Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:12204


This item is only available as the following downloads:


Full Text

NNO XLVI. NUMERO 200.
t
t
I '

PARA A CAPITAL E LUGARES OSDE IAO SE PAGA P01TE.
for ir* mezes adjuntados.................
*or sais ditos dom...................
*or o Cada umepo avulso. ,...............
6^000
12,5000
24.9000
320
SEfiMHM FEIBA 5*DE SETEMBRO DE 1870
PARA DEITRO E FORA DA PROVCIA.
Por tres mezes adiantados................. 6*710
Por Mis dito idem.................... 43J9500
Por note ditos idem................... SOSBa
Por um armo idem................... 274000
Propriedade de Manoel Figueira de Faria & FHhos.

AO ACCNTEtt:
#6'8rs. Gerardo Antonio Alves 4 Filhos, no Para ; Goncalves d Pinto, no Maranhao ; Joaqaim Jos de Oliveira, no Cear\; Antonio de Lemos Braga, no Aracatj ; Jo5o Mari Julio Chaves, no Ass ; Antonio Marques da Silva, no Natal; Jos Justino
Pereira d'Almeida, era Mamanguape; Antonio Alejandrino de Lima, na Parabyba ; Antonio Jos Gomes, na Villa da Penha; Belarmino des Santos Bukad, em Santo Anto; Domingos Jos da Costa Braga,
em Nazareth ; Francisco Tavares da Costa, em Alagoas ; Dr. Jos Martins Alves, na Baha ; e Jos Ribeiro Gasparinho no Rio de Janeiro.
PARTE OFFICIAL
vera* 4a provincia.
VkraamTc asWbkaoo pelo f.xm. Sr. sEyADOR
Panttaico de Alukiuv k Albcukitoue un t uk
UML B 8Jo.
1.' secgao.
N.J.Oficia aponselho de compras do arsenal
tegoaar*.Aatoriso o coaselho de compras do ar
neoal de guerra a promover a compra au s do
brja para calcas, sobrecasaeos e blusas, como
i imbei daa mems e camisas de meia menciona-
dlas a* cluso pedido 1 que se fazem necessa-
riea nadeposito de recruias, e o arsenal de guerra
.na tesa para c'urnecer, como declarou o respectivo
vttnfm ficio u. 11 de 26 de marco lindo.
3. MC(J0.
. N. i.Oficio ao iaspeclor da thesouraria de fa-
inada.^ximmuuico a V. S. para seu coohecimento
jan pur deliberacao esta data e em vista do obl-
en da aoheiro tiseal da estrada de Ierro de
29 de marro prximo lindo, resolv nomear o en-
jgaakfi b*cU*roi Joao da Cunha Beltro de Arau -
r* Peieva para exercer interinamente o lugar
icajao/; do masmo engenheiro, durante oim-
padmaalu sa aaawnWda legislativa provincial.
4' secgao
N. 3. Oficio cmara municipal da capital.
Uaa *da salvaeio estou promptu a receber
latiadm, i urna llura da larde, acamara munici-
pal em eurpuracao, como deseja e expressa em
seu gtteta de boje, .que fica assim respondido.
. fcWto mesiua. Concedo a autorisacio
Tte pede, a cmara municipal d'esta cidade em
Acia e 23 de marco prximo lindo sob n. 18,
para. tespender pela verba evenuiaes a quantia
*le 506f ocia o trabalho do levantamento de urna
piaata di povoado da Torre, que pretende mandar
wtsta lar aUi inulto se deseuvolvido a edifi-
T*

3. 5Lttelibtrago.O presidente da provincia
renta ornear o engenheiro Joao da Cunha Bel-
tra de Araujo Perra para exercer interinamen-
te ta(ar de ajudaule do engenheiro liscal da es-
tnix de ierro, durante o impedimento de pruprie-
taria, que est com assento na assembia legisla-
vt provincial.
K. .-Jiita.O presidente da provincia alten-
Sema* a* que requeren a professora publica de
anamnesia primaria da povoago de Baixa-Verde,
Aeranrtriaa Marques da Silva Mascarenhas, e ten-
-ioem wta a inf jrmico do director geral da ias-
uvro psbliea de 15 do marco prximo lindo, sob
a. IW, resolve eonceder-lhe dous mezes de licenca
coot prdeaado .lmeute.
>:i.*3BCSrE ASSHUiAOO PKt.O 8R. DO. ELIAS FREDB-
XOS a&WEIDA K ALULOOKROt'R, EM 1 BE AHEIL
.,1870.
4J scelo.
>. 7.- OiDha'tteKrao de Araujo Pereira.--S. Exc. o Sr.
presidente da provincia, tendo por deliberacao
d.'aa, Aata orneado V. S. para exercer interina
netas a tugar de ajudanie do engenheiro tiseal da
eatraia de err> do Uecie a S. Francisco, durante
) eapedimento do proprielario, que est com as-
Itt'a nuada communicar para seu conhecimento
S. *.Biio ao engenheiro tiseal da estrada de
ierro.S. Esc. o Sr. presidente da provincia man-
i cnaanuaicar n V. S., em resposta ao seu oIBcio
J *)<4f aar\*o prximo lindo, sob n. 78, que por
tetiberarae 'uesta daia nomeou o engenheiro ba-
taarel Js da Cunha Beltro de Araujo Pereira
pan xeroer interinamente o lugar de a udante
dicoenin d proprielario, que est com assento na
asseasWa legislativa provincial.
x?KBre*TU assionado tlo exm. Sr. senador
Famsiuc,) de almeida e Albcqueroue em 2 de
vau. ue 1870.
2.' seccao.
& 9. -OIBcio ao com'mandanH superior do
Toaaicipio de Olinda.Expeca V. S. as conve-
miases ordens para que a 8 do corrente, as 3 ho-
ras da-larde, o batalho n. 9 de infantaria sob e*se
conaxaudii superior se aprestnte em frente da
igTa cafliedral para acompanhar a imagem do
Saur dos Pass)3, que em solemne procisso tem
de regressar para a sua igreja, devendo em frente
deita*ex presentada no dia 7 as 6 h >ras_da lar-
de ojaa puarda de honra do rnesmo balalhao par
accopaobar a imagem que tem de ser depositada
oaqaetla calhedral.
K. VLDito ao commandante superior de Santo
Aatt.Expela V. S ;is ?uas ordens para que
urna gaarda de honra com bandeira e msica do
ttatatnaa que designur-se poste em frente da matriz
dz vafe ia Escada para as-istlr aos actos da se-
mana santa e acompanhar as procissoes que nesse
teeplo se em de celebrar e d'elle sahir, isto desde
as 19 lluras do dia li at o dia 17 do corrente.
N. IL Dito ao commandante do corpo provi-
sorio de ,polcia.=PJe Vine, engajar no corpo
aob seu cora mando os voluntarios da patria Lino
Alve de Souza, Manoel Pereira de Amorim, Jo
rrando Pereira, D-miz Antonio da Silva, Pedro
Jos da Sdva, Jo^ Francisco de Araujo e os pai-
sano* Manoel Flix Barbosa e Joaqun) Prxedes
Harfnes, dos quaes tratam o* seujoffljios ns. 139
e !H de'30 de margo ultimo e 1 do corrente, se
liverea a doneidade nocessaria para isso.
N- li Dito commandante do primeiro ba-
tathaa da artimaa.Inteirado de quaBto Vmc.
nw otanonica em seu ofBcio de 30 do mez Ando,
deafaa a dizer Ihe que nenhuma falta houve no ser-
vica 4 balalhao, o qual sob o seu commando
rumprw bem os seus deveres.
N O.Dito ao juiz municipal da primeira vara.
Transmiti "Vmc. para que substitaara as irre-
iralarejs que esto no presidio de Fernando de No-
ranaa aa guias juntas dos sentenciados constantes
da refaci annexa que lambem se acham naquelle
piiwdiii. as quaes me foram remetlidas pelo pre-
sidente da provincia do Kio de Janeiro em officio
a 23 do mez fndo.
./Jrfajaa io* sentenciados a que te refere o officio
supra.
Van*B\ Jos de Souza Kibeiro, J-io Pedro de
.-vMna, Casimiro Augusto Lopes, leronymo Pires da
Silva, Gil Eustaquio da Motta. Manoel Rodrigues
Caram, Joao fle Souza Das Valladao, Jos Fer-
aanaes de Mendonca e Joaqaim de M.igalhaes
Costa.
JL 14.Deliberacao.O presidente da provincia,
oafomuodo-se cem a proposta do chele de poli-
ca n oficio n. 437 d 29 do mez Ando, resolve
aca- para o cargo de subdelegado da fregtiezia
te Santo Antonio d'esta cidade, o bacharel Miguel
, J,oc> de Albuquerque Mello Filho, que actual-
aacme primeiro suppleol.
Jt |SlPortara ao inspector da thesouraria de
Uzeada.Mande V. S. liquidar e pagar, em vista
U talka prel nominal juntos em duplicis, que
neranedeu o commandante superior d'esle mu-
mdpi'Jdimofficio de'hontem, sob n. 72, os venc-
. mente* do oficial e pravas do 6* baathao de in-
, dawtacado na fonalezado Brum, sendo os do offl-
, ca! cartespondentes ao mez de marco e os das pra-
eas a exonda quinzena do mesmo mez.
X. W- Dilo ao mesmo.Em vista das folha o
. pret jant em duplicata, qne me remeiteu o bri-
(aetro commandante das armas com oficio df
bjiaaaa. sob n. 167, mande V. S. liqnidar e pagar
s venetawntos dos offlohes, praeas e calcetas em-
imnadriii oo deposito de recrutts, sepde os dos
atetan e calcetas relativos ao mez de margo e os
^djaintasis seguu Ja qainzena do mesmo mez.

N. 17.Dito ao mesmo.Transmiti V. S. a
folia e prel juntos em duplcala, que me remetteu
o brigadero commandante das armas com oficio
de hontem, sob n. 168, alien de que mande liquidar
e pagar os vencimentos do oficial encarregado dos
prisioneros de guerra paraguayos e dos mesmo
prisioneros, ?end,i os daqueil relativos ao mez de
marco ultimo, e os menina mez.
N. 18. -Dito ao mesmoAttendendo ao que re-
quereu o gerenie da enmpanhia Pernambucana,
recaniinendo V. S. que, se nao houver inconve-
niente, mande pagar-lhe a quantia de 11:166^666'
res, proveniente da subvenfao relativa ao mez de
marco ultimo, com que o governo imperial sub
veneiooa aquella companhia, que, segundo allegal
satisfezseuscomprorgissosem todo aquelle mez.
N. 19Dilo ao m%smo.Expeca V. S. sitas or-
dens para que. em vista da folha, relacao nomina,
e prel juntos em duplcala, a que se refere o ofi-
cio dr commandante superior d'este municipio, da-
lado de honteuj, e sob n. 71, sejvn liquidados e
pagos os venximentos do oficial e pravas do 4.
hatalhao de infantaria amartelados no forte do
Buraco, sendo os do oficial correspondente' ao
mez de marco ultimo, e os das pravas segunda
quinzena do'mesmo mez.
X. 20.Dita ao mesmo.Communico a V. S.
para os devidos fias, qne, sesundo participou o
Dr. JooThom da Silva em oficio do I dn cor-
rente, nessa data entrou no goo da licenca que
Ihe fui concedida por deliberacao de 31 do me*
Ando.
N. 20. bis.Ditoao mesmo. Communico a V.
S.para sen conhecimento que o cirurgiao Jos An-
tonio de Lelo se acha exonerado dosde do dia 10
de marco prximo lindo, da commissaode qne ea-
tva incumbido do tralamento dos desvalidos que
foram accommettidos da varila na cidado do Kio
Forraoso.
N. 21.Dita ao mesmo. Communico a V. S.
para os dovidos tins que, segundo participou <
juiz de direito da comarca do Kio Forinoso em
oficio de 22 do mez liadj, nomeou nessa data o
bacharel Manoel Jos de Uliveira Miranda para
exercer o cargo do promotor publico d'aquella
comarca no impedimento do elTeclivo bacharel
Jos Manoel de Barros Wanderley quo veio tomar
assento na assembia provincial.
4" secgao.
N. 22Portara a cmara municipal da villa
do Buique.Declaro a cmara municipal da villa
do Buique ora resposta a seu offlco de 3 de feve-
reiro ultimo que, nesta dali submeltido ao conhe-
cimento da asse.-nbla legislativa provincial o pro-
jecto de postura que para ter esse deslino, acom-
panhou o seu i-itado oficio.
N. 23. Deliberacao.uO presidente da provin
cia attendendo ao qae requereu a professora pu-
blica da cadeira de inslrucco primaria] da .Villa
Bella, Guilhermina Francisca de-ifraujo Linr, e
lendo em vista as informacoes d) director geral
da instruecjio publica e do inspector da thesoura-
ria provincial de 15 e 19 de marco prximo Undo,
sob n. 97 e 198, resolve de qonformidade com o
art. 23 da le n. 598 de 13 de maio de 1864 con-
ceder a referida professora a remocao que pedio
d'aquella cadeira para a da pnvoacao da Laga
dos Gatos, creada pela lei n. 715 de 20 de maio de
1867.
EXPEDIENTE ASSIGNADO PELO SR. DR. ELIAS FREDK-
RICO DE ALMEIDA E ALBUQUERQUE, SECRETARIO
INTERINO DO GOVERNO, EM 2 DE ABRIL DE 1870.
2* seccao.
N. 21,OIBcio ao Dr. chefe de polica. De or-
dem do Exm. Sr. presidente da provincia trans-
miti a V. S. o titulo junto de Demeacao do bacha-
rel Miguel Lucio de Albuquerque Mello Filho,
para o lugar de subdelegado da freguezia de San-
to Antonio desta cidade de conformidade com a
proposta de V. S. em oIBcio n. 437 de 29 do mez
ndo.
N. 25Dito ao juiz de direito do Rio Formoso.
O Exm. Sr. presidente da provincia manda de-
clarar aV. S. que ficou inteirado pelo seu oficio
de 22 do'mez findo, de ter nomeado nessa dala o
bacharel Manoel Jos de Oliveira Miranda para
exercer interinamente o cargo de promotor pu
blico dessa comarca no impedimento do effeetivo
que veio tomar assento na assembia provin-
cial.
. 26.Dito ao Dr. Joao Thom da Silva.O
Exm. Sr. presidente da provincia manda declarar-
me em resposta ao seu oficio de 1 do corrente
que Ika inteirado de ter Vmc. nessa data entrado
no gozo da licenca que Ihe foi concedida por de-
liberarlo de 31 do mez lindo.
4' seccao.
N. 27.Oficio ao Dr. Francisco Texeira de S
Io secretario da assembia legislativa provincial,
o. i. -S. Exc. o Sr. presidente da provincia aquera
foi preente o oficio que V. S. me dirigi em Io
do corrente seb n. 6, manda declarar-lhe para
hzer sciente a assembia legislativa provincial
que boje a 1 l|2hora da tarde recebeu no pala-
cio a commissao que, por parle da raesma as-
sembia tem de presentar as snas congratula-
rles pela feliz terminacao da guerra do Paraguay.
N. 28.Dito ao mesmo, n. 5.S. Exc. o Sr.
presidente da provincia, aquem foi presento o
oficio que V. S. me dirigi no Io do corrente sob
n. 5, manda declarar Ihe que flea inteirado de
ter sido eleita a mesa, que deve reger os traba-
Ihos da assembia legislativa provincial durante
a sesso actual.
N. 29 Dito ao director geral da instruegao
publica.S. Exc. o Sr. presidente da provincia
tendo p^r deliberacao desta data e em vista de
sua informacao e do inspector da thesonraria
provincial de 15 e 29 de marco prximo findo
sob ns. 97 e 198 resolvido conceder nos termos
do art. 23 da le n. 598 de 13 de maio de 1864 a
remoci que pedio a professora publica Guilher-
mina Francisca de Araujo Lins da cadeira de
instruccao primaria da Villa Bella para a da po-
voacao da Laga dos Gattos creada pela le n.
715 de 20 de maio de 1867 ; assim o manda com-
municar a V. S. para seu conhecimento.
EXPEDIENTE ASSIGNADO PELO EXM. SR. SENADOR
FREDSRICO DE ALMEIDA ALBl'QUERQUE, PRESIDEN-
TE DA PROVINCIA EM 4 DE ABRIL DE 1810.
! seccao,
\ 32Portria ao Exm. Sr. genera!. Trans-
muto a V. Exc. para ser archivado n'esse quartel
general, copia do auto lavrado na cathedral de
Olinda, per occasio do recebimeote da oandeira
do extincto batalbo n. 53 de voluntarios da patria
all depositada em virtude de aviso do ministerio
da guerra de 28 de fevereiro ultimo.
N. 33.Dita ao director do arsenal de guerra.
Ficam approvados os contratos que V. S, cele-
brou com Joaqnim Alves da Silva santos, Manoel
Antonio de Jezns e Manoel Joaquim Ferreira Es-
tevs, pura o fornecimento de gneros ao rancho
dos aprendites menores desse estabelecimento
no trimestre de abril a Junho do corrente aano.
e constantes do termo annexo ao seu oficio de
29 de margo ltimo sob n. 46, o que Ihe declaro
para ten conhccimeto.
N. 34.Dita ao mesmo.Remelto por copia a
V. S. o aviso do ministerio da euerra de 23 de
margo ultimo, afim de qne satisfaga o que nelle
se declara relativa lente ao orgamento provavel
apresentado por essa directora da materia prima
necessaria para o custeio d senal, duranto o 1* semestre do cerrenle anuo,
nos termos do art. 1* das Instrueedes de 12 de Ja-
neiro de 1861.
N. 35.Dita o inspector do arsenal de mari-
nha.Transmillo por copia a V. S. para ser toma-
do em consi.dcrago o oficio que me dirigi o ins-
pector da thesouraria de fazenda. em 31 de margo
ultimo, sob n. 219, acerca do consideravel exceaw,
3ue se deu no consumo do gaz com a llluminaeao
esse arsenal e da casa respectiva do inspector no
trimestre dejulho a dembro do anno prximo
passado. a.
N. 36.-Di ao capifi* do parfr.-Cfimiuid#U
a V. S. para seu conhecimento, e aflm de constar ao secretorio dessa capitana Decio le
Aqu no Fonceea, que n'esta data oca expedida a
conveniente ordem ao inspector da thesouraria de
faieuda para fazer cessar do I de margp ultimo,
em diania. o offerecimeato de 25 por cenm, qae de
seu ordenado fez para as despezas da guerra como
solicitou no oficie, que veio annexo ao de V. S. de
2 do corrente, so n. 33.
N. 37.Dita ao coosal de Hespanha.Reccbi e
agradego a felicitagio qne no l." do corrente, rae
dirigi o Sr. D. Juan Itusson, vice-consnl da B>l-
panha, pela conclusao da guerra que o imperad*
do Brail sustaniava contra o governo do Para
guay. Reitero ao mesmo Sr. cnsul a seguranca
de rninha estima e considerago.
N. 38.Deliberacao.O presidente da orovincia
attendendo ao que requereu Joaqnim Rodrigues
Maiade Oliveira, resolve conceder-lhe licenca para
ir ao presidio de Femando deNoronha noprimelm
vapor da companhia Pernambucana que para ah
seguir.
N. 39.Dita.O presidente da provincia atten-
dendo ao que requererara Matheus Fernandas Pe-
reira e sua muher Anna Gomes Fernanles. re
sol ve conceder-lhes licenca para irera ao presidio
de Fernando no primeiro vapor da companhia Per-
nambucana, que para ah seguir, levando consigo
os gneros constantes da relagao junta, assignada
pelo secretario da presidencia, nao pdenlo porm
effectuar o desembarca dos mencionados gennro*
sem que por parte do commandante do referido
presidio se proceda a exarae, afim de se verificar
se ha agurdente ou oulra qualquer bebida espiri-
tuosa.
2.* seccao.
N. 40.Portara ao chefe de polica.Fico in
teirado pelo seu oficio n. 439 de 29 do raex findo,
d ser inexacto o facto de qae trata o Uberal pu-
blicado a 24 do dito mez, dado com um negociante
na freguezia de S. Jos.
N. 4 LDita ao mesmo. Ao officio de V. S. n.
438 da 29 do .mez findo, acompanh'do de outro do
delegado de Tacarat, respondo dizendo qne por
nao ha ver armamen'o a drsposigao aesta presiden-
cia, solicite! da assembia legislativa provincial
urna providencia neste sentido.
N. 42.Dita ao commandante superior do mu-
nicipio do Reeife.Expeea V. S. as snas ordens
para que um batalbo da guarda nacional sob o
seu commando superior, se aprsente no dia 8 des-
te mez, s 3 horas da tarde, em frente da igreja
da ordem terceira do Carmo, para acompanhar as
imagens dos Passos do Sehor, qne em solemne
prncisso tem de ser expostas a veneraco dos fiis.
N. 43.Dita ao mesmo.Expega V. S. as suas
ojdens para que urna guarda de honra de um dos
batalhoes da guarda naoional sob sen corrimando
superior, com bandeira e msica se aprsente na
igreja matriz da freguezia de Santo Antonio, para
nodit 12 do corrente. pela* 6 horas da manha
acompanhar o Santissimo Viatico, qne em procis-
so ser levado aos enfermos, e no dia 15 pelas 4
horas da tarde, a do Senhor Morto, a qnal dever
assistr igualmente aos actos de quinta-feira maor,
sexta da paixo e sabbado de alleloia, e bem as-
sim para que um batalho da mesma guarda na-
cional acoropanhe no domingo de paschoa a ima-
gem do Senhor Ressuscitado que em procisso tem
de sahir da dita igreja.
N. 44.Dita ao de Goyanna Ex?ega V. S. as
suas ordens para que urna guarda de honra do
hatalhao que designar acompaohe a procisso do
Triumpho, que a ordem terceira do Carino de
Goyanna tem de apresentar a venerago dos fiis
na dia 10 do corrente.
N. 45.Dita ao bacharel Autono Paulino Ca-
valcante de Albuquerque.Inteirado pelo oficio
de Vine, de 12 do mez findo, de ter nessa data en-
trado no exercicio do cargo de juiz municipal e de
orphos do lerm i de Buique, para o qual foi no4
meado por decreto de 29 de Janeiro ultimo, tenho
a dizer-Ihe que em observancia ao disposto ao ar-
tigo 10 do decreto 4302 de 23 de dezembro de 1868
deve Vmc. enviar a respectiva certidao de exerci-
cio para que tenha o conveniente destino.
N. 46.Dita ao commandante do corpo proviso-
rio de polica.Mande Vmc. addir ao corpo sob o
seu commando o capio do corpo de polica Joao
Francisco da Cunha, que como voluntarlo da pa
tria, servio na campanh do Paraguay e do qual
trata o sou oficio n. 144 de 1 do corrente.
N. 47.Dita ao mesmo.Mande Vmc. addir ao
corpo sob o seu commando o segundo sargento
de voluntarios da patria, Jos Olympio Heraetsrio
de Farias, que pertencendo ao de polica de9la pro-
vincia, fez a campanh do Paraguay, sobre o qual
informa Vmc. era oficio n. 145 de l-do corrente.
3.* seccao.
N. 48.Portara ao inspector da thesouraria de
fazenda.Providencie V. S. para qne sejam liqui-
dadas e pagas em vista da folha e pret juntos em
duplcala, que me remetteu o commandante supe-
rior deste municipio com officio de hoje, sob n.
75, os vencimentos' dos offlciies e pragas do 1.
balalhao de artilharla aqu rtellado no Hospicio,
sendo o dos oficiaos relatives ao mez de margo
ultimo, e os das pragas a segunda quinzena do
mesmo mez.
H. 49.Dita ao mesmo.Depois de liquidado*
em vista das relaeoes nerainaes, juntas em dupl-
cala, os vencjmentos relativos aos mezes de jnlho
a agosto deste anno, dos guardas nacionaes desta-
cados na villa de S. Bent mande V. S. pagar a
sua importancia a Francisco Pereira de Mendonca
A C, conforme solicitou o commandante superior
do municipio de Garaohuns, em oficio de 7 de
margo ultimo, sob n. 16.
N. 50.Dita ao mesmo.Communico a V. S.
para os-Ads convenientes, que segundo participou
o bacharel Joaquim Guedes Carreta Gondim, pro-
motor publico da comarca de ltamb, em oficio
de 29 do mez findo, deixou elle no dn 27 de reas-
sumir o exercicio do seu cargo por ter vindo tomar
assento na assembia provincial.
N. 61.Dita ao mesmo.Communico a V. S.
para os devidos fin-', que segando participou o juiz
de direito da primeira vara desta capital, em officio
do 1. deste mez, foi nessa data nomeado para exer-
cer a9uncgoe3 do carga de promotor pnbhco in
terino no impedimento do effeetivo, o bacharel Au-
gusto Carlos Vaz de Oliveira.
N. 52. -Dita ao mesmo.Auloriso V. S., nos
termos de sua informacao de 2 do corrente, sob n.
222, mande liquidar a quantia de 2:28*820, qae
segundo o reqnerimeoto documentado que incluso
devolvo. se est a dever a Miguel Ferreira Velloso,
preveniente de medicamentos que applicou a pra-
gas da guarda nacional destacadas na cidade de
Caruarii, visto pertencer essa divida aos exercieos
i encerrados de 1867 e 1869.
N. 33 Dita ao mesmo.Transmiti a V. S. para
os fin9 convenietes as cinco inclusas ordens do Ihe-
souro nacional, sob n. 52 a 55 e 59.
N. 54.Dit ao mesmo.Informe V. S. acerca
do contendo do aviso da repartigao da agricnltn-
ore| Manoel Jos de Oliveira Miranda, em oficio
de S.du mez findo, D*8*a data assunvio elle interi-
namente o exercicio do cargo de promotor publica
da comarca do Rio Formoso, para o quo foi no-
meado pelo respectivo juiz de direlo.
I*. 36.Dita ao mesmo.Tendo nesta data ap
ultimo, sob n. 434, qe a thesouraria de fazenda
lera ordem para pagar ao eapitao Jo Paulino
Rodrigues de Barros a quantia de 68&O00, cons-
tante do citado officio.
N. 74.Dito ao commandante superior de Ga-
rantios. 9i Exc; o Sr presidente da provincia
*vad os contratos que o major director do ar- **"* declarar a^ V. S.^em resposta ao seu oficio
seal de guerra, celebrou em 23 de margo ultimo,
con Joaqnim Alves da Silva San'es, Manoel Anto-
no de JenQs, Manoel Joaquim Ferreira Estevas,
para o forne intento dos gneros pa^a o rancho
dj apreudizes menores daqnelle estabeleeimento
uo. trimestre de abril a jun do corrente anno. e
constantes do termo junto por copia, assim o com-
munico a Y. S. para seu conheciment.
N- 57. Dita ao mesmo.Attendendo ao qne so-
licitan o secretario da capitana do porto desta ci-
dade, Deci) de Aqnino Fonceea, recommeodo a V.
S. que do *de marco ultimo faca eessar o des-
cont de Ti por canto, que do sen ordenado offre-
con o supplicante para as despezas da guerra con-
tra o goerno Paraguay.
N. 58.Dita ao inspector de nVsouraria provin-
nial.Ao caoitao Js Paulino Rodrigues de Bar-
ros, maride V. S. se nao non ver ineonv 'niente, pa-
gar em visia do recibo jnnto em duplcala queme
remetteu o cheft de polica com oficio' de 28 de
margo nllimo, sob n. 434 a quantia d*' 68, ou o
que justamente se dever do alugnnl da casa que
servio de quartol ao destacamento do termo de Flo-
resta, a contar de 9etembro de 1868 a fjvereir
deste ann i.
N. 59.Dita ao nesmo. Annuindo ao que so-
licitou o chefe da rpartieao das obras publicas,
em officio d2 do crenle sob n. 83, reeommen-
do a V. S. que em vista do adoso pedido, mande
entregar ao th*oureiro daquetla repartigao a
quantia de 13c80O*. que se faz preciso para oc-
correr as despezas com as obras por administra-
gao no eorrente mez.
N, 60.Dita ao mesmo. Attendendo ao que
expoz no incluso requerimento o professor publico
removido da cadeira de Cimbre para a da Apan-
ga Eleuterio Roberto Tavares do Espirito Santo'
recommendo a V. S. que mande pagar os venci-
mentos do supplicante acoqtar de 15 de dezem-
bro do anno prximo pascado a 6 de Janeiro ulti-
mo.
N. 61. Dita ao mesmo Ao Dr. Pedro de
Athayd- Lobo Hoscoso mande V. S. pagar a quan-
lia de 140J. proveniente de 2 carteiras homeopa
ihicas que forneceu para a provincia do Rio Gran-
de do Norte, como se v do oficio junto por copia
do Exm. presidente daqnella provincia, datado de
21 de fevereiro ultimo, devendo essa thesouraria
haver a mencionada quaniia do agente IUcal|da
rae-ma provincia nesta capital.
N. 62.Dita ao mesmo. Pode V. S. de conMc
mldade cora a sua informacao de 30 de margo ul-
timo, sob n. 20, com referencia a da contadora
dessa tnesouraria mandar pagar an arrematante
da obra do nonlilliao da estrada do Remedio, Jen-
lo Joaquim Gomes, a quaniia de 5441390 a que
lena, elle direito proveniente da ultima prestacao
do sen contrato como se vd do cerificado que In
el uso devolvo.
N. 63.Dita ao mesmo.Acenso recabida o of-
ficio do Io do corrente, son n. 209. em que V. S.
participou haver Francisco Lniz Wanderley arre-
matado com o abate de 10 % no prego do respec-
tivo orgamento a obra da ponte darua^Bella na
cidade do Rio Pormoso, e reconstruego de oulra
ponte e atierro na estrada daquella cidade, garan-
tindo o respectivo contrato com o deposito da
quantia em diuheiro correspondente a nanea que
rievia prestar, e em resposta tenho a dizr que ap-
provo essa ar'ematacao.
I. 64. Dita ao mesmo.Tomando em conside-
rago o que expoz o commandante superior do mu
nicipio de Santo Antao, em suas informagSes (te
15 de margo uliimo, com referencia as do com-
mandantes do balalhao n. 24 de infamara, recom-
mendo a V. S. que mande pagar integralmente os
vencimentos das 11 pragas que estiveram desta-
cadas na villa da Escada, nos mezes de dezembro
do anno proximj passado e Janeiro ultimo, como
se v dos prel'nominaos que incluso devolvo, e
vieram annexos aos oficios de V. S. de 25 do cita
do mez de Janeiro e 14 de fevereiro deste anno,
sob n. 39 e 98 os quaes licam assim respon-
dido.
N. 65.Dita ao mesmo.Em vista da conla, e
certificado, junto mande V. S. pagar a emprezada
llluminagao publica desta capital a quantia de...
1:9781880 proveniente di encanamento e mate-
riaes e apparelhos para a illuminaco interna do
gymnasio provincial.
N. 66.Dita ao chefe da repartigao das obras
publicas.Declaro a Vmc. para seu conhecimento
e llns convenientes, que de conformidade com a
sua informacao de 2 do corrente, sob n. 84, conce-
d a.permisso que sclicitou o pralicante dessa re
partigo Henrique de Miranda, para [requemar o
Io anno da Faculdade de Direito, cora a condigo
porm de apresenlar-se na mesma repartigSo meia
hora depois que terminarem as aulas do referido
aune.
- 4" secgao.
N. 67.Portara ao cabido da cathedral em
Olinda.Accuso a recepgo do auto lavrado nessa
cathedral por occasio do recebimeoto da bandei-
ra do extincto balalhao 53 de voluntarios da pa-
tria desta provincia ah depositada em virtude do
aviso do ministerio da guerra de 28 de fevereiro
ultimo, e que veio annexo ao oficio de 29 de mar
co prximo findo do Rvra. cabido, o qual sincera-
mente agradego o cumprimento da piedosa deler-
minagao contida no citado aviso.
N. 68.Dita a cmara municipal Ido Recif).
Orneado a aulorisago que pede a cmara munici-
pal do Re ife, em seu oficio de 23 de margo pro-
xim> lindo sob o. 16, para nomear um colabora-
dor que coadjuve ao contador'no desempenho de
deveres qne tem a sen cargo. \
N. 69.Dita a cmara municipal de Barreiros.
Nao tendo funecionado a junta revisora de qua-
lificago da freguezia de Barreiros desse munici-
pio pelos motivos declarados em oficio do respec-
tivo 1 juiz de paz datado de 15 de marco prximo
Undo, designei para es-e flm o dia 15 de maio
prximo vmdouro, assim o communico a cmara
municipal da villa de Barreiros, para sen conheci-
mento e fina convenientes.
. 70.Dila ao juiz de paz raais votado da fre-
guezia de Barreiros.Inteirado pelo seu oficio de
15 de margo prximo findo dos motivos pelos
quaes deixaram de ter lugar na 3* dominga de Ja-
neiro ultimo a reuniao da junta revisora de quali
licaco dos votantes dessa fregaezia, designo para
essofim o dia 15.de maio prximo vindouro,
N. 71.Dila ao gerenie da Companhia Pernam-
bucana.O Sr. gerente da Companhia Pernambu-
cana mande dar urna passagem de estado a r at
g Parahyba uo i vapor que seguir para o norte a
professora publica Mara as eves Manoelta de
Mello.
EXPEDIENTE A88KOTADO PELO SR. DR. EUAS FREDRR1-
CO DE AiMElDA E ALBUQUERQUE, SECRETARIO DO
GOVBRNO INTERINO, EM 4 DE ABRIL DE 1870.
1* seccao.
N. 72.Oficio ao Exm. Sr. general comman-
dante das armas.De ordem de S. Exc. o Sr. pre-
sidente da provincia, declaro a V. Etc. em res-
a. crnnmerci7 e"obras pubTic'a?le *1 de"maco posta ao sen oficio de 31 de mareo ultimo, sob n.
prximo findo, junio por copia, tendo em vista os 1166,^0.6 se^mandou. satisfazer o pedido do^com,-
seus oficios de 24 de abril e maio do anno passa-
do, sob n. 236 e 325, e informacSaFtambem jnnta
por copia do engenheiro, Luiz Jos da Silva, 4
4 de maio degle anna
N. 55.Dila ao mesmo.Coromanco. a Y.
para os devidas fina, qae segando partteipou o ba-
mandante da deposito especial de instruccao que
veto anaexo ao sen citado oficio,
t" seccao.
N. 73.-Offleio ao Dr. chefe de polieia.S. Exc.
o Sr. presidente da provincia manda declarar a
V. S. efo resposta ao. seu oficio de 28 d margo
de 7 de margo sob n. 16\ que a thesouraria de fa-
zenda tem erdem para pagar a Francisco Pereira
de Mendonca & C os veacimentos constantes do
citado officio.
N. 75.Dito c- juiz de direito da 1* vara O
Exm. Sr. presidente da provincia manda declarar-
lhe que ficou inteirado pelo seu oIBcio de 1 deste
mez de ter V. S. nessa data nomeado o bacharel
Augusto Carlos Va de Oliveira, para interinamen-
te exercer no impedemenlo do effeetivo o cargo de
promotor publico dasta comarca.
N. 76.Dito ao bacharel Joaquim Guedes Cor-
rea Gindim.O Exm. o Sr. presidente da provincia
manda declarar a V. S. era resposta ao seu ofi-
cio de 29 do dito mez, ter vndo tomar assento ua
assembia legislativa fleixanao de, por esee motivo,
reassumir o exercicio do cargo de promotor pu-
blico da comarca de Iiamb.
N. 77.Dito ao bacharel Maneel Jos de Olivei-
ra Miranda.O Exm. Sr. pre-idente da provincia
manda declarar a V. & que ficou inteirado pelo
seu oficio de 22 do n ez liado de ter nessa data
assumido interinamente o exercicio do cargo d
promotor publico da comarca do Ro Formoso para
0 qual foi nomeado pelo respectivo juiz de direito.
3' seccao.
N. 78 OBcio ao inspector da thesouraria pro-
vincial.O Exm. Sr. presidente da provincia man-
da declarar a V. S. que por portara desta dala so
mandou addir ao corpo provisorio de polica o ca-
pic Joao Francisco da Cunha, que pertencendo
ao de polica desta provincia servio eomo volunta-
rio da campanh do Paraguay.
S. 79-7-Dito ao chefe da repartigao das obras
publicas.S. Exc. o Sr. presidente da provincia
respondendo ao oficio de V. S. datado de 2 do
corrente e sob n. 83, manda declarar que a' the-
souraria provincial tem ordem-para entregar ao
thesoureiro dessa repartigao os 13:80frflOO cons-
tante do citado officio.
4" seccao.
N. 80.Oficio ao Dr. Francisco Teixeira de S
1* secretario da assembia legisla Uva provincial.
N. 6.De ordem de S. E*c. o Sr. presidente da
provincia transmillo a V. S. para serem presentes
a assembia legislativa provincial os inclusos pro-
jectos de posturas que para terem esso destino, fo-
ram remeltidos pelas cmara muoielpaes de Ca-
brob, Victoria, Brejo, S. Bento, Buique e Granito
com oficios de 8 de outubro e 18- de dezembro do
anno passado. 8 e 13 de Janeiro, 3 e 10 de feve-
reiro do corrente auno.
N. 81.Dito ao mesmo.N. 7,De ordem de
S-. Exc. o Sr. ptesideote da provincia transmiti
a V. S. para serem presentes a assembia legisla-
Uva provincial, 40 exemplares do relalorio com
que o Exm. Sr. conde de Baependy abri no anno
prximo passado a sesso ordinario da mesma as-
sembia.
N. 82.Dito ao mesmo.N. 8sDe ordem de
S. Exc. o Sr. presidenio da provincia transmiti a
V. S. para ser presente a essa assembia o inclu-
so exernplar da falla com que S. M. o Imperador
encerrou a 1* sesso da 14" legislatura da assem
bla geral legislativa no dia 15-de outubro do anno
passado.
N. 83.Dito ao mesmo.N. 9,-De ordem de
S. Exc. o Sr. presidente da provincia passo as
maos de V. S. para serem prsenles a assembia
legislativa provincial os inclusos orcamenlos re-
molidos pelas cmaras munioipaes de Cabrob.
Ouricury, S. Bento, Salgueiro, Flores, Bm Con-
selho e Ipojuca com oficios de 9 de outubro, 29
de novembro, 16 de dezembro unimos e de 10, 15,
18 e 29 de Janeiro e 16 de fevereiro prximo
lindos.
N. 81.Dilo ao mesmo.N. 10.-S. Exc. o Sr.
presidente da provincia manda transmitlir a V.
:. para serem presentes a assembia legislativa
1 rovincial 40 exemplares do relalorio com que o
vico presidente Dr. Manoel do Nascimento Machi-
i o Portella, enlregou a adminstrago da mesma
I rovincia no dia o de novembro do anno passado.
N. 85.Dito ao mesmo.N. 11.De ordem de
Exc. o S. presidente da provincia passo s maos
e V. S. para ter o conveniente destino a inclusa
collecgo das leis geraps e dicisoes do governo im-
perial do anno de 1868.
N. 83 Dito ao mesmo.N. tiS. Exc. o Sr.
presidente da provincia manda remetter a V. S.
para terem o conveniente destino 37 exemplares
das collecgSes das leis promulgadas no anno pas-
sado.
X. 87.Dito ao mesmo.N. 13.-0 Exm. Sr.
presidente da provincia manda transmitlir a V. S.
para terem o conveniente destino os inclusos au-
tographos das resolugo^s sob ns. 884 a 907.
i N. 88.Dito ao mesmo.N. 14.De ordem de
i. Exc. o Sr. presidente da provincia transmiti a
V- S. para ser presente a assembia legislativa
5rovincial o incluso balanco da receila e despeza
o exercicio de 1869 a 1870, que remetteu a ca-
mara-'da villa de Tacarat com o oficio junto por
copia de 7 de Janeiro do corrente anno
, N. 89.Dito ao mesmo.N. 15.O Exm. Sr.
presidente da provincia manda iraosmiltir por co
pia a V. S. para serem presentes a assembia le
rotativa provincial os inclusos aeos de 7 e 30 de
julho, 27 de agosto e 13 de selembro do anno p?s
sado, approvando provisoriamente diversos arugos
de posturas apreseotados pela eamara municipal
desta cidade com oficio de 3, 21, 25 e 1 dos me-
zes .aciraa cilados.
N. 90. -Dito ao mesmo.X. 16.-0 Exm. Sr.
presidente da provincia manda transmitlir a V.
S. para serem presentes a assembia legislativa
provincial o incluso balando e oramento qne re-
metteu a cmara municipal da villa do Granito
com oficio de 23 Janeiro ultimo junio por copia.
N. 91.Dito ao mesmo, n. 17.De ordem de S.
Exc. o Sr. presidente da provincia, passo por copia
s maos de V. S^ para ser presente assembia
legislativa provincial, o incluso aclo de 29 de se-
lembro do anno passado, approvando a nova tabella
dos emolumentos que deve perceber a companhia
Vigilante pelos servicos. de seus vapores a rebo-
aue. >
T N. 92.-Dito ao mesmo, n. 18.- De ordem de S.
xc. o Sr. presidente da provincia, remeti a V. S.,
para seren presentes a assembia legislativa provin-
cial, o balango e eonta da receila e despeza do ex
ercicio de 1868 1869, bem como os orgamentos
para o de 1870 1871, os quaes para terem esse
destino foram enviados pila cmara municipal da
villa do Cabo com o oficio incluso por copia de 26
de fevereiro prximo lindo, era que a referida c-
mara expde as necessidades de que se resente o
seu mnnieipio.
N. 93.Dito ao meimo, n. 19.O E).m. Sr. pre-
sidente da provincia manda transmitlir V. S.,
para serem presentes assembia legislativa pro-
vincial, os inclusos orgamentos, balango e tabella
explicativa, que remetteu a cmara municipal da
villa de Barreiros, com oficio de 15 de dezembro
ultimo.
N. 94.Dilo ao mesmo, n. 20. De ordem do
Exm, Sr. presidente da provincia, remeti V. S-,
para serem presentes assembia legislativa pro-
vincial, os inclusos balances enviados pelas cama-
ras municipaes das villas do BonvConselho e Flo-
resta, cora officio da 13 de novembro ultimo e 29
de janero prximo Ando.
N. 95.Dito ao mesmo a. 21, De ordem de
8. Exc, Q Sr. presidente provincia, passo as
3;
maos de V. 9. para serem presentes assemlrf-j
legislativa provincial, 4f> exemplars do regula
ment da thesouraria provincial o> 21 de jnlho d-
1868, e igual numero do da seegando cootem -
da mesma thesouraria.
N. 96. Bim ao mesmo, n: 2?. O Exm. Sr.
presidente da provincia manda transmitlir V. S
para serem presentes assembia legislativa pr..
viacal 40 exemplares do repulamenf do Asylo d*
Mendicidade de 21 de outubro do aano parsadi.
W. 97. Dito ao mesmo, n. 23:S. Exr. o Sr.
presidente da provincia manda transiwitir por co-
pia a V. S., para serem presentes-1 asaantata le
gislaliva provincial, as inclusas portaro de 28 ii-
junho, 3, 5,9 e 24 da julho, 7 a 30'de agosto e 10
de selembro do anco paseado e de 1 e 19 de fe-
vereiro ultimo, abrindo diverso crditos lappl*
mentares.
N. 98. Dito Traed Neubesseres, siente na
empreza a gaz. S. Ene. o Sr. presidente da pro
vincia manda communicar a V. S., pelo pie sei
oficio de 31 de marco prximo Onda, lieau intei-
leirado de se achar V. S. encarregado da direcaSo
da empreza da illuminafao gaz desta cidade.
DESPACHOS DA PRESIDENCIA DA PROVWCIV D08-WAS 21
K 30 DE A.10STO DE 18vD>
Antonio Pinto Cardoso da Gama.Junio an re-
querimeolo anterior volte ao Sr. inspector da the-
souraria de fazenda para Informar.
Antonio de Barros Reg.Informe o Sr. ins>pec-
tor da thesouraria provincial.
Anna Joaquina Pires Campello.Jhforme o Sr
conselheiro director geral da instrucaa pnb.-a.
Antonio Augusto de Souza Navarro.Informe o
insneeior da thesouraria provincial.
Baro do Livramento.Ihl'jrme o Sr. engenbeirj
enero da repartigao das obras publicas.
Companhia Brasilian Sireet Railway Uimited.
Informe o Sr. engenheiro chafe da repartir da
obras publicas.
Capito Gamillo Augusto Ferreira da- Suva.
Encaminhe-se.
Francisco Pedro de Souaa.A' vista d intr-
mago expega-se ordem para o supplieaute seguir
o seu destino.
Major Joao Francisco do Reg MaiaJflnte a
plaa exigida pelo decreto n. 4105 de de fe-
vereiro de 1868.
Joao da Hora do Nascimento.Informe o Sr.
director interino do arsenal de guerra.
Tenente Joao Francisco Paes Brrelo.Ni tena,
lagar o que requer, visto nao haver vaga.
Jos Pinto dos Santos.Entregue-so os unen-
menios mediante recibo.
Marcelina Mara da Coaceiclo.Indefirido a'
vista da inforimgo.
Alteres Rotilio Tolentino da Figaeiredo Limo.
Informe o Sr. desembargaior prvedor da Saaia
Casa de Misoricorda.
Severiano Monteiro Loite.Inlorme o-Sv. euge-
nneiro chefe da repartigao das obras publicas.
Victorino Antonio de Alcntara.IolOnme o Si.
conselheiro director geral interino da iostroc?So
publica9:
Commando das arma.
De ordem de S. Exc. o Sr. general commandan-
te das armrs, convido a todos.os Srs. oficiaos ef-
ectivos, reformados e honorarios do exercito, re-
sidentes nesla capital, para assistirein ao cortejo
que no palacio da presidencia se tem de fizer
efigie de S. M. o Imperador, pelas 5 horas da tar-
de do dia 7 do corrente, anniversario da indepen-
dencia e do impeoio. Sala das ordens do quartel
general do commando das armas de Pernamboco.
3 de setembro de 1870.Emiliano Ernesto de
Helio Tamborim, tenente ajudante de ordens en-
carregado do detalhe. ,
PERNAMBUCO.
REVISTA DIAKIA.
AUTOUIDADE POLICIAL. Por portara da pre-
sidencia da provincia, do Io do corrente, foi no-
meado Antonio Bezerra de Andrade subdelegado
Ao districto do Bebedouro, no termo de Caruarii.
FERIMENTOGRAVE Xa sexta-feira s 7 ho-
ras da noulc, na ra da Soledade, Manoel. da Silva
Jacome Pessoa travou-se de razoes com o seu vi-
sinho e compadre Ubaldo Anlero de Sonta Bei, *
passaram vias de facto, sahindo o primeiro feu-
do gravemente as costas com cinco punhalndas.
urna das quaes atravessou-lhe o pulmo. Xa au-
sencia do prova que indic.is.se o autor dos fen-
mentos, e recusando-se Pe?soa declarar qnata
seu offensor, a polica local prenden Tibaldo.
No sabbado, porm, pela manha foi Capturado
Jos Prisco de Souza Das, autor do* ferimentt -,
segundo declaraeo de Pessa, o qual sendo ali-
Ihado e morando na casa de Ubaldo, para def-m-
de-lo na lula travada com Pessa, ferio este ns
costas com um compasso. A polica proseguo uas
indagagoes.
ROUBO.Sabbado aaaanhoceu arrorabadr. otm
p'.quena janella, sem saguranca, do armaznin u
recolhT gneros na ra de Domingos Mariins. na
freguezia de S. Frei Pedro Gongalves,. aerteneen-
le ao Sr. Theodoro Cbristiansen, tendo os ladriVs
roubado 37 caixas com vinbo ds Bordeanx, linu,
no valqr do 752*000.
RA MARSILIO DIAS. Temos queixas do
moradores desta ra conlra o mo Mame, rt.<
alguns visinhos, de iangar ra aguas servidas
em estad horrivel, incommodando nao s os me-
lizes da roa, como aquellas que por abi transita),
Sr. liscal de S. Jos veja isto e cohiba.
PROCLAMAS. Foram lidos no domingo 1 na
matriz da freguezia de Santo Antonio os proclama-
seguintes:
1.* denunciaeao.
Tranquilino Candido da Silva, com Gertrudes dt
Oliveira Meno.
Joaqaim Jos de Sant'Anna Jnior, com Frito
cisca Idelirudes de Oliveira.
Vicente Claudino Alves, com Adelina Rom dt
Brito. _
Balduino de Souza Teixeira, com Mana Berhi-
lesa Pereira Lobo.
Graciano Joaquim Nazario, com Antonia da Sil-
va Guimaries,
Silverio Joaquim da Silva, com Domililla Mana
da Silva. t ,.
Seraftm Francisco da Canha, com UraSelma.
Izidora da Conceigao.
2.' denunciaeao. .
Manoel Marques de Lomos, com Belarmina Mo-
ra de Sant'Anna. u.....
Manoel Antojo da Canha, com Jesaraa M-iria.
d'Assumpgo. ..
Joaquim Lopes de Almeida, com Ismema Oha-
da da Cunha Almeida. r ,, a.
Seraflm Gomes de Oliveira, com Rosa tomes da
CDamlao Peregrino de Oliveira, com Josepha tta
Bspo, com Antonia Mara d.
ria da Conceigao.
Pedro Martina
CAntonio Perair* de Ges, com Eufroxha P.r-
tuense D'Emery. .
3. denonmgao.
Joo Evangelista da "Silva Bastos, com Man;,
Carolina da Silva Daaite.
Antonio los Alves. con Theren de h
Lima.
llaB


Mfi floarique Soares de Azevedo,cota V|u
IatiriuioAr.-lianjo n Lima Ferrara Barros, com
AfneUa Blol.la Matrooiana da Siva.
4jS>> <3u*fcerlo acares, cora ioaiua Francisca da
Silveira. ...
Ignacio do Hego .Alencar. cem Gtilhermina
Ap SSHANA lU,STKADA.-"t;stc jornal saiyricol
timbrado, que supubaca do Hk>d Janeiro, torna-
.se rada vei mais inieresirate, j pelos eacolliidos
seripto* que pgMci. e j pelo adrado irabalho
asatias vmlwtt e lytbograph'.as. No moque
ni oraecar no 1 de Vcambr prximo offerecera
seus prnpriaWo,eeav premio, aw.sotis novo
a?i*ciinrt' s um dos urande* quadro de *ua edi-
vioirli'itua di covie -Bh Heno, presumpeoe snsteaiaa* peto julio de
JffBS medico, deu provinciae a Baha, as di-
vergencias issistefrtes e c*>B*X\.

sospeitas bem hadadas da existencia dttlmeoe
euvenenapienio, suspeias que .deveritaitettm-
chlmico-legal que se proceda na Babia o era Pa
rio.
marca, que deltas zombara peta fouie onde em.v
nam.e pelos vis insirumertou que as proferem. As-
!m o Sr. Aranjn turros posterga as le do juste
e do honesto, fero a moralidad*) e pSj cm perigo
aa*ifvpublica, na so, como anda p*Ua
oontesfiu de aahtasforpus mantos criminosos OSmO erra jmente at
UAaaM ii-tn rv" .1 ii-fual liKar*lijin i .iBAfa*. T1 r4x .
vertidas em quasi certeza peto resuluda.4a.aHW* iarocamseu pr.nerbial liberalismo a cuja causa
pf amttrtos rrs
vmtm w* J
co
gunda, tstt 810
__.
eacio Wond'.is, soni
lesWte das da semana
piffa eVtd,*, mendigo.
Kcna
aannnnWor.
I
glorias do extreUo e torios u martaau bmsileira,
eColner, aendo ca3a um dones digan do tigurar
m qualquer sala. Km PernauiMico tomam-ue,
MatniatnrA <*aa e madama Falque, na
Pnaadru do Marco n. 4, fabrica de chapos de
90.
;.0T"!tIVA que. se acha a venda a 139* a
%ecio dj collegio dos orphiios, a qnal corre no
^ia *0.
POTESTO DE LETRAS.-0 eserivao dos pro-
leslus Jos Mariano, est de semana; cartorio
rv.3 Duque de Castas, amiga ra das Cruzo?,o. 39
1* andar. '
HOSPITAL POMUGUEZ.-Esti de semana nes-
f stabelec.ment o Sr. mordomo Jos Corroa
raga.
OC1KBADE PATRITICA DITOS DE JLHO.-
Tondoo Sr. coran*l llndolpho loao Barata de M-
nieida, podido exoneracao da presidencia da mee-
na seciedade, fiiram eleitos:
Presidente-Sr. Ignacio Alcibiades VeHoso.
ThesoureiroDr. Silvio Tarquinio Vfflas-Boas.
DirectorBr. Jos Caraeiru da Rocha.
ALP8RRIA DE ESCRAVAS.-Por engaao do
pagmario'fui enllocado coree anonncio o nome se-
xuiite de urna das crianzas do scxm fomemno al-
forrtdas p.r conlada provincia :
Bemvida, parda, de 18 annos, escrava riqoetaSlepple da Suva.
RA BO IMPERADOR.Prosegue o mo eos-
lume <1> fmulos le certa fatntti, miradora ea
ma du Imperador em nm andar de casa de
"vendas publica?, de laucar quanla agua serv-
da tem no quimal, com graveineommodo do? vi-
-inli <*, que nao taerem gosar de es?encias 'ho-
ra< inconvenieni*. Anda mu vea esperamos
prciviJencias oSr. fiscal da freguezia defamo
Antonio, que nao deixar no olvido sm passeio ao
juintal para poder apreciar o que por li vae.
X *V10 ENCATRADO.O brgae ingle Deli-
#;, entrado de Liverpool, fallou 15 de agosto
-com a barca inglea Emilj Wattert, oa lat. N. 13
eking. O. de Greerwich 26, indo de Valparaso
para Swansea, com "i dias de viagem.
0 brigue ngkz Idehtte, rhegado de Londres,
fallou com os seguimos navios : a 13 de ag>~to,
ii.i lat N. 40*.erong. O. de Greenw.'h 13, eom a
galera inglea Ame, indo de Sw iii-ea para a Ba-
t i.i ; a na lat. H. 32- e long. O. 17, com o bri-
uh ia.'lez Mwy, iodo de Hull para liaroaes ; e
* M. ii i lat. N. S:> e I tng. 0. 2, eom a barca i-
alpa Star af-Ptxtce, vhido de GardilT para Pernam-
t)C".
TESOUl*.IA Pf>VLNCIAL.-Peranto ajuatai
da-facenda ia ihesiiiraria van a ptstga
No da 15 M corretite,
aiaeio do pawtel d>
w )3V,780. "-ivenV:
dentro de um mez.
No da iS'Ho crtenle, a canalizaran do rio Ta-
qura, no Jttimho, avallada em :>:o*sO!M), deven-
do i obra Nt c< mecada no praro de um uiez
concluida no de seis", e seodo paga o valor defa
en tres preeiar;es.
ANMVCP.SAIUO.Homem fti o 56 aunivprsa-
m do casamento de SS. MM. II. Por este motivo
muve m hora da larde a satva do eslvlo.
aa^Rde
extnmdmark, u etpgmtosa nunlvlnk de msr-
fuco accimHtoia na cfeyrw, cttratyujMtca-
oaver exhumad rnutoa das 4epois da mWo, jus
uticam as cenadaraciJoa que teff/os, e sottoniam
auida as ohieeciies formulada*, e as qaaes insb
tiremos em quaoto com os dados ia scietcia qio
orem destruidas.
O lener j vio no artigo anterkr os phetemeno
mrbidos twimdaa pe! arswwo iBirodetadona
economa animal em loso superior um grao.
__No empenlv de (ornar mais Ucil i co*ifjpsb|ri-
so os argumentos e deduceSes d*>koJPS da
srtenia, que tem de t>msr parte nadifctjssa>, co-
piaTemos abaix- .. jrnr do grande medieo Maeftj
A*rosio Tkrdiea sobre a qaarta forma, por qae
os symptomas no envenenamento pelo arsnico
costuma manifestarse.
Com osla transcrtpcjio e com as objeccSes em-
postas, no temo* em vista negar a possibidado da
unventNMmeuto jwlo arsnico. O apenas ver destruidas aa djvdas, que assa[tam
os espiritos des'trevenidos, ao cjtiiiderarem a r-
traoMin'uiu quaiUi'da: de arsnico encontrada
na? visceras du tinado Dr. Victoriano fem ter em
sua vida manifestado es syaiptomas mortidos,
hrcules ;i esta tao coaheeida o estudada sabstaa-
cia, urna vez que o dito Hondo nao era conside-
rado Toxicognplo eotno saecede cjtn elguns
iBonlanheies da Sayria.
Tamb1 deeianos ver explicado modo por-
.uo o arsemeo, dado so minuta (com.! w^snspeitaeo caso vortetrte) oabsor
vida se loi aconmuiar e.mguanttdademiraoriLiunria
uasAiscerig ifc> eavenenado, pear da sua dlimi-
nacao pela dnrese, pela defeegao e pela diapho-
rese poder ser completa em 3* das, segundo
pensa Grifea Tardiea, e outros medicas legMas.
l-.ntqinntu nao desapparecer la .joestn a pro-
posicao lio asseverada e sustentada, de ter sido
encuiHonla-esjKintosa fHnntflaie drt arsnico na
visceras, alein da une dere existir no resto lo ca-
dver, a poeto de o presenrar los vermes,
navajos de entreter dnvtdas suhre o juizo dos
medios (sem excepcao do um s) qe trataram
o doeate, ou susptttardas ditixencia |iolciaot na
Bhia. ^tpciinamo-nos a primera ft/portiese.
Aetes de cinder eta artigo, devemos faier
ama pequea recliflcn;." ao nosso ultimo, e coa-
siste ella no seguate:
0r. Victoriano de Feaoifoi atacado de vo-
mites no aiesino dia da sua elv.ida ao engenho
'iuararap--;. e sim o dia sogiiinte.
Ja eos la escapando liwrr algunas palavris so
protestam servir com inleira dedicari) a sua per-
so*.*
-^!5stjptirbao4if
bleacflo, fon cm nada se i ocoin.meiidaftd
transmaplo da miseria e ignoiii|a, qu; pndei
elegir.Oin espirito decatrido e torpemente o>(Tj-
madr ; mas o respeito aopoblico deinoveu-Tneda
proposite em quo eslava, iefandi-au \ antecip--*
pone? rmlias con o ftm semeelcr .la aoaute.iav
aqaelles que arrastados pelas impressoes, ouvol.
veta a turba dos desprerMifido*, o qno tocm di-
reKo alguma consideradlo pblica.4
Jt muuieipaJ de 'iiar e Peoras do Pago, sou
bastante condecido e devidaineute aquilatado oa
|vrovincta a Para* y ha j'-sent ser tioouan, desde
18*4. cxarr,> o lugar, at oada o presente ranRo
satisetto estou com a recompensa moral obiida pe-
lo weu pro*diinnto.
Appellando para todas as autoridades superio-
res daquella poca al a presente e mais para as
qae tem servido e anda, servemoostermnsdeminha
jurisdicjte, invoco uesaem o jaito dosnonMus des-
liados de ambos os credos politieos da provicia.
flb a admioistraofiei ds diftircios sonador
Antonio Mrcetelo Nunes Gooca|ve- e o actual de-
putado geral 8r. Haneel Aotoam Dame # Azeve-
do, serv cm urna das prouiotorus da n-ovincia do
Cear: a eftrontca qu alli deixel nao p^de pres-
tar-se ama biogrnphia de altos eioas, mas um
Iraaa que indica o homem procurando a senda do
ju-to o do honesto.
Podem aiada reeeorrer aos Drs. Siaval Odorieo
iH Moura e Francisco de Faria Lea*, ate ento
chefa de pocta aquelie secretario daquella pro-
vine.
Anda heje leiabram os jornaes servteos presta*
dos aquella epaca peio promotor publico da
ranja.
Vivo assira satisfeito e resignado no bscuro pa-
pel qae teoho representado o .que pepo a Deus, me
aeonipaabe em qualijuer posW-o aSciol, que por
ventura veuha colloear-aw.
Ora, qoando os jornaiS da previneia om qoe
sirvo, nada dixeui contra o joiz municipal doP
lar, guando ambas a-s parcialidades polticas nada
onxei'gaiu que p.ir.sa euvolver-llie censura; quan-
do mesme durante n dominio passado, coaside-
rareni o jui liberal, eram os .'.oiMervaderes es
primnos a faterem-ihejustca ; que vem o sen
nome envolvido nos negocios do Itatn ?
Vivo retirado, oceupadonos neus atazeres, sem
; mar o al evitando qualquer participacao diresta
oa indirecta no que por a!li tai suceeJendo; uun-
ea escrevi para os j riues sabr assumpios qn
ate nao inlereseam o como o faria ea) relacao aos
do Itamb ?
Oual o seoiimento de Pbojbo?
breo m$ do esveoeaatnento do Dr. Ezquel S^eria o desejo de sacrificar quem ate boje ten
Franco de S, un Maranhao, citado na gazetilha do
/taa (o Recife.
Este facto nao destree ner.huma de nossas ol>-
jec?ie*.
Nao dissemos que o r. Victoriano nao tve?8e^
sido envenenada pelo arsnico, escapando aoe seos
medie' s os syiaptom;s nwidiosos desse tnico,
quaado applicado em paqoacas e successivas do-
es. Pelo coiKrario tewn pode ter isto suecedido :
o_que nao podemos admiair fcilmente que a
arsnica,
feto explo-
sao aa vida do duenda, do modo a ser cflnhnciilo
too couhecido f vulgar veneno.
K nem da ignorancia em que no Kiranaao ju-
ra ram o* medcos sobre o diagonastico da molera
do Sr. Franco de S que nprrsentam tilgmm nifmp-
tomas idnticos acs do finad Di: Victoriano, se
polle concluir, qae se fo6.se foitn a aathopsia,*
*x*-ne cbiniio
-e.rTeparT pintara o ^e."*> P^"?. ^minir f^lment.
corpo do p\.lia, Swn^^fg^ff ntrf'riuwtaymnt.dvh- de
> aoftra. serem conelaidas S&^J^?*** }>v <**
i as visceras d'aquelle se terla en-
contrado espantosa auantiiade de arsnico.
'kasta por hoje.
COXCRirrO INTERNAQOSAL. Na imperial j Gpinio do r. Ambrosio Tardieu sobre a quar-
fabrica de cerveje, da ra Jo Daio de S. Borja n. U forma porquo se manifcstam s symptnma do
lo, tem lugar amtnliaa em onccM'io dado pela or- envenenamento pelo arsnico: Estttio medien to>
diestra aaemia, em beneficio dos feridos d A' esso respeito enviam-
ciios frawiez e allemao.
nos osegainte:
Dando exeeaqao urna idea sobremodo au-
mauitaria, o director da orchestra alleiua e seus
-joipanbeiros ofereceram aos-Srs. cnsul da con-1
fedeaco Norte-Allemia e coii^u!
amanliaa um conceitoia impertul
eja do Sr. Linden, ra do liarlo de S. Bonja n.
Vi, ern favor des feridos Frauceaes e AlleoSes.
i Urna commissao ce duas saaboras* urna Alie
mi e outra Franceza, eslario port> da entrada
do jardim para receber as esmoias que cada oo-
cm rente quizer dar. ssndo coadyuvadas nesle eer-
vico por seis cavalb'iros, um de cada urna das
prineipaes uaeoes aliiadas existentes
vBcia.
<>ag. 331.
A forma lena do envenenamento pelo arsnico,
resulta mais frequehtemeote da sna administraiao
em doses repetidas e snceessivas.
Os primeiro* nniptomas qoe, ao principio, to-
ie Frasna, lar mam um grao d violencia mais ou menos consi
fabrica lecer-ideravel, e,iie muitas-vees Hhiltam-se a alguns
O jardim estar convenientemente preparado
e iilnoiit; ido. Todo quauto se receber ser em fa-
viir dos eidof, visto que nao ha despeza alguma
a iar.er-se, pois todo o irabalho para esta accao
i i aiiitaria'fii grataitamenle Jeito.
(> carador internacional da festa, e o fim cari-
J'-su a que ella se destina, faz esperar qoe os Bra-
ri-iro? k esirangeiros de^quaJijuer nacionalidade
.ncoricro para que ella tena o mais vantajoso
exiliad i em bem de urna porco de creaturas
i no hato do sofrimento. >
tWSSAGEWOS.Viudo do Havre na barca ran-
f.7.1 Foaro: Minien Lous Aici.
V.ndos do Rio-Fi rmoso no vapor Parahiiba:
Isco Carlos da Silva Fragoso, Hyppolito da
- i--ir:i Lin^ e um eriado, Joveaiano da Costa Mon-
ioi, .Mauoel Jos de Lima e um escravo.
vmitos, lesapparecem i a indamente. Mas, dpois
de um Kaaao rariado, vd-so reappareeerein o
accidentes que Mgoeai de ordinario a inges-
tao do veneno, sobretudo a sensacaa acre-ex-
oessiva, e calor ardente na parganto e no estoma-
go. Os vmitos retornam tambem. e daram mais
que a primeira vez; sao aeompanhidos-de esfor^as
nesta jiro- i peniyeis para laot;ar. Oliserva->e, nao mais sim-
ples intervalos deremissao, mis alternativas mnl-
CttLL A HOR.H'.l9.
UEST.V0 OS F.NVENES.MBNT0.
Por mais de urna vez j dissemos, e repetimos
boje, que nao temos anda juizo certo e definitivo
"obreaquejtao de enveneiumeBio, qae presenle-
mente se agita em nosso airo criminal. Temos
icuinpanKado com alguma atteaeao a mareba, que.
ai tomando esta magna causa, sem uos deixarmos
, preadar nos lagos da prevencao, e era, nos das
yir4>atbias por este ou aquelle eaniendor. Dese-
^nins apenas'urmar o nosso fracn juizo sobre fae-
s claros, bem explicados, e que vo repugnem
i razo e aos principios mais comesiooos da
n-ncia medica, ao alcance de qualquer iuteiligon-
.-... um poseo cultivada.
Os vultos polticos e soeiaes que j flguram no
jn-gocio, e os qoe por ventura anda possam nelle
wr parte, em cousa alguma inlluirao em nosso es-
pirito.
A questo em debate grave e complicadiShima,
-3.-M ao alcance dos que podem discutir as questoes
> mei'icina legil, sem nfeessidade de um diplo-
- a mpdieo. Neste caso est o fraco eseripter (es-
Tas liohas, que nao tem precisao de sangras nem
muie.
algaem tem necessdade desse meto preventi-
< cortamente nao somos nos V esta declara
ca> sem arrirepense, o apenas como um simples
{rotalo ao que se disse na gazetilha do Jornal do
ixifc, de i do crrante.
As coasideraces qae fzennw em nosso commu-
li'uio anterior,, nao nasceram do supposto assoda-
mento de ver discutida a questao do envenena-
miento dos irmaos Ss, antes de ultimado* os pro-
s ehimicos comecados oa Sania e em Paiis ;
iiaa sim, forano suscitadas pela noticia dada ao
publico pelo Jornal do Recif de ter sidjQ encoatra-
IrcordinarM qaanlidade de arsnico aaa vis-
eras de um dos tinados; e tamuein pelo conheci
!o quj nos deram d treclios.de, ajgumas car-
is respoitaveis da Babia, em que se
:. em urnas encontrn-s erlraoidjnaria
tidade de arsnico as visceras d> Ur, Victo-
riaMO om outrus i a potco de veneno (ar-
o) encontrada no? viscera/ espantosa : e
em urna, a deelaracao t deque o
mo propinado {oi em lamanA-i qUnntiiade, que
licer i:ot preservado do contacto dos wr-
iitiaoto pbeapmeno, cextamento nao espe-
por ner.hum dos mdicos "de trataram e vi-
un o tinado, cuja morte era attrihuida en-
:ia nento por substancia toxica do veneno ve
;iertou as consideragoes juq fizeraos, n
jo de desviar a opinio publica, como jo,
i;) da sieaeia, acreditamos quo mn-
ooa f dir, que aaobjerrHs que formu-
resposta p
proceden!
rdinarios, que se tem succeJwlo na razo du
jsqulsas poiiciaes.
is circamstancias que ac
<, qua succu
i pequeo lapso de lempo entre a mortn
o e a de outro, as premmptjile* vehem
gee nutriam os amigos de ter bavido propiaarao
tiplicadas de cenvalesceneas falsas e de recahidas
verdadeiras. Os vmitos sao frequentes, biliosos,
provocados por todo substancia ingerida, aeoropa-
nbados do clicas voleatssimas e de degeeees
diulceis. -
O doente fatigado por dores, e de raqueza nos
niembros, esperimonta vertigens e mal se pode
ter de p. Sangue pelo i, triz, hemorragias va-
riadas, nodoas arnweadas, erapcoes miliares se
iBostram por orvalles. As vetes syncopes, ou
ataques convulsivos atiestan) a profunda lesao do
pierna nervoso. A altera cao progressiva das
fiicaes, o enrugamento creseente dio a apparen-
cia de-urna vethice prematura. As dore* das jun-
tas se estendem a columna vertebral, e se com
plicam com contraern dos dedos dos arte'hos, ou
eom tremores: a seosibilidade da pelle umitas
vezes sobreexcitada, sobretudo as extremidades,
o perturbada por pretdos insnportaws c por
bruscas sensacoes de calor e fro. Em fim, os
movimentos mesmo se perdem, e urna paralesia
se declara, ora nos msmhros smente, e ora na
rraetade inferior do corpo. Estes accidentes po-
dem prolongar-so durante mezes e aonos, mas
terminam fatalmente pelo progresso das des-
ordens nervosas e pela alteracao mais a mais pro-
funda das onte da vida.

PUBL1CAC0ES A PEDIDO.
Eseolhido peln gremio do partido conservador
para fazer parle da lista sxtupla que ultimameate
foi levada eseolba imperial ; fui honrado pelo
corpj leitoral testa provincia, fazendo me ooeapar
o quario lugar faqnella lista.
Sobremanera denhorado per tao significativa
prova de consideracao e aprec^i, animme a de
novo appellar pzra o mesmo corpj eletoral na
prxima eleicao a quo vai proceder.
E posto que eu recenheea a irnpossibildade que
ha em substituir no saber e merecimento o grande
vulto, que baixaado a campa, deixou ao senado
a cadena, que procuro oceupar, resta me a satis-
facao de qoe em firmeza de carcter e no animo
deliberado de fazer o bem possivei ao atea patz,
vinguem me levar vantageoi.
Sa nao tenlio os valioso servcos, hoje rf pota-
dos indspeasaveis, de oceupar urna cadeira u* c-
mara do kputados, me parece nao dever ser
isso motivo para nao ser attenddo : nao reputo
necessano esse po..'o para acretso.
O mea pascado ah est : as posieoes m qne
me teoho acbsdo, nao me diz a concencia haver
fallado o cumprimento de .neus deveres, o sido
indfferente aos inleresses da proviccia e do paz,
teobo rcmpre sabido oppdr resirieacia aas aceom-
nietlimcDios aos cofres pnblieos, e manler-me de
modo a respeilar e fazer respeitar a le.
Como poltico, nao preciso encarecer mioha fir
meza de principi s.
Oa digaos eleitores da provincia que me jul-
gnem ; nao mo sinto pobre nem de servcos Bem
de garantas ao paz.
Raeift>3 de setembro de 1870.
Ignacio Joaquim de Bouza Leo.
escapado das garras da maledicencia E' muila
perversidace le animo ..
Ficu tranquillo : a roputacao do Uomem nao
pode eslar a caprichuda intriga
Phobo que desea a raassara e assp.ma a respon-
sabilidade lo seu acto ; nao sendo algum testa de
ferro, encontrar quem ilfseja a. ju>ia pumcao de
seus crimes se imrin Rr sordo ao pedido, entao
prolestarei nao ar-llie palavra, esperando que o
remorso traga-lhe o arrependimenlo pela injuria
a quem nunca o offanileu e t>jm consciencia do,
seusaet.
Villa de Podras de F-*gn 211 de agosto de 1870.
Apriato Caitos Pesaoa di Mtlto,
Ao publico
Os esenptos tornan o sen.
autor tmmortal, porque sem
, pre elle ser lembrado, ampian
dido ou reprovai por aquel-
es que o Inem.
Nunca pissou-me pela idea ter devir impreo-
sa dizer algumas pnJavras, coma protesto ao que
calumniosa e scinte-am rnte foi putHwadoera tni|a
correspondencia doitambno Diario da (6docor
rente, sob o pseuuo-PAaptoi se seguiute :
Vale-se d is pasqumeiros doH T<.vares o sem i
l. des Saeto?, e. o ngo me-
s-ms Bliios, Aprgi.
juiz muiii'ipal de Pedras
deF,igo da coioarca do Pilar, guarniente per
>os e desorderos, sendo o ultim falsiikador.
mo j se d naeulii xjelloeia,
para manda-fus diariamente s colamnas do Libe-
ral vomitar injurias ubre as autoridades derta eo-
deselos o isylo de Readiet-
datic.
Saeta Casa da Mi*eneorJa do Rrtr'e, 18 de
agosto de 1870. N. MfcaWJHift o litm. Sr.
No quinto arligo publicado pelo es-director do
Asylo de Mmdicidade em o Diario de 93 de jalho
prximo passado, n. 165, diz elle quo antes de
submetter a approtacao provisoria da presidencia
o regnlamonto interno, queor-ganisara para aquel-
le Asylo, consultara-rae a respeitu da rar) de
cada mendigo.
Nao tenho lembraoca disto ; ee ex-director,
qne em diversos postes de suas pnblicacoes M-
iribne nao ser ea ouvido soore netrecios do Asy-
lo minba rappnahl ma vontade e indispofico cn-
ica este, nw Ibes teria dado semelhante causa se
me tivesse consultado sobre o rerulinienlo. ra-
()(, oo sibre qualquer outro objeto.
A verdade que fui ntrogoe do ofiico da pre-
sidencia de <8 de mareo, que vieram acor.ipa-
nhando o sobredilo regula ment e a tabella das
reos- dos mendigos, nn manha do dia 21, -jn ni-
do eu esuva no tribunal do commer:io, e taalo
que so pude apreseutar tal ollicio e tabella jau-
ta em sua sesso do dia i, como se v do trecho
junto por cpta n. 1 da acia oVase di.
Tendo entretanto, logo qoe sabi do tribunal, om-
duzuo en mesmo o otHc > e tabella, a que alindo,
secretaria da Sarda Casa, se nao me falla a me-
moria, houve entao, ou pouco t"mpo deoois, quem
acha>se de valor moita elevado as racoes da la-
bella era questao, e esta circumstaneia, se a con-
sona allegada pelo ex- la, loria servido para despertar a minba reminis-
cencia, e para que en combaleste a favor-da ta-
bella a ooinio emittida netos empregado?, aos
qoaos nao poda escapar o ficto deserem as men-
cionadas eaces calculadas em dinheiro, quando
as dos e>tabe!ecmentos da Misericordia o sao por
qnautidade de gneros, o a sua importancia de-
terminada pelos precos estipul idos para osses g-
neros nos contratos firmados pela junta com o fot-
necedores. Eti vez de cambater a opiniao dos em-
pregados prestei-lbe toda a adheso
Se o ex director failou me sobre ragoes, havia
-de ser poMeriormente a organisacao do sou regula-
mento e de sua tabella, e e'm tal caso pode ser que
eu Ibe lentia re-poiulido uu- Ihe nao poda dizer
de repente emquanto importa va a radio de cada
doente pobre no hospital Pedro II, por se fazer a
despeza engobadamente, e que cada pesVa tivro
neste eslabelecimenio, tratada saa cusa, paga-
va por dia .t500, o aseraro liOO, e as praeas
de corpo de polica iiOO.
Nao bavia eu de ter dito mura eousa, n3rque
isto _o que se da, sen lo. porm que nessa qnan-
tiasi nao est somenle incluido o preco da alimen-
laco, mas de ludo quaeto o doente consom, e
se-ae bem de sea curativo.
Se no que acabo de oxpor nao valea miaba pa
tavra, nj e.-t no caso de merecer mais crdito a
do ex-director, quando afirma que eu Ihe dssera
ter elle calculado mu bem em 899 rs., ter o me-
dio, a diaria de cada mendigo, e que at dera a
entender qae aeoava diminuta esta diaria, urna
vez (iue o ex-director d a saa palavra como ga-
ranta nica da verdade do facto, qae refere, e
que julga aproveitar saa argamentagao
Oemprego, qae com tanu prodigaodade fez
o ex-director dos epitoeies de ioveridces, falsos
e calumniosos com appcacao aosmeis ditos dar-
me-ba indspensavei reit osar para com elle
de mtribuico equivalente, que a txia educaoiio
repolle : limitar-me.aei, pois, dizer qoe o ex
director do Asylo de Mendicidade pode estar equi-
vocado respeito do facto, que enuncia, assim co-
mo ea- posso aar deiie esquecido ; e qoando une
homem nao pode em .abono de saas asser^oes ap-
pellar para o testeioanao alheio, deve aoster-se de
invocar a sea, que naloralmente toraa-se os-
peito.
E, de mais, se o ex-director faiea-me alguma
vez emracesdo Asylo, elle devia roeorror soa
memoria tao viva e feliz, e narrar qaaesquer eir
cumstanoiasdestaprateqaida coaversa. porque se,
conforme elle declara, ea na* pode responder
saa consulta, senio qaanto aosdoentes, une paga
vara o sea traumento oo hospital Pedro II, pro-
vavul qua com referencia elles eo tivesse dito
qae a sua despeza toul importara de OU a 900
rs., que o mais qae delles se cobrara era recei-
la eraiiaatflao da Santa Casa.
. Toda ale digo por de mais, pois, nao haver
quera poesa acreditar que semtor ea a meae-r ni-
lauade.contra o ex-director do Aayfo, e ooando
mosava me etie deferencia nahyputhese, qae A-
gna-de vir-me consolar, Iba tiaassedilo qae ha-
via huta eaieulade a diaria de cada mendigo, para
depaiaeoosararcoma-exeesaivaa deapeza des asy-
(ados feita de conformidade com essa diaria, como
o cur dar parcober o eiidireator.
Aliaga arada o ex-director no /Mario da i de
julho prxima passado, qoe eoofreaionando o re
gulamento interno, estipulara diaria de 895 in-
terino medio, pra cada mendigo, e nao a de 907
rs, como eu asseeurw em o reialoria-do 4do diw
jalho.
O wdiraolor parece laborar era-arra. E com
eueito. se a tabella, que faz paste d regjiameoto
interno, nrgaaiaadopelo mesmo ex-dnraflior, catea
o tre dtas, o air -ara ao mez de Janeiro de 1867,
^^Htos da mi: se com medicamentos a qoantia de
~ ridid. 59D. em farerelro 333*860, m maio .lajitrao
^^^^| nnnwNO uovembro desse iuno e em abril de 1868,
po fica dii 1:000|,
- ando se v da ce
E der,ois cuinpre notar qua u ojo aurtentei apfriraentos maisavantajodos dasses dons mezes
que u uispendio cora cada mendigo fjs de 967 consumio-se nos sguinies a domaba, como ames
rs. masapenasdisse. art. 5* dpjmtala- sefazia, jaaipre qae.a*fiastecnBaata ara ma
THPP raiterno o vafor da rarao atarla focada avultado.
"'ffy0" *JesP*tiv t*eB paraeia eanarsiva I O fado, a que se rolare o txjreor, teve lu
f1 nna?aracao dot que gasttva qaafiuer as in- gar ba owis de dous **wos. a ala contlmiou, por-
m dos outros estabolectmentos da Saaw Ca-! que a janta cuiou logo em.ptvidaBettr, como
ato era fundada esta minha suppatico, convieba, respeito, porque so pieria qae a botl-
Si.
que fundo declara o ex-director, tunca nades-
penda toda essa ouaatia.
-,/ "* Vx "direc,or I"6 >ta33 de mateo oMae at
30 de abril segumlo de^.andao com aalimenlacao
?M !*?:1|g.9' 'oclnaive empregadoa, director. U-
Inmfnaeao da casa, eHrarras e farelfo pata dr>as
bois a quanlia de 2:340*1 O, seqdo de -701 rs. a
'despeza diaria de cada ee-sa; pao no me de
Uiaio aa.aeito ospaia mamen a Mdttl. ende
a despeza diaria para cada pessa de 692 rs
, que
no mez de jortio desprndeu-se a qaana de.....
1 J145iO, sendo a desonza diaria de cada uessa
de rlt Ts.; e quo em qualqner desss mezes a
despeza de cada asylado foi sempre inferior de
767 r*. que despende cada morpnetico- do hospl-
fal dos Lazaros, confrmese cellige do mea
torio.
Em prmein lugar rolan, dizer que, segundo
se v da ceriHJi jnnia n. 2, naj est exacto o cal-
culo d. ex-direcwir, porpje de 23 de mareo a 30
de abril despendeu-secom os mendigos, emprega-
dos aeom os gneros de eme elle treta, nao a
quantia de 2:340*120, mas a de 2:49o5*0, sondo
de 718 rs. a despeza de cada peese ; no mez de
maie nao a quana ao 8:0025941, mas a de___
2:431*840, tocando 731 rs. cada pessda ; e no
mez de junho nao agde 2:3r4*340, como diz o ex-
director, mas a de f: 166*440, sendo 714 rs. a ra-
caa de cada pessda: devendo-se, porm, accres-
ceomr aesprta de maio e junho a que se teria
de lazer, aa nao fossem as trinia saccas de ftirt-
oha, dez da feijao a vinte arrobas de carne secca
ou de charque, ofleneidas pele baro do larra-
meato n'umn poca on qne esses gneros eetavam
por preep mu elevado.
Quanio circumsiancia, qae ?pona o ex-direc-
tor, de ser a raco dos enfermos do hospital dos
Lazaros superior dos asylado*, respooderei,
qoe dos eetabelecimeatos sujitos administracao
da Santa Casa esse hospital o que proporeional-
mente mais gasi, como em outras oceasmes o te-
nho f.'iio sentir, e a razio disto esf ao alcance de
tolos, e deve ser aceita como valiosa pelo ex-di-
rector, ama vez que o hospital, qae se Ilude,
tem apenas entre doenies, empregados, serventes
e eazlnheiro trlnta e quatro pescas ; e se o ex-
direetor em sen art. 6*, qae veio publicado do Dia-
rio de 26 de juio ultimo, n. 166, diz cerca do
hospital Pedro H, que ama raaio procedente para
a diminuirlo da diaria o grande numero de pes-
aoas alli recolhMas, deve tambem reconhecer como
razio procedente para o augmento da diaria e pe
queao numero de individuos existentes no hospi
tal dos Lazaros : o que se d neste estabelccimen-
to, m-irmenio comparado aim o asylo rae entre
mendigos eempregados tem um pessoal nunca me-
nor dCnoventa pessa s; accresceado que fie todos os
infelizes, qae povoam os estanelecimentos da Santa
Casa certaioeite os lazaros sio os mais dignos de
compaiaao, e por is^o se Ibes d racao de doce, e
alguns o medico e o mordomo determinara que
se d leite, peixe fresco e galhnlia, sempre Jue
pedem essa dieta mais custosa.
Deus guarde V. ExcIllm. e Exm. Sr. es-
embargadr Franciseo de asss Pereira Bocha,
vico presdeate da provincia.
O provedor da Santa Casa
Anselmo Francisco Petellt.
ca titania os remedio que se tornera eouaunindo,
e tinha ella da pagar no ftm do mez.
Deuifoarde V. Bxe.Illa, e Exm. Sr. des-
embarcador Francisco de Assis Peraira lloeha,
vice-prnaUente da provincia.
O provedor da Santa Casa,
Anselmo Francisco Perelti.
N. I.
Certifico que os pedidos para fornecimnto de
medicamentos botica do hospital Pedro II sao
leitos pelo boticario, rubricados pelo mordomo que
esi de mez no mesmo hospital e assim dirigidos
o respectivo forueetdor, sem qua vio as mana da
uperiora do estabelecimento que nao governa a
rea- botica
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do Re-
cife, 17 do agosto de 1870,
0 eserivao,
Prdro Rodrigues de Souza.
71. i.
Certifico qoe a botica do hospital Pedro II des-
penden com medicamentos no mez de Janeiro de
W67. 286*590, em fevereiro 333*360, em maio
324*920. e s em novembro de 1867 chegou a
1:334*080, e 1 109*700 embnl de 1868.
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do
Reeife, 18 deagosto de 1941.
O eserivao.
Pedro Rodrigues de Souza.
fCwtiKaJ.
d?.ae ; mas se ha algaem que at
tal emua peasa, jamis o tooseguir
Instituirles como oMonle-pio Portuguevr,
cujas ns saoproteger os subditos porta-
goeics tim lia vtfnham a cahir na indigencia, tal-
mimar d.iw mns ^arfpnf'e da deshonra as
ovas, frotar oa primeirss passos e ampa-
rar at a dada aulta flaWilhos orphaos dos
associadoso podem jamis tombar : tata
poder superior as ampara e protege.
Nenhima dauffeic^o temos para com os
tnenibros da dtrcciuria ; mas a sua ooga
estada no poder tm ditconsideracao a le
prejoiso da sociedade, nos (em cansado
completo desagrado.
Foi, pois, debaixo desse poeto de vista
que trucamos ess-s incorrectas linhas que
ah se acoham da 1er.
Que as gratas recordarles, qne anda
de vem estar gravadas no coraco de todos
os portuguezes do venerando rondador da
sociedadeMonte-pi portuguez e os su-
blimes fins desta, sej-m inceativos bastantes,
para que a directora, e ompenetrando-se da
seu rigoroso dever, trate, j e j, de convo-
car as dnas rennioes da assemWa geral,
par os fins nne detormioa a doatrina dos
a amu mim
OPAL
No Jornal da iectfe tem sabida um annnncio de
praca, para ser arrematada de venda nina casa,
na roa do Rio, oo Poco da Pauella, correndo a
lictacio pelo juizo de o'rphaos desta capital. Esta
casa tem, segundo o edital, a sua sede margem
do rio, e vai praca a roquerimenl-i da viuva de
Joaquim Marinho Cavaloant de Albuqnerque, e.
em dita propriedade se diz ter parte orphaos. Mis
achando-se dita casa collocada no nie'o da ra, ha
muito lempo se resolveu que ella fosse demolida
para ficar o espado oceupado, destinado logra-
douro publico. as sanemos, nem nos consta
qoe tetioa cessado este motivo de servir o lugar
para logradouro publica : acreditamos que a c-
mara municipal ignora o tal aanuncio, e para isto
chamamos a sua lteselo, por quanto sei mais
difflcil ao dep iis |ue a dita muuicipai.dade consi-
ga desappropria-la para utilidade publica. F." boin
prevenir irabalbos e despetas maiora.
0 avisado.
N. 1.
Copia.Trecho da acta da sessao da junta, em
24 de marco de 1870 que se refere o officio
n. 2,943.
Outro officio remetiendo o regulamento interno
do asylo de mendicidade approvaJo provisoria-
mente pela presiJenca com uina tabella da alionen-
taeo diana dos mendigos, da quanlia de 400 rs.
para o almnco e ceia; e S80 rs. para o jantar dos
dias de domingo, egunda-feira, terca e quarta; e
dos oattos dias a 410 rs.
O eserivao,
Pedro Rtdrigaes de Souza.
N. i
Copia.Certica qne das rentas aposentadas
pelo ex-director do asylo consta me de 13 de mar
co 30 de abril despendeu elle, com os mendigos e
ein;irrgado9, em genero, agua HuminacAo, rap
charutos e cigarros, a quanlia da 2:493*540, seo
do de 718 rs. a despeza de cada pessoa, no mez de
maio a de 2:131*840 focando 31 rs. a cada um,
a em junho a de 2:16044O; sendo de 714 rs. a
racao de cada um; vi que no primeiro desies
mezes o numero de rcoes f,i de 3473 no segun-
do de 2941, e no lereeiro de 302>*.
Secretaria da Santa Casa da Misericordia do
Recife, 16 de agosto de agosto de 1870.
O eserwo
Pddro Rodrigues de Souza.
Santa Casa de Misericordia do Recife, 18 de
agosto de 1876--N. 2944.Illm. e Exm. Sr.No
nai do seu artigo quinto publicado no Diario d
o ex-director da asylo de medcidade a entender
qae nos meus relatorio3 eu deveria tallar acerca
las despezas de velas no hospital Pedro II nao
obstante haver ah ilinrainacao gaz e na despeza
de medicamentos superior'a 1:000* por mez que
se fazia antes de um mor-i rao mais caridoso do
que a caridade das irmas ler conseguido rednzi-la
a menos de 560*.
O ex-director nunca leu algum de men relato
rios, ou se nao vera que do9 estabelecimentos da
Santa Casa os que mais me agradara sao aquelles,
em que par da ordem e regnlaridade reina a
economa, que nao exclue as depezas aeeessa-
ras.
Eu s tenho motivo prra fallar das despezas ex-
aaanVaa; e neste caso oo est a despeza com ve
las no hospital Pedro II. E realmente as de cera
sao necesgarias para a missa, para a ben?ao do
Santissimo as sexta-feiras e nos domingos, para
o acampanhamento do Santissimo Viatico da ca
pella as enfermarias e mesmo para es moribun-
dos.
Quanto as velas estiarinas tambem sao precisas
porque a illuminacao fixa e nao de gaz
porttil, e por conseguinte quando noute se tra-
ta de acudir algum enfermo por cansa de he-
morrhagias ou de qualquer outro accidente tor-
nam-se indiapeosaveis as velas, que alludo, para
alumiar os leitos ande taes soccessos se verifjcam,
e nao chega tanta luz de gaz quaota seria precisa
na occasio, e mesmo arada e tornam ellas ne-
ce sanas para quem fica velando, e para a Intro-
doccao das pessoas noute pela polica conduci-
das para o hospital, victimas de algurb feriraenlo
ou de qualquer desastre: se nao houvsse
alguma vela para o recebimento dessas pessoas
deveriam ficar sempre acsos os bicos de gaz nao
s da portara come dos lugares por onde tem de
passar o doeote antes dechegar enfermara iue
loe destiaada.
Cnimuando coetestar a reconvenci do
ex-direiter dire a ?. Exc. qne os medicamentos
sao pedidos ao fornecedor pelo boticario com ap
pnvacao dos facultativos e rubrica do mordomo
de mea, enao pelas irmas de caridade, qoe nao
governam a-botica, coa se v da certidao n. 1.
Alera diato a oetiea do hospital Pedro II d
medteameotoe nao s para os enfermos nelle reco-
Ihidos como para os doeotes de todos os mais esta-
belecimentos.
Um protesto.
Nao acceito a interpretacao qne o Exm. Sr. pro-
vedor da Santa Casa de Misericordia pretende ti
rar de escriptos meus, insinuando que anribni
subservieocia da respectiva junta para com S. Rxc
Contra esta insinuacao protesto, e em occasio
opp.-jruna me explicare! convcnienr-mente.
Nao podia e*tar enr minha inteiieao molestar es
membros d'aqoelh junta, composta, cm sna maicr
parte da pessoas a quem preso respeito.
Recia-, 3 de setembro de 18*0.
J. P. Rancio de Helio Reg.
A alma de
Volve anjo celeste, eterna vida.
Um olhar a trra onde habiasie.
Onde Mam teu3 pas e teu amor,
Qu'inda sent a saudade qus deixaste.
Eu vivo a vida triste, qnaf'vivia;
Ku soffro o soffrimento, qual solfrias:
Minha alma de pesares abatida,
Abomina do mundo as alegra?.
Meus rogos por Deus nao sao ouvidos,
Ouve, tu meu anjo, onde que estejas.
Manda aojos, soccorrn ao moribundo,
Se colher, a flor perdida, tu dezejas.
Tu mesmo, anjo celeste, vem buscar-:t.
Levar-rae ao seio casto dos amore;,
Ao p, onde tu em alegra ests
Do trono de Jeliovah, cheio de lidre?.
Aqni deixando as amarguras tantas.
Irei tecendo com esmaltadas tigres
A capella. que offertar-te quero,
() Quando comtgo te disser amor^ !..
2 de setembro de 1870.
.Infoaio Pinhtira Lobo >ie M. J.
Ja se deixa er que a referida botica precisa de
consideraveia sappnmentos^ e nio constando elles
de remedios, qne se derramjaem, nao importava
ae taes abastecimntos fossem maiores n'um mez,
porque nos seguales tintura de deerescer, em
qaanto o foraeeimeoto era leilo a crdito e para
ser pago quando o perraittisse o estado o co-
fre.
Mas as cousas madaram, quando o fornecimnto
passoa a ser satisfeito eom lioheiro vista, por-
gue nao seado abundantes os recursos daqoelle
cofre, nao convmha despender n'um mez seno a
qoantia, de que se podia dispdr, embora no mez
segrate se repeuaae o supprimenlo dos remedies,
one se hoavessem esgotado. Neste seotido delibe-
rou a junu, e o digno mordomo, qoe se refere o
ex-direotor do asyfo, prestoa os servcos, de qae
trata, e que a-sigoalei no relatorio do 1* de ralbo
prximo passado.
.J.''8?p?'"all, de "medios s em novembro de
IW^at*lltmf a ,:33**080.e a 1:169*7(W
am abril de 1868. Em jomo desse amo, primeiro
* 1"|_ o meaeionado mordomo servio no
noapital, e amqaeprincipiarEm-se pagar s rae
em 980 rs. o profr da ragao datada .manoig* ^amaatoafnnaaalmanto, gastou a botica 446*2*0
e f.jram-aeltaando. w abastecimntos ao deM
pata roesma maaeira com os mordemos, que se
oara cada am dos quatro dias da semana, em qus
00 asylo a eomida de cama, e em HM) rs nos
djasam que ella de peixe, egae so qne aave-se am soecedeodo.
ultipliaar^ preeo da pnraoira raaSj )*,, fMf Mas antea desta poca eeguodo os pedidos do
re. peto* quatro das, o qae da 3*910, e o da ao- Ipharmaceuueo o mdicos, tambem dispendeu-se
Monte pi poruguez
Um dos mais respeitaveis cidadSos por-
togaezes, o Dr. Jos Henriqoes Ferreira,
poneos dias antes de deixar esta provincia,
convidou os seus compatriotas, aqui resi-
dentes, reunirem-se oos sales do Gabi-
nete Portunez.
Levados pelo sentirnento de estima, con-
siderag5o e respeito para com to Ilustro
cavalheiro, grande foi o numero qae alli
comparecen.
Ento, o illnstre doutor, usando da pa-
lavra fez ver o fim da reuoiao ; e ao tempo
em que dos labios se Ihe desprenda a ulti-
ma palavra do seu breve mas etoquentissi-
mo discurso, com a dextra assentava a pri-
meira pedra de um vasta edificio.
Os obreiros presentes eram em grande
numero; e o Ilustre doutor teve a satisfa-
f5o de, antes que dissohesse a reunio e
que dsse aos seus compatriotas o aparto
de mito e adeus da despedila, ver solida-
mente construidos os alicerces do grande
edificio. Eslava, pois, fundada a sociedade
Monte-pio Portuguez : to importante acon-
tecimeulo leve lugar em 30 de atareo de
864.
Foi nomeada urna directora provisoria
(a mesma que anda-boje gere os negocios
da sociedade!!!) e por esta diversas eom-
rai8soes foram tambem nomeadas. Todas
principiaram a trabalbar com afinco na cons-
truccJo da grande obra, procurando vencer
qualquer obstculo qne se Ihe? antolhava.
Cnegou o da Io de jalho d 1866 ; a
sociedade jutgou-se na aKura de se prestar
aos flns para atre bavia sido fundada: fez a
soa installago solemne.
Nun a vimos install3r-se sociedade algu-
ma sob to bellos auspicios ; pareoia desti-
nada a tomar a vatrgoarga das uossas sacie
dades: taes eram tambem os noasos arden-
tf.s desejos. E ler-se-hiam elles, em parle,
realisado, se urna directora, qoe mais pa-
rece perpetua do qae provisoria (e qae,
-ja dita a verdade, coata ata ai caracteres!
qoe muito podiam fazer) ae ao- bouvesse,
dorante to longo cspiifo de tempo, limita-
do tao smente ao simples o exiguo esp-1-
i diente.
A sociedade, depois de o hwlalbco,
nio tem avancado ama s linba no caminh
do engrandecimento. Ella nao con>a om s
(socio benemrito ou tetaf-iior; e se algnr>
pffectivo ha entrad/), nao iem sidodevid
i liciativa da directora. E% porqpe tanto
affrr. por parte da direetnra, a um po-
der inglorio, e tanto ndiflrentsmo da par
tu dos associados ? Parece qae alguma eousa
se tenta, com o fim de fazer desapparecer
_ 4.* e 4.s do art. 24, e ojue os issociidas
procurem elger pessoas que tratera de ele-
var a sociedade ao maior grao de engrande-
cimento, possivel, o que mais de corico
anbelaei.
Alguns socios instalfadons
Enfermidades causadas por
exposico.
Os minerr.s qne trabalhan em toda a elasse de
mioas acliar.im na saisaparrilha de Bristol -ama
salvaguarda segura coolra todos os desmanchos
inherentes a orna vida de privardes e eoatinaaaaa
xoofifiies taes como rheurnatismo, dyjpepsi,
febres intermitentes e biliosas, affeccao do ligado,
abeessos, nlceras, Injlammaeoe^ glandulares, erop
edes, nenvralgia, molestias, venreas, etc.
Em tridos is easo*, anda mesmo quo se teahaaa
aggravado por desmaielo, garntese a mais eom-
pieta eara.
Todo aquelle que a loma de vez era quando co-
mo preventivo firtalece seu systema contra as
enfermidades rtgora o augmenta as toreas vttae
at tal ponto que preciso v-lo para crA-lo.
Um medico eminente dprlarou que ella a ap-
prnxiraa a' esse f.buloso elixir da vida, mais do
ijuc atinhum nutro remedio eonhecido.
A salsaparitha de Bristol acna-se a' veada en
toda a parto do mundo civilizado, era ledas as
prineipaes boticas e tojas de dragas. -
COMMERCIO.
ENGLISH BANK
Of.Rio de Janeiro Limite;!
Descoata lettras da pra?a a taxa a con-
'eRoionar.
Recebo dinheiro em conta corrento hja
I raso fixo.
Saca vista ou a praso sobra as cidadei
prineipaes da Europa, tem carrespoadente
aa Babia, Buf>njs-Ayres, Moalevido, New-
s Nev.-Grleans, e emitte cartas de crdito,
aara os mesmos lugares.
KUA DO GOMMEROO N. 36-
\ovo banco de Pernambneo em
liquldaco. 9U de agosto de
1890.
Os Sr. accionistas podem rceber o 7"
dividendo de um or cento do capital s
quartas l'ciras c sabbados.
A' ra do Commercio n. 34, 2o an-
dar, faz-se, s quartas-feiras e sabbados o
3 e ultimo dividendo de 2,99 |0 sobre o
passivo da concordata do Sr. Jos AatODio
Basto.
Recife, 26 de agosto de 1870.
ALFANDEGA.
aeadmento do da 1 a 2..... 86:83I7:,
(dem do dia 3...... 31:808|7Wi
118:339^141
MOVTMENTO DA ALFANDEGa""
folnniss sanidos com fazenda 193
dem idem cora gneros 143
-----336
Descarregam hoje 5 de setembro
Barca portuguezaAmeliadiversos gneros.
Brigue iaglezEdith Marycarvio.
Brigue francezLuizadem.
Barca fraucezaFiguromercadorias.
Barca raglrzaTalismnfarinha de trigo.
Brigue iag\eiDiligentediversos gneros.
Brigue inglezDauloedem.
TABELLA dos prbcos dos gkkkros soieitos a di-
KKITO DE EXPOtlTAQAO. SEMANA DI K 10 DE
SETEMIIBO DK 1870.
Mercadorias: Unidades. Valores.
300
157
30
MOOf
21000
68
-177
-250
140
436
140OO
SJOOO
Abanos......... dnzia
Algodao em carneo.....kilog.
dem em rama ou em laa.
Carneiros vivos....... nm
Porcos idem.........
Arroz com casca. .... kilog.
(dem descascado ou pilado
Assucar branco......
Idera mascavado......
dem refinado......: v
Gailinhas........ urna
Papagaios.......
Azeite de amendoim ou men-
dobim......... litro
dem de coco ....*.
dem de mamona......
Batatas alimenticias. .... kilog.
Baunilha.......*
Bebidas espirituosas efarmentadas:
Agurdente cachaca. .... litr.
dem de canoa...... >
(dem genehra......
dem restilada......
[dem alcool........ >
(dera cerraja....... >
emvinagre....... >
[dem vinho de cajt...... i
Bolacha fina, comprehendidos os
biscoitns......... kilog-
dem ordinaria, proppartria
embanjue........
Caf bom.......
dem escolha on restolho ... *
tdem torrado on raoide. ...
Cal branca......* .
(dem preta........
Carne seoca { xarqoe ).
Carvio vegetal.......
Cera araareHa.......
dem de carnauba em broto.
(dem dem em velas, ....
Cha..........
Cocos seceos .....- eento
S37
675
535
402
5J450
19o
300
83
30t
337
0
300
660
476
(*) Caasuniro de Abroa.
Colla
Cooros de boi, ecos salgados.
(dem idem espichados. .
dem kfem verdes.....
dem de cabras cortldos .
(dem de onca.......
Doces em calda......
dem em gefa on massa. .
(dem seceos.......
Espanadirres de pennas grndes .
dem peiprenos......
lera de palha.......
Esteiras de carnauba ....
Idem propria para forro on estiva
de navio........
Estpa nacional......
Parmhadeararpta......
(dem de mandioca .....
"eijo de qualiraer milMade. .
?nmo charetos.....
dem cigarros .....'.
j dem n (Whabom ...
(dem om fotoa, orauoriooa res.
kflog.
teta
-.


Diario' e PecMtmbvH -- Segoni Jrira ^ d* Setenta) f J50l
tolho .
UMl em rolo o em I
dem, eruinaiiuur
Rap
Imiwii n minflif i (\
Ipecacuinh
SaESL^
. *.
i. (polvflho).
1
1
I
(bueoeras)
daifa
un
*
i
duda
cenW
8W6
ranchoes).
ron
kitof-
um
dazia
51000
SM
3#00
12*000
6*000
10*000
103
5*000
6*000
de papel malla-b I Iba* de uap< 1 pauta
, W grata* de prauo uaraL
roef
^r potegadas da diartei
Sata s do eomelho de compras nava*
,! de setembro de 1870.
O secretario,
Alexandre Rodrigues dos Aojos.
613
31
1*180
170
1703
%!""*.:::
Vinn riliiiho de Vi a 30
sdogmssura. um 16*000
~]>m *i.eosit-
ttnlfteetrosdegroe-
suf* .......
dem telMa* de nanos de 15
inlilmu de nosanra diuia
Tatart vano...... >
Tata*........ kilog.
Trate......... urna
Varas-pan pescar. .... dutia
idera para afaiHudas ...
Idear para canoas..... urna
Cavernas de sucupira(em obra) *
EMr IWM-. V\...... kilog.
Me <* fcetha.......
MittiJr ........
Osa.........
l'araa de carnauba..... molaos
Pedaary........ kof.
Podran d araar ..... >
Idea te fiKrar......
ldeAe rebollo
Peonas de esia. ......
Piasttva......... molhas
Pontea oa ehifres de nevflho oa
10*000
144*000
96*00
33
4*000
1*400
6*000
1*000
3*500
16*000
50
' 930
68
16
1*000
817
3
34
4*796
160
vaeea.........
Sabi .........
Sal. ......... .
SabapnriHu.......
Sapa** de cowo branco. .
Sea* (rasca em rauta .
dem arelas. ......
Sola -# vaqueta.....,
TaoM.......
lotteideboi.......
Vassouras de carnauba .
Ideante piassava.....
u-ndeTmb. .-j .
Apndega de Pernabmbnco,
8.' conferente. Anonio C. de P. Borges
Sp cooferenle Herculano C. Ottoni.
ifnrovo.Alfaodga, 3 de setembro de 1870.
Pan de Andrade.
Ctanforme. Joaquim Tertuliano de Medeiroi.
gCEBEDORlA J RUNDAS INTERNAS fe-
RAESDE PE^AIBDCO.
jodimento de da 1 a 2 2:5SoWl I
Ideflrdodla 3........ 1:319*146
1*800
348
10
2*043
800
340
476
1200
204
380
768
1*200
960
de setembro de
cenlo
kilog.
>
c
par
kilog.

cerno
duzia
3:875*137
CONSULADO PROVIIfCAL
ReoAmento do
!d. do dia 3
dia 1 a 2
33 :S49|fi30
477*707
35:697*337
MOVIMENTO DO PORTO.
Navios entrados no da 3.
Ikvre40 dias, barca franceza Ftgvo, de 228 to-
neladas capita > Michel, equipagem 12. carga
differentes gneros ; a E. A. Borle t C.
Londres40 dias, briauc ingl-z deleite, de 240
toneladas, capito Wiliiam Williams, equipagera
9, carga trilhus de ferro e outroa gneros ; a H.
Oetlli & C.
Liverpool50 dias, brigue ioglez Dilegent, de 28o
toneladas, capilo II Lawrenson, equipagem 9,
carga fazendas e ouiros gneros; a Johnston
Pater & C.
Rio-Ferraoso6 horas, vapor brasileiro Parahyba,
de 104 toneladas, commandante Joaquim Jos de
Oliveira, eqnipigem 11, em lastro; companhia
Peru&mbucana.
Navios sahidos no mesmo dia.
Rio-Grande do Norte3arca ingleza Togas, ca-
pilo W. Ook, em lauro de assucar.
IiarcelonaPatacho hespanhol Fomento, capillo
Thomai Alsina, carga algodao.
Navios entrados no dia 4.
Rio de Janeiro15 dias, patacho brasileiro Esfre-
na, de 201 toneladas, capitao Manoel Jos Perei-
ra Marinhn, equipagem 9, carpa 3,359 sarcos
com farinha de mandioca : a Jos Mara Pal-
raeira.
N< w-York50 dias, patacho americaao Caroline
Eddy. Je 216 kneladas, capioGenn, equipa-
gem 8. carga 550 barricas cim farinha de trigo
e outros gneros; a Henry Forster & C.
i. -nova116 dias, patacho italiano Rio la Plata,
de 116 toneladas, capitao Giuseppe G. Bollo,
equipagem 8, carga marmore, vinho e outros
gneros; a ordem. Este navio o que se acha-
vaarribado na enseada de Tabaling, ao norte
de Itaraarac.
landres43 dias, brigue nirte-allemao Miranda,
de 171 toneladas, capillo Hanrick Fock, equi-
pagem 8, carga diner;ntes genero; a H. Oettli
&G.
Vacos sahiios no mesmo dia.
Cabo-VerdeLugar portugut* Dante, capitao Do-
mingos dos Santos, em la-tro de ar.
llandaPatacho pjrtuguez Restaurar-o, capitao
Manoel de Avellar.em lastro de ara.
CearBarca ingleza Gazella, capilao A. Porter,
em lastro de assucar.
I
n producto para pa
dirci:
s'Irtt
Corris gera.
RelagSo das cartas registradas, prec*itentei
do sul e Dorte do impwio, existentes na
repartido do correio em Io de setem-
bro de 1870.
Andr Alves Gama. Berdp Gomes das Abren,
Hemolerio JosVelloso' da Silveira, Jos Antonio
Gomes Guimaraes, Luiz de Almeida Arauio Caval-
cante, Luiz Jofe Fragpso, Mafia EulaHa Gapalean-
te Navarro, Manoal Aecioly de Moura Godim.
Relacao dajcaita, qe ragiUradas neta epar-
cao e dirigidas as pro^ioefes 'do snt n'iWrte do
imperio, fjram devolvidas em1 conseqnencia dus
seus dnmants as aao lerem precerado n ten-
po dxido; a.defrin.b<|r(a*e, os pieprkis destina-
tarios, que e acbarem nestn provincia, ou as pes-
soas remetientes vir Tedama^la, nmnidas dogres-
peetivos certifleados :
Alexandre Jos da Costa Valente,' certificado nu-
mero 5008. \
Emiliano Manoel da Cosa n. 354.
Eli-iario Antonio dos Santos o. 4460.
Francisco Jos da Rocha Pialo n. 4014.
Francisco Antonio da Fonseca o. 3510.
Francisco Henrique de Norenba n. 3737.
francisco Joaquim de Almeida n. 3958.
Jos Rodrigues de Camino Jnior n. 4316.
Jos de Sooza Marinho Janior n. 1167.
Mrquez de Olinda n. 3813.
Tuomaz Ferreira de Oliveira 2203.
Tenceslao Jos da Silva Machado n. 3809.
O encarregado do registro,
Manoel dos Passos Miranda
Consulado provincial.
Pelo consulado provincial avisase aos diferen-
tes contribuimos da renda provincial no anno fia-
do de 1869-70, que coa o presente mez se encer-
ra o rocebimento por esta reparticj das respec-
tivas quotas, passando dahi por diante a ser o
mesmo effeciuado fodicalmentc.
Consulado provincia! 1* de setembro de 1870.
O admtnistradnr,
ABlonio Carneiro Machado Rios.
O adinhitf trador da reoebedoria du rendas
internas geraes avisa aos contribuinles do imposto,
sobre industria e profissdes do ejercicio de 1870-
71, qjne neste mez e no ultimo de outubro pr-
ximo futuro que elles teem de pagar o 1 semestre
flo referido exfercWo, livre de mulla ; e que fiado
o mencionado prnso ser cobrado com a malla de
OlO.
Keeebedoria de Puruambuco 1 de setembto de
1870.
Manoel Carneiro de Sonza Lacerda.
Messagees impelales.
At o dia 9 do corrate mez esper-se da Eu-
ropa o vapor fraacni Giwndt, o tfnal depote da
demora do contorne sejmlri para Bnenos-Ayres,
tocando-na Baha, Ri de Janeiro e Montevideo.
Para cooducSes, frete e pas'agens, trata-se
na agencia, ra dtf Ceoinwrelo n. 9.
Al o dia 11 do correte lineespera-M doa por-
tos do sal o vapor francez Sindh, eomroandante
Massenet, o qual depois da demora do costume
seguir para Brdeos, tocando, einDaJtar, (Gora) e
Para condifoes. tuM$j>aagejn tau-se na
agencia, ruado rxnrtftjrcren*97*"
companha pebnambucana
^aTega?5o costelra pT vapor.
Fernando de Nerftnha.
O tapor Maniakv eommaadame
Julio seguir para o por cima
no dia 5 do corrent ao mel dia
Recebe carga passajros e ancora aradas, at
as 10 horas do dia dj sabida1 no eriptofio
do Forte do Martes n. 11:__________________
mflm IMMLEffiA
DE
Paquetes a vapor.
Dos portes dnorte espera-
do at o dia 8' do correte o va-
por Gruzeiro do Sul, comman-
dante capitao lente Pedro Hy-
_____ ponto Duarte, o qual depois da
demora doeoitMN segniri pan os portoa do sal.
Desde j refleoeni-se passageiros e engaja-se a
jarga qne o vapor poder conuur, a qnai dever
ser embarcada no dia de sua chegada. Encommen
las e dinheiro a frtente as duas horas do dia di
sua sabida.
Nao se recebem como encommendas seuao ob-
lectos de pequeo valer e que nao escndtm a 1
arrobas de peso oa 8 palmos cbicos de medi-
cao.
Tudo que passar dostes Hmites dever se)
ambareado como carga.
Previne-se aos Srs. passageiros que suas paesa
ris s se recebera na agencia ra da Cruz n. 5/'
andar, escripiorio de Antonio Luiz de Oliveir;
Azevedo 4 C.
o de conenie, do papel a* i; *,
le breu logo em seguida, ao meio dia, nos I
re? sopra indicado.
Cifclrro.
lafcor-
quefazera parle da msssa fallida dolph no valor de-873*520 ris
HOJS
Segunda-feira 5 do corrent s 12 horas
da madna.
O agente Pestaa far teilo pelp segunda vez,
servindo de base a oflerta da prlmeira e por des-
pacho do IHm. Sr. Dr. jutzespecial do coramercio,
das dividas cima, no dia segunda-f^ira 5 do cor-
rale, s 12 horas da raaaoaa, no largo do Corpo
Saato b. 9.
CelFeieripiorio le advoeMe i ron estreia do
Rowrio n. 4, propee-se iguMmMte a SOLICITAR
quaesquer causas perante os tribnnaei desta cida-
de, e pode ser proewalo das 9 honls da manhaa
3 da Urde.
gjWajjUBnKflBBS ****'******fueas.
Atra-
Oflerece-1 urna boa amn-'e de boa condnBm
iara casa flhomem solteiro :' a tratar na travessa!
de S. Jos 720.
DE,
55 caxas com vinho Madeira
v Boje
O agobie PoMana. por conia e riseo.de qaem
pertencer. Jar leilao de 35 Ciixas com snperior
vinho Msdelri, o qnal era vendido em nm o
mais lote, vontade dos llcitanies, sogunda-feira
5 do corrent, s 11 horas da maobaa, no arraazem
do Annes defronte da alfandega.
Aracaty.
OECLARACOES.
Spgue para o indicado porto o palhabote So-
bralense, capilio Pereira ; iinda recebe alguma
carga a frete : a tratar com S Lelto Irmos, a
ra da Mdre de Deus n. 1.
liispecgao do arsenal de
mariuha
Faz-se publico que a commissao de peritos exa-
minando na forma determinada no reculamente
annexo ao decreto n. 1324 de 5 de fevereiro de
1834, o casco, machina, calJeira, apparelho,
mastrea^ao, veame, amarras e ancoras do va-
par Moleque da companhia Vigilante de reboque,
achou todos esses objectos era e vapor e< ntinuar n> serVien cm qaj so emprega.
Inspecc) do ar.sc.nal de reannha de Pernambu-
co 1* de setembro de 1870.
O inspector,
^___________H. A. Barbosa do Almeja.
Por ordem do Sr. Dr. ClauJino de Araujo
Guimares, cnsul da naci portucueza nesta pro-
vincia Pernambueo, sao coamadoa os credores
dos espolio- db- subditos portuguezes Antonio de
Azevedo Maia, loaquim Antonio, 9 de Manoel de
Azevedo Saatos para apresentarem seus crdito*
nesta chancellarla do consulado, denlro de, praso
de oito dias da presente data, para depois* de ve-
rificados serera pagos at onde ehegar o producto
dos mesnios espolios. Findo o praso marcado nao
podero ?er m>ls admittidos.
Consulado de Portugal em Pernambuco 1 de
setembro de 1870.
O chaneoller,
Arthnr Anreliano Ferreira Braga.
Conseho de compras navaes
O conseho no dia 5 do corrent mez. vista de
proposws recebidas at as 11 horas da manhaa,
contrata sob as eondicfci do estylo o fornecimento
aog navios da armada e establecimentos de raari-
nha, no trimestre prximo vindouro de eulubro a
dezembro, de vveres, dietas e outros objectos de
consumo segnintes : .
Arroz do Maranbo, azeite doce de I te doce inferior, agurdente de 10 graos, assucar
branco refinado, aletria, aramia, assucar branco
grosso. bacalho, batatas, holachinha americana,
cangiea ou raiio pilad*, grSo, caf mu
do, cha byssou, carne verde, cevidfnha, carne sec-
ca do Rio Grande do Sal, carnauba em velas, fe-
jo, farinha d mandioca da trra, galinha, lenha,
matte, mi* etga ingleza, manieiga tranceza, pao,
sabio nhssa. sal, tounWo de Listma, tapioca, tt
jlo de al venara grama, telha> vinho de Lisboa,
velas amarinas de 8 em libra e vinagre de Lisboa.
Tambero o eonseiho no mencionado dia 5 do cor-
rente mez, por iaual frma,. pr.nnove a compra
dos mguintes rial da armada :
12 naldeadeiras de folbi, 10 robas de er, 60
barras de ferro iaglez pr. prio-para grelhas, 6 fo-
les ioglezes de 8 ps de
100 paos de lacre encaro
16 paos de ginipapo de 11 palmes
te, 400 libras de plegadora de fiaeo, 50 cedernos
THEATRO
SANTO ANTMO.
ESPREZA-COISBRi
COMPANHIAFRANCEZA.
Ilspectacnlo e:.i graadegata, pa-
ra festejar o feliz unnirersa-
rio da lodepeudencia
do Brasil, honrado com
a presenca do Eim.
Sr. Tice-presidente da pro-
vincia.
Quarta-feira 7 de setembro.
Logo que S. Exc. o Sr. vi ce-presidente, se dig-
nar ehegar ao seu camarote, a orehestra tocar
O hymno nacional.
Em seguida, a companhia cantar
O hymno da independencia.
Depois seguir o espectculo dividido era tres
p artes.
PRIMEIRA PARTE.
Bellissima opera bouffe,em um acto, escripta por
Mrs. Nuitter e Beaumont, msica de I. E. Lecouix
Personasen?. Actores.
Elvira............ M!le. Cholberl.
Cotignac.......... Mr. Carn.
Mosquito......... Mr.Raynaud.
Goncalez.......... Mr. Maris.
A scena p^ssa-se em Paris no reinado de Luiz
XIII.
Esta opera Coi representada era Pars, .mais de
cem vezes com geral agrado do publico pari-
siense.
O empresario previne que todo o vestuario e
mais accesorios desta opera, sao ricos e completa-
mente novos.
SEGUNDA PARTE.
A' pedido de muitas pessoas, frequentadoras
deste theatre, o insigne artista caricato Mr. Ca-
rn cantar a sua predilecta
Canconeta __
LA MANDOLINEfA' DOREO.
2. Concorieta
LE TROU de LA HARMITE.
executada por Mlle. Thierry.
?.' Romance
| RAPPELLE--TOI
cantado pelo insigni artista Mr. Raynaud.
TERCEIRA PARTE.
Chicar et Beb
Scenas do carnaval.
Opsreta cmica em um acto por Mr. Ch Rosen-
quest, representada em Paris, com geral applau-
so no alczar dos Porcherons.
Personagens. Actores.
Chicard............ Mlle. Brescia.
Bebe............... Mr. Maris.
Le Garcon......... Mr. Raynaud.
Termina esta opereta com um CANCN dan-
sado por Miles. Brescia e Marietie e Mrs. Maris e
Carn.
A empreza nao se tem poupado a despezas,
afim de que as operas que d'ora avante tenham
de subir scena|vao bem preparadas, quer em
vestuarios quer em scenano e todos os mais ac-
cesorios ; asslm come previne igualmente que
os artistas estao empenhados em bem satlsfazer
ao respeitavel publico.
O resto dos bilhetes acha-se venda no es-
criptorie do theatro das 9 horas da manhaa em
diante. '
Os Srs. assigaantes teem a preferencia at ao
meio dia.
Previne-se aos Sn. que encommendaram bi-
lhetes para este espectculo, que tenham a bon-
dade de os mandar buscar at terja-fera 6 do cor-
rente.
Principiara as 8 da noate.
N. B 0 theatro achar-se-ha ornado com todo
o gosto e elegancia quer nierior, quer exterior-
mente. ?
PRECOS.
Camarote de 1.* ordem.............
5," ordem desde n. 1 at 10........
Os numero 11, H, 1| e li.........
Cadeiras de l1 classe..............
Cadeiras.........................
RIO DE JANEIRO
Para o porto cima segu com bre.vidade o brl-
gue nacional Isabel, tem parte do seu carregnmen-
10 engajado : para o resia que Ihe falta trata-se
cem os consignatarios Aatooio Luiz de Oliveira
Azevedo & C, ra da Cruz n. 57, l.c andar.
I
Preic-nde seguir para o referido porto em poneos
lias o palnabote Rosita por ter a maior parte da
arga, e pr.ra a pouca que Ihe falta, trata-se com o
consignatario Joaquim Jos
ra do Commercio n. 17.
Gon^alves Beltro,
nm terreno na estra-
da do Manguinho
O agente Pontual, comp*t*dtwnente autorisado,
vender em leilao um magnifica terreno (limitando
com'sino do Sr. eronymo Joaqnim Finza de Oli-
veir. na estrada do Manguiaho com 333 e meio
palmes de frente e 800 e lanos de fundo at o rio,
todo murado df frente e de nm lado, tendo ] en-
canuda agua da companhia de Beberibe (45 baldes
diarios) e pagando 30 annuaes, sendo o terreno
propriu
Terca-feira 6 de setembro
no armazem da ra do Imperador n. ,16, s 11
horas.
LEILAO
DE
DIVIB>%S
O agente Pontual, comp*;tentomente autorisado,
vender em leilao as dividas constantes da relami
em poder do dito agente, sendo ni vales, letras,
documentos e contas de livjo, tudo oa importancia
de 9:3235681, pertencenlcs aos berdeiros do casal
do fallecido Foriunato Cardozo de Goava.
Terca-feira 6 de setembro
ao armazem a roa do Imperador n. 16, s 11
horas.
C0IPAN11A BMS1LE
DE
Paquetes a vapor.
Dos portn do snl esperado
at o dia 8 do crreme o vapor
Paran, o qnal depois da demo-
ra do cosiume seguir para os
portes Jo norie.
De3de j recebein-se passageiros e enga]a-se i
;arga qne o vapor poder conduzir, a qual deven
ser embarcada no da de sua chegada. Encommen-
las e dinheiro a frete at as 2 horas do dia da su
ahida.
Nao se recebem como encommendas seno ob
jectos de pequeo valor e que nao excedam a dua.-
arrobas de peso ou 8 palmos cbicos de medicao
rudo que passar destes limites dever ser embar
:ado como carga.
Previne-so aos senhores passageiros que sna;
pas^agens i se recebem na agencia, ra da Croi
n, 57 primeiro andar, escriptorio do Antonio Luiz
de Oliveira Azevedo C.___________________
MARANHAO'
A barca Mara, chegada do Rio de Janeiro, se-
gu para o Maranhao em poneos dias com a carga
que liver, e por isso quem quizer aproveitar to
boa oocasio de carregar, di rija-se ao consignata-
rio Joaquim Jo Goncalves Beltrao ra do Cora-
mercio n. 17.____________________________
Rio de Janeiro
Pretende seguir para o refprido porto com >
possivel brevidade o patacho Monteiro por ter por
cao da carga engajada ; e para a que Ihe falta e
escravos a frete, trata se com o consignatario Joa
qnim Jos Goncalves Beltrao a roa do Commercij
n.17.
e
LEUDES.
LEILAO
M2 Mimos
MOJE
Segundi-feira 5 de setembro, s 10 horas.
0 agente Pinto far leilao, reqaerimento do
testamenteiro do fallecido Carlas Sleuber, e por
mandado do Illm. Sr. Dr. juiz de orphos de diffe-
rentes livros, diccionarios, msicas pertencentes
ao espolio do mesmo Steuber, e existentes no es-
cripiorio do referido agente, ra da Cruz n. 38,
onde se effectuar o leilao s 10 horas de dia
aeima dito.
Efeeotoai
Antonio je-SiwKa
esertptrin para a ro* esireita
ltIARAM o seu
do ttesario n. 4.
Am'i
Precisa-se de nma escrava ou f rra, que saiba
eozintr-e lavar, para nina pequea familia es-
trogelra1: na-praca flo Conde> ro a^ndaj._______^____________
iSeaf & Irraao a roa de Marque* f)e
Ooda d. 5 precisan de um feitor para o
rtgUhbo Bonito commarca de Nazaretti e of-
erecem vanlageus.
do
CASA DA FORTUNA
Aos $mo$
Bilhetes garantidos.
A. rurPrlniBiro de Marco (outr'ora roa
Crespo) n. 23 e casas do costme.
Acham-se a venda os felizes bilhetes garan
tido da 5* oarte da lotera, benellcio do colle-
gio dos orphos (159a) que se extrahir sabbado
10 do correte.
PRECOS.
Bimete ireiro
Meio bilheie
Qliarto
Hm poTco de 100*000 para
Bllhete int-iro
Mao bilhete
Quarto
6J000
84000
lSOO
cima.
5*400
2*700
1J3M
Manoel Martins Fiuza.
Ama
Preclsa-se de urna ama para comprar e cozi-
uhar em casa de pouca familia : na ra Imperial
o. 130.
Ama de leit
Precisa-se de urna ama de leile : na ra da Im-
peratris n. 2,1* andar, ou na thesouraria das lo-
teras.
Ama
l'.-eci-a-se de urna ama :
Recito n. 24,2 andar.
na ra da Cadeia do
Na ra es.rHta do Rosario n. ', i andar,
cozinba-se para fra. ___________^__
mENG&O
Aluga-se a sala exterer do sobrado sito ra
larga do Rosario numero 21 : a tratar na loja do
mes
boga
na escrita pal
urna
U*jfM<*.
Cadeia do Recito, ca*a n. t,
para alugar -se, a qual sabe eoxmfcar
SaiffiMHH
kJU. \r:ll. Alian a nrt n Rifa
Jos Gomes Villar retira-se para o Rio
e Jinflro, e precisa declarar que nade
zMra praca, nem tao pouco
fra
dcllV'.p^rra se alguem se Inlgar seu cra-
dor poner nestes 8 dias apreentar
suas comas, na rna Primeiro de Maree
B. 17, a Antones Guimaries & C, de
firma o ra^smo faz pfrte como so-
LClo commandiiario, e serio pagas as
|^Ma contas, caso apparet^m.
Apreveita a occasio ue pedir aos sena
res desia praca mandar saldar
contas antigs, pois muito justo
e retirando-se para o Rio de Janeiro
os seus devedores saldem seus dbitos
muto breve.
3
m
= Ptecisa-se contratar mh
Rvd, sacerdote para uraa ca-
pellaaia, n'uma cidade populo-
sa e perto do Recife : tratar
nesta typographia.
HOTEL CENTRAL
EM
Sanio Amaro dejahoato
O dono deste eslabelecimento avisa aos -enhores
viajantes, e assim aos senhores que all f.irero a
passeio, que nelle encontr.-.rao as comroodidades
e alimentos desejaveis e or procos modorades.
O bom e commodo banho all se enconira, pe*
qne o rio passa a curtissii*i distancia pelos fun-
dos da casa.
CLUB POPULAR
De ordem do Illm. Sr. presidente, e de accordo
com o art. 23 dos estatu'o-, convido a todos os
socios do Club Popular para se reunirem em as-
sembla geral no dia 9 de setembro, s 7 horas
da nonte, na ra de Santa Rila Nova n. 1, 1* an-
dar, afim de lomar conh^cimento dos trabamos da
unta e do conseho deliberativo ; ludo de coo-
wrmidade com o disposto n. Io do art 14 dos
citados estatutos.
Secretaria do Club Popular, 31 de agosto de
1870.
O 1" secretario,
Misael da Silveira Aimral.
FEITOR
Precisa-se para nm sitio perto da cidade nm
fellor que enlenda perfeitamente da plantacao d*i
lii.rlalica e que tambemsaili.t andar cora carree ;
paga-sebera: na ra da Cruz do Recito n. 45,
primeiro anda.
DE
100 barricas com cemento
Romn marca M dia-
mante
Terca-feira
6 do torrente, as" 11 horas da manha.
O agente Pestaa lar leilao por conta e risco de
3aem pertencer. de 100 barricas marca aciuia
eclarada cora cemento Romn'viadas de Liver-
pool no navio Edith Mary, entrado neste porto era
6 de agosto prximo paseado, e sarao vendidas ao
armazem do barjo do Livramenie, no caes do
Apollo junto fundicao doSr. Duira, s H horas
da manhaa.
10*000
12*000
16*000
3*000
2*000
Attencjlo
Vende-se tres rolos de rumo do Rio, proprio para
os fabricaotes de cigarros : tratar na ra 'de S.
Francisco'n. 52. das 6 as 10 uors di. manhaa.
AVISOS MARTIMOS.
COMPANHIA PERJSAMBUCAM
DE k
Navegando, cotteira por vapor,
Goyanna.
O vapor Parahyba seguir pa-
ra o porto cima m da 6 do
corrent as 9 horas da nonte.
Recebe, carga. eneommendas,
passageiros e dinheiro a frete at
; aras daT tarde no escriptorio do Forte do
Mattos n. 12
LEILAO
DE
m-
A companhia dos trilhos urbanos do Recile
Olinda faz leilc, per intervencio do agente Pon-
tual, de algumas portas, janelias, vidrajas e made-
ras ainda embun estado, da casa demolida no Va-
radouro, onde se esta consiruiudo a e.-ta?o
Terea-feira 6 de setembro, s 10 horas da ma-
nhaa.
armaqo, gneros e pertences da
taberna da ra dos Guarara-
pes n. 10.
0 agente Martins far leilao da taberna cima,
era um ou mais lotes, pois se ach bera localisada
e afreguezada, garanlindo-se a casa ao comprador
do eslabelecimento : os pretendenles podem exa-
minar o balanco na mesma taberna
Terca-feira 6 do crreme
s 11 horas do dia.
Livros novos em
glez
ii o je:
Segunda-feira S da seienbro s 10 1/2 horas
por intervenco do agente
PINTO
em seu esotipterio ra da Crnz-n. 38, em conti-
nuacao ao leilao de Bvros do fallecido Carlos
Steuber. _________'
"LEILAO-
DE
200 barris com breu e 2,000
resmas de papel d embrnlho
a 5 do corrent.
Por mandado e carta precatoria do Illm. Sr. Dr.
juiz especial do commercio d'esta cidade, reqae-
rimento de Tasso IrmJpi C, consgnatenos do
patacho inglez Brisk, viudo de New-York, o agen-
te Oliveira far leilao, precedidas competente li-
cenca e com assistebea de nm empre
da alfandega, de, sob marca T. J, 200 barris com
ord existentes no largo da ponte nore*o eaes
do Apollo, e mis L J (P por bafxo) 400 pacotes
com 2,000 resmas de papel de embralho, existes-
tes no trapiche do algodao da alfandega. sendo
DE
um sitio com casa de tijollo na
estrada Nova de Beberibe,
junto primeira bomba.
O agente Martins far leilao de um"siti i na es-
trada nova de Beberibe com 800 palmos de frente
e 1100 de fundo com graid baixa para capim.
tendo urna casa de tijollo, e muito perto da este-
cao daEncruzilhadi, terreno foreiro.
Quarta-feira 7 do correle
em se escriptorio ra da Cadeia n. 9, s 11
horas do dia. _________ .._____________
Aluga-e u segundo
44 : a tratar na mesma.
anJar da ra Nova u.
Constancio da Silva Neves, Manoel da Silva Ne
ves, Lourenca da Silva Neves, Francisca Simplicia
da SilVa Neves, M*ria Levina da Silva Neves e
Emilia da Silva Neves, Albos e filhas do finado
Manoel da Silva Neves agradecem cordelmenle
todas is pessoa3 que acompanharam ao cemlterio
puble) os rfstes raortaes de sen prezadissimo pai;
e de novo convidara aos seus prenles e amigos
assisii em as missas de stimo dia, que mandam
celebrar por alma do mermo finade, na ordem
lerceir a do S. Francisca, no dia S do crreme, as
7 horas da maobaa, pelo qne desde j ficam sum-
raamente gratos.____ ^ _
luga-se o 2 andar do sobrado n. 10 da ra
do Vii conde do Pelota, conliecida pela ra do
Arago, cm commodos para familia, e bstanle
fresco : na loja do mesmo se diT;i quem alnga.
RnansKsnHB&aWfivn
Luiz Antonio Goncalves Penoa, testamenteiro do
finadO'Francisco Jos de Freitas Guimares, man-
da celebrar urna nssa por sua alma no dia 5 do
corrette, na igreja de Santa Rita, as 6 horas da
manhaa, para o que convida os parentes e amigos
o mefmo fallecido.
TJrgenci-.
Pede-se ao moc> que por engao levou do Bazar
Acadmico um chapeo de sol de seda e de cabo de
marfim, que o mande levar ao mesmo esiabelecl
ment sob pena de ver o seu nome publicado por
extenso neste jornal. ___
ALMANAK
PARA O
AUN) DE 1871.
:onvidamos aos Srs. advogados, negoci-
aDfes, mdicos, artistas, endustriaes etc. etc.
para que remettam ra do Imperador, n.
54, us seus nomes ou rmas, com indicacp
ila ra e n. da casa em que teem os seus
establecimentos ou residencias, afim de
serem contemplados no Almhnak futuro.
Igual convite fazemos as companhias de se-
guros, baocos, agencias, associaces littera-
rias, scientifleas, humaflitarias, corporaces
religiosas etc. etc.
Para o fim supracitado s podero ser
acceitas as inf >rmacoes fornecidas at o ul-
timo lo crreme mez.
Precisa-se de urna ama forra ou captiva
servco interno e exfrno de uiua casa de
familia : na roa Vclha n. fiG.
pira o
pouca
Aluga se a casa terrea n. 22 da rna dosPra-
zeres, freguezia da Boa-vista : a tratar no 3* an-
dar do sobrado n. 36 da ra das Cruzes.
----------------------------------------------------------------j>---------------------------
Na praca da Independencia n. 33 se da di-
heiro sobre penhoros de curo, prata e pedrs?
jreciosas, seja qual for a quantia; e na roes
:asa so compra e vende objectos de oufo e praia.
i igualmente se faz toda e q;;alquer obra de en-
j^mmenda, e todo e qualquer concert tendeju*.
i mesma arte.
Precisa-sed i urna ama que saiba engomiuar
preferindo-se escrava: na ra da Penha n. tt
Io andar.
Aluga-se a ca>a dedous andares o sotan da
ra da Aurora: na mesma ra o. 38.
Na ra de Hurtas n. 86 precisa-se de wn
feitor portuguez para sito.
I' MUDANCA.
MI O Dr. Caroline Francisco de Lima San-
sm tos mudou sua residencia e consultorio
| para a ra do Imperador n. 57, 2o andar
W$ do sobrado cujo armazem conserva ain-
j& da boje o nome de Alianza, tendo a n
a entrada, que pelo lado d:-. ponte Sete s
BB de Setembro, o mesmo numero 57, da SI
(St frente. Ahi continuando o dito Dr. oo }OT
^ exercicio de sua profisso de medico e 5H
jg| de operador, pode ser procurado a qual- SK
gj| quer hora do dia e da nouie.
CHHCOL.VTE VERMFUGO DE ANTONIO NE-
VES DE CASTRO.
Este acreditado preparado, que tao boa
acceitacao tem merecido nesta provinch,
muito se recommenda para cara certa e
efficz das bichas ou lombrigas, tanto as
criancas como era pessoas de maior idae.
nico deposito na pharmacia e drogan
de Bartholomeo de C, ra larga do Rosa-
rio n. 34.
Em casa de THEODORO CHWSTi-
\NSEN, rna da Crnz n. 18, encontraiw
)Sectivamente todas as qtialidades de vinli
bordeaos. Boargogne edo Rheno.
Bartholomsu & C,

:\.
LEILAe
470
DE
saceos com milho pan techar conta
QUARTA-feirar"
9 do crrente
s 11 horas da manhaa.
O agente Pestaa fara leilao por conta e riseo
de quem pertencer, de 170 saceos.cote mltho para
fechar contas, as quaes serlo vendidas em um ou
oais lotes, hoje s 10 horas do da, no mpich > do
antas.
AVISOS DIVERSOS.
recisa-se alngar urna preta
tudo por parte do carregamsnto de te patacho, do Rosarlo u. 38, anda.
Attencao
No dia 1" do corrent mea desappareceu do si-
tio do Sr. Joao Manoel da Veiga e Seixas, no Cal
deireiro, nm cavallo russo pombo : quem o achar
e levar ao sitio do mesmo Sr. Seixas, ou na ra
Direila n. 32 A, ser generosamente gratificado.
para o servico
na ra estreita

'A
COMPANHIA
DOS
TRILHOS URBANOS
DO _____
R13CIFE A* OIIWOA.
Allerac2o da tabella para os dias nteis:
MANHV
Pail Olindas 6, 7, 8 e 9 horas.
De OUnda para o Recifes 7, 8, 9 e 10
horas.
TARDE
Dq Recn*e-s 3, 4, 5, 6 e 7 horas.
De Olindas 4. 5. 6, 7 e 8 horas.
Sement ter3o 10 minutos de demora os
trensl em Olinda. em quanto tomam agua e
fazem a muda dos carros.
Recife, 4 d setemnro de 1870.
O sai erintendente,
A. d'Abren Porto.
Haver todas as quiatas-fciras um mnibus
para Santo Anto, devondo partir as 3 horas era
ponte da roa da Praia n. 4J, e volUnd^ para o Re-
cife n s-xta-feira as meemas horas ; tambem
alagareoutro qualquer da para alguma familia ;
levapilo dez pessoas. Tambera vendra-se cavallos
para cabriolet : a tratar na ra de Pedro Affouso
(aniiga roa da Praia), cora o Sr. Jos Pinto.Tava-
res Jcoior.

VIN30, PtLULAB, XaHOPE S TlNTUR*
r>r. JuRrJBBBA SIMPLE u perruoikoso;
LEO, POMADAE EMPLASTRO DA MBS3L*.
PLANTA PUEPARADOS POR
8ftRTH0L03!E0 & V
Pharmaceuticos-Droguista
PIZEU AMBKICO ^
Jornheh : esl pUau b> nuiataf'i.
poderoso I
A
cono
o nai!
coma o
ecomo
t aocid o ferro til Qs fiiif
ttw, chlorosa hita de meastroaco, dwrna-
estomago, ele., o 4M disenws t|Ua>
'-- con aosaoa
jas
oa
1 is curas imporunlca oblidt
tparadoa j bem onhecido e osado j
ib mdicos do paiz e Portugal. Em
,iapoiuw disiribuimo wa loltotajjj
nwlbor faaem conhecw a Jambb leo imUaM*
l appcaclo.
r.
i


rtofeuco Segunda feira 5
A
o
5
C3
fe
PE
t ciuauc
.'.'-':.
ira
a1 nawJ^^H
Janoel Home
Juiiu Adolpho 1
Querino Candido de VaseonwUos.
loaqun Gsvaleauli de Aibaquerquc
(Pombal).
Jezuiao Augusto des Sanios Fragoso.
Viri>siroo Correia de Lyra (Cruangi ou Vicencia.
Jos Hermino Pootoal (engenho Prefcreuca).
Femando Barau da Silva (engenho Morojo).
Manoel Policarpo de Azevedo.
Antonio Gomes Cordeiro de Mello.
Eduardo de Paula Santos.
Francisco da Silva Porto.
Juveoal Torres.
Thom Joaquim do Rgo Barros.
:*ulta-
Este antigo estabelecimento, acha-se hoje montado n'nma
escala de poder servir vantajosamente os seus freguezes, atien-
to o grande sortmento de joias d'ouro, prata 6 brilhantes, que
sempre tem e recebem mensalmente das principaes fabricas da
Europa- cujos presos sao em competiveis e as obras garantidas
de lei.
HOKEIRA DARTE C.
BRAZILIAN STEET
.Raway Company (Limited)
AVISO
i>e domingo 4 de setembroem diante, os
trens nos domingos e das santificados par-
tirn pela tabella seguinte :
MANHAA
>o ReifeAs 6, 7, 8, 9 e 40 horas.
Do ApipucosAs 7/5, 8/5, 9/5, 10/5 e
11/5 minutos.
TARDE
2, 3, 4, 5, 6, 7, 8/15 e
-2, 3, 4, 5, 6, 7, 8/20 e
Do RecifeI,
9/15 minutos.
Do Apipucos-
9/O minutos.
As tabellas novas podem ser procuradas
do dia 2 de setembro em dianio na estaco
do Recife.
N. B.As partidas dos trens nos das de
trahalho nao soffrem alterar-ao 'alguma.
Kscript .rio da companhia, 31 de agosto
de 87U.
William Bailinson.
Gerente.
RESTAURAN! DE PARS
Compra-se donuentes de loticiea e secu
pira, ambrollo, sedro e arueira, de 10 pal-
tes de coropndus e 8 polegadas de largu-
ra i 3 1/2 de grossura na estaco da ra
la Auror? das G horas Wrfe.
Recife, 17 de agosto de 1870.
O suprcmtendente.
.1. de Abrui Ynrto
D'YVETOT
IIL"\ ESTREITA DO ROSARIO N. 14.
Cata qualidade de commercio fallava nesta popu-
le, cidade nm esiahelecimenlo ero que o compre
e venda to f velhas. um basar i no se denomina em Pars
Bric c Brac E' este o e abril ra estreita do Rosario n. 14. Assim,
todas as pessois que quizerem vender, oa com-
prar roopas- novas oa velhas e todos os mais
nbjeelos do s-niivi domestico, inclusive irem de
costaba, p i i ra > dirijir-se ao indicado estabeloci-
mento para contratar, o onVrece-se para ir em
rasa dos pretendate* para eleotuar as compras
venda.
PRIMEIP.OE ANTIGO CONSULTORIO
IIOMEOPATIIHO
l>i Egtdo pelo Dr.
santos mello
JB 0< h;,hitantes do ioierior podem-no
bs oantoitar por escrinto, no que serio sa-
?L' i n prompti'lo.
3 l'r.'>i.i--c lambein a chamados para o
fcj interior, a prego mdico.
Concillas, no consultorio das K) horas
8?> ao me<. dia.
ggj Chamados, a qualquer hora.
S Aos pobres gratis.
SI 43Huu do BarSo da Victoria i 3
-^' (Amiga ra Nova).
4 Ra das Larangeiras4
O propietario (leste estabelecimento, avisa ao respeit^vel poblico desla
cidtde, e as pessoas que o honrar com sua confianza, que acaba de estabete-
cer a seguinte tab lia.
ALMOqO $-*
Pi
Gaf oa cha.
IfWOO
SApa.
3 pratos a escolher.
Vinho
Sobre mesa.
Caf ou cb.
im
DAS 7 HORAS A MEIA 1WTE GEA SEGUNDA TABELLA
JANTAR
GRANDE
HOTEL CENTRAL
37Ra 11 de Dezembro37
(Outr'ora L$argi do Rosario)
No muito cenhecido HOTEL CENTRAL encontrarlo semnre os nossos innmeros
freguezes notaveis melhoramentos, indispensaveis para commodidade dos Ilustres re-
quentadores. '
No HOTEL CENTRAL encontra-se-ha constantemente tudo que de confortativo e
deleitavel se pd* encontrar em om estabelecimento desta ordem.
Assim acha-se alli orna cxcellente casa para banhos, um salo todo alcatifado |
guarnecido de divaiis, piano, j rnaes oacionaes e estran^etras etc., efe
dulce tumm
MOFiNA
Roga-se 10 Ilim. Sr. Ignacio V.eira de Mello, ea-
crivo na cidade de Narareth desta provincia, o
favor de vir a roa do Imperador n. 18 a oncuir
aqoelie neoe sar, pela terceira chamada deste jornal, em fins
de dezeqabro prximo passado, e depois para Ja-
neiro, passoa a tevereiro e abril, e na 1a camprio,
e por este motivo de novo chamado para dito
nm ; pois V. S. se deve lembrar que este negocio
de tnais de oito annoa, e qoanao o senhor seo
tifao se acbava no estudo nesta cidade.
Vendas on permutas
Vende-se a proprielade Guarapes no Rio-
Grande do Norte, com trras casas e armaiens
de nm e outio lado do rio, lugar betr. conheeido
pela sua importancia coromercal, cujo porto offe-
rece mnita facilidade para ertbarque e desembar-
qoe de gneros.
Igualmente se vende o engenho Jondttiaby (na
mesma provincia) raoente e correte, con cinco
legnas de trras de maltas virgens, oito escra vos,
' bois, bestas e alambique ( on somonte o emgsnho
com as Ierras que onvier ao comprador). Estas
propriedades vendem-se por baratissimos precos,
e tambe se permutam por engenhos nesta pro
vincia Parahyba e AlagOas, ou por casas as ca-
pitaes das mesmas : tratar com o proprietario
major Pabncio Comes Pedresa ra da Cadeia
n. i5, ou com os seus procaradores no Rio-Gran-
de do Norte.
cdoi mondando-se com igual proveilo as pessoas
convalecen tes
nico deposito na phirmacia e drogara.
DE
Bartholomeu A C
________34Boa larga do Rosario_________
Acaba de sahir luz
Vende-se
NA
Livrari^ franceza.
m Mwri
ou
iLLE^nilSE omos
DE
N0SS0 SBWHOR JESS CHRISTO,
MARA SANTISSIMA
E
VARIOS SANTOS.
J A saber:
Setenario do Senhor Bom Jess dos Passos.
Officio do Senhor dos Passos.
Novena do Menino Dens.
Novena de N. Senhora da Conceifao.
Setenario das Dores de Mara.
Officio das Sete Dores de Maria Santsima.
Novena de N. Senhora do Carmo.
Officio de N. Senhora do Carmo.
Novena de N. Senhora da Penha.
Caticos de N. Senhora da Penha.
Novena do B. S. Joo Baptista.
Novena da Senhora Sant'Aona.
Trezena de Santo Antonio.
Novena do B. S. Jos.
Um bonito volume encadernado.
2|000.
*
d. w. mm
ENGENHETRO
Oom fundMjao.
A RA DO BRM N. 52%
PassHndo o i-haf riz
Machinas vapor systema melhorado.
Rodas d'agoa.
Moendas de canoa.
Taixas de ferro batido e fundido.
Rodas dentadas para moer com agoa, va-
por e animaes.
E outro muitos objectos proprios d'agri-
cul'ura.
Tudo por preco muito rednzido.
Normas da Ha vana.
Suspiros.
N,apolt5es
Havanas.
m
THEATRO DE OLIHDA.
A dircriM.' da Sociedade Theatral Olindense,
tendo de p'rncefler a eleicao do consel*'0 adminis-
trativo, no dia 8 du correnlCj^ na casa do thestro,
pelas nove horas da manha, na forma dos no-
vi>s estatutos, convida a todos os Srs. socios;
quo se irvam comparecer, previnindo que a falla
de eompareeimento do socio ser entendida por
voto Olitda, Io de s'etenibro de 1870.
Bellarmlno P. de Oliveira,
! secretario,
CHARUTOS *
Imperiaes
Amadores
Londrioos
Le a es
E de ootros fabricantes, que seria ocioso innumerar.
As familias que nos quizerem obsequiar, tanto nacionaes como estrangeiros, en
Contrarao os commodos necessanos.
A moralidade e boa ordem a norma do
Hotel Central
Falla-se o bespanbn]. francez, ingle,z e italiano.
ADVOGAClA.
0 DR. JOAQUIM CORREA DE ARAUJO M
tem o seu escriptorio ra do Imperador 8
n. 67, onde pode ser procurado das 9 ho- ^
ras da manhaa s 3 da tarde. jfl
^^^% wsm&
GUSTAVE
CABELLEIREIR FRANCEZ
(eral
51Ra da Cadeia do Recife51
Chama a atiendo dos seus innmeros freguezes, e do respeitavel publico ei
para a seguinte tabella dos precos de sua casa, os quats so vinte por cent-
nais barato do que em outra qualquer parte:
Gabeeiras para senhoras a 255, Cadeias para relegio a 54, 60,
M,m e......40*000 7, 8, 9*, IU e.....
3itas para homem a 35*, 40* e 50*000 '
Zoques a 12*, 15*. 18*, 20*, Corte de cabeHo......
25*, 30* e..... 50*000 ~,_ ... .. _
>escntes a 12*, 15*, 18*. 20*, Corte de cabello com frtecao. .
25*, 30* e..... 324000 Cor^ d? cabello com lav^gem a
Senhores cocheiros,
carreiros etc.
Farell.
N'i nbarcandn no caes do Apollo e reco-
Ibeedo-M no arnnzen de farinha de trigo de Tas-
s-i irmaos & o, a preco c<>mmodo : a tratar no
IUMOI*. nn na rnarto Auinrira n. 37.
Ofllcial ie barbeiro
Pwcist'Sert1 um bom uflicial de barbeiro: na
ra do l' df Margo o. 7 A. i* andar.___________
Os abanto assigoados avisam ao respeitavel
Rorndo ) que o Sr. Prederick James
f)orb*tt i iMHi- por mutuo accordo, desde o
ii.-i :> ih anlw prximo passado das rma9 de
J4ii Riderr .'< G. Beata pra$a, e de Ryder & C.
ni Baha.
J O. Ryder.
C. \V. Ryder.
F. I. Corbeli.
de um
S. Vn a tiver
: Irc C" iriIi.Vi
lueiro par a igreja de
babiutajdes, dirija-se
_ J >v\ oa de sua familia, a
neg n ra Jo Pilar n. 38,
de
an"
oha pratira
- a iO
ito na villa
i de Doraingues
]achos ou crespos a 3*, 4*, 5*,
6*, 7*. 8*. 9* e. 10*000
Franca de cabello para annel
500 e....... 1*000
Tranca para braceletes a 10*,
15*. 20*, 25 e.....30*000
chambao. .
Corte de cabello com limpez da
cabeca pela machina elctri-
ca, nica em Pernambuco. .
Frisado ingleza ou franceza.
Barba.........
115*001
50t
50
1*001
l*00i
501
281
0 Campos com armazem
de mlhados na na do Im-
perador n. 28, vende cotn<
no trapiche, eaixas com ba-
tat s nvas de Lisboa a oito
mil reis cada urna.
A ellas que esto se aca-
b ndo._______________
Te Liverpool & Lop-
don & Globe Insu-
rance Company.
Companhia ingleza de seguros contra-fogo,
estabelecida em 1836.
Capital e fun tos de reserva
s. .m.sUi.tzoH
Os agentes desta companhia tomara seguros so-
bre propriedades, gneros e fazeudas armaz-nada3,
mobilias, etc., etc., e esto igualmente autorisados.
a saldarem aqu quaesquer reclarraQoes.
Saunders Brothers A C,
Praca do Corpo Santo n. 11.
Ka Iravessa da roa
das Crnzes n, % pri-
meiro andar, da-se di-
nhelro sobre penhores
de ouro, prata e brilhan-
les, seja qual for a qnan-
ta. Na mesma casa com- !
pram-se^ os niessnos me- 1
laes e pedras. !
mmwmmm mmmwmm
Cura rpida e lafaltivel dos cal-
los, pela pomada
Galopean.
Deposito especial na pharmacia de Bartholomeu
& C, ,
3iRa larga do Rosario34
Roi'-^nte-rheuimtico.
Remedio efficacissimo contra as dures rhenma-
ticas at hoje o mait coohecido pelos seus mar-
vilhosos resoltados.
Ama
Ma ra do Vigario n. 3, 3o andar, precisa-se
de urna ama para cosinhar, cujo servico faqa com
perfeiQao e que seja de boa conducta. *
ATTENCA
Na roa estreHa do Rosario n. 35, Io andar, casa
particular de familia, contigua se a fornecer eo-
inedorias para fra pela tabella abaixo :
ALMfO.
1 prato de solido.
i dito de farofti.
3 paes, cha ou caf.
Preco 20^000 mensaes
JANTAR.
3 pratos com carne.
Piro.
Arroz.
Sopa.
Sobre-mesa.
Preco 30$000 mensaes.
Faz-se algum abate, sendo para mais de urna
pdssoa reunida.
J, Ferefr Tiliela
PHOTOtiRAP 1 IMPERL4L.
18RA DO CABUG.18
A ntrala pelopa t&> du matriz.
Os trabalhos Da reedikaca desta \
e que se prolongaram por tanto lempo,
felizmente terminados e ella aberla a* i
publico desde 7 de abril passado.
' O predio em que tst collocada esta- pataniaf-
phia scha-se muito augmentado, e s ai parla f
nada ao esubelecimento conla cinto san, i_
sive as do laboratorio. Todaa ea memos tendo sido felos expressameot pan aav
montar convenientemente a pbotograpbta, ai a*
podendo melhor modelo eecoiber doqne a> Maaa-
giafiia Imperial do Sr. Insley Pacheco do K 4
Janeiro, o primeiro pholographo do Brasi!, tvmm
pnmeiros do mundo, segundo a opiniao das wbV
abalisados mestres, a nosea photograp aibiaa
dlsposta e reedificada pelo roesmo plano da fe Sr
I. Pacheco, a qual roi montada sob todas aa 1
recommendadas pelos mais destneles
de accordo com as modificacoet nei
clima do Brasil, reconhecidas e estudada* pete b*-
bilissimo e pratioo Sr. L Pacheco.
Todo o interior do predio em qae est iaaaaa
photograpbia fui madado desde a soleira da perla m-
ra al a cubera, tendo-se demolido todaa a* *-
'nteri.ires para se fazerem as oras .na
lerraco envidraeadn
redes
edificndose om novo
espacoso e elegante.
Como raaido, flzemos urna vragem eipraaaav
mente corte para examioarmos as elboraa aba-
lographias all, e foi a do Se f. Pacherr aajaa
melbor correspondeu aos nossos deaejos e aspara-
eee, a da quai trouxemos os planos epaud
alli estarnos todo um mez esiudando tft*-
veitanao ai liedes de lo dlstinetc reesire. Pau-
samos ue juntando os nossos estudos e
pratica de IS annos de pbotograpbia sntilfc
licoes ultiman este recebidas do Sr. I. Picbeta,
tendo montado a nossa photograpbia aeaaa-m>.
acha, podemos offerecer ao iilusliado- pabfia
desta cidade e aos nossos ouu erse (rfaac*
trabalhos de photograpbia tao per'eitos, ooaw a
poder desejar, e disto convencidos espttwoa
que contiuuem a dispensar-nos a mesa aa-
teccao com que ha t> annos nos tem. boaiala
ajwaio.
0^0 $$$*
i 0 DR. JACINTHO SOARES REBE
ANTIGO MEDICO HOMEOPAr
W THA,
recentcmente estabelecido nesta iridade.
mudou a sua residencia da praca do Coa-
de d'Eu n. 32 para a ra do tmprnaer
tt n. 25, e abri consultorio junto ao labcra-
torio homeopathico dos Srs. F. de P. aa-
doso Juni r & C na mesma ra a. 41,
onde todos os dias dar consultas do aam
W dia s 2 horas da tarde, reservando pan
>gk as visitas do.i ciliares os mtervallos, qr
^^ decorrem das 9 horas da manhaa ao sk
dia e das 2 s 4 horas da Urde. A ojnl-
>tt quer hora attender a chamados, qu iba
C sejam dirigidos, quer casa, ijiier ao cwa-
55? sultorio.
^ &#^
CASA DA FORTUNA
AOS 20:O000OO
RA DE MARCO N. 23i
0 abaixo assignado avisa ao publico-, q* ata
quanto a nova lei do orcamento tivesse eJaraio
muito o imposto sobre os bilbetes de lotexias do
Rio de Janeiro, continua a vende-hi eo as Snc-
malidades da lei, e pelo rassmos preces abauv
publicados, pagando todos os premios ra o H.-
conto soruente da lei, a com a proioptidao Aa eos-
turne.
* PRECOS.
Bilhete inteiro... 24000
Meios bilhetes... 12*000<
Quartos........ 6*000'
Em qnantidade maior de 100^000 na.raiii d
22*000.
Manoel Martins Fiuza.
ASSIGNATURAS MENSAES
Especialidade de penteados para casamento
Bailes soiores
0 dono do esUbelecimento previne sj Recommenda-se a snperior TINTURA JA
Sras. e aos cavaiheires que ba unumaa. |g PONEZA para enegrecer os cabellos e bal
ial3o para tintara dos cabellos e barba,as-;ba unica admittida na Exposiflo Universa
, i como nao prejudicial sade, por ser ve-
iin como om bmpregado smente oceupa- iat|, analysada e approvada pelas acad
o aesse servico. mas de sciencias de PARS E LONDRES
Grandes armazens!
Alupram- e.
Aiugam-se os grtmdes armazens da ra da Pra>
de Santa Rita Nova, onde foi a fobrica de sabao do
Sr. coronei Franca, e ltimamente oceupados pela
com anbia de esgoto, os quaes tem porto de em-
banme e todas as proporefies para se montar urna
labrica ou qualquer estabelecimento grande.
As casas de morada que fazem frente para a
ra tambem se alngam condicionaimente, assim
como a casa grande, que foLmorada do mesmo
senhor coronel, tem muito bois commodos e bom
quintal separado, grande eysterna que fornece
agaa potavel, melhor do que a do encanamento,
por ser fluvial e livre de partculas ferruginosas,
como aquella : a tratar com o commendador J. J.
rasso, em seu escriptorio roa do Araorim nu-
mero 37.
Joaquim Jos Goncal-
ves Beltro
Roa do Trap chi n, 17, 1' andar.
Sacca por todos os paquetes sobre o banco de
Minho, em Braga, e sobre os seguintes lugares ero
Portugal :
Lisbaa.
Porto.
Va lenca.
Ijiiimares.
Coimbra.
Chave?.
Viseo.
Villa do Conde.
Arcos de Val de Vez.
Vianna do Castello.
Ponte do Lima.
Villa Real.
Villa-Nova de Famelicao.
Lamego.
La nos.
(torunas.
Vascal (Valpasso).
Mirandella.
Beja.
Barcellos.
0 CIMMM DENTISTA
Fraderico Maya
Tem a honra de scientificar ao respeita-
vei publico em geral, e aos seus cmUa
em particular que elle mudou o sea gai.
nete de consultas da ra Direita n. 12 par
a do Queimado n. 31 primeiro andar, com
a entrada pelo pateo de Pedro H, oade pr>-
de ser procurado para os mis teres de so
profiss5o, todos os dia- uteis das f) feora
da manhaa s 3 da tarde.
Tambem previne, que contina a prster-
s a vontade dos dientes nao s ra ckia
como nos seus suburbios, para ontte a*
idas sero precedidas de ajuste. M ga-
rante o bom desempenho e a perfet$io
seus trabalhos, o que j bem conbaadk.,
assim como as commodidades dos vrtpm.
20,-OOOlOO.
A .-asa Veliz do arco da Conceicao vencaa
seus felizes bilhoies. os premios seeuiates -
.MM 2:00O(CO-
N. 2P66 If-OOOO
0.4436 lOOjOOO
B Ihete? a 23*000.
Precisa-se a lugar um preto para servia e-
padaria : na ma Direiti n. 129.
Agencia em Pernambuco
Do Dr. Ayer
Fetoral de Cereja
ipMk
Cura a phthysica e todas as molestias
Na'sa parrilha
Cara ulceras e chagas antigs, reipigei e 4si~
ios.
Tnico
Conserva e limpa os cabellos.
i Ptalas ca iar titas.
Precisa se de urna prcta para tudo o sere
de casa de pequera familia, e de uro raoleqoa m
18 a li annos : na roa estreila do Rosario a. ti,
armazem.
AVISO
MUGASE
Ainda est para alugar-se a padaria ailemaa da
ra do Lima, e tambem a casa de junto : a trata
com o Sr. Maternus Lenz, roa da Guia n. 56.
Precisa se de urna ama para o ervico de
copeira : no hotel francez, roa das Larangeiras
n. 10.
Precisa-se de urna ama qoe saiba bem ;czi-
nhar, preferindo se escrava : na ra do Sebo nu-
mero 29.
Aluga-se o primeiro andar do sobrado da ra a Cadeia do
muito fresco e com c -mmodos para familia ou escriptorio. tomando-se
pela boa localidade, a tractar no armazem do mesmo.
Recife n. 60,
recommendavel
a 16 angel
SITIOS PARA SE 4LIIG4B
Por ter de partir para Eoropa seu proprietario : Um na Varzea no corredor
ileS. Jo3o em lugar muito bem situado, casa com commoJo para farcilia, sitio bastaole
grande, com excellente baoho logo no fuodo dp sitio : outro na ra de S. Mimel nos
AITogados, raoito pert da estacSo da via-ferrea casa com commodo para familia Rio
mundo, boa cacimba doos tanques, um grande copiar ro lado da casa, estribara'di-
is arvnredos, dando frocto e bem assim >pim constantemente para sos-
i om a deis cavaos; a tratar coa
ATTENCAO
Vende-se um caixao de casa coto 33 palmos de
frente e 81 de fundo sito a rna do Gaz, tem as
portas, janellas, rotulas e caxilios, lado de ama
relio, tem mais 20 a 30 alqueires de cal 5 mi-
Iheiros de tijollos, porcao grande de areia, 3 tra-
vs para cobrir a cosinh ; estando e;ta j le-
vantada e s falta cobrir, trdo caixj ja esta
embocado : quera pretender dirija-se a roa da
Cadeia do Recife n. 27, 1 andar.
, TISTDRAWA FRANCEZA
S55-Rua da Imperatiiz-55
Tinge, lava, limpa, lustra e achamalo-
Bta-se, com a maior perfelcao, fazendas em
pecas e em obras de todas as qualidades;
58 cmo sejam : seda, 15a, algodao, linho,
mm chapeos de feltro e de palha etc. etc.
Tira-se noioas e limpa-se a secco sem
molhar os tecidos, conservando assim to-
do o brilho da fazcoda.
Tintara preta as tercas e sextas fei-
ras.
Illllllllllll
Na ra da Cadeia do Recife n. t!, oja pre-
cisa-se de urna ama que cosinhe bem, para i
pessoas.________
irrENpr
Na ra do Mondego n 18, casa de horaem sol?
ama ama qne entenda com
de cozinhar, qual nao se
agradan ervi-J
re de ni flss
rts.
patente
americanos, os mais aceiados e econmicos que se
podem desejar, com l-nha ou carvao se faz urna
ecunomia superior a !0 0|0 dos usuaes : no arma-
zem de Tasso Irmos & C, no caes do Apollo.
Ama
ama velha de Santa Rita n.
ama amasecca.
66, precisa-se de
AMA
Preei*a-se de ama ama que nao se
para casa depnuca familia : na roa do Duque de
ii. 25 (antipa ruadasCruze).
Precisa se de um caixeiro de I't a 17 anoos
que tanca alguma pratica de taber.-i;:
n a 80a ^wtacta : no pateo do Terco nume-
CASA i 010
Sua do Ba'o da
Victoria
( Ouur'ora ra Nova. )
0 abaixo assignado acaba de vender aas s*av
mnito felizes bilhetes da lotera qne se Mtraki* aa
bjneticio da Santa Casa da Misericordia (158) as
sortes seguintes :
N. 410, bilhete intiro, 5:000*000.; doos (Mir-
tos de n. 86 com a sorio de 4O000O; e o baAalec
inteiro n. 2108 com 100,5000, alera de outro* pre-
mios menores; podendo os possuidores tvire
eeber, qoe promptaraenie sero pagos.
Acham-se venda os felizes bilhetes garama
em b-neicio do collegio dos orphao?.
PRBX) :
fnteiros 61000.
Meios 3i000.
Quartos 14500.
De lOOfJOOO para cimai
Inteiros 5*W0^
Me i 2*700.
Quartos 1*350.
Joo joaquim da Costa L
Engenho, engenho.
Aviso vantajoso para os senhores de fngeab_
N. B. Pratica.paci-ncia, e adiania.nenio- era pen-
cos tempos. Um estraogeiro com pratia ba aaais-
de lez anno, de ter j entinado em alpnm enat-
nbos desta provincia, se offereee a quatqwr aa-
obor de engenho para ensioar aAo mi ts primtira-
letras anles de um anno, como o francs cor a*r-
e em pon
pretender dirija carta ferbaa t ^_
na ra das Tn
ama Oivatt-
1
!
\


m
Diario de Pemarabuco Segunda feira 5 de
i .T
Setembro de 1870.

A0 ARMAZEM
VAPOR FRANCEZ
U-MIMH. 7...
Este eonbecido estabelecimeuto acha-se constantemente bem sonido, em virtude das
j facturaa que recebe por todoi os vapores e navios rancezes, dos artigos abaixo menciona-
[ dos, presos os mais resumidos que possivel.
CALCADO FIMXCEy>
Botinas para eohoras e meninas.
Botinas pretas, brancas e de mnitas outras core?, sortidas e bonita?, do ultimo gos-
lo da moda, e procos mais barates do que em outras partes.
Botinas para borneas e meninos.
Botinas de bizerro, cordavao, lustro e pellica, ds melbores fabricas e escelbidas.
Botas e pernelras russlanas.
tro e
Bolas e peraeiras para mantaria, das melhores qualidades, de couro da Russia, lus-
bizerro.
*CI 1 u.
Sapatos de borracha para humeas e senhoras
Teado chegado grande porcao de sapatos de borracha vende-se pelo casto aflra ^de
[ desempatar o dinheiro nelles empregado, sao baratsimos.
Zapatos de lustro para honiens.
Sapatos de entrada baixa de couro de lustro eom salto, de muito boa qnalidade.
Abotinados para meninos e meninas
Sapatos abotinados de differentes modelos, do muito boas qualidades e fortes, tanto
para meninos como para meninas, muito baratos.
sapatos de tpete.
Sapatos de tapete aveludado, de casemira, ci charlte e de tranca francezes e por-
tngnezes para horaen?, para senhoras e para meninos
PERFUMARAS
. Excellentes extractos, banhas, leos, agua de cologne, florida, divina, lavande, den-
I trinca, de toilette, sabonetes, tintura para cabellos, pomada augroise para bigodes, pos de
[ arror etc., tudo isto de prfmeira quaiidade, dos afamados fabricantes, Gondray, Piter e LuDin.
Quinquilharias
Luvas de pellica do eonhecido fabricante Jouvin, espelhos para salla?, quartos c ga-
binetes, toncadcre de diversos tamanhos, leques para senhoras e para menina?, abridores
te lavas, brincos, pulceiras, botoes, crrenos e chaves de relogios e tranceln?, tud? do
ouro de lei, correntes e brincos de plaqu, a imitacao e de mais gosto do que as de ouro,
caixinhas de costura acmente guarnecidas e ornadas com lindas pessas de msica, albnns
e caixilhos dourados para retratos, caixinhas com vidro de augmento para distinctamenle
ter-se a perfeicao dos retratos, objectos de phantasia para toilettes, rolsiohas e cestrahas
de seda, de velludo e de vimes para braco de meninas o senhoras, ditas para costura?, pe-
queos registros muito finos e delicados, bouquets de flores de porcelana, jarros proprios
para gabinetes e santuarios, quadros promptos para collocar-se vistas, molduras doutadas
para quadros, estompas Anas de paysagens, cidades, figuras e de sanios, vidros para cos:
morama, malas, saceos e bolsas de viagens, esporas, chicote?, bengala?, oculos, lunetas cu
pensinez de prata dourados, gravatas pretas e de cores, abotoaduras de collete e de punhos,
earteirinhas para notas, thesounnhas e caivetes finos, pentes, escoras, ponteiras de espuma
paracharutos e para cigarro?, Jocos de domin, rodetes, bagatelas e entro differeofcs, ve-
neiianas modernas muito conveniente para portas e janellas, cosmorama?, lantemas mgi-
cas, esteriocopos com interessaotes vistes de figuras e das mais honitas ras, boulcvards,
pracas e passeios de Paris, photographias e caixinhas mgica?, reverberos para candieiros,
tapetes de vidrilho e de laa de cores para ps de lantemas, realejos grandes e pequeo?,
harmnico.?, acordions de todos os tamanho?, berros de vimes paracnan<;as, sapntinhos e-
toucas de laa, carrinhos de 3 e 4 rodas muito elegales para condusir enancas passeio ; e
outras muitas quinquilharias de phantasia, francezas e allemae-, precos muito em conta.
aMsos^ pasa Gaasusm
Para este artigo nao ha espaco nem tempo para a mascante leitura. da innidade de
I gneros de brinquedos fabricados em diversos paizes da Europa.
ATTENCA
O dono deste estabeleeimento pede ao publico em geral que continu a
verificando as qualidades e os precos baratos de ditos objectos por serem vindos
reitura e de conta propria.
visita-lo *
em Ui-
gmfQHS* aBN8HM&^&)
A
3

c>
o
n
o
~ 3
. gt"
2. P
&
a
ca
O
r |-. U2
< P
>-5
f5
3
,
i "9
Cu
3
P
i

o
m
5
-i
Oa
5
O,
p ts
P d ?&
8-5
p
o.

I
a w
TD 3
P--S
& o
i 5
'I
m
3
P
O
oa
I-I
P
CQ k
M O
^ I
^ P
5
a>
*3
I?
Folographia imperial
GALERA DE l'ivrilll
J. Frrea Vilhfa
FALSIFICARES
dasPILULASdeBLANCARD
(CAVE
A uossa correspondencia do Brazi nos faz
saber que as pracas d'este paiz acho-se
actualmente inundadas por uta muUio de
lot nonos productos (textoa,.
Para gar:mtir-se contra estas composicos
mais oa rtenos ueiigosa-, que escondem-se
d'essa maneira por detraz js nossas marcas
de fabrica e mesmo da nossa firma, rogamos
aqui com instancia aos mdicos e aos do-
entes origem das
ippellando,
11 DO f 'n5
nosso<
duvil.<
aidadedoj
DOLM)
eommei'cio, estes honrados intermeianos
na6 se moslrom dignos da confianza dos seas
freguezes; nao de duvidaf igualmente que
repudiando toda solaridade com os falcili-
cadores e os seus rnmplifj, cues nao sefa-
co uin dever d'or* em diante de procurar
as VERDADEIRA3 PlLIJLAS DE B.ANCiUD em
origens certas.^ndorxando-se, quer a ns-
mesmos em Paris, quer indireriamente aos
nossos principaes corre?pondaates, ou ento
s casas as mais rocom-
mendaveis da
bu do scu paiz
i Tranca SL
Pha parte, m Paris.
Desde o dia 7 de abril pagado acha-se aber o
aovo estabelecinwaln phoiographico sito ra de
3abug n. 18, equina do paleo hos que desde eniao, tem sabido de nossa offleina
em geralroenle agradado, sendo recebidos por
Uguns com admiracio pelo extraordinario pro-
gresso que ultimamonle tem tido a pholi graphia.
3 por outros com alegra, por verem a provincia
dotada com uin estabeleeimento digno d ella, e in-
cOBtestavelmente o pr-neiro que nesse genere
aoje pcssue : tambem nao nos poopamos em cousa
ilguma para monla-lo no p em qne se achs, e;
perando que o publico d Pernambuco sabera
tpreciar nossos esfor^os e recompensar nossos sa-
;rificios.
Convidamos a todas aquellas perseas, nacionae
3>estrangeiras que gustan das artes, oa tiverero
aeeessidade de trabaihos de phoJographia a visi-
iarem o nosso esUbelecimento, que estar sempre
iberio e sai diposico todos os dias desde as 7
iuras da manbaa ate as 6 da urde.
Para es trabalhos de pbolograpbia possuimos di
/ersas machinas dos melhores autores francezes,
uglezes e allmemes, como seiam : Lerebours el
Secretan, Hermagis, Th..maz Ross, Voigtlander el
sonb e Wulf. ltimamente recebemos tres novas
macbinasi sendo urna dellas propra para tomar
sobre o mesmo vidro 4 ou 8 imagens diversas e
isoladas, e ontra de 6 a 12 imagens diversas e
goalmente isoladas, de sorte que no caso de
grande concurrencia pederemos retratar sobre
urna nica chapa at 8pessoas diversas e sola-
das para car(5es de visita, e assim em men^s de
am quarto do hora despacharmos 8 diferentes
pessoas que pecam cada um, ama duiia de cartoes
-nais oa meaos, com os seas retratos smente, ou
;m grupo com outras.
Enca regamos-nos exclusivamente da direccac
i fritura dos trabalhos de pholographia del-
cando pericia e talentos do disocio pintor
illemo, o Sr.
Jorge A. Roth
os trabalhos de pintura, a aquarela, a olee, e a
pastel. .
O Sr. Roth acha-se ligado a nossa empresa por
ama escriptura publica, e at o presente tem se
lesvellado na execncao de seus trabalhos.
No nosso estabeleeimento achamse exposlos ou-
tros trabalhos imiionantes do Sr. Rotb, tanto em
inniaturas aqaarella como oleo, re ratos
leo, quadros sacros e diversos ontros trabalhos.
Tomamos encommendas de retratos oleo at c
tamnho natural, assim como de quadros sacros
para ornamentado de igrejas ou ca pellas. Tam-
bera aceitamos encomn-.-.'ndas de quadros histori-
aos.
Asseguramos qne os precos dos diversos tra-
balhos da nossa casa sao mui rasoaveis.
cahtOes de visita nao COLORIDOS k lOj&OO A
DUZU
CABTOES DE VISITA COM O COLORDO AO NATU-
RAL A i 6^000 A DI Zl A
Retrates em miniatura oleo oa aqaarella de
16 20*000 cada am, indo convenientemente en-
Mixilhado em moldura dourada e regulando o
busto da pessoa retratada de 3 4 poilegadas e
todo o quadro palmo e meio de tamanho
Julgamos que bastarlo os precos cima para
larmos idea i baratera dos trabalhos do nosso
jstablecimento, quanlo sua perfeicao cada um
enha jolgar por seus proprios olbos.
As melhores horas para se tirarem retratos^ no
losso estabeleeimento sao das 8 horas da manilla
1 da tarle; entretanto de urna hora s o da tarde
;m casos especiaes pde-se tambem retratar qual-
|uer pessoa.
Nos dias de chuva, ou por tompo sombro po-
jemos retratar, e asseguramos que'esses dias sao
M mais favoraveis aos trabalhos de photngraphia
pela dogura e persistencia da luz, e p< r termos o
aosso lerraco construido com aaes proporoes e
nelhorameHtus, que anda chovendo orros ne-
jhum Inconveniente ha para fazerse bellos re-
rato?.
J. F rreira Villrln.
Ama
I' .M. ftlH
Precisa-se de um' ama forra oa eserav
casa de familia : i tratar na ra do Duq
Caxias n. 89, antiga do Queimado. ______
Copeiro.
No coiletio da Ceoceicio precisa-se de um cria-
jo copeiro.
Ama
Precisa-se de urna ama
50, f andor.
na ra de Hurtas o.
COMPRAS.
0 muzeo de joias
Na roa do Gabug n. 4 compra-se ouro, prata
i podras preciosas por precos mais vantajosx do
}qe em ontra qualquer parte.
Godo
moito maior vantagem compram-se
ouro, prata e pedras preciosas e n obras velhas: na
loja de joias do Cora? de Ouro n. S D, roa do
Cabuga. ^
specialidade
J c
pdtoa n. 88, os moi
medio* da veame, e outros diversos medicamen-
to feitos ero Paris, bem de co-
detaa de Berth, de r.
ferro de Blancard
ja, pos d I
niRVIfeLabelloay-, de *
muiho de Cbevriei Ahunimtos coja
proficiencia qaando en "as doenc,:.s das
vias respiratoria^ as dres rhemnatica?, na
amarcllidio, na falta completa ou inegalandade
de menstroo, as diarrha?, doenca* do corelo
e do estomago, tem sido e incontestavel, em
vista dos beoelicuiVesuludosdas experimeritaGes
ou ase qae diversas pessoas delles teera feito, as-
sim cono das ptalas denomiBadas bravinas in-
cumparaveis em sua efflcacia.nos aeommettmen-
tos febris oa sezoes ; exit tindo tambem na mesma
casa, im de sufflcienle quantidade de drogas,
um nao pequeo sortimento de tintas, oleo de li-
nhaga e pincel?, que se vendem por menos do que
em ontra parte.
Compra-se urna taberna que tenha poneos
fundos : a tratar no pateo de S. Pedro n. 17.
VPNDAS.
Vende-se a casa terrea n. U, sita em (Mlnda,
ra do Urgo do Amparo, com excellentes com-
modos e grande quintal, solo proprio : a tratar no
Recife. rna da f adeia n. 40___________^_
CONVITE
0 Costa raa Duque de Caxias n. 42,
toma pelo presente a lioerdade de convidar
ao amigos e freguezes que sempre o hon-
raram e coDlinuam a faz,e-lo com concur-
so de sua frtguezia, virem visitar o seu
estabeleeimento, certo de querro deixario
de agradar-se, nao so de us gneros,
como do tratamento e limpeza que a todos
despensa.
GNEROS DE IMPORTACO
Uv3s de Setumbal
Ameixas.
Poras.
Macas.
Vinh do Porto de diversas qualidades
entre ellas a especial quaiidade,gloria do
Brasildito em pipas e barris, que re-
commendavel para mesa por ser o verda-
deirorinho de pasto, dito verde da me-
lbor quaiidade,
Qoeijos flamengos empellicado o melbor
que tm vindo a este mercado.
Erviihas novas para sopa.
Chocolate de especial quaiidade.
Bolichinhas de todas as marcas e qua-
lidades conhecidas.
Mantega ingleza e franceza de ia sorte.
GNEROS DE EXPORTACO
Doce de goiab em latas
Quijos de Minas moito frescos.
Carne do sertao superior.
Queijos do sertao.
A loja de Antones Gaimaraes 4 C, outr'ora
de Villar, na ra Primeiro de Marco, antiga do
Crespo n. 17, aeanam de receber pelo ultimo
timo vapor de conta propria, requissimas cbapel
linas de palha e de blonde, e lindos gorros de
velludo e chapeos de palha ricamente enfeitado?
da ultima m-vidade que se usa em Pars; a elles
antes qne se ac bem I
Nova loja de fazendas finas, roupas feitas
e por medida, de Pinto A Martiniano,
toa do Bar3o da Victoria n. 9,
(antga roa Nova.)'''
s le novo estabeleeimento acha-se prvido de
muito beas casemiras. panno?, brins, camisas bor-
dada?, novas chapelas e chapeos para senbora
e menina, lavas de pellica, las, pilherinas, or-
gand, cretooes, vestidos de percale dT5t e, em
urna palavra, toda fazenda, quer para senhora,
quer para homem.
Saias de la.
Fazenda que sempre se venden por 10 e 12$,
a leja da 'urqueza vende a -j'000.
Gravatas escocezas.
Multo lindas a l000.
Chales.
De merino estampado a iOOO; na loja da Tur-
queza, de Pinto & Martiniano, ra do Barau da
Vctoiia n. 9, antiga roa Nova.
AGORA SIM.
No Bazar da Moda
RA DO BARO DA VICTORIA
(OulrVra Noval
VNDESE
Lindas fazendas para vestido?.
Da alta moda de Paris I
De superior quaiidade I -
De bel lis? mus padrc? !
De delicadsimas cores f"
A saber :
Gases florentinas, movidade !
Pouipelinas lavradas.
Groi-denaples de cres e preto.
Setib macau de core?.
CorLes para vestidos de grande novidade 1
Cas: us do ultimo goto.
Fus:6es de cores.
Per-aleas de melhor quaiidade.
Ber'jes com listras.
Laaunhas de diversos precos.
lpicas de cores lavradas e lisa?.
Chias escuras muito uperiores.
Fil de seda branco e preto, liso e com salpicos.
Dito de algadao.'
Gaipuz de linbo e algodao preto e branco.
E muitas unirs fazendas, como sejam :
Aloalhados para mesa e guardanapos.
Toalhas para rosto, colxas e cobertores para
cama.
Brejlanha?; madapole9 francqze?, ele. etc.
Tudo se vende mullo barato.
INTERESANTE COIIPOSICIO LITTERARIl.
C0.NTi:.ND :
A noite do xtasis.
O sorriso.
A noite do assombro.
A lagrima
A non te do delirio,
o nysteno.
Ota urna carta critica dirigida ao autor pido
Dr. T. B. Bigueira Costa.
1 volume brochado 2^000,
AS CENTELHAS
Poesa- patritica" aobr* a guerra do Paragu.;v.
1 volume brochado 2000
NA
_________L1VRARIA FRANCEZA
INUISPENSaVKL PARA O COMMEHC10 DE FA
2ENDAS.!
Tabe.lla comparativa dos precoi de qual quer fa-
zenda.
Ptlo metro nos precos pelo evado de.-. .0 ras
aii935.
Pele i-nvado nos precos pelo metro desde ."0 ris
at 3*175.
1 folha ntidamente impressa .
Livraria franceza.
Bichas hamburgnezas
Neste novo deposito recebe-se por todos os pa
quetes translanticos bichas de quaiidade superior
e vendem se em caixa on porcao mais pequea,
e mais barato do que em outra qualquer parte :
na ra da Cadea do Recife n. SI, andar.
Cal de Lisboa.
Vende-se cal de Lisboa, a ultima chegada ao
mercado, por preco rasnavel : no armazem de
Manoel Teixeira Bastos, ra do Commercio n. 13.
iJranca? e
U INDIA
i. a e 6 palmos de largu-
ra ; vende se de urna peca para cima, tendo cada
ama 10 jardas : no armazem de Tasto Irmaos 4
C, no caes do Apollo.
Anna Alexandnna de. Avellar Chave?, Mana
A. S. Chaves, J M. S. de Avellar, M. J. S. de
Avellar e bacharel J. T. de Avellar, feridos da
mais intensa flftf pelo pagamento de fcw mui
.uesado esposo, fllho e cimbado Dr. Wenceslao
Garca Chaves, vem pelo presente agradecer cor-
dialmenle a todas as pessoas de stia amisad>\ p
as que henrarara aos dito Tinado cora sua esiiaia
e considerado, o espoial obsequio que se dis-
naram de prestar-llie?, assistindo os sulrajzios
feitos pnr sua alma, e acompanhando ses res-
tos mortaes at o cemiurio publico e de novo as
6 nvidam a a-sistirem as missas do stimo dia.
as quaes serio celebradas a 6 do cor ente, pelas
7 ln ras da inanhai, na igreja da Santa Cruz ; e
pelo que desde j Ins protestara sua eterna gra
Mirtilo.
HOTEL.
Novo hotel FTor-da Boa-vista, ra da Ma-
triz da Boa-vista n. 8.
Este novo estabeleeimento oTerece ao respjita-
vel publico grande vantagem no sen furnecimeat
de comederia para lora cum prompiidao e asseio,
por menos preco do jae em ontra qualquer parle,
assim como nos domingos e dias santos '.era sem-
pre mi de vacca e uutras iguarias, tudo com
promptidao e esmero : assim, pois, o propnetario
espera do respeiiavel publico tuda proiecco e
aculhimento do mesmo.
Farnna de mandioca
Vende-se farinha de mandioca, nova, de Sania
Calhferina, chegada no patacho portugu^z Ullissa,
tundeado deftuBte do trapiche do Sr. Barao do I.i-
vramenio : a tratar no escriptnrio de Joaquim
Jos -Goncalves Beltro, ra do Commercio u. 17,
ou a bordo do referido navio,
Rival sem segundo,
(Antiga roa do Queimado
Coni
rn e
120
300
69
15000
foaquimRodrigues Ta-
vare-* de Mello,
TEM PARA VENDER >
m sea escriptOiio, praca do Curpo Santo J
L 17 :
Fumo em folha
de I* e i' quaiidade, e vende um "j mais
fardus a yuta/le d is eomprad res. ^
Cal de Lisboa
ultima chegada. g
Potassa da Russia, L
Parlaba de mandioca. ^
Vinho Bordea ax.
1' quali'daJe. fado de vende mais ^
jarato do que era uutra qnelquer parte, &
Officina de a) fdate
Ubi
Tesouras finas para m
ra a. ........
Papis de agu has francezas a ha-
llo ;i......
Caixas com seis saboneles de huta
Libras de 12a para bordar de todas
as cores a.......tffOOO
Carriieis de liDha Akxandre a. 100
Frasco com azeite para raachiua% :00
Grivatas de cores muito finas a 500
Grzas de boles madepers/a -
nissimos a....... 300
No vello de liaba de 400 jardas a. t>0
Caixas com 100 envelopes muito
superio#res a...... 000
Pentes volteados para meninas a. 0
Tntenos com tota preta a80rs. e 100
Pecas de fila elstica muito fina a 200
Lata com superior banha a loo .*. 00
Frascos de oleo Philocomo muito
fino a......... 500
Frascos de macaca perola a. 240
Frascos de extracto muito b nitos a 300
Duzia de sabonetes muito finos a. 70
Sabonetes inglezes a 600 rs. ft. l^iOO
Frasco com agua de colonia Piver a 500
Dito de oleo baboza a. 500
Caizas de lamparillas a. 40
Sabonetes a forma menino muito
superiores a....... 240
Larthas da doutrina fazenda rma a iOO
Libras de linha sortidas de todos )S
nmeros a.......16800
Capachos mnito bonitos e grandes a 700
Carriteis de retroz preto, com 2
oitavas a........ t>iO
Agulheiros de osso entenados a, 240
Libra de linha franceza superior
quaiidade a.......2i00
Caixas de na'ito dn gaz a. 20
\ m\ lPRAlA
ra do Duque de Caxibsn 21.
(ANTIGA RA DO QUEIMADO)
Receb''u sepninie':
E*pelli'i> grapdes duurados, molde* bonitos.
Carteiras, cbarutairas e puitcig-irios de muifc
qualidades.
Bonitas paitas para papis, imple* a matisadas.
Boas caixas vasias para costura com sua cempe-
tente chave.
Delicadas caetas de marflm com o bocal d*
prata.
Modernos pentes de tartaro?.i, sebreialHDdo en-
tre elles (is mimosos telofraphisUft
Coflimudui tuucadures cun duas gavetas e b-m
espelho.
Port bouquet, o que de melhor tem apparc-
cido.
Port relogios de muitss (nulidades.
Bunslalheres para enancas.
Voslnarios. cbapiiubos, topeas, sapatos e mtias
para baptisados.
Toalhas e Irnhas de labyrintho.
Chapeos ocliapilinasparasenhora, moldes novos
e bonitos.
Chapozinho? giros e booeta para meninos
meninas.
Contra as convidas isas
eris Bijas
vcrdseires ciliares ha Son Espe-'
Duque de dxin- n. 21.
PA11A Ti.MilB CABELK ;
para preto* i u castanbi?, receben a Nova Espe-
ranra a verdadejra linta inclea.
Vende-se os
ranea, ra d
PARA ACAB/8 COM AS SARDAS
on pannos, tem a Nova Esperaoca o vtrdadeiro
leile do rosas branca*.
AGUA DB FLOR BE I/AHANIA.
Vende-so na Xi ra Bsoerati^i, tn Be de
Caxias n. I.
PAPEL TAA EXKK1TAR SE Bl
recebeu-os mullo lindos a Jfeta Ki ra
do Duque ile Casias n. 81.
PARA AMACIAR E AfORMOSEAR A PELLE
lem a Nova Esperaiica s saboneti s de pos de
arroz.
C.VO^ CtlJ I'IIUB '{:
"11 ui.ioj.ti \ t:p oci q op en i : :io.:i "'-
pue .* 'i j i- "Je -mi] sj.'/n^ \o \um;
\JQitt u;..-il:il".) V p.UjJ.l-'J JUf -i|ddvS jS|
Para cigarros
Excellente papel de linbo muito proprio para
cigarros : no armazem de Tasso Irmaos & C, ra
do Amorim n. 37.
Pliarm.,
Aluga-se o segundo andar do sobrado
n. it ra da Aurora : quem o preten
der, dirija ss raa Pormnsa n. 6
Precisa se de tim menino para eaixeiro de
taherna : na ra da Senzal.welha n. SO.
AMA
Farinha de milho.
Ha para vender farinha de milho mnito nova e
superior em sarcos, chegada ltimamente de Porto
Alegre. A todo contento dos compradores, esta
lanuna consta de tres qualidades ; BRAICA,
AMABELLA E FUBA' ; send > esta ultima muito
mil para alimento de animaes, e ao mesmo tnnpo
de grande vantag rn a s compradores em face dos
precos inconleslavelraente muito mdicos : a tra-
tar na ra da Cruz n. 3, escriptoro de Amorim,
Ir n i a> 'S & C._______________________________
Cigarros da imperial
fabrica de S. Joao
NA
I LOJA FLCR DA BOA-VISTA
DE
Paulo F. de S. liiimanles.
Nt'ia ilit-ina se mandatn fuer roupas feitas por
medida, tendo um completo soiUmento de_ fazen-
das jiroprias a mesma, afsim cuino um perito mes-
tro. Capot3-se ser precos m*U <".r. ' em dulra qualquer parte': na ra Ja Imperairiz

de Nictheroy.
nico deposito em Pernambnco caes da
.dega velha n. 2. anda.
alfan
Cal nova de Lisboa.
Chegada recentemnte no vapor Gladiator, tem
para vender Joaquim Jos Concalves Bel trio, no
seu escriptnrio, ra do C immereio n. 17.
NOVA PAO RA AMERICANA
Rna dos Pires a. .
Contina a fazer pao e Bolaxa de farinha
cial de priraeira surte, para melhor. agradar ao5
seus freguez' s.
Nriortexeindeler^
No Rosarinho n. 18, vendem-se tres vacas pa
rida* p<>r pre?.) razoavel, das 6 as 9 huras da uia-
nhaa e das 4 'la arde era diante.
Preisa-o de urna am3 pira casa de mo'jo
solteiro : rna da Praia n. ?.8.__________
Ama
Precisa se de urna ama nicamente para cosi-
nhar na-roa dos Cnararapes n. i.
Na reflnaco cU ra
se de bathed
DireiU n. pi
Preci-a-^e de um
taberna etambe
armaom Prit^do de S. Pedro, larg
Pedr n. t,

GNEROS BARATOS.
2Caruba d Can o2
\Ianteiga ingleza, libra a U, l|3O0 o U500.
Manteiga francez, libra a 800 rs.
Gaz, garrafa a 360 rs,
iiomma de milho, libra a 320.
Caf mocka, dit a 320 fs.
Velas de espermajote, dita a rtiO r?.
Liogoa (du Bio Grande) urna 160 rs.
Lagostinhos e ultras, lata a 700 r*. ^
Que'jos do reino (ultimo vapor; 3^000.
Ditos do Serid. libra a 1S0O.
Bitos de Mina-, um 2f.
Vinbo Bordeaos, garrafa (S. Julien) 60 rs.
Cerv-)* 8as-,diU 906 rs.
Vinho Figo i<) ii lOd rs.
AfVo, libra IH)r
E ootros iruitus gneros que
barrio do que en mitra qualq
Liquidapao.
por todo preco
i Am existentes na lo] 4 C. na roa do
Baro da Viclorii n. 2 (outr'ora Nova).
AZNDAS BARATAS PARA ACABAR!
Ra do i respo n. 2o.
SEDAS DE COHES padres n llenos j
alio covado. >
MUSSELISAS brancas snpor'iore a 100 1
rs. o covado.
COLCHAS ADAMASCADAS superiores S
de cores a 35.
COLCHAS BRANCAS superiores Ja 10 j
por I'<. *
LAAS lisas de todas as cures a iO i
r.<. a rotado.
MADAPOI.AO Fi.XO superirr de 1 pal- i
mos com Boqw> de avario a 300 e 65.
ALGODAOZLNHO cum 18 jardas a |
2800 e 3 a peca. i
MEIAS superiores de eore* para no- i
mem a .i i i duzia.
CAMBRAIA DE OO/.ES liuas a 24C,
280 e 320 o covado.
CHITAS ESCURAS, claras e miudiuhas
a O). 20, MO e 180 o covado.
AO SR AMOSTRAS (m penh-jr. na
ra do Crespo n. 25 loja de. Manut-l Da jjjj|
^ Xavier.
Pechinchas novas
o jas : i lABunaunu wj j
BS-'t(!UC!ll | *l| : ,
'v'l K win8 wwa*!J'l '' i
uuijd V;>v.i|'0 9p 0iH0i0!|J'iS o}a(dtUua
uu jaqaaaz .>p equa '"il1 i'-iund e o
so.\mm unas u ed;.>uid *|!S i-p o'dilaiy
i'i'P }>\) 0
nJ I.IIJ CAO,
oc "jj vi:r>.: \ vu ovtivuoa v.m
Ul 11- *


opujr
v
m

NA
Loja Flor da
LE
Paulo F. de M.
Boa vista
-ulaiarcs
as pira valido, fazendas todas nova, cova-
" a oOO ra.
mbraias de cores francesas par acabar, co-
va# J00 a3i0rs. ...
Chitas escuras e claras carea fxa*, covado **u
a 3tf0 rc- -OA
Laa Amelia, farenda nova, covado ftW a ,'00 J
Brai pardo trancado, boa fazenda, metro oOOi
rodioe madapolao, cambraila trans-
parnt'
rna da fmneratriz n. V8. >unto a padaria fr;
Doce fino.
0)e guiaba, laranja. Km
Uireita, taberna do iiorge.r.
jutr'ora
EIIOJE.
No Bazar da Moa
RA DO BARO DA VICTORIA
(Outr'ora tova)
Artigos de alta moda em Paris ebegadoa pt-1
ultimo paquete viudo da Europa.
Para senhoras.
Cbapelinas de palha de Italia com ricos e
gantes enfeilus a ultima moda.
Veos Je coi a e p'retus para montaras e ;
setos.
Grinaldas e espolias de llores de larang.
para noivas.
Corpinhos de cambraia billamente ODieitados.
Enfeiles muito lindos para cabeca.
Sais brincas bordadas e de core-.
Cachins de laa de lionas cores.
Sintos de diversas qualidades.
Sal das de baile o ana ha de me!.
Casaiiuinlus de renda rhmtcly pietos.
Chape>j-intoo ds .^ .-n |iara sol
1 Bales do cores e branca para !
ninas.
Layo?, g^vatir.lia?, espartllbx?, Irccef, n;
etc. ttc-
Para r.ir.em.
ufanas i grvalas de uiumo gtisto.
C krlnu da linbo bordaos c Ka y
Seri.uUs de lwhf\
Camisas de meta.
M'-ias de FDperior [ualid.tde.
Lencos de linho e atjodao.
Cha;js de sol com cabo de marCm, ingi*
Para meninos.
Cosluaes oiienties. de fustao de corea m
bem musitados.
Vestuarloi' de liversa? qnaliadeswra b
Cliaposuihos do setirn e mer
Sapatinhus de selim, merino o lia.
Tuncas de tudas as qualidades tic. ^lc.
Vende-se Indo por baratos pr
Agua, de Vichy
Vende-se afD y das font
CeU'Slin, ii.ais bl
iiart : no. la roa do
a margem
entendam-se com o .-
treila do Rofario a.
BMBJBHBJ


BAZAR DO PAVAO
60-RUA DA IMPERATRIZ-60
DE
SILVA, FIGUEIREDO&C
mn~*n M.?e?tIafK,anle e9tabelecinrto encontrar o respeitavel pnbtico, am araodee variadosortaeatoda fasend donis
v?/ *l e ."naie,ri oeessidade, que e vendem raa* bar.tas do que em outr* quk|a--ru visto: I L h r fa ; adPtar*m J8* ** s veodsrem a DhNHEHW ; para pUretn vendar pelo costo, lrm,taw! a ganmirem o aesconto ; as pessoas. qoe negociam em pequea esta'a nert loj* e armazem podero taur os raus ortiaMtt
Slt,?10? Pr6CS.que compram as casas inglezas, (importador) e pan maior cominodida- cas Ex*as: familias ae-darao
amostras de todas a fazendas, ou Ibes levam em suas casas para escohe-em.
A 35GO.
O iiOpilO
CAMISAS DE SWaXiLLAS
No Bazar do PsvSo vende-se
sortiaaaeto com lados os nannos4as nie-
lhores camisas, de flaoeda de lia, ero
mangas tanto fropriss para hnn cus tomo
para sennoras e veod-se a 3,5000 cada
PECHN.HA EMCASEMIRAS A MOO. CORTES DE LA ESCOCEZES A 6$000
No Bazar do Pavao fe-se ama grande Vende se botutos cortes de ISa wcoeezas.
compra em um leilao, das mais finas -indo cada om em seu papel, pelo barato
casemiras nglezas qae tero vindo a es- preco de ,$000 cada om ; no Bazar do Pa-
l mercado, tendo corea claras e escoras, vao.
todas con padroes serios, oroprios para ORGANDYS BRANCO E DE COR
calcas, palitos e colleies; vende-se a 4*000 No Bazar do Pavao *eode-se es mais urna, eqoem cowp-ar meia o covado, o qoe em ontr.i qnalqoer parte bonitos e mnito finos organdv* com listas cima ter om abatinieofo, S d> muita
nao se vende por menos de6,J; grande largas e miadas IdOOO a var*. ditas lisas, wiiidade.
niNc^ni? iiviia n*? mn nn ftzeDda demuita Panft6ia 800 rs. a vara, Cranro* petbiieka om camisa ififllans a 4M5SO
L o aH0 C0R A *#200 ditos d cores, finissimrs padroes, ioteira- No Basar ande mente novos 800 rs. vara: pecbincta. pra em ieilo, de anis^imas camisas in^Jj
GROSDENAPLES PRETOS zas com peitos e pqptos < timo, seodo
Chegou para o Bazar do Pavlo nm gran- con collariobos e de toaos os amaros a
de sortimento dos meihores erosdenaples 43000 cada ora*, ditas sero wlwfobos,
pretos que t^m rindo ao mercado, qoe se paroa faze da nni.-sina a 40500; gran-
veodem de 10600 at 5-5H00 o covado ; de pecbincba.
s3o todoa muilo em coma. CAMISAS BARATAS a 2;$800, 3J0CO e 20MO
CAMBRAIAS TRANPARNTES I No Bazar do Pavlo vende-se ama gran-
No Bazar do PavSo ven'le-se om grande de porco de casemiras meleiadas, turnio
sortimento das meihores camoraias bra cas eucyrpadas a 25800, ditas finlssiroas com
transparentes, tem de 305)0 at 1< 0009 msela de seda a 33200, ditas modernas-
peca, ditas soissas finissimas com 8 pal- de quadros, fazenda de mnito gosto a
mos de largara a 23000. 20500 e 3pno 33GOO o covado; aproveitem.
vara, ditas victorias e tapabas da oais iufe-
BRACO DE OURO,
Ra do Imperador n. 26
O respeitvl pobNeo encontrar nest-
astabeleclmeoto diariamente um complot*
sortimento de pastelaria, bellos inglezei
podins, pds-del, prgaentos dos altimoi
llegados ao mercado, salame de (ion, bo
linhos finos de todas as qaalidades para ch
amen loas onfeitadas, confeilos, bomboin*
pastHbas, chocolate t'rancez em libras, pa*
ti Ibas do mesmo .cartazos e carteiras con
seis cbarotos de cho oate cada ama, esi<
sortimento de chscolate do mais acredita-
do fabricante de Pars e o melbor qoe a*
boje tem vindo ao mercado.
Vinhos poftagezes, figueira mnito snpe
rior. Os-mais genaioos esaperiores vinboi
do Porto, moscatel e Setnbat, o iliostradi
publico encontrtri nesw estabeeciment'
por commodos precos, fazendo-se abatimec
lo a quem comprar em porcae.
Os donos deste estabeiecimecto ni ai
tem ponpadb a despezas para melbor me-
recerem a acoadjavac5o do iHastrado pr-
Ufa.
compra de poros brins de linbo, muito en-
corpados, propriospara calcas, palitos, col-
letes e roopns para meninos, por serem de
padroes miodinhes ; garntese qae nio ha
bela qae lbe tire a cor, e vende-se a
40200 o metro desta excellente fazenda.
MADAP iLO FINO A 60400 A PEQA.
No Bazr do Pav3o veodem-se pecas de
ma dapolao fino de mnito boa qualidade,
tendo 22 metros ou 20 aras cada peca,
pe!<. barato preco de 60000, por se terer
comprado um ponco enxo?alhadas; pe-
cbiocha
CHITAS ADAMASCADAS A 240 RS. 0
COVADO
O B'zar do Pavao vende muito boas chi-
tas inglezas incarnadas adamacadas, pro-
prias para cobertas encortinas, sendo fazen
da qae em qlialquer loj a se vende a 320 rs.
e liquida-se a 240 rs. o covado; s o Pa-
vao.
TOALHAS A 70500
No Bazar do.Pavo fez se ama grande
compra de toalbas alcochoadas, proprias
para rosto, bastante encorpadas e grandes,
que seropre se vendern ail2300O, e li-
quidam-srt a 7i500 a dnzia^ou a 640 rs.
cada una, boa pecbincba."
CHAPEOS PARA MENINOS A 20000
O Pavao vende omt grande porcSo dos
mais honit s CQaposinhos de palba da Ita-
lia propros ptra meninos de todas as Ida-
des, sen 'o cbapns que valem 53000 e ven-
dem-se a 25000 cada ora, muito barato.
CHITAS E RISCADINHOS M1UDINH0S
200 RS.
0 Pavao vende chitas ou ricadinhos miu-
dishos c6r de rosa e rxinhos, proprios
p?ra vestidos e roupas de creaDQis a 200'
rs. o a vado. Sao moi'o baratos.
l.A>IVHAS COM PALMAS US SEDA
Cbe.on para o Pavao o mais bello sorti
m Mo das mais brilhintes liasinhas clarai
coru bonitas palminhas. d9seda; ten lo lar-
gura dti chiia france/a e ve^ide-se a I0OO
o c>v ALPACAS INUSADAS A 640 RS. 0 COVADO.
V n lai'i se as mais m den.a < e bonitas
alpacas matsada* com palmioh^s, moito
or al amis finaqne veo ao mercado;
tudo isto se vende moito ero con;a.
MANrELLETES DE FIL
N) Bazar do Pavlo vende-se modernissi-
mos maotelletes oa basquinas de fil preto,
om lar;o, pelo barato preco de 100000 ca-
da om, barato.
PANNOS PARA SAIAS A 40000, 10280 E
10600 O METRO
No Bazar do PavSo vende-se bonita fazen-
da branca tcorpada para sas, sendo com
babados e pregas de um lado; dan lo a lar-
gura da fazenda o comprimento da saia, a
qual se pode fazercomS a 3 1|2 metros,
e oende-se 10000 e 13i80 e 1600; asrim
como tamben no mesmo est'bellecimento
se vende bonitas saias brancas bordadas ten-
do 4 palmos cada urna, ditos de 13a de
cores j promptas urnas com barras diffe-
rentes, da mesmi fazenda 40^H> e ontras
com barras bordadas 60OOJ e 70000,
tudo isto moderno e barato.
ALGODO ENFES'TADO PARA LENCES.
No Bazar do Pavo vend-se o melhor al-
godSo-inho amfricano erfesiaio pra len-
Ce?, tendo liso e entraado por preco
muito barato.
ESPARTILHO.
No Bazar do Pavo receben-se nm elefan-
te sortimentt dos mais mod-rnos e melbo-
res espartilhos, que se vendeai por preco*
muilo em conta.
PANNOS DE CROCH PARA CADEIRAS
Bazar do. Pavao recebeu um grande
proprias para vestidos de senbora e di m^- sortim-Kto dos ffielbores pannos de croch,
ninas pelo barado preco de 640 rs. o cova-; propr,os pa1r3 ca&ir^. & ba,aaC fofas.
dn san mnitn m r-Anta P(.-s, t mboretes e ate proprios para cu-
brir alm< fndas e pratos; vendecdo-se por
aeno? do que em qualquer oarte.
Lasinlias traorparentcs a 500 rs. o covado
O Javao rscebea am bonito sortiuiecto
TAPETES
do; san muito em conta.
PARA NOIVADOS CORTINADOS, COLCHAS.
Cnptfi u para o Bazar do Povao um gran-
dn s(Ttimento des mais bonitos cortinados
* ivos, proprios para camas e janellas,
das tois elegantes laasinhas traisparentes
qoe se vendem de 10* 00 at 2O0)'O o prLirl?ls fSS qoe vende a500 s
Prr a^i como n melbor damasco com 8 0 covado;F muit0 bar*a(J
P hoo- rte largura a imitacao de damasco i
de seda, pruprns para cocba, e propria- PARA LENCOES
rfate colchas de damasco, send osmelho-! No Bazar do Pav5o veuds-se so)eror
res e mais bonitas que tem viodo ao mer- bramante d'algodao com 10 palmos de lar-
cado.
SEDAS PE LISTBAS.
gura a 1030o o metro, dito de linho cora a
mesma largura a 20800 cada metro, pannos
No Bazar do Pav5o vende-se urna grsnie ^ 2S !inhodo P'^ocom 3 1/2 palmos de largura
qoantnaoe das mais elegantes sedas com ,de '0ali3 a vara, assim comoi;mg>ande
lsninh^s. tendo de todas as cores e at;scrtimeato d Himburgo ou cregaellas de
funa-r; fazenda qHe ninguem vende por!101108 os nmeros, prec-s o qualidales,
mfnos de 25400, e liquida-se a 20000 cada! ^U8 se ,vendem raa'3 barajo do que em ou-
co>a o; sio moito taratas. tia qns'qner parte ; aproveitem
SE-INSDE CORES E GROSDENAPLES.
No Bazar do Pavao vende-se um sortimen-
to completo dos melbi res setins e grosde-
ATOALHADOS
No Baznr do Pav5o vende-se
snpenor
napiesd todas as cores, que se vendem ,toalhada tanCado, com8 palmos delargu-
muit em conta. ra a *06O metro, dito te linho adamas-
POUPfc: LINAS DE LA A 400 RS. O CO- "? Dielhor (lue tem vio<1 ao mercado a
VADO 13500 metr0 5 tudo lst0 muito barato.
No B^zar do Pavo vende-se nm elegan Ba?8 re9nladrw 430DO 40SO e 5500i>
le sortimento das mais bonitas poopelnasL .Gbegaram a! Bazar do Pavao o maisbera
de la om listan miadinaas, sendo todas ,* b'l0"S re?a!adores' sendo d0 fa>o
quai de roa s cor, 400 rs. o covado ; a *,' dltos de mussellai' a 45500, ? harMwimo. j108 de liasioha de todas as cores a 50000,
GRANDE PECHINCHA E\I LASINHAl0llos e!les s3,1 mu,t0 baratos-
A,640 Rf Panno preto mnito barato a 35600
N. Bzar do Pavao fez-senma graode' O Bazar d) Pavo recebeu uica grande
com r.de laasinha para vestida, sendo de porco de pecas de panno preto fino, com-
Chegou para
'legante soi timerit' de tapetes grandes, pa-
ra sofs, com 4 cadeirfs, ditos mais peque-
os, para doas cadeiras, ditos para
pianos, amas, portas ; eti. vende-se pa-
menos do que emoatra qwlqner parte.
COLCHAS BRANCAS A 302)0,80500 E 70
Para o Bazar do Pavo chegou om gran-
de sortimento das melaores coicrras de fos-
tao, s ndo o'a< meihores e maise corpda-
qoe tem vindo, a 7&'0 oias um pooco
mais abaixt a 5550'>, o datas a 30000;
tambem no mesmo estabqlecimnto se ren-
de um grande sortimenti d:cretonese cbi-
t 8, proprias para colchas, que se vendem
mnit em focta.
GORGUHOlSOUPOUPELINASDE SEDA
A *50COCADA COvAOO.
Cheg u para o Bazar do P.itao om e'e
gante sortiaientn das verdadeiraspoupelioaf
de linho e s>da. com os mais modernos
gostos, que.se vendem a 20OOO cida -ovado,
o qoe em ovtra q alqoer parte nao se ven-
de por menos de 20500, prerine->e que nao
sao a!godao e seda, coiio ha muitos; ma^
sim puro licho e seda; sao muitu baratas.
ROUPAS PARA HOMENS
No accreditado Ba ardo Pavo encontra-
r o respeitavel publico nm grande sorii-
meoio de roupas para homens lanto bran-
cas como de cores, a saber:
Camisas corx peitos d'algodao e de linho,
para todos os precos e qaa'idades..
Ceroulas de linbo e algodo.
Meias cortas francezas e inglezas.
Palitos sobrecasacos de panno preio e
casemira.
Calcas de brim braoco e de cores
Ditas de caemiras pretas e de cores, com
colletes igua>"S
De todas estas roupas ha para todos os
precos e qualidades, e tem de mais mais
om perito
ALFAIATE
Por quem se manda fazer com prestes^
e aceio quaiquer pee de obra a capricho
ou go>to do freguez, tendo n'este importan-
te estabflecimento todas as qualidades de
panno fino, as meihores e mais moder-
nas casemiras, assim como os meihores brins,
qur brancos, qnr de cor ; e quanlo qual-
quer obra nao tloar ioteirameate ao gosto
dos fregnezes fi.a por conta do estabeleci-
ment.
CHALES DE MERINO
Chegou para o Bazar do Pavo nm elegan-
te soliiment > de tL-ies de merino de cores
muito. bons com padroes moito decantes
para qnalqoer orna senhora usar, ditos4 de
crpen com listas de seda o mais fino e
moderno que tem vindo ao mercado, e ven-
de-se por proco moito em conta.
BABAD1NH3S
A Nova speranpa
91Baa Diiqae le Cavias21
Osando-a NOVA-ESPERANCA faz os seos
anuncios expondo aos seas freguezes ea
lodos em geral o grande sortimento e su-
perior: dade de sens objectos nao com vis-
tas de atrair a attenco de urna grande fre-
guezia, como a de quo actualmente despSe,
e sim para scierrtificar (a interese de todos)
a qoalidade de seos objectos os qnaes sao
sempre de apralo gosto e perfeiro; tor-
nando-se qoasi ifldispensavt I para aquelies
apreciadores (do bom) freijuentarem a No-
va Esperanca, pois que ella capricha era re
ceber constantemente, o que ba de melhor
relativamente a sua repartico: o que se po-
der verificar quando em qualquer reunio
de pessoas (amantes do xiqtie) v-se nm
booito enfeite em um bonito vestido, um
> i "^f. aroma ^^radavel escapar' d'um alvo lenco,
am moderno e linde laco, um dilicado ra-
mo de finas flores, ete, etc. todos oibam-se
reciprocamente e dizem com sigo (e as ve-
zes uns aos outros) esto? sao objectos
comprados a NOVA-ESPERANCA: realmen-
te; II11 procurar descrever em annoncios os
artigos que contera dita loja, seria trabalho
insano e nnuca o fariamos com aquella
graca e perfeico com que sao ells fabrica-
dos assim pois a NO VA ESPERANCA con-
tenta-se em convidar a todos gerahnente,
a visitarem-na para ento ficar'am intei-
rados do que ha exposto na mesma loja.
81 Una Duque de Casias -'al
La para ordar a
5^500 a libra
O Cysne, ra da lmperuriz n. til, acaba de
recebe"" grande e variido sortiraeuto de laa, a qaal
vende pelo barassimo preco de'5300 a libra,
cores sortidas.
ESCOLA PHARMACEUTICA 0E PARS
Medalha de Prata 1860
GOUDROicom(r
GUYOT
EXTRACTO DE ALCATRAO.
nico medicamento approvado por todos os
Hospitaes de Franca, Belffica eEspanha como a
melhor prparacSo instantnea e reoutada era
dosesda AGCA DE Al.CATRAO.
( Dtuu colheradas grandes de liquido por cada
htro de apta, ou urna eolherada pevuena por
cada copo grande.)
9- la!.!* mal enmelen ai mn-
b?". M,oul. o roscblM e da
Exigir a firma io inrentor. />
Deposito Gsa/.z. ^-^.^^
Ru des rairs-Boirgeois, 17 c=^yf
Em pars. "^ -^e y
DKronro : no Rio de Janeiro, Dnponchelle; na
Bnhia, Silv* Lonet na Pernambiico, P. Maurer
el C"; m Varanhao, Ferreira el tf.
Quando a AGUIA BRRNCA, mais precisa scientiflear ao rspeitave! publico ea,
ganik 6 em particular a sua boa freguezia, da immensidade de objectos que ultimamea*
te Mil rocebido, jusiamentc'quando ella menos e pode fazer e porque essa falta invo-
luntaria ella confia e espera na benevolencia de todos qoe lb'a attenderao e relevarlo,
continuando portanto a dirigirem-se a bem conhecida leja da AGUIA BRANCA roa de
Queimado n. 8, onde sempre acbarao abundancia m sbrtimento de superioridade em
qaalidades, modieidadoem precos e o seo nanea desmenttido AGRADO ESINCERIDADE.".
Do que cima fica dte se conbece que o tempo de qoe a AGUIA BRANCA poda
dispr, empregado apezar de seus cusios no desempenbo de bem servir a aquellos que a
booram procurando prover-se em dita loja do que necessitam, entretanto sem ennume-
ra; os objectos qoe per sua natureza sao mais conhecidos ali, ella resomidameu iadi-
car aqueea coja importancia, elegancia e novidade os tornam reeommendaveitv om* .
bem seja :
Corpinhos de cambraia, primorosamente
enfetados com fitas de setim e obras essas
cuja novidade de meide e perfeico de ador-
nos os tornam apreciados.
Fitas mni largas le diversas cores e qua-
lidades para cintos. '
Loques oesse objecto moito se poderia
dizer qaerendo descreve-los mmaciosaniente
por suas qualidades, coree e desenhos, tal
o grande e variado sortimento que acaba
de ebegar, mas para n3o massar o preten-
den se lbe apresentar o que poder de
melhor.
ntremelos em pecas de 12 tiras.
Goipure branco e preto de diversas qua-
lidades e desenhos.
Ditos de algodlo com flores e lisos.
"Vtes de seda -para ebapetinas e mont-
ria.
Meias de seda para noivas.
Ditas abortas de fio de Escossia.
Costumes ou uniformes para meninos.
Emtovaes completos para baptisados.
Toaquinhas de fil, sapatinhos bordados
e meis para ditos.
ICamisinhas bordadas para ditos.
Capellas brancas para met
Grandes sortimento tliril flJL
Fil de sede, preto.
PERFWARIA
Grande e constante' sortimento de dita,
sempre melbor quajidade.
Lindos vasos com p de arroz e pinsei,
Caixinhas com ditos aromticos.
Bonitos modernos pentes donradoa
para redar o coque.
Bonitos brincos de plaquee.
Aderecos e brincos de madreperolr.
Caivetes finos para abrir latas.
Tbesooras para frioar babadinbos.
Aspas para balao.
Novos stereoseepos com 48 vistas, as
qnaes sao movidas por om machinismo
amas substituem as outras.
Vistas par stereoscopos.
Bonitas caixinbas de vidro enfetados com
pedras.
Ditas de madeira envernisada com rispo*
ras e com dminos,
Bollas de borracha para brinquedo de
criancas.
Diversos objectos de porcelana, proprios
para enfeites de mesa e de lapinhes.
be
P3
0 COLLAR i OH
s\ 3 A iTA MCiKMN. U
AWTIIOA IRH10S
O
03
P3
o
i
a
J
t
co
Com este titulo acha-se aberto e inteiramente transformado este antigo
estabelecimeuto de joias, onde os freguezes e amigos encontrarlo tudo qoanto
a moda e o bom gosto tem inventado na arte de ourivesaria, o Collar de Ouro
observar delicadeza no trato e senciridade e modecidade nos precos.
Espera qae o respeitavel publico venha ver o que existe de melhor em
aderecos de brilhantes, esmeraldas, robins e perolas, meios aderecos, pul-
ceiras, brincos, alinstes e anneis de todas as qualidades, prata de lei faquei-
ros, colheres, paliteiros salvas e outros muitos objectos que seria enfadonbo
R mencionar.
Compra-se ouro, prata, brilhantes e pedras finas, pormaior preco do
J que em ontra qualquer parte, troca-se e concerta-se todo e qnalqoer objecto
>H pertencente a esta arte
m
Lourenco P. Mendes Guinares
RUADA IMPERATRIZ N. 72 ,
Tendo resolvido o seu proprietario liquidar todas as fazendas existentes as loja
Gkribaldi e Arara, convida ao respeitavel publico, amante da economa, visi'jrem a
loja da ra da Imperatriz n. 72, pois s deseja apurar o dinheiro.
Arara vende madapolao eofestado a 355001 Para liquidar* vende bramante de li-
a peca, ditas de 24 jardas a 55000, 60uOO, nho e algodo a 15800 o metro, dito de
6i500, 74000. 8(5000, 95000, e 105000.
Vende-se cortes de casemiras de cores
pajra calcas a 45000, 55001).
Para liquidacao vende-se algodo de lis-
tris proprio para calcas, camisas e salas
para escravos a 160 rs, o covado.
Na ra da Imperatriz vende se chailes de
merino estampados e de barra a 25000,
5500 e 35 00.
linho puro a 25800, esta fazenda pro-
pria para lencoes e toalbas por ter 10 pu-
mos largura.
Vende-se cortinados para cama fr"f*3;a
a 15400 o cortinado para liquidar.
Arara vende cortes de chitas para veta-
dos a 25500,25800 e 35200 o corte pa
liquidar.
Vendeo se cortes de cassa a 25500 e
Arara vende cortes de casemira preta corte s na liqoidaco a da imperatriz.
440 rs, fa/.e^ida qoe sempre se venden a 15.
ALPACAS PARA VESTIDOS FURTA
CORES A360RS.
Veile-se um boaito sortimento das mais
brilha tes alpacas escaras furia cores,
sen lo u.uitoencrrpadas e tenlo am bnlho
como seda, liquida se pelo barato preco de
BAREGES A360RS.
No Bazar do Pateo vende-se nm bonito
sortimeoto dos mais lindos ba.gges lista-
dos para vestidos, qne valem muito mais
dinaeiro e liqald-i-se a 300 rs, o cova-
do, ditos muito mais finos com listas a 400
3-0 rs. o covado por se ter ei:o omagrac- rn f?nnbaregf "T6 seKTeDlderaa
decoaip-a 8 .640 e 800 rs., e grande pechmcha.
PUPEUNAS A 400 RS. GURGURO A 640 RS.
No Bazar do Pavao vende-s um elegante i No Bazar do Pavo vndese nm bonito
sortmei.i das mais lindas pon^has de sortimento dos meteoros gurgurces de la
a com os gostos anadanos sendo qoasi para vestidos sendo ama linda fazenda,
ama ^ crir e conmuit) bnibo, pichin- muito leve, meia tr?nsparente e muito lar-
c3a biu'r! i'SDCcbar "a com furta cores eliquida-sea 640 rs.
Ui TAS) K w Kb. O CORTE. o covado por se ter ferto grande pechincba
N. Ii.i7.xr doPaso vende-se cortes de na compri.
miudinnas, s^do rocha ecftr deroga, COBERTAS A 35
tendo i c vados cada cor o. a 2^ vende-so V^nde-se cooerts de chita encarnada
a rea ho a 201 rs. o c.vad pechincba. adamaseaila a 35'cada urna, pechtncaa
CASS\S A20.RS. CORTES INDIANOS A 455C0
No Ba-ar do Pavao Itqoi la-se uxa per- No Bazar do Pavo v^nde-se bi nitoscor-
CSo oe cassas francezas rniudas e graudas, tes indianos -com duas sai pe'o bara-
coas hn^s. qae fe vendempHo barass m tissimo preco de 455 X) cada nm. m.
preco de 2 0 rs. o covado para acabar, chincha.
0 Bazar do Pavao sito a ra da Imperatriz n. 60, esta' constantemente aberto
d;s 6 horas da mantea as 9 da noute.
No Bazar do Pavo vende-se om grande
sortimento dsmaisfinos babp.dinhos borda-
dos tapados e transparentes, assim como
urna grande porco de envniiios largos e
estreitos, que para acabar se veade mnit<
em conta e mais barato do que em ontra
qualquer parte.
FAZENDAS PARA LUTO
No Bazar do Pa\o vende-se constante-
mente o melbor sortimerito de fazendas
pretas para luto, como sejam :
Laasinbas tretas lisas.
Cassas pretas de la.
Cassas pretas, francezas e inglezas, lisas
e com salpico?.
Chitas pretas de todas as qaalidades.
Alpacas pretas lisas.
Ditas lavradas com branco.
Merinos, cnidas, bombazinas, que so
vendem maisbaratj do qoe em ootra quaj-
quer parte.
CHITAS PRETAS A 200 RS. 0 COVADO
No Bazar do Pavo venda-se chitas pre-
tas inglezas com salpicos 200 rs. ocovado,
ditas todas pretas, por est are m nm pona,
russas, 120 o covado ; pecbincba.
0 proprietarios d este importante esta-
bellecimento rogam ao respeitavel publico e
particularmente s Exmas. familias o favor
de sed:irem sempre ao trabalho de lerem
os seos annuncios, pela razo de muitos
d'elles serem mudadas amiudadas vezes
CACHE-NEZ A 6*0000.
No Bazar do Pavlo vendem.se bonitos e
grandes cachi-nez de pura la, pelo bara-
to preco de 65000 caaa om.
IMEMBRO DaACADEMLAdeMEDICINaI
Preparado por DESLA'RIERS.PH.1
Suc DE BOUTIGNY-DUHAMEL
51 Ra de Clpy Papis
O Xarope depurativo lodurado do Dou-
tor Gibert offerece, no seu emprego, um
resaltado bom, corto e constante na cura
dasimmgens, escrfulas, molcstiasdapelle,
vicio do sangue, obslr uccoes lymphatica.,
molestias contagiosas {sypkiluicas)s leves
bu inveteradas, e de todos os accidentes que
d'ellas dependem.
A receita deste Xarope foi approvada
pela Academia imperial de Medicina de
Paris.
Deposito as principaes pharmacias do
Brasil.
em Pernambuco: Maurer e C; Joaqum
MARTiNHodaCRiz Correia ; Joo da Con-
ceicao Bravo e C; Augusto Caors ;
Bartholomeo e C"; Alexakdhe Ribeiro;
Abreu Ribeiro ; Joo da S' Faru e Ibmao.
Vende se irsn toniu rasa nova'a moderna,
com 2 salas, corredor ao lado, S qnartos, solao
muito fresco, dtspensa, cojinba com b >m tono,
grande copiar com gradeamento na frente, gali
nbi'iro umbem com (rraiieamento de ferro para
grande porci* de criaeao privada para despejos,
telheiro para lenha, carvao, ele., cacimb con.
bomba de Jan, tanque cnberto qoe serve para
banho, e ?iiio, tem 100 palmos de frente e 500 de
.fundo, todo murado de novo com graleamento na
fente e portao de ferro, lindo jardim para re-
creio. planueao de arvaredos novo, passa-the o
rio Capibaribe perto para os banhos, no lugar de-
nominado Chacao n. 1, juntj da estacao da Casa
Forte : os pretndeme poder-se-bao dirigir para
tratar ra de Thom de Souza, outr'ora ra da
Lingoeta, n. 4.
para calca a 30500, 40000. 5k 00, C$000,
7J)00, e 8;5000.
Para liqoidaco vende-se brim pardo liso
bom a 500 rs, o metro, dilo transado a
70, 900, e 10000 o metro.
para a cabar vende-se duz;as de lencos
brancos de cassa a 20000, e 3609, ditos
de linho a 50UOO, 60000.
Na ra da Imperatriz vende-se cobertores
de algodo a I04OJ e corbertas de chita a
I0JJO.
}*m liquda?o vende-se cortes de casto-
res para calcas de bomem a 500 rs.
A Arara vende chitas largas para vestido
a S40, 280. 320, e 380, rs. o covado.
O barateiro vende percalas linas para
ves tdo a 440, rs, o covado.
15m liquidacao vende-se alpacas para ves
tid A Arara vende laazinhas para vestidos de
Srajs. a 320. 400 e 500, rs, o covado.
()Guimares vende mursnlina de edr
paila vestido de Sras. a 440 rs. o covado,
dita branca a 530 rs.
0 Men es vendo fusto do ore? par-
ves idos de senhoras a 360, o covado.
O Lourenco vende cassas Qnas para ves-
tidos 240, 360, 400 e 440 rs. o covado.
Arara vende alpacas de lista para vesti-
dos! de senhoras a 500 rs. o covado, ditas
'isas a 500 e 640 rs. ocovado, ditas matisa-
das1 a 640 rs.
para janellas a 60
pa-
Vende-se cortinados
a peca para liquidar.
ECONOMA
Vende-se duzias de collarinhos de
pe a 240 rs. para acabar.
Arara vendo lasinhas transparentes par
vestidos a 500 rs. o covado.
Liqoidaco, vndese parapeito uso a
20200, 20500, 30. 30500, 40, e 50, pro-
prio para calsas e patitos tor ser bea fe-
zenda e barato.
Arara vende cortes de brim para cal-
sas de homem 10500.
Vende-se cortes de pcalas de duas sane
para senhoras pelo barato preco de a64.
cadaum.
Grande liqoidaco de roupa feita.
Vende-se palitos de alparca e de cores
a 20.
Vende-se ditos de ganga para homem
a 20.
Vende-se ditos de brim de algodo braa*
eos a 20.
Vende-se ditos de meia casemira a 21.
Vende -se coletes de brim de cores a lfr
Vende-S3 ditos de meia asemira a 20500
Vende-se calcas de algodo azul a 500 rs.
Vende-se dita de algodo de listras a 800rs
Vndese ditas de brim pardo 20,10300
e 20500.
Vende-se calcas de casemira de
a 6080.
core
Formas de ferro
PAM AGUA.
Canos de ferro galvanisados por barato preco.
Torneiras, e curvas para os mesmos I No armazem da travessa do Corno
Santb n. 25. *
Moinhos para caf e para milho '
Os meihores moinhos para caf e para milho que tem vindo a este mercado
se encontram no armazem da travessa do Corpo Santo n. 25,

para purgar assucar
jo 4.
na ra da Cadea mime-
Farinha de manduca.
Vende-se superior fariuha de mandioca, vinda
do sertao do Leara, em saccas de 2 ti2 e 3 al-
queires cada sacca, por preco mdico : i ra do
Vigano n. 14, e^enptorio le Jos Lopes Davim
CEMENTO
O verdadeiro porUand. s se vend na roa di
Madre de Dos o.fii, armazem de Joo Martins d*
Barra*

XAROPE SEDATIVO
de cascas de Laranjas amargas So
BROMURETE DE POTASSIOM
De J.-P. IjAROZE, ra dea Iiianv-flaant-PnuI, Parte.
Todos os Mdicos concordao em que o BromorrT de Polassinm puro tem sobre o
sistema nervoso, urna accao sedativa alman*. Reunido So Xarope Laroze de
Laranja amarga, caja aecao regenera as frondes do estomago e dos intestinos,
umversalmente appreciaJo. Sem receio dV-idenie se pode dar as pessoas adultas,
quando soffrem d uoleitias do eotmeao, tmn va* dgett, oa turroMi em jerel,
assim que para U moleitiai aarroaai ** prenhea. Para as creanca, para oalmar a
agitaeao, ineoauiaa, tone dorante r dentieao.
Deposito era Rio de Janeiro, Chevolot; em Pernambuco, 9. Maat a C;
. em Moceio, raleo 9a*; em Pe/jtos, Antero l*na; em Baha, a Moeha; em
l Porto Alegre, JoejBello; em Karanho, Farreini a C; em Ouro Preto, Walawo.


Diafio d Prnanibuco
runda eira 5 de Seteiubro e 1870.


i
Bival sem segundo
WIA DO DUQUE DE CAXIAS N. 9
Btow dlpo*t*> a continuar -.i vender teda:
Jrs'miudfczae pelos barateamos preces abai
xoeehwrt.'gai'wtndo turto bom e pre-
sos admirados.
Dsiis de paltos sc^imi-i n.... 120
Duzia de palitos *i,f>u ranea cai*:i
giitde a................... trSO
Frascos con < h< brtioza iuito fino. 20
Pacote-- com p do arroz o me-
lhor qneti.1............... 3S0
V: albas muito mis para fazer
barr-a a.................... 1 000
Cai:
Vara de franja* de lidho para toa-
Ihas....................... 160
Caicas com peonas d'aco do t-erry
superiores .............. S00
Lencos da casia brancos epiuti-
dosa.................... 100
Carcas com 20 quaderuos de papel
paulado ......-" 700
Caixas com 50 n.iveilos de linba
do gaz a........ 400
Duzias de lucias croas superior
qualidade a.......35600
Pec^s de babadinhos com 10 va-
ras l......... 500
Pecas de tiras bordadascom 12
metros cada pn a I 500 e. 20000
Pecas de litas para eos d qual-
quer largura com 10 varas a. 500
Escovas para unhasfazenda fina a 300
Ditas para denles a 240, 320,
400 rs. e....., 5O0
Pee de tranca lisas, brancas e
de cores a....... 40
Duzia de linha frua para borda-
dos a 400 rs. o..... 300
Pares do meias craa para me-
nos diversos tamanbos a. 320
Duzias do roeias brancas mnito
finas para senbora a. 4r;500
Pares de sapatos de tranca do
Porto........25000
Pares e sapatos de tapete a. l50C
Duzias de baralbos para vnltareto 3*000
Sylabarios portogbezos a. 100
Czrtoes com" colxetes i carreras a 20
Abotoaduras para colltte diversas
qualidades....... 400
Caixas com penna de ayo milito
boa de 320 a...... 30(.
Caixas com superiores obreias a. 40
Duzia de agulha para macnina a. 2)>00C
Libras de pregos francezes iodos
os tamanbos a...... -J40
Pacole do papel com 20 quader-
nos........... 400
Recia de papel paulado super or 44000
Resma de papel liso muito supe-
rior a :.......

-------u.
3C
f-
Jos de Souza Soares & C.
ill'A BO barAo n\ VlTOlH/%
onianu nova)
A ) rosen !<-><; rtvh u rahoz'aiki rM que pule haver de mais helio o agradavel en
ciidas f:n para StattaMsii* figos do aita muda eoi Pars lamia par tuberas- como
aera homens meninos.
Miuuezas aMnmdss, perfumaras t>peci e, variedade da luido obj^rius para me-
ninos e brinquedos para enancas.
CHANDE' SORTIMENTO
Continuamente recebido por todos os piquetes vindo da Europa sonde tem ha-
bis correspondente?.
Vende-se muito msnnta e manda-se n ir em pregad do estaneleofment fafndas
I

Rna
a m rantr
Fo vo estabe'ocimen* o
OE. FAZEIHMS E ROBRAS FEITAS
da
I
nperariz n. 40,
esquina do
Se
be
eo
(Jos Ferreiros.
DO
TRIUMPHO
7 Ra doQueimado 7
DE
EIRA & BASTOS
35r,oo
m m m
Chegou ao antigd deposito de Henry Forster
C, ra do Imperador, nm carregamento de ra
de primeiraqu.-.lidadetofpial se vende em partida
a a, retaiho por renos preco do que em outr* qua
qaer parle.
LTVIUIT
20Ra da Imperatriz20
Farf I-.es.sa.
Acaba de ebegnr a esta Misa noca foja de Ja
rendas finas nm variad" soriimt-no tie fazendas dt
laa e seda, como sejnm : gn.Qadioes do uHiir.c
ga=to, pepelinas de urna cor, alpacas e lazi-
nhas de cor<-)<, o que ha de mais mo'lerno, tndt
por baratissimes presos, bri!hantina~ de core-, te-
cidos das Mia, lazenda nova a imit;ir5o de per-
cala,baloejde cliua ngr.do saia de cor com lin-
das barras, fastoes proprius para vestido e roapa
de meninos ; agora grandes e admiraveis pechin-
chas, saias braucas com lindos frisados a 33, ri-
cos ccrpiihos iKVdados muito finos a 5, baloe.
modernos de arcos a 5. ricas colchas para cama
alcochoadas. sendo brancas e de cores, a Si, ti< e
11, cambraia vfetori lina a S, ditas transparen-
tes io$. ti e 7JJ.chitas inissimas esru.'js e clara.'
a 280, 300, 30 e .X o covado, cassas de cores
240, lencos tironeos de cas^a a 2*500, ditos chi
nezes a 3*500 a duzia, madapoQo nn a 6 e
6*300, e malta sopencr a 7, 7*600 e 8j, a!go-
daozinho largo propri para len^es a 63, panno
de alaodao branni trancada proprio para tualha
de mesa a 1*600 a vara, nramante para lences a
2*000 e 3O0. o que lia de melhor, esgu&o fl-
nissimo a 2*200 e 2*aC0 a vara. Mandamos na?
casas das Exrn:^. familias para melhor poderem
escolher. Tamben temis completo ojtimento de
perfumaras dos primeiros fabricantes francezes e
inglezesj as pessoas que se dignarem vir a esta
loja terao occasiao de reconhec-pr a realidade de
qao annunrtamri': para nos justificar.
LIVROS A" VENDA
NA
Ra do Imperador u. 15.
Borgier, diccionario ero. 6 volames.
Orillan em 3 vois.
Masillon era 3 vols. !
Faliz, direito internacional 2 vols.
Belime, philosopha du direito 2 vols.
Martins guia diplomtica i voJ.
Ventura, o peder publico 1 vol.
L'ooeleTom, a cabana i vol.
Menil, corpo d'estillo deplomatico 2 vols.
Foucart direito publico 3 vols.
Barros, direito financeiro 1 vol.
Veira, diccionario loglcz e vlce-versa 2 vols.
Waldeck, inslrurgo.'s de direito civil 1 vol.
H Ahrens, direito natural 1 vol
Brackaex, origem dos direitos 1 vol.
Feeton, a antoridade do pontfice 1 vol.
Ortolan, regras internaciojaes 2 vols.
Ortolan, insiituicao de Justiniano 2 vols.
Desforges, a dignidade do homem 1 vol.
Theodoro e Luiz, por Theophilo Meonar 1 vol.
Jeaqaim Ilenriques da Silva, manual do esludo
da latira I vol.
Emilio Monte-verde, grammat ca franceza 1 vol.
Diniz Ruard, tratado da articulatnra 1 vol.
Noel, diccionario latino francez 1 vol.
Calhecismo dos Parochos 1 vol.
Bertauld. cdigo penal i vol.
Vende-se farinha muito boa viuda da Baha em
saceos de lgodo : nos armazens da Companha
Pernambucaoa e trapiche do Canha : a tratar nos
Bijjmos.
Trilha* HrbiM8 da Keejfe a
Ollnda
Na esta<;5o provisoria da ruada Aurora vende-
se em porcao e a retaiho carvao de pedr para
ferreiro.
Brins d'Angolas legi
timos
aeh mi-ae no armazera
DE
T. Jeff'eries & C.
Bna do Trapiche n. 46
xi' para saceos t foyueteiros
Lona verdadeiara da Esrossia
No armazem de T. Jefferies & C.
Ba to Trapiche n. 46
-- Vode m orna taberna eom alguns cammo-
eea boocoj fondos, na traveesa das Cruzes
a. f : a iraur na mesma.
E' chegado a este novo estabelecimento o mais bello sorlimeato de lazendas
nae, sendo sua especialidade enxovaes para noivado.
Vestirlos de blond de ,seda ricamente bordados.
Gorguiao de s'.a braaco para vn-sriilo.
Colchas de seda pura, para cama com ricos doseobos.
Ditas do la eiseda, idm Sdem.
lJitasde cox, idem idem.
Cortinados licara-nle bordados para caniae janclla.s.
Croxs p Veslidos de cambraia branca bordados.
Popelines de liados gostus.
I.aas de diversas qualidades, lindos (ostos e modernas.
iticos b urnus para passeio, cora listras de :-ctrm.
Sabidas de bao o qne ba de mais rico.
Oetones para vestidos com lindos desenlies.
Carnizas bordadas e sem bordarlos para sentaras.
Camisas hor4adas muito linas para bomens.
las ingltzts para homens e meninos.
Seroulas de Ututo, e mn grand sortimento de roupas i'eilas e de feundaa ijuo
enfadonbo mencionar.
Luvns foscas de Jwmn
Sirlrmento de tapetes para gtiarnicoes de salas, alcatifas, para foiTo de s;;a, o
irande Bortimento das acreditadas e verdadeiras
Esteiras da India
O novo proprietario deste ajtabelticinii
dista cidade, e especialmenle s Exau?. amn'
tissimoi, as antipas raleadas iu exitiam nesti tabcleeiuento, alm das qpe
vio i>iacori;uias, cujus precos merecem toda ; aitenrao ilo n-speitavel publico,
deixai de i/at ptqu-na quantiaielazei-se, de qualquer qualidade de faznda (j._
*. Previiio-se tambera que a mesma luja tem Mo soriinicnto de fazendas moder-
Di
rilo, i liiiiiiiuiica ao respeitavel publico
js. q*ia eM liquidando por preces bara-
abaixo
que nao
(jpalfluer qualidade de faznda que pre-
ma:s apjra.
ta-., o continua a sortii-se das do
barato que q-iniquo nutra luja.
A LOJ.v U;i PAPA ~.A10 alm do ter u'nji arande
ora botuto Mirtiinenio d caserniras tranozas,
danos, e assm ramo pannos prelws, raseoiira
e mais escu;o. hrms brancos e de cores, fuste
e bfins pardos de tudas a.s qualidadys.
A LOJV DO PAPAGv'O tem contratado, o
sen oTi^i, ara AiAriitar (ualquer
p e cscolhido gosto, que vender mais
deposito de roupas feitas, tem
nglzas o allemaai dos padies mais mo-
i e panno lino cor oc pihhan, azul claro
es bianxs, e de cotes, gandas de liuho
'icio par.t executar qualqner obra da artq
U.i
cima.
U
ROB LAFFEGTEUR
Approvado era Francia. Russia, Austria e Blgica. O arrobe vegetal Laffecteur sa antho-
nzado, e mu superior aes xaropes de cuisnier, de Larrey e de salseparrilha. Le fcil
tbgestao, adagraved ao paladar, e ao alfto, eUe cura radicalmente mb nereurlo, as I
affecoesdapelle, implgcm, alporcu*. tomoret, ulcera, urna lrSe-
* cornuo, e os accidentes provendos dos partos, da idale critica, e da acri-
monia hereditaria dos humores.
0 arrobe he especialmente recommendada contra as doencas sTphititicas recentes, invete- l
radas ou rebeldes ao mercurio e ao ioduro de potassio.
Deposito geral do verdadero ROB UFFECTEUR,
SAINT-GERVAIS, ra Richer, lt, Pars.
em casa do doutor GIRADEAU DE
c---;
cni;
wa
3 paras n. 53, ra Direita, 3 portas n. &,totma
loja do Braga
O .-baixo asignado, dono des te antigo e?tabeeemento. tendo em ristt apre>eular
completo siirtimento de ferragen?, miudezas e colileria, tem resolvido mandar hnscar em
diversos pernos da Europa os uulhores objectos de sen cst.ibelecimento dos fabricantes
mais conhecidos ; pelo que convida ao respeitavel publico e a seus numerosos ireguez.s.
virem se sen-ir dos objectos de sna carencia, a-iide encontrarao por menos 10 00 do que'
em outra qnalqner parte, um s.?rtimento completo de machinas para dflMaronr al-odan t
do bera conhecido faldeante Cottorr Gin & 11. dit:is para costura, motores pa'ra animaes' }g
ditos para fopo. mninhns p.-.ra caf de lodo os lmannos, da fabrica do Japi, espingardas de j2
dous canos e de um. tauto nuezas como francouis, louca de porcelana, facas o garios M
de diversas qualidades e pregos, bandejas chinezas, salitre, breu, barbante, enxore, papel e fl
limalha de furo, ago, e agulha para fogueteiro ; assim como encontrarao (Matante- *
mente grande porco de fogo do ar, e recbese encommenda de fegos de vista, alem de tnn i
cera numero de objectos, que se tornara enfadonbo numera-los : venham ra Direila u. I
S3, loja de Lenidas Tilo Loureiro, antiga loja do Braga.

quer ijt*ra que nao lique vontada di
fazer ui;:.
Aio;iih;id.i de liuHo Gao", a :) o metro,-
e de stentao a -2-y
Algoifiosiidto laigo, para louces e loa-'
Ibas a I COI.
Wpacas preta.*, de cores, lisas, de forta
cores, e de listras.
Baroge cata li>irinhas Je olfferBfes co-
ros a 30 rs, o Covadn.
Bok sde i Hiele avuludadas, para viage.m,
o preco e conforme o tsinanh".
Romb.isinas pretas, Ksas, e trancadas.
Bramantes ile Hubo, francex e in'i:/. a
250&
baliVi de, u!umiiw, brancos com litis,
e o -lii-.s tmius de paatio cuffl o feilio dos
de tiis, pbra enhoras meninas.
Hasquis .le pnisi-enapii s preto
lemas e do cm. l. muito enfeit'adas.
Brctanlias de liiibo, e ta kiyodSo.
1! ios de liidio tr.iticads bra:.cysJ
cores.
Brins Oe algoiJJo troncados brincos e uc o
cores.
Combraia* brancas tapadas o iranspa- IrBiiiieitUj
rentes, vendo in(Jizos e sinssas de 8 pal-.colado,
mos de iargnia. iierin
Cannss n iieia, de
de algodu.
Cami>inias brancas de catabra'a cora di-1
licad bordados, e eufelldas de cor para
6ras. N
regtezcs, !i.;:;i pata a loj^, e manda-se
fSguS lieliidio de 1J6C0 a Z a vara.
Clides ilc moiin pretos muito grandes
mo
e de
l
a i
iptiOio mestre alfaiate perito no
com a mawr perfeic3o e esmero, e qual
di;'-. r-stampados de 4,*>00 para
preto liso, e de
ni.
Cuardanapns de dnho brancos e pardos.
Grosdenapte preto de diflercntes pr eos.
Laaiiijbas em corles com pilmas com 14
ado pprW.
i:.:::- itias u d-s!;is innspr.rentes e ta-
bs de i'iif 'ivnles piccus.
IMadapOianingle de 5j3 a! \Q-$ a peca.
."Mjl3
Inxia.
lili..- de etmtbraia de IRiho de C." a I25s
ios bordados e lisos, tant do linho
ni de aljjudSo para camisas de homem.
Gambrcias de cores a 401), rs. o metro e
rat
U
a 800 rs. a WJ.
Camisas inglezas. o fttofima de linbo. e
de algodao do pree-s, lisas e bordadas.
CbnoM do sol de se da,'merino e atni-
ca de il-iliVjinles uVitt, e mnito barato--.
Cintas (aia vs.i.1ol-, frMcaus, de B40,
at MO rs. \kr
Cbitas para cuberas de '-20 at 040 rs. I
Co? tinados oe cambraia, c de il burda-,nu
dos para canias u*mIm de ll;3 para dna.
CoMus de ftistao bronces a a?500.
Ditas i* cores a 2 Colaiioiiusde. iiiihob.inzleze*, ealemaes.
os e bordado*.
DMki de. Ii. enc;:ruado, a zul e a ma-
pello, escomilba preta.
E>paiidbos de liobo branco para Sras.,
de diiferentes precos.
e
e il
qu
din
)it"6 du i-sp.iio de G a .S.^.
.los uli as naneas e de cores
OVadi'.
Jor^Ki's de iSa com istias, fozendaln-
lio.va no mercado a SCu r*. o
IiOJTA
GALLO VIGILANTE
llua do Crcpo n. 9
Os propnetariOB deste bera conhecido estabele-
cimento, alm dos inultos objectos postos a apreciacao do respeitavel pnblicg, marj-
daram vir e acabara re.tebor pelo ultimo vapor
da Europa um completo o vanado sortimento d
fiuas e mui delicadas especialidades, as quaes ev
tao resobrinos a vender, como de sea eMame,
por prego muito hritiillies e commo^o para to-
dos, com Unto que o Galio....
Muilo superiores luvaa de pellica, pretas, bra-
cas e de mui lindas cores.
Mui boas e bonitas gollinhas e plknlios para se-
thora, neete genero o que ha de mais moderno.
Saperiore pentes do tarirug3 pa-a coque;-.
Lindos e riqnigsimos eofeitea para cabecaa da.-'
Exmas. senhoras.
Superiores trenyxs prei.is e de eofei CM vidri-
Ihos o sem ees; esta, faienda e o que poda baver
de molhor e mais bonito.
Superiores e bonitos loques do madreperoia,
marfim, sumalo e osso, sendo aqaeHes brin"<---
com lindos desonhos, e e:-- pretos.
Muito sucriores mei.w lio de Rscossia para e-
nhoras, as quaas sempre >e venderam por 30yiW)f'
a duzia, entretanto que mu as vendemos por Jo,
aim destas, temos lamiicm grande sortirnenlo w
outras qualidades, entre s quaes algurnaa mnil
finas.
Boas bengalas de snperior eanna da India
castao do marlirn eom linda.-: e encanta loras figu-
ras do mesmo, Leste geneiu o que de tuelhcr s-
pode desojar ; aim destas temo tambera grano*
Suantidado de outras qnalidades, cumo sejam.ma-
eira, baleia, osso, Ixirracba, etc. te. etc.
Finos, bonitos e airosos cincolinhos da cadeii
de outras qualidades.
Lindas e superiores li^as de seda e borracha
para 9egurar as meias.
Boas meias de seda para senbora e para meni-
nas de 1 a i 2 annos de idade.
Navalhas cabo de marlitn e tartaruga para fa?'"-
Fii de linlio blanco e
Oh O.
Ora*fina de i-eda pretas ede cores, da.
iH un (l-rn-iS que tem viudo ao mercado, barba ; sao mtito boas.e de mais a mais >?.o g*-
rantidas pelo fabricante, e nos por nossa vez Um-
bela asseguramvs sua qualidade e delicadeza.
Lindas e bellas capellas para noiva.
Superiores agulhas para machina o para erojf-.
Liha muito boa depeao, frouxa, MMOBetMC
labyrialho.
Bons baralho de cartas para vultaret, ass-r
como os lentos para o mesmo lim.
Grande evariado sortimento tas raelhorcs pet-
l algodo, brancos o'e ^a35 fumarias e'dos melhores c mais condecidos ^ir-
fumistas.
COLARES DE ROEK.
Elctricos magnticos contra as convulses,
facilitara a dentgao das iunoeentes criancas. ;> -
iiOO rs. mos desde mnfto recebedor^s dcstes prodigiwo
collares, rontlnuainoa a recebe-los por todo- >*
vapores, a!; h ;. ii nunca faltem no met
Mpw \: iii r. i torido, assira pois poderlo aquei-
\e> ,. i'.uler ;i ,->!- :;c\:\, vir ao deposito do galk-
vigai.-i -tnpre ''ncontrarao uestes verd;.-
delroa ......eia^s attendendo-se aofits
puraque u.. a. ..i-n.^.. -v. -onderao com um mui
dinamito lucro.
R(';'.ir:..-,; .>is. avi-i.; .! .. bjectos q&e debUBKia
declranos, w* ".-isos Jrejji. e. amigos a virer
campear }. m euiuji.i.'.. -eis aloja do ga'k.
vigilante, nu '-. 7.
urdo.
tiancadoy.e
(e cordlio.
rioretas pretas de differentes precos.
;a;;iL:r,ii;i bcmc< tapada muito larjia com
p^tas e betuado. ba de tres qualidades
propria para saias de Sras., o pego ba-
r.
jedas pretas lavradas para vestido a
iiX) o covado.
>argeliu rancez e inglez de toda ao co-
Coalbas da algodo a du linbo de dif-
UIps .qrjaJidides e latnanbos.
rinlioi de nbo para bomcm muito li-
ileias mjr'ezas para Sras.,e para meninos
ara horneas, de iMTerentes qualidades
e lodos os lamatjhos.
para qnfni comprar peca on duzia ?,
ilquer ',y< mia bt preco o costo ; para
dniir o rewho.
Uvnte as anioitias de qoslquer lazenda.
A loja do Ptpanaio acba >-e aberta todos
os idias. at ;is H horas da noute.
hrancisc" Tiixotra Menes
CASA CAUVIN a iurimer
dei
1*
Pharmaceutico privilegiado
successor
Sebastopol, SB PAJRIS.
Boulevard
NOVAS ESPECIALIDADES A. MARINIER
ApresenUdik a Academia de Scientias e ao Instituto dt Franca,
III ICPPAfl Sob >orma ^ Pa,olla, deredida e doseda pan
lil JLullHU i.iser de momento ama oluc PriTealtva e curativa dai MOLESTIAS C0NTA10SAS.
IKJECTOR-PHILTUO
ESTOJOS Com
Jo
tervindo i
volnma de um reiogio,
l'HILTRO e SERINC.A sem os
CriTei inconvenirntet i IraflIUada.
t turma, e de rolume de um Porte-Hoeda
COTENDO TODO 1RATAMENTO.
COLLxBIO Contra as affeccois das palpebras,
preparado sob a mesma forma.
BARTHOLOMEO C
CASA CAUVIN "fflptl
Depositarios geral para e BRASIL, e POMTLGAL
34, ra larga do Rosario. PERNAMBUO.
Pharmaceutico privileeiado
successor
extracto dos tientes e openujaes dentarias sem dores, todos os
dias uteis. daslO horas at meiodia
PELO EMPREGO DO
PROTOXYDE D'iri
do gabinete do cirorgiio dentista FRE0ERIC0 GATIEtt
19Ra Nova19
0 qual. acbaodo-se relacionado com os mais celebres deDtintas de Paris, adquiri
com elles, na ultima viagem Franca, o modo de preparar e empregar este xcellente
anesthesico de que se pode sempre usar sem inconveniente algom, e prodnz iasensibili-
dade completa.
O mesmo aproveita a3occasio para lembrar ao respeitavel publico qoe no
seu gabinete coutinoa-se a iazer tdas as operacies da soa arte o collocar dentes por
todos os systemas: cota ouro, platina ou vulcaDite, segondo os casos.
_______Especialidade de obturaces com ouro puro.
SliW HffiESiC.
iei 11 aiu!.
rame de ferro galvaaisado em rede para cercas, gaioias, galliofteiro- etc.
Cbapas de ierro galvaoisado para colirir casas.
Tachos de ferro estanhado para engenhos.
Cofres de ferro de Milner o outros autores.
Chumbo em cao.
Dito era lenco!.
Dito em barras.
Dito era enxadas.
Estanto em barra e verguinha.
Folba de Flandres.
Arados americanos para ladeira e vanea.
Carrinhos de mo.
Venezianas para janellas.
Machinas de descamear algoda'Je faci.
Ditas de ssrra.
Ditas p:.r.i cortar fumo.
Ditas i vapor de forca de 3 JavaHos e motores para t cavallo. para mover as
hias de Blgodo.
Cadeiras de ferro.
Camaj de I>rro.
Prensas para copiar cartas.
Balancas para pesar.
Oleo de liohaca era latas de ferro.
Trilhos de ferro para engenhos^
Bombas american
Macacos desvar.
Balaticas e pesos decimaes e outras.
Fog5es de patele.
Entofre.
Salitre.
Estopa larga e de boa qualidade.
Picaretas para caraiuhos de ferro.
Um grande sortimento de ferragens o entilara.
Boulevard Sebastopol, BS. PARS.
NOVAS ESPECIALIDADES A. MARINIER
Apresenladas a Academia de Sciencias e ao Instituto de Franca.
IH ICPPfi Sao a tormade Patulla, devedida e doaeada para taser de
11U CubMU memeato urna soluccao FUVUTIVi I C0BA7
muneato ama suluccio PUVUTrVA I 001
MOLESTIAS CONTAGIOSAS
ITIVA das
lJEIM-FHILTRO
Oraves incoav
do volume de um reiogio, servindo
de Puiltro e Seringa tem os
icoavenientes de ragiUdade.
Coia a forma, e do volume de nm Porte-Moeda comeado
TOBO TRATAMENTO.
CIOLLYIO
BARTHOLOMEO 4 C
ESTOJOS
Contra as affeccois das palpebras, preparado sob a mesma forma.
Depositarios geral para o BRASIL e PORTUGAL
34, rea larga do Rosario. PERNAMBUCO."
n
H
ERGEKfEIO
Gom tundicao
m 00 BflUM 52
Passundo o ci&fariz.
Clitma a attenco dos Srs. de ogenho;
com espetaliiade p.^-ra seus \epores qoe anda ma vez ttm melboiacio.
Os \apoies orneidos por elle ej fue
-j eviafo do ique qua! ,wr dito proprio.
Uesej;i tainlujai tDeQcionarque tem feito
tem proraptoio.)a a especte machtoismo e outrus oh "los para a agricultura.
para seus acreditados maihinismos e
xiotiando Ihe hao de fazer raelnor apre-
uma reducfSo em seus procos; e que
TfjBf

joias
- fwa loja
RA DO GABGA' N.9 A.
DE
Manoel da Canha Saldanha & C.
Acaba de abr se esto ostabelecimento de joias, o qual Um grande sorli-
nvitto de todas asjoias de ulmo gesto, as quaos veadeu o'mab barato pos-
bivel.
' '"** ; Todas as joias serJ garantidas ouro de Iei, pcis os sens doaos tendo em
^ vista so adquirir frcgne naoi.Ividaro, vender bom e por pre? *s os < .
- rwpavf-rSi possweis. #
CciQiidarse o ptbrk a \ir a este eslabeIecito4 corto Je qee ficar |^
Batisf. ito.
mmm.
DE OURO RA DO CABIV

SJa
0 oardeirc jre^i
Una # .j?K"iiuaSo n. IR.
Novo e variado sorttmento de perfumar,
finas, e outros objectos.
AJm do completo sortimento do perft
marias, de que efectivamente est providj
!oja do Cordeiro Previdento, ella naba o
receber um ontro sortimento qu*
aotavei pela variedade deobjecios. sopci.
iade, qualidades e commodidades pr.
eos; assim, pois, o Cordeiro Pi-cvid'-
15 espera continuar a merecer a ar--<'!
do respeitavel publico em geral o de
boa freguezia em parlicirisr. rao k t
taedo elie de sua bem eofiftectdamafi
1 barateza. Em dita loja eQContrarSn
iprectadores do bom:
Agua divina de E. Coudray.
Dita verdadeira de Murray Lamm;u.
Dita de Cologne ingleza, americana, fra
ceza, todas dos melhores e mais acreditado
fabricantes.
Dita de flor de larangeiraa.
Dita dos Alpes, e vilete para te-ile:.
Elixir odontalgico para conservacSo -
sseio da bocea.
Cosmetiqo.es de superior qualidade e &m
ros agradaveis.
Copos e latas, maiores e menores, m
pomada fina para cabello.
Frascos com dita japoneza, transpira.,
a outras qualidades.
Finos extractos inglezes, americanos
francezes em frascos simples eenfeiaw.
Essencia imf.nal de fino e agradavel cfc*-
ro de violeta.'
Outras concentradas e de cheiros igoai
mente finas e agradaveis.
Oleo philocome verdadeiro.
Extracto d'oleo de superior qualidii*
com escolhidos cheiros, em frascos do diS*
rentes taannos.
Sabonetes em barras, maiores e mener
para maos.
Ditos transparentes, redondos e em %c
ras de meninos.
Ditos muito finos cm caixinha para barli
Caixinhas com bonitos sabonetes imiUD<
fructas.
Ditas de madeira invernisada contendo !
aas perfumaras, muito proprias pera p.->
lentes.
Ditas de papelo igualmente bonitas, ta
bom de perfumarias finas.
Bonitos vasos de metal coloridos, a -
moldes novos e elegantes, com p de arr
e boneca.
Opiata ingleza e franceza para dantos.
Pos de camphora e outras duTerat
qualidades tambem para denlas.
Tnico oriental de Kemp.
Anda mais co|aes.
Um outro sor*.>mento de coques do ?
vos e bonitos moldes com filets de vidriik.-
e.lguns d'elles ornados de flores e fitv
esto todos expostos apreeiacio de qew
os pretenda comprar.
GOLLINHAS E PUNH08 BORDADOS.
Obras de muito gosto e perfeico.
FlTella e fitas para cintos.
Bello e variad sorinento de taea ob}
tos, ficando a boa escoiha ao gosto do oo
prador.
Caballos
Vendam-ae cabellos de todas as ooree, qnalqiier
corogriaienlo, qualidade snperior, em eaiu 1
porcao mais pequea : na roa da Cadeia do Iic-
eife n. 51, l* andar.
Mantega al^.
Vende se manteca ingleza flor a i* a libra :
no progreeso do pateo do Carme n 9.
MLHILI^M
Vende Joaquim Jos Ramos.;
n. 8. 1 andar. ^
Vende-se
na roa da Cn.
estflo
urna rotula de amarello em bi^ji
na eamba du Ctrmo n. 18.
A 2;IIIJ.
Lindos c rte de percales a 2000
do Crespo o. 23, loja da esquina.




8
Diario de Pernambm
Segunda tira 5 de Setembro de 1870
-rzr
r
ASSEMBLA GEML
DOS DEPUTAD03.
CMARA
Discurso do Sr. Dr. Theodoro Moa
Freir Podra da Silva, na sessao '<'
de agosto, sobre a reforma da le'le d
de dezembro de 184 .
(Cuntrauacl)).,
Estes tribunas, peU sua orna*
mixta, coinpostos de juizes temporarios e
nao profe-sionaes, e de juta* togados, alem
de na rerommertiaretn-io pela justica a.;
suas decises, Sil dupkmente toconstitu-
eionaes. 0i seus i lizes nao professunnes,
alm de.eraporarios, seriam propriamimu
jurados que s deveriara julgar de Cacto.
ma< jalgaa de direito que n5o conbecem ;
e s3o tribunas de 2.* instancia, n3o obs-
tante a expressa determinar') da constitu-
Cao de qne tribunaes de 2.a instancia s-
mente s5o as reaces.
E para que mate discuss3o a este resnei
lo.' se o Ilustre creador dos tribunaes de
commercio, cantou a palinodia honradamen
te no relatorio da ministerio d* justica de
1866. pedindo com louvavel franqueza a
ravogico da lei d9 18-54 que creou esses
tribunaes ? Esta reforma, conseqoencia l-
gica dos principios constitucionaes e da con-
siderac3o de que nSo pie appliear bj;n a
le quera nao professional, n encontra
a menor opp)sic> nes'.a casa, nem tora
della. O accordo unnime. (Apoiaflos.)
Tenio t-atado de relacOes e desembirga-
dores, sou levada por natural associaco de
ideas a declara! que concordo, e o faco om
muita salsfacjfo,'cum a I.' pirte do piojen-
to offerecido pe|o Ilustre deputado pelo
raunicip o neutro e pelo meu amigo deputa
do pela Bihia, a saber, com a parle con-
cernente a.t pravimento dos logires dedjs-
embargador. ^
Nao me sabr lempo para fizer largas on-
sidracoes acerca da perpetuidade dos j lizes
de di re lo, como o fez o ndbre deputado que
me preceden. Observo smente que n i
havera espirito serio e reflectdo q ie pooba
em duvida a grande sab'doria do pwcejtc
constitucional que consagra a perpetuidade
dos juizes de direito, garanta de sua in le-
pen lencia para que sej impassivcl como a
lei de que executor. Conseguintem^iiie
nao posso deixar de acceitar. como magis-
trado que m) preza de ser, para que os
magistrados atiinjam a essa independen ca.
sua salva-guarda e da sociedide. as meci-
das que tendam a esse lim t3o elevado
Com isto quero dizer que acceito o princi-
pio da antiguidade absoluta para o prow-
mento dos lugares de desembargadores,
sem hesitacao alguma.
Eu sei que o systema actual, o di eseo
Iha d"entre os i' mais antigos juizes de di-
reito, explicavel pela nncessidade de ar
redar juizes menos disiinclas das altas po-
sres da magistratura-----
O Sr. Duque-Estrada Teixeira : Na
esse o pensamento do legislador.
O Sr. Tiieodoro da Silva : Nao ou-
tro so|o o que manifestei.
O Sr. Dique-Estada Teixeira : E pre-
miar o mrito a quem o lauta.
O Sr. Theodcroia Silva :Premiar o
mrito importa afastar do lugar de desem-
bargador aquelles que se suppoi n3o teren
mrito. Era o que eu dizia, quando, re-
ferodo a explicaco do systema actual-
mente em vigor, procurava contestar a pro-
cedencia de sua justificacao. Eu queria di-
zer que, se ba juizes menos dignos, e com
e!!e.s o arbitrio confunde s vezes alguns
que s.lo smente iafilizes, tanto mal fazem
n.'is e outros as altas posicjs da judie tu-
ra, como as comarcas em que devem ser
servido >, com a desmorolisaco de re-
pelida fall de escolha. Accrescento que
essa apreciaco de mrito e de demento
fetta pelo nico responsavel das ms no--
ni aroes primitivas, o gaverno ; e se elle ?
ews n5o acerta, sibi impute!, o que au
justifica o correctivo em cuja posseest, e
que comprometi a independencia da ma-
gistrado. Demats, se ha juizes meaos dig-
nas, por que oppartunamente nao promo-
veu o governo a puoicSo legal daquelles que
a ten merecido? (Apoiados).
Se porm, Sr. presidente, estou de ac-
cordo com os nobres deputados quanto
parte do seu projecto a que m*) teuho refe-
rido, con'esso o meu desse:itiroento com
relaca outra parte que enteodo com o
processo regulador da remoca dos juizes
de ireitoe dos accessos que Ibes caibo.
O Sr. Fontes: V. Exc, acceita o prin
cipio ?
O Sr. Theodoro da Silva :Em assump-
to de organisaca nio lu pnncijio3 absolu
tos; efles devem ser modificados pelas cir-
cumtancias. Desta oppinio sao os pro-
prios n bres deputados, pois lano ni p^-
derao observar risea como absoluto o
principio da anliguidade que o modificaran)
com a iniciativa ou aco-ubioaco do reque-
menlo d /s juizes de direito para aquelle
FOLHETIM
i VIVA DEPOS DE MITA
POR
Xavier de Montpin.
tenho para me n nar co
rojecto vel;itivo ao nrocass das rt
C -s e accessos daqnelles juizes.
Vou fallar com igual franqaeza qoella'
com quo me lenho mmifestado at agora,
franqueft que julgo ser-me imposta pe!a
obrig^Tto de concorrer para a confeceso de
uina lei permanente. (Apoiados) Jjz de
direito nao me sjt ievala a mal a minha
sinceridad* e isenco.
Entwido, Sr presidente, qne as cir-
cumslancias em que se acha o paiz, com os
seor'costunts actuaes, emquanto n3o se
consegu elevar o espirito da magistratura
e dar-lhe a maior seguridade, a garanta da
flxidade dos juizes de direito as comarcas
em q ie servem, o directo da sua coltoca-
cjh nos pe juenos lugares do interior a seo
apwzimento, que ser o principio dominan-
te at sobre o principio de antiguidade.
eouforme o projecto, systema que tal vez
cau-e grandesincoveniencias ao pub ico ser-
Mce e transtornos justica.
O S. Di'que-Estiiada Teixeira:-Ap-
poiado.
O Su- Tiiedoro da Silva : Tenbo conhe-
cimento di paiz. Por va de regra, ha m
de tres ou qualro mooj de exercicio, os
jniz9S que servem as comarcas do interior,
nnie fervem intrigas que invollema tod's,
esto impossibibtidos de continuar. ( Apoia-
dx<. ) Invoco a experiencia dos Dobres
deputados sobre as desvantagens daquella
permanencia ds juizes de 4 a inlrancii,
tientas as circumstancias a que alludi; per-
manencia que nem ao menos constitucio-
nal, pois a constituico se deu aos juizes
de direiloa perpetuidade, negou-lbes a ina-
movibiliilade. (Apoiados.)
E u {iianto, pois, por ura complexo de
leis nao conseguirmos isolar a magistratu-
ra ds lotis pohtcas o das localidades, dai-
Ihes outras in-piraces mais nobres e com-
paliveis com a grandeza de seu cargo, na)
i-.on'.orrerei com o meu vjta para e medida
proposla pelos noares deputados.
. Pinto Lima :Assim vai-se perpe-
tuando o mal.
O Sn. THEoaor.o da Silva :Alm de
que, as observaco-s feitas por alguns n-
ores deputados, com rela?3o ao processo
estabelecidu para regular os accessos e re-
mocQjs dos juizes, combinado o principio
de antigoidaie com o principio voluntario,
induzem-rn'i a pedir licenc para dizer que
em nimba l*imilde opinia esse processo
tem mnito de moroso, sena de impraii-
c.ivpI.
E cerlo que o nobre deputado imaginan-
do a bypo'.hese mais fivoravel de quanias
podeni o -correr, disse-nos que o juiz de
direito mais antigo. spenas vagasse alguma
comarca que llie conviesse, ou mesrao pre-
veinlo a probabilidade disso, immediata-
menh n'um caso ou com antecedencia no
ontro. endertcaria opportunamente o seu
requerimenlo de remoco. Mas ba urna
condicional nesia expl'CacSo a proximi-
dade da residencia do juiz de direito, pro-
ximidade que o habilite* a ter prompto co-
nhecimento das alterages qne forem oc-
correndo no qnadro da magistratura, a ser
ouvido ou f .zer-se onvir sem demora ; con-
dicional que so a pmcos, mu poucos ap-
plicavel.
Em vez daquella hypotliese, o que cora-
mummente succeder neste vasto paiz
que, espalhados os joizes de direito por to-
d) o seu exlensissimo territorio, ser in-
dis'pensavel esgotar prazos para ouvi-los
sobre suas remocOes para as comarcas que
farem vagando, conforme disDe o projecto.
Ao contrario da bypolhese que flgurou o
nobre deputado, supponha que o ju.z de
direito mais antigo est em Mato-Grosso ou
Goyaz. donde nao pode adevinhar o que se
passa na corte, nem prever casos de vaga.
Loso, preciso ouvi lo; se fr removido
seguir-se-ha para o provimento da comarca
que deixar o mean processo de audiencia
qiunlo ao inmediato juiz de direito mais
anlig) ; e assim por diante. Isto seria in-
termmavel!
O Sr. Pinto Lima :O fado de estar o
juiz em Giy.z. por exemplo, n3o o pode
prejudicar." E*t em Goyaz porque quer;
a antiguidade d Ihe melhor lugar.
O Sr. Theodoro da Silva :Entro agora
no exame das disposices capitaes do pro-
jecto, constitutivas de seu plano, sem que
possa boje occnpT-me de seos detalbes.
E-tou de arcordo, Sr. presidente, em que
nos logares sedes de relaces s haja juizes
de direito exercenlo a plenitnde das juris-
di-cues civis e criminies, suppriraidos nes-
ses lugares os j lizes municipaes. Assim,
damos o primeiro passs para o padiao
constituciunal de juizes perpetuos julgando
todas as ranas, j qnj n3o nos possivel
dcanca-lu inteiramente seno com o correr
dos lempo-. Mis confesso que nao pude
comprelnnder, sena" i por explicaces ver-
ba es de un dos i ilustres membros das
PAUTE KHGI \n\.
O HORSCOPO
(Gontinnaco do n. 198J.
XXI
Tentativas.
Annibal passou toda a noute ajoelbadu
ao p de um cruciSxo de marfim, que ha-
va n'um oratorio contiguo alcova da con-
dessa; j nao tinba f na sciencia ; punba a
nica esperanza em D.-us ; pedia-lhe com
ferventes sopplicas que fizesse um milagre,
se milagre era preciso, para salvar a exis
tencia da amada esposa, por quem teria
dado a sua sem hesitar.
As boras d'aqueda noute cruel Coran
compridas, como os ltimos das de um
moribundo.
As velas do oratorio coosumiram-se e
apagaram-se amas aps outras, sem que
o senhor de Rabn dse por isso, t3a sub-
raerso eslava na su; nrece
Entraram finalmente a dissipar-se as tro-
vas da noote, e alegre raio de sol, que
pareca de feliz presagio, penetrou tmida-
mente no oraiorio.
O conde, mais Crio qie aproprianeve,
vanlou-se do reclinatorio onde se conser-
commissoes, o systema da destribuico do
servi eito naqoelles lu-
gares oade s ellas fuoccionaro.
Bem sei, e claro no projecto, que as
illustres commissdes propoemqoe oe joizes
de direito se saccedam annoakaente no
exercicio das varas que actualmente s3o
privativas e por isso deixam de sedo; mas
o que elias nSo declararsm, como pretende-
rn faz-lo, que a jorisditcao civil e cri-
minal cnmulativa para todos os joizes de
direito. Cumpre, pois, corrigir a falta de
clareza que ba na redaecj.
Sou juiz de direito de urna vara especial
e fallo cora experiencia. NSo contesto q>e
baja conveniencia na cessacla de certas ju-
risdicces especiaos, como a do commercio,
par3 que suas funccOes se tornem comola-
livas. S assim conseguir-se-ha que os jui-
zes, em vez de conbecimentos sobre urna
s especialidade de direito, os adquiram
com relaco aos diversos ramos do mesmo
direito. Actualmente os juizes cbagam s
relafes sabendo somenie o direito crimi
nal, e alguns dos que servirn! v>ras espe-
ciaes ou privativas, a especialidade que as
constitua; e j tarde para que aprendam
o que gnoram dos outros ramos.
Que baja conveniencia na soppressSo e
melhor orgMnisacao de taes varas especiaos,
nao o contesto eu ; mas n3o me parece que
s Ilustres commisses, supprimiodo as,
acertassem com o melhor modo de destri-
buir o servco para tjue se conseguissem
aquellas vantagens. Bem se comprehende
que S'.rvindo annualmente cada juiz de di-
reito urna das varas especiaos, e na corle
ha seis contando"os dous auduores, s no
Qm de alguns annos, quando todos os jui-
zes de direito tiverem servido a sua vez,
que torna o primeiro na ordem do revesa-
ment vara em que esteve urna vez. J
elle nao recordar-se-ha dos estudos que en-
cetou e fez no anuo que Ihe couba servir.
Em surama, com tal systema de revesa-
ment annuo os juizes ou ficarao com urna
falsa sciencia di superficialidades, ou quasi
to ignorantes como agora. (Apoiados).
Demais, observo que as varas especiaes
de commercio, de orph3os, e tambem a pro-
vedoria de ca ellas e residuos, alm da
parle contenciosa, teem outra parte admi-
nistrativa de grande importancia. Se a ju-
risdcc3o contencio a rege-se por leis ex-
pressas, processo definido, meios de pro
vas estabelecidos, de sorte que o zelo do
juiz intelligente e estudioso encontra as
leis, nos processos e as provas as nicas
bases que ha para a decis3o das questoes
contenciosas, na parte administrativa, em
que o juiz procede magis impert, quatn
jurisdictionis, isto mais pela recta von-
lade...
O Sr. Ferreira Vianna:Pelo pruden-
te arbitrio, verdade.
O Sn. Theodoro da Silva :Mais pelo
prudente arbitrio que Ihe do as leis do que
por ellas que se calam; como pde-se pres-
cindir do conbecimento dos homens e das
cousas, nico meio que habilita a exercer
aqu-lle prudente arbitrio? Como adquirir-
se-ba esse conbecimento, cousa t3o difcil,
no curto espaco da um anno ?
Por exemplo, as varas commerciaes as
attriboices concernentes s fallencias sao
administrativas ; o mesmo acantece as pro-
vedorias do capellas acerca dos testamenta-
ros, tomada de suas contas; o no juiz i de
orpb3os, mais administrativo que qualqner
ouiro juizo, a respeito de tutores, suas
contas, administrado de bens de orphSos,
etc. Pois bem; entre qualquer juiz para
algomas d?ssas varas especiaes pira servi-
la por um anno smente: como ha de des-
embaracar-se dos ardido fallido ; quecon-
fianca ter nos administradores de massas
fallidas; como destinguir o tutor probidoso
daquelle que delapida os bens dos pupilos;
quanto lempo consumir para conbecer a
moralidade dos testamentemos ? .
Se, pois, prevalecer o systema do revesa-
ment annuo dos juizes as varas que s3o
especiaes ou privativas, veremos os maos
resultados que se colher delle, quanto
soffrer a administraco da justica. (Apoia-
dos).
Imaginem as Ilustres commisses outro
systema menas perturbador que esse, caso
supprimam se aquellas varas. O que sena
lgico era torna-las cumulativas a todos os
juizes, como pretende-se faz-lo quanto s
l'uncces civis e criminaes. S?, porm, esta
idea tem inconvenientes praticos, se sua
adopeo oppe-sa a nalureza das faneyois
privativas, por exemplo, do juizo dos Ceilo3,
se ella n3o pode ser acceita sem que sees-
tudem as alteraces que deve ter a organi-
sacio dos' cartorios e a destribuicSo do ser-
vico pelos escrives; nada disso justifica
que tal idea seja repellida in limine.
As Ilustres commisses, maniendo as au-
ditorias de guerra e marioha como se acbam
organisadas, comprehenclem os juizes de di-
reito qoTictualmente os servem numero^ dos
juizes que devem fuoccionar cumulativa-
mente, sendo aquelles cargos exercidos
vava ajoelhado havia tinto tempo, e entrn
na alcova; escorria-lhe a testa em suor fri;
o seu coraco apenas palpilava. Que sen-
lenca ira ouvir ?
O velbn doutor, que estava de p ao lado
da cama, fez-lbe sigua! para se approximar
sem ruido. Annibal inlrrogou-o, ou para
melbor dizer,' implorou-o com a visti, o
meoico responden em voz to baixa, que
o senhdr de Rahon adevinbou mais do que
oo*io estas palavras :
J passou a fdbre e o delirio ; est
iormindo, salvou-se.
Assim era a verdade. A crise prevista e
annonciada passra-se durante a noute. A
senbora dj R ihon j nao corra neobum
perigo. A sua convale-cenca bavia de ser
mnito rpida, e o mo parlo, que de prin-
cipio se julgava ioevitil, j nao se temia.
Por conseguinte, o marquez ,c^mmettera
sem resultado um dos cnmtes mais infames
que regiatram os annaes da p9rversidade
humana.
Qaando o conde, radiante de alegra, an-
nunciou ao seu querido prente, ao seu
melhor amigo, queja no existia o perigo e
que pintamente com a m3i se bavia salvado
o filho, te ve Saint-Mxent urna grande de
cepc3> ; pareceu-lhe que Ibe davam na ca-
bera uma forte paulada : mas nos j sabe-
mos que em pontos de dissmulac3o, era o
nosso here um mestre consummado;
guardou, pj, a ira que senta as trvas da
sua alma, e ngio uma aldgria t3o sincera,
que o conde, enternecido, -n3o pode deixar
de Ibe agradecer.
All ido finalmente dos tormentos atro-
zes qiifi padecer, quiz o senbor de Rahon
saber d'onde proceda aquelle erro singu-
lar, at inexplicavel, segundo pareca, e
conforme o systema de revesamento annuo.
Nada lao se nao me pare-
cesso preferh Ilustre depuUdo por
Minas, em virtud do qoal os actuaes lud
lores passam a ser considerados joizes de
direito nos lugares em que servem, aendo
nomeados d'ora em diante para aquelles
cargos os hachareis qne fenbam habilitacoes
semelbantes s que se exigen para ser juiz
municipal. Como elles esi3o constituidos,
obscura e defectuosamente, sera jonsdicc3o
prepria, n3o preciso maior habilitado.
(Ha um aparte).
Sustento que nao preciso melhor babi-
litac3o que a dos juizes municipaes: estes
teem attribuicoes mais vastas e importantes
que as mesquinhas attribuicoes dos audito-
res, exc-)pco feita de abrumas que cabem
ao de marinba. Como est> organisadas as
auditorhs, n3o mister a exigencia da ba-
bilitacSo do jai* de direito. Com vantagem
servram de auditores na campanha do
Paraguay simples hachareis sabidos das fa-
culdades.
Seja como fr, urgente tirar os audito-
res da posicSo indefinida- e pouco decorosa
em que est3 <. Succedendo os actuaes aos
aud lores dos regimemos, regulando-se
ainda boje pjr anacbronicas disposic5es
desconnexas do tempo da metropole, cap-
t3es os mais modernos da classe, porm es-
crivies de processos militares, pasto que
membros dos conselhis de guerra, cumpre
tira-Ios de semelhante posiclo qne cons-
trange, para dar-Ibes a que devem ter de
magistrados.
Posto que reconheca que agora nao op-
porluno curar da reorganisac > dos tribu-
naes militares no projecto que se discute,
insisto sobre a urgencia de lo ulil raelho-
ramento. Sabe V. Exc. oque oconselho
supremo militar e de justica ? um quinto
poder do estado, exercenlo fuoccoes de po-
der moderador! Eu fui auditor de guerra,
e sei que, pela desprqporcao e exagerad-
sima gravidade das penas dos celebres arli-
gos de guerra do conde de Lippe, o conse-
ibo supremo por inspiraces humanitarias
omnipotente. O seu arbitrio, quasi sempre
bem inlencionado, pode fazer da branco
prelo e do redondo quadrado, se assim Ihe
aprouver. o que acontece sempre com
as leis severas e dracanian is ; s3o Iludi-
das, n3o se executam, como n3o se execu-
tam os artigas de gmrra, cuj pena domi-
nante e quasi exclusiva a do arcabuza-
mento, app icavel quer ao erimo do simples
rasgo de farda, quer ao de traico ban-
deira nacional (Apoiados).
O anno passado eu propuz que se no-
measse uma commissSo afina de rever o
projecto do cdigo p^nal militar, organisado
pela commiss3o presidida por S. A. o S-
conde d'Eu. Nao sei, porm, se a Ilustre
commiS3o nomeada j deu parecer sobre
tao precisa reforma de nossa legislaco. E
urgente, urgentissimo qne o faca.
Seja embora pessima a organisaclo actu-
al dos tribunaes militares, pessimo o pro-
cesso por que se regera e horrorosas suas
leis penaes, reconheca que nao agora a
occasi5o defazer-se toda essa reorgamsaf3o.
Sr. presidente, curioso o systema de
substituicSo dos juizes, tal qual o imagina-
ran! as Ilustres commisses : ba o juiz de
direito da comarca vizinba, ha o substituto
propriamente dito do juiz de direito, ha o
juiz municipal e os suppientes deste : qua-
lro ordens de substitutos!
Esta maltiplicidade de supplentes prava
qne nlo nuurai nem simples, c antes ar-
tificial a organisacSo judiciaria que as illas
tres commisses propoem. Suppro a de -
monstrac3a que devora fazir da incoheren-
cia, morosidade e < utros delitos de tal sys-
tema de substituicSo, referindo-me ao q ie
hontem ouvi do meu nobre amigo depilado
pelo Maralo, cuja inielligencia lucida poz
em evidencia os inconvenientes pratuos de
semelhante plano.
O Sr. Gomes de Castro : Isto banda-
do do nobre deputado. I
O Sr. Theodoro da Silva : A respeito
dos juizes municipaes, juizes temporaria-!,
preparadores simplesmenle ou tambem jul-
gadores, eu apressome a reconbec-los
como ioconstitucianaes, tomo tambem cob-
fesso que as actuies condices da paiz an-
da servem de oastaculos a que s tenlumos
juizes conforme o typo laxado pela consti-
tuic'io. i
Alm das difBculdades que acamp'nham
a reforma da organisaca judiciaria deste
paiz, atientas as suas circumstancias topo-
graphicas, fiaanceiras, polticas e de nassos
dstumes, accresce a da propria constituica
com o seu padro de juizes perpetuos,
nicos que reconhec:. Sara possivel t los
dedo a paroebia al a cabeca de comarca,
por toda a parte como ella quer 1 Este de
sideratum s se poder realizar em t3mpos
ainda distantes; por ora, u t.
verdade que pessoas esclarecidas em
nosso paiz e at alguns estadistas seus en
lendem qu. alm dos juizes perpetuos da
constituicSo, n3o ha prohbc3o de que ou-
tros fnnecionero sem a condic5o da perpe
taidde. Esta inielligencia especiosa n5o
sostentjvel em Cace da clara disposico i
titociooal.
O melbor, o mais decente reconnecer
o obstculo, e embora seja impossivel re-
mov-lo j, approximarmo-nos cada vez
mais do rypo constitucional para que em
circumstancias mais Celizes possamos alean-
ca-lo, visto como por ora n3o possivel or-
ganisar as justiras de inteira confarmidade
com elle.
O Sr Ferreira Vianna : Oh I
O Sr. Theodoro oa Silva : V. Exc.
nao me ouvo, ou smente oavio a ultima
pbrase ; do contrario o3o ter-se-hia admira-
do. Aqai esto os n issqs collegas, que,
acompanhando todo o meu raciocinio, nao
proferirn) nem proferem a raesma excla-
maco de V. Exc, pois sao sensatas as
minhas reflexes.
O Sr. Ferreira Vianna d am aparle.
O Sr. Theodoro da Silva : Imagine
Y. Exc. as combinaces que Ibe parecer,
pergunto se pode eslabelecer desde j, nos
termos da constituico, juizes perpetuos por
toda a pirte, em lodos os recantos do Ira
perio ?
O Sa.. Ferreira Vianna : Que duvida t
O Sn. Tiiodoro da Silva : Visto que
V. Exc. nao quer reconhecer essa impossi-
bilidade, que, coma todas as impos>ibilda-
de insupraveis; attenna pelo menas a des-
cooformidale constitucional assignalada, eu
nada mais tenbo qne responder.
As- minhas ideas sao mais sinceras e pra-
ticas. Nao proclama opposic,3o constitui-
co tanto que em respeito ehomenagem que
ihe devido, lembro a conveniencia de con-
ferirse aos juizes municipaes a vitaliciedade,
se m?recerem a reconducc5o, visto n3o de-
ve rmos dar Ibes com a sua simples nomea-
Co essa importante garant'a para sua inde-
pendencia, que adquirirn) depois das pro-
vas de seu noviciado.
(Ih algn* apartes.)
O Sr. Thkodouo da Silva : Se parece
diminuta e nsuflicienie a prava de qualro
ann s de bonr serviros, reconhecidos p-da
recooduccao. estabeleca-se o prazo mais
I mgo de seis ou oito annos para a requi-
sicao da vitaliciedade.
Ha duas \antagens ne-ta iii: a prraei-
ra, consiste em approximarmo-nos da cons
tituinao, n5a sendo prudente conceder a per-
petuidade ou vitaliciedade sem provas de
aptido; a segunda, a do noviciado dos
juizes municipaes antes de conseguirem
aquella garanta, noviciado que se nao dis-
pensa n'outros paizes, e sem o qual ella
converler-se-hia em grande perigo.
Deste modo poder-se bU incumbir aos
juizes municipae3 com especlativa vital).
ciedade ou com ella j adquirida, nao s o
preparo como o julgamenta de todos os
feitos; assim remover-se hia ou minorar-se-
bia o obstculo constitucional de que juizes
temporarios n3o devem ser en ;arregados da
aobre funceao de jnlgir; obstculo; que
consli ue o tormento de todos os projectos
de reforma judiciaria, como o actual, no
qual inculcoo se que os juizes mnntcipaes
seriam 13a smente preparadores de pro-
cessos
Alm de que este systema de juizes pre
paradore ensaiado pelo cdigo do processo
n3o provou bem, parque com o julgamento
obrigado ao allegado e provado fra das
vistas do jolgador, o preparo feito gotosa-
mente seria um meio de conseguir-se sen-
tencas injustas ; accresce a insufficiencia do
noviciado de taes juizes preparadores, pois
s aprenderiam a se juizes chican^tas, co
nhecedores quando muito da marcha dos
processos, mas ignorantes da sciencia do
direito. (Apoiados.)
Mas as i lustres commisstes n3o pode-
ram manter a linha divisoria ent-'e juizes
municipaes preparadores e juizes de di
rei'o julgadores.
Pelo projecto compete aquellos jalr
gar s questoes queji3a excederem de 500(5
com appeaca para os juizes de direito ; e
sejam quaes farem as razjs dessa dispo-
sico, boas ou ms, pouco importa: o certo
que ella acabou com a tal lin^a divisoria,
com offensa da constituico, cuja prescrip
C3a as Ilustres commisses asseveram ter
salvado.
Essa canfuso se completa ainda mais,
sem que as Ilustres commisses o presen-
tissem, com a oo^rvaco do; aggravos de
petic) e instrumento, cuja decis3o fica per-
tenc-'ndo aos juizes dedireito: roas senda el-
les interpostos era muilos casos de'sentenca-i
cotr- farc de definitivas, claro que, n31
sendo explicado oproj;cto neste ponto, taes
sentencas que admittem o recarso de ag-
gravo competem ao; juizes municipaes.
O Sk. Ferreira Vianna d um aparte.
O Sa TuEonaR dvSilva:Vi dcses
que cooopprtam aggravos sa multas vezes
Qterloculorias mixtas ou quasi definitivas.
Pois n3a s3o casos de aggravos os jura-
mentos sobre competencia, sobre absolva
de instancia, sobre embargos oppostos na
preciso,
que Uvera to fataes consequencias para
sua esposa.
Como era qae a senbora de Rabn, Saint-
Maixent e a formosa Olympia tinbam julga-
do conhecer Kebir no cavallo desenfreiado
que, depois, de ter atravessado como um
relmpago a alameda, se d;ixra cahir ao
p da escadinba ?
A explicado foi simples, pelo menos na
apparencia.
Os noss"bs leitores sabem que Mesrour,
o oulro cavallo rabe, e o seu companheiro
Kebir, se pareciam como duas golas d'agua
ou como dous copos de nev : tinha-se
encontrado o Mesrour solt, com as joe-
Ibeiras ensanguenladas e relinchando de
dr do paleo das cavallaricas.
Suppoz-se naturalmente que o nobre ani-
mal, furioso por que o tinbam separado do
Kebir, bavia quebrado a cabecada e fgido
da cocheira, e que, depois de galopar pelo
campo ao acaso, tomara outra vez o cami
nho das cavallaricas. A semelhanca perfeita
dos dous cavallos que fra o motivo de
tudo mais.
A expiicaco era plaosivel, e foi geral
mente a ceita sem restrieces.
Quem poderia suspeitar, efectivamente,
quo Lactancio. depois de ter affastado os
palafreneiros com futeis pretextos, facilitara
Lzaro o levar Mesrour atravz do bos-
que, para depois Ihe dar a liberdade ao p
da alameda de castanheiros ?
Ha certos crimes 13o mysteriosas, tSo
astutamente combinados, que a imagnac5o
humana n3o pode prev los, e era (Teste
numero o que se acabava de commetter.
Todava, Saint-Maixent n3o se deu por
vencido, apezar daquella primeira derrota;
antes, pelo contrario, dea tratos imagina-
Co, sempre fecunda para o mal, buscando
novos meios de alcancar o negro fira que
se propunba.
Nos dous raezes que se seguiram pri-
meira decepc3o do marquez, houve tenta-
tivas de todo o genero.
Em certa noute das mais tempestuosas,
declaroo-se um incendio posto por m3o oc-
culta, exactamente por baixo dos aposen-
tos da condessa.
As chammas e o fumo cercavam j a
senbora de Rahon, meio desmaiada de me-
do, quando Andbal, que logo f dar, se precipitou no meio do ncendio, e
salvon sua esposa nos bracos. Deitou-se
conta do acaso a culpa do accidente, que
afina! nao teve outras consequencias.
N'outra occasio, um espelbo de Veneza
com moldura de chumbo e ferro, que tinha
peso enorme, soltou-se da parede e fez-se
mil pedacos no cb3o.
Poucos segundos antes d'elle cahir, tinba
a senhora de Rahon estado asseniada diaj)-
te d'esse espelho para dar o ultimo aperfei-
coamento ao seo toucado.
Os grossos cordes de seda que o pre(i-
diam s argolas cravadas na parede, pare-
ca qae tinbam sido gastos de proposito
para produzir uma destaca ; mas a sun-
posico 13o disparatada qae raiava no im-
possivel, n3o havendo de mais a mais nf
nbum motivo que justificasse tamanho crli-
me.
Declararan), pois, o conde e a condessa
que as apparencias nao pa-savam de simples
absurdos.
Ni foram estas as nicas tentativas.
Saint-Maixent nlo se cansava de repetir os
cobardes ataques, nem de preparar as
trvas as soas emboscadas, mas a Provi-
causa ou na execuflo, etc., etc. ? 5e dos
aggravos de taes docises conhecem os joi-
zes de direito, como dispfc o prjyecto,
porque as decisds ficam pertencendo ao
juiz inferior; mas este deve ser smente
preparador, conforme o projecto, no en-
tretanto tambem julgador naquelles casos,
A incoherencia manifesla.
O Sr. Sola Res :O jaiz municipal
smente preparador.
O Sr. THEODono da Silva : Mas defini
o projecto quaes s3o os actos preparato-
rios?
O Sr. Souza Res :Nio era
isto cousa sabida.
O Sr. Theodoro da Silva :Tanto era
preciso que ahi est patente a confusSo que
indico, Attendam-me bem as Ilustres com
misses; a miaa insistencia para qae o
projecto nao passe com o defeito assignala-
do, do qual podem resultar vaci'laces na
pratica. O que digo de fcil comprebeo-
s3a: os juizes municipaes preparan os
processos para qae os juizes de direilos es
julguem, a estes cabe decidir dos casos de
aggravos interpostos das decises daqoeuVg;
mas algumas destas decises, pelo regula-
mento de 15 de marco de 1842, sio quasi
definitivas; logo, se o projecto ou o rega-
lamento n3o fr alterado, continuam os
juizes municipaes com o direito de proferir
taes decises com forcas de definitivas.
Isto me parece evidente,
Um Sr Depctado : Assim parece.
O Sr. Theodoro da Silva :Estoa sof-
frego por terminar, Sr. presidente, po-qte
ja mais de onze horas e meia da noite.
Todava nao o farei sem algumas ligeiras e
incompletas observares acerca da organi-
sac3o dos delegados e subdelegados, oa
para melhor dizer, da polica.
E' rainha humilde opiniSo que andamos
correndo em demanda de ama cbimera
a separacao da polica e da justica. Se por
abstraeco pode o meu espirito separa-las.
sendo a preventiva a que previne o crime,
a judiciaria a que o descobre, colbe as pro-
vas de sua existencia, prende e entrega o
criminoso justica, e esta a qne o ouve e
julga; comtudo na pratica os limites qo3
se tocara destas tres espheras bao de ser
transpostos e confundidos, imaginem-se
quantas delimitaces quizerem, sem que se
logre a separacao perfeita daquellos tres en-
tes de razo.
Em theoria poder-se-ba estabelece-la.
como o fazem os publicistas francezes, que
tanto a recommendo, e delles que a im-
portamos ; porm mesmo em Franca seme-
lhante separacao n3o existe bem descrimi-
nada, e a polica anda travada com a ios-
lica. O que o ore seno autoridade
de polica administrativa ? E no entanto
elle prende criminosos em flagrante delic-
io, procede a corpos de dilicto, e a buscas
e visitas domicilian is, actos de polica ju-
diciaria, alm de que juiz nos tribonaes
correccionaes, funcc3o da juatica. Os oi-
zes de rastruefo, magistrados perpetuos
dos tribunaes civis commissionados peri-
dicamente para aquelle firo, j tem ampias
attribuicoes de polica judiciaria, tambem
prendem, verifican os crimes por meio de
corpos de dilicto.do ou aatorisam bascas,
etc. '
At o proprio ministerio publico, ootra
creaco diferente da polica judiciaria como
a palavra e o pensamento differem da ac-
cao, est com ella confundida e at Ihe
superior ; pois o procurador do re che-
fe dos offlciaes de polica indiciara, e d-
Ihes instrueces, assim como em casos de
flagrante delicto exerce por si mesmo as
funeces desses officiaes, como tambem dos
juizes de instrucc3o, prendendo, interro-
gando, procedendo a exames e as mais di-
ligencias precisas para a descoberta das
provas dos crimes. Que grade confoso
a de semelban'.e organisacSo I
Djrrais a isolacao da policii judiciaria s
par si nao.seria uma garanta 13o efficaz,
como se acredita, para a liberdide indivi-
dual, pois nada a pode vexar mais do que
a pris3o preventiva, as buscas, os eximes
pssoaes, etc. actos que presumppem um
certo julgamento por parte de quem os
pratica, da mdor importancia para liber-
dade civil e que s3o da competencia e na-
tureza da polica judiciaria.
O projecto n3o podia ser bem succedido
na supposta separac3o da polica e da jas-
tica : a sua linia divisoria consiste na pro-
nuncia, que nccompete mais polica.e sim
a justica; porcm el a exercer funeces de
polica judiciaria para a descoberta dos cri-
mes e de suas provas, antes de instalar-se
comojui!, como tribunal, e aquelle tambem
uor sua vez ser jaiz quando, depois de
conclu- suas averiguaos e diligencias
administrativas, constituir-se em juiz na for-
mac3o da culpa, que continua a pertencer-
cer-lue, menos a pronuncia, pois, segando
o parecer das commisses, a pronuncia
que estabelece a differenca eotre a policia e
a justica.
(Con/mtiar-se-Ao)
V.
dencia, que acceitou uma especie de duello
com aquelle infame, n3o se cansava de pro
teger a senhora de Rabn.
Chegou afina) o momento em que o mar-
quez teve de parar no caminho que segua
sem nenhum esultado. Os uliimos perio-
dos da gravidez foram t3o custosos, que
nem a condessa podia mecher-se da pol-
trona onde estava assentada, nem sequer
para receber as numerosas visitas que dia-
riamente iam ao caslello.
O conde de Rahon era um personagem
demasiado importante e bem quisto para
que nenhum dos fi talgos da provincia se
julgasse dispensado de aposentar as suas
felicitaees condessa.
O marquez sentia-se momentneamente
desarmado e reduzido impotencia.
E, defeito, que podia elle contra uma
raulher continuamente cercada do gente, e
que o marido n3o desamparava, nem de da
nem de noute ?
Oecorreu-lhe ama vez a idea de lancar
mo do veneno ; mas logo a repodiou, por
que o veneno, deixa vestigios terriveis, e
bastara uma suspeita, bistaria uma aecusa-
C3o, por viga que fosse principio, para
se espalhar a luz as mais profundas trvas.
As recordares avivanvse e encandeiam-se ;
confirma-se o que pareca duvidoso, aclara-
se o que se apresentava escaro, e o enve-
nador est perdido sem remedio.
Ora Saint-Maixent, que ambiciooava um
porv.r brilbante, nao queria commetter cri-
mes arriscados, quando podesse appellar
para oniros. Era bem entendido.
J renunciou ? pergontoo-lhe a formosa
Olympia certo da, ao ver qae elle nada
tentava.
Renunciar... ea I Isso nunca I Des-
agrada-me a pergunta, querida marqoeza ;
prova isso que nao me condece e que me
julga muilo mal.
Mas ento que faz ?
Espirar.
O que t
A occasio.
E qaando tira ella ?
Quem sabe ?
E se n3o vier ?
Esteja descancada : ea farei com qae
venba.
Tome conta, nao chegoe j tarde.
Eu nunca chege tarde o fim qae ama
vez me propuz, responden Saint-Maixent
dando aos hombros.
Esta resnosta socegoo a formosa Olympia,
e na obstante ia se passando o tempo
correndo os das uns aps de outros ; s
faltavam j tres ou qnatro semanas para se
chegar occasio do parto, e o conde, ebrio
de contentamento, mandara vir de Pars
um berco digno do primognito de am
re.
Nao obstante a confianca de qae o vimos
faz*>r gala no sea ultimo dialogo com a
senbora de Coavigny, Saint-Maixent come-
cava a estar seriamente preocenpadn ; pas-
saaa as. nontes alerta, e s vezes perganta-
va si mesmo com sombro abatimento, se
aqueHa imaginacao, to frtil at all, se
teria tornado infecunda no istante decisivo.
(Con/ini/ar-se-Ae.y
YP. DO DIARIO RA QUE DE QAXU&


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EXVBH8MO1_PU0F4U INGEST_TIME 2013-09-14T04:25:20Z PACKAGE AA00011611_12204
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES