Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:12229


This item is only available as the following downloads:


Full Text
JBT* FEljM 5 DE (TOTUMO .t W
H
Tni^iiif
edade de Manoel Figueira de Faria & Filhos.
.40
v
Os Srs. Gerardo Antonio Alves & Filhos, no Para ; Gonfalve 4 Piolo, B* ItawooSo ; Joa^ow Jos d Oliveiri, no Ce* ; Al
Pereira d'Almeida, em Mamanguape; Antonio klttmmo de Um, na Perahyba ; Antonio Joe Goenee,
em Naureth ; tntac ftwst di Cottt, le Lemos Braga, no Aracaty ; JoJo Mana Julio Chavea, no Amo ; Antonio Marques da Silva, no Natal; Jos Justad
SHa da Penha; Belarmino dos Santos Blelo, em Santo Ant5o ; Domingos Jos da Cosa Braga,
M Babia ; e Jos Ribeiro Gasparinho no Bio de Janeiro.
_L
I
DIARIO DE PERNAMBUCO
RECIFE, 5 DE OITUBRO DE 1870.
Hontem pelas 5 horas da mabuia renden I
alfna Deu.j, do palacio de sua residencia ra
turnlo ;
m ira
'al o tkroKr do
da Aurora, o Exm. Sr. Francisco do Reg Barro*,
! con. da Boa-Vista.
0 Exm. Sr Conde da B >a-Vista era oriundo d
orna estirpe Ilustre e devotada as gloria* e ao
onj;randecintenio do seu paiz Nasceu no enge-
nlio Trapiche, da comarca do Can >, no principio
esto secuto; e as luas que desde estn briltia-
vant com milito esplendor sobre a ela Europa,
como que lb eselarejoram o nascimento e foram
o incentivo para a bella curara que o destino
Ihe irac/m.
Espirito eminentemente grandioso, o C"nda da
Boa Viaja era dolado das mais Ilustres qualidades
que podem ornar o homem social e o cidadao sin-
ceramente amigo do paiz que leve a ventara de u
contar como lilho.
i primeros annos de sua raocidade -passou-os
elle na Europa, ande adquiri cresciJa somina de
crnnecir.tenUis, e tm cuja sociedade bebeu a ame-
nidade de trato e retemperon sua alma viril para
as lulas que de voila i patria veto encelar, co-
tliendo immarcessivfis luuros para si, o dotando-a
do importanti.-siraos melhoramentos. Em Parts,
forca de esluda, conqaislou elle o henmsissimo
titulo de bacliarel cin seiencias mathematieas,
titulo que soube conservar e abrillantar, mostrn-
dole sernpre na altura dot conhociroeotos que
elle ndica.
De volta patria, internoa se o Ilustro Pernam-
i'icano na vida publica, alistndose no exercilo
brasileiro, no qual chegou ao posto de brigadelro
em que se reformou. ,
A provincia de Pernambucr elegeu-o em vara*
legislaturas cmara temporaria, onde elle *e fez
Q'ir pela rigidez de seas principios, por um
amor decidido i tudo que tinha por ti n a gloria
do Brasil, e mais que lu > per sea carcter obre
-e saa brlliante ioteiiigencia. Ainda por Peroam-
bueo foi elle elevado at o llirono n urna lista
trplice para senador; e a cora, fazendo juMica
aos senlimenloj do povo pernambucano, esc-
ineu o para oceupar um logar na cmara vita-
licia. Abi continuou o Ilustre cidadao a irilhar a
rtiesma senda em que se destingaio na cmara
temporaria.
Duas vez?s foi elle presidente d'esta provincia,
e ainda hoja lodos se recordam com saudade de
sua paternal admiuislraeo. N'essa qaalidade pro
:uoveu o destnelo finado raporUutssimos meiho-
ramelos, de alguna dos qaae* a provincia agr
decida anda hojn desfructa Foi elle (aera mon-
tn a repartico de obran publicas de Pernambaco,
dotando-a de engeobeiros de nomeada, que man-
da u vir da Europa. Foi as so is admini traed**:
que se funlou o bello theatro de Santalsabel, devo-
rado pelas chamjuas no anno prximo Ando; que
se izeram varias estradas publicas, entre as quaes
a f:>rm" pensil sobre o rio Capibaribe naquelle povoado,
ponte que M arfrB*rl(!!f,,|ll"t>
prximo lindo. Foi elle quem mandn reedificar I
e apropriar aos fuis de urna alfandega o edificio !
nds anda hoje funeciona essa repartido publi-
ca; quem mandou construir a velha ponte da
Boa-Vista e o formoso caes Vinte e Dous de No
vernbro; qnem mandou erguer o palacio da pre-
sidencia no campo das Princeas; quem final-
mente contratou a obra do encanamento da agua
potavel para a cidade do Becife.
S essa serie de obras emprehendidas na9 snas
adminislracoes e varias nutras menos importantes
-fio sufiicientes para tornar grata Pernambaco
sua memoria. Dcinais, o Ilustre tinado soube
eollocar-se na wrdadeira altura de um adminis-
trador zeloso e intelligente, de forma grangear a
estima e o respeitd de todasamigos e inimigos
polticos.
Ainda nao ha muitos annos presidio S. Exc. a
provincia do Rio Grande do Pul; e all, bem como
aqu, dcixoa trag >s indeleveis de urna adminis-
trado pantada pelas normas da jasliija e prose-
guido com o firme proposito de prestar servido?
i mis administrados.
O Ilustro nado, era, como j dissemos, senador
do Imperio. Era conde e grande do Imperio,
veador de S. M. a lmperatriz e commandante su-
porior da guarda nacional do Recif.'. Era conde-
corado com a grande dignitaria do Cruzeiro, com
o habito de S. I^nto de Aviz, e com a commenda
de Christo de Portugal.
Foram laes os servicos por S. Exc prestados
la provincia, quanlo*seu administrador, que o
corpo do commercb de Pernambuco, agradecido e
obsequioso, mande ucoustruir e olerec-u-lhe para
sua residencia o bella palacio da ra da Aurora,
em da Boavi-ta.
A patrioiicae illu^trala provincia]!* Bahia tam-
h.'in deu provas iireoacussas de eslim i e apreso
i uobre fallecido, ofldrdeealo-lhe o seu corana
cid urna rica espakde curo, em signal de agrade-
cimento palos servuj u prestad)* juella provincia
por S. Exc, quando d'aqai enviou soccorros e for-
v\ que foram ajudar a plautar a ordem na Baha,
debellando a revoluta j all relientada, e conhecida
na historia pelo doim de S'ibinadn.
Eis ahi em breves palavras os traces mais sali-
entes da vida do Ilustre e eminente cidadao, que
acaba Pernambaco de perder!
Veemosnossosleilores que fiaou-se am homem
destnelo pur muitos ttulos, e que sua inorie foi
um grande e doloroso acootecimento para esta
provincia, que teria sem duvida sobej* motivo
de orgalbo se conlasse algumas dezeoas de filhos
tio extremecidos e tao cheios de qualidades raras
ede virtudes notaveis como o Conde da Boa-vista.
Has eslava escripto no litro Am destinos que o
fio de sua preciosa existencia seria cortado este
anno pela parca cruel que iraz os das do bomem
coatados; e assira se fez I
Triste e cruel sina, sem duvida, esta do bo-
mem I
O fatdico pulvit es el in pulcerem reveiiens
nao cessa de actuar com todo o seu peto sobre a
humandade: e e eos obreiros iotelligentes, segu seu camiaho en-
tre as angustias do hoiie mihi eras Ubi.
E' lei da humaaidade, bem o sabemos: nem
nos dado ni hMiens tomos de prebel-
larmo nos contra a sna dureza. Mas triste, con-
frange o coracii ver partir, para as regiSe* celes-
tes, alma qae no3 habitaamos a ver, a respailar e
a sentir v Iver-se em torno de n, impondo-se
por suas obras e qualidades, conquistando tributos
dj gralido de um povo oteiro, e por snas virtu-
des e nobrezas de atelligeneia, destinguindo-e da
raa-sa de *uas irmaas.
Sim, mono o Ilustre Conde da Boa vista ;
masa sua memoria ahi tica gravada nosleora-
ees de seus patriciose amigos, exculpida as
'irascom qae elle minnseou Pernambuco, o es-
cripta as pagiaas da historia contempornea do
Brasil.
Sirva sto ao menos de lenitivo a profunda aor
que confrange o coracao de saa illatre o rospei-
tavel familia.
O faneral foi feito na capella do cemiterio gn-
liiico, hontem as 5 horas da urde, Para alli ti-
jiha sido caniutido e depositado o sea corpo.
Um orescidrssimo numero de amigos particula-
res do lamentado finado e grande concurso de
povo foi pagar sobre o tamulo do Conde da Boa-
vista a sua divida de gralidio. Muias lagrimas
bail arar es
daqaellet qa*
para subir
mani*.
Amianta nacioMl etwtprt <
do vi seo cerno a* hora. "
posto sooiai; e as aoW
provmsia Muitos briosos
pbWleot. rito *|t(eraiTi que as
niissla/ioumnm *** presea**'
unto nu repousvarr. na terrl mff
bttfejoido* venios.
D*po* da cermoolas religiosas o* capeBt, o
fretro foi eondurido par o Inmolo Sot enffe dos*
ala* oV soldados-qie tnUames Tmas em'fsmerat
e cobettas de crep. Pegaram as argoja* do cai-
xiio : os Exms. Srs. president da pirovmea, comJ
mananle das armas, Baran de Gararape, Bario
de torees, coronel Nery Eerreirt, Df.' eMM d*
polica, teeenie-conmel Pesoo*, major** Cintra e
Th'Mnaz Gusmao, Dr. J,ao llircano, e Dr, Msooel
do li'gi Birros da Sauz* Lelo.
O cadver, encerrado em nm caixSo de msdei-
ra, fbrrado de panno fino preto com enfeites de
motal da mesma car, representando a coroi do
conde, foi sepultado oo inmolo 4o sea finado ir-
mi, de grata recordacao, conselneiro SebasHo
do Reg'.
Fino* a ceremonia do deposito do eorpo, os qoa-
tro batalbde* da guarda nacional e o 9* de Infan-
tera de linha deram as desgargas do estyll >.
O cemtterio esteve atopetado o> povo, e a dr
translotia em todos o* sentidme*.
E' tambera tmnzidos de dr qae eserevemos
estas Knhas, o cr*no* qae dalla partrlhara toda a
pooolaroiodona provincia, i miem fann* torv^M
pretoo o enmonte cidadao qae n* idde de 08
aamn balxon eamp, logando nm nomo hoorado
a setM Blfios. .
wmmmmmmmmmmmmm
VMtttt; Joo TtUtMvi ifTStmm o 1 ka, D-.tottafw
POfflj
iiii
XEV1STA DIARIA.
PHOresSOR AS PUBLICAS.Por portaras da
pruiiisBtja da provincia de 4 do correte, foram
nomoadal; para a eadeira de Pedra Tapada, D.
HerwHIa L fijede* Alcoforado ; para a ea-
deira do QoytiKltm*--B. Idalint Mara da Concei-
rio Lima; para a adefra de Pes jaeira, D. Ma-
lina Mara de Castro.
Por portara da mesma dala, foi removida a
S3D pedido, a professora publica B. Mara Salom
dos Santos Baca, da eadeira da Pedra Tapada
para a de itamarac, creada pela lei n. 947 de O
de julho nltlmo.
COMBE DA BOA VISTA.-* Eotm. Sr. Francisco
do Reto Barro*, nontem fallecido, naseen a 3 de
fiverero do WJ e sentou praoa em 1817 ; sondo
preso pelo entao governador Laiz do Reg, como
patriota, e enviado para Lisboa em Ifrll, obtendo
ah permiosaode enr*ar m aulas da Uaiver*idado
de Coimbra, o em 1813 lieenca para Ir a Pars se-
guir o emta do mathemalcas, no uaal foi galar*
"litando ao israoil, fot eleito de
pnta(To"_assemTi!e' CwrlfliST^Jimr iiif* tt
1830, e roeieito at 1848, quando se dea a aisso-
lucao da cmara. Levado ao poder moderador
em urna lista trplice, foi escolhido senador pela
provincia de Pernambuco em 6 de abril de 1850.
Occupou a eadeira da presideocia de Pernambu
mwiitci*
ac* kmm.%
co de 1837 a abril de 1841, e. ds novembro desse
anno at abril de 1844 ; e os cargos de presiden-
te o commandante das armas da provincia do Rio
Grande do Sul nos annos de 1865 e 1866. Foi
agraciado, em 1840, com o titulo de barao da
Boa-vista ; em 2 de dezembro de 1854, com as
honras de grandeza ; em 2 de dezembro de 1853,
com o titulo de visconde ; e em 7 de setembro de
1866, com o titulo de conde.
INSTITUTO ARCHEOLOGICO E GEOCRA.PHI-
CO.Renne-se ama nia as Jl horas do da, em
sessao ordinaria, esta sociedade.
MONTE PI PORTUGEZ.Dimingo deve reu-
nirse a as3emblea geral dos accionistas desta so-
ciedade, am de ouvir a leitura do relatorio da
directora e o parecer de contas que tem de fuuc-
cionar no anno vindoaro.
RA D MATIBAS DE ALBUQUERQUB.-Mo-
radores desta ra se nos queixo d'uiu homem
ex-praga do exercito, chamado Paraizo, que in-
sulta qnasi que diariamente qaelles que tem a
infelicidade de Ihe desagradarem, sem a menor
atlenco s familia que ahi residem. Chimamos
para "isso attencSo da aulondade comoetente.
EVASO DE PRESOS.No da 19 de setembro
as 8 horas da noit na occasiao em que o desta-
camento resava o terco, evadiram-?e da cadeia do
Brejo os criminosos de inorte Antonio Jos de Vas-
concellns, Francisco Gongalves Barbosa e Jos Vi-
cente da Silva, praticando para isso am arrombe-
mento no assoalho do e lificio com ama verruma
grande e urna faca de pona, sainado ao depos por
urna das janellas.
JURYFoi hontem submettido a julgamento o
reo preso J>ao Joaqnim Eleuterio, processado ex
ollicio, e pr*nnnciado como incurso no artigo 203
do codijro criminal.
Nao tendo comparecido por doente o advogado
do ri, encarregou-se do defende-lo o Sr. Dr.
AdolphoLamenha, que se achava presente; o que
fez pedindo a ab^olvicao do seu cliente.
PAVILIIODE SANTA ISABELDevendo hoje
a cmara municipal do Becife deliberar sobro a
conservaco do espantalho do lado de leste do
Campo das Princezas por mais seis meze3, vimos
ainda urna vez lembrar a conveniencia de orde-
nar-se a demfiliao desse barracao, que s serve
para demonstrar o deleixo porque corre ludo
qnanto entre nos exprime aformoseamento da ci-
dade, e comiuididales publicas. A camira mu-
nicipal do Recito .leve por de parte qualquer co-
miseracao, e, elevando-se altura conveniente,
negar a lieenga pedida, dando assim provas da
sua independencia e liberdade de obrar ao mesmo
tempo que se habilita a mais tarde erigir a dem -
licao do oulro espantalho do la lo do poenie.
Como se explicar o querer a cmara municipal a
democao das ruinas do Saota Isabel, p>r causa
de aformoseamento da praga com o conceder li-
licenga quasi que perpetua para a conservaco de
um barracao sem architeclura e disforme? Sera
isso zelo municipal ? Creraos que nao, e comno3-
co todos aquellos que lamentam se fac.am ences-
tos semelhantes. S'eromos o re:ultado.
TUTORES. -No lagar competente (Teste Diario
val um aviso chamando varios cidados para as-
signar termo do tutela e receber as cartas de li-
berdade passadas suas tuteladis, no dia 7 de
setembro prximo finio, expensas da provincia,
como determina urna lei provincial.
RA DO HOSPICIO. Moradores d'essa raa se
qaeixam-se do urna malilha de ca>s que por all
vaga incoinmodando-os, e bem assim quem por
ali pas.-a. Qje fazo respectivo fiscal ?
LOTERA. A que so acha venda a 163",
a beneficio da nova igreja de No3sa Senhora da
Penha, a qual corre boje.
LEILAO.-IIije efTectaa o agente Hart'os o lei-
lo de objectos de brilhaoles, prata, ouro e relo-
gios dados em penhor, na praga da Iadepndeacia
n. 33, s U horas do dia.
PASSAGEIR03.Sahidoj para os portas do nor<
to no vapor Paraense.
D. Fra,qfiis,C-a Miria, RsrriMO Bwros e \ escita,
As Mor* A a* 'O ;w|*y y
Srs. #m^>*\wl^^Mji.
rab, Win#TebnrpaiWNpi'i MffflWWt)li faJ.
S. Exc o Sr. iwe*oHe%|B afcri a sat*.
Foi lida e approraJ a aou da swsi i2d*)
passado.
Offisk) do nresioeiMP e seerottrio ajamu 4aa
correctores, aooaapatrtad d tWaao kolelsm oem-
nieral.Ar***-*).
Jornal offlia do 4M I& Arohrvo-**-
R'NBMrera 6 orroetwr goral Gaimerme sieo-
pte, o daelarou ertar prompto V entrar no eaoartjt-
eto de mas mnegdss, itssiiloaiido' qw ao ptneM
dias que excedern i KceQoo (ora* owaatatattti
pala demora dj vapor do sal emsahir par esta
cidade.Commnniqae-se.
DKSPACBOS.
Reqoerimentos :
DaCanUa Imrio k C subraettondo registro a
nomeacio Je son* (iaixeiros Jaaqoim l>os do Fi-
gooiredo e Antonio Femantes de Aibaquerque
Cmare.Registre se.
Ds Emilio Augusto Dsioaeh, abmettondo tim-
metlendo tambem registro a de seu caixeiro An-
dr da Silva Borges. Registre-so.
Da Jenuino J w da Rosa, no mesmo sentido
quinto ao sea eaixeiro Jlo Antonio Borges
llcha.Pegislre-se.
De JiSo Pereira da Silva, tambem no mesmo
sentido rospectivamen;e ao sea caixeiro Joio Fran-
cisco dos Santo*. Registre-so.
De Alberto Henschel & C, reqnerendo a insenp-
cio "t>*o ad verbum do papel qae juntara, da so-
ciedade qae estabeleceram, e qae lent por lim o
exereicio da arte photographica ora doas oficinas
que po3saem.Campram o disposto no art. 5 '*
do decreto n. 4:501.
De D. Isarel de Parias Gaimaries e sea Olho
Candido Jos da Silva Gaimarae*. re<|uerendo
igualmente o registro de sea contrato spcial.Vis-
ta ao Sr. desemhargador fiscal.
Do Mbnra Rolira & Sobrinho, requerend > um-
bem o registro da noneacio de seu caixeiro Vi-
cente Liberalino de Albuqnetnue.Foita a rovalj-
dacao por nao esta/ a estantpilba da procoragao
legalmente inotiliaatfa, urna vez qae a data est in-
teiramente fra da mesma estampilba, volte a pe-
tic-lo.
Da Anna Mara d-i Conceijao, igaalraeote raque-
rendo o registro da nomeagao de sea caixeiro
Pratutmi Jas rla^jlnt SaMW.-Reg.itro so. ^_.
De Lonrenco Ribeiro da Cdnha Olivetra; MSTS-
zondo a exigencia do despacho de tfi de setembro
ultimo, declaraodo na nomeagao, qae submeueu a
registro o nome do sea armazera de carne secca.
Registre se.
COM INFORMACAl) DO SR. DKSKMBAROMWR FISCAL.
Da HagoSeeling, matricala de commercianle.
ladeferdo.
Di comptnhia de trilhos urbanos do Recife a
Olinda.Seja registrado jautamente com a certi-
dio junta, em consequencia do pareser fiscal
Do Felippe Estrella & C, contrato de socieda-
de.Adiado.
Rehabilitagao commercial de Jote Antonio Soa-
res de Azevedo.Adiado por o tribnal nao estar
completo.
De Thomaz de Aquino Fonceca & C, registro de
saa conirato d: sociedade,Sati3fagam o parecer
fi*eal, .
Da Thomaz Lins Caldas e Satyro Emiliano Meira
de Vasconcellos, contrato tambera social.Regs-
trense.
Di Justino Jis de Soaza Campos, registro dos
estatales da companhia Santa Ttereza.Rigis-
tra-s*.
Dada a hora (11 1/2 da manha), o Exm. Sr.
presidente encerrou a sesso, na qaal f jram dis-
tribuidos os seguinles livros : Diario de Okell
Bmdloss & C*. e Copiador do Engsh Bank of Rio
de Janeiro.

DE OUTUBRO
I)
da
das
do
de Antonio Pedro de Mello, erabarga-
larcelino da Rosa & Fillns; appellantes
bhardeiros de Diog) Jo^ da Costa, ap-
|IW mi fa arte Cameiro Vianna ; appai-
inim da Silva Cista. kppeado Joio Ro-
'/vr Pa, embargido Jos Antonio di Almeida
*; appallante Antonio de Azevedo No-
M*do liento los de Haced) Pojas.
DKCV\CAO DK WA.
lyite / iiquim Francisco d i E'pirito Sin-
liado JosPelIcian Nitareth : appallante
Francisco de Olivoira, appellilos Tasso
O primeiro dia mil.
imbeoo solfea mesa o feito adiado 2 do
ido, entre parles, appallante Jos Alves
ir, appellados os administradores da roassa
Antonio Jos de Ftgueiredo.
*>ASSA6m.
desembargad r S:lvi Guimires ao Sr.
Srvador Re s e Silva : appallante Maternus
ppeilado Antonio Gomes Nelto.
. desembargador R;is e Silva ao Sr. de-
lad ir Acioli: appallante o a Iministrador
fallida de Minoel do Amparo Caj, ap-
iguel Archanjo de Figueired).
h daserrbargador Accioli ao Sr. dasembir-
iva Guimaraas: appellaole Urbano Jos
i, appillalo Jos Vell >so Soares.
DRSTBJBUtgO.
ir. desemhargador Silva Gaimaries : era-
Alexindre dos tintos Barros, embarga-
re4 Jos de M randa,
roa-se a sessao ama hora e meia da
igHlis Bank of Hlo de Ja-
neiro LlaMlted.
do Banco em
)00 accoes de 26
urna......
ll realisado ....
-le reserva. .
1,000.000
500.000
20.503
Bala
da caixa filial em Pernambuco, em
30 de setembro de 1870.
Activo.
descontadas. .
timos e contas
ionadas .....
Letrla. receber. .
Garsjntis e valores de-
itados.......
Muilia etc. do Banco.
Div rsas contas.....
Ca a........ -
1,292:347,5190
30:277(J000
7i:25b\A530
621:798*430
17:049*160
144:3290100
1,161:707^230
3,344:764,5960
Cotias
JPomco.
cor'pentes
sim-
|es. ,695:014,5940
DqLsitos praso fixo,
fori 'jKW^TjrJH^-^-s*^-
tras 1,438:4305370
Ttulos em cauco e de-
posito .......
Diversas contas.....
2,133:445*310
624:798^430
586:5210220
3,344:76459(50
S. E. 0.
Pernambuco, 4 de. outubro de 1870.
Joseph S. Lambley, jAct managers.
L. llendcrson, [ ^
St. de Pottere, Pro Accountant.
PBLICACOES A PEDIDO.
SESSAO
DE
JUDICIAR1A EM 3
1870.
.'RBSIDESCIA DO EXM. SB. DESSMBAnOADOR A. F. PB-
RETTI.
Secretario, Julio Guimaraes.
Ao meo dia declaroa-se aberta a sessao estando
reunidos os Srs. doserabargadores Silva Guima-
raes, Reis e Silva, Accioli, deputados Rosa, Basto,
e supplente Si Leiio. fallando com partecipacao
o Sr. dopatado Miranda Leal.
Lida, foi approvada a acta da ses 0 Exm. Sr. presidente mandou que se remet-
tesse para o cirtorio competente o feito violo do
supremo tribnnal de ju-tija, no qual se denegou
a revista entre partes, recrreme Carlos Itocker,
rnpresentan e da Urina social fallida N. O. Bicker
A C. successore-, recorrido The London and Brasi-
lian Bank.
O escrivo Albuquerque regi3trou o ultimo pro-
testo de letra a 27 do passado mez sob o n. 2098,
e o escrivo Alves de Bnto a 1 do corrente sob
o n. 2071.
ACCOnDAOS ASIGNADOS.
Appellante Joaquina Francisco do Espirito San-
to, appellados Lnmann Frres; enbargan'e Joao
Baptista Gomes Penna, embargada D. Anna Jos-
plia Pereira das Santos;
JULO AMENTOS.
Juizo especial do coramercio : embargantes
appellantes exequenles Tasso Irmos, embargado
appellado embargante 3o Antonio Moreira Reis;
juizes os Srs. Silva Guimaraes, Res e Silva, S
Lei lo e Ro3a.Foram despresados os embargos
cora o voto do Exm. Sr. presidente, sendo votos
vencidos os Srs. Rosa e S Leitao.
Juito especial do eommercio : embargante exe-
futado Jos Carlos Teixeira, embargados exe-
quenles Oliveira, Pilaos-& C ; juizes os Srs. Reis
o Silva, Accioli, Rosa e S Leitao.Foram julga-
do3 nao provados os embargos infriagentos do
julgado neste tribunal.
Juito especial i commercie; embargante ap-
pellante autor Francisco Mandes Martins, embar-
gada appellada r D. Maria das Neves de Miran-
da Oliveira; Jatos os Srs. R^s o Silva, Accioli,
Basto e Rosa.Foram despresados os embargos,
seodo o Sr. Rosa voto vencedor por diffsrenlo fu-
dameolo.
Appellante Miguel Archanjo do Figaeiredo, ap-
pellado Joaqaim J>rgo de Mello, tuior das mono-
res Manoella e Jgaez ; appellante Felinto Elysio
de Camino Couto, appellados Silgado, Souxa 4
C; appelantes Jos Alves Barbosa appellado
Lourenc/) Pugi.Adiados pedido dos Srs. depu-
tados.
Nao estando presente o Sr. Miranda Leal nao
foram proposlos os segaintes fcdtog adiados as
sessoes anierioro, nos quaes o mesmo senhor
jaiz, entre paites, appellanie Joo Francisco da
Carvallio. appallado Manoel Francisco da Silva
Noraei; emb,srgsnte 0,3 cardores caes 4a raw
Copla dos autos de exhumacao.
autopsia e eiarac chltmico pro-
cedido uas visceras do Dr.
Victoriano de S e Albuqncr-
que.
Traslado dos autos de exhumacao do Dr. Victoria-
no da S e Albuquerque.
Autuacao da pelicao para exhnmagao e examedo
cadver do Dr. Victorino deS e Albuquerque. Es-
crivo Meaezes. D. Olympia de Sa e Albuquerque.
autora Anno doniscmenlo de Nosm Senhor Jess
Christo de 1870, aos 30 dias do mez de julho (lo
dito anno nesta cidade da Bahia, em man cartario,
por parle da autora D. Olympia de Sa e Albu-
querque, me 'foi entregue a peticao com des-
pacho, documento, e procuracao que se seguem,
do que lavro o presente auto e dou r.
Eu Olympio Jos de Menezes, escrivo que a es-
crovi. .
PflfUO.
Illm Sr. Dr. chefe de polica.Diz D Olympia
de S e Albaqnerqup. viuva do Dr. Victoriano de
S e Albuquerque, fallecido a bordo do vapor
South America, em viagem de Pernambuco, para
esta cidade, para onde so diriga e por doent-,
para tomar o primeiro vapor que o Ihi oltere-
cesse para a Emopa, qae haveado 03 mais fortes
oicios de que seu marido fora morto em eonse-
quenciadese Ihe haver propinado veneno, quer
a supplicante proceder a um exame de cadver,
afim de ser verificado o enme.
E como o cadver fosse dado a sepultara nesta
capital no cemitero do Campo Santo, no da 15
do mez de junh) ultimo, a sapgjicante pede a V.
S se digne ordenar a exhumaca, para azer o re-
ferido exame, uomeando-se para elle peritos que
sero intimados para comparecerem no referido
cemitero no dia e hora que V. S designar, cita-
do igualmente o Dr. promotor publico, entregan-
do-se o cnginal de todo o processado, flcando tras-
lado no cartorio. E receber merc.
Como procurador, Manoel Pialo de Soau Dan-
ta*.
(Estava competeotemente sellada com a e
pilha de 200 rs.)
Documentos junto'.Illm. Exm. Rvm. Sr. dts-
vin:ia de Pernambaco. Proearacio bastante es-
pacial que faz D. Olympia de S e Albuquerque,
viuva do Dr. Victorino de Sa e Albuquerque.
Saibam quanlos este publico instrumento de
procuracao bastante espoeialvirem, que no anno do
nascimento de Nosso Senhor Jess Cbnsto de 1870,
aos o de julho, nasla cidade' do Recife e casa de
morada do Dr. Luiz de Carvalho Paes de Andra-
de, na raa da Uuo,aonde eu tabelliio vira a cha
mado, sondo aqu prante mira tabellio e as tes-
temunhas abaixo assgnadas, comparecen como
outorgante D. Olympia de S Albuquerque, va
va do Dr. Vi toriano da S c Albuquerque, mora-
dora no seu engeeho Guerra, termo da Ipojuca da
comarca do Cabo, ns-soa reconhecida de mim e
das testemanhas : don f, peraate ellas disse qae
constltais especialmente sen binante procurador
n cidade da Bahia ao Exm. conselheiro Manoel
Pinto de Souza Dantas, para era nome e por par-
le della outorgante raquerer exhumacao do cada-
ver de seu marido o Br. Victoriano de Sa e Albu-
querque, sepultado naquella cidade no dia lo de
junho, e assistir aos processos de autopsia d)
mesmo, e aos exames chimicos qne se piocederom
por peritos, afim de verillcar-se a cauta da m>rte
do dito seu marido, e requerer e praticar tudo
quanlo julgar conveniente acerca deste objeeto,
para o que Ihe concede os necessarios poderes,
allm do qae possa ter vilidade o que em no-
rae della outorgante praticar dito sea procurador,
coneernento ao objeeto do presento instrum nto,
ante quaesquer autoridades polieiaes, crimes, ci-
veis, commermereiaes e adminisiratvas, flseaes,
judicaes, ecelesiasticas e repartieses publicas, po
deudo reqaerer e assigoar o que Ihe convier e
substabelecer o presente, licando Ihe os poderes
do mesmo em seu inleiro vigor.
Em f de verdado assim o dsse e outorgou, e
sendo-lha este lido assigna com as testemuahas
presentes ; escrevi e assigno. Em testemanho de
verdade estava o signal publico do tabellio.
(Tinha a estampilha de 200 rs.)
Recife 25 de julho de 1870.
Laiz da Costa Porto Carreiro.Olympia de Sa
o Albuquerque.Luiz de, Carvalho Paes de An-
drade.Jos Vicente Duarte Brando.
Remettida ao Sr. Dr. delegado do 1 distrcto
qae j tomn conhecimento do faci da que se
trata, para proceder como for de lei.
Repartilo de polica 30 de julho de 1870.A.
S. Assis.
Deipacko.
Autuada proceda-se na forma requerida no dia
Io de agosto a I hora da tarde, e nomeio peritos
aos Drs. Francisco Rodrigues da Silva, Salustiano
Ferrara Soulo o Jeronyrao Sodr Pereira, que se-
rio notificados, e no acto prestaro juramento.
Sejam tambem notificados o administrador do ce-
mitero e o Dr. promotor publico, e ofcie se ao
provedor da Santa Casa de Misericordia, para dar
a devida permisso.
Bahia 30 de julho de 1870.A J. Santo?.
Citacoes.
Certifico en escrivo abaixo assignado que por
cartas missvas, e que foram entregues, ctei pelo
contelo da pet^o fl*. 3, e despacho fls. 3 verso,
aos Drs. Francisco Rodrigues da Silva, Salustiano
Ferreira Sonto e Jeronymo Sodr Pereira, os quaes
licaram scienles, bem como notitiquei ao Dr. pro-
motor publico Pedro da Costa e Abreu e ao pa-
'dr4 Mane 4* AUaeida Vrela a Iministrador
do cemitero do Campo Santo, e orneion-ss ao pro-
vedor da Sania Casa di Misericordia para o fin e
na forma ordenada no despacho referido e de la-
do doa f.
Bahia 30 de julho da 1870.
O escrivo, Olympio Jos de Menezes.
Auto de exhumacao.
Ao primeiro dia do mez de agosto do anno do
nascimento de Nosso Senhor Jess Christo de
1870, nesta cidade da Bahia e cerailerio do Campo
Santo, presente o Dr. Io supplente do delegado do
Io distrcto em exereicio Americo Jos dos Santos,
comigo escrivo de sen cargo, as lestemunhas abai-
xo assgnadas e os peritos nomeados, os Drs. em
medicina Salustiauo Ferreira Soulo, Jeronymo
Sodr Pereira e Francisco Rodrigues da Silva, os
dous primeiros moradores na freguezia de S. Pe-
dro c o ultimo na freguezia da S, foi pelo mesmo
Dr. delegado ordenado ao padre Jos Maria de Al-
meida Vrela administrador do mesmo cemitero,
que Ihe indicasse a sepultura do Dr. Victoriano
de S e Albuquerque enterrado a 15 do mn ds
embargalor governador do arcebispado.D. Olym-
pia de S e Albuquerque, tendo ntsta data reque-
rido ao Sr. Dr. chefe de polica para se proceder a
exhumacao do cadver de seu nwido Dr. Victo-
riano de S e Albuquerque, sepultado no cemita-
rio do Campo Santo a 15 do mez de junho ultimo,
afim de por exame medico verificar se a morte do
seu marido f >i proveniente de propinarlo de ye
nuo, conforme fazem crer os mais vehementes in-
dicios, vem tambem requerer perante V. Exc. que
se digne de por saa parto expedirs convenientes
ordens para que possa lar lugar a exhamacao.
Nesles termo' pede aV. Exc. Rvm. despacho. E
reseber merc. Bahia 3 Ode julho de 1870.
Como procarador, Manoel Pinto de Soura Dan-
tas.
(Tinha a estampilha de 200).
Despacho. Concedemos a competente lioenoa
para a exhumado requerida. Baha 30 de Julho
de 1870. M
Campos, governadar do arcebispado.
Procuracao bas(aoie,-lmperlo do Brasil, pro-
jiiuho do corrrenle anno, o que cumprindo o dito
administrador iudicon o quadro n. 6 c carneiro
n. 208, e diz ser ahi que se sepulton o individuo
de que se trata,e dirigindo-se para o logar indi-
cado o juiz, comigo escrivo, peritos, testemanhas,
o Dr. promotor publico Pedro da Costa e Abren o
o advogado da parte conselheiro Manoel Pinto de
Souza Danus e o referido padre administrador,
declarou o mesmo ser exactamente este o lugar
em que foi enterrado o dito Dr. Victoriano de S
e Albuqnarque, o que mais fizia certo a inscrip-
co que sa lia na pedra que fechava a bocea do
earieiroa qualera a seguateAqu jasemos res-
tos mortaas do Dr. Victoriano de S e A'buquer-
que, fallecido a bordo do vapor americano South
America ao dia 13 de junho de 1870Por esta oc-
casiao o Dr. conselheiro advogado da parte decla-
ro-a que havia engao de data na ip.scripcao, pois
que o fallecimento tinha sido a 14 e sepultado no
dia 15, como consiav.i do livro que neste acto foi
apresentado pelo administrador, a requerimento
do mesmo conselheiro advogado e deferido p%lo
juiz, em cujo livro que serve para lancar os en
lerramentos do's carneiros do cemitero do Campo
Santo da Santa Casa de Mi tricordia, se encontra
a IK 28 verso, o .senlo do Iheor seguinte :
Dr. Victoriano de Sa e Albuquerque, 40 annos,
branco, congestao, ca, natural de Pernambu-
co, livre, carneiro 203, dia 15.
Em consequencia ordenou o juiz que se proce-
desse a exhumacao do cadver que alli so encon-
trarse afim de proceder se a exames, o qne cora
elTeito se fez na prescnc.a do Dr. delegado, Dr. pro-
motor publico, advogado conselheiro, de mim es-
crivo, peritos a'testemanhas, e mais pessoas que
alli se achavam entre as quaes o dito administra-
dor do qua don f, e ento destampado o carneiro
referido que estava intacto, delle tiren se um
caixo igailmento intacto e que liuha 8 palmos
o 6 polegadas de comprimento, 2 e 4 polacadas
na sua malor largura, o na menor 1 pal-
mo e meia polegada, sondo sua altura de 1 pal
mo e 2 polecada, era do madeira (pmho) fjrra-
io inteiramente do panno preto, com urna cruz (te
nanno roxo em sua taca superior, e em cada tace
lateral e-tavam pregadas 4 chapas douradas alora
das alcas que erara de louca preta, e 3 de cada la-
do ; na faca menor correspondente a lousa um
puuoo abaixo do centro, notaram m abertura
circular feita a Irado, do meia polegada de dime-
tro abertura que se f.iz da conformidad^ com o
reHulara-nto do cemitero o que communieava com
o interior do caixo aberto este por 3 carap.nas
dj nomes Manoel Florenlino da Silva Antonio
Teophilo do Nascimento e Francisco Manoel da
Pieiiaie, eneontraram um oulro caixo do zineo
tambem intacto, salvo porm urna abertura circu-
lar correspondente a encontrada no caix > exte-
rior : reila a aberturi do caixo interno de zioco
pelo funileiro Traoquelino de Souza Res, por meto
do thesoura propria, eneontraram um cadver
qae foi collocado em urna mesa ao lado do mes
mi carneiro, depois do que e immediatamente o
Dr, delegado delirio o juramento dos peritos refe-
rido de bem e fielmente desempenherem a saa
mis? a o, declarando com verdade o que descobri-
rom e encontrarn, e o qito em soas conciencias
enlcnd'.'rerr 5 ?aCMT6gar-!hes que procedessem a
exame no cadver qae presente estava do Dr. ?*-
toruno de S e Albuquerque, e qae respiHtduif
aos quesitos segnintes :
1.* Se bauva propinaco de veneno interior o
exteriormente.
i. Qaal elle seja.
3.* Se era da tal qualidade e em dote tal aja*
caasasse a morte ou podesse cantar.
4." Se nao a podendo causar prodasio on potfa
prodmir grave encommodo de sade oa nao.
5. Qual seja esse encommodo.
. Se pela autopsia podero reeoohoeer lalo
pathologica que demonstre a enfermidade trtMde-
teminou a morte, e linalmente qnal o valor io-
damno cansado.
Era consequencia pa-sara 1 os peritos a faatr
exames e invostiga^oes ordemnadas e aa ooe Jol-
garam necessarias, concluidas as quaes decararam
o seguinte: __^__
O cadver parece ter sido de nm homem rotar-
lo e bem csmplecionado. de cabellos e barba fri-
sadlas, mostrando ter 50 annos pouco mais oa me-
nos, e que media 7 palmos e ama polegada, vaaci-
do de sobrecasaco de panno-preto fmo, colele do
mesmo panno sem gola, todo abotoado, de mado
3ue s deixava ver o colernho da camisa,. ealea
e cassemira cor de rap, botinas francesa* fc
couro preto, grvala estreita de seda preta, cami-
sa e seroula francezas bordada esta a retrot ver-
melho.
O cadver estava deiado sobre o dorso, e a face
coberta com nm lenc<) de esgaio branco, aekava-
se inclinada 3 qaartos de posico sobre a direita;
um outro lenco semelhante ao primeiro e dobradu
em fonni de gravata amarrava-lhe os qori-
xos.
Tirados os lencos com elle despregou-se psrte-
dis sossas obigodes, e ento apreciaran! a de-
composifio adiantada dos tecdos mollas da Hace
que se destaeava eom muita facilidale, seodo ojoe
o nariz, as rbitas e as paredes bneeaea achavam-
se completamente desnailadas^de seas teeidoa por
elTeito da putrefacto. -
Os bracos do cadver acompanhavam a diraeolo
longeludinal do corno ; a mi esquerda deixava
ver todos os ossos de sea esqueleto.
O ante-braco e braco correspondentes _>*-"
irefaeco adiantada mostravam tambem os noto*
descoberlos. .
Os tecdos do pescoco tinham a comisiones de
sabo molle.
A pello da regiao peiloral revestida do pelo
tambem gresalhos estava corada em vermeUtn l-
vido e ahi erara os tecdos mais resislenloa do ojoe
em ontra qualquer regiao. A regiao abdominal
inteiramente deprimida, apresentava a peUO ojo;
a reveste coberta de pellos e de manchas
nhadas e araarellas.
Na regiao pnbiania, tambem gaamecidas dej
tos expessose bstos notaram urna grande
cha veroielha esenra. ^^^m-
Os orgos gentaes externos j em deeomaasi
cao adiantada nada revelavam de anormal.
Os membros inferiores parteeipavam da potre-
faeco geral.
Terminado o exame do habito externo exotora-
ram a cavidade buccal; saas paredes latoraeaje
engvas pulrefeitas : ; Iguos denles molares mra
a seus alveolos foram encontrados na massa for-
mada pelos tecdos molles. A lingua eoropletameB-
te mure a de cor vermelha escara.
Proosderam a abertura da cavidade aJodooimai
na qual penetraram por duas largo meuoe*
obliquas urna de cada lado, e nasa oolra operior
costeando o rebordo das airis costellas e eacoo-
traram o peritoneo de cr escara carretada al-
terado adherente as paredes musculares :. aaje-
lar5es dos orgis normaos : os intestinos delga-
dos anda bem conservados, de forma quasi oa-
tural e de cOr esverdnhada. O estomago de oir
muito escura. O figado de cor negra diminuid
era sea volurae ; a visicola do fel completrnoste
vasia. O baco de cor lvida. A bexiga orinara.
ioteramente vasia. Leigado o esophago em sna
porgio abdominal e o estomago togo abaixo do
pyloro, leigado tambem o duodeno e ainda c ile>
em sna extremidade inferior foram estes orgaos
extrahidos; assim como o figado e baco para es-
tados posteriores.
Procedcod.) a abertura do thorax incitando o*
tecdos molles e seriando as costellas na jncea.
de seus tres quarlos aalerores com o qaarto pos-
terior comprehendidas as claviculas, observarom
as pleuras de cor escara adherenles as puedas
da caixa ; os orgos em suas relceos normaos :
o coraco revestido pelo pericardio completamesle
murch e reduzdo a ama especie de membrana
musculosa bem expessa deixando ver sua *:-
neefies principalmente com os vasos arteriaes Os
pulmoes reduzidos a urna especie de polpa negra.
Foram extrahidos o pulmoes e coraco. Ser-
rado o craoeo na direccao de urna linhi ''rada
petos supercilios apophises mastroidas. pissando
um pouco abaixo da protuberauea oeciptal pe-
netraram na cavidade craneana onde acharan a*
meninges de cor escara adherenles sos osso?. O
cerebro ainda conservado deixando ver toa eir-
convoluc;d>3 naturaes: corlados stus bemispoenes
em differeutes sentidos nao eneontraram sjoaot
da derramamento ; sua base porm menos 00
sislnte nao deixava observar o pares rvrvot
na saa emergencia deste centro. O eerebello 00
mesmo estado qae o cerebro. Coodoida por 1
forma a antopsia re apresentados somante podem respqjider Pe,*,*
gal]va ao sexto quesito, e qae para responder ao
1, 2, 3- 4-, e 5', necessitam de proceder a aoa-
lyse chimica, deixando do respooAr ao ssstoo
por ser o damno" inextimavel.
Em vista do que por delerminacao do jou
positaram em am frasco novo de vidro e de toert
l.rga e rolha da mesma especie previamente_l
vado com alcool puro as parles ligadas do lamo
digestivo.
Em outro frasco da mesma uatureza, e ao Mt*
mo modo lavado, foram depositados o ligado o M
Em um terceiro frasco idntico aot oosro
e como elles lavado com o mesmo liquido t
caujoes foram collocados os poMeseei
Todos estes frascos e mais urna garrafa ciol
parte do alcool que servio para lavagem do 1
donados frascos e conservaco das pt jas >
referidas, firam entregues ao Dr. J^J*W
immediatamente os fet rotular sob a. I,
indicac-o respectiva das visceras qae
o os Ui lacrar sobre papis (<.'
qae involviam tampa e eolio dos
eos assegnandome eu escrivo SMM
bricando o Dr. delegado, promotor, pe
gado nos papis que envolviam as rolha <
eos e da garrafa quo continha o aleooi
maUliaverdcu-se por eonelaida a osoumapo o
autopsia e de tudo lavrei o pretensa alo
por mim e^erioto, rubricado pelo D
assignado pelo mesmo, perito 1
ministrador do cemitero, advogado o Pr.
tor publico, commigo escrivio Olympto Jo >
Menezes que o fli e escrevi do oa tai da
Americo i dos Sanws. 5^loaism wr<'
Sonto.-Dr. J.-ronvino Sodr roroiro.-^
cisco Rodrigues da Silva.-Prammo Ita
Imperial.-Bento da Silva Fnaad. ,/*
Mara de Almeida Varella.-lUoool -
za Dantas.Pedro da Costa Abr m. ^^
Dala.-Aos 17 das do moa doj1
nesta cidade da Baha em meo em
da autora, por t eu advogado a ^
cbo a so ogoo. r1
rn-
oad-
tico com despacho qa I
"! -S? V de Mea m* 1 -
crevi.

1-
I


d Perttnttkco Quarla feira 5 de
Mr
Ikjjf
Petrcao.
telo e polica. Devendo pro-
r^Bos fra-eosonde foram ci-
cada ver do Dr. Victoriano de
sendo necessario que a esse
f, S. alo sp coraparegam o
4
* ^ .?' ?H'aWico, vera o suppllcspte requerer
-aj de marcar m e hora pata o oW
pacho bem como qne sejam atibados
juto, Bodrige, Sdr
E recebe ra merca (toba a l
is datada de
Como procurador ttkaoel Pinte
DHpadto.
Designo o dia 18 do correte a"l hora tt tarde
feiUs as nlmac5e requeridas, Baha 17 d agos-
to de 1870.Souza Gome?.
Citafie.
Certifico eu escrivao abaixo assignado qne pes-
8oalment| e pelo contedo da peticao e despacho
tctro-enei aos Brs, Salostiano Ferreira Soalo, Je-
rofljmo Sodr Pereira e Francisco Rodrigoe9 da
Silva o fem assim o Dr. promotor publico Pedro
SaXosta e Aireo, flcaram scientes e dou f.
Baha 17 de a|oto de 1870.O escrivao Olym
pi Jos de Menezes.
Termo de abertura e exorne.
Aos 18 dias do mez de agosto do auno do nasci-
rnealo de Nosso Senhor Jess Christo de 1870,
nestt cidade da Bihia, a 1 hora da tardo na Fa-
culdade de medicina e gabinete de- chymic, ahi
compareeeu o Dr. Amcrico de Souza Gomes dele-
gado do 1." distrieto conmigo escrivao abaixo no-
.neada os Drs. em medicina Salustiano Ferreira
Sonto, Jeronyoio Sodr Pereira e Francisco Rodri-
gues da Silva, Dr. promotor publico Pedro da Cos-
ta e Abren e o Dr. conselheiro Manoel Pinto de
Soasa Dantas como advogado de D. Olympia de
S e Albuquerqae, e presentes ao mesmo juiz tres
frascos com rdlhas de vidro, com a numerado de
um a tres lacrados estes sobre papis e lacos de
caaarc) que envolvan as lampas e eolio dos mes-
mos irascos, os qoaes nos papis que envolvan)
as lampas e eolio viam-se as rubricas do Dr. de-
legado, promotor publico, medico mencionado?, e
referido conselheiro, estando outro sim por nnin
escrtvo rotulado?, e assignados os rtulos os
quaes indieavain as visceras que continbam, e que
no dia 1." de agosto do corrente anuo foram extra-
hiias em consequencia de exhumado e autopsia
do cadver do Dr. Victoriano de S e Alhnquer
que verificando-se intactos os supraditos frascos,
o supradilo Juiz deferio o juramento aos Santos
Evaagelhos aos mencionados Drs. Salustlno Fer-
reira Sonto, Jeronymo-Sodr Pereira e Francisco
Rodrigues da Silva, de bem e fielmente procede-
rem a exame cbymico na visceras comidas nos re
feridos frascos, e' recebido por clles o dito jura-
mento assira o prometieran) cumprir.
Em consequencia psssaram 09 peritos a fazer
os exaraes preparatorios que julgarara convenien-
tes para o que foi pelo juiz abertos o 1 e 2o fras-
co* cima mencionado.', e nao terminando os pe-
ritos os seus exames mandou o mesmo juiz guar-
dar em ara armario os tre9 frasco9 sob ns. 1, 2 e
3 o mais objectos que serviram para os dilos exa
mes depois do que foi lacrado o armario sendo
posto um ro'.ulo no lugar da abertura da porta do
mesmo armario, cujo rotulo fui rubricado pelo
juiz, peritos, promotor publico advogado e asig-
nado por niim escrivao.
E para constar lavro este termo no qual assig-
nam as pessoas mencionadas e duai teslemunhas
presenciaes do que dou fe.
Ea Olympio Jjs de Menezes escrivao que o es
crevi. Amerieo de Souza Gomes.Salustiano Fer-
reira Souto.Frauclseo Rodrigues da Silva.lo-
ronyrao Sodr Pereira Carlos Angosto de Barros
Palacio.-Bento da Silva Friandes.Manoel Pinto
de Souza Dantas.Pedro da Cos:ae Abreu. Neste
acto pelo Dr. conselheiro advogado e parto foi re-
Suerido ao juiz que houvesse de designar o dia
e amanha, a 1 hora da larde para a continuacao
dos exames preparatorios comecados, dando"se
sciencia ao9 peritos e Dr. promotor publio; o
que ouvido pelo juiz deferio o requerimento e logo
eu escrivao nolifiquei aos ditos peritos Drs. Salus-
tiano Ferreira Soulo.Jeronymo Sodr Pereira.
Francisco Rodrigues da Silva e o Dr. promotor
publico Pedro da Costa e Abreu e todos llcaram
scientes do que dou f.
Baha 18 de agosto de 1S70 O escrivao 0!vm-
pio Jos de Menezes.
Termo de obertura.
Termo de ah?rtura do armario e continuacao do
exame chymico. Aos 19 dias do moz de gosto
do anno do nascim-mto de Nosso Senhor Jess
Christo de 1870, nesta cidade da Bihia, e Facul-
dade de Medicina, 1 hora da tarde, no gabinete
de chymica, ahi compareceu o Dr. delegado do
primeiro distrieto, Amerieo de Souza Gomes, comi-
go escrivao abaixo nomeado, os doutores em me-
dicina Silustiano Ferreira Siuto, Jeronymo Sodr
Pereira, Fraucisco R)drigues da Silva, o Dr. pro-
motor publico Pedro da Cota e Abreu, e o Dr.
conselheiro advogado da parte, Manoel Pinto de-
sonza Dantas; e sendo ahi, procedeu-se abertu
ra do atmario, reconhecendo-se intacto o rotulo
que se achava lacrado, e rubricado da mesma for-
ma por que fra deixado honterll e sobre a abertura
da porta do mesmo armarlo, no qual llcaram guar
dados os frasjos ns. t, 2 e 3, e mais objectos que ser
virara pan os exames comecados, cujos frascos e
mais objectos foram entregues aos peritos menciona-
dos para a continuacao de uas analvse?, lindas as
quaes, f.ram novamente guardados'no dito arma-
rio os referidos frascos e mais objectos, flcindo
designado pelo juiz o dia de amaohSa 1 hora
da larde, para a continuacao dos exames, pelo que
mandou o dito juiz fechar o mesmo armario, rotu-
lando e lacrando sua abertura, tendo no rotulo as
assignaturas do juiz, perito, promotor publico e
advogado da parte, os quaes com as testemunhas
presentes tambem assignam o presente termo, e
de tudo dou f, bem corno de haver scientilieado
aos peritos referidos, Dr. promotor publico c con-
selheiro advogado da parle designado do dia e
hora para a continuado da anal] te.
Eu Olympio Jos de Menezes, escrivao que o es-
crevi. Amerieo de Souza Gomes. Sallustiano
Ferreira Souto.Hrancisco Rodrigues da Silva.
Jeronymo Sodr Pereira Carlos AufTW de Bar-
ros Palacio. Bento da Sil va Friandes. Manoel
Pinto de Pouza Dantas.Pedro da Costa e Abren.
Teitno de abertura.
armario, e entao foram entregues aos supraditos
peritos os mencionados fiascos e mais objectos,
aflm de sob o juramento ja prestado continuaron!
na analyse comeeada na qual proseguiodo eli
iodo ndiantada a hora, deram por Ando o iratoaluo
de hoje e designando, o Dr. delegado o dia de
nhla a 1 hora da tardo para sna continuado
que foram novarmnte guardados os frascos emil*
lacrado
rotulado em ma abertura, lepoo no rotlo as as
ignjtnras dosperiie- usttano Ferrira Snu
to, Francisco Rodrigues da Sil, Jernimo Sod(#
Pereira, D| prmoto' publico Pedro'da Costa e
Abreu e conselliehT>aavogafl'o da parte e igual-
mente o juiz, os qtiaes nnilfianei pata ciencia do
novo da e hora designados e aisigOW este termo
com as tesreniUDh;is presenciaes do qne dou f.
Ea Olympio Jos de Meneaos, screvio o esefe-
vi.*-Atnerlco de Sonz Gomes.Salustiano Ferrei-
ra Sonto.Francisco Rodrigues da Silva.- Dr. Je-
rnimo Sodr Pereira.Bento da Silva Friandes.
Carlos Augusto de Barr< s Palacio.Manoel Pinto
de Sonza Danlas.-Pedro da Costa e Abreu.
Jrrim de abertura:
Termo de abertura do armarlo e continuado do
exame chimico. Aos 23 dias do mez de jagosio 4o
anno do nascimento de Nosso Senhor Jess Cbris-
to de 1870 a 1 hora da tarde nesta cidade d.. Bn-
hia e faculdade de medicina no gabinete chimico
onde fui vindo o Dr. delegado do primeiro distrie-
to Amerieo de Souza Gimes, comigo escrivao abai-
xo nomeado, compareceram os periins donti;re.
fm medicina Salustiano Ferreira Souto, Francisco
Rodrigues da Silva, Jernimo Sodr Pereira, o Dr.
promotor publico Pedro da Costa e Abreu, e o Dr.
conselheiro Manoel Pinto de Sonza Dantas, como
advogado da parle, sendo ahi procedeu-se a aber-
tura do armario onde hontem llcaram guardad,- s
os frascos numero 1, 2 e 3, mais objectos qne
serviram para a analyse que se faziam as vece-
ras do Dr. Victoriano'de s e Albuquerqae, ten-
do-se reconheeido intacto o rotulo posto sobre a
abertura do mesmo armario, e ento foram enlro-
gues aos supraditos doatores peritos os menciona-
dos frascos e mais objectos econtinuaram ellesi na
ana^e comegada, depois do que deram por lindo
os (rabalho8 do dia de hoje, e designou o Dr. dele-
gado o dia de amanhiaa 1 hora da tarce para sua
continuado, pelo que foram novamente guardados
o. frascos e mais objectos no armario referido que
ficou lacrado e rotulado em na abertura, ten lo no
rotulo as assigoaturas do jniz, peritos, promotor|
publico e advogado da parte, os quaes (learain
da parte, reeooliccenao.se intacto o rotalo posto
ira do armario onde no dia 27 do!
corro m guardad. os frascos ns i 2 e3,
qoocorjtmfcam as visceras do Dr. Victoriano du S
e Arbot|aerqe; proeedea-se a abertura do dito
armacw, e foram os frascos oro is objectos que
serviram para a analyse qne faziam os referidos
peritos a estes entregues, e connctando elles as
esmas niaiyset wb o jaraweato^resirto, deram
por nodo o trbame do dia de hoje pelo que desig-
nen o juiz para sua eort$caci o dia de amanhia
a 1 hora da tiTde do qi dei sciencia aos peritos,
Dr. proraor publico, conseiliero advogado; e tor-
narain os ditos frascos a serern guardados no ar
raario r.feridc coro os mais-objectos. lindo sobre
a abertura do supradilo armario um rotulo lacra-
do tendo no mesmo rotule as rubricas do juiz, pe-
ritos pn motor publico e advogado, os quaes com
duas lestetnonhas presenciaes assignam este termo
e dou f : ru Olympio Jos de Menezes escrivao que
o escrevi.Amerieo do Souza Gomes, Salustiano
Perreira Poulo, Francisco Rodrigues da Silva Dr.
Jeronymo Sodr Pereira, Bento da Silva Friandes,
Caries Augusto de Barros Palacio. Mraoel Pinto de
Souza Dantas, Pedro da Costa e Abreu.
Auto de abertura.
Auto de abertura do armario e continuado do
exame chymfoo. Aos 30 illas do mez do agosto do
anno do nascimento de Nosso Senhor Jesns Chris-
to de 1870, a 1 h >ra da tarde, nesta cidade da Ba-
ha e faculdade de medicina n i gabinete chvmleo
onde foi vindo o Dr. delegado do i distrieto Ame-
rico de Souza Gomes comigo escrivao aoianle no-
meado, ahi compareceram os peritos os Drs. em
medicina Salustiano Ferreira Souto, Francisco Ro-
drigues da Silva e Jeronymo Bodf Pereira o Dr.
promotor publico Pedro da Costa o Abreu e o Dr.
consellieiro Manool ?iaUt de Souza Dantas como
advogado da parte, e reconhecenao-ss intacto o
roalo posto sobro a abertura do armario oale
hontem Ircsram guardados os frasco ns. 1, 2 e 3,
que contrallan) as visceras do Dr. Vicioriano de
S e Albuqnerque, procedeu-se a abertura do dito
armario, e foram os mesmos frascos e mais objec-
tos que serviram para a analyse quo raziara ae re-
feridos peritos a esles entregues, as quae's entre-
gue igualmente a girrafa que continua par e do
alconl cora o qual firam lavados os frascos .)ne
coniinhara a? visceras, cuja garr;>fa de alcojl se
achava rotulada c lacrada, procederam a abertura
da mesma garrafa para verifisacao da pureza do
alcool nella comido e verilcaram nao s estar o
rotulo intacto e da mesma forma porque foi lacra-

scientes da designado do dia de araanha, e as- do no dia do corrente por occasio da exhuma-

Termo de abertura do irmario e continuado do
exame chimico. Aos 20 dias do mez de agosto do
anno do na-cimento de Nosso Senhor Jess Chris-
to de 1870 nesta cidade da Bahia e faculdade de
medicina no gabinete de chimica, ahi presente ; 1
hora da tarde o Dr. delegado do primeiro distrieto
Amerieo de Souza Gomes, comigo escrivao abaixo
nomeado comparecern) os doutores em medicina
Salustiano Ferreira Souto, Jernimo Sodr Pereira
e Francisco Rodrigues da Silva, o Dr. promotor
publico Pedro di Costa e Abreu, o Dr. conselheiro
Manoel Pinto de Souza Dantas, come advogado da
parte, e sendo ahi, procedeu o dito juiz a abertura
do armario reconhecendo-se intact o rotulo que
se achava lacrado e rubricado da mesma forma
por que hontem (un di-ixado e sobre a abertura
da porta do mesmo armario onde ficarara guarda-
dos os frascos numero 1,2 e 3 e mais objectos que
serviram para os exames comecados, e de tudo
novaraento entregues ns mencionados peritos, con-
tinuaran) elles em suas analyses, fiadas ellas fo-
ram novamente guardadas no dito armario os fras-
eos e objectos que serviram para o eiame sendo
ento designado pelo juiz o dia 22 do corrente, a I
hora da tarde para a continuado do exame, pelo
que mandn o mesmo juiz fechar o mesm arma-
rio rotulando e lacrando sua abertura, tendo no
rotulo as assignaturas, de juiz, peritos, promotor
publico e advogado da parte, os quaes, com as te-
temanhas presenciaos, a9 nam o presente termo, e de tudo dou f, bem como
de haver dado sciencia ao promotor, peritos e ad-
vogado a designado do dis e hora.
Eu Olympio Jos de Menezes, escrivao que o es
crevi. Amerieo de Souza Gomos. Salustiano
Ferreira souto.- Francisco Rodrigues da Silva.
Jernimo Sodr Pereira.- Bento da Silva Friandes.
Carine Augusto de Barro*" Palacio.Manoel Pin-
to de Souza Dantas. -Pedro da Costa e Abreu.
Termo de al>ertura.
Termo de abertura do armario e continuado do
exame chimico. Aos 22 das do mez de agosto do
anno do nascimento de Nosso Senhor Jess Chris-
to de 1870 a 1 hora da tarde, nesta cidade da Ba-
hia e faculdade de medicina, no gabinete chimico
onde fui vindo o Dr. delegado do primeiro distrie-
to Amerieo de Souza Gomes, comigo escrivao abai-
xo nomeado, compareceram os peritos os doutores
em medicina Salustiano Ferreira Soulo, Francisco
Rodrigues da Silva, Jernimo Sodr Pereira, o Dr.
promotor publico Pedro da Costa e Abreu e o Dr.
conselheiro Maooel Pinto de Souza Danta?, como
advogado da parle, sendo abi proceden o mencio
nado Dr. delegado a abertura do arme rio no qual
no dia 20 do corrente licaram guardados os fras-
cos nnmero 1,1 e 3 e mais objectos que serviram
para a analyse que se fazia as visceras do Dr.
Victoriano de 8a e Albuquerque. reconbeceado-se
uueto o rotlo posto sobre a abertura do mesmo
signam este termo com duas testemunhas presen-
ciaes do qne dou f.
Eu Olympio Jos do Menezes, escrivao que o e-
crevi.Amerieo de Souza Gomes.Salustiano Fer-
reira Souto.Fraucisco Rodrigues da Silva.Js-
ronimo Sodr Pereira.Carlos Augusto de Barro-
Palacio.Bento da Silva Frianles.Manoel Pinto
de Souza Dantas.Pedro da Costa e Abreu.
Termo de abe tura
Termo de abertura do armario e continuad0 ('
exame chimico. Aos 2i dias do mez de agosto do
anoo do nascimento de Nosso Senhor Jess Chris-
to de 1870 a 1 hora da larde, nesta cidade da Ba-
hia o faculdade de medicina no gabinete chimico
onde foi vindo o Dr. delegado do primeiro dislric
lo Amerieo de Souza Gomes, comigo escrivao aba
xo noraead ahi compareceram os peritos os dou-
tores em medicina Salustiano Ferreira Souto,
Francisco Rodrigues da Silva e Joronimo Sodr Pe-
reira, o Dr. promotor publico Pedro da Costa e
Abren o o Dr. conselheiro Manoel Pinto de Souza
Dantas, como advogad) da partee procedendo-e
a abertura do armario no qual hontem foram
guardados os frascos numero I, 2 c 3 e mais ob-
jectos que serviram para ,a analvse que se fazia
as vi ceras do Dr. Victoriano de S e Albuquer-
que, lendo-se reconheeido intacto o rolulo poslo
sobre a abertura do mesmo armario, ento foram
entregues aos snpraditos peritos os mesmos fi as-
cos objectos e conlinuaram na analyse e por que
de-cem por lindos os trabalhos do ai de boje, de-
signou-se o dia de amanhaa para continuacao, a 1
hora da tarde, e logo eu escrivao dei sciencia aos
peritos, promotor publico e advocado da parte o*
quaes rubricaram o novo rotulo poMo sobre aber-
tura do armario onde tornaram a ser guardada
os frasese objectos j discrlptos, e lacrido o ro
lulo.
E para constar lavrei osle termo no qual assig-
nam os peritos, juiz, promotor e procurador da
parte com duas tesieinunhas presenciaes e dou f.
Eu Olympio Jos de Menezes, escrivao que o es-
crevi.America de Souza GomesSalustiano Fer-
reira Souto.Dr. Jernimo Sodr Pereira.Fran-
cisco Rodriguss da Silva.Carlos Augusto de Bar-
ros Palacio^-Banto da Silva Friandes. Manoel
Pinto de Sonza Dantas.Pedro da Co=ta e Abreu
Termo de abertura.
Termo di abenura do armerio e eonliooacio do
exame ehymico. Aos 2o dias do mez de agosto
do anno do nascimento de Nosso Senhor Jsu<
Christo de 1870, 1 hora da tarde, nesla cidade
da Babia e Faculdade de Medicina, no gabinete
ehymico, onde foi vindo o Dr. delegado do primeiro
dislriclo, Amerieo de Souza Gomos, comigo escri-
vao abaixo nomeado, ahi compareceram os peritos
os doutores em medicina Silnstiano Ferreira Sou-
to, Francisco Rodrigues da Silva e Jeronvmo So-
dr Pereira, o doulor promotor publico Pedro di
Costa e Abreu, e o doutor conselheiro advogad i
Manoel Pinto de Souza Dantas, e procedeu-se
abertura do armario, no qual hontem flcaram
guardados os frascos numero um, dous e tres, e
mais objectos que serviram para a analyse qae se
fazia na9 visceras do Dr. Victoriano de S e Albu-
querqae conlidas no9 ditos frascos, tendo-se reco-
nheeido intacto o rotulo posto sobre a abertura
do mesmo armario, e entao foram entregues aos
supraditos peritos os ditos frascos e mais objectos,
e conlinuaram n analyse e deram por lindo o tra-
balho do dia da hoje, pelo que designou o juiz,
para a sua continuado, o dia 27 do corrente, 1
hora da larde, do que dei sciencia aos peritos, pro-
motor publico e conselheiro advogado, e tornaram
os me mos frascos e objectos a ser guardados a y
dito armario, cuja abertura ficou lacrada e rotu-
lada, assignando no r tulo o juiz, peritos, promo-
tor publico e advogado, os quae9 com duas teste-
munhas presenciaes assignam este termo, e de tu-
do dou f.
Eu, Olympio Jos do Meneze9, escrivao, o escre-
vi. Amerieo de Souza Gimes. Salustiano Fer-
reira Soulo. Francisco Rodrigues da Silva.Dr.
Jeronymo Sodr Poreira.Bento da Silva Frian-
des.Carlos Augusto de Barros Palacio. Manoel
Pinto do Souza Dintas.Pedro da Co9ta e Abreu.
.4u.o de abertura.
Auto de abertura do armario e continuado d >
exame ehymico. Aos 27 dias do mez de agosto do
auno do nascimento de Nosso Senhor Jesu3 Christo
de 1870, 1 hora da tarde nesta cidade da Baha
e faculdade de medicina no gabinete ehymico onde
foi vindo o Dr- delegado do Io distrieto Amerieo
de Souza Gomes, coinsigo esenva abaixo nomea-
do, ahi compareceram os peritos os Drs. em medi-
cina Salustiano Ferreira Souto, Francisco Rodri-
gues da Silva e Jeronymo Sodr Pereira, o Dr.
promotor publico Pedro da Cosa e Abreu, o r.
conselheiro Manoel Pinto de Souza Dantas como
advogado da parte, o reconhecendo-se intacto o
rotulo poslo sobre a abertura do armario onde no
dia 25 do corrente flcaram guardados os frascos
ns. 1, 2, e 3 que coniinhara as visceras do Dr. Vic-
toriano de S e Albuquerque, procedeu-3e a aber-
tura do mesmo armario, e foram o? ditos frascos e
mais objectos que serviram para a analyse qne
faziam os referidos peritos a esles entregues, e en
tao procedeu-se tambera a abertura do frasco
n. 3, que contraha os pubnoes, corado daquelle
Dr. V-ctoriano, cujo'frasco se achava igualmente
intacto e rotulado confirme foi no dia 1 do cor-
rente quando exhumado o cadver mencionado, e
continuando os peritos, sob o juramento i presta-
do em suas analyses deram por findo o irabalho
do dia de hoje pelo que designou o juiz para sua
comtiouaco o dia 23 do corrento a 1 hora da larde
do que dei sciencia aos peritos, promotor publico,
e c nselneiro advogado, e tornaram os mesmos
frascos a serern guardados cora os domis objectos
no dito armario, coja abertura fica l.\crada e ro
tulada, atsignando no rotulo o juiz, peritos, pro
motor publico e alvogado, os quaes cora duas tes-
terauuhas presenciaes assignam este termo e de
ludo dou f : en Olympio Jos de Menezes escrivao
que o escrevi.Amerieo de Souza Gomes, Salus-
tiano Ferreira Souto, Francisco Rodrigues da Sil-
va, Dr. Jeronymo Sodr P, reir, Bento da Silva
Friandes, Carlos Augusto de Barros Palacie, M i-
noel Pinto de Souza Dantas, Pedro da Costa e
Abreu.
Auto de abertura.
Auto de abertura do araario e continuado do
exame cbymico. Aos 29 dias do mez de agosto do
atDn.o a 0!l$c,,neuto do Nosso Senhor Jess Christo
do 1870, a 1 hora da tarde, nesta cidade da Bahia
e lacuida lo de medicina, oj gabinete ehymico on
de foi vindo o Dr. delegado do 1" distrieto Ainenco
ae souza Gomes comigo escrivao abaixo nomeado,
al), compareceram o peritos os. Drs. em medicina
Salustiano Ferreira Souto, Francisco Rodrigues da
ut e ntonyino So(lr Pereira, o Dr. promotor
publica Pedro da Costa e Abreu eo Dr. conselhei-
ro Manoel Pialo de Souza Dantas como advogad
ci, como pela analyse nelle alcool procjdiJa, e
deram por lindos ss'trabalhos do dia de hoje, ter-
minando com elles o processo do exame ehymico
legal das viseras.
Era segai la foram lacrados nao ? os tres fras-
cos que continham as visceras j mencionadas no
auto da exhumado, como mai< seis frascos pe-
queos sob ns. 1, 2, 3, 4, > e 6, con'endo o Io
agua destillada, o 2" acido azolieo, o 3o acido chlor
hydrico, o 4o acido sulfrico, o 5o alcool, e o 6o
zineo deslillado, como se acha nos respectivos r-
tulos, e um pires sob n. 7, conter.d manchas ar-
cenicaes ocluidas pelo apparelho de Marsh dos
lquidos resultantes da uriMattedro do ligido e
que se acha escripto em papel que fecha o pires e
um vidro colocado em cima do mesmo pires em
f6rma de lampa, sendo que todjs os frascos foram
fuis lampas cuberascim bexigaesobre os trespri-
meiros frascos deitou-se lape! envolvendo as tara-
pas cora a bexiga, qne foram lacrados e rubrica-
dos peto juiz, peritos, promotor publi o e advogado
da parte.
Os seis frascos foram embrulhados em pipel,
igualmente lacrado e rubricado. O pires fui en-
volvido em papel grosso, coberto cora papel bran-
co, que val da mesma forma lacrad e rubricado,
depois do que foram todos esles object s metidos
om um caixo de pinho com dous palmos de altu-
ra, dous palmos e duas pollegadas de cimprido e
dous palmos menos urna p llegada de largura,
cujo caixo foi convenientemente pregado, lacra-
do e rotulado pelos peritos, juiz, promotor e edvn-
gado da parte, os quae3 assignam o presente termo
com duas testemunhas presenciaes, omo&sti-
vesse adiantada a hora deu o juiz por concluido
este aito, marcando o dia 6 de setembro prximo
ai hora di tarde, na delegada, pan a apresenta-
do do relatirio djs mdicos, o respostas aos qui
sitos Io, 2, 3o, 4o e 8 propostos no auto de exame
e autopsia, do que dei sciencia aos referidos m-
dicos, edo tudo da f : ea OlympioaV de Mene-
zes escrivao que o escrevi. -Amerieo de Souza Go-
mes, Salustiano Ferreira Souto, Francisco Rodn-
gues da Silva, Dr. Jeronymo Sodr Pereira, Rrato
da Suva Friandes, Carlos Augusto de Barros Pala-
do, Manoel Pinto de Souza Danta?, l'id. e Abreu. Tf V
Auto de exame rhym'co. \
Anno do nascimento de No'so Seulwr Jjsus
Christo de 1870 aos 6 dias do mez de setombro d
-uto anno, nesta cilade da Bahia 1 hora da tarde
na sala da delegada do Io distrieto ahi presente o
respeciivo delegado o Dr. Amerieo de Souza Go-
mes comig) escrivao abaixo nomeado comparece-
ram ns peritos os Drs. em medicaa Salustiano
Ferreira Soulo, Francisco Rodrigues da Silva e
Jeronymo Sodr Pereira, o Dr. promotor publico
Pedro da Cosa o Abreu, e o Dr. conselheiro Ma-
noel Pinto de Souza Dantas, como advogado da
parte, e pelo- referidos, peritos foi dito que na for-
m? ordenada no auto de fulhas 19 vinham apre
sentar o relalcrio e dar as respostas aos qusitos
formulados no auto de exhumado folhas 5, em
consequencia do qne disseram o segrate :
Quejnlgarm cr< rigorosa e udeelinavelnec.es-
sldade assegurar-se aa pureza dos reagentes que
teris 'da empregar e garantidos na successo de
todos os actos parciaes complementares da analyse
complexa que loes foi conhds. Para isso ira'ns-
far.D8r.im pelo bicarbonato de soda em sulfato
e clorrelo correspondente a algumas grammas de
acido sulfrico e chlorbydrico, que mais de urna
vez estudados no laboratorio, nenhuma sospeila
ihes in-pirava. As soluefles acidas d'aqaelles saes
deluidos n'agua destillada foram evaporadas al
seccarse, em urna capsula de vidro : dissolvidode
novo no mesmo vehculo, foram dexados cryslali-
saros referidos s's, sendo depois sua solucaoaquo-
sa separadamente ensalada em um apparelho de
Marsh, que par duas horas funeciooava a branco:
passada ainda ama hora a ausencia de signaes,
pelos quaes se revela a existencia de arsnico, era
prova irrefragravel da pureza do aeilo chlorbydri-
co e sulfrico, e ao mesmo lempo do zinco e agua
destillada empregado3 nos ensaios at ag>ro des-
criptos.
Urna pordo de acido azoteo convertido em
aztalo de potassa pof intermedio do carbonato
desta base, foi transformada em sulfato riela addi-
cao de algumas gottas de acido sulfrico, j exa-
minado.
Aquecido este sulfato at conlpleta iluminado
do a:ido azotico, fez-seo crystalisar, e as aguas
mais ensaiadas em um d'aquelles apparelhos de
Marsh deram por sua vez os mesmos resultados
negativos, autorisando assim a elles peritos a con-
si Jerar "puro o referido acido azoiico. Nenhuma
duvila poderia suscitar a agua regia, sendo ella
preparada como foi, cora os acilos chlorhydnco e
azotico, cuja pureza aeabs do ser provada.
Os reagentes assim examinados sempre sob a
mmediata inspecdo d'clles peritos no decarso
das operacoes, eram guardados no intervallo
d'ellas cora as materias que se iam analysando e
appareihos respectivos, sob o sello da autoridade
que a lodos esles actos assistio. Para facilitar o
trabalho, e ao me9mo tempo determinar a natu
reza orgnica ou inorgnica do toxico suspeitado,
foi raeudaraente cortada urna pordo de estomago e
outra de (gado, pesando ao todo cento e vinte
grammas. Tratados a fri a principio, e depois
a banhos maria, em urna capsula de porcelana
anda nao servida por acidu chlorhvdrieo paro,
roram aquellas visceras completamente desaggre
gadas, e o liquido convertido em ama especie de
coalhada pela addicao de alguus grammos de
chlorato de potassa.
No (lm de algumas horas de contacto cora os
productos da decompnsido do chlorato, apresen
lou-se aquelle liquido de cor amarella citrina, li-
geramente turvada pelos restos descorados das
visceras que em grande parte se nham precipita
do, sobrenadando-loe, porm.araa quantidade apre
ciavel de gordura. Aquecido at completa extinc-
tinccao do cheiro do chloro filtrado quando j fro
reunido ao liquido de lavagens de parte solida em
agua deshilada, foi esse liquido concentrado at
reduzir-se a um terco de seu volme, e peste es-
tado transvasado para um balo novo, foi atra-
vessado por urna corrente lenta deacidosulphvdrico
lavado, com a qual ficon em contacto per 24 horas.
O precipitado amarello escuro, que ento se for-
mou, separado por filtradlo da parte liquida, foi
lavado no proprio filtro por agua saturada de aci
do sulphydrico o tratado depois por algumas gol-
tas de agua ammonical : recomida e evaporada
esta em um vidro de relogio at eecar, appare-
cea urna mancha amarella qne de aovo foi dissol-
vida charama de urna alampada de alcool em
duas gottai de acido azoiico, e o soluto evaporado
e redessolvido em agua destillada, foi laucado m
ara apparelho de Marsfa, que por ama bora func-
cjouou branco.
Eram passados dez minutos quando, quando so-
bro apires de porcelana que locava a cbamma do
gaz, eomecaram a depdr-se urnas pequeas man-
chas mui brilhantes de um cimento anegrado fa-
j^HWe volateis e instantneamente soluveis no
acido azotico e no bypo-chlorc de soda. Em
dous pires foram ellas recebidas. Chegando-se.
algumas o lobo aldulor de um apparelho de chlo-
ro gaiozo, inmediatamente desappameram, seo-
do porm eosuladas e aposentadas a um*aimos-
phara de acido 9ulphydrico, e empregado como
fdVo chloro, Instantneamente roappareceram co-
radas em amarello sem brilt. Neste estado dis-
solveram-M sem calorado do liquido, no mmo-
maco, corndose depois a solucao era amarello
pela addieio de urna gotla de acido chlorhydrico.
A dissolacio de outras dessas manchas no acido
azotico fri eompleamente evaporadas, foi tratada
por algumas folias de agua destinada e dividi-
da era duas partes, das quaes urna tratada
pelo silfato de cobro ammonical, corou-se em ver-
de, oatra pelo nitrato de prata neutro, em ama-
rello. Tres manchas quo restavam foram dissol-
vidas no acido azoiico a quente, e a solucao evapo-
rad i a seceura e tratada pjr ama gotla de agua
destillada, eorou-so peto nitrato de prala neutro,
em vermelhj cor de tijollo.
Dienta d'esies resollados estar tracado a elles
peritos o camraho qne deviam seguir ; restava-
llies fomente determinarera qual das visceras, es-
tomago ou ligado, ou se cm-aibaH exista a ma-
teria revelada pelos insaios precedentes.
Exame do estomago.
Tendo os peritos no auto da autopsia julgado
mais conveniente guardar para esta occaso o es-
tojo das lezues manifestadas pelo estomago, docla-
ram que aberta osla viscera, que ostava comple-
tamente vasia, em um grande prato de vidro, nota-
ra m apenas que esse lecido era um poueo mais
fiacido do que no estado normal, a mucosa corada
em geral de um vermelho roseo, apresentava na
grossa luberosidade manchas de cor oegra, e sendo
explorada em lodos os sentidos nao s pea palpa
do como por leales fj'tes, ora antes, ora depo9
de lavadas em agua deshilada excepeao de gl-
bulos de gordura, nentaum corpo estranho deixou
perceber.
Procederam em seguida elle* peritos ao exame
ehymico dessa viscera pelo modo que passam a
descrever.
Duzentas grammas d'elle miudamenle cortadas
foram lineadas em urna capsula nova de porcela-
na, e do mistura cora as aguas de lavagem de sua
membrana externa previamente evaporadas, foram
a brando calor atacadas por um terco de seu pesa
do acido sulfrico j reconheeido puro. O carvo
resultante, pulverisado na mesma capsula, trata-
do por algumas gottas de agua regia e aquecido
at de tolo ce9sarem 09 vapores nitrosos, foi tra-
tado por agua destillada, na qual ferveu por espa-
50 de urna hora, (Inda a qual ficou em lexvado
at o dia segrate. Filtrou-se ento, por papel de
Suecia lmpido, e de cor fracamenle aloirado era
o producto da filtrad0, o qual depois de evapora-
do at reduzir-se metade de seu volume, foi di-
recta e immediatamenle submettido ao apparelho
de Marsh, que de muito funecionavs o tranco.
Traba j decorriio meia hora, quando apparece-
ram sohre o pires que recebia a impresslo da
chamraa do gaz, tres manchas mui pequeas de
ora amarello acizentado, brilhanto sim, mas difli-
cilmente soluveis no acido azotico, e das quaes
nao poderam elles peritos reeonhecer por carac-
teres inequvocos a natureza chymica, tendo ape-
nas o seu aspecto phvsico. e sobretudo a reacio
do chloro e acido sulphydrico j descripto neste
relatorio, estabelecido alguna probabilidade em
favor do arsnico. De vendo, porm, ser reservada
urna pordo desta viscera para qualqaer eventaa-
lidade imprevisto, ou ulteriores pesquizas, passa-
ram elles peritos ao exame do ligado.
Exame do /gado
Mais volumoso do que no estado normal, era
esta viscera de cor negra, muito gordunm e to
pouco con-islenie, que em alguns de seas pontos
desfaxiase sob o esealpello. Duzentos e cincoenta
grammos d'ella em fi aginemos mui tenues foram
carbn i sados a brando calor, por pouco mais de
um terc de sea peso de acido sulfrico. Mais
demorada do qae para o estomago foi e3ta opera-
gao, pois que a excessiva gordura do ligado por
demas relardava a completa carbonisado da vis
cera,o que resolveu aos peritos a termina-la pelo
emprego de um pequeo excesso de agua regia
que elfecti va mente preenchau aqnelle fim, sendo
por isso desnecessario atacar anda urna vez por
esse energ'.co excitante o carvio obtido, qae foi
logo pulverisado e frvido em agua destillada, com
a qual lieou era contacto par vinte horas.
O Jiquilo filtrado reunido ao de lavagem do
carvo lmpido e quasi sem cor depois de eva-
porado lentamente al reduzir-se mais ou menos
a um terco de seu volume, lo laocado em um ap-
parelho de Marsh o qual, como .os precedenles ss-
tava cima de qualqger suspeila.
JVo lardou milito que sobre a porcellana do pi
res que recebia aichammas appaceassemjalgumas
manchas brilhantes ds um cinzenlo escura, vola-
lis soluveis no acido azotico e no hypochlorilo de
soda desapparecendo pelo clilorogasoso ereappa-
recendo amarellos pelo acido sulphydrico.
Dissolvidas algumas dessas manchas nojacido azo-
tico fro, que foi depois evaporada ajehama de urna
lampada de alcool, o corpo em que ellas so trans-
formaran! foi tratado por urna golta de agua destil-
lada e a solucao dividida em duas partes, que fo-
ram separadamente tocadas no dito pires, por urna
variaba de vidro molhada era solucao, de sulphato
de cobre amonical, oatra em nitrato d prata neu
tro, deu as raesmas reaccoes que as obtidas em
idnticas circunstancias j referidas neste realo-
ro por occazio do exame simultaneo do estoma-
go e ligado. Exame do ligado, baco, pulmoes e
intestinos delgados.
Para condensar urna quantidade maior da mate-
ria toxica, resolveram os peritos carbonisar pelos
meihodos descriptos 390 grammas de ligado, ba-
co, pulmao e intestinos delgados, e submettendo
depois de filtrado ao apparelho de Marsh lmpido e
sem rr o liquido resoltante da lexeviaco do car-
vo oblveram as manchas que no pires de por-
cel ana em que foram recebidas. entregaran) in-
continente a justica publica como prova de con-
viccao.
Exame do alcool.
Das 12 eneas do alcool qne foi entregue a elles
Peritos, tornaram estes ara pordo, que devididas
por alguns tubos de experiencia foi successiva-
raente ensaiada pela agua de cal, sulphato de co
bre ammonical, e nitrato de prata neutro e a ido
sulphydrico, e como s desse resultados negativos
foi ainda urna pordo submettida ao apparelho de
Marth que ignalmsnte nada produzo.
Dos exaraes cima descriptos concluem ellos
peritos.
I.* As manchas obtidas do estomaga sao prova-
velmente de arsnico.
2 Existe arsnico no ligado.
3.a As manchas obtidas do ira lamento si multa
neo do ligado, baco, pulmao e ioiestinos delgados
sao tambem de arsnico.
4.* O alconl que servio para conservar as vice-
ras que deviam ser examinadas nao contm arse
nico. ,
Para responder portanto aos quesitos propostos
pela justica publica ponderara elles peritos, que
um toxico applicado pott mortem nao pode pene-
trar na perencbma dos orgaos, o que s se verifi-
ca por effeito da absorpcio acto esencialmente
vital; e qae filiando as lezoes patbologicas a his-
toria dos simptoraas relatados pelo medico qae de
Pernambuco acompanhou o finado at esta cidade,
e aos resultados inequvocos fornecidos pela ana-
lyse chymica jnlgam se habilitado, para afirmar
em sua honra e conciencia que.
I." Hiuve propinado de veneno sendo com pro-
babilidade internamente.
2. Esse veneno foi um preparado arsenial.
3. A dose foi tal que nao produzindo a morte
immedittaraente, poderla determina-la, como se
realisoa, mais eedo ou msis tarde.
5." Fica respondido pelo quarto.
6. Nao poderam os peritos reeonhecer pela au-
topsia ontra causa que explique a morte.
E por nada mais terem a examinar e que de-
clarar deu o juizporlfindo o exame, e eniao foi re-
querido pelo Dr. conselheiro advogado da parte que
se juniasse aos presentes autos o proprio relatorio
que foi apresentadopelos peritos, o que fui defendo
pelo juiz em conseguir ao qne adianto se v u mes-
mo relatorio e se lavrou o presente auio que vai pe-
lo dito juiz rubricado e assignada comigo escrivao
Olympio Jos de Menezes que escrevi, testemunhas
Bento. da Silva Friandes e Pe 1ro Loiz de Mattos;
s peritos supra declarados, o Dr. advogado da
parte conselheiro Manoel Pinto de Soaza Danta.,
e o Dr. promotor publico Pedro da Costa e Abreu
do que tado dou t.Amerieo de Soaza Gome.
Sala6tiano Ferreira Souto.Dr. Francisco Rodri-
gues da Silva.Dr. Jeronvmo Sodr Peroira.
Benle da Bilva Friandes.Pedro Loiz de Mallos.
Manoel finio de Souta Dantas.Pedro da Costa e
AbreuOlympio Jos de Menezes.
Belatorio.
Relaterio da analyse ehimiea procedida as vis-
ceras do Dr. Victonano de S e Albaquerqae.
Os abako asignados lentes da Faculdade de
Medicina teta cidrte Borneados pelo St. Dr. dele
gado do pnmeiro distrieto para proceder aos exa-
mes necessa ros no rada ver do Dr. Victoriano de
Se Albuiuerque, fallecido a 14 de juuho d cor
rente anno, bordo do vapor norte americano
South Ainerca,e(n viagem do porto de Pernambu-
co para o dosla cidade, e rio dia segrate sepultado
no Campo santo, aflm de se verificar s? erara fan-
*das as suraeita* de haver fillrcido o nene Mia-
do doutor por elTeito de propinad veaea,
depow da exharuado autopsia quo praticarar
ao da Io de agosto iranoacio, segundo consta do
termo que onlao foi lavrado, reuniraaa-se a urna
hora da larde de 18 do mesmo mez no laboratorio
de chymica aa Faculdade de Medicina para pro-
ceder a analyse as visceras exlrahids no acto
da autopsia as quaes enlao Ibes foram entregues
peloDr. delegado qae conjuntamente cora o es-
crivao de seu cargo, Dr. promotor publico e pro-
curador da Exma. Sra. D. Olympia de S e Albu-
querque viuva do finado, presentes todos ao acto
reeonheeeram a integridade do3 sellos e dos vasos
que continham as visceras, bem como os de urna
arrafa que trazia urna amostra de alcool em que
foram ellas conservadas.
Antes de procederem as operarles definitivas
da analyse julgaram os abaixo assignados de ri-
gorosa e indecllnavel necessidade assegurar-se da
pureza dos reagentes que teria de empregar e ga
ranll-la na successo de todos os actos parciaes
complementares da analyse complexa que lhe< foi
confiada.
Para isso transformaran! pelo bicarbonato de
soda em sulphato e chlorureto correspondente
algumas grammas de acido sulfrico e clhorhydri-
co que mais de urna vez estudados no laboratorio
nenhuma suspeita Ihes inspirava.
As solucoes acidas d'aquelles saes debidas
nagua destilada -foram evaporadas al seccar se
em urna capsula de vidro, dissolvdos de nove no
mesmo vehculo foram deixados crystalisar os re-
feridos saes sendo depois sua soluejo aquosa se-
paradamente ensaiada em um apparelho de March
3ae por duas horas laneconava branco ; passa
a ainda urna hora a ausencia de signaes pelos
quaes so revela a existencia do arsnico, era pro-
va irrefragavel da pureza do acido chlorhydrico
e snlphurico e ao mesmo tempo do zinco e agua
destillada empregados nos ensaios at agota es-
criptos.
Urna porco de acido azoiico convertida em
aztalo de potassa por intermedio do carbonato
d esta base foi Iraosformada em sulphato pela ad-
diccao de algumas gotias de acido sulphurico j
examinado.
Aquecido esse sulphato al completa illimimcao
do acido azotico fez-se-o cryslalhsar o as aguas
mais ensaiadas em um daquelle apparelhos de
Marsh deram por sua vez os mesmos resullados
negativos, autorisando assim os abaixos assigna-
dos considerar puro o referido acido azoiico.
Nenhuma duvida poderia suscitar a agua regia,
sendo ella preparada, como foi; com os cidos
cbtorhydrices e azotico, cuja pureza acabava de
ser provada.
Os reagentes assira examinados, sempre sob a
imraediala inspeceo dos abaixo assignados no
decurso das operarles erara guar lados, no inter-
vallo d'ellas, com as materias que se vio analy-
sando e apparelhos respectivos sob o sello da
autoridade que tolos esles actos assistio. Para
facilitar o trabalho e ao mesmo tempo determinar
a natureza organia ou inorgnica do toxico sus-
peitado foi miudamenle corlada urna porco do
estomago, e outra do flgado, pesando au todo 120
grammas. Tracladas fri principio, depois
banho maria, em urna copsul de porcellana ainda
nao servida, por acido chlorhydrico puro foram
aquellas viscera9 completamente desaggregadas, e
o liquido convertido era urna especie de coalhada,
pela addido de alguns grammos de chlorato de
potassa.
No fim de algumas horas de contacto com os
productos da dreomposido de chlorato apresen-
lou-se aquelle liquido de cor *raarclla citrina li-
geiramenle turva pelos restos descorados das vis-
ceras, que em grande parte se tinham precip lado
sobrenadando-lhe, porm, urna quantidade apre-
ciavel de gordura.
Aquescida at completa extinedo do cheiro do
chloro filtrado, quando j o fri, reunido ao liqui-
do de lavagem da parte solida, em agua destillada
foi esse liquido concentrado at reduzir-se nm
terco de sea volume, e neste estado transvasado
para ara balo novo, foi atravessalo por urna cor-
rente lenta de acido sulphydrico lavado, com o
qual ficou em contacto por 24 horas O precipi-
tado amarello escaro, qae esli se formou, sepa
rado por filtrado da parto liquida foi lavado no
proprio filtro por agna saturada de acido sulphy-
drico e tratado depois por algumas gotas de agua
ammonical recolhida e evaporada esto em nm vi-
dro de relogio, at seccar, appareceu urna mancha
amarella que de novo foi dissolvida chamma de
urna lampada de alcool, em dua3 gottas de acido
azotico e usolulo evaporado e redissolvido em agua
destillada foi lancado em um apparelho de Marsh
que por urna hora funcionava branco.
Eram passados 10 minutos quando sobro o pi-
res de porcellana que tocava a chamma do gaz
eomecaram a depor-se urnas pequeas manchas
mui brilhantes de um cinzento anegrado, fcilmen-
te volateis e instantneamente soluveis no acido
azotico e no hypo-cloreto de soda. Era dou pires
foram ellas recebidas. alias recolhidas. Cbegan-
do a algumas o tubo abductor de um apparelho
de chloro gazoso immediatamente desapparaceram
sendo, porm, insufladas e apresenladas a urna
atmosphera de acido sulphydrico empregado como
foi o chloro, instantneamente reappareceram co-
radas em amarello sem brilho. Neste estado dis-
solveram-se s-sm caloracao do liquido, no amoniaco
corando-se, depois a soludo em amarello pela
addido de urna gotla de acido chlor-hydrico. A
dissolado de outras destas manchas no'acido azo-
tico fri completamente evaporada foi tratada por
algumas gottas de agua deshilada, e divididas em
duas partes das quaes urna tratada pelo sulphato
de cobre ammonical creoa-se em verde ; outra
pelo nitrato de prta neutro em amarello. Tres
manchas que restavam foram dissolvidas no acido
azotico aquente, e a solucao evaporada seceura,
e tratada por urna gotta de agua deshilada corou-
se pelo nitrato de prata neutro em vermelho cor
de tijollo.
Dianle d'estes resullados eslava tracado ao3
abaixo assignados o caminho que devia seguir,
restava Ihes smente determinar em qual das vis
cerasestomago ou flgado, ou se em ambas
existia a materia revelada pelos ensaios prece-
dentes.
Exame de estomago.
Tendo os abaixo assignados no auto da autopsia
julgado mais conveniente guardar para esta otea
siio o estudo das lesoes manifestadas pelo estoma-
go, declaran) que aberta esta viscera que eslava
completamente vasia em um grande prato de vi-
dro, notaran) apenas que o seu lecido era um
pouco mais fiacido do que no estado normal: a
mucosa corada em geral de um vermelho roseo
apresentava pa grossa luberosidade manchas de
cor negra e sendo explorada em todos os sentidos
nao s pela palpado como por lentes fortes, ora
antes, ora depois de lavada em agua destilla la,
excepeao de glbulos de gordura, nenbum corpo
extranho deixou perceber.
Procederam em segaida os abaixo assignados
ao exame ehymico d'esla viscera pelo modo que
passam descrever.
Duzentos grammos d'ell miudamente corlados
foram laucados em ama capsula nova de porcel-
lana, e de mistura com as aguas de lavagem de
sua membrana interna previamente evaporadas,
foram brando calor atacados por um terco de
seu peso de acido sulphurico ja reconheeido puro.
O carvo re.' ulcanto pulverisado na mesma cap-
sula tratado por algura .9 gottas de agua regia e
aquecido at de todo cessarem os vapores nitro-
sos, foi tratado por agua destillada na qual ferveu
por espaco de urea bora, fiada a qual ficou em
lexiviacio al o dia seguate.
Flltroa-se ento por papel de Suecia : lmpido
e de cor fracamente aloirado era o producto da
Altracio o qual depois de evaporada at reduzir-se
a metade de sen votme foi directa e immediata-
mente submettido ao apparelho de Marsh que de
muito funecionava branco.
Traha j decorrido neia bora qaando appare-
ceram sobre o pires qne recebia a impressao da
chama do gaz tres manchas mui pequeas de
um amarello acizentado, brilhanto sim, mais diffl-
cilmente soluveis no acido azoiico, e das quaes
nao poderam os abaixo assignados reeonhecer por
caracteres enequivocos a natureza chymici tendo
apenas o sea aspecto physico e sobretodo a reac-
clo do chloro acido sulphydrico, j descripta
neste relatorio estabelecido alguma probabilidade
em favor do arsnico.
Devendo, porem, ser reservada urna pordo
desta viscera pira qualqaer eventualidade impre-
vista ou ulteriores pesquizas passaram os abaix)
assignados do exame do finado.
Exame do tgado.
Mais volamoso do qae no estado normal era
esta viscera de cor negra mallo gordaroza e to
pouea consistente que em alguns de seas pontos
deafaxia-40 sob o esealpello. Duzentas e dncooata
grammas della en fragaenios 1
carbonlsados a brunito cator por poseo
um terco de seo peso de acido iniiirliai.
demorada do qae para a pam|) fai su opav
raco, pois qae, a excessiva gordura 4e fitado
por de-nais reatttav* a LUlaflli earuswaavau da
viscera, o qae resolveu os abaixo airtgudn *
termina-la pelo emprago 01 um peoaean -xpcm*
de agai regia qaeeftctivanaenlt pre-acbeo aojos-
le fim, sendo por isso desasee?* atacar
urna vez por esse energa exdtaote, o
obtido, que foi logo polvertaado frvido em
deshilada, com a qnal lew em eoMalo por
e qnatro horas. O liquido filtrad* reido a
de lavagem do carvio Hespido tpusi sem c,
depois de evaporado I masada al reJir-st
man ou menos a om lercu de tea votarme, M
lancado em nm apparelho de Manb, sjoal, ees
os precdenies, eslava cima de gutaeor ss
peita. Nao tardou muito que sobre a oreellau ta-
pires qne recebia a charama, app^racesseaa al-"
gnmas manchas brilhantes de um rmzenio ace-
ro volateis, soluveis no acido azoiico e a bype-
chlorito de soda, desapparecendo pelo chloro-ga,-
zozo e reapparecendo amarellas pelo acido saV-
phydnco. Dissolvidas alguma" de-wat
em ac-do azotico fri que foi depois es
chamma de ama lampada de alcool, o corpa en
que ellas se Iransformaram, foi irat do por aaa
golta de agua destilada e a soludo dividida era
duas partes que foram separadamente toadas ao
mesmo pires por um vnnha de vidro ni dbada
em solacio de olfato de cobre ammonical, 9
outra em nitrato de prala neutro, dea as raes-
mas reaecSes qne as obtidas em idetica* eie-
cumstaneas e ja referidas nesto relator por oe-
easiao do exame simultaneo do estomago e fia-
do. ^^
Exame do ligado, baco. pulmoes e inles nos
delgados.
Para condensar urna quantidade maior da
materia toxica resolveram os abaixo a-sigaa-
dos carbonizar pelos meihodos descriptos trtseatM
e cincoenta grammas de flgado, Paco, palmito, e
intestinos delgados, e submettendo depon de filtra-
do ao apparelho de Marshjlimpido e s*m cor o li-
quido resultante da lexviado do rarvo. oMfre-
ram as manchas que no pires de lu.rcelana era
que firam recebidas entregaran) em coMineate a
justica putdlea como prova de convirrio.
Exame de alcool.
Das doze oncas de al ool que f entregue
aos abaixo assignados tornaram esies aaa
porcao que dividida por alguns tobes de eipw-
nencia foi suceesslvamente ensaiada peta agea
de cal, salf.io de cobre ammonical, nitrato do
prala neutro e acido solphvdneo, como s
desse resullados negativos loi ainda orna pertja
submettida "ao apparelho de Marsh qne igual-
mente nada produzo. Do exames cima des-
criptos conclnem o abaixo assignadm :
1.' As manchas obtidas do estotmgo sao pro-
vavelmenle de arsnico.
1* Existe arsnico no ligado.
'!. As mancn.is obtidas de iraiamoat') siasal-
taneo do ligado, baco, pnlmdes, o ictostiaos tai-
gados sio tambem do arsnico.
4*. O alcool qae servia para conservar as va-
ceras que deviam ser examinadas nao cenas
arsnico.
Para responder portanto, aos qnistkH propoe-
tos pela justica publica ponderam os abaixo as-
signados que nm toxico armlieado pontmortem
nao pode penetrar no parinchvma dos orgiot
o que s se verifica por effeito da absorpcio, acia
essencialmente vital, e qne filiando as leir>s pa-
iholegicas, a historia dos sympthonus, retal da
pelo medico qne de Pernambuco acompaos o
tinado at esta cidade, n aos resaltados laeqnivo-
cos fornecidos pela analyse ebvraica, jntgaraaa-
se habilitado? para alrmar em sna boara e con-
ciencia, qae :
!. Houve propinado de veneno, sendo coas
probabjlidade internamente.
S E*se veneno foi um preparado ar:enieai.
3. A dse foi lal que nio prodnzin inmediatamente poderia termina-la como st
realisou mais cedo 011 mais tarde.
4.* Ainda quando per moitas eirccmtan?ias
nao se verificasse esse fado diversos ncommdes
mui graves poderiam prodazir-se.
5. Fica respondido pelo qoarto.
6.' Nao poderam os abaixo assignados rerorrhe-
cer pela autopsia oatra raasa qne explique a
morte.
Por ultimo deelaram os abaixo assignados, jajt
ao Sr. Dr. delegado do distrieto entregaran! tu
restos das visceras qae foram etassnadas na
mesmos frascos em qae as receberam, e d mar
seis frascos numerados de 1 8, e nm pires le
porcelana coberto com um disco de vidro oto a.
7, contendo o frasco n. i, agua destilada ; a 2 acido
azotico, n. 3 acido chlorhydrico, n. 4 acido sufn-
rico, n. 5 alcool, n. 6 zinco destilado, e o pires i.
7, manchas arsenicaes; sendo os n-agent--- a I,
1, 3,4, 5 e 6 o qne foram empregados as di-
versas operacoes e o alcool o qae servio para
conservado das visceras.
Laboratorio da faculdade de medicina da Babia
6 de sotembro de I870. Salustiano Ferreira
Souto, Dr. Francisco Rodrigues da Sirva. Dr. Je-
ronymo Sodr Pereira Tem para sellar fk Jl
200 rs. cada urna, (tlnha estampilhas no valer
de 4*400). Bahia 9 de selembro de W70. O es-
crivao, Menezes.
ConclusSe.
Aos!) dias do mez de setembro de 1870 resta
cidade da Bahia, em meu cartorio taco estes na-
tos conclusos ao Dr. delegado do distrieto Aasa-
nco de Souza Gomes. E para constar face ete
termo, en Olympio Jos de Menezes escrivao qne
a escrevi. Conclusos para o lolgameato coa
2*000. ^^
Julgamento.
Julgo por sen tenca o exame de As. fl- para
que produza seus devidos efleitos : entregue-se
o original a parte tirando traslado pagas as castas.
Babia 9 de setembro de 1870. Amerieo de
Souza Gomes.
Dala.
Aos 9 dias do mez de setembro de 1870 nesta
cidade da Bahia, em meu cartorio, por pane do
Dr. delegado do 1* distrieto Amerieo de Soaza
Gomes, rae foi entregue estes autos com a juiga-
raento supra, para constar faco este temi e asa
f, eu Olympio Jos de Menozes escrivao (toe a es-
crevi. Outra mais alguma eousa nio continaa
nem declarava em os theores aqu taaneripto*.
Bahia 15 de setembro de 1870.
,0 esttgrvio,
Olympio Jos de Menrzf.
Tendo estado parado at boje, son torrado agora
a vir imprensa pedir a respeiiavel asesa reta-
dora da irmandade do .Senhor Boro Jezns da Via
Sacra, da igrejada Santa Cruz, para que S. S. pro-
ceda ni a eleifo dos novos lunccionarwsqije tea de
substitu los por mesa geral, pois Ss. Se. bea de-
vem avahar qae lodos os irmios mais ou snanaa,
tem direito a votar em quem for de sen giad.
tanto qae ha tres annos aprovamos ene mesa fe-
ral o novo compromisso, o qual est beta aparo-
vado pelos poderes compelenlas, e em usa de
seas artigas manda qae a eleieae
mesa geral ; nio quero com isso faa
odiosas, nem lo pouco queixar me da
ministrad1 da mesa regedora ; sasi
qae seja estabelecido o direito da
isto qae a escolha daqueiles que toa da trifi-
la seja feiu de accordo com a maioria da 1
raala,
O nosso pedido e justo e espera mas sor
dido ; se porem nio tormos, desde j 1
contra o menos preso tollo pela
contra o direitoe dignidade de toda a rorpreijie.
Pois, Ss. Ss. em numero do 16 nao ana as m-
eos competentes para asperea da voatade de
urna corporacio que talvez cont hoje ea san
seio mais de 1,500 membros.
Recife, S de outubro de 1S70.
Vm
The* mil a
Te vi I e para raim foi tanto a gloria,
Que n*. pode softoca-ta o cora ci I
Na luz de tea olbar banhei mia'alam,
E proveio dessa luz minha paiaie I...
Ha muito qae ea no mando divagav*
Pelos lgubres eaminhos desta vida ;
Mas boje lo feliz me oosidero
Por gosar urea ventura lia > ~
-

BJh
:
A
t
Era basca de om amor Irma ai
Aneeiava o meu paito a par da dor;
Pois morria por fruir tensa
Coa morra a falta d'agoa a 1
Ou as Deas fui a mi ana 1
Ou nio sei o que f oi aunado li
Ou os aojos por mitn rogaran 1
Oa foiDeus qaea por mim rofM A li.

3
Moa*
^HUMC-atMfj


Diario de rVatarabiuso f Qala feira 5 de Outubro de 1370.
*
?
\
i

Era d'autes miniu estrella peregrina
Negro astro san fe, sem spfW#i;
Mas boje -s o mundo ajara!
ET-maa vid*4o eao altuboaanea !...
De minha rod lyra trMoroea
Es a sania: iaapiracio diviattada;
Di poeta s a o>anca animadora,
Ttoeaula, naife* I i adorada I
i. Swss da franca.
COMMERCIO.
PAACADO RECIPE i DE OUTUBRO
DE 1870.
18 3 1/1 HORAS DA TAIDB
Algodlo de Macew 1* socte7J6 rs. por kil. posto
a bordo a frete de 3|8 e 5 OjO
Cambio sobra londres 90 d|V 22 lii e tt li2
oor 1*000 (honlera).
Uto sobre dito 90 djv 22, 22 ii2 22 til por U
(Me).
Goucallo Jase ABonso, ,
PreMsate.
Pelo secretar,
A. P. de Lemas.
ENGLISH BANK
Limited
taxa a con-
hia
Of Rio de Janeiro
DescoQta lettras da praca i
vencionar.
Recebe dinheiro em conla correte
(raso 0xo.
Saca vista ou a praso sobre as cidadei
prlncipaes da Europa, tem correspondeatei
aa Baha, Bue.nos-Ayres, Montevideo, New-
e New-Orleans, e emitte cartas de crdito,
para os mesmos lagares.
RA DO COMMERCIO N. 36-
ALFANDBGA.
Kea4imeatodo4iaia3 64:519*148
Mea do da i...... 38:353*177
102:872*325
MOVTMENTO DA ALFANDBGA
f otantes sanidos com f aiendas 94
dem idem cora seeros 192
-----286
Desearregam hoje 5 de ontubro
Brigue nglez Irisfarinha ebreo.
Barca inglezaRodench Dkuferro.
Barca inglezaSea Quemidem.
Patacho ioglerEmiluidem.
Brigue portuguez Bella Figueirense diversos
gneros.
Brigue iogl i Halter J. Gommimidem.
Barca ingleza Patriol idem.
Brigue norte-alleraioAnne Ilelene farinha.
Escana none-allemo-te/nAaniidem.
Despachos de exportacao no dia 4 d
outubro
No brigue i nglez Wild Rose, para o Canal
carregaram : Rahe Schmmettau 4 C, 534 saccas
com 3,803 kilos de algadao.
No vapor inglez Amazon, para Liverpoal car-
regaram : Siunders Brolhers 4 C, 600 couros
seccoj salgados com 7,200 kilos.
RECEBEDORA DE RENDAS INTERNAS (JE-
RAES DE PERNAMBCO.
ftendimento do dia 1 a 3 2:6801443
Idem do dia 4........ 2:525*386
11 uniarios da patria, para que al o-fia do corren-
te mee venbam iudemnisar a faieiida das quantias
per que Ite sa) responsaveis segando as puias q c
assanalufia da corte, io pana de te proco -
der anecnlivainente a aobraaca das dtuMsu daquel-
les que as nio satisfizerem no praso marcado.
Secretaria da thesouraria de fazenda de Pernam-
buco 3 de ontubro de 1870.
Servindo de offleial-maior,
n Maaoel Jos Pinto.
Relacao a qne se refere o amraacio cima
Cerpo o. 3a
Tenente-coronel ApoHnario Florentino de
AlbaqasrqM "Maranhao Sobrinho 171*244
Tenenle-aiadaate Antonio Jos da Silva 95*684
Corp i. 42.
Major Joao Capistrano de Aguiar Montar-
royos 172*587
Callao PorOrk) Hygino da Costa 27fl00
< Felizardo do Reg* Toscano de
Brito 34*900
Ttente Jos Carlos Vital .(as despezas de
sna nomea#o do posto de tenente).
Corpo o. 53.
Coronel Alexandre de Barros Albuquer-
que 184*044
Teoente-ajudante Francisco Climaco de
Salles Barbosa 99*059
Alferes Joaquim Nones do Valle 7*100
Elpidlio Josda Silva e Azevedo 7*200
t Joao Gaslberto Correia 7*200
Jos Francisco de Souza Lsite 7*200
Prudencio Pessoa da Yeiga 7*200
> Francisco dos Passos BaptisU 7*200
Joao fiaptta de Vasootieellos 7*200
pelos artistas Valariano, Francisco do Reg, Costa
e Santos.
^ 'lindi palhaca rio
Pmnhao -di Re|o, Mtti*Ja i
O HOMEM IMBARRICADO.,
Principiar s 8 horas'.
O beneficiado espera a coad}uvc*o do publico
e especia Intento dos habitantes da fregueua da
Boa vista e igualmente agradeco aos artistas que
se dignaram repreentar em seu beneficio.
Precoz
Camarotes com 4 entradas........ 8*090
CadofcMs....................... 2*000
Gomes.......................... 1*000
AVISOS martimos.
mira
raraento, ca.
COMPAIHIl
AVISO
5:203/829
CONSULADO
Rendimento do dia I a 3
dem do dia 3 .
PROVINCAL
Pelo canorio do escrivaod) orpbao3, Gnima-
|.res, ra do Imperador n. 12, sao convdalos
os cidados que abaixo vio mencionados, para
dirigirera-se ao mesmo cartorio aflra de recebe-
rera as cartas de alferria das menores do seio
ferainino, qne foram libertadas no dia 7 de se-
tembro em virtude da respectiva lei provincial, e
assignarem o competente termo de tutella.
Tenente Horacio Pires Galvio.
Jos Lacio Luis.
Maturino Barroso de Mello.
Joao Hermenegildo llorges Diniz.
Thomaz Jos da Silva Gusmio.
Alfredo Garca.
Joao da Silva Faria.
Dr. Jos Cardoso de Queiroz Fonceca.
Simplicio Jos de Mello.
Jos Alves de Lima.
Tenente-cronel Antonio Francisco da Souza Ma-
galbes.
Cypriano Bruno de Oliveira.
Francisco X Carneiro da Caoba Mimada.
Dr. Jos Austregesilo Rodrigues Lima.
Eustregio Austricliano de Brito Macedo.
Jos Candido da Silva Braga Jnior.
Dr. Miguel Figueirda de Faria.
Joao Tiburcio da Silva Gnimaraes.
Dr. Bento Ju- da Costa.
Jos Hygino Xavier da Fonceca.
Joaquim Jorge de Mello.
Pelo mesmo cartorio sao igualmente convidadas
as pessoas abaixo declaradas, dentre as- qne de-
rara liberdade a menores em virtude da lei pro-
vincial do anno passado, e qne pela respectiva
commissio vieram indicados como tutores, aflra
de virem assignar o competente termo de tabel-
las, para qae j ama vez foram convidados, e re-
ceberem as cartas de liberdade qae ainda restam,
bem como para darem o esclarecimento preciso
acerca d'alguraas das ditas menores para qae nao
foram indicados tutores aflra de se peder provi-
denciar a semelhante respeito.
Luiz Bernardo Castalio Branco da Rocha.
Manoel Cyrilo de Oliveira.
Francisco Soares Pacheco.
Dr. Antonio Hercnlano de Sanza Bandeira.
D. Joanna Augusta de C. Pagele.
Aatonij de Albaqaerqne Mello.
2:775*078
1:881*204
4:656*282
MOVIMENTO DO PORTO.
Navios entrados no da 4
Baha16 dias, escuna brasileira Santa
Roza, de 48 toneladas, capitao Casemiro
B^nto Calila, equipagem 7, carga 1440
alqueres de farinha de mandioca; Jo-
s Maria Palraeira.
Navios saktdos no mesmo dia.
Cabo-verieBarca porlngueza Amelia, ca-
pitao Joaquim Domingos Oonsalves Maia,
era lastro.
Obiervarao.
Suspendeu do lamarao para Martinica, a
barca francezi Raottl, capillo Parquet, com
o mesmo iastro que Irouxe do Rio de Ja-
neiro.
EDITAES.
Perante a cmara muicipal desta cidade es-
tar em praca nes dias 4,5, 6, 7 e 8 do corrente,
para ser arrematado por quem maior prego offere-
cer o imposto de 120 reis, p ir carga de farinha e
legumes vendidis nos mercados pblicos desta ci-
dade na importancia de 3:000*0n0.
Os pretndeme* a tal arreraatacao comparegam
nos dias indicados no paco municipal, munidos de
suas flaneas na forma da lei.
Pago d cmara municipal do Recife 3 de outu-
bro de 1870.Ignacio Joaquim de Souza Leao, pro-
presidente.Lourenco Bezerra Carneiro da Cu-
nha, secretario.
O Dr. Manoel Antonio dos Passos e Silva Jnior,
jaiz municipal e de orphaos, 1 sapplente em
exercicio do termo de Olinda, por S. M. I, e
constitucional, quem Dms guarde etc.
Faro sabir aos ^ue o presente edital virera e
delle mticia tiverem, que dentro de 30 das, re
cebe este juizo propostas em cartas fexadas, para
a arrematagao por venda, quera mais offerecer,
no escravo Salustiano, crioulo, com idade de 20
annos, valia I-i por 1:200*000, o qual tem de ser
arrematad) requerimento do tutor dos orphos,
Luciano Fraucisco de Souza, aflm de ser o seu
producto recolnido ao cofre d'orphaos; sendo que
ser dita arreotatacio effectuada de conforraidade
com o que determina o art. Io do decr. n. 1,695
de 15 de setembro de 1869.
E para que chegue ao conhecimento de todos
mandei passar o presente que ser publicada pe-
a imprensa e afflxados nos lugares do custume.
Dado e passado nesta cidade de Olinda, aos 6
de setembro de 1870.
Eu. Joaquim Hermillo Candido das Chagas, es-
criva interino o subscrevi.Manoel Aotonio dos
Passos e Silva Jnior.
Ao sello 303 rs., valha sem sello ex-cansa.
Passos Jnior.
Estava urna estampilha de duzentos res, lnuti-
lisada na forma da le.
Olinda, 6 de setembro de 1870.
O escrivao de orphaaos interino, Joaqaim Her-
millo Candido das Chagas.
DECLARACOES.
THEATRO
SANTO ANTMIM.
Companhiafrauceza
Quarta-Ceira 5 de ontubro."
7. RECITA DE ASSIGNATURA.
TOMA PARTE
Mme. de Val-monea
Ouvertura pela orchestra.
O espectculo dividido em quatro partes.
PRIMEIRA PARTE.
Representar-se-ha pela primeira vez, a opereta-
cmica em 1 acto
Un amour d'epicier
Persona gens. Actores.
Verraicelle........ Mr. Maris.
Reglise-.......... Mr. Carn.
Brigitte........... Mlle. Mariette.
SEGUNDA PARTE.
23 Mademoiselle' Choiberl cantar a linda can-
ganeta
Hatte-l !
Mr. Raynaud, desempeuhar o bello romance
L'HironclelIe du prescrit
Mme. de Val-monea, cantar o lindissimo RON-
DEAU da opera
TERCEIRA PARTE.
Subir a scena pela primeira vez a nova e linda
opereta bouff em um acto
La le^on de musique
Personagens. Actores.
Toquardin............. Mr. Maris.
Rosette............... Mlle. Brescia.
QUARTA PARTE.
Mlle. Mariette, desempachara n nova e linda
cansoneta
MR, SIEN NICOLS.
Mr. Caroo, desempenhar a nova e linda can-
gao cmica
JE NE PEUX PAS METTRE LA MAIN DESSUS.
Era seguida Mme. de Val-monja, exhibir o lin-
do Tyrolienne da opera
LA VIE PARISIENNE
na qual a mesraa Mme. desempenha tres idiomas
sendo em
Francez ].
Italiano *
Allemao
Esta ultima parte torna-se assas reoommenda-
vel pela grande diflkuldade que existe no sen des-
empenbo, por isso tomamos a liberdade de pedir
ao respeitavel publico qae concorra ao tbeatro,
aflm de a poder apreciar.
Os bilhetes acham-se a venda no escriptorio do
theatro das 9 da raanhaa em diante.
Principiar as 8 horas.
Conselho de compras navaes
Oconselho no da 5 do corrente mez, vista de
propostas recebidas at as 11 horas da manhaa,
promove sob as condiedes do estylo a compra do:
segaintes objectos do material da armada :
60 barras de ferro nglez proprias para grelhas,
6 foles ingleses de 8 ps de comprimento e 6 de
largo, 24 livros impressos para soccorros, sendo
de 150, 100 e 50 folbas, 2 oculos de alcance, 400
libras de pregadura de zioco, 50 cadernos d pa-
pel matborro, 100 folhas de papel pautado para
mappas, 100 folhas de papel Uso para aapeas, 50
fechos pedreze-', 20 (eenailnras de broca para
portas, 100 bandeijas torradas, 2 pe$as de tapete,
i* pares de conchas de folha para balanga, 50
brochas de eaiar, 12 podras de amolar, 50 meios
i0a iU f'lerra e M WM *e lona lar8a-
bala das sessfies do eonseluo de compras navaes
! de ontubro de 1870.
O secretario,
__________Alexandre Rodrigos dos Anjos.
De ordem do lllm. 8r. conselhoiro inspector
da tb^soaram de fazenda desU provincia sio con-
vidados os officiaes abaixo declarados ane parten-
ceram aosesnctos eorpos ns. 30,42 e 53 de vo-
sas
Messageries imperiales.
At o dia 10 do correte mez espera-se da Eu
ropa o vapor francez Awiazone, o qual depots da
demora do costume seguir para Boenos-Ayres,
tocando na Baha, Rio de Janeiro e Montevideo.
Para conducoes, fretes e pasagens, trata-se
na agencia, roa do Commereio a. 9.
No dia 12 do corrente mez espera-se dos por-
tos do sol o vapor francez Giront, comraandante
de Somr, o anal depois da demora do costnme
sognlr para Brdeos,tocando em Dakar (Gsra) e
Lisboa.
Para condiodes, frotes e paseagens, trata-se na
agencia, roa do Commereio n. 9.
GOUPAHA BRASILEIHA
DE
Paquetes a vapor.
Dos portos do sul esperadt
at o da 8 do corrente um dos
vapoies di companhia o qual
depois da demora do costume
seguir para os portos do norte,
ja recebem-se passageiros e engaja-se i
:arga que o vapor poder conduzir, a qual deveri
ler embarcada no da de sna chegada. Encommen-
las e dinheiro a frete at as 2 horas do dia da sna
anida.
Nao se recebem como encommendas seno ob
jectos de pequeo valor e que nao excedam a dua
arrobas de peso ou 8 palmos cbicos de medicao
rudo que passar destes limites dever ser emnar-
;ado como carga.
Previne-se aos senhores passageiros que sna:
passagens s se recebem na agencia, ra da Crui
n, 57 priraeiro andar, escriptorio de Antonio Luiz
de Oliveira Azevedo A C.
GOlPASUi BUISILEIM
DE
Paquetes a vapor.
Dos portos do norte esperado
al o dia 26 do corrente o vapor
Paran, cora mandante J. da sil-
va Moraes, o qual depois da de-
mora do costume seguir para os portos do sal.
Desde j recebem-se passageiros e engaja-se a
arga qne o vapor poder conduzir, a qual dever
jer embarcada no da de sua chegada. Encommen
las e dinheiro a frete at as duas horas do dia d>
na sabida.
Nio se recebem como encommendas seno ob-
iectos de pequeo valor e qne nao excedam a 5
arrobas de peso ou 8 palmos cbicos de medi-
cao.
Tudo que passar destes
embarcado como carga.
Previne-se aos Srs. passageiros qne snas passa
gens s se recebem na agencia ra da Cruz n. 5"
l* andar, escriptorio de Antonio Luiz de Oliveir;
Vzevedo & C.
LEILAO
DE
ch.aKpoldn MaDi,ha. itos do Chile, dfc* aa -
da V,me,ra ^i08 de feltro, 1 piano novo,
uode vela, brinzoes, papel de cores, coa
em irascos e quadros pequeos dasaaios
iM HOJE.
Jos Mana Palmeira. tendode alagara
ro andar onde tinha o seu deposiMari les
inwrvencao do agente Pestaa, das neraaioriae
cima declaradas, no mesmo priraeino ananr do
largo do Corpo Sanio, por cima do relojoalro, no
lia quarta fera 5 do corrente, s 11 horas da
ID'
manhaa.
limites dever sei
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
Navegae&o costelra por vapor.
Porio Je Gallinhas, Rio Formoso e
Tamandar.
O vapor Parahyba seguir
para os portos a&ma no dia
10 do corrente- meia noite.
Recebe carga, encommen-
das, passageiros e dinheiro a
frete no escriptorio do Forte
do Mattos n. 12.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
VayegacSo costera por vapor
Parahyba, Natal, Maco, Mossor, Ara-
caty, Cear, Mandab, Acarac e
Granja.
O vapor Ipojuca comraan-
dante, Moura seguir para os
portos acimano dia 15 do corrente
as 5 horas da tarde. Recebe car-
ga at o dia 14, encommendas
passageiros e dinheiro a frete at as 2 horas da
tarde do dia da saluda : escriptorio no Forto do
Mattos n. 12.__________________________
COMPANHLA PERNAMBUCANA
DE
avega?5o costeara por vapor.
Ma manga a pe.
O vapor nacional Coruripe,
commandante Silva, seguir
para Mamanguape no dia 12
do corrente as "6 horas da
tarde.
Recebe carga, encommen-
das, passageiros e dinheiro a frete at as 2 ho-
ras da tarde de da da sahida, no escriptorio da
companhia, Forte do Mattos n. 12.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
Navegagdo costea por vapor
Macei, escalas, Penedo e Aracaj.
O vapor Giqui'i, commandante
Macedo, seguir para os portos aci-
ma no dia 15 do corrente as 5 horas
da tarde.
Recebe carga passageiros e encomiendas, at
o pia 14 as 2 horas da tarde do dia da saluda no
escriptorio do Forte do Mattes n. 12.
L
Ceai
THEATRO
ESPERANZA PERNAlBUGANA
Quinta-feira 6 do correte.
Ei BENEFICIO
DE ,
W- & IMSkQ)
Logo que .chegue com ma digna presenga o
Exm. Sr. general
a orchestra executar ama linda symphonia, e
subir a scena a sempre applaudida scena dra-
mtica, intituloda
Cerraqo no mar
pelo artista Valeriano M. da Cunha.
2. ACTO.
1* parte. O duplo trapesio, pelos artistas, Vale-
raoo e Francisco do Reg.
}.* ACTO.
O artista Costa executar o hornera de bronse,
ou a pedra de 6 arrobas.
4. ACTO.
Sorprendentes deslocacdes em cadeiras, pelo
distincto artista joven pernambueaoo Vicenta do
Rogo.
5. AGTO.
Lindos exercicios, no trapesio pelos artistas
Vieante do Rogo, Santos, Valeriano, Costa e Frao-
cisco do Reg.
6." ACTO.
Lindos e arriscadisstmos grupos pyramidaas,
a' e Aracaty
A escuna Georgiana segu era poneos dias, tem
a maior parte do seu carregamento prompto : a
tratar com Tasso Irmos &
Maranhao
A barca portugneza Fbrmosa seguir para o
Maranhao em poneos das, recebe carga a frete
mdico : trata-se com Oliveira, Filhos 4 C, ao
largo do Corpo San o n. 19.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
Navegando costeira por vapor,
Goyaona.
0 vapor Parahyba seguir pa-
ra o porto cima no dia 6 do
corrente as 9 horas da nonte.
Recebe,, carga encommendas
passageiros e dinheiro a frete no
do Forte do Mattos n. 12.
NU*
Preiende seguir para o refefido porto em poneos
das o palnabote Rosita por ter a maior parte da
carga, e para a pouca que lhe falta, trata-se com o
consignatario Joaquim Jos Gongalves Beltro,
ru do Commereio n. 17.
Kio de Janeiro
LEILAO
DE
joias, ouro, prata e
brilhantes.
"*u.ridj. J^e des Santos Jtibeiro, establecido
?"5aca;a de. Penhores prsga d Independencia
.' 1, ? ,e,lao 80 B***"*, por interrancio do
W.,e artin?, no dia 5 de ontubro, s 11 horas
su aia, ae todo> os ofcjeclos dados em penhor,
s^,* 232 B, JiO ri53 B, 349 B, 351 B, 358 B, 374 B,
Of B, 377 B, 378B, 3MB, 383 B, 386 B.
6 B. i B, 110 B, 302 B, 305 B, 365 B, 260 B,
2 V B- 3i9 B. 230 B, 78 B, 375 B, 229 B.
on' 8?\?3' 126> 10- l9- 67-93- *. 124, 137,
?? ,l3 '"> **. I58- ,6t- "7, 169,113, 156,
141 lj.9,174, 167, 5 M, 33 M. 61 M, 64 M, 68 M.
s *I8 M 76 M> 9i M. 132 M, 90 M. 103 M, 116
MU2M, 114M.(247M, 122 M, 135 M, 136 M,
30 M, 144 M, 151 M, 153 M. 154 M, 156 M, 159 M,
168 M, 170 M, 175 M, 201 M, 176 M, 186 M, 187
M, 188 M, 190 M, 202 M, 205 M, 206 M, 207 M
08 M, 213 M, 288 M.
Podendo seas donos resgatar os objectos ou pa-
gar 03 jaros que eslao devendo, no acto no leilao e
a vista da cautella.
AVISOS DIVERSOS.
Hav
eorrentn
Gdj
tHrto ordinaria iiaMeira
peas il horas da manhaa.
eam no oa
Pareceres e sais trabamos de cora
-anissoes;
Secretaria do Instituto, 3 de outubro
de 1870.
Joti Smrei d'kzevedo,
Secretario perpetuo.
AVISO
Aotonio Jos Leal Reis, fedan
coomercio e qoeco ^iraMai V
a deve por meso da leiaral q
cador, acceitante ou eodowsVla
30 de Mtoaajyo de 1870.
trabalbador aira padaru.
l* Rio Grande do atorte predaaa tea*
dos ltimos entogado 4u Unas, aaaa
, pratica : a tOUr coa Taseo Irasioa k
C, rao'4o Amorim n. 31.
CoziiAeiro
IVaelsa sa de urna coaathaira forraba
ta d cadela do Racal. 18. aalar.
Precisa-se de ama ama de Mas, asan
a tratar na ras do Cabala, toja n. 6.
LEILAO
DE
dma mobilia de Jacaranda a Lniz XV, composta
de 12 cadeiras de guarnicao, 2 do bracos, 2 de
balando, l sjf, 2 consolos e 1 jardinera com
pedra, 1 guarJalou^n, 1 guarda vestidos, 1 eom-
moda, 1 cama de araarello cora colxo de mola,
1 marquezao de oiticica, 2 ditos de araarello, 3
marquezas, 4 canslos, 15 cadeiras de angico,
32 de amarello, 1 mobilia de amirello, 1 tolete,
1 relogio para cima de mesa, i cama franceza
de Jacaranda, 1 lavatorio com espjlho, 1 meta
com estante, 1 armario envidracado, 1 ber
tura, 2 pares de baaas para jogo, 6 quadros
com molduras dourada?, 2 pares de laoternas, 1
candieiro a gaz, 1 par de consolos de mogno
com pedra, porcao de lonca parajantar, diver-
sos relogios de prata de aljtibeira e 1 excellente
cabriolei com 4 rodas e com assento para duas
pessoas em perfeito estado, alora de muitos ou-
iros objectos que estaro patentes na occasio
do leilao.
Quinta feira 6 do corrente.
Augusto Seixas far leilao por intervengo do
agente Pontual; de todos os objectos cima men-
cionados, no armazem da ma do Imperador n. 16
s lj horas em ponto
LEILAO
DE
RESTAURAN! DE PARS
4Ruadas Larangeiras4
MR. MICHANDN proprietario daste estabeieciBMQto, receba
turas para almoco p jantar, por preco o mais mdico que possiveL
como fornece tambem almoco e jantar avalso.
'200 SACCOS
mho e 267
COM
caixas com
sabao
massa
Qninta-feira 6 do correle.
O agente Pestaa far leilao por conta e risco de
quf m pertencer, de 200 saceos com milho e 267
caixas com sabao massa, as quaes scro vendidos
em um ou mais lotes, no largo da escadinha, ar-
mazem do Sr. Tasso Irmos, s 12 horas da ma-
nhaa de quinta-feira 6 do corrente.
25 barris com manteiga ingla-
za, nmeros a seguir.
Quinta-feira 6 do corrente.
O agente Pestaa far leilao por con' e risco
de quera pertencer, de 25 barris com manteiga
ingleza numerars a seguir, chegada no ultimo va-
por, e sero vendidas em lotes de 5 barris, quin-
ta-feira 6 do corrente, pelas 11 horas da manhaa.
no largo da alfandega, no armazem do Sr. Tasso
sobrado de quatro andares e
soto da ra do Torres n.
14, edificido m chaos pro-
prios,
Quinta-feira 6 do corrente.
O agente Prato levar leilao, precedida a
competente antorisacao, a casa da esquina da ra
do Torres n. 14, a qual torna-se recommendavel
pela sua boa construyan, e por ser edificada em
ra de commereio. .0 lello se effectuar s 11
horas do dia acim dito, no escriptorio do referido
agente.
DE
MOVIS
quadros, roadeira, varaos e rodas para
carros, um cabriolet em armac3o, um
dito velbo, gales e venezianas promptas,
madeira preparada para as me:mas, fer-
rameota, e muitos outros objectos per-
tencentes ao espolio do finado Poirior
Sexta-feira
7 do corrente, s 10 horas em ponto.
O agente Pinto, autorisado pelo Sr. cnsul de
Franca; levar leilao os objectos cima mencio-
nados, pertencentes ao espolio do Uado subdito
francez Poirier, e existentes na casa do pateo do
Paraize n. 10, s 10 horas do dia cima dito, na
referida oficina de oarrosow.
Para o porto cima segu eora brevidade o bri-
gue nacional Isabel, tem parte do sen carregamen-
to engajado : para o resto que lhe falta trata-se
com os consignatarios Antonio Lniz de Oliveira
Azevedo A C., ra da Croz n. 57,1 andar.
PORTO ALEGRE.
O brigue nacional S, Maaoel vai seguir com bre-
vidade para Porto Alegre, e recibe sarga a frete:
trata-se com Oliveira Filhos C. ao largo do Cor-
po Santo n. 19, ou com o capitao na praca.
SENDO
ALMOCO
1*000
pratoa a escolia
Vinho
Caf ou cba.
JANTAR
!O0O
pratoa a escoma
Vinho.
Sobre-mesa.
Caf ou cha.
GRANDE

HOTEL CENTRAL
37Rna 11 de Dezembro87
(Outr'ora Larg i do Rosario)
No muito cenhecido HOTEL CENTRAL encoutraro sempre os olssos innoaaa
freguezes notaveis melhoramentos, indispensaveis para commodidade dos Ilustres ara-
queotadores.
No HOTEL CENTRAL eoconlra-se-ha constantemente tudo que de confortativo a
deleitavel se pode encontrar em um estabelecimento desta ordem.
Assim acha-se atli urna excellente casa para banhoi, um sallo todo alcatifado a
guarnecido de divans, piano, jornaes nacionaes e estrangeiras etc., etc
MiI FAIIMEME
Normas da ilavana.
Suspiros.
Napolcbes
Havanas.
CHARUTOS
Imperiaes
Amadores
Londrinos
Leaes
E de outros fabricantes, que seria ocioso innumerar.
As familias que nos quizerem obsequiar, tanto nacionaes como estrangeiros,
contraro os commodos uecessarios.
A moralidade e boa ordem a norma do
Hotel Central
Falla-so o hespanhol, francez, inglez e italiano.
PARA AGUA.

Canos de ferro galvanisados por barato preco.
Toroeiras, e curvas para os mesmos! No armazem da travessa do Corpe
Santo n. 25.
Moinhos para caf e para milho
Os melhores moinhos para caf e para milho que tem vindo a este mercado
se encontrara no armazem da travessa do Corpo Santo n. 25
^M^OSOREMEDIO
do
Dr. Chas, de Grath
OLEO ELETRICO
KING OF PAIN
o re di dor
Para o uso interno e externo.

Cholera e cholera-morbus, diarrha,
tluxo de sangue, em um dia.
Ddr de cabeca e dores de ouvido,
em tres minutos.
Ddr de dentes, em um minuto.
Neuralgia, em cinco minutos.
Deslocaces, em vinte minutos.
Gargantas inchadas, em dez minu-
CRA:
Febre e febrejntermitlente, em um dia.
Dr as costas e nos lados, em dez
minutos.
Tosses perigosas e refriados, em um
os
tos.
Clica 6 convulsas, em cinco minu-
Rheumatismo em um dia.
dia.
Pleuresa, em um dia.
Sordez e asthma.
Hemorrhoidas e bronebites.
InflammagS-) nos rins.
Dyspepsia e erysipeias.
Molestia de ligado.
Palpitado de coraejio.
LEILAO
DE
cabos de linho novas, ditos de laborar com
pouco uso, ditos de couro, espa e vira-
dor, diversas velas e toldas, mootes
etc., e cerca de 3,000 portas novas de
pinho almofadada de differentes taa-
nnos, assim como farinha avariada
a 7 do corrente.
O agente Oliveira far leilao por conta de di-
versos e por conta e risco de quem pertencer, dos
artigos supramencionados
Sexta-feira
s 10 horas da manhaa
Reserve sempre este remedio na sua familia.
AS DQENQAS SE APRESENTAM QUANDO MSNOS SE ESPERAM.
Oleo eletricoO King of Pain(o rei da dr) aquieta e positivamente dissipa mais
de differentes molestias e dores, e allivia mais os soffrimentos e produz um mais perfeito
equilibrio no systema hnmano, o que nao se pode effectuar no mesmo tempo, com qaad-
quer outro remedio medicinal.
Este muito popular remedio est agora usando se geralmente, pela razio que si-
lbares de pessoas se lem curado gratis como dito remedio pe) Dr. de Grath e ootroa
mais.
Este importante remedio nSo se offerece para curar todas as doencas, porm tao
somente para aquellas estipuladas das nossas direccBes.
Est operando dos principios da chimica e da electricidade, e por isso est appit-
cavel para o curamento e para a restaurado da acc5o natural dos orgios que soffremda
irregular circulaco dos fluxos dos principies ervos. O oleo eletricoo King of Pan
opera directamente nos absorventes, fazendo desapparecer as inchac5es das glandotas
etc. em um tempo tocrivel, breve, sem perigo do seu uso debaixo de qualquer circuaB-
tancia.
O remedio, urna medicina para o uso externo o interno, composto dos elemento*
curativos, raizei, horvas e cascas, taes como se tem usado dos noasos antepsssados, a
das quaes tem grandes existencias no mondo, para curar todas as molestias, sabendo-se
quaes ellas sao.
Foi um grande e especial desejo da facoldade de medicina durante muitos anno
de experiencia para aprender os melhores modos que se deviam adoptar para corar as
seguintes doencas, e_gue proporfSes de medicina se devia usar.
nico deposito em Pernambuco
NA PHARMACIA E DROGARA
Bartholomeu & C.
N. 34RA LARGA DO ROSARION. U.


Diario de Peroambuco Quarta feira 5 de Outubro de 1870

A ESMERALDA
^
10


'






Fotographia imperial.
E
CALERA
J.
DE
Ferretea
PISTURA
Ftllela
&
Este antigo estabelecimento, acha-se hoje montado n'uma
escala de poder servir vantajosamente os seus freguezes, atien-
to o grande sortimento de joias d'ouro, prata brilhantes, que
sempre tem e recebem mensalmente das prindpaes fabricas da
Europa- cujos presos sao em competiveis e as obras garantidas
de le.
1IOK i:i It t HlillTE
MANUEL C
2S
1 nnn mm mm m ^aai^ nnnMHM ^^^^" ^^^ ^ ^^^ *^f/
Tem a satisfago de participar aos seos numerosos frepoezes, que em vista de ser-Ibes mais commodo. tem ^g
estabelecido urna nova fabrica de chapeos de so!, na ra da Cadeia do Recite n. 9, btje roa do Mrquez onde acharo os pretcndentes, muio avullado sortimento de cbapos de sol de todos os precos, quaiiaaaes e pe r pre- |jg
eos mas commodos do que comporla o nosso mercado: cenvidam especialmente aos Srs compradores por awcaao gm
darem, sendo possivel suas encommendas, pois podero assim serem mais bem servidos, visto poerem escomer as ar- ^
macSes as fazendas que a demora da fabrirnco bem (1 minuta,________________________________________________
NA ANTIGA E BEM CONHECIDA FABRICA
., DE
CHAPEOS DE SOL
m

im
DA
Ba do Baro da Victoria, esquina da Camba do Carmo.
(Autiga Ra Nova)
Ha sempre um grande sortimento de chapeos do sol de seda, merino, alpaca, bretanha do nho branco e par-
l do e de algodao os todos os tamanhos e" feitios, am da immesa porche de seda, mcr.uu, i
*j% armaces de todas as qualidades para satis/azer qualquer encommenda. A modicidade de seus presos
f.7- nno Piensa t\* mon-inna
k

m
tao conhecida y^
de mencionar
>)
%'S\ Cifi"- c*j
temm
'REIOSA DESCOBERTA
CttAS 3IAH.%TlillOS.4S
DO
Nec plus ultra
Tirando iramediatamente todas as caspas e coceiras dos cabellos.
Deposito
*-.... ..i casa do autor, Anlr Del-ir, eabelleireiro de Paiis.
Ra Io de Vlarqo (antigaCrepo) n
7 A Io aii'lar

&$&

DE
Nova loja de joias
RA DO CABUGA' N.9 A.
DE
Manoel da Cunha Saldanha & C.
Acaba de abri-se este estabelecimento do joias, o qoal tem grande sorti- .
ment de todas as joias de ultimo gosto, as quaes vender o mais barato pos- %
i vel. pg
Todas as joias sero garantidas ouro de lei, pois os seus donos tendo era S
a so adquirir freguezia nao olvidars, vender bom e por prerps os mais 2v|
*M
D, W. BOU
ENGENHEIRO
Com fundiqao.
A RA DO BRUM N. 82.
Passano o i-kafrriz
Machinas vapor systema rnelhorado.
Rodas d'agoa.
Formas de ferro para purgar assucar.
Moendas de Canoa.
Taisas de ferro batido e fundido.
Rodas dentadas para moer com agoa, va-
por e animaes.
E outros objectos proprios d'agriculiura.
Tudo por preco milito reduzido.
! OSIS^SBtgbiSi^ial e ,11.0
PRIMEIRO E ANTIGO CONSULTORIO
HOMEOPATHr.O B
Dirigido pelo r.
SANTOS MELLO
Os habitantes do interior podem-no 8
consultar por cscrplo, no que sero sa- ]
tisfeitos cora promptido. kg!
Presta-se tambem a chamados para o }g|
interior, a prego mdico.
Consullas, no consultorio das 10 horas 5
ao meio da. Jj
Chamados, a qualquer hora.
Aos pobres gratis.
43Ra do Baro da Victoria43 885
(Amiga ra is'ova).
mm mmmmsmm um
ATTENCAO
o
Retalha-se, vontada des compradores, alguns
lotes de terrenos, que restara, do sitio Aguasinha,
em Reberibe, por precos rasoaveis. A po-icao
topographica do terreno muito o recommenda. so-
bre tudo pir ficar proxim da cstacao projeclada
da via terrea. Os pretendentes poderlo dirigir-
se iuforraar-se do lente S Peixoto, no mes-
mo lugar, e para qualquer negocio ra do
Crespo n. 12, i" andar.
A Yerdadeira farinha peitoral de
S". Bento.
Esta farinha usada com vantajosos resulta-
dos nos padecimeutos dos orgaos do peito,
como asinina ou pochamente de catharros,
inflamaco de bole, pleurizes e na plhysica; re-
commendando-se com igual proveito as pessoas
Joo Francisco da Silva Braga, participa a"publicoTesta"cp"tI,"que"'este theatro haver para eonvaleeentes.
Oesde o da 7 de abril passado acha-se aberto o
aovo estabelecimento photographico sito ra do
Cafeugi n. 18, esquina do pateo Ja matriz. Ostraba-
Idos que desde ento, tem sahido de nossa oficina
ten geralmente agradado, sondo recebidos por
ilfuns com admiracSo pelo extraordraari) pro-
iresso que ltimamente tem (ido a phobgraphia,
e por ootros com alegra, por reretn a provincia
iotada com nm estabelecimento digno d ella, e in-
soateEtayelmente o primeiro que neste genero
aoje pcssue : tambera nao nos poupamos em cousa
ilguraa para monta-lo no p em que se acbs, es-
perando que o publico de Pemambuco gabera
ipreciar nossos eafor^os e recompensar nossos sa-
crificios.
Convidamos a todas aquellas pessoas, nacionaes
i estrangeiras que gostaui das artes, ou liverem
aecessidade de trabalhos de photographia a visi-
taren] o nosso estabelecimento, que estar sempre
iberto e sna d3posicao todos os dias desde as 7
lloras da manhaa at as 6 da Urde.
Para os trabalhos de photographia possuimos ip
versas machinas dosmelhores autores rancezes,
inciezea e allmemes, como sejam : Lerebonrs et
Secreun, Hermagis, Thomaz ttoss, Voigtlander el
sooh eWulf. ltimamente recebemos tres novas
machinas! sendo urna dellas propria para tomar
obre o roesmo vidro 4 on 8 imagen diversas e
soladas, e outra de 6 a 12 imageus diversas 9
igualmente soladas, de norte que no caso de
grande concurrencia poderemos retratar sobre
ama nica chapa at 8 pessoas diversas e sola-
das para candes de vigila, e assim em menas de
iim quarto de hora despachamos 8 difTeremes
pessoas que pecam cada orna, urna duzia de cartdes
mais ou menos, com os seus retratos smente, on
em grupo com outras.
Encarregamos-nos exclusivamente da direccao
e feitura dos trabalhos de photograpbia dei-
xando pnela e talentos do distincto pintor
illcmao, o Sr.
Jorge A. Roth
os trabalhos de pintura, a aquarela, a oleo, e a
pastel.
O Sr. Roth acha-se ligado a nossa empresa por
ama escriptura publica, e at o presente tera-se
iesvellado na execucao de seus trabalhos.
No nosso estabelecimento acham-se expostos ou-
tros trabalhos importantes do Sr. Roth, tanto era
miniaturas aquarella como oleo, retratos
oleo, quadros sacros e diversos outros trabalhos.
Tomamos encommendas de retratos oleo at o
lamuho natural, assim como de quadros sacros
para ornamentadlo de igreias ou capellas. Tam-
bera aceitamos encommendas de quadros histri-
cos.
Asseguramos que os precos dos diversos tra-
balhos da nossa casa sao mu rasoaveis.
CARTES DE VISITA NAO COLORIDOS A 10)J00 A
DUZIA
CARTES DE VISITA COM O COLORDO AO NATU-
RAL 16|5000 A DL'ZIA
Retrates em miniatura oleo ou aquarella de
16 20*000 cada nm, indo convenientemente en-
;aixilhado em moldura dourada regulando o
busto da pessoa retratada de 3 4 pollegadas e
todo o quadro palmo e meio de tamanho
.litigamos que bastarlo os precos cima para
iarmos idea da barate-a dos trabalhos do nosso
istablecimento, quanlo sua perfeicio cada um
renha julgar por seus proprios olhos.
As raelbores horas para se tirarem retratos no
aosso estabelecimento -io das 8 horas da manhaa
I da tarJe; entretanto de urna hora s 5 da larde
jm casos especiaes pde-se tambera retratar qual-
]uer pessoa.
Nos dias de chuva, ou por tempo sombro po-
lemos retratar, e asseguramos que esses dias sao
js mais favoraveis aos trabalhos de photograpbia
pela docura e persistencia da luz, e pi r termos o
aosso terraQD conslruido cora taes proporcSes e
nelhoramentos, que ainda chovendo ;orros ne-
ahum Inconveniente ha para fazer-se bellos re-
Tatos.
J.f.rreira Villela
Criado litre ouescravo
Preeisa-se de ara criado livre on escravo de 10
a 12 anuos de dale, para aervico lano interno
como externo de orna caa de peqnena familia : a
tratar na roa da Palma a. 34.________________
-liejca* -s. Mcpuc opunai 'se a se.uoi
op tnj eu : ceuie op siaaaiaiucisuo. aa-esiasij
ATTENQftO
Jos Dativo dos Passos Bastos faz sciente ao
respeiiavel publico e aos seus freguezes, que tendo
reformado a sna (fljeina sita ra do Bario do
Triumpho n. 64, antiea ra doBrum, onde encon
trarao sempre alambiques de divorsos tamanbes,
serpentinas, cobres de roda, passadeiras, lachos de
todos os tamanhos, todo o sortimento para o fa-
brico do assucar, sinos de diversos tamanhos,
bronzes para engenhoj, bombas de repucho e as-
pirantes pelo nove sistema, fabrica-se tambera
qualquer obra de ferreiro e serralheiro,gradeamen-
los, portSes, tanque?, fogoes, ferragens para na-
vios, encarrega se de encanamentos para agaa, e
tambera faz-s cortadeiras para cortar bolachas a
vapor, tnde por menos preco que em outra parte,
garantindo todas as suas obras
PEDIDO
A' na do Jardim n. 43 preeiM-ie faH-f es* t
seguales senhoni :
Jallo Adolpno Ribas (academice-). -
Querino Candido de Vaseoaeeiie*.
Joaqnim Cavalcanti de Alkaqwraw Mdto FJ_
(Pombal).
Jezaino Augusto dos Sanios Fragoso.
Virisimo Correia de Lyra (Craangi M Yicsaci
Jos Hermino Pontaal (engeabo PrtfcrtB^al
Fernando Barata da Silva (engenho Morojo).
Antonio Gomes Cordeiro de Mello.
Eduardo de Paula Sanios.
Francisco da Silva Porto.
Thom Joaquim do R to Barro*.
MOFINA
Lea* & Irmao roa do Mrquez de Olinda
n. 56, precisam de um feitor para o engenho Bo-
nito, comarca de Nazarelb, e olTerecem vantagens
O Dr. Manoel Enedino Reg Va[enca
contina no exercicio de sua profisso de
medico ra da Camba do Carmo u. 21
I andar.
Rnga-se ao lllm. Sr. Ignacio V.eira d*Ml,fs-
crivao na cidade de lazaren dota proviso-,
favor de vir a roa do Imperador 1.18 a nsxmif
aqoelle negocio-que V. S. se eomproansMesj reali-
sar, pela terecira chamada desle jornal, ni las
de dezembro prximo passado, e depois pan Ja-
neiro, passou a (vereiro e abril, Bala cu-fr,
e por este motivo de novo chamada para dMa
Om ; pois V. S. se deve lembrar ene ssas argocio
de mais de oito annos, e qaaado o seahor sasi
fllho se acbava no esludo peala cidade.________
MUDANCA.
Jos Marques de Airosa Braga faz denle a seas
freguezes, que n-.udou sna fabrica de eaieados aae
linha na loja do sobrado n. 21 do largo do Curso
Santo, pira o 1* andar do mesmo sobrado, cade
pode ser procurado a qoalqner hora. _______
Na roa Augnsta, sobrado n. 17, andar,
precisa-se de urna boa ama para o servico interno
de pouca familia. ________
vista
vij*, razoaveis possiveis.
ATTENCAO
o
Todas as pessoas que ce julgam com din to a
relogios, ou objectos que se acbavam em poder
do fallecido subdito porluguez Joaqnim Barbosa
Cupertino, com loja na ra Nova 67, devem re-
claraa-los ao abaixo assignado na ra larga do
Rosario constituido depositario pelo consulado de
Portugal, no prazo de 8 dias, contar da data
deste, e (indo o dito prazo, nao sendo reclamados
serlo entregues ao referido consulado, para se-
rem vendidos era leil3o publico por conta de quera
pertencer. Recife, 26 de setembro de 1870.
Jlo Luiz Vianna.
ATTENCAa
Hotel Flor da Boa-vista
Ra da Matriz da Boa-Vista n. 8.
Neste hotel encontrar o respeiiavel publico cora
asseio e promptidao, nao s a rcfeiclo diaria, por
menor preco que em oulra qualquer parte, como
tambera foinece-se comedorias maodaedo se levar
s casas das pessoas a lempo e hora convenientes.
Nos domingo e dias santos havera ralo de vacca
excellenle e outras iguarias.
J. Ferreira Villela
Precisa-se
oO, Io andar.
urna ama : na rus de Hort as n
Ama de leite,
Precisa-se de urna ama de leite, paga-se bem
na ra Augusta n. 2, 2o andar.
Aluga-se um sitio com boa casa de vivenda
e grande quantidado de arvoredos de fructo, en
tre os quaes boas laranjas de umbigo, sapolis,
Soiaua'. etc.no largo do cbafariz da Passagem da
[agdalcna : a tratar cora o seu proprietario no
sobrado da esquina que volta para os Remedios
n. 25.
I ADVOGACIA.
g O DR. JOAQUIM CORREA DE ARAUJO
M tem o seu escriptorio ra do Imperador fi
^ i. 67, onde pode ser procurado das 9 ho- 2
ijSjt ras da lanha s 3 da tarde.
mmmm %mmmm mmmmm
Ama
Xa ra do Vigario n. 5, 2o andar, precisa-se de
urna ama livre ou escrava para cozinhar, era cujo
desempenho se quer asseio e perfeicio.
li
Convida-se o publico a vir a este estabelecimento, certo de que Ocar
sasfeito. ^s
A* MO DE OURO RA DO CABUCA N. 9 A
JWg
m
THEATRO SANT3 ANTOMO
CiRANDE SUCES0
DOMINGOS, DIAS SANTOS EDIAS UTEIS
GRANDE CAF CANTANTE
os concurrentes o seguinte
Sorvetes de diversas qualidades
Vanos. a
Champagne.
Bordea ux.
Port fiD0- La bell amor.
Rhene. Coraclo.
Sempre viva.
Amor eterno.
Licores.
Imperador Theodoro.
Aya-Pana.
nico deposito na phirmacia e drogara.
DE
Bartholomeu & C.
34Ra larga do Rosario34
Cbateau Lafite.
Cognac marteli.
(ERVEJA
BASS E NAQONAL
Gelada e nao gelada
CAF CHOCOLATE E CHA
Refrescos gelados de todas as qualidades
Doces.
Pastis de nata
Bom bocado.
Empada de carnario.
Dita de carne.
Bollo de amendoa?.
Pao de l.
Finetas.
Maclas.
Uvas.
Peras.
Abacachis.
AVISO AOS FUMANTES.
Cachimbos e ponleiras de espuma verda-
deira.
O mais completo sortimento, e muitas qualida-
des novas que ainda nao vieram a este mercado:
NA L1VRARIA FRANCEZA
Rosa.
Pitanga.
Grosella.
Limao.
Cidra.
Laranja.
Lima.
Oueijos.
Flamengo?.
Londrinoi.
Mina.
Pralo.
Precisa-se de urna ama para engommar : na
ra da Cruz n. 57, 2 andar
Agencia em Pemambuco
Do Dr. Ayer
Peitoral de Cereja
Cura a phthyaica e todas as molestias do peito.
Nafsa parrilha
Cura ulceras e chagas antigs, impigens e dar-
Tonfco
os cabello?.
Minias catbarilcas.
Conserva e limpa os cabello-'
" il{
.. .Suisso etc. etc.
O mesrao participa, qae, alera das bebidas cima noiadn haverao outras de diversas qualidades ;
qu muito agradarao pelo pre^o e boa qualidade, e desde j partieipa tambem que haverao mezas,
cadeiras e bancos para que os concurrentes eejara a sua vontade, assira como.liaver ama banda de
msica marcial, qun tocar durante a tarde no jardim domosmo theatro.
HADA
II F.S,
Gabinete Portuguez
de Leitura.
A direccao do Gabinete Portuguez de Lefura
aes; mas provisoriamente se abrir po Per ^,?,*1 fUnbrTio 1870
ve-
MI'
tod orda; e m-rada4e.
Amonio do AHuu,erque';
Roubaram do 1 andar do sobrado n. o2 ea ra
do Queimado. um relogio de ouro n. 4313, orison-
tal, machina desoberta, lavradn, e urna crrente
tamcem de ouro, simples : previne-se aos seoho-
res ourives e rolojoeios, ou a quera for estes ob
jectos offerecidos, que os apprehendam e levem
loja de seis portas era frente do Livramento, que
ser bem recompensado.
CASA DA NITGltt
Aos 5:000S
Bilhetes garantidos.
A ra Primeiro de Margo (oulr'ora roa de
Crespo) d. 23 e casas do costume.
O abaixo assignado, tendo vendido alm de ou
.ras sortes, quartos n. 1366 com 5:0004 da lo-
tera que se acabon de extrahir a beneficio da
igreja de Nossa Senhura da Concei^ao dos Mi
litares do Recife (162*), convida aos possuidores
virem receber na ;conformidade de costume sem
descont algum.
Acham-se a venda os felizes bilhetes garan
tidos da 2* parte das loteras, beneficio da igre-
a de Nossa Senhora da Penha (163*), que se ex-
rahira quarta feira 5 'do correte mez.
PRECOS.
Bilhete inteiro 6*000
Meio bilhete 3*000
Quarto 1*300
Em porcao de 100*000 para cima. *
Bilhete inteiro 5*400
Meio bilhete 2*700
Quarto 1*350
Manoel Martins Fiura.
Ama de leite.
Precsa-se de urna ama livre ou snjeita, porm
de boa conducta, que tenha bom leite e com abun-
dancia, sem Olho a mamenlar : a tratar na ra da
Praia, armazem ns. 13 e 13.
JLT
DYVETOT
H--Rua Estreita do Rosario14
Compra e vende roupa feita
nova e usada, objectos de
cosinha e de mesa, e
tudo que perten-
ce ao uso do-
niesticD.
I'IIOKM.IIAl'lll I II
18RA DO CABUGA18
A entrada pelo patea da matriz.
Os trabalhos da reedifleara desla photocrapL>a,
e que se prolongar im por bolo lempo, aebaa-M
lelizraenle terminados e ella aberta ao servico i
publico desde 7 de abril passado.
O predio em que est collocada esta pbologra-
pbia acha-se muito augmentado, e s a parte tu-
nada ao estabelecimento conta cinco salas, icetu-
sive as do laboratorio. Todos os concert* e aaf-
mentos tendo sido fetos expresamente para i*
montar convenientemente a photographia, o s
podendo melhor modelo escolher do que a Pioo-
grafiia Imperial do Sr. Insley Pacheco do Rio de
Janeiro, o primeiro piotographo do Brasil, e uto dos
primeiros do mundo, segnndo a opinio dos ma?
abalisados mestres, a no-sa pbotograpbia acna^se
dlsposla e reedificada pelo mesmo p'aoo da do Sr
I. Pacheco, a qnal foi montada tob todas as refrn
recommendadas pelos mais dolincto* professure.*
de record com as modificarles necessaraa ao
clima do Brasil, reconhecidas e esiudadas pelo ka-
bilissmo e pratico Sr. I. Pacheco.
Todo o interior do predio em que est anisa
photographia foi mudado desde a sol- ra da porta da
ra at a coberta, tendo-se denii iido tudas as *a-
redes interiores para se fazerem as novas sala,
edificndose um novo teiraro envidracadj moi
espacoso e eleganl?.
Como sabiao, fizemos nma nagem expresaa-
mente corte para examinarme* as uietbam pfca-
lographias all, e foi a do Sr. I. Pachaco, a fCw
melhor corresponden aos nossos desrjos e spira-
c.oes, e da qoal irooxemos os planos dcpoM dt
all estarmos todo um n.ez estuJanJo e agto-
veitando as liQoes do tao distincto mestre. Pen-
samos que juntando os nossos otadts knfa
pralica de 15 annos de pbotograpbia s nlBissima.*
licoes ulliman enle recebdas do Sr. I. Paetntn,
tendo montado a nos>a pholograploa een $
acha, podemos (fferecer ao illu-irado fmbiier
d'esta cidade e .ios nossos au en>ses Ikegnuc*
trabalhos de phoiograpbia lio pefeilo., tomo .-*
poder desejar, e disto Cuoveneioos, wnsraia.s
que contluuem a dispensar-nos a mesma
teccao com que ha 15 anuos nos tem bonralc
ajndado.
A coramissao adininisiradora da rmandade
de Nessa Senhora do Ro?ario do bairro de San
to Antonio, faz sciente ao respeitavel publico qne
para maior commoddade transferu a fesla de
sua padroeira para o dia 30 de outnbro, deven
do ter principio as novenas no da 20 do mesmo
raez.
Consistorio daiimandade, 30 de setembro de
1870.
O secretario,
Libanio Luiz da Cunha.
Aluga se para eseriporio o 1- aadar, >^
alcova do sobrado n 31 da ruado Ptdro ACo-"
a tratar no armatem do mesmo orado.
ITTEII"
O salo le pianos e de
msicas
mudou-se da'ru." Nova n. 58, andar, para a
ra da
onde
blico.
luiperalriz n. 12, loja,
contina recomraendando-so ao Illu. pu-
Werlheimer.
ATTENCAO
Raphael Granado?, professor de msicas e maes
tro da companhia de opera hespanhola (Zarzuela).
3ue acaba de chegar a et> cidade, offerece-se para
ar licoes de canto e piano, assim como afina ei-tes..
tudo por precos convencionados. Tambm com-
pos tangos, habaneros, romanzas, cancoes hespa-
nholas para piano e canto, por preco mdico :
quem de seus ser vicos qnizer utilisar-se poder
dirigirse ao hotel Central, ra larga do Rosario n.
37, onde reside.___________________________
Precisa-se de urna ama forra u escrava
para o servico interno de pequea familia : na
ra da Amizade n. 21, Capunga.
Precisa-se de urna ama para todo o servico :
na roa de Hortas n. 30, sobrado.
Atten Ignacio da Silva Deir, em viagem provincia
de Pemambuco, avisa a seus freguezes que con-
duz excellenle tropa de burros, que passar na
villa do Pillar, Porto Calvo, Castanha Grande,
Barreros e Rio Formoso, e dall ir om segumen
to para a Escada: quera pcls precisar, pede man-
dar encentra-le.
liquidado, scienlifl-
e especialmente ao
Azevedo 4 Bastos, era
cam ao respeitavel publico
corpo do comraercio, que nada lvem ne-la pra
ca ou fra delta, e se alguem se julgar com di-
reito dita Arma, queira apresentar sua conta ou
titulo, na travessa da Madre de Deus ns. i e 6, no
praso de 3 dias, ser immediataraente satsfeito.
Recife. 2 deoulubro do 1870.
l
Alkeiro, Oliveiri &
doclaram ao publico qao venderarn ao Sr. Jos
L-ipe- de Azevedo o seu eobelecimento de secco?
e molhados, cito ra do Imperad r n. 83, tivr-
inbaracado e qualpner debito, tanto na pro-
ra C( nm lora della.
Rw'ifH. 7 do ag.nlode 1870.
Pffcisa-^ raa coinhciro, na padaria' da
AMA
Precisa-se de nina ama portugueza
estrangeira : a tratar na estacao, dos
baos no porto do Fapim.
para casa
trilhcw ur-
Attenpo
Se faz saber a pnblioo qne a casa terrea de
pedra e cal, sita a ra do Aljube n. 10, da cidade
de Olinda, tem de ser arrematada por venda, a
quem mais der, spbro_ a avaliacao de 1:600*'; e
este no juizo de orphos do termo da mesma cida-
de, tendo dita arroraatacao lugar no dia 6 do cor-
rete, as 12 liaras do dia, na sala das audiencias
que a da, cmara municipal.
Ao lllm. Sr. Albn Joaquim Lopes, que veio do
Rio de Janeiro para esla provincia no vapor ame-
ricano Merrimaek, entra*) no da de setembro
prximo passado, pnde-se o avor de apparecer
no e-criptoro d:i companhia IVrnan.bucaoa, ou
annunciar sna residencia, que se Ihe de.*eja fallar.
Joaqnim Gnrard d
ATTENCAO
O abaixo assignado tu poMgf.^ .**^ *
caixeiro do Sr. Joaqnim Lnb vi m sd> d
do cojrente ; e aproveu o tmrpp
ao mesmo senbor e a ua Exma. tmm
ras delicadas e cavatoerosds qos tt
pensar llie al a soa ntiT***> *
annunciinte merecen e*'0*" "
um testemnnho de iratdaoe
podendo deixar de rnfar-Men
quer (alta qne involunlariaon
enmprimento dos deveres a seo etrj
Fraieisco Jos da Silva
^
Aluga-se urna excellenle casa na roa do
Carmo era Oinla, acabada de nov .. ou pelo lempo
la para o uno :
no corredor do Bwpo n. 35 se dir quera aluga
mesma casa tr ic; se orna imag ristoconrl
lodos o pertences de pr na- [Septe.
chiaa d costorii
O ibaixe assifimdo, leodo Bmr Per
nambuca do I* do cerrente mez, vw edkal 4o
jaiz dos feitos dafazcoda feral, aranaciaadw arre-
mala rio dos bans peiiborad aos hertem li
finado coll clor Julia o Pereira Matlnso, c te v
volve nm terreno palmos d frente, pe* presente proteja contra tal
publicacio, visio cooio o terreno qna se rfu *o-
luUi. o armnnciaole tem litnlo lefitow da afrra-
mento de 9 pao aut-ga, smd q.
Onado
para qne ni > -u -.-
>-
Os abaixo assignadis faz-ra .-denle a (odas a?
pessoas que tem dado obras encaJrrnar tea na
loja e offleina do largo do Collegi >, f^ne leanao
b< ndade de vjr pn-rurar Jila.s obra e pafar a*
respectivas endaJenac es, vt-io roe >l| 11 i i
lem decorrido mais de 6 annos, sem que vus i -
nos as tenham reclamad) ; pelo fRC, passad
dias da dala dele, sero vendidas para paf 3 eli-
das despezas da encad-rnaco. todas ai.u
que nesse praso na> forera procralas pagas.
Recife 2i de setembro de 1870.
Guinares Oliveira
Em Iiqni4ac.ai'
j4o commcrcw
Urna pessoa habilitada encarr'ga-se de
ver alguraas eobranca?, nao mi aqu coom
cidade, dando para islo garanta ; aim timm a-
earrega-se de eserir-turarao mercantil : qnen ptv-
csiar dei.xe carta l-ixada nesta iyHaf rafda
as iniciaos A. S
Moue po |toriBHez
A direc.ona con ida todos os senil -res tttk*
a reunirt-m-se em asserobla geral dominf t 4 i
crreme, as II !.. ra da manhaa, nc> GanastePx-
tnguez de Leiiura, nao s para apnriarrsi s rala-
torio da raesma directora e parecer da cmn'u
de contas, como para em seguida so nrseid r a
ele^ao da nova directora, conseiho B^eal t cao-
misso de comas, que teem de fnneeionar > pn>
simo anno social.
Para os Gns ron vi mentes vai em v*guida mns-
cripto o art. 27 dos oslatnlos :
'< Os soci -s prescMes vouro laucando nm tres
urnas outras lana) cdalas, indteaaso a nrtaaiii*
os nomes dos membros (5) e intsIMot (t) da
< directora pela segrate forma :
S serio volad a com designaeo de crgo
i thesoureiro e os ir.\s subMitntos, dcste, da 2> sa-
crelario e vice-presidenle; os ootros meiakr *
' i'a directora (presiden'^, vice-presidenie. I* t 2*
secretario-) sero os qnatro mais votada*, t des-
tes se enviar urna lista ao govern> da nr-'vrac.a
para a esculla do presidente, nomaaado depa*
< o mesmo presidente dentro os tras membrr s rev
o tantes o vice-presidente, e i ivcfataria*.
A segunda cdula contera os aranas da> vinte
e cinco membros do conseiho local (
Io e 2* secretarlos e vinte e deas
a e a lereeira os dos membros da i
contas. >
Secretaria do Monte Po Portagnet em
buco 3 de outnbro de 1870.
Jos da Srva Laya,
I
s


Diario de Pernambuco Quarta feira 5 de Oulubro de 1870.
m
AO AHMAZEM
VAPOR FRANCEZ
>
Este conhecido estabelecimento acha-se constantemente bem sordo, em virlude das
facturas que recebe por todos os vapores e navios francezes, dos artigos abaixo menciona-
dos, primos os mais resumidos que possivel.
CALCADO FRANCEZ
Botinas para enhoras c meninas.
Bolinas pretas, brancas e de muitas outras cores, sortidas e bonitas, do ultimo gos-
to di moda, e presos mais barates do que em outras partes.
Botinas para borneas e meninos.
Botinas de bizerro, cordavao, lustro e pellica, das melhores fabricas e escolhidas.
Botas e perneiras rnssianas.
Bous e perneiras para mamaria, das melhores qualidade, de couro da Rassia, lus-
tro e bizerro.
Sapatos de borracha para komens e senhoras
Tendo chegado grande porcao de sapatos de borracha vndese pelo custo aflm Jde
desempatar o dinherro nelles empregado, sao baratsimo?.
Sapatos de rastro para komens.
Sapatos de entrada baixa de couro de lustro com salto, de muilo boa qualidade.
Abotinados para meninos e meninas
Sapatos abotinados de diflerentes modelos, de muito boas cualidades e fortes, tanto
para meninos como para meninas, muito baratos.
Sapatos de tpete.
Sapatos de tapete aveludado, de casemrra, de charlte e e tranca franeczes e por-
tuguezes para honsens, para senheras e para meninos.
INTEMSSIYIE COHPOSI0O LITTER.1BIA.
CONTUNDO :
A ooite do xtasis.
O sorriso.
A noite do assombro.
A lagrima
A noute do delirio.
0 mysteno.
Cora ama carta critica dirigida ao autor pelo
Dr. T. B. Kigut'ira Costa.
1 volume brochado 2000.
AS CENTELHA8
Poesas patriticas sobre a guerra do Paraguay.
i volume brochado 2*000
NA
_________LIVRARIA FRANCEZA________
Na rna dai Cruzes n. 38, i andar, ha quem
precise de um bom bolieiro que tenha boro com
porlamento, paga se bem : a tratar das 10 horas
do dia as 2 da tarde._______________
Acaba de sahir luz
E
Vende-e
NA
Livraria franceza.
GUIA DEVOTA
ou
Attenijao.
,
PERFUMARAS
Excelientes extractos, banhas, leos, agua de cologne, florida, divina, lavando, den-
triflee, de toilette, sabonetes, tintura para cabellos, pomada angroise para blgodes, pos de
arroz etc., tudo isto de primeira -qualidade, dos afamados fabricantes, Condray, Piver e Lubin.
Quinquilharias

Luvas de pellica do conhecido fabricante Jouvin, espelhos para sallas, quartos e ga-
binetes, toucadore; de diversos tamantbs, leqoes para senhoras e para meninas, abridores
de luvas, brincos, pulceiras, botos, cerrantes e chaves de relogios e trancelins, tudo de
ouro de lei, correntes e brincos de plaqu, a imitadlo e de mais gosto do que as de ouro,
caixinhas de costura neameele guarnecidas e ornadas com'lindas pessas de msica, albuns
e ciixilhos dourados para retratos, caixinhas com vidro de augmento para distintamente
ver-se a perfeieio dos retrates, objectos de phantasia para toilettes, bolsiohas e cestinhas
de seda, de velludo e de vimes para braco de meninas e senhoras. ditas para costuras, pe-
queos registros muito Anos e delicados, bouquets de flores, de porcelana, jarros proprios
para gabinetes e santuarios, quadros promptos para colloear-se vistas, molduras douradas
para quadros, estampas floas de paysagens, cidades, figuras e de santos, vkJros para eos-
morama, maias, saceos e bolsas de viagens, esporas, chicotes, bengalas, oculos, lunetas ou
pensinez de prata dourados, gravatas pretas e de cores, abotoaduras de collele e de pnnhos,
carteirinhas para notas, tbesounnhas e caivetes finos, pentes, escovas, ponteiras de espuma
para charutos e para cigarros, Joros de domin, rodetes, bagatelas e outros differentes, ve-
nezianas modernas muito conveniente para porus e janellas, cosmoramas, lanternas mgi-
cas, esteriocopos cora interessaotes visite de figuras e das mais bonitas ras, Loulcvards,
pravas e passeios de Paris.photographias e caixinhas mgicas, reverberos-para candieiros,
tapetes de vidrilho e de la de cores para ps de lanternas, realejos grandes e pequeo*,
harmnicos, ecordions de todos os Umanbos, bercos- de vimes para enancas, sapalinhos e
toucas de la, carrinhos da 3 e 1 rodas muito elegantes para condurir enancas passeio ; e
outras muitas quinquilharias de phantasia, francezas e allemes, precos muito em corita.
Para este artigo nao ha espato nem tempo para a massaote leitura da innidade de R
gneros de fcrinquedos fabricados em diversos paizes da Europa.
DE
NOSSO SENHOR IESS CHRISTO,
MARA SANTISSIMA
E
VARIOS SANTOS.
A saber:
Setenario do Seohor Bom Jess dos Passos.
Oficio do Senhor dos Passos.
Novena do Menino Oeus.
Novena de N. Senhora da Gonceico."
Setenario das Dores de Mara.
Ofllcio das Sete Dores de Mara Santsima.
Novena de N. Senhora do Garmo.
Ofllcio de N. Senhora do Carmo.
Novena de N. Senhora da Penba.
Cnticos de N. Senhora da Penha.
Novena do B. S. Julo Baptista.fc
Novena da Senhora Sant'Anna.
Trezena de Santa Antonio.
Novena do B. S. Jos.
Um bonito volume encademado.
_______28000.
Cura rpida e inlalt ivcl dos cal-
los, pela pomada
Galopean.
Deposito especial na pharmacia de Bartholomeo
5c C,
34Roa larea do Rosario3i
ATTENCAO
O dOBO deste estabelecimento pede ao publico ern geral que continu a visita-k) jM
veriSccdo as qualidades e os precos baratos de ditos objetaos por serem viudos em di- m,
reitura e de eonta propria. i?
DAVID W. BOWI
ENCEHHEIRO
Com fundipao
RA DOBRM 52
Passando o chafariz.
Chama a aenco dos Srs. de engenho para seus acreditadas machinamos t
am efpecialidade para seus vapores que ainda urna vez ten) melhorado.
Os vapores fornecidos por elle e ja fuoccionando be bao de fazer melbor ?pre-
ciacio do que qualquer dito proprio.
Deseja tambem mencionarque tem feiio urna reducco em seus precos; e que
tem prompto tela a especie de machinismo e outros objectos para a agricultura.
Na praca da Independencia n. 33 se da di
heiro sobre penhores do ouro, prata e pedrai
oreciosas, seja qual for a quantia ; e na mesmj
asa se compra e vende objectos de ouro e prata
igualmente se faz toda e qualquer obra de en
iommenda, e todo e qualquer concert tendenf
i mesma arte.
_0 Sr. Victorino Luiz dos Santos, nao mais
caixeiro do abaixo assignado.
Recife, 3 de ontubro *870.
____________________P. I. Layme.
Imagens e orotorios.
Na ra da Croe armazem n. 12, preros ra-
zoaveis.
Ama.
Ra do Torres n. 16, 2' andar, precisa-se de
urna ama que eozmho, compro e engomme nara
urna pessoa. *
Laca-Ha e engomina-ee cum perfeicao e preco
commodo : na ra do Jarlim n. J.
\t
m
a
9
o*
- **
9
o
s.
DE FIGADOS FRE8C0S
? C BACAhHAO
DE
PHC. 2 RpE Castibuohe Pars
: P. IIAUUKII et C", tm Pertpihueo; JOS BELLO, *m Porto Altjrt.
SILVA LOPES, i Baba: FEUI1KIRA el C", M Ua,;,
Ama de leite.
Xa ra da Mangueira n. 7 ha para arjgar urna
ama de leite sem cria.
O Io andar du Campo das Prine'>zas onde
tuncionou o exciub pe rnarr,bu:ano, aluga-se par
Miles, solra, jintare?, almrgos, sociedades, rea-
nioes e eoneert, p tratar na mesma :a>a com o abaixo assi-mado.
__________P. I. Layme. "
Aos senhor es cap tiles de
campo.
Deseja-se fallar a cites senhores: na ruaDirota
Quinero 18.
eeisa-se
de urna ama para cozinhar em casa de mocos sol-
leirs : iraia--o na ra do Vigario a 9.
^flega-se
o sitio Cajueiro n. 6, com ea grande, com muitos
commodos p: re? de rac.o, agua encanada : pode ir 'rua da
Auror i n. 65, que ach.-.r com quem tratar.
Ama
Precisa-se de una smn qae saiba cozinhar : na
ra da Mrquez de Oliuda n. 21
Ama ~
Pret-isa-se de urna ama para engomma : na
a Direita o. 20, J and^r.
ra
Aluga-se a casa terrea da ra dos Pescado-
res n. 17, ha punco concertada e pintada, com
commodos para familia, bom quintal e porto para
o mar : trata-se na ra nova de Santa Rita nu-
mero a.
Aluga-se o 1 andar do sobrado
Imperial: a tratar no andar terreo.
n. 1 da rus
Atmn
SPreciss ;c de uia para o servico de ama ca*a
de duas pessoas : ra da Benzalla Velha n. 110.
2o andar.
Aloga-se urna peqntna casa para pnuca fa
milia, no lugar do ManguiDho, podendo oalugador
gosar de ban nos dt choque e de um aprasivel ter-
reno plantado e bem cercado: a tratar no mesrao
lugar easa n. ii.
MONTE PIU PORTUUEZ '
Quem se julgar credor do Monte Pi Portnguer,
queira imraediaUmente apresentar sua cjnta ao
secretario oa ao tbesoureiro da mesma associacao,
para ser enconlinente verificada e paga.
Secretaria do M te Pi Portnguez em Pernam-
buco 4 de outubro de 1870.
Jofijuim Gerardo de Rastos,
____________ Secretario.
Precisa-se de urna ama forra on captiva dar o
serv.co interno e externo de urna casa de pone a
familia: na ra Velha n. 60
1 _____________0 _
Caixeiro.
Precisa-se di um caixeiro com pratica de taber-
na : na rna estrella do Rosario n. 18.
Precisare de urna ama que cuinlie e faca
outros pnenos sorvi?)S Dara casa de dua; pes-
ioas : a ra da Tnmiie sbralo a. 7.
Precisa BeitUgar um escravo d>) meia iia le
para o sevi^o de casa : na ra das Gruzes n. 36.
r andar.
Offerece so urna s"ihora portugueza para
acompanhar urna familia quo v para Lbboa : a
tratar na ra Nova n. 38, lojs.
Precisa-se de urna ama que suba cozinhar
para casado ponda familia: a (raUr na ruada
Palma n. 3i.
Precisa-se
annns
' r um mo:enue
na ra Direita n. ""
de lO.i 12
Inla de
Em casa
d"i THEUDORO CHRISTi
iNSEN, ra jflectivameie tod- as qalidwle
Ptrdeu-se hontem, pelas 8 horas daia^H
ama argola de ferro com tres charas, desde a rna
do Rosarh da Roa-vieti-at a rna Velha, paseando
pela ru da M,lriz: fien
ga-las na botica do Sr. K^__^__| do Cndc
_g_u,e serrecoretemaj_____
' ~ Uite Pfnto tt C. avisa a orpo
do commercio qae desde o da 21 do mez prximo
P3ado defxeu de sir sen eallfro o 3r. Joaqnim
Goiiies Melgalgo.______________.. ______
FRONTISPiaO DO CARMO.
PROGflAMMA DA FESTA DE NOS3A 8KNH0RA Do
CARMO DO FRONTISPICIO.
No sabbado, 8 do correte mez, ao mefo
d>a, muitas girndolas de fogo, annunciar
que no dia segoiote, tei lugar festa, to-
cando a insigne msica militar do 1." bata*
I bao de arlillieria da goardi nacional, na
'greja do convento do carmo, nessa occasiao
algumas pecas de gosto.
As 7 boraa da noute desse dia sera le-
vantada a bandeira da mesma Senhora de-
pois -de ter p rcorrido o pateo, e logo que
for ella hasteada subirSo aos ares diversas
girndolas de fogo, e um lindo balo; ha-
vendo missa resada na madrugada de do-
mingo.
As 10 boras do dia 9 entrar a festa
sendo orador oeloquente pregador Rv. An-
tonio de Mello e Albuquerque, e a orebes-
tra ser executada por babein professionaes.
Fiada a festa am outru balo subir aos
ares.
As 5 horas da Urde ainda um grande
ItalSo, preparado com esmero e gosto, por
diversos devotos, os quaes nao tem poupa-
do trabalho e despezas.
Seguir-se-h o tiramento da bandeira.
As 7 horas da noute entrar o Te Deum,
sendo pregador o eximio padre raestre Leo-
nardo Jlo Grego, depots do que s solta-
r um lindo e variado fogo de artificio, pre-
parado- por um dos mais habis artistas
deste genero, sendo o painel de novo gosto.
O pateo estar (rnado de folbas, bandei-
ras, e signaes, tendo ama columna ilumi-
nada ga.
____ roa Bella r
_Ah,^LPd,p!,C08 : 1u'm s pretender dinja-
_|M POS tUlBl. M. n fi Aaf^Bi^d,^ i.iiiL
Nutrimento
i Halos, casa n 8, defrente dos Hios
Sociedade Monte Pi Bra-
sileiro.
De ordem do Sr. director provisorio convido aos
senhores socios para se reunirem no dia o do cor-
rente, as 7 horas da noile, na sala das sessoes, aGm
de se tratar dos interesses da mesma sociedade.
Sala dss sessoes do'Monte Po Brasileiro em 3
de setembro de 1870.
O Io secretario provisorio,
Manoel de Miranda Castro.
Quem precisar ds urna ama para cosinhar di-
rija se a ra de S. Joao n. 41
Aluga-se para servir em casa de familia urna
boa e'crava : as Cinco Ponas n. ft4.
COMPANHiA
DOS
TBILHOS URBANOS
DO
RECIFE A OLIUDA.
/. i)e o do corrente tiirdiante ter um trem
a*noite partindo as 8 horas do Recife e as
Q'tln volia de Olinda, no domingo 0 do cor-
rente ter3o trens pela maneira seguinte :
MANHA
IDAAs G, 7, 8, 9 e 10 horas.
VOLTA-As 7. 8. 9, 10 e II horas.
TARDE
IDA1, 2, .3, 4,3. C, 7, 8e9 boras.
VOLTA2, 3. 4, o, 6, 7, 8, 9 o 10 h.
Sendo preciso, conttnuaro os trens em
qwanto houver passageiros em Olinda. em
vista da grande festa de N. S do Rosario,
que muito concorrida no Varadouro.
Recife, i de outubro de 1870.
O supreintendente.
A. de Abreu Porto
-'.- "'' :- *.:3,-.=.--: :.,. ^ _-v,;:;.--.
dM2_tordrl_' a _B 4o renle a.
SSiLh'i"?' M., d,! "W Pcrtencerem.saode
t^5ie ai,Ul1" L5,,es(le Almeida/o lllm.
Sr. eotueloeiro msneclor t*sta thesonraria de fa-
im manfla dselanr as pessoas tonsfnntt* da
rela?ao infra que devem nao recolher imme-
diatamente a esta thesonraria os ttulos que de
laes aforamentos Ihes foram dados e se acham sem
eneto, como reconheeer o dominio directo do mes-
lo Joaquina Lopes de Almeida, nos terreros de-
signados na dia relacao.
Secretaria da ihesourariii de fazenda de Pernam-
buco 3 de outubro de 187CServindo de ofllcial-
malor, Manoel Jos Pinto.
Relacao dos terrenos de marinha em Fora de Por-
tan, a que se refere u annnncio cima.
N. II.Antonio Jos Coelho.
N. 14.Jos Jacome Tasso Jnior.
N. 17.Antonio Ttixeira|Lcpes.
N. 18 A.Fortunato Cardozo de Gouveia.
N. 28.=Domingos Henriquo M fra, como lulor de
seu lbo Deodato.
N. 31 B.Maria Sevtrina da Rocha Lins.
N. 33 B.Jos Joaquim de Castro Moura-
N. 36. CDr. Manoel Francisco Teixeira.
N, 41.Antonio AUes Barbosa.
fl. 48. Jos I'ernaodes da Silva.
N. 53.Joaqaun Lopes d3 Almeida.
f. 168 C.-I)r. Frederico Miguel de Sonza.
N. 168 D.O mesmo.
N, 168 ELPadre Joao .Bapiista de Albuquerque.
N. 168 F.-O mesmo.
N. 168 G.Manoel da Silva Lepes.
N. 168 H.Francisco Jos dos Passos Guimaraes.
X 168 I.Thomaz Teixeira Bastos.
N. 309. Joaquim Lopes de Almeida.
N. 311Joao Marques Correia.
N. 313 Jos Fernandas da Silva.
N. 318.O mesmo.
N. 319.Manoel Estanislao da Costa.
N. 320.Domingos da Silva Mulla.
N. 324.Domingos Henrique Mafra, como tutor
de sea fllho Deodato.
N. 326.Catulino Gonc^lve? Lessa, Maria de Bar-
ros Correia Lessa.
N. 336 A.Manoel Jos do Nascimonto e Silva.
N. 336 B.- mesmo.
N. 338.Jote Fernandes da Silva.
N. 340.O mesmo.
N. 341 A.Antonio Rodrigues deOliveira.
N. 341 B. Jjs Fernandes da Silva Manta.
N. 342 A..Antonio Henrique Mafra.
K. 344 A Jos Joaquim Btzeraa Cavalcante.
N. 345. -Joajuim da Silva Lopes.
. 343 A. Hexandre Joaquim Satyro.
MEBictrir
. MJU
Tsica e toda a
qualidade da fr-
escas, qaerwja
n grgara, pe-
to oa bofes.
Expressa-
mente eacofeid*
dos melhores 6-
r:
oleo, no banco
da Terra Nova,
parificado ct>-

^adosdos
se extra
Ama.
Precisa-se de urna ama para cosinhar o
prar : tratar no largo d'Alfandega n. 4.
com-
nima
Precisa-se de nina ama pata o servido interno
de urna casa, ra da Senzalla Velha n. 110, 2
andar.
Lom muito mior vantagem comprani-st-
ooro, prata e pedras preciosas e a obras velhas: na
loja de joias do Corarlo de Ouro n. 2 D, ra d>
Cabug.
Compra-s uaia carroca em ineio uo para
cavallo.e um trepador de coqueiro e dendezeiro :
na loja de calcado :i. 22, ra larga do Rosario.
K
Doei-s, fnietas e flores
Ra da Cruz n. 1J.
Sorvele todos os das, das 11 h iras ero dianto, c
lodos os sabbados haver de crome.
Ve.ude-so
a precos modic is vinho t/Vatio, siijurir qoali'
dade, em caixas engarrafado, e barris de qnartos
o de debimos : no escriplorio de Soarrs Primo?,
ra do Vigario n. 9.
D. Urablina Libania de Lemos Gnimaraes agra-
dece cordialmenle s pessoas que se dignaran)
aeorapanhar os restos morlaes de sua mui presa-
da auhada D. Emilia da Silva Gui.naries, e de
novo convida para as;lstirem missa do stimo
dia, que por alma do mesmo unido manda cele-
brar na greja do Espirito Santo pelas 7 horas
Ja manha do dia 6 di currente.
fos Rodrigues da Silva Rucha manda resar al-
gumas missas pelo repouso eterno de sua extremo
sa mai, fallecida ltimamente em Portugal, e, de-
vendo es;e aelo ter lugar no dia 7 do crrente
pelas 7 1|2 horas da manhaa na matriz de Santo
Antonio, convida a sphs parentes e amigos o cari-
do-o obsequio de assistirem a elle._______
itmandade do Senhor dos
Passos na Matriz do Oor-
po Santo.
Pelo presente sao convidados todos os irmos
d'esta irmandade, para reunidos em meza geral
no dia 7 do corrente mez s 4 horas da tarde, pro-
ceder-se a eleicSo dos funecionarios para o futuro
anno.
0 esjrivao,
/. i. L BairCw.
Companliia
DE
Santa Thereza.
De conformidade com o disposto no art. lo dos
estaiutos, sao pelo presente convidados os Srs. ac-
cionistas para reunirem-se em assembla geral no
di fodocerrente aom-ii dia, no lcandar do
edificio n. 14, na rna da Companhia Pernambu-
cana, afim de ser installada a-companhia, e pro-
cader se as respectivas eleieSp?.
Recife, 3 de outubro de 1870.
Justino Jote tle onza Campos.
^ORBCO-
O abaixo assignado, consiando-lhe qui
lem pn-curado descontar lelira de sea acceite,.
nesta praca, previne a toJos, e especialmente ao
corpo commercial, que nao descontem leltra al
guma, oorque o abaixo assignado nao tem ncnliu-
ma.de seu acceite na circulagao, e protesta con-
tra o portador e mais signntirioa d3iaes leltra?.
Recife, ldeo:i:
._______ O l tissnn.
Precisa se de una aun que saiha cosinhar
engommar pira ca do nici familia : .tra-
lar ni rna do Girino u. I |.j>.______________
Alugam ? o l* e 2 an-lar<-s da rasa n. 1 na
rna August rrande familia :
a tratar na rm da Cadeia a. 61 (botica).
I
20 Ra da Imperatriz 20
Acaba de ehegar para a loja de fazndas linas:
dencminada La Ville de Puis, um grande sorii-
ment de fazenias tinas, orno sejatO : corles de
poil de chevro com lisiras iscocezas de nina e du is
saias o qae ha de inais alta novidado, rioas poi-
linas de seda, gtaoadiues, lias escocezas, alpacas,
bareges, ele, ule, e um completo soilimento :iu
chitas, madapoloes, cambraias brancas e de cores,
organdys e cambraia imperatriz, e ou.ras muitas
fazendas, tudo do que lia de melhor oeste nieva-
do, que tudo se vender o mais barato riossivil.
Chamamos a allncao do bello sexo que qnlztr
andar na moda, e ao mesmo tempo esperamos a
sua pr. i te ce.au. Manda-so levar e 11 casa du
Exmas, familias todas as fazendas qae aos pe<
direm.
20-RA DA IMPEtUTRlZ-iG
Farl & Lessa.
A 5^000.
Vende-se botinas pretas e de cores, obra muito
boa, pelo diminuto preco de 3 : venliam bem
contienda loja de miudezas da ra da Cadeia nu-
mero b'O A.
A 84000,
Vende-se borzeguins francezes, obra gaspiada e
muilo boa, pelo diminuto preco de 8.-5 ; venliam a
elles, antes que se acabera : a ra da Cadeia n.
50 A, loja de miudezas.
bom e barato
Ra do Gres o n. 20.
Vendse chitas escaras a 200 e 240 re. o co va-
do, claras miadas a 200 e 240 rs.o covado, algoda
esclado, 4 palmos de larpura, a 00 rs. o cova-
do, pega dealgodlo de 20 jardas a 35, pica de
madapolao a 3|,cambraia lisa 8 I| varas a 38(>0 a
peca, cambraia vieloria fina n. 14 a 4800, atoa-
lliado 2 largaras a 2*400 a vara, lencos de seda
da India a l280 : na loj.i do Guilherme.
Grande pechinchaT
Ricos cortes de cambraia bordados com 10 varas
a 71, alpacas e lias de cores a 400 e 500 rs. o
covado : vende se na ra do Duque de Caxias n.
19, loja de Leite, Pontes 4 C.
propriedadet
conservadas
co todo o cui-
dado, em todoo
frasco, segaran-
te peffeiBaen-
te paro.
Este oteo ten
sido subatttitlo
a am exame
mui tose vero, pelos chimicos de mais tale-a
ot, do governo hespanhol em Coba,foi de-
vulgado por elle e con tem
MAIOR POR(^0 D'IODINA
do que outro qualquer oleo, qae elle lea
exam>nado
I0DIN0 E'M PODER SALVADOR
Em todo o oleo de ligado de bacalho,
e naquelle no qual conten a maior porrao
d'esta invaluavel propriedade o oni<:o
meio para curar todas as docncas de
GARGANTA, PEITO, BOFES, FIGADO.
Tsica, bronchites, asma, catarrno, tosse,
resfriament03,etc.
Uns poucos frascos d carnes ao maito
magro que seja, clarea a vista.c d vigor a
todo o corpo. Nenhum ontro artigo co-
nhecido na medicina oa sciencia, di tanto
nutrimento ao systema e encommodan'o
quasi nada o estomago
As pessoas cuja organisaco tem ?do
destruida pelas alTecres das
ESCRFULAS OU RHEU.MATISMO
e todas aquellas cujadigestao se acha com-
pletamente desarranjada.devein tomar
O OLEO DE FIGADO DE BA&LIfAO
DE
E,annia- A Ke_ia>,
Se que desejam ver-selivres t exepisDi
de enfermidades
jabneles daletrao.
Ue Antonio Noves de Cutro.
Este acrcditido preparado, qne to b-* \
acceitagao tem merecido nesta provincia,
muito se recommenda para cora certa d*s
impigens, sarnas, castas, coceiras, e todas
as molestias do pelle, sendo ainda prehai-
vel para a barba, outro qualquer ab-
nete.
nico deposih do verdadeiro, na pbar-
nacia edrogaria de Carlho'.ime.) *',
"ua larga do Rosario n. 31.
CHHCOLATE YF.UMll-'i:<0 DR ANTONIO NE-
V DE CASTRO.
Este acreditado preparado, q :e 09 boa
acceitacJo tern merecido cesta pren
muito se ncofMBenda para cora (ama
eflicaz das bichas ou onibr; r .
criaucas como era pessoas
nico deposito na pharmacii o drogara
Je Barllio'omeo d- C. ra Idiya >!> .sa-
rio n. 34.
Multa attenco
O Campes da ra do Imperador n. 28 ii-afc
de reteber em sen anaaien, urna .lMaie
ment-w de Imrlalica que passi a
qaafadades a pre(o9.
A Utx r:
De salsa, a GO nis a oit.iva.
no cocmi", fdaaw.
De repplbo, ideie.
D- errflbas brancas, i (fl I
De ditas tortas ronxae, i I 00 ni.- t
De braeolae, a 60 rci a oitava.
De pepinos, tiem.
D> f.-ijin ervjlha ;..;,:: de r b, \( t Hbff
Da di| lem.
rs. di ni
De dito irr tu (rfliiga, .!
De ton o r.is a iil
".nos para gr, a '. o 2 tra.
De fJil'i'de 7 annos roso, id
De espraifres, a ti rs. a (iva.

s
R
AESMERAUU.
A antiga loja de modas fraecezas FS-
MEIULDA, ra da linperalrtz 11. 5, avi-
sa s ilustres familia- que a Uem honra-
do com a sua conlianca, qne opera nm |
bonito sortimento de enfeiles Ai* ultimas w
moda?, man lado vir de Franca, que, !
em virlude da guerra qae asiou artnal- |
mente aquelle paiz, tem retarda remessa. Eatn tanto em qnanto nao cheja !
tsse sortimenti, recebern-se eicomaen- 1
das para preparar veuilos vestuario- pa- I
ra ba plisad os, bom co-i-o tod-i que for '
tendente ao adoruo do bello seso.
O proprifliriu deste esibelecmeo:o es-
pera que o respeiuvcl publico conlinnaf
hnralo com a .na valiosa proteo;*) e
confianza, ce< to de que serio emprc'gatk *
todos os e furtos para bem srvi-lo.
que admira!!!
Tarlatana de cores a 400 rs. o metro, madapolao
francez a 61 a pe^a, c les de lita com 14 covados
a 34, eassas de cores a 240 rs. o covado, chitas
escuras a 2i0, 240 e 260 rs. o covado meias para
senhora a 3J a duria, alpacas de cores a 400 rs. o
covado, lenCM brancos embanhados a 3* ^ dozia,
cretone proprio para lencas a 1*200 o metro, de
loda estas fazendas se do amostras : na ra do
Dmjue de Caxias, antig do Quiimado, o. 29.
tu
um terreno na Cipunga, na melhor loealda.ie,
j com alicerce para ndilkar urna easa com 40
palmos de fren'e : a tratar na ra da Moeda a.
J9, desde as 9 horas ao meio dia.
Vende-se uraa relinaeij com tod-os os seus
11 jes, ern muilo bom estado, pi,i
pr^ce : quem pretender dirija ss na n;va de
Hita 11. 48, que dedor.
queni .; o ven
Calcados ingleses
HSKOKtt'Hnni MM
Ol^o de ricino
Vende se oleo de ricino: na rna da Cadeia ve-
lha do Recife n. 1,1 andar.
Vende-se a taberna sita na roa da tal
Cruz n. 1, bem atrarneuda para a trra ; a ce-
sa tem bous commodos para tamrt m
pendente por ser de es loina : a tratar aa ra de
Rosario da Boa-vista n. 38
Vende-se,
A taberna sita no bicco das Carvilhas u 1.
quina dt ra da A- a tralar na inssmi. O ontivo da veoda se rlira a*
preiendente e casa tem cmame*! para familia.
urna casa na ra d > Aljnbe a. f een
modos, tendo a sala da frente eom ora w
lado, 6 quartos, sala ajname, eoziahs,eiua
de terraco, Da c Jade de Oiinda : a tralar aa na
da Moeda n 39, desde as 9 horai a awio oa.
AcgOes da esrradi de fSi
<1e inda#
Vtnde-se 2j aefies : na raada Cruz a. Si
mazi-m.
B01/.
hoir.em a 7#500 e
Ja ra da Cruz u
nareli
aos:
r

I

ta
l
Na 111
se nm iiano de .
coniinodo : a tratar ai


Diario de Peinambuco Quarla era 5 Je Oulubro de 1870

I
i
1
,'
GRANDE
^-'
BAZAR DO PAV
60-RA DA MPERATMZ-60
PEREIRA DA SILVA & C.
Neste impc ranle estabelecimento encontrar o respeitavel publico, um grandee variadosortimentode fazendas domis
aparado gosto e todas de prrmeira neosssidade, que se veodem-jnais baratas do qoe era outra qualquer part, visto qoe os no-
tm socios desta firma, adoptaram o systema de s venderem DINHEIRO ; para poderem vender pelo costo, limitando-ge apenas
a gaabarem o descont ; as p.essoas qoe negociara era pequea esca'a, nesta loja e armazem podero fazer os sens sortimentos
patos mesmos pregos que compram as casas inglesas, (importadoras) e para maior commodidade das Exmas. famllas se dao
amostras de todas aa fazendas, on Ibes levam em snas caas para escolheiem.
PECHINCHA EM CASHHRAS A 40OOO. CORTES DE LA ESCOCEZES A 65000
No Bazar do Pavao fe-ae ama grande Vende se bonitos cortes de lea escocesas,
oampra em nm leilo, das mais finas jindo cada om em sea papel, pelo barato
casemiras inglezas qoe tem vindo a es* preco de 65000 cada nm; no Bazar do Pa-
to mercado, tendo cores claras e escaras, rao.
todas cotn padroes serios, proprios para ORGANDYS BRANCO E DE COR
oleas, palitos e colletes; vende-se a 40000 No Bazar do Pavao vende-se os mais
covado, o qoe em ontra qualquer parte bonitos e mnito finos organdys com listas
nao se vende por monos deW; grande largas e muidas i5000 a vara, ditas lisas,
vantagem. fazenda de maita pbantasia 800 rs. a vara,
WUiSS DE LINHO DE COR A 1*200' ditos d cores, finissimes padrn, ioteira-
No Bazar dn Pari, fez-se orna grande mente novos 800 rs. i vara; pechincba.
compra de puros brins de linbo, mnito en- GROSDENAPLES PRETOS
Gbegon para o Bazar do Pavao om gran-
de
corpados, proprios para calcas, patitos, col-
tetes e ronpas para meninos, por serem de
padroes miudinhas; garaote-se qoe nio ba
barrella que lhe tire a cor, e vende-se a
41200 o metro desta excellente fazenda.
ADAPOLAO FINO A 65400 A PEQA.
No Bazar do Pavao vendem-se pecas de
maadapolo fino de mnito boa qualidade,
tendo 22 metros ou 20 varas cada poca,
pelo barato preco de 65000, por se terem
comprado om pooco enxovalbadas ; pe-
cbmeba. *
CHITAS ADAMASCADAS A 240 RS. O
COVADO
O Bazar do Pavao vende mnito boas chi-
tas inglezas incarnadas adamaccadas, pro-
prias para cebertas e cortinas, sendo fazen-
da qoe emqealqoer loja se vende a 320 rs.
e liauida-se a 240 rs. o covado; s o Pa-
to:
TOALHAS A 75500
No Bazar do Pav5o fez se nma grande
compra de toalbas alcocboadas, proprias
para rosto, bastante encorpadas e grandes,
que sempre se venderam a \l 25000, e li-
quidam-se a 75500 a duzia^ou a 640 rs.
cada ama, boa pechincba.
CHAPEOS PARA MENINOS A 25000
O Pavao vende urna grande porco dos
mais bonitos chaposiohos de palba da ta-
la, proprios pera meninos de todas as Ida-
des, sendo chapeos que valem 55000 e ven-
dem-se a 25000 cada om, muito barato.
CHITAS E RISCADINHOS MIUDINH03
200 RS.
O Pavao vende chitas ou riscadinhos miu-
dichos cor de rosa e rxinhos, proprios
ara vestidos e roupas de creancas a 200
rs. o covado. S3o mnito baratos.
LAS1NHAS COM PALMAS UE SEDA
Chegou para o Pavao o mais bello sorti
ment das mais brillantes laasinbas claras
com bonitas palmioba s, de seda; ten Jo lar-
gara de chita fraoceza e vende-se a 1#0G0
o covado grande pechincba.
ALPAGAS MATISADAS A 640 RS. 0 COVADO.
Vendem-se as mais moderna; e bonitas
alpacas matsadas cora palmiohas, muito
proprias para vestidos de senhora e d3 me-
ninas pelo barado preco de 640 rs. o cova-
do ; sao muito em corita.
PARA NOIVADOS CORTINADOS, COLCHAS.
Chegou para o Bazar do Povao um gran-
de sortimento dos mais bonitos cortinados
bordados, proprios para camas e janellas,
qoe se vendem de 105' 00 at 2053C0 o
par, assim como o melbor damasco com 8
palmos de largura a imitac3o de damasco
de seda, proprias para colcha*, e propria-
mente colchas de damasco, send os melho-
res e mais bonitas que tem vindo ao mer-
ado.
SEDAS PE LISTRAS.
No Bazar do Pav3o vende-se urna grande
qnantilade das mais elegantes sedas com
fistrinhas, tendo de todas as cores e al
frta-rr ; fazenda que ninguem vende por
menos de 25400, e liqaida-se a 25000 cada
covado; sao muito baratas.
SE1INSDE CORES E GROSDENAPLES.
No Bazar do Pavao vende-se um sortimen-
to completo dos melo< res setins e grosde-
naples de todas as cores, que se vendem
muito em conta.
POUPELINAS DE LA A 40O RS. O CO-
VADO
No Bazar do Pavao vende-se um elegan.
fe sortimento das mais bonitas ponpelinas
de 13a com listan miudintias, sendo todas
quasi de ma s cor, 400 rs. o covado ;
9 baratsimo.
GRANDE PE CHINCHA EM LASINHA
A 640 RS.
No Bazar do Pavao fez-se urna grande
compra de lasinha para vestidos, sendo de
mnito b'a qua'idade, ornas com listas e ou-
tras com mselas, e muitos largas, que com
poneos covados se faz vest lo e liquida-se
440 rs, fazenda que sempre se venden a 15.
ALPACAS PARA VESTIDOS FURTA
CORES A360RS.
Venia se om bonito sortimento das mais
brilbattes alpacas escuras furta cores,
sendo muito ene rjadas e tendo um bnlho
como seda, liquida se pelo barato preco de
360 rs. o covado por se ter feito urna gran-
de compra.
POUPELINAS A 400 RS.
No Bazar doPavSo vende-se um elegante
sortimento das mais lindas poupelmas de
fia com os gostos miodinlios sendo quasi
orna s cor e con muito brilbo, pichin-
- cba b 40i>. rs. para acabar.
CHITAS A 2^ RS. O CORTE.
N3 Bazar do Parao vende-se cortes de
chita miudinbas, sendo rocha e cor de rosa,
tendo 10 covados cada corte a 25 vende-se
a re albo a 200 rs. o civado, pichincha.
CASSAS A 290 RS.
No Basar do Pav3o liqaida-se urna por-
c5o de cassas francezas miadas e graudas,
eores finas, qoe se vendem pelo baratissim
sortimento dos melbores grosdenaples
pretos qne tem vindo ao mercado, que se
vendem de 15600 at 55C00 o covado ;
83o todoa muito em conta.
CAMBRAIAS TRANPARNTES
No Bazar do Pavao vende-se nm grande
sortimento das melbores cambraas braceas
transparentes, tem de 35500 at 105000
peca, ditas suissas finissimas com 6 pal-
mos de largura a 25000, 25500 e 30C0
vara, ditas victorias e tapadas da mais infe-
rior at a mais fina que vea ao mercado;
tudo isto se vende mnito em conta.
MANTELLETES DE FIL
No Bazir do Pavao vende-se modernissi-
mo3 mantelletes ou basqoinas de fil preto,
om Jaco, pelo barato preco de 105000 ca-
da nm, barato.
PANNOS PABA SAIAS A 15000, 15280 E
15600 O METRO
No Bazar do Pav3o vende-se bonita fazen-
da branca (ncorpada para saias, sendo com
babados e pregas de nm lado; dando a lar-
gura da fazenda o comprimento da saia, a
qual se pode fazer com 3 ou 3 lr2 metros,
e oende-se 15000 e 15280 e 1600; assim
como tambem no mesmo estabellecimento
se vende bonitas saias brancas bordadas ten-
do 4 palmos cada urna, ditas de 13a de
corea j promptas urnas com barras dlffe-
rentw, da mesma fazenda 4500 e outras
com barras bordadas 650O0 e 75000,
tudo isto moderno e barato.
ALGODO ENFESTADO PARA LENCES.
No Bazar do Pav3o vend-se o melbor al-
godo-inho americano eDfestado p-ra len-
ce?, tendo liso e eutrancado por preco
muito barato.
ESPARTILHO.
No Bazar do PavSo recebeu-se um elegan-
te sortimento dos mais modernos e melbo-
res espartilhos, que se vendem por preco
muito em conta.
PANNOS DE CROCH PARA CADEIRAS
O Bazar do Pavao recebeu um grande
sortimento dos melbores pannos de croch,
proprios para cadeiras de bataneo sofs,
pianos, tamboretes e at proprios para cu-
brir almcfadas e pratos; vendendo-se por
menos do que em qualquer parte.
Laasinbas trasparentes a 500 rs. o corado
O ?av3o recebeu um bonito sortimento
das mais elegantes laasinbas trasparentes
proprias para vestidos, que vende a 500 rs.
o covado; moito barato.
PARA LENgOES
No Bazar do Pavao vende-se so)eror
bramante d'algodo com 10 palmos de lar-
gura a 15800 o metro, dito de linbo cora a
mesma largura a 25800 cada metro, pannos
ds linhodo pertocom 3 1/2 palmos de largura
de 720al 15 a vara, assim como umgi ande
sortimento de Himburgo ou creguellas le
todos os nmeros, precos ou qualidades,
que se vendem mais barato do qoe em ou-
tra qnalqner parte; aproveitem-
ATOALHADOS
No Bazar do PavSo vende-se superior
atoalhadg trancado, com 8 palmos de largu-
ra a 15600 o metro, dito de linbo adamas-
cado o melhor que tem vindo ao mercado a
35500 o metro ; tudo isto muito barato.
Baldes reguladores a J5000 45500 e 5500 i)
Cbegaram ao Bazar &> Pav3oo mais bem
feitos baloes reguladores, sendo de fustSo
a 45000, ditos de musselina a 45500, di-
tos de laasioha de todas as odres a 55000,
todos e.'les sao mut'to baratos.
CAMISAS DE ERANELLAS A 35500.
No Bazar do PavSo vende-se nm bonito
sortimento com todos os tamanhos das me-
lbores camisas, de flanella de 13a, com
mangas tanto proprias para bou ens como
para senboras e vende-se a 3OO0 cada
urna, e quem comprar de meia dozia para
cima ter om abalimento, S3o de omita
otilidade.
firaioe peebKfca nisi ngtoaa a 4 45500
No Bazar do Pavao fez-se ama grande com-
pra em leilo, de finissimas camisas ingle-
zas com peitos e puniros de lioo, sendo
com collarinhos e de todos os nmeros a
450OO cada urna, ditas sera co latinos,
portal fazenda flobsima a 45500; gran-
de pechincba.
CAMISASBARATAS a25800, 350CO e 25600
No Bazar do Pav3o vende-se urna gran-
de porc3o de casemiras mescladas, muito
encorpadas a 25800, ditas finissimas com
msela de seda a 35200, ditas modernas
de quadros, fazenda de moito gosto a
3600 o covado; aproveitem.
TAPETES
Chegou para o Bazar do PavSo o mais
elegante sortimento de tapetes grandes, pa-
ra sefs, com 4 cadeiras, ditos mais peque-
nos, para doas cadeiras, ditos para
pianos, camas, portas ; etc. vende-se por
menos do que em outra qual juer parte.
COLCHAS BRANCASA 35200,35500 E 75
Para o Bazar do PavSo chegou um gran-
de sortimento das melbores colchas do fus-
tao, s ndo das melbores e maise corpzdas
que tem vindo, a 750O', ditas nm ponco
mais abaixo a 55500, c ditas a 35O0O;
tambem no mesmo estabelecimento se ven-
de um grande sortimenti de cretones chi-
t-s, proprias para colchas, que se vendem
muit. era conta.
GORGUHES OU POUPELINAS DE SEDA
A ?5000 CADA COVADO.
Cheg.u para o Bazar do PavSo um ele-
gante sortimento das verdadeiras ponpelinas
de linbo e seda, com os mais modernos
gostos, que se vendem a 25000 cada < ovado,
o que em outra q alquer parte nao se ven-
de por menos de 25500, previne-se que cao
s3o algod3o e seda, como ha muitos; mas
sim puro linbo e seda ; sao muito baratas.
ROUPAS PARA HOMENS
No accreditado Ba^ar do Pavao encentra-
r o respeitavel publico um grande fcorti-
meoto de roupas para bomens tanto fran-
cas como de cores, a saber:
Camisas com peitos d'algodo e de linbo,
para todos os precos e qua'idades.
Ceroulas de lioho e algodSo.
Meias cortas francezas e inglezas.
Palitos* sobrecasacos de panno preto e
casemira.
Calcas de brim branco e de cores
Ditas de casemiras pretas e de cores, com
colletes iguaes
De todas estas roupas ha para todos os
precos e qualidades, e tem de mais mais
um perito
ALFAIATE
Por quem se manda fazer com prestesa
e aceio qualquer pega de obra a capsicho
ou gosto do freguez, tendo n'este importan-
te estabelecimento todas as qualidades de
panno fino, as melhores e mais moder-
nas casemiras, assim como os melhores brins,
qur brancos, qur de cor; e qnando qual-
quer obra nao ficar inleiramente ao gosto
dos fregnezes fica por conta do estabeleci-
mento.
CHALES DE MERINO
Chegou para o Bazar do PavSo nm elegan-
te sottimento de chales de merino de cores
muito bons com padroes muito decentes
para qualquer urna senbora usar, ditos de
crpen com listas de seda o mais fino e
moderno que tem vindo ao mercado, e ven-
de-se por proco muito em conta.
BABAD1NHB
No Bazar do Pav3o vende-se nm grande
sortimento dos mais finos babadiubos borda-
dos tapados e transparentes, assim como
urna grande porc3o de entremeios largos
A Vota sp0r&iKjB.
i- Raa |i xlss1
Qnandoi IO NCA La os seos
anuncios tpnd' :s freguezes e a
todas en ade iortimeoto e su-
perrordffl fieiena dbjectos n3o 6 ccrmMa-
tas de atf'air a attenCSo do urna grande fre-
guezia, como a de que actualmente despe,
e sim para scientificar (a interese de todos)
a qaalidade de seus objectos os qoaes s3o
sempre do apurado gosto e perfeicfio; tor-
oando-se qoasi iadispensavu para aquellos
apreciadores (do bom) frequentarem a No-
va Esperanca, pois qne ella caprieba em re
ceber constantemente, o qoe ha de melbor
relativamente a sua repartido: o qne se pe-
der verificar qnando em qualquer reuniao
de pessoas (amantes do xique) v-se um
bonito enfeite em um bonito vestido, um
aroma agradavel escapar d'om alvo lenco,
om moderno e linde laco, om dilicado ra-
mo de finas flores, ete, etc, lodos olham-se
reciprocamente e dizem com sigo (e as ve-
zes uns aos outros) estes sao objectos
comprados a NOVA-ESPERANCA: realmen-
te III! procurar descrever em annuncios os
artigos que contem dita loja, seria trabalho
insano e nunca o faramos com aquella
graga e perfeigo com qne sao elles fabrica-
dos, assim pois a NOVA-ESPERANCA con-
tenta se em convidar a todos geralmente,
visitarem-na para entao ficaram intei-
rados do que ha exposto na mesma loja.
i Rqta Duque de Caxlas*l
NOVIDM

Panno preto mnito barato a 35600
O Bazar do Pavao recebeu urna grande
porcSo de pecs de parmo preto fino, com-
pradas em leilo, qoe sempre se vendeu a
55000 o covado e pode liquidar a 35600,
por ser urna excellente compra,
BAREGES A360RS.
No Bazar do P^vo vende-se um bonito
sortimento dos mais lindos bareges lista-
dos para vestidos, que valen muito mais
dinheiro e liquidt-se a 300 rs, o cova-
do,'ditos muito mais finos com listas a 400
rs, estes bareges sempre se venderam a
640 e 800 rs., grande pechincha.
GURGUROA640RS.
mnito
ontra
No Bazar do PavSo vende-se um bonito
sortimento dos melnores gurgures de 13a
para vestidos sendo urna linda fazenda,
muito leve, meia transparente e muito lar-
ga com furta cores e liqaida-se a 640 rs.
o covado por se ter foito grande pechincba
na.comprj.
COBERTAS A 35
Vende-se cor>ert adamascada a 35 cada nma, pechincba.
CORTES INDIANOS A 45500.
Jfo Bazar do PavSo vende-se bonitos cor-
tes indianos com duas saias pelo bara-
tissimo preco de 455*0 cada um, pe-
estreitos, qoe para acabar se vende
em conta e mais barato do que em
qualquer parte.
FAZENDAS PARA LUTO
No Bazar do PavSo vende-se constante-
mente o melbor sortimento de fazendas
pretas para lato, cono sejam :
Laasinbas pretas lisas.
Cassas pretas de lia.
Cassas pretas, francezas e inglezas, lisas
e com salpico?.
Chitas pretas de todas as qaalidades.
Alpacas pretas lisas.
Ditis lavradas com branco.
Merinos, cantees, bombazinas, que so
vendem mais barat j do que em outra aual-
quer parte. *
CHITAS PRETAS A 200 RS. O COVADO
No Bazar do PavSo vende-se chitas pre-
tas oRlezas com salpicos 200 rs. ocovado,
ditas tcJas pretas, por estarim om pouco
russas, 120o covado; pechincba.
Os proprietarios d'este importante esta-
bellecimento rogam ao respeitavel publico e
particularmente s Exmas. familias o favor
de se darem sempre ao trabalbo do lerem
os seos annancios, pela raz3o de muitos
d alies serem modados amiudadas vezes
CACHE-NEZ A 65O00.
No Bazar do PavSo vendem.se bonitos e
grandes cachi-nez de pura I5a, pelo bara-
to preco de 65000 cada nm,
proc' de 200 rs. o covado para acabar. | chincha.
O Bazar do Pavao sita a ra da Imperatriz n. 60, esta* constantemente abert o
H das 6 horas da manlia as 9 da nonte.
Cal de Lisboa.
Vrnde-se cal de Lisboa, a ultima chegada ao
mercado, por preco raaoavel : no armazem de
Manoel Teixeira Bastos ra do Gommercio n. 13.
Chapelinas e chapeos
para senhoras, loja da Turqueza acaba de re
ceber excellente sortimento.
Basquinas
mnito nov?s e de bom grs de aples : na loja
da Turqueza.
Cintos.
de veludo e de seda, variado sortimento : na lo-
ja da Turqueza.
Camisas bordadas
variado sortimento : na.lr.js da Turqueza roa do
Barao da Victoria n. 9, (antiga ra Nova).
Punhos e gollas
de veludo para senhora : na loja da Turqueza.
Qnando a AGUIA BRRNCA, mais precisa scientificar ao respeilaTt
feral, e em particular a sua boa fregoezia, da immensidade de objectos qoe i___
te tem recebido, josUmcmtefqtnmdo ella menos o pode fazer e porque e&sa falta I
lontaria ella confla e espera na benevolencia de todos que lh'a attenderao e rek
continuando portante a dirigirem-se a bem conhecida leja da AGUJA BRANCA na de
Queimado n. 8, onde sempre acharao abundancia em sortimento de superioridadb
qualidades, modicidade em precos e o seu nunca desmenttido AGRADO E SINCERIDAK
Do que cima fica dito se connote qne o tempo de qne a AGUIA BRANCipde
dispr, empregado apezar de seus custos no desempenho de bem servir a aquellas OM i
bonram procurando prover-se em dita loja do que necessilam, entretanto sem en
rar os objectos que por sua natureza s3o mais conhecidos ali, ella resumidamente j
cara aqnelles cuja importancia, elegancia e novidade os tornan, recoaunenavna,
bem teja :
Gorpinhos de cambraia, primorosamente
enfeitados com fitas de setim e obras essas
coja novidade de molde e perfeicSo de ador-
nos os tornam apreciados.
Fitas mni largas de diversas cores e qaa-
lidades para entes.
Laques nesse objecto mnito se poderia
dizer qnerendo descreve-los minuciosamente
por suas qualidades, coree e desenhos, tal
o grande e variado sortimento que acaba
de chegar, mas para n?o massar o preten-
dente se lhe apresentar o que poder de
melhor.
Entremeios em pecas de 12 tiras.
Guipure branco e preto de diversas qua-
lidades e desenhos.
Ditos de algodlo com flores e lisos.
Yos de seda para chapelinas e monta-
ra.
Meias de seda para noivas.
Ditas abertas de fio de Escossia.
Costones on uniformes para meninos.
Enxovaes completos para baptisados.
Touquinhas de fil, sapatinhos bordados
e meis para ditos.
Camisinhas bordadas para ditos.
Capellas brancas para meninas.
Grandes sortimento de florar finas.
Fil de s eca, neto.
Grand
sempte
Lindo
Caixin
Bonito
para circular o /
Bonitos brincos de pijqne..
Aderecos e brincos de madrepero*
Caivetes finos para abrir latas.
Tbesooras para frisar babadinhos.
Aspas para bailo.
Novos storeoscopos con 48 viataa, aa
quaes b3o movidas por nm machines*
urnas substituen as outras.
Vistas para stereoscopos.
Bonitas caixinhas de vidro enfeitados i
peoras.
Ditas de raadeira envernisada
ras e com dminos,
Bollas de borracha para brinquedo da
enancas.
Diversos objectos de porcelana, proprios
para enfeites de mesa e de lapmbaa.
P3
pon
Farinha de trigo um pouco avariada para por-
eos, bois, galinhas, etc., etc., a o a barrica com
6 arrobas^ assim como tambem serve para pada-
ria por nao estar moito estragada : na ra do Li-
vramento n. 36, armazem Baliza.
CHUMBO VELHO.
Vende-se chumbo velho : no armazem da bola
amarilla no oite da secretaria de polica.
A
autA ESPIRAACA
A ra do Duque de Caxias n 21.
(ANTIGA RA DO QUEIMADO)
Receben seguinte:
Epelhos grandes dourados, moldes bonitos.
Carteiras, charuteiras e porteigarros de mu^
qualidades.
Bonitas pastas para papis, simples e matisadas.
Boas caixas vastas para costura com sua compe-
tente chave.
Delicadas canelas de marflm com o bocal de
prata.
Modernos pentes de tartaruga, sobresahindo en-
tre elles os mimosos telegraphistas.
Commodoj toucadores com duas gavetas e boro
esp'elho.
Port bouquet, o que de melhor tem appare-
cido.
Port relogios de muitas qualidades.
Bons talheres para crianzas.
Vostuarios, cbapozinhos, toucas, sapatos e meias
para baptisados.
Toalhas e fronhas de labyrintho.
Chapeos e chapelinas para senhora, moldes novoi
e bonitos.
Chapozinhos gorros e bonets para meninos
meninas.
Contra as convulsoes as
criancas
Vende-so os verdadeiros collares na Nova Espe-
ranza, ra do Duque de Caxias n. 21.
PARA UNGIR CABELLOS
para pretos ou castanhos, recebeu a Nova Espe
ranea a verdadeira tinta Ingleza.
PARA ACABAR COM AS SARDAS
ou pannos, tem a Nova Esperanca o verdadeirc
leite de rosas brancas.
AGUA DE FLOB DE LARANJA.
Vende-se na Nova Esperanga, ra do Duque de
Caxias n. 21.
PAPEL PARA EXFEITARSE BOLOS
recebeu-os muito lindos a Nova Esperanca, ra
do Duque de Caxias n. 21.
PARA AMAClAR E AFORMOSEAR A PELLE
tem a Nova Esperanza es sabonetes de pos de
arroz. ______
Calcados estrangeiros
Grande sortimento de calcados de todas as qua-
lidades para horaens, senhoras, meninos e meninas
pelo preco mais razoavel do que em outra qual-
quer parle : na loja de calcados da sobrado ama-
relio da ra da Cruz n. 21.
siianMiHKsamnra mnanswsiKiamwwi
[1 0 CflUAl 9E BOBtt
[V. 3 A RU4 DO CARICA fM. 54. f
Com este titulo acha-se aberto e inleiramente transformado este antigo
estabelecimento de joias, onde os freguezes e amigos encontrarlo todo qoanto
a moda e o bom gosto tem inventado na arte de onrivesaria, o Collar de Ouro
observar delicadeza no trato e senciridade e modecidade nos precos.
Espera qne o respeitavel pnblico venha ver o qne existe de melhor em
aderecos de brilhantes, esmeraldas, robins o perolas, meios aderecos, pnl-
ceiras, brincos, alfinetes e anneis de todas as qualidades, prata de lei faqoei-
ros, colheres, paliteiros salvas e outros muitos objectos que seria enfadonbo
mencionar.
Compra-se ouro, prata, brilhantes e pedras finas, pormaior preco do
que em outra qualquer parte, troca-se e concerta-se todo e qnalqner objecto
pertencente a esta arte.
GRANDE IIIIDAlnf
Lourenco F. Mendes Gnimares
BA DA IMPEBATBIZ N. 72
Tendo resol vi do o seu propietario liquidar todas as fazendas existentes as loja
Garibaldi e Arara, convida ao respeitavel publico, amaste da economa, visi'jrem a
loja da ra da Imperatriz n. 72, pois s deseja apurar o dinheiro.
Arara vende madapol5o enfestado a 3$00, Para liquidar vende bramante de -
a peca, ditas de 21 jardas a 5,3000, 6#J00, nho e algodo a U800 o metro, dito de
65500, 70O0, 8/J000, 93000. e 100000.
Vende-se cortes de casemiras de cores
para calcas a 45000, 53000.
Para liqoidacao vende-se algodo de lis-
tras proprio para calcas, camisas e saias
para escravos a 160 rs, o covado.
Na ra da Imperatriz vende se chailes de I dos a 25500,25800 e 35200 o
merino estampados e de barra a 25000, liquidar.
23500 e 35C00.
linho paro a 25S0O, esta fazenda pro-
pria para lences e toalhas por ter 10 pal-
mos largura.
Vende-se cortinados para cama fpnraxj
a 15i00 o cortinado para liquidar.
Arara vende cortes de chitas para ve**-
para
Arara vende cortes de casemira preta
para calca a 35500, 45000. 5k 00, 65000,
73000, e 83000.
Para liquidaco vende-se brim pardo liso
bom a 500 rs, o metro, dito transado a
720, 900, e 15000 o metro.
Para a cabar vende-se duzias de lencos
brancos de cassa a 23000, e 33600, ditos
de linho a 55000, 63JOO.
Na ra da Imperatriz vende-se cobertores
de algodo a 15400 e corberlas de chita a
15500.
Para liquidaco vende-se cortes de casto-
res para calcas de homem a 500 rs.*
A Arara vende chitas largas para vestido
a 240, 280, 320, e 360, rs. o covado.
O barateiro vende percalas finas para
vestido a 440, rs, o covado.
Em liquidaco vende-se alpacas para ves-
tidos de Sras. a 500, rs, o covado.
A Arara vende lazinhas para vestidos de
Sras. a 320, 400 e 300, rs, o covado.
OGuimares vende mursulina de cor
para vestido de Sras. a 440 rs. o covado,
dita branca a 500 rs.
O Menles vende fustao de cores par-
vestidos de senhoras a 360, o covado.
O Lourenco vende cassas finas para ves-
tidos 240, 360, 400 e 440 rs. o covado.
Arara vende alpacas de lista para vesti-
dos de senhoras a 500 rs. o covado, ditas
lisas a 500 e 640 rs. ocovado, ditas "matisa-
das a 640 rs.
Vendeo se cortes de cassa a 24500 o
corte s na liqnklagao a da imperatriz.
Vende-se cortinados para janellas a 6J
a peca para liquidar.
ECONOMA
Vende-se duzias de collarinhos da pa-
pel a 240 rs. para acabar.
Arara vende laasinbas transparentes par
vestidos a 500 rs. o covado.
Liquidaco, vende-se parapeito liso i
25200, 25500, 35. 35500, 45, e 55, pro-
prio para calsas e paiits (.or ser boa fa-
zenda e barato.
Arara vende cortes de brim para ca-
sas de homem 15500.
Vende-se cortes de pecalas de duas saiai
para senhoras pelo barato preco de a 6#.
cadaum.
Grande liquidaco de ronpa feita.
Vende-se palitos de alparca e de corsa
a 23.
Vende-se ditos de ganga para homem
a 25.
Vende-se ditos de brim de algodo rau-
cos a 25.
Vende-se ditos de meia casemira a 24
Vende -se coletos de brim de cores a !#
Vndese ditos de meia casemira a 2#5rjC
Vende-se calcas de algodlo azul a 500 n.
Vende-se dita de algodo de listras a 800ri
Vndese ditas de brim pardo 23, l#60C
e 25500.
Vende-se calcas de casemira da cora
a 6585.
P ra exames.
TRADUCCO INGLEZA
DOS
TBECHOS CLASSICOS
POR
C N. PALMER,
,,o Ry4*000.
HVRAR1A FRANCEZA.
Libras sterlinas.
Vende Joaqnim Jos Ramos : na ra da Crtu
n. 8,1" andar.
Farinha da trra
mnito superior, depositada em barricas, no arma-
zem do Sr. Angelo Bap lista do ascimento, ao p
do eaes dos rapores no forte do Maltes; vende-se
aos alqueires, a tratar com Bernardo Jos de
Araujo no armazem do Sr. Annes defronte da al-
fandega._______________________________
CHEGARAM
GAZ 6AZGAZ
Chegon ao antigo deposito de Henry Foraur a
, roa do Imperador, om carrefameclo a pi
ie primeira qualidade; o qual ae rende em pwtidM
i a retal ho por menos pre^o do qne em on fiaN
Toer parte.
Especialidades.
Continuam a achar-se a renda na ra Di re la
laiiTAneos apeneiqo-1 oediog da ve|ame e ontros irm< mrtmm
tos feilos em Paris, bem como o jaropee ie eo-
deina de Berthe, de rbano iodado, de iodurtla de
ferro de Blancard e as pillas do mean, pertora'
de cereja, pos de Ro, depnraiiro de ChaMe,
digital de Labellony, plalas ou coofeitos mutho de Chevrier, e ontros medicaroenks cada
profleiencia quando empregados as doeagat das
rias respiratoria1', as dores rheumatieaa, a*
amarell ido, na falte completa on irranlaridade
de menstruo, as diarrheas, doeo^as do roraeio
e do estomago, tem sido e ineonteaUrsI, tai
vista dos beoefleos resultados das experiaNMafSca
an noo que diversas pescas deites teem fcrn, aa-
sin tomo das oiiulas daaonaaadas brarit-m -
oomparareis em sna efflcacia nos MMimiaataata-
tos febris on setes; exirtada temkem aa mtaau
casa, aim de snflleiente qnaatfdade de drofaa.
im alo atajea tiiHiaate 4a ataa, oleo da aV
jMoa o pines, que se renden por meos ma oatra parta.
ados por pre do: na rna Nora n. 28, loja de
Antonio Pedro de Souza Soares.
Bombas completas para ca-
cimba, por diminuto preqo, na
mesma casa.
Cigarros da imperial
fabrica de S. Joao
de Nictheroy.
Uaico deposito em Pernamboco faes 4a alfrt*
lega ralba n. J, i* aula.


i
(
I

I
Lf **

,

Ruarla eira 5 de Outubro de
As
Linda
.IISKH.
Sahiram luz
ras em
Jos de Souza Soares & C.
rua no inicio da \itorii
,4npao HJWORA NOVA)
XK'nJrS. ,vll0ZM(du ne P^e haver de mais helio o agradavel ein fa-
parahomens !"!!? "^ *" ^ 6t ParS U", Para SW1wraS COffio
ain^eTrL^oSwa Bjj" "^ "*** ,indS ^^^P^^-
- ... GRANDE SORTIMENTO
beis crSponden'es!C Pf ldS S p3qUCtS V"J da Eur0Pa aonde tem ba"
^m a^nv?ml tlm-?nl!k ? naada-se por em pregados do estabelecimonto fazendas
-m casa das hxms^jan^liaa aim de melhor escolberem o que desejarem.
5=
)J\
II
contradanza.
3 pol
- venda no grande ar-
\nlln (IIP,ITS e ninsicas de Azevelo, ra
i! d ', h'je rua do Bsr3 d Victoria,
rJ"' Ilogase ato 8r!!- asigna ates de miada-
reni basar as pecas de suas asignatura.
Uiiaias publicantes da imprensa nacional
di? musir. WHI
snfoh!; Son: ***polka Mfct-uv iCT
N. J p,ano. Minerva, polka brilhante, por Colas
rilliO, i.
N.JI. Piano. Chijo Diabo, polka brilhante, por
*, 500. .
*S&&*^ ******>
.''1 j\|,,ano- Mor,e l,e '-"Pw. polka marcial, por
N. 6. liM, L* Grande Duches?, polka por La-
clen LamBert, ig. K ^
N. 7. Piano Carmwi, Anita, La Plavera,
kas dos cavallinlms, l '
w!al!SZJS &'venir' va,se de sa,0D' po
vafinLTU000a,Dha' MaWea 2 *"" do6 Ca"
CaMuSaji"* ChaM D'50anX' Plka' ***
p N. 12. Ligrimas d'Aurora, Mazurka, por J. J.
N. II A estrada de ferro, quadrilha, por Ilen-
nque Albcrtazii, t. F
N. 14. Canto. Santa Lucia, barcarola napoli-
tana, por Griuuro Arnaud, Ig.
N. 15. Canto. Mana Aria, pira M. S. M' aqq.ui
tutl amor, de Flotow.
^ t6;/8 ruas em co"tradanc, quadrilha, por
Colas Fimo, Ig. r
T6SDBr~
O Costa, proprietario do armazem da Pedral
Marmere a rua das Cruzes d. 42, offereco por di-
nheiro contado o que fe melhor iia no mercado
por ter recebido martos dos gneros descrilos
pelo ultimo vapor. *
iHorialices para sopas denominadas Julrenne atie
^ubstitue perfeitametie as mais 'frescas erva '
'Queijw (laineogos o quo de melhor se pode de-
- cjar & 5gUuU.
,.25?* de dofe de ?0!,ba 1*0. I#500 e-a
1*800, di lo em latas a 2 e 2*500.
A verdadera farinln americana vinda de coma
propria a .120 rs. o maco de urna libra.
Velas stearinas a 6iu 0 maco.
Bolachinhas de todas as qualidades e dos ree-
inores fabricantes.
Ervilhas francezas e portugwzas.
Uvas a 13 a libra.
Vmho de todas as qualidades.
Farelo de LMwa desembarcado honlem, em
saceos grandes, a &.
Carn) do sertao muito nova gorda.
(jaeijjs dfl anana, ote, ela
NOVIDADES
TRIUMPHO
7 Rua do Queimado 7
DE
HOBEIRA & BASTOS
LOJA W PAPAGAIO
DE FaZEHOlS E ROPAS FEITS
la a Imperalriz n. 40, esauina do h*i>oe% a p____ .
esquina do beeco
D
dos Ferreiros.
desia cirfa?P P > e ? eslal>elecimento cornmonica ao respeitavel
liss m, A e,esPe^lmftfl as Exm8s- fali qe est liquidan Jo por preCos bara-
ZZZ TlgaS fs2endas que ",sl"m ne'te e*t*e!ecimento, alrn das qoe abaixo
de?w7 S^i';W,J0S prefos.ttle e"ra toda,a atu"C3o do respeitavel publico qae n5o
cis pf,? P?qUK,a qUanl,a refaZer-Se dc qnalqaer 'l"aIdadede faiendas que pre-
as o n mfeni q?C a,meSma lja lT fei' sorlimenlo Ja Tazendas moder-
Ki^^oui.?0 ma'S 3PUrad GSCOlhd0 g0Sl' que VeDder mais
de fazendas
i*.. F che8ado a esle novo estabejeciraento o mais bello sorlimento
as, sendo sua especialidade enxovaes para nokado.
Vestidos de blond de ,soda ricamemUj bDrdados.
Gorguro de seda branco para vestido.
Colchas de seda pura, para cama com ricos desenbos.
Ditas de ISa. e seda, id m dem.
Ditas de crox, idem idem.
Cortinados ricamente bordados para eamae ianellas
Croxs pira cadeiras e sofs.
Vestidos de cambraia branca bordados.
Popelines de lindos gostos.
Laas de diversas qualidades, lindos gostos e modernas.
Ricos b urmis para passeio, com iistras de setim
Saludas de baile o que ha de mais rico.
Cretones para vestidos com lindos desenhos.
Carnizas bordadas e sem bordados para senhoras.
Camisas bordadas muilo finas para homcos.
D tas inglezas para bomens e meninos.
^fadonho'meciotr!"110' "* "^ S0Tl'mm r0paS feilas ^
Luvas frfscas d Jouvin
Esteiras da India
e o
-< O
CANDIDl ALBERTO 30DRD\ MOTTA-* C.
com escriptono e armszum de gneros de estiva
travessa da Madre de Dini n. li, tem para vender
o segu.nte em conserva ptimamente preparado
em Pars :
EnviLiiAs (Petits pois).
Paulo verde (Haricols verfs).
Dito km grao (dem flageolkls).
Espabgos (Asperge).
Miscellanka delegumes (Macedoine leoumcs).
>>enoi-ras (Caroltes).
Tomates (Tmales). ,
Coova de Bbcxbllas (Ckon e BruxellesV
Alcachofras (Fonds d'artichants).
Espinafrks (Epitiard)
Cogum ellos (Ckampghons).
Pastis com truffas (Pttlriiffi).
skh rRUFFAS ( tans trufs).',
Atlv com azeite (Ton a ThuiU).
Triffas simples (Truffes an naturel)
-Sardimia em tomates (Sardine etc)
Galantina com trffas (Galantins avec Irn/Iee)
{rango (Poulelj. '
Pombo com erviliias (Pigcott avec pois).
Itallinholas (Bhaisones).
I'erdiz com azeitonas (Perdiz arec olives).
* ASSADA ( nOfl
A.NoomxHA (Allouelte).
iioonviz (Gailh).
Lamprea {hmproie).
Picado (Andoiutleltes I.)
Salxicha iSaucxono l.)
Carne ciizade (Yrincinieau O)
Re:ebeu-se mais
nin^i^W'V ra.rad0 sortmieato de papek
P,n,ia, ? d'":'J,,s de dlfr^entes qualidades e es-
qnis. os desenhos, proprios para forro e guarnicao
1.1 ,grab'ne e'' ^riptorios etc. Na remekv
desse artefacto tem havido o maior gosto e capri-
cno aa p^rte do nosso correspondente ie Parl.
c.om urna mdica eommissao sobre o custo da
X-Vendera5 es,e faPel. Pois desejamos ter
urectiianien nm depoiito dessa eepecialidade.
>o armarem de Candido Alberto Sodrda Motta &
<*, a traaesea da Madre de Deus n. 14.
Fumo e papel
Completo ftortimenta do Zumo, Unto para curar-
pS.f,Tii^r<5 Cb.aruos' *ind0 d0 Ri" 'neiro,
Lah.a e llio Grande do Su. Papel de sea, linh
CASA CAUVIN A. MRNIER, Pl1-spH^.ao
Bevarl Sbaslojwl, Of; 1-a.RIS
8VAS ESPECIALIDAOfTS A. MARINE*
AfrrteutaA,, ktUtm 0 SncB.s e ao lu.lituio de Franfa,
""T.1*""*' iiLimeiito urna solurclo
rwiatlT curativa dai CLESTIA8 C0HTASI06A8.
IKJEOWK-PniLTK 1H affft -'" *
v ifiiiUprn, IncoafMiuUa da frajiliada.
ESTOJOS C0B \^^p%^JSS^
BARTH0L0MEO 4 C

DoposiUrios geral para e BBASIL o PORTUGAL
34, .rua larga do Rosario. JPBKNAMSTJOO.
apBnaia&inMi8nsaHsii'aaaas
Algodaosino com 18 jardas a 25300 a
peca.
Madapolio enfe-tado com 12 jardas a 35
e 35530 a peca.
Dito de 24 jardas a 5-3000 para cima.
Atoalhados de linho, e dc algodao tran-
cado?, e adamascados por precos commo-
dos. i
Clujas escuras e claras de 240 s. o co-
vado >ara cima.
Ca braias de cores miudinhas a 240 rs.
i> cov do.
Dil; s mais finas a 5G0 rs. o metro.
Bal )s de mussulina a 4le 55000
Gurdanapos de linho a 3^500 a du-
zia.
Brafrnante de linho a 255001 35000 cena
10 palmos.
Dito de algodo a 15800 o metro.
Mfias para senhoras de 45000 a duzia
para cima.
. Ditas para. homens de 35000 a duzia
-a cima.
Ditss para meninos e meninas de lodos
os tarrfonhos.
C.lcias de fustao branco de 35200 para
cima.
Dilate de cor de 35000 para cima.
Toafhas de rosto de 500 rs. para cima.
Cobertores de 13a finos, a 85 e 105000.
Ditos encarnados a 45500.
Ditos dealgodSo a 15500.
Cimbraia tapada jnuito larga com pre-
sas e bordado, propria para sa>as de seulio-
ras preco barato.
Laaziinbas Irences trancadas, com Iistras
largas tyroprias para saias de baixo, fazenda
irrteirarmenle nova a 590 rs. o covado,
Camlbraias brancas transparentes e tapa-
das-de todas as qualidad-es e precos.
L5azinhas tapadas e transparentes de
mutas/diversidades decores de 320 rs.
o cevado para cima.
Alpacas lisas e de farta cores a 500 rs.
o.
de percala de 2 saias a 45000.
de organdy de dito dito a 85000.
sde liada Escocia a 65000.
em peca a 300 rs. o covado.
e merino lisos a 2^500.
Ditos estampados de 45500 para cima.
C-imisinhas de cambraia branca transpa-
renle, bordadas com enfeites braacos e de
cores a 35000.
Hrilbanlinas brancas de 500 rs. o covado,
Ditas de cores a 500 rs, o covado.
Lencos decambraia de linbo, e de es-
gu5o at o mais fino.
Lencos chioezes a 35500 a duzia.
Ditos braucos de algodo a 25500,mili-
to linos.
Fil branco o preto, liso e de salpico.
Cortes de cambraia, brancacom salpico de
flor.
Ditos de fil liso a 55000
Tarlalanas brancas, e do cores.
Peitos de linho bordados e lisos de es-
gnio.
Camisas bordadas finissimas, proprias
para noivos com a competente gravati.
Punhos de linbo para hornern a 15 o
par
Cjldrinbos de linho lisos e bordados.
Grvalas pretas e de cores, lano em se-
tim como em seda, ha de todo3 os gostos e
feilios.
ROUPA FEITA E POR MEDIDA NA LOJA
DO PAPAGAIO.
Sormenlo de roupas feitas de todas as
qualidades, e feitios, para precos commo-
dos, e quem comprar porco para negociar
ter um abatimeuto razoavel, grande sor-
menlo de casemiras de cores com quadtos
e Iistras, casamras pretas, e pannos pretos,
azues e cor de caf, brins brancos, pretos
de cores e pardos, e manda-se fazer
qualquer obra a vontade dos fregaezes,
quer para homens ou meninos, e por me-
nos preco que qualquer ontra officiua, e
para issoa LOJ.V DO PAPAGAIO acha-semu-
nida de um bom mestre alfaiate para bem
desempenhar qualquer obra da sua arte,
recabindo a responsabilidade sobre o pro-
prielario da loja.
Dam-se as amostras de todas as fazend
a quem as exibir, ou mandam-se levar
loscaixeiros.
A loja do Papagaio acha-se aberta d
horas da manhaa s 9 horas da nonte "
Francisco Teixeira Hiendes. "
val sem segundo,
DUQUE DE CAXIAW X, 4
3 porte*n. 53, ma Diveifa, 3 p tU% n. b^anl^
hja d Braga
O abaixo assignade, dono dste aoigo estahelecimenm tn^ .
completo sortimento ae ferragens, tniaeid'TtS^^Z^Jr^ Dra
diversoa pontos da Europa os melhares nhinTL^. feJwdo mandar-bascar em
maic onhecidos j ,^o qut conv?da> espS ^A^S^nJ* UManm
a virem se servir dos obiectos de sua carencia afindeenrnnir,;\ numerosos /reguezes,
em oatra qualquer parte! um .rMSSTSpia %e"% KL"Tl < ,d^"e
do bem oonheeido fabricante Cottorr^in & c! ditas eraS.r/ ,^scaro5*r algodao,
ditos para fogo raoinfcaj psra caf d dous canos e de um, tanto inglezas como franmas oucVriJ"?,??ai P' ^uu^rd*s d
de diversas qualidades e precos; bandejas chinea salitre L,f hffii"'3' faca(8 e *arfS
bma lia de ferro, ?v>, So.ha pSa foSo al'^S, ffre- P"1 e
mente grande porcao de fogo do ar, e recebe se encmmenda de L^^v c^ ,C,,slante-
cera numero de objectos, que se tornara enfadonhc"nu^rt '^nham n'.,hS d-e um
3, loja de Lenidas Tito Loureiro, antiga loja do Draga -J^mam a ruaDjreiU n.
Higa ra de peinado)
Co)ntina a vender tudo muito
muitjo barato a saber :
Librjas de areia preta muito boo. .
Tesojuras finas para nohas e coftu-
ra\ a.......
Pape/is ie agulhas francezas a'ba-
13b a.........
Camas ocm seis sbemeles de fruta
LibAas o\; 15a para feerdar de todas
asjeores a...... gjjooo
500
0
1*000
CASA CAUVIN a MNiER
\ S^H-* treren,es waJidadan, proprios Pm
o fabril de garros. Veode-se consiaDientmte
flo armazem de Candido Alberto Sodr da Motta
A C. : a travessa da Madre deJOeus p. 14.
1 Fogao de patente.
^eTre? "M dos importadores
Hawkws A c., rua da Cruz n. 4.
Sbaw

hau-maoeailco prHleti.do
succeeeor
Boulevard StMwtopol, 8S. PjJais*
NOVAS tpPECIALIDADES k. MARINIER
Apresoiudas a Academia de Seieoeias e ao ksiituio de Franja.
INJECCAl &ob A form de Patctillai, deredida oteada para faaer ri.
inLlabAU momento uma solucoio PBJVKBnTA I OOSami dil
MOiESTIAS CONTAGIOSAS
ISJECM-PHItlRtl
Grsvos
do volume de ura relogio, serviwio
de PniLTao e Seringa sem os
inconvenientes e fragiliaade.
OOLLYHIO
ESTOJOS
BARTHOLOMEO 4 C
Coa a.torm, e do olaoic de um Portt-Moeda ronu^u
TODO TnATAalEXTO ""***
Contra as affeccoi aas palpebcas, preparado sob a iaeama forma.
Depositarios geral para o BRAML e POBTI *,
3i, rua larga do Rosario. l'JERJAMBTJCO.
Secretaria de ferro
Vendo-s 0 est viga em cas do* imoortadn
res 8aw Hawkes & C, raa da Crafn. f^MOm
PoUssa nova da Rossia a 200 t. a libra
Cal de Lisboa.
Cera em reas.
Dita em grume.
Vinno do P irto supericr engarrafado.
Dito de dito bom dem.
Dito atusaatel de divers, marcas idem.
Dito tinto Palraella superior idem.
Dito diin Vi'rinoeira idem.
Dito dito lavradio idem.
Dito brinco Cucavellos idem.
ito dito Ducellos idem.
Laldeirs d,- ferro fundido para engenhos.
No escriplor io de Oliveira Filos &. C. ao I
ao_Corpo Santo n. 19.
Filttos A. C ao largo
Cabriolet.
TJa,gndeld(l,!,cal,riotel, nm amerieano com 4
hoVnm !' *' ? OB,ro ,ntcet dfl rodas, am-
Boa-viTu n wT'108 ; eil,e a ra da d
ydTpazn,i,a,e.*qaelle a wnieochaira
Pechincha
&was de lia com barra de cor a O oal, a J
arcos a U8Mt aJgodaozubo cora 4% s de l
gura a Si a peca com 20 jardas fW? --
ira asa a 2i rs. o covado, lia e>
-vado : na rna do Liyramemo n. 10.
Doces, fruetas e flores
Rua da Cruz n. 13.
Ha muito que esta provincia pedia uma casa
qie bem satisflzesse as pesioas que sabem apre-
ciar o ue cima see nesse dstica E' nesse
estabelooimento qne se enconlram os melhares
doces de todas as fractas, seceos e de calla, doces
d ovos da odas as especies de massas, gelas do
poiaba, de arac de pitaaga e mao de vaeca, ven-
ae-se retadlo e em grmso pnra qualquer parle.
Apromptam-e bandejas cotn bolinlios os mais de-
lirados e com ricos enfeites. do que se eueontra
grande sortimento, presuntos em fiambre e outros
pratos que nao se podem dispensar em qoalquer
festa, tarops de grozdla, taraurmo, lima e outraa
tructa Junto a este estabelecimenlo est ligado
um bello sitio que nelle nunca altam flores a vul-
sas e em boquetes; apromptam-se boaaetes para
SHne8me,?-e"feiu,,0S ,,e ravos brDeo
dadl'A? aioP1r,'ei?ao e delicaaia' """as vrie- Paulo Cordeiro viajado e oom 2"V!2f **sm
rd.n.? plan,a',Hr,a 8e Preparar um jardim o gasee grosso e flno. meiifon ?, 'n rS ao fraacez
plantar oniino. A'vista das encommenlas fei- *
tas se verificar o que cima llca dito
K"i< ot a peca com 20 jardas chitas rnr,
para asa a tiJrs. o covado, lia escuri a 9?nlas|
>o : na rna do Livramejo n'^o a
pe da roaeiraa de sarias qualidades aam .
desapotis.abacate, figueirl hjjj S VT
nbe.ra, por preco razoavel : a tratar ni .$&
Carrifeis de linha Aieandre a. .
Frascos com azeite para machinas
GravataK de cores morto finas a .
Crozas )de bot5es madepersla fi-
nissimjQs a.......
Novello fie linha de 400 jardas a.
Caixas com 100 envelopes muito
superiores a ..... .
Pentes piteados para meninas a.
Tinteitc com tinta prela a 80 rs. e
Pecas d fita elstica muito fina a
Lata coqn superior banha a 100 e.
Frascos) <3e oleo Pbilocomo muito
fino a.........
Frascos de macaca perola a. .
Frascos de extracto muito bonitos a
Duziate sabonelesmuito finos a.
Sabonetes inglezes a 600 rs. e. .
Frasco cota agua de colonia Piver a
Dito de oleo babaza a.....
Caixas de lamparinas a. .
Sabobeles a forma menino muito
su tenores a.......
carli has da dootrina fazenda nova a
Libras de linha sortidas de todos os
nuifaeros a.......
Capachos maito bonitos e grandes a
Carriteis de retroz preto, com 2
oitavas a........
Agulheirps de osso enfeitados a, .
Libra de linha fra/oceza superior
quadade a.......25420
Caixas de palito do gaz a. 00
100
500
500
500
60
<500
240
100
200
200
500
240
500
720
15200
500
500
40
240
400
15800
700
640
240
v
ztitr** ***- %,
tratar na Boa-vista,
finir .xtt* ar 1
Rap de Lisboa de
RAP.
uperior a.uali4ade, issim
rola
Balria
O verdadeiro
dre <
Barrof
CEMENTO
SdeVSsS6na^da^=nffo!
Atten^ao
Veade-se a armado e pertences da taberna n.
II do largo do Tergo, muito propria para qoalquer
principiaole : a tratar no sobrado por cima da
mesma.
MadapoKio francez com 20
varas,
proprio para saias e camisas de senhora, pelo ba-
raiiMHBC.preco de SOO a peca, girante-se ser
fazenla de 10/ em qualquer parte. Tambera ha
grande porcao de chitas francezas escuras e cla-
ras pelo nunca visto nrejo de 200 rs. o covado
isto so na loja das seis portas em frente do Um.
ment.
- portiand. S se vende aa rna di
M*f de Dew n. 22, armazem de Joo Marns d.
A 1^500.
aa miudeaas 4a rna da Cadeia n. SO A.
Milho.
Vende se a taberna da rua da Senzala
' A tratar na ma.n.. -^^MfcII4-
39 : a tratar na mssma.
nova n
Vende-se
Na rua dos Quarteis n. I uma armado nrnnria
para qoalqner estabelecimenlo, doK oP com
prador tirar on car na mesma lafonnda T
qnem ytjaer poda irauraa narm ffB % -
Doces, Tiiarefl^r"
fiua da Cruz n. 13
Lanches todos os das, /rucias naci<.u k k
cado, foUiadw, doce e impadai,'P om *"
Bx,i>-3nte-rheumtico.
Sival sem segundo
RUA DO DUQUE DE CAXIAS N. 49
Estou disposto a continuar a vender toda
as miudezas pelos baratissimos precos abai-
bom e xo declarados, garantindo tudo bom e pre-
cos admirados.
120 Dazias de palitos seguranfa a....
Duzia de palitos seguranza caixa
grande a...................
Frascos com oleobaboza muitofino.
Pacotc com p.'-s de arroz o me-
lhor que ha a............... 320
Vavalhas muito finas para fazer
barta a....................
Caixi de linha bram do gaz a..
Vara de franjas de lidho para toa-
lhas.......................
Caixas com pennas d'afo de Ferry
superiores................
Lencos di cassa brancos e pinti-
dosa......................
Caixas com 20 quadernos de papel
pautado .......
Caixas com 50 novellos de linha
do gaz a........
Duzias de meias cruas superior
qualidade a.......35600
Pecas de bjbadinhos com 10 va-
ras a.........
Pecas de tiras Joordadascom 12
metros cada peca a 15500 e.
Pecas de fitas para cs de qual-
quer largura com* 10 varas a.
Escoras para ochas fazenda fina a
Ditas para denles a 240, 320,
400 rs. e.....
Pecas de traifca lisas, 'brancas
de cores a.......
Duzia de linha frxa para borda-
dos a 400 rs. e.....
Pares de meias cruas para me '"
nos diversos lmannos a. v .
Duzias de meias brancas muito
finas para senhora a. .
Pares de sapalos de tranca do
Porto.......
Pares re sapalos de tapete a." .'
Duzias de baralhos para vultarete
Sylabarios portuguezes a. .
Cartes com colxetes 2 carreras a
Abotoadaras para collete diversas
qualidades.......
Caixas com penna de ac muito
boa de 320 a......
Caixas com superiores obreias a!
Duzia de agulha para maedina a.
Libras de pregos francezes todos
os lmannos a......
Pacote de papel com 20 quader-
nos ...........
Rema de papel pautado superior
Resma de papel liso muito supe-
rior a........
cim objectos que liatua*.
a respeitavel othlieo 1
daram vir e acabara de receber pele altsao 1
da Europa om completo e variado Krtimeiito'i_
8nas e mol delicadas espccialkladea, aa qua,' a.
to resolvidos t vender, como da m cotiam~
por precos muito baratnhes e commodos para to-
dos, com lauto que o Gal I'
Muito soperioM lavas da pellica, pretas, I
cas e de mu lindas cores. m m
llui boas e bonitas goilinnas a noniana |
nhora, neste genero o que ha de mais 11
Superiores peitoei da tartaraga para
Ijndos e rquisswM eatVtMpaxa
Fxraas. senhoras.
Snperiores tran?as pretas a de erea com _
Incs e sem elles; esta tazenda o quo pode fcanr
de melhor e mais bonrkr.
Superiores e nonitoa loques da mlrfsiaaa,
marlim, sndalo a osso, sendo aqueles araaaaa
com Hados desenos, e -astea pretos
Muito superiores meias flo de Escos a aaraae-
Qhoras, as quaes sempre se veatdcran par '9jtm
a duzia, entretanto qne nos aa Tinitm01 per Mg,
atm deslas, temos tainbem grande surttmaMo
outrns qualidades, entre a.- iiuaeii alcoaae
finas.
Boas bengalas de superior canoa da. Ii_
castio de rnarftm com lindas e encantadoras I
ras do mesrao, ne.- te genero e qoe e minar ae
pode desejar ; alm destas tesaos t.-tubera ?rane
Suantidade de ootras qnr.iidades, como ehna, raa-
eira, baleia, osso. borracha, etc. etc. ele.
Finos, bonitos e airosos chieotinhos de eadeta
de outras qualidades.
Lindas e supera res ligas de seda e torraA
para segurar as meias.
Boas meias dc seda para senhora e par
as de i a 12 annos de ;d.vle.
Navalhas cabo de marlim e tartaraga pan i
barba ; sao omito boas.e de mais a nu;s sao ga-
rantidas pelo fabricante, e nos por awaaa vi tanv
bem assegurames sua qualidade o decadea.
Lindas e bellas capellas para noiva.
Superiores agalhas para mulaai e para
Linha muito boa de peso, frouxa, san 1
labyrintho.
B'ons baralhos de cartas para vottarete, asam
como os temos para o meemo flm.
Grande e vanado sortimento das meHwr- nr-
fumarias e dos melhores e mais conbucidc par-
fumistas.
COLARES DE ROER.
Elctricos magnticos contra as cr.nvnlaaas, e
fa^ilitam a dontie.o das innocentes crianpn. Se-
rnos desde muito recebedorea desb nrotgiw
collares, c contianamos a recebe-los por todaaaa
vapores, alm de qne nunca faltem K me-caia.
tomo j ter- a^or.t -cido, assim pois pede rio ^of-
!es qne dclli preeiaann, vir ao deposito dc plk
vifilante, a. ,vje. sempre eneontrarao deatesver
lieiros i'i.liares, e o> '|oaes atlendend^-je 1
Sara que ,3'i aj^licados, se venderlo com un
minuto It t-ro.
Ragamoe, pois, ivista d.scbjcctos que dciaaaa
declarado?, aos osaoi fn-^urzee e amigos a vite
comprar |.nr prefns mui 1.-..lavis loja do gane
vigilante, ra dn Crno 1. "
3 cordeiro previdenti
Remedio efflcacissimo contra as dores rheuma-
ticas at boje o mau coahecido pelo saus mara-
vilhosos reauiudas. ^ lu*n
?SZI^^m- am 4os ^edicaraen
Ij que sua eflkacia as enfermidades tosse e
sangue pela bocea, bronchites, dores e traque
TINTURA DE MARAPUAMA.- A celebre raa
.i rS?S!lSUja eDeria e efficacia as para-
lysua, tatorpecimenio, etc. etc. maito w recom-
oaos enea preparados se encfliUrara na nhar-
psito na raa torga do Rosario n. 34.
<*"* W* maettem.
120
320
320
15000
500
160
800
100
70C
400
500
25000
500
500
500
40
500
320
45500
25000
15500
35000
400
20
4O0
50C
40
25000
Raa do Novo e variado sorlimealo de perjomari
finas, e oulros objectos.
Alm do completo sortimento de p*r
manas, de que efectivamente est | '\i
loja do Cordeiro Prndente, ella *:!
receber um outro sortimento qoe
aotavel pelavariedade deobjecto:-. s
dade, quadades e commodida-.
eos; assim, pois, o Cordeiro Prentei
e espera continuar a merecer a r
do respeitavel publico em gerai .- k
boa freguezia em particalar, na 5 .;*.
tando elle de sua bem conhecida
9 barateza. Em dita loja encontn.Sc
apreciadores do bom:
Agua divina de E. Cund ay.
Dita verdadeira de Mcrray LammaL.
Dita de Cologne ingleza, amerir?.n. fat
ceza, todas dos melhores e maisacr iditalt
fabricantes.
Dita de flor de larangeiraa.
Dita dos Alpes, e vilete para tofltn.
Elixir odontalgico para conserva?5o i
tsseio da bocea.
Cosmeliques de superior qusl;'d e'cliav
ros agradareis.
Copos e latas, maiores e menores, cm
pomada fina para cabello.
Frascos com dita japoneza, U-aneparesi
d outras qualidades.
Finos extractos inglezes, amarican*'
francezes em frascos simples e eofeiiaiea.
Essencia imperial do fino eagradan; ci
ro de violeta.
Outras concentradas e de cheiroe fij
mente finas e agradaveis.
Oleo philocome verdadeiro.
Extracto d'oleo de superior qualaat
com escolhidos cheiros, ea fraseos dcdiaV
rentes tamanhos.
Sabonetes em barras, maiores e Mg
para mos.
Ditos transparentes, redondos e em fin
ras de meninos.
Ditos muito finos em caixinha para barba
Caixinhas com bonitos sabonetes imitaneV
fruetas.
Ditas de madeira invernisada coatendo t
aas perfumaras, muito proprias para Wf
lentes.
Ditas de papelio igualmente bonitag. tas
bem de perfumaras finas.
Bonitos rasos de metal coloridos, g g
moldes novos e elegantes, com p de ana
e boneca.
OpiaU ingleza e francesapra dales.
Pos de camnbora e (Mitras iltomi
qualidades tambem para dantos.
Tnico oriental de Kemp.
400
45O00
co
35600
Sua doVigarion. 11
XfSL^SBSe l a Medoc-
Papel para cigarros Duc
Phosplioros de seguranca.
Ag,a3 de Vechy.
Haut fine.
Celestine.
Mercurio doce, caixas de raeia libra.
Papel de peso, grande sortimento.
Na rua do Vlgarlo, armazem d. II.
Panno de algodo.
Vende-se superior panoe d'alaia da B la i
e^criptoriode Antonio Laii dWeira Azevtdo
u a rus da Cruz n, 07, i* andar.
Um outro sortimento de coques d n
vos e bonitos moldes com filis de vidrbo
e alguns d'elles ornados de flores e tu
esto todos expostos i apreciaclo de qoat
os pretenda comprar.
GOLLINHAS E PUNHOS BORDADaQS
Obras de muito gosto e perfeico.
Flvekiau e flU pava dates.
Bello e variado sortimento de taea ogja
tos, ficando a boa escoma ao gosto do coa
prador.
Joaquim Rotegu&7
vares de Mello,
TBM PARA VENBCT
em sea escriplorio, praca de Corno tanto
Fumo em felfea
de e f qaakdade, e anda nm oa anak |
ardee a vontade dea aamnn Saras.
Cal de Li. nltima "ntgidi
Potessftdafisgia.
Faurlmha ale aaaMIeea.
Vmho Bordeaux.
da I" sKiaMade. Todo de rende mais
barato do une em outra qual
Veadem-se panas de am sobrad > da
Hortas: a pessoa qne pretender comprar dirija
i tnu Imptrialn.ll
\
(


W'

! >-- "^.V ifa
Diario de Pernambuoo Quera fcra 5
,1.
n.i
ASSEMBLFA SEMI
CAMAhA DOS DEPUTADOS
* SOBIIE nEFObU.V DO A
f

fe-
y* i.
SKNTADO
ULTIMO.
N.\ 3
SETEMBHO
(Conlic.aacio)
A organ3c3 acidara, e o estal>ele-
cimetito das ordens e formas de processo,
de vendo-oflerecer em lodo o imperio ca-
rcter de unidade, pois qne o seu iin ga-
rantir todos os ireitos e regalar todos os
furtos do domin:) da justica, s5i> por sai
nalureza objectos da exclusiva competencia
do poder geral. poja, claro que, por
nenhurn modo, cabe s assemblas prorin-
oiaes legislara tal respeito. creando juizos
privativos provinciaes a novas formas de
processo que oestes s observem.
Tendo, porm, a legislacio geral insti-
tuido juizos el veis dislinctos-o commum
para em geral decidir as questes indicia-
ras, e o que privativamente destinado
para as causas da fazenda nacional, recu-
lando se por formulas especiaes, nenhu-
ma razio impede as assemblas provinciaes
do simplesmonte preferirem para as cansas
da fazenda provincial este quelle j iizo,
urna vez que as disposices da legislarlo
geral que o regerem sejam plenamente
cumpridas. Pelo contrario, este direilo
usa dedcelo lgica da faculdade ampia
que. Ihes pertence de legislarem sobre ludo
quanto se refere faz-inda provincial, nio
ofondendo ou contrariando os preceitos c
principios das leis de o;tado.
E ver.lade que lei n. 242 de 2!) de
novembro de. 1841, restabelecendo o privi-
legio do foro para as causas di fazenda na-
cional, cujo juizo privativo creou, nio se
referi expressamente a fazenda provincial.
Mastyta falta de declaraos) nao importa a
prohibicio de ser ella applicada lambem as
causas desta ultima fazenda. Nio repug-
nan tal applicaco os motivos da lei, e a
razio da analoga a admitte. Os negocios
da fazenda provincial sio da mesma nato-
ras! que os da fazenda nacional ; relerein-
se todos igualmente ao interesse publico.
Os motivos especiaes, pois, que inspiraran!
o pensamenlo da crearlo do privilegio do
foro e de um juizo privativo para as cau-
sas da fazenda nacional militam e prevale-
ced a respeito daquella.
Pelas coosiderac5es expendidas, pen-
sara, as commissoes que conforme ao es-
pirito da lei a interpretado que disposi-
cjfo do S 3o do art. 10 do acto addiciona! se
d no ert. 1 do projecto, nos segundes
termos: Que a attribuico conferida neste
paragrapho s assemblas provinciaes en-
volve o direito de designaren por qud dos
juizos, o commum ou o privativo dus fetos
da fazenda nacional, devera ser processadas
e decididas as causas da fazendaprovincial,
guardadas, porm, as formalidades estabe-
lecidas pelas leis geraes.
Arl. S do projecto.
A instruccio publica e os estabeleci-
memos que Ihe sio relativos, nio cralos
por lei geral. os diversos assoraptos coa-
ce mentes fazenda provincial, os empregos
provinciaes e municipaes. as obras publicas
e na^egacio nio pertencentes admmistra-
cao geral do estado, sio objectos sobre os
quaes compete s assemblas provinciaes
legislar nos termos dos 2o, 5o, G", / .
8'e II do art. 10 d) acto addicional, o
arts. 2o e 31 da lei de 12 de maio de I8tO.
t Das leis que regulam estes objectos de-
rivam-se obrigaces e direitos. D'ah re-
sulta a necessidade :
a-l. De meios coercitivos, disciplinares
e administrativos para cumprimento das
obrigaces; ,
2. Da organisacio de om systema de
processo contencioso-adminstrativo, que re
-ule a applicaco destes meios e a decisao
das reclamares e questes originadas da
collisio entre o interesse publico e os di-
reitos dos particulares.
c s assemblas provinciaes compete o
direito de legislar sobre estes assumptos era
relajo aos objectos comprehendtdos as
seas referidas attribuices 1
t A maioria das commissoes, de accordo
com o projecto, de opiniao afirmativa.^
< Reconhecido que o emprego de cerios
meios coercitivos condico essencial da
execucio dos sen-icos administrativos de
que se trata, e por outro lado que, para
sua applicaco e para defeza dos direiios e
rafresaes que taes servicos envolvem, de-
ven estabelecer-se regras fixas e garantas,
segue-se que estas materias nao perlencendo
iin a. au
qae se prende a es
ospreceiios daqnell
da organisucio adminislrativa do imperio.
O contrario mpoYttria a restricco d at-
tribuices araplamente conferidas, que as
tornara imperitas, irnompletas e ineffia-
zes. Alm disto, ni > soria praticave! que
o poder geral. iooacd-> a si essas parles
complementares da organisacio de servicos
de interesse provincial as regulasse por suas
leis; visto qoe'. variando as circumstancias
a condicis peculiares, era relaeio nio s
a cada urna das provincias com ao3 diver-
sos servicos resultara que ou a organisa-
Ci destes lcaria subordinadas generali-
dadedas disposices daquellas leis, com
manifesia offensa de independencia do di-
reito legislativo das assemblas provinciaes
em taes materias, ou as leis do poder geral
moldando-se s deslasassemblas, se mu-
liplicanam propicio da variedade das
casos, aeompanhando-as em todas as suas
succ-ssivas modificares.
t Fundando-se as razes que abreviada-
mente expozeram, entendem, porlanlo, as
coramiisSes que o art. r>' do projecto an-
tera a genuiaa interpretacio das disposi-
ces a que se refere, lixando nos seguintes
termos o seu sentido :
Na attribuico conferida as assemblas
t provinciaos di legislar sobre os assump-
tos m sncionados nos 2o. S, O* 7o. 8^
e II d) art. 10 do acto addicional, on-
prehende-se a facaldaie :
1' De omrainar penas aimini trati-
i vas em relace) aos ditos assumptos.
t 2 Do estabelecer o processo e a
competencia dos funcionarios prodnciaes
* para onhecimento e deciso das ques-
to-is administrativas, salvo sempreo- re-
curso para o presidente da provincia.
O mombro das commissoes o Sr'. Joio
Mendes de Almeida ni i adhere disposicio
deste artigo, quanto saa ampliarj.io aos fl
do art. 10 do acto addicional relativos s
municipalidades, porque entende que as as-
semblas provinciaes lera sobre as cmaras
municipaes acci muito restricta, qe nio
pode ir at o ao ponto de alterar o exercicio
das funeces, estendendo ou diminuindo- as
attribuices das mesmas cmaras e ompre-
gados especiaos dos municipios.
Diz que s o poder legislativo geral
tem o direito de regular a vida municipal,
como expresso no art 169 da constituyo
poltica do imperio ; e as assemblas pro-
vinciaes compete apenas exercilar as attri-
buices que o acto addicional conferio-lhes
mantendo-se dentro da espbera (rapada pela
lei regulamentar orgnica das cmaras rau-
nicipaes: que assim sempreentendeu-se m-
wria-elinente o acto addicional, e sobre a
lei do I" i outubro de 1828 bio assentad
constantemente todos os respectivos actos
legislativos provinciaes que o projecto, poi-;
nao p le attribuir interpretativamente s
assemblas das provincias a faculdade de
comminar penas administrativas em relacio
a assumptos municipaes, se urna lei org-
nica das cmaras nio instituir taes penas;
que a razio simples, e est em que a ap-
plicaco de taes penas nio pode deixar de
ser deferida a funecionarios, municipaes, al-
terando Ibes as funeces, contra o que fo
declarado pelo art. 2o da le do 1 i de mato
de 1810.
t Parece ao mesmo membro que a dis-
pensa da Macelo do presidente da provin-
cia quanto s leis e resoluees mencionadas
na excepfio do arl. 13 do acto addicional.
relativas a assumptos municipios, indica as-
tas que as assemblas provinciaes deverio
restringir-se. em taes 1 is e res lucas ao
desenvolvimeoto da lei geral orgnica das
munipalidades, nao sahindo fra della ; que
a providencia do art 5. % l. do projecto,
com referencia s municipalidades, ser tal
wz conveniente, mas nao deve ser urna
medida inlerprelat.va, que suspeitana todo
o projecto ; que na reforma municipal ha
lugar para essa providencia, e, urna vez
adoptada, nao haver necessidade de decla-
rarse a competencia das assemblas pro
vinciaes para comminarom penas adminis-
lrativa?, porque ipso fado ellas a tero,
como presentemente tem a de coraminarem
as penas de prisio e de multa nos termos
da lei do l. de outubro de 188 ; que o
art. 5.* 1., tal como o impugna, parece-
Ibe era saman manifeslamente inconstitucio-
nal, por importar urna restriccio das attri
buic:s do poder legislativo geral relativa-
eltaor ex-
,, i fj> :to adJicionai,
o de 12 da
e s aisemblas pro
aes O'direito de aogmintir oa diminuir
,o
biciptea lem alteracflo de wa nalureza e at-
triboieea. qaando forem estibelecidos por
leis gjraes' re ativas a objectos sobre os
quaes rrto podem legislar as referidas as-
semblas.
i DavirJas fevaolada3 sobre o verdadeiro
sentido rfesla dispos4c*o wm dado lugar a
enteader-se qne, era virtud) diquoll direi-
to nio obstarte a iimila?5o que Ihe posta
pelas ultima pilavns- do citado artigo,
podem as assewblas- provinciaes: l,0',. al-
terar o numero dos enrpffcgo meacionados
nio sd quando pela le gera4 de sua creatfto
este > marcado acwdentalmente, fleando a^
jeito rcumstanwa* e conveniencias loca-
es, mas tambera nos-casos- em que, sendo
condico- essencial db organistas o flxado
definitivamente ; 2a, annexar o empregos
separados por lei geral' ou vico ver-sa; 3..
separar de empregos eteados por lei geral
certas attribwces paraserem'exercidaj por
funcionarios1 especiaes.
Aioterpretaci' q-io em sentid>opposto
a este di o projecto mencionada dispon-
cio do acto ail'Jici'onil pire;e s commissoes
ser a genuina ntelligench da lei.
S3 nio se p*de por era-duvidi. avista
das palavras d arlig cita-K que > exer-
cicio da atlribuicS> das asambleas provin
c'aes, de legislar sobre o numero do*-em-
pregos leferidos,.subordiiwdos a condif
de n) resollar dafoi a'teracik>-da sua iiu-
rezi e fuocces, e* claro que a solucio- das
qftjestes de que se traa depende de weri-
lKar-se ou nio. acjpea condtySo-noj caeos
a que* estas se referen.
obvio que nem sempre r>num3ro i;6s
empregos circunstancia accidental e_f8m
intf enca sobre sua naturezi e funece*-;
casos.b3 em que se-liga intinwmente a es-
ta, sendo parte escande e essencial da
orgmisacio. Nestes^casos (um de cujos *.
eosplos oollicio J escrvo-do regi.su.
das hypotbecas conencionaes,. que, sendte
destinado a centralisar as hypctoecasj' por
motivos especiaes, ques) obvios,.tem por
carcter proprio e essencial a neidadp), a-
aUerac^o do numero- nao pd- deixar (^
importar modificacoda naturez e faneces
do- emprego, perturbando o syetema geral
ila institico. Taes- casos sih portalnto,
extHuidos da competescia do poder provin
cial. (
m A annexaco ou- desnnexaeo dey em-
pregos (2.a questio); pode tambera irafkir
sobre a sua r-atureza e o exrticio de suas
fonecoes por differenies modos, principal-
mente quando nio sao compativeis, oju mi-
litso razes de interesse gerak para sua reu-
nto ou separacio. Ao pode geral o com-
petente para organisar os respectivos \sewri-
Cos, cabe, pois, resolver a tari respeito.
Alm desta coasideracao. outra twmi-
eanteme .te mostr que este direito n>per-
tence s assemblas provinciaos. \
t Segundo o % al do art. 10 do aclo ad-
dicional, interpretado pelo art. 3 dale de
12 de maio de 1840,. a attribuicio. qde Ibes
conferida de lerislar, sobre os casos e
formas da nomea^io dos empregadop pro-
vinciaes, comprehends smente acuelles
cujas funeces sio relativas a objpcU)s
exclusiva competencia das mesma* as
blas. Tratmdo-se. porlanlo. de emprlegos
cujas attribuicfes se exercem em aesurriptos
sobro os quaes ellas nio polera legislar o
importando o. fado de sua aonexaco, ou
desanexacio o estabelecimento de condicSes
para seu provimento, visto que restringe;ou
amplia o numero dos fanecioaanos que* os
deve exercer, segue-se que tal direito nio
pode pertencer s assemblas provinciaes.
t O acto de separar de empregos creados
por lei geral certas altribaicss para serem
exercidas por funcionarios esperiaea (&.
questa), altn de alterar a nalureza dos
mesmos empegos restringindo suas attri-
buices, equivale creagio de um novo em-
prego ; o que. pelas razes j expedidas,
excede a competencia das asswoblas pro-
VllCi36S I
Achn, pois, as commissoes conforme ao
espirito da lei a interpretacio dada no art.
6." do projecto, cujo teor o seguinte :
A attribuicio contida no art. 1.. V.
t e 11 do acto addicional nao compreuende,
quanto aos empregos cujas funeces sio
c relativas a objectos sobre os quaeg as as^
semblas provinciaes nio podem legislar,
o direilo
FOLHETIWI
I \\U DEPOTS DI SORTJ
pon
Xavier de Montphi. -
PH
fr
4%' ft* rem separa-
i do ia ;
5 3." De tornar privativos os oficios de
< jortica,
ArL 7.' do projecto.
A construccio de casas de prisio e sen
rgimen sio objectos.d ompstenda iegis
laliva das aasemblis provinciaes (? 8. do
art. 10 do a:to addicional).
A nalureza destes objestos limita,
porm, a ailribuicio conferida.
K ecucio das panas criminaes, do
mesmo modo que no procesa e )iilgamen-
to dos criminosos, deve minterse perfeita
igualdad em todo o imperio, visto ser ma-
teria que entende com a liberda^te indivi-
dual Esta1 gualda* depende, poTm em
parte da dwposico material e do rgimen
das casas de* prisio.
Dahi so segu qm a facilidad*1 epne
as tem as referidas assemblas de legimar
a este respeito- nio prjde ser tio ampia,
iqoe pelos effertos d seue actos, offewlam'
e as aquello importaste principio, e contra-
ren os fin3 da Jegilacio geral em assump'
to-de sua exclusiva competencia e que im*
plica om direito social.
Dd conformidade cora- esta ideas que
a commissoes l-B'por iucontestaveis,
claw-se no art. %* do projecto qoe
exercicio da mencionada attribui?4o, deven
as aesemWas provincias (?uardw as dis-
posicTes das leis geraes cowementes s
especies de prisio, natn-eza das- penas e
modo de seo comprnenio.
Art. 8 projecto
t Wspd o acto addicional, no $ i* do
art. 11, que as assemblas proveer* com
pete Bisar a forca policial.
i Dnas iotelligenci^se tm dado' a esta
disposiciBv orna liUera* e restricavav ootra
ostensr. Pela prmeira,a altribuicw que
cabs qoelfos assembl-i'M de srxne de-
terminar o numero de pra?as compi* a referida forca; pela segunda, as
palavrasftxar a forciraportam o direito
e dar-fee organisar.lo.
t Fra admissivel a ntelligenci restri:-
i, se ao poder gera coobesse esta- otw-
Aa a tnbwco. Mas nem disposicio- algia
ma existe da qoal se dedasa tal icav n#m
ella seria- praticave!. Deveodo a orgamsacio
da forcadas provincias variar segaade-as
circumstaneias e condiijiies pecuiaresnlestas
uo seria-possive/regola-ia uniforme e per-
manentemente Ver-se-liiv.pois, o pedir ge-
ral o rigaA> a fazer leis diversas e espe-
ciaes ; e a mo lifica-ls constantemente,
acompachando aquella circumstaoaias, e
pondo seas disposiees- en harmonia.com o
rao de desenvolvimemo pe as assemblas
provinciaes-resolvessensdar mesrMdbrca.
E' obvia' a ncongroer:ia de semelhante
ordem de cousas.
t Cempre, portanUh. entender a Iieipolo
outro modo, deduzin-l. da disposico dn-
vidosaas-suas conseqpe-neias neeessarias.
Fixar a forca e organisa-la, sao it^ias cor-
relativas: orna attribuico implica a-mitrar
sio insepara.'eis, 8 niie podem deiaar de
pertencer ao mesmo poder. Deaais, des-
tinada, a forca de qpe se trata a servicos
meramente provinciaes, Indo quanto-se re
fer&ao modo de regria-la para satiifoxer os
seu* flns, entra na osp'era do poder cons-
tituido para proveer s necessi dadas pecu-
liaies-das provincias.
*Smdo, porra as atuibuieTes- conferi-
das s assemblis. provinciaes axcepces
das da assembl* geral, e. portento, limi-
tadas sempre poa e-Us, seRue-sa que nos
meios que aquellas assemblas-cabe decre-
tar alim de preoncher-se o Ruraero fixado
da pracas para, composicio da. forca provin-
cial nio pode- comprehenden se o recruta-
m'oto, materia que, por saa nataraza e
importancia, da exclus'iiu competencia le-
gislativa geaal.
c Pensara-, porlanto, as commissoes qoe
bem expressado se achao sentido do rilado
paragrapho do acto aiWicional no segumte
artigo (8f'>do projecto::
Em virtude da attribuico conferida
pelo art. 11 2o do acto addicional podem
as assemblas provinciaes :
% *, Legislar sobre a orgamsacio,
distinctivos e disciplina da forca policial.
| 2. Determinar o modo de preen-
cher o numero fixado de pracas, respeitado
o preceito do art. 30 da constituic-ao.
Art. i? do projecto.
t Foi concedido s assemblas provin-
ciaos o direito de decretar a snspenso, e
ainda mesmo a demissio do magistrado
contra qnem houver queixa por crime de
responsabilidade que estojim impostas
ma de1 p para
do art. I -jo
palos arla. 4", 8 4 O8 da lei de 12 de mato
de 1840).
As ultimas palavras citadas leem aaao
lugar seguinte questio : 9e a frtaa de
processo deve ser esUbeleckla por lei pro-
vincial ou geral.
< O pensamenlo da le, quanto nalure-
za da atiribuicio (toe conferio s assemblas
provinciaes, raanifestam-no as palavras do
<
citado art. 5o : Na decretado da suspen-
sio en demissio dos magistrados procedem
as assemblas proviociaes como tribunaes
.le jusiea. Nao Ibes deu carcter pol-
tico oo administrativo, mas paramente judi-
ciario. .
t Limitados, portante-, os poderes das
tribnicto, w**lr A>pot4cOei liii-
directimerrte tenbam relacio eom a mmv
' 2 Que tambem me* f^f_rt|*Sr
lele vedado amfcnr prlwlegk aoao
forera mdispensareh pw '
servicode sua exclusiva cumiMllliswiiC*
tanto que nio prejadiqoem ea W
tos de terceiros, ou nao ofleodam w^"
?5es do poder geral, e o principios e a*-
posices da legislacio do. estada. ^^
t A verdade da primeira destas do w-
mas proposifOes, demonstram-na conaHwri
?es obvias. DifBcilimo. seeo impoesivel,
seria tracar regras geraes e feas a reaperto
do assumpto 3 que ella se refere, prere-
nindo todas as hypotheses em qoe por qoal-
quer forma podessem as disposices legis-
lativas entender, por suas consequenaas,
com a industria. E a que ficaria reduzid
a espbera de acc5o das assemblas provio-
ciaes, por exemplo-, ijuanto aos impostos ta
estes nunca podessem tocar, nem accideay
talmente, interesse industriaes T Compre,
na inteHigeocia das lew qoe ootergam la-
culdadesr ter presen o principio que fies-
tas se comprehendem, como coronarios, os
meios netessarios para soa execoro, sem
excepces alm das que emanara das mes-
ma* leis ou das que as imitarem. Cm ju-
risdictus tata e\ ea fuoqiie cmmsa essr
dentar, n qaibns jnrisdictxs exphean
x
assembla provinciaes. no assumpto de
que se Ira, imples applicaco das- leis
criminaes, nada autorisa entender-se que
Ihes compete o direito de organisare a
forma de processo por que se devara regu-
lar. Da auteridade jndicirie que Ihes toi
dada nio se tedoz esse direito: sio podev
res diffdrente*. S o teriaro- se expressa-
mente Ihes fosse- ootorgado.
Por outro lado, tendo amesmi nato-
do-reza as leis criminaes e as de processo que
no Ihes sao relativas,-epertencendotanto urnas
como oolras ao dominio do poder geral, nio nequit.
b admissivel a inteligencia que se funda na
dietineco feita eotfe ornas e owras leis su-
jeitaiklo as assemWas provinciaes, quando
eaeroam funeces jf)icarias, i* observancia
restricta das dispoctoes das primeiras, es-
tabetecida para todo o imperifl; e dando- ^
Ihes ao mesmo teiapo ampia autwridade le- |SAUD.VCO AO EX.M
gislaUva sobre o onjeto das segundas.
Compre consequeRtemente entender qne
tant> palavras do- citado artigo relativas
s lea criminaes qne deven serapplicadas,
como e qne se referen) forma do pro-
cesso. presidio o mesmo pensamenloo de
subordinar o exercie da mencionada attri-
buicio disposic?-cte leis de urna e de
outra erdem, emanadas-do poder geral.
t Ainto outras graves considerates con-
correm para tornar inadmissivel aqpella in-
lelligenora. Se toda- quanto respeito aos
direitos ndinduaes e polticos tMMia-
riamentsvpelo systeB de nossssmetilai-
Ces assumpto qne t-legislacio gera.1 cabe
regular o-qoe elTec'.ivamente regola^ nao se
pode com^arehender porque fari o legisla-
dor excepto deste principio absaioto a res-
peito dos-magistrados? privando-os das ga-
raniias qa offerecemas regras e formas do
processo estabelecieas- pelas la geraes,
para skU-1os sr:e aprouv&^sa-sassem-
blas provinciaes dacrelar. \Alam da fla-
grante iajpstica de tai excepcio* a. desigual-
dade e instabilidad- que se daara, en ma-
teria detio alta importancia, sendo diver-
sas e fcilmente agravis as disposices
legislativas que a regessem nae.difterentes
provincias, e tamba a falta da segoranca
dos magistrados, estando snjpitoa a serem
julgados e condemoados. segnoio-leis feilas
rauitas vezes sob> a. influencia da paixes i
da
1
(Conlinaar-se-ha).
UTTERATiniA.
GENERAL RARO
DE S. BOWA.
JMlmtl no theatro de Santo Amtonio.
Pernambnco, emponh a lyra.
Ouve os concertos da gloria:
Do valor na sacra pyra
De tua passada historia,
Mais um clario se alevanta,
Mais urna estrella rutila,
Mais um nome se gravon ;
E esse nome rutilante
Victorino, o gigante
Que no seu peito de Atlante
Teu passado relembrou.
All, no jogo da morte
Da guerra no insano jogo,
Onde aos azares da sorte
Sio as leis o ferro e o fogo,
Onde um capricho peqaeno
Zombando da d>vindade
Decide, dispoe da vida
Da infeliz humanidade,
Alli onde vence o forte.
Tu foste o leio do norte.

collina,
aschou-
PAKTH SEGUIDA.
O HORSCOPO
(Continuacio do n. 224).
XXXIV
um pista perdida.
Seriam dez horas quando os tres caval-
ieiros principiaran a trepar pela
na grimpa da qual se levantavam
panas dos ciganos.
Havia na campia a mais profunda escun-
do. Nio se via nenhuma luz aas casa-
dos ciganos. e a de Margarida estava tio
escura e silenciosa como as demais.
Abi que est o menino, disse Lac-
tancio.
At que emm 1 bradou o marquez
cora feroz alegra ; vou te-lo em meu po-
der, e agora nio me ba de escapar.
Lzaro apeiou-se e batea devagarnhoj
porta da ehoca. Vendo, porm, qoe nao
respondiam bateu mais de rijo, e afinal fez
grande ruido, sem obter nenhum resul-
tado.
Ola I exclaman o marquez. Quer-me
pjrecer que est desabitada a cabana. Ai
do que zombar de mim I Vamos, Lzaro
mette dentro essa porta.
O criado metteu os hombros porta,
cujas taboas carcomidas logo se abalaram
ao primeiro empurrio, e que ao terceiro
ou quarto cabio de chapuz, com grande es-
troodo.
Lzaro leva va pendente do arcio da sella
orna lanterna de bot3 fogo, qoe desatou o
abri por ordem de Sant-Maixent.
Lactaocio, mais morto que vivo, uio
Comprehcndia o silencio de Margarida, e tre-
ma como varas verdes, julgando sentir ]
as fontes o cano de urna pistola.
Todava, o estrondo que produzio o deitar
abaixo a porta despertou toda a tribu, e no
iostmte cm que Lzaro, depois do ter es-
quadriuhadn a cabam com a lanterna,
sabia dizendo qne nao estava alli ningu?m,
dez ou ou dozi ciganos de tez bronzeada
e meios mis, agitando archotes accesos e
armados com formidaveis cajados, sahiram
pelas barracas fra e cerca am as visitas
intempestivas, muito dispostos, segando pa-
reciam, a tozarem-as bem tozadas.
Saint-Maixent agarrn urna pistola em
cada mao, e engatilhou-as exclamando :
Para traz, patifes O primeiro que
avanzar, "est morto !
Um sossuro de mo agouro acolheu
aquella ameaca, e jos ciganos moviam os
cajados e apanhavam pedras do cbio, do
que elles se servan como do pergosos
projeclis, quando Lactancio se deu pressa
em inlervir, dizendo:
Nao me conhecem, meus bons ami-
gos ? Eu sou o vosso protector, o mor-
domo do senhor conde as trras de quera
esli, e se acorapanhei al aqu este tidal-
go, porque nio tem m? intences, aian
Co-lh'os.
Aquellas palavras conciliadoras acalma-
ram um pouco a efervescencia dos nimos.
Um dos ci.anos ainda perguntou comento-
naci bem pouco tranquillisadora :
Se esse fidalgo nio traz ms inten-
ces, porque arromba a porta de Marga-
rita ?
Datemos, volveu Saint-Maxent, e ven-
do que a cigana quem procuro nio res-
ponda, mande arrombar a porta.
Margarida nao podia responder, disse
outro cigano, porqua bon v que na cabana
d'ella. nao est noguem. Foi-se embora.
Foj-se embora I repetio Saint-Maixent
assorabrado.
Fui.
Qaando ?
Eita manhia. Oisse nos ao amanhe-
poltica-;: tolos estes inevitawi efieitos
disposteio da lei se fosse verdadeira a pre-1
tendida-inteliigeacia, nio podiara deixar de
occo?rer ao espirito do legislador e mos-
trar-lba a sua repugnancia com a razio,
conuosprincigios geraes do.nosso direito,
e especialmente com o dogma da indepen-
dencia do poder judiciaricv consagrado na
constitacio.
. As commissoes entendem, portante, |
q}*e o projecto conformeutse com o espirito i
ta lei, inteeprelanio palo segninle modo,
ao art. d\ a disposicio- de qoe se trata :
. O' processo para demissio e snspenso
dos magistrados poliis. assemblas jpnv-
vinciaes nos termes, do arl. II do
acto addicional, e arts. 4", 5* e <) da tei
do Vi de maio de 18iO, deve ser esta-
i belouido por lei geral.
Art. Itk do.ppojecto.
e tem sido objocto do florida se as afcfcri-
buicoes conferidas as assemblas proviaciaes
abrangem, e com que limites, o direito de
legislar sobre materias que respeitera, in-
dnslria e o de conceder privilegios.
A liberdade de industria (tomada esta
palavra no sentido mais lato) um dos mais
importantes direitos individuaes garantidos
pela constiluicio. pois. ir.conteslav?!
qne s o poder legislativo geral e compe-
tente para regular este direito pr-lhe
restrieces
Dabi. porra, se nao pode deduzir :
c 1.a Qoe em nenhum caso seja licito s
assemblas pronciaes, legislando sobre as-
sumptos pertencentes esphera de suas at-
cer, por entre sobeos, que a sua presenca
entro nos podia attrahir sobre a tribu al
guma desgrac?, e foi-se levando o filho e
mais outro menino que ninguem corihecia
por aqu.
- Voltar ? perguntou o marquez.
Disse-nos adeus para sempre, niur
murou o cigano abanando a cabega.
E saben ao menos para que lado se
encaminhou ?
Nada sabemos.
Tem vQte laizes de ouro quetp me
indicar o caminho que ella seguio.
Nanlmra d nos os pode ganhar, por-
que nio a vimos partir.
Juro f de cavalleiro que nio lhe
quero ncnhnm mal; ontes pelo contrario.se
tanto desejo encontrada para seu bem :
pr.)tege-la-nei e torna-h-hei rica. Digan,
pois, o que sabem, qoe Ihes dou cincoenta
luzes em lugar de vinte.
Nadi sabemos, volveu o cigano. An-
da que nos oferecesse cem vezes mais que
isso, nio poderiaraos dizar-lhe o que de-
seja.
Maklicio rosnou o marquez por
entre os denles. Tenho o diaboconira mira!
Vamos, Lzaro, cavallo. e toca a andar I
Os tros cavalleiros parliram outra vez
galope.
Lactancio ia todo n'uma convalso, e re-
pela comsigo em todos os tons:
J lhe nio vejo remedio Em nos
chegando ao bosque dispara-me um tiro
este maldito marquez.
Durante raeia hora nio proferio Saint-
Maixent nem urna palavra. Repentinamen-
te, porra, parou a sua cavalgadura e a de
Lactancio
Agora que chegou a occasio disse
este ultimo cora os seus botoes. Estou
perdido !
Depois, apezar do lhe parecer intil o
conservar a menor esperanca, balbaciou com
a voz qaast inintelligivel :
Misericordia, senhor marquez t Pelo
Deas que nos ouve, joro qae disse a ver-
dade Ea tmba toda a confianca em Mar
A nossa fatal incuria
Tal insulto nos trouxra,
Era de lodos a injuria,
Qae a palri > de lodos era;
Do Prata ao norte um gemido.
Do norle ao Prata um rugido
De bocea em bocea estrogio,
E o gigante adormecido,
Tio de sorpreza oflendido,
De p, vingancarugi.
Sampaio e Gurjio no norte,
No sol Oiorio, esse Anteo,
Esse guerrero qoe a morte
Inveja e odios vencen,
Triumpho, Menas Brrelos,
Pedra, Argollo e quantos mais,
Nessa lula de pujanra
Eram a sania esperanca
Da patria que os envin,
De todos, Pernambucano?,
Vosso Ilustre general.
Por seus fetos soberano-.
Sendo irmio, fez-se rival.
Na porfa do herosmo
Do patriotismo geraL
Era igua'oespartaoisroo.
Era maior esda qual;
Sin, naquella lua ingeote
Teu dorar curoprido foi,
Soldado, foste valente,
Brasileiro, foste bere.
Agora as bencios da gloria
Urna flor dos cantos meus
Amaobia tua a historia
Depois as bencios de Deus.

Io de outubro.
Jofio Baptixta Guimaret.
ganda I Como havia de suppor que a ma"
rila fugiria d'estes sitios clandestinamen-
te, levando comsigo o menino que en lhe
confiara ? Nio duvide da minha palavra,
senhor marquez. Djus me condemne, so
eu minio !
Acredito no que diz, to Lactancio, re-
darguio o fidalgo core tranquillidade rela-
tiva, mas nem por isso dexa de merecer a
morte, urna vez que me alraicoou, dando
por trra com todos os meus planos.
J que o marquez se dignava de discutir
em vez de pegar as pistolas, nio seria de
todo iraoossivel o convncelo, pensou Lac-
tancio.
Devcmos accrescentar que Saint-Maixent
nunca Uvera tences de matar o mordomo.
Dei por trra com todos os seus pa
nos! proseguio esta ultimo com viveza.
Mas como, senhor marquez ? O menino
existe, verdade, mas em nada o podo
prejndicar, porque a cigana igm ra que
familia elle pertence, porque ninguem, se
nio nos, pode saber da sua existencia.
Ignora, devoras ? perguntoulJSant-
Maixent.
Nao creio qne o senhor marquez me
supponha" bastante parvo para confiar
essa endiabrada raulher om segredo de se-
melhante nalureza, exclamou o mordomo.
Passado um instante de reflexio, leve o
marquez de confessar l de si para s que
tal revelacio era na verdade muito invero-
smil.
Tio Lactancio ?... disse elle.
Senhor marquez 1 volveu o mordo-
mo.
Eu sou clemente por natureza, e re-
pngna-me derramar o sangue sem absoluta
necessidade ; depende anda do senhor o
salvar a soa vida.
Que quer que f*ca ? Estou prompto
para tudo. Quer o senhor marquez que lhe
restitua a lettra das cincoenta mil ?
Isso primeiro qoe naia, j que n
no'pre-
Dar-
ganhoa a promettida recompensa, tornou
o fidalgo; mas nio ficarei por abi: quero
ter ama arma contra o obor, queme
ponha ao abrigo das suas delaces
sent e no futuro.
Urna arma ? repeli Lactancio.
Ih'a-hia de bon grado ; roas qoal ?
Vamos agora para o pavilho, e ha de
alli escrever-me urna carta com data atrasa-
da, na qual me propenda envenenar o con-
de e a condessa de Rahon, o entregar-me
um testamento falsificado, onde roe no-
meiassem meus primos herdeiro universal
dos seus bens.
Misericordia balbuciou o mordomo
tremendo como varas verdes. Mas se essa
declaraco chega a ser conhecida, equivale
urna sentenc de morle para mim.
Profere morrer agora mesmo ? per-
guntou SaiatMaixont, engalilhando um3
pistola. Pode escolher, mas depressa, por
que nio me convm esperar.
Escreverei, senhor marquez, escre-
verei...
Ora ainda bem !
Os tres horaens conlinuaram seu cami-
nho, e n i pararam at chegarem porta
do pavilhio.
Lactancio cumprio dcilmente a sua pro-
messa, e escreveu com t-emula mi orna
carta aecnsadora, que o punha disposieSo
do marquez.
Perfeitamente, disse este mesmo guar-
dando o precioso documento. Restitua-me
agora a lettra das cincoen'a mil Stf e fica
livre.
Nio tenho aqu a lettra.
__Bem sei qne est em poder de Ma-
rnela ; mas prec'so pedir-lh'a.
Immediatamente.
E Lactancio, coxeiando por ter ainda os
pos doridos, diiigio-so para a porta, Sant-
Maixent delevn-o, dizendo a rir :
Alto ah nio tallo antes de ter feito
a restituido.
Mas, senhor marquez, a Marnela s
entregar mim o documento que lhe con-
fiei.
Isso creio eu.
Como se ha dojmntio fazer isso ?
Nada mais simple*
de conhecer a soa lettra ; escreva-lhe om
blhetinho dizendo qoe venha ca, qoe L-
zaro oir entregar.
Lactancio nio tinha mais remedio que
annuir tudo.
Lzaro foi-se com o bilhete, a vollou
d'alli pooco mais a Marnela.
Fiel s recommendaces rio feo protactor,
a nteressaote rapariga trazia eoauigo o
papel que lhe elle confiara pela manbaa.
Siint-Maixent rehaveu, pois, a si cotn-
promelledora assignatura, o disse i Lactan-
cio, que todo era vergonha e confoso:
Agora, grandsimo desavergonhado,
ests em meu poder ;Jvai era paz!
Triste de mim imbcil murmoroo
o mordomo afastando-so com paseo lento a
custoso : tanto trabalhei... para nada
Serv de zombari ao maldito domarjuez.
Em summa paciencia Qnem sabe se ain-
da lerei oceasiio para tomar a desforra ?
Vamos esperando.
Nodia seguinte ao amanhecer, monteo
Lzaro o melhor cavallo das coebeira, e
poz-se em campo. Levava a incomoaocia
de porcorrer os arredores e buscar Mar-
garida por toda a parte. .
Cudava o marquez, que nio sena dimcil
encontrar a pista de urna cigaoa qae da
certo caminhava a p con duas criaacmbat,
no eolio.
Mas ou porque a fugitiva tomasse gran-
des precauces para se oecultar todas at
pesquzas, ou porqoe o dishairo qae me
dora Lactancio tivemo permeitirta o aaaa-
tar-se rpidamente n'alg
verdade que, ao flm
Lzaro muito descorocoado,
noticia algoma da cigana.
Com ella desapparecia
sempre, o nnico herdeiro
riqoeza dos Rabn.
de oito diaa,
e sem
A Margarida, ha
de
do
certo para
e da
(ConlmKr-ar-fcaj
TV/i. OQ MAH.O-rMtJA pO WJQB DE O
N
^
Lfr


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E2ZHOP4WK_MJFWMY INGEST_TIME 2013-09-14T02:12:11Z PACKAGE AA00011611_12229
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES