Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:12224


This item is only available as the following downloads:


Full Text
I i I
4NN0 XLVI. NUIBEB3 220.
M
>
?iA A CAPITAL E LUGARES OrTDE HAO SS PA >OBTE.
Por tres nrezes nant?do3................."-.
'Por seis ditos idem.............. *
im auno dem................*
Uada mumero avaiso........
QUJMTA. FEIBA 29 DE SETEMBRO DE 1870
6,5000
?24000
240000
aso
PABA DEITBO E FOBA DA PBOYWCIA.
Por tres mezes adiantados..............
Por seis ditos dem.............
Por nove ditos idem.............! 1 !
Por um anno idem ...... ,
6I7CO
43*500
20,1280
27,1000
Propriedade de Manoel Kgiieirla de Faria & Fhos.

A Al
Os Srs. Gerardo Antonio Alvo 4 Filos, no Para ; Go^lves 4 Pinto, no Maranhio ; oaqam Jos de Oiireira, no Cear ; Antonio <* Lemos Braga, no Aracaty ; Joao Mara Jalio Chaves, no Ass ; Antonio Marques da Silva, no Natal; Jos Jostine
Pereira d'AJmeida, em Mamanguape; Antonio Alexandrino de Lima, na Parahyba ; Antonio Jos Gomes, na Vi da Penba ; Belarmino dos Santos Bulco, em Santo Antao; Domingos Jos da Costa Braga, '
; m Nareth ; Francisco Tavares da Costa, em Alagoas ; Dr. Jos Martins Alves, naj Baha; e Jos Ribeiro Gasparioho no Rio de Janeiro.
EXTERIOR.
OMO--AVHBS, 9 Dg SSTCMSDO DE 1870.
Aproveito a Mhida do Dunali para dar-lhe uma
rpida re.-enha da n lucias, que pode considerar
como suramario do mirtha carta que ir pelo pa-
quete ing lez.
A qae.-;o do Entre-Ro?, anda que nada se
lenha feito em opcracoes de guerra, aprsenla-se
hoje cora .proporgoes que provocan) nos espiritos
dos Argentinos, trio inclinados a saltar do uto ex-
tremo. entro, receios lo exagerados, qu!io imper-
doavel era a especie de indifferenca com que al
a potreo .? traba ornado esta luis, e sobretudo
suas consecuencia* possiveis.
Depois de terse limitado a mandar um certo
numero de tropas ao iheairo da guerra, operar
mudanzas no pssoal dos chafes, e entreter o pu-
blico com as proraetsas vagas de unja prxima
extioCeao do inimigo; depois de ter tangado cons-
tantemente a culpa da inaego do3 exercitos na-
cirnaes i falta de cavallo* e autros meios de mobi-
lidade; dep'>i> de nao ter feito absolutamente nada
para impedir a juncgo de Medina e Bastarrieo
com as forras de Apparicin, nao comprehendendo
oalcinee que devia ter esta operacao, em que ao-
paretemente Lpez Jordn se sangrava, para ob-
ier mais tarde torgas mais vitaes, abri o governo
de rpeme- os olnos, e llcou deslumhrado pelus
quadros que se aprsenla m visla, o a rpida
trauici exagera naturalmente as cures d'estes
quadras.
Foi preciso que Apparicio batease s portas de
Msatevido, para que finalmente eomprehendes-
sera ests homens que detraz do caudilho blanco
.imeae,iva algn cousa fatal Repblica Argen-
t.ia ; que a revclnca no Estado Oriental eslava
mtinramente ligada com o assassinato de Urqniza,
com a reliabilitacao de Lupez Jordn, com lodo o
partido reaccionario d'este lada do Prata.
E este phatitasraa, qno antes nao quizeram vr,
tju'OQ, em sua repentina apparir.no, tal espanto,
que o poder executivo lancou mao" da medida ex
iraordinaria de declarar em estado de sitio as duas
provincias de santa F e Corrientes.
Reservo a dis'cussn na cmara a este respeito
para tninha prxima carta ; mas desde ja posso
proraetter-lhe cnu=as curiosas, discursos interes-
antes., e declaracoes ouleiaes quasi incomprehen-
HVOif.
Ordenou-se igualmente a formac.o de um exer-
cito de reserva do cinco mil homens, moblisando
a guarda nacional das provincias.
Nesta discusso houve tambem seus incidentes
acalorados, e a conta dada pela Nncao, motivou a
seguale rectificacao do novo ministra dos estran-
Sfiros :
Nao sendo exacta a apreciacao da Nafo de
hoatem sobre-os contingentes qne devem formar
yexttvfte de reserva, ri cacao.
< O Sr. Ravvson perguntou se o pensamenlo do
/iverno era mobilissr a guarda nacional de todas
as provincias, on simplesmente d'aquellas que es-
lavam mais periodo theairo da guerra. A respos-
ta foi que, sem excluir as deraais, se mobilisaria
principalmente a de Cordova e a de Santiago del
Estero, tanto pela razo da proximidade, como
porque a provincia de Santiago se achava em
condic^es militares mais favoravsis.
- DUciissio mais tranquilla seguio-se sobre
isto. chegando o Sr. Rawson al a formular, diri-
gido sempre pelo principio da proximidade, urna
trdem de contingentes da guarda naciinal que se
dt-via motoilisar, principiando por Cordova e San-
tiago. Ohjpctei a esta pretencao que isto era da
idministracao militar mais queda lei ; invoquei o
principia de igualdad*, que fazia commum a todas
u provincias os sicrificios, e o Sr. Rawson decla-
rou que nao insista.
< Depois, iosinuaodo-se durante a discus-ao.
Santiago nao tinha concorrido conveniente-
mente para a guerra do Paraguay, Uve tambera
occasiao de levar ao conheiimento da cmara que
> poderexecutiv) teria como motivo para raobili-
sar principalmenie a guarda nacional d'aquella
provincia, grandes offerecimentos feitos a este res
pelo seu governo, o que levantara a especie
d'' censura que acabou de ouvir-se. N^o houve,
declaracao do ministerio contra a igualdade
los scrificiosde sangue, neui mlle nem nos depu-
tado proposito manifestado, de castigar factos pas-
sados.
Como a Xctfo todos ciemos qne nao assim
que se obtem soldados nem se crea enihusiasmo,
pairulisrao e abnegarlo exactamente naquelles
ajo patriotismo se reinjer.Carlos Tejedor.
A man;ira calma tom qne S. F.xc. desoeu
publicidade para explicar o acto do governo, pro-
?luzo rauito bom effeito, e promette excluir para
i futuro tudas essas discussoes amarga as mais
las vezes provocadas por urna linunagom de-abri-
is i' pouco hbil da parte dos defensores da ad-
rKiuislraco.
Subi cmara um requerimento de Carlos
Paz, aecusando o ministro da guerra de urna pri-
-.^o arbitraria decretada contra Exequil Paz, re-
dactor da Reforma d Rosario, sob o pretexto de
ter publicado um telegramma desfavoravel s troa
pus do governo. Ainda o assumpto est era mao
da corapcttnte commissao ; comiudo opiniao ge-
ral, que e#te ukaie, lancads pelo Sr. Gmez, entre
i- ua oceupaefies coreograuhicas no Paran, mis
numerosos bailes que I to do, implica a demisso
le s. Exc e j se apona l. Mitre como seu auc-
it. Tambera sobre este ponto voltarei.
Na paquete do dia 14 segu para essa corte
Jorge Mitre, fliho do general Ririholonwu
Mitre, como addido a legarlo argentina. Apezar
i > -oos poucos anuos, j lera um passado litte*
raria.
A qaestao franco-prassiana produzio aqui
nm incide.nte nos diarios, provocado por um arti-
go des Heitor Vrela, em que na parle editorial da
Tribuna declarava suas sympathias pela Franca e
seus ardeotes desejos que as armas fran*zas
triuraplmsera, porque tudo, at a roupa que os
Argentinos vestiam, llies vera da Franca.
Allemes, que, como qualquer outra nacio-
nadade, conliibuem cora seu contingente de tra-
ballio e fortuna, para o engrandecimento d'esta
Repblica, e teera o mesrao direito de ser respei-
tados e tratados com amisade por um orgao do
puz, olenderam-se com esta declamc) inoppor-
tuoa d orador de Genebra, e responaeram ao seu
artigo com urna aposlrophe sarcastica em que fa-
ziam ver que Heitor Vrela ty mpatbisava com a
Franca que so conhecia pelo seu aifaiate e cabel-
leireiro.
Heitor Varella, que apezar do seu talento natu-
ral nunca sabe deler se no declivio perigoso a que
a sua vaidade sera limites to fcilmente o conduz,
qae discutissem com elle n'uma conferencia pu-
blica, prometiendo provar a superioridade da.
Franja obre a Prusia, na lilteratura, as scien-
a, emm em ludo.
>> Sr. Francisco Rave, alleraa de nascimento,
naturallgado argentino, apanhou a luva, e dispon-
do de nraos conbecimentos histricos, teria talvez
'lado boa licao a Heitor Vrela, se este nao
i do lance, declarando a ultima
hora qne nio tinha receido a carta do Sr. Rave
quando esla j tinha sido commenUda pbr varios
jornaei.
Agora, qne j chegaram as ultimas noticia*, a
conferencia nao ter maw lugar, porque
Rave, antes de saber detU. dilse n'uma segunda
i publicada na Sep, adverta o Sr.
Vrela tque nao aoeitaria debate depois de recebi-
da a noticia de urna batalha, qdalquer que fosse a
nacao vencedora, porqu6( nao poderia discutir
framente os infortunio de um grande novo.
A Patti j d*u craco concert*. Nao preciso
repetir aos fluminenses o que esta artista. Creio
que s a teremo aqu al raeiado desle mez.
No Rosario teve lugar ama execucao capital.
O sentenciado era um mogo de i anuos ; dizem
que raorreu com calma e resignacao. Aqui an

dam juntando Urinas para obter a grar,a do sen-
tenciado raorte. Echevaviz, que matou ha seis
mezss sua ranlher, degollando a na ra de dia.
Apezar de que diariamente se multipliquen! os as-
sassinatos mais escandalosos, ha toda a probabili-J
dade que Echevaviz seja perdoado, porque o espi-
rito publico muito opposto pena de morte, ain-
da que a abolilo tenha sido addiada as cmaras.
Termino por hoje com o segninte drama
que teve lugar na noite do dia S do corrente. a
urna hora da madrugada n'uma casa da ra Po-
tos.
Nesta casa viva um individuo chamado Adria-
no, em companhia de uina mulher cem quem
havia tempos entretinha relar5es illicitas. Esia
mulher era moca e bonita ; mas.-. sua fldehdade
nao eslava em rclacao ?om seus outros dotes.
O seu amante, na noite precitada, demorou-se
na ra mais que da ordinario, e que talvez fizes-
se pensar a sua coropanheira que nao viria. A'
hora indicada Adriano abre a porte, entra no
sen quarto e ouve urna conversacao pouco calcu-
lada para seus ouvidos, ainda que nao peccassem
por castos. Beta colloquio amoroso tinh lagar en-
tre sua querida e um co hecid > chamado Cayeta-
no Resulto.
Para vingar e melhor, Adriano manteve-se cal-
mo ; arraando-se do ura punhal, relira-se ao n-
gulo mais escuro do quarto, esperandj o momen-
to propicio para descarregar o seu golpe. Este
momento nao se fez esperar, por qu? os novos
amantes, j -lijando-se seguros, nao tardaram a pro-
var a Adriano a lealidade de sua posico de sa-
crificado.
Agarrando emo Resulto por ura braco, o ferio
no Descoco. A mulher foge para a rna, laucando
gritos horriveis ; mas Acriano, entretanto, prose-
gue em sua vinganc*. ferlndo Resulto sete vezes, e
s abandona sua victima qaando exhausta a seas
ps. Tratando entao de fuglr, foi agarrado pelos
serenos e conduzidj polica. A mulher desap-
pa'receu.
13
Na rainha carta do 9 do corrente, qu seguio
pelo Doaati Ihe dei ura resumo das noticias j.jliti-
cas, que hojo tenho que ampliar.
A lata em Eatre Ros, dema-iado prolongada,
oo, ante durante tanto lempo paralysada, den nao,
somente a Lpez Jordn ojcasio de laucar ban-
da oriental a columna de Medina e Bastarrica, co-
mo ainda de pr-se era communcacao cora o par-1
tido da reaccao as proviocias limitrophes de En-
tre Rios, e isto a ponto tal, que dispertou ao go-
verno nacional as mais serias apprehensSes. Com-
prehenderara emflm, que o nico pergo nao esta,
va no ihealro da guerra, e que era preciso tomar
medidas enrgicas, para conjura-lo em qualquer
ponto que se apresentasse.
Ha, porm, urna singular marcha na poltica
desta trra. Era lugar de fallar s cmaras urna
linguagem franca, em lugar de confessar erros e
debilidades, que nao sao segredo para ninguem, o
governo, convencido de que devia quanto ante.
declarar o estado de sitio as provincias de Cor-
rientes e Santa F6, pon'.09 em que mais immedia-
mente os planos da reaccao podiam realisar-se, to-
mou para pretexto daquella medida os bandos de
desertores que desde a formacao do exercito do
general Gelly infestan) a* fronteiras, provocando
assim os debates da sesslo d > dia o, que entre to-
dos se podem contar como curiosos.
Dous projectos estavam em discussao : a aecla-
raco do estado de sitio em Corrientes e Sania F,
e a formarlo de um exercito de reserva de 5,000
homens, ja seja por meio da alisiamenlo, j pela
mobilisaco da guarda nacional.
Em quanto ao priraeiro, o relator da commissao
explicou a urgencia da dec'aracao do estado de si-
tio, pela stuaco anormal da repblica, em con-
sequencia da rcbellio de Entre Rios ; pelo perigo
que a cotnmocao profunda passe os limites da dita
provincia ; pelo facto que suas consequencias j
se faziam sentir ei Corrientes e Santa F, onde
bandos armados de desertores percorriam o terri-
torio, dando assim maior incremento rebellio e
demorando a sua repressao. Disse que esta si-
tuacao precaria se conhece pela exposico dos, go-
vernadores daquella provincias, e que e3tas mes-
mas autoridades tinham pedido que se remediar-
se ao mal.
Fundada em to las estas razOes, a commissao
opina pela declaracao de sitio.
No mesnio sentido fallou o Sr. minstro do inte-
rior.
O deputado por Corriente?, Sr. Justo, princi-
piou declarando que votara pelo projecto, em pre-
senta dos males innegavis ; mas depois entrou a
fazer as mais severas accusacSes ao poder execu-
tivo, sobre quem bncou a culpa e respousabilida-
de dos successos na provincia de Corrientes. Se
exiitem alli desertores que araeagam a tranqulli-
dade publica, nao que os filhos de Corrientes te-
nhara abandonado suas lileiras como traidores por
nao qaererera combater contra as hordas de Lo -
pez Jordn ; nicamente porque o governo na-
cional nao pagoo, era vestio, nem alimentoues-
ses soldados que tinham abandonado seu lar com
as melhores inlencSes; essa incuria do governo
nacional o nico motivo por que o exercito dos
correntino? kou reduzdo quasi a nada, em lu-
gar de 5,000 homens com que podiam ter con-
tado.
Esta philipiea do deputado por Corrrientes, fez
sahir o Sr. ministro do interior doi limites da con-
veniencia, e, digamos francamente, da justica e do
bora senso.
Responden que a desercao se tinha declarado
desde o principio das renniSes a que o activo ge-
neral Gelly tinha procedido ; que o governo na-
cional tinha feito o possivel para que as necessida-
des do exercito fossem bem attendidas, pondo as
raaos dos generaes os meios necessarios ; que, por
consequenca, se os soldados estiveram e eslo
mal pago nicamente a culpa dos generaes, que
foram os agentes do poder executivo.
Francamente difflcil compreheoder esta lgi-
ca, que langa a colpa aos generaes agentes do go-
verno, confessando assim a incuria e injustica des-
le mesmo governo, que deixa na administrarlo
commissionados tao pouco conscienciosos ou ma-
nifestamente prevaricadores. Em todo o caso a
pecha de incapacidade recabe sobre o governo
mesmo, e teria sido muito mais generoso cantar a
palinodia, do que unerer lavar-se com a vergonha
de quem nao a pode merecer, pelo menos se teria
evitado a seguinte rectificacao publicada pele ge-
neral Coneja em todos o* jornaes :
Na stsso do dia 5, na cmara dos depulados,
o Sr. Justo, apreciando a prolongacao da guerra
de Entre Rios, disse que toda a responsabilida de
via recahir sobre o governo, que nao 90ube diri-
g-la.
O Sr. ministro do inleaior que assistia, des-
viou a aecusacao ou julgou desvia-la, dizendo que
se o inimigo se tinba apruveitado de alguns ele-
mentos, como de cavallos, por exeraplo, era devi-
do m disposicao de ora general que se tinha ne-
gado expropria-los, em Ouanto nao Ihe dessera
recursos.
Sera entrar em commantarios, e sendo em um
dos generaes que opera van em Eoire-Rios quan-
do se decreten a expropriacao de cavallos, devo
fazer publico, salvando assim a respo'nsabilidade
que arrojam a* palavras do Sr. ministro, qae por
minha parte dei exacto cumprimento a esta dispo-
sicao tanto quanto as circunstancias o permit-
tiam. >
J se v, Coneza n3o o culpado, Emilio Mitre
au o pode sr to pouco, porqn?, apezar de ter
pedido a sua demisso, o governo o mantm no
sea posta de inspector ge/al das armas, e os trai-
doras e prevaricaJores nao se p >Jem recompensar
om posto de honra e confianca. Ficam G'lly e
Rivas, como bodes expiadores do Sr. ministro do
interior. E como acontece entao, que estes conti-
nuara ainda commandando exercitos!
A cmara, comtudo, sem fazer estes cominela-
ros, attendeodo situaco precaria, votou o pro-
jecto. assim como o segn lo pan a creacao do
exercito de reserva; e em lempo abriram os'olhos,
porque o ministro chegon a dizor qu o perigo
era tanto, que com urna batalh; panuda, o gover-
no estaria perdido. Parece que S. Exc. nio tinha
lido a censara de Napoleao I sonre um verso de
Legruv :O rei lera medo.Os reis e os gover-
nos podem ter medo, mas nao. devem confessa-lo.
Mas, uando o perigo raaior, a salvarlo anda
perto. Esta crenga dos felizes raoriaes, que tem
fe na intervengao individual da Providencia, leve
nma applicaeao directa para esto governo.
De um lado os generaes colorados da banda ori-
ental batiam em regra o* bandos blancos : do nu-
tro lado as forga nacionaes obtem, no curto espi-
go de das, duas victorias sonre a gente de Lpez
Jordn, que material e moralmente poc o poder do
rebelde a dons d-dos de um abysftio.
Talvez electrisados pelas noticias da Eunpa, e
pelas esplendidas combinagde* de Moltke, Gelly e
Rivas, qaando nao o ministro d guerra, combina-
ram marchas convergentes sobre o inimigo, e como
era cou-a comesinha, que pelas regras ordinarias
da estrategia, nada se pudesse ce.iseguir contra
um inimigo perfeitamenie organisado para fater a
guerra de guerrilhas, o general Rivas, oa S. Exc.
o Sr. Garnga resolvern fizer-lhe urna sorpreu
da mesma natureza.
Desprendeu se urna columna ligeira comlgnraa
artilharia, que eraprehendeu uma marcha nociar-
aa, rpida, e por isto mesmo inesperada (para al-
guna cou>a servein vezes a< picada), por meio
de banhados e difficuldades de terreno de toda a
Wla, e cahio sobre a vanguarda do inimigo, forte
de 1,600 homens, que licou completamente desfei-
ta, como se ver pela parte que mais abaixo trans-
orara.
E' o primelro passo serio qne nesta guerra se
lera dado, o que claramente se v pela alegra
com que aqui foi saudade pelo jornaes amigos do
governo, a ponto que o Nacional prorotnpe uas
seguintes palavras:
Agora j nao se dir que as guerrilhas sao
invenciveis. J nao se assegurari que a gaerra
mterminavel. Acosse-se Lpez Jordn, persigam-
se suas Columnas soltas, procare-se o inimigo,
obrigando-'-e a dar batalha, a o triumpho das ar-
mas nacionaes nao se far esperar.
Creio que, se durante os cinco mezas que ja
dura esta guerra, se livessem seguido estes con>e-
lho., qae nao tem nada de extraordinario, se te-
ria evitado malta dr de cabeca ao giverco, e
poupido grandes gastos ao erario.
Eis aqui agora a turrar) olUcial do encontr :
Exercito da vanguarda. Arroyo Tala, 7 de
seterabro de 1870.Ao Sr. coramandante em che-
fe do exercito do Uraguav, general D. Ignacio
Rivas.
Em virtude das nrdens de V. S. para deseo-
brir o inimigo e se fo^se possivel, hostilisa-lo, em-
prehendi a minha marcha esta madrugada .desde
o povo do Tala. A uma legua e- um quarto ao
oeste daquella ponto tive noticias que se achava
acampado; e era cousequencia desprend as mi-
abas avanzadas, seguindo ou cora o resto da torga
immedatamenie, dtsposta em escalfles a grande
galope sobre o inimigo, ao qual uma vez desco-
berto, levei o ataque confianda o mando da direita
ao vleme coronel A-cona, o centro ao mando do
commandante Gomes, e a esquardi s ordeus do
mea segundo lente coronel D. Justo P. Barcos,
todos elles debaixo de miaas imnediatas ordens.
Disposto asim, e senlo rpida nossa carga, pro-
duzio a sorpreza ao inimigo que se pz em com-
pleta dispersan, havendo-o perseguido desde a
margem do Tila at do Aleta.
Durante a perseguigio litemos-lhe 60 morios
e varios feridos, constando dentre os morios am
Quicial, varios prisioneiros entre elles o chefe da
torga inimiga coronel D. Joao Luiz Gonzlez, ca-
pitao D. Carlos Auderson, compoadose a torga
inimiga de 1,501 homens, a nossa de 1.200.-
Reraeito a disposigo de V. S. os prisioneiros
desta jornada.
Ao terminar tenbo a honra de recommeudar
a V. S. os Srs. Chetos, offleiaes e,tropa, s minha*
ordens que tomaram parte na jornada deste dia.
Deus guarde a V. S.W. Tahorda. >
Agora, a ssgunda notoria sobre gsnte de Lpez
Jordn, tem muitn mais alcance, ainda que o re-
sujlado material tosse de menos vulto.
Lpez Jordn que se sahio tao nem com o pri-
meiro destacamento da columna as ordens de Me-
dina e Bastarrica para a banda oriental, e contan-
do com elementos de aliaidade na provincia de
Santa F, desprendeu o famos > Luengo, coopa-
nheiro no assassinato de Urquiza, coro alnuma
genie para passar referida provincia a lotnentar
alli a rebellio.
O governo nacional que em geral nao brilha por
saber o que se passa entre os inimigo,, desta vez
leve conheciraente do movimento e ponise aler-
ta, pie impedir a invasao e bter Luengo, como
se vrtr pela seguinte relacao reeebida hoje ulti-
ma hora :
Chcaras de S. Lourengo, setembro 12 de
1870.Remeti cinco offleiaes. inclusive ura capi-
llo ferido e 65 pragas prisioneiros feitos ni encon-
tr de hontera, successo de armas que leve lagar
no ponto denominado Chcaras de S. Lourengo.
Em poucas palavras me permitiere! fazer a re-
lago das operagSes que deram to feliz resultado.
A torga mencionada desembarcou hontera por
ama da noule, era S. Loureago, pela baixada do
no Paran chimada de los Padres, sorprendendo
guarda e guarnicao deste ponto.
t Ao ouvir os tiros no acamparaeoto oceupado
pelas f irrs s rainhas ordens, que estva situado
a do:e quadras de distancia, raandei formar a tro-
pa e raarebei sobre o povo aonde enCootrando-se
j o inimigo, se travou ura vivo togo, obrigaodo-o
a retrocedern eenlro da povoago,e pela madru-
gada se refugiou em urna quinta, especie de ma-
to, cercado de saogaas, onde o sitiei com o propo-
sito de dar-lhe nm ataque. Veste estado e pre-
vemlo que o ataque produziria muito derrama-
ment de sangue, porque a posirao do inimigo,
ainda que fosse acce>sivel, Ihe offere:ia possiibilt-
dade de resistencia vantajosa, proferi usar, de um
estratagema a lim de engalo, o que consegai,
simulando ama retirada falsa, qae o inimigo apro-
veitou para effectuar a sua saliida que teve lugar
ao meio da.
Quando j se achava tora do recinto entrin-
cheirado, dispuz a perseguirn baleado o inimigo
em retirada at este ponto ; e resolvido a nao pro-
longar por mais lempo as consideragoes que por
ecoooraia do sangue me tinham comido, dispuz que
o inimigo tosse atacado seriamente, comprometten-
do-o n'um combate, que teve lugar dando em re-
saltado o completo triumpho de nossas armas, nao
tendo que lamentar por nossa parte s>no 5 feri-
dos levemente.
t Tomoa-se ao inimigo 1 bandein, 1 tambor, 90
espingsrda
ao campo >
-im como i
Pascual
Luengo i
algamas laneas, tendo e'le-arrojado
las armas, que mandei recolber, as-
eaixo cora municoes. Felicito, etc.
las.
, estava n> campo do combale com
um resto dsna tropa ; os seguintes tolegrammas
dando coniajfdo meios de perseguigao ainda nao
deram noti^% a0 sua captura.
S. Lnofftng-), 12 de selambro.O Cpitao do
porto do Rt?rni ao Sr. ministro d.a guerra.
E-,ta n de reconhecemos o acampamento de
Luengo qm sa interoon a noite passada as ilhas
com toda i sUa gente. E' possivel qoe saia a
esta costa pbr invernadas e alli vamos fundear esta
noite e reaanhecer o riacho na falda Estn era
trjeu poder as embarcagoes que servirn) para pas-
sar Pacheco e sua gante, assim como qaatro es-
pingardas a os patroes que foram obrigados pela
torga.
a San-a fe, n de satembnxA> Sr. ministro
da guerra.-Laengo com 200 homens permanece
anda na iUn. Hoje deve ter passado o ehefa Ro-
sas com 5*09 homens procurando cortar-lhe a re-
tirada sa est nade nos diie.n. 0 xito da expe
dico contra e completo.
Rosario l.'l de setembro.Ao Sr. ministro da
guerra.O numero de torgas que cabrera o rio
Paran ne*te departamento nio hiixv de 600 ho-
mens. Ni) se ja. por escapado Luengo. Esta noi-
te sa invadan) as ilhas com o ftm de tomar-lhe a
retirada qua ser em frente di Victoria.
'Como se vd, so abrigara esperangas de agarrar
esta sequudjj Lipez Jordn, desmirado aasim os
seas planos de commover a provincia de Sania F
a.uma revoluca, planos que so depranendem da
seguinte caria do rebelde que foi interceptada :
Defendaiiiiis a soberana da provincia.Quar-
tel-general em marcha, 1 de setembro de 1870.
Ao coronel D. Joao Luiz Gonzlez.Querido
amigo.Acab.) de receber sua participago de
hontera e approvo a oprago que me indica, ten-
dj se npre cuidado de d> r-rae parta de ludo quan-
to occorrere de commuoicar-se cora o coronel Se-
gr para ter frequentes noticias d:ste.3eu amigo
Ricardo L. Jordn.
Nao estranho que P Ionio es teja no mato, por
que na minha opinio nunca sabio a supponh qae
rae tenham interceptado algum commissiouado de
Segai; por isto preciso quando menos espanta,
fortemente aos mmtoneiros e saber cora exactidao
onde sa acha o inimigo da Concordia. Ue nm ma-
nual i a oulro Uie commanicivei una gran le noti-
cia de Santa Fe'.Vale.
Esla grande noticia era provavelmente a suble-
varn qne Luengo devia promover ; agora os dons
prisioneiros Gonzlez e Pachaco podero contar
os planos do seu chefe e chorar o sea mallograda
lim.
Queira Deas que ; acontecimentos se precipi-
lem agora realmente, dando cabo de Lpez Jordn
e restitoindo repblica a tranquillidade de que
tanto necesita, e de que igualmente se aproveitara
a repblica vnha, anda que n\o se realise a al-
basca tao re.Mramendada pelo genoral B. Mitre no
seu jornal a mi;
Nao somonte exhorta o governo nacional a dar
o seu apoio moral ao governo de Montevideo, como
tambera o material, j era tropas, ja na persegui-
gio dos iuimigos communs das duas raargens do
Prala.
O Nacional aconselha o governo de limitar se
aos bois desejos pelo bora xito do partido collo-
rad).
A Repblica, condemnando inteiramante a di*
cutida allianga, aggrega que, ajudando o partido
collorado sena provocar a guerra cora o nosso im-
perio, sem com tudo definir a sua idea.
Depois que o Sr. Epaminondas Abate se sa-
hio com sua proposta de petrificar carne, pela in-
significante recompensa de 280 milhSes, lucro a
que subiran) os direitos sobre exportago nos 25
anuos do privilegio, chovera offerecimentos de to-
dos os lados par fazer a mesma conservag de
carnes, e sobretudo mais barato, visto que n'uma
proposla s pedm cem rail pesos, na outra ojen-
la mil. Agora (ae'a cousa se figura to fcil e
abudante, creio que a cmara se far descrida, e
que anda. de r o da sorte da mulher de Loth.
A discussi.i nos jornaes do contrato para o
estabelecimeoto do banco nacional, j produzio al-
guias raelhoras as condigdej primitivamente to
desfavoraveis pira o governo. Esta mudanca pro
vu que S. Exc. o Sr. ministro do interior, apezar
de suas qualidades de jurisconsulto e re d chi-
cana, pouco feliz em resguardar os interesses do
estado em contratos pblicos; em que fcilmente
todo o proveito se escorre pelo lad) dos particu-
lares.
A assembla provincial decretou uma lei que
autorisa urna companhia particular a estabelecer
ura ramal de carainho de ferro desde o porto de
Campana at a estarao de Moreno da via do oeste.
Esla lei j toi sanccionada e prcrapto vo princi-
piar us trabalhos desta obra, que deve dar imraen-
sas vantagens ao coramercio que se fazia por na-
vios de cabotagem, por que, uma vez concluido o
ramal, lira sappriraido o trafico pelos rios interio-
res que exclua tolas as embarcajoes de maior ca-
lado, Todos os vapores que antes ntilisavsra as
aguas do Tigre, busearo entao o porto de Zazate
oa Campana, donde os passageiros e as mercadu-
ras ahangaro em poucas horas a capital.
= Hoje chegou de Moatevido o Sr. Ellauri, en-
viado extraordinario do governo oriental, para en-
tender-se com o gavera > d Sr. Sarmiento sobre as
medidas qne de commum accordo podem tomar1 os
dous governos para opprimir a rebellio. Dizem
qae o Sr. Adolpho Rodrigues segu para essa cor-
le de Montevideo, igualmente com uma misso di-
plomtica.
No sul da provincia de Buenos-Ayre3 os in-
dios ladrSes tinham feito uma nova invasao rou-
bando 2,000 rezes de uma estancia. O comman-
dante do forte mais prximo perseguio os indio?, e
toi bastante feliz para arrebatar-lhes o seu roubo
e matar-lhessete homens e fazer um prisioneiro,
licanda em sea poder 60 cavallos o 12 langas. O
resto dos indios se escapou atirando-Se a nado ao
arroio. era cu;3 margem teve lagar o encontr.
__Por doenra do Sr. Dr. Gorostiaga, ministro da
fazenda, a sua pasta passoa interinamente s mo
do Sr. Dr. Ave lano, ministro do culto. O Sr. mi-
nistro da gaerra ainda permanece no Paran, on-
de, segundo a opinio de algn*, ficar at que o
co'ngresso esleja cerrado.
, Fundos fublicos 61 1/2,
Mandando construir ara porto "de abrigo no lu-
gar denominado Torres no litoral da provin-
cia do Rio-Grande do Snl.
Creando mais qaatro oficios de tabellies de co-
tas na cipial do Imperio.
Conceijlendo companhia da estrada de torro
de Patronolis ama garanta de jnro at 5 0io sobre
o capital] de 1.200:000*.
Outorgndo ao visconde de Barbacena, ou a
companhia por elle organisada a garanta de juro
(de 5 0|0|ate quatro annos sobre o capital e cunto
e oitentaj mil para ser empreado na controego
da estrada da torro entra a* minas de carv de
padra do Tubaro a um porto do rio do mesmo
nomo na provincia de Santa Catharina.
Approvaodo o decreto que cnbaedaa privilegio
por 13 aunos aos engeoheiros Panlo Jos de Oli-
veira e ioaquim Pires Carneiro Monteiro, para
introducg&o e uso as provincias de Pernambnco,
Pirihyba Rio-Grande d> Norte e Cear das ma-
chinas de vapor e vehculos de transporte de in-
vengo do engenhero B. W. Thomson.
Admiitindo a defender theses em qualquer das
facnldade de direito do Imperio ao code Anlo-
resto de bandidos ser tambem nio Ladislao de Magno Bozwadowski.
Approvuu depois as emendas do senado s se-
guinte* proposicoes desta cmara :
Fazendo extensivos obra Atlas do Imperio do
Brasil, publcala pelo Dr. Candido Menles de Al-
meida, os favores consignados no an. 267 do de-
creto n. 1,368 de 2i da fevereiro de 1835.
Autorisjindo o governo para mandar admttir a
exarae as facaldadas de raed cia e de direito
os estudafltes Cypriano de Soaza Preitas e oatros.
Estibe!
D. Leopo
icen lo para 3. A. Imperial e S. A. a Sra.
dina e seus augustos esposos um patri-
monio em ierras.
Occupoi-se em ultimo lugar com'a 3' discas-
so do pr ijacto sobre a reforma judicaria. Ora-
raram osjSrs.'miaistro da jastiga e Ferreira Van-
na, licandf a discasso adiada pela hora.
Por dec|reto de 2i da agosto ultimo :
Foram fecondutidos no logar de juiz municipal
e de orplios ;
O bacharal Trajano Viriato de Madeiros, dos ter-
mos reunidos de Sobral e Santa Quitara, na pro-
vincia do {Cear.
0 bacharel Benedicto de Barros Vaseoncello?,
do de Viatina, provincia do Maranho.
Concedeu-se :
Ao brigadeiro honoraria do exercito Baro de
Pena I va, a demisso que pedio de commandante
do 2 oaialho de infamara da guarda nacional
da provincia do Maranho.
8
O dia de maior gloria para a nagao brasiteira,
o aniversario da proclamagio da sua indepen-
dencia, foi hontera festejado pela popularan da
corte com extraordinarias demonstrares de reg-
zijo.
Grande massa de povo se achava reunida na pra-
ca da Constituirlo ao redor da estatua do funda-
dor do Imperio, onde ao alvorecer uma sociedade
patritica constituida sob a denominar) de Com-
numoratica da independencia para festejar to
grande dia, fez cantar o hyrano nacional, cora
aeonpanliameuto de'duas bandas de msica. Ao
mesmo lempo innmeros fogueies atrorara os ares,
e um parque de artilharia postado no morro de
Santo Antonio salvou acompanhando as salvas dae
tortalaias pao s juella hora mas tambem a 1 e
s 6 da tarde. De meia noute a meia noute sa-
o juiz de direito Luiz de Albuquerqae Martins Pe-
reira da comarca da Boa-vista, na provincia de
Pernambuco, para a da Granja, na do Cear. ara-
bas de Ia nnirancia, por assim o baver pedido.
Por decreto de 31 do mesmo mez :
Foi nomeado o bacharal ilongalo Vieira Telles
de Moneaos juiz municipal e de orphos do ter-
mo do Rosario do Cllete, na provincia de Ser-
gipe.
Foi concedida ao bacharel Jos Martins Fontes a
demisso que pedio do referido lagar.
Foi removido, a sea pedido, o jaiz municipal e
de orphos bacharel Samuel Manrique Hardmam
dos termos reunidos da Maioridade, Porlo-Alegre
e Pao dos Ferros, na provincia do Rio Grande do
Norte, para o da Independencia na da Parahyba.
Por decreto de 6 do correte, torara concedidas
as honras dos po3tos militares do exercito ao* in-
dividuos ibaixo raeniionados, era altenco aos re-
lavantes servigos prestados na guerra oouira o
Paraguay : i
Be capilo, ao ex-capito do 53 corpo de volun-
tarios da patria Joao Antonio da Silva Pe-soa
De tente, ao ex-tenente de voluntarios da pa-
tria, addido ao 3 bala I nao de infamara, Antonio
Mariano Teixeira Brasil.
De altores, ao* ex altores do 45 corpo de vo-
luntarios da patria Augusto Guilherm Weyll,
do 50 coapo dito Jos Maria Anselmo Tavares, e
ao altores do 44 corpo dito Francisco Ribeiro Du-
des.
De cirurgio-mr de brigada, ao cirurgio-mr
de brigada contratado Dr. Domingos Jos Freir
Jnior.
kPor decreto da mesma data e imperial resolu-
gao de 24 de agosto ultimo, tomada sobre consul-
ta do conseibo supremo militar, toi concedida ao
2o ciruagio do corpo de sade do exercito Dr.
Paulino Pires da Costa Chastinet a demisso que
pedio do servir do mesrao exercito.
Por decreto de 3 do correte, foi reformado o
c.ipu) de fragata Nuoo Alves Pereira de Mello
Cantoso no posto e com o sold de capilo da
mar e guerra, por contar mais de 35 annos de
servigo.
Pelo vapor inglez Tyclio Brah, temos tolhas. des-
ta procedencia at 3 do corrente. Nada adan-
tara relativamente guerra, nem em Entre Rios.
onde se & ntinuava a esperar uma batalha, que
seria o eeterminio das desmoralisadas hordas do-
Lopez Jordn, nem no Estado Oriental, onde igual-
mente se continuava a esperar nma battlba, em
que o general Gayo Suarez havia de dar o golpe
mortal rebellio capitaneada por Medina o Apa-
ricio, por quanto o norae deste segundo caudilho,
dado por mono, torna a apparecer em algumas
noticias sera mais explicagoes sobre a sua ressur-
reige.
O general Caraballo ficava ainda em Paysandu,
a espera de mais uma cousa depois de ter espe-
rado por tantas.
As torgas rebeldes que haviam ameagado Co-
lonia dirigiram-se agora para o interior da rep-
blica, em quanto o governo de Montevideo Iraiava
de organisar mais tropas.
INTERIOR.
RIO OK IA EIR1
7 de setembro.
A camarade* deputadjs approvou hontera os
seguiutes prqjeclos :
Elevando i 4:500 os vencmieotos do secretario
do supremo ribunal de jusliga.
Igualanpo o* vencimeatos dos secretarios das
relagoes da Baha, Pernambuco e Maranho aos
dos offleiaes naiores dos tribunaes do commercio
das mesm.s iroviunas.,
Aulorisodi o governo a mandar admttir a exa-
mes vago* dki materias exigidas para o curso de
pharmaeia, djpoia de prestados oa necessarios exa-
mes preparadnos para o fim de oblar o titulo res-
pectivo, o ajudante pharmaceutico da imperial fa-
brica da plvora da Estrella Agostinho Dias. dos
Santo3 Collatts.
biam todas as bofa* gyrandoU de fugeles de junto
da estatua. achando- ivamente ornados de bandairas.
Na capel la imperial luuve Te-eum, a guarda
nacional dis tres armas forraou toda em parada,
e 1 hora da tarde houve no pag-> da cilade cor-
tejo a SS. BM. Iraperiaes, que receberam tambem
deputaroesi das altas corporagdes do Estado.
A Illma. cmara municipal* pela sua parte fes-
tejou o grande dia da patria da msnera mais fe-
cunda em pon* resultados, laucando na praga Onze
de Julho a primeira pedra para edifleago de urna
escola de instruego primaria para ambos os
sexos. O ndiflcio ter tambem accommodacei
para urna lubliotheca popular, e salas para cursos
-.w.-turnos que possam ser frequentadas pelos ope-
rarios. A solemnidade fez-se com as formalida-
des do est\lo, as 5 horas da Larde, cora assistencia
de SS. MM Imperiaes e grande concurso de povo,
ha vendo algumas bandas de msica, e sendo as
honras mi itares feitas por tropas de linha. En
seguida illumnou-se a prara e um nicho em que
se expoz o risco da futura escola municipal.
A' noute illuminaram-se tod)s os edificios pbli-
cos e rauitos particulare,. Xa praga da Conslilai-
gao aceuieram-se oito grandes candelabros novos
e o gradl da estatua toi cercado com brilhantes
litas de gaz. No quarteiro da ra do Ouvidor,
entre a ra Nova do mesmo nome e a da Quitanda,
acenderara!se tambem as arcos de gaz e iuzes elc-
tricas brilharam era diversos estabelecimeoto*.
SS. MM. imperiaes com os ministros de estado e
a sua crtejissislirara no Theatro lyrico a uma
representado de grande gala, dada pela compa-
nhia da Penix Dramtica, cujos actores canta-
ran) o hymjno nacional, erguendo o Sr. chefe de po-
lica os vi\tas do esiylo. At altas horas da noule
foi grande ji alfluencia de povo as ras e pragas
Iluminada!;.
-9-
Por decnetos de 20 de agosto ultimo, foram con-
cedidas aos| Drs. Joo Sartorio e Israel Rodrigues
de Barcello, as demisses que pediram de presi
dente e 1" vice-presidente da provincia de S. Pe
dro do Rio Grande do Sul.
Por carta imperial da mesma dala foi transfe-
rido de 6o para Io vce-presidente da dita provin-
cia Dr. Joo Gapistrano Je Miranda e Castre.
Por decretos de 3 do corrente mez:
Foram (torneados o major Frederico Christiano
Buys, os cnpites Tude Soares Neiva, Lino Augus-
to de Carvalho. Alexaadre Francisco da Costa, o
! lenle Idaarmada Francisco Forjaz de Licer-
da e o cirurgfao de diviso Pedro Manoel Alvares
Moreira yillaboira, cavalleiros da ordem de S.
Bento de Aviz.
Foi noiqeado cavalleiro da ordem de Chnsto
o lente honorario do exercito Liberato Jos
drdeiro Gqmide, ftcando sera efleito o decreto
de 8 de juuh'o desta auno que o nomeou caval-
leiro da ordem da Rosa, par j ter elle esta conde-
corago.
Foram oncedidas as segnntes pensoes, em at-
leogo a servigos prestados na guerra conira o
ex-presidenie da repblica do Paraguay, as quaes
ficam pendentes da approvago da assembla ge-
ral :
A D. Angela Maria do Sacramento Moraes, viu-
va do alteres do corpo policial da provincia de
Sergipe e tente era commissao Antonio Jos Mo-
rae?, fallecido era coosequencia de ferimentos re-
cbidos em combate, a de 42J raensaes.
A D. Coostaotina Joaquina Serapio, viuva do
tenente do exercito Manoel Francisco SerapiSo e
me do 2* cadete alferes em commissao Graciliano
Ambrosio Serapio, morlo era combate, a de 36
mensaes, correspondente ao sold da patente do
ultimo, sem prejuizo do meio sold que possa
competir- Ihe.
A D. Mara Amalia de Macedo Goulart, mi do
tenente de voluntarios Eugenio de Macedo Gou-
lart, fallecido em consequenca de feriraento rece
bido em eombate, a de 424 mensaes.
Ao altores reformado do exercito Melchiades
Marinho de Queiroz, a de 38* mensaes.
Por decrto de 23 do mesmo mez, loLremovido
Pelo hiate Pinto I, ontrado hontera, recei-
mos datas da capital at 2i e Rio 'Grande 2 do
passado.
O Rio Grandense, tolha de Porto Alegre no-
ticia :
Acha-se exposta na praga do commercio a
baixella de prata que ao Sr. general visconde
de Pellas offerece o corpo do commercio desta ca-
pital.
4 Consta ella de uma grande bandeja de prala
lavrada, tendo no centro urna cora de visconde
circulada por outra de louros e a nscripco :O
corpo d commercio da capital da provincia de S.
Pedro do Rio Grande do Sul ao Exm. Sr. general
.visconde de Pelotas; duas salvas, dous palitei-
ros, um bule, uma cafeteira, maategueiru e as de-
raais pertengas, tudo da prata do Porto.
L-se no Diario do Rio Grande de 24 :
O subdelegado de pelicia de Tahira, Sr. Feli-
cio Gragalves dos Santo comraunicou ao Sr. Dr.
juiz do commercio, que na costa do Albardo nau-
fragara um navio que Ihe parece de nacionalidade
ioglaza.
f Dos ti es tripolantes que vieram na lancha tra-
zer trra um cabo de vaivem pereceram dous,
e o que se salvou declarou que o navio esta car-
regado de fazendas e tem a bordo muita gente.
O Sr. Dr. juiz do eommerio seguio hontera
tarde, levando co.no seu escrivo o Sr. Manoel Jo-
s da Soledade.
O Sr. Dr. inspector da alfandega, nomeou os
Srs. escriturarios Francisco Aatonio de Azevedo
e guardas Joaquim Jos da Rocha, Marcos An-
tonio de Oiiveira e Joo Oas Pedroso para fisea-
lisaram aarreeadago dos salvados.
A mesma tolha extrae da Voz do Povo de Ja-
guaro esta noticia :
< Foi brbaramente assassinado no lugar de-
nominado Serrito (freguezia do Herval) por dous
orientaes, o subdito portuguez Joo Francisco do*
Santos, vulgo Guamba Calente.
t A autoridade respectiva ao saber do occorri-
d) apresenlou-se logo no lugar do criine, fez o
competente .corpo de delicio, ouvio lestemqnbas
sobre o facto, e em acto conlinno mandou perse-
guir os assassinos, que eonsta fugiram para o Es-
lado Oriental.
Registramos com prazer alguns novos actos de
philantropia, que demonstran) o acolhimenio qne.
na sociedade brasileira encorara a idea da eiuanci-
pago.
O Sr. comraendador Jos Joaquim Ferreira da
Costa Braga, por occasiao do casamente de nma
sua lillia, no dia8 do correte, conceden genero-
samente liberdade saa escrava, parda, de uome
Apolinaria, e a um lilho d'esta.
O Sr. Antonio Maria da Luz e sua senhora,
querendo solemnisar dignamente o anniversario da
independencia do Brasil, deram tambem liberdide
duas suas crias do nomes Elisa e Paulina.
No dia 4 do corrente falleceu no Mar de He*pa-
nha D Carlota Joaquina do Cirrao Duarte, deixan-
do livres cinco de seus escravos.
Do Jequitinhonha de 21 do passado transcreve-
mos o segrate :
t No dia 15 de agosto do corrente a*nno reuni-
se, na forma dos eMatalss, a sociedade Patrocinio
de Nossa Senhora das Mercs, sob a presidencia
do Sr. major Jos Ferreira de Andrade BnnL S.
S. dea comego aos trabalhos procedendo leii
do relatoro, de que s podemos dar um ligeiro ex-
tracto, mingua de espago no Jequitin'onha.
t Fundada ha pouce mais de um mez, o nu-
mero de socios apenas de 65, porm com tendennas .
a avultar muit-j mais. A' excepeo asconimis.s5?s
de Dallas e Gouva. as diversas outras, commissoe*
do municipio nao haviam ainda commumeado a
aceitago da incumbencia de que toram eacaJM
gadas pelo* membros da directora. Existan em
cofre 410*.
c A sociedade, tendo j libertado ama escravi-
nha de nome Adelia, pertencenie Sra. D. Cama-
rina Augusta de Azeredo Continho, altotro n<
dia outra escravlnha de nomo Maria, pertenc.
ao Sr. Herculano RibeirolMouro.
f Haviam sido aceitas e registradas com pr
as seguintes declarages de liberdade : da
Bernardina Flora Mouro, que libertou o
cravioho Numa ; do Sr. major Antonio
dos Santo?, qne, a pedido de suas fllhas
I


ni
Prnamiuic ^0iuta eira 29 de Setembr de 1870
1 ti
m
m
nn Maris Jesuina dos Santos e Amelia dos Santo?
Fernandos, itlbr uas escravinhas Flora-e Ma-
na do Ctr
e Afi*ri 1* ,lDsrt lU ?ua escrevinba Ray-
da Silva, que declarou livre o ventre de su es
erava Isabel, em vesperas de arto ; do Sr. Daro
CJenjenlino da Silva, por igu i escraa
Suba ; do Sr. Luiz iteliddon. *<> da
mesma sorte declarou livre o veutre de sua eserava
labigenia, e um Albo da mesma reoem-nascido ;
do Sr. ol de Aquino Torre, que alforriou a sua
eserava Eva.
i Todos esses senhores seaboras foram accia
mados socios bemfeitores nos (eroios do art. V dos
. pa meio do maior applauso qua se procedeu a JeiMra
das seguintes cartas de liberdade : da Sra. D.
Amelia Caldeira Ma .-liado, que concedeu a liber-
dade soa eravinha Margarida, de 3 anuos de
idade obrigando-se a educa-la e trata-la al a ida-
de de 18 aonos ; do Sr. commendador Serapbim
Mireira da Silva, aue. j tendo com louvavel phi-
lantropia alforriado cinco eseravos, concedeu ruis
a liberdaJe aos seguintes : Isabel, de 23 annos ;
Jeronyrao, de 32 ; Elisa, de 26. A primeira se-
nhora foi proclamada socia beofeitora, e o Sr.
commendador foi louvado na acta da sessio por
indicayio da directora.
t Por indicarlo do Sr. Cucha Ferreira foram
igualmente considerados socios bemfeitores os ci
dada)* tenento-coronel Luiz dos Santos Ferreira,
que alforriou a suas escravas Lucrecia, Antonia
e Mara ; Pedro de Olivera Gatia-Preta, que den
liberdaie sua escravinha Bernardina ; brahim
de Assis Indaiah, que concedeu liberdade sua
escravinba de nomeEmygdia.
Foi declarado igualmente 90do bemfeitor o
Kvm. Sr. padre Barthelomeu Sipolis pelos rel
vantes servicos prestados i assoeiacio na cadeira
sagrada.
O Sr. Dr. Antonio Felicio dos Santos declarou
que o Kvm. viga no de Gurimatahy immediata-
mente que soube da installacio da sociedade com-
pren urna escravinha por 200| e coneedeu-lhe
cara de liberdade. A' vista de tao generoso acto,
a assembla geral unnimemente acclamou-o so-
cio bemfeitor.
Proceden-se eleicio e foram reeleitos por
nnanimidade de votos tolos os meinbros da direc-
tora. >
L-se no Pkarol, do juiz de Fra, de 7 do
corrente :
t Na cidade da Campanha falleeeram o tenente
Jos Carlos Pereira e o padre Luiz de S mza
Lima.
t O primeiro alforriou a todos os seos eseravos
em numero de 32, e legou-lhes 200 alqueires de
trras na sua f izenda de S. Domingos. O segundo
deixou livres is cinco eseravos que posfuia.
Hontem a 2 II horas da tarde, no hotel Bra-
sil, quarto n. 23, suieidou-se dando nm tiro de
rewolv*r ne ouvido do lado direilo, o bacharel
Luiz Peixoto de Lacerda Werneck Jnnior, que
alli resida desde o dia 26 do mez pascado.
Ouvindo a detooaco correrem os empregados
do estabelecimenl > para o tugar de onde ella par-
tira, mas encontraram a porta fechada e tiveram
de entrar por urna janella. Encontraram o infe-
liz deilado em um sof eslorcendo-se as vascas
da morte, o soalho alagado em sangue, e o re-
wolver no chao.
Comparec-rain os Srs. Drs. Silveiras, subdele-
gado do primeiro diserto do Sacramento e Guaya-
ba que prestaran alguns soccorros. Depois o in-
feliz foi eonduzido em um< rede para o hospital
do Bom Jisn?, onde a hora em que escrevemos i-
cavaagonisando.
O Sr. subdelegado do primeiro districto do Sa
cramento com o seu escrvao e inspectores da lo-
calidade toa ando eonheeimento do fado, procede
ram a cirpo de delicio. Compareeeu tambem o
Sr. segundo delegado de polica.
O infeliz Werneck, deixou sei3 cartas, urna
para a autaridade policial e as outras para pessoas
de sua tamilia.
A da autoridade dizia assim :
Ponhi) termo aos meus das, por rainha livre
vontade.
Realisaram-se anto hontem, como foram annun
ciadas, as ultimas corridas d'este anno, honradas
com a pre.enca de SS. MM. Imperiaes e um nu-
merosa e escolhido concurso de povo. Ao meio dia
comeceu o divertimento e correu do seguinle
modo :
i,* corrida (repetida en partie /ie>)..=0ito qua-
dras. premio ) :000J. Quatro cavallos dispotaram
este pareo; Beija Flor, Solitario, Incgnito El
Oriental. Ganbou o Solitario, nascido e criado no
Rio da Prata.
2." corrida.Premio do ministerio da agricul-
cultura 500*. Quatro cavallos : Vampiro, Cog-
nac, Relmpago e Sultao., Foi vencedor o Sulto
nascido e criado na provincia do Paran.
3." corridaPr?mio 200 Correram se3 ca-
Tallos : Cabrito, Gladiador, Uazzeppa, Tritlt. la
cutmga, Tupan, e foi vencedor o Gladiador, nasci-
do e criado na provincia do Rio de Janeiro.
4.* corrida.Tres carros amarello, encarnado e
azul ; vencen o carro azul puxado pelos cavallos
Eclpie e Barbado.
No imervallo bateram-se dou9 pequiras inteiros
Tymbrira e Cycne, ambos lhos da provincia de
Minas; foi vencedor Cysne, da celebre raca da
provincia de Minas Geraes.
5.* corrida.2.* prava da 1." corrida ; foi ainda
vencedor o Solitario.
6.' corrida.Premio 300* e um porta cartes
de prala no valor do 100*. Correram quatro ca
vallus : Charlen, Colibr, Waterloo e Safron. Foi
vencedor o Colibr, filho do Rio da Prata.
7.' corrida.Premio 100*. Cavallos : Guara,
Guaran, Wirsh, Pelintra, Mazeppa e Maribondo.
Foi vencedor o Mazeppa, nascido e criado na fa-
zenda Piranema, provineio do Rio de Janeiro e
perteacenle ao Sr. tenente-coronel Carlos San-
tiago.
3* corrida ( gaucho em pello).Premio 200J.
Correram cinco cavallos : Vampiro, Guahim, Ar-
lequn, Azial e Ataulpa. Foi vencedor o Arle-
quim, lilho do Rio da Prata.
9.a corrida (amadores).Premio urna aboloa-
duro completa de ouro e perolas. Correram qua-
tro cavallos : Matrasquim. Montesuma, Vampa e
AckiUes, Foi vencedor o Marrasquim, montado
pelo Sr. F. Preitas.
Tendo bavido duvidas a respeito do vncedor ti-
veram a correr dous cavallos, sobre os. quaes ver-
sava a duvida.e foi decidid* a favor do Sr. Freitas.
11
A cmara dos deputados approvou hontem enr
2* discussao a proposta do poder executivo auto-
risando n governo a despender a quantia de.....
430:000*0JO para fazer cunhar e por em cir-
culacio 100:000 kilogrammas de moeda de ni-
kel.
Continuou depois a 3" discussao do projecto so-
bre a reforma judiciaria Oraram os Srs. Gomes
da Silva, Cruz Machado e Alencar Araripe, fican-
do a discussao adiada pela hora.
Por decreto de 6 do corrente foram transferidos
de uns para outros corpos da arma de artilharia
os seguintes offlciaes:
Para o regiment a cavado, o coronel do 4
fetalho a p Manoel Deodoro da Fonseca.
Para o 1 baialhao a p, o coronel do regi-
ment a cavallo Severiano Martns da Fonseca, o
major do 3* batalhao a p Manoel Jos Pereira
Jnior.
Para 'o 3 batalhao dito, o major do di lo
Adriano Xavier de Olivera Pimentel.
Por decretos da mesma data foi dispensado do
commando das armas da provincia de Pernam-
joco o brigadeiro Joaqum Jos G"nc.alves Fon-
les e nomeado para o referido commaudo o ma-
recbal de campo Barao de S. Borja.
Por ttulos de 9 e 10 do corrente foram nomea-
dos:
Pedro de Alcntara Santiago para o lugar de
escrvao da mesa de rendas geraes de Porto Calvo,
provincia de Alagoas e Angelo Lopes Dionysio para
o de correio a cavallo da secretaria de estado dos
neg'cios da fazenda.
Por deerelo n.1,817 de 3 do corrente foi san-
cionada e mandada executar a resolucao da as
sernbla geral legislativa sobre a nova moeda de
troco.
Segunda esta resolufio o gaverno far fabricar
moedas de troco deum mrtal composto de 25 par-
tes de nikel f 75 de cobre.
As pecas de moeda deste metal serao de 2(K).
100 e 50 rs.; tendo as prime ras o p0 de 15
graMmas, as segundas de 10 e as tereeiras de 7.
A tolerancia do peso, o modelo e typo das pecas
de mw la serio tixados pelo governo.
A3 iindas de prata que se ounharem d'ora em
dianto terin o Je 2*. I* e 500 rs., o to-
que do 0.1(7 e os p* sos Reguintes :
. As de 2* 25,5 grammas, as de 1* 12,75 dita?,
as de 500 ri. 6,37 diui.
S3o detmonetisada a
0,900 UW
As
moeda de prata, sen
particulares nao sao obrigadts a faze-lo sena
20*000.
Depois de vinte quatro horas de soffnmenios.
fallecen hontem s 3 horas da Urde na casa de
saude do Bom Jess, o bacharel Luiz Peixoto de
Lacerda Wernfck Jnior, cujo suicidio noticia-
mos.
Por decreto n. 4,584 de 31 de agosto ultimo foi
concedida companhia qqe o conde da Estrella e
o Dr. Francisco Prxedes de Andrade Pertence
organisaram, autorisaejfo para coastrnrir no por-
to de Sarflos, provincia de S Paulo, dncas e ou-
tras obras de melhoramento do mesmo porfo.
Por decreto n. 4587 da mesma data concedeu-
se a Cyriaco Antonio dos Santos e Silva privile-
gio por cinco annos para Tabricar no imperio
phosphoros denominados deseguranga.
Por decreto n. 4,588 da mesma data foi conce-
dido tambem a Francisco Antonio Pereira Racha
privilegio por qoinze annos para introduzir na
provincia da Baha machinas, vehculos o arados
do systeraa de R. W. Tompsoa.
Por decreta n. 4,585 de 31 do passado foi (ixado
em 80*000 o ordenado annual do carcereiro da
cada da nova villa do Paracur, na provincia do
Geera.
13 -
A cmara dos deputados approvou hontem em
3' discussao a proposta do poder executivo auto-
risando o governo a despender a quantia de.....
450:OO0f 000 para fazer cunhar e por era circula-
(o 100,000 kilogrammas de moeda de nikel.
Approviu em seguida em urna nica discussao
as emendas do senado s proposites desta minara
autorizando o governo para mandar matricular
diversos eitudantes; elevando os vencimientos do
ofli -ial, amanuenses e mais empregados da se-
cretaria do supremo tribunal de Justina ; e man-
dando construir urna estrada de ferro entre as
provincias de Santa Camarina e de S. Pelro do Rio
Grande do Sul.
Occupou-se depois com a 1* discussao do pro-
je -lo declarand > qu; podem ser alforriados, de-
pendente de indemnisaco, os eseravos da naeo,
cujos servidas foram dados em usufructo co-
ra.
Orou o Sr. Teixera Jnior, e maalou mesa o
seguinte requerimento:
Requeiro que esta augusta cmara estabele^a
discussao previa sobre a preferencia do projecto
apresentado pela commissao especial para base da
discussao.
Depois de orarem os Srs. Croz Machado, Andra-
de Figueira, ministro do impero e Junqueira, suc-
cedeu-lhos o Sr. Pinto Lima que pedio o encerra-
mento da discussao.
Foi este votado nominalmente requerimento
do.Sr. Fernandes da Cunha, da seguinle forma:
Volaram favor os Srs. Angelo do Anfaral,
Fausto de Aguir, Gomes de Castro, Janseo do
Paca, Vieira da Silva, Candido Mendes. Pinto Bra-
ga, A encar Araripe, Raposo da Cmara. Carneiro
da Conha, Pinto Pessa, Uogo Velho, Moraes Sil-
va, Correa de Olivera, Theodoro da Silva, Ferrei-
ra de Aguiar, baro de Aracagy, Portella, Au-
gusto de Olivera, Jacintho de Mendonca, Ca-
sado, Sobral, Pinto, Affonso de Carvalho, Fiel de
Carvalho, Pinto Lima, Dionysio Martns, Pe-
reira Franco, Bonifacio de Abreu, Fontes, Sil-
va Nunes, Borges Mnntero, Duque-Estrada Tei-
xeira, Paulino de Souza, AnJrade Figueira,
Camillo Figueiredo, Caedo, Jos Calmon, Fer-
reira Lage. Gama Corqueira, Jeronymo Peni-
do, Capanema, Cruz Machado, Vicente Figueire-
do, Luiz Cirios, Rodrigo Silva. Piula Toledo. Ota
Pinto, Antonio Prado, Mello Muios, Camillo Bar-
reto, Prannos Jnior, Dias da Rocha, Correa e
Pinto do Campos; 54.
Volaram conlra os Srs. Leonel de Alencar, Au-
relano de Carvalho, J, de Alencar, Fernandes
Vieira, Araujo Lima, Souza Reis, Barros Brrelo,
Menezes Prado, Guimares, Fernandes da Cunha,
Leal de Menezes, Araujo Ges, Junqueira, Ferreira
Vianna, Teixera Jnior, Pereira da Silva, Lima e
Silva, Perdigo Malhero, Joao Mendes, Galvlo e
Simoes Lopes; 21.
Approvado o encerramen'o, e preferido o re-
ferido projecto, ficou sua discussao adiada pela
hora.
Por portara de 12 de setembr se concedeu
licenca :
Ao bacharel Barlholomeu Torquato de Souza e
Silva para aceitar o titulo de barao da Santa Cruz,
de que Ibe fez merc Sua Magesta Jo o re de Por-
tugal.
A Joaquim Jes Rodrigues a nomeacao de cava-
Ihero da real ordem portuguesa de Nossa Senhora
da Conceicao da Villa Vico^a.
Ao bacharel Lopo Diniz Cordero a do mesmo
grao da m.litar portugueza de Nosso Seohor Je-
ss Chrsto.
14
Por decreto de 6 do corrente foi o cirurglo-rar
honorario do exercito Dr. Francisco Bonifacio de
Abreu, agraciado com o titulo de barao da Villa da
Barra, em remunerado dos relevantes servicos
que prestou na guerra do Paraguay.
Por decretos de igual data foi condecorado Car-
los Augusto Bodrgues Martins com o gjo de ca-
valleiro da ordem da Rosa, em attenco aos rel
vantes servidos que prestou reparllcao da guerra
com um foguete de guerra que inventou, e deno-
minouprojectl foguete.
Por outro decreto da mesma data concedeu-se
aD. Julia Emilia de Moraes, mai do eapitao do
4o corpo de cardadores a cavallo Miguel Ribeiro
de Moraes, raorto em combate na gusrra do Pa-
raguay, a penso de 30* raensaes, correspondente
ao meio-soldo daquella patente; dependendo,
porem, nesta parte da approvaeo da assenibla
geral.
Por portara de 12 do correnle concedeu-se ao
alumno da escola central Jos Americo dos
Santos a exoneradlo que pedio do lugar de pra-
ticante do observatorio astronmico.
Por portara da mesm" data permiitio-se que o
2o tenente do 4 batalhao de artilharia a p, Jos
Pedro de Souza Queiroi, continu a usar dos dis-
tinciivos do posto de 1* tenente, em 'que foi con-
missionado durante a guerra do Paraguay, nos
termos do art. 4 da le n. 1,765 de 28 de junho
prximo passado, que fixon as forcas de trra
para o anno financeiro de 1870 a 1871.
Em presenta de S. M. o Imperador e de varios
offlciaes generaes, fez-se ante-hontem. 1 hora
da tarde, na Praia-Vermelha, experiencia sobre
o alcance e elleitos de urnas balas explosivas In-
ventadas pelo Sr. E. Pertuiset.
O resultado foi satisfactorio.
Em casa dos Srs. Farany & Irmo acha-se ex
posta a espada de honra que tem de ser offere-
cida (ao Bravo general visconde de Pelotas. O
Sr. Antonio Jos Dias de Pinho o artista aqnem
foi confiada a execucao dessa rica peca.
15
A. cmara dos deputados approyou hontem em
nma nica discussao a emenda do senado pro-
posito da mesma cmara aute risando o governo
para conceder iseacao de direitos de impon e5o
aos materiaes necessarios para o assentameuto
de trilhos urbanos na cidade de Santos.
Approvou depois em urna s discussao o pro-
jecto conceden lo pernees a D. Leopoldina Ma
thildes da Costa Doria e a D. Mara Valerida de
Paula Ramos.
Approvou em seguida, tambera em nma s dis-
cussao, o projecto que aulorsa o governo para
conceder a I). Mara Isabel Fernandes da Silva,
innia legitima e menor do finado 1* tenente da
armada Joaquim Xavier de Olivera Pimentel,
o monte-po que compela a sua mai, se nao bon-
vesse fallecido ames de habilitar-se.
Approvou igualmente em urna s discussao u
projecto declarando que flea remittida a D. Ade-
laide Fontes Rangel de Antas, viuvado capito
de estado-mator de artilharia Antonio Joio Rangel
de Va.-euncellos Antei, a quantia de 854*441, a
que Ihde est rednzido a divida a que flcou obli-
gado o mesmo eapitao para com os cofres pu
blices
Approvou mais em 3* discussao o projecto an-
te risando o governo para mandar pagar ao de-
sembargador Caetano Jas -da Silva Santiago a
importancia dos ordenados qne Ibe f rem devi-
dbs, ; ire.-pundenie ao lempo d> erndo da sna
funrcio como juiz de direilo da rapital da Pa
ral.yba at f ua posse e eiereicio na comarca de
Cantai alio.
ApproVuu ainJa o projecto sobre a reforma
Judiciaria, em todos os seos artigos e paiagra-
ph"s. cora a seguinle emenda, sendo rtjeitadas
todas as nutras :
' Ao rt. 13.Em vez deinferiordiga-se
at.Alinear Araripe.Gama Cerqueira. Jeto-
\nymo PenidoDuqueEstrada Teixttra.
i todos os artigos additivos dos
^S^^^^^Hfa do
vo, deixando de ser ro-
as por falta de nnmero
legal.
Continuou er. lagar a i
projecto ddarando qu% nodem i
pela casa imperial, indepesdentemente de in-
demnisaco. os eseravos da naci vicos
foram dados em nsu-rncto i cora. Oraram os
Srs. Araujo Ges e Souza Res, fleando a dis-
cussao adiada pela hora.
Ante-hontem ns Peanambncanos aqu existen-
tes nffereceram ao sen comprovinciano marechal
de campo bario de S. Borja, nm jamar, no salo
Carsel ler como manfestacao do mnto apreQo em
que tra os seos relevantes servicos prestados na
guerra do Paraguay, para cuja termioacao glo-
riosa tanto concurren elle como commandaote
geral do corpa de exercito a que pertencia a
forca expedicionaria quz em Aquidaban logrou o
definitivo trumpbo.
Foi urna festa digna dos que a fizeratn e da-
quelles em cuja obsequio foi frita. Ornada de
bandeiras a frente do edificio e ajardinada a en-
trada principal, bem como a escadaria, apresen-
lava o vasto salao urna lauta mesa, esplendida pelo
rica servico e pela profusao, vanelade e delica-
deza das iguarias.
A' chegada do Ilustre general o durante todo o
lempo do jaatar, que durou das 6 as 9 horas da
noule, urna banda de msica tocava escomidas
pecas.
A- mesa oceupou o lugar de honra o Sr. baro
da S. Borja, tendo sua dlreita o Sr. visconde de
Itaborahy, ministro da fazznda, e 4 ssquerda o
Sr. Baro de Mu ritiba, ministro tfa guerra. Tam-
bem alli so acharam os Srs. ministros da marinh
e da agricultura, os seradores e deputados por
Pernambuco, e grande numero de Pernajpbuea-
nos de ambas os crpdos polticos, reinando entre
todos a maior salisfaeo e cordialidad?.
O primeiro brinde foi pelo Sr. visconde de
Camaragibe aa Sr. general barao de S. Borja,
bravo Pernarcbucano que taa gloria conquis-
tou para si, para o seu paiz e que tanto concor-
reu p'.ra a extinc.iio da guerra que nos flagellava.
Seguio-se um brinde do mesmo general, agra-
decende aos seus comprovincianos a demonstra-
q de apreco que davgm sua pessoa e serv-
aos, e declarando que nao fizera mais do que
enmprir seus deveres de cidad > 'brazileiro e de
militar.
Houve muitos brindes muito applaudidos, sendo
um del les o do Sr. Dr. Moraes Silva :
a Ao dUincto o bravo Pernambucano. que
abandonando no verdor des annos sua provincia,
seus amigos, e trocando as docuras e gozos do
lar domestico pelas afanosas e ardentes lides da
guerra, escreveu com seu generoso sangue urna
das mais brilhantes paginas da historia patria, e
conquistou para si um nome glorioso, qne sera a
mais rica joia que legar aos seus descendentes,
e de que estes com justa razo se deverao or-
gulhar.
O brinde de honra foi levantado ao som do
hymno nacional pelo Sr. presidente do conselho,
visconde de Itaborahy, a S. M. o imperador.
Hontem de tarde mandn o commandaote de
canhoneira fraoceza Hamelin por em trra a tri-
p,lacao do patacho norte-allemao Concordia, que
fura aprisionado por aquello navio de guerra.
Consta-nos que a trpolacao do brigue Luoie,
tambem aprisionado, desembarca boje, e que se
imiou a 24 horas o prazo de demora das presas
em nossos por tos.
O patacho norte-americano Mary Rice, vindo
de Baltimore echegadi hontem a esto porto con
duzio 130 tripolantes da galera da mesma nacao
Robert Edwards, que tendo >ahido de New B-ds-
ford a pesca de bileas, ardeu no mar na Lat. 23
N. L. 51 0 a 24 de julho.
Quatro daquelles tripolantes eslo a ferros por
terem sido os autores do incendio.
16
Pelo paquete nacional Sania Cruz recebemos
noticias de Porlo-Alegre at 4, do Ro-Grande 10
e Santa-Camarina 12 do corrente.
No da 29 o passado assumira a adminstracao
da presidencia de S. Pedro o Dr. Joo Capistrano
de Miranda o Castro, que passara de 6 a 1 ri-
ce- presidente.
A' 7 do crreme procedera-se no 2a d3tricto
da proviucia a eloicao de um deputado assem-
bla geral em substituico do Sr. conselaairo Fr
nandes Braga. A' 9 erro conhscidas ls votajoes
dos collegios do Rio-Grande, Pelotas, Jaguarao e
Cangu s, que apresenlavam o seguinte resul-
tado :
Dr. Joaquina J. de Mendonca. 69 votos.
Dr. Francisco da Silva Tavares. 15
Dr. Gaspar da Silveira Martns. 8 i_
0 navio que naufragou na costa do Atbardfio,
segundo noticiamos ltimamente, foi a barca u-
gleza Voletta of Sunderland, eapitao W. E. Fors
ter, procedente da Liverpool com varios genero*
para Montevideo.
O navio, diz o Diario do Rio Grande de 30 do
passado, encalhou na noute de 20 do corrente, s
10 3/4, pouco mais ou menos. Acha-se desavo-
rado de dous maslros, porm ainda inteiros. A
bordo ha cerca de 4 p3 d'agua. A tripolaclo
eomposta do capillo, sua senhora e sei raarnbe-
res, salvou-se em urna jangada, tendo perecido
dous marinheiros, gue prra3iro sahiram de bor-
do. Foram esses cadveres j sepultadas, depois
do competente corpo de deudo.
0 eapitao e sua mulher recolheram-ae ao Rio
Grande casa de residencia do cnsul inglez.
J tinliam sido lirado de bordo e arrecadados
varios volumes de fazendas.
Fallecer no Rio-Grande 5 do corrente o
estancieiro, morador em Santa Victoria, commen-
dador Manoel Coi roa Mirapalhete.
A' Porlo-Alegre havam chegado no dia 30 do
passado os reatos mortaes do brigadeiro Jacintho
Machado de Bittencourt e tenentes-coroneis Affon-
so Jos de Almeida Corte Real e Fr*ci9Co de
Lima. A este respeito diz o Commerciai :
< Desde as 6 horas da manha que o vapor
Guaycur alirava de quarto em quarto de ho-
ra. As 10 horas foram os restos conduzidos de
bordo, dando o vapor 13 tiros. Urna fila de esca-
leres acompanhava os restos, que vinbam em di us
caixoes, estand i reunidos em um, dividido em dous
compartimentos es dous tenentes-coroneis, e foram
desembarcados em urna das e cadas do caes da
alfaodega, onde se achavam os Srs. vice-presiden-
le em exercicio, seu secretario e ajudaote de or-
dens offlciaes do quartel general, diversos cidados
b grande quantidade de povo. Desse ponto segui-
ram os dous atades para a cathedral, sendo re-
cebidos pelo clero porta da igreja e celebrada
urna missa solemne, linda a qual foi cantado nm
requi est.
Fndas as ceremonias religiosas, foram os fe-
retros depositados no carro rico da Santa Casa e
conduzidos ao cemitorio, seguidos de numerosas
carruagens. Em frente igrea a artilharia euma
guarda do 4" deram as salvas do estylo.
c O corpo do brigadeiro Jacintho Machado, ain
da nao consumido, foi encerrado em orna cata-
curaba, e os osis dos outros dous bravos deposi-
tados na capella.
O commercio e os navios surtos no porto asso-
ciaram-se estas demonstraQoes, aquello fechando
as portas e estes cruzando as vergas e conservan-
do a bandeira a meio-po. Os consulados argen-
tino e da Allemanba do Norte, que ffcaram no
transito dos fretros, conservaram lambem as ban-
deiras a meia-naste. Repousam, pos, em ierra
brasileira os restos dos tres offlciaes. >
Inangnrou-se a liuha telegraphca provincial
que vai de Porio-Alegre villa do Trumpbo, de
onde se prejecta contiuua-la ate Uruguayaoa.
O Sr. Affonso Norat, encarregado do vice-n-
snlado franeez na capital, abrir nma sibscripcao
entre os subditos francezes em favor dos ftidos
desta sacionalidlde.
O Sr. Antonio Jos de Aievedo Machado conce-
der a liberdade a 3 eserafof de 40^ e Ifl annos de
idade.
1 O anaiversari da odepadeBcia f do do Desterro com parada da guarda nacional,
cortejo e Te Deum na igreja matriz.
Em seguida foram entregues pelo presidente da
provincia as cartas de liberdade conferidas a 14
escravas por conta da mesm provincia.
Por decretos de 14 do crreme:
Foi concedida a D. Batida AogusU Chaves Bo
telho, viova do nrurgiio-mr de brigadi de com-
missao Dr. Joaquim Antonio de OWveirt Botelbo, a
pensio annual e 1:00*, dependente desta parte
da approvaeo da a**e nbla geral.
1 Foieoneedid i capillo bonorario d* exercito
Angelo Carkftj Abwo, invalidado tm iase-
qoeneia de fermiMUM r*eebidfs era eapanba, a
pensio 60* mensaes, df pendente lamosa desta
parte de approvaeo da assembla geral.
. Foram aceitas e confirmadas as renuncias bitas
peto | paroebM de Nossa Sonhora do Rosa-io do Soboei-
ro, da docese o proviscia do Cear, e pelo padre
Francisco Porfirio do Rosario, da cadeira de chan-
tre qne oceupava na cathedral de Mariano*.
Hebtem de manha desembarcou effeetivamente
a trpolacao do brigue nerte-allemao Lude,
aprisionado pela corveta fraoceza Haaultn. Tan-
to arrttelle navio, porm, como o Concordia, tam-
ben aprisionado, esto aluda ancorado no porto
com annuenca do governo imperial, para desem-
barcar a cargo dos neutros, que resguardada
pelo principio do congresso de Pars.
Coramunicam-nos de Marapic:
a Fallecen a 13 do correte Ricardo Jos de
Souza, na idade de 116 annos. O poro dera-lne
o nome de patriarcha, e bem o mereca elle nao
s pela avanzada idade como pelo respeito e con-
sideraco de que gosava e que eram devididos as
suas elevadas qoalidades moraes. Era e pai dos
pobres e o amigo e conselhelro de lodos.
< Deixa mais de cem decentes entre filhos,
netos, bsnetos e lalaraoetos.
c Quem o va a cavallo (ha tres annos passados)
sabia bem que nao o levava negocio proprio ; ia
prevenir alguraa demanda, aconselhar algum
amigo, soccorrer urna vuva ou o-phao.
c Sua morte foi sentida por todos.
- 17
Hontem, na cmara dos deputados, fica
ram encerradas, por nao haver numero le-
gal para votar-se, as discussoes de tres pro-
jectos approvando diversas penses.
Pelo mesmo motivo fi ou encerrada a
discossao do projecto do senado autorisan-
do a casa de caridade denominada de Santa
Thereza e tabelecida na cidade do Srro, da
provincia de Minas-Geraes, a adquirir bens
de qualquer naiurea at o valor de 60:OOOi9>
para fundar o seu patrimonio.
O Sr. Correa, depois de algumas obser-
vacoes, offereceu o seguinte additivo ao pro-
jecto :
* Artigo. Fica derogada a lei de 9 de
setembr 4e 17G9,na parte em que decla-
ra oullas todas as disposic5es e convenges
causa mortis ou nter vivos, em que fr
instituida a alma por berdeira.
t Os bens de raz adquiridos pelas cor-
poracoes de m5o morta nos termos da lei
n. 4.225 da 20 de agosto de 1864, qo nao
tiverem o destino especial nelle indicado,
sero, como determina a mesma lei, alucia-
dos, e o seu producto convertido em apo-
Uces da divida publica, as quaes se inscre-
vero com a clausula de inalienaveis. >
Os Srs. Cruz Maohado e Andrade Figaei
ra tambem fizeram algumas observafoes.
Continaou em a:timo logar a Ia discossao
do projecto, declarando poderem ser alfor-
riados pela casa imperial, iudependeote de
indemnisaco, os eseravos da nacao, cujos
servicos foram dados em uso-fructo corda
Oraram os Srs. Costa Pinto e Andrade Fi.
gueira, fcando a discussao encerrada.
Pelo vapor inglez Donati, entrado bontsm
do Rio da Prata, recebemos folhas at 10
do corrente.
Na proviucia argentina de Entre-Rios as
tropas naciooaes nenhuma vant^gem de im-
paitincia h-.viam alcanzado. Esta prolon-
gada inacQ5o do sea exerito obrigava o go
verno de Buenos-Ayres a tomar medidas
cada vez mais enrgica- Urna destas foi a
formadlo de nm exercito de reserva de...
5:000 homens; composto de contingentes
da guarda nacional; oatra a decretado do
estado de sitio para as provincias de Santa
F a Corrientes, a qne^ameagava estender
se a conflagrarlo de Entre Rios. Ao mesmo
tempo fallava-se em confiar o commando
das tropas nesta ultima provincia ao genera
D. Bartholomeu Mitre.
No Estado Oriental ainda maior incre-
mento tomava a revoluclo, evidentemente
lig-da com aquellaoutra. No dia 6 a cida-
da de Montevideo vo-se tomada de
sbito terror. Urna forca blanca com-
mandada por Aparicio, que parece estar bem
vivo, appareceu na villa da Unio, e dalli
destacou diversas partidas, urna das quaes
veio ao Cerrito, apenas por, urna enseada
separada da capital, do cimo de cujas casas
se avistava perfeitamente a gente do ini-
migo.
inmediatamente se tocou a rebate, e a
pouca gente qne bavia, quasi toda da guar-
da nacional, acudi defeza da cidade, que,
aberta e desguarnecida, mal tea resistido
a um ataque serio. Nao o teniaram, porm
os blancos, que, tendo-se demorado dous
dias, recomend a gente que a elles quiz
reunir-se, retiraram na direccSo do rio Co-
lorado.
Entretanto Medina e Bastardea acnavam-
se com uns 2,000 bomens entre S. Jos e a
Florida, chamando sobre si a attenco do
general G-yo Soares e impedindoo assim
de cortar a retirada a Aparicio. O general
Caraballo vinba tambem com a sua gente
para o sul do Rio Negro, segundo dizem.
A apparico dos blancos s portas da ca-
pital mostrou o perigo a quo esta se achava
exposta. A sua defeza fui ento confiada a
D. Candido Bustamante, nomeado comman-
daote da guarda nacional, e come^aram a
erguer-se trincheiras e assestar pecas de
artilharia, de modo qne actualmente seria
dilcil penetrar na cidade forca de ar-
mas.
Os recursos pecuniarios do governo es
tavam, porm, exhaustos, e este, confessan-
!o a sua penuria, dirigio-se assembla le-
gislativa pedindo autorisaco Ilimitada para
levantar dinheir- contrabindo emprestimos,
vendendo propriedades do Estado, (aneando
impostos, e em geral, diz o projecto do
decreto, pea melbor forma e meios mais
realizaveis.
S. M. o Imperador, acompanhado de seus
semanarios, ebeg >u ao arsenal de marinha
hontem s 11 horas da manha, e, embar-
cando na galeota imperial, foi visitar o asy-
lo de invlidos, de onde regresou 1 hwa
da tarde, desembarcando no arsenal de
guerra.
Por decreto de 14 do corrente, na con-
formidade das immediatas resolucoes de 29
de agosto ultimo, tomadas sobre consultas
do conseibo supremo militar, foram refor-
mados o major de infamara J >s Mara
Ferreira de Assampclo, o eapitao do 20
batalhao da mesma arma Jos Manoel da
Silva Marques e o alferes do Io regiment
de cavaJaria ligetra Jos Nicolao Pimenta
Araujo Vargas Coutinho, visto soffrerem
motearas jncuraveis que os tornam incapa-
ces de continuar no servico.
_ 18 -
P*r decretos de 6 do corrente foi reconduxdo o
bacharel Miguel Gomes de Figueiredo no logar de
juiz municipal e de orphans dos termos reunidos
oe Manir e Barceltos, na pn vinria do Amaiona*
Pirmtttio-se Antonio dos Santos Pinbeiro e J
Joaqnim dos Santos, este partidor e enmadrr, e
aquella primeiro labellio e ecrivao de orpbaos,
capellase regidnos do termo de Ipojoea, n pro-
vincia de Pernambuco, permutarem entre si os
respectivos offlcios.
19
Por decretos de 9 do corrente coneden-se
companhia iogleza North British and Mercantil*
Insurance Company a neces.-aria autt rsacao para
estender suas operaedes cidade do Rio de Janei-
ro : renovou-se a coneeuao feira Guilherme
Schuch de Capanema para explorar minas de fer-
ro as margens da baha de Paranagu e as dos
ros que nella desaguara, na provincia do Paran,
sob as clausulas do decreto n: 3,938 de 28 de a-
gosto de 1867; e autorisou-se o contrario com o
Dr. los Vieira Cont de Mtgalhaes para a nave-
gante a vapor no rio Araguaya eaire o porto de
Itacii na provincia de Vatio-Oresso e o de Santa
Mara em Goyai.
-*?-
A cmara des deputados approvou hontem suc-
eessivamente as emendas do senado sobre isenoio
de direitos de imporucao para o material das em-
prezas de trilhos urbanos do Recife e de Olinda.
Approvou depois em 1* discussao o projecto de-
clarando que podero ser alforriados pela casa
imperial, independente de indemnisaco, os esera-
vos da nacao, cujos servicos foram dados em uso-
fructo corda.
Approvon em segu da. em 3" discussao, o pro-
jecto autorisando a casa de caridade da cidade do
Serr, na provincia de Minas-Geraes, a adquirir
bens de qualquer natureza at o valor de 60.000J,
para fundar o seu patrimonio.
Approvon mais successvamenle, em 3 discus-
sao, varios projecto concedendo pensoes.
Rejeitou tambem todos os artigo additivos offe-
reeidos ao projecto de reforma judiciaria.
Approvon em urna s discussao os seguintes
projectos:
Approvando o decreto que concedeu privilegio
Francisco Wodhausen para introdcelo no paiz
de machinas de sua invenco destinadas a refrige-
rar o ar atmospherico e rebaixar a temperatura
as casas, fabricas e navios ;
Autorisando o governo para conceder seis me-
ze-t de licenca com todos os seus venciments ao
bacharel Antonio Jos Fauslo Garriha, major re-
formado do exercito e secretario da escola central,
para tratar de sua saude;
Concedendo aposentadoria Luiz Jos de Carva-
lho, inspector dos alumnos do extrnalo do impe-
rial collegio de Pedro II, com o ordenado que Ibe
competir;
Reduzmdo um cont de res annuaes as pres-
tares de tres contos de res que Thomaz Jos
Pereira Gereraoabo foram concedidas pelo tribunal
do thesonro, em virtude da resoluto legislativa
n. 702 de 26 de agosto de 1853, para pagar fa-
zenda nacional a quantia de 27:6321337 da divida
que ficou obrigado como fiador de Jos de Cer
qiieira Lima e Evans & C ;
Mandando passar carta de naturalisacao de cida-
dao brasileiro ao subdito porluguez Jos Lino do
Chulo Jnior.
Occupou-se depois com o projecto que autorlsa
o governo a pagar Manoel Jos Teixera Barbeza
a quantia de 150:732io0 que a fazenda nado
nal foi condemnada p >r sentenc em grao de re-
vista do poder judiciario, podendo desde j fazer
a necessarias operacSes de crdito para obter os
respectivos fundos.
iO Sr. Pereira da Silva, depois de algumas ob-
sejrvacdes, offereceu um requerimento de adia-
manto, cuja discussao flcou encerrada, nio se vo-
tando por falta de numero legal.
Continuando a discussao do prejeetc, tambem
fidou encerrada.
Era ultimo lugar enlrou em Ia discussao o pro-
jento declarando que a provincia de Sergipe se li-
mitar com a das Alagoas pelo rio S. Francisco
at sua foz no ocano, sendo os limites ecclesiasti-
cojj os mesmos que os civis. Orou o Sr. Corra;
ficando a discussao encerrada.
cuna e com dons canos, tendo o casco pintado de
preto, parte da caixa das tolas branca, a parte
euperior dos cano preta e a rstame encarnada.
Diz mais o capito que o vapor se conservar na
mesma posicio at domingo a noute.
Em vfsla destas informaedes pos!ve| qne o
vapor de que se trata seja o Vaumon, qne no dia
17 sahio do nosso porto em dlfee
"que, em con-equencia do mo tempo, ou por qual
quer outra circunstancia, i i abrigasso no ponto
em que o avistou o biale americano.
-M-
Por decreto de 10 do eorrrente fol novamente
prorofada, at o dia 30, a presente sesso da as
sembla geral legislativa.
Por cartas imperiaes de 14 deste mez :
Foram nomeados: D. Prxedes Mateo Ltgasta
e D. Nicola Maris Ribeiro, gra-erntes da ordem
da Rosa ; D. Bonifacio de Blas, dignatario : D.
Raphael Garca y Santisteban e D. Jos de Argair
y'Vildesola, commendadores, e D. Francisco Otih y
Mesias, D. Ernesto Crens, D. Joaquim Valerav
Aceituno, Emile Daistel, Frederic Torquet, Abel
de Lebran e Jan, cavalleiros da mesma ordem.
Foram naluralisados cdadioa brasileros :
O subdito inglez Henriqu* Carpenler. os por-
geles Augusto Cesar Layns e Manoel do Son
Le te.
Por decretos da mesma data:
Te ve merc do titulo de bario de Caby, Fran-
cisco Ferreira Porto, negociante e proprietario da
provincia de S. Pedro do Rio Grande do Sul.
Foi nomeado cavalleiro da ordem de S. Bento de
Aviz, o eapitao Joaquim Alves de Macedo.
n.r -tul de 19 do corTente.foi nomeado o pilo-
to Phabio Rio para o lugar de commandante do
cter Parahgba, ao servico da alfandega do Re
de Janeiro.
Por portara de 20 do corrente, permittio-se que
o primeiro cirurgiio do corpo de saude de exer-
cito, Dr. Firmino Jos Doria conttue a usar dos
distinctivos do posto do crurgiao-mr de brigada,
em que foi commissfcnado durante a guerra do
Paragnav, nos termos do art. 4.* da le n. 1765 de
28 de junho prximo passado; e concedeu-se li-
cenca para residir na provincia de S. Paulo ao Io
lente reformado do exercito Francisco Jos dos
Santos.
Por decreto de 3 do corrente houve Sua Mages-
tade o Imperador por bom, tendo ouvido a seccio
de justica do conseibo de estado, commutar ua pe-
na de i a les perpetua, que ser curaprida oo pre-
sidio de Fernando de Noronha, a de morle imposta
aolro Domingos, escravo de Lino Antonio da Sil -
val, pelo jury do termo da Campanha, na provin-
cia de Minas-Geraes.
A. o principe D. Felippe, tendo ante hontem,
'rado Fluminense, montado am cavallo fogoso,
aiirado ao chao, fleando com o brago dlreltp
turado. O Sr. Dr. Aristides Garnier prestou
osiprimeiros soccorros mdicos Sua Alteza.
- 21 -
Hontem nao houve sessio na cmara dos depu-
tados por falta de numero legal.
Pelo paquete inglez Oneida, entrado hontem do
Rb da Prata, recebemos folhas at 16 do corrente.
Na repblica Argentina melborra sensvelmen
tejo estado das cosas relativamente guerra in-
testina. Em Entre Rios urna forca de 1,500 ho-
mens commandada por Gonzlez, e que forma va
a vanguarda do exercito de Lpez Jordn, deixou-
se sorprender e bater pelas tropas naclonaes, qne
tinham agora a esperanza de aniquil >r .i grosso
das forcas rebeldes. Logo aps fol tambem bali 11
e disprsala em Santa F urna expedicao com-
mandada por Luengo, e enviaja pelo mesmo Lpez
Jordn, no intuito de sublevar aquella provincia.
Sobre um e outro successo, e sua influencia
piovave sobre a sorte da rebebi, encontram-se
as cartas de Buenos-Ayres pnblicadadas em ou-
tra parte pormenores inters antes.
Tambem no Estado Oriental vieram finalmente
s mios colorado e blancos. A 12 no passo Se-
vrino do rio Santa luzia entre as forca blancas
d Medina e Apparicio reunidas por um lado, e as
leaaes do general Suarez por outro, pelejou-se
uma batalhade que, apezar da parte oficial, como
de costume, a proclamar uma grande victoria pare
as armas do governo, o mais que se pode admit-
lijr que ticou indecis i. Foram os blancos que
atacaram e inmediatamente involveram e disper-
sara m a cavallaria do governo, vieram, porm,
embarrarse contra a infamara e artilharia que
rttpelllram a carga e sustentaram o campo da
batalha. Por esta circumstancia proclamou se o
general Soarez, vencedor na sua parte para o go-
verno, confessa, porm, haver perdido nao s a
sua cavallaria, mas tambem todas as suas mu
caes e bagagens, pelo que leve de retirar se para
Piedras a 4 leguas de Montevideo. Nesta retirada
djz elle nao haver sido incommodado pelo inimigo,
einbora este viesse marchando na mesma dreccao
e acrescenta que boa parte da sna destrocada
cavallaria bavia tornado a incorporar-se-lhe. S-
mente o correr dos acconlacimntos poder reve-
larnos o valor real desta batalha, e por ora nao
parecera elles realmente muito favoraveis ao go-
verno.
I Nova parte oficial do general Suarez, datada de
15, veio declarar que o Inimigo se apresentara
diante do seu acampamento as Piedras, e que
sihindo elle a dar Ihes batalha, os blancos desfi-
laran] pela soa frente em direcio ao Cerro, de-
fronte de Montevideo. Dispondo-se o general a ir
si-'bre elles, encontrnos que ji vinbam de volia
buscando escapar para a fot do Colorado, perse-
gni-os e ia aperta-Ios contra aquello rio, quaodo
elles contramarcando foram procurar o passo de
Casaballe. Alli o inimigo tentn fazer frente, e foi
batido com perda de 80 morios e 100 prisinneiros,
mas prosirada de cansaco a infamara nio pode
ir mais longe.
Comtudo, mal isto se publicava em Montevide
ja dsfronte, no Cerro, coraecavam a appartcer
esses mesmo- blancos que re diziara batidos so-
bre o Colorado, e travava-se a Inia s portas da
cidade. Prineipiou ento o telegrapho do Cerro a
avisar successvamenle para a capitana do parto.
Inimigos margero do Pantanoso. A ,sua
forca de mais de 2,000 homen< com iofantaria.
Destacara partidas era todas as direcedes.O ini
migo avanza. Avista-se forcas nossas desde o Co-
lorado at s Piedras por O. E.As forcas sabi-
das da capital esli combalendo. Repelliram o
immigo. Reeolhera-se praca sera serem hosii-
lisadas. Pela fralda da Cerrito deslacam-se parti-
das em varias direccoes. Uma forca de blancos
dirige-se para dentro pela Figurita.Os inimigos
pela fralda do Cerrito, outra forja do governo di-
rige-se pelo Figurita para leste. Os inimigos aban-
donaran] o campo retirando-se para leste. E>t5o a
margena do Manga ao norte. Acamparan). No cam-
po iniooigo nola-se muito movimento. O nossu ex-
ercito dirige-se para leste.
A' sabida do vapor ouvia-se troar o canhao e
avistava-se no Cerro partidas blancas. Entretan-
to se ebegasse o general Caraballo a quem se d
nina forca de 4,000 h >mens, o estado das cou*a
poda mudar rpidamente. A cidade fleava em
grande agilacio, toda a forca corra s trincheiras
e preparava-se para a defeza.
O governo tendo obtido autorisacao ds cmara-
para levantar dinheiro por lodos os meio realiza-
veis, paincipira augmentando os direitos de im
uoraco im 4/ pagaveis em ouro Enviara
ttmbem Bueno* Ayres o Dr. Js E. Mauri, evi-
deniemenwpara fazer uma alhanca com o gover
no argentino, e quera lambem mandar a e>\-
cdrle o novo mini-tro para obter do Brazil med
das qne ponham termos aos abusos que se incnl
ce estaren se praticando na fronteira.
Refere o capito do hiale norte-amorcano A'aury
Smitk, entrado ante-hontem no nosso porto,pnv
dente deBammore, que no dia 17 do corren
2 horas da tarde, avistara encalbado, entre Marica
e Punta-Negra, nm vapor de rodas armado a es-
Era consequencia da noticia dada pelo eapitao
do hiato norteamericano Nancy Smith, que pu-
blicamos hontem, sahio um vapur de reboque do
Sr. Lage levando a seu bordo dous guardas da
alfandega, aflra de prestar os soccorros precisos
ao vapor que se dizia encalbado ; honttm pela
manha enlrou o rebocador sem ter encontrado o
referido vapor. "
23
Por decreto de 21 do corrente foram nomeados
em attenco aos servicos prestados era relscio
guerra conlra o ex-prrsideute da repblica do
Paraguay :
O cooselheiro Mariano Carlos de Souza Correa,
commendador da irdera da Rosa ; o Dr. Jos
Maria Lopes da Costa, Carlos Antonio Petra de
Barros a Jos Carlos de Almeida Torres, ejlldaes ;
Mannel Joaquim do Naseimento e Silva, cavalleiro
da dita or em ; Jos Mara deBiltencourt e Silva,
e capitio Antoaio Florencio Pereira de Lago, ca-
valleiros da de Chrsto.
Em attcpco aos servicos prestados na mesma,
guerra.
Brigadeiro Solidonio Jos1 Antonio Pereira do
Lago, dignatario da ordem da Rosa; major Wen-
ceslao Jos de Olivera, cfflcial da mesma ordem.
Foi concedida ao capito Francisco Jos da
Costa, dispensa do lapso de tempo para poder
tirar dispensa de cavaliareiro da ordem da Rosa.
Foi concedida a ponsao de 18| mensaes, sem
prejuizo do meio sold, ao alferes do 3* batalhao
de infamara Joio Soares Baptisla Machado, in-
validado era combates.
Foi concedida a medalha de 2' classe ao alferes
de commissao do 19 baialhio de infamara An-
tonio Correia de Oliveira, or ter salvo com risco
da propria vida, a de fre Mariano Bgnaia, vi-
gario em Corumb, que, cahiudo alta noute no
rio Cuyab, perecera a nao serem os esforcos do
mesmo alferes.
Por decretos de 21 do corrente :
Foi aposentado o inspector da thesourana de
fazenda de S. Paulo, Joao Xavier de Azevedo
Marques.
fi foram nomeados :
Para o lugar de inspector o contador da mesma
thesouraria Domingos de Mello Rodrigues Lou-
reiro.
E para o lugar de contador o chefe de seccao
Bernardo d Caslilbo Maia.
Por portarla de 22 foi nomeado Jcio Jos de
Paiva para o logar de collector das rendas ge-
raes de S. Fidelis, provincia do Rio de Janeiro.
Por titulo de 20 do correnle foi nomeado Anto-
nio Li'ite de Moraes Reg para o lugar de plati-
cante da thesouraria do Maranhao.
Em attenco aos servicos prestados com relacao
guerra do Paraguay por Ernesto do Prado Sei-
xas, commandante do transporte Galgo, concedeu-
se a honras do posto de 1 tenente da atinada
por decrete de 15 do eorrente.
Por decreto de 16 do corronte foi reformado o
cabo do corpo de imperiaes marinheiros Maaoel
Francisco dos Santos, com melade do respectivo
sold, na forma do art. 29 do decreto n. 411 A
de 5 de junho de 1845.
Por decreto de 9 do corrente toi nomeado Dio-
nysio de Souza Brochado e Silva para o logar de
administrador do correio da provincia do Piauhy,
cora os vencimentos da tabella a que se refere o
art. 25 da lei u. 939 de 26 de setembr de 1857.
JIMIO DE PERNAMBUCO
RECIFE. 29 DE SETEMBR DE 1870.
Nocidas do sal do Imperio.
Chegaram hontem ao nosso porto o transporte
guerra Vassimon a o vapor ingles Oneida, tra-
zendo datas : de Assumpcio do Paraguay at 1.*,
do Rio da Prata al 16, do Rio de Janeiro at 93
e da Babia at 26 do corrente.
Chamamos a attenco dos leitores para as noti-
cias que damos sob as rubricas Exterior e Inte-
rior.
PABAGUAT.
No da 15 de agosto teve logar a abertura
da cmara constituinte desta repblica, lendo D.
Carlos I/iizaga o seguinte discurso :
< Honraveis roembros da assembla consltnime.
i O governo provisorio sauda nac.io para-
guaya legtimamente representada em seus emito*.
i Senhores da convenci. Nio ha muito qne
neste mesmo recinto, sombra deste mesmo teeto,
se reuniio sob a pressao do terror nuinerosos
grupos de homens que s tinham por mlssio nmas
vezes restringir, se ainda fosse possivel, a rbita
limitada do poder daquelles por cujo mandato se
achavam reunidos; e ootras vezes seccionar o
criraes commettidos sombra desse monstruoso
poder.
c Foi assim que descorrern) para o desgrana-
do povo paraguayo ouze lustres II... nos qnaes
seus autcratas sobre elle aceumnlaram elementos
de combusto, apagando ao mesmo tempo as tases
intelectuaes, e habitnando-o passiva e sobmissa
obediencia, para entrega-lo assim snbmisso e p*s-
sivo ao sacrificio as aras das criminosas paiiSes
tyranoicas.
< Foi assim, senhores, que o ultimo desees ly-
rannos, sem a mnima opposicao, sem o mais leve
protesto, com mao patricida, logrn por fogo nao
do E^ado, fazendo-a arder por cinco anees aas
chammas cruentas da guerra, at reduzi-la ao sea
hrrido naufragio.
O governo provisorio, madeiro fluetnanje no
meio dessas aguas revoltas, colbeu para si ce nu-
fragos que pode cenduzir s praias desse p)eo
profundo de sangue e de lagrimas, e eontimla a
receber como pode os restos eitenusdos e disper-
sos do que ifol o povo paraguayo, sentindo da*
de annunciar-vos que Fnnasco Solano Lonex, aj
la s,.lidio do seu tmulo em Cer o Cora, nao ees-
*a de victimar, porque nio lem sido po.sivel ao
gverno eootor de todos os efifeit >s do sen nefando
cu me; porm conta o governo qne com o apxjKe
dos pas da patria terminar se-ba laocilamimu
situaco.
. o periodo atravessado peto governo prnvtaori*
tem sido todo de angustias e dwolaeio : porm,
rumo seja inherentes as vieissitrjdftj human:
a trrn:.cao dos bens com os mal na vida, bei*
-rite o governo a intima salisfadao de ver pela
(rim ia vez oo povo paraguayo a abertura de
um cogresso livTe.
< Pmulo, sao os votos do governo que o Bens
da i oaedes esclareca u mente das Srs. cnnve-'
cHinae, para que em i nacktnalidade paraguaya
inslitui(oes que, aleando-a da prostracao em qne
ora se aeba, a coiloquem se altara do prefresae
1
'

V !
*


*.
Diario de PewamBuO Quuta feira 29 de Setemim* d 1870.
&.
a qae chamada pela natnreza. E para qae
saoceda, o podtr exeeuvo, por toen argo, tela-
ra aclur-se inaugurad <;Io nacional e
afceito o curso dos sena trabalhos.
Loga ea seguida o Sr. R i varla lea o diioam
eguiale :

Senioras.Foesa reunio boje marcar para
amare urna poca memoravel nos fastos de Qossa
afortunada patria, e desparta rocorJacSes que
alo nodem deiaar 4 vibrar no peito de todo bom
cidadio.
Quantos aanoa perdidos para fazer a gloria, a
f randeu e prosperidade da patria I Gom som-
bro o quadro em qae se debacho, dor mais de
meio scalo, as passadas tyrannias I
m O Paraguay, ecravo longo tempo, cootinnoa
a ser u martyr de loucas paixoes.
i Qae se aprende de sua historia io trtste de
memorarse? Ho mais qae a degradado moral
ao nomem, a ignorancia das turbas, a intriga e a
peridia. Iniquos principios que reduzem o povo
* mais abjecta eondico.
Os tyraonos de nessa patria, para otteocao
uoj seus depravados fias, erigiram em systema
>ao esse cumulo de ignominia, e eis como se fize-
I*?L*,Ttm do dwlio da "*0 alronsando
uespottsmo em todas suas eonsequencias harri-
?eis: a, sem duvida alguma, conresemos que o
Paraguay ha sido triste victima de indo isto. Isto
muito mais tecos visto e sentido da sobra, at 9
o de ser este maladado novo o examplo mais
tacante a historia moderna contra os goveraos
-Pessoaes e despticas.
A historia do Paraguay, em cojas pagioas-es-
regislrados os solTrimenios e saeraftcios de todo
genero, s offeree corapaixaoaos olhos dos outros
fows; e essa tao severa lico nos servir para
odiar os tyraonos, e para qae aprndanos a ver
tos 'overees despticos oj flagelos populares.
Depois de longo perpassar de mais de cin-
eoenta anuos de nossa existencia poltica, sob o
dominio dos tres tyraonos, hoje alvorece o dia da
liberdadoj livres ja nos acharaos no porto da nos-
sa salvacao; sim, de nossa salvacao, porque de-
pois de um longo captiveiro poutico e de ama
guerra de cinco annos, que ameacara aniquilar
nossa nacionatidade, a patria existe e, reanimada,
exerce os direitos de bomem livre e de sua sohe-
rana popular.
< Vos, representantes do povo, sois aquelles a
fuem esta va reservada a gloriado ser o aeu pri-
meiro poder eonstituinte e, como orfo de sua
vontade, tendo em vossas mos confiada a sua sor-
te, deveis corresponder dignamente vossa eleva-
da misso, j que a opportuoidade se vos apr-
senla ; si ti, sois aquelles de qnem o pove para-
guayo aguarda a recompensa a tantos seffrimen-
tos e sacrificios passados, contribnindo com vosse
patriotismo e com vossas luzes, com o exemplo da
nniio, da ordsm, da calma e da consagrado
causa publica, para que se dicte a le fundamen-
tal de sua nova existencia poltica, sob a qual nao
pred minem as paixes, mas a razio, a justiza e
equidade.
Nao tem sido sempre fcil a tarefa dos pri-
meiros legisladores em todos os lempos e paizes;
e ser mais difBcil entre nos que vamos empre-
hender, passando de ura extremo a outro, e entre
o escombros de ruinas de um governo pessoal, a
vida democrtica dos povos.
Nao aspiremos, pois, por agora a perfaicao em
en Metaos polticos, de tnflatr de qtnrlqner mo-
do sobre -o sea aaludo.
ReslabejeciJo, porm, o Sr. Rivarola no sea a-
ojos que o geoval argentino ropn-
J U ^ ^'Wirwido.lbe a eoaU-
naaeao do sea apoio moral e material, nos termo
mais amigavas.
*JLtT[ ^"'"ro conUnoava tambera em
suas telacdes efRciaes com esse foverno.
panucamos em seguida a oroolamacao do novo
S assembla eonstituinte, documentos datados do i*
de setembre.
Cdadios t A convenci eonstituinte que foi
convocada pelo governo do trmravrato para a or-
ganisacao da carta fundamental que ha de reger
os poderes pnblieos da naci, faUeou a iei de sua
ereaco, e antes de dar comeco obra, iulou
conveniente declarar-se em abena rebellio non-
ira o exeentivo, dando o escndalo de resolver a
deatiiateio do governo provisorio, com toda a vio-
lencia de que sao capazos os homens que se sep*
ram da omita de suas attribuic5es.
O governo, apoiados nos boas elementos que
tem no seio da conveneao, e contando boje com o
apjio de todo o novo, com a nova organisaco que
se deu ao^overno, resolvea resistir entrega do
mando, apaado na razio e na justica e contando
com o apoia decidido e a opiajao de toda a naci.
, O gnvorlo ws prometas tjue a ordera nao se-
ra alterada, oque este iswiamue de nenhum mo-
do mudar a situagio do paiz, pois agora conta o
governo cara a raaaoria-aeasate da.convenci, e
este asenselo) popular qae o gaverno recoaheoe,
cootinajar tranquillanaente.a oeeupar-se da coas-
ittuieao, objeeto para qooel onvoeada.
O governo aflaoca que a aituacao est segara,
que os mos elementos se acham inutilisados.
Constancia no tranalho e t no porvir, e den-
tro 4 pouoos dias todos saldaremos 03 poderes
permanentes, qae bao de dirigir os destinos da na-
ero. Assuropao, l- de setembro de 187a- Cy-
tillo Antonio Rivarola.Candido Barero (secreta-
rio geral).
Nos os convencioaaes abaixo assignados recon-
sideramos a attitule assumida por esta honrada
assembla na sesso de hontem, e reparamos no
engao em que cahimos, oedendo mesquinhas
pretencSes de um circulo que conseguio, por um
insume, sorprender-nos.
Por con3eqaencia apoiamos a determinaco
ao tnamviro Sr. Rivarola de resistir s levianas
pretencoes desse circulo, e apoiaremos a nova si-
tuacao, desejando que pastemos a oecupar-nos
com a tarefa para que o povo nos elegeu, de or-
1M.II I I I, I
As-apoHew ganu
de % */* Bogoeiaram se 75

gamsar a nossa carta constitucional e eleger o go-
verno effeetiro.
nossos primeiros actos de naci livre. A perfeicao
obra do tetapa, da experiencia, da edueacSo do
hornera e do progresso social ; pensar de outro
modo seria caratnhar sobre um abysmo coberto
de flores.
Muitos outros povos nos preceder m no que
vamos encetar; estudai, pois, suas instituieges li-
beraos e deltas adoptai os principios que devem
ser o patrimonio commum da humanidade, sera
levar as vossas aspiraedes alm do que seja es-
trictamente neeessario para salvar os direitos pri-
mordios do horaem e de nossa nacionalidade ;
adopiai as instituicoes que mais concordem cora o
nosso modo de ser e com as actuae6 condicoes de
nossa sociedade, coodiedes que a ninguera' dado
mudar imagem do seu ideal.
A prosperidade dos povos s consiste no am-
paro dos principio consagrados civilisacao e ao
progresso, s garantas dos direitos de todos, dig-
nidade do homem, ao seu trabalbo honesto, sua
propriedade e industria ; ere.lizado tudo isto en-
tre nos outros legaremos nossa posteridade, a
mais Della das herangas, offerecendo assim ao es-
trangeiro os elementos de nossa riqueza inculta,
sem os bices que sujeitara o hornera ao carro
sangrento das (yrannias, sem as restriccSes e mo-
nopolios qae sustara o desenvolvmento moral e
material das sociedades, para trazer forzosamente
a civi!i*acao e o progresso por meio das scen-
cias, art^s, industrias e commercio. Hospedar o
estranseiro sera a protec^io das leis a par cora os
naturaos do paiz, nao chamar, acariciar com a
palavr?, para assassinar com as obras.
Nao s a necessidade, mas tambem a justica
aconselhara que possam elles usar dos mesmos be-
neficio?.
Distoahecer qualquer destas verdades, seria
atteotar de um modo irritante contra as leis do
adiaaUmento, contra as leis da moral e da jus-
tica.
O Paragnay mais que todas as outras nacoe?,
preci-a, para augmentar sua populacio e recobrar
seu vigor natural, do elemento estrangeiro, e este
por sua vez tem o direito de exigir proteecio e se-
guranza soba egida de nstituicijs liberaes.
t E anda isto nio basta: preciso tambera con-
der ao? ostrangeiros oexercicio livre dos seus cul-
tos religiosos, pois, s assim se comprehende co-
mo o Paraguay pode vir a sera patria commum
de todos os homens honrados, para chegar a altu-
ra doa paizes mais adiaatados do mundo. Sao es-
tas as necesidades para a reconstruccio de nos-
sa nacionalidade, e para tanto satisfazer justo
declara-lo solemnemente, para gloria nossa e das
geraedes porviBdouras, era nos3a carta funda-
mental.
t Assim nosso nome, marcanio urna nova era
nos acnaes d) Paraguay, ser invocado cora res-
peito e veneracai.
Seahores,vosia missao elevada, ardua a ta-
refa e sagrado o objeeto ; e para a coosecucao de
tao louviveis ftis, o homem por si s deficiente:
em ao lases, era o patriotismo podem supprir
asfaltas, enjo auxilio daveis invocar em todas as vossas de-
% liberales.
Recordemos as licSes que nos leguram os
imrairtaes fundadores dos Esfados-Unidos da
America.
Quantas vezas nio dosanmarara elles pelas
dissiden^ias intieherentes s humanas paixdes I
quantas vezes, nao invocarara o auxilio do Deus
do nniverso, para que a? paix5e3 se calmassera, e
se concillando lodtscora as exigencias do dever,
predomioasse a razio. A Providencia tem sido sem-
pre raesericordiosa e de inesgotavel clemencia pa
ra com os que de coracio a invocam e se ampa-
rara em suas sents inspiracoos.
Filiando agora anto os priraeiros eleitos da
naeao paraguaya.faltaria ao raeu dever como cida-
dao se nio uaisse ineus votos aos vossos, para que
Deus vos illnmlne e a tolos nos encaminhe pela
senda gloriosa de nossa felicidade. A reconstruc
cao da patria, sua independencia, Ifberdade, paz
e amao sajara o alvo de nossas nobres aspira-
coes.
Tendo a assembla eonstituinte mostrado ten-
dencias a assu nir attrlbuicoes que erara exercidas
pelo governo provisorio, ura dos membros deste, o
Sr. D: Cirios Loizaga, entregou a sua renuncia
as roaos do outro raembro do mesrao governo, o
.Sr, D. Oyrillo Rivarola. Este deu conhecimento do
facto assembla eonstituinte, que resolveu desti-
tuir o Sr. Rivarola e noraer um novo presidente
previsorio.
Dizem que houve sorpresa nessa deliberacao da
assembla eon-utuinte, e o facto que, tendo o
.>r. Rivarola cedido deliberacao da assembla, e
levado esta effeito o seu proposito, com a noraea-
cao de D. Facundo de Machain, um dos seas mem
bros, log depois da posse deste, seguio se um rao-
vimento popular, que adherlo a maiona da mes-
ma asseotbla, a cujo resltalo foi revogar esta
espooianeamenle a nomeacio anterior e> procla-
mar o Sr. Rivarola, uoieo dos triumviros que rei-
tava, como presidente provisorio.
O movinwaio poltico i que cima alludimos,
operou-se dentro de viole e quitro horas, pala
unio dos amigos do Sr. Rivarola com os do cir-
culo do Sr. B*rero, que Ihe disputava a fatura
presidencia da repblica.
Parta da mainn i, e a minora da assembla, re
resentam essa f isa > das duas parcialidades, fusin
tusa ds grande enthusiasmo na capital
arla contina, pois, no exereicio do
o provwori da repblica com o tulo de
i e1 nomeou para sea secretario geral o
fi2EJl!l,,"M |OO deatttuicio da varios
2 1V 1rteocia o circulo autor da
ZPd22?K'69!?So dl aS9embl eonstituinte,
u2E2 .rivenwd?r Propio wnera
um presidente de ina escolha
goneraas adiados absUveram-se, dorante w-
Assampcao," i de setembro de 870. (Se-
guera-se as asignaturas.)
Dando conu dos aeontecimentos que acabamos
ae rerenr, o jornal El-Paraguay escreve as se-
guintes linhas:
pesappareceram os partidos; ou antes, a fu-
sao dos partidos no grande partido nacional nra
tacto; facto grandioso que nos afianza a recons-
truccao da nossa nacionalidade. O Sr. Rivarola o
o Sr. Barero, secretario geral do estado, s5o boje
a expressao popular.
SANTA CATHABINA
Alera das restas oflkiaes para solemnisar o
anniversano da independencia, houve urna festa
da emancipaco.
O presidente da provincia, rearando em palacio
muitos funecionarios pblicos, deu carta de liber-
aade a 12 escravos em execucio da lei provincial
de 11 de janho do anno passado.
RIO DS JANEIRO
O senado approvou era 3" discussio, todo "o
orcamento geral do imperio, com pequeas modifl-
cacoes ao projecto ido da cmara dos deputados, e
reraftteu a sanecao imperial.
O Sr. bario do Bom-retiro, na sessio do dia 9,
aeciaroa que leu perante S. M. o Imperador o se-
grate diaeurso, por parte do senado, anniversario
da independencia do imperio :
Senhor.No dia a que so prendem as mais
flonosas recordacoes do Imperio americano nao
poda deixar o senado, sempre fiel a suas tradi-
coes, de mandar depr ante o excelso throno de
vossa Magostada Imperial as mais respeitosas con-
gratula coes.
Ineumbidos de tao elevada missio, vimos hoje
desempenhala, manifestando os,senn'meoios da
leal e inabalavel adbesao qae aqaelleramo do po-
aer legislativo consagra ao principe magnnimo,
que, abracando sempre a causa do povo as cri-
ses as mais arriscadas, ha constantemente sabido
manter esm a raaior preseveranca a honra e dig-
nidate nacional, sustentando de par com ellas as
insumieses livres, que se ligam a grande obra da
nossa eraancipacio poltica, a sombra das quaes
tem o Brasil caminhado avante na senda do pro
gresso, considerando-as o mais seguro penhor de
venturoso porvir.
Senhor, a ninguera mais do que a V. M. im
penal dado apreciar as glorias do primeiro dia
nacional.
t Filho, nelle contempla V. M. imperial os feitos
Ilustres de seu augusto progenitor, verdadeiro
bere do seculo XIX.
Na America fundador de um imperio livre, na
Europa o libertador de um reino que lutava com
os horrores do depotbmo.
Cidadio, V. a. imperial sent dentro do peito
palpliar-lbe o coraoio eminentemente brasilero
aos impulsos do mais intenso jubilo, saudando o
da da independencia da patria, cuja feicidade
o alvo principal dos mais desvelados cuidadas de
V. M. imperial/
O senado, pois, sanda tambem cheio de pro-
fundo acatamento a V. imperial, dirigindo
como sempre, as mais fervorosas supplicas ao Om-
nipotente para qae derrame suas beticios sobre V.
M. imperial, sobre S. M. a imperatriz a toda a im-
perial lamilia.
Na sessio de 6, o Sr. senaeor Jobim justiflcou o
seguale projecto, que foi a imprimir :
A assembla geral resolve :
t As conirSd>s neeessarias para approvacio de-
finitiva dos estudos de urna estrada de ferro, e
para a autorisagio da sua construccao, sao as se-
grales : ^
Art. l. Far-se-ha a raedicao e nivelaraento
dos terrenos aira vs dos quaes deve passar o ca-
minti de ferro, com urna carta, oa plano do ca-
mmho, do sea curso e direcjio, assim como dos
terrenos que elle deve atravessar, que deverio
ser desappropriados para este fina, conforme o que
ror reconhecido; e haver nra livro de registro
para o carai nho de ferro, que dever conter: Io,
nina descnpzao geral das terrenos; 2, o norae
dos proonetanos e possuintes, tanto quanto forera
conheeidos; 3'. todas as nformicoas neees-
sarias para bera coraprehender-se a carta ou o
plano.
Art. 2. A carta ou o plano, e o livro do re
gistro serao examinados a verificados pelo primei-
ro engenheiro do minisierio da agricultura, traba-
jnos publicas, ou um seu delegado, fijando outros
igaaes (plano e livro) assim examinados e verifica-
do, depositados na secretaria dos trabalhos p-
blicos, e a companhia ser obrigada a dar copias
desta eirta oa piano, e do livro do registro, ou
das partes relativas a cada districto ou municipio
atravs do qaal liver de passar a estrada de ferro
para serera depositados na secretaria das cmaras
respectivas.
Art. 3 Q'ialqaer pessoa ter livre accesso a
estas copias, podendo obter extractos ou copias
pagando a secretaria honorarios iguae* as custas
dos esenvaes, e tendo os ditos extractos em
piizo o mesmo valor carao os que sao feitos par
6916S.
Art. 4. Far-se-ha finalmente ura orcamento
fundamentado do custeiu da toda a estrada, do
lempo em que palera ser concluida a sua cons-
truccao, e dos beneficios que delta, devera porvir
ao esfado e a companhia, e a vista destes dados
que serao transcriptos no livro de registro que "a
concesso poder ser feta.
Pa$b .lo -senado, 6 de setembro de 1870.Jos
Martins da Cruz Jobim. >
Na sessio de SI flcoa encerrada a 21 dfseussio
do projecio eaviaio da cmara dos deputados sob
previlugio concedido aos ongenheiros Paals Jos
deOiiveira e Joaqnim iPiras C.raeiro Monteiro,
lepois do algamas ob^ervages dos Srs. Cunha e
Fiueiredo, Siurabu, Rbaira da Luz e Jo-
bim.
do
' a i;000
*.*.. ** ^mJ 8>flr88 do banco do Brasil,
A',"*iec3w < M foram de 108'a i74j e de
WO a 175^ cada ama. Um lote de 80 acedes da
Companhia da Doca da alfandega oblata 7# de
premia.
A ttxa do descont foi de 6 a 9 0/0. .
. "7k4L?irande'a"a reodea de 1 a XI do crrante
!,7IO:2l830i.
Sahiram : a 17, a barca portagoeza Formo-
ta para Pernambaco ; e a 21, a barca francesa
Raoul, idem.
Achava-se carga para Pernambaco a bar*
ca argentina Cosmopolita.
me
No dia i de agosto foi installada a assera-
bl provincial.
Leaos no Cafreio Olkitl:
Na neit de tt-de jniba,nesia cidada, foi mor-
a ppr aiphixia a menor da 2 annos, Joannna, fl-
Iba da Igoei de taL pelo soldado do 2* corpo de
cacadores a cavallo, Manoel VTrguUno da Tnnda-
de. O facto deu-se da modo segrate : a infeliz
menor eslava dormtndo sobre ura colcnio, as es-
curas, eis que entra* Virgnllno bastante embria-
gado* deita-se sobre ella. Quaodo a m proco-
roa a wha encontrera-a marta. Virgalino acha-
sa preso e em procesao.
Em la do mez passado, no Sncnry, districto
do Curralioho, foi brbaramente espancado e est
em perigo de vida, Vicente Lelte Barges pelos ir-
maos Vicante Pimental Jos Pimental. O sub-
delegado depohcia fez o competente auto de cor
po de dilcto a instaura sumario contra os crimi-
nosos e diligencia prender.
iftNAS-GRRABS.
No dia 7 de setembro abrio-se a 54 exposi-
Zao nuaeina.
Sao muitos oo expostoraf, diz o Noticiado!-,
sobresahiudo entre ePes or Srs. Gordon, que apre-
sentou urna collaczo de-productos mineraes, Le-
pafe qae i coobeeido vaotajosamenle na expo-
sicao de Hambargo em qae foi premiado, e o Dr.
Guerra, caja aclividade esleude-se a varias in-
dustrias.
Nessa occasio o Sr. Ernesto Costa entregou
a liberdade a ama tena esorava menor.
No mesrao da a sociedade Philantropica Bar-
bacenense libertou tres enancas do saxo femenino
e por varias pessoas foram Umbem libertadas ou-
iras fres crianzas do mesmo sexo.
s. PAULO.
L-se no Parahiba de Guaratinguet '
Domingo passado, no bairro da Capitaba, fo-
raoi assassinados com tres (cadas Joio Correa de
Mello, criminoso de morle, por Francisco Estevio,
e este no mesmo acto, por Mariano Correa de Mel-
lo, irmio d'aquelle, com um tiro, que quasi sepa-
roa-lhe a cabeza do corno. Por maiores esforcos
que fize3se o Dr. delegado de polica, apenas pode
capturar Benedicto Ferreira, que tambem inter-
veia nalta, sahindo ferido em ura braco.
A 23, no bairro do Puli, Raphael Veneroso e
Pascual Sisbelle, mascates italianos, travarara-se
de razoes, sendo o resultado a morte de Raphael
veneroso. O assassino logrn evadir-se, tendo
sido improficuas todas as medidas tomadas para
sua captura. >
Do Amparo escrevem em data de 5 ao Cor-
reio Paulistano :
Na noite de 3 para 4 a polica tentn prender
urna malta de cigaoos que, depois de fazerem va-
rias violencias e ferimento3 a differentes pessoas,
se aeolheram a um rancho nos suburbios desta
cidade.
O delegado, com orna escolta de paisanos que
se offerecerara para acompanha-lo, pois nao ha
aqui forza pubilca de qualidade alguma, cercoa o
rancho e intimou a prisio. Responderam os iga-
nos com urna descarga de dentro do rancho, que
malou ura dos da escolta, Jos Francisco de Salles
Ayrosa, cisado e cora fllhos, excellente mozo que
aliraentava a familia com seu trabalho e assim
deixa-a desamparada. A escolta fez fogo, em de-
feza, derrabou tres dos agressores cora seu3 tiros,
os quaes se acham presos, fugindo dous durante
a luta pelos fundos do rancho, arrorabando urna
parede.
O Rvra. vigano de S. Sebastiao, commendador
padre Jas Antonio Pinto, lera dado, escrevem ao
Crrelo Paulittano, carta de liberdade a mais de
20 escravos seus.
Aecresce ainda, que S. Rvra. nio s Ibes tem
concedido liberdade como os educa e os onsidera,
com i se fossera seus filhos.
Todos, sera distinezio de sexo, sabem ler, escre-
ver e contar correctamente; sendo 03 do sexo fe
minino peritos nos trabalhos de agulha, desde
0 ponto mais grosseiro at o bordado mais capri-
chose.
Na capital da provincia a loja.\ Sete de,Setem-
bro, e a sociedade Fraternuacao Primtira conce-
rara tambem liberdade no dia 7 de setembro a pri-
meira a ama menor de 3 annos de dade e a se-
gunda a cinco escravos.
Era Belhlem de Jundiahy, o Sr. Francisco
Thora de Assis Passos correu ama subscripzio
entre seus amigos e pela qnantla de 200J1 que ob-
leve libertou urna criouliaba de nome Celestina, de
1 annos.
A pra^3 de PaacJo, ebeia de poro, conwfit oprtrw
oarecii un bal- tJBP'
Eis as noticias commeroiaes da ultima data :
o Incluindo pequeas traasacedas. em cambio
elTeeiuadas hoje sobre Londres a 21 Va e 21 % d.
papel oartcular, sararaara os saques palo paquete
ragez Onrida :
Scbre Landre cerca
d. papel bancarin a de 9
licular.
a 3 .bce Franca cerca do frs. 2OD.O0O a 483, 4oi.
4o0 h 452 rs. par fr. ,
a Sobre Portugal regulen a seguinte tabella :
de 453,000 a 26 20 /,
V:
a 21 '/i d. papel par'
180 o/0
179 /,
t 166 a
c 145 a
t 164 a 178 /
163 a 177 /
Os soberaaos esllveram
dos, cbnstando-nos apenas
d/v.
d/v.
partidas a 1U500 a dinheiro.
a vista
a 30 d
a 60 d/
a 90 d/v.
hoja menos procura-
a venda de pequea
BAHA.
Nos das 18, 19 e 20 do corrente
realisaram-se os festejos pela teraiinar;3o da
guerra cootra o Paraguay, que s5o assim
descriptos pelo Jornal:
Comacaram no dia 18 do corrente os
festejos pblicos.
< s 11 horas da manha achava-se a
cathedral completamente ctaeia, tendo com-
parecido, alm do povo, que se grupava no
fundo e as daas portas lateraes do templo,
todas as principaes autoridades, membros
da assembla provincial, de todas as classes
da magistratura, da Facudade de Medicina,
da marinba, do exercito, dj corpo consular,
da guarda nacional, commissoss da asocia-
CjSo commercial, das ordens religiosas, das
confrarias, de diversas soledades, ebefes
de repartieses e empregados de todas as
catbegorias, o cabido, o seminario, e a c-
mara municipal, que diriga a festa.
t Gelebrou S. Esc. Rvma. o Sr. arcebis-
po conde de S. Salvador o Te-Deum, sendo
orador o Rvd. padre-mestre Fr. Itaparica,
que se elevou altura do assompto.
< A orchestra compunba-se de 60 m-
sicos.
O templo, singellamente adornado, dei-
xava sobresahir a riqueza de sua construc-
c5o, tornando-se mui salientes as inscrip-
coes allegoricas.
No arco da capella-mr, sobre o cor-
nijamento, cima do qual est arvorad > o
estandarte do 40 de voluntarios, havia ura
grande troph de armas. No centro do
arco as iniciaes P. II. e em seguida pelos
dous lados do arco at os capiteis das co-
lumnas, os nomes de oito provincias em
lettra; de ouro.
Em cada am dos outros dous arcos
lateraes bavia do mesmo modo os nomes
de seis provincias.
De cada ama das tribunas pendiam me
da'hescom as seguales datas memora-
veis:
Paesagem do Paran 18 de abril de
18156Tuyoty 24 de maio de 1866Tuy-
iy 3 de d^zerabro da 1867Passagem fie
arcada* do paco moni -ias bandas de
mosica naarcial tocavam altera mente es-
colniaaa pcas,
No centro do torreJo embandeirado,
acaava-ae o retrato de S. M. o I. com tra-
gs ae volantario da patria : as cortinas de
aeda verde qae encobriam o retrato foram
aescerrados aos sons do bymno nacional, e
ae moas dados pelo vereador Correa Gar-
fia, e correspondidos pelo povo. Aos Ja-
dos, sobre os vaos dasj-mellas do paco, ha-
via os retratos de algans bravos distribuidos
ao modo seg,uinte;
V direito de S. Magestade-Conde
a hu-visctwli lamaada. -visconde de
ekHae--viscoade d'lUparica baro da
rassagemteoeate-coronel Galvio,
. A' esquerda do de S, M,Marqaet de
lmijviscoade d'IohaaabarSodo Her-
valbarao do Amazonascoronel Sampaie
capUo teneate Maarity.
* Naculumnada figuravam tambem os
segantes;
A'direitatenente-coronel Petxoto
teaeote-coronal CabritaTeoeate Salvado
tenente VassimonJo5o Guilherme Gren-
halgh.
A' esqnerdacapit5o tenente Jeroay-
mo F, Goncaives3apit5o tenente Antonio
Joaquimcapitao tenente BonifacioIo t-
nente Mariz Barros-ma Barros.
E os vaos da arcada erara fechados por
quadros descriptivos dos importantes feitos
seguintes :
GorazPassEgem d'HumaitAbor-
dagem d'encoorazados Assampco -Ria-
chuelo -Passe da Patrialiba do Camino
Batalha de Tuyty.
Todos esses retratos equadros trans-
parentes por effeito da illumioacao. Na
parte inferior das colamnas, havia figaras
allegorioas, que serviam como de pedestal
aos retratos.
as quatro principaes colamnas do edi-
ficio liamse versos allusivos aos grandes
feitos.
=No dia 21 foram celebradas as exe-
quias solemnes pelas almas daquelles qae
fallecern nos campos. O acto eateve Um-
bem na alt :ra condigna.
Recebeu, no dia 17, o grao de doutor
em medicina, o Sr. Isidoro Antonio Nery,
que, tendo seguido para os campos do Pa-
raguay no principio da guerra com sua dig-
na mi D. Anna Nery, 30 agora poda defen-
der tbeses.
A saciedade Abolicionista commorcial
procedeu eleicao di sua d rectora, que
ficou assim organisada: presilente, Bario
do aio Real; secreaios. Maximiano dos
Santos Marques, e Jlo Tarqainio Soares.
S Exc. Rvm. o Sr. arcebispo teve es-
plendida recepc3o ; sendo cantado no dia
12 am solemae Te-Deum em acc5o de gra-
cas pela sua volta.
Foi nomeado promotor publico de
Santo Amaro o hachare! Angelo Pires Ra-
mos.
Falleceram : o escrivo de orphos da
capital, Joao Pinto Barreto; o religioso
franiscano fre Francisco da Soledade,
com 62 annos: e urna freir do convento
das Mercez, conhecida por madre vigaria.
No districto das Mercez suicidou-se,
tomando por^ao de acidj arsenioso, Joa-
quim Peixoto de Freitas.
A cmara municipal da capital devia
proceder, no dia 26, aparacSd dos votos
para senador.
A alfandega randeu de 1 2i do cor
rente 492 :031)JooJ.
0 cambio regulava sobre Londres 21
a 21 1/4, e sobre Paris de 460 a 465 Ira.
por fr.
XI
'Xecuco no anno pro-
bo da lingaa porta^ue, eajn
"*8m;i o encarece, o^iiorluna
tenle tratara ra, para o qae o governo j p*o ao oier legis-
*arla do hntal
Ciae, n
Parall
Para a Baha
Para o Rio da Janeiro
o 21 offl
KSS.-i
sss
at os fundos necesarios na proposia da orea- |SMi}'d'MVn ---'-------
"^ or* I SoWo^iaT *"** W:m
MEDICAO DE IERRAS.-lo ministerio da
agricultura, em 5 da corrente, fal expedido o se-
guraie avfao presidancia de Pernambaco, cora-
ra anjeando qae foi designado o engenheiro Luiz
Jas da Silva para verificar a extensao da sesma-
ria oceupada pelo antigo aldeamento da Eseada,
avivanUr os respectivos limites, conbooer quaes
a posses legitima veis oa no caso de serera revali-
dadas, respailando o terreno legil mmente adqn-
rido, aflm do esdo dispor da parte dovoluta, que
poder ser vendida em hasta publica, aos aetaaes
posseiros, oa a qaeto maiores vantagens oflerecor,
tendo aquelles direito de preempeao.
WSPICgOES DE SADE DE PORTOS^-Em 12
do oorreole expedio o ministerio do impeno um
avisa ao da fazenda; declarando que. tendo o art.
da lei o. 1507 de setembro de 1868 autorisando
o govarao para uaiformisar as tabellas dos emo-
lumentos quo se cobrav.im para a renda geral, nao
poda camprahander os dous empregados das ins-
pecedes do aaode dos portas por constituirem ven-
Uoentos dos ditos empregados, e s poderlo vir a
pagar oarte da mesma renda depois de approvaa
pelo poder legislativo a tabella que baixoa com o
aerte n. 2734 da 23 de iaueire de 1861, accres-
caado que, se deixassem de aer abonados, fleariam
ellas mu ratribuizao alguma, cessaado o servio
I"8'actualmente prestara e como consequencia a
renoa de qae s trata e solicitando do mesmo mi-
nisterio a expedicao de ordem para qae, em quan-
to o poder legislativo nao resolver sobre a appro-
vazao da referida tabella, nao continuem as alfan-
degas a cobrar taes emolumentos, restituiodo-se
a quem de direito as que tiverem sido arrecada-
dos.
9"
DIREiro ADMINiSTRATIVO.-Pelo ministerio
do imperio, em 13 do correnta, foi declarado ao
presidente de Pernambuco que nao se pode con-
ceder o auxilio de 2:000400o pedido pelo Dr. Vi-
cente Pereira d i Reg, lente caibedratio da facal-
daae de direito do Recife,;para occorrer s das-
peas de irapressao da sua abra Intitulada Repe-
tic6es escripias sobre o direita administrativo bra-
silero, para servirem de complemento e eapli-
caza aos Elementes da mesma scieacia, por
nao estar ella approvada para ser adoptada as
'acuidades de direito, como exige o art. 72 dos
respectivas estatutos.
Humayt 21 de marco de 1888 Itosor 6
de dezembro de 1868Arroyo Avahy 11
de dezembro de 1868Lombas Valentinas
11 de detembro de 1868Gampo de Bar
reiros 10 de agosto de 1869 -Peribebuy 11
de agosto de 1869-Gerro Cor* 1 de marco
de 1870.
Fioda a ceremonia s 3 horas da i r-
de, sahiram as autoridades, e, collocandu-se
a aorta do templo, assistiramabi asconiinen-
ciasfeitas pela tropa, qua formado em gran-
de parada na praga de Goade d'Eu, onde
deu as descargas d3 estylo.
Os navios de guerra embandeiraram e
deram tres salvas, tendo igualmente em-
banderado os navios mercantes, nacionaes
e estrangeiros.
A' noite hoaVe iUamiaacio em toda a
cidade.
PERNAMBUCO.
SEVTSTA DIARIA.
RECENSEAMENTO GERAL DO IMPERIO, i
Sab o o. 1829 e dala de 9 do correrte mez, foi
sancionado o seguinte acto da assembli geral :
Art. 1, De dez em dez nnos praceder-se ha
ao recensaamento da pepulaca do imperia.
J 1." 0 governo designarn) dia em que se ha
de eflectaar o primeiro rocenseamsoto, contando
se prra o praso deceooal para o seguinte do lia
31 de dezerabro de 1870. Para as respectivas tas-
pezas concedido ao gaverno, no corrente exerCi-
co, o creto de 400:00UJ, que no caso da insuf-
ficiencia pder sor elevado mediante a abertura
de crditos supplernentare?, e raalisar-sa-ha ue-
los^meios antorisado3 na lei do orzanento vigenlie.
2.* No regulamento qu9 se expedir para a
execucao do recensearaento podero ser cerami-
nadas multas al a quanlia de 33j e as penas
de desobediencia (arl. 18 do cdigo criminal).
3.' Na proposta da lei do orztmento paira
os anno3 era que se tiverera de fazer os recensaa-
raentos decennaes, a gaverno incluir o cred to
neeessario para essas despezas.
Art. 2." O governo organisar o regiUrados
na*ciraenlos, calamentos e bitos, ficandj o regu-
lamento que para esse flra expedir sujeito ap-
provago da assembla garal na parle que se ri-
ferlr peaalidada e eflaitos da mesraj registra, e
crear na capital do imperio unta directora gem
de estatistica qual incumba :
1. Dirigir os trabalhos do censo de todo o
imperio e proceder ao arrolaraento da corte, dan-
do execucao s ordens que reeber do govaruj.
< t* Orgaoisar os ijuaJras anauaes dos nasci-
mentos, casamentas e bitos.
3." G i'jrlenar e apurar todos 03 dados esta-
tisticos recolbidos pelas diversas reparadas pu-
blicas.
, 4* Formular os planos de cada ramo de esti-
lstica do imperio, da local de cada provincia, qna(i-
do a isso for chamad, e da especial a cada classe
de fados.
Paragrapho nico. Fica o governo autori-adio
a desda ja do-tpender anaualraente at 2o:0J!)J0J0
JUIZ MUNICIPAL.Era 22 do corrente, pelo mi-
nisterio da justiza foi declarado ao presidente de
Pernambuco, em resposta ao seu offlcio de 13 de
janho ultimo, que bera procedeu a thesouraria do
fazonda negando ao ex-juiz municipal, Paulino
Rodrigues Fernandos Chaves, o pagamento do or-
denado do dia 6 de maio prximo fiado em diante,
visto que, tendo elle entrado em exereicio a 7 de
maio de 1865 oo termo da Victoria, claro que
findoa o seu quatriennio em 6 de maio do corren-
te anno, nao obstante haver den-o desse tempo
obtido remozao para o termo da capital, o que nao
importa nova nomeacao, como pretendeu aquella
bacharel.
SEMINARIO DE OLlNDA.Ao Rvm. vigario ca-
pitular de Peraarabujo declarou o ministerio da
justiza em 6 da crranle, que sendo hoja impra-
fle* a concessao de urna lotera annua que pede
paila a mantenza de 20 ou 30 alluranos no semi-
nario, era consequencia do grande numero deltas
qua, tem sido concedidas por leis anteriores, con-
vm antes que trate de modificar as disposicoes
que obstara o desoavjlvimento do mesrao semina-
rio ; tanto mais quanto, ainda que podessem bre-
vemente correr lateras concedidas ao dito sarai-
nar(o. outros de dioceses menos reudosas, deve-
riam ser de preferencia altendidos.
miBUNAES DO COMMERCiO.Em 10 do cor-
rete expedioo ministerio da justiza o seguinte
aviso presidencia do Maranhio :
o IA S. M. o Imperador foi presente o offlcio de
20 do novembro de 1869, na qual o presidente in-
terino do tribunal do commercio dessa provincia
consultou ao govarao imperial a se licito ao de-
putado cararaerciante, que era suspaito, nam
est legalmente impedido, negar-se a votar sobre
materia da competencia do tribunal, sujeila a seu
conhecimento e regularmente Instruida a pretex-
to de querer procad-r a syndicancias secretas ;
e ndi case negativo quaes as providencias que
dev tomar o presidente do tribunal.
j E o mesmo augusto senhor, tendo ouvido a
secgo da justica do conselho de estado, com cujo
parecer se confarmou por sua imperial e imine-
diaia rosolacSo de 24 de agosto ultimo, houve
por bera mandar declarar a V. Exc. para o fazer
constar acuelle magistrado, que era todos os casos
de jiirisdccao admioistrativa, pedindo o deputado
cjraraercial espazo para examinar papis e infor-
marse, se deve ad instar do que dispSa o art. 45
do decreto n. 1399 de 1 de maio de 1335, adiar a
deciso para a conferencia seguinte; porque
muilo importa a justiza o conhaciraento da causa;
e que, racusanda-3e elle a julgar a quesia, depois
de (Judo o prazo, deve ser substitudo e rasponsa-
bilislido palo crime provisto no artigo 159 do cdi-
go criminal. >
PARA A EUROPA.-Cora 25 raoabidei- ,
so porto, leroa o Oneida W passaieiros
CLUB POPULAR.-Nao fancoionari I
cansa dos festejos pela chegada do gene
de S. Borja.
TRASLADACO DE OSSOS.Por ordem a pre-
sidancia da provincia foi transferida, para saitbado
s 7 i/i horas da manha, a Irasladacao dos na-
tos mortaes do Baro de Itamarac, deveodo o
dasembarqoo efactuai-se na rapa da nuda
Aorora.
Paran.Esie vapor devia sabir do Rio d
Janeiro para o norte do imperio a 24 do cor-
CRUKEHW DO SUL.-Para o f 4a outobro
acbava-se marcada a sabida deste vapor da corla
para o norte do imperio.
SOUTB AMERICA.-Devia sabir para Nava-
York coa escala pela Babia e Pwnaajbaco, m
da 25 do crrante.
GYMNASH).A proposito da noticia que ha dUs
demos sob esta epigrapbe, remellemos a segan-
tes liahas qae publicamos como rectifleacao a re-
ferida noticia, qae alias nos foi ministrada por pes-
soa que devia estar perfaitamente itormada, at-
ienta a sua posicao :
Srs. Redactores.Lendo na sna rreisla dia-
ria de 24, que est vago o lugar de medico do
gyraoasio provincial, venho reclamar contra o
equivoco. O medico do gymnasio est com parta
de doente, a den por escripto apresentando para
fazer as suas vezas o Sr. Dr Joao M-uia Seve.
Sena um grande obse juio rectificar na mes-
ma revista o equivoco, oa engao do infor-
mante. \
COMPANHIA PERNAMBUCANA.- Hoja nltt-
rao dia era que recebera carga os vapores Pirapa-
ma e Mandalm, para os portos do aorta e sol se-
gundo o annuncio da mesma companhia.
SOCIEDADE MICROCOSMO.Reune-sa hijee
sesso ordinaria esta sociedade, as 10 horas do dia
no logar do costme.
MAPPA BURLESCO DA EUROPA.O insigne
caricalraista portuguez Raphael Brdalo Pinheiro
faz e publicou ltimamente em Lisboa um raap-
pa burlesco da Europa, que assim deseripta por
um jornal de Lisboa :
As linhas qae limitara as differentes nacoes
circumscrevera diversas caricaturas disposias pelo
modo seguinte :
Portugal representa ura velho ajoujado sob
o peso da Hespanha, que representada peto re-
trato da rainha Isabel, que est com ama das
mos segurando a espada da autonoma, que Por-
tugal tem na mo.
O resto da Hespanha representa a corda, para
que ainda naoappareceu cabeza, e a qaal estao
agarrados Prim, D. Carlos, Monlpensier e D. Af-
fonso.
' Na Franza v-se Napoleo III, tendo as costas
o principe imperial, e que est sendo seringado
por Pelletan, Rochefort, Thiers, Julio, Favre, etc.
Oliyier est retirado a um canto. Napoleo III
est metiendo o nariz na bocea de Bi?mark, qae
j forma o terreno da Prussia, onda o re Guilher-
me est quasi a engulir a Blgica e a Hollanda, e
deitando uraa f ileixa a Aastria, qae coasarva como
grande maz/lla o disticoSadowa.
i A Russia representa nra grande urso branco
que cora urna das patas est esraagando urna mos-
ca (Polonia) a que ameaza a Europa com um enor-
me matado.
A Turqua est representada por am sulto
indolentemente repimpado, a cujo calco serve de
borla ura caranguejo (Grecia).
TTULOS MDICOS.-Era 27 de agosto ultimo
foi expedido, pelo ministerio do imperio, o seguin-
te aviso presidencia de Sergipe :
Em respasta ao oraaio de 3 de feverelro ult
rao, cora o qual V. Exc. enviou-rae por copia o
que |he dirigi o Dr. inspecor da saiide publica
dass provincia, cabe-raj declarar-Ihe :
1." Qua o facto de ter deserapeohado qual-
quer commisso, carao medico, cirurgio ou phar-
raaceutico contratado para o servizo dj exercito
ou da armada, nao isenta a quem o allega da
obngacao imposta pelo art. 28 do regulamento
mandado exentar pelo decreto n. 828 de 23 de
setembro de 1831, devendo em todo o caso os m-
dicos;, cirurgioas e pharmaceuticas apresentar s
autoridades competentes os diplomas cora que
provm a hibilitazo legal para o eiercicio da
respectiva proflssj, na forma do aviso de 26 de
Janeiro da 1856, e nao obstante o que se declarou
era avisos de 12 da fevareiro e 19 ae aoverabro do
mesrao anno.
1" Qae. vista da dispasto no art. 39 do ci-
tad} regularaent), niple o medico accumular
o exereicio da profisso da pharraaeeutico, excep-
to njs lugares eada nao hauver botica aberta.
DSSEMARQUE DO GENERAL VICTOHIN'O.-
Dapois de auzencia la trinta e tantas anuas da sua
proviucia natal, chegou boatara barda do trans-
A Italia urna bota, cuja ponta Garibaldi
de pernas ao ar, com urna das qoaes emparra o
papa para fra de Roma. A Carsega a sombra
de Napoleo I invertida.
Figura a Suecia um bacalho; e a Inglaterra
um marujo, que tem a trian la segura por urna
grilheta, sustenta as costas a Escocia e deita am
arpeo a Dinamarca (urna lagosta).
Na Bltico est uraa esquaira franceza, es-
tando os navios metlidos em re lomas; e da Man-
cha al ao Mediterrneo estende-se urna linha de
navios inglezes.
Aos lados do mappa veem-se cinco vi-
nbetas, caja doscripzo faremos em duas pala-
vras.
Iattula-se a priraeira O Eclipse : a Franca
a nazao eclipsada pela Hespanha, que se malte en-
tre ella e a Prussia representada por Bisraark, quo
o sol da poltica.
< A segunda bastante clara.
A terceira representa o Destino deitando a um
pozo Xapoleo III, Olvier, etc.
Ve-se do outro lado da mappa o Equilibrio
euripeu, representado por ama balanca, cujo pra-
to mais baixo desee sob o peso de Bismark; no
prato mais elevada est Napoleo III, o principe
imperial e muitas raelralhadoras ; mais era baixo
esto maitos francezes diligenciando restabelecer
o equilibrio, o que Ibes impossivel.
V-se finalmente n'ootro ponto Bismark, sob
a forma d urna arauha, urdinio urna teia, em jue
embrulha todas as personalidades importantes da
Europa. >
O mappa foi falto e publicado antes do desastre
de Sedan.
LOTEfUA. A que se acha venda a 162
a beneficio da igreja de Nossa Senhora da Con-
ceijao dos Militaros de Recife, que se extrair.
sexia-feira 30 do corrente mez.
com o pessoal da directora garal de eslatistica, a
n^xsndo-a, se julgar convenante, ao archivo p i-
blico, a que pider dar nova arganisazo.
Art. 3. Picara revogadas as disposicojs e n
contraria
FA3ULDADE DE DIREITO DO RECIPE.Bm
3 do cdrrenie foi expedido o seguinte aviso, paja
ministerio do imperio :
c Tenho presante o offlcio ( sam date ) era qrj.
V. S. pede esclarecimentos sobre os livros deutixa
os adoptados no imperia! collegio da Pedro II, que
a devera ser tambera para o ensino as diversis
cal-'irasda urso de, preparatorios dessa facaldji
de, e lembra a conveniencia de incumbir a algura
dos professoTes sub -ino da lingua portngueza, cujo exame hoje eli-
gido para almissao malrieala no corso lessa ft-
cuida le, ponderando que esse estado se acha nesss
provincia em nntavel decadencia.
t Em resposta declaro a V. S. que, em quanto
nao se refirmar as aulas de preparatorios anaevM
-i facuidades de direito, como e de necesldadj),
canvera que cada profesar de preparatorios de;
tribaa o eosia < da materia de seu magisterio era
tantas classes quantas sao os annos, era q je a n
ma materia se acha deslribuida no programma do
imperial collegio da Pedro II, e n ir lano o laiia
era 4, o trancez e o inglaz em 3, lendo-sa em cala
classa os livros indicados para o anno que Ih
correspondente. Isto quanto as linguas, pois que
em relaza s sciencias am aaico o compendio
adoptado.
No sentido exppsto, e para qae o rais possi-
vel se conforme o ensino dos preparatorios as au-
las anoexas H faculdades de direito com o plaoo
mandado observar no imperad collegio de Pedro
porte de guerra Vassimon, o iliuitre general Vic-
tarind Jos Cirneiro Monteiro, baro de S. Baria, o
man eminente vulto de Pernambuco na campanba
do Paraguay.
A' 1 hora da ter Je deserabarcau S. Exc. entre
astripitosos vivas na rarapa da ra da Commercio
no bairro do Becifa, onda se acha va reunido eres -
cido nmeros de amigos seus, muitas seah>ras e
oaraaroso concurso de povo, do qaal faziara parte
muitos pessoas da disiiacjao 6 funecioaarios p-
blicos.
Dalas bandas de msica marcial tocaram no
desembarque e innmeras foguetes subirara aa ar
era signal de regasija que seula a provincia' por
ver em seu seio um fillia tao prestiraojo como
S. Exc. Alli mesrao Exc. foi comprimeutado
pela nossa dislinola associajo commercial beaell-
cente.
Depois do desembarque, S. Exc, p e seguido
par tudas as pessoas que alli se acharara, dirigi-
se para a habitazo do Sr. Francisso Pinta, ra
do3 Guararapes, onle Exc se foi hospedar, e
ahi retobea as fel.cit izoas da sociedade patritica
Doze de Setembro, e Je muitas pessoas, repetindo-
se enlhusiascos vivas.
A' hauta houveram festejos na roa que tera o
norae do titulo da S. Exc, havendo illuraina-
Zo que deve prolongar-se por tres noutes.
AGUA POTAVEL PARA OLlNDA.Por decreto
a. 4oll3 de 1) Jo corrente, do-raraisterio da agri-
cultura, foram aoprovados os estata'os da cora>a-
nhia de Sania Thereza, orgaoiada pelo Sr. Jus-
tino Ja> de Souza Caraos para abastecer de
agua o otavel a cidade da Olinda; e pi>lo decreto
n. 18J3 1 13 do correnle, foi sancjindado o pro
jcto da assembla geral cancedenda isenzaa de
direitos da iraportazo dita companhia.
Can prazer registramos estas duas n ilicias, que
se Tafurera satisfazo de uma das mais palpitan-
tes nicessidades da cidade da Olinda.
TBBATaO DE SANTJ ANTONIO-Veio han-
lem, no vapor Oneida, es;ripturida pelo Sr. Duarte
Coimbra para trabalhar no seu ttienio, urna da<
maiores notabilidades di Alcicir Flumui-nse,
condessa de Val ranaca Cusa an quejt
no sabbado se far ella ouvir em diversas trecb >s
da Duekesu de erosltein.
Ksaitsa-sa sabbado naste iheatro o espectacnlo-
gala pela ehagada do Exra. general Baro de S.
Borja.
TftOPA DB, LINHA.A' bordo do transporte
de gaerra VauimoH acha-se o 3* batalho de arti-
CHRONICA JUDiriARH.
rsiiarwi. DO COHHERCIO
aCTA DA SESSIO ADMINISTRATIVA DE 26 DB
SET 'RBSrDRNCIA DO EXU. SR. DESE5IBABGAD0R ANSELMO
FRANCISCO PBRtTTL
As 10 horas da manha, estando reunidos os
Srs. deputados Rasa, Bisto, Miranda Leal, e sup-
plente S Leito, S. Exc. o Sr. presidente declarou
aberta a sesso.
Foi lida e approvada a acta da sesso de 22.
EXPEDIENTE.
Offliio do presidente e secratario da junta dos
correctores, acompanhando o bolelira commsrcial
da semana prxima passada.Ao archiva.
Infirraazo adiada da sesso prxima passada
sobre os papis da companhia Al lianza da segaros
martimos.Registre-se. Foi vencida o Sr. epa-
tado Rosa.
Foi ser rubricado palo Sr. deputado Miranda
Leal o primeiro copiador de Carlos Jos de Modei-
ro3 4 C.
DESPACHOS.
Requerraentos :
DaLmreaoa Ribeiro da Cunha Oliveira, apre-
sentinlo para ser registrada a nomeacao de sea
eaixeiri Joo Agostinho de Souza Marques.Pooha
o supplicante na noraeazo junta o numero de sea
armasen).
Da Antonio Francisco Pereira de Lyra, apresen-
tando tambera para ser .registrada a de sea ca-
xeiro Cosme Damio de Almeida S-'ja registrada,
a noraeazo junta.
De Jos de Azevado Maia e Silva, pedindo notas
no registro da noraeazo de seu ex eaixeiro, da
que junta documento.Junte o supplicante 0 do-
cumento de que trata.
De Caetaoo Cyriaco da Casta Mareira, armador
do biate Santa Cruz, pedindo ceriid a de ter sido
recolhida a carta de registro de dito biate, em vir-
tude de caty.Como reqoer.
De Viriato de Freitas Tavares, apresentando pa-
ra ser registrada a nemeazo de seu eaixeiro
Francisca Jas Tavares Sobrinho.Registre-se.
De Jaronymo da Costa Lima, requerendo assg-
nar termo de fiel depo3itario, .ifin de poder impe-
trar ao governo imperial a graca de canceder-lhe
.a continuacao do alfandegaraenio do trapiche Cu-
nha, do qual locatario e administraior.Como
requer.
D'Paulo Guirand, submeltendo registro da
noraeaz) de seus caixeiros Antonio Correa dos
Santos Jnior e Antonio Ribera da Silva.Regis-
tre-se.
De Mauricio Jos dos Santos Ribeiro, submelten-
do tambera a registro a poraeacaa de seu eaixeiro
Antmio de Oliveira Baduc 1er.
De J.iaquira Pedro da Costa M ireira, tamb'm sub-
meltendo registro a nomeacao de sea eaixeiro
Valpiano Innocencio Poggi, e pedindo baix na
i da da Joo Pinto Soare-.C uno pede.
De Thoraaz de'Aqaino Fanceoa 4 C, subniet-
t-ndia registro o seu contrato social.Vista ao
Sr. daserabargad
Da Joo Possydonio da Silva Ros, sabmettendo
a regislio a noraeazo de sea eaixeiro Caetano
Pacheco da Silva.Registre-se.
De Manoel Antonio de Axevede Moreira,. reqoa


I
QuiaU ieirt
Zv ue
Sefembro du 1870
io bastante de sett
>ta Casletlo Branca.
nado o >erM
frKpt Carre.ro Estre:
irfeito parle oommercul, cajo
como age
depoi de.previa;
er fBito parto
S2S de previa cogulla teite ao mservador
Enierctoda Para!
S3dTde,-A secretaria remella copia do presente
dmesto ao conservador supphcaco.
^SftvuEna. Castro & C para sedarbaixano
JSiro^a nomeacio de seu ex-caixeiro Populo
Pereira de Lyra.Sim. .. _
te Callas 4 C requerendo o registro da no-
meVcio sea ixero Luiz Lucas Los Calda
F'Ks^So^equerendo Wudao de ser bu n*o
seu caixeiro Pedro da Silva Antunes.-UrUii-
* Be Carie? los de Medeiros t C, requerendo o
Tenistro da noraeecao de seus eaixeiros Francisco
TavMes Basto e Mauoel Frailas Rwwo.-Re
**Se Antonio da Silva Postes Goimaraes, (adiado
,] sessio prxima passada), pedindo registro da
tiomeaco de seu caixeiro.Regstrese.
COM ISFOMIA5AO DO SR. DESEMBARCADO FISCAL.
Da companhia dos trilhos urbanos do Recito
01intta.-Satisfaca o parecer fiscal
Rehabilitacio do commerciante falhde wse ao
too Soare^de Azevedo.-O tribunal resol venqw
se onvidasse o Sr, desembargador fiscal para as
%ffia?endo.se **mettido despacho
o Exm. Sr. presidente encerrou a sessao pelas ii
oras e mcia do dia.
SESSAO
FMSDKHCiA DO EXM
DE SETEMBRO
JUDICIARIA EM 26
DE 1870.
SIL DKSKMBAHGADOH A.
RBTTI.
Secretarle, Julio GuimarSes.
rou-se aberta a sessio eswndo;
mentoada parte d '* a *
nantes d'aquelle.
que eiwiH PtYet planto tMf- -?"
lidad: em Fiare- > I
Seria dar largas prejoredei a e*e artigo, se|
fosse descrever o triste astado de cousa a que
ohegou aqaelle termo, pelo terror e o alarma
ramados pefcgrupo de faccinorosos, e pe eseaasez.
de vveres,origero de rauitos mala e miserias,
mas felizmente o publico e-la informado, nao so
pelas noticia que corriam, como ate pea numa-
jria medida da presidencia. .
Eu, que tenho presenciado 03 tactos, que vi
mesmo os sacrificios do capio Benedicto, ja por
causa da seguranca publica e individual.^ ja por
prestar os seus coohecidos servicos, nao posso
conseur que venham men'ir publicamente, >o
no intuito da desvirtuar o mrito do capitao Bene-
dicto, e desprestigiar as aatordades do'lugaraan-
do-se tudo quinto ganhou o capitao Benedicto ao
lenla Pires. .. _
E? asim que andando o capilao Benedicto, uo
rigor da escassez dos vveres, e na roaier wcvjo
invern, dorante qualorze das a pe, atravesando
rio e riachos no encalco dos tafrty
em fim pode desbarata'-os, leudo deixado no jar
domestico raa desvelada esposa e nove fimos me
ores- entes a quera mais ama neste mundoi-pre-
ionde-se arroncar o sen proveiuwssimo, servio
para dar-se ao lente P.res !... Consieencus
elsticas!... O que aqui digo *^rjffl-
cia aotenente Pires, porque a parte queitomou
naquele ridiculo manejo poltico foi apeno samr
de porta em porta mendigando assignaturas para
o seu aranzel de mentiras e mandar, publica -o
com o seu proprio dinheiro; pois nem esta peque-
a despera flzeram os seus amigos, alguns aos
quaes era ao menos leram o contedo do tai ar-
tigo ; o meu fim i patentear ao publico que, tudo
(panto deram ao tenente Pires, foi um wrnp
qae flzeram do capito Benedicto. .
Desde que chegou e tenente Pires, at lo do cor-
rente s effectuou duas prista: a de Joaqum
Nasario, casualmente, e a de Lourenco J
igaeza
10 Aa-
m 43,
31 :; 'ilrOS
gene
Navios sahid >s no mesmo 4ia.
Rio de JaneiroPatacho saeeo Garo/ine, ca-
pit5o Gaen ; em lastro de areia.
verpoolBarca tngleta Mimos*, capilio
Gaorge Pepperell, ca ga afgodo e coa-
ros.
Sow.hampton e portos intermetlios Vapor
ingle Ontida, coamandaote A. Bax, com
a mesma carga qae troaxe dos porios do
sal.
uai
fu
de n. 3 e ontro de n.
ido duas meias
com 40 palmos
^^Kdos cada um em
m
Dous cai\
15 na mesma ra d
dentro de c^
200 de
Urna awiagua na ra dos Guararapes, de n. ,
com 23 palmos de frente e 20 de fundo avallada
Cojos btns foram pennorados a Bernardo los
Rodrigues Pmheiro e sua mnlher, por execncao
aue Ibes nvwe Luiz Amonio Viira, hoje gitima herdeira D. Joaquina Benedicta Vieira da
Silva. Escrivao, Santos.
EDITAES.
a
F. PB-
remidos os Srs. desembaradores Beis
Acocil e depuudos Rosa, Basto, Miranda Leal e
Senle Sa Leiao, falundo sem parlic.paqao o
Sr!deserobargador Silva Gu'^raes.
Lida, foi approvada a acta da sessuo Pasada.
O escrivao AlbHquerque registrn oduaoVj;
\esto de letra a 24 do presente mez sob o n. wsj,
i o escrWo Alvos de Wo a 20 do dito mez sob
o n. 2061.
JULG AMENTOS.
Juizo especial do commerc.io: embarcante ap-
.peUada embargante tereeira D. Candida Mana dos
Prazeres, embargado appetlante. aresttnte Aodr
arbosa Soares; juizes os Sr. Res e Silva, Accu-
h, Miranda Leal e Hosa.-Foram roblaos os em-
targos, seBdo voto vencido o^Sr. Miranda Leal.
Juizo especial do coramercio : appellanle prefe-
renie J. Bltmi, appdlado x.equente Jo^ A ves
Barbosa, executado L. Pogi juizes os Srs. Re* e
Silva, Accieh, Rosa e S Leio.-Foi confirmada
a aenteB* appeliaaa, seodo voto vencido o ir.
RlW2
Juizo especial do commercio: appdlante reo
Joaquim Francisco do Espirito Saotc... appe la do
autor David Flack; juizes os Srs Re- e Silva :
Accioli, Rosa e Miranda Leal Fo codiirmada a
senten?! appellada, sendo voto vencido o sr.
Rp'pelknte Antonio de Azevedo Nces, appellsdo
Rento Jas de Macedo Pocas; appetlante Joaquim
da Silva Costa, appellado Joao Rodrigues Cord-rra;
embrgame Jos Garios Teixeira, embargadas
Oliveira, Filhos & C. Adiados a pedido dos Sn.
deSe;Undo presente o Sr. desembargalor Sifrva
Gulmai4e3 licam sobre a mesa os seguiotos fertos
adiados as sesso-s anteriores, enlre partes, em
tersante Joaquim de Azevedo Maia, emba gado
Jos Antonio de Almeida Gnimaraes ; PPB?
Joao Francisco de Carvalho, PP^W ^
Francisco da Silva Novaes ; appe la,Dle,Joaquim
Francisco do Espirito Santr, appellados Lehmann
Frres; embargantes os administradores da ma*sa
fallida de Antonio Pedro de Mello, embargado^ Jo-
MareeHiuo da RosafcFilho; appellaotes a v.uva
.; herdeirns de Diogo Jos da Costa, appellado A
ionio Duarte Carnero Vianna ; embargante loao
Baptisia Gomes Penna, embargada D. Anna Jase-
pha Pereira dos Santos. 0nU
O Sr. Miranda Leal apresentou ofeito seguirte
adiado seu pedido na sessao passada, o qual llca
sobre a masa : appellanle Jos Alves fc AfOlift
appellados os administradores da massa lallida ae
Antonio Jos de Figueiredo.
passagexs.
Do Sr. desembargador Accioli ao sr. desembar-
gador Re s e Silva: appellanle Joaqmra Francuco
do Espirito Santo, appellajo Silvano Blum.
AB6BAV0S.
Juizo especial do commercio : aggravantes Jos
de Sonza Soare* & C W^*aj?l
Salles Hl va ; aggravante Joaquim-saivadorpes-
sa de Siqueira Cavalcante, aggravada a
loria da cma filial do banco do Brasil
O Exm. Sr. presidente negon provimento.
Encerrou se a sessao a urna hora da tarde
-que sendo um dos autores do roano do Bom Gon-
seibo, teve o arrojo de ir a villa de Hoo
o qual sendo visto pelo mesmo leneate, ro parie-
cinar ao deieuado, que logo masdou-o reeoltter a
nrin nao fez mais do qae a obngacao do po-
Perante a cmara municipal desla cidade es-
tar em praca nos das 24, 26,27 e J8 da corren-
lepara ser arrematado por quem maior preco
otTerewr o imposto de 60 rs. por cada pe de co-
aueiro que i d fructo. exceptuados dez ps para
o uso do proprietario pela quana annual de
348*800. ... -
A arremaucao sera feta por tres annos; aquel-
los que prelenderem concorrer a ella, devem ha-
bilitarle na forma da le. ,,_,_", ..
Pago da cmara municipal do Recire 21 de se-
terabro de 1870.
Ignacio Joaquim de Son Leao,
Pro presidente.
Lourenco Bezerra Caraeiro da Cunha,
Secretaria.
cmara municipal aa cidade d^ Olinda
fazscieeleaossMW manicios, que conv.ndo ser
substituto o actual syslema de pesos e medidas
pelo mtrico fraocez, segundo ordens do goveroo,
tem marcado o praso de tres mezes, contados do
1 de outubro prximo vindouro para se por em
ortica dito syslema mtrico; pelo que iodos .os
IlTjL.fc..i*. nula mnnuunin se de
prisao
'CNem se diga que almd'esus o tenente fltrt"0
muUas entras -prisaes que sena enfadonho enume-
rar, porque urna mentira descarada.
F vertade qoe o Sr. tenente Pires lera euo ai-
irumas deligencias centra Joao Nazario, mas, ape-
lar de ja o ter visto com seus proprios ottios, nao
ihe pode dar um tiro oorao seu desejo.
Eutem podiadizer-ao pubUco o >aVtKm
alguns dos assignantes commede, bem entenao,
mas ,icara ,para outra occasiao, no c:
negociantes estabetecidos neste municipio se ae-
verao prevenir dos eempelentes pesos e medidas
conforme a natureza da seu negocio, entro do
prso marcado para dito fim.
Paco da cama municipal de Oinda 22 de se-
terobro de 1870. h.,
Maneel Antonio dos Pasaos e Silva,
Pro-presiflecie.
Marcolino Das de Araujo.
8ecretario.
testera o qe aqui levo dito ; e pela imprensa
tribanaonde melhor|
voco, que alguem ontrarie alguraas
proposicoes.
Pela secMtrria da cmara monicioal desta ci-
dade se faz publico que, niotendo sido elTectuado
con hoie 28 do cerrente, como estava annanciada,
"' arrematacao do imposto de 60 rs. per cada
a
p de
tribana-onde inelhor|se aprecia a verdade-pro- dc prodcelo, continuara as mesmas era
-s 4as minhas "* ^ 29 e 30 do correte, e sob as con-
Aprova robusto* irrafragavel de tudo quanto
do esto as parles offleiaes do delegado e ur.
'"vejam-sTessaa partes-e ficar-se-ba conveteido
da verdade. Atmm .J
Portaoto, olouvor ae mentque se aeu ao
tenente Pires, pertence ao capillo Benedicto, pois
foi quemo ganhou-cera os maiores sacnhcios e
risco oc vida. O capltao Benedicto nao ambiciona
glorias, nempretende consa atguma do governo,
vive retirado em sua fazeoda, tMJidando de seu
trabarho, e nada mais; sua modestia e bem conhe-
cida ; nao succede o mesmo com o tenente Peres ;
a sua ambiccao de gloria, chega apouto da cm-
prala com dinheiro.
A -prova te qne aquillo foi nm manejo poltico
vergonhoso, basta ver-se que nao assignoa um jo
homem da opinio conservadora conhecidal nma
s auloridade, urna so pessa da familia que -ati
tem sustentado o-Sr. tenente.
D-se cada um e que seu, e nao se minta
com tanto despudor.
Recife, 28 de setembro de 1870.
F. G. Pinto de Campos.
dSffleoc'ronadas no dual de 21 deeorrente
Secretaria da cmara municipal do Recife 28 de
setembro J. ^^ ^^.^ da Canha
Secretario._________
" De ordem do illm. Sr. conselheiro inspector da
thesooraria de fazeada desta provincia se faz pu-
blico pira, coatieoimenlode quem interessar, que
no dia 3 de outubro prximo vindouro as duas
horas da tarde irao a praca, para serem arrema-
tadas perante a jama da mesma thesouraria, por
quem por menos fizer os reparos que precisa o
oanno de esgoto do armazem n. 11 da alfandega
desla cidade oreados e:n Ii2796 res. As pes-
soas a quem covier deverao comparecer na mes-
ma thesouraria no referido dia e hora indicados.
Secretaria da thesouraria de fazenda de Per-
nambuco, em 23 ' NO GRANDE JARDIM DA
FUUIGA DE CERVEJA
DE
H. LEIDEN & C.
RA DO GENERAL VICTORINO & 35.
Beneficio da companhia de mnsK A altrate
Sabbado SO de t- ^bro
Diversos amigos e patricios da esmaoompa
nhia tem concordado entre si, e m promover um l
beneficio a fa- or dos eximios ar' gas,. qtte tantos
applaasos tem mereeido do respeitayel publicc-1
desta heroica e bella cidade. ( apreciador do ver*
dadeiro mrito de que sao r wecedores.
O motivo que os moveo ^ \a obrar, em
primeiro lugar a gratii'jio em qne se achaqi
para com elle?, pr ler' i*-9e gratuitamente pros-
udo ao beneficio em few dos inezes fsridos
na devastadora guerr t mre a Prussia s a Frau-
da, cujo producto tx repartido entre as dua3
nacionalidades. 1
Em segundo .'gir nota-se os embarazos coca
que deve ler lutado a companfeia alm deoao ser o
tempo proprio, diversas cousas se lhe anlempoe,
toes como a caresta de tudo quanto se faz neces-1
sarioavida. ___.
Temos observado o mrito arstico da compa-
nhia, e podemos afflancar que digna da nossa
estima e consideracao ; assim como da nossa pro-
Rormos, pois; ao brioso povo desta capital, aos
respestaveis corpos do commemo, acedemico e
todas as mais classes da sociedade, que aempie,
em todas as oecasioes tem dado as mais belU>
provas do seu patriotismo e benevolencia.^ que se
dignem concorrer no supracitado dia, se nao clin-
ver, cora seu bolo, afim de suavisar a sorte pie-
caria desse ncleo de artistas, certo de que en-
vidarao tudo ao seu alcance, para bem agrada-
re; ao publico e mostrarem-se agradecidos.
Assim esperam alguns amiges.
Haver um trem especial
Apipneos.
Preco de entrada ljOOO por cada pessoa.
- O agente Pmtr 4 levari i lelteo. precedida a eom-
ptiteate aotoris ^0> t v.it3k e quina da ra do
Torres, a qu .fon-se recomroendavel pela sua
boa coostruc -60> e por aer etfifleada em ra de
eommercio. o leno se effcraari as 11 oras do
dia cima fi^ n0 escriplorio do referido agente.
LEffl5"
DE
Quinta-feira 29 do oorrente
s 11 horas da manhaa.
agente Pinlo levar novaraente leillo, poi
despicho do Illm. Sr. Dr. juiz especial do coramer-
eio as dividas activas da massa fallida de Guima-
raes & Silva, constantes do mandado existente no
escriptorio do referido agente, ra da C
tratado com o Si. ^f^^^^^^^Knd,
ira
r-se a
^ra%DXl8 dsSnrodeJWa
dala desle.
Ama
Preclsa-se de nm ama
50,1. andar.
na raa de Hortasn.
_ Precisase de urna ama delelte
Quemado n. 61.

na
rnad>
_ Precisa-iedelTmaama P"":
engommar para casa de ppnca familia
ua roa de Cbug n. l,to)a-
saiba cit>ar e
a tra:ar
onde se efecinar o leiio s 11 horas do dia aci- j^^.^ oa vende-se um bom piano :
^luga-se
urna escrava com tods. as hables, Jtmb
ma dito.
LIMO
DE
FAZENDAS
INGLEZAS
HOJE
29 do eorrente
Arajto n. 1, 2* andar.
Commodidade publica
a. xmw aun nrecisarem de amss, criados.
As pessoas que precisaren! b amss, criado ,
cozinheiros, jardineiros. feitores, amas e ie.,
escravos para o servico domestico, caixei. w
para a praca como para e mato. ""n Jffi
bodero desu data em diante mandar s' pedios
por escripto ra do Tonos n. 32, ind.
amarella.
Criad > Uvre outscravo
Precisa-sede um criado livre on seravo de 10
a 12 annos de idade, para servico tanto ini-rno
como externo de urna casa de peqnena familia
tratar na ra da Palma n. 34.__________________
Ama
A ra do Livramento n. 6, Pcisa-se_de_ urna
Auausto C de Abren far leiio por intervencio ama y,T\u COsinheira para casa do bonwns
do agente Pestaa, de um excellente sortimento | ^^
de fazendas inglesas, hoje 29 do eorrente, s 1
horas da manhaa, em seu armazem
Cadeia. .__________
i ra da
LEILAO
da Soledade para
DE
THEATRI)
SANTO
200 caixas com cebo-
las
HOJE
as 10 horas em ponto
O agente Pestaa far leiio por conla e risco
de qulra pertencer. de 200 caixas com ceblas as
mais novas que existem neste mercado, desembar-
cadas hontero. as quaes serao vendidas hoje em
fotes vontade, no caes da eseadinha do allanae-
ga, s 10 horas em ponto, pelo motivo de o agente
ler outro leiio s ;0 horas. _________________
0 abaixo assignado leudo liquidido sua* coo-
tas com os Srs. Joao da Silva Faria *&?*>.
praca de Pernambnco no dia 5 de jonho do anno
passado, e pago o saldo no vlaor de W:9i3#iw,
por intermedio do Sr. Manoel da Costo Lima, dei-
xou de receber dos ditos Srs. diversos documen-
tos que estavam em poder delles, entre os qnae;
urna proeuracao basante, autorisando. o pnmeiro
socio para tratar de todos os seus negocios, e urna
letra de 532*870 rs. acceito pelo mesmo abaixo
assignado a 5 de maio do dito anno, W.""
E porque at hoje os ditos Srs. Joao da Silva ta-
ris & Irmo, que csram de he remelter esses
documentos nao os tenba remeltido, julga o aba.
ST assTgoadolonvenienle fazer ..a declmg
afim de que se saiba que a referida letra esta pa
ga, e aquella proeuracao sem vigor.
Mamaraguape, 21 de setembro de 18/0
Jos Martins Fernandes Nogneira.
CCMMEBCIO.
direc-
nesta ci-
PRAGA DO RECIFE 28 DE SETEMBRO
. DE 1870.
A.S 3 i/2 HORAS OJL TARD
Cambio sobro Londres 90 d/v 10 3j4 (bootem o
toSbra dito 90 d|v 20 M2 (hontem).
Blio sobra drto--9) d|v 20 1|2 e 20 o\6 the).
Goncallo Jos Aflouso,
Presidente.
Mesquiu Jnior.
Seeretario.
ENGLISH BANK
Of Rio de /aaeiro Limiec
Deseoat lettras ta pra^a taxa a con
Mauoei ox
cial-maior,
Pinto.
Companhiafranceza
Domingo 1. de outubrq.
Especuculo em grande gala para solemnizar a
chegada do hroe pernambucano, o Exm. Sr. Ba-
ro de S. Borja. i.
As pessoas que pediram camarotes e caderas
para este dia podem desde ja mandar busflalos,
das 9 horas da manh em diante. |
O programla ser sexta-feira annunciado. j
DE
op
eiiejme eses 'pni! opunas 'K 'u WJ-
tai ca : seuie op muamoincsnoa oacsiaaJd
DO
AVISOS MARTIMOS.
SANTA
0 Dr. Santos Mello, ao pu-
blico.
Tendo-eito meu depoimento na reparticao da
Dolicia, detrminei guardar na imprensa, a respei-
tn da aneslo do eavenenamento na familia sa, o
mais religioso silencio, re do e onde se de mister desenvolver m.nba opi-
mo. Sabia eu que as pailes polticas, rancorre
da familia*, e que interesses de vaidade e amor
ooprheompromeiUdoa, hav.am de levantar mui-
n poeira, e que sempre era melhor para julgar os
actos nma -posic) imparcial.
Bruscamente\orprehendeo-ine a "esponden-
cia do JonuU do Commercio e, oBendido emi mi-
nha honra decavalheiro e dignidade de sedico,
disse algunas palavras por esto D.or>: pro me ti
eolio apreseatar algumas cons.deracoes a respei-
to do envencaamento, cuja .possibilidade se quer
notar por nao ter sido conhecido e diagnosti-
cado m vida dos fallecidos. Essas consideracoes
nao as devia fazer eu antes, que as indagares po-
liciaes tivessem cnegado a seu lermono qne diz
respeito parte medico-legal da questoo.
De ha muito, porm, o debate est invertido : a
regio calma epnra da sciencia esta invadida pe-
la calumnia e pela acrimonia ; a honra da classe
medica nao um paradeiro a coojecturas qae nem
o mrito tem da verosimilhanea : todas as bypo-
tbeses imaRinavei^, mesmo as impossiveis, lern -
altenco publica do ponto culminante da questao.
E" assim que meu nome tem sido envolvido em
libello de detractores anonymos, que diariamente
prejudicam cora sea 2elo ignorante a causa de
ue sao os mercenarios.
Por urna vez declaro que a verdade sobre meu
procediraento est no que declare aa polica : fl:lo
sob minha palavra, na ouso, em honra a mim
mesmo, diseutir o valor de um testemunho que
ponho sob saa egide ; por essa razao que quan-
to s coojecturas indignas, que faz um desses in-
sectos para--tas da raprens. acerca de meu proce-
diraento bordo, nao as considero eu senao como
desafios, aos quaes nenhum homem de bem pode
"o motiv deste artigo declarar que neste ter-
reno podem meus anonymos detractores caminbar
impvidos : nao me encontrara) nelle.
Oraeudigno mestre Dr. Salnsano Soutoeo
men digno collega Dr Jeronymo Sodr, sao cmi-
co atacados em um desses libellos; urna aman-
ea que me honra ; elles nao chegam as torpes
aatyras de um individuo que elles nao conhecem.
Recife, 28 de setembro de 1870.
Dr. Santos Mello.
em cent crrante hi;
vencionar.
Recebe dinheiro
traso fixo.
Saca vista oa a praso sobre as cioaaet
wlncipaes da Earopa. tem correspondente
ia Baha, Bnenos-Ayres, Montevideo, Nev?
s New-Orleans, e emitte cartas de crdito
atra os mesmos lagares.
RA DO COMMERCIO N. 36-
ALFA1SDBGA.
iatimentodPdiala27. "* dem do dia 28..... 25.186*758
797:188*836
MOVIMENTO DA ALFAWOEGA
fntatSMS adrados tara fazendas
dem idem tora gneros
/olnmes sabidos com fazendas
dem dem com genero
214
185
------99
I0:
596
------699
Descarregsm hoje 29 de setembro
Hiato inglezCharlee Tonpson diversos geoeros
Barca iaglezaRodertcA Dkudiversos gneros.
Patacho inglezEmiluidem.
Brigue inglezAdeleledem.
Brigue inglezDiligenteidem.
Brigue inglezHaller A Gommu,dem.
Barca ingiezaSea Queruiem.
Brigue portuguezBella Figueireusemm.
Patacho inglezJessiebacalho.
lECEBEDuBJA DE RENDAS INTERNAS GE
RAES DE PERNAMBDCO.
tendimento do dia 1 a .27. MWJ
Idem do dia 28. ........ 985#7*
SANT\ CASA DAMISERICORDIA
RECIFE.
A junta da Santa casa contrata com qualquer
olha diaria a pubiieacao de seu expediente e an
-nuncios, para o qne recebe propostas em carta?
^echadas devidaraente selladas, na sala das suas
essoes, pelas 2 horas da tarde do da 29 do cor-
eme, sendo preferida aquella que por menor pre-
so flzer semelhante trabalbo.
Santa casa da misericordia do Recife 24 de se-
temuro de 1870.
O escrivao,
Pedro Rodrigues de Souza
CASA DA MISERICORDIA DO
RECIFE.
A lllm.a. junta administrativa da Santo Casa de
Misericordia do Recife manda fazer publico que
aa sala de suas sessoes.no da 29 de setembro, pe-
\te i horas da tarde, tem de ser arrematadas a
quem mais vantogens offerecer, pelo lempo de um
a tres annos, as rendas dos predios em seguida de-
clarados :
ESTABELECIMEMTO D CARIDADE.
Ra das Calcadas.
Casa terrea u. 36.
Ra dos Paseadores.
Casa torean. 11. r .-
Ra larga do Rosario.
Segundo andar do sobrado n. 24 .
Ra da Rodt.
Casaterreau.3................... 99000
Idem idem n. 5.
Becco do Quiabo.
Casa terrea n. 8. .- U7000
Ra do Azeito de Peixe.
Sobrado de dous andares n. 1. 1:1003000
Ra da Gloria.
Casa terrea n. 35.....;.-At. li00
PATRIMONIO DOS ORPHAOS.
Ra da Moeda.
Casa terrea n. *7.................... 360000
Os pretendentes deverao apresentar no acto da
arremataeao das suas flaneas ou comparecerero
acompanhados dos respectivos fiadores.
Seerataria da Santa Casa da Misericordia do Re-
cife, 17 de setembro de 1870.
O escrivao,
Pedro Rodrigues de Souza,
PREDIOS
O agente Pontual, competentemente autorisado,
vender em leiio os predies seguimos :
Urna casa terrea em solo proprio sita a ra ae
Urna dita dem idem dem sita ra de Aguas
Duas meias aguas (por detraz da ra Nova) pri-
meiro becco da Camboa do Carmo ns. e b.
Metade de um sobrado de um andar e sotao,
solo proprio, ra de Hurtas n. liO.
Um sobrado de um andar sito a ra do Laldei-
reiro (entrada a mesma do sobrado da ra de
Hortas n. 140
OI0M3UI
_ Jos DativTdos Passos Bastos faz "eso
respeitavel publico e aos seus fregnexes, que tendo
reformado a sua offleina sita a ra do Bar do
Triumpho n. 64, ant.a ra doBruro, onde encon-
traro sempre alambiques de diversos tan anhw.
serpentinas, cobres de roda, passadeira?
todos os tamanhos, todo o sortimento ao
brico do assucar. sino, de diversos tamanhos,
broces para engenta, bombas de repncho e as-
pirante pelo novo sistema, fabrica-se tambe,,,
qualquer obra de ferreiro e serralheiro,gradeamep-
tos portoes, tinque?, fogSes, ferragens para na-
vios, encarregase de encanamentos para ag.a e
tambera faz-se corladeiras para cortar bolachas a
vapor, tudo por menos preco que em entra parte,
parantindo todas as suas obras.
la-
193S0O0
tttffM
30S000
Companhia americana e
ra de paquetes a vapor.
At o dia 1 de outubro esperado dos por-
tes do su.1,0 vapor americano Soiift ^mrica,o qual
depois da demora do costume seguir para New-
York, tobando no Para e S. Thomaz.
Para fretes e passagens trata-se com os agen-
tes Henrv Forster & C, ra do Commercio' n. 8.
Frete sobre dinheiro % % para qualque< por-
to da escaJa do imperio, sendo quantias miaiores
de 10:000*000. L
Tendo aberto seguro em Londres sobre inoras
esterlinas 100,000 por qualquer vapor da lijiha, a
companhia segura qualquer remessa de dinbeiro a
1/6 / para qualquer porto da escala do irqpeno.
O'valor deve ser declarado em libras esterlinas
e o premio pagavel na mesma moeda ou 3eu equi-
valente. ____
Sexta-feira 30
do armazem
horas.
n.
16 ra do Imperador, s 11
Kio de Janeiro
Para o porto cima segu com brevidade o bn-
gue nacional Isabel, tem parte do seu carregjimen-
to engajado: para o resto que lhe falto tiata-se
cora os consignatarios Antonio Luiz de O iv
Azevedo & C, ra da Cruz n. 57. Io andar.
43:687*435
CONSOLADO PROVINCAL
ftendimento do dia 1 a 27.
Idem do dia 28. ... :
102:502*617
7:239*579
109:745*196
Consulado provincial.
Pelo consulado provincial avisa se aos difieren
tes contribuintes da renda provincial no anno an-
do de 1869-78, que com o presente mez se encer-
ra o recebimento por esto reparticao das respec-
tivas quotas, passando dahi por diante a ser o
mesmo effectuado judicialmente. -
Consulado provincial de setembro de 1870.
O administrador,
Antonio Carneiro Machado Rios.
De ordem da Illm. Sr. director das obras pu-
blicas se laz publico que do i de outubro prxi-
mo vindouro ser vedado o transit a vehculos e
animaes, pelo passadico da Passagem da Magda-
16 Secretaria das obras publicas 26 de setembro de
1870.
O secretario,
Feliciano Rodrigues da Silva.
COMPANHIA FERISAMHUCANA
os
%'avegacSo cosleira por vapor
Maoei escalas e Penedo.
r^ JlM Mi seguir para os portes cima
JMSXmC no dia 30 do eorrente as 5 oras
da tarde. ,
Recebe carga ato o dia 29, eucommendas, pas-
sageiros e dinheiro a frete at as 2 horas da tar-
de de sua sahida, no escriptorio do Forte do
Mattos n. 12.
PRT
s 11 horas do dia 4 de outu-
bro na porta da associac,ao
cimmercial Beneficente.
O agente Euzebio venderos segrales predios:
Una casa terrea de n. 23, sita a ra da Concei-
co, freguezia da Ba-vista.
O sobrado-de n. 16, chaos pmpnos, da ra de
Malillas Ferrelra em Ol'nda, cujas chaves estao na
casa co&tigta para ser examinado.
As casas teireas do ns. 43 e 44 sitas na ra de
Malhias Ferreira, e mais a de n. 6 siia na ladeira
da Misericordia._________________
Transferencia,
O leiio de hapos de Jos Maria Pestaa,
annunciado para hoje, em razao de nao terem
sido despachados, (lea transferido para quando tor
de novo annunciado.
mnibus para a Var-
zea.
Para melhor commodidade dos Passsgeiros de
domingo 2 de outubro, comeca, o mnibus pa. a
Varz-a, sahindo do Recife as 7horas.da manhaa,
e da Vanea a: 5 horas da tarde.* Nos das ntei>
as 5 Es da tarde, e da Varzea as 7 1,2 da ma-
ohaa ; Ufando o de Cachanga as horas do cos-
tume^______________________________________
CAOPKBDIDO
Desappareceu da casa n. 40 ra da Uniao, no
dia 26 d) correte, um ca grande, cor vermellia.
levando ao pescoco nma coleira de sola : quem -.
achar pode leva-lo all ou roa do Marque: de
Olinda, escriptorio de Leal k Irmao, que sera gra-
tificado.______________________________
Freto.
Precisase alugar um pretoi para o serv.ro or-
dinario da padaria da ra da Senzala-velha n. 96.
a tratar na mesma.________________.
Precisa-se de urna ama que compre e cozi-
nhepara casa de pouca familia : na ra nova de
Sama Rita n. 41.____________________________
Leal & Irmo ra do Mrquez de Olinda
n. 56, preeisam de um feitor para o engenho Bo-
nito comarca do Nazareth, e offerecem vantngenv
GIRALDES (NI. NJ
AVISOS DIVERSOS.
"iegoclosde Paje de Flores.
Suitm caique tribuere.
Achava-me anda no alto sertoo. quando depa-
rei com o Diario de 20 de agosto ultimo, onde II
um artigo elogiando ao lente Joao Pires Ferrei-
ra por ter desassombrado o termo de Flores.
Foi tal a minha indignaco, que acelerei a mi-
nha viagem para esto cidade, am de protestar
contra aquelle acervo de mentiras.
Onem leu o-loucor ao mrito -flcou certo de
aneoiotei quem defbaratou o grupo
plantando a tranquilidade
deno minac
ioceg
'. Mas nuem es-
Plores,' por
MOVIMENTO DO PORTO.
Navios entrados no dia 28.
Rio de Janeiro pela Babia10 das, trans-
porte nacional Voessemom, eommandante
capitSo tenente Antonio Loit Teixeira.
Rio de Janeiro e Babia7 dias, vapor in-
glez Oneida, de 1372 toneladas, eomman-
dante H. A. Bax, equipagem 120, carga
differentes gneros; Adamson Hewie 4
C.
Goynna6 boras, vapor brasileiro Paro
hyba, de lOi toneladas, eommandante
Oliveira, eqaipagem 14 ; em lastro ;
Companhia Pernambocaoa.
S. Mnheos14 dias, hiate brasileiro Rtos,
de 53 toneladas, capito Manoel Fraocis
co de Castro, eqaipagem 7, carga 159
alqoeires de farinba de mandioca ; a L
C. da C Moreira.
Baliimore50 dias, brigoe inglez Iris, fle
220 toneladas, capitao Valol, eqaipagem
8. carga iMO barricas com fariuha de
trigo ; Henry ?orster 6c C.
Babia8 dias, barca porltigueza Isabel, de
:i W i. canilo Camilla leu
Recife Drainage Oomp uy
Limited.
0 gerente desta companhia de ovo svisa aos
Srs. proprietorios e ioqu.linos das "j!f
teem execntado trabalhos que qualquer recto
maco justa que tonham a fazer, para ser imme
diatmente attencida deve ser djngida ao esenp
torio da empreza rna de S. Joo^____________
Segu para o Para no dia i de outubro. com a
carga que poder obter a fretes muito commodos o
hiate americano Charles Thomson, chegado hontem
ae New-York ; a tratar cora Taso Irmao ft C
COMPANHIA PERNAMBUGANA
DR
\avcga?5o costelra por vapor.
Porto de Gallinbas, Rio Formoso e
Tamandar.
O vapor Parahyba wguira
para os portos cima uo dia
30 do eorrente meia noite.
Recebe carga, encolnraen-
das, passageiros e dinneiro a
frete no escriptorio do Forte
do Mattos n. 12.
Ceara' e Aracaty
A escuna 'Georgiana segu em poneos das, t
a maior parto do seu_ carreRamento prompio
tratar com
do seu earrejramento
Tasso lrmos 4 C.
Haver sessao ordinaria quinta-feira 29 do
eorrente pelas 11 horas da manhaa.
ORDEM DO DIA
Pareceres e mais trabalhos de com-
misses;
Secretaria do Instituto, 26 de setembro
de 1870.
Jos Soares d'Xzevedo,
Secretario perpetuo.
O
apa-rel e o Concilio.
1 vol. em 8 encad. 6*000
Acaba de sahir a luz esa excellente publicac*.
devida penna do lente de direito da nnivererdade
de Coimbra o Dr. Manoel Nones Giraldes.
LIVRARIA FRANCEZA.
AMA
Precisa-se de urna ama forra on escrava que
saiba engommar e fazer o servico interno de urna
casa de familia : a tratar no Corredor do Bispo
no 23, ou na ra da Cadeia do Recife, armazem
n. 1. ________^^
Maranhao
que
Kecife Drainage Oompany
Limited.
O gerente desta companhia convida aoi_Srs.
proprietorios e inquilinos dos predios da* w
zias de Santo Antonio e S. Josa coparecerem
do de outubro em diante das 10 al a ai ar-
de no escriptorio da empreza a roa"J,00'.
noarmazera 105 na pracela da Concorfia para
escolherem a classe do apparelhos que aesejam
para mas ea-as oa moradias. ,nAi(n.
- Hoie 28 do eorrente mez, depou da aumen-
cia do Dr juiz municipal da 2; vara, serai "rema-
todo'o alugnel do segundo andar do sobrado n. m,
sito roa larga do Rosario._____________.---------
^Arrematacao.
A nraca dos predios annunciados para hoje fica
translferida para o dia 30 do correle, cojus pre-
Um sobrado de u.n andar eom soio e sobre s-
om 29 palmo- de
indo, paredes dobradas, avalia-
X>*000.
gns nos fundos do sobrado cima,
A barca portngneza Formota seguir para o
Maranhao em poneos dias, recebe carga a frete
mdico : trata-se com Oliveira, Filhos & C, ao
largo do Corpo San'e n. 19.
Para Lisboa
Sabira precisamente sabbado, Io de outubro,
para Lisboa o palhabote portnguez Diligente, capi-
tao Trindade ; recebe at ento passageirosi e car-
ga a frete : a tratar cora Msrqaes, Rarros & C-
no largo do Corpo Santo n. 6, 2 andar, ou com o
capitao na praca.
LEILOES.
LEILAO
DO
sobrado de quatro aiidafse
soto da ra do Torres n, 14
edificado em chaos proprios
HOalfi
Precisa-se de um homem que saiba
ler e escrever para destribuidor deste Dia-
rio, prefere-se aquelle que j foi praca do
eiercito.________________
Desapqareceu urna crianca de 4 annos d
idade, de cor al va, cabellos rnivos e estirados, o
qal falla anda tato e um pouco gago : quem o
houver recolhido. tenha a bondade de leva-lo ou
msnda-lo a seu pai roa da Palma n. 24.
0 Dr. Manoel Enedino Reg Valenca
contina no exercioio de sua profissao de
medico a ra da Camboa do Carmo
! andar.
Aluag-se
urna axcellente casa terrea nos Arrumbado?, coro
muito comraodo, quintal murado, e reedificada de
novo, com gradearaento de ferro, e a frente de azu-
lejo : a tratar na ra do Arr.orim n.
37.
O Sr. bacharel Cornelio Ferreira Franca Fi-
iho, queira ir ra do imperadorn. 34, 3o an-
dar, concluir o negocio que S. S. nao ignora
Precisase de urna ama para
urna pequea familia : na tinturara
di Imperatriz n. 85.
o servido at
franceza, rui
D. Joanna Cosma Gomes de Oliveira e Joao Go-
mes de Oliveira, pungidos da mais profunda der
pela mort de sen marido e Albo Secundino Pre-
dilisno Gomes de Oliveira, por este meio cordial-
mente agradeeem aos sens e aos amigos e paren-
tes do finado o piedoso obsequio fe haverem com-
parecido ao seu enterro ; e bem assim Ihes r gara
e de assistirem a miss, que por alma do mesmo
finado mandam celebrar no da l" de ontnbro,
pelas 7 horas da manhaa, na matriz de S. Fr. Pe-
dro Goncalves.

.iigg
H'.'nte pi popular peiDam-
bueauo.
De ordem da directora convido a.,od?s.os' ?'
nh'>res socios para se reunirem no dia 30
rente mez pelas 7 horas da noite, afim de^^H
.ar a tratar do negoe
urgen' 'mMI
28 de setembro de 1870.
O 1 secretor
Candido Jos i
Offerece so um bom cozinheiro : quem pre-
cisar dirjase ma velha de Smto Rito n. 35.
Na ra Augusto, sobrado n. 17, andar,
precisa-se de urna boa ama para o servico interno
de ponea familia.___________
0 Sr. Lobo que foi caixeiro dos Srs.. T. Jef-
fers & C, queira vir entender-se com Jorge Tasso,
rna do Amorim n. 37.___________________
Existem no escriplorio de Jos Joaraim4a
Silva Gomes, roa da Senzala^ve.ba n. 138 !
andar, duas cartas para os Srs. Marcolino Antonio
Pereira de Carvalho e Joio Tertuliano Pereira de
Carvalho._________________?
Roaa-se ao Sr. linimerme Jorge da Motta
q0e tenha a bontode de comparecer a secretoria
rt Santa Casa da Misericordia do Recrfe, on a roa
de Hortas o. 86, para dar nns esclirecimentos a
bem de tereeira pessoa.
ATTENCAO
Todas as pe-anas qne se jnlgam com direito a
relogios, on objectos qne se achavam- em poder
do fallecido subdito portuguez Joaquim Rarbosa
Cupertino, com loja na roa Nova 67, devem re
clama-los ao abaixo assignado na ra larga do
Rosario constituido depositar pelo consulado de
Portugal, no prazo de 8 dias, contar da dala
deste, e Ando o. dito prazo, nao ando reclamados
serio entregues ao referid consolado, paja se-
rem vendidos em leilao publico por cJtta de r,
pertencer. Recife, 26 de setembro d 1870.
I i i ': ; \ nna.
Quem qi.
aluguel de u
nha, engomn;
lieos, dirjase rna
AMA
;li-


Diario de Pernambuco Quinta eira 29 de Setembro de 1870.

AO ARMAZEM
V
VAPOR FRANCEZ
17-111 \ B\ H. 1
1,1 L hH constantemente betn sortido, em virtude das
Este conhecido estabelec.mento "^^"SSS; dos artigos abaixo menciona-
facturas que recebe por todo os vapore* e navios irancezw, u
dos, presos os mais resumidos que possivel.
CALCADO FRAMCEZ
Rinas oara enhras e meninas.
Botinas pre"tri?"ePdermaui*s nutras cores sortidas e bonitas, do ulumo gos-
lo da mS, e presos mais barates do que em outras P"^
* Botinas para borneo e meninos.
Botinas de bS ""I, lustro e pellica, das melhores fabncas e es.elh.das.
Botas e pcroelras rnsslanas. .
Botas e pernelra" para mantaria, das melhores quaaades, de conro da Russia, lus-
tro e bu*"- boPPaciia para horneas e senhoras
Ten!?Segado grande Por?ao de sapatos de borracha vende-se pelo custo afim de
desempatar o dinheiro neiles empregado, sao ^"^ V9.- _.
Sapatos de lustro para homens.
Snalos de entrada baixa de couro de lustro com salto, de muito boa qualidade.
Abotinados para meninos e meninas
Sapatos abotinados de diflerentes modelos, de limito boas qualidades e fortes, Unto
oara meninos como para meninas, muito baratos.
sapatos de tpete.
Sapatos de tapete aveludado, de casemira, de charlte e de tranca francezes e por-
tuguezes para homens, para senhoras e para meninos.
perfumaras
trinco t^3A^fr^^S& S1^?
rmete, fieS> de pSmeira qualidade, dos afamados fabricantes, Condray, Piver e Lubin.
Quinquilharias
Luvas de pellica do conhecido fabricante Jouvin, espelhos pan "as, quartos e ga-
binetes toucadorerde diversos tamanbos, leques para senhoras e para .;.en.nas, abridores
de luvas brincos, pulceiras, botdes, crrenos e chaves de relegios e tranceln*, tudo de
ATT1NCA0
Hotel Flor da Boa-vista
Ra da Matriz da t n. 8.
Neste hotel encontrar i .el publico com
asseio e promplidan, nao s a refeleao diaria, por
menor preco qne em outra qualquer parte, como
tambera fornece-se comedorias mandando-se levar
as casas das pessuas a tempo e bora convenientes.
Nos domingo, e dias santos havera mo de vaeca
excedente e ontras iguarias.
0BBffiS31tfESKO
ADVOGADOS.
Elseo Martin?.
Antonio Siqueira.
Escriptorio ra estreita do Rosarlo
numere 4.
O bacharel E. Martins propoe-se a ex-
ercera proflssao de procurador de cansa,
= e pode ser prcenrado no sen escriptorio
BB das 9 as 3 horas da tarde. Ba
ATTENCAO
o
De sabbado 31 do eorrente em diante h
todos us sabbades um mnibus para Nazareth,
devendo partir du Recife as 3 hora da madrugada,
e voltando as segondas-feiras as 3 horas da tarde,
conduz o numero de 10 pessoas : a tratar na roa
di Pedro Affjnso (antiga ra da Praia n. 41). An-
da contina ir para a Victoria o mesmo omnibns,
porm em lugar de ser 2Ci ida e volta 164 : a
tratar com o sen proprietario Jos Pinto Tavares
Jnnior._______________________________
Precisa-se de nm caixeiro para taberna : na
praca da Boa-vista n. 32.
5
>
quenos registros muito finos e delicados, bouquets de flores de porcelana, jarros Pioprios
nara gabinetes e santuarios, quadros proraptos para c^llocar-se vistas, molduras douradas
para cuadros, estompas finas de paysagens, cidades, figuras e de santo?, vidros para.eos-
norama, malas, saceos e bolsas de viagens, esporas, chicotes .^to oettjou
Ama
ii
Na ra do Vigario n. 5, 2* andar, precisa-se de
urna ama livre ou escrava para cozinhar, em cujo
desempenho se quer asseio e perfeifao.________
Trabalhador para pada
Para o Rio Grande do Norte
trabalhador dos ltimos chegados da*
mesmo sem pralica : a tratar com "h
Croa do Araorim n. 31.
ATTENCAO
O abaixo assigoadjs toaera sciente a tedas as
pessoas que tem dado obras encadernar em sua
loja e oficina do largo do Collegio. que tenhara a
hondade de vir procurar dita obras e pagar as
respectivas endadernac/'es, visto que algumas Ja
tem decorrido mais de 6 annos, sem que seos do-
nos as tenhara reclamado ; pelo que, passados 30
dias da data defte, ferio vendidas para pagamento
das despezas da encadernacao, todas aquellas
qoe nesse praso nlo forem procuradas e pagas.
Recife f i de setembro de 1870.
Guimarles & Oliveira
Em liquidacao
Precisa-se de um servente que seja forro on
captivo para todo o seavico : no hotel francez, ra
das Lsrangeiras n. 10._____________________
Esc ava
Precisa-se alugar urna escrava
numero 16,
na ra Bella
Manoel Joaquim Gomes precisa fallar com o
Sr. Pedro de Mello Botelho.
Preeisasede urna ama livre ou escrava para
o servico de urna casa de ponca familia ; na rna
daSoledaden. 66.
Precisa-te de um moleque de 13 on 14 an-
nos para fazer compras e mais algum servico de
casa de familia : na ra do Hospicio n. 38. ___
__Precisa-se de um caixeiro que lenha Pastan-
te pratica de taberna e d fiador de soa conducta!:
na ra do Rangel n. 8 confronte o becco do trem.
Precisa-se de urna ama para cozinhar e en-
gommar em casa de hornera solteiro : no pateo da
ribeira n. 3, taberna. ________________
Attenpao
Francisco de Mattos Pacheco tem justo e contra-
tado comprar ao Sr. Bento Jos Domingues a ta-
berna sita na Casa-Forte, livre e desembsracada :
se alguem se julgar com direito a qualquer recia-
raacao, entenda-se com o annunciante no mesmo
lugar, contiguo mesma taberna, no praso de tres
dias, ou aununcie por este Diario para ser procu-
rado.
nezianas modernas muito conveniente para poros e janellas, cosmoramas, lantemas mgi-
cas, esteriocopos com interessantes vistas de figuras e das mais bonitas ras, boulcyarfc,
pracas e passeios de Paris, photographias e caixinhas magjcas, reverberos para candieiros,
tapetes de vidrilho e de 15a de cores para ps de lanterns, realejos grandes e pequeo?,
harmnicos, acordions de todos os umanhos, berros de Vimes para mansas, sapatinhos e
toncas de laa, carrinhos de 3 e 4 rodas muito elegantes para eondtuir enanas a passeio e
outras umitas quinquilharias de phantasia, francezas e allemae?, a precos mmto em conta.
3Bt.QQ0aiD(D8 PEtiStH aaMSKDS
Para este artigo nao ha espaco nem tempo para a massante leitura da iniinidade de
gneros de brinquedos fabricados em diversos paizes da Europa.
ATTENCAO
O dono deste estabelecimento pede ao publico em geral que continu a
verincando as qualidades e os precos baratos de ditos objectos por ?erem wndos
rei'.ura e de conta propria.
visita-lo
em di-
M\1D M mm
EHGEHHEIRO
Com fundiQo
RA DO BRUffl 52
Passando o chafariz.
atteneo dos Srs. de engento para seus acrediados macuinismoa
Na ra da Saudade n. '35 precisa-se de un
criado ou criada livre ou escravo, que saiba cozi-
nhar, e que se preste ao servico tanto interne co-
mo externo de urna casa, pagase bem._______
Sociedade Liberal Uni&o Be-
neficente
De ordem do Illra. Sr. vice-presidente sao con-
vidados lodosos senhores socios reuuirem se em
a?sembla geral extraordinaria no dia 29 do cor-
rente roez, as 6 1|2 heras da tarde, na casa da
sociedade, para tratar-se de negocios urgentes ten-
dentes mesma sociedade.
Secretaria da sociedade Liberal Uniao Benefi-
cente em 27 de setembro de 1870.
Innocencio Xavier Vianna Sobrinho,
Io secretario.
Gabinete Portuguez
de Leitura.
A direccao do Gabinete Poriuguaz de Leifara
precisando'proceder a um balanco em sua biblio-
theca, pede aos seus associados se dignem al o di*
15 de outubro, fazer recolher os livros que tive-
rera em seu poder.
Secretaria do Gabinete Portuguez de Leituraam
Pernambuco aos 27 de setembro de 1870.
Antonio de Albuquerque Mello,
Io secretario.
Ronbaram do 1 andar do sobrado n. 52 ea ra
do Queimado. um relogio de ouro n. 4313, orison-
tal, machina iescoberta, lavrado, e uma'corrente
lamcem de ouro, simples : previne-se aos senho-
res ourives e relojoeitos, ou a quem for estes ob
ectos offerecidos, que os apprehendam e levem
loja de seis portas em frente do Livramento, que
ser bem recompensado. ^^^^^^^___
CONVITE
O Costa da rna Duque de Gaxias n. 42,
toma pela presente a toerdade de convidar
aos amigos e freguezes que sempre o hon-
raran e connuam a faze-lo com o concur-
so de sua freguezia, virem visitar o sen
eslabelecimenio, certo de que nTo deixar5o
de agradar-se, n3o ? de s< us generas.
como do traiamento e limpeza que a todos
despensa.
GNEROS DE IMPORTA CAO
U^as verdadeira Feral
Ameixas secas.
Poras.
Macas.
Vinho do Porto de diversas qoalidades
entre ellas a especial qualidadegloria do
Brasildito em pipas e barris, que re-
commendavfll pira mesa por ser o ?erda-
deiro vinho de pasto, dito verde da me-
hor qoalidade possivel-
Qaeijos flamengos empeilicados e pratoo
melbor que tm vindo a este mercado.
Ervilhas novas em conserva
Chocolate de especial qualidade.
Bolachinbas de especial qualidadede to-
das as marcas conhecidas.
Manteiga ingleza e franceza de 1* sorte.
GNEROS DO PAJZ
Doce de goiaba em latas
Quijos de Minas muito frescos e de boa
qualidade. _________ _
Na ra do General Victorino n. 54 se dir
quem tem um pardo para alugar, comprador,
enzinheiro, e enteode do sorvico de copeiro.
ALUGA-SE
UMA casa terrea sita ni Capunga, com sotao, co-
cheira, e um pequeo qumlal : a tratar na rna do
Vigario n. 51._______________ ________
com especWktade pm MUS vapores que anda urna vez tem nHhorado.
Chama a
;ialidade para seus vapores que amaa urna vez wm "^'c
Os vapores fornecidos por elle e j funecionando Ihe bao de lazer melhor apre-
fT taS^SS^SS^^m feito urna reducto em os precos;^ que
tem prompto toda a especie de macb.nismo e outros objectos para a a-
Aluga-sc urna boa casa no Poijj da Panella,
ra do Uuiabo, quintal murado, dous porloes,
cmii solio, lribaria, quartos para prelos e ou-
tras muitas conimodidades : os pretendenles diri-
jam se ra Augusta n. 33._____________^
Ama
l>recisa-se de urna ama escrava on forra para
comprar e cozinhar em casa de peuca familia : na
ra Nova n. 24,1 i.
Club do Monteiro
Assigna-se para o Club do Monteiro por seis
mezes, a principiar era outubro at 31 de marco
prximo futuro sob as segnintes condides:
Os senhores assignantes do anno prximo passa-
do sao dispensados das formalidades da approva
fo, fleando sujeitos a deliberado da directora os
que se propozerem este anno.
Haver duas partidas, sendo urna na abertura
e ootra no encerramento, reuniao familiares; aos
sabbados, havendo nicamente convites para che-
fes de familia.
Presos da assignatura.
Seis mezes 50*000.
Tres mezes 30*000.
Ummez 10*000. 1
Os senhores qoe dasejaram assignar terao a bon-
dade de se dirigirem ao emprezario, abaixo ssig-
nado, no Club Pernambucano, at o m do cor-
rete mez ; e dessa data em diante ra da Auro-
ra n. 68, das 10 as 3 horas da tarde.
P. J. Layme.
1 MUDAN? A
$3fc O escriptorio di Dr. Joaquim Jos de
Campos da Costa de Medeiros e Alba
~ querque est ra estreita do Rosario
rio n. 24. W
Alugara se duas casas por ftsta ou por anno
na Vanea, lugar Ambol, com sitio e cominodos
para grande familia: a tratar cora o reverendo
padre Parnaso, ou na rna do Crespo n. 7.
sabe
5>&Qft S tMfBTOG\
DO DISTINTO
Corpo patritico de lanceiros
0 BAZAR DA MODA tem recebido ltima-
mente um grande e especial sortimento de
todos os objectos proprios para este fim
como seiam:
PARA SENHORAS
Gazes florentinas de lindas cores, o co-
vado 2)gOO0, e outras muitas fazendas pro-
prias, e de bom gosto.
As mais ricas sabidas de baile a 40 e
450000.
Os mais bellos e elegantes- bournus de
grande novidade a 16(5000.
Mantas de 13a o seda em ponto de ma-
Iha, e muitos adornos da moda, de H a
150000.
Delicadsimos sintos de tilo com lindos
enfeites de bellissima phantasia a 800>.
Gollinhas -e punuos de grande varie-
dade.
Corpinhos de cambraia, enfeitados de 6
a 150000.
Luvas de pellica muito fresca, grande sor-
timento, e muitos outros artigos propria.
ao fim, tanto em fazendas como em miude-
zas e perfumanas.
PARACAVaLHEIROS
Gravatas brancas, no que ha de melhor,
com taco e para dar laco.
Camisas de linbo'muito finas, simplemen-
te bordadas de muito gosto 70500,
Collarinhos bordados e lizos.
Luvas fresquissimas e grande sortimenlo,
tudo se vende o mais commodo possi-
vel.
Jos de Souza Sames A C
Sahiram luz
As ras em contradanza.
Linda quadrilha para piano por Colas liiho,
Flor da Boa-vista, vlsa: a venda no rande ar-
mazem de pianos o e msicas de Aievedo, ra
Nova n. 11, boje ra do Barao da Victoria,
N. B. Roga-se aos Srs. assigoaotes de aunda-
rem buscar as nec^s de sus a^sign^itnras.
Ultimas publicacoes da imprensa nacional
de msica.
N. I. Piano. Annetu, polka brilhante, por I.
Smoliz, 5*000.
N. Piano. Minerva, polka brilhante, por Colas
Filho, 1*.
N. 3. Piano. Chico Diabo, polka brilhante, por
.... 500.
N. 4. Piano. Una lagrima, Maznrka, por Ma-
tilee B. Zucen!. Iff.
5. 5. Piano. Morte de Lopes, polka marcial, por
", U-
N. 6. Piano, La Grande Dnchess, polka por Lu-
den LamBert, 1*.
N. 7. Piano. Carmen, Anita, La Playera, 3 pol-
kas dos cavallinho-, M.
N. 8. Piano. Le Souvenir, valse de saln, po
C. Casal bore, 1*.
N. 9. Piano. Santicha, Maroca. 2 valsas dos ca-
vallinhos, U000.
N. 10. Pianr. Cbant D'Oiseaux, polka, por E.
Casalbora, 1*.
N. M. Piano. A flor da Boa-vista, valsa, por
Jos Coelho da S. A., l&.
N. 12. Lagrimas d'Aurora, Mazurka, por J. J.
P-, 1*-
N. 13. A estrada de ferro, quadrilba, por Hen-
rique Albertani, 1*.
N. 14. Canto. Santa Lucia, barcarola napoli-
tana, por Gimnaro Arnaud, I*.
N. 15. Canto, Marta Aria, para M. S. M' aqqan
totl' amor, de FlotoW,
N. 16. As ras em cooiradanca, quadrilba, por
Colas Filho, i. ^_^___
A

Ocapii.) Manoel Joaquim Machad), Juaquira
Vital Machado, Francelino do Reg Machado, An-
tonio joaquim Machado. Francisco Gomes de Car-
valho, D. mbelina do Reg Machado, D. Gheeria
Aguida Machado, irmos e sohriohos, mandara
ceUbrar um meniento e missas no da 29 do cor-
aentf mez, na igieja do Carmo. pelas 7 hora< da
muha, por alma de seu irmao e tio Albino do
Ueco Machado, por ser o trigsimo dia de seu pas-
smenlo, convida a todos os seus pareutes e ami-
gos assistircra a esse acto religioso memoria
do fallecido; por cujas provas demizade se con
fe-sart mais gratos ere'bnhecidos.
Oaixeir.
Precisa se do um caixeiro que tenha pratica de
taberna, porm que uo ter.ha mais de 14 ann s
de idade, para a IHia de Fernando: a tratar na
ra das Cruzes c. 33, 2o andar.
Aluga-se o 1" andar do sobrado n, 1 da ra
Imperial : a tratar no andar terreo.
Offerece-se um moco brasileiro que
bem 1er, escrever e contar para caixeiro de algum
engenho perto ou mesmo distante desta prak;a, do
que tem bstanle pratica, e mesmo para ensinar
primeiras letras : quera de seu prestimo se qui-
zer utilisar, annuncie por esle Diario pata ser
procurado.__________________________
Adengo.
Precisa-se de urna sala e um quarto para nm
rapaz solteiro : quem tiver e qur/er alugar dirja-
se a esta typographia que achara cora quem tratar.
A ra do Duque de Caxias n 21
(ANTIGA RA DO QUEIMADO)
Receben t saguinte :
Esperaos grandes dourados, moldes bonitos.
C.irteiras, charutairas e porl-cigarros de maita
qualidades.
Bonitas pastas para papis, simples" matisadas
Boas caixas va.-as para costura com sua cempe
tente chave.
Delicadas caetas de marfim com o bocal dt
prata. '' ,
Modernos penies de tartaruga, sobresshmdo en-
tre elles os mimoso telegraphistas.
Commodo5 toucadore* coiu duas gavetas e borr
espelho.
Port bjuquet, o que de melhor tem appar;-
cido.
Port relngios de muitas qualidades.
Bons talheres para crianzas.
Vostuarios, chapozinhos, toucas, sapatos e meias
para baptisados.
Toalhas e fronhas de labyrinlho.
Chapeos e chapelinaspara senhora, moldes novo?
e bonitos.
Chapozinhos gorros e bonete para meninos
meninas.
Contra as convulsas ca&
COMPRAS.
tom muito maior vantagem compram-se
ouro, prata e pedras preciosas e u obras vellpas: na
loja de joias do Coragao de Ouro n. 2 D, ra do
Cabug.
Ama de leite.
Precisa-se de urna ama livre ou sujeia, porm
de boa conducta, que techa btfm leite e com abun-
dancia, sera filho a mamentar : a tratar na ra oa
Praia, armazem ns. 13 e 15.______
VENDAS.
Ama de leite.
de leite :
na ra
dos
Precisa-se de urna ama
Guararapes n. 2._________________^_______
Precisa-so de urna ama para cozinhar era
casa de homem solteiro : a tratar na ra Imperial
n. 47, taberna. t
OH de iciio
Vende se oleo de ricino : ua ra da Cadeia-ve-
Iba no Recife, n. 1. 2o andar.___________]
Carne de sol muito superior.
Vende-se na rna do Ringel n. 8 a 480 rs. a li
bra, e a kilo a 1*080.________,
Aluga-se urna escrava com oilodias de pan
da cora muito e bom leite : a tratar na ra ae
Aguas-verdes n. 90.
Ama.
Precisa-se de duas amas que engommem e co-
sam com perfeico.nacionaes ou estrang^ras : na
ra da Aurora n. 40._____________________
A quem interesar
Quem precisar de nma pessoo habilitada em
escriptnracao mercantil por partidas dobradas,
deixa carta fecliada com as iniciaes E. S. a ra oa
Matriz da Boa-visU n. 34. ________
Offereee se .nma ama de leite : qnem preci-
sar dirjase ao pateo do Hospital, sobrado n. e, i
andar, das 7 as 8 horas da manha. ^____
Sociedade Emancipadora.
Sao convidados lodos os socios da saciedade
Emancipador- para se reunirem em a;9C^b''a
geral no dia i do outubro, as 6 horas da uroe,
nos saloes do Clob Pernambucano, afim de onv -
rem o relatorio dos irabalhos durante o anno n-
nanceiro Ando, eieger nova direccao, e resolver
todas as qnesloes que forem propostas temo ae-
termina o artigo 28 dos estatutos.
Recife 22 de setembro de 1870.
0 secretario,
Gervasio Campello-
Koi-ante-rheum;. tico.
Remedio efficacissimo contra as dores rhenma-
ticas at hoje o mai conhecido pelos seus mara-
villosos resultados.
XAROPE DE AGRIAO.E um dos medicamen-
103 que sua eflicacia as enfermidaes, t03se e
sangue pela bocea, bronchites, dores e flaqueza
no peito, escrobuto e molestias de figado, que me-
lhor tera aprevado,
TINTURA DE MARAPUAMA.- A celfehre raz
de raarapuama, coja energa e eficacia as para-
lysias, intorpecimenio, etc. etc. muito se recom-
m^nda. .
Todos esses preparados se enconlrarn napnar-
macia e drogara de Bartbolomeu & C, uuico de-
posito na ra larga do Rosario n. 34._________
enancas
Vende-se os verJadeiros collares na Nova Espe-
raoca, rna do Duque de' Caxias n. 21.
PARA T1NGIR CARELLOS
para pretos ou castanh.s, receben a Nova Espe-
ranza a verdadeira tinta inpleza.
PARA ACABAR COM AS SARDAS
on pannos, lem ?. Nova Esperanza o verdader
leite de rosas brancas.
AGUA DE FLOR DE LARANJA.
Vende-se na Nova Esperanca, ra do Duque d<-
X'apAPEL PARA ENFEITAR-SE BOLOS
recebeu-os muito lindos a Nova Esperanca, rus
do Buque de Caxias n. 21. __,#_
PARA AMACIAlt E AFORMOSEAR A PELLE
tem a Nova Esperanza s sabonetes de pos dt
arroz._______________
Cal nova de hubua
A oiJOOO o barril.
Na roa do Brum n. 80.______________
Sival sem segundo,
(Antiga ra doQueircado)
Contina' a vender tudo muito bom e
muito barato a saber:
Libras de arcia prcta muito bno. .
TesQpras ticas para nnhas e co.> tu-
ra a.......
Papis de agulhas fraacezas a ba-
lo a.........
Caixas cora seis sabonetes de fruta /
Libras de la para bordar di todas
as cores a .......
Carriteis de linha Alcxandre a. .
Frascos cora aztita p-ra machinas
Gravatas de cores muito tinas a .
Gimas de boles madepersla ti-
nissimos a.......
Nove'.lo de linha de KKJ jorjas ;?.
Caixas com 00 envelopcs mtiito
superiores a
Pentes volteados para menin-is a.
Tinteiros com trata preta a 80 rs. e
Pecas de fita elstica muito Gna a
Lata com superior banha a 100 e.
Frascos de leo Philocomo muito
fino a........
Frascos de macaf perola a. .
Frascos de extracto muito bu i tos a
Duzia de saboncies muito linos a.
Saboneles inglezcs a 600 rs. e. .
Frasco cora agua de colonia Piver a
Dito de oleo babi-za a.....
Caixas de lamparinas a. .
Sabonetes a firma menino muito
superiores a.......
uirlilhas da doutrina fazenda nova a
Libr; s de linha sortidas de todos oa
traineros a.......i800
Capachos o Qito lionitos e grandes a
Carriteis de re.lroi pt m 2
oitavss a.........
Agull)eips de osso e_
Lnra de I nha franceza superior
qealrdade a.......
Caixas de palito do paz a. .
120
509
60
1^000
6I000
100
500
500
500
60
eco'
100
200
200
500
240
500
720
1,5200
500
iO
.949
100
700
640
240
2A400
20
Vende se a taberna da rna
39 : a tratar na mssma.
da Senzala-nova n
Sal do Ass
A bordo do palhabote Garibaldi, ancorada em
frente ao Caes do Ramos : a tratar com Tasso Ir-
mos 4 C, ra do Araorim n. 37.
mw*mm*M:m*
Para cozinhar em ama casa de fa-
milia de dnas pessoas T*''" n)
largo do Corpo Santo n. 4, andar.
Ama de leit
Precisa-se de nmn
ApoHoD.23, andar.
BOM E BARATO
jRmo. do Cresuo n. 20.
Vendo-ae chitas escuras a 200 e 240 rs. o cova-
do, claras miudas a 200 e 240 rs.o covado, algoda-
mesclado, 4 palmos de largura, a 200 rs. o cova-
do, pec.a de algodao de 20 jardas a 35, peca de
madapolio a 5*,camhraia lisa 81|2 varas a 3#800 a
peca, cambraia victoria fina n. 14 a 4^800, atoa-
Ihado 2 larguras a 2*400 a vara, lencos de seda
da India a 1 #280: na loja do Guilherme._______
Grande pechincha.
Ricos cortes de cambraia bordados com 10 varas
a 11, alpacas e litas de eores a 400 e 300 re. o
covado : vende-se na rna do Duque de Caxias n.
19, loja de Leite, Pontea 4 C. _____
Togao de patente.-
V>nde-- ;;npriadurJ Shaw
Hawltes & C. rm da Crin n. 4.___________
y de cana.
na :0 do
Vende-se laa de cana a 320 a libra on e^O rs. o
kilo : no largo do Carrao, esquina da rui'de Hor-
Fazendas finas para
acabar
A' roa d Cresp* n. *5
Loia de Manoel Dias Xavier
BASQUINAS de gorgurao e gr.-.sdcnaple
superior enfeitadas, ultimo gosto a la*.
CORTES de gaze bonladis brancose ae
cores, lindos padres, a li. o corle.
SEDAS de cores miudionas a i* o C-
LCHALES de fil arrendado^ pretos a 2*
CCORTES de la, lindos padroes, a 3 o
'esgUIAO pardo de duas larguras muito
fioo a U o covado.
i r\MBRAlAS adamascadas para cortina-
dos cora 20.varas a 10*3001 a Wfa ,
\ MAD\POLAO superior a ti, a-iw, *> j
'aLGODAOZINHO superior com 20 jar-
das a 3* a pi-sa!
CAMBRAIAS novns miudinbas e de lu-
irs a 280 o covado.
CHITASc-cuia< matiadas e wiudinhas
a 200. 3'i0 e 28 o
ALGOD0 alv ,rBa"
a i| 00 a vara.
a ra do
Potassa nova di Rosia a 200 r-. a libra.
Cal de Lisboa.
Cera em velas.
Dita em grume.
Vinho do Porto superior engarrafado.
Dito de dito bom dem.
Dito muscatel de diversas marcas dem.
Dito tinto Palmella superior idem.
Dito dilo Vermoeira idem.
Dito dito lavradio idem.
Dito brancH Carcavellos idem.
Dito dito Bucellos idem.
Caldiras de ferro fundido para engenhos.
No escriptorio de Oliveira Filhos 4 C. ao larc^
do Corpo Santo u. 19._______________________
Murta atteneo
O Campos da ra do Imperador n. 28 acaba
de reoeber era seu armaiem, urna partida de se-
ment* de hortaltca qne passa a mencionar as
qualidades e precos.
1 A saber :
De salsa, a 60 reis a oitava.
Oe coentro, idem..
De repolho, idem. s .
De ervilhas braocas, a 600 res a libra,
De dilas tortas rouxas, a 800 res a libra.
De bracolas, a 60 reis a oitva.
De f^ijaTervilha papo de rola, a 400 a libra.
Do dito amarello, idem.
De dito meia-cara, idem.
De dito cor de ganga, dero. ,
De tomates grandes, a 60 res a o*avi. .
De eijao d* 7 annos para grao, a 400 rs. a libra.
De fdito de 7 annos roio, idem.
De espnaifres. a 60 rs. a citava._______________
Vende se pennas dt ema, cera de carnauba,
farinha e feijaj em caceos : na ra da Madre de
Dees n. 5, Io andar. _________________
ra
r
Veude-so
preces mdicos vinho do Porto, superior quali-
dade, em caixas engarrafado, e barris de quartos
o de decimos : no escriptorio de Soares Primo*,
ra do Vigario n. 9.________________>
15.
g^l^HiW
Cacados estrangeiros
Grande sortimento de calcados de todas as qua-
lidade para homens, senhoras, meninos e mei
oelo preco mais razoavel do que em outra qaal-
quer pane : na loja de cal;ado3 d9 sobrado araa-
Criiz n. 21._________________
Ac58S da estrada s
ferro de Olinda
Vende-se vint
n. 26, armazem.


ra daCrc*


6


eniambuco Quinta fera 29 de Setembro de 1870.
GRANDE
BAZAR DO PAVAO
60-RUA DA IMPERATRIZ-60
DE
. PEREIRA DA SUVA t
23
-srjKHwS5=SSH- *= ara-*-
se dar3o
"S0 ^SBRAS A 44000. CORTES DE LA ESCOCEZES 6,5000
JL ??* i" i, f8T mM- grDde Veode 8e bonitos cortes I5a escocias,
pra em um leillo, das mais finas yfodo cada om em seo papel, pelo barat
mRlezas que teto viodo a es- preco de 6,5000 cada um; no Bazar do Pa-
escura, to.
mercado, tendo cores claras e
com padrQes serios, proprios para
t, palitos e rolletes; vende-se a 45000
covado, o qoe em oatra qoalqaer parte
* se veode por menos de63; grande
bgem.
WS DE LINHO DE COR A 1^200
tk> Bazar n Pavo, fez-se orna grande
de paros brins de linho, maito en-
idos, proprios para calcas, palitos, col-
e roupas para meninos, por serem de
par5es miudinhos; garaote-se qoe na"o ba
tarrella que lhe tire a cor, e vende-se a
*B200 o metro desta excellente fazenda.
iMPOLO FINO A 60400 A PEQA.
No Bazar do Pavao vendem-se pecas de
aaapolSo fino de mnito boa qualidade,
iodo 22 metros on 20 raras cada peca,
yjo barato prego de 60000, por se terem
'rraprado om ponco enxovalhadas; pe-
rinena.
CHITAS ADAMASCADAS A 240 RS. O
COVADO
O Bazar do PavSo vende mnito boas chi-
tas inglezas ncarnadas adamaccadas, pro-
jrias para cobertas e cortinas, sendo fazen-
da que em qualquer loja se vende a 320 rs.
ioida-se a 240 rs. o covado; s o Pa-
TOALHAS A 70500
No Bazar do Pavao fez-se orna grande
cempra de toalbas alcocboadas, proprias
para rosto, bastante encorpadas e grandes,
qpm sempre se venderam a\12t000, e li-
j*dam-se a 75O0 a dnzfaorj a 640 rs.
zta urna, boa pechiocba.
CHAPEOS PARA MENINOS A 2,0000
r O PavSo vende urna grande porc5o dos
ais bonitos chaposinhos de palba da ita-
5a proprios para meninos de todas as Ida-
Jes, sendo chapeos qne valem 5JC00 e ven-
dem-se a 2J0OO cada om, muito barato.
CHITAS E RISCADINHOS MIUDINH03
200 RS.
O PavSo vende chitas on riscadinhos min-
dfehos cor de rosa e rxinhos, proprios
pera vestidos e roupas de creaocas a 200
a. o covado. Slo moito baratos.
LASINHAS com palmas ue seda
Chegou para o Pavlo o mais bello sorti
COR
os
ORGANDYS BRANCO E DE
No Bazar do Pavao vende-se
bonitos e maito finos organdys com listas
largas e amidas ifiOOO a vara, ditas lisas,
fazenda de maita phantasia 800 rs. a vara,
ditos d cores, finissimcs padroes, inteira-
mente novos 800 rs. vara; pesbincha
GROSDENAPLES PRETOS
Chegou para o Bazar do PavSo um gran-
de sortimento dos melhores grosdenaples
pretos qoe tsm vindo ao mercado, qne se
veodem de 10600 at 50000 o covado ;
s3o todoa muito em conta.
CAMBRAIAS TRANPARNTES
No Bazar do Pavao vende-se nm grande
sortimento das melhores cambraias braceas
transparentes, tem de 30590 at 100000
a peca, ditas snissas finissimas com 8 pal-
mos de largura a 20000, 20500 e 30000
vara, ditas victorias e tapadas da mais infe:
rior at amis fina qoe ven, ao mercado;
tndo isto se vende mnito em xonta.
MANELLETES DE FIL
No Bazar do Pavao vende-se modernissi-
mos mantelletes ou basqoinas de fil preto,
:om laco, pelo barato preco de 100000 ca-
da nm, barato.
PANNOS PARA SAIAS A 10000, 10280 E
10600 O METRO
No Bazar do Pav5o vende-se bonita fazen-
da branca encorpada para saias, sendo com
babados e pregas de um lado; dando a lar-
gara da fazenda o romprimento ta saia, a
qual se pode fazer com 3 on 3 ir2 metros,
e aende-se 10000 e 10280 e" 1600; assim
como tamben no mesmo estabelleclmento
se vende bonitas saias brancas bordadas ten-
do 4 palmos cada nma, ditas de la de
cores j promptas urnas com barras diffe-
rentes, da mesma fazenda 4(5^00 e oatras
com barras bordadas 60000 e 70000,
todo isto moderno e barato.
CAMISAS DE
No Bazar do
ALGODAO ENFESTADO PARA lences.
No Bazar do Pav3D vend-se o melbor al-
godosinho anuriGano er.festado
ces, tendo liso e entraado
moito barato.
ESPARTILHO.
para len-
por preco
ERANELLAS A 30500.
Pavo vende-se nm bonito
sortimeato com todos os tamanbes das me-
lhores camisas, de flaoella de la, cnm
mangas Unto proprias para hnreos como
para seDboras e vende se a 30000 cada
mais nma, e qoem comprar de meia dnzia para
cima ter nm abatimento, Sao de-umita
ntiudade. ^jftflr
firanoe pehinha m cimisi inginas a 4elJM>0
^o Bazar doPavJo fez-se orna grande com-
pra em leilSo, de finissimas camisas ingle-
zas com peitos e pnnbos de liooo, sendo
cm collarinhos e de todos os nomeros a
40000 cada urna, ditas sem collariohos
porm fazenda finisima a 40500; gran-
de pechiocba.
CAMISAS BARATAS a 20800,30OCO e 20600
No Bazar do Pavao vende-se urna gran-
de porcao de casemiras mescladas, muito
encorpadas a 20800, ditas finissimas com
msela de seda a 30200, ditas modernas
de qaadros, fazenda de muito gosto a
30600 o covado ; aproveitem.
TAPETES
Chegoa para o Bazar do Pavlo o mais
elegante sortimento de tapetes grandes, pa-
ra sofs, com 4 efldeiras, ditos mais peque-
os, para doas cadeiras, ditos para
pianos, camas, portas; etc. vende-se por
menos do que em ontra qaahner parte.
COLCHAS BRANCAS A 30200,30500 E 70
Para o Bazar do Pav3o chegou om gran-
de sortimento das melbores colchas de fos-
to, s*ndo tas melbores e maise corpadas
qae tem vindo, a 70OOr, ditas nm ponco
mais abaixo a 50500, e ditas a 30000;
Umbem no mesmo estabelecimento se ven-
de um grande sortiment> de crotones e chi-
t.s, proprias para colchas, que se vendem
muit em ronta.
G0RGUKES0UP0UPEL1NASDE SEDA
A 20000 CADA COVADO.
Cheg u para o Bazar do Pav3o um ele-
gante sortimento das verdadeiras poopelinas
de linho e seda, com os mais modernos
gostos, que se vendem a 20000 cada covado,
o que em ontra q alqner parte nao se ven-
de por menos de 20500, previne-e qne n3o
sao algodao e seda, como ba muitos; mas
sim puro linho e seda; s5o mnito baratas.
A Nova Esperanza
, Diiqnr df Caxlasti
CA faz os seus
bAde ao: freguezes ea
todos em geral o grande sortimento esu-
perioridafie de seas objectos n3o fr com vis-
tas de atraira attencio de urna grande fre-
guezia, como a de que actualmente desp5e,
e sim para scientificar (a interese de todos)
a qaalidade de seus objectos' os quaes s5o
sempre de apurado goste e perfeicSo; tor-
nanao-se qaasi indispensavel para aquellos
ipreciadores (do bom) frequenlarem a No-
va Esperanca, pois qoe ella capricha em re-
ceber constantemente, o que ba de melhor
relativamente a sua reparco: o qae se po-
der verificar quando em qoalqaer reuniao
de pessoas (amantes do xique) v-se nm
bonito enfeite em um bonito vestido, nm
aroma agradavel escapar d'um alvo lenco,
um moderno- e linde laco, um dilicado ra-
mo de finas flores, ete, etc, todos olbam-se
reciprocamente e dizem com sigo (e as ve-
zes uns aos outros) estes sSo objectos
comprados a'NOVA-ESPERANCA: realmen-
te MI I procurar descrever em annuncios os
artigos que contem dita loja, seria trabalho
insano e nanea o fariamos com aqulla
graca e perfeicSo com que s3o elles fabrica-
dos, assim pois a NOVA-ESPERANCA con-
tenta-se em convidar a todos geralmfcnte,
visitarem^na para ent3o flearam intei-
rados do que ha exposto na mesma loja.
81Ra Duque de Gallas 91
* VEXD1.-S12 I
0 nm ptimo terreno murado, pe- ^
q dras, soleiras, vergas, cepos, etc., >*
para edificaco de amas quatro l
casas. ^
A viuv do floadn Henrique Jorge ten- w
Q do recebido em parlilha pelo jaizo de or- &
^ phaos beos para o integral pagamento SS
das dividas restantes de ea casal, vende j@r,
o excellente terreno foreiro, murado, ua >W
travessa da Concordia entre o sobrado do 'R
Dr. Beltrao e a carreir de casas terreas &
do lado do sul, comprebendendo na venda M
as meiag5es dos dous oilSes, entre os 55
quaes est situado o terreno : e bem as-
sim urna porcao de peoras de varios ta- g
manhos e qualidades, proprias para edifl- K
cacoes : o que tudo pode ser visto e exa- j^r,
minado pelos pretendentes no lagar indi- A
cado, qualquer hora, nos dias uteis : jt
a tratar na ra do Queimado, oa Duque fl
0 de Caxias n 28, 1 andar, das 10 horas
Qnaado a AGUIA BRRNCA, mais precisa scientificar ao respeitavel
geral, e era particular a sua boa freguezia, da immensidade de objectos qne
m recebido, jastamenteTqoando ella menos o pod fazer e porque essa f
invo-
varlo,
lutaria ella confia e espera i a benevolencia de todos que 1
continuando portante a dirigirem-se a bem conhecida leja da AGUIA BRANCaT" 7
.Queimado n. 8, onde sempre acharJo abundancia em sortimento de superioriide ern
qualidades, modicidade em precos e o seununca desmenttido AGRADO E SINCffltoADE
Do que acuna flea dito se conhece que o lempo de que a AGUIA BRACi Dda
dispor, empregado apezar de seas custosnodesempenho de bem servir a aquellas eaea
honram procurando prover-se em dita loja do que necessitam, entretanto sem ennume.
rai os objectos que por sua natureza sao mais conhecidos ali, ella resumidamente indi
cara aqneUes cu/a importancia, elegancia e novidade os tornara recomnendavaii comn
bem seja : *
Corpinhos de cambraia, primorosamente
0
aroto das mais brilbantes liasinhas claras
com bonitas palmiobas, de seda; ten do lar- Bazar do Pav3 recebea-se um elegan-
fara de chita franceza e vende-se a I0OOO sort|mento dos mais modernos e melho-
aeovado grande pechincha. res espartilhos, que se vendem
UPACA8 MATISIDAS A 640 RS. 0 COVADO. | "Sn n.n D!?
Vendem-se as mais moderna? e bonitas
por preco
i'pscas matsadas com palmiobas, moito
proprias para vestidos de senbora e da me-
ninas pelo barado preco de 640 rs. o cova-
do; s3o moito em conta.
PAItA NOIVADOS CORTINADOS, COLCHAS.
Chegou para o Bazar do PovSo um gran-
de sortimento dos mais bonitos cortinados
bordados, proprios para camas e janellas,
qoe se vendem de 100 00, al 200300 o
par. asim como o melbor damasco cem 8
palmo- de largura a imitac5o de damasco
da seda, proprias para colcha, e propria-
raaote colchas de damasco, send os melho-
res e mais bonitas qae tem vindo ao mer-
SEDASDELISTRAS.
No Bazar do Pavao vende-se urna grande
aaaoti iade das mais elegantes sedas com
Sstrinhas, tendo de todas as cores e at
fcrta-rr ; fazenda qne ninguem vende por
enos de 20400, e hquida-se a 20000 cada
jva'o; 85o maito baratas.
SETINS DE CORES E GROSDENAPLES.
No Bazar do PavSo vende-se um sortimen-
to completo dos melhrres setios e grosda-
apies de todas as cores, que se vendem
Broto em conta.
POUPELINAS DE LA A 400 RS. O CO-
VADO
No Bazar do PavSo vende-se nm elegan.
as sortimento das mais bonitas poopelinas
ate 15a com lista* miadianas,' sendo todas
c/oasi da orna s cor, 400 rs. o covado :
f baratsimo.
OtANDE PE CHINCHA EM LASINHA
A 640 RS.
Ni Bizardo Pavo fjz-sa ama grande
rasr-ra de liasinba para vestidos, sendo de
rato b a qualidade, amas com listase ou-
tras con mselas, e muitos largas, que com
p neo* covalos se faz vestilo e liquida-se
440 rs. fazenda qoe sempre sj vendea a 10
ALPACAS PARA VESTIDOS FURTA
CORES A380RS.
Veoie se om bonito sorti nento das mais
cubarles alpacas escuras furta cores,
aeolo maito encoradas e ten lo um brilho
rao seda, Hqaida-se pelo barato preco de
360 rs. o covado por se ter feito ama gran-
es compra.
POUPELINAS A* 400 RS.
No Ba'ar doPavSo v^nde-se nm elegante
aortmeniD das mais lindas ooajtlina? de
a com os gostos miodiahos sendo qaasi
aran > cor e con muit bruho, pichin-
ha b 401. rs. para acbar.
CH TAS A 20 RS. O CORTE.
No Bar doPa?5o vende-se cortes de
bita mindinhas, secfdo rocha e edr de rosa,
todo 10 ovados caila co *e a 2) vende-se'
a rea bo a 200 rs. o c vad), pachinclia
CASS4S A 210 R5.
NoBarar do PavSo liq;i1a-se una por-1
fio le ca-sas fre midas e graudas
aerea "
PANNOS DE CROCH PARA CADEIRAS
O Bazar do Pavlo recebeu nm grande
sorlimeato dos melbores pannos de croch,
proprios para cadeiras de balanco sofs,
pianos, tamboretes e at proprios para cu-
brir almeladas e pratos; vendendo-se por
menos do que em qualquer parte.
Laasinhas tranrparenles a 800 rs. covado
O *av5o receben um bonito sortimento
das mais elegantes i&sinhas transparentes
proprias para vestidos, qae veode a 500 rs.
o covado; moito barato.
PARA LENgOES
No Bazar do PavSo vende-se sajerior
bramante d'algodao com 10 palmos de lar-
gura a I08Ou o metro, diio de linho cora a
mesma largura a 20800 cada metro, pannos
ds linbodo portocom 3 1/2 palmos de largura
de7zOai!0a vara, assim como umg ande
sortimento de Hmburgo ou creguellas de
todos os nmeros, precos ou qualidades,
que se vendem m-lis barato do qoe em on-
tra qnslqoer parta; aproveitem-
ATOALHADOS
No Bazar do PavSo vende-se superior
toalhado trancado, com 8 palmos de largu-
ra a 10600 o metro, dito de linho adamas-
J" me|hor que tem vindj ao mercado a
30500 o metro ; tudo isto maito barato
BalSes regaladores a 40030 40O e 30OO>
Chegaram ao B.zar do Pavo o mais bem
reitos baloes reguladores, sendo de furtSu
a 40000, ditos de mtisselioa a 40500 di-
tos de llasioha de todas as cores a 50000
todos elles sao muito baratos.
ROUPAS PARA HOMENS
No accreditado Ba?ardoPav5o encontra-
r o respeitavel publico om grande sorti-
mento de roapas para bomens Unto bran-
cas como de cores, a saber:
Camisas corr peitos d'algodao e de linho,
para todos os precos e qua'idades.
Ceroulas de linho e algodSo.
Meias cortas francezas e inglezas.
Palitos sobrecasacos de panno preto e
casemira.
Calcas de brim braoco e de cores
Ditas de casemiras pretas e de cores, com
colletes iguaes
De todas estas roupas ha para todos os
oreos e qualidades, e tem de mais mais
um perito
da raanhaa s 2 da tarde.
Cal de Lisboa.
Vende-se cal de Lisboa, a ultima chegada ao
mercado, por prego rajoavel : no armazem de
Manoel Teixmra Bastos rna do Gommercio n. 13.
Farinha de mandioca.
Vende-se superior fariuha de mandioca, vinda
do seno do Cear, em saccas de 2 1|2 e 3 al-
ineires cada sacca, por prego mdico : roa do
Vigario n. li, escriptorio de Jos Lopes Davim.
enreiUdos com fitas de setim e obras essas
cuja novidade de molde e perfeicJo de ador-
nos os tornam apreciados.
Fitas mni largas de diversas cores e qua-
lidades para cintos.
Loques uesse objecto muito se poderia
dizar querendo descreve-los minuciosamente
por suas qualidades, coree e desenhos, tal
o grande e variado sortimento qne acaba
de chegar, mas para n5o massar o preten-
dente se lhe apresentar o qne poder de
melhor.
Entremeios em pecas de 12 tiras.
Gnipnre branco e preto de diversas qua-
lidades e desenhos.
Ditos de algodSo com flores e usos.
Yos de seda para chapelinas e monta-
ra.
Meias de seda para noivas.
Citas abertas de fio de Escossia.
Costumes ou uniformes para meninos.
Enxovaes completos para baptisados. ,
Touqninhas de fil, sapatinhos bordados criancas.
e meis para ditos.
Camisinhas bordadas para ditos.
Capailas brancas para meninas.
Grandes sortimento de llores inas.
Fil de seda, preto.
PERFUMARA
Grande e constante sortimento de dita,
sempre melhor qtajidade.
Lindos vasos com p de arroi e pose,
Caixinhas com ditos aromticos.
Bonitos e modernos pantos ourados
para circular o coque.
Bonicos brincos de plaquee.
Adereces e brincos de madreperolr.
Caivetes finos para abrir latas.
Thesonras para frisar babadinbos.
Aspas para balso.
Novos stereoscopos com 48 vistas, as
quaes slo movidas por um machinismo
urnas substituem as outras.
Vistas para stereoscopos.
Bonitas caixinhas devrdro enfeados coa
pedras.
Ditas de madeira envernisada cora vispo-
ras e com dminos,
Bollas de borracha para brimnedo da
BMaramann mamammm
Diversos objectos de porcelana, proprios
para enfeites de mesa e de lapinhaa.
\
9*
f
$
i o
0
N. 3 A RA DO C4BUGA N. 3:A.
MSroiMIROS
Bichas hamburgnazas
Ne3te novo deposito recebe-se por todos os pa-
quetes translanticos bichas de qualidade superior
e vendem-8e em caixa ou por?o mais pequea,
e mais barato do qae em outra qnalquer part9 :
na rna da Gadea do Recife n. 51. 1 andar.
Armapo.
Vende-3e urna armacao de araarello cora dous
bslcoes: na rna do Baro da Victoria n. 2, (ou-
tr'ora roa Nova).
Farinha de milho
Chegou ltimamente nova farinha de milho em
saecos, cujos pregos sao mdicos, como os de ou-
ir ora: a tratar com os consignalarios Amorim
Irraaos & C, ra da Cruz a: 3.
Panna preto moito barato 'a 35600
0 Bazar dj Pavo receben ama grande
porcSo de pecas de panno preto fino, com-
pradas em leilS\ qu3 sempre se venina a
53000 o covaio e pode liquidar a 3Q00
por ser ama excellente compra,
BAREGES A360RS.
No Basar do P*v3o vande-se um bonto
rrtimaoto dos mais lind), ba reges lista-
dos para vestidos, qoe valem muito mais
dmieiro e liquidi-se a 30;) rs, o cova-
do, ditos muito mais finos com listaba 400
rs estes harenes sempre se veoderam a
640 e 800 rs., grande pechincba.
GURGUROA640RS.
No Bazar do PavJo vende-se gm bonito
sortimeoto dos melbores gurgaroes de laa
para vestiios sendo nmi linda fazenda,
muito leve, meia trasparente e muito lar-
ga com furta core* e liqaida-se a 6i0 r
o covado por se ter foito grande pechiocba
na cnmpn.
C03E1TAS A 3&
Vende-se nert.s de chita encarnada
adamascarla a 3 J cada nma, pechiacia
CORTES INDIANOS A 4?5<0.
No Baz.r d-i Pa 3o vende-se bfnitoscnr
tes
ALFAIATE
Por quem se manda fazer com prestesa
e aceio qualquer peci de obra a capricho
ou gosto d freguez, tendo n'este importan-
te estabelecimento todas as qualidades de
oanno fino, as melhores e mais moder-
nas casemiras, assim como os melhores brins,
quer brancos, qur de cor; e qaan^o qoal-
qaer obra nao ficar inteirameote ao gosto
dos fregoezes fi.a por conta do estabeleci-1
ment.
CHALES DE MERINO
Chegou para o Bazar do Pavjo am elegan-
te sotument de chales de merino de cores
muito bons com padres muito decentes
para qnalquer urna senhora usar, ditos de
crepon com listas de seda o mais fino e
moderno que tem vindo ao mercado, e ven-
de-se por preco mano em conta.
BABADIMHS
PAliiOS ISA
DE
OLINDA
Lindos costumes de 13a enfeitados pro-
prios para banbos, chegados pelo ultimo va-
por, vendem-se na loja do Barateiro a ra
da Imperatriz n. 32, pelo baratissimo preco
de 15^00111 v V
~lTTENgiO~
i Vea?e'e a arm895 e pertences da taberna do
largo do Ter?o- n. l, muito propria para qual-
quer principiante : tratar no sobrado por cima
da mesma.
Com este titulo acha-se aberto e inteiramente transformado este antiT
estabelecimento de joias, onde os freguezes e amigos encontrarlo todo qoanto
nh?o. a Ab?mBsi0 tem "iuntado na arte de ourivesaria, o Collar deOnro
observar delicadeza no trato e senciridade e modecidade nos precos
**a m? f e,u0 r.e8Peitavel Publico venha ver o que existe de melhor em
derecos de brilbantes, esmeraldas, robins e perolas, meios aderecos, pul-
cetras brincos, alfinetes e anneis de todas as qualidades, prata de lei faonei-
ros, colberes, paliteiros salvas e outros muitos objectos que seria enfadonho
38K mencionar.
| Compra-se onro, prata, brilbaotes e pedras finas, pormaior preco do
qu em ontra qualquer parte, troca-se e concerta-se todo e qualquer obiecto
pertencente a esta arte. H 4 ^
suniiaiiiiB aaaMnragnnii
lflIIIMCAfi'
Louren(?o P. Mendes Guimaraes
rendo resolvido
as loja
a
visi'^rem
RUADA IMPERATRIZ N. 72
- o sea proprietario liquidar todas as fazendas existentes
Mi-maldi e Arara, convida ao respeitavel publico, amante da economa,
loja da ra da Imperatriz n. 72, pois s deseja apurar o dinheiro.
an/AraHV? !,ma(!a?ol!oeafesadoa3^00l Para liquidar vende bramante de li-
6^00 70000. 8^000, 90000, e 100000. linho puro a 20800, esta fazenda pro
Vende-se cortes de casemiras de -------''--
para calcas a 40000, 50000.
cores pria para lenc5es e toalhas por ter 10 pal-
mos largura.
Vende-se cortinados para cama fr?ceza
a 10400 o cortinado para liquidar.
Arara^yende cortes de chitas para veei^
para
Para liquidaca"o vende-se algodlo de lis-
tras proprio para calcas, camisas e saias
para seravos a 160 rs, o covado.
Na roa da Imperatriz vende se chailes de I dos a 20500,20800 e 30200 "o'corte
merm estampados e de barra a 20000,' liquidar.
20300 e 30;>OO.
Chapelinas e chapeos
para senhoras, loja da Turqueza acaba de re-
seber excellente sortimento.
Basquinas
na loja
m nanos com duas saias oa'O liara-
Enas. que se vendem pelo baratiss.m tissimo preco de H5 h) cada
de 200 rs. o covado para acabjr. I chincha.
nm, pe-
No Bazar do Pavao vende-se om grande
sortimento dos mais Anos babadinbos borda-
dos tapados e transparente*, assim como
urna grande porcao de entremeios lardos e
estreitos, que para acabar se vende mnito
em conta e mais barato do qoe em ontra
qaalqoer parte.
FAZENDAS PARA LUTO
No Bazar do PavSo veode-se constante-
mente o melhor sortimento de fazendas
pretas para luto, como sejam :
Laasinhas i retas lisas.
Cassas pretas de 15a.
Cassas pretas, francezas e inglezas, lisas
e com salpicas.
Chitas pretas de todas as qualidades.
Alpacas pretas lisas.
D'tis lavradas com branco.
Merinos, cant-s, bombazinas, une sa
2*^^.do^ra.omJTiJ
CHirAS PRETAS A 200 RS. O COVADO
No Bazar do Pavao vende-se chitas pre-
tas inglezas com salpicos 200 rs. ocovad i
d.tas :Jaai pretas, por estarem am pouco
rassas, 12) o covado; pecuiocba
0< proorietarios d este importante esta-
bellecimento rogan ao respeitavel publico e
particularmente s Exmas. familias o favor
de se darem sempre ao trabado do lerem
os seos annuncios, pela raz5o de muitos
d'elles serem mudad s amiu tadas vezes
CACHE-NEZ A 60000.
PaI-i vend Ji.se bonitos
mnito novas e de bom gr3 de aples
da Turqueza.
Cintos
de veludo e de seda, variado sortimento : na lo-
ja da Turqueza.
Camisas bordadas
variado sortimento : na loja da Turqueza ra do
Baro da Victoria n. 9, (amiga rna Nova).
Punhos e gollas
de velndo para senhora : na lija da Turqueza.
Arara vende cortes de casemira preta
para calca a 30500, 40000. 50tOO, 60000,
70000; e 80000.
Para! liquidac3o vende-se brim pardo lii
bom a 500 rs, o metro, dito transado a
720, 9po, e 10000 o metro.
Para a cabar vende-se duzias de lencos
branco* de cassa a 20000, e 30600, ditos
de linho a 50000, 60'JOu.
Na roa da Imperatriz vende-se cobertores
de algddo a I04OJ e corbertas de chita a
10500.
ParajIiquidacSo vende-se cortes de casto-
res para calcas de bomem a 500 rs.
Vendeose cortes de cassa a 20500 o
corte s na liqnidac5o a da imperatriz.
Vende-se cortinados. para janellas a 60
a peca para liquidar.
ECONOMA
Vende-se duzias de collarinhos de pa-
pel a 240 rs. para acabar.
Arara vende laasinhas transparentes para
vestidos a 500 rs. o covado.
Liquidac3o, vende-se parapeito liso a
20200, 20500, 30. 30500, 40, e 50, pro-
prio para calsas e palitos por ser bea fa-
zeada e barato.
Arara vende cortes de brim para cal-
sas de bomem 10500.
L^Im^m ChJta4largaS para vfd0 Vende"se cortes de PPcalas ** duas saias
mu, Z8U, ju, e 360, rs. o covado. 'nara Sfinhoras nln iHia w a. i
para
PORCOS
Farinha t> trigo nm ponco avariada para por-
eos, bois, galiDhas, etc., etc., a 5 a barrica com
b arrobas assim como tambern serve para pada-
na por nao estar muito estragada : na ra do Li-
vramento n. 3S, armazem Baliza.
CHUMBO VELHO.
Veode-se chumbo velho : no armazem da bola
amarella no oiia da secretaria de polica
TTTENaiT
a 240, 280, 320, e 360, rs. o covado.
O barateiro vende percalas finas
vestido a 440, rs, o covado.
Em-liijuidacao vende-se alpacas para ves-
tidos de Sras. a 500, rs, o covado.
A Arara vende laazinhas para vestidos de
Sras. a 320. 400 e 500, rs, o covado. '
OGuiinar3es vende morsulina de cor
para vest Jo da Sras. a 440 rs. o covado,
dita branca a 500 rs.
O Merj tes vende fustSo de cores par-
vestidos de senhoras a 360, o covado.
O Liuk-enco vende cassas Snas para ves-
tidos 24ty, 360, 400 e 440 rs. o covado.
Arara vende alpacas de lista para vesti-
dos de sbnhoras a 500 rs. o ovado, ditas
lisas a 500 e 640 rs. ocovado, ditas matisa-
das a 640 rs.
pelo barato preco de a 60.
para senhoras
cadanm.
Grande liquidac5o de roapa feita.
Vende-se palitos de alparca e de cores
a 20.
Vende-se ditos de ganga para homem
a 20.
Vende-se ditos de brim de algodJo bran-
cos a 20.
Venie-se ditos de meia casemira a 20.
Vende-se coletos de brim de cores a 10-
Vende-se ditos de meia cisemira a 205oO
Vende-se calcas de algodo azul a 500 rs.
Vende- se dita de algolao de listras a 800rs
Vende-se ditas de brim pareo 20,10600
e 20500.
Vende-se calcas de casemira de
a 6080.
core
Vende-se um boi e nma earoca de quatro ro-
das, e mais tres rodas de sobrecelenie, tudo mui-
to^h conta : no caes do Ramos, junto r tenda
A l$O00
Os melhores espanadores de palha
Crespo n. 15, loja da esquina.
na rna do
m gaz m
Chegon ao antigo deposito de Heory Forsttr
(1, ra do Imperador, am earregtaento de tu
le primeira qualidade; o qual se venda em partida*
a retalho por menos preco do que a ontr* aua>
pier part.
Milho.
Vende-se em saceos grandes, de superior quali-
dade e muito nove, por menos preco que era outra
qualqoer parte : na ra daVigtrio ni 14, escrip-
torio de Jos Lopes G. p
grande* cachi-nez de pnra ..a, pelo bara-
to preco de 60000 caja am.
0 Bmr do 'avo ^^Pwabh n 60, esta' constantemente absrfc o
das 6 horas dimanhai as 9 di n>ute.
Carne do sertao
ebegada pelei ultimo vapor, por preco raioavel
nSem Cunta Irmaos & C, rna da Madre de
Deo n. 3.
- Vende se nma b 'itaWa de araarello para
deposito de ossos: na sacbrigtia da matrii do Cor
po Santo. WI
ta retara de forro
Vec e-see est vista em casa dos importado-
res Shaw Hawkes & C, raa da Cruz n. 4/w,liUU
Farinha da trra
^m Hn^l01"' feP"?,ts* barrica?, no arma-
"dSr. Angelo Bapiwu do Nascimento, aop
do caes do vapores no forte do Mattos ; vende-se
aos alqueires, a tratar com Bernardo Jos de
fandeJaD0 armazem do Sr* Anne9 oefronte da al-
i ~ Vende-se a casa terrea n. 11, sita em Olinda,
a raa do ! oodos e grande quintal, soto proprio : a tratar no I
i Itecife. ra da i adeia n. 40.
01EGARAM"
Pogos instanta\ne> s aperfeijo-
ados por preejo muito comrno-
do : na raa Nova n. 28, loa de *"ai'e engordar iOO cabecas de gado, sendo ease
Ai L> i j o lm terreno urna ilha rica d pastagens e que dispen-
IIlomo redro ae OOUZa JSoares. esrea. mm'to boa torras para eanna compostas
Bomas completas _____
o engenho Camocim na fregueria de Taqnara da
provincia da Parahyba. o qual offerece as segoin-
tes vaniagens: excellente porto de embarque,
atrai do engenbo, grande terreno onde se pode
para ca- roca, feijlo, milho e arroz,
mnito
com grande porcio de
cimba, por diminuto preco na co^uei m.d".08 pon^s diversos, pi
mesma casa.
Attenpao
Vende- n-na canoa j velha de carreBar tilo,
los : a tratar na rna D.reiia n. 101.
tres quartos de legoa, e cinco legoas da cidade do
Goyanna : quem pret nder eomprar este Dgenho
dirija-se roa do Vigario n. 14, on ao proprio
engentio _________ -
CANTARA DE USB' ---------
Soleiras, hombreiras e cap -atar ao
' armazem da travesea do Cor,


#
r

* V
i
}

I
!


\
/

Diario de Pemambuco Quinta feira 29 de Setembro de 1870.
- -
eom Mari? -m de frenaros de esva
travs daIbdt r o segte o oofwwra ptimamente preparado
ero Pars :
Ehvtliias (Pelil* />
PiuXotrdr (Haricut* veris).
Drre m mXo (/iki /tagealkls).
Espxiwo (Ajots-i).
Mischxama delegume? (Mocedoiiulegumes).
Sbrxtbas (Caroitfs).
Tomates (Jbma/t>.
Coowdk BarmtLAS (C*i de Bruxellet).
ALCACHorRA". (Foitds d'artichants).
EsrauFRCS (Epmards)
OoccMiLLOs (CAiiflipi'nroii).
. tyn).
Pastis com trdfkas (Pals trttjfs).
8km TnuFFAS ( sans truffs)'.
Atm cok azbitr (Ton a l'uule).
TaorFAS simples (Tntffes an naturcl).
Sardinha em tomates (Sur Une etc.)
GALAirrma oom mofas (Gr.'.antins avee trtiee).
Fraw (Ponitl).
Pombi) com Envu.ii vs {Pigcon avec pois).
Galumiolas (licaisones). ''',
Pbrmc cov-azeitonas (Perdim avee olives).
assada ( roe).
Akdownha (AUpuettc).
Cooouiis (Gaillc).
Lamprea (Lamproie).
Picado (AndouilMtet t.)
Salxkiia (Sancistono t.)
Caria ouizade (Iriticandeau O.)
Recebeu-se mais
lira Completo e variado sorlinipnto de papis
pintadas doirados de diferwntes qualidades e es-
2uisitos fiesenhos, proprios para forro e guarnicao
b salas, gabinete?, eseriptorio*, etc. Na remessa
desse artefaei > tem havido o maior gesto e capri-
cho da parle do nosso correspondente d Paris.
Com ama mdica eommiseio sobre o costo da
fabrica vendemos este papel, pois iesejamos ter
elTeetivaiDPute urn d-poito dcsa especialidade.
No armazem de Candido Alberto Sodr da Motta 4
1, a travessa da Madre de Deus n. 14.
Fumo e papel
" Completo sormentii de fumo, taato para- cigar-
ros come para charutos, vindo do Rio do Janeiro,
Babia e_Bo Grande du Sul. Papel de seda, linlio
e alfodSo, de dilTerenfes qualidade?, proprios pm
o fabrico de cigarros. Wnde-se constantemente
no armazem de Canlido Alberto Sodr da Molla
4- C :. travessa da Madre de Deus n. 14.
Especialidades.
Continoam a acharse a venda na ra Direita
botica n. 88, os mni condecidos e ai-reditados re-
medios de veame, e outros diversos medicamen-
tos feiloe em Paris, bem o .mo i xaropes de co-
deina de fi'rtti, de rbano ioJado, de idurete de
ferro de Bi..neard e as pillas do mesmo, peitoral
de eereia, pos de Rog, depurativo de Chable,
digital de Labellony, pilulns oa confeitos de bis-
mu'.ho de Chevrier, e outros medioameotos cuja
proGcieoeia qaando empregados as doencas das
vas respiratorias, as dor.'s rhenmaticas, na
amareilidao, na falta completa ou irregnJaridade
de menstruo, as diarrhas, doenca* do corado
e do estomago, tem ido e iucontestavel, em
vista dos benelicos resultados das experimentacocs
ou oso que diversas pessoas delles teem feito, as-
sim como das plalas denominada bravinas in-
comparaveis em soa efflcacia nos acoramettimen-
tos febris oa seafes ; existindo tambem na mesma
casa, alem de snulcieote qaaniidade de drogas,
nm nao pequeo sortimeoto de tintas, oleo de li-
nhaea e pincis, que se veudein' por menos do que
em ontra parte.
Antes que seacabem.
Medalhas de prata mac: Gr: 30 : vende se na
na larga do Rosara n. 3i
ARMAZEM
DA
NORMA
BITA NOVA M. 48
Pechincha sera igual.
Ca?acos de gorgur-i de soda pretos, ricamente
entelados e os ai.iis modernos que tem vindo ao
mercado, a 25 J, saias brancas bordadas a 13, ditas
de cores a 6 ; popelinas de todas as cores a
IfoOO ocovario ; sedinhas de quadros a 10200
res 6 eovado : crtrs de dina brancos, borda-
dos, proprios para baile, a 8 ; gorgurao de
lia e seda a U600 e 11800 ris o eovado ; laas
de bonitos gostos a 360 ris o eovado ; popelinas,
ricos padrdes eseossezes a 13i00 ris o covBdo ;
cortes de vestido rip cambraia com barra a 5
cada nm; sahidas de baile, bornons devsriossostos,
ieiues M sndalo, vendos de blond e mnita. ou-
tras coatas que se deixam de mencionar por se
tornar enfadonho.
Attenqa)
Vende-se ama casa nova em am dos melhores
pontos da Casa Porte cora frente para a estrada
de Sant'Anna e a nova estrada do Chacn, tem
proporcoes para nm bom sotao, lem cacimba com
agua de beber muito boa, e deve a mesma casa
servjr para establecimento, f iz-se todo o negocio:
* tratar c. m o llypolil > na rnferida casa.
Pechincha
Saias de la com barra de cor a it, baldes de
arcos a 14800, aigodaozmho com 4 palmos de lar-
gara a o a peca com iO jarcias, chitas proprias
para casa a 2tO rs. o eovado, la escora a 240 rs.
o eovado : na rna do Livramento n 10. ______
TIMLOS.
Vndese ama porco de alvenaria groca de
marca regalar e bom barro : cootrata-se a por-
cao qae quizerem, tanto destes, como tapamento,
telbas e Ldrilbo ; para velos e tratar rna Ira-
penal n. 130. casa com parti de ferro ao lado.
VfiIDE-$fi
ps de rozeiras de varias qualidades, assim como
de sapotis, abaeate, figueira, laranja cravo e pi-
nheira, por pre^o razoavel : a tratar na Boa-vista,
ra do Visconde de Goyanna, outr'ora Mondego,
numero 51.
Vende-se
Na rna dos Qaarteis n. 1 nina armacao propria
para qnalqner estabeleci ment, podendo o com-
prador tirar ou ficar na mesma laja onde est
quem quier pode trauma na roa Nova n 4.
0 B ZAR
Jos de Souza Soares & C.
BA DO BABAO DA VITOBIA
(OUTR'ORA NOVA)
Apreseoia-se metaro rpbozeado do que porte haver detnais bello e agrailavel eai f*-
eadas fiaas para Senhoras artigoa de alta moda era Paris tanto para senooras como
pata horneas e meninos.
Mitwezaj afarraadas, perfamarras especie-, variedade de lindos objectos para me-
ninos e brinquedos para criarlas.
GRANDE SORTIMENTO
Continuamente recebido por todos os paquetes vindo da Europa aonde tem ha-
bis correspondentes.
Vende-se muito emeonta e raaada-se p r embregados do estabeleci ment fazendas
im casa das Exms. familias lira de melhor escolberem o que desejarcm.
i
NOVIDADES
DO
TRIUMPHO
7 Ra doQueimado 7
DE
m^'u &
E' chegado a este 'belecimento o mais bello sorliment de fazendas
mas, sendo sua especialidad Tvaes para noi.vado.
Vestiilos de bo 4 u. Ja ricamente bardados.
Gorgur5o de s\.;i h.jnco para vestido.
Colchas de seda pora, para cama com ricos desenbos.
Ditas de la e seda, id m idem.
Ditas de crox, idem idem.
Cortinados ricanvnte bordados para cama e japellas.
Croxs pira cadeiras e sofs.
Vestidos de cambraia branca bordados.
Popelines de lindos gostos.
Uas de diversas qoalidades, lindos gostos e modernss.
Ricos b urnus para passeio, com listras de setim.
Sahidas de baile o que ha de mais rico.'
Crotones para vestidos com lindos desenhos.
Carnizas bordadas e sem bordados para senboras.
Camisas bordadas muito finas para homens.
D tas inglezas para homens e meninos.
Seroulas de linho, e um grande surtimento de roupas feitas e de fazendas que
1 enfadonho mencionar.
Luvas frescas de Jouvin
Sortimento de tapetes para guarnieses de salas, alcatifas para forro de sala, e o
{rande sortimento das acreditadas e verdadeiras
Esteiras da India
CASA CAUVIN ".
Pharmaceulico privilegiado
uccessior
rioulevard ->batopol, S PARS.
NOVAS ESPECIALIDADES A. MARIHIER
ApriC:iUdas a .Vcademia de Sciencias u ao tiisthoti di Franga,
IMIP^Pfln Soba orm'1 de i>JSt'"a- demdiii c dascada par*
lllf LUnU fusor de muiueuto uraa solarlo
Prenstlra e curativa das MOLESTIAS CONTAGIOSAS
I\JEC6R-FULTR0
do volnme ile am re'niio, servindo de
I HII.TIt f SERINGA sem o>
graves incunvonientes de rsgiUdsde.
COTO IOO Com a forma, e de vnlame de am Porte-Moed
CO I tllUO COTENDO TOt JJUTAMBNTO.
C OL L Y RIO Contra as affeccois das palpebras,
preparado sob a mesma forma.
BARTHOLOEEO & C
Depositarios geral para e BRASIL, e PORTUGAL.
34, ra larga do Rosario. PERNAMBTJCO.
3 portas n. 53, ra Direita, 3 p rtas n. 53, antiya
hja do Braga
O abaixo assignado, dono doste antigo etabelpcimento, tendo em vista apresentr nm
completo sortimento de ferragens, miudezas e cotileria, tem resolvido mandar buscar em j
diversos pontos da Europa os melhores objectos de seu estabelecimento dos fabricantes ;
mais conbecidos; pelo que convida ao respeitavel publico e a seus numerosos fregueies,
virem se servir dos ohjectxH de sua carencia, ai-nde encontrarao por menas 10 OO do que ]
em ontra qualquer parte, um sortifliento completo do machinas para aescarocar algodao, j
do bem conhecido fabricante Cottofr Gin & C, ditas para costura, motores para animae,
ditos para fago, moinhos para caf de todos os taraanhos, da fabrica do Japi, espingardas do i
dous canos e de um, tanto inglezas como trncelas, louca de porcelana, facas e garfos :
de diversas qualidades e pregos, bandejas chinezas, salitre, breu, barbante, enxofre, papel e
limalha de ferro, ac, e agnllra para fogueteiro ; assim como encontrarao cons.'.inte-
mente grande porcio de fogo do ar, e recebe-se <-na mmenda de fogos de vista, alem de um
cem numero de objectos, que se tofnaria enfad-niho numera-los : venbain ra Direita n.
53, loja de Lenidas Tito Loureiro, antiga loja do Braga.
Farinhi de Mag
Roa da Pra a, travessa do Carioea n. f, vende-
se superior farinh a de mandioca em saceos gran-
des, a p>eco de 6*000 e 6*500 para acabar.
wmmmm
Joaquim Rodrigues la-
vare^ de Mello,
TEM PABA VENDER
em seu eseriptorio, praja do Corpo Santo
-17 :
Fumo em folfaa
de 1* e 8* qualidad?, e vende nm on mais
fardos vottato dos compradores.
Cal de Lisboa
ultima ehegada.
PotssadaRussia.
Fariaha de mandioca.
Vitiho Bordeaux.
\e \' qmhdade. Tado de vende mal* 9
' do que em nutra qnalqner parle. 4tv
Para a fcsla 4o general.
almetes *> :- pmmti "'L, toTW m
gj ler pirte, guante -c a plidale : na roa
W HffilS A G,
m M oin. i
rame de ferro galvanisado em rede para cercas, gaiolas, gailiooeiros etc
Chapas de ferro galvanisado para cobrir casas.
Tachos de ferro estanhado para engenhos.
Cofres de ferro de Milner outros autores.
Chumbo em cano.
Dito em leacol.
Dito em barras.
Dito em enxadas. %
Estanto em barra e vergnlibaj
Potha de Flandres.
Arados americanos para ladeira ejvarzea.
Carrinhos de mo.
Venezianas para janellas.
Machinas de descarocar IgodaoMeffacao.
Ditas de sorra.
Ditas para cortar tamo.
Ditas a vapor de forca de.33cmltos e motor js para Scavallov p*ra mcvsr uQ
.'.chinas de algodao.
Cadeiras de ferro.
Camas de ferro.
Prensas para copiar cartas.
Bataneas para p> sar.
Oleo de linhaca un latas de ferro.
Trilhos de ferro para ngenhos|
Bombas americana.".
Macacos de estivar.
Balaucas e pesos decnaaesje onma>|
Foges de patente.
Enxofre.
Salitre.
Estopa larga e de boa qoalidade.
Picaretas para caminnos de ferro.
Um grande sortimeoto de farragarrs e'entilsritl
CASA CAUVIN A RWKR. ^*z*&TU*r-
NOVAS ESPECIALIDADES A. MARINIER
AfKSMttda* a Academia de Seiesciis e so bstitoto de Franca.
III ICPPtn Sob tora* t Psstini. detedidt *aai part bine A.,
IRCllUAU momento ama soiaosMlaMUJIU t OtJBATUA im
MOLESTIAS COMTABIOSAS
E0TR-PB11IM mSiZVSm?ZS!'
lnconveniBiilytid): fragidade.
Orare

CX)LLYRIO Conlra m affeccoj da palpebra, preparado sob a mesraa forma,
"Depositario' geral para o HRASIL e IHMITKJ4BAL.
31, roa larga do Rosario. PEKNAltBUCO."
LOJA DO PAP
DE FAZENDAS E ROUPAS FEITAS
llua da Imperatriz n. 40, esquina do be eco dos Ferreiros.
MRTHOLOMEO&C'
O propriatario desta dovo estabelecimento comoaiinica ao respeitavel pnblico
desia cidade, e especialmente as Exmss. famiis qtio est liquidando por presos bara-
lissimos as antigs fazendas que existan ne-te esiabalecimento, alm das que abaixo
vio relacionadas, cujos presos merecem toda a atttngao do respeiuvel publico qoe nio
deixar de com pequea quaniia refazer-se do qoalquer qualidade de fazendas que pre-
cise. Prvine-se tambem que a mesma loja tem feito sortimento de fazendas moder-
nas, e continua a sortir-se das do mais apurado e escolhido gosto, que vender mais
barato que qoalquer oulra loja.
Ditos estampados de 40500 para cima.
Caijaisinhas de cambraia branca transpa-
rente, bordadas com enfeites brancos e de
cores a 3000.
Brigantinas brancas de 500 rs. o eovado,
Ditas de cores a 500 rs. o eovado.
a
Algodiosioho com 48 jardas a 20800 a
peca.
MadapolJo en/cstado com 12 jardas a
e 30500 a pe^a.
Dita de 24 j;:rdas a 50000 para cima.
Atoalhados de linbo, e de algodao irn-
Codos, e adamascad is por precos commo-
dos.
Chitas escuras e claras de 240 ;s. o eo-
vado para cima.
Cambraias de cores miudinbas a 40 rs.
o eovado.
Ditas mais finas a 560 rs. o metro.
B;ilo9s de mussulioa a 40 e 5000')
Guardanapos de linbo a 30500 a du-
zia.
Bramante de linho a-.20500 e 30000 com
!0 palmo?.
Dito de algodao a 10800 o metro.
Meias para senhoras de 40000 a duzia
para cima.
Ditas para homens de 30000 a duzia
para cima.
Ditas para meninos e meninas de todos
os taraanhos.
Colchas de fuslio branco de 30200 para
cima.
Ditas d cor de 30000 para cinta.
Toalhas de rosto de 500 rs. par cima.
Cobertores de la finos, a 80 e 100000.
Ditos encarnados a 40500.
Ditos de algodao a 10500.
Cambraia tapada muito larga com pre-
gas e bordado, propria para sa>.aa de senho-
ras prego barato.
Laazinbas Ireoces trancadas, com listras
largas proprias para saias de baixo, fazeoda
inkiramente nova a 590 rs. o eovado,
Cambraias brancas transparentes e tapa-
das de todas as qualidades e precos.
Laazinbas tapadas e transparentes de
muitas diversidades de cores de 30 rs.
o eovado para cima.
Alpacas lisas e de furta cores a 500 rs.
o eovado.
Cortes de percala de 2 saias a 40000.
Ditos de organdy de dito dito a 80000.
Cortes de lia da Escocia a 60000.
Ditas em peca a 500 rs. o eovado.
Chales de merino lisos a 20500.
Le
Ler
duzia.
20500, mui
tos de cambraia de linho, e de es-
at o mais fino.
qos chidezes a 30500
Ditis brancos de algodao
to fin ts.
hranco e preto, liso e de salpico.
Corltes de cambraia, brancacom salpico de
flor.
Ditbs de fil liso a 50000
T"rlalanas brancas, e de cores.
Peitos de linho bordados e lisos de es-
gui
Caihisas bordadas finissimas, proprias
para noivos com a competente gravata.
Puijhos de linho para hornern a 10 o
pan.
Cularinbos de linbo lisos e bordados.
Grvalas pretase de cores, tanto em se-
tim como em seda, ha de todos os gostos e
feitioa.
roup|a feita e por medida na loja
do papagaio.
So;-'.monto rt roupas feitas de todas as
qnaiidades, e feitios, para precos commo-
dos, e quem comprar porcio para negociar
ter ijtm abatimeuto razoavel, grande sorti-
mento de casemiras de cores com quadtos
as/casemras pretas, e pannos pretos,
e cor de caf, brins brancos, pretos
de bores e pardos, e manda-se fazer
qualqoer obra a vontade dos fregnezes,
quer para homens ou meninos, e por me-
nos pjreco que qualqoer outra officiaa, e
para issoa LOA 00 PAPAGAlO acha-se mu-
nida le um hom mestre alfaiate para bem
desenipenhar qualqoer obra da sua arte,
rtcab ndo a responsabilidade sobre o pro-
prielario da loja.
Dam-se as amostras de todas as fazend
a quem as esibir, ou mandam-se levar
loscajxeiros.
A loja do Papagaio acha-se aberta d
horas) da manhaa s 9 horas da noote.^
Francisco Teixeira Mendes.
e list
azues
Lili lILLiJ JJi 1 ltllijl RA DO DQE DE CAXIAS N. 49
20Ra da Imperatriz20
Farl & Lessa.
Acaba de chegar a esta nossa nova loja e fa-
zendas finas um variada sortimento de fazendas de
laa e seda, cumo sejam : granadinos do uUimo
gosto, pspelinas de urna s cor, alpacas e laazi-
nbas de cores, o que ha de mais moderno, tudo
por baratissimos prego?, brbantinas de core*, te-
cidos das indias, fazenda nova a imitacao de per-
cala, baldes de dina ngtndo saia de cor com lin-
das barra?, fustoes proprios para vestido e ronpa
le meninos; agora grandes e admiraveis pechin-
:has, saia? brancas com lindos frisados a 34, ri-
co? eorpinhos bordados muito finos a 5, balcs
xodernos de arcos a 2}, ricas colchas para cama
alcocboadas, sendo brancas e de cores, a 5*, 6f e
7J, cambraia victoria fina a S,, ditas transparen-
tes a Si, (4 e 7i,cbitas finissimas escaras e claras
a 280, 300, 320 e 360 o eovado, cassas de cores a
40, lencos brancos de cassa a 250O, ditos cui
nezes a 33500 a duzia, madapolao fine a G e
5^500, e mnita superior a 71, 7*600 e 8, algo-
ia>7.iQho largo proprio para len^es a 6*, panno
le al.odo branco trancada proprio para toalhas
Je mesa a 15600 a vara, nramante para lineos a
2000 e 3*500, o que ha de melhor, esguiao fl-
aissimo a 2*100 e 2*800 a vara. Mandamos na?
casas das Exmas. familias para melhor poderera
escolher. Tambem temos completo sai ti ment de
perfumaras dos primeiros fabricantes francezes e
ingieres; as pessoas que se dlgnarem vir a esta
loja terao occasiao de reconhecer a realidade do
que annunciamo? para nos justificar._______
Cigarros da imperial
fabrica de S. Joao
de Nictheroy.
nico deposito em Pemambuco caes da al/an-
lega velha n. 2, 1* anda._________________
Farinha de mandioca
Vende-se farinha de mandioca, nova, de Santa
Cathanoa, ehegada no patacho portuguez Ullissa,
fondeado defronte do trapiche do Sr. Baro do Li-
vramento : a tratar no eseriptorio de Joaquim
Jos Goncalves Beltrao, raa do Commercio n. 17,
ou a bordo do referido navio,
Farinia de maaidloca d Hara-
nho e. da Baha
Vende-se no eseriptorio de Joaquim Gerardo de
Basto rna do Vigano Tenorio n. 16,1* andar,
encllente farinha de mandioca vinda do Mara-
nhao e da Baha, em saceos grandes, muito tina,
alva e torrada : os preteodentes podem examina-
la no? trapiches da Companbia Pernambucana
Banta? e Fontes ._____________________
UNDE-SE
urna casa terrea, na roa de S. Jorge (Pilar)
em Fra de Portas n. 60, com duas salas,
dous quartos, c< sinba fra, sotao com dous
quartos, e quintal; tratar na mesma roa
n. 23 i" andar. ___________________
_ Vende-se una rotla de amareilo em bom
aiUo oa camba do Carmo n. 46.__________
Vend'-ra-ie partes de um sobrado da ra d
Hortas: apessoa roa Imperial n. 12.
Afctentflo
Veade-se a armacao e perteoeee da taberna n.
ti do larg'i do Tere, muito propria para qualquer
principiante : a tratar no obrado por cima da
mesma.
Mada!H)l;\o f ancez com 20
va?as,
proprio pra aaiae e camisas de seohora, pelo bar
ratisim preco de 6300 a pega, garante-se ser
raxenda de 10* em qualqoer parte. Tambem ha
grande poicao de chita franeezas escuras e cla-
ras pelo nunca visto preco de 200 rs. o eovado :
isto s oa loja das seis portas em frente do Livra-
ment.
RA DO DUQUE DE CAXIAS N. 49
Eston disposto a continuar a vender todas
as miudezas pelos baratissimos precos abai-
xo declarados, garantindo tudo bom e pre-
cos admirados.
Dozias de palitos seguranca a----- 120
Duzia de palitos seguranca caixa
grande a................... 320
Frascos com rdcobaboza muito fino. 320
Pacote* com p.^s de arroz o me-
lhor que ha a.............. 320
Navalpas muito finas para fazer
barba a.................... 10000
Caixi de linha bran do gaz a.. 500
Vara de franjas de lidho para toa-
Ibas....................... 160
Caixas com peonas d'aco de Ferry
superiores................ SOO
Lencos da cassa brancos e pinta-
dos...................... 100
Caixas com 20 quadernos de papel
pautado ....... 700
Caixas com 50 novellos de linha
do gaz a....., 400
Duzis de meias cruas superior
qufilidadea.......3|$600
Pecas de nabadinhos com 10 va-
ras a......... 500
Pe^as de tiras bordadascom 12
metros cada peca a 10500 e. 2t000
Peca* de fitas para eos de qual-
quer largura com 10 varas a. 500
Escovas para unbas fazenda fina a 500
Ditas para dentes a 240, 320,
400 rs. e....., 500
Pecas de tranca lisas, brancas e
de cores a....... 40
Duzia de linha frxa para borda-
dos a 400 rs. e..... 500
Pares de meias cruas para me
nos diversos tamanhos a. 320
Duzias de meias brancas muito
finas para senhora a. 40500
Pares de sapatos de tranca do
Porto......v 20000
Pares de sapatos de tapete a. 10500
Dozias de baralbos para vultarete 30000
Sylabarios portuguezes a. 400
Cartes com colxetes carreras a 20
Abotoadoras para collete diversas
qualidades....... 400
Caixas com penna de ac muito
boa de 320 a...... 50C
Caixas com superiores obreias a. 40
Duzia de agulha para machina a. 20000
Libras de pregos francezes todos
os tamanhos a...... 240
Pacote de papel com 20 qoader-
nos........... 400
Resma de papel pautado super'or 40000
Resma de papel liso muito supe-
rior a........... 30600
Ra do Vigario n. 11
Vinho Bordeaux, de C. Marganx e I. 0. Medoc.
Ervimas trancis? em manteiga.
Papel para cigarros Duc
Paosphoros de seguranca.
Agas de Vechy.
Hhot fine.
Celes Uoe.
Mercurio doce, caixas de meia libra.
P* pe de peso, grande sortimento.
Na rna do Vigario, armazem n. II.
Panno de algodao.
Veode-?e sup-rior panno d'algao da Baha : no
eseriptorio de Antonio Luiz d'Oiveira Azevedo &
C roa da Gnu n. 57,1 andar.
IOJA
GALLO VIGILANTE
Rna do Crespo n. 1
Os propietarios deste bem conkecido eittta*1
cimente, alm dos muitos objectoa que tinhann-
postos a apreciacao do reapeitavel av
aaram vir e acabam de receber pelo ultwao vapv
da Europa nm completo e vanado sortimeaaadte
finas e mui delicadas especialidades, as qnxe-
tao resolvidos a vender, como de seu costta.
Sor precos muito baratinhes e commodoe prate-
os, com tanto que o Gallo....
Mui'o superiores luvas de pellica, pretas, tea-
caa e de mui lindas cores.
Mui boas e bonitas gollinhas ej>unhos panan-
nliora, neste genero o que ha de mai. modena.
Superiores pentes de tartaruga para coqnas.
Lindos e riquissimos enfeites par cabecaaae
Exmas. senhoras.
Superiores trancas pretas e de odres coa',
lhos e sem elles; esta fazeuda o que podo I
de melhor e mais bonito.
Superiores e bonitos leqnes de madrecCTO*
marffm, sndalo e osso, sendo aquelles bro
com lindos desenhos, e estes pretos.
Muito superiores meias fio de Escossia san at-
emoras, as quaes sempre se venderam por M#8M
a duzia, entretanto que nos as vendemos por MU,
aim destas, temos tambem grande sortimeito ir
outras qualidades, entre as quaes'algnmas moato
Anas.
Boas bengalas de superior caima da fiti
castao de marfim com lindas e encantadoras fisu-
ras do mesmo, neste genero o qub de melhor <*
pe desojar ; aim destas temos tambem graaf*
Juantidade de outras qualidades, como sejam,fr-
eir, baleia, osso, borracha, etc. etc. etc.
Fino?, bonitos e airosos chicotinhos de cadeiac
de outras qualidades.
Lindas o superiores ligas de seda e borracha
para segurar as meia?.
Boas meias de seda para seno.-a e para ana-
nas de 1 a 12 annos Navalhas cabo de uiariim e tartaruga para fasr
barba ; sao muito boas.e do irais a mai? sao ga-
rantidas pelo fabricante, e nos por nossa vei bd-
bem asseguramss sna qualidade e dcicadea.
Lindas e bellas capellas para noiva.
Superiores agulbas para machina e para erse.
Linha muito boa de puso, frouxa, para erifi*r
labyrintho.
Boas baralhos de partas para voltarete, ua
como os tentos para o mesmo f.m.
Grande e variado sortimento das melhores per-
fumarias e dos melhores e mais conhecidos per-
fumistas.
COI.ARES DE ROEU.
Elctricos magnticos contra as convuteoee, e
fadlitam a denticao das innoceutes enancas. Se-
rnos desde muito recebedores destes prodjiaagR
collares, e eonlirraainos a recebe-los por toMs
vapores, v na nunca faltem no mercade,
tomo i.i lom amiecido, assim pois podero a^wi*-
les qi arera, vir ao deposito dogaik
vigilr i. mcontraro destesverdi-
deiro: iaw attendendo-se ao fi
panqui i nnderao com ara isxa.'
diminuto lucro.
Roga&ios, poiSj ocios que deixaaaat
declaradlas, aos ni r*o> .. ^'-r. e amigos a vina
comprar r > razoaveiskdawfdb
vigilante, na < Crin n. 7
D corei;; evidente
Raa d Qrcimao a. f O.
Sovo e variado sortiiaentQ de perfumar
finas, e outros objectos.
Alm do completo sortimento de psii
otarias, de que effectivamente est provid^
loja do Cordeiro Previderte, ella acato i
receber um outro gorttmento qo se t
QOtavel pela variedade de objectos, supe:-
lade, cpialidades e commodidades de pr-
eos; assim, pois, o Cordeiro Previdente^e
e espera continuar a merecer a aprec
do respeitavel publico em geral e de
boa freguezia em particular, n;> se alh,<
tando elle de sua bem conbecidtt mansuw
e barateza. Em dita loja W
ipreciadores do bom:
Agua divina de E. Coudray.
Dita verdadeira de Murray Lammau.
Dita de Cologne ingleza, americana, fr^-
ceza, todas >dos melbores e mais acreditad
fabricantes.
Dita de flor de larangeiraa.
Dita dos Alpes, e vilete para toilei.
Elixir odontalgia) para conservacao <<
jsseio da bocea.
Cosmetiques de superior qualidade e db*.
ros agradaveis.
Copos e latas, maiores o menores, cor
pomada fina para cabello.
Frascos com dita japoneza, traMpare!
a outras qualidades.
Finos extractos ingiezes, americanoi
francezes em frascos simples e-enfeitados
Essencia imperial do fino e agradave ckt
ro de violeta.
Outras concentradas e de cheiros igmal
mente finas e agradaveis.
Oleo philocome verdadeiro.
Extracto d'oleo de superior qualide
com escolbidos cheiros, em frascos de dJv
rentes tamanhos.
Sabonetes em barras, maiores e menoK
para mos.
Ditos transparentes, redondos e em ifr
ras de meninos.
Ditos muito finos em caixinha para bar.'
Caixinhas com bonitos sabonetes imitant-
fructas.
Ditas de madeira invernisada coatendo t
as perfumaras, muito proprias pira pr*
lentes.
Ditas de papelio igualmente bonitas, U*
bem de perfumaras finas.
Bonitos vasos de metal coloridos, e
moldes novos e elegantes, com p de arr*
e boneca.
Opiata ingleza e franceza para dentes.
Pos de campbora e outras dtffereatr
qualidades tambem para dentes.
Tnico oriental de Kmp.
Atada mais eoqves.
Um outro sortimento de coques do u*
vos e bonitos moldes com filets de vidrilbt
e algons d'elles ornados de flores e itat
estio todos expostos i apreciaco de qw
os pretenda comprar.
GOLLINHAS E PUNHOS BORDADOS
Obras de muito gosto e perfeicio.
FlTelIas e fltaa para etatoa.
Bello e variado sortimento de taes obj
tos, ficando a boa escolha ao gosto do cok
prado^__________________________
Cabellos
Vendem-se cabellos de todas as cores, qaalqeer
comprimento, qualidade superior, em caixa c
porcao mais pequea : na rna da Cadeia do Re-
eife n. 51, i andar.
CAL IVA M LISBOA
Vende Joaquim Jos Ramos: na rna da Cr
n. 8, Ia andar.
Lindos e rte de percales a 1*800' rs.: ro
do Crespo n. 85, leja da esquina.
CEWTO
O verdadeiro poruand. S se veodp na rna de
Madre de Dos n. 22, armaaem de Joao Martik&ak
Barros


Diari
Pernambaco Quiula feira 29 de Selembrv de 1870
YARIEDADE
ACONTECIMENTOS DE PARS
(Concluso).
, As pala vas: Q'annta mil
do, Lrampwonetros sahiu hd imraen-
TS le dr de todos ns lal.
*-0 general Wimpffao assfennn una
capiolac'o, contiDUOU o leitor.
-Cordel odsravel !-gritn a mul-
" ,_o imperador foi prisioneiro,
t Prodm-se ama estranha mudanc :
ronsternac3o snccede um moviment de
pronunciada alegra. Todos applaodeiu. e
esqoecem per n momento as desgr.ica>
que pe'am sobre a Franca.
( Pooca atienrlo se presta leitura do
resto da proclamacJo; mas ao chegar o
leitor ao appello que os ministros fazetn ao
patriotismo do povo, oo estas exclamares :
t Simt sim! Vinganca! Viva aFran-
ru! As armas !
Os mais exaltados querem despertar
p.iriz, locararebue. Outros opinara que
ievera ir em massa ao corpo legislativo.
A este ultimo alvitre pia obstculos os
mais avisv.tos. E tiaham raz3o, porque
as avenidas do corpo legislativo esUvutn
^lardadas militarmente, e na poate da OJn-
oidia fra probibida a circularlo.
Esto grupo foi-se dissolvendo pou;<>
poaco.
Entretanto iam'chegando grande nu-
mero de depotdos ao palacio Boarlion :
c'i fra dizia-se que a cmara eslava em
sesslo tserata : nao era assim : bavia red-
nioes parriaes as diversas salas do edii-
ct i, mas com um carcter privado e cnfi-
dencial.
Pouco depois da meia noute chga o
general Paliko chamado a toda a prasa
no momento em que acabava de se met-
ler na cama.
Ai horaeotrou na sala oSr. Scanei
der; nota-se que elle presida sem o seu
grande cordo da Legiao de Honra,
As tribunas esto desertas; a sala mi
ilumnada maneira dos tbeatros moder-
nos, fica muito tempo deserta.
O general Paliko dos primeiros a
tmirar; siguido de toda a direita que ac
ba de reunir se para adoptar as medidas
necessarias. Os bancos da esqnerda gnar-
necem-se rpidamente; o Sr. Thiers est
no seo lugar. A ausencia do Sr. Jubiual
njtada pela primeira vez.
S havia doas senhoras as tribunas
urna dellas e madame Ordinaire,
< O Sr, Schoeher, paludo e visivelmen
te Derlurbido, levanta-se e pronuncia, no
meio de um profundo silencio, as segain-
tes palavras escripias a lapis n'uma lira de
papel que l com difficuldade:
Senbores deputados: Recib esta tar-
de urna noticia grave e dolorosa. Cmvo-
qu immediatamente a cmara, como de-
va. Demais segui n'este ponto um pensa-
mento formulado por grande numero dos
nossos collegas.
Nao tenlio n*estas circumstancias so-
lemnes senlo a respoosabilidade que resul-
ta da obrigaco que contrah de vos reu-
nir.
Dou a palara ao Sr. ministro da
guerra para completar a declarado que fez
na sesso d'esta manhla. >
Snccede um profundo silencio estas
palavras; o general Paliko sobe a tribuna
e diz :
. Seobores deputados: Tenho a dolo-
rosa misslo de vos annunciar o qo.} a mi-
abas palavras d'esta manhla vos fizeram
presentir, fcssas noticias ofliciosas torna-
i3m-se ofliciaes.
Depois de tres das de lutas heroicas,
o nosso exercito foi repellido para Sedan e
envolvido por torcas 13o -superiores que te-
ve de capitular, O imperador foi feito pri-
sioneiro.
Nlo nos possivelquero dizera nos
ministrotomar urna decslo immediata,
porque nao tivemos sequer tempo de o
lazer. Proponbo pois ,que se aidie qual-
quer deberaco para amanhia.
i O presidente: Proponbo cmara que
se renna amanilla ao meio dia.
OSr. Gambtta: Permitti...
O presidente : Na desgracada e excep-
cional situacao em que nos achamos, temos
graves deveres que cumprr, e devemos
compril-os inteiramente, Demais parece-me
que serlo necessarios alguns instantes de
reflexao. Isto nlo quer dizer que me op-
punho votarlo da proposta...
c Siml sim Nlo! nlo t
* O Sr. Julio Favre ; Peco a palavra.
Tem a palavra o Sr.
Eslava nal
ive, triste e |
Abro-se a sessSo nma hora e meia.
Foi lida e approvada a acta da sesslo an-
tecedente. Os Srs. Glais-Bezoin, Jonven-
e Raspail ;declararam se que|estivessem
presentes tetiam assgn?do a proposta da
deposicSo.-
O Sr. Pir:giraos todos da mesma
opinilo.
O con le de Keratry perguntou por qoe
qu-j o conde de Paliko deu ordens con-
trarias is do generel Trocho, re'ativamente
disposiclo das tropas postadas ao redor
da cmara.
O conde de Paliko respondeu que os
poderes do general Trocho eram distinotos
dos seus. O general Trocho estava encar-
regado especialmente da defeza de Paris.
Quanto elle, conde de Pahkao, tinha por
d*ver manter a ordem e nlo devia ir a
cada" instante consultar o governador de
Paris. Demais o proprio general Trocho
approvou essa medida. (Viva reclamaclo da
esquerda.)
t O commandante da praca da 1.* divi-
slo miliiar. disse Paliko, esl encarrega-
do d'esse cuidado, bem como o general
Trocho. Deque vos.queixaes? Procurei
manter a linerdade da dicuss5o o'esta as-
semola. Se o nlo lizesse, reclamarieis do
magno modo. (Vivos protestos da esquer
da.)',No meio das diffkeis circumstancias
em que nos achamos e que o futuro ainda
pode aggravar, submetto ao vosso esclare-
cido exame o seguinte projecto de lei :
Artigo 1. E' instituido um conselho
de govemo e de defeza nacional. Este
conselho composto de 9 membros nomea-
dos por maioria absoluta do corpo legisla-
tivo.
Art. 2." As nomeacoes dos ministros
sao referendadas por este conselho.
t (Por qaem? perguntam alguns de-
putadis da esquerda.)
t Art. 3. O general Paliko nomeado
lugar-tenante-general d'este conse'ho.
O mmistro pedio a urgencia da discos-
sao d'este projecto.
Q Sr. Julio Favre : Peco que me permit-
tam'algunas observares a respeito d'es-
te projecto. Honlem mandei para a meza
urna proposta para a qual tambera ped
irgencia, e por isso est em primeiro lu-
gar que a do Sr. m nistro. O meu proje;lo
di :nii< poderes cmara do que aquelles
que Ibe con'ere o projeclo do Sr. conde de
Paliko.
* Sr. Thiers, pondo de parte todas as
suas preferencias pessoaes, estaoeleceo cl-
mente a questlo: S a unio nos pode sal-
var do peri/o; e apresentou pela soa parte
a seguate proposla: Vistas as circumstan-
cias, a cmara numeia urna commisslo de
governo c de defeza nacional Logo que as
circumstancias o permitan ser nomeada
tima constituate.
O conde de P3likao dis3e que o gover-
no o que desejava era que o paiz sa-
hisse dos seus embaracos... (Interrop-
C.5es)
OSr Ochaeider quiz consultar a cma-
ra sobre a urgeucia das tres propostas.
Sr. Sanbetta pedio que a cmara se
pronunciasso pela urgencia de todas as pro-
postas, pedido que foi immediataraente ap-
provado.
As tres proposias foram enriadas
mesma commisslo.
t A sesso suspeodeu-sd e 3 horas.
Como i .'sUntes depois urna centena de
cidadaos que eslava nos degram do palacio
do corpo legislativo cbamou a guarda na-
cional gritando-lbe:
A' cmara t viva a repblica t viva a
nacm.
i A guarda nacional respondeu a este
appello com eothus.asmo.
Apesar das tropas e dos agentes de
polica postados na ponte, um batalho da
guarda nacional chAgou resolutamente a
passo. Era o 6." batalho (bairro do HdV-
dei) que estava de servigo na pra?a da
Concordir.
< Vendo ao redor do corpo legislativo
um grande numero do soldados e policas,
este batalho envin parlamentarios ao co-
ronel da gendarmera e ao general Caus-
sade.
K guarda nacional que pertence
guardar a cmara. Cedeis-nos o lugar ?
O coronel recusou ao principio, em
pala-
ociam
< O presidente
Julio Favre.
e O Sr. Jalio Favre: Se a cmara en
ten le que as graves circumstancias em que
nos achamos se pode adiar a sesslo para
amarina, naoienho ad que objectar. Mas
c,mu depois mos adoptar medidas necessarias salvarlo
da patria, pe liceoca de enviar para a
mesa a seguinte proposta, abstendo-me por
agora de fazer commentarios:
E' a que depe o imperador e cria urna
commisslo encarregada de defender a pa-
tria at ultima extremidade.)
t Fechou-se a sesslo sem que a propos-
ta do Sr. Favre levantasse nem um s grito
de reprovaclo.
A*8 dnas horas da raanba a cmara
estava occopada militarmente, e um esqua-
drao de dragOes estacionava na ponte da
Concordia; a mullidlo tinba-se disperso
pouco e pouco. Alguns deputados da di-
reita reoniram-se novamente para deliberar
e n3o sahiram do corpo legislativo senao
quando ammhecia.
t Hontem de manhla toda a popnlaclo
estava agitadissima e osboulevards asseme-
Ihavam-se a um mar encapellado.
A'ill horas a multidlo to com-
pacta na praca da Concordia que se nlo
pode passar. A circulaclo de carruagens
prohibida.
c Tropas de linha, guardas de Pars a
cavallo e a p occopam a entrada da ponte
e as avenidas do corpo legislativo.
Diante da fachada principal veem se
muitos guardas nacionaes desarmados, que
vieram offerecer os seus servaos cmara
para manter a ordem. Felizmente nlo se
carece dos servico* de ninguem, porque ha
socego.
< A sesslo annunciada para o meio dia
nao deve comecar senlo urna hora e meia.
As tribunasestavam repletas. Os deputados
leraram mtis de um qnarto de hora a en-
trar. Todos os deputados da esquerda
vista das ordens que tnha.
S nao vos retraes, carregamos
bayoneta. .
O coronel fez entlo apenar as fileiras
e deixou passar todos os guardas nacionaes
que tinham armas.
t Fegharam-se immediatamenie as portas
do corpo legislativo e a mullidlo circuloo-
sua vontade.
Apezar disso, pouco depois urna gran-
de mullidlo invada o palacio por todos os
lados e levando ana frente guardas nacio-
uaes. Militares de rdadlos gritam : Viva
a repblica Outros accrescentam: Socgo I
Deixemos deliberar os representantes da
naraj.
c Alguns depurad -s apressaram-se a en-
trar na sala das deliberacoes. Toda a es-
querda estava no seu lugar.
* O Sr. Scbneider toma a palavra no
me:o de interrupcSes de toda a especie, dr-
zendo que pela su parte tambera poda
reivindicar a honra de servir a patria.
t Vozes das tribunas : Silencio I Sois o
assassino dos trabalhadores.
t O presidente nlo pode continuar a
fallar.
Gambetta pede ao poto que esteja so-
cegado, mas nlo pode continuar no meio
dos numerosos bravos,, que Ibe respon-
dem.
Julio Favre agita um papel que quer
lr, mas nlo o consegue por causa dos gri-
tos de toda a especie que partera de todos
os lados.
Era urna ovaglo continua que augmen-
tava sempre e os gritos repetidos mil vezes
de Viva fr repblica dominavam todas
as palavras.
t Entretanto, onde estava a direita ? on-
de os ministros ?
Finalmente entrn o conde de Paliko
na sala e procoron dirigir a palavra mul-
lidlo ; mas como nao podesse fazer-se on-
vir, relirou-se.
* Que espectculo! Quem assistio in-
vaslo da sala do corpo legislativo em 1848
nlo pode formar urna idea deste quadro.
a Fra do corpo legislativo todo o povo
grita: A deposigJo I A deposico A' casa
da cmara!
Foi entlo que o povo seguio o S
eram assignaUdoa pelos gestos dos indivi- GambetU, que sabiodo do corpo legislativo
dnos aue occaoavam ai tribunas, o r. e c sww
daos qae oceupavam
da cmara, prn^nncioo as Mg
yras :
* i' < t A Franca entra boie final.
mente n'oma era
Sinto-me flix em i
vel maoifeslacSo qoe se^^^^^^^^B
nunciar que os nossos so'd..
aos sentimeatos do povo. (I
Soldados, cidadlos, juro vos que ne-
nhnm sangue ser vertido alm do qae for
necessario para vingar os nossos irrnlos
morios gloriosamente diante do inimigo.
(Bravos enthusiaslicos).
O rgimen qne nos opprimio por espa-
co de 20 annos cabe ob este primeiro es-
forco da moralidade publica.
t Cidadaos, animo e socgo
t Ao mesrao tempo qne isto se passava
junto da cmara municipal o poyo ia derru-
bando por todas as partes as insignias da
realeza. as Tulnerias mais de cent mil
pessoas viara arrear, no meio de grandes
applausos, a bandeira qoe fluctuava no co-
me do pavilhlo central.
t Na" casa da cmara a mullidlo era enor-
me e o entbosiasmo indescriptivel. A guar-
da nacional fraternisava com a tropa. Das
janellas do palacio municipal foi proclamada
solemnemente a repblica.
< Ao mesrao lempo conlmoava o povo
na sua tarefa de fazer desapparecer todas as
insignias da realeza, e na fachaeb das Tu-
Iherias foram escripias estas palavras em
grossos caracteres: Casa para atugar.
No meio deste enlhusiasrao nao se den
felizmente nem um nico acto lamentavel !
A cmara e o senado foram1 oMssolv-
dos. O governo provisorio reunir urna
asserabla constituinle, logo que as circums-
tancias o permittam.
Annuncia-se que a repblica foi imme-
diatamente proclamad em Bordeus, &y3o e
Marselha.
i Hoje fu afQxada as esquinas a se-
guinte proclamarlo do noVo prefeito de po-
lica, o conde de Keratry :
Aos babiantes de Pars.Depois de
i8 annos de espera, seb o peso de craers
necesidades, reataram-se finalmente as tra-
dices interrompidas no dia 18 Bromario e
no dva 2 de dezembro. >s deputados da
esquerda, depois do desapparecimento des
seus collegas da maioria, proclamaran-
deposiclo. Alguns instantes depois, a re-
pblica era acclamada na cas da cmara.
A revoluco que acaba de verificar-se
foi completamente pacifica ; eomprehendeo
que o sangne francez nlo devia correr seno
no campo deb taina. Ten* por fim, como-
era 1792; a expulso do estrengeiro.
pois, preciso que a populado de
Paris, peta sua tranquillidadv, pela virilida-
de da sua aittude, continu a mostrar-se
altura da raisso qoe Ihe incumbe, bem
como Franca.
t por este motivo que,- isveelido pelo
governo provisorio de poderes-de qoe tanto
se tem abusado nos regimens anteriores,
convido o^ povo parisiense a- eiercer os di-
reitos uoliticos que acaba de-reconquistar,
com um prudencia e moderae qoe mos-
trr-m Franca e ao mundo inteiro que
verdadei-araente digno da liberdwde.
O dever deae todos, as actuaos cir-
cumstanciasi especialmente- lembrarmos
que a patria esta em perigo.
f No mmenlo em que a- Franca, sob a
egide das liberdades republk3oae, se dspe
a vencer ou morrer. tenho certeza de que
os meus poderes nao me servirlo senlo-
para nos defender contra ao maebnac5es.
dos que trahiriam patria.
Paris. 4- de setembro de-1870.8 pre-
feito de ptrcia, conde Keratry*
Hontem, em qoanto se proetamava a
repblica, a iroperatriz, que-j ba 15 das-
tnha feito os seos preparativos de partida,,
sabio das Tiilberas pela porta qoe d para
o caes em carroagem fechada. Acompa-
nnava-a o esouoeiro Flix.
t A carruagem alcancoo raptdamente a
estaclo do Norte. A e*-iaperattiz vai re-
unir-se a seu fho na Belgisa.
t Hontem de manhla o Sr. Fernando de
Lesseps apresentoo-se as Tulherias. AoV
mittido presenta da iraperatriz, de quem
prente, expz Ibe que ss .a abdicaclo pe-
dia conjurar os perigos que o paiz corra.
A imperatriz adopto o conselho, redigio o
projecto de abdicaco c dirigio-se aos m
nistros ^ue estavaro reunidos em conselho..
t Os minisiros declararan! por unanmi-
dade que a imperatriz nao de*ia assignar a
abdicado.
Na occasio em que os esputados da
direita se retiravam da cmara invadida,, e
que a palavra repoMic* sabia de todos os
labios, tinha o povo forjado a grade princi-
pal que fecha o jardim das Tulherias do la-
do da praca da Concordia, e que estava
guardada por um piquete dexuavos, tendo
j, antes disso, quebradas as gnias- que >
adoraavam.
t Na frente da colemna invasra coUoca-
rara-se desde logo as guardas movel na-
cional. Logo pela manhaa grande numero
de guardas movis tiaham aprasado ponto
de reunio na praca da Concordia junto da
estatua da cidade de Marselha.
Passado o grande lago, vio o. povo ao
longe os uniformes- dos cacadores- da guar-
da, reunidos no jardim reservado, e parou.
O Sr. Luiz Ravenea, guarda movel, foi entlo
nomeado para ir entendpr-se com o& solda-
dos. Parti, com um lenco branco atado
na extremidade do cano da espingarda e
foi receido no caminbo pelo Sr. Victorien
Sardou e depois por outra pessoa.
No terrajo do jardim reservado estava
o general Meltinet. O Sr. Ravenez appro-
ximon-se-lhe e fallou-lbe, pouco mais ou
menos, nos segointes termos.:
a Foi proclamada a repblica. Venho,
era nome do povo e da guarda nacional,
pedir-vos a entrada no palacio, qne pro-
priedade nossa. Obrigamo-nos a faz-lo
respeitar rigorosamente.
t O povo approximoa-se; o general Mel-
linet, sobindo a urna cadeira, proferto a se-
guinie allocucio:
Senbores.Nada mais vos posso fazer]
do que mandar sabir todas as miohas tro-
pas, com a condico, porra, de que este
posto ser imraediatamente confiado guar-
da nacional que aqui est de servico. Quan-
to ao mais declaro-vos que, se um s dos
nossos soldados fr maltratado, sou general
e cumprirei com o meu dever.
c Abaixo o imperadorgritn a mul-
tidloqueremos entrar no palacio. O ge-
neral Mellinet indicou que a bandeira do
pavilhSo do Relogio -acabava de ser ar-
reada.
i Eotlo a guarda nacional e a guarda
movel, abrindo alas no peristylo que vai das
Tulherias a Carrousel, deixou passar araul-
tidlo que gritava, mas que se abstivera de
commetter o minimo estrago.
momento foram eollocadas guardas nacko-
era toda a parte, afim de preservar o
> dos sena proprios instinctos de des-
troicio.
c O palacio estava absolutamente deser-
to ; apenas o pessoal das cozrnhas nlo o ti-
nha abandonad
c Um individuo, que se disse sub-conser-
vador do palacio de Saint-Cloud, e secreta-
rio do general Lepic, era.ounco que tinba
ficado. Este entregou ao Sr. Ravenez urna
chave que Ihe perraittia penetrar era lodos
os aposentos reservados, onde penetroo s.
t O secretario do general andava sobre-
modo commovido.
horroroso, senbordisse elle ao
Sr. RavenezPobre imperatriz] Covarde-
mente abandonada! Todas as pessoas
quem ella accumolava de beneficios deixa-
ram-a s!...
f As salas de recepclo do primeiro an-
dar cooservavam o cosloraado aspecto; po-
rm da praca de Carrousel va-se que as
janellas esiavam despojadas de cortinas-.
Ao rz do chao, a desordem era inexpr-
mivel.
* Segundo o parecer do Sr. Ravenez, a
imperatriz aeabava de partir; tudo indicara
os vestigios desta precipitada partida. Por
ootro lado, porra, afQruwm-nos que a par-
tida se effectura na penltima noite das 3
pera as 4 h iras.
Mas, volteiBos aos aposentos imperiaes
cobertos de malas vasias, de mdispensaveis,
de hcelas de chapos entreabertas ; no
quarto da imperatriz eslava ainda urna cania
desfeita.
O Sr. Ravenez, que nos deu todos es-
tes porm-nores, nlo est familiarisado com
a topograpbia das Tulherias, mas eis aqu
em globo o que elle vio na fiteira de apo-
sentos do imperador e" do seo fibo.
Ei cima de iwi canap est3va urna
espada de manca, roeia tirada da bamba ;
no chlo, no meio de um montlo de nme-
ros do (hntlez, da Opinio JSaciotiol e do
Fgaro, um estojo do rewolver ; adiante,
alguns chapeos de humera, de copa alta ;
em todos os armarios eaxas de charutos
regala sem lampa, e,. cousa curiosa, um
grande noero de fraseos con pbosphato
de ferro ; sobre orna cadeira amas cbi-
nellas.
No qnarto de trabalbo do principe im-
perial, esteodidos sobre o lapele, pequeos
soldados de chumbo, dos qoe se fazero mo-
ver por meto' de orna roanivell... irona
da sortel Fi'porter querido divertir-se
com os soldados, qne o pai e o filho- cabi-
ram, amstando na sua queda a vida e a
feheidade de tantos milbares de homeos!
Sobre ama mesa estava ura> caderno... um
caderno de liees de historia. Vimos orna
foiha desse caderno, toda coberta- de urna
pequea escripia, correcta e cerrada.
Principiara assim:
* Luiz XV.
Bourbon Fleury (1725^1741^
Repetir a regencia.
Bourbon, 17231726.
BourbooA Sra. de Prie. ParisDo-
vernois (quereriam duer Dtmrnatfti.
No interior, corropelo, agioiagem> fri-
vohdade, into'eraijcia.
No exterior, casamento do rei eom Ma-
ra Leeznska.
Rompimeoto com a Hespanha^ que se
aJlia com a Austria, etc., etc.
Em um sallo da imperatriz eslava o
livro do servicodo palacio ; aageoda-ephe-
merides estava-meia rasgada na data de 4
de selembro.
Nos corredores de ordinario sempre
altumiados, os lampeoes qoeacabaam de
apagar-se, deixavam um vago>cbeiroa azei-
le queimado. N'ootro quarto. umj almocp
moito simples: um ovo, qoaijp e pito, dei-
xa do em meio.
a Este banquete foi moito dizimado por
um guarda movel que eslava com appetite.
No quarto do imperador muitos mappas da
Prossia, infelizmente para que ?'! busto e
estatuas do principe imperial, o esboco
muito incompleto de um busto do impera-
dor, grande numero de figorinos pintados,
representando so dados e oflkiaes prussia-
nos uniformisados, e varios livros annota-
do&, entre cutros, um do Sr. Mlreeourt.
Citemos- ainda entre os objectos aban-
donados ao acaso, um barrete grego ador-
nado de peonas de pavlo, tendo n* interior,
bordadas a oaro, as lellras G. L. N.
Nenbum estrago foi feto no interior das^
Tulherias, desde qoe, repetimos, os guar-
das movis e nacionaes se postaram no in-
terior do palacio. A' hora em que escrev
o servico regalar da guarda nacional deve
ter sido rendido.
t Ao pessoal das cozinba6 foi requisitado
umjantar pelos irregulares; do que etle
coostou nao sei, mas o vinbo qoe se servio,
ao qoe parece, era insnpportavel.
*Nas paredes tinham, sido escripias
pressa e com carvlo, varias inscripcSe?,:
taes como: Morte aos ladroes Cuar-
tos para alagar! Respeito s propneda-
des nacionaes ( e outras facecias renova-
das de 1848.
Um ultimo promenor : os NN das gra-
des das-Tulherias foram cobertos com len-
cos brancos e as bastes d'onde tinham sido
arrancadas as guias, foram penduradas co-
ras de perpetuas.
A Drinceza Clotilde foi a nica da fami-
lia imperial que ficou em Pars.
* Depois de ter ouvido missa, deixou o
Palais-Royal s a horas e dirgo-se para
Praagins," onde estio seus Albos.
ARISTOCRACW FRANCEZ\.Urna se
ahora da alta aristocracia franceza, a con-
dessa de Gustarin, dirigi s senhoras da
Allemanha e as suas compatriotas este cha-
mamento :
t Mnlheres de Franca e da Allemanha !
A mais ignorada das vossas irmlas
dirige-vos a voz. As vossas patriticas
ternuras alliviam os padecimentos de mi-
lbares de feridos.
Mas ainda podemos fazer mais.
t Levantemo-nos I Que as nossas sup-
plicas e os nossos coraces mediem ntre
os dous povos que se aniquilara !
t A aDtigudade apresenla-nos exemplos
de mulheres paglas que separaram os com-
batentescora os seus bracos estendidos.
t E nos, christlas, nlo faremos anda
outro tanto 1
f Basta de malanca I
Nlo mais corpos mutilados !
Nlo mais corac5es perdidos !
c Basta de geraces deziraadas !
A torra est j ebria cora o sangue que
de nossos filhos tem ensopado.
t Mulheres de todos os paizes, estenda-
mos a mo por cima de todas as frontei-
naees que te matam, mas qae oto se
odian
c Se nos, ar mls, as esposas, as noivas
e as irmlas da' Franpa e da Allemanha,
queremos a paz, a* paz ha de fazer-se I
* Em aome de Deas, levantmonos ;
unamo uos; gaohemos esta batafha I
< Ser esta a suprema victoria de 1870
EPISODIOS DE BATALHAS.Um jornal
de Berln conta o seguinte da batalha de 18:
S porvo'ta das 8 1/2 horas da orate
foi que as nossas tropas obrigaram o ini-
migo a reeuar. Nesta occasilo estava o
rei assentado ao p de nma parede do jar-
dim. Ao lado d'elle estavaro seu iranio, o
principe Carlos, e grlo-duque de Weimar,
o grlo-duque berdeiro de Mecklemburgo.
os Srs Bismarfc, Von Roon conde Daoloff
este uilimo a cavall. Von Roon tirara o
capacete e tinba um bonet, contra o seu
costme. O conde de Bismark Ma despa-
chossera grande attenclo de certopor-
que todos estavam preoecupados e silen-
ciosos, pensando qae se aproximava o ins-
tante deciso da jornada. Afinal aproxima-
se Moltke, moito vermelbo, do rei dendo:
Senbor, do&sa a victoria. O inimigo
ste repellido de todas as suas posices.
Um hurrah geral acolbeu' estas palavras.
S entSo se cuidou em beber e comer.
Chamaram um frasqneiro ambulante, que
s levava zurrapa. O'rei bebeu vinbo por
um copo sem p, e Bismark lasquinbaf a
conforme poda urna codea de pao neg
O fgaro refere o seguinte fado ain
relativo batdba de Seiecboilen (Woertta|:
? No fim da accao, o marecbal Mac-
Mahon: qoe ostivera vinte sei horas ca-
vallo, Cabio n'um barranco; sem sentido.
Acudid um soldado, deu-lhe um trago de
agurdente, e reanimou-o.
* O' soldado chama-se Joo Colmettes,
pertence a um regiment de cacadores a
cavallo, e -natural de Lauta, pequea al-
deia dos arredores de Tolosa; e conta ape-
nas vinte e opatro annos.
c Qpando" o marecbal voliou a si, re-
bentaram-lhe ae lagrimas dos olboe.
Pbrque chora, meu marechal ? Ibe diz
o soldado. Nos todos vos qoeremos muito,
vo-lo juro,, podis confiar na nossa cora-
gero. '
Mc-Mabeo encarou o soldado, tirou
do peito a medalha da Legio de Boora, e
collocou-a no peito do soldadoc >
na OvTesa memoria, eotn conselho para
AHem^nba, ana de qae, agora, s attnda
s oea^ssidades do ma da sslviclo
iwcionat
< A aensagetVM povo diz :
i o mundo dee saber, qoe, gotam e
povo esta&'os resolfidos a baveraqailtode
que tome* privados em 1815 ; om iwfvno
independente, anido, e asegownc *
nossas fronteiras.
Compre advertir qoe nem toda a itn-
nrensa da confederacJo do norte deseja a
anoexaclo da Alsacia e da Lorena ; algon
jomaos vem ah um perigo permanente par
a Allemanha, urna causa do sobresalto cons-
tante, e na pretexto sempre tiro de grt-
vissimas complcacSes.
Repetmos, o qoe temo dito. A paz
pode vir a ser a guerra, e ainria em maio-
res proporcoes oque a actual.
Desde esse
ras
< Obrigueraos a amarem-se todas as
HORROROSO MASSACRE DO* FRAN-
C^ZES EM TIENTSIIi.
Na terca-feira 21 de junho-a popo-
laca chineza, com ebvia connivencia dos
mandarins, especialmente com a do go-
vernador de Tientsin (Cbung-How) accom-
metteo simultaneamento o consolado frao-
cez, a igreja da misslo catbolica e O' hospi-
tal das irm3as da caridade. Foi doa
horas que o assalto comecoo.
O cnsul franeez Mr. Fntanier, vendo-se
ameacado, e as janellas partidas compedra,
sahio do consulado, vestido com o seo uni-
forme, e-insisti em ser acompanhado por
um inferior mandarim (o qual olbava para
o povo sem tratar de impedir o seu furor),
at ao Yamen de Orang-How, e all pedio
proveci, para o consolado para os resi-
dentes est?angeirosre para si. Pedio tam-
bem a Chtmg-How, que protegesse as ir-
mlas da caridade e o seu hospital; oovio-
do entlo que estavam em perigo, Cbong
How responden que nao podia proteger ne-
nhoma das pessoas qne elle nomeara.
Algnmas e!iplicaces se troearam, ecomo
o cnsul francez tinb> na mo um rewol--
ver, para soa defeza, C'afung>How assus-
tou-se, e deixou a sala.
Entlo o cnsul dirigi-os seus pedidos a
outro mandarim, que tamben responden,
nada se poderia fazer para os ajudar.
Hoove mais- afteraclov- e uro dos guardas
do Yamen accorometten o cnsul, enterran-
do-lhe ama langa na cosa da per na; ferido,
ensangoentado, e com a bandeira. franceza
na mo, correo-este para aporta do Yamen,
pedrado licenca para passar. Por om mo-
mento a multdsnpareceu indecisa, mas logo
cahindo sobre o infeliz censal, etraspassa-
ram com as laucas e espadas e assim moti-
lado laucamos o-corpo aorio.
Diese-se que o cnsul fizera fogo sobre
Cbung-How, oo sobre um mandarim, e que
matara um criado do Yaaen ; ffeliamente
para a causa da verdade, succedea estar
no Yamen, em goarto immediato aqaelle em
que se passava to horrivei scena> om fran-
cei Courtraix qoe para all fogira es-
peando encontrar protecclo, o> qoal asse-
gura que at ao ultimo momento nfto se dis-
parou uro alguna* e o primeiro fermento
voo elle ser feito no cnsul porum solda-
do do Yamen com ama lauca.
Mr. Courtraix foi testeraunha da sabida
do cnsul, j lavado em sangue, pela porta
do Yamen, e vio umbem o coroeco do bru-
tal assassinato de Mr. Fntanier.
Entretanto populaca, depois-d ter dei-
xado partir o consol para o Yamen entrara
pelo coosulado,assassinando mr. e madame
Tbomassm, o abbade Chevrier, e notro pa-
dre catholico. Mr. Thomassin era addido
a legaba franceza, em Pekn, e tinha che-
gado de Franca na \espera com a sua joven
e linda noiva. Contase que no terrive mo-
mento de evitar a morte, e de defender-
se e soa esposa, mr. Thomassin matara
varios chinezes.
A mullidlo levada pelos soldados laDCon
fogo ao consolado, e igreja da misslo,
qoeiroaodo dentro todos, que aao poderam
escapar ao massacre.
Ao roesmo tempo qoe se aacava o con-
sulado francez, a populaoa e soldadesca cer-
cavaro o hospital das irmlas da caridade
fcancezas.
Deitando fogo a urna parte do edificio,
entraram pelos portes e anastaram todas
as irmlas da caridade para a roa. Alli as
despiram e expozera s vistas do publico,
arrancaram-Lhe os olhos. cortaram-lhe os
peitos, abriram-lhe asentrabas, tiraram-lhes
os coraces, e fazendo.ero pedacos os cada-
veres, os dividinm pela multidlo enfurec-
ras e das secc&es, fraocezas da A$socia(o\ da. Nenhum europeu presenceou estes ul-
trajes humanidade,.. nao serem as pobres
victimas que, vista urnas das outras, pas-
saram por todos o roartvrios sem espe-
ranca de serem socoorrida*, e sem ootro.
amparo na hora de agona, mais qoe a soa
confianca na misericordia do Deas, cojos
preceitos fizeram a diligencia de cumprir e
implantar entre um paiz brbaro a risco de
suas vidas.
Chinezes espectadores desta sanguinoleo-
ta scena, relatam horrores perpetrados nes-
tas innocentes senhoras, que se nlo podem
mencionar. Asoperiora foi partida ao meio
em vida Deas so e as irmas da caridade
sabem.0 que sola eram de agonas e tor-
mentos corporaes. A sua modestia u tra-
jada, a sua pureza violada, seus debis cor-
pos feitos. em pedacos e suas vidas destrui-
das por selvagens !
Bastn urna hora s para exiinguir esta
nobres martyres da caridade.
O seu traOalho de amor entre os pobres
de Tientsin durante seis annos foi assim
coroado, entre amarguras e vergonha pelo
procrio povo que ellas haviam sustentado,
vestido, educado e socorrido na horada
doenca e nos das da peste !
Logo que a moltidlo e soldadesca se far-
tou com o sangue das desgracadas irmlas,
laiicaram fogo ao resto do hospital. Pertc
de cem creanc'mhas orpbls que estavam all
recolhidas, pereceram as cbammas. Os
mutilados cadveres das irmlas foram janea-
dos s abrazadoras ranas, e assim juntas
com as creanciubas que ellas car.dosamente
educavam, ficou o holocausto completo,
Era j de sobejo esta narracao de horro-
res, mas muilo mais ha para contar.
Mr. N. Protopopoff, negociante russo, e
sua esposa, eom quem tinha casado baja
doisdias. foi encontrado as ruaspelamesma
furiosa mullidlo e soldadesca qne o ataca-
ram com laneas e espadas e cruelmente o
matarsm Mad .Protopopoff, que montava
um avallo fogoso, fugio a toda a brida e
auerendo, salur um fosso, abi cabioocavallo
c',m ella, onde a mataram, deitando l o
corpo e o do marido, onde das depois os
seos amigos os enconlrarara nns, e tendo
^Bpraticados nos cadeveres actos de ab-
jecta barharidade._________________^__
\y. IX) UIAKIO-HA 00 DUQUK OBUXtAS
SOUEDADE: INTERNACIONAL. A da
regio franceza dirigi aos seos irmos da
Allemiinba nma allocucio, cajo Ibeor
como segu ::
Ao publico aUevtao. A. demteracia
sociatfsta allemaa. T s fazes a guerra
ao Imperador e a naeo franceza, dlsse-te
e repeiio-te o teu governo.
Pois bem: o nomem que desencadeou
esta iutra fratricida, que nem se quer son-
be morrer, e que lens em ten poder, j
nlo existe para. nos.
ciFranc republicana convidante,, em ne-
me dajustica, a retirar os leus exerertos;
quando nao, ser-r.os-ba preciso combater
at qe nlo reste oms hornean e verter
rios |o leu e do nosso sangue.
t Pala voz'de 3 milhoes oYlmas, ani
madas pelo mesmo sentimento patritico e
revohicionario.repetimos-te oque decla-
ramos Europa colligada em li7!);i.
*>povo francez nao faz a poz com om
inimigo qoe oecupa o seu territorio.
O povo franoez amigo e aiMado de to-
do os povos Kvre.
fc-ilo se iotromwte no governo das ou-
tras nacoes e nlo consentir qae as ostras
naeoes se intromettam no sen.
* Recua e torna a passar o Rheno.
as duas- margeos do rio dispuam a
AHemanha e-a Franca.
a Estendamos a mo. Esqoeeamos
moloamente os crimes mililares, que os
despolas nss fizeram commetter un contra
o outros.
Proclamemos a libordade, a igualdade
e a fraternidade dos povos.
c Para a nossa aliianca fandemos os
Estados-Uidos da Ewropa. Vive rep-
blica universal Demcratas socialistas
da Allemanha, que antes da declaraclo da
guerra protestaste, como n6, em favor da
paz, os demcratas socialistas da Franca es-
to certos-de qpe trabalhareis cora elles
para a completa extineco dos odios inter-
oacionaes.. para o desarraamento geral e
para a harmona econmica.
Em nome das sociedades trabalbado
de operarios. Ch. Beslay, Briosne, Ba-
chruch. Ch. L. Cbassin, Cbemale, Dupas,
Herv, Landeck, Laverdays, Longet, Mar-
chand, Perrachon, Tolain, Vaillaut.
BEBLIN.Acerca da peuniao que hou-vo
nesia cidade de cidadaos notaveis e dos
redactores dos jornaes, pan protestar con-
tra qualquer ingerencia eslrangeira na actual
guerra, lemos o seguate :
- Na terca feira, denoote, reuno-se- urna
assembla convocada pelo primeiro burgo
mestre e dous denotad commonaes, e
composta dos homens notaveis de todos o*
partidos e dos redactores da irapre&sa ber-
linense. O que mais distingui esta reu-
nio, composta de elementos lio diversos,
foi a uoanimidade dos intuitos edossenti-
mentos, no que respaila guerra actual, e
as garantas que a Allemanha deve reclamar
para seguranga do futuro.
Se em 18131815 essas garantas nlo
se poderam alcancar, as condicoes da lula
de hoje slo mu differentes, e os resultados
nlo poderiam depender de consideracoes
alneias aos interesses do povo allemlo.
Quando semmolivo, at sem pretexto,
a Franra imperial dejaron a guerra Al-
lemanha, nenhuma das potencias oeulraes
intervio moralmente, nem protestoo conira
ainjostica e a brutalidade, o vocabulo,
de semelhante aggresslo; nenhuma d'ellas
ainda menos, offereceu qualquer soccorro
ao paiz to odiosamente provocado e atacado
Qae direito poderiam, pois, ter os
neutraes, para intervir durante as hostili-
dades, ou de pezar na balanca da paz ?
E esta a sarama dos discursos pro-
nunciados por oradores eminentes na as
sembla de 30 de agosto.
' t Fortm adoptadas unnimemente doas
mensagens, urna ao rei, e ootra ao povo
allemlo.
A mensagera ao rei manifesta os senti-
mentos cima expressados, e a sua invo
celo esta ;
Muito Ilustre, moito poderoso, muito
gracioso senhor e rei I
t E' purr- estjrR do direito divino.
c A mensagera ae rei diz-lbe :
* A recordacab do que se passou, depois
da gloriosa luta dos nossos pas, est viva
l
i
i
*
l


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E9OIJKQZP_9RG447 INGEST_TIME 2013-09-13T23:36:48Z PACKAGE AA00011611_12224
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES