A SABER:
Liqoidacii le ri feita.
Vende-se paltots de briosinbo dt mmo
proptio para andar em casa a 14500 ; di-
tos de gaoga a 24000 ; ditos de man ca-
semira a 34000 ; ditos de alpaca de cor
a 34500 e 44000; ditos de panno ame
preto a 64, 84 e 104000 ; ditos de elat-
miras de cores, a 64 e WOOO ; epflelei
de cassi netas de cores, a 14500 ; dMede
brins de qoadriobos a 14CK); o-10" *"
semiras de cores, a 24500, 3| e 4|
Calcas azues pira escravos a 500 rs.; d
de algodiosinbo de listra a 800 rn.; mm
de brim pardo a 1400, 24 *S^"
tas de dito braoco de linbo a 345W t# ;
ditas de casetnins de cores a JM* J
e 840OO ; camisas de chita a 140W; <-
tas de algodlooinifi. proprias para o si
vico por ser faxenda forte, a 14280 ;
de masa ioa a 14600 ra. Para tapate
rnm8iUfK,aarn-aZen9 atorara oceupadoj
pn *a ni rJ**abao e destilacio do Sr. arene! .
qSKrDKT-6 ^i tti* nova os PPetario da loja denomioade Arara, declara ao respertavel pokUce
q^nrf.brTaPde7ffl ^os fregneses que est concluiodo ana liqoidacio, por isso quera qoher Hrffe
grande van.aem Ka emCaueTffmbr w nodu por pouco dinheiro twma a'boodale de fingir- 4 roa di lmperitri],.
a tratar com o commeadador Tasao. 172, desde as 6 horas da naooit as 9 da noute.






/
>***
Diario de Pernatfmco Quara feira 9 de Novembro de 1870.

Acabam de sahir a luz as se-
guintes pecas para
PIANO
O BlZAR
Jos de Souza Soares & C.
RIJA DO B1BAO DA flTOHIA
(OUTR'ORA NOVA)
,aX.e^ala'se fflejan>tTphozeado no que pode haver de raais bello e agradavel em fa-
zenaas Unas para Senhoras artigos de alta moda em Paris tanto para senhoras como
para borneas e meninos.
n!udeas afamadas' perfumarlas especiaos, varieda.de,.,de lindos objectos para me-
amos e bnnqaedos para criancas. rner j v
_ GRANDE SOIITIMENTO
Continuamente receblo por todos os paquetes vindo da Europa aonde tem ha-
dis correspondentes.
Vndese maito emconta e maada-se por em pregados do estabeleclmento fazendas
em casa das hxms. familias afim de melbor eseolherem o que desejarem.
limalinda walsa d'Arditi
Ideal e realidade miiiio benita
pbantasia polo maestro Cozal-
bore
Poslilhaolinda pbantasia executa-
da com grande appktuo pela
msica allemia
Habaneras lindas dansas para-
guayas, que tanto furor aqui tem
feito
ACABA DE PUBLICAR-SE
a colleccao de msicas dos cavaliinhos para
t#000
13000
4500
NAVIDADES
O MURAVILHOSO REMEDIO DO
Mt. CHAS. DE GRATE .
OLEO ELCTRICO
KlIffG OF PAUff O RE DA DOR
PARA USO INTERNO E EXTERNO
CURA CHOLERA E CHOLERA MORBUS,
IiOJOt
13000
Receben mais grande sortiraento de m-
sicas para piano, e piano e canto, e tambem
a opera
IL
para piano e canto, e tambem os melhores
pedagos para piano s compjsico do Ilus-
tre compositor brasileiro
Carlos Gomes
que tamo furor fez na Italia, e boje faz no
Bio de Janeiro.
A' VENDV NA
7 Ra do Queimado 7
DE
A. J. de Azevedo
RA DO BABO DA VICTORIA (ANTI-
GA BA NOVA N. {{).
Covado a 160 rs. ~
Cambraia franceza para vestido com Beauer
toque, covado 160 rs. '
Dita dila dita, covado 3-20. 400 % 500 r
'.hitas efeuras, covado 280, 320 e 360 rs.
I.aa para vencido, covado a 200, 210 a 300 rs
Alpaca de listas, alta novklade, a 1* i$ 1
no^s""! brancH **** e transitronte?,
Algodio e madapolo, peca o* a 103.
Mplkines, fazenda nova ara calca, corte a 3*.
corte""? vesU0K braDcoi com* barra de cor,
Saiai bordadas, randa pechinclia. a 2* e 2300
botitembarques de alpaca a l300 e 2J.
>a loja Flor da Boa-vista, do Panlo Guiniaraes,
iua da Imperatriz n. 48.
MORIR k BASTOS
*.. ?' che8ado a este novo estabeleciraento o mais bello sortimento de fazendas
inas, sendo sua- especialidade enxovaes para noivado.
Vestidos de blond de,seda ricamente bordados.
Gorguro de seda branco para vestido.
Colchas de seda pnra, para cama com ricos desenhos.
Ditas de la e seda, id^m idem.
Ditas de crox, idem idem.
Cortinados rcamnte bordados para cama e janellas.
Croxs para cadeiras e sofs. '
Vestidos de cambraia branca bordados.
Popelines de lindos gostos.
Laas de diversas qualidades, lindos gostos e moderna?.
Ricos burnus para passeio, com listras de setira.
Sahidas de baile o que ha de mais rico.
Cretones para vestidos com lindos desenhos.
Carnizas bordadas e sem bordados para senhoras.
Camisas bordadas muito finas para homens.
D:tas inglezas para bomens o meninos.
I MnSTSSdn?"' e am gran3e SOrtmen, d6 rocP*8fe** fazeadas que
Luvas frescas de Joiivin
Sortimento de tapetes para guarnios de salas, alcatifas para forro de ala r,
fraude sortimento das acreditadas e verdadejras
Esteiras da India
Diurhea, flu,, 4e ,ang:uei em um ^
Dr de eab*a, e dore* de onvido em
tres, minutos.
Dop de dente, em um minuto,
neuralgia, em einoo minutos.
Desloeaeoes, em vinto minutoi.
Oargantae inohadat, em dea minuto.
Cohoa e vnlwei, em oinco minutos.
Kenmatiinio, em um dia.
Febre e febre intermitente, m um dia.
Dor as eoitai e nos lados, em des mi.
utos.
Tosaes porigosas e refriados, em um dia.
Pleuresa, em um dia.
Surdez e aitbma.
Hemorrhoidas e bronehitis.
Inflammaco nos rini.
Dyspepsia, eryaipelaa.
Molestias de ligado.
Palpitelo de ooracao.
ss
RESERVE SEMPRE ESTE REMEDIO EM SUA FAMILIA
AS DOEXCAS SE PRESENTA, QAlfDO MENOS SE ESPERAM.
tTa,T:% SX^*J^%2 X 19S- ^ P- o ramonto para a
elctrico O-KtogVrrZ^<^ntX^ ""* ," C'rCn"odo9 fldo Prlnclpaes rervos Oleo

Fogao de patente.
H.^Vr^TcS n Trtad0re9 ShaW
1 S
i
NOVA LOJA DE FAZENDAS, ROITPA i
FElTAEI'Ofl MEDIDA. l)E fl)
PINTO A. MARTINIANO, A RITA DO BA- 2
B.W DA VICTORIA, N. 9 9
(AKTIGA RA-NOVA) A
O rrspeiiavel publico achara neste no- 2
novo estabelfciiiiento o mais completo W
sortiraeoto de pannos, caniras, corto- J@
roes e nrms; e para transfirrrar estas 5
azendas nos mais el-sanles fraque?, pa- W
letot colleies e calcas ; tem este mesmo ^
of;.l)elecim raa tes desta capital. J$
^ Tambera se acha prvido de umitas &
g boas camisas bordadas e lizas, scronlas X
** m.ias, lenco?,chapeos de sol, cravata
^ luvas de pellica, ele, etc. S
HIUieKftK*ft]tWeK
I ATUBQUEZA |
0 Nova loja de fazendas finas de Pinto A f
vgf Martiniano, ra do Barao 5
5J da \ ictona n. 9 (amiga ra Nova.)
f EStfl novo esiabelecimeoto, alm do
f completo sortimento de que se acha pr-
vido, acaba de receber ss seguintes fa-
zendas :
Njivas alpacas de cores.
Novas popelines.
Novos chapeos de velludo.
XK Novas luvas de pellics.
& Entre-meios e babados bordados.
Villa do Cabp.
Vende se duas casas terreas naquella villa sins
na amiga ma do Vapor, hoje do Genera Vic ori
X Vende-se o gnnde armazem de drogas
e tintas da ra do Imperador n. 22 Es- &
3fN te estabeiecimento esta bem montado, na- Z&
"* da deve e nao tem compromisso algam **
e por isso acha-se as condicSea mais M
IfL favoraveis para ser negociado : tratar
2> no memo estabelecimento. W
BUS PERPJAMBUCO
3VA PHARMACIA ^ DROGARA DE
BABTHOLOMEO & Q
W-34 Ra Larga do Rosario. IV. 34.
M A. MARINIER,
i uulrvii'il /.i,
Pharmaceulico privilegiado
successor
Boulevard Sebastopol, 50 PARS.
R0VA8 ESPECIALIDADES A. MARINIER
Apreser.Tmius a Ara..'i-uiia de Siicncias e ao liis'.ituio e Frarfi,
IHJs?f!fifl Sol) fm;ma de PjsiIU, tmmit e .ia^.U para
f.lftv.'jh fascr Preventiva e enasta das MOUSTIAS C0HTA610SAS.
'portas n. 53, ra Direita, 3 portas n. 53, antiya
i leja dt Braga
rr,2nu,a'x0 aN?s'8D.ad0- d?no de5le ao"RO e^afcelecimente, tendo em sta anresentar nm-
E Sr!2',t,me?l0c-d9 femgens'mndezas e co,ileria. resoivido rnaXl em*
mIkcnnCfiSadaE1Ur0pa0S S**88 objects de su estabeleciraento ZfaEntes
?npm^vfr;^t,iq-IIMCOIir,daao re8Peitvel PDblco easeus coraerosos Sezes
fj !?J > 'r d09 Ob3ect03 de ?M careDCia- aende encootraro por rcenes 10 OO do nue
^ 2La qUllque/ pfa.rte m sortimento completo de machinas para desear orar aloX
do bem conhecido fabricante Cottorr Gin & C, ditas para costura, motores nara animas'
ditos para fogo moinhoe para caf de todos os tamanhos, da fabrica dTiapi eKK2 te
dons canos e de um, umto inglezas como Irancezas, onca de porcelana, facas*T?arfS
mSf8!!8 falldades e "*>*, bandejas chinezas, salitre, breu, barbante%Sre \S\t
m-nS JeJe"0' -ai % an'ha Para ftwueteiro ; assim como encontraran. mib*
' Itr"?0^ de fog0 d0 ar' e recebese enwmmenda de fogos H S fm
: VST? dd i)jeei09' y* se tornaria enfadonho nuniera^ : venhaV roa Ki ?
: Si, loja de Lenidas Tito Loureiro, aatiga loja do Braga. /
IHECTOu-ULlM
do voUime i"e ura rr'oaio, servindo de
MIILTRO c SERINGA non os
graves incoavsnUiuss do rrailidads.
ESTOJOS
Com
a furnia, e do voluu,- de um Porte-aloli
COTBNDO IODO 1BATAJUEXTO.
COLLYRIO Ctontra as afTeccois das palpebras,
preparado sob a mesma forma.
BARTHOLOMEO t C
DeposiUrios geral para e BRASIL o PORTUGAL
34, ra larga do Bosario. PBRNAMBTJCO.
DAVID W. mfffjbi-
EfGERHEIRO
Com fundico
RA 00 BRUM 52
Passando o ch' fariz.
nm imSB 2?^S dos ^ de enenho P5'3 seus acreditados iadiioismos
.om espeialidade para seus vapores que anda tuna vez tem melhorado
.- a vaPoi;es ^mecidos por ello o j ^accionando toe ho de fazer melhor anre-
;iafao do que qualquer dito proprio. laeiuor apre-
Deseja tambem mencionar que tem feito urna redueco cm seus oreos e oim
:em prompto toda a especie de macuinismo o outros objectos para a agricultura!'
Eival sem segundo,
RA DUQUE DE CAAlA* X. 4O
(Antiga roa ^o Oueiaiado)
Contina a vender tudo muito bom e
muito barato a saber:
Libras de areia preta muito boo. .
Tesouras finas para unbas e costu-
ra a.......,
Papis de agulhas francezas a ba-
13o ~ a.........
Gaixas com seis sabonetes de fruta
Libras de la para bordar-de todas
as cores a.......$000
Eival sem secundo
RA DO DUQUE DE CAXIAS N. 49
Estou dt'sposto a continuar a vender toda
as miudezas pelos baratissimos precos abai-
io declarados, garantindo tudo bom e pre-
cos admirados.
120 Duzias de palitos seguranca a____ 120
Duzia de palitos seguranca caixa
oOO grande a................... 320
Frascos com. rico baboza muito fino. 320
, .J**, Facote< com p.'.s de arroz o me-
?$00f> hor que ha a...............
Navalhas muito tinas para fazer
Dft
GALLO VIGILAISTF
Rna de Crw B. 9
Os propnettrios deste tan eonlseeido m>fc_
cimente, alm dos mnitos objectoa que tnht ^
postos a apreciacao do resp?itavel psAtk^ Bac.
daram vir e acabam de receber pete otea n^,.
da Europa nm completo e- Taad aortoifr
Anas e mni delicadas eap^-irlidarie?, as tioacs e-.
t3o resolvidos a venVr, como a se:
K)r pregos mnito baratinhas e MMte para ti-
los, com tanto qne o Gallo ...
Muito snperiorea lavas de pellica, RraUa, Inr
cas e de mni lindas cr-s.
Mai boas e bonitos gollinhas e pnnhos aara -
nhora, neste genero o rae ha de mai* mq^mc.
Superiores pentes de tartaruga para ~
Lindos e riqnissimos enfeitat para '
Ezmas. senhoras.
Superiores trancas pretas e de cores ce *dr-
Ihos e sem elles; esta fozeuda o qce pade tawr
de melhor e mais bonito.
Superiores e bonitos loques da
marfim, sndalo e osso, sendo asf
com lindos desenhos, e estes pretos.
Muito superiores meias lio de Eseossns para <*-
choras, as quaes semprc se vender* par JCftSI
a duzia, entretanto que nos as vetusaasas por MiV
alm deslas, temos tambem grande rnttmmi ie
outras qualidades, entre as quaes algasaat a a
Cnas.
Boas bengalas de superior canna da iaj
castao de marfim com lindas e epcaiv-rk-ra
ras do mesmo, neste pea. 10 o qne de asitr
pode desejar ; aim desta timos lamben graa*
quantidade teontrasquaiidr':s, como sfp.r
deira, baleia, osso, bnrraelta, ote. ete. ele.
Finos, bonitos e airosos i-hicolinhaa > k*v 1
de outras qualidades.
Lindas e superiores ligas de seda e tar
para segurar as meias.
Boas meias de seda para -""hora e mm stetv-
nas de 1 a 12 annos de id
Navalhas cabo de mar'm e tartaruga para frisa-
barba ; sao muito boas,e de mais a Mu
rantidas pelo fabricante, e nos por irssa vi
bem asseguraniM .-na qnaiidade e delicadeza.
Lindas e bellas capellas oara noivi.
Superiores agulhas para machina epari c-?it
Linha muito boa de peso, frouxa, para encisT
lahyrintho.
Bons baralhos de cartas para voltareft, unm
como os tentos para o mesmo mn.
Grande e variado sortimento das mtllv r-- pi 1
fumarias e dos melhores o mais -oiihec.! 1 '>
(amistas.
COIARES DE ROER.
Elctricos magnticos contra as eo5roias.
facilitam a denticao das innocentes criaa*a. fc-
mos desde muito recebedores destes p-ilf^
collares, e continuamos a recebe-los por t -
vapores, afim de que nanea faltara no v* ., .
tomo j tem aconfrido, assim poi^ podarn y
les que deiles precisan m, vir ao depos?. iv
vigilante, aond lempra encootraro iasiaa ver*.
deiros collares, e os qnaas atteadendo-se ;
ara que iao applicadvs, se venderlo coa tro m
minuto lucro.
Rogamos, nois. avista dos c-bieetoa qae mx:me
declarados, aos nossos freguezes e axigc? a *
comprar por prego mullo razoav.-is i loja i
vigilante, ra o Crespo n. 7.
320
DESCOBERTA
Pes de roseira3 de varias qualidades : assim
como de sapotis, abacate, flgneira, laranja cravo
e pmheira, por preco rasoavel : tratar na Boa-
visu ra do Visconde de Goyana n. 51, outr'ora
Mondego.
~ V"endo-sa cu permutamse duas grandes ca-
sas terreas na Boa-vista por um sitio que eslea
'3 Proximidades de Ponte de Ucha, Magdalena,
nmni ManP,,nbo on Remedios. Prefere-se a
alJnn*,9,,"*"* -e duvida"" "ollar rasoavelmente
SSV andar M rM Urga d RS"0
LIBRAS STERLIWAS.
CERVEJA BASS
a b IS^!"^ ^De 0je aPrJese,lla ao Publico, depois, porm, de um severo
te todas as ^^^^t^V^1^Cabfl",08'trando ^ediatamen-
nma aceso verdadeiram^ ^odo tal a dar-lhe
os rfnBRSr Z^J^^,evemenle > Mediatamente ficam
a.at Deposito
somente em casa do autor Andr Del.ac cabelleireiro de Pari.
Kua 1 de Margo (antiga Crepo) n. 7 A 1 andar
(ffl\MTARIA~
DOS
ANANAZES
Ra da Cruz n. 16
Carriteis de linha Alexandre a. iOO
Frascos com axeite para machinas 500
Gravatas de cores muito finas a 500
Grozas de botes madepersla fi-
nissimos a....... 500
Novetlo de linha de 400 jardas a. O
Caixas com 100 envelopes muito
superiores a...... 600
Pentes volteados para meninas a. 240
Tinteiros com tinta preta a 80 rs. e 100
Pegas de fita elstica muito fina a 200
Lata com superior banha a 100 e. 'J00
Frascos e oleo Philocomo muito
fino a......... 50c
Frascos de macaca perola a. 240
Frascos de extracto muito bonitos a 500
Duzia de sabonetes muito finos a. 720
Sabonetes inglezes a 600 rs. e. 1(5200
Frasco com agua de colonia Piver a 500
Dito de oleo baboza a..... 500
Caixas de lamparinas a. 40
Sabonetes a forma menino muito
superiores a....... 40
Cartilhas da doutrina fazenda nova a 400
Libras de linha sortidas de todos os
nmeros a....... 1^800
4000
500
160
800
100
706
400
500
Capachos muito bonitos e grandes a
Carriteis de retroz preto, com 2
oitavas a........
Agulheiros de osso enfeitados a, .
Libra de linha franceza superior
qualidade a.......
Caixas de palito do gaz a.
700
40
240
2#420
00
Eocontra-se sempre
B0L1NH0S para cha;
inglez; pastis de diferentes

Rob-ante-rheumatico.
Remedio eicacissimo contra as dores rhenma-
ticas at hoje o mais conhecido pelos seas mar-
vilhosos resaltados.
XAROPE DE AGRIAO. nm dos medicamen-
tos qrja- sua efflcacia as enfermidades, tosse e
sangue pela bocea, bronchites, dores e fraqueza
no peito, escrobuto e molestias de flgado, que me-
lhor tem aprovado.
TINTURA DE MARAPUAMA. A eelebre rail
de marapuaraa, cuja energa e efflcacia as para-
lysias, intorpecimenlo, etc. etc. maito se recom-
menda.
Todos essea preparados se encontram^na phar-
macia e drogara de Bartholomea 4 C, nico de-
posito na ra larga do Rosario n. 34.
RAP
barba a
Caixa de linha bram do gaz a..
Vara de franjas de lidho para toa-
lhas.......................
Caixas com peonas d'aco de Perry
superiores................
Lencos de cassa brancos e pinta-
dosa......................
Caixas com 20 quadernos de papel
pautado .......
Caixas com 50 novellos de linha
do gaz a........
Duzias de meias cruas superior
qualidade a.......3fftfc
Pecas de babadinhos com 40 va-
ras a.........
Pecas de tiras bordadascom 12
metros cada peca a 1)51500 e.
Pecas de fitas para cs de qual-
quer largura com 10 varas a.
Escovas para unhas fazenda fina a
Ditas para dentes a 240, 320,
400 rs. e....., .
Pecas de tranca lisas, brancas 6
de cores a......
Duzia de linha frxa para borda-
dos a 400 rs. e.....
Pares de meias croas para ma. '
nos diversos tamanhos a. .
Duzias de meias brancas muito
finas para senbora a. .
Pares de sapatos de tranca do
Porto........
Pares de sapatos de tapete a. .
Duzias de baralhos para vultarete
ylabarios porlugoezes a. .
Cartoes com colxetes t carreras a
Aboloaduras para collete diversas
qualidades.......
Caixas com penna de ac muito
boa de 320 a......
Caixas com superiores obreias a.
Duzia de agulha para macoina a.
Libras de pregos francezes todos
os tamanhos a......
Pacote de papel com 20 quader-
nos ...........
Resma de papel pautado superar
Resma de papel liso muito supe-
rior a...........
barriliDhos em latas.
CAIXINHAS com amendoas e pastilhas,
propnas para presentes; cha preto, miudo,
YK,or qD ; laia8 com pece^
PAPIS para sors,
para cobrir bolos.
utos vendado*
nvu PRESUNTOS e fiambres
Paulo Cordero
Vende-se rap Paulo Cordero fino viajado, em
S^^lTSI!!!: "deposito d>
Cigarros da imperial
fabrica de S. Joao
de Nictheroy.
2,5000
500
500
500
40
500
320
40500
2^000
1,5500
30000
400
20
400
50C
40
20000
240
400
40000
30600
nii^-^^aa^SriS!?10 'nlMchronometro, de
ooro, na roa oo Commercie jj, m '
VJE.%IIJG-NB
ou alnga-sc nm ilio muito bem si-
tuali- a mavpom dfl rio Capibarih^
00 lu?ar do Poeo da Panella, fente
ao urtn r1,) Panla. com boa casa <1-
vivenda contendo 2 .ala t qnarU, conna fra
cam mais I casnha-i fra mei-aguas, c >m h.m*
commods para hu-pedea ou criados, boa ench.'i
ra, estribarla, quarto para criados, caeimba, b.>n
arvoredos de fracto. Esie sitio o nltlmo no.
voaflito do Poco da Paaella marg >m do rio e de
vide com trras do Chacn, fui ltimamente 'orco-
ido por M- Adour : a^traurom o commenda-
Vende-se o hotel da ra e-treiu d) Rosario
nmV'^.q?*118 .b"- fregueiia e actia-se em
um boa loeaiidade; a tratar no menno boteJ.
3 cordero previrten
Rna do Qelauao u. O.
Novo e variado sortimento de perlcz.
finas, e outros objectos.
Alm do completo sortimer.o i j
onarias, de qne effectivamente ert r
loja do Cordeiro Previdentj, ella
receber om outro sortimento qu ie 1
aotavel pelavariedade deobjc:!- 9,.;.
dade, qualidades econirr-
eos; assim, pois, o Cordeiro Pr
e espera continuar a merecer a apiaus .
do respeitavel publico ex
boa freguezia em par'icuicr, v.l & \
tando ee de sua bem ce
3 barateza. Em dila \op *r '<-
apreciadores do bom:
Agua divina de E. Condray.
Dita verdadeira de Korray L'x.a-
Dita de Cologne ingleza, aatorica-
ceza, todas dos melhores e rrai* v>
fabricantes.
Dita de flor delaranc-.'r^a.
Dita dos Aipes, violdU para
Elixir odontalgico para HPJtrn i
meto da bocea.
Cosmctiqucs de supercr ticadai
ros agradareis.
Copos e latas, maiores e naeorf -
pomada fina para cabe lo.
Frascos com dita japonesa. traMpvtc
e ostras qualidades.
Finos extractos inglezes, timkmm
francezes em frascos simpler e enMate.
Essencia imperiai do 5do e ? :
ro de violeta.
Outras concentradas e de efeeiro ift--
mente finas e agradaveis.
Oleo philocome verdadeiro.
Extracto d'oleo de snperior qa3T:dad
com escomidos cheiros, em rtsew dtW-
rentes tamanhos.
Sabonetes em barras, maores e
para mos.
Ditos transparentes, redondos e ea Ig-
ras de meninos.
Ditos mnito finos em eaiimha para bar
Caixinhas com bonitos sabonetes irr. tai
frnotas.
Ditas de madeira nvernisada conlanA -
as pe fumarias, rauito prop^iia r>jra t
lentes. *
Ditas de papello igualmente bociUi, taa> >
bem de perfumaras finas.
Bonitos vasos de melal colorida, e
moldes novos e elgantes, con a,' de
a boneca.
Opiata ingleza e franceza para decici.
Pos de camphora e ontras diSmau
qualidades tambem para dente?.
Tnico oriental de Eomp.
Anda aiafs fqmts.
Um outro sortimento de coques
vos e bonitos moldes com fllets de t
9 algDDs d'elles ornados de lores fts
esto todos expostos apreciacio dt aear
os pretenda comprar.
GOLLWHAS BPUNROSBOHL^OOf
Obr?s de mnito gosto e parft\la
FlVellaa e twt atara Hmim9.
Bello e vanado sortimeato de taaa aMl
toe, ficando a boa escolla ao atoan
prador.
JoaqmmBodnffaesTH-
vare-} de Mello,
TKMPARA VENDER
em sea escriptorio, praca do Carao Sais;
"Fumo em folha
^ dn e V qaalidada, e ranea ata "..
f fardos a von* e. dos comprador
Cal de Lfeboa
ultima ciea 3 Potaba da Roas
tl


Farlaka de _
Vinho Bonlea.
de {' qaaiidade. Todo da vaooV
barato do jm em ootra qank|aar
Vendan no raes da Cipaart
Ponto-Velha, pedra-niolaana de 1
e palmo.
PA6INAGA0INCORRETA 1



I^k^^I^H^V^^^H
8
Diario de Pernambuco Quarta /eir 9 de Novembro d 1870

*


JURISPRUDENCIA
C0NSELH0 DE ESTADO.
Consalta das secges reunidas dos negocios
do imperio e da justga, sobre a qnes-
to do direilo que lia de serem obi ga-
dos os concessionaros de sesmarias a
dar p-,las suas trras transito aos vizi-
nhos e communieago para uso pu-
blico.
(Concluso).
Para qiie estabelecer estradas geraes. se
os que dellas preciso, vm-se proveitar,
ou, se poderem fjzor, somonte com grandes
vltas^com grande perda de lempo, e com
despezas enormes ?
que ser das estradas de ferro" cujo
grande custo e conservagq dispendio issi-
ma, faz dizer a um escriptor fiancez, que
sao estradas de ouro ?
E', pois, evidente que as estradas vici-
nae, os pequeos caminhos, sao indispen-
saveis para se- poderem desenvolver e nian-
ter as grandes estradas que sao do iata-
resse inmediato de todo o pa z.
Estamos no caso dos pequeos ramos de
veas e arterias em relago circulado do
sangue :
E segrndo os principios mais saos da
direilo ninguem pode privar os oulros dos
meios de mais fcilmente poder oar satiida
aos productos do sen trabalbo, e de eom-
municaco para as estradas geraes, ros,
etc.
E se pudesse ser admittido o contrario,
chegari in as cousas a ponto de ficar uin
individuo trancado, fechado.
As sesmarias eran dadas sem um systo-
ma certo e seguido, mas sempre preduroi-
nava a-regra de nao ficar o estado privado
do direireito sobre minas, pedreiras, matas
etc., e do direilo de estabelecer estradas,
isto prevaleciam sempre os direitos
reaes.
A legislacao citada pelo chefe da 2.\sec-
(So apoia do certo a doulrina que emiitio ;
mas, quanto a mim, a verdadeira deeisFu
acha-se no f 40 do alvara do 1.a de abril
de 1680, citado e sustentado naleide 6 de
Junhode 1755.
E o 2 do art. 16 da lei de 18 de se-
tembro de 1850 nao pode ier mais frisante,
havendo apenas a obrigago de indemnisa-
gao, qnando se der encurtamento de ceita
extenso.
Ente:do, pois, que os donos das sesma-
rias sao obrigados a dar ao estado o terreno
necessario para as estradas do interesse
geral, n'outro lempo estradas reaes; e sao
tambem obrigados a consentir que por
suas trras se communiquem os seus viz-
nbos. que tenham estabelecimentos perma-
nentes, sob a condigo do 2. do art. 16
da ja citada lei de 1830.
Se houvesse necessidade de novos argu.
mentos, poder-se-bia t-rar forga do dispos-
to no II do a I vara de 27 de novembro
de 1804 ; e melln r anda do cdigo da Prus-
sia, part. 1 til. 22. arts. 3. e 4., que
como V. Exc. sabe, pela lei de 1769 le-
gislago subsidiaria.
Se alguem ti ver carta de sesmaria, qne-
Ibe d todos e os mais plenos direitos, que
os isente de tudo, deve aprsenla la.
E assim mesmo dever ser decidido, se
com a nossa actual forma de governo
admissivel urna tal excepgo, um tal privi-
legio.
Sua Mageslade o Imperador mandar o
que fr servido.
As secges reunidas do imperio e justir.i
rio conseibo do estado nao podem concor-
dar com a concluso da informarlo da se-
cretaria de estado, adoptada pelo conselhei
10 procurador da cora; isto os possoi-
Ctore de trras de sesmarias, seja qual for
o modo porque dellas se achem empossa-
dos, lm por obrisago conceder transito
publico, e nio podem deixar de consentir
que os vizinhos convenientemente estabele-
cidos tambem se communiquem por suas
larras quando indispensaval for.
Esta concluso est em contradice5 o com
as premissas, que a secretaria estabeleceu
no seu largo trabalho; com effeito na inves-
tigado que ella fez da legislado das se ma-
nas nao mosirou urna disposigo de lei, que
impusesse absolutamente, ipsofaetc, a pre
supposta servidao, ainda que nao constasse
dos ttulos conferidos, os quaes alias e co-
mo a secretaria reconbece nao sao unifor-
mes seno varios.
As secges entendem que o onosreal, de
que se tpata, n5o ode ser subentendido,
mas so deve ter logar qnando es tilulos de
sesmarias o iipuzrara expresamente.
E-ta ioljcab que as secges propem
coosentanea con os principios da- orden
publica que, por bem da e.-tabilidade da
propriedade, foram estahelf-cidos pel lei
de 18 de setembro d 1850 e regolamen-
to respectivo ; esta solugo outrosim con-
formo com a disposigo do art. 17 da lei
de 29 de agosto de. 1828, o qual diz :
Os proprietrios por cijos terrenos se
bouverem de abrir eslradas ou mais obras
stroaltendidos em seos diroitos, pos ter-
mos da ei de 9 de setembro de 1826, e
("indemnisados nao ; das bsmfeitorias, mas
at do solo cuando, vi>t? dos sens ttulos,
se mostr qie de-ao ser isenlos de o dar
gratuitamente.
A lei provincial do Rio de Janeiro relativa
a desapropriago, datada de 14 de abril de
1855, consagra o mesmo principio.
Assim que, s5o os ttulos, que devem de-
le minar a obrigaco da seivido; a pro-
priedade se deve presumir livreouplena, e
pois depende de prova o desooembramento
ou liiuilago della.
Vossa Magestade Imperial mandar o que
for mais justo,
(lora este pre:cr concordou o conselhei-
ro de estado marqwz do Olinda, accrescen-
tando que nesle mesmo sentido est o pa-
re:er dasecgodo imperio, de 13 de no-
vembro de tftiSi daquelle mesmo anno.
Com este voto concordou o conselheiro
de Pst3do visconde de Sapncaty.
O conselhiroda estado Bernardo de Soo-
za Franco exprimi se do seguinte modo.
O meo parecer que desde que a lei
de 29 de agosto de 1828 determinou no
art. 17, qui os proprietarios por cojosjer-
renos se devem abrir as estradas ou mais
obras, sejarn attendidos em sens direitos
nss termos da lei de 9 de setembro de
1826,-a qneslo ficon necidida e a indem-
nisagao decretada. Esta lei, promulgada
para execugao do 22 do art. 179 da
constituidlo do imperio, declarando que a
nica excepgo ao direito ao propriedade
o da desapropriago, quando o bem publico
o exigir, consagra a indemnisagao previa
ao proprietario, o que a li n. 353 de 12
de jullio do 1845 repetio.
A respeito das estradas de ferro ha ainda
a lei n. 8IG de 10 de jultio de 1855, na
qual se determina que os predios e terre-
nos precisos para as estradas de ferro do
imperio possam ser desapropiados, e auto-
risa o governo para marcar as regras para a
indemnisagao dos proprietarios. Estas re-
gras, o governo imperial fixou pelo decreto
n. 1,664 de 27 de outobro de 1855.
Assim o principio da indemnisagao aos
sesmeiros de trras ficou consagrado, por-
que a concass) das sesmarias constitua o
sesmeiro proprietario do terreno.
Dir-se-ha que sob as condiges fixadas e
que pois os que as obtheram com a clau-
sula do dar passagem ou transito publico
sao exceptuados do direito de indemnisagao.
As leis citadas, porm, nao fizeram tal ex-
cepgo : a regia por ellas fixada geral; a
desigoaldade nesta especie de onus seria
injustf, tanto mais que os gravados seriara
em regra os que menos o merecem, os que
nao eram bafejados pelo patronato ; e na
pralica seria inexeqnivel a dUincco entre
proprielarios do sesmarias sem clausula ou
com clausula de passagem ao transito pu-
blico.
O estado, provincias, municipalidades e
emprezas particulares virian a ser sobre-
cargadas com o pesado onus do pagamen-
to de terrenos para com a construego de
estradas, caminhos, etc. ? A lei n. 601 de
18 de setembro de 1850 o previne at cer-
to ponto.
Por esta lei, que poz de urna vez fim a
concesso de sesmarias e posse dos terre-
nos do estado pelos particulares, tendo em
vista a separago d*s trras publicas das
particulares, se fixou a verdadeira intelli-
gencia do que propriedade plena nos ter-
renos era posse de particulares. Os que
nao esto as condiges da 1er e do decreto
n. 1,318 de 30 de Janeiro de 1854 (na par-
te era que nao contrariou aquella lei) nao
teem a propriedade plena dos terrenos que
oceupam, o era pois o direito de pedir in-
demnsaco do valor dos terrenos por onie
passarem as estradas, caminhos, etc.
As?im os que, sendo sesmeiros nao live-
rem obtido revadago das suas sesmarias
na forma do art. 4o da lei citada n. 601,
dentro do prazo do art. 8o e com a pena
de commisso, prazo que o decreto n. 1,318
citado mandou Gxar nos arts. 30, 56 e 57,
FOLHETIW
A \IH D1P0SII MOR!
com a pena do art. 88, no^poero ser
considerados como proprietariof plenos se-
n3o da parte era que bouverem elfecliva
cuitara, art. 8o da lei.
E os que, sendo posseiros, na~o ti*erem
legitimado suas posses na cooformidade da
dsposigo do art. 5o da lei e sens paragra-
phos, ou os que tiverem-se apossado das
trras, ou comprado a possudores qoe as
tenham o ocupado depois da publicagao da
lei e decreto citados, nao sao proprielarios
plenos cora direito a exigir a indemnisagao
de quo se trata (art. 2* da lei).
A lei n. 601, querendo azer separar .u
trras do dominio particular das do dominio
publico, deve servir de norma para fixago
do pleno direito do propriedade. E se de
algumas trras, cojo dominio nao fica legi-
fmado, nao se pide considerar plena a pro-
priedade do oecupmte, na.j est elle nos ter-
mos precisos da constituido e das ei, para
que o estado ou as companhias, a quem
elle conceda passagem de estrada ou eami-
nho por essas trras, Ihe sejam obrigados
indemnisagao, salva a oceupago com a effec-
Uva cultura (art. 8o da le).
Estas mesmas regras servem para a qnes-
lo dos caminhos, cumprindo notar a res-
peito delles que s cmaras municipios
compete pelos arts. 41 e 66 6o da lei do
Io de outubro de 1828, prover a que nao
sejam fechados os caminhos em uso, e que
sejam abertos os que de novo forera pre-
cisos.
O conselheiro de estado baro das Tres-
Barras, foi da seguinte opinio :Dnas sao
as questes sojeitas ao exame das secgoes
reunidas do imperio e jnstiga do conselho
de estado.
Urna entende cora o direito de desapro-
priago para uso commum, e a outra com
o direito de servidao para uso particular ;
ambas, porm, teem seu fundamento no
interesse publico, e grande importancia na
actualidade.
A lavonra, principa) fonte de nossa rique-
a, para seu deseAolvimento pede, antes
de tudo, como satisfago de sua mais urgen-
te necessidade, transporte barato para seus
productos, e facil/dade de communicages,
o que nao se pode alcangar sem boas estra-
das. As de qne geralmeme nos servimos
esto longe destas condiges, podendose
dizer que, em relago a este melhoramento,
tudo est por fazer. Poocas linhas de ferro
e de rodagem possuimo.v e ainda assim de
acanhadas proporgoes, quando de absolu-
ta necessida ie multiplica-tas e desenvol-
vers.
Mas ser intil construir, se nao estive-
rein ao alcance dos lavradores. E, pois,
alm das eslradas de uso publico, sao in-
dispensaveis os caminhos particulares.
A respeito de cada urna das duas ques-
tos propostas preciso examinar qual a
legislacao patria em vigor, e se ella suffi-
ciente e accoraraodada s necesidades ac-
tnaes.
Para resolver a primeira questo nao era
necessario o estado das leis-antigs (alias
recommendavel, mas incompleto, e em al-
guns pontos inexacta) a qoe proceden a se-
cretaria.
Delle se oceupou pertinentemente o Ilus-
trado parecer das secgoes reunidas, com
cuja doutrina, em geral, concordo ; s'rato,
porm, divergir quanto concluso, q*e
nao me parece bem deduzida.
A lei de 29 de agosto de 1828, no art.
17, transcripto no parecer, e que pego li-
cenga para reproduzir, se exprime assim :
Os proprietarios, por cojos terrenos se
houverem de abrir estrada* ou mais obras,
sero attendidos em sens direitos, nos ter-
mos da lei de 9 de setembro de 182*. e
indemnisados nao s das bemfeilorias, mas
at do solo, quando vista dos seus tiaulos
se mostr que devem ser isenlos de os dar
gratuitamente-.
A vista de disposigo to expressa e ter-
minante nao admissivel outra concluso
seno a que se deduz da mesraa lei, isto ,
que os proprietarios por cujos. terrenos se
houverem de abrir estradas, serio obriga-
dos a d-los gratuitamente, tendo somonte
direito iademnisago (alm das bemfeito-
rias) quanto vista de seus ttulos se mos-
tr que esto isen'.os desta obrigago. A
obrigago a regra, e a isenco a excep-
go.
Nao s a lei provincial do Rio de Ja-
neiro, citada no parecer das secges reuai-
das, que consagra o principio estabelecido
pela lei de 29 de agosto de 1828.
A resolugo da assembla geral de 10 de
julho de 1832, tomada sobre outra do con-
POR
Xavier de Montpin.
parte: terceira.
A C01ESSA DE RAHON
(Continnago do n. 253)
XV
HTo hospital das dolidas
O director, qoe to complacente e hu-
milde se mostrara para com o marquez,
nao era hemem cruel, nem mo, nem cousa
que se parecesse.
Tinha, porm, como principio cobrar
mu regularmente o ordenado do seo em-
prego, ter frequentes e compridas palestras
com o seu cozinheiro, porque era a gula o
seu peccado capital, e nao se importar do
seu estabeiecimento para nada, deixando
tudo cargo dos mdicos e dos enfermei-
ros, convencido de que nem uns nem ou-
tros fariam uso abusivo dos banhos de
agua gelada, p chicote, da camisola de
forca e dos calabouros.
A elles pertence cuidarem as dolidas
e corrigi las, dizia comsigo o director. Esses
mdicos afamados e esses bons guardas
todo sabem fazer melhor do qoe en. Forte
duvida 1 Muito tolo havia de eu ser para
os dirigir e inspeccionar. Nada, nada,
cada qual trata de si e Deas de todos.
Este velbo rifo, fructo da sabedoria das
nafes, que aqni para nos, se engaa mais
i meudo que acera, socegava completa-
mente o espirito e a consciencia do honra-
do director.
E o rgimen dos banhos de agua gelada,
do chicote e dos calabocgos continuava em
vigor.
Nenhoma descripgao seria capaz de dar
ama idea exacta d'aqaelles horriveis car-
ceres subterrneos, onde nunca chegavam
nem o ar nem o sol, especie de sepulcros,
mais estreitos, mais sombros do qoe a es-
polia onde se encerrara os condemnados
morte.
Actualmente, alegres quartos, com so-
brado lozido, com as grades oceultas por
baixo de um veo movedigo de plantas tre-
paderas, substituirn! essas jaulas de ou-
tros tempos. Demos gragas Deus por
mais esta victoria da humanidade !
O principal e mais inevitavel resultado do
antigo o od'oso rgimen que acabamos de
mencionar era o produzir odios violentos e
irreconciliaveis entre as pobres loucas da
Salpetrire, e os empregados de ambos os
sexos encarregados da sua guarda.
Os empregados tratavam as doudas como
inimigas, e nao oceultavam o horror e o
medo com que as encaravam*.
As doudas estremeciam tambem s ao
aspecto dos seus perseguidores, que para
ellas tinham nicamente injurias ecbico-
tadas.
O medo e a dr obrigavam-as a snb-
metterem-se e bumilharem-se; mas, com
esse instincto animal que sobrevive perda
da inteligencia, nao deixavam de meditar
(ernveis represalias, e apresentando-se a
occasiao de se vingarem, sabiam aproveita-
la com singular presenga de animo e levar
cabo as suas vingangas com bem cruel
encarnigamento.
Nao era, pois, estranho que na Salpetrire
corresse o sangue de mais de urna guarda
e de mais de um enfermeiro.
Devemos accrescentar que as doudas,
qoe tinham a'guns momentos lucidos, en-
caminhavam ento todas as suas faculdades
a realisarem o desejo e a esperanga de urna
evaso, e para o conseguirn), combinevam
planos ordinariamente impraticaveis e quasi
sempre infructuosos, mas que denotavam
grande esforco de intelligencia e de von-
tade.
Geno da, dnas doudas furiosas, armadas
cora dous grandes paos, mataram um guar-
da que se chamava Jacobina Huber, e con-
seguirn! fogir. Alcancaram-as poucas
horas depois, mas quando, na sua demen-
cia desenfreiada, tinham j feito (Quitas vc-
timas fra do hospital.
Aquello triste acontecimento preoccopou,
como se deixa compreheoder, a attengo
publica. No dia seguinte, o chefe da poli-
ca mandou chamar o director da Salpe-
trire. Deu-lhe a mais severa reprehenso
por nao ter sabido prevenir aquella catas-
trophe, e ameagou o com a demisso, e
por centrapeso com a cadeia, se o caso se
repetisse.
Reprehendido por esla forma, tendo, se
gundo dissemos, grande affeigo ao empre-
go, ao ordenado e ao cozinheiro, aquella
digno funecionario, como agora se diz, re-
solveu nao se expr s desgragas que esta-
vam imminentes sobre a sua innocente ca-
bera. Para isto, a primeira cousa que lhe
lembrou foi substituir os guardas por en-
fermemos. Por consecuencia, ao sabir de
casa do chefe da polica, dirigile Bice-
tre e pedio ao seu collega, o director d'a-
quelle estabeiecimento, que o tirasse de
lmannos apuros, pondo sua disposigo
nns poucos dos seus mais aguerridos vigi
lantes.
O seu pedido foi favoravelmente satisfei
to, e no dia seguinte orna quadriroa de
verdadeiros Hercules, costumados a lutr
com os doudos mais perigosos, e a trna-
los obedientes, oceupou o lugar dos.guar
das nos varios compartimentos da Salpe-
trire, e receben ordem terminante de
proceder com firmeza e com prudencia ao
mesmo tempo, ou n'outros termos, de
chegarem aos ltimos limites do rigor e da
brutalidade.
Isto nos explica satisfactoriamente o con-
fiado sorriso que dilatou o semblante do
director, quando afBrmou ao marquez de
Saint-Maixent que era impossivel fugir al-
guem da Salpetrire.
O marquez montou no Kebir, e Lzaro
fustigou os cavallos da carruagem.
O director fez a ultima cortezia trazeira
do trem e garupa do corcel rabe, e di-
rigiese para o porto, que se abri imme-
diatamente.
N'uma sala contigua casa que servia
de escriptorio, encontrou a condessa de
selho geral da provincia de S. Paulo, dispon
anda com mais arnplido.
No art. 2o diz o seguinte :
Nenhum proprietario tem direito de
impedir a, abertura e melhoramento de es
Iradas por trras suas, nem de exigir in
demnisago do terreno que ellas oceupa-
rem; salvo das bemfritorias que se deslrui-
rem, nao sendo este darano. e nem o qtfe
soffrer o valor da propriedade. sufflciente-
mente compensados com as vantagens que
resultaren) da estrada .
A resolngo da mesma assembla de 26
de julho de 1833, tomada sobre ontra do
conselho geral da provincia de Santa Calha-
rina, diz o segninte :
t Todo o conte'lo da resolugo do con-
selho geral da provincia de S. Paulo, sanc-
ionada pelo decreto de 10 de julho de
1832, sobre a jMrtnra do estradas, e me-
lhoramento das existentes, faz parte da le-
gislago peculiar da provincia de Santa Ca-
marina, e como tal ser exeentada.
Se o | 22 do art. 179 ? constitnigo ci-
tado pelo Ilustrado conselheiro, o 3r. Sou-
za Franco, necessitasse de interpretago, nSo
tena me'bor interprete do qoe os actos le-
gislativos de 1828, 1832 e 1833, que ficam
transcriptos, promulgados depois da tam-
bem citada lei de 9 de setembro de 18z6.
Tendo, como realmente temos, e o pare-
cer das secges reunidas o reconbece, lei
expressa sobre a materia, por pila est re-
solvida a quesl, sendo desnecessario e
motil mais detido exame, mais largo des-
envolvimento; todava pego licenga para
accrescentar succintamente algumas ponde-
rales que teem relago com o assumpto.
1. Pelo direito romano, I. 22 D id>
corditione tndfibiti, o individuo que pos-
suindo dous immovefc contiguos, venda um
sem reflectir que necoss'rtava passar por
elle para chegar ao outro, sua inadvertencia
nao lhe serva de ernbarac para pedir pas-
sagem pelo immovel vemiido, eom tanto
direito como-se delle fizesse espressa reser-
va no contrato da venda. (Soln, tratado
das servides n. 328).
Entre nos a- propriedade territorial foi
constituida por concesses de sesmarias e
posses. Pertetwendo anteriormeBW ao es-
tado, pass >u do dominio deste para- o dos
particulares por doaoo espressa, oupresu-
mida, e na maior parte dos casos- a- titulo
graluHo,. nao era attengo s-pessoas mas
por interesse puWico, a bem do augmento
da popnlagao, e desenvolvimento d* agri-
cultora-
Cbn* maior razio se devem subentender
as concesses das sesmarias as reservas
exigidas pelo bem commum.
Aind> assim a formula geralmente oeada
as cartas de sesmarias coatinham clausu-
las expressas nesse sentido.
Tenbo- presente urna destas- carias, data-
da de fT de julho de 1762, confirmada a 7
de dezembro de I765 concedendo urna le-
gua de trras em quadra, na qual se t o
seguinte :
E ser obrigado (o concessionark) a
fazer os caminhos de sua testada, com pon-
tos e estivas onde necessario Por, e deseo-
brindo-se rio caudaloso que necessite de
barca para se atravessar, ficar reservada
de urna das margens delle meta legua de
trras em quadra para commodidade publi-
ca. Nesta data nao poder succeder em
lempo alguna pessoa ecclesiastica ou reli-
gio, e succedenda ser com o encargo de
pagar dizimos, e outro qualqaer que S. M.
lhe impozer de novo.
f Como tambera sendo o dito senbor
servido mandar fundir no dito districto al-
guma villa, o poder fazer, ficando livre e
sem encargo algam para o cesmero.
Nao se i rap o ao sesmeiro somente a
obrigago de ceder o terreno necessario
para as estradas, mas tambem a de fazo-las
sua custa compontes e estivas onde ne-
cessario for ; a de pagar dzimns e outro
quaiquer encango que de novo for imposto,
etc.
2.* Os terrenos occopados por estradas
publicas dei.um de pertencer a particula-
res ; nao ha, pois, aqoiserviio, que jus
in re aliena*, mas verdadeira desapropria-
go. Como quer que seja, o principio, de
que ao estado incumbe a prova do encargo
que pesa sobre o sesraciro, importa a sua
sengo, porque os ttulos esto as mos
dos sesmeiros, e sem&lhante prova impos-
sivel ao estado.
3-.*- 6 parecer da secgj do imperio, de
13 de novembro de 1845, invocado porum
dos Ilustres signatarios do parecer das
secgoes reunidas, nada resol ve : contm so-
Rahon com os seus dous guardas. Tinha
chegado o medico de servigo.
Bons dias, meu charo director, disse
este ultimo sorrindo. Dou-lhe os mens
parabens pela sua nova pensionista. De
monio I Palavrinha que bem bonita moga!
Com certeza, urna rapariga muito
galante, volveu o barrigudo director ; veio
recommendada por um grande personagem
o marquez de Grancey, fidalgo Poitou, ami
go intimo do senhor de Colbert.
Chucha I
Alli onde a ve, paga thesouraria do
hospital geral seiscenlas mil '* annuaes.
Recommendo ln'a doutor.
C por mim nada posso fazer...
idiola.
Agora mas pode mudar. Quando
lhe d a mana, julga-se de elevado cothur-
no e finge pertencer s mais deslindas fa-
milias da Franga. Parece que foi arxazia
de um fidalgo, que lhe prometleu casar
com ella. Fez a asneira de lhe dar crdito,
e foi isso o que lhe deu volta ao milo.
Loocura do vaidade e desengaos de
amor. Nada mais commum nem menos
fcil de curar.
Senhor director, perguntoa um es-
crevente, que nome se pe no registo de
entrados ?
*- Ponha Simoa Raymundo, trinta annos,
natural do Poitou, apresentada pelo senhor
marquez de Grancey ; seiscentas S de
penso annual.
Que divislo ?
Segunda.
Depois accrescentou o director, fallando
com um dos guardas:
Leve Simoa para o pateo da segunda
diviso, e entregue a ao vigilante Maclou,
recommendando-lhe que a trate com esme-
ro. Urna douda de seiscentas se, protegi-
da por um amigo particular do senhor de
Colbert, nao ah qualquer cousa /
O guarda, que tinha por nome Pintuchoi,
deu-se pressa em obedecer aquella ordem,
e agarrn por um braco a condessa, que
se deixou levar dcilmente.
O pateo da segunda diviso era o (M-
mente algumas po.tfUrac?ie8 que, applicada?
qu"3to, servem antes para sustentar o
principio consagrado na le de 29 de agos-
to de 1828.
4.a Esta ei nao est re.vogada, nem pela
de 12 d* jumo de 1845, nem pela de 18
de setembro de 850. Se eslivesse, convi-
nlia reslabelece-la.
5.* A pratic segoida conformo ao prin-
cipio estabelecido na citada lei de 29 de
agosto de 1828.
Determinar agora outra cousa seria orna
innovago onerosa ao estado, e prejudicial
lavoura que lucra com a abertura e melho-
ramento das estradas.
Qoanto 2a questo, isto a obrigago
do sesmeiro de dar passagem a seos vizi-
nhos para as estradas publicas, oraisso o
parecer das secges reunidas.
Privado assim d to valioso auxilio, ex-
porei com acanhamento rarnha opinio em
assumpto nao menos importante que o an-
tecedente.
Correa Telles (Doutrina das aeges 115)
cnsina qoe aqoelle que nao tem servidao
para o seo predio, e pela nao ter esta na
colliso de o deixar inculto, pode obrigar
os vznhos a vecder-lh'os pelo lado por on-
de menos perda faga. Esta doutrina ronda-
se principalmente no direito romano, I. 12
D. de religiosix et sumptbus funermt, mas
por ampliago ; visto como a citada lei ro-
mana tralava da obrigago dos vizinhos de
darem uroa passagem, medrante indemnisa-
gao, qoell que nao tinha meros de chegar
ao lugar consagrado sepultura de seas
antepassados.
Coelho da Rocha fmsuluige de direito
civil pertuyuez, % 59^1), diz qwe o vizinho
deve pelo sen predio dar caminSo, para a
cultura de ostros predios vizinhos, que se j
nao podem servir por oulra parte, salva a
indemnisagao do damno. Apoia sna opinio
no- cdigo da Pru6sia, part/. 2?, tit. 22, arts.
39 e 4o.
ftrual disposK'o acha-se no cdigo civil
francez, art. 6*2, que se exprime deste
modo :
Le proprietaire dont les fonds sont en-
claves et qui n'a aucune issue sur la voie
publique, peut realaraer un passage sur les
fonds de ses voisios pour l'exploitation de
son heritage, la- oharge d'nne indemoil
proportionee au domage qu'il peut occaao-
ner. *
No alvar de 27 le novembro de 1804,
% Il.applicado ao Brasil peto de 4 de
margo de 1B19, est oonsagrado o mesmo
principio sobre constnieges de- canaes, le-
vadas e aqtieductos necessarios para a irn-
gago das trras viznhas, ou para esgoar
as innuodadas. O autor da censolidago
das leis civs, na primeira edigo da sua
interessante obra, considerou abrogadas
esta e outras leis sobre assuroptos seme-
Ibantes, como oppostas constituigo, art.
179 2i E hoje diverso seo modo de
pensar (eonsolidago das leis civs,2? edigo,
notas aos-arts. 66 e 894).
A lei n. 601 de 18 de setembro de 1830
no % 2 do art. 16 declara que as Ierras de-
volutas, que se venderem, Gcarao sempre
sujeitas ao onus de dar servidao gratuita
aos vizinhos, quando Ibes for indispensavel
para sabirem a urna estrada publica,.povoa-
gao ou porto-de embarque, e com indemni-
sagao quando Ihes for proveitosa para en-
curtamento de 1/4 ou mais de camioho.
Mas esta disposigo nao comprehende os
terrenos-adquiridos anteriormente a titulo
de sesmaria ou de posse.
A nossa legislago pois, defectiva ; nao
temos lei positiva que regule conveniente-
mente esta especie, alias de mxima' impor-
tancia actualmente.
A libsrdade da cultura das trras e das
empresas industriaes, de que depende a
prospewdade da agricultura^ do commercio
e da riqueza publica exige providencias,
que esto na aleada do poder legislativo.
. urna derogaco ao grande principio
do direito de propriedade (diz Dalloz Tora.
40, pag. 217, tratando deste assumpto) que
nao permtte obrigar algoem a vender, des-
membrar ou limitar seus bens contra sua
vontade.
Mas ha aqoii urna regra de utiliJade
geral que domina o direito privado. urna
especie de desapropriago parcial por uti-
dade publica.
O bem publieo, qua a le suprema
(Bourjon Dir. commum de Franga, L 4, Til.
i., parte 2.-cap. l., n. 1) torna obriga-
toria esla venda.
Em concluso, o mea parecer o seguinte:
Quanto I.' questo :
Os proprielarios por titula a
com maior razo os
gaiiOT a ceder os terreos
abertura a melboraawalo da
blcas (gerass, prorioeaaa om
sem direito i indemoita<
das bemaitorias, fra do
trem por seos titule qoe
obrigago.
Quaoto a 2,* questo:
Convm que o governo pronova a
gao de medidas legislativas, que
ierras dadas em sesmarias a as
por posse ao onus do | 2/ do art." If
lei n. 601 de 18 de setembro da
as seguintes modincages :
1.a Os proprietarios em todo a _
direito indemnisagao das bemfeitoraa.
2.* Tero tambem o direito da i
lugar que menos damno Ihes cause i
devem ser abertos os ciminhos pt
3.a Podar > mudar taes camum*. a
depois de abertos, desde que coa esta i
dang.i nao prejudiquem a i ninaaaduliJa
transito.
4.a A servidao ser privativa dos
e no uso della sero obrigados a
damno lavoura dos proprietarioa.
tero o direito de exigir as precaafiei
dipensaveis.
Vossa Magestade Impcria resolver
enten-kr em sua sabedoria.
Sala das conferencias das secew ra
das do imperio de justiga do coosaabo
estado em 15 de jnoho de W70. j
Thomaz }fabuco dt Aron}o. Viteamde
Sapitcah/. Bernardo de Sonzm \
Bardo das Tres Barras.
I
mo onde poucos dias antes havia sido as-
sassinada Jacobina Huber.
Maclou, o novo guarda vindo de Bictre,
pareca expressamente creado para o officio
de carcereiro e de verdogo. Era um typo
singular, terrivel e repugnante, ao mesmo
tempo tinha o'quer que fosse do tigre e do
mastim.
Com a mo direita agitava nm chicote de
sete cordas, guarnecidas de bicos de cham-
bo. Alm d'isto, no cinto de couro que
lhe opprimia a volumosa cintura, tinha,
em grisa de espada, orna vara de aro,
comprida e flexivel, como as que usam os
domadores de fras e que manejadas por
elles sao urna arma formdavel.
Desde que entrou a exercer as suas no-
vas funeges, tratou o enfermeiro de Inspi-
rar um saudavel terror s doudas confiadas
sua guarda. E' intil accrescentar qoe
obteve nm resultado to repentino como
radical.
Bastava quelle murmurasse entre dentes
alguma horrivel blasfemia ; bastava s a
sua apparigo para que as doudas entras-
sem a tremelicar convulsivamente como as
ovelbas que presentera a approximago do
lobo. Qoeriam metter-se pelas paredes,
escondiam-se nos recantos, ou procuravam
urna guarida por traz das arvores do pateo.
Nenhuma se airevia a fazer o mais leve
movimento nem a pronunciar urna s pa-
lavra, e no seu immen30 terror quasi nao
se atreviam a respirar.
Maclou contemplava com alegra selva-
ge m e orgulho indescriptivel o completo
anniquillamento produzido pelo medo, e
at dizia quem o quera ouvr, ou falta
de ouvintes repetia-o si mesmo :
Ora adeus I A Jacobina Huber, po-
bre mulher, Deas a tenha em sua santa
gloria I nao entenda nem.pooco nem
mnito da arte de conduzir este immundo
rebanho de irracionaes t Provavelmente
mostrava-se confiada e branda com esta
sucia de mariolas I Eu c que me nio
hei de deixar fazer pedacos to parvamen-
te como ella. Nada, que nao quer o filho
de mea pai I
N'este cometios abrira^ por fra a por-
AGRI(UBA.
Relatorio do imprrlal I
Flnnlaeane ale
Imperial Instituto Fiumin-nse da apricaf-
lura, 14 de maio de 1870.liba, a
Sr,- esta a quarta vez qoe,
a directora do Imperial Instituto
se de agricultura, teoho a honra da
me ao ministerio a* cargo da V. Bic.
conta dos trabaluos-feilos no Jardas
nico e Fazenda Normal, e infui la lada a ao
mesmo tempo das suas prinopaw oecoaa-
dades e meios de sasfaze-las.
Segtiirei, no prehencbtmeoto deste devar
mesma ordem dos relatorios anteriores
cingindo-me ao que de mais iraportaajaa ac-
correu da data do aStiaao.
Adquiri o Instituto mais doos socios bo-
norarios as pessoas de V. Eu. a da
se I he i ro de Estado visconde de 3. Vk
um correspondente na do hr. Joao
da Silva Cootinho e um effectivo na do
mendador Antonio Josa Pereira Bulos, i
hoje o numero total do* socios IR.
No pesaoal da admiaislrago i
se a vaga de um membrn do i
em consequencia do tallectmeato
de Nova Rnburgo, fazeodeiro dtstincto
socio fundador, que bons servidos
ao Instituto, ja concorrende cosa n
donativo, j auxiliando-o por vez ss coa:
conhecimentos praticos.
A directora e o conselho fiscal
se sempre que hoave necessidade da se
convocaci), tratando-ae as aeaaiei, coaa-
tantemente honradas com a aagaatt pre-
senga de Saa Magestade o Imperador, de
assomptos de interesse real para a aaaa
agricultura.
De ora em diante as reoniees tetaa da-
ser maio freqnente, porqaa acbaaaaa aaa
estudo para serem discutidaa ditTenate.'
questes de imraedtata relac o coaa aa an*
do Instituto.
O numero de empregados constaaae r
quadro annexo aorelatorio do anno oatvo
foi diminuido com a extincj- do logar de
jardineiro pratico, da qoal resulloa a i
mia aonuai-de l:600d00.
hoje, portanto, de ft84J->, a
que se faz com a segrate pesaoal;
cretaria um amanuense goarda-livrea,
um continuo servindo de porteiroe i
Jardim Botnico de Fazenda Noraaal aaa d
restor, um cbymico e ura agente.
Nem urna aJterago bonve no
trinta trabalhadores de que flz
antecedentes relatorios, tendo iaapartaaa
respectiva daspeza dorante o aaaa da II
em 16:660^502.
(Conlinnar-M-kai.


ta do pateo com ama chave
servia para todas as fecbadoras, a
choo, condozindo pela mo a
appareceu no bembral, anda qaa aa
arriscara passa-lo.
O' la, to Maclou, disaa o oatro;
aqu urna caloira. orna olberzma
chupeta, como se cosluma dizer;
para ella.
As doudas nao sao mulberea,
quio Maclou dando aos hombros ai
sinistro.
Esta parece tranquilla a
como o Baptista, continuou
homem prevenido vale por doaa,
lhe de conselho que nao aa
dondas furiosas tem s veies
lios, e aquella qoe mais paraca
morta vem a dar n'um daaaoaio
se Simoa; 6 om nome coaao oatro
quer, nao acha 1
As doudas nio tan botm t
o feroz vigilante. Deite-m'a para c;
de mais ou ama de menos, pooeo
Piniuchou emparroo a condesas par
traz ; a pobre seniora dea algoas
vacillantes e esteva i ponto
Ah I proposito, aecreacaalea
tro, j me esqnecia o radbor! O m
director diz qoe Ib'a
los modos tem cumquibus.
Maclou fez estalar as cordaa
e dea ao semblante orna
Est dito bradou elk
gargalhada. Terei por ella
considerages I...
Piniuchou comprehendeu;
com ar idiota e sabio
Mal a condessa acabava da
too, logo todas as suas
infortunio, impellidas por uau i
qae n'essas infelizes sobreviva aa
perda da razo, esqoeceodo o aaai
Ibes inspirava Macloo, sabrraa dea
tos e detraz daa arvores oade
condidas, e correram para ai
da, formando em tomo d'eUa
tolmotooso, (
5
arar
fecbaadoapaita.
f?, DO DIARIO
-acAr,


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E4RM9XSV4_2217N6 INGEST_TIME 2013-09-14T04:19:19Z PACKAGE AA00011611_12258
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES