Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:12237


This item is only available as the following downloads:


Full Text
I
I

l. NUMERO 233.
A CAPJTAi E LGA2SS OVDS IAO SI PAGA POI
fc

SEXTA FEIM 14 DE OBTUBRO DE 1870
for irmm
*s i
Cada BMuatro avuiso
tJOOO
4*000
320
^?V
PASA DfiBXM E OBA DA PROVHCIA.
'or tres MM9S adiantados................. 61750
Por................... 134500
Por nove dito dem................... 20*350
Por um auno dem............'....... *7|0CO

Propriedade de Manoel Fig^ieira de Faria & Filhos.
'
A ACnfTBS:
Os Srs. Gerardo Antonio Alves & Filhos, no Para ; Goncalves & Pinto, no Maranhao ; Joaqnim Jote de OHvwa, no Ceara* ; AntDoio de Lemos Rraga, no Aracaty ; Jo5o Mara Julio Chaves, no Am ; Antonio Marques da Silva, no Natal; Jos Justina
' Pereira d'Almeida em Mamanguape; Antonio Alexandrno de Lima, na Paratrjfe ; Amonio Jote Gomes, jM ViHa da Penba ; Deiarmino dos Santos Bulco, em Santo Antlo; Domingos Jos da Costa Braga,
em Nazareth ; Francisco Tavares da Costa, e t9g$m; Dr. Jos Martina A#es, na Bahia ; e Jos Ribeiro Gasparinho no Rio de Janeiro.
paute emciAi.
IHIalfllerlo da fnicud.
LEI K. 18 JB DK 27 t SETKMBRO DK 1870. ~
Fita u des^ezu orft a rettitu ge-al do imperto
para o .i'xeracut U> IfJlUTi, otUras
procidencias.
i). Pe cu I, por raga d- Deu e unnime acela-
jara iIm pitres, I ik-t I .i' iv>iiMiiisiunal e de-
fensor perpetuo do BmsiI, fajemos vr a lodos o
nassos suT) iiii uc .1 a-->i!'uila geral dsoretuu e
nos queremos a le si-auiate :
CUITO.l I
Bespezn ya al.
Art. 1.' A despera eral do itnpeto para o exer-
cmi da 1871 1872 Ihada na quantia de
ri*.......................... 83,741:262*138
< __________.______
a qual ser distribuida pelos s< te diversos mns
(crios na forma especificada nos arligos seguintes
Art. i (i ministro e ler'relirio de estado dos
ne(^fc"iin iln Mi/ieri.i autorizado para despender
xoia ns obJKd' "li-sijiiadoi nos seguinips para-
graplus aqoautia de.......... 5,3 50:7893868
cm os oej mo designados no* esgninloe paragra-
phos a (|iijijtM A saber : anfc.
i.* Secretaria de estado,
'la do paz, hjfclbstve
para a acaantao relata
e memorias, que aa socieda
afcoKei milita da Stop* r~
publicado....................
2. Legacdea e consulados ao
cambio de f dinheiro ester-
lino* por IKJOO..............
3.' Embregadas em dlpwlfci-
lidade, moeds lo palz.........
4. Ajadas bio de 17 -diahelros ejterlinos
por 000..................
5. Extraordinarias no exte-
rior, idem...................
6." Ditas no interior, moeda
do paiz.....................
7.* Commissoes de limites e
de liquidncoes de reclamacSes
808:319490
A saber : /
1." Djticao de Su Mage.-tade
0 fasfnrador................. 800:0001000
1* Iku de Sua Magenta a
l&tmtcii................... 96:0001000
.'i.' Mita da prDoeza imperial
a Sra. 0. Isabel.............. 150:000000
4.* Dita da pnoceza a Sra. U.
l>wp "i.* Dna da prioei-w a 8ra. 1).
Jauuari i, e aluuuel de casa.... 10!:000-5000
6.* Dita de iua Miyesiado a
.Impc-ratriz viuva duqueza de
8raanr x.................... oO.OOOlOOO
7 Aiuieuto do principe o Sr.
I). Pdlr..................... 6:000*000
&.* Bti do priuclpti o Sr. U.
AuKusi....................... 6:000|000
9.* Biios do priciiio o Sr. 1).
Jos......................... 6:0003000
tO. Ditos do principe o Sr. D
Lui........................ 12:000*000
ti. I.i do principe o Sr. D.
Velinp.'....................... t2:0003000
18. Mestres da familia impe-
rial....................... 7:4003000
13. Gabinete imperial....... 2:071*428
14. Cmara dos -enadorer... 283:310*000
13. Dita dos debutados, seudo
4esde ja elTcctuado o p;ii{amen-
V di* ordivudo de 800*1)00 le
uto continuo ltimamente dis-
pensado do ezereicio, bem como
a despi?za de 2:400*010, votada
para a secretaria oa cmara,
a de 1:000*000, destinada
compra de livros da bibliorheca
da fuesma secretaria ; e flcando
uii.bem desde j elevada a____
7:200*000 a qunta para desp-
za de impressoe?, nas quaes se
comprehender a dos debates
da cmara, anteriores aos de
1837, formando annaes, como
os que ora se publicam anoual-
mente, dispensada a iaapresaio
das actas das sesses..........
(6. Ajudas de custo de vinda
vplta Jos deputados.........
1/. Conselho de estado......
18. Secretaria de estado.....
19. Presidentes de provincias
2*1. Culto pubiieo...........
21. Seminari-s episcopaes...
22. FaculJ.ide* dedireito-----
"2;. Ditas de me icina......
24. lo.-truccao prinuria e se-
cundaria A) municipio da cur-
te, incluida a quantia de......
1 >i 1*000 para exeeoeio do de-
o. l'O de 24 de agosto
de 1866.....................
25. Academia das bellas arles
ri. Instituto dos meninos
e*MS.......................
27. Dito dos sontos mudos..
28. Kstabelecimento de edu-
.andas no Para..............
29. Archivj pu'ilico.......
'. Biblioiheca publica, in-
cluida a quautia de 2:7863000
para o encanament) de gaz, e
lto-, elevado o ordenado do bi-
btottaaeario a 2.000* cotn a
obrigario de conservar aberta
a bibliotheca as tardes e noiles,
conforme o regulamento do go-
vs.no, reduzda a 1:400*000
a quota para completarem-se
co!lec;oes ora existentes, poden-
d>? a despeza ser feita desde ja 13:386*500
31. Instituto hiorico e geo- ^^
jfraphico bra ;2 Imperial academia de me-
.Ijciua....................... 2:0003000
33. Lyceu de arles e otllcios,
jt4eado a despeza ser feita des-
dla........................ 6:000*000
34. Hygienepublica......... 13.7603000
:::. Iastitato vacciuico....... 14:080*000
36. ltupeccao de aade do
0urt.M......i................ 23:2003000
37. Lazaretos.............. 7:000*000
38. Hospital dos lazaros..... 2:000*001)
39. Socearrbs pblicos e me-
Ihorainenlo do estado sanitario 120:000*000
40. Obras, podendo a despeza
mt leita desde j............. 250:000*000
M. Instituto coramercial..... 20:800*000
41 Eventaaes............. 15:000*000
400:0003000
54:2503000
48:000*000
161:2203000
233:210*000
1,134:899*900
115:000*000
173:2005000
216:910*000
485:181*000
37:560*000
46:718*240
25:712*800
2:060*000
13:920*000
140:143*000
461.07B4W0
13:999*91

60:000*000
0:000*000
23:000*000
48:000*000
Art. 5. 0 ministro e secretario de ei'ado dos
negocios da marinha autorisado a despender
com os objeelos designados nos seguintes para-
graphos a quantia de......... 9,778*833*261
f
3.'
nha.
o"
3.
6"
7.
8.'
A sabsr :
I.'Secretaria de estado... Ul:832|000
onselho naval.......,. 38:000*000
Quartel general da mari-
16:6975540
13:5393600
113:800*000
102:691*400
3:430*000
363:347*200
199:572*462
1 360:073*016
10:699*050
2,141:578*577
132:193*140
'1,572:145*425
37:802*600
180:711*200
121:254*820
Conselho sopremo militar.
Contadoria..............
Iolendencia e accessorioa.
Auditoria e executoria...
Corpo da armada e classea
annoxas.....................
9. Batalhao naval..........
10. C.'irpo de imperiaes mari-
nheiros......................
11. Compaohia de invlidos..
12. Arsenaes, sutiprimida a
despeza de 61:387*390 con) o
estaoelecimento naval do Itapu-
ra, que flea a cargo do ministe-
rio da guerra................
13 Capitanas de portos.....
14. Forca naval............
13. Navios desarmados.....
16. Hospitaos..............
17. Pharoes..............
18. Escola de marinha e ou-
iros estabelecimenlos cientill-
cos, sendo deste j 10:000* pa-
ra a creaflo de un extrnalo
no arsenal de marinha no qual
se facilitem os estudos prepara-
torios de matricula na escola
de marinha ; e flcando o' go-
verno autorisado para simpli-
ficar o systema de ensino da
msma eseola modillcando as
condjOes da matricula, e alte-
rando o regulamento, que
acompanhou o decreto n. 2163
do i.' de Maiode 1858.......
19. Reformados............
20. Obras, sendo 800:000*000
paaa melhorarrtento do porto de
Pernambuco, 40:000*000 para
escavacao e raelhoramento do
porto da capital da Parahyba do
Norte, e 2.000* para estado?
ncessarios, alim de reconhecer-
se a praticabilidade do plano de
arvores, que lixem as aras do
morro do Mucuripe, e impea que es ventos as levem sobre o
porto da capital............... 1,345:600*000
21. Despezas extraordinaria
eventuaes................... 280:OCO*000
50:000*000
1,708 890*766
dai horas do expediente.......
16. Despezas eventuaes, ata-
do 40 000* para diversa* e
1,668^810*780 espaciatnM pa-
ra dlftereuflas de eatr.
17. Premios e deacoafoj de
corre dea orptiSos............
19. Otras..................
. Extrdcioj nados........
II. Adia ntamento da garaatia
de 10/0 proTlnehies slrda
de ferro de Pernambuco.......
23. Dito da Bahia...........
23. Dito a do S. Paulo......
24. Reposiceae restituie9et.
18. Pagameato do empresiimo
do cofre dos orphos.........
36. Dito de bens de defontos
o ausentes, e do evento........
27. Dito de,s premios de lote-
ras.........................
38. Dito de depsitos de qoal-
quer origem.................
Art. 8* O ministro e secretario de estado des
negocios 4a aj-nculiuri, mmwuoreto e obra pa-
llucas, autorisado a despender com os objeetM
designados nos seguintes paragrapbos a quaatia
de........................
12.971:717*030
165:153*940
154:691*276
Art. 6* O ministro e secretario de estado dos ne-
gocios da guerra autorisado a despender com os
objectos designados nos seguintes paragraphos. a
quantia de.................... 12,S84:403*774
A saber :
Io Secretaria de estado e re-
partieses andexas............
2U Cooselho supremo militar
e de justica, e auditores.......
3* Pagadona das tropas da
corte........................
4o Archivo militar e ofcna
lilographica........'..........
5 Instrucco militar........
6' ArseBaes d* guerra, e ar-
mazens de arligos bellicos, etc..
x7 Corpo de sade e hospi-
taes........................
8 Exercilo................
9 Commissoes militares.....
10. Classes inactivas___
11. Ajuda de custo.........
12. Fabricas....-...........
13. Presidios e colonias mili-
tares, inclaindo a quantia de
62:387*390 com o estabeleci-
mento do Itapura, que tica a
cargo deste ministerio, e a de
11:448*800 para execaco do
decreto o. 2302 de 16 de novem-
bro de 1839, que creou caionias
militares nos campes do Er e de
Xag na provincia do Paran..
14. Obras militares.........
15. Despezas eventuaes......,
209:309*200
39:462*400
33:060*000
23:7703000
279:860*000
1,680:967*560
728:122*440
6,515:542*909
87:295*200
1,440:060*794
100:000*000
203:389*400
308:446*190
835:117*600
400:000*000
A saber :
1 Secretaria de estafo, sendo
desde j 10:000*000 para os
vencimentos Je seis praticantes,
croados pele decreto n. 4167 de
29 de abril de 1868 e de dous
correios.....................
3 Sociedade auxiliadora da
Industria nacional............
3 Acquisico de plantas, etc.
4* Auxilio ao Dr. Harlins___
5 Eventuaes, sendo 10:000
desde ja para acquisico de pa-
drees do systema mtrico, alim
de executar-se no municipio neu-
tro a le n 1137 de 26 de juobo
de 1862.....................
6 \< rdim botnico da. Lagda
de Rodrigo de Freitas, incluida
a quantia de 20:000*000 para
as obras necessarias abertura
da escola agrcola, creada pelo
instituto Bahiaho de agricultura
7* Dito do passeio pubiieo...
8" Corpo de bombeiros, sendo
desde j o augmento de 3:763*
para o alugoolda caaae conser-
vaco do mateVial............
9' Illuminaco publica.......
10. Garanta ne juros nas es-
tradas de ferro...............
11. Estrada de ferr Pedro II, sendo 34:050*000 logo
que sejam abertas as estnces
da Supucaia, Vargem Alegre e
Pnhsiros....................
12. Obras publicas geraes, e
auxilio s proviociaes, sendo des-
de j 200:000*000 com a estra-
da de Hatto-Grosso; 100:0003
para o prolongamiento da estra-
da de rodagem da capital da Pa-
rahyba do Norte para o interior
da provincia ; 26:254*185 para
indemnisaco de Horacio Green
A C. por exces-o da despeza
que fueran) com a ponte de fer-
ro sobre o rio Capibaribe, em
Pernambuco, segundo a deciso
arbitaal......................
13. Obras publicas do muni-
cipio neutro..................
14. E"golo da cidade.......
15. Telegraphos, sendo desde
j com o augment) do servico
133:000*....................
16. Trras publicas e coloni-
saco, sendo desJe j 500:000*
para auxilios de transporte de
colonos importados no imperio
por conta de particulares......
17. Calhecbese e civilisacao de
indios, sondo j 40:000*000 para
acquisico de misionarios e es-
tabelecimento de al Je uemos..
18. Subvencio s companbias
de. navegago a vapor, sendo
j comprehendida a importancia
do contrato de navegarn de
Montevideo para Malto-Grosso,
12:000* para a companlua Pro-
gressista de navegacao a vapor
na proviacia do Paran, 20:000*
para a companhia de navegago
a vapor entre os porto de Mos-
sor e Arraacao, e 30:000* para
navegacao do rio Jequitinhonha,
contratando o governo este ser-
vico cora a companhia que se
organisar e offerecer melhores
condicoes...................
19. Correio geral, sendo des-
de j com a reforma do pessoal
e do servico 162:247*220......
20. Museu nacional.........
170:000*000
6:000*000
50:000*000
10:000*000
30:000*000
44:000*000
10:000*000
6^:063*000
618:867*570
1,789:428*800
2,034:050*000
Art. 7 O ministro e secretario de estado dos
negoci s de fazenda autorisado a despender com
os objectos designados nos seguintes paragraphos
a quantia de................. 39,941:0355696
Art. 3.* O ministro e secretario de estado dos
negocios da Justina autorisado a despender com
i jbjeews designados nos seguintes paragraphos
a quantia de................. 4,026:162*530
A saber :
'!. Secretaria de estado..... 153:090*090
2. Tribunal snpremo de jas-
lira........................ 151:700*000
*3. Helacdes............... 441:940*000
\ Tribunaes do commereio 59:078*000
5.' Jostica de 1' instancia,
eduzida a quantia de 600*000
correspondente ao vencmento ,
i scrivo dos africanos livres,
ojo lugar llca sapprimido----- 1,392:740*000
9* Dspew seereu da po-
lica. .. .V.................. 100:000*000
17* Peseeal e material da po-
}jra.....................:.. 472:109*750
8. Guarda nacional........ 140:000*000
9.' Conduceio, ansiaato e cu-
rativo de presos.............. Ho\o7#wju
10. Eventaaes.............. 1:000*000
11. Corpo milita/ de polica 420:000*000
12. Guarda urbana......... 359:140*750
13. Casa de correccao da
drte..............V?T.... 183:490*030
14. Obras.................. 30:000*000
Art 4. O ministre e secretario de estado dos
negocios estraageiroa i aulorjwdo a despender
A saber :
del* Juros, amortisaco e mais
daspezas da divida externa fun-
cada, pertencenle ao estado, ao
mbio por de 17............
2* dem da interna fundada..
3 dem da inscripta antes da
emisso das respectivas apolices
e pagamento 'em dinheiro da?
quantias menores de 400*000
na forma do art. 95 da lei de 24
de oatubro de 1831...........
4* Caixa da amortisaco, filial
da Bahia, etc................
5* Pensiouistas e aposentados.
6- Empregados de repartieses
extinctas....................
7* Thesouro nacional e tbesou-
rarias de fazenda.............
8* Juizo dos feitos da fazenda.
9 Eta$5es de arrecadaco..
10. Casa da moeda e offlcina
de estampara e impressio do
Ibesouro nacional............
11. Administracao de proprios
naeionaes.s, e 3de {terrenos dia-^
mantioos....................
11. Typographia nacional e
Diario Official................
13. Ajuda de costo.........
14. GratiflcacOes por serricos
temporarios e traordinarios..
15. Ditas por trabalhos fra
1,000:000*000
397:338*000
875:2803000
433:0003000
1.331:300*000
120:0003000
3,004:000*000
932:987*660
27:180*$O0
Ar:. 9
quamia
RAPITl'LO II.
Rtceita geral.
A recita geral do imperio oreada na
de.................. 95,800:000*000
8,036:5604998
15,785:126*000
100:000*000
100:000*000
1,893:117*571
47:786*218
1,105:790*410
75:517*000
3,314:110*420
150:280*000
54:306*000
170:000*000
35:000*000
. 10:000*000
Art. 10. Esta recerta sera efTectuada com o pro-
ducto da renda geral arrecadada dentro do exer-
cicio da presente lei, sob os ttulos abaixo desig-
nados :
Ordinaria.
1* Direitos dq importaco para o consumo.
1* Expediente dos gneros livres de direitos de
consumo elevado a 5 0/0.
3* Armazenagem.
1." Premios de assignados.
5. Ancoragem.
6." Direitos de 15 por cento de exportaco do
Pao Brasil.
7 Ditos de 9 /-
8. Ditos de 1 1/2 /?
9. Ditos de 2 l/i /. do ouro em barra.
10. Ditos de 1 */ dos diamantes.
11. Expediente das capalazias.
12. Jaros das acedes das estradas de ferro da
Baha e Pernambuco.
13. Renda do correio geral.
14. Dita da estrada de ferro de D. Pedro 11.
15. Dita da casa da moeda,
16. Dita da senhoragem da prata.
17. Dita de liihographia militar.
18. Dita de typographia nacional.
19. Dita do fh'oro Officiat.
'JO. Dita de. casa de correccao.
21. Dita do instituto dos meninos cegos.
21. Dita idem dos surdos-mudos,
23. Dita da fabrica de plvora.
'24. Dita da de ferro da Ypanema.
35. Dita dos telegraphos elctricos.
'26. Dita dos arsenaes.
I 17. Dita de proprios rwcionaes.
Dita de terreno; diamantinos.
Dita do imperial cllegio de Pedro II.
, J/ros de terrenos e de marinhas, excepta
i municipio da corle e producto da venda de
se ou dominios uleis dliquelles terrenos de
lunas, cujo aforamento fr pretendido por
i de um individuo, a quera a tei nao mandar
preferencia, ou nao sendo esta requerida em
pP-', os quaes serio pastos em hasta publica
i serem cedidos a quem mas dr.
. katidemio, nao comprehendidos os prov-
ales de terrenos de marinhas da corte.
H. Dirima urbana.
|i. Dita de uma legua alm da demarcaco,
losupprimida na cidade de Niclheroy.
Dita addicional.
S- Matriculas das facilidades de direito e de
licina.
S. Sello iio papel flxo e proporcional, flcando
|luidos nesta verba os direitos que pagara os
jregos e ollkios de justfa e ecclesiasticos, e
azdos a 5 / pela mestna forma porque ac-
iment pagam todos os demais empregados.
17. Premios de depsitos pblicos.
38. Emi lamentos.
39. Imposto de transmsso de propriedade.
40. Dito pessoal.
Dito srbre industrias e profiss," s, ficando
oprimido o imposto sobre as fabricas da tocar
jlar algodo, de (erro, de machinas e de estalei-
re de construccao.
42. Dito de cnsuma de aguarientc.
i43. Dito dolado de consumo.
,44. Dito de 20 % dai loteras.
43. Dito de 13% dos promios das mesmas.
46. Dito sobre datas mineraes.
7. Taxa d.is escravos,
48. Veuda de trras publicas.
9. Concessao de penaas d'agna.
950. Armazenagem de aguardeute.
ol. Cobranza da divida activa.
Extraordinaria.
51 Contribuco para o monte-pi.
83. Ldemnisa^oes, comprehondidas as amorji-
tmfie* atrasadas do< em prestmos de 1851 e 1857,
qe lm de ser pagas pela Repblica Argentina,
na con! irmidade dos protocollos de 16 de abril de
1169 e 28 de Janeiro do correte anno.
54. Juros de capitaes naconae--, incluidos os
des mesmos emprestimos, nos termos dos citados
Btotoeolh*.
155. Producto de loteras para fazer face as des-
pezas da casa de correccao e do melhoramento sa-
natario do imperio.
56. Dito de 1 / das loteras na forma do de-
canto n. 2936 de 16 de junho de 1862.
67. Venda de gneros e proprios naconaes.
58. Receita eventual, comprehenddas as mul-
tas por infraccao de le ou regulamento.
Depoiilos.
A. Empreslimo do cofre dos orphos.
!. Bens de defacto* e ausentes, e do evento.
3." Premios de loteras.
4.* Depsitos de diversas origens.)
Art. II. O governo flea autorisado. para emittir
bhetes do thesoaro at a soiuma de 8.000:0003,
f wo MMieip^o de wceila no exercitio des-
ta lei.
CAPITULO III.
Disposicees geraes.
Art. 11 Contina o governo autorisado a con-
verter em divida consolidada interna ou exlerna
parte ou toda a divida fluctuante.
Art. 13. O saldo resultante da receita sobre a
despeza flxada ne3ta lei ser applicado wo resgate
do papel moeda.
Art. 14. Contina desde j em vigor a dispo-
sico do ari. 13 n. 2 da le n. 1245 do 20 de julho
de 18G5. ,
Art. 15. O disposto no art. 19, 1" da le n.
1507 de 26 de setembro de 1867 nao compreheh-
der os dotes ou doacoes, que aos Huiros se fa-
eam nas eseripMWae antinupciaes.
Art. 16. Faca revogado o art. 27 da le n. 107
de 26 de setembro de 1867.
Art. 17. E' autorisado o governo a mandar ap-
plicar a consignaco annua destinada ao paga-
mento do aluguel da casa e respectivo pesoal du
seminario da prorir-ria do Rio Grande do Sal, ero-
quanto esto nao esliver funccionanlo, ccntinua-
cao das obras do seminario em com-truccao na
capital da me na provincia.
Art. 18. Os vencimentos actuaesdos omprega-
do da ccniadoria de marinha e intendencia, igua-
lados aos do thesouro pelo decreto n. 4214, flcam
desde j na parle relativa gratilicacao equipa-
rados aos do thesouro, sendo o mais considerado
como ordenado.
Art. 19. Pica autorisado o governo a mandar
pagar pe"* roei. votados na prsenle lei a quan-
tia de 3:000*000, importan?ia dos vencimentos
alrazados do esenvo de africanos livres da corte
Balbioo Jos da Franga Ribeiro, em cumpnment)
da lei n 1732 de 5 de outubro de 1869. .
Art. 20. Ficam em vigor todas as disposieoes,
da le do ornamento antecedente, que nao versa-
rem particularmente sobre a xacao da receita
e despeza, e nao tiverem sido expressaineute revo-
cadas. ,. .
Art. 21. Ficam revogadas as disposieo-s em
contrario.
Mandamos, porianto, a todas as autoridades a
quem o eonhecimento da referida le pertencer,
que a cumpram e facam cumprir e guarlar tao
iniei ramele como uella se contm.
O secretario de estado dos negocios da fazenda
a faca imprimir, publicar e correr.
Dada no palacio do Rio de Janeiro aos 27 de
setembro de 1870, 49* da independencia e do im-
perio.IMPERADOR coro a rubrica e guarda.-
Visconde de Itaborohy.
Carta de lei pela qual Vossa Magestade Imperial
manda oxenlar o decreto da assembla geral, que
houve por bem sanecionar, fixando a despeza e
oreando a receita geral do imperio, para o exer -
cico de 1871-1872, e dando mitras providencias
como nella se declara.
Para Vossa Magesiade Imperial ver.Francis-
co Teixtira de igra e Otiveira a fez.
Chancellaria-m6r do imperio.Boro de Jftiri-
tiba Transtou em 28 de setembro de 1870./o-
t da Cunha Barbosa.
Publicada na secretaria de estado dos negocios
da fazenda em 30 de setembro de 1870.-* Se-
venan da Rocha.
pas especiaes (supplelorios) segando os annos a
que pertencerem.
N. 518.Offlcio ao bacharel Bento Ceciliano
dos Santos Ramos. Segundo eonsta do Diario
Oficial n. 99 de 29 de abril ultimo, fo Vmc. re-
movido por decreto de 30 do dito mez do termo
de Flores, para o de Sania Luna na provincia das
Alagas o qae Ihe commnnico para os devdos
iins. >
N. 319.Dito ao bacharel Francisco Luiz Cor-
rea de Andrade.Commnnico a Vmc. para os de-
vi los Iins que segundo consta d i Diario Oficial
n. 99 de 29 do mez ultimo, foi Vmc. removido por
decreto de 20 do dito mez, a sen pedido do termo
de Santa Luzia do norte na provincia das Alagdas,
para o de Flores nesta provincia, convindo que no
praso do decreto n. 4,302 de 23 de dezembro de
1868, entre em excercicio do dito cargo.
N. 320.Dito ao bacharel Sobasliao do Reg
Barros de Lacerda. Por decreto de 20 do mez
lindo, foi V. S. removido da comarca da capital da
provincia do Rio Grande do Norte, para a vara
especial do commereio desta cidade segundo cons-
ta do Diario Oficial n. 99 de 39 do dito mez,
sendo-lhe marcado o praso de 3 mezes para en-
trar cm exercicio o que Ihe communico para os
Iins convenientes.
N. 521.Dito ao commandante do corpo provi
sorio de polica.Poda Vmc. engajar no corpo sob
o sea comraande o voluntario da patria Luiz Jos
de Parias, de cooformidade com a sua infonnacao
em oii.-io n. 194 de 26 de abril dado, tendo ell
para isso a idoneidade precisa.
N. 522.Portara.O vice-presdente da pro-
vincia ltenlo ao que Ihe reqaereu Francisco Pe-
reira da Costa partidor e distribuidor do termo do
Bonito, resolve conceder-lite 3 mezes de liceuca
para tratar de sade onde Ihe convier.
3.* seei.o.
N. 324.Offlcio ao inspector da ihesouraria do
tazeda. Em vista da foltn e pret juntos m du-
plcala, mande V. S. liquidar os vencimentos re-
lativos ao mez de abril ultimo, do offlcial e pracas
da guarda nacional destacados na villa de Tacara
t e paga a sua importancia a Flavio Gonijalves
Lima, confjrm'e solctoa o respectivo comman-
dante superior em offlcio de 2 do correle.
N. 523.Dito ao mesuio.A Pedro Paulo dos
Santos mande V. S. pagar, depois de liquidadas
em vista das folhas e prets nominis juntos em
duplcala que me remetteu o commandante supe-
rior do mnnicipio do Brejo, com offlcio de 11 do
corrente sob n. 43, os vencimentos relativos aos
mezes de marco e abril doste auno, de offlcial e
[iracas da guarda nacional destcales villa de
Cimbres e Pesqaeira.
N. 526.Dito ao iospector da thesouraria pro-
vincial.Tomando em consideracao o qae exps o
procurador fiscal dessa thesouraria em offlcia de
II do corrente sob n. 96, recommendo a V. S. a
expedicao de suas ordens para que a collectoria
de Itamb, pague em vista dos competentes do-
cumentos, as despezas feitas com a arrecada-
So judicial naqoelle mnnicipio visto no dispr
e meios para isso o njudante do mesmo procara-
dor fiscal no municipio do que ae trata.
N. 527.Dito ao mesmo.Declaro a V. S. em
additaiui-iito a iniuba pur.Ui'ia de 6 do corrente, e
para os litis convenientes qtie tomando em consi
lindo sob n. 153 resolve nomea-lo para cxrtrer
interinamente e sem venciraento algotn, oai dos
lugares de repetidor daqnelle estabeleciroeojio.
EXPEDIENTE ASSIGIfADO PELO SR. DR. BA rUBCBI-
CO DE ALMBIDA E ALBUQUEBQUE, SEfRRTAllO a>
GOVERNO INTERINO, EM 17 DS KAIO DE 1870.
2.a setcio.
N. 538.Offlcio ao commandante snperinr 4*
guarda nacional do municipio do Brejo.O Exi.
Sr. vee-presidente da provincia manda decan r
a V. S. em resposta ao sen offlcio de 11 do cr-
renle sob n. 48, qoe a thesonrana de fazenda lem
cr.iem para pagar os vencimentos de que trata o
citado offlcio.
N. 539.Dito ao commandante superior da
guarda nacional do municipio de TacaralS.
Exc. o Sr.. vice-presideote da provincia manda
declarar a V. S. em resposta ao sea offlcio de 1
do corrente qae a thesouraria de fazenda tena or-
dem para pagar a Flavio Goncalves Limaos HB>
cimentos constantes do citado offlcio.
3* seccan.
N. 540.Offlcio ao procarador flseal da Ikesoa-
raria provincial.S. Exc o Sr. vice-presideau a.
provincia manda declarar a V. S. em resposta ao
seu offlcio de II do corrente sob n. 94, que the-
souraria provincial se expedio ordena para seren
pagos pela collectoria de Ilarab as despezas ie
que trata o cilado offlcio.
4* seccin.
N. 541.Offlcio ao Dr. Francisco Teixeira de
Sa, 1* secretario da assembla legislativa provin-
cial. N. 106.De orden) de S. Exc o Sr. vice-
presidente da provincia, devolvo a V. S. com a in-
formaco inclusa por copia ministrada pelo en-
genheiro chefe da reparticao das obras pnbiic*
em 16 do crreme n. 131, o requermenio de
Joaqun Lopes dos Anjos que acompanhoa o ofi-
cio qae V. S. me dirigi em 11 deste roes sob a.
48, o qual foi assim respondido.
PERNAMBUCO.
REVISTA DIABLA.
SUPPLENTES DE JIZ MUNICIPAL.Par aV
terem prestado juramento no prazo marcado o ri-
dados nomeados para l, e 5* supplenu
juiz mnnlcipal e de orphaos do termo de Naiareth ;
por portara da presidencia da provincia, de 10 d
corrente, foram transferidos para os lugares de 1.*,
! e 3. os que serviam como 3.*, 4. e 6.*, o no-
meados para preencher estes lagares. Fflurian
Jos de Mell., Thom Correa de Aojo, Antonio
da Motti Silveira Cavalcante Jnnior.
AUTORIDADE POLICIALPor portaria da pre-
sidencia da provincia, de 10 do corrate, fui n
meado Antonio da Molla Silveira Cavalcante, 4.-
suppleoie do subdelegado do priroeiru distrieto da
freguezia de Tracunhem.
ANNIVERSARIO.-CompleU hoje 52 aaa*i S.
A. o Sr. principe de Joinville.
FERIMENTO MORTALNo da 5 do ensnale.
em ierras doengenho Ubanninha, do termo de $-
de D. Eulalia Mara il >
derario o que ex pos o inajor Jos Domingues Co- ^- r*r inortalmenl com
diceira, no incluso reqnerlmento, resolv que os
200*000 vojados pelo 5 do art. 16 da lei do or-
camento vigente para a continuado das obras da
igreja de N. S. das Necessidades da Casa Forte,
500*000 cada una no principio de cada mez, e
dentro do actual exercicio devendo elle prestar
una s llanca por toda a qnantia quando tiver do
receber a primeira prestacao o prestar contas de
Pidas ellas no tim depois de recebida a ultima.
N. 528.Dito ao mesmo.Transmiti por copia
a V. S. para seu eonhecimento e ns convenien-
tes a dehberaeao de h >je junta por copia pela qual
resolv de couformidade com a le provincial tam-
bera junta por copia, datada de hontem e sob n.
9*3 abrir um crdito supplementar na impor-
tancia de 21:692*938, a lei do oreameiUo vigente,
o uual sera desiribuido pelas verbas constante!
da mencionada deliberago.
N, 529.PortaraC vice-presidente da pro-
vincia resolve de conformidade com a lei provin-
cial n. 913, datada de hontem, abrir um crdito
sn.iplemenlar na importancia de 21:692*938, a lei
du ornamento vigente, o qual ser destribuido pe-
las verbas abaixo declaradas:
irt. 3 2o 4 S *> 55j 2 16 i 2 19 | 2 9973751 68*963 237*660 20:000*000 408*564
4" 21:712*938 scelo.
Governo da provlaacU.
EXPEDIENTE, ASS4&NADO PELO F.XM. SRu DESKMBARIA-
DOB KRANCISCODK ASSIS PKRKIRA ROCHA, nCK-PBK-
SIDENTE DA PKOVINC1A, KU 17 DE MAIO DS 1870.
1.' seceo.
N. 517.Qrcnlares lodi os jnizes de direito
da provincia. Para que tenba o cumprimento o
disposlo no art 14 do regulamento de que trata o
decreto. 3,372 de 30 de dezembro do 1865, quan-
to a estalista judiciana desia provincia com rela-
qio ao anno de 1869, recommendo a Vmc. qae
al o ultimo lia do mez de julho prximo futuro,
remella os msppas qae Ihe cumpre ministrar a
esta presidencia vindo elles aoompanhados dos que
devem fornerer-as demais autoridades dessa co-
marca de conkirmidade oom dito regolamenlo
como j f ,t reoommendado em circalares de Mr
ae abril de- 1866 e ostros posteriores. Devo lem
arar i Vmc. que a estatisca que se tero do oon-
feccioaar do anno de 1*99, como flav Ma pelo
que todos aqaeH* jnlgeroentos e informaoSes que
nSo dfciasratJi.a elli ceajaiio devero- vir tn maf^
N. 330.Offlcio ao presideute da provincia do
"Rio Grande do Norte.Rogo a V. Exc. se digne de
fazer chegar s mos do juiz de direito da com-
marca dessa capital Sebastio do Reg Barros de
Lacerda o offlcio incluso.
. 531.Dito a cmara municipal do Recife.
Declaro a cmara municipal do Recife em resposta
ao sea offlcio de 6 do corrate sob n. 32 que ap-
provo a arremaco da obra dos concerios de que
precisa a ponte do Maduro, oa importancia de
515,8000.
N. 532.Dito a cmara municipal de Olnda.
Em vista do que expoz a cmara municipal da
cidade de Olinda em seu offlcio de 7 de aDrl pr-
ximo lindo, e da informacao ministrada pela the-
souraria provincial em 26 desso mez sob n. 351
eoneedo a autorisacao que pode para dispender a
quantia do 100* com a acquisico de um novo
retrato de S. M. Imperial, visto j estar em estado
de deterioramento o qne a mesma cmara possue.
N. 533.Dito ao regedor do Gymnasio.Tendo,
por deliberado desta data e em vista de sua
informacao do 15 de abril prximo Ando sob n.
155,resolvido nomear a Ignacio Vieira da Silva
Coquero para exercer interinamente e sem ven-
cimenio algum, um dos lugares de repetidor desse
estabelecimeato, assim o communico a Vine, para
seu eonhecimento, e alim de que informe oppor-
tunamente sobre o modo porque o supplicante de-
sempenha o seus deveres
N. 534.Dito ao gereote da companhia Per-
nambacna.O Sr. gerente da companhia Per-
namnacana mande dar uma passagem estado
at o Ceara a proa do vapor que tem de seguir
para o norte no dia 30 do correte a Maria Fe-
licia de Jesas molner do sentenciado Francisco
Goncalves do Nascimenle e a doas Albos menores
qaa sao indigentes.
N. 535.Dito aos agentes da companhia brasi-
lera de paquetes a vapor.Os Srs. agentes da
eompanhia brasileira de paquetes mandem dar
transporte at o Para por conta do ministerio da
guerra no vapor que se espera do sul, a praca do
extinelo baUlho n. 41 de voluntarios da patria
Gerardo Joaquim de Oltveira
N. 536.Dito aos mesmos.Os Srs. agentes da
companhia brasileira de paquetes mandem dar
transporte para o Cear no vapor qae se espera
do sul, por conta do ministerio da guerra ao al-
fares do extincto batalhao n. 42 de voluntarios da
patria Jo Pereira da Silva Guimares, e as pra-
cas do mesmo batalhao Joo Paulino da Silva,
Pedro Miguel Perreira, Francisco Lopes dos
Ondas e Jos Francisco,
N. 837.Portaria.O vice-presidente da pro-
viasia atlendnnao ao qae reqaereu Ignacio Vieira
da Silva Coquero, o ao qae informan o regedor
do gymnaaio.pro'riacuJ em 13 de abril prximo
Luiz dos Santos. O assassino foi em cennenir-
preso.
INSTITUTO RCHEOLOGICO E GEOGRAPHI-
CO.Rennio-se hratem, sob a presidencia do Exm.
conselheiro monsenhor Man: Tavares eom a-is-
lencia dos Srs. Drs. Snares d'Azevedo, Aprigh
Guimares, Raptista Regaeira, Joaquim P padre Lino do Monte Carmello, e nvijor Salvador
Henriqne.
E' lida e approvada a acta da antecedente.
O Sr. secretarlo perpetuo d conta do sajJMM
expediente ;
Um offlcio do Exm. conselheiw) Henriqne d"
Beaurepaire Roban, agradecendo a sua elei de
membro da deputagao de cumplimentar s. Eo
imperador pela lerrriinaro da guerra do Para-
faxj.Inteirado.
Outro da directora da sociedade Emmtipwm,
convidando o nslitnio a se fazer repre sua sesso magna.O Sr. secretario perpetuo da-
clara, que, tendo reeebido o convite na larde da
vespera da sesso, nao pode pela estrllela de
lempo fazer as commanicaeoes necessarias. anaa
de que all comparecesse urna commissio do /-
Ululo.
Outro do Sr. Jos Marcelhno Pereira de Vascon-
celos, pedindo ao Instituto Ihe queira remetwr
uma collecco de snas Revistas lrimensaes.l*-
teirado, e que se Ihe remeta a eolleceao pednb.
Outro do Sr. Fran* isco de Barro Falco de La-
cerda, offertano dous exempiares de orna nt furia
necrolgica acerca de sen finad pai ; o eorwel
Jos de Barros Falco de Lacerda Cavalcanli. In-
teirado, sendo recebida a oferta cora agrado.
0 mesmo Sr. secretario perpetuo mencin a*
seguintes offertas : varios ns. do Diario ie Per-
nambuco, pelo consocio Dr. Figueir ; alan**
ns. do Am/ricono, Uniao Liberal de AMfiV*. <
Mercantil de Gotianna, pelas respectivas redarroei-;
as seguintes offertas pelo Sr. acadmico Gaspar
Drummond Breve noticia biographiea do Dr. Je-
ronymo Vilella, pelo Dr. Antonio de DrnrmoomJ.
um impresso contendo algnmas poesas onVrca-
das quelle Dr., nm volme da traduce"n> da
obra Jess Chriso oh a critica moderna ; ara ej-
emplar do discurso pronunciado pelo (resenlr
da sociedade Emancipadora na sua priiueira ws
sao magna, offertado pelo Dr. Gervasio Can-p;Mo ;
quatorze relatorjos da directora da eompaafcia a>
Beberibe, offertados pelo secretario da aaesnaa;
ama nota de dous reales do thesouro do Parajraav.
encontrada bordo do vapor Marque* 4e Otini,
e offertada pelo capito Jos Mariano de Aibuiioer-
que; am exemplar do discurso lado peto Dr.
Aprigio Guimares no acto do donk ramelo d ba-
charel Antonio Carneiro Antones Guimares,
pelo mesmo offemdo : cutre discurso, que o Me-
mo Dr. recitou na ultima sesso magna do hai-
nete Portuguex de Leilora por elle ilsrinda;
um numero do Jornal do Recife, contendo a oa-
cao fnebre recitada pele Sr. padre Lm d
Monte Carmello, nas exequias, qoe a eawara
muoicipal mandn celebrar pelo rpous der-
oo dos que falleceram na guerra do Parafnav,
pelo mesmo Sr. offertada.Todas
sao rececebidas com especial
ge archivar.
O Sr. Dr. Portella, obtendo a palavra, de-tlara.
que a commisso nomeada para felicitar S. A. R
o Sr. conde d'Eti, pela feliz terminaco da |_
ra do Paraguay, curaprio sua missao, leude i
mo Sr. Dr. Portella a seguate alloeucao :
t Serenisrimo Senhor.^pi uta laIM do*
mais rentados combates, dos mais heroicos sacri-
ficios para desaffronlar os patrios bros oflenJid
pela audacia do lyranuo do Paraguay, nao podiatn
os Brasileiros deixar de possuir-se de nobre reg
sijo pela completa victoria de snas armas.
t Ao som dos hymnos feslivaes, com sjne ans-
cao inteira celebra com ufana lio expleid*
irmmpho, as associagoes luteranas, asomes!
que se oceupam da historia, por duplo noao, s
eoihusiasmam : co-partecipantei das gor pa-
trias, s no remanso da paiaparad* a peaaa *
escriptor pela espada do pernuo-^nvMmm *
seus annaes os feit- s dos sena h0-,._____. .
E, ppois, o Instituto Arckeehmoe GVearianW
Perntttiumcano, reeolbendo jtjbitoeo ejn i
i
poranea, om qne de um modo i
eripto o augusto nome do UJutre prinetaa
estas oBVirta*
agrado, e nandoa-


v-
indelevel vd-ss e*-
i


vj
Diario de Pemaipbuco Sexta feira 14 de Outubro de 187o
I
\
.
'!
ral em ohefe dos nosws exercUot, conferto-noe a
honrosa incumbencia de respetosamente paten-
tearoieuprofcado reconbeoirueoto p^a dedica
cao de v. A. R. causa nacional, e apreseutar
suas eracere* caagraiolacd pelo denodo com
que soub> ; engribaldar 'de novos loaros,
o estandarte ftnrdfieiro.
DjgOe-se V.A. R. acoiiier benignamente os
patriticos seotiraenlts 4o Instituto Ardunlogico 4
Geomraphico Pern,tmbwMo.
Rio de Janeiro, :t9 4eagto do 187*.Jan
wua Piret Machad Portelln, Jos Beato ia Cu
*a Figueiredo. Juo test ota ia Cunha forana
9*i, Jodo Alfredo Corriu dt OUveva, Joaqun de
Sonza Res.
S. A. se dignon responder, qae muito acradeaia
ao Instituto Archcolojici as cungratulacoes, que
Ihe dirigi principalmente, partiado de ama as
soeiacao to importante como coaaiderava o ditu
instituto.
O mesmo Sr. Dr. POrtella, rommunica, que.
sob proposto sua, o Instituto Histrico Brasileiro
ofTerece este Instituto ama colleecio de suas
Revistas, e que deix.i de apresenta-las na preseo-
le sessao, mas aue o far na primoira que houver.
Sao lidos e approvados dous pareceres da com
missio de admisso de socios, e em seguida elei
tos socio honorarios os Exm. 8r. vgario capilu
lar ioio Chrysosiomo de Paiva Torres, e coose-
Ibeiro Jos da Silva Hiendes Leal Jnior; e cor-
respondentes n< Srs. Manoel Pinheiro Chagas, i
Drs. Joaquiusidos Remedios Montoiro, Antonio Es
tevo de Oliveira, e Duarte Eslevio de Oliveira.
Levanta-se a sessao.
JURY DO RECIPE.-Entraram em julgamsnio,
no da 12, os reos Jos Baptista da Motta e Manoel
dos Santos Faiia, pronunciados no artigo 182 com
binado com o artigo 3i do codig* criminal. Fo
rain absolvldos.
Hontcm tu. snbmettido jalgamento o reo An-
tonio Gandolfl de Pietro, pronunciado no art. 438
do cdigo criminal. O reo foi absolvido.
MSICAS NOVAS.Para o armaiem de msi-
cas do Sr. A. J. de Azovedo, a ra do Bario da
Vetoria n. 11, elwzaram do Rio'de Janeiro pur-
Siide falsas, quadriihas, polkas e schoticks tir-
is da opera Guaran/, do maestro Gomes, pro-
dacedes estas qn? sb tornam reemmeadavrU as
seohoras do bom gosio. Tambera vieram culros
treehos de msica para nauta, piano e flanta, r.i-
beca e vlolao bem como collec'coe? completas do
Habaneras, mnsieis em grande moda no Rio de
Janeiro.
AGUIA NEGRA.A' loja de roiuiezas desta de
nominaco, sita ra do Cabug. acaba de chegar
um completo e variado sorliroltno* de (lores escar-
latas, tanw para o cabello como para chapeos.
COMPANHIA PERN'AMBUCANA.Boje o ul-
tiroo da em que recebem carga os vapores pojuca
e Giqui, para os portos do norte e sul conforme o
aoauaeio da raesma conpanbia.
ARCHEOLOGIA BRASILEIRA.-Na ses?o de
24 de setembro ultimo, da Sociedade Veltosiana.
no Rio de Janeiro, o Sr. Dr. Ladislao Netto, pro-
segaiado ua leilura da sua memoria sobre archeo-
I' gia orasileira, diz que ama das principaes ques-
lss qae devc ter em mira este ramo da historia
natural do Brasil verificar se esses vislumbres
de institnicoes civis e religiosas de nessos aborige
nes, observadas na poca da conquista, eram o
oomeeo de um desenvoivimento moral que pira
maito ou pouco lempo se Ibes antolhava, ou se
porventura nada mais representavam do quo as
ultimas centelhas de urna civilisaco outr'ora mu
prospera.
As su w proprias -Ciinjectuxa* conduzerano a
preferir a segunda d'estts dnas hypolheses. Quer,
porm, assim fo3se, quer o contrario se houvesse
dado, nao convm, como j disse, que nos limite -
mos simples presumpco e collecco areheo-
logica do musen competir nos annq par diante,
a importante e honrosa ras.-o de aclarar este
assumpto.
Uina prava de alguraa valia ni materia, em prol
do que cuida apropinquar-se da vordade, ser, por
exeropb, >e nesta collecco eocootrar-se urna pa -
tocio de. trabadlo nao manifestada Matea tres ulii
mos seculos pelos indgenas, ou se artefactos de
forma e natureza mais ou menos idnticas s dos
artefactos asiticos depararcni-si-nos, sob e-te
slo, inteiramente dffereutes,dos toscos produ los
da arte e da industria inigena que actualraante
conhecemos.
Na collecc&j dos vasos que desenhou e faram
deseriptos na ultima sessau da sociedade fora
possivel talvez enxergar indicios de um remoto
aperfeicoamenlo; mas parece-lhe cedo atada para
metter mies ao assumpiu, e por isso restrngese
lio smeate descrpcao dos objeitos mais nota-
veis da colleecio, os quaes se acnara figurados na.s
estampas annexas etta segunda e ultima paite
de sua memoria.
Batre estes artefactos notam-se um vaso toado
a conQguracao imperfeta de urna ave cora ai a as
meio abertal, por:n delicada admiravelmente
talhado em diorito compacto ftrappj. rocha du-
rissima; alguns gres da mesma materia e de
varias procedencias; muitas maos de almofariz,
de diarito e de argila compacta; lindissimos m-
chalas ja diorito, de quartzito e de ferro oligisto;
um sceptro mouolitho de ardozia composta cem i
metro e 7 centmetros de comprimento ; urna setla
de silex e ontros ubjectos dentre os quaes torna-se
digno de menea i um artefacto destinado occul-
tar o distinctivo do sexo as mulheres, o artefacto
HBiaa cas 4a a. Senia o chairo de carne quei-
osada, e vi os corpos dos qabitaates carboneados
junto s porta das saas habiueoes.
A guerra tora os sous rigores potm .u_
tem as suas regras lavradas ou lnis,da bonca
humaniflad. Essaa.leis, bavaroa e pi
que estaveis em Batellles, tende-as violada, man-
chando assim a vussa victoria. Applio para o
mando e para a historia qua ter de jaJgar*voa,
c. pergunto se tendea direiio de adoptar o prinol
pi, de que podis matar as muflieres a as crean:
cas de urna aldeia, oujos habitantes, vendo-vo
chagar, defjadem seas lares e a sua patria.
c De todas ai formas a goard. nacioaal ama
tropa lio regular como a qnarta ou quinta classe
ila vussa landwehr. Nem em nome do vosso espan-
toso systema tinheis dweito para incendiar Bueil
les. Maiastes, pote, por malar, e tendes-vos sor
lado cono selvagen, e nao como aoldades.
a Isto creio eu do meo dever cscrever para o
submetter apreciacio de todos.Duque de Fritz
James. >
A Gironde publica a segninte carta, datsdn
Je una aldeia dos Vosges, meio camioho de
Stmsburgo Phalsburgo:
t 28 do agosto de 1870 (Recebida em Brdeos
no dia 7 de setembro) Acabo de receber a vossa
carta de 26 de agosto. Dizem-nos que nos ret
remos para Brdeos. E' impossivel; ninguem se
atreve sahir nem levar cartas sena expdr a
vida.
c Na Alsacla vivemos chelos de inquietajoes.
fl- Prussianos quando encentrara as casas aban
llenadas forcim as portas, qoebram os toneis e
dcixain correr o viobo pelo chai. Nada toinain
pua si, porm o> gatunos, de que o paiz est
cheio, levam ludo. Exigom avuludas contribu
roes de guerra. O cantao de He^ehiin, por exem-
ul, leve que pagar 300:000 francos e o de Was-
lenne 120:000.
i Strasburgo defende-se com heroicidade; po-
rm as bombas prussianas teem destruido a ci-
dade.
Foram incendiadas Kmnigslioffoo, Schiliti
glum, Biscbeiui, Rebertsan e tudas ai aldeias que
roav.iam Strasburgo,
> Phalsburgo lambem se defeede com energa.
O* Prussianos tentaram ultimarneute um assalto,
mas al as mulheres e as crianuas se armaram
com machados e fuuces e cortaram as mos aos
Prussianos quando subiain pelas escodas.
i l'm capitao prussiano dizia honlem em West-
cliellen : < Nao era muito agradavol dancar ao
som d upadla, msica. >
LOTERA.A que so acha veada a 165".
beneficio da nova igreia de Nosaa Senliora da Pf-
nha. a qual corre no dia 17.
PASSAGEIROS.Sabidos para norte no vapor
Cruzeiro do Sul :
Josepb Krause Adolpho Kerli. Prederico Rohe,
C Kappalmom, E. A. Olonhafl, L. M<"yer, C. Diel-
gelman, A. Diedrcn, H. Spinteh, W. Bleirae. F.
Evenr, C. Lenkell, H. Llnd-berg, H. Hager, I*ac,
Cohein, o senador Fredeneo de Almeida Allmqoer-
ao*, loaquim Antonio Perjira Vinagre, Keleara
KaJedoy. Jos Antonio S.
CEM'ITERIO PBLICO.-Obitnario do dia 12 do
corrente :
Jeronymo Gomes d'A^sumpcao, prelo, Peroam-
buco, 60 anoos, casado, S. Jos ; bypertrophia.
Anna Rasa, parda, Pernambuco, 85 annos, viu-
va. Boa vista, hospital Pedro II; enterile.
Felicidade Perpetua do Rosario, preta, Pernam-
buco, 38 annos, solteira, Poco ; congesto cere-
bral.
Id''olina, branca, Pernambuco, 8 mezes, S. Jos
dyarrhea.
Um requerimeBto o Sr. vereador Hoscoso.
fiscal de Santo Antonio d a ra-
que na ra ao Llvramento
um obrado com quatro partas no
_________ r
CMARA MUNICIPAL.
SESSO
en |u>' se admira, nao s a excellenle quali'ad.
da argila de que Caito como tamDem e sobreludo
a perfeican e correegao do desenho que con-ta de
linnas pretas, rectas, quebradas ou parellelas so-
bre fundo branco.
MUSEO.NACIONAL.-O Sr. Dr. Ladisli Netto
conimuiiicou o seguiute n < Jornal do Commercio
da corte :
No momento era que rae oceupo de formar
no museu nacional urna collecco de anliguiJades,
exclusivamente brasileiras, eis quo recebo da Sr.
Dr. Manoel Basilio Portado dous bellos machados
di >rio, encontrados por e as trras de sua fazenda, perla do Juiz de Pora.
A colleecio que aliado acha-se actualmente
exposta na sala das antiguidades pompeanas, e,
sin receio de demasiar-me no asserto, posso af-
ancar-lhe que melhr.r e at igual a nao posee
museu nenlium da Europa.
t Do Sr. Manoel l'ereira de Mello Vianna, de
Sabara, recebeu tambera o museu alguuias deze
as de escolhidas amostras de mneraes da pro
vincia de Minas e do Sr. Dr. Francisco Pintela
Bueno, al.ai de alguns mneraes muito interessan-
tes do Cear, varios e curiosissimos objeclos to-
mados tribu Juma do alto Amazonas.
Entre elles, notam-se porlicularmente tre<
crneos haiaaios. ligadas por cordas de modo
seren trazidos s costas dos vencedores ; mu los
collares de deote de animaes diversos, e um ex-
clusivamente adornado de denles humano-, os
quaes me pirecem haver pjrtencido duas das
victimas faetaa anfopophagos. Por superstico
ou como Irephos conservara Ihes inteiras as fa-
ces, depois de cuidadosamente separadas dos cr-
neos, e tai bem preparados e embalsamados se
acham estes despojos qae, sobre ni terein chairo
algara de carne puinfacla, fcil fora reconhe-
cer nelles o* individuos a quera perlencerarn.
< Sao objeclos al hoje desconhecido* no museu
e que por is-o mais rafor nos vm dar collecci>
ihnographica que aiui temos. >
GEftRA FRANCO PUSSIANA. Os jiraaes]
francies publicara a segninte carta dirigida um
(felles felo duque Frilz James:
Chago ile Selan. I) nt3 separado do nos o valente. e infeliz ejercito.
Eoearegadn, com o principede Sagan, pola inota
da socielade internacional de soccorros ao feri-
dos, de iv. I '.car as inbaianeias onde todessem
ineihor prestar sorvicos, vi, desde Beaumttnt al
v-dan, tolo ev,.s caaiiios de batalha, irado os
nos-os soldados, upprimidoi pelo numero, cahiram
glori meme pela Franca.
t Muito palera dize.r, mas era presenga do* pe-
rigos que araeaoam o mn paiz, limit r-me-bei a
referir o qae se passou em Baieilles e a soltar um
brado de indign
Bazeilles e-t situad; junto do Mosa, oito
kilmetros de Sed\n. Na manhia do dia 31 do
agosto, os intrepilos habitantes d'esta povoa^ao,
vendo iine se aproximava o inimigo, vet.liram os
seus uniforme* de guardas nacionaes e ajudaram
o exerefto a defenner-su contra ura corpa bavaro
e contra a KrMa Shnelert, de Krfnrt, do qaarto
exereito da reserva prussiaua. O exereit francez
foi rep lilo. T) inimigo entrn era Bazeilles e
princioi ra o entii as leonas de h ,rror e exct
m iiuniero, q:;e mar iliarao para sempre aqo.
qae o eoramettem.
(h Bavams e os Prussianos, para castigarni
os habitantes qne se tinham defendido, lanoaram
fago aldeia. A maior parteaos guardas nacio-
naes tnham sido morios e a povoarao refugiar;v-se
no- ubierraoos ; mulheres e enancas todas fo-
ram queinidas. De dous mil h.hilante apenas
earara 300, que Contara torera visto os Bavaros
arrojareui familias in.eiras para as charamas e
fuiilarera mulbare ene lenuvam fugir. Vi, cota
os meas proprios olhos, as ruinas furaegantes
d'eKa desgranada aliluia, nao tondo noado uuia
I
ORDINARIA AOS 7 DE-OT-
BRO DE 1870.
PRESIDENCIA DO SR. DR. COSTA JNIOR.
Presentes os Srs. Dr. Hoscoso, Pessoa da Silva
Costa Moreira e Dr. Pitanga, abrio-se a sessio o foi
lida e aporovada a acia da antecedente.
Leu-se o segninte
EXPEDIENTE
Ura oiflcio do Exra. vice-presideote da provincia,
autorisaodo a cmara a rescindir o contrato do
planto de arvores, celebrado com Manoel Alves
Guerra.Ao procurador para se passar a essrip-
tara do contrato com assistencia do advogado.
Outro do rnestno, autorisanlo a cmara a fazer
as despezas absolutaoienie necessarias u> exerci-
cio de 1869 a 1870 coin o cemilerio.Ao procura-
dor.
Outro do mesmo, autorisando a cmara a elfec-
!'i*r o contrato de desapropriacao de 60 palmos do
terrena a razio de 15*000, que sito neeessarios
para a abertura de urna estrada, que se pretende
fazer, partindo da ponte de Uchoa em direccao a
Matriz da nova freguezia da Graca.[nwrada, e
que se commumqoe ao procurador e advogado
para dar as bases da escriptura.
Outro desta cmara, com despacho do Exra.
presidente da provincia, raandaudo informar qual
a disposicao de lei que autorisou as graliQeagoes
dadas aos liscaes, e separa ellas, assim como para
o pagamento do ajudante do contador consigoou
crdito a respectiva lei do orcamenlo. juntando
uina deiiii.nstracio da despensa feita pela verba
evenluaos e da que tem de se fazer.Ao contador
para satisfazer.
Outro ao subdelegado supplenle da freguezia do
Recife Joa.pj.im Aprigio Parlado de Menlmea.
cominunicando a:har-se em exercicio do sea car-
go. In lei rado.
Outro do liscal da freguezia do Recife, remet-
iendo um termo de inftaccao de postura contra
D. Tnereza de Jess Azevudo.Ao procurador.
Outro do engenheiro cordeador ipformanJo o re-
querimento d^ Ernesto A Leopoldo.Coocedeu-se.
Outro do mpsrao, ioforraanlo fovoravelmeato o
o requerimenlo de Augusto Cardoso de Athayde
Seixas.Mandou-se cardear.
Outro do mesmo informando favoravelmente o
requerimenta do Bario de Goyanua. Gonce-
deu so.
Outro do mesmo, informando favoravelinent; o
requerimsnto de Manoel Moreira da Silva.Man-
dou-se cordear.
Oulro do mesmo, informando favoravelmente o
requerimenlo de Manol Antonio da Cunha.
Concedeu-se.
Outro do mesmo infirmando favoravelmente o
requerimenlo de Jos Lueio Los.Mandou se cor-
dear.
Outro do mesmo, inorirando favoravelmeote o
requerimenlo de D. Mana Carneiro de Souza La-
cerda Vilia Secca.Concedeu-se.
Outro do mesa o, informando favoravelmente o
requenraento de Joao Carlos Bastos de Oliveira.
Concedeu se. ,
Outro do mesmo, informando favoravelmente o
requerimenlo de Manoel Marlius Fiuza.Cauce
den se.
Oulro do mesmo informando favoravelraeute o
reaueriraente de Joao da Silva Nabuco. Cance-
deu-se.
Outro do mesmo. informando favoravelmente o
requerimenlo de Ameriso Jos dos Santos.Cou-
cedeu-se.
Outro do mesmo, informando favoravelmente o
reqoenmenlo do D. Militma dos Sanios Jorge.
I^oncedeu-se.
Outro d i mesmo, informando favoravelmente o
requerimenlo de Adriano Angusto de Almeida
Jordi. Mandou-se cordear.
Outro do mesma, informando f ivoravelraente o
requerimenlo de D. Josplia Claudina Gome de
Quei ro.Concedeu-se.
Outro do mooiio. informando favoravelmente o
requenraento de Alfredo 4 C. Mandou-se cor
dear.
Outro do mesmo ioforraanlo favoravelmente o
requerimendo de Jos Camello do Reg Barros.
Conceden-se.
Outro o mesmo, informando favoravelraenla o
requerimenlo de Joaquira Luiz Vieira. Coace-
deu-se.
Oulro do mesmo, inf rmando favoravelmente o
requerimenlo de D. Carolina Leopoldina Jorge
Bastoa. Coneedeu- ae.
Oulro do mesmo, informando favoravelmente o
requerimenlo de Bernardo da Caoba Teixeira.
Conceden-se
Outro do mesmo informando contra o requeri-
menlo do Cecihano Rodrigues d> Passo.Couce-
V/j-se.
Oulro do mesmo, informando favoravelmente o
requerimenlo de. Til imanan Carvaiho Soaro* Bran-
dio Sobrinho.Ma idoa^e pagar.
Outro do ineMiio, iafunbanido favnravelineale o
i a qneriraenlo de Noberto Francisco das Cbagas.
Mnlo:'.-se pagar.
Oair> do mesmo, remoliendo o anjamento dos
neenas a fazer-se na lalriaa Jolribunal do jury
na importancia de lsaOOO --Mandoa-sa por etn
pi-JCa para o da 12 lo c Trente.
Um parecer do< vereadorpa -rtanga e Muscoso,
fazeudo observa^firts sobre o despacho do Exm.
pii'sidente da provincia, lanrado ua pfltioao do Dr.,
AQlonio de Vasconcellos Menezes de Brumtnond,
e pedm^o que taos obaervaedos sejam ofloreeida*
a consiOeracio de 8. ExcApprovado, e que se
tire por copia pan ser offerecido ao presidente. ;
IKSfil 8#-- *SS2. "5? WS era a,Tqae7cir-
i municipal do
tabn de 18W.l)r. Lobo Moscbao.
Ao flseal. i
Outro do nw*au>- Regaeii
ordeador if.tri a appruvada da
estrada de Paulino Caara, e se ha rn .na oe-
nio, alguma ajteracao a lazer na me*na, visto
do asscaiamento eos trilhos de ferro para Oliada.
-Pago da cmara municipal do Recife, 7 de ou-
tubro de 1870.Dr. Lobo Moscoso.Appr.wado.
Ao engenheiro.
Outro do eohor vereador Dr. Pitaoga. i Re-
queiro que o administrador do camiierio declare,
se verda pmtasse as grades de alguns tmulos particula-
res, de que se achava encarregado, e em que se
baseou para iso.Paco da cmara municipal do
Recifo, 7 outubro (le 1870.Dr. P.tanga. Ap-
provado, e que se ofOcie ao administrador.
Despacharam-se as pcticScs de D. Anglica Ber-
narda de Miranda, America Jos dos Ssuios, Agas
tinho Jas dos Santos, Augusto Candido de Atta-
hyde S;i.ias, Adriana Augusto de Almeida Jordao,
Bei nardmo de Castro Lima, Bernardo da Cunha
Teixeira, Carolina Leopoldina J >rge Bastos, Ceei
lano K iilrigues do Passo, Ernesto 4 Leopoldo,
lente-coronel Francisco Carneiro Machado Rios
Jnior. G. Wilhemer, Josephe Gomes de Qneiroz,
Joio Cudoso da Silva Nabuco, Jos Camello do
Reg Barros. Joaquira Luiz Vieira, Luciano de
Magali'ies Rbeiro, Manoel Francisco de Barros
Reg, Melctiua dos Santos Jorge, e Tnoraax de
Carvallio Saares Braodo Sobrinho ; e levantou-
se a sessao.
Eu, LonrenQp Bezerra Carneiro da Cunha, se-j
cretario subscrc^j.
Ignacio Joaquim de Souza Ledo pro-presidente,
Dr. Pedro de Athayde bfa Moscoso. Angelo
Henrique da Silva,-Bento Jos da Costa Jnior,
Dr. Prxedes Gomes de Souza Pitonga.
eumatanea nio besiuva S. S. ra cumprlr o sen
Approvado.v dever, eerto que o de er amigo e prente dos fi-
nados nio Ibe devia embargar. S. S. era medico
TnJ^^^^J00 '" Drs: ^SLfetociro pomvn^rinitmit^^rtm
6 sens primos, o com maior part -
& SESSAO ORDINARIA AOS 10 DE OUTUBRO
DE 1878.
T-nESIDENCIA D) SR. DR. SODZA I,EO.
Presentes os Srs. Dr. Moscoso, Gameiro, Dr. An-
gelo Jlenriques, Dr. Pitanga, e Costa Jnior, abri-
se a sessio que foi lida e approvada a acti da an-
tecedente.
Leu-se o segninte
EXPEDIENTE '.
Um offlcio do Exra. presidente da provincia, re-
metteudend i p ir copia o regulamenta expedido era
i do corrente, para execucio do contrato celebra-
do com o commendador Aitonb Gomes Netto, para
asseio e lunpeza desta cidada.Iiteirada.
Um parecer do engenheiro cordeador, observan-
do que para se de ignar definitivamente o? laga-
res, em que se devem collocaras lairinas, e ouri-
oatorios pblicos, myster que a companhia Dray-
nage, aprsenle as plantas e desjnhos dos edillcios,
qne pretendem construir para servir de latrinas,
ali.ii de te poder a vista d'eltes saber, so preju
dicam a regularidade e afotrao-eamento das pra
cas ; remeltendo nao ob.-tan:e um traco' dos Inga'
res, em que Ihe pareee conveniente a colloracio.=
A comrnissio de ediflsacio.
Outro do mesmo, informando favoravelmente o
requerimenlo de Manoel Jo da Costa Reg.Man-
don-se cerdear.
Outro do mesmo, infaman lo faviravelmente o
requerimenlo de D. Francisca Pereiru das Santo-
Bezerra.ManJou-se cordear. .
Outro do mesmo, informando favoravelmente o
requerimenlo de Luiz Preira de Mello.Mandou
se cordear.
Outro do mesmo, infirman lo favoravelmente o
requerimenlo de C'audio Dubeux.Concedeu-se.
Um ofilcio do admiuistniJ.w do cenilerio da fre-
guezia de S. Loureoiji da Malta, informando sobre
a representacio j.ue la a irraandade de Nos-a Se-
nhora d i Lifrtmealo laqueila freguezia.A com-
niasij de cemiterios de fora.
Urna representacio do dicer*i< uiara^ores da
Soledade, contra as irmaes Dorotheas, pelo deleixo
ora que fazem os despejos das aguas do servleo
daquallo estabeleeimento, ao quaes exalara um
cheiro pesliL'OCial, alera do imraundo lancainenlo
que forma n as proximidales das casas por onde
passara.A comraissao da sande.
Un parecer da commi-sa i de saude approvando
que se conceda licenja a Ferreira C'Wta 4 Irmios,
para esta hele rern urna pequeoa fabrica de serveja
no lugar do Mrquez do Herval n. 5, por ser e*te
lugar inteiramente approvaao.Approvado.
Ura requ' riment > de Francisco Antonio Alves
Mascirenhas, ps Jndo licenca para coacertar o at
trro e cae- por elle falto a margara do rio Cap
baribe na e-tr.iia 'lo Cabo;, que vai para o Man:
teiro.A comiissao de edillcacao.
Oulro de Jai i Athana-i > Boletn, pedindo que se
indefira o requerimenlo de Maucarenhas e expon-
do os motivos, qne tem para requerer uesse senti-
do.A commissao de edificacio.
Urna replica de Pe Iro Alexandrino Rodrigue?
Lins, insistindo em pedir providencias contra o en
coinraodo que ihe causa Joio da Silva Ferreira,
com a sua fabrica de retinar assuear na ra de
Marcilio Das n 78.-^A commissio de saude.
Um parecer da comraissao de edifuacio conce-
bido nos seguintoS termos:
t A commissio de edificacio, quera foram
presentes os requerim jotos de Belarrano do Reg
Barros, Jos da ai I va Loyo e Francisco Ferreira
Bailar, em que a petieio do Nascimento Silva 4
C, era que pedem, a melles licenca para em toda
cdade a {io ile carga para u< diversos pontos, e estes que
liminro seo pedidii a serein os triih.s sentados da
estaeai das Ciaco-Ponlas ao Retife para transpor-
taren! carga nesta direccao, de parecer que se
Ihes conceda a lijenea requerida, aposentando os
peticionarios na i s o plano do assentamento dos
trllh j-, como a tabella dos pfe^os por que devem
ser transprtalos o* gneros, aflm de que possam
tercomeeo toes trabalhos, urna vez que nio exce-
da o nivel do cairamente.
Paco da cmara municipal do Recife, 10 de ou-
tubro de 1870. Dr. Prxedes Gomes de Souza
Pilanga e Jos Maria Freir Gameiro
Despacharam-se as peticSes de Agostinho Jos
da Silva, Alfredo 4 C, Antonio Moreira de Men-
J mei, Ballhasar Goncalves Machado, os eonse-
nhores do sitio d i viveiro do Muoiz, Claudio Du-
be:;, FernanJo GuerriereHotalano, Ferreira Cos-
to 4 Irmao, Dr. Francisco Rodrigues Pereira,
Faustino Jos da Fonceca, Jos Carlos Bastos de
Oliveira, Jos Fortunata dos Santos Porto, Jos Ma-
chado Lins, o Dr. Joaquim Antonio Carneiro da
Cunha Miranda, Jos Lucio Lins, Joio Francisco
Paredes Porto, Joao Joaquim da Cota Leite. Lniz
Pereira de Mello, Lourenco Pereira Meodes Gui-
raaraes, D. Maria Carneiro de Souza Laeerda, Ma-
noel Antonio da Cunha, Manoel Moreira da Silva,
Kannel Jos da Costa R-go, Manoel do Nascimen-
Ribeiro e Paulino Herculano de Figueiredo ; e
levantoo-se a sessao.
Eu Lourenco Rodrigues Carneiro da Cunha, se-
cretarle, o sunscrevi.
Ignacio Joaquim de Souza Lelo, pro-presidente.
Dr. Pedro de Athahydn Lobo Mosdoso. Jas Ma-
ria Freir Gameiro.Dr. Prxedes Gomes de Son-
zi Pitanga.Bento Jos da Co.-taJnior.Angelo
Hanriques da Silva.
Mraefca, para que o criminoso nae escaparse
puuicfl da lei; e certameote (|ae 6. S., firmado
na certeza de ter havido envenenameoto, teria pe-
o a autopsia para averigoacio do
dido
jutoridade o foi do Dr. Victoriano, porquem ma-
nifeslava particular intotesse; 'era natural, nols,
qae ao traumento deste senh ir applicasse todo o
cuidado: entretanto, S. S. nem nanea manifeslon
a seus collegas a conviegio em qne estova de en-
venenamento. nem consu qoe honvesse receitado
no sontido de combater o mal, nem lolher-lhe o
progresso, antes cerlo, como afflrma o Dr. San-
tos Mello era ana ratificado, publicada no Diario
de Pernambuco de 8 de julho, que. apresentada a
idea de envenenamento a elle e a algun de seus
colleges, essa idea nao fra acceita por elles ; as-
sim como certo que S. S. estava rio longe de
suppr envenenamento, que se tinha mostrado
as conferencias partidista dotratamenlo por pre-
pararos* arsenicaes, e que al reeeitara um certo
licor de Isoard, cuja base o arsnico.
Nao acceitavel; pornto, a declarado de S. S.;
post mortem, em eontradiccio palmar com os seus
aeios, camo medico assisteute que foi dos finados,
em quanto elles viveram.
Neo crivel, por outro lado, que calculadamen-
te escondesse S. S. essa conviccao, para somente
manifesta la depois da morle de seus doentes, o
que era contrario ao seu dever de medico, do que
resulta evidentemente nao ter valor algura o seu
juizo, erabora naj contestemos qae elle seja am
medico disiincto.
Ev todo o caso, S. S. estova bem longe de sup-
pr que em lugar de se achar as visceras do Dr.
Victoriano esse veaeno vegetal e desconhecido
qae alladiram os Srs. Drs. Soulo e Sodr em sua
conversa com o Dr. Santos Mello, na Babia, como
consta do que este Srs. es :revea no Diario de 8
de julho, fosse cncontrado.arsenico em quantidade,
cujos symplomas sendo bera condecidosnio o fo-
ram por elle, nem pelo Dr. Santos Mello, nem pelo
Dr. Ramos, outros tantos Inraiares da sclenca me-
dica n'esta provincia, contribuindo elle proprio a
augmentar essa quantidade de arsnico encontra-
da as visceras do Dr. Victoriano com a prepara-
cao araenlcal de I-nard, que Ihe administrou.
E como estamos tratando de pravas, nio se es-
traube que notemos desdo j, seminis commenta-
no, a nio achada da reeeila era que sse xarope
era prescripto, nem o frasco que o contivera,
sendo ella aviada na botica central, qae dirigida
ou aconselhada pelo Dr. Ramos, am dos mdicos
assistentes, de cajo juizo e escrptos sobre o enve-
nenamento teremos de nos oceupar mais adianto.
No priraeiro artigo nos oceuparemos das decla-
rares do Dr. Santos Mello. *
Z .
Contiuuar-se-ha.
PUBLICACOES A PEDIDO.
Rela?5o
Das appellacoes civeis pbrtencentes ao
cabtobio do escrivo augusto cesar da
Cunha, as quaes acham-se paradas a
FALTA DE l'UF.I'AUO. ASStfiNATURA DE EM-
BARGOS E SELLO.
Appallante Jos Cavbante de Albuqnerque
Wanderley.
Appellado Jos de Barros Crrela deQueiroz.
Appellaoje Flix Antonio Ferreira de Albn-
querque.
Apoellado Affonso Leopoldo de Albuquerque Ma-
ranhao.
Appellante Manoel Galdino da Silva.
Appellada a preta Fabrieia por sen curador.
Appellante Manoel Seraftm de Torres.
Appellado ojuiz municlp.il e provedor de capel-
las da villa do Cabo.
Appellante Manoel Alves de Araojo.
Appellado Pedro Jos Goncalves.
Appellante Feliciano do Reg Barros Araujo.
Appellado o escrivio Estevio.
Appellante Joao Baptista Ferreira de Allraquer-
que.
Appellado Francisco Alves Trigueiro.
Appellante Luiza Meraniolina Ferreira da
Silva.
Appellado Flix Francisco de Sonza Maga-
Ihies.
Appellante Joio Maaoel de Siqueira.
Appellado Rodrigo Pinto Moreira.
Appellante Nuno Moreira Pimentel.
Appellado Francisco Frederico de Cerqaeira Va-
lente.
Appellante Manoel Vicente Pereira de Mello.
Appellado a irraandade de Nossa Sonhora do Li-
vraraento da cidade de Banaueiras, provincia da
Parahyba.
Appellante Joio Leite de Siqneira Caval-
cante.
Appellado Antonio Baha de Millo.
Appellante Francisco Luiz Carreira.
Appellado Manoel Teixeira de Castro.
Deecarrpgam hoje 44 d onlobro
Barca loglew*a Quenferro.
Barca inglezaPa/n'oi diversos gneros.
Brigtte jnglez-Ocra-bacalho.
Brigue inglez-J'qrtia-idem.
Brigue ioglezJaneidem.
Lugre ingfezEmWynfarinha de trigo.
Escuna dinamarqneza Fyllaidem.
fatacho portugflt^i>rinei(todi^ersea generes
Patacho portoguezHaradem.
Despackot de exportadlo no dia 12 de
outubro
No brigue inglez Wild Rose, para o Canal
earregaram : Rabe Senmmettau 4 C, 307 saccas
com 22.758 kilos de algodao.
Na barca lie-panhola Mara I.uia, paca Bar-
celona carregon : Joaquim Jos Goncalves Deliras,
237 saccas com 17,065 kilos de algodio.
tECBBDOHlA DE RENDAS INTERNAS GK-
P.AES DE PERNAMBUCO.
Rudimento do dia 1 a 11 22:805*974
daradodia 13...... 2:395*186
2320U160
CONSULADO PROVINCAL
(eodirnenlo do dia 1 a 12.
'dera do dia 13 .
13:766*717
612*193
16:378*910
MOVIMENTO DO PORTO.
Navios entrados no dia 13.
Baha 9 das, brigne brasileiro Sublime, de 268
toneladas, capitao Joio Ignacio de Kello, enoi-
pagem 11, carga 13:313 arrobas de can; a
Amorim Irmao 4 C.
Rio-Grande do Sul 21 dias, brigue portuguez
SfiMice, de 188 toneladas, capilio Joao da Costa
Gomes eqnipagem 12, carga 12:000 arrobas de
carne; Tboraaz de Aquino Fonceca 4 C.
Babia0 dias, pataehe argentino Tnereza, de 130
toneladas, capilio Pedro Nicolao Dentaria, eqni-
pagem 10) carga 4:600 quintaes hespanhoes de
carne; ordem.
Terra Nova 38 dias, brigue ioglez Neva, de 242
toneladas, capto Pensent, equipagera 13, carga
3:550 barricas com bacalho ; Joohslan Pater
4 C. Seguio para a Babia.
Nicaragua 75 das, barca norueguense A'iino
Eysstein, equipagem 13, carga po-braail;
ordem. Veio refrescar.
Atit'ioj saludos no mesmo dia.
S. Maibeuj lliaie brasileiro Moreno, capilio Jos
Tbeubaldo das Neve, carga lijlos.
Observacao
Suspendeu do laraario para a Babia o brigue
dioamarqaez lia, capto Johansen, com a mesma
carga que trouxe de Trieste.
EDITAES.
A cmara municipal da cidade de Olinda fa
publico que em sessio de 6 do correte resol /eu
mudar o nome da povoacao dos Arrumbados para
o de povoacao de Duarte Coelho, primeiro dona-
tario da capitana de Pernambucano.
Paco da cmara municipal de OIuda 7 de outu-
bro de 1870.
Manoel Antonio dos Passos o Silva,
Pro-presidente.
Mareolino Dias de Araujo,
Secretario.
N. 433.TODAS AS DILACOESOU DEMORAS
SAO PERIGOSAS.Qaaodo a eofermidade ataca
os orgios da respiracio, a sua marcha progressi-
va terrvel o rpida, e o doenle nio deve perder
urna s hora em laocar mi do peitoral de anaca
fraila de Kemp, quando a tos- o catarrho, e a ditlkuldade do respirar annunciam,
qneaenfermidade coraecou desenvolver-se e a
contaminar as delicadas membranas e tecldos cel-
lulares dos orgios da respiracio.
Urna s dote tomada em lempo evitar muitas
dores e soffrimenlos. Porm por mais formidaveis
que sejam os symptomas, por mais arraigada e in-
veterada que se ache a molestia, nem por isso de-
veis desesperar. Os caso reputados como incara-
veis pelos mdicos os mais experimentados e ex-
pedentes, sio alliviados e curados diariamente,
mediante o uso deste admiravel e maravilhoso bal-
samo pulmonar.
Nio deixeis, pois, de acudir elle inmediata-
mente que se aprsente a aproximacio da enfermi-
dade, por quanto existe ara periodo as affccoas
pulmonares, em que preciso infelizmente perder-
se toda a esperanca. Nao arrisquis pois vossa vi-
da por meio de mal cabidas dilaccoes e iouleis de-
moras.
O Doulur Sebastia do Reg Barros de Laeerda,
juiz de direito especial do commercio, n'esta
cidade do Recife de Pernambuco, por S. M. Im-
perial e Constitiiciorral o Sr. D. Pedro II a qaem
Dens .guarde etc. etc.
Fago saber pelo presente que nos termos do art.
1, do dec. n 695, de 15 de setembro do anuo pro
xiraa passado, dentro do praso de .'(0 dias coota-
dos da publicacio d'este edital receber este juizo
propostas por cartas fechadas para arrematacio
por venda da escrava de nome Sebastiana, crioula,
com idade de 11 annos, pouco mais ou menos,
ichando-se doente dita escrava de paralisia e af
feriada dos pulmoes, a qual escrava sem valor
e acha-se recolhida a casa de saude do Dr. Joio
da Silva Ramos. Vai a praca a requerimiento de
Jos Fernandes Gomes 4 C, contra Jos Bezerra
de Medeiros.
E para constar mandei passar o presente qae
ser publicado pela imprensa e afflxado nos luga-
res do costuuie.
Dado e passado n'esta cidade do Recife de Per-
nambuco aos 10 de outubro de 1870.
Eu Manoel Maria Rodrigues do Nascimento, es-
crivio o subserevi.
Recife, 13 da setembro de 1870
Sebartiao do Reg Barros de Laeerda.
DECLARACOES.
Fiscalisaco da freguezia de Santo
Antonio.
0 fiscal da freguezia de Sanio Antonio previne
a todas as pessoas que (iverem estabeleeimentos
na mesma, que durante a estaco do vento irri-
guen) pelas 8 horas da manhaa as frentes dos
mesmos, sob pena de 5* de multa. Recife 12 de
outubro de 1870 O fiscal.
Torres Ga lindo.
COMMUNICABOS,
Collaborapo.
VII
No intuo de e-clarecer ante' o publico do qne
o de defender ou aecu^ar alguem, todo o transe
nio nos contentramos com leunhar de ignoran-
tes e pedantee < medico* cojo juizo combatemos,
antes prometlemos dar-lhes toda consideracio, era
hora os lenhamos de contestar.
Veio imprensa, em primein lugar, para afir-
mar o envenenamento, o Sr. Dr. Eslevio, qne sob
pretexto de fazer na reeticasao urna noticia do
Diario, disse o seguate :
Lendo a Revista Diaria de boje, Squei em
extremo sorprendido de ver qae da vara Vv. Se.
[Milicias de que neto affirmei. nem neguni ter
havido envenenaraeuui, quando pelo contrario
t afurmei raui positivamente que em conclu-ao,ti
nha eu a dizer que pelo que vi t fui formado,
as raortos dos irmiis Sis e Albuquerque de-
vum ser allribuldas i envenenamento vegeU!
da clasae dos bypotheoesantos, porm, que ni
podia conhecer e nem declarar qual fosse elle.
O Sr. Dr. E-tevao, s depois da morle dos ir-
mios Ss isanitestou, afflnnou, ou mesmo suspei
Da qne lies bouvessem sido envenenados: antes
diaso, nunca neto que vio leve essa idea, porque
faaenoi i S. b. a jusc^de crer,ae, se ella Ihe
liaeeee atravessado o asjBriUi, aaberla camprir o
sea dever, ja a deelarimdo tem rrllacu. j i'
faaatka para a lomar, am quanto fosse lampo, as
providencias 400 o caso reclamara, j, finalmente,
eomiiuinjG&BiM & polica o j-etoludo de suas ob-
N. 350.-ANA<:AHUlTA peitoral de kemp.
Por meio da poderosa accio deste remedio irre-
sistivel, as enfermidades da garganta e dos ptil-
rades se dissipam ese desvaneoem como por um
mgico encanto.
Aquelles que padeeem d'asthma, e se viram qna-
si que privados de guardar urna posicao horison-
tol durante annos iuteiros, principiam respirar
com facilidade e dormem tranquillamente depeis
de haverera tomado algumas doses deste delicioso
e admiravel xarepe
A lo:se angostiosa e violenta, as fortes constipa-
c5es, o sangue dos pulmoes, a ronquido e per da
da voz, e todas as molestias do peito e da trachea,
que tem urna tendencia tbisica, se enram promp-
la e radicalmente, mediante o uto do deste reme
dio suavisaJor.
Fortifica e vigorisa os orgios da respiracio, e
os torna- invulneraveis as madancas repentina* da
temperatura atmospherica; e como na sua elabo-
rada composicao nao entra nem existe outra cousa
mais do que blsamos saadaveis, pode-se por isso
mesmo apphcar com toda seguranga at mesmo
as mais tenras e delicadas creaturas.
COMMERCIO.
i?
ENGL1SH BANK
)f Rio de Janeiro Limilet
^OescoQta lettras da praca taxa a cod
ncionar.
Recebe intieiro em conta correle hi;
(raso fixo.
Saca vista oo a praso sobre as cidadei
jrlnc^aes da Europa. 4em correspondenle
ia Bahia, Bueaos-Ayre, Moatevulo, Ne*
t New-Orleans, e etaitte cartas do crdito
>ara os mesmos lugares.
IIA DO COMMERCIO N. 36'
ALFANDEUA.
.eadimeotodo.5Ui.il. 196 46 107
dem do da 13. ..-.,. 37.534*889
Juiz3 dos feitos da fazenda
nacional
Por ordem da Ulna. Sr. Dr. juiz dos feitos da
fazenda nacional foi adiada para quinla-feira 27
do corrente a praca do engerida Bom Destino, e
casa terrea na villa do Cabo, penborados para pa-
gamento do que deve o ex-colleclor Juliao Pereira
Mattoso ; sen lo a avaliacao do engenho e bemfei-
torias 20:0003, e da casa 2 000* ; a pra?i tem
lugar as 11 horas da manhaa na sala das au-
diencias.
Recife 13 de outubro de 1870.
Inspec^o do arsenal de
marinha.
Faz-se publico que a commissio de peritos
examinando na forma determinada no regulamento
annexo ao decreto n. 1324 de 5 de fevereiro de
1854, os cascos, machinas, caldeiras, apparelhos,
mastrearoes, veame<, amarrSs e ancoras dos va-
pores pojuca, Curnripe e Maniah'* companhia
Pernai n bucana de nave jacio costeira, achou to-
dos esses objectos em estado de poderem os va-
pores navegar.
Inspeccao do arsenal de marinha de Pernambu-
co 11 de outubro de 1870.
O inspector,
H. A. Barbosa de Almeida
Sabbado 1S do correte, as 11 horas,
da audiencia de 'Ulna. Sr. Dr. Jais ato
2" vara, vai a praca para ser arre
quera mais der, um casa torrea sita rne
Sania Rila n. 81, com 17 palmos de freoto e 7
de funde, 2 salas, t qoartee, I portas de frente,
cozinha fra, cacimba propria, em eMon foreires,
avaliada em 2:5001; o vai prae a reqoerlaa-
10 dianna Beaedieta Gomes como aveaaariamae
dos bees deixadospor Urania alaria das Vir
pira comprmanlo de legados e mais despegas.
Companhia
canee
tora
333.580*996
MOVIMBJfTO DA AUfANDKfiA
'olomea sanados cois azeadaa 176
(dea idem com generoi 434
-----610
De ordem do Htm. Sr. con elheiro inspector
da thesourara de fazenda desta provincia se faz
publico que nio leudo comparecido licitantes
arrematado das casas, barracao, fumo de olaria
e mais objeetos da extracta Colonia Militar de P-
raenteira, fica a mesma arrematecao transferida
para o dia 22 do corrente, as 2 horas da tarde.
Secretaria da thesourara de fazenda de Per-
nambuco 10 de outubro de 1870.
Servindo de oIBcial maior,
Manoel Jos Pinto.
"SANTA CASA DE MISERICORDIA DO
RECIFE.
A Illraa. junta administrativa da Santo Casa de
Misericordia do Recife, na sala das suas sessdes,
pelas 3 horas da tarde do dia 13 do correle, re
cebe propostas para arreadamente par lempo de
um a sen annos, do sobrado de dous andares sito
ra das Roas n. 16. com a obrigacao de fazer o
arrematante as obras de que o predio necessitor.
c racedeado se algumas vaniagens, j no preco da
renda, j no praso do dito arrendament0.
Secrtearia da Santa Casa de Misericordia do
Reci.e, 40 de outubro de 1870.
Oofflciil,
_________Manoel Ant-min Viegas.
SANTA CASA DA MISERICORDIA UO
RECIFE.
Pela secretaria da Sama Casa da M-p.nr irdia
do Recife, se faz scieutij que o > dia 17 docurreo'e
pelas 9 horas da raanh no sali da nasa dos ex-
pcist.is film. Sr. thesuureiro coniineadador Jos
Pire Ferreira, far pagamento do triuwstre dec-.r
rido de julbo a setembro as amas que se opresen-
tarem condonado as criaQcaa qae Ibes foram can-
uadas.
Secretara da Santo Casa da Misericordia do
Recife 40 de outubro de f87rj.
Pudro Rodrigue sil Sonza.
DE
Santa Thereza.
De conforroidade com a dispoelo no art. 15 das
enltalos, sao pelo presente convidad es Srs. ac-
cionistas para reunirem-se em assemlnV* feral a
dia 15 do cerrente ao meio dia, no 1' aedar da
edificio n. 14, na ra da Companhia Piriiasias
cana, aflm de ser insudada a companhia, e pro-
cader-se as respectivas eleicoes.
Recife, 5 de outubro de 1870.
________Justino Jos de Souza Co
Correio geni.
RelacSo das cartas registradas, procedente
do sul e norte do imperio, existentes na
repartirlo do correio en II de ootov
bro de 1870.
AnU nio Jos da Silva, Carlos Thoaasa de Al-
meida, Joaqdim Cardlo Dias, Joa natal da Silva
Ramos, Jos Leandro de Almeida Daelas, Jos
Nicolao Rsgaeira Costa, Jos Ignacio Actioto da
Vasconcellos, Jos Me lides V|eira, Joo BaplisU de
Medeiros, Jo.10 d> Marsllar, Lcorenco Jusliasae
de Hollanda e Sonza, Manoel Gomes de Mato,
Martinho de Fretos Vieira de M-dlo f), Maria
Amalia de Albuqoerque Mello [i), Sabiao Moav
leiro de Mello.
O eocarregado do regiatro,
Manoel dos Passos Miranda.
THEATRO
SANTO AMONIO.
Companhiafranceza
Sabbido 15 de outubro.
Recita extraordinaria
, BENEFICIO
DO
PROFESSOR DE DANSA
JOAQUIM FERREIRA DOS SAITOS
Grande e variado especlacili.
Dividido em tres partes.
PRIME1RA PARTE.
Depois de ama briihante syinphoni-i pela er-
chestra, subir a scena a muito spplandida ap-
rela denominada
Le Violonexs
Personagens. Aclares.
Reinette........ Mlls. Brseto
Mathieu........ Mr. Maris.
Pierre.......... Mr. Ravoand
SEGUNDA PARTE.
O beneficiado ves ido de bandarilbeiro exeeata-
ra um lindo e diflicil passo de dansa, maito aa-
plaudido em Madrid, intiiolado
Aragoneza
Mr. Carn se far ouvir, cora todo e
o caracteriza, na bella e engranada eaa^c
intitulada :
LA MANDOLINE A DODO.
Em seguida Mlle. Marelte igoalmeote se
ouvir, com urna canconela intitulada
LA CAN0T1EIRE DE SALME CLOUD.
E Mlle Choiben na canconela
Mon Eve.
madama Val-monea no brinde da
Luc ecia BoTgia
TERCEIRA PARTE.
Variacao de flauta eompnsu e exm iHade sjei.
festejado flautista Salu'tiano.
Em seguida o beneficiado em rstame
executaia um lindo pa S iltimbanc)
Mlle. Brescia cantar urna aria mtital.ida
l'ASSA LA MANO.
Madame Val-monea se far ouvir cosa
denominada
A Flor dos Alpes.
E' este o espectculo qne o beoeSeiado ais
seus amigos, e ao pnblico em feral, a f
pede seu valioso auxilio ranitriado w
cido aquellas pessoas que j se dignaran ;
bilheles.
O beneficiado approveita o ensejo para dar
publico testemunbo de sua gralidao ao Sr.
liano, pe modo cavalheiroso porque te
em coadjuvar seu collega em arle.
Mostrare igualmente grato Mme. Ta
que de boa vuniade concorre para tornar o 1
taculo mais digno da appreciacao do patiiuy i
assim ao Sr. Duarte Coimbra pela attonrao aar
sempre Ibes dispenson e aos mais sealaaas d>
quem recebeu pravas inequvocas de 1
Para mais commodidade de muita
entrada do espectculo ser as 8 l|t \
O resto dos bilheles acham-se rea estrsita de
Rosario b. 31, 2 andar.
THEATRO
SANTO AMO.
CAF CANTARTE
Domingo 16 de outubro.
Grande diverlimento no Pavilhao de Ssasa Aa>-
tonio, s 5 horas da tarde por Ml>e. Bre*cia.
berl, Minette e Mr?. Carn e Raynaoi
Os inlervallos serio preenchidos pela
marcial.
Entrada 1*000.
As 8 1x2
Espectculo escoltado de entre os i
tem subido scena nesle Ibealro.
Toma parte a iisigoe actrit
Mme. de Val-monea
AVISOS MAfllTIMIt.
ARAC4J'
Para o referido porto segu oestes qnaare dase
o patacho brasileiro iVoco Coate. por isa jama
nizer aproveitar embarcar carga a frrfa aaaaav
o pode enlender-se cem o eoa*if J s Goncalves Bellro, rna eo
mero 17.
COMPANHIA PBRNAMiUCAK
UO
\aTcj{aeo coalclra por
Porto de Galliobas. R|o Futbmo
dar.
O vapoi JNsnsnpaa
portos aeima oo dia :
meia
Jm
R -cebe carga,
ihelro a frele no esenptorio
3. H
w
Prsleode seguir para o
has o palnabote Bonia por ter _
carga, e para a pos
consifnauno Joaqaim Jet
j ra do Commercio o. 17.


^
I)

Ofario df. Fvunwbuat* Se*te feira 14. a> Outro- de If^O.
*&?
i?
wiv
GQMPAMH.IA PERNAMBUCANA
r vapor
ar, Anh
[Mrace
Grajt.
0 vapor Ipojuca comman-
dante, Meara seguir* pan os
porlos acimano dia 48 d crrente
as 5 horas da tarda. Recebe car-
51 at o dia 14, encommeadas
eiro a (rete at as 2 horas da
tarde do dia da saluda : eaeriptocio no Porta do
Malte n.tt.____________________________
PURTO ALBQIE.
O brigue nacional S, Manoel vai seguir con bre-
vidado para Porto Alegre, e ree*be carga a frete :
rata-s com Ofieira Pithes & C. ae largo do Cor-
ar) Santo n. (9. ou eom^o captto na praca.
CUMfflll BR\SILEIRA
DE
Paquetes a vapor.
Dos portos do urli esprate
at o dia-36 do crreme o vapor
Paran*, com maaia rite J. d*Sil-
va Moraei, o qua depois-da de
iue 3guir pira oj-portos do sal.
mora
Des*4*re*^"-8pas9ageiro*.o engaja-s*
carga que o vapor poder condozir, a qual devera
M Ambareada n dia de suachef ada. Encorar
las e droheiro a frete at as duas horas do dia di
su sahida.
Nao se recebetn como encommendas senio ob-
rsetosdopoqueaovaloreque nao exeedam ai)
arrobas de peso ou 8 palmos cbicos de med-
cao.
Tudo que passar destes limites devora sei
embarcado cono carga.
Previne-se aos Srs. passageiros qne suas passa
gens so se recebem na agencia roa da Groa n. 8?
! andar, escripiorio de Antonio Luiz de Oliveir;
Aievedo A C.
GOMPAHA PERNAMBUCANA
DE
Navegando costura por vapor,
Goyanoa.
O vapor Parahyba seguir pa-
ra o porto cima no dia 16 do
corrente as (l horas da nonte.
Recebe, carga encommendas
passageiros e dinheiro a frete no
escritorio do Porte de Mallos n. 12.
Aos Sirsj aoamaantes drs
navios surtas no porto;
ms*
14 do eorrente.
O ageate Oliveir fara leirio na rna e arma-
leos da ompauhla Prnambncana de exeetieates
mastaros, vergas, paos de bnjarrena, todo de su-
perior pinho de Riga, ancoras.de tamanho proprio
para os navios qne oavegam para o nosso porto
correntes de ferro para navios, barcadas e escota
poleame de diversas hitlas e cyllndros, ripls para
aguada, urna roda de Une e perlences e muitos
oulros objectos e perteaaes de navios que pdem
desde j sor examinados e nesmo negociados par-
licuiarmente no referido armaxem da Companhia
Pernambucana.
IEiEAo
DE
18 caixai com figos novo 3
Sabbado 15 do eorrente.
O atente Pitaa far leto por coma e risco
d quen pertencer, de-18 caixaa com figos novos,
as quaes serio vendidas pelo maior precooflereoi-
de, lanbado IS do carreta, ppta* 11-horas da ma-
hh, no arraaiem do Aunes, deronteda alfaa-
dega.
Adjreirte&f em
-

-T--
dos gneros, arraacao, pteocios e divida
oertencenles taberna sita ra de San-
ia Hila a. 53.
O agento Puntual vender em lilo por man-
dado do Illm. Sr. Dr. juiz de orphaos, a requeri-
mento da. Lniz Goncalves Ferreira, teslamenteiro
e inveatanante d>s beos qae- flearam por falleci-
menio da Francisco Jos do Preitas Guiraaraes, j
cima mencionados, em um ou inais lotes, son-
lade dos licilaotes
Sabbado 15 do crreme
na taberna ita ra de 9ata Rila n. 53, as 11
horas, __________
Acha-se justa a contratada a casa de; Ffdra a
eai sita 4 Meca de S. Pairo n. 4, e qnalqf K
soa qne se julgar con direilo sobre a dw
dirija-se a ra da Rosario n. 35,dentroi_*a#ir#>
de tres dia?, do contrario nao se attendMm-r
clanucio algnma qne nossa apparecer.
- Olferece-se na mulher para/^jjftar co*f^
de urna corinha dsasa de ponca UP' ?_*
homem solieiro : a tratar no beccataSMindniMa
n.Jll.___________________
Acaba de ser pmblicada em 'ltejisvasva
venda em casa dor principaes liiretrea da-fftr-
tugal e do Brasil, e .em Pernambuco na Hwana
franceza :
A DECLARACO
DA
infalibihdade do papa
A luz das obras dos thoologos mais emioentesA
escola ultramontana, do jetuita Clemente Sepa
der, do reverendo padre Faber, do arcebi|P de
Matines, etc.
1 volnme brechad......Rs. *\_P
Para darmos nma idea dj interessante conteH^o,
exlrahimos os captulos seguate* : ideal do papr
segundo os part-darios do systema papal ; o papa
real, tal mal existe na-hiitoria : materia e forma
do Sacramentos ; o papa jeJga todos e nao pode
ser julgado por nioguera ; o papa re ebeu de Dos
a sarama do poder temporil e espiritual; o papa
pode escravisar qualquer novo; o papi pode
rnaadar qaeimar vivo qpe neg a so* infallihida-
; os pap saoccioaaraa. os aodiges da inoaisi-
cao, usurpando o p. des dos bispos pelo estabeleci-
mento dente trittuml ; os papas prohibefli de-em-
prestar dinheiro a juros ; opportuaidade de ang-
raemaroodiminuir o poder papel, etc.
rivao n fidadu eXniainUi dala urovn
wor de vir a roa do Imperador n. 18 a voneloir
aqnelle negocio que V< S. se comprometteu reali-
Hr, pela terecira rtamaia desie jornal, em flus
de dezerabro praatme paaeaAi,. e depois para ja
neiro, pagS(iua larereiro o abril, e na la curaprio,
e por este tutivo de asta chamado para dita
_m ; poisJK t se dan lembrar que este negocio
ame mals-da oito aaaoa qoa-oo o senbor &au
iflgoje achara no ei toda nenia chtode.
A verdad eir farinha pei toral de
5. Bnto.
Esta farieiuv A na_ com veatejosos resulta-
dos nos p_deci*Mta'doa orgaos do peilo,
como asth n ou puefcameno de catharros,
'nnamacao de bofa pUnrizea e/na pthysiea; re-
Knendando-s co.i|cal proveito as peaaoas
connlecentes ,
Tnico deposito raptrirmacia e droprh.
BartWomeu h a
__^_ 34Ra larga do Rosario34*,
Caso de ferro galvaaisatJw per barato pre?o.
Tornekas, e cotvas para oe mesmos t No araazam a Irateaaa do 'Con
StDtwn. 25. "^
Moinhos para caf e para milbo
Os melbores moinos para caf e para milito que tem vindo a este
se eDOonlram no armatem da travessa do Gorpo Santo n. 25
.y.i.T
PRECIOSA IIESCOBERTA
Prec sa-89 de urna ama
lavar : na roa de Horlas n. 1.
para eogommar e
Companhia americana e braslei-
ra de papeles a vapor.
At o da 15 do correte esperado New-York,
por S. Thomaz e Para o vapor americano Notih
America, o qn a! depois da demora do costmne se-
guir para os porios do sul.
Para fretes e pasfagens trata-se com os agen-
tes Heury Forster & C., ra do Commercio n. 8.
Frete sobre dinheiro j % para qualquer por-
to da escala do imperio, sendo quantias maiores
de 10:060*000.
Tendo aberto segaro em Londres sobre libras
esterlinas 100,000 por qualquer vapor da lnha, a
companhia segura qualquer remessa de dinheiro a
1/6 / para qualquer porto da escala do imperio.
O valor deve ser declarado em libras esterlinas
e o premio pagavel na mesma moeda ou seu eoui-
valente.
Mi. MOVEIN
qoadro, madeiras,. varas e rodas para car-
ros, um cabriolet era arrarfo, um dito
velho, galQes e venezianas promptas, ma-
det'ra preparada para as mesmas, ferra-
mentu e muitos outrns objectos perten-
centes ao^espoJio do finado Poirier.
Segunda-feira 19 do correle
0 agente Pinte, autorlsado pelo Sr. cnsul de
Franca, levar leilao os objectus cima mencio-
nados, pertencentes ao espolio do finado subdito
fraocez Poirier, e existentes na casa do pateo do
Paraizo n. 10, as 10 horas do dia cima dito, na
referida ofneina de carros.
Foihinhas para 1871
Polhinbas de Pernambuco, anecdtica e religiosa
a 320 rs.
Foihinhas do Rio de Janeiro, Laemraert, Gnima-
raes a 500 rs.
Almanalc Luso Brasileiro i j.
Foihinhas de por;a 160 rs.
Fiscaltsac5o da freguezia de S. Jos.
O fiscal da freguezia de S. Jos previne a todas
as pessoas que tiverem estabelecimentos na mas-
mi, qne durante a estadio do verlo irriguen pe-
las 8 horas di manha a frentes dos mesmos, sob
pena de 5 de multa. Recfe 11 de oututrode
1870.-0 fiscal,
Ernestino Cavalcanii de Albaqueique.
AVISOS DIVERSOS.
Para o refsrido porto pretende seguir em pon-
eos das o p3taL"hD nacional Calado, por ter a
maior parte de seu carregamento engsjade, e para
o resto que Ihe fall trata-se com o consignatario
Joaquim Jos Goncalves Bellro ra do Com-
mercio n. 17.
Cea a' e A -acaty
A escuna Georgiana segu em poucos das, tem
a maior parte do seu carregamento promplo : a
tratar com Tuso lrmos 4 C.
Maranhao
Sigue combrevilaJ? para o porto cima o pa-
Ihaboto nacional Joven Artkur, para o re lo da
carga que lhe lilla trata se com os consignatarios
Antonio Luz de Oiiveira Azevego 4 C., ra da
Cruz n. 57.
Maranhao
A barca pirtugueza Formosa seguir para o
Mar.iiili 11 em poucos das, receba carga a frete
mdico : traa-se com Oiiveira, Filos 4 C, ao
largo do Corpo San o n. 19.
Kio do Janeiro
Para o porto cima gue naeiqnal Isabel, tem parte do sen carregamen-
to engajado : para o resto que lhe falta trata-se
com os consignatarios Antonia Luiz de Oiiveira
Azevedo 4 G.,'ra da Cruz n. 37, Io andar.
Rio-Grande do Snl.
. Segne cem brevidaae para o pnrto cima o bri-
gae nacional Amelia : para o resto da carga que
lhe falta, trata se com os consignatarios Antonio
L de O. Azev.-do 4 G-, ra da Cruz n. 57, primei
ro andar.
LEILOES.
LEIL/V
Monte pi portugnez.
A direetoria convida tojos os senhores socios
reunirem-se em assemWa geral domiDgo 16 do
eorrente, as 9 1|2 horas ua manha, no Gabinete
Poriuguez de Leitura, afim de se tratar da eleco
da nova direetoria, conseloo fiscal e commisso'de
comas.
Secretaria do Monte Pi Portugaez em Pernam
buco 10 de outubro de 1870.
Jos da Silva Loyo,
Presidente.
Joaquim Gerardo de Bastos,
Secretario.
Ama.
Precisa-se de urna ama para cosinhar e com-
prar para urna pessoa : na ra de Hurtas n, 16,
I* andar.

Joo Jo di CunJia Lages faltara a um dever
de graldo se nao agradecerse sinceramente a
todas as pessoas que se dignaran) acompanhar os
restos mortaes de seu muito prezado sobrinho
Lniz Antonio da Cunha Laes, do Corpo Santo ao
cemiterlo, assim como aos que assistiram a missa
do stimo dia do seu fallecimento na mesma greja.
Acaba e sabir luz
i
' Vende-se
iNA
Livraria franceza.
HA MVOTA
OU
DE
NOSSO SENHOR JESS CHRISTO,
MARA SANT1SSIMA
B
VARIOS SANTOS.
A saber:
Set nario do Senhnr Bom Jess dos Passos.
Offlcio do SenBT do'Pa$s.
Novena do Menino Dens.
Novena de N. Senhora da Gmceico.
Setenario das Dores de Meria.
OfQcio das Sele Dores de Mara Saalisimia.
Novena d N. Sennora do Carmo.
Offieio de N. Senhora do Carmo.
Novena de N. Seoliora da Penhn.
Cnticos de N. Senhora da Peona.
Novena do B. S. Joo Baptista.
Novena da Senhora anl'Anna.
Trezena de Santo Amonio.
Novena do B. S. Jos.
Um bonito volunte encadernado.
Irmandede do Senbor Bom Jezus das Dores
em S. Foncalo.
O abaixo assignado, esenvo da irmrndade do
Senhor Bom Jezus das Dores em S. Goncalo, eon
vida a todos seus irroos comparecerem no con-
sistorio da irmandad no da 16 do eorrente, pelas
9 horas do dia, para em mesa geral, de confor-
midade com o compromisso, elegerem os raem-
bros da mesa regadora que teem pe funecionar no
anno compromisso de 1870 a 1871.
Liberato Merenciano de Souza.
Escrava ou livre.
Precisa-se de urna ama para o servico de tres
pessoas : na roa estreita do Rosario n. 4oprimeirn
andar.
Amasador.
Precisa-se de um amacador
n. 50.
na ra dos Pires
Companhia Fheniz
Pernambucana
A direetoria da companhia Phenix Pernambu-
cana deliberou que os premios de seguros por ella
realisados quer martimos quer terrestres sejam
pagos na acto de celebrar-se o contrato.
Pernambuco II de oulubro de 1870.
Pela companhia Phenix Pernambucana
J. H. Trindade.
F. F. Borges.
______^_ Luiz A. Sequeir.
Monte pi ecclesiaistic em
Pernaiubuco.
A directora provisoria desta sociedade. convi-
da a todos os seus socios a reunirem-se em as-
sembla geral, no consistorio da matriz de Santo
Antonio, no dia 15 do correte, s 5 horas da tar-
de, para assiitirem revisao dos estatuto?, visti
a commisso de redaco ter dado por concluidos
os seu* trabalhos.
Secretaria do Monte pi ecclesiastico em Per-
nambuco, 12 de outubro de 1870.
Padre Thomaz Coelhe Estima.
Secretario.
DE
movis, loupa e crys-
taes, a saber :
Um piano forte, i langas para cortinados, 1
mobilia la Jacaranda cora l sof, I jarJineira, 2
consol*, i eadeiras de bragis, e 18 de garnico,
1 dita obra Porto, 1 mo'uiia de raz de ama-
relio, l lavatorio. 1 berco, 3 espalhis dourados e
quadros.
Una misa Unic, l guarda-loica, 2 appara-
dore-, 18 eadeiras, looca, copos, clices, garralas,
compoteras, 1 machina de costura perfeita, 2
malas de vust k louca, vidros, crx-taes e muitos
oulros objeft pertencentes casa de familia e
existentes do sobrado da
RA DA AURORA N. 42
HOJE
11 do eorrente
O agajate Pi iti tevar in), p ir coma e risco
de q'iem oertrn:- aciini i.i'Kioiii 11*, existentes no primeiro andar
e pavineot towreo do sobrado da mi da Aurora
a. 41
Principiara s 10 horas.
LilLAT
DB
piano*;, moloilias, cama, cadeins, mesas,
toaca.tores, tapaos, vasos para flores,
mi'irnus le cosktra, relogios, e muitos
ontros movis.
Dm relogii om cylndros, 1 bacareila, um aliar
oam estrado, 1 eaJ.il de praia, 1 ihunhul >, ca>ti-
ces d tarados, 4 mesinhas doura las, e muitos ou-
troa objectos
Em Apipupos
Aluga-se na povoago de Apipucos urna excel-
Icnte casa, na qual esteve outr'ora o hotel fran
cez, tem bons commudos para familia, e deita os
fundos para o rio : a intuir na ra da Paz n. 2
por cima da taberna.
Aluga-se urna excelente escrava para cozi-
nhar e engommar em casa de pouca familia :
qnem precisar dirifa-e Santo Amaro ao sobrado
junto do cemilerio inglez.
Allcnfo,
Sorvpte ao meio dia, na rna do Bario da Victo-
rian 67, antiga ra iva.
14 d~er eate.
Por inte rvenci do agenta
PINTO
No sobrlo da ra 4a Aurora no"42.
Principiara, s i9hora.
J >o Luiz Frreira Ribeiro tendo pedilo des
onera^o de continuar com o thesoureiro da con-
fraria do Senhor Bom Jezus da Via Sacra, e oomo
tenha de prestar contas mesma contraria, rogo
a q 'alquer pessoa que se julgar credora da mes-
ma coofraria no espado de tres annos que ervio
no cargo de thesoureiro da mesraa, de lhe apre-
sentar suas contas para serem pagas, no praso de
tres das. Recfe 13 de i.utuhro de 1870.
Instrucqao publica primaria
A quinta cadeira da freguezia de Santo Antonio
acha-se abena desde o dia 10 do crreme, e june-
cionando provisoriamente ra do Duque de da-
lias (outr'ora Queimado) n. 8, lerceiro andar, onde
os senhores ca. es de familias poderlo matricular
seus lillios.
Aluga-se um moleque cosinheiro, que pres-
tase a todo e qualquer servico; no 3 andar do
sobrado n. 36 da ra das Crines.
Aluga-se urna casa na Boa-viagem, ra da
Aurora, a 1" ao lado di re to, ion 6 quartos. 4 sa-
las, cosinha muito fresca : o sillo est em aberto,
porm vai cercar-so, embora se alague : na rna
do general Victorino n. ai se dir quera aiuga.
AVISO
Precisa-se alngar urna casa com commodos
para pouca familia, sendo preferida na freguezia
da Boa-vista : quera tiver al^uraa neslas condi-
coes queira dirigir-se a rna da Crnz armazem n.
fe.
Cozinkeiro
Precisa-se de um bom cosinhero, paga-se bem
e prefere-se eslraogeiro. : na ra da Imperatriz n.
24, leja.
PAPAS
De domingo 1(> lo eorrente em diante haver
papas todos os das s 6 1|2 horas da manha :
na ra das Larangeiras n. 29, batel eommercial.
Quera precisar de urna ama para servico de
casa estrangeira ou mesmo brasileira, dirija-se
a ra das Cruzes n 26, qne achara com quem
tratar.
PEDIDO
A' ra do Lvramento n. 38, primeiro audar,
precisa-se fallar com os segrales senhores :
Julio Adolpho Ribas (acadmico).
Querino Candidu de Va3concellos.
Joaquim Cavalcanti de Albuquerque Mello Filbo
(Pombal).
Jezuino Augusto dos Santos Fragoso.
Virissmo Correa de Lyra (Cruangi ou Vicencia
Jos Hermno Pontual (engenho Preferenca).
Fernando Barata da Silva (engenho Morojo).
Antonio Gomes Cordeiro de Mello.
Eduardo de Paula Santos.
Francisco da Silva Porto.
Thom Joaquim do R o Barros.
AnsenUia-se.
Da casa da ra dos Prea a. 23, era das do mez
de agosto passado a mulher Jeronyma, co parda
clara, alta, e.-pad*uda, com marcas de bexigas,
beieos grossos, e com os denles superiores podres
e faltos, osa de amarrar os cabello* e trajava
bem, cuja mulher sahio de easa por alo estar em
seu perfeit juico : pede se a quem delta tiver no-
ticia o favor de dingir-se ao lugar cima.
O baixo assignirio, teijo vendido o sen es-
tabeleeiment de cabelleireiro da ra do Marqutz
de Olioda n. 51, vera pelo presente agradecer
todos os seus amigos amigos e fregueses o bom
acolhimento e sympalhia queeempre Ihes mere-
cen, offerecendo-lhes aeu limitado p esluno onde
quar que o destino o oondu* i.
Recfe, 13 de oulubro d^ 1870.
_______ Gutm* Heryelm._______
Ac ba de 8ilii luz o oificio
DB
Anompanhalo de mu coHeejo dt* oidC/* co-
mo : Responso e Sinto Amonio e or cao de Santa
Mara Elaroa. Rts 310.
LtVRAMA PRANCBZA.
Joaquim Jo? Oonpal-
ves Beltrao
Ra do Trap ch-< n, 17, r andar.
Sacca por todos os paquetes sobre o banco di
Minho, em Braga, e sobre os segnintes lugares en
Portugal :
Lisboa.
Porto.
Valenca.
GuimaVes.
Coimbra.
' Chaves.
Visee.
Villa o Conde.
Arcos de Val de Vez.
Vianna do Castello.
Ponte do Lima.
Villa Real.
Villa-Nova de Famelicao.
Lamego.
Lanos.
Covilha.
Vascal (Vslpasso).
Miraodella.
Beja.
Barcellos.
AMA
Para nma familia alle-
ma de duas pessoas pre-
efea-se de una ama nw-
ca pa: a comprar e fazer
o mais servico da casa :
no largo da roairiz de
Santo Antonio o. 4, 2 andar.
Agenda em Peniambuco
Do Dr. Ayer
Peitoral de Cereja
Cura a phibysica e tedas as molestias do paiU.
a sa parrlika
Cura ulceras e c*js amigas, impigen a dar
ros.
Toaileo
Conserva limpa o cabeUoe.
Ptalas eatharttetu.
2I0OO;
Villela
J. Fer reir
PnOTCIRAPHl i lfPEBAI.
18RA DO CABUG18
A entraiia peloptita<) da matriz.
Os trabalhos da reedfleacaa desta photogranhia,
e que se prolongaran) por tanto tempu, acham-se
felizmente terminados e ella aberta ao servico de
publico desde 7 de abril pasado.
O predio em que est enllocada esta pnotogra-
pha acha-se muito augmentado, e s a parte desti-
nada ao estabelecimento conla cinco salas, inclu-
sive as do laboratorio. Todos os concertos e aug-
mentos tendo sido fetos expresamente para se
montar convenientemente a photographia, e nao se
podendo melhor modelo escolher do nue a Photo-
grafiia Imperial do Sr. Iuslcy Pacheco do Rio de
Janeiro, o primeiro photographo do Brasil, e um dos
primeiros do mundo, segundo a opinio dos mais
abalisados mestres, a no-sa photographia acha-se
dlsposla e reeiificada pelo mesmo plano da do Sr
f. Pacheco, a qual foi'montada sob ludas as regras
recommendadas pelos ma3 destnelos professores
de accordo com as modificacSes necessarias a^
clima do Brasil, reconhecidas e estudadas pelo ha-
bilsimo e pratico Sr. I. Pacheco.
Todo o interior do predio era que est noss
photographia fui mudado desde a soleira da porta ds
ra at a coberta, tendo-se demolido todas as pa
redes interiores para se fazerem as novas salas
edficando-se um novo terraco envidracado mui
espacoso e eleganto.
Como sabido, fizemos urna viagem expressa-
mente corte para examinarmos as melhores pho-
lographias all, e foi a do Sr. I. Pachco, a qut
melhor corresponden aos nossos deaejos e aspira
ees, e da qaal trouxemos os planos depois i
all estarmos todo um mez esiudando e apro
veitando as licfies de lio distincto mestre. Peo
saraos que juntando os nossos Mudos e longa
pratica de lo annos de photographia sutlissimaf
Iic5es ultiman eate rocebidas do Sr. I. Pacheco,
tendo moniado a nossa photographia como sf
acha, podemos offerecer ao Ilustrado publi
d'esia cidade e aos aossos nu > en^os fregueze?
trabalhos de photographia to per'eitcs, como s
poder desejar, e disto convencidos, esperamos
que contiunem a dispensarnos a mesma pro
teccao com que ha lo annos nos tem honrado t
ajudado.
AOPE
PEPURATIVO
| MEMBRO DA AGAUEMt\DEMEUICI\Al
Preparado por DESLMJRIERS.PH.I
St/cR BOUTIGNY-DUHAMEL
51 Ra de Clpy Pais
O Xarope depurativo oilu railo do Dou-
tor Gibert offerece, no seu emprego, um
resultado bom, certo e constante na cura
das imoigens, escrfulas, molestiasdapelle,
vicio do sangue, obslr ueces lymphatica.,,
molestias contagiosas (syphiliticas), leves
eu inveteradas, e de todos os accidentes que
(Pellas dependem.
A reeeita desle Xarope foi approvada
pela Academia imperial de Medicina de
Paris.
Deposito as principaes pharmacias do
Brasil.
em Pernambuco: Malbeb e C"; Joaquim
Martinho da Cruz Cobreia ; Joo da Cos-
ceicao Bravo e C1*; Augusto Caors ;
Bartholomeo e C; Alexanore Ribeiro;
Abreu Ribeiro; Joaoda S* Faria elaio.
ESCOLA PHARMACElTnCA BE PARS
Medalha de Prata 1860
OE
U OU EU R
(flBDRON_comr
GUYOT
EXTRACTO DE ALCATRAO.
nico mrticimpoio approTado por lodos Hosjltae de Franc, Deifica e Kipinha romo a
mnor prparacao imiantane* e rentad* em
^MMdr.tr.1-4 Dfl AI.CATRAO.
I "f "*l>ir*ti fronde, di tiuido per cade
'tiro de mna, <> mm eolherma prnenm mor
icedm topo gremde.)
r*?V*mfr mut
***** afirme de inunttr /* t
EAE rfi<5C.^
"M PlNU. -^ 'r*y
Drkxitv : M. de Umrtf a.tmait
** Mln Uum, na nrwbin. 9. Uemm
CURAS HIA1
MYILHOSAS
DO
TNICO DELSC
Nec plus ultra
Tirando imraediatamente todas as caspas e coceiras dos cabellos.
. Deposito
lmente em casa do antop, Andr Delsnc cabeileireiro de Pari.
Ra Io de Marqo (antiga Crepo) n. 7 Al* andar
GRANDE
HOTEL CENTRAL
37Rna 11 de Dezembro37
(Outr'ora Larga do Rosario)
No muito conhecido HOTEL CENTRAL encontraro sempre os nossos innomeroa
fregoeies notaveis melhoramentos, indispensaveis para commodidade dos Ilustres fre-
quentadores.
No HOTEL CENTRAL encontra-se-ha constantemente tudo que de confortativo
deleitavel.se pdd encontrar em om estabelecimento desta ordem.
Assim acba-se all orna encllente casa para baaos, um sali todo alcatifado
guarnecido de divans, piano, jurnaes nacionaes e estrangeiras etc., etc
IIIJLCE lUffiT
Normas da Havaoa.
Suspiros.
NapoleSes
Havanas.
CHARUTOS
Imperiaes
Amadores
Londrinos
Leaes
E de ontros fabricantes, que seria ocioso innumerar.
As familias que nos contiaraoos commodos necessarios.
A moralidade e boa ordem a norma do
Hotel Central
Falla-se o bespanbol. francez, inglez e italiano.


AO DE OURO
Nova loja de joias
RA DO CABUGA' N.9 A.
DB
Manoel da Cunha Saldanha & C.
Acaba de abri-se este estabelecimento de joias, o qual tem grande sorti-
;gs' ment de todas as joias de ultimo gosto, as quaes vender o mais barato pos-
*g sivel.
Todas as joias sero garantidas onro de lei, pois os seus donos tendo em
vista so adquirir freguezia n5o olvidarlo, vender bom e por precos os mais
razoaveis possiveis.
Convida-se o publico a vir a este estabelecimento, certo de qee ficar 1
*?*) satisfeito.
^ A' MO DE OURO RA DO CABUCA N. 9 A

FALSIFICARES
dasPILULISdeBLANCARD
(CAVE DOLM)
A nossa correspondencia do Brazil nos faz commercio, esles honrados intermediarios
saber que as. pracas desle paiz ach:\o-se
actualmente nmndudas por urna multiddo de
falcificacesvi dosnossos producios ,(textu.~.!.
Pah garaulir-se contra estas composicoes
mais on menos pcri:;osas, que escondem-se
d'essa mancira por detraz das nossas marcas
de fabrica e mesmo da nossa lirma, rogamos
aqu com instancia aos mdicos e aos do-
entes de assegurar-se sempre a origem das
PiLUktque trazem o nosso nome,appellando,
entre oulros meios prcticos, pela boa f dos
nossos collegas, os pharmaccut duvidar que n'uma questad que inlressa ta
seriamente a saude publica e a moralidade do
Acjo-se as nostas
nao se mostrem dignos da confianfa dos se
lregiiiv.es; uo c de duvidar igualmente que
repudiando toda solaridadc com os falciti-
cadores c os seus ruuiplices, ches nao se a-
co um dever d'or. em diante de procurar
as VEnDADEiRAs Pilulas de Dlancvrd em
origens certas, enderecando-se, quer a ns-
mesmos em Paris, quer i:.directamente aos
nossos principaes correspondentes, ou entao
as casas as mais recora-
mendareis da Franca
ou do seu paiz.
77,
Pharmacentico, ra Bonaparte, etn Pars.
ilulas as principaes Pharmacias.
;


m
.....'..*.
\:M

34, ra tffimwmma j4
Ifol coslnmamos procarar atleatadas para credilar
cso preparadoa, e deizamoi que ana applicafle e o*
'itiltaaos obnos pelas pessoasqua ae dignaran accelta-
a, Ihes deam credia a ropa ; porqna sao sempre os
iilestados cooslerado aratnitos, delira qne linea
ai o o charlatanismo; ou ni querendo ofender as pes-
-.'asqoeespoutantamente nosonereeeram.os qne ibaiio
to transcriptos, os teniaot publicar manifestando-liras
tossa gratidio pela altflclo, esperando que Tenham
llea corroborar o conceito, e acceilaco qne tem mere
udo nosso xarope. sriseJomet C.
atraarttss.
Illms. Srs. Birtbolumeo C. com a mais sabida
ausfaeio qne declare ser oiarope American* de anta
flicacia extraordinaria, poia qne soffrendo ha das da
.'.;asa lossa, a ponto .l<> uo poder dormir norte a
j^.-ito mesniti n meriicsmanlna qae tomara, a ella
ce..i a na terceira coiier fui allifiadu. e de todoae
/ aoje rtbUbelccido com uso tomante de qnasi
io (tasca: guio pois i esto resaltado manifest a
i. o -? rcutfi liecitiafJto. De W. Ss. amigo, ve-
- M.-'ioel Antonio Vie&is Jnior
:3io cor.
ronulnarn v-m *n tsh r
Vegetal Americano, de soa eoeaposi^o
sebera bastante doente de ama eaastiparao,
tornon oompletamenle ronce e qos trouxe ib
toase, e me impossibilitoo de eomprir os au _
da cantor da emnreza Ijrica, on agradecrr-laea awv
completo reslabelecimento, qne obtite com tm a* raart
do mesmo xarope, depois de lunar recorrido a
tratameatos. Desejarei qne ostros coma es i
ao sea zarape pare a* terem simada a* Ua
incommodo, to fatal neste paix. Ca aaalcr
racio comineo a ser de Vt. Sa. atiento, ai
okrigado. Laiz Creawna. laatta a
de 1868.
Illms Srs Baribolomee 4C.-0 sarape Vfial
ricano qne Vr. Ss. Um exposts saaataaa 4 da las]
eacia para o enratito d'asthma, canforae ol
pHcando-o a meo (libo Joaqun, menor do
tneos: riclim d'ess* tagetw, qne at tul topar
excedente a dous annos hara resistido a Mtreei
de grande nooieada. Qneiraan poja Ve. Sa. a
eipreaso altamente sincera da tasa receahaci:
meritorio serri.-i (je lhe prestaran eosu *
lavace, acre^iunc'.iroa {" |rf i ili V. S%.
atunti. not',|. iiu. ftwerioa Nua de Mead***, -
da 18*0
fif%
(i i'iulnemu rusolviijo por Mr Uiuoixot rnm o -ado na coramos
t papel foi cnaeruar moslarda toda al suas proprieilattet;, ohicndo en poneos ial
a e com larilldnde un rfleito decisivo com a menor quantidade roasivel K
i edicaim-niov {A Bovrhardat,A tmftdttt dtkAapmtiqn*d$ I&C9 J-^fX
aUisrir a e-*ut;iutma ao ladn nur <|ue ha bkifv-adare.
*AIS, Jim VmU-4-TtN9t$. tti.
d/mkmM
rife


Diario de Ternambtw
Sejtai fekm
Fotognfhii imperial-
B
CALERA DE PINTURA
DE
J. Forma Vlda
Desde o di* 7 de abril patudo acba-se aberto o
aovo estabelecimento photographlco sito roa do
Cabugi n. 18, es quina do pateo Ihoe qae desde eolito, tem sabido de nossa oficina
tem geralmeote agradado, sendo reeebidos por
alguna com admiracao pela extraordinari > pro-
gresso que ltimamente "tem tido a phot- graphia,
e por oulros com alegra, por verera a provincia
dotad* coni um eaiabelceimento digne d ella, e n-
eontenavellente o primeiro' que oeste genero
boje possue : tambern Dio dos poapamos era cousa
alguma para monia-lo no p em que se acba, es-
perando que o publico de Pernambuco saber
apreciar nossos esforcos e recompensar nossos sa-
crificios.
Convidamoa a todas.aquellas pessoas, nacionaes
e estrangeiraa qu gestara das artes, ou tiverem
nacessidade de trabalhos de pbotographia a visi*
tarem o nosse estabelecimento, que estar sempre
aberto e i toa dispoeico todos os das desde as 7
horas da manhaa at as 6 da t-rde.
Pan es trabalhos de photographia possnimos -ip
versas machinas dosmelbores autores franeeze*,
inglezes e allmemfies, como sejam : Lereboars etl
Secretan, Hermagis, Tbamaz Ross, Voigtlaader el,
Sonta e Wulf. ltimamente recebemos tres novas
machinas sendo una dellas propria para tomar
cobre o mesmo vidro 4 ou 8 imagens diversas e
asoladas, e outra de 6 a 12 imagens diversas 9,
igualmente isolaoas, de sorte que do caso de
grande concurrencia pederemos retratar sobre
ama nica chapa at 8 pessoas diversas e isola- \
das para candes de visita, eassim em meo^s de
um quarto de hora despachamos 8 difieren es
pesseas qae pecam cada urna, ninaduzia de cartoes
ma on menos, com os seos retratos smente, ou
em grupo com outras.
Socar regamos-nos exclusivamente da drrecoio
e feMira dos trabalhos de pbotograpWa dei-
xaodo pnela e talentos do distincto pintor
altemio, o Sr.
Jorge A. Roth
os trabalhos de pintora, a aquarela, a olee, e a
pastel.
O Sr. Roth acha-se ligado a nossa empresa por
urna escriptara publica, e at o presente tem se
desvedado na execucao de seus trabalhos.
No nessoestabelecimento acham-se exposlos ou-
tros trabamos im|>ortantes do Sr. Rotb, tanto em
miniaturas aquarella como oleo, retratos
oleo, quadros sacros e diversos outros trabalhos.
Tomamos encommendas de retratos oleo at o
umobo natural, assim como de quadros sacros
para ornamentaco de igrejas ou capellas. Tam-
bem aceitamos encommendas de quadros histor-
eos.
Asseguramos que os precos dos Oiversos tra-
balhos da nossa casa slo mu rasoaveis.
CARTES de visita nao colobidos A 10^00 A
DUZIA
CARTOES DE VISITA COM O COLOR DO AO NATU-
RAL A 16)5000 A DLZIA
Retrates em miniatura oleo ou aquarella de
46 26X4X10 cada um, indo convenientemente; en-
caixilhado em moldura dourada e regulando o
busto da pessoa retratada de 3 4 pollegadas e
lodo o quairo palmo e meio de tamanbo.
Julgamos que bastarlo os precos cima para
darmos idea di baratesa dos trabalhos do nosso
establec ment, quanto sua perfeicao cada um
venha jolgar por seus proprios ulhos.
As melhores horas para se tirarem retratos no
nosso estabelecimento sao das 8 horas da manhaa
i da tarle; entretanto de urna hora as 5 da tarde
em casos especiaes pode-se tambera retratar qual-
quer pessoa.
Nos dias de chova, ou por tempo sombro po-
demos retratar, e asseguramos que esses das sao
os mais favoraveis aos trabalhos de photographia
pela docura e persisteocia da luz, e per termos o
nosso terraco construido com taes proporedes e
melhoramentos, que anda chovendo jorros ne-
ohom inconveniente ha para lazer-se bellos re-
tratos.
J. Ferreaa VHiela
a ravessa
Crozes n,
meiro andar,
lielro sobre
da rna
% pri-
da-se di-
penhores
mesiaa cas,.
com-
us oie-
de onro, prata e brilhan
tes, seja qnal for a quas
ttaj
prara-se
taes e pedras.
0 Mil DE2T2STA
Frederico Maya
Tem a honra de scienlificar ao respeita-
vei pubico em geral, e aos seus cliente:
em particular qae elle mudou o sen gabi
jietede consultas da ra Direita n. \ pars
a do Queiruado n. 31 primeiro andar, coa
a entrada palo pateo de Fedru II, onde p
de ser procurado para os misteres de sus
profisso, todos os dia* uteis das 9 horas
da manhaa s 3 da tarde.
Tambero, previne, que contina a prestar-
se a vontade dos clientes nao s na cidadf
como nos seus suburbios, para onde ai
idas serao precedidas de ajuste. Elle ga-
rante o bom desempenho e a perfeicao de
seus trabalhos, o que j bem conhecido,
assim como as commodidades dos oreos
Ama de lite,"
Preetsa-se de urna ama do leite, pjga-se bem
na rna Augusta n. 2, 2 andar.
Atten^ao
Ignacio da Silva Deir, era viagom provincia
de Pernambuco, avisa a seus tregete^ que con-,
dui encllente tropa de borros, que passra na
villa do Pillar, Porto Calvo, Castaoha Grande,
Barreiros e Rio Formoso, e llalli ir ora seguimen
to para a Eseada : quem pola precisar, pede man-
dar encentra-le.
Precisa se de urna ama forra ou captiva para o
servico interno e externo de urna casa de pouca
familia : na ra Velha n. C6.
IM
im osos**'K.? sa.uo
0DN31?
ODr. Maooel 'Enedino- Reg *
\ contina no ejercicio de o proflim
medico i roa da Cambia do Carao o. \
! andar.
Este antigo estabelecimento, acha-se hoje montado n'uma
asala de poder servir vantajosamente os sens fregnezes, atten-
to o grande sortimento de joias d'ouro, prata brilhantes, que
sempre tem e recebem mensalmente das principaes fabricas da
Europa- cujos presos sao em competiveis e as obras garantidas
IHOREIRA DllRTE .
Wm
s
UEL C.
Tem a satisfacao de participar aos seus numerosos fregnezes, que em vista de ser*-lhes mais commodo, tem
estabelecido urna nova fabrica de chapeos de sol, na ra da Cadeia do Recife n. 0, neje roa do Mrquez de Olinda,
jjjffi onde acharao es pretendentes, muito avullado sortimento de chapeos de sol de todos os precos, qualidades e por pre-
SJ eos mas commodos do que comporla o nosso mercado: convidan) especialmente aos Srs. compradores por atacado ._,
1| darem, sendo possivel suas encommendas, pois poderao assim serem mais bem servidos, visto poderem escolber as ar- 9
maces as tazendas que a demora da fabrifacao e bem diminota, ______ ._____________________________
Em um de THEODORO CHRISTi
VNSEN, ra da Cruz u. 18, enconram-i
lectivamente todas as aualidades de vinh<
^ordetmx. Bonrgogne edo Rheno._______
Companhia AanQa
DE
seguros martimos estabelecida
na Babia em 15 de Janeiro
de 1870.
CAPITAL..R. JO0 0COJOOO.
Toma seguro de merendonas o din' eiro a risco
martimo em navios de vella e vapores para den-
tro e tora do Imperio. Agencia roa do Cora-
mercio n 17, escriptorio de Joaqnim Jos Gon-
galves Beltrao.______________________________
ATTENCAO
Urna pessoa pratica em negocio de molhados e
habilitada para tomar conta (:omo caixeiro ou ad-
ministrador) de qualquer estabelecimento ou ar-
mazem, deseja empregar-se nesta praca, ofere-
cendo pessoa idnea como fiador de sua conducta.
Para iBformacos dirijam-se roa da Senzala-ve-
Iha n. 138, escriptorio.
Ama de leite
Precisa-se da ama ama U.vre oo tojeiti, potjm
de boa conducta, que tenha bom leite e com aboav
dancia, sem Dilu a mamentar : a tratar na ra dav
Praia, armatem ns. i3 e 45.__________^^^
AU

m
NA
ANTIGA E BEM CONHECIDA FABRICA
DE
CHAPEOS DE SOL
C*
&
*:
DA

Eua do Baro da Victoria, esquina da Camba do Carmo.
(Antiga Ra Nova)
tao conhecida
f& Ha sempre um grande sortimento de chapeos le sol de seda, merino, alpaca, brelanha de linho branco e par-
^ do e de algodo os todos os lmannos e leitios, aitm da immesa porcia de seda, merino, algodao e brim,
WS armacSes de todas as qualidades para satisfazer qualquer encommenda. A modkidade de teus precos
?1&- que escusa de mencionar.
m


jk

.\este novo armazem tem um
variado sortimento de fazendas
francezas, inglezas, allemas e to-
das todas se vendem por precos
mdicos, aflm de acreditar a este
nave armazem. N
Casemiras inglezas,
'ranetzas, de todas as
qualidades, bros de
:6ies e trancos, colei-
rinhos modernos, xha-
pos e sol de seda,
tinos.
RA
DO
DE
ARRUDA irmaos.
Baro da VEetoria
aitija na
N
J
%J
N. 41.
%.
Assim como tem urna grande
olBcina de alfaiate, montada com
todosospreparos que ha demelhor,
dirigida por habis artistas, que
pela sua promptido e perfeicao
nada dcx3m a desejar.
Roupa de todos os
tamanhospara homens
e meninos.
Por todos os paque-
tes recebem-se as me-
Jhores e mais moder-
nas caserairas que ha
na Europa.
RA
DO
Baro da victoria
antiga ruaj
NOVA
N. 41.
Este estabelecimento acaba de soffrer urna reforma radical em acefio, arlistas eccrr.modos, e m pontcalidacle as encom-
mendas, finalmente em ludo afim de melhor servir os seus numerosos freguezes deixa-se de annunciar todas as fazendas, para
nao se tornar massanc
Precisa se de urna ama que saiba cosiubar
i engommar para casa de pouca familia : tra-
tar na rna do Calmea n. t loja.
Precisa-se de um leitor para um pequeo sitio
no Corredor do Bspo n. 31, Boa-vista.
ss. a do Imperador n. 28, armazem ds Cam-
pos, halconstantemente um completo sortimento
de escolhidos gneros proprios para mesa, despeo
sa e cozinba; nomea-los cada um de per si tor-
nsr-se-hia cnfadonbo um annuncio que deveso-
mente despertar a cnriosiJade do apetite. Se orna
pessoa tem vontade de variar de comida em um
da de regabofe, nao tem mais nada do que diri-
gir-fe ao armazem do Campos n. 28, ra do Im-
perador, examinar e comprar a variedade de g-
neros alimenticios que ha naquelle estabelecimen-
to, onde a pardessas vantagens encontrara) todos
multa sinceridade e delicadeza no trato.
Por eslar-se vendendo muito.barato os seguin-
tes gneros que se menciona N
Ceblas a 1$ o ceDto.
1.incoas seccas e defumadas a vapor.
NOC..ES
DE AGRICULTURA
POR
AYRES DE ALBUQERQUB GAMA.
1-vol. em 16 com estampas
Obra premiada peb goveroo da pravincia.
Vende-se em as principaes
Livrarias.
DYVETOT
HRua Estrella do Rosario14
Compra e vende roupa feita
nova e usada, objectos de
cosinha e de mesa, e
tudo que perten-
ce ao uso do-
mestico.
CASA DA FORTUNA
Aos 5:000^
Bilhetes garantidos.
dt
A ra Primeiro de Marco (outr'ora ra
Crespo) n. 23 e casas do costume.
O abaixo assjgnado, lendo vendido um meio n.
1286 com POOf, um meio n. 2232 com 200j
e outras sones de iOOjOOO e 40000 da lotera
que se acaboo de extrahir (161a), convida aos
possnidores virem receber na conf jrmidade do
cosime sem descont algum.
Acham-se a venda os elizes bilhetes garan
tidos da 3" parte das loteras, beneficio da nova
igreja de Nossa Senhora da Penha (165*), que sf
eitrahiri segunda fera 17 do correte mez.
PRECOS.
Bilhete ioteiro
Meio bilhete
Quarto
Em porcao de tOOOOO para
Bilhete int iro
Meio bilhete
Qoarto
0 salo de pianos e de
msicas
modou-se da roa Nova n. 58, 1* anlar. para a
roa da
Impcralriz n. .2. loja,
code contina recommeodando-se ao lUns. po-
blico.
G. Wertheimer.
Precisa-se de urna ama forra oo esepav
para o servido interno de pequea familia : na.
roa da Amizade n. 2t, Caponga._______________
Ao Illm. Sr. Albn Joaquim L .(.es, qoa teio *.
Rio de Janeiro para esta provincia no va or ame-
ricano ilcutmack, entrado no dia i* de >eienafcr>
prximo passado, pede-se o favor de apparecer
no escriptorio da companhia Pernamboeana, oo
aonoociar soa residencia, que se Ihe deseja fallar.
D, I BOWMAN
ENGENHEIBO
Com fundiqao.
A RA DO BRUM N. 52.
Pass-mdo o ihafiriz
Machinas tapor systema melhoradi.
Rodas d'agoa.
Formas de ferro para purgar assuccr.
Mocndas de canna.
Taixas de ferro batido e fundido.
Rodas dentadas para moer com agoa, va-
por e animaes.
E.outros objectos proprios d'agricuKora.
Tudo por preco muito radszMo.'
CXiO
31000
15500
cima.
3 400
25700
!|380
Manopl Martins Pinxa.
To Master of Vessels im ehe
harl>our a regular hargaia.
There ard for sale at Companhia Pernambuca-
na, waif Top masts, yards, gib booms of superior
pitrh pine anchors, chatos, blocks water casks
and many and simdoy artices for ships ose.
All wiil be sold by anction on friday (he li th.
insl. if not before by prvale cootract.'
AVISO
Attenco.
i MDANCA.
O Dr. Carolioo Francisco de Lima Sao- jj
V* mudou soa residencia e consultorio 9
para a ra do Imperador n. 57, 2 andar 3
do sobrado cojo amazona conserva ain- J
Ida ,hoie o nome de Alicea, tendo a i
, entrada, que pelo lado da ponte Sete S
[ de Setembro, o mesmo nomero t$7, da |
frente. Abi continuando o dito Dr. no i
exercicio de soa profisso de medico e S
de operador, pode ser procurado a qual- |
quer hora do dia e da noule.
i&mmw bhs astttti
Perdeo-se hootem, pelas a horas da manhaa,
ama argola de ferro com tres chavas, desde a rus
do Rosari i da Boa-vista at a roa Velha, passando
pela ra da Matriz : quem a achou, pede entre-
ga-las na botica do Sr. Ribeiro sa praca do Conde
d'Eu,e sera recompensado.
Precisa se de urna ama para comprar e co
zinbar : no sobrado o. 28 sito no largo do Terco
RESTAURAN! DE PARS
4Ra das Lerangeiras^4
MR. M1CHAND0N proprietario deste estabeiecimealo, recebe assignar
turas para almoco e jantar, por preco o mais mdico que possivel. Bem
como fornece tambem almoco e jantar avu'.so.
AMA.
Preeia-se de ama ama para eosinhar:
tratar no Mangoiobo, sobrado novo dos Srs. Car-
pintero, ou no caes da Companhia Pernanibu:a-
na n. 2; adverte-se qae serve escrava oo livre,
mas que cosinhe Dem.
I\TE8KSA.\TE OMPOSirf0 UTTE81RIA.
CGTENDO :
A noite do xtasis.
O sorriso.
A noite do assombro.
A lagrima.
A Doote do delirio.
0 mysteno.
Com orna carta critica dirigida ao autor pelo
Dr. T. B. Riroeira Costa.
1 volme brochado 2*000.
AS CENTELHAS
Poesas patriticas sobre a goerra do Paraguay.
1 volme brochado 2*000
NA
UVRARrA FRANCEZA
Ajadaate de eoslahai.
No Retaorante de Parir, roa das Larangeira
o. 4, precisa-se de um ajada ote de eosinha.
AHENCAO
Aloga-se orna eaea na Boa-Viagem, com com-
modos para familia pasear a festa, tratar na ra
pa Concordia o. 37. ___________
Precisa-se de ama ama forra ou escrava para
casa de familia tratar na roa do Nogoeira o. iV,
ASSOCIACAO :OMMERCIAL AGRCOLA.
De ordem do presidente sao convidados os se-
abares associades a comparecerem no dia 17 do
correte as 11 horas da maobaa, oo galio da mes-
ma associacao, para em assemWa geral elegerem
os membros da nova directora.
Secretaria da A=sociaco CoHwnercial Agrcola 7
de ootobro de 1870. !
Joao Mara dos Sanios Almeda,
' Secretario..
Mudanpa
Kell Bindloss & C. mndiram sea armazem di
ra da Cruz o. 23, para a roesma n. 41.
SENDO
ALMOCO
liooo
pratos a escolba
Vinho
Caf ou cha.
JANTAR
i 000
SOPA-3
1
pratos a escolba
Vinho.
Sr>bre-mesa.
Caf ou cha.
Rna do BaT,o da
Victoria n. 63
(Outr'ora ra Nova. )
gEsta feliz casa acaba de vender entre os seus
muito felizrs bilhetes da lotera n. 164* um bi-
lhete ioteiro de n. 1432 com a sorte de 400* e
om quarto de n. 1397 com a surte de 100*, e
moitos outros premios menores qne seria enfa-
dooho meuciona-los, podeodo os seus dooos virem
receber, qoe prompumente solo pagos.
O abaixo assigoado covida ao respeilavel pu-
blico para virem munirem-se de bilhstcs da lote-
ra n 163 a beneficio da nova igreja de N. S. da
Penha, que ser extrahida segooda-feira 17 do
correte mez.
PRECOS.
Ioteiro 6*000
Meio 3*000
Quarto 1*500
De 100)5000 para cima.
Iuteiro 3*400
Meio 2*700
Qoarto 1*330
_______________Joao Joaqoim da Costa Leite.
Precisa-se de um caixeiro qoe tenhi bastante
pratica de taberna e d fiador a soa conducta :
na roa da Cruz n. 24.
AMA
Precisa se de nma ama para o servico interno
de um casa de familia com duas pessoas : tra-
tar na ra do Imperador n. 79.
Os abaixe assignados, incumbidos p*la
sin desenhora> que promuvem ra c ti i l-i-
!o em beuelicio oas familias desvalidas 1ia--
dos de linha de Pemambfieo, fallecidos on invaii
dados na goerra do Paraguay, de distribuir oV
modo qoe Ihes pareces-e mais acertado o prodocu.
d'essa subscripjao, pelo prsenle avisam is tiu
vas, pais mais e lilhos dos oflrim e saldados d.
exercito naturaes d'esU | rnvincia, oo que t.elU
lenhara asseatado praca, assim cuino a qoalquei
prente d'estes, qoa fiz-uJu parte de suas fami-
lias vivesse s suas expensas e qae se cbar tu
estado de pobreta, e finalmente aos proprios offi-
ciaes e soldados, com exclusao dos prime iros. ca.-
estejam oas referidas Cjodicoe-que dentro de
praio de sessenia dias, a contar dVsa datadere-
ro provar com documenios auih* n!nv- .-:.a ides-
tidade e circumstancias de fortuna, ajm de pode-
rtm perceber esto auxilio.
Cs interessados dever encaminbar seo doca-
mentos casa do oireitorio di partidj liberal,
ra do Queimado n. 8 primeiro andar, im tedi
os dias uteis durante aqu lie periodo, da 9 hora*
Ja manhaa s 3 da tarde, e onde, d.-poii de attei-
ilidas soas reelamacdes, receberaj a quantia %ra
Ihes tocar.
Para que o presente aviso chegne ao conheci-
mento de Iota, ser pablicado diariameule 09
jornaes mais lidos d'esla aidide.
Recife, C de ootobro de 1R70.
Baro de Bjmfica.
Luiz Jo*d Pereira Simef.
Abilio Jos Tarares da Silva.
AMA
Precisa-se de urna ama para o servico de casa
de pouca familia: roa estreita do Rosario n. 32,
3* andar.____________________________^__
Commodidat publica.
A* pessoas qoe precisarem de amas, criada,
cozioheiros. jardineiros, fitores, anas da Mu,
escravos para o servico d imestico, earaeiro, la-
to para a prac.a como para o maio, casas sities^
poderlo dista data em djante mandar seos pedi-
dos por escripto ria do Torres n. 32, If andar,
casa amarella.
Casa para a lugar.
Aloga-se o 1* andar do sobrado o 6 na roa de
Duque de Caxias : a tratar no Coracao de On* a-
roa do Cabog.
Caixeiro
SITIO.
Fallencfu
D se at 8:000*000 a juros gob.bypotheea
em beta deraiz. nesta cidade, livres e desen-ibarl-
cados. quem quizar anouocie per este jornal paj-a
sel procurado.
Oaoooocio de Joaqnim Jos Goncalves Beltrao,
como curador fiscal da masa fallida de Almeda.
Burgos & C, me impOe o dever de declarar que
sou o noico credor d'ooa massa, com excepeao
do reterido Bel-ao, que, tendo cooveaeiooado, de
accordo com a totaliaade dos eredores, receber a
AMA
Precisa-se de urna ama que compre e cosinhe
para duas pessoas; largo da matriz de Saoto An-
tonio n. 12.
_ ALUGA-SE.
Preeifa-se alugar orna ama forra ou captiva pa-
imporuoca de seu debito, tem-se reculado a isto ra eosiohar em ema casa de familia : a tratar a
o proposito de prejudcar-me, e xereer singao
ca por occorreoefas qoe se deram.
Em vo tenho procurado reasar a traosaccao
idu com o Sr. BeItr->, e j requeri deposito do
que se Ihe deve que Nde pouea importancia para
cortar pela rail a ehieaua de qae se tem prevale-
cido.
wile, 12 ddoutubo de 1870.
- Joi Joaquim Alaes.
Preei-ae d wb caijeeiro com pratica de
I pdaa : na rna do Iiea o. to, em Si oto Amaro.
roa da Cadeia do Recife n. 18 2o andar.
Oflerece-se urna senhora portugoeza de boos
costomes, engoma e coze com perfeico.' traur no
patea dag. Pedros. 3 loja.
PRECISASE
De om ame
buir pao; o 'fulmanto
gommar bem cosiobar
gario o, 16,1 andar.
m, livre ou captivo, para distri-
to de orna ama qoe saiba eo-
trata se ra do Y-
Precisa se alagar um sitio que techa casa sof-
frivel para familia, e que seja situado as proxi-
midades de ama das estradas de ferro de Apipu-
cos ou Olinda, nao duvidaado-se fazer alguma
despeza na casa se ella o requerer e era a qual-
quer exigencia rasoavel qoanto ao aluguel do
mesmo sitio, com taoto qae este agrade ao pretn-
deme : a tratar pa roa da Cadeia do Recife nu-
mero 21.
Aloga-ie dous grandes sitios na Torre, com
baixa para capim, grandes commodidades, e um
delles tem proporedes pare criacae : a tratar no
mesmo sitio on na estaca da ra da Aurora, das 6
horas da machia s 0 da tarde ; e com um delles
se faz arreodaraento por 3 ou 4 annos
A luga-se
urna casa terrea, sita na Capunga, com solo, eo-
chara, o um pequeo quintal ; a tratar na roa
do Vigario n. 31.
Perguata-se aos membros da omniasao ar-
tistica eocarrtgados da brindar os nossos jrmos
com ama medalha o qm feito dos diobiros re-
ebido] para til flm.
Precisase de un menino com alguna pretka
de taberna : no patpo do Terco n. ?4.
A casa sita na praia e roa de S. Fraarisc
qne aonunciei para alagar oo vendar, ihiaai
de ser de algum eclesistico de Severiao <
existente por ora no palacio epiacoeal de
Coostando-me qoe mea marido e
coronel Manoel Joaqnim do Reg
tem vendido e pretende continuar a
do casal sem minha iaterveoeao, pete presea
previno que ninguem compro tae teM,_|^ealai)
rosolfida anoallar as veodas qoe me dB anrM
tenha feito e laca. Recife 12 ds ootofere m
Anoa Joaqoina do Reg All
um sotao
caixeiros
^luga-se
com eommodos para
: na roa das Cnuca o. 41
Precisa-se de urna ama Une, t
de e boa conducta, para casa de mallo
milia : na roa de Santa Theren o. 41.
Desapparecea da eaa da roa da L
ras n. 47, oa torca-fcira aWa, o----------
Ita
ife-
terca-
Kjuelio
de oome TraoqneHoe, com oortgaw
pardo escoro, cabellos corlaM
olhos qoasi e,Pre l,cnm^i*
camisa preu de loto e alca baaea j
quemo aprehender leve* a dtta
se agradecer*.
" o abaixo asstgnado renden ao Sr, Jes* Ra-
fael Balafha a su taberna que liaba eiu aa r ua
de ViHconde de Pclous o. 4, bvra e linaataraca-
da de lodo o activo pastiv al esta data.
Reelf, 13 de oaWbro de 4870.
Haxtaiua da Suva.
~!


Diario de Peniambuco Sexta letra 14 de Outubro de 1870.
AO ARMAZEM
'

VAPOR FRANCEZ
U--MI
Este conhecido estabeleciroenlo acha-se coostanlemenle bem sonido, em virtude das
aclaras que recebe por todos os vapores o navios fraocezes, dos artigos abaixo menciona-
dos, a precos os mais resumidos que possivel.
CALCADO FRIKEZ
Botinas para enhoras e meninas.
Botinas pretas, brancas e de muitas outras cores, sor'das e bonitas, do ultimo cos-
to da moda, e precos mais baratos do que em outras partes.
Botinas para homens e meninos.
Botinas de bizerro, cordavao, lustro e pellica, das meJhores fabricas e escolhidas.
Botas e pernelras rnsslanas.
Botas e peroeiras para manUria, das melbores qualidades, de couro da Russia, lus-
tro e bizerro.
Sapatos de borracha para homens e senhoras
Tendo ehegado grande porcao de sapatos de borracha vende-se pelo costo atim f de
desempatar o dinbeiro nelles empregado, sao baratissiraos.
Sapatos de lastro para homens.
Sapatos de entrada baixa de couro de lustro cora salto, de muito boa qualidade.
Abotinados para meninos e meninas
Sapatos abotinados de differentes modelos, de muito boas qualidades e fortes, tanto
para meninos como para meninas, muito baratos.
Sapatos de tpete.
Sapatos de tapete aveludado, de casemira, de charlte e de tranca fran;ezes e por-
lagueres para homens, para senhoras e para meninos. '
I PERFUMARAS
t -b fxcellentes extractos, banhas, leos, agua de cologne, florida, divina, lavande, den-
tribce, de toilette, sabenetes, tintura para cabellos, pomada angroise para bigodes, pos de
arroz etc., tudo isto de primeira qualidade, dos afamados fabricantes, Condray, Piver e Lubin.
j Quinquilharias
Luvas de pellica do conhecido fabricante Jouvin, espelhos oara sallas, quartos e ga- W
binetes, toucadore- de diversos tamanhos, leques para senhoras e para meninas, abridores
de luvas, brincos, pulceiras, botes, corremos e chaves de relogios e irancelins, tudj de
ouro de lei, correntes e brincos de plaqu, a imitaeao e de mais gosto do que as de ouro,
caixinhas de costura ricamente guarnecidas e ornadas cora lindas pessas de msica, albuns
e camlhos dourados para retratos, caixinhas com vidro de augmento para disiinctamente
yer-se a perfeicao dos retratos, objectos de phantasia para toilettes, bolsinhas e cestinhas
de seda, de velludo e de vimes para braco de meninas e senhoras. ditas para costuras, pe-
queos registros mnito finos e delicados, bouquets de flores de porcelana, jarros proprios
para gabinetes e santuarios, quadros proraptos para collocar-se vistas, molduras douradas
para quadros, estampas finas de paysagens, cidades, figuras e de santos, vidros para cos-
morama, malas, saceos e bolsas de viagens, esporas, chicotes, bengalas, oculos, lunetas ou
pensinez de prata dourados, grvalas pretas e de cores, abotoaduras de collete e de punhos, ,
cariemnhas para notas, thesounnhas e caivetes finos, pentes, escovas, ponteiras de espuma gS
para charutos e para cigarros, jocos de domin, rodetes, bagatelas o outros differentes, ve- H
nezianas modernas muito conveniente para portas e janellas, cosmoramas, lanternas mgi-
cas, estenocopos com interessantes vistas de figuras e das mais bonitas ras, boulevards,
praoas e passeos de Pars, photo?raphas e caixinhas mgica?, reverberos para candieiros, M
tapetes de vidnlho e de laa de cores para p3 de lanternas, realejos grandes e pequeos, "4
narmonieos, acordions de todos os tamanhos, bercos de vimes para crianzas, sapatinhos e W
toucas de laa, carrinhos de 3 e 4 rodas muito elegantes para conduiir enancas pa^seio : e
outras muitas quinquilharias de phantasia, francezas e allemaes, precos muito em conta.
Para este artigo nao ha espado nem lempo para a massante leitura da infinidade de
feneros c bnnquedos fabricados em diversos paizes da Europa.
ANTHiA
i
DO
DB. NABO O O. L. PA IIO
BOJE
Drogara da viuva do Dr. Sabino
43Ra do Barfio a Victoria43
(ANTIGA RA NOVA)
nm A .!!"'f Dr nabi? a k.Ka^' PrPrieUrif da bm e bera eonhecida'Pharmacia Especia
Homeopaihica de seu finado mando, desejando manler o crdito de que fosa este estabelecimeao e
correspond-r cada ver mais a rafianca que em mus remedios depositara os amigos da horaeopathia
nao tero poupado esforcos, afim de dar ao seu eslabelecimento tolos os melhoramentos neceisaros e
colloca-lo a par dos progressos que tem eito a homeopalhia nestes ltimos tempo<
Gom este intuito a mesma viuva tem chamado para seu laboratorio mais urna pessoa habilitada
cora pratica de JO annos era pharraacia homeopalhica, e encarregade ao babll medico homeopatha
Dr. J. A. dos Santos Mello de dirigir o consultorio, leudo aob suas vistas a proparacao dos medica
Achaado-se esta easa em relaces com os primeiros es'abelecimentos deste genero na Europa
o^e Ihe vera os medicamento* aecessanos, contina a offereeer a seus reguezes todas as carao! as
e modicidade de presos.
agua
tasa
d b
...... no-Caxan-
f* : 9u,\'n Prei*i I .i>-a, fa/le ao clitfi-
aaestaraoidas BinenPonas.
I Unj.
ititfi
na roa Nova
A mi.
Precisa-se deuma ama de leL,
nameroo.
Alagase ama eslava ,iu boa conduela nara
oservioc' mieriiode qualqoer ,*. : no 3-anda?
de sobrado n. 3b da rna das das Cruzes.
Presos das boticas
lbulos
1 botica de 12 medica-
mentos............
1 dita de 24 ditos___
i > 30
1 > 36
1 > 48
1 60
1 > 120 >
i > iu .
10*000
15*000
20*000
24*000
30*000.
34*000
50*000
90*000
Tintaras
i botica de 12 medica-
mentos............ 12*000
i dita de 24 ditos..... 24*000
\ 30 28*000
* 3 32*000
5 4 40*000
\ 60 351000
* 1*0 80*000
i > 240 >
Calas
1 caixa de 24 vidros
com tintu ~a e 48
tnbos.............. 80*000
1 dita de 30 ditos e 60
tobos............. 60*000
1 dita de48ditose 120
ditos............,. 80*000
1 dita de 60 ditose 240
140*000 ditos.............. 100*000
-nte po popula- pe mm-
bucauo.
De ordera da directora convido a todo o* se-
nhores socios para se reunir b no dia 16 do cor-
rente, pelas 10 horas da manhaa, afim de ler lu-
gar a assembla geral para se proceder a eleic.,.
do conselho administrativo e mais commissoes que
tem de funecionar no anno vmdouro. Facoscien
te aos nossos irmaos que s poderio votar aqnelles
que nao esliverera incurso no art. 60 de Mwm
estatutos.
Secretariado Montepo popular pernaubucan.
11 deoutabro de 1870.
O 1" secretario,
___________Candido Jos de Ges Telles.
v CA1XEIRO.
Precisase de um eaixeira de li a 18 anno e
com pratica de taberna : na ra da Praia n 72
arnazem. '
Precisa-se de urna ama par comprar e cu-i
zinhar : na ra do Duque de Caxias, omr'ora do
Queimado n. 22.
,Ac,.baraos de receber um bonito sortimento de carteiras de diversos tamanhos e gostos, vendidas
a escoma do comprador. '""u,uoa
_
E^le grande laboratorio possue lodos os medicamentos at boje descobertos, quer euronu"
quer indgenas, e bera assim ludo quanlo respeita homeopalhia ou a sua pralica. '
Apis antarihrics (especial para rheumalis
rao) 1/2 onca................s......
Cactus-grandiflora (para bronchites,pneu-
monas etc.) 1/2 oocas............... 2*000
Calndula (queimaduras etc.) 1/2 onca.. 2*000
Enitvlla (para botibas) 1/2 onca........ 2*000
Erythroxillon sativa 1/2 onca.."......... 2*000
'Marapuama (para paralysias) 1/2 on$a.. 2*000
Plumera (para mordeduras de cobras)
1/2 onca........................... 2*000
Plantago mavor (para febres inlerrailtea- i
tes)............................... 2*000
Rabo de tat (para as anecies do I
peito)............................. 2*000
Ha excellenles
de olhos.
MEDICAMENTOS
2*000
Sarracenea-purpnrea (para bexigas)___
Schynus (poderoso as affecedes de gar-
g^nu)............................. J*000
Tomaquar (para dartroa)............. 2*000
Tarntula............................ J*000
Opodeldoc de Rhus 1 vidro!........... 3*000
Opodeldoc de Bryonia 1 vidro.......... 3*000
Emplastro de rnica 1 carlo........... 1 *000
Chocolate especial homeopalhico 1 libra. 1*000
Caf homeopalhico 1 libra............. 1*000
Pao para denles 1 caixinha............ 1 *00l)
Pomada homeopatbica para o cabello
* vidro........................... 1*000
Emplastro para callos 1 caixa.......... 1*000
Ao Sr. subdelegado de S. Jos, pedem diver-
sos moradores da ra do Peixoto no 58 qnartei-
rao, que por favor nos lire deste lugar para fra
^moradora de que j se ada in'armado, pois ja
nao a podemos mais aguentar,
nao esqoeca.
e esperamos que
Ama
Na ra da Cadeia do Recife n. 24, andar,
jecisa-s de urna ama o paga-se bem.

. fas .
apparelhos modernos de douches oceulares para tratamento das nflammacoes
Vende-se tambem o thesouro homeopalhico ou Vademcum de "homeopatha, pelo Dr. Sabino
. L. Pinho, 2* edic,ao.
O dono desle eslabelecimento
veriacando as qualidades e os precos
reitera e de conta propria.
ATTENCAO
tde ao publico em geral que continu a vsita-lo
)aratos de ditos objectos por seren vindos em di- ffit
w.
EHGENHEIRO
Com fundieo
RA DO BRM 52
Passaudo o chafariz.
Cama a atlengao dos Srs. de engenho para seus acreditados m-iCinsmos t
com fcspeeialidade para seus vapores qut; aiada urna vez tem melborado.
. Os vapoies fornecidos por ello e j fraccionando Ihe nao de fazer melbor ?pre-
ciaflo to que qual mer dito proprio.
Deseja tambem mencionar que tem feito urna reduccao em seus presos; e que
xem fromp'.o toda a especie de macbinismo e outros objectos para a agricultura.
Nao existmdo al boje meio de poder vercar-se a bondade ou efflcacia dos medicamentos
nomeopatnicos senao pelos effeilos que delles resultara, em sua applcacao na* diversas enfermidales
segue-se que e este um negocio todo de conOanca e de f; por isso aconselhamos aos que comprara
remedios homeooathics que procurem antes urna casa que Ihes inspire connanca, do que quera venda
mais barato. Todas as preparares desta casa sao feitas escrupulosamente por meio de machinas
especiae* e debaiso das vistas de ura dislinclo medico homeopatha.
Distribue-se gratuitamente aos que comprarem percao de medicamentos : um rgimen homeo-
palhico, orgamado pelo fallecido Dr. Sabino, um avulso sobre o emprego da vaccina homeopathica e
do Plumera; e um follieto sobre o cholera pelo Dr. Sabino.
Consultorio homeopathico
O amigo consultorio deste eslabelecimento dirigido pelo
Consulta todos os das das 10 horas da maohaa ao meio-dia.
O Dr. Santos Mello responde com promptido qual juer consulla que Ihe diri'-irem
e encontrado a qualquer hora do dia ou da noute, para chamados, tanto na cidade
interior.
Consultas e medicamentos, grates para os pobres.
43Ra do Baro da Victoria
(AMIGA RA NOVA) ,
FfittMAlIBIGO.
Francisca Apolinaria de Sant'Auna, Ricardo Pe-
reira de Sant'Anna e Alexandrina Goncalves de
sani'Anna, sinceramente agradecendo as pessoas
que se dignaram acompanbar os restos mortaes de
seu muito prezado esposo, pai e av, convidam a<
mesmas pessoas para assistirem as missas dn s-
timo da que por alma do niesmo finado se manda
resar na matriz de Santo Antonio, das 7 as 8 ho-
ras da manhaa, sabbad.i 15 do cor rente.
Attenco
Arrendase o terreno com casa de morada, pro-
pria para criado, em S. Bento, fazenda Batalha :
quera pretender dirjase ra do Jardim n. 39.
do interior,
como para o
43
CAIXEERO DE
pharma&a.
Precisa-se de um caixeiro que emenda de phar-
raaca :na botica da ru do Cabug n. 11.
UTia ama para o servici de duas
aa : na ra da Senzala-velha n. li, segundo
an lar.
c.
H
TTENCAO
ora
Irmandade de Nossa Seah
do Terq.
O secretario da mesma convida a todos os ir-
rnios coniparecerera noomingo 16 de outubro
as 10 horas da manha, para a eleico da nova
mesa que tem de funecionar no anno de 1870 a
1871, como manda o compromsso.
Perdeu-se urna sedula de 50* perteneenle a
urna p;bre viuva : quem a achou, querendo res
titui-l, pode entender-se no armazem n. 19,
rbeira do Peixe, que se daro todos os sigoaes, e
juntamente urna boa gratiflcacao era r^lacao ao
seu valor.
Aluga se o soto ue casa n 40 ua ra Nova :
a tratar na mesma.
Offureje-se uina senhora para lavar e t-u-
gnmmar roupa de senhora e hornera : na ra das
Cruzes n. 16.
COMPRAS/
Com muito maior vantagem cora
ouro, prata e pedras preciosas e n obras v
loja de joias do Coracao
Cabug.
nuram-se
elbas: na
de Ouro n. 2 D, ra do
Attenco
C ipra-se nesta lypographia una coilecciio de
ei provincial do anno de 1866.
Barro-
No brigoe Relmpago prximo a chegar de Lis-
boa, ftsporam se dous burro.- da raca hespanhola :
quem pretender compra-Ios poda dingir-se a ra
do Commercio n. 48, Io audr.
Pilulas assncaradas de Insto!.
NAO CONTEM NEM CALOMELANOS 5Ei NEIMCi
oerno jii.neral.
A grande necessitlade e falta de nm ca-
iartico ou de ama medicina purgativa, la
muito que tem sido sentida, tanto peto p-
vo, como mesmo por meio a farntdnV
medica; e por isso, infinito o gosto e
prazer que sentimos, em pdennos com
toda a confianca e seguridade, recoMmenoar
as pilulas vegetaes assncaradas di Brislol.
como urna excellente medicina purgativa, a
qual encerra em si todas as partes e mais
ingredientes essenciaes, tornando-se em ore
perfeito, seguro e agradavel cathaitieo de
familia. Este remedio nao coapwtt-
dessas drogas ordinariamente usadas na
lOmposicJSo dessas pululas, qne por ahi w-
vendem, mas sim, sao preparadas con a.
mais finas e superiores qualidades de ra^r
medicinaes, hervas e plantas, depois de
haver chimicamente extrahido e separado,
os principios activos, ou aquellas parles
que contem o verdadeh-o valor medicinal.
daquellas porcoes fibrosas inertes e agres-
tes inteiramente destituidas da menor vir.-+-
de. Entre esses agentes activos ou ingre-
dientes especficos, podemos nomear a po-
dophgtn, a qual segundo a experier
uira demonstrado, possue um poder o mais
jaravilnoso possivel sobre as repoes do
ligado, assim como sobre todas as seoe-
Coes biliosas. Isto de combinar*) com o
lepandrin, e mais alguns extractos vege-
taes e drogas altamente valiosas, constr-
luem e formam urna pilula purgativa. \n-
nando-se por isso muitissimo superior, i
qualquer urna outra medicina da mesma
natureza, que jamis fora apresentario ?j
publico. As pilulas vegetaes asswarar,
de Brislol, achar-se-lio sempre ur.
dio prompto, seguro e eminentemer te efl-
caz, para a cura, de molestias, taes como
sejain as seguintes.
Hydropesia dosmem-
bros ou (> con Affecedes do figa
Icteriria.
Hemorrofas.
.Man balito, e irreg -
laridades o st.u
femenino.
Dores de caneca.
Dspepsia, ou indi-
gesto,
dAstringencia, ou..
priso do ven I re
habitual.
As do estomago e
flatulencia,
Perda do apetite,
Edtomago sujo,
Em todas as molestias que dervam
sua origem da massa do sangue: a sa
parrilha de Bristol esse melhor d.; Maj
os purificadores deve ser tomado conji o
lamente com as pilulas, pois que esta?
suas medicinas, tendo sido expressanw*:'?t
preparadas para obrarem de liarm(ir.;a u s
com a outra, quandofielmente assim se
nao nos resta a menor duvida m i
que nomaior numero dos casos |PH
affiancar nosum grande alivio. .<.;,<
tambem urna cnta prenmu e i
est bem visto, quando o A
acbe n*um estado muito alm i
humanos.
Xo sibrado da ra estrella do Rosario n. 33,
precisa-se alugar uai moleque de 12 a 14 annos :
quem o tiver dirija se, que achara com quem
tratar. Na mesma casa preparase almo?o e jan-
!.;r para fura.
Burros.
No br'gne Relmpago prximo a ebegar de Lis-
boa, esperam-se dous burros da raca hespanhola,
qumi pretender compra-Ios pode dirigir-se ra
do Commercio n. 48, lu anlnr.
Preci>a-se de um bom copeiro, e tambem de
um servente que seja forro ou captivo : lio hotel
l'rancez, ra das Larangeiras n. 10.
Gabinete Portugus
de Leitura.
A directora do Gabinete Portuguez de Leitura
nesta eiihde seientiflea aos seus associados, que
do dia 16 al o dia 31 do crrenle iuclusive fica
suspenso o expediente da bibliolbeca e leitura de
jornaes, em consecuencia de se proceder a um
i bataneo ; pedindo toa seus dignos associados que
fagam rreolher os lvros em seu poder al o dia
20, para o que encontrarlo at as 6 horas da
tarde'o estibeleciineulo abert).
Secretaria do Gabinete Portuguez de Leitura em
Peruambuco aos 12 de outubro de 1870.
Antonio de Albnquerque Mello,
Io secretario.
O abaixo assignado fndo embarcado-se boje
I hora e 3 i|U3U( da tarde, no trem de carga,
na estadio das oficinas, eem directo ao Recife,
ao ebegir neta estiyao reconheceu a falta de um
volainoso masso d papis qne com eiles linh;. en-
trado para o vagao, confiando de potirdes, certi-
does, mandados de penhora, conlratos com cons-
liluintts seus, alm de outros mais papis de Jus-
tina que por ora nao lembra ao abaixo assignado,
e os quaes nao padem servir a ouirem ; e porque
taes papis sem duvida foram carregados por en-
gao por alum dos passageiros que com o abaixo
assignado vinbam no vagao de Io classe do dito
irem, roga o abaixo assignado mui encarecida
mente a pessoa, (in cojo poder, elles parem, que
por muito especial favor Ih'os leve ra do Cor-
redor do Bispo, sitie n. 31, onde ser francamente
recompensado, alean de se lbe Ikar mui grato.
_____ Honorato Josepb de Oiiveira Fgueredo.
V1NDAS.
MA-
SOCIEDADE NIAO EENEFICENTE
BITIMA
De ordem do conselho da mesma sao convidados
os senhores associados comparecerem na sala
de suas fetales no dia 16 do crreme, as* 10 ho-
ras da manhaa, em as-embl< geral, afim de tra-
tar-se de negocios tendentes i mesma.
Secretaria da sociedade Uniao Beneficenle Ma-
rtima em Pernambuco 11 de outubro de 1870.
O secretario,
Romao Jos de Fontes Ferrat.
. Precisa se de dua* amas forras ou escravas
qn engommem com perecao : na ra da Auro-
ra n. 40.
Offerece se nma roulher, branca, de meia
idade, para fazer companhia a urna familia e tam-
bem prestar servidos : quem precisar diriia-se a
na Direita n. 81, sobrado de nm andar.
Casa para augarT^
Aluga-se urna casa no Monteiro, Porto do Xs
to, baixa do rio : tratar na ra de Cre,tD n
17, loja. '^
Trabalbador para padaria
Para o Rio Grande do Norte precisa-se de um
trabalhador dos ltimos chegado das Una a,nda
mesmo sem pratica : a tratar com Tasso Irmaos &
C, ruado Araorim n. 31._
Aula particular."
A escola publica do sexo masculino da nrimelra
cadeira de instruec5o primaria da fregnezia de
Santo Antonio, echa-se reaberla e situada na rna
da Roda n. 11, para onde os senhores pas de fa-
milias poderao mandar seus Albos.
Aluga-se um sttio no lugar do Caldeireir
junio ao sitio do Sr. Dr Alcoforado, ''SJ
frucleiras, lendo nos fundos do sitio banho onem
pretender dirija-se ao mesmo sitio, ou no pateo do
Coileglo, esenptono do Sr. Dr. Fonsec nrefera-a
alugar a pMsoa solteira, e sendo casad! que lenhe
pouca familia'. ,
Precisa-se de un* pessoa para o servieo de
fachina : na padaria da ra do Itangel h. 9.
Doces, fructas e flores
Ra da Cruz n. i'\
Sorvete todos os dias, das 11 horas em diante,
lendo as tercas-feiras, quartas % sabbados de
creme.
Attengdo.
Na coeheira n. 1 da ra de Santo Amaro, no
bairro de Sanio Antonio n. 1, vende-se um cabro
let de duas rodas, coberto, com os competente
arreios, tudo em muito bom estado, pelo prego
por que se vende ; animai-vos, compradores.
Os abaixo assignados tem justo e contratado
Com o Sr. Joaqnim Goncalves Coellio a sua pada-
riasila no pateo da Santa Cruz n. 1, livre e des-
embarcada : quem se achar com direilo a mes-
ma apresente-se no praso de tres dias.
Recife, 12 de outubro de 1876.
__________________Freir Alnvida._____
Aluga-se a casa da ra dos Pescadores n.
17, com commodos para famila, bom quintal e
com porto para o mar: trata-se na ra Nova n.
55. ______________________________
Precisa-se alugar um moleque de 10 a 12
annos de idade: na ra Direita n. 79, loja do ouro
de lei.
AMA
Precisa-se de urna ama para casa de pouca fa-
milia : na ra da Cadeia n. 21.
Aluga-se para servir em casa de familia urna
boa erava : as Cinco Ponas n. 144.
igreja
Nova irmandade
de Nossa Senhora da Luz, erecta na
de S, Jos de Riba-mar.
Tendo a mesa administrativa da nova irmanda-
de de N.S. da Luz de fazer a sua nstallagao, como
de costme, e nao querendo effeetuar sem que
convide por este diario a lodos aquelles irmao3
da devoccao de N. S. da Lnz que queiram iniciar
se como irmao da nava irmandade da mesma Se-
nhora, entrando com o excesso de 3*000 como a
mesma mesa j tinha deliberado, sendo at a ves-
pera da nossa installacao terao direilo a ella, sendo
depois s poderao ser iniciado, pagando pela sua
iniciacao a quantia de 5, como determina o ca-
pitulo 4 art. 12 do nosso compromsso.
Soeretaria da nova irmandadw de N. S. da Luz
11 de outubro de 18:0.
Leandro Honorno Jos de Sampaio,
Secreta no.
NOVIDDE.
O Costa, proprietario do armazem di Pedra
Maamore ra das Cruzes n. 42, offerece por di-
nheiro contado o que de melhor ha no morcado,
por ter recebido inultos dos gneros descrilo;
pelo ultimo vapor.
Hortalicea para sopas denominadas Julienne, que
substitue nerfeitamente as mais frescas ervas.
Queijos thmecgos o quo de,melhor se i.Je de-
seja r a 3*000.
CaisOes de do$e de goiaba a 800, 1*, 1200 e a
15800. dito em latas a 2| e 2|oO0.
A verdadera rarinbn americana viuda de conta
propria a 3*0 t o maco de urna libra.
Velas ,-tearinas a 640 o mego.
Boiachinbal de todas as qualidades e dos me
mores fabrinantes.
Ervilhas frencezas e portugaezas..
Vinho de todas ss quilidides.
Farelo do Lisboa desembarcado hontem, em
saceos grandes, a o*.
Cama do sertao muito nova e gorda.
Uueijos de qualha, etc.,ele.
Sa-cas com milho a 4*000.
Especial e aromtico sabo de familia a oOO rs.
o kilo.
1/wnp cr
II I rH.\|
ISflflJ 1)11
Potajsa nova d l'.ussia a 200 n, t ra.
Cal de Lisboa.
Cera en vola*.
Dita cm grumo.
Vinho do IV) to sQperior engarr^.
Diti de dito bom dem.
.Diio mus aiol de wnasmaran ,
D.io tinto Palmel a fOpurk r i..
I) to d:!o Vtrire. ::n
I) t) dito livradi i dem.
li ;) branco (1 ,'i-av- li.,s idim.
Dil) ilo Bucellos idem
C ildeiras de f lo nnra engeaU
N i escritorio de Oiiveira F:lv..$ fi Isrjn
Jo Corno S;:n:., n. 1
Carne do sertao
Vende-se por prego commodo, a ra da Madre
de Dos n. 31, armazem de Canha Irn.aos & C
Vende-se ein Bebribe nm sitio com 100
palmos de frente e 470 do fundo; a tratar na ra
Imperial n. 193, padaria.
ATTENCAO
o
No armazem de Millo Lathara A C. : na ra da
Cruz n. 38, vende se :
Lona larga de 30 palmos.
Dita estreila de 25 palmos.
Saceos vasios para as-uear.
Oleo de Ilnhaca.
Vinho de Bordeaax flao em caixa.
Sellins, silhoes e arreios.
Vende-se
l'ma crroca e um bai manso
na roa do Mrquez do Herval
Concordia.
gordo : tratar
n. 93, antiga da
A loja da Aurora na ra larga do Rosario n.
38, perlencente a Manoel Jos Lopes & Irmao, re-
ceberara o bom e desejado rapVrosso muilo fres-
co ; assim como mais qualidades, como seja :
gasse fino, prioceza, rochado, Rio de Janeiro,
prineeza fino da Baha, meio grosso da Baha, ro-
lio francez da Babia e rolo viodo de Franca e
tambem de Lisboa, em lata e sem ellas, o qual
se vende unto em libras como a retalho.
Farinha de S. Matheus
Vende Manoel Joaqnim Gomes Braga confronte
ao ared da Conceigao a 6*200 o sacco com 14 de-
calitros-
Moleque
Precisa-se alugar ou comprar um moleque de
PR' tratar na roa-Nova o 1
Iue sirva para
, Io andar.
RAP.
Paulo Cordeiro
c rap Paulo Cordeiro fleo jate, em
'* grinho : no deposito da
ra de \ igano o, 11. i an
Vende !..,: .i JM Baaaaa :
u. 8. an-1ar
n roa ca I
Vendo se urna taberna na i.'.ip-.inga,
Ventura n. 1. proprii para principiatta :
na ra Forniosa u. 13 .- .ra A. H. Aojo.
Voude-stt a laln'iua
245, bem afreguczaii... p n
para fra da prnvim-i
rna .1-
a traiar
a na m bHtH .
o dono ler de retirar r
Piano.
Vende-se um piano moderno, do ranito
es, e do autor mais afamado : qoem o pret-
dirija-fe a ra larca do Rosario n. il, 1* andar.
Carro para vender
Ka fibrica do gaz vende-se um c.briolt'l (Dag
Cari) on troca-s por nm cirro > 4 roas
}
l9t
FLHINHAS
.traba* ae aklr *
rrnaa
lias acfcaaa
4
LIVRARIA FRANCEZA
Ra do Crespo, Jf*
l
PARA 0 AHITO N 187
PRECO R.S WO
i**


6
Diario de Fetnambuco
Sexta fera 14 Je
Oulubro
0>
1870
\
GRANDE
BAZAR DO PAYAO
60-RA DA IMPERATRIZ-60
Jif
DE
' PEREIRA DA SILVA *t
Neste imprtante estabelecimento encontraro respeitavel publico, um grandeevariadosortnnntode fazendas domis
aparado gosto e todas de primeira necssidade, que se vendem mais baratas do qae ern oatra qualquan part, v*o qoe o ne-
vo* socios desta ama, adoptaran o systema de s veoderem D1NHEIRO ; para poderem vender pato ato, limitando-*) apenas
a ganbarem o descont ; as pessoas que negociam etn Dequena esca'a nesta loja e armasen poderlo fazer os seos sortimento6
(setos mesmos precos qoe compram as casas inglezas, (importadoras) e para naaior commodidade das Exmas. tamilas se dar.
amostras de todas as fazendas, on ibes levam em suas casas para escolberem.
CORTES DE LAA ESCOCEZES 65000
Vende se bonitos cortes de 12a escocezas,
vindo cada- om em sea papel, pelo barato
preco de 60000 cada nm; no Bazar do Pa-
vao.
ORGANDTS BRANCO E DE COR
No Bazar do Pavao vende-se os mais urna, eqoem comprar de meia dnzia para
a covdo, o qne em outra qualqoer parte bonitos e maito finos rgandys com listas cima ter om abatimeoto, Sao de muit
So se vende por menos de 60; grande largas e miadas i<$000 a vara, ditas Usas, ntilidade-.
utagem. fazendademaita pbantasia 800 rs. a vara, Granoe peebinch om camisa inalazas a i145500
XUNS DE LINHO DE COR A 10200'ditos d cd es, finissip* s padres, ioteira*
No Bazar di Pav3o, fez-se ama crande mente novos 800 rs. vara.- peebincba.
PBCHMA EMCASEMIRAS A 40000.
No Bazar do Pajlo fez-se ama grande
xampra en nm' leiiao, das mais finas
asemiras nglezas qae. tem vindo a es-
to mercado, tendo cores claras e escoras,
tedas coa padroes serios, proprios para
alcas, palitos e cohete*; vende-se a 40000
CAMISAS DE ERANELLAS A 35500.
No Bazar do Pav3o eode-se om bonito
sortimento com todos os tamanbes das me-
Ibores camisas, de flaneila de 13, esa
mangas, tanto proprias para bm/ens como
para senboras e vende-se a 3000 cada
20 Rm.i da Imperatriz 20
Acaba da*heear para a leja de fastndas flus
dea minada La Villa de Para, nm grande sorli-
meato da raleadas Una, cono sejam : cortes de
poil de chevre com listras coma de orna duas
saias o que ba de mais alia novidade, ricas pope-
linas de suda, granadme?, I;:s escocezas, alpaca,
bareges, etc., etc., e nm completo sortimento de
chitas, madapoles, cambraias-brancas e de core*,
rgandys e cambraia imperatriz, e outras muitas
fazendas, ludo do que ha de methor neste merca-
da, qae todo se vender o mais barato possivel.
ftaguamos a attencao do bello sexo que qnlzer
andar na moda, e ao mesmo lempo esperamos a
sua proteccae. Manda-se levar em casa das
Exraas. familias todas as fazendas que uos pe
direm.
20- RA DA IMPERATRIZ-20
Fari A Lessa.
GRA
GROSDENAPLES PRETOS
Cbegoa para o Bazar do PavSo um gran-
de sortimento -dos melbores grosdeoaples
pretos qae tem vindo ao mercado, qne se
vendem de 14600 at 50oOO o covado ;
s3o todoa muito em coma.
CAMBRAIAS TRANPARNTES
No Bazar do Pavio vende se nm grande
sortimento das mehores cambraias bra cas
transparentes, tem de 305 JO at 100000
peca, ditas snissas finissimas com 8 pal-
mos de largura a 20000, 2500 e 300 34600 o covado; aproveitem
compra de paros brins de linbo, muito en-
corados, proprios para calcas, palitos, col-
leles e roupas para meninos, por serem de
padroes miudinhos ; garante-so qne n3o ba
tarrela qne Ihe tire a edr, e vende-se a
1#00 o metro desta excellente fazenda.
HADAP >LO FINO A 64400 A PEQA.
No Bazar do Pav3o vendem-se pecas de
asa dapoliio fino de muito boa qaalidade,
asado 22 metros ou 20 'aras cada peca,
seto barato preco de 64000, por se terem
comprado um pouco enxovalbadas ; pe-
bkicha
CHITAS ADAMASCADAS A 240 RS. O
COVADO
O B-izar do Pavio vende muito boas chi-
tas ingiezas incarnadas adamac adas, pro-
jrias nara cobertas e cortinas, sendo fazen-
da qne emqaalquer loja se vende a 320 rs.
e Jiquida-se a 240 rs. o covado; s o Pa-
tio.
TOALHAS A 74500
No Bazar do Pavao fez se urna grande
compra de toalbas alcochuadas, proprias
para rosto, bastante encorpadas e grandes,
qoe serepre se \enderam a \l 20000, e li-
qnidam-se a 7A500 a duziafjou a 640 rs.
cada urna, boa peebincba.
CHAPEOS PARA MENINOS A 24000
O Pavio vende urna grande porcio dos
sais bonit >s cbaposinhos de palba da ta-
ita proprios p ra meninos de todas as Ida-
des, sen lo chapeos que valem 14600 e ven-
dere-se a 26000 cada um, muito b-rato.
CHITAS E RISCADINHOS MIDINHOi
200 RS.
O avao vende chitas ou rucadiohos miu-
dichos "6r de rosa e rsinhos, proprios
para vestidos e roupis de cranos a 200
rs. o ci vado. S3o moi'o baratos.
IA>INHAS COM PALMAS DE SEDA
Che. cu para o Pav3 > o mais bello sorti
n-nto das mais br.lnantes lSasinhas claras
som bonitas palminhas, de seda; tenio lar-
gara de chita fraace7a e vende-se a 10OUO
o corado grande peebincba.
ALPACAS MATISADAS 640 RS. 0 COVADO.
V.-nlem-se as mais moderna-, e bonitas
pacas mat sada* com palmioh-s, moito
proprias para vestidos de senbora e da me-
ninas pelo barado preco de 640 rs. o cova-
jo; s3'> muito em conta.
PAtA NOIVADOS CORTINADOS, COLCHAS.
Cb^gf-u para o Bazar do Pov3o um gran-
de s rtimento dos mais bonitos cortinados
bordados, roprios para camas e janellas,
qoe SO vendem de 104 00 al 204 >r0 o
;?r. i si d como o melbor damasco cem 8
Imot 'le largura a imitacSo de damasco
de nada, proprias para colchn*, e propria-
aoente colchas de damasco, send os melbo-
res e mais b Litas que tem vindo ao mer-
cado.
SEDAS PE LISTRAS.
No Bazar do PavSo vende-se urna grande
(TOan'i ia'e das mais elegantes sedas com
i'stfinh -s. Tara-cor; fazenda que ninguem vende por
menos de 25400, e Pquida-se a 4000 cada
a o; -lo muito I ralas.
SEINS DE CORES E GROSDENAPLES.
No Bazar dn Pavao vende-se um sortimea-
to completo dos meln- re> seiius e ^rosle-
saptes d" todas as cores, que se vendem
muit em coma.
FOPEUNAS rE LA A 400 RS. O CO-
VADO
No B.tzar do Pav5o vende-se nm elegan.
28 sortimento das ma>s b mitas poupelinas
do lia com lista- miu nbas, seo lo tidas
qoasi de urna s edr, 400 rs. o cavado ;
a baratis'imn.
GRANDE E:HINCH\ EVI LAASINHA
A 640 RS.
Ni B.zar do Pavi fez-se urna grande
om:ti de lisinha para vestid s,sento de
muito b a qua'idade, urnas com I -tas e ou-
tras con nieblas, e muitos la gas, que com \
pacoi covados se fiz vest lo e liquida-se
440 rs. a/euda q-ie sema-e si venden a 44.
ALPACAS PARA VEST DOS FURTA
CORES A360RS. '
Vea ie se um bo lito sorti lento das mais
briha tes alpacas escobas furia cores,
sent f'ioitoeiic riadas e ten lo um nrilho
temo s la, I iq. i da se pe i narato preco de
360 rs. o c.vdd \ pur se ter ei.o urna gran-
de compra.
POUPE LINAS A 100 RS.
No Di ar d i Pav3o venle-se um elegale
sortme'ii) das mais ndn j o >-1 naide
Bacoo o ostos modiihos sealoqoasi par* ves'iios >endo umi liada fazenda!
am o a cu o muit i briibo, piebin- muito leve, meja trdnsoarnte e muito lar-
sha b tO >. rs. para amar. ga com furia cores enquida-sea 640 r>.
CU TAS A 4 RS. O CORTE.- o covado pir se ter foit> grande pecbiucha
No Bazar doPa-ao vndese corles de na compri.
hita miudinhas, m o lo roe i. e c6r leodo ii civiilos cida co-te a2i vende-se Vmde-se o 'ft s de chita encarnada
a rea Oo a o r=. o c v>d pichincha, adamascada a 3? ca I ma, pechiacna.
CASSAS \i> RS. CORTES INiHAfOS A ttiO.
No Bazar do Pavao fez-se ama grande com-
pra em leilo, de doissimas camisas ingle-
zas com peitqs e panbos de linno, sendo
com collariobos e de todos os nmeros a
44000 cada ama, ditas sem co lariohos,
porm fazenda tinisima a 44500; gran-
de peebincba. x -
CAMISAS BARATAS a 24800.340C 0 e 24600
No Bazar do Pavao vende-se urna gran-
de porcSo de casemiras mescladas, omito
encorpadas a 24800, ditas finissiraas com
msela de seda a 34200, ditas modernas
de qoadros, fazenda de moito gosto a
Vende-se urna linda pareiha de burro do Rio-
Grande do Sul, muilo bem eosinados para carro
oq cabriolan : para ver na coxeira do ferrador de-
fronte de S Trancisco, onde se dir qnem o
deano e o prei;o._______
Cal de Lisboa.
Vende-se cal de Lisboa, a ultima ebegada ao
mercado, por preco ra*navel : no armaiera de
Manoel Teixeir Bastos, ra do Commercio n. 13.
rio
vara, ditas victorias e tapadas da mais infe-
rior at a mais fina que vetn ao mercado;
todo isto se vende moito em conta.
MANTELLETES DE FIL
No Bazir do Pavio vende-so moderaissi-
mos mantelletes ou basquinas de fil preto,
om laco, pelo barato preco de 104000 ca-
da om, barato.
PANNOS PARA SAIAS A 14000, 14280 E
14600 O METRO
No Bazar do Pavao vende-se bonita fazen-
da branca tncorpada para saias, sendo com
babados e pregas de um lado; dando a lar-
gura da fazenda o comprimento da saia, a
qual se pode fozer com 3 oa 3 \\i metros,
e oende-se 14000 e 1480 e 1600; assim
como tambero no mesmo esLbellecimeoto
se vende bonitas saias brancas bordadas ten-
do 4 palmos cada urna, ditas de 13a de
corea j promptas urnas com barras diffe-
rentes, da mesma fazenda 4400 e outras
com barras bordadas 64009 e 74000,
tudo isto moderno e barato.
ALGODO ENFESTADO PARA LENQES.
No Bazar do Pav3D vend-se o melbor al-
gndSo-inho arntricano erfestaao p*ra len-
Qe, tendo liso e eotraocado por preco
muito barato.
ESPARTILHO.
No Bazar do Pav3o recebeu-se um elegan-
te sortimento dos mais modernos e memo-
res espartilbos, qne se vendem por preco
muilo em conta.
PANNOS DE CROCH PARA CADEIRAS
O Bazar do Pav5o recebeu um grande
sortimento dos me'bores pannos de croch,
proprios para cadeiras de balanco sotas,
pianos, Umboretes e al proprios para cu-
brir almofada-, e pratos; vendendo-se por
menos do que ero qualquer parte.
Liasinhas tran -prenles a SOO rs. t covado
O *av3o receb9u um bonito sortimento
das mais elegantes lasinbas transparentes
proprias para vestidos, que vende a 500 rs.
o covado; muito barato.
PARA LENCOES
No Bazar do Pav3o veude-se snierior
bramante d'algodSo com 10 palmos de lar-
gura a <4S0o ojeti'O, dito de linbo com a
mesma largura a 24800 cada metro, pannos
ds I nno'lo p rtocom i 1/2 palmos de largura
de 70at 14 a vara, assim comoumg ande
sortimeoio de H mburgo ou crgueila* e
iodos os nuroerus, procos ou qualidales,
que se vendem mais barato do que ero ou-
tia qnalqner p-rta; aproveitem-
ATOALHADOS
No Bazar do Pavio vende-se snperior
atoalbadn trncalo, com8 palmos de larga-
ra a 14600 o metro, dito cado o melhor que tem vindo ao mercado a
35500 o metro ; tudo isto muito barato.
Baldes regaladores a 440)0 44>00 e 5400 1
Cbegaram ao Bizar d > Pava > o ma s bem
feitos bal5'S reguladores, enlo de foatlu
a 4 50 '0, ditos de m 1 selioa a 4-5-JOO. di-
tos de lismba de tu las as cores a 54000,
todos elies sao motto baratos.
Panno preto muilo barato a 34600
0 Bizar d) Pava^. r-'cebeu urna grande
porfSo le pecas de oanao preto fino, com-
pradas em leil3o, qui se-nore se venda a
54000 o covado e pode liquidar a 34SOO,
por ser urna excellente compra,
BAREGES A360RS.
No Bajar uo Piv3o v nde-se aro bon;to
s Ttim^Mt') djs mais lindu ba eges lista-
dos para vestidos, que valem muito mai>
dinaeiro e iiquid<-e a 30<) rs, o co-a-
do, ditos maito mais finos com listas a 40 1
rs, esies barones sem >re se venderaro a
640 e 800 rs., grande peebincba.
GURGUHOA640RS.
No Bazar di PavSo ven tese om bonito
snrtimeoto dos melbores nrgures de laa
TAPETES
Chegou para o Bazar do Pavo o mais
legante sortimento de tapetes grandes, pa-
rajofs. com 4 cadeim,:_ditos mawpeque- ^aJg^ronha. de labyriniho.
A ra do Duque de Caxias n 21
(AKTIGA RA DO QEIMADO)
Recebeu seguinte :
E*pelhos grandes dourados, moldes bonitos.
Carteiras, charuteiras e porteigarroj de muita
qnaliilades.
Benitas pastas para papis, simples e matisaaa?
Boa caixa vasias para costura com sua compe-
tente chave.
Delicadas caetas de mnrm com o bocal de
prata.
Modernos pentes de tartaruga, sobresahindo en-
tre elles os mimosos telegraphistas.
Commodos toucadore com daas gavetas e botr
espelho.
Port baunoet, o que de melhor tem appare-
cido.
Port relogios de muitas qualidades.
Bons talberes para enancas.
Vostuarios, chapozinhos, toacas, sapatos e moiai
Qaando a AGUIA fiBJANCA, mais procisa soientiflear ao ntfrinfi prf m
geral, e m particular a sua boa frqgoezia, da immensidade de objeelos qoe eraH|
te tem recebido, justamentefquando ella menos o pode fazer e porqoe esta tan 1
luntaria ella confia e espera na benevolencia de todos qne lh'a attendero e ret
ontinnando portanto a dirigirem-se a bem conhecida leja da AGUIA BRANCA^i^
Qneimado n. 8, onde sempre acharlo abundancia em sortimento de snpf '
qualidades, modicidade em precos e o sen nunca desmenttido AGRADO E SI
Do que cima flea dito se conhece que o tempo de qoe a AQIA BRANCA
dispdr, >mpregado apezar de seus custos no desempenho de bem sorvir a aqotUe* i|_t
honram procurando prover-se em dita loja do qne necessilam, entretanto
rar os objectos qoe por sua na ture za sao mais conhecidos al i, ella 1 ivmi
cara aquelles cuja importancia, elegancia e novidade os tornam recommeoafoit,
bem seja :
Corpinhos de cambraia, primorosamente
enfeitados com fitas de setim e obras essas
cuja novidade de molde e perfeicao de ador-
aos os tornam apreciados.
Fitas mni largas de diversas edres e qua-
lidades para cintos.
Leqnes uesse objecto muito se poderia
dizer qnerendo descreve-los minuciosamente
Sor suas qualidades, coree e desenhos, tal
o grande e variado sortimento qne acaba
de chegar, mas para n5o massar o pretn-
deme se lhe apresentar o qne poder de
melhor.
Entremeios em pecas de 12 tiras.
Guipare branco e preto de diversas qua-
lidades e desenhos.
Ditos de algodao com flores e lisos.
Veos de seda para chapelinas e monta-1
ria.
Meias de seda para noivas.
Ditas aberts de fio de Escossia.
Costamos on uniformes para meninos.
Enxbvaes completos para baptisados.
Tonqnihas de fil, sapatinhos bordados
e meis para ditos.
Camisinhas bordadas para ditos.
Capellas brancas pora meoinaf.
Grande sortimenie de llores fian
Fil de seda ateto.
perfumara
Grande consl nte sortimento
sempre melhor qrmdade.
Lindos vasos com pus de arro^ e piavel.
Cixinba8 coro dllos arotnatiro?.
Bondos e BoderAna penes dimrrdea pa-
ra circular o erque.
Bonitos brincos de plaqoeu.
Aderecos e brincos de madreperoi
Caivetes finos para abrir latas.
Tbesooras para frisar babadmbos.
Aspas para bailo.
Novos stereoscopos com 48
quaes s3o movidas por om
urnas substituem as ootraa.
Vistas para stereoscopos.
Bonitas caiiinbas de vidro eofcrtadoa eos
pedras.
Ditas de madeira envernisada com topa-
ras e com dminos,
Bollas de borracha para brinque** Aa
criancas.
Diversos objectos de porcelana,
para enfeites de mesa e de lapmbsC
1
No Ba^ar do Pa5o iq u e u ia por-
$0 le rijs frao &tk- 01 1 Us o ,'raidis,
corei iois. jue e v n .1 1 ,.r tissim
pr^ 1 i. .1 ir. 1 t, -jara > .iDar.
No Baz (1 Pa 9o---"ode-se b> niioscor
tes in danos >iu dms "aiispao bara-J
tissiroo preco do lo 0 cala am, pi-
chincha. -
nos, para doas cadeiras, ditos para
pianos, camas, portas ; etc. vende-se por
menos do que em nutra qaalqoer parle.
COLCHAS BRANCAS A 342D0.34500 E 74
Para o Bazar do Pavo chegou um gran-
de sortimento das melbores colchas de fus
tao, s-ndo das memores e maise corp?da>
que tem vindo, a 74i.0 ', ditas om pouco
mais abaiio a 54500, e ditas a 34O0O;
Umbem no mesmo estabelecimento se ven-
de om grande sortimento de cretones e chi-
t s. proprias para colchas, que se vendem
muit em onta.
GORGUliOES 0 POUPEL1NAS DE SEDA
A 4O0O CADA COVADO.
Cheg u para o Bazar do Patio um ele
gante sortimento das verdadeiras poopelioas
de linbo e seda, com os mais modernos
gostos, que se vendem a 24000 cada 1 ovado,
o que em outra q >alqner parte nao se ven-
de por menos de 24500, previne-?e que r.5o
sao algodao e seda, como ba mnitos ; ma>
m puro licho e seda; s9o muito baratas.
ROUPAS PARA HOMENS
No accreditado Bazar do Pa^o encostra-
r o respeit .ve! publico um grande sorti-
mento de roupas para horneas tanto bran-
cas como de cores, a saber:
Camisas com peitos d'algodSo e de linbo,
para todos os precos e qua'idades.
Ceroulas de linbo e algodao.
Meias curtas francezas e it glezas.
Palitos sobrecasacos de panno preto e
casemira.
Calcas de brim branco e de cores
Ditas de casemiras pretas e de cores, com
co leles tguaes
De todas estas roupas ha para todos os
.recos e qualidades, e tem de mais mais
um perito
ALFAIATE
Por qaem se manda fazer com prestesa
e aceio qualquer peca de obra a capricho
ou go.'to do freguez, tendo n'este importan-
te estabelecimento todas as qualidades de
ianno lino, as melbores e mais moder-
nas casemiras, assim como os melbores brin?,
qur bracos, qur de cor; e quanio qual-
quer obra nao ficar ioleiramente ao gosto
dos reguezes tica por conta do estabeleci
ment.
CHALES DE MERINO
Cbegoa para o Bazar do Pavo nm elegan-
te sottiment 1 de cha'es de merino de cores
muito buns com padroes muito decentes
para qaalqoer urna senhora osar, ditos de
crpon com listas de seda o mais fino e
moderno que tem vindo ao mercado, e ven-
le-se por preco muito em ooata.
BABAD1NHS
No Bazar do Pavo veode-se um grande
sortimento dos mais fins babadinhos borda-
dos tapados e transparentes, assim como
urna gran le porc3o de entrmaios largos e
estreitos, que para acabar se vende mnit<<
em conta e mais barato do que em outra
qaalqoer parte.
FAZENOAS PARA LUTO y
No Bazir do Pa.o vende-se constante-
mente o meihor sortimento de fazendas
pretas para luto, como sejam :
Lasinoas retas lisas.
Cassas pretas de 15a.
Cassas pretas, francezas e inglezas, lisas
e com salpico?.
Chitas pretas de todas as qualidades.
Aioaoas pretas lisas.
D'tis Uvradas com branco.
Marinos, canto-ts, bombazinas, qne so
vendem mais barata do que em outra qaal-
qoer p re.
CHITAS PRETAS A 200 RS. O COVADO
No 3aair d> Pavo vende-se chitas pre-
tas inginas com salpicos 200 rs. qcovado.
d 'u*sas, a 12 o coya lo; peebincba.
0 proletarios d e>te imponante esta-
bei feamente roa n a. respeitavel publico e
particularmente Exmas. familias < favor
fe se drjm .empre ao trabdbo do lereui
s s*hm annunciOH, pe* razan de muitot.
d'illesse;ov n.iiiad n amms<8dsvezes.
-CACHh-NBZ A 64000.
No Bizar do >%i, veodem.se nooitos
ranle- cachi--.ez de pura a>, pelo bara-
to precj .m 6 >000 caua am
Chapeos e chapelinas para senhora, moldes novo
e bonitos.
Chapozinhos gorros e bonets para meninos
meninas.
Contra as coavulsoes as
crincas
Vende-se os verdadetros adiares na Nova Espe-
ranca, ra do Duque de Cixias n. 21.
PARA TINGIR CABELLOS
para preto? ou castanhus, recebeu a Nora Espe.
ranea a verdadeira tinta ingleza.
PARA ACABAR COM AS SARDAS
ou pannos, tem a Nova Esperanza o venladeir.
leile de rosas brancas.
AGUA DE FLOR DE LARANIA.
Vende-se na Nova Esperanza, ra do Duque de
Caxias n. 2t.
PAPEL PARA EXFEITARSE BOLOS
recebeu-of muito lindos a Nova Esperauca, ru*
do Duque de Caxiis o. 21.
PAIU AMAGAR E AFORMOSEARA PELLE
tem a Nova Espranos es satonetes de pos t
arroz
P ra ex iines.
TRADUCgAo INGLEZA
DOS
TRECHOS CLASSICOS
POR
C. PALMER,
IKiSOOO.
LIVRARIA FRA5CEZA.
Muita attenpo
O Campos da ra da Imperador n. 28 acaba
de retener em seu armazem, urna partida de se
mentas de hortalica que passa a mencionar as
qualidades e precos.
A saber :
De salsa, a 60 reis a oitavn.
r>e coentro, idem..
De repolho, idem.
De ervhas brancas, a 601 res a libra,
De ditas tortas rouxas, a 800 reis a libra.
De bracoras, a 60 reis a oitava.
De pepinos, dem.
De fr-ijii ervilha papo de rola, a 400 a libra.
De dito amarello, idern.
De dito meia-cara, idem
De dito cor de ganga, id^ro.
De tomates grandes, a 60 reis a nitava.
De eij de 7 anona para, grao, a 40 rs. a libra.
De rdito de 7 annos roxo, idem.
De espnaifres, a 60 rs. a 1 lava. ________
Cal
ni iva
de
Vende Joaquim Jj- Rumo*
t* andar
JLsbua
: ra da Cruz n.
Brins de Angola
OS LTIMOS LEGTIMOS
Vende-se em <*ass de T. JefTeries & C, ra do
Commerci n. 46
0 Bm* l) \'m-\j c i.ui ti Istp)rtG u a. '31), estV oa^ii^miate abartoi
d ;s 6 horas di una ,: is 9 di u >a(;e
NUVIOADEKMCVSLMIRAS
NA
Loja Flor da B a-vista
DE
Paulo F. M. Guimares,
Grande e rompleto-sortimento de casemiras de
quadms e lisas, as mais moderna que ha no mer-
cado, assim ("umii lino- paans prftns. JiUis azue-,
casemiras-lpico da seda, menu-., brins, sedas
para c Hete, carabas Anas inglesa, seronla*, meia,
lariohos. etc., ele, tudo p .r p'ec"* muito em
conta. 0~mesm i estanelpemiHii n -p aeha monid
d# nm perito alfaiale, fi*filrad i urna das mellv
res tesonras. Girante- bois ohrjg, e menos 20
0|0 do que em ontr > mal.iu<'r i-t b"i.-cim>-uto.
A" RU\ DO IMPK tADO't V 48
Jllnto p1;n a frane 71.
0I<> ilf 4i o
Vende sn h|po de ricino : na ra da Cadeia-vn-
Iba do Recife n. I, 3* andar.
W
JL31ll'AMCli(.4PLU

0
CO
Com este titulo acba-se aberto 6 inteiramente transformado este antigo
estabelecimento de joias, onde os fregaezes e amigos encontrarlo todo qoanto
a moda e o bom gosto tem inventado na arte de onrvesara, o Collar de Ouro
observar delicadeza no trato e senciridade e modecidade nos precos.
Espera qne o respeitavel pnblico venha ver o qne existe de melhor en
aderaos de brilhantes, esmeraldas, robins e perol as, meios aderecos, pd-
ceiras, brincos, alfinetes e anneis de todas as qualidades, prata de le aqoei-
ros, colheres, paliteiros salvas e ootros muitos objectos qne seria enfadooho
P mencionar.
Compra-se oaro, prata, brilhantes e pedras finas, permaior preco do
M qu em outra qnalqner parte, treca-se e concerta-se todo e qnalqner c bjecto
pertencente a esta arte.
CHANDE UflIBAEAB'
Lonren RUADA IMPERATRIZ N. 72
Tendo resolvido o sea proprietario liquidar todas as fazendas existentes as loja
Garibaldi e Arara, convida ao respeitavel publico, ama te da economa, a vistores a
loja da roa da Imperatriz n. 72, pois s deseja apurar o dinheiro.
Arara vende madapoln enfestado a 3#500. Para liquidar vende bramante de B-
a peca, ditas de 21 jardas a 5000, 6i00, nbo e algoda > a 15800 o metro, dito ie
6i5oOO, 7^000, 85000, 9#000, e 10^000.1 linbo puro a 2JS0O, esta fazenda pro-
Vende-se cortes de casemiras de cores! pria para Ienc6es e toalhas por ter 10 pal-
pan calcas a 43000, 55000.
Para liquidacjlo vende-se algodao de lis-
tras proprio para calcas, camisas e saias
para escravos a 160 rs, o covado.
Na roa da Imperatriz vende se chailes de
merino estampados e de barra a 2000,
20500 e 30 Arara vende cortes de casemira preta
para calca a 30500, 40000. 50100, 60000,
70000, e 80000.
Para liqnidaco vende-se brim pardo liso
bom a 500 rs, o metro, dito transado a
720, 900, e 10000 o metro.
Para a cabar vende-se duzias de lencos
brancos de cassa a 20000, e 3&600, ditos
de linho a 53000, 60)OO.
Na ra da Imperatriz vende-se cobertores
de algodao a 10400 e corbertas de chita a
105iO.
Para liqnidaco vende-se cortes de casto-
res para calcas de homem a 500 rs.
A Arara vende chitas largas para vestido
a 240, 280, 320, e 360, rs. o covado.
O barateiro vende percalas Boas para
vestdo a 440, rs, o covado.
Em liquidac5o vende-se alpacas para ves-
tidos de Sras. a 500, rs, o covado.
A Arara vende lazinhas para vestidos de
Sras. a 32'), 400 e 500, rs, o covado.
OGuiraarSes vende mursulina de cor
para vest lo da Sras. a 440 rs. o covado, eos a 20.
mos largura.
Vende-se cortinados para cama (rraraa
a 10400 o cortinado para liquidar.
Arara vende cortes de chitas para vea*
dos a 20500,20800 e 30200 o corte para
liquidar.
Vendeo-se cortes de cassa a 20500
corte s na liquidarlo a da imperatnx.
Vende-se cortinados para janellas i di
a peca para liquidar.
ECONOMA
V.- nde-se rlnzias de colla- inhos de pa-
pel a 240 rs. para acabar.
Arara vende liasinhas transparentes para
vestid'>s a 500 rs. o covado.
Liqoidacao, vndese narar-eito Hst
20200, 20500, 30. 30500, 40 e 5*. pre-
prio para calsas e pa its ; or ser bea s
zeda e barate.
Arara vende cortes de brim pan cal-
sas de bomem 10500.
Vende-se cortes de pecalas de dma saJaa
para senboras pelo barato preco e a 6f.
cadaum.
Grande liqaidacSo de roopa feita.
Vende-se palitos de alparca a de
a 0.
Vende-se ditos de ganga para be
a 20.
Vende-se ditos de brim de algodao
;
dita branca a 500 rs.
O Mames vende fiuto da coros par-
vestidos de s>aahoras a 360, o covado.
O L urenco vende cassas dnas para ves-
tidos 240, 360, 400 e 440 rs. o covado.
Arara vende alpacas de lista para vesti-
dos de senboras a 500 rs. o cavado, ditas e 20500.
lisas a 300 e 640 rs. ocovado, .titas matisa-1 Vende-se
das a 640 rs. a 60 30.
Ven 'd se ditos de meia casemira a 24.
Venase coletes de brim de cores a l#-
V-nde-s" ditos de meia c sean-i a25o
Vende-se calcas de algodJo azul a S^O rs.
Ven ie se dita da algodao de listras a 8C0rs
V nde se ditas de brim pardo 20, t#60C
calcas de casa aira de core
Farinha da trra i
moito snperior, depositada em barricas, no arma-'
teca do Sr. Angelo Baptista do Nascimento, ao p
Jo caes dos vapores no forte do Mallos; vende-se
am alqneires, a tratar com Bernardo Jos de
Araojo no armazem do Sr. Annes defronte da al-
fa ndega.
<4Z AZ AZ
Chegou ao antigo deposito de Heary
ti, rna do Imperador, om uainpimaSs
1 pnmeira qnalidtde; o qual ae rtmie
t a retal ho por menos preco do qna
mer parte.
fiREliARAlif Especialidades.
\JiJLU\Ml 1.JH.1.1 Ti Continuara a achar-se a ve* na roa
Contlnuam a achar-se a veda na r
botica n. 83. os mni coabeei* e aer
medios ds veame, e ootros diverso
ts feitos em Paris, be eooM o lampes < co-
deina de B-rth, de rafcoao loJadn, de
Poqos iiistatiUneos aperfeiqo-
ados por preqo muito commn-
.lo: na ra Nota n. 28, loia de f'rr" de Bhneard"*a pnob *> w>,
. o i j ka ci a cerei, ^* de Roet ******* *
VDtOIllO red rod N'iUZaSoares. digital de Lab-llony, pillas oa confeitoe Uo-
Bombas completas para c %%&?!&&
oimb, por diminuto preqo, na
mesma casa.
Cigarros da imperial
fabrica de S. Joo
mii'ho de Chevrier, e ootn medn
pnifl^iincia quando erooregaoos
vivs re'pirat'irias as dores rbeaator, no
luiarellid, na fal cotnpWa oo irr^otena
fe menslruo, as diarrMos, doooca- *>
1 e da estomago, ten sido o
v.4.1 los I*i4ilc.>s re
no uso qoe dirsroM oosOsaoM Hs st *n f Mu,' as-
atnr nm das asMw-aiaosjSBtslai framao
,mp.uavis em oa
Mnifi
de metheroy. n n* peqtreno ^rtmwwn a eaoo
Orneo depo*in> oca Pernamboco casi da alfta* nl''0* P*1***. IW-aB^vaianraor
lega velha n. % i aooo. as^ooa**sm


Diario de Perjuunbuco Sexta feira 1
>ro de 1870
i
i

,4
l
i
SIUSICA.
Sahiram luz
As ru::s em contradanza.
Lwla quadrilha |ara piano par Colas ftlho,
Mor da Boa vista, valsa : a venda no grande ar-
mazeni de pianos u msicas do Azevelo, i ra
"I. Iijj.! ra do Barl da Victoria,
IV B. Rosase *>>s Srs. assiguantes de manda-
ren) bocear as pecas de mus a;>sgnaiuras.
Ultimas puMicacoes da imprenta nacional
N. I. Piano. Annelta, polka brilbante, por I.
Smoliz. 200.
N. 2. Piano. Minerva, poika brilhante, por Cola*
rilho,-J.
N. 3. Piano. Chico Diabo, polka brilhante, por
, 800.
N. 4. Piano. I'uh lagrima, Mazarka, por Ma-
ntee B. Zuconi, UT.
^ 5. Piano. Horie de Lopes, polka marcial, por
N. 6. Piano, La Grande Duche?*, polka por Lu-
oien LaiBrfrl, l.
X. 7. Piano. Carmen, Aita, La Playera, 1 pol-
kas dn< cavallinhos, |.
N. 8. Piano. L" Souvenir, valse de saln, po
E. CwaHmre, U-
X. 9. Piano. Santinba, Haroca, 2 valsa? dos ca-
vallinhos, 10J0
N. 10. Pianr. Chant D'Oiieaux, polka, por E.
Usalbora, {&.
N. II. I'.ano. A flor da Boa-vista, valsa, por
Jos Coeilio da S. A., 13.
N. 12. Lagrimas d'Aurora, Mazuika, por J. J.
N. 13. A estrada de ferro, quadrha, por Hen
rique Alberiazzi, 15.
N. I*. Canto. Sania Lucia, barcarola "napoli-
tana, por Gennaro Arnaud, 1>.
N. 13. Canto. Mara Aria, para M. S. M' aqqari
tutt' amor, de Floto-.
X. 16 As mas em contradanza, quadriiba, por
Colas F.lho, 1. ^ H ^
Jos de Souza Soares & C
IA BO BARIO Di Y
( OUTIt'ORA NOVA )
Apresenta-se raetum rphozeadu no que pode haver de mais" hallo e agradave) em fi-
sendas finas para Senhoras artigos de alta moda em Faris tanto para senboras como
para homens e meninos.-
Miuaezas afarmadas, perfumaras espacia, variedade de luidos objectos para me-
amos e brinqoedos para crianzas.
GRANDE SORTIMENTO
Continuamente recebido por todos os paquetes vindo da Europa aonde tem ha-
bis correspondentes.
Vndese mnito emconta e maada-se por em pregada do estabelecimento fazendas
an casa das Exms. familias afitn do mlhor escolherem n que desejarem.
LOJA M) PAPAGAIO
R OE FKEHDiS E ROUPAS FEITS
Kua da Imperatriz n. 40, esquina do be-co dos Ferreiros.
NOVIDADES
DO
7 Ra do Queimado 7
0 propietario deslo nuvo estabelecimento communica
doivi 4 a------- y i-icy.io uiv cuchi luuo d *w iiydu uu respeitave punnco que nao
aeixara ao cora pequea quantia refazer-se de qnalquer qualidarJe de fazendas que pre-
cise. Preyme-se tambem que a mesma loja tem feito sortimento de fazendas moder-
[!:,e conlmua a ortir-se das do mais aburado c escolbido gosto, que vender mais
barato que qualquer outra loja.
Grande pechincha.
Ricos nortea de cambraia bordados cnm 10 vara?
a 7, alpacas e lias de cores a 4(K) e 500 rs. o
cavado : vende se ua ra do Duque de Caxias n
19, loja de Leite. P.mtes & C.
A 8^000.
Vende-se borieguins fraacexes, obra gaspiada e
niailo boa, pelo diminuto preco de 8 ; venham a
el les, antes que se acabem : na ra da Cadeia n.
50 A. loja de minela*.
Chapeos do
uva-rulos
Na raa do Bario da Victoria n. 36, outr'ora ra
.Nova,
_________ Chipelleria.
Vl-ii je-au a propriedade denominada Titub,
incluindo dous engenta S. Pedro e Timb de Fra,
com ptimas trras para cannase quaesqner la-
vouras abrigadas ds eochente. do rio Cear-mc-
nai. Protendeso 7U:00i, e apezar deserbara-
tissiinopor e.*l.> prefo, por ter proporgoes para
mais nm envendo, inulta malta e cercados sufll-
eieotes para boiala e memo reftzer gado, o abai-
xoassignido f.na e momea ao c- mjirador : para
informaoes dirij.iiii-se ana Srs. Fabricio AC. era
iiaarapts Rio Grande do Norte.
Timb, 4 de outnbn de 1870.
_________________Jos Flix da Rocha Falca >.
~ Vende se urna armaco propria para qual"
quer principiante, na ra de S. Jos n. 51 (com
eommodos para f.imilia); a tratar na ra do Hos-
picio n. 30, taberna
LABERINTHOS
Veudese roiilias. toallias e lencos de laberyn-
tho, obras maito boa : na Roa Estrella do Rosa-
no, Lja de Haia \ Landelino.
E' chegado a este novo estabelecimento o mais bello sortimento de fazendas
ioas, sendo sua especialidade enxovaes para noivaclo.
Vestidos de blond de ,sda ricamente bordados.
Gorguro de seda branco para vestido.
Colcbas de seda pura, para cama com ricos desenlios.
Bitas de la e seda, id m idem.
Ditas de crox, idem idem.
Corteados ricamente bordados para camae jaiielbe.
Ctoxs pira cadeiras E sofs.
Vestidos de cambraia branca bordados.
Popelines de lindos gostos.
Ln"as de diversas qualidades, lindos gostos e modernas.
IIicos b urnus para passeio, com listras de setim.
Sabidas de baile o que ba de mais rico.
Cretones para vestidos com lindos desenhos.
Carnizas bordadas e sem bordados para senboras.
Camisas bordadas muito finas para homens.
D tas inglezas para homens e meninos.
Seroulas de linho, e um grande sortimento de roupas feitas e de fazendas que
enfadonho mencionar. M
Luvas frescas de Jouvin
Sortimento de tapetes para guarnices de salas, alcatifas para forro de sala, e o
trande sortimento das acreditadas e verdadeiras
Esteiras da India
CASA CAUVIN A- MARINIER, Pha,ma^ia^TU*-
Bouleronl Sebastopol, OS PARS;
NOVAS ESPECIALIDADES A. MARINIER
AprcsutaUs a Acadeuia de Stioncias c Sob a ronm de P.isliila. ieratit) e doscada par
fusor do numento uru S4)liif(jo
Preventiva e curativa das KOLESTUS C0ITA6I0SA8
I^JECCO
i.itiLUIlrll 1 U1L1UUgravea inceavenieates de rragilldade.
FRTO.inQ Com a-.(?!!J!aie '',' '> COlUdUO COTESDO TODO 1RXTAHENTO.
COLLYRIO Contra as afleccois das palpebras,
preparado sob a raesnu (oan.
BARTHOLOMEO i C
Depositarios geral para e BRASIL e IOftTf 4L
34, ra larga do Rosario. PERNAMBTJOO.
AlgodSostnb) com 48 jardas a 2jJ800 a
peca.
MadipolSo enfetado com 12 jardas a 3)
e 355J0 a peca.
Diio de 24 jardas a 50OOO para cima.
Atoalhados de linbo, e de algodao tran-
cados, e adamascados por precos commo-
4os.
Cillas escoras e claras de 240 is. o co-
vado para cima.
Cambraias de cores miudinhas a 240 l*s.
ocovado.
Ditas mais finas a 5C0 rs. o metro.
Baloes d mossulina a 40 e 55000
Guardanapos de linho a 3550J a du-
zia.
Bramante de linho a 20500 e 30000 com
10 palmos.
Dito de algodSo a 1800 o metri.
Meias para senboras de 40000 a duzia
para cima.
Ditas para homens de 30000 a duzia
para cima.
Ditas para meninos e meninas de todos
os tamanhos.
C'.lebas de foslJo branco de 3?S200 para
cima.
Ditas de cor de 30000 para cima.
Toalhas de rosto de 500 rs. para cima.
Cobertores de la finos, a 80 e 10,5000.
Ditos encarnados a 40500.
Ditos de algodo a 10500.
Cambraia tapada muito larga com pre-
gas e bordado,'propria para sa>as de senbo-
ras prego barato.
Llazinbas Irences trancadas, com listras
largas proprias para saias de baixo, fazenda
inlciramente nova a 590 rs. ocovado,
Cambraias brancas transparentes e tapa-
das de todas as qualidades e precos.
Uazinhas tapadas e transparentes de
umitas diversidades de cores de 320 rs.
o cavado para cima.
Alpacas lisas e de tarta cores a 500 rs.
o covado.
Cortes de percala de 2 saias a 4^000.
Ditos de organdy -de dito dito a 80000.
Cortes de 13a da Escocia a 60000.
Ditas em peca a 500 rs. o covadj.
.Chales de merino lisos a 20500.
Ditos estampados de 40500 para cima.
Camisinhas de cambraia branca transpa-
rente, bordadas com enfeites brancos e de
cores a 30000.
Brillantinas brancas de 500 rs. ocovado,
Ditas de cores a 500 rs, o covado.
Lencos de cambraia de linbo, e de es-
guio at o mais fino.
Lencos cliinezes a 30500 a duzia.
Ditos brancos de algodo a 20500, mui
to finos.
Fil hranco e preto, liso e de salpico.
(-orles de cambraia, brancacom salpico de
Bit:
Ditos de fil liso a 50000
Tarlalarias brancas, e do cores.
Peitos de linbo bordados e lisos de es-
guio.
Camisas bordadas finissimas, proprias
para noivos com a competente gravati.
Punhos de linho para homem a 10 o
par.
. Cilarinbos de linho lisos e bordados.
Gravatas pretas e de cores, tanto em se-
tim como em seda, ba de todos os gostos e
feitios.
ROUPA FEITA E POR MEDIDA NA LOJA
DO PAPAGAIO.
Sorimento de roupas feitas de todas as
qoalidades, e feitios; para precos commo-
dos, e quem comprar porco para negociar
ter nm abatimeuto razoavel, grande sorti-
mento de casemiras de cores com quadtos
e listras, casemras pretas, e pannos pretos,
azues e cor de caf, britis brancos, pretos
de cores e pardos, e manda-se fazer
qaalqner obra a vontade dos freguezes,
quer para homens ou meninos, e por me-
nos piuco que qualquer outra officioa, e
para issoa LOJ.V 00 PAPAGAIO acba-semu-
nida de um bom mestre alfaiate para bem
desempenbar qualquer obra da sua arte,
recabindo a respoosabilidade sobre o pro-
prietario da loja.
Dam-se as amostras de todas as fazend
a quem as exibir, ou mandam-se levar
loscaixeiros.
A loja do Papagaio acba-se aberta d
horas da manba s 9 horas da noute.
Francisco Teixeira Mendes.
CANDIDO ALBEKTi) SODItR0 D.V MTTA & C.
eom escriptorio a armezem de peneros de estiva
travessa da Madre de Den* n. ti, tem para vender
o seimlnte em conserva ptimamente preparado
e:n Paris :
-: Frvilhas (Pelits po).
Pujo vhror {Raricots tetts).
Dito IM CSaO (/ira fligcollets).
EsPABnos (Asperge).
XtaoHU.Ajna WbeoOHes (Maadoine legumes).
!ll*a (Cnmtes).
Tomates (Tom OxrfRDG Hrlxkli.as tChous de Bruxelles).
Alcmhofms (Fan dartichants).
Espeiafrbs (Epmards)
'./mjomellos (Ck-uapignovs).
(Cpes).
Pastis com truffas (Pals truffes).
skm tri-ffas ( tnns tru/fs)^
Aren com azkite (Ton a l'kuile).
Tr-fas simples (Truffes an naturel).
SASMMA km tomates (Sardiw etc.)
Galanti.va com tui.ffas (GolanUns avec truljee)
Franco (Poulel).
PfMBO D)M ERVILHAS (PigCOH dteC pO$).
Ialli^ijplas {Bcaisones).
Perdiz Com azbitonas (Perdiz avec olives).
assada ( > rof).
AxDOnisHA (AUnuette).
'Codorniz (Guille).
Lamprea (Lamproie).
Picado (Andouillettes t.)
Salxicha (S'iMcwsono t.)
iIarne giizade (Frincandeau O.)
Re ebeu-se mais
Um completo e variado sortimento de papis
pintados e dmrados de diferentes qualidades e es-
qawitos de-enhos proprios para forro e goarnicao
desalas, gabinet.M, escriptorio-, etc. Na remessa
desse arterict i tem havido o maior gosto e capri-
cho da art" d i qosm correspondente de Paris.
Com una mdica cominissao sobre o cu'to da
fabrica venteaos este papel, pois de?ejamos ter
effectivanvnte tm depoyto desa especialidade
No armaxem de Gmdtdo Afeerto Sodr da Molla 4
C, iravessa da MaJre de Deus n. 14.
Fumo e papel
Completo -o-timeni-> defamo, tanto para cigar-
ros cojmo par charuto?, vindo do Rio de Janeiro,
Bahia'e R.. G:enoV da Sul. Papel de seda, linho
'- algnd'i, -le (tiffiT-nfes qualidades.. proprio* psra
ofabreo de cigarros. Vende-se constantemente
no amazem de ftntido Alberto S^dr da Motu
* C. : trav-an 11 '.fudrg de Deus n. 14.
3 portas n. 53, ra Direita, 3 pjrtas n. 53, anUya\
loja do Braga
O abaixo assiguado, dono deste antigo estabelecimento, tendo ero vista aiiresentar imi
completo sornmento de ferragens, miadezas e cotileria, tem resolvido audff?Sr en?
K?,KT daE,urPa os n'e,hores "*" & en estabelecimento d.ffabrau" ]
mais conheede^; pelo que convida aorespfi lavel publico e a seos numerosos freluenw
i virem se rvlr dos objectos de sua carencia, a,Dde encontrarSo por nS^oS^!
M outra quaLioer parte, um sortimento completo de machinas Har deWcaf aodL.
do bem conhecdo fabricante Cottorr Gm & C, ditas para costura, motora pau aiu ae \
22! P.aIfo?i m_h0.s_P.ra.efe de ods os lmannos, da fabrica do Jap? ei?tagffi d 1
porcelana, facas e garfus
e
consianle-
dons canos e de um, tnto inglezas como (raneeaj, louca du
mlhf*? fall,"dese P^s, bandejas chinezas, salitre, breo, barbante^eSe pS e
Sf de/err' xaC5 % ag5lb* Para ^ro i "sim eoteo eneou rarao corSe-
mente grande pureao de fogo do ar, e recehe se encoauneada de fogos de vista alera dem M
?l?uT?feM,eT^.q,,6 Se l0rDara H,Ml")h0 """-'^-'"^ "venham aro3 rr,LT !
oj, toja de Lenidas Tito Loureiro, antiga loja u raga.

CASA CAUVIN a. UBniER
Eivl sem segundo, Eival sem segundo
RA DIQIKDE (A\lis X. 49
(Antiga raa do Onoimudo)
Gontina a vender tudo muito
muito barato a saber : '
I __ v"D Duuiiauuoi
120
Pharmaceatlco privileaiado
successor
P
Itoulevard Sebastopol, Sf5. PAR"
NOVAS ESPECIALIDADES A. MARINIER
m Apreaeataaas a Academia de Scieacias e ao kstuio de Frasca.
IN.1 Ffifi L fl Sob* lomt ** p"ti'. devedida e dmeada para fater de
I1U tuW#*U momento ama aolucio PBGVUTIVA I CURATIVA das
MOLESTIAS CONTAGIOSAS
COLLYRIO
BARTHOLOMEO & C:
Doces, fructas e flores
Ra da Cruz n. 13.
Ha muito que esta provincia pedia ma casa
qie bem satisfkesse as pessoas que sabem apre-
ciar o que cima se v nesse dstico. Er nesse
estabelecimento que se encontram os itelhures
doces de todas as fructas, seceos e de calla, doces
d'ovos de todas as especies de inassas, gelas de
goiaba, de arac, de pitaupa e mo de vacca, ven-
do volume de um relogio, serviodo
de Puiltro e Seringa aem os
Graves inconvenientes de fragilidad*.
FQTfa.tnQ Com a ,orma e i0;ol"Me de om ''orte-oea eontendo
COIV/wV/9 TODO THATAMENTO.
Contra os affeccois das palpebras, preparado sob a mesma forma.
Depositarios geral para o BRASIL e POKTI AL
3, ra larga do Rosario. PEBIAMBUCO.
Vende se a taberna da ra
39 : a tratar na mssma.
da Senzala-nova n
Vende-se
. Doces, fructas e fl res
Raa da Cruz o. 13.
0
MI i liDf!,
r>ia ni:, r*\\a\, a.) H'iariof sobrado n. 35, pri-
meiro andar. :a- eapellas de saulades, de perpe-
ina, de mtv*vWe f rj cravos, proprias para
m r" ** *"'*' nwi "fetfm>", j om as fita
eosietr.^-. tino de ,, e barat0 qaem
21m, Z' VI '*L"n,"*r d0 dia W em d'at-
^'I^A^ "< a^n5^Z0'e deve a LoameD-
'-' Vende <-~oTB!, ararSb-mil tm
ooviejD mnito bom
Na roa dos Qaarteis n. I urna armacio propria
desearetlho'ee,'grossopara"ola7r"'Darre S!!'^??vqner es'8belecinMn,' Prendo o eom-
Apromptam-se bandejas com bol ntms m mtS d-' > P "" ?. Car Da **"* '!* 0D* est :
adose com ricos afeites 5o Le eocontrl gUe'L ""'^ Pde lraarna Da rua 'Wa a" 4-
grande sortimento, presuntos em fiambre e oulros
pralosque nao se podem dispensar em qualquer
festa, xaropes de grozella, tamarioo, lima e outras
ftucla*. Junio a este eslabelecimento est ligado
um bello sitio que nelle nunca faltam florej a vnl- r"1,cf* dias- 'nietas, pastis, bom bo-
sas e em boquetes ; apromptam-se boquetes para cadt> m'mtdos, doces o impadas.
rieaincntn enfeilados de eravos areos A f\jtf\(\f\ "~
Vende-se botiDas pretas e do core, obra muito
boa, pelo diminuto prego 4e o'< : venham bem
conhe ila loja de ruiudeas da na da Cadeia nn-
mero SO A.
noivos ricamenln enreitados de eravos areos
com t.ida a per'eir;o e deliesdaia, muitis varie-
dades de planta para se preparar um jardim e
planear um sitio, a' vista das encomiiiunias fel-
tas se verificara o que cima flca dito.
O verdadeiro pofllaud. S so veiide na roa da
Madre de Deo* o. *2. armazcm de Jco Martins de
barr.
V-mJ' se fe-jo, faTitrba.
cera de carnauba
e p<>m.n de orna : na roa da Madre da Beu n. &
! aidar ^
Secretaria, de farro ~~
, Vende-te e est visia eui eaaa. dos Imaertado.
res Shaw Hawke A C roa da Cruz n. '""'
Para a feeta
Vende se o siti denominajo tWor oae Coi do
Rvm padre l se, na estrada rtevit \, ataate
com urna grande casa muito freao*,, m, mub
Vende-e e saceos grandes, duenpafior quali- plasta de capi.*, .|aades .f^feaTdia
Vendeseaap ... ,i r.ir.ca, obra boa, pelo di-
not> oreeo de tiSOO: a, bi conbocida loja
de miudezas da ru da Cadeia n. 0 a.
Jffilho.
Libras de areia prela 'muito boo. .
Tesouras finas para utinas e costu-
ra a..... 500
Papis de agulhas francezas a ba-
lo a......... 60
Caixas com seis saboiietes de fruta l^rOOO
Libras de 13a para bordar de todas
as cores a....... (iffooo
Carrileis de linha Aleandre a. 100
Frascos com azeite para machinas 500
Grvalas de cores muito finas a 500
G rozas de boles madepersla fi-
nissimos a....... 500
Novello de liaba de 400 jardas a. w
Gaixas com 100 envelopes muito
superiores a...... 6u0
Pentes volteados para meatoas a. 240
Tinteitus com tinta preta a 80 rs. e 100
Pecas de fita elstica muito fina a 200
Lata com superior banha a 100 e. 200
Frascos de oleo Pbilocomo muilo
fiuo a. .'...... 500
Frascos de macaca perola a. 240
Frascos de egtracto muito b mitos a 500
Duzia de saboneles muito fios a. 720
Sabonetes inglezes a 600 rs. e. 10200
Frasco com agua de colonia Pivera 500
Dito de oleo babeza a..... 500
Caixas de lamparinas a. 40
Sabonetes a forma menino muito
superiores a....... gft
Gartilhas da doutrina fazenda nova a 400
Libras de linha sorlidas de todos os
mwrieros a....... i#joo
Capachos mnito bonitos e grandes a 700
Carrileis de retroz preto, com 2
oitavas a........ 640
Agulhirosde osso enfeitados a, 240
Libra de linha fraoceza superior
qualidade a....... 2(420
Caixas de palito do gaz a. 00
RUA DO BUQUE DE CAXIAS N. 49
Estou disposto a continuar a vender todas
as miudezas pelos baratissimos precos abai
bom e xo declarados, garantindo tudo bom e pro-
cos admirados.
120 Duzias de palitos seguranca a....
GALWYGILAOT
Os propnctano deste bem eonheridrj -rmiah
cimente, alm dos muitos objectos qu
posto* a apreciaclo do respeiuvel pnW't r a^.
daram vir e acabam de recebe.* polo nlimo'^mm
da Europa, nm completo e variado eortitaemoi
finas e mui delicadas especial ida de*, as t-m.
tao resol vi dos a vender, como de wu ... x^m,
Sjr precos muito baratinies e eonuavxlos pan to-
as, com tanto que o Gallo....
Muito superiores luvas de pellica, pretaa, brm-
cas e de mui lindas cores.
Mui boas e bonitas follinhas e penhos psra m-
nhora, neste genero o qm ba de niat moderan
Superiores pentes de tarurofa para coqMtv
Lindos e riquissiraos etfeites pan eah.;cas te
Kxmas. senboras.
Superiores trancas pretaa e de corea cera vieltw
Ihos e sem elles; esta fazenda o que tde hxmt
de melhor e mais bonito.
Superiores e bonitos loquea de madrepenh,
marfm, sndalo e osso, sendo aqceiW ranea
com lindos desenhos, e este pretos.
Mnito superiores meias fio de Eseossia rara-
nhoras, as quaes sempre se venderam por 30JW
a duzia, entretanto que nos as veadeaos por H*
aini destas, temos tamf.cm grande sUii..j&to V
outras qualidades, entre as q'aes a]gu;.:a
Ticas.
Boas bengalas de superior caana da
castao de inarim com luidas e or^anudoras L^.
ras do rcesmo, oeste genero o jue de .ruinar
pode eaejar ; alm desta> leo* UaRben gxaatV
Junntidade de otras (jnalidadea, romo spaA,aa*-
eira, baieia, osso, borracha, etc. etc. etc.
Finos, bonitos e airosos chicutinboa la eaetaa
de outras qualidades.
Lindas e superiores ligas de seda e fc.rra.-a*
para segurar as meias.
Boas meias de seda para iaaM e para aTteac
nas de i a 12 annos de Mala
Navalhas cabo de mariim e tai -iruja i \tx i atar
barba; sao rnuito boas,e de ni..is a tata ta ga-
rantidas pelo fabricante, e no oor aossa a z *ja>
bem assegnramfcs sua qualidade c di !i
Lindas e bellas eapellas jiara noiva.
Superiores agulhas para macliiaa e p?ra trwt
Linha muito boa de peso, frouxa, para ettctv
labyrintho.
Bons baralbo! de canas para voltarete, aataa
como os tentos para o mesmo fim.
Grande e variado sortimento das melo- pe
fumarias e dos melhores e mais couuet du per-
fumistas.
COLARES DE ROER.
Elctricos magnticos contra as convul-ea,
faflilitam a denticao das innocentes criaaez 8r-
mos desde mnito recebedores de.: oao>
collares, e coi;-inamos reeatre-lM por :>mm
vapor'y. af.m de que nimca falten v>
coi..i i:, i-.., .ii-,,iitecido, assim pn* poder
de.'k-s practaraa, vir ao depr.jito Ai.
vigilante, z>;u :-. sempra encontrarlo dsie* aaV
,,f;''s ''":: e os .naes aalnaaii n
par < que -u .ipplitad .*, se vender cota tur a
ouoinnto hiero,
Rofainos, pi.is, avists d.-H objectos qne ,." i.
declarador, ;os in. -t>.-. repuaes eamiKo a v
comprar pnr .i\
vigilan!-. : .
fregiuaet e amigor a vataa
os inniki r:iwaveis loja (!c ?afc
''e-i,.- n. 7.
Atteiicao
Veade-se a armacio e pertences da taberna n.
11 do.largo do Terco, muito propria para qualquer
principiante : a tratar ao sobrado por cima da
mesma.
JHob- nte-rheamtcr.
Remedio efficacrssimo contra as dores rheuma-
ticas at boje o mai.- conhecido pelos seas mara-
vilhosos resultados.
XAROPEDE AGRIAO.- nm dos medicamen-
tos que sua efiieacia as enfermidates, toase e
sangue, pela bocea, bronebites, dores e fraqneza
no peilo, escrjbuto e molestias de ligado, que me-
lhor tem aprovado. -
ItimiRA DE MARAPUAMA.- A eelabre raiz
de marapuaraa, caja eqefgia e eOkacia ou para-
lysias, intorpecimenio. etc. etc. muito se recom-
menda.
Todos esses preparaog ae neafliram' na phar.
macia e drogara de Rarihnlomeu & jQ, pnico de-
pcaitp na rua larga do Rosario o. 34
------
Duzia de palitos seguranza caixa
grande a...................
Frascos com oleobaboza muito fino.
Pacote* com p "s de arroz o me-
lhor que ba a...............
Walbas muito finas para fazer
baria a....................
Caixa de linha bran do gaz a..
Vara de franjas de lidho para toa-
lhas .......................
Caixas com peonas d'aco de Ferry
saperiores................
Lencos da cassa brancos e pinta-
dosa......................
Caixas com 20 quadernos de papel
pautado .......
Caixas com 50 novellos de linha
do gaz a........
Duzias de meias cruas superior
qualidade a.......30600
Pecas de babadinhos com 10 va-
ras a.........
Pegas de tiras bordadascom 12
metros cada pe a a 10500 e.
Pecas de fitas para cs de qual-
quer largura com 10 varas a.
Escovas para onhas fazenda fina a
Ditas para denles a 240, 320,
400 rs. e....., .
Pecas de tranca lisas, brancas e
de cores a.......
Duzia de linha frxa para borda-
dos a 400 rs. e.....
Pares de meias croas, para m* '
nos diversos tamanhos a. .
Duzias de meias brancas muito
finas para senbora a. .
Pares de sapatos de tranca do
Porto........
Pares de sapatos de tapete a. .
Duzias de baralhos para vultarete
Sylabarios portogoezes a. .
Caribes com colxetes t carreras a
A&otoaduras para collete diversas
qualidades.......
Caixas com penna de ac maito
boa de 320 a......
Caixas com superiores obreias a.
Duzia de agulha para macniaa a.
Libras de pregos francezes lodos
os tamanhos a......
Pacote de papel com 20 qoader-
nos...........
Re. raa de papel pautado superior
Resma de papel liso muito supe-
rior a...........
320
320
320
i000
500
160
900
100
700
400
500
2,5000
500
500
500
40
500
320
4,5500
2,5000
105OG
3^000
400
20
400
50C
40
20000
240
400
40000
Vende se urna casa Wrea d*adra aL'M
rna Iapertala.50, nova e-imita bem eotstfpida,
con satas, 3 jananos coxinha fra, estribara,
cacimba,, fluintai todo murado com sahlrla no ron-
do, terreno preprio, a qual rende fili oot'*z :
a tratar armizaoi da bol amarilla lo OtOo i
saevauria de petioia.
dade e mnito nove, por menea prao ue *,, otra Jaga "propria paraTcapim eT<7dnr7ieto-,ateU.
qnalquer.parie : na tm ijVitarlo mut escrip- Opibaribe, mutto Uoaagua iUtUrSnnm\
torio de Jote Lope* G.
sitio.
Ante? me stmibem.
k m>c: r: 30 : vende se a
1 ri Itfp do Rosarir n.34
30600
Fogfto d patente.
Vndese ere casa dos importadores Shaw
Hawkes k C, ru da Cruz n. 4.
MMlt
DAS FON TES
IALTERIVE E CELESTWS
Km calvas t a retalho.
Wo arroaiem da roa do Vigario n. II.
Sweiles
*e yttMfyj*JS^t.t9!^M*BJL: aa caaa aaJHorUs
J coraeiro previde^it
Raa t, Hn|aMn|g D.
^ovo e variado sdriimcnU) d pert
finas, e outros objectos.
Alm do completo sortimento de
marias, de que cffectivamfintc est
loja doCordeiro Previd^nie, ella
receber um outro sortimenttj tn
aotavel pela variedade de oMaoto!
iade, qualidades e eoounocda :
?os; assim, pois, o Qsfdeiro Pn
e espera continuar a merecer as
do respeitavel publico e*a gori
boa freguezia em partictlar, n:
tando elle de sua bem cr>ber;\
a barateza. Em dita loj.: rae
tpreciadores do bom:
Agua divina de E. Coudray.
Dita verdadeira de Murray r Lajee
Dita de Cologne ingleza, airii m
ceza, todas dos melhores emaisacr
Tabricantes.
Dita de flor de larangeiraa.
Dita dos Alpes, e vilete pin tamt.
Elixir odontalgico para coaaer.ac'o
sseio da bocea.
Cosmetiques de superior qualida^., c ch*
ros agradaveis.
Copos e latas, maiores e menores, CM
pomada fina para cabello.
Frascos com dita japonexa, lranspr:ii
e outras qualidades.
Finos extractos inglezes, aaericaj
(rancezes em frascos simples eeneita.-'.,..
Essencia imperial do fino e agrada-. -
ro de violeta.
Outras concentradas e de ebeiros igrta
mente finas e agradaveis.
Oleo philocome verdadeiro.
Extracto d'oleo de superior qc?]\{
om escomidos cheiros, em frasees dx :
renies tamanhos.
Sabonetes em barras, maiores e menrr*
para nulos.
Ditos transparentes, redondos e em I
as de meninos.
Ditos muito finos em caiiinha para
Caixinhas com bonitos sabonetes irrr^ai
(metas.
Ditas de madeira invernisada costee dr f
as perfumarias, muito proprias para ;r
entes.
Ditas de papelao igualmente bonit-a, Uf
bem de perfumarias finas.
Bonitos vasos de metal coloridos, i
moldes novos e elegantes, com p de trn
e boneca.
Opiata inglasa (ranceu para denle
Pos de camphora e ontra* differeau
qualidades tamaan para dealN.
Tnico oriental de Kemp.
Anda tala eoqacs.
Um outro sortimento de coque de 3
vos e bonitos moldes com fileti de ?idri
^ algns d'lles ornados de lores e fiu
csto todos expostos a apreciacio de tja>
os pretenda comprar.
GOLLINHAS E PUNHOS BORDADO
Obras de muito gosto e perfeicao.
FlTellaa e Atas para clatttM.
Bello e variado sortimento de tae ol;
tos, ficando a boa escolha ao gosio do eos
prador.
1M0I0MC
J()aquimRodriguesTa-!
vares de Mello,
TEM PARA VENDER "
em sea escriptorio, praca do Coreo 8aTaa!
n. 17
Pumo em folha
ouro, raa do Bario da Victoria a. 19.
A de fe'qnaliaade.e
X fardos a rontaae dos 1
^ Cal de Li-boa
ultima chegada.'
Potassa d&Eusaa
1 .ir Laka o aaaatdlaea.
Viubo Bordeanx.
de < qualidaaa. Todo de vende
burato do qne en outra qualquer
afa^atTitalla '-------
VeadXa^e parte 4e
irtas: apaMoqtie|
f a rea Imperial n. il
i "X mais
!
m
h
L^.


8
CO
Sextcf leiro 14 de
ibro de 1870

ASSEMBLEA 6EML
CMARA DOS DISPUTADOS.
SF.S30 F.M 30 DI) 9ETEMBB0.
Programma ministerial.
(Conlinuic3o)
O Su. PllESIOF.NTKOOtkWSEUlO : A g-'-Re-
ralidades podem -eracunvtwwtes, loi.n--
me a intoror^tac&i qoe se Ihea der.- Rtl
entendo, pois-, que mellior guardar esta
assumplo pura a futura sosso, compie! ando
entretanto todos os esctareeiiaenlos o i lo
'los os estados qoe possara ser coigi-
dos.
Eu accresfentaref a este respeito s duas
observacoes. A l*que n governo do dm-
sil sen augusto cttefoj n3o se guiarSo Qopelo b--ra do, estado quaesquer qu\ so-
jas as circnmstancias : e o 2o que por
mais apreciaveis, que seiam os convites,
iila-, o considerarles offerecidas sobre
quahjotf assumpto, isso ticar semprn s'i-
bordtoado ao3 grandes interesses do
;:.iz.
A argumentara > que se refere a um dos
raens honrados collegas ser por mim .pre-
ada em poocas palavra*.
O honrado, ministro da agricu'tura pos-
tantos e to^levados conhecimentos. que
''eixarei a elle responder ao nobre dcpuia-
do, que cortamente ficar saiisfelo.
Nao ju'go, porianti, necessario dizcr raais
a este respeito.
lome um reparo que eu em parle estimo
fossfl feito pelo illastre deputado ; o o
que respetta a ion ovnrOo de n ornear-be um
ministro uterinamente.
S. Ex;. i(ifse que prefere as pralicas j
recsbidas no paiz, que s5o uteis e na > sof-
i inconveniente algum ; embora a mno-
vacio sej imitada do que se observa em
nutras pai7.es.
Direia S. Exc. qne comquanto seja iono-
.1), isto por si s n3o qoalifica o fado.
Dio decide de sua legalidade ou convenien-
cia.
Depois demonstrar?, que nem mesmo
innovacio ; e comer,, irei por fazer ama dis-
>) queme partee dominar na mate-
ra.
Trah-se de nma repartido das pastas do
rninisler.o, e dSO se duas hypotheses: ou
ha ministro tffectivo ou a pasta est y ga.
J .vendo um ministro effectivo, eo julgo
tiaibem conveniente a pratica que se tein
agora seguido. Se o minisUo effectivo esi
enfermo, ou teve outro 'impedimento, a
pasta nao se acha vaga, e nao se podo por
;ons9jranta dtr o provimento delta em ou-
tro.
Nil failo pela importancia la despeza.
h- pela legalidade, pois esta nao autorisa
! luplicata de venciraentos da mesma pas-
ta Resta ent5o incumbir interinamente da
gerencia dola a'outro mioistro. embora baja
Disto prejnizo para o servido publico.
Qoando, porm. nao ha ministro effectivo,
qaando a pasta est vaga, entendo que nao
a offensa alguma lei. No expediente
contrario e que se lera praticado, 6 que en-
chergo inconvenientes, nao sendo o menor
detes a nrnimuIac3o de servico ao que ja
pesa em cada ministerio.
logo que fflr possivel. Se a su
Oma?i}o de
io lira de um m zmais ou mi o governo
ii vase de dispensar os seasservicos poder-
se-hia por ventura entender qe nesse es-
paco do tempd elle perder a confiana da
cora. supposico qoe emtodo o casocum-
pria desviar.
Teria o nobre general de solicitar urna
deinissio qoe itief fosse aeonselbada ? De-
ver >e-lua dar-lira -essa demissao sem ser
solicitada ? Nao ; ne'm orna cousa nem ou-
ira (l.-ixaria de locar melindre de um i5o
dislineto brasieiro. j '
. Em segundo logar em nm governo cons-
pltocfoDal, ri.rivin que o paiz contra? as
ilitenfoos ad;iii;:isiraiivas o o zeio que ha
pelos interesses publkn& Creio. poi*. que
so 01
iv r da de i ra
-Asslgnateife- n i-ntre
orada dogab-|proi hoimI,
e tedos os
que se ret
O era poesivel
urna nomeaco intf,f1oa revela moa nomea-
cflij ulterior on definitiva, e sem- aquella
declararlo de interina nao se comprehende-
ria que nao se ^ro^urava consirtlar os inte-
resses do serVico publico, quer pelo qae
respeita ao ministerio, guer repartido de
ajiidante-general, que em rigor ifeviu licar
vago, dada a nomeaco effectiva do nobre
general para ministro.
. Emfim. senhores, ha pouco dizia o illus-
trado deputado em um aparte, se bem o
enter.di. que todos os mini.terios sao inte-
rinos, o realmente-..
O Su. Anoiiadk Eioueira : Perde. que
podiam ser.
O Su. PnEsmKNtk do G0N8CLHO : E de
facto s ) desde que a coroa tem o direito
da ilemtli-los i(u.in-io for conveniente ao
S'ivico ; dessa apreciacao que resulta- o
que acalio de dizer.
O Su Amibahe Fir.LKmA :Nao d'ahi
que vem o carcter interino.
O Su. PnKsiDKNTE oo Coxs.ho : Creio
(er respondido ao discurso do honrado de-
putado.
O SU. J. DE ALENCAR (movknenlo pro-
longado ileatteiicao) :-Serei breve, seubo
res; estas discu-soes de sua natureza sao-
rpidas.
A mudanca que se operoo uJtimamenie-
na poltica teve, em minha opinio. um-
causa seperior, urna causa mxima, da qual
as causas assignaladas sao apenas mere*
accidentes.
Essa causa, senhores, essa causa supe-
rior, orna forga mysteriosa e irresistivel
qoe avassalla ludo e todo nivela, qoe no-
sera do mesmi gabinete, nos conselnos da
coroa. rene honraos qoe anda hontem vo-
tavam aqoi sobre urna oie.-to de confianza
em sentido liverso; a mi-qoe, a pap
da data de 9 d- setembro de 1848, escre-
ve a data de 29 de setenabro de 1870, sto.
, a aurora, e quera sabe se o crepusculoy
de Unas SiimeSa mnilo importanles do-par-
tido conservador.
Senhores, eu previ e anoaaciei. nao ha
muito lempo, nos primeiros dias de ma'ra,
a mudanca que se acaba de operar na po-
lilica do paiz. Apreciando o discurso-da co-
ra na uccasio da abertura desta sessaV,
escrevi na imprensa algunas paavras que
o honrado ministro d i a({ricurtiwa digoou-se
de dar um echo que ellas nao teriam. uraa
importancia que nSo receberam da opi-
nio.
Nessa occasio, senhores, eu felicitava o
Cl, gaoinete de 16 de jolho pelo triumpho bri-
aois desi.i qae esta innovaCo .sija reco- Ihanle e esplendido que tinha obtido ;. ora.l-
ahecida como urna idea, em muitos casos, lindo ou antes eliminando am lamis urna
seus collegas e
raram do fabi
hmi repomposifloT
Mas, senhores, *s que oovisies a caOsa
assignalada pelo nobre x-ministro do impe-
rio examinai-acomig de animo largo e es
pirito cal-.no. Foi, disse.S Esc, o pedido
de demwso do nobre ex-ministro da justi-
ca, no da ti do 'correte,' que motiiou a
retirada do gabinete.
Convrn recordar, como fez o nobre ex-
ranistro do imperio, que o Sr. conselheiro
Joequim Octavio Nebias desda o principio
de )unho enfermoo gravemente, e desde en-
tilo i sua retirada de ministerio era m
acontec ment previsto1.
Se o nobre ex-ministro da guerra perro-
va qi sem o concurso de m cidad5o il-
lustrado, verdade, a qne poucos ser
vicos afelizmente tinha prestado no ministe-
rio .por causa da sua enfernwdade ; se S-.
Exc. entenda que este aconteennento d",vja
trazer necess aria mente a dis8ot^5o do ga-
binete, era preciso qoe a .esolvesee logo, e
nunca derraba suspensa dorante- qoatro rae-
zes para s* resolverla nos- uitimo dias do
sess .
' Nao devia o nobw ex-minietro da guerra
exigir da coodescendtencia oV seus amibos-
amara um wra-
lamente do
pe que Se aiiB fosse que rpou4abilda-
de 'hio seria a vossa f
Nio soobestw cahir a proposito e nem
ao menos vos lerobrastes daqtwHe bello
conceito de Richelo', que apreciando a que-
da de Roberto Pjel, rtisse : Os ministros
nos
como os gladiadores romaios, cabir com
t graca.
i S ha um meio de remir as faltas qjue
eommettestes: vir para estes bancos on-
de eu vos preced como nmi guarda avao-
cad', para oombaier a influencra a qoe nSo
soiil>!3tes re.*isti"-- no governo, e pugnar pela
realidade do systema representaiivo.
Oxilessai a existencia do governo pes-
soal qu'e honlen negantes como (Dinislros, e
n5o vos receeis da aceosaco ti& despeito,
porque se tal aceusigao se levantasse eu
abrira a joquena biblia poltica do nobre
ministro da fazend, para lr uow pagina
(joe sua pfwna eleganlo escreveu a es-te re-
petlo. nma pagina luslraira com algumis
patarras mesaoraveis- de Chattam.
Eis o que en pretenda di2r ao gabinete
passado.
proferidas estas pal.ovras, corro 111 reo
sobre o passado; e nn vejo-nos memliros
do gabioete <$- do jolbo1 sent os mews
amigos de oulr lempo e os moos compa-
a votaciio precipitada le uma ki-t3o impor-i,nbeiros de luta. que adnirei sempre pe^1
lame como a re forra; judic'wia : ato de- /carcter e pela Mostraciio.
vaotsgem oceopar m lo^ar nos eonfle-
da coum, iexQcfel em verdade
mora.
Bem swi qoe hovre o proposito de arre-
dar da orvaifli oppos*iJa\) Jrlaeolar
qoe se mt0mm esta casa, e pro-
ve to a occasi*) para declarar que nlo por-
toocit, porqoo m opposicSo ao gabinete de
10 do julho, como hei de f va S. Exc. com sua pnnaneoe'a no .inver-
n adiar a futtra orgaoisaco, sohtraliwido-
a akn a uraesame naos detidMia maiuria
desia cmara, sem cojo apoio mu potler
viver,
Entendo, pois, senhores. qu nao foi a
retirada do nobre ex-ranistro dt jystica o
que determinoit a dissotafao dcyxabinete,
nao ;. o gabinete poder recomp*r-se, r^
organlsflT-se. retirndose o nobre miois-
tro-da juslica aecmpannadw de seo oollegj
da guerra, ou dte qualqoer outro de seo*
membra* mais naportanies-^ se nite-lhe fa^
govirnos coosti'.ncionaes devem, de -i9 de setembro. por mmha coota pro-
pria, embora emnome das verdaderas ideas
do pirtido conservador.
Houve. como dizia, serthorw, o proposito
de arredar da orgai?ai;5o a oppMitfu par-
lamentar, alias eneja de capacidades e a-p'.i-
does. Si no gabinete ;gura> o norae do
nobre miniftro da agricultura, ningaenug-
nora que soa entrada toi resol vida ultiaa
'hora.
(Ha um aparte a meva voz.)
Nao eslava era minha* palavr* a inlen-
Co de mostrar meuosprevo aos talentos do
irkistrailo Fiumwwnse, a qoem prez e es-
timo e oe coja rofizde mu honro, \ssig-
n!i o facto de ter entrado em ultra lugar
para ogabinete aflrn de prorar que s- tarde
e depois- de inulni* esfur^os e teiital;*as se
ampiiou'circulo astreilo trabado a [ivinci-
pio (t o- organisador do gabinete demovu-
se do proposito em-qos estav de r9d*cmi-
templar na combio-.fjSo a oppoeicSo parla-
mentar.
Mis, anda excluid* a oppo*ii;5o paria-
mentar, nao havia urna raaiorm numerosa
que tinlw-apoiado o gabinete de 95-de jnlN>,
do qual oacNial pretende ser o continuador,
'mas nao' o eertament& ?
Agora, senhoras. terei .> honra do me di-
rigir ao- actual gabinete-, wi qual u vejo a
z allianca de nwaes ebeios de prestigio,
e talentos* eheios ile espen-nijas.
esss pafl^^|on|hm
-1 de lalse.naweto
funesta coricilia{J), etse
ven le dos partidos, cojo*
propa|r> al boje, e_
recrudecer, seguodo saostram os
do lempo.
Senhores, nragoem man do qoe
l^eita e estmw no seo justo valor os I
Ja illustrada opposicSo. Stat qoe elle ad
teora nesle recinto ama voz qoe oeste ae-
ine.iio solemne exprimiste a soa pintio.
Mas eu creio que interpretndoos sen
tos da grande oaaioria do partido
pie en considero-ama oppoeif lo regolar 1
justos motivos de aspirar a* governo, posso
affrmar ao n ,bre presidente do conoN
que os liberaes nao carecem nene acertaoi
favores individuaes ? o-qoe oltec qoerem.
1 que lenidireito. a restao-ac) da systt-
ma representativo : a liber.tade d.> voto
pie Ibes guanta o Irvre e fcil accesso a
poder, quando fo. era ;rpoiados pela opteo,
r Rii > quanoV a sorte o decida.
P.issarei aj>ra a exarainar muito socriote-
mini'i o pr parama que- nos acaba de apre-
sei:5r o venerando presidente do coaee-
lh<>-.
E'otendo. .-nbores, que-j era tempodo
rejeifcirinos esse programmas sybillinos qoo
nad;r exprimen, e smente serve parar
Ilud:o pai'.. ffm governo que se apre
senta p*|j primeira vez no- seio da reprt-
seiitai;o nacional deve ser nnito expHeite.
muito itaro e positivo a respeito h sea
pensameuto sobre as diversas necesstdades
do pai.
O gabinete de t8 de jolh n*o podt-i. na
tasse a soa forc*prineipal o*nnica-;:8e nao- Senhores, o gabinete acun
nao e aovo
:ie bastante utlidade.
O Sn. Anpuade Figijeira :E tambera
le alguns inconvenientes: poder-se-bii en-
3o nomear sete ministros interinos.
O Sr. Presidente do Conseliio :\U
ertas hvpoiheses que o bom senso, assira
uno a illustracSo'de um paiz e do sen go-
verno, nao admittem. O precedente de
que se trata nao observado somente no
Rio da Prata ; tem-se visto em Portugal, na
[ranea e na Inglaterra. Mas ponhamos de
parte os usos e legislai;es estrangeiras ; en
demonstrarei em primeiro lugar que p%r-
feitaraeole legal, e tratarei depois da sua con-
veniencia.
O Sr. Andrade Ficueira :Sobre a le-
gadde nao ha questao.
O Sr. Presidente do Conselho :Desde
que nao ha quesi5o sobre a legalidade, oc-
copar-me-hei somente da conveniencia. as
aciuaes circnmstancias, algumas considera
fOes de inieresse publico, aconselharam ao
ministerio que convidassea umdos Ilustres
eneraes do Jrasil, a um carcter dstincto,
.-orno a cmara dos Srs. depnlados perfei-
lamente conhece, para ser nosso companhei-
ro por algum tempo.
Era elle, por assim dizer, o immediato
do ministro da guerra, porque servia no
lugar de ajudante-general. Convndo que
continu a prestar os importantes servigos
que tem prestado, regressar ao seu posto
ret do discurso da corfia ora tpico relativo
questao do elemento servil. Mas, felici-
tando o partido conservador e o seu orgo,
o gabinete de 16 de julho, por esta con-
quista da'liberdade constitucional, enpro-
ihetisava para muito breve a roaccSo do
predominio da cora contra esse triumpho
obtido pela influencia parlamentar.
O nobre ministro da agricultura incum-
biese de \ir aqni a este recinto lor as mi-
nhas paiavras, na lava o g.ibiuete transacto a respeito daouella
mesma questao do demento servil. Talvez
S. Exc. com a sua impaciencia, demorasse
a solurTio de uma crise qne a nao ser este
facto, se teria resolvido ha roais tempo.
O gabinete de 16 de julho, senhores, pro-
curou sustentar-se no governo : empregiMi
para isso todos os esforcos, apoiado na
maioria numerosa que linha nesta casa o no
senado, mas afinal sentio escapar-lhe a con-
fiarla da cora oue era toda a sua forca e
nicamente o mantinha no poder. (Sensa-
co). -
Sendo esta a mioha convicfao, a cmara
compreher.der minha sorpreza e increduli-
dade quando vi o meu honrado amigo ex-
ministro do imperio assignalar ootras cou-
sas dissolucjio do gabinete.
Longe de mim, senhores. a minima sus-
peita de falta de snceridade da palavra
honrada do nobre ex-ministro do imperio.
FOLHETIM
VIVA DEPOIS DI HOim
POR
Xavier de Montpin.
o-desansparasse 3ieonfian?a'da cor5. (Sen-
saco).
O Ilustrado Sp: presidente d caftselho,
respondendo ao oobre dopntado pelo Rio
de Janeiro, proenrou sustrVlar qn o mi-
nisterio passado nao se bvia retirado do
poder porque Ihe faltass* a confitla da
cora. Mas, senhores, se-o nobre "presi-
dente *eonse!bot3tava convencido desta
verdade devia, qnaedo acceitoa a mies* de
organisar um novo-gabineo, rompo-lo- com
as mesroas ideas e-eora oa raesrao< princi-
pios qco-forara nesta casa sustentados pelo
gabinete 10 de >qlho. 3orm, coo eu
mostrarei a seo tempo.. o programo gabinete de 29 d'setemb>forma Brocon-
traste pereito con o programma do-gabi-
nete 16.de julho.
Senhores. n5o*a hora dte recrirainotSes.
nem eo eostumo az-las: tatobem n3o che-
gou ainda. o monaento s-ioigar a-ialiim
phase do gabinete 16 de jolbo ; nu> creio
que se permiltiojo a um meoibro do par-
tido, na occasio- em que este gabinete vero
ao parlamento, conforme o eslylos consti-
tucionaes. explicar a caris de so dissola-
C5o, iltrigir-lhe algamas esproba?o>3 ami-
gaveis.
Drei, pois, ao gabinete 16 do jolbo r
V6 esquecestes os comoromissos muito
solemnes do partido conservador,, auten-
do-vos no poder, qoando j nao o-podieis-
exercer na plenitude constocional.
* Fostes, dorante os-oltimos mezes, ape-
nas ama sombra de governo, coja alma des-
de muito se havia transmigrado para o fu-
turo organi-aior do gabinete actoal.
Estragastes uma das mais bellas sitoa-
ces do systema representativo, em qjie
nosso partido poda, apoiado na opinio pu-
blica, restringir a influencia directa da co-
roa na qoestSo do elemento servil, restau-
rando assim a verdade do governo parla-
mentar. Em vez (le resignar o poder, e
vir no seio da representafao nacional com-
bater aquella influencia indebita, condescen-
destescora ella, a affagastescom a promes-
sa da emancipacao dos escravos de oso-
fructo imperial; e transigistos consentindo
na nomeaclo da commisslo especial, pri-
meiro symptoma da crise latente que vos
alheou a conianca da cora, e afinal vos
obrigou a deixar o poder.
c Exigistes de vossos amigos grandes sa-
crificios, prorogando por tres mes a ses-
s3o, apresentando orna questao de confian
Entretanto apezar destas facilidodes par-
lamentare* a elaboraco durou quairo dias -r
O venerando presidente do conseliio, cuja *- final conoloio-se.....Como Sr presiden jopiniHo de alguns. ser mu.to termin-iote,
eminente copaeidaiaVea admiro, me releva- ? Contra- todas as pralicas do>syMema|^>rqae w apresenioo dianle de orna
r a iiberdade de iyie vou asar. S-. Exc ,
que por tanto tempo recomido a seo gabi-
nete de estuxlo, H.xe?ceu < di?eilo de ensu-
ra sobre os gabinetes- e os ministros, nao
levara- de certo a inel que en, por mioha
vez, use do inesrwi direilo; mas nesta
tribuna e cora a derida franqueza.
consttuciooair como horao provoo-o nobre nfenSaf da qual nao esperara e neo
dioUdo pelo-Rio de Janeiro. |o-apoio ; entretanto pelo m"iv.to,
Peco permiwao ao illnstre general, co- reS( e||e fa^ M ter enunciado com loda
para raimv creo que o n5o Sambem para
cada um de ros. la- muito que, se me
nao enganoi a combinaban eslaa feita.
Sabiw-se geralmente qoe o roturo organi-
zador do-gabinete serte o Ilustrado estadis-
ta o Sr. visconde de 3: Vicente, e aponla-
vam-se como seus prestimosoe-aoxilizres
vultos qoe eu vejo no sete-do ministerio.
Em raglatem, sonhores, nesse paiz que
en nao me canso de otar, porqae o mo-
delo do systema representativo, nesse pata;
do qual eu n8o procuro-imitar, como o no-
bre presidente do conselho, as anomalas
de ministros interinos, mas siias verda-
deras pralicas do systema constitucional-;
nesse paiz coetume designar-ae com aor
tecedencia o fntero organisador, -qnal sera
mysterio. osteneivameni-; constitue o gabi-
aele a qpe deve presidir, e norna at os
principaes auxiliares da administracao. Mas
all quem escolbe o futuro organisador o
partido que tem-o apoio- do parlamento-e
d opina pubilea. ; de ordiaario a op-
pesiejo que Iota e na esperaoca do prximo
triumpho designa claraniente, sera rocera
de que seja repellido. ooome ds-seu ebefe
para organisador do gabinete.
Em iglatema actualmente enhum re
e animara a }er um ainisterio.de sobrasar
lente (hilaridade). para substituido no peder
a outro ministerio gasto quando elle com-
preher-ilesse qne devin emrlrai relirawe.
Para encontrarem-se facto desta ordem,
exeroplos tae, necessaro reraontar-so aos
tempes- de Jorge III e Jorge IV.
A demora que hoove n 1 organisaco do
actual-gabinete nao pode passar sem reparo-
Essa demora symoiomi de dous fados
graves na vida dos povos representativos.
Ella altesta oa grande desprestigio rtas altas
posicoes qoo j nao sao o alvo de nobres
ambices ou a decadencia dos partidos.
Nenhuma destas causas, pelo menos a
ultima, actuou na orginisaco actual. Os
rhefes do gabinete, os nonaes de raais pres-
tigio, aqnelles a qoem compete a sua di.-ec-
Qaoi esses estavam desde muito combinados,
nao appareceram entre "ellas divergencias.
A dfficuldade appareceo quando se tratou
de completar o ministerio. Admira real-
mente que o nobre presidente do conselho
achasse embaracos naescolha. tjndo o par-
tido conservador no senado omi maioria
numerosa e nesta cmara uma qnasi unani-
midade. Digo quasi unanimidade ,
porque me exceptu, nao do- gremio do par-
ca; e reclamando com instancia a votacao ttdo, mas do numero daquelles qepodiara
1 dar sua adhesSo ao governo. Cora es
de ora projecto grave, importante como a
reforma judiciaria, no meio da desattenco
dos ltimos dias de sess3o. Ao cabo de
todas estas provas de apoio e confianca, que
PlKTE TKUCIIH %.
A C-OHNSSA DE RABN
11
A casa Isolada.
(Continnac^o do n. 232;
A velba corton-lbe a palavra.
Quantas vezes quer que Ibe diga que
nada temos para vender ? pergonton eHa
com modos arrebatados.
Qne diabo nem ao menos am pe-
daco de p5o I replcou o marqnez.
Po de centeio, po de manicio, ne-
gro e duro como pedras ; tem pelo menos
uma semana.
Nao tem duvda ; com elle re dando
qne fazer aos denles. E d'ahi, ba de ter
tambera ovos, porque vejo alli em baixo
duas ou tres gallinhas a debicarem na hur-
ta, e qoe de certo bao de por n'algom sitio.
Prite-me ah alguns; beberei depois a
agua clara do arroto, e dar-me-hei por sa-
tisfeito. Supponbo qoe o meo cavallo ha
de ser tao sobrio como o dono : vou pren-
de-lo debaizo do telheiro, e, falta de
aveia oa de cevada, o sea neto Ibe apanha-
r algamas m5os cheias de berva.
Teria sido diffici oppfir novos argnmen-
ioj orna pessoa tao ponco exigente, e que
por outro lado, no pareia de modo algum
drspostt a mudar de resolacio.
OpeoMno agarrn n'nma fouce e foi
asear berra ; a velba eolrou em casa res-
mnngando, e Saint Maixent foi atraz d'ella,
d pois de ter desaparelhado o cavallo.
Aquella ex-esta!agem nSo passra nunca,
mesmo no tempo da sua prosperidade, de
uma taberna muito repeliente.
Compuuha-se de tres casas ao rez do
chao, e de tres quarlos no primeiro andar,
tudo mobiUlo bem pobremente, na maior
desordem, e apresentando o aspecto do
deleixo mais completo.
Saint-Maxent, quando entrou na primeira
casa, houve de fazer grande esforz para
reprimir um ge.^to, que denunciara bastante
a sua profunda repugnancia por tamanha
penuria ; l tinha, porm, em vistas um
intuito qualquer, e por isso impoz silencio
aos seus escrpulos.
A velba nao mentira quando fallara na
absoluta carencia de provisoes.
Todava, depois de mnilo procurar, anda
achou tres ovos nao muito frescos, e um
pedaco de toucinho fumado, amarellento e
rancoso. Frigio tudo isto n'uma frigideira
de barro, e apresesentou-o ao marquez,
acompanhado por uma iu de pao negro,
orna pouca de agaa, um garfo sem cabo e
orna faca enferrujada.
O marquez fez das tripas corceo, e en-
trou a comer, nao sem espantosa repug-
nancia.
D'ahi, terminada a frugal comedia, tra-
vou palestra com a velba.
De maneira que, minha boa avozraba
slo devoras mnito pobres ? disse elle com
express5o de vvointeresse.
To pobres, volteo ella, que de am
da para o outro morreremos de fome, eo
e o meu neto.
--Jn5o temnenhum recurso ?.
S nos resta o recurso de pedir es-
mola. Se durante o da nos do alguma
cousa, anda, noote podemos comer ; mas
como a gente aqoi d'estes sitios pobre
tambera, ticamos a maior parte dos dias
sem comer.
Mas o trabalho...
J nao estou em idade de trabalbar.
Qae havia de fazer ? Bem v* cono wU
quasi unaoimidade, onde se encontram
muitos talentos e bomens experimentados
na administracao, e que poderiam com muila
berto de cias- gtori -sas, adquiridas 00 ser-
vjo da patrizi para nesle- assompto- eraittir
a minha optete com tao t franquea, sem
qoebra do respeito que I lio d-ivo.
Ho insislirei sobre a eircHmstancia-que
se d pela primeira vez era nosso paiz de
apresenlr-se no parlamento um ministro
qu* nio tem effectivamenle-assento nos can
seibos da coro. Se em ouiros paiz^.s
deram-se fados- idnticos, se, como dizia o
nobre presidente do conselho, na Inglaterra
espeaialmente j-boove semelhinte prece-
dente*, o que eu-assim de prompto n rae
animo aconleslar, mas prometi examinar;
foi uraa anomala, que por forma agoma
deviaraos emitar. sobretodo quando- est
provado que nao foi esta aberrarlo imposta
por uma oecessidade imperiosa.
Se dorante o-s trabalho* das cmaras o
Ilustrado ex-minislro da guerra pode exer-
cer s'anltaneameote duas pastas tao impor-
tante, como sempre em tolas as cireoms-
tancias- a da justiga, como era- ent5o- a da
goerra na permaoencia da tota renhida. que
por laalos anno sostentmos; com muito
mais facilidade porder-se-h'ia dar essa aecu-
mulagao ao orgarjsar-se um ministerio-cojos
membeos nid esliveram alquebrados aopeso
do gowrno ; mas-ao contrario bem rapoa-
sado das lidas parlamentares, com escep^ao
apenae do nobre ministro do agrieultar. no
qual porm todo- reconheeem uma activi
dade incansavel.
Cooessemos, senhores, isto que se deu
agora nao foi seno uma copia ou arremedo
do que ultiraameme se deu em Portugal,
em orna dictadora militar, quando oa dffi-
culdade de completar ora ministerio para
a situac3o, encarregarara-se interinamente
as pastas aos chefes das repartieres- respec-
tivas.
Mae nao este o ladb mais grave da
questao. Alera- da interioidade o nobre mi-
nistro da guerra um bomem alheio a po-
ltica. Vivemos em um paiz regido pelo
systema constitucional rpreseotaliw) .Nesses
pases assim constituidos o governo dos
partidos. Os nomen* qne lem direito s
P'sicoes eminentes sao os bomens de par-
tido ; os horaens de Iota, os representantes
das ideas, es-que mitam activamente na
poltica. Por mais Ilustre que seja um ge-
neral, por mais respeita ve I que seja ixn
sabio, nem iquelle pela gloria, nem este
pela vasta erudicaov lem ttulos para son-
tarem-se nos consolaos da coru. preciso
que seja orgo de ideas; qua nere?a acon-
lianca de algo ni opioiio preponderante no
paiz.
por isso, senhores, qJue n3o posso de
modo algora encordar com aquella parte
do programma do nobre presidente d.on-
selho que promette cercar-se dos bomens
de merecimento, qualquer qae seja o'sea
partido, esperando o apoio de todos os bra-
sileiros.
maos tremem. Deixo cahir tudo era qae
pego. O pequeo doente e aleijado ;
nunca prestar para nada. Ah 1 Mais va-
lera ao trisie nunca ter v'rado ao mundo.
Esta casa nlo sua ?
E' minha, .
Pois como vale alguma cousa, veja
se a vende, e ao menos vivera algum tem-
po com o que Ihe derem por ella.
Vende-la ? repetio a veiha. E qaem ?
As duas povoac5es mais immediatas, S.
Judas por nm lado e Charmont pelo ootro,
distam d'aqni urnas qaatro ou cinco leguas.
Qum qaerer viver n'este deserto ? Toda
a santa noute se ouvem os lobos a uivar.
Ah I eu bem disse ao meu filho Ricardo,
quando teimou em comprar esta maldita
casa para por orna estalagem, qae. havia de
causar a soa e a nossa rama, Fez oovidos
de raercador. Os Glhos cuidam sempre
que os velhos sao tolos. principio nao
foi a cousa mal ; mas logo morrea a mu-
Iher d'elle, coitada, a minha ora. Ella
gostavs deste sitio, porque o jardim est
bem situado e n'elle cultivava rosas. En-
13o que quer ? Era essa a sua nica dis-
traerlo. Mas o ar, muito hmido e muito
fri, nio lhe fazia nada bem, e suecumbio
em pouco tempo. Ricardo teve tanta pena
que no anno segrate foi atraz da mulher
e agora... agora... a a v e o neto blo de
seguidos tambem... e quantomais depres-
sa melbor, que para viver como vivemos
vate mais morrer.
a franqueza e apresentado um prograaama
explcito, cora o qual podesseraos boje co*
'.vjar os seos dous anuos de existencia. Emm
i'.ocumentii teria poopado a mim, e creio qoe
ao paiz algumas decepces.
Muito diverso a posi?o do- gabinete ac-
tual. Elle apreseata-se a moa cmara do
sjii partido-, qual pede o apoio* e entre-
tonto limitase a paiavras genricas e vayas
qae nada esprimera, qoe nada signilicam,
seao as promesas laolas vezes-fetas aman-
tas Iludidas.
Fllou-nos-, por exeraplo, o honrado pre-
si-lente do conseibo na reforma da adaai-
n.rtraco da jnstira.
Ora, senhores, a reforma da aiJministra-
C> da justu.a orna idea lio ampia lio
indecisa, como a da execocSo das ieia mw
S. Ktc. achod escusado consignar no ten
programma, per ser om dever abante
todo o governo. Pode a reforma da admt-
nislrago da justica ser feita em om senti-
do mais garantidor da Iiberdade iadivi
e pode, ao contrario, peiorar o 1
actual, tornando mais precaria a seguranea
dos- direitos eivis.
Xsta omisso do honrado prasidente do
conselho tanto mais sensivel toando alte
cmara j votou um projecto de reforma jn-
diiiaria, ao qual S Exe. nom da leva rfe-
rio-se para dizer-nos se o aceita* oa se ti-
riba de exigir desta cmara, cujo apote pre-
tende, uma relracta;3o formal em materia
de tanta gravidade.
Nao nos disse o gabinete de 29 de aetenv
hro pelo sen orgo aotorsado>oma palavra
seqner a respeito d reforma eteitonl, me-
dida to urgente e geralmeote reo aaaada.
OiSsumpto capital em nosso systema. porque
" o ervo das nossas institu.-"es, o rebica-
io da s iberania nacional.
Nao nos disse S. Exc. urna palavra ao
menos a respeito da representacao das mi-
norias, esta justa homenagent qoe rivcnoj
pr 'stir ao partid adverso: e que por
certo vale mais do qoe algor* ampreg>s con-
fiados a individuos de credo diverso. A*
opposiciJes re>iila?es nio podem nena de-
vem receber favores: exigem e reclaman
direitos.
Calou-se S. Exc. a respeito da desceoira-
lisaefio. essa reforma iraportantissima a ajar
ligo nra grande interesse. porqoe teode a
diminuir a exorbitancia de poder, concen-
trado as raaos do exncativo, o qne oler
ce margeno larga nftoencia indebita ai
um outro poder.
Senhores, uma nica palavra existe no
programma do gabinete de 29 de se temar,
mas esta importante, esta o verbo crea-
dor, o fat da nova organisac*): refera-a
ao elemento servil.
Emquanlo a velba fallava, grossas lagri
mas Ibe cahiam ama e ama dos olhos
avermelhados, deslisando-se' pelas ragas
profundas da cara.
E' realmente digna de lastima, mar-
murou o marqnez em tom de bypocrita
compaixao, e se eo podesse remediar os
sena apuros, nSo hesitara nm momento.
Mas nio pode, niogoem pode... ex-
cepte Deas.. e somos bem pequea cousa
para qoe Dos caito jftsft iwna, %
todava, 080 precisavamos de muito para
sermos felizes.
Quanto castou seu filbo Ricardo
esta casa, quando teve a idea fatal de a
comprar, apezar dos seus conselhos ? per-
gunlou Saint-Maxent.
Oh I om dinherao t
-Digal. .
Duas mil 2^, e gastn mais de qut-
nhentas era raobiliar os quarlos l de cima.
Ah santo Deas I Que de dinhetro per-
dido !
E por quanto a vendera boje, se ap-
parecesse comprador f
Nao apparece.
Mas, responda sempre.
Dava-me por mutlo satsfeita se coa-
segdisse obter mil e quohentas 2?, e
cora essa quantia talvez o pequeo e en
nos salvassemos ; mas para qae se h3o de
estar fazendo castellos no ar f
Nao tao impossivel como cuida.
Que diz ?
Parece me que sei de am compra-
dor.
Ah mea fidalgol bradoa a velba
erguendo as maos. N3o me diga isso !
N3o me d esperanzas que nonca se realisa-
ro. Quando uma pessoa entra a empre-
bender em quasquer cousa e depois nio a
consegue, padece mallo.
Mas n5o baldada esta esperanca
qae lhe dou, volven Saint-Maixent; antes
pelo contrario, fallo-lhe de uma cousa pro-
vavel, para nio dizer certa de todo.
Entao Deas o abenQoe, meu bom se-
nhor t E eu que nao qaeria deixa-lo en-
trar Muito cega est s vezes ama pes-
soa Mas o tal comprador onde est ?
Aqu muito perto.
Qaando vira T
Hoje mesmo.
D'aqui a bocado ?
JA c est.
A velba deitou ama olhadella i roda de
si, wito qoe. procaraado algoam.
i Contimtarst-hm.)
Mas... mas... balbucou ; n'esta
casa nao est mais nragoem do qae o se-
nhor e eu... e todava, o senhor n3o ...
Engana-se, disse o marquez sorriodo;
de mim que fallo.
0 senhor comprara esta casa ? O
senhor ? murmurou a pobre velba, faxendo
um gesio de sorpreza.
Sem duvda alguma.
0 senhor parece rico...
E sou effeclivamenle.
Que tenciona fazer d'esta misrrima
vivenda ?
Isso ca por minha conta, respondeo
o marqnez sorrindo. Em a comprando,
farei d'ella o qae quizer. Talvez lhe deite
fogo, quem sabe l I
Mas primeiro ba de pagar-m'a 1 bra
dou a velba impetuosamente.
Esteja descancada, mioha avoiinha ;
comprando-a j se v que hei de pagada!
Quando ?
Agora mesmo.
E Saint-Maixent puchou por ama com-
prida bolsa de seda encarnada, muito bem
recbeiadinba de moedas do ouro.
Os olbos da veiha brilbaram de co-
bica.
Agora mesmo, sim, mas com uma
condico.
Qual ? diga depressa.
Que dentro de duas horas ha de Vmc.
sahir d'aqui mas o seu neto, levando a roa-
pa que tiverem.
Ah I mea Qdalgo, eslou por lado.
Vamo-nos quanto antes I
N'esse caso negocio feito. D c
-iam pedazo de papel, nma peona e ura
tinteiro, para se redigir a escriptura de
venda. .
A velba soltou um gemido.
Penna... papel... tinta... tarta-
mudeoa ella. Ah, mea Deus I Sao coasas
qae n3o tenho. Gomo ba de isto ser ?
Nio se mortifique, todo se ha da ar-
ralar. Tem por ah alguns livro ?
Tenbo lvros de raissa, e
blia.
Traga m'os.
A velba obedecen.
A biblia era em formato grande.
folbcs do papel almasso, amareuado pote
tempo, serviam de guardas entre a capatfn
pergaminho e a primeira e a attrna
do livro sagrado.
Saint- Maixent rasgn nma d'essas
e mandou o p^qoeno boscar ama
aza de qualqoer das tres gallinhas que aa-
davara co arejando oa borla.
Iraprovisou a tinta desfazendo
de carvao n'uma gota d'agoa.
E depois de assim ter sabstitaido
forme pode estes objectos i
disse velba :
Gomo se chama 1 Preciso de san
os seus nomes e appellidos, miaba ave.
Anna Justina Besson, orna 1
da, para o servir aqoi e em toda a
Saint-Maixent redigio lacnica
escriptura de venda, onde teve o caaaaaa aa
deixar em branco o seo nome, a Aaaa aa-
signoo-a depois de recebar mil e qsaaaa-
tas 2^em famosas moedas dnoara, aaa
ella agarrn logo moi vidan
metteo na fonda algibeira, 1
qne mais pareca loocora.
Daas horas depois, affaateva-nt_a
muito alegre para as bandas de
levando s costas uma trooxa a
pao, e segurando o neto pete
Ao mesmo tempo noatoa a
cavallo, depois de goardar aa
casa deserta de que j era dona
tomou pelo caminbo qoe levava i
S. Judas, onde nos iremos "
i
1
,a
da
YP. 00 DIAfUO-aOA 00
u


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E8Q9FGM5S_6S3IA0 INGEST_TIME 2013-09-14T00:26:35Z PACKAGE AA00011611_12237
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES