Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:12212


This item is only available as the following downloads:


Full Text
UNO XLV. NUMERO 208.
\
i
PABA A CAPITAL E LUGARES OIBE EAO SE PAGA POETE.
Por ,tre* mezes adiaptados ,,...'......
l*or seis dito ........
Fortn anno ideai.. ........ '
Cada momero avulso.......
6OOO
12000
244000
330
. QUINTA FEIM 15 DE SETEMBRO OE 1870.
--------------------------_------------. -_
PABA DEHTBO E FORA DA PB07IVCIA.
Por tres mezes adiaotados ................
Por seis ditos dem. ............
Por nova ifitos dem..................
Por om anno dem..................
Wtft
3I80O
20*250
271000
Fropriedade de Manoel Figneira de Faria & Filhos.
SAO AGESTE*:
Os Srs. Gerardo Antonio Alves & Filos, no Para Gonces d Pinto, no Maranhao ; Joaqnim Jos de Oveira, no Ceara ; AnMio de Lemos Braga, no Aracaty; Joao Mana Jnlio Ctavea, no Asa* ; Antonio Marqnes da Silva, Natal; Jo* Juitii
Pereira d'Almeida, em Mamangoape; Antonio Alexandrino de Lima, na Parahyba ; Antonio Jos Gomes, na Villa da Peniu; Belarmii dos Santos Bulcao, em Santo Antao; Demingos Jos da Costa Braga,
_________________________________________em Nazareth ; Francisco Tavares da Costa, em Alagoas ; Dr. Jos Martins Alfes, na Baha; e Jos Ribeiro Gasparinho no Rio de Janeiro.
PARTE 0FFICIA1.
GoTerno 1.1 provincia.
XPEDIENTB ASSI0NAD0 PELO RXM. sn. SENADOR ME- ,:--,
DBICO DS ALHE.DA | ALBUQOBROP., rnMIDElrt* "f' ^uT.^Jlr V ^ i. dl n0,Ye-mbr ,'"
do finado Joaqnim Francisco Daarte de que trata
o sea citado offiefo.
P. 4i9.Deliberaco. O presidente da pro-
vincia conformando-se com a proposta do teoente-
coronel commandante do balalho n. 18 de Naza-
reth, sobre a qual informou o commandante supe-
DA PROVINCIA, KM 12 OK ABRIL DE 1870.
1* secco.
N. Vil Portara ao Exm. Sr. general com-
mandanie das armas. Respondo aos olflcios de
V. Exc. de i e 5 do currante, sob ns. 171 e 172,
dcclarando-llie que ji forara dadas as providen-
cias necessarias, para pagamento dos vencitnentos
/los empregad ).< desse quartal general e das diver-
sa fortalezas de-la provincia, relativas ao mez do
marco olu'mo, vista ter enegado o crdito a verba
cninmiss0es militarescomo declarou-mo o ins-
pector da thesonraria de fazenda em olllcio de 9
deste mez, oh n. 249.
N. 433.Dita ao cipo do porto. Tendo de
rctirar-se para fra da prefinida o Sr. Joao Fran-
cisco da Silva Novaos, cnsul dos Estados Unidos
do Venezuela, segundo me participou em ollicio de
4 deste mez, deixa encarregado da gerencia do
mesmo consulado durante sua ajizenua ao Sr.
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo, cnsul dos aa-
lados Pimiilicios nesta provincia ; o que commn-
mco V. S. para sen conhecimento.
N. 434.Dito ao cnsul dos Estados Unidos de
Venezuela.Tenho presente o offlcio queem 4 do
rorrente, me dirigi o Sr. J >o Francisco da Silva
Novaes, cnsul dos Estados Unidos do Venezuela,
e respondndo-o, tenho a dizer ao mesmu Sr. cn-
sul, que leo sciunie de haver passado o exercicto
das funeres desse consulado ao Sr. Antonio Luiz
de Oliveira Azevedo, cnsul dos Estados Pontifi-
cios nesta provincia durante a sua auzencia, e
neste sentido tlcam expedidas as convenientes com-
municacoes. Agradecendo ao Sr. consol Jas suas
benvolas expresses, aprovejtu a eccasiao para
renovar os protestos de minha estima e consi-
dera cae
N. 43oDeliberaco.O presidente da provin-
cia atteodsndo ao que requereu Manoel Baptista
Barbosa, resolve cmceder-lte iicenca para ir ao
presidio de Fernando de Noronha no primeiro va-
por da coiupanhia Pernambucana, que para all
seguir.
N. 436.Dita.O presidente da provincia alten-
deudo ao que requereu Manoel Jos de Souza No-
nes, resolve coneeder-lhe Iicenca para regressar
ao presidio de Fernando de Noronha, no primeiro
vapor da companhia Pernambucana que para alli
seguir, levando coinsigo os gneros constantes da
.-(lacio junte assignada pelo secretario interino da
presidencia, nao pudendo, porm, desembarcar os
iiiesmos gneros, sem que por parle do comman-
dante do referido presidio se procoda exame, atirn
de se verificar se ha agurdenle oa outra qual-
quer bebida espirituosa.
i' secco.
N. 439.Portara ao Dr. chefe de polica.Ten-
do de retirar-se para fra da provincia o Sr. Jo
Francisco da Silva Novaes consol dos Estados-
Unidos de Venezuela, segando parlicipou-me em
olhcio de 4 do correte, deixa encarregado da ge-
rencia do mesmo consulado dorante sua ausencia
ao Sr. Antonio Luiz de Oliveira Azavedo cousul
do Estados pontificios nesta provincia, o que
coHMMiCJ a V. S. pira seu conhecimento e di-
reccao.
iN. 440.Dito ao mesmo.Inteirado do que V.
S. expoz em seu ollicio de 28 de marco prximo
Iludo sob n. 432. tenho a dizer-lhe que pode auto-
nsar o delegado do termo de Agua Prela o arbi-
trio urna pessoa habilitada que se eocarregue
de applicar os remedios que llie forara remetudos
e tratar dos indigentes accemmeltidos da varila a
quanlia de tres mil ris diarios, isto no oso de
fxi.-lir semelhante eledencia com intensidade.
N. 441. Dita ao commandante superior da
guarda nacional do municipio do Recife.Hespon-
'icodo ao olfleio de V. S. de hoje datado sob n. 79,
loobo a dizer-lhe que as seis pracas e o inferior
mandados apresentar ern portara de honlein do
inspector da thesouraria de fazenda, para guarda
da plvora depositada na casa que serve de laza-
reto na ilha do Piua devem ficar alli deslavadas
sendo para l transportaJo em um escaler da al-
fiudega para o que se entender cora o referido
inspector.
N. 442.Dita ao de Ollnda.Expeca V. S. as
suas ordens para que seja dispensado do servico
activo da guarda nacicnal em quanlo estiver ser-
viodo como creado no Asylo de Mendicidade a praca
do Sr balalho de infantaria do municipio e Olin-
da InnocenciodaTrindade Pessoa.
N. 413.Dita ao commandante de Nazareth.
Por deliberacu dosta dala, noineei os olHciaes cans-
iante3 da nota jonta, para o batalho n. 18 da
guarda nacional deste municipio, de conformida-
ie com a prposta que se refere o offlcio de V. S.
de 8 de novembro uliimo, sendo que deixou de
ser approvada a proposta de lente para a 3a
' impanhia por estar preenchido esse posto por
l.upuidiao Saraiva de Mello, respeito de quem
dever V. S. proceder de conformidade com o de-
creto n. 3535 de 25 de novembro de 1865 e a de
alteres da 5* companhia por nao estar vago o dito
posto, visto achar-se em servico de destacamento
<"0 campanlia o que o exerce.
N. 444.Dita ao do Brejo.Tendo de conformi-
ilade com a proposta annexa ao seu olllcio de 16
de Janeiro ultimo sob o. 28, noraeado para o b tta-
l'io 36 da guarda nacional do municipio do Bre-
I os olllciaes constantes da inclusa relaclo, as.im
i commnnieo a V. S. para seu conhecimento e di-
r;cg3o.Qoanto ao cidado Francisco de Paula
l ctia Gavalcanle, que na referida proposta veio
indicada para alferes da 2* companhia do nesrao
tialalno, nao pode ter lugar a sua noraeacao, por
i|janlo aquello posto acha-se oecupado por Vicen
tu Arelino de Souza Mello que e nao deixa vago
pelo fado de achar-se mudado desse municipio
em qoe previamente se proceda a seu respeilo na
forma determinada no 3 do art. 65 da lei n.
Oi de 19 de setembro de 1850, conviudo que
para esse fliti V. S. informe se o mencionado alfe-
res se acha as condices do citado paragra-
pho.
N. 445.Dita ao commandante superior do mu-
nicipio de Cabrobb o Exu.Cora o olfleio junio
por copia do inspector da thesouraria de fazenda
de bbje datado sob n. 269, respondo ao do V. S.
de 12 de everelro ultimo, quanlo ao pagamento
dos vencimontos do alferes Cosario de Souza Leo.
N. 446.Dita ao juiz de direito da comarca de
IHores. Com as informaedes junta por copia, da
contadura da thesouraria provincial, as quaes al-
inde o olfleio do inspector da dita thesouraria n.
218 de 9 deste mez, rof pando ao de V. S. de 26
de fevereiro nltrno, sobre o pa^J ment dos alista-
mentos dos presos pobres da cadeia da villa de.
Flores.
N. 447.Dita ao jniz de direito da comarca de
aranhuns.Em resposta aos seus olflcios de 26
de marco findo o 1 do corrente, tenho a dizer-lhe
r'esponsabelise os dous juizes municipaes e de
orpolos, suppleotes io termo de Bom Conselho,
Adro Tenorio de Albnquerque e teneote-coronel
Manoel de Albnquerque Cableante eco, visto
enacera contra o disposto na lei e apezar dp
ordens expedidas na seivenlia Interina do cartorio
de orphaos o tabellionaio, como 9erventuario inde-
hitamente nomoado.
N. 448 jai! ,je orphaos do Recife.
Declaro a Vmc. eip resposta ao sea offlcio de 18
de fevereiro ultimo, ^ as ne.
arias ordens par co||e.
gio respectivo os dou ^^^^H Clhus
companhia. = alferes Severiano Correia
mo, resolve nomear para o dito balalho os offl
ciaes seguiotes :
Estado-maior -Tenenle cirurgiao Joao Angele
Lopes Lima ; tenenle quartel mestre o alferes
Joao Bezerra Vieira de Mello ; alferes secretario
Francisco Pinto de Souza Neves.
3* companhia.Alferes Jos Gomes de Oliveira
Coatinho.
4.'
Leal.
7.a companhia.Tenente o alferes da mesma
Manoel Thom de Oliveira Mello; alferes Domingas
Das de Araujo. ,
N. 450.Dita.O presidente da provincia con-
formando-se com a prooosta do ten-nte-coronei
do batalho n. 36 Je infantaria da guarda nacio-
nal do municipio do Brejo. sobre a qual informou
o respectivo commandante superior em olfleio de
16 de Janeiro ultimo seb n. 28, resolve nomear
para o dito batalho os olllciaes segrales :
Estado-maior.Alferes secretario, Joao Fran-
cisco Xavier de Azevedo ; alferes porta-bandeira,
Joao Baptista Maciel Reg.
! companhia.-Tenenle, 9 alferes secretario Ma-
noel Rodrigues Franca.
5 companhia.Tenente, o alferes porta Dan-
delra Firraino de Oliveira e Mello.
N. 451.Dita.O presidente da provincia at-
tendendo ao que I he requeren Elias Francisco
Bastos labellio publico e escrivao do termo do
Brejo, resolve eonceder-lhe tres mezes de Iicenca
para tratar de sua saude nesta capital.
3.a seceo.
N. 452. Portara ao inspector da thesouraria
de razenda. Em additamento a minha portara
de 9 do eorrenta teuho a leclarar-lbe para os lins
convenientes que a ajuda de casto, que segando
a citada portara tem de ser abonada ao Dr. Tris-
to de Alencar Ararpe, como depulado e assera
bla geral legislativa pela proviocia do Cea', deve
ser na importancia de 600 e nao de 700# por
achar-se elld"nesta capil d'onde partir para a
corte.
N. 453. Dita ao mesmo. De conformidade
com o que me solicitou o presidente da provincia
era offlcio de o do correnio. expeca V S. as con-
venientes ordens afiai de ser entregue ao cora-
mandante oo imraodiato do vaper Pirapama, que
segu araanha para o norte a importancia da ar-
rec.tdaco dos luvitos daquella provincia..
N. 454. Dila ao mesmo. De conformidade
com o final de sua ufnrmacao ds 8 do corrente
sob n. 43, mande V. S. entregar ao tenente co-
ronel Guarter Martiniano de Alencar Araripe, que
assim o solicita no requerimento que incluso de-
rolvo a quanlia de 503 de qoe trata a portara
desta presidencia de 8 de ootubro prximo passa-
do e destinada d-spezas com o expediento do
commando superior do municipio de Cabrob.
N. 455.Dita ao mesmo. Transmiti a V. S.
para os flns convenientes as ires inclusas ordens
sendo ara do thesouro nacional sob n. 63, dous do
ministerio da guerra oatadas de 5 do corrente.
N. 456.Dita ao mesmo.Expeca V. S. as suas
ordens para que um escaler da alfaodega trans-
porte para a ilha do Pina, e destacamento de 1 in-
ferior e 6 pracas da guarda nacional que vo alli
publicas a mandar execotar por erapreitada os re- JURY DO ItECIFEAcha'-so convocada para o
paros urgentes, que segando offlcio da cmara
municipal da Escadi de 14 de marco ultimo tor-
nara-se necessari-is na ponte sobre o rio Ipojuca
junto aquella villa, os quaes constam do ornamen-
to incluso por c pia na Importancia de 8251000
N 466 Dito ao mesmo.Providencie V. S. para
que d?pois de liquidados em vista do pret junto
em duplcala os veocimeotos relativos ao mez de
marco ultimo, dos gnardas naeionaes destacados na
cidade do Rio-Formoso, seja paga a soa importan
ca ao negociante Francisco da Costa M-iia, confor-
me solicitou o commandante superior d'aquelle
municipio com officio de 5 do corrente.
N. 467.Dito ao chefe da repartico -das obras
publicas.Mande Vmc. executar por erapreitada
os reparos urgentes que. segando o offlcio da c-
mara municipal da Escada de 14 de marco allimo,
tornam-se necessarios na ponte sobre o rio Ipoju-
ca, junto aquella villa, os quaes constam, do orca-
mento, que na importancia de 8251000 veio anne-
xo a sua informacao de 9 do crrante sob n. 96.
_N. 468. Dito ao mesmo.Approvo a delibera-
cao que Vmc. tomn de sotorisar por em-
preada de pequeos reparos na pontesinha da
ramifieaco da estrada do sul para Muribeea, na
importancia de 163*000 segnndo consta do seu of-
ficio de 9 do corrate sob n. 93, o qoal fica assim
respondido.
N, 469Dila ao mesmo.Concedo a aulorisa-
cao que Vmc. solicitou em offlcio de 9 do corrente
sob n. 92. para mandar reparar o estivarae da
ponte sobre o rio Pirapama no Eogenho Novo do
Cabo, visto achir se bastante arruinado, podendo
despender para esse Um a quanti t de 530J. cons-
tantes do ornamento annexo ao citado olfleio, o
qual flea assim respondido.
guardar a plvora depositada na casa que serve
de lazareto.
N. 457.Dita ao mesmo.Em vista da conta e
mais documentos juntos em duplcala, mande V.
S. pagar ao Dr. Augusto Frederico de Oliveira ou
ao baro do Livramenlo a quanlia de 19:603*080
despendida com a compra dos gneros alnnenti-
cios remettidos ao- municipios do Buiqne, Bom
Conselho, Garanhuns, S. Banto, Cabrob, Salguei-
ro, Granito, Boa-vista, Ourinury, Flores, Villa
Bella e para a aldeia do Brejo dos Paires, como
soccorro a populacao indigente desses lugares
de vendo o pagamento correr por conta ao crdito
de 40:000 aberto sob minha responsabidade.
ri. 438.Dila ao mesmo.Para os lins conve-
niente transmiti a V. S. as inclusas portaras que
me forara romettidas pelo director geral dos cr-
relos com offlcio de 31 de margo ultimo, Hornean-
do Ji ao Rodrigues do Miranda para o lugar de
agente do correio da villa de Salgueiro, Deziderio
Alves dos Res para o de ajudante da mesma agen-
cia e Antonio Manoel de Godov para igual era-
prego na de ']abrob.
N. 459.Dita ao mesmo.Tendo de retirar-se
para fra da provincia o Sr. Joao Francisco da
Silva Novaes cnsul dos Estados-Unidos de Vene-
zuela, segundo participou-ms era offlcio de 4 do
corrente, deixa encarregado da gerencia do mes-
mo consulado durante sua ansancia o Sr. Antonio
Luiz de Oliveira Azevedo cnsul dos Estados Pon-
tificios nesta provincia o qoe communico a V. S.
para seo conhecimento e fins convenientes.
N. 460.Dito ao mesmo.Em vista de saa in-
formacao de 9 do corrente sob n. 248, mande V.
S. pagar ao parocho da freguezia de N. S. do O'
de Goyanna padre Lourenco de Albnquerque
Loyola a sua congrua a contar do Io do corrente
ero diante cessaado o donativo que delta fez para
as despezas da guerra.
N. 461.Dita ao inspector da thesonraria pro-
vincial.De conformidade com o parecer da con-
tadura dessa thesouraria acerca do requeriraonto
a que se refere a saa informacao de 8 do correte
sob n. 217, do arrematante das obras do acude da
Victoria coronel Jos Ca val cante Ferraz de Azeve-
do, e era vista do que informou a repartico das
obras publicas autoriso V. S a mandar p3gar ao
supplicanle como indemnisaco dos prejuizos que
suffreu com paralisaco daquellas obras por te-
rern sido embargadas smente a quanlia de 600*,
^endo 590*000 proveniente de duas olarias que se
deterioraram e 1001000 pelo novo rocoraento que
deve fazer no terreno que servir de base ao pa
redo daquejle acude, pois que nao pode ter lugar
a idemnisaco da cal e raadeiras, que por descuido
ou negligencia forara fuadas.
N. 462.Dito ao mesmo. Era vista de sua io-
formacao de hoolem sob n. 224, em referencia o
da coutadoria desta thesouraria, o autoriso a man-
dar entregar ao thesooreiro da repartico das
obras publicas, conforme solicitou o respectivo
chefe em offlcio de 28 de marco ultimo sb n. 79,
mais 5;000 que anda se tornara necessarios
para a compra dos objectos de que precisa o edi-
ficio em que funeciona o asylo de mendici-
dade.
N. 463.Dita ao raesmo.Teodo nesta data con-
cedido a autonsacao que solicitou o chefe da re-
partico das obras publicas em offlcio de 9 do cor-
rente sob n. 92, para mandar reparar o estivame
da ponte sob'e o rio Pirapama no Engenho Novo do
Cabo, podendo despender para isso at a quanlia
de 550*, constante do orcamento junto por copia,
assim o declaro V. S. para o seu conhecimento e
devidos fias.
N.464.Dito ao mesmo. Nesta data approvei
a deiiberaco que tomoa o chefe da repartico das
obras publicas segundo particioou era 9 do cor
rente sob n. 95, de mandar execuiar por emprei
lada os pequeos reparos, de que precisa va, a
pootesioha da ramifieaco da estrada do sul para
Muribeea oa importancia de 165*. O que declaro
N. S. para sea cooheciraeoto e fias convenien-
te?.
N. 46&Ditoao mesmo.Declaro a V. S. para
sea conaeeimento e lins convenientes, que acabo
de autorisar o chefe da repartico das obras pu-
DSPACHOS DA PRBSIDBXCIA DOS DAS 9 E 12 DK SE-
TK.MHO DE 1870.
Antonio de Barros Reg.Conceda-se na forma
da lei.
Agostinho Jos de Oliveira.Informe o Sr. Dr.
chefe de polica.
Alexandre Jos da Silva.Informe o Sr. conse-
Iheiro director gnil da instruccao publica, ou-
viodo o Dr. regedor do Gymnasio.
Alexandre Amen jo de Caldas Brandao.-O rae-
Ihoramento da aposentadoria concedida polo art.
39 da lei n. 963 do correte anno. comecar da
data do pagamento dos respectivos direitos.
Antonio Cardoso de Qooiroe Fonseca.Deferido.
Antonio Xavier Rodrigues da Silva e Joao Fran-
cisco Lins.Volte ao Sr. engenheiro chefe da re-
partico das obras publicas para declarar se est
verificada a destroicao allegada pelos'supplicantes
e so esta foi oecasionada pela passagera da es-
trada.
Antonio Pinto Ca doso da Gama.Deferido
vista da informacao, pagos os direitos qae forera
devidos, remetienao-se estes papis ao Sr. inspec-
tor da thesouraria de fazenda para os flns conve-
nientes.
Balduino Antonio Entrcgou-se a caixa.
Candido Jos de Oliveira.A'vista da informa-
cao conceda-se a Iicenca com doas tercos do orde-
nado nos termos do avi de 29 de outubro de 1869.
Frederico Augusto de Lemos.Iaforme o Sr.
conselheiro director geral interino da inslrucco
publica, ouvindo o regedor do gymnasio.
Francisco Carneiro Machado Ros Jnior.In-
forme o Sr. inspector da thesouraria proviocial.
Fernando Stepple da Silva.Dirija-se a reparti-
co das obras publicas.
Jos Caetano de,Albuquerque.Aguardo a de-
cso do governo imperial.
Juveniaoo Antonio Daarte Cunha.A'vista da
Informacao d-se a patente.
Januaria Umbellina das Virgens.Ao Sr. Dr.
chefe de polica para ter era considaraco as
averiguagoes que se mandn proceder.
Josepha Cleraentina Pexoto.Informe o Sr. de-
sembargador provedor da Santa Casa de Miseri-
cordia.
Joan Francisco da Canha.Informe o Sr. ins-
pector da thesouraria provincial.
Joo Francisco do Reg Maia.Junte-se e volte
ao Sr. inspector da thesouraria de fazenda para
informar.
I.ydio Purpurarlo Santiago de Oliveira.Infor
mo o Sr. engenheiro chefe da repartico das obras
publicas.
Leopoldo Borges Galvo Ucha.A'vista do avi-
so do ministerio da guerra de 24 de agosto ultimo,
nao pode ter lugar o pagamento requerido.
Manoel Thomaz de Souza.Informe o Sr. ins-
pector da thesonraria de fazenda.
da 29 do corrente a qoarta sesso jodiciaria da
comsrea do Recife, a qial ser presidida pelo Sr.
Dr. Francisco de Assz Oliveira Maciel, jaiz de di-
reito da primeira vara eriminal.
THESOORARl \ PROVINCIAL.Peraote a jun-
ta da fazenda desta repariicio contrara-so, no dia
29 do corrente, a iraoresso de mil exampiares
das 8bograprria8 de Pernambucanos Ilustres., de
que trata a lei provincial n. 831 de ij de maio de
1868, devendo a impressao >er fela e.n papel de
2" qualdade A pmpostss serao apresentadas
em carta fechada s 12 horas do dia, declarando
o pr-o e demais coodiedes do trabalho.
TOllCO DELSUCSob esta denomiaaco aca-
ba o Sr. Andr Delsnc, cabellsireiro ra do-
Crespo n^7 primeir andar, de confeccionar ama
preparacao para arrancar as caspas, e extinguir
as coeeiras da eabca, que nos informara pessoas
que a tem usado, ser de grande efflcaeia, nao so-
para essos fin, con mesmo para a conservacao
dos cabellos. Recomnendarao-la ao publico.
INST4TUTO HISTOMCO E PHIL050PHIGO.
A's 10 horas do dia de boje ha sesso ordinaria,
dest sociedide, para a discos o de tases e elei-
cao do orador, lugar qie se acha vago.
RA DO CAMARO. Temos queixas dos mi-
radores desu roa e da adjacsntes contra om ho-
mem que habita o cortijo que ah ha, o qoal es-
panca desabridamente urna nmlier que com elle
vive, procurando para osos actos de selva^eria as-
horas mortas da nont, com grave encommodo
publico, como na nootede 13 do corrente. Cha-
mamos para isso a atuoco do Sr. Dr. chefe de
polica, visto que a antortdade local, pooco se im-
porta com isso.
LOTERA.A que se aha a venia a 160"
benefieto da nova igreja d No*sa Senhora da Pe-
ana, a qual corre no dia 17.
o reo dando provimento ao re-
ta. Absorveram
curso.
, APPEKLACAO CRIJIE.
Up jury do Ip. Appella*ie, Vicente Ferrerra
oe Araujo Lima; appellada, a justfca.Contlnn-
da a seajenga com advertencia ao juiz de direito.
1.1 HABEAS- CORPUS.
Cflncederam ordem ao bauharel Rufino Colho
da Suva, para a sesso ito- Uia 17 do corrente, pro
sent o paciente.
PASSAOra.
Do Sr. desembargador Gitirana ao Sr- desera-
rgdor Guarra. AppeHa?oes civeis, do juizo
municioal de Goyanninha : apperrante, Firmo da
Costa Villar ; appellada, Ewlia Rolim Accioli Vil-
lar. Do jnizo municipal dj lazareth: appellante,
Ignacio Vieira de Mello; appellado, Manoel Tho-
maz |de Albuquerque Maranhao.
CHRONICA JfDHIARH.
TRIHINVI DA IIKI. A V l<>
SESSO EM 13 DE SETEMBRO DE 1870.
PRESIDENCIA DO KSI. SR. CONS-XHEIRO C. SANTIAGO.
Secretario Dr. Virgilio Coiho.
As 10 lloras da manha, presentes os Srs. desem-
oargadores Gitirana, Lourenco Santiago, Alraeida
Ao Sr. desembargador LoareBco Santiago.Ap-
pellafo erirae, do juizo da Grama : appellant, o
jnizo; appellado, Manoel do RegoTrigueinePlhn.
Do Sr. desembargador Motta ao Sr. desembarga-
dor Doria.AppaMacoe- civeis, do jnizo municipal
do Recife : appellante, Salvador Benriqu do Albu-
querque ; appellados, Guiraares 4 Oliveira. Do
Juizo municipal de Marangoape: appcllanter
Jacintbo Lins da Silva; appellado, Francisca de
Salles Thadeu. Do jaizo mancipal do Recife : ap
pellante, Antonio Moreira dos ftei*: appellada,
Feliciana Mapa Olympia. Do joizo municipal da
Iraperatrj appellante, Clemente Rodrigues do
Sobral; appellado, Cacirairo de Medeiros Caval-
canta.
Ao Sr. desembargador Dumingues da Sil-
va. -Appellaco civel, do joizo municipal da Im-
peratnz: appellante, Manoel Henriques Pimen-
tol; appellado, Thomaz de Aqoino Camello.
Do Sr. desembargador Domingues da Silva ao
9r. desembargador Regueira Costa.Appellaco
civel, do joizo maoicipal d'Agua-creta: appel-
lante, Jos Alfonso Ferreira; appellado, Antonio
Gomas de MaeJo.
Do Sr. desembargador Regueira Costa ao Sr.
desembargador Sonza Leao.Appellaco civel, do
jaizo municipal do Recife: appellante. D. Mara
das Neves Miranda Oliveira; appellada, Rosa Ma-
ra da Conceico.
Do Sr. desembargador Souza Leo ao Sr. des-
ambargador Gitlrana.Appellaco civel, do juizo
municipal do Recife : appellante, Carlos Holras ;
appellados, padre Joaqoim Jos de Parias o oa-
tro. Appellacoes erimes: appellante, Manoel
Albuquerque, Molla, Doria, Domingues da Silva, i Jos do Nasciraento; appellada. a juslica.' Appel
PERNAMBUCO.
REVISTA DIARIA.
GENERAL VICTORINO.A sociedade patritica
Doze de setembro, em sesso da 13 do corrente,
convocada especialmente para tratar da recepeo
do Exm. general Pernarabucano, baro de S.
Borja, deliberou que, alera da recepeo popular
por occasiodo desembarque de S. Exc, seja-lhe
offerecido um baile, era nome do povo Pernarabu-
cano, e bajara festejos na ra do Baro de S. Borja
durau e as tres noules seguintes sua chegada.
Paja promover o oaile toi noraeada urna com-
misso composta dos Srs. Baro do Livramento,
baro das Mercez, Dr. Joaqaira Correa de Araujo.
baro de Campo Verde, Francisco Ignacio Pinto,
Antonio Luiz dos Santos, Alvaro Augusto de Al-
raeida, Dr. Sinfronio Gozar Coutinho, e Eduardo
Auguio Burle.
Para promover os est?jas na rna do Baro de
S. Borja foi nomeada urna jcommisso com
posta dos Srs. Dr. Francisco de Paula Pena, Dr.
Gervasio Pires Campello, Jeronymo Jos Ferreira,
r. Joo Jos Pinto Jnior, e Jos Francisco Lavra.
A cjinraisso central da sociedade Doze de se-
tembro, llcou encarregad de promover a recepeo
popular por oecasiip do desembarque.
ASSASSINATONo dia II do correte, das 6
para 7 horas da noule, foi assassinado na Cba
uas Capoeiras, na villa do Pao d'alho, o respecti-
vo inspector de qaarleiro Delphioo Ismael de Fi-
gueiredo, qaando procurava reconhecer tres in-
dividuos que, armados e desfigurados, passeiavam
nesse lugar. Das averiguacOes a que se proce-
den, resultou saber-so serem os individuos Fran-
cisco Jos Garcez, Severino Jos Garcez, e Pascol
de tal, os quaes deixarara ticar, pouco depois do
crime, na casa de Matheus B irges de Miranda,
um chapeo de couro e algumas armas, a polica
local procarava prender os criminosos.
JOVEN AMERICA-No lugar e hora do costu-
ras ha hoje sesso extraordinaria desta sociedade.
CLUB POPULAR.!- Ha hoje sesso, sendo a
ordem do diarevista de jornaes pelo Dr. Nobre;
e prelecco sobre direito criminal pelo Dr. Jaco-
bina. Ha lugares reservados as senhoras.
CABELLEIREIRO.-A" ra do Baro da Victoria
n. 48, primeiro andar, acabara os Srs. Salyro & C.
de abrir ama nova salla do cabelleireiro.'onde se
esforcaro por bem satizfaier aquellas pessas que
os procuraren).
INSTITUTO ARCHE0LOG1CO.- Renase hoje
em sesso ordinaria.
COMMEMORACAO FNEBRE. Araanha ser
celebrada, na capella do arsenal de marrana, s 8
horas do dia. urna missa pela alma da Exma. 3ra-
D. Candida Francisca Marques dos Santos..
lante-,o juizo; appellado, Jos Vicente Alecrm.
OELIGENOtA CniME.
AOjSr. desembargador promotor da justica.Do
jury de Pao a'Albo : appellante, o jaizo; appellado,
severioo Gomes Cootinho.
Assignou-se dia para julgamento dos seguintes
feitoe:
Regueira Costa, Souta Leo, t os junes de direito
Oliveira Maciel e Neiva, faltando com cansa o Sr.
desembargador Guerra procarador da corda, foi
aberia % sesso.
Passadoe os feitos, deram-se os seguintes julga-
nentos :
R.KCRSO CRIME.
Recprrente, o jaizo de direit > do Limoero; rocor-1 appxlacao cbimb.
rido, Manoel Francisco de Oliveira.Relator o 3r. Do jury de Campia.Appellaale, Prancisco
desembargador Domingues da Silva, sorteado* os Jos de Oliveira ; appellada, a juslica.
Srs. dniofrarydores Gitirana, Souza Leo o Mot- < Levanton-se a sesso a 1 hora e 20 minutos.
TABELLA DO RENDDjffiNTO DA ALFANDEGA DE PERNAMBUCO DO MEZ DE JULHO DO
CORRENTE ANNO FINANCEIRO, COMPARAX) COM O DE IGUAES MEZES DOS DOUS
ANNOS ULTIMaS.
arbitrarias e violentas, que tio celebre tornaram i
cata azvl, onde no reimiamos.
Se sobre minha eabeea posa a responsabili***-
legal de tudo oque tm, ti, s mwwj-
rroppmann, cabe a resp..osbilidade jnoral, p r
que en era o instrumento cgo, o exeentor d^
teus plooos tenebrosos. Para consegoires is'n.
quanta aMade, qunnta dedicacao rae mostravji !
E como tem procedido depois? Emqnanlo fu-
auteridaoV, es|veste sempreraeu lad", emqoant..
possu alguma consa, te mostraste mea amig.
pora me disfruciares. Hoje porm, qoe nada son.
hoje qoe qoasi nada possdo, vivo s, nao mais t.-
ve|?~extmgoio-se aquella araisade to intensa, ti-
dedicada t. E anda ha-de haver incautos, qo-
acreditcm Das tuas palavas, pertWo Troppniannt..
Dtze-me,.no tenho eu o direito de vngar-me *
ti? E-nao seria isso to fcil fSim. porque se h
citasse perante um tribunal ordinario, serias a-
fallivelmento eondemnado como autor o campc-
de mnitos erimes. Se comparecesses na presenca
de alguns homens de bem, conslitumdo ara tribu-
nal de honra, iu asm sabes que sertas coodonuia-
do coiBoJqfame.....
Mas nao, o que eu quero que- te julgues a t<
mesmo, o qa qoero obrigir-te comparecer
perante o tribnoal da tua propria conseieneia, aftro
de que te arrependas e te tornes roelnor. Asein
presto um servico a humandade, ano unto lens
feito soffrer, e presto um imporuntsimo servic..
a ti mesmo, Troppmann, pois qne,. arrepentido,
poders, eom- menos receto, ir presenca do su-
premo juiz. A'elle medirij todos os das, ro-
gando-Ihe que te a brande o roraco, para que oa-
cas as minhas palavras, e aceites os neos conse-
Ihos.
Angostaras, 4 de agosto de 1870.
tuesta* de enveneuaisento
Importacao
Direitos de consumo......................
Dito de augmento de 40 % .............
Dito de dito de 30 /.....................
Ditos addicionaes de 5 %.................
Ditos addicionaes de 2 %.................
Ditos de baldeaeao e reexportar o.........
Expediente de 5 "/ dos gneros livres de di-
reitos de consumo.....................
Armazenagem...........................
Despacho martimo
Ancoragem.............................
Exportar ao
Direitos de 15 % do pao brasil.............
Ditos de 9 % de exportaco...............
Ditos de 2 1/2 % idem....................
Ditos de 1 1/2 /0 do ouro em barra.......
Ditos de 1 % dos diamantes...............
Expediente das capatazias................
IMarfar
Renda da typographia nacional............
Sello adhesivo...........................
Dito do papel fixo.......................
Dito do papel proporcional................
Emolumentos......_...... ..........
Imposto de transmisso de propriedade de 5
/ da venda de embaroaedes............
Dito 1 % da arrematacao de bens movis..
Extraordinaria
Receita eventual (multas).................
Depsitos
Depsitos de diversas origens.............
Dizimo da provincia das Alagoas '......
Dito da provincia da Parahyba............
Dito da provincia do Rio Grande do Norte.
Contribaico de caridade..................
1870 1%71
568:093*030
207:925 J043
3:560*366
101:1815256
869 1870
2:84
3*102
9:801*069
3624*930
83:871299
983
1*568
81- *400
2(1*720
534*670
92*250
111*981
1:063*519
989:561*223
1:418*406
1:292*800
7:780*363
2:198*815
1,002:331*607
358:719*596
73:9305808
2:150*545
2:5395000
191:6935082
1:4025820
405000
875*680
3035960
142*930
590*000
1:185*759
1868 1869
833:314*180
3:3735427
8:108*841
385*135
845:3815583
475:074*380
65:8113868
8573376
2:1763680
115:483*1'.6
1:064*980
1:493*024
691*580
2003620
69*200
588*000
1:7593697
663:777*727
420*481
1:479*805
1:900*286
523*745
668:1023044
Alfandega de Pernambuco, 1 de agosto de 1870.
O chefe da 2' seceo,
Luiz Francisco de Mello Gavalcante.
E mais urna ordem iniqua
contrariado e triste, relirava-se, deixando-me en
tregua a ti.!..
Ta triumphav.s
era expedida!...........................-----
Assim foram ordenados os creos proprieda-
des de amigos e inimigos cora o fim smenle de
desprestigia-los.
Assim foi ordenada a priso, para reernta, dt
um cidado morigerado, e bemquisto de toda a po-
pulaco da cidade, com o fim nico de fazer ra-
vaefitzer gastar algum dinheiro um ten inim-
go, seu protector, como, cora o maior^cyaismo de-
PUBUCACOES A PEDIDO.
Joao Kink Joo Baptista
TToppmann.
Ujuarta carta
Fui nomeado autoridade policial. Os meus pri-
meims actos desgotaram logo os nossos correligio-
narios, e sobresaliaram a comarca. Em breve, e .,...,----------.....
abandonado de todos, vi-rao- entre ti e o roen ami-1 pois confessaate. Como .s pequenino,Troppmann
go da infancia. Eoto deu-se um singular espc-1 Assim foi dada a ordem de prender, tambem
taculo. Mais ama vez se pode observar a eterna ] para recruta, o Dr. H. P. de B. C, que, alm de
lata do bem e do mal. i estar revestido do duplo caracler de bacnarel e
O campo de fcualha era eu. ; advogado, como elle dizia, era capilo da guarda
Como sempre, o mal triumphoao mea amigo nacional, e tinha mais de 40 annos de idade..
foi sempre vencido I.. Como sempre, o sea triara- A3sim foi que deixei de persegnir muitos cri-
pho foi opnemero, porque hoje roconnsco qae o minosos, e proteg outros.
raen amigo liada sempre razo, porque hoje le Assim foi que, seguido de homens armados at
amaldlco, Tropmann !.. 'os demos, consent emacompanhar-ie, quando t,
Para fazeres-me adoptar as tuas ideas piotavas! apesr do seres entao a mais elevada autoridade da
cotn vivas cores o quadro risonho de umasitpacao : comarca, invdisie-ura templo, e envististe, de pu-
dominada somante pelos principios de verdadeiro i nhal orgaido, contra um grupo de cidados que,
liberalismo; eme demonstravas aneceesidade de(so a gide da lei, tinham formado uraa meza
medidas violentas. Aos teus discursos nao falta- eletloral. .Parajustificar nosso procedimento dis-
vam as,citac3es histricas e at bibJipas. Como te sesle-rae qpe aqullo era urna illegalidade, e que
acharia ridiculo qualquer outro, que entao te ou-1 trm preciso dissolver aquella mesa o todo transe.
ivisjol.- Su, porm, subjngado. pela tua elo* Que I.. Corrigir urna illegalidade com urna vio-
qu^nci eapciosa e sophtstica. reprima os nobres lenci>?... E' urna jurisprudencia digna s de li,
impulsos ao mea bom coracao, nao attendja $ Troppmann I
I judleioas. qbservaQdes d ajqj^o 4a laiaocia, que Assim, senipreassira forara dadas tantas ordens
LI6KIRAS COWSJDERACOES DE UM PROKK9SKWAL, KM
'Jl'K SE DEMONSTRA A IMPOSS1BU.1DADE BE KNCON -
TRAR-SE NO CADVER DO DR. VICTORIANO DE S.
EXTRAORDINARIA. (JUAKTIDADK DE ARSF.MOO.
O acido arsnico, vulgarmente denominado ars-
nico, dissolve lentamente em agua fra, em que e
pouco 'Soluvel.
Esse acido apresenta-se sob duas formas: oa e
opaco ou vilroso. E" o opace, que se- enconlr.
aqni as pliarmacias, o empregado na extince*-
dos insecios.
O acido arsnico opaco anda menos so'uvel
nagua do que o vilroso; segundo o Dr. Ad. Wortz
professor da chiraica da escola de medicina de
Paris e roenibro do instituto, urna parte daquelle
exige oteota d'agua era temperanura ordinaria
para ser dissolvido.
O vidro apresentado como tendo coudo a subs-
tancia venenosa, de que se servio o moleqoe
Eduardo para dar a norte aos irraos, teneote-
coronel Joo de S e Dr. Victoriano de S, poda
conter meia oitava d'agua, pois que era desse qae
vem de Paria, coalendo dous grammos de coloro-
reto d'ouro ; mas, suppondo-se qne esse vidr>
poda coaler meia ooca d'agna destilada, a agua
contida, isto essas quatro oitavas ou dezeteis
grammos, s podia dissolver, quando mu i lo, ijn.iin
graos ou viot centgrammos d'acido arsenioso
opaco.
O tenente coronel Joo de S e Albuquerque,
estove em tratamento vnte e oito dias, isto do
1." a 28 do roaio do corrente anno ; roas, qaan-
do recorreu medico, j eslava doente, e saa mo-
lestia datava de dias.
A suppor-se que esse doente sucumba a en-
venenaraento, entao se deve sappor qae a propi
na^o do veneno havia principiado antes do dia
1." de maio, o para admittir-se que os mdicos as-
sistenles Drs. Aquno e Sarment nao se aperce-
beram dos effeitos do acidp arsenioso, preciso
suppr-se que a substancia venenosa foi dada em
doses diminutas, e que o organismo se nao resen-
ta da aeco dessa substancia, porquanto s assim
os symptomas determinados pela acido arsenioso,
symptomas t> manifesios e conhecidos, deixariam
de apresentar-se to claramente, qne escapassem
aos assistentes, e s assim restara ainda depois
da morte desse teneote-coronel soluco para ser
dada a seu irraoo Dr. Victoriano de S e Albu-
querque ; mas neste caso essa solarn nao teria
dado a mnrte nem ao primeiro nem ao segnndo.
Ora, quando mesmo se sopponha que o Dr.
Victoriano de S e Albuquerque tomou de urna
vez a quarta parte da soluco contida' no vidro.
pois que o raoleque disse qae s Ihe dea orna
dose, e deu-a antes do referido dootor partir para
o engenho Guararapes, a dose nao continha mais
do que um grao de acido ar?enicoso.
Se o Dr. Victoriano s tomou um grao, Mal
ou esse grao determinara inmediatamente i*
seus effeitos sobre o organismo, e o Dr. Victoria-
no senteria eonslricco de garganta, e teria voim-
tos repetidos, dejeccoes alvinas, clicas, e ouims
sympomas, ou entao essa dose nao teria acra t-
x ca sobre o organismo do referido Dr. Victoria-
no, e neste caso seu organismo erapn gana seu-
esforcos para expellir esse acido por meio aab
secrecoes, como succede.
Adroiltamos que esse grao de acido afMaiotx
nao determinoa o eovenenamento lo prompia-
raente, mas s lentamente e no correr dos diz-
que se seguiam sua applicaco, at que reali
soa-se a morte, sem que se apresenlassenKns
symptomas conhecidos.'
Admitamos mesmo qoe o organismo do Dr
Victoriano nao teve torcas ou nao presten se a ex-
pellir de si a substitancia venenosa. Memo as-
sim quando se podesse submotter todo o rada-
ver, sem nada exceptoar-se, aoalyse chimica.
o que nao se fez, e qoe essa aoalyse se fo>se tai
perfHla quanlo se podesse desejar oo imaginar:
isto que por meio della se coosegaise eximir
todo o veoeoo que o cadver contivesse, mesn
assim to se extrahiria um grao de acido arseni
s, isto esse grao propioado na dose da soloci
dada pelo moleqoe na chicara de caf e nao BC-
pellido pelo organismo.
Como pois se tem j encontrado por meio d.
analyse chimica, qoe se est fazendo na BahU.
luantidade enorme de acido arsenioso; islo .
muitissirao maior do que a ingerida ?
O aciJo irsenioso nao se reprodux no estomag
ou intestinos, no ligado, baco, cerebro e outros or-
gos, era o estomago e meninos oa qualqu<"
orgo se presta servir de reservatorio oa deposi
lo de acido arsenioso.
Se este nao mata, por ser dado em dose nsufri-
cente para isto, ento expellido pelo organisrau.
e o vai sendo medida que ingerido, nos pro-
ductos de secreeo.
Assim pois, quando mesmo se admita que o Dr.
Victoriano tomou mais de urna dse de soluci
arseniosa, e que sen organismo prestou-se a re-
cebe-tos e conserva-Ios al qne a somma admiuis-
trada foi sufficiente para determinar a intoxicarn
e por fim a morte; mesmo assim, qaando mesia..
elle tivesse tomado toda a soluco comida o
dro, nao poderia ter tomado mais de quatro araos,
qne erara o que ella continha, e > analyse chira
nao poderia dar mais do que esses quatro gr
seodo ainda preciso noste easo admittir-se, o qti-
no era possivel, qah todo o cadver fosse subim '
tido analise, e qae deste se exlrahisse todo o ve-
oeoo.
Como pois, se tem encontrado, segundo se di,
por meio da analyse que se eslava fazendo na Ba-
ha, mais veneno do que poderia ter sido applica-
do, muilissimo mais do qoe seria preciso para q <
se oporasse ama explosio de symptomas capaz d-
despertar a altenco dos mdicos assistentes e cou-
ferentes ?
t*.
V


jfJBWM'-"



I
Wm<
(pira
15 de &
IftVA
"#

L

O Or. Victoriano de S e A!bi:
mium o cafe qu Ihe toi dado a^^^^H
ter
DiXI eomendoei
,_ iiorto no da *eP'""
m, sem ter tido vmitos o o a tros svmptomas pro-
una* do envenenaiuento pito acido arsenioso, e
famil.a attnuio a morte iter se ca-
ehorftalw nassado a" nonte a fno, or*f oe
Se" o vomite do Dr. Victoriano conlinba tanto
wmo que matoa o eac orrinho, emao aimla me-
iw aTHJioso lleve ser encontrado na analyse;
inas a igr*la 1

WTAES.
+BB*
O Dr. Armio Coriolsno Tavares de Santos, jata
mutile ipatla segunda vara e preparador dos pro-
cessos do jury desta comarca do Heeife, por sna
magestade o Imperador, etc.
Faeo saber, qae peto Dr. Francisco de As'is Oli-
veir Maciel, juiz d direito da primeira vara cri-
minal desta comarca, me foi eommunicado terite-
signado o da 29 do crreme prtas tO hbras da ma
Jl^JKSMS^V^..^5Saff5Sg^S
, se vi seque esta vara desposlos a conceder-lho
tu.!, pedera ainda qae, aquantidade applicada ao
emtomr ott visceras submettidas analyse, bwse
grande.
A ignorancia c precipilaclo prejudiciaram a
cansa: nem acido arsenioso, tem grande quanti-
dade dste deviam ter sido empregados.
Recre, 14 de setembro do 1870.
Monte-Pi Portugaez
A directora do Monte-Po Portugus co-
nhece perfeitroente as razoes, qua a deven
ti eternizar a proceder eleii;5o de outro
rpirtwn de sub.-tituir.
OS Britivos por que aioda nao pode a-
fazsi-o ser manifestados em assembla ge-
tJ, pn^eie ter lagar no da 9 de dezem-
bro proxtmo, para e qae precederao os
competentes avisos, o oessa solemne occa-
silo (em que oxal comparea a sociedade
Mileira. oh a grBde maioria dos socios)
stj't proeedimenio ser devuiamente aquila-
tado.
iJoai estas pouca linhas tem apenas em
vista dtcectoria certificar os associados de
qu; nlo ha, cono nao poda haver, o roini
uio proposito de addiar iadefioidatiente a
coovocaSo da assembla geral para proce-
der i eteico da nova directora, que, lalvez
menos fatigado e provavelmente mais deli-
rada e mais Trot, conseguir, sem dolida
sigiima, elevara sociedade ao mais prospe-
ro estado, o que a actual nao se lisongeia
de haver eonsugoido.
Recife, 14 de scteTibrnde 1870.
Jos da Silva Layo.
Presidente.
Joaquim Geral lo Bqstos.
Secretario
S.IU.-QUE MOLESTIA TENBBS ?-Cenle-
nares de variedades de molestias podem-se atiri
liwr ao estrmagri. Para arta nma on todas
ittaa, o senso ommam no? donvinstra, qne, a
-mdieina que restaura aquWle orgio ao sea es-
u*< natural de vigor, o verba leiro remedio.
Sen senso eommon deseja saber que remedio
eaaey* icperiencla responde ; sao a< pilulas aesu-
raradas de Bristol. O qne nao fallam so cathar-
tis, porem a nonadecima parte d'clles s pro-
dueeiu nm altivio passageiro, e muitos d'elles
sao |>irigosos. E' mil ve7.es melh *r deixur o livre
corso i dyspepsia, do que tentar cara-la com mer-
curio. Esses remedios assira intitulados arminam
o deeniii ainda mnrto mais rapldamenti', do que a
pruna molestia. J no acontece lisim cora as
pilulas anacaradas de Iri-tol, as quaes devc-m a
sna grande effteaoia aos extractos vpgetaes. Se o
ligado nao esta em ordsm, ellas promptamente n
regotaia, se os intestinos sd acnam obstruidos, ellas
r> n.ivpm as obstniccOes ; se o estomago est in-
eipni do urna perfeita diuesiao, ellas Ihe dio o
neeessario lom e vivacidade. Etias achamse
iaottida> dentro de lr;w|uinhos, e \)or isso a raa
<:>crv:ic;.ao dnravel em todos os climas. Em
l.d*s as (Oolcstiai aggravad.is i pTovenioutPs de
i^pur<-za do Hngae, a salMparrnba de Bristol,
leve de 96f tomada conjunetainente com as pi
Mtt
31 de Janeiro de 1813, fnram sorteiados e desigua-
dos os cidadaos segQintes :
Pregnexia do Recife.
Dr. Jos Antonio do Almeida Cunha.
Freguezia de Santo Antonio.
Jos Antonio Pinto.
Dr. Joao Jiaqnim Fcraoeca de Albuqaerqtie.
Candido Antran da Malta e Albuqaerqae.
Jas Joaquim Xavier Sobreifa.
Francisco Jos Piulo da Oiiveira.
Bernardiao de Sena Pontufer.
Francisco Antonio de Brito.
Di. [(Vuiard > Francisco de Almeida.
Of Ann so do Reg Barros.
Jos Franci-co de Figueiredo.
Freguezia de S. Jos.
Jos,; dos Santos Lages.
Jos, Francisco RWeiro de Son.
Dr. Jr*aquim Jos Ferreira da B cha.
Dr. Luiz da Silva Gusmau.
Freguezia da Boa-Vis la.
Dr. Bernardo PeraJra 4a.Canno.
Antonio Machado Pereira Vanna.
C.ons-lheiro J.ao Silveira de Souz.
Dr. Msnoel Thomaz <> Barros Campello.
Isidro Jos PWera. <^.
Matnrio> Barroso de Mello.
Ignacio Jos Pinto.
i)r Francisco Jos Rabillo.
Veriato de Freitas Tavies.
J^uiz fionealves da Silva.
Jos Antonio Mureira Das.
Dr. Antonio de Vasconeellos Menezes de rum
mond,
Dr. Antonio Manoel de Siqueira Cavalcante.
Dr. Amaro Joaquim Fonreca de Albuqnerque.
Capitao Antonio Jos de Souu Coasseiro.
Candido Jos da Silva Guimarits.
Antonio da Silva Azevedo.
Carlos Augusto Diniz de Souz. .
F.'egaezia dos A logados.
Joao Antonio de Araujo.
Manoel do Amparo Caj.
Rt'larmino do Bego Barro*.
Jos Francisco Brando Cirdeiro.
Antonio Valenlim da Silva Barroea,
Antonio Lopes Rodrigues.
Freguezia do Poco.
Francisco Rodrigues d;is Passos.
Freguezia da Vanea.
Francisco da Silva Miranda.
Dr. Manoel Arthur de Hollanda Cavalcante de Al-
buquerque. *
Freguezia de Mnribeca. *
Joo Luiz KhViro'de Paras.
Dr. Joaquim glviro de Myr.ifs Camino.
Freguezia de Jaboatio.
JuviiM. Coelho da Silva
Manoel de Snuza i^eo.
Manoel Fiodoardo Mehdes Diniz.
Luu lVn-ira de Melte.
A' td.is os qii.ios e a cada nm de per si, bera
como toJ is os in:eressados, oin geral, su convi-
da para comparecerem po primdi andar da casa
que f d cadeia, na sala do jury, tanto no referido
dij e llera, como nos de mais dias seguintes, em
.panto durar a sessao, sob as penas da lei se fal
tan-in.
E para qae chegue a noticia a lodos mandei
passar o presente edital, que ser li ;o e afflxado
uos lugares mais pblicos e publicado pela ira-
prensa ; e tambem remeter iguaes aoa respectivos
subdelegados para publica-los e mandarem fazer
as notificafSes necessarias aos jurados, aos culpa
dos e as tc-teiuunhas que seacnarem em seas dis
trietos.
Cidade do Recife 14 de setembro de 1870.
Eu Manoel \ntunes Correa, escrivao interino do
jury o escrevi.
Armhto Coriolano Tatare.% dos Santos.
Hecebedorta de Pernambaco (
1870. *"" ~
Vannel Car
SANTA XC^S.\ DA
RECIFE.
* A llm.a. junta -k! miis! rali va da Santa Casa de
Misericordia do Recife manda lazer pubHco aue
na sala de snas scssoes,no dja 13-de setertibro,pe-
las 4 fcora da tardo, tem de ser arrematadas a
quem mais vanhgcts offerewr. [u>lo tompo de um
a traanos, as rendas dos predios em seguida de-
clarados '
HSTABELECIMKMTO DK CARIDADE.
Raa da Roda.
Casa terrea ni 7,................... 100*000
PJfifRDiONlO DOS ORPBAOS.
Ra (hs Larangeiras.
ast terrea a. 17................... 199^000
Raa do Pilar.
dem b. 102........203000
dem n. 93.........S045000
SIMo da Mirnelra n. 4...... 107*000
Os pretcadenies de.vero a^resentar no arto ^
irremattSo das saa< (fricas or\ comparecerem
acoigpankados dus rospeciivos fladtoj
SeVranrria da Santa Cara da Misdri&jrdia do Re
cife, 2 de agosto de 1870.
0 escrltao,
Pedro Rodiifwa t
PAACA DO HECIPE 14 DE SETEMBRO
DJ5 1870.
AS 3 1/2 HOBAS DA TAIDK. ,
Algedo sorte701 e 728 rs. por kil.
Acpoes da divida publica85 0|0
oncao Jofl Alfonso,
Presidente
A. P. de Lemos.
Pelo secretario,
ENGLISH BANK
Jf Rio de '/aneiro Limited
Oscoota lettras da praga laxa a con-
ucionar.
Recebe dinheiro em conta corrente hit
i raso fixo.
Saca 2 vista on a praso sobre as cidade
prfocipaesda Europa, tem correspondente
ania, Bneoos-Ayres, Montevideo, New
a Kew-Grleans, e emitte cartas de crdito
'/ara os mesmos lugares.
j MA DO COMMERC10 N. 36-
Soto banco de l*ernambnc9 em
linjaidac. de agosto de
1890.
Os Sr. accionistas podem rceber o Y
dividendo de um por cento do capital s
qiar!as feiras e sabbados.
ALFANHIGA.
.uuwmiadoniaiaia. 392:220*386
IMai do di 14...... 4tt:7a3843
438:971*229
MOVIMSNTO DA 'ALPANDEGA
<'WfliD> atridns eam farendas
i tea dem com gneros
'.-lantn -taidos com .'alendas
H
671
------716
199
475
------674
'cirregara nojelSde setembro
Riigiie norte-allemio Miranda- mercadoria?.
Uarca francezaFgaromercadorias.
Pulidlo amerieanoCarolinadem.
Pal cot ingleBirer Qntnidem.
itncue norte aHernioJnim Juitnsldera.
Brijjue norte-allemSoHerculesfarinha de trigo.
Jltspachos de exportacao no da 13 d
setembro
. Na barca ingleza, Franch Wilson, para Li-
verp >ol. carregaram': Kabe Schramettau & C, 112
saecas com 7,924 kilos Je algodo.
Na barca bespanhola Cknstina,' para o Rio
la P,-ata, carregaram : Antonia Irmaos fe C, 502
i- com 38,119 kilos de assacar mascavado.
No palliabote br^? leiro Sbrateme, para o
Aracty, carregoa : Hturiqne Jos de Moura, 2
fardos coaa 24,133 kilos de azendaa.
Na barca portiguea Murta, para o Mara-
ihS-i. carrpgjrara : Tasso Irmos & C., 300 abari-
ooa 973 kilos de brinba de trigo.
DE RENDAS INTERNAS (K-
.SDBPRNAMBllC.
dia.l a 13. 19:073*603
...... 2:736*494
Francisco de Carvaltto Soares Uranoso,
juiz de orphaos e ausentes nesta cidade
do Rcife e sea termo por S. M. o goe
Dos guarde de.
Faco saber aos que o presente edital vi-
rera, qae, ftzendo parte da hefatCa, qu
se arrecada nestu juizo por fallecimiento da
Carlota Maria de Oliveira Salgado' a-
metade do valor da padaria da ra do Ro-
sario estieta n. 13, onde ella tinba socie
dade com Bernardino Gonsalves Salgado,
pertencendo-lhe pela liqnidacjio as bem-
feitorias, e utencilios 2 : 439|JOOO, no valor
dos escravos 1: O0 5:000|5000, na tercera praca deste]azo,
que deve succeder no da 22 do corrente
mei (inda a audiencia se proceder a ar-
rematado por venda dos bens cima men-
cionados, devendo os qu.) pretenderem os
escravos a apresentarem as suas propos-
tas em cartas fechadas at aquello da,
era que serio abortas preferindo-se as
que iherem maior offerla sobre o valor
d'elles. .E para que chegne ao conheci-
mento de todos se passou o presente que
ser publicado'tres vezes pela imprensa e a
fuado no logar do i-oslume. Dado e pas-
sado nes'a cidade do Retife de Pernambu-
co em 12 de Setembro de 1870. En Gal-
dme Temistocles Cabrsl de Vasconeellos o
escrvi.Francisco de Carvalho Soares
Brdndo,
a.
panhia
irrespondencia
'lo vapores amia mmuumiu i, para
orle al a Granja, e para os d
r reeebida pela maneira segalnte :
Magos de jorn.ies, impressos de qua%ter nattt-
reza e cartas a registrar at as 2 horas da tarde,
cartas ordinarias at as 3 boras, e estas at 3 1|2
pagando porte dnplo
O administrador,
_____Atfonso do Reg Barro.
DA
M1TO APPLADIDA
NO
GRANDE JAP.DIM
DA
SANTA CASA DE MfSERlCKDfA DO
RECIFK.
Diohuiro vista.
Permite a Filma, junta administrativa da Santa
Casa lo Mi-cricordia do Rccifc, Da sala de suas
ses-HJe. pilan tres Ivms da tarde do dia 15 do
crrante se ha de arrematar o ornec medieatnefitos que tirer de consumir a botica do
hospital Pedro II, no trimestre de ouiubro a de-
lembro viodouro, e qae coiitam do anauncio pu
blicado no Diario de 17 de junan fiado.
Os pretendentes jnderao, pa-a receber esclare
eimeotos dirign-se secretaria (Ta Santa Casa,
onde existe a relaco dos mtdicamentos qre po-
dem sw |didos.
Secretarla da Santa Casa de Misericordia do Re-
cife, 9 de setembro de 1670.
O peritao,
i Pedro Rodrigues de Soma.
SANTA CASA M MISElllCORUlA DO RECIFE
6 DE SETEMBRO D 1870.
(Dinheiro vista).
A lltma. jnnta adminiMrativa da Santa Casa
d* Misericordia do Kecife, no intuito de alargar
o circulo das pes*i?fc qne concorreni arremata-
cao do forneetmraio de gneros qae tem de con-
sumir os esubfleciieenOs pios a seu cargo, nos
mezes de oulubro dezembro, manda fazer publi-
co qne o mesmo fornecimwto da qnantia de 39
contos e lanos mr Iriis annualmente, e que
pago mensalmerrte com inheiro a vista.
Recebe portant.>, a me-ma junta propostas para
o fornociiaento indicadona sala de soae sess5es
pelas 3 horas da tarde di dia 15 do corrente.
Alelria, kilogramma.
Arroz de Maranho, iJem.
Azeite doce, litro.
Agurdente, idem.
Azeitedd carrapato, ilem.
B.falhr. kilegramma.
Batatas, (dpro.
Cha hysKb, iem.
Dito (iraw, Miti MI t i f fSflflT
Caf em caroco, idem.
Cebla, ceno.
(larne secca, kilogremitw.
Farinha de mandila, litro.
Fumo do Rio, kiloeranima.
Feijio mOlatintW, Itro.
Farrtlo, sarco.
Mimo, idem.
Mani.-iga francezj, kilogramma.
Sabo, dem.
r.ai, lloro.
Toucitiho, kilogrammi'.
Tapioca, rdem."
Vellas dercarnauha, kilogramma.
Ditas stearinas, dem.
Vinagre, litro.
Vmlro tinto rtel.i-ba, idem.
Dito braneo, Wefh. .
Os concurrentes- apf'senlaran a9 auas prepostas
salladas em caitas frehadas. as quaes deyerao ter
3 ordein rttabeteclda no presente annunn'o.
Sect-t-iria da Santa Casa da .Misericordia do Re
cife, do selembru de 1810.
O escrivao,
Pe>fro Rodrigues de Souza.
IMPERIAL
FABRICA D CERVEJA
Raad GeiHTal Victorino n. 3
Qma-feira le.
Prcgrammas na entrada.
Preco de entrada 14000 por cada pessoa.
~AWS0S M/HTIM8S^
v Rio de Janeiro
Pretende seguir para o referido porto cotft *
possirel brevidade o patacho Monteire per ter por
cao da carga engajada ; e para a qne Ihe falta e
escravos a frete, trata se com o consignatario Joa
quim Jos Goncalves Beltrao ra do Commercb
n. 17.
mi
Paquetes a vapor.
portos do norte esperado
at o dia 16 do eorre
Tbcanfiiu, command
r F. Franco, o qual depoi da de-
mora do costame seguir* para o portos do sol.
Desde j recebem-se passaoeiros engaja-se a
larga que o tapor poder cniazir, a qnaToever
ter embarcada no (fia de anachegada. Encommen
las e dinheiro a frete at as dr as horas do dia d;
toa sahida.
Nlo se recebem como encoramendas senao ob-
lectos de peaneco valor e que nao excedam a '
arrobas ae peso oa 8 palmos cbicos de medi-
can.
Tudo qne passar destes limites derer se
^atbardado como carga.
PreviDe-se aos Sis. passageiros que suas pass*
.s-s6-se reeei>em na agenna ra da Crar n. 157
1* andar, escripiorio de Antonio Luiz de Oliveir;
Azevedo & C.
lo I
obras
LEiLOES.
EM IiS
HOJE
0CL
TTiTrr
2.710097
^KSLAOO PROVINCAL
dia 1 a IX
56:337019
2:467 357
o3:80J06
MoVUrtEHTO 86 PORTO.
Mo hoaveram entradas era sahas.
SANTA CASA DE MISERICORDIA DO
RECIFE.
Dibheiro vista.
A Illma. junta administrativa da Santa Casa de
Misericordia do Recife, na sala de suas sessoes,
pelas i horas da tarde do dia lo do corrente mez
recebe propostas para o fornerircento do pao e
bolachas, que houverem de consumir iodos os
estabelecimentos pies seu cargo, tanto desta ci-,
dade como da de Olinda nos mezes de oatobro
dezembro vindouro.
Secrlearia da Santa Casa de Misericordia do
Reche, 9 de setembro de 1870.
O escrivao,
Pedro Rodrigues d Soza.u
De ordein do Itlm. Sr. coaselheiro inspector
da thesurar de fazenda desta fjrtfvlncla se faz
publico qae no dia 8 de outubro prximo vindou-
ro, as 2 horas da tarde, perante a juntada mewia
tliesourarra se deverao arrematar por quera maio-
rej quantias offerecer, 9 casas, 1 barrado, 1 te-
Ihetro sobre estivas, 1 forno de olaria, 3 frentes e
i oit.'ies de lijlo em alicerce, 1 relogio (fSs;le
nbjctos de moblia pertencentes extincti col-
da militar de Pimenteira.
Os pretendentes deverao dirigir snas propostas
em cartas fechadas ao mesmo Itlm. Sr. conselheiro
inspector at o meio dia do referido da 8 de odta-
Tiro, on ao eollecwr do Bonito al o da 4 do mes-
mo mez. Nesta .secretaria ou na' co'lectoria se
mostrar a quem desejar ver o inventario desses
bens.
Secretaria da thesouraria de fazenda de Pernam-
buco 3 de setembro de 1870.
Servindo'de offlcial-maior,
Manoel Jos Pinto.
Consolado provincial.
Pelo consolado provincial avsase aos difieren-
tes conirifcuimvs da renda provincial no anuo An-
do de (869 70, que com ( presente merseeneer-
ra o recebimento' por esta reparticio Jas respec-
tivas quotas, pausando dahi por di ante a ser o
iresmo elfeciuad te.
Coosnlado provincial i de tetmbrjide 1870
Vice consulado da Italia em
Peni a mbuco.
G. S. Bailo, capifio do patacho iialtaw)
Rio la Plata, precisa tomar risco trJariUmo
a qnantia de dous cornos e qninhentos rail rs,
para fazer face s despezas feitas oeste por-
to, na sua arrib da por Corea maior. em
sua viagio de Genova para q Rio de Janei-
ro onde seu destino, sobre o casco appa-
relhos, iretes e carregameoto do mesmo
navio ; para quem quizer dar esta qnantia,
recebem-se as propostas em carta fechada
a o dia qoinze (15) do corrente mez ao
meio dia na chancellara d'este vice-consa-
lado onde se tratar do ajuste.
I'ernambuco 12 de setembro de 1870.
O vic consol
Batn daSoIedade.
Santa casa de misericordia
do Recife.
Dinheiro & vista.
A IBm. junta administrativa da santa casa de
misericordia do necife, na s:ila de sa.\s sessSes,
pelas & horas da tarde do dia 1 do corrente mez,
recebe prbpostas para o fornecimento de assacar
refinado d 1* e 2a sorte, que houver de consumir
os estabelecimentos pos sea cargo, tanto desta
cidade como da de Olinda, nos meies de outubro
a dezembro vindouro.
Santa casa d tembro de 1870.
O escrivao,
Pedro Rodrigues de Souza.
Santa Casa de Misericordia
do Recife
-liaJeipo) 9 vista.
Perante a jnnta administrativa da sania.casa, na
sala de sitas sessoes, pelas 3 horas da tarde, se ha
de arrematar o fornecimentd da earne verde qne
tiver de consumir os estabetecimentos pos a seu
cargo, tanto desta cidade como da de Olinda no
trimestre de ontabro a dezembro vindouro.
Os proponenies deverao apreseutar as suas pro-
postas debidamente selladas e e* cartas fechadas.
Santa casa de misericordia do Recife 9 de
setembro de 1870.
O escrivao,
Pedro Rodrifties de Sonza
Por esta secretaria se faz publico que, por
deliberacao da conselho director e da presidencia
da provincia fram approvades, lera oso aas es-
colas pbleas de iustruccao prioiria, o compen-
dio de systema mtlna decimal de Joao Gregorio
dos Santos, e a obra intitulada Chrestomathia ou
collecfSo de treclt e e&terUt in prosa e verso de
diferentes eunptorrs pnblfcada pele bacharel He
radio Vespasiaoo Fiock Romano.
Secretaria da nstrnccao publica de Persambn-
co 10 de setembro de 1870.
0 secretario,
" Anreliano Angosto Pereira de Carvalho,
luternas gei -a aos coutnouintes do imposte'
Correio geral.
Rfelacao das cartas registradas, procedentes
do sul e norte do imperio, existentes na
reparticio do correio em 13 de setem-
bro de 1870.
Antonio Jos de Araujo Braga, Antenio Joaonim
Ferreira Montelro, Alfredo Excelso de Ofiveira,
Rrnardo Gomes de Abren, Eduardo da Costa Oli-
veira, Wincisco M nlz-Ja Silva Fefraz, Ffan'
herme D Jacn-
fc Jovino Fernai
' Lni Cavaleanti d
e Silva, Luiz Jt
de Mello, Marcomiro Pan-
regado do registro,
anoel d9 Passos Miranda.
Asstr
Para o As segu nestes seis dias o hiate 'An-
tonio, e pode receber para o referido porto carga
a frete barato : quem quizar aproveitar, diriia-sp
ao consignatario Joaquim Jos Goncalves Beltrao,
ra do Commercio n. 17.______________^^^
BAHA.
Para o referido porto segu em poueos dias o
patacho Madera por ter a maior parte da carga
prompta ; e para a pouca qne Ifie falta trata-se
com o consignatario Joaquim Jos Goncalves Bel-
trao. ra do Commercio n. 17.
O agente Pestaa far leilo, por mandado do
Illin. Sr. Dr. juiz de orphaos do termo de Olinda,
e requerimeato da inventarame dos bens deixa-"^
dos peto fiando teuenie Jos Joaquim Lopes de Al
meida, no dia 15 do corrente, depois da audiencia
em OliBda, casa de residencia d'aqnelle finado
para pagamento dos credores d'este, de varios ob-
yectos, a saber :
Obras de ouro, prata. moblia, louca, ulensi
los de padaria, urna parte no sitio Taearana, urna
casa nos Milagrea e outras censas miadas, todo
em bem estado e gisto, e dividas activas bem
paradas.
Para Lisboa.
0 brigue portuguez Aeaide seguir para Lis-
boa com brevidade, recebe caiga e passageiros em
condicoes mdicas : trata fe com Marques. Barros
& C, no largo do Corpo Sinto n. 6, 2o andar, on
com o capa Henriqae dos Santos Fernandes.
C0MPANH1.V PBRMpCANA
w. ^
Xavegaco costeara por vapor.
Porto de Gallinhas, Rio Formoso e
Tamandar.
O vapor Parahyba seguir
para os portos aoiina no dia
20 do corrente meia nofte.
Recebe earga, eneommen-
das, passageiros e dinlreiro a
frete no escriptorio do Porte
.i Man-* n. 12.________.___________________
~CMPJHL\ PERNAMBUGAjNA
DE
Navegando costeira por vapor,
G(y;mna.
vapor Pamhyha seiruir pa-
ra o porto cima no dia 16 do
correte as 9 boras da noute.
Recebe, carga encoramendas
passageiros e diuheiro a frete as
2 horas n tarde no escriptorio do Forte do
Maltes n. 12.________________________________
0.MPANH1A PERNAMBUCANA
Navegando costeira por vapor
Macei, escalas, Penedo e Arwaj.
^fy O vapor Jaguar ih$, commandante
- %M Guilherme,seguir para os porto* acf
OSbI ma no dia 15 do corrente as 5 horas
da larde.
R'cehe sarga at o dia li, eueommcndas, pas-
sageiros e din leiro a frete at as 2 horas da tar-
de de sua sahida, no escriptorio do Forte do
Matto< a. 12.
sainen gne, na
dia 18 e abrir a
ponte' tiente aoa
carro- para, a esta do hospital portugoez; t coro
sej V. S. o competente ir mUvomo recorrer
para pedir esta trraca, esperantos favoravel dea- ,
pacho. Potlera V. d'efcrimenlo. E R. M.
A ntmw MarHm de Carvaio Azevedo.
Vieha C.
Francisco Torres da Costa,
Bocalho Se nposo.
Antonw Jos Ferreira Refinador.
Quintero.
Germano Pinto di Magatho*,
mmmmwmmm
Na travessa da raa
as Cruzes n, % pri-
^ meire andar, da-se di-
m nheiro sobre peabores
* de ouro, prata e briihan-
M (es, jseja pal fer a qflan-
m ta. Ka mesioa casa com-
pram-se os mesmos me-
laes e pedras.
DE FAZEUDAS
PJBfEITAS
\ 16 do corrente
O agento Oliveir Nr leilo pnr conia de diver-
sos, e para techar contas, de bello soriimento de
fazendas, consistindo em variedule de chitas e ris-
cadiahos. madapolde, algodoes ers, Hamburgos,
brim, loalhas o guarSaoapos de linlm, cambraia,
estopas e diversas ontras, todas preprias do mer-
cado
Sexta-feira
s 10 horas da manha,
em sen eseriptorio' a ra da Cruz n. 53, primeiro
andar.___________^_____________________
LEILAO
DI
diversos objc.Mos d mobil e loo?a e di-
versos oftj*eto3 para dentista, i relogio
de onrn t-,.iteute oglez) c crrenle, no
armazum da mi do Vipario n. 7.
SABBADO
17 do corr?nte.
O agente Pe.-una. loi?alraente autorisado, far
leiiao por coota e risco de quem perteneer, de di
versos objerlo* 'te innlnlia. tonca, vidro?, appare
Iho para jamar, d:tbpara.\lmoe.-, 1 relogio deonro
patente ing!>iz a corrate, 1 ailkete de ouro com
brilhantes, rtca cama de jar.ir inda, 1 dita de ama-
re!lo, e muilos eutros objectos que se aebario pa-
tente* no aelo do leiiao, que tara lugar sabbado
17 do corrente, pelas 11 horas da tnafttma, na ma
do Vigano armazem n. 7.
Joaquim Jos Gonpal-
ves Beltrao
Ra do Trapiche n. 17, i' andar.
Sacca por todos os paquetes sobre o bancr o
Minho, em Braga, e sobre os seguintes lagares ero
Portugal :
Lisbaa.
Porto.
Valenca. ^
Guimaracs.
Coimlir.i.
Chaves.
Vise.
Villa do Conde.
Arcos de Val de Vez.
Vianna do Castello.
onle do Lima.
Villa Real.
VHIa-Nova de Famelicao.
Lamego.
La nos.
QanMkaa.
Vaseal (Valpasso).
Mi r andel la.
Beja.
Barcellos.
PRIMEIRO E ANTIGO CONSULTORIO
HOMEOPATIII
Dirigido pelo Dr.
SANTOS MELLO
Os habitantes do interior podem-no
consultar por escripto, no que sero sa-
usfeitoi com promptido.
Presla-se tambem a chamados para o
interior, a preco mdico.
Consultas, no consultorio das 10 horas
ao meio dia.
, Chamados, a qualquer hora.
Aos pobres gratis.
43Roa do Raro da Victoria43
(Antiga ra Nova).
Preiende seguir p.ira o referido porto em poneos
Jias o palnabote Rosita por ter a maior parle da
carga, e p^raa pouca que Ihe falta, trata-sc com o
consignatario Joaquim Jos Gonoalves Botrao,
ra do Commeriio n. 17. ^-
RIO DE JAREN)
Para o porto acuna srgue com brevidade o bri-
gue nacional Isabel, tem parte do seu carregamen-
to engajado : p2ra o resta que Ihe falta trata-se
com os consignatarios Antonio Luiz de Ofiveira
Azevedo & C. ra da Crdz n. 57, 1 andar.
1RANHA0'
A barca Soria, chegada do Rio- de Janeiro, se-
gu para o Mranbao em poueos dias com a carga
que tiver,, e por sso quem qBirer aproveitar to
boa occasto de carregr, dirija-se ao consignata-
rio Joaquim Jos Goncalves Beltrao ra do Com-
mercio u. 17.
COMPANH1A PERNAMBUCANA
M
Varegae3o costeira por rapor
Parahyba, Nata!, Mac, Mossor, Ara-
ea'ty, Gear, Mandah, Acaracrj e
Granja.
O vapor Ipbjvca comman-
dante Moura seguir para os
portos acimano dia 15 do corrente
as 8 boras da Urde. Recebe car-
ga at o dia 14, encommendas
passageiros dinheiro a frete at as 2 horas da
tarde do dia da sahida : escriptorio no Forte do
Manos p. li
Icmpama wmm
DE
Paquetes a vapor.
Dos portos do snl esperado
al o dia 22 do corrente o vapor
Paran, o qual depois da demo-
ra do costme, seguir para os
portos do norte
jaYecebem-se passageiros e eagaja-se :
jarga que o vapor poder coadnzir, a anal deven
er embarcada no dia de sna chegada. Encommen-
las e dinheiro a frete at as 2 horas do dia da sna
tbida.
Mo se recebem como encommendas senio ob
jectos dei pequeo valor e qne nao excedam a dua.'
arrobas de peso on 8 palmos cbicos de mwlicao
rudo que passar destes limitds dever ser embar-
cado como carga.
: Previne-se aos senhores passageiros qu sna^
passagens s recebem na agencia, rna da Crn
0, 57 primeiro andar, escriptorio do Antonio Lnlz
4e Oliveira Azevedo C.
PARA O RIO GRANDE DO SUL.
O brigua Princeza sahr era poueos dias ; para
o resto da carga trau.se co Pereira Viada*** C,
pa ra do Vigario n. 11, sobrado.______________
"Para o Cear e Afataty '
A barcaca Academia recebe carga para os
tas cima at o dia 15 do corrente : a tratar
o mostr no caes do Bario do Lltramento, oa com
o Sr. Jos Lopes Davim na roa do Vigario
I7STm]TOABIIEeL06IC0 E GEO&RPHIGO
PERMMBCANO.
Haver sessao ordinaria quinta-feira ?> do
corrente pelas H boras da manhaa.
orasEM DO da
Leitura do projecto de resposta ao offi-
cio da Illma. cmara mtiniripal do Recife,
sobi,e a denommai'-Ho a estrada de Jo5o de
Rarros, pelo Sr. major Salvador Henriqne
de Alboquarque.
Pareceres e mais trabalhos de com-
misses;
Secretaria do Instituto, 12 de agosto de
1870.
Jos Soares d'kzevedo,
Secretario perpetuo.
(M DA MTIINA
Aos 5:000
Bilhetes garantidos.
A rila Primeiro de Marco (ontr'ora ra do
Crespo) u. 23 e ca*.as do costume.
O -abaixo assignado, tendo vendido alm de on
tras sorles, 2 quartos o. 1401 com 5:0001 da lo-
tera qae se acr.bon de. exlrahir a beneficio de
collego dos orphaos (151)'), convida aos possm-
dores virem receber ua conformidade de cos-
tume sem descont lgnm.
Acham-se a venda os felizes biihetes garan
tidos da 1* parta das loteras, beneficio da aova
igreja de nossa Senhora da Penha (160"), qne
se eztrabira sabbado 17 docorrente.
PREgOS.
Bilhete inteiro 6*000
leio bilbete 3J000
Onarto 1*500 .
Em porcao d iOQjOO para cima.
Bilhete i mira 5*400
Meio bilhete 2*700
Qorto 1*350
Manoel Mariins Fin/a.
Engenho Angicos
Constando ao abaix.j assignado que o Sr. Maxi-
miano da Rocha Wanderley, senhor do engenh
Angicos, sitalo ua freguezia do Rio Formoso, ven-
der o roferido engenho, achando-se estff hypolht- -
eado e estando a hypotheca no poder do mesmo
abaixo assigoalo, vem elle pelo presente protestar
contra semelhante transaeco pela nulhdade ijue
encerra. Recife 14 de ctembro de 1870.
_________Herculano Antonio Jos Marroqnim.
Alugam se daasensas por festa ou poraano-
na Varzea, lugar Ambol, com sitio e coramodos
para grande familia: a tratar com o reverendo
padre Parnaso, oa na ma do Crespo n 7.______
Bartholomeu & C,


V
jBt
:;
:o, 1'it.cr.AS, Xa^opr b Tott.*
) .lt-it:nf:3A simples e fe antevnose .
Or-Eo, PfjMADE Emplastro da. misv
"A PHEPAnADOS POR
aRTHOLOflEQ A C
P A ItMACFTlCOS-DnOOtrTTAS
e>E.TMBIVCO
A J-unN.-b : rsi (ilanu boje ncahac'.
i i |i*leiuso inico, cuiuo o iwlbt-.
!t .-ol>--.i:jtNte, cn:u tal |i[>li<-iJ*uo3Bile<;Tm'E:'
*> '|! fins M|iceiiline''l Jo uteru, hfdropMias, etjt>-
i:!!, 'Ir.: n a.ciaili .10 fiirw BMl nJ wll'
core, r.hluroM> i fili.i il uien m% ilo cM.imagu, me, o ijuo diurno MtM
Innuiaer curas imprtame. obuiiu muw
preparlos j bem conbecidoe Mido p*M J"
Jistinclos medico* do paz e Portufil. Km tob t
noMui JepMU distribuimos *rti. folhtlM }-
an.'bor fino eonheetr i fiNMMi MtM M
i fipliaiet*.
Joaqnina Maria da Silva Pinto e seus innocentes
filhos, se bem que opprimidbs pela ddr. qne Ihos
j enlota o corarlo, nao noflem 'deixar aesde ja de
dar o mais solemne testemunlio de seu profundo
e eterflo rconhecmento todas as pessoa*. qne
se dignaran), no da H do corrente, assistr na
matriz do uorpo Santo aos ltimos sQffraglos, e
acompanhr a sepulturs o cadver do seu presa
dissimo esposo e pai, Guilherme forrefra Pinto.
E se, oeste expansivo de ingenua manifestacao,
Ihes dado fazer resallar o nome d'aquell, que
em tio doloroso transe soubo por sua proverbial
generosidade, eonstltni-se, credor perpetua gra-
tidao da viuva e orphaos d sen honrado empre-
gado, aceite o Sr. bario do Livr^menlo os protes
tos do mais vivo agradecimento.nelo muito que, de
espontaneo voto, so dispoza prodigalisaMhes.
Ontro sim, rogam aiuda a seus prenles e a
todos os amigos do charo objecto, que sandosos
pranteam, e caridoso obsequio de assistlrem s
missas, que pelo dpcanco eterno de sna alma,
mandam celbrame or.vPBto do Carmo-* na ca-
pella'do cemjterio pelas 7 horas da manhaa de
sabbado 17 do present mez; por cojo servico
Antonio Francisco dbs Santos agradece cordial-
mente a todas as pessoas qne se dignaran! asslslir
as exeqnias e eonduziram ao comiterid pubHco os
restos mortaes de ana mnl prezad* mnlher L*a-
cadia Leopoldina Garcia Sanios ; e de nevo roca-
Itws o caridoso obsequio de aslstirem algunlas
missas, que manda celebrar na iirejt te Divio
Espirito Santo, as 6 horas da raanhia So dia 17 do
corrente, stimo dia do seu falleciesen; pulo- qfi*
se confessa desee j rteronK aV|
ATTEN
Agio e a memoria do finado,
sna i
o mais um
llal consideracio.
i para passar a festa a casa n 1
i da Bolla, com iqnarto?, I i
nete, cozinna e gr tal : quem a pretender
dirija-se ama do Duqme de Caxias n. 41, segun-
do andar.
O abaixo assignado declara em lempo que
piano n. 1906 que e prledide de Sr. Guilherme ~"
por compra a Joao Vignes I
pomo consta n5o s d
locido, como do
Ribeiro de Carv
negocie Inlervii
qner transaeco que urna vez qu
- sca pr|
selem;
reir.
t
I
orado n. 1 da rna
Imperial: a tratar no andar torne.


Afamo albuco --- Q
m
jpl. w


ENGE^H
js asuradas Je BristoL
NiO CONTEN NEX CALOMELANOS NM NINHOK
OUTRO MINERAL.
A grande necessidade e falta de um ca-
taartico ou do tuna medicina purgativa, ha
omito que tem sido sentida, tanto pelo po-
vo, como mesmo por meio da faculdade
medica; e por isso, infinito o gosto e
procer que sentimos, em podermos cora
toda a confia a ca e seguridade, recommendar
as pitUu ttgetaes asmtcaradmt fe Bristol,
como tea excellente medicina purgativa, a
qial encerra em si todas ai partes c mais
h^redientei esseneiaes, torntindo-sc em om
perfaito, seguro e agradavel cathartico de
familia. Este remedio nao composto
iessas drogas ordinariamente usadas na
.omposicao dessas pululas, que por ah se
vender, mas sim, s3o preparadas com as
mais finas e superiores qualidados derazes
medicinaos, nenas e plantas, depoi de se
haver chimicamente extrahido e separado,
os principios ^activos, ou aquellas partes
que contem o verdadeiro valor medicinal,
daquellas porcScs fibrosas inertes e agres-
tes inteiramente destituidas da menor \irtu-
de. Eatre esses agentes activos ou ingre-
dophgtn, a qual segundo a experiencia
mra demonstrado, possue um poder o mais
^aravilhoso possivel sobre as regioes do
"figada, assim como sobre todas as secre-
tes biliosas. Isto de combinac5o com o
ieptmdrin, e mais alguns extractos vege-
taes e drogas altamente valiosas, consti-
tuem e formam urna pilula purgativa, tor-
nando-se por isso muitissirao superior,
qualquer urna outra medicina da mesma
natureza, que jamis tora apresentado ao
publico. As pilulas vegetaes azucaradas
d Bristol, achar-se-ho sempre ,um reme-
dio prompto, seguro e eminentemente efi-
caz, para a cura de molestias, taes como
scjam' as seguintes.
Hydropesia dosmem-
bros ou do corpo.
Dspepsia, ou indi-
gesto.
^Astringencia, ou..
prisao do ventre
habitual,
Azia do estomago e
fia tulen da.
Perda do apetite,
Edtomago sujo,
AffeccOes do figado:
Ictericia,
Hemorrodias,
Mau hlito, e irregu-
laridades do sexo
femenino,
Dores de cabeca.
Em todas "$> molestias que derivam
sua origem da massa do sangue: a salsa
parrilha de Bristol esse melhor de todo>.
os purificadores deve ser tomado conjun
lamente com as pilulas, pois que estas
suas medicinas, tendo sido expressamente
preparadas para obrarem de harmona urna
com a outra, quando fielmente assim se faz,
n3o nos resta a menor duvida em dizer,
que no maior numere dos casos, podemos
affiancar nao s um grande alivio, como
tambem urna cura prompt* e radical, isto
est bem visto, quando o doente n3o se
ache n'um estado muito alm dos recursos
tnimanos.
PH
i rSAI
DOR N. &.
Variado sortimento de choco!te de ban-
Dilba, satepo-ararata, (erro, ede sade, da
acreditada officina de Menir.
Sabonetes d'aldrtrfo, d'acido phenico, en*
xofre e campbora recommendados para as
molestias de peiU como Sarna, panos, em-
pingens etc., sendo o ultimo de muita uiili-
dade para o uzo q toilette, per preservar
a pelle de ser manchada das maculas, qne
costamftn accomettel-a.
I
UL RA Bjn
DOR N. 38.
Os melhores vermfugos para crianzas,
Pastilhas de sanctonina. ,
Ditas de Kemp.
Oleo vernifaga.
Todo de melhor qaaljdsde.
PHARMACIA CENTRAL RA DO IMPE
DOR N. 38.
Variadissimo sortimento de fundas de
excedente qualida de.
FARMC14 CENTRA
Ra do Imperador n. 38.
Lamploughs Pyretic Satine.
A preparation of well known utelity to the Eri-
glish Faculty, as a eooling aod refreshing beverage
in all cases of fe ver. The-frequent usejo t^is sa-
lino preserves foreigners from many diseaaes to
which they are leable before becoraing acclima-
tised. May be obtamed at ihe Pharmaeea Central,
joa do Imperador n. 38.
PHARMACIA (^NTRAL^RUAD IMPERADOll
N. 38.
Pastilhas de balsamo de tol e de seiva
de pinho martimo, papa as affecces chro-
nicas dos pulmes.
Pastilhas 'de therydocio e louro cerejo
para as tosses agudas, e de carcter nervo-
so, e para os vmitos durante o periodo da
gravidez, e qualquer affecc5o nervosa.
Pastilhas de hypopbospheto de cal mu
uteis na tbjsica pulmonar.
Pastilhas de angico naf, e de Reguault,
de hortela, pjmenta, e de Viccler, de pe-
cacuanba e do Rermes.
PHARMACIA CENTRAL RA DO IMPERA-
DOR N. 38.
Cha purgativo de Chambard, excellcnte
laxativo, e refigerante, que so pode usar
repetidas vezes sem irritar os intestinos.
ia parafazer-31
/. F.rrra Villta
3om
fu
i pao
Irmandade
de Nom Seahora do Rosario do Cor-
pb Swno.
Sao eonviddos todos o AdIos da rwpwlaTei
irmandade se reunirem domingo ff do corrente,
no consistorio d ^tOttm irondade, alta e s
proceder a elei$ao qut tem de reger no inlnro
anuo. .
O imo.
los Antonio Fffraandes F.
Precisa-so de nma tfitda para todo o servi-
co : na roa da Sjadra de Oeos n. ^ .______
Ama
Predsa-se de oom ama para engcmimar ; na roa
Dir-eita n. ?6,1 andar,
AMA
Para -asa de faota precisi-se o nma ama
para ooiinh e mai9 servido, preferindo-ae escra-
va : na ra do Hospicio fl. 38.
IA DO
52
"Pssando o chfrfariz.
magro que seja, clarea a \
todo o corpo. Nenbum outro
nhecido na medicina ou scien
nutrimento ao syitema e en
quasi nada o estomago

destruida peias aiftcres das om estiuumkk99, jmn tew tayores qoe aiada ofravez tem melborado.
ESCRFULAS O RHEUMATISMO diWpKw fofflecMos por elle e j fdWionando lhe hlo de fazer melhor apre-
e todas aquellas cujadigesto se acha com- ciaclo do qae ^twlqaw dftoproprio.
pletamente desarnmjada.devem tomar DesejMHnlWm Mencionar qok-Nli'fito urna redoccSoera seos ptecoa; d fa
0 OLEO DE PIGADO DE BACAUIAllifc^rompto toda "a *pecie de mact*rto e itros objectos para a agricultura.
Laami fi: Memp,
Se que desejm ver-selivres e exepalB
de enfermidades
O DR. JOAQ1M GOBRBA DE ARAOJO ]
lera o sen escriptorio ra do Imperador ~
[ n. 87, ende pede ser proetirado das ho-
ras da marMa s 3 da tarde.
'mimi
PHARMACIA CENTRAL
Ra do imperador n. 38
Xarope de lactucario d'Aubergier, e de
thery decio d'Abbadie recommendados,
como calmantes para os casos, em que se
nao pode usar de opio e de seus prepara-
dos, e mu convenientes para as enancas
nos espasmos econvulses.__M.,_._3
SamSIgScENTRAL RA DO IMPERA-
DOR N. 38.
Preparados d'alcatro em capsulas, licor,
e xarope ferruginoso. _/
P^SnISA RA Di
DOR N. 38.
Plalas de Vllet.
Piloias de BUncard.
Pilulas de Bland.
Xarope ferruginoso de Blancard.
ConfeKesdelactaUfde ferro,
pilulas da carbonato de Trro, lactado de
ferro, iodureto de ferro com magnezia.
Ferro de Queveone.
Assucar ferruginoso
IaJT
DOR N. 38.
Vinho e xarope de pepsina e diarthare,
excellente. tonteo para auxiliar as digestoes
a nos casos de debilidade do esto-
UEN RuW IMPERA-
DOR N. 38.
de Lechelte, vm re-
lalquer caso de hemor-
pulmo-
xtKoPE "HYPNOtICO D CHLORAL.
O chloral um agente therapeutico recen-
temente experimentado, mas cujos benefi-
cios v5o sendo largaraeute aproveilados pe-
los praticos em quasi todas as affecces ner-
vosas, calmante e somnfero poderoso, tile
sempre eropregado com vantagem nos
casos de dores nervosas itrteosw, e as de
insomnia, em que elle produz um somno
calmo e profundo.
Elle rec mmendado as clica?, na cho-
rea, no ttano, nos partos laboriosos, na
dampria, as queimador3s extensas, nos
accessos agudos de gotta, na asthma, na
tosse convulsa, e em muitos ouros casos,
DOSE.Du2S a oito colheres de sopa
por dia, conforme o effeito que o medico
quer obter.
Encontra-se na Pharmacia CENTRAL ra
do Imperador n. 38.
VINHO DD QU1NINN0 DE LABARRAQUE
Poderoso tnico hoje tao accnselhado nos
gozos de debilidade geral, emui usado
como antifebril.
Fotographia imperial.
E
ALEMA DE PISTURA
DE
/. Fenetra Filela
Desde o dia 7 de abril pagado acha-se aberto o
jovo estabelecimento photographico sito a ra do
:abug n. 18, erquma do paleo -la matriJ!. Osn-aba-
hos que desde entao, tem sabido de nossa omema
:em geralmente agradado, sendo recebidos por
alguns com admiracao pelo extraordman) pro-
resso que ultimamonte tem tido a phot< grapnia,
9 por outros com alegra, por verera a provincia
Jotada com um estabeleeimento digno d ella, e in-
contesiavelmente o prirneiro que nesse genero
hoiepossne : tambem nao nos poupamosem cou?a
ilcuma para raonta-lo no p em que se aerra, es-
perando que o publico de Pernambuco sabera
ipreciar nossos esforzse recompensarnossos sa-
:riflcios. __.
Convidamos a todas aquellas pessoa?, nacionae;
i estrangeiras que gostam das artes, ou tiverera
necessidade de trabaihos de photographia a visi-
iarem o nosso estabelecimento, que estera sempre
iberio e sua disposicao todos os das desde as 7
horas da manba al as 6 da urde.
Para os trabalhs de photographia possnimos di-
versas machinas dos melhores autores francezes,
nclezes e alln^raes, como sejam : Lerebours ei
secreten, Hermngis, Thomaz Koss. Voigtlander el
Soiih eWulf. ltimamente recebemos tres novas
raachinasi sendo urna dellas propua para tomar
sobre o mesmo vidro 4 ou 8 imagens diversas e
isladas, e outra de 6 a 12 imagen* diversas e
igualmente soladas, de sorte que no caso de
ande concorreneia podereraos retratar sobre
ama nica chapa at 8 pessoas diversas e isola-
las para carto?s de visita, e assim em men-s de
am> qnarto de hora despacharmos 8 differenies
ptssoas que peeam cada nma, umaduza de cartes
mais ou meno?, com os seus retratos smente, ou
em grupo com outras. .. .___ -
EncaTregamos-nos exclusivamente da oirectao
a feitura dos trabalhs. de photographia afil-
iando a pericia e talentos do distmeto pintor
illemo, o Sr.
Jorge A. Roth
X trabalhs de pintura, a aquarela, a oleo, e a
Nutrimento
MEDICINA!
PREPARADO POB
Lannan A Kemp
PABA
tm Tisica e toda a
qualidade de do-
en?as, quer seja
na garganta, pei-
to ou bofes.
Express a-
mente escolhido
dos melhores li-
gados dos quaes
se extrahe ot
t>leo, no banco!
d4 Terra Nova, |
purifleado chi-
micalmente, e
suas
p ropriedades
conservadas
com todo o cui-
dado, em todo o
frasco, se garan-
te perfeitamen-
te puro.
Este oleo tem
sido submettido
a um exame
muitosevero, pelos chimicos de mais tale-n
ot, do govemo hespanhol em Cuba.foi de-
vulgado por elle e contem
MAIOR PORCO DTOD1NA
do que oulro qualquer oleo, que elle tem
examinado
Ele um preventivo seguro e certo wtr
Ela calvice,
c d e restaura forca e saudade a pelle
da cabe^ai
Elle de prompto faz cessar a queda prema-
tura dos cabellos.
Elle d grande riqueza de hatro aos ea-
bellos,
Elle doma e faz preservar os cabellos en
qualquer forma e posiclto qie se deseje
n'um estado formse, liso e macio,
Ele fazerester os cabellos bastos e com-
pridos,
Elle conserv* a-pelle e o casco da cabeca
limpo e lvre e toda a especie- de caspa,
Elle previne o* cabellos de se tornarem
brancos.
Elle conserva i cabeca n'um estafo de feaj
cura refrigetaote e ^radavei.
Elle nao deBiwiadamente oleoso, gdrdu-
rento ou pega Elle nao deixa o menor cheiro desagra-
davel,
EUe o melhor o o mais aprasive) artigo
para a boa cofiservacio e arranjo dos ca-
bellos das senhoras,
Elle o nico artigo proprio para, o pen-
teado dos cabellos e barbas dos senho-
res,
Nenhuai toucador de senhora se pode con-
siderar como completo sem o
O CABELLO.
Tnico Oriental
o qual preserva, lirapa, fortifica e aformosea
Acha-se a veada nos estabelecimentos de
A. Caors, I. da C. Bravo & C, M. Barbosa, Bartholomeu 4 C, e em
todas as principaes lojas de perfumaras
e boticas.
ais*
o
p
i-
S>
O
9 --
m
Vi
G>
^{P^^t
ElPOtlCtO- BNIt|
MEDUHt D
ERSAL DE 1855
I CLSSE
LF. LABARKA.QUE & C

V-

APPROVADO PELA ACADEMIA DE MEDICINA DE PARIZ
PHARSACIA di
le coms
planta-
O Sr. Roth acha-se ligado a nossa empresa por
ama escriptura -publica, e al o presente tera-se
iesvellado na xecucaa de seus trabalhs.
No n&ssoestabelecimento acbam-se exposlos ou-
ros trabamos im|K>rl*ntes do Sr. Rota, tanto em
n'niaturas aqu .relia como oleo, retratos a
oleo quadros sacros e diversos outros trabalhs.
Tomamos encommendas de retratos oleo at o
tamnbo natural, assim como de quadros sacros
para ornamentacao'de igrelas ou capellas. lam-
bem aceitamos encommendas de quadros histon-
COAssegramo3 que os precos dos diversos tra-
balhs da nossa casa sao mu rasoaveis.
CARTOES DE VISITA NAOCLORrDOB A. 1U0UU A
DUZIA
CARTOES BE VISITA COM O COLORIDO AO NATU-
RAL i (V50OO A DUZIA
Retrates em miniatura oleo on a aquarella fli
16 20*000 cada um', in-1o convenientemente n-
salxillrado em moldura dourada e regalando o
bpsto ratada de 3 4 pollegadas e
lodo o quadro palmo e meio dfr tamanho.
os Pi^^^^^^H
da
aaubleeiioesto, qoanto l ura
Bosso estabel eel^^^^^^^^^^^^^^^H
0 Qlnliim LatoaaratSEC, um
vinho eminentemente tnico e febrfugo que deve
ser preferido todas as outras prepararles de
quina.
Os vinhos de quina ordinariamente emprega-
dos na medicina preparam-se com cascas de
quina cuja riqueza em principios activos extre-
mamente variavel; parte disso, em razo de seu
modo de preparaco, estes vinhos contem ape-
as vestigios de principios activos, e em propor-
cees sempre variaveis.
/

0 Qailniaan Latearra^-rae, approvado
pela Academia de medicina, consfitue pelo con-
trario um medicamento de composicao deter-
minada, rica em principios activos, e xom o
qual os mdicos e os doentes podem sempre
contar.
0 QeBfinliBm Labarraqnc prescripto
com grande xito s pessoas fracas, delibitadas,
seja por diversas causas d'esgotamento, seja por
antigs molestias; aos adultos fatigados por urna
rpida crescenca, s meninas qui tem difficuldade
em se formar e desenvolver; s, mulheres depois
dos partos; aos velhos enflaquecidos pela idade
ou doenca.
No cazo de chlorosis, anemia, cSres plidas,,
este vinho um poderoso auxiliar dos ferrugi-
nosos. Tomado junto, por exemplo, cora as pilu-
las de Vallet, produz effeitos maravillosos, pela
sua rpida aeco.
Deposito em Paris, L.-FUERE, ru Jacob* 19


< Bio Janeiro, Duponchelle; Chevolnt.
Pernambucn, P. Manrer y C".
Bahia, Haase y C'\
Ouro-PretO, Candido Welleraon.
Maranhao, Ferreira y C".
Pelotas, Asiteiro Lieivas.
Maceio, Falco Dim.
Porte Alegre, FranciMO Jm Bello.
"Xf**** *V*"* T"


-
A
>*o
=3
G3
O
03
aT3

z;
'3
-a
S
ca
aS>
Este antigo estabelecimento, acha-se hoje montado n'uma
escala de poder servir vantajosameute os seas fregueses, atten
to o grande sortimento de joias d'ouro, prata e brilhantes, que
sempre tem e recebem mensalmente das principaes fabricas da
Europa- cnjos presos sao em competiveis e as obras garantidas
de lei.
MOREIRA 111] ARTE .


UEL C.
M*

Tem a saiisfacSo de participar aos seos numerosos freguezes, que em vista de ser-lhes mais commodo. tem
's? estabelecido una nova fabrica de chapeos de sol, iia ra da Cadeia do Recife n. ), ht je ra do Mrquez de Olinda,
j) onde acharao os preteodentes, muito avultado sortimento de chapeos de sol de todos os preces, qualidades e por preJ ,
*< eos mas commodos do que comporta o nosso mercado : convidan) especialmente aos Srs. compradores por atacado
SsK/ darem, sendo possivel suas encommendas, i>ois poderao assim serem ais bem servidos, visto poderem escolhar as ar- &^
ISto
m
macoes as lazendas que a demora da fabricado bfm diminuta.
NA
BEM CONHECIDA FABRICA
DE SOL
-m
m
?

DA
338
m
S
m
Ra do Baro da Victoria, esquina da Camba do Carmo.
(Antiga Ra Nova)
Ha sempre um grande sortimento de chapeos de sol de seda, merino, alpaca, bretanba de lioho branco e par- &
do e de algodo os Uidus us tamanhos e feilios, alm da immesa porco de seda, merino, a'godao e brim, a
armacoes de todas as qualidades para satisazer qualquerencommenda. A modicidade de seus precos to conhecida ;~*
L.:"V,
que escusa de mencionar.
TRILHOS URBANOS DO RECIFE A' OLINDA.
Tabella das horas de partida e chegada dos trens provisorios.
Ida.
ESTACBS. ))E M.\N1I.V\. \ BE TAr.DF..
Horas. Horas. Horas. (Horas. Huras. Horas. lloras. on. Horas.
Hu Aurora........ ... .. 6. 7. 8. 9. 3. 4. 7i. 0 ~~ 7.
Pires................ ........ 6. :] 7. .T 8. 3'. 9. 3' 3. 3 ' i. 3' :. :" 6. 3' 7. 3'
Principe............. ........ t. 8' 7. ff 8. 8" 9. 8' ;t. 8 7.HV 8.H> 9.11" 3.11 L 8' 3. V 6. 8" 7. 8'
Joo de arros....... ........ or : 4.11" 3 11" 6.11" 7.11
hspinheiros........... 8.16' 7.16" 8.16' 11.16' aie 4.1b" 71C 6.16' 7.16
Eacruiilhida.......... (.-21)' 7.20' 8.9)' ii.O' 3.20 4.W "i.20" 0.20' 7.20"
Helm................ 6.W 7..i' 8JKf' 9.25' 3.23 4 2.Y S 2.7 0 2.7 7.23'
t-ampo-Graude........ 6.38* 7.28' 8.28' ft.28" ."I.2S 4.28" 3.28' 0.28" 7.28'
olgadinho............ ti.t.ri 7 33" 8.33" 9.33' 3.33 4.33" 3.33' 0.33' 7.33'
Arrombados........... 6.37* 7.37' 8.37' 9.37* 3 37" UT 3.37' 0.37' 7.37'
Olinda................ 6.40*1 7.40' 8.48' 9.10' 3 40" 4.40' 1 5.40 0.4O' 7.40"
volta.
estaces DI MAMIAA. DE TARDE.
, Horas. Horas. Horas. 8. 9. Hira?. To~~ Horas. Horas. Horas. Horas. Horas.
Olinda................ 7, 4. 3. t. 7 8.
Arrombados........... ........ 7. .Ti 8. 3' 9. 3' lO- 3' 4. 3" .".. 8' 6. 3' 7. 3' 8. 3'
Salgadinh.i........... ........ "'! 8. 7' 9. 7 10 7 4 7 :; T 6. 7 7. 7' 8. 7
: if fi 19' (1W m I4'l ', 14' a 12" .'i 1.7 6 Ai' 6.1.7 7.12" 71o' 8.12" 8.15'
lelm............. 8.1.T 9.1.7 10. Jo to
Encruzilliada.......... ........ 7.20- 8.20' 9.20' 10.20' 4 20' .720' 6.20' 7.20' 8.20'
hspinheiro........... ........ 7.24' 8.2V 9.24' 10.24' 4.24' o.24' 0 24' 7.24' 8.24'
Joo de Barros........ ....... 7.' 8 29' 9.29' 10.29' 4 29' :;.29' 0.29' 7.29" 8.29'
Principe.............. ........ 7.3T. 7.(7" 7 t'l 8.32' 9.32' 10.32" 4.32' 5 32' 6.32" 7.32" 8.32'
Pire*................. ........ 8.37' 9.37' 10.37' 4.37' 3 37' 637 7.37" 8.37'
-,',!.' (1 IfVi 1(1 '..V, ,' .3.40' C.40' 7 i0 8.40'
| .V...V H.l^T
i Domingo Do Rfrife s 6, 7, 8,9 e 10 bar da manhaa; 2, 3, 4. o. G, 7 e8dal arde. 4
De Olinda s 7. 8,9,10 e 11 hor >s da manhaa; 3, 4, .*>, 6, 7, 8 e 9 da larde.
0 SUPERINTI ENDEN1 %
A. d\ brt i P ort \
COMPANHIA
DOS
TRILHOS URBAJOS
DO
RECIFE A* -OU3DA.
Tendo a directora de emittir novasxac-
goes at o valor de 200:000)5000 segundo
foi autorisada pelo decreto n. 4563 de 10
de agosto do corrente anno, sao convidados
os Srs. accionistas, em cumprimento ao que
dispoe o art. i dos estatutos, a ioscreve-
rem-se at o da 14 do corrente declarando
o numero de aeces que'pretenJem.
Avisa-se que a nova emisso tem de ser
feita por prestares na raz5o de 10 % e
coa) intei vallos de 30 dias; c que do'dia
lo em diante sero emittidasas actes que
forem subscriptas pelos accionistas ac-
tuaes.
Recife, 6 de setembro de 1870.
Joo Joaqnim Altes,
Io secretario.
:Qrqtif Melto PMBO
Jezuino Augusto dos Sanios Fragoso.
Virissimo Correi de Lyra (CruaDgi ou Vicencia
Jos Hermino Pootual (engenbo Preferena).
Fernando Barata da Silva (ngenbo Morojo).
Manoel Policarpo de Azevedo.
Antonio Gomes Cordeiro de Mello.
Eduardo de Paula Sanios.
Francisco da Silva Porto.
Juvenal Torres.
Thoro Joaquiro do Reg Barros.
Ba
av
jjai'
da
MOFINA
Roga-se ao Illm. Sr. Ignacio V.eira de Mello, es-
crivao na cidade de Nazareth desta provincia, o
favor de vir a roa do imperador n. 18 a ronclair
aquelle negocio que V. S. se compromettea reali-
sar, pela terceira chamada deste jornal, em fios
de dezembro prximo passado, e depois para Ja-
neiro, passou a fevereiro e abril, e na 1a cumprio,
e por este motivo de novo cbamado para dito
fim ; pois V. S. se deve lembrar que este negocio
de mais de oito anuos, e quando o senbor ssu
fllho se acbava no estndo nesta cidade.
Yendas on permutas
. Vende-se a propriedade Guarapos no Rio
Grande do Norte, com trras casas e armazens
de um e outro lado do rio, lugar bem conhecido
pela sua importancia commercial, cujo porto offe-
rece muita facilidade paia embarque e desembar-
que de gneros.
Igualmente se vende o engenbo Jundihaby (na
mesma provincia) moente e corrente, com cinco
leguas de ierra* de mattas virgens, oito escravos,
bois, bostas e alambique ( on somonte o emgenho
com as trras que convier ao comprador). Estas
propriedades vendem-se por baratissimos precos,
e tambe1 se permutara por engenbos nesta pro
vincia. Parabyba e Alagas, ou por casas as ca-
pitaes das roesmas: tratar com o proprietario
major Fabncio Gomes Pedrosa ra da Cadeia
n. 25, ou com os seus procuradores no Rio-Gran-
de do Norte.
D, W. BOWNAN
ENGENHEIRO
Com fundiqao.
A RA DO BRM N. 52.
Passano o chafariz
Machinas vapor systema melhorado.
Rodas d'agoa.
Formas de ferro para purgar assucar.
Moendas de canna.
Taixas de ferro batido e fundido.
Rodas denudas para moer com agoa, va*
por e animaes.v
E ootros objctos proprios d'agricnltura.
Tudo por preco muito rednzido.
eommendando- as pssoas
convalecentes.
nico deposito na ph irmaeia e drogara.
DE
Bartiiolomen & C. '
34Ba larga do Rosario34
Acaba de sahir luz
E
Vende-se
NA
Livraria franceza.
cha mn\
ou
!
DE
NOSSO SENHOR JESS CHRISTO,
MARA SANTISSIMA
E
VARIOS SANTOS.
A saber:
Selpnario do Senhor Bom Jess dos Passos.
Offlcio do Senhor dos Passos.
N'ovena do Menino Deus.
Novena de N. Senhora da Conceicao.
Setenario das Dores de Mara.
Offlcio das Sete Dores de Maria SaolisiMiia.
Novena de N. Sentiora do Carmo.
Offlcio de N. Senhora do Carmo.
Novena de N. Senhora da Peona.
Cnticos de N. Senhora da Penba.
Novena do B. S. Jlo Raptista.
Novena da Senhora Sanl'Anna.
Trezena de Santo Antonio.
Novena do B. S. Jos.
Um bonito volunte encadernado.
2|000.
Cura rpida e iu.abivcl do cal-
los, pela pomada
Galopean.
Deposito especial na pbarmacia de Bartholomeu
iC,
34Ra larga do Rosario34
RoM nte-rheumji tico.
Remedio eflicacissimo contra as dores rheuma-
icas al boje o mai.- conhecido pelos seus mar
ivilhosos resultados.
Ama
Precisa-se de un^.a ama para casa de homem
solteiro : na ra do Amorim n. 56.
Ppecisa->e de uina inulher que saiba engom-
mar e coser com perf.'icao : na ra da Aurora
n. 40.
41 RO
D'YVETOT
RA ESTREITA DO ROSARIO N. 44.
Urna qualidade de commercio faltava nesta popu-
losa, cidade um estabelecimento em que se compre
e venda toda a qualidade de roupas feitas novas
e velhas. um ba?r que se denomina em Pars
Bric e Brac. E' e>te o eslabelecimento que se
abriu na estreila do Rosario n. 14. Assim,
todas as pessoas que quizerem vender, ou com-
prar roupas novas ou velhas e todos os mais
objecu>s Jo ser vico domestico, inclusive treni de
cosinha, podero dirijir-se ao indicado estabeleci-
mento para contratar, e oflVrece-se para ir em
easa dos pretendentes para ellectuar as compras
e vendas.
Ama
Na ra do Vigario n. 5, 3o andar, precisa-se
le urna ama para cosinhar, cujo servico faga com
perfeirao e i\ui' seja ri? boa conducta.
= OITerece-!e urna pessoa para copeiro de qual-
quer casa : a tra'ar na roa da Cadeia-nova n. 5.
= Precisa-te de um caixeiro que lenha ortica
de molhados, preferindose portugnez, de 14 a 20
annos de idade, para um estabelecimento na villa
o Porto Calvo : a tratar na ra de Domingues
os Martina n. 84.
Na ra da Matriz da Boa-vista n. 13, preci
ja-se de um pre'.o forro ou captivo para o servico
i e casa.
Alagase o 2o e :t andar do sobrado n. 32,
!Jtoi>racA do Conde d'Eu, ambos tendo commo
(os para grande familia : a tratar na ra do Ale-
crn! n. 30.
Aluga-se
qu vende-se urna casa com gran les commodos,
rediticada ltimamente, sita na cidado de Olinda,
r(ua do Aljube, junto ao mesmo Aljube n. 9 : quem
pretender dirija-se 4 escadinlia da alfandega nu
mero 3. '
Precisa-se lugar urna escrava para o servi-
co de casa e para vender : na ra do Queimado
D. 26,2o andar.
Precisase de uina ama que cozinhe e en>aboe
para casa de familia : tratar aa prca da Inde-
pendencia n. 5.
Perdeu se una pulseira de mosaico, do lim
da ra do Mrquez de Olinda at o principio da
ra da Imneratriz ; se alguem achou-a e quizer
restitui-la seu dono, tenha a boodade de diri-
gir-se ra do Mrquez de Olinda n. 64, que ser
recompensado.
Ensillo na Capunga
Na Capnnira, porto do Lacerre n. 21, ha urna
pessoa habilitada que se presta a ensinar quer em
casas particularos, quer na sua, msica e primei-
ras letras : quem disto se quizer utilisar ahi se
dirija das 3 horas da tarde em diante.
&$&& &&&&&&&
0 O bacharel Joaquina Goncalves *
i Lima tera escriptorio de advogado ^
&
ra do Imperador n. 35.
- Troca.si'cobre velbo em meda e vende-se
chumbo e caixes vasios de tndes es tamanhos :
na na da linperalriz n. !3,.loja de charutos.
Aluga-se ou vndese a piimeira casa do
lado osquerdo da ra da Mangueira, indn-se da
enraca do Cldeireiro para o povoado do t'o^o da
Panella, oom 2 salas 68pi(osaa, o quartos, cr-iinha
e despensa fura, copiar posterior, poco d'agua po-
tavel com bomba, jar Jim com porto de ferro ao
lad.i oireito da casa, etc.'. trata-se na ra do Hos-
picio n. 28. ou ra de Duque de Caxias (outr'ora
do Queimado) n. 28, 1 andar, das 10 horas da
manhaa s 3 da tarde.
^luga-se
ama escrava boa engemmadeira e cozinheira : a
tratar na ra da Alegra n. 46.
Victoria
(Outr'ora ra Nova.)
O abaixo assigoado acaba de vender nos seus
muito felizes bilhetes da lotera que se extrahw
em benotieio do eollegio dos orphos um qaarto-
de n. 1401 com a sorte de 5:0004000, um meio n.
2154 com a sorie de 900*000, alem de outro* pre-
mios menores, podeado os possuidores virem re-
ceber, que promptameote serio pagos.
Acbam-se venda os felizes mneles garantidos-
era beneficio da oova igreja da Penba.
loteiros 61000.
Meios 3*000.
Quartos 1*500.
De lOOJOOO para cima.
Inleiros 51400,
Meios 2*700.
Quartos 1*350.
Joao Joaquim da Costa Leitet
uimum ruma
i
INTERESSANTE C0IP0SIC.0 LITURARU.
CONTENDO :
A noite do xtasis-.
O sorriso.
A noite do assombro.
A lagrima
A noule do delirio.
O mysteno.
Om ama carta critica dirigida ao autor pelo
Dr. T. B. Rlgueira Costa.
1 volume brochado 2*000.
AS GENTELHAS
Poesas patriticas sobre a guerra do Paraguay.
1 volume brochado 2*000
NA
LIVRARIA FRANCEZA
Ama
Precisa se de urna ama nicamente
nhar : na ra dos Giurarapes n. 2.
para cozr-
A uooo
Os melhores" espanadores de palha : na raa do-
Crespo n. 25, loja da esquina.
Aluag-se
urna escrava moca para o servico diario de urna
casa : quem protonder dirija-se 'a nraca do Conde
d Su n. 12. '
Precisase alagar urna ama para cuzuihar e
engommar para urna so pessoa : na ra estraita
d > Rosario n. 2o, Io andar, paga-se bem.
*
**&* $* m itt**i
Aluga se e vende-se o jardim bounice, sitio
com excellente casa, alem deoutras para seravo*,
estribara, tres cacimba* com muito boa agua de
beber, amitos arvuredos fructiferos, e terreno pro-
pno para verduras, capim, vc Tambem aluga
se o palacete ao lado da igreja do Senhor do Bom-
Fira, a melhor casa de Olinda, tendo jardim, agua,
casa para banho, e vanas fructas ; Msta como
cozinha, e casa para escravos independente : a
tratar na ra do Bom Pira com o Dr. Paes Barre-
t<>, ou com Cristovo da Cunha Soutomaior.
GUSTAYE
CADELLEIREmO FRANCEZ
61Ra da Cadeia do RecifeSI
CRIADA
Precisa-se de urna ama forra ou captiva
servico interno e externe de urna casa de
familia : na ra Velha n. 66.
pira c
pouj
Aluga-se a casa de dous audares e solio da
ra da Aurora : na mesma rna n. 38.
No palacete da ra do Visconde d* Goyanna
n. 101 (Mondego), precisase de um empregado,
quer brasiieiro ou estraogeiro, para tratar de si-
tio e jardim, e que saiba tambem alguma cousa
bolear cabriolet ou carro : a tratar no mesmo. ou
na ra das CrniM n. 38, at as 3 horas da tarde.
Ama de ieite.
Precisare de urna ama de leite sem lilho : na
riia da Cruz do Recito n. 45, 2" andar.
Joaquim da Silva Carvalho vai a Europa.
Precisa-se de um menino de 12 a li annos
d idade para caixeiro da taberna da ra Augusta
n. 116. "
MUDANCA.
O Dr. Carolino Francisco de Lima San-
n tos muden sna residencia e consultorio
para a ra do Imperador n. 57, 2 andar
1 do sobrado cujo armazem conserva ajn-
da hoje o nome de Alianza, tendo a
2g entrada, que pelo lado da ponte Sete
S de Setembro, o mesmo numero 57, da
MR frente. Ahi continuando o dito Dr. no
2 exercicio de sua profissao de medico e
S ^e operador, pode ser procurado a qual-
Sg quer hora do dia e da noute
0 CIRERG1A0 DENTISTA
Frederico Maya
Tem a honra de scientificar ao respeita-
vei publico ea geral, e aos seus clientes
em particular que elle mudou o seu gabij
oetede consullas da ruaDireita n. 12 para
a do Queimado n. 31 primeiro andar, com
a entrada pelo pateo de Pedro II, onde po-
de ser procurado para os misteres de sua
profisso, todos os da< uteis das 9 horas
da manhaa 3 da tarde.
Tambem previne, que contina a prestar-
se a vontede dos clientes nao s na cidade
como nos seus suburbios, para onde as
idas sero precedidas de ajuste. Elle ga-
rante o bom desempenho e a perfeic5o de
seus trabalhos, o que j bem conhecido,
assim como as commoMidades dos nr^cos.
Agencia em Pernambuco
Do Dr. Aver
Peitoral de Cereja
Cura a phthysica e todas as molestias do peito.
asa parrilba
Cura ulceras e chagas antigs, impigens e dar-
xos.
TonJco
Coscrva e limpa os cabellos.
Flalas catttartlcas.
1 MUDANZA I
? 0 escriptorio d^ Dr. Joaquim Jos de ^
J Campos da Costa de Medeiros e Albu jk
5 querque est ra estreita do Ilosario *
rio n. 24. f
Na cidade de Olinda precisa-se de urna criada1
para casa de pouca familia : tratas no Becife.
ra de S. Francisco n. 72.
Ama
Precisa-se de urna ama que saiba coznhar: na
ru do Codorniz n. 8
Precisa-se de urna ama para casa de pouca
familia : na ra Direita n. 38.
Chama a attenco dos seus innmeros freguezes, e do respeitavel publico e*
,'erai, para a se-guinte tabella dos precos de sua casa, os quaes sao vinte por cenu
ams barato do que em outra qualquer parte:
Cibelleiras para senhoras a T&,
30,1, 355 e. .... WOOO
^Us para homem a ZH, 40(5 e 500000
Coque a iU, 15& W, 20^1,
2M, 30 e.....50,5000
resceotes a \U, W, 180, 20$,
250, 30,5 e.....320000
Cachos ou crespos a 30, 40, 5*,
e6, 70, 80, 90 e.' 100000
Triaca de cabello para aanel
* ....... 10000
Trasca para braceletes a (O0,
450, 200, 25 e ... 30,5000
Cadeias para relogio a 50, 60,
70, 80, 90, 120 e. .
Corte de cabello, ..'*..
Corte de cabello com friccSo. .
Corte de cabello com lavagem a
* champou......
Corte de cabello com limpez da
cabega pela machina elctri-
ca, nica em Peraambuco. .
Frisado ingieza ou franceza.
Barba.........
Associaqo Commercial Bene-
ficente.
Por ordem da direecao convido todos os senho-
res socios a reuDirem-se extraordiuariamenxe m
a?sembla geral terca feira 13 do corrente. ao meio
i dia, na sala das sessoes, aflm de se tratar de as-
1 sumpto ce grande importancia cominercia1.
1500(4 Ansociacao Cemmer ial Benelicente 6 de setem-
1 bro de 1870. ?
Joaquim Gerardo de Bastos,
t Secretario.
ATTENCO
Joao Rodrigue* Lopes, Portugnez, filho da cida-
de do Porto, freguezia de Magano, pergunu por
este jornal se existe nesla provincia Manoel Ro-
drigues Lopes, ao qual pede qu? annnncie por
este jornal a sua morada, ou no caso que nao
queira annunciar, dirija-se ra Imperial nume
ro 23.
I
Precisa-se de urna ama que saiba engommar ;
na ra do I-operador n. ', entrada peio caes 22
de Novemhro.
Am
Criado
Precisa-se do um criado para compras e mais
servico : na ra do Imperador n. 87, entrada
pelo caes 22 de Novembro.
Formas de ferro
para purgar assucar : na rna da Cadeia nume*
jo 4.
Na ra de Horus u. 86
feilor portngnez para sifo.
precisa-se de um
reciso-se alugar urna ama escrava ou livre
paj-a o servico interno de casa de familia, devende
sa|.er engommar e cosrr : na ra do Mrquez de
Herval (antiga rna do Sol), sobrado n 21.
j- No largo do Carmo n. 1, precisa-;e do nm
homem solteiro ou com familia para ser empre
gac o n servipj de un engenho muito perto da4
est ifo de Ipojuca.
AVISO
501
50
1000
10001
5(X
251
Ami
Precia-se de urna ama qne compre e eozinhe
para casa de rapaz solteiro : na ra do Duque de
Caxias n. 12. loja.
ASSIGNATURAS MENSAES
O. dono do estabelecimento previne s
Srzs. e aos cavalbeiros que ha umimas. l
Oepara tintura dos cabellos e bart"

Especiahdade de penteados para casamento
> e solres
Recommenda-se a superior TINTURA JA
PONEZA para enegrecer os cabellos e bar
ba, nica admittida na Exposifo Universal
""""""""
Prec.sa se alugar um escravo de boa con-
ducta para o servico de urna loja de fazendas na
ra 1* de marco (antiga ra do Crespo) n 20 *
^ O Dr. em medecina Francisco Goncalves &
de Moraes mudou sua resid ncia para o 2
No porto em frente do sobrado do Sr. Valonea
ao norte da fabrica do gaz existe urna canoa e ca-
noeiroquese em prega a atravessar da freguezia
de S. Jos a da Boa-vista, e desta para aquella,
as pessoas que, nao querenJo dar a granda volta,
qoeiraru doila se aproveitar : paga 160 rs. ^or
pessoa : todas os dias das 9 horas em diante.
Costu reiras
Na ra Io de Margo n. 6, precisa-se de costu-
reiras.
AMA
Precisa se alagar urna raulher forra ou escrava,
par cozinhar comprar e engommar, para urna
cask de pequea familia : na ra da Cadeia nu-
mero 8.
Correspondencia de Portugal
O encarregado da distribnieao da correspon-
dencia de Portugal, declara qu dora em diante
ser entregue na raa do Vigario n. H, paimelro
andar.
Mlssa fnebre
Ocapitao Aristides Cesar de Almeida, tranzido
de profundo pezar pela morte do seu respeitavel e
honrado amigo o Sr. co.-ouel Justino Jos da Silva
Monra, que leve lugar na cidade de Oeiras do
Piauhy no infausto dia 26 de julho ultimo, manda
resar urna missa na igreja matriz da Boa-vista,
no dial o do corrente (quinta-feira) as 8 horas da
manhaa em suffragio sna alma, e convida aos
seus collegas da faculdade de direilo e a todos os
Piauhyenjes residentes nesla cidade para assisti-
rem na.
Criada.
Olerecese um bomem para caixeiro de ea-
genbo, do que tem basuntc pratica : a tratar n
ra do Padre Floriano n. 18.
largo do Terco, sobrado de um andar n.
31, onde poder ser procurado para o
exercicio de sua profisso.
0
m;
llavera todts as quintas-Wras um mnibus
para Santo Antao, devendo partir s 3 horas em
ponto da ra da Praia o. 41 e voltando para o
1 na sexi as horas; tambem
aluga-se neutro qual.iuer dia para alguma familia,
ndo 10 [>e- -nbem vende-se cavallos'
na ra de Pedro Affonso
vares
Ama.
Na palaria do pateo do Terco n. 40 precisa-se
de urna ama para cozinhar.
-----------;-------------* --------._____________
Associacjao Commercial Benefi-
cente.
Nao se tendo reunide boje, 13 de setsmbro, o
humero legal de associados exigido pelo art 20
dos estatuios, e de novo convocada extraordinaria-
mente a assembla geral para sexu-feira 16 do
corrente, ao meto da, considerando-se legalmente
constituida meia hora depoisf com o numero de
socios que se apreseoUr, segundo preceituado
gunda parto do referido art. 20 dos estatutos.
:retana da Associacao Commercial Deneficen-
te i 3 ^ setembro de 1870.
Joaquim Gerardo de Bastos,
retari*.
Precisa-se de urna ama para casa de bomem
solteiro : na ra Uire
AJiyja-se um exceente solio muito fresco
com algni. com urna bo.1. sala, um bom
quarto, cozinha commoda : ua ra Nova n. 40 : a
tratar no 2o andar da mesma casa.
Precisa-se de urn perito ofllcial fle cbayellei-
ro : a tratar aa praca da Independencia n. 22.
ATTENCO
Retalha-se, a vontade dos compradores, alguns
lotes de terreno que restam do sitio Aguasinha,
em Beberibe, por precos razoaveis. A posicao lo-
pograpbica di terreno muito o recommenda, so-
breludo por icar prximo da estacao proioctada
da via-ferrea. Os preisndentes poderao dirigir-
se informar-se do tenente S Peixota, no mesmo
lugar, e para qualquer negocio, ra do Crespo
n. 12, 1 andar.
para Europa Jos da Silva Netto
tratar de sua saude, raio-
ir Antonio -ellos
No Caes 2* de Novembro n. 57, 3' andar, pre-
cisa-se de urna criada livre ou escrava, pira
vir a urna familia estrangeira de duas pessoas,
que saiba cozinhar e engommar.
PRECIOSA DESCOBEBTrV
Cara* maravilhosas
DO
Tnico Delsnc
NEC PLUS ULTRA
Tirando inmediatamente lodas as caspas e co-
ceiras dos cabello?.
DEPOSITO
Somedte em casa do aotor, Andr Delsnc, ca-
belleireiro de Pars.
Ra 1* de Marco (antiga do Crespo) a. 7 A,
l andar.
Hospra portuguez.
Pan o leilo do prendas que
govindonro no hospital portug^^^^^^^^^^l
ra Duqj^
minios
leilao.
me bem sei
da pra;
mesma.
na


Diario d Pernambuoo Quinli
AO ARMAZEM
DO
VAPORFRANCEZ
... 7-RUA1P0VA-N. ?
Este conhecido eslabelecimento acha-se constantemente bem sortido, em virtade das
j fletaras que recebe por todos os vapores e navios franceies, dos artigos abaixo menciona-
dos, presos os mais resumidos que possivel.
CALCADO FR1ICE25
Botinas para *ehoras c meninas.
Botinas pretas, brancas e de muitas outras core?, sortidas e bonitas, do ultimo feos-
lo da moda, e precostnais baratos d6 que em outras partes.
Botinas para borneas e meninos.
Botinas de blzerro, cordavao, lustro e pellica, das melhores fabricas e escoinidas.
Botas e pernelras russlanas.
Bous e peraeiras para mantarta, Jas melbores qualidades, de couro da Russia, lus-
tro e bizerro.
Mapafos de borracha para humease sennoras
Tendo chegado grande porcao de sapatos de borracha vndese pelo custo atm de
desempatar o dinheiro nelles empregado, sao baratsimo?.
Mapatns de lustro para homens.
Sapatos de entrada baixa de couro de lustro com sallo, de mniio boa qualidade.
Abotinados para meninos e menitias
Sapatos abotinados de dillerentes modelos, de multo boas qualidades e fortes, Unto
para meninos como para meninas, muito baratos. i
Sapatos de tpete.
Sapatos de tapete aveludado, de casemira, de charlte e de tranca francezes e por-
tuguezes para hoinens, para senhoras e para meninos.
PERFUMARAS
Excelientes extractos, banbas, leos, agua de cologne, florida, divina, lavande, den-
frifice, de toilette, sabenetes, tintura para cabellos, pomada angroise para bigodes, pos de
arroz etc., tudo islo de primeira qualidade, dos afamados fabricantes, Condrsy, Piver e Lubin.
Quinquilharias
Luvas de pellica do conhecido fabricante loarlo, espelhos para sallas, quartos e ga-
binete?, toucadore de diversos tamanhos, leques para senhoras e para meninas, abridores
de luvas; brincos, pulceiras, botoes, crrenos e chaves de relogios e tranceln?, tuda de
ouro de lei, correles e brincos de plaqu, a imitaco e de mais gosto do que as de ouro,
caixinhas de costura ricamente guarnecidas e ornadas com lindas pessas do msica, albuns
e caixilhes dourados para retratos, caixinhas com vidro de augmento para distinctamenle
ver-se a perfeicao dos retratos, objectos de phantasia para toilettes, holsinbas e ceslinbas
de seda, de velludo e de vimes para braco de meninas o senhoras. ditas para costara*, pe-
queos registros muito finos e delicados, buquels de Sores de porcelana, jarros proprkis
para gabinetes e santuarios, quadros promptos para c.illoear-se vistas, molduras dnnradns
para quadros, estampas finas de paysagens, cidades, figuras e de sanios, vidros para eos-
morama, malas, saceos e bolsas de viagens, esporas, chicotes, bengalas, ocelos, lupeias ou
pensinez de prata donrados, gravatas pretas e de cores, ahotoaduras de collete e de punhos,
carteiriuhas para notas, thcsounnhas e caivetes finos, pen'es, escovas, (Jbnteiras de espuma
para charutos e para cigarros, joros do, domin, rodetes, bagatelas e outros differentcs, ve-
ne2anas modernas muito conveniente para perUa e janellas, cosmoramas, Linternas mgi-
cas, esteriocopos com interessants vistas de figuras e das mais bonitas ras, boulcvaras,
pracas e passeios de. Pars, photostraphias e caixinhas mgicas, reverberos para candieiros,
tapetes de vidrilho e de 15a de cores para pes de lanternas, realejos grandes e pequeo?,
* nl... J!...^ .1 -. .-,1... #. on.KnU..^ i-.,-Mm^n An ittmnn nn\ ttt irrxi'.C cli.tlinIli\J O
Para este artigo nao ha espaco nem tempo para i macante leitura da intinidade de
gneros de brinquedos fabricados em diversos pautes' da Europa.
>\
O dono dcste estabelecimento
veriacaDdo as qualidades e os precos
reitura e de cinta propria.
1
T.
pede ao publico ern geral que1 continu a visita-lo
baratos de ditos objechM por serem viudos em di-
GRANDE
Ninguem contest
J Fe; reir Villela
PHOTOtaAP1II i IMPERIAL
18----B.UA DO CABUG48
A entrarla pelopaten da matriz.
Os trabathos da reedicacia desla photographia,
e que se prolongaran) por tanto tempo, acham-st
felizmente terminados e ella aberu ao servicp de
publico desde 7 de abril passado.
O predio em que est collocada esta photogra-
phia acha-se muito augmentado, e s a parte desti-
nada ao estabelecimento conia cinco salas, inclu-
sive as do laboratorio. Todos os concertos e aug-
mentes tendo sido fetos expressamente para st
montar convenientemente a photographia, e nao se
podendo melhor modelo escolhor do que a Photo-
grapia Imperial do Sr. Insley Pacheco do Rio dt
Janeiro, o priroeiro phatographo do Brasil, e um dos
primeiros do mundo, segundo a opiniao dos mais
abalisados mestres, a nossa photographia acha-se
dlsposta e reedificada pelo metmo plano da do Sr
I. Pacheco, a qoal foi montada sob todas as regras
recommendadas pelos mais destnelos professore;
do acrordo com as modificarles necessarias ao
clima do Brasil, reconhecidas e estudada* pelo ba-
bissimo e pratico Sr. I. Pacheco.
Todo o interior do predio em que est nossa
photographia foi mudado desde a soleira ua porta d
ra at a coberta, tendo-se demolido todas as pa
redes interiores para se fazerem as novas salas,
edificando-se cm novo terraco envidracado mu
espacoso e elegante.
Gomo sabido, fizemos urna viagem expressa
mente corte para examinarmos as melhores pho-
tographias all, e foi a do Sr. I. Pacheco, a qu
melhor eorrespondeu aos nossos desejos e aspira
(es, e da qoal trouxemos os plaqps\depois dt
all estarmos todo um mez estudando e apro
veitando as licSes de tao distincto mestre. Pen-
samos que juntando os nossos estudos e longa
pratica de 13 anuos de photographia sutilissimas
licfies ultiman ente recebidas do Sr. I. Pacheco,
tendo montado a nossa photographia como se
l^acha, podemos offerecer ao Ilustrado publia
d'esta cidade e aos nossos nuu.erosos freguezes
irabalhos de photographia to perfeitos, como se
poder desejar, e disto convencidos, esperamos
que conliuuem a dispensar-nos a mesma pro-
teccao com que ha 13 annos nos tem honrado e
ajudado.
AMA.
Precisa-se de urna ama que engomme cem per-
feiea i, indiflerente qn seja nacional ou estran-
geira : a iratar na ra Nova, casa n. 22.
Aluga se urna escrava com oitodias de pari
da com muito e bom leite : a tratar na ra de
Aguas verdes n. 90.
Ama
Ka ra da Cruz n. 24, andar, preci-a-se de
urna ami para servir a um homem s, que saiba
lavar, engomroar e cozinhar.________________
Aluga se um sitio cum boa ca e grande quantidade de arvorede? de fructo, entre
os qnaes boas laranjas de umbigo, saootis, poiabM
ele, nn largo do chafariz da Passagem da Magda-
lena : a tratar com o seu proprietano no sobrado
da esquina que volla para os Remedios n. 59.
AMA
37Ra 11 de Bezsmbro37
(Oufirora harg i do Rosario)
No mnito conhecido HOTEL CENTRAL eocntrrfo geraore os nossos innomeros
freguezes notaveis melhorameuDs, iniispensaveis para commodidade dos Ilustres Ire-
quentadores. ,
No HOTEL CENTRAL encentra-se-ba constantemente lodo que de confortativo e
leleitavel se pd-) encontrar em om eMahelecimho desta ordem.
Asim :1c1 a-se alli urna rsellente easa pura banlios, uai sali todo alcatifado e
gatonedd de i han, phn. j rnaes nacionaee e eetrMgeirai Ble., pte
CIIARITOS
Imperiaes
Aiii-'duri s
Lotidrinos
Leaes
E de ontros fabricante, que seria ociosa innnmerar.
As familias qoe rus q.iizerem obsequiar, tanto nacionaes como estrar.geiros, en-
coDtrarao os commndos necessarios. i
A moralidad* e b6a ordem a norma do
Hotel Central
Falla-se o hespanb'l. francez, inglez e italiano,
Preci-a-se de uns ama de meia iriade para co-
zinhr c engommar em easa de homeo solteiro :
na ra de Pedio Alfonso, outrora ra da Praia
numero 34.
Aluga-S a casa da ra do Progress.o, ara*
bada ie novo : na ra de Hortas n. 30, sonrado.
------__..-----------------------------------
O Sr. Antonio Mura de Carvaiho tem urna
carta vinda de Portugal pelo paquete ultimo, na
luja de ferragens a ra do Duque de Caxias nu-
mero 53.
O abaixo assignado, curador da heranca jil-
ente que outr'ora perlencsu ao casl do finado
lente. Jos Joaquim Lopes de Almeida, faz sciea-
te a quem interessar posta, que D. Margarida
Candida da Cuuha Almeida, flava do masillo fina-
do e i:iventariante, qoe fiidosben< qae consti-
luem a dita heranca, nao pode fazer letlao dos re-
fi-rido< hens por estar pendente qoeslao percute
ii -up'-rinr Iribuna! di rela^ao, em virtude de ha-
ver o Dr. juiz de erpbios em ejercicio deneja-
.1 --Ihe vista dos auios uara embargos de nullidade
[latente dvs aohts : protesta, pois, o mesmo abaixo
assignado, por bem do inlerejse dos credores e de
qnem mais direito tiver mosma heranca contra o
referido leilao ; assim como, se contra direito for
levado a effeito, de reiiaver os bens arremaladis,
se por ventura dita D. Margarida perder a aeco.
Reci:e 14 de setetnbro de 1870.
Manuel Joaquim de Miranda Lob\
Furto rte cava! o.
N.i noite de 12 do frrente, das 7 para os 8 ho-
ras, i.rtaram do sitio da asa'amareila, no Arraial,
ura eavallo pedral, inieiro, bastante grande e car-
nudo, de 5 annos. pouco mais oq me:ius, tendo
tuna pressura visivel na mo direita, e uim ferida
da colleira : quem delle der noti.-ia ou o levar
ra do Luperador n. lo, livraria d"fronte do con-
vento de S. Francisco, ser generosamente recom-
pensado.
anua
nti- do bom, poi
po>
jen
isis
escomidos genere* alimenticios.
Ilise(>itos Coas.
Salcl:;. e salchiches com tobaras.
Diversas conservas alimenticias.
Salmn e (agostas em latas.
Licor estomachico e digestivo aya-pana.
Toucinho inglez para lunch.
Ervilhas francezas e porlugnezas.
Camare- seceos do Maranho.
Doces finos, ralados e em caldas, de goiaba.
etc., etc.
Champanha dos melhores fabricantes.
Vinhosmaduro do Porto, ditos da Figneira,
verde e palheto, pelos ulljmos vapores
francez e brasil* ro.
lueijos de Minas, de prate e flamengos.
Ivas de Alicantesao nm torro fl'assncar.
O Campos garante a supenoridade des gneros
cima descripios
K qncia du^ldar venh> ver.
Offlcina de alfaiate
NA
LOJA FLOR DA BOA-VISTA
DE
Paulo F. de M. Gnimares.
Neta offlcina se mandam tazer roopas feitas por
medida, tendo um completo sortimeoto de fazen-
das propria! a mesma, assim como um perito mes-
tre. Garante-se ser precos mais em centa dorfiue
em ontra qualquer parte : na ra da Imperatriz
n. 48 junto a padana fraoceza.
Aitengdo.
Vende-se om cavallo de sella de bons andares,
com arreios, gordo : no pateo da Hibeira n. 13.
"CANTARA DE LISBOA^
Soleiras, hombreiras e capiteis : a tratar no
arroazem da travossa do Corpo Sauto n. 25.
Para cigarros
Excedente papel de linho muito proprio para
cigarros : no irmazem de Tassc Irmaos & C, ra
do Amorim n. 37.
CHARUTOS
do acreditado fabricante Joaquim Jos dos deis,
exportadores Basto & Sobrinho, vendem-se pelos
seguintes presos, rts ra Direita n. 31 :
Exposicao a 5A60O a caixa de 100.
Riachuelos a 46O0 a caixa.
Lyricos a 4200 a caixa.
Havana a 42200 a caixa.
Regala d'EI Rei a 5*600 a caixa.
Dita imperial a 25600 a caixa.
Cal nova de Lisboa.
Chegada recentemente no vapor Gladiator, tero
para vender Joaquim Jos Goncalves Beltrao, no
seu escriplorio, ra do Commercio n. 1^______
Vende-se a casa terrea n. 11, sita em Olinda,
ra do Urgo do Amparo, com excedentes com-
modos e grande-quintal, solo proprio : a tratar nc
Iteiife. ra da Tadeia n. 40.
i i^H
m-
Fazendas finas para |
acabar
A' roa do crespf o. *5 *
BASQUINAS DE GORGUHAO E CROS- ;
DENAHLE superiores enfeiladas do ulti- JK.
mo gusto a 18*. 5-
SEDAS DE COSES MIDI.NHAS lio- S
dos padr5es a U o covado.
HUBIANTIQE PRETO SUPERIOR de |
lodos os pidroes a 2*600 o covado. 2(
MUSSELINAS BRANCAS E DE CORES SB
finas s 400 rs. o covado. ikj,
; CORTES DE CAMBRAIA COM FIGU
RIO e 10 varas a 6* o eerte.
COLCHAS ADAMASCADAS BRANCAS |
E DE CORES a 3. 50o e 64 g
CHALE> DE MERINO' DE CORES E fl
PBETOS e de cambraia bordados de cor a BS
2*o00 nm. S
LENCOS BORDADOS DE CAMBRAIA M
Unos a 640 nm.
CAMBRAIAS VICTORIAS E INDIA 52
TRANSPARENTES finas de todos os pro- flS
eos. SS
CAMBRAIAS DE CORES. CHITAS Sg
CLARAS E ESCURAS E MIDI.NHAS de
200 a34200oe0vado.
MADAPOLO E ALGODAOZINHO SU- ffi
PER OR ile todus os preces. }S
DO SE AS AMOSTRAS com penhor, jW
na rna do Crespo Jo, 25, loja de Manoel S
Dias Xavier. w
Especialidades.
Con^iuam a achar se a venda na rna Direita
botica n. 88, os mu conhecidos e acreditados re-
medios de veame, e outros diversos medicamen-
tos feitos em Paris, bem como os xaropes de co-
deina de Berth, de rbano iodado, de iodureto de
ferro de Blaneard e as pulas do mesmo, peitoral
de cereja, pos de Ros, depurativo de Chable,
digital de Labellony, plalas ou confeitos de bis-
mutho de Chevrier, e outros medicamentos cuja
proficieneia quando empregados as doen^as ds
vas, respiratorias, nns dores rbeumatieas, na
amarellidao, na falta completa ou irregularidad^
de menstruo, as diarrhas, doen^a" do coragan
o do estomago, tem sido e incontestavol, wn
vista dos benficos resultados das experimentaroVs
ou uso que diversas pessoas delles teem feito, as-
sim como das pilulas decominala* bravinus in-
comparaves em ?ua efflcacia nos aeommeitiinen-
tes fobris ou sezocs ; existindo tambeni na mesma
casa, alm de suflkiente quantidade de drogas,
um nao pequeo sortimento de tinta?, oleo de l-
nbac^ e pincel?, que se vendera por menos do que
e-.n uulra parte.
B40>jtnj spuc'o
S lo euoiai.v P oej-g op un : mam aas --,
ijjfP pus a; ijj saoqs puu "loog sj^zn^ |o iusui ^j
&b jjossb oiO|duio.i e poAiao.u jsnf 8|ddais fc?|
! saoqg pnB sjoo^ m
km.
Normas da Havana.
Suspiros.
Napoleocs
rtvans.
Precisa-se i!" orna ama que saiba cozinhar e
enponirnar para v^a de f.imilia de. dtiss pussnas :
a tratar na rna do Vseonde de (tapanca b. 51, 1
i andar. p>utr'ora ra do Apollo).
Alng-se o sitio da travessa di Cildeireiro
n. Lrom easi pira prAiil- fraila, minia< arvo-
res de'frueo. e bem plntalo : a iratar na ra
do Conde d'Ku n. 19.
%
PAIA
COMPRAS.
Edward Fenton, na ra do Commercio, armazem
n. 22, tem para. vender presuntos, toucinho em
mantas, conservas, queijos londrinos e biscoutos
finos.______________________________________
LAGEDOS PARA CALCADAS.
Vendem Joo do Reg Lima Filho : ra
do Apollo n. 4.
VINHO DO PORTO.
Vinho do Porto fino, de diversas marcas, tem
para vender Joao do Reg Lima & Filbo, no seu
escripterio s rna do Apollo n. 4
TTEINCAO
Para acabar
Chapeos de massa linos a Si e 6000.
1-iem de castor brancas a Si.
Cibelinas de pallia e de seda para senhora a
5*000.
A-sim como outros chapeos que se vendem por
barato pret? para l inidar : na ra Nova n. 44.
Chapos do chile superiores, de abas peque-
as e grandes, ? melhar f.izenda que tea viudo ao
mer>-:ido : vend* se na ra Nova n. 44.________
Farmha de mandioca
Domingos Alves Mathens tem para vender em
sen eseiiptorio rna do Vigario n. 21, muito su-
perior fari'ilrt de mandioca em saceos grandes.
~ Attenco
Vende se bou canoa j velha de carregar lijo-
Ios : a tratar na rna Direita n. 101.____________
Vefldese orna casa nnva, ainda por acabar,
ii'nma das melhores localidades da Casa Forte,
com propircoes para nm grande solao, esiabele-
cmento e nwvsdia. lerrenc propio, e 'em caeim-
ha : tratar com Hyppobtu -\Lriins Gomes de
Pinho na mesma.___________________________
Vend'-m-se partes de um sobrado da ra de
Hortas : a pessoa >|ue preteader comprar dirija se
na Imperial n. 12_________________________
61.
opeojam ou oasojj sictu
n jas jod |.)ABpuauiuio.i,u sam uiwsi
ps-opucuj i) 'ipisuo zai8ui iodva o|d
*S?'1'W 8 J8ztlS saiuBDi.jqBj sop oioamjsd
|jaijd 'nopejjta ep oinaoinjos oaidmos
ujn jaq)39J op Kqcas onb oanqnd os a
soaiuiE ns e eduiued cas cp ojdddip
opuenjoj oiuauipa|oqi:isa oj.p ou: p o
U oe x viuoioA va ovuvaoa van
opump TJJTAS-8Joq 0
oatiw
ca
0
0
0
0 muzeo de joias
Na rna do Cabug n. 4 conpra-se ouro, prat
i pedras preciosas por precos mais vanujosos do
que em Dtra qjalquer parle._________________
uom muiio wajr vautagem cou.pram-e
1 ouro, prata e pedras preciosas e a obras velbas: na
loja de joias do Co.-aro de Ouro x.. 2 D, ra do
cbng.
Vende-se eee de gv/abx iiuiiio liur-^xir pre-
co muito commodo : na na do Rangel n. 9.
Vt-nde-s" unta ca*a terrea b. 2'i na rna da
C-neeirao da Boa-vista : a tratar com o agente
Eizebo ua ra da Aurora n. 32 A.
o-e
Canos tie Ierro ga'.vanisaJos por barato prei;o.
Torn-ra, e curvas para os tnesmos No armazem da travessa do Corp
Santo n.'-2:j. : '
Moiahos para caf e para milho
Os melliores moinbos para caf e para milho que lem vindo a este mercada
se encontram no armazem da travessa do Corpo Sanio n. 25
VrNDAS.
ROB LAFFECTEUR
Approvado em Francia. Russia, Austria e Blgica. 0 arrobe vegetal LaOecteur sa autho-
rizade, he mui superior aos xaropes de cuisinier, de Larrey e de sdseparrilha. De fcil
digestao, adagraved ao paladar, e ao alfato, elle cura radicalmente tem morrurlo, as
affecoes da pelle, Inplgen*, alnorca*. (amorea, aleeraa, sarna drge-
erada, corbuio, e os accidentes provendos dos partos, da, idale crtica, e da acri-
monia hereditaria dos humores.
0 arrobe be especialmente recommendada contra as doencas syphiliticas recentes, invete-
radas on rebeldes ao mercurio e ao ioduro de potassio.
Deposito geral do verdaden-o ROB LAFFECTEUR, em casa do doutor GIRAl'DEAU DE
SAINT-GERVAIS, rna Richer, 12, k Pars.
Fariah de Ma^
Ruada Pra a, traves-a do Carioca n. 2, vnde-
se superior farinhi re mandioca era saceos gran
dps, a preco de 62")0 e 6*500 para acabar.
NOVA PAD vRlA AMERICANA
Rna dos Pire o. &O
Contina a Cuer pao c Bolsxa de firinha espe
deprim ira sorte, para melhor agradar aos
sens freguez I.
Joaquim Rodrigues la-
vare- de Mello,
TEM PARA VENTtER
em seu e.-criptoi io, praya di Corpo Santo
n. 17 :
Fumo em foi ha
de 1J e 2" qualidade, e vende um 'u mais
fardos a vontade dos compradores.
Cal de Lisboa
ultima chegada.
Poassa da Russia.
Faraha de niantiloea.
Vinho Bonieaux.
de I* qualidade. Tudo do vende mais
burato do que em nutra qualquer parte.
i
1
mm iciiiL
DE
MSICA.-
Sahiram luz
As rusa em contradanza.
Linda quadrilha para piano por Colas I*
Flor da Boa vista, valsa : a venda no grande r-
marero de pisnos e e msicas de Aievelo, ra
Nova n. II, hoje rna du Bario da Victoria,
N. B. Rogase aos Srs. asignantes de mruda-
reni bascar as oecns de suas .i-sipnatuia-
Liliimas publicacoes da iaipnt^a nacional
B musida.
N. 1. Piano. Annetla, polka brilhanle, por L
Smoliz, 2000.
N. 2. Piar.o. Minerva, polka brilhanle, por Colas
Filho. U.
N. 3. Piano. Chio iabo, polka fc-rllhaale, por
.,300.
N. 4. Piano. Urna lagrima, M.anrka, por 3/L.-
UleoB.Zncebi. IIT.
S. S. Piano. Mor te de Lopes, polka marcial, por
", 1-
N. C. Piano, La Grande Ducliess, polka por Lu-
cien LamBert,' i&.
N. 7. Piano. Carmen, Anita, La Playera, 3 pol-
kas dos cavallmlio-. t.
s N. 8. Piano. Le Souvenir, valse de saln, por
E. Casalbore, l-
N. !l. Puq. Santnba, Maroca, 2 valas do*ca-
vallinhos, liOOO
N. 1P. Pianr. Chant D'OUeatss, polka, per E.
Casalbora, l
>. II. Piano. A llor da Bua-vMa, valsa, por
Jos Coelho d:> S. A.. 15.
N. 12. Lagrimas d'Anrora, Maiurka. por J. J.
P-, l.
>". L!. A estrada de ferro, quadrilha, por II
rique Albertanh, i$.
N. li. Cante, Santa Luria, barcaiola napoli-
tana, pinr (lennaro Arnainl, 1.
N. 15. Canto. Marta Alia, para M. S. M' aqqari
tuti' anwr, de Klotow.
S. 16 As mas om conirad-nea, ijuadrilha, por
Cl< Filho. 13_________|______________
Rival sem segundo,
Rl'A DUQLTEUi; CAXlAs ft. 4
(Amiga roa do Gueimado)
Contina a vender tudo muito bom e
mniio barato a saber: )
Libras de areia preta muilo bo. 120
Tcsouras finas para unhas e co. to-
ra a......... 500
Papis de agu'.has francesas a ba-
13o a......... (}0
Caixas com seis saboneles de frua 1000
Libras de 13a para bordar de todas
as cores a ....... OffOOO
Carriieis de linha Alexando a. 100
Frascos com azeile para machines f'00
Gravatas de cores muito tias a 500
Grozas de boics madopersla fi-
nissimos a /...... 00
Novello de Linha de 100 jardas a. 00
Caixas com 100 envetopes Butilo
superiores a...... C00
Pontos volteados p'.ra meninas'.. 240
Tinteiros rom iota preta a80is. e
Pifas de lita clstica rruito fina a S00
Lata cum Boperfnr banha a Kx 200
("inscos de oleo Philocomo ir.
fino a......... 500
Frascos de macaca perola a. .
Frascos de extract rutilo b Dfc '>(k.>
Dalia de sabonctes muito finos a.
Satmnetes ioRezcs a 600 rs. b. i M800
Frasco com a?na de colcn'a Piver a 800
Dito de oleo bab'.zn a..... TOO
Caixas de lamparillas a. *-. 40
Sabogetes a forma menino muito
superiores a....... 240
t.nr'iihas da <'(r:rir;.i fazeinlu nota a 400
Libras de*linha sortidas de iodos -s
nmeros a....... I '800
Caparnos nreitobonii eprandesa 700
Carriieis de retroz i l>, com 2
oitavis ;-......... 040
Agattieirox de osso enfeii n) : de kiha fraoceza supvrier
qualiiteSe a.....' 20400
Caixas de Mulo dn at > 20
XAROPE SEDATIVO
de cascas de Laranjas amargas ao
BROMRETE DE POTASSIOM
De J.-. IiAROZE, t, ra e Iiion Saint Paul, Parlas.
Todos os Mdicos concordo em que o Bromurc de Polassium poro lem sobre o
na nervoso, urna ac(o eit lman.. Reunido 2o Xarope Laroze de
Laranja amarga, caja accao regenera as fui>\-oes do estomago e dos intestinos,
universaimente apprecicjo. Sem receio d'a/.idenle se pode dar as pessoas adultas.
0 soffrem do r..olnt do eor;o, ai *ia digcilivu, on nvroui emgral,
que para as bmIwm stmu /* premhex. Para as creancas, para colmar a
gitao*, iamaaiaa, toaae durante # deneao.
DeiiMi m Rio de Janeiro, M. Chavo'- Maiuar a C;
em Maceio, raleo t>ia; em Petjtats A Da moeba
iNAas
0 Costa d- ra Duque fle Caxia? n. 'i,
\ toma pelo presente a Itoerdade de convidar
aos amigos e frepuezps que sempre o bon-
; raratn e continuam a f'aze-io com o concur-
; so le ?ua fivgoezia, a virero visitar o sen
' psiabelecimenlo, certo de que nao deixaro
de agradar-se, nao s de seus generas.
como d" traiaoiento e limpeza que a todos
despensa.
GNEROS DE IMPORTu'.AO
Uvas verdadeira Feral
Ameixas secas.
Peras,
^raras.
Vinli" do Porto de diversas qualidades
entre ellas a especial qualidadegloria do
Brasildito em pipas e barris, que re-
commendavel para mesa por s*r o vei da-
4eiro vinho ds pasto, dito .verde dente*
her qualidade posivel-
Queijos flamengos etDpeicados e praloo
melhor qoe tem vindo a este mercado.
Ervilhas novas em conservo
Chocolate de espacial qualidade.
BuLicliiiihas de especial qualidadede to-
das asm;: hecidas.
Mant.;ig.' za de Ia
J 1. i ju Jfc-a a~_/ .-
urna casa terrea, na roa de S. JOrjje Pilar;
em Fra de Portas n. 6, rom duas salas,
doO quartos, csinha fra, solo com dous
quartos. e quintal; tratar na mesma ra
n. 23 Io andar.
ESCOLA PHARMACEUTICA DR PARS
Medalha de Prata 1860
OE
GOiJrooN^mE
EXTRACTO DE ALCATRO.
nico mrdicamralo approrado por lodos o
Hospilaes de Kraoca, Beljtica e Espanba como a
melhor prparacao instantnea e reculada em
dote i AGUA DE ALCATRO-
(Dual colUcmdas grandes de liquido por cada
litro de a/;\ta, au urna eolherada pequea por
cada copo qraude.)
O moderador mala rnrrulrt ai ino-
ro. rto e*ioainro, *o bro.rMlo* e da
bctlica.
Rxi'pr a firma do inrenlor ?
Deposito Gehax i-^.,,
lo-.- des FraiirvBnarPois, 17
l-ji PAR.
riKPOsiTo : o /:(.) *e ltiro,Dopnncbellr: na
B'ihia, Silvj Lo; n/i Ptruamlueo, i>. aurnr
ui llarannah, Ferrrir.i el ('.".
1)0 DISTIN TO
(orpo patritico de lancoiros
(I BAZAR DA MODA tem receb do nllima-
mfiite um grat-d-' c especial sortimento de
todus o* eljecPos propnos para este lim
cono sijam:
PARA SENHOIUS
iazn* llorenlinas de lindas cores, o ca-
vado 200O, e outras mui.as fabadas p "-
prias, e de bom post.
As mais ricas sahidas do baile a 40:> e
43J00O.
Os mais bellos elegantes .uuntus de
grande novid-de a l6eV0o.
jiljntas de lia c Seda em po 11 de tua-
Ibaj, a raoitoi alo-nos di moda, da 63 a
1-WO.
pelicadissimos siolos de fil con! I ir los
enflitee de bellissima phantasia a S.-'iij'.
GoliiQuas e punhos de grande varie-
da.
C'Tpinhos do>cambra'a, ei : de (J5
a 15*000.
.ivas de pellica muito fresca, grande sor-
tinento, e moitos ostros rticos projnio
ao fiuj. tanto em Lv.en.las como.tm miuiJe-
z.isi e pwfemarta.
PAHACAVsLUiilROS
ravatas branca?, no que lia de melb".
: lapo e para lar l;n; i.
Camisas de linbo/muito unas s;raolercen-
, le bordadas de muito gosl 7--' 0,
^ol'arinhos bordadte e lizos.
.t.'v.i? fresqui^simas e grande snrlimfnto,
Luco se vende o mais commodo possi-
./<>.> ik Souza Son re.* C.

quaJidade.
Em casa de THEODORO CHRISTr
I iNSEN, ra da Cruz n. 18, encontraat-if
a | ifEectivamente t ladea d vbbi
I ordeacx, Bourgigne edo Rheao.
Pira a esU do hospital por-
tugoez.
lleccbeu a loja do Pso n mais moderos cha
pets I ?osti inteiramonte iwn
eo Pari-*, assim como rio; siataa i!-', li' do pila.
i'Oirorniad j com setiui de cor ; o miiros muitos
3e (toto, com i sejar : chancos de vellud"
pelmas de palha de Italia, sabidas d#
baile. *eda> de cores, novidade. cortes
gasto is.-ucez. espec: cortinado* de c
para
\>od" se tima i
na! rre-ira com o d ^^^^
de Si Lojws F
miu<>-
A ra fio Duque dg Caxias n 21.
(ANTIGA RA DO QEIMADO)
Recebeu sejtninte :
E-ipelho grandes dourados, moldes bonitos.
Carteirasj charutjiras e port-cigarros de muita*
qualidades.
Bonitas pastas para papis, simples e raatisadas
Roas caixas vasas para costura com sua cempe-
tente chavo.
Delicadas canelas de marfini com o bocal d*
prata.
HulertMs pentes de tarisruga, sobresshindo en-
tre ellfis os limosos teiegraohistas.
Commodoi Uiucadores com dnas gavetas e bom
espelho.
Port bDii'iuet, o que de melhor tem appare-
cido.
Port nlogios ite muitas qualidad-10.
P.unstalheres para enancas.
Vostuarios. chapozinbas, toacas, sapatos e meias
para bnptis.,
Tolhas e ronlias ,\c. lsbyrintiio.
Chapeos e cliupelinaspan sentwra, moldes novos
e b"toi' i.
Chapozinhos gorros c bocets pira meninos
meiiliw-.
Otujtra as cotivqIsops Das
primeas
Vende-se os ver.'aneirns collares na Nova Espe-
ranca, rn do Dniftae le CUxias n:2l.
' PARA TINGIR CABELLOS
:mra pi >- ou castanb s, receben a Nova Espe-
ranea a verdadeira tinta instan.
* PARA ACABAR COM AS SARDAS
oo pannis, i .i N'ova Esperarla o verdaieirc
!eitc de r AilUADE FLOR DE LARANJA.
Vende-se na Nova EspCraoea, ra do Buque >
Ca5iasn.fi.
PAPE!, PARA ENFF.1TARSE BOLOS
receben-lis muito lindos a Nova Esperacca, rna
de Bnqned^ Caxns n. l.
PARA AMAOIAR F. AFORMOSEAR A PELLE
tem a N iva Esperanza s sabonetas de pos de,
arror.
Par J>aile
^Sl Lindas bareges de seda, fazeivl moito
m pr.'pria para bhiW : na kja da Turquet
Jg a i ua
rna N va).
Cal n
Si ni
de L xbia
\rua Direita n. 31, fija.


Quinta fea
o
I
(
r
i
I

I t
*
I
I
I I

BAZAR DO P
w Jj^f^H ^B aw
60-RA DA IMPERATRIZ-60
1
DE
SUYA, FIGllEIREDO & C.
Nsste imot rante estabelecimento encontrar o respeitavel pubiico. ao grande e variado sortimento ce bandas do ais
aparado gosto e oda8 da prineira necssidade, que se vendem miis tararas o qu -ra oatca qualquer parto, vi*!o qae o bo-
tos socios desta firma, adoptaram o systema de so venderem DINHEIRO ; para. podereui vender pulo costo, limitndote apenas
a ganharem o descont ; as tessoas que negociara em uequena esw'a. nestt toja esrrcazear podtraV fazer os-ims setianestos
pelos meamos precos que c.mpram as casas inglesas, (importadoras) e para maior coramodidaie das Exmas. familias te dao
amostras da todas as (azoadas, ou Ibes levam em suas casas para escolberem.
PECHiNCHA EM CASEMIRAS A 45000. CORTES DE LA ESCOCESES A 6JOO0 CAMISAS
No Bazar do Pav8o fer-w ama grande Vende se bonitos cortes de la e*cocezas,
compra em om leilSo, das mais finas rindo cada om em sea papel, pelo barato
casemiras inglezas qae tem vindo a es- preco de 6)>000 cada uta; no Bazar do Pa-
to mercado, tendo cores claras e escaras, v3o.
todas co u padroes serios, oroprios para ORGANDYS BRANCO E DE COR
calcas, palitos e colletes; vende-se a 46000 No Bazar do Pavao vende-se os mais
o covado, o qne em ontr qualqrter parte bonitos e moilo finos organdys cam listas ciuv, tura om abatimento, SIo de milita
nSo se vende por menos de60; grande largas e miadas lOOO a vara, ditas lisas, milidade.
vantagem. fazenda de maita phautasia 800 rs. a vara, Grama pecbioeha om camisa inglatas a tt -1*500
BRINS DE LINHO DE COR A 10200 ditos d cores, finissimts padrSes, ioteira- No Baz*r no Pavo fez-semina grande coin-
No Bazar do Pavo, fez-se urna grande mente novos 80 rs. vara; peshincna. pra em leil5o, de dnis.dma* camisas iagle-
compra de puros brins de liaho, amito en- GROSDENAPLS f'RETOS zas ccm peitos e puches de lim, sendo
corpados, proprios para calcas, palitos, col- Cbegoa para o Bazar do Pavao um gran- com collariobos e de todos os flameros a
leles e roupis para meninos, por serem de de sortimento dos melhores grosdenaples 4(5000 cada qma, ditas sem coilariabns,
padroes miodinhes; garante-se qae n5o ha pretos que t^m vindo ao mercado, qae se poratt faze da tinissima a 4#50; grao-
vendem de 1^600 at 5$u00 o covado ; de pechmcha.
sao todoa maito em coma. CAM ISAS BARATAS a 2800,35000 e 20600
CAMBRAIAS TRANPARNTES No Bazar do Pavao vende-st uma gran-
No Bazar do Pavo ven le-sa um grande de porc^o de casemiras mescladas, rauito
sortimento das melhores cambraias brancas encorpadas a 25800, ditas fiBissimas com
transparentes, tem de 3fft)9 al l^SOOO msela de seda a 30200, dis modernas
DE ERANELLAS A 30500.
No B ?zar do Pavao vesde-ie um ionito
sortimento com, todos os tamanbos das me-
lhores camisas, de fl mella de 15a, cam
mangas, tanto proprias para boa eos como
para senboras e veode-se a 3000o cada
uma, e quem comprar de meia dnzia para
guezia, con}
e sim para se
barreda qae lhe tire a cor, e vende-se a
40200 o metro desta excellente fazenda.
MADAP3LO FINO A 60400 A PECA.
No Bazar do Pavao vendem-se pecas de
majdapolo fino de ranito boa qualidade,
tendo 22 metros ou 20 varas cada peca,
pelo barato prego de 60000, por se terem
comprado om pouco enxovalbadas; pe-
chincha.
CHITAS ADAMASCADAS A 240 RS. O,
COVADO
O Bazar do Pavo vende maito boas chi-
tas inglezas in'carnadas adamacadas, pro-
prias para cobertas e cortinas, sendo fazen
da que em qaalqner loj se vende a 320 rs.
e liquida-se a 240 rs. o covado; so o Pa-
v5o.
TOALHAS A 70500
No Bazar do Pava > fez se uma grande
compra de toalbas arcocaoadas, proprias
para rosto, bastmte encorpadas e grandes,
que sempre se \enderara a H20900, e li-
qaidam-se a 7500 a duzia'-ym a 640 rs.
cada uma, boa pe-hincha.
CHAPEOS PARA MENINOS A 20000
O Pavao venle umi -gr.mde por;ao dos
mais bonitos cbaposihos de palba da Ita-
lia proprios pira meninos de todas as Ha-
des, sendo chap s dem-se a 2^000 ca.ta um, muito barato.
CHITAS E RISCADINHOS M1UDINH03
200 RS.
O Dav3o vende chitas ou r cadinbos miu-
diohoscrde rosa e lxinhos, proprios
p3ra vestidas e roupis de crean?is a 200
rs. o covado. SSo maito baratos.
LAAS1NHAS COM PALMAS E SEDA
Che^ou para o Pj\j i o nr.is bello sorti
m 'uto das mais brilhantes 13asinbas clara,'
com bonitas palminhas. da seda; ten io tar-
gur,i A'i chita franeaza e vende-se a 10000
o covado grande pechincba.
ALPiCAS MATIS1DAS A C-iO RS. 0 COVADO.
V^ndem-se as mais moderna- e bonitas
as mat sada< c-m palminh .s, muito
i > \an ^ara vestidos do senora e di me-
in3h> barado preco de 640 rs. o cova-
-j : s8n omito tn conta.
I'AIIA NOIVADOS CORTINADOS, GOIGHAS.
:u para o Bazar do Povo um gran-
' 'rtimeato dos mais bonitos cortinados
> M, iroprins para camas e janellas,
.;i ni o-. 103 00 al 2*90 > :0 o
; n como o meWior damasco cm 8
largura a ioiitaco de damasco
dd seda, proprias ;>;:ra colcha*, e propria-
wente colchas de damasco, send os.melho-
res e mais bonitas que tem vindo ao mer-
cado.
SEDAS DE USTRAS.
No Bazar do Pavo vende-se uma grande
quanti lade das mais elegantes sedas com
listrinhas, tendo de tolas as cores e at
forta-cr ; fazenda qae ninguem vsnde por
menos de 20409, e Isquida-se a 20000 cada
cralo; sao moito baratas.
SET1NSDE CORES E GROSDENAPLS.
No Bazar'do Pavo vande-se um sortimen-
to completo dos raelheres setins e' grosde-
naples de todas as cores, qae se vendem
muito em conta.
POPELINAS DE LA A 400 RS. O CO-
VADO
a Bazar do Pavo vende-se um elegan.
e sortimento das raais bonitas poupelinas
fa la com lista* miudiiirm, sen Jo todas
qaasi de cma-s cor, 5 4U0 rs. o covado ;
o baratisHmo.
GRANDE PECHINGHA E.VI LAASINHA
A 640 KS.
N) Bazar do Pavo faz-sa ama gr?ode
compra de lasinha para vestidos, seu-lo de
-,.;. k *- ____i. ..._____
peca, ditas suissas finissirtas com 8 pal-
mos de largura a 20000, 20500 e 30::;0 i
vara, ditas victorias e tapadas da mais infe-
rior a! amis fina que ven ao mercado;
tudo isto se vende moit" em con'a.
MANrELLETES DE FIL
N) Bazsr do Pavo vende-so inoderoissi-
mo? mantelletes cu basquinas de fil preto;
om laco, pelo barato preco da 10000 ca-
da om, barato.
PANNOS PARA SAIAS A 10000, 10280 E
10600 O METRO
No Bazar do Pavo vende-se bonita fa-.en-
da branca tncorpada para ssias, seno com
babadose pregas de um lado; danto a lar-
gura da fazenda o comprixerito di siia, a
qnal se pode fazer com 3 u 3 1|2 metros,
e oende-se 10000 e 10280 e 16D0; assim
como tamben no mesmo est^beecimento
se vende bonitas saias brancas bordadas ten-
do 4 pahnos cada urna, (ftss de ln de
cores j promptas urnas com barras d'fTe-
rentes, da mesmi fa:end;i 40'^)o e oatras
com barras bordadas 60009 e 70000,
ludo isto moderno e barato.
ALGODO ENFESTADO PARA LENCO ES.
No Bazar do Pavo ver.d-se o m-I'ior al-
godo-inho americano etifestado p'ra len-
co ?, tanda liso e ealrfneado por prec>
muito barato.
ESPARTILHO. v
No Bazar do Pavo receben-se um elegan-
te sort mentt dos mais ojodr.moi e melho-
res esp*rtilhos, que se vendem por preco
muito em conta.
PANNOS DE CROCH PARA CADEIRAS
O Bazar do Pavo rec?beu om grande
BOftiGMHtO dos melhores pannos de croch,
proprios para cadeiras de balado fofas,
pianos, t-imboretes e at proprios para cu-
brir aimcfidas e pratos; venitendo-se por
meno do que em qualqaer parte.
Lasinh;'s traDrparentes a 500 rs. cavado
O 'avo rscebau um bonito sortimento
das mais elegantes la.inhas tmasparentes
proprias para vestidos, que vende a 500 rs.
o covado; 6 moito barato.
PARA LENQOES
No Bazar do Pavo vende-se sn xrior
bramante d'algodo com 10 palmos de lar-
gura a I08O o metro, dito de Imho cora a
oiesma largura a 20890 cada metro, paanos
da I nhodo ij. ri icom -i 1/2 palmos de largura
dc7Oatl0a vara, assim como umg ande
sortiraent de Himbargo ou cregaetM ie
todos os nmeros, preces ou qualidaies,
qne se vendem mais barato do queej oa-
t,a qnJqner parti ; aprovitem-
ATOALHADOS
No Bazar do Pavo veade-se superior
atoalbad* trancado, com 8 palmos de largu-
ra a 10600 o metro, dito de linho adaas-
cado o aelhor que tem viodj ao mercado a
30500 o metro ; tudo isto muito barato.
Baldes reguladores a 40OJO 40;l3 e 5-5000
Cegar^am ao Bizar do Pavo o reais bem
feitos baioes regaladores, sendo de fj.-t"
a 45000, ditos de musseliaa a 40300. di-
tos de lasioha (i todas as cres a 5^000,
todos eMes sao motto baratos.
Panno preto moito barato a 33600
O Bazar do Pavo recebsu a porco .Je pecas de panno preto tino, com-
lo bfta qualidade, urnas co^i listas e 00- ppadas em leo, qua sampre so ventn a
tras comme;clas,e muitos largas, que coms^oOO o covado e pode liquidar a 30500,
r> ucos covados se faz vestilo e liquida-se por ser ama escellente como'a,
440 rs. fazeoda qoe semote se venden a 10.
ALPACAS PARA VESTIDOS FURTA
CORES A360RS.
Veide-se um bonito sortimento das mais
brilbantes aloacas escuras furia cores,
BAREGES A360RS.
No Bazar do Pavo yende-.se um bon'to
sortimento dos mais lindos haremos 1 si-
dos para vestidos, que valem muito mais
dinheiro e liquidi-se a 36u rs, o cova-

.S2 ^SSt LlTJt^Vl^ ditos maito mais finos com listas, 400
,0 seda, hqmda-se pelo barato preco da j b vendern a
,n f^ PUr'Stef fe,t Qm giaD" 640 e 800 rs., grande pechincba.
' COffiPpOPENAS A 400 RS. GURGRO A 640 RS.
No Bazar do Pavo vende-se um elegante! No Bazar do Pavo vende-se om bonito
ortimento das mais lindas poujelmas de sortimento dos melhores gurguroes de la
tacom os gostos miodtehos sendo qnasi pan vestidos sendo om linda, fazenda,
tima cor e con muito bniho, piebin- nauito leve, meia transparente e muito lar-
cha b 400. rs. para acabar. ga com furta core? e liquida-se a 640 rs.
CHiTAS A 20 RS. O CORTE. o covado por se ter foito grande pechincba
No Bazar do Pavo vende se cortes de na compri.
1 miadiohas, sendo rocha e c6r de rosa, C08EHTAS A 30
Jo 10 covados C3da corte a2$ vende-so; Vnde-se 'cobeit-.s de' chita encarnada
a retatho a 209 rs. o o -vado, pechincba.; adamascada a 3d cada uma, pechiacaa.
CASSAS A200RS. CORTES INDIANOS A 435(0.
Bazar do Pavo liqoida-se urna por-1 No Bazar do Pavo vende-se benitoscor-
cassas francezas miudas e graudas, les indianos com duas saias pe^o bara,
es finas, qae te vendem pelo baratiss.m.tissimo preco de 405 jO cada um, pe-
preco de 200 rs. o covado para acaDir. chincha.
de qoadros, fazenda de routto gosto
30600 o covado ; aprovoittiin.
T4PKTES
Chegou para o Bazar do Pu\o o mais
'legantesortiment de tapetes grandes, pa-
ra s;fs, com 4 cadr?s, rt^s mais peque-
nos, para duas cadeiras, ditos para
pianos, camas, portas ; etc. vende-se por
manos do que em ootra qial juer parte.
COLCHAS BRANCAS A 302' >0,305:)!) E 70
Para o Baz;r do Pavo chegou om gran-
de sortimeiit 1 das-melhofes colchas de fus
to, s ndo da< melhores e majse ccr^sda^
que tem indo, a 7/500* dilas um pouco
mais abaixo a 5050'. o ditas a 30OO;
timbeo no mesmo estabe'ecimcnto se ven-
de um grande sortiment 1 d: cret mes e- chi-
t s, proprias para colchas, qm? se vendem
muit em >Ota
GORGP OiiS O POPELINAS DE SEDA
A 0OOO CADA COVADO.
Cheg u para o Bazar do Pavo um ele
gante sorti-aento das verdaJeiraspoopelinas
de linho e seda. cr>m os mais moderno*
gastos, que se venlem a 200^0 cada < ovado,
o que em ootra q alquer parte nao se v-m-
de p t menos de 20500, previne-te que rao
siio algodo e seda, como ha moitos; ma^
sim puro Ihho e seda; sao muito baratas.
ROPAS PARA HOMENS
No accrtduadu Ba:ar do Pavo encontra-
r o respeitavel publico om grande sorti-
mento de reupas para bomens tanto bran-
cas como de cores, a saber :
Camisas coa: peitos d'algodo e delioho,
para todos os precos e qaa'idades.
Ceroolaa de linho e algodo.
Mei is curtas francezas e inglezas.
Palitos sobrecasacos de paano preto e
casemira.
Calcas de brim branco e de cores
Ditas de casemiras pretas e de cores, com
colletes iguars
De todas estas ronpas ba para todos os
oreos e qualidades, e tem de mais mais
um perito
ALFAIATE
Por qaem se manda fazer com prestesa
e aceio qualquer pee* de obra a. capricho
ou gosto do fretfuez, tendo n'este importan-
te estabelecimento t .das as qualidades de
oanno fino, as melhores e mais moder-
nas casemiras, assim como os melhores brins,
qur brancos, qur de cor; e quando qual-
quer obra nao ficar ioteiramete ao gosto
dos fregnezes fi:a por conta do estabeleci-
mento.
CHALES DE MERINO
Cbegou para o Bazar do Pavo am elegan-
te soiument de chales de merino de cores
muito bons com padroes maito decantes
para qaalquer ama senbora asar, ditos de,
crpon com listas de seda o mais fino e
moderno que lera viado ao mercado, e ven-
de-se por preco maito em conta.
BABAD1NH5S
No Bizar do Pavo vende-se um grande
sortimento dos mais tinos babidinhos borda-
dos tapados e transparentes, assim como
ama grande percao de entrm ios largos e
estreitos, qne para acabar se vende omito
em conta e mais barato do que em outra
qualquer parte.
FAZENOAS PARA LUTO
No Basar do Pavo vende-se constintp-
mente o melhor sortimento de fazendas
pretas para luto, como sejam :
Lasinbas cretas lisas.
Cassas pretas ^Cassaspretas, francezas e inglezas, lisas
e com salpico?.
Chitas pretas de todas as qualidades.
Alpacas yretas lisas.
Ditas lavradas com branco.
Merinos, cantn, bombazinas. qae se
vendem mais barat > do que em* outra qual-
quer parte.
CHITAS PRETAS A 200 RS. O COVADO
No Bazar do Pavo vende-se chitas pre-
tas inglezas com salpicos 200 rs. ocovado,
ditas todas pretas, por estarem um pouco
rnssas, 12) o covado ; pechincba.
0< propnntarios d esta importante esta-
bellecimento rogain ao respeitavel publico e
particularmente s Exmas. familias o favor
J se darem sempre ao trabalbo do lerem
os seus annuncios, pela razan de muitos
d'elles serem modados amiudadas vezes.
CACHK-NEZ A 60000.
No Bazar do Pavo vendem.se bonitos e
grandes cachi-nez de pura la, pelo bara-
to preco de 60000 cada om.
0 Bazar do Pavo sito a ra da Imperatriz ,b. 60, esta' constantemente aberto
das 6 horas damantiaa as 9 da noute.
ra fisperanpa
laqiic de <'aifot*i
OA faz os seus
fregueses e a
|i |nude sortimento e su-
m vis-
^^^Hk braa grande fre-
dualmente despe,
a interese de todos)
a qualidade do seus objecto os quaes sao
sempre de aporado gosto e perfeiyao; tor-
nando-se quast iadiineosavt para aquellos
ipreciadoi-es (do bom) frctiuenlarom a No-
va Esperanca, pola que ella, capricha em re
cebor constantemente, o relativamente a sua reparticj: o que se pe-
der verificar quando em qualquer reoaio
de ftssoas ( amantes -do uqu ) %-se ym
bonito enfeite em om bonito vestido, om
aroma ajrradavel escapar d'um alvo lenco,
um moderno e iktdc laco, nm diliado ra-
oao de finas flores, etc.' et, todos olham-w
reciprocemeute e ditera com.sigo (e as ve-
zes nos aos ootros) estes sao objeclos
comprados a NOVA-ESPERANCA: realmen-
te !!! 1 procurar descrever em 'anuuncins os
artigos qae contera dita.loja, seria trabalbo
insano e nunca o fariamos com aquella
graca e perfeico com quesoelles fabrica-
dos, assim pois a NOVA ESPERANCA^con-
tenta se em convidar a todos geralmeote,
visitarem-na para ento ticaram intei-
rados do que ha exposto a musma loja.
31Bina Dnque de CaniasSI
0 lE^DE^E I
um ptimo terreno murado, pe- 0
dras, soleiras, vergas, cepos, etc., ig
para edifica cao de urnas quatro ^<
casas.
A viuva do finnrto Henrinop Innpo ten-
d-> recebido em parlilha pelo juir.o de or- ^
^ phu bens para o integral pagamento %
% das dividas restane de eu casal, vende.
YX o escellente terreno f reiro, BMfftSs, na fi
So travesa da Conci>rdia entre o sobradodo ^
Mr l>r. Bsliro e a carreir d casas terreas jQr.
dii lado do sul.cnmprehcndendo na venda (
as meiacoes dos dous oilSe?, enlre es ^^
quaes G-ttsi'oado o tcrteni ; e bem
sim -naa-pnr^ao d pedral be varios u-
matihos e qaa'idades, proprias para editi-
_ cacoe? : o quo indo pode ser visto e exa- fj%
^ minado pelo* pretndeme no Jugar indi- f
me eado, qaalquer hora, nos dias nteis : '
J5t a tratar na roa do Qneimndo, ou Daque 0
mt de Caxias n 28, 1- andar, das 10 horas
gj da manhaa s 2 da larde.
____ \M
Qoande a AGL ItBcoi
geral, e em particular
te tem re^^^^^^^_
lontaria ^S^^^H^^^^^H^^^^^^^^I l^^^^^Bi
continuando portanto a dirigirem-se a bem conhecidt le i
Ojaeimado n. 8, onde sempro acharo abundancia em sortin
qoalidades, modicidada em precos e o son nunca desmenttido AGRADO
Do que adma fie? dito se. conhce qoe o tempo de 4n a AGO
diepi, mpregado apezar de seos cusios no desempenho de bem servir a aqaelles que
hairam procurando prover-se em dita loja do que necessilam, entretanto sem onnoM
m os objectos que por sua natureza sao mais conhecidos ali, ella resumidamente mft-
car aquellos coja importancia, elegancia e novidade os tornan) recomnwndaiek, como
bem seja
iu% or
i ra do
dade em
RIDADE.
ANCA pode

9l
0
Corpiahos de carabraia, primorosamente
ent'eitados com fitas de setim e obras essas
coja novidade de molde e perfeico de ador-
nos os tornam apreciados.
Fitas mni largas de diversas cores e qua-
lidades para ciutos.
Leqaes uesse objecto muito se poderia
dizer querendo descrave-los minuciosamente
por suas qualidades, coree e desenhos, tal
o grande e variado sortimento que acaba
de chegar, mas para n5o raassar o preten-
dente se lhe apresentar o que poder de
melhor.
Entremeios em peas de 12 tiras.
Guipure blanco e preto de diversas qua-
lidades e desenhos.
Ditos de algodSo com flores e lisos.
Veos de seda para cbapelinas e monta-
ra-
Meias de seda para noivas.
Ditas abertas de fio de Escossia.
Costnmes ou uniformes para meninos.
Enxovaes completos para baptisados.
8
VERDADEIRO LE ROY
e ICS!BET, Docteur-Mdedn
Ru de Seine, 51 5. PARS.
Em cada garrafa, ral. ilre a rolha e o papel azul
que leva o oicii jinete, um rotulo impresso em ama-
rtllocom o sello Iprial do govfr-so francfz.
lV.B.-lemet-
temlo-seHma lettra
de 500 franros so-
bre Pars, aceilarel
a 60 dias de visla.
aomaximo.Roza-se
do abatimento e do
maior descont.
Cal de Lisboa.
Vende-se cal de Lisboa, a ultima rhesada ao
mercado, por preco raaoavel : no afWtsvm > Manoel Teixeira Bastos, rna do Commercio n. 13.
Fariiiha de mandioc;).
Vende-se superior farijha de mandioca, *Mda
do sertao do ('ear, em neni de 2 t|2 e I! :il-
queires cada sacc^, por preco mdico : ra do
Vogario n. 14, escriptorio de*Jos Lopes D.viiii.
CEMENTO
O verdadeiro portlaud. S se vend" na rua ds
Madre Ue Dos n. 22, armazem de Joao .Mariins d
Baxr
FAZENDAS BARATAS COM TO-
QUE BE AVARIA.
Ra do lYespo n. 25.
MAD\POLA0 FINO SPE3IOR com
toque de avaria a S e 6 a peca.
ALCOtiOZINH COM \8 JARDAS a
23800 e 3* a peca.
CHITAS SUPERIORES ESCURAS, CLA-
RAS E MIUDLNHAS a 2*0, 210 e 280 rs.
o covado.
CAMBRAIAS FINAS l)F. CORES a 980
o covado. Na ra do Crespo n. 25, loja
de Mancel Dias Xavier.
Vende-se
Caixilhos para janellas. portas e ripas.
Vendeoi-se 27 caadnos para janellas, comple-
tos, assim como portas para o interior de qualquer
casa, tudo em bom estado e por preco commorfo
bem como 700 ripas de emberina : tratar na
roa do Imperador n 55, 2 andar, on no Calrtei-
rtiro na casa em concert junto a estacao do ca
minho de ferro de Apipacos.
Pechinchs novas
Loja Flor da Boa vista
DE
Paulo F. de M. Balraarrfl.
. L.^ pa5?Jestido' fandas todas aovas, cava-
do 200 a 500 rs.
Cambraias de cores francezas para acabar, co-
vado 200 a 320 rs.
Chitas escuras e claras cores fixas, covado 240
a 360 rs.
Lia Amelia, fazenda nova, covado 600 a 600 rs.
Brim pardo trancado, boa faienda, metro 00
a 500 rs.
Peca 4e algodo e madapolao, canibraias trans-
parentes e victorias, precos muito baratos : i a
rna da Imperatriz n. 48. junto a padnria trancen?.
Bichas hamburgnezas
ste novo deposito reeebe-se por roclos os pa
quetestranslanticos bicha .erio
e vendem se ea
e mais bar
na roa da Ca*
Capellas brancas pan meninas.
Grandes sortiment de flores finas.
Fil de seda, punto.
PERFUMARA
Grande e constante sortimento d dita,
sempre melbor quajidade.
Lindos vasos com p de arroz e pinni,
Caixmbas com ditos aromticos.
Bonitos e modernos pentes donrade*
para circular o coqae.
Bonitos brrncos de plaqne.
Aderecos e brincos de madreperolr.
Caivetes fios para abrir latas.
Tbesouras para frisar babadinbos.
Aspas para balao.
Novos stereoscopos com 48 vistas, a*
erases s5o movidas por om machinii
amas substituem as ootras.
Vistas para stereoscopos.
Bonitas caixinhas de vidro enfeitadoa oes
pedras.
Ditas de madeira envernisada com vispo-
ras e com dminos,
Bollas de borracha para brinqnedo de
Tonquinhas de fil, sapatinho3 bordados criancas.
e meis para ditos. Diversos objectos de porcelana, proprwa
Camisinhas bordadas para ditos. para enfeiles de mesa e de lapinhas.

IN. 3 A BA DO CABVGA N. 3!A. f
| MWiMIi IRiOS l
Com este titulo acha-se abe-rto e inteiramonte transformado este antigo
estabelecimento^de jotas, onde os freguezes e amigos encontrado tudo quanto
a moda e o bom gosto tem inventado na arte de ourivesaria, o Collar deOuro
observar delicadeza no trato e senciridade e modecidade nos precos.
Espera que o respeitavel publico venha ver o que existe de melhor em
aderecos de minantes, esmeraldas, robins e parolas, meios aderecos, pul-.
ceiras, brincos, alfinetes e anneis de todas as qualidades, prata de lei faquei-
ros, colheres, palileiros salvas e outros muitos objectos que seria enfadonho
mencionar.
Compra-se ouro, prata, brilhantes e pedras finas, pormaior preco do
que em outra qualquer parte, treca-se e concerta-se todo e qualquer objecto
pertencente a esta arle.
Lonren^o F. Mendes Guimares
RA DA IMPERATRIZ N. 72
Tendo resolvido o seu propietario liquidar todas as fazendas existentes as loja
Gtribaldi e Arara, envida ao respeitavel publico, amante da economa, visilarem a
loja da ra da Imperatriz a. 72, pois s de.eja apurar o dinheiro. *
Arara vende madapolao enfestado a 3^500) Para limidar vende bramante de li
peca, ditas de 24 jardas a 5#000, 63 00, nho e a'goJ3i) a 13800 o metro, dito de
(ioOO, 75000. 8/1000, 95000. e I050iM>.
Vende-se cortes de casemiras de cores
pan calcas a 4000, 5300J.
Para iiquidacao vende-se algodo de lis-
tras proprio para calcas, camisas e saias
I ara escra.os a 160 rs, o covado.
Na ra da imperatriz vendase cuailes de
njieri/i esumuados e de bsrra a 25000,
&00e 3(S'0(i.
Arara vende cortes de casemira preta
pira calca a 35U, 4Oau. 5k00, 6^000,
7^000, e 8^000
Para Iiq=]idac5o veode-se brim pardo liso
bom a 50 rs, o metro, dito transado a
720, 900, e 13000 o metro.
Para a cabar vende-so duzias de lenco
b -ancos de cassa a 23000, e 30O0, ditos
di linho a 53JOO, 6&Jf>.
Na ra da Imperatriz vende-se cobertores
de algodo a 1310J e coi bertas de chita a
1J5J0.
Para Iiquidacao vende-se cortes de casto-
res para calcas de homem a 500 rs."
A Arara vendj chitas largas para vestido
a 240, 280, 320, e 360, rs. o covado.
O barateiro venda.percalas finas para
vtstido a 44J, rs, o covado.
Em Iiquidacao vende-se alp icas para ves-
tidos de Sras. a 500, rs, o covado.
A Arara vende lazinhas para vestidos de
Sfas. a 32 j. 400 e 500, rs, o covado.-
tOGuimares vende mursnlina de cor
para vestilo dri Sras. a 440 rs. o covado,
dita branca a 5JO rs.
O Mea les vende instad de core-; par-
vestidos de senhoras a 360, o covado.
O Lourenco vende cassas fines para ves-
tidos 240. 360, 400 e 440 rs. o covado.
Arara vende alpacas ik lista para vesti-
dos de senhoras a 500 rs. o ovado, ditas
as a 500 e GiO ra. ocovado, ditas alausa-
das a 640 rs.
lioho puro a 23800, esta fazenda pro-
pria para lences e toalhas por ter 10 pal-
mos largufa.
Vende-se cortinados para cama frai>rz
a 1)5400 o cortinado para liquidar.
Arara vende cortes de chitas para velli-
dos a 23oOO, 2,3800 e 33200 o corte pu
liquidar.
Vendeo se cortes de cassa a 2/1500' o
corto s na Iiquidacao a da imperatriz.
Veode-se cortinados para janellas. a 64
a peca para liquidar.
ECONOMA
Vende-so duzias de collarinhos de pa-
pel a 240 rs. para acar ar.
Arara vende lasinhas transparentes para
vestidos a 500 rs. o covado.
Liquidacao, vende-se parapeito liso a
2320U, 23500, 33. 33500, 4,5 e 5,5, i-ro-
prio para calsas e palitos por ser bea fa-
zenda e barato.
Arara vend cortes de brim para cal-
sas de homem l500.
Vende-se cortes de pcalas de dnas saias
para senhoras pelo carato preco de a 6.
cadacm.
Grande Iiquidacao de roupa feita.
Vende-se palitos de alparca e de cores
a 23.
Vende-se ditos de ganga para homem
a 23.
Vende-se ditos de brim de algodSo crn-
eos a 23.
Venie-se ditos de meh casemira a 23-
Vende-ye coletos de brim de cores a 13"
. Vfcnde-se, ditos ce meia c^semra 3 23%'
Vende-se raleas de algodlo azul a 5i O rs.
Vende-se dita'dealgo "m de listrasa 8C0rs
Vende-se ditas de brim pardo 2,5, IjJuOO
e 2-5500.
Vende-se calcas de casemira de core
a 6385.
MEDALHA
FGAdeBACALHAUTFGDOu.BAC;
^^P^J^jfflp^
U>^ BRANCO E ESCURO
Desinfectando o leo de Pitdo de Bietlnto,
o Senhor Cliefrier deo a esta precioe prepara-
to therapeulica nm eheiro e sabor agradareis
quenenhuma de anas virtudes lhe liram.
Esla luiporUnte desceberu, qne graogeon t
aeu autor uma Mcdalha de honra, Tulgarisou a.
uro do Oleo deFigado deBacalho desinfectado.
Os mdicos o receitam prcferiielmenea todos
os outros, em todas as molestias onde se em-
preg o Oleo de Fifado de Baealho.
Ver por mais pormenores os relatnos medi-
caes qne contem a noUeia que accompanba cada
fraseo.
FEttftGIXEO DE ClfEtRI
O Sebr Cherrier eomptetw indr
beru ajuman-do a iodura de ferro ao 0'.
Bacalhao desinfectado. E'le Oleo de "(ti^H
Baealbo ferrugiueo tem todas as pro>rits^H
do oleo e do ferro, digere-se fcilmente aansM
causa pristo de vontre. Portanto
s mais preparaeoes ferrugineas (Pil
rope), conrem em todas as doem
emprega o ferro. Tsica pulmonar^broni:
racbitismo. escrefulas, impigeas, gola, i.
matismo ebronico, catarrhos satieos, d\s
aias, eonraleacencias dsftetU e mquezu da :
conatmloao.
F*mre4a C/IKrKMKf, lrmf f"F,,Mlf-,i '*"**t\e
Na mrsma phaemaeia achlo-se o VIUHO EUXI d COCA, eicellentes preparatoes
O TAjTMVULNERARIO eom ARHICA para curar^^SJ."das. eortaduias e ebr
Os GRANULOS deBISMOTH compostos contra as diarrae as, djsentenu, dores de estomago, ete.
Depositario, era Rio de Janeiro, Dcpo.vchki.le et C*. Bahia, MoreibA luuo et Cu
Peni P. MABHEi rtmkao, PBKBaU et C. Porto Alegre^
f*JWK BBLtO. Pelotas, AHJ*MO jgg*:_______________
' 1*

{


\
Diftfio de Peniaui>ue

1 ft* \
%
i
r
i

Eival sei
o pre*
l
iiiO
S6G
i 00
7U
400
00
as atraeza
araaliado
Duzia i irania i
pandea.
Frascos com -a muito lino.
Pacota-: com \> s (io ;u ro o me-
lbor que ha a...............
albas multo ias para azer
barra a....................
QmU do linha brao do gaz a..
Vra da franjas de lidho pwa toa-
Ihas.......................
Gaius coaa peonas d'a^o de icrry
superiores.............
Lerdos d* catea braceos e [xnu-
dosa..................
Caixas cora 2U quedarnos de-papel
paulado .......
Caixas com 50 mveilos da linha
do gas a....., .
Dzias Je meias cruas superior
qualidade a.......35500
Pecas de babadinhos com 10 va-
ras a....... .
Pecas de liras bordadascom 12
metros cada p ca a 1^500 e.
Pecas de fitas para cs de qoal-
qaer largura com (Ovaras?.
Escovas para unnas faaenda tina a
Ditas para denles a 2i0, 320,
400 rs. e....., .
Pecas do tranca lisas, brancas e
de cores a.......
Dazia da liuba frxa para borda-
dos a '400 rs. e.....
Parea de meias -crua< para hv
nos diversos tamanhos a. .
Douas de meias brancas, milito
tinas p3ra seiibora a. 4<>00
Pares de sapatos de tranca v
Porto.........
Pares de sapatos de tapete a. .
Duzias de baralhos para voltereta
Sylabarios portugueses a. .
(artoes com eolxete.s : carreras a
Atwtoaduras para colltto diversas
qualidades.......
Caixas com panna de aro innilo
boa de 320 a......
Caixas com superiores obreits a.
Dozia ae agullu para machina a.
Libras de pregos franeezes todos
os tamanhos a......
Pacole de papel com 20 q o ader-
os ...........
Rerma de papel paulado supir or
Resma de papel liso inulto supe-
rior a ...........
Jos de Souza Soares & C.
7JLH BARAO DA.,OTTfMHLt
( UUTIVoRA NOVA )
Aurriseiiia-stinieti a rphazearao u.i ijuh ih> le liavor teodaa.flati para Senliorae ai lijos de *ita moda ert Pars Unto para geiihoras como
9aja homi'ns e nv.rtiuic.
Mluueza* afamada*, prn'uinarias esper.-, variedad^ da Imdos ohjerti'S para me-
iwtUi s hrioqqedwi para enanca**.
GRANDE SOOTLMWWfO f.
Continuamente ivecbido |>or todos os paqietes vmdo da Europa sonde tem ha-
heis oorrespondentc.
Vndese rnuiti emeonta e mada-se p.r en^pregad's do jlahelre-i ment fazeudas
mi casa das Exms. familias alim deinelot escolo-rein < que dtejarem.
2,3000
500
500
500
4(1
500
24(000
14300
30000
soo
400
5i K.
40
2000
244)
400
4JOO0
TAI A l\ IMP
H imeato
OE HZEIHMS E BfAS
Ra da Ituperatriz n. 40, esqutua rio he co
FEITAS
Sua doQueimado
ni
DB
'.500(1.
m m m
Chefoa ao aatigo deposito de Honry Forsier *
ti, ru do Imperador, um carregameuto de gai
de primsiraimV'daiie; o qual ;-o. vende em partiaai
a~retaiho por menos prc^o do que em outra qo
aqarparw._________________________________
LA VILLE DI PARS,
20Ra da Imperalrtz20
FarfA A Isessa.
Acaba de chegar a t>sia nostn nova toja Ae Ja-
rendas finas nm varia!' sorMmenro de fazeoilas de
lia e seda, como s>jan : granailinrc do ultime
gosto, pepelinas de urna t> cor, alpacas o lanri-
ohas de eore, o que lia de n;* modernn. ludo
por baratiiiiios preqo, brilha[ttaa do corc, te>
cidos das indias, fazenda nova a unUipao de per-
Ratta.bafejrt? irina '-;m:i:do sai.i di; cor com lin-
das barra., fustfies propri'* pr;i ve^tiao e roupaf
de meninos ; agora grandes e admiravois pecina-
chas, saias brancas com lindos Trisados a M. li-
eos corpinhos bordaiio* mnito tinos a 55, baloe
modernos de mus a 2, ricas colchas para cama
alcochoadas. sendo brancas e rie cores, a 54, o e
11, cambraia victoria lina a i>, ditas transparen-
tes a S, 63 e 7jubilas Onissimas escuras e.claras
a 580, 301), 320 e 3C0 o corado, cassas de cores a
240, lencos brancos de cas'a a 3503, netes a :500 a duzia, madapalo tino a 6 e
6S00, e mnita sapericr a 7, 76O0 e 85, algo-
daoziobo largo proprio para k-nres a -, panno
de al^odao btatreo Iratpda proprio para tialha>
le mesa a lflOOa v.-ira, nramanta pai.i HWBtS I
5000 e 3b)0. o que lia da nwlhor, espinan ii-
Dissirao a 220O c 2.'>00 a vara. Mandamos as
assdas Rxmas. familias para melhor poderem
escolher. Tamhem temos completo sojtimento de
perfumaras dos primeiros fabricantes franeezes e
wglezes; as pessoas que se dignareta vir a esta
toja tero occasiao de reconhecer a realidade do
que annunciamo-i para nos Justificar.
Brins timos
acham-se no arma/.em .
ME
T. Jeffenes & C.
Ba do Trapiche n. 46
Fio para sancos e fbgueteiros
Lona verdadeiara da Esrossia
No annazem de T. JeTeries A C.
Rtia io^Trapiche n. 46
Cigarros da imperial
fabrica de S Joo
de Nictheroy.
Ubico deposito em Pernambuco caes da al
dega velba n. 2. i* and. _______
Gal do Lisboa
a 3>000
TeBde-a na rna da CrBz n. 8, l' andar.
Farmaa de mandioca
Vende-se farlnha de maDdioea nova, de Santa
CaJhanna, ehegada no patacho portuguei llissa.
Tundeado defroote do rrapiche do Sr. Barao do Li-
?ramento : a tratar no esenptorio de Joaquifr
Jos Obncat BeltrSo, roa do Commernton. 1",
a a bordo do referido navio,
i -zailo a >;ste novo estabelcciinento o mais beilo sortitnento 10a*, sendo sna specialiiiade enxovaes para noivado.
Vestidos de blorra de.scda Moamwftc lurdudos.
Gorgoreo de seda branco para vestido.
<:.! has de soda pora, para cania com ricos desenhos.
Hitas do 13a e sed,?, id m ideen.
''iiasde crox, dem idem.
Cortinadoa ri^am-nie borundos par camae jaii*!bs.
Oox*pra cadeiras e suls.
Vesliihs de cambraia branca bordados.
Ponenos de lindos gostos.
LSas de diversas qualidades, lindos osios e mo"lernas.
Ricns b uinus para paeseio. com l'stras de setim.
^adidas e bac o que ha de mais rico.
Crelnpcs para vestidos com lindos desenhos.
Carnizas bordadas e sem bordados para senboras.
i] alisas bordadas limito unas para liornens.
I.) las inclezas nara iiomens e mtnino-.
Seroilis de buho, e um grando orlioiento de roupas feitas e de fazendas que
i jnfadooho aencioaar.
Luvas r^ieas de Jouvin
Sormenio de tapetes para piarno*! e sals, alcatifas par-a forro de sala, e c
randa Mulim&tfto das acreditadas e verdadeiras
Esteiras da In(Sa *
casa GAuviRi kmm.
I'harma-Bniieo ^l-ivileglado
mfaeeMor
KouluvoiU Sebastopol, 33 PAKIS.
NOVAS ESPEC;AUDACES
Aprtfe:ilailas a Acjilen.ia k iftcntUa
A. MARINIER
c a l.isiibio tic Fra.,.,2,
lll^PPAl s:'" lon'" d" P^'*3- 'ematii '. mutm para
IllVuuuHU USnT le MOMeulO W
Pmentiva e cnratlva itt MOLESTIAS COSTAGIOSAS.
l\jectopiiiltuo::
estojos *
vni- Tilo >'e um r;-ln:;io. snii.ilo 8
I I11I.TRO i- M:I!I\i;a -coi <.s
grave iodoarciitalu de frifUUada.
i fiirma, c Ho voltimr de um "'rv-Udl
cotexdo iodo ihatamesvo.
COLLYEIO Contra as alfeccois das |lpcbras,
prpando sd a mesma forma.
BARTHOLOIEO & (T
Depositarios geral para e BRASIL e PORTILGAI.
34, ra larga do Rosario. PE."RN^MCBUCO.
m
:i portm n. 5^, rm Direita, 3 p ras n. 53, anuya
toja do Bnuja

O abaixo ijmado. dono desie antipo e.'iabelerimento, tendo em vista apresentar um
cmtipleW -nrtimento ile frragens, miudeza? e cotilcria. tem resdvido mandar bascar em *
^S ivm-s. nc-nio* da Europa, os mlhores ohjecio de seu estaeleeioieiilo dos fabricantes s|
maifl conbecidoj pelo qiie convida ao re?prtavel publico e a v viren) se er?ir dos objeetus do soa carencia, a-nde encontrarav por trenes 10 0)0 dentiJ a
5 ara entra unaliiiier parl^ um sortimenn compNio de MChiuM para J^scarocar algodSo, ^
&t do Imiii ciTihecido fabricante ottorr Gin ct i',., ditas para costura, motores pa'ra anima-:*', *6
Si ditos para low, inoinbos p.-ra caf de tjdas os taniyulios, da fabrica do Japi, espfnfardas de '
^ dou. canos e Je um, tanto inglesas como (rancetac. loucr. de pr)rcelaiia,-lca.s e garios m
fcj de diversa* qaalHades e preeos, bandejas chiben*, saliv, breo, Ivirbante, ewcofre, papel e ag
limaMa def.no. aro, o agnlha para fo.cuftero ; asim eoim encontrarao co'niante-
M monte grande pon-iio de fogo do ar, e recebe-e r-neMitaeadii do fog. de via, alem de nm
75 cen numero de objectos, quo se tornara BDfiKiwtlNi tiuu>era-los : venhai
^ 83, loja de Lenidas Tilo Loureiro, anUja loja braga.
vtnbaiii a ra Direita a.

JtJ.>

m
m
BOA DA
gaiolo, galliobeiros tte.
Armaijao.
Vende-se ama armagao de amarello com deu;
balcop: o ruado Bario da Victoria n. (ou-
tr*ora rta Nova).
/
vrr.n.e do ferro galvaoisado em rede para eticas.
tegus de ferro galvanizado para cubrir casas.
I ferro oslanbado para atrgenboft
fjerre do ferro de liilner e ouiros' autores.
ShttMto em cano.
Diu em leng:l.
om barrer.
era enxadas.
Gstaoba em barra e vergui&ha.
c lira i!" -'lmh'-s.
Irad )s americanas para ladeira e tarea.
Oanichos de mo.
V; nezianas para jancllas.
ilacbjrras de dfcaroc;ar algyJao"ile facSo.
D as de serra.
Ditas para cortaf fuma.
Dilas a vap&r de forc de 3]cavalio5 e notore* para t cavailos, pan otrtr
:is de algodan.
CSdelraa de ferro.
Cama) de ferro.
Preosas para copiar cartas.
alancas para pesar.
Oleo oe iinhaca em latas de ferro.
l.' Trilt.odo ferfo para engtrJbo
Bomba? americana*.
Macaco; de estiva*.
3ilpi56s e peses dtciuiaese ou.
6 patet.te.
Eaxoire.
Safitre.
Esfopa Jarga e de boa crflalidada
Picaretas para esminhos de ferrr.
'm grande soriimento de farra?*ns a catlaiia.
VERDADEIRAS
lupn TIIIIA HMS,
O novo propreterid desie eatabeidrimbiito, 'ntnmunica 20 respei;apel publico
desta cidade, e especialmente ;is Exmas. familjias. qwe et liquidando por precos bara-
tisstmoe.as antipas fazendas que nxistiam nesie elabelectmento, alm das que abaixo
v3o relacionadas, cujos presos merece roda a attencSo do respeitavel publico, que nao
deixara de com pifqusna quana refaler-se de qunlquer quaiiiUde de fazenda que pre-
cise, 'revme-se tambem que a mesma l( nas, e continua a sorlir-s das do mais apura'o e oscolhid gosto, que vender mais
barato qne qoalqusr netra loja. |
A LOJA DO PAPAGAIO a!m ,?e ter um grande deposito de rotfpas feitas, tem
nm bonito sortimento de casen.irns (ranc.zas, iuglezas allemas dos padres mais roo-
deinos, e assim como paunos pettt, basenairfci e panno lino cor fle piohao, azul claro
e mais escuro, brins brancos e de crtres, ftisftes bru;us, e de cotes, gangas de linho
c brins pardos d todas as qualidades.
A LOJA DO PAI'AGMO tfrn contratad
seu oflicio para ejecutar qnalqnor obra da arli
qoer obra que n5o fique vontade dos freg
fazer ou'ra.
AMlhadi de liobo Ono, a :! o mttro,
e de aljiodao a 2-5.
Alffbdo.Mnbo largo, para lenres e toa-
III a 1,5000.
Alpacas preftis, de *cres, lisas, de furia
cores, e de listras.
Bareges com lisirinbas de differentes co-
res a 320 rs, o covado.
Bols-sde tapete aveludadas, para viagem,
o pieco e c&nforme o tamanho.
Bombasinas prc-tas. lisas, e trancadas.
Bramantes de linho, francez e ioglez a
BalSes do mtissulir, brancos com filis.
e onlros todos de panno com o felio dos
de fias, para senhoras e meninas.
Basqoinas de grosdcnaples pret mo-
lernas e de croch moito eiifvitad;.s.
Bretanhas de linho. e de aluodSo.
B. lis de linho trancados brancos e (ir-,
cores.
Brins de algcd5o traricadus brancos e de o
cores.
Combrias brincas Lapada* e transpa- ti
ci
01
) nm piusa mestre alfaiate perito no
com a maior perfeig.5o e esmero, e qual-
ttas, car para a loja, e manda-se
Esgujao de linho da UOCO a 3(5 a vara.
(hales do merino pretos muito grandes
:t5.
Dijo ii:;., estampados de 4.500 para
na.
Fi de Itfho branc e preto liso, e de
sajlpico.
Gravatn9 de >cda protas e de cores, da.
lis bu il-r;i.is que tem viudo ao mercado.
Gurilanapr* de tiribo brancos e pardos.
Grosdanaple preto de differentes pr eos.
Laai;iba8 em cortes cora palmas com 14
cftvado por C>t3.
Oi!-s /as e delir-tas tnrr,pareotes e ta-
dai iia 'fWiiiies precos.
Madapolao inilez" de r5 al 10s5 a peca.
Le; (503 de algotfik), brancos de 25 a 35
luzi.i.
Dit-is do cambraia de linho de 6 Difis rk esgoio de 6,3 a 8-5.
.Mns-oiinas brancas e de cores a 500 rs.
u\adi>.
Gorp'iioes d>- la com listras, fazendaln-
atnetilt tiova no mercado a 800 rs. o
rentes, sendo inglezas e suissas e 8 pal- corado.
naos de largura. Merinos nieto, trancado e de cordo.
Camisas de meia, de flaneila, branca, e. Reiloa bordados e lisos, tant de linho
de algodSo. cumo de algudao para camisas de homem.
Camisinbas brancas do cainbra;a cora di- ^rinastast pretas de differentes precos.
cados bordados, e enfeiladas de cor para Canbrala branca tapada muito larpa com
Sras. piezas eJ>rddo, ha de tres qualidades
Cambraias de ores a 400, rs. o muroe' i'r,i';il !'';1:' sai?s de Sraa., o preco ha-
a8e0rs. a vara. :V ,
Camisas nuezas, o ranc zas de linho. e ^t,Ia l)rf:t!,,s ,avradas Para Vflsl,do a
de algodo de predas, lisas e liordadas. -?'& yado.
Chapeos de sol de seda, meiin ealpar-' Sargelim francez e mglez de toda ao co-
ca de dilereotes cures, t\ muito baautox.
Chitos para ves-idos, fraocrta, de 2'0
t 400 rs. 1
Chitas para coborlas de 30 .;i D40 rs.
Cortintidos de cambraia, e de lil hord:-
dos para camas ejanelas de I0 para cimi.
Cokhas de fusto Lii-ucas a 3^500.
DHas de cores a -00.
Colarinhoa de linhos.inclezes, e aleraes.
lisos e bordado'.
Damaaco de li. enea rna do,
pello, escorailha preto.
Espartilhoa de linho branco para Sras.,
de differentes. precos.
Toarais de algodo e de linho de dif-
lti mes qualidades e tamanhos.
Punhs de Hubo para homem-muito (l-
.Meias og'iezas pare Sras., e para meninos
e para hninens. de dlTerentes qualidades
e de todo os tamar.hos.
Para qtwm comprar peca ou duzia de
para
qttalqrmr lazenda seu preco o casto
a zal e ama- dikniuoir o retamo.
.u -su as amostras de qaalqoer fazfnda.
A U'ja do Papagaio acha-se aberta todos
os dias, al s 9 horas da noute.
Francisco Teixeira Mendes
Milu
GALLO ykMTE
Roa do Crc 3
Osprop 'atabele-
cimente. alm nham exv
postos a apreciaco do 1 mac-
daram vir e acabam de receber pelo nJtlrao vapor
da Europa nm ompteto sortiment* de
finas e r.iui deli. *. qnas es-
tan resolvidos a vendar, como de seu costnme,
por precos muito lia commodas para to-
dos, com tanto que Gsilo...
Muito superiores luvas de pellica, pretaa, bran-
cas e de mui lied
Mni boas e bonitas golnhas e panlios para se-
nhora, neete genero o one ha do mais moderno.
Superiores pernos de tartaruga para coqaes.
Lindos e riquissimo enfeite* para cabecaa das
Exmas. senhoras.
Superiores trancas preias e de edres. com vidri-
lhos o sem elle*; esta fazeuda o que pode baver
de melhor a mni* bonito.
Superiores e bonitos leques da madreperea,
marfira, sndalo e |q aquelles br'anc ^
com linqps desenhos, e estes pre
Muito superior cossia para se-
nboras, as quaes setnpre se veudaram por 384000
a duzia, entretanto que nos as vendemos por SO,
aini de!as, temos lambeta grande sirtimento ce.
outras qualidades, eaa-e as (uaes algumaa mnil"
finaa.
Boas- bcnjralas de superior arma da India e
casino do iiu.rtiiu cora lin las e encantfjoras figu-
ras do mostno, neate o que de melhor s/>
pode desojar ; alm ilost:is temos tambem grtmdo
3nantidae de oo;ri3qtraia.ldei, como sejain, ma-
eira, oal^ia, osso, horraeba, etc. etc. e*e.
Finos, bonitos exatrosos cbicotiaJass $o cadeia
de outnuqoalids
Lindas e superioros iigas de seda,e borracha
para segurar as meias.
Bors meina #e n senhora e para meni-
nas de 1 a 12 anuos de itude.
Navalbas cabo de mariim e tartaruga para faaer
barba; sao mnilu bnas,e de mais a mais sao ga-
rantidas pelo fabricante, e nos por nssa vez tam-
bem asseguramas sua qundade e delicadeza.
Lindas e bellas capellas para noiva.
Superiores agultias para machina e para creie.
Linha muito boa de peso, frouxa, para encher
labyriniho.
B'ins baralho?. de cartas para volUrete, assira
cerno o? tontos para o mesmo tira.
Grande e variado sortimentr. das melhores-per-
fumaras e dos mdhores e mais eouhecidos per-
fumislas.
COI.AUES DE ROEII.
Elctricos magnticos contra as convnlsoea, o
fa"4litam a- danticao das iBnoconi"s orianfa-s. So-
mos desde .imito recebedores destaa prodigiosos
collar^-. ncamoa a recebe-los ngr todas os
vanorw, .. -i m> nunca faltem no mercado,
aoti.o ; '.";' ;, ., idt>, agsim pois podero aqoe!-
Us _:>' vir ao deposito do alio
vigilaii tMiitraro destea verda-
deiros (!.";:, ::k:"s attendaado-M aonrri
p.iraq..- : i i;;.p!i--;.i.-, se ^enderao com un\mrii
dimir:ufi, lucro.
llcgairid-, o iis, avi- ii biedoa que deixamos
doclar.vl -. ;u u-ossi., ,i nai k e amigos a virem
comprar | m :.,;;- miin -:./.^veis aloja do galla
vigilante, res < 7
FALSfF i CALES
DAsPiLLSoEBLMICARD
(CAVE l>0UR2j
A nossa coi-rcspomlencia do L'razii nos hz
saber que as paisas ffeatB pas aet
actualmente imindaias por urna muitiiiu de j
falci/kaiyes vis dos MOMO! irudului Un'....!.
Para garanlir-sc contra oslas conqio-
mais ou menos perigosns, q;te escondem-se
d'essa maaeira por detruz das masan marcas
de lubrica e mcsnioda nossa tirina, rogamos
aqu com instancia aos mdicos o aos i!u-
eutes de assegorar-se semprc C-i origcni das
I'lLl'LASquc teozem o uosso nooii'. .i;i-il'II;i:hI),
entra outn moios prcticos, pulo boa f dos
noSos collegas, os pharmaceui'cus. Nao de
duvidar que n'uma queslad que intressa lad
se: ianieute a saude publica e a n.'jralida Je do,
Acjao-ie as ncs-..n Pulcs
coninjiercio. estes honrados ituernii'diaruis
naO se moslrem dunas da conliaiifa dos seus
lregiJi'2es; nao dta iluvidar igualmenle que
renafliaoda toda lalaridada com us falcili-
cadoi'es e os seus cumplices, ellos ndo sea-
ru um liivcr 'oi"4 em diaute de procurar
aa vtauuDEiius 'ilulas de Bl.\m:m;d em
origeas cerUs, enderetando-se, quer a n6s-
mesu|os c:n l'ai is, quer iudiroctaiucnte aos
nossote priucipacs correspondentes, ou entao
aseadas as mais reeom-
UamdavciS do Franca -,~
ou i sta paiz.
P/mirmaa''fice, ra liouaparte, emParit.
aak firincipGCs ?ariQueias.

r\t
Vende
troesa
fabricar
bao. A
tem gran-
das (na:, i
ffe.
oseaclart
qiu
expl
cooliaoar
pfr-ra principiante.
se a fabrica de sabo da ra Imperiel k
i bem- montada tanto para
le quanlldade de fi-
modico aluguol,
para dei
ajame
independenie par* morada.
PILLAS
DE
COM IO00METO 00 PIRRO WAkfCRAftt
APPROVADAS PEU ACA&EBTA DE MEDICINA DE PARS, ETC.
Possuindo as propriedades do lodo et do flaf ro. cofivem espectelmeB Has AmccoSi
SCBOFULOSAS, a Tisjca Bo^rincipto.j /"raewwde tempemmatttbetambeDm caeos 0
Falt Renorrhea, em qtie precisa reagjr sobrf, a s*iGOt seja para restituir
-------------- ~nza normaes, ou para pn
ie o actnal don
> rea Direita, armazi
em t
eatado : na camba do Carmo n. 18,
^^^^^^H
MMJH
alterado nm mi
^^^ificacoM.
ft'lOfc Wormcr.ii

ALCATRAO DB SDTOT
LICOR C0NCENTMDO E TITULADO
colher de caf n'um copo d'agna para obter
logo um copo de excellente agua de alcatrao
sem gosto desagradave!. Cada qual pode
d'essa maneira preparar a sua agua de al-
catrao quando d'ella precisa, o que offereee
economa de lempo, facilidade de transparte
a evita o manejo Uo desagradavel do akatrla.
0 AJeatrik d Omjmt gubstitue com
vantagem multas tisanas mais ou menos
inertes, nos casos de definios, bronchites,
catarrhos.
0 Sflr Gujot chegou a tirar ao alcatrao a
sua acrimonia e o seu amargor insupportaveis,
o que o torna mais soluvel. Aproveitando essa
feb descoberta, elle prepara um licor onn-
centrado de alca-ao, o qual, sob um pequeo
volume, contem urna grande proporclo de
principios activos.
0 auifrao de Gmjot (Goudron de
Guyot) possuepor consequencia todas asvan-
ragens da agua de alcatrSo ordinaria, sem ter
os inconvenientes. Basta deitar d'elle urna
0 Aitmtr* d 4a;ot empregado com o maior xito as molestias seguintes :
E3 BEBIDA. Urna celher de caf para um copo a"agua ou dual colheret de
topa para urna garafa :
BRONCHITES
CATARRHO DE BEXIGA
DEFLUXOS
T08SE PBRNITAZ
IRRITA9A0 DE PE1TO
TOSSE CONVULSA
EU FOaUHTaVCQUS. icr >wo ou com umpouco d'agna:
AFFECfES DA PELLE
COMICHdES
MOLESTIAS DO CORO CABELLUDO
SB UUC(0ES. UmamzrtedeZcregtwrod'aoaa(tnvciBteifinwDUi.)
FLUXOS AMTICOS OU RECENTES
CATARRH DA BEXIGA
O Alcattrsvo de Guyot fot experimentado eom um verdadeiro xito nos
principad hospitaes de Franca, da Blgica e da Espanha. Foi reconhecido
que, para o* tempos de calor, elle constitue a bebida a miis i;i lo durante os tcmpose epidemia. hatada vidro.
Yende-sG napharmacia e drogara de P, Mau-
omp., ru?i Barto da Victoria n, 17
J coree:co providente
Ra do Novo e variado sortimento de perfoxasm
finas, e outros objectos.
Alm do completo sortimento de par;
manas, de que eflectiyamenio est prvida
loja do Cordeiro PrcwiUnte. olla acaba d
receber ora outro p qoe se orn
aotave!pelav3rie dade. qualidades e c eos: assim. pois, o ('. i ote pee
e espora continuar a eren': a ;>?reciac>
do respeitavel pi i $f} e d? j
boa fremieato em parVjttil i se afa*
tando elle de su
a barateza. Em i!b ;> ; -. <>
Apreciadores do bom.
Agua divina de E. Cu.: .
Dita verdadeira de Mnfray & Ummaa.
Dita rje Cologne ingeza, americana. ir*
caza, todas dos me.'horea e mi ::c-
fabricantes.
Dita de flor de larangir.vi.
Dita'dos Alpes, c vilete paratoe!.
Elixir odontalgico para conservado 6.
sseio da bocea.
Cosme'iques de ?uporior qnaldido e chn
ros agradaveis.
Copos e latas, rnaiores e menores, co*
pomada fina para cabello.
Frascos-com dita japoneza, transpareaw
d ostras qualidades.
Finos extractos ingleses, americanoa
franeezes era frascos simples ecnfeiUkloe,
Essencia imperial do fino e agradavel cb
ro do violeta.
Outias concentradas e de ebeiroa ignai-
mente finas e agradaveis.
Oleo philocome verdadeiro.
Extracto d'oleo de superior quadad
com escc'.bidos ebeiros, em irascos de dit
rentes tamanhos.
Sabonetes em barras, maiores e menor*
para mos.
Ditos transpai entes, redoros e em figt
: as de meninos.
Ditos muito finos em caixinba para barl
Caixinbas com bonitos sabonetas imitaadi
fructas.
Ditas de madeira invernisada contendo i
aas perfumadas, muito proprias para pr*
entes.
Ditas de papelao igualmente bonitas, ta
bem de perfumaras finas.
Bonitos vasos de metal coloridos, e 4
moldes novos a elegantes, com p de arro
a boneca.
Opiata ingleza e rancezapara denles.
Pos de camphora a outras differeau
qualidades tambem-para dantas.
Tooke orientaL de Eemp.
Aloda taas eoqnes.
Um outro sortimento da coques de Dt
vos e bonitos moldes coa filis de vjdri&a
e alguns d'elles ornados de floras, e fita*
esto todos expostos apreoiacio de anea-
os pretenda comprar.
GOLLLMAS E PUNHOS BORDADOS.
Obras de muito gosto e perfeiclo.
FivetLas e flaw para ciato*.
Bello e variado sortimento de taes objet
tos, cando a boa eacolba ao gosto decov
prador.__________________________
Cabellos
Vendem-se cabellos de todas as corea, fnalqoer
comprimento, qualiade superior, aa caixa oc
porcao mais pequea : na ra da Cadeia do Re-
cite n. 81, Io andar.
ai mv be ral
Vende Joaqun Jos Ramos : na na de Crtx
n. 8, andar.
A
Lindos c res de percates a 2*000 rs. : roa
do Crespo n. 25, loja da esqu
ipaohia
nosea
Vende-se farinha m
Pernambucaaa e trapiche do Coaita
qeiffloa.

M


mmm
Quinta eira
oro de
1



ASSEMBLEA GERAL
CMARA DOS DEBUTADOS.
PARECER E VOTO KM SEPARADO DA COMMI-
RKSPKCTIVA SOBRE 0 PROJECTO DE REFOR-
MA UDICIARIA, PARA ENTRAR EM TERCKI-
RA DISCISSO.
(Cuntinuaco)
6. O governo. tica autorisado a i
o regiment d" fustas
7.a Haver na corte naais uno escmo
para ojnrv eexecncescnmanes. cono wn-
ciinento animal de 1: 2000, e meis don-; es-
crivSes de orphos.
| 8. O; tabellSes de notas poWo
fazer lavraf as escnptaw por escrewnies
juramentados, e ser-dies-h permiltido ter
mais de um livru dellas, como 'or.marcado
era reculamente.
t 9." Ser permiltido as partes indi
car ao distribuidor otabelliao qae preferem
para (azer a escriptura, sera que por isso
h ja compensco na raesma distribu-
Cao,
10. O goveroo poder no regula-
memo qus der para a execui;3o da presan-
te le, impor prisSo at 3 mezes, e m ilta
at 2000, e far consolidar todas as dspo-
sics* legislativas, e reglamentares con-
eerneotes ao processo c Disposices diversas
Art. 20. A pronuncia nao suspende se-
no o exercicio da* funcccs publicas e o
direito de ser votado para eleitor, memoro
assembla geral e provincial e cargos pira
os qoas exige qoalidade pira ser eleitor,
licaodo todava salva a disposic5* do art.
2. da lei de 19 agosto de 1846.
l. As decisesdo jury para a impo-
sieao de pena de morte sero tomadas por
unanimidade de votos; havendo somonte
maoria impr-se-ha a pena de gales per-
petuaa.
? 2. O* joizes de direito nos eximes
communs sero processados e jalgados pe-
rante as relaees.
3.* FicSo abolidas as correceis e
as distnbuicoes que pelo decreto de 2 de
outubro de 1851 competera aos juizes .de
direito, ser5o por estes exercidas em reta-
rao aos feitos medida que Ihe forem con-
clusos, eem relaco aos livros e rnais pa-
pis de que trata o citado decreto quin-
fa se acharen) presente nos termos das
respectivas enmarcas, sendo nessas oc-.a-
sies impostas as penis decipliaares do
mesmo decreto.
Art. 21. Ficam revogadas as "dispo-
sices em contrario.
Sala das commisses, 29 de agosto *
370.T. de Menear Araripebr. L. J.
Hut/ue-Estrada Teixeiralztdro Bofges
Monteiro, com as mesmas restribes do
pnmeiro projeto quanto aos arts. 2." e
6 Joaquim d<> Sottza Res com voto era
saparadoFrancisco anuario da Gama
Cerquetra.eronirno M. N. Penido, cun
restnccOes.
VOTO EM SEPARADO.
Divergindo, ainda esta vez, das com
misses, eis em resumo os motiva que a
3so rae obrigaram:
O projeto traba defeitos que levaram-
aie a assigoa lo com restriccoes.
Algans desses defeitos assignalei quan-
do me coube a honra de fallar, na discus-
so havida; e nessa occaso offereci emen-
das que me pareceram cabiveis erabora in
snfficientes ainda para corrigi-los.
Alm disso muitas outras emendas fo-
ram offerecidas por muitos outros deputa-
dos, e a discusso larga e Ilustrada, na
qual tizeram-se ouvir distinctos jurisconsul-
los. deixou patente a inconveniencia de
rauitas das disposices do prajeto e a de-
ticiencia delle.
Submettidas portanto. as emendas cora
o projecto considerado das commisses
compria t> rrigi-lo par modo qae fosse
laeiorado na forma e na essenci, de ac-
r.ordo com as ideas uteis que foram emitti-
das e com rauita vantagem sustentadas.
*i.s commisses, porm, desprezando,
em sua quasi totalidade, as emendas, limi-
tou-se a simples alteraces, e insiste em
sustentar o projec-o, que n3o satisfaz as
aspirares do paiz, e que, apassar. apenas
poder servir de motivo ao sead > para
occu'Dar-se da materia, offerecendo nos
trabalbo que nos certificarlo de que nada
fizemos.
convencido do que acabo de expen ler
nao poda prestar a minha assignatura ao
parecer, e dando por isso meu voto em
separado, animo-me a olterecer conside-
FOLHETIM .
i \\\\ DEP01S DE MARTA
POR
Xavier de Montpiu.
PlKTR SKGl\DA.
0 HORSCOPO
(Connnacao do n. 205j.
XXV
Diplomacia.
Pois que bradou o conde. Ainda
n5o fica abi t"
Vai ver, prosegoio Saint-Maixent. Li-
vre do parto a fidalga, como acabo de
contar, com toda a felicdade, declarou-se
urna febre violenta. A parteira affiancmi
que nao bavia de que ter medo, e que ell;
se encarregava de tudo ; o marido, porm,
assustou-se, e chamou outra vez os dou-
tores, que vieram de m vontade, e en
traram a recetar medicamentos. Mas o
mal, em logar de diminoir, augmentou, e
foram taes os seus progressos, qae ao se-
gundo dia receben a mi 03 ltimos sacra-
mentos, j sem esperance nenhuma de vida
e preparando-se nicamente para morrer.
Felizmente nao se linha ido ainda a par-
teira. S me d3o licenca, disse ella, ex-
perimentarei um ultimo remedio, e com a
ajada de Deas, nao desespero de salvar
a enferma. Ningoem se oppoz, cmo
claramente se comprebende, e na semana
seguinte levantava-se a fidalga da cama,
para ir capaila do castello dar gragas
Deus. Foi isto o que se passou, e este
o assumpto de todas as palestras na villa
de Poy, fleando segura para sempre.com
essa cura maravilbosa a reputaco de urna
pobre raulher que tem tanta modestia como
verdadeiro mrito.
Annibal ouvia o marquez sem pestanejar
a da va ioeqaivocas mostras de enthusiasmo.
admirave! exclamou elle ao ouvir
issao
ira ver que n5o f
sio. no projecto que tenho a honra de sub-
metter sua esclarec a apreciado, e jol-
ijar delle, sem esquecer que de accordo
c mi esse pensamento e as i loas capitaes do
pr.ij-icto, procorei concorrer para que an-
da tsta v,?z se nao mallore a tentativa da
reforma jndiciaria instantneamente recia-
nula ha milito tempo,
Sda das commissOes 29 de agosto de
1S70. Ijjaqmm de Souza Res.
Titulo IDo pessoal.
Art. 1. O pessoal judiciario compoe-
se de juizes perpetuos 011 magistrados e de
agentes auxiliares da justica.
Capitulo I.Do* magistrados.
Art. 2. Sobre os magistrados obser-
var-se-h3o as leis em vigor, de conformida-
de com aa seguintes.disposices:
l. Os arts. 1" e 2o do decreto n.
557 de 26 de junho de 1850 sao applica-
veis antiguffladi dos desembargadores
para serem nomeados ministros do supre-
mo tribunal de justica.
* 2. 0 lugar de desembargador qae
vaiftr em quaiquer das relaces ser pr-
vido.
1." Pelo mais ratigo d'entre osdesem-
bargadores que o roquererem no tempo e
pelo modo que o goverco determinar; e na
falta lestes.
t -i." Pelo juz de direito mais antigo.
3. Emenda urna dasciladcs, sedes
de relajo baver mais dous juizes de di-
reito.
1 I i. A distribuido e substituigo dos
joixes dd direito dessas cidades se regular
pelo modo seguiute :
1. Alera dos juizes de direito espe-
ciaes, actualmente nel.as existentes, inclusi-
ve (s auditores de guerra e marinha. sero
tambera especiaes: dous da capital do Ma-
raiiho, dos quaes ora ter a jurisdieco
orphanologioa e o outro a da fazenda ; e
um de cala urna das capitaes da Baha e
l'ernambuco, que ter a jurisdieco orpha-
nologioa.
2. A jorisdiccSo criminal ser exercida
por qnatro juizes, na corte, por tres as ca-
pitaes da Babia e Pernarabuco, e por dous
na capital do Maranhiio
3 A jurisdieco civil, na qual se n3o
compiehende aorphanalogica, acomraercial
e a da fazenda, ser da competencia dos
juizes de que trata o paragrapho anteceden-
te, exercendo um dalles exclusivamente a
jurisdieco da provedoria de capellas e re-
siduos.
< 4. Fura da corte a auditoria de guer-
ra ser exercida pelo juiz de direito que o
governo designar animalmente.
5. governo regular a substituido
de todos esses juizes entre si e por juizes
substitutos, por modo que estes n3o pos-
sain exercer mais de urna vara e aque'les
nao accumulem mais de duas.
6 Esses juizes substitutos sero no-
meados pelo governo na corte e presidentes
as provincias d'entre osdoutores h hacha-
reis formados em direito, que tenham dous
annos de pratica do foro, pelo menos; ser-
viro otilo tempo de quatro annos, e seo
numero n3o exceder o dos juizes effecti-
vos, prelerinJo os que n3o forem advo-
gados.
5. as cidades que, de futuro, fo-
rem sedes de relaco, o governo organisar
o servico judiciario de accordo com as dis-
posiees d>K paragraphos antecedentes.
6. Nis comarcas em que houver
um so juiz de direito sero por elle exerci-
das todas as jurisdheoes ; e as que bou-
ver mais de um, sero distribuidas as ju-
risdicco6s entre os juizes, como melhor con-
vir ao servico pblico, sendo a criminal
exercida por aquellos qae n3o forem espe-
ciaes.
Urna vez feita essa distribuico, so por
lei poder ser alterada.
t 7. Os juizes de direito que estve-
rem na presidencia do jury sero substitui-
dos, durante sesso, 00 que respeita s
outras attribuices.
Art. 3. Os magistrados teem direito
aposentarlo nos seguintes termos:
t 1." Com todos os venciinentos.se
contar 30 annos de effectivo exercicio.
2 Com todo o ordenado, se tiver
mais de 25 annos de effectivo exercicio.
3. Com ordenado correspondente
ao tempo de exercicio effectivo, se o tiver
por menos de 25 annos e mais de 10, urna
moral.
t Art.
O de con-
a ou
tas e as dos
P^P^Be SOI
so de
reza
u odien-
fea, e ou-
.GO Uu
tllUdp:-
permanente, re.
ca pelo supremo ti
vido o conselho de estado.
Art. 5.a O magistrado que for aposen-
tado na forma do disposto no artigo ante-
cedente tem direito rehabilitarlo, no caso
de que venha a adquirir seu es'lad perfe'to
de capacidade pliysica.
Art. 6. Para que o governo resol va
sobre a rehabilitaco de um magistrado,
as condices supramencionadas, proceder
s mesmas diligencias que para a aposenta
Cao; ese rehabilitado for o magistrado, ca-
ber-Ihe-ha desde ento o primeiro lugar que
vagar.
Seo magistrado for ministrodo sopre
mo tribunal de justica ou desembargador, o
governo mandar que elle tenha exercicio
no respectivo tribunal, emquanto nao hou-
ver vaga.
Art. 7. Aos juizes de direito compee
f-o privilegiado tambem nos crimes com
muos, sendo processados e julgados perante
os mesmos tribunaes e pelo mesrao modo
por que o sao nos crimes de responsabili-
dade.
Art. 8. Extstindo juizes de direito
avulsos percebendo ordenado, n3o se far
nomeaco de no vos para comarcaste n
trancia a que elles tenham direito. 00 que.
nao obstante serem de intrancia inferior, as
tenham pedido. 1
Art. 9. O governo far nova elassiQ-1
cacao de comarcas, quanto is de l* e 2*
intrancia; e urna vez feita, s por lei pode-
r ser alterada.
Capitulo II.Dos agentes auxiliares
da justica.
Art. 10. Sao agentes auxiliares da jus-
tica os funecionarios que, alm dos magis-
trados, intervm nos actos judiciarios. So-
bre elles continuam em vigor as leis exis-
tentes, com as seguintes alteraces
i 1. Sao extindos os cargos de juiz
municipal e de orphJos das cidades sedes
ile relaco.
Nos outros termos esses cargos sao
i neo rapa ti veis com os d juiz de paz e de
polica.
0 numero de seus snpplentes redu-
zido a tres em cada termo.
2. incompativel o cargo de chefe
de polica com o de magistrado. Para elle
serilo nornendos doutores ou hachareis for-
mados em direito, que tenham, pelo menos,
quatro annos de pratica do foro 011 de ad-
rainistraco. O governo Ihe marcar os
wncimentos, nlo podendo exceder os ac-
tuaes.
Ao governo, na corte, e presidentes
as provincias, compete dr-lhe substituto,
na vaga ou impedimento, guardadas, sem-
pre (jua for possivel, as condicOes exigidas
para o cargo effectivo.
% 3. O numero dos snpplentes dos de-
legados e subdelegados de polica redu-
zido a tres em cada districto.
4. Os officios de justica ser3o pr-
vidos pelos presidentes das respectivas pro-
vincias, com dependencia de approvaco e
tulo do governo, otaervadas as leis em vi-
gor sobre as condicoes e modo do provi-
mento, reduzidos os prazos metade.
Ttulo I.Da jurisdieco.
* Art. II. As leis existentes sobre as
attribucOesjudiciarias, assim nocrimecomo
no cvel, sero observadas com -as segnintes
alteraces:
Capitulo I.Das attribuices dos juizes
de direito.
Art. 12. Os joizes de direito nao tero
ma:s a attribuico de appellar das decises
do jury, no caso do art. 79 1 da lei de
3 de dezembro de 1841 ; compete-lhes, po-
rm, alm das outras attribuices que hoje
teem :
1." Processar e jolgar os crimes que
aos juizes municipaes cabia especialmente
processar ou processar e julgar.
2. Pronunciar em todos os crimes
da competencia do jury.
3." Prender os culpados, ou o sejam
no seu ou em outro quaiquer juizo.
4. Conhecer das prises e delibera-
Ces sobre o destino dos que as soffrerem,
nos termos estabelecidos na presente lei.
5. Conceder flanea nos casos e pelo
modo prescripto nesta lei.
I 6. Preparar os processos para o
julgamento pelo jury, nos termos em que
nao houver juiz municipal.
peices postas aos
nareas v'tunbas, aos
nicipaes, autoridades po-
e mais officiaes de jus-
0 desfecho. Ah meo primo I acaba de
rae fazer um immenso favor I
De que modo ? pergantou Saint-Mai-
xent fingindo-se admirado.
Fallaodo-rae d'essa excellente parteira
dissipou as rainhas inquietaces e fez com
que en me deeidissj. D'ella que n<
precisamos I Nao quero c ver mais ni:i-
guem!
E. de feito. seria tai vez urna acertada
escolha, redarguio o marquez em tom na-
tural ; a julgar pelo que d'ella dizem, mui-
lo dillieil encontrar mulber mais hbil no
seu ollicio.
Nao, nao encontrarei nenhuma qae
se Ihe possa comparar, se quer. O dedo
de Deus apparece visivel em tudo isto, e
est'.a bem convencido de que nao foi o
acaso que o fez ouvir essa con'ersacjh.
Importa nao me descuidar nem perder lem-
po. Quero que essa mulher c venha sem
demora, porque vivendo algumas semaoas
ao lado da condessa, estudar o seu tem-
peramento, e operar od maior seguranca.
Amanba mesmo ir o meu mordomo La-
clando em saa procura. Diz-me o nome
d'ella primo ?
O nome ? exclamou Saint-Maixent.
Mas se o nao sei I
Pois nao o ouvio ?
Ouvi, de certo, mais de dez vezes;
mas de todo se me apagn da memoria.
Que necessidade linha eu de saber como se
chamava a aldea ?
Sabe ao menos onde ella mora ?
Tambem nao. Sai nicamente que
habita n'uma aldeia duas ou tres leguas
de Poy.
Que fatalidade I Ah I meu primo I
Muito mal fez em nao se lembrar da con-
dessa quando ouvio fallar d'essa mulher I
Eu lembrei-rae, t isso verdade,
mas cnidei qae j leriam fallado alguem,
e nunca imaginei que a saa escolha reca-
hisse n'uma camponia obscura, sem mais
precedentes que a sua habidade e a sua
experiencia. -
E como bavemos de-encontra-la agora?
D-lhe isso grande cuidado ? .
liciaes, escrivaes
1 Entende-se por comarca vizinha a qae
tiver a sede mais prxima da sede do termo
em que se argnir a snspec3o.
" Os presidentes das provincias designa-
r5o as sedes das comaress e nellas devero
residir os juizes de direito. Urna vez feita
esta designaco, s por lei poder ser alte-
rada.
t Catitulo II.Das atiriboices do3 agen-
tes auxiliares da justic3.
Art. 13. Aoa juizes municipaes com-
pete nicamente :
t Io C'nhecer*das prises e deliberar
sobre o destino dos que as soffrerem, nos
casos determinados nesta lei.
2o Conceder flanea provisoria, nos
termos da presente lei.
3o Proceder a qoaesquer diligencias
ordenadas pelos juizes de direito ou tribu-
naes.
4o Preparar os processos para o jul-
gamento pelo jury.
Art. 14. Aos juizes de paz. alm da
attribuic3o de proceder a corpo de delicio,
compete:
Io Conhecer das prises e deliberar
sobre o destino dos que as soffrerem, na
forma estabelecida nesta lei.
c 2" Conceder flanea provisoria, confor-
me o disposto na presente lei. .
Art 15 E' extracta a competencia dos
chefes de polica, delegados e subdelegados
para a pronuncia.
Alm das outras attribuices que tem
essas autoridades, compete-lhes :
Io Prender os culpados, ou sejam
em simi ou em alheio districto.
2o Conhecer das prises e deliberar
sobre o deslino dos que as soffrerem nos
casos e pelo modo determinado nesta
lei.
t 3o Conceder flanea provisoria, nos
termos da presente lei.
c 4_Proceder s diligencias que Ihe fo-
rem ordenadas pelos juizes'de direito.
Capitulo IIIDaacc3o publica.
Art. 16. E' extracto o procedimento
exoffkio, para aformaeo da culpa.
Os promotores pblicos exercitarSo a
aeco publica por meio de denuncia, nos
termos das leis em vigor, e de couformi-
dade com as seguintes disposices :
Io No caso de flagrante delicto, a
denuncia ser apresentada dentro de 10
dias. se o reo estiver a afuncado, e de 2
se estiver preo. Estes presos podeo ser
excedidos ate o dobro.
2. Para que o promotor publico
possa offerecer a denuncia nos prazos cima
designados, a aotoridade competente Ihe
remetter as provas resultantes das diligen-
cias a que houver procedido.
Esses prazos sero contados da data da
remessa das provas.
3. Se esgotados os prazos, nao bou
ver o promotor publico offerecido a denun
cia, a autoridade competente levar isto ao
conhecimento do juiz de direito e esto sus-
pender o promotor e o sugeitar respon
sabilidade. multando o em 50), se nao
forem attendiveis as razos da demora.
t Art. 17. Sao applicaeis aos crimes de
responsabilidade, 'trn que (anecionarem os
promotores pblicos, todas as disp isiees
do artigo antecedente.
Art. 18. Se o promotor pub'ico enten-
der que nao deve dar a denuncia, por n3o
ser casodella, o declarar autoridade com-
petente, e n3o ter logar o processo ; mas
(loar o promotor sogeito responsabilida-
de, devendo por isso aquella autoridade
submelter tudo ao conhecimento do juiz de
direito.
Art. 19. Nos casos em que tem lugar
a aceo publica, os promotores pblicos
podem intervir em tolos os termos do pro-
cesso, nao obstan e haver parte aecusadora.
Capitulo IV. Da priso.
Art. 20. Para execco do disposto nos
arts. 132 e 133 do cdigo do processo cri-
minal, observar se-ha o segainle :
N3o se acbando a autoridade competen-
te ni lugar em jjue se effectuar a prislo, o
conductor apresentar o reo ao juiz de di-
reito, juiz municipal, juiz de paz, chefe de
polica, delegado ou subdelegado, qual delles
fr primeiro encontrado.
Art. 21. O preso em virtade de pro-
nuncia ser tambem conduzido prezenca
de quaiquer das autoridades de que trata
(1 artigo -...:,>, se ncootiMQti 0S0
admii
presenca da aotoridade, dos casos ea que
ella tem lagar pelas leis vigentes e pela
presente, a provisoria de que adiante se
tratar.
Art. 23. Qualqoer escrivo compe-
tente para lavrar os autos necessarios, em
cumprimento do dsposto nos artgos ante-
cadentes.v
Art. 24. A excepcSo de flagrante delic
10. a pris3o antes de culpa formada s ter
* Art. 36. Nao I
algum termo, poder o
ser juigado em outro da tnesma comarca ou
da comarca vfxrana, se naque ver
mais de um tormo, ouvido o promotor pu-
blico.
Art. 37. 0 art. 340 do cdigo do
processo criminal nao excine o estrangeiro
de requerer para si ordem de habeas-cor-
pus, nos casos em que esta tem logar.
Art. 38. A pronuncia suspende o exer-
cicio das funeces publicas, mas n3o nter
logar nos crimes inafkncaves, por manda- d2 0 direito de volar as assemblas paro-
do escrpto do autoridade competente, para
a formaeo da colpa, gaardadas, porm, as
segnintes disposices :
1. Preceder expedirlo do man-
dado depoimento de .las tentemunbas que
jurera de sciencia propria ou prova docu-
mental, de que resultem vehementes indi-
cios contra o culpado.
I 2o Se a pris3o fr ordenada dentro
de 48 horas, contadas da perpretaco do
crime, depender apenas do mandado; e
effectuada eila se proceder nos termos
do art. 16 e seus paragraphos.
3 O mandado de priso f era passa
do em duplcala. 0 execntor entregar ao
preso, logo depois de effectuada a priso,
um dos exempiares do mandado, com de-
elaracao do dia, hora e lugar em que effec-
tuou a priso. e exigir que declare no ou-
tro hav-lo recebido. Recusando-se o preso,
lavrar-se-ha auto assigoado pur duas teste-
inunhas.
Nisse mesmo exemplar do mandado o
carcereiro declarar a entreg do-preso
sua guarda, datando e assignando sua de-
claracio.
Art. 25. Nenhum carcereiro receber
preso algum sem ordena por escrpto de au-
toridade.
Capitulo V.Da flanea.
Se d I Nao poder o primo trar-me
d'este aperto ?
Posso, de certo.
Como
-*- Descanse ; em vez de mandar o seu
mordomo Lactancio em bosca da tal mu-
lher, obrigarei o m?n criado Lzaro a ir
Puy. Elle interrogar os donos da hospe-
dara, correr se fr preciso toda a villa, e
trar a parteira de quem fallamos, qae elle
tambem ouvio celebrar.
Acceto, mea primo, acceito e agra-
deco-lhe com todas as veras do coraco este
novo favor que me faz.
Emquanto na casa de jantar do castello
se dizam estas cousas, o pavlh3o do par-
que servia de theatro orna scena, que
nao podemos deixar de referir.
J sabemos que o marquez liona encar-
regadp Lzaro de levar provises bruxa,
presa no citado pavilho.
' Dizemos presa, e nao sem motivo, por
qae as duas portas foram hermticamente
fechadas, e as janellas tinham grades muito
grossas, de molo que Simoa esta va n'uma
verdadeira priso.
Assim o determinara Sarat Maixent, que
linha o maior inleresse em se utijisar d'a-
qoella cmplice, cuja complicidade nao era
voluntaria, e por isso Ihe tirava todas as
possibilidades de fugir misso que Ihe
deslinava.
Lzaro, porvolta do meio dia, pegn
n'am pao, n'ura pedaco de fiambre e n'uma
garrafa de vinbo, e, escondendo tudo aquil-
lo o melhor que pode, sahio do parqae e
encaminhoa-se para o pavilho.
Sitroa tinha pensado muito dorante a
noute no carroco escoltado pelo marquez
e o criado, e continuara as suas reflexes
mal se vio s no gabinete oade ootr'ora se
davam as orgias de Lactancio com as ciga-
nas, e onde se eniretinham depois os amo-
res de Saint-Maixent com a forraosa Olym-
pia.
O marquez nao desconfiava do inmenso
perigo d'aquel las reflexes, exactamente
quando j tinba por certa a realismo dos
Art. 26. Alm da flanea de que tratam
as leis em vigor, haver a provisoria, cojo
valor s-M- arbitrado pela autoridade quem
I fr o preso apresentado ; e consistir esta
flanea :
1. No deposito dedinheiro, apolces
da divida publica e trastes de ouro, prata
ou joias preciosas, equivalente ao valor ar-
bitrado.
2." Na responsabilidade de urna ou
mais pessoas abonadas que se obriguem
por esse valor.
Art. 27. Sero estabelecdas em regu-
lamento as regras pira o arbitramento do
valor da.fianei provisoria, por modo qae
possa ser feito incontinenti.
Art. 28. A ti rae 1 provisoria s produ
zir os devidos effeitos at que seja preste
da a definitiva. Esia deve ser prestada
dentro de 30 dias, contados da dala daquel-
lla ; e se o nao for, assim o fiador como o
afiancado ficam sugeitos aos effeitos do que-
bramento da flanea, nos termos das leis em
vigor.
Art. 29. derogado o art. 38 | l. e
art. 45 da lei de 3 de dezembro de 1841.
Capitulo VI.Dos recursos.
Art. 30. O recurso de que trata o art.
281 do cdigo do processo criminal con-
vertido em agjravo no aulo do processo.
Art. 31. Das decises sobre commuta
Cao de multa haver recurso voluntario
para os juizes de direito, se a decisSo fr
das autoridades policiaes, e para a relaco
se fr daauelles.
Capitulo Vil.Das appellaees.
Art. 32. A appfillaco que os juizes de
direito podiam interpor cx-oficio, das de-
cises do jury, nos casos do 1." do art.
79 da lei de 3 de dezembro de 1841,
Isubstituida pelo protesto por novo julga-
mento, que as partes podero fazer. Em
nenhum outro caso podero mais as partes
protestar por novo julgamento.
Art. 33. A appellaco permittida pelo
art. 301 do cdigo do processo criminal,
quando nao tiverem sido gaardadas as for-
mulas substanciaos do processo, nao ter
effeito suspensivo, sendo interposta de se-
gunda sentenca absolutoria.
Art. 34. Tendo provimento a appella-
co interposta de segunda ou mais sentecas
absolutoria?, no caso do artigo antecedente,
o reo ser citado para responder a dovo
jury por quaiquer dos meios estabetecidos
para a citaco, segundo as circunstancias o
exigirem, e nao comparecendo. ser juiga-
do revelia.
Capitulo VIH Disposices diversas.
Art. 35 O exercicio por 4 annos dos
cargos de chefe de polica, e substituto de
chiaes e de ser votado para vereador : res-
peitada em todo o raso a disposico do art.
2 da lei n 602 de 19 de agosto de 1846'.
DA JURfSDICfcO CIVIL.
Capitulo I. Das attribuices dos joizes
de direito.
< Art. 39. Aos joizes de direito com-
pete :
f Io Julgar as suspeices' postas aos
juizes de direito das comarcas vizinhas.
juizes municipaes e de paz, autoridades po-
lciaes. escrivaes e mais officiaes de justica,
guardada a disposico do 8o do art. 12.
2o Conhecer dos aggravos admiltidos
no juizo de paz.
3 Julgar em Ia instancia, com aleada
at 3005000.
4o Execular suas septencas e as dos
tribunaes.
5 Processar e julgar todos os feitos,
as comarcas em que nao houver juizes
municipaes.
16 as comarcas em que houver jui-
zes municipaes:
Io Conhecer dos aggravos interpostos
de despachos dos jjizes municipaes.
c 2o Dar a sentenca definitiva e os des
pachos que tem forca de sentenca definitiva
em todos os feitos.
Capitulo II. Das attribuices dos joizes
municipaes.
Art. 40. Aos juizes manicipaes fica
competrado nicamente .0 preparo de todos
os feitos, respetada a 2a disposico do
6 do artigo antecedente.
Capitulo III.Do processo.
Art. 41. applicavel ao civel o dis-
posto na lei n. 1,350 de 14 de setembro
de 1866, sobre o juizo arbitral.
Art. 42. as causas da aleada dos jui-
zes de direito seguirse-ha o processo som-
mario, salvo aquellas em que, por sua na-
tureza, compila o processo ordinario.
Art. 43. No processo das appellaees
se observar o que dispem os arts, 647
660 do reg. n. 737 de 25 de novembro de
1850.
Capitulo IV. Dos aggravos.
Art. 44. Ser admissivel aggravo de
instrumento com effeito suspensivo, nos
casos e com os prasos que forem estabele-
ciJos em regulamento.
Art 45. Alm dos casos em que actual-
mente pode ser interposto aggravo, haver
mais os seguintes:
Io Dos despachos que contm damno
irreparavel.
2o Dos despachos de deliberacSo de
partilhas.
3o Da sentenca que releva ou nao da
deserco o appellante, ou julga deserta e
nao seguida a appellacSo.
CAPITULO III. DISPOSICES DIVERSAS.
Art. 46. Os tabellis de notas podero
fazer lavrar as escriptnras por escreventes
juramentados, e ser-lhes-ha permittido ter
mais de um livro para esse fim. Ser fa-
cultado as partes indicar ao destribaidor o,
labelli3o que preferem para lavrar a escrip-
tura, sem que por isso baja compensado
na destribaicSo.
TITULO IV. DISPOSICES COMJIUNS.
Art. 47. As attribuices correcc"[iaes.
que pelo decreto n. 834 de 2 de outubro
de 1851 compelem aos juizes de direito.
ser3o 1 or estes exercidas em relaco aos
feitos, medida que Ibes forem conclusos :
e em relaco aos livros e mais papis di-
que trata o citado decreto, quando se acba-
rem presentes nos termos das respectivas
comarcas, sendo nessa occasio impostas as
penas disciplinares do mesmo decreto.
Art. 48. A priso por falta de paga-
mento de custas nao exceder de dous
mezes.
Art. 49. Das justificares fetas em
juizo nao se deixar traslado, salvo quando
a parle o pedir.
seus planos e se julgava senhor do fu-
turo.
No instante em que Lzaro fez gyrar a
chave na fecbadi-in, untada cuidadosamente
com azeite, tinha-se declarado Simoa Ray-
mundo em aberta rebellio e estava muito
decidida a n3o obedecer quem tentava
pr-lhe a calceta de um peccado ominoso.
impossivel dizia ella conHgo, impos-
sivel que en esteja destinada eternamente
ao crime, s por haver um tempo em que
nao retroced ante as maiores maldades.
Seria urna cousa monstruosa De que
servira ent3o o arrependimento ? N3o ;
eu saberei quebrar a cadeia com que o
marquez de Saint-Maixent me julga ter presa.
A arma com que tenta ferir-me, ha de
voltar-se contra elle, e apezar de se per-
suadir que invulneravel, eu Ihe provarei
que seillude.
Simoa nao sabia onde eslava. Tambem
n3o sabia com certeza o que d'ella iam
exigir ; mas a sua maravilbosa perspicacia
imagnoo em crande parte o plauo do mar-
que:, la jurar que Saint-Maixent tentava
apoderar-se de alguma heranca, e que nao
o poda conseguir sem obstar ao nascimen-
to de um herdeiro.
Convencida de que nao se enganava as
suas dedueces, fez o seguinte' raciocinio :
O mesmo que, com o mea auxilio, se
quer supprimir, pertence de certo alguma
familia rica e poderosa. O pai ha de ser
; lgtfm fidalgo. Pois eu irei direita esse
fidalgo, e com toda a franqueza e lealdade
Ihe confessarei tudo: o meo passado, a
minha verdadeira situaeio e a sentenca de
morte que pesa estas horas sobre mim ;
e dir-lbe hei tambem que o mais infame dos
bomens quera obrigar-me, por meio da
ameaca e da violeucia, a commetter um
novo crime. E. depois de Ihe ter declara-
do toda a minha vida, pedirei esse fidal-
go a proteceo que nao saber recusar-me.
Em troca do servico que" Ihe presto, em
troca da vida de seo fllho, obteri do rei o,
meu perdo, e Saint-Maixent cahir nos
seos proprios tacos ao querer perder-me.
D'este modo resuma Simoa as suas
compridas reflexes, quando se abri a
porta do gabinete e a adevinha vio appare-
cer Lzaro, de olhos muito espantados e
cara muito contente.
Ao ver-se na presenta do seu antigo
amante, quem aecusava, e nao sem mo-
tivo, de ter descobarto ao marquez o se-
gredo do sea verdadeiro nome e do seu
retiro na aldeia de Chamblas, o primeiro
impulso de Simoa foi um impulso de co-
lera.
Mas era Lzaro a nica pessoa que a po-
da por ao correte de varias cousas que
desejava saber, e nao o obrigaria certamen-
te a fallar por meio da violencia.
Simoa assim o entendeu, e preludiou,
pois, a comedia que a representar com o
criado para descobrir os segredos de seu
amo, recebendo-o com amavel sorriso no>
labios.
Notemos de passagem que era aquella a
primeira vez, desde o dia antecedente, que
Lzaro se encontr^va s com Simoa.
3ons dias, meu amigo, disse ella es-
tendendo-lhe a mo.
Com todos os diabos, Simoa I bradou
o criado. Essa amavel recepeo deixa-me
nao menos espantado que alegre I Pala-
vrinha, que nao esperava tanto I
E porque ? v.
Porqne, sabendo ea quaes eram os
teus bons propsitos de vi ver na obsenri-
dade e na honradez, imaginei que me (ica-
rias com zanga por ter ajudado meu amo, o
senhor marquez, a dar comtig ?
Eoganavas-te, meu amigo. Quando
se tem arrostado com todas as tempestades
da vida, nao basta s a nossa vontade para
quebrar de vez a cadeia qoe nos- prende
vida passada. E d'ahi, com franqueza, nao
ha nada mais montono qoe a virtade1:
aborreci-me terrivelmente n'estes seis me-
zes que ella me eotregoei.
E todava se nos n3o fossemos l
desencantar-te, continuaras ainda essa exis-
tencia exemplar, qae tanto pareca agra-
dar-te.
Ent3o que qaeres ?... nio. se me
offerecia oj portunidade para mudaf de vi-
( Continuar-se-ha).
da, e por outro lado, preciso ter em coota
que a minha salvacjto estava mesmo por
um fio ; era inclispensavel todo o costo
que as suspeitas se afaslassem de mim. A
reputaco inviolavel e boa que eu tinha, ja
garanta a minha seguranca. Agora, porm.
tudo.se muda para mim, e nada receio d'a-
qui em diante, urna vez que (ico sob a pro-
teceo do marquez de Saint-Maixent, pes-
soa rica e poderosa, ao que parece.
Rico, nao ha de tardar muito que o
seja, disse Lzaro interrompendo-a, at
muito rico. Imagina t, minha querida,
que v.,mos contar o dinheiro aos milhes e
que o mordomo hei de ser eu I Com
lodos os diabos I Que dizes t isto ?
O que eu digo que sempre foste
um maroto feliz, e espero que tambem
caiam em mim a'gumas gotas da chava de
ouro. 0 marquez generoso, hein ?
Ora I Como um principe I Soce-
ga, has de ficar contente.
Contente j eu estou, e anda mais
ficaria se soubesse o que teaho de fazer.
Has de perceber que se trata de urna
das tuas habilidades.
Alguma creanca que tenho de sappri-
mir ?
Dste no vinte.
Fdho de fidalga ?
Com toda a certeza. Nao nos met-
teriamos em tamanhas dancas, se a impor-
tancia do negocio nao merecesse a pena,
Trata-se de urna heranca colossal.
E a fidalga tambem cmplice 1
Qual historia I Dara metade da vida
nara conservar a de sea filho. Se ella ha
quinze annos nao pensa n'outra coosa I E
demais, t bem o sabes, conhece-la per-
eitamente.
__Qaem, eu ? marmorou Simoa estupe-
facta.
- Sim, t. Essa nao est m I a
raesma quem t dste a ultima consulta :
a condessa Mara de Rabn.
Simoa levantou-se de vez, soltando um
grito.
(Continuar-se-ha.)
TYP. DO MAK.a ROA 0. DUTJK'OB.GAllA


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E5O00WX14_5KPG6X INGEST_TIME 2013-09-14T00:21:42Z PACKAGE AA00011611_12212
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES