Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:12257


This item is only available as the following downloads:


Full Text
mmmm
MiHBMl

mo ItVI. NUMERO 253.
M
;

PABA A CAPITAL WGAHES ODE IA0 SE PACA POITE.
Por tros me te* atiiantsdos .... ,
njr Jis ditos dem.....? .
i*rvmaB idam...........| ......*
Cadamuuwid *vute.......- ...... ^
6006
12.JI000
2400O
320
TEflfll FEIRJ> 8 Di NOVEMBRO DE 18711
PABA DEm S W DA PROVIICIA.
Por tres mezes diantados.................
Por seis ditos dem....................
Por aove ditos idem...................
Por nm anno jdem ...... .......
e#7it
UJMO
20#2W
*7#00
Propriedade de Manoel Figneira de Faria & Filhos.
f BOTE: T*
Os Sn, Gerardo Antojo Alves 4 Filhos, no Para ; Goncalves 4 Pinto, do Maraco ; Joaqnm Jos de 0!iveira,.DO Cear ; Arttonio de Lemos Brag, do Aracaty ; Joao Mara Jnlio Ornea, do Ass ; Antonio Marones da Silva do Natal Jo* Jo*
Pereira d'AIme.da, em Mamanguape; Antonio Alexandrino de Lima, na Parahyba ; Antonio Jos Gomes, na Villa da Penha; Ifclarm.no dos Santos Baleao, ea Santo AnUto; Domingos Jos da Cesta Braga,
_________ _______________ ________em Nazareth ; Francisco Tavares da Costa, em Alagoas; Dr. Jos Martms Alves, na Babia ; e Jos Ribeiro Gasparinho no Rio de Janeiro.
PARTE OPTICIAL
CiOTerno ta provincia.
BjCeapnarn ASSintUDe illo exm. sr. desembarca
DOIt FBAXCMCO DE AS3IS PEUEIRA ROCHA, VICE-PRE
lOE.NTE DA PROVINCIA E.M II JIMIO DE DE 1870.
1' secgao
N; 315.Ofllcio ao in. general Transmito
V. Exc. parasen c inhecimento e direcglo, a in-
do copia do aviso circular do ministerio da'guer-
ra de 28 de maio ultimo, acerca dos rejji-rimen-
tos que sao encarainhados nquelle ministerio sem o
competente sello, assim como os documentos que
osacomoanham.
N. 316 Din ao Director do arsenal de guerra.
Communico Vmc. para seu canbecmento e
nirecgao quo segun-iy partecipou-mc o director do
arsenal de guerra da corle, cm ofllcio do 31 do
raaio ultimo sob d. 418, vieran remfttdos para
esta provincia no vapor Annoi eom deslino a do
Rio Grande dj Norte, dez fardos contendo calcas
deJarm e mamas de lia. os quaes recoinmendo
Vmc, que faca para alli enviar na l opportu-
nidade.
2' secgao.
-N. 318.Dito ao chefe de polica.Responden'
do ao ofllcio de V. S. de :t do cerrente sob n. 823
tenho a dizer-lhe que a :u do mez lindo como he
foi comniunicado, foi mandando riissolver o desta-
camento da guarda nacional que h.ivja no termo
de Villa-Bella, por ser sullioiente o que alli exis-
te do corpe provisorio de polica.
N. 319.Dito ao jais municipal da 2' vara des-
ta capitalRespondendj o cilicio de Vmc. de
hontem datado, tenlio a dizer-llio que os exames
que por esse juizo, tenham de ser feilos cm pa-
pis existentes as reparlicoes de fazenda, se de-
verlo proceder cm ditas reparlicoes observadas
as formaldodes legaes.
N. 320.Dito ao promotor publico do Rrejo
Informe Vmc. qoal o estado do pcocesso mandado
instaurar por portara desta presidencia de 16 de
deiembro do anno passado, contra Jos Gomes Soa-
res de Almei a, pelo motivo constante da mesma
portara, cumpnndo que opporlunamente se me
partecipe o resultado do mesmo processo.
N. 321.PortaraO vio-presidente da pro-
vincia em vista do offleo do chefe de polica n.
H41 de* 9 do cbrenla resolve conc?der ao cidadao
Virgolino do Barros Silva, a exonerado que pe-
dio do cargo de 3" supplente do subdelegado do
1" districto do termo do Bonito, ejtintamente exo-
nerar dos de 1 e 5o supplentes do mesmo sob-.
delegado os cidados Tliomaz Jos de Aquino Pe-
reira e Manoel Antonio Alves da Silva.
N. 322.Dita.O viee-presidento da provincia
*m vista do ofllcio do chore de polica de Io do
crrente sob d. 836 resolve conceder ao cidadao
Luiz Pereira Ribeiro Vianna aexoiieragao que pe
dio do cargo de supplente do subdelegado do
districto de Baixa Verde 2' do termo de Plores.
N. 323 Dita.O vice-presidentc da provincia
f';rmando-se com a preposta do chefe de po-
lica e-n ofllcio n. Sil de 1) do corrent, resolve
nomear para os logares de i" 3o e o0 supplentes
lo subdelegado do I districto do termo do Bonito,
os cidados seguintes na ordem om que vlacollo-
eados : Jos Cypriano Bizerra de Mello, Francisco
Cabral de Helio, Francis-o Jus do O'.
2"seccSa.
N. 324.Offlcio ao inspector da thesrraria de
lazenda. Tendo resolvido de c :nf inuidade com a
son informaglo de hontem son d. 4 14 ibrir sob
minba responsabilidade nos termos do arl. 6 do
dctelo n.288i do i do fevereiro de 1862, um
crdito suppleraentar ta importancia de 6:000,
jara acontinuaclo da despezas que correm pela
verba, justicas de 1' instancia do ministerio da
justiga no actual exercco, visto achar-se exiinc-
to ovotada mesma verba, assim o declaro a V"
S. para seu conhecimento. Assim fica V. S. auto-
risado a man lar effectuar o pagamento, que pede,
ut requerimento que incluso devolvo; o prcfmolor
publico da commarca de Tacarat bacharel Aus-
terlianc^Gorreirt de Craslo.
N 323.Dito ao mesmo.Cnmmunco V. S.
liara seu conhecimento e direccao, qns pelo gover-
no imperial foi approvada a deliberacao, que por
-ta presidencia tomou em 43 de marr;> ultimo, de
i Kicdar que se continuasse a pagar o abono da
etape, que percebia o alferes reformado do exer-
. cito Miguel Alfonso Ferreira, em virtude do de-
crtto n,-1234 de 8 de unho de 1863, visto estar
tal deliberacao de accordo com a imperial resolu-
cao de 29 de Janeiro deste anno.
fi. 326.Dito ao mesmo.Transmiti V. S,
liara seu conhecimento e devida execucio copias
do aviso do ministerio da marinba. e d parecer
da respectiva contadoria, datados de 23 e 18 de
naio ultimo sob ns. 4900 c 998. acerca do reque-
rimento em que os negociantes Hett Wilson & C
reclamaran o papamento d) carve de pedra
f.rneeiioneste porto a diverses transporte fretaios
pelo ministerio da Guerra.
N. 327.Dito ao mesmo.At.tentado ao que so-
licitouo major commanpante Interino da corpo
provisorio de polica era cilicio de 27 de maio ul-
timo, sob h. 278, recommendo & V. S. qu mande
abonar por adiantamento ao'alferes addido aqual-
le corpo Pedro Goncalves de Garvalho, que segu
em deligencia para Garuar, 1 mez de ses ven-
cimentos, e bem assim 1 mez de sold a 20 pracas
inclusive 1 argento que acompanham ao mesmo
alfers.
BL 228.Dito ao inspector da alfandega.Em
resposla ao ofllcio que Vmc. me dirigi m 3 do
corrente, sob n. 3%, tenho a dizer que segundo
declarou o chefe da reparticao das obras publicas,
em sna informacao de 9 deste mez, n.: 138, j fo-
ram dadas as convenientes ordens para serem fe-
tas e collocadas as grades que se tornain precisas
na entrada e sahida do cano de esgoslo de que tra-
ta o citado ofllcio.
N. 329.Dito ao mesmo.Tendo nesta data re-
commendado ao director do arsenai de guerra que
faca seguir para seu destino, na primeira oppor-
tunidade os 10 fardos contendo calcas de brim e
mantas de 15, de que trata o seu ofllcio de 9 do
.crrente, 'b D- 410, convem que Vmc. declare
onde se achatn os mencionados fardos. .
4.' seccao.
N. 330 Olicio ao Dr. AgoMinho Ermellndo de
l-f Tvo, vice-pres:dente da provincia do Paran.
Pelo ofllcio de 2o" de abril ultimo, fiquei nteirado
m-relo dessa provincia, na qualidade de segun-
do vice-presdente-por ter seguido para a corle a
irmar assenlo na cmara temporaria o Exm. Sr.
presidente, Dr. Antonio Luiz Alfonso de Garvalho.
X. 331.Dito ao Dr. Augusto Frederco de Oli-
veira e o Bario do Uvramehto.Recommendan-
d>me o Exm. Sr". ministro do imperio por aviso
de 28 de maio -prximo findo, que em nome do go-
v?rno imperial loave a V. Exc. pelo zelo que mos-
Iroa no desempenho da commissao de que fera
iioarregado por esta presidencia de agenciar a
compra de gneros alimentisios destinados -a soc-
correr a populacSo desvalida flagellada pela forae,
*ra consequeneia da secca nos sertoes desta pro-
vincia, com a. maior satisfazlo que cumprD a re-
commendaclo contida no citado aviso.
Aproveito a opportunidade para reiterar os meus
protestos de estima e conjideraQlo.
v 'mu w Dit ao ""P*6101" d saa('e publica.
anoe Vmc. paeparar eom urgencia urna peque-
a ambulancia. eom remedios apropriados aotra-
i amento de cmaras de sangne e febre amarella
afim de ser enviada para -o. termo de GaranhaG
onde renam aquellas molestias, com as prescrip-
fpes medicas que Vmc. devo mandar.
EXPEDIENTE ASSIGNADO PELO SR. DR. ELIAS FREDE-
RCO DS ALMEIDA E ALRUQUERQUB, SBCRETARIO DO
GOVER.VO, EM 11 DE JU.VHO DE 1870.
2' seceao
N. 333. OfllciJ ao chela de polica.De ordem
do Exm. Sr. vice-presidente da provincia, declaro
a V. S. quo por deliberacao desta data foi exone
rado do cargo de Io supplente do districto de Bai-
xa-Verde, 2-do termo de Flores, ocidada Luiz
Pereira Riboiro Vanni em vista do seu ofllcio n.
836 de 1 d> corrente,
S. 334.Dito ao m-smo.De ordem d) Exm.
Sr. vice-presidente da provincia transmuto a V.
S. os ttulos do 1, 3o e o- supplentes do subdele-
Sado do Io districto do termo do Bonito, de con-
ijrmidado com a proposla de V. S. em ofllcio n.
8il de 9 do corrente.
N. 333.Dito ao juiz de dre'o de Gabrob.
pe.ordem do Exm. Sr. vice-presidentc da provin-
cia, tenho a declarar a V. S. qoe j foram expedi-
das a3 convenientes ordens sobre o pagamento do
rlferes da guarda nacional Cezario de Souza Leao
de que trata o seu ofllcio de 13 do raaio ultimo.
N. 336. Dito ao commandante do corpo provi-
sorio de policial-De ordem do Exm. Sr. vice-pre-
sidente da provincia declaro a V. S, que nesta
data se expedio a conveniente ordem a thesoura-
ria provincial para mandar por adiantamento ao
alferes addido a esse carpo que segu em deligen-
cia para Giruar Pedro Goncalves de Garvalho
um mez de scus vencimentos, bem como um mez
de sold a 20 pracas inclusive i sargento que
acompanha aa mesmo alferes, deixando porm de
serem abonadas as ajudas de custo de que irata o
seu citado ofllcio de 27 de maio ultimo acerca das
quaes se resolver opporlunamente.
KXPBDIEXTE ASSIONADO PELO EXM. SR. DESEMBAR0A-
DOR FRANCISCO DE ASSIS PEREIRA ROCHA, VICE-PRE-
SIDENTE DA PROVINCIA, EM 13 DE JUNIIO DE 1870.
Ia seccao.
>. 337.Ofllcio ao Exm. Sr. general comman-
dante das armas.Hespondendo ao oDcio de V.
Exc.de 11 do corrente, 315, 'enho a dizer-lhe
que nos termo? genricos em que est redigido o
aviso do ministerio da guerra de 27 de maio ulti-
mo junto por copia, considero-o extensivo aos pre-
sionaros de guerra paraguayos existentes nesta
provincia, offlciaes e pracas de pret que nao qui-
zerem ficar no Brasil.
N. 338.Dilo ao mesmo.Avista do que V.
Exc; expz em seus ofBcios de 24 de maio ultimo
n. 279, e de 9 do corrente sob 312, determino ao
commandante do corpo provisorio de polica, que
mande aposentar n'esse quartel general, alim de
reverter ao servico do exercilo a que pertence ao
soldado Manoel Malhias do Monte, que na quali-
dade de msico se alistou n'aquelle corpo. Entre-
tanto se essa praca nao necessaria ao servigo do
exercito, pode V. Exc. consedlir que ella conti-
nu no referido corpo al que o governo imperial
me de deslino ou baixa.
N. 339.Dilo ao director do arsenal de guerra.
Mande Vine, fornecer a mesa regedora da ir-
mandada do Santissimo Sacramenta da matriz des-
ta fregneza mediante indemnisaco o cartuxame
!> mo!auctar!* necessario para as salvas que tem
de dar. a guarda nacional por occasiao do reco-
Ihimento da procissoo de Gorpus Christi, qrie deve
sahir d'aqella igreja no da 16 do corrente.
N. 340.Dito ao engenheiro militar. Mande
Vmc. prceder mediante a despeza de 337360 rs.
segundo orcamenlo annexo -ao seu offleo de 27
de maio ultimo, aos edneertos de que precisa o
encanamento d'agua do arsenal de guerra.
N. 311Portara.O vice-presidente da provin-
cia, attendendo ao que remiereu J)s Marques da
Silva, resolve conceder-lhe Hcenca para embar-
car no Io vapor da Compartha Pernambucana
para seguir para o presidio de Fernando de No-
ronha, os gneros ce oslantes da relacao junta as-
signada pero secretario interino da presidencia,
nao podendo porm effectuar o desembarque dos
mesmos gneros sem que pi.r parte do comman-
dante do referido presidio se procela a exame
alinule verilicar se ha agurdente ou outra qual
quer bebida espirituosa.
v 2a seccao.
A. 343.Dito ao Exm. Sr. presidente do tribu-
nal da relacao. Communico a V. Exc. para os
devidos lins, que segundo consta do diario official
n. 128 de 3 do corrente, por decreto de 2o do'maio
ultimo, foi aposentado a seu pedido o secretario
dssse tribunal Domingos Alfonso Ferreira com o
oadenado por inteiro, e se /ez merc da serventa
vitalicia do dito ofllcio ao bacharel Virgilio de Gus-
raao Goelho.
N. 344.Dito ao chefe de polica.Recommen-
do V. S. aos subdelegados dos diversos d'wtrictos
dos municipios de Barreiros t Agua-Preta, qu
enviem aos respectivos conselhos de revista da
guarda nacional as relacSes de que trata o art. 10
| 4o do d-creto n. 1130 de 12 de margo de 1833.
N. 345.Dito ao commandante superior do Re-
ci fe.Expega V. S. as convenientes ordens para
que nma guarda de honra com msica e bandeira
lirada dos corpos da guarda nacional sob o seu
coramando as'sista a festa de Corpus Christi, que
tora de ser celebrada na igreja matriz desta fre-
guezia a 16 do corrente e para que as 4 horas da
tardo desse dia toda a forca da mesma guarda na-
cional que poder formar inclusive a cavallaria se
aprsente em frente da mesm igreja, para acom-
panhar a procisso como de costume.
N. 346.Dilo ao commandante superior do Li-
moeiro.Communico a- V. S. para os debidos flus,
que segundo consta do diario official n. 128 de 3
do corrente p r decreto de 25 de maio ultimo, foi
nomeado Luiz Paulino Vieira de Mello major cem-
mandante do Io esquadro de cavallaria desse mu-
nicipio.
N. 347.Dijo ao commandante superior de Se-
rinhaeni.Tendo por deliberacao desta data de
conformidade com a sua intormago de 8 do cor-
rente, sob n. 55 nomeado a Antonio Ribeiro de
Andrade,para .alfere3 da 2" companhia da secgao
de reserva n. 15, assim o communico a V. S. para
seu conhecimento, convindo que se declare ao
commandante- da referida secgao, que deixa de
ser nomeado conforme propoz elle o cidadao
Francisco Antonio Bandeira do Medeiros por nao
constar da secretaria a passagem para esta ca-
pital do alferes Anlonio Pereira da Rocha, e nao
dar-se por sso vaga que deve ser prhencliida
pelo proposto. -
N. 348.Dito ao commandante superior de Bar-
reiros e Agua-Preta.De conformidade com o
art, Io 26 do decreto 1354 de 6 de abril de 1834
e art.J9 parte 2- do decreto 1130 de 12 de marco
de 1853, designe V. S. novo dia para a reoniao
aos conselhos de revislo de qualifcago da guar-
da nacional desse municio, flcando assim respon-
dido o seu ofllcio de 6 do corrente.
N. 349.Dito ao commandante superior do Bo-
nito.Gomraunico a V. S. para "os devidos fins
que segundo consta do diario official n. 128 de 3
do crreme, por decreto de 25 de maio ultimo,
foram nomeados Francisco (Jomes dos Santos e
Jos Isidoro dos Santos para os.postos de tenenle-
coronel commandante, o primeiro do batalho de
jnfantaria n. 58, e o segundo para o 10 de reser-
va da guarda nacional sob esse sen commaado su-
perior.
N. 330.Dito, ao mesmo.Coranmnicd a V. S.,
para os devidos fins, que, .segundo consta do dia-
rio offlciai n. 123, de 28 do mez frade, por decreto
de 18 do dito mez,. foi nomeado Jos dos Santos e
Silva tenente-eoronel commandante do batlnao u.
57 do inunjcpio de Caraar. -
JJ. 351".PUo ao juide flireito de .Palmares.
Em resposla ao offlcio de V. S., de 21 do mez fin-
ito, tenho a dizer-Ihe que, dando-se a dsmera-
bragao de um territorio todos os feilos pendentes
relativos partes quo nslle lenham o seu domici-
lio, passain a nova jurisdiego, sendo este princi-
oio invariavel pelo que devem no termo de Agua-
Prota ser julgados os reos de que trata o seu dito
ofllcio.
N. 332Dito ao juiz municipal da f vara dssta
capital.Pede Vmc, em seu ofllcio de 5 de maio
prximo findo providencias sobre a questao susci-
tada entre o escriVao Manoel Joaquim Baptisia- e
o administrador da recebedoria commendador Ma-
noel Carneiro de Souza Lacerda. Pretende aquelle
que este Ihe devolva offlcialmente eerto3 autos ci-
sujeitos a rivalidagao e remetlidos por elle,
mformidade com o arl. 34 do decreto n. 4354
veis
de .viril ipiiuauo com o art. >'
do 17 de abril de 1869. 0 administrador enlende
que nao est ido obrigado, e sim ao esciivo
ncurnbe ir ou mandar repartigaa receber os
autos. Vmc. requisitoa ao admiistrador a re-
raessa nafrrai pedid* pelo escrivao, reiuisicao
que foi nao satisfeita, como ludo consta ao, papis
annexos ao seu citado ofllcio, que respondo. E'
para admirar, seno para extranhar, que, por mo-
.tivo de to pouca importancia, se tenha interrom-
piJo por tanto tempb a marcha de um processo e
dem irado a administragao da justiga, que devi-
do s parles. Entretanto, o que est fr. do toda
a duvida, expressamente determinado pelo citado
decreto, cuja inteltigencia diversa do lugar a
questao, que o titulo ou papel sugeito rivalida-
gao seja logo entregue ao contribuinte, art. 56 do
decreto. Ainda mesma nao pagando elle o impos-
to Ihe deve ser devolvido o titulo, flcando neste
copia aathentica do mesmo e do despacho para os
efeitoi legaes. A soluco, porlaoto, da questao
esta na disposigao do' referido art. 56. Nao ha
necessidade nem interesse publico a acautelar
para que o chefe da ostagao fiscal competente de-
volva ollieialmenle o papel que tambem Ihe foi
remeitido offlcialmente para rivalidar por algum
dos empregados referidos no supracitado art. 54
esta reinessa feita por empregado necessaria pa-
ra effectiva a cobranga do imposto e multa em que
teinincorrido o contribuinte; cobranga que seria
Ilusoria se ao contribuinte fosse entregue o titulo
ou papel sujeito rivalidagao. E' este quer pague
quer nao o imposto quem deve ser entregue o
papel, lojro que par si, ou por seu procurador,
comparega repartigao qual o mesmo foi remet-
lida. Fazendo applicago d'esta doutrina ao caso
vertente, ropondo que os autos alludidos devem
ser entregues parte inleressada que as podem
solicitar na repartigao. Julgo conveniente obser-
var que as duvidas que occorem entre funciona-
rios publicas acerca do cumprimento- de seus de-
veres, se guarde a3 atteng;s deviias, nao se
attriboa as instruegoes quem entenler que deve
proceder de modo contrario a intelligencia de ou-
tros. Esta, defiisao fica dependente de dellherago
d governo, enjo conhecimento vai ser subinet-
tida a questao.
N. 333.Dito ao juiz municipal de Santo Antl-a.
Gammunico V. S, para os devidos flns, qu?,
segundo consta do ehroilo official n..l23, de28 d>
dito mez, se fez merc a Joo Bapsta do Amara!
na serventa vitalicia dos officios de partidor e
contador d'esse juizo.'
N..334.Dito ao commandante do corpo de po
licia.-rPde Vmc. iluminar do corpo sob o seu
commando os soldados Manoel Joaquim Vieira e
Luiz Pereira de Alcntara e o 2o srgento -Jos
Marinho de Hollanda Chacn dos quaes iratam os
seus officios ns. 292 e 304 da 4 c 10 do corrente,
visto lerem sido julgados incapazes de continuar
no servigo do dito corpo.
N. 333.Dito a mesmo.A' vista do que nova-
mente informa o general commandante das armas,
em olflcio de 9, sob o. 312, com referencia ao que
expende Vmc. no-scu datado de 4, sob n. 391,
ludo do corrente mez, Telaliamente ao msico
d'esse. corpo Manoel Mathias do Monte, tenho
dizur que deve Vmc. mandar apresentar o mesmo
msico Iquelle, general, afim de o fazer reverter
ao seryiro de exercito, que pertence, se nao for
possivel que continu nesse corpo al que o gover-
no iraderial Ihe d destino ou baixa.
N. 356.-Dilo ao mesmo.Louve Vmc. ao alfe-
res d'esse corpe Antonio Joaquim de Barros Lima
pelo modo com quo desempenhou a commissao de
que foi encargado' por esta presidencia de condu-
zir gneros alimenticios destinados populacao
indgena, flagelada pela secca na comarca de Ga-
brob e Ouricury.
N. 357,Portara O vice-presidente, atienden-
do ao que Ihe requereu o soldado do corpo provi-
sorio de polica Joao Jos da Fonceca que pela
junta miiar de saude foi julgado incapaz de con-
tinuar a servir, e cooU mais de 18 annos de ser-
vigo, segunlo a cerido da thesouraria provin-
cial, e em vista do que informara o commandante
daquello corpo, em ofllcio n. 132, de 26 de margo
ultimo, e o inspector da thesaurari em offlcio n.
340, de 31 de maio prximo passado, esolve, de
conformidade com o disposo no arl. 3' da le pro-
vincial n. 436, de 26 de maio de 1838, conceder-
lhe a aposentdbria de que trata a le provincial n.
276, de 7 de abril de 1850, com vencimentos pro-
porcionaes ao lempo que.effectivamente se verificou
do servigo naquelle corpo.
3* secgao.
N. 358.Ofllcio ao inspector da thesouraria de
fazenda.Tendo nesta data autorisado o enge-
nheiro encarregado das opras militares mandar
fazer pela quadtia de'347*600 em que foram or-
gados os conceru de que preeisava o encana-
mento d'agua do arsenal de guerra,, reservndo-
se para es3a despeza o saldo de 374*330 que exis-
te do respectivo crdito, nos termos da sua infor-
macao, de 6 do corrente, sob n. 401, assim o
communico a V. S. para seu conhecimento e di-
reccao.
N. 359.Dito ao mesmo.Transmiti V. S.1
para seu conhecimento, as duas inclusas ordens
do ministerio da guerra, datadas de 3 do cor-
rente.
N: 359. Dito ao mesmo. Providencie V. S
para que, depis de liquidadas as folhas juntas em
duplicau, que me remelte o commante superior
do municipio de Garanhuns com ofllcio de 2 do
corrente sob n. 28, mande pagar os vencimentos
do offlciai commandante do deslacamento daquella
villa, relativos aos mezes de fevereiro maio des-
te anno, devendo taes vencimentos ser entregues
Joao Baptista dos Guimaraes Peixolo para isso au-
torisado pelo respectivo commandante superior
N. 360.Dito ao mesmo.Remetto V. s.,- para
seu conhecimento e'fins convenientes, copia da
portara que nesta data dirijo ao juiz municipal da
1 vara, em resposla ao offlcb que delle recebi
com data de 5 de maio prximo findo, relativa-
mente ao modo por que tem sida entendidas al-
gumas disposigoes do regulamento do sell, acerca
d> qual informou essa inspectora era offlcio n
364 de 25 daquelle mez.
F. 361.Dito ao mesmo.Remetto por copia
V. S.. para seu conhecimento e flns convenientes
o incluso ofllcio que ero 31 de mai ultimo me dr-'
rigi o presidente da provincia do. Cear relati-
vamente ao destino que liveram os gneros ali-
menticios enviados por esta presidencia par ai
comarcas do Cabrobo e Ouricury, em soccorrer a
populagao indigente Qagellada pela seooa.e condu-
zidos pelo alferes Antonio Joaquim de Barros
Luna.
Ni.36?;~Pil, ao.msmo- Era resposta ao effl-
co de V. S. de 27 de maio ultimo, e ouvindo o
juiz municipal da 1* vara Pauhno Rodrigues Fer-
nanes Chaves, que allega tor sido*ua remoco
do Iqaar (Je juiz municipal e da orph|pj d4 termo
da cidade da Victoria urna nova nomeagio pelo
que.pagounoYos direitos. e estar assim declarado
no relatono do Exm. Sr. ministro da justig, te-
nho a dizer-lhe qie submelti este negocia dec-
saodo mesmo ministro, cumprindo entretanto que
a p/5ei1a(I1"iio antea ao pagamento do orde-
nado do dito juiz municipal, como entender de ins-
tiga.
N. 363 Dit, ao inspetor da thesouraria pro-
vincial. Transmilto V, S., para os fins conve-
nientes, a deliberacao junta por copja, pela qual
conced a ap isentadoria ao soldado do corpo provi-
fjj do pohcia, JoSo Joaqnm da Fonceca, que
allude a informagao de V. S. em offlcio o. 340 de
31 do mez (lodo.
N. 36i.Dito ao imsmo.Recommendo V. S.,
para que, depois
dente da provincia, cotnntanieo V. S. oue so ex-
peaio nesta dala thesouraria de fazenda a con-
veniente ordem, allm d mandar pagar os venc
memos do offcial commamhnle do destacamento
a essa villa, relativos aos mezes de fevereiro e
niaio d este anno, como soleiiou em sen offlcio do
z do corrente, sobn. 28.
. k' 38*-Circular aos Exaas. Srs. presidentes do
tribunal da relaeao e do tribunal do commercio,
ao r. chefe de poicia, e a todos os juzes de di-
reito da provincia.De ordem do Exm. Sr. vice-
presidente da provincia, remetto a collecgao de
|e's geraes e decisoes do governo imperial do anno
de 1869.
N. 382.Dito ao commandante do corpo de po-
licta.De ordem da Exm. Sr. vice-presidente da
provincia communico V. S. para seu conheci-
s convenientes, que por deliberagao
- de liquidada a conta e re agio
nominal untas em duplcala, que me transmiltlo o
cneirt ae polica com ollcio de 10 do corrente s b d esta data foi concedido ao soldado do corpo ob
1' .'om;',alar fa111" pagamento da quanlia o seu commando, Joao Jos da Funseca, a aposen-
ue 2jij proveniente das diarias forneeida* aos tadoria por elle pedida.
presos pobres da calsia do termo de Agua-Preta | 4. seceao.
v n'.. moz dt mai0 "^mo- N- 383.Ofllcia ao Dr. Francisco Teixeira da S
ivl Pito ao meS'no4Em vista da conta e Io secretario da assembla legislativa provincial.
relagao nominal juntas em duplcala, q>ve m re-, N. 130.De ordem do Exm Sr. vice-presidente da
meiteu oehefe de polica cu^i oll.-o de 10 do cor-! provincia transmilto a V. S., para ser submettido
rente sob n. 8i8, raiommeno V. S rpie mande
pagar a Jeronymo Peraira Marcos ou Evari.'to
Mendes da Cunta Azevedo, pra sso indicados, a
q;iantia de 61 proveniente 4a depeza feita du-
rante os mezes de abril e maio lltimos, com o sus-
tento dos presos pobres da cideia do termo d >
Ilr?jo.
N. 366. Dito ao mesmo.Depiis de liquidada a
conta junta em duplicata, que mereraetteu o che-
fe de polica com ofllcio de lt do corrente sob n.
.83!, .nanJe V. S, pagar Manoel Rviario de Gou-
veia a quantia de 185 despendida durante 03 me-
zes di margo rnaio deste anno, com o forneci-
mento d* luz e agua para o quartel do destaca-
mento do lermo do Ro-Formoso.
4' secgao.
N. 367.Offlcio ao ministro do imperio, n. 57.
Em observancia do disposto no aviso de 10 de
mareo ultimo, e em addilamento ao ofllcio desta
presidencia de 13 de abril prximo lindo sob n. 34,
passo por copla 3 mos de V. Exc. ainclus a infor-
maglo ministrada pela cmara municipal do Cabo
em 8 do corrente, relativamente ao 3o o 5o quesi-
tos mencionados na nota que acompanhou o cita-
do offlcio.
N. 368.Dito ao ministro da agricultura, com-
mercio e obras publicas, n. 53. Em observancia
do aviso do de junho de 1868 e 27 de oulubro
do anno passado, passo s mos de V. Exc, em
additamento ao oflkio desta presidencia de 20 de
novembro ultimo sob n. 97, o incluso mappa da
populaglo do districto do Pere*, freguezia dos Af-
fogados, desta cidade", que me remellen o Dr. che-
fe de polica com offlcio n. 581 de 9 do corrale.
N. 370.Dito ao mesmo.S. 5*4.;Gastndo-
me, de partieipago que com a data de 12 de maio
prximo Borl, recebi da legago do Brasil nos Es-
tados Pontificios, que em virlnde de determinagao
do governo imperial, o vapor Portal, francez, con-
ducir para esta provincia, onde llcaro disposi-
glu de V. Exc.; cinco religiosos missionarios ca-
|iaeJiiiboa de Domes Fr. Pelino do castrovalva,
Gandido Horema|cie Mich'eTangelo de Burgio, Lau-
rengo de Sass-aferraio e Caetano de Gastania ;
communico V. Exc.que providencie para serem
elles recebidos no convenio de Nossa Senhora da
Penha d'esta cidade, aguardando de V\ Exc. or-
dens a tal respelo para as poder cumsrir.
N- 371.Dito ao Exm. Sr. presidente da pro-
vincia do Cear.Accusan lo recebido o olflcio do
V. Exc de maio ultimo, sob o. 19, com que me
remellen por copia o do juiz de direito da comar-
ca do Aracaty e mais pegas que o acmpanharam
acerca do destino que tiveram os gneros alimen-
ticios por esta presidencia enviados para o centro
d'esta provincia, sob a guarda do alferes Antonio
Joaquim de Barros Lima, para soccorro da popu-
lagao flagellada pela secca, rogo i. V. Exc. que
se.digne de agradecer e louvar a commissao por
V. Exc. encarregada, pelo interesse e zelo qu to-
mou era promover a venda dos referidos gneros,
os quaes por motivos justos deixaram de seguir ao
sen destino.
N. 372.=Portaria a Exm. Sr. desembargador
provedor da Santa Casa de Misericordia.Pare-
cendo-me conveniente que, nao obstante o projecto
da assembla legislativa provincial, .que se refero
o orcio/de V. Exc. de 3 do corrente, e que anda
nfo e ple deixar de ser le, a.junta da Santa
Casa proponha as alteragoea de que tratara as por-
taras desta presidencia de 28 o 30 de maio prxi-
mo rindo, assim'o declaro V. Exc, em resposta
ao seu oflkio cima citado.
N. 373.Dita ao prefeit do hospicio do Nossa
Senhora da Penha d'esla cidade.Constando, de
partieipago da legagao do Brasil nos Estados Pon-
-titi -ios, de 12 de maio prximo findo, que em vir-
tude de ordem do governo imperial o vapor Portal
francez conduzir para esta provincia, onde fica-
rao disposigao da Exm. Sr. ministro da agricul-
tura, commercio e obras publicas, os cinco reli-
giosos missionarios capuchinhos Frs. Pelino de
Castrovalva. Candido de Horomencie, Miehelanglo
de.Burgio, Lonrengo e Sassoferrato e Caetano de
Castoia ; assim o communico Vossa Pa'.ernida-
de, afim de que os acolha nesse.convento, visto
que esta presidencia nlo recebeu do mesmo go-
verno imperial ordens a respeito.
!?. 374.Dilo ao gerente da Companhia Per-
narabuena.Pode Vai. fazer seguir para os
5ortos do norte e sul at a Graoja e Aracaj, no
ia 15 do corrente, os vapores Pirapama e Poten-
g, hora indicada era seu offlcio de 3 deste mez.
N. 373 =Dito ao mesmo.O Sr. gerente da com-
panhia Pernambucana mande por disposigao de
Andr Cursino Pereira, at o Rio Grande do Norte,
tres pasjagens de estado proa, no vapor que lem
de seguir para alli no da 30 da julho prximo
vindouro.
EXPEDIENTE AS6IGNADO PELO EXM. SR. BR. ELIAS FRE-
DERCO DE ALMEIDA B ALBUQUERQUK, SECRETARIO
DO GOVERNO ESI 13 DE JUNHO DE 1870.
1. secgao.
N. 376. Offlcio to director do arsenal de guer-
ra. S. Exc. o Sr. vice presidente da provincia,
dando suas ordens para que sejam feilos s con-
certos de ]ue precisa o encanamento d'agua desse
arsenal ; assim o manda communicar V. S., em
resposta ao sou offlcio de 6 de maio ultimo, sob
n. 69. *
2.* secgao.
N. 377.Offlcio ao chefe de polica.De ordem
de S. Exc. o Sr. vice-presidente da provincia, comr
muoico V. S. que nesta dala se expedio con-
veniente ordena thesouraria provincial, para mari-
dar pagar a despeza feita durante os mezes de
abril e raaio ultimo, com o sustento dos presos
pobres da cadeia do termo do Brejo.
N. 378.Dito ao mesmo.S. Exc o-Sr. vice-
presidente da provincia manda declarar V. S.
que nesta data se. autorisou a ihesonraria provin-
cial a pagar a quantia de 25*800 proveniente das
diarias fornecidas -aos presos pobres da cadeia do
termo de Agua Preta, duraste o mez de mato ul-
timo. .
N. 379.Dito ao.mesaao.O Exm. Sr. vice-pre-
sidente da provincia manda* communicar V. &,
eraresposta ao seu cfflcio de 11 do.corrente, sob
n. 833, que nesta data se reiterou a necessaria or-
dem thesouraria provincial, no sentido de ser
pago o fomecitnento de luz e agua feito ao quar-
tel do destacamento do termo dp Rio Formoso e
durante os mezes de margo e maio d'este anno.
' 380.Dilo ao conamandante superior de Ga-
rajihuns.-De ordem; d S. Exc. oSr. vice-presh
a approvagao da assembla legislativa provincial
na forma do arl. 2' da lei n. 911 Je 29 de abril do
corrente anno, o contrato celbralo com Manoel
Polycarpo Mareira de Azevel para abertura, e
canal3aglo do rio Goyanna.
N. 384.Dito ao mesmo.N. 131.De ordem de
S. Exc o Sr vice-pre*idente da provincia pssso as
inao) da V. S. para serem presentes a assembla
legislativa provincial 39 oxemplares do rolatorio do
director geial da instrucr-io publica do anno pr-
ximo findo.
EXPEDIENTE ASSIGMADO PELO EXM. SR. DESEMBARCA-
DO! FRANCISCO DE ASSIS PEREIRA ROCHA, VICE-
PRESIDENTE DA PROVINCIA, EM 14 DE JUMIIO DE
1870.
1." secgao.
N. 333.Offlcio ao Exm. Sr. general camman-
dante das armaa. Sera apresentado a V. Exc. de
parte do Dr. chef-i de polica o orphlo Luiz quo pelo
juiz de orphlas da (tamb foi remettido a esta pre-
sidencia para servir na exercito se por venlura
fr julgado apto.
2." secglo.
N. 390.Dito ao chefe de nolcia.-Haja V. S. de
enviar-me com toda a urgencia as inforraacoes
que Ihe faram exigidas por portara do 5 de outu-
bro do anno prximo passada do quanto as vio-
lencias e abusos pralicados polas autoridades poli-
ciaes desla provucia durante a adiuinistraegao do
Sr. conde de Baependy.
N. 391.Dito ao mesmo.Respondendo ao offl-
cio de V. S. n. 798 de 27 d mez prximo passado,
tenho a dizer-lhe que dando-*se a desmembraglo
do um territorio, es fetos pendentes do partes que
nelle tenhara domicilio passam a pertoncer a nova
jurisdiego, sendo este, principio invariavel pelo
que devera ser julgados no municipiod'Agua-Preta
os reos de que trata o dito offlcio.
N. 392Dito ao mesmo__Mande V. S.apresen-
lar ao general commandanto das armas para ser-
vir no exercito se fr julgado apto, o orphioT&iz
que pelo juiz municipal e de orphos de Ilarab
foi reraitido por ser mal compertado, e ter-se
evadido da companhia do 'referido fulor, fazendo
soltar e entregar a seu prente o de nome Floriano
que nao pode por sua idade ser admittido dos
arsenass de guerra ou de marrana.
N. 393.Dito ao mesmo.Remello por-copia a
V. S. para seu conhecimento a inclusa delberaglo
da 2 do corrente pela qual resolv em vista do 6
do art. 8" do contrato de 22 de juntio de 1868 ap-
provar o regulamento organisado em 18 de abril
ultimo pelo respectivo superintendente para os
machinistas e mais empregados subalternos da
companhia de trilhos urbanas do Recife a Olinda
constante da copia tambem junta.
N. 394.Dilo ao commandante superior de Bar-
reiros e Agua^Freta.Sirva -se V. S. de inror-
mar-me se est residindo, e desde quando no dis-
tricto desse commando suoerior o major ajudante
de ordens do de Bhiu, Jos Francisco Colho
Vieira da Silva, e no caso afirmativo se fez elle
sua apresentaglo a V. S. munido da competente
guia, como preceitu.a o an. 45 do decreto n. 1130,
de 12 de margo de 1853, e em que data leve lugar
essa aprcsenl.ieao.
N. 393.Dito'ao commandante superior do Boni-
to.Para que possa ser submettida a approvagao
do governo imperial a proposta que era offlcio de
18 de fevereiro ultimo, faz V. S, ao cidadao Jos
B'illarmino de Mello para juajor ajudante do or-
dens de=se commando superior cumpre que decla-
re dpsde quando se acha mudado para o municipio
de Agua-Preta, Jos Francisco Colho Vieira da
Silva, se a e3te se passou, e em qudala a guia
de que trata o rt. 45 do decreto n. 1130 de 12.de
margo de 1853.
N. 396.Dito ao commandante superior de San
to Antao.Informe V, 6. novamente ouvindo o
commandante do baialhlo n. 24 de sen commando
superior, e tendo em vista a informacao fia secre-
taria desta presidencia a guia juntos acerca ao
requerimento ra que o alferes Manoel Joaquim
Torres Gallndo pode ser transferido para a 1"
companhia do referida batalhlo.
3" secgao.
N. 398.Dilo ao inspetor da thesouraria de
fazenda.Transmiti a V. S. convenientemente,
documentadas as duas inclusas contas que me re-
oietteu o superintendente da. estrada de ferro do
Recife a S. Francisco com offlcio de hontem, afiaa
de qu mande liquidar e pagar a-despeza prove-
niente de transportes dados por conta do ministe-
rio da guerra, durante os mezes de abril e maio
desie anno nos trens daquella estrada.
N. 399.Dito ao mesmo. Providencie V. S.
para que em vista da inclusa conta documentada
a que se refere olflcio do superintendente da es-
trada de ferro do Recife a S. Francisco, datado de
hontem, mande liquidar e pagar a qnantia qne se
dever proveniente de transportes dados por conla
dp ministerio da marjnha nos termos daquella es-
trada durante o mez de abril ultimo.
N. 400.Dito ao mesmo.Devolvo a V. S. con-
venientemente documentadas as duas inclusas
contas que vieram annexas ao.seu offlcio de 27
de abril ultimo, sob n. 2cV), e relativas as despezas
com transportes dados no mez de margo ultimo,
nos irens da estrada de ferro do Recife S. Fran-
cisco por conta do.mnisterio da guerra e imperio,
ticanio assim ss'sfeita a requisiglo contida no
citado oficio.
N. 401.Dito ao mesmo.Envi V. S. com to-
da a urgencia a-esta presidencia as- informagoes
que Ihe torem exigidas era-portara de 5 de oulu-
bro alo anno prximo Ando, do quanto fot despen-
dido com os destacamentos da guarda nacional na
administragao do Sr. conde de Baependy e nos
anteriores a contas do 1863. .
N. 402.Dito ao mesmo.A'nnuindo ao que so-
licitou o superintendente da estrada de ferro do*
Recife a S. Francisco era qfflcio de hontem, re-
commendo a V. S. qne em vista da inclusa conta
documentada, mande liquidar e pagar a que jus-
tamente se dever proveniente de transportes da-
dos durante e mez de maro ultimo, por conta do
ministerio do imperio.
N. 403.Dit ao merno.Devolvendo V. S. o
requerimento junto documentado de Gongalo da
Costa Lima, tenente ctrurgio-mr da guarda na-
cional de Flores, tenho a dizer-lhe que mande pa-
gar ao supplicante a gratrfleagao que vencen des-
de 29. dejulho da anno prximo passado, ootnoen-
carregado do curativo dos indigentes atacados de
febre dejmo anclar no termo do Vi'l Bella,
N. 404.Dito ao mesmo.Participa*) o Dr.
Joaquim Corra de Araujo em ofnrio de fc-i^,
que tendo rodado a lcoaca que me loi rnnrUMi
pe governe imperial deixara de enlr-r ao ejer-
cicio do cargo de secretario da presidencia aau
provincia, por ler de-prestar aest dala jurara*n-
to e entrar em exereicio do de tenis subsutoto o.
l-'aculdade de Direito desta capital, para o ipil f.;
nomeado por decreto de 4 de maio ultimo ; aaetat
o communico a V. S. para seu junbeciroento c
lins convenientes.
N. 403.Dito ao inspector da ihe eurara pro-
vincial.Em vis das inclusa conta que me re-
melte o superintendente da estrada de ferro fo
Recife a S. Francisco, com offlcio de homem, atan-
de V. liquidar o pagar a despeza proveniente de
transportes dados nos trens daquella estrada por
conta da provincia .durante os mezes de abril e
maio deste anno.
N 406.Dito ao mesmo.Pode V. S. dos ter-
mos de sua informr^ao de 10 do corrente, sob n.
363, mandar equiparar o alugoel da casa em aje*
funeciona a escola do instrucclo primaria do sexo
femenino do povoado da CapuBga ao di aula do
professor do mesmo povoado, eoni%me solieiloa a
respectiva professora Mara Saln de Siqueira
Varejao no requerimenta sobre que ersa a etada
informacao.
N. 407.Dito ao mesmo.Era vista da eoBa
junta em duplicata que me remellen o enefe de
polica com oficio de hontem sob o. 857, roano
V. S. pagar a Francisca Gamito da Boaviagem,
para isso indcalo, a quanlia de 42*097 promi-
ente da despeza feita com o aluguel da easa qne
no termo do Ex serve de cadeia desde 22 de ae-
vemhro do anno prximo passado a 30 de abril
ultimo.
N. 408.Dito ao mesmo.Era vista das dat
inclusas contas documentada que roe remellen
oehefe de polica cora offlcio de hontem sob d.
858, recommendo a V. S. que mande pagar ao ba-
charel Joaquim Jos Ferreira da Rocha Jnni..r.
para sso indicado, a quantia de 4:918^138, pro-
veniente da despeza feita no mez de marg nirim
cora o sustento dos preso3 pobres da casa de de-
lencao desta cidade.
N. 409.Dito ao mesmo.Em resposla ao ofi-
cio de V. S. datado de 10 do correle sob a 360.
tenho a dizer-lhe que approvo a arreoMUea
feita por Bartboloroeu 4 C. peranie a juola dea*
thesouraria com o abate de 5V* o fornecimento
dos medicamentos a enfermara da casa de deten
cao ao exereicio prximo vindouro, dardo por
liador o preprietario J s Kogoeira de Souza
N. 410. Dito ao mesmo.Com a iabrmacao
junta por copia do delegado do termo de Plores.
a que se refere o do ebefe de polica datado de XI
de maio ultimo, sob n. 771, respondo ao etJtnod
25 de fevereiro deste anuo sob n. 126, enm que
V. S. empugnou o pagamento integral da desee
na importancia de 2I3OO tata com o sustento
dos presos pobres da cadeia do teme de Flore?,
no mez de dezembro do anno prximo passado
como se v da conta junta qo6 incloso devotvo.
N. 411.Dilo ao mesmoAutoriso V. S. a aro-
ceder de conformidade cem o lioal de >na infor-
macao de 10 do corrente sob n. 361, acerca do
que sollicitou o bacharel Felippe Nerv Cottari-.
rehalivamenle a arrmataca.j da impreseao e ei-
blieagao dos trabalhos das difkreotes repartigocj
provinciaes.
4* secgao.
N. 413.Dito ao presidente da provincia do
Para.Vio ser oportunamente enviados aos mi-
nisterios brasileros em Franca e na Blgica e
cnsul geral om Genova os oficios que para te-
rera esse destino, V. Exc. se servio remoller me
com o seu de 7 do correle.
N. 314.Dito ao Dr. Jos Mara Correa de S
Benevdcs, presidente do Rio de Jaaeiro,TeoV>
a honra de acensar o recebimenta do offlcio do i'
do corrente no qual V. Exc. me commnnica ha ver
n'aqnella data prestado juramento perante a cma-
ra municipal da capital e tomado posse do carga
de.presidente dessa provincia, para o que foi Bo-
rneado por carta imperial de 20 de abril ultirr.
N. 415.Circular .ao presidente da provincia d
Ro Grande do Norte.- Tenho a honra de aassar
as mos de V. Exc. os dais incluzes exeroplare
do relatorio com que o Exm. presidente desu pro-
vincia o senador Frederieo de Almeida e Akn-
querque abri no dia de abril ultimo a es*:
ordinaria da assembla legislativa pr>vnriaL
l..'u:--l aos deraais presidentes das provincias J
sl e norte.
N. 410 Dita' ao gerente da companhia Pernam-
bucana.O Sr. gerente d companhia Pern imbu-
cana mande por a disposigao de Eolalio d'Albu-
querque Henrique duas passagens d'estil > a r
at a provincia da Parahyba.
N. 417.Dita ao mesm'j.O Sr. Gerente do,
companhia Pernambucana mande por a di>n-a?ic5i>
do juiz municipal de Penado, Dr. Joao B.iptista
Pnheiro Corti Real, 3 passagens d'eslado cade i
a r e urna a proa no vapor que tero de seguir
para o sul no dia 30 do corrate.
EXPEDIENTE ASSICNADO'PELO SR. DK. ELIA rHXDEKi-
C0 DE ALMEIDA E ALBl'QVBBQUE, SECRETARIO >
GOVERNO, EM 14 DE JTKHO DE 1870.
1 seegio.
N. 418.Offlcio ao Exm. Sr. genera'.S. Exc.
o Sr. vice-presidente da provincia tendo nesta data
mandado satisfazer o pedido do commandante d <
fortaleza do Bruna, assim o manda communicar
V. Exc. em resposta ao seu oficio n. 318 de II
do corrente.
N. 4.19.Dito ao mesmo.De ordem de S. Ear.
o.Sr. vice-presidente da provincia, declaro a V.
Exc. era reposta ao sen oficio n. 317 de II do
corrente, que nesta data se mandn faasr es coa-
cerios e pintura mencionados no pedido do enea-
mandante do liarte do buraco, a que se refere o
seu citado offlcio.
N. 420.Dito ao capillo do porto.De orlen
de S. Exc. o Sr. vice-presilenu da prometa
transmiti a V. S. o incluso exmplar do relatara
que foi apresentado pelo Exm. Sr. ministre da nta-
rinba assembla geral legislativa por oeeaMn
de seus trabalhos neste auno.
2." secgao.
N. 421.Oficio ao chefe de polieia.De ordem
de S. Exe. o Sr. rice-presidente da provincia com-
munico a V. S. para seu conhecimento que expe-
dio-se a conveniente ordem nesta data, a tbaeseu-
raria provincial para mandar pagar a Francisn
Canuto da Boa-viagera, a quantia de 42JMI nm.
proveniente da despeja feita com o alugoel da easa
que serve de cadeia no termo do Esa, deadn t&
de novembro do anne prximo paasado al 30 de
abril ultimo.
N. 422.Dilo ao mesmo.Sua Exc. e Sr.Nice-
presidente da provincia manda declarar a T. IV
em resposta ao seu offlcio de hontem dtalo, ief>
n. 858, qne nesli data foi expedida a
ordem a thesouraria provincial, no sentido de
paga ae bacharel Joaqnm Jos Ferrara da
Jnior, a importancia de 4918*138 reis,
uiente da despeza feita no meado maie ultime,eoni
alimenticio e dietas dos preso pobres de cae d
detenglo. ._, _,
N. 423.-Dito ao iniz municipal de IU
Exra. Sr. vice-presidente da pioiincia i
municar a V. S., que fot- mandado anr
general commandant das ariaa^en i
exercito o orphio tuix, de "
de 6 da correte, sendo mandado bregar i a-
paremos o de nome Floriano,por a toaoenaoper-
miflir qne fesse admittido nos arsenal o guerra
oo marinba
N..4SV-Dfto tto alteres Cesarde Soaa

. nana


Bita de Peraambaco Terqa feir 8 de Novembro d 1870
I

/:
r



-*-
O Exm. Sr. vice-presidente da pro viada aaaada
declarar a V. S., em resposla ao seu offlcio de 13
do mea passado, que j furam expedidas a conve-
nientes urdeo para serem pasosos seas veni-
tnentos.
4.*aotrjto.
N. 425.-0**o ao Dr. Francisco Teixeira de Si
primeiro secretarlo da assembia legislativa pro-
rincial.N. 15i-i>e ordem de S. Exc. o Sr. vi-
ce-presidente da provincia, traasmitto a V. S.
para lerem o conveniente -destino, 40 exetnplaros
do rea tono com que-o Exm. Sr. presidente sena-
dor Fre Jerco de Alroeida e Albuquerque, abra a
presente sesslo da assemola legislativa provin-
cial, no dia i* de abril ultimo.
N. 426.Dito ao Dr. Joaqun) Correia de -Aran-
jo.Sua Exc. o Sr. vice-presidcate da provincia
manda declarar a V. S., que pelo sea offlcio de
hoje fleoa inteirado de que tendo-se lindado a li-
cenca de 4 mezos que Ihe foi concedida pelo go
verno imperial, deixava de assumir o exercicio do
carge de oecretario da presidencia por ter nesta
dau de prestar juramento, e entrar em exercicio
do de lente substituido da faculdade de direito
para o qual foi nomeado por decreto de 4 de maio
ultimo.
N. 427.Dito ao superintendente da estrada de
ferro.Pela secretario do governo 9e communica
aolllm. Sr. snperintendenle da estrada de ferro do
Recife a S. Francisco, em resposla ao seu offlcio
de hontem, que transmittio-se as thesourarias ge-
. ral e provincial, para os flns convenientes as cen-
ias que vieram annexo ao citado offlcio.
PERNAMBCO.
&EV1STA DIARIA^
AUTORIDADES POLICIAES.Por portarlas da
presidencia da provincia, de 3 do crreme foram
Humeado:
Subdeleaado do di~triclo de Carsaipe, do tormo
de Agua Preta, lerculano Francelino Cavalcante
de Albuquerque.
Subdelegado e suplientes do districto dos Mon-
te?, do termo de Agua PretaJoaquim Lucio
Munleiro da Franca, Jos Iriooo da Silva Santos,
Joao Glaudiano de Inojou Varejo, Cbrlstovo Jo-
s Machado, Leocadio Antonio de Leao, Manoel
Elias Temudo Lcssa, Leao Diniz Machado.
Subdelegado e suplientes do districto da Pe-
nha, do termo de Floresta"Antonio Goncalves
Torres o S:lva, Jdo Goncalves Torro3 e Silva,
Cypriano Gomes de S, Jos Victorino da Silva
Barros, Antonio Alves da Luz, Francisco Gome?
de S, Francisco Victorino da Silva Barros.
DIV1SO POLICIAL.Por portaras da presi-
dencia da provincia, do 3 do corronte, foram crea-
dos doDs districtos de subdelegada :
Uno na freguezia de Fazenda Grande, do ter-
mo.de Floresta, com a denominaco de districto
da Penha, tendo os limites seguimos : dividir
com o districto do Fazenda Grande .na ribeira
tcntre as serras, aonle divido o quarteiro dc-te
nome com o do Poco de Pedra, rumo direito ao
sudoeste ao riacho" de Capim Grosso, no lugar si-
tio do Malina?, aonde divide com o quarteiro de
Capim Grosso, segtiindo o mencionado rumo a
niestna direceo at encontrar as aguas do rio S.
Francisco, aonde divide com o tormo do Cabreb,
subiudo pelo mencionado riacho do Capim Grosso
at onde dividen) as aguas com o termo do Car
brob, inclusive o quarteiro da Serra do Ara-
pu e o sitio do Malina*; para o nascente e nor-
deste dividindo com a freyaezia da Serra Talhada,
e termo de Villa Bella ; e para o norte e noroeste
dividindo cou a freguezia e termo do Salgueiro.
Oulro no termo de Agua Preta, com a denomi-
naco dedji>trct> dos-Montes, eomprehendendo os
limites da fregaezia dos Montos, e tendo o 3* desse
termo.
FACULDADE DE DIBEITO. No da 7 Azo-
ra m acto os seguimos al ainos:
1 nnno.
Aristides David Madeira, simplesmente.
Agostiaho Augusto Bezerra Cavalcanle, idena-
mente.
Antonio Clementino Accioly Lin?, iJem.
Gelulio Augusto de Carvalho Serrano, idem.
2* anno.
Theophilo M -reir Guerra, simplesmen'.e.
Jos de Barros Franco, plenamente.
Braz Bernardino Loureiro Tavares, simples-
mente.
Joio Coelho Minteiro da Franca, plenamente.
Antonio Pereira de Castro, simplesmente.
f.uz Jos da Franca Olvcira, idem.
3o anno.
Antonio Jos de AIrueiJa Pernarabco, pleoa-
nrato.
El-'zio Alberto Silveira, idem.
Jos Anortado da Silva Guimare?, idem.
4 anno.
O: o nras de Arruda Falco, plenamente.
ii j libefro da Rocha, idem.
LevigilJj Goncalves de Carvalho, idem.
3 anno.
P li i Ja Contal Delirio de Atinjo Pereira, ple-
na.:
.. i 5 iliao do Monte, dem. .
Al valrc Bernirdino de Figuciredo Res e Sil-
va, idem.
Jjs Angosta Ferreira da Costa, idem.
A NOVA IGREJA DA PENHA: VeriBcon-se
lie h'tem, s cinco e meia horas d tarde, o
I ;i aiueuto da primoira pdra da nova igreja da
P< nha, afsi.-tindo ao acto S. Exc. o Sr. presidente
da provincia, maltas pessoas gradas e um concur-
so isaanauo de novo qae enchia litteralroente o
paleo imra-muros do convente dos religiosos ca-
pueblanos.
A pedra marmore, que conlioha as inscripcoos
liabitnaes nestas ceremonias, achava-sc nacapeli-
ulia, onde se praticam os aclos religiosos actual-1
meule, e.dahi foi levada em procisso para o fun-
do d) paleo interno, e deposta n'oin aliar levaota-
do sb um barra:ao all construido no lugar da
capella-mr do novo templo.
Nesse local recebeu ella .as bencos rltuaes com
todo o ceremonial* religioso, e d'ah focondazida
so lugar ondo devia Bear no fundo, do alicerse
correspondente ao arco do cruzeiro que. d ingres-
so para a capella-mr da nova igreja.
Neste ultimo lugar acharase urna grande pe-
dia com urna abertura quadrangular no centro,
onde foi deposta urna caixinhado folha de ferro
galvanjsada, contando nao sim pergaminho com
urna autheolica do acto do lancameoto ; mas
Umbem algumas moedas da aclualidade. Sobre
<:ssa caixa e n'outra abertura da grande pedra,
formando embutido, ollocou-se a lapide marm-
rea de que cima fallamos, devidamente cimen-
ta la.
S. Exe. o Sr. presidente lanceo a primeira p do
cimento.ligador e d a primeira marlelada, ser-
viudo-se para isso de urna p e martelo de prata,
que ein salvas do raesmo metal foram para alli le-
vadas na procisso j dita. Depois des. Exc, va-
rias otras pessas, entre as quaes os paranym-
phos da pedra, salisflzenm a mesraa ceremonia,
(inda a qual e bem assim depois de encerradas as
orados, seguio a procisso para o barraco, onde
logo depois o Rvd. Fr. Venancio, snbindo ao pul-
pito, fez orna alocuc>o sobre o assumpto da
testa.
Oflleioo na ceremonia religiosa S. Exf. Rvma.
o vjgario capitolar da.iiocee, fovernader do brs-
pauo.
Fez as honras militares ama guarda de honra
da guarda nacional da capital.
-Va occaslo precisa das- heraos repicaran) le-
fias as Igrejas da rn-l'] 8 abiram ao ar mailas|
gyrandolas de fo"neto.
Eis o distied da pedra :
Ho dia 6 de novembro do anno de 1870, ne
Teinado de S. M. 1. D. Pedro I!, sendo presidente
da provineia o Exm. Sr. conselbeiro Diogo Velho
Cavalcante de Albuqnerqne, 03 missionanos apos-
i-licos capuchinhos lancaram a primeira pedra
da nova igreja de Noss Senbora da Penha, era
submtuico da qoe tinhi sido erecta no anno de
16o3, sita duzentos e selenU palmos distante da
presente ; sendo actualmente commissario geral
dos mtssionaos o Rvm, padYe Fr. Caetano de
Messina, e prefeito desse hospicio o. Rfd. padre
Fr. Seraflm de.Catanea. d
FRIME.NTO GRAVEL-JIo ^abbado s 2 hgras
da tarde, no lugar denominado Fando, do distrlC'
lo de Bobenbe, Manoel Ferreira Carreiro ferio gra-
vemente, com um tiro de espingarda, Simao de
Souza Santos, pelo frwol motivo de ha ver o offen-
dido pergantado i Carreiro se Ihe quera vender
aquella arma. O criminoso foi preso -era. fla-
-M-inie.
DINHEIRO.<3 vapor Ipojuea trouxe as se-
gnintes quaotias para os Srs. :
Parante Viaona 4 C
ornes de Mattos & Irmos
A. Seqneia
os Lnii Goncalves Perreira A C.
Leito> Irmos
'asso rmos k C.
Ifredo Garca & Irmo
A. A. de Sou Afuar
Loyo Sobrinbe 4 C. 1.100^08
Vianna dt Gnimares 1:0004000
Mondes & CobUto 560*000
Jos Joaqnim Das Fernanles 500/1000
Manoel Alvos Barbes. 26000
PASSAMENTOS^-Deu hontem alma a fJroador
o antigo medico d'est cidade, r. Ignacio Firmo
Xavier, victima de padeciraentos chronicos.
Na capKal do Cear, fallecen, oo dia 28 do
paseado, de affec^ao palmonr, Sr. loso Moreiro
Lopes, antigo comraerciante de nos praca.
ESCOLA N(JRMAL.-Fizeram exame hontem os
alumnos seguintes :
i anno.
Antonio de Medeiros Mafra, plenamente.
Manoel Ildefonso Pena-Forte, idem.
Aurehano Jos Themoiheo, simplesmente.
Antonio Belarmiuo dos Santos Leal, idem.
Angust)Adriao Paulino da Silva, idem*
Anuncio Antonio dos Santos, idem.
2o anne.
Jos Firmino Ribeiro, plenamente.
Booonio Rosa de Lima Leal, idem.
Vindimal Ribeiro Soare?, simplesmente.
Miguel Arcnanjo da Silva Braga, plenamente.
CIRCULAR.Damos era seguida a circular que
ao corpo eleitoral de Pernarabco dirige o Exm.
monseohor Pinto de Campos.
S. Exc t m prestado muitos e incntestaveis
servicos ao pata o especialmente esta provincia,
e pois ninguem tem msis direito do que S. Exc.
um lugar na lista sxtupla que Pernambuco vai
dirigir dentro em pouco sabednria da corfla,
que della tem de escolhor dous .senadores do im-
perio.
Nao esta a primeira vez que o monsenhor
Campos solicita essa honra ao c : p > eleitoral ;
se antes seu nome foi incluido no uumero dos" vo-
lados para senador, agora sem duvida essa hon-
ra Ihe nao ser recusada, tanto mais qaanio S. Exc.
rene emsi os predicados que recommenda a'ccns-
tiiuic.) do imperio.
Eis a circular :
A lodo?, e a cada um dos Sr?. eleitores.Ne
obstaste, j lar lido a honra de dirigirme ao dig-
no col-po eleitoral da provincia, pelo Diarjo de Per-
nambuco de 28 de agosto, rogando a'sua benevo-
lencia para comigo na presente elefco senatorial;
eomiado, approxiinandose o dia dessa solemijp
manifestacao da consciencia.publica, no mais serio
dos exercicios dos direilos de soberana, e inde-
pendencia de um povo, que presa os foros de sus
iberdade ; o nao podendo, pela brevdade do lem-
po, dirigir-me pessoal e directamente a todos, e a
rada um de per s, para Ihes rogar a honra de setr
voto; recorro tribuna universal, com o flm do
por seu ntermeio preencher o dessjo, quo a im-
possibidade physica me nao permiti realisar.
E, pos, confio que os mcus amigos e alliado
polticos, m acceitando esta alisfacco, qne mo-
ceramente IIil'3 do ; se dgnem de hourar-me
ainda urna vez com os seus suffragios, por cuja
confianca e favor ser Ihes-hci perpetuamente agra-
decido. Recife, 6 de novembro do 1870. Joaquim
Pinlb de Campos.
LOTERA.A quo se .ocha venda a 169.' a
beneficio da nova igreja de Nossa Sonhora do Pa-
tilla, a qual corre no dia 12.
CEMITER10 PUBLICO.-Obituario do dia 4 de
novembro :
Ermelinda Amelia de Barros Correa, branca,
Pernambuco, 32 annos, soltsira, AITogados ; hy-
dropesia.
Joanna Alves da Silva, parda, Rio de Janeiro, 32
annos, solteira, Santo Antonio, myslite.
Romana, preta, Pernambuco, i 1 anno?, S. Jos;
ttano traamatico.
Julia, preta, Pernambuco, 3 uiews, Boa-Visla ;
espasmo.
Antonio Lucas de Farias Leile, pardo, Pcrnara-
boco, 50 anno?, viuvo, Itecife; hemorrhagia cere-
bral.
Josepha Maria de CooceicSo, parda,"Pernambu-
co, 2i anno?, solteira, S. Jos; syphils.
Geltrude?, e;crava, preta, Pernambuco. 39 annos,
solteira, Nossa Senhora da Graca ; cancro uterino.
Custodio Manoel Goncalves, branco, Portogal,
75 armo?, vinvo, Boa-Vista ; enveunamento.
Thom, preto, Maranhao, f>0 annos, solteiro, San-
io Antonio ; hyperlrophii no coracao.
_Marcolina Alves de Souza, perda, Pernambuco,
27 annos, solteira, Boa-Vista ; cmaros de sangue.
minha defeza na injosta ai
foiadi
qne aproveitavam
gressao, que esses religiosoi me fizeram
rao memorar as mais nofaviU virtudettfiste D.
Quiote dos tempes modernos, qoe veiovi esta pro-i
rincia com o flm de iirdlr o publico", com o dfcsif-
Bio-de amarrar-rm*, e remetter-me para a Bihi, a
fater do rolm presente ao celebre Rvd. Fr. Joao t/O-
cas ; foi finalmente o de nao poderes competentes as boas obras desses bons fra-
tes, que me quizeram arrastrar petas ras da
amargura, principalmente pelo enme da ter eu
libertado a 8 escravos, entao alvos de tantas an>
Incoes.
Ser mais pradenterqoo esse elogiador se limite
a tecer callado soa cora de loaros para cingir a
fronte desea adorado (cajo dever tinha por base o
absurdo, qoe era a soa forca) sem me envolver
nosseasjecidos ; porqno pode acontecer que eu
anda Ih'fornrcfalguns espnho?, que possam fe-
rir a caneca de too dedicado martyr da ordeno car-
melitana. Em lodo caso fique o publico sabendo,
que todas essai cousideracoes adrede prodigalisa-
das pelos Rvd?. do Carino do Recife ao virtuoio
es:ravocrata Fr. Alexandrino, frente dos quaes
esl um dos mais coahecidos jacobeos, a espe-
ranca ainda que bom mal fundada, de qne aquellc
celebre visitador alcancra na Bahiaque flqae o
pobre do convento do Carino de Girada anda con-
deno nado no flm da existencia a ser incorporado
>ssim por tima espocie de reboque ao convento do
Carmo do Recife .. Em verdade, a derrotaos
tem feito delirar. Mai a culpa nao foi minha :
elles que se queixem da opiniao pblica, qne toda
inteira maaifestou-se pela justica de imoha causa, se Soda o praso do pa
apezar de minha insensatez; elles qneclamem posto pessoal,_relativo
contra o louvavel procedimento e probidade do
Illin. Sr. Dr. chefe do polica ; e ainda raals da
prudencia do Exm. Sr. vigario capitular, cojas
virtudes s serviram de aotepdr s prepotencias
de Fr. Joo Lucas da Bahia, e das quaes tao de-
sastradamente servir de pombocorreio o mullo
virtuosamflfcirmao era Christo, Fr. Alexandrino
Figueira. Em tolo ciso Deus quo o tenha l
com o Fr. Jlo Lucas, em santa paz, sto no
claustro da Baha.
Frei Joao do Amor Divino Mascarenhat.
era virtoOe do art, 46 das disposIcSes geraes da
le proviueial n. 965, de t de jnibo do correte
anno, fax publico a quem. interessar, qne consi-
lo rescindido o controlo feito com Lniz Jos
i da Costa do arrsndamento do terreno dev-
ralo com 38 palmos de frente jilo i ra de 8.
Pedro Martyr, estar' novaroente em praca dito
terreno nos dias 8, 9 e 10 do crtente mez, ser-
vmdo de base a quantia de 44100 r$. por quanto
se ochava arrendado, adra de ser aforado perpe-
tuamente ao mesmo Lnit Jos Pinto, on a
quem maleros vantagens afferecer.' Assim como,
tambem so achara em praca nos aobreditos dias,
o arrendaraento de um terreoo alto roa do Al-
jube desta mesraa cidade, com 83 palmos de fren-
te e 62 do (nado, pela quaotia de 8300 r?. na
razi de 100 rs. o palmo.
. Os pretndeme? de'vero comparecer nos indi-
cados dias.
Paco da eamara municipal de Olinda em ses-
sio de 4 do novembro de 1870.
Manoel Antonio- dos Passos e Silva.
Pro-presidente.
Mareolino Dias de Araujo
Secretario.
COMPANHU PERNAMBCANA
DI
Waregaf io coste Ira por rapor.
Mamanguape.
O^rapor nacional Coruript,
commandaote Silva, seguir
para e porto cima no ota 12
do correte as seis horas da
tarde.
Recebe carga naasaseiroa,
encononendas. e dioheifo a frete at as2 horas da
.tarde do dia da sahida, no escriptorio do Porte
do Maltes n. 12.
relbo de poreaana para cha, 3 aMo As *
jamar, 5 garrafas do ehrystaJ para ruabay 1
poietras, copeo pora agna, caliea, 3 Mpaajaarfraa-
ireo de aoaroBo, 1 banfeobm, t gnomo
DECLARACOES.
Pela recebedoria de rendas internas geraes
se faz publico que neste mez de novembro que
se Anda o praso do pagamento, sem malta, do im-
ao Io semestre do exercicio
brrente de 1870 71 lindo o qual ser cobrado
com a malta de 6 010.
Recebodrfa de Peruambuca 2 de novembro de
1870.
O administrador,
Mano=l Crneiro de Souza Lacerda.
Vicente, preto, Pernambuco, 3 mezes, Recife ;
espasmo.
Jo^ Frsnci=co de Aguiar.bnnco, Portugal,.38
anno?, solteiro, Boa-vista ; ttano. Hospital Pe-
dro II.
Manoel Francisco da Silva, branco, Pernambu-
co, t^ nnos, solteiro, Boa-V3ta ; tubrculos pul-
monares.
Delraira Mara da Conceicao, parda, Pernambu-
co, 20 anuos, solteira, Boa-Vista ; tubrculos pul
monares.
Lulza, escrava, preta, Peruambaco, 28 annos,
Boa-Vista ; cereorite.
Maria Rosa da Silva, parda, Pernambuco, 45 an-
nos, solteira, Santo Antonio ; ttano traumtico.
Amplia Carolina'Gomes, bran;r, Parahyba, 11
anno?, solteira ; anazarca.
f>
Manoel los Crneiro, branco, Portugal. 10 an-
nos,.Santo Antonio ; febre ataxica.
Manoel, branco, Pernambuc, 3 das Recife ;
ttano. '
Marcos Aoapito Xavier Ramo?, branco. Per-1
nambuco,. 32 anuos, casado, S. Josq ; phtysica
pulmonar.
Virgilio, branco, Pernambuco, 6 anno?, S. Jo.
febre perniciosa.
Brgida Mara da Conceicjio, parda, Pernambu-
co, 56 annos, solteira, S. Jos ; hypetrophia do co-
racao.
Maria, parda, Pernambuco, 3 mez.1?, Recife :
convulsoes, -
Gordolina Maria da Conceicao, parda, 36 annos,
solteira, Recife ; tubrculos pulmonares.
Joaquina Josepha dos Santos, paria, Pernam-
buco, solteira, Boa-Vista ; tubrculos pulmona-
res. Hospital Pedro 11.
Jacob, prelo, frica, 60 annos, solteiro, S. Jo-
s, escravo ; paralysia.
Monte Pi Portuguez
Esla socedade procedendo i sua eieigo no dia
6 do corrente, foram cltitos os seguintes senhores
para a directora de de 187071.
Joaquim de Gooreia Cordeiro.
Joaquim Vilellade Castro Marta.
Jeroaymo Bruno.
Se:uhdinoJosc de FariasSimSes.
Para vogaes do directora.
Antonio Lino Pereira Dutra.
Arclnnjo C) de Gonveia Cavalcanti.
Mantel Leopoldo Soare?.
Flix Francisco da Paj.
I'ara orador.
Dr. Joaquim M. Cameiro Vlella.
Para (hesoureiio.
Jos Roqne Antnnes Vfllaca.-
Para commisso le comas.
Maooel Joaquim Oias.
Manoel de Miranda Castro.
Domingos Bruna
IV. 182.-AGUA DS" FLORIDA DE MRRAY &
LANliAN.Os gastos sao to variaVeis relativa-
mente perfumas como os vinho?. Cpm tudo to-
dos os gourmets admirara e preciara a champa-
nha de Cliquot; e as senhoras de bom gosto e
refinadas percepcoes, almilem que aragranci
da agua de Herida do Murray & Lanman, excede
a toda qualijaer outra essencia floral. E' o ni-
co perfume .usado na America do Sal, e se bem
que pouco ha que ella foi mtroduzida neste mer-
cado com ludo encontra igual favor o aceitacao
por meio .las nossas bellas patricia?. Ella extra-
liidj de fl-.Tes colhidas em toda a sua fresquidao,
porm desdo que a vpge'.aco aromtica da flori-
da, mais odorfera do que a da Europa, agua flo
riela ( da marca commercial cima mencionada ),
posse por sem duvida, um aroma mais rico e de-
licado do qae qialqaer urna outra coraposico
Europea.
NOVO BANCO DE PERNAMBUCO
BALA.NCETEDONOVO BANCO DE PEDNASIBCCO EM UQOf
' DA5AO, EM 31 DE OL'TUBUO DE 1870.
Activo.
Lotras protestadas........ 130:027*670
Bespezas geraes......"... 9:2144670
Caixa.Pelos seguintes valores :
Em ouro amoedado. 901660 ;
Em notas do thesouro
e da Caixa Filial do
.'23-.36J000-: .
139A9I6 24:4285376
N.. 183.AG A DE FLORIDA DE MURRAY A
LANMAN. Em viitude das senhofas serem a
precioso porcelana do barro humano -por isso
mesmo ellas leem .todo o soberano direito elei-
cao de toda a especie de elegante luxnra, qae
arte estimulada pela gataataria poda inventar. En-
tre tojas as que pertencem ou figuram no tou-
cador nenhuma ha que po*sa exceder em arom-
tica delicadfza e fliiura, aquella cima menciona-
da oo alto deste paragrapho. Possuindo ama mi-
mosa e delicadissima fragrancia, .nminamente
til o agradavel em varias formas, j como aun
moseadnra da compleico, excellente misturada
com -agua como meio agradavel para eoxagar a
boca e alvcjar os dente?, finalmente como nm ex-
cellente e admira ve I meio curativo era todos os
casos de nervoHdade.'desmaios, verligens,, alta-
ques hysterico, em si ella merece um nomo na
materia'raeJica, assim como.em occaoar am Iut
par in Jispensavel sobre o toucador. (Afim de se
evitar o desgoslo de se comprar am goaero de
inferior qualidade. nada mais s prec?a fazer, do
que pergunta-se pela agua de Florida de Murray
& Lanman.
De ordem do lllm. Sr. conselheiro Inspector
da thesouraria de fazenda desta provincia se faz
publico que nao tendo comparecido licitantes na
I* e 2" praca annunciada para a arrematarlo das
casos, barraco, forno de otaria, o mais objeclos da
extracta colonia militar de Pimenteiras, fica mar-
cada urna terceira praca que ter lugar no dia 12
do correte, as 2 horas da larde.
Secretaria da thesouraria de fazenda de Per-
nambuco 4 de novembro de 1870.
Servlndo de offlcial maior,
. Manoel Josa Pinto.
Sabbado 12 do crreme, d-jpms ae linda a
audiencia do Dr. juta municipal da 2* vara e pro-
vedor dos retidnos vai praa a requerrmento do
testamenteiro do finado Jos Marlins Pinheiro, o
sobrado de um andar e sotao interno, sito roa
do Pilar n. 119, cora .24 palmos de frente e 77 d
fundo, 2 salas, 3 quartos, e cozraba no solio, ava-
hado por 4 0001 ; escrivo Nunes Ferreira .
Quinta-feira 10 do correte mez, depois de
finia a audiencia do lllm. Sr. Dr. jaiz de orpbios
tem de ser arrematada de venda a casa terrea si-
la na ra dos Pescadores n 20, freguezia de S.
Jos, pertencente ao menor Henriqne filfio do fi-
nado Jos oa Silva Moreira, servindo de base para
a arrematafo a quantia de 1:3304000.
Adminislraco dos corrtios dt> Pmuauuucu
8 de novembro de 1870.
Mala pelo transporte de guerra nacional
Vemeck
A correspondencia quo lera de ser expedida
li jo (8) pelo vapor cima mencionado para a
Bahia e Rio de Janeiro, ser rcebida pela manei-
ra segante :
Macos de jornaes, impressos de quaiquer natu-
reza e cartas a registrar at as 9 lt2 horas da
maoha cartas ordinarias at as 10 Ii2.
O administrador,
Affonso do Reg Barro?.
THEATRO
por
por
PRACA DO RECIFE 7 DE NOVEMBRO
DE 1870.
AS 3 1/2 HORAS DA TABDE.
Cotacoes oQieiaes.
Algodo 1" sorte599 rs. por kil. (sabbado).
Cambio sobro Londres 90 d/v 21 3ti d.
UOOO (sabbado).
Dito sobre dito 90 div 21 3|4 d. 22 d.
UOOO (hnje).
Frete de algodio daqui para Liverpool 5'|8 por
libra sem capa (sabbado).
Frete de couros seceos salgados daqui para Liver-
pool 45| por tonelada (sabhado)
Frete de algodae da Parahyba para Liverpool
. 6i8 e 5 0|0 (hoje).
Freto do assucar da Paralrvba para Liverpool
20j o 0|0 (hoje).
Goucalo Jos Affonso,
Presidente.
Mesquila JuDior.
Secretarlo.
Banco do Brasil
Em prata e cobre.
Ris. .
Passivo.
Capital........". .
Emissao............
Contas correnies com juros. .
Fundo de reserva.......
Massas fallidas a cargo do Banco
Dividendos..........
Lucros e perdas........
183:6703916
08:8123000
7:6003000
.3:4293999
101:4U490
1:5538407
0004400
230300
Ris.
183:6704916
2 i
DEMOKSTRAQO DA. EMISSO
notas do valor de 2004000.
20 ditas
16 ditas
de
de
13:3604000
8:7001000
8:35845
5.9674780
. 4:00040fO
2:2494440
1:4004000
1:329*480
1003000
304000
Ris, ,
4:8004000
2:0003000
8004000
7:6004000
S. E. e O*.
O guarda livros .
Francisco Joaqun. Pereira Pinto
ALFANDEGA-
P.endimento do dia 1 a 5 .
dem do dia 7.....
178:7404041
45:1254111
"223^654132
\ovlnienlo da alfandega.
Volames entrados com fazendas
< com gneros
Volamos sabidos com fazendas
com gneros
113
594
-----707
140
362
-----. 502
PUBLICACOES A PEDIDC.
Descarregam hoje 8 de ontnbro.
Lugar ingiezfi/sadiversos gneros.
Glera inglezaJ/ermitmdiversos gneros.
Barca inglezaZennia idem.-
Barca ingleza/wp^raiorfatinha de trigo.
Brigne inglezIPrt/'rddiversos gneros.
Barca inglezaRrkante diversos gneros.
Patacho americano Water Wiler fariDha de
trigo.
Patacho nacionalJaboatSodiversos generes.
Brigoe InglesClgana -idem.
LBrigae inglez -Phantorfarinba de trigo.
Navio inglezPifeplvora.
Barca franczaloqo Baptistaaltreos gneros.
RECEBEDORIA DE RENDAS INTERNAS
GERAES DE PERNAMBUCO
Rendiment do dia.l a 5 9:919*022
- dem do dia 7 2:5294731
COMPAXniV FBfflZA
E.MPREZA-COIMBRA
Ter^a-feira 8 do corrente.
BENEFICIO DA ACTRIZ
Mlle. Choeberl
SEGUNDO AS BASES DO SEU CONTRATO
Yariadissimo espectculo'
- Dividido em quatro partes.
Ouvertura pela orchestra.
PRIMEIRA PARTE.
Subir scena a mnito linda e applaudida ope-
reta em um acto, msica de Offemback
Lischen et Fritzchen
Personagens. Actores.
Lischen......... Mme. Valmonca. .
Fritzchen....... Mr. Raynaad.
SEGUNDA PARTE.
Mlle. Mariette far-se-ha ouvir na nova e linda
canconeta
JE M'EMPARDITDESPRIT.
Mr. Carn cantar o lindo rondeau das nontes
BRESILIENS.
Mr. Raynaud desempenhar o bello romance
MARTHA.
Mr. Maris exibir a linda canelo
LES GUEUX.
TERCEIBA PARTE.
Subir p*la qninta vez scena a lindissima ope-
reta phanlastica era ara acto, msica de Ad. Adam
lofifl
Pantins deViolete
'. Personagens.
Alcofribas............ Mr. Raynaad.
Pierrot........."..___ Mlle. Brescia.
Violette.............. Mme. Valmonca.
Polichinelle............ Mr. Carn.
QUARTA PARTE
Mlle. Choeberl cantar a novo e linda aria
Fleurs d'amours.
E' esle o espectculo que beneficiada aprsen-
la ao respeitavel publico desta cidade, de quera
espera toda a coadjuvarao e concurrencia.
Os bilhetes achanvse em mao da beneficiada no
hotel da Europa e no dia do espectculo no es-
criptorio do theatro.
Principiar s 8 horas.
COMPANHIA PERNAMBCANA
DE
Naregacio coatelra por vapor.
Porto de Galliohag, Rio Formoso e Taman-
dar.
vapor Ptrahyba seguir pa-
ra os portos cima no dia 10 do
corrente as 9 horas da nonte.
Recebe, carga encommenda;
passageiros e dinheiro a frete nc
escriptorio do Forte do Mattos n. 12.
COMPAiraiA
DAS
ries imperiales.
At o dia 10 do corrente mez espera-se da Eu-
ropa o vapor-francez Sindh o qual depois da
demora do costum seguir para Baenos-Ayres,
tocando na Baha, Rio de Janeiro o Montevideo.
Para condncSes, fretes e passagens, trata-se
na agencia, ra do Commereio n. 9.
No dia 11 do corrente mez espera-se dos por-
os do sol o vapor francez Amazone, commandanie
de Joret, o qual depois da demora do costnme
seguir para Brdeos, tocando em Dakar (Gora) e
Lisboa.
Para condicSes, fretes e passagens, trata-se na
agencia, ra do Commereio n. 9.
COMPANHIA BRASILEIBA
DE
Paquetes a vapor.
Dos portos do norte esperado
at o da 8 de novembro o vapor
Afines, coramandante o Io l-
ente J. Candido Duarte, o qual
depois da demora do costme
seguir para os portos do sul.
Desde j recebem-se passageiros e engaja-se j
iarga que o Vapor poder conduzir, a qual deven
ser embarcada no dia de sna chegada. ncommen
las e dinheiro a frete at as 2 horas do dia da suj
sahida.
Nao se recebem como encommendas seno ob
jectos de pequeo valor e qne nao excedam a duai
arrobas de peso oa 8 palmos eubicos de rnedicao
rodo qoe passar destes limites dever ser embar
jado como carga.
Previne-se aos senhores passageiros que sna.-
passagens s se recebera na agencia, ra da Crui
n, 37 primeiro andar, escriptorio do Antonio Lulz
de Oliveira Azevedo & C.
Para Lisboa
A barca portogueza GratHao, capitao Borges
Pestaa ; para carga a pa*ageiro3 trata-s com
E. R. Rabello A C, ra do Commereio n. 48, ou
com o capillo.
Aracaty
des, 1 barco
viveifo para aaoaoroo o
Quarta-toera t ala
no segando*andar do sobrado sile roa
o. 4, as 11 poras.
LEUAO
a *or>ooe
O agente Oliveira far toiOo, mti
Srs. Keller & C., como MfoMoiariot io
Srs. H. Cotth C., de todos oa pencaen i
cnptorio d'esles, cocsislindo era faatihao
e menores, com moxo, secretarias, (
diversas em feilios, sof, radeiraa
bracos, balean, repartimento de
ros grandes e pequeos, mesada
para dinheiro, prenea e soperiorea livrw
novos para captadores de cartas, reiegm i
de magnifico, machina lytograpbin o
ees, caixa com vidros de amostras da.
Sadrn hollandez, mappa ronodi, e ana
arra de ferro grande, patente inglez, fleo -
(ros objecin 200 caixas cora agua de SeKr. em
de 1,600 garrafas novas varias, viada* do mas-
cu rgo, e mais 60 caixas com vinho tsrdain stj>
perlatvo.
E tambem
na raesma oncariao se far leilo, a dmbeira o
prazo, por ordem e cont do Sr. II. Noasjtvff, dt
cerca de 300 dnzias de chapeos de feftro a do ate-
ta linos e entre-linos chegados do Havre moto al-
tanos navios :
QIARTA-FEIRA
s 10 horas da manha
no primeiro andar da casa ra do ComaMrti
n. 3. conjunta AssociaQo Comroercial.
DE
10 saceos com nozes novas, 5 eo>xat
60 latas com sarrlinhas en calda
Oiarta-feira 9 dn corrente. }
O agento Pestaa far leilo por eonra e ris w
de qnem perteneer, de 10 saceos com awxea ama
e 5 caixas com 60 latas cora sardiahaa ata eaMo,
quarta feira 9 do correlo, s fl horas da am-
anan. no armazem do Annes.
LEUAO
DE
fazendas francezas
suissas e allemas
PARA LIQUIDACAO
Quinta-feira 10 do corrale
J. Carrero levar a leilo, por taa-rveac* da
agente Pinto e para liquidarn, no coaplero a va-
riado sortimenlo de fazendas francezas, saisraa e
allemaa?, proprias do mercado p i u lemu em sta
armazem do largo do Peharinho n. 7, rada so
eflectnar o leilo, s 10 horas do tta cima dato.
Segne para este porto o hiate S. Joo Baptisla:
par^pauagoiroao carga, na ra do Vigario na- ^mito novembro, pelas I
RO DE JANEIRO
Para o Rio de Janeiro segu dentro de oito dias
o patacho brastleiro .-irafte por ter o sea carrega-
mento prompto, podendo ainda receber alguma
coa?a, assim com.o raiadezas e escravos a frele :
a tratar com o seu consignatario Joaquim Jos
Goncalves Beltro, rna do Commereio n. 17.
PARA
o
Rio-Grande do Sul.
A esenna portogueza Aguia, capillo Fonseca.
recebe carga a frete : trata-se com E. B Rabello
C, rna do Commereio n. 48, oa com capitao.
Rio de Janeiro.
Para o porto cima segu com brevidade o bri-
goe nacional Isabel, tem parte do sea carrega-
men'o engajado : para o resto que Iho falta tra-
ta-se com os consignatarios Antonio Lniz de Oli-
veira Azevedo A C, rna da Crnz n. 57, andar.
Rio-Grande do Snl.
Segu com brevidade para o porto cima o bri-
gne nacional Amelia : para o resto da carga que
Ihe falta, trata-se com os consignatarios Antonio
L. de O. Azevedo A C, rna da Cruz n. 57, pri-
meiro andar.
AVISOS DIVEBtOS,
NSTITi'TO ARCIIEOEOGKO fiEKIiNKt
e PEiiunmo
llavera sessn ordinaria qoinla-feira lo o
horas o
nha.
ORDEM DO DIA
. Pareceres e mais trabalbos de comtnii-
ses.
Secretaria rio Inslitoto, 7 de oooembr>*
de 1870.
J. Soare tlAzetedo
Secretario perpetuo.
lrmandade das Almas
Erecta na matriz do SS. Sacraaae&to la
Boa-vista.
De ordeno do irmo juizporno t;r eoaaparecrl
numero de irmos na segunda vez como d?*-rr i-
na o art. 23 do nosso compromisso, para a aovlo,
de novo convido a todos os nossoe irmo* r..
comparecerem em nosso consistorio oa aaaama ma-
triz, domingo 13 do correle, pelas 10 bor,i da
manha, a flm de que renaiJos em numero >pto
possamos considerar me.-a geral. elegemos a flo-
tura mea regedora que tem de reger a aaoo
lrmandade no anno de 1870 a 1871.
Consistorio da lrmandade das almas erecta
matriz da Roa-vista 7 de novembro de W70.
O ""rrivo,
Manoel l. da Silva Jaasor
,ASSU'
AVISO
VISOS MARTIMOS.
PARA
I
Para o indicado porto segu era poacos das o
brigue portoguez Rtalidaie, por ter a maior parte
de sea earregamento prompto e para o ponco qae
Ihe falta a frete barata : trata-se com o consig-
natario Joaqnim -Jos Goncalves Beltro, ra do
Commereio n. 17.
Para o indicado porto vai seguir dentro de seis
dias o patacho portoguez D. Guilhemina, pelo
qne recebe carga a frete commodo, e qnem no
mesmo quizer aprovetar em carregar, queira vir
tratar cem o seu consignatario Joaquim Jos Gon-
calves Beltro ra. do Commereio n. 17.

tos*
LEILOES.
IoEIab VO
DE
marca J F I, 100 saceos com arroz com to-
que de agna salgada
ikmi;
O agente Pestaa far leilo por conta e risco
de quem perteneer, de 100 saceos marca J F I,
com arroz cora toque de agua salgada, rindes de
Liverpool no navio inglez Patriot, os quaes sero
vendidos em nm ou mais lotes, terca-feira 8 do
corrente, s 11 horas da manha, no armazem do
Annes.
LEILO
DK
No Diario de Pernambuco de 8 do corrente
l'SO nma pnblicacio a pedido de nm admirador
das sublimes virtudes do Rvm. Frei Alexandrino
Jos do Rosario Figueira, que, no intuito de ren-
den homenagem a esse cavalheiro intmaculado,
appelldou de insensata a discussJo, qne eu pro-
voque cono aquello Rvm. acerca dos negocios do
Carmo de Olinda.
Sera qoerer conhecer qnem osae thnriferario,
qae naturalmente ser dos do convento do Carmo
desta cidade, ou alguma das victimas immoladas
aos cobres qo o Fr. Alexindrino dorrarooo s
raaos largas em sua menooravel commis>ao, vou
dar breve resposta ao- dKo sen coramunicado, na
parte que m diz respeito.
Se hove insensatez na djscttsslo, qoe proeurei
pela tmprosa estabelecer cora um carmelitano
tao virtuoso fot a de nlo dizer toda as verdades
applfcaveis is ordens carmelitaau do Bahia e de
r? 2' par* de nm* vw ^carera bem eo-
nneeiaas da oplnio publica, que anda ainda en-
gaada ; foi a de rosiringir-me fomento ios lactoi
il:448#773
MOVIMENTO DO PORTO.
Navios entra** o M ?.
Guayaquil 70. dias, barca fraaeera Maris Stefa
de 387 toneladas, capillo Maurin, equnagem 14,
carga cacao; ao mesmo caoMe-' Velo refreo-
car.
Rio de Janeiro 17 dlaa, barca franeeza Saint
Yres, HtJm toneladasi capriao I. Bejeen, eqoi-
pagem H, om lastra; Rahe Senmetuo AC.
Olammf*
Nao houve sabidas.
EBITAES.
Coman mnnicipal desta cidade de Olinda,
Maranhao.
Sepa com brevidade para o porto cima o pa-
tacho nacienal Joven Artkur, para o resto do car-
ga que Ihe falta trata-se com os consignatarios
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo A &, rna da
Cruz n. 67. .
COMPANHIA PERNAMBCANA
DE
Navegando costetra por vapor,
Paxahyba, Nata\, Maceo, Mossor, Aro-
oty, Ceart, Mandah, Acartcu e
Granja.
O vapor Tpojuca commandan-
te, Moora seguir para os por-
tos cima no dia 15 !do corrente
as 5 horas da tarde. Recebe car-
f ga at o dia 14, encommendas
araheiro a frete at as 1 horas da
da sabida': escriptorio no Forte do
^L
Par&o Porto
pwjaMo sabtrRm^a possivel brevidade o brigne
portmjoez UnHh : para carga a passageiros tra
ta-socom os conaignaurio Tbomai do Aqnino
Fonseca A C, na roa do Vigario n. 19.
IIIIAS
INGLEZAS
Hoje
8 de novembro.
Augusto C. de Abren continuar o sen leilo de
nm esplendido sortimenlo de fazendas Inglezas,
por intervenido do agente Pinto, boje 8 do corren-
te, s 10 horas da manha era ponto, om o sen ar-
mazem rna da Cadeia. ______
Lli
DE tIOVKIS
a ra da Praia n. 49, segundo
. andar. i
O agente Pontnal, competentemente autorisado,
vender em leilo os movis segalntes : 1 mobilia
de Jacaranda, 1 candelabro, serpentinas, 1 ibot-
da-roupa .para senhorl, 1 eommod de Jacaranda,
1 meia eommoda de amarello, 1 excellente raeaa
elstica com seis uboas, 1 gnarda-looca, i m*r-
qoens de amarello, 1 sof do dito, 1 mesa rato
da, S conaolos, 1 cama do an?arello para casal, 1
qaaxnheira, om cabido, 1 lavatorio, meio appa-
Perdea-se na noile de domingo 6 do
as 8 horas, na estaco da maciamkamba
fe Apipueos. ao deseer do tremal a aorta
cipal da entrada da mesma esiacio,
ouro, de senbora, tendo nma cadeiazmao a
de ouro ; pede-se a qnem o acama, oa
aquellas pessoas a qnem Ihe for uflsrerida,
lazercm negocio, e se dignarora entregar
dono, em lora de Portas roa do PHar n.
andar, ou bo estabelecimeoto n. 135 i
Salves Beltro dt Irma, qoe dar oa
ito relogio, o recompensara
quem e aoreseatar._______________________
casa"da mim
Aos 5:0001
Bilhetes garantidos.
A rna Primeiro de Marco (oatr'ora roa aje
Crespo) n. 23 e cases do costaaM.
O abaixo aasignado, loado Tendido am acaa
felizes bilhetes nm qoarto a. S33I eom acMp,
um intero n. 1110 eom 9004, e ooiraa sortoa o
1004 o 404000 da lotera qoe so acalma de -
trahtr (168*), convida aos posudore a riram aa-
ceber na conformidade do eo
lo algum. .
Acham-se a venda oo felizes
tidos da "> parte da lotera, a
va igreja de nossa Senbora da Peala (I
se eitrhir sabbado 11 o correlo
PRECOS.
Brinete inteiro
Meio bilbete
Qoarto
Em porco de 100*000 para
Bilbete inteiro
Meio bilbete lijao
Qoarto 1*390
Manoel Hartms Ph
O abaixo assigoado vom par aaa
protestar contra o procedimmaa i
Manoel de Siqneira pela Baos *s>
sna poder o escravo PaOrieaa, ma
iim direito algara, e qae
signado por compra ajo
pneirio, o Sr. SeveriOao da
e bom aacim protesu
que aquello Sr. faca sobra u
o nao pode fazer sobre aaaa
lafraecio das mis iriaiaaaa
O abaixo amignao sabor* m
direito, o fea o preaeole pare ^o oo-^^^i
sejam illodidoa.
Recife, 8 de aovoarta doK
Anaorno Poaaoaar-------
AMA.
Praojaseeanarnaamaj
_ preeUa-aa de ama ama as
ra de poneos posso : ao rao
SLIoja.

k




Diario de PenMuabuco Ter<;a Jaira 8 de NoveaiJbro de 1870.
ESTO DE PREPARATORIOS
AULAS RSPECttiRS PA1U OS AtMMOS QUE TEEM
DE PASEE EXAA1E KM MAHCO PRXIMO, E NO
tM DO ANrtO LECTTO
Rhecrlca e potica.
PhlloMpbla.
eograpbla.
Historia.
Povingaer.
Frutees,
Jos Soares d'Azevedo, professor de lin-
gua e litleratura nacional do gymnasio pro-
vincial do Recife, tem aberto em sua casa,
ra Bella n. 37, aulas especiaos de prepa-
ratorios, para os alumnos que tiverem de
fazer exame em marco prximo, ou do fim
do aono lectivo. Dirigir-se indicada re-
sidencia, a qualquer hora.
Folographia imperial.
Precisa-se de orna ama que cosinhe bem, forra
ou escrava, para casa de pouca familia : tratar
oarnaNoya n. 50, i* audar.
Precisa se de urna ama forra ou captiva que
saiba cosinhar bara o diario de urna casa : tra-
tar ni rna do Duque de Caiias. toja n. 1.
DUVIDAS.
A abaixo assifroada declara a quera quer que
aonunciou no Diario de Pemamtuco vender ier-
ren! proprios do becco do Tambi e ra da Con-
ceieao do bairro da Boa-vkta, qoe tal no o pode
aier, visto como todos os terrenos que pertence-
raraaq extncto vinculado da Coneeicao dos Co-
queiros daquelte bairro partence ao seu casal, e
protesta desde j punir na conformidade da le
aquelle que fuer qualiuer transaceo com os mes-
los terrenos; advertindo por mais esta vei alem
de tantas que j tem feito por este jornal o outros,
3ue os terrenos pertencentcs ao extincto vinculo
a Conctjicao, se estendem pelas mas da Aurora,
Aragao, Conceico, Rosario,- praea da Boa-vista,
becco do Tambia, Hospicio, Camarao, Peres, becco
dos Ferreiros, pateo da Santa Cruz, ra da Matru,
becco de Joo Francisco ra da Imperatrir; e era
banto Antonio, becco da Bomba o ra do Fogo: e
como j se tenha vendido predios que eslao situa-
dos em os referidos terrenos como proprios, de
que se tem ao depois realisado as duvidas, conhe-
cendo as vezes os ibusos para poderem ser mclbor
ytndiloi; pede, portanto a todas as pessoas que
iHteressar, a bondade de irem ra das Cruzes n.
38, no .1* andar, das 9 horas da manbaa s 3 da
tarde, entenderem-se com seu Albo Jo3 Henrique
da Silva que se acha munido dos documentes ne-
cessarios para tirar qualquer duvida que possa
baver ; como tambem pede a quem deve foros a
bondade de os ir pagar para poupar o serom rece-
bids judiches, visto como tem se mandado rece-
bcr de alguns e estes se negam a satisfazerem.
_______Josepha Maria dos Prazeres e Silva.
FOME NEGR4
Pertence-lhe os meios bilbeles ns. 5284 e 4074
da lotera 33i que se ha de extrahir na corte.
O secretario interino,
F.'X. Ferreira.
i A '
fose Francisco Ribeiro de Souza, pungido da
mais acerba dr pelo prematuro passamento de
sua muito presada mae D. Guilhermina Leopoldi-
na de Andrade e Souza, f.-llecida no Rio de Ja-
neiro a II de outubro passaqo, tem a honra de
convidar sem parantes, amigos e discpulos a as-
sistirem s musas que manda celebrar em sua
commemoracao na matriz do Corpo Santo,
as 7 horas do dia 9 do corrente, trigsimo de seu
talleciraento; pelo que se antecipa em confessar-
se grato a esse oflleio de caridade.
Aluga-se
m sobrado de ura andar e soto na ra Velha
u. 92, que faz quioa para o pateo da Santa Cruz,
com tres quartos e dispensa, e e soto com quatro
quartos e com janellas, no primeiro andar e o
sotao para o nascente, quintal e cacimba : quem o
pre'eader diriji-se a ra do Sebo n. 20.
20*1000
E
E PINTURA
DE
J. Ferrara Filela
Desde o dia 7 de abril passado acha-se aberto o
aovo estabelecimento photographle lito ra do
^aougi n. 18, esquina do pateo da matriz. entraba-
mos que desde ento, tem sahido de nossa offlcina
lem geralmente agradado, sendo reeebldos por
alguna com admiracao pelo xtraordinarij pro-
gresa que ltimamente tem (ido a paitetTaphia.
s por outros com alegra, por verem a provincia
dotada com um estabelecimento digno d ella, e in-
Mntestavelmente o primeiro que nesse genero
hoje possue : tambem nao nos poupamos era cou&a
alguma para monta-lo no p em que se acha, es-
perando que o publico de Pernambuco saberi
apreciar nossos esforcos e recompensar nossos sa-
crificios.
Convidamos a todas aquellas pessoas, nackmaes
i esjrangeiras que postara das artes, ou tivetem
aecessidade de trabalhos de photographia a visi-
taren! o nosso estabelecimento, que estar sempre
aberto e sua disposicao todos os das desde as 7
horas da manbaa at as 6 da tarde.
Para os trabalhos de photographia possuimos di-
versas machinas dos melhores autores franceies,
mglezes e allmemSes, como seiam : Lereboors et
Secretan, Hermagis, Thomaz Ross, Voigtiander et
Sonh eWulf. ltimamente recebemos tres novas
machinas! sendo urna dellas propria para tomar
sobre o mesmo vidro 4 ou 8 imgens diversas e
soladas, e outra de 6 a 12 imagens diversas e
igualmente soladas, de sorte que no caso de
fraude concurrencia poderemos retratar sobre
urna nica chapa at 8 pessoas diversas e sola-
das para eartss de visita, e assim em men*s de
am quarto de hora despachamos 8 differenies
pessoas que pecam cada urna, urna duzia de cartoes
mais ou menos, com os seus retratos smente, ou
-'m grupo com outras.
Encarregamos-nos exclusivamente da direccSe
a feitura dos trabalhos de photographia dei-
lando pericia e talentos do distincto pintor
illomao, o Sr.
Jorge A. Roth
js trabalhos de pintura, a aqarela, a oleo, e a
pastel.
O Sr. Roth acha-se ligado a nossa empresa por
ama escriptura publica, e at o presente tem se
Jesvellado na execucao de seus trabalhos.
No nosso estabelecimento aeham-se exposlos ou-
tros trabalhos importante do Sr. Roth, tanto em
miniaturas aquarella como oleo, reiratos
aleo, quadros sacros e diversos outros trabalhos.
Tomamos encommendas de retratos oleo at o
taranho natural, assim como de quadros sacros
para ornamentacao de igrejas ou capel las. Tam-
bera aceitamos encommendas de quadros histri-
cos.
Asseguramos que os precos dos diversos tra-
balhos da nossa casa sao mu rasoaveis.
CART5ES DE VISITA NAO COLORIDOS L 10)500 A
DUZIA
CARTOES DE VISITA COM O COLORDO AO NATU-
RAL A i 6(5000 A DUZIA
Retrates em miniatura oleo ou aquarella de
16 20*000 cada um, indo convenientemente en-
jaixilhado em moldura dourada e regulando o
busto da pessoa retratada de 3 4 pollegadas e
tedo o quadro palmo e meio de tamanho.
Jnlgamos que bastarao os precos cima para
iarraos idea da baratesa dos trabalhos do nosso
jstablecimento, quanto sua perfeicao cada um
venha julgar por eeus proprios olhos.
As melhores horas para se tirarera retratos no
aosso estabelecimento sao das 8 horas da manbaa
I da tarde; entretanto de urna hora s 5 da tarde
am casos especiaes pde-se tambem retratar qual-
quer pessoa.
Nos dias de chuva, ou por tempo sombro po-
temos retratar, e asseguramos que essos dias sao
m mais favoraveis aos trabalhos de photographia
pela docara e persistencia da inz, e per termos o
aosso terraco construido com taes proporcSes e
nellioramentos, que anda chovendo jorros ne-
ihura inconveniente ha para fazer-se bellos re-
A*I AFAMADA
AGUA DE FLORIDA,
DE
;ratos.
_____ J. Ferreira Villela
illllllHJIIKI
Da-se eaa quantia de gratifleacao quem en
tregar a ra d > Crespo n. 19 loja, um papagaio
que hoje o do brrente, s 6 horas da manhaa, fu-
gio, tomando a direccao da ra do Imperador e
Queimado, cujo papagaio levou urna pequea cor-
rente de ferro presa ao pe\
Koubo de cavallos
Roubaram no dia 2 para 3 do corrente do river-
so do engenho Campestre freguezia da Escada,
quatro cavallos, sendo ura de carro de cor casta-
nho claro, frente aberta, os quatro ps calcados,
tem um ferro no queixo, supponhe-se ser um Q,
o mallo bastante grande e tem urna pequea
mancha na barriga. Outro pedrez grande lem o
ferro o na anca ; outro rodado, tem n'uma das
raaos um caroco ; e outro alazao cachito, tem um
p braneo e de segunda muda. Roga-se a que
delles souber dar noticia aos Srs. Campos, Raposo
4 C. : no largo do Carmo n. 1, onde se gratificar
generosamente.
Club do Monteiro.
A primeira partida ter lugar na noute
do dia 12 do corrente.
O emprezario,
P. J. Layne.
AVISO
Nos abaixo asignados declaramos ao publico e
ao respeitavel corpo do commercio, que nesta data
dissolvemos araigavelraente a sociedade que tinha-
mos na taberna da rna do Rangel n. 77, que gy-
rava sob a firma social de Rosa & Primo ; fiean-
do todo o activo e passvo da easa a cargo do socio
AnUnio Odom de Senna Barcellos. Recife 19 de
seterabro de 1870.
Antonio Odora de Souza Barcellos.
Por procuracao de Jos Antonio da Rosa,
____ Joae Pinto da Costa.
Olinda.
Aluga-se um sobrado era Onda pelo tempo da
festa ou por anno : trata-se na ra do Imperador
n. 16, 2 aadar, prximo a travessa do Ouvidor. A
casa sita na ra de S. Pedro Martvr.
Ama.
Precisarse por aluguel de umaseerava que en-
gorme e fac>o mais servco de urna casa de fa-
milia, assim com de eutra que eoziohe e compre:
na ra do AragIo(Visconda de Pelotas) n. 37.
Jos Ferreira de Paula faz sciente ao respei-
tavel publico e ao commercio que no dia 22 de
junho prximo passado dissolveu amigavelmente a
sociedade que tlnha em urna prensa de algodo
com seu irmo Francisco Ferreira de Paula, qoe
y1*** 0D a Arma Paula A Irmo ; e contina
o da 20 de outubro em diante em outra casa
-ora t erma Paula & Spinola, e que por conse-
fumte nada-mag tem cob auella firma, que j
nao deve existir.
Na travessa da roa
das Crozcs n, 2, pri-
meiro andar, da-se di-
nhelro sobre penhores
de ouro, prata e brilhan-
tes, seja qnal for a qnan-
tia. Na mesma casa com-
pram-se os mesmos-me-
taes e pedras.
iiiiiiiiiim
Aluga-se o terceiro andar do sobrado da
ra estreita do Rosario n. 41 : a tratar na ra das
Trincheiras n. 43, fabrica de cigarros, oa na ra
do Imperador n. 4 ; e tambem aluga-se um excel-
ente cozinheiro escravo : a tratar na mesma ra
cima dito, .
UIHIIA1 A LANMAN.
He o mais delicado e mimoso ao mes-
mo tempo o mais estavel de todos os per-
fumes, e encerra em si, no seu maior auge
de excellencia, o proprio aroma das verda-
deiras flores, quando anda na sua flores-
cencia e fragancia natural. Como um meio
seguro e rpido allvio contra as dores de
cabega, nervosidade, debilidade, desmaios,
flatos, assim como Contra todas as formas
ordinarias de accidentes hystericos; de
summa efficacia e nao tem outro queo
iguale. Igualmente, quando destemperada
com agua, torna-se um dentifricio o mais
agradavel e excellente, dando aos dentes,
aquella alvura e. aperolada apparencia to
altamente apreciada e desejada pelas Se-
nhoras.
Como um remedio contra o mau hlito
de boca, depois de diluida em agua,
summamente excellente, faz remover neu-
tralizar todas as materias impuras que se
criam roda dos dentes e das gengivas,
tornando-as duras, sadias e d'uma linda cor
eacarnada. Quanto a delicadeza, riqaeza
e permanencia do seu fragrant aroma, ella
por certo n5o tem igual; e a sua supe-
rioridade sem rival. Ella igualmente tor-
na-se um meio mui excellente, para fazer
remover de sobre a pe le do rosto, toda a
qualidade de brotoejas, ebulicSes, sardas,
pannos, manchas, impigens e espinhas,
Quando se queira servir della como rem
dio para fazer desaparecer qualquer um
destes disfiguramentos, e que tanto desfei-
am as lindas feicftes do bello sexo; devera-
se usal-a n'um estado de dilluicSo, destem-
perando-a n'uma pouca d'agua ; porm no
ratamento de qualquer espinha, usar-se-ha
della pura em toda a sua forca. Final-
mente como um admiravel meio de com-
municar as feigoes trigueuas e paludas,
urna pe le macia e d'uma transparente al-
vura, dando-Ihe urna linda cor de rosa :
para um tal fim, ella leva a palma a todos
os perfumes que se teem inventado'at ho-
je, e existe em plena soberana sem rival.
Bem entendido tudo isto se refere nica-
mente a Agua pe Florida de IIurray d
Lamban.
As imitaces que se tem feito na Franca,
Allemanha, assim como em outras partes;
sao inteiramente inuteis e invaliosas ; por-
tanto recommenda-se mui especialmente
s senhoras, que tenham toda a precauc5o
e cuidado, de quando comprarem, estejam
certas que compram.
A Genuina
AGUA DE FLORIDA
DE
MlIRRAY & LANMAN,
A qual preparada smente pelos nicos
Proprietarios,
LANMANN A KEMP, DE OVA YORK.
Acha-se a venda nos estabelecimentos de
A. Caors, J. da C. Bravo, & C. P. Mau-
rer 4 C. A. A. Barboza Bartholomeu.
ESTABTO MENELEtIEM 1832
Salsparilha de Brislel.
XEOTi^A ORIGINAL
. em Frascos grandes
& C.
AMA
Precisa se de urna ama para cozinhar em casa
de pouca familia : na ra da Soledade n. 68. Pre-
fere-se que nao saia ra.________________
Quera precisar de urna ama de leite sem Q->
Iho, parida recentemente, dinja-se ra da Guia
numero 8.
Cozinheiro.
Precisa se de ura cozinheiro para caia e mnP0
solteiro : no becco da Boia n. 8. w
Precisa-se de urna ama
ra do Caldeireiro n. 52.
para cozinhar : na
priado.
fibbradopara alugar
0 1 e 2o andar e sotao n. 6 da ra do Duque
de Caxias: a tratar no Coracrn de Ouro.
O abaixo assignado sclentlllca- ao publico e
especialmente ao corpo do commercio, que se des-
pedio como caixeiro da casa commercia' dos Srs.
Bastos A Marti ns desde o dia 26 de outubro pr-
ximo passado ; ficando os raesmos senhores obri-
gados pela entrega de sua conta corrente. Recife
2 de novembro de 1870.
____________________J. Giirgel._________
Ama
Precisa-se de urna ama que saiba cosinhar para
casa de urna familia de daas pessoas : tratar na
ra do Visconde Itaparica n. 51, out'rora do
Apollo.
Pga-se bem.
Pelo aluguer de urna ama forra ou escrava para
cosinhar em urna casa de faraila : tratar na ra
da Cadeia do Hecife n. 21, loja.
Preesa-se de um criado de 15 a 16 anoos forro
ou escravo : a tratar na ra flova n. 50, andar.
ATTENCAO
A casa n. 20 da ra dos Pescadores, pertencen-
te ao3 herdeiros de Jos da Silva Moreira, e que
vai a praga do juizo dos orphaos, foreira a saata
casa da misericordia do Recife.
Na ra do Socego, casa n. 34, aluga se urna
escrava. B
AMA
Precisa-se de urna ama para o servio interno
de urna casa de duas pessoas : ra Vigario n 1
3 andar._______ '
Aluga-se a casa n. 8 da ra do Jasmin : a
tratar na ra da Aurora n 50 sobrado.
Ama de
leite.
sem filho: na
Precisa-se de urna ama de leite
ra de Hortas n. 30, sobrado. -
No escriptorio de Leal 4 Irmo ra do
Mrquez de Olinda n. 86, ha ura m: leque para
alugar de 18 annos de idade, apto para-todo ser-
vico
O salao
de cabelleireiro do Javme
barbeiro.
precisa de offlciaes de
AVISO
H VILLA DO UN
Pergunta-se ao Sr. ajudante do procurador fis-
cal da fazenda provincial, se a vista do art. 6 do
rogulamento n. 409 de 4 de junho de !84o,tnan-
dado observar por lei provincial paraarrecadaco
aat decimas dos predios urbanos '; pode ser arre-
matado por venda predios penhorados por divioa
de dcimas, estando o predio allagado, ou moran-
do nelle o dono ou em estado de ser arrenda-
do ? ? l | No caso negativo, como que o dito
ajudante tem atrenataio casas as condicoes ci-
ma e contina.....
E' mais urna proeza da justica do Cabo ; Srs.
ministro e Sr. presidente nos vaina ; olhem'que
Pede-se ao Sr. subdelegado da freguezia de
Santo Antonio, que faca conter urna mulber ama-
sia de um carroceiro que mora no cae3 do Ramos
em urna cocheira intitulada Cova da Onca cuel
sem o menor respeito ao decoro cks familias' une
all moram, larga palavrSes indecentes, e quande
repellida por alguem diz que as familias do lujar
sao tao boas como ella. A V*. S. compele syndiear
do exposto e dar suas acertadas previdencias aflm
de que esse demonio/em forma de mulher
castigada como merece. '
Ulceras,
Feridas Ulcerosas,
Tinha.
Syphilis.ouMal Ve-
nreo
Humores Escrofu-
losos,
Irregularidades do
Sexo
Feminino,
Nervosidade,
Debilidade Geral,
Febrae Malignas e
Febre e Sezes
Biliosas,
seja
Offerece-se urna portugueza para cas~"dc
pouca familia, preferindo estrangeira, costura e
engomma com perfeicao : quem precisar diriia >*
a ra das das Flores n. 8, casa terrea. J
ESCOLA PHARIIACETICA DE PARI8
Medalha de Prata 1860
DE
tlOUEUR
GODRwcom
GUYT
O offendido.
nAacla?^,a,rraol!e e alab"t" OU Nova n.
PnflA-n ^ .. .------. i
Pede-se ao
Sr. piiva-a, i sargento da t'
compaobia do f batalljo d nl/ ^ > *
H ui Moara para ser entregue a
ai Precisa-se de um bom copeiro e de um ser-
vente que seja forro : no hotel francez da ra das
Lvrangeiras n. 10.
Agua petave para Olinda.
O preto Feliciano encarrega-se de cooduzir dia-
riamente agua em baldes (canecos) do Recife para
Olinda, mediante ajuste : a tratar no Varadoaro
com o Sr. Joao Coelho. .
Precisa-se de ama pessoa de conflanca, intelli-
rie e activa, que tenha conhecimento e pratica
Jrogaria : tratar na ra do Imperador nu-
mero t.
EXTRACTO DE ALCATRAO
Mor preparo taiate* 7nXS"
rTA.d* AGUA DE ALCATRAO
litro de agua, ou urna colimad ptf^TZ
dada copo grande.) #-? por
O molOo.or nal. tmertir ..
Exigir firma do inunter.
DPOfiTO Ornan
(lie deiFraia-loirtMk 17
1 Em PARS. 'Stf
Bolua, Silva Lomm Pemenmkmeaam' M
eiO-, na Merece*, f*Bri^^O^ *' *w
Tumores
Abscessos Apostemas,
ErupgSes,
Herpes,
Salsagem
Impigens,
Lepra, febres.intermitientes e remitientes,
hydropesia e ictericia, etc., etc.
Ontro-sim, achar-se-ha, que para o-bom
resultado e perfeito curativo de todas aquel-
las enfermidades cima apuntadas o adian-
tamento da cura, grandemente promov- (.
do e apressurado; usando s ao mesmo
tempo das nossas mui valiosa pilulas
vagetaes assucaradas de Brlstol,
tomadas em dose moderadas em connec-
55o ou conjunctamente com a Salsaparrilha;
ellas fazem remover e expellir grandes
quantidades de materias morbficas e hu-
mores viciados que se desprendem e livre-
mente circulam espalhados pelo systema,
isto causado pelo uso da Salsaparrilha; e
por esta forma facihta a volta e o exercicio
normal das opefacoes funecionaes,
Acha-se a venda nos estabelecimentos de
A. Caors, J. da C. Bravo & C., P. Maarer
AMA
Precisa-se de urna ama que saiba cozinhar : na
rna do Codorniz n. 8.
= Precisase de urna ama para tratar de urna
recemnascida : Ha ra Direita n. 127, 2 andar.
Prepara-se almoco ou jamar, tudo agosto da
pessoa, prometteudo-se assoio e modicidade nos
pre?os: quem precisar dirija-Se ra Direita n.
28, 2o andar.
Otierece-se urna mulber branca de boa con-
ducta e meia Idade, para fazer companhia a urna
familia e tambem servidos: quem precisar dirja-
se ra Direita n. 81.
Feitor para sitio
Anda se precisa de am feitor para pequeo
sitio no Corredor do Hispo a 31.
w
' Arrenda-se pela fetta ama casa n
i trar no sitio ia Vanea:
S.J0I0.J
OGRANDE PURIFICADOR DO SANGUEI
Esta excellente e admiravel medicina, e
preparada d'uma maneira a mais scientifl-
w por Chimicos e Droguistas mui doutos e
a urna nstrucgao profunda, tendo tido mui-
wm annos de experiencia ao par d'uma lon-
fte laboriosa pratica.
A sua composicao n5o consiste d'um sim-
ple extracto d'um s artigo; mas sim,
composta d'extractos d'um numero de rai-
jes, hervas, cascas, e folhas, possuindoto-
aas ellas, sua virtude especial ou poder
n curar as molestias as quaes teem sede
ou essento, no sangue ou nos humores;
e estes differentes extractos vegetaes, acham-
se por urna tal forma combinados ponto
de conservarem em toda a sua forca, o cu-
rativo especial de virtude, que cada um de
per si possue. A raiz da planta de Salsa-
parrilha, produzida as Honduras, a que
rn HUSamos nesta preparaco, sendo a qua-
lidade que todos os mdicos mais prezam
e estimam. Na composicao da Salsa-
parrilha de Bristol entra mais de 50
por cento deste concentrado extracto. Ella
nao encerra em i cousa alguma, que pos-
sa por leve ser perigosaou injuriosa
saude; e tanto n'este, como em quasi to-
dos os mais respeitos, ella inteiramente
diversa de todas esaas mais preparacoes,
as quaes debaixo do nome de Salsaparr-
Iha, sao accondicionadas ou postas em gari
rafas pequeas, sendo recetada em doses
mui diminutas d'uma colher de cha por
cada vez. Nos pelo contrario engarrafa-
mos a
SALSAPARRIRA DE BRISTOL
em frascos grandes, e assim por este modo,
dividimos com os consumidores, o grande
proveito e vantagem alcancado por aquelles
que acondicionara sua preparaco em gar-
rafas pequeas. Cada um dos frascos da
nossa Salsaparrilha de Brlstol
oonteem a messa quantidade igual por^ao
contidanaquellas garrafas pequeas, e alm
disso, possue ainda muito mais forca e
virtude medicinal do que aquella, que por
ventura se possa achar contida dentro de
seis garrafas de pequeo tamanho. Por-
tanto mui natural, que aquelles, que se
acham occpados em preparar e vender as
suas prodceles, em garrafas pequeas,
murmurem egritem contra os nossos fras-
cos grandes proclamando, que a nossa Sal-
saparrilha de Bristol nao possue a
menor virtude; porm qu3o effectivamen-
te sao elles pastos em silencio, quando indi-
oamos, ou simplesmente referimo-nos para
com essas centenares de certidSes e tes-
temunhos authenticos, por nos Tecebidos
de todas as classes da sociedade, nos quaes
plenamente attestam o poder curativo e vir-
tudes maravilhosas da nossa.
SALSAPARRILHA DE RRISTOL.
A vantagem de termos os nossos pro-
prios agentes naquelles lugares aonde as
differentes raizes, drogas, hervas, e plan-
tas de que se compem as nossas medicinas,
s3o produzldas, que nos. habilita exer-
cer aquelle constante cuidado e disvcllo na
minuciosa escolha; e o que assegura e ga-
rante uniformidade de excellencia.
. Em quanto que, por oatro lado, nos n3o
nos poupamos nem dinheiro, nem dili-
gencias ; afim de alcancarmos o melhor
e nicamente o melhorde cada um artigo
ou ragridiente que entra na sua composi-
cao ; pois levados e compenetrados da
mais firme e persuasiva conianca; que po-
demos afoutamente dizer aos doentes de to-
das as nafes, e de todos os paizes, que na
Salsaparrilha de Bristol. possuem
um remedio mais efflcaz e seguro; do qu
nenhum outro, que vos tenha sido offere-
cido at hoje, e o qual por certo n3o hade
mallograr vossas expectativas, na prompta
e effectiva cura das seguintes enfermidades:
Escrfulas,
Chagas antigs,
0 MARAVILHOSO REMEDIO
Dr. Chas, de Grath
OLEO ELETRICO
KING OF PAIN
. 0 RE DADOR
Para o uso interno e externo. ^
de ouvido,
-k i L CURA:
Cholera e cholera-morbus, diarrha,**
floxo de sangne, em um dia.
Dr de cabera e dores
em tres minutos.
Dr de dentes, em um minuto.
Neuralgia, em cinco minutos.
Deslocacoes, em vinte minutos.
Gargantas indiadas, em dez
minu-
tos.
Clica e convulses, em cinco minu-
Rheumatismo em um dia.
Febre e febre intermitienle, a
Dr nas costas e nos lados,
minutos.
Tosses perigosas e refriado,
dia.
Pleuresa, em um dia.
Sordez e astbma.
Hemorrhoidas e bronchites.
Inflammar) nos rins.
Dyspepsia e erisipelas. '
Molestia de figado.
Palpitarlo de coracao.
razi qoe
de Grato e
_--------- -u u.a. i-aipnacao ae coracao.
a e?ve semPre este remedio na sua familia.
nSl?^N]AL,SE 'APRESENTAM QUANDO MENOS SE ESPERAM.
A?f lt!r'COr?K,DgJ?Pain-^ rei da d6r) a1uiela e positivamente dSipa mm
iiiR.'!fle!,l,1! e dreS' e a,,ivia mais os soffrimentos e produz um SmSS
t L HIT" hSm-an?' q"e D3S3 Pde elTectuar no m^sm lempo, 01^5:
quer outro remedio medicinal.
n,n.E8ie muit0 popuIar remedi(> est agora osando se geralmente, pela
mares, de pessoas se tem curado gratis com o dito remedio pelo Dr. d
cm,E.S,e imPrt8D!? remedio n3o se offerece para curar todas as doencaa Doria ti
somente para aquellas estipuladas- das nossas direcces. uei>ca, porta o
,lMl7 operando dos principios da chiraica e da electricidade, e por isso est
22U5* c,ur3.me?t0 Para a restaurado da acCao natural dosorgos que T
irregular circulacao dos fluxos dos principaes ervos. O oleo eletrico-o KiJ
opera directamente nos absorventes, azendo desapparecer as inchaCes das *m
e^tc. em ura tempo incnvel, breve, sem perigo do seu uso debaixo de qualquer
O remedio, urna medicina para o uso externo e interno, composto dos
curativos, raizes, horvas e cascas, taes como se tem usado dos nossos antepasa
das quaes tem grandes existencias no rai:ndo, para curar todas as molestias, sabesrioU*
quaes ellas sao. ~~ m
Foi um grande e especial desejo da facoldade de medicina durante muitos aoaoo
de experiencia para aprender os melhores modos que se deviam adoptar para corar a
seguintes doencas, e que proporces de medicina se devia usar.
nico deposito em Pernambu
NA PHARMACIA E DROGARA
DE
Bartholomeu & C.
N. 34RA LARGA DO ROSARION. 34.
01
Ia FLIIS
c
IS'ESTA ARTIGA'E GREDITATA
FABRICA
d*

Q(Da
E.1C0RTR1 SE
C0.\ST,1.\TE1IEME lili C01PLE.T0 SOTISESTO E
E2 A I K O S DE SOIL:
De todas as qoafidades I
De todos os foilios I
Do todas os prej-os I
RA DO CRESPO
XA R O P E
AMERICANO
ESALIDADE
pali
BA RT N.O LO MEO & C
rara i turi cerU Lt tMiei anl'ifii e menta, eitarrhts pnlmonar, ulhaii; tam
Vooehiai, em geral contra lodos os solTrimenles das tm lofoooofc
DEPOSITO (.EII4L
BOTICA XS X3IH.OG
14, RA LARGA DO R0ZARI0, 34
PERNAMBUCO
A ther*pntic* d divn molestiii do peito, desde
hirjngite ou mil da garganta ata a tobercoUcio
da garganta ale a .
limonar, passando pelas dirersas bronchites caiarrbaei
a o emphysema acaba de ser nreqnecida com mais
iste medicamento, qne toauri a primeira ordem entre
lodos at hoje conhecidos. 0 xaropa Vegetal Americano,
laranmlo paramente Tegetal, nio eontm em sua
apatela am s tomo de opio, aim somenu snc-
coa de plantas indgenas, cajas propriedadea benficas
aa cura da molestias qne pertencem aos orglos'de rea-
piratio foram por nos obserudas por longo tempo,
eom ojilimoi resultados cada vet mau ereicentei; pelo
que nos jnlgamos lutorisados a compor o xsrope qoe
agora apresentamoa, a a offerece lo aos mdicos a ao
publico, Protamos com oa attastados abaiio o qne le-
garnos dito, a contamos que o eonceito da qne ja gosa
o iarope Vegetal Americano crescer da dia a dia,
dallando maito api da li lodos oa peitoraes o roga.
Illa. Sr. Barthalomeo C,-0 rarop* Tegaial Ame-
licano, preparado am ana conceltnadisaima pharmacia,
um atil remedio para combater A' termal aithma.
Sofra eo aquella molestia ha qnatro meui, aem ainda
ler combatido oa ataques mensaaa qte tinba; este altimo
qne tive foi fortissimo qne ma proston por 8 dias, uei,
porm o tec milagroso xirope, lomando apenas traa
J:s, a at o presente lio tai da aofo aUcado. Praaa
Oaaa, que m fiqa ruiabelacido par ana tu. Reado-
Ihe, pois oa meas agrdecinMatoe par aM Mr nehm *r
to horrirel mal. Com a mais sigaiBcMhra gntidaW
sobscravo-me daTmcs. iffartiaaa n
- Semine Dmrie.Sn Can 14 i I
Illma Srs Bartholoaneo t C. Depats a> |
metea de soBrimento com ama taaaa iar
extraordinario, expectoracle 4a eaa caUrrsw i
do. a parda total 4aa forcas, me Matar ii
me fatigaTa completamente, caiaada 4* faenar antoa*
tros remedios sean resaltado uve a telicidada 4a i
Vmca. prepararaB a xarope Vegetal Aaaariaa
elle, gracaa a Deas, me acha nalililialli I
dois mesas, a robaau eaaaa aa aaa Irvaaat nOiiiavA
SdAo ma torca a esu daclaracaa. ama padaaaa faaa
ir o aso qie qaiierem, Son caen aatisaa 4a fax
muitoa taaaaitaSar
Cmt, i Silee. Recife S de reteir 4a
Atiesto qne a sai 4a xanfe fj
compoijao doa Sn Bartfcotaaaaa C.
forte deflaxo ama me troaxe
faxia adtender, uBaxassiacSa e dar aa
trada falta derespirtcao, a Samai
tabelecido com Mtidra do i___
que Ibes proteeto ataa gntidAe.
neiro de 186S. iefmm fereut
KiUo recoBbacidaa.
CASA CAUVIN lu&M
Pharnaeeatlco prt
uccewaar
Sebastopol, BIS. P.

Boulerartt
NOVAS ESPECIALIDADES A. MAR
Aprasentadas a Academia de Scieaeias e aa iattasata a> I
III I CPP i n ^b hn* d Panilla. nVvrdida e
ItlWUUlIU momento urna soledlo FBEfUTIIA I
MOLESTIAS CONTAGIOSAS
IWECTOR-PHILTRO
do volume de nm retogio,
de Philtro e Semiu a
Graves Inconvenientes de fraajiUi
Coa i forma, e do toIubt de aa r-nrte-aeada i
TOBO TRATAHEKTD.
COLLYHIO
ESTOJOS
Contra a affeccois das palrKbras. preparado aob a
Depositarios geral para o BRASIL e
34, ra larga do Rosario. PERNAMBUCX).
ROB LAFFECTER
Approrado em Franela. Rossia, Austria e Blgica. 0 arroberetrefl IiOilal..... ^
rizado, he mu superior aos tarops de cuiainier, de Larrar e de saaMpajtOOa. -Uefc
digestao, adagraved ao paladar, e ao alfato, ene cura i lQ_ L^TTaiiiaiirli ;
arfecoesdapelle, l-.pl.e-. ala-re-a. lpB9m, -leer, i-* ate*
s.i^^li,,ecW,M^e *nm radas ou rebeldes ao mercurio e ae induro de pouasio.
KenfS^n^li d Yerdade-o ROB LAFFECTER, ata can do deuter GRABBCAO DC |
SAIHT-GERVAIS, ras Ricbar, It, 4 Paria.
Su



/
'
9** ft-

0 aiSo de pianos e de
msicas
mudou-se-da ra Nova
ra da
n. S8, i* andar, para a
ende ce
blico. *
Imperalriz n. .2, loja,
oniinaa recomraendando-se ao Illm. pu-
G. Werlheimer.
tasa otra can de pouca
familia : s tratar roa do Cabug n. 1 toja. .
Retalha-se terrenos no Porto da Madeira etn
Beberse. A pofrcao topographica dos mesmo
terreno, sua boa" quatidade para plantacoes, como
se poder ver pelos siiios nelle ja situados, multo
os recemmenda; os pretendentes encontrarlo pea-
soa habilitada para qnlquer negocio relativo a
ditos terrenos, no referido logar, nos domingos at
as 9 horas da amanhSa.
MOFINA
VICTORIANO PALHARES.
Roga-se ao Illm. Sr. Ignacio V.eira de Mello, es-
crivlo na cidade deNaiarelh desta provincia, o
favor de vir a ra do Imperador n. 18 a-concluir
aquelle negocio que V. S. se comprometteu reali-
sar, pela terceira chamada deste jornal, em nos
de dezembro prximo passado, e dopois para la
neiro, passou a tevereiro e abril, e nala cumpsto,
e por este motivo de novo chamado para dito
fim j pois V. 9. se deve lembrar que este negocio
de mais de oito annos, e guanao o senhor
Bino se achava no estudo nesia-eidjde.
iT5
SKU
KTERESSANTE COMPOSIQAO LITTERRU.
CONTE.NDO
A noite do xtasis. asaga.
O sorriso.
A noite do assombro.
A lagrima
A noute do delirle.
O mysiano.
Cora urna carta critica dirigida ao autor pelo
Dr. T. B. Rigueira Costa.
i volume brochado J*OUO.
AS CENTELHAS
Poesas patriticas sobre a guerra do Paraguay.
1 volume brochado 2*000
NA
LIVRARIA FRANCEZA
PRECISASE
Ue um homem, livre ou captivo, para distri-
buir pao; e igualmente de urna ama que saiba en-
gemmar bem cosinhar; trata se ra do Vi-
trarion. 16, 1 andar._________________________
Aliiga se
orna casa terrea, sita na Capunga, com sotao, co-
cheira, e um pequeo quintal : a tratar na ra
do Vigario n. 31.
O Sr. Sebasliao de Albuquerque Mello o og-
ado a vir a esta typogr-phia. r ______
Joaquim Jos Gomjal-
ves Beltrao
Ra do Trapicha n, 17, i andar.
Saco por codos os paquet js sobre o banco dt
Minho, em Braga, e sobre os segnintes logares em
Portugal :
Lisbaa.
Porto.
Valenea.
Guimaraes.
Coimbra.
Chaves.
Viseo.
Villa do Conde.
Arcos de Val do Ver.
Vianna do Caslello.
Ponte do Lima.
Villa Real.
Villa-Nova de Famelico.
Lamego.
Lao?.
Covilhaa.
Vascal (Valpasso).
Mirandella.
Beja.
_______Barcellos.________________________
AC
M-taa EsreHa do Rosario--14
Compra a vende roupa feita
'nova e ^ elha, objectos de
eosinba e de mesa, e
ttttto que perten-
ee ao uso do-
mestico.
Na praca da Independencia n. 33 se da di
oheiro sobre "penliores .de o uro, prata e pedra;
preciosas, seja qual for a quantia; e na mesm
casa se compra e vende objectos de ouro e prata
igualmente se faz toda e qualquer otra de en
commenda, e todo e qualquer concert tendente
a mesraa arte
m-i
Cosinheiro.
Precisase de um cozinheiro, dando fiador
ra do Crespo n. 9, livraria franceza.
O bacharel Celso Tertuliano mudcu o
seu escriptorio para a ra das Cruzes,
hojo Duque de Caxias, casa n. 3i, 1 an-
dar, onde pode 9er procurado.
na
s
I
O Dr. Kiog mudou sua residencia e consulto-
rio medico eirurgico para a ra da Aurora o. 52,
i andar, oade da consultas das 7 as 9 horas da
manbaa e das 3 as 5 horas da tarde nos dias atis;
aos chamados devem ser por* escriplo e acudir a
qualquer hora do dia ou da noute.
Precisa-se de um moleque de 16 a 30 annos,
Se seja escravo para o servico de casa de pouca
nilia: airatr -na ra do Baro da Victoria
(outr'ora Nova), loja n. 32.
AMA
Precisa-se de ama ama para cozinhar em casa
de pouca familia : a tratar "toa ra do Vigario n.
9, 3 andar.
AVISO
Roga-se aos seuheres abaixo mencionados o ob-
sequio de oomparecerem no Bazar da Moda rna
do Bario da Victoria, a negocio que Ihes diz res-
peito :
Joao Valeotim Vlella Jnior.
Gailherme Dias dos Santos.
Joao Jos dos Santos Lima.
Jos Magalhee com fabrica de velas.
Jos Mara fernandes, morador na villa do
Cabo.
ii.
Ama
Precisa-se de ama ama livre, de meia ida Je e
fcoa candada, pira o servico interno e externo de
casa dt malto poaca familia : na ra de Sania
Tnereza n. 11.
Sociedade Leterica
ESPERANCA FELIZ
Pertence-Jne os meios bilhetes ns. 3079, 1080
1081 0 secretario,
A. J. de Brita
iA
"I
3
JO
rm -r
Traspassa-se o acrendamento de engenho Com-
portas, sito na freguetia de Muribeca, com urna
das melhores machinas a vapor, comprada o anuo
passado, destilacao muito bem montada, excellente
cercado todo de vallado, propor?5es paTa grandes
safras o urna legoa d siante da estacao de Praze-
res. No caso do prelendente-farer negocio com
os tres annos do arrendaraenlo que falla e quizer
comprar a safra nova, vende-so timbeen gadol
cavallos, burros e alguns escravos, visto o acta,
rendeiro nao querer continuar mais em engenho :
a tratar no roesmo._____
Joaquina Francisco do Espirito Santo,
concordataria da massa fa'llida de Maia d
Espirito Santo, pede aos seus;crcdores o favor
de virem ou mandarem receber os pagamen-
tos da i* prestacSo de sua concordata; de-
vendo, para esse fim, dirigirem-se ruado
Imperador n. 41.__________
Curbiniano do Aquino Fonseca faz saber a
quem interessar pos?a, que se acha autorisado por
procuracao ba&lante de seu pai o commendador
Thomaz de Aquino Eonsoca para,receber e dar
quitacao dos alugueis de suas casas, e por isso
faz constar que somente elle o competente para
este fim. Recife 29 de nutubro de 1870.
Trabalhadores
Precisa-se do um ou dous trabalhadores para um
establecimento forro ou captivo : a tratar na ra
do Rosario L-.rga n. 31.
c-.
PRIMEIRO E ANTIGO -CONSULTORIO
HOMEOPATHICO
Dirigido pelo Dr.
SANTOS MELLO
Os habitantes do interior podem-no
consultar por escriplo, no que serao sa-
tisfeitos com promptido.
Presta-se tambera a chamados para o
interior, a preco mdico.
Consultas, no consultorio das 10 hora3
ao meio dia.
. Chamado?, a qualquer hora.
Aos pobres gratis.
43Ra do Baro da Victoria43
(Antiga ra Nova).
mem mmmmmmn
Precisa-se alugar urna escrava para servico
dome-tico de urna casa de familia, paga-se bem :
quem quizer alugar diiija-s: a ra da Cruz n. CO,
que achara com quem tratar._______
jfara loja de relojoeiro.
Aluga-sc parte de urna I0J3,' a qual sempre foi
de relojoaria, exisndo ferraraentas, bancas e to-
dos os precisos, para nada mais precisar do que o
pessoal; a localidade a melhor possivel : a tra-
tar na ra do Rosario n. 22.
Boa occasio.
Um moco irasileiro de 30 annos de idade
qa'e.alla egereve a lingua ingleza,# com
todas as habilitaces para caixeiro despa-
chante, de embarques ou outro qualquer
trabalbo; precisa de um emprego. Para
informagucs dirija-se a ra da liruz n. 51,
das da m.inha'a as 3 Precisa se alagar oro preta para servico de
u: na roa do Fogo n. 16.'
D. W. BOWMAN
EKGENHEIRO
Com fundiqo.
A RA DO BRUM N. 52%
Passondo o cliafariz
Machinas vapor systema melhorado.
Rodas d"agoa.
Formas de ferro para purgar assucar.
Moendas de canna.
Tajxas de ferro batido e fundido.
Rodas dentadas para moer com agoa, va-
por e animaes.
E uutros objectos proprios d'agricultura.
Tudo por preco muito reduzido.______
I PADARIA
UNIVERSAL
O abaixo assignado faz sciente ao respei-
tavel publico desta cidade e seos suburbios,
que acaba de estabeiecer una padaria in-
titulada Universal, roa das Tamarineiras
ns. 3 e o, no lugar denominada Jaqueira.
Tendo envidado todos os meios possiveis
para collocar este establecimento as con-
dices de poder salisfazer a necessidade
que bavia de um establecimento desta es
pecie nos arrabaldes desta cidade, o abai-
xo assignado espera a valiosa proteceo de
todos os seus moradores.
JPromelte o abaixo assignado que s em-
prega na confeceo dos artigos que se pro
p5e a fabricar no dito establecimento as fa
rinhas das melhores qualidades, sendo tudo
feito pelos systemas francs, ioglez, poriu
gusz e allemo, para o que j tem contratado
trabalhadores estrangeiros, conhecedores
desses systemas.
Para maior commodidade dos moradores
desta cidade o dos seus suburbios, o dito
establecimento ter diversos depsitos para
os artigos do seu fabrico em differentes
pontos da mesma cidade e dos seus arre-
dores, os quaes ser3o publicados em pr-
ximo tempo pelas circulares particulares di-
rigidas aos moradores dos arrabaldes.
FREGUEZIA DO RECIFE.
Ra da Cruz ji. 13, confeitaria do Sr.
Miguel Ferreira Pint. .
Em frente a ra do Vigario, armazem u 2,
denominado Novo Mundo
FRECUEZIA DE SANTD ANTONIO.
Ra do Imperador n. 26, confeitaria dos
Srs. Rodrigues &. C.
Onde se encontrar pao, desde o modieo
preco de 20 at 200 rs.
No dito establecimento e seus depsitos,
tanto na cidade como dos arrabaldes, rece-
bem-se .encommendas de bandejas para ca-
samento, partida ou para qualqoer outro
fim, as quaes devero ser dirigidas em car-
ta fechada, em que se determine, pouco
mais ou menos, o valor das mesmas en-
commendas," as quaes serao entregues no
lugar da residencia dos fregueses.
Gustavo Adolpho Wurffbain,
Este antigo establecimento, acha-se hoje montado n'uma
escala de poder servir vantajosamente os seus freguezes, atien-
to o grande sortimento de joias d'ouro, prata e brilhantes, que
sempre tem e recebem mensalmente das principaes fabricas da
Europa- cujos presos sao em competiveis e as obras garantidas
de lei.
seguros martimo establecida
na Baha em 15 da Janeiro
de 1870.
capital..Rf. ^cfrocajai ^^
Tom seguro da roercadofiM tmmt
maritiino era navio de vella 1 Jf*W> jinm*'
tro e ra do Imiifrio. Ageacii i.y.f* *^~*
raercio n 17, escriptorio de Japai "
calves Beltrao. -_____
MOKEIIU DIJARTE .
Tem a satisfago de participar aos seus numerosos freguezes, que em vista de ser-lhes mais commodo, tem |j
estabelecio urna nova fabrica de chapeos de sol, na rua"da Cadeia do Recife n. 9, beje ra do Mrquez de Olinda, fe
onde acharo es pretendentes, muito avuludo sortimento de chapeos de sol de todos os preces, qualidades e por pre-
eos mas commodos do que comporta o nosso mercado : convidan especialmente aos Srs. comprado/es por atacado
darem, sendo possivel suas encommendas, pois poder5o assim serem mais bem servidos, visto poderem escolher as ar-
magoes as tazendas que a demora da fabricaco bem diminuta, ______' _____________,__________________
NA ANTIGA E BEM CONHECIDA FABRICA
- DE
CHAPEOS DE SOL
DA
Ra do Baro da Victoria, esquina da Camba do Carmo.
(Antiga Ra Nova)
lo conhecida
Ha sempre um grande sortimento de chapeos de sol de seda, merino, alpaca, bretanha de linho brnco e par-
do e de algodo os todos- os tamanbos e feitios, alm da immesa porco de seda, merino, algodao e brim,
armacoes de todas as qualidades para satisfazer qualquer encommeiida. A modicidade de seus precos
que escusa de mencionar.
Ama
Precisa-se de ama ama para eaa 4
milia : na roa nova deSU UM 7X
Acaba de sabir & luz
E
Vendc-s*
5A
Livraria franceza.
mi Kf mu
ou
tflLLECfl i MR\S
DE
NOSSO SEXIIOR JESI'S CHRISTO,
[MARA SANTISSIMA
E
VARIOS SANTOS.
A saber:
Setenario do Senhor Boro Je us dos PaMM.
Offlcio do Senhor dos Pastos.
Novena do Menino Deas.
Novena de N. Senhora da Coocei^o.'
Setenario das Dores de Mara.
Offlcio das Sele'Dores de Mara Su'isttea.
Novena de N. Senhora do Canas.
Offlcio de N. Senhora do Car rao.
Novena de N. Senhora da Peona.
Cnticos de N. Senhora da Praha.'
Novena do B. S. Joao BaptistaJ
Novena da Senhora Sant'Anna.
Trezena de Santo Antonio.
Novena do B. S. Jos.
Um bonito volume encadernado.
_______20000.
Agencia em Pernambuco
Do Dr. Ayer
Fetoral de Cereja
Cara a phlhysica e todas as molestias dt pito
alsa parrllha
Cora ulceras e chagas antigs, niuigsai lar-
ros.
Tnica
Cocserva e limpa os cabellos.
Plalas cah rtica.
Puramente vegetaes sem mercar ; eor *-
3e, purgao e porillcam todo o sysln Imdmbc.
Vende-se|efltciivamente era easa de Saotatt P
Johnston 4 raa da Senzalla Nova n. ti.
Em casa de THCODOBO CBMST
\NSEN, roa da Cruz a. 18, uncua n
sflectivamente todas as qualidadea de vtt$
8crdeaux. Bonr&osroe edo Rliftim.
t
\ RA DO BARIO DA VICTORIA 41
Neste novo armazem tem um
variado sortimento de fazendas
francezas, ingiezas, allemSas e to-
das todas se vender por precos
mdicos, aflm de acreditar a este
novo armazem.
Casemiras ingiezas,
francezas, de todas as
qualidades, brins de
cores e brancos, colei-
riuhos modernos, cha-
peos de sol desejia,
finos. RA
DE
AMJDA IlMOS
Baro da victoria,
antiga raa
NOVA
H. 41.
Assim como tem ama grande
officina de alfaiate, montada com
todos os preparos que ha de melhor,
dirigida por habis artistas, que
pela sua promptido e perfeigo
nada deixam a desejar.
Roupa de todos os
amanhos para horneas
^x meninos,
" \ -Por todos os paque-
t tes recebem-se as me-
lhores e mais moder-
nas casemiras que ba
na Europa.
RA
K
^sorr8
-

Baro da Victoria
aatiga rna
NOVA
N. 41.
Este establecimento acaba de soffrer urna reforma radical em aectio, artistas e.commodos, e m pontoalidade as encom-
mendas, finalmente em|tudo afim de melhor servir os seus numerosos freguezes' deixa-se de annunciar todas as fazendas, para
alo se tornar massantef
Companhia Pheaix
Pernambucana
jjQA directora da companhia Phenix Pernambu-
cana deliberou que os premios de segaros por ella
realisados quer martimos quer terrestres sejam
pagos no acto de celebrarse o contrato.
SPernambaco 11 de outabro de 1870.
Pela companhia Phenix Pernambucana
J.-H. Trindade.
F. F. Borjes.
, Luiz A.'Sequeira.
Precisa-ae alugar urna escrava muca para o
servico interno de urna casa de familia : na ra
do Crespo d. 13, andar.
AMA
RRAZILIAN STEET
Railway Company (Limited)
Pede-se pos senhores passageiros o es-
pecial obsequio, de quando arriarem as ve-
nezianas das portas dos 'carros, arreiem
com tuidado, afim de evitar quebrarem-se
como est acontecendo diariamente.
William Rawlinson.
Gerente.
Precisa-se de ama ama que coziohe, compre e
ingomme-para urna pessoa : na ra do Tores n.
16, 2* andar._______
_ "AMA
iwcua-se de urna ama para fzer o servido de
pequea familia, qual ge dar boca ordenado ;
i
andar.
ATISO
Roga-se aos senhores passageiros o ob-
sequio de antes* de embarcarem munirem-
se de bilhetes para suas viagens, como de-
termina o artigo 2. do regulamento desta
companhia : nao se admittindo mais o re-
cebimento de dinheiro dentro dos trens. <
Em todas as estafes acharo os senho-
res passageiros bilhetes a venda.
. Gerente.
William Rawlinson. .
RITA DA CRUZ M. t
Chapas de ferro galvanisadas para telbeiros, etc.
Tachas de ferro para assucar, etc.
Formas de ferro para assucar.
Arados americanos.
- Carrinhos de m3o. <
Venezianas para janellas.
Machinas de descarocar algodSo.
Machinado cortar fumo.
Mchica de cortar papel.
Motores para dous cavallos.
Machina a vapor para mover machinas de algodo.
Balancas, prencas, cofres de ferro, foges de ferro, enxofre,'. salitre limalha
fierro e muitos ootros artigos.
de
Preciea-se de urna ama fiel e diligente para
casa de pernea familia : a tratar na prala do Cal-
deirelro on rna dos Ossos n. .
OS AMERICANOS
CILYNDROS PARA PADARIAS-
Tendo cbgado ba poucos dias completo sortimento dos melhores e mais
conhecidos cylindros americanos para pactaras, rogase s pesseas que d'elles precisa-
ren! de virem vel-os ao grande deposito do
BASTOS
IiOfA BU .MACHIMAS ,
m i i
IILIlliUM
wi I
Precisa-se de urna ama ona oa captiva para
servido interno e externo de ama casa de
familia : na raa Velha n. r>6.
i: ASA SO 011
Una do Bai-ao da
Victoria n. 63
( Outr'ora ra Nova. )
' Bilhetes garantidos a pr-
Tlneia.
Esta Mil casa acaba de vender mm m --
muo U\\u meios de n. oOl.a sorte de IQOf en WHwfc ate -
ro de n. 1719, e outro n. 713 com 1004, am.
cutros premios menores : podendo o* mm ao-
suidores virem receber, que prooiplaaajHt ser"
pagos.
aba.xo asignado convida ao re^petavu sa-
buco para virem no sea esUbeIe<*inwsSo eompr.
os felizes bilhetes garantidos, que nao einri i -
tirar qualquer premio como prova pelos asesa *
annnncio'.
Aeham-se venda os mnito felaes kilhstes ga-
rantidos em beneficio da nova freja di Psofea.
qae ser extrahida sabbado 1S d>cornaStsssx.
PRETOS.
Inteiro 6*000
Has* .-{AOOO
Quarto 1*300
De 100(1000 para cima.
Inteiro 3*400
Meio i*700
Qaarto 1*050
Joao Joaquim da Costa Ltste.
I
COMPRAS.
Compra-s a collcec^
do Diario de Pernambiico de -
Janeiro a janho do auno de
1866: nesta typogt^pphia se
dir quem compra._______
Com muito aiaior vantagem esssswasvte
ouro, prata e pedra preciosas en obras nr tx
loja de joias do Goracao de Oaro a. t P, nss do
Cabug.
COMPRASE
um por tilo de ferro, orna ssMra de podra cosa t-t
palmos : na ra larga do Rosario a. g.
Oompra-se nina cul-
leccao de leis provincmes
de Pernambuco do anuo de
1866: nesta typognqteb'
Corapra-se urna porta,
se e meio palmos de altar e
gura, que seja de amarello, a
em bora estado; nesta tvpoffiM
dir.
ata dolar-
VENIAS.
Oiinda
Vndese osobraa*o da raa
reir n. 16, eoi
duracao; e a
com bons com
do bastante grande^aaniBa
mariodo deexceUeas
di rija-e rna
agente Jos Euzeaw
rora.
do Cresao o.!,
lebio Alves da SBta, raa aa A;i-
Cavalk)
Vende-se um bomsaario proas*
u roa 4* Goaoordb av WX
serv c
Veods-se s caberas si-a
(Caminho-Bovo) n. 17, boas a
na mesma.
Vendo-ss a easa torrea n. 11, eos
r ja do largo do Amsar >, osa e*i
tratar no Recife a. 40 i roa da Cadj
OUTS'OBA RA DA CADEIA
Caire
\ Vendo-se ama earrsJJpfJ
'bol; na ra da Coceor



Diario de Pernambuco Ter >

/ *

I

I
Acabam de sahir a luz as se-
guintes pecas para
PIANO
limalinda walsa d'Arditi
Ideal e realidade rauito benita
phantasia pelo maestro Cazal-
bore
Postilb5olinda phantasia executa-
da (cora grande appluso pela
msica allemaa
Habaneras lindas dansas para-
guayas, qne tanto furor aqu tem
feito
ACABA DE PUBLICARSE
a collecco de msicas dos cavallinhos para
I 000
1*000
105OO
I-5000
0 BIZAR DA MODA
Jos de Souza Soares & C.
RIJA DO KA RAO DA VITORIA
(OUTR'ORA NOVA)
Apresenia-se mtame rphozeado no que pode haver de raais bello e agradavel em fa-
zendas finas para Senhoras artigos de-alta moda* em Paris tanto para senboras como
para homens e meninos.
Miudezas alarmadas, perfumaras especiaos, variedade de lindos objectos para me-
amos e brinqoedos para enancas.
GRANDE SORTIMENTO
Continuamente recebido por todos os paquetes vindo da Europa aonde lem ha-
bis correspondentes.
Vende-se muito emeonta e maada-se por em pregados do estabeleciment fazendas
em casa das Eims. familias alim de melbor escolherem p. que desejarem.
LHOSO REMEDIO 00
BE. CHAS. BE GBATM ..
FLAUTA
Recebeu mais grande sortimento de mu-
sicas para piano, e piano e canto, e tambera
a opera
IL ClllUN
para piano e canto, e tambem os melhores
pedacos para piano s composico do Ilus-
tre compositor brasileiro
Carlos Gomes
que tanto furor fez na Italia, e hoje faz no
Rio de Janeiro.
A' VENDA NA
A. J. do Azevedo
A RIA DO BARAO DA VICTORIA (ANTJ.
_____ GA RA NOVA N. II).
Covado a 160 rs.
Cambraia franceza para vestido com penuer
toque, covado 160 rs.
Dila dita dita, covado 320. 400 e 500 rs.
Chitas escura?, covado 280, 320 e 360 rs.
Laa para vos ti do, covado a 200, 2i0 a aOO rs.
Alpaca de listas, alta novidade, a U. 1.5. I i.
Cambraias 'brancas victorias e transparentes,
peca 33 a lis.
AlgodJo e madapoln, pera o a 105.
Mol.-kine?, lazeuda nova f ara caiga, corte a 3.
Cortes de vestidos branco3 cora barra de cor,
erte a 3.
Saias bordadas, grande peehincha, a 25 e2.j00
Soutembarques de alpaca a U3O0 e 24.
Na loja Flor da Roa-vista, de Paulo Guimaraes,
ra da lmperatriz n. 48.
Fogao de patente. .
Vende-se em casa dos importadores Shaw
Hawkes & C., rui da Cruz n. 4.
Ainda existe venda algnmas liltradeiras,
iroprias para filtrar agua, as quaes evitam ocho-
era, febre amarella, e outras molestias: vende-se
na rna do Commercio n. 38.
1
NOVA LOJA DE FAZENDAS, ROl'PA
FEITA E POR MEDIDA. DE
TINTO A MARTINIANO, A l'.L'A DO BA-
RIO DA-VICTORIA, N. 9
(AMIGA RIA NOVA)
O resp.eiiavel publico achara neste no-
"novo estabelecimeuto o raais completo
sortimento de pannos, eazcmiras, gorgo-
roes e brins ; e para transfoforar estas
fazendas nos mais elegantes fraques, pa-
leto!, colleles e calcas ; lem esto mesino
estabelecimento um" dos raais habis al-
faiates desta capital.
Tambem ge ada prvido de muitas
bdas camisas bordadas e lizas, seroula3
meias, lenco?, chapeos de sol, gravatas,
luvas de pellica, etc., e;c.
^ mmmm imm
A TRQUEZA
Nova loja de fazendas finas de Pinto &
Martiniaqo, ra do Barao
da Victoria n. 9 (antiga ra Nova.)
Este novo e3tabelecimeoto, alm do
I completo sortimento de que se acha pr-
vido, acaba de receber a3 seguntes fa-
zendas :
Novas alpacas de cores.
Noyas popelines.
Novas mussulinas.
Novos chapeos de velludo.
Novas lavas de pelhca.
Entre-meios e babados bordados.
Villa do Cabo.
Vende-se duas casas terreas naquella villa, sitas
na antiga ra do Vapor, hoje do.General Victori
no, muito perto do banbo e da stacao : traia-se
na ra Nova n. 27, loja de selleiro.
Vende-se um relogio inglez chronometro, de
onro: na ra do Comiiiercio n. 38.
NOVJMDES
TRIUMPHO
7 Ra do Quemado 7
DE
MIEIIA & BASTOS
.. E' chegado a este novo estabelecimento o mais bello sortimento de fazendas
toas, sendo sua especialidade enxovaes para noivado.
Vestidos de blond de,seda ricamente bordados.
Gorguro de seda branco para vestido.
Colchas de seda pura, para cama com ricos desenhos. v-
Ditas de 13a e seda, id m idem.
Ditas de crox, idem idem.
Cortinados ricamente bordados para camae'janellas.
Croxs pira cadeiras e sofs.
Vestidos de cambraia branca bordados.
Popelines de lindos gostos.
L5as de diversas qualidades, lindos gostos e modernas.
Ricos b,wnus para passeio, com listras de setim.
Sabidas de baile o que ha de mais rico.
Cretones para vestidos com lindos desenhos.
Carnizas bordadas o sem bordados para senhoras.
Camisas bordadas muito finas para homeos.
Ditas inglezas para bomens e meninos.
Seroulas de linho, e um grande sortimento de roupas feitas e de fazendas qne
* enfadonho mencionar.
Luvas frescas de Jouvin
Sortimento de tapetes para guarnieres de salas, alcatifas para forro de sala, e o
(rande sortimento das acreditadas e verdadeiras
Esteiras da India.
I? a km
KIFJG- OP PJJLBT O R25S DA DOR
P-A.RA. UfcSO INTERNO 33 EXTERNO
CURA CHOLERA E CHOLERA MOREUS,
Diar;!iee, flnro o sangro, em u:n ia.
OCt da ccba,e, e doro; de cuvido em
tro minutos.
Dor de dente, em um minuto.
Keutilgia, om cisco minuto:.
Desloca;Ce3, mu victo minutos.
Gargantas inchadas, em dez miuutos.
Clica e convuls:e3, em cinco ;::nct03.
Eheumatismo, en ua-dia.
ebre e febro intir-aitente, en; um dia.
S

Dor naa cesta; o nos lados, em dea si"
cutos.
Tocses perigosas e refriados, em um di
Pleuresa, em un-, die.
Sardes c ac'.iaia.
Berna: risidas e b;oneait3.
l:i!lr.i>ma;f o nos rins.
Dysjepria, erysipelas.
ITolestlas do figado.
Ttlpitajo do corado.

RESEEVE SEMFEE ESTE REMEDIO EM SUA FAMILIA
AS DOERCAh SE APRE.SEXT Uf, QCAITOO MENOS SE BSFEBAK.
OLEO EJ.IXTIUOOi o -KISTO Of PAKT (O rol ,1a .1..V) a-p.let.Vc podtliwtaUt taifa ,;*,!, ,i;:v.,.nt,,
moles.!.-,, o ,1-rcs, c aHIrtimall os tmenlos o proU 11 om mal pcrl ito cnalllbrio no syattnaa iuusuuo, qne a, m
peneeoeetoarnomesme tcinpo, cora > il. .:,-. remedio mcOeeinal.
K-te muftorpopol^ nsmsUo est agora >atadM Beratewnt^ yela ni*m m
gratis ton .. dito rannlio [wlo lir. Onrth t ouiros mal*.
Esic teportnaw romodlo nin^e o9m* pan earu todasa&doeims,pona taosOtnonle paraaauc!l.i! c-'jnululas
as noaa Urvr L ""
Esta apete nos prlnelplos da chlBjira c da etetrloldade c por laso, rM apiioavci para o eaMoeato a i.ir* >
rostaur:,s-:l.> te aefao .... .'.rol dos ..rbitos qaosolTramda IrrcguUr oitoulafiodoaflttxos dos prlnelpaes aenoSlXm,
coctrio. u- Ung oi Paln oper i dlrcetamentd dm aUortontos, fazendo dcsappar'cccr as lnelucoea das dndolas ate-
ca um totopo mcrlvcl. !,reve ser. perlgo do Sen nso detallo de OjoalimH drenautSMelt,
wfllo,'omaa^oolipaoiies*flii**r,oojopoito eeaaS
t:rcs, em v ; -, lo dos n0sss antepaosodos, e da quaot ten arande c-xlstonela n ...ando, para curar toda -s
uioiestio.: mente sahendo-i qnaas ellos sio.
,i..K'1 "!"' ll:wle de,acecina durante ...ultos.,..,-.,,, !e exi.!,:.ea pura aprender os
,"clUo- fcvUnn laptv i;a curar as sesroJntei deoBfM, qna prpor pes do atedeeijn so do a asar.
xvxCO DEPOSITO
, em vsmxmnmo
N^V PHARMACIA E )RGARIA DE
BABTHOLOMSO & C
M.-=4 la Saapga do Rosti, Z1!. 3^.
'portas n. 53, ra Direita, 3 portas n. 53, antiga]
foja d.) Braga
O abaixo a?signado, dono des te antigo estabelecimento, tendo em vista apresenlar um
completo sortimento de ferragens, miudezas e cotileria, tem resolvido mandar buscar em
diversos pernos da Europa os melhores objectos de seu estabelecimento dos fabricantes
mais conhecides; pelo que convida ao respeitavel publico e a seus numerosos freguezes,
virem se servir dos objectos de tua carencia, aende encontr.arao por menes 10 0|O do ne
em oulra qualquer parte, um sortimento completo de machinas para desearogar algodao,
do bem conhecido fabricante Cottorr Gin & C, ditas para costura, motores para animaes,
ditos para fogo, moinnos para caf de todos os tamanhos, da fabrica do Japi, espingardas de
dous canos e de um, tanto inglezas como francezas, louca de porcelana, facas e garfos
de diversas qualidades e precos, bandejas chinezas, salitre, breu, barbante, enxofre, papel e
limalha de ferro, ac, e agulha para fogueteiro ; assim como encontrarlo constante-
mente grande porcao de fogo do ar, e recbese encommenda de fogos de vista, alem de um
cem numero de objectos. que se tornara enfadonho numera-loa: venhara ra Direita n.
53, loja de Lenidas Tito Loureiro, antiga loja do Braga.
W.BOWMN
EHHEiRO
Com fundico
RA DO BRUM 52
Passando o chafaiiz.
Cbama a attenfo dos Srs. de eDgenho para seus acreditados niachinismos e
oom especialidade para seus vapores que ainda iwna vez tem melhorado.
Os vapores fornecidos por ello o ja funecionando Ihe ho de fazer melhor apre*
ciaco do qoe qualquer dito proprio.
Deseja tambem mencionar que tem feilo urna redccao em seus precos; e que
tem prompto toda a especie de maetnnismo e outros objectos para a agricultura.
PRECIOSA DESCOBERTA
Vende-se a taberna da ra da Senzala-nova
n. 39, propria para qualquer principiante : a tra-
tar na ra da Senzala-velha n. 80.
Venie-se o grande armazem de drogas g*
jtk c tintas da ra do Imperador n. ii. Es- JQ^
te estabelecimento est bem montado, na- W
da deve e n.o tem compromitso algnm ; *
%( e por isso acha-se as codi^Oes mais
favoraveis para ser negociado : tratar
no me3mo estabelecimento.'
/*^|a/V^k^ SsBBO^/NjoW'^Bo/^B/^BO>B/1^aBl "sCsV'SlO*' BBoWldtV '
O TNICO DELSUC que hoje apresenta ao publico, depois, porm, de um severo
exame e de reiteradas experiencias, tendo a certeza de que possue urna superioridade
incontestavel a todas as outras prepararles, que at hoje tem apparecido, recommenda-se
por sua bondade, e pelo brilbante lustro que prodoznos cabellos, tirando immediatamen-
te todas as caspas e coceiras, fazendo com que appareca en bom estar impagvel.
Esta agua compe-se de substancias cniidadosamente escolhidas, purificadas, e
confeccionadas com o maior cuidado, e alm disto combinadas de modo tal a dar-he
urna acfo verdadeiramenle efllcaz, consoladora, e benigna.
Derrama-seesta agua na cabeca, eesfregaselevemente; inmediatamente ficam
os cabellos limpos e com um brilho magnifico.
Deposito
smente em casa do autor, Andr Delsnc cabelleireiro de Paris. .
Ra Io de Marqo (antiga Crepo) n. 7 A Io andar
casa cavin K.mm,
Pl'.armacpntico pi ivilosiaJo
sooooseor
i ioiiii-\ ai aritox>ol, 7r> X*-.-\lIS.
NOVAS ESPECIALIDADES A. MARIN1ER
Apitse.i!ada< a Academia do Scieacias so tul es Fnift,
U PCrnn Si,!) a ic1lllJ Pastilla, 'y. ;.>!. e ,:.. -,:j :ars
.u.-.LUlU sser Je b
Preventiva# curativa tas UOlES'fiAS C'-.i'.AI'js.'.S.
INJECTOR PHILTRO
do voii.n.e i>e ur.i rcl Mo de
l'HILTP.O c si KI\C.\ -. 01
graves tacenfealeatsa de UraflUtaJa.
ESTOJOS
Com a t- ria, e do vollBM i* rn Porte-Mi la
COTEXDO TODO 1 i:\TAMF.XTO.
COLLYBIO Contra as affeccois Jj pslpefana,
preparado sob a me&uia lurma.
BARTHOLOMEO i C
Depositarios geral para c BIKAKIL, c I'OetTl'iAL,
3i, ra larga do Rosario. PERNAMBUCO.
Rival sem segundo, Rival sem segundo
RA DLQl'EDE CAXlAW V. RA DO DUQUE DE CAXIAS .\. 10
(sliifi Plll A OiinimiilA Estou disPc'st0 a continuar a vender todas
(.iillgil rUd O yueildUUj as miudezas pelos baratissimos precos abai-
Contina a vender* tudo muito bom e xo declarados, garntanlo ludo hoin e pre-
cos admirados.
120 Duzias de pa'.itos seguranca a.... 120
Duzia de palitos seguranza caixa
muito barato a saber:
Libras de areia preta muito boo. .
Tesouras finas para uohas e costu-
ra a......... 300
Papis de aguihas francezas a ba-
15o a. ..->.... 60
Caixas com seis sabonetes de fruta 1>000
Libras de la para bordar de todas
. as cores a....... 8;$000
Carriteis de linha Alexandre a. 100
Frascos com azeite para machinas 500
Gravatas de cores muito finas a 500
Grozas de botSes madepersla fi-
nissimos a....... 500
(Hovello de'linha de 400 jardas a. 60
Caixas com 100 envelopes muito
superiores a...... 600
Pentes volteados para meninas a. 240
Tinteiros com tinta preta a 80 rs. e 100
Pecas de fila elstica muito fina a 200
Lata com superior banha a 100 e. 200
Frascos de oleo Philocomo muito
fino a......... 500
Frascos de macaca perola a. 240
Frascos de extracto muito bonitos a 500
Duzia de sabonetes muito finos a. 720
Sabonetes inglezes a 600 rs. e. 1*5200
Frasco com agua de colonia Pivera 500
Dito de oleo baboza a. .' 500
Caixas de lamparinas a. 40
Sabonetes a forma menino muito
superiores a........ 240
Cartilhas da doutrina fazenda nova a 400
Libras de linha sorlidas de todos os
nmeros a....... 1)5800
Capachos muito bonitos e grandes a 700
CarriUis de retroz preto, com 2
oitavas a........ 640
Agulheiros de osso enfeitados a, 240
Libra de linha franceza superior
qualidade a. 20420
Caixas de palito do gaz a. 00
CONFEITARIA
DOS
L>
Ps de- roseiras de variaa qualidades ; assim
como de sapolis, abacate, figueira, laranja cravo
e pinheira, por preco rasoavel : tratar na Boa-
U* rna do Visconde de Goyana n. 51, ontr'ora
Mondego.-
~ vende-se on permntam-se duas grandes ca-
-*~,'P"**S ?a Boa-visla por um sitio que esteja
Av^?XiSldadesL de Ponte de Uoha, Magdalena,
nir HaD*amh. ou Remedios. Prefere-se a
m?. nao M dQylar voltar rasoavelmente
3n?4 : ,ra,ase na rlw ,arga d0 Rosario
ANANAZE
: Rna da Cruz 16
Encontra-se seiqpre : | AMENDOAS confeitadas: xaropes rfri-
BOLINHOS para cha; p3o de l; bollo, gerantes ; vinho Bucellas, branco-* tinto,
inglez; pastis de differentes quaiidsdes; proprio para mesa; vermotith absintio;
fruclas, em calda e secco, em cognac; viohqs finos, chamoagre
Rob-ante-rheumatico.
Remedio efiBcacissimo contra as dores rhenma-
ticas at hoje o mais conhecido pelos seus- mara-
villosos resultados.
XAROPE DE AGRIAO nm dos medicamen-
tos que sua- efflcaeia as enfermida jes, tosse e
sangue pela bocea, bronebites, dores e fraqueza
no peito, esrobuto e molestias de flgao, que me-
lhor tera aprovado. .
TINTURA DE MARAPUAMA. A'celebre raz Duzia de agolha para maemna a.
de marapuama, enja. energa e efficacia as para- Libras de prgos francezes todos
lysias, intorpeeimenlo, etc. ele. muito_.se recom-
menda.
Todos esses preparados se encontrara^na pliar-
macia e drogara de Banholomeu & ., nico de-
posito na ra larga do Rosario n. 34.
grande a................... 320
Frascos com oleo baboza muito fino. 320
Pacotes com p.s de arroz o me-
lhor que ha a............... 320
Navalhas muito finas para fazer
barba a.................... ;>000
Caixa de linha bram- do gaz a.". 500
Vara de franjas de lidho para toa-
lhaa....................... 166
Caixas com peonas d'aco de Perry
superiores ................ S00
Lencos da cassa brancos e pinta-
dosa..................... 100
Caixas com 20 quadernos de papel
pautado....... 700
Caixas com 50 novellos de linha
do gaz a........ 400
Duzias de n,eias cns superior
qualidade a.......36O0
Pecas de babadinhos com 10 va-
ras a......... 50C
Pecas de tiras bordadascom 12
metros cada peca a 1^500 e. 2000
Pecas de fitas para cs de qual-
quer largura com 10 varas a. 500
Escovas para unhas fazenda fina a 500
Ditas para denles a 240, 320,
400 rs. e....... 500
Pecas de tranca lisas, brancas e
de cores a....... 40
Duzia de linha frxa para borda-
dos a 400 rs. e..... 500
Pares de meias cruas para me
nos diversos tamanhos a. 320
Duzias de meias brancas muito
finas para senhora .a. 4)9(500
Pares de sapatos de tranca do
Porto........2)5000
Pares e sapatos de tapete a. 10500
Duzias de baralhos para vultarete 3|5000
Sylabarios portuguezes a. 400
Cartes com cohetes -2 carreras a 20
Abotoaduras para collete diversas
qualidades....... 400
Caixas com penna de ac muito
boa de 320 a.....
Caixas com superiores obreias a
IOJI
GALLO,TGILAiME
Raa do Crespo i
Os propnetariot tiesos bem i
cimente, alm los nwifot s*jwm
postos a apreciacio 4o rwpillanj afer f i
daram rir o acabam dr reeeber p> i |-
da Europa um com;leto e Taado >
finas a mui delicadas efpccialida>, .a .
lio resolvidos a YeniVr, toa im sea"
Sor precos muito baratinhs*
os, com tanto qne o Gallo!-.
Muito superiores lavas de peiFifa, irii, brav-
eas e de mni lindas cores.
fui boas e boatos gollwfcn #pMfeM pan *>
nhor, nesto genero o que ha de bu* Miar
Superiores pentes de tartaruga para
Lindos e riquissirnos afeites para
Exmas. senhoras.
Superiores trancas pretas e de cores ceta vtV
ihos e sem elles; esta fazenda o que poda I
de melhor e mais bonito. -
Superiores e bonitos leqoes de _
raarlim, sndalo e osso, sendo tyorikoa I
com lindos desenhos, e estes pretos.
Muito superiores meias flerde K.e^'Ma
nboras, as quaes sempre se Teaderara pe
a duzia, entretanto qoe nos as Yeaden>es per I
aim destas, temos tambem grarde iifUsanim ee
outras qualidades, entre as qnaes :^amM aauo
finas.
Boas bengalas e soporiwr atau da iad>a o
castao de marlim com linda* e iDOe'adwM ffc-
ras do mesmo, aeste r, lito o -jar. de ;bar se
pode desejar ; ateas dsus temo bioeeai paade
quantidade do oatna qualidades, rese sepas, atv
delra, baleia, osso, borracha, ne. te.
Finos, bonitos e airteos cbicoliabos de casku
de ontras qualidades.
Lindas e superiores ligas de Ma b-^mrr
para segurar as meias.
Boas meias de seda para senoora I para mn.
as do I a 12 annos d.; idi
NavalLas cabo de marlim e laranja para tmm
barba ; sao muito boas.e de mais a -,:** iu ga-
rantidas pelo fabricante, e aa pal n< -sa ves 'om-
bem asseguram-is sua qualidade e ri'licadea.
Lindas c bellas capellas f.ira no
Superiores agnlbas i>ara 'uarina i >eri ernak
Linha muito boa de ptso, fn>axa. L-ara /ebrr
labyrinlho.
Bons baralhos de cartas para voraiete, aenas
como os tentos. para o mesmo lim.
Grande e variado sortimento d- vteer-s aer-
fumarias e dos m>>lhcres e mais >vi.tetirtj per
fumistas..
COLARES DE Ttir!
Elctricos magnetios entra as c3Tare* t
facilitara a dimtirn das innocentes ra
mos desde muito recobedore* desv i predio en*
collares, e continuamos a reccbe-lo fvr % ee
vapores, alim de que naca faitee ao aviraii
tomo j tem acintecidc, aaaa pms io4tfa*-
les que dees preciartm, v.:r ao dr ^ita d, paV
vigilante, aonde sempre enccniranU- estes .re
deiros chilares, e os qua^s atter..>. <*o-se '> im
para que ao applicado;, se tei/ler .\>a r.a am
di:ninuto lucro.
Rogamos, pois, avista des object* .nn ie?r.aas
doclarados, aos us-os fregn.e o a... gej ;
comprar por procos u>nito raza
vigilante, roa -!o Cretas r. 7.
.1 p*

.
) 4

50f
40
2j5000
doces d
barrilinhos em latas.
CAIXINHAS com amendoas e pastilhas,
proprias para presentes; cha preto, miudo,
de superior qualidade ; latas com pecegos
a 1)5000.
PAPIS para gorfes,
para cobrir bolos.
PRESUNTOS e fiambres.
ditosv vendados
RECEBLM^E oncommeadas de bandejas.com bolinhos, comarmacSa de assu-
car e sem ella ; do pao de l e botos enfeitados com dsticos e sem elles e de outros
'maitos objectos proprio para grandes jactares, bailes, etc., etc.
RAPE.
Paulo Cordero
Vende-se rap Paulo Cordero fino viajado, em
latas, meio grosso o vnagrinho : na deposito da
ra do Vigari.0 n, .11. 1 andar. *"
Cigarros da imperial
fabrica de S. Joao
de Nictheroy.
nico deposito em Pernambuco taes da alian-
Jega velha n. 8,1* anda. ______________
Vende-se um piano forte; era oasa de Theo-
doro Cmtiansen a roa da Crtu n. i8T armazem.
os tamanhos a......
Pacote' de papel com 20 quader-
nos .........'
Resma de papel pautado superof
Resma de papel liso muito supe-
rior a t ........
240
4O0
4000
ajp
on aluga-fe um to muito .bem si-.
Uado a marg?m do rio Capib
no lugar dn Poco da Panella, fente
ao porto dj Paula, com boa casa de
vivencia conteni i sala, i qu^rto?, cozinhn Tora,
com mais casi.ihas ra inei-aguas, c ni boas
commodoB para hospedes ou criados, hca eochel
ra, estribara,.qoarto para arlados, cacimha.^on
arvoredos de fructo. E*te sitio uJtimo da pn-
voacSo do Pojo da Paoella inarg-m do rio, e-de
vide cora torras do Cliacjii, f.i ultimamenie oecu-
pado por l1" Aiour : a tratar om o commeoda-
dor Tasso.
Vende-se o hotel Ja ra je-treia d H
n. 19, o qual lem bastante fregueiia e acoa-se em
aura boa locahdide : a tratar no mesmo hotel.
3 cordero preside
Ra do fcii: ina.?c R. f
Novo e variado aorl meato d
fnas, e ouiros objaei .
Alm do completo sertitaet r e
icarias, de que efiectivrrcii pr ra1
'oja do Cordolro Prendate.
receber um oulro :* ot
aotavel pea variedade deol
iade, qi:
eos; assinj.pois.oC ; *.-
a espera eoatinuar a m ;f ti
do rospaitave) \ tblico en e
boa freguezia em pai I
tando elle de s;
s baratu. Em 'i:;a toja -
apreciadores do i
Apua divina de E. Ceadre?.
Dila verdadeira di in.'-
Dita de Oologne ingfcza,
ceza, todasMos mc.'Uorca i
fabricaetcs.
Dita do Ilor do i/angeiraa
Dita dos Alpes, evlbMi |
Eliiir odotw'gieo par.: c
issoio da bocea.
CoimeiTOC'S de topenor q
rosagrail;
Copos e Jalas, ttaioret e i^
pomada fina para cabello.
Frascos com dita ]*poDdia. '
e outras quaiidadeg.
Finos extractos i";!e2e3, ar
francazes em frascos sir/-p!eaej
Essenci. imparial Cj ^no 33^rcda> '.'.
ro de vioioii.
Ootrss cooceatrada e d
mente finas e agrada1.eis.
Oleo pioccme wrd" '<
Extracto d'olr-o de np?r.-r pul ta
com escolhidos cteiroi.etn lut < i **
rentes amal'i s.
Sabonetes em barras, naietaaa ja*-, era
para mos.
Ditos transparentes, redondoc e aai far
ras de meninos.
Ditos muito finos em caixinr
Caixjnhas com bonitos sabo&oiea m.^ti
fructas.
Ditas de madeira invrrnisada oaleosie 5
aas perfumaras, muito propraf para pn
entes.
Ditas de papeleo igualmcnle botitaa -*
oem de perfumaras unas.
Bonitos v:sos de metal coioi 03. a a
moldes novos o elegantes, com t- 4a vr*
9 boneca.
Opiata ingleza e raneexa ps*
Pos de camphora e outras
qualidades tambem para dentas.
Tnico oriental de Kemp.
Alada "tala em fea.
Um outro sortimento da eoqaea
vos e bonitos moldes com fleta da
e algons d'ellea ornados de floral a fte
estao todos expeetos i aprcria.jao fm
os pretenda comprar.
COLLADAS E PUNHOS BOftDADOI
Obras de muitogosto e prf?ic?o.
Fivellaa e lias para efataa.
Bello e variado sorttuvnt.i da tasa ta.
tos, ficando a boa escoma ao geste acta
prador.
^^/Vx/a\^P^^Io^^^ ^^^A^W\y*^\^^K^^^^K^W
Joaquim Rodripraes la-
vare* de Mello,
TEM PARA VE.NDEP.
em sen escrrptorib, pnca do Gofpo
n. 17:
Pumo em olba
daaa
de e 1* quald fardos a vonuda dea. coi
Ca! de Lr-Foa
2 nhima ehf f> PotassadaRn^sia.
2 Farlaka e aaaarfUea
w Viiiho Boraeanx.
.de 1= qualidade. Tado
Y& barata do que em
Vi'tide o
Ponu.-Velha, p
o palmo.
'U-

BHHI



6
Diario de Pewarabaco Terqa feira 8, I

/
I
BAZAR DO PAVAO
60-RA DA IMPEMTRIZ-60
DE
PEREIR4 DA SILVA & C.
Neste imocrtanle estabelecimento encontrar o respeitavel publico, om grande e variado sortimento de fazendas do mais
aparado gosto e lodas de primeira necessidade, qaa se vendem mais baratas do que em outra qaalqaer part, visto que os no-
o ocios desta firma, adoptaram o systema de s veoderem DINHEIRO ; para poderem vender pejo costo, ltmitando-se apenas
a ganbarem o descont ; as pessoas qne negocian em oeqaena esca'a. nesta loja earmazem podero azer os seos sortimentos
pelos meamos precos qne compram as casas inglezas, (importadoras) e para maior commodidade das Exroas. famuis se darSo
amostras de todas as fazendas, ou Ibes levam em suas casas para escolberem.
i
20 Ra da Imperatriz 20
Acaba de Wr para a wja de lanudas finas
Eoada La ville de Pars, um grande sorti-
mento de fazendas finas, como sejam : cortes de
poli de chevre com Mstras eacoeezs de ama e Jua9
saias o que ha de mais alta novidade, ricas pope-
iinas de seda, granadinos, las eseoceza*. alpacas,
bareges, etc., etc, e um completo sortimento de
chitas, madapoloes, cambralas brancas e de cores,
orgnndvs e cambraia imperatriz, e outras multas
fazendas, tudo do que ha de melbor neste merca-
do que tndo se vender o mais barato possivel.
Chamamos a altencao do bello sexo que qnlzer
andar na moda, e ao mesmo lempo esperamos a
sua protecce. Manda-se levar era casa das
Exraas. familias todas as fazendas que nos pe-
direm.
20-RUA DA IMPERATRIZ-20
Karl de L,essa.
PflU NOIVADOS CORTINADOS, COLCHAS.
Chegou para o Bazar do PovSo um gran-
as sortimentosdos mais bonitos cortinados
bordados, proprios para camas e janellas,
que se vendem de 103 00 at 2O0')"O o
9ar, assim como o melbor damasco com 8
palmos de largara a imitacSo de damasco
de seda, proprias para colchas, e propria-
GROSDENAPLES PRETOS
Gbegou para o Bazar do Pavao um gran-
de sortimento dos melhores grosdeoaples
pretos qne tem vindo ao mercado, que se
veodem de 1/1600 at 5 $000 o covado ;
sao todoa muilo em conta.
MANTELLETES DE FILO
N Bazar do Pavao vende-se modernissi-
A
res e mais bonitas que tem vindo ao mor-
ado.
TAPETES
Ghegou para o Bazar do Pavao o mais
iegante sortimento de tapetes grandes, pa-
ra sofs, com 4 cadeiras, ditos mais peque-
os, para doas cadeiras, ditos para
pianos, camas, portas ; etc. vende-se por
aenos do que em outra qnalqoer parte.
ROUPAS PARA HOMENS
No accreditadj Ba'ar do Pavao encontra-
r o respeitavel publico um grande sorti-
mento de roupas para homens tanto bran-
cas como de cores, a saber :
Camisas con: peitos d'algodio e de linho
para todos os precos e qaa'idades.
Ceroolas de linho e algodao.
Meias cartas francezas e ioglezas.
Palitos sobrecasacos de panno preto e
asentir.
Calcas de brim branco e de cores
Ditas de casemiras pretas e de cores, com
..olletes iguaes
De todas estas roupas ba para todos os
preces e qoalidades, e tem de mais mais
om perito
ALFAIATE
Por quem se manda fazer com prestesa
? aceio quaiquer pee? de obra a capricho
ou gosto do freguez, tendo n'este importan-
te estabelecimento tjdas as qualidides de
panno fino, as melhores e mais moder-
3as casemiras, assim como os melbores brins,
qur brancos, qur de cor; e quando qual-
ruer obra nao ficar ioleirameate ao gosto
dos fregoezes tica por conta do estabeleci-
mento.
CHALES DE MERINO
Chegou para o Bazar do Pavao nm elegan-
te soltiment > de chales de merino de cores
raaito bons com padroes muito decantes
para qaalquer urna senhora usar, ditos de
crpon com listas de seda o mais fino i
moderno qu? tem vindo ao mercado, e ven
fks-M por proco muito em conta.
TOALHAS A 7,5500
No Bazar do PavSo fez se ama grande
:ompra de toalbas alcociioadas, proprias
para rosto, bistmte encorpadas e grandes,
que sempre se venderam a \\25000, e li-
quidam-se a 76500 a duzV.ou a 640 rs.
cada urna, boa pechiocba."
CORTES DE CHITA
a 3,->200 a 3$8 iO
36520 36520
30840 3^200
No B?zar do Pav3o vende-se cortes d' fi-
aissimas ebitas com padroes claros e esca-
ros, tendo 10. II e 12 cafados; sendo U-
2enda que vale milito mais dinheiro -e liqui-
d se pelo preco acim para acabar, na ra
da Imparatriz n. 60 Bazar do Pava o.
BRINS DE CORES A 23500 e 3500
Vendem-se modernissimos brins de linho
de cor com as cores fixas, seodo o co.ie
de calca a 25530 e 35530 eem vara a 15003
e 15600, pechiacha, no Bazar do Pav2o rui
da Ijipentriz n. 6o.
CORPINHOS BRANCOS A 35000
No Bazar do Pavo vendem-se corpinhos
de camoraii brancas bordados, S3ndo fazen-
da que sempre ss veadeu a 85300 e 105
liquida-se a 35000 por eslarem um
poc;o maltratados, pecinncha, fia raa da
imperatriz n. 60
FU3TES DE COR E BRANCOS
Veodem-se bunitos fustoas brancas e de
cores, oroprios para vestidos e rcupas de
aienioos, sendo de cores a-800 ris o cova-
do e brancos, a 400 e 610 ris, pe-
shincha, no Bazar do Pavh ra da Impe-
ratriz n. 60
CHITAS BARATAS
a 203 ris.
a 200 ris.
a 200 res.
Vendem-se chitas largas om muito bons
pannos e cores fixas pelo barati preco de
200 ris o corado ; cortes das mesmas com
40 covados a 250 K), pechincha, no Bazar
ia Pavao. x
AS CASS\S DO PAVO
Covado 200 ris.
a 200 reis.
a 200 ris,
Vendem-se buoias cissas de cores miu-
dinaas pelo barato preco de 200 ris o c .-
mete colchas de damasco, send< os melbo- naos mantelletes ou basquinas de fil preto,
om laco, pelo barato preco de 105000 ca-
da om, barato.
ALGODO ENFESTADO PARA LENCES.
No Bazar do Pav5o vend-se o melbor al-
godoiinho americano enfestado para len-
ces, tendo liso e entrancado por preco
muito barato.
ESPARTILHO.
No Bazar do Pavo recebeu-se um elegan-
te sortimento dos mais modernos e melho-
res espartilbos, que se vendem por preco
muito em conta.
PANNOS DE CROCH PARA CADEIRAS
O Bazar do Pavao recebeu um grande
sortimento dos melbores pannos de croch,
proprios para cadeiras de bataneo sofs,
pianos, tamboretes e at proprios para cu-
brir almofadas e pratos; vendendo-se por
menos do que em quaiquer parte.
PARA LENQOES
No Bazar do Pav3o vende-se sujerior
bramante d'algodo com iO palmos de lar-
gara a 15800 o metro, dito de liobo cora a
mesma largara a 25800 cada metro, pannos
ds lnbodo portocom 3 1/2 palmos de largara
de 720al 15 a vara, assim como umgrande
sortimento de ILmburgo ou cregaellas de
todos os nmeros, precos *ou qualidades,
que se vendem mais barato do que em ou-
tra qmlqner parte; aproveitem-
ATOALHAOOS
No Bazar do Pavao vende-se superior
atoalbado trancado, com 8 palmos de larga-
ra a 15600 o metro, dito de linbo adamas-
cado o melbor que tem vindo ao mercado a
35500 o metro ; todo isto muito barato.
CORTES INDLANOS A 45500.
No Bazar do Pa^ao vende-se bonitos cor-
tes indianos com duas saias pelo bara-
tsimo preco de 455 JO cada um, pe-
cbincha.
FAZENDAS PARA LUTO
No Bazar do Pavao vende-se constante-
mente o melbor sortimento de fazendas
pretas para loto, como sejam :
Llasinbas pretas lisas.
Cassas pretas de la.
Cassas pretas, francezas e inglezas, lisas
e com salpico?.
Chitas pretas de todas as qoalidades.
Alpacas pretas lisas.
Ditas lavradas com branco.
Merinos, cauto's, bombazinas, que so
vendem mais barat do que em outra quai-
quer parte.
CACHE-NEZ A 65000.
No Bazar do Pavao vendem.se bonitos e
grande* cacbi-nez de pura 13a, pelo bara-
to preco de 60000 cada um.
PEIHCNCHA EM CAMBRAIAS VICTORIAS, A 55
65, 75 85000.
Vende-se um esplendido sortimento de
iaissimas cambraias'victorias, por precos
mais baratas do que em outra quaiquer
parte, tendo cada peca 10 jardas a 55, 65,
65500 e 7500O, finissimas a 85500 ; todas
estas cambraias valem muito mais dinheiro
e liquidam-se por este preco em relacao a
urna grande compra qae se fez no Bazar
do Pavao.
BABAD1NH)S
No Bazar do Pavao vende-se um grande
sortimento dos mais finas babadinbos borda-
dos tapados e transparentes, assim como
urna grande porgo de entremaios largos e
estreitos, qae para acabar se vende mnito
em conta e mais barato do qae em outra
qaalqaer parte.
SEITNSDE CORES E GROSDENAPLES.
No Bazar do Pavao vende-se um sortimen-
to completo dos melbores setios e grosde-
oaples de todas as cores, que se vendem
muito em conta.
TOALHAS.
Vende-se toa'hasdo Portocom labyrintho,
proprias para rosto, no Bazar do Pavao
ra da Imperatriz n. 60.
Colchas branejs 35200, 35500 e 75000.
Pa-a o Bazar do'Pava>chegou um grande
sortimento das melbores colchas pretas,
seodo das melbores e mais encorpadas qae
tem viodo 75000, ditas um pouco mais
baiza 34500 e ditas 35200; tamb9m no
rne^mo esiabelecirtieato. se vende umgrande
fortiment de crtones e chitas proprias
p Sedas de quadrinh >s a 153S0 ao cralo
VVndd-se "m ele<;mte sortimento de sedas
no
vado,no armazcn do Pao ra da Im- de qiatrinbo, com linissimas cores, para
.peratriz n 60 j vestido1* e roupas iU meninos, e vende-se
PANNOS'PARA SAIAS A 1*000, O METRO.
No Bazar do Pavao veniie-se boniti fa-
jeada branca eocorpada para saias, sendo
eombabadose >re>3 lean lado, dando
largor i da faze ida o comp.i oento la
saia, a qual e i,ie fazer com 3 ou 3 1|2
metros e venm-ae a 15,15280 e 15ino.;
assim como taaneni no me*iao estaneieci
tanta so '*n -e boniis sai ii oraocas bor-
ladas, t"n I' qiairo i^'ioos cida urna, nus
de I3a d coris ja p-camat, unna, c.n
barras illTren' s da misma ta7*n<\* Utu iu,
e ouIraN i-o n ba- r-- rMn)a todo isto mnde o >e bara'o.
CARNAUBA.
Ve: i-'ia"i.a-m -.ecos n^ ra da. p-r. .:.-n r, ;{ t.r
Imperatii/ n tO, "Bazar d^Pavo. i.u^'i.ti?. i..(;
15280 cala ci?ado; pecbincha
Bazar d, p^vSo.
IM.polio enf slado a ft( 35000.
Vende se pecas dH milap 15o e ifestado,
tendo 12 jardas ead peja 35000 e 35500,
oeohincba, rwi Basar do Pav3o raa da
lm^tuf vriz n. rtl.
HALKS E RENDA.
Ca es i "O .
nalM | 2000.
Vund -s- n-ria g'inde porcSo de chales
oret s co 4 iimi.,s f.y-niH qm gempre se ven-
ii..>Vl -e a 25000 cada um,
do ^avio, a roa da I
PECHINCHS
DO
PAVAO
Ra ca Imperatriz 60.
Para vender depressa
UNDAS JAPONEZAS PARA VESTIDOS A
A 500 RS.
Chegou um elegante sortiTente de laas-
inhas do Japo, com padroes de seda e de
muito boa qnalidade. que se vendem a
500 rs. o covado. pechinchi, no Bazar
do Pavio, raa da Imperairiz n. 60.
POUPLINAS DO JAPAO A 15600 O COVADO.
Cbegou um elegante sortimento de lin-
dissimas poopelinas Jipaiezas, eom os
mais delicados gostos, tendo muito lustro
e com listrinhas de seda, sendo esta nova
fazenda cuasi da largura da chita (ranee-
za e vende-se pelo barato preco de 15600
cada covado, no Bazar do Pa3o.
AS POUPEUNAS DO PAViO A 25000, 0 COVADO.
Chegou para -o Bazar do Pavao um bo-
nito sortimento das mais modernas e ele-
gantes ponpelinas de linho e seda, que se
vendem pelo baratsimo preco de 25000
cada um covado, assim como ditas com
gostos escossezes a 25400, pechiucha ao
Bazrr do Pavao.
SEDAS A 25000
Chagou un elegante sortimento de boni-
tas sedas de listrinhas, com as cores mais no
vas qua tem vindo ao mercado e veudem-se
a 25000 o covado, na roa da Imperatriz
Bazar do Pavao.
AOS 2000 VESTIDOS PECHINCHA ADMI-
RAVEL.
a 250C0, a 24000.
a 25500. a 25500.
a 25000 a 25000.
S no Bazar do Pavao.
Vende-se bonitsimos cortes de vestidos
de pbantasia com lindos gostos, sendo fazen-
das traparenies com delicados bordados e
listras que a nao ser um grande pecbin-
cha qae se fez na compra seria para moito
mais dinheiro, e liquida-se a 25 e 2550J
uQicamento no Bazar do Pavao.
lAasinhas transparentes a 400 rs o COVADO
Vende-se delicadas lSaslnhas traosparen
tes com listrinhas miudinbas, imitacao de
urna s cor e muito brilbantes, pelo bara-
tsimo preco -de 400 rs. o covado, 00 B1-
zar do Pavao
BONITAS LAASLNHAS' A 500 RS. O COVADO,
Vende-se delicadas lasinbas com difid
rentes gosto pelo barato preco de 500 rs.
o covado, no Bazar do Pavao.
ALPACAS BRANCAS.
Vende-se um bonito sortimanlo de finis-
simas alpac.s brancas lavradas, imitacao
de seda, proprias para vestidos de baile ou
iasamentos no Bazar do Pavao.
ALPACAS LAVRADAS A 400, 560 E 6i0 RS.
Vende-se nm grande sortimento de lin-
das alpacas lavradas de todas as cores para
vestidos, e vendem-se a 400, 550 e 610
e at mil e tantos res o covado, no Bazar
do Pavao..
BAREGES DE QUADRINilOS A 600 RS. O COVADO
Vende-se as mais lindas e moderdas la-
sinbas ou bareges de qoadrinhos, proprios
para vestidos, tendo quasi largara de chita
frsnceza. e liquida-se a 640 rs. o covado,
no Bazar do Pavao.
MERINOS DE CORES RARA VESTIDOS.
Vende-se bonitos merinos de urna s
cor com cores muito proprios para vestido
e roupas para creancas por ser urna fazen-
da de pura 15a e mnito leve, vende-se a 15
o covado, no Bazar do Pav3o.
GLACS A 15000 PARA VESTIDOS.
Vende-se um elegante sortimento desta
nova fazenda denominada glacs sendo urna
fazenda de la muito larga e com delica-
dissimas cores, tendo tanto brilbo como a
seda e vende-se pelo barato preco de 15,
2 covado, no Bazar do Pavo.
CASEMIRAS A 75000 (
Vendem-se cortes de casemira ingleza de
cores para calcas sendo fazenda que vale
muito mais dinheiro e liquida-se a 75000
o corte de calca, no Bazar do Pavao a ra
da Imperatriz n. 60.
GRANDE PECHINCHA EM CAMBRAIAS TRANSPA-
RENTES a 45, 55,65,85, E 105000
Vende-se finissimas cambraias soissas, da
muita pbantasia. tendo 9 varas a 85500 e
105000. Ditas bispo com 10 jardas fazen-
da muit fina a 55, 65 e 75000. Ditas fi-
nissimas azuladinhas, que valem muito mais
dinheiro, a 85 e 1O03OO: todas estas cam-
braias, em relaclo a qualidade, pelos pre-
cos cima sao mais baratas do que em ou-
tra quaiquer parte, no Bazr do Pavao.
CAMBRAIA ALLEMA COM 8 PALMOS DE LAR-
GURA A 14600, U E 2J5O0.
Vende-se finissima cambraia branca tran-
pa'ente com 8 palmos de largura, que faci-
lita fazer-se um vestido apenas com 4
varas eliquida-se a 15600, i& e 25500 a
vara, fazenda que vale muito mais dinheiro.
pechincha no Bazar do Pavao.
CAMBRAIA TRANSPARENTE
Peca a 45000
Vende-se muito finas pegas de cambraias
brancas transparentes, tendo8 1[2 Tarasca-
da peca e com um vara de largara a 45.
E pechiBcha, no Bazar do Pavao
A' raa da Imperatriz
n. 60.
GRANDE MIDADE
Quando a AGUIA BRANCA, mais precka ickolificar ao respeitavel
geral, e em parOOTlar a saa boa fwgaezia, da immenaidade de objedoa qntL
te tem recebido, justamentefquando ella menos oppdefazere porque ana Ufe
luotaria ella confia e espera na benevolencia de todos que hYa atindelo e rIL_
contmoando portanto a dirigirem-se a bem conhecida leja da AGUIA BRANCA nH Queimado n. 8, onde sempre acharo abundancia em sortimento de supttlaiMlit m
qualidades-, modicidade em precos e o sen nunca desmenttido AGRADO E SINCEJJDAD*
Do que cima fica dito se conhece que o tempo de que a AGUIA BRANCA f4a
dispflr, empregado apezar de seos cusios no desempenho de bem servir a aquelkt fia a
bonram procurando prover-se em dita loja do que necessitam, entretanto sem aoMBa
rar os objectos que per sua natureza slo mais conhecidos ali, ella rnniiiiiidaaawli kaV
car aquelles coja importancia, elegancia e novidade os tornam recommeodaveif, oaaa*
bem seja :
Capellas brancas para meninas.
Grande sortimento de flores finas.
Fil de seda preto.
PERFUMARA
Grande e constante sortimento de dita,
sempre melhor qualidade.
Lindos vasos com pos d arroz e pinte!.
Caixinhas com ditos aromticos.
Bonitos e modernos pentes domados pa-
ra circular o coque.
Bonitos brincos de plaqueo.
Aderecos e brincos de madrepero
Caivetes finos para abrir latas.
Thesouras para frisar babadmhof.
Aspas para bario.
Novos stereoscopos con 48 viataa, ai
quaes sao movidas por um machimas
urnas substituem as outras.
Vistas para stereescopos.
Bonitas caixinhas devidro enfeitados eeai
podras.
Ditas de madeira envetniuda cos
ras e com dminos,
Bollas de borracha para brinquedo
enancas.
Diversos objectos de porcelana, pi
para enfeites de mesa e de lapinhas.
A ra do Duque de Caxias n 21.
CANTIGA RA DO QUEIMADO)
Recebeu e seguiule :
Espelhos grandes dourados, moldes bonitos.
Carteiras, cbarateira3 e port-cigarros de muita
qualidades.
Bonitas pastas para papis, simples e matisada*
Boas caixas vasias para costura com sua compe-
tente chave.
Delicadas caetas de marflm com o bocal d
prata.
Modernos pentes de tartaruga, sobresahindo en-
tre elles os mimosos telegraphistas.
Coramodo toucadores com doas gavetas e bono
espelho.
Port bouquet, o que de melhor tem appare-
cido.
Pcrt relogios, de muitas qoalidades.
Bons talberes para crianzas.
Vostuarios, chapozinhos, toucas, sapatos e meiai
para baptisados.
Toalnas e fronhas de labyrintho.
Chapeos e chapelinas para senhora, moldes novo
e bonitos.
Chaporinhos gorros e bonets para meninos
meninas.
Contra as convulsas as
criancas
Vende-se os verdadeiros collares na Nova Espe-
ranca, ra do Duque de Caxias n. 21.
PARA TINGIR CABELLOS
para pretos ou castanhos, recebeu a Nova Espe
ranea a verdadeira tinta ingleza.
PARA ACABAR COM AS SARDAS
on pannos, tem a Nova Esperanca o verdadeirc
leite de rosas brancas.
AGUA DE FLOR DE LARANIA.
Vende-se na Nova Esperanca, ra do Buque de
Caxias n. 21.
PAPEL PARA ENFEITAR-SE BOLOS
recebeu-os muito lindos a Nova Esperanca, ra
do Duque de Caxias n. 2i.
PARA AMACIAR E AFORMOSEAR A PELLE
tem a Nova Esperanza es sabonete de pos de
arroz
CHEGARAM;
Poqos instantneos aperfeiqo-
ados por preejo muito coramo-
do: na ra Nova n. 28, loja de
Antonio Pedro de Souza Soares.
Bombas completas para ca-
cimba, por diminuto prec,o, na
mesma casa.
Corpinhos de cambraia, primorosamente
enfeitados com fitas de setim e obras essas
cuja novidade de molde e perfeic9o de ador-
nos os tornam apreciados.
Fitas mni largas de diversas cores e qua-
lidades para cintos.
Leques uesse objecto muito se poderia
dizer querendo descreve-los minuciosamente
por suas qualidades, coree e desenbos, tal
6 o grande e variado sortimento que acaba
de chegar, mas para nao massar o pretn-
deme se lhe apresentar o que poder de
melhor.
Entremeios em pecas de 12 tiras.
Guipure branco e preto de diversas qua-
lidades e desenhos.
Ditos de algodao com flores e lisos.
Veos de seda para chapelinas e monta-
ra.
Meias de seda para noivas.
Ditas abertas de fio de Escossia.
Costumes ou uniformes para meninos.
Enxovaes completos para baptisados.
Touquinhas de fil, sapatinhos bordados
e meis para ditos.
Camisinhas bordadas para ditos.
CEMENTO
O verdadeiro portland. S se vende na ra da
Madre de Dos n. 22, armazem de Joao Martina de
Barrosi ______________^_____
Especialidades.
Continuara a aehar-'se a venda na ra Direita
botica n. 88, os mui conhecidos e acreditados re-
medios da veame, e outros diversos medicamen-
tos feitos em Paris, bem como os xaropes de co-
deina de Berth, de rbano iodado, de iodureto de
ferro de Blancard e as pilulas do mesmo, peitoral
de cereia, pos de Rog, depurativo de Cha ble,
digital de Labellony, pilulas ou confeitos de bis-
mutho de Chevrier, e outros medicamentos cuja
procieneia quando empregados as doencas das
vas respiratorias, as dores rheumaticas, na
amarellidao, na falta completa ou irregularidade
de menstruo, as diarrhas, doencas do coracao
e do estomago, tem sido e ineontestavel, em
vista do3 benficos resultados das experimentacoes
ou O30 que diversas pessoas del les teem feito, as-
sim como das pilulas denominadas bravinas in-
comparaveis em sua efflcacia nos acommettimen-
tos febris ou sezoes ; existindo tambem na mesma
casa, alm de sufficieole quantidade de drogas,
um nao pequeo sortimento de tintas, oleo de li-
ohaca e pincis, que se vendem por menos do que
em outra parte. _______

s

I
o
9
I
0 COLLAR DE l'RO
N. A Rl A DO CABUGA [V. 3A. s
AfiflSTIMIO IRMAOS
m
ce
?
Com este titulo acba-se aberto 6 inteiramente transformado este antigo
estabelecimento de jotas, onde os freguezes e amigos encontrarSo tudo quanto
a moda e o bom gosto tem inventado na arte de ourvesara, o Collar de Ouro
observar delicadeza no trato e senciridade e modecidade nos procos.
Espera que o respeitavel publico venba ver o que existe de melbor en
aderecos de brilbantes, esmeraldas, robins e perolas, meios aderecos, pal-
ceiras, brincos, alfinetcs e anneis de todas as qualidades, prata de le faquei-
ros, colneres, paliteiros salvas e outros muitos objectos que seria ecfadonbo
mencionar.
Compra-se ouro, prata, brilbantes e pedras finas, pormaior preco do
qu em outra quaiquer parte, troca-se e concerta-se todo e quaiquer objecto
pertencente a esta arte.
ARARA
TBIMA NAO nill, ftElMA
ATTENCAO
Lourenco Pereira Mends Guimaraes, participa s lodos os seos devedore
tanto da praca como do mato, qae estando 1 qoidando suas casas commerciaes. o qua
deve fazer at o fim do corrents anno, por lsso roga a todos os seos devedores a varea
sallar seus dbitos o mais breve possivel; outro sim, declara aos seos devedores, que
os que nao estiverem na loja tem de pagar todos os seus dbitos, provando isto so tari
o abatimento que for preciso para a liquidado de suas dividas, para isto poderlo rigir-se ra da Imperatriz n, 72, loja da Arira.


MACHINAS PARA
COSTURA
Acabam de chegar ao GRANDE BAZAR
UNIVERSAL, raa Nova n. 22carneiro
viannaum completo sortimento de ma-
chi as para costura, dos autores mais co-
nhecidos, as quaes estao em expoaicao no
mesmo Bazar, garantindo3-e a sua boa qua-
lidade, tambem ensina-se com perfetcao
a todos ;os compradores. Estas machinas
sao iguaes no seu trabalbo ao de 30 costu-
reras diariamente, e a sua perfeiro tal
como da melhor costureira de Paris. Apre-
sentam-se trabalbos executados pelas mes-
mas, que muito devem agradar aos preten-
derles.
ATTENCAO
Vende-se a taberna do pateo do Carmo n. 13,
na esquina do becco da Bomba, muito afregueza-
da para a trra e para o mato, com os fondos
existentes, e tambera sem elles, a vontade do com-
prador, e tem commodes para morada "dos caixei-
ros e coiinha : os pretendnies podem dirigirse
mesma taberna, que achario com quem tratar.
G'Bazar do Pavao sito a on h f iip^ntiz n, 60, esta' constantemente aborto
das 6 horas da-mamA* as 9 da noute.
Na coabeira da ra do Imperador n. 15 es-
to para se vender dous burros hespanhes qne
desembarcaram ha doas das, muito grandes, bo-
nitos e novos, proprios para crusamento tte raca :
quem os pretender dirjase ao escriptorio de]E.
R. Rabillo & C, raa do Commercio a 48.
on alaga-se os armazens que foram ocenpados
com a fabrica de sabo e destilaco do Sr. coronel
Franca, Ba ra da praia de Santa RiU nova, os
quae3 oflerpcem proporc^es para bem se montar
qualqner fabrica de grande estabelecimento, com
a grande vantagem para embarque e desembar-
que : a tratar com o commeadador Tasso.
Ao resto das pechinchas
Vende-se cortes de castores para calcas,
a 500 rs. Cortes de brins de cores a
10500; cortes de gangas para caigas a 10,
cortes de casemiras preta para calcas a
30500, 40, 50 e 60000.
Crtes de ebitas a 2:500.
Vende-se cortes de chitas para vestipos
a 205OD. Ditos de cassa para vestidos a
20509.
Pechin:ha a 40000.
Vende-se pecas de algodao a 40, 50, 60
e 70OOO.
Para liquidar a 30509.
Pecas de madapolSo com 12 jardas a
30500. Ditas de dito com 24 ardas a 50,
00, 60500, 70, 80 e 90030.
LIQUIDAgiO.
Pecas de algodaosiobo de listra proprio
para roupas de escravo3 com 42 jardas a
G05OO e covado 160 rs. pira liquidar.
Chitas escuras para vestidos a 280, 320
e 360 rs. o covado.
Para acabar.
Vende-se pecas de cambraias victoria, fi-
nas a 60, 60500 e 70000.
E' mnito barato.
Colarinbos de papel a 240 rs. a duzia.
Cortinados pira janellas a 50000.
Vende-se cortinados para j mellas a 50
o par. Brim pardo liso para calca de ser-
vico a 500 rs o metro.
; Cortes de percales a 60000.
Vende-se cortes de percales d duas
saias de bonitas barras a 60000.
Cobertas de chita.
Venda-se a 10500, ditas fina; a 20500,
ditas encimadas e adamascadas a 30500,
ditas forradas 50000.
Gangas para caigas a 280 o covado.
Brim de listra ao lado para caigas a 400
rs. o covado.
. Lencos brancos a 20000 a dozia, para li-
quidar ; grande porcao de mantas para
grajatas a 200 rs. cada urna para liquidar.
Cassas francezas a 280 rs.
Vende-se cassas francezas para vestidos
a 280 e 320 rs. o covado.
Organdys de cores para vestidos a 400
e 640 o covado.
Alpacas de cores para vestidos a 500 e
640 rs. o.covado.
Lasinbas para vestidos a 320, 400 e 520
rs. o covado.
O proprietario da loja denominado Arara, declara m mpwgfM
seus fregnezes que est concloindo sua liquidado, per J. I" J""
boas fazendas por pouo dinheiro tenba a boudade de dlr^ir-se a ra aa mpersins av
72, desde as 6 horas da naofaaa as 0 da noute.
balOes" de arcos a 10030.
Vende-se baloes de 15 a 30 arcos a If
e 10530 cada um. Cortes de cassas en
papel a 20500 cada um, para hqaidir.
Bramante de linbo e algodfo cem 10 pal-
mos de largura o 10800 o metro.
Panno de linho a 760.
Vende-se bramante de 10 palmes de lar-
Sara proprio para lences a 20800 o Metro.
Lesees > seia a 800 rs.
Vende-se urna por cao de lencos de teda
a 800 ri. cada om.
Chales de eassa a 10900.
Vende-se urna granbe porelo de
de cassa a 10000 cada um, para
Fustao a 360 rs.
Vende-se Tustio de cores para
a 360 rs. o covado.
Algodao enfestado a 900 rs.
Vends-se algodao enfestado para lences
e toalhas a 900 rs. o metro, dito tranca-
do a 10200 o metro.
Chales de meria estacadas a 20000.
Vende se cuales de merino estampados
edm barras a 20,2,5500 e 30 para acabar
Grande porc5o d retalbos.
Vende-se grande porcao de retalbos de
cassas e ebitas a 240 rs. o covado.
A testa est na porta
Roupa feita encontrarlo
Por precioho razoavel
Todos se enrouparao.
A SABER :
Liqnidars de rtii ftitt.
Vende-se pallitots de brinsinbo de Unjo
proprio para andar em casa a 4#W0<;
tos de ganga a 20000 ; ditos de atoa ca-
semira a 30000 ; ditos de alpaca m
a 30500 e 40000; ditos de '
preto a 60, 80 e 100000 ; *^.*i2
miras de cores, a 60 e 84^? !
de cassi netas de cores, a w0* J ?rjr
brins de qoadrinhos a 10000; **g'
semiras de cores, a 20500, *f2:
Calcas azues para osemos iW;
de algodaosinbo de listra a 80Orfc, dstti
de brim pardo a 10600, fia> I ,(li-
tas do dito branco de bobo a 3#w e e> ,
ditas da casemiras de cores a f>>. **
e 80000 ; camisas de chita a 10000 li-
tas da ilgodJosinl, proprias parao i l-
vico Dor ser fazenda forte, a 10280;
da asnina a 10600. Para iiofdar
aa*




~
Diario de ^eruambuco Teroa eira 8 de Novembro de 1870.

l
Esto conhecido esiabelecimeato acha-se constantemente bem sonido, cm virtnde da3
facturas qae recebo por todo3 os vapores e navios francezes, dos artigos abaixo menciona-
dos, preco3 s mais resumidos que c possive!. -
AINADO FRAMCEZ
Boitaas para r enfloras e meninas.
Bcinas preas, brancas e do militas nutras cures, sorlidas o bonitas, do ultimo gos-
lo da moda, e piceos mais baratos do (u cm outras partes.
ESoluas para Qomeas e meninos.
Botinas de bizerro, cordavn,-lastro e pellica, das melllores fabricas e escolhidas.
Botas e pernearas rnsslanas.
Botas a peroeiras para mantaria, das melh'ores qualidades, de couro da Russia, lus-
tro e bzerro.
Sapatos de borracha para homeus e senhoras
Tendo chegado grande porfo de sapalos de borracha vende-se pelo'custo'afim de
desempatar o dinhiro nuiles empregado, sao baratissimos.
fttapatos le lastro para homens.
S.ipatos de entrada baixa de cenro de lustro com salto, de muito boa qualidade.
Abotinado? para meninos e meninas
Sapa tos abotinados de differentes modelos, de muito boas qualidades e fortes, tanto
para meninos como para meninas, muito baratos.
apaios de tpete.
Sapatos de tapete aveludado, do casemira, do charlte e de tranca franeezes e por-
tuguezes para bomens, para senhoras e para meninos.
Cantara
Dita bo
Dita re.
'Tabots de naarmora de dffrente* rosaaras.
Ladrilhos'de martnore de diiWrenti?s cores e Umaohos.
DHos de pedia de>Ansam. pretofr.brancos.
Tmulo* do pedra Otia de differeiires Umanbos.
Pedras para lavatorios.
Taboas de lotiza. ", .
Pias de looza para cosinha.
PERFUMARAS
Exccllcntcs extractos, banhas, leos, agua de cologne, florida, divina, lavande, den-
trifice, de toilette, snbonetes, tintura para cabellos, pomada angroise para bigodes, pos de
arroz etc., tudo isto de primeira qualidade, dos afamados fabricantes, Condray, Piver e Lubin.
Quinquilharias
Luvas de pellica do conhecido fabricante Jonvin, espelhos para sallas, quartos e ga-
binetes, toueadere- de diversos tamanhos, leqnes para senliora3 e para meninas, abridores
de luvas, brincos, pulcoiras, botoes, crrenos e chaves de relegios e trancelins, tudo de
ouro de lei, correntes e brincos de plaqu, a imitacao e de mais gosto do que as de ouro,
eaixinhas ile costura ricamente guarnecidas e ornadas com lindas possas de msica, albuns
e caixilhes delirados para retratos, caixinias com vidro de augmento para distinctamente
ver-se a nerfeieo dos retratos, ohjeclos de phantasia para toflettes, bolsinhas e cestinhas
de seda, de velludo'e de vinies para leraco de meninas e senhoras, ditas para costuras, pe-
queos registros muito finos e delicados, bouquets de flores de porcelana, jarros proprios
para gabinetes e santuario*, 'inadros promptos para collocar-se vistas, molduras douradas
para qua lro*. c-t.-ni as linas de paysagens, cidades, figuras e de santos, vidros para cos-
morama, malas, saceos e bolsas de viagens, esporas, chicotes, bengala?, oculos, lunetas ou
pensinez de prata dourados, gravatas pretas e de cores, aboto&duras de collete e de punhos,
carteirinhas para olas, thesounnbas c caivetes finos, pentes, escovas, ponteiras de espuma
para charutos e para cigarros, ]ogos de domin, rodetes, bagatelas e outros differentes, ve-
nezianas modernas muito conveniente para portas e janellas, cosmorama?, lanternas mgi-
cas, esteriocopos com interessantes vistas de figuras e das mais bonitas mas, boulevards,
pracas e passeiQs de Paris, photographias e eaixinhas mgicas, reverberos para candieiros,
tapetes do vidrllho e de la de cores para ps de lanternas, realejos grandes e pequeo?,
harmnicos, acordions de todos os tamanhos, bercos de vimes para criancas, sapalinhos o
torcas do laa, carrinhos de 3 o 4 rodas muito elegantes para conurir crianzas passeio ; e
carras omitas- qiiinquilharias de phantasia, franeezas e allemaes, precos muito em conta.
Para este artigo nao ha espago nem tempo para a massante leitura da infinidade de
gneros de brinquemos fabricados em diversos paizes da Europa.
v
Jr.
O dono deste estabelecimento pede ao publico em geral que continu a visita-o
ver3cando as qualidades e os precos baratos de ditos objectos por sercm viudos em fii-
re tura e de conta propria.
WHmmmsmmmR m
ATTENCAO
Jos Joaquim da Costa Maia, lera venda no sea armazem, sito no Jargo do
Pelorinbo n. 5, os objectos seguintes, e que vende por precos mais coramodos do
que era outra qoalquer parte :
Oleo de linbaca. .
Couro de lustro.
Saceos de estopa.
Estopa em peca.
Vinho Bordeanx era cnixas.
Feltro em pera para forrar erobarcacoes.
Encerados.
Tenas de ferro galvanisado, de differentas tamanhos, para cobrir casas.
Ferro liso galvanisado para forrar embarcacoes.
Pregos galvanisados.
%&
-.
*




Nova loja de joias
RA DO CABUG.V N.9 A.
DE
Manoel da Cunha Saldanha & C.
Acaba de brise este estabelecimento'(te"Jolas, o qual tem grande soili-
^^ nrento de todas as joias de ultimo gosto, as quaes vender o mais barato pos-
fa'il' eivel.
Todas as joias serao'garantidas ouro de lei, pois os seos donos tendo em S
[' S vista so adquirir freguezia uo orvidarao, vender bora e por precos os mais S;.,*
razoaveis possiveis. ^
j|j% Convida-se o publico a vir a este estabelecimento, certo de qse ficar <2g
jfS) satisfeito. tsk
'& A' MO. DE OURO RA DO CABUC N. 9 A
ATTENCA
No armazem de Mil!? Lilham A C. : na roa da
m

NA HA I1I CABELLOS BIt]lTCO
A tintura jaDooeza para Ungir os cabellos da cabera e da barba, fui a nica admit-
idla Exposie/to Universal, por ter sido reconhecida superior s todas as prepararles
ato boje existentes, sera alterar a saude. Vende-se a 1)5000 cada frasco na
Ra da Cadeia n. 51 1 andar.
i^ruz n. 38, vende-se :
Lona larga de 30 polgadas.
Dita eslretta de 2*i dilat.
Saceos vasios para assucar.
Sellin, silhdes e arreios,
Vinho de Bordcaux fino em caixa.
Sabo inglezrm caixa..
Sabonetes dito dito.
Farelo
4:200.
Saceos com 100 libras de superior farelo
Jelo barato preco a cima indicado, na ra
da Madre de Dens n. 7.
. Cal nova de Lisboa
chegada Diurnamente pelo patacho Principio, ven
df ni Cunta Irmos & C., ra da Madre de Deu?
D. 34.
TASSO IUL10S k i
Tem venda em seus armazens, alm de outr:
artigos de seu nogo io regular, os stguintes, que
eslo vendendo a precos maia baratos que era ou-
tra quabjuer parte :
PORTAS de pinho almnfadadas.
FAUELLO em saceos grandes a 3yO0.
GRADES do ferro para cercados.
ESTEIRAS da India para cama e forrar salas.
CANOS de barro francer para esgoto.
GESSO superior em barricas e as arroba?.
CEMENTO do todas as qualidade baixos
precos.
MACHINAS do desean-car algodao.
, BARRIS grandes com peixe da Suecia.
LONAS e brinzSes da Russ a.
OLEADOS americanos jara forro do carros.
KOGOES americanos muito bons e econmicos.
VINHO 'le Bordeaux em caixas.
COGNAC superior do Gaulier Freres.
MII.IIO do Fernando a 3 o s.-.cco.
AGUA florida;
BARRIS de carne salgada de porco e de vacca
NOVIDADE.
O Costa, profSfeUflo do armaatm da
Maamore ra das,Crnzs n. 42, c4er*-e por di-
nheiro contado o qoe de oelhor ha m raerta*.
por ter reeebido'mallos des genCTos dnrrlfHr
pelo ullimo vapor.
Macaes, peras e abacacnis.
' Cbccolatc de \t m 1*800 a libra.
Especial n anteiga ingleza e frrn-.-.n.
Honalices para sopas dw>oiLadai U.t-.tam^
subilue per fritamente as mais frwo- tnm
Qu-jps flamengos o qoe do metli>?r te ;*^ *-
sejar a 2800. Mft
Caixocs de doce de griaba a 8f0, \, #rw
U800, dito em latas a U e 2*390.
A v,.'rdideira farinha amencaoa- fio* **
propria a 3i0 rs. o mago de urna libra.
Velas ftearinas a "iOO r 640 i s. o wacii
Bolacbinbas de todas as qualidade* f < r-
Inores fabricantes.
Emilias fraaceas e pcrtofJKttf.
Vicho de todas as qmlidade.s.
Farelo de Lisboa de:en)barcado UME,
saceos grande?, a S|.
Especial e aromtico abao de familia a )0-3
o kilo.____________
HTTEUyi
Vende-M lima taberna coa n prio para aigum principiante i^ !;;nj--.:i .-
s armacio tratar mi nra d* S. KgMl *
nos Affogado.
Jorge Tasso vende o seu magnifico sitio onde
resido em S. Jos do Mangninho, caprichosamente
plantado, armado, com jardins, carramanchdes,
agua potavt-l etc. etc., que satisfaz o |osto mais
aristocrtico : para ver das 9 da manhaa as 3 da
tarde e para tratar com o corretor Goncallo Jos
Affonco na praca do Commercio, ou n ra do
Amorim n. 37.
Vende-se
Urna chapa psra ofllcialato da Ordem da Rosa,
muito em conta ; na loja de ourive, na ra do
Imperador n. 30, defreute da casa do tribunal da
relago.______________________
Farinha de mandioca de Santa
Catharina.
Ha para vender da muito nova e superior
chegada recentemente pelo patacho rabe
e barca Santa Marta ; por preco commodo,
a bordo dos referidos navios fondeados de-
fronte do trapiche do Exro Sr. bar5o do
Livramento ou ento para tratar com Joa-
qun Jos Goncalves Beltro, no sea es-
criptorio ra do Commercio n. 17.
Vende-se urna linda calega : na coebeira e
ofllcina de ferrador ra do Imperador defronte
de S. Francisco se dir qnem vende.
Vende-se urna machina de costura em muito
bem estado por estar nova: na ra do Mondego.
na Boa-vista n. 8.
Calcados inglezes
Borzeguins inglezes de sola groisa laxeados para
hmens a 7#500 e a 8J o par na loja de calcado
da bota do onro, na ruada Cruz n. 21, sobrado
amarello.
GAL NOVA DI iJSHa
Vende Joaquim Josa Ramos : na ra da Cruz
a. 8, i* andar
Vende-se um sobrado de ura andar em Be-
beribe junto a p^nte, com mnitos commodos, e
mais de dous mil palmos de trra para retalhar,
com frente para a estrala e fundo para o rio : na
praca da Boa-vista n. 6.
Attenpc
Vende-se a armacao e pertence; da taberna do
logar do Terco n. 11, propria para quaiquer prin-
cipiantes cedendo-se ao comprador a residencia
do sobrado do um andar por cima da mesma :
tratar no mesmo sobrado.
HCftO
*
MC
Vonde-se nm piano m'deim do mn't >t
vozes, c da autor mais afamad : r;
der dirija se ra larga d.j Rcario o. 11, pru*-
LIBRAS STEPiLIRAS.
Vendem se libras sterlinas : na la Cu -,
de Onda, -scriptorio n. 49.
CEUVEJA BASS
De diversos engarrafau.>re, vr.de-e M ana>
zem do J- ao Rosa na Travesa da Madre de l-w
n.8._________________________________
Venae-;eo hotel da ra estrella d
o. 19, o qual tem bastante fngurzia f
urna bea localidade : a tratar co mesrto b>4aL
Vende-se um sitio no lugar Camrr n..-.
zia de '.'nribca, tend o meir.-i 180 j- <" t-
queiro?, e recita ierra p-ira plantarios, e .:-'
1'gna 'ore : quem pri:i?ar ili:ija-s" > m~>mr.
freguezia, Venda Grand, a tratar com a*ra.l
Maria l'r.incisca d P.-z.___________
Excelliote doce de e*) cm a
Vce-se gnito boen i te t 9jf
Dir |.rcci ba-ah.-siro: no palto doPiia '.
taberna da Butre.
Tdflde-ra a c .'mira da na doS la. ^7 >*
carros e cavados, n.uito barata >.. acal -r. .
dono ter de se rt'.ir?r : a iriat i.: aanaaaaSM
ra do Rosario da Bca-visiao. 5 l
do Arapo.
Cal nova deLis&c
Vndese na rna do Barao do Trinmphr
ra doBrum n. 80, armazem de Pe reir ;.
Irmos.
Grande* reuniao!!!
Ru^ do Imperato, i. 28, r>
; a'/em do Campes.
Como se est aproximando o tmto d
fe$, o proprie.'ario deste attabelubauMo ;
esmerado cm fazer reunir cm *eu arvaz^aa tn
cempleto e. variadissimo sortr.i. alimenticios.
Nao so propoe a descrerer nominam>n.-
03 generes comidos em seo annzrm por st
nar de mais ODdonho,
Garante somente, que sua enrma de t^a n
tempo /ender pao por pao e queijo p>r qoeV i
Avisa especialmente aos fuanles, que rc-! m \
de sua espe.-i.al enccmmenda orna laclara de r. a> >
rutos superiores deS. Flix da Baha. da legr. -
tes marcas : exposifao, niarquezes, nornia, u .-
dores e paraguassnanos.
Venham tedas as despendas dos arrabiWt-'
dade suprir-se de gneros de primeira :jca' .
Farinha de mandioc da V.
Tem para vender moilo nova c sur r
em accas, a preco mais commodo
em outra qualqaer parte: Joaqoim
Goncalves Beltrao, no sea escriotoiio i
do Commercio n. 17.
168.
l.
DOS PREMIOS DA E. PARTE DA LOTERA CONCEDIDA POR LE PROVINCIAL N. 402, A BENEFICIO DA MATRIZ DE CABROB, EXTRAHIDA EM 7 DE NOVEMRRO DE 1870.
t
I
-
i
. mm. !\8. PREMS. KS. PREMS. KS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. KS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. M. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. .\. PREifc-.
l G/ 206 64 466 64 CM 104 885 64 1085 64 1321 64 1544 64 1733 64 1939 6 , 2130 64 2314 64 2550 64 2799 64 3007 64 3174 64
.i 25 76 oC 104 901 93 24 - 53 - 36 41 38 16 -_ 55 - 2800 13 tm 80
t\. 26 77 59 64 7 - 95 26 - 63 - 45 - 44 43 Bfl 20 n . 60 - 7 - 14 _ 86 -
B 405 31 - 78 51 14 1110. 9004 27 64 50 - 45 50 __ .27 pta 64 8 19 __ 91 -
17 t> 35 82 78 17 - 13 64 29 - 68 - 54 46 . 53 104 31 5:0004 67 16 _ 26 _ 98
19 39 4 86 19 22 42 - 66 - 56 - 47 70 64 36 64 69 - 18 - 29 ... 3201 -
28 44 85 91 27 - 23 47 72 62 - 48 72 __ 37 73 23 34 lM 3
32 104 45 89 93 28 35 52 87 - 63 - 53 73 __ 41 __ 82 28 46 6 -
35 6* 46 94 97 30 - 41 55 - 9!) - 65 - 55 79 __ 44 _ 87 41 104 48 m^ 17 -
40 49 96 98 31 44 56 - 1600 66 59 89 pm 51 __ 89 42 64 49 Hita 18
44 55 500 706 33 '. . 54 59 1 69 64 - 91 _ 53 __ 90 45 50 21
60 62 i 2004 8 . 34 60 68 ^> 6 70 66 - 92 ... 60 ^_ 93 47 51 1MB 36
51 65 3 64 13 . 37 63 71 104 7 71 72 - 2100 1 _ 67 _ 2603 - 49 ri A 37
52 78 4 59 42 73 74 64 9 - 73 -76 80 81 -83 i 73 __ 71 6 54 204 56 _ 47 -
54 104 80 - 6 31 45 78 . 75 14 87 104 2 ^_ 73 m 9 - 61 64 60 iBjai 51 -
58 1004 87 7 . 33 1004 39 *64 47 82 83 47 88 64 6 __ 74 _ 12 71 64 61
61 64 90 - 10 49 - 85 85 19 89 8 ' ._ 78 ' 13 - 72 66 __ 61 -
62 63 98 - 12_ 45 - 50 - 87 87 104 20 - 96 - 9 80 16 - 88 104 73 204 73 -
307 13 46 - 53 92 91 64 24 - 92 ...-*'. 94 95 -1808 9 2002 11 _ 88 ---' 11 89 64 90 64 76
65 14 - 18 52 64 98 94 - 16 16 204 16 _ 91 --- 23 90 - 15 77 -
68 19 19 54 65 1204 1402 28 24 64 17 _ 2403 | 27 94 - 98 ^^ 78 -
79 . 20 25 86 66 8 9 104 38 28 21 4 --- , 37 95 - 3101 _ 91
83 25 _ 31. 57 71 16 64 40 - 32 - 22 16 . 42 2900 4 __ 91 -
84 92 94 -97 98' IOO -6 30 -4 -43 - 26 204 35 64 - 81 13 204 33 - 41 12 W4 17 04 27 -28 29 -30 10* 31 64 31 -43 4 -49 51 55 -39 -70 -81 -91 -96 "-9 1900 9 104 17 64 48 23 17 54 2 6 95 -
29 64 39 .62 84 16 64 35 - 46 24 _ 18 54 8 12 n -
33 44 67 88 104 20 _ 44 47 56 - 28 __ 24 _ B5 - 15 17 3313
36 43 r-45 57 -58 60 86 -90 54 80 93- 64" 27 pd 53 57 58 33 ^ 28 _ 58 21 19 18
64 65 68 70 81 -96 35 204 55 "76 59 . 34 -__ 29 74 H - 20 *23 -
^ 62 98 - 40 4 64 61 77 204 67 . 38 31 : 79 26 21 31 -
83 404 84 84 99 1000 . 46 47 63 65 82 64 86 70 77 - 47 52 34 38 80 92 29 -34 - 23 27 404 64 . 34 -37 -
74 76 89 90 H 12 i 83 54 z 80 95 fifi 79 83 54 63 39 50 ^__ 2711 15 36 -42 | 28 29 39 -41
52 77 96 13 - 56 \ 1500 1701 84 68 51 ' 29 43 31 n 45
53 104 56 64 65 -64 66 67 W -7 104 1 64 91 fc -96 - 96 98 401 104 64 9 10 U - 82 86 89 91 609 11 16 mm 802. 9* 12 14. 15 21 40 - 14 20 22 30 34 39 55 - 64 63 64 71* 75 7t 77 104 . 5 8 11 14 i 7 -, 18 11 - 1 404 4 64 5 7 9 M -15 tf 104 3 64 94 -97 2105 -9 13 - " 74 81 66 W 9 2308 59 .63 67 73 84 N 96 35 36 .37 44 52 55 73 45 -kl 51 61 -63 89 v 31 42 43 47 43 51 53 14 -5f 81 81 7 -
M - 27 28 30 32 48 49" ^ 43 63 84 4 23 - n 15 t> -. . . 98 ~% 75 79 58 m '88
23 26 '-44 -61 404 '64 8| 40 47' 97 M 81 104 44 67 |i E 1305 7 M 10 24 17 33 _ M lOOf M 64, N -" - 16 -22 H -28 - 11 ; 2511 10 13 45 84 4004 86 64 88 -94 97. -3005 - 68 67 76 71 94 -98 -n -n
.


8
Diario de Pernambuco Terca fcira 8 de Novembro de 1870


i

JURISPRUDENCIA
CONSELIIO DE ESIADO.
Consulta das secces reunidas dos nestcios
do imperio e da justic, tobre a ques-
t3o do direito que ha de'seren obriga-
dos os concessionarios de sesnr-ms a
dar pMas suas torras transito aos vizi-
nhos e coramonicaclo para uso pu-
blico.
Senhor.Mandou V. M. imperial por
nviso de 13 de jiraho prximo #assado que
as secces reunidas do imperio e jostca do
oonselho de est:do consultassem com >eu
parecer sobro a quest3o do direito qm h#
te serena nbrigados os concessionarios'de
sesmarias a dar pe'as suas Ierras transito
aos vizinhos o communicaces para uso pu
blico, assompto este que faz objecto da in-
clusa informaco, dada pela secretaria dos
negocios da agricultura, e do parecer do
conselheiro procurador da cora.
A informafo da secretaria a seguinle :
Quaes os terrenos de sesnurias
existentes as proximidades das linhas fr-
reas ?
Quaes as brgacss dos sesmeiros no
que toca a communicaces pelos seos lor-
enos para \jso ou servidlo publica ?
Qual a obrigaco que tem de conse.itir
que os vizinhos se communiquem pelos seus
terrenos, urna vez que estes viinhos este-
jam establecidos permantemente ?
Taes sao os quesitos a que V. Exc. man-
dn responder. "
l.cQaanto questo de fado, nao tena
a secretaria os precisos dados para prestar
a V. Exc. os exigidos esclarecimentos.
NSo se sabe quaes os terrenos de s'csma-
rias atravessados pelas vias frreas e exis-
tentes em suas proximidades, e a 3* direc-
tora a quem consu'tei a este respeito con-
fessou se balda de informacoes.
Como elemento para o futuro- mappa ca-
dastral do imperio as plantas das vias fr-
reas e os relatnos dos engenheircs explo-
radores podiam nos ter dado interessantes
dados estilsticos, mas assim n5o acontecen.
Nestas exploraces somente se leve em vis-
ta a escolha do inelhor traco para a execu-
cao dos trabalbos technicos; outros nteres*
ses da adminirtraclo nao foram consultados,
nem previstos.
Hoje, para que V. Exc. possa ser escla-
recido a respeito do Io quesito, indispen-
savel exigir informacoes das presidencias, e
da directora da estrada de ferro de D. Pe-
dro II; mas estas' informacoes n5o serlo
i5o completas e satisfactorias, como certa-
mente seriara, se os engenheiros no levnta-
melo das plantas fossem notando mar-
gen todas as informacoes que podessem
colher, e tudo quanto fossem observando
em relaco natureza e propriedade dos
terrenos, sua prodcelo, ttc etc.
2.So tivesse de -informar a V. Exc. a
respeito dos onus, a que eslo hoje sujeiios
os que corapram trras devolutas, eu l6m-
braria siraplesmente era relaclo ao 2o e 3o
quesitos, o que dispoem o art.,16 Io e
2 da lei n. tiOi de 18 de setembro de
1850:
As trras devolutas que se venderem
Picarlo sujeilas aos oaus seguintes :
Ceder es terrenos precisos para estra-
das publicas de urna povoaclo a outra, ou
algum porto de embarque, savo o direito
de indemnisaco das bemfeitoras do ter-
reno oceupado.
Da servidlo gratuita aos vizinhos quan
do Ibes for jndispensavel para sahirem s
urna estrada puOlica, yo\bQa ou ponto de
Zbarqne, e com indemnisaco quando Ibes
proveitosa por encurtamento de um
' nuarto e mais de caminh.
Mas V. Exc. refere-se aos terrenos de
sesmarias e aos principios que reguaran
- esta materia antes da lei de 1850.
Comqnanto nao possa levar toda a luz as
questes propostas (porque de urna materia
ainda hoje to obscura e sujeila a tantas du-
ndas nao sou o mais competente par* in-
formar), procurare ao menos estabelecer
as bases para a discusslo dos pontos ver-
tentes. .
Sabe V. Exc. que, por lei antiqusima
incorporada na Ord- 1. 4o lit. 43, foram re-
guladas as concesses de sesmarias, e fir-
mados certos pontos de direito no inieres-
se publico, e mesmo no interesse privado.
Das diversas disposijoes dessa le se co-
nhece que as concesses de sesmarias se nao
fazam com desproveito do publico.e dam-
no dos particulares ; era preciso que am-
bos ficassem perfeitamente concillados.
Podiam ser dadas trras de sesmarias
orna vez que nlo fizessera grande impedi-
mento ao prove*) geral dos moradores, nos-
pastos dos gados, cna^es e logratnento ee
lenjia e madeira para suas casas.
Em todas as concesses. devam sempre
respeitar os que as houvessem de dar,
que nao fosse maior o damno que alguns
por causa dellas podessem receber, que
o proveito da lave ora.... o quando n3o
obstante fossem concedidas,os moradores
podiam demandarse entendessenv qce U-
nham direito para isso.
Na concesso do matas e trras maninhas
para rocasse devia aitender igualmente
ao tem geral u particular, vedndose a con-
eesslo quando dola podosse resultar damno
ao logramento a criaco... (i,ndo-s sem-
pre respeito ao-dar das ropas, que por pern-
eo proveito particular e de pouca dura, nlo
se faca damno .geral aos moradores dos lu-
gares, ou a algum-delles em particular)
9, 10, 12 e 14.
Estes principios, que foram os regulado-
res das 'oncessoes das sesmarias, no Bdoo,
tiveram applcaco no Brasil desde que os
donatarios das capitanas, e posteriormente
seus governador.es e capitSes gencraes, se
achavam revestidos do poder competente
pra conceder sesmrria3, sendo-lhes estas
facilidades con'edidas os regimentos que
traziam e em cartas. regia3| expedidas ou em.
termos genricos, ou em casos especiaos.
N'?sses documentos se faziam referencias aos
principios das ordenaces, e se estabele-
ciam os imites das sesmarias, e se regula-
vam a maneira. forma, clausulas e condi-
cQea com que deviam ser concedidas, me-
iliant sempre confirmaco regia, ou peste-
riormente da mesa do desembargo.
Essas clausulas e condices vaiiavam
conformo as circumstancias e conforme a
experiencia ia demonstrando serem necessa-
rias. grande o numero dos alvars, car-
tas regas e provsoes expedidas aos gover-
nadores a este respeito, e seiia um estado
muito til, se dos archivos pblicos se man-
dasse desenterrar esses importantes docu-
mentos (muitos dos quaes nunca foram m-
pressos), e coraellesse formasse um cdice
systematico das les e principios regulado-
res em materia de sesmarias, porquanto,
muitos abusos se deram. multas irregulari-
dades se pralicaram out'ora, em detrimento
dos legtimos concessionarios, e nao ser
para admirar que ainda muitos letigios se
levanten), quando seriamente se cuidar de
discriminar o dominio publico do particu-
lar, e do particular entre concessionarios ou
seos herdeiros.
Circumscreve.ndo-me aos limites das ques-
tes propostas, deixei de parte considera-
(Oes de outra ordem, para nlo alongar este
trabalho.
as antigs cartas de sesmarias, alm da
reserva que se fa.zia das fontes, portos, pe
dreras, minas e matas com madeira de lei,
se acautelava a obrigac3o de darem os
sesmeiros caminhos pblicos e particulares
por mas trras.
Nlo pude encontrar as cartas regias que
impuzeramesta obrigaco, assim como mui-
tas ouiras, das quaes conservo as datas,
porque na j existem impressas, nem mesmo
a proviso de 13 de abril de 1738.
Apenas posso citar a proviso de 19 de
maio de 1729, a qual determinou que nos
district03 das sesmarias seriam obrigados
os sesmeiros a largar a cxtensio de terre-
no preciso, quando nelles se bouvesse de
erigir alguma villa, bem como o sitio para
sen logradouro.
A de H de marco de 1759 determinou
que as carias de datas de sesmarias se de-
clararse que. harendo na trra concedida
estrada publica atiavessando rio cauJaloso
que necessitasse de barca para sua pas'sa-
gem, devia icar eservada em ambas as
margens trra precisa para logradouro pu-
blico e commodidade dos passageiros, e em
urna das margens meia legua de ierra era
quadra.
Essas e outras.clausulas foram sendo es-
tabeleci4as em differentes datas, at que por
alvai com forca de lei de 3 de margo de
1770 se deu mais largas providencias acer-
ca da concesso cas sesmarias; mas nesse
documento nao encontr expressamente na-
da com referencia aos quesitos em questao ;
entretanto urna memoria escripia pelo go-
vernador D. Fernando Jos de Portugal so-
bre as sesmarias da Babia referindo-se a
esle alvar diz o segrate :
Antes do alvar de lei de 3 de marco
de 1770 para re darem as trras de sesma-
rias, mandaram os governadores reformar
ao provedor-mr da fazenda real e ouvid.a
a cmara do continente das mesmas trras
cora resposia do procurador da cora, pas-
savam-se as cartas do^ sesmarias pelas se-
cretarias do governo: xepois da sua publi-
ca? o, manda o soverno e capillo-general,
como se eslabelece no % 1", informar o
chanciller como ministro da junta de ad-
ministraeaq da fazedVpara que proceden-,
do s diligencias praticadas pelo dito pro-~
vedormr, possa mandar passar es cartas
que logo se registram na secretaria do go-
verno, e com o auto da posse se registram
tambem nos'livros da fazenda ; e oppondo-
se algum terceiro com embargos carta, se
reraettem para o juizo dos Jeitos da cora
e fazenda, para em relaco se determinaren)
como for de justifa.
esta forma'idade com que seconcedem
as sesmarias, declaraulo-se *nas cartas as
clausulas e condic5:s seguintes em confor
midade das ordens cima reatadas: que
o sesmeiro pagar annualmente fazenda
real o foro arbi rado pela cmara ; que
aproveitar a terra, dentro do termo legal,
nSo podendo passa-la antes disso a outro
algum dominio, pena de se dar a terceiro,
que ser obrigadi a d e particulares, etc.
Begulava-se, pois, a administrado em
materia de concesso de sesmarias pelas or-
dens que iam emanando da cora e dos tri-
bunaes, n3o ha vendo por consegrante regi-
ment proprio.
Da falta de uniformidade de proceder a
este respeito, na fa'ta de legislafo perfeita,
n3o para admirar que muitos abusos se
dssem, que serios cunllictos apparecessem
em todas as capitanas; e taes foram elles,
que por vezes tiveram de ser cassados os
poderes conferidos "aos governadores para
sua concesso, e alia! foi decretado o alva-
r de 5 de outubro de 1795 com o regimen-
t geral das sesmarias, que porinexequivel
nao teve execucao e foi suspenso no anno
seguinle por carta regia de' 10 de dezenibro
mandndose que sobre elle informassem os
governadores.
Nesse alvar se determinou que ficavam
em vigor as ordens anteriores ( Io) que
nao eram pjr elle expressamente revog*-
das, o alm das clausulas j estabelecidas
se impoz ao sesmeiro o onus de concertar
as estradas as te. tadas das suas trras,
principio que pela primeira vez era lem-
brado.
A exigencia da demarcaco das trras sob
pena de commisso era moito onerosa, prin-
cipalmente porque no Brasil nao havia
ento nem pessoal babilitado, era os
raeios de fcil transporte; e comquanto ti-
vesse o alvar de 25 de Janeiro de 1809
providenciado a respeito, regulando o modo
das demarcares, facto que nem aquella,
nem esta lei tiveram elBcazexecuc3o, e por
assim dizer tornaram-se lettra mora. O
alvar das demarcaces estabeleceu que
dellas fossem excluidas as serventas publi-
cas e as fontes.
Da nao execncSo .de um e outro alvar
resultou que continuaste a remar a mesma
confuso e desordem em to importante ra-
mo do publico servico, que os conflictos se
reproduzissem.em maior escaa, porque os
sesmeiros foram sendo esbulhados pelos
posseiros, os dominios pnblicos invadidos,
o impossivel se tornava nesse estado de
coosas a liqaidaco do direito de proprie-
dade pelas autoridades e tribunaes.
E' claro do que (ka dito que na conces-
so das sesmarias nunca houve urna pratica
uniforme em lodo o Brasil, mas geralmente
as concesses eram feitas ^.com as clausulas
recommendadas om varias carias e profi-
ses. Em.muitos ttulos eram essas clausu-
las extensamente exaradas, em ontros usa-
va-se de urna forma genrica com referen-
cia s ordens o leis em vigor, mas em um
e outro caso tinha lugar a recommendac3o a
que se referem o 2a e 3o qu -sitos.
Comquanto pela resoluco de consulta de
17 de julbo de 1822. confirmada pelo aviso
de O de setembro de 1828 e resoluco de 5
de fevereir de 1827, se mandasse suspen-
der as concesses de sesmarias at a con-
vocarlo da assembia geral constituinte,
muitas foram posteriormente concedidas
pelo governo, e de corta data em diante
pelo corpo legislativo, licando ILvre ao go-
verno o direito de regular as clausulas das
concesses.
E assim permanererara s eousas, at
que a lei de 18 de setembro de 1850 e os
regulamentos.de 30 de Janeiro e 8 maio
de 1854 vieram estabelecer novo syslema
para a concesso e distribuicao dos terre-
nos devolutos, sem "coratudo alterar as con-
dices actuaes da propriedade territorial.
A lei de 18 de setembro nao estabeleceu
doutrin nova no art. 10, || 1, e 2.;
pois para mim sem contestarlo que os
imanas, soja
\ 'se adieto
-) conceder
leixar de
lveoieutemeu-
poatoidores-do ter
ff omod
empossados, te
trans
consentir que- os vizim
te efltobeleeidos tambara se comminiquem
^v suas trras, quando indispensavel for.
]' este o jnen paracer, entretaalo V
Exc. resolver como for de direito, ouvin-
do previamente o conselhe:ro procurador
da cora.Jos M. Pemra de Alemcastr'e.
O parecer do conselheiro procurador da
cora este:
Illm. e Exm. S-.Cumprindo o que.
determina V. Exc. no seu oflicio de 2 i de
dezembro ultimo, relativo qcestfo d di-
reito qu? hi para as sesmarias serem obri-
gadas a dar transito aoj seus vizinhos e
communicaclo para uso publico, Urano a
dizer o seguinle. :
A doutrin sustentada pelo ctffe da 2.a
secQSo'da 2.* directora, e que moreceo o
assentimento do director, o conselheiro
Ga|v3o, verdadeira, fundada rrao s na
natureza &i cousas, como nos principios
cardeaes do direito, e at em legislapa
appropriada, positiva:'
Como trancar os meios de communicaco
fcil e prompta dos risiohos ?
(Continuar-se-ha).
YARIEDADE
FOLHETIM
nUDEPOIS DE MORT i
POR
"Xavier de Montpin.
PARTE TERCEIRA.
A COJDESSA DE RAHOff
(Gontiouario do n. Vrt)
XIV
Termina o crate.
Oito dias depois de ter deixado a casa
solitaria, a carraagem na qual iam a con-
dessa de Babn e a forraosa Olympia ntrou
em Paris, dirigio-se para a alameda do
Hospital, eparou diante de um-vasto edi-
ficio coja elevada frontaria, u3o obstante o
seu aspecto monumental, traba, um nao sei
que de triste e de sinistro.
Aquello edificio que dra o nome
alameda. Por cima da porta principal,
sempre fechada, liam-se estas duas pala -
vras fundamente gravadas as pedras do
frontispicio: .
Hospital geral.'
O povo de Pars costomava cbamar-lhe
a Satytriere, e ficou-lbe o nome.
O marqoez de Saiot-Maixenl entregou as
rdeas do cavado um moco da esquina,
e encammhou-se para o postigo que havia
no grande portao da entrada.
Poneos segundos depois de ter dado um
argolada, appareceu urna cara por traz da.
rotula, esetisfeito de certb o-co cerbero
de ver o semblante e aspecto deslindo do
que batia, eo-se pressa em abrir o posti-
go e perguntou com um modo affavel :
Qoe deseja, meu fidalgo ?
Desejo fallar ao senhor director.
O porteiro cocou a caber; com ar con-
taso e fleon indeciso.
O ennor director esta c ? continuoo
o marqoez.
Est, sira, senhor.
Ento, tenha a bondade de me deixar
entrar.
E' impossivel.
Porque ?
Porque o senhor director est comen-
do, e quando elle se assenta mesa nao
capaz de se incommodar por ninguem
d'este mondo.
Pois eu afianco-lbe que se ha de in-
commodar por mioha causa. Diga-lbe qoe
o marquez de Grancey oo Poitou, amigo
intimo do senhor de Colbert, pede urna
entrevista inmediata para negocio impor-
tante, que nao pode ter demora.
E como o porteiro ainda hesilava, Saint-
Maixeat metleo-lbe na mo dous luizes e
continuou :
V depressa, mea amigo, e tome la-} meu charo director.
esta bagatella para beber minha sande.
Quem resistir to poderosa persua-
so ?
O porteiro mandou.entrar o nosso here
para urna vasta casa mobiliada com bastante
singeleza, e disse lhe:
Nao se impaciente, senhor marquez,
vou n'ura p e venho n'ootro.
Saint-Maixent, com a singular prudencia
que .nunca o desamparava, tinha-se annnn--
ciado com o nome de um fidalgo, que nao
sabia nunca das suas possesses, e qoem
Colbert honrava effectivamente com amiza
de muito intima.
Era mais que provavel que o director do
hospital nao conhecesse aquella fidalgo.
O porteiro tornou a apparecer com o
sorriso nos labios.
Se o senhor marquez se digna dme
seguir, disse elle, o senhor director ter a
honra de o receber immediatamenle.
O tal director era um homem dos seus
sessenta annos, pansudo, de physionomia
um tanto vulgar, mnito apegado ao sea
[.emprego, ou pelo meaos ao. crescido esti-
pendio que elle lhe dava, cheio de respeito
para com a nobreza, e de vaneraclo para
com o po'ier, e qoe sentio ama alegra
indescnptivel, quando lhe foram dizer que
MANIFEST DHUGIDO PEL\ MWORIA
HEpUBLICANA HESPANHOLA AOS BE-
PUBLCANOS FEDEBAES.
(Concluso).
Ao terminar o anterior periodo legisla'i-
vo annuncioo o giverno que nao tinha can-
didato algum cora, nem esperanca de en-
contra-lo, ainda que persista em seus des-
ditosos trabalhos; como se as monarchias
verdadeiras, as monarchias natnraes, nos
lempos em que estas insiitoicoes podem
nascer e desenvolver-se. fossem obra do
momento, do acaso, da arbitrariedade mi-
nisterial, da intriga diplomtica ; as mo-
narchias que ao representarem a unidade
da nacSo e o prestigio do poder supram",
devem levar em si, como lei propria e nlo
emprestada, a antoridade que a todos se
impe, a magestade que ningiiflin disputa,
os resplendores de fortuna o de gloria que
deslumhrara, e cegara os povos.
Besolvido o nosso governo a ter re,
maior ou menor d'edade, hespanliol ou es-
trangeiro, allemlo on latino, do norte ou
do meio-dia, conhecido ou desconhecido do
povo, chamou as cortes para lhes pronun-
ciar o nomo do candidato, alheio oossa
raca, e nossa historia, educado em insti-
fuifes contrarias .s nossas, engendrado na
marebiavelica poltica prussiana, qae traz
perturbada com as suas ambicas toda a
Europa ; e que, propondo-se perseverante
mente resuscitar o antgo imperio allemo,
sob a tutela moral do protestantismo, e da tu-
tela material dos Hohenzolerns, vio no throno
hespanhol, ou um meio de satisfazer a vai-
dade da sua familia, ou um pretexto para
accender a guerra cora a Franca.
As cortes hespanbolas f iram chamadas
quando a familia real de Prussia acceitava
a cora, e despedidos,, suspendeu-se o cba-
mamento, quando a familia real da Prussia,
atienta sempre aos seus interesses, recusava
essa cora. oHerecidav como se tivesse pas-
sado a ser vinculo, pelo governo, sem con-
sultar previamente a opinio publica, re-
ceioso de ver desfeito o seu inverosimil
candidato, sob o peso de ruidosos e unni-
mes protestos. '
N3-, que nd queramos consentir na ig-
nominia das cortes, reunidas e dissolvidas
ao arbitrio dos interesses ou caprichos dos
Hohenzolerns, oppozemonos a que se irevo-
gasse o primeiro chara imento, e declara-
mos quo j era hora de fundar um governo
democrtico n'esta nacSo, maltratada pela
tyrannia dos anlgos res, e injuriada pelo
desprezo. dos novos candidatos.
Mas as corles nao se reuniram, por 3so
que a raaioria da commissl permanente
continuou inspirndose no governo, e o
governo temeu um debate publico, e a ne-
cessidado incontrastavel de por solucas
radicaes, era harmona com as leis que
demos, ecom os principios que escrevemos
no titulo primeiro da ossa consttuc3o.
Tres vezes p opozeram os aossos delega-
dos na commissl permanente o chamamen-
to das cortes, e tres vezes a maioria os
desattendeu, apoiando-se no pensamento do
governo. E o pensamento do governo, ex-
pressado em repetidos discursos^ pelo Sr.
ministro que assume a responsabilidade dos
um fidalgo, amigo intimo de Colbert, lhe
desejava fallar.
Como prova da sua humilde cortezia foi
receber Saint-Maxent escada, e inlrodu-
dio o nos seus aposentos, fazendo mil com-
prmentos e desfzeodo-se em desculpas pela
tolice do porteiro, que ousara fazer esperar
o senhor marquez.
O nosso here deixou- fallar, accetou
as desculpas com benevolencia, repimpou-
se n'uma poltrona e dignou-se de sorrir.
Julgo intil affirmar que estou com-
pletamente s ordens do senhor marquez,
accrescentou o director. Considerar-me
bia o bomem mais feliz do mundo se a mi
nha boa estrella me permittisse o ser til
ao senhor marquez.
Pois a sua boa estrella permitte-lh'o,
negocios estrangeiros, n5o obstante 9 tul
pesada siiuaclo nesj^ -(Wflcilim criae ; o
pensamento dj governo revela-se por urna
confianc da sua omnisciencia, o ami des-
cunanca di ntervdofS) pjrla!n:-nlar na
cansa pnblica, que recordara as praticas
mais funestas dos governos pessoaes, e as
apprehenses mais supersticiosas da poltica
bourbonca.
Pela nossa parte, temos proposto em
todas as sesses da pormanente a convoca-
ejo iramediata das cortes; mas sempre nos
respondeu a maioria desattandeodo a nossa
petic3o, o tendo ora'pjnc c?nta as razes
em que a apoavamos.' Achar-aoj-hiamos
autorisa<|r para elevarmos as cortes, mesmo na propos-
ta que firmara o ma or narnro de depula-
dos pissives, e exigir da s plaua aobe-
rania a reuni) iramediata.
Ese metade o imis um disdeputados
admiitidos assignassem essi proposta, auto-
risarnos-hiaraos a reun,- nos no salo de
sesses, prescndindo do giverno. e dando
ura voto de censura coraraissao, e a pre-
sidencia na sua negativa a apo'tiu. PorqiM
nao conhecemos,. nem na permaramte, nem
na presidencia, direito algum, nem assomo
de direito. para se arrogar o exerdeio re-
gular da soberana publica, personificadas
as cortes, as quaes podem revocar os po-
deres da comra sso, da presidencia, do mi-
nisterio e di regente.
Ainda qoe as.autoridades parlamentares,
lipje constituidas, tivessem direito para con-
vocar e suspender s corees, devam senlir,
dewam conhecer que essi direito se encon
tn at nis ramirobias canstilucionaos ; di-
rigido pela razio, e limitido pola prudencia.
E o proiongad) eclipse da nossa soberana
n'stes momentos supremos n\> pode cora-
prehender-se nem explicar-se, correndo,
como corremos, o perigo de entregar, por
franqueza ou por incuria a sorte da naco
diplomacia inonarebica da Europa, pelo
que seriamos rosjde lesa pati 11, e passa-
riaraos posteridado amaldicoados e des-
honrados.
O? fados succedem-se. e mulam com
urna rapidez vertiginosa.
Guerras que eram defensivas da sobera-
na poltica, e da independencia de um gran-
de povo, concluara por ser offensivas da
seberania poltica, e da independencia na-
cional de outro grande povo ; exerritos qoe
assestavam as suas arm is contra um gover-
no tyrannico, contra o imperio, assestanvnas
contra ura governo democrtico, contra a
repub'ica; e o conflicto, qufr era urna riva-
lidadc de reis passa a ser urna tremenda
opposiclo de ideas, urna lua entre o abso-
lutismo do norte e a lib?rdado do meio-dia,
um choque -de duas racas eginlmenle illus
tros; choque to tremendo, t3o pavoroso
como seria o dioque de doas mundos, na
immensdade do espaco. Cmprehcnde-se
que nos estejamos tranquillos e indinaren
es ante todas estas catastrophes ?
As corles n3o podem estar eivadas do fu-
nesto fatalismo, que deixa correr ao a^aso
os factos sem os dirigir nem encaminhar,
porque nao acredita na libardade, nem na
responsabilidade humana; i\ ie olba com
indifferenca para o predominio dj direito
ou da forja, porpia nao tena pensamento
proprio; que ti>ma os reffexos dos mais op-
pestos partidos, porque acolhe na sua cons-
ciencia a luz de nenhuma idea; que passa
de urna dynastia a outra dynaslia, de Por-
tugal Italia, da Italia Allemanb', de urna
repblica sem nome a urna regencia sem
re, porque nao sent, nem a verdade dos
systemas, nem forca das insntuices ; que
aguarda sereno o impassivel o resultado de
gigantescas, lulas eslranhas para ligar as
suas ambicds e os seus interesses ao cor-
tejo da deCnitiva victoria.
Nao, nlo compreheosivel, que a oc-
cultas nossas, sam o nosso voto, e sem o
nosso conheciraento, se tenha urdido e des-
feito urna candidatura ao throno hespanho1,
como se o governo f*sse um governo ce-
zarno em toda a sua forca, e as cortes um
senado romano nos seus angustiosos futuros.
Ninguem comprehenle o escuro enigma
da poltica reinante.
Nlo compreheosivel que as ulliraas as-
semblas francezas- lanham declarado a
guerra fondando-se as nstcias da nossa
poltica interna, e nos nada temo3 dito, nos,
que talvez evtassemos esse acoute decla-
rando nicamente que o povo hespanhol
nao podia ser cmplice dos insensatos pro
jectos minjsteriaes, nem subdito de urna dy-
nastia, que apenas lhe recorda pela sua ori-
gera e pela sua raca. os doas luminosos se
culos do dominio austraco, malditos por
toda a nossa historia.
Aguard entlo com impaciencia que
o senhor marquez tenha por bem explicar-
se, afim de eu satisfazer immediatamente
os seus desejos.
A minha pretenclo muito simples,
e nlo lhe cansar nenhum ncommodo.
Tanto peior,. porqae terei menos me-
recimenlo.
Trago-lhe urna pensionista.
Bem vjnda seja. moca ?
*_ Tem tr'rata annos.
' De -cerlo incuravel ?
-- Beceib que sira^
De que especie a sua loacara t
E' ama loocura singular e complexa.
Explicar-lh'a-hei do melor modo que me
fr possivel ; mas primeiro que tudo de vo
dizcr-lhe qae a senbora marqueza de Gran-
cey e eu nos interessamos mnito por essa
pobre demente^ que nasceu as nossas pos-
sessas, e que inoffensiva ; mas tem sido
inuteis todos os esforcos feitos para lhe
restituir o aso da razo. Deas, porinfeli-
cidade sua, creou-a fermosa. Becebeu alm
d'isso alguma educaclo, e os seas dotes
naluraes e os adquiridos, attrabiram para
ella os galanteios de om fidalgo, qae, de-
poit de a seduzir, dando-lhe palavr de ca-
samento, a desamparou, Foi, pois, o amo;
que, junto urna vaidade excessiva. a fez
perder o juizo, Persuadio-se de que era
urna fldalga, e deu-se successivamente os
ttulos das primeiras familias da Franca, o
que, bem ha de comprebender, em ex-
tremo desagradavel para essas familias.
Ora essa 1 forte duvida I exclamou o
director muito convencido. Era com toda
a certeza urna cousa intolerante, um es-
cndalo, um verdadeiro escndalo.
Tal foi o primeiro periodo da sua
enfermdade mental," prosegoio o marquez.
Depois transforraou-se a sua demencia, ou
para melhor dizer, j nlo demencia,
idiotismo. A pobre mulher parece que
nlo v nem entende. Nlo responde s
perguntas. Dorante semanas inteiras nlo
falla, depois, esse silencio succede um
fluxo de palavras incoherentes, como as
poderia pronunciar urna crianca que tivesse
aprendido de cor algumas pbrases de lin-
guas estrangiras, sem saber a significac3o
d'ellas.
Tudojsso carioso, mato carioso,
marmrea "o director, mas nlo caso
novo. Dentro, de certo praso ha de repe-
tir-se a primeira loucur, se pelo menos o
idiotismo nlo fr em augmento. Permit-
te-me o senhor marquez que tome algumas
Dotas. ^
De certo.
Como se chama a doente ?
Simoa Ray.tmrado... respondea o
marquez. sem hesitar.
Idade ?... .Parece-me- qae o senhor
marquez disse trinta annos.
Exacto.
Ha qdanto tempo se apresentou essa
desordem intellecloal ?
Ha tres annos, jpouco mais ou menos.
\gradego sinceramente, ao eohor
marquez. E' s o que preciso, saber. Ah I
falta arada ama pergunta. Nos temos aqai
dementes de duas calhegorias; amas,
qae entrara, titulo gratuito oo por deter-
minado administrativa^ cajas despezas de
sustento, etc. sao pagas pelo estado; outras,
de qaem as familias salisfazem nt Ihesoa-
NJo onpreiwnsiwsl qae a
marche sobre o povo franraz, inreeasi>
direito da forca. d-i conqola, a sois ad
posaam s dirigir a csa-l alna de si rasios inextioyjiveb de h
a de sangue, ama palavra de
e de paz.
Nlo comprchensivel qae a
fra i coz a se tenha levantado de novo, t aa,
povo.que ae desfez da sua velha droaUn,
e proclaraoa os direitos fonJanaeoe 4a
nova democracia, nos, nli paisenws, coa
os Estados-Unidos, e como a Somm, a ssv
dir e reconhecer n'esse rastabele^isMlo *>
direito a idea imuirtal da oossa propna
revolucSo.
Nlo comprelK'Osivel que o podar so-
crtico caa por trra, e nos sos demores
um momento era separar a igrej do estad
para nao ter urna polerosissim inslitmeD
pendente da seberano estranlio. entre oa
sublitos do qual estira desde h je o poli
fice de Boma.
Ni 6 comprehsnsvel qo um rei vsvx-
dor, pago do seu direito divino, ufanado
com as re .ordaces de 1815, invocaado aa
su ia victoria-, qiicira tracar com a soa es-
pada alagada de sangm latioo, os limite
do mappa da nossa poltica n'uin congresao
de reis, como o congas so de Vienna oa da
Verona, c nos, qae na cevolncao de seteaa
bro fiolliemos t litlos perdidos de aoasa
digiiidadc, (.nsmiamos na nniverMi oppres-
slo da soberana popular, e na ruina do
direito publico moderno, baseado aa daaso-
cracia
E ainda qm estas raz">;s i!e poltica ta-
tema nao exislissoiB, a insnrraicij carlista.
a complxdade n'esso facto de orna parta
do clero, as facuidades discricionariaa qee
se arrogaram os governadores mi .tares das
provincias, o seu desarezo ptla i:on-titocao,
as suas invases no poder legislativo, cre-
ando um dir to pesf>al arbitrario, e daa-
conhecendo as primeiras ganiiliis d>* ei-
dados, os males d'esla in-lefini la situijio.
os azares de urna monarchia sem m n ireha.
a penosa incerteza em que nos encoatra-Bos,
a necessiiade impcriosissioia de concluir o
periodo cons itoin'.e ; todas estas e ootraa
muitas razes abonaran, s: l>ise necessi-
rio, a nosso legitioi pretendi da imae-
diata convocatoria das corlea, no seio da
quaes estamos resolvaos- a pedir qoe aa
consecuencias da revo o?ao da se cabro
sejam as que lgicamente se derivan) de
seus principios.
Eleitores: Os ultimos acontecioHaic*
tem desvanecido as grandes objecees de
nossos inimigos, e augmentado os intoxo
das democracias no mando. J c > ba tor-
cas estranhas, nem exlranhos poderes qoe
amedrontem oeapoacados, e sirvan) de prar
texto aos debis para se oppor aspiraci
mais incontratavel da vontade nacional, a
esse governo por termo a todas as fieces inonarchkaa,
e inaugurar os lempos da justica, e do di-
reito.
Os vossos representante, fiis s asna
ideas, decididos com grande energa oa soa
conducta, sem arrebatamento% m ..s sea dsa-
fallecimento, ptocurarao, por todos osaaiaa
dentro do se direito, realiear o grande pen-
saraento que tem sustentado coa penare-
ranea na tribuna, abencoado koeja pstoa
povos livres ; o pensamento de fundar a
nica forma poltica qoe pode substitar o
trabalho guerra, e o direito ao privilegio ;
a repblica federal ibrica na hjaropa
livre.
A nossa f, cada da mais vigorosa, a
robosteee-se mais nos factos qoe sorprt
hendem e maravillnm todos. As otasai -
dades berdalas da monarchia, essa ceolra-
lisacjio apopltica, sses orc->aeatos devaa-
tadores da riqueza publica, esse predoaiaa
militar, esse clero privilegiado, easas pro-*
vi ocias motiladas, esses municipios despo-
jados da sua autonoma, esses novos anea-
C-ados sompre pelos entreves d> sco. a os
horrores das quintas ; os mal* qoe juJg-
mos conjurados coro a revoluc" de setca-
bro, nlo concluirn sean n > dii ea .qoe
prodamarmos a repblica federal, fnna da
governo que 'a garanta mas solida dea
direitos individoaes o penhor aa<
da integridade nacional, a organisario m
perl ita da soberana popular, em todos
seus graos, a idea a cuja defeza cons
remos sem descanco os meios que 1
deram vossos votos, jalgando ser d'a
modo to fiis representantes da vessa
tade e da vossa consciencia, coao decididos
defensores das iuslitoicas qae e\i:;ea a
salvarlo e a honra da patria.
Madnd, 23 de setembro de 1870.
(Seguem as asignaturas.
raria do hospital geral uraa quantia de tre-
sentas ~ annuaes. E' escasado accres-
centar que estas ultimas sao tratadas com
especial esmero. Em qual das calhegorias
devo incluir a protegida do senhor marquez?
Senhor director, volveu Saint-Maixent,
tirando da algibeira alguns rolos de luizes,
a minha protegida, em vez de trezentas 5f,
pagar seiscentas, e aqai tem seis mil
adiantadas pelos dez primeiros annos.
Ah I caspile I O senhor marquez
muito generoso I Voa com sua licenca
passar om reiba...
Est zombando ? bradou Saint-Mai-
xont. Ura recibo entre pessoas como nos I
Que disparate I O dinheiro est as suas
mos, e basta isso ; nlo fallemos de recibo.
Como, quizer, senhor marqoez,
Se lhe parece,, remos buscar a pobre
Simoa, que deixei na minha carruagem em
companhia da senhora marqueza e de urna
aya. Antes, porm, meu charo director,
deixe-me fazer-lhe doas pequeas recom-
mendaces, qae peco sejam transmitidas
aos seus subordinados.
Desde ja prometto ao senhor marquez-
qae serlo stridamente observadas, as suas
ordens.
A" priraerra qu se tenha especial
cuidado em evitar qaalquer tentativa' de
evaso ; a segunda, obstar que Simoa
falle com algaem, sob qualqder pretexto.
Oh I, qaanto isso pode o senhor
marquez estar descantado, disse director
com um sorriso de bom agouro. Para
fallar ama das minbas pensionistas, pre-
cisa urna licenca assrgnada por mim, regra
esla sem excepcao, e se vierem pedir-me
essa licenca, terei todo o cuidado em a
negar. Qoaoto s evasoes, sao de todo o
ponto irapossiveis. Ninguem foge da Sal-
petriere. Temos aqai solidos maros, es-
pessas grades, segaros calaboucos, e o qae
melhor, vigilantes cojo zelo 6 infatigaVel.
Se o senhor marquez quizesse fazer-me a
honra de visitar os differentes comparti-
mentos do hospital geral, convencer-se-hla
pelos seos proprios olbos, de qae nada ha
a receiar, e que as doudas que aqai I
tem vio, s saem caradas oa aortas.
Saint-Maixent deu-se por salisfeito, a
hio era companbia do director para i
buscar a supposta Simoa.
No caminho encontraram done
que, obedecendo um gesto do
segniram.
Chegaram afinal aonde eslava a
depois de infinito* enmpriaentos a fcnausa
Olyrapa, quem tomou naturalmente pala
marqueza de Grancey, disse o director in-
dicando a condessa de Babn :
Creio que esta a protegida do se-
nhor marquez ?
NSo se engaa, voveo Saint-Maixea.
Tem urna figura ioteraassola eajoaa
deslinda. Na verdade, (31 pena qoe asa
senhora to sympatbica esleja em
te estado. Infelizmente, aaiieoacio
tal poucas vezes tem remedio.
Emquanto o director aaootoava
de indifferente compaixaO, o aai
pela mo a condessa .para a obrifar a des-
cer. Mara obedecen passivaaenla, costo
de costume.
Os dous guardas agarraran a cada sjojl
pelo seu braco, e levaram-a, sea qoe la
oppozesse a menor resisten:ia. para o par-
ti, por cima do qual tana podido |
se qaelle famoso verso da Dirim 1
Lasciate ogni speranza r ckemnu.
A porta fchou-se al que
ram.
O director despedio-se, e, dapois da
tos camprimentos, terminoo eaoj'-*'--
lavras :
Atrevo-me a esperar qoa j
marqaez, salisfeito do meo saf
r da me recommendar ao sea
go o senbor Colbert...
Cont com isso, radjrgoJp
xent.
(
HP. DO DUBIO-MJ* DO DO


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EH2Z80HW6_KQAGHX INGEST_TIME 2013-09-14T00:09:16Z PACKAGE AA00011611_12257
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES