Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:12241


This item is only available as the following downloads:


Full Text
^r
MHO XLVI. NUMERO 237.

!
\
I
PAU A CAPITAL E LOGARES OIDE IA0 & PASA P01TE.
Por tres mezes atontados.......
Por sds dilos idem........t .....
Por mil armo dem.........]
Cada, maulero avulao........ ......
60000
i20000
844000
320
QUARTA FEIRA 19 DE OTUBRO DE 1870.
paSa deitbo e fora da PBOvnreA.
' Por tres mezes adiantados
Por uis ditos dem. .
Por nove ditos idem .
Por om anno idem '. .

OfTM
43*00
SOfBO
171000
PEMAMBIM
Propriedade de Maooel Figueira de Faria & Filhos.
SMt ACBNTE9:
Os Srs. Gerardo Antonio Alves 4 Filhos, no Parir; Gongalves A Pinto, no Maranhao ; Joaqnim Jos de Oliveira, c* Cear ; AnRio de Lens Braga, no Aracaty ;. Joao Mara Julio Chaves, no Ass ; Antonio Marqus da Silva, no fetal; Jos* JottiM
Pereira d'Almeida, em Manwnguape; Antonio Alejandrino de Lima, na Parabrba ; Antonio Jos- Gomes, n Villa da Penha; Belarmino dos Sant03 Baldo, em Santo Ant2o; Domingos Jos da Costa Braga,
em Nazareth ; Francisco Tavares da Costa, em Alagoas; Dr. Jos Martfos Alve, na Baha; e Jos Ribeiro Gaspgrmho no Rio de Janeiro.
PAITE OmCIAl.
Governo da provincia.
EXPEDIENTE ASSKinABO PELO BXM. SR. DESBMBAROA-
DOR FRANCISCO PE ASSIS l'BREIRA ROCHA, VlCB-PRE-
MDBN1* DA l'RDVINCIA, EM li DE MAIO DE 1870.
I* seccao.
X. 73i.Offlcio ao Exm. Sr. general eomman-
dame das armas. Remallo a V. Exc. uro exem
plcr impresso decreto n. ?>0i de 1 de abril
prximo flido, que nesta dala envi a capitana do
pone para lar a devida puhlicidade e pelo qual sao
indultadas as pracas los differenles corpos da ar-
mada, raperiaes marinheiros, batalho naval e
m rinhagem que desertaram da esquadra imperial
com excepcao das que deseriarem para o ini-
migo.
. 731Dito ao mesmo.Constando de aviso
ds ministerio da guerra de II deste mez, que o
desertor Joo Molesto Silveira, que segundo o ofi-
cia de V. Exc. datado de 9 de abril ultimo sob
n. 180, deviaseguir para acorte nodia 11 daquel-
le mez no vap r Tocanlins nio foi all reeebido,
convm que V. Exc. declare o destino que leve o
mencionado desertor.
X. 73:1.Dito ao mesmo.De parte do eomman-
dame superior da guarda nacional deste municipio
ser apresentado V. Exc. para que tenlia o con-
veniente destino o guarda do i* batalho de infan-
taria Graciliano Francisco das Cnagas, que pelo
respectivo commandante foi dado com destino para
o exercito.
N. 73i.Dito ao director do arsenal de guer-
ra.Para cnmpriraenio do aviso da repartido da
guerra de 7 do crreme, mande Vmc. com urgen-
cia ericaixotar, allm de serem remettidos para o
arsenal de guerra da corte na primeira occasio
qne se offerecer os sapitos qne de :nais existirem
ne-se estabelecimeoto.
X. 733.Dito ao capillo d) porto.Remeti a
Vmc. para dar publicidad* os inclusos exemplares
impressos do decreto n. 4502 de 2 de abril ultimo,
concedendo perdo as pravas desertadas do di-
versos corpos da armada os quaes me forain en-
viados pela secretaria de estado doa negocios da
marraba com offlcio de 5 do correte.
X 736. Dito ao conselho de compras na-
vaes.Autoriso o coaselho de compras navaes a
promover a compra dos objeclos de material cons-
tantes de seo offlcio de 20 do crreme, visto seren
precisos para provimento do almoxanfadi de ma-
rinha.
X. 737.Portara.O vice-presidente da pro-
vincia, attendendo ao que requereram Pogas & C.
resol ve conceder-II ie, licenga para embarcaren! no
primeiro vapor da companhia Pernambacana que
seguir para o presidio de Fernando de Noronha os
gneros consumes da relacao junta assignada pelo
secretario interino da presidencia, nao podendo,
porm, effectuar o desembarque dos mesmos gene-
ros naqnella ilba sem que por parte do respecti-
vo commandante se proceda a exame, afim de
\>riflear se na agurdente ou ontra qnalqner be
hiila espirituosa.
2.' seccao.
N. 738.Offlcio ao Sr. Dr. chee de polica.In-
orme V. S. se julgar necessaria a continuacao do
destacamento da guarda naciodal exisienle em
Villa-Bella, havendocomo ha um outro do corpo
provisorio de polica, aflm de poner deliberar so-
bre a materia do seu offlcio n. 765 de 18 deste
mez.
X. 739.Dita ao mesmo.Respondendo aos of-
licios de V. S. n. 507 e 531 de 13 e 18 do mez fin-
do, tenho a dizer-lho, que em vista do que infor-
ma o engenheiro chefe da reparticao das obras
publicas em offlcio d. 129 de 11 do correte sobre
a casa que serve de cadea na villa da Escada,
mande V. S. allugar outra devendo as respectivas
autoridades enviar para a casa de detenco nesta
capital, aquelles presos que estiverem indiciados
era crimes graves.
X. 7*0.Dito ao mesmo.Inteirado de quanto
V. S. me informa em seu offlcio n. 753 de 18 do
Trente, sobre o facto praticado em Garanhuns
pelo voluntario da patria Joo Bernardo da Silva
Perigoso no dia 10 deste mez, tenho a dizer-lhe
que recommendo a promla conclusao do processo
instaurado.
N. 741.Dito ao mesmo.Respondendo ao offl-
cio de'V. S. n. 752 de 18 do crreme tenho a di-
zer-lhe que cumpre averiguar o facto do roubo
de qne trata o Diario Ofpcial, e proceder-se a
repeito regularmente.
X. 742.Dito ao mesmo.Providencie V. S. no
sentido que requer Helena Boom Travasso, no re-
querimento junto por copia.
N. 743Dito ao mesmo.Deconformidade com
as informales jnntas por copia da thesouraria
provincial, acabo de autorisar o respectivo inspec-
tor a mandar que a quanlia de 9964800 prove-
niente da despera com o sustento dos presos po-
bres da cadeia do termo de Flores nos mezes de
f utabro de 1868 a agosto de 1869, e de fevereiro
a marco doste anno, seja levada em conta ao de-
legado daquelle termo a de 66/000, e pagar a lia
uoel Jos de Campos Barbosa, ou a Manoel Pessoa
de Siqueira Campos, para indicados no offlcio de
V. S. de 16 de abril nltimo sob n. 513, o saldo
que se d a favor do mesmo delegado na impor-
t mcia de 930*800, o qne declaro a V. S. para seu
conhecimento, e era resposta ao citado offlcio.
X. 744.Dito ao commandante superior interino
da guarda nacional do municipio do Recife.Man-
de V. S. apresentar ao general commandante das
armas, a quera se offlcia n'esta dala, o gnarda do
1 batalho de infantera Graciliano Francisco
da- Chagas, de qnem irata o seu offlcio n. IfO de
21 no eorrente. afim de que tenha o deslina con-
veniente.
X. 745.Dito ao mesmo.Em vista do que re-
presenta o Dr. chefe de polica em offlcio de 20 do
correte, expeea V. S. as convenientes ordens pa-
ra que seja dispensado do servico activo da guar-
da nacional o guarda do 1* batalho de infantera
deste municipio, Alvaro Panlo Noblato, visto ter
sido nomeado inspect r dequarteirio na fregue-
sa de S. Antonia.
N. 757. Dito ao commandante superior da
guarda nacional do municipio de Agua-Preta.
Expela V. as suas ordens para que1 seja dis-
soivido o destacamento da guarda nacional que
se acha na povoaeie dos Montes.
X. 758. Dita ao commandante superior da
guarda nacional do municipio do Brejo.Nao po-
dendo seoo de julho era diante, terem augmento
os vencimentos que percebem a guarda nacional
destacada, isso. mesmo declaro a V. S. em res-
posta ao sea offlcio de 12 do corrate, pelo que
nao sendo possivel continuar alh destacada a que
pertence a esse commando superior proceda V.
S. a seu respeito eomo adiar miis conveniente.
N. 758.Circalares a todos os Jnizes de direito
das comarcas da provincia. Mandando Sua Ma-
gostada o Imperador, por sua imperial clemencia,
indultar por decreto n. 4502 de 2 de abril prxi-
mo findo as differentes pravas dos corpos da ar-
mada, imperiaes marinbeiros, batalho naval e
e marinhagem qne veram a infelicidade de de-
sertar da esquadra imperial aparlando-se de suas
bandeiras com excepcao das que desertaram para
o inimigo apresentando-se os reos s autoridades
militares on civn dentro do praso de 00 dias con-
tados da publicico do mesmo decreto em cada
unta das comarcas do imperio o>i nos lugares era
qne houverem capitanas de oortos, esucoes na-
vaes on navios .sottos ineipindo indolto os reos
3IUociados para sentenciar,' "ac Vmc. isso pu-
hite pe* edital nessi comarca, e participe a esta
presidencia a data da publicacao do mesmo ed-
tal.
N. 759.Dita ao juiz de direito da vara.
Informe Vmc. sobre o que requer Antonio do Al-
buquerque Hollanda Cavalcante no requerimento
junto que devolver na sua infirmarlo.
X. 760.Dita ao juiz rauoicipal de Olinda, A
lei provincial n. 855 de 1868 dividi os officios de
tabellilo e escrivo do clvcl e mafs aunexos desse
termo, em dous, cora iguaes attribuc5es ; salvo
o tornarem exclusivo do 1 tabelliao o protesto de
lettras e de 2* o o rio de escrivo do jury e exe-
cupSes criminaes. Tendo, porm, esse uiz) por
edital de 28 de fevereiro ultimo, posto em concur-
so a serventa do offlcio do Io tabellio, preciso
se faz que de conformidad com a dita lei seja
igualmente posta em concurso a serventa dosso-
Sundj-, v-m ler fallecido o serventuario Faria,
ado o que deve ter lugar a diviso do tabellio-
nato... Devolvo a Vine, o edital de 11 do dito
ni'jz par i que seja retiflcado, visto como parece
tratar-se nao dos offl.:ios de contador e partidor,
mas de distribuidor e partidor vagos pela renun-
cia de Antonio Joaquim de Almeida Quedes Aleo-
forado que dos mesraos desisti, segundo consta
da secretaria desta presidencia sendo os offlcios
de partidor e contador, exrcidos por Manoel Nu-
nes de Mello que nao consta tivesse fallecido ou
pedido diraissao advertindo que no edital se deve
declarar a causa da vaga, e nomear serventua-
rio que exercia o offlcio e a lei que o creou.
N. 751.Dita ao commandante do corpo de po-
licaMande Vmc. apresentar ao subdelegado de
Cassuipe um alferes e cinco pragas do corpo sob
seu commando que as requisita para eiecluar de-
li-.vuri.is polciaes no povoado de Trombetas, fa-
zendo reeother a esse corpo as que se acham des-
tacadas em pojuca.
N. 762.Dita ao commandante do corpo provi-
orio de polica.Mande Vmc. addir ao corpo sob
o seu commando o alferes honorario do exercito,
Pedro Gongalves de Carvalho Ferraz, que perlen-
cendo ao de polica desta provincia fez a campa-
nba do Paraguay.
N. 753.Dita ao commandante do corpo provi-
sorio de polica. Pode Vmc. eliminar do corpo
sob sen caminando aos soldados Manoel Gomes
da Silva Jnior e Constantino Jos de Lima dos
quaes trata o seu offlcio n. 266 de 21 do eorrente.
3* secQao.
X. 753.=Offlch ao inspector da thesouraria de
fazenda.Em virtude do art. 6 do regulamento
approvado pelo decreto n. 4356 de 24 de abril de
1869, remetto a V. S. as inclusas portaras nome-
andoSezinando Hilario Ramos e Zeferino Candido
Galva, agentes do correio, o primeiro da povoa-
cao de Trombetas e o segando da villa de Pes-
queira.
N. 756.Dito ao mesmo.Tomando em consi-
neracao o que expoz V. S. em sea offlcio de 19
do crreme sob n. 349, tenho a dizer em respos-
ta, que o autoriso a mandar despender sob minba
responsabilidade nos termos do art. 5 7* do de-
creto n. 2884 do 1* de fevarairo de 1861, at a
qiiantia de 29:637/192 com os pagamentos a fa-
zer-se por couta da verba, pensionistas e aposen-
tados, no eorrente.exercicio, atienta a insuficien-
cia do crdito votado a referida verba, certo de
qne von levar essa minha deliberacao ao conhe-
cimento do Exm. Sr. Sr. ministro da fazenda soli-
citando a sua approvago.
N. 757.Dito ao inspector da thesouraria pro-
vincial. Devolvendo a V. S. as cenias relativas s
espezas feius cem o sustento dos presos pobres
recolhidos a cadeia do termo de Flores nos me-
zes de ootubro de 1868 a agosto de 1869, e feve-
reiro e marco deste anno, tenho a dizer-lhe que
proceda a esse respeito de conformidade com a
sua informacao de 16 do eorrente sob n. 292,
com referencia a da contaderia dessa thesouraria
mandando levar em conta aa delegado daquelle
termo Pedro Pessoa de Sijueira Campos, a quan-
tia de 665 e pagar "a Maooel Jos Pes-ea de Si-
queira Campos, para isso indicados pelo chefe de
polica em offlcio de 16 de abril ultimo n. 513, o
saldo que na importancia de 930*800 se da a fa-
vor do mencionado delegado.
N. 758.Dito ao mesmo.Attendendo ao que
expoz o chefe da reparticao das obras publicas,
em offlcio do Io do eorrente sob n. 127, recom-
mendo a V. S. em vista do final de sua informa-
cao de 19 deste raez n. 299, que mande por nova-
mente em praca as obras, cuja arrematado havia
sido adiada|dos 7 e 8 leos do estrada do Li-
moeiro.
N. 759.Dito ao mesmo.Declaro a V. S. para
seu conhecimento e direceo, qqa por deliberacao
de boje, resolv cooceder ao bacharel Manoel Lo-
pes da Cunha Mciel a exoneracao qne soliciton
do lugar de fiscal da collectoria de rendas provin-
ciaes no municipio de Barreiros e nomear para
exercer esse logar o promotor publico da comar-
ca de Palmares bacharel Pedro AITonse Ferrelra.
X. 760.Dito ao mesmo.Autoriso V. S. nos
termos de sua informacao de 21 do eorrente sob
n. 306, a mandar inJernisar o delegado supten-
le do termo do Ouricury Joaquim Pordeos Rodri-
gues Seixas da quaotia de 100 por elle paga a
Aotooio Estanislao Mara de Seixas, como se v
do recibo que incluso devolvo, e me remetteu o
chefe de polica cora offlcio de 4 deste mez, pelo
curativo que fez aos dous criminosos de raorte
Francisco Ribeiro de Lima e Manoel dos Anjos de
Oliveira, que estando recolhidos a cadeia daquel-
la villa foram accommettidos de febre.
N. 761.Dito ao chefe da'reparticao d>9 obras
publicas.Informe Vmc. acerca da ociosa pro-
posta de Manoel Polycarpo Moreira de Azevedo,
para a construccao da abertura do rio Goy-
anna.
K. 766.Dita ao mesmo.Declaro a Vmc. pa-
ra seu conhecimento e em resposta ao seu offlcio
de 10 do correte sob n. 197, qne acabo de re-
coqiraendar ao inspector da thesouraria provincial
que mande por novamente em praca as obras, cu-
ja arremalaco havia sido adiada dos 7 e 8" l-
eos da estrada do Limoeiro.
N. 763.Portara.O vice-presidente da pro-
vincia resolve de conformidade com o art. 8 do
regulamento de 18 de setembro de 1861, nomear
o promotor publico da comarca de Palmares ba-
charel Pedro Affjnso Ferreira, para exercer o la-
gar vago de fiscal da collectoria de rendas pro-
viociaes do municipio de Barreiros.
X. 764,Dita.O vice-presidente da provincia
resolve conceder ao bacharel Manoel Lopes Aa
Cunha Maciel, a exoneracao que soliciton do lu-
gar de fiscal da collectoria de rendas proviociaes
do municipio de Barreiros.
4.a seccao.
N. 765 Offlcio ao Sr. Dr. Manoel Vieira Tost,
presidente da provincia de Santa Cathanna Com o
offlcio deJV. Exc, de 6 do corrente.recebi 2 exem-
plares do relatorio com qne o presidente coronel
Joaquim Xavier Xeves, entregou a administracao
dessa provincia ao 2* vice-presidente Dr. Manoel
do Xascimanto Fonceca Gal vo, e igual numero do
ue foi apresentado ao ex-presidente Dr. Andr"
ordeiro de Aranjo Lima por acuelle 2 vice-pre-
sidente ao irapossar-lhe a me-ma administracao.
X. 766.Dito ao vice-pre3idante da provincia
do Rio de Janeiro.Ioteirado pelo sea offlcio de 5
do eorrente, de ha ver V Exc. aa qarlidade de seu
1 vice-presidente,assnrnido n'aqnella data a admi-
nistracao dessa provincia, tenho a dlzer a V Exc,
que me encontrar sempre disposto a camprir suas
ordens, aaersejam ellas relativas ao^survico pu-
blico quer a seu porticular.
X. 767.Dito aos agentes da companhia braai-
leira de paquetes a vapor.Os Sft. agentes da
Companhia braiiieira de paqqefes. minderp, dir
i
transporte para a Bahia por conta do ministerio da
guerra no vapor que se espera do norte a pra^a
do extincto batalho n. 42 de voluntarios da patria
Joao de Caldas Belra.
.X. 768.Portara.O vieepresideme da provin-
cia em isla do offlciojdo director geral interino de
instruccao publica de 19 de abril prximo rindo,
sob n. 118, resolve nomear a Constancia Florentina
Ayras Lima para regar interinamente a cadeira de
instruccao primaria da Villa-Bella mediante a gra-
tikaeSo suoual de 600100.
'2.* seccao
X. 769.Offlcio ao Sr. Dr. chefe do polica.O
Exm. Sr. vice-presidente da provincia manda de-
clarar a V. S. em resposta aos seus officios de 25
de Janeiro e 4 de rnaio deste anno, que a thesou-
raria provincial tem ordem p delegado supplente do termo do Ouricury, Joa-
uira Por Dos Rodrigues Seixas da quntia de
00 a que se referem taes officios.
X. 770.Dito ao rnesmo.S. Exc. o Sr. vicn
presidente da provincia manda commuoicar aV.
S. que nesta data se ex pedio as convenientes or-
dens para ser dispensado do servico activo da
guarda nacional, em quanto fdr inspector de qnar-
teiro, o guarda do Io batalho de infamara deste
municipio Alvaro Paulo Xoblato de que trata o
seu offlcio de 20 do eorrente.
X. 771.Dito ao mesmo.O Exm. Sr. vice-pre-
sidente da provincia manda declarar a V. S., que
nesta data se expedio ordem ao commandante su-
perior da guarda nacional de Barreiros e Agua
Preta para dissolver o destacamento que estava em
Montes, e ao do corpo provisorio de polica para
mandar recilher as pravas d'aquelle corpo que se
achavam em pojuca, lazando apresentar um al-
fares e cince praeas ao subdelegado de Carsuipe,
para deligencias no povoado de Floresta ficando
assim respondido o sea offlcio n. 693 de 4 do cor-
rente.
X. 772Ditto ao mesmo.O Exm. Sr. vi ce-pre-
sidente da provincia, manda declarar a V. S. em
resposta aos seas officios de 8 de abril ultimo e
2 do eorrente, sob ns. 480 e 672, que a thesoura-
ria tem ordem para pagar os vencimentos cons-
tantes dos citados offlcios.
X. 773.Dito ao juiz de direito da comarca do
Bonito.O Exm. Sr. vicc-pr sidenle da provincia
mahla acensar o recebimenlo do oficio de V. S.,
de 9 do eorrente, em que participa ter marcado o
da 6 de junho viodouro para a 1 essao ordina-
ria do jury do termo de Caroar.
3"secc3to.
X. 774.Offlcio ao inspector da thesoararia pro-
vincial.O Exm. Sr. vice-presidente da provincia
manda declarar a V. S. para es devidos flus, que
nesta data se mandn dessolver o destacamento da
guarda naciodal que havia no povoado dos Mon-
tes.
4* seccao.
X. 773.Offlcio ao Dr. Francisco Teixeira de
S. 1* secretario da assembla legislativa provin-
cial N. 113.De ordem de S. Exc. o vi ce presi-
dente da provincia transmuto por copia a V. S.
em resposta ao seu offlcio de 29 de abril prximo
Ando sob n. 34 para ser presente a assembla le-
gislativa provincial a inclusa informacao minis-
trada pela reparticao das obras publicas em 12 do
eorrente sob n. 130, relativamente aos dous que-
sitos mencionados no seu citado offlcio.
X. 776.Dito ao mesmo.De ordem de S. Exc
o Sr. vice-presidente da provincia transmiti por
copia a V. S. para ser presente 'a assembla le-
gislativa provincial as inclusas informaedes solici
tadas no offlcio qne V. S. me dirigi em 4 do cor-
reate sob n. 421, relativamenta as obras da capella
de S. Jos de Tamaedar.
X. 777.Dito ao mesu:o.X. 115De ordem
de S. Exc o Sr. vice-presidente transmita por
copia a V. S. para ser presente a assembla legis-
lativa provincial u incluso olfi:io da cmara mu-
nicipal do Brejo de 9 do correnle'acompanhado de
am requerimento tambera por copia de Jos Cor-
rea de Aranjo Filho, arrematante do imposto dos
chaos, pedindo um abate pelos prejuizos que sof-
freu por causa da secca.
X. 778.Dito ao mesmo.X. 116.De ordem
de S. Exc. o Sr. vice-presidente da provincia
transmiti por copia a V S. para serem presentes
a assembla legislativa provincial, as inclusas in-
formacoes solicitadas no offl:io que V. S. me di-
rigiu em 6 do correte sob n. 46. com referencia
ao contrato da companhia dos trilbos urbanos do
Recife a Olinda.
X. 779.Dito ao mesmo.X. 117.S. Exc o
Sr. vice-presidente da provincia a quem foi pre-
sente o offlcio que V. S. me dirigi em 20 do cor-
rente sob n. 57, manda declarar-he, aflm de fazer
constar a assembla legislativa provincial que
amanh a urna hora da tarde recebor no palacio
do governo a commisso da mesma assembla
que lem de apresentar alguns actos legislativos a
sanecao de S. Exc
X. 780.Dito ao inspector da saude do porto.
De ordem de S. Exc. o Sr. vice-presidente da
provincia remello a V. S. a inclusa colleccao das
leis e decisdes do governo geral do anno de
1869.
X 781.Dito ao director geral interino da ns-
trcelo publica.S. Exc o Sr. vicepresidente da
provincia tendo por deliberarlo desta data, e em
vista do offlcio de V. S. de 19 de abril prximo
findo, sob n. 118, resolvido nomear a Constancia
Florentina Ayres Lima para reger interinamente
a cadeira de instruccao primaria da VI i Bella,!
mediante a gratiicacao annual de 600$, assim Iti'o
manda coraraunicar para seu conhecimento.
X. 782.Dito a cmara municipal do Brejo.
De ordem ae S. Exc. o Sr. vice-presidente di pro-
vincia, declaro a cmara municipat da villa do
Brejo que nesta data foi submetlido ao conheci-
mento da asseocbla legislativa provincia o reqae
rimento de Jos Correa de Aranjo Filho, arrema-
tante do imposto dos chaos que acompaohoa o seu
flcio de 9 do eorrente.
X. 783.Dito a Antonio Mara Marques Ferrei-
ra.Por esta reparticao se devolve ao Sr. Antonio
Mara Marques Ferreira o inclasc requerimento e
mais papis em que S. S. pedio a junta central de
Hygene Publica licesca especial para continuar a
ler aherta a sua botica nesta capital, visto que
segando consta de offlcio do presdeme da mesma
junta'de 12 do eorrente nao compete a esta e sim
ao governo imperial conceder o que S. S. solicita.
Pre9Ktenle, Antonio Jbs Coimhra Golmaraes.
Secretarios, Jos Alves Barbosa Jnior, e Jos
d* Silvthoyu Filho.
ThesMnriro, Bernardino Correia de RezeDrte
\fiemmisso de exame de contos, Bernardino GV
m* de Cvvallio, Jos Amonio de Carvalho e
Francisco IVi^eiro Pinto Guiraares.
fRE'XS D6 CaRG i.A directora da empreza
dos trilhos urbanos do Recife Oiinda comees
no da 24 do eorrente, a transportar carga para
todos os pontos,} segundo as tabellas em outro lo-
gar publicadas.
VIA FRREA DE.OLIXDA.Esta empreza re-
ceDeu, pelo vapor isglez ladlator, todos os iri-
Ihos necessarlos.ao Ulterior da estacio do Vara-
douro ; e deve recebar pelo Mtrm'M, sihido de
Liverpoul a 16 de setembror quatro crros de I*
ordem, e pelo Wdi Wawe, sabido a 26, quatro
carros de 2' ordem e urna locomotiva. \
Passageires desta linha nos pedem para lem-
brar respectiva directora : que faca executar o
regulamento na parte relativa a prolibico de se
fumar nos wagons reservados (aminas; e alterar
a hora da partida da trem de 5* para 4e meia da
tarde.
FACPLDADE DE DIREITO.-Com o praso de
6 mezes, contados de 18 do corrento, aehs-se
coocurso am lugar de lente substituto da Facul-
dade de Direiiu do Recife, vago pelo accesso do
Dr. Joo Jos Pinto Jnior.
HOSPITAL PEDRO II.Celebra- se hoja neste
estabeleciraento a festa de S. Pedro de Alcntara,
sea padroeiro.
THEATRO DE. SANCO' AMTOXKK Sobe ama-
nha a scena neste theatro, em espectculo parti-
cular para "as familias a linda operetta Les Pan-
lint i Vwlette, na qunl tomam parte os artistas
Carn e Maris, madama de Valmooca e a Sra. de
Breseia.
A empreza nada tem poupado, ojoer quanto aos
ensaios da msica, e qoer quanto aos preparas de
seOM, para que seja esta operelt representada
tal eomo pede o autor.
CMARA MUXICIPAL DO RECIPE.Xo cor-
rete no vindonro raez cobra a cmara munici-
pal, o imposto de 300 rs. por cada andar de casa
dentro da cidade do Recife, qpe pagar aloguel su-
perior a 3001 annuaes.
JURY.Eotrou hontem em julgaraento pelo cri-
me de tentativa de motre o rc Francisco Baptis-
ta da Silva, que em virtude das cespostas dadas
pelo jury aos qoesitos, fura julgada perempta
aeco ; appelando desta decisu o Sr. Dr. juiz de
direito.
PASSAGEIROS.Vieran de Goyanna no vapor
Parahyba :
Manoel Cavbante, Francisco Jos da Costa-
Francisco Ociarte das Xeves, Antonio de Oliveira
Maia, Antonio Manoel Raposo, Tito Liyio da Sil-
veira Leal, Joo Moniz Puntes, major Antonio
Mrtndofica e 1 criadu.
LOTERA. A que se aeh* a venda a 166.*, a
benefici da matriz do Bonito, a qual corre no da
25.
CEMITERIO PUBLICO.Obituario do da 14 do
correle :
Joaquina, preta, Pernamboco, 17 aones, splteira,
Boa-vista ; bexigas.
Maria, branca, Pernambuco, 6 annos, S. Jos ;
febre maligna.
Pedro Gjocaivos Evangelista, preto, frica, 55
annnos solteiro, Santo Antonio : tubrculos pul-
monares, casa de dettenco.
Ciara Francisca do Espirito Santo, preta, Per
nambuco, 66 annos, viava, Boavista ; apoplexia,
hospital Pedro It.
Carlos, eseravo, preto, frica, 80 annos soltei-
ro. Boa-vista; volhice.
15
Joanna Maria da Conceico, preta, 60 annos,
solteira, S. Jos, ttano eslantaneo.
Joaquim Pereira, branco, Portugal, 64 annos,
solteiro, Boa-vista; tubrculos pulmunaras, hos-
pital Pedro H.
Benedicto, preto, Pamamtuco, 40 annos, sol-
teiro, Boa-vista ; pneumona, hospital P. II.
Manoel, pardo, Peroambuco, Recife ; ao nas-
cer. |
Manoel, pardo, Pernambuco, 4 mezes, Boa-vista,
convulcoes
Maria Leopoldina do Reg Xeves, branca Per-
nambuco, 26 annos, casado, Recife ; parto.
16
Elisa Eugenia da Fonceca, branca, Pernambu-
co, li annos, solteira, Sanio Antonio ; menegite
aguda.
Maria Carotina de Barros Cavalcante, branca,
Pernambuco, 70 annos, solteira, Boa-vista ; ecli-
mo pulmonares.
Francisco, eseravo, preto, Peroambuco, 64 an-
nos, solteiro, Boa- vista ; gastro hepatile.
Tbereza, parda, Pernambuco, 1 anno, Baa-vis-
ta espasmo.
Francisca Damiana do Patrocinio, branca, Per-
nambuco, 21 annos, solteira, Sanio Antonio ; lur
berculos pulmonares.
Jos, eseravo, pardo, Pernambuco, 2 mezes, Re-
cife ; coqueluche.
Dojory de Pesqneira. Appelfanle, Domingos
Gomes de Aguiar; appellada, a jatriea.A' novo
jury, Mandoa-se rejponsaWlisar o escrivo do jury
pela demora do processo.
PASSAGE.T8.
Do Sp. deserabnrgador Gitirana ao Sr. *embar-
gador Lourontxv Santiago:
Do juizo municipal de Alagoes.Appelteoip. Ro-
drigues Antonio Brasileiro Jtacei; appeado,
Macario da Costa Moraes. Appellacao eri-
me- do jury do Pinedo. -Appellante, Joao Pereira
Dantas de Coito; appellada. a fazenda
ASr.desemba?3adbr Almeida Alboquerqne:
Appellacao civel dos litos da *zenda.Appel-
lante, D. Francisca Thomazia da Conceico Cu-
aba ; appeilada, a faieoda.
Ao Sr. desembargadbr Hotla :
Appellacao civel do >oii municipal de-Reci-
fe.-Apoefiantes, os herdeiros de ionrence Jbs
dasNeves; appelladoe-, osherdeiros d Jos' da
Rocha Paraahos.
B Sr. desembargader Akneida Albtiqnerque ao
>r. desemfcargador Moa:
Do jfuzo municipal do Recife.Appt'lante, Emi-
lia llosa iiirea : appelialdBrD.Josepha Leopoldina
de 31*1 lo Marnho.
Ao Sr. desembargado!-Doria:
Do jjjizn municipal do Recife.Appeltantes, Joa
quio Kibeiro de Moraes e outroe; appeMds, Me*
noel PMreira Magulhes e ouiros.
Ao> Sr. deserobargador Mtta:
Appellacao civel do juie-municipal d> Cato>
do Roera. Appellante, Joo Baptist da'Costt
appeilados, Anna< lignacia, seus-filos e-
PERNAMBUCO.
REVISTA DIARIA.
DIRECTORA GERAL DA IXSTRUCGO PU-
BLICA.Xo dia 15 do correte assuraio o exer-
cicio deste cargo o Sr. Dr. Joaquim Pires Macha-,
do Portella.
FERIMEXTO GRAVE.Xo lugar Campo Ver-
de, da freguezia da Boa-vista, as 10 horas da
nome, Jos Rodrigues da Paz ferio gravemente
com urna punhalada a Francisco das Chagas Bao-
deira de Mello. O delinquen conseguio evadir-se.
IXSTROCgAO PUBLICA.J se acha em exer-
cicio na ra da Esperanca n. 2, a professora pu-
blica D. Thereza Alexandrina de Barros Mello, re-
naovia ltimamente para all.
ASSOCIACAO COMMERQIAL AGRCOLA,.
Reuniu-se^no dia 17, a assembla gerl desta
eorporaco, e proceden eleico da director ia res-
pectiva para o annfl. de tWC >' "cq im
organisaaa :
niROMt A JUiKIARH.
TRIBI'.VIL DA.RBLAC&*.
SESSAO EM 18 DE OUTUBRO DE t8H>.
PRKSUMtNCIA DO EXM. SR. CONSKLHEIRO C. SAJWIAOO.
Secretario Dr. Virgilio Colho.
As 10 horas da manhaa, prsenles os Srs. desem-
sargadores Gitirana, Loarenco Santiago^ Almeida
Albuquerque, Motta, Domingues da Silva, Reguei-
ra Costa e Souza Leio, faltando com. causa os Srs.
desembargadores Guerra procurador da cora e
Doria, abrio-se a sessao.
Passados os feitos, deram-se os segaintes julga-
nentos :
RECURSOS CRIMES.
Do juizo de direito do Bonito.Recrreme, o jui-
zo recorrido, Antonio Gomes de Mouraluizes
os Srs. deserabaigadores Loarenco Santiago, Al-
meida Alouquarque, Gilirana e Motta.Improce-
dente. '
Do jnizo de- direito da Imperatriz.Recrreme,
o juizo, recorrido, Joaquim Jacintho de Sam-
payo.Jaitas os Srs. desembargadores Almeida
Albuquerque, Domingaes da Silva, Motta e Soma.
Leo.Improcedente.
Do juio de direito de Xazareth,Recorren!,, o
juizo ; recorrido, Antonio Jos Pereira.Jaiies. os
Srs. desembargadores Motta, Regneira CosaLou-
renco Santiago e Soma Leo.Improcedetl.
Do jaizo de direito de CamaragibcReeorrente,
oiuizo; recorrido, Flix Antonio Bezerra.Juizes
os Srs. desembargadores Motta, Regueira Costa, I
Souza Leo e Loureco Samiago. Improce-
dente. ....
Do julio de direito da Granja.Reeorrente* o,
juizo; recorrido, Antonio Jos da Luz.Juizes os
Srs. desembargadores Gitirana, Almeida Albuquer-
que, Souza Leao e Motta.Improcedente.
APPELLAgQES CfitMKS.
De jury de Caruar.A{i'pellantek o jaiao; ap-
pellado, Eleuterio Jos, Bexerra, A' no*o
jnry-
o jury do Aracaty.-^Appellanta, o jaizo; ap-
pellado, Manoel Lult dos Santojv -=- Improce-
dtnt.
Dojory laTenair,Appante, Mwol Rei-
naldo Perojra; anpeUr.da, ^ w,ca -Awollarara
a proc.ssq peran,^"(i 'jury(
a iiwr -x^^H
Colho
nettos.
Do- Sr. desembargador Motta ao Sr. deseobarga-
lor Doria:
Do juizo municipal do Recre.Appellao,- An-
tonio Carlos Pereira de BurgoPonee de Len;
appellada, Antonio de Siqueira Cavalcante.
Do Sr. desemoargador Domingaes da SHva ao
Sr. desembargador Souza Leo:
Do jaizo municipal de Olinda.Appellante-, D:
Thereza Julia Botolho; appeUBdo, Francisco Al-
fonso Botolbo.
Do Sr. desemfcargador R^uerra Costa ao Sr.
esembargador Souza Leo:
Do juizo municipal da villa de Paltos.apel-
lantes, Lote Emiliano de Figueiredo e outress.ap
pellados. Manoel Alexandre de Araujo Guerra e
oatros. Do juizi municipal d'Agoa-Preta.J)ppel
lantes, Jos Aflbnso ferreira e sua mulher ap-
pellado, Antonio Gomes de Macedo.
Do Sr. deseratargador Souza Leao ao Sr. dssem-
sargador Akneida Albuquerque:
Do jaizo municipal do Recife.-r-A|gravante, Jds
Antonio Fernandes Fradique; apoeliado, Joaquim <
d'Albuquerque Castro.
Ao Sr. desembargadnr promotor da justica :
Deligencia crirae do jury ds-ftetarit.AppeU
Unte, Pedro Colho da Silva; appeHado, Jos-des
Santos Lesea Jnior. Do jury.d'Areia.sppel-
lante, a cononel Rimigio Virissimo d'Avila Lima >
appellado,. Jos Ferreira de Meoxfonca. Do jjMce
de direito do lo.Appellante-, Ruque da Rosa
Freir; appellado, o juizo. Appellante, o promo-
tor ; appeHado-, Jos Antonio de Amorira.
Ao Dr. curador geral e ao Sr. desembargador
procurador da corda :
Deligenoia civel do jaizo des feitos aa f;*enda
do Recife.Appellantes, a vius e herdeiras de
Francisco Muniz dos Anjos Paula; appellado*
Ignacio F+ancisco Cabral Caotanil.
Assignoo-se dia para julgaraento dos segniotes
leitos:
appbllecSrs ra/es.
Do -juizo municipil do Acarae.Appeliantes,
Anna Hpancisca do Monte eeulros; appeHado^
Francisco Anastacio de Mara.
Do juo municipal de pojuca.Apiellante, Jes*
Lourenso da Silva; appellado, Joo Maariei Car-
dse
Do jnizo municipal de Porto-Calvo. Appellanle
Francisco Goncalves Beiris; appellado, Jas Fran*
cisco da Costa Wanderley.
Appellante, padre Jos Gomes dos Res Lima;
appellado, padre Jos d'Annunctacoo Socia.
Do juizo municipal do Recife.Appellante, An-
tonio Henrique Rodrigues; appellado, I.uiz.da
Silva Ferreira.
Dn jujzo municipal do Cabo.Aggraante, An-
tonio- Peregrino Cavalcante de Albuquerque-; ap-
pellado, Joo Pinto de Lomos Jnior.
APPELLAC.VO CR1ME.
Appellacao crime do jury do Limoeiro.Appel-
lante, Antonio Francisco dos Santos; appellada, a
tiII.
KISTlltU.'IOliKS.
Ao Sr. desembargador Gitirana :
Aggravo do juizo rannicipal do Recife.Aggra-
vanie, Andr de Abren Porto; aggravado,
jiw. Appellacao civel do Juizo minicipal do Be-
eife. -Appailante, Joo Baplista. Rodrigues de
Souza; appollada, D. losepha Leopoldina de IMlB
Marinho.
Ao Sr. desembargador Lourenco Santiago:
Do jury da villa do Pillar.Appeliante, Auzenio
Miguel Pinto Ribeiro; appellados, Joaquim Mari-
nho de Souza e outros.
Ao Sr. desembargador Almeida Albuquer^ae t
Do jury da villa de Baturit.Appellante, Jos
Raymundo dos Santos; appellada, a justica.
Ao Sr. desembargador Motla :
Appellacao crime do jury do PillocAppellan-
te, o juizo ; appellada, Candida Maria do Espirito
Santo. Appellacao civel do juizo municipal do Re-
cife.Appellante, o Dr. Joao Francisco Cavalcante
de Albuquerque ; appella*, Dr. Antonio de Vas-
concellos Meneaes de Drammond* Recurso cri--
me do juizo de de direito. de Caaaiagi be.Recr-
reme, o joiao; recorrido, Feix Antonio Bezen-
ra.
Ao Sr. desembargador Doria :
Recurso crime do-juizo de direito da Gran-
ja.Reeorrene, o juica; recorrido, Luiz Rodri-
5nos de Sampayo. Appellacao do juizo municipal
o Recife.Appellaate, Maooel Izidro por seu cu-
rador; appellado, Francisco Maooel de Siquei-
ra. Appellacao crime do jury de Tamboril.Ap-
pellante, o jaita; appeUado, Domingos ios de
Soaza.
Ao Sr. desembargado* Domingues da Silva :
ppellaco arime do pry d'Alaga-Geaade.Ap-
tliante, Joe,Marques Ferreira Pontee; appella-
i, a justica. Appeliafao civel oo jal de orphes
de Goyanna.Appellaole, o ajudante do procura-
dor fiscal; appellado, Joapoim Rafael de Mella.
Ao Sr. desembargador Regueira Costa :
Appellaeio cive do juixo dos. feilas da fazen-
da. AnaellMtes, Joao Luit Francisco Ribeiro e
outro i appelladoe, a fazenda provincial e Pedro
Ignac Baplista. Appellacao crime do'jury do Re-
cife.Appellante, Jacintho Ramos Machado por
seu, curador; appellada, a jaiao. Aggrayo do juizo
municipal deOlinda.Aggravante, Manoel Joaquim
d Miranda Lobo; aggravado, o talio.
/o Sr, desembargador Souza Leio:
Aggravo do juito de orphos do Rocifo.Aggra-
vante, Ciaulio Duneux ; aggravado, o jaizo. Ap-
pellacdo civel do juizo municipal de Camaragt-
he,Appeliantes, Rioacte Alexandro Bandelra
sua raulher; appellado, Antonio Francisco
Bolla.
A I hora encerrou-ee a sessao.
nUBUNAL DO COMMERCIO
1CTA DA SRSS^O ADMINISTIATlVA DE 17 DE
OUTRRQ D|WO.
numnok no exm. sr. p*5i4BxanApo ahsklmo
raAflaSCO IJERETTI.
Srs. depnlkdos Rosa, Bastee snpplert! 9 Lef*>,
faltando com cansa o Sr. Si moda Leal| Exm. Ir.
prndente afcrio a sessao.
Foiiida e approvadaa acta da sessi13.
XPBDICnTB.
Offleto do presidente h secretario dajwrta'den
correclbres, remetiendo o boiem nimiiinial **
semana flnda.Ao archivo
Offlcio-do presidente da sebredHa jnnt aeewan-
do o recabimen*> do que se Ibe dirigi -am 3
crreme.Ibtleirado.
Foram a rubrica or livros :fJepiador de Vrm-
eisco Ribeiro Pinto Goimares, dito de Bemra
de Sena Pbmual, diario do mesmo Puntual, capa-
dor e diar de Marques & Canefre.
MHMMMb
Reqnerimemos i
De Gustavo Wertaetmer, offereceedo nyktm
a nomeaca d seas caixeiros Moa Vietar 9t-
beiro Guirnaroes e Gbdofrede de Abren e Lian
Regisire-se.
De Antonio PniU>6nealves. ofcrectado n^m-
ro a de sea caixeir Jbs Patricido> Xasciaun.
Registre-se,
De Joaquim' IAnocencio do Espirito Santo, uaa-
bem offerecendo -a reawtro a de sen catxetro Ja-
noel1 Celestino do fispir^e Santo.RagMtre-se.
De Gincalo Jbs-'AJJbaeo, apresentaodo para
devdos efTeitos c. cooaetnmenU i ter f% o .-
poeto de sua pross de corrector garas relatv
ao prmeiro semestre d eorrente'eiewieio.=l?e-
gistre-se.
Be Joo da Ciiz Slnroto, tambora ipwinaHwii-
igual conhecmeato.Seja o conaecimealo regis-
trado e enlregue-.
De Amonio Mereira de Mendoaca,> artmltead
registro a nomeaeo de sea caiseire Jbnod de
tesas Oliveira.Xegisfte-se
De Candido Gomas do Santos, ignatoeale *!-
metteodo registro a de sen caiieiro Xareiso 4r
Souz Guedes.=RegMtr-se.
De- Sebastiao Marque* do Nasoraom, aprc*ea
ttnde para se Ibe registrar a de sea saixtiro Ber-
tullno de Amorira Regslr e.
De Chaves & Vianna, pedindo que-se Ibes err-
liflqus se em 1867 a MB foi inscripto- e seo ca-
aeiro PratMH co Jbaqoim das Dora.-e se assim
con tina.Como reqaerem.
De Aetonio Francisco Martin* de Miranda, sob
meneado mgistro a Bomeaco da sea eaixerr
Antonio Jos De Gomes d e Mattos Irmao, peJiod a iaseripra
de-sea eaixero Manoel Crrela do OkAm, joataa-
do-o titulo d sua nomeacao.Rgistrr-*e.
Be Pao* G uelpbe, certido de ir sido registra-
da* no exercicio o> 18CB a 1870 a cumeacao de sea
oaixeiro, qu al seja o sen nome.Gom reqaer.
Da> viora de Joaqaim da Cosa Maretra, aara-
dao ijualClorau pede.
De largar d & Faria, ao mesmo senada Ceo
requeren*.
De Astoeto Dias da Suva Cardeal, lima no
aesm seatodo.xtera.
De Aadr Deteuo, idem Certiaqae-M.
OOM INTOUSIACiO-D S*. DKSKMBAGADa rHCAL.
DeBbmingos Xime^ Boir.io o Manoel. Aaesn Bei-
rao, coatrato de sociedade.Registre-se.
liada a hora (! 1/1 da mtahoa o Exm Sr.
presideate encerrou a sessao.
SBSSAO JlUtaiAJMA EM 17 DE OCTllBRO
DE 187).
PHESiaanCIA DO EXM. SR. DESBMBAaOAMMI I, Kg>-
RBTTI.
Secrtterm, Julio Smmorim.
Ae meio dia deetarou-se aeerla a sessao, eslaace
reoaidos os Srv desembargadores Silva Goiaaa-
res. Res e Silva, Aecioli, e os Srs. eepotadat -
Rosa q Basto, sapplento Sa Leite, taltaudo cu
partectpaco o Sr. Miranda Leal.
Udst, foi approvada a acta da sessau aoierior.
ACCOftDAOS /iSSICNAD.
O aserivo Albuquerque registrou o altimo pa-
testo- de letra a 12 do correte mea sol o n. 218>;
o o escrivo- Alves de Puto a 13 do dito mez s*U
Bv20e9.
Appellant Joo Francisco de Carvalho, appclta-
(V* Maooel Pbaacisco d Silva Xovee; embargaa-
tes os curadores ti caos da massa falMda de Ale
aio Pedro de Mello, embargados- Jos Marnlfcau
da Rosa A Filies; app*llaotes a nava e herdaarea
de Diogo Jos da Costa, appellado Aatonio Osarte
Carneiro siaana ; appellanto Antonio de Assele
Xeves, appellado Beato Jos de- Macedo Bocee;
embargante Joaquim de Azevedo Maia, embargad*
Jos Antonio de Almeida Guimares; appaHaale
Joaquim da Silva Casta, appellad Joo Rcaiignts
Coreira.
CLGAMEUTOS.
Juizo especial do eommerei : appellaate rrn
Joaquim Francisca do Espirito Santo, appellado
autor Silvano Biam; juizes o Srs. Acriuli, Suva
Guimares, Rosa e Sa Leitao. Foi cooflnaada a
senteaea appellada, sendo vele- vencido o Sr. Masa.
Juizo especial do eommeoeio embargan! ap -
pellaale exequesle Matornus Lenz, embargado ap-
pellado embargante terceiro Antonio Gomes XeSa|;
exeeuiado Carlos Luiz CambroM; jaiies ea Srs.
Silva Guimares, Reis e Silva, Basto e Reaa. Fe-
ram desprezados os ambaegos.
Appeliantes os administradores da massa fallida
do Manoel de Soma Caraeiro Pimpo, apprliaW
Vianna A Guimare; adiado pedida da am dW
Srs. deputados.
Xo estando presente o Sr. Miranda Leal, ao
foram prepostos os fei,os adiados aa seasio pas-
sada, entre partes, embargante Antonio Frenase
de Oliveira, embargadas Tasto Insiaa; apprlaato
Jos Joaquim de Castro Moura, appeUado GaMiao
Francisco de Macedo; appellaate o admimstrador
da massa fallida de Antonio Pedro de Mello, apea-
lado Flix Saurage; appellante Jos Aires de A-
guia, appellados os adminislradores da massa fal-
lida de Antoaio Jos de Figueiredo.
&KS1CNACAO- DE DIA.
Appeliantes os adminislradores da massa bBMa
daAmorim Fragoso, Santos & C, appellado Do-
mingos Francisco Ramalko ; appellante Jos Bar-
boza de Carvalho, appellados Barbota dx Soon..
appeliantes a viuva e berdeiroa de Diogo Jo* da
Coste, appellado Antonio Doarte Carnmro Von-.
na.O primeiro dia Mil.
tASSAOJUI.
Do Sr. desembargador Aecioli ao Se. desemear-
gador Reis e Silva: embargante Joo Bvaageketa
de S, embargada Jos Fernandes Gomes.
MSTUWICO.
Ao sr. desembargador Accin : embargan** es
adminislradores da massa fallida de Antoaio Jos
de Figueiredo, embargado Eugenio Moraira da
Silva.
AGORA VOS.
Juio especial do commercio: agfiaiaaats e D.
Joaquim Carneiro da Cunha Miranda a sea am-
Iher, aggravado o brigadeiro Joaqaim Baranr*
de Figueiredo ; sggravante Joaquim Jos Guacal
ves Beltro, consignrtarie do, paiaebo Parerear,
aggravado gerente da cooopanhia VigaMe. O
Exra. Sr. presidente negou provimeato.
Juito especial, do commercio : aggrava
noel Ferroira Leite, capilo da hsrea |
S. Mo, aggravado Joaquim Rodriruei
Mello. O Exm: 8r, presidenta joroam
foi o.feito apreseetado so *r- deeemeargamw i
Guimares. __ ^--.^ i
Juizo especial toJSSEftJSfiES
noel los daCosta, *!**a%9ZZll
(jalhies. O Sr. 4joii*M|'idr "
\ egon provimeato^
r
K 10 horas da fflaflhaa, esl^dq re^os.os l 7"' e?Pec'al t^a^s^t0 :
afgmaaies
~;


Am
-**
**
.
D, de Pernambxkco Quarta feira 19 dft Outbft) d 180
/
ionio Valeutim da Silva Barro, bario de Nasa,-
reth, Theod oro Chrisiiansen, Igoaow Lou de Brito
Zaborda Antonio Alves de Carvalho Veras, En-
glish Bank of Hio de Janeiro < limitad), Antonio
Jos da Silva Ma o Joaquim Francisco do Espi-
rito Santo, aggravado o juo, nos antos dg fallenc
a de Maia & Espirito Santo. O Sr. desembarga-
dor Silva Guimares dea provimeato aos aggravos
jos 7 primeiros, e iigou ao do ultimo.
Eacerrou-so a sessao a ama hora da tardo.
CMARA MUNICIPAL.
5' SESSO ORDINARIA AOS i i DE OUTU-
BHO DE 1870.
PRRMDENCU W SB. DB. SOl'IX LEAO.
Presenil o* Sr*. Dr. Hoscoso. (Jamero, Dr. An-
f elo Henriques, Dr. PiUnga e Dr. Cos* Jnior,
abrio-sea sessao e fui lida e approvada a acta da
antecedente.
Leu-so o seguinte
, EXPEDIENTE
Um offlcio do en^enheiro cordeador, enferman-
do favoravelmente o requerimento de Uanoel Cy-
prtsnr> Ferreira Rabello.Coneeden-se.
Outro do mesmo, informando favoravelmente o
'requerimento de Joaquim Jos Pereira dos Santos.
Concede u-se.
Outro do mesmo. informando favoravelmente o
requerimento de Jo Joaquim de Sanl'Anna.
Goncedeu-se.
Outro do mesmo, informando favoravelmente o
Tequerimeoto de Jjaquim Jos Leitio.Coace-
deu-se,
Ontro do mesmo, informando favoralmente o re-
quorim'Oto de Clotide* Ignez da Silveira Bastos.
Cancedeu -se.
titeo do mesmo. informando favoravelmente o
requerimaiito de los Gregorio Pinlo.-Couce-
deu se.
Outro do mesa o, informando favoravelmente o
requerimento de Miguel dos Anjos,Concedeu-se.
Outro do mesmo, informando favoravelmente o
requerimento de Manoel ds Oliveira Jordo Caldei-
ra.Concedeu-se.
Outro Jo mesmo, informando favoravelmente o
requerimento de Manoel Antonio Das dos Santos.
Oioeed-u-se.
Outro do mesmo, infamando favoravelmente o
requerimento de Pedro Jos Gomes de Ratis.
Coucedeu-se.
Outro do mesmo, informando favoravelmente o
requerimento de Jos Vital de Negreiros.Con-
ceocu-s-i.
Outro do mesmo. informando favoravelmente o
requerimento de lnnocencio Rodrigues Lima.
Conce Jeu -se.
Outro do indino, informando favoravelmente o
requerimeuto de Silvana Maria .la Silva Baudeira.
occeieuse.
Outro do mesmo, informando favoravelmente o
requerimento de Henrique Leidan & C*.Gonce-
deu-se.
Outro do mesmo, informando favoravelmente
requerim rato de Thomaz de Carvalho Soares
Brandao Sobrinho.Miudouse entregar.
Um p- r.ieer do Sr, Dr. PiUnga, concebido nos
si-guinies termos : Nao procede a razio apre-
senUda pelo fiscal de S. Jos, acerca da preferen-
cia que qiter dar ao art. lo do lit. 4o das postura?
do 30 de junho de 1849, sobre o art. Io das pos-
turas addicionae3 da 18 do junho de 85j, por
quaulo devem ser obngados os locatarios dos ta-
llas da nbeira de S. Jote, a trazer limpos e aceia
dos os postos an que vvnderem as rezes, sob pe-
na de multa e .ocedida, a nao Ih pode aproveitar
a razio de p ticotempi. pois que esse aieio
' limpeza, que deve ser feto diariamente e com
maior esrrupulo e zel, |)de ter lugar senipre
depo- dan s is h rss, quando nao poJesse mais
estar exista a venda a carne que nao tiver -ido
vendida, sem i|ue por isso liquem privados, como
de rigoroso dever. de proceder-se a limpeza e
aceeio do mesmo talho.
Nao se d^ve privar a pobrera que umitas vezes
larJe c Milito tarde pode, bera como o opera
rm ir so ae a; tatiataser suas raais rigorosas necessidades, e antes
pelo contrario a comrai.-so peusa que se nao devta
limitar a liora da venda no mercado, como acon-
tece m nutras provincias, onde a carne est ex-
pala at a noute, tima vez que esteja si.
A cmara resolver como entender.Paco da
amara municipal o R-cife 21 de setembro de
1870.Dr. Prxedes Gjmes de Sooza Pitanga.-
Prejodicado.
Outro di Sr. Dr. Lobo Mostoso, tarabem con
cebido nos seguinles termos :Como laembro da
commissao do matadotiro, a quem esta cmara
mauion ouvir a resuelto da materia do cilicio do
fiscal do S. Jos, em que pede que se mande fe
char os a;ougues as quatros horas da tarde, e
nao s seis, como c determinado no art. 1 das
posturas a I Jicionaes de 18 d3junho de 1855, di-
virjo di opiaiio do Sr. vereador Dr. Pitanga, pe-
las razoe que passo a expr :A cmara muni-
cipal c impete tomar as providencias necessarias
para que os seus municipes sejam forneeidos de
alimentos saos e venl tdeiros, e para isso faz leis
que lem por Ilm obstar que se exponham a venda
subsiaucu.s falsificadas ou degeneradas. Ja em
nutra occasio expend as razoes de hygiena pu
blica que exigiam que se raarcassem as horas que
nao deviam ser ultrapassadas para a venda da
carve e frescura, por que nao ha {quem Ignore
que ueste pan, principalmente no vero a carne
nao ple durar mus de vinte e qualro horas em
estado de p->rfeta conservacao, sendo que inuitas
vezes mesm as seleou.oito horas da manfaa jase
percebe o principio de putrefacio as carnes ma-
gra* e doentes, que infelizmente temos para noss i
alimentacao. e este acontecimento lera lugar at
no lempo de invert >. Como j pondenu em ou-
tros relatnos, este facto encentra fcil explicacao
m todas as circumslancias que o rodeiatn, a Ion
ga vi;;;, ni do gado, a ausencia de pasto e agua na
proximidade do matadouro, a falla total das regra>
bygientcas no matadouro que constiiuem-no um
fiico terrivel de infecgo, e em u timo lugar a
difficul'iade extrema que ha em lavar o estabeie-
cimeiito, ligo que se Anda a malanga, diffleuldade
esla que o se pie appreciar assistindo a es*e
trabalh i um dia, para se admirar como ainda ha
quem por um moiico salario entre diariamente
n'aquelle cano iiumundo e pestilento e arrale at
a mir durante tres ou quatro horas as materias
pdres, quo impossivcl remover com pleu-
mente.
Sendo impossivel que as carnes moras no dia
antecedente as 7 ou 8 horas da manba eslejam
saa e pereilas no da seguinte as seis horas da lar
de, claro qne o pobre ou o operario a quem o
Sr. Dr. Pitanga raostra bins desejo de proteger,
prolongando-se a venda da carne at a noute, nao
recebe com isso um beneficio e sim um damno,
por que compra a e?sa hora a carne j podre e
por alto pr-eeo, por que o carniceiro toado a fa-
culdade de a vender nesse esUdo de pntreacgo
nao se abala em acabar a venda em qnantoa car
ne esta s, o que nao acontecera e ede tivesse a
eertesa de que, passadas certas horas, nao podes-
ae miis t-la avenda e Iho fosse apprehendida,
como alimento corrupto e. pernicioso.
t A' vista de taes razoes qne sao de simples
iotuica \ e condecidas de todos, apresentei a esta
camai'. um projeeto de postaras, em que propu-
nha que se mareasse a venda da carne fresca e
fragura* at o raeio da nos metes de ouiobro
miren, e at s S horas, nos m-te ds abril a
seleiunro : nao me record se estas posturas fo-
ra-n approvadas e remettidas ao presideote da pro-
vincia; ou 80 uearam era esquemento,_ como fl-
cam quagi sempre todas as <-nm- que sao de w-
dadeira utilidade niihlica. Todos nos sabemos que
ni com ficilidade que se desarraiga cosluines
inveterados, e que nao de repente^que se podem
corriglr todos os defeitos e, vicios que em min-
uaaa heranca n* (eixaram nossos antecessores,
uns pov ignorancia, o outros por deleixo : se nao
fizermoscrandes esforcos, ao menos paradeixar-
mos aos nossos sucesores a iniciativa dos melho-
ramentiis e o principio de exeeaeao delles, nao te-
remes que nos qu^ixar, quaodn se nos lanzar am
rosto que esta caman foi wo estril, como as an-
tecedentes : veja-se o gado meitido at o ventre
datro da lama us curraos do matadouro ; veja-
se a manir barbara e crivel por que os magare-
ei at ipnetitam o j ibre animal antas de o derru-
birem ;_ v>j:i-s a manuira por que os quarlos de
carne Mo conduzidos empilhad< s ,m urna carrog.!
im.niiu 11, e caberlos cora um peuno que causa as-
co e vargooba; e se comprebenler que esta c-
mara imn muite que faier em relafao aos benefi-
ioa ijna os *tu inuoii-ioes d.dla e-|jeram, porque
ludo est por faier: e nao esquejamos taubem a
ansira ^r que exposta venda a talbada nos
tyvaQtiti, nao s a carne do gado, como a de por-
i < a neir : lo melhoramento de lodas estas
HWtcoe.- y\\e p<>te nascor o beneficio para o po-
bre, para o operario, e para qual-juer ootro iaji-
viduo, pirque todo lera iguaes direilos alian-
tes saos, e~no da venda da carne at e fihoras
da arde, j em estado de adiantada putrefccao,
porque isso equivale a dar ao poro o veneno em
poqueoas dses, ;ea alie o sentir.
< Porunto, em quanto alo se poder estabelecor
au maunca de rnaabaa e ootra Urde, o que
impossivel as cironmslancias em que est o mata-
douro publico, pro'ponho que se limite i vend:<
carnes e fressnras.ae meio dia nos matee de e*rto~
bro marco, e s i horas da tarde de abril "se-
tembro, para o que aprsenlo o seguinte projeeto
de posturas:
Art. 1. Ningaeo poder vender earne on
fressuras dos animaes nwrtos no dia antecedente,
seno at o meio dia nos mezes de outubro a tnar:
50, e al as horas da larde nos mexes de abril a
setembro. ,
Art As carnes on frescuras que forera
encontradas depoisdas horas cima marcadas, sa-
rao apprehendidas e enterradas, 00 laucadas ao
mar era distancia que nao possam ser aproveita-
das; e a pessoa que as estver vendendo, sera
multada em 10*000 e o duplo na reinciden:?.
t Paco da cmara municipal do Rectfe, 11 de
outnbro de 1870. Dr. Lobo Moscoso.
Adiado.
Urna proposta do Sr. presidente di ciraara :
Proponho que se nomeie urna comrmssao para
rever o cdigo de postura desta cmara.
t Paco da cmara municipal do Recfe, 11 d
outubro de 1870.Souza Lpao.
Approvado, e foram nomeados os Srs. Dr. Pi-
tanga e Dr. Angelo.
Despacharam-se as peticoes de Antonio Horeira
de Mendonca, Antonio Milburges Saraiva Galvio,
Jos Vital de Negreiros Joaquim Manoel Ferreira
de Souza, Manoel Francisco Marques, Pedro Jos
Gomes de Ratis e Thomai de Carvalho Soares
Brandao Sobrinho, o lezantouse a sessa >.
Eu Lourenco Bezerra Carneiro da Cunha, secre
tario, o subscrevi.
Ignacio Joaquim de Souza LeSo, pro-presiden-
Ip. Jos Mana Freir Gameira. Dr. Prxedes
Gomes de Souza Pitangi. Angelo Henriques da
Silva.Bfnli Jos da Costa Jomor.
Felicitamos o Exm. Sr. desembargadoi Fran-
cisco de Assis Pereira Rocha, vicepresidente da
provincia, pelo restabelecimento de sua saude, to
gravemente compromettida uestes ltimos dias, vi-
mos ao raesrao lempo aventurar algumas consde
rac3es de sincera conviccao em referencia ma-
netra por que tem elle gerido os negocio? pblicos
e dejempenhado o elevado cargo de administrador
da provincia. Nao nos poderlo tachar de lison-
geiro, nem de apaixonado encomiasta de S. Exc.
occasio era que nos pronunciarnos semelhante
respeito, quando esse distracto funecionario est a
deixar o exercicio de to eminente commissao
por si s exclue de nossa parle qualqaer suspeila
de parcialdade e e3tabelece a franqueza e justica
do nosso juiz 1.
Hoje era dia bem lifflcil quem quer que seja
escapar ao estigma da reprovacao, quando se pro-
poaha a aquilatar os servicos prestados ao paiz e
causa publica por este ou aquello funecionario
de recjnhecilo m?rlo : o prisma das paixoes par-
tidarias nao permute ver servicos reaes na maio-
ria dos casos que exuberantemente os demons-
tran) : e por mais dignos que sejam, os melhores
caracteres sao immolados nao raras vezes ao odio,
aleivC'Sia e at ao ridiculo, por alversarijs im-
prudentes e injustos. Nao importa : diremos o
que pensarmos sobre a adinini-tracao do Sr. Assis
Rocha, obedeceodo nicamente aos impulsos da
consciencia, e entregando as ossa* apreciacoes
ao conceito dos horaens imparciaes de ambos os
aartidos militantes.
Sem quo no3 seja mister entrar na investigacao
minuciosa de todos os actos de S. Ex\, durante, a
sua actual administracao, bastar-nos-ha apuntar
alguns, que mais se recommendam at'er.go ge-
ral, e que sao outros tsntos litlos de benemertn
cia que inuil: alto fallara em pil do tino, da pru-
dencia e da probidade de to Ilustre administra
dor. Delegado do governo que presenilmente di-
rige o paiz, e ti! sectario da poltica professada
por es>e governo, visto queMD Exm. Sr. Atis
Rocha nio p ideria jamis, Jayar de seguir as
iospiraces des-a mesma poltica kd governo
que a symbolisa e representa.
Entrelanla, lal o espirito de justica e impar-
ciahdade que anima a S. Exc.; to elevada a
sua honesiidade governativa, para assim nos ex-
prmirmos, que, acudindo aos clamores da publica
opinio, e atiendendo urgentissimasnecessidades
de ordem superior, nao trepiJouelle em destituir
de posieSes e cargos mais ou menos importantes
alguns dos seus propnos ccrreligionatios, cuja
conservacao em taes empregos seria um grave de-
trimento ao servic publico.
To certo sto, que, gerairaente se sabe nesta
provincia, soffrerS. Exc. iojaslaa argulcpes e cen
suras de alguns dos seus mesmo aliados polticos
affeitos, como estavam a longl data, a saucci.nar
t idos os actos de sua sella e a olhar para todas
as cousas pelo prisma iuganador dos meros nte-
resses de faceo.
Quando um hornera, na altura e na posicao do
Exm. Sr. Assis Rocha, desprende seassira das pes
simas usancas partidarias, e prefere ao inleresse
de meia duzia de correligionarios imprudentes e
vaidosos o real iuteresse da communho, quando
um funecionario era taes condiedes se nao doixa
levar pelo falso principio das conveniencias de um
grupo, e sobre ludo allende aos reclamos da opi-
nio esclarecida e imparcial um grandsimo ser-
vica pre-ta sera duvida, a sociedade, e todos os
homens de bem, de todos os partidos polticos de-
vem applaudir-lhe o proeedimento.
Integro e zeloso de seu nobre encargo, o Exm.
Sr. Assis Rocha deu por esse modo urna exube
ranle prova de suas bellss intencoes ; mostrou
que est muito cima dos simples cumpridores de
ordens que infelizmente abundam tanto nos altos
postos da nossa vida poltica, e grangeou as sym
patinas e a concideracao dos que ainda cqnipre-
hendem a suprema doutrina do dever e sabem
cumpri-la dosassombrados e tranquillos em sua
consiencia.
Se dahi passamos a contemplar o estado da ins-
truccao publica da provincia, e es necessida les
que itnpoe o melhoramento do ensino entre nos,
fcil nos recouhecer qne S. Exc. tomou ao se-
rio as obrigacoes que por este lado Ihe pesavam
na qualidade de administrador
Temos visto quasi todos os dias a solicitude, o
decidido etnpenho desenvolvido por S, Exc. no
preenchiraento de varias cadelras de instrnecao
primaria para 03 diUerentes pontos da provincia ;
a profunda attencao que tem consagrado a esla
magna quesio da educacao e da instruccao po-
pular, diffundindo-as com actividade e escolheodo
para este mister is mais habilitados e idneos den-
tre os concurrentes.
Sob esta relacao, bastante ser a expressa decla-
racao do eminente servido por S. Exc prestado ao
Gymnasio desta provincia cora a acertada nomea-
eao que fez do Sr. conego Kochael para o cargo
de regedor daqoello estabeleciment, em substitui-
rlo ao Dr. Alvaro, que foi por S. Exc. aproveitadj
para director da escola normal.
Com todos os requisitos necessarios ao cabal
desempenbo de to delicada incumbencia, com
a proticiencia adquirida na pralica de mais de
urna escola de educacao com o valioso litu
lo de liabilissimo creador da escola normal, que
to proveitosa e dignamente dirigi at hontem,
o Sr. conego Rochael era ara dos cid daos mais
apios para dirigir ao Gymnasio. Em taes eendi-
cm aquella nomeago importa um beneficio real,
que ja vae'sendo sentido geralnvnie ; e ainda por
eaa ajuizada escoiha mudo merece o Exm. Sr. As-
si Rocha de lodosos verdadeiramente interessa-
dos ni protperdade da provincia.
Lancemos as violas sobre o corpo de polica e
ahi veremos ainda o zek, actividade e justiga com
que erapre se honve S. Esc. as nomeaces do
seu peatoal; nao eividando os relevantes servicios
prosudos na guerra pelos oficiaos pragas de qne
na maior parte se acbi nomposta
Nao meaos digno de h jarosa inenco foi o acto
de S. Exr a respeito da escolba dos fuoccionarois
para a direeoao da junta administrativa da-Siota
Gasa de Viserioerdis. eseelha tanto raais acertada
e eireumjspeol, nuunto cada ira dos caracterc-
escolhidos o comprova.
B' por certo asa eorporacao digna dos maiores
encomios e alteocoes da proviuciA, j pelo seu
po e auraauilario m, e j pela ordem e infaii
gabilidade de seu Ilustres raemhr >s na regencia
de todos os estabeleci raen t seu cargo; o que
foi mu bem aquilatado por S. Exc. ,
Servicos eomoesiese outros, prestados pelo
Exm. Sr Asis Hucha na 1 eur adraini-traco,
recommendain-se por si mesm >, ."uguientaiu-lhe
um valioso litlo consdoragau a estiiua de 10
do os Peroambai^nos e constitin-m, sem mai.-
coraraeotari. o seu inelhor o mais completo elo-
gio.
Por nossa parte, sincero apreciador dos actos
adminictraiivos de S. Exc, e albeio iaspirago
de paixoes partidarias, ditigunos-lhe d"e as no-sas insuapaitas fellciiagdex; e fazemos vot 9
para que, descancando das fadigas da seu carg i,
volte s. Ext ao exe/etcio de sea eminente oficio
de magistrado, que tambera labe desempenhar
com tanta iuteiresa, areomipeceio 0 inieUigeicia.
PUBLIGACOES A PENDO.
Mei|elM do Asylo de Meodlei-
daae.
(18 nfflclo.)
O Exm. Sr. pivedor d^ Santa Casa de Miseri-
cordia comegou esto offlcio negando as assevera-
c5as que fir, de o ter coneotado acerca da diarla
de cada mandil!, marcada no regulamento interno
do Tteylo, e me dito que a havia calculado muito
bem.
Mas na fax urna negativa positiva e formal, fin-
gi esquectmenti. disse guc provavelm^nte o con-
eu'tei depui do referido ngulamento expedido, e
pretendea que entre a rainha e a sua palavra de-
vera esta ser a acreditada Sendo sto ponco,
quer ainda que eu Ihe refira as particularidades
da nossa conv^rsagao para ver se se lembra do
que me disse I
Mal pensava eu que 6 Sr. proveior tivase um
priicedimento destes I
S. Ex?, se ha do lembrar que fai por tres vezes
a sua casa, sendo a primal ni, se bem me record,
em li de margo, antes da expedigo do regula-
monto em questo. Foi desta vez que consultei-o
sobre diverjo* pontos, em qne quera ouvir sua
opniao, sendo um delles o da diana.
S. Exc. hade recordar-so tambera que eonver-
sou mu amavolmente comido, e me fez l veltar
ouiro da para irraoa, como fomos, fuer urna visita
ao hospital Pedro II.
Na sua approvaco diaria que caleulet, nao te-
ve S. Exc, estou certo, a intengo de arraar-me
urna citada, s quiz preparar argumentos contra o
aiylo.
Referindo o que se passou, a este respeito, en-
tre mira e o Sr. provedor, nao pretend atirar
urna das era .'has da balaaga o peso da minha pa-
lavra, ao contraro, conei na dignidade de S. Exc,
na sna lealdade, e nao c^ntei jamis com a sua
negativa.
Como, porm, a questao est entro a minba pa-
lavra e a do Sr. provedor, o nao pode ser resolvi-
da seno pelo maior conceito que merega urna
deltas, eu re reara o que disse com um facto que
S. Exc. nao poder contestar.
A' 8 de abril, ten lo de informar a presidencia
sobro o ofllcio que em 2 d'aquelle mez dirigi o
Sr. provedor a presidencia, representando contra
a organisago do Asyfo, e produiindo argumentos
entre os quaes viuha o da excessiva diana de cada
mendigo ; expuz o seguinte :
t Sobre as diarias dos mendigos, assim como
sobre a disposigao do art. 6o do regulamento in-
terno, ti ve occasio de conversar com o provedor
da Santa Ca-a, e pedi-lhe qse me nfermasse so-
bre a d-speza diaria do hosoilal Pedro II, em re-
lagao a cada enfermo, e S. Exc. me disse que alli
a despeza era englobada, mas que de cada enfermo
que poda pagar o seu curativo se exiga t J000
por da. Observei-lhe que de um calculo que 0-
zera, nV) poda gastarse, no estado actual do mer-
cado, menos de 810 rs. diarios por cada mendigo,
e 5. Exc. me respondeu qne muito bera havia cal-
culado, e que realmente esta quantia eslava mu
conforme.
Portanto nao posso deixar de ver com certo
pasmo as ponderages'qae se dignou fazer sobre a
ragao estipulada.qe merecen sna xpprovaco par-
ticular etc. 1
A esta minha nformagao que foi _ter s suas
mos, oppoz o Sr. provedor oontettagab em 6 de
maio e 16 de junho. Era nenhum dos seus offl-
doa, porm, tratou deste ponto da mesma informa-
cao, deixou-o em permito silencio.
E o que se pode couclur d'ah? Que eu^qae
por duas vezes repet um facle, foi quem cometan
inexactides, ou o Sr. provedor, que, com o seu
silencio o confirmeu da I" quando o refer era of-
ficio, e o negou da 2', porque o publiquei?
Vinte e diius dias depois do facto, que ainda
era recente, o Sr. provedor nao o negou, e s cin
co mezes depois o faz!
O publico aprecie bem este incidente da minha
discusio cora o Sr. provedor, para que o sea jui-
zo se forme com seguranga.
Era re I agio ao augmento que den a diaria, ele-
vando-a termo medio, a 907, quando de 895 rs.,
diz o Sr. provedor:
E com effeto se a tabella que faz parte do re-
gulamento interno, organisado pelo mesmo ex-di-
rector calcula em 980 rs. o prego da ragao de ca-
da mendigo em cada nm dos quatro dia em que
no A'vio a comida de carne, e 810 nos dias em
que de peixe, segu se qne devese multiplicar
o prego da I* ragao, Mo 980 rs. por 4 dias, o
que .a :13920, e o da segunda, isto 810 pelos
outro? :{ tis, da 21430 : este dous resulu'dos da
multipliearo reunidas monta 630, qne dividi-
dos por 7 dias da semana do 907 rs., termo me-
dio etc.
E' nm novo systema de procurar o termo medio,
e aproveitado sm duvida para o Ilm de arranjar-
se urna alaria maior, do que na realidade a de
eada asylado!
Termo medio aqcelle que resulla da sornma de
duas o mais adigoes. dividido o resuludo por
um numero goal ao das raesmas adigoes: por
exemplo, o termo nio entre 980 e 810, se-
guramente 89o, resultado da somma d'aqnellas
duas adlces, dividido por 2.
Mas admittido o systema do Sr. provedor, ainda
o seu resultado inexacto ; porque o regulamen-
to iuterno do a>ylo marca tres dias de alimenta-
gao de carne verile, tres -de peixe. e nm de feijoa-
da. cuja diaria pode ser equiparada ao valor da
de pi ixe, e nunca ser incluida as dos dias de car-
no verde. Feito o ealculo com esta base, teremos
tres das a 980 rs, que produzera 2*940, e quatro
a 810, que do :(4i0 ; desta daas adigoes resol-
ta urna somma de 64180, a qual dividida por 7.
d umi diaria, termo medio, de 867 rs. e nao 907.
Portan! 1, nao resta duvida que o clenlo da Sr.
provedor foi arranjilo com o proposito firme de
dar urna diana, leimo medio, maior do que a
marcada no refitilamento interno do Asylo.
Conteste isto S. Exc:
a E depois, cnndpre notar, continua o Sr. pro-
vedor, que eu nao sustenlei que o dispendio com
eada mendigo fosse de 907 rs.. mas apenas disse
4ue_ pelo art. 5* do regulamento interno o valor da
ragao diaria de cada mendigo, atienta a respecti-
va tabella pareca excessiva em comparagae do
que gastava qnalquer dos Individuos dos outros
estabeleci montos da Santa Casa. E tanto era fon-
dada esta minha supposigao, que segundo declara
o ex-director nunca se despenden toda essa quan-
tia. >
0 Sr. provedor como tenho dito, pouco leal
na sua argumentarlo, s argumenta de mi (.
Tran-crev 1 lambem aqni o que elle disse no
seu relatorio, para que se nota que cou'a muite
difireme do quo contera o trecho cima trans-
cripto.
<----porqne ao passo qus o hospital Pedro II
despendeu por dia cora a atimeataeao de cada
pessoa, inclusive os erapregados e chefes, a quan-
tia de 412 rs., o hospicio de alienados a de 380 rs.,
a casa dos expostos a de 978, o hospital dos laza-
ros a do 767, o rollegio da 3 orpbaas a de 389 e
o dos orphos a de 2 >2 rs.; gasta o asylo di men
digidade a de 907 rs., termo medio, nSo tncluindo-
se ns empregnis e o director, cuja alimentacao
fica a iisposicao deste.
D'aqui se v qde o Sr. provedor nao s as- ron que n 1 asylo se despenda 907 por dia com
cada mendigo,'como tambera que n'aquellaqtran-
*a nao se iii'luia adespeza de aliraentagaodos em
pregados e do director.
Mostrei o contrario disto, convenci S. Exc. de
um aleive, e elle agora torce o sentido de suas
plavras, o quer escapar-se com evasivas f
Quem dina, que nra magistrado de conceito e
posigi do Sr. provedor, cedendo ao despeito e a
aiva, havia exhibir-se em publico representando
um papel que nio Ihe esi a carcter ?
Proegue S: Exc. :
Em prmero lugar releva drzer que, segundo
se v da certidao junta, n. 2, nao esla exacto o
ealculo do ex-director, porque de 23 de malo a
30 de abril de^pendeu-se ora os mendigos, e
pregados e cim os gneros de que elle trata (illn-
miaao&yfuini', rap, farello e sabio), nao a uuan-
tiade 2:3401120. mais ade 2,495*540sendo 718 rs.
%y?^(> c*'ia i""303 i D,) l0I de malo ....
2:fotJ8i0 tocando 731 a cada pessoa: e no mei de
juulio, nao ade2:314*840, como diz o ex-dirtor.
ni-.s a de 2: t&OiO, sendo 7ft rs. a ragio de dda
pesstr oevendo-se.porem, aecrescentar a despea
de maio e juuho ss trmta saccas de farinha, dez de
feoji e vinte arrobas de carne seca on de xarqfi"
.iff-r -el t ts p lo bario do Livramenie n'uma p ca
en que essaa gneros eslavampor preo mu ele
vado. ^
Nao esquecen ainda esta vez o donativo do *r
bira. do Livramento, qUH nio vera ao oso, para
a deinonstragao =1 que se prupoz o Sr. provedor.
jue, c.m.jateubo dito, tem o calculo de tirar
vaotagemdo atordoamento as aprciC5es dos
sen* arrasoadas. r T
Entretanto nouvel a ioodelidade das fltfa*
allegag5es, que urnas vezas altera a exacbWdos
factos. ontras os verte, e sempre omilfe todo
qaanto me pode aproveiur 1
Aileada-e a Uto. QSr. provedor mjgqjoM o*
erro3 dos meus clculos nos meses de abril e
junho, porque, sio costra o asylo ; mas omitte o
erro a o mea de maio porque mostra um engao de
150*000 contra mira I
Tomando bera sensivel os engaos dos meas
clcalos, aprsente errados o clculos das des-
pezas diarias de cada pessoa nos meses de maio e
junho I E isto, sera ser intencionalmente, altera
e augmenta esas desposas 1
E- o Sr. provedor, magistrado, presidente de
um tribunal importante, nm hornera da jusliga e
da le, quera assim procede I
Servr-me-hei das quantias dadas pelo Sr. pro-
vedor, como despendidas cora a alimentacao no
asylo, para mostrar que o seu clenlo das diarias
est errado.
De 23 de margo a 30 de abril despendeu-se
2:495*540, sendo a diaria de cada pessoa, inclusive
os empregadoe e director, ao todo 89, termo medio,
718 rs.
Em maio despendeu-se 2:151*830, sendo a dia-
ria de cada pessoa, inclu-ivs os empregados e o
director, ao todo 99, termo medio, 701 rs.. e nao
731 como diz S. Exc.
Em junho despendeu-se 2:160*440, sendo a
diaria de cada pe-soa, inclusive os empregados e
o director, ao tod 1 105, termo medio 685, e nao
714 como diz S. Exc
Na despeza do Ia a 21 de julho nio faou o Sr.
provedor, mas eu a mencionarei aqu; foi ella
de 1:548*510,.sendo a diaria de cada pessoa, in
clusive os empregados o o director, ao todo 105,
termo medio, de 702 rs.
Ora, avista do exposto, e da innocencia qae pro
duzio o erro do calculo das diarias, innocencia
qne servio para angraenta-las, nio tenho en
razio de dizer que o' Sr. provedor discute de m
f, e sem outro m que nio seja arguir-me por
lodos os meioi ?
Respondara os qne nos lem lido.
Rec'fe 11 de ootubro de 1870.
J. P. B. de Mello Reg.
(! offljio)-
Neste officio o Exm. Sr. provedor da Santa
Casa de Misericordia liraitou-se a contestar pro-
posgoes incidentes, que aventure! em meus pri-
meiros artigos sobre despeza excesslvas do hos
pital Pedro II, dirigdo por irmies de cndale,
cujo zelo e economa tanto encarece e exalta.
Nio tenho, irapenho, era presa de me
oceupar con) os negocios dos outros estabeleci-
mentos a carge da Santa Casa; meu flra.tsmente
tratar dos do asylo.:
E' bera possivel que mais tarde, o era melh o r
occaslio, tome sobre mim o encargo de investigir
pelo miado o como correm as eoiisas n'aqaelles
estabelecimentos, e entio saberei como a his-
toria de medicamentos do referido hospital, e das
quatro caucas de vellas estearinas por mez, para
a introducM e doentes a noute. Hoje fponho-me
fra destes assumptos.
Recfe 11 de outubro de 1570.
J. P. B. de Mello
\egocio* do Asylo de Mendlel-
dade-
Santa Casa de Misericordia do Recife, 21 de se-
tembro de 1870.N. 3051. Illm. e Exm. Sr.
Apezar de terem revertido para o Asylo muitos
objectos, ainda faltam amitos d'entre os qae de-
viam nelle achar-se, como V. Exc. poder ter vis-
to do inventario que o Dr. Jos Joaquim de Oli-
veira Fonceca, provavelmenie reraetteu a V. Exc.
e que se procedeu depois da sabida do ex-di-
rector Mello Reg.
Sendo esse inventario feto a vista da relagio
dos movis e mais objectos comprados para o Asy-
lo pela repartigio das obras publicas, acontece
que em dita relago certas verbas nio vera dev-
daraente descrirainadas, e assim nella esUo ama
mooilia de iicarand comprada por 1:184* inclu-
sive diversos movis para a sala de jantar, sem se
declirar de quantas pegas conslavam essa mobitla e
ese3 movis, de forma que as pegas, que hoje
existem no Asylo como parte dessa moblia da sa-
la de visita e da de jantar podem nao ser todas as
que deviam achar-se no estabelecmento.
Inda raais direl. Na fallada relagio vera ndica-
das'8 camas de fero compradas por 200* ; mas
urna dellas nunca entrou para o Asylo no tempo
do ex-director Mello Reg, que a cedeu ao mor-
domo Clemente Jos Ferreira da Costa Jnior, o
qual at 6 do crrente nio a pagara, como se v
do ofDcio par copia jaol>.
Deus guarde a V. Exc Illm. e Exm. Sr de-
serabargador Francisco de Assis Pereira Rocha,
vice-presideate da provincia. ) provedor .Insel-
mo Francisco Peretti.
Copia
Asylo de Mendcidade 6 de setembro de 1870.
Illm. e Exm. Sr.Em officio datado de hoje V.
Exc. diz que eu informe se existe era poder do
raordomo deste Asylo, urna das camas de ferro
cora maganetas douradas das qae foram compra
das para o mesmo Asrlo ; e como foi parar em
seu poder esse morel. \
O referido raordomo, a quem liz sciente do offi
feio de V. Exc, declara que realmente existe em
seu poder a cama de que se trata; a qual nunca
chegou a ter estado no Asylo, porque Ihe loi cedi-
da por mea antecessor, logo depois de comprada,
sendo que elle mordomo nunca fez entrega da
importancia desse tnovel, o qae est prompo a fa-
zer desde j a quera competir.
O ex-director me tlnha dito, que o mordomo ti-
nha levado urna cama de ferro do estabelecmento,
prometiendo maddar outra era troca ; o que alias
ainda nao tinha realsado.
Deas guarde V. Exc Illm. e Exm. Sr. de3-
erabargador Anselmo Francisco Peretti, provedor
da Santa Casa de Misericordia.O director interino
Jos Joaquim de Oliveira Fonceca.
Santa Casa da Misericordia do Recife, 21 de se-
tembro de 1870..N. 3052 IUm. e Exm. Sr.
No meu procedente officio relativo a 8 camas de
ferro compradas para o Asylo por 200* disse qne
utna dellas nunca entrara para o estabelecmento
no tempo do ex-director Mello Reg, cumpre-rae
agora afflrmar que para o mesmo Asylo nio en-
traran!, vmdas do armazera que se presume te-las
vendido orna banqueta de p de cama no valor de
25* e urna mesa de cosiuha no de 17*, por quan-
to esses dous movis foram ficticiamente compra-
dos e carregados ao Asylo em urna conta de 72*
feita para substtaigio de outra de igual importan-
cia e proveniente de movis alugados j por occa-
sio da inauguragao do indicado Asylo e j mu
anteriormente, devendo se ter em vista que na no-
va conta conservando-se 30* smente de aluguel
de trastes, perfizeram os 72* com a quantia 42*,
somma dovalor da banqueta e mesa cima referi-
das, informe da certido junta.
Os origmaes das coatas serio mostrados a V.
Exc, e a qu-ra quizer ve-Ios na secretaria de
Santa Casa, se houver quem ponha em duvida o
que eu acabe de expender.
Deus guarde a V. ExcIllm. e Exm. Sr. des-
embargador Francisco de Assis Pereira Rocha,
vce-presidente da provincia.O provedor da San
ta Casa, Anselmo Francisco Peretti.
Certifico qae existe nes secretaria ama conta
de aiofcuel de seis duzias de cadeiras por 24*, di-
to de urna duzia.em 3 mezes por 24*, dito de ama
banquiaha de p de cama por 9*, e de dous
consolos por lo, ominando ludo a quanba de
7ii, a que abaixo dessa cunta se l a seguinte no-
ta pela anal foi feita a conta enviada pelo ex-di-
reotor Joaquim Pedro Brralo de Mello Reg da
mesma importancia : aluguel de cadeiras para o
dia da abertura 30*, urna banqueta de p de ca-
ma 2o, urna mesa de cosinha 17*.
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do
Recife, l de setembro de 1870.
ecrivio.
Pedro Rodrigues de Souza.
Santa Casa de Misericordia de Recir, 21 de se-
tembro de 1870.= N. ,5"i. IMm. e Exm. Sr.
Ouvira eu dizer, conforme declarei em o meu of
ficio n. 2929 de 17 de agosto prximo passado, que
por occasio da inumllago do Asylo de Mendicf*
dade se despender a quantia de 1:217*.
Este boato nao derxava de ter algum fundamen-
to, porqne achara-se em nma gaveta do referido
Asylo o projeeto de conta. escripto por letra bera
cjherida do ex-director M-llo Rogo, prieto es-
te, 40 per copia tenho a honra de por na re*pei-
uvel prenga de V. Exc
Este esbogo o> conta di sem duvida escripto
por eqaiwco on esqueciuienlo, e, se poda, depois
da passtdo a limpo, ser aprontado em algum
reparoio, nao puda ser exhibido a secretaria, da
Sania Cara, porque continua duplcala de despo-
sas, coma- fuaee de muiiea, illurainago etc., j
contempladas em costas archivadas at mesma se-
cretaria.
Tenia stdb dada para o asseio e expediente do
Atjyem o dia- de sua immgntacij, a quaatia de
1:200, hoave designio dudarse sabida seme-
jante importancia por meio das' despeas men-
cionadas no rascunho a que aliado, fleendo linda
contra o MUhdtrimwMB o saldo de 17*.
A aehada deate rascaalio foi que leo lagar a
soppor-se e publicar-) qne se haviam gasto
1:217* na nstalUtgio do Asylo.-Uio tendo-se IraU-
do de examinar se no estogo em questao ligara-
vara pareells, qne j tnham sido langadas em ou-
tra coala.
Deas guarde a V. ExcIllm. e Exm. Sr. des-
erabargador Francisco de Assis Pereira Rocha,
*ice-presideote da provaeia.O proveder Ansel-
mo Francisco Peretti.
Copia
Recebi da tesouraria
Dito da Santa Casa
1:200*000
3:500*000
4:700*000
Mesa 1201000
Lavatorio 50*000
Bacas 35*000
Jarro 56*000
Fretes 150*000
llluminario 100*000
Quartinhas 8*0000
Copos 16*000
Tinas 12*000
Cospidores 10*000
547*000
6 retratos 160*000 440*000
2 ditos
1:047*000
Msica 170*000
1:217*000
Conforme.
Pedro Rodrigues de Souza.
Santa Casa de Misericordia do Recfe, 21 de se-
tembro de 1870.N. 3034 Illm. e Exm. Sr.
Como V. Exc. ver da declaragio por copia inclu-
sa o ex-dlrector venda barro para a lundigao do
Starr, barro este lirado do sitio do Asylo, e a im-
portancia dessa venda nunca, figurn como verba
de receita as cootas relativas a margo, abril.
maio, junho e julho, podendo ser que o mesmo
ex director tivesse autorisagao para vender barro,
a qual nunca me constou.
Osblhetes por pagar de que trata a fallada de-
claragio, tem as datas de 11,13 e 15 de julho pr-
ximo passado, e foram de prximo enviados ao
Dr. Oliveira Fonceca, pois trazem recibos de 5 do
corrente, passados pelo mordomo Clemente e figu-
rara as contas do Asylo pertencente ao mez de
agosto prximo passado, como se v da certido
n. 2, cabendome aecrescentar que sera para de-
sojar que o ex-director Mello Reg tivesse igual-
mente remedido a importancia das canoas de
barro que vendeu anteriormente s datas dos bi-
Ihetes, a que se allude, segando se mostra da in-
dicada declaraeao.
Deus guarde V. Exc Illm. e Exm. Sr. de-
sembargador Francisco de Assis Pereira Rocha,
vice-presidente da provincia.
O provedor,
Anselmo Francisco Piretti.
N. 1.
Copia
Declaro que rnandet bascar por diversas vezes
canoas de barro no Asylo de Mendicidadde, as
quaes pagava vista do bilhetes que remedia,
por eoasentiraento do Sr. Mello Reg, faltando pa-
gar dous ou tres bilhetes da ultima vez.
Rectfe 30 de agosto de 1870,
Por G. G. Starr. Miguel Fontoura.
Conforme.
Pedio Rodrigues de Souza.
N. 2.
Certilico que as contas do mez de agosto apr-
sentelas pelo director interino do Asylo de Men-
dcidade, Dr. Jos Joaqun) de Oliveira Fonceca,
figuram tres bilhetes de 11,13 e 15 de julho fin-
do, cora recibos passado era dala de 5 do corren-
te, pelo raordomo do mesmo A*ylo Clementr Jos
Ferreira da Costa Jnior, na importancia de 13*
de tree canoas de barro vendidas fundiedo de
G. Starr, quantia, quo o mesmo director Dr. Oli-
veira Fonceca, recolheu ao respectivo cofre.
Secretaria da Santa Casa de Misencordia do Re-
cife, 21 de setembro de 1870.
O escrivio,
Peiro Rodrigues de Souza.
(Continuarse- ha.)
Elctyio
DOS DEVOTOS QUE TEKM DE FESTEJAR A NOSSA
SENHORA DO CARMO DO FRONTISPICIO NO
ANNO DE 1871- .
Juiz
O Illm. Sr. irmio confrale D. Joo Anglad.
Juizes protectores.
03 Illms. Srs. negociantes :
Jos da Silva Neves
Joaquira Clementino Ribeiro de Brito.
Francisco Augusto de Araujo.
Juizas.
As Illmas. Sras.:
D. Aona Tbereza dos Santos Pereira, esposa do
negociante Luiz Antonio dos Santos Pereira.
D. Maria Cezar de Vasconcellos-LIraa, esposa do
negociante Jeronymo da Costa Lin-
D. Lucilia Arcelina de CarvalhoVfonseca, esposa
do Sr. teuente-coronel Decio de Aquino Fonseca.
D. Mara Grata da Cmara Martins, esposa do
negociante Graciliano Octaviano da Cruz Martins.
Juizas protectoras.
As Illmas. Sras.:
D. Maria Carolina Lins da Silva, esposa do ne-
gociante Vicente Silva.
D. Maria da PieJade Alm Poitn, esposa do ne-
gociante Leonardo Antonio do Espirito Santo
Porto.
D. Mara Merandolina de Maraes e Silva, esposa
do negociante Jos Cyprano da Silva.
D. Maria Joaquina de Brito Costa, esposa do Sr.
alferes Joo Pinto da Costa.
D Antonia Libnia Pereira de Lyra, esposa do
negociante AiitouioVJ?ereira de Lyra. .
D. Maria PeixoUr5)ar,'s Vianna, esposa do ne-
gociante Antonio Duarte Carneiro Vianna.
D. Candida Amasia da Silva Gumaraes, filha
do negociante Miguel Barbosa da Silva Guma-
raes.
D. Anna des Santos Viegas, esposa do lente
Manoel Antonio Viegas.
Escrivias.
As Illmas. Sras. :
D. Maria Carlota de Albuqaerque Paes Brrelo,
Riba da Sra. D. Mara Alexandnna Paes Barrete.
D. Pastora Theodorica dos Sanios, filha do nego-
ciante Manoel Jos dos Santos.
D. Phlomena de Lima Carvalho, filha da Sra.
D. Gabriela Umbena de Lima Carvalho.
Di Anna Emilia da Silva Guimares, filha do
negociante 'os Joaquim da Silva Guimares.
D. Brasilina Umbena Lumache de Mello, filha
do Sr. Lumacha de Mello.
D. Mara Isabel de Almeida Xavier.
Escrives.
Os Illms. Srs.:
Tenente Joo Paulino Marques.
Alferes Manoel Olympio da Carvalho Mendonca.
Negociante Miguel Jos da Molla.
Negociante Joaquim Claudio Monteiro.
Negociante Ovidio Ferreira da Silva.
Ricardo Pereira de Sanl'Aona.
Protectoras perpetua.
As Illmas. Sras.:
Exina. Coodessa da Boavista.
Lydia de Lima Carvalho.
D. Olympia Candida de Guimares Amaral,
espoea do negociante Francisco Marcelino do Ama-
ral.
D. Ira Maximiliana, esposa do negociante An-
tonio, Jos de Souza.
D. Maria Jos da Silva Neves.
D. Mara Ignacia de Maia Cosa, esposa do ne-
gociante Joaquim Jos da Cesta Fajse*. ,
D. Candida Rosa Paes Brrelo.
D. Julia Maria Rangel Ferreira, esposa do ne-
gociante Jos Lucas Ferreira.
Protectores perpetuos.
Os Illms Srs.:5
Tenentecorooel Joaquim Jos Silveira.
Major Jeronrmo Emiliano de Miranda Castro.
Capilo Sabino Joaquim da Silva Corado.
,Capitao Jos Laurentino de Azevedo.
Capito Joaquim Albino de Gusmio.
Tenente Mraoel Antonio Viegas Jaolor.
Tenente Francisco Gemido da Silva Barrote.
Alferes Joaquim Ihnocenclo Gomes.
Tenente Jos Francisco Paes Barrete
Procuradores.
Os Illms. Srs.:
Agosimho Jos deOHveira Jnnlor.
Manoel Tilomas dos Santos.
Al reres Apolraarlo Luis de Carvalho.
Joo Posidoolo da Silva Ros.
Mantel Jos de Almeida Caiaobo.
Manoel Chrispjn da Silva.
Francisco Atguslo de Mlrandi.
Braz Ferreira de Aimiquerqtn.
Manoel Coelbo Galmaries.
Latino Agapito de Castro Amaral.
Alferes Frederico Angosto Ptea
Juvenal Jos do* Santos.
Zetador do nidio da _
0 Illm. Sr. fcaqaim Gomal te* de
Encarregadoe da feto.
Os Illms. Srs, :
Joaqoim Campo* Lima. _
Joaquim Reroardino de Castro Rio*.
Jos Chrispiniano da Suva.
Firmino Jos de Oliveira.
JOO LOURENCO FEREHA DA COSTA I .
JOS DATIVO DOS PASJOB BASTOS.
Nio posso, nem devo tolerar tjtw 9r. Jha Da-
tivo dos Passo* Batios contine saate D#oa
proclamar-se victima sacrificada rijra auna 4a
Sr. Manoel Coelbo Pinheiro, qnaad etefttvaraiaie
o Sr. Jos Dativo pratimu o crwe de 4*9 ar-
gido e ras o objecto do mmmaro de caen, nm
se Ihe instaura
Assim, passo expr com toda a Matada
facto, occorrido no dia 9 do corrate, aa Sr.
Jos Sativo tem afeitado sua vonlade a
sivel drfesa.
A's 4 horas da larde d'esse dia, roa do 1
de cujo quarteiro son inspector, ob-enaado nae
Ernesto Henrique e Arlbnr Btlleoeuart iigi1
plavras nffeosivas e ameacavam Janttkn de
tal, convidei este retirar-'se. e ata Ux aeompanha lo, para evitar que a dona t,gret>
res o espancassem. J. comigo se retirava quando Henrique, ira cia,
descarrega de nma chbata qae me .llenara eatv
tunde as costas, lmmediatamente das v.-z da an-
sa, Henrique, dirijo nw ao senhor sobdalrgado
narrar tste insulto e obter pracas qtte efertaeni
priso.
Cbegara as pracas e apoderam-se do
Ento apresenta-se o Sr. Jos Dativo,
que Henrique nio ser eoodnad tffwu da
autoridade, se tambera o nio hr JaenMie.
Paraevtar maior conflicto, accedo estulta re-
clamaco, e sigo chamar Jaeintb, reamada
ao digno senhor subdelegado o daeidir d.*poia,
como t ntendese de justica.
Nio saciado ainda, o Sr. Jos Dalia carra a
casa de sna residencia, mesma roa da Brasa.
volta de prompto, em trajo* ligaros, catate* tufen
as calcas, e, frente de outros comparsa, arre-
mette contra o polica Soares, saeca-lhe a rada *
assim, por meio de lio reeommeniavei fa^aafea,
d hberdade ao criminoso.
Eis a expressao fiel da verdade, qae o Sr. Jas*
Dativo jamis poder enterrar, qnaesqner aoe t*>
jam as evasivas, a* aneacat de qne se anl*ta a
Sr. Jos Dativo e seus saiMitrs.
Recife, 19 de onlnbro de 1870.
Joo Lourenco Pereira in Casia.
Mofina
Pede-se ao Sr. Gaspar Cavakaaea da Afcaqc. r-
que Ucba para responder i esUs nnoeeate- per-
guntas:
Quanto despendeu para comprar a* keraora*
universaes da casa Aralangy ?
Os bens dados aos berdeiro* para paawaeau
pertpnciam ou nio s mesma* beranra* S- per-
tenciam tim contracto de venda tereito aqoeite
em que o vendedor figura de anmrnnr a a 1
prador de vendedorf
As letras passadas por occasio d'i
j foram pagas, on ja esli ellas par lista da tas
numero de calotes pregados naqneUe ato* an
lou-as ?
O eogenho Marissca, dado em pagaattato
um dos herdeiros, em qae terrena asta **
tado?
Quanto deu pelas ierras, em qae i
engenho *
Quanto gastn para comprar parte da avaria-
dade Porto de Galianas ? J pagaa at taras oTtata
negocio ?
Pelo proco por qnanto o Sr. Gaspar raatprta.
pode ser senhor de todo o imperio: ata* a paga '
O Sr. Gaspar Drmnmond est ao lo*, a Sr.
de&embargador Alvaro na Relacao a 3r. Gaaaar
pode roniinu." comprar.
Ah I Sr. Gaspar, Deas anuente, mu ai* para
sempre.
Ta-I**.
N. 201.-AGCA DE FLORIDA Dfi MURRAY E
LANMAN.As senhoras fue daaeym e govim a*
gyear e mover ama airooapaara radiante aV Ires-
cura e fragrancia, deverao empre atas datti rica
e mimosa agua, nos seo* mocadores,
cas de golas deitadas no baabo. na ya a*
d'agaa, no caso em qoe te deaeje dar ama
gem odorfera aos denles, adiarse-na ter eaatMOo-
temente refrigerante e sammameale tattdavel, e
para a boa conservacao dos deate aia fea ai
nelhor: a mesma asada n'nm Sna
braia pela occasio de nma visita
um baile, a delicada e deleilavel (r
di Hunde do lenco attrabira mais atiearo da aaea
bordado de que elle eomposto. At
jeitas a vertigens e dores violentas da Cibera,
quando prsenles era grandes assembiea, araaro
um prompto allivio no aso da agua A >nda, a mes-
ma faz detapparecer como por zar anta leda a
oppressio do espirito, restilnindo ao attea anta
doce e refrigerante soavidade, alliviaad a* idear,
dando ao espirito ama brilbaote elianndadu a
mente novo allivio e vigor.
N. 202.-AGUA DE FLORIDA DE MUHJUY E
LANMAN. Est cora orna rapidea eaaaatesa
transmettindo e entregando a 1 negro rinwrimnh
urna chusma de essencias e agoaa rfetiruaan para
o toncador, as quaes bem qne se diga, team ser-
vido de urna miseravel de-h>ora ao gaataete de
loilet, e de um despr. ?ivei detgosto toda at nr*-
soas de refinado goeto. Ataa de aar meea>- et-
pendiosa do qae os extractos e e-eneias aaaoaaa*.
ella a mais pura e delicada ejewacia Jaral arria
tente, e til j como nm excedente ntet bygttair.
possniodo superiores qaahdades emeaatia ; a *-
nalmente, j eoma delicado e aansrval adatao
odorfero e delicioso. E nm imamn a oVea*'
composto de tado qaanto til ao qne fea t> mt
(ujradnvel. Para os senhores qne %&n
iai,a.i e ardencia da pe > cansada pela 1
da navalha de barba, nsaade i't
refrigerante perfnme, diluido a
rae nelle a virtode molificante, a i
sarro, aerviado ao mesmo lempo,
mesma forma como nm meio eu
sipar o guste e rheiro qne flea 1
se haver fumado.
Errata.
Na publicarlo apedido, iiootea pobttcaJa
sob a epigrapbevigario Pedro Maano qm
grlbas do Liberalno penltimo pmatia,
onde se l perdoando-lbes todas m of-
fensas, como o Divino Saltador peda a
Deas, etc. 1 la-seperduand <- as offensas, como o Divino Salvador, t
diodo a Deus qoe perd&e a estes
migos, porque nio sabem o qoe *
i
!
pM^
COMMEBCIO.
PrtAGA DO RECIFE 18 DE
DBSIO.
Ull/l
Alfadio de Aearacd aatWada
OUTCBEO
por axil, (hontem depou da % Iktfnak
div Maar
papel panicular.
iamhio sobre landres 90 d|i
Frates daqoi para Liverpool pata
libra a S 0*0
-rlpn?

Metoail **,
rf a >
ENGLISH BAM
H Rio de /aiieiro
DescoaU lettras da prafa i
eocionar.
Recebe dhibefro em eoott t
I raso xo.
Sca i vista ou a praso sofern aa oviatt
jrlocipaes da Baropa. taaua sbhbim
:a Babia, Itieoos-Ayres, mmmm, ffjm.
s New-rleans, eemitte cartas de
a oar os meamos logaras.
^ HUA DO OsMIIIMIO- N. M*
ietfBaaatad*diaial7. .
dea lo a*'M. ... 1 t .


idai dem
eom geuero
foloiBMuhido* com f aieada
Idam dem eom teatros
1
100
:
Dweamwasi Aojs 19 do correnttK
Barca ingle Pariotdiversos generas.
Vapor inftoe-Gi^tWor -idam.
Lugar agitaftrnfarinha de triga.
1
TABELLA nos paseos iw3 gknbos sujeitos a di-
aam> z* raoBTAcIo. smaju w 17 a II de
OXIURO DI 1870.
Mercaderas: Unidades.
Aaano.........dvia
|oda> am caroco.....kifeg.
am rara* ou am lia.
SSBT.-; : : : : t
Aros com casca. .... kilog.' 68
Valoree.
300
165
660
44000
2*000
68
jh
dem descascado ou pilado
Assacar brsned......
dem mascavado.......
dem remudo....... .
GaUinhas........ama
Papagaios.......
Azeite de amendoim ou mea-
dobim.........litro
dem de coco ......
dem de mamona......
Batatas alipjeiticias. .... kilog.
Baunilha....... >
Bebidas espirituosas efarmentadaa:
Agurdente cachaca. .... tr.
dem de carina......
dem genebra......
Idom restiiada......
Idemalcool........
dem cerTeja.......
emvinagre.......
dem vinho de caj.. .... >
Bolacha fina, comprehendidos os
biscoitos.......^ kilog.
dem ordinaria, propria para
embarque.........
Caf bora.......
dem escolha ou restolho ...
dem torrado ou moide. ...
Gal branca........
dem preta........
Carne secca ( xarque ). >
Oarvo vegetal....... >
Cera amarella........
dem de carnauba em bruto. >
dem dem em velas, :
Cha..........
Cocos seceos....... cento
Colla.........kilog.
Couros de boi, seceos salgados,
dem dem espichados....
dem idem verdes......
dem de cabras cortidos um
dem de onca.......
Doces ein calda......kilog.
dem em gela ou massa.
dem seceos.......
Espauadores de penuas grades duzia.
dem pequeos......
lem de palha........
Esleirs de carnauba .... cento
dem propria para forro ou estiva
de na vio........
Estopa nacional......kilog.
Farinha de araruta ...... .
dem de mandioca ......
Feijo de qualquer qualidade.
Fumo charutos......centro
dem cigarros......
dem em folha bom
dem cm folha, ordinario ou res-
tolho ,.......
dem em rolo e em latas bom .
dem, ordinario ou restolho. .
Rap .........
Gomma de mandioca, (polvilho).
Ipecacuanha ( raiz ).....
Angico (toros)......
Caibros ........um
Enxams........
Frechaes........
Jacaranda (coucoeiras) duzia
Lenha em achas......cento
dem em toros......
Linhas e esteios......um
Lour s (prauchoes).....
Pao Brasil........
dem do jangada......
Quiris ......
Vinhatico costadinho de 23 a 30
miltimelros de grossura. .
dem pranchoes de dous costa-
dos at 30 millimetros de gros-
sura.........
dem taboado de menos de 23
millimetros do grossura .
Taboado diverso......
Hatajaba
177
290
140
436
uooo
5*000
937
675
525
102
5*490
195
300
330
300
337
600
300
660
476
204
476
442
959
39
27
258
168
442
436
763
4*360
4*000
1*438
471
640
300
350
10*000
1*133
784
2*180
48*000
24*000
12*000
16*000
Pertnta a unicipal desta cidade. d
Olinda estar novase]M^^&ca no da 10 do
crrante o arfendm i,,. no Varidoa-
rojtntoaigreja da S. Sebaatiaj, visto nao tw
comparecido as sessea da 6 a 13 do correte o
pretndante i mesma casa, para efectuar a pro-
posta oflerecida palo mesroo, em sessio de 29 do
mez ftndo.
Os pretendenies podem comparecer no rifa-
rido dia.
Paco da cmara municipal de Olinda 13 de ou-
tubro de 1870.
Francisco das Chagas Salgueiro,
Pro-presidente.
Maroolino Oias de Araujo.
Secretaria.____________
Parante a cmara municipal dest cidade de
Olinda estar em hasta publica no dia 27 do car-
rente, e 3 e 10 do mez da novembro prximo via-
douro para ser arrendado par quem mais offere-
cer um ptimo terreno para edificar na ladeira da
S do lado do poente, contendo 320 palmos de
frente, sendo 160 ditos do lado do tul da casa de
laipa sita mesma ladeira, e 1*0 da lado da nor-
te, contendo de modo do lado do sul 100 palmos e
do norte menor numero de palmos, por formar o
terreno urna curva, sarvindo de base a qnanlia de
40 rs. o pala o.
Os pretendemos deverao comparecer nos indica-
dos das
Paco da cmara municipal de Olinda 13 de ou-
tnbro de 1870.
Francisco das i'.hagas Salgueiro,
Pro-presidente.
Maroolino Das de Araujo,
Secretario.
Os pretendeniea deverao apreeeatar no acto da
arveiriatacao das -saas flaneas ao eoraparecererc
aeqmpanbadqfae re
laJaSanu
eordia do He
SecratsrJs_______
cife, 18 da ouiabro de 1870.
0 escrlria,
Pedro Rodrigues de Souz*.
ern^os coniignaurio* Antonia Luis de Olisaira
MUHOC & C.,yTU da Cruz n. B7, andar.
Correio geral.
Relajo das cartas registradas, prodMkDWs
do sul e norte do imperio, extentos na
repartilo do correio em 17 de oott>
bro de 1870.
Antonio Jos da Sita, Antooio Martas Vlenaa,
Francisco Delflno da Silva (2), Gusta WeB*,
Herra'rao Francisco do Espirito Santo-(2), Jttstwia'
no de Mella e Silva, Jozino Fernandes da Croa,
Joaqoim Cardoso ias, Joaqoim Caetano de Souza
C, Joaquim da Silva Ramos, Jos Joaqoim Perera
de Oliveira, Jos de Magalhes Machado, Joao
Baptista de Medeiros, l.oiz Manoel Rodrigues Va-
lenca, Luiz Rodrigues Villares, Mara Amelia de
Albuquerque Mello (2), Predilano Gomes Ferra-
ra, Sabino Monteiro de Mello.
O enearregado do registro,
Manoel dos Passos Miranda.

O cidadao Apicnio Aagusto da Fonseca, cavalheiro
da imperial ordem da Ros, e juiz de paz presi-
dente interino do collegio do Recife, em virtude
da le, ste.
Faco saber que, em aditamento ao edita! de 8
do correte mea em que eonvoeava os eleitores
especiaes para o dia 20 do mez de novembro pr-
ximo vindouro elegerem um senador pela vaga
deixada na cmara vitalicia pelo falleeimento do
Exm. Mrquez de Olinda, deverao comparecer no
referido dia 20 de novembro nao s para aquella
eleico orno tambem para o preenebimeato da
vaga deixada na mesma cmara pelo falleeimento
do Exm. Conde da Boa-vista, devendo os meamos
eleitores especiaes em lugar de levarem em sua
lista ires nemes a fazerem com o de seis.
E para contar mandeiamxar o presente no lu-
gar do costme e publica lo pela imprensa.
Recife 17 de outubro de 1870.
Eu Joaquim da Silva Reg, escnva que o fiz e
escrevi.
__________Antonio Augusto da Fonseca.
>
kilog,
duzia
kilog.
um
duzia
um
duzia
12*000
136
681
92
272
3*000
320
1*090
613
631
945
2*180
170
1*703
60*000
360
1*300
5*000
93*000
3*00.1
12*000
6*000
10*000
103
53000
6*000
16*000
20*000
.......kilog.
Travos.........urna
1445000
96*000
33
6*000
Varas para pescar..... duda 2*400
dem para aguilhadas . c 6*000
dem para canoas..... urna 1*000
Cavernas de sucupira(em obra) i 3*300
Eixos d cicupira para carro. *. par kilog. 16*000
Melaeo-......... 50
320
Milho.......... i 68
QSSOS......, . i 16
Palha do carnauba..... molhos 1*000
Pe lirv........ kilog. 817
> 31
dem de filtrar...... i 18
dem de rebollo . 34
Pennas de eraa. ...... i 4*796
Piaasava,........ molhos 160
Ponas ou chifres de novho ou
vanea......... cento 2*800
Sabio......, kilog. 348
Sal........... a c 10
.irrilha....... 2*043
Sapatos de couro braneo Sebo ou graxa omrama . par kilog. 800
340
dem oni velas. ...... i 476
Sola a raqueta....., 1*200
i 204
cento 380
Va > 1*200
dem de imb. i . i 960
Alfandega de Peraabrabuco, 15 de outubro de
1870.
0 1. conferente.ManoelP. da Silva.
0 2." conferente Joaquim da Costa Reiro.
Approvi..Alfandga, 15 de outubro de 1870. -
Paes d' Andrade.
nforme. Joaquim Tertuliano de Medeiros-
\i\ U'iA i)E RENDAS INTERNAS
:;Si)KPEr,NA.MBCO.
"' do dia 1 a 17. . . 39:645*391
7:610i414

47:255*803
CONSULADO PROVINCAL
rondrr;pnto do dia i a 15. . . 18:067*314
dem lo uia 17. . 700*400
18:767*714 $
MOVIMENTO DO PORTO.
Navio entrado no da 8.
Giy.una6hirr, vapor brasileirn Paraht/ba, de
104 tonelada?, eommaniante Oliveira, equip
g i n 14, em lastro ; a Co-npanhia Pernambu-
aua,
Naoto sabido no mesmo dia.
Ar.Mri-Pancho bra-iilero Nove Gosto, rapitao
M. >" I S'rapbim Jo Sascimento, carga diffaron-
Mi'6H'te brasileiro Rosa, eapito Jos Flix
.! v i i.-.i K car? vario* gneros.
Mj i 12'ivta americana PttftSHiouth, comman-
o le mar eg'i-rra A. A..Semines.
mm,^-i__

EDITAES.
.i r.pftriic>i se faz publico |,.raco-
p-
p..
P '
tntKo -Ir-187.)
mtere*ar p.sa, que p>[i
i rara appro-
v%. >-. seod u:n r
ida novo ; (|uhii
ios mao-i eava!l h,
. l i*i tnun.cioal re;-
-*a oeca-iSo a devida justi
p-lieia de Pe'inmbuco 17 le ua-
O secretario.
Edinrdo de Bar. k. de Licerda.
Faculdade de Direito
De ordem do Exm. Sr. director interioe
o coDselbeiro Dr. Pedro Autran da Mattan
Albaquerquo, faco publico que fica marcado
o praso de 6 mezes contados da dsta deste,
para a inscripto dos qae prelenderem con-
correr ao lagar de lente substituto da Fa-
culdade de Direito do Recife, vago pelo ac-
cesso do substituto Dr. Joao Jos Pinto J-
nior, cadeira de que era proprietario o
Exm. Sr. conselbeiro Dr. Jos Bento da
Gunha e Figueirdo, em virtude da jubila-
cao a este concedida.
Pelo que todos os pretendentes ao dito
lugar poderlo apresentar-se desde j na
secretaria desta Faculdade, para assignarem
seus nomes no livro competente: o que Ihes
tambem permitlido fazer por procurador,
se estiverem mais de vate leguas desta
cidade, ou liverem justo impedimento.
Devendo outro sim apresentar documen-
tos qae mostr sua qualidade de cidado
brasileiro, e de que esto no goso de seus
direitos civis e polticos, islo certido de
baptismo, folha corrida do tugar 'le seus
domicilios, e mais o diploma de Dr. por
ama das Faculdade3 de Direito do imperio,
ou publica forma, justificando a impossibi-
lidade da apresentaejo do original, e na
mesma occasiSo poderao entregar quaesquer
documentos que julgarem convenientes ou
como titulo de habilitaco, ou como provas
de servidos prestados ao estado, huma-
nidade, oa sciencia, dos quaesse lhes pas-
sar recibo : tudo de conformidade com
s arts. 36 e 37 do decreto n. 1,286 de 28
de abril de 1854 e 111 e seguintes de n.
1,568 de 24 de fevereiro de 1855.
E para que chegue ao conhecimento de
lodos mandou o mesmo Exm. Sr. director
interino affjxar o presente, que ser publi-
cado as folhas desta cidade e as da corte.
Secretaria da Facnldade de Direito do
Recife 18 de outubro de 1870.
O oflicial, servindo no impedimento do
secretario.
Manoel A. dos Passos e Silva Jnior.
THEATRO
santo msm.
Grande novidade.
SQIREE PARA FAMILIA.
Prepara-se com tolo o brilhantismo a muito
linda opera
LES
PANTinS DE YIOLETTE
*.?^? Syurp*.r*'.rpfHri(l0 Porto Pooee
dias.palnabote flowporter a maior parte da
earga, e para a pouca que Ihe falta, trata-se com 0
consignatario Joaquim Jos Goncalves Beltrao, a
ra doCommercio n. 17.
Segu cota brevidaiie para o porto cima o pa-
ulbate nacional Jovem^rthur, para o resto da
carga que Ihe ralla trata-aavooin os consignaurios
Antonio Luiz de Otreira Ajawge & C, rna da
Cruz n. 57.
COtffanhlT phwambcam~
Warefatio costelna pr rapor.
Porto de Galiiobas, Rio Foitboso e Taman-
dw,
Q vapai Parahyba seguir para os
potto adroa ao dia 20 do crreme a
_ meia nohe.
.:'.cebe,carf. encommendas, paaaageiros e di-
nneiro a freta ao esorpiorio do Forte dj Mattoe
-Precisa se de dflia ama que salba engommar
&n perfico, e sendo estrangera preferivel:
a Mjlar na rna Nova, casa n.
AMA
Precias-se de urna ama para o servlco interno
de nna casa de duas pessoas : a tratar na ra do
Imperador n. 79. ,
Rio-Grande do Snl.
Segu eem brevidae para o porto cima o bri-
Sue nacional Amelia : para o resto da carga que
le ralta? trata-se com os coasignaiarios Antonio
L de O. Azevedo A C-, ra da Cruz n. 57, primei-
ro andar.
LEILOES.
para qninta-feira 20 do corrente.
A empreza garante ao publico
scena a mesma opera, com todas
de sen autor, como sejaiu :
que subir
as exigencias
liECLARACOES.
da
Transfi rma^Ses
Ricos vestua ios
Foxos cambiantes
Visualidades
Lindo e no7o scenrio.
pintado pelo muito habilscenographo
Mr. Chapelin
A bellsima transformacao, em scena, do M-
GICO para CUPIDO, e ao mesmo lempo ver-se-
ha o panno que fecha o fundo da scena, transfor-
mar para um lindo altar Iluminado com flammas
de cores diversas.
Osartss'encarregados deste grande movmen-
to sao- os seguintes:
CHAPELIN
Nova grande pintura.
Machinisrao, transformacoes e fogos de diver-
sas cores
JOS' ALVES MONTEIRO.
Enearregado da guarda roupa.
JULIO CESAR I'EREIKA DE ROCHA.
Toma parte a exi.nia actriz
Mme. de Valmonca
representando o lindo papel de
VIOLETTE.
Alcofribas, msico... Mr. Maris.
Pierrot,seu llho..... Mlle. Brescia.
Polichinelle........ Mr. Carn.
EmQm toda a companhia.
Pantins Violete
vai pela primeira vez em Pernambuco como seu
autor o m-ginou.
A msica do muito apreciado e festejado au-
Ihor Adolphe Adam.
O piqueno resto de bilhetes est desde j a
disposigo do respeitavel publico,
Em breve a empreza annunciar outras operas
que tem toda a consciencia de que bao de agradar
e fazer furor no theatro Santo Antonio.
A empreza avisa ao publico que todos os do-
mingos ha ver das o hora- da tarde as 7
CAF CANTARTE
Tocando nos intervallos a banda marcial.
LEILAO
DE
dous carros de passeio
e quatro cavallos
para os mesmos
O agente Manas far leilo per coma e risco
de quera perteocer de dous carros de passeio, sen-
do um forrado de novo com os competentes aro
reos e ambos era hora esiado, assira como de qna-
tro cavallos era beas carnes para o mesmo carro.
Quinta-feira 20 do corrente.
As 11 horas do da na ra po Imperador esqui-
da ra do Crespo (hje Io de marco.)
AVISOS MARTIMOS.
Juizo dos feiios da fazeiida
nacional
Por ordem do Illra. Sr. Dr. juiz dos feitos
fazenda nacional foi adiada para quinta-feira 27
do corrente a praca do engenh > Bom Destino, e
cas terrea na villa do Cabo, penhorados para pa-
gamento do que deve o ex-collector Julio Perera
Matoso ; sen lo a avaliaco do engenho e bemfi-
torias 20:000/, e da ca 2 000J ; a praca tem
lugar as 11 horas da raauliaa na sala das au-
diencias.
Recife 13 de outubro de 1870.______________
SANTA CASA DA MISERICORDIA DO
RECIFE.
Peranle a Illma. junta administrativa da Santa
Casa de Misericordia do Recife, na sala das sas
sejpoes, pelas 3 horas da tarde do dia 20 de ontu-
bro, se ha de arrematar pelo lempo de um a tres (.
annos a renda da casa n 16 do becco das Boias,
concedendo a raeiina junta dguraas vantagensja
no preco, j no praso quelle que so encarregar
Je fazer os concertos d'. qne Jila <*a a precisar.
Secretaria da S\nta O&a di Misericordia do
Recife 18 de outubro de 1870. *
O escriviofc
________________Petra Rodrigue sde Sopza.
Santa Gasa de Misericordia
do Recife
Devendo ler lugar n> hospital Pedro II, no dia
19 do corrente. pelas 10 horas da manlia, a fosti-
vidade de S. Pedro de Alcntara, padroeire da-
']u lie esubelecimento, convido pelo presento, era
virtude de ordem da Illma. junta, a todos os -
nhores mordooios e supplentes. assim como a to-
dos os irmaos da Santa Casa, para que se digoem
comparecer a este acto.
Santa easa de misericordia do Recife 15 de
outubro de 1870.
O escrivao,
____ Pedro Rodrigues de Suaza
SANTA C\SA DA MISERICORDIA DO
RECIPE.
A Him.a. junta administrativa -da Santa Cas^ dt
tfiserieordia do Reeife manda fazer publico qut
ta de suas sessoes, no da 20 de ouiubro. pe-
la.- i horas da tarde, tem de ser arrematadas a
\astc mais vantagens offerecer, pelo tempo de um
a ir? anuas, as rendas dos predios e"m segsid J ;
clarados
KSTABELECIMEMTO DE CABIDADE.
Ra das Cacadas.
Casa terrea Q. 36.......
Ra larga do Rosario.
Segundo andar do sobrado n. 2i .
Ca-a ti-rrea n. 26......
Ra J'is Ac..oyi.,i.li -.
1 is.i terrea n. 16........
Bo de S. Bento (Olinda.)
terrea <. t9.......
Ba Je dativas t'.-rivira.
Ca>a terrea 15........
PATRIMONIO DOS OHPHAOS
Ra J-- S Jjrge (outr'aea Pilaf.)
193/000
3O3J01W
960.M)
963000
240/000
130/000
Casa torreh n. lOs
li in dem i. Hl.)
I l-m 1'i-if. a.'9b' .
1,1 mi i Jema 94 .
t.
iOi/ono
it.*i)i)
3 Vi .1)00
213*000
204 fV)
Para o referido porto pretende seguir em pou-
cos das o pataeh} nacional Calado, por ter a
maior parte de seu carregamento engajado, epara
o resto que Ihe talla trata-so com o consignatario
Joaquim Jos Gongalves Beltrao ra do Com-
inercio n. 17.
COMPANHIA PtttNAMBUCANA
DE
^aTega^So costeira por rapor
Em direitura a Mace. e Penedo.
O vapor Mandah comman-
dante, Julio seguir para os por-
tos cima no dia 22 do corrente
as 4 horas da tarde. Recebe car-
ga at o dia 21, encommendas
passagairos e dinbeiro a frete at as 2 horas da
tarde do dia da saluda : escrjptorio no Forte do
faltos n. 12.____________________________
WASIIIA BiSILEIU
DE
Paquetes a vapor.
Doe portos do norte esperado
at o dia 21 do corrente o vapor
Paran, coramandante J. da Sil-
|P va Moraes, o qual depois da de-
mora do coslume seguir para os portos do sul.
Desde j recebem-se passageiros e engaja-sa a'
jarga que o vapor poder condu'ir, a qual dever
*er embarcada no dia desuachegada. Encomraen-
las e dinbeiro a frete at as duas horas do dia di
ma sahida.
Nao se recebem como encommendas senao ob-
jectos de pequeo valor e que nao excedm a 5
irrobas deceso ou S palmos cbicos de medi-
Tndo que passar destes limites' dever sai
imk-rcado como carga.
Previne-so aos Srs. passagoiros que suas pas -^
?'er>^ s se recebem na agencia ra da Cruz n. 57
I* ;:ndar, escripiorio de Antonio Luiz de Oliveir:
Vznvedo & C.
AMIA BRASILEIHi
DE.
Paquetes a vapor.
Dos portos do sul esperado
at o da 23 do corrente o vapor
Annns, ommandante o pnmeiro
'tenante Jo' C. Duarte, o qual
_ depois da demora do costume
seguir para os pollos a oorle.
Desde j recebem-se pasaageiros e engaja-se i
larga que o vapor poder conduzir, a qual deven
ter embarcada no da de suachegada. Encommen
las e dinheiro a frete at as 2 horas do dia da su
taluda. -
V3o se recebem-omo eucummenilaa seno ob
Ittctos de pequeo valor t que njio exeedam a dua
arrobas de peso oa 8 palmos cbicos de medica
i'udo que paatf destes limites devera ir emfi t
i i dorad carga.
,\vvoK--e aos senljortis passageiros que sua
ijj -gniis ^ s^ recebem na agencia, ra da ru
n, 57 iruoeire an Ur, esrriptoii > do Amonio Lu
ile Oliveir i tzevd.i A C*
i ________________
i d Juieiro
i n-. "-JTH- ciun r-vl.la mal Isabel, tem .artetlo seu carreaameB-
to engajado : para o resto que ihe falu trata-se
fazendas geraes
a 20 do corrente.
Henry Wilmer far lelao por interven?o do
agento Oliveira de perfei sortmento de fazendas
de linho, la e d'algodo as mais proprias do mer-
cado, como bem conhecidas dos seus freguezes:
Quinta fe;ra
As il horas da manhaj em seu armazem sito
ra da Cruz n. 62.
LEMtT
DE
movis Iouqi e vidros a saber :
Um plano forte d'um dos melhores fabricantes,
urna mjbilia de Jacaranda rom um sof, 4 cadei-
ras de braco, 18 de guarnicao, e 2 consolos com
pedra, jarros para flores, 1 relogo, 2 cadeiras de
balando, 1 mobilia de palha, 1 mesa elstica, 1
excellente guarda-louga, 2 apparadores, 1 sof, 12
cadeiras, louca, vidros e muitus ontroa objectos
pertencunles a casa de familia, os quaes se tornam
recommendados pelo b im estad e pouco uso que
teem.
Sexta-fetra 21 de outnbro
no 3o andar de sobrado novo da ra do Vigario
n. 1.
O agente Pinto autorisado por urna familia que
mudou de residencia, levar a leilo os objectos
cima mencionados, existentes no 3" andar do so-
brade da ra do Vigario n. 1. ondo se effectuar
o leilo.
Principiar s 10 horss.
DOS
Utensilios da patria da rna
Imperial n. 183.
O agente Martins far Ieo aos utensilios da
padaria da ra imperial n. 183, constando de ce-
jradros, maceira, tendedeira, toalhas e mais objec-
jeclos; atsim como das dividas na importancia de
1:300/000, tudo pertencente Theotonio Pereira
Bastos, e para pagamento le seus credores.
Sexta-feira
Sido corrente.
A's 11 horas de dia na mesma padaria.
Urna mobilia de Jacaranda Iviiz XV, cor.iposta de
12 cadeiras de guarnilo, 2 de bracos, 2 ra-
slos, 1 jardineira aura pedra e 1 sof, 1 guar-
da-louca, 1 guarda-vertido (obra milito bem
acabada), 1 guarda-roupa, 1 cmoda de ama-
relio, 1 meia dita, 1 lavatorio de raogno com
e-pelho, 1 raesa para jantar, 2 bancas para es-
cripia. 1 pequea estante, l sof de amarello,
12 cadeiras e 2 censlos, 1 marqnezo de oiti-
eica. 1 dito de amarello muito bem conservado,
3 mesas redondas, 2 marqueza=, 28 cideiras
usadas para sala de jantar, 2 serpentinas de vi-
dro e 1 candelabro com 4 luzes. I machina de
costura, 1 cama franceza para casal, perc>o de
louca azul para jantar, 1 machina para copiar,
diveisos quadros, vunesianas, 2 pares de lan-
ternas, vidros, boira de viagnin. 1 relogio do
parede, 2 djjos para mesa e 1 dito d^ ouro pa-
tente inglez (com a cnm.ietente crrente), alm
de outrog muitos objeet s que estar) vista
des compradores.
Sezta-feira
21 do corrente
s 11 horti dt inauhaa
(em ponto, e.sem reserva de precos)
pelo agente Pontua!, no armazem da na do Im-
perador n. 16.
AVISOS DIVERSOS.
Companhii Fhenix
Peniambii9ana
A directora da co'iipmr v Pnflnix '.x;rnambu
cana deliberot que h o" mi'j; p,>r ella
realisados qutr iiiaritim is ja,.- ;,irr..-tres sejam
pagos m acto de eetebrai^sa > conir.'.o.
Perntmbuc) ll d.> mii*h\i I *;0
' Pela coin^anii! i ''*''. x P.oo .mbucana
J H T .o.l lo
K. P. K.-8 / ________ l.i i vS-ninira.
AttWlf,
Sorvfte ao o*i dta n na
ra n 67. w<\ ^\ rna M >vi
1" ftirit da Virt
Pf*?ls:i-,H I i,ii ,;
cit <|p v ., ,. ,; |(|
dis Crt-s n. 34
..'Xeii'.i |l|r litlIHl pnii
itt m con luc i n raa
- Pr^ci>j < i., o u cxjiro
proe-' S. Pedrt.
uo ^raaazdio
Ausentou-se.
Da eaaa da ra dos Pires n. 23, era dias do mez
de agosto passado a mulber Jeronyraa, cor parda
clara, alta, espadauda, com marcas de bexigas,
beieoe grossos, e com os dantos superiores podres
e faltos, usa de amarrar os cabellos e trajava
bem, cuja mulher sahio de casa por nao estar em
seu perfeito juizo : pede se a quem della tiver no
ticia o favor de dirgir-se ao fugar cima.
CiSADAFORlUH
los 5:0001
Bilhetes garantidos.
A roa Primeiro de Mtrto (oatr'ori raa
Crespo) n. 2S e cesas do eos!
O abaixo assignado, tanda vaadio _
felizes bilbetes qulro qnartos n. M eoai!
um mel n. 294 eom 4001, a ornara
100*000 n 4W000 da lotera qne
extrabir (165*), convida aos posmidana i
rereber na conformidade do costma, aaa i
to alguai.
Aciba de sahi luz o officio
DE
] S. II1 COKCEIClO.
Acorapanbado de urna collecco de oraedes co-
mo : Responso de Santo Antonio e oracao de Santa
Mara Eterna. Bis 320.
_________ UVRAB1A FRANCEZA.
Aluga-se o sobrado n. 9 na Passagem da
dagdalena : a tratar cem J. L de M. Reg.
Acnan-so a vende catolizas
tidos da 4a parte daioteria, a boastoo de
do Bonito (I60>), qae se extraMr t*rea
do correte mez.
PRECOS.
Bilbete inteiro
Meio bilbete
Quarto
Em Doreao de 100*000 para
Bilbete inteiro 5*400
Meio bhete 2*790
Quarto 1*390
Manoel Martins
Deposito de pao e
cestas.
Ra Larga cid Rosario n. 36.
Fructuoso M. G. avisa a todos os seus benignos
freguezes, que hontem recebeu novos sortmentos
de bercos volantes para os resemnascidos, balaios
de meninos anrenderem andar, maneas cobertos
de palha, bandejas grandes para roupa engomada,
balaios para costura groca, ditos de depositar pa-
pel rasgado, ditos para facas e garfos, ditos para
por frnctas na mesa, temos de balaios para depo-
sito de roopa servida, ditos de acafates grandes
braneos e de cores, ditos de con lecas brancas e de
cores, entre estas altas e baixas, condecinnas para
encher de doces seceos, balainbos para ninbos de
canario, cestinbas para pastoras no festejo de pre-
sepios, cestinhas finas o mais delicado possivel para
meninas de escolla, outras maiores para senboras,
cadeiras de vime, proprias para passageiros que
seguem em vapores para a Europa, cestas de todos
os tamanhos para fazer-se compras no mercado,
balaios comprldo- e redondos braneos e de cores,
temos em quaotidade : cera branca era rolo para
accender luzes. Aqu acbam os notsos benignos
amigos o ptimo pao, bolaxa e massas doces, fabri-
cadas com a melbor farinha do mercado; o tama-
ito do nosso pao sempre maior do qne o de ou-
tra qualquer parle e sem o menor gosto de azedo.
m
AMA
Precisa-se de urna ana para casa de pouca fa-
milia : na ra da Cadeia n. 21.
Para urna familia muito pequea de-
seja-se encontrar ama pessoa de reconhecido
comportarneuto que assista a dona da casa
eri vigiar o servido das pretas coser etc. O
stivii'o diminuto o tralamento agradar,
exige-se porm pessoa de toda confianza,
oa ra do Imperador n. 4 armazemFide-
lidadese dir quem .
O abaixo assignado pede a todas as pessoas que
Ihe devem, o favor de satisfazerem seus dbitos
no praso de 30 dias contados da data deste, tar-
ta de que, os que nao fizerem sero suas conlas
cobradas ludicialm nle, e alguns chamados por
sto jornal.
Olinda 12 de.outubro de 1870.
Tbomaz Jos de Gusmo
Otiixeiro.
Precisa-se de um menino com alguma pratica
de taberna; na ra da Concordia n. 23.
O Sr. Joao da Cunba JNeves tem urna carta
na ra larga de Bosario n. 34, botica.
ATTENtfO
Precisase de um pharmaceuteo com as hab-
Iiiac5es precisas e que entre com algum capital
para tomar conta de urna pharmacia em boa lo-
calidade e com alguma freguezia, faz-se este ne-
gocio de dar-se soci^lade, por seu dono querer
se retirar para fra : quem quizer dirija-se a esta
typographia eom as iniciaos J. C.______________
Victoriuo Jos Ferreira deixou de ser caixei-
ro do Sr. Jos Mara Gongalves Vieira Guimares
d;-sde 16 do eorrente.
-Aluga-se una casa muilo Iresca no lugar
do Monteiro, a margem do ro Capibaribe : tra-
tar na ra 1 de marco, outr'ora Crespo, loja da
esquina n. 8.
- Precisa se de um bora copeiro, e tambem de
um servente que seja forro ou caplivo : uo hotel
francez, ra das Laran.geiras n. 10.
Precisa-se de urna negrinha de 12 a 14 an-
nos |iara andar com meninos-: na ra da Gloria n
89 Io andar.
Precisa-se alngar um preto para o trafico de
padaria ; na ra Dimita n. 129. _______
Ama
Precisa se de urna ama para cozinhsr era casa
de hornera solteiro : a tratar na ra Direita n. 32
A, loja le calcado.
Cosinheiro.
Precisa-se de um cezinheiro : a tratar na ra
Nova, casa n. 22.
^Iuga-se
um sobrada de um andar e solio no largo da ri-
beira de S. Jos n. 19 : a tratar na rna do Vis-
conde de Gnyanna n.31, outr'ora Mradego.
?*9

IS9t
FLHINHAS
ti-abo de aaliIr
A veml m
LJVRARIA 'FRANCEZA
4MMB
W\ 10 ORO
Rna do Bavao da
Victoria n. 63
(Outr'ora ra Nifom. )
llilhete saraaUdaadapra-
?taela.
Esta feliz casa acaba de vender entra os aaa
muito felices bilhetes da lotera n. 185* reu hoje qoairo quartos de n. 3373 :ea a aasts
de 900*, um inteiro de n. 1430 eos ason ir
100*, dous quartos de n. 305 ora a sorie 4a MO0r
um meio de n. 3226 com 100*.Je avila twm
premios menores que sera enfadonoo OHacaaaa-
los, podendo os sens possoidores vireaa resaftar.
que promptameote serio pagos.
O abaixo assignado covida ao respaila ral p*-
blico para virem munir-se de bilhetes da Iota
(166) a beneficio da matriz do Bonito, que si
extrabida terca-feira 25 do corrente mez.
PRECOS.
Inteiro 6*000
Meio 3*000
Quarto 1*500
De 1000000 para cma.
Inteiro 5*400
Meio 2*700
Quarto 1*350
Joao Joaqnim da Costa Lae.
PEDIDO
A' ra do Livramenlo n. 3ri, primeiro
precisa-se fallar com os seguintes sensores :
Julio Adolpho Ribas (aeademico).
Quenno Candidu de Vaseoneellos.
Joaquim Cavalcanti de Albuquerque MeHo
(Pombal).
Jezuino Augusto dos Santos Fragoso.
Virissimo Correia de Lyra (Crnangi ou ?i
Jos Hermino Pontua I fergenho Prefereacal.
Fernando Barata da Silva (engenho Moroto)-
Antonio Gomes Cordeiro de Mello.
Eduardo de Paula Santos.
Francisco da Silva Porto.
Thom Joaquim do Reo Barros.
1>I\T( R%
Folograpliia imperial
E
CALERA de
DE
/. Ferreira Vlela
Desde o dia 7 de abril pausado aeba-se__
ovo estabeleciraento phomgraphico sito a rna do
"abuga n. 18, equma do pateu .la matriz. fHtraaa-
hos que desde cutan, lem sabido de noasa uflkina
.em geralmente agradado, sendo recibidos por
ilgnns com aJrairacao pelo exlraordinar pro-
zresso que ltimamente tem do a phot< gnaai.
s por outros com alegra, por vereco a provincia
Jotada com ura estabelecimento digno d ala, a aa-
conteslavelmente o prreiro que nesse guiri
boje possue : tambera nao nos poupamos em eoasa
ilguma para monta-lo no p em que se acta, es-
perando que o publico de Pernambuco saber
apreciar nossos esforcos c recompensar nosaoa ss>
.rificios.
Convidamos a todas aqu lias pessoas,
i estrangeiras que gostam das arte, ou tive
aecessidade de traba.'hos de photograpbia a l
tarem o nosso estabelecimento, que estn
iberio e sua diposico todos os dias desde a 7
aoras da raanha al as 6 da tirte.
Para os trabalhos de ihotographia possninoa -ip
/ersas machinas dosmelliores autores fiacesea.
nglezes e allraemaes, crao sejara : Lerebonrs el
Secretan, Hermagis, Th maz Rosa, Voigtlander et
Sonh eWulf. ltimamente reeeberr.os tres auraa
nacbinast sendo urna dellas propria para lomar
obre o mesmo viuro 4 ou 8 imagens diveraaa e
soladas, e outra de 6 a ii imagens diversa* 9
igualmente i-oiadas. de sorte que no raso s
grande concurrencia pederemos retratar setal
ama nica chapa at 8 pessoas diversas e Mta-
las para cartn de visita, e assim era meada >
im qu?rlo de hora despacharnos 8 dMfremes
pessoas que pegara cada urna, urna duzia de cartoes
oais ou menos, coro os seus 11-t ralos smeoto, oa
em grupo com outras.
Encarregados-nos exclusivamente 4a dir
3 fritura dos trabalhos do ohotographia
xando a pericia e talen:.- di illomao, o Sr.
Jorge A. Hoth
os trabalhos de pintura, a aquarela, a olea, a a
pastel.
O Sr. Roth aeha-se ligado a rossa empr?9apr,r
ama escriplura publioa, e at o presente tesa se
iesvellado na exeeneie de seos irahalaos.
No nossoeslabelccimer! j a haavaa expoclns on-
tros trabalhos im|rtantis do Sr. Rolk, Una esa
oiiniaturas aquarella como a oleo, raraaaa
leo, quadros sacros e diversos oniros tnkaaaas.
Tomamos encominendas de rottvJai oteo at o
tamnho natural, assim como de quadrus saero
para ornamentacao de igreias >u eapellas. Taaa-
bem aceitamos encommendas de qnadroe abieri-
aaa>
Asseguramos que o> prer i 4>s direnos tra-
balhos da nossa casa lio mni rasoaveis.
(^RTOES DE VISITA NAO COl.OKIDOS A 10500 A
DCZ1A
riARTES DE VISITA COM O COLORIDO AO HATC-
HAL A 1 'V&OOO A DCZtA
Retrates em miniatura a oleo oa i aqasrafla de
16 20*000 cada un., indo convi ai saman s aav
aixilhado em nuddura dourada e regoliadb o
ousto da pessoa retratada 'o 3 i 4 pr.ilegadaa e
iodo o quadro palmo mei < de tamantio
Julgamos que bastarlo cj precos ariina para
larmos idea labaratosa > iraalbos A aeeeu
stablecimenio. quaato sua perfeieao cala wa
venha julgar por aep proprioa Mnos.
As melhores horas para se lirarem r^traloe^ ao
aosso estabeliTim-rato s3o .'as 8 riera da as ahaa i
I da tarle; entretanio d- urna hora s 5da tarde
sm casos especiase pdde-se tanitiem retratar jaat-
^uer pessoa.
Nos dias dfe cho' a. ou por .4rie pe-
Jemos retratar, o assegur unos quj e^--s t.iaaaie
is mais hvoraveis :> rrapaia
pela dngnr.'i e persi 'eoc i da i tastana
osso lerrar i us eaegerf* e
'nelhoramn>n-'. tu tts ae-
ahnm mcnnveniecle ;. i para fazer-se fce'k rt-
tratos.
/. F Tren-a filela

A stK-ieda le. B liiniiiseau
a tnd is os seus> \ s. i .n--niase amii do
Pedro Duarte !< k. Pr.taa Pra
urna mis-a .|n m.i.i.i >.. ,c,s*r ao a ?>:
reme. ^> 7 linas.!- maol iJaiiJ tugara
santo do C egin
Oaerretari
AetiT-i i" ''*** tof* '
PiHif>e a -wil
pe'? raii') ib
' nar
na se devisa, i
***er i
nada.
* de-
. sea
Oran
V*t


I
r
r
Periiwnbuco Quarta leira
Ontubro de 1870

Attenpao
rr#nd se o terrena eoffi case de morada,
pto3 criado; e* S. Bentv qoem pretender dirija-se a
roa do Jardim a. 39.
~Oconselhero JOsReoto da Cu oh* i-
goeirodo avia aos seos constitu.ntes que
Ste acha-se restituido ao sen escriptono de
adevocacia. podando ser proc<|"Joo *
uteia desda as dea horas da manaa a.e as
3 da .tarde.
Eft*T*BEM.AI^MA.
ATTENCAO
Fartaram de sabbado para domingo, da casa n.
3 no sitio da ra de Joto Fernamies Vieira, ama
JoeM de antar, de louro, com pea torneados de
amarello, tendo 12 palmos de eomprimento e 5 1|l
ditos du largara, assim como doas bancos compri-
des da mesms, de louro, cajos objectos nao se
poda carregar com menos de quatro pessoas, pelo
que roga-se a todas as autoridades puliciaes para
descnbrir e serem restituidos a sea dooo, oa quera
der noticia ser generosamente gratificado
wu,\r. .
Jos Pedro das eros, los Pedro do Reg, Jos
Pedro do Rgo Jnior (ausente), Joio bernardo do
Reg Barros, Augusto Fernando do Higo, D Anua
Wncisca do Reg e Cirios SHvioe do Reg, espo-
so, pa e irmaos da finada D. Hara Leopoldina do
Reg Neves, agradecen do intimo de seas cora-
jes a todos os seas prenles e amigos que se
dignaran assistir as exequias da mesma finad ; e
de novo Ihes pedem para assistrrem a missa e me-
mento do stimo da, que dever- ser quinta-feira.
20 do corrate, na igreja da Madre de Dos, as 7
horas da mannaa.______________________
i
fe
A
S
3
o
a
ira
o
53
s
03
2
Atten Ignacio da Silva Deir, era \iageu: a provincia
de Pernambuco, avisa a seas fregueses que con-
duz excellente tropa de barros, que paseara na
villa do Pillar, Porto Calvo, Castinha Grande,
Barreiros e Rio Formoso, e daHi ir om seguimen
to para a Escada : quem pols preuiiar, pede mal-
dar encontra-lo.
Precisase de orna ama forra ou captiva para o
servico ioterno e externo de urna casa de pouea
familia: najrua Velha n. .66. __________
AVISO
Este antigo estabelecimento, acha-se hoje montado n'uma
asala de poder servir vantajosamente os seas freguezes, atten-
to o grande sortimento de joias d'ouro, prata e brilhantes, que
sempre tem e recebem mensalmente das principaes fabricas da
Europa- cajos presos sao em competiveis e as obras garantidas
de le.
UOREIKA DU ARTE C.
Companhia Aliiantja
DE
seguros martimos estabelecida
na Bahia em 15 de Janeiro
de 1870.
CAPITAL..Rs. 2,000000*000.
Toma seguro de mercadonas o diniieiro a risco
martimo em navios de vella e vapores para den-
tro e (ora do Imperio. Agencii i roa doCom-
mercio n 17, eseriptorio de Joaqnim Jos Gon-
galves Beltrio.
Ama de leite.
Precisa-se de urna ama Une spete, parte
de boa conducta, qoo tenia bou lee eeeaeaanav
dancia, sam Albo a roamentar : a tratar na na te
Praia, armazem ns. 13 e 18.
IV
noi
DYYETOT
Roga-se aos senhores atoaixo mencionados o ob-
sequio de comparecerem ra do Bario da Vic-
toria n. 46, afiu de trauvem negocios de interesse
reoproco :
.Americo de Siqueira Brito.
IManoel Candido Pereira de Lyra.
Joaquim Esteves Vicua.
Jos Egidio Ferreira.
Jos Vieira de Olivetra Maciel.
Jos Joaqnim de Aguiar
Joio Francisco Emeterio Porella.
Joao Gil Pass Barreto.
Joaquim Duarte Correia.
Severno Manoel Duarte.
Precisase de urna ama para casa de pone*
"familia : a tratar ra do Cabug n.'i ioja.
Precisa-se de duas ama*, urna para coziobar
e comprar e outra para engommas e lavar : na
na de Hortas n. 1 deposito da charutos.
Da rua.do Mondego n. 39, desappareceu um
cachorro do reino, branco e muito felpudo, com
orelbas grandes : roga se quera o pegar leva lo
a dita cesa que se gratifica.
Na ra do Mondego n. 39. precisa-se de urna
ama para todo servico de tres pessoa* de familia.
MANUEL & C.
Tem a satisfacSo de participar aos seas numerosos fregoezes, que em vista de ser-Ibes mais commodo, tem
Sip, estabelecido urna nova fabrica de chapeos de sol, na ra da Cadeia do Recife n. 9, Dije roa do Mrquez de Olinda,
;S&! onde acharao os pretendentes, muio avullado sortimento de tbapos de sol de todos os precos, qualidades e por pre- __
i^$ darem, sendo possivel suas encommendas, pois poder5o assim serem mais bem servidos, visto poderem escolher as ar-
3g& maces as tazendas que a demora da fabricaco bem diminuta, _______________________________.__
m
DOS
TRILHOS URBAHOS
DO
RECIFE A* OLIVOA,
AVISO
De -i do corrento era diante se conduzi-
r carga debagagera, indo em ada trem
tim carro de bagagem e ai) uil'o lia partir
o trem de carga, tocando emjtndos os pontos
com os preces das tabel'as aprovadas pelo
governo da provincia.
Recife, JH de ontubro de 1870.
O supreintendente.
A. d Abreu Porto.

i'ABEI.LA DOS PRECOS DE TRA> SPORTES DK
BAGAGENS E VEACAMMAS. FRETE POR
UMIDADEOI FBAfccAO DE 10 KILI.OGR.VM-
MAS.
v o -. s u a
>We
p. H a- ^" 3 z -
sr r- ^- ='
II?
a>

ai H
_ I i" S I
sr: ? : S
t: : : I
C
K. h
O c
ICMM
c o c
t. s. 1 i.
00 O c
sg^
he t re t *c *-
OOOOOO
1* t tC t. Mi*f *-
OOOOOOO
OOOOOOOO
- t. t. tC t *J- *- *- ^-
... 000-0 o o o o c
K- t t to *- *.- 4 >.
OOOOOOOOOQ

Jl
A' ra dos Pires
NA
ANTIGA E BEM CONHECIDA FABRICA
CHAPEOS DE SOL
Na a do Imperador n. 28, armazem i Cam-
pos, ba constantemente um completo sortimento
de escolhidos gneros proprios para mesa, despen-
sa ecozinha; nomea- los cada um de per si tor-
nsrse-hia enladonbo um aununuio que deve so-
mente despertar a curiosidade do apetite. Se ama
pessoa tem vontade de variar de comida em um
da de regabofe, nao tem mais nada do que diri-
girle ao armaiem do Campos n. 28, i ra do Im-
perador, examinar e comprar a variedade de g-
neros alimenticios que ha naquelle estabelecimen-
to, onde a par dessas vautagens encontrarj todos
muita sinceridade e delicadeza no trato.
Por estar-so. vendendo muito barato os seguin
tes gneros que se menciona
Ceblas alio cento.
Lingoas seccas e defamadas a vapor.
M-Roa Estreita do Usam-li
Compra e vende roopft feita
nova e usada, objeclos de
cosinha e de meta, e
tndo que perten-
ce ao uso do-
mestico.
O salo de panos e de
msicas
n. 58, I*
mudou-se da ra Nova
ra da
pana
Impcralriz n. 12. lija.
onde contina
blico.
A luga se
urna casa terrea, sita'na Capunga, com soto, co
cheira, e um pequeo quintal : a tratar na ra
do Vigarin d> 3L

5s
DA
M
m

;es
Ra do Baro da Victoria, esquina da Gamboa do Carmo.
(Antiga Ra Nova)
Ha sempre um grande sortimento de chapeos de sol de seda, merino, alpaca, bretanha de linho branco e par- do e de algodo os -todos os tamangos e feitios, a.m da immesa por cao de seda, merino, algodao e brim, |p
armaces de todas as qualidades para satisazer qualquerencommenda. A modicidade de seuspre?os lo conhecida '
que escusa de mencionar.
X

Na pra^a da Independencia n. 33 se da di
abeiro sobre penhores de ouro, prata e pedral
preciosas, seja qaal for a quantia ; e na mesm<
asa se compra e vende objectos de ouro e prata
i igualmente se faz toda e qualquer obra de en
somraenda, e todo o qualquer concert tendenu
i mesma arte
recommendando-se ao IVa.
G. Wenbriaer.
tmmAw..
Nttte novo armazem tem om
variado sortimento de fazendas
francezas, inglezas, allemas e to-
das todas se vendem por precus
mdicos, afim de acreditar a este
novo armazem.
Casemiras inglezas,
franeczas, de todas as .
cualidades, brins de
;res e brancos, colei-
ii hos modernos, cha-
peos de sol de seda,
linos.
RA
Baro da Victoria
DE
\RRUDA IRMAOS
A' do Principe
A' Jj3o de Barros
Ao bceo do Es-
pioheiro
A' Encrnzilhada
A' Belm
Ao Campo-Grande
Ao Salgadinho
Aos Arrombados
A' (Moda
Palacio da presidencia de Peroambucu, 1
dejoAtao de 1870.Aseignado, Francisco
de Astis Perera Rocha.Confere, Antonio
Annes Ja come Pires.
Andr de Abreu Porto,
Superintendente.
E
TABELLA nos futes he madeibas e mate-
RIAES.
Assim como tem urna grande
ofcina de alfaiate, montada com
todos os prepams que ha de melhor,
dirigida por habis artistas, que
pela sua prompt.do e perfeico
nada deixam a desejar.
Roupa de todos os
iamanhos para homens
e meninos.
Por todos os paqne-
tes recebem-se as me-
Ihores e mais moder-
nos casemiras qce ba
na Europa.
RA
D.
Baro da Victoria
antiga rtial
NOVA
N. 41.
A verdadeira farinha peitoral de
S. Bento.
Esta farinha usada com vantajosos resulta-
dos nos padecimentos dos orgaos do peito,
como astbraa ou puebamento de calbarros,
inflamacao de bote, pleurizcs e na ptbysica; re-
commendando-se com igual proveito as pessoas
convalecentes
nico deposito na pbirmacia e drogara.
DE
Bartholoraeu 4 C.
______ 34Rna larga do Rosario3________
Ama.
Precisase de urna ama boa cozinheira : na ra
dn Livramento n. 10.
d, v. mvrnn
ENGENHEIRO
Com fundiqao.
A RA DO BRUM N. 52.#
Passando o thafariz
Machinas vapor systema melhoradc.
Rodas d'agoa.
Formas de ferro para porgar assoear.
Moendas de canna. .
Taixas de ferro batido e fundido.
Rodas denudas para moer com agoa, ia~
por e animaes.
E outros objectos proprios d'agricoliura.
Tudo por preco maito redolido.
Precisase de um caixeiroque tenha pratica
de taberna : na ra dn Codorniz n. 7.
- Precisa se alug:ir um prelo escravo de meia
idade. paga-se bom a uguel : nesia typograpbia
Joaquim Jos Gonpal-
ves Beltrao
Ra do Trapxhe n, 17, Io andar.
Sacca por todos os paquetes sobre o banco de
Minho, era Braga, e sobre oa segnintes lugares en
Portugal :
Lisboa.
Porto.
Valenra.
Guinv.ries.
Coirabra.
Chaves.
Visee.
Villa do Conde.
Arcos de Val de Vez.
Vianna do Castello.
Ponte do Lima.
Villa Real.
Villa-Nova de Famelicao.
Laraego.
Lanos.
Covilhas.
Vascal (Valpasso).
Mirandella.
Beja.
Barcellos.
^LLTKl
Este estabelecimento acaba de soffrer orna reforma radical em arctio, artistas e commodos, e m pontcalidade as encom-
mendas, finamente em tudo afim de melhor servir os seus numerosos fregoezes deixa-se de annunciar todas as fazendas, para
alo se tornar massante
-HS
I
AMA.
Precisa-se de urna ama para cosinhar :
tratar no Manguinto, sobrado novo dos Srs. Car-
pinteiro, ou no caes da Companbia Pernambuca-
na n. 2; advertese qoe serve escrava oa livre,
mas que cosinbe nem.
AT A ENCRU-
DO RECIFE
ZILHAOA
Saecocom ^ hec-
tolitro de cal.. 80 rs.
Milheiro de tijlo. :i(ooo
Dito de telba... iiJOOO
Knchamel de 4 a
5 palmos 300
Trave de 4 a 7
ditos.......*. 500
dem de 8 a 10
1,3000
Pranch5o de loo-
500 i OCO
dem de amar-olio
ATE OLINDA
160 rs.
6^000
8J000
600
1*000
240C0
14000
_2,}000
Palacio da presiden:ia de Pernambuco, 21
de junlto de 1870.-Assignado, Francisco
de Assis Pereira Rocha." Confere, Antonio
Anns Jacomo Pires.
Anif de Abreu Porto,
Superintendente.
Jos de Barros Campello e sua mulher lendo
no Diario de Pernambuco de 18 de jnnho do cor-
rente anuo, um annnncio do agente Martin?, de
que seriara vendidas em leilao algumas dividas
pertencentes ao casal de Caetano Pereira Goncal-
ves Cunba, sendo entre ellas urna hypotheca no
engenbo Jidunuinho pertencentes aos annuncian-
tes; vem peto presente protestar contra tal annun-
o e declarar mui formalmente que o dito enge-
nbo Redemuinho de sua propriedade, por com-
pra feita livre e deeembaracada a Flix Paes da
Silva, nao tendeos aanunclantes desde essa data
at hrje onerado dito engenho, que sito na co-
marca de Santo Aatio, com divida ou titulo algura
e para qoe pessoa algnma ehame-se a ignoranci
faiem o presente. Recife 14 de ontubro de 1879
RESTAURAN! DE PARS
4Ruadas Larangeiras4
MR. MICHANDON proprietario deste estabelecimento, recebe assigna-
turas para almoco e jantar, por preco o mais mdico qoe possivel. Bem
como fornece tambera almoco e jantar avulso.
Na rna do Queimado n. 40 precisa-
se fallar aos Srs. HerTnes Dias Fernandos e
Gamillo Lelles a negocio que os raesmos
senhores sabem.
CASA PARA ALUGAR.
Aluga se o I" ailar do sobrado n. 6 rna do
Duque de Caxias : tratar no coracao de ouro,
ra do Cabug.
Domingo da Costa Monteiro, tendo expirado
a sua thesourana da eoDfraria de N. S. dD Livra
ment, declara nada dever relativamente a tran-
sacefes da mesma confraria de sua administracao ;
e quem se julgar com direito a algum debito por
elle contrahido, aprsente suas contas para serem
pagas. Recife 17 de oulubro de 1870.
Os abaixe assignados, incumbidos pela coma..- -
?S) de enhoras que promovem nm eoncerto e k,-
lo em benetlcio das familias desvalidas 4us Mtlda-
dos de linba de Pcrnn.bucc, falltcidos M M*ai -
dados na guerra do Paraguay, da distribuir I
mode que Ibes pareceste mais certmt o prnMlB
d'essa subscriprlo, \ elo presente avisara *> vio-
vas, pas mais lhns dos oMkiaes es Maios i
exercito naturaes d'esta provincia, en qoe m a
tenham asseutado praca, assi-n romo i inalqG-r
prenle d'estfs, que f z-ndo parta de IMI an..-
lias vvense as suas expensa-, e que e aenar mb
estado de p ciaes e soldados, rom cxrlusso dos priratira, ta.-
estejam as referidas c ndi\oe^qoe dantro d<>
prazo de sesseuia dias, a cmlar dcsiadali uev--
ro provar eom documentos aniheolicos sua idec-
tidade e circumstaocias de furtnna, afim de pode-
rem perceber este auxilio.
Cs inleressados devero encaminbar seos i
mentos casa do directorio do partido liLer- .
ra do Queimado n. 8 phme>ro andar, em io*->
os dias ule i i durante aquelle periodo, das 9 acra^
da mauhaa is 3 da larde, e ende, depois de altea-
didas suas red amagues, rtcebero a quantia qa"
Ibes tocar.
Para que o presente aviso chegue aocenaeci-
mento de todos, ser publicado diariarne..
jornaes mais lides d'esta cidade.
Recife, 6 deoutubro de 1870.
ISarao de lenifica.
Lnii Jos Pereira Sime.
Abilki Jos Tavares da Silva
Uommodidal'd publica.
As pessoas que precisaren de amas, cr i
cozraheiros. prdmeiros, feitores, amas de leit-.
escravos para o servico domestico, ixerr ,
to para a praca como para o mato, MM
podtro dtsta ti.la em di;tn:e mandar sens pe.
dos por escripto ra do Turres n.:, i' aadar
eaan amarella.
Alagase urna casa no Moottiro, ptru d>
Xisto, balsa do rio : tratar na roa do CNbj
n. 17, toja. ___
Precisa se d um mesire de oaeetra, pa: .
urna padaria em Coa. exigindose par) dito era-
prego a boa cnJncu : no Caes do Apollo arma-
zem n. 65.
AMA
Para ama familia s He-
rnia de duas pessoas pre-
cisa-se de urna ama mo-
ca para comprar e faier
o mais servido de casa :
no largo da matriz de
Santo Antonio n. 4, 2* andar.
SENDO
ALMOCO
|
escolha
Aluga-se um raoleqee cosinbeiro, que pres-
ta-se a todo e qualquer servico; no 3 andar do
sobrado n. 36 da ra das Cruzes.
ATTENCAO
No sobrado da roa estreita do Rosario n. ,"535,
precisase alagar mn oleque de 12 a 14 anuos :
quera'o ti ver dirija se, qoe achara com quem
tratar. Na mesma casa prepara ee almoco ejan-
tar para fra.
Ama
Precisa-se de urna ama
SO, Io andar.
na ra de Hortas n.
AMA
XXX)
3 pratos a
Vioho
Caf ou cha.
JANTAR3
1,9000
SOPA3 prc'-osja espina 3
Vinbo.
Sobre-mesa.1^!
Caf ou ch.C
MOFINA
Precisa-se de urna ama para cozinhar em easa
de pnnea familia : na rna da Solertede n. 68.
Roga-se ao Illm. Sr. Ignacio V.eira de Mello, es-
crivao na cidade de Nazareth desta provincia, o
favor de vir a rna do Imperador n. 18 a 'oncluir I
aqoelle negoaio que V. S. se compromettea reali-
sar, pela terceira chamada deste jornal, em fio
de dezembro prximo passado, e depois para.Ja-
neiro, passon a Cevereiro e abril, e na la camprio,
e por este motivo de novo chamado para dito
fira ; pois V S. se deve lembrar que este negocio
de mais de otto anoos. e quaado o senbor sao
filbo se achava no estado nesta cida&'e.
Ama. Ama
Precisa se de urna ama forra ou escrava para Precisa-* da unta ama nau ..
Dmacasa du pouea familia : trata se na Ioja n. ,escrava : na I-
i5 da esquina ra da KUdre de Dos, ga do Rjssri) c
ibliar, h'vre ou
rn'alar-
AMA
Precisa-se de urna ama que compre e cosinbe
para duas pessoas; largo da matriz de Santo An-
tonio n. 12.
TMCSFSE"
De um homem, livre ou captivo, para distri-
buir pao; e igualmente de urna ama que saiba en-
gf mraar bem cosinhar; trata e ra do Vi-
earion. 16, andar.
Agencia em Pernambuco
Do Dr. Ayer
Peitoral de Cereja
Cora a phthysica e todas as molestias do peito
Salsa parrilha
Cura ulceras e cbagas antigs, impigens e dar-
ros.
Tnico
Oocserva e limpa os cabellos.
Plalas eatbartleas.
Em casa de THEODORO CHRISTf
ANSEN, roa da Cruz n. 48, encontram-a
jflectivamente todas as qualidades de vinhi
ordeaox. Roarposue edo Rheno.
AVISO
Precisa-se alagar ama casa com commodos
para pouca familia, sendo preferida na freguezia
da Boa-vista : quem ti ver algnma nestas condi-
(oes queira dlrigir-se a'ra da-Cruz armazem n.
38.
Prec sa-se de una ama para eng
lavar : na ra de HortaSjn. 1.
Acaba de sahir luz
E
Vende-se
NA
Livraria franceza.
A
ou
COLLEPDEiMSim
DE
NOSSO SENHOR JESS CHRLSTO,
MARA SA.VTISSIMA
E
VARIOS SANTOS.
A saber:
Setenario do Senhor Bom Jess dos I
Oflkio do Senhor dos Pasaos.
Novena do Menino Dens.
Novena de N. Seohora da f^-^rt*t;
Setenario das Dores da Hara.
Offlcio das Sete Dores de Mari Saatisti
Novena de N. Senbora do Carmo.
Offlcio de N. Senbora do Carmo.
Noven^de N. Senbora da Peana.
Cnticos de N. Senbora da Peaha.
Novena do B. S. Joao BaptiataJ
Novena da Senbora Sant'Aoaa.
Trezena de Santo Antonio.
Novena do B. S. Jos.
Um bonito volume encaderaaoV.
25000.
OfTerece-se um professor pat
desta cidade as lingoas porlufi*1-
tratar nesu typograpbia._________.
Aluga-se a easa da ra dos Pescadores n.
17, enm commodcs para famila, nom quintal e
com portao para o mar : tratase na roa Nova n.
u*i.
- Frecisa-se de urna alna torra ou escrava
para o servico ioierno de pequea familia : na
roa da Amizad u. 21; Capunga.
Sabbado 13 do eorrenle entregon-se a um
negro ganhador duas.caixas com bataus, marca
M & C para embarcar no porto do capim para os
Aplpucos, aconteceu o negro entregar a outro ca-
ooeiro, talves de Olinda ou Beberibe : quem as
receben por engao queira annunciar por este
Diario, ou participar na taberna qne foi do Sr!
Domingos na roa de Santo Amaro, esquina.
O !
n. 18
Gasa para alujar
no largo do Carmo
Precisa-se de urna ama **
zinbar : na roa do Duque de Canea,
Queimado a 22.
eeo-
dc
AGRrCULTURA
pon
AYRES DE ALBDQOnOOg A
li aifjem 16 com
Obra premolva pelo loverae
Vende-se em as erueieats
Livraria s.
andar do sobrado sito
a tratar no me mn.
Os Srs. bacharel Juaqtjiui Cordeiro Coelbo
liintra e Andr Cordeiro Coelho Cintra qneiram
apparecer na roa do Hospicio n. 84 a negocio de
sen particular interesse. /
Ama de eit
* Precisa-se do orna aran de leite, paga se bem
fia traversa do Veras' a. I-^2 andar.
Para exames.
TRADUCC.O IROLBZA
DOS
TRECHOS CLASSKX*
ron
C. PALMER,
II .-iiOOO.
LIVRAR1\ FBAIICE1A
Precisa-se de o n| caiseiro de Ha
le idade, qne d i
ica i taberna
da Ribeira


Diario de Pernambuco Quarta /eir 19 de Outubro de 1870.
3?
AO ARMAZEM
DO
VAPOR FRANCEZ
Este conhecido estabeleciraanto acha-se constantemente bera sonido, m virtnde das
facturas que recebe por todos os vapores e navios francezes, dos artigo* abaixo menciona-
dos, precos os mais resumidos que possivel.
CALCADO FR1ICEZ
llotiaas para *eahora c meninas.
Botinas pretas, brancas e de muitas outras cores, sortidas e bonitas, do ultimo gos-
to da moda, e precos mais baratos do que em outras partes.
Botinas para borneas e menino*.
Botinas de biierro, cordavao, lastro e pellica, das melbores fabricas e escolhidas.
Botas e pernelras rnsslanas.
Bolas e peroeras para mamaria, das melhores qualidades, de couro da Russia, lus-
tro e bizerro. > .
Sapatos de borracha para horneas e scahoras
Tendo chegado grande porcio de sapatos de borracha vende-se pelo custo afim Jde
desempatar o dinheiro nelles empregado, sao baratissimos.
Sapatos de lastro para horneas.
Sapatos de entrada baixa de couro de lustro com salto, de muito boa qualidade.
Abotinados para meninos e meninas
Sapatos abotinados de diferentes modelos, de muito boas qualidades e fortes, unto
para meninos como para meninas, muito baratos.
Sapatos de tpete.
Sapatos de tapete aveludado, de casemira, de charlte e de tranca franeeres e por-
tuguezes para horneas, para senhoras e para meninos.
PERFUMARAS
Escolenles extractos, banhas, leos, agua de cologne, florida, divina, lavande, den-
tnflee, de toilette, sabeoetes, tintara para cabellos, pomada angroise para bigodes, pos de
arroz etc., tudo isto de primeira qualidade, dos afamados fabricantes, Condray, Piver e Lubm.
Quinquilharias
f
Luvas de pellica do conhecido fabricante ouvin, espelhos para sallas, quartos e ga-
binetes, tooeadoret de diversos taraanbos, leques para senhoras e" para menina?, abridores
de luvas, brincos, pulceiras, botos, correles e chaves de relegios e trncelins, tudo de
ouro de lei, correntes e brincos de plaqu, a imitacao e de mais gosto do que as de ouro,
caixinhas de costura ricamente guarnecidas e ornadas com lindas pessas de inusica, albuns
e caixilbos dourados para retratos, caixinhas com vidro de augmento para distinctamente
ver-se a perfeicao dos retratos, objectos de phantasia para toilettes, bolsinhas e cestinhas
de seda, de velludo e de vimes para braco de meninas e senhoras, ditas para costuras, pe-
queos registros muito Anos e delicados, bouquets de flores de porcelana, jarros proprios
para gabinetes e santuarios, quadro? promptos para coilocar-se vistas, molduras douradas
para qnadros, estampas finas de paysagens, cidades, fifcras e de santos, vidros para cos-
moraraa, malas, saceos e bolsas de viagens, esporas,, ef cotes, bengala?, oculos, lunetas ou
pensinez de prata dourados, grvalas pretas e de coks, abotoaduras de collete e de punhos,
oartarinhas para notas, thesounnhas e caivetes finos, pentes, escovas, ponteiras de espuma
para charutos e para cigarros, joeos de domin, rodetes, bagatelas e outros differentes, ve- '
nezianas modernas muito conveniente para porta e janellas, cosmoramas, lanternas mgi-
cas, estenocopos cora mteressantes vistas de figuras e das mais bonitas ras, boulevards,
pracas e passeios de Paris, photojraphias e caixinhas mgica?, reverberos para candieiros,
tapetes de vidrilho e de lia de cSres para ps de lanternas. realejos grandes e pequeos,
harmnicos, acordions de todos os lmannos, borcos de vimes para enancas, sapatinhos e
toncas de laa, carrinhos de 3 e 4 rodas muito elegantes para condmir enancas passeio ; e
outras muitas quinquilharias de phantasia, francezas e alleraac?, precos multo era conta.
QBQQoaoQs i?aaa gastos
Para este artigo nao ha espaco nem tempo para a mascante leitura da
gneros de brinquedos fabricados em diversos paizes da Europa.
infinidade de
ATTENCAO
O dono daste estabelecimento pede ao publico em geral que continu a visita-lo
verificando as qualidades e os precos baratos de ditas objectos por seren viudos em di-
reitura e de conu propria.
A
MO DE OURO

Nova loja de joias
RA DO CARIJGA' N.9 A.
DO CABUGA'
DE
Manoel da Cnnha Saldanha & G.
Acaba de abri-se este estabelecimento de joias, o qual tem grande sorti-
mento de todas as joias de ultim gosto, as qaaes vender o mais barato dos-
ivel.
Todas as joias seo garantidas ooro de lei, pois os seus donos tendo em
vista so adquirir freguezfa nao clvidarSo, vender bom e por p-ecjs os mais
razoaveis possjveis. '
Convids-.se o publico a vir a este estabelecimento, certo de qae ficar
satisfeito.
A' MO DE OURO RA DO CABG N. i A
'
GRANDE
HOTEL _
37-r-Rua 11 de Dezembro37
JOu*r'ora Larga do Rosario)
)'HOTEL CENTRAL encontrado sempreos nossos innmeros
freguezes nouveis melboramentos, mdispensaveis para commodidade dos Ilustres fre-
quentadores.
No HOTEL CENTRAL encontra-se-ha consUntemente todo que de confortativa t
deloilavel se pode encontrar em um estabelecimento desta orlem.
Assim acha-se all urna excellente casa para banhos, um salo todo alcatifado a
guarnecido de divans, piano, jornaes nacionaes e estrangeiras etc., etc
dulce pariente
CHARUTOS
Imperiaes
Amadores (
Londrinos I
Leaes
E de outros fabricantes, que seria ocioso innumerar.
As familias que nos quiterem obsequiar, tanto nacionaes como estrangeiros, en
contrario s commodos necessarios.
A moralidade e. ba ordem a norma do
Hotel Central
Falla-seo hespanhol, francez, inglez e italiano,
PAarG
AMA
WcH se da' urna amajffeigent? pira casa di)
rapaz solleiro : tratar na ma da Cadeia do Re-
cife, loja de ferrasen", n. 56.
Ama
Precisa se de ama ama- jjara coziiiftar
de Creso:) n. t8, i" andsr.
na ra
Nutrimento
MEDICINA!
A *ociedatf,_l}eoii;ent<- faociliaco convida
a todos os seus socios, paren:es o amigos de lina
do- Victoriuo Xoreira de Suuza para sssistiren
una niissa (jae mand^m rosar im da 20 Ui or-
reate, (7 Rom Ca rnanhai, na igreja do Eir-
to Santo do Collegio.
O secretario,
____________Antonio da Costa Reg Lima.
Normas da Havana.
Sospiros.
Napoleoes
Havanas.
AVISO
Preeisa-se de urna ama pur casa de familia
narua de Hortas n. 30, sobrado.
Aviso.
Precisa-se de urna ama de leite
ra de Hortas n. .10, sobrado.
sera filho : na
Prec:sa-se de urna ama para indo o servico
de casa de pouea familia : na raa do Padre Fio-
riano n. 40,1 andar.
AMA
Canos de ferro galvanisados por barato pre Torneiras, e corvas para os meamos I No armazem da travessa
Santo n. 25.
J Moinhos para caf e para milho
Os melbores moinhos para caf e para milbo que tem vindo a este mercado
se encontram no armazem da travessa do Corpo Santo n. 25
0 MARAVILLOSO REMEDIO
DO
Dr. Chas, de Grath
OLEO ELETRICO
KING OFPAIN
0 RE DADOR
Para o uso interno e externo.
CURA:
Febre e febre intermitiente, em um dia.
costas e nos lados, em dez
Precisase de nma ama de meia idadi para co-
linhar em casa de bomem solteiro : na ra de
Pedro Alfonso, outr'ora ra da Praia.n. J9.
Aluga-te urna ama para casa de estranaei
ros : a .tratar na ra. do Duque de Caxias n 26
outr'ora ra das Cruzes.

Cholera e cholera-morbus, diarrha,
Quxo de sangue, em um dia.
Dr de cabera e dores de ouvido,
em tres minutos.
Dr de denles, em um minuto.
Neuralgia, em cinco minutos.
, Deslocacoes, em vinte minutos.
Gargantas inchadas, em dez minu-
to?.
Clica e convulsoes, em cinco minu-
Rheumatisrao em um dia.
Dr as
minutos.
Tosses perijosas
dia.
e refriados, em um
Pleuresa, em um da.
Surdez e aslbma.
Hemorrhoidis e bronebites.
Inllammacao nos rins.
Dyspepsia e erysipelas.
Molestia de figado.
Palpitadlo de coraco.
Reserve sempre este remedio na sua familia.
AS DOENCAS SE APRESUNTAM QUANDO MENOS SE ESPERAM.
Oleo eletncoO King ofPain(o reda dr) aquieta e positivamente dissipa mais
de differentes molestias e dores, e allivia mais os soffrimentos e produz um mais perfeito
equilibrio nosystema humano, o que nao se pode effectuar no mesmo tempo, com qual-
quer outro remedio medicinal.
Este muito popular remedio est agora asando se geralmente, pela raz3o que mi-
Ibares de pesseys se tem curado gratis com o dito remedio pelo Dr. de Grath e outros
mais.
Este importante remedio'n3o se offerece para curar todas as doenras, porm to
somente-para aquellas estipuladas das nossas direccoes.
Est operando dos principios da chimica e da electricidade, e por isso est appli-
cavel para o enrmenlo e para a restaurafio da aeco natural dos orgaos que soffrem da
irregular circulafao dos fluxos dos principies ervos. O oleo eletncoo King ofPain
opn directamente nos absorventes, fazeudo desapparecer as inchaQes das glndulas
etc. em um tempo ncrivel, breve, sem perigo do seu usodebaixo de qualquer circuas-
tancia. .
O remedio, orna medicina para o oso externo o interno, composto dos elementos
curativos, raizes, hervas e cascas, taes como se tem usado dos nossos antepassados, e
das quaes tem grandes existencias no mvndo, para curar todas as molestias, sabendo-se
quaes ellas sao. '
Foi um granJe e especial desejo da faeuldade de medicina durante muitos annos
de experiencia para aprender os melhores modos que se deviam adoptar para curar as
segtiintes doencas, e que preporces de medicina se devia usar.
NA PHARMACIA E DROGARA
DE ''''*' A
Bartholomeu & C.
N. 34RA LARGA DO ROSARION. 34.
M
Na travessa da rna |
das Ciros n, i, pri-
meiro andar, da-se di-
nheiro sobre penhores
de ooro, prata e brujan-
les, seja qnal for a qnan-
ta. Na mesma casa com-
pram-se os mesmos me-
taes e podras.
ESCOLA PHARMACEUTICA DE PARS
Medalha de Prata 1860
LIQUEUR
otGOifewMTfiE
GUYjO'E
EXTRACTO DE ALCATRAO.
nico medicamento approTado por lodos os
Hospitaes de Franca, Belfrica Epanha como a
nwhor prparacao inttanlanra e requlada em
dotes dz AGUA DE Al.CATRAO.
(Uuatcolhcradasgrandetd, liquido por cada
litro de ai>ua, ou tima eolhen ia pequea pur
cada copo grande.)
.^L.?0jXlttcaor maH na-
!>"a. '<>">. *o !iro.vhio e 4
Exigir a irma do inventor >> t
Deposito Gerl ^-fJL^^^
Rae des Franr- Boargeois, i 7 sl^^j2^^
Em PAHIS. -"^ ^f*
DKPOsrro : no Bo de Jan-tro, DnponcMIe; na
Knhia, Silvj Lo,,ei no Pirnambuco, P. Ujurcr
el C"; i MavanhaS, Ferrtir.i r: O.
Lom muito raaior vantagem compram-se
ouro,_ prata e pedras preciosas e n obras vehas: na
Cora^ao de Ouro n. 2 D, raa d(
loja de joias do
Cabug.
rmus.
NOVIDSDE.
O Costa, proprietario do armazem da Pedra
Maamore ra das Cruze? n. offereee por oi-
uheiro contado o que de raelhor ha no meretdo,
pur ter recebid maitos des gneros pelo ultimo vapor.
Horia'lces para sopas denominadas Julienne, (jue
cub.-titue perfeitamente as mais frescas ems.
Queijos flamengos o que de raelhor se podo de-
?ejar a 3000.
Caixoes de doce de goiaba a 800, 1, 1^200 e a
U800, dito era latas a U e 2ii00.
A verdadeira farinha americana vinda de corita
propria a 320 rs. o majo de urna libra.
Velas stearinas a 640 o maco.
Bolacbrahas de todas as qualidades e dos me-
lbores fabricantes.
Ervilhas francezas e portuguezas.
Vinho de todas as qualidades.
Farelo de Lisboa desembarcado hontem, era
saceos grandes, a 5.
Carns do sertao muito nova e gorda.
Queijos de qualba, etc., ele.
Saetas com milho a 4000.
Espacial e aromtico sabao de familia a 300 rs.
o kilo.
*Bman>
T.ca e Ma
IwWadede*.
enras,
tO OU bofe.
Express-
maUe eseoft
dos melhores *-
jjidcs dos se ex trabe
-ie, do fcaace
da Terra Nota,
purificado d-
micalmente,
sua
propriedadei
conservadas
. ora todo o ai-
ilniln, em
frasco, se i
te .perfeitanee-
te puro.
Este oleo tea
sido sabmeUa
i na exame
muitosevero, pelos chiraicos de mais tato-a
ot, do governo hespanhol em Cuba,fo oe-
vulgado por elle e contera
MAIOR PORCAO D'IODINA
do que oulro qualquer oleo, que elle Jtm
exam-oaio
IODINO E'M PODER SALVADOR
Em todo o oleo de figado de baeafce,
e naquellc no qual contm a mior porei
d'esta invaluavel proprit-dade o orre
meio para curar todas as doencas de
GARGANTA, PEITO, B0FES.PIGADO.
Tsica, bronchites, asma, catarrho, toMe,
resfriamento.etc.
ns poucos frascos da carnes ao ma
magro que seja, clarea a vista.e d viger a
todo o corpo. Nenhum outro artifore-
nhecido na medicina ou sciencia, di'taam
nutrimento ao systema e encommodanrte
quasi nada o estomago
As pessoas cuja organisaco tem ni
destruida pelas aleccoes das
ESCRFULAS O RHKUMATISNO
a todas aquellas cujadigesto se acha cois-
pletamente desarranjada,devcm tomar
O OLEO DE FIGADO DE RACALHAt
M
l.anruaa A lemp,
Se que desojam ver-selivres e eupasa
le enfermidades
Farinha df mandroca ceSauu
Catharin .
Ha para vender da mu;to no-a e supe-
rior etiegada recentemenle pelo paUrV-
rabe e barca Sania .Varia, por prefo c- ov
mo o, a bordo dos refer >oa n-vios Aten-
dos dpfnnte do trrpch.3 do Exro. Carie
do Livramento, ou ento para trarar >jb
Joaquira Jos Gonijalves Keltio, no -> j
cr ptorio -rua do Cnrriroercio n. 17.
Farinha de mandioca
da Babia.
No escriptorio da I-aquin i>ra;.".o fe Bss*,
rua do Vigario n. 16, l aaJar e
de-mandioca di liMa iniii;o id.-. a!ra e bnra#*
em sacos grandes de 2 al|u.'ires : ti ^reieu-
tes poden) examiea-la aot tnfMu Lanu> i ?-
le?, no Fono >l i M II *.
Docs, frucf'8 e lot
Rua da Cruz n. 11
Sorvete todos os das, Aa II horas *m utttt
leudo nns tercas-fciras, quartas e saatao de
reme.
A tpncffo.
Xa rocheira n. I da rm de 3anu Amar, m*
dairro de Santo Aalvjiio n. .. n'f->'' um czkiii-
let de duas rodas, e >r rio, coca 19 peina
arreios, lodo em maitA t- pi r que su vend-; aninai-v -.
Fo hinias para 1871
Fi Ihinha- ]. Perni Matnlica e re:. *
a 3S0 r?.
Folhinins do Rio >le Janeiro,
raes a S00 tt.
AlmanaK I.u.o BrasuViro l
Foiinhv da n na ICOis.
LIVRARIA FRAM I
Farinha de mandioca daBabia.
Tem para vender muito nova o superior.
em saccas, a preco mais commodo do que
em outra qualqaer parte: Joaquim Jos
Goncalves Beltr5o, do seu escriptorio rua
do Commercio n. 17.
Fino? charutos de 100 em caixa a 5*000 aa
rua do Crespo n. 25 i- prart da Indi-penJi-aenM-
mero 39.______________________ _
Vende-se um terreno todo morado coa M
mei-agnas, tendo 120 palmos de frente e 1W e
lando, perto da e.-trada de ferro de Olioda : qtvm
pretender dirija-se ma do Pires o. 53 que achi-
ra com qnem tratar. ____
PIANO
Bom e barato, na rua
do Crespo n. 20,


8KB0 DE EMPBFGO. 0 Cnrro de Belto [ClniH df Ml.f.)
tOBta-80 anice ou depon de cada comida, sob forma de P ou de
raaiSitaa. Geraloieul o bem estar sente-se logo dopois das pri
metras doses. Ima infoi-macao entensa acompanha cada vidro
de p e cada caiu de pastilhas.
Apoadto em Pai'is, L. FRERE, 10, rae Jacob.
Venda-se Da nharma. ia e dr
PARS
Veade-se chitas escaras e claras a 200 e 210
r. o covado, algodo mesclado, 4 palmos de lar-
gara, a 200 rs. u covado, pecas de algodao de 20
jardas a 34, madapolao a 5i a pega, cambraia?
lisas a 31800, aloalhado de duas larguras a 2*400
a vara, lencos de seda da India a 1*280: na loja
do Guilherme.
Cal n va de Lisboa.
Desembarcada ltimamente : vende-se no tra
piche Alfandega velba.
Vende-se
um sobrado em Olinda, na rua de Mathias Ferrei
ra, caiaJn e pintado de novo, com quintal e ca-
cimba, e muito fresco : a tratar na Boa-vista, rua
do Viseonde de Albuquerque, outr'ora Matriz, n,
44, 2 andar.
PEGHINCHA- *
0 Bois sedas de coress a 4#600
M .ovado, lindos poilo de chevres lar-
' g s^ com listas de seda a BQO reis
o cov.nli) ; na loja das Coltnmnas,
M^ifO ( ortr'ora do
Crespo) n. 13, de Antonio Cortea
de V;iscs. ,
0W& JM &M *)K* W8WI SSi
0
*K
Vende-se um piano moderno, de moiio aas
vozes, e do autor mais afamado : qaem o prem-
der dirjase roa larga do Rosario a. 21, prv
meiro andar.
i
Farinha de milho
Vende-se diariamente farinha do xaMkm min*
na e nava a 120 n. a libra, e laliai
grossa a 100 rs. : na roa o CotoveUei. 21.
um coup moito elegante, e orna victoria.
Na officioa do tirador deronte de S. Fnav
cisco se dir quem o dono.
No armezem
DE
Rodrigues & Irn.o
A R\ DA CADEIA DO REQFE N. 6
Ha para vender ora cofre de ferro i pra-
va de fogo dos melbores que tea vindo a
este mercado,
E' BARATO
Pira acabar.
Tarlatana a 320 rs. o metro, meia pon wawi
a 2*500 a dima, lenc.is braacw atmnadn a
I *60, 2*. 2*100 e 3*000 a doria. dMt kraae*
srandes'ibanhados a 3*. 3*500 e4*a laxta, m..-
dapolo fraocez com 20 varas a peca a C
bran a 220 240 r
e:.curas a 00, 240 e M rs. o ovad e'tn tra
profiri pan vestida, faxen a Dovn, a 300
rhnibr.ti braoratt a .'!*, 3J
7*. al.- > 1*i de iNta prog



6
e Pemambuco
____
Quarta eira 19
fo de 1870.


GRANDE
BAZAR DO PAVAO
60-RU DA IMPERATRIZ-60
DE
PEREIRA DA SILVA & C.
Neste importante estabelecimento encontrar o respeitaYel publico, um grandee variado sortimento de fazendas do otis
aperado gosto e todas de primeira necessidade, que se vendem mals baratas do que em ontra qualquer parta, visto que o nc-
vos socios desta firma, adoptaram o systema de s veoderem D1NHEIRO ; para poJerem vender pelo casto, liso i tanda+ae apenas
a ganharem o descont ; as pestoas que negociam em pequea esca'a, nesta toja e armazem poder9o
pelos mesmos procos que compram as casas inglezas, (importadoras) e para maior commodidade das
amostras de todas as fazendas, ou Ibes levam em snas casas para escolberem.
BRINS DE LINHO DE COR A 1#200; CORTES DE LA ESGOCEZES 6/1000
No Bazar d Pavao, fez-se ama grande! Vende se bonitos cortes de 13a escocezas,
fazer os seos sortimeatos
Exmas. familas se darao
compra de poros brins de linbo, muito en-
corpados, proprios para calcas, palitos, col-
letes e roopas para meninas, por serem de
padroes miudiohes; garante-se que nao ha
brrela que Ibe tire a cor, e vende-se a
14200 o metro desla excellente fazenda.
TOALHAS A- 70500
No Bazar do Pavo fez-se orna grande
compra de toalhas alcochoadas, proprias
para rosto, bastante encorpadas e graodes,
qu sempre se venderam a\12900O, e li-
quidam-se a 7500 a duzaou a 640 rs.
cada urna, boa pecbincba.
t MITAS & RISGADINHOS MIUDINHOS
200 RS.
O Pavo vende chitas ou riscadinhos miu-
dinhos cor de rosa e rsinbos, proprios
para vestidos e roupas de creancas a 200
rs. o envado. S3o muito baratos.
PARA NOIVADOS CORTINADOS, COLCHAS.
Cbegou para o Bazar do Povo um gran-
de sortimento dos mais bonitos cortinados
bordados, proprios para camas e janellas,
que se vendem de 103 00 at 203900 o
par, assim como o melbor damasco cem 8
palmos de largura a imitacSo de damasco
de seda, proprias para colchas, e propria-
mente colchas de damasco, send< os melho-
res e mais bonitas que tem vindo ao mer-
cado.
SETINSDE CORES E GROSDENAPLES.
No Bazar do Pavao vende-se um sortimen-
to completo dos mehrres setios e grosde-
aaples de todas as cores, que se vendem
muito em conta.
CHiTAS A U RS. O CORTE.
No Bazar do Pav3o vende-se cortes de
chita miudinhas, sendo rocha e cor de rosa,
tendo tO covados cada corte a2J vende-se
a retalho a 200 rs. o ovado, psebincba.
CASSAS A 200 RS.
No Bazar do Pava) liqoida-se urna por-
?3o de cassas francesas miudas e graadas,
cores finas, que se vendem pelo baratissim
ireeo le 2 o rs. > ovado para acabir.
CAMISAS DE ERANELLAS A 33500.
No Bazar do Pav3o vende-se um bonito
sortimeto com todos os tamanbos das me
Ibores camisas, -ie flane.la de la, cum
mangas, tanto :roprias para h wens como
para seobons e vende se a 3*000 cada
uma^e quem comprar de meia dnzia para
cima ter ora tbatimecto, Sao de muita
n'iliiale.
CAMISAS BARATAS a 25800,33000 e 23600
No Bazar do Pav3o vende-se urna gran-
de porc^o de casemiras msciadas, muito
encorpadas a 25800, ditas finissimas com
msela de seda a 33200, ditas modernas
de qaadros, fazenda de muito gosto a
35600 o covado ; aproveitem.
TAPETES
Ctegon para o Bazar do Pav3o o mais
elegante sortimert de tapetes grandes, pa-
ra sof, com 4 cadeirss, ditos mais peque-
nos, para duas caieiras, ditos para
pianos, ramas, portas ; etc. vende-se por
menos do que em nutra qualquer parte.
COLCH.-iS BRANCAS A 33200,33500 E 75
Para o Bazar do Pavao chegou nm gran-
de sortiraeoto das melares colchas do fos-
to, s*>ndo das memores e mais e corpudas
que tem vindo, a 7.1.-0 ditas nm pouco
mais abaixo a 5350)1, e ditas a 330. i0;
tambera no mesmo estabelecimento se ven-
de um gran-ie sortiment) i cretooes e chi-
t'-s, proprias para colcaas, que se vendem
meit em onta.
ROPAS PARA HOMENS
No accreditado Ba ardo Pavo encontra-
r o respeit.vel publico um grande sorti-
mento da roupas para borneas tanto bran-
cas como de cores, a saber:
Camisas c->nc peitos d'algodao e de linbo,
para todos os precos e qaa!idades.
Cerouias de linbo e algodo.
Meiis corlas francezas e inglezas.
Palitos sibrecasacos -le panno preto e
casemira.
Ci!cjS de nrim bnnen e de cores
Ditas de casemiras pretas e de cores, com
colletes i^uaes
De todas estas rou^a? ba para todos os
precos e qaali lades, e t-m de mais mais
um perito
vindo cada om em seo papel, pelo barato
preco de 63000 cada um; no Bazar do Pa-
vao.
ORGANDYS BRANCO E DE COR
No Bazar do Pavo vende-se os mais
bonitos e muito finos organdys com listas
largas e miudas 13000 a vara, ditas lisas,
fazenda de muita pbantasia 800 rs. a vara,
ditos d cores, finissimos padroes, ioteira-
mente novos~80O rs. A vara: pecbincba.
GROSDENAPLES PRETOS
Chegou para o Bazar do Pavao um gran-
de sortimento dos melbores grosdenaples
pretos que tem vindo ao mercado, que se
vendem de 40600 at 53000 o covado
sao todoa muito em conta.
MANrELLETES DE FIL
No Bazw do Pavao vende-se modernissi-
mos mantelletes ou basquinas de fil preto,
,om laco, pelo barato prego de 104000 Ca-
da nm, barato.
PANNOS PARA SAIAS A 15000, 13280 E
15600 O METRO
No Bazar do PavSo vende-se bonita fazen-
da branca cncorpada para saias, sendo com
babados e pregas de nm lado; dando a lar-
gura da fazenda o comprimento da saia,
qual se pode fazer com 3 ou 3 (r2 metros,
e uende-se 13000 e 13280 e 1600; assim
como tamben no mesmo estabeUecimento
se vende bonitas saias brancas bordadas ten-
do 4 palmos cada urna, ditas de 13a de
cores j promptas urnas com barras dille-
rentes, da mesma fazenda 43'HX) e ouiras
com barras bordadas 60000 e 70000,
tudo isto moderno -e barato.
ALGODO ENFESTADO PARA LENCES.
No Bazar do Pavao vend-se o melhor al-
godo-inho americano enfestado para len-
ces, tendo liso e entrancjdo por preco
muito barato.
ESPARTILHO.
No Bazar do Pavo recebeu-se um elegan-
te sortimento dos mais modernos e melho-
res espartilhos, que se vendem por preco
mnito em conta.
PANNOS DE CROCH PARA CADERAS
O Bazar do Pavo recebeu nm grande
sortimento dos melbores pannos de croch,
proprios para cadeiras de balauco so,s,
pianos, tamboretes e a' proprios para cu-
brir aimefadas e pratos; vendendo-se por
nenos do que en qualquer parte.
PARA LENgOES"
No Bazar do Pavo vende-se su >ertor
bramante d'algod3o com 10 palmos de lar-
gara a 10800 o metro, dito de linho cora a
sesma largura a 20800 cada metro, pannos
ds linbo do porto com i 1/2 palmos delatora
de 720at 10 a vara, assim como umg ande
sortimento de H -mburgo ou eregaeUa.; de
todos os nmeros, presos ou .qualidades,
que se vendem mais barato do que em ou-
tra qnalqner parte ; aproveitem-
ATOALHADOS .
No Bazar do Pavo vende-se saperior
atoalnad trancado, com 8 palmos de largu-
ra a 10600 o metro, dito de linbo adamas-
cado o melhor que tem vindo ao mercado a
30500 o metro ; tudo isto muito barato.
Panno preto mnito barato a 30600
O Bazar di PavSo recebeu urna grande
porcao de pecas de panno preto fin<\ com-
pradas em leili, que sempre sa venden a
5-5000 o covado e pode liqidar a 30600,
por ser urna excellente coinora,
COBEHTAS A 30
V-mde-se cobertas de chita encarnada
adimascada a 33 cada nma, pechiocaa.
CORTES INDIANOS A 4-5500.
No Bazar do Pa-3o vende-se bonitos cor-
tes indianos com duas saias pelo bara-
tsimo preco de 405 O cada um, pe-
cbincba. .
FAZENDAS PARA LUTO
No Bazir do Pavo veode-se constai.ta-
mente o melhor sortimento do fazenias
pretas para lato, como sejam :
L3asinbas retas lisas.
Cassas pretas de 13a.
Cassas pretas, fraoce?.as e inglezas,1
e com salpico?.
Chitas pretas de todas as qi^dades.
Alpacas pretas lisas.
Ditas lavradas com branco.
Merino^, cantos, bomb.izinas. que
PECHINCHAS
DO
sas
24> U!
Acaba
done mina
monto de f
poil de che1
Aas o qae ha de
t_ novidade, ricas pope-
Utas de teda, granadme*, Jaas aicoceaa, alpaca?,
bar*ges, etc., etc., e um completo sonimenio da
chitas, madapoloevcambraias brancas e de cores,
organdys e carabftfa imprratriz, -e nutras muitai
tazendas, todo do que ha de melhor neste merca-
do, que tudo se vender o mai* barato possivel.
Chamamos a atteHoao do bello axo que qolzer
andar na moda, e ao mesmo lempo esperamos a
sua protecea. Manda-se levar em casa dai
Exmas. familias todas as fasendas que aos pe-
direm.
20-RA DA IMPERATR1Z20
Parla d Lesna.
Cal de Lisboa.
Vende-so pal de Lisboa, a uilima chegada ao
marreado. par prega rasoavel : no armazem da
Manoel Teixeira Bastos, na do Commercio n. 13.
Ra da Imperatriz 60.
Para vender depresaa
LINDAS JAPONESAS PARA 'VESTIDOS A
A'500 RS.
Chegou um elegante sortimento de les-
ionas do Japo, com padrees de seda e de
mnito boa qnalidade. que se vendem a
500 rs. o colado, pechinchi, 10 Bazar
do Pavo, roa da Imperairiz n. 60.
POUPELINAS DO JAPO A 10600 O COVADO.
Chegou um elegante sortimenlo de lin-
dissHBiS poupelinas Japonwas, com os
mais delicados gostos, tendo mtfito lustro
e com listrinhas de seda, sen Jo esta nova
fazenda quasi da largara da chita france-
za e vende-se pelo bwato preco de 10600
cada covado, no Bazar do r'a'J. .
AS POUPELINAS DO PAVAO A 2^0*0, 0 CAD0.
Chegiu para o Bazar do rWo um bo-
nito sortimento das mais modernas e ele-
gantes ponpelinas de linho e seda, que se
vendem pelo baratisr imo preco de 2000
cada um covado, assim cmo ditas com
go.'t^s escossezes a 25400, pechiucha no
Bazrr do Pavo.
SEDAS A 2|P00
Chegou o ti elegante sottimento deboai-
tas sedas de listrinhas, conras cores mais no
vas qua tem vin o ao mercado e veudem-se
a 20000 o covado, ca rqa da Imperatriz
Bazar do PavSo.
AOS 2000 VESTIDOS PECHINCHA ADMI-
RAVEL.
a 20OCO, a 20000.
a 20500. a 20500.
a 20000. a 20OOO.
S oo Bazar do Pavo.
Vende-se bonitsimos cortes de ves'.i ios
de phantasia com lilos gostos, sendo fczc-
das traparentes com delicados bordados
listras que a nao ser urna grande pecbin-
cba qee se fez na compra seria para mnito
mais dinbeiro, e liquida-se a 20 e 2050
unicamento no Bazar do Pavo.
LASINHAS TOANSPARENTES A 400 RS O COVADO
Veode-se delicadas lasiohas transpaven
les com listrnbas n iudinhas, imitado de
uma s cor e muito brilhantes, pelo bara-
t ssi no preco de 400 rs. o covado, no Bi-
zar oo Pav3o
BONITAS LASINHAS A 500 RS. 0 COVADO,
Vende-sa delicadas lasinbas com dife-
rentes gosto pelo barato preco dt 500 rs.
o covado, no Razar do Pavo.
ALPACAS BRANCAS.
Venie-se um bonito sortimeotode finis-
simas alpacis brancas lavradas, imitacao
de seda, proprias para vestidos de baile ou
pasamentos no Bazar do Pavo.
ALPACAS LAVRADAS A 400, 560, E 640 RS.
Vende-se om grande sortimento de lin-
das alpacas lavradas de todas as cores para
vestidos e vendem-se a 400, 550 e 640
e ai mil e tantos res o covado, no Bazar
do PavSo.
BAREGES DE QADRINHOS A 600 RS. O COVADO
Vende-se as mais lindas e moderaas la-
siohas ou barfgas de qoadriohos, proprios
para vestidos, tendo qua-i largara de cbita
francesa, e 1 qoida se a 340 r3. o covado,
no B zar do Pavo.
HEBINS DE CORES PARA VESTIDOS.
Vende-se bonitos merinos de uma s
cor com cores muuo proprios para vestido
e roupas paia creancas por ser uma fazen-
da de pora laa e muito leve, veode-se a 10
o covado, no Bazar do Pavo.
GLACS A 10000 PARA VESTIDOS.
Vende-se um elegmte sortimento de?tz
nova fazenda denominada glacs sendo uma
fazenda de la muito larga e com delica-
dissimas cores, tendo tanto brilho como
A llUfil IA
A rua do Duque de Casias n 21.
(ANTIGA RA DO QDEIMADO)
Recebeu segulnte :
Espelhos grandes doarados, moldas bonitos.
Carteiras, cliaruiaira* e port-cigarro de muita
qualidades.
Bonitas pastas para papis, simples e matisadas.
Boas caixas vasias para costura com sua compe-
tente- chave.
Delicadas caetas de marflra com o bocal dt
prata.
M'jdernos pentes.de tarlarjga, sobresahindo en-
tre 4bs os mimoso telegraphistas.
CoUmodos toucadores com duas gavetas e bom
espeBU.
Potf bouqaet, o que de melbor tem appare-
cida.
Port relagios de muitas qaalidades.
Bons talheres para criancas.
Vostuarioj, ehapozinhos, toacas, sapatos e meiat
para baptisados.
Toalhas e fronhas de labyrintho.
Chapeos e ehapeiinas para senhora, moldes novo*
e bonitos.
Chapozinhos gorros e bonets para meninos
meninas.
Contra as couvulsoes as
crfcngas
Vende-ae os verdadeiros collares na Nova Eape-
raoca, rna do Duque de Caxias n. 21.
PARA TINGIR CABELLOS
para pretos ou castanhos, recebeu a Nova Esp-
ranos a verdadeira tinta ingleza.
PARA ACABAR COM AS SARDAS
oa pannos, tem a Nova Esperanca o verdadeirc
leile de rosas brancas.
AGUA DE FLOR DE LARANIA.
Vende-se na Nova Eperanca, rua do Duque de
Caxias n.,21,
PAIEL PARA ENFE1TAR-SE BOLOS
receben-es nuito lindos a Nova Esperanza, raa
do Duqnede Caxias n. 21.
PARA AMACIAR E A FORMSE AR A PELLE
tem a Nova Esperanca es sabonetes de pos de
arroz
GRANDE MBAffi
Quando a A6UIA BRRNCA, mais precisa scientiear ao respeitaTel
Ifleral, e em particnlar a sua boa freguesa, da irnmensidade de objectos qoi
ie tem rea do, justamentefqnando ella menos o pode fazer e porque a .
fontana ella confia e espera na benevolencia de todos que lh'a attendero e
continuando portanto a dirigirem-se a bem onhecida leja da AGIA BRANCA i rx dr
Queimado n. 8, onde sempre acharSo abundancia em sortimento de snperiorid*! m
qualidades, modicidade em presos e o sen nunca desmenttido AGRADO E SINCERIDAIft-
Do que cima flea dito se couhece qne o tempo le qoe a AGUIA BRANCA f*
dlspdr, empregado apesar deseus cusios no desempenho de bem servir a aqoeUtt
bonram procurando prover-se em dita loja do que necessitam, entretanto son en
rar os objectos que por sua natureza sao mais conhecidos ali, ella ':Jwti"
cara aquelles cuja importancia, elegancia e novidade os tornam recoDMMidavm,
bem seja :
Corpinbos de cambraia, primorosamente
enfeitados com fitas de setim e obras essas
coja novidade de molde e perfeicSo de ador-
nos os tornam apreciados.
Fitas mni largas de diversas cores e qua-
lidades para cintos.
Loques uesse objecto mnito se poderia
dizer querendo descreve-los minuciosamente
por suas qualidades, coree e desenbos, tal
e o grande e variado sortimento que acaba
de chegar, mas para nao mssar o preten-
dente se lhe apre sentar o qne poder de
melhor.
ntremelos em pecas de ti tiras.
Guipnre branco e preto de diversas qua-
lidades e desenhos.
Ditos de algodo com flores e lisos.
Veos de seda para cbapelinas e monta- nmvfottn\PTo~L,'
ria.
Capellas brancas pata
Grande sortimento de flores finas.
Fil de seda preto.
PERFUMARA
Grande 6 constante sortimento da
sempre aielbor (ualidade.
Lindos vasos com pt'w de arroz e
Csixfnbcs com ditos riroioslircs.
Bonitosemodorrn-s L.ntcs douradoopo-
ra circular o coque.
Bonitos brincos de plaqueo.
Aderecos e brincos de madreptroi
Caivetes finos para abrir latas.
Thesouras para frisar babadinbof.
Aspas para balio.
Novos stereoscopos com 48 viataa, a
quaes slo movidas por om
jiiaa i'
DE
musa
Sahiram luz
contradanqa.
piano por Colas fliho,
^3
i vendem maisbarat do que em -.otra qual-
quer parte.
CHITAS PRETAS A 200 RS. ti COVADO
No Bazar d. Pavlo vendo s3 chitas pre-
ALFAIATE
Por jaera se manda hzer com prestesa
e aceio qnaiqoer p-*c le obra a capricho
ou qo-to do freuuez. lando n'este importan-
te edas as qualidides >ie tas ioRezascom salpicos 2'-0rs. ocovado,
i hV as mei&ures' e mais moder- ditas tedas pretas, por estaremum pouco
n i : ivniras,assim como os melbores brins, russas, 12) o covado; pecbincba.
, qar 3 cor; e quanio qual- 0< projnetarios d e>te i -portante esta-
ib-*n5oficar iriifirameate ao gosto beliecimeoto rogan ao respeitave'publco. e
d:s re^ ezes fica por contado estabeleci- particularmente < Exma>. familias o ravor
ito. de se darem sempre ao trab loo de lerem
CHXLE-*. DR MER'N os seus annoncio.s, pel raza de muilos
O egot para o Barardo Pa^o nm elevan- d'elles serem mudad s atmu ladas vazes. .
i :ont' decba-e 11 merino de cores CACH-NEZ A 6($000.
mi; os e.xo p'ir9 para 'pi-dquer uma settora usar, ditos <'e grande^ cachi-nez de pura iS;, pelo bara-
crii n i s:as l seda o mais fino e to prci 'e BlOOit c^iia ota
mod-'i 'tem Mo ao mercado, e,ven- pehicncha em cambraias victorias, a 5l,
proco nri i > -'u vX)ota.
B\BA(^H)S
N'
u
e
qua
O
^o Piv3o vp'de-se om grande
a d smai-- fin s babadinbos boMa-
.. p 'rans i-reiies, assim nm-i
e norc'o '" ntr m dos largos
a acbar e vend '; iii
ai birtto d-j que em o
60, 75 8501 0.
Voode-se nui expler.ui o si>nim^Qto de
fioisomas camDnias victorias, psir- pnone
mai< bantas da qoe eoj ootr. qualquer
pane, e"df cada p*ca 10 jar as a 5,
6V'>o 6 75^,0. rjDWSTnasa --v.O ; todas
ata cambia as v^n natiit md< dmhi
e H.pii la ".-s.- .,!). ,i: p._,, .i re i
nina arante c ..-ora*que se fez ao B i
d. Pavao.
seda e veode-se pelo barato preco de 15,
o cavado, no Bazar do Pavao.
SEDAS DE QUADRINOS A 1180 0 COVADO
Veode-se un elegante sortim.nto de se-
das de quadriohos, com liodi-simas cores,
para vesiidos e rmpos de meninos, e ven-
de-se a 45 80 cad> covado. t' pecbic-
3' a no B izar do Pi\3o.
GRANDE PECHINCHA EM CAMBRAIAS TRANSPA-
ENTES A 45, 55,64, 85, K 1O5O0O
Vetidtf-se, fi.dssima> camb aias suiss.-s, de
muita ph^n'asia tendo 9 varas a 85500 e
10500o. Ditas bN o x.m tOjirdas fazen-
da muito nna a 55, 65 e 75000. Ditas t-
.issimas azul dinhas, que v, lem muito mais
heiro,.. 5 e 105 o : t idas estas cam-
b'ia*, em relajo a qualida le, pelos pre-
Oo-i aO'ma s5o mnig baratas do que em oa-
tra ijoalquer parle, no Bazr do pava
CAMBRAIA ALLEMAA C0 8 PALVOS DE LAR-
GIIA A 1*600, H E 230O.
Venie-se fini-s. n cambraia branca tran-
paente co n 8 palro-s de largura, que fac
lia ftz-r-se i m vertido apenas com 4
varas e h ,ui ia se a I 6t)0, ,5 e 2.550U
vara, fe-end^t .u- v le rnoito mais diohairo
E pecht ch^ -o ti.i ..r \ Pav3o.
CAUBRMA TIIAN3PARENTE
Peca a 45 hO
Vender raut* fi s pe.:as de cambr^ias
b'ancas iransp ro"t'.s, teu'loS li va.as ca-
la p'?ae ct/iu um v.f., ,ie largura a 45.
E ih'cIi ocha, 'ni Ba/>r i Pa^ .
A! rua da Imperatriz
n. 60.
As mas em
Linda qaadrilha para
Flor da Boa- vista, valsa: venda no (rande ar
mazera de pianos e e rausiens de Azeveio, raa
Xova n. U, hoja rua do Baro da vrctona,
H. C. Roga-se aos Sr?. a;sgnaates de manda-
ren) bascar as ne;as de saaa assignaturas.
Ultimas pnbi;cac5es da imprensa nacional
de msica.
N, 1. Piano. Aunetta, polka brilhante, por I.
Srooltz, 2J0O0.
N. 2. Piano. Minerva, polka brilhante, por Colas
Rlho, \S
N 3. Piano. Chlso Diabo, |wlfc o-ihante, par
-, 500.
l. 4. P ''. Unta lagrima, Mazorka, por Ma-
B ZonAL, Iff.
1. 5. P aao. Monte d Lope?, polka inareiil, por
***, -
.Y 6. l'iuu, La Gi4Uti Dclwai polka por La-
cien LamBer, 1J.
H. 7. Pian". Carmen, Anita, La Playera, 3 pol-
kas dos cavallinhos, .
N. 8. Piano. Le Souvunir, valse de saln, po
E. Casalbore, I*.
N. 9. Piano. Santinha, Maroca, 2 valsas dos ca-
vallinhos, UOOO.
N. 10. Pianr. Chant D'Oiseaax, polka, por E.
Casalbera, 1.
>. M. Piano. A Ut'ir da Boa-vista, valsa, por
los Coelho da S. A., 1-3.
N. 11 Lagrimas d'Aurora, Mazurka, por J. J.
P-, IX.
N. 13. A entrada de forro, qaadrilha, por Hen
riqae Albertazzi, U.
N. 14. Canto. Santa Lucia, barcarola napoli-
tana, por Genaro Arnan.l, 11
N. 15. Canto, Mai !a Aria, para M. S. M' aqqari
tutt' amor, de Flotow.
>". 16. As .ras em coniradanca, quadrilna, por
Colas Filho, la.
Meias de seda para noivas.
Ditas abertas de fio de Escossia.
Costnmes on uniformes para meninos.
Enxovaes completos para baptisados.
Vistas para stereoscopos.
Bonitas caixinhas devidro enntaeV
pedras.
Ditas de madeira envernisada com
ras e com dminos,
Bollas de borradla para brinqaedo
Touquinbas de fil, sapatinhos bordados, criancas.
e meis para ditos. Diversos objectos de porcelana, p-
Camisinhas bordadas para ditos. para enfeites de mesa e de lapinhaa.
P3
3 O COLLAR 9fi OBa
11\. 3 A RUA DO CABUGA N. 34. f
1 MOTO i H IOS l
Com este titulo acba-se aberto e inteiramente transformado este antif o
estabelecimento de joias, onde os freguezes e amigos encontrarlo tudo qnanlo
a moda e o bom gosto tem inventado na arte de our i vesana, o Collar de Ovo
observar delicadeza no trato e senciridade e modecidade nos precos.
Espera que o respeitavel publico venha ver o que existe de melbor em
aderecos de brilhantes, esmeraldas, robins e perolas, meios aderecos, pol-
ceiras, brincos, alfinetes e anneis de todas as qualidades, prata de le faqoei-
ros, colberes, palileiros salvas e ootros muitos objectos qne seria enfadonbo
mencionar.
Compra-se ouro, prata, brilhantes e pedras finas, pormaior proco do
que em outra qualquer parte, troca-se e concerta-se todo e qualquer objecto
pertencente a esta arte.
Lourenpo F. Mendes Guimares
RUA DA IMPERATRIZ N. 72
Tendo resolvido o sen propristario liquidar todas as fazendas existentes as lojs
Garibaldi e Arara, convida ao respeitavel publico, amante di economa, visi'arem
loja da rua da Imperatriz n. 72, pois s deseja apurar o dinbeiro.
Arara vende madapolao enfestado a 355001 Para lijuidar vende bramante de -
a peca, ditas de 24 jardas a 55000, 65j00, nho e algodao a 15800 n metro, dito d
65500, 75000, 85000, 95000, e 105000. ] linho puro a 25300, esta faznnda pro-
Vende-se cortes de casemiras de cores pria para lenfes e toalhas por lar 10 pal-
pan calcas a 45000, 55000. I mos largura.
Para liquidaco vende-se algodo de lis- Vende-se cortinados pan ~ama r"xa
tras proprio para calcas, camisas c saias
para escravos a 160 rs, o covado.
Na rua da Imperatriz vendase chailes de
merino estampados e de barra a 25000, liquidar.
25500 e 35"00. ( Vendeose cortes de cassa a 25100
Arara vende cortes de casemira preta corte s na liquidado a da imperatriz.
a 154OO o cortinado para liquidar.
Arara vende cortes de cbita s para
dos a 25500,25800 e 35200 o corto
para calca a 35500, 45000. 55i00, 65000,
75000, e 85000.
Para liquidaco vende-se brim pardo liso
bom a 500 rs, o metro, dito transado a
720, 900, e 15000 o metro.
Para a cabar vende-se duzias de lencos
brancos de cassa a 25000, e 356O0, ditos
de linho a 55000, 65000.
Na rua da Imperatriz vende-se cobertores
de algodo a 15400 e corbertas de cbita a
15500.
Para liquidaco vende-se cortes de casto-
res para calcas de homem a 500 rs.
A Arara vende1 chitas largas para vestido
a 240, 280, 320, e 360, rs. o covado.
O barateiro vende percalas finas para
vestido a 440, rs, o covado.
Vende-se cortinados para janellai a 64
a peca para liquidar.
ECONOMA
Vende-se 'uzias de collarinhos de pa-
pel a 240 rs. para acabar.
Arara vende lasinbas transparentes pin
vestidos a 500 rs. o covado.
Liquidaco, venie-se paraneito Bao a
25200, 25500, 35. 35500, 45 e M, pro-
prio para calsas e palitos j:or ser boa fa-
zenda e barato.
Arara vende cortes de hrm p-r* can-
sas de bomem 15500.
Vende-se cortes de pcalas de du?s saias
para senhoras pelo barato preco de a 65.
cadaum.
Grande liquidacSo de rorjpa faita.
*,
Ml
Cs.
cLs :i )r d. m m i'i
a. 6),
1 .u d x *
h-u rnastia^au^ luira
11 ute.
llCHIYtS PAR4
, COSTURA
Acaham de |,^. a,. CHANDE BAZAR
UNIVERSAL, rua Nova n. 22cabneiro
vianna um couipU-t sortimento de ma-
cbi lascara cultora, deis aut nheoido, a*ijnes sio era exposifo no
inesmo Bwr a rantm tos-e a sua boa qo<-
lidailrt, e uinb m i-nsim-se com perfeico
alodios os CiNnpiadore. EUs machinas
>a. ignava no sn, trabalho ao de lOcostu-
1 n s dufiaoiHiit<*4 a a sua perfeico ta
com. di m lb'>rcjistureirade Pars! pre<
.--nt".!- e .i-H'i>||,,.; HXi-iMii-id is pelas ut-s-
ii.-.-. que mut'd limrem agradar aos preten
'I- Mti-*
Em liquidaco vende-se alpacas para ves- Vende-se palitos de alparca e de
tidos de Sras. a 500, rs, o covado.
A Arara vende lazinhas para vestidos de
Sras. a "320, 400 e SOO, rs, o covado.
O Guimares vende morsulina de cor
para vestido de Sras. a 440 rs. o covado,
dita branca a 500 rs.
O Mentes vende fasta o decores par-j
vestidos de senhoras a 360, o covado.
O L 'urenco vende oassas finas para ves-
tidos 240, 360. 400 e 440 rs. o covado.
Arara vende alpacas de lista para vest-
dos de senhoras a 500 rs. o ovado, ditas e
isas a 500 e 640 rs. ocovado, ditas matisa-
das a 640 rs. a
a H.
Vende-se ditos de ganga para
a 25.
Vende-se utos de brim de 3lgodao bra-
cos a 25.
Vende s<> ditos de meii casemira 13|.
Vende-e coletos de brim de cores a !#
Vende-se ditos de meia cssemira a "SqO
Vende-se calcas de algodio azul a 5^0 rs.
Vende se dita d >. algoio de listras a 8oOn
V nde se dilas de brim pardo 25, 15600
e 25500.
Vende-se caifas de casemin de coro
6585.
Vende-se
r,- '""/I m-.i II.. (.. -u-iinM cora exc-Hen-
rh.rt.ir,,: a ,ralar na ntk Du de ^^
a. 53, utica.
Farinha da trra
mnito superior, depositada em barrica?, no arma-
zem do Sr. Angelo BapUiU do .Nasci meato, aop
do caes dos'vapores no forte do Mnttos ; vende-se
aos alqtteires, a tratar com Bernardo Jos de
Araujo no armazem do Sr. Annes defronte a al-
fa nde na.
>.M GAZ AZ
Gfcegou ao antigo deposito de Heary ftnnm
1, rua do Imperador, nm carrea analo ia os
le primeira.)U3iidad;oqual se vende ere |-araS^
1 a retalho por menos prpco do que om outt* 1
mercarte. '
rHFjjARAM' "EspeciaUdades.
v-4l.J-.UJ \J L \ M.%.1TULtJL r.ontiaaam .1 acbar-se a venda na rna
**o]Os instantneos aperfeiqo-
ados por preqo muito comu -
i"inti'.iuaii: .1 acbar-se a venda na rna Date
botiiia n. 88, i mu conh'cldoso-aerediuo aa>
nedios da vp|ime, e outrus ti?eios nriJniww
- feitos 'ifirN, bem omo o Tirnaae do -
leua le H. (lo.* na na >OVa n. ZO, loja (le frrr de Bl.-.ucard e as pilula^ (!' mesmo, i*sal
AntotiioPecIrodeSouzaSoaret. V^$>,!%:!SmB&
Bombas completas para c -
cimb, por dimmtr preco, na
mesma casa.
1
Jigarros da imperial
fabrica de S. Joo
H\v heni*.
><*8atioaiS
de
nico dep
lega velha r. t, t onda.
mntho ie Owrir, oulros med -a-neainn eq)a
nriifl-iun-ia i[>i-*0'to emnreg.iQ> *S a*ny*
vi.is .-.wnirit '"a. as ddr rlieaniattras W
iiiil.ii. o. (all
:
1
>u nao ii'i-- di 9 dWtoi Hm triVu ao-
.,m c uno as piiiVio deri)rmada* bratuM.i .
iavfs em *ua efllcaua nos neomn i-tm-
(!.: exi-Undo tamfeea m '-a
iaanildade,il
1(0 do tinta;), o.- -le a-
ijue se vendem per awroa > au





I

GAXDrOO ALBERTO SCffl*0 DA MOTTA Je C.
oom esarii le estiva
traves J^^^bnn para vender
Erv,
Fn*-cois tw/j).
Otro aculo (< ligeoUets).
Espasoot {Aspcrg s).
JffisfXANE* de tKCCiiEs {Macedoiiie teoumes).
StmoHks (Carotlxs). '
T CnuvsDs Bbuxkllas {Chotis de Bruvtilrs\
Alcachofa (Fonds d'arlicliants)
Espinafres (Eproarrfsi
OufflrMBLLt (CAomp/mions).
(Ce>).
Pastsis com trufkas (Pfi rrn0).
ATM COM AZEITE {Ton fl f>VlY) *
Twjvfas simpi.es (7V/r mi nurtirrl)
SApmmiA EM TOMATES (SwA'nr tic.)
'jauntiiu com tauivAs(GiiBiM acc tni/fec)
FAMGO (Pul/?/). '
Pombo com ERV11.11AS (Pigcon avec pois).
Gmainholas (Bfeaitonn).
Pbbsiz com azeitonas il'erdix arce olives).
assada ( rolie).
Axdorixha {Allouetle).
Codorniz (Gaille).
Lamprea (Lamprok).
Pic.uto {Andoui/leltes t.)
Salkicha {Saucissuno /.')
Cabxe gdizade {Ftincandeau O.)
B.ecebeu-se mais
*Im completo enriado MtHhMHHo piolados e doirados de diferentes qiialidados o es-
quistos desenlio?, proprio* para forro e guamieao
de salas, gabinetes, escriptorios, etc. Na remesa*
k artefacl0 tm havido o maior posto e capri-
cho da -arte donosso correspondente de Pars.
Com urna medica commissao sobre o custo da
ratinca vaodemo* este pape!, pois desejamos ter
eueclivaroeQte un deponto do>sa especia I idade.
o armazem de C-indido Alberto Sodr da Motta &
u, a travessa da Madre de Deus n. li.
Fumo e papel
Completo sorn'menfc) de fumo, tanto par cicar-
roa como para charutos vindo do Rio de Janeiro,
Babia e Rio Grande da Sol. Papel de seda, linho
e ajgodao. de differentes qualidades, proprioj pira
o Honeo de garres. Vende-se constantemente
oo armaron de Candido Alberto Sodr da Motta
& C : travessa da Madre de Deus n. i i.
OB ZAR
Diario de Pernaiubuco QuariX feixa 19 de Outubro de 1870.
^ iw ,

Jos de Sooza Soares <& C.
RA DO BARAO DA 'TITOIHA
(OUTtVORA NOVA)
Apresenta-se metaoi rpbozoado no.que'p.b- ha ver de mais bello eagradavel em fs-
zendas finas para Senhoras artigos de alta m. da em Paris tanto para senhoras como
P3ra bomens e meninos.
Mioaezas afarmadas, perfumaras especi ie, variedada de lmdos objectos para me-
amos e brinquedos para criancas.
GRANDE S0I1TIMKNT0
Continuamente recebido por todo3 os paquetes vindo da Europa aonde tem ha-
bis correspondentes.
Vende'so maito emeonta e maada-se p- mi casa das Eims. familias afim demelhor escolherem o que desejarem.
I r OE FAZENDAS E ROPAS FEITAS
Kua da lmperatnz n. 40, esquina do berco dos Ferreiros.
ni?
NOVIDADES
7 Ra doQueimado 7
Hoct a 0iProPfieUrio desle D0V0 estabelecimento cotnmunica ao respeitavel publico
aesra oidade, e especialmente as Exmss familits que est liquidando por precos bara-
tsimos as antigs azendas que existiam ne'te estabelecimento, alm das que abaixo
vao relacionadas, cujos pregos me-ecem tuda a alt.nco do respeitavel publico que nao
aeixara de com pequea quana refazer-se de qnalquer qualidadede fazendas que pre-
cise. Pievine-se tambom que a mesma loja tem feito sortimento de fazendas moder-
nas, e continua a sorr-se das do oais apurado e escolhido gosto, que vender mais
Darato que qnalquer ontra ioja.
com 18 jardas a 20800 a
30
FIO l'AHA SACCOS.
Vende se em casa de Okel Bidbss A C rua
da C.nz n. M.
A 8^000.
Vencle-e borgoins fraisoezes, ol)ra gasaiada e
maito bna, pelo dirainnl i prejo de 8 ; venbam a
lies, awes qne se acabem : na raa da Cadeia n
oO A, loja de miadezas.
Brins de Angola
OS LTIMOS LEGTIMOS
Vende-se em ea*i de T. Jefferies 4 C, raa do
(.omneroio n. 46 .
.Prelo a 34500
Vende-se -farel ero laMoa grandes a 3J300.
nosannazen^d- Tas<, Irmos & C. : na I'rac
do caes do Apolo. *

Btoleque
Precia-S3 alujar ou comprar uro moleqn e de
12 a lo aflnos, fiel e inteligente que sirva para
cralo, a-tratar na rna Nova n 10, andar.
ATTENCAO
E' ebegadu a este novo estabelecimento o mais bello sortiioento de fazendas
Mas, sendo sua especialidade enxovaes para noivado.
Vestidos de blond de.sda ricamente bordados.
Gorguro de seda branco para vestido.
Colchas de seda, pura, para cama com ricos desenhos.
Ditas de la e seda, id-m idem.
Ditas de crox, dem idem.
Cortinados licam-nte bordados para cama e janellas.
Croxs para cadeiras e sofs.
Vestidos de cambraia branca bordados.
Popelines de lindos gostos.-,
L5as do diversas qualidades, lindos eostos e moderna*.
Ricos b/nrous para passeio* eom listras-de setim.
Sabidas de baile o'queha demais rico.
Cretones para vestidos com lindos desenhos.
Camizps bordadas e sem bordados para senhoras.
Camisas bordadas muito finafc para Lmeos.
D tas inglezas para homens e meninos.
Seroulas de linho, e ura 'grande sortimento de roupas feitas e de fazendas que
eofadonho mencionar.
Luvas frescas dt Jonviu
Sortimento de tapetas para guarnices de salas, alcatifas para forro de sala,- e o
?rando 6ortiraento das acreditadas e verdaderas
Esteiras ta India
CASA CAUVIN a.
IRJECCAO
No armazem de Mills Lathar.i*A C
Cruz n. 38, rend se :
Loaa larga de 30 porgadas
Dita eslreita de 25 ditas.
Saceos vasios para assucar.
Sellins, silhOes e arrein?.
Vinh> de B<>rdaux lino em aiixa.
Sabao inglez em caisa.
Saboneies dito dito.
na rua da
SPharmaceutico priyitegiado
i suocessor
Boulevard Sebastopol, 53 3?A.RIS.
NOVAS ESPECIALIOACES A. WAR|NtB
Aprcsentdas i Academia de Si-ictias c jj tasliim, di-l-'r^if,
Sob a orina de I>.isiHj. dwr,K4i r dafcid par
CiUVnU fas;* ie moinemo w* s-j arOJ i
Prewntiv e curativa das HO;.ESTIAS CbHr.'iGIOSAS.
1
do TOlime ^r- M r-ln-in, iTihifb de
lllll.THO e SKIIIS6A ten f-l
graves locoavenleal de rra'ilidade.
'COTOJrtC Com 'onaa. r de volumr ie um Bi)rt".Motda
CO I UJ3 COTKNDO TODO 1RK lUETO.
COLLYRIO Contra as affeccois das Tralpbras,
preparado tok t neuna forna.
VINHO 30RDEAUX.
Vndese excellente vinlio BorHeaux em auar-
tolas e meias quartols : no escriptono de Conba
a Maata, rna do Viarpaez de Olinrta n. 40-
Farelo
4:200.
Saceos com 100 fibras d snperir arelo
dlo barato pietJ cima indicado, na rua
da Madre de Deus n. 7
BARTHOLOMEO l C
Depositarios geral para e BB1KII, e POttTL'CAJL
34, rua larga do Rosario. PIRNAMBOOO.
AlgOilaosinho
peca.
Madapoldo coestado com 12 jardas
e 30500 a peca.
Dito de 21 jardas a 5(5000 para cima.
Atoalbados de linho, o de algodo tran-
cados, e adamascados por precos cotaoio-
dos.
Chitas escuras e claras do 240 rs. o co-
vado para cima. .
Cambraias de cores miudinhas a 2i0 rs.
ocovado.
Ditas mais finas a 560 rs. o metro.
Baloes de mussnlina a 4 e 5t$0t()
Guardahapos de linho a 3^500 a du-
zia.
Bramante de linho a 20800 e 34000 com
10 palmos.
Dito de algodlo a 16800 o metro.
Meias para senhoras de 40000 a dtizia
para cima.
Ditas para homens de 3#000 a dnzia
para cima.
Ditas para meninos e meninas e todos
ostamanhos.
Colchas de fusto braoso de 30200 para
cima.
Ditas do cor de 3y000 para tima.
Toalhas de rosto de 500 ra. para cima.
Cobertores de la finos, a 80 e 100000.
Ditos encarnados a 40500.
Ditos de algodo a 10500.
Cambraia tapada muito larga com pre-
gas e bordado, propria paPe'Sa-as de sehho-
fas preco barato.
Laazinbas Iren'/es trancadas, com listras
largas proprias pa'ra sajas de baixo, fazenda
kiteiramenle nova a 590 rs. o covado,
Cambraias bricaVtFansparntes e tapa-
das de todas as qualidades e precos.
Lazinhas tapadas e transparentes de
militas diversidades de cores do 320 rs.
o cevado para cima.
Alpacas lisas e de tartajeares a 500 rs.
o covado.
Cortes de percala de 2Saiasa 40000.
Ditos de organdy de dito dito a 80000.
Corles de 13a da 'Escocia a Ditas em peca a 500 rs. o covado.
Chales de merino lisos a 20500.
Ditos estampados de 40500 para cima.
Camisinhas de cambraia branca transpa-
rente, bordadas com enfeites brancos e de
C-es a 30000.
ttrilnantinas brancas de 500 rs. ocovado,
Ditas de cores a 500 rs, o covado.
Lencos de cambraia de linho, e de es-
guio al o mais fino.
Lencos chinezes a 30500 a duzia.
Ditos brancos de algodSo a.205OO,mui
to finos.
Fil hranco e preto, liso e de salpico.
Cortes de cambraia, brancacom salpico do
flor.
Ditos de fil liso a 50000
T^rlatanas brancas, e de cores.
Jeitos de linho bordados e lisos de es-
gnio.
CjHBtsaa bordadas finissimas, proprias
para noivos com a competente grvala.
Punhos de linho para homem a 10 o
par.
Colariobojj de linho lisos e bordados.
Grvalas pretas e de cores, tanto em se-
tim como em seda, ha de todos os gostos e
feitios.
ROUPA FEITA E POR MEDIDA NA LOJA
DO PAPAGAIO.
So'imenlo ne roupas feitasde todas as
qoa.idades, e feitios, para precos comino-
dos, e quem comprar poreft) para negociar
ter um abatimeuto razoavel, grande sorti-
mento de casen.iras de cores com quadtos
e listras, casemras pretas, e pannos pretos,
azues e cor de caf, brins brancos, pretos
de cores e pardos, e manda-se fazer
qnalquer obra a vontade dos fregoezes,
quer para ;umens ou meninos, e por me-
nos proco que qnalquer outra olficiua, e
para issoa LOJA DO PAPAGAIO acha-semu-
nida de um bom mestre alfaiate para bem
desempenhar qnalquer obra da sua arte,
recahindo a responsabilidade sobre o pro-
pietario da loja.
Dam-se as amostras de lodas as fazend
a quem as exibir, ou mandam-se levar
loscaixeiros.
A loja do Papagaio acha-se aberta d
horas da minha s 9 horas da noote.|J
Francisco Teixeira Mendes.
3 portasn. 53,rua Direita, 3 partas n. &S,antiya\
foja do Braga
Vende-se superior farinha de mandioca era sac-
eos grandes : no ecriptorio de Antonio Luit de
0hyeira Azevedo 4 C, rua da Cruz n S7 nri.
meifo andar. *
CEMENTO
O abaixo assignado, dono deste antigo estabeleoimento, t-u '..
l
s
' i "a a;>r'--.o.ar rm .p.;:
tu
i
m
i-*mmvi .1 iianrlar bosear em
ii-iHMOeni.i dos Mineantes
a MUa nunierusuS 'liejiiezes,
rao por meiw> i) Or do que
'i-* ij:.!.i :-i-ar^:;' algod:
; completo sortimento de erragen9, raiudezs e cotieria, tem
; diversos pernos da Europa os tnelhores objectos de seu es-
mais conhecidos ; pelo que convida ao respeitavel publico >
virem se servir dos objectos de sna carencia, anda encone
; em ontra qnalquer parte, ura sortimento completo do machi
do bem conhecido fauncante Cottorr Gin 4 C, d.ias para costura, motores t
ditos para fogo morabas p,ra caf de todos os tarnantios, da fabrica do Japi'Xn JrdM
dous canos e do um, tanto inglezas como traieezas, ouca de porcelana, SSaViSfaS
de diversas qualidades e precos, bandejas chineas, salitre, bren, barbante, exofre ofu e
luna ha de ferro, ac e agolha para fogueteir, ; assim como encontrao co^tafl!
mente grande porvao de fogo do ar, e reeebe-se encommenda de fogos de vista alem de .^m
cera numero de objectos, qoe se tornara enradoiilm numera-b* : Vb-.m a7 roa &?n
o, loja de Lenidas Tito Loureiro, antiga loja do braga. D'
JSk
5rr.daneiro P?rllan'1 S se vende na rna da
Mra ue Dos n. 2, armazem de Joao Martin de
ffiilho.
CASA CAUVIN AJBHH
Rival sem segundo, Rival sem segundo
rua mqiiiiii: < a vi a* m. 40 rua do duque de caxias n. 49
I Alllififa rila % Unmfa] Eslou disPst0 continuar a vender toda!
liiiiiga 1 ua 00 vuciiflaijv; a8 miljdezas pe|0S baratissimos precos abai-
Co.nt,nua a vender todo todito b'om e xo declarados, garantindo tudo bom e pre-
eos admirados.
1120 Duzias de palitos seguranza a____ 420
Duzia de palitos seguranza caixa
0ALIJG1LANTE
Rna do Crespo n. 3
Os propnetarios desie bem oheei,''o eMttwu.
cimento, alm dos nitritos objerto q ^S
postos a apreciacio do respeitaTel pnhie !
daram vir e acabam de receber pelo nitim va
da Europa ura completo e vanado -"immii i.
finas e mui delicadas especialidades, a* ipiif **.
tao resolvido a vender, rimo de en coKst^,
por precos muito baratinhns e eooHBudoa p*n l.
dos, com tanto que o Gallo..-
Muito superiores luvas de pellica, pretos, brac-
eas e de mui lindas cores.
Mui boas e bonitas gollinhas e njpros pare. -
nhora, neste genero o que ha de mais moernc.
Superiores pentes de tartaruga para cogito.
Lindos e riquissimo? en miles para :aJjeca x
Exraas. senhoras.
Superiores trancas pretas e de edre- com Tidr-
Ihos e sem elles; esta fazenda o que poe lur
de melhor e mais bonito.
Superiores e bonitos leques de madrererot
marbm, sndalo e osso, sen*, aqnelles breare*
con lindos desenhr s, e estes pretos.
Muito superiores meias fio de Escossia para *~
nhoras, as quaes sempre se venderam |r -V- r
a duzia, entretanto que nos as rendem< por V>i.
aira destas, temos tambera prno jort;
outras qualidades, entre a' quaes algunas r
finas.
Boas bengalas de superior tanna da ,'odti
castao de mariim com lindas e encantadoras 8g-;-
rasdo mesmo, ne lide desejar ; alm dostas temos tambem gr
Suantidade de outras Bjaattfaii s como tejan.a*-
eir, baleia. osso, borracha, ate. etc. ele.
Finos, bonitos e airoso? chicotinbos de eadea
de outras qualidades.
Lindas e superiores ligas do seda e borrsefca
para segurar as me,-,.
Boas meias de seda para sen hora o para m t >-
as de l a 12 anuos ,'e da.
Navrlhas cabo de rnajiim e tartarnga par? fr-*
barba ; sao muito bor.s,e de mais a mais sao i
rantidas pelo fabricante, e nos por nossa vtz ton-
bem asseguraaiKs sen qn?.li!ade e decideca.
Lindas e bellas capellas para noira.
Superiores agulhas para iaachina e para cmz.
Linha muito boa de peso, fronxa, para enclv.-
labyrintho.
Bons baralhos de cartas para voltarete, aasta:
como os tentos para o mesmo fira.
Grande e vanado sortimento das melaores per-
fumaras e dos n.-'.ib.ores e mais :oDhe:iios per-
fumistas.
COLARES DE ROEK.
Elctricos magntico^ contra as coavulsoet.
facilitan] a denticio das innuct-nles criaacas. 9f-
mos desde muito recebedores dcstes pwfioai.-
collares, e cor.t"naaoi a recebe-los por kSm".
vapores, afir;, de qne nunca faltem no mereatli
eomo j: t m i, onteeido, assim pois poderlo aqu
les.q;.' vir ao deposito 4v ;
Vi8 1 rrc i'::rontrario de>tes verfc
denos ,.:-, 1 !u.-i."9 attendcad-e a* Ir.
para que kan : ;.,:: .>',,.;. .s,- -enderao MH nm or-
diminu' la
Bogan pois, ^ectoj que deii..
dettarado, -,,-,:, ;,, ,. e amigos a vtsx
comprar por prcros --"i< aleja lo cah
vigilante, roa 1 : r 7
muito barato a saber:
Libras de areia preta muito boo. .
Tesouras finas para unhas e costu-
ra a. 500
Papis de agulhas cancez^ a ba-
19o a......... (o
Caijas com seis saboualus e uta Jl)Ot>
Litus ile 13a pin bordar de tod-s
asidles a <......81JKKHJ
Carriieis de linha Alexandr a. |00
Frscos com azeite para machinas 500
Grvalas de cores moito Unas a 50<-
\eade-seem saceos grandes, de superior quaii-
dade e muito nove, por menos preco que em outra
qualquer parte : bb rna djVigario n. I, escrip-
tono de Jos Lopes G. *
Secretaria de fmo
Jwl6"^ e ?U h visu Msa doi importado-
res Shaw Hawkes & C, r-.ia da Cruz n. i.
CiL. NOVA M LISBOA
Veadt Joaqun) Jos Ramos :
n. 8. t andar
na rua da Cruz
PARA
o
}ia rua estreila do Rosario, sobrado n. 35 pri-
melro andar, lem capellas le saudades, de perpe-
tule sempre-vie e-du ernvos, proprias para
quem juizer botar d^s caucoabas, jcom as lias
e os letrerras, todo de gosi 1 e barato : quem
uiaer deve Tir comprar do di 5 em dlante Na
mearoa caMHnbequetes'de torda cera, e pre-
paraai'ae de cravirs naturae- para qualqaer effw
ta, bordam-se as fitas a ouro, o dore a Boomnen-
da ser feita tres Ras antes.
Pdtassa nova di Rtfssta a 200 rs. a libra.
Cal de.Lisboa.
6*ra*m vw.
Dita em grume.
ioao d.. Porv u|eiar engarrafado.
itodedilo Limo 1 lem.
Dito mus aiel de diversas m^rca? idem.
Dito tinto PabneMa superior idem.
JNio-tbtu y.^nortra Mab,
"Dito dit.. /airad!,, idem.
Mtohrr.neo CsnHiios Idem.
Caldeiras diJemiTatdriora eagenfw.
a rvS U,f, d* 0liveira F,lB0S & C ao largo
do Coreo lano n. 19.
Tiwi de Lisboa r

Pbarmaeeatico prlvtleBiado
successor
Uoulcvard Sebastopol, 55. PARS.
NOVAS ESPECIALIDADES A. IY1ARINIER
Apresentada a Academia de Scientias e ao Instila de Franca.
HkWAU momento ama soTurcl
MOLESTIAS CONTAGIOSAS
Sob forma de Pastilla, devedida e. doseada para (a ser de
n&VUitfTA E DHATrA das
MIOR-PniLTRO
do volume de um relogio, servindo
de Philtbo e Seringa sem os
Graves inconvenientes de fragtticutle.
Com a forma, e do volume de um Porte-JIoeda oolendo
TOBO WAtV-
COLLYRIO
BARTHOLOMEO 1C
ESTO JOS T0BO'~T%AHEfb'
Contra as affeccois das palpebras, preparado, sob a mesma forma.
Depositarios {eral para o BRAMIJL P4MKTtJ6AJL
3i, tua larga do Rosario. PEiBNAMBUOO.
WW'W. WWItN
n EHfiENHEIRO
Com fundipac
RUA DO BiRUM 52
Passando ochr-fariz.
Chama a aueecau dos Srs. de engeho para seus acrertilMOS maebimmrJs e
sotn especialidade para eas vapore qae ainda nmavez tem melhorado.
Os aperes forneoidoa por tila ej funecionaodo Ihe bio de fafcer maiher pre-
iiaco do que qualquer litopropiSo.
Deseja tambem mencioaar que tem fdiln urna reduccSo em seus presos; e que
tem prompto toia i pade de r-ittilniwi > e outros objectos para a afrlcditora.
^ iaiMiiiimt iiinnlan M(l | a,----------------*vAa^ ...^ ^
PHMSA
Cl ttAS n % K \ i II IIOVVS
DO
500
60
600
240
4001
200
200
500
240
500
720
4,5200
500
$00
40
24C
400
Grozas de boioes madepersla -
uissimos a.......
Novel!o de linha de 460 jardas a.
Gaixas com 400 envelopes muito
superiores a......
Pentes volteados para meninas a.
Tinteiros com tinta prta aSOrs. e
Pecas de fita elstica muito fina a
Lata com superior banha a 400 e.
Frascos de oleo IHiitocomo mtrifo
fino a.........
FVascos de macaca perola a. .
Fiscos de extracto' Multo bonitos a
Duzia de sabonetes muilo finos a.
Sabonetes inglezes a 600 rs. e. .
Frasco com agua de colonia Piver a
Dito de oleo babeza a.....
Caixas de lamparinas a. .
Sabonetes a forma menino muito
superiores a....., .
dartilbas da dootrina fazenda nova a
Libras de liaba sortidas de todos os
nmeros a.......1^800
Capachos muito bonitos e grandes a 700
Carriteis de retroz preto, oom 2
oitavas a........ 40
Agulheiros de osso enfwUdoa a, 840
libra de linha franceza superior
qualidade a.......2*420
CBixas de palito do ga*'>. 00
Ron- nte-rheiii4ttio()k
Remedio efflcacissime contra as dores rheuma-
Utas at hoje e aai coohecido f Mo% seus mara-
vflboso resoltados.
XAROPE DE AOWttO.-^ifi Um *j mWieliMen.
tds que suatiafa Has enJermlda le*, tosSe e
sangne pela bocea, bnaKhite^ dores e fra^aera
na peito, e-croboto e molestias de figado, que me-
IHor tem aprimado.
1 TINTURA DE MARAPUaIIA,- A cflltfre Iraii
d marapoama, crja energa e effleaeia as para-
lysias, intorpec'mieiW)! etc. et. rnuitoiSe'reeOm-
nlenda.
Todo.* esses preparados se eucontraml.ta phar-
jacia e drogara de Bartholomeu & C, uaioo-de-
isito n rua larga flp^Rosario n. &.
grande a................... aso
Frascos com le o baboza muito fino. 320
Pacote* com p s de arroz o me-
lhor que ha a-----1.......... 320
W albas muito unas para fazer
barba a.................... i #000
500
i
Nc plus ultra
Tirando immediaa*j)nto todas as caspas ecoceiras doattbelJos.
Depotto
rnente em casijltiDtortJaji4if:iW5cab4 de Pari.
Ru 1* de Matjo {tmii^ epo) n. 7 A l8 andar
Owteiro
Vende-se rap Paan Cordeiro Uno vlatado, em
jilas, meio grosso ^iagl'ihho : nO afipdltd da
r a do Vigario n, 11. anlar.
" '" ;' !::l|lll|ln"
Grande nwh\wstoL
Espanadores de paa
Caixn de linha bran do gaz a..
Vara de franjas de lidho para toa-
lhas....................... 160
Caixas com peonas d'aco de Perry
superiores................. 800
Lencos da cassa brancos e pinta-
dosa...................... 100
Caixas com 20 quadernos de papel
pautado ....... 700
Caixas com 50 novellos de linha
' do gaz a........ 400
Dozias de meias croas superior
qualidade a.......34006
Pecas de babadinhos com 40 va-
ras a......... 500
Pecas de tiras bordadascom 42
metros cada peca a 4500 e. 2,5000
Pecas de fitas para cus de qual-
quer largura com 40 varas a. 500
Escovas para unhas fazenda fina a 500
Ditas para denles a 240, 320,
400 rs. e....., 500
Pecas de tranca lisas, brancas e
de cores a....... 40
Duzia de linha frxa para borda-
dos a 400 rs. e..... 500
Pares de meias croas para me '
i nos diversos tamanhos a. 320
Duzias de meias brancas muito
finas parasenbora a. 4(5500
Pires de sapatos de tranca do
Porto.......' 24000
Pares de sapatos de tapete a. 4(J5O0
Dozias de baralhos para vultarete 34000
Silabarios portuguezes a. 400
Cartoes com colxetw carreras a 20
Abotoaduras para collete diversas
qualidades....... 400
Caixas com penna de ac rauRo
boa de 320 a...... 50C
Caixas com superiores obreiis a. 40
Dbzia de agulha pora machina a. 24000
Libras de pregos francezes todos
os tamanhos a...... 240
Pacote de papel com 20 quader-
nos ........... 400
Rbfma de papel pautado spr-or 14000
Resma de papel liso muito supe-
rior a ........... 34600
----- -
Fogo de patente.
nVende se ero caja dos. importadores Sltaw
Hawkes & C, roa da Crui n. 4.
mi
HALTERITK
Bu caltas
: No armazem da rua do
Otar*
PONtBS
i celes
e a rtala*.
"^JMhin
Vndese oleo de riciod :
liu da Rtoij a. i. I* aadar.
i'Cateia-ve.
Jeordeu: previtan
Bun do cj luaa < B. ir..
Novo e variado sortiaieato de {ariai
finas, e outros objec-
Alm do compIuU) sortioieoto *1:
marias, de que electivamente os 1..
loja do Cordeiro Prevjdeata, efla x
receber um outro sorra ai
notavel pela variedade d^ ob)<
dade, qualidades ecommod -1
eos; assim, pois, o Cordei.-. I
e espera continuar a merecer anr
do respeitavel publico en ge,-.
boa fregoezia em pari.it r,
tando elle de sua bec: c-johd
e barateza. fc.m dita V
ipreciadores do bom:
Agua divina de E. Coudray.
Dita verdadeira de Murray LaiimLa
Dita de Cologne ingleza, amaeaaa, ira
ceza, todas dos memores e mais acredita -r
fabricantes.
Dita de flor de larangeiraa. v
Dita dos Alpes, e vilete para toet.
Elixir odontalgico para cnaervac-o
tsseio da bocea.
Cosmetiques de sopericr qualidade 1
ros agradaveis.
Copos e latas, marore*: e arwwja, co
pomada fina para cabeho.
Frascos com dita japoniza, traaapais^
e OHtras qualidades.
Finos extractos inglezes, americanc
(rancezes em frascos simples eaof?do..
Essencia imperial do tuto e gradavei ..
ro de violeta.
Outras concentradas e d teiros igoa
mente finas e agradaveis.
Oleo philocome verdadeiro.
Extracto d'oleo de auperior qtuiidi
com escomidos cheiroafem fraseos i.t o.
rentes tamanhos.
Sabonetes em barras, maiores BMaort
para mos.
Ditos transparentes, redondos e em Cf'
ras de meninos.
Ditos muito finos em caixioba para ban.
Caixinhas com bonitos saboneta* iavUu
(metas.
Ditas de madeira invernisada contando f
oas perfumaras, muito proprias para p
lentes.
Ditas de papelio igoalmente bonitas, ta
bem de perfumaras firas.
Bonitos vasos de metal cotoridoa, e i
moldes novos e elegantes, com p d arre
a boneca.
Opiata ingleza e franceza pan
Pos de campbora e outra*
qoabdades tambem para dente*,
torneo oriental de Kemp.
Atada Mala coquea.
Um outro sortimento de coquea Ab 1
vos e bonitos moldes oom filete de driv
e algons d'elles ornados de floras a flb
sstio todos expostos i apredafio o faa.
ot pretenda comprar.
GOLLINHAS E PUNHOS BORDADOS
Obras de moito gosto a perfeicab.
Flvellaa e ttaa para iaataa.
Bello e vanado toiaaiWii ao taas obj.
toa, ficando a boa aaeomaaojjwao iocee
prador.
^nawiaaritafwmjay^
JoaquimSoitoie8 la-
vares d MeHo,
mPARA VKfDBR
em seu escriptor, anea doCorpo Sum,
n. 17 :
Pamo em olha
de I* e a* qualidade, e rende nm n uta
fardos a tona* do* Mmradora*.
Cal de Lisboa
ultima enera**.
PotassadftftosBift.
Parlaba ata.aaajadcea.
Vinho Bordeaua.
de 1' qaalid***. Todo e T*ae Mas-
ito doqo*
Veode-M
.jjjjJ-UdO,




"9"
8
Diario de Pernambuco Quaria eira 19 d
~.
kituhro de
1870

IHTEEATDM,
A Terra,
ESTUDOS GEOLGICOS.
(Concluslio)
Logo aps o encsrr.iraento
Do periodo secundario
Veio a trra novo aspecto
Con o periodo terciario.
O estido da superficie
rtludou loga inteiranunte,
E da vida as oondicoes
Soffrerain profan lamente.
Nos t-mpos mais at* istados
D'esse periodo immortal
(^essa toda a producto
Quer vegetal ou animal.
N'elles ludo tem o cunho
Da ceral dastruicao
tavida da trra immensa
.Na vvente ha' itacao.
So depois qne apparecem
Por successivts carnadas
Novas raeaa de animaes
Melhormente conformadas.
Nos precedentes periodos
Tinha a crosta consistente
.Mu diminuta espessura,
Era iraca e irresistente.
Mas no terceiro periodo,
Estanda ella augmentada
Por addieces successivas
Da massa solidificada
'Muto maior resistencia
Apresontou aos furores
Das materias- liquefeitas-
E gczes interiores.
E estes adquirindo
Maior volme e tensao
Deierminaram na crosta
l'roa violenta gxploso.
Ent3o os ma'rtos terrenos
De sedimento e goaniticos
Em varios pontos s'ergueram
Formando elevados picos.
Moitos pontos se cobriram
De moalanhas e vulcoes,
Formando longas cadas
suas ramificacSes.
A superficie do slo
Tornou-se pois desigual
Em proporco desmedid*..
Como nunca houve igual.
As aguas, que at fnto
Quasi uniformemente
Cobriara a cnosta solida
D'uma carnada pdante;
Violentamente atradas-
Para os mais baixos lugares,
Separando os continentes,
Foram formar grandes mares.
Urna grande consequencia
D'esse geral movimento
Fo ioeltnar-se as carnadas
Das rochas, de sedimento.
At enlo eram ellas
Geralraente horisontaes,
Mas depos do cataeiysma
Tem posices desigaaes.
assim que das montanhas
Sobre os flancos escarpados
Esses tenenos se acham
Mus ou menos inclinados-.
Em espantosas altura
Tem sido muito encontradis
Bancos de concha e mariscos
No fundo do mar formados.
E como est demonstrado
Qot as aguas todas do mar
Em tempo algom nao poderaos
tal altura chegar ;
E' isso anda orna prova
Do-grande des'.ocaroento
Qae solreram as carnadas
Das rochas do sedimento.
Em alguns pontos do slo
As carnadas primitivas
As ootras todas rasgaram
Gomo os denles as gengivas.
E' por isso que se en contra
Certos lugares formados
Por terrenos primitivos
A superficie elevados. .
as carnadas de granito
Essas grandes commecoes
Deixaram pontos abertos
Que sao chamados vulcoes.
Os volces sao chamms
Da central fornalha ardente,
Por onde se esca o excesso
Da materia incandescente.
J se v pois qne elles s3o
Para a trra indispensaveis
Visto como nos preservam
De cataclysmas notaveis.
D'este periodo horroroso
Os grandes deslocamentos
Produziram sobre as aguas
Muito varios movimentos.
E estes s se findaram
Quando, aqoelles terminados,
As aguas se equilibraram
Nos potitos mais rebalsados.
Mas antes d'esse eqtmrbrio,
Mudando a face do slo,
Ellas o foram alterando
De um polo at outro polo.
E' assim qae ellas formaran
Montanhas, valles profundos,
Ros, mares, lagos, libas,
E continente* rotundos.
Ha, pois, montanhas formadas
Do logo central na actfo,
Outras ha porm devidas
Das agoai escavsco.
As rochas d'este periodo
Foram pois constituidas
Por malarias mu diversas
Petas aguas condczidas.
Mas diverge dos terrenos
Dos passados precedentes
Em se acharem collocados
Por carnadas divergentes.
Nos primeiros era o slo
Quasi plano ioteiraineole,
E seus terreos dispostos
.Muito uniformemente.
Os terrenos do terrario '
Tem carcter mais local
Visto se terem denosto
Sobre um so pouco igual.
No principio do periodo
A vida orgnica cessou
Em cnseqtrench detj choques
Por que a te/ra. passou.
>
Mas, lo^'O que as condicos
Da vida se transformaran).
Os vegelaes e animaes
B'-m depressa se mostraran).
E d'uos e d'outros especies
De organismo mais perfeito
Povoaram os continentes.
Cobriram da trra o leito.
Nos dous primeiros periodos,
Onde a vida se mostrou,
Tinha pequea extensao
O Slo }Ur os conservo.
Qmsi todo era coberto
Por aguas, e os animaes
Eram amphibios, aquaticos.
De dimeoses coloesaes.
No periodo terciario
Foi a vida mais profuza
Ero especies Ufo diversas
Oue a nzo fica confusa.
Foi n'eilo que comecou
A ler vida o mastkodonfe.
Oelephanle, o'hipopthamo,
Mamouth e rinoceronte.
Elle vio tambem nascer
Toda a raga dos volateis
Desde os insectos pequeos
T as aves mis notaveis.
Inda mais, n'elle mostrou-se
fceixes. conchas e mariscos,
Amphihios de muilas formas
Morando em varios apriscos.
Grande numero das especies
D'esse periodo gigante
Inda hoja subsiste
C 'in pequea variante
Algumas porm perdern)
Totalmente os esplendores
(..loando soffrju nossa ierra
Coramoroes posteriores.
Dapos do tercio periodo
Veio logo o diluviano, ,
Que foi caracterisado
Por um cataeiysma insano.
Esse grande catactrsma.
Que foi o maior havido,
Destruio dos animaes
Um numero muito crescido.
A trra toda osciHon
as bazes convnlsionada
Quando pesou sobre eHa
Essa mole horripilada.
Inda urna vez o aspecto
De sua face mudou,
E a espada do exterminio
Quasi ludo nivelloo.
As aguas, violentamente
Expedidas de seu leito,
Invadiram os continentes
Com urna furia sem respeito.
E as suas correras
Horriveis, impetuosas,
Desaraigaram florestas
Seculares, numerosas.
Trras, rochas e montanhas,
Tudo foi logo abalado,
E de pedras grande numero
Foi por ellas carregado.
Os depsitos qus por ellas
Foram logo conformados
Diluvianos terrenos
Sao na sciencia chamados.
Um dos traeos mais notaveis
D'esses desastres gigantes
Sao as rochas de granito
Chamadas rocTtas errantes.
Ellas se enconlram soladas
No centro de vastos planos
Sobre trras terciarias
E em terrenos dHavianos.
As vezes ellss se acham
De cem leguaes affastadas
Das montanhas d'onde foram
Pelas aguas arrancadas.
Tambem se acha entr'as rochas
Dos terrenos d'essa hera
Os primeiros aerolithos
Cabidos da atmospbera.
Este fado mu notavel
Nos tempos da creaco.
Inda boje se conserva
Sem nenhuma explicacjo. J
Foi anda n'essa poca
Que os polos se gelaram
E qoe montanhas de gelo
Desde logo se formaram.
D'este grande phenomeno
De notavel compostura,
Qoe indica ama mudenca
Na terrea temperatura ;
Deve ter sido violento
E nao por graos moderados,
Visto acbar-se sob o gelo
Varios fosseis enterrados.
Se, elle os's gradativo
Os animis fosseis achados
' Teriam fgido tempo
De nao serem sote raaos.
E todava se encontra
as terrai ditas polares
Elephantes, que s vivem
Em climas mais regulares.
E isso msii corrobora
AopimSo geral
De que foi esse desastre
Q dilttm universal.

As opinioes porem divergem
Quauto causa qne o gerou,
Ms o fado existe sempre
Tal como o lempo o legou.
Mhitos suppoem qae essa causa
Veio de um deilocamento
Que da trra te ve o eixo
Em um azado momento.
Mes se o tal deslocsaento
Fosse lento' e graduado,
As aguas nao se teriam
Com torc precipitado.
E como tudo demonstra
Urna viva commocao,
Se honve urna tal roudanca
Foi rpida a sua acro.
Outors querem que dea causa
Ao diluvio universal
Urna serie de violencias
Do terreo calor central.
Grande copia de montanhas
Se erguendo sbitamente
Quer dos abysraos do mar
Quer mesmo no continente,
Pode ter a massa terrea
Moi bem desequilibrado,
Trazendo por consequencia
O desastre observado.
Mas, aleta de que tal causa
Nio podia ser geral,
Accresce qoe nilo explica
O polar fri glacial.
Portanto nos preferimos
A primeira opiniao
Que da polar temperatura
Demonstra a variaco.
Nessa tormenta causada
Pela agua em movimento
Muitos S' res pereceram
Em f rande constrangimento.
Alguns para se furtarem
A' geral innundacao
Nos mais elevados cumes
Foram ter babitacSo.
Outros, fogindo da morte,
Foram occultar seus receios
Ou as fendas dos rocheds
Ou das cavernas nos seios.
Mas l mesmo pereceram
Em massas amontoados,
Quer das aguas sb o fluxo,
Quer de fume devorados.
D'abi proveen encontrar-se
Grande porcao de ossamentos
De cavernas mulo vastas
Sobre enormes pavimentos.
Essas cavernas existem
Pela Europa dispersadas
E tambem em varios pontos
Da America sao adiadas.
E assim qae ellas sao vistas
Na Franca, Italia, Inglaterra,
Soissa, Allemanba e Mxico,
E n'outros pontos da trra.
Ao perodo diluviano
Seguio-se logo o actual
Entre todos o primeiro
E o mais monumental.
t.ogo qne fez-se o equilibrio
Da trra na superficie,
A vida segoio seo curso,
Teve o globo nova efGgie.
O solo constituio-se
Muito mais estavelmeote,
O ar tornou-se p'ra a vida
Moito mais conveniente.
O sol, qae logo brilbou
Com muito mais esplendor,
travz da atmospbera
Nos dando luz e calor ;
Tornou-se doce e suave
E menos aspbyxiante,
E favoreceu da vida
A expaaslo luxoriante.
E a trra logo eneneu-se
De animaes mais sociaveis,
E os vegetaes off receram
Alimentos mais saudaveis.
Tudo erafim se revesto
Do mais explendente aspecto,
Para de Deas receber
O Gibo mais predilecto.
Veio emfim ao globo o horaem
A cupola da creacSo
A' cojo servico a trra
Foi posta em con tribu cao.
Mas aqui surge um conflicto
Entre os homens da sciencia
Sobre a poca em qoe o horaem
Teve na trra existencia.
Ao diluvio universal
Foi elle posterior ?
Ou antes foi elle viudo
'om periodo anterior ?
Eis orna grande questo
Qoe nao tem sido solvida,
E qoe por moitos gelogos
Inda boje debatida.
Uns pensam com Alian Kardec
Qae ao diluvio elle segoio,
Outros, porm, n'outras eras
Dizem que elle existi.
O que 4 /acto que a questo
Tem mui pequea influencia
Sobre os grandes resaltados
Da geolgica sciencia.
Nos pensamos ser o homem
Ao diluvio antecedente,
E nisto ao divino Gnesis
Prestamos f reverente.
Nio se pense que s fllha
D'uma f exagerada
A crenca qae temos n'alma
Perfeitamente arraigada.
*-
, total
*B" i 'J
.TUU>M ti J UWh
Nio; tambem a sciencia '
Que nessa crenca nos guia,
E nos corvamos s prova
Da paleonttbgia.
Com effeito tera-se achado
Nos terrenos terciarios
Entre ossot |te outros rJl|(ii
Alguns buwanos ossarioi.

E o fado de vestigios
Do macaco ter se achado,
Antes que* pelo diluvio
Vosse o globo assoberbado ;
Augmenta a probabilidade
Da hypothese figurada,
Que por outras descobertas
Tem depos sido affirmada.
Mas, se no tempo terciario
O homem se fez notar,
Foi sem duvida j no m
Qu'aodo esta va lerminar.
S ento eram de fado
As condices climatricas,
Em conjundo harmonioso
Com as mais atmospbericas,
Quasi as mesmas que tem boje
O nosso planeta ousado,
E portanlo nelle o homem
Poda ter habitado.
Demais os seres dos reinos
Animal e vegetal
Com os do lempo que curre
Sendo idnticos em geral,
N5o ha nenhum impossivel
Em ter o homem vivido
Antes que o grande diluvio
Tivesse a trra envolvido.
Quaesquer qne sejam. porm,
As razes predominantes,
Viesse o homem depois
Do diluvio ou mesmo antes;
O que facto que somente
Seu papel humanitario
Comecou muito depois
Do periodo terciario.
E d'abi nos concluimos
Qne tal a nossa crenca
Que marcado esse tempo
Do homem pela presenca.
Os gelogos modernos
Divergem de opiniao
Das carnadas nos terrenos
Qaanto classificacJo.
A melhor, nosso ver,
Que posse a geologa,
E' fundada sobre as bases
Da paleonthologia.
Os terrenos se compem
Sobre os fosseis baseados
De cinco grupos orgnicos
Em tres series arranjados.
A'm destas, ootra serie
D um s terreno formada
Occupa a parte mais (anda
Da crosta solidificada.
Nos iremos nomeando
Por sua orden e valor
Os varios grupos e series
Partiedo do interior.
A primeiraa serie azoica,
' formada em sea total
Pelos crystaes e granitos
Do ttrreno primordial.
A segundaa paleozoica
Contendo o grupo primeiro,
Tres typos de bons terrenos
Abrange no grupo inteiro.
Sao estes assim dispostos :
Terreno de tratuif&o,
Carbonfero e ptrmiano,
Nessa ordem e posigao.
A terceira grande serie
Mezozoica noroeada
Por tres orgnicos grupos
E' oa sciencia formada.
Esses tres grupos encerram
Terrenos de typos varios,
Qoe formam com o permiano
Os terrenos secundarios.
O segando grapo encerra
O trias de gres calcreo,
Tem o terceiro o jurassico, .
E tem o qoarto o cretceo.
a
A quarta serie chamada
Kainozoica na sciencia,
Abrange do quinto grupo
Toda a vasta interferencia.
Este grupo emfim compoe-se
Das trras do terciario,
Do terreno diluviano,
E do actual ordinario.
Os terrenos primordiaes
Sao bem caracterisados
Pela ausencia absoluta
De seres org misados.
No primeiro grupo se acha
Poucos fosseis animaes,
Mas grande a collecco
De seos fosseis vegetaes.
Aqoelles sao : trilobitos,
Moluscos rudimentares.
Plipos e semejantes
E peixes irregulares.
Estes sao : flora moi rica
Em acrogenos virantes,
Principalmente no genero
Dos fetos arborescentes.
Tambem se encontra : coniferas
E varias equicetaceas,
Raras sigillanadas, .
E poocas lycopodiaceas.
No segundo grupo se acha
Melhor que no precedente
Vestigios muito notaveis
De vida mais persistente.' .
Abi se encontra: vestigios
De paseos d'aves gigantes,
Moluscos, reptis e peixes
De especies moi variantes.
Tambem se encontra a familia
Dos ceratitos chamada,
Crinoides da especie encrinus,
A' esse tempo appropriada.
Nelle ainda se observa
Coniferas particulares,
Principalmente do genero
Woltzia, mui regulares.
Finalmente nelle existe
J do periodo no flm
O mamfero mcrolesto,
Nesciencia dito assim.
O terceiro.grupo orgnnico
tem moito representantes
De animaos e vegetaes
as suas trras possantes.
llp^eontm grande copia
Da-reptis e plipos,
Algons grandes ammonitos,
E d* ourkos varios typos.
Entre estes se observa
Urna especie de voadores,
E alguns de grandes formas
Dos mares habitadores.
Tambem se en ontra em seu seio
Diversos pentacrinitos,
Belemnilos e grypheos
E varios apiocrinitos.
De mamferos didelphos
Inda s3o nelle encontradas
Especies bem distioguidas
Por mandbulas oa queixadas.
Completa o quadro ama rica
Collecco de vegetaes
Principalmente coniferos
E eyeaieos sem rivaes.
O qoarto grupo contm
Reptis bem monstruosos.
Molusco todos ammoneos
Cephalopodes pulposos.
Esses moluscos s5o todos
Da ordem dos ammonitos.
Scaphitos, ancyloceros,
Hamitos e baculitos.
Nelle s5o tambem achados.
EcMnodermes galeritos.
Varios typos de micraster,
E diversos ananchytos.
Contem mais: espongiarios
Notaveis fnraminiferos;
Mas tem ausencia completa
De aves e de mamferos.
Mpitas algas e coniferas
Inda nelle sao achadas
Pelos seas varios terrenos
Promiscuamente espalbadas.
De vegetaes angiospermes
Dicotyienodeos chamados
Nelle se acba tambem
Vestigios pronunciados.
Alem disso nelle existe
Crocodilloe precursores,
E variados moluscos
D'agua doce habitadores.
Finalmente o quinto grupo
Nos seus terrenos encerra
Fosseis, nio s dos vvenles
Qoe tem boje a nossa Ierra;
Mas tambem de varios seres
De especies variegadas
Qoe do tempo sob a aceito
Foram sendo aniquiladas.
Nos terrenos terciarios
Que deste grupo sao parte
Se acham destriboidos
Confusamente, sem arte:
Grande copia de moluscos
as agoas doces nascidos,
E mamferos pachydermes
D'alguns gneros perdidos.
Entre estes notaremos
O pakuoterium, o mastodonte,
O anoploterium giganteum,
O dinotherium e o lophidonte.
E' nelles tambem achado
O reino dos nummulitos,
Moluscos d'agua salgada,
E alguns typos de ammonitos.
Mas nelles nao ha vestigios
De grypheos e belemnitos,
Dos diversos txogyros
Nem de amoneos e rudistos.
Dos fins do periodo cima
At chegar o actual,
Ficando conprehendido
O diluvio universal;
Se acha nos seus terrenos
Muitos fosseis animaes
De.gneros desparecidos
E que nio tem boje iguaes.
Taes s5o pois : o megathertum,
O megalonyx altivo
1 O rinoceronte tichorrino,
E o Uphante primitivo.
Tambem sao nelles achados
. Por carnadas quasi alternas
Fosseis de especies perdidas
De carnisseiros das cavernas.
Finalmente nelle se acha
Attestando vassalagem
O homem mais antiquario,
Inda no estado selvagem.
as trras subseqoentes
Ao diluvio universal,
Qoe no nesso globo occopam
O grande tempo actual;
Se observa especialmente
O effectivo reinado
Do homemser mais perfeito
Ao universo outhorgado.
Tambem nellas s3o achados
Como nos diz a sciencia
Fossdis de todos os seres
Que boje tem existencia.
Mas algumas das especies
Actualmente existentes
Cada vez mais des'parecera
Dos diversos continentes.
Isto aosJeva suppr
Que i Mate natureza
Inda prossegue na obra
Da soa tmnensa grandeza ;
E qoe tempo inda vira
Em que os seres difusos
Por suas formas diversas
Por seos costomes e osos;
DeffirirSo dos qae boje
Tem existencia no mondo
Como estes dos antigos
i Differem aa forma e fondo.

E como jmente .a Deas
E' dado ler no futuro,
E s.elle pode a trra .
Ministrar [orto seguro;
Deixemos que os tempos sigam
Seo corso da eternidade
T completar oa destinos
Da terrestre humanidade,
-
Outubro de 1870.
?T?
ASSEMBLEA CERAL
Padecrr da commissAo respectiva aoaatE o
PHOJECTO DE REFORMA ELEITORAL AM1SC%-
TADO A 2 DE JULHO PELOS*. MWtSTBO SO
IMPERIO.
(Continuaco)
XV. Se, apurada a primeira classe da
votos, candidato algum alcancar o quocieota.
ser desprezada, e passar-se-ha i aporacaV
dos de segunda dasse; e se nesta idetico
fr o resultado, ser tambem desprezada, a
passar-seha terceira ; assim as mais.
< Na classe em qoe algom candidato ai-
cancar apenas o quociente, esse ser declara-
do eleito e as respectivas cdulas, formaado
turma especial, serlo consideradas cagla-
das, mas desi>rezar-se-ba toda a votacio res-
tante dessa classe, e aporar-se-ba a classe
imniediata, exclosivo os volos de cdula*
de turma especial.
XVIII. Os votos dados a inelegiveis nao
M'i'Su apurados, e a cmara municipal expo-
r circunstanciadamente na acia as razoes
do seu procedimento. A annoliacio devo-
tos por effeilo dff inelegibilidade dos vota-
dos, dar accesso ao immediato segundo a
ordem da apuracSo.
XIX. O nome de um candidato repeli-
do na ruesma cdula ser considerado nao
escripto, e assim lambem o qoe for dado a
individuo supposto ou a individuo fallecido
antes ou ao tempo da eleico.
XX. O erro de nome oa de qualqoer
dos qualificativos em algoma cdula. Dio
autorisa a nao contagem do voto, se eviden-
temente pertencer a om dos candidatos qoe
honvKrem disputado a eleigSo.
t Se, porm, algum oa algans candida-
tos excedarem o quociente, essa classe, tor-
nando se principal, dividir-se b em turmas
geraes, subsidiarias, e especiis se boove-
rem, como ficou determinado qoanto i apu-
rado da primeira classe, sem prejiizo de
outras turmas especiaes anteriores j feitas
por outros candidatos.
' < XVI. Na mesma classe, os mais vola-
dos toma rao os primeiros lugares na lista
dos eleitos apurados, e as differenses
classes quando estas funecionarem como
complementares, prevalecer a prioridad
na formacao do quociente.
< No caso de empate entre doos oa mais
candidatos na mesma classe, decidir a ser-
ie para a simples collocaclo oa lista, se to-
dos os empatados entraren no noaaoro fi-
nado dos eleitos: se, porm, for noeaaaa-
rio determinar qoal oa qaaes dalles deve-
rao ser considerados eleitos, prevalecer o
principio da maior votacSo na classe imme-
diata.
XVII. Se em nenboma dasse candida-
to algom obtiver o quociente, a lista dos
eleitos ser formada pelos mais volados da
primeira classe; se algom ou algans candi-
datos houverem alcancado apenas o ana-
ciente, prevalecer ainda aquella principio,
descontados aos votados na primeira classe
os votos de cedolas que em favor da can-
didatos j eleitos formaren) taima oa tar-
n as especiaes.
< Todo esse longo e complica dissimo
processo pode ser moito engaoboso, mas
na pratica offerecer grandes inconvenientes,
principalmente porque nao ficar ao alcance
de todoa.
t Acommissao, qne entretanto estudou-o
com toda a attem.ao, carecen de oovir o sao
autor para bem comprebend-lo. Difficil
na pratica, este processo pode dar lugar a
moitos abusos, qoe escapariam aos pro-
prios interessados, e mal apreciados pode-
o ser pelas cmaras legislativas, quando
lenbam de verificar os poderes de seas
membros.
c Demais, urna innovado qae nada
justifica : o autor do projecio affirma qne
est j em pratica na Dinamarca, e o mes-
rao parece diier Aubry Vitet; mas com-
misso nao foi possivel obter a legislaco
eleitoral desse paiz, de maneira qoe nao
pode apreciar devidamente o que all se
passa, nem se 6 como se pretende no pro-
jedo em questo.
Bolry defende o systema, mas pratica-
do por modo diverso. Cada eleitor vota
em um s nome, o candidato qoe obtiver o
quociente ser declarado depotado, os qoe
nao obtiverem sujeitar-se-ho eleico com-
plementar.
< Aubry Vitet, aoalysaodo e sostentaodo
o systema, diz : Ao fond, la pina s*ave
objetion combatir, c'lest le prjag. e*lest
la routine. Celh la, le temps seul peat l
rsoudre. Aussi, quelle que so la tont de
la cause sommes nous loin de rclamer mar
sotution prcipitte. Une reforme n'eat viable
qae lorsqa'eile est fronde sar le tempe et
sor les mceurs ; mais ce qoe nona poovons
demandar seos trop de prsomption. ce qoe
nous demandons iostamaent c'est qai'en na
condamne pas sans jojement. *
< Se em Franca os qoe jolgam callete
o systema do quociente nio ousam pedir sua
adopcao, nao ser a commissao quem pro-
ponba cmara qae o acceite : se algom
da a experiencia de outros povos demons-
trar soa praticabilidade e excellencia, sari
entio tempo de transplanta-lo para nossa
legislacio, se as circomstancias do pas
assim o exigirem.
c O projecto do Sr. Panlino de Soasa
comprehende o processo a observar oa for-
mac-o das lisias dos eleitores jure ffof
e organisacSo dos respectivos coUegioe; a
commissao, porm, nao entrar agora, no
exame desta parte, paramente regalamn-
tar, e agaardar a discasslo para eati
ferecer as emendas qae jolgae cooveoieose,
e bem assim come jolga neceasarim o oobra
aotor do projecto medidas que tendam a
melhor garaetir a quaflcacad das votaataa
e orgaoisacio das mesas parochiaes de qoe
tratam as leis em vigor.
t Em couclosio a >mmisao da pa-
recer : j^^^, ~
Que o projecto do Sr. denotado r
no Jos Soares d Soma entre na ordem
dos trabalbos.
Sala das commissoes, SO d agosto le
1870 A. da Costa Pn|o S3o.Jooo
Pinto Moreiro.Dr. J. A. Corran i OH-
veira.>A. O. Gomes do Castro.
Continuar-ie-tM.
-
Y: 00 MARIO HA D DUQUE DE C*IU


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EIJOAQ4TR_7JVILE INGEST_TIME 2013-09-14T01:57:19Z PACKAGE AA00011611_12241
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES