Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:12226


This item is only available as the following downloads:


Full Text
w
I
I <
4NN0 XLVI. HUMERO 222. f
-------..------.-----------------------~,------------------~~-"sfM
PASA A CAPITAL E LGABIS OHDE *AO SE ?AGA PORTE.
Por tres raevs adiaotados.............. Y.
**or sm ditos dra................g .
for um auno idtuu..................* .
Cada mtunero vukso.......... \~. .
***
-5-2,
SBBADO I DE OUTUBRO DE S70.
'ej-^
6N5O00
120000
24^000
/ 320


PABA DEITBO E TOBA DA PROVKCIA.
Por tres meros adiantados............ .
Por e ditos dem.......'.'.'.'.' .* .' .' .
Por fiove ditos dem .>............ .
Por um anno dem.................
6#70
131600
30*250
27^000
V
Propriedade de Manoel Figueira de Fara & Filhos.
*VO ACONTES:
Os Srs. Gerardo Antonio Alves & Filhos, no Para ; Goncalves 4 Pinto, do Maranho ; Joaqaim Jos de Oliveira, no Cear ; jptonio de Lemos Braga, no Aracaty ; Jlo Maria Julio Chaves, no Assn ; Antonio- Marqnes da Silva, no Natal; Jos Justino
Pereira d'Almeida, em Mamanguape; Antonio Alexlndrino de Lima,' na Parabyba ; Antonio Jos GoxatA na Villa da Penha ; Belarmino dos Santos Blelo, em Santo Antao; Domingos Jos a Costa Braga,
em Nazareth ; Francisco Tavares da Costa, em Alagoas; Dr. Jos Martins Alves, na Bahia ; e Jos Bibeiro Gasparinhono Bio de Janeiro.

PARTE 0FF1CIAL
f.ovenio da provincia.
EXl'EDIKNTK ASSIC.NADO r-ELOEXM. SU. DKSKMnAB Di'HA.VISfD UKASSIS PERHIRA ROCBA, VICH-PBE-
.lUE.vn; DA paoruicak KM 6 DK SIA10 DE 1870.
i.' seccao.
N. 153.Dito ao director do arsenal de puerta.
Eni resposta ao seu odl'io de 3 do corrente, sob
u. 07, lenta) a dizer-lhe que me envi nina relaco
do armamento e corrame reiuettidu directamente
para 'i t'-rmo de Flores, uus seis anuos anteriores
11 de 1868.
N. I."!.Dito ao cminandante do vapor de
puerra Leopoldina.O Sr. commandante do vapor
de guerra leopoldina rcceha e eonduza para a
c re, liordo do vapor ob seu commindo. o ca-
i reformado do exerctta August) Ferreira
..I, que est soffrendo de alienacao mental em
?ro elevado, o qual va i ser recolhido ao hospicio
Pedro II, em vmude do aviso da guerra de 23 de
nbrn de IS68.
N. 170.Portara.O rice presidente da pro-
vincia, attcndejdo aoque requeren Constancio
Jos da Silva Manta Jnior, pralico das barras e
porto d'esta capital, e tendo a vista a nformaco
do capilao do porto, d'esta da'a. sob n 4i, resolve
aneeder Ihe tres mezes de li.:enca som vene-
nientos.
2/ seccao.
N. 10!.Portarii ao Sr. Dr. chele de policia.
Km resposta ao otDeio de V. S. de i do corrente,
b n. (i02, tenho a dizer-lhe que esta presidencia
ja provideirieu sobre a mudanza docoraraandante
di destacamento de Villa Bella, e que providencia-
r a respeito do mais. '
N. 162. Dito ao mesmo.Inteirado pelo olljcio
de V. S. de 3 do corrente, sob n. 679, da occirren-
cia ltimamente havida no engenho Aratangil, te-
nho a dizer-lhe que em taes casos deve a autori-
dade proceder sem apparato de forca, ba-tando que
se aprsente com seos olciaes, fazendo-se respei-
r mais pela lei, do que por aquello.
X. 163.Dito ao cummandante superior nte-
rin i da guarda nacional do municipio do Recife.
Constando do ofllcio do inspector da alandega
d'esta capital, datado de 3 d* corrente, sob n. 311
que, segunde informou a commisso por elle no-
meada para examinar o deposito da plvora na
lia do Pina, tem havido grande relaxacao no ser-
vio do destacamento de guardas nacionaes alli
existente, estando constantemente ssenles as pra-
cas do mesmo batalho, recommendo V. S. a
\ edieao de suas ordens, para que se nao repro-
duzara essas faltas, sendo punidos na forma da lei
o que ascommetterem.
X. 16i.Dito ao mesmo Tendo, de conformi-
dade com a sua informacao de hontem datada, sob
n. 93, designado o 2.a batalho de infamara da
guarda nacional sob seu commando, para a elle
ser aggregado o ca'pito do 4. batalho da provn-
eia do Itio Grande do Norte, Paulino Carrilho do
liego Barros ; assira o communco V. S. para
u conhecimento.
3." seccao.
,.\. 166.Offlcio ao inspector da thesouraria de
azenda.Expela V. S. suas ordens para que, em
vista da cunta junta em duplcala, que me re-
metteu o engenheiro encarregado das obras mili-
tares com offlcio de 2 do corrente, seja paga a Ru-
lino Manoel da Cruz Cousseiro a quantia de......
WlO res, proveniente dos concertos que por
aotoriaacio da presidencia executou na fortaleza
do Buraco, os quaes, segundo o citado cfflcio,
jcham-se concluidos desde muito.
X. 167.Dito ao mesmo. Constando, de reque-
riniento que incluso derolvo, e que se refere a
sua informacao de 25 de abril nltimo, sob n. 287,
4- razoes pelas quaes deixou o promotor publico
da comarca do Brejo da Madre de eus, bacharel
Francisco Dmniugues Bibeiro Vianna, de exercer
as !";:nccfes do seu emprego duraaie o mez de
'inro deste anno, e julgando allendiveis essas
, recommendo V. S. que mand- pagar-lhe
.-eu ordenado, correspondente ao referido mez
d- marco.
X. IW.Dito ao mesmo.Allendendo ao que
requeren o bacharel ioio Vieira de Araujo, juiz
municipal do termo de Cimbres, e lenJo em vista
i soa informacao de 26 de abril ultimo, sob n.
i, recommendo a V. 6. que mande pagar ao
>up(>licante os seus vcncimentos relativos ao mez
de mareo d"este anno, no qual esteve fra do exer-
cicio do seu emprego por ter vinio tomar assento
na assembla legislativa provincial, coja abertura
fot transferida para o l* de abril j :ilado.
X. 169.Dito ao mesmo.Tomando em con^i-
ler&cio o que expoz o soldado do extincto corpo
de voluntarios da patria n. 53, Joaqun) Rodrigues
- Sanios, no requerimento que incluso devulvo,
- i que se refere a sua informacao de 29 de abril
ultimo, sob n. 2!)'), com referencia da contado-
ra dessa thesour ira, recommendo a V. S. que
mande pagar ao siippiicante, mediante fianza ido-
vi. o premio de 30i) que Ihe compete n>is ter-
do decreto n. 3371 de 7 d'1 Janeiro de 1865, e
itlejia nao haver reeabida na corte, c^rto de que
roo dar coaliecimenio ao xm. Sr. ministro da
auerra des>e meta acto.
X.170.Dito ao mesmo.Em vista da conta
lunueo duplicata que nw remetteu o director do
arsenal de guerra com ofllcio de 30 de atTI ulti-
mo, sob o. lili, mande V. S. pagar a quantia de
O. ou o que justamente se dever de transporte
da fortaleza das CmtO Pontas para o mesmo arse-
nal do armamento e equipamento pertencente ao
'xtinctu corpo de voluntarios da patria n. 30.
X. 171.Dito ao inspector da ihesouraria pro-
vincial. Iaterado de quanto V. S. expoz ejn sua
iuormacao de 27 de abril ultimo, sob n. 255, re-
: 'lamendo que, mediante nanea idnea, mande en-
tregar ao majur Jos Doraingues Codiceira, era
(ire.-taces de i00, 2:000, votada pe o." do
art. 16 da lei do oreemento vigente, para a conti-
duaco das obras da igreja de-Xossa Senhora das
Xecssidades da Casa Forte, entendendo-se com o
referido major quanto ao tempo e ao modo por
iuc deve ser effectuada essa entrega.
X". 172.Dito ao me.-mo.Ao Dr. Pedro de
Athayde Lobo Moscoso mande V. S. pagar a quan-
da d 36 proveniente de ama carteira com tin-
taras homeopathicas, que forneceo para a provin-
cia do Bio Grande do Norte, como se v do offlcio
junto por copia, do Exm. presidente d'aquellapro
viocia, datado de 8 de abril prximo fiuJ% deven-
d i essa ihesouraria haver a mencionaba quantia
do agente fiscal da mesma provinjia nesta capital.
X. 173.Dita ao me.'rao.Recommendo a V.
S. que em vist do incluso pedido, mande entre-
sar ao thesoureiro da repartigo das obras publi-
cas, conforme sohcitou o respectivo chee em cffl
ci de 2 do corrente sob n. 111, aquantia de.....
11750<, para oocorrer as despezas cora as obras
o- admtflisiraco oeste mez.
M. 174.Dita ao. meamo.Transmiti a V. S.
i- folhas e pret juntos em duplicata, a que se re-
fere o ofllcio do commandante superior do munici-
pio de Olinda, de 2 do corrente, aflm de qne man-
de liquidar e pajar os veuciineulos relativos ao
mez de abril ultimo, d offlf ial e pravas da guar-
da nacional dertacadas naquella cidaJe, e bera as-
sim a despeza feita durante aquella maz como
fornecimento de agua e luz para o quartul do niae-
mo desucaraento.
175. Dita ao mesmo. -t. De rofomida
o que declaro a V. S. para seu conhecimento e lins
invenientes.
N. 176.Dita ao mesmo.A Ravmundo Pereira
de hiqueira, mande V. S. pagar depois de liquida-
dos, em vista do pre juuto em duplcala, que me
remetteu o commandante superior d* municipio
de Agua Preti, com offlcio de 3 do
. corrate, os
vencnnen'oa relativos ao mez de marco deste anno
dos guardas naejonaes destacados no" povoado dos
Montes. ^mm
N. 177.Dila ao ehefe da reparticao das obras
publicas.Declaro a Vmc. para seu onhecimen-
to e devido- effeitos, que conformando-me com a
prooosta contida na 1" parle de seu offlcio de 4 do
corrente sob n. Hi, acabo de designar o 2 dis-
iricio para nelle serv r o eogenheiro Joaquim Ga-
leno Coelho sendo a sua residencia na villa do Ca-
bo. Quanto a 2 parte, convm que Vmc. infor-
me se nessa repariicao existe algum empregado
com as habililacoes necessanas para ser borneado
para o lugar vago de engenheiro do 4* disiricto, e
no caso negativo se conhece pessoa com essas ha-
bililacoes.
N. 178.Dita ao inspector da alfandega.Intei-
rado de quinto Vmc. me participou em offlcio de
3 do corrente sob n. 311, acerca do modo porque
feito o servico no deposito de plvora na ilba do
Pina, tenho a dizer em resposta, que acabo do re-
commendar ao commandante superior deste mu-
nicipio, a expedicao de suas ordens, para que se
nao reprodnsam faltas de que acensado o desta-
camento alli existente, sendo punidos na forma da
lei os qne os commetterem.
N. 179.Portara.0 vice-presidente da provin-
cia, conformando-se com a proposta d chefe da
repartico das obras publicas, com offlcio de'4 do
correle sob n. i 14, resolve designar o 2 dislric-
to, para oelle servir o engenheiro Joaquim Galeno
Cjslho, tendo a sua residencia na villa do Cabo.
4* seccao
N. 183.Dito ao jniz de paz mais votado do 1"
districto da t'reguezia do Allinbo. Remetiendo
por copia a Vmc. para seu conhecimento e exe -
cuco a incelusa deliberacao desta data pela qual
resolv annullar os trabalbos da junta revisra de
qualificacao dos votantes dessa freguezia no cor-
rente anno, e designei n da 19 de unlio prximo
vindonro, para a reuniao da nova junta.
X. 184.Dito acamara municipal de Caruar.
Remello por copia cmara municipal da ci-
dade de Caruar, para seu conhecimento e (ins
convenientes, a inclusa deliberacao desta dala,,pe-
la qual resolv annullar os trabalhos da junta re-
visOra de qualificacao dos votantes da freguezia
d Altinho, e designei o dia 19 de junho prxi-
mo vindouro, para a reuniao da nova junta.
N. 185.Dito aos agentes da companhia lira-i-
leira de paquetes a vapor.Os Srs. agentes da
companhta Brasileira de paquetes, mandem dar
transporte para a Parahyba, por conta do ministe-
rio da guerra no vapor que se espera do sul ao
major hooirario do> exercito Galdino Antonio da
Silva Freir, que se achava com licenc nesta pro-
vincia e segu para all, o qual pertence ao ex-
tincto batalho n. 23 de voluntarios da patria.
N. 186.Portara.0 vicepresidente oa pro-
vincia, atlendendo a que das artas que acompa-
nharm a lista dos cidadaos qualicados votantes,
na freguezia do Altinho no corrente anno, minis-
tradas pelo respectivo juiz de paz, com ofllcio
de 20 de fevereiro venlicase que a junta re-
visura de quaJidcacao da mesma freguezia, prin-
cipiara os seus trabalhos nodi a 16 de Janeiro
ultimo, e os suspendeu nessa |mesma data por
oito dias, os quaes tendo continuado no dia 25
do citado mez de Janeiro como consta do offlcio
do mesmo juiz de paz de 23 de abril ultimo, devia
terminar o mais tardar no dia 13 de fevereiro,
consta todava da acia do encerramenlo, haverem
sido concluidos pela referida junta no dia 16 do
citado mez de fevereiro, excedendo assim ao ma-
xim) do praso fixado no arl. 20 da lei de 19 de
agosto de 1846, contra o dsposto nesse me=mo art.
resolve de conformidade com o que preceituam
os avisos de 18 do marco de marco de 1854 3o
ns. 148 de 3 de abril de 18 0 5", 186 de 21 de
julho de 1864, a" e 189 de 26 d abril de 1865,
declarar nullos os referidos trabalhos, determi-
nando que guardados os prasos e mais fermalida-
des da lei, se convoque novamente a junta para
reunir-se no dia 19 de junho prximo vindouro,
que para 3s i (ica designado, aflm de proceder-se
re?ulannente a nova reviso.
EXPEDIENTE ASSIGXADO PELO SR. DR. ELIAS FREDER1-
CO DE ALME1DA E ALBQl'RROUE, SECRETARIO DO
fiOVERNO INTERINO, EM 6 DE MAIO DE 1870.
1.a seceo.
N. 187.Offlcio ao engenheiro militar.S. Exc.
o Sr. vice-presidente da provincia manda decla-
rar a V. S. em resposta ao seu ofllcio de 2 do
corrente que a thesouraria de fazenda tem ordem
para pagar a Rufino Manoel da Cruz Cousseiro a
quantia de 893010 constantes do citado offlcio.
2* seccao.
N. 188.Offlcio ao Sr. Dr. chefe de policia.=-0
Exm. Sr. vice-presdeni' da provincia manda de-
clarar a V. S. em resposta ao seu offlcio de 2 do
eorrente que transmiti a thesouraria provincial
para os lias convenientes as folhas e pret que
vieram annexas ao citado offlcio.
N. 189.Dito ao commandante superior da
guarda nacional do municipio de Agua-Prela.
O Exm. Sr. vice presidente da provincia, respon-
dendo ao offlcio de V. S. datado de 3 do corrento,
manda declarar a V. S. que a thesouraria provin-
cial tem ordem para pagar a Ravmundo Pereira
de Siqueira os vencimentos constantes do citado
offlcio.
3' seccio.
N. 190.Offlcio ao cqefe da reparligao das
obras publica*.Sua Exc. o Sr. vice-presidente
da provincia manda declarar a V. S. em resposta
ao seu offlcio de 2 do corrente sob n. 114 qne a
thesouraria provincial tem ordem para entregar
ao thesoureiro dessa repartu;o os 13:75OS0OO
constantes do pedido que em duplicata velo anne-
xo ao citado ofllcio.
4" seccao.
N." 191.Offlcio ao Dr. Francisco Teixeira de
S, Io secretario da assembla legislativa provin-
cial.N. 87.Sua Exc. o Sr. vice-presideute da
provincia manda remetter a V. S. aflm ser
submeltido a consideran*) da assemola legisla-
tiva provincial a inclusa copia do offlcio do ins-
pector da thesouraria provincial de 5 do correte
sob n 270as demonstrases a que' elle se refere
pedindo diversos crditos supplemeniares na im-
portancia de 18:9485290 parla occorrer al o
lim do corrente exercicio as despezas de que
tratam os aris. 2* i*,16 3 2, 21 e 30 da le do
orcamento vigente, llcando nulificados por in-
sulflciencienles os que j havia pedido para oe re-
feridos arts. 16 2" e 21 ; e artento o disposto no
art 4* da lei n. 575 de 5 je abril de 1864 dei-
xando de ser concedido os e rditos cima men-
cionado'.
:r
E com elTeito, o governo italiano, vendo.a ca-lr grata a sua recordaco, em reconhecimento das
tholca Franca lutando com urna guerra sw pro-jqualidados ijue o ornam.
pria dos lempos barbaros, irapossibilitada por isso
mesmo de. cmbanicar o espirito revolucionario : o
enverno italiano, digo, inlitna ao soberano-ponti-
lics que abdique nelle o poder temporal; um po-
der recoahecido por todjs os povos da terr e evi-
dentemente necessario ao bem estar das conscien-
cias. Sendo que a > injusto ullimalum seguio
s*-o raovimeato JoCWeo invasor no intuito do
ultrapassar as fronteras e apossar-se da capital
do mundo christao. E', p is, nestas circunstan-
cias sobre modo aoormaes qae devenios lev miar
nosjos coracSes Dus, supplicando-lhe, com to-
do o fervor do nosso e-pirito, a parte de sua igreja
esta imminenle calatnidade.
E convencido que a oracao em coramum mur-
i agrada ao Ser Supremo, tenho determinado fa-
zer preces publicas pela paz e tranquillidade da
santa igreja e da seu augusto chefe o summo pon-
tfice Pi IX.
Pelo que recommendo V. Rvma. que, rece-
bendo estas letras, as publique estacao da mis3a
conventual, convidanto ento seus parochianos
para asslslirem s preces que devemos fazer; as
quaes lero lugar nesla capital e na cidade de
Olinda nos dias 3, 4 e 3 de oatubro prximo fu-
turo, e as outras cidades e freRuezias do campo
nos das que se seguirem ao em que for publicada
>'sta circular ; devendo V. Rvma. dar-lhe execu-
cao, on recebendo-a em original, oa leodo-a era
qualquer jornal.
Palacio da Soledade, 29 de setembro de 1870.
Conego Joo Chriswlomo de Paiva Torres, vigario
capitular.Bvm. Sr. vigario da freguezia de .
RECriFICACO.O Sr. Joaquim Pires da Silva
"^Horneado para exercer interinamente o lugar
conferente do consulado provincial, durante o
^pedimento do conjerente Francisco Jos Alves
Albuquerqrs, que se acha iicenceado por mu-
stia.
. ESTIVIDADE RELIGIOSA. Celebrase ama-
nh5a, na igreja da Santa Cruz, a" festa de~Santa
Auna, orando ao Ev*ngelho o Rvm. Lino do
Monte Carmelo Luna, e ay Te-Denm o Rvm. Anto-
nio de Mello e Albuque.'que, e dirigindo a orches-
1ra o professor Colas Filho. Na festa e noute
tocar nos intervallos dos actos religiosos, a banda
de msica do 1. batalho de infamara da guarda
nacional.
DIARIO DE PER3AMBUCO. Se chegarem
hoje os vapores brasjleiro e americano do sul do
imperio,, desinbuiremos amanha nosso numen
de secunda feira.
DINBEIRO.Os vapores Mnndah e Pirapama
levaran honiem as seguinles quanlias :
Para
23:871 000
40:8005000
5:000*000
6:000000
13:547 000
FERNAMBUCO.
REVISTA DIARIA,
SUPPLENTES DD JUIZES MU.VICD?AE5.-Ten-
do deixado de tirar titnlo, no prazo marcado, es
cidadaos noraeados para 2o, 4, 5 e 6 supplentes
do jniz municipal do termo de Agua-Preta, e 5o e
6o do termo do Rio-Formoso; por portaras de 29
do corrente resolveu a presidencia da provincia :
passar o 3o para 2o e nomear para 3o, 4o, 5' e 6o
do termo de Agua-Preta aos Srs. Thoinaz Alves
Maciel, Dr. Antonio Borges Leal, Antonio Evaristo
da Rocha, e Francisco Machado Teixeira Caval-
sante ; e para 5 e 6a do termo de Rio-Formoso
os Srs. Dr. Manoel Xavier Paes Brrelo, e Felippe
de Barros Cavalcante.
PRONUNCIA, Pelo subdelegado da freguezia
da Boa-Vista foram pronunciados, como ocursos
as penas do art. 193 do cdigo criminal, Jos
Prisco de Souza e Manoel Marques Dias, este co-
mo cmplice, e aquelle como aulor do homicidio
de Manoel da Silva Jacome Pessoa.
FEBIMEXTO GRAVE-No dia 18 do corrente,
em trras do engenho Ubaca, do termo de Seri-
nhem, Jos Cardoso, e-crvo do casal do finado
Dr. Victoriano.dfi Si.e Albuquerque, ferio grave-
mente a parda Benedicta,- escrav do ovenfo doi f
Carmo do Recife, pnnJo-se em seguida em fuga.
LETTRAS FALSAS. Honiem, sendo aposen-
tada ao Sr. Antonio Jos Leal Res urna letira de
seu cceite, saccada pelos Srs. Jos da Silva Lovo
& Pilhc da quantia de 10:0O000O, que fra des-
contada ao Euglish Bank of Rio de Janeiro, e se
vencer hontem, reconbeceu-se sarem falsas am-
bas as firmas. Procedendo-se exame as domis
lettras existentes nesse banco com as duas firmas
supra, foram encontradas mais duas no valor de
12:000, saccadas e endossadas pelos Srs. Jos
da Silva Loyo & Filho e acceitas pelo? Srs. Oli-
veira Filhos & C, a veneerem-3e no mez de no-
vembro prximo. Ha serias desconfianzas de ter
sido o falsificador e descontador urna pessoa que,
sendo emoregada na casa commereial dos Srs.
Loyo & Filho, della se despedio no 1 de agosto
seguinte para o Bio da Pista.
APOLICES DA DIVIDA PUBLICA.Por ordem
do ihesouro nacional foi mandada suspender a
venda de apolices da divida publica, at ulterior
deliberacao.
THEATRO DE SAXTO ANTONIO. Realisa-se
hoje o es^ectaculo-gala, _oflerecido ao deslindo
general pemambucano bario de S. Barja pelo pro-
prietario deste theatro o Sr. Duarte Coirabra. Es-
irear a artista condessa de Valmonca, contratida
ltimamente no Rio de Jineiro.
AULA PRIMARIA. Comeca a funecionar hoje
a escola publica do sexo masulino, da Cruz das
Almas, na freguezia da Capunga, sob a direceo
do professor Francisco Carlos da Silv;i Fragoso.
DE
Panado
Macei-
o Natal
Mossor-
o Cear
RECLAUACAO.Enviam-nos o seguinte :
,* Os moradores de Santo Amaro das Salina*,
reelamam to Sr. Dr. chefe de policia providencias
enrgicas pira urna companhia de larapios, que
sem receirom cousa alguma, furtam ludo quanto
enoontram pelos quintaes das casas, trazendo os
moradores em continuos sobresaltos ; chegando a
audacia at o ponto de andarem por cima de te-
Ihadoe, procurando sallar dentro das casas.
Aonubdefegado da respectiva freguezia, cons-
ta-nos qne ja se dirigi urna qneixa pedindo
providencias acjque tal aulondade nao deu im-
portancia.;
t O repouso das familta* certamente cousa
qne deve oceupir a attencao das autoridades,
para que vivam ellas tranquillas; e esperamos
providencias emquanto nao se lamenta algum suc-
cesso gravissimo.
i E' bem fcil-de saber onde se acoitam aquel-
los malfazejos e providenciar a respeito. Espera-
mos inda.
LOTERA. A qne se acha venda a 163"
a beneficio da nova igreja de Nossa Senhora da
Penha, que corre quarta feira (5 do corrente mez).
Srs. esembargador Accioli e deputauo Miranda
Leal.
Lida, foi approvada a acta da sesso anterior.
ACCORMOS AStKNA-BO.
Appeaote J. Blurovappellado Jos Alves Bar-
bosa ; embrgame D. Candida Maria dosPrazeres,
embargad Andr Barbosa Soares; appellante. Joa-
quim Francisco do Espirito Santo, appellado David
Flack.
JULGA-MENTOS.
Juizo espeaial do comnurcio : empargante exe-
caladolJoo aptista Gomes Penna, embargada
exequente Anna Josepba Pereira doe Santos ;
juizes os Srs. Silva Guimaraes, Beis e Sirva, Baslo
e Rosa.. Nao se tomou ennheciment dos era-
bafgos por viren fra de tempo.
Juizo especial do commercio : appellante reo
Joaquim Francisco do Espirito Sanio, appellados
autores Lelmann Frres; juizes os Srs. Silva Gui-
maraes, Rcis e Si!a, S Leiio e Rosa. Fo con-
firmada a Matonea appellada, sendo voto vencido
o Sr. Rosa. .
ApDellantesTasso-Irmos, a?pehdo Antonio Md-
reira Beis. Adiada a pedido d um don Srs. de-
putadoe.
Nao estando presentes os Srs. Accioly e Miran-
da Leat nao puderara ser julgados os fetos alta-
dos as sessoes passadas. entre parte*>, appellanle
Joao Francisco de Srvalho, appellado Munonj
Francisco da Silva Novaes; embargante os cu-
radores (Iseaes da maasa fallida de Antonio Pedro
ile Mello, embargados Jos Marcelino da Rosa de
Filho ; appellanies a viuva e herdeiros de Diogo
Jos da Costa, appellado Antonio Dnarte Carneiro
Vianna ; aopellante Joajnim da Sirva Costa, appel-
lado Joo Rodrigues Cordeiro ; embargante Joa-
quim de Aeevedo Maia, embargado Jos Antonio
d'Almeida Guimares; appellante Antonio de- Aze-
vedo Neves, appellado Beato Jos de Macedo Po-
cas ; embargante Jos Carlos Teixeira, embarca-
dos Oliveira Filhos & C.
Contina sobre a meza o feito adiado a 24' do
correle, entre partes, appellanies fts Alves de
Agniar, appellados os administradores da maesa
fallida de Antonio Jos de Fgueiredo.
AGGRAtfOS.
Juizo especial do commercio : aggravanle o ca-
pitao da galera americana Oecean Amar, aggrava-
do o juizo.
O Exm. Sr. presidente negon provimenlo.
Encerrou-se a sesso urna hora da tarde.
mo benvolos, jua leviacdude e espirito d
in triga.
Assim o qnerem.
Sna almasua palma.
(Continuar-se-h).
Co ver ao dr Mspado.
SEDE V ACONTE.
Gfrcular.
As noticias verdadw'.raraente assnslodoras, vm-
das da Europa, pelo oj fimo vapor, sobre mais um
outro alternado conv.a o poder temporal do sobe-
rano pontifico, e par. consequencia contra a paz e
tranquillidade da 'santa igreja catholica apostlica
romana, muito de' /em preoecupr o nosso espirito,
de com a proposU do ebefe da ronartrcao das visto como venv*, 0 pai eommum dos fiis exposto
obras publicas contida em offlcio de 4 do .orreflve perseguic* r.e hotsen* qne se dizen christaos,
sob n. 114, acabo de designar o 2- distrieL araiUnenundo, w .tretajito", o corado o que proerem
nelle servir, o eojenheiro Joaquim Galena Soej W Pelos ,ahtQa*
CIDADE DE OLINDA.A confraria de Nossa
Senhora do Rosario de Olinda, em vista de ordem
do Exm. e Bvm. Sr. governador do bispado, passa.
a fazer rezar o terjo de Nessa Senhora na sua>
igreja. e nao pelas ras da cidade. O aclo de-
S Exc. Rvma. foi muito acertado, por evitar as
inconveniencias que praticavam almas peuco ca-
tholicas.
CONVENTO DE SANTO ANTONIO DO RE-
CIPE. Achanda-se em obras a capella-mr deste
templo, nao ser celebrada festa solemne do pa-
iriarcha S. Francisco no dia 4, mas sira urna mis-
sa cantada s 7 horas da manhia. O" Rvm. gttar-
diao prosegne com a ultima obra da sua igreja (os
concertos e douramento di altar raer}, eonfiad oa
carade publica que, nunca tendo faltado aos
seus antecessores as outras obras de maior vul
to, vira ainda esta vez auxilia-lo a por esse altar
a par dos outros e do rerto do templo. Os fiis,
apreciadores dos servias desses religiosos, nao os
levem abandonar na presente quadra, e por isso
lembramos-lhes que rao on mandar o bolo indis-
pensavel obras desse templo.
PAVIUIAO SANTA ISABEL.-Agora qne se re-
tirou a companhia de D. Mareos Casali, e que
cessou portante o principal motivo da conservacao
desse feio barraejio do Careno das Princezas, por
que razan consente a cmara municipal exista elle
e mesmo seja reparado, como nos drzem que tai
ser?
Pois nao se eonsentio na ree-lilicaQo do Ibeatro
de Santa Isabel, por causa do aformoseaanenlo
dessa praca, e hoje se hade consontir na existen-
cia de nm barraeco tosco e desforme, s para que
este ou aqueile satisface seus caprichos ? '
Da cmara municipal esperamos providencias
no sentido de desapparecer semelhante escndalo
publico.
ALFANDEGA. Eta repariicao arrecadon no
mez de setembro 873:193*907.
O GENERAL FONTES.Entrega hoje S. Exc.
o commando das armas d'esta provincia ao Exm.
Sr. general Bao de S. Borja, quem o governo
imperial nomeou para substitu lo n'essa impr-
tame e honrosa commlsso.
Ao deixar o Exm. Sr. general Fontes essa posi-
cao offlcial dever registrar nestas columnas, que
no desempenho daqueila conmissao sempre se
houvera S. Exc. de modo a manter em condiedea
convenientes de dignidad? n reputacao, que ha
feito ja as retacSes pessoaes de particular a par-
ticular, ja na esphera dos aetos de funecionario
publico.
O governo imperial dispensando-o do commando
das armas d'esta provincia, em duvida lhe desti-
nar alguma outra coramissao de Igual Importan-
cia e conflanca, que lhe do jui seus' preceden-
les e servicos ao paiz, devepdo no entreunto &
Exc. ficar certo Je. j|v\t; fernambaco lempre. e,
J Kllll \\l. DO COH1ERCIO
^CTA DA SESSO ADMINISTRATIVA DE 29 DE
SETEMRRO DE 1870.
BSIOENCIA DO BXM. SR. DESEMBARGADOS AKSBLMO
FRANCISCO PERETTI.
s 10 horas da manha, estando reunidos os
Srs. depuUdos Rosa, Basto e supplente S Lei-
lo, faltando com parlicipacao o Sr. Miranda Lea I
S. Exc. o Sr. presidente abri a sesso.
Foi lida e approvada a acta da sesso de 26.
npBMBfira. -
Oificio ao secrelario do tribunal do commercio
da corte, datado de 6 do corrente, enviando a re-
l.'.co dos commercianies matriculados no mez
prximo passado.Acousese earchive-se.
Offlcio do presidente e secretario da associaeao
commereial da cidade de Mario, pedindo a crea-
cao de urna junta de corretores a bem dos inte-
resses commerciaes daqueila praca.Haja vista o
Sr. desembardor Gscal.
Foram rubrica os livros diario e copiador de
Jos Velloso Soares, dem dem de Candido Jos
da Silva Guimares.
DESPACHOS.
Requerimentos :
De Ednardo da Silva Ferreira juntando para
ser-lhe registrada a nomeaco de seu caixeiro Ro-
dolpho Cavalcante de Albuquerque.Reconhecida
a firma da nomeaco registie-se.
De Jos Pereira de Azevedo, juntando igual-
mente para registrar-se-lhe a de sen caixeiro
Francisco Optaciano de Luna Preire.Registre-se,
De Manoei Pedro de foronha, juntando tambero
para o mesmo dra a de seu caixeiroManoel Pedro
Alvares Jnior, assim como a procuracao bastante
exigida por despacho de 16 de agosto ultimo.
Recistre-se. .
De Jos Francisco Diniz, requerendo certidao
de s achar ou nao registrada a nomeaco de seu
caixeiro Joo Domingues Carneiro.Certifique-se.
De Achellis Aoglades.snbmetlendo regi-d.ro a
nomeaco de seu caixeiro Jos Joaquim da Costa
Guimires.Registre se.
De Pereirc Irmo i C, submetlendo tambem a
registro a de seus caixeiros Beru-rdo Casado de
Arroxellas Galvo e Augusto de Araujo Franca.
Registre-se. ,
De Thomaz Lins Caldas e Satyro Emiliano Met-
ra de Vasconcelos, apresentando para ser re?'-
trada o sen contracto social.Vista o Sr. deseiu-
Dargador fiscal.
De Maneel Cardoso de Souza & C apresentando-
registro a nomeaco do seu actual caixeiro Jos
Primo de Oliveira e pedindo nota no registro da
do caixeiro Joo da Silva Duarte. Como reque-
ma. ,
De Marques Santos- & C, tambero apresentando
registro a de seus caixeiros Bernardo Casado de
Arroxellas Galvo e Augusto de Araujo Franca.
Regisire-se. ...,,
Do corrector geral Francisco Jo*- Sityeira,
mostrando haver nap> o imposto do sea offlci re-
latim ao 1 semesire de 1870 1871 do que apre-
sentava conhecimeoro. Registrado seja entregue
ao supplicante.
De Belarmino d Reg Barros, admmistrador do
trapiche Tasso, pedindo baixa no competente
re-isiro visto nao serem mais seus caixpiros Jos
Ferreira Lopes Reis e Orestes da Costa Reg Mon-
tero e de se acbar inscripto Lioninio Joaquim de
Lima.Como requer.
De Domingos Nunes Beirao e Manoel Nunes
Beiri pedindo que se Ihes registre o seu con-
tracto social. Cumpram o art f g 7 do decreto
' De Justino los de Souza Campos, apresentando
para ser registrados os estatuios da companhia
Santa Thereza que incorporara para execu-
cio da empreza do encanamento d'agua para a
cidade de Olinda. Vista ao Sr. desembargador
fl8Da*Traiano Cesar rj Albuquerque, pedindo o
reeisiro da sua nomeaco de caixeiro da casa
commereial de Rosa i Irmo.-Na forma reque-
rida.
COM PARECER FISCAL.
Offlcio do conservador do commercio da wrany-
ha sobre o facto de ter o agente dei reilSes Felippe
Carneire Estrella centrahido sociedade eoramer-
cTal.-Amoado pelo Sr. Dr. offlcial-mr, d-se vis-
ta ao Sr. desembargador fiscal.
Contracto social de Felippe Estrella & C, W
dDisiracto social de Arminio & C. Regstre-se.
A's 11 horas e mea foi encerrada a sesso.
COMMUNfCADOS.
Callaboraijo.
ni
3ESSO JUDICIAR1A EM 29 DE SETEMBRO
DE 1870.
?B*aBHWtClA DO KXM. SB. DESEMBABOADOR A. F.
RETTI.
Secretario, Julio Gvinares.
Ao meto dia declarou-se aberta a sesso estando
reunidos os Srs. deseraargadores Sirva Guiraa-
raes, Reis e Silva, debutados Rosa, Baso.esup-
plento S., t*iiie, faltando era pa.rtflC)acao os
Principiamos por notar qne o articulista nao-
locou na acareacao, nem ao menos para mostraj
que a reirataeo de Eduardo fera motivada por
sortilegio, presso ou promessa, oupor outra razo
que lhe tirano o valor.
Por isso dissemos qne tinhamos o direito de
suppor-lhe requintada m fe, porque nao ignoran-
do elle essa circunstancia, assim como outras que
calou, nao lem o proposito d, como inculca, es-
clarecer nm negocio qu tasto tem embrulhado,
mas enrdalo, para dahi tirar proveito-para seus
lins, e estes esto claramente patentes, que vem
sersevar o odio- velho que a familia S e Albn
querque vota ao tenente- coronel Gaspar, quera
de ha muito calumnia por todos os modos: des-
acreditar a situaco e as autoridades conservado-
ras que porventura tenham tomado ou venham a-
tomar parte no negocio, principalmente o r.
chele de policia : levar de envolta nesse turbilho
caracteres distinctos quero, aquella familia vola
odio igual,' prejctHcando-lhes- assim a reputaco
quer particular, quer poltica, finalmente, e ah'
est sobretudo o maior empeaho, afastar suspeilas
de sua propria casa e familia, que no-caso de ha-
ver euveneuamento, o que sempre contestamos, se
ergueriam vehementes e rodeiadas de innmeras
eircumstancas, que trazem perplexos muitos espt-
ritos serios e remetidos.
Para conseguir tal intento, o esfereo, embora
supremo, ser baldado.
Deixemos, i>or emquanto, estas observacoes qiie
de passagem fazemas para oceuparmo-nos do que
respeila propriaraente ao assumpto.
A acareacao de Camari) cora Eduard, foi a
clava de Hercules. Os embustes que suggeriram
a Eduardo, e que eram parto infeliz- de concepro
diablica, dissiparaiu-se como o fumo.
Eduardo ante a victima que lhe liulia sido indi-
giuda, intenta ainla sustentar as declaracoes-:
mas, diante da calma, seguranc e sangue- fri
d'esta; diaote da interrogaco succinta e brevo ;
diante da interpellaco enrgica da innocencia e
da verdade, e livre da presso de sens al gozas- que
essa audiencia deixaram de ser admittides, re-
colhe-se por momentos, e confessa que tudo quan-
to at all dissera acerca do envenenamentolhe
fra suggerdo por seos senhoros; confessa que
esses embustes e declaraQoes fra levado pela
aineaca de sw queimado vivo, e nara fazer eoaaar
o brbaro castigo, que- lhe nflingiamtnetudo
em duro tronco, e inantdo por largos dias em
priso iotoieravel: confessa,. afinal, que nunca
propinara veneno algum aos finados, e que nunca
vira Jos Caraaro, aera cora elle se entender.
A verdade, a gura tempo oceulta e aflvotta em
trevasuando coraeca iransparecer de urna
lgica implacavel: tudo si* acolara essa luz.
As novas, ou para melhor dizer, as verdadeiras
declarac6es.de Eduardo, ^ram tudo limpo, e to-
das as eircumstancias as eoafirmam.
VerQca-se assim qu os sinaes que Edu.^^d.>
dera de Jos Caraaro nao combinan con os d'esl
iudividuo, prova evidente de que Eduardo nunca
vira ao dito Caraaro, nem com elle se enten-
der.
Verica-se que Camaro cabra escuro, de
mais de 50 annos, e de cabellos encarapinhad"s;
ao. passo qn Eduardo o pinta cotacor de cama-
rao torradoon fulo, apenas pintando, e cora ca-
bellos corridas.
Verca-se qne os frascos apontados por Eduar-
do, nao continbam residuo algum de substancia
venenosa, e sim lquidos commons.
Verifica-se, finalmente, que Eduardo fra hor-
rvelmenle seviciado! !
As inverosimilhancas das primeras conllssoes
de Ed.uardo, vieram por sua vez urna por urna
enfiieirarse ao lado das ultimas para t'azerem so-
bresal* a verdade d estas, e a mentira e falsidade
d'aquellas.
Os boroens honestos, os que viara nos Srs. de
Guararapesseus iguat&em $entimentose entre
estes o Sr. Dr. chefe de policia, aecusavam crer
em tamanha perversidade, qnal a de sangue
fro, e calculadamente, para um flm torpe, attri-
buir-se um crime d'esta gravidade seus inimgos,
aflra de Ihes ver descarregada a severa punicSo
da lei 11
E' um novo systema de vinganc.
Acreditavain na boa le da familia S e Albu-
querque, ainda que nac acredilassera no envene-
namento.
Os factos fallam raais alto do que os sentimentos
generosos que repeliera to hediondas, torpes e
infames supposcdes.
Tambem ni os repeliirnos, e por muito tempo
rteusou-se o nosso espintd em acreditar to negra
alelvosla. Fallem, ponim, esses (actos, embora
soffra a familia S e Albuquerque as consequen-
cas e sea? actos, on, para serraos em extr6-
PUBUCACOES A PEDIDO.
Fr, Pono do Amor Divino -
carenhas. aopublico.
m
Cor.ipletadc meu triennio na prelaswlc OlioJ.i.
que comecara em 1854, foi substituido pelo Rvd.
Fr. Loirda Pbreza Machado, tiae efeotnoo^ >-
vantamento dosequestro, e le.'oou ptwsrdos res-
tos ^destronados *) de (venturado Carmo de Olind..
Esses destroeos, porm, desj vez. ^abiram a
nmiimporiancia e valor, de qye nnnea mais g.--
zon eie palrinwoio ; porquanto, imdo -. 'jzti i.
publica seqoesirado e reivindicado indo o que di
?iam ser do-Carmo-de Olinda, o-tudo que a qnan-
do prior de 185V a 1857 tinha de-cobert > e tt>-
nonciado > governo, conseguio- dessa f<,n ar-
cQiaolar um aeerro de bens e d dinheiros. qn-
faziam creseer- os olivos at dengem nao era (ra-
de : de son que assim mesmo foram eotre^nc-
ao Rvd. Fr. Lun da Pureza Machado, segivatto fi-
arnos de seqneslrev o seguinles- objectue e li-
nheiros :
Predios- e dtnheirrs
Urna casa i>. 41, roa de Mathiae Ferreira qu-
rendia 33000 mensaes.
Alugueres vencidos doraale os MI annos. fjaf
esses bens estiveram sequestrados s deposiad-i-
1083000.
Duas ditas ns. 27 e 28-, mesma raa, a qn-> j.
haviam sido alienadas- e- reaiqniridJ por esforr/
meus.
Duas ditas ns. 7 e 8; sita J rna Je S. Best.
que readiam 6409'por mez.
Alugneres de tres anno vencidos WiOOO.
Urna dila n. 9, no largo do Amparo.
Alugueres de tres ann-is IWlOOll.
Duas ditas ns. 72 e 73 i roa do roaoa non,
rendeodo amlias 53000 mensaes.
Alugueres de (res annos-18000.
I'm.i dita arruinada e ohabitada i ra de 3:
Pedro Hovo.
Terras'e dmheiros.
A propriedade do '. Im, qae renda OiOOO an-
nuaes.
Bendae de tres annos 3O04OOU
A berta do convento, que ento s :~eadi "'" V
por armo.
Reodas de tres anno 2S8OO.
O Jardim Botnico aforado a (azend. naci-mr-
por 80*f> por anno.
Foros de tres anno 21*090:
dem atrasados, de 1847 a 1"*, 72C4>.
sitio de hortas, junio-no Jardim Bou:*, af--
rado por 6O00 anouaes.
Foros de tres annos 18000.
dem denominado Sebastie Lepes, temto do >-
ro 28e> por anno.
Foros de tres annos 8*100-.
dem denominadoSiviso,qoe renia de H -
ros aiinuaes ojOOO.
Foros de (res annos l'^UOn.
Diversos terrenos aforados roa do aUMal Fer-
reira a 5160 por anno,
Foros de tres anuos I5i0i
dem ra do Bom Fim por 2o60 por aoao.
Foros de tres anuos 7fi80.
IdeiK ra de S. Francisco at onde -hega >
marco de pedra, r.rodeado ILS.'ifiO por auao.
Foros de tres annos 9**680.
Um terreno ra das Larangeiras a I.00- por
anno.
Foros de tres annos 1S00.
dem ra dos Gatos lM por anua.
Furos de tres annos 20OOt
Prata.
Urna custodia de expor o StnMrssimo Sacramen-
to, vendida para Rio Forraos-i e readqckiida p r
mim em 1*55.
Da lliuribulo, naveta 3 colber.
trina amova, vendida para Goyanna o readqai-
rida por roim.
Uro dito e naveta, rendidos para B!ra des
udade. e reiiavidos por mim.
Urna cora grande de prata donrada da Nui
Senhora do Carmo e omra to Senhcr Meoiai
Dtros.
Oulra ds Nossa Seniora da Boa Morte.
Outra menor e desconcertada de Sant Anna.
Lima custodia pequea de Santo Lenln-.
Dous ealices e seus aaMaaaaa,
Iiiiii anihula pequea.
Tres pares de brincos ds podras, sende "am ava-
vado em ouro.
Dous Iwbitos de Christo.
Lim auel de pedra de pouco preco.
Duas chaves da prata do Sacrano.
Um par de galhelas e prato, vendidas era lin-
da e adquiridas por raun.
Nada mais se contitiha no inventario do* bon-
sequeslrados, que foram entregues ao ir. La d .
Pureza Machado.
Curapre declarar qae o enjienho de Carnaasar
j nao era do Carmo de Olinda ; porque rara ven-
dido com licenea impwial pe i Fr. Joo Lecas d
Mtnie Carmelo, quaudo em |M0 veio aaaa pro-
vincia para este liiu, dizend te-lo vendido por
W.OOOaOOO, quando se elle conliecesse a grantV
extenco daquellas trras nao as vendera por me-
nos de 150:000*000^ e que os qnarenu sei es-
cravos, que eram fabricas do referido-engenho, fo-
Tam lodos, sem excepcao de um euraviados pe-
Fr. Joo Lucas, que vendeu escravoa ; dea e^era-
vos ; alforriou escravos.....escravos ; e coodu-
zio escravos comsigo para a Haba. 1
Apezar disto se v, todava, qne o Fr. Lu J.i
Pureza tomou conta de um soflmel patrimonio -
rendimento, que se fosse bem administrado e apr'-
veitado formara hojeum grande patrimonio ; vi~-
to como o convento nessa data nada poderu de
ver, pois, que em 1850 se havia effeetnado a ven-
da do engenho do Camassari por 44:000#00par^
pagar dividas.
O que esse frade fez de tanto dinheim, qne re-
ceben, nao se i mas sei qno em 1882, qaan 1
voltei para substitu-lo nesse desastrado pnora*
por eleico capitular, quasi nada mais existia d
que fleon mencionado, coran pa-sarei a diair
provar.
Cabe aqu fazer um reparo, que leona por It.
mostrar urna notavel coineidtrocia as minhas are-
lasias, e qne nunca fui nonieado para nm con-
vento, que nlo o encontrasse derrotado, e qoe eu
nao houvesse de reconstituir seu patrimonio : *
nunca o reconstitu, que nao fose logo substitu
do por outro, que desse men trabalho se aprovi-
tasse at o desperdicie ; por exempto, em 1HW in
nomeado para o hospicio das Alag*, qoe h;vi*
sido abandonado ha vinte e qnatro annos, e qnaa-
do de alguma sorte lorraei um pequeo patriar
nio, o Fr. Joo Baptista foi estravia-lo. Em !>
vim pela priraeira vez para o eonvea **.
que encontrei em pessimo estado, e depois d
feito algum servico, o Fr. Jo Baptista e oatro,
Fr. Jos Lins, foram enviados para dostroca-i
at que por flm o abandonaran!, quando nad.
mais poderam vender, por rio actarom eoaapra-
dores. Em 1854 encontrei o resto do patriaiaaiitf-
Olinda sequeslrado, pelo que tive de aamaMar
coma fazenda nacional ataque eoaaagm pa
trumpho ; mas quando se devia levantar i
quesyo para o convento ixnar posse to
%
\



I-
DiaflO de erttambttoo gabbad i e Oulubfo de 870'
/
que -por essa razio tinham crescido, veto substi-
tuir-me o Fr. Luir da Pureza, que os deixou re-
dundos a menos de ura terco do que receben. E
m 1881, finalmente, toraaado conta dos sobejos
do Fr. Luiz da Pureza, e leudo eogrbssado esse3
resto* com ootros beas no valor de mal* de.....
16:000,1000, veio agora o Fr. Aloxandrine rece-
toer a heranga, que eslive/adquirrado ; e porque
paz alguma duvida sua qualidade de herdeiro do
convento, flcouoffendldo ; (embrease de dizer que
aou desobediente a meus superiores ; ponio-me
com a d.oposicao do priorado ; suspensio de or-
dena, pena de morrer a fome, e at qtl mandar
prender-me 1 Se eu, porm, Ihe tivesse entregue
ssas gottas de mea snor, sabnisso e callado pa-
ra elle f-izer o que flzeram os outros, seria eu um
hom frade, obediente t irtnSe em Jess Christo; de
modo que ha vnite seta annos tenho feto o papel
de ganhador dessts mus irmot em Jess Chsis-
to Que s rte I
E', pois, certo e mu certo que o Fr. Luiz da
Pureza estragou e esWaviou, quanlo pode, nos
seis aanos ds Ma prelasia de Olinda, os bens des-
te convento, levantados do sequestro da fazenda na-
cional, o boa somma de diuheiro; e era to nota-
vel esse escndalo que o Fr. M.inoel de S. Joa-
qun Teixeira, provincial era 1863^ cheio de juta
iodignacao por osse procedimento, assiin se expri-
me na carta, que era data da 7 de fevereiro de
1863 me dirigi :
Animo-o a qne mostr por facaos, que, ainda
sera meios pecuniarios e s nsturaes trabalha-
mos no resgate do desventurado Carino, eujo
atrazo, cou magia o digo, tem partido mesmo de
seus ingratos religiosos. Vi mais o que disse
sobre a< venias que ah fez homo ingrato Fr.
Luiz Machado : a resposia nesu uesma est.
Deve ainda ficar aqu consignada esta verdade :
que todos es estragadores do pal'imonio de Olin-
da liveram diarias e ajuda de custo; e eu nun-
ca as rece, nem'uma, era outra cousa ; os pri-
mairos nanea demaaaaram, e eu sempre deraan-
dei em favor do convento.
Era, pois, o patrimonio do convento do Carrao
de Olinda em 1862, ura formidavel esqueleto, que
pela grandeza de suas forris, conliecia-se que era
de ura tremendo gigante. Constava elle daquilio
3ue recebera o Fr. Luiz da Pureza Machado, em
854, menos o dinheiro e os segoiiites objectos :
Casas.
A da ra de S. Bento n. 8.
A do largo do Amparo n. 9.
A de S. Pedro Nova n. 12.
As duas da ra de Mathias Ferreira u>. 27
28.'
Trras e foros.
Os terrenos aforados na ra de 5. Francisco.
Ditos ao finado eonego Joao do* Santos Fragoso.
Ditos das casas m. 8 e 9 de Bento Alves Be-
zerra.
Os foros do Jardim Botnico, cajo terreno en-
contr! fura do dominio directo do convento.
RB bragas de trras, que foram vendidas.
A renda da proprieda do Ub, reduzida a 24|
por anuo, quando senpre realera lOOjO'JO.
- A harta do convento reduzida tambera de 1004
a 241000.
Prata.
A ambula, turibulo e naveta ; as galletas e pra-
to; o uro turibulo e um calix ; e urna chave do
sacrario.
Encontrei tambera as seguintes casas penhora-
das pela;fazenda para pagamento de dcimas atra-
zadas.
A da raa de S. Bento, n. 7.
A da ra de Mathias Ferreira n. 41.
As da ra do Amparo, ns. 72 e 73.
Nao encontrei no convento sens livros de notas
que deveriam attestar o estado do patrimonio, por
3ue foram queimados, para nao restaren) vestigios
3 todas essas transacc6es, que um dia poderiam
ser descobertas, e anulladas.
E'este o fiel retracto do Carmo de Olinda, quan-
do o encontrei era 1862, abatido, consumido e ca-
davrico, e contra o qual os religiosos da Baha
lavrarara invv.igavel sentenca de exterminio ; por
que havia e h i ainda o proposito de dissipar os
beus da ordera, antes que azeoda nacional
d'elies se queira apossar; para isso disoerdic>-
vam, estracrovara e faziam doacSes s afUkadas, a
cus! do Carmo de Ooda, que era quasi sempre
o condemnado as anatas. E a raaior prova d'es-
ta verdal) est na venda do engenho Gamassarv
por 44:0004 para pagar dividas do Carmo da Ba-
bia. N'o calculan elles que se conservaren! e ze-
larem os ben* da orem, tero, eru manto exii-
rem, rendiraentos *iastante3 para passarem com
ahasianeia, sen prejuliearem o direito eventual da
fazenda nacional, de quera se mostram tao foro*
inimigos; e quand > nao existir mais a ordera, nao
precisar) mais restes bens; por isso, era caso
nenhum sofrero prejuizo em conservaren) e zela-
rem taes bens, como devem e sao obrigados.
Eu, porm, nlo podia resignarme com o esta-
do deploravel do Carmo de Olinla, que era de mi-
nba predileccao, e on Je havia j consumido tan-
tas forras e fadigas; estado que podia ser melbo
rado, se lomea reaiquiridos Jos bens que por ah
andavain perdidos eextraviados.
aaetei, pois, a posada tarefa da reivindieaeao
em fevereiro de 1863, nao sem prever as terriveis
consecuencias, qno d'esse acto poderiam resultar;
porque ia despertar e tocar em inleresses de mui-
ta gente poderosa, que quera ser considerada
como mui conscieneiosa. Eu via diante de mim
urna espeelativa de rehaver para o convento um
valor superior a 150:00041 I Terra, casas, es-
cravos > prata, que sao do convento, e que por
ahi exi-tem na pos-e de individuos, que d'e es
objectos nao tem titulo algum, podem sabir a este
alto valor, senao a mais I I
Foi meu primeiro acto a reivindicaco do escra-
vo Eliseu, cuja venda me havia sido imputada.
A_. depois, da osera va Lydia, e seus dous filhos,
Cndido e Braz, que Aeram logar esta terrivel
questo, vendida pelo Sr. fre Joao Lucas, que por
essa razo tanto se encommodra cem o mea pro-
cedimento. E conjunctamente passei a readquirlr
os escravos Ddebaldo, Lourenco, Mequilina, Bita e
Eutiquiana. que vieram "todos para meu poder, e
dos quaes fallecer Lourenco (como posso mostrar
com attestadode medico e certido de bitos) e aos
outros qne passei cartas de liberdade.
Tambem se aeba liquidado n direito do convento
sobre os escravos Amaro e Francisco, filhos de
Eutiquiana, que ainda esiao na posse de Joao Fer
reir da Costa, por me ter faltado lempo, e meios
de mandar busca-Ios.
Deve-se entretanto notar que a importancia
d'esses servieo* nao consiste siraplesmente no va-
lor dos 11 escravos adquiridos; mas principal-
mente no precedente firmado, qne tem forja de
cousa julgada, que estabelece o incontestavel di-
reito do convento a 40 e tantos escravos, que se
acham era idnticas ei rea instancias dos reivindi
cados.
Beadquiri as easas vendidas pelo frei Luiz da
Pureza Machado, os terrenos, solos e foros que.
elle vender ou abandonara.
Resta beleci o dominio directo do convento so-
bre o Jardim Botnico, que fura vendido a finado
Dr. Feitosa, como trras proprias: a renda de
1004 da propriedade do llb, e a da horta do con-
vento.
Adquir calix, turibulo, custodia, e outros objec-
tos de prata, de que tantas vezes tenho fallado, e
sao conhecidos ja do publico : em ama palavra,
augmentei o patrimonio de Olinda com valor su-
perior a 16:0004000.
E' verdade que quando assim proceda, nao dei-
xaram meus inlmigos, e especialmente os que
eram feridos nos seos interesses, de pajumniar-
rae, j perante as autoridades civis, j perante
eclesisticas denunciando-me, a mim, coma
qaalqaer forma o mais insignificante de seus bens
e que a ootros coabe eja fortuna t privilepo
agora, se me derem licenca, irei fallar do outra or-
dem de servicos, nao menos importante, .qae
preste! no sentido de sustentar e raanter a forca
moral dos meus conventos, e principalmente do
de Olinda.
XXIV
No anno de 1834, quando eu me oopuz com
todas as torcas a que foeie trasladada do Carmo
de Olinda a sagrada imagem do Senhor dos Pas-
sos, resistjpao s ordens o despachos dos Exras.
bispo D. Jalo e presidente da provincia, o
Srs.
conselhei'ro os Bmio,riive tauibem de'"sustentar
urna lucta anda mais renhida, cora a irmandade
doaia raejma imagem do Senhor dos Passos, que
pretended que lhe fosse concedida a igreja do
convento para servir de capilla para essa imagem,
licando son sua administraco. pelo pretexto de
que a igreja e convento estavam abandonados, i
pres'es a aesabarera.
A' primeira vista se conhece o malicioso tnten
to de semelhaote irmandade. que alus eoeontrou
todo acolhimento da parte das autoridades civil
e ecclesiastica ; e foi preciso para derrabar esse
catteMo, que nao teria oatro resultado seno a ex
tinego desse convento, lular como gante para
nao doixar que se posterRassem os direitos e pri-
vilegios do convento, e foi logo em seguida qae
entrei na demanda com a fazenda para nullificar
o sequestro de que j tenho Miado.
De 1862 para ca novos Jeitos destinguera raen
ultimo priorado.
Tive de ir ao legar Abren de Una em procura
do livro do tombo do conventa de Olinda, onde
gastei 15 dias, e urna somma superior a 2004 ;
porque, desse livro tinha apenas urna noticia vaga;
e fn obrigado a procura-lo all de casa ero casa,
at qu encuntrei no poder de um negociante de
molhados que o tinha e o possuia sem o menor
apreco a ponto de ter sobre urna prateleira, con
demnadas j as suas foHias a servirem de em-
brtilhos.
fiesse precioso livro, que milagrosamente esca-
para s chammas da fogueira, que consamiram
iodos os outros, monos interessantes, talvez, se
acham declarados todos os bens, e suas origens,
qae conslituiram o primitivo patrimonio desse
convento, e donde se deduz o eonheciraento de
que omitas propriedades qae estao na posse de
alguns particulares, sao pertencentes a esse con-
vento.
Entretanto, desse thesouro nao tiaham noticia
os prior.es e prelados da ordem, 'que delle nao
curavara.
Ainda mais; constando-me que urna sagrada
imagem do Senhor Crucificado, que se adora na
igreja da Santa Cruz, desta cidade, perteneente
ao Carrao de Olinda, que tinha sido vendida pelo
prior de entao, (tenho pejo de dize-lo) tentei rei-
vindica la, para o Jim de nai d'ixar passar inc-
lume esse sacrilegio ; e moito embora nao obti-
vesse a restituicao delta ao seu templo, todava
fiquei bastante satisfeito, por ter provado plena-
mente minba intenco.
Occupar-me-h^i agora de um derradeiro faci,
e pore termo a este assumpto.
Em 1863, vendo meu convento bastante carece-
dor de reparos, e nao havendo rendimentos solfi-
cienies para esse Om, solicitei por intermedio dos
meus amigos, e protectores do convento, da assem-
bli provincial a graea de conceder urna lotera
para as obras do Carmo de Olinda, e essa Ilustra-
da corpora^o, animada de religiosa piedade, e
nao querendo lembrar-se dos erros imperdoaveis
das administracoes desse convento, concede-lhe
oela resoluco 'sanecionada sob n. 636 era 3 de ju-
nho de 1865 a lotera de 120 contos 'de ris em
favor das obras do Carmo, e nao tendo tido lugar
nes-e anno aextracco da lotera concedida, man-
dou pela lei do oraraento de n. 687 de 30 do,
maio de 1866 fixar preferencia da referila lote-
ra, que, todava, nao errera nesse anno.
Finalmente, insist por urna peticao pela prefe-
rencia da lotera a todis as outras, pela orgonca
que reclamavam os concertos do convento; e fe-
turnela pela le de 12 de juaiio do auno passado
se raandou fixar a preferencia nos termos refer
dos; e por lei n. #16 de 16 de maio desje anno se
ordenou qae se entregasse o seu produeto urna
eoramisso nomeada pelo presidente aa pro-
vieta.
Todos estes factos parece que demonstran) com
evideacia o grande interesse, que sempre tomei
pelo bem estar do meu convento, e que constituem
servicos, que sao credores de melhor recom-
pensa.
Lembrarei ainda porvezderraleira que do con
vento da Bahia nanea recebi em to largo lemp-s
e em tao difflceis conjunturas um real se quer, sob
qualquer pretexto.
.Eniretanto, desDendi grandes sommas no inte-
resse do convento; sostentei ao mesmo teipn
seis demandas, e nouea deixei de t-las mais ou
menos; perd algnmas, nao por falta de direito,
vive na Bahia fm da casa capitular, administran-
-sem crescidos bens; pelo que, tem a experien-
DO QUE ZELA-LOS E CON6ER-
a mo mostrado cora lgica de ferro non F118-
LHO^TRAVIAR^ROIIBAR Ts
Reelfe, 23 de setembro de 1870.
Fr. Joi4o Amor Orme Vascarenhat.
ITAMBir 20 DE SETEMBRO DE 1870
Ficamos estapefactos com a leitura de um ar
tigo,'que leaos no Liberal de 10 do crreme e
que, segundo nos alDrmam pessoas fidedignas!
feitura do hachare! Jos Tavares da Canha Mello,
desse baejurel, sob quera pesara to fondadas ac-
cusaeSei por factos lorjiissimos. e at a pena de
excommunhao por ter profanado um templo, em
que brigra por causa de urna meretriz !
Jos Tavares, sendo ino filho por ter arremes-
ado as faces rugosas de seu velho pai ura pe-
da$o di pao, nao pode ser bom cidado, e inmigo
cavalheiroso. Qu'ra, coraoinimigo, vai pessoal-
mente su jar com excremento humano, as portas de
seus desaffectos, capaz de tudo.
Jos Tavares nao trepida perante obstculo ll-
gura. Basta encontrar un meio de supera-lo, an-
da que seja a hedionda torpeza.
Esse bacharet, que tanto deshonra sua classe,
tem tentado tudo o qne lhe suggere sua torpe
alma para molestar o Dr. Menelo dos Santos da
Fooceca Lins, juz municipal de Itamb, e o major
Ursulioo Cavalcante do Reg Vaseoncellos, ho-
rneas respeitaveis por suas quadades, e intima-
mente sobrauceiros s iras de to inmunda har-
pa.
Nada encontrando contra to distinctos cidadis
que lhe votam nicamente o desprezo, atira-ee
agora ao Dr. Joaquim Guedes Corris Goudlm, s
por que esse senhor tambera o de preza. Saibao
todos qae Tavares de*compoa a quem dar-lbe o
que elle mereee : o despreso.
Sendo Tavares um ente despresivel para todcs,
devemos suppor que brevemente lodos os homeis,
que eviiam o vicio, tem da ser calumniados nr
elle. Perdem os calumniados ao bacharel Jos
lavares. Elle doudo, e para confirmar o que
asseveramos promettemos transcrever sua biogra-
phia. que a prova mais cabal do que dizemos.
Nao podemos deixar de mencionar um ficto
praticado por Tavares ha poucos dias, e do qual
elle seu mido j noticiou.
Sendo notificados alguns guardas nacionae?, Ta-
vares sanio de porta em porta pedindo aos notifi-
cados que nao obedecessem, que pegassen era
armas contra o comraandante do batalh, que
elle Tavares os acompanharia nessa desobediencia,
e prometieu eno urna bala ao mesrao comman
dame, gritando como um energmeno venham
para mim, o advogado e jniz de Campias, que
matarei s commandante se elle insistir; a minha
bala para elle.
Se nao fuese a prudencia do commandante nesse
da Tavares teria commellido qnanlos desatinos lhe
occorressem.
Terminoo) nosso TavaresJsofTrendo urna tremen-
da vaia dos mnleques, que entao gritavam: fra o
Dr. Cabaco fra I fra o Cabaco I
Voltou Tavares para o lado da Parahyba, onde
pouco antes e-tivera, e entao jogou sopapos com
um criado de urna pessoa aqu domiciliaria, s por
que lhe fez ver que tal proceiiraenfo era impro-
prio.
Tavarts sabio um tanto ontoso, e havendo-se
requerido para proceder-se a cofpo de delicio,
Tavares corren para o termo de Itamb. So por
isso elle tem fallado do promotor publico do Pilar.
Chamamos a attencao das autoridades de Itain
b para o estado de Tavares; ello est lonco, t
mysier dar-lho om corador, e para isso apona
mos o tenante Trajaoo Evaristo Ferro Casiello
Branco, que amicissimo de Tavares. & nao cui-
daren) de Tavares, elle torna-se completamente fu-
rioso ; e entao acabou-se o oosso Dr. Cabago.
Rejponda-nos o bacharel Tvares em seus mo-
mentos lucidos (se que os tem ) as seguales
perguntas :
S. S. por que se zanga Unto cora o desprezo,
que lhe votam o Dr. Meo;lo, o major Ursulino e
o Dr. Ernesto Chaves ? por qne ofrende tanto ao
Dr. Inojosa, que evita o seu contacto ? quando vio
o Dr. Guedes inspirar informac5e- as autoridades
de Itamb, estand3 elle no Recife ? qnando vio o
Dr. Guedes na Intimdale de Cosme Ignacio com o
Dr. Menelo e outros ?
Mude de bateras, Sr. Tavares ; a calumnia
propria das almas vis.
Qaer censurar as autoridades de Itamb, s por
qae o desprezam, tome outra attitude, esqoeca-se
de que fi e ainda imitador do infame Sejano ;
lembre se que Sejano leve uoaa sorte infeliz.
Hasta por hoje.
Promettemos acompanhar Tavares, em saas
man .as pas minadas contra o Dr. Menelo e o ina
jor Ursulino.
Pinior^-mos ao publico com toda a fidelidade
tissimo, os subblimes dotes de saa
orte.
A turra lhe seja leve.
Recife, 30 de setembro de 1870.
virtuosa
^
Monte pi portuguez
Pela directora e publicamente est designado o
da 9 do corrente mez para a reuniao da assem-
bla geni em yirtode do qne e em observancia
da literal disposicao do artigo 20 dos estatutos de-
ver principiar na prxima terca-fein a publica-
do dos respectivos aonuneios convocando a mes-
ma Bssembla geni, e igualmente dever ser ob-
servado o disposto do g 21 do art. 40 dos.estatutos
para com a commissao de exame de contas: pu-
blicacao essa que vira em rellfleaco aquella que
a directora fez inserir nesta folha de 16 do mez
ultimo, na qual ahi existe nao s o penhor da sua
conceitaada palavra como um solemne protesto
contra osadiamentes indeferidos.
Um socio.
Mote.
So pelo cbapo de sol
Eu fiquei celebrizado.
GLOZA.
Dos eommaudantes, no rol,
De nome mais r^speitavel,
Sou Phantasma bem notavel
S pelo chapeo de sol.
S por elle, meo crisol,
J me toroei afamado ;
Pois, tendo-o sempre empnnhado,
Em forma de combteme,
Assustan Jo milita gente,
Eu fiquei celebrizado.
O desaquartelamento a toque de caixa.
COMMERCIO.
PaACADO RECIFE 30 DE SETEMBRO
DE 1870.
AS 3 i/2 HORAS DA TARDK
Algodo sorte680 rs. por kil.
arabio sobre landres 90 d|v 21 1|2 e 21 5[8
oor 14000 (hontem).
Dito sobre dito 90 djv 21 3(4 por 1J000 (hoie).
Cambio sobre Para-8 aiv 1 0|0 de premio (h9je).
Pelo presidente,
MesquiU Jnior.
Pelo secretario,
A. P. de Lemos.
ENGLISHBANK
Jf Rio de /aneiro Limited
Descouta lettras da praca taxa a con
'encionar.
Recebe dinheiro em conta correte ni;
lraso fixo.
Saca vista on a prasq sobre as cidadei
prlncipaes da Europa, tem correspondente!
a Bahia, Baenos^Ayres, Montevideo, New-
j New-Orleans, e emitte cartas de crdito,
jara os mesmos lagares.
RA DO COMMERCIO N. 36-
ALFANDEGA.
ftsnd.mentododiala 29. 837:2761380
(oem do dia 30..... 35:9171527
mandei passar o presente qae ser publicado pela
imprensa e afflxado no lugar do costme.
Dado e passado nesu eidade do Recife aos 22
de Hombro de 1870. '
E ea Luiz Francisco Rarreto de Almeida, eserl-
vaO ubscrevo.
Ab'lio Jote Tautrts da Sttoa. .
lalzo dos feltos da fazenda
nacional.
O Dr. Albino Jos Tavares, oficial da imperial or-
dem da Rosa e juiz privativo dos Jeitos da fa-
zenda naeional, etc.
Faco saber que em villa da exeeucao qne a fa-
zenda nacional encaminba contra os herdeiros de
Julio Pereira Mattoso, ex-col lector do Cabo, fez-
se penhora em dous escravos de nome Momea e
Secundino, avahados a primeira em l:000i e o
segundo em 1:4001", em eonseqnencia do que e
em face do decreto n. 1695 de 15 de setembro de
1869, sao convidados pelo presente qoaesqner lici-
tantes, para apreseotarero suas propostas dentro do
praso de SO dias, a contar da data deste, achando
se os mesmos escravos para serem examinados
na villa do Cabo, a primeira em poder de Fran-
cisca Camilla de Piala Pacheco, e o segando em
poder de Pedro Vctor Rolitreaax.
E para qae ebegae a noticia de todos maodei
passar o presente que ser publicado pela impren-
sa e afflxado no lugar do costme.
Dado e passado nesta cidade do Recife aos 23 de
setembro de 1870.
Ea Laiz Francisco Brrelo de Almeida, escrivao
a sabscrevi,
Abilio Jote Tavares da Silta.
DECLARACOES.
Circular o. 3t.
Ministerio dos negnos da fazenda.Rio de Ja-
neiro 15 de setembro de 1870.
O Visconde de itaboraby, presidente do tribunal
do thesouro nacional, ordena acs senbores raspee
tores das thesourarias de fazenda qne facam ces-
sar a venda de apohees da divida publica at ul-
terior daliberacio.
Fwconi* de Itaborahy.
873:193*907
MOVIMIENTO DA ALFANDEGA
'oiumes entrados cara fazendas
dem dem com gneros
'olamos sabidos com fazenda*
dem dem com gneros
mas por incompetencia 4e juizo e de foro, antes carcter vil, despresivel e venal desse bacharel.
que tem em saa fnnto o ferrete indelevel de pes-
simo filho, de marido sevandija, de roim cidado
e de juiz prostituido.
Idomeno.
ITAMB' 2i DE SETEMBRO DE 1870.
Hi mnio previa que nao escapava aos aleives
co.Huraados de cortos liberaes de Itamb. Minha
previso vereon-se ; acabo de 1er ara artigo a-
siguado por Idomtno, publicado no Liberal de 20
do corrente, no qual ata victima de nm celebre
escrevinhador, cujo contacto evito com o raaior
cuidado. Dis^o tenho dado provas irrefragavels.
Esse escrevinhador atirou-rae a luva ; acceito-
a, se usar de ara estylo proprio de ara boraem so-
cial, e assignar seus artigos.
Volte a imprensa, publique todas as pecas do
processo iniciado contra o Sr Joao Fernandos, e
discuta entao a materia. Prometi acompanha-lo,
nao como nm quitandeiro, immolando as reputa-
c5es alheias, porem, como bomem, que sabe, qae
ha neste mundo urna oousa superior a tudo : a
honra.
Cora a publicacao de todas as pecas do processo
os leitores eonveneer-se-ha o de qae o autor da
correspondencia, qae apparecea no Diario de 27
de agosto ultimo, e que se atlribae fallamente a
mim, nao mentiroso ; e qae esse epitbeto, to
chistoso para Idomeno, quadra nicamente a este.
Fico a espera, convencido de qae Idomeno des-
vendar-se-ha.
J. G. Correia Gondim.
a<
ara dissipador dos bens do convento S mas, essas.
aceosaedes derara logar a que nesgas altas re
gioes luzisse o brilho de meu zelo pelo bm estar
do meu convento, como se v do offlcio, que.c-
Rvd. padre provincial de entio Manoel de S. Joa-
quim Texeira enderessra ao presidente da Babia,
em refntacao urna essas calamnia. c QUanto
a disiipaco do patrimonio ; nao consta a ste
convento que haja extravio, qus provenka da
actual administraco do padre prior Mascare-
nkas ; antes consta por sens offlcio* a mira d-
rgidos, qae elle lera d*lo, e est dando passos
para hayer objeetos extraviados, de alguns dos
quaes ja esta de posse, como sejam escravos,
alguraas alfaias de prata e ouro do servieo da
igreji. trras ete., etc., que os priores, seus an-
tecessores alienaran) : pelo que se v que o
patrimonio actualmente existente na.) tem sido
alvo de algum aventureiro, an'e< tera sido o
padre alvo de inimigos, da existencia do resto
do patrimonio que tem o Carmo de Olinda.,
Provas ignaes esta me foram forneeidas pelo
proprio Joao Lucas, qae boje manda depor-rae e
suspender-me de ordens sacras, sem marcar-me
urna diaria, em cartas, qoe ja foram publicadas,
as quaes nao transcrevo de novo para nao mo-
lestar os meus generosos leitores com eesa repe-
ti?ao.
Por consegainte, pens qae por raeio dm ar-
gumeuto e factos prvidos, tenbo-chegado e
u conclusa > lgica e neessaria, qae era minhas
diversas prelaaa sempre augmentava os patrimo-
nios dos meas conventos, sem nanea extraviar de
que se firraasse a jorisdigo"competente, e pagava
seoslas; despend dinheiros coro acqnisico do
livro do tombo, do dominio directo do jardim bo-
tnico ; e dos escravos reivindicados, que frequen-
temente fugiam; finalmente nao eonsegai esses
melhoraraentos do convento sem excessivos des-
pendios, como fcil crr-se.
Mas, quaes eram os rendiraentos do convento
para fazerem face a essas despezas ? J meus lei-
tores podem saber que esses rendimentos, depol*
das reivindicacSes que fiz, eonsisliam as rendas
do Ubii, da horta, das poucas casas que havia e
dos foros dos terrenos; que todo nao exceda d*
350 por anno.
Os servicos dos escravos, do sexo mascolino, nao
chegayam para o seu sustento, para sustento dos
que nao trabalhavam e para as despezas a que
me obrigavam quando fugiam; de sorte que com
esse rendimento de 350s era obrigado a fazer
despezas superiores a 1:000* annaalmente; e,
o que mais admira i que o convento de Nona Se-
nhora do Carmo de Olinda nao deve um real a
ninyuem.
Mas, para chegar a esse resultado foi mister que
eu nao s applicasse para as despezas do conven-
to as economas, que fazia dos rendimentos de mi-
nhas ordens, como tambem me empeohasse,
como me acho, para com alguns amigos, qae Uve
ram a bondade de adiantar os dinheiros necessa
ros para a continuacao das quesioes jadiciariAs
qoe sostentava; de modo qoe se o convento de
Olinda nada deve particulares, nao pode deixar
de considerar-se meu devedor, proveniente de
diarias atrazadas, de dinheiros qoe lhe adiantei,
de quantia maior de 5 contos de ris, salvo se en-
tender-se que elle s lem obrigacao a cumprir em
relacao aos ootros religiosos, e nunca era relaco
a mjm, como tem acontecido at agora.
Sao estas as contas, qae comprometti-me pres-
tar ao respeitavel publico, para cojo jaizo e bom
seoso appellei oesta to grave questo; e nao me
temo da saa sentenca, por mais severa qne possa
ser, porque bem sei qne, favoravei ou desfavora-
yel a mira, ser o transumpto da mais aecrisolada
justica, cojos effeitos sao sempre benficos, quer
puna, quer recompense.
Seja-me licito ainda aviventar os traeos para-
lelaos entre o meu procedimento, e o desees car-
melitas, que lem sido e sao meus perseguidores,
para com islo por termo, de ama vez, a minha
discusso pela imprensa.
Eu, em 1844, creei ara pequeo patrimonio
para o hospicio das Alagas; o Fr. Joao Baptista
consumi absolutamente esse pequeo patrimo-
. fy?.,847' augmentei o patrimonio do convento
de Olinda.
' O Fr. Jos Lins, e o Fr. Joao Baptista extrga-
ram, extraviaran) grande parte do patrimonio,
vendern) at as madeiras do convento, abando-
nndolo quando nada mais poderam vender; e o
Fr. Joao Lucas era 1850 vendeu beas oo valor de
44:000*
Em 1854, deraandei com a fazenda nacional
para salvar o patrimonio do convento, qae estava
seqoestrado; o Fr. Luiz da Pureza Machado le-
vaotou esse sequestro, e den descaminho grande
parte des-es bens.
Em 1862 at este anno, fiz crescer o patrimonio
do Carmo de Olinda, e o Fr. Alejandrino veio re-
ceber esse patrimonio para leva-lo para Babia a
ser consumido l da melhor forma.
Eu libertei oito escravos, que, a costa de meas
estoico e dinheiro, readqoiri para o convento; o
Fr. Alexaadrioo procora reduzi-los escravi-
dio.
En nanea recebi a mais insignificante quota da
grande fortuna da ordem; sou denosto do priora-
do; suspenso de miabas ordens sacras ; privado
de urna diaria para subsistir; nada possuo e vivo
de esmolar o pao da caridade; e ameacado at da
pena de excomunho; e todos estes religiosos fo-
ram bem pagoe remunerados paraflilapidarem d
convento; reeeberara honras na casa capitular, o
rr. luiz da dureza secularisoo-se e fleou bem fa-
vorecido de f.nana; o Fr. JoSoLucas eleito
provmciai, possue bens de fortuna, e manleve oo
frana* Ti0 ve,0i>ara atJaade com orden seu>m^Oados afectos, asSm como ferrert!
T^!. S^S eapendar o que Jnfcavsa neeeuarfol aapplitiasi de seos amigos e cwhecido,i&ESn
para me reduzlr ao capricno do Fr. Joio Lacas, e I contri** para serem elevadM aSottKL'iS
45
342
-----387
215
213
-----428
Descarregam hoje 1* de onlobro
Brigae inglezIrisfarinha.
Patacho inglez/ihacalho.
Brigue portogaez Bella Figveirense diversos
gneros.
Patacho inglezEmily idem.
Brigae ingl-zHalter & Gommns idem.
Barca inglezaPatriotidem.
Barca nacionalIsabelfarinha.
__ 'Barca inglezaitodricA Dhu ferro.
Brigue norteallemo John Juliosidem.
Barca inglezaSea Quemiiem.
Patacho inglezLeid Birdtaboado.
Brigue norteallemoAnne Helene farinha.
(tuEBEDOHlA DE RfiNDAS INTERNAS GE-
RAES DE PERNAMBUCO.
lendimento do dia 1 a 29. 44:549*149
id9iododia30........ 4:0171779
Nao se tendo effectuado a arrematafao
do imposto de 60 rs. por cada p de co-
qoeiro de producto, por falta de-numero
dos Srs. vereadores, de novo s5o convida-
dos os preteodentes a comparecerem em o
dia 3 de outobro vindonro.
Secretaria da cmara monicipal do Recife
30 de setembro de 1870.
Lourenco Beserra Carneiro da Cunha.
______________Secretario.
Declarase ao publico que a casa da ra do
Aljube n. 10 tem de ser arrematada em praca
publica do juizo de orpbaos do termo de Olinda,
no dia 1 de outobr > vindonro, tendo lagar dita
arrematadlo na casa da residencia do Dr. juiz de
orpbaos ra do Amparo da mesmo cidade, as 4
horas da rarde.
Os bilhetes aebam-ie a venda no unlpmli i*
Ibeatro das 9 da mantea o diente.
Principiar t8
49:166*928
CONSULADO PROVINCAL
Reodimento do dia 1 a 29.
Idem do dia 30.
116:809*321
19:775*980
136:583*301
m
MOVIMENTO DO PORTO.
Navios entrados no dia 30.
Montevideo27 dias, barca brasileira Aurora, de
332 toneladas, capillo J. F. Pinto, eqaipagem 10,
carga 12000 quintaos hespauhes de carne; a
Baltbar & Oliveira.
Bahia10 dias, patacho brasilelro Novo Gosto, de
174 toneladas, capitao Manoel Serafim do Nas-
eimento. equipagem 12, carga 2875 saceos cora
farinha de mandioca; a Jos Goncalves Bel-
tro.
Navios sahidns no mesmo dia.
ParaTransporte nacional Vassemom. comman-
dante capitao lente Antonio Luiz Teixeira.
Penedo e portos intermedios Vapor brasileiro
Mandona, commandante Julio G. da Silva, carga
diflerentes gneros.
Granja e portos intermedios. Vapor brasileiro
Pirapama, commandante Azevedo, carga dille-
rentes gneros.
SANTA CASA DA MISERICORDIA DO
RECIFE.
A 111 m.a. junta administrativa da Santa Casa de
Misericordia do Recife manda faier publico que
na sala de saas sssedes, no da 6 de oulubro, pe-
las 4 horas da tarde, tem de ser arrematadas a
quem mais vantagens ofirecer, pelo lempo de ara
a tres annos, as rendas dos predios em seguida de-
clara dos :
ESTABELECIMEMTO DE CARIDADE.
Roa das Calcadas.
Casa terrea o. 36.......193*000
Roa dos Paseadores.
Casaterean.il.......219*000
Roa larga do Rosario.
Segando andar do sobrado n. 24 303*000
Roa da Roda.
Casa terrea o. 3.................... 99*000
dem idem n. 5.......102*000
Beeco do Quiabo.
Casa terrea n. 8.......147*000
Roa do Azeite de Peixe.
Sobrado de dous andares n. 1. 1:100*000
Roa da Gloria.
Casa terrea n. 55.......146*000
PATRIMONIO DOS ORPHAOS.
Roa da Moeda.
Casa terrea n. 47................... 360*000
Roa do General Victorino /amigamente Sobo)
Casa terrea n. 13.......240*000
Ra de S. Jorge (ontr'ora Pilar.)
Casa terrea n. 108.......'204*000
dem idem n. 105......\ 151*000
dem idem n. 99........345*000
dem idem n. 96........203*000
dem idem n. 94......... 204*000
Os pretendentes derero apresentar no acto da
arremataeo das saas Bancas oa comparecerem
acompanhados dos respectivos fiadores.
Secretaria da Santa Casa da Misericordia do Re
eife, 30 de ontnbro de 1870.
O escrivao,
Prfro Rodrigues de Souza,
NO CR ARDE JARDIM DA
FABAICA DE CERNEJA
V* DE
H. LEIDEN 4C.
RA DO GENERAL VICTORINO H.
Beneficio da companbia de msica
abbado SO de ai
Diversos amigos e patricios da
nhia tem concordado entre si, ea promover as
beneficio a favor dos eximios artistas, que tasa
applansos tem merecido do respettavei paMse
desta heroica e bella cidade, apreciador de var-
dadeiro mrito de qoe sao merecedores.
O motivo qoe rs moren a as ira obrar, ai
primeiro lugar a gratido en qae se scanea
para com elles, por lerem-se gratunamente pres-
tado ao beneficio em favor dos raleases feri
na devastadora guerra entre s Prassw e a fran-
ca, cajo producto foi repartido entre as sa
nacionalidades.
Em segundo logar nola-e os entonara** casa
qoe deve ter lutado a companbia al denao sor
lempo proprio, diverjas consas se lhe snltfii?,
taes c uno a caresta de ludo quanlo se laz
trio vida.
Temos observado o mrito anisare da
nhia, e podemos afflanrar qoe digas da :
estima e consideracao ; assim como da aossa aro-
teccao.
Rogamos, pois; ao brioso povo desta capital, a<
respeitaveis corpos do eommer;io, aeedenHca e
todas as mais elasses da Mcieaade, qoe sesnpre,
em todas as occasioes tem dado as mais aeUa
prova- do sen patriotismo e benevolencia, qne se
dignem concorrer no snpraeitado dia, m nao can-
ver, com seo bolo, afino de suavizar a sorte pre-
caria desse ncleo de artistas, certo de qce en-
vidarn tudo ao seu alcance, para besa agraa-
ram ao publico e moMrarem-e agradecidos
Aisim esperam alcons amigos.
llavera nm trem especial da Soledade para
Apipncos.
Proco de entrada 1*000 por cada pessoa.
THATRO
SANTO ANT1I0.
CAF CAATARTE
Domingo 2 de outubro.
A pedido de maltas pessoas, eoniecar o dlver-
Umento, s 6 boras da tarde e acabar as 8 da
noute
O jardim e n paviihao, acbam-se conveniente-
mente Iluminado gaz.
Os concn-ente podem desde s 5 boras losar
acento, tanto no saino como no jardn.
As Sras. leem lugar reservado na galera da
dlreita.
Em vista das despezas, o emprezario deste es-
tabeleci ment, resol vea elevar os precos da entra-
da para 1*000.
Oatro slm, o.namero de eoncorrente! ser h-
mittado.
PROGRAMMA.
1.* A orebestra marcil dirigida pelo Sr. J. Cee-
Ibo, tocar doas escolhidas pecas de sen graaie
repertorio.
2* Mademoiselle Choiberl cmara a linda can
guata
Hatte-l !
3 Intervallr pela orchestra.
4" Mr. Raynaad, cantar a eanconeta
PERDE.
5 Intervatlo pea orebestra.
6* Mile. Mariette, execotar a eanconeta
PASgA.
Seguindo por Mr. Carn, a parodia cmica
PAS DE CA.
O resto do lempo ser preenchkJo pela orebertre
Principiar s boras.
i
\
AVISOS MARTIMOS.
EDITAES.
No dia 28 do correte pelas 6 horas da tarde
rjndeo alma ao Creador, nesta cidade, a Exma.
Sra. D. Mara Josephina da Silva Leo, dig-
na consorte do Sr. Manoel Joaquim da Silva
Leo.
Victima de sofTnmentos physicos qoe demanda -
vam serlos coldados da medicioa, foi trazida de
Macei para esta capital por sea deivelado esposo
que nunca havia poupado sacrificios de nalureza
alguma por lhe restribuir a saude e a vida.
Infelizmente, porm, nao obstante todos os es-
torcos dos mdicos os Srs. Drs. Sarment, Aquino
Fonceca, Ramos e Casa-Nova, sendo seu medico
assistente oSr. Dr. Teixeira, com a constante per-
manencia de ama parteira habilitada, succambio
ella deixando na orphandade oito innocentes fllhi-
nhos,e seo incoosolavel esposo, assim como todas
as pessoas que n'ella admiravam o coojuncto das
rarissimas e excellentes quadades de virtuosa es-
posa, carinho.-a filha e desvellada mii de fa-
milia.
Seus Testos nwrtaes foram depositados na ma-
triz do Corpo Santo, pomposamente adornada otra
os oHcios da eacommeadaco de gQa aima
liveram lugar hontem pelas 4 horas da Urde em
presenca de ara nameroso concurso de neuoii
quera as relacoes de amisade com o Sr Silva
Leao convidaran) aquelle acto de caridade ebris!
Concluidas as ceremonias
dos seus restes mottL^rT^' cnate?
no publico, sendo acompanhados ainda neMar!.
jecto por iodos o assltentes encomm^dacao,
nos quaes seonservava senmeotii arosSaS
qaose rend.a, a modo de orna exjwntaoeaho-
raenagenva. virtudes da Ulusire finada por todos
Sao esu< as albores comolacdes nn noem
trazar limtivo acerba dor da Eia. fiSSlaWS?
Silva Leao. que ludo enviden, qaer para embafar
os loexoraveTs passos da morte, quef Dara^iri
rar a inleosa.dor de seu c iraco por to aewbi
e irremedlTe perda da meJbor e ^ ,3i
auMsadq i*04 do jnondo podia esperar
Sirvam estas wasideraedes de
De ordera do Illm. Sr. conselbeiro inspector da
thesouraria de fazenda desta provincia se faz pu-
blico para, conbecimento de quem iateressar, qoe
no dia 5 de outubro prximo vindouro as doas
horas da tarde rao a praca, para serem arrema-
tadas perante a junta da mesma thesouraria, por
quem por menos fizer os reparos qae precisa o
caono de esgoto do armazem n. 11 da alfaodega
desta cidade oreados em 142*796 res. As pes-
soas a quem convier devero comparecer na mes-
ma thesouraria no referido dia e hora indicados.
Secretaria da thesouraria de fazenda de Per-
nambuco, ota ti ^ tmbro de 1870.
eial-maior,
Manoei jo* Pinto.
jiso dos Farros da fazenda nacional.
0 Dr. Abilio Jos Tavares da Silva, oficial da or-
dem da Rota e juiz privativo dos Jeitos da fazen-
da naeional por S. M. o Sr. D. Pedro II, etc.
Faco saber lodos qne este virem que no dia
13 de outubro futuro, na sala das audiencias pelas
11 boras da manbia perante este jnizo se vende-
rn em praca os bao* seguintes: pennorados aos
herdeiros da Joab Pereira Mauoso, ex coileetor
da villa do Cabo, e de ten fiador para pagamento
da faanda nacional : o engenho Bom Deslino, no
termo de Agua Prata, sendo avallados as bsmfeite-
rias do mesmo, eonaisUndo era ama casa de enge-
nho e.porgar aobre pilares, 200 palmos de com-
primento e 42 de largara, tendo ao lado um te
heiro qne $ene de picadeiro cora 17 palmos, de
largara, assenlamento com 8 rojos, estafa, roda
d agua, moenda de ferro, com formas, casa de vi-
vend, senxalla, caa de familia, ludo de taipa e
era mao estado, com 162 palmos de frentes e mais
4 cajas em mao estado em 8:000*000; e as tr-
ras do mesmo^ eogenho comprehendendo o logar
denominado Roncador, com urna legua de frente
!W/M&1 de rund0 P0"*0 o*" o menos,
*nJ*> uraa casa terrea na villa d
fcil W Con1,63 'wlmoB de fWe e 63 de
tt tt' na ^nU5 e I", corredor no
tffllli?^ co,Mnna.qo"l com 150 palmos
de 00o, e om terreno devoloto ao sal da mes-
Ia^ftil2ig,w,,,^0, defr"e, sendo todo p
E para qae eaegae aa conhecimenio e todos
THEATRO
SANTO A MOMO.
Companhiafraiiceza
Sabbado 1. de outubro.
6.a RECITA DE ASSIGNATURA
Espectculo em grande gala
Offereeido
Ao hroe pernambucano, o Exm. Sr.
m&maq> m &>BQ>m$M.
Ao comparecer o Exm. Baro em seu camarote
a orchestra tocar
O hymno nacional.
Em seguida a companhia cantar
O hymno da victoria
Symbolo da gloria de to illostre pernambucano,
Para mais brilbantismo deste espectculo /ara
a sua estra a insigne prima-dona
MnAME DE VAL-MONCA
O espectculo dividido em quatro partes.
PRIMEIRA PARTE.
Represenr-se-ha a linda opereta cmica em
nm acto
u
Personagens.
Elvira..........
Cotiguac........
Mosquito.......
Gonoalez
Cea-'e A^acary
A escooa Georgiana segu em poucos dias, lem
a maior parte do seu carregamento prompte : a
tratar com Tasso Irmos & C.
Maranhao
A barca portuguesa Formosa seguir para
Maranhao era poneos dias, recebe carga a frer
mdico : trata-se com Oliveira, Filhos A C, ao
largo do Corpo San'o n. 19.
Actores.
Mlle. Choiberl.
Mr. Carn.
Mr. Raynaud.
Mr. Maris.
Companhia americana e brasilei-
ra de paquetes a vapor.
At o dia 1* de outobro esperado dos por-
tes do sul,o vapor americano South America, o qn*l
depois da demora do costme seguir para Kew-
York, locando no Para e S. Thomaz.
Para fretes e pasagens tra-se com os agen-
ta Henry Forster & C., roa do Comroercio n. 8
Frete sobre dinheiro y /. para qaalqaer por-
to da escala do imperio, sendo quantias taamos
de 10:000*000. ""*
Tendo aberto seguro em Londres sobre libras
esterlinas 100,000 por qualquer vapor da mina, a
companhia segura qualquer remessa de itinhrir a
1/6'/, para qaalqaer porto da escala do imperio.
O valor deve ser declarado em libras mu rasan
e o premio pagavel na mesma moeda nuseo eooi-
valente.
lo de Janeiro
Para o porto cima segu com brevidade o bri-
gue nacional Isabel, tem parte do seu------gimen
to engajado : para o resto que lhe falta trata-se
com os consignatarios Antonio Lniz de Oliveira
Azevedo A C, roa da Cruz n. 57, andar
I
PARA.
A accao passa-se no reinada de Luiz 13.
SEGUIDA PARTE.
Madama de Val-monea, execntar a grande can-
cao dos militares na opera de offenbach
LA GRANSE DCHESSE.
TERCEIRA PaRTE.
Representarse ha pela lereeira vez, a pedido
de inuiias pessoas. a linda opereta cmica em 1
acto, msica de OfJembacb
O lio Braz
LE VIOUREIIX.
Personagens
Actores
Mlle. Brescia.
Mr. Maris.
Mr. Raynaud.
departamentos de
Reinette
Mathieu........
Pierre..........
A accao passase em um do
Paria.
u QARTA PARTR.
a Avssspjraw *a
O emprezario deste theatro nao se K.m r^.4
adespeza, afim de a^BaeoUrT LnPiipado
companbia, acabando ofS^rK^LJ* fn
t- do Rio de Janeiro a
respeitevel
coaearren-
o^re-
Segue para o Para no dia de ontnbro coa a
carga que poder obter a freles moito commodoi o
biate americano Charles ISomson, ebegado bontem
ae New1-York ; a tratar com Tas-o Irmos r
Para Lisboa
Sahir precisamente sabbado, i* de ontnbro
paraLisboa o palhabote portugnez Diligente, eapi-
tao Tnndade ; recebe at entao passaeeres e car-
ga a frete : a traur com MarqnesTfiarres C,
oo largo do Corno Santo n. 6, J andar, en cees
QPiuo aa anca.
W
Preteadeseguir para o referido Ko^ am'ssineos
lias 0 psmabote tosl.a por ^t ^Ku
carga, e parea pene qM he Mtlt traU-annoai o
conb^afarteJ*iquJai,|j9S Goncalresna%rlo, i
ra do Cvsauna n. 17.
IE110ES.
Sra de Val-monea, por .leep.deao
pooheo para o coadjavar c^TsA
ca ao tbeatro, visto qQe tem UOd.raraLd0 ^^*5KTd.
Wlciur hS are??n^,,o "? ?*^;

11* da eatibro, as 11 horas da manbia, asa saa,
raa da Cadeia.
ll'deouU
I ana uses
DHaf


j:

Diaw# de Peraambco ^Sabfefldo 1 de O aturro de 187,0.

446 SAC0S
COM
Farm do maadioca
avariada
O crata Jos Mara Pestaa far leilio de 148
saceos com farinh* de mandioca avariada, viuda
peeapof TeeanHm, segunda-feira S do correte,
aa 11 horas em panto, no trapfehe alfandegado Ba
rao do Limmeot.
*
EI0SO UNIVERSAL DE 185
IMDALMA DE I- CLASSE
AlF. LABAI1UQE & C"


56 saecos com farinha ava-
riada.
agente Jos Mana Pestaa far leilio de 86
saceos com farinha de mandioca avariada, viuda
o Geara por Jguaribe, segunda-feira 3 do cor-
rente, no trapiche da eenpaohia Pernambucana,
ao aeio dia' em ponto.
LABARRAfE
MJJ
APPftOVADO PELA ACADEMIA OE MEDICINA DE PARtZ
i

s 11 horas db dia 4 de out-
bro na porta da associaqo
coramercial Benencente.
O agente Euzebio vender os seguinies predios:
Urna casa terrea de n. 23, sita a roa da Concej-
ero, fregnezia da Boa-vista.
sobrado de n. 16, chaos proprios, da roa de
Hathias Ferrara emOlfnda, eujas chaves esOo na
casa contigua para ser examinado.
As casas tetreas de ns. 43 e 44 sitas na rna de
MaUlas Ferrara, e mais a de n. 6 sita na ladeira
da Misericordia.
LEILAB
DE
joias, oupo, prata e
brilhantes.
Mauricio Jos dos Santo9 Ribeiro, estabelcido
com casa de penhores praca d Independencia
n. 33, far leilao no raesmo, por intervenco do
agente Martins, no dia 5 de ootabro, as 11 horas
do dia, de todos os objectos dados em penhor,
constantes das cautellas ns. 266 B, 279 B, 231 B,
232 B, 340 B, 153 B, 349 B, 331 B, 338 B, 374 B,
308 B, 377 B, 378 B, 315 B, 383 B, 386 B,
326 B, 130 B, 110 B, 302 B, 303 B, 365 B, 260 B,
264 B. 387 B, 329 B, 230 B. 78 B, 375 B, 229 B.
122, 83. 25,126, 102, 129. 67,93. 134, 124, 137,
139, 133, 142, 64, 158, 161. 147, 169, 113, 156,
141, 159,174, 167, 3 M, 33 M. 61 M, 64 M, 68 M,
73 M, 178 M; 76 M, 91 M, 132 M, 90 M, 103 M, 110
M, 112 M. U4M.1247M, 122 M, 135 M, 136 M,
139 M, 144 M, 131 M, 153.M. 134 M, 156 M, 159 M,
168 M, 170 M, 175 M, 201 M, 176 M, 186 M, 187
M, 188 M, 190 M. 202 M, 205 M, 206 M, 207 M
208 M, 213 M, 288 M.
Podendo seas donos resgatar os objectos on pa-
gar os joros que estao devendo, no acto no leilao e
vista da cantella.
LEILAO
DO
sobrado de quatro andaras e
sotao da ra do Torres n, 14
edificado em chaos proprios
Quinta-(eir 6 de outubro.
O agente Pinto .levar leilao, precedida a com-
petente autorisacao, a casa ae esquina da ra do
Torres, a qual torna-se recomraendavel pela sua
aoa construccao, e por ser edificada em ra de
commercio. O leilao se effectuar s 11 horas de
dia cima dito, no escriptorio do referido agente.
AVISOS DIVERSOS.
Nj abaixo assignados, temos nesta data, de
commum accordo, dissolvido a soeiedade que ti-
nhamos na taberna sita ra de S. Jds n. 2, sob
a firma de Ferreira & Amorim. ficando o socio
Ferreira com o estabelecimento e por sua conta o
activo e passivo. Recife 30 de setembro de 1870.
Venancio Ferreira da Cruz.
____________Joaquim da Costa Amorim.
Attenpo.
Perdeu-se hontem, pelas 5 horas da manha,
urna arpla de ferro com tres chavas, desde a ra
do Rosari > da Boa-vista al a ra Velha, passando
pela ra da Matriz : quem a acbou, pede entre-
ga-las na botica do Sr. Ribeiro na praca do Conde
d'Eu, e sera recompensado.
O Qulnlnm abarraque; um
vinho eminentemente tnico e febrifhgo que deve
ser preferido todas as outras preparaedes de
quina.
i
Os vinhos de quina ordinariamente emprega-
dos na medicina preparam-se com cascas de
quina cuja riqueza em principios activos extre-
mamente variavel; parte disso, em razao de sen
modo de preparacao, estes vinhos contem ape-
nas vestigios de principios activos, e em propor-
cees sempre variaveis.
0 Qulnlum abarraque, approvado
pela Academia de medicina, constitue pelo con-
trario um medicamento de composicao deter-
minada, rica em principios activos, e com o
1 oTjal os mdicos e os doentes poden) sempre
contar.
0 Qulnliim abarraque prescripto
com grande xito s pessoas fracas, delibitedas,
seja por diversas cansas d'esgotamento, seja por
antigs molestias; aos adultos fatigados por urna
rpida crescenca, s meninas qui tem dBculdade
em se formar e desenvolver; s mulheres depois
dos partos; aos velhos enfraquecidos pela idade
ou doenca.
No cazo de chlorosis, anemia, c*res plidas,
i
este vinho um poderoso auxiliar dos ferrugi-
nosos. Tomado junto, por exemplo, com as pla-
las de Vallet, produz effeitos maravilhosos, pela
sua rpida accao.
Deposito em Paris, L. FRERE, ru Jacob, 19
Rio Janeiro, Dnponchelle j Clievolot.
Pernambuco, P. Hanrer y C*".
Bahia, Hasse y C*.
Ourc-Prelo, Candido Wellrnon.
Maranhao, Ferreira y C*.
Pelotas, Antelro Letras.
Maceio, Falce Das.
Porte Alegre, Francisco Fos Bello.

Agradecimento.
Achanrto-se minha mulher j restabelecida de
urna grave pneumona aguda, de que fra accom-
mettida, nao posso deixar de recorrer a este
meio, alim de testemunnar o sincero e profundo
reconhecimento de que me acho possuido para
com o mui distincto medico homeopatha, o Sr.
Dr. J. A. dos Santos Mello, a cuja proQciencia
medica devo a vida de minha mulher.
Acceite, pois, o Sr. Dr. Santos Mello, os nossos
mais eorJeaes agradecmentos, e desculpe-nos, se
com estas linhas ofrendemos sua reconhecida mo-
destia.
Recife, 30 de setembro de 1870.
Jos Bernardo Correa de Barros.
Tv:
O Dr. Lniz de Carvalho Paes de Andrade, tem
a honra de convidar os amigos do finado Antonio
Peregrino Maciel M>oteiro, *> Barao de Itamarac,
para assijtirem ao desembarque dos restos raor-
taes de.se Ilustre pernarabucano, acompanhando-
09 d.t rampa da rna da Anrera, fronteira ca-
pella ingleza, at a matriz da Boa-vista, onde te-
ri lugar o deposito dos meamos restos, sabbado
1' de outubro < 8 horas da manha. '
Precisa si- u.n menino de 10 a i
para andar vemieodo miudezas na ra, prefere-se'
portugoez : na Capanga, na das Crioulas n. X.
APPROVADO PEL* ACADEMIA IMPERIAL OE MEDICINA
em 27 dezembro de 189
pars
pars
AMA
Precisa-se de urna ama forra on escrava qne
saina engommar e fazer o terrico interno de urna
casa de familia : a tratar no Corredor do Bispo
no 23, on na ra da Cadeia do Recife, armazem
n. 1.
AMA.
Precisa-9e de urna ama que saiba cozinhar: a
tratar na praca da independencia a. 39.
O abaixo assignado leudo de fa>er urna va-
gen para fra da provincia, pede aos seos deve-
deres para vir^m pagarsuas contas ha muito lem-
po vencidas, do contrario sera obngado a entrega-
las ao sen procurador para aerea reeebidas ju-
dicialmente, e roga a quem julgar-se sen credor
para trazerem suas eontaa para immediatamente
serem paitas ; a entender-se na rna do Brum nu-
mero 70.
johoa Doetly.
fic/-
I
PARS
I
/LO*
E'sobretudo s suas propriedades eminentemente absorventes,
que o CarvAo de HeUoe deve a sua grande efficacia. Recom-
menda-se-o especialmente contra as affecQdes seguintea;
GASTRALGIAS
DYSPEPSIA
PYROSIS
AZIA
DIGESTES OIFFICEIS
DORES DE ESTOMAGO
CONSTIPAQAO
CLICAS
DIARRHEA
DYSSENTERIA
CHOLERINA
NODO DE EMPRE60. 0 Canto e Belloe (Chirboidf Belloe)
toma-se antes ou depois de cada comida, sob forma de P ou de
Pasliloai. Geralraente o bem estar sente-se logo depois das pri-
meiras doses. Urna informacao entensa acompanha cada vidro
de p e cada eaixa de pastilhas.
Deposito em Pars, L. FRERE, 10, rae Jacob.
Vende-se na pharmacia e drogara de P: Maorer & C,
rna do Baro da Victoria n. 17
PARS
CASA DO 010
Ra do BarSo da
I Victoria n. 63
(Outr'ora ra Nova. )
i Esta feliz casa tornou a vender pela quarta vez
a sorte de 5:000 em dous quart03 de n. 1366, a
sorte de 4003 em um bilhele inteiro, outra de
100* tambem inteiro de n. 3130, outra de 100J
em tres quartos de n. 1664, alem de outros pre-
mios menores ; podendo os seus donos virera re-
ceber, que prompt mente sero pagos.
O abaixo assi?nado faz ver ao respeitavel pu-
blico, que casa feliz como esta poucas haverao,
por cuja razo convido a toaos para virem com-
prar nella, qne nao deixarao de tirar este ou
aquello premio, como prova pelos mesraos an-
nuncios.
| Acham-se venda os muito felizes bilhetes ga-
rantidos em beneficio da nova igreja da Penha,
1 que corre quarta-feira 5 de outubro prximo fu-
turo.
PRECOS.
I Inteiro 6*000
Meio 3*000
Quarto 1*800
De lOOiJOOO para cima.
Inteiro 5*400
Meio 2*700
Quarto 1*330
Joao Joaquim da Costa Leite.

CASA DA FORTUNA
Aos 5:000|!
Bilhetes garantidos.
A rna Primeiro de Marco (outr'ora rna do
Crespo) n. 23 e casas do costume.
O abaixo assipado, tendo vendido alm de on-
tras sorles, 2 quartos n. 1366 com 5:000* da lo-
tera que se acabou de extrahir a beneficio da
igreja de Nossa Senhora da Conceicao dos Mi-
litares do Recife (162>), convida aos possmdores
virem receber na conformidade do costume sem
descont algum.
Acham-se a venda os felizes bilhetes garan-
tidos da 2' parte das loteras, a beneficio da igre-
ja de Nossa Senhora da Penha (163"), que se ex-
trahir quarta-feira 8 do crreme mez.
PREQOS.
Bilhete inteiro 6*000
Meio bilhete 3*000
Quarto 1*500
Em porcao de 100*000 para cima.
Bilhete inteiro 5*400
Meio bilhete 2*700
Quarto 1*350
________Manoel Martins Fimta.
AU
pars
I
Alaga se para escriptorio e-i* andar, sala
alcova do sobrado n 31 ila rna de Pedro Affonio :
i tratar no armajem de neto trido.
'-a
ERArCO E ESCURO
t>fir>(":...!., o f-lfo de Virado de Rucanita,
> :lei;bor CDen:'r den eslu precius prrp: ra-
',8o therapentiea u n cheiro e sabor agrattavei
M .11, idi'ilhctimm.
"sceberta, q i
>"* ^iedulba de honra,
tido deRflcilbAo delnfoci.n.l.i
O mcuicssn reeeiMm preferitr'-if' -ex
isootroa. em rodal as moli-Ntias otida 'ut"
MW o Oleo rlf Figarfo de BaenlhiO.
:lo*r-di-
liaqaiacci :iianbac3d

FEMIUtilNKO DE CHETRIER
O Senhor Cherrier eomplelon a oa H^jco-
bnrta ajunlan-do a odura de ferro ao Oli>o He
han desinfectado, late Oleo dtijsdo u
iru.-isieo tem todas as propriedades
d l oleo e do ferro. ileere-se fcilmente e mirra
. Ponanlo i r(rvl
"'- (rrniprneii-(Iihi|a!0B >;,.
las as Hoerrns onic .
m pulmonar, bren
ra-hitismo, igets, f)l rh,u-
tiali-mo nii n, e*Urrho lins, con,
(oiisliluirSo.
, ... ;,.>t dYeiep_
r-- Cll_' 'U'e lraquij4 de
Ollsmuirdo.
f" fJ3K%- HtPjr-, :!.;/ '"'!-, -*.-'. nrfrr
-> ViJHOe i !.IX]F. >? C^r.p ,nt.
VRN1CA | ad'i-as.....
-o n
aS
Vi..,leiltrr.as.dores deesiorn...
flrtM, c"!Km.v I'-maii.'-
- el <". I'nrl.. !r
! :-n?gag'rae=Er:jMiiaT arr- y-
Irmandade
Do SS. Sacramento da matriz da Boa
Vista.
Pelo presente convido a todos 03 nossos irmacs
que tiverem conhteimento deste, para que no dia
! de outubro prximo futuro, pelas 7 horas da
manbaa, comparecam no consistorio da matriz,
afim de, em communidade, ir acorapanhar o fre-
tro que deve cenduzir os restos mortaes do nosso
irmo o finado Barao de Itamarac, os quaes tem
de serem depositados em nossa matriz.
Consistorio 29 de setembro de 1870.
O escriva),
_____________Simplicio da Cruz Ribeiro.
Precisa-se de dous Portuguezes para servlco
de campo : a tratar na roa da Cadeia do Recife
n. 27, 1" andar.____________________
Ao corpo commercial e ao publico.
Francisco Jos da Silva Draga tem justo e con-
tratado cora o Sr. Antonio Henrlques de Araujo a
compra de sua taberna sita ra de Pafsand,
livre e desembarazada de qualquer onus : quem(
e jolgar eom direito mesma queira dirigir-se
dita taberna no praso de tres dias, a contar da
data de-te. Recife 28 de setembro de 1870.
-^-Precisa-se de urna ama que saiba cozinhar e
engommar para casa de pouca familia: a tra:ar
pa rna dcCabugn. 1, toja.
Na ra do Ceneral Victorino n. 54 se dir
quem tem um pardo para alogar, comprador,
cozinheiro, e eotenrle do sorvico de copeiro.
Precisa-se de um moleque de lloa 4 ao-1
nos para fazer eompras e mais aIgnm'flBnrico de i
casa de familia : pa roa do Hospicio n. 38<
Ignacia Mara dos Santos fax sciente ao res-'
peiuvel pablico e principalmente ao corpo do'
commercio, que comprou nefta data ao Sr. Bento
Jos Domingues a,?ua taberna qne tinha na Casa '
Forte n. 15, livre e Jeserapedida de todo o activo
e passivo. Recife 30 de eetembro de 1870.
CRIADO
Paga-se bem a um criado de 19 a 14 annos de
idade : prefere se ponuguez : tratar na ra da
Airora n 18, at a 8 horas da man ia.
Ama
de leite,
Precisa-se de ama ama de leila (sea fltkol i
tratar na nadara dajrna Direita n. 84.
- _
xeiro que emenda
tagens.
de oral ama
lar a dajrna I
rendad* fon
--J5
Hrragwt, oftreoe-M tan-
DYVETOT
MRiia Estreila do Rosario--i4
Compra e vende roupa fita
nova e usada, objectos de
cosinha e de mesa, e
tudo que perten-
ce ao uso do-
mestico.
- Os Srs. Amaro Gomes da Conha Ra-
bello, Jos Estanislao Ferreira, Jos Domin-
gues de Souza, Jos de Castro Brando Cor-
deiro, da cidade de Goyanna, queiram
maodar esta typograpliia.
A commissSo administradora da irraandade
de Nessa Senhora do Rosario do bairro de San-
to Antonio, faz sciente ao respeitavel publico qne
para mafor commodidade transferiu a festade
sua padroeira para o dia 30 de outubro, deven-
do ter principio as novenas no dia 21 do raesmo
mez.
Consistorio dajrmandade, 30 de setembro de
1870.
O secretario,
Libtnk) Lniz da Cunha.
Ae curioso qne no sabbado conduzio urna
cachorrnha preta do sitio de Jos Duarle das No-
ves, roga-se-ihe o obsequio de a soltar, do contra-
no mandar-se-ha buscar pelo visinbo qne a vio
condtuir.
Tendo deliberado a mesa regedora da irman-
dade das almas, erecta na igreja matriz da fregne-
zia de Santo Antonio desta cidade, mandar fazer
no cemiterio publico algumas catacumbas para
inhnmacao dos cadveres de seas irmaos que fal-
lecerem, pede para iseo a coadjnvacao dos que
qnizerem eoncorrer, afim de que se possa levar a
effeito essa obra de tao importante necessidade,
O escrivio,
____________Joaquim Leocadio Viegas.
Precisa-se
apremio de 8.000* a 9:000* pelo tempo que se
convenaonar, sobre hTpotheaa em baaa de rail:
quem os qnizer dar annuncie para ser procurado,
porm que teja com a posaivel brevidade per ser
sm do orfesjeia. ^
AMi
Pri'iKWe de nnRr^ma rKcorrpfar e cotr-
nhar Jim casa de mecus solteiros : na ra do Marjlte. 7 A, I andar. "*
- m rna das Crozes n. 38, 1 indar, ha amm
predi me nm bom bolieiro qbe wnha bota t*m~
lento, paga se bem : a tratar das 10 litas
Ifetea-se alogar um moleque de 12 a 14.
annos para o servico de casa de pouca lanMa:
na rea eeteeila do Rosario n. 14.
a de sahir luz
E
Vende-se
NA
Lvraria franceza.
ou
(KMECeAO DE \0VPAS B OFFIOM
DE
NOSSO SENHOR JESS CHRISTO,
MARA SANTISSMA
E
VARIOS SANTOS.
A saber:
Setenario do Senhor Bom Jess dos Passos.
Offlcio do Senhor dos Panos.
Novena do Menino Dens.
Novena de N. Senhora da Conceicao;
Setenario das Dores de Mara.
Offlcio das Sete Dores de Maria Santsima.
Nevena de N. Senhora do Carino.
Offlcio de N. Senhora do Carmo.
Novena de N. Senhora da Penha.
Cnticos de N. Senhora da Penha.
Novena do B. S. Joo Baptista.g
Novena da Senhora Sant'Anna.
Trezena de Santo Antonio.
Novena do B. S. Jos.
Um bonito volume encadernado.
. 2$000.
Cura rpida e Infalilvel dos
los, pela pomada
Galopean.
Deposito especial na pharmacia de Barthotoasm
* C,
34Rna larga do'Rosarlo34
Joaquim Jos Gon ves Bltrao
Roa de Trapiche n, 17, I andar.
Sacca por todos os paquetes sobre o banco 4o
Mrabo, em Braga, e sobre os segnintes lugares em
Portugal :
Lisboa.
Porto.
Valenca.
Gui maraes.
Coimbra.
Chaves.
Viseo.
Villa do Conde.
Arcos de Val de Vez.
Van na do Castello.
Ponte do Lima.
Villa Real.
Villa-Nova de Famelico.
Lamego.
Lanos.
Covilha.
Vasca! (Valpasso).
Mirandella.
Beja.
Barcellos.
tle um preventivo seguro e certo contr
Ela calvice,
e d e restaura forca e sanidade a pelle
da cabeca
Elle de prompto faz cessar a queda prema-
tura dos cabellos.
Elle d grttnde riqueza de lustro aos ca-
bellos,
Elle doma e faz preservar os cabellos en
qualquer forma e posic3o que se deseje
n'um estado formoso, liso e macio,
Ele faz crescer os cabellos bastos e com-
pridos,
Elle consena a pelle e o casco da cabeca
limpo e livre de toda a especie de caspa.
Elle previne os cabellos de se tornaren
brancos,
Elle conserva a cabera n'um estado de fsai
cura refrigerante e agradavel,
Elle nao i le m azi adamen te oleoso, gordo-
rento ou pegadico,
Elle nao deixa o menor ebeiro desagra-
da vel.
Elle o melhor e o mais aprasivel artigo
para a boa conservacSo e arranjo dos ca-
bellos das senhoras,
Elle o nico artigo proprio para o pen-
teado dos cabellos e barbas dos senta-
res,
Nenhum toucador de senhora se pode con-
siderar como completo sem o
O CABELLO.
Tnico Oriental
o qual preserva, limpa, fortifica e afonnosea
Acha-se a venda nos estabelecimentos de
A. Caors, I. da C. Bravo & P. Maorer
4 C, M. Barbosa, Bartholomeu dr C, e em
todas as principaes lojas de' ptrfmmriaa
b boticas.________________
Bartholomeu & G,
Vwho, Pimjla8, Xaropb i Timtdiu.
08 .ltJRUBBA 8IMPLE8 B FBRRUaWOSO
Or.Eo, Pomadas Emplastro da uuu
.-LANTA PREPARADOS POR
8ARTH0L0ME0 4 C
PHARMACEUTICOS-DROOUiaTA
A Jsrabob* : MU pi*stt H*
como o mais paderoio inico.
derobsITMa W, cobo Ul applicada
do ligado bafo, bafrtil, anrtaa,
no* apNitlmeaU 4 ilaro. h^rona*, arrav
pallas, etc.; a associada as farra oiii M paA
coras, ehlorotot ftlU da DMartrufio, '
io* do Mtoa*|, ale., a o qaa "'
innameras
pMpamdoa .
dBUncloa llwi do pau
nosaoa dapoaittM daUtiksJWM mis H
Mlbor taMB ooakao* 1 JtraMa tm

1 coras inpMlMttaa hadas Mal mmm
i ji bu tanhacidoa a uaM mm rm
aMdieM i* pak a PdtumI. Km SwSmm


*'s
Diario de PeraAmlmco Sabbado 1 de Outbfo. de 1070
V '
%- *


Este antigo estabelecimento, acha-se hoje montado n'uma
escala de poder servir vantajosamente os seus freguezes, atten-
to o grande sortimento de joias d'ouro, prata brilhantes, que
sempre tem e recebem mensalmente das principaes fabricas da
Europa- cojos prepos sao em competiris e as obras garantidas
de lei. oMMiiw-
IfOREIlU DIJARTE .
MANUEL & C.
Tem a satisfac5o de participar aos seos numerosos freguezes, que em vista de ser-lhes mais commodo, tem
estabelecido urna nova fabrica de chapeos de sol, na ra da Cadeia do Recife n. 9, taje ra do Mrquez de Olinda,
onde aoharo os pretendentes, muio avuftado sortimento de cbapos de sol de todos os precos, qualidades e por pre-
?os mas commodos do que comporla o nosso mercado : convidam especialmente aos Srs. compradores por atacado gjg;
darem, sendo possivel suas eocommendas, rjois poderlo assim serem mais bem servidos, visto poderem escolher as ar-
macoes as tazendas que a demora da fabricado bem diminuta, ________________________________
NA ANTIGA E BEM CONKECIDA FABRICA
DE
CHAPEOS DE SOL
Ba do Baro da Victoria, esquina da Camba do Carmo.
(Antiga Ra Nova)
Ha sempre um grande sortimento de'chapeos de sol de seda, merino, alpaca, bretanba de linho branco e par- |
do e de algodao os todos os taannos e" feitios, alm da immesa porcao de seda, merino, algodao e brim, ^
armacoes de todas as qualidades para satisazer qualquer encommenda. A modicidade de seus precos to conhecida
que escusa de mencionar.
SS5E
asi
m

IlSxX&Bw:..'; '.-..... > :,w'-r. -}
' Q&
PRECIOSA SCOBERTA
CURAS ]IIARAY1Ij1IOSAS
DO

mm

Nec plus ultra
Tirando immediatameate todas as caspas e coceiras dos cabellos.
Deposito
.rnente em casa do autor, Andr Delsae cabelleireiro de Paria.
Ra Io de Var^o (antiga Crepo) n 7 A Io andar
D. w. nwuk
ENGENHEIRO
Com fundirn..
A RA DO BRUM N. 52^
Pausando o chafrriz
Machinas vapor sys'.ema me'horado.
Rodas d'agoa.
Formas de ferro para purgar assucar.
Moendas de canna.
Taixas de ferro batido e fundido.
Rodas dentadas para moer com agoa, va-
por e animaes.
E outros objectos proprios d'agricultura.
Tudo por preco muito reduzido.
Fotograpfia imperial.
E
' calera de pixti ha
DE
J. Ferretra Ftela
Desde o dia 7 de abril patudo acha-se aberto o
ovo estaheleciraento photographico tilo ra do
Cabog n. 18, equina do pateo da matriz. Oslraba-
Ibes qoe dasda entao, tem sahido de aossa oficina
tem feralmente agradado, sendo recebaos por
ilguns com admiracio pelo extraordinaria pro-
jresso que ltimamente tem tido a phofcgraphia,
9 pdr outros com atep-ia, por verem a provincia
tetada com um esubeleeimento digno d ella, e in-
eontestavelmente o primeiro que nesae genero
hoje possue : tambem nao nos ponpamos em coasa
alguma para monta-Io no p em que se acha, es-
perando que o publico de Pernambuco saber
preciar nossos esforces e recompeasar nossos sa-
crificios.
Convidamos a todas que II as pessoas, aaeionaes
a estrangeiras que costara das artes, ou verem
aecessidade de trabalhos de photographia a visi-
taren! o nosso estheleclmento, que estera sempre
aberto e sua disposicao todos os dias desde as 7
horas da manbaa at as 6 da tarde.
Para os trabalhos de photograpbia possuimos -ip
versas machinas dosmelbores autores francezes,
ingieres e alltnemaes, como sejam i Letebours et
Secretan, Hermagis, Themaz Hoss, Voigtlander el
Sonh eWulf. ltimamente recebemos tres novas
machinasi sendo urna dellas propria para tomar
sobre o mesmo vidro 4 ou 8 imagens diversas e
isoladas, e outra de 6 a 12 imagens diversas a
igualmente soladas, de norte que no caao de
grande concurrencia poderemos retratar sobre
ama nica chapa at 8 pessoas diversas e isola-
das para cartoes de visita, e assim em menes de
am qnarto de hora despacharmos 8 dlfferemes
pessoas que pecam cada urna, urna duzia de cartoes
oais ou menos, com os seos retratos smenle, on
em grupo com outras.
Encarregamos-nos exclusivamente da direceo
a feitura dos trabalbos de photograpbia dei-
xando pericia e talentos do distinelo pintor
allcmao, o Sr.
Jorge A. Roth
as trabalhos de pintara, a aquarela, a ole, e a
putei.
O Sr. Roth acha-se ligado a nossa empresa por
ama escriptura publica, e at o presente tem-se
desvellado na execucao de seus trabalbos.
No nosso estabelecimento achara-se expostos ou-
tros trabalhos importantes do Sr. Roth, tanto em
miniaturas aquarella como oleo, retratos
oleo, quadros sacros e diversos outros trabalbos.
Tomamos eneommeodas de retratos oleo at o
tamnho natural, assim como de quadros sacros
para ornamentado de igreias on capellas. Tam-
bem aceitamos encommendas de quadros histri-
cos.
Asseguramos que os precos nos diversos tra-
balhos da nossa casa sao mm rasoaveis.
CAMES DE VISITA NAO COLORIDOS lOfJOO A
DUZIA
CARTOES DE VISITA COM O COLORDO AO NATU-
RAL A 16,5000 A DUZIA
Retrates em miniatura oleo ou aquarella de
16 2000 cada um, indo convenientemente en-
aixilhado em moldura dourada e regulando o
busto da pessoa retratada de 3 4 pol legadas e
todo o qnadro palmo e meio de tamanbo.
Julgamos que bastaro os precos cima para
iarraos idea da bai ate-a dos trabalhos do nosso
astablecimento, quanto sua perfeicao cada um
venha julgar por seus proprios olhos.
As melhores horas para se tirarem retratos no
nosso estabelecimento sao das 8 horas da manbaa
1 da Urde; entretanto de urna hora s 3 da tarde
jm casos especiaes pde-se tambem retratar qual-
quer pessoa.
Nos dias de ebuva, ou por tempo sombrie po-
demos retratar, *) asseguramos que esses dias sao
os mais favoraveis aos trabalbos de photographia
pela docura e persistencia da luz, e pe r termos o
nosso terrado construido com taes proporcoes e
melhoramentos, qne aluda chovendo ;orros ne-
abum Inconveniente ha para fazer-se bellos re-
tratos.
J. F mira VUMa
IREIR FRANCEZ
51Ra da Cadeia do.Recife51
Chama a attenc5o dos seus innmeros fregoezes, e do respeitavel publico e
para a seguinte tabella dos precos de sua casa, os quaes sao vinte por centt
PRIMEIRO E AMIGO CONSULTORIO
HOMEOPATHrX)
Dirigido pelo Dr.
SANTOS MELLO
Os habitantes do interior podem-no
consultar por escripo, no que serao ti-
tisfeitos com promptido.
Presta-se tambem a chamados para o
interior, a preco mdico.
Consultas, no consultorio das 10 horas
ao meio dia.
Chamados, a qualquer hora.
Aos pobres gratis.
43Ra do Raro da Victoria43
(Amiga ra Nova).
m
AMA
Precisa-se de urna ama : na ra de Hortas n
fiO, 1* andar.
Ama de leite.
Precisa-se de urna ama de leite, paga-se bem :
na ra Augusta n. 2, 2 andar.
Aluga-se um ?itio com boa casa de viveuda
e grande quantidado de arvoredos de fructo, en-
tre os quaes boas larabjas de umbigo, sapotis,
goiaba. etc., no largo do chafariz da Passagem da
Magdalena : a tratar com o seu proprietario no
sobrado da esquina que volta para os Remedios
n. 29.
Ama
Precisa-se de urna ama
80,1. andar.
Precisa-se de urna ama
Queiraado n. 61.
ua de Hortas n.
na rnad.
.dluga
urna escrava com todas as habilidades, e tambem
aluga-se ou vende-se nm bom piano : na ra do
Aragao n. 1, 2 andar.
Commodidade publica
As pessoas que precisaren) de amas, criados,
coeinheiros, jardineiros, feitores, amas de le.te,
escravos para o servico domestico, caijwiros, tanto
para a praca como para e mato, casas e sitios,
podero desta data err. diante mandar eu? pedidos
por escripto a roa ds Torres n. -12, 2 Indar, casa
amarella.
Criado livre ouescravo
Precisa-se de um criado livre on eteravo de 10
a 12 asnos de idade, para servico Unto interno
como externo de urna casa de pequea familia : a
tratar na rea da Palma n. 34.
A" ra do Hrfiao. BpiMI Wlar
segoinies sennorts :
Jao Adolpno Ribas (aeafcmleD.
Qnerioo Candido de VaKMQtJIo*.
Joaquira Cavalcanti de AKwqnerqM
(Pombal).
Jezuino Augusto dos Santos Frafoso.
Virifsimo Corris de Lyra (Craaaif m Ym
los Hermmo Pontnal (eafeatop nefcr?).
Fernando Barata da Silva (enfleiho Morojo).
Antonio Gomes Cordeiro de Mello.
Eduardo de Paula Santos.
Francisco da Silva Porto.
Thom Jnaquim do R *o Barros.
FHkc
MOFINA
eiieiime eseo 'jepue opongas '% o sojjox
op snj tu : seiue ep eiaaiuaiaeisuoa w-siD3Jd
Jos Dativo dos Passos Bastos bz sciente ao
respeitavel publico e aos seus (Vegueres, que tendo
reformado a sua officiua sita ra do Barao do
Triumpno n. 64, antiea ra doBrum, onde encon-
trarao sempre alambiques de diversos lmannos,
serpentinas, cobres de roda, passadeiras, lachos de
todos os lmannos, todo o sortimento para o fa-
brico do assucar, sinos de diversos tamanhos,
bronzes para engenbos, bombas de repucho e as-
pirantes pelo nove: sistema, fabrca-se tambera
qualquer obra de ferreiro e serralheiro^radeamen-
tos, portoes, tanques, fogSes, ferragens para na-
vios, encarrega-se de encanamentos para agua, e
tambem faz-se cortadeiras para cortar bolachas a
vapor, tude por menos preco que em outra parte,
garanlindo todas as suas obras.
mnibus para a Var-
zea. W
Para meJbor commodidade dos Passageiros de
domingo 2 de outubro, eoraeca o mnibus para a
Varzea, sabindo do Recife as 7 horas da manhaa,
e da Varzea a? 5 horas da Urde. os dias uteis
as 5 horas da tarde, e da Varzea as 7 l|2da ma-
nhaa ; (cando o de Cachang s horas do cos-
tme.
CIO PERDIDO
Desappareceu da casa n. 40 ra da Uoio, no
dia 26 dD crreme, um cao grande, cor vermelha,
levando ao pescoco urna coleira de sola : quero o
achar pode leva-lo all ou ra do Mrquez de
Olinda, escriptorio de Leal A Irmao, qne ser gra-
tificado.
Preto.
Precisase alugar um preto para o servico or-
dinario da padaria da ra da Senzala-velha n. 96:
a tratar na mesma.
Aluga-se urna escrava pao servico interno
de casa ; e tambem aluga-se um andar da casa
o. 13 da ruado Amorira : a tratar na ra do Im-
perador n. 50.
Leal & Irmao ra do Mrquez de Olinda
n. 56, preci nito, comarca de Nazareth, e olTerecem vantagens.
m.
O Dr. Manoel Enedino Reg Valenca
contina no exercicio de sua proflssao de
medico ra da Camboa do Carino o. 21
1 andar.
:&'
EEilk i
Aluaj
g-se
urna oxceilenle casa terrea nos Arrombados, com
muito comraodo, quintal murado, e reedificada de
novo, com gradeamento de ferro, e a frente de azu-
lejo : a tratar na ra dj Amor ira n. 37.
Precisase de urna ama para o servico ue
urna pequea familia : na tinturara franeeza, ra
da Imperatriz n. 55.
Offerece se um bom cozinheiro : quem pre-
cisar dinja-se ra velha de Stnta Rita n. 33.
Na roa Auensta, sobrado n. 17, i* andar,
precisa-se de urna"boa ama para o servico interno
de piuca fami'ia.
|P
m
ADVO
f^^
O DR. JOAQCIM CORREA DE ARAUJO
tem o seu escriptorio ra do Imperador
n. 67, onde pode ser procurado das 9 ho-
ras da manhaa s 3 da tarde.
aral, _
aa'ts barato do
qDe em outra qualquer parte:
Cabelleiras para senhoras a S5&
300, 350 e...... 406000
.Ditas para bomem a 35$,- 40(5 e
Coqnes a m, W, W, 200,
250, 300 e .....
Crescentes a 12, W, 180,200,
250, 30 e .....
Cachos ou crespos a 30, 40, 56,
6#, 70, 80, 9& e. .
franca de cabello para annel
506 e.......
franca para braceletes a i 00,
150. 200, 25 e......
O0OOO
Cadeias para
70,80,
relogio a
,. 120 e.
50, 66,
Corte de cabello,.....
| Corte de cabello com friccSo. .
320000 C^rt6 de cabello com lavagem a
champou......
Corte de cabello com limpez da
cabeca pela machina elctri-
ca, nica em Pernambuco. .
Frisado ingieza ou franeeza.
Barba.......
5O0OOO
106000
10000
;;i50OOt
501
501
16001
10001
501
2Sf
300000
ASIGNATURAS MENSAES
Especialidade de penteados para casamento
Bailes e aoire
Recommenda-e a superior TINTURA JA
PONEZA para negrecer os cabellos e bar
taUopara Untura dos cabello! e barba, as-J1"' unica admittida na Exposicio Universal
. t A como nSo prejudicial saude, por ser voi
mcomouiB empregado smente oceupa-; iat|, alysada e approvada pelas^adi
nesse srico.* mas de sciencias de PARS E LONDRES
O dono do estabelecimento previne s
Sras. e aos cavalheiros que ha umxmas.lS
ATTENCAO
Retalha-se, vontade dos compradores, alguns
lotes de terrenos, que restara, do sitio Aguasinha,
em Beberibe, por precos rasoaveis. A po-icao
topopraphica do terreno muito o reeoraraenda. so-
bre tudo pjr ficar proxiniD da estadio projectada
da va terrea. Os pretendentes poderlo dirigir-
se inforraar-se do tenente S Peixoto, no mes-
mo lugar, e para qualquer negocio ra do
Crespo n. 12, I- andar.
A verdadeira farinha peitoral de
S. Bento.
Esta farinha usada com vantajosos resulta-
dos nos padeciraentos dos orgaos do peito,
l como astbraa ou puchamento de catbarros,
inflamacao de bofe, pleurizes e na ptbysica; re-
commendando-se com igual proveito as pessoas
convalecentes.
nico deposito na ph irmacia e drogara.
DE
Bartholomen & C.
34Roa larga do Rosario34
AVISO AOS FUMANTES.
Cachimbos e ponteiras de espuma verda-
deira.
* O mais completo sortimento, e mnitas qualida-
des-novas que anda nao vieram a este mercado:
NA LIVRARIA FRA^CEZA
A
MAO DE OURO
Nova loja de joias
N.9 A.
Convida-se
eatisfeito.
o poblico a vir a
Precisa-se de urna ama para engomraar : na
| rna da Cruz n. 87, ^ andar
Agencia em Pernambuco
Do Dr. Ayer
Peitoral de Cereja
Cura a pothysiea e todas as molestias do peito.
Salsa parrUha
^Ou ulceras e chagas anidas, impigens e dar-
torserva e limpa os cabellos.
Pillas cathartlcaa.
6abinete~Portuguez
de Leitura.
A direcgo de Gabinete Portugwez de Leifora
precisando proceder a nm bataneo ew sua niblio-
este esubeleeimento, certo de qBe ficar M ^P^SSff c?l!T flSfi.
f*ui Irta'em"sen poder.
ill Secretaria do Gbi
COMPANHIA
DOS
TRILHOS URBANOS
DO
RECIFE: A9 OMVDA.
-or ordem da directora sao convidadps
os Srs. accionistas que se inscreveram para
a nova emissao. realisarem at o dia 30
do corrente a Ia prefacio na raz5o de 10
7; devendo ficar sem effeito as inscrip-
coes cuja ia prestaco nao fr realisada no
prazo sopradito, as quaes serao distribui-
das pelos subscriptores que ainda nSo s3o
accionistas, os quaes devero realisar a 1
prestac5o das aeces subscriptas dentro do
praso de cinco dias contados do Io de ou-
tubro vindonro.
Para esse fim ser encontrado ""o Sr. the-
soureiro da companhia no respectivo es-
criptorio das 10 boras da manhaa as 2 da
tarde.
Recife, 21de setembro de 1670.
Joo Joaqnim Altes,
___________Io secretario.
Precisa-se de urna ama para casa de pou c
familia : na roa Direita n. 38.
Precisa-se de um hemem portuguex para]
vender leite e tratar de qaatro vaccas : quem es-
tiver habilitado dirija-se Passagem da Magdalena
n- *. qe se dir quem .
O Sr. Lobo que foi caixeiro dos Srs. T. Jef-
fers it C, qoeira vir entenderse com Jorge Tasso,
i rna do Ainorim n. 37.
Existem no escriptorio de Jos Joaqnim ia
Silva Gomes, ra. da Senzalaveiha n. 138, 1
andar, duas cartas para os Srs. Marcolino Antunio
Pereira de Carvalho e Joao Tertuliano Pereira de
Carvalho.
ATTENCAO
Todas as pessoas que e fnlgam com direito a
rjlngios, ou objectos que se acbavam em poder
do fallecido subdito portuguez Jeaquim Rarliosa
Cupertino, com lija na ra Nova 67, devem re-
r.!ama-lus ao abaixo assignado na ra larga do
Rosario constituido depositario pelo consulado de
Portugal, no prazo de 8 dias, contar da data
deste, e findo o dito prazo, nao sendo reclamados
serao entregues ao referido consulado, para se-
rem vendidos em leilo publico par conta de quem
pertencer. Recife, 26 de setembro de 1870.
Joao Luiz Vianna.
Roga-se so lllm. Sr. leado Y.ara t
crivao na cidade de NaoreSn tota provisKia.
favor de vir a roa do Imperador a. 18 a raaesatr
aquello negocio qne V. S. se eompromeOea mSt-
sar, pela terceira chamada deste jornal, era 9m
de dezembro prximo paseado, e eswis pnn Ja-
neiro, passou a Cevereiro e abril, e nata eamsrfc,
e por este motivo de novo chamado pera ate
Am ; pois V. S. se deve lembrar que este negocio
de mais de oito annos, e quando o senaor
Hlho se acbava no estado aattt cidade.
n
BRAZILIAN STEET
Raiiway Company (Limited)
Attenpao
Tendo apparecido ltimamente bilhetes
falsos recommeoda-se aos Srs. negociantes
e mais pessoas qne os costomam receber
como dinbeiro que nSo os acceitem mais se
nao as estacces, para evitar pardas e pre-
venir assim a falsificacao, cojos autores a
companhia procura (azer punir pelos meios
legues.
Escriptorio da companhia, 22 de setembro
de 1870.
William RawiinMn.
Gerente.
Os indios do Jagua-
ribe,
(Publicaqo nacional)
Acaba ne sabir das offleinas do Jornal io ar-
tife o 1 volume desta hitoria \o teemh VM. se-
undo o intitula seu autor o Sr. Dr. Franklin
ayora.
a segundo edicao, e acha-se cun-ideravelmeB
te crrela e augmentada. A leitura produ* isKe-
resoe.
Prestaedo-se o assumpto a vastos desenvolv
mentfs consta todava a obra de i volme, qn**
para mais facilidade para o coropraor. serao pu-
blicados com intervallos anoaasai
O 1 valume esta exposto venda na eneader-
narao parisiense de Paula Moateiro, roa do Im-
perador n. 71, a razio de 5*000 rs., onde as pes-
soas, que se dignaran) assigoar para a obra, a->-
dem mandar buscar seu livro.
Precisa-se de urna ama que r. mpre e eon-
nbepara casa de pouca familia : na rna aova a>
Santa Rita n. 41.
MUDANCA.
Jos Marques de Airosa Braga faz seinMe a sea."
freguezes, qne mndou sua fabrica de calcado* qo>
tinha na loja do sobrado n. 31 do largo do Cor>.
Santo, para o andar do mesmo sobrad", c*'
pode ser procurado a qualquer hora.
/**
ATTENCAO
Hotel Flor da Boa-vista
Ra da Matriz da Boa-Vista n. 8.
Neste hotel encontrar o respeitavel publico com
asseio e promptido, nao so a refeieao diaria, por
menor preco que em outra qualquer parte, como
tambem fornece-se comedonas mandando se levar
s casas das pessoas a tempo e hora convenientes.
Nos domingos e dias santos haveramao de vacca
excedente e outras iguarias.
s
i
s
itenido.
Precisa-se de urna sala e nm quarto para nm
rapaz solteiro : quem tiver e quizer alugar dirija-
se a esta typographja que achara cora quem tratar.
RA DO CABUGA'
DE
Manoel da Cnnha Saldanha & C.
Acaba de abri-se este ^estabelecimento de joias, o qual tem grande sorti-
mento de todas as joias d ultimo gosto, as qoaes vender o mais barato pos-
sivel.
Todas as joias serSo garantidas ouro de lei, pois os seus donos tendo em ,-:,
vista so adquirir freguezia 5o olvidarlo, vender bom e por precas os mais ii
razoaveis possiveis.
Ama
Na roa do Vlgario n. 5, andar, precisa-se de
urna ama livre ou escrava para cozinhar, em cujo
deserapenho ge qoer asseio e perfeicao.
Ama.
Precisa-se de urna ama que compre e cozinhe
para casa de rapaz .solteiro : na ra do Duque de
Caxias n. ^
ADVOGADOS.
Elseo Martins.
Antonio Siqueira.
Escriptorio ra estreita do Rosario
numero i.
O bacharel E. Martins propoe-se a ex- |
ercer a proflssao de procurador de causa, 9B
e pode ser procurado no seu escriptorio i
das 9 s 3 horas da Urde.
oHHtt* #*nn **ho
Ama.
Precisa-se de duas amas que engommem e co-
sam com perfeicao, nacionaes ou estrangeiras : na
roa da Aurora n. 40.
J. Fe mra Villeb
PUOTOCiRAPHI 1 I1PERIU
18----RA DO CABUGAI?
A entraba pelopnte da ms#b.
Os trabathos da reedificacaa d^.-ta pnotograpua,
e que se prolongaram por tanto lempo, acbata-M
lelizmente terminados e ella aberta ao servico di
publico desde 7 de abril pastado.
O predio em que est enllocada esta psotapa-
phia acha-se muito augmentado, e so a parte too-
nada na estabelecimento conta cinco salas, moic-
sive as do laboratorio. Todos os concertcs e acc-
menios tendo sido fetos expre-sameafe para **.
montar convenientemente a photograpbia. aio
podendo melhor modi'lo escolher do .joe a Pkcir-
grafiia Imperial do Sr. Insley Pacheco do Rio J.
Janeiro, o primeirophotographo do 3r:..:i', e na dos
pnmeiros do' mundo, segumioa opiaiao det- mais
abalisados mestres, a nossa photofrapha acaa-se
dlsiiosta e reodificata pelo me?mo piano da do Sr
I. Paheco, a qual fni montada soa todas as refri-
recommendadas pelos mais de-tinclo: prcfessrre-1
de accordo com as modificacoes necesarias ao
clima do Bra il, reconhecidas e estudada pelo na
bilissimo e pratico Sr. I. Pacheco.
Todo o interior do predio ^m qoe est ama
photographia foi mudado dasde a soleira da porta da
ra at a cnberta, lendo-se demolido todas as pa-
redes iuteriores para se fazerem as novas salas,
edifcando-se cin novo terraco eavidracado ria<
espajoso e elegante
Como sabido, fizemos urna viafaa aipraaai
mente curte para exarainarraos a mlanru aW-
lographias all, e foi a do Sr. I. Pacheco, a nm
melhor corresponden aos nossos devjos e aspea-
foes, e da qual tronxemos os piaas deaoM de
a!li estarmos todo nm mea estndaada e aaro-
vei lando as liedes de to disuada atesara. Tea-
samos que juntando os nossos fti'ati e
praiica de 15 annos de pLotographia asi
licoes ultiman ente reeebidas do Sr. L Pacheco.
tendo montado a nossa photographia cosa* se
acha, podemos offerecer ao illu^trado pshtico
d'esta cidade e aos nossos nouerosas fregaazts
trabalbos de photographia to per'eilos, amo se
podera desejar, e disto convencidos, esperan-
que contluuem a dispensar-nos a mesma aro-
teccao com qne ha 15 annos nos ten hoarad e
ajando.
Ama
Precisa-se de urna
Apollo n. 25, andar.
de leit
ama de leite
Ama
Precisa-se de urna ama escrava ou forra para
comprar e cozinhar em casa de pouca familia na
ra Nova n. J4, loja.
Manoel Jo
Sr. Pedro de
Joiquim Gomes precisa
M-illo Botelho.
fallar com o
UCA N.9 A

u od>
Secretaria do Gabinete PortuVoez de Itturasm
i iPrnamboco aos ti de setembftde 1870
-Artoam de Atba^uwque Mello,
' seerario.
Ronbaram do 1 andar do sobrado n. 51 ea rna
do uueimado. um relogio de onro d. 4613, orison-
tai, machina de^cobert, lavrado, e ama corrente
tamcem de oum, simples : previne-se aos sedio-
re? ourives e relojoeiios, on a quem for estes ob
ectos offerecidos, <}ue os apprfhendam e levem
loja de seis portas ero frente do Livramento, qne
sera bem recompensado.
Caixeiro.
Precisa se de um caixeiro que tenha praca de
taberna, porm que nao tenha mais de 14 aunes
de idade, para a ilha de Fernando: a tratar na
ra das Cruzes n. 33, 2 andar.
Aluga-se o audar do sobrado n. 1 da ra
Imperial: a tratar no andar terreo?
Ama de leite.
Precisa-se de urna ama livre ou sujeiu, porm
de boa conducta, que tenha bom leite e com abun-
dancia, sem Hlho a mamentar : a tratar na rna da
Praia. araiazera ns. t."i ,> \$.
Aluga se urna escrava com oito das de par
da cemmmto e bom leite : a tratar na roa de
Aguas-verdes n. 90.
Traoalhador para padaria.
Para o Rio Grande do Norte precisa-se de am
trabalhador dos nltimos ehegados das Uhaa, aiada
mesmo sem pratiea : a tratar eoo Tasa ara-js *
C, roa do Amorim n. 31.
MUDANZA |
O escriptorio io Dr. Joatnoi J**e de 9
Campos da Costa de Mtmrm ** jt
querqoe est i roa estreita do Rosario J
awfjawjw
Offerece-se um moco Mamairt oto saac
0 oem ler, escrever e eoatar para caixeiro da alfasa
engenho perto on mesmo distante duela ataja, da
qne tem bastante pratiea, e aiwan para aaaaar
primeiras letras : qnem de sen amasan aa aci-
r utilisar, annunae por esle Biar pan ser
procurado.
AHENCAO
Os abaixo assigaadas faze m sdeaie a tatas as
pessoas que tem dado oaras a eneaderaai
Dia e offleina do largo do Colktio, qoe
tondade de vir procurar ditas oaras a aa|
respectivas endadernacAes, vo qoe ahjaaaw ja
tom decorrido mais de 6 annos. sera ave asaa d-
nw as ten ha in reclamado pelo qne, pastadas &%
d;s da dau deste. ferio vendidas para aaaaaMa*?
dits de.'pezas da eocadernacao. todas irooBa
qite nes'e
Recife SI de h 1870.
Gimares Oiive-ra
_________________Era liqaidaefc>
. Preci.'a-scde um. serveate na asi
captivo par avicp : ao batal fr
d s Larancfira? n. 10.




Diario de Pemambuco Sabbado 1 de Outubro de 1870.
M
1
aB PERNAuMByCANO.
O abaixo assigoado emprezario do clob
parnambacano partecipa aos Srs. socios que
d'flsU data em diaote no [contina a fuac-J
cionar mai dito club lie sua conta.
Os movis e utencis existentes no andar
terreo ficam pertencendo a algons sucios
por venda feita aos meamos senhore.
ftecife 30 de seterobro de 1870.
P. J. Layme.
D. Delfina Marinha Tavares Cordeiro,
sens filhos, georo e demais prenles, con-
vidam os amigos do seo finado esposo, e
pai, Manoel Mudz Tavares Cordeiro, falle-
cido oa liba de S. Miguel, a assistirem s
exequias que pelo eterno rppouso do mes-
mo mandam celebrar na igreja da Madre
de Deus, s sete e meia horas da manhaa
de segunda feira 3 de outubro vindouro ;
e d'esde j agradecem extremamente
aquellos que se dignaren] comparecer a esse
acto de piedade e religiao.
;Tv:
D. Francisca de Araujo Nogueira Santo?, Joo
Martins Nogaeira Sanios, Francisco Martins N.
Santos, Vicente Ferrer Martins N. Santos, Deme-
trio M. N. Santos, Maria Magdalena M. N. Santos,
Rayneldes Martins N." Santos, esposa, e Olhos do
fallecido Silverio Joaqaim Martins dos Sanios, cor-
dial mente agradecem a todas as pessoas quo se
dignaran) assistir as exequias e acompanhar ao
cemiterio publico os roslos mortaes de seu seni-
pre lembrado esposo, e chorado pai, e de novo
rogam o caridoso obsequio de ouvirem a missa
do stimo da qae pelo descanco de sua alma de-
ve ser celebrada na Ordem Terceira do Carmo,
as 7 horas da manhaa do da 3 de outubro.
ATTENCAO
O abaixo assiguado previne ao_ respeitavel
publico ou a quem interessar, que nao negocie e
nem transijam com urna letra aceita pelo abaixo
assigoade e sua mi D. Bernarda Joaquina Pinto
Bandeira, a qual se acha em poder do Sr. Joaquim
Igaacio de Siqueira Cavalcan, porque dita letra
nao exprime transacc,ao alguma real, visto ter sido
precipitadamente aceita no dia 1* ou 2 de selem-
bro de 1870. O abaixo assignadu ropa ao mesmc
Sr. Joaquim Ignacio de Siqueira Cavalcanli tenba
a bondade devolver-Ihe dita letra, visto como mo
tem S. S. respondido-le as cartas dirigidas neste
sentido. Recife 26 de selembro de 1870.
___________ Joao Apolooio Cavalcanti.
== Precisa >e alugar urna preta escrava para
servico domestico de nma casa de pouca familia :
a tratar no pateo do Terco n. l.
COMPRAS.
Com muito mator vantagem
ra
Coreao de Ouro n. 2 D, ra do
compram-se
ouro, prata e pedras preciosas e obras velbas: na
toja de joias do
Cabug.
VENDAS.
NQVIDADE.
O Coa, proprietario do artnazem da Pedra
Marmore ru3 das Croles u. 12, ofl'erece por di-
nheiro contado o que de oielhor ha no mercado,
por ter recebid mnttos dos gneros decriptos
pelo ultimo vapor.
Queijos fHmengos o que de melhor se i de d-
se jar a 34000.
Caixoes de doce de goiaba a 8C0, l, H200 e a
! J800, dito em latas a 2 u 2*500.
A verd. deira farinha americana vinda de conta
propria a 320 rs. o maro d'! urna libra.
Velas stearinas a lii o mago.
Bolachinhas de todas as qualidades e dos me-
.hores fabricantes.
Ervilbas francezas e portugueza?.
Uvas a t a libra.
Viobo de todas as qualidades.
Farelo Je Li.-lm desembarcado honlem, em
saceos grande, a o.
Cann do sertao muito nova e gorda.
Queijos de qualha, elc.ete.___________________
OBIZARDAMODA
Jos de Souza Soares & C.
RA DO BARAO DA VITORIA
(OUTR'ORANOVA)
Apresenu-se metam rphozeado no que pode hawer de mais bello e agradavel em fa-
leodas finas para Senboras artigos de alta moda em Pars Unto para senboras como
para horneas e meninos. / ,. ..
Maderas afarmadas,' perfmuarias especiaos, vanedade de lindos objectos para me-
ninos e brinqoedos para enancas. ____11 '~
- GRANDE SOBTIMENTO
Continoamente recebido por todos os paquetes vindo da Europa aonde tem ha-
bis correspondentes.
Vende-se maito emeonta maHda-se por em pregados do estabelectment fazendas
em casa das Exms. familias afim de melhor escolberem o que desejarem.
NOVIDADES
DO
TRIUMPHO
7 Ra doQueimado 7
DE
HOBEIRA & BASTOS
E' chegado a este novo estabelecimento o mais bello sortimento de fazendas
toas, sendo sua especialidade enxovaes para noivado.
Vestidos de blond de ,sda ricamente bordados.
GorgurSo de seda branco para vestido.
Colchas de seda pora, para cama com ricos desenbos.
Ditas de 13a e seda, id-m dem.
Ditas de crox, dem idem.
Cortinados ricamente bordados para cama e jaaellas.
Croxs para cadeiras e sofs.
Vestidos de cambniia branca bordados. .
Popelines de lindos gostos.
L3as de diversas qoalidades, lindos gostos e modernas.
Ricos b lUrnus para passeio, com listras de setim.
Sabidas de baile o que ba de mais rico.
Cretones para vestidos com lindos desenbos.
Carnizas bordadas e sem bordados para senboras.
Camisas bordadas inuito finas par? bomens.
D tas inglezas para tiomens e meninos.
Seroulas de linho, e um grande sortimento de roupas feitas e de fazendas que
i enfadonbo mencionar.
Luvas frescas de Jouvin
Sortimento de tapetes para guamicoesde salas, alcatifas para forro de sala, e o
irande sortimento das acreditadas e verdadeiras
Esteiras da India
PECHINCHAS
NA
LOJA DO PAPAGAB
DE FAZENDAS E ROUPAS FEITAS
Ra da Imperatriz n. 40, esquina do becco dos Ferreiros.
r DE
I
O proprietario deste novo estabelecimento communica ao respeitavel publico
desta cidade, e especialmente as Exmss. familiis que est liquidando por precos bara-
tissimos as antigs fazendas que existiam oecte estabelecimento, alm das que abaixo
vSo relacionadas, cojos precos merecem toda a atteneao do respeitavel publico que nSo
deixar de com pequea quantia refazer-se de qualquer qualidade de fazendas que pre-
cise. Previne-se tambem que a mesma loja tem feito sortimento de fazendas moder-
nas, e continua a sortir-se das do mais apurado e escolbido gosto, que vender mais
barato que qualquer outra loja.
CASA CAUVIM *JK
J Stmitva,: ti
NOVAS ESPECIALIDADES
Aprt-sentadas a Actenla lie Scicncias
Pharmaceutico privilegiado
, succesBor
Sebastopol,
G5 PARS.
A. MARINIER
c jo Instituto i Fraila.
I '' IC f* ^* i Pt *') f('"ma 6 .'_ uLLKW (t iitniii'iito urna solueco
Preventiva e curativa si OLESTIAS CONTAGIOSAS.
KJECIOR-FHIIIEO
ESTOJOS cm
o volurae *c oiu rclonio, sen-indo de
l'llll.TRO t SERINGA nb os
graves inciiEvci.ienles de fragilidade.
a forma, e de vnlnme de um Porte-Med
COTEXDO TODO HiATAUEXTO.
COLL Y RIO Contra as affeccois das palpebras,
preparado sob a mesma forma.
BARTHOLOMEO i C
Depositarios geral para e BRASIE. e PORTUGAL
34, ra larga do Rosario. PBRNAMBUCO.
CANDIDO ALBERTO SODREv DA MOTTA & C.
oa i .':,' i .ravesa ci,t M tdre de Dern n. 14, t m para vender
oeguinte u:i onserva op?iina:nt-Dte preparado
em Paris :
Ervilha- [PettU |
Feuao vi-.:ti". [Hai.
Dito u guvi (Mem fltigedlUtt).
Espabgos {A$perg $).
MlSCBLLASEA DE lec 'r.redoiiu li,y'unes).
3biooras jCarOtti i).
Tomates (Tmales).
Gocve de BatoxBxis tChous de Bruxelles).
Alcachofbas [Fotuis d'artichunts).
Espimafres (Epmards) i,
Cogcmellos (Chimpignotis). '
(Cpes).
Pastis com truffas (Pals trufs).
sem truffas ( sans truffs)',
Atlm com azeite (Ton a Vhuile).
Truffas simples (Truffes ou naturel).
Sardinra em tomates (Sardine etc.)
Galaktina com truffas (Galantins avec trufee).
Franco (Poulet).
Pombo com erviuhas (Pigcon avec pois).
Gallinholas (Bcaisones).
Perdiz com amitonas (Perdiz avec olives).
assada ( rotie).
Andorinha (Allouelte).
Codorniz (Gaille).
Lamprea (Ijmxproi).
Picado (Andouilletter, /.)
Salxicha (Saucissono t.)
Carne guizade (Frincanieau 0.)
Recebeu-se mais
Um completo e variado sortimento de papis
pintados e doirados de difTerentes qnalidades e es-
musitos desenbos, proprios para forro e guarnicao
de salas, gabinetes, escriptorio, ele. Na remessa
desse artefacto tem havido o raaior gosto e capri-
cho da parte do nosso correspondente de Pars.
Com urna mdica commissao sobre o casto da
fabrica vendemos este papel, pois desejamos ter
effectivamente um deporto dessa especialidade.
No armazem de Candido Alberto Sodr da Molla &
C, travessa da Madre de Deus n. 4.
Fumo e papel
t! Completo sortimento de fumo, tanto para cigar-
ros como para charutos, vindo do Rio de Janeiro
Baha e Rio Grande do Sul. Papel de seda, linh
e algodo, de difTerentes qnalidades, proprios para
o fabrico de cigarros. Vende-se coostaniemenie
o armazem de Candido Alberto Sodr da Motta
A C : travessa da Madre de Deus n. 14.
3 portas n. 53* ra Direita, 3 p ras n. 53, antiya
hja do Braga
O abaixo asslgeado, dono deste anttgo enabelecimento, teudo tai vista apre-euur umfe:
completo sortimento Je terrjeos", miudezas e cotileiia, tura resoivido mandar buscar em S
diversos pernos da Europa os melhores objectos de seu estsbelechncnto dos fabricantes |^J
mais conhecidos; pelo que convida ao respeitavel publico e a sens numerosos freguezes,
virem se servir dos objectos de sua carencia, asede enconlrarau por menos 10 0|0 do que
era oulra qualquer parte, um sortimento completo de machinas para descarocar algodo,
do bem conitecido fabricante Cottorr Gin & C. das para costura, motores para animaos, -8
ditos para fogo, moinh's para caf de todos os lmannos, da fabrica do Jap espingardas de f~
dous canos e de um, wnto inglezas como francezas, louca de porcelana, facas e garfos B[
de diversas qualidades e precos, bandejas chinezas, salitre, breu, barbante, enzorra, papel e gi
limalha de ferro, ac, e aguilia para fogueieiro ; assim como encontrarlo constante-
mente grande porcan de fngo do ar, e recbese encommenda de fagos de vista, alem de um
cera numero de objectos, qie se tornara enfadonho numera-los : venham ra Direita n. j
53, loja de Lenidas Tito Loureiro, antiga loja do Braga.
Algodaosibo com 18 jardas a 2^800 a
peca.
Madapolao enfestado com 12 jardas a 3
e 3.5500 a peca.
Dito de 24 jardas a 5SO0O para cima.
Atoalhados de linho, e de algodo tran-
cados, e adamascados por precos commo-
dos,
Chitas escuras e claras de 240 rs. o ao-
vado para cima.
Cambraias de cores miadinbas a 240 rs.
ocovado.
Ditas mais finas a 560 rs. o metro.
Baloes de mussulina a 45 e 5e$000
Guardanapos de linho a 3^500 a du-
zia.
Bramante de linho a 20500 e 3000 com
10 palmos.
Dito de algodo a 10800 o metro.
Meias para senboras de 40000 a duzia
para cima.
Ditas para bomens de 30000 a duzia
para cima.
Ditas para meninos e meninas de todos
ostamanbos.
Colchas de fosto branco de 30200 para
cima.
Ditas de cor de 30000 para cima.
Toalhas de rosto de 500 rs. para cima.
Cobertores de Ha finos, a 80 e 100000.
Ditos encarnados a 40500.
Ditos de algodo a 10500.
Cambraia tapada muito larga com pre-
gas e bordado, propria para sa'as de senbo-
ras preco barato.
Lazinbas Irences trancadas, com listras
largas proprias para saias de balxo, fazenda
intt iramente nova a 590 rs. o covado,
Gambraias brancas transparentes e tapa-
das de todas as qualidades e precos.
Lazinbas tapadas e transparentes de
muitas diversidades de cores de 320 rs.
o covado para cima.
Alpacas lisas e de furta cores a 500 rs.
o covaclo.
Cortes de percala de 2 saias a. 40000.
Ditos de organdy de dito dito a 80000.
Cortes de la da Escocia a 60000.
Ditas em peca a 500 rs. o covado.
Cbales de merino lisos a 20500.
Ditos estampados de 40500 para cima.
Camisinbas de cambraia branca transpa-
rente, bordadas com enfeites brancos e de
cores a 30000.
Brilbanlinas brancas de 500 rs. o covado,
Ditas de cores a 500 rs. o covado.
Lencos de cambraia de linho, de es-
guio at o mais fino. .
Lencos cbinezes a 30500 a duzia.
Ditos brancos de algodo a 20500, mui
to finos-.
Fil branco e preto, liso e de salpico.
Cortes de cambraia, brancacom salpico de
flor.
Ditos de fil liso a 50000
Tarlatanas brancas, e de cores.
Peitos de linho bordados e lisos de os-
goio.
Camisas bordadas finissimas, proprias
para noivos com a competente grvala.
Pannos de linho para homem a 10 o
par.
Colarinbos de linbo lisos e bordados.
Gravatas pretas e de cores, tanto em se-
flm como em seda, ha de todo3 os gosios e
feitios.
ROUPA FEITA E POR MEDIDA NA LOJA
DO PAPAGAIO.
Sormento oe roupas feitas de todas as
qoalidades, e foitios, para precos commo-
dos, e quem comprar porco para negociar
ter um abatimeuto razoavel, grande sorti-
mento de casemiras dp cores com quadtos
e listras, casemras pretas, e pannos pretos,
azuese cor de caf, brins brancos, pretos
de cores e pai dos, e manda-se fazer
qualquer obra a vontaie dos freguezes,
quer para dmeos ou meninos, e por me-
nos preco que qualquer outra offieioa, e
para issoa LOJA DO PAPAGAIO acha-semu-
nida de um bom mestre alfaiate para bem
desempenhar qoalqoer obra da sua arte,
recahindo a responsabidade sobre o pro-
prietario da loja.
Dam-se as amostras de todas as fazend
a quem as exibir, ou mandsm-se levar
loscaixeiros.
A loja do Papagai acbase aberta d
horas da manba s 0 horas da noate."
ftrancisto Teixeira Mendes.
LA VILLE
-20
CASA CAUVIN A primer
Pharmaeeutlco privilegiado
successor
Bonlevard Sebastopol, SS. PARS.
NOVAS ESPECIALIDADES A. MARINIER
Aprestadas a Academia de Scieoclas e ao Instituto de Franca.
lailFPPan Soba forma de Pastilla, devedida e doseada para faser de
INlf LbbnU momento urna soluccao PREVENTIVA I CURATIVA das
MOLESTIAS CONTAGIOSAS
20Ra da Imperatriz
Farl & Lessa.
Acaba de chegar a esta nosta novn luja e fa-
zendas finas um variada sortimento de fazendas de
laa e seda, como sejam : granadinos do ultimo
gosto, popelinas de urna s cor, alpacas e lazi-
anas de cores, o que ha de mais moderno, tudo
por baratissimos precos, brilhar.nas de core?, te-
cidos das indias, fazenda nova a mitacao de per-
oalia, baloes de dina tinglado saia de cor com lin-
das barras, fustoes proprios para vestido e roupas
ie meninos ; agora grandes e admira veis pechin-
chas, saias brancas com lindos frisados a 3. ji-
jo? corpinhos bordados muito finos a 5, bales
modernos de arcos a 24, ricas colchas para cama
ilcocnoadas, sendo braqcas o de cores, a 51, 6f e
7f, cambraia victoria fina a S|, ditas transparen-
tes a 51,6 e 7,chitas finissimas escuras e ciaras
a 280, 300, 320 e 360 o covado, cassas de cores a
HO, lencos brancos de cas?a a 2|500, dito? chi
oezes a 3fo00 a duzia, madapolao tino a fje
5J3O0J e muita superior a 11, "GOO e 8*, algo-
iaozinho largo proprio para lentes a 6a, panno
de al.odao branco trancada proprio para toalha?
de mesa a 1*600 a vara, nramante pata len?es a
2*000 e 3*500, o que ha de melhor, esguio fi-
nissimo a 2*200 e 2*500 a vara. Mandamos na-
casas das Exmas. familias para melhor podarem
escolher. Tambem temos completo sojtimento dt
perfumaras dos primeiros fabrieanles francezes e
mglezes; as pessoas que se dignaran vir a ests
loja terao occasia de reconhecer a realidade
que annnnciamos para nos jnstiflfar.________
Graves
do volume de um relogio, servindo
de Philtbo e Seringa sem os
inconvenientes de fragiliaade.
Com
forma, e do volunte de um Porte-Noeda eontendo
TOBO TRATAMENTO.
CLLYRIO
BARTHOLOMEO JL C
ESTOJOS
Contra as affeccois das palpebras, preparado sob a mesma forma.
Depositarios geral para o BRASIL e PORTUGAL
31, ra larga do Rosario. PERNAMBTJCO.
Vende-se
Fechincha
ps de arvoredo?, todos em cestos, e amitos en- Saias d la com barra de cor a 5*, baloes di
chertados, muito baratos, pois a pessoa quer dei arcos a f 800, algodoanho com 4 palmos de lar-
xar o negocio : na travessa do Padre Ioglez n. 7,' gara a Si a peca com 20 jardas, chitas proprias
lugar do Caminho Novo. para casa a 2i0 rs. o covado, lia escura a 240 rs.
3 covado : na ra do Livramento n 10.
YE VIIE-KE
ps de rozeiras de varias qualidades, assim como
de sapotis, abacate, figueira, laranja cravo e pi-
nheira, por preco razoavel : a tratar na Boa-vista,
ra do Visconde de Goyanna, ontr'ora Mondego,
numero 51. ,
d.
Cigarros da imperial
fabrica de S. Joao
de Nictheroy.
nico deposito em Pemambuco cae? da
lega velha n. 2, 1* anda.
alian-
Farinha de mandioca do nara-
nhio e da Babia
Vende-se no escriptorio de Joaquim Gerardo de
Basto ra do Vigano Tenorio n. 16, 1* andar,
excellente farinha de mandioca vinda do Mara-
nbao e da Baha, em saceos grandes, muito fina,
alva e torrada : os pretendentes podera examina-
la nos trapiches da Companhia Peraambucana
Dantas e Fontes
Fogao de patente.
Vende-se em ca-a dos importadores Shaw
Hawkes & C. ra da Cruz n. 4.
Cabellos
Vendem-se cabellos de todas as cores, qualquer
comp ment, qnalidade superior, em caixa oc
porco mais pequea : na ra da Gadeia do Re-
qfe n. 51, jo andar.
Doces, fructas e flores
Ra da Cruz n. 13.
Ha muito qne esta provincia pedia urna casa
q ie bem satisfkesse as pessoas que sabem apre-
ciar o que cima se ve" nessi distico. E? nesse
estabelecimento qne se encontram os melhores
doces de todas as fructas, seceos e de calda, doces
d'ovos de todas as esjtecies do tnassas, gelas de
goiaba, de arac, de pitaoga o mo de vacca, ven-
de-se a retalho e em grosso para qualquer parte.
Apromptam-se bandeja? com bolinhos os mais de-
licados e com ricos enfeites, do que se encootra
grande sortimento, presuntos em fiambre e outros
pratosque nao se podem dispensar em qualquer
festa, xaropes de grozella, tamarino, limr. a jotras
fructaj. Junto a este estabelecimenlo esa ligado
um bello sitio que nelle nunca faltam dores a tuI-
sas e em boquetes ; aprompiara-se boquetes para
noivos ricamento e.ifeitados de cravos brancos
com toda a per'eicao e delicadeza, muitas varie-
dades de plantas para se preparar um jardim e
plantar am sitio. A' vista' das encominendas fei-
tas se verificar o que cima fica dita ,
RAPE.
Rap de Lisboa de superior qualidade, assim
Paulo Cordeiro viajado e eommum, rolo francez,
gasse grosso e fino, meuron da Babia grosso e
Sno : vend?-se na praca da Independencia n. 5,
loja de violas.
Vende Joaquim Jos Ramos
n. 8, andar.
na ra da Gnu
Vende se a taberna da ra
39 : a tratar na mssma.
da Senzala-nova n
Atten$io
Vende-se a armacSo e pertences da taberna n.
II do largo do Terco, mnito propria para qualquer
principiante : a tratar no sobrado por cima da
mesma.________________________________^__
Madapolao francez com 20
varas,
proprio para safas e camisas de senhora, pelo ba-
ratsimo preco de 65500 a peca, garanle-se ser
fazenda de 10* em qualquer parte. Tambem ha
grande porejio de chitas francezas escuras e cla-
ras pelo nunca visto preqo de 200 r. o covado
isto s na loja das seis portas em frente do Livra
ment.
CEMENTO
iro portland. !5o se vend
o? n. 22. armawm de Joao
Carne de siJrrmito superior. Smtahboi
\Vnde-?e na roa do Rn?el n. 8 a 480 rs. a li- quartos, c
Vende-se
Na ra dos Quarteis h. 1 utna arraacao propria
. para qoalqner estabelecimento, poriendo o com-
O verdadeiro portland. i e vende rja ra da prador tirar on ficar na mesma laja onde est :
Madre de Dos n. 22. armawm de Joao Martin de '!"en WW PJe tratarna narna Nova -n. 4.____
Vendm se dua< casas ierre ds. 4 5,"u >
fondo do sobrado do poni, re
o Monte, hrs pro
_, cozinhn-fra, de podra e cal, em bem
J>ra, e a kilo a 1*080. estado, e quintal cercado de nativa.
Rob-ante-rheumatico.
Remedio efficacisslmo contra as dores rheuma-
licas at boje o mai; conhecido pelos seos niara-
vilhosos resultados.
XAROPE DE AGRIAO um dos medicamen-
tos que sua eficacia as enfermldaies, tos3e e
sangue pela bocea, bronchites, dores e fraqueza
no peito, escrobuto e molestias de figade, que me-
lhor tem aprevado.
TINTURA DE MARAPAMA.- A celebre raiz
de marapuama, cuja energa e efficacia as para-
lysias, intorpecimento-, etc. etc. muito|se*reeoni-
menda.
Todos esses preparados se encontrara! na phar-
macia e drogara de Barth---lomeu A C, nico de:
posilo na roa larga do Rosario n. 34.
Rival sem segundo
RA DO DUQUE DE CAXIAS X. 49
Estou disposto a continuar a vender todar
as miudezas pelos baratissimos precos abai
xo declarados, garaDtindo tudo boai e pre-
cos admirados.
Duzias de paitos seguranca a------
Duzia de palitos seguranca caisa
grande a...................
Frascos com nleebaboa muito fino.
Paco le- cara p. s de arroz o me-
lhor que ha a...............
N.ivalhas muito linas para fazer
bar" a a....................
Caixa de linba bran do gaz a..
Vara de franjas de iictbo para toa-
lhas .......................
Caisas com peonas d'aco de 1 erry
superiores................
Lencos d) cassa brancos e pinti-
dosa......................
Caixas com 20 quadarnos de papel
pautado ... .
Caixas cora 50 m ve: I os de nha
do gaz a.....,
Duzias de meias cruas superior
qualidade a.....-. .
Pecas de babadinhos com 10 va-
ras a.........
Pegas de liras bordadascom 12
metros cada p:'ca a 1^500 e.
Pecas de fitas para cs de qual-
quer largura cora 10 varas a.
Escovas para unhas fazenda fina a
Ditas para dentes a 240, 320,
400 rs. e....., .
Pecas de tranca lisas, brancas e
de cores a.......
Duzia de linba frxa para borda-
dos a 400 rs. e.....
Pares de meias cruas para rao
nos diversos tamanhos a. .
Duzias de meias brancas muito
finas para senbora a. .
Pares de sapatos de tranca do
Porto........
Pares de sapatos de tapete a. .
Duzias de baralbos para vultarete
Sylabarios portuguezes a. .
Cartoes com colxetes t carreras a
Abotoaduras para collete diversas
qualidades.......
Caixas com penna de ac muito
boa de320 a. .
Caixas com superiores obreias a.
Duzia de agulha para macnina a.
Libras de pregos francezes todos
os tamanhos a. ...
Pacote de papel com 20 quader-
nos...........
Recma de papel pautado superior
Resma de papel liso muito supe-
rior a ......., .
Doces, fructas e flores
Ra da Cruzn. 11.
Sorvele trj -, da? II horas era dianto, e
todos os sabbados havm de ere me.____________
Vende-se urna bella mobilia de faia com
pouco ujo : trata-se aa ra de Santa Isabel o. 9
120
32
320
320
10000
50C
160
900
100
7 40C
306OC
5a
2:?0O;
500
500
500
40
500
320
4,5500
2,5000
IJMK
3(5000'
400
20
400
500
40
20000
240
400
4,5000
3,5600
Ra doVigarion. 11
Vinho Bordcaux, de C. Margaus e I. 0. Medoc.
Ervilhas francezas em manteig:t.
Papel para cigarros Duc
Phosphoros de seguranza.
Agdas de Vechy.
Hatit fine.
Celestioe.
- Mercurio doce, caixas de meia libra.
Papel de peso, grande sortimento.
Na ra do Vigario, armazem n. 11.
Panno de algodo.
Vendr superior psnnn d'alpao da Bahia : n
ijitprio d Antonio Lniz d'Olivqira Avedo &
-C. a ra da Cruz a. 57, i* andar.
IiOJTirt
DO
G1LL0 VIGILANTE
Ra do irecpo 9
Os primnetarios deste bem o nh*f.idj6esial>a)-
cir; eni", alin d.ie muit -ir. < t i'OHo. m-
un vir e acaham d- recclwr ,"'>
d3 Knrn "". v?n.!rii.
fin;.- "
to re
por precas muito baratiniios e coinint loe para .o-
dos, com tanto que o Gallo....
Muito superiores luyas de pellica, pretas, braja-
cas e de mui lindas cores.
Mui boas e bonita golttnhas e panhos para se-
nhora, naste genero o que ha de mais moderno.
Superiores pentcs de tartaruga p.tr^eoiiuw.
Lindos e riquissimos enfeites para caUca d-s
Exmas. senhoras.
Superiores traumas pretas e de uires con: Tidri-
Ihos e sem eiles; esta fazeuda 6 o que pode ha ver
de melhor e mais bonito.
Superiores e bonitos leqnes de madrferc.;a.
marfim, sndalo e osso, sendo aqueiles braacos
com lindos desenos, e estes pretos.
Muito superiores meias o de Eseossia pra se-
nhoras, as quaes sempre se vendern) por 30in0n
a duzia, entretanto qae us as vendemos por Mf,
aim estas, temos tambem grande sortimenu *
outrs qualidades, entre as quaes alguraas mnjit
finas.
Boas bengalas de superior caima da 2n.-
castao do marfim com lindas e encantadoras apu-
ras do mesrao, neste genero o que de me t
pode dejiejar ; alm destas temos tambem fras*'*
3uantidc.de de outras qoalidades, como sejam, ka-
eir, bideia, osso, borracha, etc. etc. ete.
Finos, bonitos e airosos cniconhos de cadeia
de outras qualidades.
Linda i e superiores ligas de seda e borra-r.a
para segurar as meias.
Boas meias de seda para senhora e para osu-
nas de 1 a 12 annos de idade.
Navalhas cabo de marfim e truruga para fuer
barba; sao muito boas, e de mais a mais sao ga-
rantidas pelo fabricante, e nos por oossa vtx tam-
bem assegurames sua qualidade e delicadeza
Lindas e bollas capellas para noiva.
Superiores agulhas para machina e par.: m i
Linha muito boa de peso, frouia, para cneber
labyrintho.
Bons baralhos de cartas para vultarete, as- x
como os tentos para o bmudo 0at
Grande e vanado sortimento das melhores yx-
fumarias e dos melhores e mris -"nhecHos -^:-
fumistas.
COLARES DE ItOK.
Elctricos magnticos contra n >-unvni.j<5e>. e
facilitam a dentiao das inuocent' eriaafH
mos daide mufto recebedores disto? procir
collares, e continuamos a recebe-los por todf- n
vapores, afim de 'jue nunca fal'.em no mrcacc
eomo j tem acontecido, assim pois poderar- af> -
les que dellcs precisarem, vir ao deposito .
vigilante, aonde sempre encontrarlo destes v<
deiros collares, e os quaes attendendo-s* ao flm
para qut s,ao applicadcs, so vender) com um me
diminuto lucro.
Regamos, pois, avista dosbjetos one ie x
declarados, aos nossos freguezes e ;iraipos a vir;-r.
comprar por pregos muito razoavei- loja do g-'t
vigilante, ra do Crespo n. 7._________________
D cordeiro previdente
Ulna do frsenaado t. f *>.
Novo e variado sortimento de pftHWi
finas, e outr is obj tai.
Alm do completo sortimeiiio de
tnarias. de q? effectivaraente erti p
loja do Cordeiro Providente, alta a
receber om on'ro sortimMlQ qae H
aotarel pela vr. ri edad ?, di
dade. qualidades ec
Gos; ssicQ,poi3,eCordei'-
e espera ooatinaaT ar,.erc;or a api
do mpeitavel pv.-
boa freguezia eivi part >
lando elle de sua bem coi
e baniteii. 1
preci aderes do b
Agaj divina de
I)i;; v- .
Ditr de Cologni
ceza, todar,
'abricnl^".
Dita do lor dolara
Dita dos Alpes, avio
Elixir oclontalgico pin
sseio da hocen.
Gosmetiqnesi :- peri
ros agradareis.
Copos e latas, naiores
pomada na para cale i.
Frascas com dita jap<
a ostras qualidade.
Fino? extractos ir;-rter s, aa
franceses
ro de o
O
earada\ .
Oleo p! i orme ver. leu
Exli'acto d'olo d(
com eso I i
rentes tao i
Saboneijj em i
para m5ot.
Ditos transparen'ios, raee&a e en fij:
ras de meninos.
Ditos muito finos em caixiha para bari
Caixinhas com bonitos sabon,i3S imitai'
Jt
Ditas de madeira invernisada contenco '?
oas perfruiiarias, muito propria.8 para p-t
sentes.
Ditas da papeiao igualmente bonitas, ti
bem de perfumaras finas.
Bonitos vasos de metal coloridos, a 4
moldes novos e elegantes, coe p de a:
9 boneca.
Opiata ingleza e francesa pan dentet.
Pos de campbora e outra diares',
qnalidades tambem para dentes.
Tnico oriental de Kemp.
Anda anula coqaes.
Um outro sortimento de coqnes de t\
vos e bonitos moldes com filis de vidriu.
e alguns d'elles ornados de flores e fita*
esto todos expostos i aprcciaclo de que;
os pretenda comprar.
GOLLJNHAS E PNHOS BOBDADOS
Obras de mnito gosto e perfeicao.
FiTcIlas e fitas para lnt.
Bello e variado sortimento de taee objr
tos, ficando a boa escolha ao gosto do cci
prador.
Joaquim Rodrigues Ta- ]
vares de Mello,
TEM PARA VENDER
em seu escriptorio, praca do Corpo Santo
n. 17 :
Fnmo em folha
de i" e i* qualidade, e vende nm ou mais
fardos a vontade dos compradera.
Cal de Li'boa
ultima ebegada.
PotassadaRussia.
Fiuriaha de snaadloea.
Viaho Bordeaux.
qualidade. Tudo de Tende nuL ,
bira'.o do que em outrr qnalrmer parle. &
frucUi
!
i
m


Iloitat: a i
a roa Imperial n. 12.


8
.!
r
Diario de Pewiambuco Sabba lo l de Outubro de 1870
i-'


I
---------
BAZAR DO PAVAO
60-RUA DA IMPERATRIZ-60
DE
PEREIR4 DA SUVA &
I
mais
azer os seos sortimeaios
Exwas. familus se darao
Neste impcrtante estabelecimento encontrar o respeitavel publico, um grande e variado sortimeirto de fazendas do
aparado gosto e todas de primeira necssidade, que se vendem mais baratas do que em ootra qualqaerparta, vtotO'qoe os no-
to socios desta firma, adoptaran o systema de s Tendereta DINHEIRO ; para poderera vender pelo costo; limitndole aopnw
a ganturem o descont ; as pessoas que negociara: em Deqaena esca'a, nesta loia e armazem podeMo '
petos.meamos precos que comprara as casas ingleas, (importadoras) e para maior commodtdade das
amostras de todas as fazendas, on Ibes ievam em snas casas para escolherem.
PECHINCHA EM CASEMffiAS A 40000. CORTES DELA ESCOCEZES A 60000
No Bazar do f avio fe-se orna grande Vndese bonitos cortes de lia escocezas,
compra em nm leilio, das mais finas vindo cada om em sea papel, pelo barato
casemiras inglezas qae tem vindo a es- prego de6,5000 cada nm; no Bazar do Pa-
to* mercado, tendo cores claras e escora, vio.
todas com padres serios, proprios para!
calcas, palitos e colletes; vende-se a 45000
ORGANDYS BRANCO E DE COR
No Bazar do PavSo vende-se os mais
a covado, o qoe em ontra qoalqoer parte bonitos e ranito finos orgaodys com listas
por menos de60; e grande largas e miadas 10000 a vara, ditas lisas,
sio se vende
vaotagem.
BRINS DE LINHO DE COR A 10200
No Bazar do PavSo, fez-se orna grande
compra de puros brns de linbo, muito en-
corpados, proprios para calcas, palitos, col-
letes e roupas para meninos, por serem de
padrOes miodinbes; garante-se qne nio ha
barrella qae lhe tire a cor, e vende-se a
ii92O0 o metro desta excellente fazenda.
IADAP0L0 FINO A 6^400 A PEA.
No Bazar do Pavao vendem-se pecas de
maadapolio fino de muito boa qualidade,
tendo 22 metros ou 2Q raras cada peca,
pelo barato preco de 6^000, por se terem
comprado om pooco enxovalbadas; pe-
shincba.
CHITAS ADAMASCADAS A 240 RS. O
COVADO
O Bazar do Pavo vende muito boas chi-
tas inglezas incarnadas adamaccadas, pro-
prias para cobertas e cortinas, sendo fazen-
da que em qnalqoer loja se veode a 320 rs.
e liquida-se a 240 rs. o covado; s o Pa-
TOALHAS A 70500
No Bazar do Pavio fez-se ama grande
ompra de toalbas alcochoadas, proprias
para rosto, bastante encorpadas e grandes,
que sempre se venderam a li 20000, e li-
quidam-se a 7500 a duziafjou a 640 rs.
cada ama, boa pechincha.
CHAPEOS PARA MENINOS A 20000
O Pavo vende urna grande porcio dos
xais bonitos cbaposiohos de palha da ita-
Sa. proprios para meninos de todas as Ida-
des, sendo chapeos que valem 50000 e ven-
dem-se a 250OO cada om, mnito barato.
CHITAS E RISCADINHOS MIUDINH03
200 RS.
O Pavio vende chitas oa riscadinhos miu-
dinhos cor de rosa e rxinhos, proprios
para vestidos e roupas de cranlas a 200
rs. o covado. Sio mnito baratos.
LAS1NHAS COM PALMAS E SEDA
Chegon para o Pavio o mais bello sorti
monto das mais brilbantes liasinhas claras
com bonitas palminhas, de seda; tendo lar-
gura de chita france:a vende-se a I0OOO
o covado grande pechincha.
ILP.IC.IS JIATIS.4D.1S .4 610 RS. 0 COVADO.
Vendem-se as mais moderna; e bonitas
alpacas mat sadas com palminhas, muito
proprias para vestidos de seobora e da me-
ninas pelo barado preco de 640 rs. o cova-
do ; sio muito em conta.
PARA NOIVADOS CORTINADOS, COLCHAS.
Chegnu para o Bazar do Povio um gran-
de sortimento dos mais bonitos cortinados
bordados, proprios para camas e janellas,
qoe se vendem de 105 00 at 20JOO o
par, assim como o melhor damasco cem 8
palmos de largura a imitacio de damasco
le seda, proprias para colcha.1?, e propria-
mente colchas de damasco, send os melho-
res e mais boitas que tem vindo ao mer-
cado.
SEDAS DE LISTRAS.
No Bazar do Pavio vende-se urna grande
qnantiade das mais elegantes sedas com
listrinbas, tendo de todas as cores e at
!arta-c6r ; fazenda qae ninguem veode por
menos de 25400, e liquida-se a 25000 cada
covado; sio moito baratas.
SE1INSDE CORES E GROSDENAPLES.
No Bazar do Pavio vende-se om sortimen-
to completo dos melhc res setios e grosd.i-
naples de todas as cores, que se vendem
mnito em conta.
POUPELINAS DE LAA A 400 RS. O CO-
VADO
No Bazar do Pavio vende-se um elegan.
fe sortimento das mais bonitas poupelinas
de lia com lista* miadinhas, sendo todas
qoasi de orna s cor, 400 rs. o covado ;
? baratis> imo.
GRANDE PECHINCHA EM LASINHA
A 640 RS.
No Bazar do Pavo fez-se nma graode
compra de liasinha para vestidos, sendo de
mnito boa qualidade, amas com listas e ou-
tras com mselas, e muitos largas, qae com
poacos covados se faz vestiio e liquida-se
440rs. fazenda que sempre se venden a 15.
ALPACAS PARA VESTIDOS FURTA
CORES A360RS.
Vende se om bonito sortimento das mais
"brilhadies alpacas escaras furta cores,
sendo muito encerpadas e tendo am brilho
como seda, liqoida-se pelo barato preco de
380 rs. o covado por se ter feito ama gran-
ja compra.
POPEUNAS A 400 RS.
No Bazar do Pavio v^nde-se um elegante
sortimaoto das mais lindas poajelmas de
ia com os gostos miadiQbos sendo qoasi
ama ,* cor e con muito brilho, pichin-
ga b 40". rs. para acabar.
CH-TAS A25RS. O CORTE.
No Bazar do Pavio vende-se cortes de
chita miadinhas, sendo rocha e cor de rosa,
tendo 10 ovados cada corte a2J vende-se
a relalho a 200 rs. o c vado, pechincha.
CASSAS A 200 R3.
NoBa?ar do Pavo liquida-se urna por-
<;2o de cassas francezas miadas e graudas, tes indianos
cores fins, qae se vendem pelo baratiss.m tissimo preco
preco de 200 rs. o covado para acabar. chincha.
fazenda de muita phantasia 800 rs. a vara,
ditos d cores, finissimos padrSe, ioteira-
mente novos 800 rs. vara; pechincba.
GROSDENAPLES PRETOS
Chegoo para o Bazar do Pavio um gran-
de sortimento dos melbores grosdenaples
pretos qae tem vindo ao mercado, qae se
vendem de 15600 at 55000 o covado ;
sio todoa muito em conta.
CAMBBAIAS TRANPARNTES
No Bazar do Pavio vende-se um grande
sortimento das melbores cambraias braceas
transparentes, tem de 35500 at 105000
peca, ditas suissas ioissimas com 8 pal-
mos de largara a 25000, 25500 e 350U0
vara, ditas victorias e tapadas da mais infar
rior at a mais fina que vem ao mercado*
todo isto se vende moito em coma.
MANTELLETES DE FIL
No Bazv do Pavio vende-se modernisi-
mos mantelletes oa basqoinas de fil preto,
om Jaco, pelo barato preco de 105000 ca-
da am, barato.
PANNOS PARA SAIAS A 15000, 15280 E
15600 O METRO
No Bazar do Pavio vende-se bonita fazen-
da branca tncorpada para saias, sendo com
babados e pregas de nm lado; dando a lar-
gara da fazenda o comprimento da saia, a
qoal se pode fazer com 3 oa 3 1|2 metros,
e oende-se 15000 e 15280 e 1600; assim
como tambem no mesmo estsbelleclmento
se vende bonitas saias brancas bordadas ten-
do 4 palmos cada, ama, ditas de lia de
cores j promptas amas com barras difi-
rante*, da mesma fazenda 40^*00 e outras
com barras bordadas 650O0 e 75000,
todo isto moderno e barato.
ALGODO ENFESTADO PARA LENQES.
No Bazar do PaviD veod-se o melhor al-
godioiinho amtricano er/estado pura len-
ce, tendo liso e eotraocado por preco
muito barato.
ESPABTILHO.
No Bazar do Pavio receben-se am elegan-
te sortimento dos mais modernos e melho-
res espartilbos, que te vendem por preco
moito em conta.
PANNOS DE CROCH PARA CADEIRAS
O Bazar do Pavio recebeu um grande
sortimento dos melbores pannos de croch,
proprios para cadeiras de balanco ofs,
pianos, tamboretes e ate proprios para cu-
brir almcfadas e pratos; vendendo-se por
menos do que em qualqaer parte.
Liasinhas trasparentes a 500 rs. e corado
O ^avao receben um bonito sortimento
das mais elegantes liasinhas transparentes
proprias para vestidos, que veode a 500 rs.
o covado; moito barato.
PARA LENCOES
No Bazar do Pavio vende-se suprior
bramante d'algodo com 10 palmos de lar-
gura a 1580U o metro, dito de linho cora a
mesma largura a 25800 cada metro, pannos
ds linbo do porto com 3 1/2 palmos lie largura
de 720at 15 a vara, assim como umg ande
sortimento de H.mburgo ou creguellas de
todos os nmeros, presos ou qualidades,
que se vendem mais barato do que em on-
tra qnalqner prtd; aproveitem-
CAMISAS DE ERANELLAS A 35500.
No Bazar do Pavio vende-se nm bonito
sortimento com todos os tamanhos das me-
Ihores camisas,: de flanella de lia, com
mangas, tanto proprias para horr ens como
para senhoras e venderse a 35000 cada
urna, e qoem comprar do meia dnzia para
cima teri om abatrnoslo, Sio- de muita
utilidade. ^gpji
Grano* peebiaeha em camisa inglesas ale 4j800
No Bazar do Pavio fez-se cma grande com-
pra em leilio, de wssimas camisas ingle-
zas com peitos e punhos de linao, sendo
com collarinbos e de todos os nmeros a
45000 cada urna, ditas sew coilarinhos,
porm fazenda nisima a 45560; gran-
de pechincha.
CAMISASBARATAS a 25800,35000 e 25600
No Bazar do Pavio vende-se ama gran-
de porcio de casemiras msdadas, moito
encorpadas a 25800, ditas finissimas com
msela de seda a 35200, ditas modernas
de quadros, fazenda de moito gosto a
35600 o covado; aproveitem.
TAPETES
Chegoa para o Bazar do Pavio o mais
elegante sortimento de tapetes grandes, pa-
ra sofs, com 4 cadeiras, ditos mais peque-
nos, para doas cadeiras, ditos para
pianos, camas, portas; etc. vende-so por
menos do que em outra qualqaer parte.
COLCHAS BRANCAS A 35200,35500 E 75
Para o Bazar do Pavio chegou om gran-
de sortimento das melhores colchas de fos-
tio, stndo das melhores e mais o corpadas
que tem vindo, a 7500P, ditas um pooco
mais abaixo a 55300, e ditas a 35000;
tambem no mesmo estabelecimento se ven-
de nm grande sortimento de cretones e chi-
tas, proprias para colchas, que se vendem
muit em < onta.
GORGURES OU POUPELINAS DE SEDA
A 250C0 CADA COVADO.
Cheg u para o Bazar do Pavio om ele-
gante sortimento das verdadeiras poopelinas
de linho e seda, com os mais modernos
gostos, que se vendem a 25000 cada covado,
o qae em outra q alquer parte nio se ven-
de por menos de 25500, previue-se que nio
sao algodio e seda, como ha muitos; mas
sim puro linho e seda; sio muito baratas.
ROUPAS PARA HOMENS
No accreditado Bazar do Pavio encontra-
r o respeitavel publico am grande sorti-
meoto de roupas para bomens tanto bran-
cas como de cores, a saber:
Camisas com peitos d'algodio e de linho,
para todos os precos e quadades.
Ceroulas de linbo e algodio.
Meias cartas francezas e inglezas.
Palitos sobrecasacos de panno preto e
casemira.
Calcas de brim branco e de cores
Ditas de casemiras pretas e de cores, com
colletes iguaes
De todas estas roupas ha para todos os
precos e qualidades, e tem de mais mais
um perito
A Nova Esperanza
*1-Hua Duque lie caifa* 1
Qaando a NOVA-ESPE RANGA faz os saos
anuncios expondo aos seas fregtmes e a
todoa em gartl o grande sortimento e su-
perioridade de seos objectos nio com vis-
tas de atrair a attenclo de ama grande fre-
guezia, como a de que actualmente despe,
O sim para scientificar (a interese de todos)
a qualidade de seus objectos os quaes sio
sempre de aparado gosto e perfeicio; tor-
nndole qoasi indispensavl para aquellos
spreciadorea (do bom) frequenlarem a No-
va Esperanca, pois que ella capricha em re-
ceber constantemente, o qoe ba de melhor
relativamente a sua repariicio: o qae se po-
der verificar quando em qualqaer reaaiio
de pessoas (amantes doxiquej v-se om
bonito enfeite em um bonito vestido, om
aroma agradavel escapar d'um alvo lenco,
um moderno e linde laco, um dilicado ra-
mo de finas flores, ete, etc, todos olham-se
reciprocamente e dizem com sigo (e as ve-
zes uns aos outros) estes sio objectos
comprados aNOVA-ESPERANCA: realmen-
te lili procurar descrever em annuncios o
artigos que conten dita loja, seria trabalho
insano e nanea o fallamos com aquella
graca o perfticao com qae sio ellos fabrica-
dos, assim pois a NOVA-ESPERANCA con-
tenta s em convidar a todos geralmente,
visitarem-na para entio ficaram inlei-
rados do que ha exposto na mesma loja.
1 Ra Pugne de Cailaa11
Cal d Lisboa.
Vende-se cal de Lisboa, a ultima chegajla ao
mercado, por preco raMavel : no armaiem de
Manoel Teixeira Bastos, roa do Commercio n. 13.
Bichas hamburgnezas
Neste novo deposito receb8-se por todos os pa-
quetes translanticos bichas de qualidade superior
e vendem se em caixa oa porcio mais pequea,
e mais barato do que em ontra qnalquer parte :
na ra da Cadea do Recife n. 51, t* andar.
Armapao.
Vende-seuma armagao de amarello com dous
balcoes: na ra do Baro da Victoria n. 2, (ou-
tr'ora ra Nova).
Farnha de milho
Chegou ltimamente nova farinha de milho em
saceos, cujos presos sao mdicos, como os de ou-
tr'ora: a tratar com os consignatarios Amorim
Irmaos A C, ra da Cruz n. 3.
PARA OS SUMIOS
DE
OLINDA
Lindos costumes de lia enfeitads pro-
prios para banhos, chegados pelo ultimo va-
por, vendem-se na loja do Barateiro a ra
da Imperatriz n. 32, pelo baratissimo preco
de 154000111
(Jhapelinas e chapos
para senboras, loja da Turqueza acaba de re-
beber excellente sortimento.
Basquinas
mnito novas e de bom grs de aples : na loja
da Turqueza.
Cintos ,
de velndo e de seda, variado sortimento : na lo-
ja da Turqueza.
Camisas bordadas
variado sortimento : na loja da Tarqaeza ra do
Bario da Victoria n. 9, (antiga roa Nova).
Punhos e gollas
de velndo para >enhnra : na loja da Turqueza.
GRANDE MMDE
Qoando a AGUIA BRBNCA, mus predsa scientificar ao respeavel
geraL e em particnlar a saa boa freguwia, da immensidade de objectos qoe i______
te tem recepidO, Jnstamentefquando ella menos o pode fater e porque essa falta I
rantaria ea confia e espera na benevolencia de todos que lh*a attenderao e raton
coBttJIlando portanto a dil-igirem-se a bem conbecida leja da AGU BRANCA indi
yueimado n. 8, onde sempre achario abundancia em sortimento de soperiondadi m
qualidades, modicidade em precos e o sen nunca desmenttido AGRADO E S1NCEWDADS.
Do que cima fica dito se conhece que o tempo de que a AGUIA BRANCA pode
dispar, e empregado apezar de seos castos no deeempenho de bem servir ai
honram procurando prover-se em dita loja do que necessitam, entretarto m
rar os objectos que por sua natureza sio mais conhecidos ali, ea resaanidameote
cara aquellos caja importancia, elegancia e novidade os tornea recomendar,
bem seja : ^^
Gorpinhos de cambraia, primorosamente
enfeitads com fitas de setim e obras essas
coja novidade de molde e perfeicio de ador-
nos os tornam apreciados.
Fitas mni largas de diversas cores e qua-
lidades para cintos. v
Leques oesse objecto muito se poderia
diier querendo descreve-los minuciosamente
por soas qualidades, coree e desenhos, tal
o grande e variado sortimento que acaba
de chegar, mas para nio massar o pretn-
deme se lhe aprssentar o que poder de
melhor.
ntremelos em pecas de 12 tiras.
Guipare branco e preto de diversas qua-
lidades e desenhos.
Ditos de algodio com flores e lisos.
Veos de seda para chapelinas e monta-
ra.
Meias de seda para noivas.
Ditas abortas de fio de Escossia.
Costumes ou uniformes para meninos.
Enxovaee completos para baptisados.
Touquinhas de fil, sapatinhos bordados
e meis para ditos.
Camisinhaa bordadas para ditos.
yaaommamm
Capellas branoae para
Grandes sortimento de floree
Fil de seda, preto.
PERFUMARA
Grande e constante sortimento d
sempre melhor quajidade.
Lindos vasos com p de arres
Caixinhas com ditos aromatieoa.
Bonitos 6 moderaos pontea
para circular o coque.
Bonitos brincos de plaquee.
Aderecos e brincos da madreperoar.
Caivetes finos para abrir late.
Thesonras pan frisar hihadinhor
Aspas para baleo.
Novps stereoseopos com 48 viataa,
quaes sio movidas per um
urnas substituenrns outras.
Vistas para storeoacopoa.
Bonitas caixinhas de vidro
podras.
Ditas de madeira envernisada
ras e com dminos,
Bollas de borracha para brinquedo
enancas.
Diversos objectos de porcelana, m
para, enfeites de mesa e de lapinhaal
i
IN.3ARAD0CAB6AN.3A.I
I AflOSTINHO A IRMAOS.
Com este titulo acha-se aberto inteiramente transformado esto antigo
estabelecimento de joias, onde os freguezes e amigos encontrarlo todo quanto
a moda e o bom gosto tem inventado na arte de oorivesaria, o Collar de Ouro
observar delicadeza no trato e senciridade e modecidade nos precos.
Espera qoe respeitavel publico venha ver o que existe de melhor em
aderecos de brilhantes, esmeraldas, robins e perolas, meios aderecos, pnl-
ceiras, brincos, alfinetes e anneis de todas as qualidades, prata de lei faqoei-
ros, colheres, palitoiros salvas e outros muitos objectos que seria enfadonho
mencionar.
Compra-se ouro, prata, brilbantes e pedras finas, pormaior preco do
que em outra qualquer parte, troca-se e concerta-se todo e qnalquer objecto
pertencente a esta arte.
iiiiinium mmmmmmm
No
ATOALHADOS
Bazar do Pavio vende-se snperior
atoalhado trancado, com 8 palmos de largu-
ra a 10600 o metro, dito de linbo adamas-
cado o melhor que tem vindo ao mercado a
30500 o metro ; ludo isto muito barato.
Balees reguladores a 45000 J0SOO e 50000
Chegaram ao Bzar do Pavio o mais bem
fetos bales reguladores, endo de fot.tio
40000, ditos de muselina a 40500. di-
tos de liasinha de todas as cores a 50000,
todos el les sio moito baratos.
ALFAIATE
Por quem se manda fazer com prestesa
e aceio qaalquer peca de obra a capricho
ou gosto do freguez, tendo n'este importan
te estabelecimento todas as qualidades de
panno fino, as melhores e mais moder-
nas casemiras, assim como os melhores brios,
qur brancos, qur de cor; e quando qual-
quer obra nio ficar inteiramente ao gosto
(os fregaezes fica por conta do estabeleci-
mento.
CHALES DE MERINO
Chegou para o Bazar do Patio om elegan-
te sottimentj de cha'es de merino de cores
muito bons com padres moito decentes
para qnalquer urna senhora usar, ditos de
crepon com listas de seda o mais fino e
moderno qae tem vindo ao mercado, e ven-
de-se por proco moito em oonta.
BABADINH3S
PORGOS
Farinha de trigo nm pouco avariada para por-
cos, bois, galinhas, etc., etc., a 5J a barrica cora
6 arrobas, assim como tambem serve para pada-
na por nao estar muito estragada : na ra do Li-
vramento n. 36, armazem Baliza.
CHUMBO VELHO.
Vende-se cbnmbo velho : no armazem da bola
amarella no oitae da secretaria de polica.
ATTENCA
o
Vende-se nm boi e urna earoca de quatro ro-
das, e mais tres rodas de aobrecelente, tudo mui-
to em conta : no caes do fiamos, junto r tenda
de Ferreiro.
mos largura.
Vende-se cortinados para cama franeaxj
pa-
Milho.
Vende-se era saceos grandes, de superior quali-
dade e muito nove, por menos preco que em ontra
qualquer parte : na ra doVigario n. 14, escrip-
torio de los Lopes 6.
Panno preto mnito barato a 30600
0 Bazar d > Pavo recebeu ama grande
porcio de pecas de panno preto fino, com-
pradas em leilio, que sempre se venden a
50000 o covado e pode liquidar a 30600,
por ser urna excellente compra,
BAREGES A360RS.
No Bazar do P*vio vende-se um bonito
sTtimaoto dos mus lindos bareges lista-
dos para vestidos, qae valem muito mais
dinheiro e liqaid -se a 300 rs, o cova-
do, ditos muito mais finos com listas a 400
rs, esies bareges sempre se venderam a
640 e 800 rs., grande pechincha.
GURGUHOA640RS.
No Bazar do PavSo venie-se am bonito
sortimento dos meloores gargares de lia
para vestidos seodo omi lioda fazenda,
muito leve, meia transparente e moito lar-
ga com furia core* e liquida-se a 640 rs.
o covado por se ter foito grande pechincha
na compra.
COBERTAS A 30
Vende-se cortert s de chita encarnada
adamascada a 35 cada orna, pechiucha.
CORTES INDIANOS A 408UO.
wo Bazar do Paio vende-ie bonitos cor
com duas saias peio bara-
de 405 jO cada um, pe-
JmBafar. d0 Pav*> vende-se um grande
sortimento dos mais finos babadinhos borda-
dos tapados e transparentes, assim como
urna grande porcio de entr, meios largos e
estrenos, que para acabar se vende maito
em conta e ma.s barato do qne em ootra
qualqaer parte.
FAZENDAS PARA LUTO
No Bazar do Pavio vende-se constante-
mente o melhor sortimento de fazendas
pretas para lato, como sejam
Liasinhas pretas lisas.
Cassas pretas de lia.
SSJtW!" q-B*ta-
Ditas lavradas com branco.
Merinos, cantas, bombazinas. aaa
CHITAS PRETAS A 200 RS. O COVADO
No Bazar do Pavio vende-seX pre-
tas inginas com salpicos 200 rs. ocqvado
ditas tcJas pretas, por estarem um poaco'
rassss, 120 o covado; pechincha
Os proprietsrios d este importante esta-
bellecmento rogam ao respeitavel publico e
particularmente s Exmas. familia* o favor
de se darem sempre ao trabaloo do lerem
os seas annuncios, pela razi.de muitos
dalles serem mudad s amia ladas v7A
CACHE-NEZ A 60000
No Bazar do Pavio vendem.se bonitos e
gandes cachi-nez de pura lia, pei0 har
to preco de 60000 caaa oa.
Carne do sertao
chegada pelo ultimo vapor, por preco razoavel :
vendem Gunha Irmaos 4 C, ra da Madre de
Dos n. 31.
Vende-se urna b mita urna de amarello para
deposito de ossos : na sacbristia da matriz do Cor-
po Santo.
Secretaria de ferro
Vende-se e est vista em casa dos importado-
res Shaw Hawkes & C, raa da Cruz n. 4.
BOM E BARATO
Ra do Cresno n. 20.
Vendase chitas escuras a 200 e 240 rs. o cova-
do, claras miudas a 200 e 240 rs.o covado, algodaa
teselado, 4 palmos de largura, a 200 r. o cova-
do peca de algodio de 20 jardas a 33, peca de
raadapolao a5,cambraialisa81|2 varas a 34800 a
peca, catabrua victoria fina n. 14 a 4*800, atoa-
Ihado 2 larguras a 2*400 a vara, lencos de seda
da India a 1*280: na loia doGuilherrae.
SO
Grande pechincha.
Ricos cortes de cambraia bordados com 10 varas
a 7*. alpacas e laas de cores a 400 e 500 rs. o
cavado : vende-se oa ra do Duque de Caxias n.
19, loja de Leite Pontea & C
Lourenpo P. Mendes Guimaraes
RUADA IMPERATRIZ N. 72
km- "solvid& sea proprietario liquidar, todas as fazendas existentes as loia
banbaldi e Arara, convida ao respeitavel publico, amaate da economa, i visi'jrem a
loja da ra da Imperatriz n. 72, pois s deseja aparar o dinheiro.
Araravend^madapolioenfestadoaa^SOOi Para liquidar vende bramante de -
2 JES* l'as ^ 24 Jardas a 5^000> 65JOO, 'nho e algodio a 10800 o metro, dito de
60500, 70000 80000, 90000. e 100000. | linho puro a 20300, esta fazenda pro-
Vende-se cortes de casemiras de cores pria para lencoes e toalbas por ter 10 pal-
para calcas a 40000, 50000.
Para liquidacio vende-se algodio de lis-
tras proprio para calcas, camisas e saias
para escravos a 160 rs, o covado.
Na roa da Imperatriz vende se chailes de
merino estampados e de barra a 20000.
20500 e 30000.
Arara vende cortes de casemira preta
para calca a 30500, 40000. 50100, 60000,
70000, e 80000.
Para liquidacio vende-se brim pardo liso
bom a 500 rs, o metro, dito transado a
720, 900, e 10000 o metro.
Para a cabar vende-se duzias de lencos
brancos de cassa a 20000, e 30600, ditos
de linho a 50000, 6000o.
Na ra da Imperatriz vende-se cobertores
de algodio a 10400 e corbertas de chita a
10500.
Para liqaidacio vende-se cortes de casto-
res para caigas de hornera a 500 rs.
A Arara vende chitas largas para vestido
a 240, 280, 320, e 360, rs. o covado.
O barateiro venda percalas finas para
vestido a 440, rs, o covado.
Em liquidagio vende-se alpacas para ves-
tidos de Sras. a 500, rs, o covado.
A Arara vende laazinhas para vestidos de
Sras. a 320, 400 e 500, rs, o covado.
O Guimaraes vende morsalina de efir
para vestido de Sras. a 440 rs. o covado,
dita branca a 500 rs.
O Mentes vende fustio de cores par-
vestidos de seahoras a 360, o covado,
O Loorenco vende cassas finas para ves-
tidos 240, 360, 400 e 440 rs. o covado.
Arara vende alpacas de lista para vesti-
dos de senhoras a 500 rs. o covado, ditas
lisas a 500 e 640 rs. ocovado, ditas matisa-
das a 640 rs.
para cal-
Doces, fmetase flores
Roa da Cruz n. 13.
Lanches todo-os das, fructaa, pastis, bom bo-
cado, folhados, doces e impadas.
Ol-o de
nano
Vende-se o de ricino: oa roa da Cadeia-ve-
iha no Recife, n. 1. f- andar.
Farinha da trra
muito superior, depositada em barricas, no arma-
zem do Sr. Angelo Baptista do Nascimento, ao p
do caes dos vapores no forte do Mattos ; vende-se
aos alqueires, a tratar com Bernardo Jos de
Araujo no armazem do Sr. Annes defronte da al-
bodega.
10100 o cortinado para liquidar.
Arara vende cortes de chitas para
dos a 20500,20800 e 30200 o corto
liquidar.
Vendeo-se cortes de cassa a 25500 e
corte s na liquidacio a da imperatriz.
Vende-se cortinados para janellas a 6#
a peca para liquidar.
ECONOMA
Yende-se duzias de collarinbos de
pe a 240 rs. para acabar.
Arara vende liasinhas transparentes para
vestidos a 500 rs. o covado.
Liquidacio, vende-se parapeito iso a
20200, 20500, 30. 30500, 40, e 5, pro-
prio para calsas e palitos por ser bea fa-
zenda e barato.
Arara vende cortos de brim
sas de hornera 10500.
Vende-se cortes de pecalas de doas sane
'para senhoras pelo barato preco de a 60.
cadanm.
Grande liqaidacio de roopa feiu.
Veode-se palitos de alparca e de
a 0.
Vende-se ditos de ganga para
a 20.
Vende-se ditos de brim de algodio bran-
cos a 20.
Venle-se ditos de meia casemira a 20.
Vende -se coletos de brim de cores a 10-
Vende-se ditos de meia casemira a 205qO
Vende-se calcas de algodio azol a SOOrs.
Vende-se dita de algodio de listnts a 800rs
V.'nde-se ditas de brim pardo 20, I0MO
e 20500.
Vende-se calcas de casemira da cor*
a 6080.______________________________
6AZ (AAZ
Cnegou ao antigo deposito de Banry Fcnsr *
d, roa do Imperador, um en
le primeira qualidade; o qual te __
i a retalho por menos preco 4o ojm
jner parte.
Vende-se a casa terrea n. 11, sita em Olinda,
ra do Urgo do Amparo, com excellentes com-
modos e grande quintal, foto proprio : a tratar no
Recife, ra da Cadeia n. 40.
TIJiiLLOS.
pnrcao de alvenaria groca de
0 Bazar do Pavo sit> a ra da Watnz n 60, esta' constantemente aberfc o
das 6 horas di mania as 9 da noute.
Vende se urna
marca regular e bom Darro : contrata-se a
c3o que quirem. tanto destes, como tapamento,
telbas e ldriltM ; para velos e tratar ra Im-
perial n. 130. casa com poni de ferro ao lado.
lia de cana.
Vende-se lia de cana a 310 a libra on 80 rs. o
kilo : no largo do Carmo, esquina da roa de Hr
tas n. 1
CHEGARAM
Poqos instaiikneos aperfeiqo-
ados por preqo muito commo-
do: na raa Nova n. 28, loja de I ria^rXrawri^ na-TS
A "" -a i ( anuiuIltJan !* falta AARUll*ta
Antonio Fedro-de Souza Soares.
Bombas completas para ca-
cimbvpor diminuto preco, na
mesma casa.
Especialidades.
Continuara a achar-se a viuda m
botica n. 88, os mni conhecidos e
medios ds veame, e ootra ilversos
tos leilos em Paris, bem eolio o* iirey
deina de Bertn, de rbano Jado, de
ferro de Blancard e as piloto o mmo,
de cereia, pos de Rog, rfsjntrv di
digital de Labellony, pilotos mutho de Cbenier, e potros media
proQciencia quando empregados las

Cal
nova de Lisboa-
A 50000 o barril.
Na roa do Brura n. 80.
amarellidao, oa falu completa oa
de monstruo, as diarrbeas, domea.*
e do etlomago, tem do e
visto dos benefleos resoltados iki
oa oso que diversas pessoas (Mdle*
sim como das pilotos detomnaias
comparaveis em sua efflcada as*
losnbris ou
casa, alim de
ara nao peqoeas
ohaea e pineda, qai te veXtasa swr
em ootra parto.


fe.
Diario de Peraambuco Sabbado 1 de Outubro de 1870.
AO ARMAZEM
s
DO
1.7-KfflOIH. 7
Este conhecido estahelecimento acbe-se conslanleroente bem sonido, em virtude das
facturas que recebe por todos os vapores e navios francezes, dos artigos abaixo menciona-
dos, a precn? os mais resumidos que possivel.
CALCADO FRAICfiX
Botinas para eabora c meninas.
Bolinas pretas, brancas e de muitas outras cores, sortidas e bonitas, do ultimo gus-
to da moda, e a precos mais barates do que em outras partes.
nortinas pa*a hoaem e meninos.
Botinas de bizerro, cordavao, lustro e pellica, das melhores fabricas e escolbidas.
Botas e perneiras russianas.
Botas e peraeiras para maotaxia, das melhores qualidades, de couro da Russia, lus-
tro e bizerro.
palos de borracha para hornease senltoras
Tendo ehegado grande porcao de sapalos de borracha vende-se pelo custo afira *de
desempatar o dinheiro nelles einpftirado, sao baratissimo?.
Napatos de Instro para hornees.
Snalos do ntrala baixa de couro de lustro cora salto, de muito boa qualidade.
Abotinados para meninos c meninas
Sapalos abotinados ds diflerentes modelos, de muito boas qualidades e fortes, Unto
para meninos como para meninas, muito baratos.
espatos de tpete.
Sapatos de tapete aveluJado, de casemira, de charlte e de tranca franeezes e per
tnguezes para honicns, para senhoras e para meninos.
PERFUMARAS
Excelientes extractos, hanhas, leos, agua de cologne, florida, divina, lavande, den-
trice, de toilette, jabonetes, tintura para cabellos, pomada angroise para bigodes, pos de
arroz etc., tudo isto de primeira qualidade, dos afamados fabricantes, Condray, Piver e Lubin.
Quinquilharias
Lavas de pellica do conhecido fabricante Jonvin, espellios para sallas, quarto e c-
emeles, toucadrre- de diversos tamanhos, leques para senhoras e para meninas, abridores
de luvas, brincos, puleeiras, bolees, corremos e chaves de relagios e tranceln* tuda de
oaro de le, correles e brincos do plaqu, a imitacao e d mais gosto do que as de ouro
caixinhas de costura ricamente-guarnecidas e ornadas com lindas'pessas de msica, alhuns
? d,ou,?do? Para "tMoh caixinhas com vdro de augmento para distlnetamente
S. Perfe!a? ^ r*r*tos, objectos de phantasia para toilettes, bobinos e cestinhas
de seda, de velludo e de vi mes para braco de meninas e senhoras, ditas para costuras, ne-
f^?8'?'r0S mu'.t0 flnos e dec>*. bouquets de flores de porcelana, jarros proprios
Jr\ ESEtes e ?*n,B,ris' q"adros PromPtos Pa collocar-se vistas, mofdnras donradas
paraquadros, estampas finas de paysagens, cldade?, figuras e de santos, vidros para eos-
S2322?faias. ^cose bolsas de viagens, esporas, chicotes, bengalas, ocnlos, lunetas ou
KSw prtt d0,urads' ravatas Prela.9 de cores, abotoaduras de collete e de punhos,
2,h-?i lhesoun,nha8 caivetes finos, pentes, escovas, ponteiras de espuma
EfJ!f22! e para V*1"01' Jf09 de domin. rodetes, bagatelas e outros d.fferentes, ve-
necianas modernas muito conveniente para portas e janellas, cosmoramas, lanternas magi-
n,'o,fl COpOS n ,.olarf8aDtes wus de figuras e das mais bonitas mas, boulevards,
Efs a!SL1 Par,s-pha0tOK/aPhias e caixnhas n*"*. reverberos para candieiros
hi^fl- Iaa,de Cres para P*8 de l8Dternas, realejos grandes e pequeos
SEXr?*?!^ ,f tod? Vamanhos. ,b"Cos de vimes para mancas, sapatinhos
2522 1 laa' car.rmh(" de 3 4 rodas mnito elegantes para enndwir enancas passeio ; e
outras muitas quinquilhanas de pbanUsia, franeezas e allemles, precos muito em eonta
o
t=r*
&
5* B

m
MSICA.
Sahiram luz
As rufls em contradanza.
Linda quadrilha para piano por Colas Albo,
Flur da Boa- vista, valsa: a venda no grande ar-
roazem de pianos e e msicas de Azeveio, riu
ZkS i1' ,10je raa do Barao da Victoria,
A. B. Roga-se aos Srs. assignantes de insuda-
ren) buscar as peyas de suas assignaturas.
Ultimas publicacoes da imprensa nacional
de msica.
SnSi; 2000: Annelt' ^ brilhan,e' pr t
c-.u- ': Piano- enerva, polka brilbante, por Colas
Fimo, 1*.
N- 3- Pian- Chico Diabo, polka brllhante, por
N. 4. Piano. Urna lagrima, Mazurka, por Ma-
tlleeB. Zuccni. 1(T.
' f,1*,aD0" M"e de Lopef,> Polka marcial, por
X. 6. Piano, La Grande Duchess, polka por Lu-
cien Urr.Bert, i&. w
K. 7. llano. Carmen, Anita, La Playera, 3 pol-
kas dos cavallinhos, i.
X. 8. Piano. Le Sonvenir, valse de saln, po
E. Casalhore, lf. *^
IJ. 9. Piano. Santinha, Marcea, 2 valsas dos ca-
vallinhos, U000.
X. 10. Pianr. Chant D'Oiseaux, polka, por E.
Casalbora, i. 7 r
, ** J1;.P,ano- A flr da Boa-vista, valsa, por
Jos Coelho da S. A., 13-
X. 12. Lagrimas d'Aurora, Mazurka, por J. J.
"., l{.
X. 13. A entrada de ferro, quadrilha, por Hen
nque Albertazji, l.
X. li. Canto. Santa Lucia, barcarola napoli
tana, por Gennaro Arnaud, 1.
Rival sem segiindo
RIJA DUQUE DE CAXU M. 4*
(Antiproa (ieQitau^o)
Contina a vender tudo awito boa >
muilo barato a saber :
Libras de areia prela moho boo. 4^
Tesouras finas para ncbas e cojtu-
MM
H4.
m>
tm
ra a.........
Papis de aguihas nmeczas a la-
15o a.........
Caiias com seis sabotietes de fruta
Libras de a para bordar de todas
as cores a.......
Carriteis de linba Alexandre a. .
Frascos com azeite pata machina*
Grvalas de cores mtr.to tinas a .
Crozas de bol5es madcpersla fi-
nissimos a.......
Noveho de linba de K jardas a.
Caixas com 100 envclopes moho
superiores a......
Pentes volteados para meninas a.
Tinteitos com tinta prela a 80 rs. e
Pecas de fita elstica muito fina a
Lata com soperior batlia a too e.
Frascos de oleo Philoi orno muito
fino a.........
Frascos de macaca {rola a. .
Frascos de extracto m>;itr> I. nitos a
Duzia de sabonetes milito unos a.
Sabomites iDRlezes a TOO rs. e. .
Frasco com agua de culi na Piver a
Dito de oleo babaza a.....
Caixas de lamparillas a. .
Sabonetes a forma menino moiu
superiores a.......
cartilbas da dootrina fazenda nova a
Libras de iinha sortidas de todos >
nmeros a.......
Capachos muilo bonitos e przndes a
Carriteis de retroz prcln, com i
oitavas a........
Agulheiros de osso enfeidos a, .
Libra de iinha franceza superior
qualidade a.......i^t
Caixas de palito do gaz a. %
9tt> l
M
rm
i
MIC
7H
V*
ATTENCAO
O dono dest estabeleclmento pede ao pubiieo em geral que continu a visita-lo
verileando as qualidades e os precos baratos de dRos objectos por serem vindos em di-
a e de conta propria.
ehgehheiro
Com fundicao ,
RA DO BRUM 52
Passando o chafariz.
Chama a attencSo dos Srs. de engenho para seus acreditados machiuismos e
com especialidade para seus vapores que ainda urna vez tem melhorado.
Os vapores fornecidos por elle e j funecionando lhe ho de fazer"melhor apre-
ciapao do que qualquer dito proprio.
Deseja tambem mencionar que tem feito urna redcelo em seus precos; e que
tem prompto toda a especie de machinismo e outros objectos para a agricultura.
A ra do Duqne de Caxias n 21.
(ANTIGA RA DO QUEIfflADO)
Itecebeu seguinte :
Epelhos grandes dourados, moldes bonitos.
Carteiras, charuteiras e portcigarros de muita?
qualidades.
Bonitas pastas para papis, simples e matisadas
Boas caixas vasias para costura com sua compe-
tente chave.
Delicadas caetas de marflra cora o bocal de:
prata.
Modernos pentes de tartaruga, sobresahindo en-
tre ellas os mimosos telegraphistas.
Commodos tomadores com doas gavetas e bom '
espelho.
Port bonquet, o que de melhor tem appar-!
cido. ev I
Port relogios de muitas qualidades.
Bons talheres para crianzas.
Vostuarios, chapozinhos, toucas, sapatos e melai
para baptisados.
Toalhas e fronhas de labyrinlbo.
Chapeos e chapelinasparasenhora, moldes novo
e bonitos.
Chapozinhos gorros e bonets para meninos
meninas.
CjaTa as couvuls5es nas
m
crincas
Vende-se os verdadeiros collares na Nova Espe-
ranza, ra do Duque de C*xas n. 21.
PAItA TISGIK CABELLOS
para pretos on castanhos, recebeu a Nova Espe
ranfa a verdadeira tima ingleza.
PABA ACABAR COM AS SARDAS
pn pannos, tem a Nova Esperauca o verdadeirc
leite de rosas brancas.
AGUA DE FLOR DE LARANJA.
Vende-sfi na Nova Esperanca, rna do Buque d*
Caxias n. 21.
PAPEL PARA EXFEITAR-SE BOLOS
recebeu-os muito lindos a Xova Esperanca. rus
do Duque de Caxias n. 21.
PARA AMACIAR E AFORMOSEAR A PELLE
tem a Xova Esperanca es sabonetes de pos de
arroz.
Fazcndas Tinas para i
acabar
A' raa do Crespr n. 25
Loja de Manotl Das Xavier
BASQUINAS de gorgoro e grosdenaple
superior eneitadas, ultim gosto a 18.
CORTES de gaze bordados brancos e de
cores, lindos padr5e.s, a 7f, o corle.
SEDAS de cores miudinhas a li o co-
ttt vado.
IB CHALES de fil arrendados pretos a 25
Se cada umt
JB CORTES de la, lindos padrdes, a 3'o
S corte.
\ EJGUIAO pardo de duas larguras muito
TC fino a t^ o covado.
CAMBRAIAS adamascadas para cortina-
dos com 20.varas a 10*500 a peca.
MADAPOLAO superior a !if, 54500, 6i
e 6*00 juhjcj.
ALGODADZIXHO superior com 20 jar-
das a 3* a peca I
CAMBRAIAS novas miudinhas e de lis-
, tras a 280 o covado.
; CHITAS escuras matizadas e miudinhas.)
! a 200, 340 e 280 o covado
! ALGODO alvo trancado de duas largu-
; ras para toalhas a i100 a vara.
Dao-se amostras com penhor rila do
Crespo n. 2o.
X. 15. Canto. Marta Aria, para M. S. M' anaari
tuti amor, de Plotow.
n fr l6;LAs.rDas em contradanza, quadrilha, or
Cola< Filho, 1. *
Pechincha.
Vende-se a taberna do largo do Carmo n. 13.
livre e desembaracada, e muito bem afreguezada
para a trra e mato, torna-se recommendavel pe-
lo commodo e local, e tem poneos fundos : tra-
tar na mesma.
Potassa nova d& Russia a 200 rs. a libra
Cal de Lisboa.
Cera em velas.
Dita em grume.
Vicho do Porto superior engarrafado.
Dito de dito bom dem.
Dito muscatel de diversas marcas idem.
Dito tinto Palme! a superior idem.
Dito dito Vermoeira idem.
Dito dito lavradio idem.
Dito branca Carcavellos idem.
Dito dito Bucellos idem.
Caldeira? de ferro fundido para engenhos.
No eseriptorio de Olivelra Filhps & a ao larco
do Corpo Santo u. 19.
Milita attenpo
O Campos da ra do Imperador n. 28 acaba
de receber em seu armazem, urna partida de se-
ment* de hortahea que passa a mencionar as
qualidades e precos.
A tWMW *
De salsa, a 60 reis a oitava.
r>e coentro, idem..
De repolho, idem.
De ervilhas brancas, a 600 reis a libra,
De ditas tortas rouxas, a 800 reis a libra.
De bracolas, a 60 reis a oitava.
De pepinos, dem.
De feijao ervilha papo de rola, a 400 a libra.
De dito amarello, idem.
De dito meia-cara, idem.
De dito cor de ganga, idem.
De tomates grandes, a 60 reis a oitava.
De eijao de 7 annos para grao, a 400 rs. a libra.
De 'dito de 7 annos rxo, idem.
De espnaifres, a 60 rs. a citava.
Calpados estrangeiros
Grande s-nrtimento de calcados de todas as qua-
lidades para bomens, senhoras, meninos e meninas
pelo preco mais razoavel do que em ontra qual-
quer parte : na loja de calcados de sobrado ama-
rello da ra da Cruz n. 21.
DO DISTIN TO
Corpo patritico de lancejro*
O BAZAR A \ODk lem receb do o( -m?
mntp imi pn. r!< e especial sortimeotr- tV
to'!"-' t't'jeot.is pr.crios para este Ib
coik i.;;;:
wn.\ :; :>''0RAS
Gajes h\>rrrtirM > ii.:1as cores, o j-
vado ->0''O. e ontn< rr.:ii :is faiedas f-r>
prias, e <).' nn imato
As mais i... s n ';. d l.-aile a 40* e
45,5000.
Os mais lili s r -,: DfM Ifooroo) Je
grande novid^ti a ii: .
Mantas de l.t e f la tui ponto de tt?-
Iba, e muitos adornos da moda, da U *
15O00.
Delicadissimos siolos de fil com liad*
enfeites de bellissima phantasia a 8400".
Gollinhas e punhos de grsnde varif-
dade.
Corpinhos de cambraia, enfeilados d* H
a 150000.
Luvas de pellica muilo fresca, grande -
timento, e muitos outros artigos pr.
ao fim, tanto em fazendas cono em mio*--
zas e perfumaras.
PARACAVALnEIROS
Gravatas brancas, no qoe ha de Be!.
com laco e para dar laco.
Camisas de linboTmuito finas, simpiec^fr-
te bordadas de muito gost JfiSOO,
Collarinbos bordados e lizos.
Luvas fresquissimas e grande sortiaeni".
tudo se vende o mais commodo potw-
vel.
Jos de Souza Soares C.
Vende-so
a preces mdicos vinho do Porto, superior <- a .
dade, em cacas engarrafado, e barra de qurw*
e de decimos : no eseriptorio d# Soares PriSK.r.
rna do Viga rio n. 9.
Antes que seacabem.
Medalhas de prau mac: Gr: 30 : veade m a
ra larga do Rosario n. 34
DOS PREMIOS DA
5.
ERAL
i 2.
PARTE DAS LOTERAS CONCEDIDA POR LE PROVINCIAL N. 330, A BENEFICIO DA IGRgJA DE N. SENHORA DA CONCEICAO DOS MILITARES DO RECIPE, EXTRADA El
EM 30 DE SETEMBRO DE 1870.
XS. PREMS. XS. PREMS. NS. PREMS.
**r
1 6| 254
4 57
8 61
10 62
15 64
46 69
50 81
57 83
59 85
61 89
78 96
81 96
83 304
86 13
89 15
93 35
99 38
103 40
4 41
23 43
26 . 48
30 50
35 51
39 61
51 - 2
54 65
3 72
65 74
70 10* 77
ra 64 79
83 81
85 - 85
90 95
201 . 400
4 w 13
8 16
U 40* 19
l15 * 83
"19 14
23 *
24 *
<5 49 57
31 59
46 'ti
47 10* 8
81 H 1 7*
6J
20*
6*
i
m
#
m
u
480
89
93
94
96
98
503
10
16
19
20
22
31
33
45
48
55
61
62
64
70
75
80
84
85
86
93
95
96
97
604
11
13
14
19
10
91
25
30
35
39
49
52
62
3
64
71
6
101
NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS.
678
82
83
85
704
6
10
14
15
18
22
30
39
44
47
52
63
54
55
56
62
71
83
86
99
803
13
14
22
31
35
37
SI
15
56
59
64
73
74
76
84
ti
89
90
04
902
3
64
10*
6*
104
64
104
64
909
15
16
21
28
29
31
35
36
42
43
46
56
58
61
74
76
79
82
84
88
96
1019
20
21
22
25
28
31
35
38
39
48
57
61
63
64
68
70
72
78
83
84
87
8
64
10*
64
100*
64
1103
4
10
11
14
16
17
19
23
24
32
40
52
64
70
78
86
90
98
1200
4
5
6
10
11
15
17
24.
38
39
40
42
43
44
49
53
57
61
7
77
79
80
86
93
94
1323
<
20|
64
10f
64
NS. PREMS.
6i
900*
10*
64
10*
64
1325
26
27
29 6*
31 -
32" _
6t -
52
54 -
59
60
61
66 5:000*
70 64
73
74
81
83
84
91
94
1400
5
13
15
23
24
29
36
51
56
60
63
72
76
77
81
85
95
97
- m
NS. PREMS.
40*
64
104
6*
~M)4 i
'**l
*
1514
26
30
31
33
38
39
56
60
64
66
67
68
71
81
96
97
1606
11
18
20
21
25
30
41
52
57
58
62
64
70
75
77
82
88
91
93
95
99
1703
4
B
10
14
18
31
6*
NS. PREMS.
40*
6*
-100*
6*

175
53
53
61
66
71
78
82
85
87
91
91
93
94
96
1806
8
lo
16
29
30
31
37
41
42
43
48
50
51
6
57
58
65
73
75
79
3
85
h88
91
4001
1
3
7
10
64
NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS.
_ ,

MI
33
36
41
44
50
53
58
62
68
89
90
93
*!
17
SO
24
33
37
45
46
47
48
51
56
59
0
68
70
74-
77
89
90
10*
6*
6*
200*
64
10*
64
6
7
14
13
8
95
36
46
0
"64
7
70
2172
74
75
77
81
82
89
94
2207
8
12
11
16
33
49
61
3
5
8
70
84
90 -
94 -
1304
9
14
17
11
13
28
19
32
33
61
52
46
78
79
II
0
1402
'7
9
to*
6*
2411
12
13
26
29
33
41
47
56
58
64
66
73
75
77
78
80
84
86
89
94
95
2509
10
14
17
18
19
20
22
14
16
27
31
31
55
56
0
68
70
74
75
78
83
86
90
20*
'6*
NS. PREMS.
I
10*
6*
2591
96
2601
2
11
24
25
27
28
33
34
36
37
40
41
50
52
53
68
68
71
76
77
78
86
88
93
94
95
1703
4
5
11
16
18
31
48
49
69
81
86
87
88
01
90
98
10*
6*
10*
64
20*
6*
NS. PREMS.
10*
6*
400*
6*
2804
12
13
14
15
17
23
28
31
34
35
39
43
45
48
50
55
59
61
65
68
69
70
71
74
75
76
87
89
01
94
96
99
1906
9
13
14
16
22
25
28
44
49
55
58
60
6*
40*
104
4
NS. PREMS.
104
6*;
2965
70
71
73
76
78
86
90
91
97
98
3010
11
12
16
17
25
27
'32
40
49
53
66
76
78
80
82
86
88
94
99
3100
1
5
4
15
10
21
23
14
30
48
47
48
81
84
64
NS. PREMS.
404
6*
100*
*
3161
63
68
71
75
78
85
8t
98*
97
asot
5
11
17
84
36
41
41
45
51
57
64
89
73
75
81
86
98
3307
8
9
15
16
18
24
6*
18*
84
87 -
88
48
74
n
81
93


2
8
Diario de Pernambuco Sabbado 1 de Ontabro de 1870
VARiEMDE
I
*
BATALHA DO 4* DE SETEMIHVO.
N'uma correspondencia mandada de Poix-
Saint-Hnbert ao Temps, encontramos o se-
grate :
P^Pacreditar. dizia me om ayo,
l^nnnnnm ^^^^kiIai*
que cor' t
de selembro 80.000 soldados
lancezes, sera pao e sem dormir, liveram
de fazer frente a 300,000 allemes, bom
sustentados e folgadus. As Cifra*xa
dos dous exercitus na batatoa do r de s-
tembro eram. se as minhas informages sio
exactas 90.000 do lado dos franci7.es.
40,000 do lado dosaliemes...
No 4* de selembro, o exercito frane ?.,
que secollocra desde a vespera na margem
dtreita do Meuse, estendia as suas linhns de
Nouvionat Lachapele, por Donchery. Saint
".ings, Floriog, Sedan, Bazeilles, Donzy.
Moncelle e Gvonne. Tinha diante do si,
ern Remilly. o 4o corpo doexercito a'lemao,
coramandado pelo princip de Saxe; sai
esquerda o exercito do rei, restabelec lo
em Francheval e apoiado pela cavallaria do
principe Albrecht, acampado em Fourmau-
Bois ; sua direita, em summa, os corpos
bavaros e wrtemburguezes.
A acgio foi encetada de manhia s i
oras, entre o principe de Saxe e a ala es-
querda do nosso exercito em Donzy, e em
quanto o fogu se estendia em quasi toda a
linha, a caval aria do principe Albrecht e
urna parle do exercito do rei marcbavam r-
pidamente por baixo dos bosques, na flo-
resta de Santa Cecilia, assaltavam Villers,
Cernay o Lichapeile, e as alturas de (i ne. Do omro lado, o principe real, que
cbegava de Attgoy marcha forcada. cos-
teando o canal dos Ardennes, consegua pas
sar o Mese em Douchery e tounndo a
DOSSl ala direita por Vrigne-Meuse e Vngne-
aux-Bois, descaa sobre Saint-Manga c
Floing.
Ao meio da, o exercito do re e a ca-
vallaria do principe Albrecht tinbam conse-
guido senhorear-se das alturas de Gvonne
e estender a ra5o ao principe real por traz
de Sedan.
O nosso exercito estava, pois, comple-
tamente cortado, rodeado por um crculo de
ferro, sullocado sobre a oppressio de inn-
meras massas. A partir deste momento a
batalha poderia chamarse a canhouhada de
Gvonne.
Urna arthai ia formdavel, collocada as
alturas que dominan esta ultima aldea, rru-
ztvt eficlivamente os seos fogos com os
da artilharia do principe de Saxe e virria
as quebradas que separam Givonne de Ba-
zeilles.
Um bosqae de btulas, onde um regi-
ment de linba, o i5 creio eu, procurara
tomar posicio, foi litteralmente segado; e
s.' nio fossein os accidentes de terreno, as
nossas perdas neste ponto teriam sido enor-
mes.
Depois de se terem debalde debatido
sob esta chuva de obuzes e d metralha, qu?
j tnha incendiado as aldeas de Donzy. Ba-
zeilles e Moncelle, a ala esquerda do nosso
exercito teve de separar-se do centro e de
recuar para a fronteira belga.
Na direita, em Floing, os effetos da
artilharia prussiana nio eram menos terri-
veis, e ah, como no Mozelle, a attitnde dos
cadveres testemunhava no da seguinte o
herosmo com que o exercito francez tinha
ombatido antes de se deixar esmagar pelo
numero. Os nossos desgracados soldados
nao podiam decidir-se debandada.
Em cada corpo prussiauo que appare-
cia as colimas ao redor, julgavam ver Ba-
zaine ou Vnoy correndo em seo auxilio ;
mas, desde as 5 horas hoove de se abando-
nar l da a esperanza, e su o centro e a ala
direita poderam effectuar a sna retirada
para Sedan : a ala esquerda, dispersa, bus-
;:~.u um refugio nos bosques.
Nao Ibes contarei aqu todos os inci-
dentes desta derrota. Ador qne me ella
cansn foi alm de todo o que en poderia
dzer-lbe.
Durante toda a noite do 4o para 2 de
setembro, durante todo o da 2 tive debajo
das \islas esse espectculo doloroso e hor-
rivel.
Na quinta, claridade intensa que
abrasava o horisonte, viam-se destacar os
vultos dos desgracados que fngiam das suas
(.asas incendiadas. Estes, meio ns, cor-
riam horrorsados, mal se atrevendo a olha-
rein para traz ; aquelles tentavam salvar a
modesta mobilia e paravam de tempo lem-
po para verein se eram perseguidos ; de-
pots, no meio, mulleres e crianzas que sol-
tavam gritos medonhos, os'soldados enra-
vecidos e mostrando com opunho cerrado
FOLHETliKI
i VIVA Milis DI MOR i
pon
Xavier de Montpin.
PAUTE Ni:.l \l> \.
O HORSCOPO
(Conlinuagio do n. 213J.
XXXI
Decepco.
O conde, maito consternado, afastou-se
a!suns passos e acenoa Simoa para o
aoompanhar ate porta do gabinete do
toucador.
Ella tem febre ? Ser um accesso
passageiro de delirio qoe assim a faz fallar?
pergunlon elle em voz baixs.
Nio, responden Simoa. Tome o
pulso senhora condessa, e ver qoe as
, pulsages sio as mesmas que de ordinario.
Mas como se ha de entio explicar
aquella insensata obstinacio em sustentar
contra a propria evidencia, qoe j se veri-
ficou o parto ?
Simoa revelou no gesto que tambem nio
comprebendia semelhante mysterio. To-
dava, depois de pensar um pouco, mur-
murou.
A senhora condessa teve talvez um
desses sonbo8, que preocenpam vivamente
a maginacio, e toma de certo pela reali-
dade o qne nio passon de sonho.
Semelhante explicado nada tinha de
inverosmil, e o conde acceitou-a, porque
assim consegoia afastar do espirito um
pensamento horrivel.
-N Acabava de pergnntar si mesmo se a
condessa teria endoudecdo, por cansa da
idea xa qne a preoecupava desde tanto
tempo.
i f^uera e derrabando tu 1o na sua pas-
Bavallfia prussiana bata os bosques
da fronteira, matando quem podiam matar e
buscando prender os fugitivos at no terri-
torio belga.
Eis um tacto cuja autbenlcidade lhes
garanto. No posto belga, chamado o Afta-
uno de Ven{fi. aiguos kilmetros de La-
chapoile, o capito Sarrazn, do 5o de linha
belga, linha abrigado 430 homens do corpo
dos atiradores francos, perseguidos por nm
asqn drio le hussards prussianos. Esses
hossards quenam atravessar a fronteira para
continuar a sua porsegoigo. Mas o capito
Serrszin rogn ao conde von der Groben,
que cjmmaodava esse esquadrio. que nio
violaste a neutralidade do territorio belga,
e so depois de muitas diligencias que o
offkial prussiano se decidi a recuar. Ac-
crescenio que essa audaciosa persegugio
custou cara ao commandante von der Gro*
lien, porque, algnns passos mas longe, foi
batido por soldados francezes que seguiam
pila beira du bosque do Santa Cecilia.
Corbion. Bouillon e as aldeas vsinhas
esli atulhadas dos destrogos dos nossos
regimentos, do, refugiados da nossa fron-
teira, e todos >orfia querem pensar os fe-
iid s, auxiliarom os soldados cheios de fa-
i|jg;i. da^ um asylo aos nossos compatrio-
tas que se viram obrigados a desamparar
os seos lares.
c Xio urna perda de 40,000 homens
que nos custa a capitnlaco de Sedan, mas
sim de 80,000 homens. Por outro lado,
falso, absolutamente falso que o imperador
fosse feilo prisioneiro na lula. O impera-
dor entregou-se sem combater, esta a
verdade, a exacta verdade, e importa que a
Franca nao a ignore. preciso que o paz
saiba toda a extensio dos nossos desastres,
o qne saiba, qoal foi o procedimento de
quem no-Ios acarretou.
Os poderosos de coraejo leve nao es-
quecem fcilmente a sua tradicio, e disse-
me urna testemunia ocular que, nio com
sentimento de compaxio, mas com sent-
ment de tristeza, que vio Napoleao III
chegar ao quartel-generalnnm calechedes-
cabalo escollado pelos picadores, e fumando
IranqutlUunente //n cigarro de papel. *
ROMA.Em 30 de agosto ultimo oexer-
cito pontificio compunba-se do seguinte :
Guarnico de II ma.
Linha33 ofliciaes e 066 soldados.
Caradores indgenas29 officiaes e 783
soldados.
Engenheiros47 ofliciaes e 404 solda-
dos.
Artilharia39 ofliciaes e 610 soldados.
Dragocs4 officiaes e 464 soldados.
Permanentes11 ofliciaes e 433 solda-
dos.
Zuavos33 ofliciaes e 4,368 soldados.
Carabioeiros estrangeiros43 officiaes e
1,141 soldados.
Legiiio d'Aniilhe45 officiaes e 4,121
soldados.
Gendarmaria indgena 52 officiaes e
1,230 soldados.
Total-Olficaes 329, soldados 7,961.
Artilharia.
6 pegas de campanha, captio Foretti, e
8 pegas dem, capito Salvagni.
Commandante em chefeKanzler, pro-
ministro.
Segundo commandanteZappi, general.
Commandante de artilharia Pflieri,
major.
Commandante do fortePagliuccbi, co-
ronel.
N. B.No forie ba prximamente 60 pe-
gas de bronze e de Ierro.
Vi'erbo e Civitta-Vecchia.
Commandante o coronel De Charetta.
ViternoZuavos: 4companhias15 offi-
ciaes e 430 soldados.
Dragues: 2 esquadres5 officiaes e90
soldados.
Montefiascone Zuavos : 3 corapanhias
10 ofliciaes e 320 soldados.
BagnoreaZuavos: I companhia3 ofli-
ciaes e 90 soldados.
RonciglouxZuavos: 4 companhia3
ofliciaes e 80 soldados.
AcquapendenteZuavos: 1 companhia
3 ofliciaes e 95 soldados.
Civit CastellanaZuavos: I companhia
2 ofliciaes e 90 soldados.
Civit VecchiaZuavos : 4 batalhio45
ofliciaes e 300 soldados.
Cagadores indgenas6 offkiaes e 490
soldados. 1
Um pelotao de drages1 offical e 24
soldados.
Um esquadrio2 ofliciaes e 100 solda-
dos.
Tranquilisado este respeito. voltoa o
senhor de Rabn para a cabeceira do leito,
tomou urna das mios da condessa, que
nao acabava de chorar, e com a voz mais
suave e affectuosa, pergnntou-lhe :
Mara, porque choras ?
Porque churo ? volveu a condessa.
Porque nos succedeu urna desgraga ir-
reparavel, e em vez de me dizerem : ani-
mo 1 e de chorarem coroigo, todos se com-
binara para me oceultar a marte de meu
tilho. Pois bem, t ao menos tem pieda-
de de raim, Annibal... Nio me julgues
to fraca, nio me julgues incapaz de suppor-
tar a dr. Mostra me o corpo inanimado
desse fructo das minbas entranhas, que nio
tinha de viver... Dexa-m8 dar um beijo,
um s, nesses labios que nio articularan)
nenhum sido, e offerecerei entio a Deus
o meu pezar, e terei resignagio, juro-t'o...
terei resignagio.
Minha amada, redargu o senhor de
Rahon, ha no mundo duas cousas das quaes
nunca duvidaste : o meu amor at agora
infinito e a grande estima qoe tenho pela
minha honra ; nio verdade que nunca
duvidaste d'isto?
Sim, acredito no ten amor e na toa
honra como na immortalidade da minha
ajma... balbuciou a condessa.
E sabes tambem que se me propo-
zessem a escolba entre um perjurio e a
morte nio hesitara em escolber a raorte ?
Sei.
Pois bem, Mara, pelo meu amor e pela
mnba honra, isto pelas duas cousas que
mais sagradas sio n'este mundo, juro que
te engaas. O parto que supp5es realisa-
do, inda nio so veriticou. Continas a
duvidar ?
De ti, nunca! T ests convencido
do que dizes... t s sincero !... b-a-
don condessa ; mas olba qoe te enga-
nam I. .
Quem ? perguntou o senhor de Ra-
hon com severa entooacio. Quem ousa-
Montc RotondoCagadores indgenas: 4
officiaes e 420 soldados.
TotalOfficiaus 69, soldados 4,929.
Em Civit-Vecchia duas pegas de artilha-
ria de montanba, commandante o tenente
Maldora.
Provincias de Velletre e Frosinone.
Commandante o corone! Azzanezi.
VailettiInfantaria de linha : 40 officiaes
e 350 soldados.
Drag5es: 2 officiaes e 30 soldados.
IiVm : 4 officiaes e 400 soldados.
FrosinoneUrna companhia de linba : 3
officiaes e 100 soldados.
VeroliUrna companhia de linhti: 3 offi-
ciaes e 90 soldados.
CaceanoUrna- companhia de linha : 3
officiaes e 100 soldados (com destacamento
de 25 homens era Ceprano).
TerracinaUmi companhia de linha: 3
ofliciaes o 110 soldados.
' PalincUrna companhia de linha: 3
officiaes e 90 soldados.
Permanentes da fortaleza8 officiaes e
210 soldados.
TotalOfficiaes 40, soldados 4,480.
Em Frosinone duas pegas de montanba;
commandante o tenente Calvesi.
PRINCIPE AUTOR DRAMTICO. No
Cairo vai dar-se urna recita com a opera
Aida, tendo o libreto sido escripto pelo
Kediva e a msica composta por Verdi.
6 HULAN).O fgaro descreve do se-
guinte mudo o hulano, que tanto oceupa
boje a attengo publica em Franga :
t ste personagem legendario tornou a
reapparecer. Amigamente o cossaco dis-
pntava-ihe a fama ; boje rein 1 sozinho. V-
se em toda a parte : appaiece, desapparece
e torna a app.irecer ; occulla-se. raostra-se
e foge como o raio ; o cavalleiro das em-
prezas. Urna arvore, tima chuva do terre-
no, una pedra, um arbusto, qualquer cousa
Ihe serve para ecclypsar. um clown
equestre que trabalha no theatro da guerra.
Um abeto de tamanho regular serve para
dissimular a presenga.de urna dnzia delles.
A' forga de setornarem invisiveischegam a
ser phanlasticos.
Fita-se o horisonte com a vista mais
perspicaz e nio se destingoe alma vvente,
e um instante depois precipita-se urna trom-
ba. um hulano que passa. Bncontra
urna povoagio e reconhece-a; encontra urna
cidade e toma-a.
Valente, resoluto, intrpido e pouco
teimoso ; pede 100 000 rages; se Ih'as
uao toma-as ; e se nio, segu o sen cami-
nho tranquilamente.
c Annunca sempre que 3,000 homens
vera na sua retaguarda, o que ordinaria-
mente falso.
Dentro em poneos das hio de conbe-
cer-se e o proprio alcaide de Nancy j se
nio deixa engaar.
GUERRA ENTRE A FRANCA E A
PRUSSIA.
O diario de Madrid La poca publica sob
este ttulo o seguinte escripto, que joiga-
mos digno de transcripgio:
Esta guerra priticipou em julho; es-
tamos em 8ns de agosto e ninguem anda
escreveu sobre ella.
Se, porm, nada escrevi, fallei bastante
com os meus amigos e essas conversages
sio as que von agora reproduzir.
a Julguei sem fundamento^ tal guerra ;
n'ella sobresae o arrependimento do Czar
francez pelo que auxilion os prussianos, e
o desejo de sustentar a soa dymnastia por
meio de oulra campanha.
Vi poderosa a Franga e nio menos po-
derosa considerei a Prussia. porm esta
quasi insignificante com relagio marinha.
Como nagio nova, colloquei-me ao lado do
soldado prussiano ; pois observava alguma
cousa de imprevisio desordem nos negocios
francezes. Sappuz que a Franga teria alija-
dos e que a Prussia deixaria de contar com
aigumas das nacoes annexadas.
N'estas duas supposigoes enganei-me
como muita gente. Nem a Franga tem ai-
liados, nem Prussia Ihe falta parte al-
guma da federagio.
Principiaram as operagoes e admirei a
rap:dez com que os allemies langaram so-
bre a fronteira francesa 500,000 homens
em completo p de guerra.
Observei que as forgas reaes de Franga
eram menores e que atrevidamente cegos
pela sua orgulhosa confianga, se dissemina-
vam ao longo de 60 leguas sem deixar
nenhum exercito de reserva.
Predisse a victoria dos prussianos, pois
nio se transgridem impuuemente os prin-
cipios da arte da guerra e se despreza a
ria enganar-me, e como poderia conse-
guido ?
A senhora de Rahon passou *o olhar de
Olympia para Simoa e de S;moa para
Olympia. ^
Nio sei !... balbuciou fechando os
olhos e soltando um prolongado suspiro.
Tal era a verdade efectivamente.
A infeliz nada saba. Um instincto, que
nio a poda engaar, urna sensagio cuja
natureza nio era duvidosa, diziam-lbe que
tudo se h .va concluido, que j nio tinha em
si o sagrado peso da maternidade ; mas
entre aquella certeza e as affirmativas do
marido, da prima e da parteira, besitava a
senhora de Rahon e cuidava que tudo seria
apenas um horrivel pesadello.
Nenhum raio de luz poda dissipar aos
seus olhos (as trvas dokespantoso trama
de que fra brinco e victima.
Suppqnba vagamente um mysterio, talvez
um crime ; nio se atreva, porm, a acen-
sar ninguem, nio se atreva a por as sus-
peitas em pessoa alguma.
A parteira chamou, de parte o senhor de
Rahon, cuja nquietagio, no que dizia res-
peito possivel demencia de sua esposa,
principiava a renascer.
Nio se assoste, disse-lhe Simoa, res
poniendo ao secreto pensamento delle ;
isto realmente urna especie de loucura,
mas passageira. A senhora condessa dar
loe muito brevemente e ao primeiro va-
gido de seu filho, dissipar-se-ha a illusio
que a domina.
Depois d'isso ministrou Simoa a condessa
urna colherada da beberagem, cujos mar-
vilhosos resultados j o leitor conhece. e
logo a fidalga adormeceu em somno pro-
fundo que se prolongo u at parte do da
seguinte.
Quando acordon nio estava modificada
a sua conviegio, e nem sequer diminuir ;
esconden-a, porm, no mais recndito da
alma, porque bem sabia qne urna dovidfa
I
disciplina, e sobreturtc a adminstragio mi-
lihr dos exercitos.
Os prussianos fjra baiendo os seus
inimigos separadamente e levando cabo,
a primeira mxima a guerra, aglomerar
forcas superiores sobre o immigo para as-
segurar a victorea e evitar o derramamento
intil de sangue.
t Venceram os prussianos em Wissem-
burgo, em Woerth e em Forbach ; encur-
ralarara os francezes na esquerda de Metz;
depois de os dipersar pela direita, encerra-
ram-n'os em Strasburgo e o resto fizeram-o
retirar para Chalons.
0 centro flcn-lbas livre e por all
marchou o principe herdeiro sobre Nancy
com o objectivo.de Chalons e Pars.
Napoleao, com todas as ontras for-
gas, estava em Metz e sobre elle cabiram
os oulros exercitos prussianos do principe
Frederico Carlos, de Steinmetz. e depois.o
do Vogel de Falkenstem. As vantagens fa-
voreceram c jmpletamente os prussianos. A
guerra considerava-se terminada com a
batalha dicisiva que devia d.^r-se nos arredo-
res de Metz. Isto era o que esperavam a
diplomacia e as nages.
i Todava, na minna fraca opinio, am-
bos os exercitos se enganaram ou so equi-
vocaran!.
Os prussianos deviam atacar os francezes
no da 42. Os francezes deviam tomar a
offensiva no da seguinte ao da derrota de
Forbach. Nada disto succedeu.
Mac-Mahon nio perseguido na sua
gloriosa retirada Grande erro dos prus-
sianos. Os francezes decidem affastar-se
de Metz sem dar batalha. Os prussianos
commettem urna grande falta, aoopporem-
se re irada do exercito francez.
i Ao inimigo que fjge ponte de prata. Os
prussianos olfuscaJos e j indecisos oppo-
em-se a esta marcha ; principiam aqui os
seus desacert js,
O soldado francez, nos pnicos, as
derrotas desordena-se, e pe-se em fuga ;
porm. com o immig) na frente ou cercado
por elle, combate at morrer.
Pude ser que a intengo dos francezes
s tivesse sido levar a Chalons parte do
exercito e com aout-a parte sustar os prus-
sianos ainda que com um sacrificio heroico,
at dar lugar que a Franca se armasse e
demonstrasse o que toda a nagio guerrei-
ra ferida na sua historia e no sen espirito
militar.
Ignora-sese era esse o seuplano. Oque
positivo e um fado concreto que nem
em Chalons nem em Pars existia no da
44 exercito alguna de reserva, ao qnal po-
dessem unir-se as tropas da Bazaine. Os
prussianos deviam sbelo, e em consecuen-
cia disso, rdea solta e com o poder dos
quatro exercitos, depts de deixar passar os
francezes de Metz, perseguiram-os sem des-
cango de da e de noute, combateram-os
com massas cllossaes tantas vezes guan-
tas, pararam etencionavam chegar com e'.les
Pars nos dias que mediaram desde 42 a
23.
No da 48 existiam nicamente em
Chalons 40,000 homens, e entre elles guar-
das movis.
Failly, Douay e Mac-Mahon vinbam ainda
marchando pelos Vosges (mais de 70 le-
guas) com as suas tropas estropeadas. Pa-
rs nio eslava armado e a revolugio era alii
imminente. E que o que se tem passa-
do ? Os prussianos detiveram os francezes
ou foram detidos por estes: e o heroico
pracedimeato de Bazaine nos campos de
Metz den lagar reuniao de forgas em
Chalons e ao armamento de Pars e de toda
a Franga.
A peste declarou-se nos exercitos prus-
sianos ; sio crescidas as suas perdas e
boje em dia, na minha fraca opiniio, to-
das as vantagens estao do lado dos france-
zes. Por isso indispensavel que abando-
nem a ideia nociva de julgar que a tomada
de Pars pelos prussianos determina o fim
da guerra. Isto um errocrasso. Prara
sitiada, praca tomada., Nio se d tal im-
portancia perda de Pars. Pois que, nada
vale o resto da nagio ? E' este um dos
males que traz comsigo o serem as capi-
taes das nagoes pragas de guerra.
nicamente poderia fazer-se excepgio
das capitaes que sio portas de mar.
c Resnmirei as minhas ideas. Os fran-
cezes se tivessem estado pre arados para a
guerra, deveriam tomar a offensiva e inva
dir a Allemanha. Commetteram grande
falta em disseminar-se pela fronteira na de-
fensiva. Confiaram demasiadamente em
si.
Os prussianos, urna vez vencedores,
nio deviam deter Bazaine e, perseguindo de
perto, chegar com elle Chalons e dalli
Pars. Urna das cousas que na guerra deve
terminantemente formulada, seria injuriosa
para o conde, depois do seu juramento.
O marquez de Saint-Maxent, introduzido
pelo conde no quarto de cama, logo depois
de adormecer a condessa pela segunda vez,
empenhou-se em acompanhar seu primo du-
rante a noute.
As quatro horas da manhia, cedendo s
instancias do conde, que Ihe recommendava
o ir descangar um pouco, voltou para os
seus aposentos.
Encontrn Lzaro na ante-camara, que,
envergonhado e confoso por ter cumprido
tio mal a sua incumbencia, nem pensava
sequer em deitar-se.
Ola, meu patino L disse-lhe Samt-
Maixent depois de ter fechado a porta cui-
dadosamente. Trazes boas noticias ?
Ai de mim murmurou o criado ; o
senhor marquez engana-se de meio meio.
As noticias que trago sio pessimas f
Que dizes 1 gritou Saint Maixent es-
tremecendo. Lactancio...
Lactancio um maroto dos quatro
costados, e eu nio passo de um grande
pateta.
Porventura nio cumprio as minhas
ordens como tinha promettido ? continoou
Saint-Maixent, cujo semblante se cobrio de
lvida pallidez.
Nio cumprio.
O menino est vivo ?
Creio qne sim, e posso at accres-
centar qne estou certo d'isso... se pelo
menos nio morreo de morte natural.
Qne fez d'elle ?
Levon-o.
Para onde ?
Nio sei.
Mariola I gritn o marqoez com a
voz meio suffocada pela colera. Nio o
seguas entio ?
Segoi-o como a propria sombra d'elle;
mas escapou-se-me, infelizmente.
Noton de certo qne o vigiavas ?
Nio,senhor marqaea,no den por tal.
aproiear-se com amiez, so os momentos
de flaqueza moral do contrario. Agora :
M,ac-Mahun tem um exercit ; Bazaine 00-
tro; ha outro em Pars e organisam-se ou-
tro e outros. Mac-Mahon e Bazaine poda-
rio reunir-se; e a batalba que devia dar-
se nos principios deste mez, teria lugar nos
seus nltimos dias. Iloje. nio ha que dnvl-
dar, todas as vantagens ( parte afortuna)
sio contra os prussianos.
Como o tempo se hr justiga a tres
factos notaveis. A' bfta organisagio prus-
siana, e j sua pericia militar e poltico-ad-
ministrativa. A marcha de Mac-Mahon ven
cido, e o heroico e.valoroso procedimento
de Bazaine e das suas selectas tropas em
Metz. .
PERDAS ALLEMAAS. Notamos, diz
um jornal de LisbiVi, que se falla muito das
perdas dos exercitos allemies, mas que
nada se diz sobre as perdas francezas.
Os iornaes hollandezes pablicam corres-
pondencias da Allemanha, as quaes se diz
qae os exercitos allemies teem tido, como
consta de urna Mparticao de estatstica es-
tabeiecida em Trves, at 17 de agosto,
150;200 homens fra de combate, sendo
79,483 morios ou extraviados, 67,647 fe-
ridos e3,I00 mortos de enfermidades.
N'esta estatstica nio se comprehendem
as perdas da' batalha da 18 de agosto.
A esle respeito, extrabmos de orna cor-
respondencia da poca de Mad id, o se-
guinte :
Fra de toda a dnvida sio horriveU
as perdas dos allemies em Metz. Urna carta
de Berln, datada de 22, inserta no Times,
falla circumstanciadamente respeito d'essas
batalhas, affirman io que as perdas ascendem
50.000 eotre mortos e feridos. Entre os
primeros est a flor da aristocracia mortos
pelas metralhadoras : o conde Westarp, o
conde Wesuelen, o bario Kleist, o prncipe
soberano de Reuss, o bario Griram, o bario
Witzleben e muitos outros. De 67 officiaes
que tem um regiment prussiano de 3,000
homens, o n. 7i hannoverianos, perdeu 30
em Wissembnrgo ; o 77 da hannoverianos
tambem 25 offkiaes na mesma batalh', e
assim os regimentos ns. 30, 82, 95, 81, 53
e 88 de Nassau, W stpbalia, Hesse e outras
provincias, o que prova que Douai causou
mais baixas ainda que as que elle teve.
Em Woetz, accrescenta o Times, ainda
foi peior, e os regimentos prussianos da
guarda, bvaros e wurtemberguezes, perde-
ram o 58 nada menos que 3 ofliciaes, isto
metade, e n'esta proporgio os regimentos
ns. 59, o 7. graoadeiros do rei, o 35, o
47, o 46, o 57, o 6 e o 37.
Em Spicberen, ou batalha de Forbach,
os mortos foram 2,297 e 1,486 os feridos,
cifras que espantara, porque jamis a pro
porgao dos mortos passou de 20 por 400,
respeito dos feridos. Na batalha de 44,
em /rente de Metz, o regiment n. 48 per-
deu 32 ofliciaes e 891 soldados; e um s
batalhio de cagadores 9 offkiaes e270 sol-
dados. O correspondente do Times confessa
que nesta batalba e na de 46, as perdas
dos allemias foram maiores que as dos fran-
cezes, porque estes tinham posigoes muito
fortes. Calcula 18,000 mortos e feridos na
de Gravelotte. \ flor do exercito da Alle-
manha soecumbio ; mas este redobra o ar-
dor para marchar sobre a capital do impe-
rio.
Sommando-se todas estas cifras, contan-
do-se os mortos de enfermdade e os enfer-
mos, nio exagerado o calculo de 400,000
homens fra de combate. O Jiros 400,000
sio necessarios para o sitio de Strasburgo,
Tou, Thionvlle, Phalsburgo, passagem dos
Vosges, e um corpo de observagio sequer
em Metz. Ainda suppondo que em tres
vezes os exercitos allemies entrados em
territorio francez sommam 500,000 homens,
cifra que dio a iraprensa ingleza e a allemia,
nio podem ter hoje disponiveis mais de
300,000 combatentes em campo de batalba,
Bazaine tinha ainda 100,000 e Mac Mabon
160,000. En Pars Trocho tem 30,000 de
exercito e 70,000 de milicia e corpos fran-
cos. A situago da Franga dfficilima, nio
desesperada. .Mas haver quem saiba di-
rigir bem estas grandes massas de homens ?
essa a questio.
EXERCITO ALLEM.VOVimosuma nova
estatistica das forgas allemio, entrada em
Franga, esta :
Io exercito, general Steinmetz, 50 bata-
Ihes, 48 equadre-. 31 bateras, com 188
pegas.Total 70:000 homens.
2." exercito, general principe Frederico
Carlos, 497 batalhoes, 152 esquadres, e
440baterias.com 660 pegas. Total 250:000
homens.
3. exercito, general principe real, 492
Entio cangastes de r atraz d'elle ?
Ainda menos. Te-lo bia seguido ate
ao fim do mundo ; mas para o senhor mar-
quez me entender, tenho de principiar pelo
principio.
Principia por onde quzeres ; mas
iso depressa, que estou sobre brazas.
Lzaro contou em breves palavras as
circumstangias que j sabemos, e mais de
nma vez, ao ouvi-lo, baten Sant-Maixent
com o p no chio, terrvelmente encole-
risado.
Imbcil, estupido, palerma, cabega de
vento bradou o nosso here quando o
criado acabou a sua relagio; devias t-lo
agarrado mal viste, pelo caminbo que elle
tomava. que me quera atraigoar.
Com todos os diabos Isso-mesmo
disse eu ao aepois coraigo, mas qoando j
era tarde. O maldito do cavallo que
deitou tudo a perder, e j hio Uavia n-
medo.
Talvez que... murmnrou o mar-
quez.
Occorre-lhe algum meio de emendar
o erro ? disse Lzaro com viveza.
Lactancio voltoo ao castello esta
noute ? perguntou o fidalgo antes de res-
ponder.
Voltou. Ah I senhor marqaez pode
acreditar qae o espreitei com o maior coi-
dado.
Qaahtd tempo andou por fra ?
Hora e meia.
Por coasegointe, o menino nio est
longe d'aqui... mas aonde ? Para se dar
urna busca pelos arredores, ha de gastar-
se mnito tempo, quem sabe se intilmente.,
e por outro lado, tambem arriscado ;
prefera dirigir-me ao proprio Lactancio.
Mas, senhor marquez, Lactancio ha
de recusar-se a responder.
Ah cuidas qoe se recusar ? per-
guntoo o fidalgo com sinistro sorrir.
Com toda a certeza.
-f Pois nos veremos. Procura maneira
batalhoes, f6* esqoadret, 410
com 660 pecas.Total 254WKr
Total dos exercitos entrado '
570:000 homens, com 4:506 boa
A esses 570:000 borneo* di
centar-se 60:000 homens, do
Bltico, qne vieran is ordens do
de Falkenstein, para reforjar o e*ere Steinmetz. ^^
Entrarara, pois, em Franca 63C:COO h
mens.
Se as baixas sio 450:009, lea ad 1
prussianos 580:000 borne en Tnan.
O principe real da Saxonia orgaoiu
corpo de exercito de 100:000 *
E no Rbeno estio 200:000 Iwaawi <
reserva.
AUGUSTO VON COBEM. Cenen!, em-
mandante em chefe do 8 corno de nefato.
que pelejou em Sarrebruck, nascea em IW*
e foi tenente em 4835.
No anno seguinte pedia licenga e foi a
llespanha, em coja guerra civil servio ato-
rante quatro annos no exercito carilla,
tornando-se notavel pela soa inteitiftacil
consummado valor. as brotes do
denle chegou a ser tenente corood,
apenas 23 annos de idade. e recebeo
cruzes de disunego qoe aiola ostenta
orgolbo.
Em 4842 tornou a entrar, como
no exercito prussiano. e em 4849
parle-em varias accoes contra o exesoto
republicano de Badn.
Em 4850 foi nomoado major, e coronel
em 1858.
Pouco depois, em 4860 qoando sonto
da guerra de Marrocos, lembroo-se dan mas
antigs campanhis, dos seus eamarada e
llespanha, e nflammado pelo seo eavrilo
goerreiro pedio e obteve outra licenes, t
apresentou-se no quartel general de 0*Don-
nel para servir como voluntario 00 exerco
d'frica. Foi recebido com distioc^n e
cordialidade, e deram-lbe postos de honra
e de perigo nos combales. Mereceo por
distinecio a cruz de S. Fernando e a cona-
menda de Carlos III.
Voltaodo Prossia foi elevado general
em 1861; e em 1864 com'paodon a 86
brigada de infantaria dorante a guerra a
Dinamarca. Na campanha de 1866 servio
no exercito do sol sob as ordens do celebra
Vogel de Falkenstein, e eoeontroa-te na
accoes de Dermbacb, Kissniged. Lanfd,
Aschaffemborgo, Werbach. Tauberliseho
fsheim, e Gersheim.
DETORGA./
NOVA BE3TA DrCABGA.Agora one
ha grande procura de cavados para a guer-
ra, conviria aos cocheiros, aos lavradoran,
etc., procurar um animal qoe os sobstitnis-
se (aos cavallos. queremos dizer). O boi
maito lento, mesmo ao p do mais estro-
piado sendeiro. Por isso nao ser fra da
proposito mencionar a descoberta qoe o
Augusta Chronicle, jornal dos Estados-Ua-
dos, attribue a um lavrador da Carolina do
Sol, que este anno lavroo todo o sen cam-
po com om alligator. Diz aqoeile jornal
que esse saloriano domesticado trabalha es-
plndidamente sob os arreios com qoe po-
cha a charra, excedendo os machos e oa
cavallos, em forga e celeridade.
Aprsenla apenas om pequeo inconve-
niente, que vem a ser, apanhar is vena a
dente algum pretinbo de tenra idade, qne
para elle o maior acepipe.
ESPIO PRUSSIANO.Carlos llart, l-
enle do exercito prussiano, preso em Pa-
riz, como espiio e condemnado morte pe-
lo crime da espionagem, fo> fucilado s sei*
horas da manhia do dia 27, na escoli mi-
litar.
llart confessou que, sendo prusiano,
mandava ao seu governo noticias sobre o
estado dos espritus em Pars, e sobre os
preparativos de defesa as marges do
Loira.
Hart morreo com a maior coragem: que-
ra elle mesmo dar a voz de fogo, ticar de
p, e com as mios livres. Por instancias
do padre protestante qoe o acompaohara
consentiu em ajoelhar, que Iba amarras-
sem os bracos e vendassem os olbos.
A soa atlitude era resignada e enrgica,
e antes do momento fatal pronuncio 1 alga-
mas palavras em alnmio, que o Stele dix,
que sigmficavamPela patria !
Depois da descarga dos doze tiros, o
corpo ainda se mova, o sargento qoe se
aproximan, disparou Ihe om tiro no oovido
pera o acabar.
de fallar boje sozinho esse maroto, ac-
crescentou o marquez passado om ios-
tan te.
Isso o menos.
Dize-lhe que preciso fallar com elle
e que o espero s oito em ponto da noote
00 pavilbio, cuja chave me enlregoo.
Assim farei ; mas elle ir ? pergna-
tou Lzaro tmidamente.
E por que nio ha de ir ?
Suspeitando que o senhor marqoez
saiba alguma cousa, ha de trseos re-
mos.
E como pode snspeitar ? Nao me
disseste, grande imbcil, qae o mariola nio
reparou que o seguas ?
Oh I l por isso respondo eo.
Por consegrante, nao tem motiven
para deixar de comparecer ; agora a
obrigagio esta : A's sete e meia apparasna
tres cavallos, leva-os para o parque a es-
conde-os entre o mallo, ao p do pavi-
lbio.
Correte : en arranjarei as coasas de
modo que os palafreneros nio dam por
isso. Embebedo o Malhias e o Tome,
qoe sio os mogos da cocheira, e s seis da
noute, em vez de cuidarem nos cavallos,
estarlo j dormindo somno solt.
Nio m idea.
E depois, senbor marques.
Depois irs ter coraigo ao panoia,
onde eu j estarei, e onde le darei
ordens. Agora nio preciso de ti ;
deitar-te.
Lzaro acceitou logo a licenca qon
davam, e foi-se, resmungando por
dentes:
Deste-rae com 09 barqninhos o*
senhor aordomo ; Dos, porm, >
e, com todos os diabos, nio tarda qi
tire a desforra I
i

von
tan *_I


(Contmar-i+k*)
rp. DO DlAKiO-HUA 1)0 DUQU MU
tas


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E7Q71D851_BGT65Z INGEST_TIME 2013-09-14T02:40:00Z PACKAGE AA00011611_12226
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES