Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:12211


This item is only available as the following downloads:


Full Text
^HHve
/
M IBfiABES OIDE MAO SE *PAfiA POBTE.
Por '
Por ..,'.'. .......
Por urn a. ...."' ........
Cada mumero avul so ? .........
.4h
6000
12I0G
24^000
320
QW EIRA 14 DE SCTEffBRO DE jfjTQ,
PABA DEITBO t FOBA BA PROVINCIA.
zei adiantados.................
Por sei i.................
Por nove ...................
Por am nao idem...................
6*780
43*500
20I25O
2T00O
---------------!
Fropredade de Maioel Figmeira de Faria & Fhos.
SAO ACEHBM:
Os Srs. &rardo Antonio Alves 4 Filbo, uVM ; Gonces A Pioto, no Maranba ; Joaqote Jos de Oiveira, 10 Cear ; AnWOltf de Lemos Braga, no Aracaty ; Joao Mxr. Jobo Chave* *> Ass ; Antonio Manpes da Silva, no Natal; Jos Justino
Pereira d'Almeida, m Mamaoguape Untono Alejandrino de Lima, na Parabyba ; Antonia Jos Gomes, Malla da Penha; Belarmo do Santos Baltto, em Santo AnHo; Dominges Jos da Costa Braga,
^^^^^^^^^^ em Nazareth ; Francisco Tavares da Costa, em Alagoas ; Dr. Jos Martins AlveVna Baria ; e Jos Ribeiro Gasparinho no Rio de Janeiro.
-
PARTE OFnCIAl.
overao da provincia.
EXPE01E.NTE ASSIfi.NAOO PEtl) KXV. SR. SENADOR FRE-
DERICO DE ALMBIOA K ALBt'QUERQUB, PRKsiDEWTB
DA PROVINCIA EM 9 DE ABRIL DE 1870.
4* seccao.
X. 34*.Portara ao Dr. Angosto Frederieo de
Oveira.Achando-se os Indias da aldeia do Bre-
jo dos Padrea roduzilos, em consequeneia do fli-
pello da secca, a ultimo etctremo de indigencia,
recommendo i*?. Exc. que mande entregar ao d -
rector parcial dos mesmos Indios, Mauoel Fran-
cisco Botelho, os seguintes instrumentos agrieo
lasj'o enxadas, i fauces, 12 martillos, 4 ps e
2 I ta vaneas.
N. 3i'J' Dita cmara municipal do Cabo.
Em vista do que ponderan a camira municipal
da villa do Cabu em se-u "ffl:io de 8 de Janeiro ul-
timo e do uno informaran a thesouraria provin-
-cial e o Dr. chcto d- polica em 5 de fevereiro e
iS de marco prximo fin lo, autonse a mesma ca-
niara a mandar fazer na sala de suas sus'-s a
obra i que ilude o seu citado officio, urna vez
que na de-pez no exceda consignago do art.
12 13 da lei do ornamento municipal vigeoie.
N. 3o0.Dita ao director gem interino dos In-
dios. llespoodendo ao offleio de V. S. de 6 de de
zembro ultimo, tenho a dizor que ja dei as neces-
arias providencias, como parteeipei V S. em 6
do coneote, para serem soccorridos os Indios da
aldeia do Brejo dos Padres, que se acham em es-
tado te penuria em couseqoencia do fhgello da
secca.
X. 3~>1.Achando-se os Indios da aldeia do Bre-
jo dos Padres reduzidos, e-n consequeneia do IIi
gello da secca, ao ultimo extremo de indigencia,
rocommendei nena data ao Dr. Augusto Frede-
rico de Oliveira, que mandasse entregar ao respec-
tivo director parcial, Manoel Francisco Botelho, os
seguintes inlrumentos agrcolas 50 enxadas, 2o
fouces, 12 machados, 4 ps e 2 alavancas ; o que
coi.imiinieo V. S. para sen conberimento.
N. 352.Dita -ao director parcial dos Indios da
aldeia do Brejo dos Padres. Achando-se os In-
dios dessa aldeia reduzidos, em consecuencia do
lligello da secca, ao ultimo extremo de indigen-
cia, segundo Vine me represenlou, reeommeodo
ae.-ta data ao Dr. Augusto Frederico de Oliveira
que mande entregar-1 he os seguintes instrumentos
Agrcolas50 enxadas, 23 fouces, 12 machados, 4
ps e2 alavancas; o que Ihe communico para
sua seduca.
X. 353.Dita ao regedor do gymnasio provin-
cial.Approvo a deliberara > que, segundo consta
de seu officio de 7 do crrante sob n. 152, tomou
a congregacao desse gymnasio de crear o distinc-
vo qne Ilude o seu citado oilicio para uso d s
alumnos internos dssse estabeUciroenlo.
N. 334.Dita aos ai-entes da C leira de paquetes.Os Srs. agentes da Companbia
Brasileira de paquetes fceam receber e transportar
corte, por conla do ministerio da guerra, no va-
por Tocantins que se espera do norte, 17 caxdes
contendo 20U0 pares di sapatos, que em virtude
de ordens iraperiaes. tem o arsenal de guerra des-
:a provincia de remetur pana o daqnella corte.
N. 353.Dita aos mesraos. Oj Srs. agentes da
Companhia Brasileira de paquetes mandem dar
transporte para a cdrtn por coma do ministerio da
raarinna, oj vapor Tocantins que se espera do
norte, ao recruta Manoel Garateante MacamUira.
EXPEDIENTE ASSIONADO PELO SR. CR. ELIAS FREDE-
RICO DE ALMEIDA E ALBCQU ERQUE, SECRETARIO DO
COVERNO, BU 9 DE ABRIL DE 1870.
1.* seccao.
N. 336.OBcio ao director do arsenal de guer-
ra.De ordem de S. Exc. o Sr. presidite da pro-
vincia, declaro a V. S. em resposta ao sen officio
de 8 do crrente sob n. 32, que fleam expedidas
as convenientes ordens aos agentes da companbia
brasileira de paquetes, para fazerem receber e
'ransportar para corte no vapor Tocantins que se
espera do norte os 17 caixoes, contendo 2.000 pa-
res de sapatos que esse arsenal iera de remetter
para1 all.
2.* seccao.
X. -357. Offleto ao Dr. chefe de polica. O
Exm. Sr. presidente da provincia manda declarar-
la q.ie por deliberadlo desta data (oi exonerado
para conveniencia ao servieo do cargo do 3." sup-
plente do subdelegado da freguezia de S. Jos nes-
ta cidadeo cidado Antonio Dias da Silva Cardeal,
em vista do seu officio n. 476 de 7 do crreme.
R, 358. Dito ao mesmo. O Exm. Sr. presi-
dente da provincia manda declarar que li ron in-
teirado pelo seu officio de 7 dn corrente sob n. 481,
de quanto informou o delegado-do termo de Itam
b, com relaco do pret da escolta da guarda
nacional que daquelle termo veto esta capital
onduzindo o preso Antonio Joaquira Xavier
Birges.
X. 339.Dito ao mesmo.0 Exm. Sr. presiden-
te da provincia manda declarar qne licou inteira-
do pelo officio de V. S. de S do corrente das be-
currencas que ltimamente se tem dado no .errao
de Flores.
f. 360.Dito ao mesmo.0 Exm. Sr. presiden-
te da provincia manda declarar a V. S. em res-
posta aos seus offlcios de 8 do corrente, que a Ihe-
s turara provincial tem ordem para pagar a Jero-
nymo Pereira Marina, ou a Evaristo Mendes da
Cunha Azevedo a quantia de 59*000, a Antonio
da Fonceca e Silva a de 286*200, e a Jo< Alves
Barbosa a de 48*000 constantes dos citados offl-
cios.
X. 361.Dito ao ceramandante superior do Ca-
bp.S. Ezc. o Sr. presidente da provincia manda
declarar a V. S. em resposta ao seu officio de 6 do
corrente sob n. 1040, que a thesouraria. provincial
tem ordem para pagar a Antonio Jos Pereira da
Cunlu os vencimentos e despezas constantes do
citado offliio.
\ 362.Dito ao juiz de direito de Garanbnns.
O Exm. Sr. presidente da provincia manda de-
clarar qa licou inteirad* pelo seu officio de 24 do
mez Ando, de ter nessa dwa nomeado o bacharel
Jos Roberto da Cunha SaJ^s, para exercer inte-
rinamente o cargo d promet* publico dessa co-
marca no impedimento do efTectivo que veio tomar
asseoto na assembla provincial,
X. 363.Dito ao'-juiz de direito de Cabrob.O
Exm. Sr. presidente da- provtna manda declarar
que ficou inteirado pelo seu officio de 7 do mez
lindo de ter nessa data encerrado a sessio do jurv
do termo de Salgueiro, para n mesmo dia convo-
cada, por nao haver criintaMo algum preso que
tivesse de ser sugeito a jiilgamento.
IT 364.Dito ao coaimaadantfl do corpo de po-
licia.S. Exc. o Sr. presidente da provincia man-
da declarar a V. S. em resposta ao seu officio de
7 do corrente sob n. 162. que a thesouraria pro-
vincial tem ordem para abonar por acuanta ment
os vencitoontos e sidos, constantes do citado offi-
cio.
3.* seccao.
X. 363.Officio ao procurador fiscal da thesou-
raria provincial.O Exm. Sr. presidente da pro-
vincia manda declarar a V. S. para os.flus conve-
nientes que conforma ndo-se cora a sua proposta
couda em officio de 7 do corrente sob n. 69, re-
solveunomear o baeharel Manoel los de Oliveira
Miranda para exercer o lugar de ajudante dessa
Procuradoria flseal na comarca do Rio Formse.
N. 366.Dito ao chefe da rena/ticao das obras
publica.-^. Exc. o Sr. prudente da provincia
respoidendo o officio de V. g. datado de 6 do cor-
rente sob n. 88, manda (".eclwar que a thwourana
de fazenda tem ordem para pagar a quantia de..'.
65000 constante do citado officio.
4.' seccao.
N. 367.Officio ao Dr. Francisco Teixeirade
Sa, 1 sesretario da assembla legislativa provin-
cial.N. 46.De ordem de S. Exc. o Sr. presiden-
te da provincia passo as man do V. S. para serem
presentes a assembla legislativa provincial, 40
ex9mplares rt> relatora do inspector da thesoura-
ria provincial e oulras cootas do bataneo definitivo
e explicativo do exercicio prximo flnao e do re-
sumo Jo Io simestre do correte, ao ornamento da
receita e despeza do exerccio prximo'vindourc- e
Ai relacSes das causas execativas c. nao execut-
vas, que acompanham o rei.iturio do procurador
fiscal anoexn ao referido inspector, os quaes para
terem esse destino foram transmitidos com officio
de 5 de marco ultimo.
N. 368.Dito ao me3mo.X. 47.0 Exm. Sr.
presidente da prjvincia manda declarar a V. S.
em resposta ao seu officio n. 15 de hontem data-
do, e para que se sirva de scicntificar a essa as
semhla que a execucao, quo teve a lei n. 833 de
22 de maio do 186S, a que consta da falla com
que abri a mesma assembla a 1 do corrate, no
artigo que se inscreve, illurainacSo gaz para as
cidades de Olinda, Goyanna e Rio Forraoso depois
do que nada mais ha occorrido acerca desso a.>-
sumpto.
N. 369.Dito ao mesmo.X, 48.De ordem do
Exm. Sr. presidite da provincia reraetto a V. S.
para ser presente a assembla legislativa provin-
cial o aviso junto por copia de 31 de margo pr-
ximo lindo, em que o Exm. Sr. ministro da agri-
cultura recommenda a presidencia que solicite da
raesma assembla a consignacaa de 21:270*000
para acquisieao das coileccdes dos padroes dos pe-
sos e medidas pele novo sysiema mtrico francs,
que davem ser firnecidas aos diver os municipios
da provincia accrescentanJo que o mesmo Exm.
sr. presidente, de novo chama a attencao dessa
assembla para essa medida j pedida em seu re-
latorio.
-*-
EXPEDIENTE ASSIGXAD0 PELO EXM. SR. SENADOR
FREDERICO DE ALMEIDA ALBirQUERQUE, PRESIDEN-
TE DA PROVINCIA ESI 11 DE ABOIL DE 1870.
1" seccao.
X. 373.Portara ao Exm. Sr. general commaa-
dnle das armas.Com este sero apre'ectados
V. Exc. os recrutas Antonio Fenwa da Silva, An-
tonio Correa da Mwtta e Manoel Vicente Fcrreira,
remettidos pelo presidente das Alagas, allm de
que depois de vaccinados e desenvolvidas as pas-
tlas no estalo de prestar-se propagaco da vac-
cia brago brag, regressem para all, como so-
licitou o mesmo presidente no officio junto por
copia, certo de que nesta data expeco ordem aos
agentes da companbia Brasileira para fa/erem re-
ceber e transportar at aquella provincia no vapor
Tocantins, as pracas que os escollaran.
N. 374.Deliberacao.0 presidente da provin-
cia, attendendo ao que requereu Manoel Rodrigues
do Xascimento, resol ve conceder-lhe licenga para
ir ao presidio de Fernando no primeiro vapor da
companbia Pernambuc*na, levando comsige os g-
neros constantes a relago junta, assignada pelo
secretario interino da presidencia, nao podendo,
porm, eiTecniar o desembarque dos referidos g-
neros, sera qiie por parte do commandante do mis-
ino presidise proceda a exame, alim dse veri-
ficar se ha agurdente ou oulra qualquer bebida
espirituosa.Igual concesso se fez a Augusto Ro-
drigues de Oliveira.
2." seccao.
N. 375.Portara ao chefe de polica.Devol-
vendo os offlcios que allude o de V. S. de 9 do
corrente, sob n. 495, tenho a dzor-Ihe que nesta
data foram expelidas as convenientes ordens para
que seja augmentado o destacamento do cabo com
mais dnas pracas da guarda nacional d'aquelle
municipio.
N. 376.Dita ao mesmo.Da conformidade com
o que solicitou o presidente das Alagas no officio
junto por copia, de 30 de margo prximo (indo,
providencie V. S. no sentid > de evitar que as au
tordades da freguezia de Papacaga invadam os
limites d aquella freguezia de Quebrangulo.
X. 377.Dita ao commandante superior do mu-
nicipio'do Recife.E.xpega V. S. suas ordens, para
que seis pragas commandadas por ura inferior de
confianga de um dos batalhoes da guarda nacio-
nal sob esse commando superior sejam postos
disposigo do inspector da thesouraria de fazenda,
para guardar una porgao de p Ivora que toi man-
dada depositar na casa que serve de lazareto na
ilha do Pina.
N. 378.Dita ao mesmo Expeca V. S. as suas
ordens, para que no dia 13 do corrente, s seis
horas da raanhaa, se aprsente em frente da igreja
matriz, da freguezia da Boa-vista nesta cidade.
urna guarda de honra, afim de acorapanhar o San-
tissimo Viatico que tem de, em procisso ser lew-
do aos enfermos da dita fregnezia.
X. 379 Dita ao comraanJante superior do mu-
nicipio de Olinda.Expega V. S. as suas ordens,
para que o 9. batalhao de infantaria da guarda
nacional do municipio de Olinda, se aprsente a
17 do corrente, s 5 horas da manhla, em frente
da igreja do Senhor do Bora Fm, para acortpa-
nhar a imagem do Senhor Resussitado, que em
proc3sao tem de nesse dia ser exposta venera-
gao dos fiis, pela irmandade daqnella invocagao
N. 380.Dita ao commandante superior do mu-
nicipio de Xazarelh.Devolvo V. S. a proposta
junta, que veio annexa ao seu officio de 10 de n.v
vembro ultimo, por preenebimento dos postes da
seegao de reserva n. 3 do servieo de reserva da
guarda nacional des-e municipio, por se acharem
prvidos os postos de companhia e tenente da
primeira companhia e o de alferes da segunda,
sendo qne por ser privado do respectiva pesto o
alferes da primeira Ignacio de Farias Ribeiro, con-
ven qu seja antes ouvido sobre essa falta de sua
parte, trazeado V. S. ao conheciroento desta presi-
dencia a resposta que elle der.
N. 381.Dita ao mesmo.Mande V. S. dar as
guias de que trata o art. 45 do decreto n. 1130 de
12 de margo de 1853, ao tenente quartel-mestre do
batalhao n. 18 desse municipio, Joo Carneiro da
Cunha AJbuquerqud. e ao alferes da quarta com-
pauhia do dito batalhao Justino Jos Ferreira Lima,
a este para o municipio do Recife, e quelle para
o de Goianna, aonde fivaro suas residencias.
N. 382.Dita ao comraandandante superior do
Cabo e Ipojuca.Expega V. S. as suas ordens,
para qne seja augmentado cora mais duas pragas
o destacamento qne existe no termo do Cabo.
N. 384.Dita ao de Cabrob e ExCommunico
a V. S. para os devidos flus, que por deliberado
desta data privei dos respectivos postos os offlcies
contantes da nota junta do batalhao n. 48 de in
fantana da guarda nacional do municipio de Ca-
brob por se acharem cemprehendidos no 1 do
art. 63 da lei n. 602 de 19 de setembro de 1830,
e nomeei para os mesmos batalhoes os offlcies
constantes da relago tambero junta.
Relacao a que se refere a portara svpra.'
Estado-maior.Alferes porta-bandeira, Cesario
Barbosa de S.
2" companhia. Alferes Antonio Urbano dos
Santos.
3* companhia. Alferes Aprigio Gomes de S
Batinga.
4* companhia. Alferes David Gomes de S
Correa.
6' companhia. Alferes Jos Francisco Coelho.
X. 384 bis.Dita ao commandante do batalhao
n. 2i da Escada.Approvo o uniforme por Vrac.
propo3to em officio de 8 do corrente para a msi-
ca do batalhlo sob sea commando de conform4a-
de com o figurino que veio a elle annexo.
X. 383.Dita ao chefe de polica.PMe Vine,
eliminar do corpo sob o sen commando. as nragas
Pedro Monso de Albuquerqne Maranho-, Theolo-
nio Ferreira da Silva e Antonio Jos Caroairo da
Silva, de quem trata o seu officio n. 160 de 6 do
corrite, visto terem sido julgados incapazes de
servir.
X. 386-DelibaragSo.O oreiidente da provin-
cia attendendo acbar-seemorganisago o batalhao
n. 48 de infamara da guarda nacional do oueief-
po de Cabfob; resoive de conformidade com o
aviso n. 81 de 15 do fevereiro de 1860, nomear pa-
ra o referido batalhao os offlcies seguintes r
Estado-maior.Alferes porta-badeira, Manoel
Fortunato da,Silva Torres.
2' companhia.Alferes Antonio Manoel de-fio-
do?.
3" companhia. Alferes Manoel Gomes de- S
Datinga.
4" companhia.Alferes Manoel Goncalves TJo>-
ris Silva e Francisco de Sa Rodrigues.
6* companbia.Alferes Procopio Jos de Car-
dozo.
X. 387.Dita.O presidente da provincia en*
vista ilo que informou o commandante interino do
batalhao n. 48 de infantaria da guarda nacional do
municipio de Cabrob, e o respectivo commandan-
te superior em officio de 19 de Janeiro do cr-
reme, resolve de conformidade cora o art. 65 i
da le n. 602 de fS'de setembao de 1850, privar
dos respectivos postns os offlcies seguintes, por
nao terem no prazo da lei solicitado as respectivas
patentes :
Estado-maior.Alferes porta-bandeira, Cesario
Barbosa de S.
2 companhia. = Alferes Antonio Urbano dos
Santos.
3' companhia.Alferes Aprigio Gomes de S
Batinga.
4* companhia. Alferes David Gomes de S
Correa.
6* companhia.Alferes Jos Francisco Coelho.
X. 388.Dita.O presidente da provincia en
vista do que Ihe reqaereu Justino Jos Ferreira
Luna, alferes da 4> companhia n. 18 do municipio
de Xazareth, e em vista ao qae informou o respec-
tivo commandante superior, resolve qne se Ihe d#
? guia de que trata o art. 45 do decreto n. 1130
de 12 de marco de 1853, para o municipio A
Recife onde tem dxado a sua residencia.
X. 389.Dita. O presidente da provincia at-
tendendo ao que Ihe requeren Joo Carneiro da
Cuol e Albuquerqne, tenente quartel mestre do
batalhao n. 18 de infantaria da guarda nacional do
municipio de Xazarelh, e em vista da informagio
do respectivo commandante superior, resolve que
se Ihe dea gnia de que trata o art. 45 do decreto
n. 1130 do 12 de marco de 1853, para o municipio
de Goyanna, onde tem fizado a sua residencia.
X. 390.Dita. O presidente da provincia at-
tendendo ao qae llw requeren Antonio dos San-
tos Pinheiro, tabellio e eserivo de orphaos do
termo de Ipojuca, resolve conceder-lhe mais tres
mezes de licenga para tratar de saa sade otvie
Ihe convier.
3
Wto, con se v do certificado annexo- ao
vl2ado re hr ***-~I)'ta *> ciwfe da repertigao das obra
puwieti.Qyncedo a antonsacao que Vac.-soltc-
ton A oflleiu de 7 do corrente sob n. 91
l para-
blica a obra- da abobada do' cano de esgto de- que
traa o citado officio.
4-' secgio.
IV. 433.Offltie ao Dr Francisco Texeira de S
i* secretario da-assembla lettislativa provincial.
da
----...*, uo uu laceare suu u. lf-yar i .^ci:i 6UIIU u* arertjliuma IH
inanaar ecotar por adwnislragao os roperos ur- X. *9.De ordem- de S. Exc. o Sr. presidente u
8t0""fl'que precisa a ponte de Junqneira, des-1 provincia, transmit por copia- V. S. para ser
^.!J?S?r* es* fl"e a quantia de la320f-: presente a assembt legislativa provincial, o n-
etujo officio da eamara manicipal'dn villa de Bui-
seegao.
X. 332.- Portara ao inspector da thesourarii
de fazenda.Tomando em consinerago o qne V.
S. expoz em seu officio de hontem, leuho a dizer
em resposta, que ficam expedidas as convenientes
ordens, para que o inspector de sade do porto,
mande emregar-lhe as chaves da casa que serve
de lazareto na ilha do Pina, para nella serem de-
positados os 1200 barris com plvora, de que tra-
ta o citado offleto e seja prestada a guarda que
all se faz precisa.
X. 393.Dita ao mesmo. Tendo acceitado em
vrtude de reelaraaga do juz de direito de Gara-
nhuns, de 17 de margo ultimo, o offerecimento
qu fez o Dr. Bernardo Frendeotal de encarre-
gar-se do tralameoto dos indigentes accommetti-
dos de urna febre reinante no termo do Bom Con-
selho, mande V. S entregar Ihe por contado ere-
dito do 40.000* aberto por esta presidencia, a
quantia de 200* para as despezas que tem a fazer
com o seu transporte e cora os respectivos medi-
camentos.
X. 394.Dita ao mesmo.Por coma do crdito
de 40:000* aberto para soccorros pblicos, mande
V. S. entregar ao director parcial dos indios da
aldeia do Brejo dos Padres Manoel Francisco Bo-
telho, a quuiua de OO*, para ser destribuida
com os mesmos indios, como soccorro, atienta a
extrema indigencia em que se achara os mesmos
indios, que em consequeneia da secca esto desti-
tuidos de muios para sua alimentario, servindo
essa quantia tamben para as despezas de conduc-
go do porto de Piranhas ao lugar da mencionada
aldeia, dos gneros que para all vb ser remetti-
dos.
X. 395. Dita ao mesmo.Communico a V. S.
para os devidos flns, que segundo partictpou o
juiz de direito da comarca de Crnar, em offleio
do 1* do corrente, nessa data foi nomeado interi-
namente promotor pnblico daqnella comarca no
Impedimento do effectivo, o bascare! Miguel Ber-
nardo Vieira de Amorim.
X. 396.Dita ao raesrao.Ctxnmnnico a V. S.
para seu conhecmemo e flns convenientes, que
segundo consta de officio de brigadeiro caoiman-
dante das armas, foi nomeado para exercer o la-
gar de ajudante do deposito d recrutas o tenente
do 9* batalhao de infantaria Pedro Velbe da S.
Brrelo, quo interinamente eslava exerceodo esse
lugar, desde que foi delle dispensado o alferes
Francisco Jos do Silva, que seguio par a corle.
X. 397.Dita ao mesmo.Transmiti a V. S.
para os Pros convenientes,, as inclusas conlas dos
medicamentos formcidos-pelo pharmaeeutico Jba-
quira Ignacio Ribeiro a enfermara militar sob a
adminislrago do conselno econmico do deposito
de recrutas nesta provincia no trimestre deeorn-
do de Janeiro a margo ultimo, destinados ao trata-
menio das pragas do exercito, recrutas para o
mesmo dito de marinha e prisiooeiros de guerra
paraguayos. Tamben envi com as referidas con-
las o atteetado do i cirurgio honorario socarre-
gado da mesma enfermara em o qual declara que
o receitaaxio foi aviado eom medicamentos de
boa qualidade e com a precisa promptifo, segun-
do o termo do respectivo contrato.
X. 398.Dita ao inspector da thesouraria pro-
vincial. =Sendo de urgente necessidade a obra da
abobada do cano de esgoto, qne existe ao tado do
leste da alandega desta capital, segundo consta
de officio do respectivo inspector datado do 23
de margo ultimo sob n. 216, e declarando o
Exm. Sr. ministre da fazenda em aviso de 30 de
Janeiro do anno prximo passado, que essa ebra
deve ser executada por coma dos cofres da moni-
cip'lidade que nao dispe de raeios para esse fin,
recommendo por isso a V. S. que mande por era
hasta publica a mencionada obra, servindo de ba-
se a essa arrematagao o orgamenlo junto por copia
na importancia de 2:0943400 e que me remetleu
o chefe da re
ci de 30 de,
X. 399.-D
partigo das obras publicas com offl
ulho de 1868 sob n. 237.
ta ao mesmo.Declaro a V. S. para
seu conheeimenlo e flns convenientes, que njsta
data aulorisei o chefe da repartlgio das obras pu-
blicas mandar executar por administrado os re-
paros urgentes de que precisa a ponte de Junquei-
ra, despendendo para isso at a quantia de 1:320*
constante do orgamento, junto por copia, que ap-
provei e rae foi remedido por aouelle ebefe com
officio de 7 do corrente sob n. 91,"
X. 400.=Dita ao mer.rao.Expeca V. S. as suas
ordens, para que tela paga ao erapreiteiro do cal-
camento desta cidad'e, como pede no incluso re-
quqrjmeqto'aq.uao'ja. de 85:109*840 a que tem
constante do organieato ifoe nesia dala appwvei e
ve! je ao citado offleio.
X-408.Dita ao mesmo.Tendo nesta dale
salomado o inspector da thesoararia provincial
mandar prem-tmsta pobliea a obra da abobada
oo cano de esgo qae existe ao lado do leste di
airandega_e*sta capitel, servmdo de base essa
^no.3'?^? rcannto que na importancia- de
f'-xx4**00 'e>o-annero ao offleio dessa reparlieac-
de 30 de julhod 1868 sob n. 237, assim o dettla-
ro a Vnc. para seu conhecimento e direego.
" *03.Portara ao Em. Sr. desembargador
provedor da Santa Casa de Misericordia.Era vis-
la de sn? informago de do corrente sob m
2o75, pode V. Km mandar entregar rsula Ma-
na das Virgen sua nel educanda do collegio
das orphias Joanna ClauAna da Fonceca.
X. 404.Dita ao govenwdor 5o bispadoIn-
forme V. S. con> urgencia- o qne se Ih" offerece>
sobre os inclusos projecto ns. 4 e 6 do corrento-
anno, da a-semba legislativa provincial.
X. 405.Dita ao Inspector da sade do porto.
Tomando em cunsideragae o que expoz o ins-
pector da thesouraria de faieoda no officio |unto
por copia datado de hontem, recommenda a V. .S.
qae mande entregar com urgencia a chave da ca
sa, que foi edificada para o lazareto da illia do Pi-
na, allm de ser neHa depositada 1200 barricas de
plvora, que se acfaam a bordo do brigue inglez
rjro.
X. 406.Dita "ao Dr. Bernardo Frendinthal.
OITerecendo-se Vrac. para encarregar se gratuita-
mente de medicar os indigentes aecomraettidos de
febre no termo do Bom Conseilu e era vrtude de
reclamado do jnz de direito de Garanhuns em
offleio de 17 de marco nltimo, acceito o seu offe-
recimento e ex peco riesta data ordem a thesoara-
ria de fazenda alim de ntre]|>r-lrie a quantia de
200 para as despezas que tem de fazer cora o
seu transporte e com. os respectivos medicamentos.
X. 407.Dita aos agentes da companhia ora-
sileira de paquetes a> vapor.Podem Vmcs. fazer
seguir para os portos do sol o vapor Tocantint,
hoje a hora indicada era. seu officio de hontem da-
tado.
X. 408.Dita aos-mesmos.Os Srs. agentes da
corapanliia brasileira de patinetes a vapor, man-
dem dar transporte para Mace por eonta do mi-
nisterio da guerra, ao cabo do exmelo batalhao n.
53 de voluntarios da. patria, Manoel Joaquira de
Azevedo Barros.
X. 409.Dita aos mesmos.Os Srs. agentes da
companhia brasileira de paquetes mandem dar
transporte para as Alagas no vapor Tocantins,
por eonta do ministerio da guerra, s cinco pragas
do corno de potiera daqnella provincia, que vieram
efeoHndo tres recrutas destinados o exercto
para serem aqu racciaados.
X.. 410.Dita aos mesmos.Os Srs. agentes da
companhia brasileira de paquetes mandem dar
transporte para a corte por conla do ministerio da
guerra, no vapor Tbr.amtu aos reerntas Jos Ma-
duro e Joo Flix Pereira, e bem assim o reernta
desertor do Rio Grande do Xorle, Joo Modesto
Silveira.
N. 411.- Dita ao ggrente'da companhia Pernam-
bucana.Pode Vine, fazer seguir para os portos-
do norta e sul os vapores Ptrajtamo e Giqi, no
dia 13 do crreme a fvra indicada em seu offleio>
de 9 deste meii
X. 412.Dita ao mesmo.Q> Sr. gerente da
companhia Pernambucaui mande transportis-
at Penedo por-eonta do ministerio do imperio no.
primeiro vapor que seguir para o sn1, 10 saceos
com mimo, 6 com fijSn, 50 enchadas, 25 fouces.
12 machados, 4l paz. e 2 alavancas, que conduz o-
director parcial dos indios da aldeia do Brejo dos
Padres, Maaool Francisco Boteno, para soccorro
dos mesmos indios que em consequeneia do flU-
gello da s"cca aehaoi-se em estado de penuria..
X. 413. Dita ao mesmo.O Sr. gerente da
companhia Pernambucana mande dar transporte
at Penedo no primeiro vapor que seguir para o
sul, era lugar de- r destinado a passgeiro d;es-
tado ao director parcial da aldeia do Brejo dos
Padres, Manoel Francisco- Botelho, e da proa a
don* indios-que o acompaobam.
X. 414,.Dita ao mesmo.O Sr. gerent8 da
companhia Pema-mbueaoa mande dar transporte
at Maraangnape no vapor Cururipe', por eonta
do ministerio do. guerra ao alferes do extincto ba-
talhao n. 53 de voluntarios da patria Leodegario
Ferreira Coerho.
X. 41S.IDita ao mesmo. O Sr. gerente da
companbia Pernmbucana mande dar passagem
d'estado a re-at Alagas no primeiro vapor que
seguir paran sul Manoel de Souza Leo era-prega-
do na secretaria da assembla legislativa d'aqaella
provincia.
BXPEDLENXB' ASSIGMADO- PBLO SR. DR. F.LI.VS FREDE-
RCO DE ALMEIDA E ALBUQUERQUE; SECRETARIO
INTERINO DO GOVBRXOv KM 11 DE ABRIL DE 1870.
1 seegao.
X. 4*6.Offleio ao Exm. Sr. general.De or-.
dem de Sv Exc. o Sr. presidente da provincia de--
claro ai T. Exc. em resposta a> seu offleio de 9|
do corrate, sob a. 180 que ficam expedidas as
convenientes ordens aos agentes da companhia
brasieira de paquetes, para fazerem transpor-
tar o rapor Tocantins os tres reerutas de que
irata o seu citado offlsio.
2* seegao.
N. 417.Offleio ao Dr. chote de policaO
EXm. Sr. presidente da provincia manda declarar
em resposta ao officio d V. S. de 9 do corrente
sob n. 494 que licou ioteirade das oceurrencias
ltimamente havidas no termo de Floresta e das
1 providencias tomadas a respeito.
X. 418.Dito ao juiz de direito de Palmares.
O Exm. Sr. presidente da pn.viacia manda decla-
rar em resposta ao seu offleio de 1 do corrente
que fleon inteirado de ter V. S. nessa data no-
meado o bacharel Miguel Bernardo Vieira de
Amoriro para exercer interinamente as funccSes
de promotor pnblico dessa comarca no impedi-
mento- do effectivo.
N. 4W.Dita ao de Bunito.-O Ixm. Sr. pre-
sidente da provincia manda declarar que fieou
inteirado pelo Seu officio de 1 deste mez de ter V.
S. nessa-dala procedido ao sorteio dos juizes de
fecto que deve servir na 1* seegao ordinaria do
iury do tormo do Bonito.
3.* seegao.
N. 420.^-OOcio ao inspector da thesouraria pro-
vincial. S. Exc. o Sr. presidente da provincia,
manda ocmmunicara V. S. para seu conh.ecimmo,
qae segando consta de officio do conselheiro Dr.
Francisco de Paula Baptisia de 8 do corrente, sob
n. 117 entrn elle nesta data no exeroicio interino
da diretoria geral da instruccao publica.
N. 421.Dito ao mesmo.O Exm, Sr. presiden-
te da provincia, manda coramunicar a V. S. para
os fias convenientes, qae nesta data se expedio or-
dem ao commandante superior da guarda nacio-
nal do municipio do Cabo, para augmentar o des-
tacamento d'aquelle termo coro mais 2 pracas.
X.,422-^Dito ao inspector da alfaadega.S. Exc.
o Sr. presidente da provincia, manda declarar.
de dbrroir, o do pa no-segundo andar, e o do fllb^
no priitetro.
*"* "oras da matria, Mr. Xthan fimo, se
gundl> o costme, entpoa no qoarto de sen pai
para Ihe dar bous das. Sorprendid por ver va-
eia a eama, correa ao qtrano de vestir, e encon-
trou neHe sen pai assassiaado, tendo o eran e-
migalhadn de >rma brutal/ Chamad* um medie
declaro ter sido a roorte feita algumae horas an-
laao; d'AssunDpgc-DBlgsIdo, fferece por renda ura
aca^e de saa proariedade no lugar denominado
PtHjJeiriaha, afira de que a mesma assembla le-
gislativa provincia) se juagar conveniente rote um
crdito smffiriente para a compra do referido acude.
NI 4>24.Dito ao mesroo^-N. 50.De ordem de
S. Iwc. o- Sr. presidente da provincia, tcaosmilto
-V S com a inforntagao thesouraria provin-
cial -de 21 de margo prximo- laido par* ser prc-
senti aasgtrabla legislativa provincial-: afl# de
tomar na eoaideraga -que merecer o oiStia tam-
bera noto por copia de 2f de Janeiro aitimoem
jae'a oamara municipii da illa de Floresta pede
um aonlio da quantia de 200 para a compra de
umalmnbilia para a saia "oao chegaren os seus rendioientee para saisfaer
semalbanie despeza.
_ N*. 43SiDo ao mesa.H 5*.De ornara de-
S.-Ekc. o-Sr. presidente da provincia, transmiti
ftor copia V. S., para ser presente assembla
legislativa, provincial o iaeioso officio de 8 do cor-
rate, sob-nt. 2579, em qae o dfesemeargador pro-
vedor da Santa Casa de Misericordia ponderando
tsrem-se-esgntado a loiarias-votadas era baaatV
cro dos pmriraoaros dos asubeieoiioeatos de cari
,dade e d orphaos, pede m nene da referida jun-
ta mesma assembla, a soneessao de novas-lote-
rias^extraainda-sedellas durante-o prximo sxer-
9wio( dejs partes em favor- de prireein desses pa-
triiniioin*. e dnas do segundo.
X.'426iDito- ao raesraa.-N-.- 5fcEra resposu
aoseu officio d9 do corrente, sob nv 16, em-que
por parte da aesantbla proviasiat,. pede informa-
gao de S. Bc: o Sr. presidente da-provincia so-
bre a petisao, qae devolvo, de Amonio Carv.ilho
dos Santos-manda o mes;no Exm. Sr. declararla
\Ti S. para que- leve "ao conhecimento da asssin*
Mea, que, sendo de algnma impertaneia o ramo
iie industria -qoe se refere o peticionario conven
aax-lia-lo,.pep exemplo : oemiseaeo de imposte,
mas nunca- coneedendolhe previte'jio, perquanto
esse ramo de indastria mono conhsoiilo na as-
pohlca do-Pratay e assim Baa roelhante tencesisao.
X. 1427.Dtto ao Exm. Sh desemargador pro-
vedor da 3anta Gasa de Misericordia.3. Excuo
Sr. presidontn da provincia^, manda agradecer o
convite qpa- Y. Eic. se servio faze>-lhe em seu (*
3cio de 8 do corrente, sob n 2365> para assistir a
missa que-se tem de celebrar- na ijrexa. de Xosea
Seohora da-Panaiso no da Wrdest- mz, s 10 ho-
ras da inaoha,. e era respesta declara que far. a
deligenci.v de comparecer ao mesmo acto
N. 488-..Dito ao mesmo-..S.- HSec. o- Sr. prest-
dente da provincia, manda declarar V. Exc, que
nesta dat*.fi suomettido ao counecimeato da as-
semUa legislativa provincial,.o officio que V.
Exc. Ihe-dirigi em 8 do corrente, sob n. 2575,
soliciandftmiva concesso de loteras em benefi-
cio dos patrimonios dos esttbelecimentos de can-
dado e deorpbaos, visto se ter esgetado as que to-
ra m rotadas.
X. 499v-Dito- cmara mnnioipar deFlorestn*
De oidem de S. Exc. o Sr. presidente da pro-
vincia, declaro- a cmara municipal da villa de
Florestvque nesta data vaiser prsenle asse--
bla legislativa provincial pana temar em consite-
ragao, o sen officio de 21 de Janeiro ultimo, solici-
tando um auxilio de urna mobilia>para a sala das
sessoes do Jury.
JIMIO DE PERMiMBUCO
REQFE, 14 DE SETEMBRO DE 1870. .
Xotici -tdus Estado CTaldos e do
Para.
Chagou hontem pela raanhaa e vapor South Ame-
rica traaendo datas de Xew'YoriL 22 de agosto/ do
Amazonas 1." edo Para 7 do corrente.
BSTADJ#inOi
Bperava-se todaa momento em Xew-V.wk
o geaeral Grant, de voita de sua vugem ao Oeste.
Dizia-se qae, apenas voltasse, publicara umapro-
clamaeao declarando a neutralidade dos Botados-
Unidos na guerra fraoeo-prussiana.
Xo dia 7 de agosto morreo, em Xew-TP-jrk, o
almirante americano Farragiit, com 69 anno* de
idade, e depois de servir 60- anno> na maoinba da
grande repblica.
Em Philadelphia.nm aando do femaoos pro-
mova a reorganisacso.da soa sooiedade, conside-
ravelmente abalada pela ultima eampanba do Ca-
nad.
Correrara tranquillas as eleigoes no Ten-
aessee, vencendo os demcratas por grande maio-
ria.
Houve em Xew-York urna grande reoniao
de subditos francezes, soba presidencia de Mr. Pa-
risnt, e nella se omeoa urna eommissa compos
ta de Mrs. P. A- Gerdy, A. d'Ouville, Vatable, a L,
Monoier, para aromower ama subscpipeao em fa-
vor dos seus compatriotas teridos aa guerra ac-
tual. At 22 de-agosto elevava-s i somraa. de
11,85$ dollarse 70 eent. o producto dessa subs-
cri|>cao.
Alm dessasubseripeo oulras maitas eram pro-
movidas em qunsi todas as localidades dos Esta-
dos-Unidos. A- da S. Francisco da Califopnia so-
bia a 10009-dollars ; a da Xova Orleans a 7,W
dollars ; a da Havana a 5,000 dollars ; e a do Ca-
nad a S.000-dollare.
A' bordo do vapor lyaSbyette foram trans-
portados de New-York para Pranga os restos mor-
aos lo ex\-ministro franjea nos Estados-Unidos,
Mr. 'revost-Paradol. Ao embarque precederam
exequias solemnes na igreja de S. Matheus, com
assisjencia extraordinaria.
. E,n, toda a repblica dos Estados-Unidos pro-
duziram grandes sensagdes as noticias da fuerra
franoO'prussiana ; sendo a raaiona da opiniao pu-
blica, segundo diz o Ccumer des Etats-Unis, em
favor da Franga.
Morreu repentinamente era New-York o ca-
valheiro Charles de Lposey, cnsul geral da Aus-
tria nessa cidade, victima d'uma apoplexia fumi-
nanlii.
10 relatorio offlcial da divida americana, pu
bltcado pela adrainistrago do thesouro, aprsenla
urna reduccao de 17 railho de dollars no raet de
julho. o saldo existente no thesouro, 31 de ju-
Iho. era de 140,898:829 dollars, dos quaes.......
102,930:000 dollars em ouro e prata.
Lemos no Courrier des Etats-Una de 6 de
agosto :
Ura dos mai3 ricos e estimados cidadaos de
NewYork, foi hootera assassinado mysteriosamen-
te, sem nada se ter podido at agora descobrir.
c O Sr. Benjamn Nathan, corrector na ra
Broad n. 48, mora va na 23.' roa do Oeste, prxi-
mo da 5." avenida, n. 12. Desde o principio do
estio elle se retirara para Elisabeth cora parte de
sua lamilla ; mas voltou na quinta-feira a New-
a V. S. em resposia ao seu offleio de 23 de margo York afim de assistir aos offlaios fnebres pela
ultimo, spb o. W6\ qqe aesta data autorisouse a alma de sen pai. Depois de ter passado o scrao
h,esap,raJ a nrovinoia.\ a mandar p6r era hasta pa- com seu fl,lho, elles reoolheram-'Se, seus qaartos
comer a nao sereachar-searrombadopor mei.i
a> explosan de plvora um cofre existente n'om
qaarto preximo; e roobado da-todos os valores au..
coonha. H
Nio se-pede eonteieer se o ronbo foi eomroer
lide antes ou-depo da morter- sendo aaraordi-
narto que nwn o a nem uracriado, que dorma
prcsmto do amo nada ouviram.
Suppde-se que os autores do- erime, aprovei-
tande o estarem dimsos arliswt ampando o en
canamento do-gaz, sob- a capa de- trabamadore,
se iMrodziram-na casa o at s* oecultaram at
perpretarem o-orim; uoa M. Nathan, accordando
sobresaltado ora o estampido, dlrigio-se para o
quartoonde estvao eof-o, senda-ahi assassinado
com urna martallada a ootros golpe, antes queno-
desse pedir soccorro;
t Oe-membros do Stock resclvoram offerecer
ama gratiheagao- de IfttO dollars- -qaem desco-
brir us aatores do orime.
- M^-j*Iln:", nah 3 anaos e era- oanhado do
juiz Cardorzo. Pertencia religi israelita, o era
um dos mais Importantes- membros- da eorporacao
SkeantMsfael.
Esieborrivel erime prodaiio effdKv extraordi-
nano na populago-de Xw-York ,oecuaando-se
todas as co.-ses do commeolario das circnmsUa-
eia-, e da probabilidades- da descobarta dos sens
autores ; sendo opiniao geni quo sa denuncia
as poderdescebair: -
A viava da victima oflertee as sotuiaaes gra-
laVagSes : de 3P.0W dollaro pela captnm do cri-
minse; rjeOpela descoberta de cada um dos bo-
tees de brilhantes roabade. ; 1,500 dem-dos relo-
gsoe e cadaas; 300idem de qualquer mf#roneio s.-
breoouro roubado 300idemde orna medama
de onro ; W> idem-de propietario do- instrumento
cem que to perpetrado o erime, 800 pela apresen-
tacao de un papel apanhado-na escada da'tasa do
assassinado do mejmo da do erime. '
AtueaMA.
Nadaoeorrn, que mereea mena|a>
PAav
A assembla provincial- prosegua em seus
trakalbos.
A alfaadega sendeu no-mez de aeopto......
536:525#a.. ^
A estrada de ferro Paraense transportou, no
mei de agosto, 26378- paesageiros qae pagarau
e:594*50* ^ PauJ
O cambio regulava : sobre Londres 21 1/4
sobre Par 4S0 a 480-rei, sobre Hambarao 857
rew, e sobre Portugal 160>a 170 por cerno.
PERNAMBUCO.
REVISTA DIARIA.
ASSEMBLA GERAL. Na sessao*usenado
de 5 do eorrente,.foi lido o segointe deerelo :
t Hei por bem prorogar atd o da 13 do pre-
sente mez a presente sestao da assembla geral
legislativa.
Piofeno Jos-Soares de Sonza do mea conse-
Iho, ministro e secretario- de estado dos negucios
do imperio, assim o tenna entendido e faca exe-
cutar.
^ \oP,ai*>aei,0ndo Ri0 ,|e Jtaei'^ em 5 de setsmbro
de 1870t-49 da independencia e de imperio.
Com a rubrica de S. ai. o Lmperadon. Pmlino
Jos Scares de Souza.
ELE1CO SEXATOBAL-Por portara dn pre-
sidencia da provincia, de 9 do corrate, fei desig-
nado o da 20 de novembro prximo, |ara nelfe
ter lugar a cleico para preenchimento da vaga
deixada no senado pelo GoaJo mar IXSTRUCCAO PUBLICA.-Por portaria da pre-
sidencia da provincia, de ft do crranle, fei remo-
vido o professor publico Joao Joso Barroso da
Silva Joven* da seganda eadeira de Goyanna para
a da-. 2/ seceio da ra Imperial da freguezia de
S. Jas, creuda pela lei-provincial n. 925 de 28 de
mato altmo.
ASSOCACAO C9MMEBCIAL BEXEfICEXTE.
Apezar de previos avisos nos jernaes desta ei-
dade, por diverso* dias, nao pode hontem foor-
cwnar a assembla geral dos accionietes da A>-
sociagao G^mmereial Beneficente, peto-quo foi de
novo convocada para o- da 1$. considerando-e
legalmeote constituida raeia hora depois de in-
dia, com o numero de accionistas que comparecer.
VEROADEIRA PrBLAXTROPIA.-Tendo a As
sociaoao Commercial Benecente promovido nina
subssripgo para ser o seu producto applicado
algum acto de ^beneficencia em regosijo pela hon-
T8s terminacao. da guerra centra o Paraguay ;
resol-ven ltimamente que se- empregasse a -om-
ina adquirida na construegao de ama casa appro-
priada ao estafteiecimento de escolas de instrnc-
gao de adultoa das classes dos operarios, e par^
isso pedio o apoto e auxilio-da presidencia da pro-
vincia.
S. Exc. oSr. vicepresidente aceilou e louvon
a idea phantropica da Asseciago Commercial
Bftneflcenle, lembrando, como mais conveniente,
servirem as escolas para a iostruegao de adalto <
de todas asclasses da sociedade, qae delta preei
sarem e se qnizerem utillsar.
ADMLXISTRACAODO CQRREIO. Pelo vapor
francez Ginmde expedio o crrele, a 11 do cor-
rente477* cartas com 7610 portes, 636 jomae*
com 2135 portes, e 3 amostras com 4 porte:-,
sendo. .
Para Franca.
1010 cartas cora 1673 portes.
117jornaes 326
3 amostras > 4 >
Para Portugal.
2648 cartas com 3447 portes.
282jornaes 985
Para Gra Bretanha.
1023 cartas com 2377 portes.
230 jornaes 784 >
Pnra Italia
93 cartas com 113 portes.
7 jornaes 36
AGEXCIAS POSTAES. Por portaria de 5 d-.
corrente, da directora geral dos oorretos, foram
nomeados ajudaotes dos agentes postaes as se-
guintes localidades, os Srs.: Francisco dos Santos.
Ramos, para Ipojuca ; Joaquina Pereira da Silva,
para Agua Prea; M daquias Jos Baptista, parj
Pesqueira ; e Ignacio Ribeiro Leite, para Flores.
CANAL DE .GOYAXXADomingo ultimo, pelas
4 horas e meiada tarde, teve logar na cidade do
Goyanna a bencao do oanal qae vai all ser abir-
to e qae foi ltimamente contratado pela presiden-
cia cora o Sr. Polycarpo Moreira de Azevedo.
Alem de numeroso concurso de povo que en
cha o espago reservado para a ceremonia, estivo-
rara presentes o Exm. presidente da provincia e
sea ajudante de ordens, o Exm. Sr. vigario capitu-
lar do bispado e seu secretario, os Drs. din-
das obras publicas Jase Tibarcio Pereira de Magv

U,.


de Pemambuco *- Quala feira 14 de Setembro de 1870
Jhies Gervasio Rodrigues G
das obras do canal, o contratante a
s Drs. |ui le direito o mamcipal, o Kxm
hwi. as Ouyunna e varias commiwods da c.
SmaSiSTd"' tatito archeologice aq
^C^S&emonia,empresariodvobra Jo
canaUronunciand um dtaam Xcr e "
bre.hir importancia di obra e os "cv
, que ella ha de pracarar a Uaeda agamia
e suas proxiraidies, concarrenda pata o seu nos
wvokinentoe incremento. .
Depois desse dhoiirs Fxm.>r. *.
*, para o "al to bnga, ^^ d;v pr0.
__ t..,5 .i o il.ivaiiBH. Kiw!ira 101 em se-
taarian
ruitn estr
puxai
e ca
hora
B o qae sobrevida admiravel sr
baldo eii-i em declives, qus subiam at 1 t,l e
por oento.
i Outra prora alo mena* sorprendente foj^H
Jessas locomotivas arrastar urna carga de 3i lo-
ii ierra foi em se
r-Jaa"ae7entVda a Kxm. vigaria capitular qae
xn-.re Hl kweM sua veneranda bencao e bem as
Sin **r jterreno e na direccao do canal que se
V?FinoV) s aelo simples o imponente, e qu por
4 taraa no espirito publica de Goyanna, a con
viccae de que a bra ?eria realisada a aprasimen-
o 4o todos, marehando assim de accordo com a
religia*, voltaram lados os convivas da fasta para
om beo e tWoso barrado levantado no local
onu> tem do ser a bacia do canal, e subi ao ar
Srinde copla de foguetes, depois de utaa salva de
I tirn.
Alii aesse barracan (oraen pronunciados varios
discursos analoios ao acto, seodo o* intervaltes
creenchidos com grjdaveis pecas musicaes, exe-
cuta la-, por dua* bandas de msica marciaes.
A* ooiw barraca fui explendidanioate Hu-
miliada, e gasofrtWu e visitado por crescidissimo
noiwro de cidados le todas ss classes e jerar-
oas, tocaado no sea interior as referidas bandas
de msica.
O pequeo tfaealr* da localidade abro sen salan
ao publica, dando un espectculo de galaemsignal
de regosijn.
O-p-iis da beneo o Exm. bario de Gcyanna,
com a amebilidaae qu* Ihe inherente, uffereceu.
aos convivas da festa um lauto e profuso jante r
mis Npoa mus aordial harinonia e alegra e
Mde frain (motados entusisticos brindes a
tu lo i que de gran le e nobre tetn o Brasil, tu-
di q tunta pode augmeotarihe as glorias e pro-
u, iver#M o engrandeeiniejito.
UNA.Escrevem-nos d'esta loealidaflo direndo-
os que a seguranza individual c ali fluasi nnlUt.
Por qualquer d c aquella palh't, diz o ii>-
firmante, eM-ss sugeita urna c celada, quando
nao urna facada. Nao ha senao 3 pracas mujo
ltattacamenl, s ordens de nm alferes, que, dito em abono da verlade. deli(enie mais nao
wr; p-rro fcil de percestr que n'uma locali-
dade como esia, "nde ha urna feira impoetante.
n:i i snfllcieuto este desiacatnenta Ainda no do-
iiiwo ulliflo, um pobre velej i morador na roa do?
Tocos levon r>n pn-so, apesar dos esturcos do alferes, e aqu
cabe direr, qu-.- urna andorinha s6na faz cero*
,o Sr. Jr. ehefe de polica reeommeiidamos o
facM, soik-ilahdo-lhe oue sali-faca a exixetJrtiva
di (nivtndn dos Konies (Una) itwnentandn-Nie 0(
r^f-riilo (testamento, como;desdeuito tiinpo os
oradores d'alii reclanam.
USIOEfRO.G)mmiinicam-nos desta villa que,
a 54 do pas-ido. quatro ItdrSes assallnraoi a
'wa de mor;-I.i da vinva do Or. Costa Gomes, 3
Idpw*'distante da villa, ert'ah roubnram diver-
sos ohjeftos ite onn, neuhu:n passo tendo a poli-
ria local dado para a descoberta dos ladroi-s.
Ciamamoa p;.ra so a attencio do Sr. Dr. chefe
de polica.
CHADE DE 0L1NDA.InformaiE-noi que an-
te-taKitem s 6 horas da tarde, na ra do oito
di Uoa-Hora, na eidade de OinJa, foi invadida a
ca iiiades, por um capanga de u;n inpector de
quariHir.io, arrancad o Bina d,is rtulas, sem que
0 :-u>.leIegado resieetivo dsse providencias no
ntiJu de reprimir semelhante usadia. O nos39
iHfrmant ainda diz-nos mais quo a polica na
quellaridade anda quai que acephala, sendo
01 uto dilHcil encontrar a autoridade quando ne-
oessario, como aeonteceu nessa occaiao. A se-
ren exactas essas infi.rmacoes, pedimos ao Sr.
3r. chefe de polica qae lance suas vistas benfi-
cas para isso, e providencia no sentido de cessa-
rem abusos taes que muilo desprestigian.
M0NTE-PIO POIVTUGEZ. nformam-nos que
ant-!i intem segtBO para Portugal no patacho
Nco balisiio, o subdito uortuguez Jos da Silva
Pires, solTrendo de alien.icao mental, afim de ver
-e consegne algumas mnlhoras. >?oi enviado
cu-ta dos c ifres do Montc-pi. Portugnez.
DIVIIKlftOO vapor americauo South Ameri-
xti lovou li.mtem de nossa pra;a :
Para a Babia 4:l8i009
a o Rio de Janeiro I29:.'i0000
E TRANSITO. Com 8 recebidos em nosso
pono, levou hontem o vapor South Amrica 18
passageiros para o snl do imperio.
TUEATRO DE SANTO ANTONIO. Ha aoje
ueste tli-atro um variado espectculo lyrico pela
enm'paanii franceza, ajudada pelo Sr. Plaviano
'.ilho, que cantara dnis dos seus mais aprecia-
veis trahalhns scenicos.
AFPEIUCAO.-Perante a cmara municipal do
Kecife vai boje a praca o imposto de aericao de
pesos e medidas, por um anuo, arbitrado em-----
2-.800J000. rs.
MICROSC0MO-Rene-se hoje, em sessio or-
dinaria, esta sociedade as 4 horas da larde no lu-
lr do costume.
INSTITUTO ARCHEOLOGICO. Ha amanha
s*-io ordinaria desta sociedade, devendo ser lida
a resposta do Sr. 2 secretario, major Salvador
'.Hinque de'Albnquerque, ao efBcio da cmara
ouaicipal do Recite sobre a conservacao da de-
::.);inaro da fraila de Joo de Barros.
COMPANHIA PERNAMB!jA.NA.-Hoje nlti-
mn dta em que rocebem carga os vapors Ipojuca
>'. Jaguaribe, para os portos do norte e sul, segon-
do ^nnuncio da mesma companhia.
LOCOMOTIVAS THOMSON.Damos em seguida
o parecer dado pela Ilustrada cominissad do Ins-
ttluto Polutechnico Brasileiro, do Rio de Janeiro,
-obre as locomotivas do egeuheiro escossez R. W.
Tiio:ison, emittido sob cousnlta do ministerio da
apicultura, o qaal servio de base corlees sao do
privilegio constante do aviso infra:
Os engenlieiros Paulo Jos de Oliveira e Joa-
qniai Pires Carneiro Monteiro requereram ao go-
.i-ino imperial, em data de 14 de maio do correte
uno, um privilegio, pelo praso de triatt annos,
jura poderein eslabelecer na provincias, a>sd8
Perna. buM at o Para inclusivo, por si ou por
meio de nina companhia, qae elles encorporarao
:i paiz ou fra delle, urna empreza de transportes
para passageiros o mercadonas, por elles denomi-
nla Empreza de transportes accelerados. A em-
ii-za, que os reqnerentos se prnpSem reaKsar,
anda-se no*emprego das modernissinras locomo
i'vas de estradas road steaiuert do engenheiro R.
vV. Tlio 11-on, de Ediniburgo, as quaes elles lera
o vista introduzi.* as provincias, a que so esten-
der o privilegio requerid >, adaptando-as s coodi-
cSes peculiares do trafego, sem que para isto te-
jihim de alterar em cous.^ algma as estradas de
rtid'gein exi:tintes, coafornie se exprimem no
propri > corpo de sna petir^an.
E', pois, evidente que o privilegio nao versa
*>bre o melhorameoto de urna ou mais vias de
caimnunicacao as mi-ncioniUs provincias; mas
.meute ten por flm effeeiuar transportes as es-
ira Jas de nidagem. que ellas pssuam, por meio
ds loeo.nuivaj de um systema novo e contendo
r.)erfeicoamenlos, i(ue as fornam superiores a
inanias h5o sido at agora fabricadas com igual
ibMttao. E na verdade as locomdtivas de estrada
de Thomson, por tu lo qnanto se sabo sobre ellas,
parecem construir nm pn'gresso admiravel para a
otir^io completa dj proDlema da locomocjio a
vapor as estradas de rodagem, nao s as de leito
vi H'drado rom perfeico e extrema solidez e de
hve-i iiiuito limitados, mas ainda as de leito
Jiro o K4d natural e de declives fort s. E' o que
tan crr as noticias das experiencias porque
, i'iii p.issido essa engenhosa machina na laglater-
ra c na Franca e que nao vao alm do melado do
0 viseado. A locomotiva Thomson, descripta
. ama machina excepcionalmente bem consti-
la, qusnio ao arranjo, perfelcao e solidez de
todas as pi c*s, caracterisa-sc pela applicacao pe-
ir do aro? de borracha vulcacisada envolvendo
roa motrizes. D'ahi origina-se o segre-
a extraordinaria adherencia ao terreno,
1 lo proeede ama enorme forca de.traccao, fra
ti'o cora o seu peso, relativamente dimi-
1. Asm? "hias sugeitas a repetidas pro vas e
rabamo effectivo em Alberdeen, na Escos-
(inhira 13 ps ou 3,965 metros de. enmprido e
ps ou 1330 metros de largo, pesavam 6 wnela-
das.on WO arribas, iaelnsive o fornecimento do
carvao e agua, e tinbam a forca nominal de 6 car
vallos. Urna dessas locomotivas no servido de um
neladas ou 2 380 arrobas, atra do praprio yeso,
n'uma estrada, cajos declives eratn 4e 5 e 33 por
eento.
1 Quinto velocidade a experiencia feria em
Granton. de urna locomotiva levando um mnibus
carrejado .le passageiros, 'leinow-trou qae poda
exieder 8 mllhas ou 1S87 4 mAros por hora, s>
isto nao prejodicasse transito de outros vehcu-
los em estradas o rnas freqneatadas. A (Bellida-
de a raover-se em -qualquer terreno, porreis
compressivel e movcl que seja, sobit*ahe da m*
experiencia flTqae a machina Thomon pere*rrn
urna praia arenosa, com velocidade de 8 a t# mi
Ihas por hora, m W.S 16 ltllomotros, semlxar
no <-Aio vestigios notaveis de sua earreira.
Com todas estas qualidades extraordinarias,
alada tom a ntadiina em qaesio. a de ctrealar
cem urna faciliflade incrivel as ras dacldade,
dobrando o<|*'ms, parando, avancandos cuando
e gyrando xntire si mesma com man (ifesleza e
s^guranca, dkem os esetiptos que deiia ralam, do
q,e nm carro puchado fior animaes.
t Para prova citam o facto do ter ta referida
experiencia de Gran ten, locomotiw puchando
um omnrbus, lado vo(tt n'um circulo de 2 metros
de ra >.
t Creara duvidaso applicacao peculiar ma-
china Thamson dahorracha nasgaarnleGes das
redna imiirizes, pelo receio de que ste material se
etragasse rapidanumio pelo attrit e pelos cho-
ques, en se alterasse pelas variarles da tempera-
tura.
t Taes duvidns, porm, se desvaneeeram a visu
das pravas praticas, porque tem passado as raes-
inas maUinas.
Os aros de borracha, depois de terein servido
Annndou-se lodo pro-
intes exe-
nbar-
es os,
r'1^ Jo|ea <*al tribunal, com o voto
d0 Bsm- --nrido osSrs.
desembargadores Re^HBi
Appellante Manoel agalhae-, appelad..
D. iaa Basson ; largante J ..iqaba de Av-
do Haia, wnbargao Joto ooi > de Almeid* Gui-
maraes; appeBante Antonio do AzerJd Nevos,
appellado Bent 1 los de Maedo Pnca; appellan-
te J. Blam, appc'iUdo Jas Aves Barbosa; aupel-
lanle Bernarde J.is R rdrignes Pinheim, appella-
d.is Wlfsons 3t Hflit; atnellanta loii Fraaciseo de
Carvalho, appellados Manuel Francisco da Silva
Novaes e nutro ; appellante Joaquim Francisco do
Espirito-Saato, appeyadosLehmana Frres.Adia-
do a pedido dos Srs. diputado.
rROVIMMA.
O Sr. desembargado!- Res o Silva avnrbou im-
pnrtiieftV) e adrestou 'mesa pdindo providen-
cias pira o andamento legal, visto lauOom ler
averbado impedimento o Sr. ilesembargader Silva
Guimaries, o fsito entre partes, appollaaw Jos
Alvi's e Agolar, appellados os administradores da
mas* fallida de Antonio Jof de f iguetrio.E a
Exm. Sr. presidente iffleiou ae hx. Sr. eonse-
Ibeiro pi'e>ident da relaco requisititla a deslg
naci de tira juii revisor.
:'ASSAGnns.
Da Sr. desembardor Silva Gaimares ao Sr.
dwembargador Res o Silva: embargante Joao
Baptita tiomes Peona, embargada O. Anna Jos-
pha Pereira dos Santo*.
Do Sr. desembargador Res e Silva ao Sr. de-
serabargdor Acciotl: appellante Joaqnim Fran-
cisco do Espirito-Santo, appellado David Flack.
Encerroo-se a sesso s duas horas da tarde.
em locomotivas, que haviam pereorrido ci-ntenares
de kilmetros, nao davam se qu^r a nerc ber na
superficie vestigio algutn de estrago. Relatara em
apoio desta observaco que se descobrirara neHes,
depois d prolongado uso. as riscas que em sna
superficie imprimir o molde rp que haviam sido
vasados, e o que mais extraordinario, um nomo,
Une de proposita alguera tracara n'um com urna
ponta de ferro.
A resistencia da borracha vuleanisada s va-
riacSe da tein;>eratura nao est meno< comprova-
da, e sua inalterabildade, raesmo nos cnrajis r-
deutes, coma o nosso, lim (acto de que dao tes-
temanho todas as pessoas^ne aqni tem-n'a ein-
pregado para rlns anlogos. Assim, nois, a adop-
co da borracha nos iros das rodas das locomoti
vas de estradas constitue um invento utilissimo
sem inconvenientes, ao qual a de Thomson deve
sna qnslidade primaria, qnal a de conciliar \11na
grande leveza com ama enorme forca de trac-
co.
t A' vista de tao eminentes qaalidade, como sao
attrlbuidas locomotiva Thomson, o Instituto Po
lyteciinico nao nde deixar de desejar que ella
sej en?aiada e introduzi Ja no Brasil e quesea uso
se generalise o mais possivel as estradas exis-
tentes e n'ouiras que se abram com o Ato especial
de aproveila-las nos transportes. Oatro sim en-
te nde o Instituto t'dlytcchnieo qoe. vista da utili-
dade da idea e das diffJculdades com qae tem de
Intar o introducior de te vantajoso melbramento
no brasil, e.-t elle no caso de ser attendido pelo
governo io>pe i.-il, obtendo. na forma do art. 3* da
lei de 28 de agosto de 1830, um premio que o
mesino governo juhjar mais conveniente.
Esui parecer esl conforme com o a presenta-
do pela commissiio nomeada por sua alteza real
o Sr. presidente e as emendas fetas no correr da
disrussao.
Sala das sesees do Instituto Polyteehnico
agosto de
de Paula
Brasileiro na esela central, 9 de
(870.O'Iosecretarlo, Dr. Antonio
Freitas.
CAPNGA.Alguns moradores deste lugar nos
informara que os furtos de gallinhas e outras aves,
dos quinlaes, cessaram desde 4 do crreme, em
que assumio o exercido da subdelegada, o Sr. Au-
gusta Lessa.
HOSPITAL POttTnGEZ.Para o leilode be-
neficencia desie estabelsclmenio acabam de rew-
ber os armazens da Aguia Branca e do Bazar da
Moda grande variedade de nbjectos de phanlasia
que trocara por penco dinheiro.
LOTERA.A que se acha a venda a IfiO"
bftaelieio da nova groja de Nossa Senhi ra da Pe-
nha, a qual corre no dia 17.
PASSAGEIROS.Sahidos para os portes do sul
no vapor americano South America :
Dr. Carolino de Lima Santos e sua familia, Dr.
Luiz Vieira de Resende e Silva, .Anselmo Jos de
Brito, Miguel Jacome Paschoal, Jos Ferreira da
Cunha, Carlos E. Redfern.
Sabidos para Mamanguape no vapor Cu-
rurtpe :
Jos Marcos Nunes Belfort, Americo Jos de
Franca, Nicolao Spinols, Alfonso Alkanasio, Aa-
toaio Ernio, Jos Lima, Joao L. da Silva.
CHRONK'.l Jl'DI I ARIA.
rHIBOi!, OO On.HERCIO
VCTA DA SESSAO ADMINISTRATIVA DE 12 DE
SET-MIIKO DE 1870.
BKSIDBNCIA 00 EXM. SR. DESEMBARGADO ANSELMO
FttASCISCO PEHETTI.
s 10 horas da mauha, prusentes os Srs. depu-
tados Rosa, Basto. Miranda Leal e upplente S
Leito, S. Exc. o Sr. presidente declarou aborta a
sessao.
Foi lida e approvada a acta da sessao de 9.
EXPEDIENTE.
Ofdcio do presidente e secretario da Junta dos
corretores, firma lo da 10 do correte, aprpsentan-
do o baleiira cnmmercial da semana prxima pas-
sada.Ao archivo.
Jornal Oficial de ns. 197 a 201.Ao archivo.
Foram a rubrica os livros -.-^Copiador de E. A.
Burle & C, rdm de Joao do Reg Lima dt Filho,
dem de Leal & Innao.
.DRSACH8S.
Requerimento de Seraflm Alves Rodrigues e
Domingos de Soza Rodrigues, pedindo que se
Ihes permitu o,uso do livro Diario que pertenceu
a Arma, a quem succederam, de Rodrigues Irrao
& CInutilisada legalmemo a estampilha, volte a
peticao.
Do banco de crdito suiso allemao em S. Gall,
pedindo que o secretario da junta dos corretores
Ihe certifique qual a importancia de uro franco
em 30 de abril ultimo, segundo a cotaco offloial
desta praca.Passe-se a cerlidao reqncriJa.
De Miguel Jos da Costa, pedindo que se d
baixa no registro da noraeacao de seu exealxeiro
Jfs Ribeiro de Lemoj Diiarte.-^Como requer.
De Reg A Silva, pedindo qne se Ihe certifique
se estao ou nao registradas as oomeaces de seas
eaixeiros Joaquim da Silva Baptista, Daniel Otto-
ni de Hollanda Cavalcante e Casimiro Belisario de
Hollanda Cavalcaate.Cerliflque-se.
ADIADO DAS PB0XIJIA4 PASSADAS SESS0KS.
Cootrato d- Felippe Estrella & CAdiado al
a solucio da que representoo contra o supplican-
te Estrella o esnservador do comraercio da pro-
vintia da Parahyba.
Nada mais haiendo-se snbmettido despacho,
o Sxm. Sr. presidente encerrou a seso pelas 11
boras e meia do dia.
SESSAO JUDICJAR1A EM 12 DE SETEMBRO
DE 1870.
PRESIDENCIA DO IXM. SR. DRSSMR VR0AD0H A. P. PE-
RETTI.
Secretario, Julio Gutinares.
Ao meio dia deelarou-se aberta a sessao estando
reunidos as Srs. desembargadores Silva Gaima-
res, Reis o Silva, Aceoli e deputados Rosa, Bas-
te, Miranda Leal e sopplenles S Leito e baro
de Nazaretb.
Lida, foi approvada a acta da sessao pissada.
O eserivo Albuquerque registrou o ultimo pro-
testo de letra a 10 do presente mez sob o a. 2093,
e o eserivo Alves de Brito 3 o do dito mez sob
o n. 2060.
ACCORDAOS ASSIGNADOS.
Embargantes Jos Francisca Ribeiro Machado e
outros, embargado Amaro Jos do3 Prazeres;
embargantes Jos Rodrigues Pereira e sua mulher,
embargado Joao Lourenco Virialo de Vaseoneeltos.
JULGAMENTOS.
Jilizo especial do comraercio: appellante reo
Joaquim Francisco do Espirito-Santo, liqdtdatario
da firma Maia & Espirito-Santo, appellado autor
Nalhan Danheisser ; juizes os Srs. Beis e Silva,
Aocioli, Rosa o Miranda Leal.Foi confirmada a
sentencia appellada, sendo voto vencido o Sr. Rosa.
Jaizo municipal e do commercio de Goyaona :
embargante appellada r D. Luciana GertruJes
Clara da Silveira, embargado appellante autor
Paulo Guelphe; juizes os Srs. Reis e Silva, Accio-
CMARA MUNICIPAL
SESSAO EXTRAORDINARIA AO 1" DE SETEM-
BRO DE 1870.
PBESnjENCf A DO SR. DB. SOUZA LR.V0.
Presentes os Srs. Dr. Moscoso, Gaiueiro, Costa
Moreira, Dr. Ptanga, e Costa Jnior, abri se a
sessao e fui lida o approvada a acta da antece-
dente.
Lea-.e o seguirle
EXPEDIENTE.
Um offLio do Exm. Sr. presidente da provincia,
em data de '26 do inez prximo fiado, coinmuaica
ter afiprovado por portara da mesma daa, o pla-
no du terreno para o edificio das bombas de es-
yulo dis materia* fecaes da estacao do bairro do
llecife.Inti'irada.
Um reqOeriunrat do gerente da companhia Re-
cfe Draynage, objectando sobre a approvaco do
plano do terreno designado para o edificio das
bombas de esgulu das materias fecaes da estacao
do bairro do Re:ife, sobre oqual manda S. Exc.
qae informe a cmara, ouvindo o seu eageahtiro.
Ao engenheiro.
Una portara do Exm. presidente da provincia,
mandando a cmara iuformar sobre as tabella*.
planUs e requerimento de Thomaz de Carvalho
Soares Brandan Sobrinha, tendo em vista o viso
do ministerio da faienda Je 12 deste mez.Remet-
tido ao engenheiro e acominiasao de edifl.vcao.
Um parecer do Sr. Dr. Moscoso e Costa Moreira.
sobr o ofleio do Exm. Sr. pro redor da Sania Ca-
sa, ao qu:.l mandn o Exm. presidente da provin-
cia, qae a cunara informe, indicando que sendo
de direito a materia do requerimento deveria -er
juvido o advvgado. Approvada e reinettido ao
advogado.
Urna peticao do barao de Ourcury, que pede
ao Exm. presidente da provincia una" interprete-
cao aos arts. 21 e 25 do reguiameoto do cemiterio
publico do-ia eidade, sobre o qaal j informou a
caraira, e S. Ex.-, inanaa' precisar a infbrmacao
sobre o modo por juo se tem c >braJo o custe dos
terrenos oe ama sepultura a perpetuidade, quer
na primeira, ceno na segunda hypoihe da art. 21
do regulamento de 2 de junho de 18i.Ao pro
curador.
Uia offli* do Sr. vereador Dr. Joaquim de Aqu-
no Popceca, commm'canoo a cmara que subsis-
tera s justos motivos porque tem deixado de
eompirecer a sua sesso.'s.Inteirada.
Outro do Dr. Jos Beruardo Galvio Alcofor:.do
Jnior, coinnvjnic.iiJj bar-se em exercio da 1'
vara municipal deta fti lado.Inteirada.
Outro da mesa regedora Ja irmandade de Nossa
Senhora do Livranninlo da freguezia de S. Loaren
C) da Malta, queixandose^ do administrador da-
qaello cemiterio, por elle nao se prestar a abrir e
fechar as caucninoas da mesma irmandade, cuino
Ihe cumpre em vista do qua est disposto'n re-
gulamento do mesmo semitsrlo.Ao adminisira-
dor daquelle cemiterio.
Um paroer du advogado, lavoravel ao requeri-
mento de D. Arcelina'Xavier Carneiro da Cunha
Rodrigues Campillo, que pede ndemnisaco de
76 palmos lomados pela cmara nos seus terrenos
de marinha, sob n. 6 D e O E, situados na ra do
Hospicio.Ao procurador para se entender cora a
supplicante.
Um fflcio do Dr. chefe de polica, com data de
18 de agosto ultimo, com despacho do Exm. pre-
sidente da provincia de 29 do nieamq mez, man
dando informar sobre a representacao que faz o
subdelegado do segando districto Waifrido da Cu-
nha e Fgoeiredo aa Cmara e do fiscal da Ir-
guezir da Boa-Vista.Ao fi-cal.
Outro do eStgnheiru cardeador, remetiendo por
copia e pxplieadd a vordeaco que deu no terre-
no de Antonio Pinta do Barros, a qual foi mal
compreheudida pelo supplicante.Deferido.
Oulro do mes rao, informando :ontra o requer
ment de Antonio Pinto de Barros, no qual pede
(cenca para levantar urna casa do taipa, coberta
de teiba no seu terreno na margera do CapiDaribe
no lagar do Monteiro.Indeferido.
Oolro do im-smo, informando favoravelmente o
requerimento de Jos Beranjer, no qual pede li-
cenca para fazT cornija com parapeito e enllocar
cano internado na parede, assim como substituir
duas tercas que esta arruinadas na casa n. 3 da
ra do Camaro. Concedeu se.
Outro do pasmo, informando favoravelmenle o
reqoerimento de Francisco Jas Leite, no qual pe-
de licenca para rebocar de novo a frente da sna
propriedade, da ra das Cinco Pautas n. 27, bem
como fazer parapeito oucar cano internado e re-
parar a caberla.Concudeu-se.
Outro do racimo, informando favoralmente o
requerimento de Boa-ventura Jos de Castro Aze-
vedo, no qual pede licene para collocar a cober-
ta da sua casa no lagar do Giqui. Conce-
dea-so.
Ontro do fiscal da freguezja do Recife, infor-
mando pela afflrmaliva o requerimento de Joa-
quim Luiz Vieira, no qual declara haver vendido
o seu estabelecraento a. 12 sito na roa do Mr-
quez de Olinda, aos Srs. Bastes & Silva.A con-
tadoria.
Outro do fiscal da fregaezia de Saolo Antonio,
pedindo pagamento 4a quantia de 304000. para
ser pago ao cirurgao Joaqaim Jos Alves de Al-
buquerque, proveaiento de cinco corrijas sanita-
rias qne proceder na mesma fregaezia aos das
11 e 12 de Janeiro, 7, 8 e 9 de junho do correte
anao.Mandou se passar uandado.
Outro do fiscal da freguezia do Poco da Panella,
reraettendo copia do termo de infraccao de postu-
ras, commettida por Antonio Luiz dos Santos e o
mestre podteiro Leandro Rodrigues de Barros.
Ao procurador.
Sobre p requerimento de Rabello & Almeida.
no qual pede licenca para levantar am forno no
quintal da casa n. 06 da ra da Roda.
Foi lido o segrate parecer : ,
< a casa em que Rabello & Almeida querera
estabelecer uroa padaria hoje oecupada por ama
ferrara na ra da Roda n. 56.Removida esta of-
ficina pode,ser eslabeleeida a padaria por qae ha
espac* para o forno no quintal, e flea cellocado
ao lado de ama coxcira qae nao sofTrera muito ;
no emtanto se deve consignar que o bueiro deve
de ser elevado para ne enceramodar as caaaavi-
sinhas.
t Paco da cmara municipal do Recife 31 de
agosto de 1870.-Dr. Prxedes Gomes de Sonza
Pitaoga e Beato tes da 3ostt Jqaior.Appro>a-
dO.i
Foi lido o segrate parecer da coramissao de ce-
miterio, sobre um requerimento dobacharel Fran-
cisca Augusto da Foaceca e Silva :
c A coramissao do cemiterio, quem foi pre-
sente a replica de bacharel Francisco Augusto da
Fncf ea e Silva, tendo-a examinado com teda at-
tencio de parecer que esta cmara nada tem que
deferir, viste como nenhuraa razad aprsenla o
mesmo bacharel que possa invalidar o despacho
dsta cmara que ordehou qae o administrador do
cemiterio entregasse os ossos reclamados pelo sup-
plicante (a por sua madrasta) do seu fallecido pai
Jos da Foacca e &lra, a quem fer de juizo cora-
patente qne o civil, e nao o vigario capitular,
como quer o supplicante qae se mostrasse com
mais direito aos mesmos ossos.
Pac > da cmara municipal de Recife em 31 de
agoste de 1870.Dr. Lobo Moscoso e Dr. Prxe-
des Gomes de Sqnia Pilanca.Approvado.
Um offlcio do fiscal da P050, commamcando ter
dado urna corrida de cabras e carneiros no dia 28
do mez prximo liada; entregando o quo se paga*
rm ao juiz de paz do l* districto, perante qaem
foram arrematadas as cabras.Inteirada.
Ontro do fiscal da fregnetia de S. Fre Pedro
Connives, communreudo achac-so em mo esta-
do o caleamento da travessa do Corpo Santo e Una
da MadK de Deas.Que se offleie aa presidente
da orovincia.
Oatro do engenheiro cordeaddr.veB qne traca as
dimensdes do ti da Cade, qua tem de servir de base ao contrato de
compra que pretende essa cmara.Ao engenhei-
ro para precisar o valor das ruinas do edificio aflm
de se entrar em ajuste.
O Sr. *r. Lobo Moscoso (ez o seguate requen-
mento :
Requeiro que seja remetudo a commissao de
edilieaco o parecer do engenheiro cardeador, a
respeito da estrada que se julga conveniente abril-
da Poute de Uchjoa para nova matriz da Graca,
ada de "qae a cummissd cora o engenneiro tra
tem com o proprietario amigavelmeate da desapr
propria^io do terreno, lembrando que no caso db
ser possivel a estrada deve lijar ao menos con
100 palmos de Irrgura.
Paco da cunara municipal do Recife em 31
de agosto de 1870.Dr. Lob> Moscoso.-Appro-
vada.
Oatro do Sr. Garaeiro, concebido aos segninte"
termos :
Achando-se ioteiramente estragada a rampa
caes fronteira a rna da Ponte Velha no bairro da
Boa Vista, a ponlo.de nao prestar de forma alg-
ma para o lim que foi construido, requero qae se
peca a S. Exc. o Sr. presideute da provincia as
pravideucas necessarias para que seja reparada a
mesma rampa e caes.
< Paco d cmara municipal do Recife i." de
setembro de 1870.O vefador Gameiro.Approl
vado.
Oatro do Sr. Dr. Pilanga, tambera nos segrales
termo?:
Ha vendo o govarno imperial mandado exhmal-
os restos enortaes do barao de Itamarae.que fallecen
era Lisboa o determinado que fossem elles remet
tidos para essa presidencia, e nao constando qu
o governo houvesse determinado o modo porque
devera ser recebidos este* re>ts mortaes, que
muta consideracan nos deve merecer, e me pe-
receado que nao deve ser indiferente o acatamen-
to qae se deve prestar a esse recebimeuto; reque-
ro que Se procure saber da presidencia se ha
qualquer deliberacao a respeito, a do contrario,
que a cmara trate de prestar os devidos preiios
de homenagem aos restos de tao alta persona-
gem.
Paco da cmara municipal do Recife, 1. de
setembro de 1870.Qr. Prxedes Gomes de Souza
Pttadga.Approvado e reraetlido a commissao do | Dr. Pedro de Alhayde iMbo Moscoso.Jos
cemiterio para se entender com o Exm. presiden-! freir Gameiro.Dr. Prxedes Gomes de
Urna peticao asslgnnda por grande damero de
habitantes da anteriormente denominada larga do
Rosarlo, expondo as r.-zoes pelas qbaes
conservar aquella ra com o mesmo nome qne
Tai sempro condecida. A cmara attendendo as
justas razos, em que sp fundara os peticin 'rios.
e compart]haudo de iguaes sentiraentos de vene-
racaa e aeatamento a Senhora invocada na igreja
daquella rna, resclvea deferir a peralto conser-
vndose o mesmo nome de roa larga do Rosario,
cojo nome se entender a dos Qoarteis.
Oatra de Pedro Alejandrino Rodrigues Lins,
morador no sobrado n. 23 da ra de Lombas Va-
lent as, qoeixando-ie do damno que Ibe cansa a
refinacao de assuear de Joao Ferreira da Silva,
situada aa ra de Marcilio Das.A commissao de
saude.
Oatra do Dr. Joaquim Antonio Carneiro da Ca-
oba Miranda, em qae descriminando as duas
questoes distioctas, sobre a indemnisacio do at-
terro de 100 palmos de terreno na roa da Aurora
destinados para a rna que se segu em frente a
poete de ferro de Santa Isabel at o Hospici ',
pede por ora a indemhisaco dos 70 palmos, fi-
cando is 30 palmos sobre os quaes se suscitarlo
as duvidas desta cmara para quando delucidar-se
essa queso. Mandou-se a urna commissao com
posta dos Srs. Dr. Moscoso e Gameiro para entra-
ren) em accordo sobre os 70 palmos.
Daspacharam-se as petiede de Antonio Maria
da Silva (2), Alfredo Jos Antuoes Gaimares,
Antonio Pinto de Barro?, Antonio Luiz dos Santos
(2) Antonio de Miranda Castelio Branco, D. Ar
celina Xavier drneiro Rodrigues Carapello, Ante-
ni di Silva Campo--, Adelino Idelfonso de Piquelra
e Albuquerque, D. Alexandrlna Maria dos Santos.
Boaveniura Jos de Castro (2) Bertardino Jos
Leitao, Bellarminode Souza Lira, Claudio Dobeux,
Francisco Jos Leite, Francisco da Silva Rrgo,
o eserivo Francisco de Barros Correa, Gustavo
Adolphe Wlbara. Gailherme, Joaquim da Silva
Braga, Joaquim Paz Pereira da Silva, desembar-
gador Jos Felippe de Sonza Lc-iia, Josn Materno
d'Azevedo Santos, Joao dos Santos Oliveira, Jo5o
Beringer, Joo Francisco Regs Lobo, Josepha Ma-
ria da Conceicao, Joaquim Alves da Silva, Jo5o
Jardoso Rabello. Jos Raymundo da Nativdade
Saldanha, o eserivo Joaqnim da Silva Reg, Je-
suino Ferreira da Silva, Joaquim d'A*sumpc3o
Queiroz. Jos Fortunato dos Santos Porto, Joo
Cancio Machado da Silva, Jos Joaquim da Casta
Leite, Jovita Jos da Silva, Luiz Eduardo de Hol-
landa, Luiz Cesarte do Reg, Manoel Antonio da
Silva Rios, Manoel Cavalcante Colho, Manoel Jos
Carneiro, Mara Carneiro de Souza Lacerda, os
raissionarios capuehinhos do Hospicio de Nos a
Senhora da Penha, Manoel Ferreira Netto, Maxi-
raino da Silva Pimenlel, Ricardo Jos Gomes da
Luz, Secuodmo Pereira Feiiosa, e levantou-se a
sessao.
don do raafl
4^Kesui '
heranam nio
de todo
to da provincia a respeito deste assumpto.
Ignacio Joaquim de Souza Lcao, pro-presidente.
Mana
Souza
Pilanga.liento Jos da Costa Jnior.
T\BELLA DO RENDIMENTO DA ALFANDEGA DE PEBN.AMBUCO DO MEZ DE JUNHO DO
EJERCICIO DE 1869 A 1870, COMPARADO COM O DE IGUAES MEZES DOS DOS
ANNOS LTIMOS. ,_______
Importacao
Dreitos de consumo......................
Dito de augmento de 40 %...............
Dita de dito de 30 %......................
Ditos addicionaes de 5 %.................
Ditos addicionaes de 2 %.................
Ditos de baldeacao e reexportaco.........
Expodiente dos gneros estrangeiros navega-
dos por canotagem.....................
Ditos de 1/2 % to gneros do paiz.......
Ditos dea % dos gneros livres (3 O/o nos
exercicios de 1867 a 1869).............
Armazenagem.........................
Despacho maritUno
Ancoragem.
Exportaco
ireitos de la % do pao brasil.....
Ditos de 9 % de exportante......
Ditos de 2 1/2 0'0idem..
Ditos de i i/2 %do ouro em barra.....
Ditos de 1 % dos diamantes.............
Expediento das capatazas..............
Jutoior
Renda da typographia nacional..........
Sello adhesivo...............;..........
Dito do papel fixo.....................
Dito do papel proporcional..............
Emolumentos........................
Imposto dos despachantes...............
Dito de transmissao de propriedade.........
Extraordinaria
Receita eventual (multas).................
J869 1870
483:701**63
17G:363Ji38
:}:*88*677
89:794J037
Depsitos
Dizimo da provincia das Alagas..........
Dito da provincia da Parahyba............
Dito da provincia do Rio Grande do Norte.
Contribuicao de caridade..................
Alfandega de Peraambuco, 1 de jolho de 1870.
4:380*937
6:730936
3:235'*L00
107:081*206
308*639
24000
1.061*200
71*840
116*690
22*000
1:007*891
18G8 < 1869
876:569*774
2:053*322
9:098*441
644*234
888:367*971
820:937*211
108:382*913
283*762
106*63.'!
1:509*079
:7#283
870*:'03
1:3105961;
2:618*370
163:820*374
580*380
1005000
732*300
402*620
740*470
380*126
338*750
1:381*328
1867 18G8
1,107:211*824
6:986*743
6:341*341
i:647*693
1,121:637*603
375:385*256
49:193*935
163*562
495*140
885*723
1:691*274
623*554
1:493*024
1:761*550
142:121*902
865*300
393*000
160*380
89*000
130*000
42*500
749*306
576:667*326
1:143*438
3:718*304
4:861*742
871*375
587:262*385
O ehefe da 2* seceao,
Luiz Francisco de Mello Cavalcante.
PUBLiCACOES k PEPIDO.
O Sr. Dr. Aqnao Fouceca ()
Pode o Sr. Dr. Aquino Fonceca conseguir qua
o correspondente desta provincia para o Jornal do
Commercio inclulsse na sua mUsfva de 9 de agost)
um longo e insnltnoso arrasoado do triste acn-
teeimento qae veio enlatar a familia S e Alba-
querque.
O Sr. Dr. Aquino, fagindo tristemente da dis-
cusso scientifica a qaal pela imprensa foi provo-
cado, julga jpreferivel acobertar-se sombras
alheias para ferir-me e as meus amigos, decla-
mando pela mprensa e as esquinas contra aquel
les que ainda urna palavra se quer na-i disseram
fra do terreno 'decente e laal era que devem com
bater 03 horaens de bem.
Eslava disposto despresar todos esses recursoi
que se soecorrem 6s advogados das causas per:
dida, se nao visse envolvidos as diatribes carac-
teres de cidados ta distinctos como os Srs. Drs.
Silva Ramos, Santos Melle e Esteva Cavalcante.
Estes tres cavalheiros, que nada ceem em dig
nidade, moralidade e seiencia ao Sr. Dr. Aqaino,
esli mnto cima dos insultos que se Ihe atira.
A neuhuin delles, era pessoa alguraa desta ei-
dade, manifestei a menor suspeita de que meu
infelizes irmds haviam sido envenenados, antes
da desconflanca qne tiverara desse efime, os dis-
tintos mdicos da Babia. Multo menos ousaria eu
ensinnar-lhes qualquer daclara'co, sendo que ner
nhum interesse tive nem tenho em que 39 diga
que meus irraos foram envenenados nd o tendo
sido.
Os Drs. Ramos, Santo Mello e Estevo oo cora-
binaram seus depoimentos na polica para que
suas opmies se ajastassera ; e estao bem longe
de fazer esforcos indecentes para que se verifique
ou se crea na exsteheia do envenenamento. Devo
por honra delles e mnha, declarar qae de ne-
nham favor, ainda o mais insignificante, me san
devedores.
At hoje tenho-me conservado silencioso nesta
triste queslao : o que a semelhante respeito se
tem publicado e dito, nao seno o effeito dain-
dignaco de que se possuio o publico por tao hor-
rendo crirne, que tudo faz crer fleari impane.
Descoberta como est a incontestavel exsienei
do crirae, depois das analyses feilas na Babia as
vjsceras do meu infeliz irmao Tictgiriano, estou
disposto repellr com o meu propno Borne, e
sem reeuar de ama Unha, essas torpes psinua-
ces que a perversidade e a mal entendida vaida-
de vao por ah laucando. Disto flquem certos o
Sr. Dr. Aquino e aqnelles quem S. S. ha sabido
aterrar, e que nao trepidara era fechar os olhos
verdade que hoje apparece toda luz para ferir
4 quem para elles s tem tido sentimentos gene-
rosos.
Recife, 10 de setembro de 1870.
Bardo de Guararapef.
() Por ter sabido incorrecta
mente esta correspondencia.
publicamos nova-
O Or. Aquino Fonceca aoSr.
barao de Cnara*-apes.
Eu poda deixar passar sera resposta o
que o Sr. bar3o dos Guararapes assignou e
mandn publicar no Diario de Pernambuco
d hoje, como letiho feito com ludo que
tem sido publicado contra mim por seus
amigos, sera provocares algnma de m-
nha parte, porque sei o que vale S. S.;
mas devo ao publico considences.
" Nada tenho escripto pessoa alguraa
do Rio de Janeiro, e nada leio do qne
alli. se pablica: n5o conhfco o corres-
pondente do Jornal do Commercio 011 deqaal-
quer outro jornal da corle, oem dei apon-
tamentos pessoa algutna a respeito do qne
disse o Sr. bario dos Gnirarapes, que
ainda m:is con3rmou o conceito que delle
fac/O.
E' tudo quanto julgo dever draer.
Demos tempo ao IWBpo, e veremos por
fim quem tem receio da verdade.
Recife, Vi de siembro d. 1870.
Dr. Joaquim d'Aquino Fonceca.
inniversario da instalacio do
Hospital Portngnei de Bene-
ficencia em Pernambneo.
Em todos os lempos, e entre todos os povos, se
ha raantldo cora inalteravel permanencia o louva-
vel e asss aprazivel costume do fazer recordar s
geraedes que se vo suceedendn, os feitos glorio-
sos, e as aceites de inexcedivej mrito pralicadas
por genios de eminente repotacao, qner em boara
do solo commum qae se pr.nde o seu naaci-
mento, qner em bem de orna parte singular de
seus concidados, quer, erolim, em prol de toda a
hnmanidade.
Muitos sao os meios de que se servem as na-
qoes, qae poveam o universo, para perpetuara
memoria de seus hroes, ou dos factos mais trans-
cendentes por qae ellas se nobilitam.
Estatuas, obeliscos, e outros monumentos cin-
zelados no marmore ou no bronze, ahi se erguem
soberbos e mageslosos para attestar a posteridade,
on a grahdeza ao feito, ou o lustre do nome do as
signalado varo que elles symb> lisam.
A tradico, gravada nos pergaminhos da historia
com a severa critica dos contempuransos, lambem
lega perdoravel aos vindeuro- a verdade incontes-
tavel do objecto, que atlioge a adrairaco, ou pro-
voca o respeito e a homenagem para com os seus
magnnimos fautores.
A religio, mesma, tem por sea maior esplendor
o celebrar annnalmente a fesia commemoraliva
dos feus venerandos marlyre.-,de seus nclitos san-
tos, para reviver no espirito dos neis as remin-
denles victorias alcanzadas da verdade sobrero
erroo brilho do amor do prximoa elevaco
sel d esa uniao da criatara ao propne
Creador, san-ilioando se.
Conieaplativos em a ediflcanies exeroplos, re:
veladores de sincera e Jaste gmtido, tributada a
memoria daquelle?, que soueram distinganr-sa
por sobreexcedate no tardeio e pratica dos
deveras maraes, eivi, sociaes ou relrgloeos, os
utas oasu par'e ma'3 encanta-
imr
ai rito humanita/in e so-
lerow, flue nato no eoraciO'
este aba*epado paiz, rumina-
vara de ha multo em -teu peoaamento o desejo A*
ergoer bem alto um padro da tamorredoura re-
cordacao, siguBeatlvo de seas bros, da nobreza
de seas sentimentos e da exeelleoea da religio
que professam, a entre os divanos modelos que se
Ibes antolbavam para essa obra monumental, ns-
piranirr-se na prtfereneia dada fundaco de nm
asylo para a humanidade enferma e devalida, no
qual fosse encontrado agasalho. conforte, allivio
saude e vida para aquellos de seos compatriota*,
qaem a desventura hnuvesse feito sentir os hor-
rores da ponnrll'.'da fridgeocia, das dores e de to-
da a sorte de padecimentos.
Eslava concebido o plano; mas, para que nada
faltasse a belleza, e solidez de sua execucao, flr-
niou-se como m traca magistral, sabr aaspi-
ctosa de'.icaliria ao nome da excelso monarca*, o
Immnrtal j.iveu rei, o Sr. D. Pedro V; escolhendo-
se at, para por em maior relevo o caracterstico
da caridade, representada uesse novo templo, com
asomis preeminente* virtudes eongenitas ao bon-
doso caracao do magnnimo principe, o dia de
sna gloriosaelv?3o ao Ihrfiao de seos progenito-
res, itircellf eoi que tivesse rugar a itiaoguraco do
piedoso asylo qua de ento se licou denominando
Hospital Portuguez de Beneficencia.
Salve I peis, dia :1G de etembro de 18531 da
de grata nsordacao todos os Portugueze?, que
amantes da patria, da ordem e da liberdade, tive-
rara a venlura de ufanarse, vendo presidir aos
destinos da naco o soberano Ilustradoo rei ci-
dadoo verdadeiro cnltor das artes e das scien-
ciaso traigo do seu povoo prototypo de todas
as virtudes 1
Salve I ainda, dia 16 de setembro de 1835! qne
viste surgir, como por encanto, nesta hospitalerra
provincia do Brasil, mais um benfico refugio des-
tinado a suavizar os infortunios e a miseria, a
que se \ da continuo exposta a natureza huma-
na, no embate dos mais perigosos pareis, entre
os quaes se faz velejar a existencia I
Salve I nalmente da 16 de setembro de 18531
qae 11 teste rememorar aos tilhos da religio, de
crucificado o modo porque soube glorificar-se a
pobreza, e a humildade com qne se oruameolava
um servo do S-mhor, para exercer actos da mais
acrisolada virtud*", em favor da pobre, da doefite,
de Infeliz, e do desamparado I
Sio portante wez os motivas da festividade, que
le solemnisa domingo 18 do mrente no edificio si-
tuado no lugar demmnadn-CajueiroTributo de
vener.irao a saudasa wiemoria dn preclaro e mais
amado rei, o irtraarial Sr. D. Pedro V, renovad
de votas pela prosparidade e engrandejimento de
Hospital Portuguez de Beneficencia em Pernambu-
co. Cetebnicax' das dizimos oBeios em honra e
louvnr an bpmaventurado S. Joo de Deus, patrono
essa casa de evanglica cariade.
As pessons que a'li concorrerem nesse dja de
entnusrastco eeditWante regosijo, eocontrarao em
1 steniosa exposiedo' as enfermarlas e todos os com-
partimentos da edificio, a poderein ser visitados,
guardado o devidb decoro, decencia e boa ct>
dem.
Podero assUtir pelas 10 horas da manbia,
missa soierane celebrada no oratorio do estabele-
cimento, e qne ser cantada em mnsica sacra, por
uraa escolhida orchestra regida pelo enslgne pro-
fessor o Sr. Franeellne Domingos d Moura Pes-
soa, e ao sermo recitado por nm dos oradores
mais nota'eis do clero daosa docese.
Ser-lhes-ha permittido franco ingresso no re-
feitorio para testemanharem o c.iridoso aclo do
bdo aos pobres r-. nemritos roetibros da junta administrativa.
Toma rao parte activa e bem pronunciada f como
esperamos) na feira da beneficencia, qne tara la-
Ka rpeias quatro boras da tarde, uffereeida gene-
rosidade, pbhantropia e devoco dos eoniribninles
e mais eancurrentes pelo mfaligavel bemfeilor o
Sr. Jos Mara Pestaa.
Finalmente aioar petas 7 horas da oonte, ouvi-
rio entear canucos ehymnns de guacas e de lon-
vores ante o altar agrado do beatifico pa-
droeiro!
Duas bandas da msica marcial tocaro nos.in-
tervallos de todo*oa actos. O exterior do estabe-
leeimento estar gallardamente ornado com ban-
deiras e outros enfeites feslivaes. Profusio de Ib-
zes Iluminar omite o edificio, tanto interna, co-
mo externamente.
Eis a festa anniversaria, qne no presenta anan.l a
actual junta regadora do Hospital Portuguez ofe-
reee coniemplaeao do publico beneOeente, espe-
rando sua valiosissiraa cooperario, especialmente
na oflerta de suas prendas para obasar de cari-
dado, ao qual como dadivas celestes, se ,'mu'U-
pliqueni os bolos, que sirvam de encher o celei-
ro dos pobres.
Os encarregados de promover e arreeadar ^as
prendas e donativos qne as pessoas caritativas se
dignera destinar, a esta meritoria] colheita, sao os
seguintes :
Bairro do Becife.
Os senhi res :
Conimendador Jos da Silva Loyo._
Francisco Jos dos Passos Gnimares.
Joaqnim Ferreira dos Santos Coimbra Gaimares.
Manoel da Cunha Porto.
Commendidor Franeiseo Joo de Barros.
Joao Pereira Moutinho.
Joo Carlos Bastes de Oliveira.
liajrro de Santo Antonio.
Os senbores:
Jos de Azevedo Andrade.
Jos Joaquim d Costa Maia.
Antonio Duarte Carneiro Vianna.
Joaqnim Antonio Pereira.
Antonio de Sbuia Bego.
Bairro de S. Jos.
Os senhores:
Cammendador Jos Jooquim Lima Baira.
joao da Silva Ferreira.
Lourenco Bibeiro da Caoba Oliveira.
Pedro Jos da Costa CasleMo-Branco,
Theotouio Flix de Mello.
Bairro da Boa-Vista.
Os senhores:
Commendador Joo Lnlz Ferreira Bibeiro.
Domingos Antonio Silva Beiriz.
Jos Alves de Lima.
Flix Pereira da Silva.
Francisco Carlos Brando.
Passagem.
Os senhores:
Candida Alberto Sodr da Molta.
Miguel Jo- Barbosa Gnimares.
los Monteiro de Siqneira.
Marcelino Jas G^ncalves de Fonte.
Francisco Jos da Cosa Araojn.
Commeodador David Ferreira Bailar.
Eleic&o dos devotos que tem
de festejar Nossa Senhora
da Conceicao da Escads,
erecta na igreja de Nossa
Senhora da Conceicao dos
Miitares m anno de 1870
a 1871. .
JartMr^rieicao.
O Illm. Sr. Maaoel JHoario< d'Afruda.
Jnizes por evocad.
Os Illms. Srs. :
Dr. Julio Augusto da Caoba Gutaures.
Exm. bard de Ulinga.
Coronel Joo do RegaBarroa Faksao.
Tenente-coronel FranoMCO Caeoeire'llaeQlb Res
Juta perpetuo.
O Illm. Sr. Dr. Aletandre ddSoun Pereira
Carrao.
Eserivo por eleiaia
O Illm. Sr. Antonio Jas Bodriguas deSooa.
Escrives por devoclo.
Os lllms. Srs. :
Thomaz Ferreira de Carvalho.
Francisco Luiz dos Santos.
Joaquim de Gusmo Coalho.
Dr. Joaquim Pires Machado Portolla.
Moromos.
Os Ulras. Srs.:
Albino da Silva Leal.
Malbias lavares de Almeida,
Arminio Fernandos Alves Lima.
Antonio Maria Marques Ferreira Jaoior.
Jos de Souza Soares.
Fortunato Bibeiro Basto.
Leoncio Gomes da Fonceca.
da humildde a pureza da consciencia-o ex-, Dr. Casiano Estellica Cavalcante Pessoa.

, w


Oifttio de Per/unohurri Quarla
e
Mau b
AsEamaSvSm.:
D. Saimir Bauoide Souza Mooteiro.
D. Lui za Munix t*rro Velloso.
Juiza perpetua.
A Bao. Sra. OUOijriwia Lins Ribeiro.
Ejorivla por elelcSo.
A Exma. Sra. D. Mari Amelia da Silva Pinto.
Eerivles pordvoclo.
A$ Exmas. Sra. :
D. FiraeeeHna DorneHas Pessoa.
Ibrit Cecilia de Aibnquerque Lacerta.
. Tfeama de Alhoqnnjue Lacerta.
D. Jaba Carnew de Albuqnerque Laearda.
m Mordomas.
A Eima. Sras. :
D. Serafina Marta do Naseimento Cabral.
D. Candida Tetj Bandeira de Meti.
D. Silvana Janaarta da Silva Hagra.
D. Carolina Leopoldina da Suva Bonooe.
D. Isabel Senhormha Viegaa.
D. Plora Deniz Remandes da Gunhs.
D. Amelia Guadas Alves Aleoterads.
B. Alexaudrina Ripnera de Retende.
n Procuradores.
Os Illras. Srs. :
Joa' B. de Maraes.
toninoUno Antonio Gosaes.
I Chrislianij da Iva
Procurador feral,
noel Zefermo de SaWes
Ttwwifoiro.
Manoel Morera de Souza.
O eooego vigario
Antonio Marques devastilha.
r v
r,, ofdo
jmw temp re. MnM ||e,
topla u
le de oosia sociedade deffeoder e faier respetar
onossos direStos. A' meaos qae rodos aqaellw,
que se ateressara por tio ntit institaieao, nio
loeiram ver desmoronar o edificio qae to hbil-
mente foi desenhado pelo nosso compatriola o
Ulm. Sr. Dr. Jos Henriqaes Perreira ; e com
tanto empenho e vbotade Construido por alguos
prestrnosos e incancaveis socios.
O oerrespondeote conservador di Jornal
Questao de Envenenamento.
n.
Nada tenlio dizer quanto a opioiao do articu-
lista de que a questo do envenenamento est fin-
da, antes de ter coroecado, islo diz respeito a fami-
lia des finados.
Quanto as deelaragoes do preto, tambero nada
teuho que apreiar, nao sendo advogado das parles
nem juizdo crime : passo por tanto a questo me-
dica a quaI voo fimttar-me.
O sincero informante do articulista (o qual ao
que parece oo outro senio um medico pela
academia de Pars, d que esta nao se afane) d
am specimen de seus conbecimentos quando diz
que os inqueriios policiaes deviam ser posteriores
aos exames oadavericos a que se ia proce-
der.
Esquece o informante qne tendo incorrido na
grande falta de nao formular diagnostcoj certo du-
rante a vida do doente, qne assisto, perdeu o
direito de fallar na pouca idade dos seus collegas
por ter provade que apesar de sua umita idade,
no tempo, tem muito pouca anda na sciencla da
diagnosis.
Nao leudo pois havido diagnostico fixo, nem a
competente autopsia para esclarecer os qne se Q-
zeram, nada era mais curial e conseataneo com
a boa razio e com a lei, do que proceder-;e am
minucioso iaquerito medico, o qual servisse de-
pois para urna confrontacao e comparajao com os
resultados que a anatomiajpotbologica e a medici-
na legal podesse.n apresentar.
Antes p irm de discutir outras questes vou fa-
zer aiguns reparos sobre a parte mais inleressaa-
te da correspondencia qae provoca estes a gos. N'ella pretende o medico seu autor, que o
valor dos depoiinintos feitos perante o cliefe de po-
licia, deve ser aquilatado pelo carcter e ciencia
do- facultativos qae os fieraii, vista do que
nullifira elle como peinas scieutificasosdepoiraantos
di Drs. Estevo, Santos e o meu. Issso quer di-
zar que null.lka tambem a esses dous facultativos
e a mim como homens de carcter e de sci-
encia.
E' deploravel que a classe medica seja assim
infamada por um dos seus membros, que^m tudo
so v sea ioteresse, pelo qual sacrilica a reputa-
cao intacta de seus collegas, j na imprensa sob o
anonymo, ja as esquinas e pontes, procurando
em tudo tato s fazer ruinas para elevarse, tanto
a mediocridade pretenciosa s grande cercada
pela solido e pelo silencio.
De envolla com os insultos, que no3 atira, yem
os elogios, que prdigamente distribue a sua gran
de ndivfdualidadc; nao censuramos essa falta de
modestia : se o nrmame se esquecesse de si
quera se lembraria ?
Todava os elogios com que o informante se con
decora tem algnma cousa do insensatos, o que
tanto mais noi iinnressionou quanto o faci de se-
ren elles publicados no Rio de Janeiro revelara
ceno boro sonso da pane, de informante, que nao
prophe.a em sua ierra.
Ser Dr. em medicina pela academia de Pars
urna glora repartida por quasi todos os mdicos da
Franja, e l os deve liaver de toda a qualidrde.
Ter a academia de medicina de Paris mandado
elogiar por seu secretario um trabalbo sobre a
elephtntiasis do mesmo Informante, isso s prova
que a academia delicada, e estas raen oes honro-
fas que se fzem aos cantos, qualquer as pode
merecer, eserevendo [ am trabalbo com livros
vista, copiando e citando Tactos inveridicos de ama
Clnica imaginaria. Qnanto ao Dr. Guerin tem
citado o informante a proposito da vaccina citou-o
na qua!idade de medico vaccinador que-foi de am
paz estrangero, como citara a opiniao ou a esta-
listic de qualquer alveitar d'aldeia. Exemplos
destas mencBes honro-as e dessas eita^oes pode-
idm apontar maitas destas as vezes por pessoas
v<\ iranes e verdadeiros charlales; e se e infor-
mante qner provar suas habililagSes de medico
clnico com um ou outo elogio a si feilo como me-
dico theorieo, e sobretodo se qaer provar sua
ciencia m toxicologia com os estados rque fez
sobre a elephantiasis, procure am publico meaos
tllastrado eno falle perante quem conhece a
sciencia medica.
Afflrma o informante qae ea garant o envene-
namento. E falso. Garant a possbilidade da
tntoxicacao, o qae se ver quando imprimir o mea
depoimenlo, se Unto for preciso.
O que ridiculo e tambem igaobi! tratar-me
o informante poro hommopatha Santos Mello,
querendo insinuar assim qae nao lenho o grao de
Dr, Miaba cana est a vista na pharmacta ho-
meipathiea, onde tenho mea consultorio.
Terminando nao posso furur-me a lazer um pe
dido ao raformante: remetta seu depoimento a
academia de medicina de Paris. Ella ver que
f-cundo tlenlo sahio de seus bancos; ella vera o
q ie verdadeirarocite o autor das memorias elo-
giadas. Eoto quando essa comprida algaravia,
mais delirio de parte interessada que depoimenlo
de perito coosciencioso, se desenrolar perante si
ella se espantar de que fos mano encerrar n'um improviso mais absurdos do
que os que a imaginacao mais paradoxal poderia
abraoger n'um livro, ento o Dr. Guerra faria jns-
tica ao natlador de Ghomel e de Tartiea, ento a
academia desperia das peunas, com que se cobre,
a mais enfatuada gralha, que nem por ser gralha
deixa de ser corvo.
fCcmtma).
Recire, 13 de setembro de 1870.
Dr. Santos Mello.
Commercio da corte, veadoas reclamac/Jes qae oc-
eastonou a transcripcio que fez em sua raissiva de
10 de agosto ultimo, de nos aponlamentos qoe
Ihe forara dados sobre a qnestao do-envenenamen-
to dos irmos S e Albaquerque, d-se pressa em
declarar :
1.* Qae nS fbtcrSrt Dr. Aqaiho Fonoeca, e sira
urna pessoa qae Ihe merece plena confianca, quem
Iheforneceu laas awnumentos, dizendo Ihe qae
tinhaat sido exirahidos fielmente da averigua-
c5es fetas pe pollcia.
Io Que nioos-fendo lido senao perfunctoria-
raente, nao coatoa qae tanto podessem encommo
dar as. aessoas qae toen reclamado pela iraprensa.
3." QAe certo que liaviam sido elles extra bi dos
das referidas averigaae3es, nao podlam constituir
offensa a puljcacao d'aqnillo qae constava de
pessa nfflcfal.
4* Finalmente qne tendo aceitado os supracita-
dos aponlamentos com o fim de por a verdade em
evidencia, nao leve jamis a intenco de aggredir
n un molestar pessoas de qneo nao tem motivo al-
gum de offensa; quiz apenas desempenhar a sua
misso de notieiador oireumspecto, nao emtllndo
opinio sua sobre assumpto de que nao tinba co-
nhecimento especial.
Feitas estas declaracSes, acredito ter enmprido
com os- deveres de lealdade tanto para com aquel-
lo sibre quem pesa a responsabilidade de acto
que nao Ihe pertenre, corno tambera para com os
que se dizem offendidos em saa prefi ter.
Recife, 12 de setembro de 1870.
dem na,- cano* orna
littkd
ff desafina. -
JBIhtf..........
Ossos ,,,,.<
Palha de Crnaai ..... molhos
Pechory. ... kog.
Pedras deamoisr .....
dem de filtrar ......
dem d reboili
Pennas deema. ...... >
do Piassava......... moit'os
lOOO
;:4800
Pontas ou chifra de novifto on
vacca......
abao ......
Jal. ...... .
Saisaparriilia ....
Janatos de couro braneo
Sebo ou graxa em rama
dem em velas. .
Jola e vsqaeta ...
Tapioca......
i nlfas de-boi....
Vassonras de carnauba
dem de piassava .
dem de fmb. t ,
317
60
10
1#006
810
31
18

4796
100

cea*)
tolog.
>
c
LHog.
ceato
dazta
StfOO
348
10
SJ063
800
340
476
1*300
204
380
766
1*200
960
Aifandga de Pernatunbnco, 10 de setembro de
1870.
O !. conferente. Manoel P. da Silva.
O 2.* conferente Joaqun J. de C. Mendonca.
Approvo: Alfandga, 10 de setembro de 1870.
Pties di Andrade.
Conforme. Joaqntm Tertuliano de Mediiros.
Assucia$o Commercial Be-
neficente.
Hontem nao se reuni a assembla geral qae
bavia sido convocada para se tratar de assumpto
momentoso e de alta importancia coramercial,
por nao ter comparecido numero legal de socios,
posto que fosse apenas preciso para sso que se
apresenrassem 37 I E' para lastimar, e cansa
verdadeiro desanimo, a estupenda jndifferenca que
se observa na maioria dos associado;!
Do profundo letbargo em que jazem, do ne-
nhum interesse que mostrara pelos seas inlere ses
directos on indirectos, oulra crasa nao pode rea,
altar seno a fraqueza, a desconsideraco, a per-
da da forca moral e do prestigio de qa'e deve ser
sempre rodeada a associaco que representa os
legilimosjnttresses do commercio.
Oh nao nos condemnemo3 assim inaccao, ao
indiffirentismo, ao desprezo dos nossos deveres
sociaes, porque nesse caso dir-se-ha qae apenas
vegetamos ingloria e estrilmente.
COMMERCIO.
ALFANDEG.i
tpndi^eatododral a 12 3i3:447<4i8
dem do da 13 i 48:77ia968
392:2*01386
MOVIMENTO DA ALFA!-:DEGa
'otnies entrados c m azendas
dem idem com gneros
rolamos sahidos com fazenda
dem idem cora geacros
84
m
-----92o
Despachos de exportaedo no dia 10 d
setembro
Na barca ioglza Mimosa, para Liverpenl,
carregaram : Saunders Brothers 4 C. ICO saoeas
com 7,188 kilos de algodo ; Manoel Fernandas da
Cesta & C, 45 saccas com 4,892 kilos de lgodSo.
Na barca ingleza, fVino Witton, para Li-
verpool, carregaram': Habe Schmmettn i C?, 100
saccas com 6,839 kilos de algodo ; Joa Fer-
nandos Lopes, 500 couros salgadas com 6,000
kilos.
Ne brigue portagaez fttalidade, para o Para,
earregou : Francisco de P. Lima, 12 pipas com
3,500 kilos de sebo.
Dia 1*
N barca ingleza Franck Wilso, para Li-
verpool, carregaram : Keller & d, 268 saceas com
57,548 kilos de algodo.
WGBBEDORJA DE RENDAS INTERNAS GE-
RAES DE PEBNAMBC
endiraento do dia 1 a 12. 180034879
ldamdodia!3.......1:0674721
Azeft.
AgnardefWe, i(
BMalhao, kilrararanu.
[ Bataus, idem.
Cb byssen, idem.
Dito preto, ddm.
'-ebolas, cento.
Carne secM> kllogramafta.
farmha de mandioca, jro,
irumo do Rio, kilograoma.
Fetjao mnlatinho, litro.
farello, sacco.
Milho, rdem.
Manteiga franceza, kilogramma.
aauao, dem.
Sal, litro.
Toaeinbo, k-logramma.
lapioca. idem.
Vellasdecaraauba, kilogramma.
uitas.stearinas, idem.
Vinagre, litro.
violto tinto d* Lisboa, idem.
D'to braneo, idom.
Os concurrentes apresenlarao as
0!*!!*" ^r,,s tertad- a.-|ae deVerit thr
zT\ w,,W8|e':ida no presente aotcio.
secretaria da Saau Casa da Misericordia d Re-
cre, 6-da setembro de it 10.
O eacrivo,
,______Pedro Hhirifttet de Souza.
Vice
smmtmM uAyauxfaea x 17si
Miada pelo distincto arkMa Mr. Jtrii.
4.' O mmto indo e trntimUdo drtetio
.hiAfS?EOlCiTE^ PLACE,
ejlbtdo pelos kmtm ummm^.Cvoa t
i.^fkroimdMtikM9pwnxail< no
ptorio da tbeafro das 9 bora da tatatiia am
Z9ghorH%Wl taaAnt-* nondadV da
MMfar buscar mu eartoes na dia do espoc-
MwloataoBiBpdla,
r permittid* aos Sra* espectadores a enlrarem
'm snas bengaJJas oa chapeos da sol.
0 proco geral des bWWtii da-joadajrs, quer
para homens, qarpar senkora* 1*0.
Piasiiari s -9' da nooie.
suas prcmstas
i appamas
lio d* kiwfr
' "^"i.bees,garra-
Sibrado da roa da Cadeia a 81
HOefE
B Pinto, autonsfldo por tuna pessoa om
^denea, far ieilm dos awvea) anua
ia descriptos, exiatentes no setad
pao da roa da Cadeia n. 8l, Medo
, W-raciprar ^^
10 horas em ponto
en*
i 9:973*603
CONSULADO PhOVlNCAL
Aendimento do dia 1 a 12. 55:196*315
dem do dia 13. 1.078933
56:275*248
Monte-Ko Portuguez
em Pernambuco.
Srs. Redactores. Traeando estas toscas linbas,
na) temos em vista offender individualmente a
alguem.
Movidos nicamente pelo desejo de prosperidade
e engrandec meato q te votamos a to mil qaanto
hamaniuria inslitaico Montepo Portuguez, n'es-
a ciiaio creada pela lembranca e esforcs do
benemrito portagaez. o Illas. Sr. Dr. Jos Henri-
ques Ferreira, era 1884, nao podemoB ser indife
rentes ao triste estado de abatimento em que se
acha dita sociedade., (se merece esta nome).
Srs. socios do Menie-pio Pottuguez, acordai da
lethargia em que estis, levanlai-vos como um s
hornera ; bradai abaixo a dictadora da intrusa di-
rectora, abaixo o despotismo, abaixo a preponde-
rancia Individual.
Na civilisaejio actual nao se aera j nais o go-
verno despota. f*rcado com o governo iivre.
O hornera quem se Ihe confia om governo,
e assume a si a dictadura, boje s pode ser con-
sentido pelos eseravos e aduladores.
Qae triste fUnra lreraos nos, socios do Monte-
po Pofttiguez ? que triste idea faro de nos os
estranhos? Sabendo qae aqu n'um paiz Iivre
existe orna sociedade composta de horneas livres
mdepaodentes qae se sujeitam a vontade dea-
potado doisou tres homens, calcando e violen-
taado os estatutos da nossa sociedade, como se a
tn d t* 0lr* CWM* M Di0 Eu qaero' p080
rafe, W' te,npo' 8r- weiiwlos, de se finrj
camprtr o disposto no aa 22 e 4 do art. 94
de nossos estataloa, e temos tambem o art. da
134
778
-----912
Descarrewm hoje 14 de setembro
Brigue iaglcz Adelele mercadorias.
Brigae uorte-allemoMiranda ~ mercadorias.
Patacho amsricanoCaroJma^dem.
Patacho in.lezRiver Quen idem.
Brigue norie-allemoHerculesfarinha de trigo.
TABELLA dos precos dos gneros sujotos a di-
RE1TO DE EXP0RTAQAO. SEMANA DK 12 A 17 DE
SETBMURO DE 1870.
Mercadorias: Unidades. Valores.
Abanos......... duzia 300
Algodo em caroco : kilog. 157
dem em rama on em lia. fi,')0
Carneiros vivos....... um 4*000
Porcos idem. .. i 2OO0
Arroz com casca. .... kilog. 68
dem descascado ou pilado 177
Assucar braneo...... 250
dem mascavado....... 140
dem refinado....... > 436
Gallinhas........ urna 1*000
Papagaios .... ; 5*000
Azeite de amendoim ou nien-
dobim......... litro 937
dem de coco ....'. 675
dem de mamona...... 525
Batatas alimenticias. .... kilog. 102
Baunilha....... > 5*450
Bebidas espirituosas efarmentadas:
Agurdente cachaca..... litr. 195
dem de canna...... 300
dem genebra...... 330
dem restilada ...'... 300
dem alcool........ 337
Idem cerveja ....... 600
emvinagre....... 300
dem vinho de caj...... 660
Bolacha fina, comprenendidos os
biscoitos......... kilog.
dem ordinaria, propria para
embarque.'........
Gaf bom......
dem escolha ou restolho ...
dem torrado on moide, ... t
Cal branca........
dem preta........
Carne secca (xarqne ).....
Carvo vegetal.......
Cera amarella.......
dem de carnauba em bruto. >
dem idem em velas, .... *
Cha.......... -
Cocos seceos....... cento
Colla......... kilog.
Couros de boi, seceos salgados,
dem idem espichados....
Idem idem verdes.....
dem de cabras cortidos um
Idem de onca.......
Doces em calda...... kilog.
dem em gela ou massa.
dem seceos
duzia.
MOYIMEHTO DO PORTO.
amo sahido no dia 12.
Mamanguape Vapor brasileiro Cururipe, com-
mandante Sirva, carga diferentes peneros.
Navios ntralos no dia 13.
New-Yotk, S. Thomaz e Para21 da, sendo do
ultimo porto 5 1/2, vapor americano SoiM Ame-
rica, de 2.000 toneladas, commandante Tenkle-
pangh, equipagein 70. carga differentes gneros:
a Henry Forster & C.
Navios sahidos no tnesmo dia.
Rio Grande do Sal-Brigue brasileiro Superior,
eapito E. A. da Rocha, c*rga assucar.
Liverpool pelo Rio Grande do NoriaBrigue in-
Rlez Edith Mary, eapito W. S. Jolinson, em
lastro de assucar.
Rio da Prata-'-EsmDa holland^za Helios, eapito
A. R. Wenters, carga assucar.
Rio de Jandro o BabiaVapor americano South
America, coraroandanle Tenklepangh.
EJITAES.
>
cento
keg.
9
>
centro
kilog,
Espanadores de pennas grades .
dem pequeos......
lem de palha.......
Esteiras de carnauba ....
dem propria para forro on estiva
denayio........
Estopa nacional......
Farinha de araruta.....
dem de mandioca.....
Feijio de qualquer qual idade. .
Fumo charutos......
idem cigarros......
dem em folha bora
dem em folha, ordinario ou res-
tolho........
idem em rolo e em latas bom .
dem, ordinario ou restolho. .
Rap .........
Gomma de mandioca, (polvilho).
Ipecacuanha ( raiz ).....
Angico (toros)......
Caibros ........
Enxams........
Frechae...... [ ,
Jacaranda (coucoeiras) duzia
Lenha em achas......cento
dem em toros...... >
Linhas e esteios......um
Lour s (pranchoes). .
Pao Brasil .......
dem de jangada. .. 1 '. -' mm
.....duzia
Vmhatico costadiBho de 25 a 30
millimeiros de grossara.
dem pranchoes de dous costa-
dos at 50 mimmetros de gros-
sura..........
dem taboado de menos de 25
millimetros de grossura .
Taboado divarso......
Tatajuba........hlog.
Travs ..... um
Varas para pescar.....duzia
idem para agutinadas (
duzia
um
kilog.
476
204
476
442
959
38
27
258
168
442
436
763
4*360
4*000
1*438
566
640
300
350
10*000
i*f33
784
2*180
48*000
24*000
12*000
16000
12*000
136
681
92
272
3*000
320
1*090
613
681
545
2*180
170
1*703
60*000
360
1*500
5*000
95*000
3*000
12*000
6*000
10*000
103
5*000
6*000
Perante a cmara municipal desta cidade
estar em praca nos dias 10, 12, 13"e 14 do cor-
rente para ser arrematado por quera maior pre-
go offerecer o imposto de afericao de peses e me-
didas pela quaa de 22:800*600. A arremata-
cao ser feita por ara anno : aqnelle; qne preten-
deren! concorrer a ella, devera habiiiiar-se na
forma da lei e apresen larem dos das antes -
suas habilitacoes para serem Jnlgadas.
As condigoes do contracto serio declaradas an-
tes de imtrar a praco.
Paco da cmara municipal do Recife, 9 de se
terabro de 1870.
Ignacio Joaquini de Souza Leao,
Pro-presidente.
Loarenco Bezorra Carneiro da Cunta,
Sjcretario.
consulado da Italia
Pernambuco.
G. & Diilo, capillo dr) patacho italiano
Rio la Plata, precisa tomar A risco marilifflo"
a quanlia de dous contos e quinbentos mil rs,
para fazer face s despezas fditas oeste por-
to, na sua arrib-da por forca maior, em
saa viagem de Genova para o Rio de Janei-
ro onde seo destino, sobre o casco appa-
relhos, ireles e carregamento do mesmo
navio; para quem qnizer dar esta quantia,
recebem-se as propostas em carta fechada
at o dia quinze (15) di) crtenle mez ao
meio dia na chancellara d'ftste vice-eonsu-
lado onde se tratar do ajuste.
Pemambur.o ii de setembro de 1870.
O vice cnsul
_______Bardo da Soledad*.
Santa casa de inisericordia
do Recife.
Dinhctro ? Jsta.
A T'lma. junta adminisirativa da santa casa de
misericordia do necife, aa sala de suas sessfies,
pelas 4 horas da tarde do dia 15 do correle mez,
recebo proposta* para o fornecimento de assucar
refinado de 21 sorte, que honver decousnmir
os estabelecinientos nios ses cargo, tanto desta
cidade como da deOIrada, nos raezes de outubro
a dez"inbro vindonrb.
Sania casa da misericordia do Hecife 9 de se-
tembro de 1870.
O escrivo,
.Pedro Rodrigue de Souza.
Santa Gasa de.Misericordia
do Recife
.fa'.eie" a vita.
Perante a janta adminis'traliva da sania rasa, na
sala de suas sessSes, pp|a* 3 horas da urde, se ha
de arrematar o Tornenmelo da carne verde que
ti ver do consumir os estabetecimentos pos a seu
cargo, tanto desta cidade como da de Oiinda no
trimestre de outnbro a dezembro vindouro.
Os pmponemes deverao apresen'ar as suas pro
postas dovdamente. selladas e era carias fechadas.
Santa casa de misericordia do Recife 9 de
setembro de 1870.
O escrivi,
Pedro Rodrigues de Souza
isos iwhitimo.
Rio de Janeiro
Jratsnde seguir para o referido porto coa a
ppssivel brevidade o patacho Montewo por ter por
io da car engajada ; e para a qae ihe falta e
actuaros a rreie, irata-s com o consignatario Joa
qoWrJos Goealves Beitrao-a ras do Commereia
n.17.
" t Ms segu oestes seis das o a ate An-
wy, e pede receber para o referido porto carga
a Inte barato : q ao-consgaatario Joaqoim Jos GoncaJves B-krao,
4 na do Commercio n. 17.
DE FAZENDAS
PERFEITAS
A 16 do corrate
O agente Ohveira far leilao por conu de- dier-
soe, e para fecharcoata> de bello srtimt> d*
faiendas, constsndo asa variedada de chitas e ris
cadrobos, madapoles, algodSes crs, Hambor
brin-, foalhas e puardaaapos de Mnho, cambraUs'
esttias e diversas outras, todas proprias do ioer-
eado
Sexta-feira
s 10
em seu escriptorio
andar.
h-M-as da manbia,
* roa da Cruz n. 53, priraeiro
BAHA.
Par n referido porto segu em poueo* dhs o
patacho-Mocira por ter a maior parle da carga
prompta ; e para a pouca qae loe falla, tratse
com o consignatario Joaqoim Jos Goncalves Bel-
trao. ra do Coauaercio n. 17.
Para Lisboa.
O brigue portugaez Adetaide segair para Lis-
boa com brevidade, recebe carga e passageiros em
condicoes mdicas : trata-fe cora Marques. Barros
& C, no largo do Corpo Sanio n. 6, 2 andar, ou
com o capitao Henrique dos Santos Fernandas.
5BLARAC0ES.
S\NTA G.\S.\ DS MISERICORDIA DO
RECIFE.
Dinheiro vista.
A Illma. janta administrativa di Santa Casa de
Misericordia de Recife, na sala de suas sessoas,
pelas 4 hiras da tarde do dia lo do crreme mez
recebe propostas para o lornjeimento do po e
bolachas, que houverem de consumir toi''>s os
estabelecimentos pos seu cargo, tanto desta ci -
dade como da de Oiinda nos mezas de outubro
dezembro vindooro.
Secrtearia da Santa Casa de Misericordia do
Recite, 9 de setembro de 1870.
O escrivo,
Pedro Rodrigues de Soza.u
SANTA CASA DA MISERICORDIA DO
RECIFE.
A Iilm.a. janta administrativa da Santa Casa de
Misericordia do Recife manda fr.zer publico q,ae
na sala de suas sess6es,no da 15 de setembro.pe-
las 4 horas da larde, tem de ser arrematadas a
quem mais vantagens offerecer, pelo tempo de um
a tres annos, as rendas dos predios em seguida de-
clarados :
ESTABELECIMEMTO BE CARIDADE.
Ra larga do Rosario.
i." dito do sobrado n. 24 A. 400^000
Ra do Padre Floriauo
Casa terrea u. 47. ...... 174*000
PATRIMONIO DOS ORPHOS.
Ra do Pilar.
idem a. 102........202/000
dem n. 93.........204*000
Sitio da Miruelra o. 4...... 107*000
Os pretendentes deverlo apresentar no acto da
irrematacao das suas flaneas ou coraparecerem
acompanhados dos respectivos fiadores.
Seralaria da Santa Caa da Misericordia do Re
cife, 2 de agosto de 1870.
O escrivo,
Pedro Rodrigues de Souza,
Por esta secreiaria sr f.z puUlco que, por
deliberacao do conselh > director e da presidencia
da provincia foram approvados, para uso as es-
colas publica de in-trucca> primaria, o compen-
dio de systema nutria decimal de Joo Gregorio
dos Santos, e a obra intitulada Chrestomathia ou
colleccab de trechos e excertos de prosa e terso de
differeni.es esenptores pnblicada pelo bacharei He-
raclio Vespasiano Pioek R .mano.
Secretara da instraecSo publica de Pernambu-
co 10 de getembro de *870.
O secretario,
Aareliano Augusto Perora de Carvalho.
Corrcio geral.
Relaco das cartas registradas, procedentes
do su!.' noriu > imperio, existentes na
repartica) do correio eoi 13 de set-m-
bro d^ 1870.
Antonio Jos di Ar.-.ajo Brasa, Antonio Joaqnim
Ferr--ira Monteir i, Alfredo Excelso de Oiiveira,
Bernardo Gomes de Abren, Eduardo da Co*ta Oii-
veira,'Francisco M raiz da Silva Ferrar, Francisco
A. de S raza Araujo, Gailbenne D Av-leys, Jacin-
thoSoares de Menezes, Jovio Fernandes da Cruz,
Jos Carneiro da Rocha, J:>5o Luiz Cavisintf de
Albaquerque, Laiz Jos da Costa e Silva. Luiz Jos
Fragoso, Manoel Gomes de Mello, Marcomiro Pao-
cracio P. dos Santos.
O encarregvlo do ropistro,
Manosi dos Pas-us Miranda.
C0MPANH1A PERNAMBUCANA
M
Xavega^ao costeira par vapor.
Porto de Gallinhas, Rio Formoso e
Tamandar.
O vapor Parakyba seguir
para os portos aoma no dia
20 do corrento meia noite.
Recete carga, encomaen-
das, passageiros e dinheiro a
frete no escriplorio do Forte
do Maltas n. 12.
COMPANHIA PERNAMBUGAN
DE
ftavegagdo costea por vapor,
Goyanna.
O vapor Phrohyba settuir pa-
ra o parto cima no dia 16 do
crrenle as 9 horas da noute.
Recebe, carga encommendas
passageiros e dinheiro a frete as
2 horas da urde no escriplorio do Forte do
Matas n. 12.
LEILAO
BE
diversos objeotos de mobilia e louca e di-
versos objectos parj dentista, 1 relogio
de ouro (patente ioglpz) c corren, no
armaxem da ra do Vicario n. 7.
SADBiDO
17 do torrente.
O agente Pestaa, enaluiente autorisado*. far
leilao por coatt e risco de quera perleocer. d di-
versos objectos de mobilia, Iou$a, vidros, appare-
Iho para jamar, dito para altaico, I relogio deoor*
patente ingle o eorrenn, I aifinete de ouro eo*i
brillantes, rica cama de Jacaranda, 1 dita d ama-
relio, e rauitos ootros objeetos que se achaia- p-
lente no acto do leilio, que tera lagar s.ibbtdo
17 do eorrtnte, pelas 11 htiras da manua, aa roa
do Vigano armazem n. 7.
COMPANH1A PERNAMBUCANA
Mi
Navegaco costetra por vapor
Macai, escalas, Penedo e Aracaj.
O vapor Jaguaiibe, commandante
Guilherme, seguir para os portos aci-
__ma no dia 15 do corrente as 5 horas
da tarde.
B 'Cebe carga at o dia 14, encommendas, pas-
sageiros e diaheiro a frete at as 2 horas da tar-
de de sua sahida,' no escriplorio do Forte do
Mattt
n. 12.
AVISOS GIVERSOS.
Preiende seguir para o referido porto em poneos
lias o paloabote Rosita por ter a maior parle da
carga, e para a pouca que Ihe falta, trata-se com o
consignatario Joaquim Jos Goncalves Beltro,
roa do Commercio u. 17.
RIO DE JANEIRO
Para o porto cima segne com brevidade o bri-
gue nacional Isabel, tem parte do seu carregamen-
to engajado : para o resta qoe Ibe falta trata-se
eom os consignatarios Antonio Luiz de Oiiveira
Azevedo & C, ra da Crut n. 57,1" andar.
imiTETOARCHEOLO'ilCO E M8Ar
PEliMMBCCAm -
Haver sess5o ordinaria quinta-letra ta>do
corr-nte pelas H horas da ruaohaa.
ORDEM DO DIA
Leitora do projecto rte resposta ao cffi-
cio da Illma. cmara municipal do Recife,
s.ob-e a denominar-So da o-tra*i de jo** da
Barros, pelo Sr. major Salvador Henrtque
de Albaquerqtu.
Parocores e mais traba Ihos de cora,-
missoes;
Secretaria do Iostituto. 1 de aoosto de
1870.
Jos Snares d'Xzevedo,
Secretario perpetuo.
^ O Dr. em medecraa Fr|neisco Goncalves &
de Moraes mudou sua roMd ncia para o m
largo do Terco, sob a o de nui ano"ar n. W?
8 31, ende poder .-er nrocura*j para o &
g exercicio de sua profis o.
Haver todas as quintas-fWras um omoibas
para Santo Antao, devendi. partir s 3 horas em
ponto da ra aa Praia n. 41 e voltanda para o
Recife na sexta-feira s mesiuas horas; ininbui
aluga-se noutro qualq'ir-r dia para algnma Cuiulia.
levando 10 pess-as. T.uiibem vend-se cavallos
para cabriolet: tratar na ra de Pedro Alfonso
(antiga ra da Praia) com o Sr. Jos Pinto Tavares
Jnior.
U!
DA
MUITO APPLAUDIDA
M
um 16*000
duzia
20*000
1444000
91*000
33
6*000
2*400
6*000
No dia 14 da corrente mez, depois da au-
diencia do Dr. juiz municipal da 2* vara, sero
arrematados os alaguis do 2* andar e sotio do
sebrado n. 31 ra larga do Rosario.
SANTA CASA DE MISEWCORDIADO-
RECIFE.
Dinheiro vista.
Perante a Illma. justa administrativa da Santa
Casa de Misericordia do Recife, na sala de suas
sessiSej, pelas tres horas da tarde do da 15 do
cornnte se ha de arrematar o fornecimento dos
medicamentos qae ti ver de'consumir a botica do
hospital Pedro II, no trimestre de outubro a de-
zembro vindouro, e que constam do annuncio pu
blicado no Diario de 17 de jinho fiado.
Os pretendentes poderlo, para receber esciare-
cimentos dirigir-se secretaria da Santa Casa,
onde existe a relaco dos medicamentos que po-
dem ser pedidos.
Secretarla da Santa Casa de Misericordia do Re-
cife, 9 de setembro de 1870.
O escrivo,
Pedro Rodrigues de Sonza.
SANTA CASA BA MISERICORDIA DO RECIFE
6 DE SETEMBRO DE 1870.
(Dinheiro vista).
A Illma. junta administrativa da Sania Casa
d Misericordia do Recite, no intuito de alargar
o circulo das pessoas que concorrem arremata-
gao do fornecimento de gneros qae tem de con-
sumir os estabelecimentos pos a sea cargo, nos
mezes de outubro dezembro, manda fazer publi-
co que o mesmo fornecimento da quantia de 39
contos e tantos mi Iris annualmente, a qoe
pago mentalmente com dinheiro a vista.
\
NO
GRANDE Ji.rDIM
DA
IMPERIAL
FABBICA DE CERVEJA
Ra do General Victorino n. SS
Qinta-feira 11.
Programmas na entrida.
Preco de entrada 1*000 por cada pessoa.
TBEATRO
SANTO AMO.
E9PREZA-C0IHBRA
COMPANHIA--FMNCEZA.
ALTA NOVIDADE.
Grapde e variado especlacnlo,
LRICO E DRAMTICO.
Qaarta-feira M de setembro.
Orjlhmte ouvertnra pela orchestra. Em segui.
da entrara o espectculo dividido em tres prtese
PRIMEIRA PARTE. '
LES NOCES DE JEASNETTS
opereta cmica em 1 acto
Personagens. Actores.
Jean............... Mr. Maris.
Jeanneite.......... Mlle. Brescla.
PetitPierre........ Mlle. Mariette.
A aeco passa;se em um do. departamentos de
Paris.
SEGUNDA PARTE.
Ser preenchida pelo actor dramtico o Sr
Flaviano Coelho. cantando a linda aria
MEU YOYO VOCE ME MATA.
Em seguida representar a muito applai
cena cmica Pr^
0 MATUTO APARVALHADO.
TERCEIRA PARTE.
1. Linda canconeta exbida pelo disuado aftisi
ta Mr. Cajcou
MARANHA'
A barrea IfariVi, chegada do Rio de Janeiro, se-
gu para o Marwihao era poucos dias com a carga
que tiver, e por isso quera quizer aproveitar lao
boa occasio de carregar, dirija-se ao consignata-
ri(iJoai]um Jos Goncalves Beltro ra do Com-
raercio n. 17.
Par;
IOMPANHIA PERNAMBUCAN/
DE
tave;;-a?o costelra |or vapor
yba, Natal, Maco, Mossor, Ara-
Cty, Cear, Mandah, Acarac e
Granja.
O vapor Ipojuca comman-
dante Moura segair para os
portos acimano dia 15 do corrente
as 5 horas da tarde. Recebe car-
ga al o dia 14, encommendas
passageiros e dinheiro x frete at as 2 horas da
urde d) dia da sabida : escriptoro no Forte do
Mattos a. 12.__________________________
PARA O RIO GRANDE DO SUL.
O brigue Princeza sahir em poucos dias ; para
o resto da carga tr3ta-se com Pereira Vianna & C.,
na ra do Vigario n. II.sobrado._________
Para o Cear e Aracaty
A barcada Academia recebe carga para os por-
tos cima at o dia f" do Corrente : a tratar com
o (Desle no caes iloBaro doLivramento, ou com
o Sr. Jas Lopes Davini na roa do Vigario.
Gasa Feliz
AOS 20:000^000.
A casa feliz, sendo a nica que aa decurso do
anno prximo passado, venden mais premios da
lotera do Ro de Janeiro, faz sciente ao illastra-
do publico desta capital e a s.-as numerosos fre-
guezes que coutraa a vender os referirb nubi-
les rubricados na forma da lei, pelos precos sa-
guinles :
Bilhetes ioteiros 23*000
Meios bilbete.. 11*000
Quartos....... 6*000
S na casa feliz ao Are i da Conceicao n. 2.
Ama.
Na pa Jara do pateo do Terco n. 40 preeisa-sa
de u.T.a ama para coznhar.
do
LEELOES.
10 qoi.dros
DE
com finas privaras,
gosto inglez.
novas e
(M-DirOtTCIU
Aos 5:6005
Bilhetes c^rantidos.
A ro Priraeiro de Marco (oulr'ora ra
Crespo) n. 23 e casas do costutne.
O abaixo assignado, tendo vendido altn d oa-
ras sorles, 2 quartos n. 1401 com 5:000* da lo-
tera que se acabou de extrahir a benedeir do
collego dos orphos (159*), rvavida aos passai-
dores virera receber na conformidade vdc cos-
tume sera descont aigam.
Acham-se a venda os felices biibetes garao-
tidos da Ia parte das totorias, a beneficio da aova
igreja de Nossa Senhora da Penba (160*), que
se 'xtrahira sabbado 17 do corrente.
PRESOS.
Bilhete inteiro 6*000
Meio bilhete ;)*000
Quarto 1*500
Era porcao de 100*000 pu i cima.
Bilhete int iro 5*400
Meio bilhete 2*700
Quarto 1*350
Manoel Marlins Pinza.
AMA
Hoje
Por intervencao do agente Pinto, no 2 andar do
sobrado da ra da C*da n. 31, onde hovera lei
lio de n)oveis. louca e vidros. _____^^^^
LEILAO
DE MOTIS
louca e crystaes, a
saber
Um pianoforte, ama mobilia de jacaratx' <*om I
soft, 1 jardinera, 2 consolos com pedra marmo-
cadeiras de braco e 18 de guarnicao (tudo
2 serpentinas, 1 tapete de sof, 4 es-
eiras, 4 descansos de ps, 4 jarros pava
rradei
I torio, 1 cacta franceza, t mesa
de cama, am bid, 1 guarda-ronpa, l coanmo-
da, 2 cabides e 1 costoreira.
Para orna fumika al-
ientas de duas pessoas,
precisa-se de urna ama.
moca para comprar
fazer o.mais servieode
casa : no largo da ma-
triz do Santo Antonio n. i. 2' .no'ar.__________
Precisa-se de urna ama para casa de homem
solteiro : na ra Direita n. 33.
Aluga-sc um excellente sotio incito fresco
com alguns movis, eom urna boa sala, um boa
quarto, cozinha oonmodi : na ra Nova n. 40.: a
tratar no 2' andar da meai> casa.
Correspondencia de Portagal
O encarregado da distribuicao da correspon-
dencia de Portugal, declara que d'ora em diafttn
serenlregne na ra do Vigario n. 11, pairaetro
andar.______
Associaco Commercial Benefi-
cente.
Mo se leudo reunid hoje, 13 deseumhro.o
numero legal de associados exigido pelo art. 20
dos estatutos, de novo convocada extraordinaria-
mente a assembla geral para sexta-feira 16 da
corrente, ao meio dia, eonsiderande-se legalmeata
'in-tittiida meia hora depois com o numero de
socios qae se apresentar, segundo preceilaad
na segunda parle do referido art. 20 dos estatutos.
Secretaria da Assoeiacio Commercial Beneficeft-
te 13 de sotemnro de 1870.
Joaquim Gerardo de Bastes.
Secret:
Precisase de nra perito ofilcial de cbapeller--
ro; a tratar aa praca da Independeacja %. tL
^.jfc. j-.-m.!


.V.


ro de l
_L

rtDlDO
a
I
10
A' ro (1 clia-r. fallar com os
seguintes senborn :
Julio Adolpho Ribas (acadcrjico).
Qoerioo Candido de Vascencellos.
Joaquira Cavalcanti de Albaquerque Mello Filho
(Pombal).
Jeiuino Angosto dos Santos Fragoso.
Virifsimo Corma de Lyra (Cruangi ou Vicencia
Jos Herraino Pontaal (engenho Preferenca).
F*rnando Barata da Silva (engenho Morojo).
Manoel Pulicarpo de Azevedo.
Antonio Gomes Cordeiro de Mello.
Eduardo de Paula Santos.
Francisco da Silva Porto.
Juvenal Torres.
Tbom Joaquira do Reg Barros.
Estp antigo estabelecimento, acha-se hoje montado n'uma
escala de poder servir vantajosamente os sens freguezes, atten-
to o grande sortimento de joias d'ouro, prata 0 brilhaates, que
sempre tem e recebem mensalmente das printpaes fabricas da
Earopa- eujos presos sao em oompetiveis e as obras garantidas
de le.
HIOREIBA HITARTE .
k'J ?. '.$'
MOFINA
Roga-se ao lilm. Sr. Ignacio V.eira de Mello, es-
crive na cidade de Nazareth dcsia provincia, o
favor de vir a ra do imperador n. 18 a concluir
aqwfile negocio que V. S. se comprometten reali-
sar-, pela terceira chamada dcste jornal, em flns
de dezembro prximo passado, e depois para Ja-
neiro, passou a fevereiro e abril, e nala curapno,
e por este motivo de novo chamado para dito
(Ira ; pois V. S. se deve lembrar que este negocio
6 de raais de oito anco, e quanao o senhor son
filho se actava no estudo nesta cidade.________
A
LA Yerd
?. Beato.
Esta farinha nuda coa vantajosos resulta-
dos nos padeciraentos dos orgaos do p
Cio aslhma ou puehamento de catharrw,
nflamacio de bote, pleurites e na pthysiea re-
coinmeodaodo-se com igual proveilo as pessoas
convalecentes.
nico depoito na phirmacia e drofana.
DE
Bartholomeu 4 C.
34Ra larga do Rosario 34________
Acaba de sabir & luz
E
Vende-se
NA
Livraria franceza.
A
ou
DE
/
MAN
Ru a do Baro da
Victoria
(v Oafr'ora ra Nova. )
O s Miso astigoado acaba de Tender nos seas
mnit' j (cutes bilbetes da lotera que se extrahio
'm jeneficio do collegio dos orphaos um qoarto
de 1401 com a surte de 5:0004000, um meio o.
14' A com a sor te de, 900*000. alem de outroa<>re-
lr jos menores, podendo os possuidores viren re-
r -eber, que pro-pamente serlo pagos.
Acham-se venda os feiizts btlbetes garantidos
em beneficio da nova igreja da Penha.
Intaires 6*000.
Meios 3*000.
Quartos i 500.
De 1004000 para cuna.
Inteiros 5*400,
Meios 1*700.
Quartos 1*350.
Jlo Joaqoim da Costa Leu*.
MANUEL & C.
Tero a satisfacao de participar aos seus numerosos freguezes, qae en vista d .ser-,he/rt,n-;!i8rn;i0B1^dniin1
estabelecido urna nova fabrica de chapeos de sol,-na ra da Cadeia do Rece n 9, hoje ireto .Marques de Otada. ,g
onde aefearao es pretendentes, muio avullado sortimento de chapeos de so de todos ^reJ2^^" ffi'i f&
eos mas commodos do que oomporia o uosso mercado: convidam especialmente aos Srs compradores por atacado Mg
darero, sendo possivel suas encommeodas, pois podero assim serem mats bem servidos, visto poderem escoiner as ar- gg
Vendas on permutas
Vende-se a fropriedade Guarapes no Rio-
Grande do Norte, com trras casas e armaiens
de um e o*trolado do rio, lugar berr. conbecido
pela soa importancia commercial, cajo porto offe-
rece mita faoihdade para embarque e desembar-
que de gneros.
Igualmente se vende o engenho Jundihahy (na
mesma provincia) moente e corrate, com cinco ]
leguas de trras de maltas virgens, oito escravos, l
bois, bestas e alambique ( on somente o emgenho
coto as trras que convier ao comprador). Estas
oropriedades vendera-se por baratissimos precos
e'tambeni-se permuta por engentaos nesta pro
v'mcia. Pavahyba e Alagas, ou por casas nasca
pitaes das mesmas: tratar com o propnetaric>
jor Fabncio Gomes Pedrosa ra d Cadeia
u. 5, oa com os seos procuradores no Rio-Gran-
de do Norte. ^^______,
macees as tazendas que a denora da febrirarp bem diminuta.
CONHECIDA FABRICA
DE SOL
m
NOSSO SENHOR JESS CHRISr d,
HARA SANTISS1MA
E
VARIOS SANTOS.
A saber:
Setenario do Senhor Bom lesus dos. Passos.
Oficio do Senhor dos Passos.
Novena do Menino Deas.
Novena de N.Senhora da Conceicao.
Setenarte das Dores da Mara.
Officio das Sele Dores de Maria Santsima.
Novena de N. Senhora do Carino.
Oficio de N. Senhor* do Carmo.
Novena de N. Senhora da Penha.
Cnticos de N. Senhora da Penba.
[ Novena do B. S.-Joao Baptista.
Novena da Senhora Sant'Anna.
Trezena de Santo Antonio.
Novena do B. S. Jos.
Um bonito volame encadernado.
2$000.
i
D,W.
INTERESSANTE COWOSliO LITTER.UUI.
CONTENDO :
A noite do xtasis.
O sorriso.
A noite do assombro.
A lagrima
A noute do delirio.
O raysteno.
Com urna carta critica dirigida ao autor pelo
Dr. T. B. Rigueira Costa.
i volnme brochado 2000.
AS CENTELHAS
Poesas patriticas sobre a guerra do Paraguay.
i volme brochado 2*000
NA
LIVRARIA FRANCEZA

DA
3$
Eua do Baro da Victoria, esquina da Camfta do Carmo-
(Antiga Ra Nova)
de seda, merm, alpaca, bretanba de liebo branco e pr-
imftsa porgo de feda, meriD, algodao e terim,
A modictdade de seus precos tao conhecida *
EKGEHEIRO
Com fundiqao.
A RUA 0 BRUM N. 52.#
Passindo o ohafariz
^achioas vapor systema melhorado.
'Rodas iTagoa.
Formas de ferro para purgar assucar
Moendas de canoa.
Taixas de ferro btido e fundido.
Rodas dentadas para moer com agoa, v
por e auimaes.
E outros objectos proprios d'agricultuni.
Tudo por preco muito reduzido.
Cara rpida a Int'ahlvel dos cal-
los, pela pomada
Galopean.
Beposito especial na pharmacia de Bartholomeu
&C,
34Ra larga do Rosario34
Rob-snte-rheum* tico.
* Remedio efflcacissimo contra as dores rneuma-
licas at hoje o maU conbecido pelos seus mara-
villosos resoltados.
Ama
Precisa-se de na ama para casa
solteiro : na roa do Amorim n. 06.
de hoiaen
Ha sempre um grande sortimento de cheos de sol u<, --,
do e de algodao os todos -os taraannos Jeitios, alm da wnmesa porcao.de seda, mer.no, algodao e^rtrn, .
^ rmatoes de todas as qaalidades para satislazer qualquer encommeoda.
^S:
TRILHOS U-EBASS DO 1ECIFE A' OLINDA.
Tabella das horas de partida e chegada dos trens promisorios.
Ida.
ESTAQUES.
Horas!
6.
6.3'
6. 8'
6 ir
616'
6.20'
6.2o
6.8'
6.33'
6.37'
Olinda........................I 6.W
Ra "Aurora........-......-
Pires.........................
Principe......................
Joao de Barros................
Kspinliciros....................
EBcruiilhada................-
Itelra..............1.........
<',ampo-Grande................
Salgadinhn
Arrombados...................
DE MA.NHAA.
TARDE.
Horas.
7.
7. 3'
7.8'
7.11'
7.16'
7.20'
7.2o
7.28'
7 33'
7.37'
7.40'
Horas. |Horas.
8.
8.3"
8. 81
8.1 r
8.16"
Vf
8*V
8.28'
8.33'
8.3T
8.40'
Volta.
i:STA('X)ES
1E MANHAA.
.Horas.Horas. Horas.
Olinda........................ 7.
Arromhad.-................... 7. 3'
Salgadinho..................-. 7. T
Tjimpo-Grande................ 7.12'
flm........................ 7.15'
EncrMilhada.................. 7.20'
Espinheiro.................... 7.24'
Joao de Barros................ .7.29'
Principe......................1 7.3'
Pires......................... 7 37'
Ra d'Aurora................. 7.40'
8.
8. 3'
8. V
6.12'
8.1o
8.20'
8:24'
8'
8.32"
8.37'
8.4C'
9.
9. 3'
9.7'
9.1
9.15"
9.20'
9.24'
9.29'
9.3"
9.37'
9.40'
Bjras.
W.
lo. 3'
10. 7'
10.12'!
10.1o
W.20'
10.24'
10.29'
10.32'
10.37'
10.40'
8.
8. 3'
8. T
8.12'
8.1o
8.20'
8.24'
8.29'
8.32'
8.37'
8.40'
COMPANHIA
DOS
TRILHOS DBBM0S
DO
KCCIFE A OjUDDA.*
Tendo a directora de emittir novas ac-
tes at o valor de 200:000*000 segundo
foi autorisada pelo decreto n. 4563 de 10
de agosto do corrente anno, sao convidados
os Srs. accionistas, em cumprimento ao que
dispoe o art. 4o dos estatutos, a insGreve-
\ rem-se at o da 14 do corrente declarando
o numero de aegois quepretendem.
Avisa-se que a nova emissae tem de ser
feita .por prestarles na razio de 10 % e
com inte, vallos de 30 dias; c que_do dia
15 em diante ser5o emittiilasas accoes que
forem subscriptas pelos accionistas ac-
tuaes.
Recife, 6 de setembro de 1870.
Joao Joaqnim Altes, .
Io secretario.
AMA
Preoisase de urna ama que corinhe e ensaboe
para casa de familia : tratar na prca da Inde-
pendencia n. o.
Domingos e das santificados.
Do Rerife s 6, 7, 8, 9 e 10-horas da manhaa ; t, 3,4. S, C, 7 e 8 da tarde.
De Olinda s 7. 8, 9,10 e U horas da manhaa; 3, i, 3,6, 7, 8 e 9 da tarde.
0 SUPERINTENDENTE,
A. dAbnu Portn.
Aluga se e vende-se o jardim tiotanice, sitio
com excellente casa, alera de outras para escravos,
eMffe&fia) tres cacimbas com muito boa agua de
beber, muitos arvoredos fructferos, e terreno pro-
i prio para verduras, capim, etc. Tambern alaga
se o palacete ao lado da igreja do Senhur do Bom-
Fim, a melhor casa de Olinda, tendo jardira, agua,
casa para banbo, e varias fructas ; assim como
coiinha, e casa para escravos independente : a
tratar na ra do Bom-Fim eom o Dr. Paes Barre-
, lo, ou com Cristovao da Cunha Soniomaior.______
TAYE
CRIADA
Na cidade de Olioda precisa-se de urna criada
i para casa de pouca familia : trata s no Recife.
ra de S. Francisco n. 72.
CABELLEIREIR FRANCE2
61Ra da Cadeia do Eecife51
Chama a attenco dos sens innmeros regnezes, e do respeitavel publico e*
feral, para a segunte tabella dos precos de sua casa, os quaes sao vate por centi
ais barato do que em outra qualquer parte:
Ama
Precisa se de urna ama para
urna casa de pouca familia : na
1*23, Io andar. _______
todo o servi
roa da Pen
de
an.
50(J000
50,5000
Cabelleiras para senboras a Zo&,
30*. 355 e......404000
Ditas para hornero a 355, 405 e
Coques a m. 155, 185, 205,
255, 305 e .....
Crescentee a iU, 155, 65,205,
255, 305 e .... .
Cachos ou crespos a 35, 45, 55,
6A 75, 85, 95 e. .
Tranca de cabello para annel
500 e.......
franca para braceletes a 105
151, 205, 25 e.....
Cadeias para relogio a 55, 65,
14,85, 90, 125 e. .
Corte de cabello,.....
Corte de cabello com frcelo. .
,325000 Corte de cabello com lavagem a
ebampou.......
105000'Grte de c^)e^ocom mPeza d*
cabeca pela machina electri-
15000! ca> UDca em Pernambuco. .
j Frisado ingeza on i franceza.
305000 Barba........
155001
501
501
1500(
1500
504
261
Ama de ieit
Na ra da Penba n. l' andar, precisase de
urna ama de leite que nao tenlia filho._________
Ama
Precisa-se de nma ama que saiba
ru do Codorniz n. 8
cozmhar : na
ASSIGNATURAS MENSAES
Especialidade de penieados para casamento
Bailes e olores ,
O dono do estabelecimento previne s
Sos. e aos cavalheiros que ba umxmas. 1S
alio para tintura dos cabellos e barba, as-
sm ceno arn empregado smente occapa*
neise ervigo. ,
Recommenda-se a superior TINTUP^ J
P0NEZ1 para enegrecer os cabellos e bar
ba, nica .admittida na Exposico Universal
como nao prejudicial sade, por ser ve
latil, analysaa e approvada pelas acad
imia. d PARS E LONDRES
Precisa-se de urna ama para casa de pouca
familia : na ra Direita n. 38.______,_________
AsAOciaqo Commercial Bene-
ficente.
Por ordem da diree?ao convido todjs 09 stnho-
res 8oeios a reunirem-se extraordinariamente em
assembla geral terca-feira 13 do corrente. ao meio
dia, na ala das sessoes, afim de se tratar de as-
sumpto ce grande importancia commercial.
Associaco Cemmer iat Beneflcente 6 de setem-
bro de 1870.
Joaqun Gerardo de Bastos,
________________________Secretario._________
Olferece-ee um homem para caixeiro de en-
genho, do qae tem bastante pratica: a tratar na
ra do Padre Floriano n. 18.
Ama
Precisa-se de nma ama forra e idosa, para tra
ar de menino* : na ra do Hospieio n. 40-
Ama
Precisa-se de urna ama que compre e cozinhe
para casa de rapaz solteiro ; na ra do Duque de
^Jb n. 12, loja.______________
.*- Precisa se alagar um escravo de boa con-
deU > de urna loja de fazendas : na
a ruado Crespo) u. 80 A
Piecisa- mar e coser com perfeigo : na ra da Aurora
n. 40.
AU RO
D'YVETOT
RUA ESTREITA DO ROSARIO N. 14. I
Urna qualidade de commercio.faltava nesta popu-
losa, cidade um estabelecimento em que se compre
e venda toda a qualidade de roupas feitas novas
e velhas. um basar qae se denomina em Paris-j-
Bric e Brac. E' este o estabelecimento que ne
abriu ra estreiu do Rosario n. li. Assim,
todas as pessoas que quizerera vender, ou com-
prar roupas novas ou velhas e todos os mais
objectos do servico domestico, inclusive trem fle
cosinha, podero dirijir-se ao indicado estabeleci-
mento para contratar, e offerece-se para ir em
casa dos pretendentes para effectuar as compras
e vendas.
Perdeu se urna pulseira de mosaico, do Hin
da ra do Mrquez de Olinda at o principio da
ra da Imperatriz; se alguem achau-a e quizer
restitui-la seu dono, tenha a bondade de diri-
gir-se roa do Mrquez de Olinda n. 64, "que ser
recompensado.______________________________
Ensino na Capunga
Na Capunir, porto do Lacerre n. 21, ba urna
pessoa habilitada que se presta a ensiw.r q.ier em
casas pariicularos, quer na sua, msica e primei-
ras letras : quem disto se quizer ulilisar ahi e
dirija das 3 horas da tarde em diante.__________
Precisa-se de urna senhora de bons costurnes
e com as habilitacSes precisas para ensinar a'
primeiras letras a auatro meninas e meninos em
um engenho na freguezia de Jaboatao, distanl"
desla praca seis legoas : a tratar na ra Nova n.
51, botica.
0 O bacharel Joaquim Goncalves 0
*c Lima tem escriptorio de advogado w
w ra do Imperador n. 35. W
Precina-se de urna ama forra ou captiva para $
servico interno e externo de urna casa de pouua
familia : na ra Velha n. 66.
Aluga-se a casa de dous andares e solio
ra da Aurora: na mesma ra n. 38.________
No palacete da ra do Viscoude d-i Goyanna
n. 101 (Mondego), precisa-se de um empregado,
quer brasileiro ou estrangeiro. para tratar de si-
tio e jaro":m, e que saiba tamben) alcuma coQsa
bolear cabriole! ou carro : a tratar no mesmo. pu
na ra das Cruzes n. 38, at as 3 horas da tarde.
I.ND1SPENSAVEL PAKA O COMMERC10 DE F|\-
ZENDAS. |
Tabella comparativa dos presos de qualquer fta
zenda.
Pelo metro nos precos pelo covado desde 50 r :is
at 4*975.
Pelo covado nos precos pelo metro desde 50 ris
al 3*475.
1 folha ntidamente impressa 2*.
Livraria franceza.
ATTENCAO
o
Joo Rodrigue* Lopes, Portuguez, filho da cida-
de do Porto, freguezia de Magarao, pergunU por
este jornal se existe nesta provincia Miguel Ro-
drigues Lopes, ao qual pede' que annnncie por
este jornal a soa morada, ou no caso que nao
qneira annunciar, dirija-se ra Imperial nume-
ro 213.
AVISO
No porto em frente do sobrado do Sr. Valenoa
ao norte da fabrica do gaz existe urna canoa e c noeiro que se emprega a atravessar da freguezia
de S. Jos a da Boa-vista, e desta para aquella,
as pessoas que, nao querendo dar aquella so\lv,
queirara dola se aproveitar : paga 160 rs. ?or
pessoa ; toios os dias das 9 horas em diante.
Costureiras
Na roa i* de Marco n. 6,
reiras.
precisa-se
i
de costu-
Attenpao.
Quem precisar de um cozinheiro branco, pode
deixar caru nesta typographia para ser procura-
do, com as.isiciaes M. A. P.
Ama
Na ra do Vigario n. 5, 3o andar, precisa-se
de urna ama para cosinhar, cujo servico faca com
perfeicSo e que seja de boa conducta.
Oozmliei'O.
Ama
Precisa se de urna ama nicamente para cozt-
nhar : na ra dos Guararapes n. 2.
A UO00
Oa melhores espanadores de palba
Crespo n. 25, loja da esquina.
na ra do
Precisa-se de um cozinheiro qne seja perfeito :
a tratar na rna do Mrquez de Olinda, armazem
n. 35.
= OITerece-se urna pessoa para copeiro de qual-
quer casa : a tratar na ra da Gadeia-nova n. 5.
= Precisa-se de um caixeiro que tenha pratica
de molhados, preferindo-se portuguez, de 14 a 20
annos de idade, para um estabelecimento na villa
do Porto Calvo : a tratar na ra de Domingues
Jos Martins n. 84.___________________________
Na ra da Matriz da Boa-vista n. 13, preci-
sa se de um pre'o forro ou captivo para o servico
de cita.
Aluga-se o 2 e 3 andar do sobrado n. 32,
sito praca do Conde d'Eu, ambos tendo commo-
dos para grande familia : a tratar na ra do Ale-
crim n. 30.
Aluga-se
ou vende-se urna casa com grandes commodos,
reditcada ltimamente, sita na cidado de Olinda,
ra do Aljube, junto ao mesmo Aljube n. 9 : quem
pretender dirija-se escadinha da alfandega nu-
mero 3.
Precisa-se slugar urna escrava para o servi-
co de casa e para vender : na ra do Queiraado
n. 26,2" andar. ._____________________
Troca.se cobre velbo em moeda e vende-se
chumbo e caixoes vasios de tod< s c s tamanhos :
na ra da Imperatriz n. 13, loja de charutos.
Attenpo
Qoem precisar de um caixeiro com pratica de
hotel e bilhar, e sabe fazer sorvetes, pode deixar
carta nesta typographia para ser procurado, com
as iniciaes A." P. M._________________________
Aloga-se ou veode-se a primeira casa do
lado esquerdo da ra da Mangueira, indo-se da
estrada do Cldeireiro para o povoado do Poco da
Panella, com 2 salas espacosas, 5 quartos, coiinha
e despensa fura, copiar posterior, poco d'agua pu
tavsl com bomba, jardim com porto de ferro ao
lado direito da casa, etc.'. trata-se na ra do Hos-
picio o. 28. ou ra do Duque de Caxias (outr'ora
do Queimado) n. 28, Io andar, das 10 horas da
manhaa s 3 da tarde._____________________
^fluga-se
nma escrava boa engemmadeira e cozinheira : a
tratar na na da Alegra n. 46.________________
nma escrava moca para o servico diario de urna
casa : quem prateoder dirija-se a praca do Conde
d'Eu n. 12.
Aluag-
Precisa-se alugar urna ama para cozinbar e
pngommar para urna s pessoa : na ra e>tralla
do Rosario n. 2o, Io andar, paga-se bem.
Ama de leite.
Precisa-se de urna ama de leite sem filho : na
ra da Cruz do ReciTe n. 45, 2 andar._________
Joaquim da Silva Carvalrn vai Europa.
Precisa-se da um menino de 12 a U annos
de idade para caixeiro da taberna da ra Augusta
n. 116. __________________________________
Aloga-se o 2 andar do sobrado da ra da
Guia n. 46 : na ra do Commarcio n. 34, 3 an-
dar, on rna da Cadeia, escriptorio n. 49._______
Am'i
Precisa-se de orna ama que saiba engommar ;
na ra do imperador n. 57, entrada peio caes 22
de ovembro.
Preciso-se alugar urna ama escrava ou livre
para o servico interno de casa de familia, devendo
saber engommar e cosrr : na ra do Mrquez de
Herval (antiga ra do Sol), sobrado a. 21.
Moleque.
Na travessa do arsenal de guerra, armazem n.
17, precisase alugar um moleque de 8 a 12 annos
para compras.
TTENQftO
CSerece-se para ama, de casa de pouca fami-
lia, preferindo casa estrangeira : quem precisar
dirija-se a ra da Cruz, sobrado'aroarello, quarto
andar.__________ "
No largo do Carmo n. 1, precisa-se de rm
homem solteiro ou com familia para ser empre-
gado n servico de um eogenho muito perto da
estacao de Ipojoca. ________
AMA
MUDANCA.
O Dr. Carolino Francisco de Lima San-
tos mudou sua residencia e consultorio
para a ra do Imperador n. 57, 2 andar
do sobrado eujo armazem conserva an-
da hoje o nome de Alianca, tendo a
entrada, que pelo lado da ponte Sele
de Setembro, o mesmo numero 57, da
frente. Ahi continuando o dito Dr. no
exercicio de sua profisso de medico e
de operador, pode ser procurado a qual-
: quer hora do dia e da noute
0 CIMJRGIAO DENTISTA
Frederico Maya
Tem a honra de scientificar ao respeita-
vei publico e_ geral, e aos seus clientes
sm particular que elle mudou o seu gabi
netede consultas da ra Direita n. 12 para
a do Queimado n. 31 primeiro andar, com
a entrada pelo pateo de Pedro II, onde po-
de ser procurado para os misteres de sua
profiss5o, todos os dias uteis das 9 horas
da manhaa s 3 da tarde.
Tambem previne, que contina a prestar*
se a vontade dos clientes nao s na cidade
como nos seus suburbios, para onde ai
idas sero precedidas de ajuste. Elle ga-
rante o bom desempenho e a perfeicSo de
seus trabalhos, o que j bem conhecido,
assim como as commodidades dos precos.
Agencia tm Pernambuco
Do Dr. Ayer
Petoral de Cereja
Cura a phthysica e todas as molestias do peito.
Na'sa parrllha
Cura ulceras e chagas antigs, impigens e dar-
Tos.
Tnico
Cocserva e limpa os cabellos.
Pllnlas eatttartlcas.
&&&$& I &&$ Q& S &&
1 MUDANQA i
0 escriptorio do Dr. Joaquim Jos de jQt
Campos da Costa de Medeiros e .-tlbu- gL
ra estreita do Rosario *
querque est
. rio n. 24.
&&< *st& I &8fl88988G&
Criado
Precisa-se de um criado para compras e mais
servico : na ru do Imperador n. 57, entrada
pelo caes 22 de ovembro.____________________
Formas de ferro
na ra da Cadeia nnme-
para purgar
jo 4.
assucar
Senhores cocheiros,
carreiros etc.
Farello.
Novo, desembarcando no caes do Apollo e reco-
Ihendo-se no armazem do farinha de trigo de Tas-
so Irmaos C, a prego ommodo : a tratar no
mesmo, ou na ra do Amorim n. 37.
Na ra de Hortas n. 86 precisa-se de um
feitor portugnez para sitm.____________________
* h *
Mlssa fnebre
0 capillo Arislides Cesar de Almeida, tranzido
de profundo pezar pela morte do sen respeitavel e
honrado amigo o Sr. coronel Justino Jos da Silva-
Moura, que leve lugar na cidade de Oeiras do
Piauhy no infausto dia 26 de julho ultimo, manda
resar nma missa na igreja matriz da Boa-vis,
no dia 15 do corrente (quinta-feira) as 8 horas da,
manhaa em suffragio sua alma, e convida aos
sens colleaas da faculdade de direito e a todos os
Piaubyenses residentes nesta cidade para assisti-
remna.
Precisa se de nia ama, Hvre ou escrava, para
lavar e engommar para cas de pouca familia :
na roa do Imperador n. 17, 2* andar.
AMA
Precisa se alagar urna mulher forra ou escrava,
para cozinhar comprar e engommar, para urna
casa de pequea familia : na ra da Cadeia nu-
mero *.
Cesario Ao rellano Ventura e alguns amigos,
endo'de mandar celebrar algumas missas e me-
mento quarta-feira 14 do corrente, pelas 7 horas,
da ujaoba, na igreja da Santa Cruz, pelo descan-
eo eterno de seu infeliz amigo Manoel da Silva Ja-
come Pessoa, stimo da do sen fallecimento, pelo-
presente convidara a todos os seu* 3arentes e ami-
gos assistirem este acto de caridade e religiao,
pelo que se confetsam etername le gratos.
Criada.
No Caes 22 de ovembro n. 57, 3* andar, pre-
cisa-re de nma criada livre ou escrava, para ser-
vir a urna familia estrangeira de daas pessea?,
que saiba cozinhar e engommar.
A



Diario de Pernambw Quarla feira 14 de Setembro de 1870.
=
5
S
AO ARMAZEM
DO
VAPOR FRANCEZ
. HUMMH, 7
Este conhecido estabelecimento acha-se coostanierm n:e bem sonido, em virtude das
facturas que recebe por todos os vapores e navios traucezas, dos artigos abaixo menciona-
dos, procos os raais resumidos que possivel.
CALCADO FKAXCEZ
Botinas para *enhoras e meninas.
Botinas pretas, brancas e de muitas outras cores, sortidas e bonitas, do ultimo gos-
to da moda, e precos mais baratas do que em outras partes.
Botinas para borneas e meninos.
Botinas de bizerro, cordavao, lustro e pellica, das melhores tabiicas e escelbidas.
Botas e pernearas russianas.
Bous e peraeiras para mantaria, das meibores qualidades, de couro daSussia, las-
tro e bizerro.
fiapatos de borracha para hmeuse senhoras
Tendo chegado grande porcao de sapatos de borracha vende-se pelo custo am de
desempatar o dinbeiro nelles empregado, sjj baratissimo?.
Sapatos de lustro para horneas.
Sapatos de entrada baixa de couro de lustro com salto, de muito boa qualidade.
Abotinados para meninos e meninas
Sapatos abotinados de diferentes modelos, de muito boas qualidades e fortes, tanto
para meninos como para meninas, muito baratos. '
Zapatos de tpete.
Sapatos de tapete aveludado, de casemira, de charlte de tranca frncezes e por- \
tuguezes para bomen;, para senhoras e para meninos.
PERFUMARAS
Exceentes extractos, banhas, leos, agua de cologne, florida, divina, lavande, den-
trifice, de toilette, sabonetes, tintura para cabello?, pomada angroise para bigodes, pos de
arroz etc., tudo isto de primeira qualidade, dos afamados fabricantes, Condray, Piver e Lubin.
Quinquilharias
Luvas de pellica do conhecido fabricante Jouvin, espelhos para salla?, quartos e ga-
binetes, toucadere de diversos t?n:anhos, leques para senhoras e para meninas, abridores
de luvas, brincos, pulceiras, botoes, crrenos e chaves de relegios e tranceln*, tuda de
ouro de lei, correles e briucos de plaqu, a mitaca e de mais gosto do qne as de ouro,
caixinhas de costura ricamente guarnecidas e ornadas com lindas pessas de rnu>ca, albuns
e caixilbos donrados para retratos, caixinhas com vidro de augmento para distinctamento
ver-se a perfeicao dos retratos, objectos de phantasia para toilette?, holsinhas e ccsiinhas
de seda, de velludo e de vimes^para braco de meninas e senhoras. ditas para costuras, pe-
queos registros muito finos e delicado?, bouquets de flores de porcelana, jarros proprios
para gabinetes e santuarios, quadros proraptos para collocar-se vistas, molduras douradas'/l
para quadros, estampas finas de paysagens, cidades, figuras e de santos, vidros para eos- '"'
morama, malas, saceos e bolsas de viagens, esporas, eiieotes, beng.-.las, oculos, lunetas ou
pensioez de prata doorados, grvalas pretas e de cores, abotoaduras de collete e de punhos, %
carteirinhas para notas, thesounnhas e caivetes finos, pentes, escovas, ponteiras de espuma *"
para charutos e para cigarros, Jocos de domin, rodetes, bsgatelas e outros diferentes, ve-
nezianas modernas muito conveniente para portas e janellas, cosmoramas, lanternas mgi-
cas, esteriocopos com interessantes vistas de figuras o. da? mais bonitas mas, boulcvards,
pracas e passeios de Paris, photozsaphias e caixinhas niveas, reverbtros para candieiros,
tapetes de vidrilho e de lia de cores para ps de lanternas, realejos grandes e pequeo?,
harmnicos, acordions de todos os tamaitos, b'-rens de vimes para eriaofaa, sapalinhos e
toncas de lia, carrinhos de 3 e i rodas muito elegantes para erotuir crianzas passeio ; e
outras muitas quinqulinarias, de phantasia, francezas e Hemes, precos muito em conta.
@au(P3a03 pasa sassioiaos
espacp nem tempo para a ma
los em diversos paizes da En
ATTENCA
Para este artigo nao ha espacp nem tempo para a mascante ieitura a infinidade de
gneros de brinquedos fabricados em diversos paizes da Europa.
O dono deste estabelecimento pede ao publico em geral que continu a visita-io 9
M verideando as qualidades e os precos baratos de ditos objectos por seren vtados era di- Wf
mf reitura e de conta propria. H
GRANDE
HOTEL CENTRAL
37Ra 11 de Dezsmbro37
(Ouh'ora Larg > do Rosario)
No muito conhecido HOTEL CENTRAL encontraran sercore os nossos innmeros
freguezes octavis melhoramentos, indispensaveis para commodidade dos Ilustres Ire-
quentadores.
No HOTEL CENTRAL eucontra-se-ha constantemente tuda que de confortativo e
deleitavel se pd-i encontrar em um estabelecimento desta ordem.
As-im acha-sfi alli una excellente casa para banhos, um salo todo'alcatifado e
guarnecido de divans, plano, j roses nacionaes e estrangeiras etc., ele
CHARUTOS
Imperiaes
, Amadores
Londrinos
Leaes
E de outros fabricantes, qne seria ocioso innumerar.
As familias que nos quizerem obsequiar, tanto nacionaes como cstrangeiros, en
contraro es commodos necessanos.
A moralidade e boa or jem a norma do
Normas da Havana.
Suspiros.
Napoli'es
Havanas.
Hotel Central
Falla-se o bespanhol, francez, inglez e italiano.
i
PABAAGUA.
Canos de ferro galvanisados por barato pr*co.
Tproeiras, e curvas para os mssmos I No armazem da travessa do Coro<
Santo n. 5. / h
Moinhos para caf e para milho
Os melhores moinhos para caf e para milbo que tem viudo a este mercado
se encontrara no armazem da travessa do Corpo Santo n. 25
m
J. Fe reir ViUeia
PHOTOCiRAPHI % IMPERIAL
18RA DO CABUG18
A entrarla pelo pateo da matriz.
Os trabatbos da reedificarla desta photographia,
e que se prolongaram por tanto tempo, acham-se
felizmente terminados e ella aborta ao servico de
publico desde 7 de abril passado.
O predio em qne est collocada eta photogra-
phia acha-se muito augmentado, e s a parte desti-
nada ao estabelecimento oonta cinco salas, inclu-
sive as do laboratorio. Todos os concertos e aug-
menios tendo sido fetos expressamente para se
montar convenientemente a photographia, e nao se
podendo melhor modelo escolber do qne a Photo-
grafiia imperial do Sr. Insley Pacheco do Rio Janeiro, o primeiro phatographo do Brasil, e um dos
primeiros do mando, segando a orioiao dos mais
abalisados mestres, a nossa photographia acha-se
dlsposta e reedificada pelo mesmo plano da do Sr
I. Pacheco, a qual foi montada sob todas as regras
recoramendadas pelos mais destnelos professores
de accordo com as modikacoes necessarias ao
clima do Brasil, reconhecidas e estudada pelo ha-
bilissimo e pratico Sr. I. Pacheco.
Todo o interior do predio em qne est nossa
photographia foi mudado desde a soleira da porta di
ra at a coberta, tendo-se demolido todas as pa
redes interiores para se.fazerem as novas safas,
edificando-se um novo terraco envidracado mu
espacoso e alegamo.
Como sabido, fizeraos urna viagem expressa
menie corte para examinamos as melhores pho-
lographias all, e foi a do Sr. I. Pacheco, a qne
melhor corresponden aos nossos desejos e aspira
cOes, e da qual troncemos os planos depois di
alli eslarmos todo um mez estadando e apro-
veitando a 1qoV*s de tao dlstincto raestre. Pen-
samos que juntando os nossos estados e longa
pratica de 15 annos de photographia as utilissimas
licSes ultiman eme recebidas do Sr. I. Pacheco,
tendo montado a nossa photographia como se
acha, podemos offerecer ao Ilustrado publico
d'esta cidade e aos nossos nun.erosos freguezes
trabalhos de pbotograpnla to perfeitos, como se
poder desejar, e disto convencidos, esperamos
que contlaaem a dispensar-nos a mesma nro-
teccao com qne ha 15 annos nos tem honrado e
ajumado.
Caixeiro "
Precisase de nm menino para caixeiro de ta-
berna : a tratar na ra do Mrquez do Herval
(outr'ora da Concordia) n. lo.
Ninguem contesta
Qne o Campos da roa do Imperador, n. 18, po-
de bem servir aos amantes do bom", poi
armazem se acha bem prvido dos meibores e mais
bem fecolhidos generas alimen
o Campos limita te a mencionar o segainto :
Biscoitos, bolachinhss e bolinbos.
CoBservas ingletas e trncelas
Salchichas e salehichSes com tobaras.
Diversas conservas alimenticias.
Salmn e lagestas em latas.
Licor estomachico e digestivo aya-pana.
Toucinho inglez para lunch.
Ervilhas francezas e portuguezas.
Camarees seceos do Maranho.
Doces finos, ralados e em caldas, de goiaba.
etc., etc.
Champanha dos melhores fabricantes.
Vinhosmaduro do Porto, ditos da Pigneira,
verde e palheto, pelos ltimos vapores
francez e brasilnro.
Queijos de Minas, de prato e flamengos.
Uvas de Alicantesao am torro d'assucar.
J Campos garante a supenoridade des gneros
cima de. B iuem dvldar veuli ver.
Officina de alfaiate
LOJA FLOR
NA
DA
DE
BOA-VISTA
Paulo F. de H. Goimares.
Nejta oficina se mandam fazer ronpas feitas por
medida, tendo nm completo sortimento de fazen-
das proprias i mesma, assim como um perito mes-
ire. Garaots-se ser precos mais em eeota do que
em ontra qualqner parte : na ra da Imperatriz
n. 48 jnnto a padana franceza._______________
Attencdos
Vende-se um cavallo de sella de bons andares,
com arreios, gordo : no pateo da Kibeira n. 13.
"CANTARA DE LISBOA.
Soleiras, hombreiras e capiteis :' tratar no
armazem da travessa do Corpo Sauto n. 25.
flffIDACAOl
DE
I Fazendas linas para
acabar
8 A' ra do Cresp' o. 95
BASQUINAS DE GORGURO E GltuS-
DE.N'AHLE superiores enfeitadas do ulti-
I mo gusto a I8.
Km SEDAS DE CORES ^IL'DIMIAS lin-
dos padroes a l o cu vado.
MURIAMTIQL'E PRETO SUPEIUOR de
9 todos os padroes a 31600 o covado.
MUSSELIXAS BRANCAS E DE COES
f finas a 400 rs. o covado.
B CORTES DE CAMBRAIA COM FIGU
U RIO e 10 varas a 6 f o certo.
COLCHAS ADAMASCADAS BRANCAS
Sede cores a 3*. sjcoo e 6
CHALEN DE MERINu" DE CORES E
| PRETOS e de cambraia bordados de cor a
5 2*500 um.
LENCOS BORDADOS DE CAMBRAIA
H finos a 640 um.
CAMBRAIAS VICTORIAS E INDIA
TRANSPARENTES finas de todos os pre-
cos.
CAMBRAIAS DE CORES. CHITAS
CLARAS E ESCURAS E MIUDINHAS de '
200 a 3*200 o covado.
MADAPOLAO E ALGODOZI.N'HO SU- i
PER.OR de todos os precos.
. DAO SE AS AMOSTRAS com penhor, I
na ra do Crespo n. 25, loja de Manoel
Dias Xavier.
AMA.
Precisa-se de urna ama que engomme cem per-
feicao, indlITerente qne seja nacional ou estran-
geira : a tratar na ra Nova, casa n. 22.
Bichas hamb urgnezas
Neste novo deposito recebe-se por todos os pa-
quetes translanticos bichas de qualidade superior
e vendem se em caixa oa porcao mais pequea,
e mais barato do que em outra qualqner parte :
na roa da Cadea do Recite n. 51, andar.
Para cigarros
Excellente papel de linho muilo proprio para
cigarros : no armazem de Tasso Irmos & C., roa
do Amorim n. 37.
Aluga se urna eserava com oito dias de pari-
da com muito e bnm leite : a tratar na ra de
Aguas-verdes n. 90.
Ama
Na ra da Cruz n. 24,1 andar, preci-a-se de
urna ami para servir a um homem s, que saiba
lavar, engommar e cozinhar.
Aluga se um sitio com boa casa de vivenda
e grande quantidade de arvoredos de frueto, entre
os quaes boas laranjas de umbigo, saootis, goiabas
etc., no largo do cbafariz da Pasfagem da Magda-
lena : a tratar com o sen proprietano no sobrado
da esquina que volta para es Remedios n. 29.
AMA
Precia-se de ama ama de meia idade para co-
zinhar e engommar era casa de homem solteiro :
na ra de Pedro Alfonso, oulr*ora ra da Praia
numero 34.
Aluga-sd a casa da ra do Progresso, ac-
bada de novo : na roa de Hortas n. 30, obrado.
Secndolo Prediliano Gomes de Oiiveira ten-
do justo e contratado com o Sr. Joaqnim Jos Mo-
reira Dias a venda da taberna sita ra de S.
Bento n. 19, em Olinda. roga a qnem se julgar
com direito mesma, t'.e apresenlar sen* ttulos
no praso de tres dias. a contar de hoje. Recife 1*
de setembro de 1870
O Sr. Antonio Maria de Carvalho tem ama
carta vinda de Portugal pfh paquete ultimo, na
loja de ferragens a ra do Duque de Casias nu-
mero 53.
Pechinchas novas
NA
Loj Flor da Boa vista
DE
Panlo F. de M. Gnimares.
Laas para vestido, fazendas todas novas, cova-
do 200 a 300 rs.
Cambraias de cores francezas para acabar, co-
vado 200 a 320 rs.
Chitas escaras e claras cores fixas, covado 240
a 360 rs.
. La Amelia, fazenda nova, covado 600 a 600 rs.
Brim pardo trancado", boa fazenda, metro 500
a 500 rs.
Peca de algodo e madapolao, cambraias trans-
parentes e victorias, pregos muito baratos : na
ra da Imperatriz n. 48, junto a padaria franceza
0 muzeo de joias
Na na do Cabug n. 4 compra-se ouro, prau
i pedras preciosas por precos mais vantajosos do
rn'> em ontra qualquer parte.
Lom muito autor vantagem ccn:pram-se
ouro, prata e pedras preciosas e n obras Temas: na
loja de joias do Co:acao de Ouro a. 2 D, ra do
Cabug.
CHARUTOS
da Babia
do acreditado fabricante Joaquim Jos dos Reis,
exportadores Basto & Sobrinho, vendem-se pelos
seguintes precos, na ra Direita n. 31 :
Exposicao a 6*600 a caixa de 100.
Riachuelos a 43600 a caixa.
Lyricos a 4*200 a caixa.
Havana a 4*200 a caixa.
Regala d'EI-Rei a 5*600 a caixa.
Dita imperial a 2*600 a caixa.
Especialidades.
Continuare acbar-se a venda na ra Direila
botica n. 88, os mui conhecidos e acredisados re-
medios i) veame, e outros diversos medicamen-
tos feitos em Paris, bem como o> xaropes de co-
Jema de Berth, de rbano iodado, de iodureto de
ierro de Blancard e as pillas do mesmo, peitoral
ffle eereja, pos de Ros, depurativo de Chable,
rigital de Labellony, pilulas ou confeitos de bis-
'aatho de Chevrier, e outros medicamentos cuja
proficienci.a quando empregadns as doencas das
Vias respiratorias, as dores rheumaticas, na
amarellido, na falta completa ou irregnlaridade
de- menstruo, as diarrhas, doencas do coracao
e do estomago, tem sido e iucontestavel, em
vista dos benficos resaltados das experimentarles
ou uso que diversas pessoas delks tecm feilo,* as-
sim como das pilulas denominada* bravinas in-
comparaveis em cua eDcaeia no.-- acommeltimen-
tos febris ou sezoes ; exitindo lambem na mt-sma
casa, jm de sufflciente quantidade de drogas,
nm nao pequeo sortimento de tintas, oleo de li-
nhaca e pincis, qne se vender por menos do que
em outra parte.
TEIVUE-SK i
0 um ptimo terreno morado, pe- ^
A dras, soleiras, vergas, cepos, etc., >%
w para edificaco de urnas quatro yf,
>K casas" ^
A viuva do finado Henrique Jorge ten-
0 dojecebido era partilha pelo juizo de or- ^
^ phaos bens para o integral pagamento ?K
das dividas restantes de seu casal, vende >K
sj> travessa da Concordia entre o sobrado do 55
W Dr. Beltrao e a carrtir de casas terreas 0
XL do lado do sul, comprehendendo na venda *
2> as meiagoes dos deas oiles, entre os JK
y&t quaes est situado o terreno ; e bera es- $k
JK sim urna porcao de pedras de varios ta- g
^ manhos e qualidades, proprias para edifi- ?S
cac5es : o que tudo pode ser visto e exa- ^
M minado pelos pretendentes no lugar indi- Jgi
v5 cado, qualquer hora, nos dias uteis : 5*
JW a tratar na ra do Q.ieimado, ou Duque ^
gL de Caxas n 28, l andar, da*. 10 horas AC
W da manha s 2 da tarde. S
Sahiram luz
As ras em coniracan^a.
Linda quadrilha para piano por Colas filho,
Flor da Boa vifta, valsa: a venda no grande ar-
mazem de [llanos e e musicUs dp AzevHo, ra
Nova n. H, lije ra do Bario da Victoria,
N. B. Roga se aos Srs. nssignaates de mtnda-
reni buscar as pe^as do suas a-: gnatura?.
Uliimas publicar;oes da iruprcri>a nacional
de msica.
N. 1. Piano. Annetta, polka brilhanle, por L
smoliz, 2*000.
N. 2 Piano. Minerva, polka-bihante, por Colas
runo. 1*.
N 3. Piano. ChjJO Diabo, polka bfllhante, por
, 500.
N. 4. Pia,no. Urna lagrima. 12: zurka, por Ma-
tileeB. Ziu-cbi. IIT.
^5. 5. Piano. Morte de Lopes, polka marcial, por
. N. 6. Piano, La Grande Duches*, polka per Lu-
cen LamBert, 1*. ,
N. 7. Piano. Carmen, Anita. Ln Playera, 3 pol-
kas dos cavallinhos, 1*.
N. 8. Piano. Le Suuver.ir, val.-e de saln, per
E Casalbore, 1*.
N 9. Plana Santlnha,'Marcea, 2 valsas dos ca-
varlinhos, l000.
N. 10. Pianr. Chant D'Oi.-e.iux, pf.lka, por E.
Casalbora, 1*.
F. 11. Piano, a Qr da Boa-visto, valsa, por
Jos Coelhn da S. A.,15.
^ N. 12. Ligrimas d'Aurora, Mazurka, por \ J.
quadrilha, por Hcn-
barcarola napcK-
N. 13. A e rique Albertazzi, 1*.
N. :i. Canto. Sania Luria,
lana, por Gonnaro' Arnan I, I*.
N. lo. Canto. Mara Alia, para M. S. M' aqqari
lUU' a;imr, de Flotow.
N. I i As mas em coniradanca, quadrilha. or
Colas Filh,., \ '
Cal nova de Lisboa.
Chegada recentemente no vapor Gladiator, tem
para vender Joaquim Jos Goncalves Beltrao, no
seu escriptorio, roa do Commercio n. 17.
Vende-se a casa terrea n. 11, sita em Olinda,
ra do largo do Amparo, com excellentes com-
modos e grande quintal, solo" proprio : a tratar ne
Recife. roa da Cadeia n. 40.
V
K
CONVITE
W,
ROB LAFFEGTEUR
Approvado em Francia, Rnssia, Austria e Blgica. O arrobe Tegetal Laflcteur sa autho-
nzado, he mu superior aos xaropes de cuisinier, de Larrey e de salseparrilha. De fcil
dimstao, adagraved ao paladar, e ao alito, eUe cura radicalmente sena mercurio, as
affeses da pefie, Impl*na, alporcas. tumores, ulceras, aaraa dem-
acrada, escortonte, e os accidentes provendos dos partos, da idale critca, e da acri-
monia hereditaria dos humores.
O arrobe he especialmente recoramendada contra as doencas sypbjliticas recentes, inrete-
radas ou rebeldes ao mercurio e ao ioduro de potassio.
cSSXy^SJ^Hi do T^^. *OT I.AFFBCTEIJR, em casa do doutor GIRAUDEA DE
SAINt-GERVAIS, roa Richer, 1S, i Pars. ,
t
XAROPE SEDATIVO
de cateas de Laranjas amargas So
BROMDRETE DE POTASSIOM
B>e J.-P. IiAROZE, t, raa en Lion aint Paul, Parla.
Todos os Mdicos concordo em qne o Bromarte de Polassium pnro tem sobre o
sistema nervoso, ama aeco m4mjt lmat. Reunido 5o Xarope Laroze de
Laranja amarga, caja accSo regenera as rondes do estomago e dos inteaiinos
universalmente appreeiaJo, Sem receio d'a*jtdente se poda dar as peseoas adultas,
quando soffrem de mmlnti da aer^ao, iu wiu dijt.ti.,, oa anrona em craT
ssim que para is ioltiaa mwnuu t* preabaa. Para as creaucaa, para r-
**n^*-' mM,MM, *" oNaraata dentijao.
UePoano m Rio de Janeiro, B-, Chrrolot; em Pernambuco, 9. Maurar a C-
SSLi TaUo *: "" Pito*. *tare X-ia; em Bakia, D. maafca: em
*>['' :eU; tmZaramiMo, r.rr..,. C; em Ouro Preto, Walaraaa.
0 dista d' raa Duque de Casias n.
toms pelo presente a lioerdade de convidar
aos amigos e freguezes que sempre o hon-
raram e continuam a faie-lo com o concur-
so dt sua frt-guezia, virem \isitaro seu
estabelecimenio, certo re que n^o deixar5o
de agradar-se, nao s de us genems.
como d'i traiameoto e limpeza que a todos
despensa.
GNEROS DE IMPORTACO
Uvas verdadeira Feral
Ameixas secas.
Peras.
Macas.
Vinh" do Porto de diversas qoalidades
entra ellas a especial qualidadegloria do
Brasildito em pipas e barris, que re-
commendavel para mesa por ser o verda-
dero vinho de pasto, dito verde da me-
nor qualidade possivel-
Queijos flamengos empcicados e prato o
melhor que tm vindo a este mercado.
Erviibas novas em conserva
Chocolate de especial qualidade.
Bul chinhas de especial qualidadede to-
das as marcas conhecidas.
Manteiga ingleza e franceza de i1 sorte
GNEROS DO PAIZ
Doce de goiaba em latas
Quijos de .Minas muito frescos e de boa
qualidade.
ESCOLA PHARMACEUTICA DE PARS
Medalha de Prata 1860
Edward Fenton, na ra do Commercio, armazem
n. 22, tem para vender presuntos, toucinho em
mantas, conservas, queijos londrinos e biscoutos
finos.
LAGEDOS PABA CALCADAS.
Vendem Joo do Reg Lima Filh) : ra
do Apollo n. i.
VINHO DO PORTO.
Vinho do Porto lino, de diversas marias. tem
para vender Juao do Reg Lima & Filho, no sen
esrriptorio roa do Apollo n. 4______________
Vende-se urna rotla de amarello em bom
estado na camb doCarmo n. 16.
ATTENCAO
o
Para acabar
Chapeos de massa finos a o e 6000.
Llera de castor brancos a a.
Chapelinas de palba e de seda para senbora a
oOOO.
A-sim couo antros chapeos que se vendem por
barato pn-co para li juidar: oa ra Nova n. 4i.
youEUR
DE
EXTRACTO DE ALCATRAO.
melborpr*,>aracSoiiu(a/a^ e regulada em
do,e,t AGUA DE ALCATRAO
(Dut, eolheradat tran htro de agua, ou ama eolherada p^er.a por
cada copo grande.)
O ~
na:
Chapeos do chile superiores, de abas peque-
e grandes, a melhor fazenda que tem vindo ao
mercado : vende se na raa Nova n. ii.
Alichioa
Vonde-se urna excellente machina de eosjtta;
na ra da Penha n. 17, 1 andar.
Farinha de mandioca
Domingos Alves Mathens tem para vender em
seu escriptorio ra do Vipario n. 21, muito su-
perior farinha de mandioca em saceos grandes.
e 4a
modlOcador mal enerrw .. __.
gja.^-0 i0u..,o, a., a^Jfcii' "
| Exigir a firma do inventor. >
Deposito Gnu :-
I Re dfsFriBrt-Boi|eis, 17
Ea PARS.
DPOsm) -.nonio de JamHr,, Bi.poachelle; aa
Lopra: i Pirnamhneo p M*tat
"*, Ferreirnci
para principiante.
Vende-se a fabrica de sabao da ra Imperio I
travessa do Freitas, muilo bem montada tanto para
fabricar pequea como grande quantidade de sa
bao. A casa alem de ser de um mdico aluguel,
tem grandes accommojacoss nao s para deposito
das materias primas e sabio manufactura jo, como
offerece espaco independente para morada. Todos
os esclarecimentoj, finalmente, se daro pe?soa
que seriamente qnier tratar esse negocio, e se
explicar a causa porque o aciual duno ni
mitinuar com este, na roa Direita, armazem de
molhados do viado branco.
AGORA SIM.
No Bazar da Moda
RA DO BARO DA VICTORIA
(Outr'ora Nova)
VNDESE
Lindas fazendas para vestidos.
Da alta moda de Paris I
De superior qualidade !
De belssimos padroes !
De delicadissimas cores!
A saber :
Gases florentinas, novidade !
Poupeliuas lavradas.
Grosdenaples de cores e preio.
Setim macau de cores.
Cortes para vestidos de grande noridado 1
Cassas do ultimo goslo.
Fustoes de cores.
Percaleas de melhor qualidade.
Berejfs com listiis.
Laazinhas de diversos preros.
Alpacas de cores lavradas c lisas.
Chitas escuras muito superiores.
Fil de seda branco e preto, liso e com salpicos.
Dito de algado.
jGuipuz de linho e algodao preto e braaeo.
E mr.Itas ostras far/nd.-.s, emo s'jr.m :
Aloalhados para mesa e guardanap.s.
(Toalhas para rosto, eolxas e coberio;.-s para
cama.
Bretanhas, madapolfies franTze?, etc. etc.
Tudo se vende, muii" barato.
Rival sem segundo,
RA DUQUE 9*E C.4SI.W X. 49
(Amiga roa do Qneimado)
Contina a vender tudo muito
muilu baratu a sabor:
Libras de areia prtta muito boo, .
Tesouras 6nas para r.nhas e co.' tu-
ra a......., .
Papis de aguihas francezas a ba-
lo a.........
Caixas com seis sabonetes de fruta
Libras de 15a para bordar de tod^s
as cores a ...... .
Carriteis de linha Alexandre a. .
Frascos com azeile para machinas
Gyavatas de cores rmiito finas a .
Grozas de bcloos madepersla 1-
nissimos a '. ...
Nuvcllo de linha de 400 jardas a.
Caixas com 100- enveiopes muilo
superiores a .'.....
Pentes volteados para meninas a.
Tntenos com tinta prela a 80 rs. e
Pecas de fila elstica muito fina a
Lata com. superior banha a 100 e.
Frascos de oleo Philocomo milito
lino a.........
Frascos de macaca perola a. .
Frascos de exfacto muito 1. nitos a
Duzia do sabonetas muilo finos a.
Sabonetes nglezes a 600 rs. e. .
Frasco com asna de colon i Piver a
Dito de oleo babaza a. .
Caixas de lamparinaa a. .'
Sbemeles a forma menino muito
superiores a.......
t-arlilhas da dootrtoa fazenda nova a
Libras de linha surtidas de lodtfl M
nmeros a.......
Capachos Benito bonitos puanrtcsa
1
Mi 9
bao\t buj eiiue 'oe wfl
u BMopi.v tp o?jg op mi : moqj oos ij
pue aujoa sooqs pue toog sjazns | tooui 3
uossB 9]8|duioa b po.viaoaj jsnf d|iM,is 9A
S3oqg puB s$oog;
opeojaiu ou ri.ifa.ij sira iS
o jos Jod |J.\Bpuaiurao.M.i svuu iiihsb W
as-opunujo] 'tpiiuo zj|da; Jiide.v o|ad jSg
'svuiw o jazog saiuejijqKj sop ama njad i^
tiin isqaoa eoimv mas 8 eilpued ta|i$ ep ajddaic ^
oyueujdjj oiuoiuiaaiaqui aiap ouop o 91
BAOJj Knj SJ0,JnQ
oe "h viuoia va ovuva oa v.ia M,
OtlVJlifO I
mm^mm.....
NOVA PADARIA AMERICANA
lua dos Pires u. 50
Contina a fazer pao e Bolaxa de farinha espe-
cial de primeira surte, para melhor agradar aus
sens fregoez' s.
retroz [>reto, i i
Carriteis de
oitavas a. .
Agulbetros re osso enfeiudos a. .
Libra de Imba franceza soperior
qualidade a.......
Caixas de ualiio do caz a. .
bGm e
20
.500
60
1,5000
GffOOO
100
500
500
500
00
oco
240
m
200
200
soo
-
500
1200
;a o
800
46
240
400
tm
700
046
240
2^403
20
A ruarlouquedeCaxiasn21.
Attenpo
Vende-se urna canoa j velha de
los : a tratar na ra Direita n. 101.
carregar tijo-
Vende-se urna casa nova, ainda por acabar,
n'oma das melhores Idealidades da Casa Forte,
com proporefies para um grande tollo, esubele-'
cimento e moradia, terreno proprio, e tem cacim-
ba : tratar com Hyppolito Minios Gomes de
Pinho na mesma._________________
Vendnm-se partes de um sdbrado da rna Hortas r a pessoaiiue pretender Comprar dmjase
rna Imperial n. 12.
Vndese barato ( dinhein1) um frrenp
com alicerce, e duas canoas grandes : tr.
ra Direita n 31, loja.
Joaquim Rodrigues Ta-1|
vares de Mo, 1
TEM PARA VENDER w
em sen e>criptorio, pra^a do Corpo Sanio j3*
n. 17 : 0
Fumo em falla $
de 1* e 2' qualidade, e vende nm "u mais S
fardos a vontade dos compradores.
* Cal de Lisboa
ultima chegada. '^
PotassadaRussia.
Parlaba de inandloea.
Vinho Borcleaux.
de 1" qualidade. Tudo de : S
5 b rato do que (ANTIGA RA DO QBnMADO)
Recebeu seguinte :
E-pelho> grand.s donrados, moldes bonitos.
Carteiras, charutsiras e port-cigarros de mui'a
qualidades.
Bonitas pastas para papis, simples e matisada
Boas caixas vasias para costura com sua cempe-
tente chave;
Delicadas caetas de mar-fim com o bocal da
prala.
Modernos pentes de tartaruga, sobresahindo en-
tre elles os mimosos telegraphistas.
Commodoj toucadores com duas gavetas e bom
espelho.
Port bouquet, o que de melhor tem appare-
cido.
Port relogios de muitas qualidades.
RnnstaHieres para erianfaa,
Vostuarios, chapnzinhos, toucas, sapatos e meai
para baptisadns.
Toalhas e fronha* de labyrintho.
Chapeos e chapelinas para senhora, moldes novoe
e benitos.
Chapozinhos gorros e bonets para meninos
meninas.
Ontra as. convulsSes as
crincas
Vende-?e os venladeiros collares na Nova Esp-
ranos, rita do Duque de Guias n. '
' PARA TINGIR CABELLOS
para preto* ou castanhu?, "receben a Nova Espe-
ranca a verdadeira linta ingleza.
PARA ACABAR COM AS SARDAS
ou pannos, lem a Nova Esperanza o verdadeirs
leite de rosas brancas.
AGUA DE FLOR DE LARANJA.
Vende-se na Nova Esperanca, rna do Duque na
Caxas n. 21.
PAPEL PARA ENFEITAR-SE BOLOS
recebeu-ns muito lindos a Nova Esperanza, ra
do Boque de, Caxias n. 21.
PARA AMAGAR E AFORMOSEAR A PELLE
tem a Nova Esperanca es sabonetes de pos de
arror.
aWatWaft
Para baile
lindas bareges de seda, fazenda muito 1
fi propria para baile : na loja daTurqueu 9
5 ra do Barao da Victoria r. 9 (antiga *
| roa Nova).
Cal ntjVi de Lisboa
A 5*000 o barril.
Ni na do lrom n. 8".
S3
quer
eslibeleeimcnto : a i z da
Herval (outr'ora da Concordia) u. i


Diario de Pet
.o,V,^rv
n..
I 4
bro de 187o.
GRANDE
BAZAR DO PAVAO
60-RUA DA MPERATRIZ-60
DE
SILVA, FIfiBIIREDfl k &
Naste imocrtante estabtlecimento ensontraro respeitavftl pnblieo, om enrod e variado s.Wimento de fwaadas donis
aparado gosto e todas de primeira necessidade, que *e vendem miis baratas *>'qae em ootra qualquer part, visto qne o da-
tos socios desta firma, adoptaram o systema de s venderem DINHERO ; para po.Jercm vender pelo costo, limitaado-se apeaas
CAMISAS DE EaAflELLAS A 3*500.
No Biiar do Pkvao venden oro bonito
sortimeoto com todos as tamanhos das me-
lhores tatusas, do fl*ietla de lia, com
mangas tanto proprias para horneas como
para senhoras e venda-se a 3*000 Cada
urna, e qoem comprar de meia dnira para
abatimeoto, Sao de muit*
a ganbarem o descont ; as pessoas que negotam em neqaena esa'j nestt" loja" e armazem .aodesSo. taaar es pelos mesmos precos que compram oas casas inglezas, (importadoras) e para maior eommodidale das Exmas. familias sedara;
amostras de todas as fazendas, ou Ibts levan em suas casas para escolberem.
PECHINGHA EM CASEHIRAS A 40000. CORTES DE LA ESCOCEZfiS A 6*30
No Bazar do Pavio fez se ama grande Vende se bonitos cortes de !5a escorezas,
cempra em um leilo, das mais finas yindo cada om em seo papel, pelo barato
casemiras inglezas qoe tem vindo a es- preco de 60000 cada um; do Bazar do Pa-
te mercado, tendo cores claras e escora, vao.
todas coro padre; serios, proprios para 0RGANDY5 BRANCO E DE COR
algas, palitos e colletes; vende-se a 4*000 No Bazar do Pavao vende-se os mais
o covado, o qne em ootra qualquer parte bonitos e mijito fiaos organdys com listas cima ter nm
nao se vende por menos de6J; agrande largas e miudas l vantagem. fazenda de muita pbantasia 800 rs. a vara, Graao* petbiaelM mb etmis injliroa a 4* 4-500
BRINS DE LINHO DE COR A 1#200 ditos d c-es, finissimrs pacfres, ioteira- No Bazar to Pva>>ft-seema grande com-
No Bazar do Pav3o, fez-se orna grande mente oovos 80 rs. i vara; peobincba. pra em leilao, de Sr.issinmcamisas ngk.
compra de paros Drins de licho, mnito en- GROSDENAPLES PRETQS ,zas ccm pettos e pmbos de linio, sendo
Caegon para o Bazar do Pavao um gran- com collariahos e de todos os numerosa
de sortimento dos melhores grosdenaples 4*000 cada nma, ditas sem cD'farhhos,
pretos que lita vindo ao mercado, qoe se porn fazeida .sima a 44500; graa-
veadern de 4*600 at 53000 o covado ; de pecbineha.
s3o todoa mnito em eonta. CAMISAS BARATAS a 2*800.3*000 e 2*600
CAMBRAIAS TRANPARNTES No Bazar do PavSo vende-se unto gran-
No Bazar do Pav2o ven'ie-sa om grande de porcao de casemiras mescladas, maito
sortimento das melhores cambraias bra cas encorpadas a 2*800, ditas finissimas com
transparentes, tem de 3*3 )0 at iooft) msela de seda a 3*800, ditas modernas
peca, ditas suissas finissinas com 8 pal- de quadros, fazenda de maito gosto a
mos de largara a 2*000, 2*500 e 3*00 3*600 o covado ; aproveitem.
Hhm
Qaando a
anuncios exponde
l-gn ni li n *- -*
speranca
axifts38
iRANCA faz os seus
us fregaezes e a
todos enacera! o-grande sortimento e su-
perior i ule seooljectos nao com vis-
tas de atrair a attecio-de nma grande fre-
guezia, como cte que. analmente despee,
e sim para.scientificar (a interese de todos)
a qoalidada d seus objectos os quaes s3o
sempre de aparad gaste e perfeicSo; tor-
nando-se qnasi mdispensavel para aquelles
apreciadores (do bom) frequcnlarem a No-
va Esperaaca, pois qoe ella capricha em re
ceber coastantemente, o qne ha de nwllior
relativamente'a soa repari53o: o qoe se po-
dar verificar qnando em qualquer renniao
da pesseas (amantas do xique) v-se um
bonito enfeite em um bonito vestido, om
aroma agradavel escapar d^um alvo lenco,
om moderno e linde laco, um dilicado ra-
mo de finas flores, te, etc, todos olham-se
reciproesmente e dfzem com sigo (e as ve-
zes ons aos ontros) estes sao objectos
comprados a N0VA-ESP2RANCA: realmen-
te !!!! proenrar descrever em annunaoa os
artigo* qne contem dita loja, seria trabalho
insano e nunca o fariamos efim aquella
graca e parfeico com que slo elles fabrica-
dos, assim pois aNOVAESPERVNCA con-
tenta se em convidar a todos- geralmente,
visitarem-na para entlo ficaram intei-
rados do que ha esposto na mesma loja.
91Ha Dmmae 4e Caxlaw1
mm
Qdlfido a AGUIA BRRNCA, mais precisa scientificar ao respeitave! pnblieo i
gaial, e em particular a sua boa fregnezia, da immensidade de objectos qne ltimamen-
te tem recebido, jnstamente'quando ella menos o pode fazer e porque essa falta invo-
luntaria ella confia e espera na benevolencia de todos qne lh'a attenderao e relevarlo,
continuando portanto a dirigirem-se a bem conhecida leja da AGUIA BRANCA rna do
Oaeimado n. 8, onde sempre acbarao' abundancia em sortimento de snperioridade en
qoalidades. rodicidade em precos e o sen nanea desmenttido AGRADO E SINCERIDADE.
Do que cima fica dito se conhece qoe o tempo de qne a AGUIA BRANCA pode
dupoi, empregado apezar de seas cnstos no desempenho de bem servir a aqaelles qo
houram procurando prover-se em dita loja do que necessitam, entretanto sem ennnins"
r os objectos qoe por soa natureza sao mais conhecidos ali, ella resumidamente indi-
car aquelles cuja importancia, elegancia e novidade os tornam recommendaveis, como
bem seja :
corpados, proprios para calcas, palitos, col
letes e roupis para meninos, por serem de
padroes miudinhes ; garante-se qoe nao ha
barrelia que lbe tire a cor, e vende-se a
4*200 o metro desta excellente fazenda.
MADAPOLO FINO A 60400 A PEQA.
No Bazar do Pavo veodem-se pecas de
maadapolSo fino de mnito boa qualidade,
tendo 22 metros ou 20 aras cada peca,
pelo barato prego de 6*000, por se tarem
comprado om pouco eQxovalhadas; pe-
cbineha.
CHITAS ADAMASCADAS A 240 RS. O
COVADO
0 Bazar do Pavao vende maito boas chi-
tas iogiezas incarnadas adamacadas, pro-
prias para cobertas e cortinas, .sendo fazen
da qoe emqialqoer I0J4 se venda a 320 rs.
e liquida-se a 240 rs. o covado; s o Pa-
v3o.
TOALHAS A 7*500
No Bazar do Pav3) fez se orna grande
compra de toalbas alcochoadas, proprias
para rosto, bastite encorpadas e grandes,
que sempre se venderam aU2*00O, e li-
quidam-se a 7^500 a duzia^ou a 640 rs.
cada urna, boa pe chincha.
CHAPEOS PARA MENINOS A 2*000
O PavSo vende umi grinde porc3o dos
rcais bonitos chaposinhos de pala da Ita-
lia proprios pora meninos de todas as Ida*
des, senio chapis que valem 5*000 e ven-
dem-se a 23000 carta nm, muito barato.
CHITAS E RISCADINHOS MIUDINH03
200 RS.
O Pav3o vende chitas ou ri cadinhos miu-
dinhos c6r de rosa e rxinbos, proprio?
p^ra vestidos e roupis de creancs a 200
rs. o covado. Sao cui^o barato;.
LASINHAS COM PALMAS UE SEDA
Cbe :o para o P.:v3 > o mns bello sorti
nrato das mai brilbantes laasinbas clara i
com bonitas palminbas, de seda; teno lar-
gura de chita franceza e vende-so a 1*000
o cavado grande pecbineha.
ALPACAS HATISADAS A G40 RS. 0 COVADO.
V i matsada c-m palmiab^s, muito
fas para vestidos de senbora e di me-
i i
i .!< neto barado preco lie 640 rs. o cova-
sS'i muito fm conta.
Vtt\ NOIVADOS COitTINADOS, C01CB1S.
: u para o Bazar do Pov3o um gran-
;- i'iment dos mis bonitos cortinados
r i -.i-, ..roprios para camas e janellas,
i; vHdem da 103 00 at 20* V. 0 o
i ) como o mebor damascocftm8
largura :i imitac3o de damasco
de :-ea, proprias para colcbas, e propria-
; ente colchas de damasco, send os melbo-
res e mais bonitas que tem vindo ao mer-
cado.
SEDAS PE LISTRAS.
No Bazar do Pa'o vende-se urna granle
qnantilade das mais elegantes sedas com
lislrinbas, ten-lo de toJas as cores e at
furia-cr ; fazenda que ninguem vende por
manos de 2*403, e liquida-se a 2*000 cada
cova-io; sao muito baratas.
SETINSDE CORES E GROSDENAPLES.
No Bazar do Pav3o V9nde-se um sortimen-
to completo dos melhores setins e grosde-
naples de todas as cores, que se vendem
muito em conta.
POOPELINAS DE LA A 400 RS. O CO-
VADO
No Bazar do Pavo vene-se um elegan.
fe sortimento das mais bonitas poupelinas
da 13a com lista* miadinbas, sendo todas
qaasi de urna s cor, 400 rs. o covado ;
a baraissimo.
GRANDE PE CHINCHA EM LASINHA
A 640 RS.
No Bazar do PavJo fez-s3 ama grande
compra de lasinha para vestidos, S9ndo de
muito boa quadade, nmas com listas e ou-
tras clmeselas, e muitos largas, que com
p 4fi0rs. fazenda qne sempre se vendea a i*.
ALPACAS PARA "VESTiDOS FURTA
CORES A3*iORS.
Veide-se um boai'o sortimento das mais
brilbaotes alpacas escuras furia cores,
sendo muito encorpadas e tendo om brilho
como seda, liqaida-se pelo barato prego d8
osi0 rs. o covado por se ter feito urna gran-
da compra.
POUPELINAS A 400 RS.
No BazaT do PavSo vende-se um e'.eganle
sortimento das mais lindas poupelinas de
iacom os gostos miudiahos sendo qaasi
urna i cr e con muito brilbo, piebm-
cba b 400. rs. para acabar.
CHiTAS A2*RS. O CORTE.
No Bazar do Pavo vende se cortes de
chita'miadinhas, sendo rocha e cor de rosa,
teodo tO covados eada corle a2J vende-se
a retalbo a 200 rs. o c ivado. pechioha.
CASSAS A 200 RS.
No Bazar rio PavSo liqaida-se urna por-
cao de cassas francezas rniudas e graudas,
cores finas, que se vendem pelo baratissim
preco de 200 rs. o covado para acabar.
vara, ditas victorias e tpalas da mais infe-
rior at a mais fina qne vem ao mercado;
todo isto se vende mnito em conia.
MANTELLETES DE FIL
N) Bazar do Pavao vemie-se modernsi-
mos mantelletes ou basquinas de fil preto,
om laco, pelo-barato preco da 10*000 ca-
da um, barato.
PANNOS PARA SATAS A 1*000, 1*280 E
t*600 O METRO
No Bazar do Pavo vende-so bonita fa'.en-
da branca tncorpada para satas, senlo com
babados e pregas de um lado; danlo a lar-
gara da fazenda o comprimeoto di s?ia, a
qual se pode fazercom3 iq 3 i|2 metros,
e oende-se 1*000 e 1*280 e 1600; assim
como tarabea no mesoio estsbellecmento
se vende bonitas saias brancas bordadas ten-
do 4 palmos cada nma, ditas de 13a de
cores j promptas nmas com barras diffe-
rente*, da mesma fazenda 4*^)0 e ootras
com barras bordadas 6fjOOD e 7*000,
tudo isto moderno e barato^
ALGODO ENFESTADO PARA LENC'-S\
No Bazar do PavD veod-se o mePior al-
godoinho atnrric^no enfestado p^ra len-
Cs, teodo liso e eotrancdo por prego
muilo barato.
ESPARTILHO.
No Bazar do Pavo recebeo-se nm elegan-
te sortimento dos mais moderno; e melho-
res esp-irtilhos, qoe se vendem por proco
mnito em conta.
PANNOS DE CROCH PARA CADEIRAS
O Bazar do Pav3o recebeu om grande
sortimento dos melbor&s pacnos de croch,
proprios para cadeiras de balanco fofas,
piauos, ttmboretes e at proprios para cu-
brir almofidas e pratos; vendendo-se por
menos do que em qaalqaer parte.
Laasinbas tranrparentes a 500 rs. covado
O V) receban um bonito sortimento
das mais elegantes laasinbas transparentes
proprias para vestidos, que veade a 500 rs.
o covado; muito barato.
PARA LENCOES
No Bazar do Pavo vende-se suwrior
bramante d'algodo com 10 palmos de lar-
gura a l*80 o metro, dito de hnbo cora a
mesma largura a 2*800 cada metro, pannos
dsnhodo p'-rtocom 3 1/2 palmos de largura
de70ati*a vara, assim como umg'ande
sortimento de H embargo ou creguellas de
todos os nu>neros, pregos ou qa?.lidades,
que se vendem mais barato do qu ea ou-
tra qnslqner parte ; aproveitem-
ATOALHADOS
No Bazar do Pav3o vende-se superior
itoalbadu trangado, com 8 palmos de larga-
ra a 15600 o metro, dito de linho adamas-
cado o melhor que tem vindo ao mercado a
3*500 o metro ; tudo isto muito barato.
Bales reguladores a 4*0>0 4*:0D e 5*000
Cbegaram ao Bszar do Pava o mais bem
feitos bales reguladores, sndo de fostaa
4,5000, ditos de musseliM a 4*500, di-
tos de lasinha da todas as coras a 5*000,
todos elles sao mutto baratos.
Panno preto moho barato a 3*800
O Bazar d) Pavj recebau uo3a grande
porgo de pecas de panno preto fino, com-
pradas em leil3o, qoe sempre s Tendea a
5*000 o covado e pode liquidar a 3*600,
por ser urna excellente compra,
BAREGES A360RS.
No Bizar do Pavo vender uo bonito"
sortimento dos mais lindos bareges lista-
dos para vestidos, qoe valem muito mnis
dinheiro e liquidi-se a 36u rs, o cola-
do, ditos muito mais finos com listas a 400
rs, estes bareges sempre so venderam a
640 e 800 rs., grande pechincba.
GURGUROA640 RS.
No Bazar do Pavo vende-se om bonito
sortimeoto dos melhores gurgures de la
para vestidos sendo onvi linda fazenda,
muito leve, meia transparente e muito lar-
ga com furta cores e liqaida-se a 640 rs.
o covado por se ter fcito graudo pecbineha
na compra.
COBERTAS A 3*
"Vende-se'cohertss de chita encarnada
adamascada a 3* cada orna, pechincba.
CORTES INDIANOS A 43500.
No Bazar do Pa*3o vende-ae brnitoscor-
tes indianos com duas sans pe'o bara-
tsimo prego de 4*5 X) cada nm, pe-
chincha.
TAPETES
Cbegoo para o Bazar do Pavo o mais
elegante sortiment da tapetes grandes, pa-
ra sofs, com 4 cadeiras. ditos mais peque-
nos, para duas cadeiras, ditos para
pianos, camas, portas ; et;. vende-se por
meaos do que em out'a qnalquer parte.
COLCHAS BRANCAS A 3*2 O, 3*500 E 7*
Para o Baz:-.r do PavSo ebegou um gran-
de sortimest) das melhores colchas de fos-
t5o, s ndo das melhores e maise coroBd-
que tem vindo, a 7*00 ditas om pouco
mais abaixo a 5*00*). e ditas a 3*000;
tambero no mesmo estabelecimento se ven-
de una grande sortiment di cret mes e chi-
t s, proprias para colct-as, que se vendem
mnit em ronta
GORGUHSS OU POUPELINAS DE SEDA
**0C0 CADA COVADO.
Cbeg u para o Bazar do Pava) om ele-
gan.e sortimeoto das verdodeiraspoopelinas
de linbo e seda, cornos mais modernos
gostos, que se vendem a 2*000 cada ovado,
o que em ootra q alquer parte nao se v?n-
de p >r meno:; de 2*500, previne-e que nao
sao algodo e seda, como ha rcnitns; mas
sim puro lioho e seda; sao muito baratas.
ROUPAS PARA HOMENS
No ccrtditadj Ba;ar do Pa\5o encontra-
r o respeitavel publico um grande sorti-
mento de ronpas para bomans tanto bran-
cas como de cores, a saber :
Camisas con: peitos d'algodo e de linho,
para todos os pregos e qaa'idades.
Cerollas de linho e algodo.
Meiis cortas francezas e inglezas.
Palitos sobrecasacos de panno preto e
casemira.
Cilgas de brim branco e de cores
Ditas de casemiras pretas e de cores, com
colletes iguaes
De todas estas roupas ha para todos os
precos e qoalidades, e tem de mais mais
um perito
ALFAIATE
Por qnem se manda fazer com prestesa
e aceio qualquer pegs de obra a capricho
ou go?to do freguez, tendo n'este importan-
te eslabelecimento todas as qualidides de
panno fino, a? melhores e mais moder-
nas casemiras, assim como os melhores bros,
qur brancos, qnr de cor; e qaando qual-
quer obra nao ficar inleiramente ao gosto
dos fregnezes fica por conta do estabeleci-
mento.
CHALES DE MERINO
Coegou para o Bazar do Pavo nm elegan-
te solument) de chales de merino de cores
muito bons com padroes muito decantes
para qualquer urna senhora asar, ditos de
crpon com listas de seda o mais fino e
moderno que tem viodo ao mercado, e ven-
de-se por prego mnito em conta.
BABAD1NH3S
HOJE.
No Bazar da Moda
RA DO BARO DA VICTORIA
(Outr'ora Nnv.i)
VJE1H>E-$E
Artigos de alta moda em Pars ^hegidos pe
uliimo paquete vindo da Europa.
Para senhora?.
Chapellnaa de palha de Italia com ricos e ele-
gante* enfeiti'3 a ultima moda.
Veos de cores e pretos para- montaras e pas-
seios.
Grnaldas e capelias de flores de larangeiras
para noivas.
Coreinhoj de cambraia t)3llamente enfeitados.
EflfeHes maito lind para cabec*.
Sair.s brancas bordadas e de cores.
Gaehins de laa de bonitas cores.
Sintos de diversas qualidade*.
Sab das de baile u que ha de melhor.
Casaqumhns de renda cbanlely pretos.
Chapo^inbos de setim para sol.
Bales de cores e brancos para senhoras e me-
ninas.
Lacos, gravatinhas, espartilhos, lencos, meias,
etc. etc.
Para homem.
Mantas e grvalas do ultimo gosto,
Colerinbos de linho bordados e lisos,
Seronlas de linho.
Camisas de meia.
Meias de superior qualidade.
Lencos de linho e algodo.
Chapeos de sol com cabo de raarflm, nglczes.
Pa*a meninos.
Costumes orientaes de fustn de cores muito
bm enfeitados.
Vestuarios de diversas qoalidades para baptisados.
Chaposinho-i de setim e merino.
Sapa'.inhos do setim, merino e laa.
Tmcas de todas as qnalidades etc. etc.
Vende-se tndn por baratos pre*o.
Corpinhos de cambraia, primorosamente
enleitados com fitas de setim e obras essae
coja novidade da molde e perfeico de ador-
os* os tornam apreciados.
Fitas mni largas de diversas cores e qna-
Iwiades para ciutas.
Leqoes oesse objecto maito se poderia
dner qoerendo descreve-los minuciosamente
por suas qoalidades, coree e desenhos, tal
o grande e variado sortimento qoe asaba
de chegar, mas para ho massar o preten-
dere se lhe apresentar o qne poder de
melhor. r
Ettremeios em pegas de 2 tiras.
Guipare branxo e preto de diversos qoa-
lidades e desenhos.
Ditos de algdSo com flores e lisos.
Veos de seda para chapelinas e monta-
ris.
Meias de seda para noivas.
Ditas abortas de fio de Escossia.
Costumes oo uniforme? para meninos.
Enxovaes completos para baptis'.dos.
Tonqninhas de fil, sapatinhos bordados
e mefe para ditos.
Camisinhas bordadas para ditos.
Capelias brancas para meninas.
Grandes sortimento de flores finas.
Fil de seda, preto.
PERFUMABA
Grande e constante sortimento de
sempre melhor quajtdadb.
Liados vasos com p de arroz e pinsai.
Cahtinhas com ditos aromticos.
Bonitos e modernos pentes donrado
para Circular o coque.
Bonitos brincos de plaquee.
Aderecos e brincos de madroperolr.
Caivetes finos para abrir ratas.
Thesouras para.frisar babadinhos.
Aspas para balo.
Noves stereoscopos com 48 vistas, at
quaes sao movidas por om machinisno
urnas substituem as outras.
Vistas para stereoscopos. *
Bonitas caixinhas devidro enfeitados coa
pedras.
Ditas de raadeira anvernisada com vispo-
ras e com dminos,
Bollas de borracha para brinqnedo de
criancas.
Diversos objectos de porcelana, proprio
para enfeites de mesa e de lapinhas.
# N. 3 A R14 DO C4BIGA N. SIA.
1 A WIIO MOS i
Com este titulo acha-se abprto e inteiramente transformado este antigo
estabclecimeDfo de joias, onde os freguezes e amigos encontrado tudo quanto
a moda e o bom gosto tem inventado na arte de ourivesaria, o Coar de Ouro
observar delicadeza no trato e senciridsde e modecidade nos pregos.
Espera qoe o respeitavel publico venha ver o qne existe de melhor em
aderegos de brilbantes. esmeraldas, robins e perolas, meios aderegos, pol-
ceiras, brincos, alfinetes e anneis de todas as qnalidades, prata de lei faquei-
ros, colheres, palileiros salvas e ontros muitos objectos que seria enfadonho
mencionar.
Compra-se oaro, prata, brilhantes e pedras finas, pormaior prego do
qn em outra qualquer parte, tro/a-se e concerta-se todo e qualquer objecto
pertencente a esta arte.
No Bazar do Pavo vende-se om grande
sortimento dos mais finos bab-idinbos borda-
dos tapados e transparentes, assim como
urna grande porg3o de ntremeos largos e
estreito3, que para acabar se vende mnito
em conta e mais barato do que em ontra
qualquer parte.
FAZENDA,* PARA LUTO
No Bazar do Pavo vende-se constntp-
mente o melhor sortimeoto de fazendas
pretas para luto, como sejam :
Laasinbas nretas lisas.
Cassa* pretas de la.
Cassas pretas, francezas e inglezas, lisas
e com salpico?.
Chitas pretas de todas as qnalidades.
Alpacas pretas lisas.
Ditas lavradas com branco.
Merinos, cant >s, bombazioas, qoe so
vendem maisbarat) do que em outra qual-
quer parte.
CHITAS PRETAS A 200 RS. O COVADO
No Bazir do Pavao vende-se chitas pre-
tas inglezas com salpicos 20O rs. ocovado,
ditas todis pretas, por estarem um pooco
russas, 12) o covado; pecbineha.
O* proonetarios d este importante esta-
beliecimento rogam ao respeitavel publico e
particularmente s Exmas. familias o favor
de se darem sempre ao trabalho de lerem
ns seus annuncios, pela raza de mnitos
d'ellas serem modados amiadadas vezes.
CACHE-NEZ A 60000.
No Bazar do Pav5o vendem.se bonitos e
grandes cachi-nez de pora laa, pelo bara-
to prego de 60000 cada om.
VERDADEIRO LE ROY
de SIGttEI, Docteur-Mcdecin
Ru do Saine, 51, & PARS.
Em cada garrafa, vai, entre a roilia e o papel azul
que leva o neu linete, um rotulo impresso em ama-
relio com O SEllO lflrBIAL DO COTERISO rRAKCEZ.
JV. B.-Remet-
tendo-scumalettra
de 800 franros so-
breParis.jceilave!
a 60 das de vista,
ao nnximo.Roza-se
do abatimento e da
milor descont
LoureiMjo P. Mendes Guimares
RUADA IMPERATRIZN. 72
Tendo resolvido o seu proprietario liquidar todas as fazendas existentes as loja
Gjar^baldi e Arara, convida ao respeitavel publico, amaote da economa, vistorem a
leja da ra da Imperatriz n. 72, pois s de>eja apurar o dinheiro.
Arara vende madapolSo enfestado a 305001 Para liquidar vende bramante de li-
a pega, ditas de 24 jardas a 50000, 60 >00, nho e algodo a 10800 o metro, dito de
Cal de Lisboa.
Vende-se cal de Lisboa, a ultima chegada ao
mercado, por prego rasoavel : no armazem de
Manoel Teixeira Bastos, ra do Coramercie n. 13.
Farinha de mandioca.
Vende-se superior farinha de mandioca, vinda
do serto do Cear, em saccas de 2 1|2 e 3 al-
queires cada sacca. por preco mdico : i rna do
vigario n. 14, escriptorio de Jos Lopes Davim.
60500, 70000, 80000, 90UOO, e 100000.
Vende-se corles de casemiras de cores
para caigas a 40000, 50OOJ.
i Para liquidacao vende-se algodao de lis-
tras proprio para caigas, camisas e saias
para escravos a 460 rs, o covado.
i Na ra da Imperatriz vende se chailes de
merino estampados e de barra a 20000,
2500 e 30'JOO.
Arara vende cortes de casemira preta
para caiga a 305OO, 40OUO. 50100, 60000,
70000, e 80000.
Para liquidag3o vende-se brm pardo liso
bom a 500 rs, o metro, dito transado a
720, 900, e 10000 o metro.
Para a cabar vende-se duzias de lengos
brancos de cassa a 20000, e 30609, ditos
de linho a 50000, 60)0 >.
Na ra da Imperatriz vende-se cobertores
de algodao a 404OJ e corbertas de chita a
105)0.
Para liquidag5o vende-se cortes de casto-
res para caigas de homem a 500 rs.
A Arara vendo chitas largas para vestido
a 240, 280, 320, e 360, rs. o covado.
CEMENTO
O verdadeiro portland. S se vende na rna da
Madre de Dos n. 22, armazem de Joao Martins df
Barres

FAZENDAS BARATAS COM TO-
QUE t)E AVARIA.
Ruh do \ respo n. 25.
MADAPOLO FINO SPEIOR com
toqne de avaha a 5 e 6a a peca.
ALGODxiOZLNHO COM 18 JARDAS a
2,1800 e 3 a peca.
CHITAS SUPERIORES ESCURAS, CLA-
RAS E MIUDINHAS a 20, 240 e 280 rs.
o covado.
CAMBRAIAS FINAS DE CORES a 280
o covado. Na rna do Crespo n. 25, loja
de Manoel Dias Xavier.
O barateiro vende percalas finas para
vestido a 440, rs, o covado.
Emliquidago vende-se alpacas para ves-
tidos de Sras. a 500, rs, o covado.
A Arara vende laazinhas para vestidos de
Sras. a 320, 400 e 500, rs, o covado.
O Guimares vende mursulina de c6r
para vestido d* Sras. a 410 rs. o covado,
dita branca a 5 JO rs.
0 Men les vende fustSo de cores par-
vestidos de senhoras a 360, o covado.
0 Lourengo vende cassas finas para ves-
tidos 240, 360, 400 e 440 rs. o covado.
Arara vende alpacas da lista para vest-1
dos de senioras a 500 rs. o covado, ditas
lisas a 500 e 640 rs. ocovado, ditasmalisa-
das a 640 rs.
linho puro a 20800, esta fazenda pro-
pria para leng5es e toalhas por ter 10 pal-
mos largura.
Vende-se cortinados para cama tr*i,(,6z
a 10400 o cortinado para liquidar.
Arara vende cortes de chitas para veta-
dos a 20300,20800 e 30200 o corte psra
liquidar.
Vendeose cortes de cassa a 20500 e
corte s na liqoidagao a da imperatriz.
Vende-se cortinados para janellas a 60
a pega para liquidar.
ECONOMA
Vende-se duzias de collarinhos de pa-
pel a 240 rs. para acarar.
Arara vende lasinhas transparentes para
vestidos a 500 rs. o covado.
Liquidago, vndese parapeito Uso a
20200, 20500, 30. 30500, 40, e 5&, pro-
prio para calsas e paitos por ser.bea fa-
zenda e barato.
Arara vende cortes de brim para cal-
sas de homem 10500.
Vende-se cortes de pcalas de duas saias
para senhoras pelo barato prego de a 60.
cadanm.
Grandd liquidago de roupa feita.
Vende-se palitos de alparca e de core
a 20.
Vende-se ditos de ganga para homem
a 20.
Vende-se ditos de brim de algodo bran-
cos a 20.
Vende-se ditos de meia casemira a 20.
Vemte-se coietes de brim de cores a 10-
Vende-s ditos de meia esemira a 20orjO
Vende-se caigas de algodo azul a 500 rs.
Vende-se dita de algo io de listras a 800rs
Vejnde se ditas de brim pardo 20,10tJOO
e 20500.
Vende-s caigas de casimira de core
a'60 80.
0 Bazar do PavSo sito a ua da Imperatriz n. 60, esta' constantemente aberto
das 6 horas da manha as 9 da noute.
Agua de Vichy
Vende-se agua de Vichy das fcntes Haiiterive e
Celestm, mais barato do qne em ontra qualquer
parte: no armazem da ra do Vigario n. 11.
MEDALHA
HGADODEBAGALHAlFIGADOr
^^HP^J^^B^
Vndense
Caminos para janellas. portas e ripas.
Vendem-se 27 caixilnos para janellas, comple-
tos, assim como portas para o interior de qualquer
casa, todo em bom estado e por preco oomroodo,
bem cdfco 700 ripas de emberiba : a tratar na
roa do Imperador n 63, 2- andar, on no Caldei-
rtiro na casa em concert junto a estaco do ca-
minbo de ferro de Apipacos.
Armapao.
Vende-se urna armacao de amaree com
balcos: na roa do Bario da Victoria n. 1,
tr'ora ra. Nova).
dous
(ou-
BRANCO E ESCURO
Desin'ectando o Oleo de Figtdo de Bectlhlo,
o Setihor Cbevrwr deo esta preciosa prepart-
ciothcrtpeutici am clieiroe sabor agridiTtii
H'-.e nenhuma de suas virtudes lbe tiram.
Esta importante descoberta, qne grangeoa a
seu autor urna STedalba de honra, Tulgarisoo o
uro do Oleo deFigado deBacalhao desinfectado.
Os mdicos o receitam preferiTelmentea todos
os ontros. em todas as molestias onde se em-
prtga o Oleo de Finado de Bacalb.
Ver por mais pormenores os relatnos medi-
caes que contem a noticia que tecompanba cada
frasco.
FErWUBrtBO IW CBETRltR
O Senhor Chevrier eompeton a in deten-,
bnru ajnntaa-do a iodora dei ferro lo Oleo de
Saealbio desinferudo. Este Oleo de Ufado de
Bacatho ferrugineo tem todp as propriedade
do oleo e do ferr, digerenie fcilmente e nnner
causa pristo de tentre. Portento prefemeT
it mais nrepexaefles ferrnginets (Pilulu on Si-
rope) eonrem em todas as doencaa onde se
empfega o ferro. Tsica pulmonar, bronchites,
nobitisao, escrfulas, impigens, gota, rheo-
matismo chronico, catarrhoa antigos, dyspet-
liss, convalesceneias diflceit e fraquezas de
eonstitokao.
JPhartnuttn vnjRTHMEH, f \Jr* **** M**1mmrtre
Na mesmapharmacia achlo-se o VHTHO EUXIS BOCA, excetTentet pwptrnooet tnicas.
O TSBfVniBBJflt!0 eomIJUriet prt raru rtaga, fendu. eortaduras e eoMnsSet.
OtOSUIDLOS deBISMOTH composte*eotrias disrrteu.dysentenai, dores deeslonugo, etc.
DeWMTmuo, cm Rio de Janeiro, DOPOWCHixUf X C*. Baha, Morira Imuo et C
Pernambuco, P. Himn ti C- Maranheo, Pnuugau et C. Porto Alegre,
a^law.Bnas. P*lau. LmikolxfAa.
I
IL
i
^



/
I
.
r <
D J
. >
Diario de rnamhnco Quarta fosca 14 de ISeteiabro de U15&,
Rival sei -seguido I f|
'?06 abai
m e pre-
Da?
Duzia d
grande a...................
Falos com nlo-fin').
Pacote om r>z n me-
lhor que ha a...............
alh* mijito tms pata ftrzer
bart a a....................
Cixa de I*nto bran do caz n..
Vara de franjas ti* dho para toa-
Ihas.......................
Caixas'com peonas d'aco de lerry
superiores ..............
Lencos di casd braceos e p'mtt
dosa..................
Caixas coro. 10 qmdernosf de papel
pautado.......
Caixas cota 50 noteMos1 de iinha
do gaz a....., .
Ouzias de raeias cru.ls superior
qualidad'e a.......3$t0t
Pecas debabadinhos com 10 Sa-
rasa.........
Pecas de tiras bordadascom l
metros cada p ca a I 500 e.
Pecas de fitas para cs de qnal-
qaer largura enm 10 varas a.
Escovas para unhas fazenda liria a
Ditas para denles a 240, 320,
400 rs. e....., .
Pe?as de tranca lisas, brancas e
de cores a.......
Duzia de Iinha. frxa para borda-
dos a 400 rs. e.....
Pares de raeias croa* para me
nos diversos tamanhos a. .
Dtrz'tas de raeias brancas muito
unas para senhora a. .
Pares de sapatos de tranca do
Porto......'. .
Pares de sapatos de tapeto a. .
Dnzfas de baralhos para vtirtarcte
Sylabarios portgoz&s a. .
Cartees com cohretes /carreras a
Asotoaduras para eollte diversas
qualidades.......
Caixas com p^nna de ac minio
boa de .120.a. .....
Caixas com supYrirts dbrefas a.
Duzia oe agql tur-para machina a.
Libras de pregos rancezes todos
os tamnhos a. .' ifto
Pacote de papel com 20 qoader-
nos........... iOO
Refma de papel pautado superor 4)5000
Resma de papel liso raoito ?upe-
rior a........... :],$600
120
:20
320
I :5 500
ta
soo
100
70C
400
300
2,5000'
500
500!
500
40
500
320
4500
2*?C00
13500
3#K)0
400
20
400
50C
SO
25000
os de Ssmza Soares & C.
A BO BALO 1>A VITOIA
(mrtA'om nova )
Aoreseoia-sa met-rn rphozeado i (pie ide hnv^r d mais helio e sgnida '.endas i;ia< para Sunhoras rticos de ;;ta moda em Pars tanto para senhoras cotao
oarahomens e meninos.
Minaw.as rfamad*, pe fumarias especio--, variedade do lindos oliject/ispara-me-
nitii.s u fcrin'|oedos para enancas.
CRANDE SOftTWIENTO
Conimi;--,raente recebido por todos os paquetes vindo da Europa aonde tem ha-
neis correspondemos.
VVnde se muito nconto.e raaflVse p r en prvgad-s -lo estahulecimento fazendas
'm Ca_^a:* Esaw" ^m,,ia9afim de-melior escohVrem.>. i vmtm
Rovo estabeeeioieto
R ._ENMS E ftQtPffS FEITAS
ku da' mpwaim n. 40, esquinado be co os Ferreiros.
fiGM
I Mi
NOVIDADES
DO
7 Ra do Queimado 7
m mm
Chegon ao antlgo deposito de Heary Porster *
il, trxi do Imperador, om earregannto de km
d primeira quaiidasie; o qnal se nuauo em partida
e & reaiho por menos pre^o do que em ontr* qoa -
fuer parte.
E' ihegado a este novo estabeleciinento o mais bePo sorlimento de fazendas
toa--, sendo sua espccialidade enxovaes para noivado.
Vestidos de blond de.sda ricamente bordados.
Gorguro de seda branco para vestido.
Cnlrhas de da pura, para eama-com ricos desonhos.
Ditas de la e seda, id m ideni.
Ditas de crox, idem idem.
Cortinados ricam'nte bordados-|Nira camae j^ieilas.
Croxs p*ra cadeiras e sofs.
Vestios de cambraia branca bordados.
Popelines de lindos gestos.
Llias 'de diversas qualidades, lindos ostos e modernas.
Ricos b urnus para passeio, com listras de setim.
Sabidas de baile o que ha. de mais rico. \
Cretoes para vestidos com lindos desenos.
Carnizas bordadas e sera bardados, para senhoras.
Camisas bordadas muito linas para homens.
Dtas inglezas para homens e meninos.
Seroulas de linbo, e ura grande sortiraento de roupas feitas e de fazendas que
i -jnfadonho mencionar.
Liivas fp^scs de Jonvin
Sorlimento de tapetes pira gWmicOJMde salas, alcatifas para forro de sala, e o
(Tt/tm Jsortimenfo das acreditadas e verdaeiras
Esteiras da India
CASA CAUVm
0 novo propnetario deste estibelftimc,iu, cuafiaaica ao respeitavel publico
i L e esPe(yalinentt ;is Exinas. Omitns, que est liquidando por pravos bara-
ussimos.as anligas fazendas que existiam nesle.iMabel.uiiiento, alm das que abaixn
lir ^lona(las' CUJS PreCs mareceiB toda a altelo do respeitavel publico, que nao
!m. rV8 a"D Pe1u*na I03111'2 ''efazT-se de uualqnr qnadade de fazeBda qne pre-
se. Frevine-se tambera qu a mesraa foja em |Vio sortimoMO de fazendas moder-
nas, e continua a sortir-se das do mais apuraJo e escolltido gosto, que vender mais
barato que quaiouer outra loja.
A LOJA DO PAPASA alm de ter um grande deposito de roupas feitas, tem
om bowio sorlimento de casimiras francozas, inglezas e alienis dos padroes mais mo-
ueino, e assim como pannos patos, casemit.'w e pano lino cor e pinho, azul claro
e mais escuro, brms branco o djj cies, fugues luaux.s, e de cores, sansas de linho
e bnns pardos .de todas as qualidades.
A LOJA DO PAPACHO tem contratado i:m opiirao mestre alfaiate perito no
sen oihcio para executar qnahp;er obra da ante om a maior perfec3o e esmero, e qual-
qner obra que n3o fique v:>nlade dos regutzcs, icar para a loja, e manda-se
fazer oura.
Atoalhado do lird.o fino, a %& o nittro>
e de alg,)d5s a 2.
Algodosinho largo, para lences e toa-
lbas a 15000.
Alpacas pretas, de cores, lisas, .de I'urta
cores, e de listras.
Barones com Jislrinhas de differeules co-
res a 32o rs, o covado.
Bfgiio de-lmho de 1GC0 a 3(5 a vara,
'.h-iles de merino pretos'muito grandes
I) le La stampados de 4,500 para
ckna.
Fi: de liho branco e prelo liso, e de
Sloit".
Grvalas i!e seda pretas e de cores, da.
20Ru.i da Imperatriz-
FarlA d- ^essa.
Acaba decht^ar a .-sta noss-i iiova loja de fa-
zendas finas um varid sortimenfo de fazendas de
laa e soda, cumo sejam : grauadines do i>liimo
gosto, pepolinas de una s cor, alpacas o laazi-
ohas de cores, o (fne ha de maf" moderno, tndo
por barati^sinio precii?, brilhnnt^a de core?, te-
cidos das incih?, fazenda nova a imitarao de per-
calia,baloej de elioa lin>i.. das barras, fustoe* propriog para vestido e roupa!
de meninos ; agora graiid? e adm(ravei3 pichin-
chas saias brancas com -.idos frisadora 3, ri-
cos eorptabos bordadus muito (hws a 5*, bal5e?
modernos ile arcos a 21, ricas colchas para cama
alcochoadas, sendo brancas e da cores, a 5t, 6 e
11, cambraia victoria (ina a 35, ditas "transparen-
tes a o, 6 e 75,chitas liaissimas escuras e clara?
a 280, 300, 320 e 360 o covado, cassas de cores a
240, lencos brancos de eana a 22500, ditos cl
nezes a 33300 a duzia, madapoln fino a 65 e
6*300, e milita superior a 75, 75600 e 85, algo-
daozinbo largo proprio para lences a 65, panno
de alaOdo branco traillado piprio para toamas
de mesa a 15600 a vara, nramante pata lences a
25OOO e 3io00. e que na de melhor, esgniao fl-
oissimo a 25200 e 253OO a vara. Mandamos as
casas das Exmas. familias para melhor poderem
escolher. Tambera lemos completo soatimeoto de
perfnmarias dos primeiros fabricantes francezes e
nglezes; as pessoas que se dignarem vir a esta
loja tero occasiao de reconhecer a realidade do
que annnnciams para nos justificar.
L RIMER, PharmaceKSss:ivllesiado
1 otilova el Kbntopol, 33 rAJII3.
MOV AS ESPECIAL! OAOES A. MflMNItU
Aprrsfliittdjs i Academia d Si ifciMtM c ao lisiluiio de Tltogt,
.IPnP.Sil Sob a for.ml d* Pt"4 *eWlto e'dKtoid para
InULUUHU hKf de Mffyto mt te<-<3
PfeTCEtlva e enrativa das MOLESTIAS C0HTAG108AS.
MCTM-FDIino
do vMMM He inn n-loio, s< rvimlo de
"~0 e SKKIN'.A sen o
onvcnicss do fragilidad:.
I ULTltO
graves iacon;
ESTOJOS
Com
a^i0^l.1, e ''' wl'" COIESDO TODO T/IA TANVXTO.
COLLYBIO Contra as affeccois das palpebra,
preparado sob a mesma forma.
Bols-sde tapete aveludadas, para vijgem, mais mr.d-rnas que tem vmdo ao mercado,
o precoie conforme o tarnaalio. ,Gwrdairpr>s de dnbo brancos e pardos.
Komfiasinas pretas. lisas, e bancadas. Gro*3oaoie preto de differenies pr eos.
^,l?"inantes t nno, francez e icglez a L&eiobfN en cortes com palmas com 14
-*f^ covado por C*.
MMlee cle-massulica, bnincos eom tis,; Ditas (rns e delistas transparentes e ta-
9 ositros todos de panno com o l'eitio dos:parlas de diff -rtutes precos.
ele&us, para senboras e menina,. ,lljt,;0 iri.|ez do 50 al 405 a peca.
basquinas de gnadeoaples preto mo- Laucos de aigodo, brancos de 2a 36
lemas e de croch muio cofeiladas. I a doia.
Bretaiihas de linho. e do algo-!*.. rjiros dccamli.aia de linlio de G& a i2s
_ tns de linho trancados brancos e d i DA6 rft o.^.iio de 6 a 85.
n^' j x i Maseolioa brancas e de cores a 500 rs.
Ataos de algodao trancados brancos e fie o eovad,
c Gombraias brancas tapadas e iMasna- i irosWWli nova no mercado a 800 rs. o
rentes, sendo inglezas e suissas de 8 pal- ovado.
moa de largura. ; Merinos peto, trancado e de cordo.
Camisas de meta, de laneila, ranea, el Wlw bordados e lisos, tant do linho
de. algodao. &JBW de algedao para camisas do homem.
Camisinbas brancas de cambra^ cem di-'. r*Hnclu pelas de difTerentas precos.
licados bordados, e MfiaNadaa de cor para i Cambraia branca lapada muito lar^a com
irte. .pregas e bordado, ha de tres qualidades
Cambraias de cores a 4C0, rs. o metro e Prrt!"'ia Piira saia3 de Sras., o p-eco ba-
a 800 ts. a vara. r^-
Camisas inglezas, e francozas de linbo. e SeUas prctaa lavradas para vestido a
de algodao de. predas, lisas e bordadas. -:'; covad.
Chapeos de sol de seda, merino e alpar-' Sargelkn francez. e mglez de toda ao co-
res.
Toallas de algodao e do linbo de dif-
erentes qualidades e tamaBhos.
Pautaos de linbo para homem muito fi-
BARTHOLOMEO & C
Deposilarios geral para e BRASIL e PORl I I,
3, ra larga do Rosario. ITEaiNAMBUCXX
ca de Hifferentes cores, m muito barato.
Chitas para \esiidos, franceaas. de S40
ate 400 rs.
Chi?:s [)ar3 eobertes de KOeal GiO rs.
Cortinados de cambraia, e de lil borda- luS-
dos para camas e janefas de.tOf> para cima. Ael3S n ('zas Para Sras.,e para meninos
Coltbas de fustao braeeav a yJoOO. e P'* bomeus. de differentes quididades
Ditas de cOres a S^MOO. e ,ie todos os tamathos.
Corinos de linhos, inulezes, e alemaes. Para quem comprar peca ou duzia de
lisos e bordados. qcalquer fazenda seo preco o costo ; para
DamasVo de 13, encarnado, mi e ama- diminuir o retamo,
pello, esROipilba preta. Un -se as amostras de qoilqner fazenda.
Espartiho de Knbo branco para Sras., A foja do Papapaio acha-fe aberta todos
de drflerentes precos. os das, ate as !) horas da noute.
Francisco Teixeira Hiendes
emi
Vende-so nm sitio na povoacao da Matriz da
Varzea, bem planudo, cciu casa de vivenda, perto
do rio, pelo mdico preco de 8005 : a tratar na
rna Direita n. 8.
Brixis d'Angolas leg^-
timos
acham-se noarraazem
DE
T. Jeffcnes S C.
Rna do Trapiche n. 46
Fio para saceos e foyiieteiros
' Lona verdadeiara da Esrossia
No armazem de T. Jefferies & C.
Ba io^Trapiche n. 46
Cigarros da imperial
fabrica de S. Joao
de Nictheroy.
nico deposito em Peraambueo caes da aJfan-
dega velha o. 2. 1* anda.
Cal
do Lisboa
a 33000
Veode-se na rna da Crot n. 8, radar.
CEREROS BARATOS.
2Camba do Carmo2
Manteiga iogleza, libra a i#.JJ30G'e lioOO.
Maateiga franceza, libra a 800 rs.
Gax, garrafa a 360 rs.
Gomraa de milho, libra a 330.
Caf morka, dita a 320 n.
Velas de esperraaecte, dita a 610 rs.
Lingoa (lo Rio Graide) ama 160rs.
; Lagdstinbos e ostras, lata a 700 rs.
Queijos do reino (ultimo vapor) 3f000.
Ditos do Serid, libra a 1200.
Ditos de Minas, um 3*.
Vinbo Bordeaux^ garrafa (S. Jnlien) 600 rs.
Gereja Ba,s, dita 900 rs.
Vloho Pigoelra (Uom) dita 500 rs.
Arroz, libra 0 rs.
E oatres maitoa genero qne se yendeol mais
Lo nue ero ontra qnaiqner parte.

Farinha de mandioca
Vende-se hriiiba de nwnoioca, nova, de Santa
ftSVi!!*daJno Patacho portoguez Ollissia,
tendeado defronte do trapichean Sr.Ba>.
%ito2T??*%>'a rQa d CommercioTl7,
ou a bordo do reendo nario,
3 portas n. 53, ra Direita, 3 p.rtas n. o3,anti foja do Braga
0 abaixo assignado.dono deste antijro eslabelfecimento, tendo em vista anresentar
# completo fortimento de ferragens, miudezas e eMilri, tem resolvido mandar b-isear em
fe diversos pomos da Europa os melhores objectos de sen estabelecimento dos fahrlcanies
m mais conheeidw; pelo ijne convida ao respeitavel publico e a seus numrenos ttvmeu*
j, a viren se servir dos objectos de sua carencia, ae.nde eacor**---------
<$ era oulra
do
dito
doas; .....o ": ."" ~"~ "'r "
de diversas qualidades e precos bandejas ebtneus, salitre., breo, barbanie,. enxofre, nraelle !
limaba de ferro, ac, e agulha para fegueteiro ; assim como enconlrarao cnsunte- ;
mente grande por^o de fogo do ar, e recete-se enenmmeBda'de fogos de visia alem de ura I
cem romero de objectos, que se tornaria ehonho numera-tes : venham ra Diran
63, loja de Lenidas lito Loureiro,-antiga loja tk/Grasjh: dlL.|
60
GALLO VIGILANTE
Roa do Ocupo a. 9
.O"' )estabele-
cimente, aiem o muims eojc<, liaban ts-
postos a apreciacao do reap.
daram vir o acabara de recetv- -ni.vap.-r
da Europa um ment de
finas e mui del
tio resolvido9 a vender, i;om i costnme,
por precos omito bamlcbe* e commodoa para to-
dos, com tanto que o Gallo ...
Muito superiores luyas de pollica, pretas, bran-
cas e ie mui lindas corea.
Mui boas e bonitas gi-ilinhas e pnnhos para se-
nbora, ueste genero o que lia de mais moderna
Superiores pents de tartaruga para coques.
Lindos e riqaissintts enfeites pata cabecas das
Exmas. senhoras.
Superiores traneas protas e de cores com vidri-
Ihoi e eni eltes; esta fazeuda o que pode kaver
de melhor e inais bon'to.
Superiores e bonitos Jeques de madreper(;!.t,
marOm, sndalo e osso, sendo aqoclles brancoi
com lindes desenhos, e estes prctos.
Muito superiores meias lio da Escossia para M -
nhoras, as juaes sempre se vendaram por 30*000
a duzia, entretanto que boj as vendemos por 20,
aim desta*, lemos lambem grande frumento de
cutras qualidades, -'ntre as nuces alsumas muii-i
finas.
Boas benpalas de succrinr caima da India e
caslaode martlm cun lana* e fi .amadoras figu-
ras do inesmo, ueste teneru o que de melhor si
pode desojar ; alm deltas tfttww lamben graneo
uuantidade deua;rasi|-.;;n'...ili:s, romo sejam,mu-
deira, baleio, bonc^a, et*. ele. ele.
Finos, bonitos e airosos cliicoliaboa de cadeia e
de outras qualidades'.
Ld23 e superiores ligas de seda e borracha
para Ufara* 39 meias.
Bo:s meias de seda para senhora e para meni-
nas de 1 a 12 anuos de idadr.
Navallus abo de marlim e urtaruga para fazer
barba; sao muito boas,e de mais a mais sao ga-
rantidas polo fabricante, e nos por nossa vei tam-
bem assegurams sua qnadade e delicadeza.
Lini'as e bellas capellas para noiva.
Superiores ajTilhas para raaciina e para crox.
Linha muito boa de peso, rouxa, paraeneher
labyrinll'.o..
Bons baralhos de carias para volttrete, as9im
como os-temos para o mrsnoo fn-i.
Grande e variado sorlunenU das melhores per-
fumarias e dos memores e mais conhecidos per-
fumistas.
COLAKESDEROEft.
Elctricos magnticos contra as ennvalsoes, e
facilitam a demi.;ao das innocentes crianeas. So-
mos desde nrii" raoebedures desies prodigios-s
collares, e eftij'naamos a recehe-los por todos os
vapores, i: >e nunca altem no mercado,
con''' % assim pois poderlo aroei-
* rmn, vii- ao deposito do gai j
vigiiM.ii. ; ; ucontraro desies verda-
dmiroa il ,. :, s atteuil^ndo-se ao fin
paraque .'m a:pl -enderSo com ummui
thmii:u'o Incw.
Rogt bu ; lis, .: ii el v-ctos que deixamos
oeciari'. e amigos a vire
coii!|.,ar |.-.j | .., iMioi',ir....veis alojado gallo
vigilante. r:m > -.7
J con:- ico

ims PILULAS deBIAI
CABO
(CAVE DOLUM)
A nossa correspondencia 40 L'rnzii nos faz; coniiiiercio, estes liomados intermediarios1'''
saber que as pravas deste paiz itbo-se! aaA seiosircmdignos daeonlianrados se\. m
Mentalmente inundadas por wtomwUio de', iie-0niezes; nao & duvida- igualmente que ff^
/o/ci/MC mtmmm
u m 11,
rame de ferro galvamsado em rede para cercas, garda?, galliubeiro etc.
Chapas de ferro galvauisado para cobrir casas.
lachos de ferro estanluido para engenhos.
Cefre? de ferro de Miluer e oulros autores.
Chombo em cano.
Dito em lencol. V
Dito em barras.
Dito em enxadas.
Estanh i em barra e verguiuha.
Folba de Flandres.
Arados americanos para ladeira e vanea.
arrinbos de mo.
Veoezianas para jane lia?.
Machinas de descaroi;ar algodao "de facao.
Ditas de serra.
Dias para cortar fumo.,
-i. DiU5 Tap? ** forvd'3;evall:is e motores para J cavados, para mover
u cbinas de algodao.
Cadeiras de ferro.
Camas de ferro.
Prensas para copiar cartas.
Balanzas para pesar.
Oleo de linhaca em latas de ferro.
Trilhos de ferro para engenhose
Bombas americana.
Macacos de estivar.
Bataneas e pesos dechaaes e ostras.
Fogoes de patente.
Bnxottfl.
Salitre.
Estopa larga e de boft qnsttidade.
Pumreta para cammhos de ferro.
Um grande sortiaeoto de frragtoi cutilaiia.
4
rs
VERDADEiRAS
PILMAS
DE
CM IOBURETO 00 FtNM iMfrtiMivn.
APPROVADAS PEU ACADEMIA DE WBtSKMk DE PAM9,-BIG.
Possuindo as propridades do lodo et do forto, convem especialmente as hmecois
BCHonitosag, a Tsica no prindpio;a fnu&tad$'imkpmw*mil&*lmbm*,di-eam4*
th DE c- *MEN0RHri*.eni que precisa reagir sobre o sangue seja para restnir
-inea sua riqueza e abundencla normaes, ou para provocar e regular o seucureo peridico.
iJL' B.' riodnreto de ferro impuro ou alterado mn medicamento- infiel, 0S _^,
urnante. Cerno prova de pnreta e de snthemidade uta *r*4mt*tmuVi-
,,*" ^'efsfd, deve-se igir nosto MN *prmtn rfl Om
- -|iiosso arma, aqni reproduda, qne m acha Da parte inferior de
^rsita en!-. Dre-se desconfiar das feJstflcacos.
Mbm*-**>f fmao H.TMU. PharmaetMieo, rna Bmaparte, 40, Par*',
rritan
^k nos.-.
m
om
Paragaraiitii-se conU-a estas cumposi^oes
mais on menos perrgosas, qne cscondem-sc
d'essa maneira por detraa das nossas nwrcus
de fabrica c mesmo da nossa Jimia, rogamos
aqui com instancia aos mdicos e aes ilu-
c.idui'cs e os seus ruraplices, ellcs nao se fa-
cao un dever 'ni em diaute de procurar
U MIIDADEIRAS PfUILAg DE BlaNCM'.O Cm
origens certa, euderecando-se, quer a ns-
mesnias cm l'uiis, quer indirectamente os
cutes de nssegurar-sc sempre o* origem .lus nossos principae* correspondentes, ou ento
Plelas que trazem o nosso nonie.nppult.indo, '
entre oatros meios pinciicos, |>i!a !>oaf IV- dos
nossos caliegas, s phannacetM'i:i>s. .Nao .e
duvidar que n'uma qneslaii que inti'es.-a ta
seriamente a saude publica e a-moraiidaded
as is as mus reconi- /?/
idavuis da Franca j?/&~,~~
lo stu pas. S/UMto
as casas as
men
eu do u pan
Aojo-se as nania Pululas sai pr'=pai PLa
Pkdimace'Uko, ra Bouaparte, em Pars.
------m.^.jMW.m.^._I_;
ALUTBO DI 6OT0T
LICOR CONCENTRADO t TITULADO
0 SBr Gnyot chegon a tirar ao alcatrao a
sua acrimenia e o seu amargor insupportaveis,
o que o torna mais soluvel. Aproveitando essa
felii tescoberta, elle prepara un licr con-
centrado de alcatrSo, o qual, sob um pequeo
volumc, contem urna grande proporco de
principios activos.
0 aietrsto le Gmjot (Goudron de
Guyot) possue por consequencia todas as van-
tagens da agua de alcatrao ordinaria, seta ter
os inconvenientes. Basta deitar d'lle una
colber de caf n'um copo d'agua para obter
logo mn copo de excellente agua de alcatrao
sem gosto desagradavel. Cada qnal pode
d'essa maneira preparar a sea agua de al-
catrao quando d'ella precisa, o que ofTerece
economa de tempe, taaidade de transporte
eewtao manejo tao desagradavel do alcatrao.
O ilaaiiMo de Smyt substitue com
van*agem muitas tisanas mais ou menos
inertes, nos casos de defluxos, bronchites,
tosses, catarrhos.
> ate ya empregado com o maioj- xito as molestias seguales:
DI BU)A. Vma colher ie caf para um copo d'agua ou daos colheres de
*papara*ma garafa :
RONcmiru
OTTARRHO DE DEXIGA
DEFLUXOS v
TOSSE PERNITA2
IRRITABA O DE PEITO
TOSSE CONVULSA
El FOBEHTACOES. I'c*-urowcowttnip1weodajBa:
AFFECCOES DA PELLE
COMICHES
MOLESTIAS DO COURO CABELLUDO
El OUECOOES. Uma-parlede licor cquaroifaoua FLUXOS ANTIQOS OU RECEUTES
CATARBHO OA BEXIGA
0 Ak>tomo de Gsyot foi xperimenUdo eom um oerdadeiro xito nos
jjrmipaes hotpUaes 'de Frmca, da Blgica-e da Espanka. Foi reconocido
que, para os tempos de calor, ellecimsiitne o bebidn a miis hijiftenica, e ?-
oretudo durante es tempos de epidemia. Urna intrucco accompauha cada tidro.
-se na pharniada edrogara de P, Man-
rer&eompvi^Bara^ da Victoria n, 17
Roa do <; :\v.ud> k, 1.
Novo e variado s^umaito do perfum arij-
unas, o oilro objectos.
Alm do completo soriimenlo de perfj
tnarias, de qne effectivament? wt pro\idi
loja do Cordeiro rYcvdefnle. ta acaba d
receber um oatro s-iroi di i roe wtoro
aotave! pelavariedadfi ti i
dade, qualidades da pr
{os; assim,poi3,oC'Vf!. i-
e capera continuar a merecer a aprjtciaci
do respeitavel pob* \ k
boa freguezia em parttcalar. nlo s afi
lando ee de sua b
9 barateza. Enj
tpreciadores do boav.
Agua divina de E. Coudray.
Dita verdadeira de Murray de Lammsi:.
Dita de Cologne iupie*j, anior;aaa, rajj
ceza, todas dos melhores esja .adc*
fabricantes.
Dita de flor de larangoiraa.
Dita dos Alpes, e vilete para loiiei.
Elixir odontalgico para conservacSo 6.
sseio da bocea.
Cosmetiques de superior quaddc e ch
ros agradareis.
Copos e latas, maiores e meaotes, ao
pomada fina para cabello.
Frascos com dita japones, transpArarv
Finos extractos ingiezes, aaitricanofc
francezes em frascos simples eenfaia(".os.
Essencia imperial do fino e agrada val cha-
ro de violeta.
Outras concentradas e de ebeiros igrwi-
mente finas e agradaveis.
Oleo pbilocome verdadeiro.
Extracto d'eleo de superior quadad*
om escolhidos ebeiros, em frascos do diff
rentes wmanbos.
Sabonetes em. barras, maiores e menor*
para jnios. ,.
Ditos transparentes, redondos e em flft
ras de meninos.
Ditos muito finos em caixinba. para barba
Caixinbas com bo&itos sabonetes imitan
fructas.
Ditas de madeira invernisada contendol
aas perfumaras, muito proprias para pr*
lentes.
Ditas de papelo igualmente bonitas, tu
bem de perfumaras finas.
Bonitos vasos de metal coloridos, e
moldes nevos e elegantes, com p de uro
e boneca.
Opiata ingieza e ranceza para dentet.
Pos da cavpbora e outras diffsreat*-
qualidades tambera para denles.
Tnico oriental de Kemp.
Aluda mais coques.
Um outro sorlimento de coques de a*
vos e bonitos moldes com filets de vidrbc
e alguns d'elles ornados de flores e fltr.
esto todos expostos apreciaco de per
os pretenda comprar.
GOLLINHAS E PiNHOS BORDADOS
Obras de. muito gosto e perfeicao.
Flvellas e fitas para ciato*.
Bello e variado sortucato de taes ot^s
tos, fleando a boa escoma ao gosto do com
prador.________________________
Cabellas
Veadeai-se eabelk de todas aa corsa, qaalqaer
comprnnto, ^ualidade superior, em eaixa oc
porcao mais pequea : na roa da Cadeia do Re-
cife n. 81, 1 andar.
non
Vende Joaquim Jos Ramos :
n. 8, i andar.
na roa. da. Croa
Lindos c rtes de perjles a 2*000 rs.
do Crespo n. 5, loja da esquina.
a ra
Vende-se farinha muito boa rinda da Baha em
sasces de lgod ao : nos araueas da Companhia
Pernambucaoa e trapiche do Coaha : a tratar nos
qtesmos.
J


natnbuco Quarli feira 14 de Sctembro de 1870
YARIEDA
prince-,
causn-nos
.erra fraeo-prnla
(Condusoy
Falln-o umbem da nossa artli
qne nos disse ser igual i ?ua; a diflWV
porm. accrescentou em seguida, e
nos sabemos emprega la melhor na \'5 guar*
da, e a nossa toma as posices mais rpi-
damente que dos senhores.
Quanto ao Lro, prosegniu o
pe, em extremo certeiru, e
por isso perdas consideraveis.
. Se nao fra a evologS qus exm-
aos em Reiscboffan, e que nos den ocea-
siao de fuennos muitos prisioneiros, ha-
viamos de ricar co:n muilo mais gente lo-
ra de combate do que os senhores.
Cinsignarei ainda aqu mais orna rtCor-
daco d'este dialago que durou perto .le
Tinte minutos.e que pinta com exacti.Jo
com que o n) poderiamos fazer o carcter
do principe.
Follando da guarda actuel que elle nao
esperava, diss- o ^eguiute :
Nos fins de dezembro eslava em Pa-
rs, e visitei o imperador, que .sempre les-
tcmunnou, tanto a mirn como a tninha es-
fosa extrema benevolencia. No dia em
que Ibe fui fazer a mmba visita de desped
na, disse-me qui achira em fim um mhi--
tro para foruar um gabinete novo ; era
Olivier.
Poucos minutos depos d termos resres-
sado nossa prisa-, chegou um official
que ia soltar os nossos companheros. e
dar-lhes um salvo conducto para regiis^a-
rem a Woulb.
i db respailo a
fio climatrica.
a ana elicacia
CAVVJ1EMSMO PRUSSIANOTenai-
I nada a 'aovinolema Dataioa de H*icns-
irus-
cadaver Kobert, com
I quem tinham convivido em Badn, e deram
parte disto ao principio rea!. Sabeodo este
que as ambulancias francezss n3o estavameem demonstraio'a sua superioi
icia j^^Hk^^^^H
As a n tornad e I ha de
de Cuba certificara que nos bt^^^^H
panhoes qae se serjero d
REGIMENTOS NOTAVEIS,O 16 bata-
lhao de cacadores a pe credno L,por 22 de
novembro de 1853 comecou a sua apren-
disagem no fim da rude campanba do Ori-
ente.
Eslava no campo d'Helfaut em novem-
bro de 1855, quando recebeu ordem de em-
barcar para a Crimi. onde deixou dois
officiaes e trinta e dois soldados.
Enviado Argelia em 1865 por oeca-
sio do levantamentodosdissidentes n> sul,
vollou em 1867 e achava se em Besancon,
quando se organisou o exercito do Rlvno.
fO 50 de linha, formado pela lcgio
de Lotet-Garonne, tem urna bella pagina
na historia do nosso exercito moderno. As
soas campanhas s5o : a de Roma em 1819;
a de 1853 a 1854 no exercito d'Afdca. e a
de 1854 a 1855 no Oriente. Os seus fei-
tos d'armas s3o os segointes: assalto e to-
mada de Roma em 1849 ; assalto e toma-
da de Laghouat em 1852; expedicao d*
Dobrutscha. e batalhas do Alma, de Balak-
lava, e d'Iukermann em 1854. Nesta ulti-
ma balalha o 50 de linha, debaixo das or-
deDS do sen heroico coronel, de Brancion,
dea muitas cargas de baioneta e cobrio-se
de gloria; em 1855, fez parte da expedicao
de Kerte, e do ataque e tomada de Mame-
lou-Vert, onde o seu coronel morrea fir-
mando a aguia sobre as forificacSes rus-
sas: o tener.te-coronel Le-Blan ra ah mor-
reu tambem na balalha de Trakir o 50 de
linha atacou o inim go baioneta, e no dia
8 de setembr atacou Malakoff pela es-
querda.
0 regiment entrou em Franca em de-
iembrode 18o', tendo tido um instante
sua frente, dcpois da morte do coronel
Brancion, o coronel Abel Douay, que ha
pouco foi morto em Wissemburgo, e que.
no da 15 d'agosto em Trakir, deu ama car-
ga magnifica sobre a ponte, frente do sen
bravo regiment.
O 78 de linha, antigo 3o ligeiro. e
aotiga legio dos Altos-Alpes tem na so* h s-
: : i i as seguintes campanhas: de 1823,
1824 e 1825 em Hespanhi, no exercito
d'oc-.-opaco ou d'operaces: de 1832 na
Blgica; de 1840 a 1847 na frica ; de
1843 a 1849 no exercito do? Alpes ; de
de 1839 na Italia na 3* divisao do Io cor-
po. Em Melegaano, em Solferino, o regi-
ment foi fortemente envolvido no combate
sobre a esquerda diaote da torre e do ce-
miterio. Os combates em que entrou em
frica sao numerosos ; entre elles citare-
mos o do bosque das Oliveiras, e da gar-
ganta de Mouzaia em 1840, a expedirlo do
Cheliff em 1842, a batalha de PIsly em 1844.
e a expedicao na grande Kabylia em 1847.
t No estandarte do regiment 50 l-se
a seguinte inscrpco : Zurich, lena, Lut-
zen, Flearas, Anvers, Alma, Inkermann.
Trakir, reduto Brancion e Sebastopol.
No regiment 78. l-se: Anvers, Isly,
Melegnano e Solferino.
Estes tres regimentos faziam parte da di-
visao, que sastentou o ataque de Wissem-
burgo, soffrendo innumeraveis perdas, e
vendo-se por ultimo derrotados, apesar do
valor com que cnmbateram.
O 58 de linha tambem digno de ser
elogiado pelos seotimentos religiosos, que
desposa ; vejamos como o Memorial dos
Pyreneus de 9 refero se a sua partida para
o campo da luta.
O 58 estava de guarnirlo em Pan.
ha tres annos, aondetinha adquirido as mais
vivas sympathas, no domingo recebeu or-
dem de marchar.
Logo que esta noticia se espalhon, urna
grande parte da populacho se dirigi ao
qaartel, testemanhando por esta forma o in
teresse, e a amisada, que dedicava aos nos-
sos valentes soldados.
Em consequencia d'um transtorno nos
ioagons a partida foi adiada para o dia se-
guinte.
E' bem conhecido o espirito catholico
deste regiment, e delle numerosas pro vas
dea, em todo o tmpo que esteve de guar-
nicao em Pao ; por isso nao causou' estra-
nhesa algama quaado no domingo de tarde,
e hontem de manha, officiaes e soldados
se prepararam para todas as eventualidades,
recorrendo um grande numero delles aos
sacramentos.
Todos receberam com viva f, e religiosa
devoc2o as medalhas e escapularios, que
Ibes distribaio o nosso clero, principalmente
o padre Lartigae, vigario de Saint Jacques,
qae para esse fim se tinha dirigido ao quar-
tel. Sabem todos quanta affeic5o e quanto
lelo este digno ecclesiastico dedicava aos
soldados, e como preenchia os seas deveres
junto delles, a ponto qae em cada official e
entrada soldado contava um amigo.
Hontem s 4 horas o 58 sabio do quar-
tel cercado d'uma muitido enorme, que o
acompanhoa at eslago do caminho de
ferro. Dorante o trajecto a msica tocava
a Marselhesa, nunca em Pan se tinha visto
om to grande eothusiasmo.
O momento da partida offerecia um as-
pecto solemne : as msicas tocavam, os
officiaes e soldados acenavam com os kepis
. a o povo, ainda depois do comboyo se ter
conde Melchol, irmo
ile.Ribert, fje toase all, e com gesto gra-
ve e coramovido disse Ihe saudaodo-o cor-
tezmente :
Senhor e.mde, sinto dir-lhe urna no-
ticia d olorosa. Com preen de-me % Y
Mu nobre irmo exclamou o perso-
cagem francez.
Sim, respondeu o principo. Morreu
como uti here. N5o ilesmenlio ? sua
fama. Ah tendes o seu corpo, sois dono
dos seus gloriosos restos.
PATRIOTISMO FRANCEZ.-A baroneza
J. de Rotbscild acaba de dirigir ao ministro
da guerra a seguinte carta:
Paris, 12 de agosto.Exm. Sr.Te-
nho a honra de participar a V. Exc. que
ponlio disposico do servico dos feriaos
na rainha propri'dade de Boalogne-snr
Seine um espado em que se poder esta-
beleccr urna ambnl-mcia permanente com
20 canias, que serio pagas minha cucta
t Peco a V. Exc. que se digne cmmu-
nica'-meo raa'S breve possivel ascuas ins-
truccoes relativamente a esta proposta, para
que o servico medico emateiial se orgamse
j, e quatro ou cinco dias depois da respos-
ta da V. Exc, possa receber os nossos fe-
ridos e mitigar os seus soffrimentos.
Fiz igualmente sber ao Sr. prefeito
do Sena e Marne que punln disposico
do servico dos feridos um predio da mi-
nha propriedade de Ferrieres, que pode
acommod-r 30 camas. Aguardo tambem
as inslrucces que V. Exc. se digne dar-
me a este respeito.
EXERCITO PRUSSIANO. Os tres cor-
pos d'stc exercito, denominados : o Io do
Saar, sob o commando do general Steio-
metz (70,000 homens) ; o 2o do Rheno, s
ordens do princ'pe Frederico Carlos-----
(250,000 homens), e o 3o do Sol, comman-
dadu pelo principe herdeiro da Prassia
(250,000 homens), contam am total de
1,506 boceas de fogo, que dentro de pou
eos dias se dirigirn para o campo de Coa-
lons, onie, segando todas as probabilidades
ser o theatro da batalha mais formidavel
que registram os annaes militares da Eu-
ropa.
Se certo que os francezes cbegamapoT
em frente d'essa immensa massa prussiana
outros 500.000 homens, o seclo XIX pre-
senciar o horroroso espectculo de urna
carnir; >ria de mais de um milho de ho-
mens no coraco da Europa.
Seria preciso que se seguissem dez se-
culos de paz para que a misericordia divina
se compadeces.se dos que por vaidade ou
estupidez ennverteram as mais formosas
provincias de Franca n'um mar de san-
gue.
DADOS ESTATISTICOS. Eis a estatis-
tica da salubridad^ de Paris, comparada
com a de outras c.idades, durante a terceira
semana de julho (indo :
Em Paris trinta e dous bitos por cada
mil pessoas ; em Londres, 28 ; em Viefloa
d'Austria, 31 ; em|G!asgow, 29 ;em E1im-
burgo, 21 ; em Liverpool, 32 ; em Man-
che^ter, 23; em Birmingham,22;jem Seeds,
33 ; em Portsmooth, 17 ; em Scheffielde.
20 ; em Hnll, 19 ; e em Brislol, 30.
Portsmoiith onde a salubridade se acha
om melhoivs condi'c5es.
QUE CAR\NGE1J0. Affirma a France
que no Japo algons marinheiros inglezes,
pes caram na babia de Yohohima, am enor-
mecarangneijo, que pesava quarenta kilos, e
cujas pernas mediana metro e meio a dous
metros de comprimento ; e cuja bocea esta-
va armada com doas poderosas torquezes,
com urna das quaes cortou repentinamente
ao meio um coco que um dos manoneiros
Ihe offereceu espetado n'uma lanca, e isto
depois de ter leva 'o doze tiros de revolver.
Quaado eslava n'agua o monstro desen-
volveu tal forca qtie despedacou urna forte
rede formada por valentes cordas de linho
embreado. Tres vezes accommetteu a
tripolaco de ama barca de pesca de coral,
e tres vezes foi repelido a golpes de har-
peo, de machado, e a tiros de revolver ; s
a ssgunda rede que se Ihe lancou, e depois
de muito ferido, foi que o monstro cedeu.
Julga-se que perseguido por algama baleia
demandara a trra para Ihe fugir.
A tripolac > da barca que se compunha
de dezoito mnnubeiros teve no dia seguinte
um grande brodio ; o conteudo na concha
do valente erustacio fonieceu am opipero
jantar em q e figuravam variadissimos pra-
tos de carangueijo.
O SISTEMA DE ESPINGARDAS REMING
TON. DE CARREGAR PELA CLATRA.-
Publicamos ha algumas semanas o relatorio
da commisso encarregada de fazer escolha
de urna espingarda de carregar pela culatra
para a armada, no qoal relatorio se recom-
mendava o systema Remingtcn para as cu-
lutras das armas a empregar no servico
naval. Oejuizo feito pela commisso no es-
clber deste systema, de preferencia a ou-
tros. fui plenamente confirmado pela aeco
de outros governos, qae j teem conheci-
mento de arma Remington.
Pouco depois de qae essa arma foi apre-
sentada a publico em 1866, o governo da
Dinamarca adopten, fornecendo-se de 20:000
as quaes oram logo distribuidas s tropas
dinamarquezas; e posteriormente esse go-
verno adquiri mais 22:000, fazeudo ao todo
42:000 espingardas.
O visinho reino da Suecia tem mandado
adquirir 30:000, e a Hespanha igualmente
comprou 35:00.) espingardas deste systema
para as suas tropas nailha de Coba. Tam-
bem os estados romanos compraram 10:000
e ao governo do Egypto foram fornecidas
60;000, e bem assim 3:000 ao Japo.
No nosso paiz Carolina do Sul fez trans-
formar 5:000 armas de Sprnigfield para o
systema Remington para armar as suas mi
hcias; a marinha dos Estados-Unidos adqui-
ri 13:000 carabinas, pistolas e refles dos
alumnos, e ao exercito foram fornecidas..
500 Remingtons para experiencia as mos
de tropa. Estas e outras mais encommen-
das, grandes e peqoenas, formam om total
de mais de 250:000 armas do systema Re-
mington j fabricadas ou contratadas em 4
annos.
Tendo esta arma sido assim distribuida
preciso do tiro e na sua duraco.
A espingarda Remington e muitissimo
simples e forte ao mesmo tempo, pois qoe
o cao ou tnartello e o machinismo da cula-
tra, sendo ludo composto de'poucas partes
e maito simples, esto todas bem protegi-
das e assentes na caixa metlica, e esta vera
servir de apoio e refonjar a parte mais
fraca da coronha da espingarda.
O soldado carece apenas de ama simples
instruccao para se affazer a este systema.
Os movimentos sao poucos, facis e natu-
raes, conservando-se a mo na sua costama-
da posicio no acto de armar, e o dedo sem-
pre sobre o gatilho. No servico de caca-
dores e em combates a carta distancia,
quaado se torna necessario servir-se da arma
parallella o terreno ou ao cimo de reves-
timentos, a espingarda Remington pode-se
carregar sem que o soldado exponha a mo
cima da linha do cano, nem precisa levan-
tar este mesmo para se servir de alavaocas,
como se pratica com algucdas outras. A
introdcelo do cartuxo se opera pelos sim-
ples m'ovimento de o meiter na bocea 'la
culatra, e com o movimento do obturadoi
se e>ila outra qualquer manobra, nem o
uso do dedo para empu-rar o cartuxo,
como em algons outros systemas. j
Logo que o obturador se acha asstm fe-
chado, a arma est carregada e prompta
para a descarga, "
A extraeco do cartuxo depois do tiro
feita por um extractor forte e segur \ (sem
mola alguma) e isto no acto simultaneo de
abrir a culatra para receber novo cartu-
cho.
Os movimentos de carregar, partindo
lodos dopuUo da modireit', a carabina
Remington altamente apropriadt caval-
laria, pois pode deixar a mo esquerda li-
vre para as redeas e governo do cavallo.
O seu machinismo to simples, que se
pode prompiamente desmanchar, lirapar e
armar de novo pelo mais inexperiente; e
o cano pode ser examinado a olbo e limpo
de qualquer das extremidades sem se dej
sapparelhar,
O systema Remington tem desenvolvido
a maior rapidez de tiro em relaco a sim-
plicidade que se quer n'uma arma militar.
A sua rapidez de tiro, segundo se er,
ainda nao foi excedida por qualquer arma
de carregar pela culatra em igualdade de
circumstancias, nem mesmo por armas de
systema revolver (repetidor) empregadas
por muitos minutos em fogo continuo.
Nao ha perigo de accidente por ignoran-
cia do estado da arma ou da posigo das
suas' partes, como poderia succeder no caso
de cmara cubera oo cao escondido. Quan-
do ella est carregada e o cao em meio pre-
paro, esta arma nao se pode descarregar por
movimento involuntario no gatilho, nem por
commoco causad i por qada ou pancada,
como por exemplo no moyiment"=descan-
car armas. A arma se fabrica de qualquer
peso, desde 6 at 10 libras, segundo as di-
mensSes do cano que se desejar.
E' bem sabido que a certeza e alcance
do tiro depende do cano e da qaalidade de
monico que se emprega. No >ystema fle-
mington pde-se adoptar qualquer calibre
ou cumprimento de cano, liso ou estriado,
e qualquer typo de cartuxame metallico ; e
os canos quem geral se Ibes fornece ago-
ra, suppe-se serem estriados da melhor
forma onhecida, e a arma tem avantagem,
quando se adopta para differentes servicos,
pois que qualquer das suas partes compo-
nentes servem indislinctamente, e podem-se
substituir em qualquer arma do systema. As
espingardas Soringfield e Enfield sao fcil-
mente transformadas no systema de carre-
gar pela culalra de Remington do mesmt
calibre, substitundo este no lugar dos fe-
chos, e isto n3o custa metade do valor de
urna arma nova ; e mesmo depois desta
transformaco da culatra, se pode novamen-
te substituir um novo cano estriado e de
melhor calibre, adaptando-o culatra Re-
mington. Desta maneira se substitue gra
dualmente urna arma do antigo para o com-
pleto novo systema.
Asprovas e experiencias asmis severas
aque se tem submettido a nova arma, ga-
rantem plenamente todo quanto se affirma
em seu abono ; e estimamos sobre que ella
foi adoptada pela commisso nomeada para
a escolha de urna arma de carregar pela cu-
latra para a marinha. Dez mil espingardas
deste modeo-esio-se fabricando agora no
arsenal de Springfield
Urna oatra commisso americana, nomea-
da pelo general S'nerman para experimen-
tar e escolher, por ordem de mrito, as seis
melhores espingardas para o exercito dos
Estados-Unidos, deu o seu relatorio e a
sua classificacao, em julho ultimo da se-
guinte maneira :
RemingtonIa classe para infaotaria, ca-
vallaria, e pistolas
Springfie'd, transformada2* classe.
Sharp3a dita.
Morganstine4a dita.
Martini-Henry5adita.
Burton6a dita.
nac2o j assentadfc, a qual pa
desta augusta
i-n >-:>'?. .j: en jactado- na
mito tempo,
ni imprecisa. r '
M
3
c Outras emandas, porm, pareceo s
commissSes que eram acceitaveis.
Essas emendas esto em duas cate-
goras.
Urnas contm otis provdeniias, oue
podem ser e foram admittidas no projectu
sem inconveniencia para a sua discusso e-I
prompta acceitaco, visto acharem manifest
apoio na opinio geral;
t Outras j por seu grande alcance, e j
por estarem sojeitas a graves dnvidas, de-
vem suscitar prolongada discusso, e nio
convm retardar a adopeo do projecto pela
admissao de providencias qne, embora van
tajosas, todava podem espacar-se, e exigam
mais largo debate do qae podem ter em
um projecto qae se acha em fim da 3a dis-
cusso.
t A creaco de relaces cora a revisao da
organisaco, competencia e ordem de traba-
lho desses tnbnnaes; a soppresso do<-tri-
bunaes do commercio; a aposentadoria dos
magistrados, a organis-cio da ordem dos
advogados, a do tabellionato, a moditkaco
ou alteraco de algumas disposcSes do c-
digo coramercial, e das leis do processo ci-
vil, a revogacao da lei de 2 de julho de
1850, constituem materia de projecto que
ser de incontestavel vantigem apreciar se-
paradamente da reforma que ora nos oceu-
pa, attentos os motivos expendidos.
ASSEMBLEA GERAL
CMARA DOS DEPUTADOS.
PARECER E VOTO EM SEPARAHO HA COMMISSO
RESPECTIVA SOBItE 0 PROJECTO DE REFOR-
JA JUDICIARIA, PARA ENTRAR ESI TERCKI-
RA DISCUSSO.
As coramiss5es de justica crimiBal ede
justica civil, depois de reverem o projecto
substitutivo sob n. 161 do correte anno,
sujeito discusso desta angosta cmara, e
de examinarem as emendas offerecidas ao
mesmo projecto, vem dar conta de seu tra-
balho.

t Na revisao do projecto ttveram as
commissoes de fazer algumas alteraces, j
sHpprimindo certas disposic5es, j amplian-
do, ou substitundo outras, afira de qae,
mantido o systema do projocto, hoavesse
mais harmona e'praticabilidade as provi-
dencias adoptadas.
c Emqoanto s emendas, algumas ten-
diam a estabelecer ordem diversa das ideas
das commiss5es, e assim nao paderam ser
acceitas; porquanto do contrario as com-
missoes variariara de systema e destruiriam
As commiss5es apresentam reconside-
rado o projecto substitutivo, e sao de pare-
cer que este seja retirado, entrand") em dis-
cusso a nova emenda substitutiva da pro-
posta do governo contida n j parecer sob n.
108 de 1864.
t A nova emenda substitutiva a se
guinte :
t A assembla geral decreta:
Das autoridades e das siibstituig5es.
t Art. 1. Ficam extinclos os lugares de
juizes municipaes e de orphos das comar-
cas que forem sedes de relaco. e converti-
dos em lugares de juizes de direito aquelles
que o governo julgar necessarios.
t Na corte e as capitaes da Baha, Per-
nambuco e Maranbo a provedoria de ca-
pel as e residuos ser de jurisdieco priva-
tiva.
t | 1. As varas privativas, incluidas as
auditorias de guerra e marinha, sero aaoual
e successivamente exercidas pelos juizes de
direito na ordem que for eslabelecida em
regulamento.
2. Para a substituico dos juizes de
direito as ditas comarcas haver juizes
suostitutos, cujo numero nao exceder, ao
dos juizes efiectivos.
t 3." Os juizes substitutos de que tra-
ta o paragrapho precedente sero nomeados
pelo governo d'entre os doulores ou hacha-
reis formados em direito com dous annos
de pratica do foro pelo menos, e servirao
por quatro annos.
4. Soreduzdos a tres os supplen-
tes dos juizes municipaes, delegados e sub-
delegados em cada termo ou districto.
t 5. SSo incompativeis os cargos de
juiz municipal,-e de juiz de paz com os de
chefe de polica, delegados, subdelegados e
seus supplentes.
6. Os ebefes de polica sero nomea-
dos d'entre os magistrados, doulores e ha-
chareis em direito que tiverem quatro an-
nos de pratica do foro ou de adrainis'ra-
Co, nao sendo obrigatoria a acceitaco do
cargo.
% 7." Nos impedimentos dos chefes de
polica servirlo as pessoas que forem de-
signadas pelo governo na crte, e pelos
presidentes Bas provincias, guardada sem-
pre que for possivel a condico relativa aos
efiectivos.
t 8. Haver em cada termo om ad-
junto do promotor publico, proposto por
este e approvado pelo juiz de direito da res
pectiva comarca.
t 9. Na falta do adjunto do promotor
publico, as suas funccSes sero exercidas
por qualquer pessoa idnea nomeada pelo
juiz de culpa para o caso especial de que
se tratar.
Das attribuices criminaos.
Art. 2. Aos juizes de paz, alm das
suas actuaes attribuices, compete :
t 1. 0 processo e julgameoto dos
crimes de que trata o art. 12 7o do cdi-
go do processo criminal.
2. A concesso de Banca.
Art. 3. Aos juizes municipaes com-
pete :
1. A formaco da culpa e pronun-
cia em todos os crimes commons, com re-
corso necassario para o juiz de direito, po-
dendo as partes arrazoar e juntar documen-
tos nos prazos legaes.
2. A concesso de flanea.
3. A execuco das sentencas crimi-
naes dos juizes de direito e dos tribunaes.
4. O processo e julgamento dos
crimes de que irata o art. 12\| 7o do cdi-
go do processo criminal cumulativamente
com os juizes de paz.
5. A execuco de quaesquer dili-
gencias ordenadas pelos juizes de direito,
quando a estes for presente algum pro-
cesso.
Art. 4. Aos juizes de direito, alm
das suas actuaes attribuices, compete :
<1. A deciso dos recorsos nter-
postos dos juizes inferiores.
2.* O processo e a pronuncia nos
crimes commons nos termos em que nao
houver juiz municipal.
.3.* O julgamento dos crimes de que
trata o art. 12 7o do cdigo do processo
criminal, cumulativamente com os juizes de
paz as comarcas de que trata o art. I*
desta lei.
S 4- O julgamento do crime de con-
trabando fra do flagrante delicto.
I 5. A deciso das suspeices postas
aos juizes inferiores.
6. A concesse de flanea.
Art. 5. Fica extincta a jurisdieco dos
chefes de polica, delegados e subdelegados
no que respeita ao processo e julgamento
dos'crimes de qoe trata o art. 12 7* do
cdigo do processo criminal.
1. Fica tambem extincta a compe-
tencia dessas autoridades para a pronuncia
nos crimes communs, salva aos chefes de
polica a faculdade de pronunciar no caso
do art. 60 do regulamento de 31 de Janeiro
de 1842.
< 2. Os delegados e subdelegados de
polica executaro todas as diligencias qoe
os juizes municipaes e juizes de direito or-
denarem, quando Ibes forem presentes os
proces8os.
Art. 6. Todos os crimes por afc;
Uberdade de
jury, ainda qi ne tenha menor pea
qoe a de 6 mezes de prislo-, com multa ou
sem ella, salvos os classificados nos arte.
303 e segointes do cdigo criminal.
* Art. 7.8 As sspeicOe postas aos jui-
ze.s de direito sero decididas:
f 1. as comarcas sedes de relaco,
pelo presidente desta.
c 5 2. as demais comarcas po jotz
de direito da comarca mais vizinha do ter-
mo em que se argir a suspeicao.
i Da priso.
c Art. 8. Para execoco do disposto nos
ans. 132 e 133 do minal, observar se-ha o seguinte :
t j 1. Nao havendo autoridarl no logar
em que se effectuar a priso,. o conductor
apresentar immediatamente o reo aquella
autoridade que ficar mais prxima.
t 2." Sao competentes para este fim
os chefes de polica, jaizes de direito,juizes
municipaes, juizes de paz, delegados e sub-
delegados. Na falta ou impedimento do
escrivlo servir para lavrar o competente
auto qualquer pessoa que alli mesmo for
designada e juramentada.
le 5 3. Qoando a priso for por delicio
de que trata o art. 12 7o do cdigo do
processo criminal, o inspector de qnarieiro
oa mesmo o official de justica ou comman-
danlo da forca que effectuar a priso, for-
mar o auto de que trata o art. 132 cima
citado, e pora o reo em liberdade, salva a
disposico do art. 37 da lei de 3 de dezem-
bro de 1841, e 300 do regulamento de 3f
de janeiro de 1842, intimando o mesmo
reo para que se aprsente, no prazo que for
marcado, autoridade judicial, a quem o
dito auto for remullido, sob pena de ser
processado revelia.
t Art. 9. O mandado de priso ser
passado em duplcala. O execntor entre-
gar ao preso, logo depois de effeclnada a
priso, um dosexemplaresdomanlado com
declaraco do dia, hora e lugir era que
effecluou a priso, e exigir que declare no
outro hav-lo recebido; recusando-so o
preso, lavrar-se-ha auto assignado por duas
testemunhas. Nesse mesmo exemplar do
mandado, o carcereiro passar recibo da
entrega do preso cum declaraco do dia e
hora.
t 1. Nenhum carcereiro receber pre-
so algum sem ordem por escripto da auto-
ridade, salvo nos casos de flagrante delicto,
eta que por circomstancias extraordinarias
s> d impossibiiidade de ser o mesmo pre-
s) apresentado autoridade competente nos
termos do* paragraphos cima.
t 2." A excepeo de flagrante delicto,
a priso antes de culpa formada s pode ter
ligar nos crimes inaffiancaveis por mandado
escripto do juiz competente para a lorma-
Co da culpa ; oeste caso preceder ao man-
(i ado declaraco de duas testemunhas que
j irem de sciencia pmpra, ou prova docu-
mental de que resulten) vehementes indi-
dos contra o culpado, ou declaraco deste
coofessando o crime.
| 3. Ainda assim nao ter logar a pri-
so preventiva, se j houver decorrido o
tempo da prescripeo, contado di dala do
crime.
t 4. Fica salva a disposico do art.
81 membro 2o do cdigo criminal,
t Da (anca.
t Art. 10. A flanea provisoria ter lugar
njos mesraos casos em que se d flanea de-
linitiva. s seus effeitos duraro por 30
dlias, e por mais tantos outros dias quantos
forem necessarios para qoe o reo possa
apresentar-se ante o juiz competente para
prestar a fianca definitiva na razao de qua-
tro leguas por dia.
| l.o A fianca regular-se-ha por urna
tabella organisada pelo governo, fixando o
mximo e o mnimo de cada anno de priso
com trabalho, de priso simples com multa
cu sem ella, degredo ou desterro.
2." Dentro dos dous termos o juiz,
independente de arbitramento, fixar o va-
lor da flanea, attendendo gravdade do de-
I cto e condico de fortuna do reo.
t | 3." Preso o reo em crime affianca-
iet", ser immdiatamente sollo se perante
c juiz da culpa prestar flanea definitiva na
forma dos arts. 303 e 301 do regulamento
e 31 de Janeiro de 1842, ou se perante
ualquer das autoridades mencionadas no
rt. 8o 2\desta lei, prestar flanea proviso-
rfa por meio de deposito em dinheiro, do
valor mximo da flanea i crime, ou por
meio de duas pessoar. abonadas, que em
auto por ellas assignado se obriguem pelo
comparecimento do reo durante a dita fiai-
Ca, sob a responsabilidad do mximo de
qae cima se trata.
| 4. O quebramento da fianca importa
a perda de metade do valor definitivo desta,
e obriga o reo ao processo e julgamento
revelia, nos termos do art. 43 da da lei de
3 de dezembro de 1841; subsistindo a dis-
posico do art. 41 da mesma lei.
5. as sentencas de pronuncia e nos
mandados de priso, se declarar o valor da
flanea que fica o reo sugejto.
| 6. A flanea pode ser prestada em
qualquer termo do processo, como ao reo
onvier.
c-| 7.e derrogado o art. 38 i. e
art. 45 da lei de 3 de dezembro de 1841.
Da queixa ou denuncia.
t Art. 11. Fica abolido o procedimento
officio dos juizes formadores da colpa,
excepto o caso do | 4. deste artigo.
t % \. No caso deflagrante delicto,'se o
reo obtiver flanea, a queixa ou denuncia
ser apresentada dentro dos 30 dias da per-
petraco do delicto.
2. Se o roo estiver preso, a queixa
ou denuncia ser off crecida dentro de cinco
da*.
f | 3. As autoridades competentes re-
mettero aos promotores pblicos, ou seus
adjuntos, as provas que obtiverem sobre a
existencia de qualqaer delicto, afim de que
elles procedo na forma das leis.
% 4.' Se, esgotados os prazos cima de-
clarados, os promotores pblicos oo seus
adjuntos nao apresentarem a queixa ou de-
nuncia, ou nao offerecerem motivos justifi-
cjitivos da falta dessa apresentaco, poder
a autoridade formadora da colpa proceder
ex-officio, e o juiz de direito multar os pro-
motores ou adjuntos omissos na quantia de
2)0 a 1000000.
< I 5. O promotor publico, a quem o
adjunto dever coramunicar a queixa ou de-
nuncia que ti ver apresentado, poder addi
cona-la como entender mais justo, e prose-
guir nos tormos da formaco da colpa.
c 6. Nos rimes de responsabrlidade
d tambem necessaria a queixa oo denuncia
para formaco da culpa, devendo as autori-
dades a que se referem os arts. 151 e 157
do cdigo do processo criminal, remeiter
* 7. Nos casos em que tem logar o
procedimento official da jostici, os promo-
tores pblicos podem intervir em todos os
termos do processo, nao obstante baver
parte aecusadora.
Dos recursos.
Art. 12. O recurso de qae trata o ait.
281 do cdigo do processo criminal fica
convertido em aggravo ao auto do processo.
% \.a Os recursos de pronuncia segui-
rlo sempre nos propros autos.
2A Da fis^co do valor da flanea ha-
ver recurso na conforraidade do art. 69 da
lei de 3 de dezembro de 1841.
3 Da sentenca de commutaco da
multa haver recurso voluntario para o juiz
de direito oa para a relaco, conforme fr
a sentenca proferida pelo juiz municipal, de
paz ou de direito.
< 4." Subsiste a appel'Co do % 1." do
art. 79 da le de 3 de dezembro de 1841
smente nos crimes inafiancaveis, e ainda
oestes nao t r logar a appellaeo, se a de-
ciso do jury fr absolutoria e unnime.
t % 5." A apnellaco do promotor poblico
on da parte offendida por falta de formlas
subslanciaes do processo do jory oo sus-
pende a execuco da sentenca de absolvico,
e s pro luz o efieilo da annul aeo do pro-
cesso por interesse da lei, excepto nos cri-
[mes. enjo mximo de pena fr morte, gales
on priso com trabalho por 20 aunos ou
mais. e priso simples perpetua.
% 6. Nao havendo sesso do jury em
algum termo, poder o reo ser jolgado era
outro termo mais vizinho da mesma comar-
ca, se assim o requerer, e o promotor pu-
blico on a parle aecusadora convier.
7." O art. 340 do cdigo do processo
criminal nao exclue o estrangeiro de reqae-
rer para s ordem de habeascorptis, nos
casos em que esta tem lugar.
f Disposices penaes.
a Art. 13. es crimes doa arts. 257, 258
e 260 do cdigo criminal sero ponidos
com priso simples por 2 6 mezes e mal-
ta correspoodente metade do tempo, quan-
do o valor da cousa tortada fr inferior a
1005000.
1. Em igual pena incorrero os cul-
pad s nos arts. 264 e 265 do mesmo co-
dig i, quando o valor do estllionato nao ex
ceder da dita quantia.
| 2. Nestes crimes ter lugar a aeco
da justica publica por denuncia do promo
lor publico oa de sea adjunto, nao havendo
parte aecusadora.
< Das attribuices civeis.
\rt. 14. Aos juizes municipaes compe-
te:
1. O preparo de todos os feitos ci-
veis que cabera ao juiz de direito julgar.
< 2. O processo e julgamento das cau-
sas civeis do valor de mais de 1000 at
5000 com appellaeo para os juizes de di-
reito
3. A publicaco e execuco das sen-
tencas civeis, salvo o disposto no 1. deste
artigo, podendo ser perante elles interpos-
tos e preparados os recursos qoe dallas
coaberem.
t Art. 15. Aos jaizes de direito compete :
< 1." O julgamento em I1 instancia de
todas as causas civeis as respectivas co-
marcas, e o preparo das mesmas as co-
marcas de qne trata o art. 1.
2.4 A deciso dos aggravos interpos-
tos dos juizes inferiores.
| 3. A deciso das suspeices postas
aos juizes inferiores.
. < 4." A execoco das sentencas civeis
nos termos em que nao houver juiz muni-
cipal.
Art. 16. As suspeices em materia ci-
vel postas aos juizes de direito sero deci-
didas poto modo determinado no art. 7."
desta lei.
i Do processo cfrel.
Art. 17. as causas de mais de 100$
at 5000 seguir-se-ha o processo suramario
eslabelecido no decreto n. 337 de 25 de
novembro de 1850, art. 237 at 244, salvo
tratando-se de bens de raz.
1. O juiz de 1.a instancia que tiver
em su i concluso o feito o despachar no
prazo de 60 dias o mais tardar, quando a
sentenca fr definitiva, e nos mais casos,
no prazo de 10 dias.
2. Das jnstifleaces feitas em qualquer
juizo nao se deixar traslado, salvo quando
a parte o pedir.
t | 3. Ficam abolidoss dias denomi-
nados de corte, de que trata a ord. liv,
3. til, 1.
4. Os feitos sero na relaco vistos
e jalgados por ires juizes, inclundo o rela-
tor, que dever fazer por escripto o rela-
torio da causa estabelecido pelo regulamen-
to do processo criminal.
t | 5. O juiz do feito o apresentar
com o relatorio dentro de 40 dias contados
daquello em que Ihe fr destribaido, po-
dendo o presidente da relaco prorogar
este praio a seu prudente arbitrio por mais
20 dias.
| 6. Os revisores tero smente 20
dias para a revisao, os quaes do mesmo
modo podero ser prorogados at trinta.
Das aleadas.
* Art. 18. A aleada no civel ser :
t | 1. Para os juizes de direito de
5000000.
t | 2. Para os juizes de paz de 1000000.
Dos veocimentos e habilitacoes.
i Art. 19. O governo marcar os venci-
mentos que devem ter os chefes de polica,
que nao forem magistrados, nao podendo
exceder aos vencimentos actuaes,
c % l. Igualmente peder arbitrar aos
adjuntos dos promotores pblicos orna
gratificaco nao excedente de 4000000 an-
nuaes, nos lagares onde julgar conve-
niente.
| 2. O exercicio do cargo de chefe de
polica e de substituto do juiz de direitd por
4 annos habilita para o cargo de juiz de
direito. _
t 3. O mesmo ter lugar em relaco
aos adjuntos do promotor publico, qoando
forem doulores oa hachareis formados em
direito. .. _
c 4 O governo far nova clasificacao
das commarcas, quanto as entrelas; e
feita ella, s por lei poder ser alterada,
c 5 O exercicio do cargo de juiz de
direito por 7 annos em commarcas da *
entrancie habilita para o juiz ser removido
para qgalquer commarca de 3.a entrela
nos casos locaes,
(Continuar-se-ha).
Tff DQ DlAKiu KUA DUQUE DB CAJUA


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EFVP53L8Y_4WNVOV INGEST_TIME 2013-09-13T22:34:30Z PACKAGE AA00011611_12211
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES