Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:12207


This item is only available as the following downloads:


Full Text
mo XLVL NUMERO 203
5-'
tm
i
J T
tU A CAPITAl E 1GABES OIDE IAO SE PAGA POOTE.
Por tros mexe* adiantados........ jannn
Por seis ditos idem......... ........ SSn
Por um anno idem...........' 2KS
Ctdi maero avolso...,,. ......... ^S
........... .... 320
DIARIO DE
SHltt FEIRA 9 QE SETEfflBRO DE 1870
PASA DOTCHO E fOBA DA PE07IKIA.
Por tres mezes adiantados
Por seis ditos dem; .
Por nove ditos idem .
Por um Ibdo idem
6I7O
43*100
20*260
27*000
Figneirj
SAO AE*TES:
Os Srs. Gerardo Antonio Alves 4 Filhos, no Para ; GonCalves d Pinto, no Maranhao ; Joaqoim Jos de OHveira, no Cear ; AntU de Lemos Braga, do Aracaty ? Jlo Mara Jno Chave, no Asso ; Antonio Marque da Sirva-, do Natal; Jos Joatine
Pereira d'Almeida, em Mamanguape; Antonic Alejandrino de Lima, na Parabyba ; Antonio Jos Gemee, ta Villa da Penha; Belarminodos Santos Bote*), em Sanio Ant3o; Domingos Jbs da Costa Braga,
u________________________flm Nazareth ; Francisco Tavares da Costa, em Alagoas ; Dr. Jos Martins AMet, na Baha ; e Jos Ribeiro Gaspannho no Wo de Janeiro.
DIARIO DE PERIAMBUCO
RECIFE. 0 DE SETEMBRO DE 1870.
Xaiic'as do norte do Imperio.
Amauhecen honleni em nosso porto o vapor
Cruzeiro do Sul, trazando dalas: do Para 30 do
passado, da Maranhio 1, do Cear 4, do Rio
Grande 6 e da Parahyba 7 do correrte.
PAIt.
Achava-se oo exercicio de commandante das
armas, por nomeagao interina da presidencia da
provincia, o Sr. ooronol Manoel Antonio Bricio
U) relatorio da presidencia da provincia, lido na
abertura da assembla provincial extrahiraos o
3"{ainte:
i Existera na provincia actualmente 177 escolas
do ensmo primario, sen lo 107 publica 8 70 parti-
culares ; daquellas 80 siio do sexo mascoiuo e 27
do fetninino. Essas 177 escolas sao 'requemadas
por 3683 alomnes, sendo 4660 as pablicase
1023 as particulares.
A nstrucco secundaria dada mocidade
da provincia em 10 collegio?, cujos nomes e re-
qucocia sao as segiiintes:
Paraense, por 83 sendo 23 internos e
meio pensionistas e externos 83
< De anta Mara de Belm, 134 sendo 64
internos e meio pensionistas e 70 externos 134
Dos Santos Innocentes, 256 sendo 70 in-
ternos o meios pensionistas e 186 exter-
no 236
Da Infancia, 42 sendo 3 internos e meio
pensionistas e 37 externos 42
t De Santa Cruz, 72 seudo 49 internos e
meto pensionistas e 23 externos 72
Da Gonceicao, 27 sendo 12 internos e
meio pensionjstas e 13 externos 27
De Noss Seohora de Nazarelb, 47 sen-
'' 29 internas e meio pensionistas e 18 ex-
ternas 47
De Nossa Senhora da Gloria, 62 sen-
V-se qne a medida do priraeiro quinquenio dores, assegorando-se assim a permanencia de um
apresentou apenas s ilire o menor anno 11,83 OO
e a do seguirte 35,82 0|0.
*.Combinada a difTerenca da media entre a
media d'estes dous grandes periodos, a do ultimo
tem sobre a do primeiro mais 527,570(0.
Po primeiro periodo pareca estacionaria a
renda ; no segundo ao contrario teve differeneas
inealculaveis no augmento.
a Do relatorio. que vos ser presente, do ins-
pector interino do thesouro provincial, cooheee-
res o estado das aancas da provincia ; sendo
que, ainda como anteriormente, a renda tem con-
tinusdo em augmento, representando nm saldo de
97:998*389 a favor do ultimo exercicio de 1869,
comparado com o de 1868.
Do referid* relatorio se conhece que a receita
no exercicio de 1869 foi de res 1,734:729*953,
sendo :
Renda propria ordinaria 1.490:4731343
t Extraordinaria 39;8!7*336
Reunindo a esta impor-
tancia a de depsitos em
c A de moviraentos de fun-
dos de
E o saldo recebido do ex-
ereicio de 1868 em
Da comparacao da renda
prrpria do exercicio de 1869,
cima demonstrada, em
Com a do exercicio de 1868,
que foi de
1.330:2905701
598*644
6:000*000
197:840*610
pensionistas e 21 ex-
lo 38 internas e meio
unas
Da Santa Luzia, 139 sendo 93 internas e
meio pensionistas e 44 ex lernas
i De Santa Cicilia, 22 sendo 10 internas
t meio pensionistas e 12 externas
no
Tutal da Trequencia do ensino secunda-
62
139
22
886
A companhia de navegacao do Amazonas
transportan no anno de 1869 13.386 passageiros,
luendo a receita de 151:918*513. A dos Tretes
foi de ris 425:266*347, elevando-se a receita to-
tal a 317:183*000, menos 507*079 que em 1868,
nao comprehendendo, porm, oa diminuirlo os
Tetes, cuja renda exiedeu a daquelle anno" de...
H:2O9*093. O valor da imporiago foi de.....
5,902:422*333, mais 619:293*462 que em 1868 e
o da exportarlo de 8,531:384*450, mais......
l.J7o.70*469 que naquelle anno.
A companhia fluvial Paraense arreeadou no
ar.no de 1869, reis 134:455*833 e despendeu.....
W4*8|3.
Contina a prosperar o nosso commercio,
como veris das seguintes inormagSes, que me
apresentou o digno inspector da alfandega, o Sr.
Augnsto Cesar Sampaio : '
< A renda geral da provincia arrecadada pela
alfandega no exercicio de 18691870, ultimo en-
iserrado, prova anda o augmento que ltimamente
i .ve o desenvolvimento commercial.
At o exercicio de 18681869 nao influa,
nem o augmento de produceao sensivel, como se
i' lia di-monslrado no relatorio, que o Exm. Sr. Dr.
Jj Alfredo Correia de Oveira, apresentou V.
Esc, nem augmento de contribuicao.
No exercicio prximo passado de 18691870
boave apenas a difTerenca de contribuir para a
uiaior receita o augmento de impostos.
Foi o total desse exerci-
BJQ 4,070:0455589
maior que o exercicio ante-
rior 369:8135861
Contribuio em maior escala
pira a differenga direitos de ex-
portaelo 261:482*207
Accrescim^ da 30 e 40 %
bre os direitos de importa-
ra 301:1435864
Addicionaes de mercado-
rias isentas e de 2 % elevadas a
5/. 39:934*949
Imposto sobre industria e
proficuo 61:548*712
E augmento de outros impostos.
A imporiacao soffreu difTerenca para menos
por isso que os direitos de consumo sem o accres-
) de 30 e 40 %, embnra alguma cousa aug-
mentados pela unta de 22 de marco de 1869, que
principiou a tor vigT em Io de junho do mesmo
anno em diante, importariam em menos......
i :i:819*202 reis que do exercicio de 1868
1889.
A exportaglo, porm, aproentada a nolavel
dillerenca de 23 % para mais, e nao sendo este
impoto augmentado, resulta que a difTerenca foi
no valor exportado.
De fado. O valor offlcal
da importaran foi em 186
WJ 8.197:5633985
em 18691870 7,213:524*240
1.734:729*933
1,530:290*701
1,432:292*332
Diferenca parameos
O valor da exportacao
em 1868-1869
era 1869-1870
foi
982:039*745
10,74.1:126*166
13,429:261*800
2,488:133*634
cau3a do augmento
DifTerenca para mais
ilas direitos de expertacSo o b>m preco dos'gene
ros especialmente da borracha, e nao o desen-
volvimento sensivel da produceao. Nao como
as cifras oDciaes apontara o valor da importacao
tao inferior do da exportarlo, a ponto de repre-
sentar o valor d'aquella mais de 47 0/0 nos nove
txercieioj ltimos.
Ainda mesmo, porm. que
o augmento do valor offlcial da
importacao 35 0/0 em qne apro-
ximadamente est calculado a
(tilTerenga entre o valor offlcial
i real, sef o valor da impor-
tacao nos dous exercicios 22.467.679*102
da exportago 24.170:387*968
difTerenca para mais 1002:708*864
ou.9 0|0 sobre a mpoitarao.
O progresso da renda nesta provincia em re-
larao as demais provincias excepcional.^
< Ha viote anuos a renda de importacao, expor-
tara e despacho martimo desta provincia era no
de 1845-1846 a 18491830........
2,328:188*411, destribuida asslm :
1845-1846 455:549*270
1846-1847 526:803*363
1846-1848 416:361*082
1848-1849 409:825*891
1849-1850 519:348**05
i Termo medio 465:637*682
< O ultimo quinquenio rendeu 14,611:090*465
na segainte progresso :
1865-1866 1.884:301*569
1866-1867 2.242:891*862
18671868 3.112:028*358
1868186 3.540:223*967
18691879 3.829:645*409
>
Vorlicou-se que aquella
superior esta em 97:998*369
A despeza provincial ao mesmo exercicio de
1869 importou em 1,686:930*871; e, sendo a re-
cen de 1,734:729*955, apresentou um saldo de
47:798*084.
Lemos no Diario do Grnm-Par :
'Est entre nos e vai para o Rio de Janeiro
M. Gen W. Sears, inventor d'uma machina para
uefumar a borracha, com urna grande economa
de tempo. M. Sears vai ao Ro requerer patente
de privilegio, e deixou ja ver aqu as proximida-
des da cidade, ende fez diversas experiencias na
presenca de pessoas habilitadas para julga-lo, que
ser acto de justica do governo nacional a conce--
sao do privilegio que elle vai requerer, porque
com sua invenco ha de fazer urna revolucao no
fabrico da borracha.
A machina muito simples, e diz seu autor
que ser muito barata. Assim nao ha de ha ver
quem a nao queira, porque na experiencia que
se procedeu via-se que inutilisa umitas das dilfl-
cuidadas com que lula o seringueiro, e que no
processo da defamacao tanto Ihe prejudicam a
saude. >
A alfandega de Be m arrecadon do 1 27
de agosto 504:588*568.
Estavam carga os navios : G. Banker, C.
E. Moody, e It. C. Lae para New-York; Bertha
Rinstor/f, Flor do Vez e llansine para oHivre;
Aprigio para Lisboa.
MAHANHAO.
A commissao da praca dirigi ao inspector
da thes mraria de fazenda a seguinte representa-
cao, qual elle deferio faveravelmente, suspendon
do at ulterior deliberacae do thesouro nacional, a
reraessa de dinheiro para a corte :
A commissao da praca desta capital era nome
daquelles a quem representa, alguns dos quaes'lhe
dirigiram o offlcio junto, vem boje requerer V.
S. urna medida de summa importancia, attenta a
crise que nos ameaca, devida a guerra entre a
Franca e a Prassia, guerra cuja perniciosa influen-
cia j, mais ou menos, se vai dolorosamenle sen-
tindo nesta provincia, ou antes em todo o imperio,
sem ainda ninguem poder calcular as proporedes
que o mal tomara.
E' notorio. Illm. Sr. inspector, que desta Ihe-
souraria se tem feito para a edrte gran-1 s reman-
sas de moeda papel, e tambem consta que ellas
coniinuaro ; mas como de outras partes nao en-
trara sommas correspondentes, perde- se infillivel-
mente o equilibrio, e o resultado a escassez, ge-
raJmentfi j sentida, de numerario, tornando-se as-
sim mui difficeis quasi todas as transacroes.
i Para de algum modo obstar a tamaito mal a
commissao da praga, requer a V. S. que, ao menos
em quanto durar a sobredita guerra, as remessas
que a thesodraria liver a fazer, quer para o Rio de
Janeiro, quer para a Europa, sejam em letras lo-
madas nesta praca. Desta forma o commercio lu-
crar, e o thesouro nada perder, visto que, sem a
inconveniente da paga da moeda, satisfaz s suas
necessidades e com riscos e despezas muito me-
nores.
A commissao espera que V. S., a quera nao
pndem ser desconhecidas era indifferentes as dif-
lli-uldades pecuniarias com que lata esta praca,
at onde Ihe permitlirem as suas attribuic5es, se
dignar attender ao que a mesma commissao Ibe
requer.
Do l. de Janeiro at 31 de jnlho ultimo en-
traram no porto de S. Luiz 120 embarcares, sen
do : em Janeiro 15, em fevereiro 19, em marco 13.
em abril 21, em maio 17, em junho 14, e em ju-
lho21.
Sobre a nova linha de vapores de carga, en-
tre Liverpool e S. Luiz, lemos o seguinte no Paiz :
Ha lempos noticiamos que se ia estabelecer
urna linha de vapores directa de Liverpool para
esta cidade e que o primeiro vapor aqui chegaria
em outubro.
< Hoje podemos assegnrar que est organisada
a empreza e que no tempo in icado se realisar a
primeira viagem.
t E* instituidor da companhia o antigo commer-
ciante desta praca o Sr. Hugh Evans e denomina-
se Liverpool and Maranham Steamiship Company.
Sero tres os vapi res, dos quaes estao prorop
tos dous, cujos nomes sao Bntnswich e Bragan^u,
em honra as casas reinantes da Inglaterra e do
Brasil. Sero de 900 toneladas, com 500 a 600
toneladas para carga, e construidos com a- accom-
modacaj dos paquetes de primeira clas-e.
O primeiro dos vapores que deve vtr desta li-
nha, que vai ser estabolecida pelo distincto nego-
ciante o Sr. Httgh Evaas, ha de ser o Brussuniek
que aqui chegar em outubro.
< A' noticia que ja demos podemos accrescentar
estes pormenores :
Tanto a machinas como os cascos sao cons-
truidos pelos Srs. Laird 4 Irmos, cujo cradito
como constructores i>avaps est o mais altamente
collocado que possivel em todo o Reino-Unido :
sao eses vapores de 960 toneladas (medida de
construccao ) classificados para 20 annos, da torca
nominal de 125 cavallos, e preparados com lodos
os melhorameotos, que se tem descoberto e adop
tado at o presente, tendo excellentes accommoda-
c,oes para passageiros.
para urna associacao anonyma ( prvate company)
nao so para maior garanta, como attendendo ao
que Ihe soggenram algunas das nossas principaes
casas commerciaes. Convidando varios dos nos9os
xportadores, a nilla entrarem como accionistas, o
que dar voto nossa praca na respectiva gesto,
alm de assegnrar assim o apon geral.
t Atiento o limitado commercio desta provincia
e que por em quanto mal convida urna navegacao
a vapor dirwa e exclusiva, de esperar, repet-
mos, que esta empreza encontr decidida proteo-
transito rpido e regular.
As viagens entre Lisboa e esta perto sero fe-
tas dentro de 12 dias o que reduz a commnnica-
ro com a praca d Liverpool pelo telegrapho de
Falmonth para Lisboa ao mesmo espado de tempo,
gastando os vapores em viagem redonda, quer oa
ida, quer oa rolla 18 dias. E' evidente a grande
vantagem d"abi resultante para o commercio exis-
tente entre estas pracas.
Sobre a exploraco do rio Itapeesr, cima
de Caxias, de que pe*o governo da provincia foi in-
cumbido o 5r. i. E. Portal, escrevem de Caxias ao
Paiz:
c Hoje (13 de agosto) parti para a> eploraolo
das cachoeiras do Alto-Itapecur oSr. Port 1, gue,
como sabe veio commissiooado pelo governo para
esse fim. Aeompanhei-o at a primeira cachoeira
=designada pelo neme de Criminosa, que reputo
ser a peior de todas ellas.
< O exarae que procedemos deu um resultado
que satisfaz plenamente a todos os homens que de-
sejam sinceramente desenvolver o espirito empre-
hendedor, de que tanto precisamos, e desvanecer
as prevencoi's inertes da apathia, que nos tem
amesquinhado.
A cachoeira tem um canal muito profundo,
com 42 palmos de largura na parte mais estreita ;
e as pedras que fermam as paredes lateraes do
encanamento das aguas sao molles e lao quebra-
dizas, que nao offerecem resistencia a qual juer
meio de derrocaco.
Como possivel organirar-se alguma compa-
nhia estrangeira ou nacional que se proponha a
este trabalho, tomei a deliberafao de reraetter nes
ta data ao Exm. Dr. Vfaia, quem deve a provin-
cia reconhecer este importantsimo servido, dua9
amostras dessas pedras para serem examinadas,
devendo ooUr-lhe, que denlro d'agua sao ellas
muito mais molles de que d'pois de enxutas e ex-
postas ao sol, como tive occaslo de observar, sen-
do neste ponto justamente o contrario do lagedo
do Mearim.
OSr. Portal seguio para observar todas as
cachoeiras, e as pessoas que comigo assistiram a
esta primeira cbservacao voltaram satisfeitas e
convencidas da exequibilidade da navegacao do
A!to-Itapecnr. i
Os erapregados da secretaria do governo,
como prova de apreco e estima ao sen coefe, o Sr.
Dr. Ovidio da Gama Lobo, resolvern! mandar tirar
e offerecer-lhe o seu retrato oleo.
A alfandega rendou no mez de agosto......
238:187*428.
Estavam carga os navios : Elephant para
Pernambuco,t Sarpedon para Liverpool, Mara
Luiza e Fimj para Lisboa.
PIAUHT.
Recebemos diversos jornaes de Therezina,
nos quaes vem narrado o seguinte horrivel erirae :
A 21 de maio fiado, no termo da Independen-
cia, no lugar denominadoPuntal Antonio Alves
Bezerra encontrando-se com Maria Luiza, casada
cora Polraero Bezerra, dTrigS-lhe algumas ex pro-
barles.
Em resposta Mana Luiza assacou-lha imrttos
insultos, levando em replica delles algumas bofe-
tadas, que fizeram-n'a retirar-sa immediatamen-
te do lugar em que tudo is3o se deu. Ha pouca
distancia, porm, encontrando-se com um seu ir-
mo de nome Manoel Francisco, que conduxta um
ccete e urna faca de ponta, pedio-lhe e obteve a
faca, e encaminharara-se arabos era seguida para
o lugar em que flcara Antonio Aires, protestando
acabar com a existencia delle. Ames, porm, de
chagarem ao lugar a que se dirigiam, encontram-
te com Sebastio e Joaquim Alves, fllhos de Anto-
nio Alves, o> quaes trataram, por bons modos, de
obstar a aproximaco de Mara Luiza e seu irmo,
do logir em que estava seu pai, pouca distancia.
A raulber exasperada ao ultimo ponto a nada
quiz attender: chega se traicreiraraente a S,ebas-
no e crava-lhe a laca no estomago; ao gue acu-
dindo tambem Joaquim, Irmo de Sebastio, rece-
be urna facada no peito esquerdo.
Neste acto apparece Antonio Alves, em soc-
corro de seus filhos, e tendo de desviar-se logo de
urna cacelada que Ihe descarregara Manoel Fran-
cisco, foi infeliz na mo de Maria Luiza, que ap-
plicou-lhe urna facada no peito esquerdo; eva-
dindo-se depois dht >, juntamente com seu irmo.
< Sebastio falleceu s 3 horas di tarde do dia
em que se deu esse conflicto, victima da facada
que Ihe dera Maria Luiza.
' Seu cadver foi remettido pan a villa, oade
o respectivo delegado procedeu a corpo de delicio.
< No da 22 e 23 a mesma autoridade proi'edeu
igualmente com relaeo a Antonio Alves: eins-
laurou logo o competente processo contra os delin-
quen es, que nao poderara arada ser capturados
apezar das diligencias empregadas.
CRAR.
No dia Io do corrente leve lugar a abertura
da assembla provincial, cuja mesa administrativa
ficou assim constituida: presidente, Dr. Goncalo
Vieira ; secretarios, Joo Sevrino e Mandes Gui-
raares.
O Club Cearense procedeu, no dia 28 do
passado. eleico da sua nova directora, que se
compSe dos Srs.: coronel Victoriano Borgas, ppe-
sidente ; Francisco J. da Rocha, thesoureiro; Dr.
A. Mendes Guimares, Antonio Nunes Teixeira de
Mello, Dr. Bemvindo Gurgel, Joaquim Fe'j de Mel-
lo, e Richards Hugg, directores.
A alfandega arreeadou no mez de agosto...
272:754*936, senda:
Importacao. 210:955*670
Exportaco. 46:113*687
Despachos martimos. 777*475
Interior. 5:188*629
Santa Casa. 718*473
De maio a junho ultimo foram libertados, em
S. Bernardo das Russas, 7 escravos, sendo de An-
tonio Nogneira da />sta Ribeiro 2 nulalinhos, de
D. Mara Quitara 2 escravas, de Manoel Antonio
Dinz 1 escravioho, e de.mais aous oatr3 senbo-
res 2 escravos. D Janeiro agosto foram lauca-
das, no livro de notas do tabellio publico daquella
cidade, 17 cartas de liberdade, quasi todas por
doacoes gratuitas e sem restriccao alguma.
Nj anno de 1869 forana exportados pelo por-
to da Fortaleza os seguintes gneros, com o valor
de 6,140:872*620: algodo 5,153:993 kilos, assn-
car 1,666:099 kilos, caf 793:381 kilos, cera de
carnauba 62:893 kilos, borracha 114:778 kilos,
sebo 13:039 kilos e outros gneros raiudos taes
com courtnhos, pennas, sola etc.
RIO GRANDE DO NORTE.
O Exm. presidente da provincia, tendo verifica-
do por si mesma o mo estado de alguns edificios
pblicos da capital, mandn proceder, pelo eoge-
nheiro da provincia, aos ornamentos das despezas
a fazer se com as obras da alfandega, da fortaleza
dos Reis Magos, do alheneu, da cada, e da fonte
d'agua pota ve I.
PARAHYIfA.
Nenham jornal recebemos desta p'oviaeia.
C"J*J "obre os resoltados da lora gigantesca de
qUlr.j?.e.atro t>fcMo P*iz da Fr,D?a- As noticias
WJActoras lyae as agencias espaibam pela E-
rop para darem pasto anciedaie publica; a
reserva com qne os governos belligerantes notr-
c'a* *oiorimentos do seus exercitos; os resul-
ladM dos differentes combates diversamente apre-
ciados pelos goveraos de Blrlin e de-Pari<, altri-
buiado cada um a> s proprio as vaetagens das
sangrentas balalbas. Sao facto que nos tornan
mu dilBcil o papel de imparcial historiador desta
tremenda epopa.
Fazemos, porm, todas as diligeocias para nar-
rar desapaixoMdamente os acoutecimenw, dando
a loz qae podernros sobre o movimeoto dos dous
exercitos.
Depoj. das memorareis batalhas de Wisem-
boorg, de Woenh, de Reisoff, de Spicheren e de
5>arrebruek, em que lijaran) compltamele oes-
trocados os corpoi do exercito dos generaos Mac-
mabOD, e do general Frossard. que tiveram de se
retirar, diante das eotamnas invasoras dos exerci-
tos prussianos, que penetravara em Franga ^uasi
simallaneamenie por tres pontos da fronteira ; de-
pois do echo desanmador que taes desastres tiva-
ram.no parlamento Irancea e era toda a Franca ;
depais de se conhecer que o governo francez havia
declarado a guerra ctm o eoracao leve (phase do
Sr. Olivier ), guerra para a qual nao eslava prepa-
rada, pois que no corpo do f xerclo do Rheno,
que se propunba a invadir a Allemanha, os qua-
dros eram ficticios, fallando daz mil homens em
cada divsao; que as munifees de boca e de guer-
ra erara insuflieienies, ou estavam mal distribui-
das ; que os dilTerentes corpos do exercito, con-1
tendo um effectivo pouoo snperior 2o0,000 ho
mens, guarnecalo a fanleira desde Sierk al
Strasbourg, nao havendo u necessarias imhas te-
legraphicas, entre os dilTerentes eommandos, ne u
as necessarias vias de communicacao, para se
preslarem mutuo auxilio, depois que ce conheceu
que o commando do imperador e do ministro da
guerra general Leboeu, era prejudicial patria;
depois que o parlamento francez demittio o mini -
terio Oiivier-Leboeuf, e acceitou o gabinete presi-
dido pelo general conde dePaliko; e provocou
nma medida enrgica, confiando-se o commando
era ehefe do exe/cilo de operaco-s ao general Ba-
zaine; depois do parlamento ter provocado a de-
claraco cathegorica, de que o general Bazaine
era o commandante em ehefe, e que cima delle,
e nem mismo par delle Iva quem coraman-
dasse aquella exercito, isto ; que o imperador, a-
pesar de se achar no campo de operario, nao
exereia all commando de espacia alguma, e que
at mesmo a guarda imperial nao reconhecia ou-
tro commando qae nao fosse o do general Bazai-
ne ; o exercito francez adquiri novo animo, pela
conflaoca q_ue depositara nos novos cheles.
A agitarao era Pars acalmou quando Ihe de-
monstraran! que a luta e as desordens eram novos
incentivos para a marcha triumpbaate dos prussia-
nos. o parlamento roiou todas as medidas extre-
mas pedidas pelo gov;rno. Orecrauraento ax-se
Q farad exereinr enrnperacdea.
No primeiro impeto os prussianos avanijaram
ato Nancy a pouca distancia de Mctz; a praga de
strasbourg foi investida, e depois sitiada inter-
rumpen do-se as suas comraunicafes com o exer-
cito francez.
A retirada franceza coroecou a organisar-se, e
na passagem do Moselle, perto de Nancy, sendo
os francezes atacados pelos prussianos, repelli-
ram-nos com grandes pardas de parte a parte.
N3o>,podendo o exercito francez sustenlar-se na-
linfia de Mels-Strasbourg; comeeou a opererar uraa
retirada combinada sobre a linha de Chalons. O
exercito prussiano operando de um e ouiro lado do
exercito francez procura involvelo e inpedi-lo na
sua marcha, e repelli-lo sobre a praca de Metz,
para Ihe cortar as communicacoes com o resto do
exercito francez, e com a capital.
Eis o estado das cousas no-da 14 de agosto.
Nos das 14, 15 e 16 de agosto ha combatas san-
guinolentos era Vionvlle, Gravellote e junto a Me-
tz ; as consequencias dos cmbales nao sao decisi-
vas pois as communicacQes officiaes tanto do exer
cito francez, como do exercito allemo seAttnbuem
as vantagens desse* dias.
Francezes e prussianos obram proJgios de valor
As ultimas noticias do o exercito do commando
de Mac-Manon em retirada para Reiras, e as a van-
cadas prussianas em Chalons que foi evacuado pelo
exercito francez.
No combate de Metz haviam os prussianos con-
seguido cortar as commnoicacoes do general Baza-
ine oom o exercito de Mac-Mahon, e concentra-lo
sobre Metz, mas o general Bazaine, com um esf r-
co da sua potente vontade, cortn a linha e toman-
do a estrada que passa por Brjey Longwyon e Mont
mjidy na fronteira da Blgica teota fazer nova jun-
cao com o corpo central do exercito.
Eatrahimos do jornal francez Le Courrier du
Moselle a narrativa do combate que leve lugar no
dia 14 nos arredores da Metz.
< Desde pela manha que na cidade se linha es-
palhado o b .ato de que o exercito francez, que co-
bria Metz havia j uns poucos de dias, ia, passar
para a anrgem esquerda do Mosella e se diriga
para Verdun. Ao mesmo tempo, o imperador, de-
pois de ouvir missa, despedio-se ofcialmenle do
clero de Maz, e na praga da Prefeitura, fazam os-
len-iva mente grandes preparativos de partida as
equipagens do quartel imperial. Pelo seu lado, o
exercito comeciva um movimento de retirada, e,
desceodo das eminencias da margena direita, aira-
vessava o Mosella por cima de pintes da barcas.
Do alto da esplanada va se desfilar na planicie
Saiot-Symphorien, metter-se na ilha do Saulcy m-
fantaria, carallaria e ariilhana ; na astrada| de
Moulios que leva a Verdun levantavaro-se nuvens
e nurens de poeira.
i O inimigo poda ver este movimento do alto
ras

tio a
qual se acham situados a herdade e e palacio de
Grimoni, as commuoas de Vantouse, Mev, Colom-
bey, Noeseville, Sainte Barbe, etc. As Torcas do
inimigo, avahadas em 10:000 homens, eomman-
dadas, ao qne parece, pelo general de Mantenflel,
pertencente* ao ewrcito do principe Fredeneo Car-
io?, oceupavam tres leguas d terreno.
D6 nosso lado s tomaran parte Da aeeao os
3." e 4. corpos : a guarda era a re.-erra. Os re-
giaientos esi|>enhados foram,. se estaraos beta in-
formado-, o ti.de eacadbres a pe, os 44, 60.".i
80.V69. e 90." de liana, e J5: de encadares a p, I
os 33., 54:-e 6o. de linha, as 8.\ 9.' e ft' bte-
lo l. regiment de artilharia.
4 acreditarmos um medico militar qde assis-
batalha. as nossas perdas podem ser avaha-
das ^m 2:508 homens .morios ou feridosr as de
inimigo em 12 ou 12:080.horneas.
Ao cahir da tarde entravam na cidade os pri-
meiros feridos : a populacao qne estevs- a p toda
a noiie, foi espera-Ios ao caminho e tratou d'elles
com admiravel solicitada.
Dislinguiram-se especialmente as mulheres ;
por toda a parte,.era todas as ambulancias, se pe
zeram disposico dos mdicos para lavar a fe-
ridas e applicar os primeiros medwaraentos.
Entre os feridos eet o general' de drvisiio De-
caen, cemmandaote do 5?- corpore o geaeraes
Castagny e Duplessis.
flontem, 15- -de agostor apreseataiam-se sae-
cessiraraente na praca dous- parlamentarios ;. pe-
diram, para euterraros mortos. u. armisticio de
armai que Ihe Ibi roneedido.
5 At o da de boj?, teroa-feira, s dez horas da
manha, nada mais houve roda da- Metz. Cre-se
que o grosso do exwroito prussiano desfila para
Verdun por Pool 'Hoosson.
Ni resistimos ao desejo de transenever a narra-
tiva do mesmo combate que encontramos nos jor-
naes ingleie?, escripia por nm allemo :
Posso finalmente transmittir hnje un esboco
no raconhecimenio roalsado hentem, e que davidb
a bravura da nossa gente, setornou um de com-
batos mais sanguinolentos.
As quatro horas e tres quartos chegou ordem
de fazer um recoaheciraento na direceo d Meta,
para se saber a Torga de inimigo aquella po
to. Avahara-n'a emeem mil horneas comwanda-
dos pior Bazaine. O fim da operago era demorar
e entieter esto exercito, afim de facilitar as opera-
g<5es no sudoeste. Tal projeeto reaeou-se-ainda
mais do que era necessario.
A esquerda da primeira diviso avaogara a 13*
diviso pela estrada de Laguenexy. Esu diviso
rompen o Togo. A primeira diviso marchava por
Pont -Chaussy, Plainville e Mbntov. A segunda
diviso segua a estrada de Btanges r Noissevile e
Servi(ny estavam oceupadas pelo inimigo, ojie aos
primeiros tiros de peca retirou rpidamente sobre
a poslgo de Vantaux-Boray Era a sua posige-
pnnclpal; estara eoberta por entrineheiraeeento.
< Desde as 5 horas qae a. nossa vanguarda sa
achaMa ompenhada oa lucia am Montoy. Era Tra-
ca em comparao^o cora as fargas do inimigo, mas
forte pela sua bravura. A* 13 viso franceza
luca va ali contra o regiment 43 e duas eompa-
nbias de caradores da Pruasia oriental.
Fizeram avangar primeiro o grosso da van-
guarda, duas companhias de cagadores e o 3" re-
giment para Montoy, na direegao de Plainville,
afim de esiabalecer neste panto commaoicagaea
com a 2* diviso. A maior parte-da-primeira di-
Voticlis da Europa.
2.922:218*003 gao por parle de todos oT"exr^rtadoMSTirapom-
Ao escureser de hontem Tundeou no lamaro o
vapor francez Gironie, trazendo datas : de Ham-
burgo 20, de Londres 22, de Paria 23 e de Lisboa
27 do passado.
A hora adiantada (7 1/2 da noule) a o ser hon-
tem dia santo, inhibem-nos de dar mais do qae se-
sgue.
Nesles. quinze das, cuja historia dera abranger
a nossa revista, nada temos a accrescentar de de-
das suas posigoes, e acreditar n'uma retirada com-
pleta. Oque elte porm nao vio foi qae o exerci-
to francez, era lagar de voltar sobre a esquerda
para tomar a estrada de Verano, se diriga, por
meio de ama evoluco direila, para a ilha Cbam-
bire. afim de tornar a passar para a margena d-
rea em Saint-Julien.
c Por votla das quatro turas, ouvia-se troar de
a/tilhria. Cabira no lago o inimigo e precipitara-
se sobre as tropas que tiahara ficalo na margem
direita. obrigara-as a recuar e te-las-hia laocado
no Mossella. se nao fosse o movimeoto qua indica-
mos. Quando os prassianos mais cortos estavam
da victoria acbaram-se repentinamente a bracoe
com Torgas qae elles julgavam bem longo, j nael
tidas na estrada de Verdun.
Das trincheiras da cidade, guardadas pela
gnarda nacional, poda seguir-se a marcha geral
da aegio. Via-se o horisonte todo, entre os tortee
de Saint-Jolien e de Quelen, soleado de relmpa-
gos, abrasado de figos. Com acciedade fcil de
comprehendersegnia-se o movimeoto de frente do
nosso exercito qne, risivelraente, erapnrrava o ini-
migo de Saint Julien para o forte da Quelen.
c Eram sete horas quando a animara d'este lor-
ie veio tancar a sua noto sombra n'aquelle espan-
toso concert. Succedara-se sem iotarrupeo as
detonagoes. Com a voz grossa da ariilhana mis-
turava-se, semelbante ao Togo de duas filas de in-
famara, o barnlho qne faiiam as metralhadoras.
Por volia das oiio horas, oiio horas e uro qnar-
to, estava tudo acabado. Os corabateoles. eram se-
parodos pela neite ; nolte aziaga, por que duas
horas depois seria completa a derrota do inimigo.
f Esta tataib, que impropriamente talvez cha-
mamos baulba de Metz, teve realmente por tbea-
tro. aflaanra sitsada ao nordeste de. Metz a aa
visao,jfa brtgada de Geii), avancou entre Painville
e Monioy. Xa Trente marchava o regiment 41,
ao ladide Montoy, na direcgo de Nouilly. O re-
gimen o' do principe redfteou provisoriamente na
estrad.t ao sul de Noissevile como corpo de re-
serva.
U
a lirm
v
n combate sangrento, sustentado com toda
iza, se empeohou em toda a linha. O terri-
el figo de artilharia e-dos petotdes de infaniaria
ouvia-se >em inlerrupeo.
A vanguarda e o grosso do exercito no entre-
tanto on-egairam formar-se em semi-circnlo as
encastas, ao noroeste de Montoy, e a cavalleiro das
duas e|slrada qae coadozem a Metz. A esqerda
desta posigo coaceatrica fiaavara as buterias da
13" di riso e a direita da Havia ali 14 bateriaa
do nosso primeiro corpo.
O fogo concntrico durou das 5 horas as 8 da
noute,| iste- at erepasculo ; pareoe ter feito
grandes deslrogos as fileiras inimigas.
Ak> contrario a. artilheria inin.iga causou-noe
pequeas perdas; os seus tiros eram poiwo certei-
ros; a maior parte-dos nossos feridos, e al os ar-
tilbeiros foram victimas da fuzilaria. A nossa ar-
lilheria obteria ainda melhores resultados, se nao
tivesse tdo que luctar com dous ubsiacuSos; a di-
recgo do vento que ocaultava as posi^5es inimi-
gas sob nuvens de espece fumo, e o sol que se
punha, vermelho como fogo e rdante o que oBus-
cava os nossos artilheiros. Apenas era possivel
olhar por alguns- minutos para as- posieSes raim-
gas.
< Como j dase o combate loi encarnigado. A
ala esquerda da 2* diviso, os regimantos 4, 43 e
44 soSreram grandes perdas. Recordo-rae de um
momento, s sete da tarde ponco mais ou menos,
ena que o nosso centro direito, na sitio em que a
primeira diviso se aooiava na segunda, linha per-
dido quasi todos os seus ofBciaes. Neste reomento
o general de diviso Benineim vio um soldado fu-
mando tranquiilamenta o sea cigarro no meio de
combate. Este espectculo maravilha o general,
que avaoca para o soldade e nede-lbe lame; ac
cende um charuto, rene os batalhSes sem offi-
ciaes, e de charuto- na bocea e espada erguida eon-
dul-os de novo ao combate.
< A lucta proiongou-se at as 9 horas; era j
noute escura.
< Todas as nossas diviso** Acarara ao campo de
batalha at ser noute Techada. Cnliauaram a
oceupar aquel posigo al passado das. dez ho-
ras. Foi ento que receberara ordem d voltar
para os bivagues.
Urna so. vez, ae cair da tarde, o inimigo pro-
curou tomar a offonsiva contra a nossa ala direita
na direcgo deNouillv; foi obrigado a recuar
sobre Metz.
* At agora nao se pode Tazar urna idea exacta
das nossas perdas; as sao seguramente impor-
tante porque o Togo, especialmente o dos pelotees
inimigos, Toi raaito vivo e se iaterrupgao duran-
te a defensiva.
< Esta manha o nosso general commandante
inaiidou ura, parlamentario' ao general Bazaine,
para Ibe pedir am armisticio, afim de poder en-
terrar os mortos e retirar os feridos cados sob as
baleras da fortaleza.
< O marech.it aramio de mu bora grado. Neste
momento eaterram-se os restos daquelles bra-
vos.
Atilda, se nlo den oenhnma ordem para reco-
raegar a Inda. Conseguio-se o fim desojado. 0
inimigo fi repellido para Metz e o campo est
oceupado pelos nossos. > '
Anles de entrarmos nos pormenores dos com-
bates do dias 1S e 18 Taremos um rpido campo
de ba' alna e das posiedes dos dous exercitos.
O corpo de exercito do general Bazaine em
frente de Metz tem em rista marchar sobre Cha-
lons para reunir as suas tropas, s que all se
aphavam ooramandadas palo marechal Mac-Ma-
hon. Os Prussianes passaodo o Moselle era Pont
a Moasson lenuvam impedir o movimento do
exercito francez e isola-lo em Metz, onde lenta-
vam moquea-lo.
Da Mal, partera doas estradas, uraa qae vae
de Longeville a Gravellote bifurcaodo-se ah, a
secuHido o ramo mais ao sul por Rezonvllle, julgava de ver
Niontille, Maw I Toors e Verdun Chalons; o $e-1 sua posigo,
gondo ramo, rae de Grarelotte Bnconrt, Con-
nans, atravess a ribeira do Orne, affloeole d..
Maisatle segu a BUn, e pelos de-nNadeiro d>-
-Argonoe para r ter a Verdn,
A segunda estrada ao norte desta atravessa r.
orne em Aubone e *rife-se a Bhey,, Lone-
wion e ajontinedy ; em- Brier encooirar. estrada
qae vea da fronterr por Thi.raville,-em Long
>v7on eacoatrao caminho de ferro que de Tni-n
i villa- pa^a por Mootroedy a Mzieres; e- de M-
zieres & caminho de ferro qae vae a Rea* e da
F.ems- a Cbalons; esta esad faz un' eireuito
considerarei.
V-se desta rpida deserlp^Sa que o exercit..
fraoee preferira cb>(ar a Chaons pef- camS-
nho niaiscio, para fazer a jnngao com Mac
Manhoni
O iHiervailo de estradas qae via de Graretotta
a Conns e de Gravetotte a Mar la Tours-, for
mando um triangulo, coja vrtice Gravek>tie e
cuja base formada por umbarraaco entra-Man
la Toors e J*ny, em qne-corn ooi pequeo ri-
beiro ataenle do Orne, na margem esquerda.
isto na ouii> nwrgem ita-um eamiaho de carras
que vae de *tr.s la loors Jbrm, ligando as
duas estradas.
Este iotervalfo. triangular un terreno todo
em onduJflodes cuja aiBira varia tntre .199 a
22o metras, sendo- o pon mais- alo na estrada
de Mars la Tours.
No dia 18, segando se eoiftge dos tolegrammas,
a o exercito Traaeez todo era retirada pela es-
trada de SraveloMe marebando segando paree*,
urna parte pela estrada da Mars- la Toor, e a jo-
tra pela de- Confcos, para acceterarem a mar-
cha ; palas 9 horas da manha orna columna al-
lema, que era-o 3" eorpo de exweito do princi-
pe real, laooou-se em Vio3illo-sobre o flanco
do exercito Trance, e intealou cortar-*e a liaba
de retirada.
A este ataque seguio-se am cooflio geral no
qual entrara* successivaroenle em linoa do lado
dos Trancezes os owpos de era-erte do mareebat
Canrobert, (fi^corpo) e do ganer.es Decaen : "
corpo), Ladrairoult f4 corpo)/ FVosaardU0 corpoX
e a guarda imperifti.
O combate foi saagninolenloi a duro segnad
uns 6 horas, e segando outros-12 borae.
Transcrevemos as partes offiaiae* franceza e
prossiana paa os nofsos leitores a^iiiaram.
O despacho do gtneral Basaine datada de 19
du :
Esta machia e- exercito da Fdenso Carlos
dirigi nm ataque muito vivo-sobre-a direita >
nossa posigo. A dviao de cavallarin. do gene-
ral Portn, a o segando corpa FiessarJ re isu-
rain bem. O corpos escalonados > direita e
esquerda de DeaonriHe vieran suocessivamenie
tomar parte na acoao, qne duran al ao, cahir da.
ooule. O inimigo tiaba desenvolvido Torgas con-
sideraveis. Tcmou a oflensiva por difTrentes ve-
zes, e foi rigorosameuse repelto. Iro flm do dia
um novo corpe-de esereito tentou repelir a n *-
sa esquerda. Taraos conservado pan toda a par:a
as oossas posieoes, e infligimos- ao aimip coii^-
deraveLs perdas. A nossas sao serta. Proferi-
da o general Bataitta no ni reohido da luc^.
Un reg nenio de blanos carregnu. estad:>-
raaior. Viola hmeos da escolla- Toram po*to*
Tor de combata ; o eapito cemraandante licu.i
torio.
A's 8 da ooute estava o nimia repellido em
toda a linha. Qatcota-se em O-mik o namero de
tropas que entraran en luta.
mitro despacho da Bazaine no dia seguinto,
confirma a noticia aestes termos :
Hontem durante todo o dia dei bat;\'ba entre
Doncourt e Vionwile. O iotraigo- Toi repellido.
Passamos a noule as posigSes conquistadas. Sus-
pendo algumas hora< ao esou ovimento para
me aperceber completamente de municaes. Tive-
mos diante de nos o principe Fredeco Carlos o o
general Steinmetz. >
O despacio offlcial de Bertia da 18;. concebi-
do nesles termos:
Temos pormenores sobre o comba da terga-
feira 16. O general Bazaine, retirando-se de Metz
para Verdeo Toi atacado s 3 hora da maoha^e
obrigado a fazer keKle.
As nossas tropas mostraran! admiravel bra-
vura, ainda que atacadas por quatro. eorpos frn-
cezes, enl?e os (uwes se r.murtttendiain os regi-
mentos da guarda que se bateram ralenlemenler
Toram bem conauzidos.
Depois de um combate de seis horas a nossa
5.' diviso foi soccorrida polo 10.-corpo do exerai-
to. Perdas enormes por ambos os lados. O xi-
to que ale aneamos f)i brilhani. Os fraccezr
totalmente repellidos sobe Meta, perderara dous
mil prisiuneiros, duas banJeira e sote pegas de
artilharia.
0 ouiro desoaetio transmitlido- diz o spgniote
< TengaT-fetra houve urna grande batalha da 12
horas entre os corpos de Frossard, Canrabert' e
guarda, imperial, e tres aerpo de exercito prus-
sianojcommandalo pelo-'pnoipe FTederic Car-
los e general Steinmetz, com perdas considerareis
dos dois lados. 0< genaraes Ooerinc e \&idt>l fo-
ram mortos e Bacieler e Gaieter feridos. O rei
Guilberma appareceu no. dia immediato n de batalha para coraprimentar as tropas foi vic-
toriosamente acclamada.
Bcou morto nesta acoao o general fsaoeez Ed-
raund Legrand.
CoCria que linha sida morto o principe Alberto,
da Prussia, mas tal noliria nao se confirma, assim
como de-ter ficado farido o principe real-Fredcri-
c-> Carlos.
Parece que alm do combate do dia, 16, houve
aovo cmbate a 18-ou 19, sobre o mesmo campo
em Grarelotte. Um.telegramma de Londres de 20
diz que oa veepera hariam os prussianos atranca-
da urna grande rtotoria prximo db Grarelotie ;
que os francezes haviam sida desalojados das suas
posigoes fortissimas a repelltdos sobre Metz; qua
e avha vara cercados prximo a Maz com todas
as eommunicagoes cortadas com Pars; qne as
perdas dos prussianos haviam sido considera veis ;
e que finalmente o caminho de ferro entre Metz o
Vionville estava oceupado pelo 18" cerpo prus-
siano.
Dizem de Pars que o ministra da marrana de-
clarara no senado qua depois de-urna inlerrupra ,
de noticias que durara 48 horas, devido a interup-
go das lionas telegraphicas havia a ministro da*
goerra recebido despacho do general Bazaine era,
que dizia que oo da 18 depois. de 9 horas de luta.
conseguir expedir o inimigo a conservar todas as.-
suas posigoes; aerescentou o ministro da mari-
nha qua era impo-sivel dizer mais, mas que o
generat. Bazaine estava cheio de eonnanca e que u
ministro da guerra parlilhava essa contianea
Calcla se qae as perdas dos Traocezes nos eoc*-
bates de li, 16 e 18, soben a 90 mil homens, sen-
do 15 rail mortos. No ultimo combate ficaram
i mil prisioneros. Um despacho de Mexieres an-
nrjncia que as perdas dos prussianos Tarara horri-
veis nos oltimos combates. Pedera queosdeixeni
transportar Blgica e ao Luxemburgo os seus
feridos qu > se calculam era 30 mil.
O combate de 18 considerado como nma com-
pleta carnificina sera resultado para neuhom dos
lados.
O Standart de 23 annuncia que o general Ba-
zaine conseguir torear a linba inimiga, rffectuan-
do a sua retirada sobre Motmdy.
O marechal Paliko dechrou no eorpe legislati-
vo ter boas noticias a respeitodas torcas comman-
dadis pelo general Bazaine; mas acresoentou que
omttr os pormenores retstiv
-


Pemambtico
Sexta (eir d d Setembro de 1870
s
Hoieias franc
.nptt indiM Inpnria
-oa I "" harneo* ejancentrva
ftem, ate **cnado Chataa*. **
so r,.ri>.< te aneral Batainte.
0 despa***? do Pn te SSdt.
rae os prassiaio* lumm realaJ<* 'M\*S
Has; fe o pr.-r.i d Ato irn-
que o Agrieto te Vay ^.^, "^Kr nsn so


HJU CU-ft
im dh: res pello t todas ule:
jpremos, caja so-!
ii.lmodada est consagrada, por ua>-#ioriosajM-
i- que u bem 1 seM|uarda sis
enndicoas lu i- do poder do prestigio
da nmnarchia.
O ijioerador coma, pon misma razo, ora o
interesso. o dedieacao da AeU da flalitzia, e a su
JSSS.*3T^ 5eSuSuK*|
^avas'medite Inscripta'
.*tad*s sob a dlreccao do
as tiuae* hw exe-
:ii-:m do enge-
d.) < xere.ie.
"irti telegtomma diz ja* > *>rp
,M JauSTse retirara de Uelmi ;.arantes des-
SSmSww^ prasaao* s8 tatian pe.-
tS,*. Cbalons ; que a cominis-o de teleta
le Pacv prepara os campos do Seu o do Mame,
lo B..i5e"cia di apmxiinaejto do< prassiaao*.
O -rlit dizem nicamente que Charlos ora
-*wiado, e que a* suardas avanea-tes prussianas
Jmvwi* passado Chalona.
Sise tostn. Ilel do drama pr.-ncipal nestes
ltimos saa. Drama secot*io< os de Stras-
orna', te Metz, lo Plulsb.mrg o di dilferentes
prt;i> quo os prossiau u leiH solada, sitalo, ou
so prestni) .1 M'.iar
Sitiada Straaooori le-de o conteuo, a sna guar-
aa tentn urna M.rlida, sendo repellida para
dentro da praea. Levantando o-< pronsianosas
Materia* pomt-earam a bombardea-la, do da n ti
iliador apodotoB-sa di esta* do_ eaiBf-
oede ferro a WM militas -da fornrteau ; nao l> oli-
ve perdas. A artilhari de Ivehi (SM felo gran-
*M estragos em trashowg. R-tas noiicias sao le
lineal prussimia, pas o gaveruo fraiuet nao pode
* noiiria da eidato ute se acha I tiada.
O* irusiano fazom lado* a preparativos para
irreH sitio a Meiz.
' c**a |n- hh'ii>burg capilni:ia.
T<.las o* portus prawanos d' m^r Balo, a-
e es dos ducados de Selileswig al Mmel eslao
eff,-cttvamenle W.^-uo pela DfOMni ""-
ee*.
Bttem de Afxand-.a <|ue '8nns aa*l8?.'r:!"'i
i^s hnviam lanado a rasuta praviana /i7/h.
Jttve mn ciiabeie ntval e;n frente agen,
cuju maritata A ral aui la nato a nneejdo.
Ui*n de l>.vris quo ama graudn tmiaMHI-
fmu eaarfl TlwM, co.ti inunda ule de ?m*, Mac-
Maltn e Battlne.
Saa Sanildftde-o Papa, escreven ama caria
jesthigrapha ai imperador dos traovMM e au ni
ti h-u>si, pe.imdo para ser adiuiuid como e-
rti'iio, para.-l.ier a *ipaio da guerra. A
vmbmkM do re Uotiltierme i nma -vasita esenot
.,. -o digmdade e lancindd as calpw s.dreNopo-
*.i ll(. iz que nem deseja nem desejoa jamis
a pnerra, i que ,
iMH qxiHt*que*Uie s.jaas>e;arada a totegnaade
e taanha il i norte.
O r^i 4* ITussia, rio entramo territorio fran-
eer, dtogn ao pov a trllate proclama^:
1 y- (lalhenne, rei da l'rnssia, fateuiw snijer
a*s tiMbkantes des territon. trar.ceie oejupadj-
Mdal tripas allBaa--, seguinte :
O imperada Mapilea r, m atante por mar
p.H1 trra a wi alie liaa. 1 deM>iiva 9 do^e-
ja viver e:n paz com o pjvo fraiwoM aaattno
cimoiaado d U Urasso, e fal ltate pe MMfMMN mi
tares apassar as fftmtetras la bVanija.
Fac goerra aos soldados, o nte aos cidadao-
Jrancetes. Bales cominaanlo pr floweqaeotra a
desfruetar a taor seguranza as fasiteMae
n-js seus hers, em juanto, 001 emoref.as nusUs a~
troiws allemaas na> un privare.n do dire-.to do
Ibes Mueeter a miulia proteccio.
i Os generaos eoaiaaaJaUtes dos dilloreotes
carpos deten-atnarani, por meto te nrovi eneia>
4-speciaes, que serao publcalos 03 p.-ocedimento-
queso devi'in empreg ir com as -oinnunas c as
pessoas que contravierem aos u Oo luesmo modo reulamfcntarao ludo o que
foroui necessari-is
nni o pain a coro* >jtao energlcamtem-
nifc.-taJjs, e publicamente fflrmadus no teflarsrr
di* ultimo* ann
O impefteor &iaw.!ajKir eonaetpeacia a otas
a proceder sem demora aa elecoes para o rei-
eii-nuh, afim di qm o imperador powa reu/wr ero
un 1 de i os represoniflles leaew teaaoarfctnt,
enjo cnicurso coostitaownal loe paree* Brtiov't>e
cessidado urgonte.
ntre> 1 os seus dbitos at a pi ao de 11 te cor-
ote.
de James Ryder & ('.., dizendo em res-
que se Ihes din do pas-
, ciue a duvida que Uitno raap-
"ja. ai, que envitram pioveio do oagaoo que se dera
is engaos dos batea te c n encarregado desse trbalos em servir-se te
opa do trimestre de Janeiro a"marco remeltido
caes, (i.ie {. exocn- a alfandeza para com elle formular o de que se
tad* un ointe do pkH ^ comprate x iradas nMSS
Atem m#, o da 4,s dH|fflappis trtioestraes rametutefl a aquella
indeponde;n. caota pelo b Ksj^^^B M KiKlca di>montrado o qnanlo afirmo, que
dous romn
NAVk>felt)IDr). Sefawl
da l*?*? *k<"*N bar oraMleir* Uitr, di
pracrito Rio -(tranila u Sal, qiB d a .1M0 porto

" lera prowar com eertidao, e com sua osefiptu-
.ra o i;.l que ne.nhuoia duvida t!
diz respeito as requisieojs que
para as ueceesMade* das tropas, e flxar.io a dilTo-
i enea cutre os valr<*s alleinss e francezes, atun
de faeilrtarem as trausace jes individuaes entre as
"troiws < os habitantes.
Gnilherme.
Br.UUCV
O ejercito be ga :">i mandado por mn pe ne
fuerra ; o-exercito pela nova oiganisae*) diwid*-
se em teas corpos ; o priraeiro (de observaeoe-)
a comnaridadopelotenente-ueneral barao-de Cha-
ta!, diside-eem duasdivi-es cooimandadas pelo
O
gooenil Sapia, e pelo conde de Fhndres. O se
gundo corpj de exerefto (de Antuerpia) com-
iiiantlido pelo teoem>-general Eoens.
O general Renard fu mineado ch-fo do estado-
maior do cxerdto belga.
ucumttk.
Continan) em Inglaterra em granie escala os
annaineiit os.
Mr. Gladstoe reponaendo ua cmara dos eom-
muus a urna inlerpellaco disse qne o govrno in-
fiel propocera separadamente, mas em termos
idnticos Franca e a Prnssia 11ra eompromisso
que se chamac urn tratado era que se algum esercito bellig-rante violar o territorio
blga, a Inglaterra se aprestar com ontro ejer-
cito para defender a Belgka, mas que nao se es
tipulara qae a Inglaterra fosse i.bngada alomar
parte as operacoes geraes dos governos; que o
arlate deveti estar em vigor por espaco de doze
mens, depois da raclillcaeo do tratado de paz en-
tre os doas beligerantes.
A proposta da Inglaterra havia sido communi-
cada Husia e Austria que a acolheram favo-
ravelniente.
O re da Prnssia aceitoa o tratado de Franija
Xambern, mas flon algOtuai modilicac5es que em
nada alteravara & sabsiancia do tratado.
Mr. Cladstone acrescentou qne o conde Berns-
torff assignaria certamente o tratado no mesmu
agosto.)
HKSPANBA.
luasi todos os emigrados republicanos hespa-
nbea qae eso em Franca teni acedado a amnis-
tix. O governo bespanhol parece procurar neste
urtido a compensacao do sea rompimento coma
uim-i liberal, preparando-se para a nica solur.o
Re as circurastaaeias aciuaes parecem aconse-
lliar.
A < diligencia? actaaes que emprega o partido
(trleanista em Franca dao grandes esperanzas aos
nMMilpensienistas. Suscita-se novaraente a candi-
datura de HohnzoHern como consequencia das
victorias da Prossia.
Prepara-se em Madrid ura grande meeting
republicano.
ITALIA.
4 cmara italiana bivia destinado o da 17 para
o nata das medidas linanceiras nlativjs aos ar-
Tia.neittos. Notava-se j;raode agitacao nos mern-
' d) parlamento. F.rain apresentadas dilTe-
rentes propostas tendentes ao exame dos documen-
s apreseetados pelo governo, assim como a si
-tuaete das orcas dos es.ralos do mar e trra.
Apreseniau-se urna emenda para que fosse redu-
0 crdito a dez lOitiO', visto nao ser a Italia
LTIMOS TELStJKAMMAS DA GOERR V.
taris, 2
oericiAL.)
O corpo legislativo regeilou a propoaa de Kera-
Ciy aretpeitii do comit, de dttesa. luRo Favre,
orott violmttaniewte contra a propesta o foimuito
anpUadlte, fazendo appello ao patri *sn te Ij
A m eoatra a hvuIu. A ordem pubica nao foi
ltenla.
.Nao ha noticias ; porm julga-se que se reali-
sou a janceio .te Mac-Malion a Baroe.
rrabafba*;e dia e noite as fortiHcacufis.
1.011 Ires :,as 3 b e Vi m. da tarte.
(ai ca tk.::i;kaiu:.v 9t)ll|AflM)
Os Tecoiihecimentos prujsiauus chegam al Cula-
tean- rnierry, e os exploradores a Brtenne.
?s prussunos avancam na direccao de Va-
reones.
Trocliu pnblicou um preclamaeJo, mandando
sabir d Par todos os i.'iin'idaoi desprovldos' d
melos de exi.-tencia.
O rjorpe legislativo cou3titne-se em sesse secre-
ta par disentir' a situac/io.
Forma-se um novo corpo te 130.00G antigos sol-
dolos; 80000 serio concentrados proxira) de
Parts .
0 Ttnux duvida que Parte mantenha a resolttcuO
de se defeniler.
Pars 23, as 7 h. e 45 m. da tarde.
(OFPICIAL)
I)ii-in que a jnncco de Baiaine e Mac-Manon
nao se continua.
Os francezes ropeiliram os reeomVeimentos
prussianos ;.>bre o eaminno de Parte e Chalos.
Paris, 3, s 8 h. 6TTI5 10. da urde
(mavas)
OHicialFortes destacamentos prussianos
necopaoa Dou!evnt, no Alto Marne, e cir-
cumvisinhatifas. 150 ca alleiros \ieram hon-
tem a Caioas ims tornaratn a partir pre-
cipitalamenla Os counceiroe prossianos
e-to acampados jeta S. Remy, no Mame.
Tcocbu ordena em moa proc!ataac5o que
srjan expulsas de Pars todas as pessnas
absolutamente desprendas de recurso* ou
rjue possara eStoT^sr os tneios de defer.
Fui demettido o prtfeilo de aNicy Affir-
ma-se qoi'a oimmiso do corpo legfsia-'o
propor que j.im chamades as armas todos
os tioaiens de O a 35 annos indistmeta-
meote.
0 corpo legislativo regeitnm a proposta
de Ferry para a. fabricacio de armas, cons-
limindo-se e para examinar qu-siSes relativas sita o
de Pars.
Madrid, 26. s 14b. e 35 m. damaaba.
(iNtki'.nacional)
Annunciam de Eruxullas que os explora-
dores inimifios chegaram a Cbaloos e que o
maire de Cl>alons convidou os cidados a
que evitass-m as hostilidades. As povo c^^s
por onde passam as impis prussianas bos-
ulisam-ili-s a ruaicha unergicamete.
PARS, 2.0 prindpi real da Prussia
tem o seo quartel general em S. Dizier.
Pars, 6, s 10 I). e 15 m. da nunlia.
(internacional)
Pars e9t bastante preparada para rec*-
ber o ataque dos prossianos- Em doas tijas
o emprestimo francez chegou a 750 milhoes
em quanto o emprestimo prussiano durante
tres semanas n3o chegon quantia de 375
inilhSes.
nao ba noticias do theatro da
sabia a l'i leai5o
aber agua, Jen psia na ,-aia Je CamplDas,
perto de Taiubnii, aa provnsia d Parabvba, sal-
vanito-ae apeuaa a, tripolaJBi
COMPaNHIA UO TRILHOS URBANOS DO RE
CIF A' 2l'-\lAnrTei>4P U direcisria de eratUir.
nave* accjteS a\ *.lor*k|u!).g8a(l, seanudo Ui
autonsado pelo decreto n. Em de l de julho te
cu* reaiie u, iw convida* h4 t S*>. ac^ionis-
U>,C4M cuniprimeotuao que dispe o ar. 1." dos es
taado^nesta o.vasia U(B novo mappa eom
11a eorreesio.A' secrelaria para verillcar.
Foram distribuido* os seiuintes llrros :Diario
e Contador de Cbalac Nev-, Copiador te Go
mes m Mattos Innaos, dito de Lenidas Tito Loa-
reiru. Dorio de Pinte Si Martiniauo.
DESPACHOS.
.Reqteriment 's
Ue Joeaal'B Peroia Arantes, para certi6cir-e-
Ifio o registro ra nomeacao de seus caixeiros, qae
uiencionou.Como requer. <
De Francisco Augusto Pereir da Costa, para
tatutes, a inscreveiem-se at o dia ll b ofreaie, iregMMi 'da sua nomeacao de caixeiro de Thomaz
Al agora
guerra.
LONDRES, 26-3 0/0 portugueses 27 1/2
a 8 1/4.
Madrid, 26, s 4 h. e 15 m. da tarde.
(internacional)
Foi regeitada a proposta de Ferry no
corpo legislativo para a livre fabricago do
armas. Appareceu na frontelra de Franca
O. Carlos de Bourbon. x
Consolidados tiespanhoes 24,15.
Caml/io sobre Londres 49,25.
declarando o numero Avisa-w qtao a now bmtstOo w.,11 de ser Mu
por prestajoes na raza o de t por cento. e com
OKervallos de 19 dfs ; o que do da l m dian-
le, sero emittidaa a> acetes qne ii> forein snbs-
criptas peM+ aecrtiitftas aeiuae-.
Itecife, 6 d setembro de 1870.-^Joio Jeaqnim
Alrrt, 1 secretario.
VAPOR JAGUAWaK.Bste vopei da eompa-
nbia Pemanibecana sabio do porki da K.uleza
para o nosao pelas escala-, no i.* d ewrrete.
CAVALLKiHO DR !\,l>U5Tli!A.-S.*re a gran-
de- inflaurtoso Antonio Joaqun da Silva Catete
ou Antonio iiiaqiiHii dos Santas, que foi capturado
bordo do vapur Ariitot, em sua ulUma viagem
para o sul do imperio, e que se acha Teeolbido
casa de eett-.nrao, enouiitram o segemie no Cea-
rente :
< Antete loaquim da S Iva Catette o norae
de mu celebre larapio, memoro da cocapanhia do
tiro de Pernaraoucu, o qual a-iui M upreseutou
viudo no iptifuca a t iW agosu, -.trajandu farda
de tenerUe de voluntarios da ptra e inizeelo
pendentes do peilo tres conJtc racoe. Bise ca
valleire de iode'tria inculcavase nlbo do nnaio
marechal Catette, e espaMiav* qae edperava ser
despaeliate aja .inte de orcens da presidencia
d'esu provincia
Essasb do iratautei que M acoBettava coma honrada
[arda (V voluuiario da patru.
>o badd
  • dustria, ecjmi*lean*i"iim velogio e ama oorrenti
    onru; oepui*. Ili.giiido-e ourive, tomuu do te
    ente Francisco Lniz Ua Costa, para concertar,
    um trancelini estimado er 80|00.
    Bem succedido na prioetra omprer*, procu-
    rou dar-lites inais largas pToporjoeo. Aproveian-
    do o onsejo em ene o sr. Octave Joanez se achava
    ne interior da oh com a familia, penetrou em
    xeo estabeleeimen conimercial, p aote-p, e bi-
    J.iu-die da gaveta ai PA
    No da segoiote voltou pelo /"aro, porm na
    occa-iao em que se airoxiraavg do bateSo, sor-
    urendeu-o o ir. Joaoe:; ias, como nada deseen
    'llat-eo- uVal?, pos ffe-0 bem trajeao e lempre
    ceta Jinheiro na alplieira, deixoa-o sair livremen
    le. No da 23 peo) maiHa apresenta-se de aovo
    em casa de Juanes e ;iede*lho paTa trocar urna
    mita deSOO-iOOO (BaturaOne.ute faba)o ot. Joanez
    respoaJeuU que nao bavia irooo, ^ae Jdo di-
    nheiio miuau que tinba oram TOfiOOO. Cateite, que
    parece motto pratico na encola do Mararmause,
    mostrase contrariado, pois tioha de solver
    n'aqnalle momento urna divida a nao oodia encon-
    trar trocu ; que s mais tardo iria ihesourafia e
    la conseguira trocar a nota.
    0 r. Joanez, nomeib de mnlto boa le, vendo o
    emlafaoe do tratnie, oTerece-lho os 79000 at
    mais tade, eolle fcilmente sem hesimr aceiui
    o gracioso ollereeimeoto e sao promeiu.m-lo.llte
    volttr antes ao mtio dia. D'ahi, porm, lirigto se
    elle agencia dos vapores da companhia brasi-
    leira, onde, comprando uioa nassagem a bordo do
    Art'nM, seguio para o Rio de Janeiro.
    Da casa do Sr. Man .al da Cantta Figuelredo,
    onde esteve lhpadado, inl innam-nos que carre-
    gara varios objeclo**.al a role ondedormia I
    Q>.uniht o Sr. Joemez leve conhei-imer.io ilo
    drama em que VMMoltra o novo Roeambule, que,
    direi de passacc.n, j esievo em Fernando de flo-
    rwilta i- pnrboas accoes nao toi eertameme, diri-
    ge-se a casa do lr. etaefe de polica ijAo r expe-
    dir urna orden de pri 00 para o tratante porm
    j ora tard; ao ehegar a praia, e Armo* larga va
    conduiin lo a cu borde o rapio. PoHimeiiR)
    teiKooLflds. A polica da corte qae ajaste contas
    eom i-ite. >
    LOTERAA qae se acha a venda a Io3" a
    beuelicio do cegiodos orpbaos, a qnal corre no
    lia 10.
    LEILO.Joje elfecla o agente Marlins o le-
    lao de predios, c.oafonne esl annanciado, em seu
    escriptorio a ra da Cadeia n. 9, s 11 boras
    dj dia.
    PASSAG21ROS. O vapor Crazeira de Sn, en-
    trado do norte, trotas os seguales :
    Antonio fpqte RiteiM de Sonsa, Maaoel FVan-
    cisco S>iuza Samo?, Antonio Mara Ramos, Fran-
    cisco LiDanio Lodo Cala", Dr. Pedro Miguel La
    magora Viannn, 1 Rih-t e I escravo, Jos Martins
    Aras, Jos Anteara Corea, Francisco Mara Dan-
    tas Cavalcanti, Manoei Mana Dantas Cavalcanli,
    Clenii'itiino Jos Macedo, Fran:isco de Paula Ro-
    drigues, Loiirenco Pereira Simas, Jo* Bonifacio
    Correa de Mello" e 1 escravo, Silvino de Araujo
    PEMAMBUCO.
    REVISTA DIARIA.
    SETE DE SETEMBRO.Foi .solemoisado con-
    venientemente o da do anniversario de nossa in-
    dependencia, havendo parada e cortejo em oaia-
    cio a tarde, e espectculo-gala no theatro de Sanio
    Antonio, tu j bastante concorrido.
    LONGEVIOADE. Na cidade do Rio Formse
    falleceu, a ii le agosto. Mara Theresa de Jesas,
    oascida a i i de ontnbro te 1771 e contando por
    tanto 97 aunos do idade. Era viava, leudo tido
    apenas um tilho de seu casal, o qeal Tallecido.
    Deixoa l.vre urna anica escrava qae possuia, cha-
    mada Sil veri a. A fallecida dizia ter visti con
    truir-se a igreja de Nossa Senhora do Goadalupe
    de Serinhaem, e contava acms anliguissimos.
    Morreu ent perfeito aso de suas facnldades meu-
    taes; e, poneos di as antes de fallecer, and a va com
    robustez.
    DI.N'HEIRO.O vapor Cruzeiro io Sul trouxe
    para os Srs.:
    J aquim Jos Goncalves Beltrao 1:8163000
    L. Antonio Siqueir'a 4:45O|O0O
    Jos Tavares de Lima 1:340,8000
    Antonio Pereira de Miranda 8461000
    Joaguim Gerardo de Bastos 800*00
    los Tavares nbeiro 795*000
    Carlos de Paola Lopes 73?*400
    Pereira Vianna & C. 703*000
    S. Raymundo dos Santos 300*000
    ONjida -a guardar a frooteira ponliGoa; oniro,
    tlepuudo propoz que se apabeasse aquelle crdito I para 0 snl do imperio trouxe mais esse vapor :
    .ao ministerio do ioterior para que se apreseasse o Baha !0:2550JOOO
    amrtoento e utobtksacao da guarda nacional.
    Votoa-se que se cootiasse commissao a cuida-
    -..'j Je examinar a o;.,jortuoidade de se adoptarem
    as ni"didas ienJe.ntes ao armamento e pro-
    ic-01 da uxportaee das i'ariahas e dos cereat3
    ngri'.
    Na sussio do 19 o Sr. Viceote Vaosla, respon-
    Inndo a urna interpoHaeao, di*e qae, depoi* de
    le-M'aiia, a conveneao d.- setembro havia sido con-
    -derada pela Fralae e pela Italia, como eslandc
    n pleno vigor; disse mais qne o governo se abs-
    ent* de SHscitar a qwesto romana, pora nao com-
    iter azjaestao 4a evacuarao.
    .Na ses-ao do dia 29 ai approvada a segoiate-l
    crletii do din.
    t cmara, approvando o procediaiento polt--|
    Jo ministerio, leca a ooBaaaa de (fue elle se<
    ;pa em dar qoestio rjnraoa urna sol uco
    ' aos votos da nacjto.
    nram-se em Vtenna d'Austria as
    - lo iiaperio. A mensagem imiieriel lula nes-
    iz que o imperador, em presenea dos
    s ebeios de eonsequencias que se
    nsiderou como sen dever urgente du
    ive-ear os reprcsentau'.cs do pa.
    ira que as .-.nijuncturas gra-
    ne aroonatchia tem mais do <|ue nanea
    1 eceperaeo concordante de todosi
    a appjaote de os reunir a 11 torno de si,
    er animados de patriotismo rheio de ab
    aaW de qne tem dado tantas pravas.
    mente aos votos oaaifestados pela dieta
    Galitzia, a vonude do imperador que o go-
    verno, qne j os tabmeueu ao mais profundo exa-
    3ae, aprsente ao reichirath projeetos qae corres-
    Rio de Janeiro 42:071*190
    GOMMEMORACO FNEBRE.Araaobaa, s 7
    horas do dia, mandan os Srs. tenente-coronei
    Francisco Carneiro Slacbado Rios, seus filhis e
    neto, celebrar missas pelo repens eterno da Exma.
    Sra. D. Maria Magdalena Carneiro Rio* Vuelta, na.
    matriz da Boa-vista.
    ESrAMPILHAS.O Exm. Sr. conselhero ios
    pector da thesourara de foseada eonaninniea-n si|
    o segainle, em relami ao que dssemos sobre falta
    de estampilbas do sello adhesivo do valor de
    .260 ris :
    < Que nao existe boje no deposito te oslarapi-
    Ihas na thesourara urna se qarde 200 ris, por
    ter sido o consamo extraordinaria, e ido alm de.
    todo o calculo ; que no primeiro vapor braseiro
    a ehegar do sal, de boje at amanbaa, deve vir
    quaotidade sufciente ; o que, analmente, da fal-
    ta deltas uiiiguam pode provir preiuizo, porqun.
    na ecebedoria do Reodts, na capital, a rus ool-
    Ifietoriag, no interior da^provinci, se sellara, me-
    diante verba, lodo o papel que para isso Ibes Mr
    apreaenlar e deva pagar 200 ris
    TIEATRO DE sANTO AjNTONK).Realison se,-
    oa quarta-feira. o espectculo gala dado paitflM raBoeza do Sr. Dnarle CaHnbra, ^pUndo-a
    cena {as duas operetas Le Vemjtur o Gkioard el
    Btbe.
    Correu tai bem e regularmeate o eapoclaoalo^
    que quasi se pote diser que foi a estr* da com '
    a sem duvida quaado cantova eaa-
    foaetose romaneos.
    U Vengeur urna unte e chistosa operetu, de
    costumes hespaohes, que agrada nao s pelo as
    do Aqaino Fonseca4C-Registre-se.
    Dito do agente de leloes Joe Mara Pestona,
    para registro do conhecimento do imposto relativo
    ao l.* semestre do presente exereicio.Registrado,
    soja entregue o conhecimento.
    D Jos Gnhcrme te Moura e Silva, certidio
    de estar registrada a nomeacao de seu caixeiro
    Galeno Jos de M'ura.Certiliqae-se.
    De Flix Pereira da Silva e uniros regWire (|s
    seu distrato social.Vista ao Sr. desembargada
    riscal,
    De Henrique Marlins Saldanha, certidio de e$-
    tarem inscriptos os seus caixeiros.CerUque-se.
    Do mesmo, baita no registro da nomeacao do
    seu ex-caixeiro Jcao Antonio de Otiveira.Como
    requer.
    De Schmann Frres, certicado de estar regs-
    trala a nomeacao de seu caixeiro Augusto Fej-
    nando do RegaComo requeren).
    De Carro'.l A C, registro da nomeacao de cai-
    xeiro qne derara a Antonio Sabino Torres.Siq't,
    depois de reconhecida a firma da nomeacao.
    De Joaquim Gintioiaao de Arruda, para regi.--
    irar-se-lne a noiueacte de seus caixeiros, que
    menciooOjU.Reg'ifltre-se. I
    Do banco de crdito suisso allemo, em S. Gil
    para certicar-se-lbd qual a importancia de um
    franco em 30 de abril do crrante anno.Como
    requer.
    cui i.NForui.\g\o do sn. desembaiujadoi fiscal.
    D JjSo Capstraao de Oliveira e Jos Joaquim
    Goncalves de Barros Jnior, contrato de sojieda-
    de.Registre-ie.
    De Bez.erra & Temporal, idera.Rogisue-se.
    Autos de rehabiiitagao de Benvenuto Cavaleau-
    te Buarque te Albuquerque.Voltem eom visto
    ao Sr. desembargador fucaL
    ADIADOS DA SF.SSAO PUOXIUA PASSADA.
    OfScio do conservador do eominercio da Para
    hyba.Voltem os pap is ao Sr. desembargador
    liscal am de qae se digne declarar se o pnwesso
    deve ser eito aqui ou na conservatoria.
    Contrato social de Felippe Estrella A CCon-
    tina adiado.
    Nada mais havendo-se submettido despacho,
    o Exm. Sr. presidente encerrou a sessao palas 11
    boras e meia do dia.
    desse cor *sa alma no-
    bre e beneocies,
    nao la oubadi deste mondo qne
    se orguihava das virtudes de que era enrique-
    cida T
    Quanto a Recto de mai. quanto cannho de esposa
    a piorte emmudeeeu !!!!
    Infelizes, cujos coracoes linda sangram ao gol-
    pe com qae vos ferio Providencia, choran
    Chorai, porque no pranlo ojie as teres se
    supportaai
    A esposa, mai, prente......................
    ......................... (lesappareeeu.
    Hoje s nos resta a coaeelacao de que, eisa es-
    trella eecarecida pela nnvem da morte, fof reful-
    gir junto ao throno do Senbor, onde desmaiam to-
    dos os sonaos da vida.
    De la, ella projeclar laz para vos Iluminar a
    vida.
    Nos, porm, respeitando a magestade dos tmu-
    los, e com a mais pungente magoa, pranteando a
    parda de tilo sublime creatura, diremos que ella
    ote morreo seoo para este vale Ilusorio, por-
    quanto existe cheia de vida junto ao throno ce-
    leste, vetarte pela sorte de sen racrjnsolavel esposo
    e de seas charos lhos qoe c licaram.
    Sejam estas lagrimas de saudade a prova nao
    equivoca de nossas reminiscencias.
    Recife, 8 de setembro de 1870.

    tunsi; al.
    Pelo no difieren-
    tes contrihuintes da renda 1 nno no-
    do de 1869-70, que con o presente mez se enter-
    ra o recebimtnto por est Npajft{So das rejpec-
    tivas quotas, passando aab por diante a ser o
    mesmo efectuado jndicialni
    - Consulado provincial'T^Kcielen.bro de 1870.
    0 ateiimstrador,
    Aimo Carariro Machado Moa.
    COMMERCIO.
    ENGLISH BANK
    C)f Rio de /arieiro Limilec
    DescoQta lettras da oraca taxa a con-.
    endonar.
    Recebe dinheiro em conta correte bis
    (raso fxo.
    Saca vista ou a praso solare as cidade;
    jrlncipaes da Europa, tem correspondente
    a Babia, Buenos-Ayres, Montevideo, Ne-
    j New-Orleans, e emitte cartas de crdito
    Dar oe mesmos lugares.
    USA DO CJMMERCK) N. 36-
    Sorm anco Se Peraamlaiieo en
    liqatdi^-o. 3 de ageste le
    1S90.
    Os Sr. accionistas i.odem rceber o 7
    dividendo de ura or cenio do capital s
    quartas feiras e sabbados.
    DE SETEMBRO
    Costa, Jovina Correa Paes Brrelo, Jos Varella
    deSouza Barca, J.'in Mreton, John Brice, Majdi
    R(.berto, Wieflwdt, m:idemoiseile Marguerite Ze>
    lia Lagarde, l'escravc a entregar Jos Lope
    Uavin, 1 imperial marinbeiro, Bernardo Norat, Jos
    Bento Groba, Victorino Jos Raposo, Joo Goncal-
    ves l^reira, Manoel 3a Costa RibeSro, alferes
    Francisco Primo Cavalcanti de Albuquerque e sua
    senhora, Araon Uahn, Antonio Francisco Pestaa.
    Joo Bapiista de Maura, Jos Goacalres Torres.
    Theodoro Edle&en, Jacob Marcas, Mognai Ferdi-
    nand, Fr. Unco e 1 criado, Fr. Alberto, Ixidro Pe-
    reira da Silva, Jos Gabriel, Manoel Pedro Gomes.
    Lourenco Antonio d'Azevedo, Jos BemvenuU) da
    Cista, Joaquim Rodrigues Pinto Jnior, Laurenti
    no Cavalcante de Albuqnerqne. Francisco de Aze-
    vedo Dia. Salnstino E. Carneiro da Cunta, Ma-
    noel Correa, Antonia da Silva. Jos Pestaua Gas-
    par, Paulino de Snua, Acindino Vicente te Mapi-
    Ihaes, Elias Tote do Carvalho Silva, 8 roarmhfii-
    ros que vieram trazar o vapor nacional Joro-
    nhn.
    S6Kuem para o sol:
    Teoente-coronel Albnqnerqae BeHo, sua senho-
    ra, 8 Sinos e 1 e'eravo, Jp? Clarrdo te Queiroz.
    majar Joio Luiz lavares, saa seahora, S nlhos o I
    eserava, Jos Pinto de S, Joaquina Rosa da Con-
    cei^o, Jos Laboro) Ferrer, Manoel Antonio
    Pereira, Nicolao Martins, tosente Felippe de Arau:
    jo Sampaiii. Joio Bapti.ua Barbosa, tenente Jos
    Ferrar de Molaos Jonior, Joaquina Maria te Je-
    sas, Pranciseo Antonio Meira, Lonren?o Bezerra
    Cavalcaate te Albuquerque. sua senhora o 2 11-
    Ihos, 1 aprendiz marinheiro, i reerma* pa ,r*
    mada, a, prauas do exercito e 11 escravos a entre-
    far.
    Viados te Goyaona no vapor Parahybu :
    Manoel Parorio dos Santos tiailherroino e saa
    familia.
    Saludos para a liba te' Fernando no vapor
    MaiaflMa:
    1 tenente, 20 pravas de pefccia, 18 seateoea-
    dos, 1 ranther do ssntcnaado (ternes Sean, Joa-
    qaim R. Maia de Oliveira, Magdalena M. te Espi-
    rito tente.
    Safiidos para a Baha no toigoe portugus
    S. Jm :
    Julio Fernauols e Ernesto Bqoenes.
    rCaRI *VAI> 00 ce.nBncio
    iGTA DA SESSAO ACHOTSTRAtrVA DS 5 DE
    SET-MRKODB8J.
    usuwhoa ao kx sk MBRananGADoa maofo
    njmmm w,tti.
    As 10 horas da mannia, presentes es Srs. dapu-
    lados Rosa, Basto, Miranda Leal 0 opelente Sa
    ILeUo, o Exna. 3r. presidente afcrio a sessao.
    Foi ilda e approvada a neta da sessao do *.* do
    correle wn a segointe correcijao : Se'eeolratD
    soojal, qoe flera adiado, de Fettppe Carneiro Es-
    trella e Alipio Das Machado socio oonynandita-
    ro o segundo asseeiate.
    WKDnOTTE.
    Oflieio do presidente o souretano da junta dos
    eonatona, firmado de3teKraa\ apeentan-:
    do o dukttin commeroial da semana prxima pas '
    sa**.ao arnhio.
    Parttcrparte te Sr. Dr. oluoial-maiar denao le-
    rom anda as partes taleraeaadea procarado rece-
    bar os docomeatv* Bienios na secretaria e sa
    tisfater ue devUes emolamank qoe fm parte
    da reala te estado.-Qae aBanoaaaawae ena-
    mando novamente 03 tevedores a virem saiisfazer
    SESSAO JUDOAIUA EM o
    DE 1870.
    ."."SIDENCIA DO EXM. SR. DESEMBARGADOR A. K. PE-
    RETTt.
    Secretorio, Julio Cuimaret.
    Ao meio dia declaroa-se aborta a sessao estan-
    do reauid)s os Srs. deseiiinargadores Silva Guima-
    riies, Reis e silva e, Accin, e os Srs. deputados
    Hosa. Basto' 1; Miranda Leal e o Sr. depuiado sup-
    plenla S Lc'.u.
    Lida, foi aypi-ov.tda a acta da ses-o pissada.
    O escrivao Al ves de Brillo registrou o ultimo
    protesto de letra 3ob o numero 2,038 a 2 do pi e-
    >cute mez.
    O pro(oclo do escrivo Albuquerque conserva
    a mesiaa nuineia?ao e data indicadas aa acta da
    sessao de 29 do mez passado.
    JIXCAMKNTOS.
    Jaiza municipal e do coairaercio de Batur l,
    Sirovincia do Cear : em!ilrgantes appellados pre-
    erenles Jos Rodrigues Pereira e sua malner,
    embargado aopellaute exequeate Joao Lourer t;o
    Vi'riat de Vascopcellos, e.wcutado Antonio 1 la
    ihias da Silveira ; juizes oj rs. Siva Guiatares,
    Accioli, Basto e Rosa.Foram recebidos os em-
    bargos, sondo voto vencido o Sr. Rasa.
    Juizo especial dp commercio : embargantes eje-
    cutados Jos Francisco Ribeiro Machad > e ontrps,
    embargado xequente Amaro Jos dos Prazercs ;
    juizes da LeaLForam desprezados os emoargos ao ac-
    cordao que nao recebea os nfringentes do jalea-
    do leste tribunal.
    Embargante Jlo Evangelista de S, embarga du
    Jos Fernandes Gomes ; appellanta Joaquim Fran-
    cisco do Espirito Santo, appellado Nathan Da-
    nheisser; appellante Paolo Guelphe, appellada D.
    Luciana Gertrudes Clare da Silveira.Adiados a
    pedido dos Srs. depulados.
    Appellante Manoel Pereira Magalliaes, appellado
    D. Juan Bussoo.Tendo jurada snspeicao os Srs.
    Basto, S LeitSo e Rosa, e sendo impedido o Sr.
    supplente Leal Reis, por ser juiz nesla cansa
    Sr. Miranda Loal, orJenou o Exm. Sr. preside ite
    que se ofSciasse ao Sr. baro de Nazareth afim de
    tomar parte no julgamento deste feito.
    l'ASSAGENS.
    Do Sr. desembargador Silva Guimares ao 5r.
    desembargador Reis e Silva : appellantes os cura
    dores (hcaes da massa fallida de Antonio Pei'ro
    da Mello, appellados Jos Marcellino da Rosaj A
    Filbos; appellantes a viuva e herdeiros de Diogo
    Jos da Costa, appellado Antonio Dnarte Carneiro
    Vianna.
    O Sr. desembargadoi Silva Guimares avorbou
    impedimento e passou ao Sr. desembargador Reis
    e Silva : appellante Jos Alves de Agniar, appel-
    lados os curadores Oscaes da massa fallida de An-
    tonio Jos de Figueirdo.
    Do Sr. desembargador Reis e Silva ao Sr. de
    sembargador Accioli: appellante Antonio de Aze-
    vedo Nunes, appellado Bento Jos de Macedo Po-
    Sas; appellante J. Blum, appellado Jos Alves
    arbosa.
    Do Sr. desembargador Accioli ao Sr. desembar-
    gador Res e Silva : appellante Joaquim da Silva
    Costa, appellado Joao Rodrigues Cordeiro.
    DESTRIBUUJAO.
    0 Sr. desembargador Silva Guimares averbou
    impedimento e destribuio-se ao Sr. desembarga-
    dor Accioli o feito entre partes, appellante Joa-
    quim Francisco do Espirito-Santo, appellado Sil-
    vano Blum.
    AGGRAVOS.
    Do juizo especial do commercio: Aggravaute
    Francisco Jos da Costa Guimares, aggravado
    Jos Lopes Cartel.O Exm. Sr. presidente nao
    tomn conhecimento.
    dem.Agobies Costa A Castro, aggravadosios
    curadores Sscaes da massa fallida.O Exm. jir.
    presidente dea provimento.
    Encerrou se a sessao doas minutos depois de
    meia hora da tarde.
    PUBLICACOES A PEDIDO.
    mtmmm\.
    V eiemoria de O. Argemlra de
    Menezes Dnarte Ferrelra. es-
    peta de Ulna. Sr. Antele da
    MllTa Ferreira. fallecida en
    Parte ne da 8 de agosto de
    correte anno.
    Todo no mundo deflnna e raorre,
    menos a virtnde.
    Mont'Alveitu.
    Ha trala dias que os prticos da eternidade de-
    ram passagem urna alma, qae durante a ana
    existencia oeste mundo soobera lecer o sudario
    qne de va en vol ve-la na hora do passamento.
    Victima de ama grave molestia, dea a alma ao
    Creador no dia 8 de agosto, na cidade de Patis,
    para onde a linha conduzido o sea esposo, suppon-
    do encontrar all unitivo aos seos sonrimenlof.
    Mal sabia que a morte. esse espectro horrendo
    e inflexivet, loe aesearregaria .tao cedo o golpe
    tremendo e fatal.
    Esposa, en o pndulo vivo de seo esposo, in-
    terprete Bel de saa* vontades.
    Mai desvelada, que s enidava em amar e edu-1
    car a querida prole.
    Estreinoaa para eom a sua familia, afavel para
    com todos, era ella urna dessas almas despilla
    dsse orgulho qae ludo estraga.
    8na mae protectora a bemfetaja, estendia-*e
    sempre aos infelfs qae a procurirTam, pareefln-
    d at eseondar essas 1008008 virtudes que a ex al-
    ta vana.
    Quem, como nos, conhecedor dos attribulos
    MOVIMIENTO DO PORTO.
    Xnvio entrado no dia 7.
    New York33 diSs, patacho inglez &ttr Queen,
    de 391 tonelada- comm.mdanie W. C. Cothain,
    equipagem 9. eaCga farnh de tngo e outros
    gneros ; Tasso Irmao & C-
    Navios sahi/s no memo dia.
    New-York Brigue llalino RuNa, es-pitao C. Ro-
    mario, em lastro de rea.
    RahiaRrgue porluttuei S. Jos, capllo F. A.
    Santinho, carga difervmtes srrneros.
    Navios entrados no din S.
    Portos do norte8 dias. vapor braseiro Cruzeiro
    do Sul, do 1,110 toneladas, crnimandante oca-
    pitao-tennte P. Hyppalito Dn: rte, equipagem 66,
    car? differentes gneros ; a A. L. d'Oliveira
    Azevedo A C.
    Penado p >r Mareii> i dias, vapor braseiro Gi-
    tjuii. de ffi-1 tnnehdas, enmmandante Josquim
    Candido iajodo, "qtripagem '23, rtfga differeu-
    tes generes thpnnhn Pernauhneana.
    Parahy'ia6 horas, Vapor braslteiro Parahgba.
    de 10i ton' manante Oliveira, em
    lastro ; a (mpadWl Pjrna:nbucana.
    Navio sahido no mismo dia.
    II ha de FernandoVapr braeiro Mandah,
    eonvmandaHte Julio Gomes da Silva, carga diffe-
    rentes gneros.
    O ..dioinftiraflar da reeebedora de rendas
    internas geraoa avisa aos eoatrihaiotes do imposto
    sobre industria e proUssoe te exercicio de 1870-
    71, qne oeste mezo uo ahina de outubro pr-
    ximo futuro que olles teem de pagar o 1 semestre
    do referido exercWo, livre te multa ; e qne odo
    h> mencinate praso ser cobrado com a multa de
    e0|0.
    Recebedoria de Pentambuco 1* de setembro te
    1870.
    Manoel Carneiro de Sonza Laeerda.
    Pela .-uAdelogacia da fregueeia 4e .-t. f*~-
    dro Goncalves do Recife se fax publico que aeba-
    se recomido casa de detencio o preto| Joaquim
    por fgido, e que dit ser escravo de Jlo de tal
    Araajo : qnein for sen senhor eempare^a nesla
    subdelegada munido de seus docuroealos. que lite
    ser entregue.
    Subdelegacia do Recife 3 de setembro de 1870.
    Joaquim Agripino Portado de Mendoaca,
    Subdelegado supuleote.
    CoHselko k compras mm
    0 conselho contrau ent 11 te corrnte wa, s<*
    as condicoes do estylo e vista de prnpo-tas rece-
    bidas al as 11 fcnra* da manbaa, o f(necimenu>
    no trimestre prximo vndouro de ontubro a de-
    zeoibro dos objeetes egotitea )
    Para aprendizes artiOces.
    Bonels do uniforme, houets do servlco, blusas
    de bfim brance, olnsas de algodao azul, blosas
    de panno aznl, calcas de brlm braneo, ea^as de
    algodao azol, eamias de algodSozinho, cobertores
    de laa, cobertores de algodao, cintos de conro
    braneo enveroisado, calcas de panno azal, colchoes
    de linho chelos de palhs, fronhas de algodiozinbo,
    lencos de sea preta para grvalas, lenc,es de al-
    godozinbo, saptfies. saceos de gbardar rcdpa e
    traresserros de linho rheios de palha.
    Para mpertaes marinheiros c aprendizes
    ditos.
    Bonets de panno azul, camisas de brim hranro,
    calcas de algum izul, camisas tteulgodao azul, cal-
    cas de panno aznl, cateas te brrin brauco, camisas
    de bala aznl, tendo o corpo 4 l\t palmos de com
    primento e 3 as mangas inclusive os pannos, ca-
    misas de baia atol, tema o corno de 3 palmos de
    comprimemo o 2 as mangas inclusive os pnnh< s,
    frdelas de panno azul, lencos de seda preta para
    gravatas, sapat5es e sacco de lona para marinha-
    gem.
    Para artrfk-ps avnlso?. "
    Clusas de panno aznl, blusas de algodao azul,
    calcas de briiii braneo, calcas de panno azul, cai-
    gas de algodao azul, camisas de algodozinbo, e
    cinlos de couro braneo envernisado.
    Para marinhagero.
    Calcas do brim braneo,. calcas de algodao azul,
    camisa* de brim hranro, camisas de algodao azul,
    e camisas de hata azul, tendo o corpo i 1|5 pal-
    mos de comprimnto e 3 as mangas inclusive os
    punhos.
    Tamben o conselhn no mencionado da 18 do
    crrante mez, por igual forma, promove a compra
    dos seguiutes objectas do material da armada :
    12 baldeadnos de fotha, 20 arrobas de er, 60
    barras de ferro inglez proprin para (rrelhas, 6 foles
    inglezes de S ps de comprimnto e 6 de largo, 100
    pas de lacre encarnado. 2 oculos de alcance, 10
    paos de ginipapo de 12 palmus de comprimnto,
    400 libras de pregadura ne tinco, 50 cadernos de
    papel matta-br.rrao, fflt) f.lhas de papel pautado
    para roappas, 100 folhas de papel liso para map-
    pas, (0 groias de peonas de ai-o, 6 vergonteas do
    plulio para pas de cnleilo, tendo de comprimeoto
    Jopes e gmssore uo meio 7 polegadas de dime-
    tro, e 3 vergonteas de pinho para niastros do es-
    caleres, tendo de comprimnto 23 {ts e grossura
    no meio G 1|2 Delegadas de dimetro.
    Sala das sesstes te conseJho de compras navaes
    6 de setembro te 1870.
    O secretario,
    Alexaadra Rodrigues dos Aojos.
    Admrnistrai) dos correios de ternambuc
    O Dr. Francisco de Camino Sbarrt Brandio/jniz
    de orpbos e auzentes da ci^ide do Recife e seu
    termo, por sua magestade o imperador, que Deus
    guarde etc.
    Luita Maria da Con: icao meeira e inventaran
    te dos bens quo carain por failocimenlo de sen
    maride Luiz Francisco de Paula, requeren-me
    para vender em hasta publica desto jai a eserava
    Francisca, cnoula, de li annos de ilade, do ser-
    vico domestico, sadia e qae, tendo sido avalda
    por SOOOOO na ocoasio em que a sapplicaoie
    procedeu a inventario es bens de seu casal, foi
    aqomboada a ella e seus tilhos menores.
    E, pois, que aerraieaci a semelhante pretencao,
    pelo presente, e fundado no qne dispde o decreto
    n. 1695 de 1869, convido a lodos juantos qnizerem
    lanzar sobre a menciouada aovara aprewata-
    rem suas propostas em cartas feichadas as casas
    dos auditorios de primeiro instancia destn cidade,
    nos dias em quecostnmo dar audiencia aos feitos
    e partes. O pnzo para semelhante .ipresentaco
    de 30 dias a coatar de luje.
    Os licitantes querendo poderio ver a precitada
    escrava na ca-a de residencia da Manoel Thomaz
    dos Santos, tutor dos menores cima mencionados,
    a ra de Santa Thereza n. 28.
    E para constar mandei pausar o presente que
    ser afxado nos lugares do costume o publicado
    pela imprensa.
    Dado a passado nesta cclale do Recife de Per-
    nambnco aos 5 de setembro de 1870.
    Eu Flor an> Correa do Brito, escrivo, o fiz es-
    crovi e subscrearo.
    Francisco de Carealha .s Brmdao.
    0 Dr. Manoel Antonio dos Paasos e Silva Jnior
    jaiz manicipal e de orphaos, 1 supplenie em
    exercicio do termo de Olinia, por S. M. I. e C.
    quBm Deus guarde etc.
    Fac saber aos que o presenta e-lital virem,
    que no dia 29 do mez vinduaro Jo setembro do
    corrate anno, pelas 12 horas do dia, na casa das
    audiencias deste jnito, se ha .le arrematar por
    venda, urna casa terrea do pedra e cal sita a ra
    do Aljube do n. 10. em solo proprin com 30 pal-
    mos da largura a 87 de fundos, eom qaiatal em
    aberlo que linda a rita das Uangneiras, contando
    dita casa 2 sallas, sendo urna na frente e oulra
    atraz, 6 quaims, com eosinha e cacimba, avaha -
    da par 1:600000 rs. perten^ente ais orphitos e
    viuva do (ina-ia Leandro Jo.- t-.beiro.
    K para que chegue ao conhecimento te todos
    mandei passar o presente 'iue ser affixado no
    logar do costme, a publicado pela imprensa 3
    dias antes da dita arremtate.
    Dado o passado nesta cidade de Olioda, sob roen
    signa! e sello deste juizo, vaina sem sello ex-cau-
    sa, aos al de agosto de 1870.
    Cu, Joaquim Hermillo Candido das Chagas, es-
    crivo de orpbos interino o Bobscrevi.Manoel
    Antonio dos Passos e Silva Jnior.
    Ao sello 300 rs.Va*a sem sello ex-causa.
    Passos Jnior.
    Eslava urna estaotoi Uta te 200 rs. auiilisada na
    forma da le.
    0 escrivo te orphaos interino,
    Joaquim Uermillo Gandida das Chagas.
    9 de setembro de 1870.
    J7a/a pelo vapor Cruzeiro do Sul da companhia
    hratileiru.
    A correspondencia que tem de ser expedida boje
    (9) pelo vapor cima mencionado, para os portos do
    sul, ser recibida pela forma seguinto :
    Macos de jornaes, impressos de qualquer natn-
    reza, e cartas a registrar at as 2 boras da tarde,
    cartas ordinarias al as 3 boras, e estas at 3 I [2
    pagando porte duplo.
    As carias a joruaes que forem dirigidos ao Rio
    da Prata pazaro previamente, aquellas a taxa de
    300 rs. por 13 gramolas on fraccao te 15 gram-
    mas, e estes 40 rs. por 40 grmraai ou fraccao de
    40 grammas ni ;rogresso estabelecida as ta-
    bellasC e Dannexas s in4tracc,des do 1* do
    dezembro de 1866.
    O administrador,
    Alfonso do Reg Barros
    AdministracSo do correio de Pernambnto,
    9 de setembro de 1870.
    Malas pelo vapor francez Giionde.
    A correspondencia que tem te ser expedida taje
    (9) pelo vapor ehna mencionado para os portos
    do sul ser recebida pela maoeira seguinte :
    Macos de jornaes. impressos dd qualquer nata-
    reza e cartas a registrar at 2 .horas da tarde, car-
    tas ordinarias at 3 horas e stas at 3 1|2, pagan-
    do porte duplo.
    O administrador,
    Alfonso do Reg Barros.
    DECLARACOES.
    De ordena do IHra. Sr. '.nnselfceiro inspector
    da ttvsouraria de fazeada desta provincia se faz
    publico que no dia 8 de outnbro prximo vindou-
    ro, as 2 horas da tarde, perao'e a junta da mesma
    thesourara se devero arrematar por quem maio-
    res quantias offarecer, 9 casas, 1 barradlo, 1 te-
    Ihelro sobre estivas, I torno do oiaria, 3 frentes e
    2 oitoes de lijlo em alicerce, i relogio do s. 1 e
    objectos de mobin perter.ceotcs extracta colo-
    nia militar dePimanteira.
    Os pntendentes devero dirigir suas pronostas
    em cartas fechadas ao memo Jllm. Sr conselheiro
    inspector aleo meio dia do referido dia 8 de ontu-
    bro, ou ao cojlector do Bonito at o dia 4 do mes-
    mo mez. Nesta secretaria ou na eoectoria se
    mostrar a quem desejar ver o inventario deases
    bens.
    Secretaria da Utesouraria je fuente de Pentam-
    buco 3 de setembro de I8"0.
    Servando de ofOcial-maior,
    __________________Manoel Jos Pintea________
    No dia 10 do crrenlo mez a>abbao), de pois I
    da adiencia do Illba. Sr. Dr.-jaia muoicipal da 3r"
    vara irao praca por arreadaner..o os alogwis
    dos dous andares e go'o da easa da roa larga do
    Rosario n 31.
    THEATRO
    SAMO inTill.
    Elll'IIEZA-COIMBHA
    COiWPAKHIfl-FRANCEZA.
    4. RECITA DE ASSIGNATRA.
    Grande e variado espedacoto.
    wabbao IO do corrate
    Dividido em tres partes.
    PRIMERIA PARTE.
    Brilhmte ouvertnra pela orenestra. Em segui-
    da representar-se-ha a muito linda e chistera
    opera cmica em um acto, msica de OffeinbaeV.
    LA NUIT BLANCHE.
    Personagens. Actores.
    Jean Gustin......... Mr. Maris.
    Hercule............ Mr. Carn.
    Fanchette.......... MUe. Brescia.
    A accao passa-se em Paris.
    SEGUNDA PARTE.
    ! Conooneta
    LA MI^E OU PEPLE.
    exibida por Ufle Tbyerri.
    2.* O mnito lindo e applaudido dnetlo
    LES DEUX CHA.TTElJlTs SATS PLACE,
    cantado pelos insignes artistas Un. Carn e Rsy-
    nand.
    TERCHRA PARTB.
    Bellissima opera bouB,eni nttaeo. escripia *or
    Mrs. Nuitlbr Beaamont, msica de t E. Lecouix
    Personaens. Actores.
    Elvira........... Mlle. Cholberl.
    Cotignac.......... r-^roo-J
    Mosquito......... Mr.Rwiand.
    Goncalez.......... Mr. Maris.
    A secna pi-ssa-se ea Pans oo remado te Luiz
    KIII. ,
    O vertnario e ma aeeessaHoa esta opera sao
    completamente noves.
    O resto dos bdhetes acha-nn a raate no es-
    Driptorie do theatro das 9 botas da mnha em
    ajan.
    Os Srs. assignantes a mais pesseas qoe pedirn
    bilhetes para este espectculo, toaban tv bondade
    de os mandar buscar at o dia do espectculo ao
    meio dia.
    :precos.
    Camarote dt 1." wdem.............
    1* erdein desda n. 1 at 10........
    Os uraeras 11,12,13 e 14.....
    Cadeirae te 1* classe.........
    .adeiras....................
    10AOW
    12A0HH
    160W
    3*000
    2#oao
    Principiar s 8 te noute.
    I__IxliHj


    Diario ,Hlfe i^r^tefrutar m ge^a feijm 9 de &U i %%1Q
    > v
    A e
    m i
    g|UMo u de segan
    sos Srs. asignantes
    cadente das taat Mign
    __
    im como previne
    vir recabar o ex-
    do presente-espee-
    AVISOS W COnPAYIII A
    Mi
    Messageries imperiales.
    Mto ih 11 do correte mez espera-se do por-
    tos de mt o vapor francee Sitada, eomniaodaMe
    M.isuMct, o qual lepis da demora do costme
    setjotr para Bordaos, locando en Dakar (Gara) e
    IjMML
    Para eoodieAe.v trates a passageas, trau-w aa
    afewia, roa rio ComtMrcio n. 9.
    J
    PrafDda teguir para o rf*fdo parto em poneos
    das o palritofc nsita por ter a maior parte da
    carga, e paras pooea qoe Ifie falta, trala-se com o
    consignatario loaquim Jas Sncarres Beltrao,
    jua do Gommercio n. 17.

    PREDIOS
    a saber:
    te partas do obrado da 3 andares e sofij Ja
    rna.da Cadeia n. 21.
    Metade do sobrado de dous andares no largo do
    Carmo n. 7.
    HOalE
    9 do correte.
    O agente Mantos far letlao a reqnerjnento de
    D. AatMia Kranelsc a Coneeieao manltM do film*. Sr. T)r. jtflt TnnflrcpaT _-
    {boda vara, dos predios adima, parte dos beas
    eixados pelo finado Maaoei Peieira Caldas. O le-
    I) ter lugar em sea escriptorio rna da Cadeia
    *,9, boje Marquai de Oitnda, s 11 horas do dia
    cima.
    Aracaty.
    Segu para o Indicado porto o palhabole Sa-
    brte%M, eapitio Pureira ; anda recabe alguroa
    carga a frete : a tratar eoai Si Leilfu Irmios, a
    roa da M nlre de lteua n. 1.
    RIO DE JANEIRO
    Para o port> cima sigue com brevtdade o bri-
    gue nacional Isabel, tem parte do seu carregameo-
    to engajado : para o rasia que Ine falta tratase
    rom os consignatarios Antonio Luiz do Oliveira
    Azoaado 4 f, raa da Crtu n. 57, le andar.
    MARANHAO'
    A barca Marn, chegada do Rio da Janeiro, se-
    p-ie para o Maranhao em poucos otas com a carga
    qt livor, eporisso quem quizer anroveitar tio
    ii> oVeasiio de carregar, diri.a-se ao consignata-
    n Jeaquim Jo> Gjo.alves Beltrao roa do Com-
    mefeio d. 17.
    Rtt> de Janeiro
    Pretende segnir par o referido porto com a
    possivsl brevidade o patacho Atontar par ter por-
    cao da carga engajada ; e para a qoe Ihe (alt e
    VajMvos a f-ete, trat se cam o eensignatario Joa
    tX Jos Goncalves Beltrao a raa do Gommercio
    _______________________________________________________________________________________________________________
    COMPANHIA PERNAMBUCANA
    DI
    !%'aega Parahyba, Nata'-, Maco, Mossor, Ara-
    caty, Cear, Mandarra, Acarac e
    Granja.
    O vapor Ipojuca comman-
    dante Moura seguir para os
    portos cima no dia 15 do corrente
    as 5 horas da tarde. Recebe car-
    ga at o dia li, encommendas
    passageiros e dinheiro a frete at as 2 horas d
    tarde do dia da sahida : escriptorio no Forte
    Mallos o. 11
    do
    COMPANHIA PERNAMBUCANA
    DE
    navegado cosclra por vapor
    Ma mangan pe.
    (i vapor MRfcnal Coruripe, commandante Sil-
    va, seguir para Mamanguape no dia 12 do cr-
    rante as 6 horas da urde. Recebe carga, encom-
    menda;, passageiros dinheiro a frete at as 3
    horas da tarde do lia 12, no escriptorio da com-
    panha, Forte do Matt< n. 12.____________
    um sitio com coa de tijoito M (tetrada nova
    de Beberibe, junto primeira bomba,
    com 800 patatos de frente e 1,100 de
    fundo, com grande baixa para capim,
    tendo casa de tijoHo, e muito perto da
    estacao da EncruzilbacTa (terreno foreiro).
    O agente Martin* far leijao do sitio cima, em
    sau escriptorio ra da Cadeia n. 9, s 11 hom
    do dia. .
    LEILAO
    de todos os utensilios do caf
    exisiente no largo do Corpo
    Santo n. 9.
    Terca-feira 13 do corrente.
    O agente Pesua far leilo.por cont e risco
    de quem pertncer, dos. utenailios do caf di; lar-
    gu do Carpo Santo n 9, sendo buhares, tatos, bo-
    las, pedras para gamo, mesas, bancas de podra
    e de jogo, bancos de palmaria, e tamborets, eadei-
    ras, lavatorios, quadros, armarios, gamio.espe-
    Ihos, relogios e mais objectos que se acharao pa-
    tentes no aclo do leilu, o qual ter lugar terca-
    feira 13 do crrante, s 11 horas da manhaa, no
    mo*mo estabelecimento.

    KLWILIhi!
    Precisa-se de ama ama forra ou captiva p
    rvico interno e xtrno da urna casa de posea
    na roa Verba a. 6
    nvcii
    -
    v ws seieinoro fla lo/u.

    -familia
    Dr. Chas, de'firath
    Alnga-se a cas dedotts adaVas sgtiB'dV
    roa da Aurora: na mesma ma n. 38.
    Na ra de
    fello'r norlngoex p
    precisa-sa de nm
    MUDANCA.
    0 Dr. Carolina Francisco de .a pan-
    tos mudon sua residencia a consnilario
    par rna-a>> feparaaor a. 87, r andar
    do sobrado cojo afoWerrr eonlBrva an-
    dahoie onqfrtflt-iialiffejendoa
    entrada, qnepi laJb AftSe Sete
    de Setombro, mesmo numero 57, da
    fenla. Ahi aonnuando o dito Dr. no
    exercck) de ana profissf de medico e
    de operador, pode aar procoradb a qual-
    ; quar hora do dia e da oonte.
    I
    i
    AMA
    Precisa-se de nma aura qoe saiba
    tratar na ra do Amorim n 43. _
    GoziAeird
    -Para casa de familia p7ecisa-se de orna cozi-
    ntieira forra ou captiva : 3 tratar no 2* andar da
    raa da Cadeia do Recife n. 18_______________
    Perden se urna pulsajra de mosaieu, do fin?
    da ra do Marquer -de OrmMa at o principio da
    hia da Imperatri;.; se alguem achou-a e quizer
    o, teuba a bandada de diri-
    rnajo Mrquez je Otinda n. 64, qoe aera
    Precisa se da urna anra que compre e coinhe
    para casa de rapaa solteir : na ra do QtUlmado
    *___j^j____________ .
    Muita atten(?o
    A pasma que ti ver 8:0004000 a quitar dar a
    premio, dando-ae bom md'Buli e bom premio,
    querr ter a bondade d daixac Mat typagraphia
    caria com as iniciaes K. M.
    COMPANHIA PERNAMBUCANA
    M
    Kavega^o costelra por vapor.
    Porto de Gallitihas, hio Fumoso e
    Tamandar.
    O vapor Purahyba seg ir
    psra os ponos acuna no dia
    10 do .corrente meia noite.
    Recete carga, encommen-
    das, passageiros e dinheiro a
    frete no escriptorio do Forte
    do Matt s b. 12.
    LEILAO
    D_B MOVIS
    loupa e crystaes, a
    saber :
    Um piano forte, urna mobilia de Jacaranda com 1
    sof, 1 jardineira, i consolos com pe ira marmo-
    re, 2 cadeira9 de bra^o e 18 de guaroicao (tudo
    perfeito), 2 serpentinas, 1 tapete de sof, 4 es-
    rarradeiras, 4 descansos de ps, 4 jarros para
    flores.
    Um toilette, 1 lavatorio, 1 cama franceta, l mesa
    de cama, um bid, 1 guarda -roupa, 1 comino-
    da, 2cabides e 1 costureira.
    Urna mesa elastic, 1 guarda-loui-a. 2 apparado-
    res, 1 sof, 12 cadeiras, 1 apparelbo de louca
    para cha, dito para jantar, copos, clices, garra-
    fas e compoteiras.
    Um bilhar pequeo e maneiro, 1 machina de la-
    var roupa, 1 dita de copiar cartas, 1 machina de
    cozer, e muitos outros objectos existentes no se-
    gundo andar do
    Sobrado da ra da Cadeia n. 51
    Quarta feira 14 do corrente.
    O agente Pinto, autorisado por ama pessoa qne
    mudou de residencia, far leil o dos movis e mais
    objectos cima descriptos, ex sientes no segundo
    andar do sobrado da ra da Cadeia n. 51, sendo
    que o leilao principiar
    as 10 horas em ponto
    LEILOES.
    AVISOS DIVERSOS.
    mobilias, 1 carro, 1 cavallo e um completo
    sortimento de necessarios para dentista,
    e urna rica cadeira pifa op3ra<;BS decti-
    ti_as, 1 carro e avallo
    HO JE.
    ? 11 horas da manhaa.
    Raa do Vigario, armazem n. 7.
    O afrente Pestaa far leilao por eonta e risco de
    qu.-m pertencer, de 1 mobilia de Jacaranda ecos-
    undo de 12 cadeiras de euarnicao, 2 ditas de
    bracos, 2 de ttlaoeo, 1 sof, 1 par de consolos
    com' pedra e 2 e

    oos de amarello, 24 caleira^ de dito, 2 ditas
    debracis 1 mesa red >nda, 1 mesa de amarello
    pira toilette, cablde*, can franeexa, Ruardas-ves-
    tidj, fieiros, 1 toilette de Jacaranda, quadro-, 1
    mobilia d- mi'.eira preta, lanternas, quidros, ta-
    p es, 1 mobilia de palha de excelente gosto, con-
    leudo 12 ealeiras lisas, 2 de bracos, 1 safa. 1 la-
    rio eperfnees, 1 fispelhi, 1 sof, 6 caderas
    d guarna >, 2 ditas de bracas, 1 relogio de pare-
    d-e 1 machina de cortaras, 1 'guard-roupa, 1
    iMtaj ivarsas camas peqoenas, marquvzoes,
    iradoraa, marqneas, sofs, cadeiras, lonja de
    ir e al mogo e mais ouiros objectos, 1 corroe
    1 cavallo li3in conhecido qae pertencia ao tinado
    dentista Oiorio, a assim rrais nm completo serti-
    m-nm de lodos os pertences para dentista e 1 rica
    cadeira para oper.uws dentilcas. Sero vendidos
    todas csea objectos sexta-feira 9 do corrente," as
    l! Imra?, n armazem da ra do Vgario n. 7.
    As.ocia fcente.
    Por ordem da direccao convido todos os senho-
    res socios a reunirem-'se extraordinariamente em
    assembla geral terca-feira 13 do corrente. ao meio
    dia, na sala das sessoes, afira de se tratar de as-
    sumpto ce grande importancia commercial.
    Associacao Cemraer ial Beneicente 6 de setem-
    bro de 1870. __ _
    Joaquim Gerardo de Bastos,
    Secretario^________
    CASA Di ORTDNA
    Aos 5:000*^
    Bilhetes garantidos.
    A rui Priraeiro de Marco (outr'ora ra do
    Crespo) n. 23 e casas do costume.
    Raa do Bamo da
    Victoria
    (Outr'ora ra Nava. )
    Aos 5:000 e 20:000$
    Da provincia e Rio de Janeir >.
    iiiitietes garantidos da prp-
    Tacla
    O abaixe assignado participa ao respeitavel pu-
    blico o com especialidde aos aniante do ouro,
    qne abri a sua toja de bilberes garantaos da pro-
    vineii, assim como t*m venda os umita felires
    bilhetes do Rio dt Janeiro, pagando qualqner pre-
    mio que saliir rxr sorte com o descont da le, e
    que paga coma maior brevidade possivel tgaalquer
    premio que o mesmo venda.
    Bilhetes da provincia.
    Inteiros. 6*000.
    Helos 3 Ot0.
    Qn.-rtos 1800.
    De 100)5000 para cinw.
    S,tetros S5400,
    eios 2*700.
    Quartos 1*350.
    Bilhetes do Rio de Janeiro.
    Inteiros 2i*00O.
    Meios 12#000.
    Quartos iSOOO.
    Joab Joaqnim da Costa Leita.
    Josepha Mara dos Prazer.s e Siva maierra
    e caneca do casal de Joao Renriqne di Sirva, de-
    clara que mudou-se da ra do Paysand (Passa-
    gempara ama do Mdeg n. 101, aonde pode
    desde j ser procurada para negocios tendentes ao
    seu casal, oa na ma d.is Crazas 3, 1 andar
    com seu nlno Jos Heari-rue da Silva. A mesra.
    aproveia a occasio para tambem olferaear os
    seus diminutos prestimos s essoas de sua ami-
    zade no logar onde hoje n-sid.______________
    Jos Henrique da Silva uimares declara
    (|ue mudou a sua residencia para a roa do Vis-
    conde de Goyanna n. 101 (liondego), aonde pdu
    ser procurado ou em casa de sea descang) na roa
    das Cruzes n. 38, 1 andar.__________________
    No palacete da ra do Viseuiuie d^ Goyanna
    n. 101 (Mjndego), precisa-se de um empregado,
    quer Lrasileiro ou estraogeiro. para tratar de si-
    no e jardim, e que saibn tambera alguma cousa
    bolear cabriolet ou carro : a tratar no mesmo, ou
    na ma das Cruzes n. 38. at as 3 horas da Urde.
    ATTENCAlT
    o
    O obaixo assignado declara em tempo que o
    >iano n 1906 qoe se achava em sua .asa de
    .propriedade do Sr. Guiliierme Sette, o quai o non-
    ve por compra ao Sr. Joo Vignes, em dezembro
    de 1806, o que consta nao s da escripia do mesmo
    Vignes, j fallecido, como do testemunho do Sr.
    Manoel Rbiro de Carvalho, e mais pessoas que
    ueste negnck> intervieram ; sendo porlanto nulla
    qualqaer liausaccao que de dito piano 9 fizer, toda a vez que nao for realisida pelo seu
    legitimo possuidor ou seus procuradores. Reeife
    6 de seiembro de 1870.
    Francisco Ignacio Ferreira.
    Ama
    adale de nma ama'tjrle aiba
    roa do Duque de Caxias* outr'ora
    u. 46, loja.
    eozinhar,
    do Qi
    fila
    Precisa-se de urna m _ue saiba coaHT: 4T
    roa do Codorniz n. 8
    A RA.

    L
    w __ OKPAIN
    0HEIDJ8B
    diarrba,
    de ouvidtf,
    Antonio Jos de darva"
    f
    AtonToloE" _e fjrvjfno' "B'iflBnVab r^Spfc-
    della,prm se aliemjinl^r-seeredor, a,prfsen-
    arrefe na ruara Rea R epiWjjpw *
    nao- se aliadew r^cUma^o alloma. Olinda 5
    de auad^dawA __ ___
    Hnflao Bezerra Cavalcanu, no sen enpenho
    Serra, faz sciente ao publico que B?a recendido o
    contrato que bavia feito com a companhia de se-
    gure de vidas denominada Protectora das FaoA
    lias, para o que anlendeu-se com o seu respectivo
    agente Sr. D. N*km F.. fleand. assin, poi.% de
    nenhum effeiu, qaalquer recibo ou orden proce-
    dente desse contrato.
    ftfr& 6 trt) mUrn e externo.
    G(A:
    Febre c febrs intermitiente, em oa da.
    _ vt as costas e noslados, en dea
    Tsses perigosas e refriados, em oro
    ota.
    Pleuresa, em nm dia.
    Surdez e asUima.
    lemorrn)y*s e> bronebie.
    InllnramacaS nos rins.
    Pysfiepsii erjsf|eias.
    Molestia de fijado.
    PirpitacSo de cnracao.
    ra e chole
    angoe, em
    e cabera e
    linotos.
    Jtf de denles, em nm miooto.
    Neuralgia, em cinco minutos.
    Deslocates. em viole minuto?
    torlMo tctaidM, m lea fltuu
    os.
    ,C0ca e coiivtdieef, mcheo minu-
    tos.
    Rnl|M|DpiBujndB
    Acham-se a venda os felizes bilhetes garac
    dos da 5- parte da latera, beneficio do colle-
    gio dos orphaos (159") que se extranir sabbado
    10 do corrente.
    PRECOS.
    Rilbete inteiro 6*000
    Meio bilhete 3|>00
    - Qaarto 1*500
    Em porclo de 100*000 para cima.
    Bilhete intriro 5M0
    Meio bilhete 2*700
    Quarto 1*350
    Manoel Mariins Fiaza..
    = Frecisa-se contratar um
    Rvd, sacerdote para urna ca-
    pellana, n'uraa cidide populo-
    sa e perto do Recife : tratar
    nesta typographia.

    Assio a adade
    Pee se aoSr. fiscal da freguezia de S. Fr. Pedru
    Goncalves o especial favor de dar alguns passeios
    pela odorosa ra da Cacimha (hoje Barreto de
    Meneza3), e depois de mandar limpar o lamagal
    podre e esverdiado alli existente, prohibir a quem
    costuma botar as aguas ptridas que continua-
    mente cahem em borbotos no meio da ra, can-
    sando graves encommodos aos transentes e as
    viinhnncas. ___________
    E' elle.
    O MjI pede ao pp litter.Ho lente d^collegio de
    Santa Julia-Jpiter que tenha
    mais repeilo por se nao.
    cuidado, e baja
    O Mol Carne Seica.
    Precisa-se de um caixeiro para padana : na
    ra Direita dos Afogados n. 66 A _______
    Precisa-se de urna ama de leito : a traur na
    ra da Moeda n. 33.
    ATTENCAO
    J5m tempos mod_rnos neibum descrtrV
    ment operou maior revoluco no modo di
    curar anterionnente em Top;a do qoe o
    PEITOUVL DE A^ACAifllTA
    TANTO NO TRATAMENTO DA
    TOSSE, CRCTO,
    ASTHMA, THJ3ICA,
    aouQrrc.va, REsrBiAMEwes.
    BROXCH1TES,
    TOSSE CONVULSA,
    DORES DE PEIfO.
    EXPE CTURACO DE SA.NGE.
    Como em toda a grande serie de enfermi-
    dades da gaiganta, do peito e dos orgaos
    da respiraco, que tanto atormenta e fa-
    zem soffrer a humandade. A maneira an-
    tiga de curar consista goialmente na appli-
    cacode vesicatorios, sangrias,sarjaron ap-
    plicar exteriormunte uugoentos fortissimos
    compostos de sabstancia vesteanles, al
    de produzir erapplhas: cujes diferentes mo-
    dos de curar, nao tazam senao enfraque-
    cer e diminuir as forcas do pobre doente,
    contribuindo por esta forma d'uma maoeira
    mais bcil e wrta para a enferraidade a des-
    truico inevitavel de sua victima Quem dif-
    jerente pois o efeito admiravel do
    PEITOUVL DE ANACAHITA !
    VM B EZ DE IRRITAK, MORTIFICAR E GAZAB
    INAUDITOS SOtrniMENTOS AO DOENTR,
    CALMA, MODIFICA E SUAVIZA A DOR.
    ALLIVIA A IIUUTACO
    DESEMVOLVE S ENTENMUCMPO.
    .FORTIFICA O CORPO
    e faz com que o systema
    Desaloje d'uma maneira prompta e rpida
    at o ultimo vestigio da enferraidade. Os
    melhoresvotos um medicina da Europa (os
    Lentes dos Collegi. is 'le Medicina de Beriim).
    testifieam sercmex ;as e verdadoiras estas
    relaces analgicas, ntialm disso_a experi-
    encia de militares de pessoas da America
    Hespanhola, as quaes foram curadas com
    este maravilhoso remedio, sao mais que
    sufficientes para sustenarem a opinio do .
    PEIT0R.AL DE ANACAHLTTA!
    Deve-se notar que este remedio se acha
    inteiramente ifentode venenos, tanto mine-
    raes, como vegetaes. em quanto que porm,
    alguns d'estes ltimos, e particularmente
    aquclles que sao dados sob a forma de Opio
    e Acido Hydrodanico. formam a base da
    maior parte dos Xaropes, com os quaes to
    fcilmente se engaa a credulidade do pu-
    blico. A Composicjio de Anacahuita Peito-
    a acha-se linda e curiosamente engarrafadas
    m irascos da medida de cerca de meio-
    quartilbo cada um. e como a dose que se to-
    ma s d'uma colher pequea: basta ge-
    ralnientc a applicaco d'um ou dous frascos
    para aeffectuaco tle qualquer cura.
    Acba-se venda nos estabelecimentos de
    P. Mauerd-C, J C Rravo A- C. A.
    Caors, B. M. Barboza c Bdrtoolomeo 4 C.
    esaerje swapre este remedio na sua limilia. -.,
    as do*n:s se aprbsentam cKwtwoe mnos se espeinl
    Oieo Jtfc#O feDg of Patalo rei dr) aqnieta postivjHfuie disi^a mate
    de^iJwrtBte molestias e dotes, e afliWa mais os" sorKnerrtos e pradrJz um anfn pertein
    equilibrio do systema human), o que nao se pode etTectoar no nr-.smo tempo, oem qaai-
    quer outro remedio medicinal.
    Bate Millo papular remedio est agora asando se geralmente. pela razao que mi-
    Ibares de pessoas se tem corado gratis coi O dito remedio pelo Dr. dGraib e oubrosv
    a*s.
    Este imporbuite remedio n5o se offerere para curar todas as doenras, porm- Hu-
    sosente para 3(_uIm eslip-Jladas ,as noss_n dira^oas
    Est operndonos principios da ebrnea e da electricidade, a por isso est sppH
    av< para o cvrameoto a para a rastauraco da ace n iiura dos org Vs _n scrOrem A*
    irreftar circulj^So dos fluxoe d >s principies ervos, o oleo- eietnc'o Kiog of Pa
    opera diretribeale dos absrtenles, faceiido dt^apoarec-r as ocbaras das glaiKlolas-
    etc. em um tempo incrivel, breve, serrjperigu do seu uso deboixo de qualquer circua-
    tawiB.
    O remedio, ma medicina para o uso externo e Milenio, cunposto dos elementes
    curativos, raizas, horvas e cascas, taes como se tem osado dos nossos antepassadoj, e-
    das oaes tem grandes existencia no rovndo, para curar toda as mt>testias> sabend_-s
    qeaw eilas sao.
    Foi um grande e especial desejo da factildade de medicina durante mmtns moo
    de experiencia para aprender os melhore* modo qoo se deviaro adoptar para curar aa-
    segointea doencas, e que propor$oes de medicina se devia usar.
    JJnm deposito em P-raambuco-
    NA psarmaca e drogahia
    DR
    Bavtholnmeu & .
    N. 34RA LARGA DO ROSARION. 34.
    w
    .

    i
    tt
    &" S 1' o __ o
    " o as 5
    tzz_ v^Sja
    - su % a *a o
    sc&" - S s o gssi sr-
    a
    "
    t=
    c
    to a
    g 3 s afi-a 3 s w ^ szs-% -
    fls-i-e-Sl
    ^rf rj, i v- -_
    sr
    c
    t3

    - -- o-.
    CJ
    _ O Cr. _
    V ia CP
    O a __
    a;
    o B
    2.
    =35
    f*fHf
    S 2.o b:9
    "^ "5 o
    - cb o a-
    cr
    o
    a> "> r.
    O
    SBff
    8 1
    oe6
    > o
    " < tVi
    Sg"
    C3 o O O
    c _} 5
    5 3 ~
    B S. o a 5
    ? P* a. ce
    " a _5 C .,
    SI "a L
    _2s _r
    Sis;*'
    V.
    ' D 'i'
    u U U &.

    h-f.
    ^
    immmmmmmwmm-
    T^~"
    lorias as mercadorias existentes
    na loja de modas sita raa
    da Imperatriz n. 31.
    Ao. correr do martello. .
    FiM- de sarja de diversas lar-aras e e&r, ditas
    de lia para debrarn, di de seda, transa* de
    rlijrt, conloes, bicos, chapeos para senhoras e-me-
    niiw, te4 vestuarios para menina, ricos ca-
    ! *a gorgoro, pra seohora, (altima moda),
    chambres para bomem, sihidas de baile, poapeli-
    capailas para noivas, excelenles espar-
    tilbo, lavas de pelica brancas e preUs, boloes de
    entremeios borda-io-, gollinhas para
    artoes de camisas para nomem, smtos
    para setins de cores de excellentes qua-
    43 blo&d braoas e pretas, fll
    brancti e preto, e inuitts nutras
    liuitntes qae to-
    na n era estado per-
    lijar
    IIOJK
    do corrente
    jeratrlz n. 31 loja,
    11 boras da manhaa
    ao do agente Ponina!.
    O teaente-coroncl Francisco Carneiro Machado
    Rios, sein filhos e neto, convidara seus parentes
    e nmicros para assuiirjm a missa do stimo dia
    (iOdo corrente) por alma de ua finada filha, ir-
    ma e mi D. Mara Magdalena Carneiro Rios Vi-
    lella, na matriz da Boa-vista, s 7 horas do dia.
    BEBHHBBB
    Monte pi portuguez
    Eis a dictatorial directora provisoria, que eleiw
    baseis annos, anda inexpicavelmente permanece
    na direegao da sociedade sem apoio e com offens
    da lei e contra a geral expectativa dos associados.
    Oh I Santo Dos I quando cessar essa dictadura,
    contra a qual prctestara os mais vtaes interesses
    da sociedade I e porque espera a directora pelo
    golpe de missiouario que tal vez lhe esteja assig-
    ualado, era virtude do que dispde os artigos 19 e
    2i do* staletos, nao acreditando que ella
    deixar c^iegaf a esse extremo. Pasmai t oh I
    Santo Dos (se a tanto chegar.
    PresidenteJos da Silva Lage3.
    Secretario Joaqim Gerardo Bastos lili
    ThesoureiroJos Alves Lima.____
    Pede-se aos senhores glosadores que por^ean-
    dde tirem oabalxo assignado da peno
    dade era que se acha de por ell" glossrem os mo-
    tes qne se leem abaixo. O mesmo nao potando
    levar sabo igual ao que orna certa illustrada re-
    dareo passara a um seu amigo, prefere anu pe-
    dir aee mesures, certo da qos o az por !e julgar
    inhabilitado.
    K, os segu-ntee : ^^
    O papa mosca j faz versos
    De amocreve virou poeta.
    2.
    O commandante das jaquetas
    Ten de versos um arraaiem.
    3.'
    A lyra do graa morcego
    Esta ferida e cora mi cheiro
    Barro 7 de setembro de 1870.
    D'uxau
    <&
    5 MUDANZA
    55-Rua da Imp'.\ at iz-55
    Tinge, lava, limn, InMn c ahamalo-
    S ta-se, coma maior pefrdci., fazondas era
    SS pecas e em obras de toda. as qualidades ;
    S| como sejam : serta, taa, aigodSo. linno,
    ^ cbapos de feltro e de palba etc. ele.
    "w Tira-se noioas 0 lirapa-sc a sgeco sera
    1 moltiar os terii]>:-. eonservando assira to-
    Jst do o brilho da (agenda.
    Tintura preta pas- tersas e sextas fei- -
    M ras.
    f S At*
    BA R TM
    -v;
    i'* a cara eerU in ises uligu e reeealet, ealarros pnlmonar, aslhma; tou* esonha,
    Srflnehiu, o em geral eoatra leaos o soffrimeelos das ra reipiratoriis.
    deposito eral
    ootica e: drogara
    34, roa urga do r0zar10, s4
    PfiRNAMBUCO
    lhe, poi os meas grdecicnenios pr m ur !!<*> *-.
    lia horritel mil. Cem mais ignflcilivi g/tui**-.
    Irmandade
    de Noesa Senhora do Bom Parto.
    A commissao administrativa da irmandade de
    Nossa Senhora do Bom Parto convida a todos as
    irmaos para domingo U do corrente reunirem-se
    no seu consistorio, em mesa geral, para tratar de
    negocios tendentes mesoia irmandade.
    _____________Domingos Ramos Baifcosa.
    he, Lavra.
    Quem precisar de artigos e verses bem feWnhos
    e baratos, dirija se ao Papa-mosca, as ATas oa
    Berro, onde achara um armazem sonido.
    O amigo gaHBheiro.
    0
    0
    Precisa-se de um caixeiro que" tenha prattea
    de padaria : na ra do Raogel n. 9.
    O escriptorio dj Dr. Joaquim Jos de
    Campo da Costa de Medeiros e ^Ibu jft
    qaerque est i roa estreiu do Rosario ^,
    EV rio n. 24 f^
    0 tt 0tt^MBft0
    Offerece-se urna mulher para ama de casa
    de pouca famila, preferindo-se para tratar de me-
    ninos : a tratar na ra da? Trincbeiras n. 4,3, fa-
    brica do cigarros.
    O abaixo assignado participa ao respeitavel
    pnMico qae se acha de.novo abort3 a loja de mar-
    more na ra da Imperatriz, e., pede aos senhores
    que tenhara feto eacoamendas de se eniender na
    mesma loja, ou na roa da Cadeia do Recife n. 2,
    asira c tro se manda preparar qualquer obra re-
    lativa ao estabelecimento, como sejam : degraos,
    soleirs, peitors, pedras para sepulturas com os
    competentes disticos, amleos, etc., etc.
    Marcono los GoncaWes da Fonte.
    bonetes d'alcatrao.
    De Antonio Neves de Castro.
    Este acreditado preparado, qae to boa
    acceitaco tem merec.I o nesta provincia,
    muito se recommeada paramra certa das
    impigens, sarnas, castas, coceiras, e todfc
    as. rnolistias depelie, sendo lijda preferi-
    vel para a barba otrrj qualquer sabo-
    oete.
    nico deposita da verdadeiro, na pbar-
    macia edrogaria de Bartholomao 4 C,
    roa larga do Rosario n. 31.
    CHHCOLATE VElVir "JO DE AXTOXIO NE-
    VES DE CASTRO.
    Este acreditado preparado, que Uto boa
    acoeila.ao tem msrecido nesta provincia,
    muito se recommenda para cura certa e
    efficaz das biebas ou lorobrigas, tanto as
    criancas como em pessoas de maior idade.
    nico deposito na pbarmacia e drogaria
    de Bartholonwo C.: raa larga do- Rosa-
    ra q. 34.
    A thenpeuiici dis diversas molestias do peilo.desde
    pharynciie ou mal da garganta ate i tnbarcolifio
    ouiaiorir.r, russando pelas diversas bronchiles catarrhaes
    o eDpbjfMn acaba de ser enrequecda con mai*
    ate medicamenln, qae toaura a primeira ordem entre
    -dns aie boje eonhecidos. 0 lampe Vegetal Americrno,
    aranlnido paramente vegetal, ao contm em saa
    cio uui so alomo de opio, e sim somente sne-
    coa de plantas indgena, cujas propriedadea benficas
    i cura da molestias que perleneem aos orgios de res-
    piraco foram por dos observadas por longo lempo,
    :om ptimos resallados cada vez mais crescentes; pelo
    que nos jalgamos autrisados a compor o xarope que
    agora apresentamos.e t oflerece lo aos mdicos ao
    publico. Protamos con os attestados abaixo o qne le-
    vamos dito, e contamos qne o eonceto de qoe ja gosa
    a xarope Vegetal Americano crescera de dia da,
    deiando muito aps de si todos os peiwraes em voga.
    Illa. Sr. Bartbalomeo C.-0 xarope Vegetal Ame-
    licano, preparado em ana conceitnadissima pbarmacia,
    4 om ntil remedio para combater a lerrivel asthma.
    Sofra en aquella molestia ba qnatro metes, sen anda
    ter comba'ido os ataques mensaes qoe tinba; este altimo
    qn* tive oi fortissimo qne me proston por 8 das, nsei,
    porm o sen milagroso xarope, tomando apenas tres
    loses. ate o presente nao fni de novo atacado. Prasa
    '"'i. h fiqe* MMalMlcido por ama w. Rendo-
    sobsereo-me deVacs. affeetnoso eireconnecid otaate,.
    6'everiia Doare.-Saa Casa 14 de fevereiro d-Mf
    lllma Srs Banhlomeo*C. Depois do i
    meies de soffriinenlo com nma tosse incesaaMav lMW>i.
    extraordinario, expectorado de nm catarrb aaaruli*- .
    do, e perda total das forcas. que o menor {***.
    me faligava completamente, cansado de tomar nra
    tros remedios sen resollado tive a fcl:cid:Ieckae>- ,
    Vmcs. preparavam o xarope Vegetal AmertcaBOv <**>
    elle, gracas a Deus, ma aobo restabeleeido ba mata *.,
    dois metes, e robusto como se nada livesac sitfn*i. *..
    gratidao me torca a esta declaradlo, qne podara* i'm>-
    fuer o aso qae quizerem. Sou com estima de. %tv.- .
    muitos respeitador e criado. alona J-njaaai *.
    Cwlro ( Sifa. Bacife 8 de evereir d 18SSV
    Atiesto qoe asei do xarope Vegetal Aaarioa*>, _...
    eomposieao dos Srs Barlbolomeo C para car* **_.
    forte defluio qut ne tronxe ama roaqaidio, qa*>-
    fatia edlender, Bflammacio e do? Dagargan!, ta-.-
    grande falu derespiracio, e Bqn eomplalaBsenta co.,.,
    tabelecido com nm so vidro eto mesmo xaroi;*; >*
    qae Ihea protesto etrea gratidi". Becif eV.atav
    neiro da 1868. ioa.ina> f-*ra Ara-t-^-.,^ .
    Eatie rKoabacido.
    J1L
    ADOPTADO
    HOSPITAES DE PAR1Z AS AMBULANCIAS
    HOSPITAES mu ITARFS NA MAfflNHA IMPERUI
    FRNCEZA E NA MARINHA REAL INGLEZA
    . O problema resolvido por H> Ricollot com o mais fcl resaltado na composiyio
    papel foi conservar' mostarda todas as anas proprietodea, obtendo en poneos
    e com facilidade um efteito decisivo com a menor quaaUdade poaovet
    de medicamentos. (A Bouchardai lAmnaire de tk*rm*uhque* 9K
    Exigir a aawrnalmra ao hdo, por qne ba fctaataoorea.
    PAJt/fl. M ritiUt-*-Ttkt M.
    ^r


    Diarid d Pmamt gex felfa ele Setetnbfo de JftW
    I


    m
    2ss:



    :.M
    *G
    a
    ce
    3
    C3
    l
    PEDIDO

    id
    S
    "fe
    a
    ai
    S
    1Q
    A' roa do Jardn a 48 precta-ie tallar com
    prate* stnhort
    Manoel Homero de Carnlho rardal Ivros.
    Adolfiho Bibas (aetfemfeo).
    Querino Candido de Veawneellos.
    Joaquina Cavalcaatl de Albnquerque Mello Filho
    (Pombal).
    Jez'jlno AuMsto dos Sanios Fragoso.
    VtrKstao (Sorreja deLyra (Cruangi ou Vioencia.
    Jos HermiDo Pontoa! (engento Preferenea
    Fernando Barata da Silva (engenho Morojo).
    Manoel Policarao de Azeveda.
    Antonio Gomes. Cordeiro de Mello.
    Eduardo de Paula Santos.
    Francisco da Silva Porto.
    Jnvenal Torres. '
    Thom Joaquim do ftgo Barro. ________
    A verdad eir far ral de
    S. Beuto.
    Esta farinha osada com vantajosos resolta-
    dos nos padecimentos dos orgos do peito,
    como asthma ou pachamento de catbarros,
    inflamacao de bofe, pleurizes e na ptbysica; re-
    commendando-se com ignal proveito as pessoas
    convalecentes
    nico deposito na phirmacia e drogara.
    DE
    Bartholomen & C.
    34Ba larga do Rosario34
    MOFINA
    Este antigo estabelecimento* achar hoje montado n'uma
    escala de poder servir vantaj osa taente os seus freguezes, atien-
    to o granie sortimento de joias d'ouro, prata 6 brilhantes, que
    sempre tem e recebem mensalmente das principaes fabricas da
    Europa- cujos preejos sao em competiveis e as obras garantidas
    de lei.
    MOREIKA HITARTE .
    B/wa-se ao Illm. Sr. Ignacio V.elra de Mello, es-
    crivio na cidade de Nazareth desta provincia, o
    lavor de vir a roa do Imperador n. 18 a onclnir
    aqoeHe negocio qne V. S. se comprometten reali-
    sar, pela terceira chamada deste jornal, em flus
    de dezembro prximo paasado, e depois para Ja-
    neiro, paseen a leverefro abril, e na 1a comprio,
    e por este motivo 6 de boto chamado para dito
    fim ; pois. V. S. Se deve lembrar que este negocio
    de otis de oito annos, e quanqo o senhor seu
    fllho y6 itbava no esludo nesta cidade.
    Acaba de sahir luz
    E
    Vende-se
    NA
    Livraria franceza.
    CHA DEVOTA
    08.
    MANUEL d C.
    Tem a satisfacao de participar aos seus numerosos freguezes, que em vista de ser-Ibes mais commodo, tem ^g^
    eslabeterio una nova fabrica de chapeo- de sol, na ra da Cadeia do Recife n. 9, luje ra do Mrquez de Olinda, "W
    oode acbarao r s prelendentes, mtiiio avullado sortimento e cbapos de sol de todos os precos, qualidades e por pre- ||
    tos mas commodos do que comporia o nosso mercado: convidan) estecialmente aos Srs. compradores por atacado ffij:
    darem, serido possfvel suas encommendas, pois podero assim seren mais bem servidos, visto poderem escolher as ar-
    maooes as tazendas que a demora da fabriracn.e bm diminuta,
    NA MITIGA E BEM CONHCIDA FABRICA
    CHAPEOS DE SOL
    Vi
    endas on permutas
    Ve&de-sa a propriedade Guarapes no Rio-
    Glande do Norte, com trras casas e armaiens
    de um e outro lado do rio, lugar beir. conbecido
    pela sna importan:ia commercial, coje porto offe-
    rece muita facilidade para enmarque e desembar-
    que de gneros.
    Igualmente se vende o engenho Jundihaby (na
    mesma provincia) moente e corrente, com cinco
    leguas de trras de maltas virgens, oito escravos,
    bois, bostas e alambique ( ou somente o emgenho
    com as ierras que convier ao comprador). Estas
    proprtedades vendem-se por baratsimos precos,
    O tambe-n se permutam por engenhos nesta pro
    vintia. Parahyba e Alacias, ou por casas as ca-
    pitaes das mesmas 5 a tratar com o proprietaric
    major Fabrcio Gpmes Pedroa ra da Cadeia
    o. 28, oa com os seus procuradores no Rio-Gran-
    de do Norte.
    M
    NOSSO SENHOB JESS CHRISTO.
    MARA SANTISSIMA
    E
    VARIOS SANTOS.
    A saber:
    Setenario do Senhor Bom Jess dos Passo?.
    Offleio do Senhor dos Passos.
    Novena do Menino Dos.
    Novena de N. Senhora da Conceicao.
    Setenario das Dores de Mara.
    Offleio das Sele Dores de Maria Santsima.
    Novena de N. Senhora do Carmo.
    Offleio de N. Senhora do Carmo.
    Novena de N. Senhora da Peona.
    Cnticos de N, Senhora da Pecha.
    Novena do B. S. Joan Bapltsia.
    Novena da Senhora Sant'Aona.
    Trerena de Santo Antonio.
    Novena do B. S. Jos.
    Um bonito volme encadernado.
    :3
    DA
    Ra do Baro da Victoria, esquina da Camba do Carmo.
    (Antiga Ra Nova) JJE-
    Ha sempre nts grande, sortimento de chapeos d sol de seda, merino, alpaca, bretanha de linho branco e par- &g.
    do e Q"e aigodo os todos os tamanh0s e feitios, a'm da immesa porcao de eda, merino, algodo e brim, s
    armacofts de todas as qualidades para satislazcr qualquer encommenda. A modicidade de seus precos to conhecida ^
    que escusa de mencionar.
    SlS<.t<5
    !>../'**;gSy
    AL SOI
    D'YVETOT
    RA ESTREITA DO ROSARIO N. 14.
    Urna qualidadedecuroraerciofaltava nesta popu-
    Ion, cidade un estahelecimenlo em que se compre
    venda tuda a qualidade de roupas afeitas novas
    i velhas. um basar q>.ie se deoumina em Pars
    Brie e Brac E' este o estabetecimento que se
    briu ra estrellado Rosario n. 14. Assim,
    t'.idas as pessos que uuizerem vender, ou com-
    lrar roupas novas ou velhas e todos os mais
    'ihjf^ios de servico domestico, indnsive trein de
    'o-iiiha, podero dirijir-se ^o indicado estabeleci-
    neato para contratar, e otT^rece-se para ir em
    raga dos prelendentes para eflectuar as compras
    : vendas.
    SS PRfMEHlO E ANTIGO CONSULTORIO M
    HOMEOPATHITO
    9 Di* sido pelo Br,
    SANTOS MELL6
    Os habitantes do inierior podem-no
    K consd.ar por eseripo, no qae sero .'a- S2
    S2 listeoi com promplido.
    Presta-se lambem a chamados para o gg
    j.g interior, a preco mdico.
    Cousulias, no consultorio das 10 horas S
    ^SB ao meio da.
    fiH Chamados, a qualquer hora.
    ^ Aos pobres gratis.
    43Ra do BarSo da Victoria43
    Antiga ra Nova).
    I Mi
    m
    ';
    JC$?M
    HESTAURANT DE PARISs
    4 Ra das Larangeiras4 5
    O propietario deste estabelecimento, avisa ao respeitavel publico desta
    cidade, e as pessoas que o honrar com sua conanca, que acaba de estsbele-
    cer a segninte t;b- lia.
    ALM090 3 So.3 eSClher-
    P5o
    Caf 00 cha.
    1003
    Sopa.
    3 pratos a escolher.
    Vinbo
    Sobre mesa.
    Caf ou cb.
    1$000
    DAS 7 HORAS A MBA NOITE CEA SEGUNDA TABELLA
    GUSTAVE
    Senhores cocheiros,
    carreiros etc.
    Fas ello.
    Novo, d*emharcando no caes do Apollo e reco-
    Ihendo^se no armazem de farinha de trigo de Tas-
    so Irmos : C, a preco commodo: a tratar no
    mesmo, ou na ra do Amnrinj n. 37.
    i CABELLEIREIRO FRANCEZ
    51Eua da Cadeia do Eecife51
    FEITIIR
    'Precisa-se para um sitio perto da cidade nm
    feitor qne entenda perfeitameote da plaotacao de
    liortalica e que tambero saiba andar com carraca;
    paga-se bem : na ra da Cruz de Recife a. \i,
    prmeiro anda.
    Cbama a 3tten?So dos sees innmeros freguezes, e do respeitavel publico ei
    geral, para a segaiote tabella dos precos de sua casa, os quats sao victe por cect--
    aais barato do que em entra qualquer parte:
    Cabelleiras para senboras a 25(J, Cadeias para selogio a 54, 6#,
    m,m e......405000, 70,8& H, m e. ;.i5#00r
    Oitas parahomema 3o5, 40Je 50(5000;
    Coques a {t, iU, IU, SMMI, (Corte de cabello,..... 50>
    ?*5, 300 e.....50,5000 K ,. c/it
    Orescentes a 1^5,15^1,184,20& i'^1"16 e cabelto com frcc3o. &?
    25)5, W e.....32i50O0 Corte de cabelle com lavagem a
    U,
    Sobrado
    i04000
    14000
    a cbampoa.
    Corte de cabello com limpez da
    cabeca pela machina elctri-
    ca, nica em Percambuco. .
    Frisado inglesa ou franceza.
    8arba.........
    1400*
    I400t
    50f
    25*
    Aliga-se o 2* andar na ra Nova n. 40 : al
    tar na loja n. 'i.
    .
    AMA
    Preci?a-se de -ama ama para o servieo interno
    Je urna casa de pequea familia : na ra Oatrefta
    .lo Rosario n. ;, 3o andar.
    Preeisa-se de urna ama para engommar. co-
    zinhar, lavar o comprar, sendo f rra : na traves-
    ea da Matriz de Santo Antonio n. 10.
    farapas ar a ft-sta
    Traspassa-ee o rosto do arreodamento de um
    sitio na Torre, perto da ponte, estando elle m'ui
    bem tratado e plantado, e a casa com bastantes
    eooimodos : a tratar na loja n 8 ra do Duque
    de Canias, ouir'nra do Qneimado.
    Boga so ao Sr. J.O. A. C. que qaeira ter a
    hondada de realzar contas com seu ex-caixeiro
    F. M. B., Uoto de ordenado como de dinheiro de
    nprostimo, julgtndo eu j ser o lempo snfflciente.
    Thereza Emilia deSooza Gomes, profesora
    publica ne instruceo prtniria do rexo femenino,
    teodo sido removida da cade-ira de N. S. do O' de
    ipojuca, por portara de 22 de julho do corrente
    anno, para a cadeira de Cruz das Almas, perten-
    cente ao 2* districto da fregoezia da Boa-vtau,
    previne aos eenbores pais de familias que abri o
    sea corso no da i' do correle roez, pelo que
    convida os mesmo? a mandarem suas filbas Ir-
    qoeacia dj corso no magisterio que adoptou. e
    nao poupar esf jrc-s para Icio desempenba lo
    conteni do pntlico e instruoco de seo sexo.
    P.-eeisa-se de urna ana para compras : na
    rna do Qnmmado n. 17.
    __ ^In ''"OU-
    eos para
    traur coi
    Cachos ou crespos a 34, 44,
    04, 74, 84, 94 e. .
    Franca de cabello para anael
    500 e.......
    franca para braceletes a 104,
    {U, 204, 25 e.....804000
    ASIGNATURAS MENSAES
    Especialidade de penteados para casamento
    Bftlles e soires
    O Sras. e aos cavalheires qae la amxmas. 1 i POXEZA para enegrecer os cabeHoe e bar |
    ia!5o para tintara dos cabellos e barba, as-1ba mic* admittida na Exposifao Universa
    , | corao nao prejudicial sade, por ser ve
    m coaoom empregado smente oc/:apa-ia|, aDalysada e approvada pela* acaik
    o nesse servieo. mias de sciencias de PARS E LONDRES
    D, W. BOWNAIM
    EHGENHEIRO
    Com fundiqao.
    A RA DO BRUM N. 52%
    Passando o ihafriz
    Machinas vapor systema melhorado.
    Rodas d'agoa.
    Moendas de canna.
    Taixas de ferro batido e fundido.
    Rodas dentadas para moer com agoa, va-
    por e animaes.
    E outros muitos objectos proprios d'agri-
    culmra.
    Tudo por preco muito reduzido.
    Wfi&k
    O DR. JOAQUIM CORREA DE ARAUJO
    tem o sea escriptorio roa do Imperador
    n. 67, onde pode ser procurado das 9 ho-
    ras da manha s 3 da tarde.
    m
    20OO.
    muiu
    tita
    8
    Na Iravessa
    das Cruzes n, 2, pri-
    meire andar, da-se di-
    nheiro sobre penhores
    de ouro, prata e brilhan-
    tes, seja qual for a qnan-
    tia. Na mesma casa com- *
    pram-se os mesmos me- M
    taes e pedras.
    mi
    J Feiivira ViUeh
    1*~-UA DO CABUG^ tt
    A entrada pel pateo da matriz.
    Os trabathos da reediQcacaa desta photograpi,
    e que se prolongaran) per Unto lempo, aeham-se
    felizmente terminados e ella aborta ao servieo do
    publico desde 7 de abril passado.
    O predio em que tst collocada esta phologra-
    pbia acba-se moilo augmentado, e so a parte desti-
    nada ao esubek'tlmento coma unco aalaa, iacln-
    sive as do laboratorio. Todos os coneertoa e aog-
    menios tendo sido felos expressaraente para se
    montar convenientemente a photographia, e nao te
    podendomemor modelo escolher de qne a PAlo-
    ?rafita Imperial do Sr. Insley Pacheco do Rio de
    Janeiro, o primeiro puotographo do Brasil, e nm dos
    primeiroe do mundo, segando a opiniao dos mais
    abalisados mestres, a nossa pnotograpbia acba-se
    dlsposla e reedificada pelo mesmo plano da do Se
    I. Pacheco, a qual foi montada sob todas as repae
    recommendadas pelos mais desnctos professorea
    de accordo com as modicacoes necesarias ao
    clima do Brasil, reconhecidaa e anudadas pelo ha-
    bilissimo e pratico Sr. I. Pacheco.
    Todo o interior do predio em noe est i nossa
    photographia foi mudadadesde a soleira da porta da
    ra at a coberla, iendo-e demolido todas as pa-
    redes interiores para se, fazerem as novas salas,
    edificndose um nova terraco envidracadonru
    espagoso e elegnts.
    Como sabino, flretnos urna viagem expressa-
    menie a corte ^jara examinarmos as melhores pbo-
    tographias ||,, e fd a do Sr. I. Pacheco, a que
    melhor correspondeu aos nossos desejos e aspira-
    goes, e da qual tronzemos os planos depois de
    allt estartnos todo nm inez estudando e apro-
    veitando as lices de to dlslineto meatre. Pen-
    samos mo Jamando os nossos estados e longa
    pratica de 15 annos de pbotograpnla s ntilissimas
    t Uijfjes ultiman ente receidas do Sr. I. Pacheco,
    tendo montado a nossa photographia como se
    acha, podemos offerecer ao Ilustrado publke
    desta cidade e aos nossos nuuerosos fregnezes-
    trabalhos de photographia tao perfeitos, ermo se-
    poder desejar, e disto convencidos, esperamos-
    que continen) a dispensar-nos a mesma pro-
    teccao com que ha 15 annos nos tem honrado e
    ajudado.
    ANTIGO MEDICO HOMEOPA- 5
    TIIA, Q
    recentemente estabelecido nesta cidade. a
    mudon a sua residencia da praca do Con- S
    de d'Eo n. 3S para a ra do Imperador
    O ampos com armazem
    de m^lhados na na do Im-
    perador n. 28, vende com
    no trapiche, caixas com ba-
    tatos novas de Lisboa a oito
    mil reis cada urna.
    A ellas que estao se aca-
    b ndo.__________
    The Liverpool-&Lon-
    don & Globe Insu-
    rance Company.
    Companhia ingleza de seguros contra-fogo,
    estabelecida em 1836.
    Capital e fundios de reserva
    its. :t.so<;:f jo v
    Os agentes desta companhia tomam seguros so-
    bre propnedades, gneros e fazendas armaz^nadas,
    mobilias, etc., ele, e estao igualmente autorisados
    a saldarem aqui qnaesquer reclamagoes.
    Saunders Brothers & C,
    Praca do Corpo Santo n. II.
    tura rpida e infaltive dos cal-
    los, pela pomada
    Galopean.
    Deposito especial na pharmacia de Bartholomen
    & C,
    3iBa larga do Bosar0:-34
    Ro -i nte-rheunr tico.
    Remedio eQicacissimo centra as dores rheuma
    ticas at boje o mai? conbecido pelos seas mara-
    viHiosos resultados.
    AVISO
    Ainda est para alagar-se a padaria allemaa da
    roa do Lima, e tambem a casa de junto : a iratar
    com o Sr. Materjus Lenz, 'rna da Guia n. 56.
    Ama
    Xa ra do Vigario n. 5, 3o andar, precisa-se
    de urna ama para cosinhar, eujn servieo faca com
    perfeicao e que seia de boa conduela.
    ATTENCAO
    Na ra estreila do Rosario o. 35, Io andar, casa
    particular de familia, conliiuase a fornecer co-
    medorias para fura pela tabella abaixo :
    ALMOCO.
    1 prato de solido.
    1 dito de farofa.
    2 pes, cb ou caf.
    Prego 20000 mensaes
    JAXTAR.
    3 pratos com carne.
    Piro.
    Arroz.
    Sopa.
    Sobro-mesa.
    Prego 30*000 mensaes.
    Faz-se algum abate, sendo para mais Je urna
    pessoa reunida.
    n. 25, e abri consultorio junto ao labora-
    torio homeopalhico dos Srs. F. de P. Car-
    doso Juni r A C ca mesma roa n. 41,
    onde todos os das dar consultas do meio <
    W dia s 2 horas da tarde, reservando para.*
    >& as visitas don ciliares os intervalloa, que '
    ** decorrem das 9 oras da manhaa ao meio
    dia e das 2 s 4 horas da tarde. A qual-
    f quer hora atlender a chumados, que Ihe
    55 sejam dirigidos, quer casa, quer ao con-
    JR sultorio.
    0 CIRLRGIAO DENTISTA
    Frederico Maya
    Tem a honra de scientificar ao respeta-
    vei publico era geral, e aos seus cuentea
    em particular que elle mudou o sou gabij
    netede consultas da ra Direita n. 12 para
    a do Queimado n. 31 primeiro andar, com
    a entrada pelo pateo de Pedro II, onde po-
    de ser procurado para os misteres de sua
    profiss5o, todos os dia^ uteis das 9 hora
    da manha s 3 da tarde.
    Tambem previne, que contina a prestar-
    se a vontade dos clientes nao s na cidade
    como nos seus suburbios, para onde as
    idas serao precedidas de ajuste. Elle ga-
    rante o bom desempenho e a perfeic5o de
    seus traba Ibos, o queja bem conhecido,
    assim como as commodidades dos urecos.
    Francisco Luk Oes Santos, D. Francisca There-
    ia dos Santos, Manoel Luiz dos Santos, D. Ptnla-
    delpha Francisca dos Santos, Antonio Jezaino
    Marques, feridos -na mais extensa dor pelo passa-
    uieotode sua mui.pr-ezada esposa, mi e irma O.
    Candida Francisca arques dos Santos vera pelo
    presente agradecer cerdialmenle a todas as pessoas
    de sua amiza^e o especial obsequio que se digna-
    ram de prestar, assteando os suffragios que se fez
    por sua alma e acompanhar es restos morlaes ao
    cemitewo publico ; e de novo os convida para as-
    estire a missa de rquiem que ha de ser eele
    brada as 7 horas da manha do dia 9 do corrente,
    na matriz do Corpe Sanio ; pelo que desde j Ibes
    prestan eua eterna graudao.
    - Na-uadaMatric^aBoa-visU n. 13, preci-
    sase de um pre'o forro-ou captivo para o servieo
    Joaquim Jos Goncal-
    ves Beltrao
    Ra do Trap-chi n. 17, 1" andar.
    Sacca por todos os paquetes sobre o banco do
    Minho, em Braga, e sobre os seguinle3 lugares ero
    Portugal :
    Lisbaa.
    Porto.
    Valenca.
    'iui maraes.
    Oiimbra.
    , Chaves.
    Visee.
    Villa do Conde.
    Arcos de Val de Vez.
    Vianna do Castello.
    Ponte do Lima.
    Villa Real.
    Villa -Nova de Famelico.
    Lamego.
    Lanos.
    Covilbaa.
    .Vascal (Valpasso).
    Mirandella. .
    Beja.
    Barcellos.
    Agencia em Pernambuco
    Do Dr. Ayer
    Peitoral de Cereja
    Cura a pbthysica e todas as molestias do peito
    Ma-sa parrllha
    Cura ulceras e chagas antigs, impigens e dar-
    Tos.
    Tnico
    Cocserva e limpa os cabellos.
    tPHulas cali rticas.
    Endecho, engenho.
    Aviso vantajoso para os senhores de engenho.
    N. B. Pratira,naci>-nca, e adianumento em pji-
    cos lempos, l'm estrangeiro com praliel ba mais
    de dez annos de ter j ensinado em alguns enge-
    nhos desta provincia, se offerece a qnalquer se-
    nhor de engenho para ensinar nao s as primeiras
    letras ante-: de um anno, como o francet com per-
    fecao e em poucos lempos (um anno) : quem
    pretender dirija carta fechada com a sua residen-
    cia, na ra das I'nncheiras n. 50, loja, com as
    iniciaes B. A. R., ou na ra Diroita n. 118 botija.
    Atten#o
    de casa.
    ALGA-SE
    A'uga-se o primeiro andar do sobrado da roa da Cadeia do
    muito fresco e com c -modos para familia ou escriptorio. tornahdo-se
    pela boa localdade, a traciar no armazem do mesmo.
    Recife n. O,
    recommendavel
    SITIOS PARA SE ALUGAfi
    Por ter de partir para Europa seu proprietario : Um Da Vanea no corredor
    deS. Joo em lugar muito beta situado, casa com commodo para familia, sitio bastante
    grande, com excellente baobo lago ao fuado do sitio: outro na ra de S. Miguel nos
    Affogados, muito perto da estacSa da via-frrea casa com commodo para familia sitio
    murado, boa cacimba doos tanques, um grande copiar ao lado da casa, estritarja di-
    rvoredt, dandi) fructo e boa assim escolente capim constantemente para sns-
    MBtor um a rtoit cavalios: a tratar oom seu proprietario, roa da Ctdeia do Recife n
    Looire.
    ALMANAK
    m DE 1871
    envidamos aos Srs. advogados, negoci-
    aaes, mdicos, artistas, endtistriaes etc. etc.
    para que remettam ra do Imperador n.
    51, os seos nomes oa firmas, com indicacao
    da ra en. da casa em que teem os seus
    estabeleetmentos ou residencias, afm de
    serem contemplados no Almanak fatoro
    Igual convite faaemos as companhias do se-
    guros, bancos, agencias, associaces littera-
    rias, scieatificas, humanitarias, corporales
    religiosas etc. etc.
    Para o fim sopracitado t podero ser
    acceitas as inf..rmaees fornecidas at o ul-
    timo do correte mez.
    J Precisa-se de um pouco de milheiros de tijolo de
    laldnlho para a matriz do Cabo : quera quizer con-
    tnta-o dirija se villa do mesmo nome a en-
    tender-se com o respectivo parodio, levando a
    ostra.
    o.
    Ooznkeio,
    Precisa-se de um cozintteiro qne seja perfeito :
    rajar na ra do Mrquez de Olinda, armazem
    OS ADVOGADOS
    E iseo Martns
    Antonio de Si-meim
    ML'DABAM o seu
    do Rosario n. 4.
    escriptorio para a ra estreita
    0 3ACHAREL
    Elseo Martins
    COM escriptorio de advuctcia ra estreila do
    Kosario n. i, propoe-se igualmente a SOLICITAR
    quaesquer causas perante os tribunaes desta cida-
    de, e pode ser procurado das 9 horas da manhia.
    as 3 da tsrdf.
    - Precisa-se alugar um muleque d 1^ a 14
    anuos, para servlcp de casa : tratar na ra No
    patente
    americanos, os mais .aceiados e econmicos que se
    podera desejar, com lnha on carvao se faz urna
    economa superior a KO 0(0 dos usnaes : no arma-
    zem de Tasso Irmos A C, nn caes do Apollo.
    Aviso ao respei avel pub ico
    C. Heppelmaun, director da companhia musical
    allemaa, que tantos applausos tem recebido dos
    deletantes desta cidade, avisa ao respeitavel publi-
    clos amantes da msica e s corporacees reli-
    giosas, que se cha prompto e habilitado para to-
    car um qualquer baile, sarao ou festas de igrejas,
    quer com instrumento1 de orebestra, qoer com
    msica marcial. A mesma directora roga. pois,
    aquellas pessoas que qaizerem uiilisarse do pres-
    umo da companhia, e desejam ter nma festo pom-
    posa ou urna noite de excelente goso, podera di-
    rigir-se i ra do Pilar n. JO, aonde se far o
    ajuste mais razoavel.
    AMA
    Precisa se de uin caixeiro df 14 a 17 annu-
    que tenha algnma pratiea de taberna e que d
    fiador a sua conducta : no pateo do Terco nume-
    ro 32.
    Z.'^1i?'I"im' ubdito ponuguet, vai
    a Poruigal tratar de sna saude.
    Ama
    40 PUBLICO
    Joaquim Das de Almeida Costa, deparando
    eooi ud annancie do Sr. Francisco de Medeiros
    Barbosa, publicado no Diario de hontem, tem a
    Precisa se alugar urna mulber forra oa escrava,
    para cnzinhar c< casa de pequea familia : na ra da Cadeia nu-
    mero Ji.
    Coinmrano'aco fnnebre.
    Um amigo grato memoria do fallecido Joo da
    Cwta Campos manda celebrar no dia terca-feira
    13 d>< seiembro, primeiro anniversario de seu pas-
    saroenm, na igreja matriz de S. Jos, as 7 heras-
    da manha, dua* missas por aquello finado ; e
    convida llima. familia e anvgos comparecerem
    ao mesmo acto, que ser eternanente grato.
    AVISO
    responder Jhe que
    quando este1 Sr. no
    i qne compre e corintio contas io dintarroapurdo em'seu etabelecimen
    para daas pessoas : ne
    Antonio a. 12.
    Irrgo da Matrir de Santo I lo c
    Oadminitrador^do Caf Commercial, no Iargo
    o Ihe paga seus ordenados, I do Corpo Sauton. ), pede aos freguezes do mesmo
    juizo competente Ihe preurj estabelecimento que se acliam deve qne
    : bajara de as ir pagar al o dia 13 do correni*
    assim com qnem se julgar cred .uiar
    suas ralas, para serem pagas imn e
    Y
    9 de junbo al 12 de agosto prximo



    Limo de Pemambuco Sexta feira 9 de Sete

    5
    FGEr
    AO ARMAZEM
    DO
    .

    I
    I

    VAPOR FRANCEZ
    MU-l 1
    Este coubeeido estabelecimento acha-s constantemente bem sonido, em virtude das
    facturas que recebe por todos os vapores e navios fraocezes, los artigo abaixo menciona-
    [ los, 4 presos os mais resumidos que possivel.
    CALCADO FltAXCEZ
    Botina para >cultoras e meninas.
    Botinas pretas, brancas e de omitas outras cores, sortidas e bonitas, do ultimo gos-
    to da moda, e presos mais baratas do que em outras partes.
    Botinas para horneo e meninos.
    Botinas de bizerro, cordavao, lustro e pellica, das melbores fabricas e escolnidas.
    Botas e perneiras riisslanas.
    Botas e peraoiras para maulara, das melhores qualidades, de couro da Russia, lus-
    tro e buerro.
    Napato de borracha para amen e senhoras
    Tendo ebegado grande porcao de sapatos de borracha vende-se pelo custo afim de
    desempatar o draheiro nelles empregado, sao baratsimos.
    H' pato de lustro para homens.
    Sapatos de entrada baixa de couro de lustro com salto, de muilo boa qualidade.
    Abotinados para meninos e meninas
    Sapatos abotinados de differentes modelos, de muito boas qualidades e (orles, tanto
    para meninos como para meninas, muito baratos.
    Sapatos de tpete.
    Sapatos de tapete aveludado, de caseraira, de charlte e de Irania fransezes e por-
    tuguezes para homens, para senboras e para meninos.
    PERFUMARAS
    ' Ezcelientes extractos, banhas, leos, agua de cologne, florida, divina, lavande, den-
    triflee, de toilette, sabonetes, tintura para cabellos, pomada angroise para bigodes, pos de
    arroz etc., tudo isto de primelra qualidade, dos afamados fabricantes, Condray, Piver e Lubin.
    Quinquilharias
    Luvas de pellica do conhecido fabricante Juivin, espelhos para sallas, quarlos e ga-
    binetes, toueadore de diversos tamanhos, leques para senhoras e'para meninas, abridores
    de luvas, brincos, pnleeiraa, botes, correnta e chaves de relbgio e tranceln*, tudo de
    ourq de lei, correles e brincos de plaqoe, a imitacao e de mais gosto do qoe as de ouro,
    caixinhas de costura ricamente guarnecidas e ornadas com lindas pessas de msica, albuns
    e cahuines dourados para fttratos, caixinhas com vidro de augmento para disiinctamenle
    ver-se a perfeicao dos retratos, objectoa de phaotasia para toilettes, bolsinhas e cestrahas-,
    de seda, de velludo e de Times para braco de meninas e senhoras. ditas para costaras, pe-
    queos registros muito finos e delicados, bouquets de flores do porcelana, jarros proprios
    para gabineles e santuarios, quadros promplos para colloear-se vistas, moldura? douradas
    para quadros, estampas finas de paysagens, cidades, figuras e de sanios, vidros para eos-'
    morama, malas, saceos e bolsas de viagens, esporas,' chirotes, bengalas, oculos, luneUis ou
    pensioez de prata dourados, grvalas pretas e de cores, abototduras de collt-te c e puntaos,
    carteirinhas para nulas, thfsounnba3 e caivetes finos, penles, eseovas, ponteiras de espuma
    para charutos e para cigarros, joros de domin, rodetes, bagatelas e ontros differentf s, ve-
    neziana9 modernas muilo conveniente para porhs e janellas, cosmorama?, lanternas mgi-
    cas, esteriocopos com interessaDtes vistas de figuras e das mais bonitas ras, houluvards,
    pracas e passeios de Paris, photouraphia* e caixinhas mgicas, reverberos para caodieiros,
    tapetes de vidriiho e de laa de cores para ps de lanternas, realejos grandes c pequeos,
    harmnicos, aeordions de todos os tamanhos, bercos de vim'es para ci iancas, sapatinhos e
    toucas de laa, earrinhos de 3 e 4 rodas muilo elegantes para coniuMr crianzas passeio ; e
    outras emitas quinquilharias de pbantasia, francezas e allemaes, precos muito em conta.
    iBQiuapXDS patina wmmm
    l Para este artigo nao ha espago nem tempo para a mas-ane leimra da infinidade de
    teneros de brinquedos fabricados em diversos paizes da Europa.
    ATTENCAO
    O dono deste estabelecimento pede ao publico em geral que continua a visita-lo
    verificando as qualidades e os precos baratos de dito* ubj :ctos por sorsm viudos em di-
    reitura e de conta propria.
    Nova loja de joias
    RA DO CABUG.V N.9 A.
    DE
    Manoel da Cunha Saldanha & C.
    Acaba de abri-se este estabfilecirjwnto de joias, o qaal tara grande sorli- -
    ment d todas as joias de ultimo zoslti, as quaes vender o mais baratnos- ^
    i odas as joias serio garantidas ouro 'e'< Ps os seus donos leudo era
    vista so adquirir fregaezia ufo olvidarSo, \'ender bou e por pre?)S os mus |1
    razoavais possive
    .'ivida-se o publico a vir a este es'abe ,tecitnaBlp:. certa de que licar

    FoldTSDhii imperial
    GALERA db PINTURA
    DE
    /. Ferrara VilteU

    Desde o dia 7 de abril passado acha-se aborto o
    jovo eltabelecimenin photograpNeo sito i rea do
    .abug .18, equina do pateo los que dsde enlae, tem taludo de noesa oficina
    em geralmente agradado, sendo recebidos por
    ilguns com admiracie pelo extraonfinari pro-
    jresso qoe nltimamente tem tido a rjhott graphia.
    por outros com alegra, por verem a provincia
    iotada com um eslabeieeimento digno d ella, e iu-
    jontestavelmente o priraeiro que nste genero
    boje possue : tambem nao nos ponpamos em eoosa
    ilguma para monia-lo no p em que se achs, es-
    perando qoe o publico de Pernambuco saber
    ipreciar nossos esforcos e recompensar nossos sa-
    crificios.
    Convidamos a todas aquellas pessoas, nacionaes
    3 estrangeiras que gostam das artes, on tiverem
    aecessidade de trabamos de photographia a visi-
    taren! o nosso estabelecimento, que estar sempre
    iberio e sna dUposico todos os dias desde as 7
    lloras da manhaa at as 6 da urde.
    Para es trabalhos de photograpbia possuimos di
    rersas machinas dos melhores autores fraocezes,
    mglezes e allmemes, como sejam : Lerebours el
    Secretan, Hermagis, TrR>maz Ross, Voigtlander el
    5onh eWulf. ltimamente refeebemos tres novas
    aiachinasi sendo urna dallas propria para tomar
    obre o mesmo vidro i ou 8 iiuagens diversas e
    isoladas, e otra de 6 a 12 mageus diversas e
    gnalmente isoladas, de sorie que no caso de
    zrande concurrencia podaremos retratar sobre
    urna nnica chapa al 8 passoas diversas e sola-
    las para car loes de vis lia, eassim em men4s de
    jm qaarto de hora despacharraos 8 differenies
    .pessoas qne pe^am cada urna, orna duzia de cartdes
    nais on menos, cora os seus retratos smente, on
    ?m grupo com outras.
    Enearegamos-nos exclusivamente da direccao
    i feitora dos trabalhos de photographia dei-
    izndo pnela e talentos do distincto pintor
    ilieraao, o Sr.
    Jorge A. Roth
    js trabalhos de pintura, a aquarela, a olee, e a
    pastel.
    O Sr. Roth acha-se ligado a nossa empresa por
    ama escriplura publica, e al o presente tem se
    It'svellado na execu^o de sens trabalhos.
    No nessoestabelecimento acbam-se exposlos ou-
    ros trabalhos im|orlantes do Sr. Roih, tanto em
    niniatqras aquarella como oleo, re;ratos
    >leo, quadros sacros e diversos outros trabalhos.
    Tomamos encommendas de retratos oleo at o
    ;amnho natural, assim como de quadros sacros
    para oruament2c.ao de igrejas ou capellas. Tam-
    3om aceitamos encommendas de quadros hislori-
    ios,
    Asseguramos qu os preco9 dos diversos tra-
    balhos da nossa casa sao-mu rasoaveis.
    CARTES DE VISITA NAO COLORIDOS A iOjJOO A
    DUZIA
    GART5ES DR VISITA COM O C0LORDO AO NATU-
    RAL Ai 6(J000 a dvzia
    Retrates em miniatura 4 oleo ou aquarella de
    16 20^000 cada um, indo convenientemente en-
    aixilhado em moldura dourada e regulando o
    bnsto da pessoa retratada de 3 4 pollegadas e
    todo o quadro palmo e meio de tamanho
    Julgamos que bastarlo 09 preces cima para
    larmos idea da baratesa dos trabalhos do nosso
    stablecimento, quanlo sua perfeicao cada um
    'enba julgar por seus proprios olhos.
    As melhores horas para se tirarem retratos no
    aosso estabelecimento sao das 8 horas da manhaa
    I da tarle; entretanto de urna hora s 5 da tarde
    im casos especiaes pde-se tambem retratar qual-
    iaer pessoa.
    Nos dias de chuva, ou por tempo sombro po-
    temos retratar, e asseguramos que esses dias sao
    is mair favoraveis aos trabalhos de photographia
    pela docura e persistencia da Inz. e per termos o
    losso terraQ) construido com taes proporcSes e
    nelhoramenlns, que aioda chovendo ;orros ne-
    hum Inconveniente ha para fazer-se bellos re
    TtOS.
    J. F rreira Vlela.
    Precisa-se de um escravo on ewrav
    entrada de ccatnba e qne sirva para to co interno atento de ama casa : na rn.
    Saudade n. 38. >*
    Precisa-so de orna aeaa oara casa de ponca
    familia : -
    EBfiiao na
    Nl ^PIH Pito 4o Laeerre
    pessoa nab (,ue M p^, t msiBiT qner em
    c*8a.8 P'^^BRT^Otr na sna, mnstea e primei-
    ras letras : qaem disto se quizer otilisar abi se
    dirija das 3 horas da tarde em diante.
    COMPRAS.
    0 mnzeo de joias
    Na roa do Cabug n. 4 eompra-se onrt, prata
    tpedras preciosas por precos mais vantajosos do
    tne em ontra qdalqner parte._________
    Ifltn marte maior vantagem compram-se
    onre, prata e pedras preciosas en obras velhas: na
    SjbtSu** Cor*5*0 Oaro D nu do
    , "T ^"Pra-se urna taberna que tenha poneos
    1: Jratar no pateo de S. Pedro n. 17.
    m~c2aip.ra'se Dma carroca de vender agua :
    fglez B wbr Jaoto ceniiterio
    VENDAS.
    INTERESSANTE C0MP0SHA0 LITTERARI.1.
    co.ntendo :
    A uoite do xtasis.
    O sorriso.
    A noite do assombro. ,
    A lagrima
    A noute do delirio.
    O mysteno.
    C"m ama carta critica dirigida ao autor pelo
    Di. T. Ii. Ripueira Costa.
    1 volume brochado 200.
    AS OENTELHAS
    Ppesias patriticas sobw a guerra do Paragmy.
    1 vuluiue brochado #0CU
    NA
    ____LIVRAMA FRANCEZA
    INDISPENSAVEL PARA COMMERCIO DE FA-
    ZENDAS.'
    TY.belIa comparativa dos presos de qualquer fa-
    zenda.
    Pelo metro nos'precos pelo cevado desde 30 ris
    ms.
    P-i rotado nos pavos n>.lo melro desde CIO ris
    at W'-i.
    i fua ntidamente impressa *
    LivriHa franetza.
    TI'
    Novo hotel Flor da I>0'-\ista, ra da .Ma-
    triz da Boa-vista n. 8.
    K-to novo esiahplecimento offerece ao respsita-
    vel oublico grande vantagem no sen fornecimeato
    de cnmedoria para f;-a t;om promptiio e asseio,
    por n>eos prefo do que en< ontra qualquer parte,
    assim como nos domneos c. dia? santos lera sem-
    pre roiii de vacca e ouiras iguarias, tudo com
    prompdao e esmero : assim, pois, o proprietark)
    espera do respeiiavel publico toda proieccao
    ac A Inga se o segundo andar do sobrado
    n. i< a ra da Aurora : qaem o preten
    der. dirija se raa Formosa n. 6
    = Precisa-se de um eaixeiro que tenha pratic;
    de ')lhads. preferindose portugnez, de 14 a30
    annus de idade, para um stbeleeimento na villa
    do Porto Calvo : a tratar na ra de Domiagues
    Jos Martins n. Si.
    Aloga-se o segundo an lar da raa Nova n.
    : a tratar na mesma.
    GflVrece-se una seohora competentemente
    habilada para ensinar em algom ogenho pri-
    meiras letras, grraimalica nacional, analyse da
    nieRia, msica e piano : a ra de Santa l-abel
    nunwo .3.
    Aluijja se
    urna escrava, a qaal coztnfea. e engoroma esm per
    feico : a tratar na ra da AU-gria n. 46.
    Caixriro
    Precisa-se de em menino rom ortica de taber-
    na : na ra das Calcadas n. 2.
    Pm-i-a-se a lugar urna raa cun bons com-
    modos* sitio arborisado, na estrada de Joo de
    Barros, Afllictos, Rosarinho, ou Arraial : tratar
    ai na Ja Cadeia do Recite, armazam o. 1.
    SITIO
    Precisa-ss alugar un sitio nerio da praea, qne
    tenha boa -casa para iamilia, as proximidades
    Jas estradas do Apipucos on le Onda : a tratar
    na ra di Cadeia do Recite n. 21, loja.
    ATTENCAO
    Comprara se Diarios a 180 rs. a libra : na fa-
    brica d' igarros de J.i5o Goocalves Hespannol,
    I
    sriia d i Rosario n 8.
    urna peswa para copeiro de qnal-
    ;j*>|;,. .'.< J qner caw : a tratar m r :-jj Cajeia-i* o. 3.
    "~ Vende-ge a casa terrea n. 11. siu em Onda,
    a rna do Urgo do Amparo, com excellentes eoni-
    modos e grande quintal, solo proprio : a tratar ne
    Recife. ra da Cadeia n 40.
    .. CONVITE
    O Costa da raa Duque fle Caxias n. 42,
    toma pelo presente a lioerdade de convidar
    aos amigos e freguezes que sempre o hon-
    raram e eontinuam a faze-lo com o concur-
    so de sua freguezia, virem visitar o seu
    estabelecimento, certo de que n3o deixarao
    de agradar-se, n3o s de s us gneros,
    como do tratamento e limpeza que a todos
    despensa.
    GNEROS DE IMPOftTAgO
    Uvas de Setumbal
    Ameizas.
    Peras.
    Mafias.
    Vinuo do Porto de diversas qualidades
    eutre ellas a especial qualidadegloria do
    Brasildito em pipas e barris, que re-
    commendavel para mesa por ser o verda-
    deirorinho de pasto, dito verde da me-
    por qualidade,
    Queijos flamengos empellicado o melbor
    que lm vindo a este mercado.
    Ervilhas novas para sopa.
    Chocolate de especial qualidade.
    Bol xhinhas de todas as marcas e qua-
    lidades conhecidas.
    Mantega ingleza e franceza de Ia sorte.
    GNEROS DE EXPORTACO
    Docedegoiabt em latas
    Quijos de Minas muito frescos.
    Carne do sert5o superior.
    Queijos do serto.
    Edward Fenton, na ra do Commercio, armazem
    n. 22, tem para vender presuntos, toucinbo em
    mantas, conservas, queijos londrinos e biscoolos
    finos.
    LAGEDOS PARA CALCADAS.
    Vendem Joo do Reg Lima & Filho : ra
    lio Apollo n. 4.
    VINHO DO PORTO.
    Vinho do Porto fino, de diversas marcas, tem
    para vender Joao do Reg Lima 4 Filho, no seu
    escriptorio ra do Apollo n. 4
    Vende-se a casa terrea n. 24 da ra das
    Calcadas com 2 salas, 2 quarlos, cozmha, quintal
    e cacimba : a tratar na ra Direita n. 27, primei-
    ro andar.
    Cal do Lisboa
    a 3$000
    Vende-se na ra da Cruz n. 8,1 andar.
    Attenpao
    Vende-se a fabrica de cigarros, na ra Direita
    n. 98, propria para qualquer negocio : a tratar na
    mesma.
    specialidades-.
    \* .,..:itmuaJ6 aclfc-se'a veJk roaV
    ootlea n. 88, os mui c
    M rsos medicamen-
    esm era Par g ^
    duretede
    iiesiii, peitonl
    *f*l e Labellosy, pimas ou eor."silos de bis-
    : Chevn. lS meicaaieotos enj*
    roiiciencia quando empregados as doenc.ss das
    !"** Ii?.siSratori*S os d6res rhetmailcs, ni
    arnareUidao, na falta complea ou fregolandade
    oe Menstruo, as drarrheas, dnen?a no enraco
    e da estomago, tem sido e incontestavel, em
    vista dos beoecos resnlud6g:das experimeutacSis
    on eso que diversas pessoas delles teem feito, as-
    lira eomo das Dilulas decominadas brainarto-
    omnajravefe em sua eficacia nos aeoramettinJ|n-
    los febris on sezJes ; existindo tambem s> me*a
    asai alera de soffeieete quanlidade de- drogs,
    um nao pequeo sortimento de Untas, oleo de Ii-
    nhaca e nieis, que se vendem por menos do que
    em ontra parte.
    ~ AGORA SIM. ~
    No Bazar da Moda
    RA DO BARO DA VICTORIA
    (Outr'nra Noval
    VNDESE
    Lindas fazenda: para vestidos.
    Da alta moda de Paris !
    De. superior qiuiJidade ,
    De bellissimos padrees !
    De delicadissima cores!
    A saber :
    Gases florentinas, novidada !
    Popelinas lavradas.
    Grosdenaples de cores e preto.
    Selim macau de cores.
    Cortes para vestidos de grande novidade I
    Cassas do ultimo gosto.
    Pustoes de core?.
    Pertaleas de melbor qnalidade.
    Berejes com listras.
    Lazinhas de diversos precos.
    Alpacas de cores lavradas e lisas.
    Chitas escura- muito superiores.
    Fil de sedabranco e preto, liso ecom salpico.-.
    Dito de algado.
    Guipuz de lioho e algodao preto e branco.
    E muitSs outras fazendas, como srjam :
    Atcalhados para mesa e guardanapos.
    Toalhas para rosto, cclxas e cobertores para
    cama.
    Bretanhas, madapoloes fraocezes, etc. ele.
    Tudo se vende muilo barato.
    mm -mtmimm
    Joaquim Rodrigues Ta- |
    vare- de Mello, %
    TEM PARA VENDER S
    em seu escriploiio, praca do Corpo Santo S?
    n. 17 : 8
    Famo era folha $
    de i" e 2a qualidade, e vende um u mais *J
    fardos a vontade dos compradores.
    Cal de Lisboa
    ultima chegaJa.
    Potassa da Russia.
    Farioha de nsantlloea.
    Viiiho Bordeaux.
    Eival sem segundo
    r&4 #>iqi i:i>i: CAXIA* 1%. !
    f \nlj,r ros do Oupbt
    iJa\
    do qualidade. Tudo de vende mis
    barato do que em ontra qualquer parte. Q
    Ofcina de alfaiate
    NA
    LOJA FLOR DA BOA-VISTA
    I DE
    Paulo F. de M. Gniciares.
    NeiLa oficina se mandara fazer roupas feitas poi
    medidt, tendo urn completo soitin.entci de fazen-
    das proprias mesma. assim como um perito mes-
    ir, jiaraota-se ser procos mais em coau do que
    em oultra qualquer parte : ua ra da Imperairiz
    n. 48 junto a nadara frauceta.
    f
    FAZENDAS BARATAS COM TO-
    QUE DE AVARIA.
    Ra do i respo u. 25.
    MADAPOLO FINO SUPERIOR com
    toque de avaria p "i e f> a peca.
    ALGOD^OZINHO COM 1S JARDAS a
    2SQ e 34 a r-eca.
    CHITAS SUPERIORES ESCURAS, CLA-
    RAS E MICDINHAS a 220, 240 e 280 rs.
    O covado.
    CAMBRAIAS FINAS DE CORES a 280
    o covado. Na ra do Crespo n. 25, loja
    de Mancel Dias Xavier.
    Vende-se farinha mnito boa chegada hontem
    em saceos grandes de panno da fabrica da Baha,
    nos armazens da companhia Pernambncaoa :
    tratar do mesmo e na roa da Cadeia casa n. i,
    com Jos Gincalves Torres,
    CHARUTOS
    da Babia
    io acreditado fabricante Joaquim Jos dos Reis,
    portadores Basto & Sobrinho, veuderase pelos
    seguintes presos, na ra Direita a. 31 :
    Exposieao a 3f600 a caixa de 100.
    Riachuelos a 45600 a caixa.
    Lyricos a 4$200 a caixa.
    Jlavana a 42200 a caixa.
    Regaba d'EI Rei a 5*600 a caixa.
    Dita imperial a 2480D a caixa. _____
    Farinha de mandioca
    Domingos Alves Matheos tem para vender em
    seu esciiptorio roa do Vigario n. 21, muito su-
    perior farinha de mandioca em saceos grandes.
    A tenido.
    Veode-se um eavallo de sella de bons andares,
    con arreios, gordo : no pateo da Hibeira n. 13.
    mmmm-mmmm-mm9&
    Para baile
    Lindas bareges de seda, tazenda muito ]
    a propria para baile : na loja da Turquezi H
    ra do Baraj da Victoria n. 9 (antiga j
    roa Nova). mm
    ^mmmmmmmmmmmm
    Vende-se nma linda parelha da eavalls tor-
    dilhos, bovos, gordos, xperimenttdos e aclima-
    tados : quem os pretender dirija-se ra da Cruz
    o. 18, eocbeira, para ve- 'a ra da
    A rora n. 76, l andar.
    ecliinchas novas
    NA
    Loj Flor da Bou vista
    DE
    Paulo F. e H. Guissares.
    Laa i para vestido, f.izendas todas novas, ova-
    do 20lf a oOO rs.
    CaiUbraias de cores francezas para acabar, co-
    vado ?00 a 320 rs.
    Chitas escuras e claras cores Pisas, cevado 40
    a 360 rs.
    Lai1 Amelia, fazenda nova, covado 600 a 600 rs.
    Bn n pardo trancado, boa tazeflSa, metro 500
    rs.
    Peda do algodao e madapolao, edrebraias trans-
    parente* e visorias presos mnito baratos : n
    i Impera'.viz n. 48, junl i a padaria franceza.
    a 500
    ra d
    Cal nova de Lisboa.
    Cbfgada recentemente no vapor Gl idialoi; tem
    lara vender Joaqnim Jote Gon^alves 1'tUiau, no
    seu scriptorio, ra do C rrmercio n. 17.
    muilo barato a saber:
    ra de arcia preta
    Tesouras fins para ni
    ra a.......
    Papis de aguihas francezaa i ba-
    ilo a. ,: .
    Caixas coto seis sabonetes de fruta
    Libras de lia para bordar de todas
    as cores a.......
    Carriieis de linha Alcwmlre a. .
    Frascos com azeits para taachitfts
    Gnvalia de'cort muito fines a .
    Grozas de botoes madepersla fi-
    nissimos a.......
    Novello de linba de 400 jardas a.
    Caixas com 100 envelopes muilo
    superiores a......
    Penles volteados para meninas i.
    Tintemos com tmta preta a 80 rs. e
    Pocas de fita elstica muito lina a
    Lata com superior banha a 100 e.
    Frascos de oleo Philocomo mnito
    fino a.........
    Frascos de macaca perola a. .
    Frascos de extracto muito b nilos a
    Duzia de sabonetes muito fino?, a..
    Sabonetes iufilezes a 600 rs. e. .
    Frasco com agua de colonia Pi\era
    Dito deoleo babwza a.....
    Caixas de lamparillas a. .
    Sabonetes a forma menino muilo
    superiores a. ..... .
    Lartilhas da dootrina fazenda nova a
    Ldms de linha sortidas de todos M
    nnmeros a.......
    r-apa<-hos muito bonitos e grandes a
    Carriteis do retroz preto, com 2
    oitavas a. '. ......
    Apulheiros de sso nfil dos .
    Libra de linha franceza snperior.
    qualidade a.......
    Caixas de balito do gaz a. .
    t.Gtn e
    M
    I^OOG
    60000
    \M
    500
    500
    500
    O
    600
    240
    100
    200
    200
    500
    240
    500
    720
    !200
    800
    500
    240
    400
    1800
    700
    6 24O0
    20
    A ra do Duque de Caxias n 21.
    (ANTIGA RA PO QUEMADO)
    Herebeu segiiinto :
    E-pelhos grandes domados, iimldos bonitos.
    Carteiras, iliaruiairas e port cigjiros de mua
    qualidades.
    Bonitas pasta1 para|?pels, imiiifiematisadas
    Hoas ciiixas vasias para costura Com sua cempe-
    lenle chave.
    Delicadas caetas de marfim com o bocal de
    prata.
    M idernos penles de tartarofea, sobtesbindo en-
    tre elles os nii:t;i>sos iele;raptiislas.
    C'>iomodoi tooeaderes son du.-.s gavetas e -bom
    espelho.
    Port bouquet, o que de melbor tan appar*-'
    e'l".
    P<>rt relogios demuitns (ualidades.
    l>.ns tallieres para rriaiicas.
    Vostuarios, chapoxinhos, toucas, sapatos e m
    para baplisados.
    Toalhas e fronhas de lar.yrinirie.
    Chapeos e chapeliuas para senhera, litoides tiesos
    e bonitos.
    Chapeozinhos gorros e bonete para rr.er-i*3
    meninas.
    Goiitr as convulsos ras
    (T- 11;1S
    Vende-se os vcrdadeiros collares na*RojaEB8-.
    ranea, ra d" Duque de Caxia* d. z+.
    l'AKA TIMIIH CABEI,!.' i8
    para pretos ou caslanbi t, reoebjn i Nova Espe-
    ranca a verdadeira tinta ingleza;
    PARA ACATJ.An ("?)M AS --AI'MS
    >>u pannos, lem a Nota Esperance o veradeirc-
    eile de rosas brancas.
    ACIA DE FI.OR DELARAXIA
    Vende-se na Nova Esperanca, tua do Dpqe de
    Caxias n. 21.
    PAPEL PARA ENPEITAB-SE Bo.OS
    recebeu-i>s minio lindos a Nova Esperanca, raa
    Jo Duque de CaxiM n. 21.
    PARA AMACIAR E A FORMSE AS A PELLE
    um a Nova Espoianea u sabopetcs de p de
    arroz.
    u ci.ioi.ti ,\ va mjjtg op er.j ; maq) a pue ;hu".i s.i'.'i(- pai joog tjaziig jo \umi
    UOsse eio|duio.i pa.\a) saoqg pire S}ooa
    mm
    NOVA PAU RA .AMERICANA
    Ra dos Pire as. S
    Contina a fazer pao e B.ilaxt de farinha espe-
    cial 'de primeira surte, para melhor asradar aos
    seusifrcguezs.
    Para cigarros
    Encllente papel de linho mnito proprio para
    cigarros : no armazem de T*c Irraos 4 C, ra
    de Amorim n. 37.
    Bichas hamburgnezas
    Neste novo deposito recebe-se por todos os pa-
    quetes translantieos bichas de qualidade snperior
    e veadem se em caixa ou porcao mais pequea,
    e mais barato do que em outra qualquer parte :
    na ra da Cadeia do Recife n. 31, t* andar.
    CANTARA DE LISBOA.
    Soleiras, lumbreiras e capiteis : a tratar bo
    armazem da travussa do Curpo Sauto n. io.
    UQU1GACA
    DE
    Fazendas linas para
    acabar
    A* ma do o. *
    KAJU1NAS DE GORGURO E GROS-
    DENA^LE superiores enfeitadas do ulti-
    mo gusto a t8.
    SEDAS DE CORES MIUDINilAS lin-
    dos padroes lijo covado.
    MRIANTIQE PRETO SUPERIOR de
    todo* os pa-iroea a 2C00 o covado.
    MDSSELl.NAS BRAiNCAS E DE CORES
    Cnas a 400 r*. o cova
    CORTES DE CAMRRAIA COM FIGU
    RIO 8 10 varas a 6 o curte.
    COLCHAS ADAMASCADAS BRANCAS |
    K DE CORES a 3J -iSOO e 6
    CHALES DE MEftlNo' DE CORES E
    PhETOS e de caral)raia bordados de cur a ;
    JoOO um. ;
    LENl.MS BORDADOS DE CAMBRA1A j
    linos a iu nm.
    CAMBRAIAS VICTORIAS E INDIA
    TRANSPARENTES finas de todos os pre-
    m.
    CAMBRAIAS DE CORES. CHITAS
    CLARAS E ESCURAS E MIDINHAS de
    200 >3400>eovado.
    MADAPOLO E ALGODAOZINH) SU-
    t'ER:0 de todos os prer
    DAO-SE AS AMOSTRAS ompenhor, ;
    ia rui do Crespo 'j. 25, loja de Mauoel |
    liss Xavier.
    ij sicra ;
    o jan .i I |oapadw "' (nissi
    9S-opU ... "I/''.-'l?0 M|9u( \ Opd |
    -!|;v .i .ijzns saiu->!-n-j < jun|d
    -.'iuia-' 's-tptSjea ep ij |d i a
    Un ..'.'i'.iji Op (.'-.: -.i. oiqad o o
    souuu sii^s b idiMJed *| p a|ddaie
    opuuUJ..4 oii'.juii.i.'ii-qi.'hJ '. p -i-P O
    i:.\-Vj UIU BJO,
    02 "N viuohha v, ovuvaoa vnu
    k HOJE.
    No Bazar da Moda
    RA DO BARO DA VICTORIA
    (Outr'ora Nova]
    YJEMDE-SE
    Artigos de alta moda em Pari chegados pe
    ultimo paquete viudo da Europa.
    Pira senhoras.
    Chap.'linas de palha de Italia com ricos e ele-
    gantes enfeiti s a ullipia moda.
    Veos de cores c pretos para montanas e pa?-
    seios.
    Grinaldas e capellas de floras de larangeiras
    para noivas. ,
    Corpinhos de cambraia b3llamente cafeitados.
    Enfeiles muito lindos para Jbeca.
    Sair.s brancas bordadas e de core.
    Carhins de laa de benitas cores.
    Siolos de diversas qualidades.
    Sah das de baile o que ba de melhor.
    Casaquinli s de renda chanlcly pretos.
    Cliripo-inhos do selim para sol.
    Baldes de cores e brancos para senhoras o rae-
    ninas.
    Lagos, gravatinhas, esparlhos, cncp?, metas,
    ule. etc.
    Para homem.
    Manta^ ? grvalas do ultimo goste.
    C|, rinbos de linho bordados c lis
    Seijulds de linhj.
    Camisas d'- meia.
    Meias de superior qualidade.
    Lencos de linho e algodi
    Chapos de sol com cabo de marlini, inglezes.
    Para meninos.
    Coslumes orientaos de fuslo de cores muilo
    bem enfeitados.
    Vestuarios de diversas qualidades para b'ptisados.
    Chap isiiih.i-- de selim e merino.
    Sapatinhos de setim, merino e laa.
    T.-uras de ludas as qualidades etc. etc.
    Vende-se tudo por baratos precos.
    Agua de Vichy
    Vende-se agua de Vichy das fontes Hmite>
    Celesttn. mais barato do qne em ontra quatqnar
    par-: noarmaz m da ra d'n Vigario n. 11.
    Oal nnva de Lmbua
    A
    Na raa do Brum n. 8o.



    .. a
    SI
    BAZAR DO PAVAQ
    60-RA DA IMPEMTMZ-60 3
    "! ______i.iiji
    DE

    SILVA, FItiUEIREDO & G.
    ()
    Neste oqdc rante estabelecimento encontrar o respeitavet publico, oa grande q Tariatip.aortimeD.to da fazeod do-jcsi
    aporado gosto e todas de primeira necessidade, que *e veodem onis baratas do que <-m (Outxa quilq/jer part, visio tos socios desta firaa, adoptaran o systema de s venderem DINHEIRO ; para podereio vender pelo cawiv ItataMo4*tpeRffs
    i ganharem o descont ; as pessoas que negociara em oequeoa esca'a nesti laja e srnoazem poderu azer os seus aorlimedtos
    pelos mesmos precos que compram as casas ingiezas, (imnortadoras) a para aior ooranodidaHe oas Exwas. familias se flaro'
    amostras de todas a hiendas, oa Ibes levam em sais caras para escolherem. 'tj
    PKCHINCHA EM CASEMIRAS A 4*000. CORTES DE LAA 1SCOCEZES 6*000 CAMISAS BE EftANfcLLUS. A ***00.
    No Bazar do Pavo fe-ae orna grande Vndese bonitos cortes de 15a escocezas. No Bazar do Pavo vende-se om bonito
    campra em nm leilSo, das mais finas rindo cada om em en papel, pelo barato sortrarento uum euu 111MUIUUMIW99
    casemiras- ingiezas que tem vindo a es- prego de 6*000 cada nm; no Bazar do Pa- Inores camisas, HJkftmb &
    te mercado, tendo cores claras e escoras, vo.
    todas com padroes serios, oroprios para ORGANDYS BRANCO E DE COR
    caigas, palitos e colletes; vende-se a 44000 No Bazar do
    15a, c-m
    mangar., tanto pro^tfavpn Bhnens como
    para seDhoras e vndese a 3*000, cada
    Pavao vende-se os mais urna, e quem comprar de meta dozia para
    o covado. o qoe em outra qualqoer parle bonitos e muito fiaos organdys com listas cima ter am batimento, Sio de muU
    nao se vende por menos de60; grande largas emiudas 1.5000 a vara, ditas lisas, utilidade.
    vantagem. fazenda de muita phantasia 800 rs. a vara, Grame penhncli mi eaisi mfhm a 4 e 45SO0
    BRINS DE LINHO DE COR A i0200 ditos d cores, finissimcs padr5es, inteira- NoBaz.r >ioPavao fcz-e utni |Ta|1e com-
    No Bazar dn Pavo, fez-se orna grande mente novos 80) rs. vara: peihracta. pra em leilo, 4c Siislmis culis:* ingle-
    compra de puros brins de liobo, muito en- GROSDENAPLES PRETOS zas com peitos e punhos.de iin .n, sendo
    Chegoo para o Bazar do PavJo um gran- com collariohos e de lodos os nmeros a
    de sortimento dos melbores grosdenaples 4*000 cada urna, ditas sem coiJaak*,
    pretos qne t^m vindo ao mercado, qtie se pareen faze da un: sima a 4*500; grao-
    vendem de 10600 at 53000 o covado ; de pecbincha.
    sao todoa muito em conta. CAMISAS BARATAS a 30800,30OCO 20600
    CAMBRAIAS TBANPARNTES No Bazar do Pavao vndese un grao-
    No Bazar do Pavao vende-se om grande de porco de casemiras me&cladas, muito
    sortimento das melhores cambraias bra: cas encorpadas a 20800, ditas flnisima* com
    transparentes, tem de 305 JO at io*000 msela de seda a 3*200, ditas modernas
    peca, ditas suissas finissicoas com 8 pal- de quadros, fazenda de inuilo gosto a
    mos de largura a 20000, 20500 e 3*0i 30600 o covado ; aprevetem.
    BRACO DE ftURO.
    Ra do Imperador n. 26
    O respeitavel publico encontrar nest
    estabeiecUDMlo diariamente nm complete
    sortimento de pastelaria, bollos ingle!
    podios, p3ds-del, prgsentos dos ntimoi
    chegidos ao ioexcauo. salame de lion, bo
    linos finos de todas as qualidades para cha
    amen loas oafeitadas, confeitos, bomboin
    pastilhas, chocolate francez em libras, pai
    tilhas do mesmo .cartuxos e carteiraa.coa
    seis charutos de chocolate cada una, aau
    sorthnento de chscnrate do mais acredita
    do abricante de Paris e o m&Jhor qoe af
    baje tem vindo ao mercado.
    Ymbos portagueies, figueira muito sope
    fior. Os mais gemimos e superiores vinhoi
    do Porto, moscatel e Selabal, o illustradc
    publico encontrar neste estauetecimenti
    por coiwawdos precos, fazendo-se abatime
    to ? qnem comprar em porcSo.
    Os dono deste estabelecimecto nao i<
    iWn ponpado a desaezai para melbor me-
    recer a acoadjovBcao do illastndo pr>
    blico.
    Qaando a A GUIA BB
    gerd, e em particular a sua boa vito* e objectos qne ltimamen-
    te Ma recebido, iustamentefqua<^^oa opodefazere porqueesra falta iwo-
    luntaria ella confia e espera na benvdteieia riof W h **^^ ****>*
    estaando portanto a dirigirem-M a bemtooheodakja da AGUJA BRANCA roa do
    Qnamado n. 8, onde lempre acharo atnodafldi em sortimento J^Pf^ade e
    inaMades, modicidado em precos e o sw nwc* daOTenthdo AGRAD^ SINCERIDADE.
    Do que cima fiea dho se confcece qne o lempo de qut a AGUIA BRANC V pode
    dispfc-, emoregado apezar de seus costos no desempenho da bem rrfr a aquelles qoe s
    honrara procurando prover-se em dita loja do que necessitam, entretanto sem enname-
    m ella res > mdi-
    mo
    objectos qoe por sua naturexa sao mais confaecidos ali, ella resumidamente
    melles eoia importancia, elegancia e otwiide es ternim reeeameadaTeli,

    corpados, propriospara calcas, palitos, col-
    letes e roupas para meninos, por serem de
    padrSes miudinhos; garntese que n2o ba
    barrel'a qa lhe tire a cor, e rende-se a
    10200 o metro desta excellente fazenda,
    MAOAPOLO FINO A 60400 A PEQA.
    No Bazar do Pavao veodem-se pecas de
    maadapol3o fino de mnito boa qualidade,
    tendo 22 metros ou 20 varas cada peca,
    pelo barato preco de 60000, por se terem
    comprado um pooco enxovalbadas; pe-
    chincha.
    CHITAS ADAMASCADAS A 240 RS. O
    COVADO
    O Bazar do Pavo vende muito boas chi-
    tas ingiezas incarnadas adamacradas, pro-
    prjas para cobertas e cortinas, sendo fazen
    da que emqualquer loja se vende.a 320 rs.
    e liquida-se a 240 rs. o covado; s o Pa-
    vJo.
    TOALHAS A 70500
    No Bazar do Pavo fez se orna grande
    compra de toalbas alcocboadas, proprias
    para rosto, bastante encorpadas e grandes,
    que sempre se vendern a';120OOO, e li-
    quidam-se a 7500 a duziafjou a 640 rs.
    cada urna, boa pechiocoa."
    CHAPEOS PARA MENINOS A 20000
    O Pav3o vende urna grande porcSo dos
    mais bonitas cbaposinbos de palha da Ita-
    lia proprios para meninos de todas as Ida-
    des, sendo chapeos que valem 5$000 e ven-
    dem-se a 25UOO cada um, mnito barato.
    CHITAS E RISCADINHOS MIUDINHOS
    200 RS.
    O PavSo vende chitas ou riecadinhos miu-
    dinhos cor de rosa e t&sinhos, proprios
    para vestidos e roupas de cranos a 200
    rs. o covado. Sao mni'o baratos.
    LASINHAS COM PALMAS E SEDA
    Cbeiiou para o P..va o mais bello sorti
    ment das mnis brilhsntes lSasinhas claran
    com bonitas palmiohas, de seda; ten Jo lar-
    gura de chita france'a e vende-se a I0OOO
    o covado granda pecbincha.
    ALPAGAS M4TISADAS A 640 RS. 0 COVADO.
    Vendem-se as mais m deroa e bonitas
    alpacas matsada< com palmiotm, muito
    proprias para vestidos de senoora e di me-
    ninas pelo barado preco le 640 rs. o cova-
    do ; sao omito m conta.
    PARA NOIVADOS CORTINADOS, COLCHAS.
    Cbegou para o Bazar do Pov3o um gran-
    de sortimento ns nais benitos cortinados
    bordi'o?, roprios para camas e janellas,
    qoe se veodem da 100 00 at 200 > 0 o
    ;irr a-siti como o melbor damasco com 8
    palmo- le largura ; imitac^O de damasco
    da seda, proprias para colcha, e propria-
    mente colchas de damasco, send os melho-
    res e mais baDias que tem vindo ao mer-
    cado.
    SEDAS PE LISTRAS.
    r'o Bazar do Pavo vende-se urna grande
    qoanii ;a.'e das mais elegantes sedas com
    lislrinhas, tendo de todas as cores e at
    forta-cr; fazenda que ninguem venda por
    menos de 20400, e :quida-se a 20OUO cada
    covado; sao moito baratas.
    SE1INSDE CORES E GROSDENAPLES.
    No Bazar do Pavo vende-se um sortimeD-
    to completo dos melbcres setins e grosde-
    napies de todas as cores, que se vendem
    muito em conta.
    POUPELINAS OE LA A 400 RS. O C0-
    VAOO
    No Bazar do Pavo vende-se nm elegan.
    te sortimento das mais bonitas poupelinas
    de 13a com lista-; miudinhas, sendo todas
    qoasi de njoa s cor, 4!)Q rs. o covado ;
    ? baratissimo.
    GRANDE PE CHINCHA EM LASINHA
    A 640 RS.
    No Bazar do Pavo fez-se orna grande
    compra de lasinha para vestidos, sendo de
    muito b'a quadade, amas com listas e ou-
    tras com mselas, e muftos largas, que com
    \) 'jcos.covalos se faz vest lo e liquida-se
    440 rs. fazenda qne semi>re se vendeu a 40.
    ALPACAS PARA VESTIDOS FURTA
    CORES A360RS.
    le se nm boo.iio sorlimento das mais
    brilnaites alpacas escaras furia cores,
    semio muito enc riadas e tendo um bnlho
    como seda, liquidase pelo barato preco de
    3,:0 r. o covad) por se ter feio ama gran-
    de compra.
    POUPELINAS A 100 RS.
    No Bazar do Pavo vende-se um elegante
    sort ment das mais lindas poujdmas de
    la comaos gostos miodichos sendo qnasi
    ama s cor e co n muit' bnlho, pichin-
    cha b 400. rs. para acabar.
    CH TAS A 20 RS. O CORTE.
    No Bazar do Pa>ao vende-se cortes de
    chita miudinhas, sendo rocha e cor de rosa,
    tendo 10 co vados cada cone a 2$ vende-se
    a retalho a 200 rs. o ovado, pecbincha.
    CASS*S A 20> RS.
    NoBa?ar do Pavo iq. i la-se utia por
    vara, ditas victorias e tpanas da mais infe-
    rior at amis fina que vea ao meca tudo isto se vende moit" em cora,
    MANrELLETES DE FIL
    N)Bazir do PavJo veqde-se modernissi-
    mos mantelletes m basquina* de fil preto,
    om laco, pelo barato prefo de 100000 ca-
    da nm, barato.
    PANNOS PARA SAIAS A 10000, 10280 E
    10600 O METRO
    No Bazar do Pavo vend-.-se tionita fazen-
    da branca (ncorpada para saias, sendo cera
    babados e pregas de um lado; dando a lar-
    gura da fazenda o comprimento Oa sala, a
    qaal se pode fazer com H n 3 1(2 metros,
    e neode-se 10000 e 10:280 e 1600; assim
    como tamben no mesmo estabellecimento
    se vende bonitas saias bramas bordadas ten-
    do 4 palmos cada orna, ditas de la de
    core* j promptas urnas com barras dife-
    rentes, da mesma fazenda 40'H)u e outras
    com barras bordadas 60003 e 70000,
    todo isto moderno e barato.
    ALGODO ENFESTADO PARA LENCES.
    No Bazar do Pavo vend-se o mtlhor al-
    godoinho americano eofestatfo pra Ieu-
    ces, tendo Uso e eotraocado por preco
    mnito barato.
    ESPARTILHO.
    No Bazar do Pavo recebeo-se nm elegan-
    te sortimento dos mais modi-rno> e melho-
    res espartilbos, que se veodem por preco
    moito em conta.
    PANNOS DE CROCH PARA CADEIRAS
    O Bazar dQ Pavo recebeu om graode
    sortinjHHto dos melbores pannos de croch,
    proprios para cadeiras de balauco sotas,
    pianos, t*mboretes e at proprios para cu-
    brir aimcfadas e pratos; vendecio-se por
    meno^ do que em qualquer parte.
    Laasinbas traorparenles a 500 rs. o covado
    O VS) receben um booito sortimento
    das mais elegantes laasinbas traaspronles
    proprias para vestidos, que vende a 500 rs.
    o covado; moito barato.
    PARA LENCOES
    No Bazar do Pavo veode-se so )erior
    bramante d'algodo com JO palmos de lar-
    gara a 108Ouo metro, dito de linho cora a
    mesma largura a 20800 cada metro, pannos
    ds I:nhodoportocom3 1/2 palmos de largura
    de 720at 10 a vara, assim como umg'aode
    sortimento de Hroburgo ou creguella* le
    todos os nmeros, precos o i qualidaJes,
    que se vendem mais barato do qoe en ou-
    tra qnslqher prte ; aproveitem-
    ATOALHADOS
    No Bazar do Pavo vel;-se superior
    atoalhade trancado, com 8 palmos de largu-
    ra a 10600 o metro, dito oh linho adamas-
    cado o melhor que tem viod> ao mercado a
    30500 o metro ; tudo isto muit'i barato.
    Baldes reguladores a 4501)0 40>OO e 50000
    Chegaram ao Bazar do Pavo o roas bem
    fejtos balocs reguladores, ^endo de fu>l\
    a 40000, ditos de musselina a 40500, Di-
    tos de lasioha de todas as cores a 50000,
    todos elles lio muito baratos.
    Panno preto nuito barato a 30600
    O Bazar d) Pavao recebeu orna grande
    porco de pecas de panno preto fino, com-
    pradas em leilo, qa-i sempre s veideu a
    5O0O o covado e pode liquidar a 3-^00,
    por ser nma escolente com
    BAREGES A360RS.
    No Bizar do P-vo vende-se ua benito
    sortimento dos miis lindos b.i eifes lista-
    dos para vestidos, que valem muito mais
    dinheiro e liquidwse a 36u rs, o cola-
    do, ditos muito mais finos com tatas 400
    rs, estes bareges sempre se veoderain a
    640 e 800 rs., grande pecbincha.
    GURGUROA640 RS.
    No Bazar do Pavo vende-se um bonito
    sortimento dos melhores gorgures de la
    pan vestidos sendo umi lin maito leve, aeia transparente e muito lar-
    ga com furia cores e liquida-so a 640 rs.
    o covado por se ter foito grande pechirchaj
    na compri.
    eOBERTAS A W
    Vnde-se'cohert.s de chita cncaraada
    adamascaba a 33 cada urna, pecbwcoa.
    CORTES INDIANOS A i 5t0.
    No Bazar do Pa^o vede-sj benitost
    tes inaianos com _du2s sj i bara-
    pe-
    TAPETES
    Chegou para o Bazar do Pavo o mais
    legante sortimeot de tapetes grandes, pa-
    ra sofs. com 4 cadeirss, ditos mais peque-
    os, para duas cadeiras, ditos paca
    pianos, camas, portas; zl*,. vende-se por
    menos do que era t>ut'a qjaljner parte.
    COLCHAS BRATCASA 352K), 3^>00 E 70
    Para o Bazar do Pavo chegou um grao-
    de sortment) das melbores colchas de fus-
    to, s udo 'las melhores e mais e ccr^da^
    qoe tem viudo, a 75m0 citas um pouco
    mais abaixf a 5050 >. e ditas a 30000;
    tambem no mesmo estabelecimento se vqo-
    de uai grande sortiu^ivt. d cret >nes e cbi-
    t s, proprias para eolebas, que se vendem
    muit em GOItGUROSSOU POUPELINAS DE SEDA
    A *0OCO CADA COLADO.
    Cheg u para o Bazar do P.tv ura e'e
    gante sortimeQio das verdadeiras poupelinas
    de linho e seie. com os mais modernos
    gostos, que se ven lera a 20Ow cada i ovado,
    o que. em outra q alquer parte nao se wn-
    de pr menos de 20500, pre^ine-^e que nao
    sao algoda > e seda, como ha mqitos ; mas
    mo puro licbu e seda; sao muito baratas.
    ROUPAS PARA IIOMENS
    No accrtduad' Baardv PavSo encontra-
    r o respeit-vut publico um grande sorti-
    mento de roupas para homens tanlo bran-
    cas como de cores, a saber :
    Camisas para todos os precos e qoa'idades.
    Cerollas de linho e algodo.
    Meias sartas francezas e ingiezas.
    Palitos sobrecasacos de panno preto e
    casemira.
    Cilcts de brim brauco e de cores
    Dita' de casemiras pretas e de cores, com
    colletes iguacs
    De todas estas roupas ha para todos os
    oreos e qoali'iadas, e lem de mais mais
    um perito
    ALFAIATE
    Por quem se manda fazer com preslesa
    e aceio qualquer peg de obra a capricho
    ou go-to do freguez, t8odo n'este importan-
    te estabdecimento t das as qualidides de
    oanno fino, as melhores e mais moder-
    nas casemiras, assim como os melhores brins,
    qar brancos, qur de cor ; e qaando qual-
    qr.er obra nao ficar inteiramente ao goslo
    dos fregnezes fra por conta do estabeleci-
    ment.
    CHALES DE MERINO
    Chegou para o Bazar do Pat8o am elegan-
    te soitiment) decba'es de merino de coras
    mnito bons com pidroes moito decentes
    para qualquer urna senbora .usar, ditos de
    crpen com listas de seda o mais fino e
    moderno que tem vindo ao mercado, e veo-
    de-se por preco moo em conta.
    BABADINHdS
    No Bazar do Pavo vende-se om grande
    sortimento dasmis fins babadinhos borda-
    dos tapados e transparentes, assim como
    urna gran 'e prelo de entr-meios largos e
    estreitos, qoe para acabar se vende mnitn
    em conta e mais barato do que em ostra
    qualqner parte.
    FAZENOAS PARA LUTO
    No Bazar do Pavo vende-se' constante-
    mente o menor sortimento de fazendas
    pretas para ltt, como sejam :
    Laasinbas i. retas lisas.
    Cassas pretas 'le la.
    Cassas pretas, francezas e inglezis, usas
    e com salpico?.
    Chitas pretas de todas as qualidades.
    Alpacas pretas lisas.
    Ditjs lavradas com brano.
    Merinos, cantos, bombazinas, que ss
    vendem maisbarat* do que em outra qual-
    quer parte.
    CHITAS PRETAS A 200 RS. O COVADO
    No Bazar do Pavo vende-se chitas pre-
    tas ingiezas com salpjcos 200 rs. ocovado,
    ditas todas pretas, por estarem um pooco
    russas, 12 J o covado ; pecbincha.
    Os propietarios deste-importante esta-
    bellecimento rogam ao raspeitavel publico e
    particularmente s Exmas. familias o favor
    de se darem sempre ao trabalbo de lerem
    ns seus annoncios, poli raza o de rnuitos
    serem mndadns atnrwdadas vezes.
    CACHE-NEZ A 60OOD.
    No Bazar do Pavo vendem.se bonitos e
    grandes cacbi-nez de pura la, pelo bara-
    to preco de 60000 caca om.
    A Nova speranpa
    lt na niKjur de t'axiasti
    Quando a NOVA-ESPERANCA faz os seos
    anuncios expondo aos seus freguezes ea
    todos em geral o grande sortimento e su-
    perior dade de seus objectos nao com vis-
    tas da atrair a a'ltencao de urna grande fre-
    guezia, como a deque actualmente despee,
    sira para scientiffcar (A interese de todos)
    a qualidade de seus objectos os quaes sao
    sempre de apurado gosto e perfei(;o; tor-
    aaorfo-se qnasi iadispensavtl para aquetes
    apreciadores (do bom) frequentarera a No-
    va Esperauca, pois qe ella capricha em re
    cober constantemente, o que ha de melhor
    relativamente a sua repai-co: o que se po-
    der verificar qoando em qualquer reunio
    de pessoas (amantes do siquej v-se um
    bonito enfeite em um bonito vestido, um
    aroma agradavel escapar d'nm alvo lenco,
    um moderno e linde laco, um dilicado ra-
    mo de finas flores, ete, .ele, todos olham-se
    reciprocamenle e dizem com sigo (e as ve-
    zes uns aos outros) esje? sao objectos
    comprados a NOVA-ESPERANCA: realmen-
    te 11!! procurar descrever cm annuncios os
    artigas que eontem din loja, seria trabalbo
    insano e nanea o fariamos com aquella
    graca e perfeico cora que sao elles fabrica-
    dos, assim pois a NOVA-ESPERANCA con-
    tenta-se em convidar a todos geralmente,
    i visitarera-na para ento ficaram iotei-
    rados do qae ha exposto na mesma loja.
    81 Una Psique de Cadas31
    La para bordar a
    5^500 a
    rar os
    cari aqu
    bem seja _
    Corpinhos de cambraia, primorosamente
    enfeitados com fitas da setim e obras etsaa
    cnj-BOvidade de molde e jprfeicao de ador-
    nos lis tornara apreciados.
    Fitas mni largas Jde diversas cores e qaa-
    lades para ciutoss t f
    Leques uesse objecto mnito se podara
    dize1 qoerendo descreve-4os minociosemerite
    por saas qualidades, coree e desenbos, tal
    o grande e variado sortimento que aeaba
    de dnegar, mas para nSo massar o preten-
    den^ se lhe apresentar o que poder de
    melhor.
    Eniremeios em pecas de 12 tiras.
    Guipure braneo e preto de diversas qoa-
    lidales e desenbos.
    Ditos de algodo com flores e lisos.
    Veos de seda .para ahapelinai a monta-
    na.
    Meias de seda para noivas.
    Ditas abortas de fio de Escossia.
    Oostumes on uniformes para meniooa.
    BoxoTaes completos para baptisados.
    Tonquinhas de fil, sapatinbos bordados
    e meis para ditos.
    dita.
    Cepellas brancas para eniEas.
    Qrandes rtMMiko fltmfin,
    Fil de sada, preto.
    rERFCjtfARJA
    Grande e cdnstfflte sortinento d
    tsempre melaor qnajid|de.!,
    Lindos vasos com p da mttt pinsei,
    Caixinbas com ditos aromaticoa.
    Bonitos e modernos pentee dcmnor
    ara circnlar 0 coqae.
    Bnit Brinotw tte piaqlie.
    Adereces e brinoos e madreperotr.
    Caivetes finos para abrfr latas.
    Tbesooras para frisar babadirinos.
    Aspas para ba$o.
    Novo* stereoscopos com 48 vistas, aa
    quaes sio movidas por nm nachinisme
    urnas substituem as outras.
    ' Vistas para stereoscopos.
    Bonitas caixinbas de vidro enfeitados coa
    podras,
    Ditas de madeira enveroisada com vispo^
    ras e com domina,
    Bollas de borTacba para brnqnedo de
    crian cas.
    Diversos objectos de porcelana, propriot
    (lamisinbas bordadas para ditos.
    para enfeites de mesa e de lapinbas.
    O Cysoe, ra da tmperatrii n. 61, acaba de
    receher grande e variado BortimMUo de Ha, a qaal
    vende pelo barassimo preco de 5S50O a libra,
    core surtida?.
    ESCOLA PUARMACEUTICA DE PARS
    Medalha de Prata 1860
    hlQU EUR
    otGfjDRONMfflTM
    GtTYOT
    EXTRACTO DE ALGTRAO.
    nico medicamenlo approvado por lodos 05
    Hospltaes de Franca, RclRica eP.panha como a
    uiellior prparacao instantnea e regulada em
    dota da AGUA DE AI.CATRAO.
    (Duai colheradas grandes de liquido por cada
    litro de agua, ou urna eolherada pequea por
    cada copo grande.)
    O modliiiMdor mal encrirle+ da* mn-
    eoa do rstomaso, dos brcenlo* e da
    bexlca.
    Exigir a firma do inventor > t
    Deposito Ge a ai. ^^S-^^^y
    Rae desFraacs-Boargeois, 17 e^ >^
    Em pars. s*-^
    Depobto : no Rio de Janeiro, Dnponcbelle; n
    [ Bnkia, SMv Lopes; na Pernambuco, P. Maurer
    l C''; B'i Itaranhai, Ferrrira ct ('.".
    MEMBRO DAACADFJH\DEMEDICI!VA
    Preparado por dcslauriers.ph.
    Sc" D BOUTIGNY-DUHAIHEL
    31 Ra de Clpy Parus
    ass;;s francezas miadas e graadas, _
    ndempelo tiaraibs.in: tissimo preco de 4oo iO cada um, o
    00 rs. o covado' para acabar, cbincba.
    0 Bazar do Pavao sit.> a ra da Imperatriz n. 60, esta' constantemente abrto
    dns 6 horas da manha as 9 da noute.
    O Xarope depurativo iodurado do Dou-
    tor Gibert offorece, no sru emprego, um
    resultado bom, certo e constante na cura
    dasimpitjens, escrfulas, molestiasdapelle,
    vicio ao sangue, obstr uctes lymphatica ,
    molestias contagiosas (syphiltticas), leves
    inveteradas, e de todos os accidentes que
    d'ellas dependen*.
    A receita deste Xarope foi approvada
    pela Academia imperial de Medicina de
    Paris.
    Deposito as principaes pharmacias do
    Brasil.
    em Pernambxtco: MalHeb e &*; Joa'qcih
    Mahtijiho da Cruz Correia ; Joo da Con-
    ceicao Bravo e C"; Augusto Caors ;
    Babtholomeo e Cu; Alexandre Ribeiro;
    Abreu Ribeiro ; Joo da S* Faria e IrmaO.
    Vende-se orna bonita casa nova a moderna,
    com 2 salas, corredor ao lado, 5 qoarto?, sotao
    maito fresco, despensa, rozinha com bom forno,
    grande copiar com gradeamento na frente, gali
    nhfiro tamb^m com (rraaeamento de ferro para
    grande' pereS- de crac5o privada para despejos,
    islheiro para lenha, earvao, etc., cacimba cora
    bomba de Japi, Janquo coberto qae serve para
    baoho, e sitio, tem 100 palmos de frente e 500 de
    fondo, todo murado de novo com gradeamento na
    frente e portao de ferro, lindo jardim para re-
    creio. plantacao de arveredos novos, passa-lhe o
    rio CapD3ribe perto para os banh s, no lugar de-
    nominado Chacao n. i, jauto da estaclo da Casa
    Forte : os pretendentes poder-se-hao dirigir para
    tratar ra de Thom de 3onza, outr'ora raa da
    Lingoeta, o. 4.
    ____fc_________________________
    Cal de Lisboa.
    Vende-se cal de Lisboa, a ultima chegada ao
    mercado, por preco rawavel : no armazem de
    Manoel Teixeira Bastos, ru* do Gommercio n. 13.
    Fariuha de mandioca.
    Vende-e superior fariuha de mandioca, vrnda
    do serto do Cear, em saccas de 2 1|2 e 3 at-
    queires cada sacca, por pre?o mdico : rna do
    Vigario n. 14. escriptorio de Jos Lipes Davim.
    CEMENTO
    O verdade'rro portland. S6 se vende na rna da
    Madre de Dos n. 28, armazem de Joao Mart de
    Barros
    .- 0 COLLAR DE 001 i
    i N. o A BEt 110 GANGA PL UI
    i wamu ihaos &
    Com este tRulo acha-se aberto e ioteiramente teraasformado este antigo
    estabelecimento de joias, onde os fregnezes e amigos encontrarlo tudo qnanto
    a moda e o bom gosto tem inventado na arte de ourivesaria, o Collar de Ouro
    observar delicadeza no trato e senciridade e modecidade nos precos.
    Espera que o respeitavel publico venha ver o que existe de melbor em
    aderocos de brilbantes, esmeraldas, robins e perolas, meios aderecos, pul-
    ceiras, hrincos, alfinetes e anneis de todas as qualidades, prata de lei faquei-
    ros, colberes, palileiros salvas o outros rnuitos objectos que seria enfadonbo
    mencionar.
    Compra-se ouro, prata, brilbantes e pedras finas, pormaior preco do
    que em oulra qualqner parte, trcea-se e concerta-se todo qualquer objecto
    pertencente a esta arte.
    Lourenpo P. Mendes Guimaraes
    RUADA IMPERATRIZ N. 72
    Tendo resolvido o seo proprietario liquidar todas as fazendas existentes as loja
    Garibaldi e Arara, convida ao respeitavel publico, amaote da economa, visi'arem a
    loja da ra da Imperatriz o. 7, pois s deeja apursr o dinheiro.
    Arara vende madapolo entestado a 3^5001 Para lhuidar vende bramante de li-
    a peca; ditas de 24 jardas a 5,5000, 6/JuOO, nho e algodo a 15800 o metro, dito de
    6*500, 7*000, 8*000, 95000. e i0000.
    Vende-se cortes de casemiras do cores
    par.i calcas a 4*000, 5*000.
    Para liquidado vende-se algodo de lis-
    tras proprio para calcas, camisas e saias
    para escravos a 160 rs, o covado.
    Na ruada Imperatriz vende se chailes de
    merio estampados 6 de barra a 2*000,
    2*500 e 3*('00.
    linho poro a 2*S0O, esta fazenda pro-
    pria para lencoes e toalbas por ter 10 pal-
    mos largura.
    Vende-se cortinades para cama fra:,<**ia
    a 1*400 o cortinado para, liquidar.
    Arara vende cortes de chites para veta-
    dos a 2*500,2*800 e 3*200 o corte pi
    liquidar.
    Vendeo se cortes de cassa a 2*500 o
    Arara vende cortes de casemira preta corte s na liquidaco a da imperatriz.
    para cale a 3*500, 4*000. 5*t 00, 6*000,1 Vende-se cortinados para janellas a 6*
    7*000, e 8*000.
    Para liquidaco vende-se brim pardo liso
    bbm a 500 rs, o metro, dito transado a
    720, 900, e 1*000 o metro.
    Para a cabar vende-se duzias de lencos
    brancos de cassa a 2*000, e 3*600, ditos
    de linho a 5*000, 6*)'.
    Na ra da Imperatriz vende-se cobertores
    de algodo a 1*400 e corbertas de chita a
    1*5J0.
    Para liquidaco vende-se cortes de casto-
    res para calcas de homem a 500 rs.
    A Arara vende chitas largas para vestido
    ai 240, 280, 32(>, e 360, rs. o covado. '
    O barateiro vende percalas finas para
    vestido a 440, rs, o covado.
    Em liquidaco vende-se alpacas para ves-1
    tidos de Sras. a 500, rs, o covado.
    A Arara vende laazinhs para vestidos de
    Sras. a 320. 400 e 500, rs, o covado.
    O Guimaraes vende morsulina de cor
    para vestido de Sras. a 440 rs. o covado,
    dita branca a 500 rs.
    O Men tes vende fustSo de cores par-
    vestidos de senhoras a 360, o covado.
    O L'^urenco vende cassas finas para ves-
    tidos 240, 360, 400 e 440 rs. o covado.
    Arara vende alpacas de lisia para, vesti-
    dos de gentioras a 500 rs. o cavado, ditas
    lisas a 500 e 640 rs. ocovado, ditas matea-
    das a 640 rs.
    Pa-
    a peca para liquidar.
    ECONOMA
    Vende-se duzias de coliarinhos de
    pe a 240 rs. para acarar.
    Arara vende laasinbas transparentes para
    vestidos a 500 rs. o covado.
    Liquidaco, vende-se parapeito liso a
    2*200. *500, 3*. 3*500, 4*. e 5*. pro-
    prio para calsas e paiite por ser boa fa-
    zenda e barato.
    Arara vende cortes de brim para cal-
    sas de homem 1*500.
    Vende-se cortes de pcalas de duas saias
    para senhoras pelo barato preco de a 6*.
    cadaum.
    Graod3 liquidaco de roopa feita.
    Vende-se palitos de alparca e de cores
    a 2*.
    Vende-se ditos de ganga para homem
    a 2*.
    Vende-se ditos de brim de algodo bran-
    cas a 2*.
    Vende-se ditos de meii casemira a 2*.
    Vende-se coletes de brim de cores a I*-
    Vende-se ditos e meia cisemira a2*5rj0
    Vende-se calcas de algodo azula 500 rs.
    Vende-se dita de algo i3o de listras a 800rs
    V?nde-se ditas de brim pardo 2*, 1*600
    e ipO.
    Vende-se calcas de casemira de core
    6*8*.
    PAM AGUA.
    da travessa do Corno.
    Canos de ferro galvanisados por barato preco.
    Torneiras, e curvas para os mesmos 1 No armazem
    Santo n. 25.
    Moinhos para caf e para railho
    Os melbores moinhos para caf e para ilbo qne tem vindo a este mercado
    se encontram no armazem da travessa do Corpo San'o o. 25.
    XAROPE SEDATIVO
    de aucas de Laranjas amargas io
    " BROMURETE DE POTASSIOM
    De J.-P. I.AROE. t, raa de ,Ufim+****-*^* *"**
    Todos os Medico, concordo em qae o Bromuro d* ^^^^uSTd^
    MSlema nenoso, urna .celo ^^.^^^^^!SSSSA
    Laranja amarga, coja aecSo regenera as Bis*9 a !l,r' .. Miaaaax a aniversalmente appreciado.Sem receio d'^dentese pode dar ^P^^!
    assim que para U md ti., sawoaaa > *** p > P"*



    Diario d Pemambaeo Sexta einfc- & tle Setenibro da 1870.
    li
    i
    i
    '
    i
    j
    Bival seni segando
    \S N. '9
    iUnT UHntfr
    6 iutliMS fftlts barartwimos i precias ib
    Duis de pa'tL srjgMNtl a----- 1*0
    Duzia e Mirlo* seui.tfti;;i iii
    graada a................... 3^6
    Frascos coro 'lt'babosa iiwU) Lu>. h0
    Pacote-- ctm p a du rox mu-
    Ihor que ha a............... 32
    ibas uuio ius\p barra a.................... I000
    Caita de linha bfirn di) aai a.. 300
    Vara de ranjis d buho para la-
    Ihas....................... .60
    Caitas cum peunas d'aco id ; erry
    superiores ........... SO0
    Lencos di cassa brnncos piit*-
    dosa.................. 00
    Caixas oon 0 quarternos de papi-l
    pautado ....... 706
    Caixas com O notorios de lii>ba_
    do flaz a........ 400
    Dozias de vetas cruas superior
    quaOdade a...... SoGOO
    Pecas de bibadinbba con 10 va-
    ras a. ...... 600
    Pepas de tiras bordadasuom i
    raetro rada p c! *S00 o. 2(5030
    Pe^as qoer indura com 40 varrs a. fWO
    Escovas para uuhas fajeada una a 500
    Ditas para denles a 240, 320,
    400 rs. e. 500
    Pecas de tranca lisa*, raucas e
    de cores a. ...... 40
    Dizia de linha fr&xa para borda-
    dos a 400 rs. e..... 500
    Pares de toeias croas para me-
    nos diversos lmannos a. 320
    Dusias de meia6 brancas moRq
    rias para senliora a. 44*500
    Pares de sapatos de tranca do
    Porto........2IOOO
    Pares (*.e sapatos de tapete a. I 500
    Dalias de baraibos par vu'larete ViOOO
    Sylabarios portugOezes a. WO
    Carloes com adietes. teatreras a 20
    A!wloadui;:s para coibte diversas
    qoalidades....... 400
    Caixas com pinna de ai;o milito
    1 boa de 320 a....... BtX
    Cas ci superiores obreras Mr
    Duzia Oe tgfii para machina a. 2^0O
    Litiras de presos ranuezes lodos
    os tamabiis a...... 240
    Pacot de papel com 20 quader-
    nos ........... 400
    Rerma de papel pautado super o 4t5OO0
    Resma de Mpel liso milito supe-
    rior a........... *Wi
    Sot de Souz Soares & C.
    Kl?A BO BAHAO IBA tlTOSIJ
    ( OUTU'ORA NOVA)
    \,reseia-si metiia raJsfJHMiu rm <;e p le lia ver de mais *t\\<> e gfraflaaH en U-
    Miidas-flaa jra Senlinras rticos de alta atada eu: Paris tamo para stntiora como
    iarafeme!) e merlinos.
    M'nMw/.n>. sfarmadas, perfumaras aspeci e, vaiicdade de laidos objecto?ir e>
    oiras e biifi'iuedos ia crtaacat.
    GUAN)!!: SOItTi.UENTO
    Continuanicpte receblo por todos os paquetes nndo da Boropa aonde tem ha-
    bis correspondente.'.
    Vende-se rauito emconla e mawda-sepir embragad do estaielrfoi ment fatendas
    em casa das txm?. familias tm demeldor iscoln?reinm que desojaren).

    m m caz
    Cliegoa ao aaigo oposito da Henry Porstar a
    *1, roa do ifupefador, um earregameato de ca
    ce priiaeira qoj lidae; o (nial se vende em partida
    a realho pormenos prego do que em outr qua!
    ocer parte*
    Li
    20Ra ta tiiperatriz-
    Fsri aLessa.
    Aeaba de (hcgar a aa( ikm' nova loja e fa-
    zendas finas uui variada s rtimeoto da fazendas de
    I5a e seda, como Sejaw : pranaditio? do u'Umo
    go*to, popelinas de urna s c-r, atpaeas e laa-
    oha de cores, o (pie ha rte tfittS oodornn, tndo
    por baralisimos procos, brilhantina' de core?, te-
    ciclos das Dui.is. azenda i"va a imitacao de per-
    ealia.baWesde dina f.npado saia de cor com lin-
    das barras, fuMoes prciprios par* veslino e ronpas
    de meninos ; airn grandes e admira veis pecbin-
    otaes, iias brancas cora lindos bisadoe a 'l>, ri-
    cos ccrpinbos bordados muilo uos a ?>l, baloes
    modernos de arcos a 25, ricas catanas para cama
    alcoc1ioad3S, sendo brancas c 6* cafes, a S, 64 *
    7#\ cambraia victoria Una a ;>J. dilas transparen-
    tes a 32, 6S e 7,rhiias finissimas escuras e claras
    a 280, 300, 320 e 360 o covado, cascas de cores a
    240, lencos brancos d cassa a 2500, ditos chi
    neies a 3^500 a nm, madapolo fno a 6 e
    6500, e mnita superior a 7, 76O0 o 88, a'go-
    daozinlio laego propri para reuc/ies a 6, panno
    de al^odo branco trancada pioprio para toalbar
    de mesa 3 iGOOa vara, Bramante pata Icnc&es a
    2,5000 e 3*500. o que ha de melhor. espuiao i-
    nissimo a 2|200 e 2*300 a vara. Maulamos as
    casas das Exmas. familias para meibor pon?rehi
    escolher. Tambem temos completo so.itimento de
    perfumarlas dos piimciros fabrii^ntes frartcezes t
    inglezes; as pessoas que sedignarem vir a e;:ta
    loja tero occasiao de recoobecer a realidad do
    que animaramos para nos jnrtificar.
    Trlhof car bao* o Sfei'e
    Oliaada
    Na Hlaoaa provisoria da fia da Anrora vnde-
    se em porcao e a realho carvao de pedr para
    ferreiro._____________________________
    Brins d'Angolas leg-
    timos
    achau-se roarraazem
    DE
    T. Je/feries & C.
    Ba do Trapiche n. 46
    Fi-i para saceos e fogueleiros
    Lona Yerdadeiara da Escossia
    No armazem de T. JefiFeries & C.
    Ba lo Trapiche n. 46
    Cigarros da imperial
    fabrica de S. Joo
    de Nictheroy.
    nico deposito em Pernambaeo caes da alfar
    dega veltaa n. 2. i* anda.
    Vende-st! urna rotula de ainarello em bom
    estado na camb do Carmo n. 16.
    GNEROS BARATOS.
    2Camba do Carmo2
    Manteiga ingleza, libra a 1|, 1 #300 e lfaOO.
    Manteifa franceza, libra a 800 rs.
    Gai, garrafa a 360 rs.
    Gomma de railho, libra a 320.
    Caf mocka, dita a 320 rs.
    Velas de espermacote, dita a 620 rs.
    Lingoa (do Rio Grande) urna 160 rs.
    Lagostinhos e ostras, lata a 700 rs.
    Queijos do reino ^altimo vapor) 3*000.
    Ditos do Serid, Kbra a 1*200.
    Ditos de fras Q 2*.
    V)nbo Bordeaux, garrafa (S. Jnlien) 600 rs.
    Cerveja feas-, dita 000 rs.
    Vlofco Figopjra {Bom) dita'300 rs.
    ATMC, libra 120 rs.
    E ostro* maiios gneros que se veadoi oais
    barato da qqp em ontra qualqner parte.
    Fariiia Vende-se farinba de mandioca, nova, de Santa
    Cathanua, chegada no patacho portuguez llissa,
    tundeado defrunte do irapiche do Sr. Barao do Li-
    Trainm8 a tra,ar nrt eseriptori> de Joaquira
    Jos Gonealves Beltro, ra do Comtnercio n. 17,
    na bordo do referido navio,
    Ra do ftueaado
    BASTO!
    E' clipgado a eslo novo o.labeleciraemV) o uiais boo sorliment de lazenda*
    loas, sendo soa especinlidade enxovaes para noivado.
    Vestidos de blond de,scda ricamente bardados.
    GorflUfto de sd;> branco para vestido.
    -!)! ii;is e seda pora, para cama com ricos desenlios.
    Ditas de la e seda, id m idem.
    Dilas i!e cmx-, idem dem.
    Cortinado licam-ote bordados para camae janelia.s.
    Croxfis pr.t cadeiras e sos.
    VeatMs de caibrata branca bordados.
    Popelines le lindos gastos.
    LJias de diverjas qoriiid;-dus, lindos ftft e rnoiSari
    KhAs i) unms para passcio. com listras de StHilS.'
    Saludas de baile o que lia de mais rico.
    Crotones para vestidos com lindos desenos.
    Carnizas bordadas e sera borados para leahorai.
    CafnisaS bordadas rfiailo linas para boons.
    p tas inilezss para horaens e meninos.
    Serpulaa de bobo, e um grande sortimento de ronpas feitas e de azendaa que
    i enaJouho mencionar.
    Luvns frascas de Jouvin
    Sormen'ji ile tapetes para guarnieras de salas, alcatifas para forro de sala, e o
    {randa sortimento das acreditadas 6 verdadeires
    Esteiras
    ROB LAFFECTEUR
    Approvado em Francia. Russia, Austria e Blgica. O arrobe vegetal Laflecteur sa autho- I
    nzado, he mu superior aos xaropes de cuisinier, de Larrey e de salseparrilha. De faoil I
    digestao, adagraved ao paladar, e ao alfato, elle cura radicalmente em nerrurlo, as |
    aneedes da pelle, Implgrna. alporcan. tumores, ulceras, sarna dege-
    nerada, eaeorbiito. e os accidentes provendos dos partos, da idale critica', e da acri-
    monia hereditaria dos humores. i
    0 arrobe he especialmente reoommendada contra as doencas syphiliticas recentes, vete- i
    radas ou rebeldes ao mercurio e ao ioduro de potassio.
    Deposito ral do verdadeiro ROB UFFECTEUB, em casa do doutor GIRAUDEAU DE
    SAINT-GERVAIS, ra Bichar, l, Pars. i

    3 portA n. 5o, ruia Direita, 3 pitius n. ,an/it/a
    foja do Brnr/a
    0 abaixo assiqnado. dono de-te -.ntign p?tabciwimer:to, teftdVj em vista aure^p^ltar rm;
    I ooiipleto sortiauato de (araagona, liailezas e aHMeaia, tan raw^ridp mandar bus:;ar era !
    dvor.:os poni* da Europa os oielhores objectos de sen esiibeleclmento dos fabricantes i
    i mais cor.hecidos; pelo qnc convida ao vespeavft! publico e a seus numeroso? freguezes, '
    Tirern se servir dos objectos de MK carencia, o-nrif cnconirarao por menos 10 0,0 do que ]
    ; em ontra iioalquer parte, nmsortiminto compU-t i de ntpotuoas para desoaroear akodao,
    i do bem conbacido f.iiincinie (Jotlow (iu & C, 'mte para eiotnra, motores ps'ra animae-,
    . ditospara foco, n ;nbo.< p.ira caf de todos os lmannos, >i.i fabrica anos i-'' :-., tanto ingieras como raocoias. Iguga de porcelana, tocas e garios
    ; d? irranas nuaMdM a prefl. bandejas <*t>it--^, salitre, bren, barban^, onxofrp, papel e
    i limalha da ferro, ac, e agnlba para fogneteiro ; assim < rtio oncftmrarao c.mstanto-
    ; mente granie poicJio de fogo do ar, e recbese eneioinei-.'fa de f;>gos de vista, slero de nm
    [ cem Bomero da objetos, qae so tornara enfadon!;o nunisra-Joa : venham ra DiraiU n.
    S3, loja de Lenidas Tito Loureii o, antiga loja do Braca.
    m
    09
    extrac<;So dos denles e operaqaes dentarias seflu tlort s, todos
    dias uteis, das 1 hrr.-.s \ nieto dia
    PELO IMPRECO 00 t
    PROTOXYM D'AME
    no gabinete do cirurgiao dentista FREOERICO GADTIER
    19Ra Nova19
    O qual, acbando-se reJaciooado com os mais celebres dentiotas de Paris. adqairio
    com elles, na ultima viagem Franca, o modo de preparar e empregar este excedente
    anestbesico de que se pdg serr,pre usar sem inconveaiente alguao, e produz iaseasibili-
    dade completa.
    O mesmo aproveita ajoccasiio para lembrar ao respeitavel publico que no
    seu gabinete-continua-se a iazer tfidas as operacoes da sua arte e collocar denles por
    todos os systemas: com ouro, platina ou vuicanite, segundo os casos.
    Esfiectahdade de obturaces com ouro puro.
    LftIA lw ,
    Novo estabe iecimento
    0 FA2EMAS E ROUPAS FETAS
    ftua da Imperauiz n. 40, esquitia do be co dos Ferreiros.
    BAIlffl BfflM BDI8,
    O novo proprietarlo deste eslabelecimento, communica ao respeitavel publico
    desla cidade, e especialmente s Exmas. faruilrs, qu est liquidando por precos bara-
    tissimos, ss antigs azendbs que existiam neste e-tabelucimento, alm das que abaixo
    v5o relacionadas, cojos precos merecem toda a aiu iu;ao do respeitavel publico, que nao
    deixar de coto pemina qoantia, refazer-se de qulquer qualidr.de de fazenda que pre-
    cise. Previne-se tambem que a mesma luja lein l'-iio sortimento de fazenijas moder-
    oas, e contiua a sortir-se k$ do mais apura lo e escolhido gosto, que vender mais
    Baratd que qrulquer mitra loja.
    A LOJA D PAPA 3AI0 alm de ter um grande deposito de roupas feitas, tem
    nm bciiitu sortimento de casetuias Trancozas, ngiezas e allemSas dos padrOes mais mo-
    demo?, h jtssim auno pannos pretos, casemiras e panno lino cor de pinhao, azul claro
    e mais esebro. brins brancos e de cores, filstcs brantos, e de cores, gangas de linho
    e brins pardos dt> todas as qnalirlades.
    A LOJA DO PAfAGMO ti ai cnntralado ur.'i ptimo mestre alfaiate perito no
    seu cilicio- para executar qual :mt Olira da arte cni a mj'.ior perfeic5o e esmero, e qual-
    quer obra que n3o fique vor.adc dos Ireguezes, ticaia para a loja, e manda-se
    fazer mi i-a.
    Atrrnlhado de linho lino, a :? .0 metro,!
    e de altpidSo .1 2<5.
    AIod3nsiulio largo, para lenccs e toa- a
    Ihts a I-SC(X).
    Alpaca.* pretas, re cores, lisas, de torta
    cores, e de lis (ras.
    arejes com listrinhas de diflerentes co- sajpuii,
    res a 320 rs, o coVarJb-. ( Gravaos de sed
    Bols sdi; tapete avelurlada?, para vagnL
    o preco e conforme o tamanho,
    llotiibasinis pretas. lisas, fraseadas.
    Pr.miantes de nlio, franoez e' inglez a
    irtnn
    2^00.
    Bal5s de mussuna,' brancos com' fihs,
    e otrs ii'cios de panno corn o feitio dos
    de fitas, para stnhoi as e meninas.
    Basquinas de prosdenaples' preto mo-
    dernas e de crwcne moito e.nfeitadas.
    Bretanhas de'Tuibo. e de algodSo.
    B ins de lindo trancados brancos e de
    cores.
    Brins de afgcdo irmii-ados brancos e de
    cores.
    Corubraias. biv-ircas tapadas e transpa-
    rentes, sendo inglezs e suissas de 8 pal-
    mos de largura.
    Camisas de nieia, de flauea, branca, e
    de .-.igodo.
    CamjsiobaS brancas de cambraia com di-
    licados brdalos, e enfeiladas de cor para
    Sras.
    Carabraias de cores a 400, rs. o metro e
    a 800 rs. a vara.
    Camisas inglesas, fi traticezas de lindo, e
    da algodo lie predas, lisas e bordadas.
    Cbapnfijde sol de seda., merino ealpar-
    ca de diierfirite p/ira&s e inuito baratos.
    Cditas. paiij vesiidos, Irancezas, de 240
    at 400 rs.
    Chitas para cobeitas de 3O at 640 rs.
    Cortiiidos de caiibraia, e de fil borda-
    dos para camas ejanelas de H)6 para cima.
    Colchas de fusto brancas a 3500.
    Ditas'de cores a. BISCO,
    Colariuhos de linios, in3ie7.es, e alemes.
    iisoa e bordados.
    Damasff) de l. encarnado, a znl o ama-
    pello, escomn pela.
    Espartiidos de linho branco para Sias.,
    de differeutes precos.
    Esguin de linfao de ItfGC'O a 3^ a vara.
    Chiles de merino pretos muito grandes
    :t.
    Dito dos, estampados de 4.500 para
    Cm.
    Fil de lirilio branco o preto liso, e de
    a pretas e de cores, da.
    mais md',rnr.s que tem vindo ao mercado.
    GoarJanrp.'-s de nbo brancos pardos.
    Grosdenaple preto de differerites pr eos.
    Laaskihas em corles com palmas com t4
    covado por 6-5.
    Ditas e/as e delistas transparentes e ta-
    padas (fe dif rentes precos.
    Uad poT3o inplez de 55 at 10fJ a ptea.
    LttiiQoa de algodo, brancos de 2$ a 3(5
    a duzia.
    Ditos de cambraia de lindo de 6 a 12$s
    Ditos de esNiao de 6(5 a S.
    MusMinas brancas e de cores a 500 rs.
    o covado,
    Gorguroes de 13a com listras, fazenda ln-
    Uiramente nova no mercado a 800 rs. o
    covado.
    MeririSk preto, trancado e de cordo.
    l\i's bordados e lisos, tant 1 de iinho
    como de algudao para camisas de homem.
    Priqcetas pretas de differentes precos.
    ' Cambraia branca tapada muito larga com
    pregas e boxVtdQ, ha de tres qualidades
    pr-opria para saias de Sras., o preco ba-
    rato.
    Sedas piolas lavradas para vestido a
    2,5500 o covado.
    Sargelim fraccez e inglez de toda ao co-
    res.
    'Tosidas de algodSo e de linho de dif-
    fefeotes qualidades e tamanhos.
    Punbos de linho para homem muito fi-
    nos.
    Meias icg'ezas para Sras.,e para meninos
    e para hornees, de differentes qualidades
    e de todos es. tamarihos.
    Para quera comprar pera oa duzia de
    qualqner fazenda seu preco o costo ; para
    diminuir o, retalho.
    Dan>se as amostras de qualquer fazenda.
    A loja do Papagaio acha-se aborta todos
    os dia,s, at s 9 horas da noute.
    Francisco Teixeira Menes
    GALLO SIGILANTE
    Ra do <:res{Mmt 9
    Os propnetai wub-l.
    cimente, alera
    nostos a apTeciacao do respeavrf puWieo mnl
    aarnm vir e aeabam do recehor pulo ultimo tanor
    da Europa um completo a vanado sortmeatode
    finas e mui delicadas especialidades, as qn^,, et_
    to resolvidos a vender, cciuo de seu cosime,
    ir presos muito baratinhos e eommodo para to_
    a, com tanto rpie o Gai lo....
    Moito superiores luyas de peluca, pretaa, brau-
    cas e de mui lindas cores.
    Mui boas e bonitas golnbas e punhos para se-
    nhora, neste genero o qne ha de mais moderno.
    Supariow penles e tariaruga^ para coques.
    Lindos a riquissimo i?ofciles para caberas das
    Exmas. senhoras.
    Superiopes trancas pretas e de cores com vjdri-
    Ihos o sem ttes j esta faieda o que pode haver
    de ratlhor mais, bonita
    Superiare o bonitos leqats de madreperola.
    marffm, saqdalo e osso, sendo aquelles brancos
    com lindos desenhos, e estes pretos.
    Muito superiores meias tto d Bsoosria par se-
    nhorasv as qnae onipre se veodof.ini por 304000
    a duzia, eutretanto que p aa vendeioos por 104,
    aim destas, temos tambera gcane sortimento de
    ontras quaiidades, entro as qoaes a'gum.'is mc:'.o
    finas.
    Boas bengalas de W^miiii canoa da India e
    casode marfim com bi< auiadoras figu-
    ras dn mosmo, neste geni. de melhor si
    pode destfar ; alm deat3s temos lamban) grandi
    Juantiiiade de outras miaiuldus, como sejam, ma-
    eira, baloia, o-so, borracha, o;c. t. etc.
    Fios, bonitos e airosos chic/tinlius de eadeia e
    de ocisquaiidades.
    Linda? e superiores iijas de seda e borracha
    para-sei,urar as meias.
    Bo.-s meias nas^ da 1 a ti anuos do u'u.ic.
    Navallias cabo de mariiui e tartaruga para faier
    barba ; sSo, muito boas, e de ruis a mais sao ga-
    rantida pelo fabricante, e nos por tmssa fez tam-
    bera asseguranws sua qualidade e delicadeza.
    Lindas e bellas, capelias para noiva.
    Superiores agulhas para machina e para crox.
    Linha muilo boa de peso, frouxa, para encher
    labyrintho.
    Bens baralho de carta; para voltarete, assim
    eomp 0$ tantos para o mesno lira.
    Grande e variado sortimento das meihores per-
    fumarias e dos meihores o mais coohecidos per-
    fumistas.
    COLARES DR ROER.
    Elctricos nagnelicos cor.ira as convulsos*, e
    facilitara a do.ntic.ao das inuoeents criancas. So-
    mos desde muiiV' recebedores uestes prodigiosos
    collares, o e*r;!r?mamoa a rccebe-los por lodosos
    vapore". uno nunca faltem no mercado,
    toir.i < wido, assiru pois poderao aqoel-
    les> m 1 -.. vir ao deposito do gallo
    Vo;. 1. .1 i-ontraro desles verda-
    i"ir :. attendendo-se an firo
    paraqm-, t '"ndero um nm mui
    diin'iuito Incro.
    Roj'ik -. is, a\; a l* 1 hjertaa que deixamos
    declara -... ojjos ;i e amigos a vtrem
    comprar r 1 romo r. i loja do gallo
    vigilante, nm -n. 7
    CASA CAUV
    A. MA1MEB, ^.ceuMeo^prlviteglado
    oulen-.ul Sebastopol, SS PABIS.
    NOVAS ESPECIALIDADES A. MARINIER
    Apr.sialaUs i AWrfcatia 4 Scicncus e ao loslitulo de Frs,
    Crfflift So!l "' foiM "k ,'-h"'"a' P.CubnU i.sor !i- muuieutu una nhttftt
    'rmnUfl i earatlva ji HOLESTiAS C0NTA:3SA8.
    IXJECTORPHILTRO
    EST0JOS -
    >!o vulmnr fe um relojio. wrrla*o de
    1'HU.TRO t SKB1NCA >-em os
    grave; DC*nienlas de (rajilisade.
    a forma, e de vulanie de um Porte-Jiocda
    COTEXDO TODO 7RATA.VENT0.
    BARTHOLOMEO 4 C
    CASA CAUVIN a. ama
    COLLYKIO Contra as affeccois das palpebras,
    preparado sob a mesma forma.
    Depostanos geral para e BRASU. e POUTL'GAL
    34, mil larga do Rosario. PERNAMBUOO.
    '-*
    V*^ mSm'Ba ru* Assogmnboj n^l: a
    tratar na niesma.
    Hiuaiui
    rame de ferro galvanisado em rede para cercas, gaioias, gailinheira-: etc.
    Chapas de ferro galvanisado para cobrir casas.
    Tachos de forro estanhado para aogenhos.
    Cofres de ferro de Mitoer e outros autores.
    Chambo em cano.
    Dito em lengol.
    Dito em barras.
    Dito em enxadas.
    Estecho em barra e verguiaha.
    Folba de FI?odres.
    Arados aroericaaos para ladeira e vanea.
    Carrinhos de mi.
    Venezianas para jaoellas.
    i Machinas de descarucar algoflao'de faeao.
    (<; sorra.
    Dilas para cortar fumo.
    Dita i v.-mr de forca de 35cavallos e motores para tcavallos, para mcve as
    achinas i)e alg'd3o.
    Cadeiras de fers
    Camas de ferro.
    Prensas para copiar cartas.
    Bataneas para posar.
    Olee de liohaca e tate= do ferro.
    Trihas de fepro para easenno.
    Bombas americana".
    ros de estivar.
    :s e pesos decimaes e ontras.
    "< de patente.
    larga e de boa
    Picaretas para caralnbiis de farro.
    Um grande sortimento de ferragens e catuana.
    Pharmaeoatlco privilegiado
    successor .
    Boulerard Sebastopol, SO. PARS.
    NOVAS ESPECIALIDADES A. MARINIER
    Apresenuas a Academia de Scieaeiu e ao hislituio de Frasea.
    Sob forma de Pastilla, detedida e doseada para fiser de
    momento urna soluccio PBETUTIVA C CURATIVA das
    MJECCO
    MOLESTIAS CONTAGIOSAS
    lUTOi-pmmo
    do volume de um relogio, servindo
    de Philtro e Seringa sem os
    Graves inconvenientes de ragiliaade.
    Com a forma, e do lolnme de um Porte-Soeda eoatendo
    TOBO TRATAMENTO.
    ESTOJOS
    Contra as affeccois das palpebras, preparado sob a mesma forma.
    a Depositarios geral para o BRASIL e PORTUGAL
    3S, ra larga do Rosario. PERNAMBUOO.
    COLLYEIO
    BARTHOLOMEO l G
    DAVID W. BOWMAN
    EB6EJREIR0
    Com fundipo
    RA DO BRM 52
    Passando o cha Cariz.
    Chama a attBogo dos Srs. da engeobo para seus acreditados macbinismos e
    com espaciaiidade para seus vapores que anda urna vez tem melborado.
    Qs vapores fornecidos por elle e j uncciooando lhe ho de fazer melhor apre
    ciago do que qualjuer dito proprio.
    Deseja tambem mencionar que tem feito urna reduccao em seus precos; e
    leCQ tromptoioa a especie de machiuismo e outros objectos para a agricultura.
    1
    Jcorc prevKleiit
    Rna do < Imad a. ;
    Novo e variado c ti^icUJ de perforer
    finas, e outros objectos.
    Alm do completo sortimento de per.
    rnarias, de qi?e offoctivnmente et provjfia
    loja do Cordeirc Prnvirie "
    receber nm otrtto sortirijnto qttt it;
    aota\v! pela rariedadf'. de r>bjecto&, superir*
    iadn, quadades e cororoodldode de
    eos; assim, pois. o Coi vidente |
    e espera continuar a merecer a aprectec
    do respeitavel publico ?'ru geral a t. vi-
    boa freguezia em p: i
    lando eD de sua beai cobecrlasaausi
    a barateza. Em dita loja <,Beflrtlrari,i
    precir-core do bom:
    Agua divina de E. Cnudray.
    Dita verdadeira de Murray dr Lamaiaii.
    Dita de Cologne ingleza, americar.2, frr
    ceza, todas dos memores e mais acreditara
    fabricantes.
    Dita do flor de larangeiraa.
    Dita dos Alpes, e vilete para toiiet.
    Elixir odontalgico para conservado *
    isseio da bocea.
    Cosmetiques de superior qnalidadc ctia
    ros agradaveis.
    Copos e latas, maiores e menores. ;
    pomada fina para ccbello.
    Frascos com dita japoneza, transpars-
    a outras qualidades.
    Finos extractos inglezes, americano?.
    francezes em frascos simple?, e eneit;-
    Esscncia imperial do fino e agrada ve. cb*
    ro de violeta.
    Outras concentradas e de cheiros ig
    mente finas e agradaveis.
    Oleo philocome verdadeiro.
    Extracto d'oleo de superior qnada*
    com escolbidos cheiros, em frascos de ttff*
    rentes tamanhos.
    Sabonetes em barras, maiores e meno;.-
    para mos.
    Ditos transparentes, redondos e em t
    ras de meninos.
    Ditos muito finos em caixinha para birb..
    Caixinhas com bonitos sabonetes imitiit>
    fructas.
    Ditas de madeira invernisada contendr-
    as perfumaras, muito proprias para pi.
    lentes.
    Ditas de papelSo ignalmente bonitaa, U
    bem de perfumaras finas.
    Bonitos vasos de metal colordo, e a
    moldes novos e elegantes, com p de itr.
    e boneca.
    Opiata ingleza e francesa para dente;.
    Pos de canipora e outras diTere::.
    qnalidades tambem para dentes.
    Tnico oriental de Kemp.
    Alada aaaU eo^nes.
    Um ontro sortimento de coquea de r>
    vos e bonitos moldes com filets de vidrilL.
    e alguna d'elles ornados de flores e fik
    bstao todos expostos i aprecupao de qoe
    os pretenda comprar.
    GOLLINHAS E PUNHOS BORDADOS,
    Obras de muito gosto e perfeico.
    fItcIIm c Utas para latos.
    Bello e variado sortimento de taes objtt
    tos, ficando a boa escoma ao gosto do cet
    prador. ________
    Cabellos
    Veodem-sa cabellos de todas as cores, qualquer
    comprimento, qualidade superior, em caixa ot
    porcao mais pequea -. Ba roa da Cadoia do Re-
    cite n. 5!, 1 andar.
    CAL MV 1 LISBOA
    Vende Joaquira Jos Ramos :
    n. 8, andar. _____________
    na rna da Cruz
    A 2,0011.
    Lindos c rtes de percales a 2#000 t. : i ra
    do Crespn. 8. loja da esquina.
    Vende-se firinha muito boa viada da BsUa em
    ?acco de algodo : nos armaaem ida Coonanlua
    Pernambucana e trapiche do Coaha : a tratar
    mesmos.
    1


    8
    Diario de Pernambuce Sexta feira 9 de S
    ASSEMBLEA GERM,
    icer urna q*
    JS96, 0
    ) nao en
    l
    , 1
    CAM DEPUTADOS.
    Ifiscurso do Sr. Dr. Joaquim de
    Re'*, na nessao de ( de agosto, sobre a
    forma indiciara.
    0 SR. SOUZ \ RES (Attenglo): -
    bidente, tendo divergid;) do meu;
    eollegas da coromissao, cin algu s po Un
    projecto que se discos-, e por
    do o parecer coa restribos, m
    dar as razos de iu^u procedtraento. E-i'
    , portaato, o mjtivo qu-? rae o'origa i
    copar a attenco di cas;., c.iji bonevole
    peco.
    Trata-se, Sr. presidente, da reforma j i
    dieiaria, ma^ria sejn duvida muito im 'Op-
    tante, nlosraente pelo que ella era si
    como por que de tonga data o paiz re lana
    disp >siges que alterem as leis judiciaiias
    qae vigorara entre nos, no intuito de dar 9
    magistratura 4o paiz a independencia que
    deve ter, e deassegurar aos cidados g.irjn-
    lias sua liberdade.
    Difficil, bem dilBcil, Sr. presidente, at-
    tender devidamente s apiraroes do paiz s^>
    bre este objecto. Quem tera exudado esta
    materia, qujra tem visto, corno nos, que
    della se tem oceupado homeos amostrr- los,
    jurisconsultos notaveis, sem que sobre seus
    difforeoles pontos sejam accordes as i' as,
    aotando-se mesmo que encontradas sao *s
    opinies respeito da maior' parte dellas,
    reconhece a dilliculdade que assignulei.
    OSb. Cruz Machado :Apoiado ; Jiera
    dinVil traduzir as aspirares ero frmulas
    praticas e aceitaveis portados.
    O Sr. Souza Res :E lio variadas im
    sido estas -pioies, que quasi se p'e di-
    zer que nao ha duas em accordo permito,
    a respeito de cada um dos pontos sobre que
    se ten reclamado a reforma. Entreunto,
    isto nlo poda ser motilo para que derxas-
    semos para mais tarde ainda a realizago
    desta reforma ; e muito para lamentar que
    mais cedo nao se tivesse cuidado della.
    Nlo roeu proposito cora estas palavras
    fazer a mais leve ceusora era ao actual
    joverno nena aos que o precederara ; pens
    mesmo que esta demora nlo pode ser at-
    ribuida seno ao desejode raelhor estulo.
    Nao posso, todava, deixar de dizer que.
    oaventlo na outra casa do par amento um
    projecto nesse sentido, j approvado por
    esta augusta cmara, e tendo o governo
    ideas assentadas -sobre a reforma, de modo
    a saber perfeilamente o que devia ou poli
    aceitar ou recusar desse projecto, lar-'.be-
    ba sido fcil adiantar a mesma reforma e
    leva-la a effeito, proraovendo all sua ds-
    eusso e devido andamento.
    O Sr. Alexcyr Araripe : Havia o peri-
    go da necessidado da fuso, e por conse-
    quencia maior demora.
    (Ha outros apartes)
    O Sr. Souza Res :Quaasquer que fos-
    sem as disposigoes que esse projecto couli
    vesse, nao era isto motivo para que nao
    servisse elle de base para a discusslo.
    O Sr. Duque Estrada Teixeira :O seu
    proprio autor, quando ministro da justica
    na situago passada, n) oasou resusci-
    te-lo.
    O Sr. Chuz Machado:Esse projc.to
    atrophiou a insttuiglodojury : e seu autor
    chi'fe do pariido liberal I
    O Sr. Duque-Estrada Texeira : O seu
    proprio autor deu-lhe um substituto a u
    mesmo nesta cmara.
    O Su. Souza Res :Rep to ; quaesquer
    que fossem as disposigoes que esse projecto
    eontivesse. e ainda quando n3o pudeasem
    moitas ser aceitas pelo governo, nao era
    isto motivo para que nao servisse de base
    para a discusslo da pretendida reforma:
    porque, como j declarei, desde que o go-
    verno tinha ideas assentadas s >bre a refor-
    ma, e eslava disposto a realiza-la, fcil era
    evitar a fuslo, promovendo no senado a
    emenda do projecto em perfeito accordo con
    Cata cmara, cujos merabros nlo se reouia-
    riam a coadjuva lo comsoas luzes, por qual-
    quer modo que fosse possivel.
    O Sr. Cruz Machado :-Nessa parte dis-
    cardo, o governo teve razo, devia partir
    daqui a reforma.
    O Su. Souza Res : A reforma, quando
    mesmo tivesse por base o projecto que exis-
    te no senado, tinba partido daqui, porque
    a iniciativa desse projecto nao fot do sena-
    do. f)i desta augusta cmara.
    O Sr. Cruz Machado :Ha 16 annos.
    O Sr. Souza Res :Mas nao fagamos
    questo disto : dou parabens ao paiz por
    ver que effectivameote o g jverno trata de
    realizar a reforma.
    O Sr. Cruz Machado :E que parta da
    legislatura de 1870.
    O Sr. Souza Res :O que nos cumpre.
    porm, trabalaar para que essa reformo
    corresponda s aspiraces do paiz.
    Q Sr. Pinto Lima :Essa oque a ques-
    Ho.
    O Sr. Souza Res :Como disse, Sr pre-
    sidente, essas aspiragas consistem em ser
    qaraalida a independencia da magistratura,
    e melhor assegurada a liberdade do cida -
    da.
    Entretanto, recobhecendo que o proje.to
    em discasso satisfaz em grande paite a
    esta id3, observo que nada contera, que
    possa sitisfazer aquella. (Apoiados.)
    Sei bem que nao ser possivel levar s
    suas ultimasconsequencias nenhum dos prin-
    cipios a que devemos attender na reforma,
    que pretendemos fazer, nem quanto inde-
    pendencia da magistratura, nem a respeito
    das ^irantia que levemos dar ao cidado.
    Mas isso n3o era razio para que. nlo at-
    teudessemos tanto quanto fosse possivel a ca
    da um desses principios, a cada urna da>
    necessidades reclamadas pelo paiz.
    E com effeito, o projecto, fazendo alguma
    cousa cora relajo ao julgamento pelos ma
    , gistrados, petos magistrados da constitu-
    ';lo, pelos juizes perpetuos; fazendo algu-
    ma cousa comrelacios garantas de que
    se deve cercar a liberdade individual, nada
    fez absolutamente quanto independencia
    da magistratura, e uto o que eu mais la-
    mento.
    , Foi este um dos pontos que me obrigoo
    a divergir dos meas collegas da coramisso
    e assignar com rostricedes o parecer.
    Perguntar-me-hio, portanto, o que enten
    do eu que se deve fazer com relacSo a este
    ponto?
    E' minha opiniSo que, pelo meaos, quanto
    ao provimeato do cargo de desembargador.
    devemos collocar aquellos que s5o chamados
    para esse lugar na posicSo de completa in-
    dependencia do governo fazendo que a uo-
    meaco de desembargador n5o dependa do
    rno, seno para Ibe expedir a carta,
    logo que o supremo tribunal indique o juiz
    de direito mais amigo, (\poiados).
    igoraa
    idiciarias das
    conti
    n,l
    em prestrr mi
    ia oa
    idea, me
    i a esta
    >nte, goe al-
    to sentido del
    . da magistratura;
    i. muit) conv niente ser.a garantir aos
    l'iizos do djreiio sma esta'oilidade as varas,
    para norneados, dando-lhes en-
    tretaoto o ilireito ;le oecqparem as qoe me
    ">sesscm, quando va-
    ^.ssjn, respeitado ainda nestecaso o prin-
    coi > de.antigoidade ; confesso, porm, que
    u5o me parece fcil o mol) pratico de tra-
    duzir bera esta idea, e por isto nSo a con-
    signo e:n rainhas emendas.
    Entretanto, reservo-me o direito de emen-
    dar anda o projecto neste sentido, ou de
    prestar meu voto i emenda que a este res-
    poitj offyreceram tambem esses dous no-
    5>res colegas, comquanto descubra neTIa in-
    convenientes qne muito desejo ver dissipa-
    dos por seos nobres autores, cuja sustenta-
    gao aguardo.
    0> aconvenientes que descubro nessa
    eraeuda sao os que resnltarao do processo
    (e nella se estabelece para se provr as
    ooqarcas, sempre que se derem vagas de
    juizes de direito. Assignalarei um qoe as-
    saltoo-me o espirito fcilmente, e foi o de
    poder dar-se, por causa apenas de urna va-
    ga, a repetico .le muitas (apoiados), e por
    conseguate a falta de exercicio do ongis
    Irado em differentes comarcas por longo
    tempo, qual o qm exigira a espera igual-
    mente repelida da petizo dos magistrados
    que quizessem usar de seu direito, para
    que se resohesse por antignidade o provi-
    mento.
    Assira. pois, nem posso desde j prestar
    meu voto a essa emenda, nem posso tam-
    bem ollerecer outra, porque, como disse,
    na) rae occorre meio pratico sufficiente para
    satisfazer a necessidade que rejoheco.
    Sr. presidente, no intuito de assegurar a
    independencia da magisralura occorreu-me
    ainda urna medida, que ta vez n5o soja con-
    siderada de grande alcaoce, nm que nao
    deixa de ter agum, pois que tende a res-
    tringir a acco do governo na faculdade de
    lanzar m3o de magistrados para emprega
    los em commissSes estranhas s suas func-
    ces: reiro me nomeaco para o cargo
    de chefe de polica.
    O pr jecto consigna a idea de poder ser
    o magistrado nome3do para esse cargo;
    contrariando essa idea, offereco urna emen-
    da no s nlido de excluir os mngis'rados do
    xercicio do cargo de chefe de polica.
    Desde que o msmo projecto n5o considera
    o ser magistrado condico para esse cargo,
    tanta que admitte que seja nomeado para
    elle qiahjaer d ulor ou bacharel em direito
    que tentia quatro annos de pratica do foro,
    e ist i porque estabeleceu a incorapatibili-
    dade do jodciario com a pocia, mais
    cons^ntaneo cora a boa rsz'ao, e at cora a
    p"opria qualiJade do magistrado, que se o
    isentj de o:cupar-se cora funeces po'i-
    ciaes.
    Me parece alera lisio, Sr. presidente, qoe
    nao devemos inleressar os magistrados as
    lu,tas polticas.
    O Su Alencar Araiupe:Sendo volon-
    tario, cessam os inconvenientes.
    O Sr. Souza Res:Mas mesmo para
    n5 > lentar-lhes o desejo de entrar nestas
    Iotas qoe lembro a idea de prescimlirmos
    dos magistrados para o cargo de chefe de
    polica, tanto mais quadtO o proprio projecto
    nao os faz ni'cessarios.
    Assim, Sr. presileie, duas medidas pen-
    s que devoro ser adoptadas no interesse da
    independencia da magistratura : a do pro-
    vioentu do logar de desembargada por an-
    tiguidade o a da exclusa) dos magistrados
    do numero das pessoas aptas para o cargo
    de chefe da polica.
    i nho ttinbem corno eerto que o^magis-
    tnsb deve ter em seus vencimentos urna
    garanta contra as necessidades da vida, o
    que commura a todos os homens; e com
    quanto estejamos ainda muito longe do qne
    convm fazer a este respeito, certo que
    pelo projecto a condcSo do magistrado da
    Iainstancia rr.cllirada, porque seda aos
    juizes de direito a intervencTio as caosas
    civeis. Allendendo-se ainda ao augmento
    de rnais um terrados vencimentos concedi-
    do a todos os magistrados por lei deste
    nono, devemos considera los. seno com-
    pletamente recompensados, ao menos tanto
    quanto as circumslaucias do paiz podem
    hoje permittir.
    Passarei agora outros pontos que s5o
    tambem capaes, na reforma dd que se
    trata.
    O Sr. Cnrz Machado :E qunlo io-
    compatibilidade ?
    O Sr. Souza Ruis:Quanto incompa-
    tibiiidade, que lerabra agora o nobre depu-
    tado, eu pens que, nao estando nos ainda
    no cns i do dispepear urna classe Ilustrada
    de cidados, a quera devemos servicos mui-
    to importantes, como sao os magistrados, de
    intervr nos outros ramos do poder pa-
    blico...
    O Sr Cruz Machado d um aparte.
    O Sr. Souza Res : ... a incompatibili-
    dade traria o inconveniente de abastar cida-
    dos muito aptos da admioistraco e do
    orpo legislativo, onde podem prestar rel-
    vantissimos servicos. (Apoiados).
    E quando rae record, Sr. presidente,
    que assim no poder execotivo como no le-
    gislativo muito deve o paiz classe da ma-
    gistratura, tenbo como mais acertado nao
    concorrer para incompatiblisa-la.^ainda
    quan lo nenhuraa duvida houvesse de que
    podamos faze-lo sem offensa da consti-
    tuico.
    ^'fOccnpar-me-hei agora de ootros pontos
    sobre que a-reforma reclamada.
    ura delles a observancia da disposigo
    constitucional que slabelece o julgamento
    pelos juizes perpetuos. A maioria das
    coraraissoes fez a este respeito muito, mas
    nao tanto quanto era possivel. Na minha
    opiniao ella aastou-se mais do que era
    preciso do principio que tiaha em vista res-
    peitar, e neste ponto ainda divirjo de meus
    Ilustres cpmpanheiros. Assim, no projec-
    to se estabelece qoe uas cidades sedes das
    relagoes, nlo hajam juizes municipaes, nem
    de orph)s, e que estes lugares sejam con
    vertidos em varas de direito. Nao se esta-
    beleceu o mesmo com relag5o s outras co-
    marcas, era era pos.-ive faz-lo, porque
    sera preciso dar a cada termo umjuiz de
    direito.
    Um Sr. Dkputado :-A commissio o teria
    feito se podsse.
    O Sr. Souza Res :Sem davida ; eu
    ora jqiz de uireit marca se om
    s termo.
    r. Souza Reis : Eoti^Uoto a
    -ao anda assim procr tar o
    i constitucional pelo
    perpetuo, porque, consr' jui-
    zes municipaes, todava apenas Ibes deu a
    attriboigo de preparar o processo nt/cvel,
    e no crime somente Ihes conservou o julga-
    mento dos crmes era que es reos se livram
    sollos e das infraeges de posturas.
    Comprehende-se fcilmente a convenien-
    cia destas disposigSes. Se n5o traz emba-
    rago na pralicar se memo muito conve-
    niente para as partes a medida da fazer de-
    pender o processo civel do julgamento do
    juiz de direito, o mesmo nao acontece a
    respeito do julgamento dos crimes em que
    os reos se livram soltos, e das infraeges de
    posturas municipaes. Aitendendo-se que,
    naquelles- crimes, muito difcl seria s
    partes defenderem-se, se o julgamento de-
    pendesse de urna s autoridade em toda a
    comarca; e que, bavendo em cada termo
    urna cmara municipal, muito natural qoe
    nessa circumscripgo baja um juiz que ni-
    gua as infraccSs de suas les especiaes,
    flea fra de duvida minha proposicio, e de-
    vidamente justificadas as disposigoes do
    projecto nesta parte.
    Eu disse, Sr. presidenta, que o projecto
    aflastava-se mais do que era preciso desse
    principio mantenedor dosjulRamentos pelos
    juizes perpetuos, e assim pens porque
    oelie se acha disposto que aos juizes de
    paz cabe a attribugo de julgor eSses mes-
    raos crimes era que os reos se livram sollos,'
    e as infraeges de posturas municipaes.
    Se eu visse qm s por este modo se da-
    ra a devida garanta ao cicladlo para que
    podesse raelhor gosar dos direilos da lei.
    sera prejuizo desta, nao teria duvida alguma
    em dar tambem meu voto a essa dispon-
    gao, abrindo a-sim mais urna excepgao
    aqoelle principio ; porque, como disse, nao
    possivel que se levem lodos os principios
    s suas ultimas consequencias ; mas essa
    grnete conveniencia nao existe, e portento
    s aos juizes municipaes em cada termo em
    que nao houver juiz de direito, e cumulati-
    vamente com este onde o bouver, se deve
    dar essa attribuigo.
    A este respeito emendo tambera o pro-
    jecto, e parecemo que a emenda o torna
    mais acceitavet nesta parte.
    Sr. presidente, outra razio tenho para
    nlo estender aos juizes de paz essa attri-
    brjiglo, alm da que dei, e que os juizes
    de paz. que podiam ser incontestavelmente
    autoridades de grande pr<>veito, de verda-
    dera garanta para o cidadao, dSo o sao ; e
    nem cora isto irrogo urna injuria, nem avan-
    go urna proposicio inconveniente ou falsa,
    desde que attendo sua origem. Juizes
    de elego popular, eleiglo que, como o
    paiz todo reconbece, nlo tem o cunbo de
    sejavel da legalidade e da Iherdade ; jui-
    zes, na maior parte, muito inleressados as
    lulas partidarias das localidades, nao slo
    por certo os mais proprios para se Ihss en-
    tregar o julgamento de causas crimes.
    O Su. Duartk de Azevedo :Os delega-
    dos e subdelegados nlo slo tambem inte-
    resados as lutas ? Tire-se aos juizes de
    paz a intervengo no processo eleitoral, e
    serlo elles bons juizes.
    O Sr. Souza Res : -Depois, cumpre ain-
    da nlo esquecer que, tendo os juizes de
    paz, pelo cdigo do processo, a attribuigo
    que hoje se Ihes quer dar, o paiz reconhe-
    ceu qulo inconveniente era conserva-la, e
    essa attribuigo Ibes foi tirada.,
    O nobre deputado por S. Paulo disse em
    aparte que os subdelegados tambem >lo in-
    teressados as lutas partidarias das locali-
    dades.
    (Ha um aparte).
    Nlo fallemos do que hoje existe e qae
    nos procuramos reformar.
    Um Sr. Deputado :O jrt. do pro-
    jecto parece manler as autoridades p li-
    ciaes a attribuiglo de julgar as infraeges de
    posturas.
    O Sr. Souza Res : verdade, Sr. pre-
    sidente, que pelo art. 5o do projecto parece
    que a attribuiglo que hoje teem as autori-
    dades policiaes de julgarem as infraeges de
    posturas, man'.ida. D.zesse artigo:
    Fica extiucta a jurisdi;?o dos ebefes
    de polica,' delegados e sabdelegados no
    que respefa ao processo e julgamento dos
    crimes em que o reo se livra solt.-*
    O Sr. Cruz Machado:-Esta escapou-
    mel (Hilaridade).
    O Sr. Souza Res :Mas nlo era este o
    pensameno da commissl, e eu, que notei
    isso no projecto, offerego emenda para que
    se accrescentem as s-'guintes palavrase
    das infraeges de posturas.
    Creio que escaparam estas palavras na
    redacclo do projecto, e por isso a emenda
    completa a disposigo e serve de resposta
    ao nobre deputado por S. Paulo.
    (Ha diversos apartes).
    Vejo bem que os nobres deputados nlo
    tinbam essa intengio, e folgo estar de ac
    cordo com Ss. Excs.
    Um Sr. Deputado :Mas nlo acha que a
    disposiglo do art. 5o comprehende s crimes
    de infracglo de posturas ?
    O Sr. Gama Cerqueira :Nlo se livram
    soltos os reos as infraeges de posturas
    O Sr. Souza Res :Primeramente nlo
    se cosiuraa chamar crime as infraeges de
    postoras; nunca ninguem entendeu a n-
    fracglo de posturas por crime em que o roo
    se livra solt. No foro nlo se usa dizer :
    reo de crime em que se livra solt, refe-
    rindo-se ao infractor de posturas. Alm
    disto, em outras partes do projecto em que
    se trata de ambas as especies, slo ellas dis-
    tinctamente. designadas.
    O Sr. Gama Cerqueira :Tanto nlo pro-
    cede a distinego que o nobre deputado faz
    de simples infractores de postoras ou de
    reos, que na linguagem mesmo do cdigo
    do processo o infractor de postaras con-
    siderado reo.
    Sr. Souza Res :Sem duvida, mas o
    mesmo cdigo nlo confunde e antes distin-
    gue como especies differentes, designando
    urna como infraegio de postaras e a outra
    como crimes em que os reos se livram sol-
    tos ; e o projecto, fazendo o mesmo.em ou-
    tros lugares, somente neste artigo deixou
    de faz-lo; e para que nlo pareca que se
    quiz dar s autoridades policiaes o processo
    e julgamento das infraeges de posturas, a
    emenda necessaria.
    O Sr. Cruz Machado :Oa falte em um
    logar, ou sobra em outro.
    O Sr. Sodza Res :Tendo, Sr. presi-
    dente, expedindo minhas ideas sobre a par-
    te do projecto relativa attribuiglo de jal-
    tnteslo oeste parte me parece qoe
    Fez quanto poda, ue rou s auto-
    ridades policiaes o proounciarem-se de qual-
    quer forma sobre a cnmina'idade de qual-
    quer individuo que l'Jr aecusado, deixando-
    Ihos apenas a attribuiglo de prender e for-
    mar o processo, qoe ser submettido au-
    toridade a quem compre pronunciar, juiz
    municipal ou juiz de direito, sendo a pro-,
    ouncia daquelle 'cora o recurso necessario
    para este.
    Dir-se-ha : Ainda assira a separaglo deso-
    jada nlo se d, porque na opiniao de muitos
    attribuiglo judiciaria a formaglo do pr >-
    cesso. Nao estou longe de pensar com
    estes: mas quera coohece o uosso paiz v
    bem, primeiro que ludo, a grande dillicul-
    dade de poder-se legislar com unidade para
    t das as soas localidades, e por isto qne
    a respeito de todos os principios se v abri-
    rem-se a cada passo excepees.
    Com relaglo separar a justica da polica
    a c xcepgo na parle relativa prislo. fianga
    e formago do processo. Entretanto, pens
    que alo se dir com razio que nlo se ga-
    ranti melhor a liberdade do odadlo. tiran-
    do s autoridades policiaes o direito do
    pronunciarem-se sobre a crimnaldade.
    O Sn. Duarte de Azevedo:Se ellas
    frmam a culpa quasi illusoria a faculda-
    de de pronunciarem se.
    O Sr. Theodoro da Silva : Jaizes sera
    responsabiiidade l
    O Sr. Souza Res : Nlo pens como o
    nobre deputado ; juizes sem responsabilida-1
    de, porque ?
    6 Sr. Cruz Machado : Faga o favor de
    lr o 2. do arl. 5., que ver que elles
    conebrrem para a formago da culpa, fazen-
    do diligencias etc.
    O Sr. Souza Res : NSo ha quem ne-
    gu isto; mas em que consiste a nc res-
    ponsabiiidade das autoridades policiaes ?
    O Sn. Theodoro da Silva : O formador
    do processo quem est mais apto para
    julga-lo, porque dabi depende o julgamento.
    O Sr. Souza Res : Este argumento
    ataca todo o processo, desde a primeira at
    a ultima instancia; e ainda assim nlo ouvi
    o motivo da nlo responsabiiidade das auto-
    ridades policiaes. As autoridades slo sem-
    pre responsaveis por seus actos.
    O Sr. Theodoro da Silva : Eu fallo da
    responsabiiidade moral e nao O Sr. Souza Res : Se a responsabiii-
    dade moral cabe smente ao juiz que pro-
    nuncia, ha na reforma melh r garanta p=ra
    o cidado, porque a responsabiiidade moral
    vai recahir sobre urna autoridade que, na
    opinilo geral, melbor a assegura.
    J v, portento, o nobre deputado que a
    crcunstnncia d ser a r-sponsabilidade mo-
    ral excluida, orne ds S. Exc, da aoto-
    ndade policial, e attribuida smente ao juiz
    de direito, sem duvida antes ura motivo
    para applaudir a reforma do que para con-
    demna la.
    Sr. presidente, a attribuiglo que o pro-
    jecto manten aos delegados e subdelegados,
    de formarem o processo e de executarern
    todas as deligencias que osjuizs de direito
    determinaren), quando Ihes forera presentes
    os processo*, loda no interesse legitimo
    das partes, que muito sofjreriam se fossem
    obrigadas a ter formar o pr'ocesso ante ama
    s autoridade em cada comarca, ou mesmo
    em cada termo. No devemos por amor do
    rigor dos principios, prescindir de conciliar
    os interesses da lei com o das partes.
    O Sr. Cruz Machado : Sem duvida.
    O Sr. Souza Rj$is : Sr. presidente,
    com relaglo s medidas que o projecto con-
    ten para melhor garantir a liberdade do ci
    dadlo, diversas disposigoes ha no projecto
    era discus>3o. Mencionarei em primeiro
    lugar os que se referem aos crimes afilan- que prenda alguem
    gaveis, e fianga.
    Pelo que diz respeito aos*crimes afianca-
    veis, o projecto consigna a idea ", se revo-
    gar a disposiglo do i. do art. 38 da lei
    de 3 de dezembro de 1841.
    Este paragrapho refere se a certos crimes,
    em que, por excepglo regra geral dos
    crimes aflangaveis, se estabelecia como ina-
    flangaveis o crime de conspiraglo e ootros.
    O projecto revoga essa disposiglo e faz
    incluir esses crimes na regra geral dos affi-
    angaveis, tendo em attenglo a pena que est
    esiabelecida para cada um delles.
    Com relaglo fianga, o projecto consigna
    a idea da fianga provisoria, como um reme-
    dio mais prompto ; e revoga tambem o art.
    45 da mesma lei de 3 de dezembro, que
    se refere garanta que tinbam os prejudi-
    cados pelos crimes, de haverera o damno
    causado do fiador, assim como tambem de
    serera as custes pagas por este, quando o
    reo nlo tivesse meios para isso, e nao fu
    gisse, sendo condemnado.
    A commissio entendeu que, nessa bypo-
    these, nao devia sugeitar o fiador ao damno
    causado, nem s custas. (Muito bem.)
    um meio de facilitar a anga, desde que,
    assim, menos repugnancia haver em pres-
    ta-la.
    Agora, quanto fianga provisoria.
    A este respeito o nobre deputado pelo 6.
    d stricto de Minas fez a consideraglo de que
    o projecto nlo fazia differenga alguma entre
    a fianga provisoria e a definitiva.
    O Sr. Cruz Machado : verdade.
    O Sr. Souza Reis : Eu disse. em apar-
    te, ao nobre deputado, que 'he achava algu-
    ma razo; accresceniarei agora que a com-
    missio aceita emenda sobre o assumpto, e
    procurar mesmo apresenta-la, de modo a
    eslabelecer bem a differenga entre urna e
    outra fianga, e a tomar a provisoria de im-
    mediata prestaglo.
    O Sr. Cruz Machado d um aparte.
    O Sr. Souza Res : Em todo o caso,
    desde que pelo projecto dea estabe ecido
    um processo para a fianga que exclue a ap-
    plicaclo do qne actualmente vigora, e a-
    quelle tal qne qualquer autoridade a quem
    o preso fr apresentado, pode immediata
    mate aceitar a fianga, fica bem patente que
    o projecto atienden muito a facilita o della,
    p que nma grande vantagem para o ci-
    dadao.
    J disse, Sr. presidente, que pelo projec-
    to a fianga pode ser prestada perante qual-
    quer autoridade, a quem fr apresentado o
    aecusado; ora, sendo boje, pelas leis em
    vigor, smente a autoridade que prende ou
    pronuncia, quem pode aceitar a fianga, V.
    Cxc. comprebende quanta vantagem ha na
    reforma qoe o projecto adopte. (Apoiados.)
    Nlo teve, portento, razio alguma o nobre
    deputado por Minas, qoando pretendeu fazer
    acreditar qoe neste ponto nlo tinha o pro-
    jecto melhorado cousa algoma a nossa le-
    na q i- ci la lio acensado de rrwe anio
    gavel ndass
    pois de f **
    horas, qnando a coost -ier que
    possa ser preso ind gara, desde
    qae declarar que quer prestar fianga.
    Sem duvida 4 esta* a disposiglo constito-
    iooal, mas a pmpria c->nstitoiglo diz q >e
    ningaem ser condusido priso ou nella
    conservado; por tanto nlo pode ella referir-
    se, tratando de priso, seguranga era qae
    se procor* ter alguem a quem se attribua
    um crime, at que preste flanea.
    O que qoer a constitnieai rue nlo
    seja recolhdo o aecusado casa de priso,
    mas nao que deixe de ser condozido preso
    ou seguro, para que a fianga seja prestada.
    Creio que nlo estou em erro argumentando
    desta maneira
    O Sr. Gama Cerqueira : Isto resulta
    m'smo das palavras da constuigSo.
    O Sr. Souza Res : Para a boa execu-
    glo do precelo constitucional as leis de-
    vem estabelec-r um processo tal para a
    fianga, que fcil:le sua prestaglo, para que
    nlo se torne impossivel a disposiglo que
    rohibe qoe seja recolhdo priso o ae-
    cusado que quer e pode em vrtude da le,
    dar fianga. justamente isto o que o
    projecto faz.
    (Trocam-se diversos apartes.)
    O projecto consigna a idea de um certo
    praso para a apresentago dos cidados
    presos em flagrante, autoridade que deve
    interroga-los e providenciar sobre seu des-
    tino, estabelecendo 12 horas at urna legua
    e mais 4 por cada legua que accrescer.
    Nlo acho que naja ioconveniench alguma
    nessa disposiglo, creio que della nao pode
    surtir effeito algura salular;e desde que nessa
    mesma disposigo se consigna que o reo
    seja aprese atado a qualquer das seguintes
    autor.dades : juizes le paz, subdelegados,
    delegados, ju z^s municipaes e da direito,
    me parece que sem fixar-se praso, edizen
    do-;e apenas que o reo seja apresentado
    a qualquer dessas autoridades, nlo poder
    haver o menor receio de que em curto es-
    pago de tempo se nlo encontr ijuem co-
    nhega da prislo.
    (Ha ura aparte.)
    Essa disposiglo est no Io do art. 8o,
    que consigna, sem duvida alguma, urna das
    reformas desejaveis em relaglo liberdade
    individuil, qual de ser apresentado o ae-
    cusado primeira autoridade que fr en-
    contrada.
    O aobre deputado fez a reflexlo de que
    a palavramesmoque se l nessa dspo-
    siga i nlo liaba cabimento, porque nao se
    tinha tratado ainda de juiz.
    O Sr. Cruz Mlchado : verdade.
    O Sr*. Souza Res : O nobre deputado
    eoganou-se perfeitamen'e ; a disposiglo
    ora fa assira: nao ha vendo juiz no lu-
    gar o que quer dijer o prpjecto scom
    estes palavrasoo estando presente o juiz
    inapetente ; por conseguinte, dizendo
    era seguida : o conductor apresentar o
    reo ao mesrao jaiz dentro de 12 horas ,
    claro que a palavramesmoaqui refe-
    re-se aj juiz competente de que fallou
    antes.
    O nobre deputado, pois, rJo tinha razo
    alguma, guando considera va a palavra
    mesmosem sigaificago ; ella est mito
    bem cabida, embora eu nao adopte dis-
    posiglo que a comprehende, porque nem
    pens que se deva procurar o jaiz em
    nome de quem foi feita a priso, de prefe-
    rencia a q'ualquer outro, e nem julgo urna
    garanta a designago de prasos para essa
    procura ; ao contrario, esses prasos podem
    dar lugar a abu-os e violencias.
    Como que se ha de andar 12 horas e
    mais com um preso a procurar urna certa
    autoridade...
    Um Sr. Deputado : Marca-se praso.
    O Sr. Souza Res : Se o inspector de
    Iquarteirio, o soldado, o cidado, qualqoer
    quizer exceder esse
    praso, quem ihes ha de ir s ralos ? E
    depois, seonores, que interesse tem qual-
    quer desses individuos de andar com um
    hornera em seguranga legtus e leguas 9 O
    resultado ser que ele, a proposito de ter
    12 horas para procurar a autoridade at
    urna legua, procurar meio de por o preso
    debaixo de guarda, sem incomraodo seu ;
    amarra-o, meite-o no tronco, etc., porque
    nlo tem outro meio de guardar por It
    horas um homem.
    Eu, portanto emeo lo essa disposigo por
    esta forma:
    Nao se achando o juiz no lugar em qne
    se effectuar a priso, o conductor apresen-
    tar o reo ao juiz de paz, delegado, sub-
    delegado, chefe de polica, |uiz municipal ou
    juiz de direito, qual delles fr primeiro en-
    contrado.
    O Sr. Cruz Machado : Todos ficamos
    satisfeitos c O Sr. Souza Res : Preceu-me que
    ara melhor tirar esses prasos e emendar
    como proponho, porque sao tantas as auto-
    ridades quemlo ser difficl encontrarle
    prompto urna dellas.
    O Sr. Cruz Machado : A discusso,
    como urna conferencia de jurisconsultos,
    que serve, o raelhor mei6 de acertar.
    O Sr. Souza Res : Contm ainda o
    projecto outras dispos ces no sentido de
    garantir a liberdade individual. Assim, es-
    tabelece ele qoe nlos os cidadlos presos
    em flagrante delcto, como fica dito, mas
    tambem em vrtude de pronuncia, possam
    prestar fianga perante qualquer autoridade
    a quem forem apresentados.
    Estabelece mais que" nos crmes em que
    os reos se. livram soltos, o inspector de
    quarteiro lavre um auto e faca ir embora
    0 aecusado.
    A este respeito, porm, o nobre depu-
    tado pelo 6o distncto de Minas lembrou
    qoe era preciso estabelecer alguma medida
    no sentido de tambem assim se proceder
    quanto aquelles que fossem presos por qual
    quer cidadlo. sem duvida muito justo.
    Eu nlo fiz emenda a este respeito, porque
    as emendas que eu offerego sao smente no
    sentido das restriego s que mo'.ivaram mi
    oba divergencia com meus collegas da
    1 commissio ; mas cont que estes nlo tero
    duvida em acceitar a medida lembrada.
    Acaba o projecto com a appellaglo nos
    crimes aflangaveis desde que a absolvigo
    fr por unanimidade. E' essa disposiglo
    muito salutar, e que a3senta em slos prin-
    cipios.
    No projecto se consigna a idea da appel-
    laglo por falte de forma, no interesse da
    lei nicamente. O nobre deputado fez so
    bre isto varias considerages, qae realmente
    calaram em meu animo.
    Entretanto ha ama verdadera Inte entre as
    vantagens da disposiglo do projecto* e as
    qae se podem colher da disposiglo actual-
    pela
    coftvi, de-
    le ter sido jaste a decalo I ar-se
    assim geiser em prislo qoe foi jolgado
    livre de pena, muitas vezes smente porque
    occorreu allgame qae no julgamento nlo
    se tocou a campaioha, por exeaplo, o oo-
    tra qualqoer falta de formula semelbante..
    O Sr. Cruz Mrchado : E quaodo ap-
    pellam, s vezes nem sabem ainda o qae
    blo de dizer.
    O Sr. Souza Rhs : ... sem dovi-
    da doloroso ; mas tambem certo qfie po-
    de dar-se nullidade qoe ioflua no julgamen-
    to, como bem lembrou o nobre deputado
    por Minas, como, por exemplo, conter o
    conseibo individuos interessados palo reo,
    e ser a absolvigo por empate da votos oa
    por ama maioria feita com o numero de
    votos igual ao desses interessados ; e neste
    cas<> nao menos doloroso qae nlo baja
    meio de dar-se novo julgamento.
    Na luta destes inconvenientes en tenbo
    difficuldade para decidirme entre a don-
    irina que vigora e a qae se qoer admittir.
    Um Sr. Deputado d am aparte.
    O Sn. Souza Res : Enteodo, pois,
    que alguma medida se deve estabelecer no
    sentido de acautelar taes inconven-entas.
    Ouvi, creio que mesmo a om dos ateos
    nobres collegas da commissio, aidea.de
    nlo se admittir appellaglo alguma por falta
    de formulas, sem que1 parte tenha pro-
    testado ...
    O Sr. Pinto Lima : Apoiado.
    O Sr. Souza Rels : ... no corso do
    juramento, pela nullidade resaltante da
    falta.
    O Sr. Andrade Figueira : Entio pro- '
    testa contra ludo; preciso destinguir cer-
    tas nulhdades.
    O Sn. Souza Res : Estebelecidas pre-
    viamente as nullidades, pn testando as par-
    tes em tempo e deixando-se ao juiz de di-
    reito a aprecago-, ou qnando sejam bas-
    tantes as duas primeras condiges, pens
    que teremos acertado. O que verdade
    que nos termos absolutos em qne est
    concebido o artigo, eu tenbo duvida de
    prestar meu voto. Entendo que devemos
    considerar sobre este ponto e offerecer al-
    guma emenda que evite ambos os inconve-
    nientes.
    Estabelece o projecto ainda, Sr. presiden-
    te, que nlo bavendo jury n'om termo seja
    licito aos reos, que oor isto deixaram de
    ser julgados, o direito de requerarem seu
    julgamento em outro termo viziobo, con-
    vinlo o promotor publico.
    Que a dispoeiglo conveniente, parece-
    me que nlo ba duvida. Mesmo o nobre
    deputado que se oppcz a ella, nlo o fez
    pela disposiglo em si, foi palo direito qoe
    el a d ao promotor de oppr se, e oeste
    caso nao possa ter lugar o pedido do reo.
    O Sr. Cruz Machado : Se a disposi-
    glo conveniente, seja pura e simples.
    O Sr Souza Res : O meu nobre col-
    lega de commissio que hontem responden
    ao nobre depntado, quanto a esta objecglo
    declarou que neste caso a audiencia do pro-
    motor, seu voto, nlo deve resolver a qaes-
    ta > ; qoe o voto abi apenos consultivo.
    Eu nlo pens assim ; pela maneira por
    qoe est o artigo redigido, nem Uve, con-
    fesso com toda a franqueza, esta idea qoan-
    do conferenciamos sobre o projecto.
    O Sr. Cruz Machado : A palavra con-
    vier decisiva, e nlo consultiva.
    O Sr. Souza Res : ,Sem dovida.
    Entretanto, se cumpre tirar ao reo qualquer
    meio de que elle possa langar mo para pre-
    ferir om jury que Ihe parega mais favoravel,
    e por isto que se d ao^promotor o direito
    de coovir ou nlo, cumpre tambem evitar
    que o promotor caprichosamente se opponha
    ao requerimento do reo. Nestas circums-
    tancias, o que me parece mais conveniente,
    concordando, portanto, em parte com o
    oobre deputado por Minas, que se de-
    clare francamente que seja consultivo o
    voto do promotor, ou que se diga apenas
    ouvido o promotorporque neste caso fica
    ao juiz de direito o apreciar as razes qne
    porvenlura o promotor opponha ao reqne-
    rimento do reo.
    (Cruzam-se algons apartes.)
    Sr. presidente, este projecto, alm de
    disposigoes que muito favorecem liber-
    dade individual, comprehende outras de
    incontestavel conveniencia publica e parti-
    cular ; elle d providencias no sentido de
    facilitar o andamento das caosas e simpli-
    ficar os processos, para que nlo prezem
    sobre as partes tanto quanto hoje.
    O projecto acaba com a obrigaglo qoe
    tera o justificante de deixar traslado da jus-
    nficaglo no cartorio ; de fazer subir os re-
    cursos crimes por traslalo; de 9erem as
    escripturas lavradas do proprio ponho do
    tabellilo ; e manda que as causas civeis da
    algada do juiz de direito se use do proces-
    so summario commercial.
    Dispe alm disto o projecto que os cri-
    mes classificados nos arts. 257, 258, 260
    261 e 265 quando se tratar de valor de
    menos de 100 sejam julgados pelo juiz de
    direito, caben 10 nelles acglo oficial.
    O a bre deputado por Minas achou cen-
    suravel esta disposigo. porque entendeque
    ella anima os grandes furtos.
    Realmente, Sr. presidente, parece pri-
    meira vista ; mas quem attender que em
    geral, e principalmente as cidades mais
    populosas, os pequeos furtos analtam ex-
    traordinariamente, e os prejodicados, j
    pelas despezas que acarrelam os processos
    j pelo incommodo que elles dio, nlo tra-
    tam de promover a aecusago, comprehende
    a razio da disposigo.
    A polica a cada pisso incommodada
    por causa dos ratooeiros, e a maior parte
    das vezes acha se m frente delles, mas
    sem acglo. portanto indispensavel orna
    medida que habilite a mais prompta pnni-
    glo de taes criminosos o que servir para
    extingu los, talvez.
    Essa medida pareceu commissio que
    era a que propoz no projecto, qual a de
    sujeitar esses criminosos ao julgamento do
    juiz de direito, dando-se ao promotor po-
    blico acglo para accusa-los. Parece-me,
    pois, que a idea acertada. (Apoiados.)
    O Sr. Cruz Machado : Eu nao disse
    qHe a pena acorogoava os grandes crimes, eu
    disse que os pequeos furtos entregavam-se
    a acglo official da justica e oa grandes
    nlo.
    (Continuarse-ha).
    Y>. DO DIARIO HUA QUE DE OX1AS


  • Full Text
    xml version 1.0 encoding UTF-8
    REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
    INGEST IEID EKKXJAXMG_CI3287 INGEST_TIME 2013-09-13T21:37:44Z PACKAGE AA00011611_12207
    AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
    FILES