Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:12210


This item is only available as the following downloads:


Full Text
HUERO 206
FEIRA 13 DE STEMBRO OE 1870
AA A CiHIAl E tAEIS OM* 140- SE fii rOHTI.
I
I
II i


I
Por tres mean
Cada mumero avulso.
BMTBO FOBA
VA



5000
244000
320
>*^m
Por utn atino dem
6|7tO
13,1500
300290
270000
Fropriedade de Manoel Figneira de Fara & Filhos.
,
-i.

Os Srs. Gerardo Antonio Alves 4 Pilhos, no Para
SAO Cf^TBftt
GoDcalves Pioto, no Maranhao j lttqmm Jos de Oiitera, no Ceara ; Antonio de Lemos Braga, no Aracaty ; *>*> Mara MU) Chaves, do Ass ;' Antonio Marques da Silva, no Natal; Jos Justa
Pereira d'Almeida, em Mamangnape; Antonio Alejandrino de Luna, na Paraayba ; Antonio Jos Gomes, na Vffli da Penfea; Bearaaino doa Santos Boke, em Santo Antao; Domingos Jos da Costa Braga,
em Nazareth
; Francisco Tavares da Costa, em Alagoas; Dr. Jos Marttes Alves, na*aha ; e Jos Rfteiro Gasparinho nlo Rio de Janeiro.
PARTE OFFICIAL
Govcrno da prtHiacla.
EXPEDlKNTg ASIGNADO PELO EXM. Si. SRNADOR
Fredrico dk Alarida u Alduqukiquk km 8 oe
abril dk 1s7u.
I1 sergo.
X. 237.Portara ao Exm. Sr. g*neral eom.man-
manle das armas, Communico V. Eje, para
seu conhecimento, e aum de fazer ronatar ao alfe-
res honorario do excreiio, Marcelino Rodrigues
P' reir, que existen! Da secretaria da presidencia,
para ihe seren entregues dep,s de satisfeitos, os
documentos exigaos por le, a portaria pula qual
S. M. o Imperador houve p-^r bem conceder-lhu li-
cenga para residir nesta provincia.
(t 258.D.ta ao commandante do vapor api-
curi. O Sr. cimniandanU) do vapor de guerra
Itapicur faga receber i l>rdo do navio 9b sen
ommando, e transportar curte a ex-praga do
. \tincto batalbo n. .">J de voluntarios da patria
Jos Francisco Martins.
2* secgao.
X. 261.Portara ao chefe de polica.Appro-
vo a deliber, gao tomada por V. 3. de mandar vir
pira a casa de deteiv-o desta cidade os presos
exijientes na cadeia da villa da Escala, cujos pro-
e-ssos estejam ultimados,e bema-sim a aulorisago
que deu ao delegado do termo daquelle nome para
alugar urna casa que sirva de cadeia em dita villa
para os reos, cijos processos se acham em and-
rnoslo.
X. 262.Dita ao commandante superior do Re
'fe.Mande V. S. destacar na povoago de Santo
Amaro de Jaooao disposigo do respectivo d-
legado aeis pravas de u.u dos batalhSes da guarda
nacional sob o seu commaudo superior.
X. 263. Dita ao inesmo. Expega V. S. suas
ordena, para que urna guarda de honra, tirada de
um dos uatalhoe* da guarda nacional que desig-
nar, assista aos actos da semana santa que tem de
.ser celebrados pala irmandade do Santsimo Sa-
cramento na igreja matriz de S. Fr. Pedro Gon
calves do Recife desde o dia quinta feira santa ( 14
do correte) al sbado de Alelluia (16), e igual-
mente acomponhe as procissdes do Santissiino Via-
tico que deve ser levado aos enfermos da dita Tre-
gela do dia 11 desle raez, s t horas da ma-
nha; doSenhor morto na sexta-feira (15) as 6
horas da tarde, e do Senhor resuscitado, 17, pe-
las 6 horas da manhaa.
N. 26i. Dita ao de Palmares. Nao tendo esta
presidencia armamento algum sua disposicao,
oo "poda por es motivo satisazer o pedido' de
V. S. em oficio de 2 do correle.
N. 265.Dita o do Bonito e Caroar.Tendo
por deliberado desta data nomeado para o bata-
llia". n. 10 do servido da reserva do municipio de
Caraar os offlciaas constantes da relagad junta,
assim o communico V. S. para o sen eonbeci-
mento e devidos fins.
X. 266.Tendo por deliberagao desta data, e
em visu da ioformago de V. S. em oficio de
23 de outubro ultimo, privado dos respectivos
posto* aos ollki.-es constantes da relago junta,
por nao terem em tempo sollictado as respectivas
pateotev assim _o commuoico a V. S. para o ?eu
i'onheciment) e lins convenientes, couvindo que
V. S. infirme, ouvindo antes o cap,ilao Juvencio
Tasiano Mariz se est elle ou nao fardado, e por
que nao se fardou, trazendo ao conhecimento desta
presidencia a resposta do dito capito.
X. 267.Dita ao, jult do direito da 2o vara.-
Tenho designado para servir na juuta, qae em ul-
tima instancia tem de julgar, neste palacio 23
do corren'e ao meio dia, o capito Antonio de A-
raujo Cavalcante, cujo conselho de disciplina jun-
t> Ihe envi, para apresentar o relatorio de es-
tylo. Iguaes ao coronel Hodolpho Joao Barata
de Almeiea, ao tenente-corc nel Francisco Leal
Se ve, ao tenenta-coronel Joaquim Jos Silveira.
X. 268Dita ao jnif municipal da 1" vara
Transmiti a Vmc, para que snbstituam as irre-
gulares qne se acham no presidio de Fernando
que all esto cumpoindo sentenga, e que me fo-
: i ,i enviadas pelo preeiiente da provincia de Ala-
go is, em otficio de 2i de roan*o ultime.
X. 269.Dita ao de Santo Antao.De novo en-
vi a Vmc. o requerimenlo junto, de Evari to Vel-
loso da fcilveira, dirk-i lo S. M. o Imperador,
para que, como determina o aviso do ministerio
a Justina, de 7 de margo de 1869, informe de no-
vo sobre o que reqoer o sapplicmte, visto ler
sido incompleta a informacao que den.
X. 270.Deliberado i) presidente da pro-
vinoir em vis;a do que Ihe requereu o lente do
batalbo n. 40 do municipio de Ipojnca, Aodf
Oordeiro Coelho Cintra, quem, em 7 de Janeiro
d < anno passado.se manlou dar guia de mudanga
do .'i' de iofantaria do municipio da capital, que
ra aggregado, para o batalhao n. 43 do mu-
nicipio deSerinhaem, resolveque fique elle aggre-
gado a este ultimo batalhao.
X. 271.Dita.O presidente da provincia, at-
tendendo que nao se acha perfeitamente organisa-
do o batalhao n. 10 do servico da reserva do mu-
nicipio de Caruarn, resolve de conformidade com
o aviso do ministerio d > justica, n. 81, de 15 de fe-
vereiro, nooear para o dito batalhao os officiaes
se^uintes:
Estado-maior.Tenente qaartel-mestre, Ricardo
da Foceca Medeiros: tenente rirurgiao Agostinho
I. ocadlo Vieiraj alferes secretario, Jos Cardoso
a Santo?.
6.* edapaahia.Alferes, Guilherme de Aze-
vedo. O .
X. 272.Dita.O presidente da provincia, em
vista do que informa o coramaudaute superior
da guarda'nacional dos municipios de Bonito e
C.vuar, em oflkio de 29 de outubro, resol ve
privar dos respectivos postos aos olliciaes abaixo
mlnciaadpg. nomoados para o batalhao n. 10
do servico de reserva do segundo dos referido-
municipios, viste se acharen) ocursos no art. 65
1 da le o- 602 de l de setembro de 1830, por
uj terem solicitado no devido tempo suas pa-
tentes :
Estado-maior, Tenente quartel-mestre, Joo
Marinho Umbefcno de Miranda; alteres secretario,
Fraocisco Cezario Florencio Jordo.
6.* corapanhia.Alferes Antonio Thomaz de Li-
ma, i
X. 273.Dita.O presidente da provincia, em
vi-ta do oflkio do chefe de pilicia, n. 459, de 4
< ste mez, resolve exonerar dos cargos de 31, 4o,
o e 6 sappientes do subdelegado do 1 districio
da freguezia de S. Beato do lenno do inesmo no-
me os eidadios Jos Bento de Oliveira, Francisco
Oordeiro da Fraoga, Antonio Ferreira de Mello, e
Joo Gomes de Mello.
X. 274.DUa.O presidenta da provincia, de
c jnforawdfde com a proposta do chefe de polica,
n. 459, de 4 do corrente, resolve nomear aara os
tugaras de 2, 3o, 4, e 6" suplientes do subde-
iegade do 1 districto da freguezia de S. Bento do
termo do raesmo nome, e na ordem em que vjo
:ados os cidados seguintes: Zacharias Soares
da Rocha, Maooel Joaquim Pacheco, Claudioo Ca-
lomby de Azevedo, Francisco Paes de Mello, Fran-
cisco Xwterwtra. '
3a*eOcio.
X. 275.Portara .ViaJpsctor da thesouraria
de fazenda.Communico a V. S. para os devidos
flns que, segando participan o iuiz de direito da
comare de Plmafes, em oflkio de 26 do raez
sa data nomeou o ctdaaio Trajino Ans-
ia Coala, promotor publico datfuella co-
marca, por ter o effeetio vindo tomar assento na
aunMte provincial.
N. 276.Diu ao mesmo.Providencie V. S.
para que, depois de liquidado?, em vista da folha
a prel nominil juntos en duplican, os vencimen-
U>s do offlcial e praca* da fuirda nacional, desta-
cados na villa de Cabrob durante o mez de fe-
vereiro ultimo, Lseja a sua importancia paga a Di-
namerico Augasio di Rgii Kangel, conforme
solicitou o commaodaute superior daqoelle muni-
cipio, em offleio de 3 de manen prximo Ando.
W. 277.Dita ao mesmo.-Faca V. S. cessar,
como determina o aviso do ministerio da guerra,
de 30 de margo prximo lindo, junto por copia, o
sold e vamagens geraes que o coronel da guarda
nacional Joaquim Francisco Pereira Lobo est
percebendo na qualidade de eommandante do pre-
sidio de Feroando, e informo como exige o mes-
mo aviso a razao porque Ihe ten sido feilo esse-
ahooo.
N. 278.Dita ao mesmo.Transmiti a V. S.
para os lins convenientes as doas inclusas ordens,
sendo uia do ihesoaro nacional, sob n.il, e mitra
do ministerio da guerra, datada de 2i de margo
ultirro, assim como nm offleio da. directora geral
de 30 do citado mez' da marco.
X. 279.Dita ao mesmo."Transmiti a V. S.
para os lins convenientes as tres inclusas ordens
d. tribuoal do tuesouro nacional, sob us. 57, 58
e 60, bem cvmo um offleio da directora geral da
contabilidade datado de 18 de fevereiro ultimo.
N, 280.Dita ao mesmo.Em vista da conta
junta em duplicata que me remetteu o capilao do
porto, com offleio de 25 do corrate, sot n 35.
mande V. S. pagar a Manoel Figueira de Faria 4
l-ilhos a quantia de 315200, em que importou a
pnblicacao de annnncios acerca do pharol nos
baixos de Braganna na provincia do Para.
X- 281.Dita o mesmo.A' Dinamerico Au-
gusto do Reg Raogel mande V. S. pagar, depois
de liquidados, em vista do pret nominal, junio em
duplicata, que me remetteu o commandinte supe-
rior do manicipio de Cabrob. com offleio de II
de margo n.'timo, os vencimeqjos relativos ao mez
de dezembro do anuo prximo passado dos guar-
das nacionaes destacados naquella villa.
X. 282.Dita ao inspector da thesouraria pro-
vincial.Em vista da conta junta em duplicata,
que me remellen o chefe de polica com oflkio de
honlem, mande V. S. pagar a Franciso de Paula
Mmdello a despesa feita- nos mezes de dezembro
do anno prximo passado a margo ultimo, com o
foroecimento de luz e agna ao quartel do desta-
camento do corpo de polica existente na cidade
de Xazareth.
4' seego.
N. 283.=Portarla a cmara municipal de Our-
cury.Declaro a cmara municipal da vilU de
Ouricury, em resposta ao seu offleio de 19 de fe-
vereiro ultimo, que ja providencie! no sentido de
ser soccorrida a populago flagellada pela secca
nesse municipio.
N. 284Dita aoengeoheiro fiscal da estrada de
ferro.Kespondendo ao seu offleio de 2 do corren-
te sob n. 82, tenho a dizer-lhe que depois que re-
raetti por copia ao ministro da agricultura com-
raercioe obras publicas em virtudedo aviso de 12
de fevereiro ultimo, as suas informagoes constan-
te de sea offleio de i de margo prximo findo sob
n. 56, nenhnma ordem me fu transmitlida at
o presente pelo referido ministerio.
N. 283.Dita ao jniz de paz mais votado pre-
sidente da junta revisonra d qaalilkago da fre-
guezia do Altinho.Informe Vmc. com urgencia,
por quantos dia* estiveram suspensos os trabalhos
da junta revisoura de qualkago de votantes des-
sa parochia declarando em que dia principiou a
mesma junta a funeeionar'depois da suspan-
so.
X. 286.Dita aos agentes da cmpanhia Brasi-
lera de paquetes a vapor. Podem Vmcs. fazer
seguir para os portos do norte no vapor Cruzeiro
do Sul, hoj a hora Indicada era seu offleio de hon-
lem.
BXrEDIENTE AS5I0NADO PELO SR. DR. ELIAS PRBDERI-
C0 DE ALMEIDA E ALBUQUKRUg, SECRETARIO IN-
TERINO DO GOVEnNO, EM 8 DE ABRIL DE 1870.
1.' seceo.
N. 287. Offleio ao Saptlio do porte. Xesta
data autorisou-se a thesouraria de fazenda a pa-
gar a Maooel Figueira de Farias & Filhos a
quantia de 31220U constantes de citado offleio,
o que fica assim respondido de ordem do Exm.
Sr. presidente da provincia
2* seego.
X. 288.Offleio ao Sr. Dr. chefe de polica.0
Exm. Sr. presidente da provincia mande aecusar o
recebimento do offleio do V. S. de o do corrente
sob n. 710, quanto a ter sido allugada pelo dele-
gado do termo do Cabo, urna casa naquella villa
pela quantia de 12J meosaes, Joo da Silva Sal-
gado para servir de quartel ao destacamento
d'alli.
N. 289.Dito ao mesmo.O Exm. Sr. presiden-
te da provincia manda declarar a V. S. em res-
posta ao seu offleio de hontem, que a thesouraria
provincial tem ordem para pagar a Francisco da
Paula de Mindello, a quantia de 391830, constante
do citado offleio.
X. 290.=Dito a mesmo.De ordem do Exm.
Sr. presidente da provincia, tranmilto a V. S. o-
litulos juntos de nomeagao do B", 3o, 4o, 5 e 6
supplentes do subdelegado do Io districto da fre-
guezia e termo de S. Bento, de conformidade com
o seu offleio n. 459 de 4 do corrente.
N. 291.Dito aoniesmo. O Exm. Sr. presiden-
te da provincia manda declarar em resposta ao of-
fleio de V. S. de 8 do corrente sob n. 486, que
nesta data se mandou destac.-r no dlslriato de San-
to Amaro de Jaboalo, 6 pragas de um dos bata-
Ihoes da guarda nacional deste municipio a dispo-
sicao do respectivo delegado.
X. 292.Dito ao mesmo.Sua Exc. o Sr. presi-
dente da provincia manda declarar a V. S. em
resposta ao seu offleio de 10 de fevereiro ultimo,
que j foram dadas as providencias necessarias no
sentido de serem soccorridos os llsgelladcs da sec-
ca no municipio do Buiqne.
N. 293.Dito ao com mandante superior de Ca-
brob.Sua Exc. o Sr. presidente da provincia
waada declarar a V. S. em resposta ao seu offl-
eio de 11 de margo ultimo, qne a thesouraria de
fazenda tem ordem para pagar a Dinamerico Au-
gusto do Reg Raogel, os vencimentos constantes
do citado offleio.
N. 294.Dito ao memo.O Exm. Sr. presi
denio da' provincia, manda declarar a V. S. em
resposta- ao sen offleio de 5 de margo ultimo, que
a thesouraria de fazenda tem ordem par pagar a
Dinamerico- Augusto do Reg Rasgal, os ven-
cimentos constantes do citado offleio.
N. 295.Dito ao juiz de direito de Palmares.O
Exm. Sr. presdanle da provincia manda declarar
que ficou inteirado pelo sea offleio do mez findo,
de ter V. S. nessa data nomeado o cidado Traja-
no Austreclano da Costa, para exercer interina-
mente as fuocgoes de promotor publico dessa co.
marca, por ter o effectivo vindo lomar asseoto na
assembla provincial.
N. 296 Diio ao de Boa-Vista. Q Exm. Sr.
presidente da provincia manda aecusar o recebi-
mento do offleio de V; S. de 20 da fevereiro ultimo,
en que parteeipa ter no dia anterior procedido ao
sortelo dos jurados qoe deviam servir na 1* ses-
so do jury do termo Ourieary convocada para o
dia 28 de mez findo.
3' secgao,
fl. 297.Offleio ao inspector da thesouraria pro-
acial. O Exm, Sr. presidente da provincia
manda declarar a V. S. qoe nesta data approvou
a deliberagao, tomada pelo Dr. chefe de polica, de
mandar alagar una casa na- villa da Eseada para
servir de priao aos reos, cujos proeesBos se acha-
ren) em andamento.
S. 298.Dito ao mesmoDe ordem do Exm.
9r. presidenfe da provincia, .coinmonico a V. S.
para os devidos fins, qne seguno partiripou o
chefe de polica em offleio n. 0, a> fcde- corre-
te o delegado do termo db Calw, em vwttde de
ordem desta presidencia, alugou urna casa na vil-
la do mesmo nome a Joao da Silva Salga-do. pea
qiranlia de 125 menees aflin-de servir de qoartef
ao destacamento daquella- cidade.
ft 299lDito ao mesmo.O Ex Sr. presiden-
te da provincia manda declarar a V. S. pera os
devidos fms, que nesta dala se expedio ordem ao
commandante superior ntertao da guarda naci
nal du Rocife, para mandar destacar no destriirto
de San Amaro de Jaboatao 6 pragas de um dos
respectivos batalhoes.
4* secgao
N. 30fcOffleio ao Dr. Francisco Teieira de
S 1 secretario da assembla legislativa previn-
cial. Do ordem de. S. Exc. o Sr. presidente da
provincia, passo s mos de T.S. com a inrtonia-
co junta por copia da cmara municipal de Olio-
da para ser presoote a assembla legislativa pro-
viocial, c- mesmo requerimenlo de Lui'z Jos Pin-
to da Com, que acompanhou- o offleio do I* sa-
nitario dessa assembla de 26 de maio do anno
passado, sob n. 74.
X. 30il X. 43. De ordem- de S. Exc. o Sr.
presidente da provincia transmiti & V. SV para [
serem presentes a assembla legislativa provincial
os 13 inclusos aulographos das resoluges 4mes
ma assembla de 23 e 28 di rcaio, 1, 3, 5, 7, 8,
1.9, 12, 14 e 16 de junho do ann> prximo na que nao foram sancionadas pelas razOes nellas
declaradas. ,
X. 302.Dito ao mesmo.X. 44.De orden de
S. Exc. o Sr. presidente da provincia, transmuto i
V. S. para serem paesentes assembla legislativa
provincial, o relatorio incluso por copia da cma-
ra municipal do IJocife, relativo ao exercicio de
1868 a 186P, bem como o balango e conlas da re-
eeita e despeza do mermo exercicio. a o orgamen-
menlo par o futuro de 1870 a 1871.
X. 303*Dito ao mesmo.N: 43.De ordem de
S. Exc. Sr. presidente da provincia, transmiti
por copia a V. S. ) incluso offleio da cmara mu-
nicipal da villa de Cimbres de 27 de novembro
ullimo, e documentos a que elle se refere para ser
presente a assembla legislativa, provincial, a- lim
de providenciar como julgar conveniente no sen-
tida de habilitar a mesma o&roara com os mios
necessarios para judicialmente fazer valer os seus
direitos.
EXPEDlBIiTR ASSIGNADO PELO ZXH. SU SENADOR FR8-
DKIIICG DE ALMEIDA B ALBUOJJKRgL'li, PRESIDE.HTK
DA PROVINCIA, EM 9 DE ABRIL. DE 1870.
i* seego.
X. 308.Portaria ao Exm. Sr. general eoiriman-
dante das armas.Mande V. Exc- por em lilwrda-
de o recrula Manoel de Souza Ferraz, visto ler sido
julgado incapaz do servico militar como consta do
termo de inspegao qae rejo anhexo ao seu offleio
de 8 do corrente, sob n. 178.
X. 309.Dito ao conselho de compras navaes.
Autoriso o cons-ilna de. comprasjua-vaes-a promo-
ver de conformidade com o respectivo reglamen-
to a compra dos objectos mencionados no offleio
do mesmo cooselhc de 5 do corrente, visto serem
necessarias para proviraento do almoxarifado do
arsenal de marinha.
2.* seccio.
N. 310.Portaria ao chfe de pelicia.Cora a
fnformacio junta por copia da contadoria da the-
souraria de fazenda, que veio annexa ao offleio do
respectiva inspector n. 240 de 6 do corrente, res-
pondo ao de V. S. n. 422 de 28 do mez findo quan-
to ao pagamento do pret do destacamento da villa
Bella.
X 311.Dita ao mesmo.Transmuto a V. S. o
offleio junto por copia do juiz paz 1" votado do
Altinho, recommendando Ihe d as piovideocas
necessarias para conteros criminosos que em ban
dos vagam naquella localidade nerpetraodo crimes.
X. 312.Dito ao mesmo.Em resposta ao offl-
eio de V. S. de 16 do mez findo, sob II. 371 em que
pede armas e munieao para varigacao dos grupos
e criminosos oxisteotes no termo de Taearatri, te-
nho a dizer-ibe qoe iero dados oportunamente as
necessarias providencias.
X. 313.Dita ao mesmoXo tendo esta pre-
sidencia armas a sua disposicao. nao pode por
esse motivo ser salisfeito o pedido de V. S. em of-
fleio n. 483 de hontem datado, sendo que assem-
bla iegisiaiiva provincial foram pedidas provden-
cias a semelhante respeito.
X. 314.Dita ao commandante de Santo Antao
e Eseada. Por deliberagao desta data resolv
transferir para o logar pateo da ra da Alegra,
da cidade da Victoria, de conformidade com o pe-
dido de V. S. em oflkio de 6 de fevereiro ultimo a
parada da 2a corapanhia do esquadro n. 8 do mu-
nicipio da Victoria.
N. 315.Dita ao de Serinhaem.Communico a
V. S. para o seu conheciraento e devidos fins, que
por deliberagao desta data em vista da proposta
do respectivo commandante e informacao de V.
S. em offleio o. 46 de 28 de margo ultimo nomeei
para o 43 batalhao de infamara da guarda nacio-
nal desse municipio os alferes constantes da nota
junta.
X. 316.-Dita ao de Cabrob e Ex.Por deli-
beragao desta foram privados dos respectivos pos-
tos os officues constantes da relago Junta perten-
centes ao52 balalho de inlantaria dagoarda nv
cional do municipio de Ex, para o dita batalhao
e para a 6' compaohia avolsa de reserva do dito
municipio nomeados <>s constantes da relago tam-
bero junta. Quanto aos officiaes nao fardados e
ausentes de que trata a nota que veio annexa ao
seu offleio de 12 de fevereiro ultimo, convem que
V. S. qaantoaos primeiro os onga sobre o motivo
porque nao esto fardados, e qnanto aos segundos
se esto com liceoga ou sem ella, e desde quando,
devendo no segunde caso, isto no caso de au-
sencia sera licenga proceder de conformidade com
o decreto n. 3535 de 25 de novembro de 1865.
X. 317.Dita ao coronel Rodolpho Joo Barata
de Almolds.Deigoei V. S. para fazer parte da
jnnta que, em ultima instancia tem de julgar o sol-
dado do corpo provisorio de polica Pirmino Apo-
linario da Silva Ramos, a qual se deve reunir nes-
te palacio no dia 26 do torrente ao meio dia.
Iguaes aos tenentes-eoroneis'Joaquim Jos Silveira
e Francisco de Miranda Leal Seve.
X. 318.Dita ao iuiz de direito de Flores.In-
tegrado de quanto Vmc. me co-nmunica em seu
offleio de 19 de margollim.tenhoa dizer-lhe qae
infelizmente nao tema presidencia todos os meios
necessarios, aim de guarnir as pessoase propie-
dades dos habitantes dessa comarca, e das outras
do alto sertao, por nao baver nesta capital torga
regalar. Eotre tanto mediante esforgos de Vmc.,
osquaes a presideooia reconhece e agradece, e
das de mais autoridades os criminosos se irn con-
teodo. QoAutoes despezas cora as diligencias, te-
nho sempre mandado satisfaze-las e contiauarei a
providenciar no mesmo seeSdo.
N. 319.Dita ao eommaodante do eorpo provi-
sorio de polica.Pode Vmc. alistar no corpo sob
o seu commaado o voluntario da patria Franklio
Rodrigues Ramos, de que trata o seu oflkio n. *65
de 8 do crranle, tendo a necessaria idoneidade.
X. 320.-J-JDliberacao.O presidente da provin-
cia em vista do que expe o commandante supe-
rior interino da guarda nacional dos municipios de
Cabrob a Ex, em offleio de 12 de fevereiro ul-
timo, resolve de conformdadrom o artigo 65 J1
da le n. 602 de 19 de setembro de 1850 privar
doa respectiva postos, por nao lenta solieRafc seas
no
prazo da \ei, os segaiotes offlciaes do|tdo mesno procarador fiscal,,-na comarca do Ri
13 do Ext
o-maor.Alfares- porta boarieira Antonio
i Perora Lima.
Ipanhia. Teoenie- Firraior da Costa Mi
peienli
aata 11
rada^L
X. 3JB.-=DitaO presidente da provincia de
coDfbrtDtthkde como artigo 25;da lei ir. *6J t 19
de seieflttxu da la.o e era, srtsto do oflfc do com
mandme superior da guarda nacional dos muni-
cipios de Simio Anto a Eseada, resolve designar
o pateo di ra da Alejrr' da cidaie cfcv Victoria
para quadr.Vv de cavallaria n. 8 do primeiro faqoelles
municipios. ,
X. 322:Dita.O presidente da provincia em
vista da proposta do commandante do battlbo n.
43 de infartara da guarda nacional do mweipio
de SerinhaViu. a que se refere o oficio do respec-
tivo commandante superior interino n. 46 de 28 de
margo nitrito, de conformidade com o disposto no
artigo 48 da lei n. 602 de 19 de setembro de 1850,
resolve oomear para o dito batalhoos oflfciaes
seguintes :
1.' CornpanNa.Tenente o alferes da mesma Ja-
emtho Machado de Meodooca, alferes o guarda Ma-
noel Jos Victoriano de B-i'rba.
2.* Compswnia.Tenenle o alferes Jo Basilio
Camillo Cavateante, alferes o guarda Joaquim-Ra-
phael de ooza. Gonzaga.
4." Compaohia. Capito o tenente aggregado
Andr Cordeiw Coelho Cintra.
6." Companliia.Capito o tenente da primeir
Manoel Antonio Pereira.
X. 33 O presidente da provincia attendend
que nao se arte perfeilamento organisadn o bata
llio n. 52 rio infamara da guarda nacional do ma-
nicipio de Granito, resoiVe de conformidade com o
aviso do ministerio da jostiga n 81 Je MPde feve-
reiro de 1860, oomear para n dito batalhao os offl- f
eiaes seguintes :
EsUdo-maior Tenente-cirurgio o alferes-por-
ta bandefra Francisco Xavier Lopes.
1.a Companhia.Capito Canuto Jos Perroto da-
Silva,
6.* Companhia.Tenenle Urbano Jos Peiitoto.
X. 324.Dita.O1 presidente da provincia dan-
do, organlsago a corapanhia avuls do servico da
reserva creada no municipio do Ex. pelo decreto
n. 3098 de 27 de maio de 1863, tendo env vista o
disposto no artigo 71 da le n. 602 de 19' de se-
tembro de 1850, e seo aviso do ministerio da ins-
tiga n. 81 de 15 de fevereiro de 1860, nomeiapara
a_referida companhia os srtguintes offlciaes : capi
to commandr.nte Luiz Ferreira Danta?, tenente
Jeronymo de Araujo Albuquerque, alferes- Alves
da Costa.
X. 325.Dita.O presidente-da provincia em
vista do offleio do ehelb de polica n. 476 de 7 A
correte, resolve exooerar para conveniencia do
servigo do cargo de torceiro supplente do subdele-
gado da freguezia de S. Jos nesta cidade,. o cida-
do Antonio Das da Silva Cardeal.
' 3. seego.
N. 326.Portaria ao Inspector da thesouraria e
fazenda-Em wsix do que V. S. expoz em sua in-
formag^-de 2* de fsvsreiro ultimo, sob o. 137,
com referencia a da contadoria dessa thesouraria
acerca do reqertmento de Jos Augusto de Arau-
jo. arrematante dos reparos da eseadioha do caes
de) largo Pedro II, de outras informacoes das esta-
goes competentes e mesmo pelo exame, que auxi-
liado pelos engooheiros, Jos Tiburcio Pereira de
Magalhaei o Manoel Loiirengu de Mattos, fez na-
quella obra, resolv que sja ella receida provi-
soriamente, por estar feta com a necessaria segu
ranga nao obstante, algumarazo ha ver tido oen-
geuheiro Antonio Vicente do Xa.-oimeuto Fetoza,
em impugnar esse recebimenio, por nao se qnorer
sugeitar aquelle arrematante ao lite Ihe ordenou o
mencionado en?enheiro com relago a chegarem os
degros mais a frente, o que todava nao prejndi-
ca a obra. Assim, pois, d- V. 5. suas ordens
para que ao arrematante de que cima se trata seja
paga a quantia l que tiver direito, em vista do
competente certificado.
X. 327.Dita ao mesmo.--=Mande V. S. pagar a
quantia de 6o00O, em qae segundo, a conta jun-
ta, em duplcala qoe me remetteu o chefo da re-
partigao das obras publicas com otflcio de do cor-
rente, sob n. 88. impurtam os reparos feitos pelo
maehinista Vicente Jos de Oliveira, na illumina
eao do palario da presidencia, desde 9 de janetre
uJtiirW at 2 deste mez.
X. 328.Dita ao mesmo.Communico a V. S.
para os devidos fies, que segundo participou o
juiz de direito da comarca cio de 24 de marco lindo, nessa data nomeou o ba-
chareJ Jos Roberto da Cuoha Salles, para interi-
namente nertter o cargo de promotor publico da-
qnella comarca no impedimento do effectivo que
veio tomar assento na a-sembla legislativa provin-
cial.
X. 329.Dita ao mesmo.Tomando era consi-
derago o qne expoz o coronel reformado do exer-
cito Antonio Pedro de S Barreto, no requerimenlo
a que se refere a sna informago de 6 do correo-
te, sob o. 236, recommendo a V. S., qu nos ter,
mos do parecer da contadoria dessa thesouraria,
mande qae se continne a abonar ao meociooado co-
ronel a etapa de 1^000 diarios que percebia em
virtude do decreto n. 1254 de 8 de jolho de 1865
fora sospeo9a desde setembro do anoo prximo
passado.
N. 330.Dito ao mesmo.Constando d* aviso
do mioisteriodo imperio de 31 de margo prximo
findo, que ticava apnrovada a despeza autonsada,
sob responsabilidad} desta. presidencia, com o pa-
gamento do qae venceu o cirugio Jos Antonio
de Leo, na razo de 500J diarios, a contar de
13 de dezembro do anno passado a 31 de Janeiro
ultimo, como eocarregado da inoeelagao da vacri-
na e do tratamento dos indigentes aeomraettidos da
varila na cidade do Rio Formozo, "evendo porm
ser levada ao crdito da importancia de 40:000*
ltimamente aberto pela mesma presidencia, pela
verba soccorros pblicos do exercicio de 1869
1870 ; aasim o commuoico a V. S. para sea eo
ubecimeoto.
. 33l.Dita ao mesmo.Transmuto a V. S. o
offioit''junto copia do juiz municipal e de orphos
do termo do Cabo de 6 do corrente, recommeodo-
Iba que providencie no sentido de qae trata o dito
juiz.
N. 33*Dito ao mesmo.Antoriso V. S., con-
forme odica-me sua ioformago de 6 do--correle
q. 338, a mandar abonar sob rmoha responsabili-
dade, fl/w termos- do decreto n. 2884 do de fe-
vereiro da 1882, a quantia de 7004,000, a que tem
direito o Dr. Tristo de Alencar Araripe, como
ajuda de mimo, na qualidade de deputado a as-
sembla geral legislativa, pela provincia do Cear,
visto nao haver crdito para ese abono, egundo
consta da citada informaeq.
N. 333.Dita ao inspector da theenuraria. pro-
vincial. Anauindo ao que selicitou o major cora-
mandante interino do corpo provisorio de polica,
em oifieB de 7 do corranM, sob n. 162, recom-
meodo a V. S., que mande abonar por adiantameo-
to tres meies de vencimentos ao alteres Launnio
Gongarves de Azevedo, que se acha em Aguas-Bel-
las, bem como tres mezes de sold para as 15 pra-
cas que alU existem, inclnaive um sargenta, e para
mais 20 destacadas em Baique tudo a coatar do
!. deste raez.
X. 334.Dito a,o mesmo.Declaro a V. S. para
sea conhecimento e devidos fins, qae conforman-
do-me com a proposta do procarador fiscal dessa
thesouraria contida. em offleto de -7 do corrale,
sob a. 69, resolve nomear o bacharel Manoel Jos
de Oliveira Mtraida, para o lagar vaga de ajuiaa-
Fiirmozo.
X. 335.Dir ao mesmo.Declaro a V. SI para
o sea conhecimento e flns convenientes qoe o
eh?fe Ja repani^So das obras publicas partkipon
eo; oficio de 7 do emente, sob d. 89 qn o em-
pmeiro do csagamento-da cidade. tem direito ao
paproento da fuanti de 25:1095840, por haver
ex.kciUd8 servien nessa- iraaortanem, durante o
me de inarg uttimo. o pr isso mandou passar-
Ih o competente CBrttfrca\>.
m. 33SDita ao- mesmo.Informe V S. se Na
alguma ou alganras eonsiyirairoes destinadas peto
assembla lerislava previneial, a acqnisigan dh |
syslema mtrico fancez7 de pesos e medidas para
serem entregues thesowana de fasenda, como-
deiermipa o aviso do remwterio da agricultura
coiiwnercio e obras publicas de 31 de margo pr-
ximo findo jnto por copr.
X. 337.Dita ao mesmo.-Trsmtt<> a V. S.
as contas e pet juntos em-duotieata,- ipne me re-
raeiteu o commandants superior do rauaicipio do
Cabo cem offleio le 6 do cor renta sob n. 1040,
atfca de que mando liquidar os veoekuenlos, rela-
tivos ao mez de marg nltimo. dos guardas n.t
cionaes destacados nqnelf vilh, e a despeza
feita com o forneermen) do lu e agua para o
quartel do mencionado destamento, nos mezes de
Janeiro margo deste aoao a pagar a importan-
cia de todo ao nsgociaole Antonio Jos Pereira
4C
N. 338.Depois de liquidada, em vista das
contas e relaedes juntas, e a despeza feita nos
mezes da Janeiro a- marco des-t anno, com o
sustento dos presos pobres da eadeia do termo
de Caroar, mande V! S. pagar a sua importan-
cia a Antonio da Fonceca e StWa, conforme solli-
eitou o Dr. chefe de porioia em offleio de hontem
sob n. 484.
X. 339 Dita ao mesmo.A' Jos Alve3 wBar-
bos i mande V. 6. pagar, conforme sollicitoo o Dr.
chefe de polica em clSbio-de < ootera, sob n. 490 a
quautia de 48*000 proveniente da ti baldes que
veden para cooduzir agua, por occasiao do m-
eeodio da casa de Joo da Sirva Paria V Irrao,
como se v da inclusa contav
X. 340\ Dita ao mesmo. Providencie V. S.
para qu em vista das contas e raiaeoes juntas,
que rae remetteu o D shefe depoficia com offl-
eio de hontem seja liquidada e paga a Jeronymo
Pereira Marios, ou a Evaristo Mendes da Cuuha
Azevedo, a importa acia da despeza feita, com o
sustento dos presos pobres d cadeia do termo
do Brejo, nos mezes da fevereiro e marco deste
anno.
X. 341.Dita ao engenheiro Antonio Vicente
do Xascimeuto Fetosa. Waosraitlo por copia a
Vmc. a portara que nesia data dirijo ao inspector
da thesouraria de fazenda acerca do recebimento
provisorio dos reparos da eseadinba do caes do
largo Pedro II, aflm de que inteirado do sen con-
tedlo mande passar o competente certificado para
que o respectivo arrematante possa receber a
quantia a que tem direito..
X- 342.Dita ao ehefe da repartico das obras
publicas.iQtearado de quanto Vmc. participou
ir- uflicio de 7 do corrente sob n. 89, acarea do
pagamento da quantia de 2o". 109"38i0 a que tem
direito o empreteiro do caicaaianle desta cidade,
tenho a dizer em resposta que dei sciencia do man-
eionado offleio a thesouraria 'provincial para os
lias convenientes.
X. 343.Deliberagao.O- presidente da pro
vtnci cooformando-se com a proposta do procu-
rador fiscal da thesouraria -provincial, contida em
offleio de 7 do corrente, sob n. 6*9, resolve nomear
o genheiro chufe da repamigao das obras-pabli'.>
n. 244-de 30 de agosto prximo (lodo pm infor-
mar.
6
Aqoifloo Jos de Guimares- Ferreira.Iadeferi-
do em vista da ioformago.
Padre- Angosta-Fraoklim Mbreira da Sil*.In-
forme o-Sr. inspector da thesoorarta provincial.
Antosio Francisco Mar lins deMiranda.A'tm.'
da nformaoa dirija-je ao Sr. director interine d i
arsenal de guerra.
Abaixo assi raado rseolhidos a casa de deles -
5'o desta cidade.Infirme o Sr: Dr. chefe de tn-
Jicia.
Anoa Dezerra Civr>f*aote da Sva.-Informe u
Sr. conselteiro director geral da meirueco rm
blica
Abaixo asstjmados encasTegados df.-lfesta do gl -
rioso mrtir S: Sebarxiao da Varzez.v-Sellando r.
re^uerlmen^> qae in*>iiecan a S. M. o-Imperadoi
Caelaoo Cirineo (i* Cxs-ia MoreiravInforme ..
Sr. engenheiw enefe da repartico das- ofcras pu- *
Micas.
Eduardo M&rnay.-Offlcie-ie ao Dr. 3brque ia
Jfcedo.
Irmandade de Xois Sohwa do Livrawento.
Fica expedida aconverjiente eedem no sentido qu^
reqiaer a suppMcanie.
Commisso adrnioistraiiva o> Xossa Sen*ora d >
Rasario da freguezia.da Boa Vwta desta einade.
lnformn o Sr. mspactor dk thesooraria paoviocial
Wse Thomaz de AquiDe-Perewa. -Revalide o re-
qjerrmeoto.
JesBino Correa- de Meto BraeM.A'vist da iu-
formaeio. coocedase.
Wao Franciseo Paos BhrremInforme o Sr.
commandante >> enrpo de polica.
Jtao Martios de Barros.Como-requer.
Jos Francisco de llego Barros.Eneamiotte >
Jes do Carrao da Costa.voe ao Sr. laepec-
tor da thesouraria de fzeada.
lUreellino Rodrignes Pereira.4V se.
Cypriano Bezerraide Mallo.0-supplicante n"
junto* documento- algum ao peqjarimeuto a quf
allade.
9-
Companhia Peraambucasa-.fto Sr. inspsetor
da thesouraria de fazenda com offleio desta data.
Calbarina Felicia da Go'jveia.loforme aSr.
iospeetor da thesooraria provincial.
Francisco Xavier de Souza. llamo.Expecarsx
ordem para ser dada a guia..
Padre Joo Serapiio da Cuz-Pica expedida a
conveniente ordem no sentido en ajue requer o
suprilieairle.
Man>el Teixoira-de Andrade:Ao- Sr. inspector
da thesouraria provincial coa offleio-desta data.
Martinho Bezillo Bezerra Cavalcaate.Informe
o Sr. inspector da thesouraria provraeial.com bre-
vidade.
PEENAMBCO.
o b< charel Manoel Jos d'Oliveira Miranda para o
lugar vago de ajudante do mesmo procurador
ftscal ra comarca do Rio Formoso.
1 E 2 DE SE-
DESPACHOS DA PRSIDENCIA DOS DIA
TEMBBO DE. 1870.
Cusma Elvira de Araujo.J esto providas as
cadtiras a que al lude.
Alferes Geroncio dos Santos Teixeira.Nao po-
do tor logar o qoe requer, vista da informacao.
Izbel M.iria Brandan.A supplicante podera
ser attendida no que pede, porm a menor oa
ser mais recebida no collegio.
Jo&o Paulo Hn-a Cesse.Pir ora nao ha vaga.
Lourem-.i Laurentino Cesar de Menezes.Seja-
oombado intitriiiamente.
Manoel Antonio da Silva Rios.Indeferldo era
vista da informacao.
Tranquilino Agnello. Prssoa Dutra.Nao com-
pete ao supplicante allegar direito de terceiro
sem estar para isso autorizado.
Valdevioo Kibeiro da Silva.Requeira por in-
termedio da respectiva cmara municipal, juntao-
do-s a planta de que trata o decreto n. 4,105-de
2i db fevereiro de 186S. '
Candido Moreira da Costa.Informe o Sr capi-
to do porto.
Casemiro Alves de Souza.Inforrtu) o Sr. com-
mandante do corpo de poliea.
G ostaocio Jos da Silva Manta Jnior.lnorrae
o Sr, capito do porto.
Ccmpaobia Pernambucana.loforme q Sr. ios
pector da thesouraria de fazenda.
Fraocisco Pedro Cavalcante de Albuquerque.
Informo o Sr. inspector da thesouraria provincial,
declarando a despeza que se faz com cada um
dos pensionistas da provincia, e qual o numero
dest ;s.
Feroaodo Stepple.Informe o Sr. engenheiro
fiscal do calganieacu.
Groncio dos Santos Teixeira.Nao pode ter
lug-Jr o que requer, a vista da informacao.
Joao Paulo Rosa Cssse.Por ora uio ba vaga.
J s dos Passos (jueroz.Volte ao Sr. teoeote-
coronel commaodauu: do corpo do polica para
declarar em que servico eslava o supplican'.e, que
segundo allega fot dispensado em 24. do mez (iodo-.
Manoel Antoaio da Silva Rios.Iodeferido a vis-
ta da ioforraacao.
Maooel Gomes Viegas.A'vista das informacSes
como requep, pagos os respectivos-direitos e re-
ineliendo-se estes papis ao Sr. iospeetor da the-
souraria de fazenda para os us convenientes.
Manool da Costa Prazeres.Informe o Sr. Dr.
director geral da initruccao publica, ouwado o
Dr. regedor do gymoasio.
Manoel Alves da Silva Caldas.I o formo o Sr.
Dr. director gerat da iaslraccao publica ouvindo
o Dr. regedor do gymnasio.
Sevenano, Mooteiro Lerte.loforme o Sr. ins-
pector da thesouraria provincial".
Ajotonio de Barros Reg.Informe e Sr. inspec-
tor da tlaesouraria de fazenda.
David Wiiliam Borruan.Iodeferido vista das
informa edes.
Izabal Maria do Espirito-Santo.Indeferido-
vista da ioformago.
Joo Pinheiro Catle.Informe o Sr. inspeetor
da thesouraria provincial.
Joo Jos Barroso da Silva Juvenis.Passe por-
tara removendo- a supplicante para a cadeira da
2." secgao da rea Imperial da freguezia de S. Jos
desla cidade creada pela lei n. 925 de 28 de maio
ultimo.
Jos dos Passos Queires.Informe o. Sr. tenen-
te-coronel commandante do corpo da polica.'
Joaquim Jos de Miranda Oliveira.Informe o
Sr. coronel commandante superior interino da
guarda nacional do manicipio do Beeife.
Ritta Maria do Espirito-Santo.Indeferido a vis-
ta da informacan, podendo a supplicante tentar
\ aegao que or direito Ihe competir.
Thomaz de Aquioo Cavaleame.Ao Sr. iospec-
lor da. thesouraria provincial cora, o offleio do eos
SEV1STA DIARIA.
SUAIIDA NACIONAL.-Por porria da presi-
dencia da provincia, de 9 docorreate, maodou-s -
dar guia de pas*agem para o municipio do Reci
fe, Fraocisco Xavier de Sauza Raaos alferes da
1";companhia do batalho-o. 16 0o municipio de
Pao d'Alho.
DINH^IRO.0 vapor Jagtiaribe- tFoaxe para os
Srs. :
Bartholomeu Lourengo
J. Jos Goagalves Beltro
Prente Vianna & C.
Caldas & C.
Aaquim F. Leonel de Soaza.
Cucha Irmos & C
S Lei to & Irmos
Virianoda Silva Caldas
2:351*340
i:40040i}>
i:zOO00
l:00O*OO)
936*000
925*501)
8500tH!
oOiOOi'
COMMANDANTE DA&.ARMAS.-arlas da oir-
li! dizem que se acba nomeada commandante das
armas de Peroambuco, o Exm. Sr. general Victo-
rino Jos Carneiro Mooteire.
BARAO DE S. BORJA.=-0 Sr. Etaarte Coii..bra,
proprietaro do theatro de Santo 'Antonio, prepara
um especiacuto-gala em regosijo pela volta a esu
provincia do Exm. Sr. baro de S-. Borja ; e desd^
j p5e di-psigo dos vates desta cidade um ca-
marote para delle saadarem o. digno peroantbu-
caoo.
PRONUNCIA.Pelo subdelegado da freeiiez^.-i
de Santo Antonio foram.prnnuneiados, como Ittcnr-
sos oas penas do art. 205 de cdigo crimiual, a
Joo Joaquim de Sanl'Anna, e Manoel Joaqinin il-
Sant'Auna, pelos ferimentos feitos em Manoel
Joao. ornea do corpo de policio.
GUERIl \ FRAXCO-PRSSSANA. Traduziox.s
da Independencia belga o sega i ole :
t M. E. Cardn do Gaulofrqae se jolgavn mor-
to na batalha de Woerth, conta pela seguint tnn >
o que lee succedon depois da victoria do princi-
pe real da Prussia :
t Invadida Woerth pelos- prussiano-, no* des.
ciamos do nosso observatorio, qaaodo urna chuv.i
de balas enhio sobre a torre-e a casa visioha tfc
habitarn.Oh I-os selerados, diz o dono da casa,
atiram sobre a? habitagdes.
Nos deseemos rpidamente, abaixandn-n<"
quando passamas perto das jaaellas ; as vidracas
estaiavam e as bailas, ferindo as paredes, iam rc-
coiebetar nos Mctns.
No? deseemos at a estrada das cavas, cajas
paredes espessas podiam supportar iiapunemeui
a metralba e as balas.
Ti vemos-um instante de repoaso^indo o qual
onvimos os golpes de machados praeurando aiy
rombar as portas.
t O dono-da casa eseu pae fora abrir ; ell- -i.
fallavam aiiemo; nos nao nos podamos faacr
comprehender.
i Ouviinos vozes, aias nao percatemos o qae to
dizia.
i Nesse instante (vemos um aaerto de corar>
e nos entre-olharoos en e ChabriUat, de PiQfiro.
Elles vo matar todo, disse-me elle.
c Por graga de Deas I respond.
iamos deixaodo alraz de nos, mas fazendo a&nep-
go de urna vida que nos eca |materialmenu
postivel de defender.
. Chamaram-nos o n3 subimos silenciosos. A
nossa chegada, ama porcao de soldados, exalta
dos daodo gritos de barbaros, lancam-se sob; -
nos, e os donos da casa e arrastou-nos para a roa
apoiaudo a bayoneta em nossos peitos. Apena>
demos dous ou tres passos fez-se oavir alguns ti-
ros e as balas sibilarara aos nossos ouvidos :- co-
mo nao tomos all logo recortados e esmagadi>>
eis o que en nao sei d-izer. Urna corocha de es
pingarda foi descarregada sobre minha-ca
mas escorregou, arranhando-me apenas; um
tro gelpe alcangoo-roaa perna. >
f fc bien rtdaetor of zeitwng coa Vnjtkrtick*
exolamou Chabrillat, ferino e cont-o como eu.
Nos nao somos soldados, disse eo,
' t Os gritos dos soldados cubriam nossas v
e para faaer-nos callar davara-nos pancadas n
rosto e na cabeca.
a Nessa instante, estou certo, se algnqi de
tivesse recebdo ama bayonetada, se alguftia ,
de sangue tivesse corrido, vista desle sangue
citando a volupia dos soldados, teria determinado
o nosso raassacre immediato.
c O qae se passoa ento I Algum offlcial fe;
ouvir ? Sempre sacudidos, sempre feridos, come-
camos ser corridos; os soldados, deapoiaratn-uo


s
le Pemambuco Ter$a ',lf& 1J Setembro de 1870
.Y, II Slil Vfc I*""
da dru'siilio

t MEO.
UMt M
A
que ne
vwr.ixHha
esrut.iu m'ii, e } elle amarrou em bando
ra atgmeira dtrefta elle ehou miaba carieira
miendo ireseutos ou tnatrocentos francos em
tre ; He a1' ieido-a precip-
lasueaie na patrona era Tez de entrefe-1 sar"
gento qae proceda nossa visita.
Quando elle cob^uo, i i osla va oteirament*
lespiovido ; papis, diniv fumo, lenco, indo
iinki de*apparecide ; apena* Jateara m por esque-
emperno na algilieira do paiitoi um par de ni vas
>'flr de perolas.
fUaram-nji depois um ac eulro polos bracos
cornos, ClubfHat e eu ; r. dono da torre de
W. la wssoa desconhecida, depeis eu suba ser o mes-
ttacolada aldea, a qnal desde pela manhaa
nava os ftidos -mi sua oasa.
Far H%tz (i diaole) fritaram-nos.
One nos iiuerom ? aerguntei.
AC<*Ketn-oo de ter lirado sobre os soldados
* to ter orlo um cavaKo.
t Coraeffeito, alguns passos adiante os solda-
das aodo-aos de aove, mosiraram-nos um c-
vaM afeaiido^a o.asi ni irlo.
Ferwertz, fo-wertz 1 grilavam sempre os ho-
rneas que dos cnuduaiara, obrtgaodo nos accete-
jrarw'is p;-
Que farao de ees ? pergualou Chabrillat.
Sara duvidaeoiiduzemuos para alera das ti-
lmas das fronteirs para no-; fuziiarein, disse nos-
>*.lstede iremeHr!.), nao por si, mas pela sen vo-
lito m, de 65 utos de litada, que uuha sido mal-
tratado o injuriado como no.
C mu effniis prusianos. T-;to o individuo vil qae efende
-saacasa merece a morte, sem jidgamenle.
Demai- anata situare se aggravava medi
da qne caiHinbavamos; nos nao Hollamos ainda
auuntiado intentos metros iirnrara accusar-
110* de lar tirado sobre os landos, e cada ruu dos
s.*ddos dtaiitd dos qa.ics nos passavamos procn-
rar/tater-fcM e mes cons*guia-o.
Ja inm% attingir os li".i*es do campo de ba-
tillw .piaHdo vimos um grupo de ofDoias a raval-
!>; adust* delles um houiein dcaraaidade ja ma-
dura, vastWo eom um uniforma azul e eoMeus
to, Bonuet azul e*m vivos rinarellos, e eom
1 peiU ofceto de condecora^oes, pareca corriaian-
.w-l-s. Apelar do s>M mmQte-forwfrli; mis paramos, e, sem saber se
^riainotomi'reiit'ndidos, snlamos:
Somns jomalistao cancozes ; deixar-nos-
bcj fusilar ?
A- um sipnal lizeram-nos parar, e o chefe per-
^'iiBi3 Iguip coa*a ean alleini". A' visw d
1 espoi que Irte deran; sen rosto tornou-se se-
ver*.
AccQ8.m-nos de ter atirado sobre os'feri-
no-.
E" urna infamia contra a qual ns prole*-
sanios. Ui'inaU nos nao lindamos armas. Ne so
ums jornali^tas perteBcenies ao Gaulois e ao R-
joM.'faieii.os vidadejernal^ias a nao de soldado.
Ci'iv,-Mc?u-> a nossa enrgica trmesa, ou co-
n 1,'wi' que fosse, oqus certo que elle 'man-
ios iliiNamirTar-os e entregar-nos o que dos
Mieiii lomado.
Gotret(ir.iiii-nos Besaos papeK sete ou 0K0
fraMtus que en liana na IgeWra do collete, po-
tM, nada inai<. En proeofi cjin < olhos o
> tvio que tiuba tomad.> minba oarleira, mas
j -ie se liada yeMo M fresco.
Dea se ordetH para hos conduxireru ao juar-
lelfleueral do principe real m Sonltz.
l'ronmlto vas, disse-nos o oficial quem
i:, tioliamos lao Mizmente dirigido, quo faiei pre-
v.tiiro principe; e parti nfimeJiatamenio segai-
de desea esudo-maior.
Foncertz, disseram os soldador emporran
d-oos rudeiiiente.
yuem este ofcial f pergunlamo.
K' duque de C bo-rgo.
B pariimos de novo, meio llvres e mais tran-
qu'Hos respeit da surte que nos aguardava.
- On 1 poder da imprensa I di?se eu a Cba-
:rillat.
Elle nos esqaeeeri sem david3,respondeu-
me cs'.e.
..........................+.................
Nesse instante trouxeram outros habitantes
de WteiU itecua)tos do mesme -rime que na.
-HTm Miea mais otr.-ndido |oe n-, tinba o rosto
-nsaotiuelado, era o crWig de Woerlz, vice-
ItreMdente da sociedide inienia-ional de soccor-
ros dos feridos, era acompanbado por cinco ou-
iras fies:-
Dui oSicial que trazij o niesmo uniforme que
1 'Ki iue de Coburgu, ouvindo-oos a! ar Cliabnl-
iui, dtsssf-nos :
Que tendes recelar se sois i
Aqu ta j^lica.
Nada temeriamos, se estivessemos certos
dir so ier que responder a olficiaes superiores que
aibam o franeez.
.-. Eli.; ia-pqs responder quando nossa escolta fez
wivir o sou grito de Forwertz.
Fiteram-nos tomar urna roda ; abrio-.enma
piuia.e todos n< onze fomos encerrados na pri-
>ao de Soultz, que apenas tiuha capacidade para
nMrter no mximo quatro ou cinco pes("as.
l>'pois de urna uoute passada na prisao os dous
-nr-spondent^s iiarisieases forara postos em h-
K^rdade, mas por interesse mesiHo de sua sega-
ra oca, obrigaiam-nos lar palavra de to deixar
a ca*a da justica antes de ser possivel conduzi-los
4ir.ra paiz neutro. Voltando a pi isao, para esperar
-sa ccasiao, elles paaaaram junto a um grupo de
.SHaes, entre os quaes se acbava o principe
al.
.Xsossaudamos ao passar, contintia o Sr.
t Oi'dmi, e linhamos apenas dado uns seis passos,
' -rundo nos chamaran). Era o principe real da
-i. que uos manda va chamar.
De quarenta e cinco annos de idade, alto e
riusio, vtulo de nm uniforme muilo simples, o
{nitcipt! real da Prussia na tem absolutamoute o
u-r'.e de um sol iitm fin suas .palavraa noia-se urna grande bon-
k moa burgueza.
Oepois de nos ter ratificado a liberdade, fal-
i >i nos da guerra que elle detesta, segando dh-
-c; mas onde elle fot iasaciavel, foi quaudo tal-
itn 'ondo nts estivemus, em Woerth, ns pode-
nuil observar o computo da laialha, mas os dela-
fliis foitusamente no* encaparan).
Fui o priutipereal que nos disse que dous re-
bnenlos de corasseiros linnara sido mandados
' un a as b; ii-rias ptussianas que melralhavam
:1 M-swoun e tuiham combatido nao s eom urna
lt>T; k:iniur me, fazeudo-lhe honra, enchia-o, elle prio
oe, d- adoiiraco.
a Nossa iufaoiaria dizimava-oj, disse elle ;
fias elles se reorgaoisavam immediaiameute como
* um inpo de manobras, e voltavam de sabr
liK' cunjuucto.
< Erto allou-nos da nossa arlilharia i.gual sua ;
saiueate, accrescentou elle, nos sabemos eindre-
pa-la iw.'ilior as guardas avaiicad^s, e ella loma
tMwices mais fcilmente que a vossa.
Quanto ao tiro, elle umito cerlo e causou-
aos perOaa horriveis, jantou o principe.
< Se nao fosse o movimento qao zeraos em
Uii-boiTta, quedeu lngar que lizessemos moito>
firisi r> de homens fra do combale do qoe nos.
Urna ultima lembranca desla conversaco,
ue darou cerca de v.nla iniuuios, e que pinta
melaor do que o fariamo* o carcter do principe
real la i"assia, 6 o seguinie :
Kte fallava da guerra actual que nao esper
ava :
i Eu eslava nos nt^dedezembro em Pars
ti vi o imperador- que deMm mu tas provas de
'i'si.Usraco mim e ininha mulher. No dia era
.ae loe fui fazer mioba visita de despedida, elle
t) disse que liana alinal encontrado um ministro
pan toNMr um novo gabinete. Era o Sr. E. OH
vior.
lleiuftgros noaia prisao, nos vimos, alguns
depois, chegar um olDcial que veio por
paoheirose dar-Ibes um
<:: ra a possibilidade de
las iran-missoes tele|raphii-as simultaneas, pe-
ios cabos de ama nota do
i, dirigida academia de Bruxellas,
que u -em alteradlo.
jo, o i escaria na Europa, e o app*reo|
eseroveria na America.
Esseappai ra por meto de um mo-
vimeito alectro-ma.fnetiho por em accao o pulsa-
dor, que eommunica eom a armar,ao exterior do|
cabo.
Haveria, pois, dais -especies de teclados as
duas eaucoes de transmisso e de chegada; e ca-
da lelegrapUtsta veria ob os proprios olhos ope-
rar synchroaicamente o apparelho de transmissio
e o dr reeepcao.
O instrumento do Williara Thomson, que an-
tiganieaie ligava a Europa America, era um ap-
parelho do agul&ai'com pequeuo espelho, do peso
Je um decigrama, posto em morimonto per um
elemento voltaitn mtci'ojcopico. O elemento acra-
va-se n'um capsula de pistola, de cobfe, chela
eom urna gota d'agua acidulada, na qual esuvam
emergidos alguns graos de liuialha do ziaco.
A corrate elctrica petcerria cinco seis mii
kilmetros o co .aprmenlo do cabo, distancia do
Atlntico tire a Irlanda e a America. Agora, pa-
ia essa transmissio, faz-se tiso de un electrme-
tro eom cinco elementos, assim n'um ota, oto
lem-Sf dapla correspondencia da Europa para i
America vke-versa.
Empregaado a armacao exlerna ter-serhia,
n'utu dia, .pela conlra cerrente, ou corrate de ra-
timM, dous despachos da Europa para America, e
dttas outros em sentido contrario, provanda a
transmis>au regular des despachos origiaaes.
ESTftABA DE PEKll DO REdPB AO S.
FUANClSO.Esta va de communicaijao, uo^ro-
sirao find inez de agosto .
p-ndru 4:SUl25A
Despeuden a7:67o759
3 lili Ol
descer
NT.
appllados, Vrente Ignacio
Danlo de saldo
6:86i5i9t
No niesmo periodo transilarara na lnha 4
iti:S3i iMMuaceiraa, e foram transporiado*:
t:189volumesde bagagem, pesando 61:479 kilo-
graoniia.
3:226:963 kilogr. de merciderias, e 553 ani-
mas?.
as mercadorias esli eemprohendidas : 726
saccas de algodo pesamli Sirftao lulogrammas, e
l:t89 saaeos de assucar pesanlo 87$bi kilogr.
A pioporcionalidade entre a despea e receita
fui S4.S9 Od)
PROCLAMAS. Forara Hdos no domingo i i na
matriz da freguezia de Santo Antonio os proclamas
seguintes:
1.' deaunciaro.
Jos Ifarinho do Nascimeato, eom Maria Nones
da Costa.
Jos dos Santos Silva Barreiros, eom Libania
de Souza Lobo.
Amonio Jos Rimas, cem Mara Amelia da Fon-
seca.
2.a dcftiiBciacao.
Antonio Jos dos Santos, eom Joanua Paulina
dos Santos.
Mauoel Soares dos Saatjs, com-Luiza Henriqueta
de Jess.
Antonio Joaqoim de Barras Lima, eom Ignez
Leopoldina de Barros Lima.
O bacliarel Miguel A*chamo Pereira do RegO,
rom Amalia J?suina HoHanda t^avalcante.
'X* rVenuuciicao.
Marilio de Senna Soares, eom Capitalina Eusoti-
des fki Kspirito->anto.
Alfonso Honorato Bastos, cora Alexandrina
Pranklim Rtute do Amaral.
silv.-rio Joaqtnm da Silva", eom Dumitilla Maria
da Silva.
Graciano Joaquim Nazario,-eom Antonia da Silva
Gtiimara>'s.
Bal-itiiini de Sonta Ttixeira; eom Marra Berta-
leza l'ereira Labo.
ViceDle Clandino Alves, cora Adelina Rosa de
Brilo.
Tranquilino Candido da Sriva, eom Geflrudes
de Oliveira Mello.
Joaqaim Jos de Sam'Anna Jnnior, eom Fran-
cisca Ideltrudes de Oliveira.
HOSPITAL PEDRO lf.O movimento desse es-
tabelecimento de 5 1 i de setembro de 1870, 6
de 2i9 doentes existentes, entraram 28, sabiram
31, falleceram G.exisiem 24, sendo lSlhornen?-,
e 89 mulheres.
Advertencia.
Foram visitadas as enfermara? nestes dias as
6 1/2, 7 1/2, 6 1/2. 6 1/2, 6 1/2 7, pelo Dr. Ra
mo*; ai 1 12, 10 1/2, 12 1/2 12 1/2 12 I/i pelo
Dr. Sarniento.
Fallecidos.
Rosa Maria da Conceijao; enterile chronica.
Jos Antonio Barbosa da Silva ; eoitrte chro-
nica.
Joao Elias de Azcvedo ; hynertrophia co coraco.
Carolina Maria da Rocha: anemia.
Joan na ; bexigas.
Carlos Guilherme Fernandes; ulceras gangre-
nosas.
LOTERA.A que w acha a venda a 160
beneficio da nova igreja de Nossa Senhora da Pe-
nha, a qual corre no dia 17.
LEILOS.Hoje effeciua o airete Martics o le-
lao de una taberna da rna dos Goararapos u. 10,
em lotes, as 11 horas do dia.
Conforme est a/iunneia anianha 14 do correnle, o leilao de movis, qua-
dros, louca, e vidros por iotervencao do agente
Pinto, no 2' andar do sobrado da ra da Ca-
deia n. 51.
CEMITEtUO PUBLICO.Obituario do dia 9 de
selembro.
Geronymo, pardo, Pernambuco, 2 raezes, S. Jos;
dyarrhea.
Bento Jos do Lyra, branco, Pernambaco, 60 an-
nos, vinvo, Boa-vista ; bronchitei
Adflaide, parda Pernambaco, 2 mezes, S. Jos ;
calharro pulmonar.
Manuel Teixeira de Jess, branco, Pernambuco,
50 anuos, casado, S. Jos ; phtysica pulmonar.
. 10
Gonfialo, escravo. pelo, Pernambaco, 60 annos,
solteiro, Recife nflammaijao.
Joaona, escrava, prela, frica, 45 anuos, soltei-
ra Boa-vista ; varilas.
Joann-i, branoa, Pernambuco, 3 mezes, Recife ;
convulsrjos.
Manoel, recemnascido, branco, Pernambuco, Re-
cife ; parto permaturo.
Estiphaoia, parda, Pernambuco, 12 mezes, San-
to Antonio, convnlsfies.
Antonio Jos Dias, branco, Portugal, 34 annos
casado, Boa-vista ; ttano.
11
Esnedina, branca, Pernambuco, 7 annos, S. >
s ; pneumona.
Francisca, parda, Pernambuco, 32 annos, sol-
leira, Ba-Vista, escrava ; phtysica.
Joauoa, pret, escrava, Pernambuco. 30 annos,
solteira, Boa-Vista ; varilas.
Mara, prets, escrava, Pernambuco, 26 annos
solteira, Recife; tubercalos pulmonares.
Joaqaim, preto, escravo, Pernambaco, 38 an-
nos, solteiro, Santo Antonio ; anemia.
Gnilherme Ferreira Pinto, branco, Pernamba-
co, 33 annos, casado, Boa-Vista ; esruagameoto na
canee*.
Carolina Mara da Rocha, parda, Minas, 7 an-
nos. Ba-'Vista ; anemia (hospital Pedro II).
Manoela Mana da Conceicao, branca, Pernam-
baco, 23 annos, solteira, Ba-Vista ; bexigae.
Constancia Janoaria, parda, Pernambuco, 22 aoM
nps, solteira, Recefe ; amolecimento eerebral.
!Manol loa
DKt
AoSr. desembarga\s pr
Appeflanie, Manoel Airea Wmaljo; appoiu'da, a
jusSca.
Do jury &a 8. Frncisoo.Apfellame, o j
appeMado, loss Ramosa fl Oliveira.
Oo jory de Mamaoguape.Ap^attau, o juixo ;
appeHadp.Femiiiio los Jlains.
Appellaota, Joo Fraucrs.o de Mello Bajcralo;
appelado, Thomaz d'Aqmno Mindeilo.
dfigkno** c
Ao catador feral:
Bo jurzO municipal do Catle do Rocha.AnpSl-
larrt-, Joao Baptisu da CssU Coitvi; appllados,
Aaoa Ignacia, seus fuaes e net
Do juizn de orpbos de M^nanguape,^.Apnel-
lante, Manoel da Costa Lima; appllados, Sauu-
cr* Brothers t Si Na.
Do juizo municipa< do Recife.ApBelanta, loao
Amonio das Nwes; appelado, los Gen* da
Silva.
rASSAOSNt.
Do Sr. desembargador Gitiraaa ao Sr. deoem-
BJirgador Gflerra. Appellac.a civel: Do jbo
municipal da Fortaleza.AppeUantP, Francisco
Antonio Pereira : app?llada. Rila Maria de Jess.
Do Sr. deaeatbargador L'wjrenfp Saatiago, ao
Sr. desettbargador AlmWda Albuqaerqme. o
Sf y a Ass appellanie, o promotor; appelado
aoei Francisco da Silva.
Cear-weriui: appellantea, Pedro Jis Autunes
de Miranda e outros
Pereira e outros.
Do Sr. teserabargador Alraeid* Albuquerqne ao
ir. desembargador Motta.Appellacdes civeis: Do
juizo municipal do Recife.Appellante, Salvador
Henriquo de Albajuerque; appllados. Gomes 4
Oliveira. Do jairo municipal do RecifeAppel
lante, Jos Alves Barbosa; appelladc, Elias Emi-
liano Ramos. Do juir.o 'muBicipal do Recife.Ap-
pellante, Guilherme Augusto Rodrigues Setje ap-
pellada,'D. Auna de Mello Carioca. Appellanie,
Cirneme Rodrigues do Sobral; appelado, Casi-
miro de Medviros Cavalcante. Appetlaote, Aoto-
nio Peregrino Cavalcante e Albuqcerijue.; appel
lado. Joo Pinto de Lemas Jnior. Appellante,
Rita Candida Vianna; appelado, tenente-enronel
Eu'razio d'Arrnda Cmara.
Bo Sr. dest'tnbargador Motta ao Sr. deserabarga-
dor Doria. D i jury do Bonito : appellante, o pro-
motor ; appllados, Francisco AnUmio Bispo e dn-
tro. Do juizo municipal deSerinliaem : appellan-
te, bacbarel Manoel Nicol Piulo Rgueira; ap-
pelado, Emilio Pereira de Araajo. Do juizo mu-
nicipal de Alagoas : appellante, Antonio de Moara
Castro; appelado, Firmino Ferreira de Moara. Do
juizo muuicipal do Recife: apppellante, D. Monica
Conexivos Roirigoe Franja; appeilado, Justino
Pereira Farias. Revista civel do Rio de lami-
ro : recurrente, Manoel Ferreira de S; recorrido,
JosxBenio Pedrosn.
Do Sr. desembargador Doria ao Sr. desembar-
gador Domingues da Silva.Do jury do Cear; ap-
pellante, Antonio Cordeiro de Castro; appellada,
a justica. Do jury da Imoeratriz : appellante, Joa-
quim Francisco da Coala ; appellada, a justica. Do
juizo municipal de Pedras de Fogo : appellaat,
Joao Vicente le Lima Freir; appelado, Geroocio
Eslanslu Affonso. Coaflicto de jnrisdico : entre
os juizes. de orphfos da cidade de S. Jos de Mepi-
b e Goyaunioha.
Do Sr. desembargador Rcgneira Costo ao Sr.
desembargador Souza (.fao.Appellaejlie ctimes:
appellanie, Manoel Jos do Nasoimentoi appellada
aja>lica. Appellante, o juizo ; appelado, Jos
Vicente Alecrim.
Do Sr. desembargador Gitirana ao Sr. desembar-
adur Gitirana.Appellacpes cvels: appiluiUe,
Manoel Tiwmaz d'Albuquerque Marauliio ; a|iel-
lavdo, Ignacio Vieira de Mello. Appellante, Jos de
Souza Nunes Braga; appllados, Francisco Gon-
Qalves Servino o outro.
AssigBou-se dia para julgamento dos seguintes
feitos:
API'ELI.ACAO CIVEL.
Do Porto Calvo. Appellante. AlexanJre Wa-
guer; appelado, Jos Icnaeio de Mendonca.
APPKLLAr.VO GRIMJ?.
' Appellault, Joao Fraacisco da Silva; appellada,
a justica.
Encerroa-sc a sessao a meia hora depois do
meio dia.
.i i i
PU8LICAC0ES
N*40|
- da
. aa-
cidas fio Liberal. Na* dfl-
ionio de u.dir-se
laea bornen., porm se qnerem uroa res-
poata catiMforiea, era apontem
pdblico imptrcial suas sqaerosas torpesas,
apreeniem-se- ao menos urna vez ero sua
vida como ent'ja, que presara a ealinaa pa-
bilo, e nao ternero assamir a responsabi-
lidade de seos actos, e assigaem seas pas-
qaios. (SatMlimos qoe os faiemofconhe.
cer taes con s5o :boraens perdidos na
opioiao das pessoas de bem.
Idomeneo.
Sr. ar. Arfnluo Pooeeft.
Pode o Sr. Dr. Aquino Fouseca conse-
guir que o correspoadeute desia provincia
para o Jornal do Commercio ncluisse n*
sua missiva de 9 de agosto um longo e in-
sulluoso arrasoado do triste acontecimento
qx velo enlutar-a faraili S e Albuquer-
que.
O Sr. Dr. Aquiob, fugindo tristemente da
disoussio scientifica qual pela imprensa
foi provocado, julga prefer vei ao>brlar-sa
sombras albeias para ferir-tne e aos*metis
amigos, declarando pela imprensa e as es-
quinas contra aquellos que ainda urna pala-
^^K!.!!^ vra wqer*Io disseram fra do terreno de-
cente e leal em que devem comba ier os
bomens de bem.
Esta va disposto dispresar lodos esses
recursos a que se soccorrem -os advogades
das causas perdidas, se riSo visse envolvidos
oas diatribis caracteres de cidadSos t3o dis-
HCtos comaos Srs. Dis. Silva Ramos, Sao-
tos Mello e Estevao Cavalcante.
Estes tres cavaroeiros, que nada cedem
era dignidade, moralidade.e scieacia ao Sr.
Dr. Aquino, est rauito acim dos insoitos
qoe se ibes aura. A' nenbum delles, nem
pessoa alguma desta cidade, manifrstei a
roenorsuspeita de qoe meos infelizes irm3os
haviam sido envenenados, antes da descoo-
fianca que tiverarndesse crime aos disiinctos
mdicos da Babja. Muito menos Ousaria en
ensinuar-lbes qualquerdeclaracSo, sendo qoe
nenbum interesse uve nem tenlw que se
diga que meus irmos foram envenenados
nao o tendo sido.
Os Drs. Ramos, Santos Mello e Estevao
nao coobinaram sous depoimantos na poli
cia para que suas opinies ajustassem; e
estar bem longe de fazer esforcos indecen-
tes para que se verifique ou se crea na exis-
tencia do envenenaraeolo. Devo por honra
delles e minba, declarar que de oenhum
fav.ir, ainda o mais insignificante, me s5o
devedores.
At boje tenho-me conservado silencioso
nesta triste questo : o que a semelbante
respeito se tem publicado e dito, nao se-
n|e o elTdito da io'tignacSo de que se pos-
su.-q o publico por ta;> horrendo crime qua
tudo faz crer ficar impune.
Descoberia romo est a incontestavel
existencia do crime, depois das analys'es fei-
tas na Baha as visceras do meu infeliz
irinlo Victoriano, estou disposto repellir
edm o meu propri > nome e sim fecuar de
urna Iinba essas torpes insinuaco que a
perversidade e a mal entendida vaidade vo
por ah laucando. Disto fique cerlo o Sr.
Dr. Aquino e aqaelles quem S S. h sa-
bido aterrar, que n5o e trepidam em feicbar
os "olhos verdade que boje apparece
toda luz para ferir a quem para eiles s
tem lido senlimentos generosos.
Recife 10 de setembro de 4870.
Brtio de Guara-rapes
A PEDIDO.
marino consiste, como todos sa-
las -macoes separadas por ama sube-
perda da electricidade, sem
kJente a sua influencia.
io de cobre) ordmaria-
.utapercha, e a armario ex-,
formada por
ita de
i atu-
rante um despacha a externa podena iranstmm-
CHRWilCA JUDICURlt
T1CIBI \Al. DA RELAMI.
SESSAO EM 10 DE SETEMBRO DE 1870.
PRBS1DK.NCIA 00 EXM. SR. C0XSKLHEIB0 C. SANTIAGO.
Secretario Dr. yirgilia Colkc-,
As 10 horas d mannaa, presentes os Srs. desem
Dargadores Gitirana, Louren;o Santiago, Almeida
Albuquerque, Motta, Doria, Regueira Costa e Souza
Leao, fallando eom cansa os Srs. desembargadores
Guerra procurador da cora e Domingues da Silva,
abrio-se a gessao.
Passados os feitos, deram-se os seguintes julga-
ment :
RECURSO CRJMB.
Recrrante, o juiz de direito doNararelh; reor-
rido, padre Correa de Andrade.Relator o Sr.
desembargador Motta, sorteados os Srs. desembar-
gadores Doria, Souza Leao e Regueira Costa.Im-
procedente.
ACGRAVO DBPETigAO.
Aggravante, Candido Jos Barbosa Romansei-
ra ; aggravado, o juiz municipal do Cabo.Rela-
tor o Sr. desembargador Multa, sorteados o Srs.
aesecnoargadorts Gitirana e Regueira Costa.Ne-
aram provimei
jai;i;as coarae.
ordera a .Antonio Viei ra da Silva,
ouddvvai aulondade xesnecli.
negocios do sylo de HendlcS-
dade.
i.
(1- officio).
O Exm. Sr. desembargador Anselmo Francisco
Peretti, provedor da Santa Casa de Misericordia
desta ridile, ueontestaveluioule um boinein de
expedientes I
Xo iutuilo de desviar-se de urna discussao fran-
ca e leol sobre os negocios do Asylo de Mendici-
dade, soceorreu-se ao ixpedienie de dirigir a pre-
sidencia urna serie de oicos, dando aos faetos as
cores mais do seu agrado, embura as monos pro-
prias.
Esies oIBsios que disse S. Exc. seriam publica-
dos eom o expedienta da Santa Casa, foram dados
a publcidade, sem preceder lieeuga da aulondade
superior a quem foram dirigidos, e como materia
separada do expediente da referida Santa Casa I
E' que o Sr. provedor, no seu original alvitre de
responder artigo* de jornal eom lucios, vio bem
que este erau nielhor meiodemystiQcar a questo.
E nao tenho razo em dizer "que S. Exc. um
lioinein da expedientes !
Mas nem assim conseguir o seu intuito de dasfi
gurar a verdade do> faetos. Hei de expo-los eom
loda a lealdade, bei de aprecia-los eom clareza.
para qae o publico lique convencido de que ainda
urna vez o Sr. provedor procedeu meuos leal-
mente.
Nesie meu impenho, tralarei de ser o mais calmo
possivel. Nao farei como o Sr. provedor que,
aparentaado una moderacao que nao est em
seu espirito, deixoa em cada apreciacao sua
aperceber o despert quasi infantil, a raiva dema-
siada que o dingiam. At na lioao de modera-
cao que me quu dar, o sen despert, a sua raiva
eslavam latentes.
Esteja entretanto certo o Sr. provedor que nunca
Ihe atiribui, nem Iba attribuo inierveuoo na de-
misso que rae foi dada, de director do Asylo de
Mendicidad*. Eu sei quaes os motivos qne a
occasionaram, e nao a lomei, por isto, em eonsi-
deracao.
E intil, portanto, pretender S. Exc. atribuir-
me despeilo, que nao lenbo, nem o Uve.
O Sr. proveder molestou-se comigo sem razo.
Nao Ihe faitei eom urna certa consideracao que
se deve a lodo o uomem qualilieado, e apenas
fallei na sua qualidade de bomem devoto e te
mente a Deus.
Nulo nao Ihe fiz offensa, e nem era de crer "qua
huuvess devoto que se irritasse por algaem dizer-
Iheresa muilo.
Mas o Sr. provedor nao quer qae Ihe toqo* na
sua devocao...... Far-lhe-hei a vontade. -
Basta refutar o qua da enexacto e inredado
conten os seus offlcios. E isto o farei aos pou-
ces, para nao faltar clareza e ordem da contestaco
que tenho a oppor.
Ao Liberal peco, ama vez qae d andar a cala
da lut, a raproeidade de tranaerever urabem os
mea* artigo*.
Se a verdade o que" elle procara, e nao deaag*
gravo de odios velrjo, nao ae recusar a sasfaco
desle pedido.
A sua recuaa, porsm, me convencer de' qae
nao devo contar eom Justica do sua parte, qae
o seu odio sobreleva se a todas as consideractles, a
oeste cato nao rae encommodar o seu juizo, qual-
querque seja.
Recite, 10 de setembro de 1870.
/. P. Brrelo de Mella Reyo.
Itaaab 7 desetemfcro de f J#.
0 calumniador como sea poder de in-
veacSo accomete a, todos, at a propria vir-
tude.
Morando nesta villa, ba muelos annos, o
leneftteTrajano Evarisfe Ferrie- <:asteHo
Branco, gosa da estima das principaes pes-
soas, slia residentes. Os hachareis Fran-
cisco de Araojo Barros, Jos Tarares da
Cunba Mello, bomem sem juizo, e o lepro-
Votonio Bernardino dos Santos, qn
inteiramaote condemnado por seus pessi-
.1 dcflnlco dognaatie da infal-
llbll idade du papa.
Proclamou->e alinal o dogma da infallibilidade
do summo pouiifice 1... Mil acedas de gracas
sejam dadas a Dous por baver desla, sorte posto
um termo a ancioJade de todos os calholicos das
cinco parles do mundo que ardiam em veliemen-
lissimos desojos de que o sagrado Concilio Ecu-
mnico do Vaticano recounecesse no puntillee ro-
mano aquella sublime prerogativa que Jesus-Ciris-
lo Nosso Senbor conferir a Peuro, e em ..ua pes-
oa a tod.is os sous suecessort, dizendo llio :
Ego roguvi pro te, ul non de/iciai fules na. '
Foi uo da 18 do inez passado que teve lugar a
grandiosa e imponente sessao publica do concilio,
em que solemnemente se promulgla constituido
dogmtica acerca da infallibilidade.
Depois de rendida e prolongada discussio, os
padaes do concilio em sna> sessiies secreu* ha-
viam j por immensa maioria approvado sucecs-
sivaiuenle o schema em seu prembulo e em seus
captulos primeiro, segundo, terceiro e quarto.
Deierminoa entao o santo padre celebrar no dia
18 de jullio prximo passado a 't' sesso publica
do concilio, afim de proceder-se em sua presenca
a voiacao liual e a promulgacao da constituicao
dogmtica deftnindo a infallibilidade pontificia.
No dia marcado, leve lagar eom effeito a cere-
monia.
A's 8 h iras da manha a inmensa nave da Ba-
slica do Vaticano achava-se liiteralmene apinha-
da de gente de todas as classes e de todas as na-
coes qua sub calo aun/. E' impossivel dizer a
alegra que inundava todos os coratjoes e resplan-
deca em todos os semblantes.
A's ) horas em ponto comecou o acto. Acha-
vam-se presentes, oceupaudo seas lugares respec-
tivos, 53o pad/es do concilio, de todas as dicnida-
des : cardeaas, patriarcas, primares, arcebispos,
bispo?, abbades nulliut, abbades geraes e vigario
geraes de ordene religiosas. 0 samioo poutinoe,
magoificamenle paraiuendo, sobresahia a todos,
sentado mageslosamente em sea tbrono.
Observou-se exactaraenle o ceremonial das pre-
cedentes sess<5es publicas do concilio, e particu-
larmente da lerceira em qae foram solemnemente
condemnados o* erros philosophicos dominantes
na actualidade.
Depois do Fti Creator, solemne e fervorosa-
mentD canudo pelo concilio e pela mmensa mu
tidao que encola a nave, procedeu-se votacao,
seado os padr-s do coacilio chamados nominal-
mente pelo seereiario. A voU^o era aDsoluta,
islo nao te admittiam oondiedes; devia res-
ponder : Placel ou .Yo/ placel. Dos 333 padres
que se achacara presentes 333 responder :
Placel. Apenas dous disseram : iVon placel.
A approvacao oi pois unnime. A tem disto, o
sanio padre navia reeebido cerca de 300 adhesoes
tle bispo qoe nao puderam sabir de suas dioceses
para virem ao conoiljo, ou que por motivos impe-
riosos tiveram de retirar-se de Roma antes de en-
cerrada a discusso do sthema.
Os dous nicos prelados qu* votaram iVon pa- _......
celsao moBsenhor LuiaRiccio, bispo de Caiauojvotj pela prosperidade e engrandecimeulo
tatevaa) eaU.a^aaUarattv^aa o IX, M a*
TAI
iii do Summo Ponmioe gmode
na verdade ; nu uao d^sire, antas eJiflca ; nao
^^Kne, antes sustenta e tas vezes defen-
^H dir<
^bspos. S algn
isaibi.m que votarm*|B pe*Bi e tembr*-
te que o SeoJwr nao est na p*riurba?io.
t Lembrem-se ainda que ha peucoanaos abun-
da vai nem nosso pensar e no- pensar desla vasta
assembla. Pois que? Terio elles duas consw
encais, duas vontades sobre o mestuj assumpto v
Ah nao seja assim.
OrBmos pur unto a Deus, pois elle o nico
qae opera maravilhas, que Ihee ilumine o espi-
rita o coraco. ailia de qae torne ao seio
seu pai, isto do summo pontillce vigario indigno
ile Jess Carillo, aQin de que elle os abrace e tra-
lialhtun todos oinuosco contra os nimgos da igre-
ja de Aeos.
Perniiua, an I permitta Deus rne cHet pos-
sam dizer orno Agtistinho : Mea Deus, vos nos
tendes dado a vossa admirare! luz, e eis que agora
vejo.
Ah I rejan todos! Deas vos abencoe.
Em seguida o santo padre deuu sobre a as-
semola, profundamente prostrada, a sua benC.ao
apos.olica.
ppois canlon-se solemnemente o Te-Deunt, e
amd.i owtra vez as vezas do* padre do conciiio
sa lusturaram eom as do povo, que respon-
da coui' entliu'asi e ardemisssiuiss transpor-
tes-
A sabir da baslica, o santo padre ia acompa-
nhado pelos bispos e pelo povo.
Neste momento recomecaram asaeclamacSes ca-
da vez mais estrepitosas : Viva PiQ IX I vita o
papm tnfalliveU
U bisos eram tambera recebido9 eom enthusi-
asino pelo povo, que os roieava amorosa e respel-
losatiente e Ihes beijava as rnaas e as vestimentas.
Pare:iam r.-novar-se as sceoas tocantes do conci-
lio da Epheso I..
Mil gracas, |os, sejam dadas a Deus / Esto
plenamente sasiisfeitos os desejos de todo* os ca
ibocos I Est pois definida |>eio coacilio ecume
aico e elevada a dogma a infallibilidade do pontili
ce romano, aislo apeiar dos inquaiillcavois m*ne
jos dos gallicanos, apezar das ameacas dos gover
nos, apezir dos furores da impiedaJeedo raciona-
lismo, apezar das calumnias e mentiras de um im
prensa infame e sem pudor, apezar das nojenta?
caricaturas de itnraundos papelnebos, apezar das
nefandas machinaedes das sociedades secretas,
apezar emm 'i; tjdi.s os obstculos suscitados pnr
Satanaz, o prinrtpe das trevas, alim de impedir
aquella definir I
E$U, pois, definida a infallibilidade ponliricia.
Para nos cattioliiMS, abrir e>ta il'tliaiOao u.ua
era de pa,que nos unir mais esireiamente. afin
de repellirmos o inimigo coramum une ameaca des-
trnir-no: o racionalismo co:n (oda a caterva de
erros de que origem fecunda.
(Da Apottoto)
-Innlversurl da iasiallaeo do
Hospital Portnguez le Bene-
flcencla ena Pernambaco.
Em todos os leaipos, e enlre todos os povos, nj
ha manlldo eom inalleravel permanencia o louva-
vel a asss aprazivol coslumc do fazer recordar as
geraris que se vo succedendo os feitos glorio-
sos, o as acc,fca de inexcedivel mexitu praiicadas
por genios da anmeme repulacao, que em honra
do solo commum quo se prende o seu nasci-
inento, quer em bem de umi parle singular de
seus concidados, quer, emlim, em prol de toda a
bumaoitiad.
Muitos sao os meios deque sa servera asna-
(;5a?, que p..vam o universo, para perpetuar a
memoria de s-ms hroes, ou dos faetos mais iraus-
cernientes por que ellas Estatua^, obeliscos, e outros monumentos cin-
r.ilados ie marinure ou do hrooze, ah se erguem
sobarbos o magerliisos para attestar po?terit)ade,
ou a grandeza do fcito, ou o lustre do nome do as-
sgoaido varo que elles symbjlsam.
A tradieao gravada dos pergaminhos da historia
com a sevira critica aos contemperan sos, lambeta
lega perduravel aos viaduuros a verdade inioBtes-
lavel do objecto, que atlinge a admiracao, ou pro-
voca o respeito e a homenagem para eom os seus
magnnimos factores.
A religiao mesraa tem por u malar esplendor
-> celebrar annualiRente a festa commemoraliva
aos seus venerados martyres de seus-nclitos san-
tos, para reviver no espirito dos fles as resplen-
deutes victorias alcanzadas da verdade sobrero
erroo brtlho do amor d i prximoa elevacao
da liumildsde a pureza da conacienciao ex-
sel30 das virtudesa uuiao da criatura ao proprio
Creador, saulicando-se.
Conleoplalivos um i edificantes cxemplos, re-
veladores de sincera e justa gratido, tributada
meinoria daquees que souberam distingair-sa
por sobreexecdontes no exercico e praf.ca dos
deveres moraes, civis, sociaes eu religiosos, os
Portuguezes residentes nesta parto mais encanta-
dora do magnifico imperio da Santa Cruz, educa-
dos ou estimulados pelo espirito humanitario e so-
beranamente generoso, qu*i innato no coraco
de todos os lilhos desla aboucoado paz, rumina-
varal de ba muilo em sen pensamento o desejo de
erguer bem alto um padro de immorr.'doura re-
cordla?o signiUcativo de seus bros, da nobreza
de suus semmentos o da exceltencia da religio
que professam, e entre os diversos model is que se
Ihes aotolhavam para essa obra moaumental, in^-
prjfarr.-se na preferencia dada fuodacao de nm
asylo para a humanidade enferma e desvalida, no
qual fosse encontrado agasalho, conforto, allivio
saade e vida para aquellos da seus compatriotas
quem a desventura hmivesse feito sentir os hor-
rores da penuria, da indigencia, da-* dores e de to-
da a sor te de padecimentos.
Estava concebido o plauo, mas, para que nada
faltasse belleza e solidez de sna execugao, lir-
mouse como em traco magestral, seb a auspi-
ciosa dedicatoria do nomo d excelso mooarcba o
immortal joven rei, o Sr. D. Pedro V; escocindo-
se at para por em maior relevo o caracterstico
da caridade, representada nesse novo templo, eom
as mais preeminentes virtudes congenitas ao bon-
doso coraco do magnnimo prncipe, o dia de
sua gloriosa elevacao ao tbrono de seus progenito-
res, aquelleem que tivssee lugar ainauguraco do
piedoso asylo que de ento se llcou denominando
Hospital Portugnez de eneficencia.
Salve I pois, dia 16 de setembro de 1833! da
de grata recordacao tedos os Portuguezes, que
amantes da patria, da ordem e da liberdade, tive-
rarn a ventura de ufanarse, vendo presidir aos
deslinos da naco o soberano Ilustradoo rei c-
dadaoo verdadeiro cultor das arlas e das ssien-
caso amigo do sea povoo prototypo de todas
as virtudes I
Salv I ainda, lia 16 do setembro de 1835! que
viste surgir, como por eoeanto, nesu hospitalera
prnviDcta-doBrasil, mais um beneficio refugio des-
tinado a suavisar os infortunios e a miseria,
que se v de eontiouo exposla a nalurm huma-
na, de embate aos mais perigosos pareis, entre
os quaes se [ai velejar a existencia I
Salre I linalmeule dia 16 de setembro de 183a!
qua teste rememorar aos lilhos da religio, de
crucificado o modo porque sonbe gloriflcar-se a
pobreza, e a humildade eom que se ornamenlava
um servo do S^nhor, para exercer actos da oais.
acris ilada virtude, em favor do pobre, da doente
de infeliz, e do desamparado I
Sao portanto tres os motivos da festividade, que
se solemaisa domingo 18 do correle no edificio s-
luajo no lugar denominado-Cajueirotributo de
venereco a saudosa memoria do preclaro e mais
amado rei, o Iramortal D. Pedro V, reoovaeao*
cao f
altar aa^^^^^^^^^^^^H
Duas Bandas de mi iu-
tervallos de todos os actos, o exi subelei-
ment asiera gsHwraamenteftiTaalipim bandeiras
e ootroT'enfeiies feaffraes,- uzes Ilu-
minar a uoute o edalcia tanto interno, como ex-
ternamente.
Eii a fesu anniwfaria qae do prsenle anuo a
actual junta regadora do Hospital Portuauex, offe-
rece a conlemplacio do publico baneUeente espe-
rasdo ua valiosissima cooperaijao, especialmente
na onerta de suas prenda para obasar de eari-
dale, ao qual como .dadivas celestas, se ,'multl-
pliqnem os bolos, qae sirvam de encaer o celei-
ro dos pobres.
Os eucarregados de promover e arrecadar 'as
prendas e donativos qae as pessoas caritativas "se
dignera destinar a esta meritoria colheiU sao os.
seguuies :
Barro do Recife.
Os senil re :
Commendador Jos da Silva Loyo.
Francisco Jos dos. Passos Gnimarie*.
Joaquim Ferreira dns Santos Coimbra Garanre*.
Maaoel da Coalla Porui.
Commenddor Francisco Joio de Barros.
Joao Pereira Moutinho.
Joo Carlos Bastos de Oliveira.
Bairro de Samo Antonio.
Os senhorea:
Jos de Azveio Andrade.
Jos Joiiiuint C*ta Maia.
'Anuinio Buarte Carn^iro Vanos.
Joaquim Antonio Pereira.
Antonio de Souza Reg.
Bairro do S. Jos.
Os senhores:
Commendador Jos Jooquim Lima Bairao.
Joao da Silva Ferreira.
Lourenco Ribeiroda Cunha Oliveira.
Pedro J.>s da Costa Castello-Branco,
Tlieoumio Flix de Mello.
Bairro da Boa-VisU.
Os senhores:
Commendador Joo Luiz Ferreira Ribeiro.
Domingos Antonio Silva Belriz.
J s Alves de Lima.
Flix Pereira da Silva.
Francisco Carlos Brandao.
Passagem.
Os senhores:
Candido Alberto Sor da Molla.
Miguel Jo Barbosa Cuimares.
los Monteiro MareeMM Jos Gnnc.ilves de Fonte.
Francisco Jos da Costa Araujn.
Commendador Doria Ferreira Bailar.
Eafermidades causadas por
exposigilo.
Os minciros que trabalham em toda a classe de
minas acharara na salsaparrilha de Brisiol ama
salvaguarda segura conlra todos os desmanchos
inherentes a urna vida de privarles e continuadas
axp*i$3e, tees como rhenmatismo, dyspepsl,
febres intermitentes e biliosas, ITeepo do ligado,
abessos, lceras, Inflammacdes glandulares, erop-
(j5es, neuvralaia, molestias, vedereas, ele.
I. n todos os casos, ainda m%smn que se techara
aggravado por desmazelo, garante-s a mais eofo-
plea eura.
Todo aqaelle trae a loma de vez era quando co-
rni preventivo fortalece sen systema contra as
enfermidades vigora e augmenta as forcas viues
W al ponto que nreriso v-lo para cr-lo.
Um medico eminente declaron que ella se ap-
pnixima a' esse fabuloso elixir da vida, mais do
que -nnnlium outro remedie conheeido.
A s.ilsaparilli* He Brist! acha-se a' venda ero
toja aparte do mundo civilisad, em toda* as
pnnefpae's boticas' e lojas de drogas.
BB
COMMERCIO.
ALPANDgG.
endimeatododlal a 10. z71:?*5J9M
fdeu de dia II, 71:702*1.*
3i3:4i7*4IS
MOVIMENTO DA ALFANDEGA
fo:umes entrados cera farendas 184
Idea idem eom gneros 748
'olurces sabidos eom f azendas 164
dem idem cora generes 376
WS
7i
Descarragam hoje 13 d setembro
Barca francezaFiguro mercadorias.
Brigue iag\BiAdele(emercadorias.
Brigae norte-allemoMiranda- mercadorias.
Patacho americanoaro(ma=iaem.
Patacho mglez -Retir 0rn--idem.
Brigue norte-allemoHerculesfarinha de trigo.
Despachos de ecportaco no dia 9 d
setembro
Na barca inglexa, Franck Wilson, para Li-
verpool, carregaram: Rabe SchmmeUau Si C, 267
saccas cora 19,862 kilos de algodo ; Mills, La-
Iham tt C, 173 saccas cora 11,724 kilos de al-
godo.
Na barca ingleza .Vinoso, para Liverpool,
carregaram : Saundeis Brothers & C, ICO saccas
cora 7,195 kilos de algodo ; Mooael Fernandes da
Csta 4 C, 117 saccas eom 8,559 kilo de- algo-
do ; James Ryder & C, 66 saccas eom 12,270
kilos de algodo.
No patacho hollandez /Mios, jiara o Rio da
Pratn, carregaram : Amonio Irmos A C, 160
barricas eom 18,409 kilos de assucar.
Na escuna hollandoza Gesina & Jansje, para
o Rio da Prata, carregou : Pereira, Carseiro & C,
lili barricas e 30 raeias eom 29,563 kilos de as-
sucar,
HECEBEDORIA DE RENDAS INTERNAS OK-
RAES DE PERNAMBUCO.
tendimento e da 1 a 10. I4:4W26D
i*mdodia!2........ 4:44#6!0
18:9051870
CONSULADO PROVINCAL
".endrmento do dia i a 13.
Idem do dia 12. .

47:656*86
7:539*746
35:196*615
MOVIMENTO DO PORTO.
{reino de aples), e mouseahor Eduardo Fifte
ral, bispo de Lileroek (Arkansas, nos Estadee
Unidos).
Termioada a votacao, o Santo Padre deelaroo
que coafirmava, defina e promulgava a verdade
approvada pelo concilio.
Eutao, diz ama tesiemunia ocular, um movi-
mento mdisivel apoderou-se da assembla. Os
bispos tinnasa os olbos arrasados de lagrimas, e
aaudavamaPralXcomapplausos e acolaaates
pro ongedas, qae, repetido pelo povo, parcelara
abalar as sonoras abobadas d. baslica.
Bram H 1|2 horas quando o sammo ponlifice
promulgou o dogma da infallibilidade.
Naquelte momento cania urna chnva torren-
cial, es relaaapagos snlcavam em toda as di-
recces as negras, nuvens que se esteodiam sobre
Roma, euvia-se sem interrampcio o estampido e
o relar medonho dos irovoes.,
E' o enterro do gaUieamsmo, diziam un, alhv
diodt a tempestada.
Nao, raspea iiam outros, i o novoMoyss
que n carne do Sinai recebe e promulga* tei.
Dentro p -rem da baslica s se oaviam applau-
sos e aceUmajfles; e de todos os ngulos .e le-
do
do
Hospital Port'ugu'ez de Beneficencia em Pernambu-
co, celebraco dos diziraos ofctos em honra e lou-
vor o bemaventurado S. Joo de Deas, patrono
esaa casa de evanglica caridade.
As pessoas que aUi cencorrerem neis* d]a de
euthusiastico e edificante ragoeijo, oucoutraro em
ostenloea exposicao as eafermarias e todas os com-
partimentos do edificio, a po guardado o devido decoro, decencia o boa or-
dem.
Poderao assistir pelas 10 hora da manba, a
mssa solemne celebrada no oratorio do estabeie-
cimento, e que ser cantada era msica sara.por
ama escolhida orchesira regida pelo ensigae pro-
fessor o Sr. Francelino Domingos de Moura Pes-
soa,' e ao sennao recitado por um dos oradores
mais tietaveis do clero da nossa diocese.
Ser Ihes-ha permiilido franco ngreso no res-
faiiorio para testemunharem o caridoso acto do
boda aos potare* convateseentas, servidoipeloa be-
aentetitos membros da junta adiwnistrativa.
Toniaram parta activa e beca pronunciada (come
esperamos)na feirada beneficencia qoe tera la-
gar nt las quatro horas da Urde, offerecida a geae-
rosidaJe, philanlropia e devoco aos contribuintes,
Novio entrado no dia 11.
Baha7 dias, hiate brasileiro.4oat>, de 116 to-
neladas, capillo Maimel Antonio de Jesos, eqni-
pagem 9, carga 2,500 saceos eom (arinha d
mandioca e outros gneros ; a Joaqaim Jos
GoncaWes Reltro.
Navios sakidos no mesnto dia.
Bordeanx e portos intermediosVapor franeez
Stndk, comtnandante Mosaenet
LiverpoolBrigae iaglez Medusa, capillo F. W.
Tyle, carga algodo e ontros gneros.
LiverpoolBarca ingleza Alafano, expitao Enek-
sen, carga algodo.
Jvsme entrado na dia 12.
Trieste60 dias, patacho sueco Carolino, de 186
tnneladas eapito L. I. Fet, eqnipagem 9, carga
2260 barritas cora farinha de trigo ; a Henry
Forster V C.
Rio Fnrmoso6 horas vapor brasileiro Hnhylm,
de 104 toneladas, commandanle Oliveira, eqni-
pagem 14, em lastro ; a Companhia.PerHamBn-
cana.
Naetcu sakidos no mesnm di*.
AlcobacaLancha braslteira N.-S. da Apda, aaai-
to Manoel Jos da Boavista, caifa charquee
outros gneros-
LisboaPatacho portuguez iVew Abalisad, capi-
tae Manoel Cassimiro Pacheco, en lastro de
arela
JaploBarca franceza AdeU, capttio Hernalnt,
cem a mesma carga qae irouxe do Havre.
EDITIS.
Peraole a cmara nmaicipal deau cidade
estar em praca nos dias 10,. 12, 13" 14 do cor.
rente Pr er arreenaude por qoam maior
o.ffereer o imposto da aricao de pesos <
^ela quaniia de 22;00#000. A arremata-
feita por um anno ; aqaetUn qaa preteav-
im coocorrer a ella, devem habilitar-se a


'ftforio *ofAini>uco
i l'S c Setetubro e
r
l6t
i^crWr,
rendente.
Cantelro da Caoba,
?tt*>triy.
ra ds pfusulHiicia de Peroaiabuco
l deStfembro de 1970.
Por at secretaria de ordem do Exra.
SrJ ftPresideata da Provincia, se fe? pu-
blico e wcoawendavel a lodos os subditos!
brasileiret a rigorosa observadlo do over
m topMM oostsnte do aviso oirMriar ex
pedido dttt 87 de agosto proiimo Hado; pe-
lo ministerio, dos negocios- estrangeiros e
aoaixo trameripto determinando a matar
stricta neutraidqde dorante a guerra que
rebentoo enre a Franca e a Prussia e ios
paires allflitfos; que a esta prestam o con-
upo desqas armas.-^intom'o Atines Jaco-
me Pires, alficiai-maior servindo de secrd-
tarioT 1
SWfo'central, Rio de Jartdrd ministerio
ds oegtsios estrengeiror47< de-agiste de
1870. fllm. akm.Sr.-^-A igacao de S.
M, o U do6 Brtateles oatir]c&aao Gotarno
Ioptritl por nota de 14 -ao;.crtente a
guerra que reoeotou entre a Franca 4 a
Prussia o os paizes alijados; que a sta dio
o concurso de suas armas A mesma le-
gacao solicJtou, e o governo de S:"M. aca-
ba de declarar-lhe. que o Bra/.1 observar
a mais stricta neutralidae, durante esla
guerra, assim para cora a Franca, como
para outro belligerante e sens ailiados. O
governo Francez promette que suas forpas
de mar e de trra observado escrupulosa-
mente para cora as potencias neutras as
regras do direito internacional e os princi-
pios estabelectdos pelo coogresso de Paris
em sua declarac4d de id de abril de 4836.
0 Brazil adherio, como V. Exc. sabe.
aqueHes principios, o tem por tanto direito
a qoe os navios brasileiros e suas mercado
riaa gosem das garantas, por el es assegu-
radas. Os principios a que alludo sao os
seguintes:
1 .* O corso e fica abolido.
2.* O pavilhaoneutral sobre a mercado-
ria rnimtga, com excepoSo do contrabando
de guerra.
3. A mercadura neutral, cora excepto
do contrabando de guerra, no pode ser
apresada sob pavilhao inimigo.
i.8 Os bloqneios para serem cbrigatorios
devem ser effactivos, isto mantidos por
fosca su luciente para prohibir realmente* o
accesso do litoral inimigo.
A Prussia faz parte do ultimo congresso
de Paris, e conseguinteraente est obrigada
as mesmas* regras de moderado e benevo-
lencia para com os eslaiLs neutraes, na
presente guerra.
Em conformidade do que tenlio exposto,
cumpre que V. Exc. previna ao cbefe de
polica des provincia e as respectivas au-
toridades fiscaes, mandando inserir esta cir-
cular na folba que publicar os actos, offi-
ciaes e podendo por qualqner ontr> meio,
qoe julgar conveniente, filiar constar aos
subditos Brasileiros a!i residentes, esta de-
liberacao do governo de S. Al., afira de que
se abstenliam rigorosamente de actos op-
postos aos deveres de urna stricta ncutrali-
dade. Em quantoo gover.io imperial nao
expedir instruccojs especiaes de ver V.
Exc. guiar-se p^las circulares do 1.a de
agosto de 1861. no que foi applicavel ao
caso de qoe se traa. Tenho a honra de
renovar a V. Exc. as segnrancas de minha
perfeita estima e considerado Bar5o de
Cotigipe Ao Exm. Sr presi lente da pro-
vincia de Pe'nia ibir-o.- Cumpra-se.Pala
ci da Presidencia dr) Pernambuoo 9 de
setembro de 1870.Assis.
fllO.
Carne Mca, kogramma.
fafinhs de mandioca, litro.
Fumo -do ni, kftagfaama.
Feijio mnlatiiMio, litro.
Farelk), saceo.
Pide*
Manteiga franceza, kHogramma.
Sabao, dem.
Sal, litro.
Toueinho. klogramma.
Vellas de carnauba, kilogramma.
Ditas stearinas, idem.
Vinagre, litro.
Viobo tinto do Lisboa, idem.
Dito bcaneo, hteti.
Os concurrentes apresentaro as suas praposCas
selladas em cartas fachada?, as quaes devera* ter
a ordem eiWieleekli no presentesanpuncio.
Secretaria da Santa Cns-i da Misericordia do Re-
I d setembro de 1810.
O efcrt'vao.
Porto
rio e ta
NAMBLT.
"':Tuia4"i0 i- ol
Tam
vapmr.
Blfef e
tu jan
urja-
mxm-
ii/w segnira
l para pipot acnia no da
fjfc *>.*o' ne* neite.
tocata caifa, aiMpramen-
des. paasaceirM e tUnheiro a
reie o eecripiono do Forte
COWPANHIA PEWtAMBCAW/
la-
eife,
Pedro Roiriguts de Spifza.
Yibe. consnUdo da iUKa-em
Pemambuco.
G. S. Bello, iapito da patacho italiano
Rio la Plata, precisa tomar risco martimo
a qoantia d dous contos e qaiohentos mil rs,
para fazer faca s'adazas feitas neste por-
to, na sua arribad por furca maior. em
sua viagem de Genova para o Bio de Janei-
ro onde seo destino, sobre o casco appa-
relbos, iretes e carregamento do mesmo
navio; para qaara qnizer dar esta qwotia,
recebem-se as propostas ^m carta fechada
at o dia quinze (15) do corrente mez ao
meio dia na chancellara d'sle vicesonsu-
lado onde se tratar do ajuste.
Pemambuco 12 de setembro de 1870.
O vice coosul
Barda da Soledade.
Santa casa de misericordia
do Recife.
Diahelro vista.
A Illma. junta administrativa da santa casa de
misericordia do Kecife, na sala de suas sessOes,
pelas 4 horas da tarde do da 15 do corrente mez,
recebe propnstas para o fornecmento de assucar
retinado de Ia e 2" sorte, que hotiver de consumir
os estbeleclmentos pios sen cargo, tanto desta
cidade como da deOlinda, nos mezes de ontubro
a dezerobro vindooro.
Santa casa tembro de 1870.
O escrivao,
Pedro Rodrigm deSour.a.
Santa Casa de Misericordia
do Eecite
ufia'ielr vista.
Parante a junta administrativa ida santa casa, na
sala de suas sessoes, pelas 3 horas da tarde, se ha
de arrematar o foroecimento da carne verde que
ti ver de consumir os estabetecimentos pios a s-u
cargo, tanto desta eidade como da de Olinda no
trimestre de outubro a dezembro vindouro.
Os proponentes deverao apresentar as suas pro-
postas devidamente selladas e em cartas fechadas.
Santa casa p misericordia do liedle 9 de
setembro de 1870.
O escrivao,
Pedro Rodrigues de Souza
DE
corteira por
Goyanna.
capo
r.
O vapor tttrahyia segttfr pa-
ra o porto arinu no dia n do
rwt as 9 horas da nonte.
_ mw, i urga eucommenda?
p^sagairos iinheiro a frett
arde a escriptorio do Forte do

VT rt. iftlo pj
WpoWfM.
minar pe(|amo e manerov m|
var ronpa, t *ti 1 i mas, f
cozer, e mtiiios toiro objecios eatsi
gndo andar do
Sobrado da' roa da Cade a. 61
Qoara fera 14 do cor/sute.
O agente Pinto, amansado porWm pessoaque
mnaou de rjsidenefci, fori leil: o flMiCweis tms
objectoj cima ddaiptot, exteMBdo
andar do sobrado^ roa da LMa B. *, sdo
queoJeilaoprindpkr
s 10 horas ero prto
LIMO
tem prompf&ftod auspicie de macbmisno e ootros cbjeces par a agricolloni.
CtMnpaihia americana e brasilei-
n de paqoeles a vaper.
At o di* lH do corrate aperado de lew-
Yor'k por S. Thomaz e Para, o vapor americana
South, America, o qml depois,da demora do eos-
turne seguir para os portos do sol.
Para frets e pasagens traia-se com os agen-
tes Henry Forster & C, ra do Commerrio n. 8.
Frete obre dtnleiro X % Para qtralqpVr pr-
to da escala-do imperio, seudo quamias roaiores
de 10:000*000.
Tendo aberto seguro em Londres sobre libras
esterlinas 100,000 por qnalquer vapor da Knh, a
companbia segura qualquer remessa de dmheiro a
t/6*/par qualquer porto da eseala.-do imperiu.
O valor deve ser declarado em libras esterlinas
e o premio pagavel na mesma inoeda ou sea eou,i-
valente.
EWGEBERO
Com fnndipo
RA DO 8RUM 52
Passando o cfeafariz.
Cutm t atten{3o os Srs. de eDgenbo para seus acreditados macbrisons
com espetalrdado para seus vapores que aioda fia vez tem melborado.
'Os 'wposoroecidos por elle e j-fcaccionaudo Ihe bao de faaer roelhor apre-
ciacao dofme.qrjlloer dUcproprio.
wssp sifeeffl rtencionar quf.teor ftito urna redoecSo em seu? prefos; e Wm *,S,ana ftr leiiao, por roand
fin. ^^. Dr. jaii de orphos do termo de L
h r72?2T'meD*o da inventarame dbs bens deixa-
S^WJnado tenente Jos tatmim Lopes da Al-
^!w.S d" ^MtQfitni^ anuencia
Bmpimda, cas de residencia d'aquelte finado,
^"'neirto do credores d'eate, de varios ob-
,40b**8 de osrq, praia, ntobina. loupas, ofevsilios .
^jjpaairw. raa parte n :>licfJac^rM,otmP \
Milagres e outras coosas imadas, indo- "
msmm\
casa
em
par;
aos
estado e ganio, e dividas activas bota
AV.S0S DIVERSOS.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
Navegando costea por vapor
Macei, escalas, Penpdoe Acacaj
*ff|w O vapor Jaguaiikt, commandante
HA*. .GnRbeiptne, seguir para os portos a*i-
flBMH ma no dia 15 do corrente as 5 horas
da tarde.
Recebe carga ate o dia 1', eueommendas, pas-
sageiros e dinhero a frete at as 2 horas da tar-
de de sua sahids, no escriptorio do Forte do
Mattof n. i. .
i\STiTU?0 ARCGE0LCH1C0 E GI0G8.4PflIl
PERMAWANO.
Haver aessio ordinaria quinja-feira 15-do
corrente pelas H horas da maoha.
ORDEM SO DIA
Leitor o projecto a* resposta ao ofi-
cio da.Illma. cmara municipal do Recife,
sobre a denomina^ao caUwia de JoSo de
Barros, pelo Sr. mjor Ssfvatlor Ifenrique
de Albuquerq;ie.
Pareceres e mais trabalhos de com-
missoes;
Secretaria do Instituto, de ;igoto de
Nova loja de joias
WJA DO CABUGA* N.9 A.
DE
Manoel da Cnnha Saldanha & C.
IS A"ba,dVbri-S8.Mt0Jes g rarato de todas asjoias de oNimo gosto. as qoaes vendar o mat barato pos-
^ sivei.
Todas as joias serao garantidas ourodelei, pois os seus doaos lendo aa-S*'
vitfe so adquirir reguezia na olvjdarJo, vender bom e por prec>s os mais 9$
raweveis possivens. v *V^
_ toida-se o publico a vh- a- este estabeleciraento, certo de qse ficar* Jp
A' 4Q.DE Ol&lA DO CABfgA N. $) A
8atisfeito.
1870.
Preiende sepir para o referido porto em poucos
lias o paltiabole Rosita por ter a maior parte da
carga, e para a pouca que Ihe falta, trata-se com o
consignatario Joaquim Jos Goi.calvea Beltrao,
ra do Commercio n- 1".
RIO DE JANEIRO
Jos Soare d'kzevedo,
Secretaria perpetuo.
9CLABAC0E5,
SANTA GASA DE MISERICORDIA DO
RECIFE.
Dinhero vista.
A Illma. junta administrativa da Santa Casa de
Misericordia do Recife, na sala de suas sess5es,
pelas i h iras da tarde do dia 13 do corrente mez
recebe propostas para o lorneciraento do pao e
bolacha-, que houverem.de consumir todos os
estabelecmemos pios seu car?o, tanto desta ci-
dade como da de Olinda nos mezes de outubro
dezembro vindouro.
Secrteana da Santa Casa de Misericordia do
Iteciie, 9 de setembro de 1870.
O escrivao,
Pedro Rodrigues de Soza.u
SANTA CASA da misericordia do
RECIFE.
A IUm.a. junta administrativa da Santa Casa de
Misericordia do Recife manda fazer publico que
aa sala de soas sessoes, no da 13 de setembro.pe-
las 4 eras da tarde, tem de ser arrematadas a
fuem mais vanugens offerecer,.pelo lempo de um
a tres annos, as rendas dos predios em seguida de-
clarados :
I5STABELECTMEMTO DE CARIDADE.
Rita larga dn Rosario.
2. dito do sobrado n. 24 A. 400*009
liua do Padre Floriano
Casa terrea n. 47.......174*000
PATRIMONIO DOS ORPROS.
Raa do Pilar.
dem n. 102........202*000
dem n. 93.........204*000
Sitio da Mirueira n. 4......07*000
Os pretendentcs deverao .".presentar no acto da
arremataeao das suas llancas on eomparecerem
acnmpanhados dos respectivos fiadores.
Semtari* da Santa Casa da Misericordia do Re-
cife, t de agosto de 1870.
O eserivo,
Pedro Rodrigues de Souza.
SANTA CASA DE MISERICORDIA DO
RECIFE.
Dinheiro vista.
Perante a Illma. junta administrativa da Santa
Casa de Misericordia do Recife, na sala de suas
lias, pelas tres horas da tarde do dia 15 do
cmala se ha de arrematar o fornecimento dos
medicamentos que lver de consumir a botica do
iul Peiro II, no trimestre de outubro a de-
zembro vjndoaro, e que constam do annunck) pu
blicado oo Diario de 17 de junho Ando.
Os pretendamos podero, para receber esclare-
cimentos ,dtrigir-se secretaria da Santa Casa,
onde existe a relacao dos medicamentos qoe po-
dem ser pedidos.
Secretarla da Santa Casa de Misericordia do Re-
cite, 9 d setdmbro de 1870.
O ter i vio,
Pedr* Rodrigues de Sonza.
SANTA CASA DA MISERICORDIA DO REUFE
6 DE SETEMRRO D 1870.
(Dinheiro vista), f
A Illma. jnnta administrativa da Santa Casa
da Misericordia do Recife, no intaito de akwgar
o circulo das pessoas que concorrem" arremata-
eao do fornecimento de gneros que tem de con-
sumir os estabelecimentos pios a seu cargo, nos
roetes do ontubro dezembro, manda fazer pbli-
i quaotia de 39
.talmente, e qoe
Mssahnente com dinheiro a vista.
> mesma jauta propostas para
la de suas sessoes
i-j da 13 do correte.
P'
pelas;
4l.i
Baealh
THEATRO
SANTO iNTam
EMPREZ4--C0IHBBA
COMPAHHIAFRANCEZA.
ALTA NOVIDADE.
Grande e variado espectacnlo,
LRICO E DRAMTICO.
Ouarla-feira 14 de selemko.
Brilhante ouvertura pela orchestra. Em segui*
da entrar o espectculo dividido esi tres pariese
PRIMEIRA PARTE.
LES NOCES DE JEANNETTE
opereta cmica em 1 acto
Personagens. Actores.
Jean............... Mr. Maris.
Jeannette.......... Mlle. Rrescia.
Petit Pierre........ "Mlle. Mariette.
A acejio passa-se em um do- departamentos de
Paris.
SEGUNDA PARTE.
Ser preenchida pelo actor dramtico o Sr.
Flaviano Cocino, cantando a linda aria
MEO YOYO VOCE ME MATA.
Em seguida representar a muito applaudda
scena cmica
O MATTO APARVALHADO.
TERCEIRA PARTS.
1. Linda canconeta exibida pelo distincto artis-
ta Mr. Carn
LA MANDOLINE A' DODO.
2. Canconeta desempenhada por mademoiselle
Thverri
LA CAXOTIRE DE SAINT CLOUD
3. Can cao patritica
LES VOLUNTAIRES DE 1792.
cantada pelo distincto artista Mr. Mariz.
4." O muito lindo e applaudido duetto
LES DEUX CHANTEURS SANS PLACE,
exibido pelos insignes artistas Mrs. Carn e Ray-
naud.
Os bilhetes podem desde j ser procurados no
escriptorio do theatrp das 9 horas da manha em
diante.
Os Senhores assignantes teiham a bondade de
mandar buscar os seus candes no dia do espec-
tculo at ao nvio dia.
E' permittido aos Srs. espectadores a entrarem
com suas bengalias ou chapeos de sol.
O preco geral dos bilhetes de radeirs, quer
para homens, quer para senhoras. 2*000.
Principiar s 8 da noute.
lT
DA
MUITO APPLAUDDA
i
NO
GRANDE IARDIM
DA
IMPERIAL
FABRICA DE CERVEJA
Roa do General Victorino n. 35
HOJE
13 DO CORRENTE
Qinta-feira le.
Programmas na entrada.
Preco de entrada 1*000 por cada pessoa.
AVISOS MARTIMOS.
Rio de Janeiro
Preteode seguir para o referido porto com a
possivel brevidade o patacho Monteiro por ter por-
eio da carga engajada ; e para a qne Ihe falta e
^avos a fret com o consignatario Joa
H Jos Goopalves Beltrao a raa do Commercio
0.17.
Para o porto cima segu co.n brevidade o br-
gue nacinnal Isabel, tem parte do seu carregaineu-
to engajado : para o resta que Ihe, falta trata-se
a,m os consignatarios Antonio Liz de Oliveira
Azevedo & C, ra da Crut n. 57, 1 andar.
ARANHAO'
A barca Mario, chegada do Rio de Janeiro, se-
gu para o Maranhao em poucos que lver, e por isso quem ijuizer aproveitar tao
boa occstQ de carregar, dirjase ao consignata-
rio JQaqufm Jo- (Jon.-alve? BettrSo ra do Com-
mercio n. 17.
COMPANHIA PERNAMBUCAN/
DE
Vavcga^o coseira por rapor
Parahyba, Nata', Maco, Mossor, Ara-
caty, Coar, Mandahn, Acarac e
Granja.
O vapor Ipojuca comman-
dante Moura seguir para os
portos cima no dia 15 o corrente
as 5 horas da tarde. Recebe car-
ga at o dia 14, encomniendn-
passageiros e dinheiro a frete at as 2 horas da
tarde do dia da s:ilnda : escriptorio no Forte do
ilattos n. 12.
Lavaiee!
O pepe, em resposta a< mo!. engrasador
das botas de Guilherme da- Prussia, com-
aendador da ordem de Deus; baccho, par-
tidario exaltado do partidobespanha, dns
colegios em que o pepe entis e addido
aocorpo dos caras enveruisada, apaixonado
das braquiuhas quiutaudeiras (j veem que
urna capacidade) cm a dizeMhe que est
prompto para o que uouver.
________ _0 pepo por, ce nao.____
8yocia<;ad Commeroial Bene-
ficen'e.
Por ordem da direecao convido todjs os senho-
res soctm a reunirem-se extraordinariamente em
assembla geral terca fera 13 do corrente. ao meio
dia, na rala das sessoes, aflm de se tratar de as-
sumpro cegrsnde iioportanci.-i commercial.
Assocacao Cemmer al Bendceme 6 de setem-
bro de 1870.
Joaquim Gerardo de Bastos,
Secretario.
OITerece-se um bomeui para caixtiro de en-
genho, do, que tem bastante pratica : a tratar na
ra do Paiira Floriano n. 18.
Ama
Precisare de urna ama forra e idosa, para tra
tar de meninos : na rua do Hospicio n; 40.
PARA O RIO GRANDE DO SUL.
O brigue Priticeza sahir em poneos dias ; para
o resto da carga trata-se com Pe eir Vianna & C,
na rua do Vigarlo n. II. sobrado.
Para o Cear e Aracaty
A barcaca Academia recebe carga para os por-
tes cima at a dia 15 do correte : a tratar com
o raesire no caes do Bario' do Lina-nenio, ou com
oSr. Jos Lopes Davim na rua do Vigario.
LEILOES.
LEILAO
de todos o utensilios do caf
exisiente no largo do Corpo
Santo n. 9.
HO*E.
O agente Pestaa far leilo por conta e risco
de quem pertencer, dos utensilios do caf do h'.r-
go do Corpo Santo n. 9, sendo buhares, tacos, bo-
las, pedras para gamao, mesa?, bancas de pedra
e de jogo, bancos de palhiaha, e tnmboretas, cade-
ras, lavatorios, quadros, armario, gamao, espe-
Ihos, relogios e mais objectos que se acharo pa-
tentes no acto do leilao, o qual ter lugar terca-
feira 13 do corrente, 11 horas da manha, no
mosmo eslabelecimento.
DA
Taberna rna dos Guararaprs
n. O, en leles a voatatic dos
compradores.
Hoje
O agente Martlos far leilao da taberna cima
em lotes constando d armaco, gneros e perten-
ees, s 11 horas do dia cima.
10 qoadros com finas gravras, novas e
goato itiglez.
Qaarta-feira 14 do c rrente.
Por intervencao do agente Pinto, no 2o andar do
sobrado da rua da Cada n. 51, onde hovera le-
lio de movis, lonca e vidros.
DE MOVIS
lou(ja e crystaes, a
saber :
m piano forte, urna mobilia de Jacaranda com 1
sof, 1 jardineira, 2 consolas com pedra marmo-
re, 2 cadeiras de braco e 18 de guarnco Rudo
Serfeito), 2 serpentinas, 1 tapete de sof, 4 es-
irradeiras, 4 descansos de ps, 4 Jarros para
flores.
Um toilette, 1 lavatorio, 1 cama Iraneeta, 1 mesa.
D. Adelaide Emilia de Lemos Pessoa e toda sua
familia agradecern c ; Jialmeute a todas'as pessoas
que se digoaram aeomtiaohar os restos mortaes
de seu marido Manoel Jacome da Silva Pessoa ; e
de novo convidam |uellas pessoa^, amigos e pa-
rentes do faeido para que lentas a bondade de
asitirein a ms>a it i stimo dia, qne ter lugar
na igreja da Santa Crox da Boi-viste, quarta-feira
14 do eorrente, pelas 7 hor.'.s da manha ; pelo
qm desde j anteeipam o seu profando reconhe-
etmenlo de gratidao por e^te acto de csridade e
religip.
.l^sa fncbre
0 capito Arisl.des Csar de Alrceida, tranzid.
de profundo pezar pela mort do seu respeitavel e
honrado amigo f Sr. eoron Justino Jos da Silva
Morera, que fve lagar 6a eidda de Oeiras do
Piauhy no infausto dia 26 de )ulho ultimo, manda
resar urna missa na igreja matriz da Boa-vista,
no dia 15 do corrente (quinta-fetra) as 8 horas da
manha em suffragio' sua alma, convida aos seus
collegas da faculdado de direito e a todos os Plau-
hyenses residentes nesta cidade [.ara nsbistirem-na.
m
Cesarlo Aurelano Ventura e alguns amigos,
tendo de mandar celebrar agumas missas e me-
mento qusrU-fera 14 do correte, pelas 7 horas
anba, na igreja da Santa Cruz, pelo descan-
co eterno de sea infeliz amigo Manoel da Silva Ja-
come Pessoa, stimo da do seu fallecimento, pelo
presente convidara a todos os sen* oarentes e ami-
gos assisjirem este aclo de caridade e religio,
pelo que se confessaiu eteruamento grato.
Estrada de ferro do Recife ao
S. Francisco.
Eu abaixo asigiiad scian'tifico ao respeitavel
publico que tenjo sido etr,pregado no armazem de
carga da estrada de ferro do Recife ao S. Francis-
co, deixei do o ser em virtude de nao poder mais
supportar a- multas e descontos de meu ordena-
do, que as mais das veres eraui immerecidas.
Joaquim Francisco de Mello Santos.
Aluga-se
on vende-se urna casa com grandes >commodos,
rediticada ltimamente, sita na cidado de Olinda,
rna do Aljube, junto ao mesmo Aljube n. 9 : qnem
pretender dir.ja-se escadinha da alfandega nu-
mero 3._____
Precisa-se lugar urna eecrava para o servi-
50 de casa e para vender : na rua do Oueimado
a. 6.2 andar.
O Dr. em meriecina Francisco Goncalves
e^oraes^mudou sua resid-ncla para o w
ido de um '
procaraou 0
profissao. yj
iroca.se cobre velbo em m^eda e vende-se
chambo e caixoes vasios e todcs es lmannos :
na rua da Imperatriz n 13, loja de charutos.
T ^,a'se cfsa da rua do Progresao. aeai
bada de uoo : na roa 4o Hom& n. "dfk soodo.
CASA U FORTJSA
Aos 5:000^
Bilhetes garantidos.
rua Primeiro de Marco (ontr'ora rua do
Crespo) n. 23 e ca-^as do costme.
O abaixo assignado, tendo vendido alm de ou-
:rs sortes, 2 quartos n. 140* com 5:000/ da lo-
tera que se acabou de extrahir a beneficio do
collegiq do? orphaos (139'), convida aos poasui-
ddres virem receber na conformidade de cos-
pne sem descont algum.
Acham-se a venda os felizes bilhotes garan-
iicos da 1' parto das loteras, beneficio d& nova
ig :eja de Nossa Seuhora da Penha (160>, que
se extranir sabbado 17 do corrente.
PRECOS.
Bilheto nteiro 6^000
Meio bilhete 3/000
Ouarto 1*500
Em porcao de lOOlOOO para cima.
Bilhete i nteiro 5/400
Meio bilhete 2/700
Qaarto 1/350
Manoel Mariins Fhwa.

Preeio-se alugar urna ama r-ferava a |vra
para o servico iBterno de casa de familia. oVeoA>
saber eng)mmar e cosfr : ns rna do Mirqeea *>
Heryal (antiga rna do Sol), sobrada n H.
Moleqe.
Precisa-se de um perito oficial de chapelle-
10 : a tratar u.i praea da Independencia n. 22.
Mmmmmmmmmwmmm
OSADVOGaDOS
E iseo Martins
Antonio de Sijueira
MUDARAM o seu escriptorio para a rua estrea
do Rosario n. 4.
0 SCHAREL
Eiiseo Martins
COM escriptorio de advocaeia rua estreita o*
Rosario n. 4, propoe-se igualmente a SOLICITAR
quaesquer cansas perante os tribunaes desta oida-
de, e pode ser procurado das 9 horas da manbaa
s 3 da tarde.
Na travs' do arsenal d" guerra, armaxem n.
1/, precisa se alugar um lolcque de 8 a 12 anis
para compras.
ya
Offerece-se para ama, de rasa de ponra fami-
lia, preferindo casa e-tranteiri : quem precisar
dirja-se a rua da Cruz, sebrado ufiareiloj qoaxU)
andar.
Criado
Precisa-se de um criado para compras e mais
servico : na rua do Imperador i>. 57, entrada..
pelo caes 22 de Nove.nSro.
Formas do fero
para purgar assucar : ra roa da Cadea ama
jo 4.
AM4
Precisa se alugar una mulher forra on sean,
para cozinhar Cumprar e eofommar, pera
oasa de pequea familia : na rua da Caieia
mero 8.
Secundino Predliano Gomes de Oliveira ten-
do justo e contratado com o Sr. Joaquim Jos Mo-
reir Dias a venda da taberna sita rua de S.
Bento n. 19, em Olinda, rogn a qnetn sr julgar
cora direito mesma, de apresentar seus titolos
no praso de tres dias. a contar de hoje. Recife !
de setembro de 1870.
O Sr. Antonio Maria de Camino tenr urna
carta vinda de Portugal pelo paquete ultimo, na
toja de ferragens a rua do Duatte de Caxias nu-
mero 53._________________^^^
Aluga-si; o 2" andar do sobrado di ruada
Go:a d. 46 : na rna do Conwnorcio n. 34, 3* an-
das, ou roa da Cadeia, escriptorio n. 49.
Precisa-se de orna ama que saiba, engommar ;
na rua do Imperador o. 57, atra peto caes. 2.2
de Novndiro.
AVISO
O administrador do CaK Commercial, no bfjo
do Corpo Saato n. 9, pede d > mtsax>
estabelecimtnto que >e a otas, que
hajam de as ir pagar at o .lia 13 do> corrent',
assim como quem se julgar cre r. apwsentar
sua3 contas, para serem pagas imm- :te;uente.'
^^^: m& QMLBm
1 MUDABA I
J8 O escriptorio da Dr. XUQSim Jos de JK
Campos da Costa de MnWriro* e Alba
querque est rua estrella do Rosara J
No iargb do Carm. n. 1, prechNHM da
homem solteiro ou com familia para ser 1
gado n 1 serviro de um ei-.genho muito pello da
estacao de Ipbjuc
urna ama. eecrava, para
lavar e engommar para casa de ponca fanua :
aa rua do Imnecaior a, 17^2; and


1*90

I




w
i verdad
se fallar coro os
A* na d
seeuintes -
Id Mol
Queran Gandido, de Vaer
Joaquim Cavalcanti da rqae Mello Filbo
(Pomfcal).
Jezuino Augusto dr,s Sanios Fragoso.
Virinimo Correia >Je Lyra (Cruangi ou Vicencia
Jos Hermino Poutual (engeriho Preferwiea).
Fernando Baral* da Silva (engeoho Morojo).
Manoel Poficarpo de Azevedo.
Antonio Gomos Cordeiro de Mello.
Eduardo de 0ana. Sttos.
Francisco 4a Silva Porto,
Juvenal Torrea.
Thom loaquim do Reg Barros. .,
o. di
asada
Esta farintaa
ios nos padeciomi1 "-
eomo asthma ou
inflamacao de bofe, pluma e .pibfri*; re-
Smedando.se com igual pmwto na
convalecentes.
nico deposit na pn trote inagiin-
DE
Bartholomen &C
34Ba larga do Rgsario-r i
MOFINA
Acaba de sahir luz
E
Vende-se
. 'H
Livraria franceza.
A
Este antigo estabelecimento, acha-se hoje montado n'uma
escala de poder servir vantajosamente os setis freguezes, atien-
to o grande sortimento de joias d'ouro, prata e brillantes, qne
sempre tem e recebem mensalmente das principaes toman da
Europa- cujos presos sao em competiveis e as obras garantidas
de lei.
1IOREIRA 13 ARTE C
fiMif r^miWtt'
Roga-se ao Uta. Sr. Ignacio V.elra de Mellp, ea-
crivao na cidade de Nazarelh desta provincia, o
avor de vir a roa do Imperador n. 18 a i oncluir
aquella negocio que V. S. se comprometteu reali-
sar, pela (erceira chamad* deite jornal, em nos
de dezembro prximo pasudo, e depois para Ja-
neiro, passoua Cevereiro e abril, e nada cumprio,
e por eslMBOtivo de novo chamado para dito
fim ; poiT.S. sedeve lembrar que este negocio
_de mais de ott annosv e quando o senhor s*u
fllb* se acaava no estado nes* cidade.____
Rua a
Victoria
(Outr'ora rua Nova.
O abaixo aatigoado acaba de vender nos seas
muio feliies bilhetos da lotera qne .-e ettrahio
em benoficiodo collegio dos orpha amiquarto
de n. 1401 com a sorte de 5:000*000, nm atejo n.
S15i com a sorte de 900*000, alem'de ontroi pre-
mios menores, podando os pssofdofs virtm re-
ceber, que pronpumeote serie pos.
Acharo-se venda os feliws DilhetM garantidos
em beneficio da nova, igreja da Penha,
Inteiros 6*000.
Meios 3*000.
Quartos 1*800.
i De 4000000 para cima.
, Inteiros | 3*400,
Meos 1*700.
Quarts 1*350.
Joao Joaquim da Costa Eeite.
MANUEL & C.
W
%&
a satisfago de participar aos seos numerosos fregoezes, que em vista de.se^'D~ ^^ff **
establecido orna nv. fabrica de chapele sol, na roa da Cadeiado Rea e, .9,, hcje ^ *X-Tev-rf& g
onde achaco os pretenderes, mui-o aullado sortenlo de chapeos ,d de. todos os P>WM"gM *g
eos mas commodos do que comporta o osso mercado : convidan 8Pea,e* .* vL^Xem escSher as ir-S
darem, sendo possivel suas encomrxendas, i.ois poderao assim serem raais bem sen idos, visto poerem escomer ^
mneoes aslazendas que a demora da fabricaran e bero diminuta.________________________.----------------------------8g|
m
m
' te
NA ANTIGA E BEM CONHECIDA FABRICA
^ DE
CHAPEOS DE SOL
Vendas Vende-se a proprieade Guarapes no Rio-
Grande do Norte, com trras casas e armazere
de um e outro lado do rio, lugar betr. conhecido
pela sua mportamia comraercial, cujo porto ofle-
rece muita facilidade para embarque e desembar-
que de gneros. _
Igualmente se vende o engenta Jaodibany (na
mesma provincia) rooente e corrente, com cinco
leguas de trras de maltas virgens, ota escravos
bois, besus e alambique ( ou somente o emgenho
com as trras que convier ao comprador). Estas
propriedades vendem-se por baratsimos precos,
e tamben se permutara por engenbos nesta pro
vincia. Parahyba e Alagoas, ou por casas as ca-
pitaes das memas : tratar com o proprietanc
major Fabncio Gomes Pedro^a ra da Cadeia
n. o, ou com os seus procuradores no Rio-Gran-
de do Norte. __________________
NOSSO SENHOR JESS CHRISTO,
MARA SANTISSIMA
E
VARIOS SANTOS.
A saber:
Setenario do Senhor Bom Jess dos Passoe.
Offlcio do Senhor des Paseos.
Novena do Menino Deijs.
Novena de N. Sentara da Conceico.
Setenarlo das Dores de Mara.
Offlcio das Sete Dores de Maria Santsima.
Novena de Senhora do Canno.
Offlcio de N. Seohora do Carmo.
Novena de N. Seohora da Penba.
Cnticos de N. Senhora da Penba.
Novena do B. S. Joao Baptist.
Novena da Senhora Sant'Anna.
Trezeua de Santo Antonio.
Novena do B. S. Jos.
Um bonito volme encadernado.
21000.
VICTORIANO PiLMRIS.
D,W.
DA


Rna do Barao da Victoria, esquina da Camba do Carmo. ^
(Antiga Ra Nova)
Ha sempre um gr.nde sortimento de cbapos de sol de seda, merino, alpaca breUnhmaJen'inha^^ce ^^ %
do e de a.odo os todos os lmannos i feitios, alm:_d,.. ^^^^t^2

armares de todas as qaalidades para satisfazer qualquer encommenda.
qne escusa de mencionar.
TRILHOS URBANOS ^0 RECIFE A' OLINDA.
Tabella das horas de partida e chegada dos trens provisorios.
Ida.
ENGENHEIRO
Com fundiqo.
A RA DO BRUM N. 52.#
Passando o i-hafariz
Machinas vapor syslema melhorado.
Rodas d'agoa.
Moendas de canna.
Taisas d ferro batido e fundido.
Rodas dentadas para moer com agoa, va-
por e animaes.
E outros muitos objectos proprios d'agri-
culinra.
Tudo por prego milito reduzido.
Ama
Precisa-se de urna ama para casa de Jiome
solteiro : na ra do Amorim n. 56.__________
Precisare de urna malher que saiba i-ogom-
mar e coser com perleigao : na roa da Aurora
n. 40.
NTERESSANTI COIPOSiglO HTRRIRU.
coNTErroo:
A noite do xtasi?.
O sorriso.
A noite do assombro.
A lagrima
A noute do delirio.
O roysteno.
Com urna carta critica dirigida ao autor pelo
Dr. T. B. Rgueira Costa.
1 volume brochado 2*000.
AS CENTELHAS
Poesas patriticas sobre a goerra do Paraguay.
1 volme brochado 21000
NA
LIVRARIA FRANCEZA
Alngase o segundo andar do sobrado
n. 46 ra da Aurora : quem o preten-
der, dirija se ra Formosa n. 6.
Na travessa da roa
das Crnzes n, 2, pri-
meiro andar, da-se di-
nhelro sobre penhores
de ouro, prata e brilhan-
les, seja qual Por a quan-
tia. Na mesma casa com-
pram-se os mesmos me-
taes e pedras.
Ama
Precisa se de urna ama nicamente pa
nhar : na rna dos Guararapes n. 2.
con-
ALMANAK
ESTACOES.
lina d'Aurora.................
Pires.........................
Principe-----..................
Inao de B.rros................
Kspinheiros...................
lincruiilhada..................
Belm........................
<;ampe-Grande................
Salgad i o ti i....................
Arrembados...................
Olinda........................
ni3 MA.N'HAA.
Horas.
6.
6. '
6. 8'
0 11'
filf/
6.20'
6.23'
6.28'
6.33'
6.37'
6.10'
Horas.
7.
7. 3'
7. 8'
7.H'
7 16
7.20'
7.2o'
7.28'
7 :jy
7.37'
7.40'
Horas. | Horas.
de tardi:.
Huras.
8.
8. y
8. 8-
8.H'
8.16"
8 20'
8 2.V;
8.28'
8.33'
8.37'
.40'
V.
o. y
9. 8'
9.11'
9.16'
9.20'
9.25'
9.28'
9.37'
9.40'
3.
:. y
3. 8'
3.11'
3.16'
3.20'
3.W
3.28'
3.33'
3 37'
3 40'
Horas.
4.
4. 3'
4. 8'
4.11'
4.16'
4.20'
4 2o
4.28'
4.33'
4.37'
4.40'
lloras. Horas. Horas.
o.
o. 3'!
o. tf\
311'
5.16'
3.20'
S 2;.'
3.28'
3.33"
5.37'
5.40
6.
6. 3'
6. 8'
6.11'
6.16'
6.20'
0 2o
6.28'
6.33'
6.37'
6.40'
/.
7. 3'
7. 8"
7.11'
7.16'
7.20'
7.25'
7.28'
7.33'
7.37'
7.40'
Volta.
ESTACdES
Olinda........................
Arrombados................
Salgadinho....................
:ampo-Grande...............
Belm.......................
Kncruzilhada.................
Kspinheiro-----...............
Joao de Barros...............
Principe.....................
Pires.......................;
Ba d'Aurora................
DE MANUAA. DE TARDE.
Horas. Horas. 8. Horas. y. Horas. Horas. Horas. Horas. Horas. Horas.
1 7. 10. 4. 5. 6. 7. 8.
7. r 8. 8' 9. 3' 1q. 3' 10. 7' 4. 3' 5. 3' 6. 3' 7. 3' 8. 3'
7. 7' 8. 7' 9. T 4. r 5. 7' 6. 7' 7. T 8. T
7.121 8.18' 9.12' 10.12' 4.12' 512' 6.12' 7.12' 8.12'
7.15' 8.15' 9.15' 10.15' 4 15' 5.15' 6.1.V 7.15" 8.1o
7.20' 8.20' 9.20' 10.20' 4 20' 5 20' 6.20' 7.20 8.20'
7.24* 8.24' 9.24' 10.24' 4.24' 5.24' 6 24' 7.24' 8.24'
7.29' 8 29' 9.29' 10.29' 4 29* 3.29' 6.29' 7.29' 8.29'
I 7.32' . 8.32' 9.32'i 10.32' 4.32' 5.32' 6.32' 7.32' 8.32'
7.37' 8.37' 9.37'1 10.37' 4.37' 3.37' 6.37' 7.37' 8.37'
7.40' 1 8.40' 9.40'| 10.40' 4.40' 5.40' 6.40 7 40' 8.40'
COMPANHIA
DOS
TRILHOS URBMOS
DO
RECIFE A OliIMDA.
Tendo a directora de emittir novas ac-
coes at o valor de 200:0000000 segundo
foi autorisada pelo decreto n. 4563 de 10
de agosto do corrente anno, s3o convidados
os Srs. accionistas, em cumprimento ao que
dispoe o art. 4o dos estatutos, a inscreve-
rem-se at o da 14 do corrente declarando
o numero de aeces quejpretendem.
Avisa-se que a nova emisso tem de ser
feita por prestaeoes na razo de iO/o.e-
com inteivallos de 30 das; o que do da
15 em diante $er3o emittidasas aeces que
forem subscriptas pelos accionistas ac-
tuaos.
Recife, 6 de setembro de 1870.
Joao Joaqnim Altes,
Io secretario.
Precisa-se de um b. m cosinheiro pa-
ra casa de estrangeiros, na visinhanca da
Passagem da Magdalena, devendo o mes-
mo fazer as compras r na ra do Commer-
cia n. .36.
lomingos e dhis santificados.
Do Heerfe s 6, 7, 8,9 e 10 hora da manhaa ; 2. 3. 4. 5. 6. 7 e 8 da tarde.
De Olinda s 7. 8,9,10 e 11 horas da manhaa; 3, 4, 5,6, 7, 8 e 9 da tarde.
AMA
Precisase de urna ama que cotinhe e ensaboe
para casa de familia : tratar na pr pendencia n. 5.
O SUPERINTENDENTE,
A. d'Abreu Porto.
GUSTAVE
CABELLEIREIR FRANCE2
51-Rua da Cadeia do Recife51
Chama a attencJo dos seus innmeros freguezes, e do respeitavel publico e
* ^eral, para a seguinte tabella dos precos de sua casa, os quaes sao vinte por ceatt
dais barato do que em outra qualquer parte:
Ctbelleiras para senhoras a 25*5, Cadeias par? relogio a W, 60,
301, 33 e......40fi000 7(5, 80, 90, 120 e. JBtfOOl
Ditas para hornera a 350, 400 e
Coques a 120, 150, 180, 200,
230, 300 e ^^^H
Aluga se e vende-se o jardim botanice, sitio
com excellente casa, alem de oatras para escravos,
estribara, tres cacimbas com rauito boa agua de
beber, muitos arvoredos fructferos, e terreno pro
prio para verduras, capira, etc. Tambero aluga
se o palacete ao lado da igreja do Senhor do Bom
Fim, a melhor casa de Olinda, tendo jardim, agua,
casa para banho, e vanas froctas ; a coiinha, e casa para escravos indepeudente : a
tratar na rua do Bom Fim com o Dr. Paes Barre-
to, ou com Cristovao da Cnnha Soutoraao^_____
Mudanca
Joao Silveira Carneiro da Cnnha transferio o seu
escriptorio da rna da Cruz n. 10, para a rua So
Commercio n. 3, l* aqdar, por cima do London
and Brasilian Bank (entrada pela rna do Torres.)
Aluga-se por 405 mensaes um prete perfeilo
cozinheiro : quem precisar drija-se praca do
Conde d'En, botica n. 19._____________________
1 Anda estar por alugar a casa do Mondejto n.
36, e tambem se vende : a tratar na rua da Cruz
o. 31, andar. _________^^^
300000
500000
Crescentes a 120,150,180,200,
tr*&, 304 e .... .
Cachos ou crespos a 30, 40, 50,
<$, U, 80, 90 e. 10*000
Tranca de cabello para annel
500, e.......- 10000
rranc para braceletes a 100,
130, 200, 25 e.....300000
Corte de cabello......
: Corte de cabello com friecto. .
320000 crte de cabello com lavagem a
a champou......
Crte de cabello com mpez da
cabe?a pela machina elctri-
ca, nica em Pernambuco. .
Frisado ingleza ou franceza.
Barba.........
501
50f
10001
10001
504
2SI
CRIADA
Na cidade de Olinda precisa-se do urna criada
para casa de pouca familia : trata s no Recife.
rua de S. Francisco n. 72. ^^^^
Precisa se de um oaireiro que tepba bastan-
te pratica de toberna e d fiador de sua conducta:
no arco da Conceico n. 6.
Sras.
safio
SIGNATURAS MENSAES
Especialidad^ de penteados para casamento
Bailes e solres
Wbeiecimento previne s Recommenda-se a superior TINTURA JA
AMA
Precisa-se de nma ama forra ou captiva para
eozinbar e eogommar para casa de urna pequea
familia : a tratar na rua da Cruz n. 19, 1* andar.
Ama
Precisa se de urna ama para todo o servico de
ama easa de pouca familia : na rna da Penba n.
25, andar.________________________.
Ama de let
.Na rua da Penha n. 95, andar, precisa-se de
nma ama de leite que nao techa fliho.
Ama
Precisa-se de urna ama que saiba eozinbar
na
o net
que ba umimas. i 3. PONEZA para enegrecr os cabellos e bar
i admittida na ExposicSo Universai
3o prejudicial sade, por ser ve nm d codorniz n. h
SuBie' approvada pelas aca/fe* de umaara para ca^a de pouca
RIS E LONTj m-
PARA O
mm, de i87i
envidamos aos Srs. advogados, negoci-
antes, mdicos, artistas, endustriaes etc. ele.
para que remettam rua do Imperador n.
54, os seus nomes ou firmas, com indicac/io
da rua e n. da casa em que leem os seus
estabelecimentos ou residencias, alim le
serem contemplados no Almanak futuro.
Igual convite fazemos as companhias de se-
guros, bancos, agencias, associacoes. lutera-
nas, scientificas, humanitarias, carporacCss
religiosas etc. etc.
Para o fim supracitado s podero spr
acceitas as informaces fornecidas at o ul-
timo do corrente mez.
AHR01
D'YVETOT
RUA ESTREITA DO ROSARIO N. 14.
Urna qualidade de commercio faltava nesta popu-
losa, cidade um estabelecimenlo em qne se compre
e venda toda a qualidade de roupas feitas novas
e velhas, um basar que se denomina em Pars
Bric e Brac E' este o estabelecmento que se
abriu i rua estreita do Rosario n. 14. Assim,
todas as pessoas que quizerem vender, ou co|n-
prar roupas novas ou velhas e todos os milis
objectos do servico domestico, inclusive trem de
cosinha, poderao dirijir-se ao indicado estabelec-
mento para contratar, e offerece-se para ir ^m
casa dos pretendentes para effeciuar as compras
9 vendas.
Perden-se urna pulseira de mosaico, do lim
da rua do Mrquez de Olinda at o principio da
rua da lmperatriz ; se alguem achou-a e qnizer
restiiuiia seu dono, tenha a bondade de diri-
gr-se rna. do Mrquez de Olinda n. 64, que ser
recompensado.
AMA.
Precisa-se de urna anft que saiba cosinhar :
tratar na rua do Amorim n. 43._____________
Ensillo na Capunga
NaCapnnira, porto do Lacerre n. 21, ha urna
pessoa habilitada que se presta a ensinar querem
casas particularos, quer na sua, mnsica e priinei-
ras letras : quem disto se quizer niilisar ah se
dirija das 3 horas da tarde era diante.
Cara rpida e iufalllvel dos cal-
los, pela pomada
Galopean.
Deposito especial na pharmacia de Bartholomeu
&C,
3iRua larga do Rosario34
Roh-jnte-rheumitico.
Remedio efflcacissirao contra as dores rbenma-
ticas at hoje o raais conhecido pelos seus mara-
villosos resultado?.
Ama
Na rna do Vigarlo n. 5, 3 andar, precisa-se
de urna ama para cosinhar, cujo servico faga com
perfeicao e qne seja de boa conducta.__________
LIVROS A' VENDA
NA
Rua do Imperador n. 15.
Devol Neyroguet, compendio de Theologia mo-
ral.
Dr. Phelips, direio ecclesiaslico.
Geffodid, cdigo dos fallidos.
Ventura, a mulher catbolica.
Avila, aritnmetica.
Meor Charin, gemidas e esperaba.
Charma, ensaio sobre as bases da moralidade.
Otloni, geometra. '
Diccionario dos principiantes, francez e latim.
Figueiredo, arithmetka.
Dr, Jayme, poema por Thomaz Bibeiro.
Influencia das machinas.
Baro de Paiva, ltimos Uns do hornera.
Noel, eurso de litterrtura. %
Belinae.
Souza e S. Paes, preleccoes de dreiio patrib.
Ollendorr, ensinn pralico da lingua fraaeeza.
Ventura, as muiheres do Evanftelho.
Veslauroe, coaaenrio ao cdigo Napolen.
Bellime, philosophi de direito.
Oudot, consciencia^ e sciencia do dever.
Ventura, a tradieco.
Gobnet, theologia dogmtica.
Gonneb, principios de direito cannico.
Bru< kruz, natureza e origem do direito.
Tito Livio por Manoel Bernardo Branco.
Benard, philosophia.__________
ATTENCA
Na rua estreita do Rosario n. 35, 1 andar, casa
particular de familia, contiaua-se a fornecer co-
medorias para fra pela tabella abaixo :
ALMOQO.
1 prato de solido.
1 dito de farofa.
2 pae?, cha ou caf.
Preco 20000 mensaes.
JANTAR.
3 pratos cem carne.
Pirao.
Arroz.
SfiM.
Sobre-mesa.
Preco 30*000 mensaes.
Faz-se algum abate, sendo para raais de urna
pessoa reunida.
A 1#U00
na rua do
Os melhores espanadores de palba
Crespn. 25, loja da esquina. t
Aluga-se o 2" e 3 andar do sobrado n. 32,
sito prac,a do Conde d'Eu, ambos tendo commo-
dos para grande familia : a tratar na rua do Ale-
crim n. 30.
Precisa-se de urna senhora de bons costumes
e com as hablitacoes precisas para ensinar as
primeiras letras a anatro meninas e meninos em
um engenho na freguezia de Jaboatao, distnt*
desta praca seis legoas : a tratar na rua Nova n.
51, botica.
*
O bacbarel Joaquim Goocalves
Lima tem escriptorio de advogado
rua do Imperador n. 33.
&
Joaquim Jos Gonpal-
ves Beltrao
Rua do Trap;che n, 17, 1" andar.
Sacca por todos os paquetes sobre o banco do
Mmho, em Braga, e sobre os seguintes lugares em
Portugal :
Lisbaa.
Porto.
Valenca.
Guimaraes.
Combra.
Chaves.
Visee.
Villa do Conde.
Arcos de Val de Vez.
Vianna do Castello.
Ponte do Lima.
Villa Real.
Villa-Nova de Famelicio.
Lamego.
La nos.
i'.ovilhaa.
Vascal (Valpassi).
Mirandella.
Beja.
Barcellos.__________________________
Ooz'nheiio.
Precisa-se de um cozinheiro qne seja perfeto :
a tratar na rua do Marque de Olinda, armazem
n. 35.
MUDANCA.
O Dr. Carolino Francisco de Lima San-
tos mudou sua residencia e consultorio
para a rua do Imperador n. 57, 2 andar
do sobrado cujo armazem conserva an-
da hoje o nome de Alianca, tendo a
entrada, que pelo lado da ponte Sete
de Setembro, o mesmo numero 57, da
frcnle. Ah continuando o dito Dr. no
exercicio de sua profisso de medico e
de operador, pode ser procurado a qual-
quer hora do da e da noute
Ama
Precsa-se de nma ama para o servico de urna
casa de duas pessoas : na rua da Conceiso nu-
mero 37.
Precisa-se de urna ama forra ou captiva pira o
servico interno e externo de nma casa de pouca
na rua Velha n. 66.
familia
Aluga-se a casa de doas andares e solao da
rua da Aurora: na mesma rua n. 38.
No palacete da rua do Visconde Goyanoa
n. 101 (Mjndego), precisa-se de nm empregajo,
quer brasileiro ou estrangeiro, para tratar de si-
tio e jardim, e qne saiba tambem alguma cousa
bolear cabriolet ou carro : a tratar no mesmo. ou
ja roa das Cruzeg n. 38, at as 3 horas da larde.
INDISPENSAVEL PARA O COMMERCIO DE FA
. ZENDAS. |
Tabella comparativa dos precos de qualquer ft-
zenda.
Pelo metro nos precos pelo corado desde 50 res
at 4|97S.
Pelo covado nos precos pelo metro desde 50 rfl>
nenie impressa 2/.
Livrria franceza.
= Pree9ase de un caixeiro que tenha pratici
de molhados, prefe'rindo-se portuguez, de 14 a 20
annos de idade, para um estabelecmento na villa
do Porto Calvo : a tratar na rua de Domingues
Jo6 Martins n. 84._______________________.
Na roa da Matriz da Boa-vista n. 13, preci-
sa se de um pre'o forro ou captivo para o servico
de casa._____________________________'______
= Frecisa-se contratar um
Rvd, sacerdote para urna ca-
pellana, n'uma cidade populo-
sa e perto do Recife : tratar
nesta typographia.____________
Sociedade Liberal TJnio Be-
nefleente
De ordem do conselho administrativo sao convi-
dados todos os socios reumrem-se em assembla
geral extraordinaria, no da 13 do corrente mez,
as 6 i|2 horas da tarde, na casa da mesma so-
ciedade.
Secretaria da ?ociedade Liberal Uniio Benefl-
cente enr9 de setembro le 1870.
Inno
0 CIRLRGIAO DENTISTA
Frederico Maya
Tem a honra de scientificar ao respeita-
vei publico em geral, e aos seus clientes
em particular que elle mudou o seu gabi)
oete de consultas da rua Direita n. 12 para
a do Queimado n. 31 phmeiro andar, com
a entrada pelo pateo de Pedro II, onde po-
de ser procurado para os misteres de sua
profiss5o, todos os dias uteis das 9 horas
da manhaa s 3 da tarde.
Tambem previne, que contina a prestar-
se a vontade dos clientes nao s na cidade
como nos seus suburbios, para onde as
idas serio precedidas de ajuste. Elle ga-
rante o bom desempenho e a pereic5o de
seus trabalhos, o que j bem conhecido,
assim como as commorlidaces dos oreos.
Agencia em Pernambuco
Do Dr. Ayer
Peitoral de Cereja
Cura a phthysica e todas as molestias do peito.
Naisa parrilha
Cura ulceras e chagas antigs, impigens e
tros.
Tnico
Conserva e limpa os cabellos.
Plalas catUartlcaa.
dar-'
---- C.KrinhA .
)fTerece-se urna pe
quer casa: a tratar na r
leia-nova n.
PRIMEIRO E ANTIGO CONSULTORIO
HOMEOPATHICO
Dirigido pelo Dr.
SANTOS MELLO
Os habitantes do interior podem-no
consnl'.ar por eseripq, no que serlo sa-
sfeitos cora promptido.
Presta-se tambem a chamados para o
interior, a preco mdico.
' Consullas, no consultorio das 10 horas
ao mejo da.
Chamados, a qualquer hora.
Aos pobres gratis.
43Rua do BarSo da Victoria43
(Antiga rna Nova).
mtmm umwmwm ao
Senhores cocheiros,
carreiros etc.
Farello.
Novo, desembarcando no caes i
Ibendose no armazem de farini1
30 Irmaos & C,
mesmo, ou na ru
s
t reco-
de Tas -
iratar no
Na rua de Bor
feitor portuguez para si


de F<
IDUCO
ibro de M
Este conhecido estabelecimento acba-se constantemente bem sonido, em virtude das
facturas que recebe por todos os vapores e navios franceres, dos artigos abaixo menciona-
dos, precos os raais resumidos que possivel. >
CALCADO FR1ICEZ
Botinas para *enhoras e meninas.
Botinas pretas, brancas e de omitas outras cores, sortidas e bonitas, do ultimo gos-
to da moda, e precos mais baratas io que em outras partes.
Botinas para bomens e meninos.
Botinas de bizerro, eordavao, lustro e pellica, das melhores fabricas e escelbidas.
Botas e peraeiras russianas.
Botas e peraeiras para raantaria, das melhores qualidades, de couro da Russia, las-
tro e bizerro.
sapatos de borracha para humen e senmoras
Tendo cbegado grande porcao de zapatos de borracha vende-se pelo custo am de
desempatar o dinbeiro nelles eropregado, sao baratissimo?.
Sapatos de lastro para homens.
Sapatos de entrada baixa de couro de lastro com salto, de mnito boa qualidade.
Abotinados para meninos e meninas
Sapatos abotinados d differentes modelos, de muito boas qualidades e fortes, tanta
para meninos como para meninas, muito baratos.
sapatos de tapete.
Sapatos de tapete aveludado, de casemira, de charlte e de tranca franjezes e por-
tuguezes para homens, para sentaras e para meninos.
PERFUMARAS
Excellentes extractos, banbas, leos, agna de cologne, florida, divina, lavande, den-
triee, de toilette, sabonetas, tintara para cabellos, pomada angroise para bigode3, pos de
arroz etc, todo isto de primeira qualidade, dos afamados fabricantes, Condrav, Piver e Lubin.
j. xtiirtir v iii
PBBTOOH.4PH1 i IM*EltIAE
18----ttJA DO OABUGA----18
A entrad* f>eop4m da matriz.
Os trabathos da retdifleacaa desta photograpbia.
e que se prolongaran) por tanto lempo, aeham-st
felizmente terminados a ella abrla ao servico de
publico desde 7 de abril passado.
O predio em que est collocada esta photogra-
pbia acba-se muito augmentado, tsa parta desti-
nada ao esta beleci memo conta cinco salas, inclu-
sive as do laboratorio. Todos os tomarlos e aug-
menios tenjio sido felos expressamente par se
montar convenientemente a photograpbia, e nio se
podendo melhor modeloescofiwr do que a Pkoto-
Eafiia Imperial do Sr. insley Pacheco do Rio d<
neiro, o primeiro pliatographo do Brasil, e um dos
primeiros do mundo, segundo a opinio dos maif
abalisados mestres, a nossa photographia acba-se
(Hsposta e reedificada pelo mesmo plano 4a do Sr
I. Paeheco, a quel fui montada sob todas as regras
recommendadas pelas mais desuncios professore?
de accordo com as modincaepes necessarias ac
clima do Brasil, reconhe'cidas e estudada pelo ha-
bilissimo e pratico Sr. I. Pacheco.
Todo o interior do predio em qne est ossa
photographia foi mudado desde a soltira da porta da
ra at a coberta, tendo-se demolido todas as pa
redes interiores para se fazerem as novas salas.
edificando-se um aovo 'taraco eividracado mu
eepacoso e elegante.
Como sabido, fizemos ama. viagem expressa
mente corte para examinarraos as melhores pho
lographias all, e foi a do Sr. I. Pacheco, a que
mellior correspondeu aos noses desejos e aspira
c5es, e da qual trouxemos os planos depois de
alli estarmos todo um mez estudando e apro-
veitando a* liooes de tao dlstmcto mestre. Peo
sarrios que juntando os nossos estados, e longa
pranca de 15 anoos de photograpta sutiHssimaf
licoes ultiman ente recebidas do Sr. I. Paeheco,
tende moudo a nossa photographia como a
acha, podemos offerecer ao Ilustrado publict
d'esta cidade e aos nossos nou.erosos freguezes
irabalhos de photograpbia lio peritos, como sr
poder desejar, e disto convencidos, esperamos
que contiuuem a dispensar-nos a mesma pro-
leccao com qae ha 15 annos nos tem honrado e
ajudado.
Ningfuem contesta
Qne
do bezo ser-
armazem se acha boa
Diversas conserva
.o, p
- _

lyUfn
cF
ralados e em caldas, de goiaba.
BBBBBBS
a tasaras.
------s alimenticias.
salmn e lagostas em latas.
Licor esiomacbico e digestivo aya-pana.
Toncinho inglez para lunch.
Ervilhas francezas e portuguezas.
Camarde- seceos do Maranhao.
Doces finos,
etc., etc.
Ghampanha dos ajelhore fabricantes.
Vinhosmaduro do Porto; ditos da Figueira,
verde e palhelo. felos ltimos vapore
franceze brasilfiro.
Qoeijos de Minas, de, prato e Qamengos.
Lvas de Alicantesao um torrao d'assucar.
O Campos garante a sopenoridade dts gneros
cima descralos
B juepji duvldar venhs ver.
FazMidas finas para
ato'
Offlcina de alfaiate
LOJA FLOR
NA
DA
DE
BOA-VJSTA
F. de H. Cnimares.
Caixeiro
Nejta offlcina se mandam fazer roupas feitas por
medida, lendo um completo sortimento de fazen-
das proprias mesma, assira como um perito mes-
tre. Garaots-se ser precos mais em conta do que
em ontra qualquer parte : na ra da Imperatriz
0- 48 junto a padana frauceza.
Aitencdo.
Vende-se um eavallo de sella de bons andares,
com arreios, gordo : no pateo da Kibeira n. 13.
CANTARA DE LISBOA.
Soleiras, bombreiras e capiteis : a tratar ao
armazem da travesea do Corpo Sauto n. 2o.
mo gusto a 18J.
" SEDAS DE COIES MIUDINHAS lin-
dos padrdes alltj covado.
t MUBJAmQUE RETO SUPERIOR de
S todos os padroes a 26 o covado.
MUSSELINAS BRANCAS E DE CORES
M fiaos a 400 rs. o covado.
CORTES DE CAMBRAIA COM FIGU
RIO a 10 varas a 6J5 o orle.
COLCHAS ADAMASCADAS BRANCAS
SEDE CORES a 31. S*50o e 6*
CHALES DE JERINu- DE COHES E
SPRETOS e de cafflbraia bordados de cor a
JoOO nm.
LENCOS BORDADOS DE CAMBRAIA
3 finos a 640 nm.
Sm CAMBRAIAS VICTORIAS. E INDIA
TRANSPARENTES linas de iodos os pre-
cos.
CAMBRAIAS DE CORES. CHITAS
m CLARAS B ESCURAS E MIUDINHAS de "
|2e0aS00ocov;ido.
MADAPOLO E ALGODOZINHO SU-
eos.
AS c
n. 25, loja de 'Manoel
PER.OR DAO-SE AS AMOSTRAS com penhor,
na rna do Crespo
Dias Xavier.
Quinquilharias

Lavas de pellica do conhecido fabricante Jouvin, espelhos para sallas, qnartos e ga-
binetes, toncadoro- de diversos tamanhos, Jeques para eenhoras e para meninas, ahridores
de luvas, brincos, pulceiras.botoes, crrenos e chavas de relogios e trancelins, tudj de
onro de lei, correntes e brincos de plaqu, a iraitacao e de mais gosto do qne as de ouro,
caixinhas de costura ricamente guarnecidas e ornadas com lindas pessas de msica, albuns
e caixilhos dourados para retratos, caixinhas com vidro de augmento para distintamente
ver-se a perfeicao dos retratos, objectos de phsntasia para toilettes, holsinhas e cestinhas
de seda, de velludo e de vimes para braco de meninas e senhoras, ditas para costuras, pe-
queos registros mnito finos e delicados, bouquets de flores de porcelana, jarros proprios
para gabinetes e santuarios, qnadros promptos para collocar-se vistas, molduras douradas
para quadros, estampas finas de paysagens, cidades, figuras e de sanios, vidros para eos-
moraraa, malas, saceos e bolsas de viagees, esporas, chicotes, bengalas, oculos, lunetas ou
pensmez de prata dourados, gravatas pretas e de cores, ahotoaduras de collete e de punhos,
carteinnhas para notas, thesounnhas e caivetes finos, pentes, escovas, ponteiras de espuma
para charutos e para cigarros, josos d domin, rodetes, bagatelas e outros diflerentes, ve-
nezianas modernas muito conveniente para portas e janellas, cosmoramas, lanternas mgi-
cas, esteriocopos com nteressaotes vistas de figuras o das mais bonitas mas, Loulcvard?,
praejas e passeins de Paris, photoirraphias e caixinhas mgicas, reverberos para candieiros,
tapetes de vidrilbo e de lia de cores para ps de lanternas, realejos prandes o pequeo?,
harmnicos, acordions de todos os tamanhos, bureos de vimes para crancas, sapatinhos e &<5
toucas de la, carrinhos de 3 e 4 rodas muito eieganles para condurir enancas passeio ; e \W
outras rauitas quinquilharias de pliantasia, francezas e allemes, precos muito em conu.
Para este artigo n5o ha espaco nem tempo para a masante leitura da infinidade de
gneros de brinquedos fabricados em diversos paizes da Europa.
Precisa-se de um menino para caixeiro de ta-
berna : a tratar na ra do Mrquez do Herval
(outr'ora da Concordia) n. 132.
AMA.
Precisa-se de urna ama que engomme com per-
feigo, intfifferente qus seja nacional oa estratv-
geira : a tratar na ra Nova casa n. 22.
Aluga se urna escrava com oilo dias de pari-
da com muito e bom leite : a tratar na ra de
Aguas-verdes n. DO.
Ama
Na ra da Cruz n. 24, andar, preci*a-se de
urna ami para servir a um homem s, que saiba
lavar, engommar e cozinhar.
Aluga se um sitio com boa casa de vivenda
e grande quanlidade de arvoredos de frncto, entre
os quaes boas laranjas de umbigo, sanotis, goiabas
etc., no largo do chafariz da Passagem da Magda-
lena : a tratar com o sea proprietano no sobrado
da esquina que volta para os Remedios n. 29.
Bichas hamburgnezas
Neste novo deposito reoebe-se por todos os pa-
quetes translanticos bichas de qualidade superior
e vendem se em eaixa ou porrao mais pequea
e mais barato do que em oulra qualquer parle :
na ra da Cadea do Recite n. 81, andar.
Para cigarros
Excellente papel de linho muilo proprio par
cigarros : no armazem de Tasso Irmos & C, ra
do Amorim n. 37.
ATTENCAO
O dono deste estabelecimento
verificando as qualidades e os precos
reitnra e de conu propria.
pede ao publico em gera
baratos de
llitOS
que continu a visita-Io
objectw por serem vindos em di-
Precisa se alugar um escravo de boa con-
ducta para o servico de ama ioja de fazendas : na
ra de margo (antiga ra do Crespo) u. 20 A
AMA
Preci>a-se de urna ama de meia idade para co-
zinhar e ensromraar era casa de homem solleiro :
aa ra de Pedro Affonso, outr'ora ra da Praia
numero 34.
HOTEL CENTRAL
37Rua 11 de Dezembro37
(Ou*r'ora JLarg i do Rosario)
No muito conhecido HOTEL CENTRAL encontrarSo samore os nossos innmeros
freguezes notaveis melhoramentos, ndispensaveis para comraodidad dos Ilustres fre-
guentadores.
No HOTEL CENTRAL encontrase-ha constantemente ludo que de confortativo e
deleitavel se pd; eocootrar em um estabelecimento desta ordem.
Assirn acha-se alli tima excellente casa para banhos, um salo todo alcatifado e
Am i,
Precisa-se de urna ama
para cafa do ranaz s4teiro
Caxias n. 12, loja.
qne compre e oczinhe
: na rua do Daqne de
No dia 14 d corrente mez, depais da au-
diencia do Dr. juiz municipal da 2' vara, sero
arremaudos os alngueis do 2 andar e/soto do
sebrado n. 31 rua larga do Rosario.
0 miizeo de joias
Xa rua do Cabug n. 4 compra-se onro, praU
yedras preciosas por precos mais vaaiajosos dr
tt.p em outra qaalquer parte.
Fechinchas novas
NA
Loja Flor da Boa vista
DE
Paulo F. de 11. Cuimares.
Lias para vestido, fazendas todas novas, cova-
do 200 a 300 rs.
Cambraias de cores francezas para acabar, co-
vado 200 a 320 *.
Chitas escuras e claras cores flxas, covado 240
a 360 rs.
La Amelia, fazenda nova, covado 600 a 600 rs.
Brim pardo trancado, boa fazenda, metro 500
aoOO rs.
Peca dt algodo e madapolao, cambraias trans-
parentes e victorias, precos omito baratos : na
roa da Imperatriz o. 48, junto a padaria franceza.
Especialidades.
Connoam a achar.se a venda na rua Direita
botica n. 88. os mui conhecido's e acreditados re-
medios d veame, e outres diversos medicamen-
tos eitos em Paris, bem como o* xaropes de co-
deina de Berth, de rbano o.lado, de iodurcle de
ferro de Blaneard e as pilulas do msmo, peitnral
oe eereja, pos de Rog, depurativn de Chable,
digilal de Labellony, pilulas ou confeitos de bis-
muiho de Chevrier, e cutios medicamentos cuja
prolicipncia quando empregados as doenoas das,
via respiratnria?, as dores rheumatlcas, na
amarellido, na falta completa ou irregularidade
de menstruo, as diarrhas, doenca* do corado
e do ettmago, tem sido e iucontestavel, em
vista dos benficos resultados das experimentae,6V
ou uso que diversas, pessoas delles teem feilo, as-
sim como das pilulas denominadas bravinas in-
comparaveis em fu efficacia nos arummellimen-
los febris ou sezSes; exi^tindo lambem na mesma
casa, alera a sufficiente quantidade de drogas,
um nao pequeo sortimento de tintas, oleo do" li-
nbaga e pincis, que se vendem por menos do que
em outra parte.
8
CHARUTOS
da Baha
do acreditido fabricante Joaquim Jos dos Reis,
exportadores Basto & Sobrinho, vendem-se pelos
seguintes presos, na roa Direita n. 31 :
Kxposica a S600 a caixa de 100.
Riachuelos a 45600 a caixa.
_Lvrcos a 4200 a caixa.
Bavana a 4200 a caixa.
Regaba d'EI-Rei a 5<600 a caixa.
Dita imperial a 2#600 a caixa.
Cal nova de Xfboa.
Chegada rucentemente no "vapor Gladiator, tem
para vender Joaquim Jos Goncalves Beltrao, no
seu escriptorio, rua do Commercio n. 17.
guarnecido de Uccuis,
rnaes nacionaes e estrangeiras etc., ele
i
Normas da Ilavana.
Suspiros.
Napokoes
Havanas.

CHARUTOS
Imperiaes
Amadores
Londrinos
Leaes
E de outros fabricantes, que seria ocioso innumerar.
As familias que nos quixerem obsequiar, tanto nacionaes como estrangeiros, en
contrarios commodos necessanos.
A moralidade e boa ordem a norma do
Hotel Central
Falla-se o hespanbol. francez, inglez e italiano.
mmmm mmmmmmwmmmmmm
RESTAURAN! DE PARS I
4Rua das Larangeiras 4 1
O proprietario deste estabelecimento, avisa ao respeitsvel publico desta |
cidade, e as pessoas que o honrar com sita zonfiaoca, que acaba de estabele- I
cer a seguinle tabella.
3 pratos a escolber.
Vinho.
P5o'
Caf ou cha.
i000
Sopa.
3 pratos a escolber.
Vinho
Sobre rresa.
Caf ou cb.
I DAS 7 HORAS A MEIA NOITE CEA SEGUNDA TABELLA
ALMoqo
JANTAB
Com muito naior vantagem compsaa-M
ouro, prata e pedras.preciosas e u obras velhas; na
loja de joias do Coracao de Ouro a. 2 D, rua do
Clug.
COMPRASE
apolii.'es do governoal o valor de 3:000000 por
menos doseu val r : quera as tiVer e quzr v.m
der, dirija-se ao Io andar o sobrado da rua dos
Martyrios n. 4.________
Compra-se ama casa terrea na Boa-visa que
tenha quinta!, comprehendendo Si*ledade, Caminho
Novo; tambem se compra nm terreno que tenha
mais do 30 palmos de frente e loO de funJo : a
tratar n;i taberna da rlia do oitao da matriz, ou do
Visconde de Aibuqucrque n 27.
CONVITE
0 Costa d rua Duque ue Caxias n. 42,
toma pelo presente a lioerdade de convidar
aos amigos e freguezes que sempre o hon-
raram e continuam a faze-locom o concur-
so de sua freguezia, virem visitar o seu
estabelecimenlo.certo de que n'to deixaro
de agradar-se, n3o s de s^us generus,
|.como do tralamento e limpeza qae a todos
despensa.
GNEROS DE IMPORTACAO
Uvas verdadera Feral
Amenas secas.
Peras.
MacSas,
Vinho do Porto de diversas qualidades
entre ellas a especial qualidadegloria do
Brasildito em pipas e barris, que re-
commendavel para mesa por ser o verda-
deiro vinho de pasto, dito verde da me-
nor qualidade possivel-
Queijos flamengos empellicados e prato o
melbor que' tm vindo a este mercado.
Ervilbis novas em conserva
Chocolate de especial qualidade.
Bolachinhas de especial qualidadede to-
das as marcas- condecidas.
Manteiga ingleza e franceza de Ia sorte.
GNEROS DO PAIZ
Doce degoiab em latas
Quijos de Minas muito frescos e de bi
qualidade.
Vende-se a casa terrea n. H, sita em Olinda,
rua do largo do Amparo, com excellentes com-
modos e grande quintal, solo proprio : a tratar no
Recii'e. rua da Tadeia n. 40.
Edward Fenton, na rua do Commereio, armazem
n. 22, tem para vender presuntos, toucinho em
mantas, conservas, queijos londrinos e biscontos
finos.
LAGEDOS pARA CALCADAS.
Venden Joo do Reco Lima Filh) : rua
do Apollo n. 4.
VINHO DO PORTO.
Vinho do P<>rto lino, de diversas marcas, tem
para vender Joo do Reg Lima & Filho, no $eu
escriptorio rua do Apollo n. 4
Vende-se urna roinla de araarello em bom
estido na cambo do Carmo n. 16.
Vende-se
Caixilhos para janellas, portas eripas.
Vendem-se 27 caminos para janellas, eompla-
tos, assim como portas para o interior de qnaUjner
casa, tudo em bom estado e por preco oromodo,
bem como 700 ripas de emberiba : a tratar na
rna do Imperador n 33, 2o andar, ou no Caldei-
reiro na casa em concert junto a estacan do ca-
minho d ferro de Api pacos. ^____
Armaeo.
Vend
rua do Barao da V
tr'ora rua Nova).
ATTENCAO
Para acabar
Chapos de massa linos a 3i e 6000-
l.iem do castor brancos a 3.
Chapelinas de palha e de seda para senhora a
5*000.
A-sim como ouiros chapeos que se vendem por
barato K' co para lum.lar : na rua Xjva n. 44.
Cbapaa do chilp Mipufiouea. de abas peque-
a- e grandes, a melbor (tenia que lera viudo ao
mercado : vende se ua rua Nova n. 44.
um ptimo terreno murado, pe- dras, soleiras, vergas, cepos, etc., g
para edieacaa de urnas qualro *?.
casas. |ft
A viuva do finado Henriqua Jorge ten- O
do reeebido tm partilha pelo jaizo de ur- )>
phaos bens para o integral pagamento
das dividas restantes de san casal, vende
o excellente terreno fuieiro, murado, na
travessa da Concordia entre o sobrado do
Dr. Beltrao e a carreir de casas terreas 5$
do lado do sal, comprehendendo na venda g<
as raeiacoes dos doos oiloes, enire es ^
quaes est situado o terreno ; e bem as- $J<
sim urna porQo de peoras de varios ta- Jft
manhos e qualidada?, proprias para edifi-' cj
cagoes : o que tudo pode ser visto e exa- >2
minado pelos pretendentes no lugar indi- >j
gcado, qualquer hora, nos dias uteis : ??
a tratar na rua do Queimado, on Duque Jl
de Caxias n 28, 1 andar, das 10 horas M<
y da manhaa < 2 da tarde. W
AGORA SIM.
No Bazar da Moda
RUA DO BARO DA VICTORIA
(Ontr'ora Nova;
Vii.XDE-SE
Lindas fazenda? para vestidos.
Da alta moda de P.iris !
De superior qualidade !
De bellsimos padroes !
De delicadsimas cores!
A saber :
Gases florentinas, nevidade !
Poupelinas lavradas.
Grosdenaples de cores e preto.
Setim macau de cores.
Cortes para vestidos de grande novidade !
Casss do ultimo goslo.
Fustetes de cores. t
Percaleas de melhcr qualidade.
Berejfs com listras.
Laazmhas de diversos preeos.
Alpacas de cores lavradas'e lisas.
Chitas escora* muito superiores.
Fil de sedahranco e preto, liso e com salpicos.
Dito de algadao.
Guipuz de linho e algodao preto e branca
E mui.-.s .'j!r:': fazendas, Rima sejam :
Aioalhados para musa e juiiianaj. -.
Toalhas para rosto, cJxas e cobertores para
cama.
Rretanhas, rnadaf "'" franrues, ele. etc.
Tudo se vende cuitu barato.
uao>j enj Buoe 'oe feS
= a Bi-tnja! \ cp ocjig op una 1 mam ads \^
pne 90J0J sooqs pac s'.oog sjazns jo mam J^j
u
Saiiram luz
As ras em contrai anqa.
Linda quadrilha para piano pnr Colas n:ho,
Flor da Boa-visLi, valsa: venda no grande ar-
mazem de pianos e e mosieas de Azevcdo, rua
Nova n. 11, |l(,jd rua fo jjar|0 da victoria,
y.f. Hoga-se aos Sr*. afignante!r- de minda-
rem buscar as pegas de snas asignaturas.
Ultimas puWicaroes da imprenta nacional
do mu
- X. I. Piaao. Aunetu, Polka brilbante, por I.
Smoltz, 5000.
V\t P'anP" M'n(,r,,,> polka biillunte, por Colas
N3 Pi,no- Chico D,abo> Plk hrllhante, por
, 300.
N. 4. Piano. Urna lagrima, Mazorka, por Ma-
tilee B. Zucen i. Iff.
& 5. Piano. Morte de Lopes, polka marcial, por
. *
t. 6. Piano, La Grande Dueliess, polka por Ln-
cien LamBert, 1.
ff.. Pinna Carmen, Anita, La Plavera, 3 pol-
kas dos cavallinho-'. 15.
N. 8. Piano. Le Suuvenir, valse de saln, or
E Casalbi.re, li
N 9. Pj no. ?aniir.li3, ilaroca, 2 valsas dos ca-
valhnlios, UOOO.
N.10. Pianr. Chant D'Oicaux, rolka, por E.
Lasalbora, l|.
i *,*itPlnoA A flar da Boa-vista, valsa, por
Jos Corlho da S. A., 13.
N. 12. Ligrimas d'Aaivr.i, Maznrka, por J. J.
S. M. A estrada de Curro, quadrilha, por en-
rique Albertazii, l.
N. I i. Canto. Santa Lucia, barcarola napoli-
tana, p>r Geman. Ariianl, |j.
N. 13. (.'.into. Mana Aria, p^ra M. S. sfaqqari
inti,amrtr,4erFlvnw.
X. 16. Asmas eirtcnniradanc, quadrilha, ikt
Coj5 Filfio, If, v
Rival sem segundo,
LA DUQUEU1S CAAIAk l. 49
(Antiga rea do Qoeimado)
Machina
Vonde-se urna ex;ellente machiua de costura
na ruada P.-nlia n. 17, Io aqdar.
Pedras de Lisboa
Vende-se urna porcao de pedras de Lisboa, mui-
to baratas : a tratar na rua do Hospicio n, 26. Pa
ttiH>ma Cia oflfereee-se urna senhora para ama de
enpommar.
sipio
Vende-se um sitio na povoacao da Matriz da
Varzea, bem plantado, com casa de vivenda, perto
do rio, pt lo mdico preco de 800 : a ireir na
rua Direita n. 8.
Farinha de mandioca
Domingos Alves Mathens tem para vendrr em
sen esciiptorio rua do Vigario n. 21, muito su-
perior farinha de mandioca era saceos grandes.
para priucipiaute.
Vende-se a fabrica de sabo da rua Imperial
travessa do Freitas, muilo bem montada tanto para
fabricar pequea como grande quantidade de sa-
bio. A casa alera de ser de um mdico aluguel,
tem grandes accomaioJacas nao s para dponlo
das materias primas e sabao maauaciurado, como
gfferece espacf independente para morada, i'edos
os.esclarecimento, noalmou'e, se daiaop
que seriamenta qnizer tratar es^e negocio, e se
explicar a causa porque o artnnl dono nao pile
connuar com este, na rua Direita, armazem de
molhados ilo viado brai
tenco
.irregar tijo-
10!.
uo saoqg puB s-jooa
SH3ZI1S
'opuajam ou o.i>."jj siboj
o jas jod jdAcpaeuHuo.M.i smiti uiiisi
M-OfOHii) 'i/'tJUQ zjinj jhIba iqad
'SulW 9 JZy s.flllJ!Jqi:J S(/p d|UJ,U|Bd
i.iuuJ * lun-jaqaji np Bqixi anb ooqqnd os o
sonm: snss >: diaiJd U\I$ p 9|ddai?
opuUJjjjoiudiuuaijquisJ ui<>p ouop o
A0)J CRJ (iO.JIDQ
oc "j viiiorji.Vva ovaviloa vnu
OGtlVD
Contina a venrier tutlo
muilo barato a sajer:
Libras de arela prela muilo boo. .
Ti'souras finas para v.nhas e oo; tu-
ra a......., ..
Papis de agulbas francezas a ba-
lo a........,
Caixas com seis saboneles de fruta
Libras de laa para bordar de todas
as cores a ...... .
Carriteis de linha Alexandre a. .
Frascos com azeile pra machinas
Gravatas de cores muilo finas a .
Grozas de boloes madepersla fi-
nissimos a ...... .
Novello de linha de 400 jardas a.
Caixas com 100 envelopes muito
superiores a......
Pentes volteados para meninas a.
Tinteiros com tinta prela a 80 rs. e
Pecas de fila elstica muilo ,fina a
Lata com superior banha a 100 e.
Frascos de oleoPliiloccmo, muilo
fino a.........
Frascos .de macaca perob a. .
Frascos de extracto muito li uitos a
D'izia do saboneles mnilo finos a.
Saboneles iuglezes a 600 rs. e. .
Frasco com agua de colonia Piver a
Dito deoleo babcizn a. ." .
Caixas da lampnrinas a. .
Saboneles a forma menino muito
superiores a.......
t.arilhas da doutrina fazenda nova a
Librs de linha sortidas de lodos )S
nnmeros a. ..... .
Capichos mallo bonito e grandes a
Carriteis de retroz prtto, com 2
oitavas ,t........
Agulheiros >!e osso enfeitados a, .
Li!).ro de nha frarfceza superior
qualidade a.......
Caixas de palito do .w. o. .
muilo bom e
120
. 500
60
10000
OffOOO
400
500
500
500
60
CCO
240
I00
200
200
500
250
50o
72f
16200
50"V
BOO
40
-240
40
I 800
700
640
240
20400
20
m
m

NOVA PADaRIA AMERICANA
Rna dos Pires n. 50
Contina a fazer pao e Bolaxa de farinha espe>
cial de primeira borle, para raelhor agradarnos
spus fregnez s.
TEM PARA YENOEfi
em sea escriptorio, praca do Corpo Santo W
n. 17 : ^
Fnmo em folha 0
de 1* e 3a qualidade, e vende um *u mais **
fardos a vortade dos compradores. -X
Cal de Lisboa 5
ultima chegada.
Potassa da Russia.
Farsiha de mandioca.
Vinho Boraeaux.
lidade. Tudo do vi j &
A rua do Duque (ANTIGA RUA DO QUEIMADO)
Receben seguinte :
E-pellio> grandi-s dourados, moldes bonito?.
Carteiras, charijteiras e port-cigarros de muita*
qualidades.
Bonitai pastas para papis, simples e martsadas.
Boas caixas vasias para costura, com sua compe-
tente chave.
Delicadas canelas de marflra com o bocal de
prata.
Modernos pentes de tartaruga, sobresahindo en-
tre elles os mimosos telegraphistas.
Commodos toucadores com duas gavetas e bom
espolho.
Port boutjuet, o que de melhor tem appare-
cido. *
Port relogios de muits qualidades.
Bons lalheres para crian.is.
Vosluarios, cbapcozinhos, toucas, sapatos e meia
para baptizados.
Toalhas e fronhas de labyrintho.
Chapos e chapelinas para senhora, moldes novos
e bonitos.
Chapozinhos gorros e bnnets para meninos
meninas.
Contra as coavulsOfs cas
criaucas
Vende-se os vrrdadeiros collares na Nova Espe-
ranca. na do Duque de Caxias n. 21.
' PABA TINGIlt CABELLOS
para pret-w on cast.inhus, receben a Nova Esp-
ranos a verdadera tinta ingleza.
PAMA ACABAR COM AS SARDAS
ou pannos, tem a Nova Esperanza o verdadeiro
leil de n-.is brancas.
AGUA DE FLOR DELABANJA.
Vende-se na Nova Esperanza, rua do Duque de
Caxias n. 21.
PAPEL PARA ENFEITAR-SE BOLOS
recpbeu-os muito lindos a Nova Esperanca, rua
do Duque de Caxias. n. 21.
PARA AMACIAB E AFORMOSEAR A PELLE
tem a N-va Esperanca es saboneles de pos de
arroz.
Para baile
Lindas bareges de seda, fazenda muilo
propria para baile : na ioja da Ttirqueza
a rua do Barao da Victoria n. 9 (antiga
va).
Cal nova de
OOO o b
J4 rua do Rrom n. 80.
U a
V


I\><
de l'eriambuco T
12 t
x..i ,,!...,
ll
II
\91
l
DO
00-^RA DA IMPERATRIZ-60
DE
SILVA, FIGUEIREDO & C.
Neste imocrtaaie estabelecimento encontrar o respeitavel publico, uro grande e wriadi ortiraento d faerJas tjo mais
apurado gosto e tedas do primera necesSidade, qae *e Tendea mais baratas do, aun <>ra outra qualquer parta, visto. qe 01 no-
Tos socios desto Orna, adoptaran, o systema de s tenderen, DlliHEIRO ; para pobrero vender pelo costo, limitendo-so penas
Hn J.st1
azosseus
eguezes e a
sortimento e
fNMtfre-;
CORTES DE LAA ESCOCBZES A 60000
Vende se bonitos cortes de 13a escocesas,
vindo cada om em eo papel, pelo barato
prego de 65000 cada um; no- Bazar do Pa-
vao.
ORGANDYS BRANCO E DE COR
CAMISAS DE BRANELLAS A 30500.
NoBijrrdo Pav5o"ve*de-wt>*n bonito
sortimento cora todos os tamanhos das me-
mores anisas,; de iaoella de -lfa,< coro
mangas ', tanto proprias para boa ens como
para senhoras e veode-se a 30000 cada
No Bazar do Pavao veode-se os mais 'urna, e quem comprar de meia Oozia para
bonitos e moiio finos organdys com listas cima ter em abatimeoto, SSo de muK*
largas e miadas 10000 a vara, ditas lisas, ntiiidade.
fazenda de milita pbantasia 800 pe. a vara, firtnne bincha era eanist inginas a le 44560
ditos d cores, finissimrs padrees, ioteira- No Bazar ooPavio fez*se urna grande com-
mente novos 80) rs. i vara; pechineba. pr* em leiiio de- finismas camisas ingle-
GROSDENAPLES PRETOS as com pettos e ponos de limo, sendo
Chegoa para o Bazar do Pavao um gran- com collarinbos e de todes os numerosa
de sortimento dos melhores grosdebaples 40000 cada orna, ditas sera collariohos,
pretos qne tHQ vindo ao mercado, que se porm fazenda dnitsima a 405CO; gran-
veodem de 10600 at 50000 o covado ; de pechineba.
s5o todoa mnito em conta. ; CAM1SA9BARATAS a 20800.35*0 e 20600
CAMBRAIAS TRANPARNTES No Bazar do Pavao vende-se urna gran-
No Bazar do PavJo vende-se um grande de porcSo de casemiras mscladas, moito
sortimento das melhores carahraias braceas encorpadas a 20800, ditas finissiraas com
a ganbarem o descont ; as pessoas qne negociara em pequea esca'a nesU ~ toja ~ e annaetm- podero aure Mot"irHmentns
pelos mesmos precos que compram as casas glezas, (importadoras) e para maior commoddade tas Etras. familiar daro
amostras de todas as fazendas, ou Ibes levam em suas casas para escolberetn.
PECHINCBA EM CASEMIRAS A 40000.
No Bazar do Pavao fez-si orna grande
compra em um leilSo, das mais finas
casemiras inglezas que tem vindo a es-
te mercado, tendo cores claras e escuras,
todas com padres serios, oroprios para
calcas, palitos e colleles; vende-se a 40000
o covado, o qne em oulra qualqner parte
nao se vende por menos de60; agrande
vantagem.
BRINS DE LINHO DE COR A 10200
No Bazar dn Pavao, fez-se uma grande
compra de puros brins de linbo, muito en-
corpados, proprios para caigas, palitos, col-
leles eroupas para meninos, por serem de
padres miudinhes; garante-se que nao ba
barrelia que lhe tire a cor, e vende-sb a
10200 o metro desta excellente fazenda.
MADAPOLO FINO A 60400 A PEQA.
No Bazar do Pavao veodem-se pecas de
ma )dapol5o fino de mnito boa qualidade,
tendo 22 metros ou 20 aras cada peca,
pelo barato preco de 60000, por se terem
comprado om pouco enxovalbadas ; pe-
chino ti a.
CHITAS ADAMASCADAS A 240 RS. O
COVADO
O Bazar do Pavio veode muito boas chi-
tas inglezas incarnadas adamacradas, pro-
prias para cobertas e cortinas, sendo fazen
da que emqealquer ioja se vende a 320 rs.
e liquida-se a 240 rs. o covado; s o Pa-
vSo.
TOALHAS A 70500
No Bazar do Pava.) fez-se uma grande
compra de toalbas alcocboadas, proprias
para rosto, bastite encorpadas e grandes,
que sempre se venderam a M 20000, e li-
quidam-se a 76500 a duzaou a 640 rs.
cada urna, boa pechineba.
CHAPEOS PARA MENINOS A 20000
O Pavao vende urm grande porejo dos
mais bonitas cbaposir.hos de palha da ita
lia proprios pra meninos de todas as Ida-
des, sendo chapeos que valem 55000 e ven-
dem-se a 2500O cana om, muito barato.
CHITAS E RISCAD1NH0S MIUDINH05
200 RS.
0 Pavao vende chitas ou ri dinhos :6r de rosa e rxinhos, proprios
para vestidos e roupss de cranos a 200
rs. o covado. Sao rtuo baratos.
LAINHAS COM PALMAS l)E SEDA
Cbeuou para o PavSo o mais bello sorti
m nto das mais brilbr-ntcs lannaas claras
oa bonitas palminhas, de seda; tenlo lar-
gura de cbita francesa e vende-se a 10OCO
o covado prande pechineba.
ALPACAS HATISDAS A 610 RS. 0 COFADO.
A Tro
tiH*
anuncios eipor
todo? m jr*
periodde de aa^^^H
ft *> atrtir ter
gueia, cota a d que acWwhnete despQej
e sim para seieottficar (a interese de todos)
a quatidade de seos objectos os quaes sSo
sempre de apurado gosto e perfeicSo; tor-
oaniTo-se qoasi radfspensaVd para aquelles
ipreciadores (do brn) frqaenlarem a No-
va Esperaoca, pois qne ella caprieba era re-
oeber constantemente, o que ha de melhor
j relativamente a sua repartieso: o que se po-1
1 fir verificar qoando em quaf^uer renaiSo
de pessoas (arnaatoo do xique) v-se ura
btxMo enfeite em^m bofcfto' vestido, wm
aroma agr da vl 'escapar d'cui alro: lenco,
m moderno e tind laco,.um dilicado ra-
mo de finas flores, te, etc, todos olham-Be-
reerprorameoie e "dinero con! sigo (e as me-
ses mis aos utros) estes 5o objeetns
comprados a NOVA-SPERANCA : realmen-
te!!! procurar descrever em annoacios os
artigos que contem dil loja, seria trabalho'
insano e ntfnca o fariamos 0om aquella
graga e perfeicSo com que slo Lies fabrica-
dos, assim pois aNOVA-ESPERANgA con-
tentase em convidar a todos geralmente,
visitarem-na para ent3o ficaram intei-
rados do qae ha exposto na mesma loja.
tl-Rna Duque de CaitasSI
fi
^^^
Ooando a AGUJA BRRNCA, mais precisa scientificar ao re
[feral, e em particular a sua boa fregoezia, da iramensidade de o
te tem recebido, justamente'qnando ella menos o pode fazer e pe
luntaria ella confia e espera na benevolencia de todoa que Ib'a attenders e re
continuando portanto a dirigirem-se a bem conbecida Ir ja da AGUJA BRANCA' i
Queimado n. 8, onde sempre acbaro abundancia em sortimento de superiorM
qualidades, modicidade era presos e o seo nunca desmentido AGRADO E SINCEI
Do que cima fica dito se conhece que o tempo de que a AGUIA BRANC
dispr, empregado apezar de seus custos no desempenho de bem servir a aquelles!
honram procurando prover-se em dita loja do que necessitam, entretanto sem
rar os objectos que por sua natureza sao mais conhecidos ali, ella re^midaip
cara aquelles caja importancia, elegancia e novidade os tornm recommenla*8,
bent'Seja
Vr-n1em-se as mais moderna" e bom'tas
alptras matsada eom palmiahss, muito
Fias para vestidos de senhora e d) me-
n']$ iieio barado preco de 640 rs. o cova-
: ; s5 troito em conta.
PAA NOIVAOS CORTINADOS, COLCHAS.
Ohego para o Bazar do Povao um grao-
de : Ttimento dos oais bonitos cortinados
-t.Ii'os, proprios para camas e janellas,
so vodem de 104 00 at 200 >:0 o
-i n como o melhor damasco cam 8
palmo- e largara a imitac3o de damasco
de ceda, proprias para colchas, e propria-
roente colchas de damasco, send. os melho-
res e mais bonitas qae tem viudo ao mer-
cado.
SEDAS PE LISTRAS.
No Bazar do Pavo vende-se uma grande
quantiade das mais elegantes sedas com
Iistrinha8, tendo de todas as cores e a'
furta-cr ; fazenda qae ninguem vende por
msnos de 25400, e liquida-se a 20000 cada
co*a!o; s5o mnito baratas.
SENSDE CORES E GROSDENAPLES.
No Bazar do Pav5o vende-se um sortimen-
to coapleto dos melncres setins e grosde-
naples de todas as core?, que se vendem
muito em conta.
POUPELINAS DE LA A A 400 RS. O CO-
VADO
No Bazar do Pavo vende-se um olegan.
t" sortimento das raa's bonitas poopelinas
de 13a com listas miudintias, sendo todas
quasi de croa s cor, 4UO rs. o covado ;
a baratissimo.
GRANDE PECHIN'CHA EM LAASINHA
A 640 RS.
No Bazar do Pavo fez-sa urna grande
compra de lasinha para vestidos, santo de
muito ba qualidade, urnas com listas e mi-
tras commejclas, e muitos largas, que com
p-ucos covades se faz vest lo e liquida-ge
440rs. fazenda qae sempre se venden a (0.
ALPACAS PABA VESTIDOS FRTA
CORES A360RS.
Vea Je-so um bonito sortimento das mais
brilhantes alpacas escuras forta cores,
sendo muito encerradas e teDdo om bnlho
como seda, liqaida-se pelo barato prego de
I rsj o covada por se ter feo orna gran-
de compra.
POUPELINAS A 400 RS.
No Bazar do Pav5o vende-se om elegante
sortimento das mais lindas pouoelmas de
15a com os gostos miudinhos sendo qoasi
uma s cor e con muito brilbo, pichin-
cha b 40. rs. para acabar.
CHTAS A 20 RS. O CORTE.
No Bazar doPav3o vndese cortes de
la miudinhas, sendo rocha e cor de rosa,
lo 10 eovados cada corle a 2$ vende-so
lalho a 200 re. o ovado, pechineba.
GASSAS A 200 RS.
a^ar do Pavo liquida-se uma por-
cassas francezas miudas e graadas,
es finas, que s.e vendem pelo baratissim
i de 200 rs." o covado para acabar.
transparentes, tem de 305X) at 1O0OOO
peca, ditas snissas finissircas com 8 pal-
mos de largura a 20000, 2#50O e 30O
vara, ditas victorias e tapadas da mais infe-
rior ate a mais fina que veto ao mercado;
tudo isto se vende moito em conta.
MANTELLETES DE FIL
N) B.izar do Pavo vende-se modernsi-
mos maotelletes ou basquinas de fil preto,
om lapo, pelo barato preco de 100000 ca-
da um, barato.
PANNOS PARA SAIAS A 10000, 10280 E
10600 O METRO
No Bazar do Pavo vende-se bonita fazen-
da branca tncorpada para saias, sen lo com
babados e pregas de um lado; dsnd a lar-
gura da fazenda o comprimeoto da saia, a
qual se pode fazer com 3 na 3 1|2 metros,
e oeode-so 10000 e 10280 e 1600; assiro
como tambero no mesmo estabellecme^to
se vende bonitas saias brancas bordadas ten-
do 4 palmos cada uma, ditas de la de
cores j promptas urnas coro barras diffe-
rentes, da mesma fazenda 45r*00 e ouiras
com barras bordadas 60003 e 70000,
tudo isto moderno e barato.
ALGODO ENFESTADO PARA LENCES.
No Bazar do Pavo vend-se o melbor al-
gotioinho americano enfestado pira len-
ces, tendo liso e entraado Dor preco
muito barato.
ESPARTILHO. .
No Bazar do Pavo receben-se um elegan-
te sortimento dos mais modernos e melho-
res espartilhos. que se vendem por prego
m.iiio em conta.
PANNOS DE CROCH PARA CADEIRAS
O Bazar do. Pavo recebeu um grande
sortimeato dos me!bor6s pannos de croch,
proprios para cadeiras de balanco fofas,
pianos, tnmboretes e at proprios para cu-
brir aimifidas e pratos; vendendo-se por
menos do que ero qualquer parte.
Lasinkas tranrparenles a 300 rs. o cavado
O *avio racebeu um bonito sortimento
das mais elegantes lasiohas transparentes
proprias para vestidos, qoe vende a 500 rs.
o covado; moito barato.
PARA LENCOES
No Bazar do Pavo veode-se su >erior
bramante d'algodo com 10 palmos de lar-
gara a 10800 o metro, dito de linho cora a
mesma largura a 20800 cada metro, pannos
ds linhodo porto com 3 1/2 palmos de largura
de/Oatl0a vara, assim como umgi ande
sortimento de H :mbnrgo ou cregaella* de
todos os nmeros, precos 0.1 qualidades,
que se vendem mais barato do que em ou-
tra qnslqner pirte ; aproveitem-
ATOALHADOS .
No Bazar do Pavo vende-se snperior
atoalhade trancado, com 8 palmos de largu-
ra a 10600 o metro, dito de linho adamas-
cado o melhor que tem vindo ao mercado a
35500 o metro ; tudo isto muito barato.
Balees regaladores a 4*000 40j(ll) e 5-900
Chegaram ao Bazar do Pavao o mais bem
feitos bales reguladores, sendo de fustn
a 45000, ditos-da musselioa a 4:3300, ti-
tos de 13asioha de todas as eores a 50000,
todos etles sao moito baratos.
Panno preto raiio baralo a 33/500
O B3zar do Pava;) recebeu uina grande
porco de pecas de panno preto fian, com-
pradas em leilo, qae sempre vi venieu a
50000 o covado e pode liquidar a 30500,
por ser uma excellente compra,
BAREGES A360RS.
No Bazar to Pav3p vende-se uro bonito
sortimento dos mais lindas bangos Usa-
dos para vestidos, que valero muito mais
dinieiro. e liquid i-se a 36 rs, o cova-
do, ditos muito mais finos com listas a 400
rs, estes bareges sempre se venderro a
640 e 800 rs., grande pechineba.
GURGUROA640RS.
No Bazar do Pavo vende-se um bonito
sartimento dos melhores gurguroes de la
para vestidos sendo om linda" fazenda,
mnito leve, meia transparente e reuito lar-
ga com furta cores e liquida-se a 640 rs.
o covado por se ter foito grande pechineba
na conapn.
COBERTAS A 30
Vende-se'cobert.s de cbita encarnada
adamascada a 30 cada uma, pechinc ,:.
CORTES INDIANOS A 43510.
No Bazar do Pa>o vende-ss bnioscor-
tes indianos com duas saias pe o bara-
tissimo prego de 405 jO cada um, pe-
chincha.
msela de seda a 30200, ditas modernas
de qnadros, fazenda de mnito gosto a
30600- o covado; aproveitem.
TAPETES
Cbegou para o Bazar do Pavo o mais
elegante sortimeoto de tapetes grandes, pa-
ra sefs, com 4 cadelrjs, ditcs mais peque-
nos, pira duas cadeiras, ditos para
pianos, camas, portas ; etc. vende-se por
menos do que em nutra qualquer parte.
COLCHAS BRANCAS A 35200,30500 E 701 Dif
Para o Bazar do Pavo chegou um gran-
de sortimenta das melhores colchas do fns-
tao, s ndo das nelhores e mais e corpsdas
que tein vindo, a 7500:, ditas um pooco
mais abaiso a 50500. o ,dtas a 30000;
tambero no mesmo estabelecimento se ven-
de um grande sortiment > di cretones e cbi-
t-s. proprias para colchas, que se vend3m
mnit em fonta.
GORGUHES OU POUPELINAS DE SEDA
A 0OCOCADA COVADO.
Cheg u para o Bazar do Pavo um e'e-
gante sortimento das verdaderas poapelinas
de linbo e seda, cbm os mais modernos
gostos, qoe se vendan a 200,0 cada rovado,
o qoe em ontra q a^uer parte nao se v.ro-
de p >r menos de 20500, previne-ie que cao
sao algodo e seda, como ba muitos; mas
HOJE.
No Bazar da Moda
RA DO BARAO DA VICTORIA
(Outr'nra Novn)
VJEUHE-SE
Artigos de sita moda em Paris cliegados pe
altimo pnqnete vindo da Enropa.
Para fenhnraa.
Chapenas de palha de Italia com ricos e ele-
gantes nfites a ultima moda.
Veos de cures e pelos para montaras e pas-
seios.
Grinaidas e capellas de flores de larangeiras
para, ooivas.
Corpiahos de cambraia bsllsmente enfeitados.
Enfettes moito liados para cabera.
Saias bnneas boriladas e de cores.
Cacbins de Isa de bonitas cores.
Sintos de diversas qualidades.
San das de baile u que ha de melhor.
Casaquinhrs de renda chantely pretos.
Chapsinhos de setim para sol.
Baloes de cores e brancos para senhoras e me-
Gorpinhos de cambraia, primorosamente
enftHados u ns de setim e obras ssas
caja novidactede molde e perfeicSo de ador-
nos es tornan apreciados.
Fitas mni largas de diversas cores e qua-
lidades para elntos.
Leques uesse objecto muito se poderia
dizer qneredo descreve-los minuciosamebte
por suas qualidades, coree e desenhos tal
! o grande e variado sortimento que acaba!
fie chegar, mas para nao massar o preten-
derte se lhe apresentar o que poder de
melhor.
Entremeios em pecas de 12 tiras.
Goipure branco e preto de diversas qua-
lidades e desenhos. *
Ditos da algodo com flores e lisos.
Veos de seda para chapobnas e monta-
iia.
Meias de seda para noivas.
Ditas abertas de fio de Escossia.
Costantes ou uniformes para meninos.
Enxdvaes completos para baptisados.
Touqninhas de fil, sapatinhos bordados
e meis para ditos.
Camisinhas bordadas para ditos.
sim puro H&hoeseda; sao muito baratas.
ROUPAS PARA HOMENS
No accrtditado Bazar do Pa\3a encontra-
r o respeitavel publico um grande' sorti-
mento de rbupas para bomens tanto bran-
cas como de cores, a saber:
Camisas-con: peitos d'algodo e de linho,
para todos os precos e qualidades.
Ceirlas de linbo e algodo.
Meias cortes francezas e inglezas.
Palitos sobrecasacos c!e panno preto e
casemira.
Calcas de hrim branco e de cores
Ditas de casemiras pretas e de cores, com
colletes iguaes
De todas estas ronp38 ha para todos os
precos e qualidades, e tem de mais mais
om perito *
ALFAIATE
Por quem se manda fazer com prestesa
e aceio qaalqoer pee* de obra a capriebo
ou gO;to do freguez, tendo n'este importan-
te estabelecimento todas as qualidades de
panno fino, as melhores e mais moder-
nas casemiras, assim como os melhores brins,
qur brancos, qur de cor ; e quando qual-
quer obra nao ticar inteiramente ao gosto
dos fregnezes fica por conta do estabeleci-
mento.
CHALES DE MERINO
Chegou para o Bazar do Pavo nm elegan-
te sotiiment de chales de merino de cores
muito bons com padres muito decentes
para qualquer uma senbora osar, ditos de
crpen com listas de seda o mais fino e
moderno qoe tem vindo ao mercadb, e ven-
de-se por prego muito em oont3.
BABADlNrBS
Lacos, gravatinhas, espartilhos,'lencos, meias,
etc. etc.
Para homem.
Mantas e grvalas do ultimo gosto.
Colerinbos de linho bordados e lisos,
Seroulas de linho.
Camisas de meia.
Meias de snperior qualidade.
Lencos de linbo e algodo.
Chapeos de sol com cabo de marfim, inglezes.
Para meDinos.
Costumes orientaes de fustao de cores muito
bem enfeitados.
Vestuarios de diversas qualidades para baptisados.
Chaposfnho* de setim e merino.
Sapatinhos d^ setim, merino e laa.
Toucas de todas as qualidades etc. etc.
Vende-se indo ppr baratos preco*.
Capellas brancas para menina*.
QraMfes rtimeMo do flores fina*;
Fi <$ sedayeret*
PERFUMARA
Grande e constante Sortimento de- dita,
sempre7 melhor qvajifiaVle.
Lindos vasos em p de arroz e pinsei.
Caixinbas com ditos aromticos.
Bonitos e modernos pentes doorado
para circular o coque.
Bonitos brincos de plaquee.
Adercos e brincos de madreperolr.
Caivetes finos para abrir latas.
Theseuras para frisar babadinhos.
Aspas para balo.
Novos stereoscopos com 48 vista*, as
quaes sao movidas por um mchatelo
urnas substituem as oatras.
Vistas para stereoscopos. ,
Bonitas caixinbas de vidro enfeitados con
pedras.
Ditas de madefra envernisda com f&po-
ras e com dminos,
Bollas de borracha para brinquedo d*
enancas.
Diversos objectos de porcelana, prpriei
para enfeites de mesa e de lapinhas.
No Bazar do Pavao vende-se om grande
sortimento dos mais linos babadinhos borda-
dos tapados e transparentes, assim como
uma grande porco de entrennios largos e
estreitos, que para acabar se vende mnito
em conta e mais barato do que em ostra
qaalqoer parte.,
FAZEfiDAS PARA LUTO
No Bazar do Pavao vende-se constate-
mente o melhor sortimeoto de fazendas
pretas para lato, como sejam :
Lasinhas nretas lisas.
Cassas pretas de la.
Cass3s pret3S, francezas e inglezas, lisas
e com salpicos.
Chitas pretas de todas as qualidades.
Alpacas pretas lisas.
Ditas lavradas com branco.
Merinos, caotoss, bombazioas, qne so
vendem maisbarat; do que em ootra qual-
quer parte.
CHITAS PRETAS A 200 RS. O COVADO
No Bazar do Pavo vende-se chitas pre-
tas inglezas com salpicos 200 rs. ocovado,
ditas todas pretas, por estarem om pooco
rossas, 12) o covado ; pecbiecba.
Os propietarios d'este importante esta-
beiiecimento rogam ao respeitavel publico e
particularmente s Exmas. familias o favor
de se darem sempre ao trabalho de lerem
os seos annuncios, pela razo de muitos
d'alies serem mudados amiudadas vezes.
CACH8-NEZ A 60000.
No Bazar do Pavo veodeu.se bou
grandes cachi-nez de pura la, pelo b
to preco de 60000 cada om.
VERDADEIRO LE ROT
de hh;\ii:t, Docteur-Mcdecin
Rus de Seine, 51, k. PARS.
Em cada garrafa, val, mire a rolha e o papel azul
que leva o mcu siui-te, um rotulo impresso em ama-
relio com O SM.LO toRlAi BO SOTURNO FRAXCEZ.
If.B. Vtmr-
. Irnilj-st'imialilira
de 5no franros so-
bre Pars, acellavel
a 60 das de risla.
ao nuaimo.ffoza-se
do abatimento e do
maior descont
4*^
m
WTIIO1 WOS \\
Com este titulo acha-se aberto e inteiramente transformado este antigo
estabelecimento de joias, onde os freguezes e amigos encontraro tudo quanto
a moda e o bom gosto tem inventado na arte do ourivesaria, o Collar de Onro
observar delicadeza no trato e senciridade e modecidade nos precos.
Espera que o respeitavel publico venba ver o qoe existe de melhor em
aderecos de brilhantes, esmeraldas, robins e perol as, meios adercos, pul- 3
ceiras, brincos, alfinetes e anneis de todas as qualidades, prata de lei faquei- g*
ros, colberes, palileiros salvas e outros muitos objectos que seria enfadonho 2
mencionar.
Compra-se ouro, prata, brilhantes e pedras finas, pormaior preco do
qu em outra qualquer parte, troca-se e concerta-se todo e qualquer objecto
pertencente a esta arte.
Eliin UIIIBACAO'
Lourenco F. Hiendes Guimaraes
RUADA MPERATRIZN. 72
Tendo resolvido o seu proprietario liquidar todas as fazendas existentes as loja
Garibaldi e Arara, convida ao respeitavel publico, amaate da economa, visi*arem a
loja da ra da Imperalriz n. 72, pois s deseja r.purar o dinheiro.
Arara vende madapol5o enfestado a 3ti!500| Para liquidar vende bramante de li-
a peca, ditas de 24 jardas a 55000, 60UOO, nho e algodSo a 10800 o metro, dito de
Vende se uma bonita casa nova a moderna,
com 2 salas, corredor ao lado, 5 quartos, sotao
muito fresco, despensa, corintia com bom forno,
grande copiar com gradeamento na frente, gali-
nheiro tambem com giaueameato de ferro para
grande porgad de criacao privada para despejos,
telbeiro para lenha, carvao, etc., cacimba com
bomba de Japi, tanque eoberi que serve para
banho, e sitio, tem 100 palmos de frente e 300 de
fundo, todo murado de novo com gradeamento na
frente e portao de ferro, lindo jardim par re-
creio. plantacao de arveredos novos, passa-ihe o
rio Capibaribe perto para rs banhos, no lugar de
nominado (Ihacao n. i, jun' > da estacao da Casa
Forte : os pretendentas poder-se-hao dirigir pura
tratar ra de Tbom de Souza, outr'ora ra da
Lingoeta, n. 4.
Cal de Lisboa.
Vende-se cal de Lisboa, a ultima chegada ao
mercado, por preco rasoavel : no annazera de
Manoel Teixeira Bastos, ra do Hommercio n. t.'i.
Farinha de mandioca.
Vende se superior fariuha de mandioca, vinda
do sertin do Cear, em sacras de 2 1[2 e 3 al-
queires cada sacca, por preco mdico : i ra do
Vigario n. 14, escriptorio de Jos Lopes Da vira.
CEMEiNTO
O verdadelro portland. S se vende na ra da
Madre de Dos n. 22, ar.-uazem de Joao Martins de
Barro
C05OO, 70000. 80000, 95000, e 100000.
Vende-se corles de casemiras de cores
pan calcas a 40000, 50000.
Para liquidaco vende-se algodo de lis-
tras proprio para calcas, camisas e saias
para escravos a 160 rs, o covado.
Na ra da Imperalriz vende-se chailes de
merino estampados e de barra a 20000,
20500 e 30i 00.
Arara ve o de cortes de casemira preta
para calca 3 30500, 40000. 50100, 60000,
70000, e 80000.
Para liquidaco vende-se brim pardo liso
bom a 500 rs, o metro, dito transado a
720, 9^00, e 10000 o metro.
Para a cabar vende-se duzias de lencos
brancos de cassa a 20000, e 3i56O0, ditos
de linho 50000, 60)00.
Na ra da Iroperatriz vende-se cobertores
le algodo a 10409 e corbertas de chita a
k05l'O.
Para liquidaco vende-se cortes de casto-
res para calcas de homem a 500 rs.
A Arara vende chitas largas para vestido
a, 240, 280, 3(>, e 360, rs. o covado.
O barateiro vende percalas Anas para
\estido a 440, rs, o covado.
Em liquidaco vende-se alpacas para ves-
dos de Sras. a 500, rs, o covado.
A Arara vende I8azinbas para vestidos de
Sjras. a 320. 400 e 500, rs, o covado.
OGoiroares vende mursulina de cor
para vestido de Sras. a 440 rs.'o covado,
dlita branca a 500 rs.
0. Men 'es vende fattio de cores par-
visdos de senhoras a 360, o covado.
O Lourenco vende cassas finas para ves-
tilos 240, 380, 400 e 440 rs. o covado.
Arara vende alpacas de lista para vesti-
dos de senhoras a 509 rs. o covado, ditas
" as a 500 e 640 rs. ocovado, ditas matisa-
is a 640 rs.
0 Bazar do Favao sito a ra da Imperatriz. n. 60, esta' constantemente aberto
das 6 horas da manhaa as 9 da noute.
FAZENDAS RARATAS COM TO- S
QUE BE AVARIA.
Ra do Urespo n. 25. 1
MADAPOLO FINO SUPERIOR con i
toque de avaria a 5| c 6fl a peca. i
ALGOD^OZINHO COM 18 JARDAS S
2*800 e 3* a peca.
CHITAS SUPERIORES ESCURAS, CLA- 8
RAS E MIUDINHAS a 210, 2i0 e 280 rs.
o eovado.
CAMBRAIAS FIXAS DE CORES a 580
t o covado. Na ra do Crespo n. 23, loja M
de Mancel Dias Xavier.
^wmmmmmmm wsm
Agua, de Vichy
Vende- agua de Vichy das fcntes Hmterive e
Un, mais barato do .que em outra qualquer
parte: no armaiem da roa do Vigario n. 11.
linho puro a 20800, esta fazenda e pro-
pria para lenfoes e toaihas por ter 10 pal-
mos largura.
Vende-se cortinados para cama s?^ef.z
a 10400 o cortinado para liquidar.
Arara vende cortes de chitas para vett
dos a 20500,20800 e 30200 o corte pjj-4
liquidar. -,
Vendeo-se cortes de cassa a 20500 o
corte s na liquidaco a da imperatriz.
Vende-se cortinados para janellas a 60
a peca para liquidar.
ECONOMA
Vende-se duzias de collarinhos de pa-
pel a 240 rs. para acatiar.
Arara vende I5asinhas transparentes para
vestidos a 500 rs. o covado.
Liquidaco, vndese parapeito liso a
20200, 20500, 30. 30500, 40, e 0, pro-
Lprio para calsas e palitos por ser bea fa-
zenda e barato.
Arara vende cortes de brim para cal-
sas de homem 10500.
Vende-se cortes de pecaras de duas saia
para senhoras pelo Carato preco de a 60.
cadaum.
Grande liquidaco de roupa feita. /
Veode-se palitos de alparca o de cores
a 20.
Vende-se ditos de ganga para honwm
a 20.
Vende-se ditos di brim de algodSo bran-
cos a 20.
Venie-se ditos de meia casemira a 20.
Vende-se coletes de brim de cores a !
Vende-s ditos de meia cisemira a 2050
Vende-se calcas de algodo azul a 500 rs.
Vende-so dita de algo :5o de stras a 800rs
Vende-se ditas de brim pardo 20,10600
o 25500.
Vende-se calcas de caseroira de core
a 6080.
PAMA AGUA.
Canos de ferro galvanisados por barato preco.
Torneiras, e curvas para os mesmos 1 No armazem da travssa do Corpo
Santo n. 25.
Moinhos para caf e para milho
Os melhores moinhos para caf e para milho que tem vindo a este mercado
se encontram no armazem da travssa do Corpo Santo n. 25
Pharaaaeotitlco privilegiado
suooesaor .
CASA CAVIN --JHSffL-^ *
NOVAS ESPECIALIDADES A. MARINIER
Apmenudu Acdemii de SclweiM e to tast.toto de ftwca.
ai *>mm S a Snh i forma de Puiilli, deiedida e doseadi pera fiser d
IJJECCAO ^nr.Volactio'mTIV* I ORTIVA du
MOLESTIAS CONTAGIOSAS
do volume de um relogio, servindo
da Philtro e Siringa tem os
inconvenientes de fragiliaade.
Graves
COLLYRIO
BARTHOLOIEO & C"
____ ,-.< Coa 'or> e ot"B df Ptrt*4loed coilua
ESTO JOS T0BO TRAT AMENTO.
Contra as afieccoi das plpela*, preparado aob a mauu forma.
Depositarios geral para o BRASIL e PORTI ,4L
34, ra larga do Rosario. PERNAMBTJCC
r


Diar.o iU Pruami>uco Ter
17
1 i
Er
BU'
as iiHudez
xo.deetoradas, garWj
<;o9 adbini
Dorias de |
Dual dr paular segwat<
graad' i..............
Frasa*cor< ij|>u Muitofiim.
Pauot" com p' rto inrox o me-
i&or quena a...............
atha* muito as pira fozur
bar?a ....................
Cjixh Vara d IranjM da lidbo para toa-
lhas .......................
Caixas com peonas d'ago de ierry
superiores ...........".
Lencos- da cassa braacos e pante?
dotas.................
Carsas com 0 quadernos-de papel
pautado ........
Cairo aera 50 nove.ios de linba
do gat a........
uzias de nietas croas sopcrior
qaalidade a.......
Pecas de bibadinhos com 10 va-
ras a.........
Pecas de tiras bordadtscom ii
metros roda p -ca a ieO e.
i eras de ritas para ros de quol-
quer largara cotn 10 varas a.
Escovas para onbasfaienda lina a
Ditas parra denles a 240, 320,
400 rs. e....., .
Pecas de trasca usas, brancas e
de cores a.......
Duzia de linda frdxa para borda-
des a 400 rs. e.....
Pares do uieias crua< para mt>
nos diversos tamanbos a. .
ituzias de meias brancas muito
finas para sen'jora a. .
Pares de sapatos de tranca do
Porto........
Pres de sapatos de tapete a. .
Dorias de barallios para valanle
Syiabarios portuguazes a. .
Gart5es com colxtes carreras a
Aooloaduras para coll te diversas
qualidades......, .
Caixas cok penal de ac mno
boa de. :<0 a......
Caixas com suntriores obrejas a.
Duzia e agultia para machina, a.
Libras de pregus franco/es todos
os tamatihos a......
I'acote de papel com 20 quadei-
nos...........
Kema de papel pautado sup'r or
Hesma de papel lio muito >upe-
riora...........
lapa precos aa>'
todo
Mili
320
:iO
320
I 000
500'
idO
SOO
100
71*
400
500
2*000
500
500
500
40
500
Jos de Souza Soares & C.
Ifc&JA R1KAO 1*A VITORIA
( OUTRoilA NOYA)
\j)resenn-se matiin rrmowdo no que poda haver de roais helio e agradavel em U-
enaas f1(las para sei,|loras aitigog ^ a|la |n,(()a Qm Paris ^^ a senboras como
oarahomens e meninos.
MuiaezaH afa-tartas, pafuawrias especi-a-, variedade de lindos obiectos para me-
nmus e bnnqoedos para criaiic/s.
. CHANDE SOKTIMBNTO
Continuamente recebido pur todos os paquetes vindo da Europa sonde tem ba-
Deis correspondente*;
Vende-se muito emeona .e raaada-se p r em pregados do estabeleclmento fazenda*
- caw^da Exms. familias am de mdtioi escolheramo que desejarem.
Novo estala eciinento -
R 0 mm E ROUPAS FEIT.AS
Kua da llnpemtfe n. 40, esquiando
erreiros.
7 Ba dafttieimado;7
DB
E1BA &
30
4*500
2*000
1*500
3*000
400
20
400
50C
40
2*000
240
400
4*000
8006
az m m
.begoa au amigo depoMio de Honry Forsier
1, ra do Imperau:, uia carrt^am^iuo de gu
ce primetraqualidadt'roqual sevend^om partiaai
a retalho por menos prego do m^r parte.
E' cliogado a esp) novo estabelecimento o mais bello sorlimento de zendas
mas, siendo sua especialidade ensovaes para noivarlo.
Vestidos de blond de,seda ricamente b3rdados.
Gorgurao de seda branco para \estido.
Cochas de da p:ira, para cama com ricos desenbn?..
Ditas de 13a e seda, id m idem.
Ditas de crox, idem idem.
Cortinados lieam'Me bordadas p2ia canrae janellas.
Croxs p >ra cadeiras e sofs.
Vestidos de cambraia branca bordados.
Prpehnes (ffl lindos gostos.
Las de diversas qoalidades, lindos gostos e modern-ae:
htm b urnus para passeio, com listras de setim.
fbulas de baile o queba de mais rico.
Cretones para vestidos com lindos desenhos.
Carnizas bordadas e sera bordados para senboi as. '
.Camisas bordadas mnito finas para liomens.
D tas inglexas para homens e menino..
, -nf9^n?fiU,aS'1e linho' e nm grande sortimento de ronpasfeitas e de fazendas que
i ^nradonho mencionar. H
Luvas frescas de Jouvin
,.,, ^nw'o ^ peles para guarnicOes da salas, alcaas para forro de sala, e o
randa twitimeiiio das acreditadas e verdaderas
Esteiras da India
CASA CA&JVIN A. MARINIER,
novo proprietano deste estabelecimeiito, rommunica ao respeavel publico
uoaae, e especialmente as Exraas. familias, qn est liquidando por precos bara-
vS n.'^ as fazeDdas 06 existiam neste estabelecimento, alm das que abaixn
rfBiTnri 1 8" CUJ0S Pre-os merecem ^da a altencao do respeitavol publico, que nao
!,% p! a pequna qaantia refarer-sti d qoalquer qualidade de fazenda que pre-
,T'o fn qe'Se ,ambera ha.A m! Ua.a sortir-se d3S do mais apura jo e escolhido gosto, que vender mais
barato que qualqoer ontra loja.
nm"hftiAL(U-D PA,PA':;A,0 aIui de ter urn g-ande deposito de roupas feitas, tem
SSnn. arblenlo de casemiras francezas, inglezas e iliem5as dos padrees mais mo-
moi-'o! ,como pannos wet08' casemiras e panao fino cor ae pinbSo, azul claro
l Eltf0/0' rinsJbrancos e de cores, f^es bran:os, e d cores, gangas de linbo
e bnns pardos de todas as qualidades.
o., nlrjLL0JA D0 PApAG0 tem contratado uiu ptimo mestre alfaiate perito no
seu oiDcio para executar qualqoer obra da arte con a maior perfeico e esmero, e anal-
qur oLra-que nao fique A *--
fazer OB'ra.
Atoalhado de linho fino,
e de algodSo a 2*.
Algodaosinho largo, nra
Ibas a 1*000.
Alpacas pretas, de cores, lisas, de furta
cores, e de listras.
Bareges com listtinhas de differentes co-
res a 320 rs, o covado.
Bols sde tapete avelndadas, para viagem,
o preco e conforme o tamanho.
Bombasiuas pretas. lisas, e trancadas.
Bramaotes de linho, francez e inglez a
2*;*00.
Ifaloes de mossulina. branco? com filis,
a vonlade dos freguezes, icar para a loja, e manda-se
a 3* o metro,
lences e toa-
o ontres todos de panno com o feitio dos; padas
de fitas, para senhoras e meninas.
Basquinas de grosdenaples preto rao-
ternas e de croch muito enfeiUidas.
Bretanhas de linho. e de algod3o.
B.ins de linho trancados brancos e de
cores.
Esuio de linho de 1*6C0 a 3* a vara.
(^h les de merino pretos muito grandes
a 3*.
Ditj dito?, estampados de 4,500 para
cima.
Filo de linho branco e preto liso, e de
salpico.
Grjvaias da seda pretas e de cores, da.
mais aoderoas que tem vindo ao mercado.
Guardanapos de iinho brancos c pardos.
Grcsdenaplo preto de differentes pr eos.
Laasinbas em cortes com palmas com 14
catad > por 6*,
Dil.s lizas delistas transparentes e ta-
dc differentes precos.
Mac apolao inglz de 5*'at 10* a peca.
Lonjos de algodao, brancos de_2*a3*
a duzii.
Ditos de cambraia de linho de G* a 12*-
Ditos de esguiao de 6* a 8*.
Mas alias brancas e de cores a 500 rs.
20Ra da ftnperatriz20
Farca d- l^esaa.
Acata de chegar a esta nossa nova loja de fa-
zendas finas un .variad- .sorlimeoio de fazendas de
a e seda, como sejam : granadfnes do ulfiroo
iiosto, pepelinas de urna s cor, alpacas e laazi-
;iha* de corp. o qae ka de mai* mo>lerno, todo
uor bataaVairiu prafiot, brilhamma- de corc, la-
-idos das indi ip, l.ueiti aova a iiHUejtQ de per-
cala, baioe^ d cima fini.'ndo sai a de cor com lin-
das barras, fustdes propio para vestirlo e roapaj
de meninos ; agora grandes e admirareis pechio-
chas, saiaa brancas cmi liados frisados a 3f. ri-
'o# corpinho bordados muito finos a oS. baloe?
nodernos de arcos a 26. ricas colchas para cama
rflcochoadas. sendo branca? e de ores, a f>f, 6 e
'l, cambraia victoria fcaa a Si, ditas transparen-
tes a3, 6 e 7,cii tas linissimas escuras e claras
a 280, 300, 320 : 360 o covad^ cassas de cores a
240, lencos braaeos de eaa a 2300, ditos chi-
nezes a J500 a duwa. madapoliu fine a H e
i*509, e muii3 superior a 71, 7*600 e 8*, alo-
daozinhn largo propri para lences a 6, paano
de alj/ido branco trancada proprio para toalhas
de mesa a 1,4600 a van. nramante para lences a
?400Q e 3*600. o qm ha de melbnr, esguiao fl-
mssimo a 2i00 e *o00 a vara. Mandamos as
--asas das Exmas. familias para tuelnor poder iscolher. Tambem temss completo sojtimento de
perfumaras dos primeros fabricantes francezes e
agieresj as pessoas qce se dignarem vir a esta
foja terao oecasiao de reconbecer a realidada do
ue annanciamos para nos justificar
MuU'vuiil
NOVAS ESPECiAUOASES
Phai-maceufieo privilegiado
nuccessor
>Sbatoi>o\, SS -. PARS.
_ A. MARINIER
Aprrft.iUilas a AcadciPW de Scieada* c uo lusututo 4e li
K J P l P. & 0 ^ fomi ^ pJ,,iUlf llc"*|i e. do^.-*l Mr*
HH.r.Jh User :r mome:it, uua solai-rj.,
Preealia e curativa das MOLESTIAS COKTACI0SA8.
IXJECTI!RrrlILIROu 902 afiftas*
iuvuujvu iuiuiHU|mu iaeoi?eLentei de fragiliA*d.
CCTfljne Coa a ferina, e ite vblume de uro Porte-JIoeda
COIUUUO COTEMDO TODQ XM1TAUBKTO.
COI.LYRIO Contra as affeccois das palpfibras.
preparado sob a mesma forma.
RARTRO nHfPil i T* DePsitari<>9 6*^ P^a e BRASIL e IMmTLCtL
B&niUVhVmilV & U 3*. ra larga do osario. PERJStAMBUOCX
Brins de algodao trancados brancos e de o covaio
ur.'iirots de 15a com listras, fazen.ialn
Combraias brancas tapadas e transpa- tiramoiite nova no mercado a 800 rs. o
rentes, sendo inglezas e suissas de 8 pal-covado.
mos de largura. Merinos preto, trancado e do cordo.
Camisas de meia, de flanella, branca, el Peiu* bordados e lisos, tant do linho
de algodao. i como de algodao para camisas de homem.
Camisinbas brancas de cambraia com di- ^rirjfietas pretas de differentes precos.
Iicados bordados, e enfeiladas de cor para; Cambraia branca tapada muito larga com
^raS' ; pregas! e bordado, ha de tres qualidades
Cambraiasfde cores a 400, rs. o metro e Pr0Pr'ai Para sa'as de Sras., o preco ba-
a 800 rs. a vara. j rato.
Camisas inglezas. e francezas de linbo. e: Sedas Pret3S aradas para vestido a
de aigodao de pregas, lisas e. bordadas. .20300 o; covado.
Chapeos do sol de .^eda, merino, e alpar-; Sargelim francez e inglez de toda ao co-
ca de-dilferentes aires, e-amito baratos. res-
Ctatas par* vestidos, francezas, de 240 Toalhas de algod5o e de linho de dif-
at 400 rs.. ferentes qualidades e tamanbos.
Cbitas, para cuberas de 30 at G40 rs. Punhos,de linho para homem muito li-
Cortinados tle cambraia, e de lit borda- nuS- .
dos para camas e janelas de 10$ para cima. ing'ezas para Sras., e para meninos
Cokhas de fustao brancas a 35500. ; e pai"a homens, de differentes qualidades
Ditas de cores a 2800. : e d? 'o^os os tamanbos.
Trilbos urbanos do Keeife
Iluda
Na estadio provisoria da ra da Aurora vnde-
se ein porche e a retalho carvao de pedra para
rerreiro.__________
Brins cTAngolas legi-
timos
acham-se noarraaz?m
DB
T. Jeffcnes & C.
Sua do Traoiche n. 46
.Fio para saceos e foguet.eiros
Lona verdadeiara da Escossia
No arraazem d3 T. Jefferies de C.
Rna do^Trapiche n. 46
Cigarros da imperial
fabrica de S. Joao
de Nictheroy.
Doico deposito em Pernambuoo caes da altan
dega velha n. 2. 1* anda.
Cal do Lisboa
a 3S000
Veade^e na rea da Crnz n. 8,1* andar.
GEE80S BARATOS.
2Oamba do Carmo2
Maateiga inglea, libra a U. 1*360lloOO.
Mameiga francea, libra a 800 rs.
Gai, garra* a 360 re.
Gomma de milho, libra a 320.
Caf mock.i, dita a 320 rs.
Velas de epernuccte, dita a 620 rs.
Liogoajdo Hio-Grande) nina 160 rs.
; Lagostiahu, e oru, Uta a. 700 rs.
Qaeijos do reino (ultimo-vapor) 3*000.
DiKMdoSerid, Rbraa U20e.
Ditos.de Minas, m 2*.
Vinho Bordaaux, garrafa (S. JoJieo) 600 n.
Cerveja Bass, dita 900 i
Vinno Figueira (lloni) dita,300 rs.
Arror, libra IJOrs.
Eootrasiiottos'genero ^i se vendem mais
barato do qun em outra qoalquer parte.
Fafinna de mandioca
Veode-se farinba de mandioca, nova, de Santa
Cathanna, cbuflUrno patacho portognez OUssa,
fondeado defronte do trapiche do Sr. Bario do Li-
vraaenio : a tratar no escriptorio de Joaquim
Jos GoocalvM Beltrao, rna do Comniercion. 17,
oa a bordo do referido navio,
$ portas n.5', ra Direita, 3 pirtas n. 53,-artiga
foja do Braga
g O abaixo assignado donn deste antigo e.nabeimmento, tendo em vi^ta aore^entar nm '>
S completo sortimento^de ferragens mindezas e co.ileria, tem resoivido mandar bSSr eT:
g o.versos pontos da Europa us melhore* objecos de sen estabelecimento d tSSSnS
^ ais enhecdos; pelo que conv.do ao respeitav,| publico e a seus TumeroTos freiueS
g a virem se servir .los objctos de sna carencia, and encontrarao por mems 10 Oifl) dV^x
^ em ontra qualqncT ,;;ine, um scrt.mento eomplc... de machinas para derrocar aoda.
gg do bem eonhecdo faoricante Cottorr Gin A C, diu* para costara! motoref pm animae '
aB ditos para fago momhos pnra cafe de todos os tamanbos, da fabrica do Japlf eSSiSS
doM canos e de um, tanto inglezas como franceas. louca de porcelana, W igtrfS
I rlX6"? ('ualldade8 e Precos bandejas chmezas, salitre, bren, barbante, enxofre nael
m limaba de ferro, ac e agulha para fogneteiro ; assm como encontrarlo con ante-
mente grande poroto de fogo do ar, e recbese -mcommenda de gos de vista alem'deum
B KTLti0dS'&^^^^ : Z+mG SSSS 5
memmm mmmmmmmmmmmmmmm mmmmmm
extraegaodos dentese operaejes dentarias sem dores, torios os
dias uteis, das 10 horas at meio dia
PELO EMPRECO DO
PROTOXYDE D'AZOTE
no gabinete do cirorgio dentista FREDER1C0 G\T1ER
19Eua Nova19
0 qual, acbando-se relacionado com os mais celebres deotiotas de Pars adaoirin
com elles, na oltima viagem Franca, o mo'do de preparar e empregar este xcellenL>
anestbesico de que se pode sempre usar sem inconveniente algum, e prodoz insefiftihiii
dade completa. owm-
mesmo aproveita ajoccasio para lembrar ao respeitavel pubhco nne no
seu gabinete coonoa-se a razer tedas as operaoes da soa arte e coUocar dental or
todos os systemas: com ouro, platina ou vulcanite, wgondo os casos.
Especialtdade de obturages com ouro puro.
BTEHitl
Kl M III11, I
rame de ferro galvamsado em rede para cercas, gaiolas, caJlinhei/os tve
Chapas de ferro galvanisado para cobrir casas.
Tachos de ferro estanbado para engenhos.
Cafres de ferro de Milner e outros autores.
Chumbo em cano.
Dito em lencol. v
Dito em barras.
Dito em enxadas.
Estanbo em barra e verguiaha.
Folha de Flandres.
Arados americanos para ladeira e vanea.
Carrinhos de mao.
Venezianas para janellas.
Machinas de descarucar algodjkde faci.
Ditas de serra.
Dius para cortar fumo.
...h m* TaPI ^ or5* de 3c*vaafs e motores para i eavallos, pan morar <
..cninas de algoda.
Cadeiras de ferro.
Camas de ferro.
Prensas para copiar cartas.
Balancas para pesar.
Oleo de linbaca em latas de ferro.
Trilhos de ferro para engenhost >
Bombas americanas.
Macacos de estivar.
Balanpas e pesos decimaes e oniras.
Fogc3es de patente. j
Ensotre.
Salitre.
Estopa larga e de boa qnalidade.
Picaretas para camlnbos de ferro.
Do grande sortimento de errageas e entilara.
Colarinbos de linhos, inglezes, e alemes.
lisos e bordados.
Damasco de 15, encarnado, a zul e ama-
pello, eseomilba prela.
Espartilbos de litsho branco para Sras.,
de di itrenles precos.
Para quera comprar peca ou duzia da
qualquer fazenda seu preco o costo ; para
diminuir o retalho.
Dsrx-se as amostras de qualqoer foz^nda.
A loja do Papagaio achate aberta todos
os dias, at s 9 horas da noute.
Francisco Teixetra Menes
laO,?.*
GALLa VfilLANTE
fina do crespo u. % \
. 0 Propnetor ^
cimente, alm dos b,*
postos a apreciacao o ,,0
daram vir e acabam rno ,a
da Europa nm completo e vanado irtimento de
finas e nmi delicadas especialidadi-s. a quaes es-
to resolvidos a vender, como de sen eostatne
>or precos muito baralinhos e coramodos para to-
los, com unto que o Gallo...
Muilo superiores litvaa de pellica, pretas, brau-
cas e de mni lindas cures.
Mui boas e bonitas gollinhas e punhos para se-
nhora, nesle genero o que lia de mais moderno.
Superiores nenies de tartaruga pira coques.
Lindos e riqusimos enfetes para eabecas das
Exmas. senhoras.
Superiores trancas pret.is c de cores com vidri-
Ihos e sem elles; esta fazenda o que pode haver
de melhor o mais bonito.
Superiores e bonitos loques de madreperola,
marim, samlalo e osso, tiendo aqnelles brancos
com Ijudos deseabas, e estes pretos.
Muito superiores uioias lio de Escossia para se-
nhoras, as quaes seinpne se vcuderam por 30*000
a duzia, entretanto que nos as vendemos por 20.
atm detas, temos tambem pirnde sortimento do
outras qu^idades, entre as quaes algumas muito
linas.
Boas bengalas d superior canna da India e
castaode niaiflm tura lidan e m-at.taoras fipu-
ta 1!1<:S"10> ne!!te ([enere o ..uc -le melhor so
pode desejar; alera deata? temos tambem grande
quantidate de oalrasmalidades, como sejam.raa-
deira, baleia, osso, borracia, etc. etc. etc.
Finos, lionitos o airosos cliicotir.lios de cadeia e
de outras qualidades.
Lindos e superiores ligas de sed?, e borracha
para segurar as meia?.
Boas meias de seda para senbora e para meni-
nas de 1 a 12 annos de idade.
Navalhas cabo do mafCm o tartaruga paro fazer
barba ; sao muito boas,e de mais a mais sao ga-
rantidas polo fabricante, e nos ior nossa vez taj;-
bem asseguramws sua qualidade e delicadeza.
Lindas e bellas capollas para iioiva. '
Superiores agulhas para machina e para crox
Linba muito boa de peso, frouxa, para enener
labynnUio.
Bons baralhos de cartas para voltarett, as*im
como -.s tentos para o mesmo lim.
Grande e vanado sorlimento das melhores per-
fumarias e dos melhores e ma'is conhecdos per-
fumistas. F
COLAES D BOBA
Elctricos magnticos contra as convulsSee, e
facitam a denticao das inmieentes criancas. So-
mos desde mallo recebedores destes prodigiosos
collares e cnnr.'ntuu -os a recehe-los por todesos
vapore?, afini '. qe nunca faltcm ne mercado,
tomo I tem T.trcido. assm pois poderlo aque-
te que :Me- .i ...u--:n, vir ao deposito do gallo
vigila-.,j, ;y.i.... ..,..-,.,,i eiicontraro destes verda-
deircs .-(.i-.'.-. ., u.i-s aitendondo-se ao fim
para (ue ...... .-..,|il:.-.ni..>, Sc ^enderao com nm mui
(n:nu:'! Incru.
Roga.-iH... fioift aviju do-' lijoctoa que deixamos
declarad... .-.- tioss :.> ..-..s eamigos a vireto
Qomprnr ;. i -mito i mveis loja do callo
gilanle. ni !. ,. -, ;
3 corc<
FALSIFICA^OS
dasPILUUSdeBLU^CARD
(CAVE DOLUM)
A nossa cerrespondencia do Brazil nos faz I commercio, -esles honrados intermediarios
saber que as pracas deste paiz acluio-se na semostrem dignos daconlianca dos seu;
actualntttUt inundadas por uum muUido de
falcificaftes vis dos nossos producios (textna!.
Para garantir-se contra eslas composicoes
mais on menos perigosas, que escondem-se
d'essa maneira por delnu das nossas mairas
de fabrica e mesmo da nossa firma, rogamos
aqui com instancia aos mdicos e aos do-
entes de assegurar-se sempre origem das
PuX'USque traiem o nosso neme, appellando,
.ene outrosmeios prcticos, pela boa f dos
nossos collegas, os phai'inaccuticos. Nao de
duvidar que n'uma questa que nlressa tad
seriamente a saude publica e a moralidade do
fa-eguezes; nao de duvidar igualmente aue
repudiando loda .sularidadc com os falcili-
cadores e os seus cumplices, elles nosefa-
cAo um dever 'ora em diante de procurar
as VFJIDADEIRAS 1'll.LAS DE BlaNCvKO em
origens certas, enderecando-se, quer a nos-
mesmos em Pars, quer indirectamente aos
nossos principaes correspondentes, ou ento
s casas as mais recom-
mendaveis da Franca ^
ou do seu pai. ^ZS Pharmaieutico, ra Bonaparte, em Paris.
AeJorie a nossas Pilolaa as principaes Pbaranaoioa.
PARS
CARiO BEILOC
APWWVADO PEL* ACADCMIA IMPERIAL DE MEOICINA
em 37 dezembro de 1819
I
E'sobretodo a suas prppredades eminentemente absorventes,
que o Ur.io v Bel toe deve a sua grande efficacia. Recom-
menda-se-o especialemente contra as affeccOes seguintes ;
GASTRALGIAS
OYSPEPSIA
PVROS4S
AZIA
DIGESTES DIFFICEIS
DORES DE ESTOMAGO
CONSTIPACAO
CLICAS
DIARfiHEA
DVSSENTERIA
CHOLERINA
fifi! BE EMP1EG0. -Oc^vao d mh* ,'Ckaraao defiellet)
tamavse aates ou depois de cada comida, sob forma de ti Qu de
raslilbi*. Geralmente bem estar sente-ae logo depois das pri-
nieiras doses. Urna inJbrmacao entensa acompanha cada vidro
de p<5 e cada caixa de pastilhas.
Deposito em Parla, la. PRERK, 19, rae Jaeob.
Veode-se na poannaeja drogara de P. Maarer C,
ra Duartfi Coefco n. 17
O0Cc
I
S
I
i
PAHIS
Risa do r..;"ru.i<> D. HR.
Novo e variado a(irimnto de pornairia-
finas, outros r-bjeetcs.
Alm do completo sortimento de perL
marias, de que effectivamente est provida
oja dnCordeiro Provjden, ella acaba d
roceber r.m ontro si-Ttir-Mr!,' qpe se toro
oravel pela variedade denbiei i
dade, qualidades eeomroi
eos; assjpr, pois, o d d-iroPrevidente Na
e espera continuai a Merecer a apreciat*
do respeitavel pub'i.o o:., peni e di
boa freguezia et parttcrilar, v. m afi
lando elie de sua betn ciffibfti -,.
e barateza. Em dita loja Bcofitrarlo r-
ipreciadores do bom:
Agua divina de E. Coadra].
Dita verdadeira de MurraV Lammau
Dita de Cologne ingleza. americAnj, tr*L
ceza, todas dos melhores n maisacreditade
fabricantes.
Dita de flor de larangeim.
Dita dos Alpes, e vilete p:;ra toi!1*
Eliiir odontaigico para conservaco #,
tsseio da bocea.
Cosmeliqnes de superior qualidade e dun
ros agradaveis.
Copos e latas, maiores e meaores, em
pomada fina para cabello.
Frascos com dita apenen, traaspareui
a outras qualidades.
Finos extractos ii:g!ezes, acricaao
francezes em frascos simples e onfeitades.
Essencia imperjal no fiuo e agradavel cha*
ro de violeta.
Outras concentradas e de cheiroa igual-
mente finas e agradaveis.
Oleo philocome verdadeiro.
Extracto d'oleo de superior qualidati
com escolhidos cheiros, em irascos de difii
rentes tamanhos.
Sabonetes em barras, maiores e menor;
para mos..
Ditos transparentes, redondos e em flgs
ras de meninos.
Ditos muito finos em caixinha para barba
Gaixinhas com bonitos sabonetes imitaMt
fructas. /
Ditas de madeira inveraisada conteni I
as perfumaras, muito proprias para pr*
lentes.
Ditas de papel3o igualmente bonitas, tas
bem de perfumaras finas.
Bonitos vasos de metal coloridos, e i
moldes rovos e elegantes, com p de arrr
e boneca.
Opiata ingleza e francesa para dentet.
Pos d camphora e outras differea
qualidades tambem para dentes.
Tnico oriental de Kcmp.
Anda oais coques..
Um outro sortimento de coques de oa
vos e bonitos moldes com filete de vidriUaO.
e alguns d'ellea. ornados de flores e fitai
estio todos expostos i apreciacSo de quet
os pretenda comprar.
GOLLNHAS E PUNHOS BORDADOS
Obras de muito gosto e perfeicao.
Flrellas e Atas para cinto.
Bello e variado sortimento de taea objt>
tos, ficando a boa escolha ao gosto do eos
prador.
Cabellos
Vendemse cabellos de todas a corea, qualquer
compriniento, qualidade superior, em caixa ou
porcao mais pequena : na rna da Cadeia do Re-
cri n. 51, 1 andar.
' (AL iff DI LISBOA
Vende Joaquim Jos Ramee;
n. 8, andar.
na roa da Cnu
A 2,000.
! res de pemles a 2*000 rs..: rna
Lindos c res de percales a 2*000
do Crespo n. 25, loja da esquina.
Fariiha
Vende-se farinba maito boa tinda da Babia em
saceos de algodao : nos arraaiens da Companhia
Pernambucana e trapiche do Cuaha : a tratar nos
rnesmos.



8
rnambuco Terqa eira 13
; \

VAHIEBADE
de 1851
ncrr nmeo-prmMla
(Continuaco)
Depois de tr sustentado par da*
contra as hostilidades da assemblea, o
do presidente, em 9 de Janeiro Chaogarner mostrou-se adversario fia I
tica de Luiz Napelo, o por co:>
demittio-se do duplo commando qut .w
da. A assemblea |/or sua propr.a se;: -i >
ca. quiz coow-lha o comalido da* ja
destinadas a protege U ; P^8'
destinada a dar ao seu pn'i -n
a forca armada, toi
que ti una d:cla-
questores
le o dlreito da reqoorer
rejreitada, e Chaogtroiw
rado na cacara que para inaugurar a era
dos Cesares, ain se encontrara nem um
baulbao, nem urna companma, nem um es-
quadro, nada pie fazer para evitar o
golpe de estado.
Na madrugada de 2 de dezembrofoi preso
e levado cadeia de Mazas, onde perra ne
cea al que o decreto de 9 de Janeiro de
1832 o expulsou do territorio francez Re-
sidi rauitos annos em Malines (Belgic) re-
cusaodo-se vo'iar patria, apesar de Ihe
lerem levanta lo o desterro.
Em l aarco da 183.3 publicou urna
carta desmetrtindo non grande ^nergi. as
assercoes do doolor Veron que o'um pmi-
phleio assevjroii que em Janeiro de 1819 o
general aangarnier se tialia ollerecido pira
prender os seus collegas Gavaignac, Charras,
Lamoriciera e .nitros generaes republ canos
Changamier voltoo a Franca quando sh
restabeleceu o go-erno representativa; e
agora, vendo comprometida a honra de
franca, esquecendo auligos odios, offerecfl
a sua espada ao imperador.
DIARIO DA GURRA O jornal inglez
Morning Post publica o seguinte diario da
guerra, ondo se aliam resumidos desde a
sua origen) at 8 de agosto os fados prin-
cipaes da grande qoesto, cuja deciso est
pendente da sorte das armas :
Julho 3 Assegura-se em Madrid que
o general Prim envin urna deputaco oBfe*
recendo a cora de Hespanha ao p:incipe
Hobenzollern, o qua! a acceitou. l'apel
francez, francos "2,67.
Julho 4-A imprensa de Pars conside-
ra geralmente que a accusaco de um Ho
benzollern ao thono de Hespanha de seria
transcendencia para a Franca.
Julho 5 O duque de Grammont raan-
festa lord Lyons que a cora de Hespanha
foi offlajvdda e acccita pelo principe de Ho
henzollern, e que o governo francez decla-
mo ao baro Werther, embaixador da
Prussia, que a Franca nao snllrera a cxal-
tajo da p incipe de' H)henzollern on de
qualqner outro principe prussiano ao throno
de Hespanha.
Julho 60 baro Werther comprorrct-
te-se a d;r conbecime'ito ao rei da Prussia,
que se acba em Ems, das vistas do governo
francez. O duque de Grammont declara no
corpo legislativo que o gobern nao jnlga
que o respeito ao direilo de um povo visi-
nho nos obligue a soffrer que um poder
eslrangeiro enlloque um de seus principes
no throno de Garlo* V, causando por este
modo disturbios, ou nossa desvantagem no
equilibrio europeu, comprometiendo os
inleresses c a honra da Franca. Ollivier
diz na mesma sesso : O governo deseja
apaixenadamente a paz, porem com hor.ra.
So urna guerra fr necessaria, o governo
riio entrar n'ella sem o consentimento do
corpo legislativo.
Papel francez, francos 72,40.
LorJ A. Loftcs escreve quo o Sr. de
ffte declara que a escolha de um subera
t Julho 13 O governo
o do iui arador i que se d i
com a renuncia do principe de Hola
O aoqne de Grammont annun
-, qoe as negocices ainda n5o
teriBif Arara.' O duque, deGrmmont diz.
lord Lyons que, anezar de ter terrai' ado a
.fio coro a Hespanha. a Franca Dada
ve litteralmente. Tudo o que a Franca
agora pede que o rei da Prussia prohiba
ao principo Leopoldo alterar era qoalquer
lempo a sua renuncia acceitaco.
Papel francez, francos 69,85.
O conde de Bismark informa lord A.
L"ftus que menos que a Franca nao dsse
alguma seguranca, nao fizesse alguma de-
clar.icao as j otencias europeas, ou por
qualqner forma ofGcial, de que a presente
so ug) da questo hespirjhola um arranjo
final e satisfactorio s reclamacfjos da Fran-
ca, 6 de que para o futuro n3o se fariam
mals reclaraacoes, bem como que se depois
n*o livesse lugar urna renanciaou urna ex-
plicarlo balrsjfacturia da linguagem ameaca-
dora do duque de Grammont, o governo
prossinn se veria no caso de pedir satis-
fago Franca.
Julho 14 Annuncia-se em Paris que
o rei da Prussia recusan receber Mr. Bene-
det i, e que lne mandn dizer pelo seu
ajudanla, de campo que S. M. nao tem
raais communicaces a fazer-lhe ; e que o
(joverno franc-z pedio tuna carta especial
de salisfacTio do rei.
Mr. Ollivier diz no corpo legislativo que
o rei reeosou receber Mr. Benedetti, e
que ciimmunicou o fado oflieihlmente aos
gabinetes da Europa. Termina o seu
discurso snnunciando em consequencia d'is-
to a declaraco de guerra contra a Pruss;a.
O uuque de Grammont declara que a
Frflca respeitar a neutralidade da Blgica
mesmo debaixo de qualquer circumstan-
cia.
Papel francez, franco 66,83.
t Julho 15O conde da Bernstorff infor-
ma lord Grandville de que a Prnssia recusa
adoptar a proposa feita no dia antecedente
peto governo inglez
Papel francez, franco 66.
* O conde de Grandville escreve simult-
neamente .1 lord Lyons e lord A. Loflos,
apellando para o protocolo 23 da confe-
rencia de Paris de 1856, e diz que os go-
vernos de Franca e Prussia deveriam re
correr aos r>ons offkios de algum governo
am go antes de appellarem para as ar-
mas.
O re da Pra.sia chega a Berln e
recebido corn grande enthusiasmo.
) general
r'russia,
leiro da
oimode Wis-
ar com perda
Abel Douay e 500
i OUIIOUI
r3pei f
t Agosto 6.GrajdaiMte'lhaemWoerth.
na qual o principe herdeiro da.Prussia bate
os Francezes tomando-lhe 2 bandeiras. 6
njetralhadoras, 30 pecas e 4,000 prisionei-
ros. Batalha em Forbach, na qual os Fran-
cezes s3o tambem batidos e obrigados a
retirar. O exerclo francez em retirada em
toda a linha.
t Boatos em Paris de.ama grande ve(o-
ria franceza.
Papel francez, 67,70.
t Agosto 7.Paris declarado em estado
de sitio. ProclamacSo da mperatriz, acon-
sejando o povo que se mostr forte e
conserve a ordem.
O governo francez publica urna procla-
raacao appellando para o patriotismo do
paiz e uPelejemos com vigor e o paiz
se salvar.
Diz-se que os Prussianos esto em
Saint-Avold, 2 kilmetros de Melz.
Agosto 8.O ejercito francez concen-
tra se, para marchar para Metz e defender
o seu territorio.
publicado um decreto em Paris cha-
mando a incorporarle na guarda nacional
todos os cidadao's Ivlidos entre 30 e 40
annos, nao incorporados j.
Aonuncia-se tambem que sei publica-
do um decreto incorporando na guarda mo-
vel todos os cidadaos de menos de 30
annos.
Papel francez, fr. 65,85.
Julho 10Maoife.stacoes publicas nos
Estados da Allemanha do Sul em apoio da
Pru-sia. Contina a agilago em Paris.
t Papel tararea, 66 francos.
Julho 17Formal declaraco de guerra
enviada pelo governo francez Berlin O
duque de Grammont opp5e-se idea de
lord GracdMlle para que a Franca e a Prussia
se subme'tam aos bons officios de urna
potencia amiga.
c Julho 180 conde de Bismark nega-
se igualmente proposta de lord Grand-
ville.
* Papel franc-z, francos 66,15.
Julho 190 governo inglez publica a
sua prcelaraaco da di utralidade. O rei
da Prussia abre o parlamento da Allema-
nha do Norte com um discurso em que
langa sobre a Franca a responsabilidade
da guerra.
t As tropas conlinuam marchando para
vira o throno de Hespanha urna ques- a fronteiranordesto de Franca.
il com a qual nada tem quo ver o governo
prussiano.
Em Madrid conrma-se a candidatura
do principe de Hobenzollern. e assegara-sa
a sua eleico lera a necessaria maiona
uas cortes. Diz-se que o principe par-
tir para Madrid no Io de setemhro e ser
;:o t-panhado desde um porto allemao por
nina esqaadra prussian?. E Qxada a sua
lista civil em 20 milhes de reales.
t Lord Grandville escreve lord Lyons.
que sent se tenha osado com o baro Wer-
ther orna linguagem-to forte. Lord Grand-
ville escreve tambem a lord Loflos com a
esperanca de que o rei da Prussia desacon-
sejar a candidatura de Hobenzollern.
t Julho 7Lord Grandville escreve a Mr.
Layard afim de que empregue com o go-
verno hespaj.l toda a sorte de persua-
soes para o induzir a abandonar o projecto
da eleico do principa Leopoldo ao throno
de Hespanha.
Lord Lyons refere que a declaraco do
duque de Grammont do dia 6 f nao val de
modo algum mais alm do sentimenlo do
paiz, e que o duque diz que seria urna
puerilidade afirmar que o governo prussia-
no era completamente esimnho este es
sumpto.
* O governo bespanhol dirige urna circu-
lar s potencias estrangeiras annunciandn
officialraente, e justificando a eleico do
principe Hobenzollern.
Julho 80 duque de Grammont diz
lord Lyons, que o governo francez uIj rece-
ben ainda resposta alguma da Prussia, e que
este silencio torna imposivel a abstenco
por mais tempo de levar por diante os pre-
parativos militares. O duque de Gram-
mont saggere, como outra soluco ques-
tlo, que o principe de Hobenzollern renun-
cie, por seu proprio e livre arbitrio, as
suas pretenc5es ao throno de Hespanha, e
declara que a renuncia voluntaria da parle
do principe seria a mais feliz soluco.
t Papel francez, francos 70,50.
c Julho 9 Benedetti chega Ems para
obter urna prompta resposta s reclama-
res da Franca-. Papel francez, francos
9,53.
< Julho 10 O duque de Grammot in-
forma lord Lyons que o rei daPrussia dis
dera Benedetti que havia erfedivamente
autorisado o principe Hobenzollern a accei-
tar o throno de Hespanha; e que, tend > j
dado o seu consentimento, Ihe seria agora
diflicil retira-lo ; que o assuinpto est fra
de qualquer controversia entre a Franca e o
rei, porm que se o principe de Hoben-
zollern quizesse agora, pelo tonseiho do
rei daProssia, retirar a sua acceitacao
cora, todo o assumptj estara conclu.do.
< Papel francez, francos 69,95.
c Julho 11 Grande agitaclo em Paris;
contiDoam os preparativo* de guerra.
Papel francez, francos 68,40.
t Julho 12 O principe Antonio de Ho-
henzollern dirige um telegramma ao em-
baixalor de Hespanha em Paris partecipan-
do que renuncia em nome de seo filbo Leo-
poldo soa candidatura.
Papel'francez, franco 65,95.
a Juino 210 governo fr-mcez, dirige
um manifest s potencias europeas, de-
rUrando que em 1859 o Sr. de Thile tinha
dado a sua palavra de uonra Mr. Bene-
detti, que o prinepe Hohenzollern nao
era, nem poda chegar a ser, candidato se-
rio para a cora de Hespanha.
Julho 22 O conde de Bismark e o
baro de Thile declaram que nem urna s
palavra respeito da candidatura do pnn
cipe Leopoldo fra trocada entre elles e o
Sr. Benedetti, desde que receberam a no
ticia de que llie tinha sido feito o offereci-
mento da cora de Hespanha.
t Julho 23 Preclamaco do imperador
ao povo francez, na qual declara que ha
certos momentos na vida dos povos em que
a honra nacional, violentamente excitada,
se imp5e cem irresistivel forca, domina
todo o interesse, e s ella toma sobre si a
direcca dos destinos da p'.iria. Urna d'es-
sas occasies chegoa agora par a Franca.
Julho 25. Ttmes publica um pro-
jecto de tratado entre a Franca e a Prussia,
estabelecendo urna alHaitca olensiva'e de-
fensiva, e propondo a compra do Luxem-
burgo e a- qecupac i ou conquista da Blgi-
ca pela Franca, em tr< ca oo que o governo
francez se compromelteria a recoobecer a
acqu.siio por parte daPrussia dos estadrs
da Ailemanha do Sil em urna confede-
rado.
Recontro na fronteira perto de Sarre-
bruck.
a Julho 27.Mr. de Lavalette aflianca
lord Granville qua o plano contdo no pro-
jecto de tratado parti de Mr. de Bismark e
foi o thema de algumas conversacoes entre
o ministro prussiano e o Sr. Benedetti;
porm qae nunca teve base seria e que foi
repellido por ambas as partes.
Julho 28.,Partida do imperador para
a cuerra.
O conde de Bismark declara que o
projecto (fe tratado urna das militas pro-
postas idnticas feitas pela Franca Prus-
sia.
t O Sr. de Lavalette declara que o pro-
jecto de tratado foi suggerido pelo conde
de Bismark e dictado por elle ao Sr. Bene-
detti, que o escreveo.
Jalho 29.Proclamaco do imperador
ao exercito. Afirma que a guerra ser'
grande o cruenta.
Julho Si.Partida do rei da Prussia,
de Berlim para o theatro da guerra.
Papel francez, francos 66,85.
Agosto 1."O Sr. Cardwell pede um
crdito snpplementar de dous milhoes de
libras esterlinas para sustentar durante a
guerra europea 2o,000 homens addicionaes
no exercito e na armada.
Agosto 2.Os Francezes passam a
fronteira e tomam as alturas de Sarrebruck,
n'ora encontr de pouca 'importancia, ao
qual assistm o imperador e o principe im-
perial.
Agosto'i.O duque de Grammont ex-
pede urna cir&ita- ao corpo diplomtico re-
petindo a sua aecusaco de que o prcj
THEATRO DAS OPERACOES NO BL-
TICO.
Preparando-se no fialtico grandes aconte-
cimentos. como parece indicar o Jornal
Oficial francez, julgamos que ser lda com
interesse a seguinte correspondencia de
Hamburgo, publicada na Independencia Bel-
ga, onde se faz urna descripto circumstan-
ciada do littoral allemo. Desde o dia 14
qu se apha era estado de bloqoeio pela
marinha imperial a costa noroeste alleraa
ao sul do Baltrom, estendendo se o bloqueio
ao Eider, ao Weser e baha de Jahde.
Aos navios neutros foi concedido um prazo
de dez das para sahrem dos portos blo-
queados :
c Hamburgo, 10 de agosto. As esqua-
dras francezas, que deviam Inzer no Bltico
urna poderosa diverso, ou talvez ahi era-
prehenderem urna operaco capital, quasi
que nao deram at agora signal de vida;
parece, porm, que elles sahiro proxima-
meme da sua inaeco e querero a todo o
cuito tomar urna desforra dos revzes ines-
perados das forcas de trra do imperio
< Em Kiel julga-se, pois, imminente um
ataque e preparam-se para elle. Gompre-
hendem que nao me permittido dizer-thes
o que j se fez, o que se faz e o qne anda
se ar para a defeaa. Prefiro, para facili-
tar aos seus leitores a intelligeneia dos tele-
grammas que d'aqui a pyucosdias Ihespo-
dero ser dirigidos deslas paragens, dar-
Ibes urna idea do tbeajro das operaces
confiadas raannha imperial.
Percorramos, pois, as costas do Bltico
desde o porto de Kiel, novamente annexado
Prussia, at ao de Kcenigsberg, passando
por Stralsond, Stettin e Dantzig.
O Bltico, situado entre 54 e 66 de
latitude norte e 45" e 20 de longitude ste,
como sabem um mar interior de 330 le-
guas de comprimento sobre perto de O de
largura. Este mar nao sujeito s mares,
ou pelo menos esse phenomeno ahi imper-
ceptivel. Tem comtudo cheias irregulares,
que fazem elevar as aguas at tres Des.
Estas cheias tem lugar e'm todas as estacos,
mas especialmente no outomno, quando o
cu est carregado de nuvens e o tempo s
aprsenla chuvoso. As correntes do Blti-
co nao sao menos perigosas do que as dos
outros mediterrneos; a sua direccao ha-
bitual egeral doN. N. E. ao S. S. 0. A
su i velocidade ora accelerada, ora affrou-
xada pelo lancmento das cosas, pela posi-
Co das ilhas e dos rochedos, assim como
pelo effeito das cheias e dos ventos. A di-
receo das correntes muda tambem pelas
mesmas causas ; comtudo a corrente geral
domina e arrasta as aguas dos golphos de
Bothnia e de Finlandia at. s costas da Po-
merania e da Dinamarca.
Os ventos sao muito irregulares e in
constantes neste mar; comtudo, tem-se no-
tado que os ventos de leste dominam na
primavera e os de oeste no outomno. Nos
mezes de junbo e julho, reinara calmaras
durante alguns dias. As mudancas repen-
tinas dos Melos, as frequentes borrascas, a
pouca profundidade d'agua, o grandwiu-
mero de recifes que ha as costas da Saeeia
e do golpho de Finlandia, e os baeos de
arca que se eaendem ao longo das costas
dos estados prussianos lornar mui perigosa
a navegaco do Bltico. Os cacbopos sao
ahi menos terriveis do que no mar do nor-
te ; mas as vagas curtas e quebradas, A
centrando se, entrechocam-se e elevamse
algumas vezes a alturas prodigiosas.
A miragem e a phosphorescencia ob-
servam-se enj algumas paragens e entra-
da do golpho de FinlaBdia a agulha affasta-
se do norte.
t nos golphos de Botnia e de Finlandia
que as aguas, tomada3 do fri no mez de
outubro, se convertem pouco a pouco em
grandes pedacos de glo, que, destacados
pelas tempestades, avancam confusamente
para a parte meridional do Bltico, erro
unidos em dezembro por um fro rigoro^
apresenlam essa immensa extenso de g
que impede a navegaco. A parte merid
nal comeca a degelar em abril, mas os gol-
phos de Botnia e de Finlandia raras wzes
esto livres antes do mez de mio. E en-
to que a navegaco desle mar est em to-
da a sua'actividade e que as suas agu
agitadas pelas tempestades lancam Sobre
costas dos estados prussianos essa granie
quantidade de mbar que ahi se colhe. -4S
O Bltico communca pelos estrenos do
Sund, do Grande e do Pequeo Belt com o
Cattegat, o qual conamunica com o mar do
norte. O Sund, o mais frecuentado dos
tres estretos, separa a ilha dinamarqueza
chamada Seeland, da cosa sudoeste da
Suecia. Este estreito, no ponto mais aper-
lado entre Helsingor, situado na costa di-
namarqueza, e Helsingbourg, situado na
costa sueca, a 3,950 metros de largura, de
i a 20 bracas d'agua, offerece um pheno-
meno notavel: diversas experiencias tem
provado que profundidade 6 > 4 a 5 bra-
cas se com&ca a sentir ui 'ente infe-
aproxiraaado-
,tre as duas ilhas
dinamarqsezas de Fionia e de Seeland.
s de comprimento
sobre 7 de largura. A wa profundidade
muito desigual: as sondas d?o ora quatro
bracas ora vinte. Encerra diversas ilhotas
e grande numero de bancos perifsoa. Na
boa estacSo, a viagem de Seeland a Fionia
fai-se bastante rpidamente, mas no outom-
uo e no invern, as tempestades e os glos
tornara a viagem lenta e penosa. O Grande-
Belt acarreta muas vezes pedacos de glo
que se reunem e se Bxam, em varios pon-
tos ; faz-se ento a viagem, parle em bar-
cos, parte em trenos.
t O Pequeno-Belt separa a ilha de Fionia
de Schleswig e da Jollanda. Na parte mais
aperlada, entre Frederica e Middelfahrt,
este estreito assemelha-se a um grande ro
de 1.5C0 a 2,000 metros de largura. A sua
profundidade varia de 4 a 20 bracas. Tem
muitos baixios, a sua corrente mui rapi
da, as costas sao pouco elevadas, e sao fa-
cis os accessos.
c Sahindo dos estreitos para entrar no
Bltico, aproximamo-nos successivamente
das costas do Schleswig-Holslein, do Me-
chlembourg e da Velha-Prussia. Estas cos-
tas sao baixa3, arenosas e pobertas de urna
multido de pequeos seixos, que formara
em alguns sitios especies de diques. Nesta
costa, de urna extenso de perto de 150 le-
guas, o Bltico recebe tres grandes ros: o
Oder, o Vstula e o Niemen ; Kiel, Stral-
sund, Siettin, Dantzig a Koenigsberg sao os
principies portos. Todas estas cidades,
situadas no interior das trras, sobre gol-
phos, rios ou canaes martimos, podem ser
fcilmente postas ao abrigo dos ataques
por mar.
O porlo de Kiel, em volta do qual se
levantam forlifieacoes consideraveis, o raais
seguro, o mais commodo, o nico deste li-
toral que nao obstruido no invern pelos
glos, acbase no fundo de urna enseada
de 15 kilmetros de comprimento sobre 3
de largura.
Stralsund est situado no estreito de
Gellen, que separa a cidade da ilha de Ru-
gen. Este estreito ou canal tem 3 kilme-
tros de largura. O porto de Stralsund |
bom, mas pequeo e cercado de baixios.,
Na sua entrada acba-se a ilha de Anholm,
pouco extensa, mas coberta de fortiflea-
ces.
f Stettin acba-se sobre o Oder, no inte-
rior das trras, a 50 kilmetros do mar.
Esta cidade est cercada de for'.ificaces e|
de tres fortes, e o seu porto nao accessi-l
vel seno aos navios pequeos.
< Dantzig, situada na margem esquerda
do Vstula, a 10 kilmetros da soa emboca-
dura, est bem fortificada e defendida por
urna boa cidadella. a primeira cidadel
de commercio da monarchia prussiana. O
seu porlo, formado pela fz do Vstula,
defendido por fortes e a sua entrada allu-
miada por doos pbares a mentados pelo
gaz. Os grandes navios ficam no golpho de
Dantzig, que oflere e urna enseada ao abri-
go dos ventos do norte. Em 1807 Dantzig
loi tomada pelos Francezes e restituida aos
alliados em 1813, depois de um cerco de
oove mezes.
Koenigsberg, collocada sobre o Pregel,
eober-
W2
1,550
5 corveta- de p<
5 corvet;
8 chalupas canhoneiras de
lcUsse............ 640
14 chalupas canboneiras de
2 classe............ 840
yacht................ 160
Vap'Tos de rodas,
corveta (navio de guarda)
avisos............... 420
rebocadores.......... 100
transporte a vapor..... 50
1
1
2
2
I
140
68
24
28
45
9:682
Navios de vera. '
3 fragatas...
3 brigues...
2 navios de
menso-----
pequea di-
Embarcaces de remos
32 chalupas canboneiras de
2a classe de 2 pecs........
4 chalupas canboneiras de
2 classe d 1 peca.....
36
345
112
38
O
150
64
68
f Total >9 vasos de guerra armados de
563 popas e da forca. de 9;682 caval-
los.
a 6 kilmetros da soa fz no golpho de
Frieschehoff, est rodeada de urna muralha
de tres leguas de circuito.
Todas estas cidades, por sua situaca
no interior das trras, sobre passagens es-
treitas. quasi que nao esto expostas ao
fogo de artilbaria das esquadras francezas;
assim nao se concebe urna expedico d(j
Bltico, a menos que mo tenha essencialJ
mente por objedo operar um desembarque,
fazer urna grande diverso no norte da Alie'
manba.
A superioridade numrica da marinha;
franceza sobre a marinha prussiana incon
testavel e a primeira ter por conseguinUi
toda a liberdade da aeco para tentar un
desembarque em um ponto qnalquer com
prehendido entre Kiel e Koenigsberg: o
qne ha s a observar que esta costa d
158 leguas de extenso est longe de ser
accessivel em todos os pontos. Estas para-
gens offerecem numerosos escolhos e estas
especies de expedices sao sempre ranitd
precarias. Urna violenta tempestade pd
desorganisar urna esquadra intera e fazer
frustar a empreza.
* Es agora, para qualqner eventualidade
e segundo os esclarecimentos do nosso es
tado-maor naval, o estado respectivo dai
forcas navaes das duas potencias:
< Esquadra franceza.
* Navios de guerra promptos a fazer-se
ao mar e em armamento :
40 naos e fragatas couracadas, das quae
um pequeo numero ainda no esta-
. leiro.
20 corvetas couracadas.
2 navios de torres.
90 avisos couracados, dos qnaes um pe^
qoeno numero ainda no estaleiro.
73 embarcaces da esquadra de transr
porle.
2 nos-escolas.
125 navios de fltitilha, dos qnaes um pe-
queno numero ainda no estaleiro.
30 guardas-costas couracadas a vapor.
20 transportes de vellas.
50 navios de pesca.
20 navios em construyo (1/20 do effoc-
POVOAGOES FRANGEZAS DO THEATRO
DA GUERRA.Mirz. Capital do depar-
tamento do Mosella situada as margens do
Mosella e do Seiile, a 317 kilmetros E. N.
E. de Paris Tem fortiricaces, arsenal de
arliiheria, quarteis; capital de diviso mi-
litar e tem colegios de artilheria e enge
nbeiros. Industria muito activa. Os roma-
nos aformosearama e Attila saqueou-a em
i5. Em 511, depois de Glovis, passou a
ser a capital do reino de Me'z, que logo se
converteu em reino da Austrasia.
Henrique o Passarinheiro, imperador da
Allemanha, apoderou-se d'ella, continuando
em poder dos seus successores. Em 1532
passou a fazer parte da Franca, sendo frus-
tradas as diligencias que Carlos V fez no se-
grate anuo para rehave la. Depois de se
tornar franceza, Metz perdeu a denominaco
de cidade livre, e a sua populaco diminuo
consideravelmente. Conta uns 58:000 ha-
bitantes.
Thionvii.le, em allemo Diedenhofen : ca-
pital de districto, situada as margens do
Mosella. a 24 kilmetros N. de Metz. E
praca forte e tem quarteis. Conta cerca de
6:000 habitantes.
Thionville data dos reis francos da pri-
meira raca, a merovingia, que nella tveram
om palacio. Carlos Magno convocou n'esta
cidade urna assemblea em 806, na qual com-
binou a diviso dos seos Estados entre seus
filhos.
Thionville passou soccessivamente aos
condes de Luxemourgo, aos duques de Bor-
genha, casa de Austria e aos reis de Hes-
panha. Tomada por assalto em 1558 por
Guise, e entregue no anno seguinte, foi em
1639 infructuosamente sitiada por Fenqui-
res. Em 1643 foi tomada de novo por
Conde, e desde ento h'cou pertencendo
Franca, passando a ser capital do Loxem-
burgo francez. Foi bombardeada sem resul-
tivo real).
I
472
i O numero de pecas dos navios era es-
tado de servco elevava-se, no Io de Janeiro
de 1867, a 6,784; o das pecas dos navio?
em construeco elevava-se a 291; a forca
da esquadra a vapor era de 106,241 ca-
ballos.
Pesseal.
I 2 almirantes; 16 vicealmirantes, lji
dos quaes em actividade ; 30 contra-almi-
rantes, dos quaes 19 em actividade; 130
capites de mar e guerra ; 286 capites de
fragata : 825 tenentes; 600 segundos te-
nentes ; 300 aspirantes. Total 2,218.
|iipulac9es............ 39,346 homens.
Engenharia martima, con-
1 Ira-mestres, operarios,
etc................. 33,057
pitoresco de om
^^^^^^Ete
encontram-se as minas de huli
nelken, pertencentes Sociedad.- .arooni-
fera de Styring, que prodoaera animalmente
mais de 100:000 quintaes mtricos da com-
bostveis.
Chaln. Chalona-sur-Monte en Cka-
lons, capital do departamento do Maree na
margem esquerda d'este rio, a 7 e meia le-
guas S. E. de Rems, a 14 e meia N. N. E.
de Troyes, e a 26 E. de Paris (146 kilme-
tros de Paris e 171 por Epernay). Esta
cidade bastante consideravel, e est situa-
da no mek) de dilatadas pedreirai e as
margens do Marne, qoe banba parte dos
seus muros a N. 0., atravessando-a outros
dous riachos, o Naud e o Maud, os quaes
se reunem depois com o Marne. cireni-
tada de muralbas e fossos, e geralmente
mal construida : a maior parte das suas mas
sao estreitas, tem imitas casas da madeira
e as pracas sao pouco regulares. Os seus
edificios mais ooiaveis sao a cathedral, cajo
corpo de architectura gothi a e a fachada
de gosto grego: foi concluida no fim do rei-
nado de Luiz XIII; as suas duas torres
terminara em forma piramidal. A casa da
prefeitura um dos edificios modernos mais
magnficos do departamento : tambem no-
tavel a formosa fachada das casas consisto-
riaes, a porta de Saiot-Croix, a ponte do
Marne, construida em 1787, os caes e o
passeio do jardim. Tem urna sociedade de
agricultura, eschola de arles e officios, urna
bibliotheca publica, umcollegio commercia!.
urna escho'a de desenho, um jardim bot-
nico, um theatro e urna casa de caridade :
fabricas de baetas. sarjas, carapucas, fustes
e alvaade, de lencos, de fiacao de a'godo,
de ortumes e de camurcas muito acredita-
das.
Comm-rceia em vinho de Champanha,
trigo, la do paiz, canhamo, azeite de oli-
veira e vimes. patria de La Caille, cle-
bre astrnomo e matbematico, de David
Blondel, professor de historia, e de Perrot
de Ablancourt, traductor de mnitos aulhores
antigos. \ sua populaco de 30:000 ha-
bitantes. '
Esta cidade antiquissima; pertencia aos
Catalaunos, e foi urna das principaes da
Gallia Blgica ; na historia tem o nome de
Duro Catalaunum. as planicies prximas
se deram duas clebres baMhas: na pri-
meira, que teve lugar em 272, foi derrota-
do Detrco por Aurelio, seu competidor ao
imperio; na outra, dada em 451, foram
destrocados Attila e os seus alliados pelos
romanos, francos, borgoinbes e godos reu-
nidos, perecendo n'ella o rei dos godos Theo
dorieo. Conta-se que n'esta ultima mor-
reram 300:030 homem.
Em Chalons est actualmente o exercito
francez. O acampamento de Chalons, de
manobras, estabelecido pelo primeiro impe-
rio, e no qual todos os annos vai manobrar
parte do exercito francez, tem augmentado
a importancia d'aquella povoaco.
As alturas de Chalons, chamadas em ou-
tro tempo Campos Catalaunicos formam om
extenso quadrado entre Reims, Saint Meoe-
houlde, Vitryle-francais e Nogeot-sur-Seine.
Regam-asos rios Marne, Aisne, Ornsin.
Aube, Sena, Morin, Pelit Morra e Vesle.
OS PRISIONEIROS FRANCEZES.Tran-
revemos hoje um trecho do Gauloil, no
qual mr, Cardn, seu correspondente, nar-
lado pelos austracos em 1792 e pelos prus- ra a COnversaco qae teve com o principe
72,403
Tropas da marinha......28,623
Total do servico da mari-
no^ militar...........101,026
Esquadra com a bandeira da confederado
id Allemanha do Norte (j>reto-branco-
vetmelho).
Vapores de hlice,
t
sianos em 1814.
Nancy Nanceium na idade media, ca-
pital do departamento do Meurthe, na es-
querda d'este rio e a 330 kilmetros da ca-
pital de Paris. Quartel de cavalleria. A
sna industria importante.
Fondada no seculo XII, passou era pouco
tempo a ser capital da Lorena. Carlos o
Temerario a tomou em 1475 e perdeu-a no
anno seguinte, morrendo junto dos seus mu-
ros em 1477. Luiz XII e Luiz XIV toma-
ram a em 1633 e 1660, e este ultimo man-
dn arrazar as suas furtificaces. Conta
aproximadamente 32:000 habitantes.
Bitiche. Bidiscum ou Bicina, capital
do districto do Mosella. Praca forte, consi-
derada inexpugnaV"-!, sitiada em vo pelos
prussianos em 1797. Tem fundices e fa-
bricas de louca e vidro. Conta uns 3:400
habitantes.
Saint-Avold, por corrupeo Saint-Nabor:
capital de districto. situada as proximida-
des do Mosella. Conta 3:500 habitantes.
Stiusburgo : Argentoratum : em outro
tempo era capital da Alsacia; hoje capital
do departamento do Bmo-Rheno ; est si-
tuada as margens do III, a 3 kilmetros
da embocadura d'este rio no Rheno e a 465
k ometros E. de Paris. Tem arsenal, quar-
teis, fundico de pecas e collegos de arti-
lheria. A sua industria grande e immen
so o seu commercio entre a Allemanha de
urna parte, e Paris e Lyo de outra. No
RheDO, e prximo a Strasburgo, acha-se a
porte de Kehl, que une as margens de
Franca e Badn. A parte d'esta ponte do
lado da margem de Badn foi recentemente
destruida.
Strasburgo foi fundida por Druso, irmo
de Tiberio, no anno 15 antes de Jesos-
Christo, e tomou o nome que boje tem no
seculo VI, em que Juliano derrotou os al-
'emaes e os francos em 557.
Incendiada em 1002 pelo duque de Sua-
va, foi reedificada em 1025 pelo bispo de
\V rner. Depois de varias revoluces, pas-
sou a ser cidade imperial em 1205, e en-
trou em differentes ligas com as cidades
-suavas. Em 1681, em plena paz, Luiz XIV
apoderon-se de Strasburgo, porsurpreza, o
que foi urna das cau-as da guerra do Pala-
tinado. A posse de Strasbu go foi assegura-
da Franca pela paz de Ryswick. At
revolocSo conservoa grandes privilegios e
um governo municipal. Eta cidade foi o
theatro da primeira tentativa do principe
Luiz Napoleao. hoje imperador dos france-
zes. Conta tras 77:0OJ habitantes.
Forbach urna cidadfl aberta, de 5:700
habitantes, a 20 kilmetros ao N. 0. de Sar-
reguemines, em cuja jurisdieco est situa-
da, e a 377 kilmetros de Paris. estaco
de primeira ordem na fronteira do camnho
de ferro de Metz a Sa rebruck, e o primeiro
ponto onde se encontra. aifandega no cami-
nho de Francfort, formando parte do depar-
tamento do Mosella. Forbach possue fabri-
cas de crystal e vidro, de garrafas, phos-
pboros, pipas e tecidos metlicos, de sabio
e de cortomes, etc. e faz um grande com-
mercio em bulha, coke, cereaes, farinhas e
legamos. i
Construida em amphiihealro sobre a es-
carpada montanha septentrional de Schlos-
berg, em cujo come se vem as minas de
urna fortaleza qne a defenda em oatro tem-
real da Prussia, quando prisioueko, mas
j prestes a recobrar a liberdade.
Cbegamos ao castello de Soultz, onde
sabamos que o principe real da Prussia es-
tabelecera o seu quartel-general.
t O pateo eslava atulbado de carrna-
gens e de cavallos, e na ante cmara aclu-
va-se numerosos criados de libr. De re-
pente abriu-se urna porta, <; fizeram-nos
entrar para urna casa de jamar, muito espa-
Cosa, e lindissima : acbava-se all reunido
a almfar, cha ou caf, todo o estado maior
do principe real.
Apenas entramos, diriyiu-se a nos o of-
ricial que occopava mesa o logar de hon-
ra, dizendo-nos:
Os senhores passaram pessima noite,
e teem sem du ida necessidade de almfar-
Esperamos por consegrante que parteci'
pem da nossa refeico.
Em seguida sentamos-nos Das cadeiras
quenosoffereceram, e tomamos urna chave-
na de caf.
Como quasi tolos os ofciaes presentes
fallavam perfeitamente francez, entabolou-se
imraediatamente a conversaco, qoe duron
perto de meia hora. Da batalha da vespe-
ra fallaram pouco : o necessario para com-
provar a energa que as suas tropas linham
achado combatendo as nossas.
Afinal quando estavamos para nos retirar
disse-nos o officil que nos liuha ido bus-
car, que estavamos sellos e livres, mas que
nos pedia a nossa palavra de honra em co-
mo nao sainamos da casa do tribunal, mes-
mo por interesse da nossa seuranca, em
quanlo nao podessemos ser reconduzidos a
paiz neutro.
Quando atravessamos o pateo do castel-
lo, para regressamos nossa priso, passa-
mos por um grupo de oflkiaes, entre os
que nosso guia nos dsse acbar-se o prin
cipe real da Prussia.
As.-im, pois,. comprimentamos de passa-
gem o grupo; mas nao tinhamos dado ain-
da meia duiia do passos, qoando ouvimos
que nos chamavam. Fra o proprio prin-
cipe real quem nos mandara chamar,
O prncipe, de quarenla e cinco annos
prximamente, alto e robusto, e cotri om
fardamento simplicissimo, nlo tem a mni-
ma apparencia de soldado; o que se Ihe
nota, tanto no aspecto como no fallar,
grande hondade, verdaderamente bar-
guerra.
Depo'rs de nos ter confirmado a nossa li-
berdade, allou-nos da guerra, que elle de-
testa, segundo diz. No que porm se os-
trera inexaurvel foi ao fallar do nosso exer-
cito, cuja bravura admira.
Foi o principe quem nos disse, que li-
nham se arremecados contra as bateras
prussanas que fulmina-am Mossbrom dois
regimentos de couraceiros, os quaes haviam
combatido nao s com coragem heroica, >
mas com umaexadido militar que Ihe cau-
sara admiraco.
A nossa infantera dizimava-os, disse
o principe ; mas ellos reformavam imme-
diamente a linha, e volta va m de sabr em
puobo, conservando a mais. admiravel ani-
dado de acc3o.
(Conttmr-se-ha).
TYP-DO DUBl RA DUQUE DE Ca>
f;
< : ':
i

I


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E6ECJY2I5_3AOT9E INGEST_TIME 2013-09-14T02:23:56Z PACKAGE AA00011611_12210
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES