Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:12199


This item is only available as the following downloads:


Full Text
ANUO UVI. NUMERO 23.
PARA A CAPITAL E LGABES OVDE IAO SE FAGA POITE.
tros mezes adiautados.......... *-^^
rH seis ditos idera........... 4!X
l'oruminDoidem........... .... ix^uw
Cad* mamero avulso........ ..... aao
SARBADO 29 DE JANEIRO DE 1870.
PAKA DEITIO E FOIA DA FlOVIfCA.
P tres meses adiautados.............
l\r seis ditos idem.........
Por nove ditos fdem......!!!!!!!
Por om anno idem .... '
750
131900
ao#aoo
37I00O
Propriedadi

AO AGBOTKH:

Os Srs. Gerardo Antonio Alves & Futios, no Pari. ; Goaplves A Pinto, no Maranho
Peretra
; Joaquim lose de OltTeih, no Cear ; Antonio de Lemos Braga, no Aracatj ; Jo2o Mara Jofio ChaTes, no Ass ; Antonio Marques da Silva, no Natal Jos Justina
d'Almeda, em Mamangoape ; Antonio Alexndrino de^ Lima, na Para^ft; Antonio Jos Gomes,' na Villa da Penba; Belarramo dos Santos Bulc3o, em Santo Antao; Domingos Jos da Costa Braga,
en Naiareth; Prncisto Tamas da Costa, em Alagoas ; Dr. Jos Maftins Alves, na Bate ; e Jos Ribeiro Gasparfeho no Rio de Janeiro.
<-i
4
PAEE1 OITICIAl.
UIsKI/ta da fazeada.
m-twto *. 4.4S0 m 8 OE JANNRO 1870.
Hrtfitln tstmistdo ate ttulos de garanta dan rner-
rm dorias r!fpautado* nos armazent das alfande-
mms e omRftmhMU d* dctas.
Usando d.-i autoriearo conferida pelo art. t. i
indo decreto .*,Hti de 13 de outubro do aor-
raatsaoto. Hei sor bem que na emissao das ti-
"tatas de garanta das awrcadorias depositada Dos
armnzims a carpo da^-atfaadegas ou companhias
de docas s i observe o regatameno que cora este
tama. a?igaado peto vennde/ de Itaborahy, con-
aMketrO'do e-tdo, senador do imperio, presidente
4e *a*dh)4e-iralniiros, ministro reerelario d>
odado doaneivcius da t'azenda c preswtame do tri- naos.
iMrnt'du'tarpoira.sackmal, que assim o tenha en
NfcftNSa 4 fa Miaeotar. Palacio do Rio do Ja-
stetrt, em 8 de Janeiro do 1870, ir- di in lepen-
itacia -o <* imperio.-tiara a rubrica de S. M. o
. Mufrtrmlnr.VMeoade tJtabortihy.
legHlaiarnlo para a emissao de ttulos degaran-
ta Ha* ntertldorins depositadas nm arma xas
das ntfatHtntm m companhias de dora.', a. que
' v/V)vr o (tanto n. 4,450 delta dala.
A^attoio .dos-titulea 4e garanta, a que sa re-
Te o i IP, art 1" d* decretlo, i.746 de 13 de ou-
:1odi j8tP. ser regulada pelo modosegtiinte :
I.' 1 si blef um dos titulas, o dono ou consig-
natario da mereadorin depositada nos armaain* a
cargo das .*lta>i4e?;'.s ou companhias da docas
ft- Mar.v a mapf olivo emheeiineuio de carga,
mi i lo de um pedido, datado e assignado,
i (pial o declarar:
I A lata da entrada da mere ador i a ;
i* i) i i n o oinse do navio que a liver ira-
i :
-',.' A qtiMlidado, oipecie, marcas, nmeros e
IMwtrafai do vntumes;
f 4 iiuandade o qualidade da mercadoria de
!|ire ai recentar a musir para ser archivada;
.'' O valor da mercadoria sejr lundo a factura ;
ft* Ounoiqner ontras indicaees que estbele-
fm .-. iitonlidado da mercadura.
' i.' Verileado a existencia das mercadorlas nos
um nthnfigt mi nos da compauhia de
nm livio (!; talan, no ifual sero declaradas t -das
M erettHHtaMiw mencionada! nn pedido, de que
trata c ai lito antecdeme, e mais o numero do
'a! i ;;r amiente a> livro do ttt, a laxa de
/ 0*0 do votar total declarada 4a mercadoria, o
uonw e domicilio* do .depositante, e o nt(n?ro da
'iino.ira.
'.\a verso scrao taiKor^ptas as disposicoes deste
;egularaento.
o ,!'!,';; inlp pastar'o recibo do titulo no ta-
iio respectivo
i'if ; i? do titulo, do livro de, tallo o da
din res,.ectiv,i sofo Dotados nos onlieeimentos,
pie Mrao ern deposito at a entrega da merca-
doria.
'i.' : ttulo do garanta noder comprehender
- vi 'ai,- s dPDositadps, on mencionados nos co-
imenli de carf, parcial ou integralmente,
t'aaendfi-se as precisas a\-erbacoes no* referidos
niil'.i.eiir nti i: mas nunca parte de um volume
ua!?uiiKi- niercadorias perteniahtes aura ou
entro Mivottirta.
(\- litnl s podera i ser divididos e subdividi-
igreja matriz de S. Amaro de Jaboatao. Informe
o Sr. inspector da thesouraria. provincial.
Ignacio fos Pinto. A' vista do iiue dispSe o
art. 116 da le u. 369 de 14 de maio de 1855, nao
lem lugar a qne requer.
Jos Isidoro l'ereira do Reis.Ao Sr. inspector
da thesouraria de faeonda coro a portara desu
data.
Joaquim Ribeiro de Agular Montarroyos Jnior.
Cooceda-se- a lieenca. requerida eom o Vencraenlo
que tu rcebe
Joao de Souia Leao.A" vista das iofbrmacoes
nenlinms providencia tem esta presidencia a dar :
entretanto o snppiicante so Ihe convier, poder em-
Eregar os meios a que se jugar cora dtreito para
aver a ndemnisacao de que trata.
JoSo Goncalves Torres.A' vrsta das fnforma-
cies, aguarde o supplicante a decis- o dos tfibu-
Laurcotino Alvos da Fonceca. Informe o Sr.
coronel commandante superior nterin.) da guarda
nacional do municipio do Recife.
Luis Francisco de Panla Ramos.Informe o 8r.
coronel eoramaudantn superior interino da guarda
nrcioual do municipio do Itecife.
Mara Matliildes Uvalcante.Tendo a petirao c
documentos, a quo allude, semdo de fundamento
a ordem expedida a thesouraria provincial em por
taha desta presidencia de 22 de |unhn do anua pas-
sado para pagamento da que entilo requereu a
| supplicante por seu procurador, nao tem lugar o
que requer.
Ponciano Carneiro da Rocha, Joao Raptista da
Silva, c outros. Expecase ordem.
Tranquilino da Cruz Ribeiro. Bxpoca.se or-
dem no sentido que requer o supplicante.
i i- :; vuntade-dos poasuidores, observadas sempre
as disposifScc do artigo aotecedeote, roas nao se
retirara mais de 101 de cada lnlo parcial, qual-
iaer que si a o valor dedarado da mercadoria.
o titulo, ?c faja notar no livro do
un; ispeetivos volumes com alettraG
o dos envoltorios dos proprios vo-
lam* so imprimir a inosma letlra a figo, ou
fom .hia vormelna, como lr lulgado mais cen-
inte.
F.''i i.-;., nao s^apAer preceder abertura,
inri de mnttfco, despacho ou entrega de
vnluTic se nao vista do pro; rio titulo.
\ iranferencia da proprieilade das mercado-
vas ii'i'usit.iaas se ojiora na forma dalpgislacao
m vigor, por forca do endosso dos ttulos de ga-
an'.ia, os quaes rerao equiparados, na conformi-
dn r.rr. 587 do cdigo eommcrical, aos co-
nb<'j 11 carga.
A trausf'Teneia de ver ser averhada nos assen-
. n:-.(.i:iii.lu s^' a taxa de 1 % da ira-
a da piiisQ,
A v.iii ai. as'-ignada pelo cessionario, ou
Uingne i rniptsiaiiilididn doce-
-. a alfaudega, a qual passar para
i i'.'":op. f. i com o.preenchiacnlo desta fonnali-
,
8.' Xo cas3 de perda d titulo por extravio, fur-
'qnrr sinislro.- uio sera I mecido ontro
ie a ni-iv a doria senao dez das de-
le atinanriaila ;. refurid pierda nos jornaes
circu co, o por editaes ntlixudus oa
i i i'ii i.) u lugares uns pblicos,
i i nlguam a rteelamir o sea di-
A dos annuBoios c mais deligeucias
ma da liarle interessada.
expedir i titulo se cobrara meta-

'i kVaafas ou qoaequer prejuios
<:ce sjnerca ras. de|ins de espedido
ibtia, sera) iudemnisados mediante
i nmnm aeenrdo, quando esta
dar, por tres arbitroi, dos quaos um
oiirumpanhin de docas,
trie e o t ceiro por ambos, ou Bor-
1 frarantia do mercadoria? de-
sero vsignados pelos
fuanaa e rubricados pelo inspector: ou
ou administradores da companlna
os das-m readorias depositadas em sens
ftjMiniua naponsabilidade cabe as allaude-
IfMtM d
aufn .respaila a oliecth'a prapriedade dos
tj-wascinnadi s o- ttulos de garanta, se
constar ilus conlusaimenlos de carga;
nJ. auantidade e qualidade da mercadoria
MaiV-pcI'is damnos e prejuizos que
Mqadtifia depois da emissao do ti-
i Ou por ac^ao dosagonlps
-na dono da mercadera especi-
ar do mesmo titulo, urna
aMieciila a sua identidade, c
r codosso leiih.un sido re-
i coinpettioiiente averbadas.
m 8 de janiro do 1870.V/s-
UoTerao da prtrloela.
l'\ rB0V!CIA DO DA
i-ereira de liapo.Io-
r ler provedor d* Santa Casa
liuedes Aloofora-
't,T Ja thesourartidea-
Itcii.irtifo da polica.
S* seecaoi-*Secretaria da polica de Peroambu-
50. 28 de jaoeiro de 1870.
N. 131Illm. e Exm. Sr.Levo ao conheci
ment de V. Exc. que, segundo consta das parti-
sipacoes reeebidas boje nesta reparticao, foram
reoolhidos hontem casa do deteocao, os seguin-
tes individuos :
A' ordem do Dr. jniz municipal da 1* vara des-
ta capilo, Alexandre, eseravo de Francisco Mo-
reira da Costa, por estar pronunciado como in-
enrso as penas do art. 201 do cdigo criminal.
A' ordem do Dr. delegado desta capital, Vtcanle,
eseravo de Aotonio Francisco do Agoiar Fonseca,
requerimonto dwte.
A' ordem do de Sanio Antooo, Heoriqnea Flora
Rehuir da Costa, por crimo do fermeulos, e Do-
mingos Joao, por in/racrao do posturas manir
eipies. '
A' ordem do do S. Jos, Pedro Alexndrino de
Alentara, Miguel Tliomaz Rodrigue de Freilas,
Jesuino uilherme Dias, Sauool Francisco daEn^
camacan, Jos Bernardo dos Res Correa, Luiz
Jos do Mascjmento, Joan Cosme Ramos. Jovino
Vtris--iirw dos Santos, Manoel do Macunalo, Ma-
Jioel Francelino de Barros, Gregorio, eseravo de
Jo-e da (lost?,, Joaquim, eseravo de artoet lordao
Caldeira, Malinas, eseravo de Theodoro Cliristian-
sen, Martinho, eseravo de Thorac Joaquim do Ro-
go Burros, o Joaqaim, eseravo de Francisco de
tal. por disturbius.; Joan Jos Wireira, Candido
Alexandre Itamo, Candido Jos Pessoa, Manoel
Rodrigues da Sirva, Jlo Baplista Gimes da Luz,
Rento Jo^ dos Anjos, Joao Jos do Nascimento,
Luiz Manuel Anuncio,.Manoel Albino Marinho,
Lulgero lirasilino, Luiz da Costa Jfoguei rae Fran-
neKno Caelano do Carmo, como jecrutas ; Lui?
Antonio do Nascimento, por desortfem; e Dionisio
Marques, como su-fibito de ser criminoso.
A' ordem do da Boa-vista, Antonio, eseravo de
Francisco de S Brrelo, por crime de furto.
Deus guarde a V. ExcIllm. e Exm. Sr. se
ador Frederico de Alineida e Albuquerque, pr-
ndente da provincia. O chefe de polica, Luiz
lutonio hWnandes PinlufO.
i
Passsndo recibo
.-AoSr. Inspector da
? portarta desta data.
^crtmentos
U0XTEV1K0, 3 I> 1ASEIHO DE
Parte o Werneck conduzindo para esM corle a
correspondencia de A-suinpca at 30 do mez ul
tino, .trazida a esto porto pelo transporte Preti-
dente.
Osrios Paran e Paraguay estavam tao baixos,
que os paquetes da linha da esquadra, cuja pon-
tualilade foi notavel, nao podiam ullimameoto ua-
vega-Ios, sendo mistar organisar com outros de
menor calado, que podiam transpi.r francamente
os pnssot, urna linha subsidiaria em connexo com
aipiella. I)is|.osto lado convenientemente pelo Sr.
cuan Klisiario, por ordem do ministerio respertivo,
n servie i eootinuou a fazer-se eom regnlaridade e
sem angmentn de de?peza. Presentemenle j o Pa-
lana navegavel para elles ; pois- que no din27
j tinha 13 |>s d'agua nos passos man rasos, e o
mesmo Paraguay ja Ihe c accessivel at Angos-
tura, oito leguas abaixo de Assunipe.vi. Diz^m os
praticos mais entendidos, que do principio de mar-
co em diante poderao subir at Matto-Grosso, isto
, Caramba, na 'ios de 12 a lo ps de cala 11.
6 dia 29 fi.'qui mu fesejado por cansa da
'li'jada da dtvise oriental, oomiwsts de iiOpra-
eirs de pret, 40otli;iaes o o general D. lien rique
^;a^tro. Aconi|ianharam csti forca 200 mulheres
paraguayas, o qoe nao ser para estraohar, desde
que se suuli. r q.io nella vinham 100 paraguayos.
Ai|ui lies biavos, que lizeram toda a caiupatiia do
Paraguay e que m irevivorain aos sens camaru-
da, foram reeebidos com erando enthusiajfl&o p "
s-ii- compstmtas, e at pcli$ostrangeiros:liabi-
lanles da oapUal. U.- navios surtos no porto, njur
mercantes, qur de gu-rra, eiiibuideiraraiu
0 governo declarou o da feriado. Havia npite
illiiiniriacao, msica, fogjde artilicioe outros di-
verlimeutos adequados, vcio a cliuva, portn,
traostornar lodos estes preparativos, e aguar os
festejos.
Nesse luesmodia cliegou lamb-in o encouracado
Hervat, quo brevemente regressar ai Brasil, c
lionu-m oeusourapado Cabral, o a oanhoueira Ypi-
vanga.
Cim estes sao 6 os encurar.ailus retirados nes-
tes ltimos mezes da esquadra, o consta-me qne o
Sr. ministro da marino deu ordem para a lesei-
da de nutres. Cmio ja vimos em feyerein), cometa
a ser segura a Davegacaoi e entao puder fazerso
a projectada reduceau de uessa forfa naval no Pa-
raguas.
0> voluntarios da patria ostio oni Filela, lando
paraalli desci lo do Rosario. L'in dia regres>aro
ao Brasil igualmente o d'esie modo ferio diminui-
das sen-ivelinente as despezas do imperio com a
guerra, c minorarao os sa rao estamos fa-
zendi^e_gne_nada mais justifica agora.
^CrlfrWifnrioato de (]< raTflWyu'Shirez
nava no l'asno^Jo Paloneo, do Rio-Negro, com
800 horneas, o gnvrrrofc7 panh* para Taqnarem-
1 n ciironel Valiohos rom 100 humens do 20* ba-
lalho do fcaljHores. Sei parBcOlanrieWo que o
dito fenoral est em Ma estancia traoqijlllo e sem
inteocSo de levantar o poncho.
daerata de 27 fui nomeaio ministro da ta-
zedla nr. Den-ant Sewart, qua naturalou-se
citad I das antes dessa nomeagao. Ello
i. Assegura-se que
lazer atfeeliva a coanexio
em circulaco, contando
p Sr. Mackirsa foi im em Lon-
dres, llivia t di bom
^^^^MIq a pasta da fazenda as criticas situacoes cm que so
ictia o tbesouro nacional.
Muito -oesupou a attencao publica o duello que
deva ter tldo lagar^iuiue a nnni-ira da governo a
D Julio Harrera y Obes, um dos redactores do S-
ijlo, e para que se tenha exacto conheciraento
d'csse carioso Incideote da poluica d*este paiz, vou
narra-lo minncios'aihcnte conforme foi referido pelo
l>roprio offlcial quo os. prenden. A origein da
questao foi um artigo furibundo que siho no Su-
alo contra aquelle ministro, com o tituloQueslao
pessoal. eorroboraodo outros de igual torca, todos
assignado pelo mencionado D. Julio.
Como este artigo conclua com um dosaflo, e
Bustamante nao dvis que deisaO de aceitar estes
convites, tarda que em 18(56 deu morte ao mjor
Servando Martnez em duello de pistola aceitou
a Inva que Ihe era atlrada publicamente pela re-
dnecao do Syglo.
Logo que os preliminares da luta foram ajusta1
dos, Bustamante, o coronef Fajtola e o Dr. VIIDica
rennrrciaram seos empregos, o primeiro de minis-
tro do governo, o segundo de chefe poltico e de
polica, e o terceiro de juiz do crime de primeira
seceao, procedendo estes dous assim porterem
ido escolhidos por aquellcs para padrinhos. Her-
rera y Obes convldou para seu padriobo ao major
Filis, e a outro conservador, de appellido Gnr-
mender. Como era natural, o presidemo da rep-
blica oubo quObavia um duello entre.Bustamante
e Julio Herrera, mas nao sabia quaudd, neni on-
de teria lugar. Empenhando-se em impedido, or
denou que toda a tropa e polica fosse dividida,
com seus respectivos offlciaes, pela cidaita e arra-
baldes, dando as instruceoes precias para obter o
quo desejava, o ordem escripia de sea^roprio pu-
nho e firma para serem recolhidos presos em suas
caas, tanto os corabatentes, como os padrinhos
que os acompanhassem. Assim preparadas as cou
sas, eis o que succedeu. A' 1 hora da madrugada
dn dia 18 para 49, isto no domingo, estavam
Bustamante, seus padrinhos e o medico de polica
Dr. Piqucl, sentados as escadas do novo merca-
do e foram vistos pelo ufllcial que cima alluli,
o qual se esconieu as obras do theatro de Solis
para roelhor apreciar o quo elles faziam, e segni-
los em occasio opportuna. Momentos depois, 1
e um quarto pouco mais ou menos, nassa urna
carrnagem pela porta do mrcalo novo, que foi
reconhecida ser a de llustsmanla, e receben os
o/ie all -se achavam sentados, seguindo imniedia
lamento eom velocidade. -O offl.'ijl com algumas
pracas monta a cavall > c os acompanha, guardan-
do a distancia convenieoto ; ao ebegar, essa car-
rnagem esquina da ra de Ibicnhy, parte dessa
e*quiua outra carrnagem, e as duas toinam o ca-
ininho da Aguada, at i praea-do general Flores,
e uando all chfgam huscatii a estrada qoc vai
quinta do Huequard. Siesta oieasiu o offltsal com
os saldados so approximam das carruagens e as
faz pa^ar; os cocheirns obedeceram immediata-
menie, porm o major Eliis pivten'deu resistir, por
ignorar tslvez qne all ertm Currada eavaliaria
para sastentir a execiican da ordem do gverno.
Entao o oQicial uitim iu a todos que se recolhes-
sem presos s suas casas, sendo acompanhado*
pela forca de polica presente. Pag di declarou que
nao ohedecia esta ordem se nao Ihe fosse apre-
sentada per escalplo, ao que responden o offlcial
exhibindo a do qne estava rr unido, da propria fir-
ma do presidenta. .Nao hotive mais reluctancia, e
imped i-se assim o duello, que poderia ser fatal a
ambos os contendores. 0 combato era florete
e morte. As armas apprehendidas, e que foram
levadas ao presidente, estavam preparadas por tal
forma que nao preeisava muda f.nea para ser in-
IrodnzidaJa quaptidade do ferro preci-o para levar
deste ao outro mundo o lofelix que nao sotibesse
defender-se.
Este facto revela a exaltaeio dos polticos d'esta
trra, e faz tem*r secna deoloraveis no futuro.
Os Ramrez jnraram fazer desapparecer da sce-
na a Bustamante, porque o nroVo homcm qne
llies faz sombra, e qne os impede de entregar este
paiz s maos de lun Carlos (1 miez. Mu \i. e ou-
tros itrtcoHciliareis, que tudo acMna mo, ludo
quercm destruir, principiando pela constituigai, e
que atada nada edifcaram.
A influencia d'esles hunens agora no Eslado-
Oriental seria nina desdrta para o Brasil e para o
Rio da Prata.qn-i cunlligr.iriam de novo. Miobas
sympathias, portento, sah por Bustamante, que
iutilisa todos esses esforc/is e tendencias perni-
ei.inas.
. Bepnh d'e*to incidente foram retiradas :is de-
missoes, e todos centinnam nos sens lugares.
Dev.-m actualmente achar-so no Rio de faneirn
duas eelebrida le- medica?, que no Rio da Prata
eontiruiaram o lionfoso1 concert que d'elles fazia a
imprensa d.i Pacifico- Sao os Drs. Maga i o lieij-
noir. O primeiro esteve no Per, onde fc rftamsd
para fazer nina operafio t\* catarata que Ihe va-
iru a insignificante gratiftcaeao de trinta mil pa-
tacoes.
Em Buenos-Ayres fez elle tambera octavis'
operaeoes, e proven si r um hahili: simo oculista ;
o segundo especialista as molestias de beitoa,
c tambein distini'lii operador.
A guarda aactanal da Repblica Argeniina, que
fez parte do exerco de o|ieracoe rWtra o Para
guay. desnihan-i'U hmifcl na visinha capital, re-
cebendo urna ovaeio Bs^raida. Os governos na-
cional e pruvineiai rivali-aram as OViHOKWreoV
de apreeo a estes bravo-, e o pnvo excedeu os no
enthsiasmo com qiie os abracuii.
Uestes qnatro dias dovem marchar para nas
proxnncia- os batalboes do iob'ri"r, e consta que o
presidente Sarmiento os ,v miiaiiha.
L__^
>h Monasm^ fowos agradavetmente sorpreadMos
com a ebegada do Chnstouro Cofmi, quej I-
gut8appunJiam perdido, pela demora*avWa na
viagem. Em verdad* o navio cojreu seos rrsciw,
e Mwta-iiie que Breu ahjuirm cousa na machi-
apelo ipie est e reparo. O eombot qWo LV
t>* trouxe de Santa Baria composto de 7 em-
toweacoes. dn*s -grandes e cineo pequeas. Seus
leitores nao ignoran ne Cnlombo ede peqaenas
dimensoes ; om as emboreacoes que traeia pare-
ca urna dessas iHus de caravana ffue o enpriebo
das grandes endientes s vmm oondaz pelo Ara-
g'iaya abaixo.
-03 dous grandebotes qoe vioham aos ladod
A j citada Tribuna refero o segrate deporavel
acontecimento:
< Em Corrientes havia no poeto do Carrito uro
transporte e urna chata brasdeiros. No dia 2
voaraui estas dow embarcacoes, que estavam car-
regadas de plvora.
Toda a equipafen foi victima da ex|* sao, bem
como a muJher do capilo e oito crianoas quo na-
va a bordo. Foi o mesmo capito o" uraco que
nao morrn logo, mas- o sen estado gravsi-
mo. *
Na repblica Oriental' havia tranquillidade, o os
boatos de invasoes annadas do partido blanco
.pouco crdito eocontravaia. O governo prooccu
ment de cerca do 40 contos de ris vieram sera
novklade, se ten que com urna mgem trabamo-
sa, por cansa da grande -ecca deste anno.
- 18
Por carta imperi.-.l de 15 do corrente :
Fot oomeado seinuaiio da.provincia do Par o
bachare.1 Antonio dos Passos Miranda.
Por dccrelosda mesma dala
Fifi nomeado cavalteiro da ordem dt^ S. Bento de
Aviz o capilo do estado maioi de 2' dasse Bene-
dicto Jorge de Farias.
CuSeadeQ-sv menor Cinstanca Mario de Frei-
las AHmquerpe, ilh d i V cirrgfo da armada
Dr. Jus Candido d Freilas e Aliiuijuerque, a pen-
so mental de 42. igual ao" sold que percebia
seu pai, depondondo esta merc de approvacao da
asscnibla geral.
^ Coneedeu-se dispensa do lapso oe lempo a D.
rsula Martins da Cimba, Romeada dona de pala-
cio, por decreto do -S do agosto de 1866.
Por decretos de 12 do correle :
Foi nomeado:
0 bchrel Francisco Xavier dos Reis Lisboa,
juiz municipal e de orphaos do termo de S. Jos
das Caiazeiras, na provincia do Maranhao.
Pili concedida ao hachare! Jos Gomes de
Souza Portugal a demi.-sao que pedio do lugar de
juiz municipal e de orphaos do termo do Rio-Cia-
to, na provincia do Rio de. Janeiro.
Por portara de 13 de Janeiro do 1870 foi pro-
rogada, pjr tres mezes, a lieenca qoe teve para
tratar do sua salido o bacharel Theodoro Machado
Freir Perdra da Silva, auditor do guerra da
corte.
- 19-
Por decreto n. 1,451 do 12 do crrante' conec-
deu-se autorisacao sociedado Pliat macentica Bra-
sili ira, para dissolver n seu ni mte-pio, 0cando.ga
ranlidas as pensos existentes, e approvarani-se as
novos estatutos, >oguadoos quaes ella se torna pn-
ramente*itera na.
20 -
Tondojexniradoo prazo que o governo mareara
chamando ih-opostas para o seivi-o da navegaco
osteica d-.i a cargo rto comi-mhia Brasrfeira'de
paquetes a vapor, e bem as-tm para o da navega-
can lluvial at Matto-Grosso, o Sr. director geral
dos eorreios abri In ntein. na presenca do< con-
crrenles, as prop islas quo liaviam sido apresen
tadasera virtude daquelle convite. Infirmara nos
que os concurrentes sao: Estovad Busck & C, a
companhia americana de paipietes cutre os Esia-
dosidos e o Brasil, Mondes Filhos A Lemos Rui-
Iheriuc Matte, (le Buenos Aire.-). Francisco Sabino
Freitas dos Heis, Ilett Wilsn & C, o Conceicao &
C. (de Montevideo), aotodo 7.
do nav, e ada pm dos qnaes de dosis mil ar- va-a principalmente com a convers" Jo'pa-
rooas ae carga, cwgaramdo Para com carrega- o-i-m,
pel-moeda, que tomara sobre si pelo accoro cele-
brado com es bancos, e para este effeito creou
urna junta de crdito publico, formada de cioco
merobros, que sa) os mermes da aatiga comiBissi"
Qscal, e a osla junta aggregou urna commissao de
i nogociaates e proprietarios estrangeiros e
tervirem u>"
tos relativos emissoes bancarias.
".i rojuMaums o piaipileanos es
dous orienlaes, para intervireo lodos
os assump-
Estava resolvida a construcoo dos dous p'iarcs
no cabo de Sania alaria e banco Inglcz, o baria o
projecto de lubilitar para o coinmercio cstrange-
ro o porto de Maldooado, ligando-o por trilhos de
ferro ao de Montevideo.
HTEPtlOR.
hbo di: 16 IIR JANEIRO DR 1870.
Pelo paqnele Flamstetd entradn hontem do Kio
da Prat. recebemos tolhas at 9 c cartas at lo
do crrante.
As ultimas notiriss do Paraguay constam do ?
guinte telegraimna expedido por S. 4. o Sr. conde
d'En, para o Bosirio. ao Sr. general Victorino :
t Cnruznaty, 28 do dezembro de 18(10
t O bravo tenenle-oiMnel Meura acaba de vot-
tar tendo chesado cora 30 lioiinns a serra do Ma-
racaji, o pa>sado seis leguas alm della at stra-
vessar o ri Ygaliini no passo do Espadim
Alli enconirou cerca de 1,000 mulheres em
estado tal de miseria, qne apenas 400 tiveram for-
ras para I >vaotar*se o ac&mpanha-lo, entre as
quaes nlgnmas brasil.-iras e europeas; as oiitras
liearan alli coui|ilet;miento lesfallecida?. esquele-
tos vivo- qne qussi nao respiravam. Encontrn
tamhem )s caminbos cobortos de'outras mumeres
degoladason lanceadas pelos espas de Lope*-
vieran 1G trnsfugas, dizera que Lpez est
perto do Panadera mandando cuBstrnlr grande nu
moro do canfi.s. Tulvoz seja para atravesar o rio
Paraguay cima d i Am. mas tambem pode ser quo
seja para dosier o rio Paran.
t Sirva-'C eommunicar tudo isto para Assnrrtp-
cao e Ci.nc'caii. t
Das repnbicas do Prata nada ha do inler
De Buenos-Ayres cominunicam que o presidente
Sarmiento narra a partir para o Rosario, 'lesio-
nando gastar nesta excui 15 dias.
Commuiicam de Itinga ao Ndtlciaior de Minas
do lo do crreme. A respoawbilidade da noticia
deixamos folha de onde a transcrevemos:
lleside ha mafs de (50 airaos nesta povoaca
Jos Fagondes Mara Vieira, homem de bm sonso
e de costamos rnuio paros. Este rcspeitavel an-
Ci3d calvo e usa de pernea. Tendo a pelle que
gnarru-re interiormente .".sita peruea se deleriora-
ilo, procuMo Miin Vielra haver OOtra da mesma
qualidade quo a substitni
Mi podenda amseguir, porque Mitas alturas
taita mesmo o oecessari retalvon o esttmavd vc-
iho siihsiitt:i-!a per nina p'l'ede lagarfe.
j Para osse lim tomoo de m;o urna arma do
logo p6z>se ao encalco de um lagarto. Ao tercei-
ro dia eonsegoio a presa, tirou-lhe a pello e estn
deu-a com todo o e-iner o : depois de bem secca e
devidamente preparada, applteon a sua peruea
qne la f-i oceupar h sen lugar. Xo primeiro dia
Mafia Vielra leve vigilias teimosas, insomnia?. c
calafrios vago- ; no segundo dia urna dor forte se
manifest;! sbitamente n parela ao do-
enlcque agul.>as muito qnentes Ihe ajrivessaram
o cerebro. Dr lam-iiiante, piradas extremamente
rpidas o prostaram c n,' So terceiro
dia appan-ceu o delirio.
t A alegra e a tristeza, o terror o a coragem, o
orgulboe a vai.lade dojninaram a desordem intel-
lectuai. No quarto dia o Infeliz velho comeeon a
gritar, latir cono c>) e a quebrar tudo que linha
tima apparencia brilhanl
t Era acto de furor anancon a peruea, imme-
di.ttamente M.iria Vioirs rflOD a si, todos os
aymplomas assignala to< SesaBpareccra*ra. H >je o
buin vulho tem horror s perneas. .
-2i -
Pelo paquete itv-'lez La 'lata, entrado hontem
do llio da Prata, rerebomo- f.dhas de Biicnos-Ay-
res al 14 o Montevideo ate 13 do Cortete.
As ultimas noticias d'As-umpc > sao de 9. data
cm pie a Rege .aquella cidade publica o
segninte:
a As victorias succcdeni-se s vietoria; Lpez
la I vez j nao esteja em territ irio paraguayo.
.Na malrugada de i d> cofrente a trineheira
di Rio-Verde f assaJtada c tomada de sorpreza
pe- coronel Silva lavares, que faz parle das fore i-
liionarias do gfenral Cunara. NSo tiveram
os alliad'S era um hornera fra de combate, em
quanto cahlram em poder dollos 29 do inimi^o,
entre hs qnaes o apftao que commandava a forca
c uleneiHe seu imuiediato.
i 0 general Cmara prosegua na sua marcha,
e tinBa dado od os para prev ai r a fnga de L-
pez. Todos os d a- .-h 'gara a A-stmpeao fjmilias
libertadas pelos ajilad'
A Tribuna de Bden 13-Ayres sin da acrre.^cenia
nlliina hora :
i O befe dos indi caciques vei i paV os servi-
dos de sua tribu a di-i isjcao d's alliados, dizendo
fiaver recu-alo fafer Cansa Cimmtrm cura jipez,
e ir convidar os outros indi j.s a sognircm-lhc o
excmplo. >
De um ollieio d i Sr. cn^IhKiro Paranhos ao
Sr. ministro do Brasil era Bun >- Ayrcs, com data
da.8 de Janeiro, tran.- iite:
iiton->e, cuino i v-111, o major com-
mandante do batalho Rifleros (um dos de mais
Por va do Montevideo t mo3 obsequiados eom
folhas do Rio-Grande do Sul at 12 do correte
raez :
As datas da capital da provincia chegavam a
O Rio-Grandense desta data diz
Kelira-se- hoje para Pelotas o Sr. Domingos
Rodrigues Cordeiro, que a esta capital viera cora
intento de tomara si duas importantes emprezas,
que muito inleressam aquella localidade.
i Dessas duas emprezas, apenas sobre ama, a
do caes e tramway daquelle nirto, para a qual
olicilou o Sr. Corddro privilegio asscinbla
provincial, parece ter S. S. ehegado a um accordo
com a presidencia e directora provincial.
O abastociinento da agua poiave), a ontra em-
preza a que so propunlia o Sr. Cor'eiro, ficar
iwr eraquanto anda sem esperances de realisaco,
em consecuencia da depreciaco do papel-inoo
da.
Limitando a lei om capital certo, consla-nns
que nao pode a presidencia por seu arbitrio as gurar um proco m ouro, em uanloque ao prupo-
nenie nao convm sujeitar-se a obeiltaoao do cam-
bio, tendo de iinporiar a parto principal dos mate-
raos a erapregar na obra.
L-se no Otario de Pelotas da mesma daUa :
Secundo urna carta do Rosario, dirigida a nm
amigo nosso nesta praca. communicam-uos que
no dia fi do mez e anno prximo passado, partir
daquelle ponto pelo rio Sania Mara um barco,
explorador do Santa Mara, com o fin de explo-
rar todo aquelle riu at o ponto ora que elle cesse
de ser navegavel.
O barco conta 44 palmos de comprimento,
sobre i 2 de largo em boca e 4 de puntal: cala
palmo e meio d'agua, podendo supportar carga de
1,000 a 1,200 arrobas.
Segundo a mesma carta, ja se havia consegui-
do com o Explorador navegar 10 leguas no rio
Santa Mara, sem haver conlrariedade'alguma.
Oxala que muito breve e prompta seja a ex-
ploraco daquelle rio, e que seu resultado seja
satisfactorio; pois disso o commercio do interior
da provincia auferir grande impulso.
< E' proprfetario do Explotador, e faz essa via-
gem, o negociante do Rosario Sr. Antonio Pinto de
Almeida.
Na freguezia dollervalcommelteu-se um alten-
lado que a Reforma do Jaguarao narra assim :
No dia 22 do mez proxmo passado s 10 ho-
ras da manha mais ou menos, foi no Serval ata-
cada a casa do cidad > Sizeando dos Sanios
Campello por om grapa de horaens armados. Este
bando invadi viva forca a casa de*se cidado,
c d'uhi arrebatou a parda Silvana Solidonia o 5
lilhos, o quaes ha mais de doz annos se achavam
na posso mansa e pacifica de sua liberdade.
Este grave attentado foi comraultido por seu
intitulado senhor, Manoel itoSNC Moreira, mora-
dor no municipio de Bag, o qual, para fazer valer
o seu pretendiio direito, esqueceu-se de que re
achavaem um paiz constituido, com leis e autori
dades, e reecorreu aun acto de torga, convocando e
reamado algnns amigos o prenles, com os qua;s
urnanisou o esquadro assaitante, pondo-se a
sua frente.
. Entre os aggressores que Gomes Moreira ca-
pitaneav.i fnram reconhei-idosMirtiniano Machado,
Isidro Machado o ilylario L. Machado.
Depois desla facanba, retiron-se Gomes Mo-
reira mullo a sea salvo para o Rodeio Colorado,
lugar do sua residencia em Bag, e, o que mai- ,
levon em sua companhia a desgraca la parda e
sean o lilhos, rcduzidos a injust* ciptiveiro, por
ser im livres e se acharara na posse da libcr-
dade.
Fallecer era Sao Jos do Norte o capito do
patacho Monteiro I, Luiz Augusto da Silva.
22
S. M. o Impera lor, acompanhado de seus sema-
narios, chegou hontem s 10 horas da manha ao
arsenal de marinha, onde visitn as sfflcioafl de
machinas; embarcando em seguida na alela a
remos, S. M. dirigio-se para bord > do encouracado
Hm e Ranos o para a fortaleza de Villegaignon
onde assislio ao exercicio de artillara. Ha .Ma-
gestade desembanou i 11/2 bu a da tardo no
arsenal da guerra.
Por decretos do 19 di crrante foram concedi-
das as segrales penados, qu.i lieam pendentes de
approvacao da a-sembla geral :
A D. Agostinba Enilia de Menezes e. Souza,
vinva do capito do excrcito Jos Vieira do So^z,
rnorto em combate, a de 30 mensaes, sera prey
iuizo do meio odo que Ihe competir.
A Adela Rosa da Silva, m.ii lo alferes do
39 corpo de voluntarios da patria Theoloro I
Meirolles fallecido em censequencia de ferimentos
reeebidos em combate, a de 363.mensaes.
Por decretos do 15 do crrante :
Foi concedida ao bacharel Joao Ignacio Silv-ira
da Molla a demissao qui podio do lugar de juiz
oe direit' da comarca de h, de 2* entraneia, na
provincia do S. Paulo.
Foi rccondnzi'.to o bacharel Coriolar.o Augusto
de Luyla no lugar de juiz municipal o do <>r-
phos do termo da capital d.>. provincia do Gaya/.
Por decreto do 18 do crrante mandou-so lo
vanior a clausula om quo firam promovidos o 1
tenento da armada nacional e imperial Manoel
Jos Alves Baibosa, e os 2"" ditos Ant< nio Lins
confianza do Lpez;, por nomo Candaoo, com 12
pracas. Cavalcante de Oliveira, Jos Pedro Alves do Bar
0 major paraguayo Prez, do corpo de va- r is c Jos Antonio de Oliveira Frailas, por torea
os
adiado um
de 31 do dezem-
titulo
guma, da pro-
. De
Pirren'
Ara-
'lea *.
qneanos, prenden 12 r: ;!cz, entre
gures 3 offlciaes. em etilo poder fui
orfleio do ex-dictador d
bro.
O presidente Sarmiento ftcava a partir de Bue-
nos-Ayres par deSinta-F
c Bntre-filos, o corpo dtpto-
i a acompanha-le nesta excuisao.
Segundo a estatisca da inimigraca i, linha a ro-
publica Argentina ; rer do anno do
4869 para O gover-
no o- nmignco
e rol- tlu'xo
doiinmi?! engrande.
sido aprovados as materias exigidas pelo decreto
n. 884 de 10 de dezambro do 1851.
Por decreto de 19 do corrento concederm =o
as honras dos pustos militaros d) oxerciW aos ofli-
ciaes abaixo mencionados :
Do major : ao capitid do 30 corp de volunta-*
nn da patria Sotero de Castr.
Ao dito de commistao do 30a corio di mesma
denominacao RodrigoAugutoda Gana e Cistl.
De alferes : ao ilreros I no-
tarios da patria Cdalo Antuu Pfttl.
*fV!n!}0 ae socretarioj os Srs. Sydnrvioor a
Adolpno Klingelhoefcr, grande numero, da ato-
dantes importadores.
O Sr. G. Ford declarou que o Ora da renali*
era a numeacao de urna commissao que outttaMe
informacoes sobre os mconveaientcs o roxitnes
que tem irazido ao comraercio desta praca' ee-
cugao de varias disposiedes do regutamtenlo da
[companhia da doca da affandega, e contidoa,os
negociantes presentes a nrocederora a etaieSo'da
commissao.
0"Sr. Borraann Haupt propor que a eormniiic'
fosse eteKa por acclamacao, e maoou mesar
una relncao de mimes' fie diversos importador**,
era cuja eseoW disse que tinham concordado li-
rias dos negociantes prsenles.
Depi de argomas observaces dos Srs. conse-
I Joo Jos dos'Reis o H. Hanpt, o Sr.Tb
Ewhar* mandn mesa a seguinte pruposta;
Proponho que seja eleita orna commtadb.
compusra do um merabro de rada nma das nacie-
nahdade: qno representa a As-oeiaco Coraroertat
do Rio de Janeiro, para colligir as redarnaWs dt
que se trata, o indirar o raelhor meio de rtar ar>
coinmercio a desproporcao e arbitrariedaue sW
laxas e armazenagens inmosias pela compaohla
das doca da alfandega do Rio de Janeiro, desiij-
naflo oos pontos de descarga e outros Ineoave-
nientes que possam resultar da execnefio do sen.
regulamento, tomando em seria considerjean *
trau-fereiieia sem garanta do governo dds Or-
ines valores confiados alfandega dota eOre.
Submetiida -votaeo a lista apresentada- pelo
Sr. H Haupt, foi approvada por aedamieicr; -
cando deiuis membros da commissao os siunit<-
senhores :
William Ford, da firma William Ford & tt
Sydney Boor. da firma Alcx Fry & C. '
Gustavo Plitsker, Gustavo Luiz, da firma Lntz A C.
Adolpho Klingelhoeler, do firma Klingelhodoi
Martin, da firma A. Binoche & C.
Sehmoll, da lirma E. J. Allwri & C.
Joao da Jilva Monteiro, da firma Silva Mosteirb
; C
Landon, da lima Pbipps \C.
Pedro Leeocq, da firma Lecocq Oliveira & C
L. Lan;e\.
Tilomas March. Ewbank.
A. 1. da Silva Braga.
A. Fernando da Rocha. '
A' esta commis-o foi reinottida a proitosia do
Sr. Th. Ewbank.
A eominissn, para bem desompenhar a sna ta-
refa, desoja que carta nm do negociantes impor-
tadores, que tenha do referir tactos relativos asa
inconvenientes resultantes da execucao do rtgvla-
mfntn. os conirauniqm*ai|rrahiucr dos membrof
da mesma commis-o.
DIARIO DE PERNAMBUCO
BECIFE, 29 DE JANEIRO DE 1870.
Xollelas do sul do iuiprlo.
Chegou hontem pela manha o vaportagtat La-
Plata, trazendo datas do llio de Janeiro, at ti e
da Bahia al 26 do cerrante.
Sob as rubricas Parle O/ficial, Exterior q Inte-
rior encontrarn os leitores por extenso as noti-
cias mais importantes ; alm das quaes apenas
adiamos nos jornaes as que soguera.
THEATRO DA (CERRA.
O governo imperial receheu os dous segua-
les lelegrammas :
Assumpco, 8 de Janeiro de ISTit.
o 0 coronel Paranhos re-eheu na Concepirioa
communicacoes do general Cmara, datadas do
Rio Verde de 'l do corrente.
Na madrugada do dia 2 foi a trineheira do Rio
Verde assaltada e tomada de sorpreza pelo rnro-^
Silva Tavares, que faz parte das Corras expedicio-
narias sob o mando d> dito general.
O coronel Silva lavaros houve-se com a soa
costiunada peripecia e intrepidez, tendo a grande
felicidade de nao ter um s de seu? soldados tora
do combate.
< 2'J homens do inimigo cahiram era nosso po-
der, ;ntre os quaes aehain-se o capito que eom-
inandava a forca o o lonen'e seu immeaito.
t Consta que- Lpez so achava no Panailero, e
que tralava do retirar-se para o norte. Sao Saa-
oordes todos o- prisioneiros em dizer que no sen
acampamento reinava a inaior miseria. Asdiser-
efies contnuavam em grande escala, e lando as
malas cheias de dizertores
O general cmara prosegua cm sua marcha.
e d'alli oxpedio ordens e avos para prevenir a
fuga de Lpez.
Assumpco, 8 de aneiro re 1870.
t No dia 3 do crrante apresentarara-se na
acainlamento de Ma alteza, em Curnguaty, tres
caciques indios da tribu denominada Cnoulos De-
clarara que tinham rejeitadn tndis as prnpcieSes
de Lpez, e prometieran! ni so prestarnos auxi-
lio, como obter o dos indios Tainhcuase do gran-
de cacique daOnrra de Maracaj, de nomo Ga-
lea no.
Apresenlou-so como passado, o major com-
m ndanl" do batalho de rifeiros (nm dos de
mais cnnflanca de Lpez), por nomo Candaeo,
cora 12 pra^js.
O major pflrggjiayo Prez, do corp-r de va-
quean >s, prenden 12 espas de Lpez, catre tt
quaes tres officiacs, em enjn poder foi achado ntn
olncio do ex-dietador, datado de 31 de deembro.
minas r.K.n.vrs.
Lemos no Pharol de 15 do corren'
No dia 20 de dezemhm prximo passado,
eseravo Raymundo, crioulo, as-assinou, cora amat
f. cadas, a seu senhor Manoel ios da Cro, sup-
pleuto do subdelegado c abastado fazoodeiro -
Presidio.
Kis o que se conta do fado
Depois de ter arralado, na manha da>ptejte
dia, o cavalfo em que sea senhor m mtsva tortas
as vezes que ia roca, o eseravo Raymnndo 4ri-
gio-se para o lugar onde estavam tramitand.
seus parceiros e principioo seu rito Natural len-
te tendf5 ehegado mais tarde qiio seus compsmh.i-
levia por forra fiear atrazado no srnieo ;
i chegando o 'senhor o vendo sen eseravo
na retaguarda les outros, puebou pelo ehleow a
den Iho algnmas vorgalhadas.
t Raimundo conseguin!) fugir Ihe Coissca*^
der-se perto d'nm lugar por onde Crui o pas-
sar. Ao all chegar vio este o seu eseravo e, des-
enr.dando de novo o chicote, ia casligalo, ^
do Havrauailo, abracando-se, cintura,
a faca o cra,voa- Ih'a. repetidas veies as c
c lima preta que presrncwu o
quo Crn ao sentir
o seu a-sassino e ni
.' tardo, nh
hoje Indo o que ni"
voc Saciada
Rayn
do o horroroso drama am

ra,
crav
arometti-ra alfirtiar
respandera :
rfi tem de roo pairar
par

*.


fcf
Diario de Pernanibuco Sabbado 29 de Janeiro de 1870.

8 PAULO.
Aleaneaw a: do crrante as noticia desta
No di 1$ o re ra iutuJiaA^, onde a 20 tuveria urna reunan
haemtoiros e capitalistas, aflm t se laagarem
M fttasaa da unta companhia para a construyo u>
ama. estrada de farro entre Jundiahy e 'U. S-
Rxfoi acorapanhaio, por varios cavalleiroe qoe
pretenden tomar parte i emprexa.
Foi marcada a 4' domiaga demarco para
a eteico de mu leputaflo g-ra! p^lo- 5 dwtricto
a flm do preenclwr a vaga deixala pelo Sr. con-
sethero Nebias, anmeado ministro da jnslica.
Houve na sema um codm. -ravel deatiaorona-
nenio em um le sierros do 3* plano inclinado
da estrada de ferro. s reparo de.maodavtm Ion-
io tempo. A estrada coalinuarfa a iraballiar, mas
oo passageire teria de airavessar todo o 3* pla-
no a pe. r^.^
At o da 15 havia no thosauro provincial um
saldo de 480:700*6*7.
RIO BE JANEIRO.
Por decreto de 11 do crrante foi manteado
e bacJMrel Ja IgHaete Silveira da Motta, inspec-
tor da alfandega de Santos. .
Fallecen, aa corte, o veador Joao Jos fle-
fita as nottoias cammerctaes da ultima data :
Cajo.Londres, 19 3/4 d. por 1* a 90 d/*,
papel bancario ; Pan, 476 rs. porfr.
Mitaes.-Soberanos a 4i a dmheiro,
ditos a 19* ISO para o di* 31 do eorrente.
Ac$da.-Corapaoliia de Seguros Nova Porma-
earte a 3o000. ,A
Frktes.Havre, navio d linha, 30 frs. ol
*f. i Hamburgo, vapor, 40 frs. e 10 / 4 Nova-Or-
leus, 32 s. 6 d. e 5 % ; Nova-York ou Balmore,
a, a 8 /: Canal ordeM' M *ie 5 */ '*,U)
dito va Lisboa, 30 s. e 3 /; Lisboa a o n8
va Santos. 32 s. 6 d. e 3 / Nova-\ork, va San-^
tos, 37 s. 6d. e 5%. .. A..
Indwnd.) transaccoes em cambio effectnadas
boje menos que regulares sobre Londres a 19 .1/4
d7ppel bancario, ea 19 7/8 e 20 d., papel parti-
cular, e pequeas sobre Franca de 482 a 47.
soraroara os saques para o paquete inglez La-
"fajare Londres cerca de 510,000^a 195/8.
19 3/1 d. papel bancario, e a 19 3/4,19 7/8,20, 20
1/8 e SO 1/4 d. papel particular.
. Sobre Franca cerca de frs. 1,900:000 aoa ex-
tremos de 484 a 473 rs. por franco. -_
Sobre Hamburgo cerca de libras 230,000 a 89U
o 888 rs. por libra.
t Sobre Portugal vigorou o premio da tabella
que demos na nossa Revista do hontem.
t Negociaram-se alguns lotes do soberanos a
12*150 e 12*070 a prazo.
a VeaVu-te um pequeo tete de apolice*ije
raes de 6 JJ a 80 / e 20 aeces do banco do Bra-
sil a 1594000.
t Em caf e algodu nao nos consta que se U-
xesse b<>}e.
A Uia de descont continua sem alteracan.
O vfcpor americano Xorlk America devia par-
tir do Ro de Janeiro para os Estados-Unidos no
da 26.
Sahiram : a 15 brigue brasileiro Sanio Ama-
r$ e brigue norle-aemao J. H. Cppinu para Per
Bambuco ; a 16, barca d la Wnndever, dem ; a
17 gafara portuguesa Adamattor para o Mar-
nbao ; a 18 brigue franeez Saint Louis para Per-
Bambuco; a 19 patacho portuguez S. Manoel II,
e barca dem Flix para Pernambuco.
Cbegaram, pro,-,'lentes de Pernambuco: a
19,barca brasileira Flecha ; ca 21, brigue brasi-
leiro Arroio Malo. .
Ficava a sabir para Pernambuco o brigue
aorte-allenaao Gires.
baha,
Foram nomeados promotores pblicos : da
comarca de Chique-chique o Dr. Luiz Viannj, e
a de Omde o Dr. Augusto Pedro Gemes da Silva.
P.>r deliheracio dn 21 .lo eorrente reformou
a escola normal p ira o sexo ferainno da sgumte
faria: .
t Art. Ia A escola normal para o sexo lemmi
bo, constituida em internato pelo regulamentn de
32 de abril de 1862 por autorsacao da resolucao
de 6 de dezembro de 1861, wnUnuara'a funccio-
Bar com as seguales alieracoes.
Art. 2.a O numero das atumnas gratuitas nao
poder exeed ir de d ize, adraittindo-se para o pri-
Beoiro anno as qae filiaran ao complemento do
referid.! namer >.
Art. 3 O ex amo de admissao sera prestado
ante as me-tras do internato. so a presidencia do
director "ir'-il, ou de algum professor de sua es-
collia no caso de iiiipei-iionto.
Art. 1.' As appro adas que pretendercm a
psale publica, justificarn ante a presidencia son
estado de pobreza, e mesmo aervicos do suus pas.
Dando-so concurrencia de maior numero de justi-
ficadas, o concurso ante n peasoal do art. 3' esta-
belecer a preferencia, com ro:urso para o go-
verno. ,
Art. 5." VJ terminantemente recommendaaa a
execueao do arU 13 do regulamento orgnico,
quanto asalnmnas que passadus osprimeiros cin-
co mezes, mostrarem nao tur aptidao para a pro-
issao que aspiram.
Art. 6. As encolas podem sor rrequenUda
por alumnas externa, con:orrendo s coes o s
horas do irabalbo do cur>o, nao sendo dispensa-
das das ouiras condicSes de almissao, e de ter con-
ducta honesta e regular.
^ Art. 7.' No intrnalo serio recebidascom pre-
ferencia oneurrvnea particular as mocas que
forem enviadas p4* cmaras municipaes, cujas
pensiles sejam por ellas pagas &>m recursos pro-
prios ou agenciados entre seus municipes. Estas
alumas de.pois de habilitadas com o diploma, se-
rio preferidas para as cadeiras dos respectivos
municipios, precedondo pedido das referidas c-
maras.
Art 8. A pensao de cada alumna proviso-
riamente Diada era 2o mensaes para sua alimn-
laco, igual qoantiii pagando o governo por suas
pensin islas. As exlernas pagara somonte a ma-
tric-jla de 105 que sera gei al.
Art. 9. A moca que em qnalquer parte se
tiver habilitado com'osestudos do curso, deque
previamente a presentara prova, poder ser adrait-
tida aos exames, e sendo aporovada rei-ebera o di-
ploma da estola. Nao ser, parm, dispensada de
pagar as matriculas dos tres anuos, dos exerci
cios pra ticos por tres mezes da escola annexa.
a Art. 10. t jimpete a directora a economa do
Internato, rocebendo l das as pensos, e propor
ciooando o tratamonio aos recursos de que dis-
puzer. Ter escripluracao clara e regular, fazen-
do-se auxiliar pela censura e pelas alumnas do
larceiro anno que designar. A directora deve es-
tar seinpre preparada a prestar contas de sua ge-
reacia.
Art. 11. As exlero a directora alguma parte da refeieao para evitar
interromper os estudos ou despender tempo em
caminbo ; assira como podem receber no cstabe-
lecimento as provisdes do casa.
Art 12.O governo da provincia, aleni das
peosdes concedidas s 12 alumnas, do pagamenlo
das meslras, e do alugnel e mobiiia da casa, con-
correr com a dosfez da illorainaco a gaz, e da
Sma encanada ; e tambera com o fornecimento in-
spensavel escripia e ai desenho.
As demais despezas correio por conta da
adminlsiracii oconoinica do internato.
Art. 43. Sao obrigadas a residir no intornato
a directora e a censura, sendo esta proposla.por
aquella ao govorno para sua nomeaco.
Tero pensao igual s alumnas.
* Se a oulra me-tra qoiwr residir no internato,
oncorrer com pensao igual, sendo, poim, dis-
pensada de todo tr.-tb.ilho cstranho ao ensino.
c Art. 14.Fica supprimido o emprego de c-
penlo, recebando as olumnas o onsino religioso
ilo sacerdote que o governo designar, o duas ve-
zas por semana.
Os doveres da religio scro pro ochidos na
prxima matriz, aompanhadas as alumna pela
directora e pea censora, ou por urna so no impe-
dimento da oulra.
Art. lo.Nos dias feriados, fazendo bom tem-
po, recoinmondado o passeio do pessoal do inter-
aato, corno medida salutar, nao sendo estabeleci-
monto de roclusao.
Art 16.A directora porceber 1:600 ; a
ceosora 1 400* ; c a oulra raestra 1:350*, sendo
para toda* dous tercos do ordenado, o o restante
gratificscSo.
i Disposiijoos transitoria?.
1.aSao conservadas como pensionistas da
provincia as 20 alumnas que lem do frequ
segundo anno de escola, sendo 14 d'este.
A que paga actualmente a pensao de 100*, aljn
da* SO, nao pudendo conconvr com a diderenca,
o qna p: >< sera auxiliada
neste ai: sarao
nal o de qoe ira-
ao forem julgi-
cido o ai
iblicos, serio apenas
i ensi-
ram

lisposicao geral
t As ateras do nsino, o ordem das 4icoes,
bem eme a ducaeo do curso, oaoBiaiaam -at que
outra onsa se determine.
t A inats di8tincU alumna de cada^up aos
tres aniNs ter direlto um prsate de _WM m
pela provMOia, sem-dtetineco de pentiioBWtas ou
de externas. Estes premios, serlo rotados pelas
professoras, com a.presidencia do director gerat,
a eonferitfee com see.ni*de
Esta reforma ar aroTisoriaawnto ,>*
at a approvai'o daassemblca promeial ; fleando
era vig odas as disposi5es antonores a.ae rae
nao forem contrarias. -jj,>
A Mapanbia de saguros Meres*. P*co
elegeu a ana direatoria, que fiaou assim oom-
fVrartdanle.-Commeiiadof JJomragoa-Soares
rVice-pi'sidente.-C da Silva Lima. .. ,, ^~.
. SecreUrioB.-Gomendadjr Manael Jotqum
Rodrigues e Joaquim os da Fonseca.
Direclores.Coramendador i-ernaodo Pereira
da Conha, Francisco Jos Ramos e Jos Joaqutm
Ferrera Machado. .,,
Commisso de contas.Coramendador Jran-
cisco Teixeira aibeiro, las Joaquun Pereira-e 4)r.
Antonio Pereira Marinbo.
Lemos no Jornal:
No dia 20 de novembro do anno passado,oa
fazenda do Caro, do termo de Heraanso, Maneel
Francisco Choran deu unta faca la em Ladagero
doi Santos Jnior, sobre a espadua esqaerda, pe-
netrando profundamente at a espinha dorsal. O
criminoso eonseguio evadir-se.
c Na villa do Remanso ao dia 2 de dezembro,
pelas 4 horas da tarde, Norberto Nartins dos San-
tos, atacando de surprea em sua casa a Jos
Joaquina Elias, disparou-lhe m tiro de pistola, e
dea-lhe seis facadas, urna sabr o peilo direito.
otwa na coslela do lado esquerdo e raais outras
sobre as espaduas, das quaes a victima suceum-
bio nstan'aneamente, e nao salisfeito avan^ou
para o goard nacioual Eugenio, do desUcaioento
daquella villa, porque, all estando, poda prnde-
lo, e eojreu-lhe tambem nma faeada sobre as cos-
lellas. deixando-o gravemente ferido.
O subdelegado em exercicio, Innocencio Al-
ves Leal, persegnio o criminoso, que anda cor-
reu-lbe a faca, mas apesar da resistencia, eonse
guio captura-lo, ocompanhado de dous guardas
nacionaes, que o segniram. Este scelerado foi re-
colhido cada, ejinslauron-se-lhe o processo.
No dia 10 do correte foi a"sassiioado com
nm tiro, no lugar denom nado Tres Morros o in-
dividuo de nome Manoel Theopbilo, sendo o autor
do delicio Manuel Martins de Oliveira Bahiano,
que voltando para sua casa no lugar chamado
Morro do Gomes, assassinou cora outro tr a soa
mulher Mara Raymnoda, de quem desconftava
manter retardes illicitas com aquello Manoel Theo-
philo.
O subdelegado do Orcb proceden a corpo de
delicio nos dous cadveres, e inslaurbu o proces-
so contra o assassina, que logrou evadir-se.
A alfandega rendeu de i a 25 do eorrente
728:0075921.
O cambio rgulava: sobre Londres 19 y* a
20 V. sobre Paris 470 a 474 r.
O descont de lolir?s fazia-se de 12 a 15 /0
ao annn.
Sahiram para Pernambuco : a 21 o brigue
inglez Jura; e a 23 a barca brasileira ConceicSo.
enancas o velhas que nella servem coaao solda-
dos, estio morrendo de fome, e que Romero er
ganara As soldados, dizendo qoe o major Sonfel.
que cabio nosso prisioneiro, j ten inuito gado
reunido. Biz que durante a marcha nao pode-
ram apanhar aem urqa rez para carnear. Decla-
ra qoe todos os officiaes marchara a p, a excep-
cao de Homero que tem um cavallo magro e ve-
lno. Biz mi a animo da tropa se acba abalado.
que os oAeiae* j ao falten) tanto em favar de
Lpez ; que as dcscre5es sao eoniiouag, e que no
seu regiaaei^o, quo era o mettior da forca, ella*
se lera dtil) om grande escala. Diz que a forca
hoje dere havia, toBtmorrido ou desertado. Diz que a for-
ca nao peder niais voltar para o rio Verde, por-
que, teado vindo para arraajar o qae comer, e
nao lando conseguido nada, ilo poden* voltar
para aqjtelle luga r. >
GABISEXE PORTDGEZDE LEITURAAma-
1 nh, domingo 30 (te wrrenla, ha ver reanio da
assembla^orat %ta s,etedae alm de te traurj
da nullidaoe las teicoes que ltimamente all rt-
veram logar e proceder-se a nova elelcao para o
conselho deliberativo.
patrimonio dos orphos, que corre
Goyanna no vapor
ceu incendiado; mas nao o lendo sido com
mente, as mercadoras que foram poupadas pelo
^Hrevelavain de um modo a nao deixar a menor
dunda, que esse acontecineuto ara o resultado de
ara calculo immoral. -
A polica lendo procedido as neeessarias averi-
gnacoes, e acjiando culpabilidad^ no dono desse
estabelecimento, o conservou preso por algum
lempo, sondo aflnal solt, com o funda menta de ao
ler elle piacurad harer da companUia parte ou
todo o valor segurado 1
Depoisde sollo a.presentou-nos urna reclaranc.ao
na importancia de lL674*i>76, dizendo ser o va-
lor das mercadoras existentes no esubeleci ment
na occasino do incendio, s* gnndo a sua escripia-
racao, mas posteriormente, c talvez porque nao li-
vesse muita conlianca nessa sua escripia, eviden-
temente urepararada para ura m doloso, abando-
na aquella reclamacao, a que alia* teria bom di-
reito, se de sua parte houvesse boa fe, o pede
em juizo 6:0flp4 e eremos que anda com
os se taieitari#>e a? feto 'aaBuUwBtos ;
%ntrelanto que mdb tnnca qh se o ineennttJ fOsse
total, o pedido nao desceria do valor segurado.
Mas nao devendo a queslao ser apreciada so
__,. ..i,. aenl# pal lado pecuniario, mas tambem, e prin-
LOTERJA.-A que se acba a venda a I, a cipa,me^te pei0 tado da moralidade, nao
PERNAMBUCO.
REVISTA DIARIA.
LIN'DA.Foi bella e magestosa a fe memorativa da restauracao de Pernambuco, quo .-e
fez em Olnda; e na qual tomarara parte tanto os
moradores lixos como os temporarios, isto os
passadores da festa. Dosde a vespera tarde em:
bandeirarara-se crescdo numero de casa?, sendo
noule quasi geral a illuminacao.
Apenas raiou a aurora do da 27, urna salva de
21 tiros, que se lepelo l e s 6 horas da tarde,
despertou a poputaco, rocordando-lhe ser esse o
grande dia da nossa reslauracao, e annunciando o
comee.) dos festejos, seguind. -Ihe urna passeaia
com mu>ica m diversas ras.
A' tioiiie te ;e lugar, nos salloes do palacete da
cmara municipal, um brUhante e espan lulo sa-
rao dansante, no qual oncorreram cerca de loO
seidioras, trajaiido com todo o go^to e primor, e
um crescdo numero do cavalleiros, que a porlia
ludo envidavam para obsequiar eisa escolhida col-
lercao de deidades.
Dausou-se at$ 4 horas da manliaa, ssmpre na
raelhor ordom e hannmia; sahindo todos .atisiei
tos eora a profusa o gostodis preparo da casa,
assim como do bom servigo e maneiras affaveis dos
ineinbros das diversas cnmmissdes encarregudos
da preparo do sallo c di destribuico dos igua-
rias.
PASSAMENTO.Deq antehontem alma ao crea-
dor, na cidade de Olinda, victima de urna m^niu
gitc aguda, o Sr. captte Jos Joaquira Lupos de
Almeida. A' sua inconsalavel familia damos nos-
sos pozamos.
DIARIO DE PERNAMBUCO.-Se hoje chegar o
vapor Guar daremos araanhaa o Diario, licando
assim supprimido o quo dcverlamcs dar na se-
gunda-feira.
DINHEIRO.-O paquete inglez La Pinta, che-
gado hontem dos portos do sul, trouxe as segra-
les quantas para os Srs.:
Pereira Carnero & C.
M. Barros & C.
Tisset Frere & C.
J. A. Kibas
Montero a irmos
OBRAS PUBLICAS.A ponte denominada do
beneficio do
boje.
PASSAGEttOS-Vindos de
Parakyba :
Luiz Cavaleante de Aibuquerque, 1 lilho c I
eeerava, Joaqun Antonio de Miranda, Leocadio
Jos de Figueiredo e 1 filho, Jos Francisco de
Paula Cavalcane de Aibuquerque, Manoel lava-
ras Barrete, Joaquina Carnoiro de Mosquita Mel-
lo e Dr. A guiar.
Sabidos para a Europa no vapor inglez 1.a
Plata :
W. Fumar, Joba Joos, Antonio Zachartes do
Souza Coelho, Jos F. Pereira de Castro, Francii-
co Xavier Dias, Manoel B. de-Oliveira Braga. Jos
Antonio Pereira, Arihur L. de Oliveira Azevedo.
Domingos da MoUa, Bonito Barros e Fej, Manoel
da Costa Campos, Joaquina F. da Cruz, Jo- Lopes
Alheiro, padre Antonio Pinto Vieira, Manoel Viei-
ra, Luiz Pereira, Tilomas Nash, B. M. Bruce a John
Boberts.
CEM1TERK) PUBLICO.-Obtuano do dia 27 d<
Janeiro :
Joo, Pernambuco, 1 naoz/ Santo Antonio; con-
vulsoes.
Raymundo, Pernambilco, U dias, S. Jote ; con-
virisde.
Mirandilina Pauliaado Nascimento.Peroambuco,
39 annos, solteira, S. Jos : diabetes asmeadoras.
Joaquina Mara de Jesias, Pernambuco, 40 an-
uos, solteira, Boa-Vista; tubrculos pulmonares.
Joaquira, frica, 61 annos, solteiro, Ba-Vi^la ;
apoplexia cerebral.
Jos Joaqoim Lupes de Almeida, Pernambuco,
39 annos, casado, Olinda. congestao cerebral.
Manoel Venancio Carnero da Costa, Pernam-
buco, 23 annos, solteiro. S. Jos ; anazarca.
Thereza, frica, 70 aonos, solteira, S.Jos ; by-
dropezia.
Luiz, frica, 78 annos, solteiro, Boa-Vista .
desentona.
Companhla de segures indeni-
nlsado a.
Srs. aecioms'as Em observancia das disposi-
(des dos estatutos que regein esta sociedade, cabe-
nos o dever do apresentar-vos o relalorio contas
das operacoes realsadas no anno prximo (Indo.
Durante esse periodo a sorte tralou-nos com
demasiado rigor, causando-nos prejuizos naavul-
lada quanlia de 163:684*461, que j se achara pa
gos; comtudo nao se pode considerar dsaniraa-
dor o actual estado da companhia, como conhece-
reis pela segaiulc expnsico :
Seguros maritunos.
Valores segarados U,5l6:d26*751
nos era
prmittido, por raais insignificante que fosse a
quanlia exigida, transigir eora urna torpe especu-
lado, que pondo em risco vidas e fortunas, deve
9er severamente reprimido.
Comprehenda-se que, em vista doi precedentes
desla Companhia, que procurou sempre evitar
questoes tendo paso somraas assaz valiosas, nao
teria agora procedimento diverso, se nao livcsse-
mos a mais, profunda e intima cenvicelo da existen-
cia da fraude.
Se juzto proceder com toda a cqudade para
com o segurado, quando da parte deste existe boa
f, como lera sido constante pratica desta compa-
nhia, enteo temos tambem que necessano om-
pregar lodo o rigor quando ha dolo manifest, co-
mo no caso vertenle.
Sao estes.Srs. acciouistas.os assumpos que sub-
mettemos vossa judiclosa apreciaco, e pedrado-
vos que reliveis qnaesquer lacuuas que pe r ventu-
ra se encontrera nesta axposiclo, acreditamos que
sero ellas plenamente prehenchidas pela Ilustre
commisso fiscal.
Pernambuco 28 de Janeiro de 1870.
Os directores.
JoSo da Silva Regadas.
Francisco Joao de Barros.
, Antonio Jos Leal Reis.
balanqo da companhia de seg0bos mar1tiiios e
terrstaes indemnisadora, em 31 de dezembro
de 1869.
.lefiro.
800:000*000
1'900*000
9:630*201
36:600*846
25:233*090
213.094*063
9*000
---------------1,106427*202
Ao articulista, sel dai abe.
A noticia de que j comecei a infringir o
reglamelo dogymnasio, reduiinAo a se-
gunda mesa, qne concorrem os emprega-
dos do e.tabelecimentq, caldo, chilre e a
hacaluo, urna falsi lade.
E' certo. que rocommaniiei ao inordomo
toda a economia possivel para qne n3o bou-
ve 'sem desperdicios.
E nem o regalaoaeQto manda equiparar
a comida dos criados dos collegiaes.
Quanto ao aleive da hospedagem de ami-
gos, qoe pernoitam no estabeleckieiiio,
fazendo grandes algaz*nas, ahi est o Sr
Dr. Aprigio (uimares, que mora defronte
de meu aposento, ha quinze passos. Se
elle nao confirmar o fado, o meu aecusa-
dar cabr-se-ha de infamia.
Hecife, 21) de Janeiro de 1870.
Alvaro cha Cavalcanti.

ras ao meteto
loa podem ter
decimal.
numero*.
Accionistas
llena movis
Ca xa
Segurados martimos
Segurados terrestres
Letras descontadas.
Estainplhas
Premios
ves
A plices
respecti-
95:047*312
1:0*7*000
Deduz-se a impor-
tancia de extor-
nos
96:0913312
1:100*950 94:993.5302
Seguros terrestres.
Valores segurados 12,970: z03*000
Premios
vos
Apolicos
respecti-
51:0603540
1:103*000
60:700*
40:000*
6:700*
20*
100
denominada
Dfconlos de letras.
Premios ob'.ldos em daaaoAMS
Importancia retirada do fundo de
reserva parafazer faca aos pre-
juizos
Saldo da centa do lucro? a pardas '.,
1868
Salvados martimos
52 163*540
27:3715387
27:463*974
4:942792
3:367*181
(Capital
Fuudo do reserva
Devidendos
Commisso a garanta
da direceo.
Passivo.
1,000:000*000
72:536*0i6
24:590*000
9:301*176
1,106:1173*02
Pernambuco 31 de dezembro do 1869.
Jeronymo da Costa Urna,
Guarda- lvros.
Srs. accionistas da companhia de seguro Inietn-
nisiidora.k commisso fiscal julga satisfacer o
preceito que Ihe nipoem os arls. 30 e 31 dos nos-
sos estatuios, dando vos cdnta dos exames a que
se procedeu a vi os valores em carieira, o que ludo estava de con-
formdade com o balanjo que vos ^presentado
pela direccao; assim, pois, a commisso fiscal o de
parecer que approvsis as conlas com um voto do
agradecimento a mesraa direccao pelo cuidado e
nleresse com que tem dirigido os negocios da
companhia.
Escriptorio da companhia de seguro Indemnisa-
dora, 29 de Janeiro de 1870.
I.uz Jos da Costa Amorm.
farao de Cmangy.
Francisco Ferrera Bailar.
Ilhade Fernando
Acaba eate presidio de passar pelo grande
desgosto, de ver mudar-se do seu seio, o
Sr. capitio Antonio Ravraundo Lins Caldas;
que aqui exerceu por longo lempo o cargo
de rmmandante do destacamento d'arli-
Iheria.
Por occasiSo de sua partida, dirigimos-
lbe as mas significativas demonstracSes de
pezar.
Quando. um militar distincto, adornado
de eminentes qualidades ; depois de haver
dado por longo tempo edificantes exemplos
de virtade e probidade, separa-se da so-
ciedade, em cujo seio viveu, sente-se esta,
com razio profundamente abalada, e tem
necessidade de procurar um desabafo ao
seu justo e oppressivo pezar, 6 o que se
passa actualmente na sociedade Fernn-
dense por occasiSo da partida do Sr. ca-
pitSo Carlos.
Convictos de que n3o nos possivel pro-
porcionar as expresses com a intensidade
do sentimen'.o que nos domina, pedimos
nao obstante, e esperamos que o digno Sr.
capito se digne aceita-los, alten lendo ni-
camente a sinceridade e pureza do affecto
que as dicta.
21 de Janeiro de 1870.
ATTENCAO
O abaixo assignado previne ao publico,
para que ninguem compre bens de raiz.
moventfs ou semoventes, Jo3o Antonio
Gomes Gnimar5es, com especialidade o so-
brado n. 23 da ra do Imperador, n. 18 do
Caes 22 de Novembro, em cons qnencia de
taes bens se acharem em litigio, afim de que
o dito Jo3o Anlmio Gomes Guimar3es, resti-
tna ao casal da interdicta ni a i do abaixo
assignado a qnantia excedente a 15:000^000
que recebeu de dote da predicta mai do
abaixo assinado sob condigao de restituico
nao tendo successSo, como n3o leve pelo
que desde j protesta contra quem quer
que comprar quaesquer bens do referido
Joo Antonio Gomes Guimar3es.
Kecife, 27 de Janeiro de 1870.
Antonio da Cunlia S. Guimares.
a'tod
ivide os lado em partes direetame-
PUBLCACOES A PEDIDO.
212:302*236
Maduro, na estrada d^ Sanio Amaro, reclama om
urgencia algum beneficio, aflm de que nao caa;
do que resultar graves inconvenientes para os
moradores daquellas bandas. Infonmm-nos que
urna das madres est muito deteriorada, o quase
a cahr.
AJUNTAMENT DE PRETOS.No cae3 do Ra-
mos, por baixo e immediac5es de urna casa de
bailes pblicos que ahi ha, costuma juntar-se dia-
riamente grande numero de pretes que praticam
actos poaco decorosos, e grilam descoramunalmen
te, segundo no-lo informan. Ao senhor subdele-
gado de Santo Antonio cumpre isso verificar e dar
as devidas providencias.
PRESEPIO Pessa que no* merece crdito
afflrma nos que o do porto d oLasserre na Chun-
ga feito com todo o recato o decoro, sendo fre-
3neniado por boa gente. Sirva, pois, isto de mo-
ificacao ao que sobre elle dissemos ante-non
lena.
EXAMES DE PREPARATORIOS.Damos no
lugar competente o pmgramma que deve servir
para os exaroes preparatorios Faculdade de Di
reito, os quaes coraecam a 3 de fevereiro pr-
ximo.
INDEMNISADORA.Reune-se note, ao meto
da, a asembla geral da companhia de seguros
Indemnisadora, para ouvir a leitura do relatorio
do anno passado, que publicamos n'oulro lugar
do presente numero.
FERNANDO DE NORONflA.Seguo hoje para
este presidio o vapor Cururipe, da companhia
Pernambucana.
FESTEJO.Amanhaa festeja a devocao de Nos-
sa Senbora da Onceicao na igreja do Espirito-
Santo a sua Divina Padroeira com a pompa do
costume.
ESPECTCULOS PASTORIS.Coraecam hoje,
no theatro da Capanga, os espectculos patoris,
sob a direccao do artista dramtico Santa Rosa.
Sobe scena um vaudeville que j foi representa-
do no Santa Isabel em 1863.
O programina vai era ootro lugar publicado.
THEATRO DE OLINDA.E* laeje o ospectaculo
dramtico em solemnisaco do dia 17 de Janeiro,
cojo producto st-r applicado alforria do nma
enanca do sexo femenino.
PARAGUAY.Interrogatorio feito ao cabo pa-
raguayo do regiment n. 4, Polycarpo Cardoso,
solteiro, natural da villa da Con -eicao :
i Declara que desi rtou da terca de Rumoro
vindo ella em marcha para Taqualy, e acidndo-
se distante deste ponto urna legua. Diz quo reti-
rando-se Romero de Taquaty, quando ahi este ve
a forfa brasileira, marchou nove leguas para o do
lado de S. Pedro, mas achatado-so sem recursos,
cora a forca exhausta, e sem com que alimenta-la,
enganando-a com a falsa noticia de que vinbam
forjas brasileiras do lado de S. Pedro, relrocedeu
para Taquaty, d'ondo pretende dirigir se para Ja-
guaretehrt, que dMa oito leguas de Taquaty. Diz
que Romero inandou nutilis.-ir a bocea de fugo
quo tinba enterrado na lama, quebrando as rodas
e a palamenta, e qne a outra, depois do tor comi-
do os bois que a pucliavara, e de te-la por alguns
dias puchado mo, enierrou-a no mato, om lu-
gar que conheco. Declara qne a torga so -e ali
menta de coco- o laranja azdda, o qoe nsitas
Esta somma leve a segrate applicacao :
Ind-mnisacoes martimas.
Perda de mercadoras no hiale
Be Um, naufragado cm viagem deste
porio para o do Para :
Apolice numero 3930
dem idem 3950
dem idem 394!)
dem dem 3926
dem idem 3927
Avarias em mercadoras no pata-
cho Nilo, deste porto para o do Rio
Graade do Sul :
Apo ice numero 3757
Pcrda de mercadoras na barca
poriugueza Belcm, naufragada er.i
viagem deste porto para o do Para:
Apolice numero 4161
3:0005000
!:300{000
12:0005000
1:500il(X)
15:0003000
480.5000
C0MMERC10.
Idem dem 4216
Idem idem 4217
dem idem 4101
Idem idem 4137
Idem dem 4195
Idemidjm 4130
Perda de mercadoras n biato
Santa Cruz naufraga loe.il viagem
deste porto para o do Aracaly :
Apolice numero 4171
dem dem 4257
dem idem 4259
dem idem 4260
dem idem 4233
Idem idem 4249
dem valor do casco do niosina na-
vio idem 3484
SinUlro do hiato Aurelia I aban-
donado no Maranhao cm viagem do
Para para este porto :
Apolice numero 3733
Avarias cm mercadoras na escu-
na portuguesa Oliveira, doste porto
para a ilha de S. Miguel :
Apolice numero 3&>5
dem idem 3856
dem idem 3857
dem idem 3858
Idora ilena 3860
dem idem 3859
dem idem 3817
Idem idom 3864 .
dem ideru 3868
Idora idem 3850
Perda de mercadoras no paiaeh j
Ramo*, naufragado em viagem des-
te purto para o do Rio Grande do Sul:
Apolico numero 4915
Avarias em mercadoras no pa-
tacho Carolina, doste porta para
Santa Camarina :
Apolice numero 4329
Uem idem no brigue portuguez
Uniao, desta para a cidade do
Porto:
Apolice numero 3830
8:320*000
800*000
J6:100OOO
1:100*000
8:7205000
4:160,1000
8004060
1:300000
800*000
:!0:0003000
6:000*000
660*000
3:240*000
8:0005000
6:000*000
615*300
391*99
370*040
113*240
53*180
914*655
19*260
297*205
100*160
217*775
8:5005000
1:7045626
Ao publico.(,)
Lendo o Diario de Pernambuco de 23 do cor-
rente, deparei na Revista Diaria sob o titulo c-
cidentecora a exposico do facto qne no da 22
succedeu, relativamente a naorte do meu escravo,
esmagado pelo trena de carga. E porque nao feja
fiel a narracao do accidente, cerlamento por ter
sido a ndaccao mal inf"rmada. cumpreme referi-
lo como elle se deu para conhecimento do pu-
blico.
Achava-so sentado dormir, creio qne embria-
gado, o dito escravo, tendo o corpo fra dos tri-
Ihos eas pernas sobre ellos em um lugar da via-
frrea, defronte desle engenho, e onde, fin Jando se
urna grande curva, auo faz a estrada nos limites
do engenho Riacho do Pedras cora e->to, entra en
nma recta que, sendo medida, achou-e 676 pa-
sos de extensSo al o ponto do succcssj ; quando,
vindo o trem de carga da eslacao de Garaelleira
para a de Una por volla das 10 horas do da. ro o
preto lubrigado nessa disUncia pelo machnista e
o conductor, como declarou este peraate diversas
pessoas.
Iminidiatamente aptaram; mas, nao se noven-
do o preto, porque dorma somno pesado, nao se
dgnou o machioista do matar com lempo a car-
reira do vapor, como Ihe cumpria ; e deixando-o
pelo contrario correr com a mesma forca, s u
parou depois de feita a victima. As rodas conse-
quenlemento esmagarara ambas as pernas do in-
feliz escravo, o qual apenas durou posteriormente
duas hars, pouco mais ou menos.
Nao pois exaclo, como se. conta na Revista
Diaria, que o irem descia ; porquo elle snbia ;
nena que o machnista nao pode evitar o snistro
por nao poder parar o trem ; porquanto, al n de
que cm toda essa'extcnsao da recta nao ha raaltos
qne ombaracem a vista do objecto que estava so-
bro a linha, objecto que elles descobriram logo
qne a machina enlrou na recta, vindo anda os
carros, que a prenden, na curva, tonto que api-
laran), como confessam. Nao se pode acceitar a
rapossbilidade de parar o trem em to grande
distancia, tanto mai quanto, acabando elle de
vencer urna curva, onde sempre sua carreira
moderada pelo perigo de saltaren) as rodas fra
.dos trillaos, como tem succedido militas vezes, nao
poda traier urna velocidade tal, qne nao podesse
ser parado em urna di>tancia tamanha ; aceres-
cendo que nesse lugar do snistro ha na lnha urna
elevacao bem saliente, que difflculta a carreira ;
pelo que era mui fcil para-ln.
Perianto evidente que culpa e grande culpa
tem o machnista no aconiecimento.
Qnalquer que fosse o objecto visto de longe na
linha era razao para que se moderasse a carreira
do vapor at reconhecer se o quo crajmesmo por-
quo nao so mova o objecto ao signal que dava ,o
vapor.
Finalmente, o fado se acompanhou de una cor-
tejo de circum-tancias, quo nao adinittem a menor
juslificacao em favor do maquinista principalmen-
te, pelo que me julgo com boro dimito a ser indem-
osado do prejui/.o, que acabo de sofrer, segundo
me aconselhara pessoas habilitadas, e nao estou
disposto a declinar do roen direito.
Fique pois, o publico ciento o corto de qne foi
assira que se deu o facto, quo nao A o primeiro
qoe acontece, por que os taes mae&initas equipa-
rara a existencia do um ser humano a de um cao,
ou de nm passaro.
Engenho Universo 26 de janeiro de 1870.
.Interno Evaristo da Rocha.
PflACA DO P.ECIFE 28 DE JANEIRO
E 1870.
A8 3 1/2 HORAS DA TARPU.
Algodo 1' sorte973 rs. por MI.
Goncallo Jos Alfonso,
Presidente.
Mesquita Jnior,
Secretario.
ALFANDEGA.
lendiraento de dia 3 a 27. .
dem do dia 28......
1,148:646*158
16 370*804
1,165.016*962
MOVIMENTO DA ALFANDEGA
/olumes entrados com facendas
dem idem com gneros
/olumes sabidos com Uzendas
dem idom com gneros
83
132
-----2io
67
360
-----127
Descarregam hoje 29 de Janeiro.
Brigue inglezSolyvaemercadoras.
galacho portuguez Posi/polagedo.
Patacho americano -Seoritafarinha o ba.
Polaca hespanholaMnrestarycharque.
Barca maleza C3>mornndormentes.
lECEBDORlA DE RENDAS INTERNAS GE-
RAES DE PERNAMDUCO.
tendiraento do dia 3 a 27. 43:970*322
'dem do dia 28....... 2:933*928
46:904*250
CONSULADO PROVINCAL
tendimonto do da 3 a 27. 168:401*019
Idbn do dia 28....... 3:3533744
171 754*763
85030
Indcmltsacoei terrestres.
Prejuzo causado pelo incendio no
armazem pertencjnto a a predio
n. 66 da ra do Bruna
Titaldas ind3nanisacojs
Diversas tuba.
Despezas geracs
Commisso e garanta da diroecao
Dividendo do anno 24* por accaa
l'io:684*461
7:000*000
163:684*461
6:044*308
18:573* 467
24:000*000
212:303*236
Sentimos tsr d Hongo periodo de 14 anno o alguns mezes, que
unto tem de existencia asta aociaco, nao pode
olla eviar o primeiro pleito qae Ihe foi proposto,
porque trata va se de urna fraude.
Um estabetecimento gaguro od -30:000* appare-
Respondo ao Liberal. Nao deixo a ca-
lumnia tirar bom partido do meu silencio.
O oespreso, qae eu voto a calumnia o ao
articulista do Liberal nao obsta a que mn
delenda ; porque don ao publico sasfaclo
de mim.
() Foi na verdade engao o termos dito que e
trem descendente, de que falla o Sr. Rocha, cau
sara o accidente, quando foi o ascendente ; isto
porm nao altera o que dissemos quanto ao ter o
maquinista presenciado evitar o accidente, quando
recooheceu sobre a linha nm objecto, quo s dis-
tingui ponca distancia ser ura hornera de cor
E' nimiamente coohecida a animosdae com qne
no geral sao tratados os ompregados inglez-'s da
estrada da ferro ; por isso pouco estranhavel
quo se aUrbua ao machnista que guiava o refe-
rido trem ntenodes malvolas, do preferencia
suppor qoe por acaso se dera o accidente, era-
rnos ter respondido ao Sr. Rocha.
A reiaKc&o.
MOVIMENTO DO PORTO.
JVat'io entrado no dia 28.
Goyanna6 horas, vapor brasileiro Parahyba' de
104 toneladas, coninandanle Oliveira, equipa-
gem 14, carga assucar ; a Companhia Pernam-
bucana.
AracatyHyatc brasileiro Craciosa, captao Joa-
quira Antonio de Figueiredo; carga dilorcntes
gneros.
Penedo por MaeeiS3 dias e 20 horas, vapor na-
cional Potengy, de 281 toneladas, commandante
Francisco Martins da Costa, equipagem 33, car-
ga varios gneros ; a Companhia Pernarabu-
eana.
Rio de Janeiro o Bahia5 das, vapor inglez La
Plata, de 1857 toneladas, commandante I. Hole,
equlpagem 130, carga differontes gneros ; a
Adamson Howiedi C.
Navios sahidos no mesmo dio.
Aracaty pelo AssHyate brasileiro Graciosa, ca-
pillo Joaquina Antni a de Figueiredo; carga
varios gneros.
Rio da PrataPatacho inglez ResoMion, capio
Storbell ; carga assucar. ^^
Soulhampton e portos intermediosVapor inglez
La Plata, commandante Hele; carga o mesmo
que trouxe dos portos do sol.
Obsereacito.
Su>pendeu do lamaro para MaceiBripao aus-
traco Pitww Serezenotto, captao G. Heracacho,
com o mesmo lastro qne trouxe da Bahia.
dem para o Rio de JaneiaoPatacho portuguez
Mara Barbosa, capilo Thomaz R. Furtad) ;
carga o mesmo qne trouxe da ilha do Cabo-Ver-
de.
dem para ParahybaBriguo inglez flamond,
captao G. William ; cora o mesmo lastro que
Ironxe de Montevideo.
EDITAES.
FACULDADE DE DIREITO
De ordem do Exm. Sr. director se faz publico o
programma infra organisado pelo conseibo direc-
tor da instraccao da corte para servir neste Fa-
uldade nos proxirms exames do feveroiro a
marco.
Programtaa dos pat para om
exaaaes das materias abaixo de
claradas.
SCIENCIAS.
AB1TRMBT1CA.
Prava escripia.
1 Div;3a Jjs nmeros Interos.
denQ
3 Mximum C'-mv.
4 MetBologi*.
5 Diviiibiiidadedos nmeros.
e^eduoiifljlaJra
7 Quadr
8 Propor
9 Regra decotapaobia,
10 Tbeoriado lopwmos.
ALOKBRA.
Prona es-ripia.
1 Emprego da* launa e doaafnaes, como mai
do abreviacao *K|eneYaJ*acao iaacalcuio.
3 MulUplicM* algtica.
3 Theoria efemenur do mximo commam di-
visor.
4 Resolucao das equa?dee do 1* grao a unta s
incgnita.
5 Resolucao das equacoes do 1* grao dua* in-
cgnitas.
6 SolucSes negativas dos problemas. Theoria das
quantdades negativas.
7 Discossao das equac/acs do 1' grao i orna s
incognila:
8 Formulas geraes do* valores-das incgnitas
geometra
Proco escripia.
Dem nstracao do* segunlas theoremas.
1 Peto mesmo ponto em um plano nio poda pas-
sar mais do urna nernenclicular urna reta.
Em qpa]
duas bates, <|
te proporconaes.
A recia perpendicular a duas no ponto era quo
estas cortcwrem perpendicular t TjuaJquer i>n-
tra tracada pelo mesmo ponto no plano din doas.
2 As oblqua* que se desviara igualmente do p
da perpendicular sao iguaes, a que mais sa des-
via a maior, a a perpendicular a menor boba
que se pode tirar de um ponto nma recta dada.
Toda recta, paralleia a um do* lados de uat
triangulo, forma com os ontrn don*, outro trian-
gulo semelhanle ao primeiro.
Todas as perpendiculares a um ponte da unan
recta existen em nm plano.
3 Todo ponto da perpendicular ao meio da nma
recia equidistante dos extremos desta, a todo
ponte que goza desla propriedade est situado m
perpendicular.
Era dous polygonos *ajaMhantes qnaesquer k-
nhas homologas sao proporcionaes aos tado ho-
mologo?.
Por uro ponto tomado em um plano, ou lera
delle, nao pode passar mal* da urna roela perpen-
dicular ao plano.
4 Duas rectas, qne fazem con tereeira ngulos
alternos-internos igoaes, sao paralleia?.
Em todo triangulo rectngulo o quadndo da
hypothenosa Rual somma dos quadrados dos
outros don* lados.
Partindo de nm ponto urna perpendicular e nma
oblqua a um plano, se sobre a recta que una ou
ps de nma e outra so levantar no mesmo plano o
pe. p da oblqua nma perpendicular, esta *ern
perpendicular oblqua e ao plano da perpendi-
cular e da oblqua.
5 Duas rectas que fazm com tereeira ngulo
alteraos-internos desiguaes, necassariaraeule en-
conmm-se.
Era todo triangulo obtusangulo o quadrado do
late opposto ao ngulo obtuso igual a somma
dus quadrados dos outros dous lados, mais duas
vezes o producto de um destes lados pela projec-
cao do outro sobre c seu prolungamento.
Partindo de um ponto urna perpendicular e mul-
tas obliquas a um plano as oblquas que se des-
vian igualmenledo poda perpendicular sao iguaes,
a qne mais se desvia a maior, a a perpendicular
mede a distancia do malo ao plano.
6 Dous ngulos que tem os lados parallelos c
as aberturas para mesma parte ou partes oppos-
tas sao iguaes, e os que lera os lados parallelos o
as aberturas para partes diversa, nao opposlas,
sao sup;ile neniares.
Em qnalquer triangulo o quadrado do lado op-
posto a um ngulo agudo, igual somma dos
quadrados dos outros'dous lados, menos duas ve-
zes o producto de um dos ladea, pela projftccao do
mitro sobre elle!
Dous ngulos diedros sao proporcionaes aos n-
gulos planos correspondentes.
7 Em lodo o triangulo a summa dos tres ngu-
los e igual a dous rectos.
Dous parallegramos da mesraa base o da mes-
raa altura sao equivalentes. ^,
Todo ngulo diedero tem por mcTida o ngulo
plano correspondente.
8 A perpendicular abaixada de qualqner ponto
de um dos lados de nra ngulo .abliquo s&ore o
ouir lado caha dentro do augulo, se estj agu-
do, tora se obtuso.
Douk rectngulos da mesma baso sao propor
conaes s suas alturas.
Todo plano, em que existe urna recta perpendi-
cular a outro plano, perpendicular esse intro.
9 Em un ti ngulo issceles os ngulos op-
postos aos lados iguaes sao tambem guaes.
Dous rectngulos qnaesquer sao propjreiotiaes
aos productos das bases peas alturas.
Toda recta tracada cm um de dous planos per-
pendiculares entre si, e peipindicular interset-
<\\> lommiim. perpendicular outro plnno.
10 Sondo desiguaes dous lados de um triangu-
lo, ao maior lado se oiqioe maior ngulo.
A arca de ura rectngulo ignai ao producto-
da baso pela altura.
A inler a um terecina, una recta perpendicular ao ter-
cero.
PIHLOSOrHIA HACIONAL E MORAL.
P) oca escripia.
1 c nossas deas em geral snas diverjas espe-
cies.
2 Do jnizo e do raciocinio.
3 Das proposirdes, suas especies, convergi e
opposicau.
4 Das dilferontes especies do argumento o anas
regras.
5 Dos sophsmas e cansas dos erro3.
6 Exposico e critica das hypolhes;3 i:bra a
uniao da alma com o corpo.
7 Da idea de um ento necossaro, provas de na
existencia. _
8 Da conscenca moral, da impulabihdada de
nossas arcoes.
9 Moral religiosa, culto interno e extemo.
10 Moral social dos Vveres de bcneOconeia.
GB0OBAPHIA.
Propn escripia.
1 GeographiaTerraSuperficie ; movimonlos,
exos, polos, equador, meridianos, trpicos, circu-
ios polares, zunas da trra.
2 Divisao da superficie da trra, em trras e
aguas. lirias, continentes. Pnmeira divisao das ter
ras. Ocano e sua* divisos:
3 Globo mappa-muadi, planispiierio, cartas
gcographicas particulares, chorographicas, t^po-
graphcas c hydrographcas geraa.
Horisonie visual, pontos cordeaa c coi!*rae*.
Regiao, paz, na cao, capital.
4 Mares, eorrente* e naonlanbas de geto.
Fundos dos mares, sua atovacao al a un*r!-
cle e exterior das aguas, grupo do ilha, ardama-
lago.
Costas, praias, riba, dunas, poninsuia*, Istnmos
cabos.
5 Planicies, montanhas, serras, grupos syitema
do montanhas, valles, volcoes, neves perpetuas e
geleiroi massico?, steppes, dsenos, oaaia.
6 Lagos, lagoas, pantanos, rio*, canaos, baeiss,
vertentes e linha ^ divisao das agoas.
7 Reg* natural, poltica e elhnographica.
Estados soberanos e meio soberano, 4 divisos
empregadas em snas descripcoes.
Superfleio de um osudo. Populacao absoluta e
relativa.
8 Montonhas, ilha?, cabos, lagos, bsh
seadas, cstreitos e ros principacs da Amer>
Norte.
9 Ditas da America do Sul.
10 Rios do Brasil, a en prncipaea Buen
KTORiA.
Prora escripia.
1 Croacio do mundo. Abraho. Mafia Rui-
na dos Judeos.
3 Grecia. Licurgo. Soln. Guerras
Pericles. Guerra do Peloponeso.
3 Aloxandre Magno. Dasmerabramen-
narchia macednica. Conquista da Maco lonia o
da Grecia pelos Rumanos.
4 Fuodaoao de Roma. Queda da Koosrcnia.
Inslituico do Consulado, do tribunato e
dura.
5 Guerra pnicas. Guerra civil. J aji-
la. Dictadura de Scbylla.
6 Primeiro Triunvirato. Octav
linperip Romano
7 Origen e progresso do Chrislianismc. Qass-
lantuio Magno.
8 Invasao dos barbaros. Qnda
Lombardo.
9 Carlas Magn? Queda ck
Feudalismo.
I



s
m




\

U >
Diario do Fternabuco

_-------

10 Mthomel Mantera?; CfcWa-
H Gre;.
13 Cruz
13 Chri-
cTro Alvaros Cinr-l. I
(i Brasil. Capitanas liefadM-rae. Estaielccui
i liento de um.governofjera'. l A.U
Th ,uza e Duarle da Costa, Mem de Sa.
isVe Franelsco I. Phppe IL
Dominio da Hespaalia eni Portugal e to Brasil,
i que se achou o Brasil em 15 1.
16 Reforma Religiosa. Guerras de religia
Franca, eiri Allemanha e e-Q Ingtatcrra. Concilio*
Tride'ntno.
17 Primeira invasa? dos hollande/os 80 Brasil.
l'erd'i e rejtauraco da cidade do S. Salvador. Si-
dos hollan lezes. Perda de Olinda
e el. snBseRnente guerra at a capitula-
18 Eeitos no Brasil da guerra da successn do
liespanh i. Lutas eom os hespanhas no sal. H s
iRtaades 'I s toncaus enmmandaiv- por Dnclerc
i: nni Deigna- Frouin no Rio de Janeiro. Trta-
le Ultreem, o de Madrid.
l-.i Reroioeio de Inglaterra. Gasa de Stuart
C.rfflQwtsil. C*a de II in iver.
20 Luiz XIV. Revblugao franceza. NapoleSo I.
RiiTonn: \ 'k "-WTWA.
Preru escripia.
1 O que se devo entender p eloquencia c rhe-
torta.
lioneros de cloqnench.
i Partea do discurso.
i- Virt'.idoj tj virio*" da el icu.
"> Graos de ornatos. O
ii Figuras de pensrnoslo.
7 Figuras de palavi.i.-.
8 Deflnico e orlgem da poesa*
') Do critica Iliteraria.
10 Do gosto, de bsMo c do sublime.
AiUTtiMr.iii;.-.
Prova eral.
1 Numeracao dee.mal.
2 I'ropt edades c usos da inulliplicago e di-
viaSo.
3 Redcelo das fraecSes expressao mais sim-
!*
4 Operacoos sobre as frar.eoes ordinaria;.
5 Operante- sobre as fracgde* decimars.
6 Operantes sobre os nmeros complexos.
7 Caracteres de divisibilidade dos nmeros 2 e
" e suas patencias, e 4os nmeros 3 c 0. Provas
.los 9. J
8 Cubo o raz cubica do- nmeros.
9 Kegra de tres simples, composla, de juros, e
de descont.
10 ProgressSes por differenga.
11 Proitroesfles por quociente.
l Appeaeocs dos logarithmos.
ALGEBRA.
J*rop ora!.
I Addicao e subtraegao algbrica.
i Divisao algbrica.
3 Exemplilicaca i do maximo-eomiiium divisor,
i (ijieracdes sabr as fraegoes algbricas.
"; Problemas-do 1." grao a nm* <> neoemit
5 lia!i i, Estados Pontificio:}.
G Hejpan'i igal.
grao do
Rectos e
Casos de
0 rroniemas-ao i. grao a urna s incgnita.
6 Problemas do l. grao a duas incgnita-.
7 Discnsso das oquagoes do 1." grao a duas
locognitas.
8 ; liscussao do problema dos eorreios.
9 Problemas indeterminados do i. grao de urna
' juaco duas incgnitas.
10 Problemas indeterminados do I
las equagocs a tres incgnitos.
(EOMETaiA.
Prora oral.
1 Casos de igualdad' dos tringulos,
danos perltelos.
i Qaadrilateros o suas variedadas.
igual 1ade dos ngulos triedros.
3 Polygonos. A somma dos ngulos planos que
eompde nm ngulo polyedro convexo menor que
uatro ngulos rectos.
4 Circumferencia e suas combinagoes com a li-
nha recta.
Se de um ponto tomado na abertura de nm n-
gulo triedro se abaixam perpendiculares sobre as
'icos deste ngulo, forma-se nm segundo ngulo
triedro, eujos ngulos planos sao supplementos
dos ngulos diedros do priraciro e reciprocamente.
5 Propredade da perpendicular abaixada do
-entre do circulo sobre urna corda. O quadradn
da diagonal de iim parallelipipedo rectngulo
igual a somma dos quadrados das tres arestas
lontignas.
6 Propriedades das parallelas no circulo. Quan-
do urna pyramide cortada por um plano paral-
elo base, as arestas e a altura sao divididas em
partes propojeionaes; e a seccao figura seme-
: liante a da RRc.
7 Kelacao entre os arcos que tem cordas iguacs,
os que tem cordas dosiguaes. Casos de igual-
dade dos tetraedros.
8 Determinar a medida comraum de duas rec-
tas e de dous arcos do mesmo circulo e a sua re-
laco numrica. Avaliacao da superficie lateral
do prismn, do eylindro recto, da pyramide regu-
lar e do cne recto.
9 Medida dos nguloscentral, inscripto, cir-
cunscripto e excntrico. Toda a seccao t'eita na
sphera por um plano <' um circulo.
10 Em todo triangulo ou era todo polygono re-
gular sempre possivel inscrever e circumscre-
ver um circulo. Dous parallelipipedos da mesma
liase e da mesma altura sao equivalente?.
11 Circuios .-rcantes e circuios tangentes. To-
do o parallelipipelo obliquo pode ser transforma-
do em um parallelipipedo rectngulo de base equi-
valente c da mesma altura.
12 Semelhanca dos tringulos e dos polygonos.
Todo prisma triangular obliquo metade de tira
arallclipipedo de base dupla, e da mesma altura.
13 Propriedade da perpendicular abaixada do
vrtice do ngulo recto de um triangulo rectangu-
i i.re a hypottiensa. Dous tetraeJros de bases
.-univalentes e da mesma altura so equivalen! -
11 Ar a do parallelogramo. do triangulo, do
trapesio, do polygono regular e do circu o. Dous
parallelipipedo? da- mesma base, sfio proporcionaos
as suas alturas.
15 Lionas proporcionaos consideradas no cir-
i ulo. Dous p,ir:illflipipedos qoaesquer sao pro-
porcionaes aos productos das bases pelas alturas.
- 16 Relacao entre os permetros de dous polygo-
nos seolnantes e de dous circuios de raios dilTe-
w/m. Vokune de um paraUaippipodo qualquer.
17 RelaQOei entre as reas de dous polygonos
iii>llnui;s o de dous circuios de raios differen-
tes. Voltime do-prisma, do eylindro, da pyramide
e do eo ie.
18 rea do sector circalar e do trapezio circu-
ir. rea e veame da esphera.
PH1LOS0PHIA RACIONAL E MORAL.
Prova oral:
t Objecto da philosopliia, sua divisao, e relacao
eom as mais seienra*. Das laculdades dalma :
: iliihdade, cntcndimento, vontadr
2 A ptWepean exterior, attencao e com.parac.ao.
.\bstrac5a0, formacao das ideias geraes.
3 A memoria, associa?ao das ideias, imagmagao.
Cta signaes, e em particular os vocabulos, sua re-
lacao com o pensamenlo.
4 Methodo, analyse, o synthese. Definico, divi-
sao e el assificacao.
5 O senso intimo, videncia, certeza, axiomas,
domontracoes.| Observaeao externa, induccao, ana-
logia e probabilidade.
6 O testeraunho humano : certeza da tradiceo.
I'egras da critica histrica. .
7 Syclogismo, suas regras e figuras.
8 A origem de nossas ideias: apreciacao das
opinioes dos autores.
9 As i'deias fuadamentaes do enteadimento hu-
mano, substancia, causa, tempo, espago infinito, fi-
nito, unidada, corpo.
* 10 Sensibidade. seos caracteres. Sensacoes,
senlimentos, aixocs.
11 Actividado espontanea e retlexa : deseripcao
ios actos de vootade.
11 A presciencia divina c a liberdade humana.
13 Demonstraccao de liberdade, influencia dos
motivo sobre a vontade.
14 O Ek, sua unldade e denudado, espiritual i-
lade d'alma.
15 Os attributos metaphisicos de Deas.
16 Imraortalidado d'alma. Motivos dos actos
bananos.
17 Critica das principaes opinies dos philoso-
phos sobre a natn*eza|do dever. Demoiatracao da
ki natural.lei positiva.
18 Mrito e emrito, pena e premio.
19 Moral individual. Deveres relativos ao cor-
po ao espirito e ao9 bem exlnnseeos. I.
JO N05S1 do dtrBito, dovare^ferao ia justica.
IV devores geraes na soaodade doaiostica e ci-
ri!.
00 RAB A.
Prot> oral.
I Suecia e Noruega. Dna nirea, seu limites,
popjilac^d, govj.rno, capital e cidab."- principaes.
I Russia da Europa. Pr seia e Austria. Lirai-
tsa, populacao, etc.
3 Estados secundarios da Allemanha, Hollanda
1 8elgica.
Ks:ib- Jo In.l
. -t UJi-l.'.lidjj.
12 Mxico, America Ingiero e Amrica Russa.
lo America Coniral, EstuJos iu lopjdeates e o-
lonias europeas
14 Brasil, limites, popnlago, gnverno, capiul do
imperio.
1" Brasil e provincias, seos limites e capitaes.
16 Colombia, Equador, Per, Chile; Bo liviali-
mites, populacho, govorno e capitaes.
17 Repblica Argentina, Uruguay, Paraguay :
limitai iiopulaco, governo, capitaes o eidaue?
principies.
18 frica, ostados barbarescos, colonia de Ar-
19 Egypt", colonias europeas n'Afciea.
20 Melania c Australia.
HISTORIA.
Prora oral.
i E-tabelecimepto dis judeus na trra da pro-
s.iul e David. Salomao, divisao dos
ntios. Captiveirtis.
:i Rvro, Cambyscs. Organisaeao da monarchia
Modo Persa.
3 Grecia. Guerra contra Cyracnsa. Alcibia-
des.
4 Tbebas, Epaminondas e Pelopidi;
C Secub del' l.ettras e arlos na Gre-
cia.
0 Rjma. Os Docemviros. Lei das doze labbas.
O prei
7 Guerra com Porcenna, com os Sannitas.com
os T.ii'ontinos.
8 Dertiuieao de Cartbargo, Macodonia, Grecia,
provincias romanas.
9 H una depois da morte do Cezar. De Augusto
0 itO.
10 Do Ner a a Claudio II. Anarchia militar, de
Aureliano a Deoclcciano.
11 De Tiieodosio at a queda do imperador Oc-
cidental.
12 Jti liniano, Belisario, Narcos. Victorias con-
tra os Godos, Vndalos e Persas. Reforma das
instituirse* jndiciaes.
13 llspanlia o Portugal at o fim do XIV sc-
eulo.
11 Os Omniadas, Albassjdas, SeldpuL-idas.
Os Oltomanos at Maliomet II.
13 Tranca, Capentigio at Felippe I.
M6 Guillicnnc o conquistador. Guerra das duas
liosas.
17 Italia nos seculos XIV CXV, Voneza, Geno-
va, Piza.
18 Allemanha c Suissa, desde Conrado I at
Maximiliano I.
19 Franca, Carlos Vil Luiz XI, duques de
Borgonha. *
30 Hespanha e Portugal no XV seculo.
21 Descsbrimentos e estabelecimento dos Euro-
peas as outras partes Jo mundo.
22 Queda de Coustanlinopla. Rcnascimento das
iettras, seiencias e arles, e seu desenvolvimento no
seculo XVI.
23 Inglaterra. Henrinue VIII. Izabel.
24 Franga. Guerras de religio, Henriquo IV.
20 Carlos XII da Suecia, Pedro Grande da Rus-
la.
26 Guerra de trinta annos. Paz de Westphalia.
27 Frederico Grande. Guerras de successao da
Austria e de sete annos.
28 Calhariua II da Russia. Polonia, Suecia, Di-
namarca.
29 Paz de Portugal com Hollanda. Causas da
mina do poder hollandez no Brasil e do triumpho
dos pemambucanos. Resultados da guerra.
30 Juros admits rativos no Brasil. Motins po-
pulares. Modilicacoes e desenvolvimento da adrai-
nstrcao civil e ecelesiastica. Lula entro os jesu-
tas e o's colono*. Companhia do estanco no Mara-
nliao. Rovoita de Bechman.
31 Destraicao dos Palmares. Guerras civis dos
tnaseaks em" Pcrnambuco, e dos emboabas em
Minas.
32 Desenvolvimento e progresso do Brasil no
reinado de D. Joao V.
33 Reinado de D. Jos I. Questdes e lutas no
su! do Brasil. Jesutas, sua expulsao. O mar-
quoz de Rombal.
34 Independencia dos Estados-Unidos da Ame-
rica. Franca. Assembla legislativa e conven-
gao. Directorio e consulado.
' 35 Primeiras ideas no Brasil. -Conspiracao mal-
lograda em Minas. O tira denles.
36 TransmigracSo da familia real de Braganga
para o Brasil. Sede da monarchia portugueza no
Rio de Janeiro.
37 Guerra com os Hespanhes no suj, e com os
Francezes no norte do Brasil. Revulucao republi-
cana em Pernambuco.
38 Revulucao de Portugal em 1820. Seus ef-
feitos no Brasil. Regresso da curto portugueza
para I.i -boa.
39 Primeiros mezes de regencia de D. Pedro no
Brasil. Desde o da do Ficoat o dia do Ypi-
ranga.
40 Acclamacao e coroagao do primeiro impera-
dor dor "Brasil." Guerra da independencia.
BKT0B1CA E POTICA.
Proco oral.
1 Exordio. Xarrago.
2 Confirmagao. Pororagao.
3 Disposigo. Elocnco.
4 Uso dos tropos o figuras. Da boa collocacao
das palavras nt> discnrso'Bratorio.
5 Eloquencia do foro, do pulpito, dos panegy-
ricos.
6 Do modo de cscrever a historia : obras phi-
toiophieas, dilogos, epstolas, novellas e romances
histricos.
7 Da inelrificagao.
8 Dj genero lyrico.
9 Do genero didctico.
10 Do genero pico.
11 Do genero dramtico, tragedia.
12 Do genero dramtico, comedia, drama.
Conforme. (Assiguado) Fausto Augusto de
Aguiar. .
Secretaria da Faculdale de Direto do Recife
27 de Janeiro de 1870.
O secretario,
Jos Honorio Bezerra de Menezes.
gum doented* affecpao grave, devando-ds sacbris-
taos e cliefes de corporacoes religiosas conformar
se cimoattflaili do facultativo assistente, que
ser rtjMM* p ;la autoridaile policial do lugar :
ifr.icl iros a-rao multados em i';
Ti 111! o ()>
Arl. 10. Os almocreves nao poderlo entrar ou
sanir da cidale m miados nos cavallos quetiverem
carga, e deverao conduzi los pal eabrestos : os
infractores serio multados em 24-
POSTURAS ADDICIONARS BE 18 DE
JCLID DE tt3&
Art.-9. E' prohibido a todo e qualquer cocheiro
e conductor de carrera, pipa d'agna, etc., maltra-
tar os animaos com castigos hartaros e inmode-
rados.
Titulo 10.
Art. 2. A nenhum individuo livro ou escravo
ser permitlido indar as ras da cidade e povoa-
dos do municipio sem calca 8 camisa por deniro
da raiga ; as oscravas s'podero sahir a rna es-
tando honestamente vestida : os infractores paga-
rao a multa de 2*.,/-sendo a dos escravos paja'
pelos seus senhores.
Art. 3 Toda a pessoa que de da tur acnada
nua era beira de praia, ou lomando baoho com o
mrpo descoberto era a devida decencia, sera
multada em 25, sendo paga a dos escravos pelos
ios senhores._______
iduilnlstra^o dos crrelos de
Pernambuco 8 de Janeiro de
1890.
Mala pelo vapor Cururipc da companhia Pernam-
bueana. ..
A correspondencia que tem de ser expedida no
da 29 do correnta pelo vapor cima mencionado,
para a Uha de Fernando, ser recebida. Unto jor-
naes como cartas a registrar, como tambera as
ordinarias, at as 11 h'ras da manha.
O administrador,
Alfonso do Reg Barros.
Relagao das cartas registradas vindas do norte e
sul existentes na administra cao do correio.
Antonio dos Santos Oliveira, Anna Joaquina da
Trndade, Antonio Burges da Fonseca, Amonio P.
B. de Azcvedo, Antonio Jos da Silva Brasil, Au-
gusto Muniz Machado, Arsenio Cuim Catu, Bento
los da Costa Jnior, Benjamim Constancio de
Monra, Carlos ri. Dampson, Dnamerico Augusto
do Reg Rangel, Decio de Aquino Fonseca, Cosme
Jos dos Santos Callado, Euzebio da Cunta Beltro
(2), Emilia Cavalcanli de Oliveira, Francisco Jos
da Costa Araujo, Francisca Candida de Miranda,
Francisco Marques da Cunba, Francisco B. Mon-
gao, Gustavo Adulpho Murffbam, Guilherme Au-
gusto Attayde, Genuino Jos da Rea, Hemoterio
.1 .-o V. da" Silveira, Jayme E. Gomes da Silva, Jo-
c|iha da Silva Ramos, Josephna de Oliveira Ca-
bral, Joaquim Jos de C. Siqueira V., J. da Silva
Lisboa, Jos Antonio Pires, Jos Dominguesdo
Carmo e Silva, Jos Francisco Bastos Magalhaes,
Jos dos Santos Neves. Jos Ignacio Accioly de
Vasconcellos, Joo J. Ferreira de Aguiar, Luiz
Francisco Bastos de Almeida, Manoel Gomes de
Mello (2), Miguel Jos Rodrigues, Narciso Fran-
cisco Vidal (2), Pedro Ferreira Brandao, Plinto A.
Xavier do Lima, Romeo da Rocha Bastos, Ray-
mundo B. de Lima Pires, Salgado & Neves, secre-
tario da directora do Imperial Instituto da Agri-
cultura
Cf)!PA!IA BRASIL*
DE
Tapetes a vapor.
Dos portos do sul esperado
at o dia 7 de fevereiro o vapor
Arinm, commondacte o prioiei-
ro-tenetite J C. Duarte, o quaJ
_ dof-ois da demora do costante
seguir para os pdrlos do norte.
Desde j recebein-se passageiros e engaja-se >
arga que o vapor poder conduzir, a anal deveri
*er embarcada no diada guaehegada. Ecconunen-
lasedmheire a frete al as 2 horas do da da sua
saluda.
Nao se reeebem como encommendas senao ob
ledos de pequeo valor e que nao exeedam a dua-
irrobasde peso ou 8 palmos cbicos de medicao.
rudo qne passar destes limites dever ser embar
alo como carga.
Previne-se aos Srs. passageiros, qne snas pas-
agens s se reeebem na agencia roa da Cruz
a. 57 primeiro andar, escriptorio de Ana-nio Luiz
Jo Olivejra Azevedo A C.
Na agencia ri3o se rcebem cartas, so
interessados devem leva-las ao correio. 9
Pra"o_iPort
a barca fTor de S, Simo sahir brevmente, por-
que j tem parte da carga engajada : para o resto
e passagens, trata se com os consignatarios Car-
valho & Nogueira, na ra do Apollo n. 20.
Companhia americana e brasi-
l'eira de paquetes a vapor.
At o da Io de fevereiro esperado dos portos
do sul o vapor americano Nortn America, o qual
lepois da demora do coslume seguir para New-
York tocando no Para e S. Thomaz, para fretes e
passagens trata-sc com os agentes Henry Forster
4 C, ra do Commercio n. 8.
dos objoolos cima pertenecntes ao espolio do sub-
dito hespanbof Antonio de Monserrat : as M ho-
ras do-dia aeima, ap.rta do consulado a ra da
Cruz 11. 5.
uno
lia taberna sita na na da Con-
ceieo n. II
Segunda-feirt 31 do corrente.
Antonio Agoslinho Siixas da Fonsea antori-
sado por seas crsdores (ara leilo por interven-
gao do agente Pestaa, da.armaco, gtz, gncros
e mais utencilios existentes na taberna sita na
ra da Cunccioo n. 11, este estabelceioienM tem
commodos para familia o garntese a chaves,
achs-se Lei afreguezjnlo e muio propro para
um principiante e ser vendido em un> ou mais
lotes spgunda feira 31 do corrente as l hons da
maulia no raesmo estibi leciincuto.
LEILAO
De-um bilhar ;nm todos o^^Mtencps, 2 bancos
de paliuha, diversas eadeiras 1 amarello com
assenlo de palinha. moxosdeamarello, eadeiras
de pao, grandes meza* de jaalar, bancas para
3narros, um armario de amarello para guar-
ir tonca, cabides, torneras, urna escada, um
relogo de parede, 1 mesa redonda do amarello,
una cania franceza com colxao para casal, di-
versos espeluos, lavatorios de madeirae de fer-
ro, um marquezao de amarello, urna qnartinliei-
ra, quadros, una pipa arqueada de ferro, latas
com peixe em calda, um liieiro para charutos,
louca dejantar, dita de almogo, vidros e trem
de cosinha.
Terca-feira Io de fevereiro.
O agente Martns farileilo dos objectos cima
na ra estreita do Rosario n. 11 (hotel que oi)
as 11 horas do dia.
Despedida.
Manoel Bento de Oliveira Braga, tendo seguido
para a Europa, e nao pudendo despedirse pessoal-
mente de seus amigos, em virtud* de seu estado
de sad, o faz pelu psente, eftrecendo sens-
prestim.is em qnalquer lugar que se .
SocWade Itonetce&ft Dezesele-
de JaHeiro.
Nao se tendo reunido numero snllcente de aa-
eios para se constituir a asstmbla geral no dia
17 do corrente para se elpger a nova adrninistra-
cao e mais negocios k-adentes sociedade, do
ordem do IUm. Sr. pre?idente.de novo convido a
todos o-socios effic'.ivos para comparecerem da-
mingo SOido corrente. as 10 horas da manbaa, na
ra da Cadeia h. 48, 2" andar. Na forma dos es-
tatuto?, a assembla funcaionar com o numero
de socios qne comparecer.
Secretiixia da sociedado BeneRecLtc Dczejcte de
Janeiro em 27 de Janeiro de
Alvaro Cam
iro de 1870.
O I" Mentarlo,
aminha Tavares da Silva. *
AMA.
Prccsi-se alagar urna ama escrava para coji-
11a rua da Gnia n. 7.
--------------------------------_
nhar c comprar
m
Precisa se de urna ama para cosinhar em easa
de hornera solteiro ; na rua do Crespo n. 25.
Ama.
AVISOS DIVERSOS.
Para o llio Grande do Sul
pretendo sahir com a maior brevdade possivel o
brigue portuguez Realidaie, de 1" classe c mar-
cha, por ja ter parte do carregamento engajado :
para o retante trata-so com os consignatarios
Baltar, Oliveira & c., rua do Vigario o. 1._____
Para o Porto
pretende seguir com a maior brevdade possivel
a barca portugueza Claudina, de primeira mar-
cha, por j ter grande parte do carregamento en-
cajado : para o resto e passageiros, aos qnaes
offercee ricos e excellentes commodos, trata-se |
cora os consignatarios Cunha Irmos A_C., rua estatutos,
da Madre de Dos n. 34, ou eom o capito a bordo.
Gabinete Porlnguez de Leitura
em Pernambuco.
De ordem do Illm. Sr. presidente do conselho
deliberativo convido aos senhores socios effectivns
a reunirem-se em asambla geral domingo, .10 do
corrente, as 11 horas da manha, allin de ser
apresentado um reqnerimento do vinte senhores
socios que pedem a nullidade das eieigocs que
tiveram lugar a 16 do crrente.
Os senhorts socios que nao estiverem em da no
pagamento de suas mensalidade? nao podein votar
nein serem votados, como determina o art. 5*0 dos
THEATRJ
CAPUNGA.
COMPANHIA PERNAMBUCAN^
DK
WaregaeSo costelra por vapor.
Parahyba, Natal, Maco, Mossor, Ara-
caty; Cear, Mandah, Acarac e
Granja.
O vapor Ipojuca, eommandante
Moura, seguir para os portos
cima no dia 31 do corrente as S hora-
Recebe carga at o dia 29, encom-
passageiros e dinheiro a (rete at as
2L
Ja tarde.
aiendas, e .
2 horas da tarde do dia
rio no Forte do Maltes n.
da sabida no
11.
escripto-
DECLARACOES.
Pela recebedoria de rendas interna? geraes
se faz publico que neste raez e do de fevereiro
prximo futuro que tem lugar o pagamente, sem
multa, bocea do cofre da laxa do escravos do
exercicio corrente de 1869 a 1870, cojos donos ou
administradores niorem as freguezias desta cida-
de e as de fra, a saber : Affogados, S. Amaro
Jahoatao, Pogo da Panella, Varzea S. Lonrngo
da Malta e Muribeca; eque lindo o referido praso
ser cobrada cora a multa de 6 %
Recebedoria de Pernambuco. 7 de'Janeiro de
1870.
O administrador,
Manoel Carneiro de Souza Lacerda
Pela secretaria da cmara municipal desia
cidade se faz publico, de ordem da mesma cama
ra, e para o fim de 3erem observados, os artigos
de postura abaxo transcriptos.
Secretaria da cmara municipal da Recife, 28
de Janeiro de 1870.
Francisco Canuto da Boa-viagem.
POSTURA DE 30 DE ICNHO DE 1849.
Titulo 6"
Art. 7. Ficam prohibidos os toques e dobres dos
sinos desdo as 7 horas da noite at as 5 da ma-
nha, excepto as matrizes para administrarlo dos
Sacramentos, antes da missa do Natal e nos casos
de incendio ou rebate : os sachristos on chefes
de corporacoes religiosas que infringirera este ar-
tigo pagarlo 122 de molla.
Art. 8. N'enhuma Igreja dar mais do tres repi-
3oes de cada vez na vespera de qualquer solemni-
ade, e estes s tero lugar ao meio dia, as tres
horas da tarde a as ave-marias. nao devendo cada
um durar mais de cinco minutos : os sachristos
e chefes de corporacoes religisas que infringirem
este artigo, tanto no que diz respeito ao numero
dos repiqnes, como ao tempo que devem durar,
serio multados em 101.
Art. 9. Nenhuma igreja dar mais de dous do-
hres de cada vez por cada fiel que nnrrer, eesse<
d >hres serao dados ao resaber a noticia da_ morte
e na uceasido do enterro, os quaes durarn so-
raenle dez minutos: os saconstaos Mchefes.de
c irporaooes religiosas que intringir>.-in a& disposi-
' oes deste artigo -ero asaltados em 101.
Art. 10. Nenhuma ifrnja dar mais de quatro
dobres por eecatiao do offic.io de corpo presente e
dous as vi t.ice- de cvas, devendo durar so-
mente dee iwutos.'*, os sachristaus ou chefes de
corpime/ws religioAs que infringirem as disposi-
cdos d ste artigo serlo multados em 101.
Art. 11. Os dobres e repiques sero reduzido
raptad i do tempo pre*eripto, podendo mesmo ser
supprimido ao na visinhanga da igrnji louver al
Grande e variado
ESPECTCULO PASTORIL
So a dlreecSo
DO
Artista dramtico
PEDRO BAPTISTA DE SANTA ROSA
Sabbado 29 do corrente.
1 RECITA DA ASSIGNATl-RA.
Logo qoe a orcheslra, (dirigida pelo assas dis-
tinclo professor Francisco Libanio Colas Flhn)
ti.ver executado nina de suas mais brilhantes or-
\> turas se abrir a scena com o toque de alvora-
da desempenhada pela mesma orchestra, no flm
da qual subir a scena o VAUDEVILLE PASTORIL
de grande espectculo, ornado de arias, coros e
dancas em dous actos e o mesmo que foi scena
no the tro de Santa Isabel em 1863, que tantos
applausos mereceu,
Neste vaudeville toraam parte todas as pastoras
e cada urna canta a sua aria.
rEUSONAGKNS. J0VEKS.
Raquel, pastora---- D. Rosa Emilia.
Ruth, idem........ D. Lourenca Justina.
Judit, idem....... D. Annunciada.
Aleina. idem....... D. Antonia Elisa.
Tirse, idem....... D. Laura das Neves.
Cecilia, idem...... D. Mara dos Rfis.
Da I i na, idem....... D. Mara Carolina.
Ismene, dem...... D. Francisca de Paula.
Flora, idem........ D. Joaquina Peixeto.
Laura, dem...... D. lgnez Mara.
Estber, velba..... Sr. Santa Rosa Flbo.
Boo-, pastor......." Sr. Guilherme Ferreira.
l"m anjo.......... D. Gliceria F. Paschoa.
Em um dos intervalos todas as pastoras dansa
rao urna linda contradanga campestre ensaada
caprichosamente pelo Sr. Manoel Baptista de
Souza.
Terminar o espectculo com o coro da despe-
dida.
PRECO DOS BILHETES.
Camarotes'de 1* ordem.. 8J000
Ditos do 21 ordem....... 81000
Cadeiras............... 25000
l'latra................. UOOO
O- bilhetes acham-se dasdo j venda na casa
do Sania Rosa, rua de Slnta Isabel n. i:j e ni dia
do espectculo'uo theilroi **)'-
' 1?rincipiar as 8 horas.
THE1TR0
GYMNSIO DRAMTICO
(No Moateiro)
SOD A DIREC^AO DO ARTISTA
DOMISGO 30 DE JANEIRO DE 1870.
4." RECITA DE ASSIGNATURA
Primeira representacao do excellente drama em
2 actos, de Camillo Castello Branco intitulado :
JUSTICA
Tomam parte toda a companhia.
Segue-se a exibicao do despropsito a proposito,
ornado de msica, escripto exoressamente pelo
artista De-Giovanni e por elle offerecido aos Ilus-
tres conductores da MACHAMBOMBA- denomi-
nado :
0 nachiMbombeiro em apuros
Depois a Sra. D Jesuina e o Sr. De-Giovanni,
cantaro o muito applaudido dueto
A panella do f-i'iq->
Terminar o espectculo com a applandida ce-
media mmica, ornada de msica, intitulada :
0 mudo e o phantasma
Na qual toma parte o artista prossiano o Sr.
Alexan Ir Sirobing e a Sra. D. Jezuina e os
Srs. Braga e De-Giovanni.
Os bilhetes acbara-se na estagSo do Recife e no
thairo.
Principiar s 8 horas.
Iiha de 8. Miguel
Nestes poneos das segu a escuna portugueza
Seretra : para carga e encommendas tratase com
o seu consignatario Joo de Reg Lima, rua do
Apollo n. 4.
PARA LISBOA.
Va sahir al o dia 6 de fevereiro a escuna por-
tugueza Aguia : para carga c passageiros, trata-
se com E. R. Rabello 4 C, rua do Commercio nu-
mero 48.
Para o Porto
deve sahir no fim do corrate mez a barca portu-
gueza Segnranca, anda recebe alguma carga e
tem lugar com bons commodos para passageiros :
a tratar com Soares Primos, rua o Vigario n. 9,
on com o capilao Carmo.___________________
PARA O PORTO.
Dever segair com a brevdade possivel a
Barca portugueza JVoeo Silencio, para carga e
passageiros dirijao-se aos consignatarios, Oliveira
filhos it C, no Largo do Corpo Santo n. 19, ou ao
capitn na Praga do ccmmerein. _______^^^
COMPANHIA PERNAMBUCANA
De naYegaeao costelra por
vapor.
Fernando de Noronha.
O vapor Coruripe eommandante
Silva seguir para o porto cima no
__,dia 29 do corrente, ao meio da.
Recebe carga at o dia 28, encommendas, passa
seirose dinheiro a frete, ate as 10 horas do da
da sabida no escriptorio do Forte do Mattos n. 12
A
Bahia
Segu com brevidade para o porto cima o pa-
tacho inglcz 1. Borcleij, recebo carga a frete com-
nvdo : a tratar com os consignatarios Lempson
Duder & C.
Porto.
Secretara do conselho deliberativo do Gabinete
Portuguez oc Leitura em Pernambuco 26 de Ja-
neiro de 1870.
J. R. Fonseca,
Secrertano.
Precisa-se de urna ama de leite : na rua do
Qneimado n. 12, 3 andar.__________________
Aluga-se um pequeo sitio em Blem, estra-
da que vai para o Salgadinho, tendo urna casa
para punca familia, tendo alguns arvoredos, e
sendo o lugar fresco, por barato prego : qum
pretender dirjase ao ineemj sitio qns achara
com quem tratar. ______
Club do Monteiro
Sabbado 29 do corrente, baver reuniSo
familiar, e trem da via frrea mca bora
depois de meia noite.
0 empresario,
P. J. Layme..
Fugio do engenho Jacar da comarca de Na
zaretb, no dia 23 do corrente, um mulato de nome
Bernardo, escravo, com 20 annes de idade, pooca
on nenhuma barba, estatura regular, cabello eres
po, bem disposlo, gosta de agurdente, julga-se
ter ido rara o Recife, inculcando-se forro : pede-
se muito a toda e qualquer autoridade, aos Srs.
capitaes de campo, e mesmo a qualquer particu
lar, a apprehensao do dito escravo com toda se-
guranga, podendo ser remettido ao sen senhor no
mesmo engenho, ou aos Srs. Leal & Irmo, no Re-
cife, roa da Cadeia n. 56, que ser generosamente
recompensado.
La' vi borab
Pcdo-ee ao Sr. J. C. P. de Q., morador em Ma-
ravilha^tregueza do Bom-jardim, que nao queira
continuar a manchar a reputacao de quem com
elle se nao importa, querendo botar em cima dos
mais aquillo que s elle tem em cima de si, ao
contrario ver seu nome por extenso neste Diario,
bem como patentes todas as suas qualidades o cos-
turaos ; disto Ihe avisara o
Alguera e sen amigo.____
No collegio de Santa Genoveva, a rua do
Hospicio ns. 22 e 24, precisa-so de um criado de
boa conducta e diligente. ;___________
Precisa-se
de um crixeiro de 10 a li annos, que tenha pra-
tca de taberna e d llanca sua induca : na
freguezia dos Angados, rua de S. Miguel n. 68.
Vai sabir breve a barca Laura para carga e
passageiros, trata-se com us con>ignataros Carva,
Iho & Nogueira, na rua de Apollo n. 20.
PARA LISBOA
Pretende seguir viagem, com maior brevdade
possivel. para o dito porto o patacho portuguez
l'osiUvo, capilao Joao Ferreira Bastos, recebe al-
guma Barga a frete a tratar com Marques Barros
A C. no largo do Corpo Santo n. 6, 2 andar.
Porto por Lisboa
Com a maior brevidode vai sahir para os refe-
ridos portos a barca portugueza Claudia, de pri
meira marcha e primeira classe, por ter a maior
parto da carga prompta, e para o resto que ihe
falta e passageiros, trata-se com os consigna-
tarios Veras & Barbedo, ao caes da alfandega ve-.
I ha n. 2.
ATTENCAO
Nao obstante ter sido Sr. Ernesto Angosto
intimado di protesto para nao poder alienar o
engenho Pan d'Arco, agora quiz vndelo ao Sr.
Joo I!. Lins, e porque esto nao o quizesso com-
prar por adiarse certa da materia demonstrada
nesta folha no da 11 o 2*i do crrenle Janeiro, ds-
se que ia vende lo ao commondador Jacintho I!
Este porm nao o compra porque sabe do que ha;
entretanto, como a sedo muita, avisa-so ao res-
peilavel publico pala licar prevenido a respeito :
pelos Sr?. Dr. Frederico Augusto e outros.
O procurador,
Elias Emiliano Ramos.
Precisa-so de nraa ama para casa de hornera
solteiro : a tratar na rua do Rangel n. 6.
O Sr. Antonio Pereira de Souza, digne-se
V. S. comparecer na luja do Passo, rua do Dres-
po n. 7, a negocie que Ihe diz respeito, isto com
urgencia.
lingua portugueza.
O abaixo assignado declara aos senboies esta-
llantes que ainda se nao matricularam para o cs-
tudo da lingua portugueza, que podem dirigir-se
para esle flm ao collegio do Sr. Affonso Jos de
Oliveira, rua Xuvi. esquina que volta para a Cam-
bija do ("armo, onde pretende o mesmo abaixo
assignado dar principio ao referido casino, do da
3 de fevorero em dante.
Salvador Henrique de Albuquerqne.
O' abaixo assignados fazem sricole ao res-
peilavel publico e corpo commercial, que de com-
iiium accordo dissolveram a sociedade que tinbam
na luja de fazendas rua do Cre-po n 10, sob a
firma Bento, Reis A C, hoje extincta. fleando per-
tencendo todo o activo do mesrao eslabelecimeato
ao socio Joaquim Moreira Reis, e ao socio ee-
mandlario, sob a nova firma de Moreira Reis &
C, retirando-so o -'ocio Bento Augusto da Silva
pago em moeda corrente A seu capital e lucros,
e desoiierado de toda a responsabilidade.
Recife 15 de Janeiro de 1870.
Joaquim M( reir Reis.
Bento Augusto da Silva.
Aluga-se ama casa na rua de Agoas-verdes
n. 28 : quem a pretender dirija-se rua do Ara-
gao n. 18, que achara cora quem Iralar._______
O advogado Manoel Joaquim Silveira pode
ser procurado para os misteres de sua profsjo
em seu escriptorio rua do Ciespo n. 12, 1 an-
dar, das 10 horas da manha s 3 da larde. Reside
rua da Conquista (Soledade) n. 4.___________
CASA DA FK.
Aos 20:000^000.
Bilhetes do Rio i venda : na do Cabug n. t,
/ende Vieira & Rodrigues.___________________
O advogado Francisco de Paula Peona conti-
na no exercto de sua proflsso, rua do Quer-
inado n. 29, onde pode ser procurado de 9 horas
da manha s 4 da tarde.__________________
AMA
Na rna do Codorniz n. 8. precisa-se do nina
ra a que saiba cosinhar.________________
CASA DA FORTUNA
Aos 4:00031
Bilhetes garantidos.
i rna do Crespo n. 23 e casas do costme.
O abaixo assignado, tendo vendido alm de ou-
tras sorles, um meio n. 3187 com 4:600f da
lotera que se acabou de extrabir a beneficio da
igreja de Nossa Senhora do Amparo da cunde de
Olinda (134") convida aos possnidores virem
receber na conformidade do costume sem descon-
t algum.
Acham-se a venda os felizes bilhetes da 14"
parte da lotera beneficio do "patrimonio dos
orphos (135*), que se extrahir sabbado 29 de
corrente.
Pregos.
',Os do costume.
Manoel Martins Fu".
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
Navegagdo costeirapor vapor.
Porto de Gallinhas, Rio Formse e.Taman-.
dar.
0 vapor Para*f/6_, seg ir para os portos ci-
ma no dia 31 do corrente meia noite. Recebe
carga, encommendas, passageiros, e dinheiro a 're-
to no escriptorio do Forte do Mattos n. 12._____
AVISOS MARTIMOS.
Ilha de 8. Mig tel
E' esperada nestes poucos dus a barca portu-
gueza Amizade, tem ajni pooca demora ; e para
passageiros, para es quaes te < bellos commodo,
trata-se com Joo de Reg Lima, rua do Apollo
uumero 4.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
Navegagdo costetrapor vapor
Macei escalas, Penedo eAraraj.
O" vapor Poteng, eommandante Mello, se-
guir para os portos cima no dia 31 do corrente
as 5 horas da Urde. Recebe carca at o dia 29,
encommendas, passageiros e dinheiro a frete at
as 2 h>ras datard do dia dasahida no escripto-
rio do Forte do Mattos n. 12.
Rio Graivte de Snl
Para o referid i porto vai .ahr com toda a
presteza a barca portugueza Bedmar por ter a
maior parte da carga prompta : para a que Ihe
falta, pode tratar-se cora David & Baltar, rua do
Brura n. 92.
Aclia-se fgido o escravo Francisco, pardo,
idade 20 annos, mais ou menos, com defeito em
urna perna e braco ; este escravo veio ba pouco
de Sobral, muio ladino, inculca-so por forro,
desconfia-so estar acoutado ; o que desde j se
protesta contra quem o ti ver felto : gratifica-se a
quem o levar'ou delle der noticia na rua do Quei-
mado n. 13,1- andar. ____
Precisa-se de urna ama para cozinhar para pou-
ca familia, e outra para andar com criangas : na
rua Nova n. 22.__________________________
Roga-se encarec lamente ao Illm. Sr. Dr.
Olyinpiu Marcelino da Silva queira ter a bondade
de comparecer rua di Cruz n. 21 floja de calca-
do) a negocio, isto no praso de tres dias._______
AMA
Aluga-se para casa de familia urna escrava ro-
busta, boa engomnutdeira c cozinheira, tendo j
bastante pratica por ter servido em casa estran-
geira o brasileira : trata se na rua da Matriz da
Boa-vista n. 20.
AMA DE LEITE
do lete: na rua
o
o
Ao commercio.
O abaixo assignado declara ao jespeitavel corpo
do commercio, qne por autorisacao dos Srs. Joa-
quim dos Santos Lessa e Joo do Reg Lima J-
nior, membros da extincta firma Lima, Lessa &
C, vendeu aos Srs. Josd Francisco Moreira & C,
o estabelecimento de fazendas, sito rua Nova n.
14, e qne autorisado ainda pelos mesmos senhores
o annunciante o nico encarregado da liquida-
cao do dito estabelecimento.
Recife 28 de Janeiro de 1870.
Joo do. Reg Lima.
CASA
LEILOES.
LEILAO
Aluga-se o segundo andar do sobrado sito rna
Imperial, junto a antiga fabrica de sabio, com
bons commodos, muito fresca, pois 6 de esquina,
e tem quatro janellas de frente: a tratar na rua
do Imperador n. 83, 1 andar. -
Um preto ganhador no
pateo da Penha n. 6, um
quem der os sgnaes certos
zas, se Ihe entregar. _
Mec fe, entreguu no
caixo com gneros,
e pagando as despe-
Oe um rologio de onro, 1 enrrento do dito, 4 bo-
tos depunho, urna casaca nova una sobre ra-
sara, calcas branea% camisas, semillas meias.
toalhas, rob-tes, 1 chapn de manilha, 4 pecas
de cabo de linho e manilhas, 1 bah de coum
ainda novo, 1 malla de viagem e mudos outros
objprtos mindos.
SEGUNDA-FEIRA. 31 DO CORRENTE
O agente Mnrtins. far leilao por autorisacao do
Illm. Sr. D. Juan Bnson. Tico-consol de Hespanha,
Fugio a preta cnoula Benedicta, de '16 annos
de idade pouco raais ou menos, tendo os signaes
seguntes : baixa, chea do corpo. com urna mar-
ca de ferda na parte superior do brago direito,
testa muito curta, naris chato, beigos grossos o
ps apalhetados : quem a pegar leve-a a rua Di;
reita n. 24 padaria, on ao 34 2 andar que sera
recompensado.___________.,
Coovida-sc aos parentes e amigos do finado
Alexandre Jos da Rosa, a assistir urna missa no
da 31 do corrente. s 6 1/2 horas da manha na
igreja do conven do Carmo, 30 dia de sen fal-
lecimento, que por sua alma manda celebrar um
amigo. I
Precisa-se de una ama
Vigario n. 26, Io andar.
INDEMNISADORA
Sao convidados os Srs. accionistas a reunirem-
se em assembla geral ao meio dia do 29 do cor-
rente, no escriptorio da companhia, para Ibes se-
rem apresontados o relatorio e contas das opera-
coes relativas ao anno lindo.
' Recife, 2o de Janeiro de 1870.
Os directores,
Francisco Joo de Barros.
Antonio Jos Leal Reis.
Joo da Silva Regadas._______
__ Urna senhora viuva honesta com urna lilha
solteira, entendendo bastante de costuras, deseja
achar companhia de alguma familia para estar,
sujetando-se tambam a fazer algum engommado :
(juera <-uizer annuncie qne ser procurado.
Ama
Precisa-se de urna ama para
da Cadeia n. 50.
cozinhar : qa rua
Olinda
AMA
A sociedade theatral Olindense d o seu tercei-
ro espectculo sabbado, 29 do corrente. Nao dis-
pondo o procurador de tempo para distribuir os
bilhetes pelas casas dos senhores socios, pede a
estes sonnores que tenbam a bondade de os man-
dar buscar no theatro, das 10 at as 4 horas da
urde no dia do espectculo.___________ -
Para familia.
Alugam-se duas casas reunidas em urna s cora
4 sala?, 6 quartos, grande eoiinha tara, cacimba,
e 2 quntaos murados, sendo um elles ao lado
direito com a mesma extenso das casas e poria
separado, rua do Destino ns. 2 e 4 : traa-
com o Sr. Francisco Ignacio Pinto, agente de lei-
15es, na mesma rua n.tj;_______ ,
Precisa-se de urna ama que compre e ceinbe,
prefere-se escrava : na rua do Crespo n.JgjAj
loJa-________________i.--
Alugim-se aa casas ns. 8 e lo da rua, do
Jasinim : a tratar no sobrado n. "50 da rua da Au-
rora.

Precisa-so de urna ama qoe saiba eoznhar c
diario de urna casa, escrava : i tratu:
na rua do Imperador n. 12, esenptono.
__


Diario de PenuHpbuco Sabbado 29 de Janeiro d* 1870
A ESMERALDA
lll
INSTANTNEOS
Travessa doforpo tSanlo n.25
ARMAZEM
Ba Nova n. 38, loja.
Bandeira, Machado & C, avisam ao ivpeitavel
publico que nos lugares cima encontrar no mes-
mo seropre- grande qnanlidade de ditos pocos, e
que se aeham habilitados para vender por monos
que outro qualqoer, por isso que os recebem di-
rectamente do fabricante Norton, de Londres.
As vantagens que oflerecem os pocos instant-
neos sao : primeiro, podercm ser collocados den-
tro de casa on fura, com o trabalho de tima a dnas
horas; segando, ornecerem os mesmos agua pu-
ra e abundante, podeudo serem removidos de ora
para outro lugar, quando assim convier.
Os annunciantes s reeeborao a imputancia dos
referidos pocos depois de collocados, satistaiendo
espectativa' do comprador.
LOJA BE J01AS
DE
&c.
. Este antiguo estabeiecimento, completa-
mente reformado le novo, est as condi-
35es de servir vantajosainente os seus fre-
^aezes, visto que acha-se jrovido com um
dx ilendido sortimento de obras de ouro e
jrata de lei, assim como brilhantes e ou-
tras pedras preciosas, ayos precos sao os
oais mdicos que se pode encontrar.
As joias compradas nesta casa recebem-
se em troca ou compram-se com pequeo
bate
l RUI 110 GANGIN. 5

s

0 A
3 e3
g 3*3 I
*3
m

I*
gi
es
i
s
MI
i
*
w
<1
IffuH
f-SS.-0
55T?f
&
B,a
g pg <
5 = o
IB'S
? 7" o
>
Nao mais cabellos broncos.
A tintura japoniza para tingia os cabellos
da cabera e da barba, foi a nica admittida
Exposigo Universal, por ter sido reco-
nhecida superior todas as p'reparacoes at
boje existentes, sem alterar a sade.
Vende-se a 4 #000 cada frasco na
Ra da Cada n. 51.
7
1. andar.
Joaquim Jos Gon-
(jalves Beltro
RA DO TRAPICHE N. i7, 1. ANDAt,
Sacca por todos os paquetes sobre o Bao*
o do Minho, era Braga, e sobre os seffuii
-jes logares em Portugal:
Lisboa.
Porto.
Valeria.
Guimaraes.
Coimbra.
Chaves.
Viseo. \
Villa do Conde-
Arcos de Val de Vez.
Vianna do Castello.
Ponte do Lima.
Villa Real.
ViHa-Nova dejFamaliclo.
Lamogo.
Lagos.
Covilhaa.
Vassal (Valpssos).
Mirandella.
Beja.
Hospital Fortuguez
de Beneficencia.
A junta administrativa do Hospital Pnrtupnei de
Beneficencia, roga a queni se julgar credor do
mesmo hospital a presentar a sua coma at o
dia 15 do correte, ao respectivo esmoler, para
ser io continente paga.
OSr. Antonio Pereira de Sonra digne-se
comparecr na loja do Passo a roa do Crespo n. 7
\ negocio que nao ignora ; istn enm urgencia. -
CASA FELIZ
Aos 20:000^000
%o Reeife arco da roneelco n. ?
Os ababeo assignados tendo-se habilitado na
torra das leis, tem exposto a venda os seus feli-
tes bilhetos das loteras do Rio de'Janeiro, na casa
SEGUROS
MARTIMOS
CONTRA FOCiO.
A Companbia Indeinnisadora, estabelecid:
testa pra^a, toma seguros rnaritimos- sobn
aavios e seos carregamentos e contra fog<
am edificios, mercadorias e mobilias: j
Ta do Viffarion. 4. pavimento ter en
GUSTAVE
CABELLE1KEIM FBARCE
61Ra da Cadeia do Reeife51
Chama a atiendo dos seus innmeros fregueses, e do respeitavel publico ta
geral, para a segninle tabella dos procos de sua casa, os quaes sao vinte por cnit
mais barato do que em outra qualquer parte:
Cabellaras para senlioras a VSfi, Cadeias para relogio a $$, 6$,
304, 354 e......404000 74, 84, 94, 424 e. .
Ditas para homem a 354, 405 e 504000
Corte de cabello......
50*)00 Corte de cabello com frieco. .
254, 04 e' *77T 7"'. 324000 Corle de c356"0 com avagem a
Cachos ou crespos a 34, 44, 54, champou. .
64. 74. 85. 94 e. 104000 Crt? de ^"coni, hmpet da
i cabera pela machina electn-
14000 ca> UD'ca em Pcrnamboco.
Frisado ingleza ou franceza.
304000 Barba. .. ,......
ASIGNATURAS MENSAES
Especialidade de penteados para casamento
Bailes e soldres
O dono do festabelecimento previne s| Recoramenda-se a superior TINTURA J\
Exmas. Sras. e aos cavalheiros que ha um PONEZA para enegrecer os cabellos e bar
salo para tintura dos cabellos e barba, as- Da' unica admittida na Exposicao Universa
conro n3o prejudicial a saude, por ser v.
sim comoum empregado* somonte oceupa- ial|t analysada e approvada pelas acaoe
do nesse servico. mias de sciencias de PARS E LONDRES

Coques a 1x4, 154, 184, 204,
254, 304 e
Crescenles a 124,154, 184,204,
Tranca de 'cabello para annel a
500 e.......
Tranca para braceletes a 104,
154,204, 25 e .
1540C*
504
501
140C
14XH
231
Preciosa ublicaco
jurdica,
Comttientario do Cdigo Cdtnmercial Portu
guez e Brasileo.
Vende-se na loja di ra do Crespo n.
25 A esquina da do Queimado. a impor-
tante e moderna obra s>b o titulo dp an-
notardes ao onligo do commercio portuguc:
em 0 volumes orlo Exm. Sr. conselhfiro
icima, aonde se pagarao as sortes -que sahirero r ninon Pi-rfira Fni-ia dp San.nain P-
aos mesDOd bunetes, cora o descont somenu "r. Diogo reren a roijaz ae bampaio fi
rente!, lente rathedraiicn na omversidade
de Cuimbr^. Os subidos crditos de que
goza muilo meird;irn<'nte aqnplle exhuio
commercialista por si s Itastariam para re-
enmmndar to importante obra1, quando
nao concorresse mais para isso agrande
ivantagem de ser um ptimo commenlariu
ao cdigo commercial prasileiro (na falta
absoluta que ha de qua quer 'titm) pelamo-
xima. homogeftOKhide de -nlm militas das
su.'S disposicoes, e as do nieii' miado cdi-
go p-rttiguoz, qu lhe servid de texto.
1 orfei |fisiiPfis(>s. dist'nrta ni'irijade
\ do'-'i." nr'iii ila rarnldde de Dircito desta
3 cidade c DOtauis jurisconsultos, a prover-
I vos desse (wdnoso auxiliar para vr.ssos
traba hoida sci&icia, epelo preco qmmodo
i de 201. tn la lei.
pmeos.
Bilhete inteiro 2J000
Helos 12,1000
Qaartos 6*000
E!de 100* para cima a 22* o biltxte.
Fipiieircdo & Lei te________
Em casa de THEOOORO CHR1STI-
US'SEN, ra da Cruz n. 18, encontram-st
jffectivamente todas as quadades de vinbt
9ordeaux, Bonreogne p do Rheno.
DAVID WILLIAM BOWMAN,
Partecipa aos senhores pro|irietarios de engenhos, que acootecendo faltar-lhei
igoa ou animaes pira a moagem durante a presente safra, elle tem vapores pron
>ara assentar, sem precisar de obra nova ou demlc2o de obras existentes, e o
jde botar taes ngenhos a moer olio dias depois de estarem as pe$as do vapor >
mgeoho, garantindo-se o trabalho.
Fundiqao, ra do Bram n. 52, passando o chafariz.
TEZOIIRA DE OURO
DO
J
t 1
(
A' r ii o Q -itnati n. 6 prim ir andar
8 pessoas para o ^ervico e o maior icceio no* trabalhos de barbeawieiitx
O salo estar alerto, nos dias uteis das 0 horas da manhaa s'. da n'i>
e, e nos dias sanlicados das 7 a 1 hora da tarde.

CABELLERFJRO
N. 82RA DA EMPERATRIZN. 82|
jBS OJilon Duarte, cabi'Jtrfreir, tendn se S
!" despedido da casa de ?en runhado o Sr? fe
I CarksDubois, onde trabalhou'por rspaco S
tig do n mar, acha-se estheh,ci'lo i-, in 9
a casa do cabcUeireiro ra da Inipcratr j|
I n. 82, promplt) a latis/azer qualquer en-
H| comnienda tendente a sua arte. ig
Pr risa-se do um
feitor de engenho ; a iratar
Io andar.
ftomcm
na
porttipnex para
ra da Ci tu' n. 8,
Sublime \mh Icacn llileraria
sob o (Uni le .HeiiKtri lo
Rom JeMis do loate, em
Braca.
wmII DE U1N AMAHO
Ra do Commercio n.
5.
Acha-tio venda a po n. -2o \, esquila da nq Queimado a pri-
morosa Memoria do Bou Jusus do Motile em
iiriiga, ornada de gravWM linas, segunde
edito. obra da peona de ouro do mu Ilus-
trado lento da tituveisidade de Coimbra,o
Exm. Sr. consdheiro r. Dio^o Pereira
l'orjaz de Sampaio Pimeotel. Qtiem tiver
noticia da extraordinaria devucao que Jos,Francisco Ribeiro de Sooza, direr- te ,,m Portugal para com aquella milapro-
tord'esse instituto de educacSo e mslruc- ss,ma-im.tgeiB. mUiiikIu fempre para o
Cao. faz s-iento ao respenave publico e seu magestoso templo em rom na o nume-
particularmente aos pas de seus alumnos. ro8(, pV(l je l(lHS as p8r.e, desse reino;
qne a reabertnra das aulas de mstroccao qi]1.m sbuber a\aliar as brlmntes descup-
primaria e secundaria ter lugar cm o dia c5,.s> e 0 ht.,|0 esU|(, ,|aquelle consumma-
10 do andante. I do jurisconsulto e eximo ilerahoportuguez
O programma do onsino ser de Canfor- n5o ddxar de piocuiar, quanto arles pro
midade com n decreto n. 4430 de 30 de
outnhro de 1869.
Admiti alumnos pensionistas, meio-pen-
sionistas e externos.
ver-si de um exempiar da dita memoria,
pelo diminuto prpgo de 35. na loja indica
da, onde ha pequeo numero bellas.
Na mesma loj; eUM hanutras estampa,
muilo perfeilas e grandes do dito Senhor
Telephoro Marques da Silva Jnior nao po
dendo despedir-se pessoalmenie de todos o seos om Jess de BraKa. por p .-co commodo
amigos, o faz pelo prewnte, offi recendo o seu di-
minuto presumo na ridide. da Fortalea da
Yineia do Cear, oDde vai residir
pro-
Precisa-se de una ama otra cozinhar e Com-
prar : no pateo do Terco n. 63, padaria.
MoIhjup
Precisa se alugar on boin mol- ue e paga-se
bem : na ra larga do Kosano u. 44.
i\a iravessa da ra
m das Crazcs n, 2, pri-
| neiro andar, da-se di- |
nholro slirp nonbores
de (uno. |irala o biilban-
m tos, srja qual for a quan- i
lia. Na mesma easa com- S
pram-se os mesmos mo-
laos e pedras.
DE IMPORTACAO l EXPORTACO
J, ARISIICE
Escriptorio, ra do Vigario n. 5,
! ANDAR.
fSo(:aporal7
Chegadn pelo uliinm paquete.
Marca tGrfHMI
Li\raria francaza,
Aluparn-se is ~eun(io9 andares das cas -..i
n9. 3S o 39 ra do Imperador : a tratar
Luiz de Moraes Gomes Ferreira.
-^*-

i. ;
/ Drtlaye, Nevn dt pi^*a -Par**-YbriatfiFespfcsfeM'd' carro^pr tmUiv honra d muicir ao publico de Pnriurabroo, qi^Wacha actalonjn nes
!T bfl US6JSIS|^iSW^2^^^^i,nmM^i^^i^^^ mf oomeleta coHeefao d^wmtek coh^rtoslptrt fes^oHia do vsiu.
ftT#m\9iim$Ht lnWr1!)fi}{rj!rj.l^tni^fr-w ao annaneitte', (Ioooceutio Alvares) no ,
HOTEL NACIONAL (Ba da Cruz'dt fronte do arsenal)
e qwrtttlMNt
para rnan4r


Diario de Peruambuco Sabbado 2fl de Jaueiru de 1870.
t

S -
AGUIA NE6RA
BENTO MACHADO 8; C,
A AGUIA NEGRA animada com o bm accolhinieotu que leve om seus annun
Oos, vcm novo jurtiripar a seus freguezes que acaba de receber um variado sorti-
mento de objectos de gusto os qaaes seru undidos per procos mnito' razoa\eis, pois
in.-.ndo ftx os.seas priiriciros annucios. toi o que bssegurou, e s< in rado de errar,
porqiid como j disse osla interesses ligada a uina casa 'importadoradesla praca, e
!>or isso peder ter tudo especial c vender por preeos admiraveis.Chama pois a atten
cao de seus freguezes para os arltgos possa desertver:
ra variado soriimcnts de charuteiras e
Livros com o tampo de marfim, .nadre-
eriifa e tartaruga, proprios para missa.
Garaflnhas varias pt\rpriai para presentes
cot de gosto.
iwlispensavei's lp paitaba e de cooro pro-
prios para senhons e meninas trazer nos
nra'jos.
inoculo? da madreperola, marfim e tar-
*arua todos csfaltados.
palliteiros de porcelana,
Tentus para voltarete.
R-'ngallas co n martirn, consa especial.
Sabnnctes de afeatrah.
O fres de folhas para dinheiro.
Lindas caixas para costura.
Um complot' sortimento de luvas de pe
Cintos largos de setnn. cousa mtciramen- i:..
uova. r*'
litis de sarja de todas as cores e largu-
ras pira lacos
Talagorce para-borflar.
Ura completo sortimento de enfeitcs dt
Toucas, sapatinhos meias de seda ornis seda para vestido.
erteflccs para baptisados. Perfumaras de todos os autores os maic
l'itas com inscripcSes proprias pora bou- arredilarlos cm oxtracios. pomadas b leos
Ricos vases com p do arroz. possivoi mencionar : mas com a vista s<
'.'m vanado sortimente de jarros de por- certificarlo do snrthnento deste eslahele-
ua. cim-niu.
Aguia Negra, ra do Cabug n. 8.

Colirio de S. Fraudo o Xit-

vnr.
Aos 3 rio fvereiro gio do S. Francisco Xavier (ra do Hospicio n
m.
Su intuito de forneeer n* alumnos as rommo-
didn le- segando a condir/to .1.- sins f^nifitas, o
director d'este rolleuio nao i-mion ante u grande
augmento de aluguel pelo arwo c msidera
vcl di> edificio, alomado da osperannade uun mai>
rbmrho porvir.
Alen de inais aulas, espartas e. hem a ruja las.
ha um sala<> para n <*sludo particular do* alum-
nos, nnde rada mu de les leni a sua banca c<>ni
ga.veta para guardar livn* e papis;nm ani|il>
iiiinta( c in pateo e jardiin paia ii rerreio e oJo-
'gos gymhas|jcos. o dormitorio achase no sobrad,
si b a* in*tlh"res rundirnos hygieniui, c cabem
n.'lle eoiiihindainenlo ninas ivjm ramas} o i> con-
tiguo tcir.ifln eoritnbuo a ii.rnar maic asseiado >
serviro. Dezeseis rasinhas di- bnnbo fom DMitm-
s, para onde orre a agua por Panos e tur
unirs, salNfafcm as exigencias assiiH-da liinponi
e hy^ieiie, rutn/i da Mi i-i>ii-i,i. Mnitos qn:n*t)>M-
nli'S de retrrte, rasa de porteiro. rostnha e>m
fi.gdes modMDos, eiiferiiiiira r. nflieiii.is ite mar-
Cineiro e allaiatc eninplet un o Hi para os alumno tuna einven;enle bililintheca
(niiii'iiii A rafella tem a^ (Hmen5 de una
asai r-rande igceja, a ijual am^sivel ao publi-
eo, simo eiHiiiiHHiieaiao coio o resto do r-nlleftio
Kmlim a >itu:o;ao i.-lada do eJuicio contnbue j
Un I o. Os iibjtivtg d-'slinado a segHrm 'P1'" n liyre curso do ar,.j fiara eP.^^oipiiiMi
TMLHOS URBANOS
DO
ttCClFlS X9 APirrcos.
.4 ojnpreza tundo resolviilo alioiar om>-
tetaa da venda dos biihetcs para pa>sa^-ra
Irens, por meio do prsenle avisa ao
iHil.Hl publico que do du I." de margo
provirao vindouro ero ilianle nao si-io
*eu|tbdos bilhotes nos trens. os gvaea -
vera ser comprados as diversas cstagor.-.
Quedo dia -Z' de evertiro era diautino
t ara irais bilheles, os qtic por ventura
.'H. s potlerSo Hervir para pagamento r- i>.
j> nos trens.
- Ui do dia .J de marco *m diante fo-
M# lHorfpr km irtm d carga a<:com-
pani:ido por nm vagao de f rlasse para
are.i.'imodacao das .pes'tas que qtiizercm
ac^mipinhar ns objeitos, o qual partir
tJo Iterifi! para Apipucos as l horas do dia
i v.iiiiri dj^ Apepucos a i Ivora e 15' da
LOJA DAS MACHINAS
Acabara de chegar grande qnantidade das verddeiras machinas americana
ara descarocar algod5o de todos os systemas e tamanhos seguintes:
42 serras 12 serras
U ditas 14 ditas
13 ditas N 15 ditas
16 ditas 16 ditas
18 ditas 18 ditas
20 ditas 20 ditas
22 dttas 22 ditas
25 ditas 25 ditas
30 ditas 30 ditas
35 ditas 35 ditas
40 ditas 40 ditas
ts qaaes se vendem por procos commodos* c roga-se as pessoas qu8 dellas fizeram en
-.ommendas de algnns tamanhos, obsequio de as mandarem busca-las o mais breve pos
tvel afim de nao haverem faltas.
RA DA CAIMA N. 56 A
mnsmm^mm bssx mmmnm wmmmnmmmm
O1? 3> PfS'S
CONCILIO ECMEHICO.
E* DE MM-KEVim KtKIOSi.
Isjmc.! anale
Dedicada s materias do Concilio (eral ilcumcni-
. ro do Vaticano.
l'iiilic.i'e ineiisalmeiite era LisMi
guatqra |i;t M numens
65000.
Livtaria franceza"
lina do Cespo n. 9.
A
T

~c>
55
v->
AMA
comprar e cozthar para duas pes3oaa : no prU
meiio andar do obrado dufronte da i?reja di-
t'araiio, eso,uitia. ^___________
Aluga-se
Bl a
B.T-
as O ai
- aj
52 3
09
'o

ce- -j tro *
X3
=?3 OS-3
es
5-T3-S
iiitmm
S o'
-3
5\
2?
S. ~"CD
V
H
o
-1 ^S 5' o*
3 'j3 L fD -^
o
S.3-.
a
_i v. a:
aj ^_ /. .'
lll'0|3
"5-S o o "
9 *.;2.
o w n ?? p
a
3 5 a Q.t3 _
-. O (C
w ce _
^8, as a
S *3 es
S?M 3
-N fl) a; ~ (J

P
i
3
2
o
' p
I
p-
o
p
o
p
*^
25
O segusio e lerceiro andar do obrado rna
do Araorim n. 39 con nmitos conmodo* para fa-
milia : a tratar na armazem do iiicm-'.
Nniberto ffn fi-ixetra Guitnarto encar-
repa-so do de*pai liar e dar ao tan en'o a >s reqne-
riin-ntos dirigidos a wmara niunicipil, como sew
licnca de cordoafaA, editirai;o, concert* e li-
tros, temiente- ;t municipalidad*'i c para i>to pode,
per procurado no Corredor do Ui-po u. 51. ou ra
ra Concordia n. fil.
liara o sitvum n-
ra do Impera-
i
^1
10
m nmmmmeamn
l'ri''i torno c externo de una rasa
dur n. '/': 'J0 andar. ________________
ti inri; i si itnro que por esto Diario se lerp
iflerecido para feur d engenho, se t-m pralica
deslc servioo e com aliono Jesua Conducta, quizer
em vez de witor de engenho ser de nm si'io, que a
exrepcao da 'auna de as-ucar, jem todos os la-
Mres ii njinh". procure no esctipliriO de-P'
Diario sabir quem delle precisa
Ao oniinercio,
Os a'aixos assignadi s Ihvm pub'ico, qon desde
o dia 31 do dexwnbro prximo patado se aeha
di-.vdvi'.in .Miiigaviuneiile. a sociedade ci mmer-
cial que g>rva ne.sta prara, sob a nf de Lima
Les>a v\ I*, c ii: i'-ialieU'cinieiito de fazendar ;
rna Nova n. t, o quo t.-sf;i dala antoii-aiain u
Sr. h ao lio liego Lina para s .lv r n p&osivo e ie
ceb r o acliv.i. Oulrw siin, previne a todos o
llovedores qmi o tnico aiii'ri-n lo a recin-r tju:I-
'.it laanfra c o ri'ft'Md Sr. Lima.
Recite, 26 de ianeiro de 1870
J Tu di) liej! i Li a Iiiiiinr.
loa<|Uiiu S.mi.- L''-sa.
('. iXf'ilO
Ptecisa-se de um iv.ix-iro para taberna a ra
das i:
A lu< a-se:
Urna grande rti<3 tenca cita na cidade nova de
Santo Ainaron.il, tratar na roa dan Cnize-
Bi_3& _____________________^__
Vi. ente \lve< M reir ag-nciadur d^ vendas
le escravos ^.ntiona a residir na ra da Pz a.
3't ond si'iis'fi'i'i-'oe.-i-s o po o rao prWnrar para
a iih >nia iiccujuicaii, rocelie rseravos seni e- brai
desperas de ruiimiuriM e promotio prompla as
rendas do- mesiniw.
teak) irem dc^em ser denpachados as di-
viM-.-ss istaces i"mitiutiis aales da hora
dn paflida do trem, pagandu-se frle adian-
tado.conforme o art. 33 o a tabella C do re-
get-imonto do I ."de abril de \Mto.
Kscnjilorio da empreza, de Janeiro de
Wlil.William Ramli/unn. gerente.
TV15ELL.4 dos prer;o i.lorias e hgameos, nos trens de carga
da empresa dos trilitos urbanos do Reci-
te Apipucos.
^ so
.-
Sokdaik.
a
o
do collegii
ATTENCftO
A? seffeiras que tucrci aigniua nicaiaa ou
cria, qnifendo mandar ensinar a toda qnalidade
de costura e boi dailos. marra e inda qealiJad de
llore?, pif i'nraKi jireco de ;|flOl)por mez, viudo
ellas a i imtela- e rjanUr en suas casas : na ra
estreila do liosano n 1^5 andar.
Cusa .(* jast<.
Trasp.assa--o a da rna da Lapa n. 11 por seiri|
dono, 4lto de saude. nao qurt -mlslra-la.
Man"uintn.
o*
55
Torre.
"3
loSSSi-
R
Parnameirim
5^^S5
Casa Forte

-.S88S88S
5S?.
Calderciro.
9
H
l
e
Ti
%
i
l'ai.iciu pogoNeruu ile Heiiiaubuco, I.'
te abr de 186f.
SijmiHmiyiiii
Praca do Corpe Saalra. 17 prirceiro BR
m andar oscriptorio de Joa^uim Rodrigue
Hj Tavares de Mello, ien para voadac :
Pumo em f.;ha desnaerior qualidade.
Vinho Bord^aux de saperior qualidade.
Fannha de mandioca em grande por- W
jo e boa qa ilidade.
Cal de Lisbo mftto aova.
P.tassa da Ba*sia.
Quempcei^ar do.iun jno^o habilita-
n 'cripiurafl .coaffsfaondencia mei -
cinfil qner pan ; star efectivo quer nao,
jo*taud**-a a tradwta ^;na^cr mmsivas
iw. i cubara do estraiiawoem lingua-qon
n^)-oji.a nossa. quwwi ani.oociar por esta
wnrtOt
(fflciies fcbipbeiro.
* M> lecalwlteirrtrji do Jayow, precisa con*
^Mtar- oflknujs xia.aaiU.i ,
Esoecial para limas.
Em porrao e a ictalho, wnde-se no armazem
do pianos c musirs d<> Azevedo, ra Nova nu-
mero ii.
A tenido.
Precisarse aliar Cora urgeneia aos senhore
abaixo declarados a negocio de sen interesse.
ra da Imperatriz n. 2t :
>ulm Jos-''" da Silva, Frederieo Skner, Romn
da Costa Monleim, Manoel Jos Uartins o Grego-
rio da Cx\>u Monleiro.
Antouio J'se. limiriguea de Souza precisa,
alugar unta mulher forra ou escrava que saiba
bem cozinbar : a tratar na thesouraria das loteras
M em sen sitie, no Monleiro. pinta a igreja.
FABRICA DE FIAWS
E
" J. VIGMilS
J. Rhtgass, sufcessor i
65Rna do Imperador5
Nesta anilla o bem oonbecida casa, encontrar-se-ha como outr'ora grande sor-
nen,> de piasos construidos *xpressaieote para o cuy dffltte-paiz, e Mr. J. Rtoigasv
ndo trabalnadi muitos anns na coaslrucgo de pianos, em Paris, acha-se habtlrlavlo
preparar os (Manos gae -ende com todos <>& accessorioe indispensaveh nao s wia
-iide, como sea dtra?5o. Todos os pianos s3o garantidos.
Tarabem iis in^ete estabeleciirienlo,; granie variedade de msicas Bovas e doh
aelhores amores, tanto vindas de Paris eomo do. Rio de ianeiro, que se vende mais
arato do que em outra qualqucr parte; assim cono ba igualmeHte venda -todos o-
bjectos necessarios contrueco de pianos. Os conceptas e afinacoesde planos serSc
-itos omd o mror zula c cuidado.
rVecliailedadMls amasadores na ra Uirei-
1 n. 26.
Aira/, da matriz so um liiiilo laukvli dio milite -alio, le idade do 10
annos.
Precisa
ia ra do lie
... ^_.
Preci>a-si
infunane bni
i -i- ue urt cozn bino ou cezmlieira
73. '"andar
alujar p r niel una prela que
ri i rna .Nova, si.bra.lo n. 3H.
Lindas e superiores barage-s de cor, de quadro.e de listras, para veatidus fifi
gindo seda, pe haratis^imo preco de a0() e 010 rs. o covado.
Assim como superiores cassas francezas de cor padroes de muito gosto a 40<
e 600 ra.o metro, na Ipja das Collnmnas ru^ do Crespo n. 13, de Antonio Correa di
Vasconcellos.
l-^asa decnmiissao ile *'scii><>>
Ni anti/a i-asa de cummissin de esfrayos d.
adaixo assitjnado, ra do ltn|ritaw n. h\ conii
aaa-se a riceU'r i-eravns por eoiiuiiissao, lanr
lo mato como da praca paia serem vi-mliilos. i
!arante-se o hom trilaento e prompla vend;.
i.>aia, u ipio so enuxiega todos us esi'roB aTun di
satisfacer em tud pessoas que n (|izerpm lion-
rai con sua eoofianea. Nesta ca-a lia sedipr.
para vender"e-navos "de ambos os seioji velhos.
mocos, u.-nn como ba t da seguranc; para os tei
Antnnip Jos de Souza.
Kuado Queimadii
A VRRDADE tendo em de|osiio gran
quantidnde (!e madezas o perfumaras,.
sejando apurar, dinheiro o allqueiii boa
liiezia est rssolvida a vender mnitis
barato, ; por essa razlio convida ao resjn
lave! publico a vir competenlrm nte ro
do a sottii-se do boni e barato. Pois q
do a Verdade appirece, tudo mas
apparece....
Grande sortimento de Bortecos de cor i <
massa as mois lindas possiseis vestidas :
racter.
Abotoaduras moderuas para col
lelea...... .
Espelhos donrados pepnenos. .
Agulhas de osso para crox a .
IVhtcs para regac com esntas a
Ricos globos para candieiro de ya/ a
Chamins a ... ....
Grande srtiiuento de objetos de
louca para bi inquedo do menino
Garrafa com tinta a. ._ .
Dita com agua florida er Dita com a dita a ... .
Frasccconii leo de babosa a *00 o
Dito com agu de Colonia a :(i0 e
Garrafa eos agua divina a. ''.
Frasco com, extractos lieos a .
Labs pequeas tata uito
tina a i-1' e ... .
Sahooetes a divertas quali hades a
80,4tO,24Qi.....
Finas csmvas para dente? i1!.- i i" a
Lindos coqo'es m> i. .
Pavios para gaz, duia a 24(' e .
KsCi'vas para ferio a 5' 0, h'00 e
Ditas para cabello a.....
ivno-s para tirar ptolho a i*0 e.
(i uros de cores, bonitosa 1*10 e
Pefas de trauc'i de laa com 8
varas p\ Oleo para nwhina de costara,
frasco a...... .
Peonas d'aco finas rarxas a 800 o
Dila d'ac Peny, caixa a. ...
Gal3o de algodo peca.....
Lindos habadinhos e cnlremeiis
[)!'; de S09 a. .
Ditos ile lo!n;a niiii'io fino a 120, e
Ditos pata calca a RO o. .
Caixa com papel amizade a. .
Ditas com envelops a. .
Ditas com obieas a.....
Calva cun Hgullias fundo dourado
Ditas de ditas ditas a. .
Thesoiira para costura a 2(*e
Caixa com linha de mana a .
I.inha de cores em orfveHW -i-
bra) a ..... .
(Jarretis de linha Alexandre dp ')
at 00. .. .' P' '.
Grampos muio nos com m$ ros, duzia a ....
Carlas pnrtuguezas. duzia t
a*t*
200
m
i
m
8-'
1*0 *
72*
!;,,-
I
'
32*
.
*Hft
I
2tt<
!
!
it

0;iix*'ir<
Precisa 'e de um caixeiro de tOa 12 annos. que
tenha atguma p'aiica de balci, prei'rimlo--e
por'ugupz : a tratar no piteo de S. Jo^ n. 5|. ta-
berna.
Ditas francev.as a 2 e .
i'.i.iel altnaco e de peso, resma 3
3,5400, ttytflO e .
a muio i'ma para bordar', lihi a
rita de algml5o para dibnau d
sapafos, peca a .
Ditas de. 15a para debroai ;
lido, peca a ... .
r'.Vl.'

V
para segurar ca-

fiompratii -e moeda-dr ouro e prata de "
toaos valores, miro e (trata em obras nntilisada-
irilhantos e tois podras preciosas: na loja de
orives do arco da Ouieeieao, no RaeHK
PaffJi-sf bom
Prncisa-se de urna ama forra ou escrava qua
?3iba engoma* bem : ra do Graspo n. 23
Est por alngar-so o novo obrado da ra las
Cruzes, fi eguezia de Santo Antonio o qual tem
coiniuudoi bastjntis, conlendojdous andares e
sota i e armazem, sendo que dos andares superio-
res traz toda a eidade debaixa de vista : a tratar
no Coraran de ouro.
Ao publico.
Foi despedido da botica da ra da Impeja
ratriz n. 77 por,- ser inconveniente sua conserva-
cao, o caixeiro Joao R. Gedao Lins da Silva,
qualquer tian diante milla.
Recito, lo>de Janeiro de 1870.
____________________ C. Clao A C. '
Ama de leite.
Precisase de^ii ama de leite fu ara -m escra-
va, prefere-se sem filho : na ra dqPilar n. 20.
-------
HYPOTHECa.
A hypotheca dos 30:000#000 sobajt^lnro negras^
na ra do Nogueira n 29.
DBCLARACAO.
I'a^soa c 'inpetenteinenta abilitada^prnpoe-se a
leccioiar prif'ras letras, lingua uaniiiial e al-
gutu-preparatorios ueste capital ou dos sntwrhio*,
que tenham transporte aalas.vas-frreas, mediaa-
le razoavel honorario : tratar no pateo do Pa
raizo d. 16, a. iravessa da fu Bella n 10, e na
ra da< Cruz t> 37. Inja.
Piecisar^ode um curoceiro par tomar con-i.
la dn bois e cirro para o trafe^o de condueco de
lenba de Bebi fallar no eseriptorio d^ste Diario.
Precisa-se de um caixeiro. V.idade de 4
16 annos, e que afiance ua conducta, se tiver
P*ira de retinaran seprefere : a tratar na ru>
ireita n. 10
Na ra de S|aVBMiqMtf)falptf*Mavdeia0
mulhnr forra o^ atoaaf. <|m eagaaamo beaxi
para urna fatnilaa 6.irm -pwxw. paga se betn
agradando.
55Ra da Imperatriz55
F. Gautier, propiietario deste impoi tanto cstahelecimento tem a honra
de participar ao re*petavel publico que acaba de chegar da Europa para on-
de tinha ido especialmente para contratar peritos offlciaes e que conseguio
contrata-Ios na primeira casa de Paris, por isto julga que todos ficar5o satis-
feitos dos trabaihos do seo estabelecimrnto ctijo exctllente material ainda
foi augmentado rom novas machinas que ja receben e tarabem militas drogas
novas coi as gimes se obtem estas maravilhosas cores modernas 15o apreci-
das ero Franca e em lodo o mundo,
Tinge, lava, limpa, lustra, achamalota com a m iior perfeicSo fazendas
em pecase ero obras de todas as qualidades como sejam: seda.laa, algodo,
linhs, chapeos de fe I tro e depa'ha etc., etc.
Tira uodoas e hmpa secco sem molhar os tecidos, conservando assim
todo o brilho da fazenda.
Impressoes sobre tecidos
com este novo systema, os vestidos de seda e outrai fazendas que al agpra s
podan tiogir-se de cores lisas, poden ivceber um bonito desenlio de cor tZ
diversa, a escolha, o que realca a fazenda e Ihe-.d mais merecimeuto.
Tintura preta, lerqas e sextas-feiros
As pe-soa das provincias limiirophes que quiarem uiilisar se do sen
estabelecimetilo poderao mandar o que.tiverem, na certeza de srem t5o bem
servidas como no Rio de Janeiro ou na.-Enropa, e, c*im mais prestesa por
causa da ili>tain ia.
0 muzo) de joW
Na roa do Cabug n. 4 compra-se ouio, prai
i pedras preciosas por presos mais vanlajosos di
iae era nutra qualnner parte
Com muito niaior vaniagem compram-se
noedas de ouro e prata : na luja de joia do Co-
acode Ouro n. 2 P. roa do i'abng.
"liOiRllHllB-I-
Penles linos
bello a '. ". ';
Ditos ditos de bfalo pata a'rr
a 240. 320 e. ... MI
Ditos para aparar penna a HX-
Hosetas pretas, par a ... 10'
Tranca Oe laa d> caracol peca a 40 ft*
i'ita de coz peca a 480 e Md
Alfinetes de lalao a. KaP
Sapatos de 15a para crianca a MOn 8Cfa
Grvala de odas decores a SU
Oat(adairai a....... j<
Grande sortimenlo de rendas d.is Utas.
Um par de suspensorio de bot racha pe
lOOrisimm
Ha \ crdade rita do QiieliK.ule
n. 35.
Compram-se b vendem -se diariamente para lora
i dentro da provincia escravos de todas as idades
jores e sexos, com tanto que sejam sadios no
erceiro andar do sobrado n. 36, ra das Crnzes.
reguezia de Santo Antonio.
Cemento.
Precisase comprai una esciava de ineia
dade : qnem tiver e queira vender, dirija sea lo-
ja de calcado da ra da Cruz n. 21.
Na ra da Cruz u. 36 compiam se escravos
'te bonitas figuras e mulatas de 18 a 20 annos,
prendada, paga-se melhor do que om outra qual-
juer parte.
liserav;i para eosinliar
Precisa-se comprar nina de meia idade, ou
ambem se aluga : a tratar na ra Direita n. 54
nadara.
Compra-se. o Dhiri' n. llode ii .le ili'Zembn
de 1868 : nesta typn.raphja.
Cabellos
Na ra do Qoeimadn n. 6, I* andar, salan de
eabellelreiro, compra-se conUnuadamcnte cabellos
compridos.
(ja^a terrea,
80^8-0&&j88&*^
TINTA DE
?cores
TMmVMJWAWO-Jt
i V
{5-BIJl BiS
O^du* desie......hThxiiBin'f'tl'" limP,a e acbamaii ta com a maior
pedilta,. possweitodfte qiiflt|JB>)4^jlBCtod<.S0da, lia. algoriSo, em pecjs.
Itw> ,i maiiba etc.. tita mofa das ,faz*n-
o mil i'fim nrnia|>"d|iip rofi-so, tudo com brevidade, viat..
0m Ak imwwii rs ,mai'biuisoi Oto Sckaeider*
Compra-se urna ca-a terrea pe<|uena, em chao
proprio^com quintal e cacimba, dous qu,rtos :
a tratar na rna da Madre iio D-s ij. lf! [..a.
Compra-se .una e-crav. mofa que -aiba en-
gomrnare c izinhar : na rna Nova n. 2't.
Compram-se annap,5es ne ebapeos de sol j
usadas : na ra Direita n. 49, fabrica de chapeo-
de sol.
.ULlM UWoTi! RIlRRIlitES SET.E
CASA DEL COMafUBS E CONSIGNACOKS,
TiTNBOt
60 Hua do uipai'oOU.
Compra. tf.Keoda le fui^ws-1 eiiuoui.uwadas, e
napaj daxriitov tnoruii'enia, dejando?, exi^di-
eode teeHiinmns. cohrlmM-. liinll ro", etc.
O verdadeiro cemento poitland ; vendse Ba
iravessa da Madre de Dos n. 14. armazem do
Candido Alberto goflr da Multa & C.
Vndese 1 eMT.ivn pardo de 2 auno- de &&<
de, com offlcio de pedieiro : na rna da C .leia ra-
lba doRenfa. casi n I. 2 andnr
Vend. m-se vai u- UoVtilliu, e \neia.-,o. -
to, boa ciiafao o b >a carne para o prato, at
i.umero de 2t' cabecas : a ver todas as tardes
sitio da Sapoeaia. em Beberibe.
No dia 1 e 2 le evereiro. estara a veir
na muito conherida taborua Curra a lloda la
Casa Forte, galinhas, peis o frangos.
Para costura
Vende-se ama linda machina de trabalha"*
mo, do acriditado autor Wheeler* WHsob, not
c em perfeito estadd na ra da Imperatriz, lof.
n ii.
Attenqo.
Vendem-se dnas cirrocaa em "bom estada c ji; i-
tamente dous h-is para as mesmas: a tralar t>
na Direita n. 101.
ni
n
Vende-se nm terreno na, raargem da,can^t|a.,.
dos Remedios, c. nafndos at a estrada do Bolfi
gv, ruin capacidade gara levantar so una UL\
otaria por ser todo o terreno de barro muito bi!tn
para toda e qualquanobni grpsaa ou tlua. con>^
vaniagern de ,-er amassado com agua dme ,j>
niesmo terreno flea jupio ,da llnjia p.ronde irr
de pasar a estrada de Trro para Jnl'tv a>
cresnendo por isso de valor uo.fuluro, o qual ia
vende baraln diiiluni avista : quem pn teaiinr
dirija ee aos quatr cantos d S. G'Uoaio, na B
vi-ta. casa n. 72, qua'se dir com quem de/i
traiar._____
Milho e^rruz de c cu
Vende-se inilhoe arroz de cauca em -a., s, i.i
trapiche da Compaobia : a tratar no mesmo
o caixeiro, on na rda da Cadeia, casa u. 1, segn-
doaadar.________________ .
Vendem se jaei-os tm"1t4fk> ".urM'-muro,
por preco comimilo : no arpzm do Sr. (ABEN
defronte da aliainlena._______ .,
.VaaV^ieT-rt aMtoW(*idf t#ume*, pre-
surUoiesa|^ne^fiructas.scfaa,,qu. r liul)
Bamnurgo : na ud iriaillenia- are.
VKDAS.
Vende-e o engenho liba, jnnlo a villa d
Porto-Calvo, i ni Al goa> rnn obra de pedia e ral
nler tratar rom. Thninaz C .v.iieanle da Silveira Lins
Jonior, ra do Apollo n. H*. O itfwfo (Treis*
comprar 4 burru lais iwraj cxraa:
M1U
Vende-se DoJtapkbe BarL do LivramentOjaac
l'QS com rojfibj f&$irr*il t pqFflB4!>pf JWqn* '
'ra ontra qnal.pi
POS DE ROG
Apjnwadot peta Academia imperio
de medicina de Para
Dmaraar* do ****. dissohrido
em unja garrat d'agua. <* una limonada
afradavel, que purga rapidaun-nte de
"Ba' aaodo cerlo, asa fcaus*r a menor.
irrttacao. coma aoanlaee coni a ma-o
part^lM eutrft* f mecate Om r<~ ,
'Mjt rtiiiBtlaBirrtl f fin Baapw-
gaai-aa hcihnate em fiai /


6
Diario de Peinambuco Sttbbado 29 de Janeiro de 1870.
O
ut-im
A RA 1)1 IMPElt
M,
Esquina da ra da Aurora, eni frente do caf Imperatriz.
N'1 lumptuoso estabelecimento de fazendas encontrar5o as Exmas.
familias lado quantu pussam,desejat',ttnto ej artigos do mls rigoroso luxo, como em todas
u tais qualidades de fazendas,
.Mein di: so actuirein prow! ig do que de mellwr se oncontra neste mercado,
por todos os pjqoetes di Europa, rec ara directamente o qu4 em artigos do moda e
do mus aparado gosto so eacoiitra eoa Caris, o que vena cada da augmentar s propor-
C5 8 de que dtgpoe este estabuladme::!) para Ijem servir sua numerosa freguezia.
ca-
case com lstrats de sda o flores, fazen-
d.i inteiramente nova |ara vestidos de baile.
Gravitas para seaboras e bomens, o mais
rom pleln sortime-nto que se pode desejar.
Guipare preto e branco, diversas largu-
4^.
Algod") largo pira lene/tes e toalrns de
todas as quali dados que costama vir ao mei-
ado.
Alpacas le loitoa o< pedreta e qiinlida-
di's tan variadas quo se nao podem deserever.
Ailiims oiii msicas para eoll-icar re ratos, ras o diferentes gostos.
branco e

0 u
dVlie do presente para qualq er pessoa do
es ima.
Aloalhado de linho e algodo,
'Ves proprios para toalhas.
T5J
nos de socia pretas e milito moder-
-111'' idjo de crochel, todo de apurado
ll .111 Cu
g kjo> e fritio. sena, madapoliio, brincos
1alies de mu ,n|10ra c meninas.
9 de cn-s, para st. lra(jo sorlimenh).
llar ges do cores v >r(jadas em todas as
Babadinlus ou tiras be
larguras. ^.
I! dbutina de todas as c6rt. m grande
Bolsas de tapete para viagt
variadade de tamaitos e gostos. "ladcs.
Miibazina preta de todas as quiii. ar.
Bramante de linho do I i palmos de
gura, e todas m mais qualidades.
Bretanhas do linho e algodo, grnete sor-
iinmlo.
Bi ins de linho branco e de cores, do m^
commodoao mais caro emqualidade, aflu.v
valido o que ha de melhor na especie.
Brins d'algodo completo sorlimento c
variedade de pre;os.
Cassas de cores, o maior sorlimento, pri-
mando pelo bom gosto e barateza, atientas
s qualidades.
Ga.nbraias brancas, lapadas, e transparen-
tes de todas as qualidades e precos.
Camisinhas de cambraia de Iroho e cassa
bordadas ricamente enfeitatos para Sras.
Camisas para bomens e meninos, Ufo va-
riado sort ment que vai do mais ordinario
madapolo ao mais perfeito bordado de li-
uho e cambraia.
Camisas de meia, de flanella, brancas e
. de cores para homem.
Casemiras pretas e de cores, o melhor
que se pode imaginar, sendo d'isso a me-
lhor prova o grande consummo dellas na
oflicina da casa.
Capellas de llores, para noivas e bailes,
desde a mais candida flor de larangeira at
mais ini'-rpssante grinalda.
Chapebnhas no melhor gosto, de todas as
cores hoje preferidas pelas senhoras de
mais apurado rigor na moda.
Chapeos pMos de velludo, para senhoras,
ultimo gosto de Paris.
Chalos de sol, para sfnhorase bomens,
de todos os pre;os e variados gostos.
Chaly com ricos padrees para vestidos.
Chales de" todas as qualidades, avultado
numero e nao menos variedade de gostos,
Chitas, imposaivel deserever o sorlimen-
to e variedade de padres e novos gostos,
ha neste artigo tudo quanto se pode desejar.
Cintos para senhoras o que se pode ma-
ghar de melhor.
Coques, o melhor no gosto e nos eniei-
les, varios tamanhos.
Colchas de seda com borlas, o mais apu-
rado g'isto e lavor.
Ditas de fnslao branco e de cores por
precos ommodos.
Corpinhos de cambraia
dos para senhoras.
Cortinados de cambraia bordados e
fil.o que de m lhor so pode desejar.
Colariuhos de linho bordados e lisos, o
maior sorlimento.
Damasco"de la de 9 palmos de largura
lindas creu e ricos padres.
Espartilhos braceos e de cores, para se-
nil, ras o meninas, o melhor neste genero ;
ortohuma Sra. doixar por certo de muir
g de ia> precioso auxiliar perfeico de
um corpo delicado.
Entremcios bordados.
Escomilba preta.
Enleites para cabeca, 'ultima moda de
Paris, recebid no ultimo paquete.
BsguiSo de linho, completo sortimento de
iodos os nmeros.
Filas largas escocesas para cintos., vaiic-
dade de gostos e lindos padroes,
Fi bus de crochet, modernos com cintos
a capas, o que ha de melhor.
Fil de seda, linho o algodo, de todos
as gostos e padres.
Fuslo de todas. as cores e qualidades
grande sortimento.
Flanella branca e de cores.
Flores, o que ha de mais rio, qu'pr
solas, qner em ramos, teraoPAVILHAO
ricamente borda
Gilas e punhos bordados para senhoras.
Guardanapos de linho pequeos e gran-
des.
Gorguro de seda preto ede cores.
GrodenapJea pelo ede cores, haven-
do diversas qualidades e gostos.
djr
Japonues para sena -ras. o melhor gos-
to, e fazenda propria para as festas nos ar-
rabaldes e passeios a tarde.
Lazinhas de todas as qualidades, cores
c gostos, nao ficando nada a desejar, tal
o sorlimento que existe para escolhcr.
Lengos, ludo quanto pode haver desde
esguio ao algodo commum.
beques de madrepcrola e osso, o mais va-
riado sortimento.
Ligas de seda, bordadas, para senhora.
Luvas de Jouvin, chegadas por lodosos va-
paires, sempre novo sorlimento, quer em
peb'Ju? para bomens e senhoras, quer em fio
'Escocia, blancas e de cores.
COK
Madapolo; indbJ'crlPllvel o grande sor-
,i(ineuto que ha neste gb!nero desde o mais
elv.lJo Preco ao menor, que se vende em
peca ev retalbo por menos do -9ue em ou-
tra qoal. iur Pa,te-
Manas <1e monde para noivas : o apurado
gosto dos nt>ssos correspondentes em Paris
habilita-nos a i1|w estabelecimento .' ja para vestir c oi',wr uma noiva.
Mantas pretas de .blond.
Mantas para carros, com lindas pinturas.
Merinos pretos, trancados e lisos.
Musselina brancae de cores, lindos e va-
riados padres.
Pannos pretos e de cores, desde o mais
barato ao mais superior, por preco muito
commodo.
Pannos de crochet, para cadeiras e sofs.
Ditas de casemira muito linos para
mesa.
Peitos bordados de linho, lisos e de al-
godo para camisa.
Princetas pretas e de cores.
Popelina do seda e linho, com listras e
flores; fazenda lindissima.
Pelberinas para senhoras, do ultimo
gosto.
Perfumaras; os mais finos extractos o
que de melhor e mais agradavel se pode
encontrar neste genero, e de mais fragante
e suave no olphato, tem o PAV^HAO DA
AUBOBA, desde a verdadeira agua Flori-
da at o mais fino Bouquet d'Amour, final-
mente todo quanto deve oceupar o touca-
dor de urna senhora de gosto.
60
Saias bordadas, brancas, lisas e de cores
com folbos e sem elles, o melhor possivel,
Sabidas de baile, de todas as cores.
Sedas pretas, de quadros, lavradas, lisas.
de listras de todas as- cores e qualidades e
o mais barato possivel.
Sanrelim de todas as cores e qualidades.
Tapetes grandes, lindas pinturas para 8
cadeiras, mais pequeos e de todos os ta-
manhos desejaveis, e em peca para co-
vados.
loalhas de labyrinlho, do maior c mais
fino trabalho ao mais barato.
Toalhas de linho e algodo de todos os
tamanhos, li~as e felpudas.
Tarlalana branca com palmas e de cores,
fasenda muito npva. e gostos delicados pro-
pria para baile.
Visiuarios bordados de fusto brancos e
de cores para meninos, do cambraia para
hapti-ados, o que de melhor tem vindo a
esle mercado.
Vestidos de la escoceza de 2 saias,
nOvidade pelo padro, gosto e forma; dilos
do linho com barras de. cores, e de cam-
braia de eres com 2 saias, ludo inleira
novidade. Irazem os modellos juntos para
mostrar a forma de os fazer.
Veos de blond para noivas e pretos para
luto.
Vestidos de blond para noivas: podemos
asseveraras nossas Exmas. freguezas, que
somos os nicos em Pernambuco que pode-
mos offerecer ao illustrado publico, o mais
apurado gosto em seraelhante materia, gra-
Cas ao bom gosto do nosso fornecedor '-ni
Paris, podemos garantir que ninguem neste
IiOJA
DO
GALLO VIGILANTE
Roa do Crespo a. 9
Os propietarios deste bem conheeido e?tabele-
eiraent, alera dos muitos objeMoTque tinbam ex-
postos a apreciarlo do respeitavel publico, man-
daram vir e acabam recebor pelo ultimo vapor
da Europa um completo e variado sortimento de
finas e mui delicadas especialidades, -as (niaes *-
tao resolvidos a vender, como de sou costume,
Sor precos muito baratinltos e commodos para to-
os, com tanto que o Gallo....
Muito superiores luvas de pellica, pretas, brau-
cas e de mui lindas cores.
Mui boas e bonitas gollinhas e punhos para se-
nhora, neste genero o que ha de Bia moderno.
Superiores pestes de tartaruga para coque
Lindos e riquissimos enfeites para caberas das
Exmas. senhoras.
Superiores trancas pretas e de ores com \idri-
Ihos e sem elles; esta fazenda o que pode haver
de melhor e mais bonito.
Superiores e bonitos loques .de madreperola,
marflm, sndalo e osso, sendo aquelles brancos
com lindos desenhos, e estes pretos.
Muito superiores metas flo de Escossia para se-
nhoras, as quaes sempre se venderam por 30000
a duzia, entretanto que nos as vendemos pon 20,
alera destas, temos tambera grande sortimeato de
outras qualidades, entre ag quaes algumas muito
tinas.
Boas bengalas de superior canna da India e
castao de marflm com lindas e encantadoras figu-
ras do mesrao, neste genero o que de melhor se
pode desejar ; alm destas temos tamben grande
ijuantidade de outras qualidades, como sejam.ma-
deira, balis, osso, borracha, etc. etc. etc.
Finos, bonitos e airosos chicotinhos de cadeia e
de outras qualidades.
Lindas e superiores ligas de reda e borracha
para segurar as raeias.
Boas raeias de seda para senhora e para meni-
nas de 1 a 12 annos de i.lado.
Navalhas cabo de marflm e tartaruga para fazer
barba; sao muito boas,e de mais a mais sao ga-
rantidas pelo fabricante, e nos por nossa ve tam-
bem asseguramss sua qualidade e delicadeza.
Lindas e bellas capellas para noiva.
Superiores agnlbas para machina c para croxc.
I.inha muito boa de peso, frouxa, para encher
labyrintho.
Bons baralhos de cartas para voltarete, assim
como os tentos para o mesrflo lra.
Grande e variado sortimento das raelhores per-
fumarias e dos melhores e mais conhecidos per-
fumistas.
COLARES DE ROER.
Elctricos magnticos contra as convnlsoes, e
fa^ilitam a denticao das innocentes mancas. So-
mos desde muito recebedores destes prodigiosos
collares, e continuamos a recebe-los por toaos os
vapores, aflm do que nunca faltem no mercado,
tomo j tem acontecido, assim pois poderlo aquel-
les que delles precisaren!, vtr ao deposito do gallo
vigilante, aonde sempre encontrarlo destes verda-
deros collares, e os quaes attendendo-se ao fim
para que sao applicados, se venderao com nm mui
diminuto lucro.
Rogamos, pois. avwtt dos objectos que deixamo?
declarados, aos nossos freguezes e amigos a virem
comprar por precos murto razoaveis foja do gallo
vigilante, ra do Crespo B. 7.
AS MAS SEDAS
11-RUA DO QUEIMADO--11
Ghegaram da Europa pelo' nltimiD vapor foja de Augusto Porto & C. ricos
das mais linda sedas de mimosas c6res para vestidos proprios para bailes e casa-
Machinas vapor de
forpa de 3 e 4 ca-
vallos.
Motores para 2 cavallos.
Arados americanos.
^.Machinas de facao e serrote para desca-
rocar algodo.
Balanzas para armazem e baeSo.
Gamas de ferro.
Cofres de ferro de Milnez e de Uhh-
fiold.
Preaces para copiar carHis.
Fogo americano patent
cortes
tenlos.
Grande variedade de sedas'de listras de diversos preces todas de lindas cores,
gorguro de seda preta, a grosdenaple de varias qualidades e gorguro de seda la de
diflerentes cores.
Novos vestidos brancos de blond para noivas, lindas eolias de seda para camas,
ditas de la e seda, cortinados bordados para camas e janellas, fronhas o toalhas de
cambraia de linho bordadas.
Luvas novas de Jouvin, eelegantes sombrinhas de sodas de cor para senhoras.
Espartilhos de 50 at 100, lindos bournous de cachemira de cor para sahida
de baile, basquinos de renda preta, e ditos de croch branco e preto para senhoras.
Grande variedade de camisas bordadas o lisas para homens e meninos.
Sortimento de militas fazendas de la, linho e algodo todas por precos muito
mdico.
Tapetes grandes para sof, piano e camas, pecas do tapetes o de alcatifa para
forrar salos tudo em quantidade; e vendem semprc'por menos que om-outra qualquer
parte.
Esteras da Indiaje 4^5^86 palmos de largo.
Grande armazem de fazendas c roupas feitas na da Imperatriz
n. 2, porta larga, de Paredes Porto.
Nste estabelecimento encontrar o respeitavel publico um bonito sortimento
de roupas de todas as qualidades, palitots de alpaca a 3)5, 3$500 at 60. Ditos de
merino, ditos de casemira do cores bonitos gostos a 5#, 6#, 8j e 100, de panno preto
sacos e sobrecasacos. Ditos de brim pardo finos e ordinarios. Ditos de alpaca branca
a do cores de 3*5500 a 50000. Calcas de brim de cor finas e ordinarias, ditas
brancas de todas as qualidades, ditas de brim pardo fino e ordinario, ditas de casemira
de cor o preta de 40, 50, 60 a 150. Golletes de todas as qualidades e preco muito
barato. Completo sortimento de camisas francezas de algodo e de linho de 20 at 50
urna. Sortimento d seroulas francezas de algodo, de linho e bramante a 20 e 20500.
Gravatas (mantas) novissimo gosto a todos os precos. Vleias sortimento completo a 30.
40 at 70 a duzia.
ROUPAS PARA MENINOS.
Encarrega-se de quaesquer obras de encommenda tanto para homem, como
para meninos, e com brevidade, por isso que tem um bonito sortimento de fazendas de
todas as qualidades tanto em casemiras como brins, pannos finos e outras umitas fa-
zendas.
FAZENDAS
Rramantes de 11 palmos de largura a 10800 o metro.
Cambra i as de cor e branca.
Alpacas de todas as cores a 640 rs. o covado.
Poil-de-chvre com lista de seda fazenda de gosto a 10200,
Basquines de guipure enfeitadas a 180000.
Sortimento de chitas escuras e claras a 280, 300 e 360 rs.
Madapolo fino a 60500, 70, 80 e 90000.
Algodo peca com 20 jardas a 40500, 50500 e 60000.
Peca de algodo largo a 70500.
E outras muitas fazendas que ser enfadonho mencionar Cheguem a roupa
feita que se est liquidando na loja ra da Imperatriz n. 52 (junto loja de ourives) do
LEO DA PORTA LARGA
DE
Paredes Porte.
de Lisboa
de
nova
chegada no ultimo navio : vende Joaquim
Ramos, na ra da Cruz n. 8. t- andar.
Jos
3 cordeiro providente
Una do Quelanadb n. 16
perfumara;
Aik> tos.
Alm do fttmpMMoHRmto de perfu-
maras, de que efectivamente est prvida a
loja do Cordeiro Previdente, ella acaba de
receber um outro sortimento que se toma
aotavel pela Variedade de objectos, superiori'
lade, qualidades e commodidades de pre-
cos; assim. pois, o Cordeiro Previdente peda
a espera onaaar a merecer a apreciaejo
do respeitavel publiGO em geral e de su
boa freguezia em particular, nao se afatv
lando elle de sua bem conhecidamansidSo
o barateza. Em dita loja encontrarlo #
apreciadores do bom:
Agua divina de E. Coudray.
Dita verdadeira de Murray 4 Lamman.
Dita de Cologne ingleza, americana, fran
ceza; todas dos melhores e mais acreditado
fabricantes.
Dita de flor de larangeiraa.
Dita dos Alpes, e vilete para toilet.
Elixir odonjalgico para conservac-io da
tsseio da bocea.
Cosmetiques de superior qualidade e chai'
ros agradaveis.
Copos e latas, maiores e menores, con>
pomada fina para cabello.
Frascos com dita japoneza, transparent
e outras qualidades.
Finos extractos inglezes, americanos
francezes em frascos simples e enfeitados.
Essencia imperial do fino e agradavel ebefr
o de violeta.
Outras concentradas e de ebeiros igual-
mente finas e agradaveis.
Oleo philocome verdadeiro.
Extracto d'oleo de superior qualidade,
com escolhidos ebeiros, em frascos de difle-
rentes tamanhos.
Sabonetes em barras, maiores e..menores
para mos.
Ditos transparentes, redondos e em figu-
ras de meninos.
Ditos muito finos em caixinha para barba.
Caixinbas com bonitos sabonetes mtaad*
fructas.
Ditas de madeira invemisada ceotendo i-
aas perfumaras, muito proprias para pre-
sentes.
Ditas de papelao igualmente bonitas, taas-
bem de perfumaras finas.
Bonitos vasos de metal coloridos, de
moldes novos e elegantes, com p de airo
a boneca.
Opiata ingleza e franceza para dentei.
Pos de eamphor e outras difireme
qualidades tambem para dentes.
Tnico oriental de Kemp.
Alatda nal roqnm.
Um outro sortimento de coques de ne-
vos e bonitos moldes cem filete de vidrilho#
o alguns d'elles ornados de flores e fita*.
39lo todos expostos apreciacao de que
o pretenda comprar.
GOLLINHAS E PUNHOS BORDADOS.
Obras de muito gosto e perfeigao.
rivellas e tu$ para cintos.
Bello e variado sortimento de taes objes
tos, ficando a boa escolba ao gosto do co
prador.
Mikroskope achroma-1
^sehso. ObjetivLin-^^^N^
Baromere e termo,*
metre. Centigrade.
e reuumeure.
o possue melhor, nem mais em
D\ AURORA om permanente, jardim a genero
dUoosicao' das Exmas. familias. conta.
V E' dispondo d tao grande e variado sortimento que os propietarios do PA-
yiLHO DA AURORA se apresentam ao publico declarando desde j que ea sincenda-
de e o bom gostoo movel nico de seus negocios.
" Prvidos de tudo e promptos sempre a prover-se do que por ventura lne
sem receio de serem contradictos e protestara esforcar-se por continuar a merecer
protecao que se Ihes tem dispensado ; certos de que do seu estabelecimento nao sah.ra
d fretruez descontente. u.v^,-;
Contina sempre a officiua de alfaiate dirigida por nm dos mais habis artis-
tas, promplo executar cora promptido e bom gosto q^w^ifi que lhe seja
confiado. Urna modista especialmente oceupada nos trabalhos do PAV1LHA0 w*. AU-
RORA, dirige os qae lhe sao concernentes, garante por seu apurado gosto e promptmao
ta execuco e a mais completa perfeico nos seos trabalhos.
A numerosa freguezia que nos honra urna prova de que merecemos o con-
ceitoque se dispensa ao nosso estabelecimento, conceito que procuraremos firmar cada
vez mais Para facilitar ainda a cuncecuco do fim que nos propomos, temos no nosso
SBiabelecimento os ltimos figulinos de Paris, que recebemos por todos os paquetes, os
qtues eoviaremos para serem vistos as familias nossas freguezas, al
oVm o padro da fazenda o gosto na forma.
Na oflicioa de alfaiate, junto ao estabelecimento, ha igualmente os gunnos
mih homens que por todos os vapores se recebem. -
E* este o modo porque nos apresentamos pedindo a proteccSo do illustrado
publico ecom'o mais profondo respeito convidamos s excellentissimas Sras. a visi-
i o nosso stabelecimento, certas^ de encontrarem uelie pelo menor preco possive-
tudo qaepodemdesejar. ... .,
Mindaremos caixeiros levartas fazendas eamoatrjs onde forem pedidas, visto
ato pdsrmos espeemear tudo.ajaatq] temos.
Joo Luiz, Sobrmho & C.
Aborto das 6 s 9 horas da noite.
NO BAZAR DA MODA
OE
JOSfc DE SOIZA SOARES frC,
Ra Nova
VENDE-SE MUITO BAR\TO PARA LIQUI-
DAR A D1NHEIR0.
l.uvas.
De pelica branca muito frescas, chegadas
por este ultimo vapor para homens. senho-
ras e de cores e pretas para meninoso
par 2)5000.
Minhas festas!!
Lindos objectos para miraos, como sejam:
Estojos e caixinhas de msica, bolcinhas e
sestinhas, vasos e balainhos de porcelana
dourada, figuras, tinteiros, port-bonqnet
caixinhas para jejas, interesantes conchinnas
com frascos para excencias, ricos quadros
para retratos, apparelhos de plaqu, cama-
feo e madreperola, lindos vasos com perfu-
maras etc. etc, e muitos outros objectos
para este fim. '
chapeo* de sol ou sombrliinas
de setim ricamente enleitados e mais mo-
dernos que pode haver para senhoras a
144, 16#e 185000.
GUIPURE OU CROCH
preto ou branco que o pode baver de mais
bonito em padroes e superior em qualidades
para casacos, capinhas, corpinhos, melas
saias etc. e vende-se muito barato.?
LINDAS CAMELIAS
brancas e cor de rosa de dous tamanhos
cada rosa a 14200 e 1(5300.
Chapeos para senhoras,
de palba fina de Italia elegantemente enfei-
tados e gostos muito modernos de 15<5000.
vende-se para liquidar a 100000.
efiincha.
OCEOS PERISCPICOS
E crystal de rocha do Brasil.
P. a. Germano, recommenda ao publico, seus vidros periscpicos apereicoa-
dos; porque, com estes vidros, a vista descanta, fortifica-se e nao a canea como com
os vidros ordinarios. Urna vez escolhido um vidro, pode durar dez annos, emquanto
que, com os vidros ordinarios se est obrigado a muda-Ios todos os annos e os ter
cada vez mais grossos, o que altera o crystalino do lho e determina quasi sempre do-
res de cabeca. O alcance ordinario da vista perto de 30 centmetros do mo, e,
todas as vezes que o objecto est mais perto ou mais loage, os raios que expelle sao
mui convergentes ou mui divergentes e a visao do perfeita. Um grande numero de
pessoas tem o deleito de fazer convergir muito de sorte que a viso nao distincta.
Com a applicaco de meus vidros pde-se vencer estas difficuldades. Para os que tem
a vista curta e cujo crystalino mui convexo (o que faz ver bem, de perto, e mal de
longe), o que se chama myoe, por meio de um vidro concavo affasta-se o ponto de
vista, o que faz divergir os'objectos e deixa ver tao longe como as outras vistas. Quan-
do o crystalino muito chato, o que succede aos que tem ebegado a urna certa idade,
o que se chama presbyta, vera melhor de longe que de perto, e nao enxergara seno
um nevoeiro na distancia ordinaria da vista; com um vidro convexo, estes enxergaro
lc distinctamente como na idade de 15 annos. Servindo-se destes vidros quando e
vista principia eufraqueccr, previne-se o mal.
P. 4. Germano encarrega-se pela sua experiencia, tendente aos olhos, a c s
colher, a primeira vista/ seja qual for a idado e grao de vista, oculos proprios para
qualquer pessoa,
Para que sao fabricados estes vidros ? ?
Para a vista myopo, (vista curta). i Para a vista que nao supporta os raios
Par?, vista que se cobre de nuvens. solares nem grande claridade.
Para a vista que por momentos, v es- para ^ da da catarata>
voacar pequeos pontos negros. p as j bras esl5o cer
Para a vista que as palpebras treraem ^ de ^
de fraqueza. .,_
Para a vista que os olhos sao desiguaes. Para a vista que um dos olhos myop
Para a vista que se turva com o traba- e outro prcsbyto.
Iho e a leilura. Para evitar finalmente que o crystalino
Para a vista presbyta (vistagalon ). do olho se cobra de catarata.
KAPI5 POPCIiA
DA
FAMIfA MOX.U iA BAHA
DE
TetzetVa XJld\mc%%C. .
Acba-se vena este ptimo rap, nico jo
pode snppnr falta do procen de Lisboa, por Mr
de mui agradavel perfume, viajado, e a preco o
mais mdico possivel; e por teso tem sido assic
acolhido as pracas da Babia, do Rio de Janeiro *-
cm outras do imperio : no eseriptorio de Joaquina
Jos Goncalves Beltrao, roa do Cmmereio nu-
mero 17.
TURA.
Acabam de ebegar ao Grande Bazar Univertai-
ra Nova n. 22Carneir&Viannanm comple-
to fortimento de machinas para costura, dos an
tores mais conhecidos, as quaes estilo em exposi-
cao no mesmo Bazar, paranlindo-sc a sua boa qua-
lidade, e tambem ensina-se com perfeicao a todo
os compradores. Estas machinas sao iguaesu
seu trahalho ao de 30 costurciras diariamente, e a
sua perfeico tal como da melhor costureira d
Pars. Apresentam-se trabalhos exeeutados pela
mesmas, que muito devem agradar aos preten-
den^.-._________________________________
M11H0
Em pequeas porcoes a 83500 ; em maiores
n 8 jOOO, milho nnvo, saceos grandes, na ra d
Vigario n. 10, 1 andar eseriptorio de Joaquim
Guido de Bastos. Na mesma casa ha para ven-
der excellentc farinha de mandioca, arroz, gom-
ma, tapioca, araruta em barriquinbas, alfazema.
vinlio do Porto em ancoretas e i arris de quinto,
tudo; precos razoaveis.
E' pe-
ABARA
E' novidade.
O proprietrio da loja da Arara, tem a honra de
declarar ao respeitavel publico, que receben um
completo sortimento de fazendas de todas as quali-
dades e vai expr a venda pelo. preco mais barato
qne possivel, como seja madapolao de todas as
qualidades, aigodaostnhos, chitas e cassas, panno
finos pretos, cachemiras pretas e de dres, gmsae-
napoles pretos e outras muitos fazendas que a vista
dosseus freguezas vero a sua qualidade de prego
como barato : ra da imperatriz, loja da Arara
d. 72.
Chegon ao antigo deposito de Honry PorMer
d. roa do Imperador, nm carregamento de :
de primeira qualidade; o qnal w vende em partida
- a retalho por menos preco do que em nntr qn*i
qy parta._______________________
Bolachmba in^eza a 43
a barrica, e a 40 rs. a libra : no armazem da1"*-
trella, largo do Paraizo n, 14.
Sortimento de binculos
para fheatro, e oculos de
alcance para o campo e ma-
rinha.
**mmm
Candido Alberto Sodr da Molla & C, com
eseriptorio e armazem na travessa da Madre d
Dos n. 14. tem para vender o seguinte :
Cemento Porlland de Ia qualidade o melhor qn
tem vindo ao mercado,barricas de la 14 aitoba
por 10*000.
Vinho Bordeanx das seguinles qualidades:
St. Julin.
Fronsac.
Lormant.
St Emilion.
Margans.
Cbateau de Boyclierelle.
St. Lambert.
Lalonbere.
Duplessis.
Caqor.
Dearsesai.
Vinho do Porto qualidade muito especial.
Azeite dece retinado em caixas de 12 garrafas
Vinagre superior em garrafdes pequeos.
Farelo hamburguez, saceos de 90 libras, por
6*000.
Farinha de trigo de superior qualidade.
Barris com alcatrao, de arcos dn ferro.
Fumos de todas as qualidades, se encontrara
neste estabelecimento em latos, rolos e fardos.
Papel de todas as qualidades, propro para ci-
garros.
Lunetas, pince-nez e
face--main, ouro, prata,
tartaruga, bfalo, ac,
etc., etc.
Tem tambem grande sortimento de relogios para parede, que dio horas e para
cima de mesa dos mais lindos modelo Relogios para algibeira, de ouro, prata, prata
dourada efoleada, inglezes, suissos eorisontaes dos raelhores e mais afamados fabri-
cantes.
Vendas em grosso e a retalho. Em Pernambuco.
N. 21=Rua Nova. 21.
1NJECTI0N BROU
jaTTIaA, < wm ***** T *' *
tmiM a
Mff.

Leque de madreperola com seda, e todos d
madreperola, muito prprio-para nvias, ebega-
ram a loja do Passo a ra do Crespo o. 7 A, ai-
sim como requisslmos chales de touqnira de to-
das as cores, vestuarios bordados de cambraia
para baptizados, raeias de escocia (novidade) mui-
to bonitas para as Ex roas.. Sras. que gostam andar
de spalinhn raso e outro* muitos artigos de gw-
to que os proprietarios deste estabelecimento tooa
recebido.
"CEMENTO
O verdadeiro portland.
na da Madre de Dos n.
jlo Martina So s vende na
22, armazem de
Nova factura de balis
Os'tas bercos, cortdetast-roupeiros e eoreirat
de todos os tamanhos : a roa Direita n.N, ven-
de-se por menos do que om outra qnakroer !%,'



Diario de Pernanibuco Sabbado 29 de -Janeiro de 1870.
7
N
11

A DINHEIRO NA LOJA E ARMAZEM
DO
8(Datoa m vmwaw^q. m
DE
FEI/IX PEKLEIK t DA SILVA.
O proprietario d'aste grande estabelacimento, vendo qne se est aproximando o fln"
4o anno, e tendo em ser um grande deposito deposito de fazendas ; nao fallando cm
yultadas encommendas que Ibes esto obligado todos os dias, tem resolvido liquida-
las por preco rauito mais baratos do que em outra qaalquer parte ; s con o Gra
de diminuir o deposito e apurar dinheiro. Encontra-se oeste estabelecimento do
PAVO, avulttdo sortimento deazadas de laxo e modas; assim como de primeira
necessidade. As pessoas que negociam em pequea escala n'esta loja poderlo surtir-
te vendeudo-se-lhes pelos precos que compram, as casas inglezas; assim como as ex-
eUeotisstmas familias podero mandar buscar as amostras de todas as faendas, ou man-
ar-se-ba levar pelos caixeiros da mesma loja em saas casas; o estabelecimento se
cha constantemente aberto das 6 boras da manilla s 9 da noite.
Crochs para cmdeiras e sofs
0 Pyao tem um grande sortimento dos
mais besitos crochs proprios para cade-
ras solas, mesas, almofadas ele etc., assim
como proprios para cobrir presentes, e ven-
de-se mais barato do que em outra qisat-
qaor parte,
GLACE' A 1:200 PARA VESTIDOS
O Pavo tem esta nova fazenda lisa pro-
pria para vestidos, coa as mais delicadas
oores e com mais lustre do que a propria
Esplendido sortimento de
roupas feitas
NA LOJA DO PAVO A RA DA
IMPERATRIZ N. 60
Acha-se este grande estabeiecmento com-
pletamente sonido das memores roupas,
Nodo cateas palitts e soletes de oasemira,
de pao, 4e brim, de alpaca, e de todas
u mais faendas que os compradores pos-
am desfajar, assim como na mesma loja
tem ma bello sortimeote de pannos casemi- j s^a com 4 pamos de largara que7acUi
ras, brres, etc. etc. para se mandar fazeTfazer.se q^iquer vestido com 10 covades
qwlquer peca de obra, com a maiorpromp- e vndese pelo baratissimo preco de 1:200
trdio i vontade do freguea, nao sendo rSt 0 covado, pechincha.
migados a accetahtas, quando nao estojara ALGODO ENFESTADO
eompletemente a sea contento, assim como | Yende-se urna grande porcao de algodao-
n'esto vasto estabelecimento encontrar o sjuh0 americano com 8 palmos de largura
respeitavel pabnce um bello sortimento de propr0 para j^^g e toa|has tendo liso e
camisas franoezas mglews,. ceroulas de trreCa inbo e algodSo e outros muitos artigos
proprios para feomens e -senboras promet-
endo-se-lhe vender mais barato do que em
outraqualquer parte. Na ra da Impera-
triz n. 60, loja e armazem de Flix Perei-
a da Silva.
PecMncha a 2rK300
Farn lenqes.
Na toja 4o Pavo vende-se superior bramante
um 10 palmos- de largura, dando a largura o com -
primelo do leacl, sendo apenas preciso para
cada lencol ara e meio, oa um e um quarlo me-
tros ; afcm desta aplie.tcao tem outras muitas
para arranjos de familias e vende se pelo barato
preco de Sf800 o metro Na loja do -Pavo, ra
da Imperatriz n. 60. De Flix Pereira da Silva.
tuinas de liuhu
Vende-so gangas de linho com qna irinbos
muito boa-fazenda, para roupa de homens
e mentos e vende-se pelo barato preco de
500 rs o covado:
PECHINCHA EM PANO PRETO A 2:400.
O Pavo vende superior panno prto fino,
para pallitot, caifas, colletes, etc., pelo ba-
ratissimo pVco de :-403, o covado, gran-
de pe. hincha.
Vre* de cusemlru pretas 4.0
O Pavo vende os superiores cirtes de
casemiras preas enfesiadas, pelo barato
preco de 4:5r0, peohincba.
PARA 0 CARNAVAL
VrrSfUtina a a O r .
O Pavo vende bonitas verbulinas de co-
res para dminos c outros trages de mas-
caras pelo baratissimo preco de 60 rs. o
covado.
PECHINCHA, ALGODOSINHO A i;000,
O Pavo est vendemlo pecas de algo-
diosinho francez, tendo i palmos de laigu-
ra com 11 metros cada peca, pelo barato
preco de iKUO.
Pecas de madapaio a 3:500.
O Pavo vende pecas de muit > bom ma-
dapolo leudo 12 jardas cada urna pelo ba-
rato preco de :t:500.
GROSGENAPLES .PRETOS.
Chegou pai a a loja do Pavo um grande
sorlimenio de grosdenaples pretos, tendo
de lSOOat 5*000 o covado neste genero
08 melhors e mas largos que tem vindo ao
mercada asiim como bonitas sedas pretas
lavradas, uioireautiquesetc, todas esias fa-
zendas, vendem-se mais barato do qne em
outra qualquer parte, por haver grande
porcJe.
PEBCALLAS E CHITAS BARATAS.
O Pavio vende um grande sortinvnlo
das mais bonitas '.hilas claras e escuras, mais
barato do que em outra qualquer parle.
i assas a 4 rs.
Vende-se na loja do Pavo bonitas cas-
su de cores fizas a 240, 280 e 300 rs. o
cavado.
Cambraias trancas a 4:000 a. peca.
8 o Pavo vende pecas de cambraia
branca transparente, tendo mais de vara de
largura, com 10 jardas cada pera, fazenda
que sempre se vendou a 75000 e 85000,
liquuia-se pelo barato prego de 45000. -
Jpaeas briihamc a I e SOO.
O Pavo tem o mais bello sortimento de
alpacas lavradas com as cores mais delica-
das que tem vindo ao mercado e tendo bas-
tante larguaa, vendem-se pelo barato preco
de 15000, e 800 rs. o covado.
Merla de eordio
Vende-se merino preto de cordo pro-
prio para calcas, palit>t<, e colletes, pelo
baraussimo preco de 15000, o covado,
AS P0UPELIN4S DO PAVO A 500 RS.
Cbegaram as mais lindas poupelinas de
lia com imitacao das poupelinas de seda,
om< laenda muito leve com as mais lin-
dascores, sendo: verde Bismark, roza, azul
lyrio, c senlo, perol la etc, etc. e vende-se
peto baratissimo preco de 500 rs.
BONITAS UUSINHRS
OU ANADINAS A i000 RS. 0 COVADO.
Cbegon para o Pavo, um grande e va-
riado sortimento desta nova fazenda de 13a
e seda propria para vestidos, com os mais
delicados Tsennos e mais modernas cores,
tendo bastante largura que (acuita fazer-se
nm vestido com poneos covados, pelo bara-
baaimio preco de 15000 o covado, por j es-
tarn muito prximos da festa.
COLCHAS DE FUSTAO
Na loja do Pavio vende-se ara grande sortimen-
*s 4e colcnas de fosto sendo brancas e de cores
diua 4 eroaM para camas de noiva, mita como
ijotuto damascon de lia para colrli.v.
con la.
"amos de llntio
Chegou um grande sortimento de pegas
de panno de linho do Porto que se^endem
de700 rs. at 15000 a vara, garantindo-se
que em fazenda de linho nao ha ntda me-
Ihor, nem mais proprio para lenges e toa-
Ihas.
PECHICHA EM CHAPEOS DE SOL
Chegou um grande sertimento dos me-
'hores chapeos de sol de seda, inglezes ten-
do neste artgo e melhor que tem vindo ae
mercado assim oomo urna grande porgo de
ditos de alpacas de todas as cores e todos
se vendem por prego muito mais barato do
que em oitra qualquer parle, por haver
grande porgo.
cucos hraucos
Vende-se um grande sortimento de len-
cos brancos para Iiomem, sendo a duzia a
15600,25000 e 35060, ditos abanhados
muito finos a 45 e 65600 a duzia, ditos de
esjuiio fazenda muito superior a 55, 65 e
75000,
Os bales do Pavo a 2&0OQ,
Cheg u um grande 'sortimento de haloes
ou crenoiinas do feitio mais moderno muito
proprias para vestidos ennesgados qne se
vende pelo baratissimo prego de 25000 ca-
da um grande pechincha
Fustoes brancos para vestidos
Chegou em lindo sortimento dos mais ba-
ratos e bonitos fusloes brancos com listrss
c cordoes, sendo fazenda bastante larga e
flexivel, muito propria para vestidos e rou-
pas de meamos o vendem-se a 640 o co-
vado.
CRETONES MATISADOS PARA VESTIDOS
A 640 E 800 RS.
Para a loja do Pavia chegaram os mais
benitos crotones escures matisades, pro-
prios para vestidos, roupio chambres etc.
que so vendem 800 rs. o covado, assim
como a mesma fazenda em padrees claros
proprios para vestidos c roupas de meni-
nos a 640 o covado, sendo os padrn mais
moderaos qne tem vinpo ao mercado.
.MIS 29 MIL 011W i
LASLNHAS LUSTROSAS A 400 RS. 0 CO-
VADO.
S o Pavo
Vende-se nm grande sortimento das
mais modernas e legantes lasinhas para
vestidos, eom as cores mais novas que tem
-indo a este mercado, sendo com listrinhas
dikidinhas qne parecem de urna s cor e
;ora tanto lustro que hnitam perfeitamente
ts poupelinas de seda, c vendem-se pelo
barato prego de 400 rs.
Os setins do Pav&o
Vende-se os mais bonitos setins de cores
3 mais encorpados proprios para vestidos
tendo de diversas cores.
AOS PAUTOTS DO PAVO A 185 e
205000.
Vende-se um bonito sortimento de palito-
is francezes sendo, sohrecasacados e pro-
piamente sobre-casacos, que se vendem
'orrados de alpaca a 185000 e forrados de
teda a 205000, pechincha.
FAZENDAS PARA UTO
Na loja do Pavio.
Eacontra o respeilavel publico neste estabeleci-
oento nm grande sortimento de fazendas pretas,
mo sejam, cassaa franeezas e inglezas, chitas
irotas de todas as qualidades, fazenda de la de
odas qne tem vindo, proprias para loto, como
iejam, lazinhas, alpacas lavradas e lisas, canto,
lombazinas, merino, etc., qne tudo se vende por
reco barato.
Vladapoio francez a 7^000 rs*
Vende-se pegas de madapolo franeei
om 22 metros pelo baratissimo prego de
'5000 a pega, pechincha.
Altas novidades em sedas
Chegou um grande sortimento das mais
Qodernas poupelinas ou gorguroes de seda
1 linho com os mais elegantes padroes que
em vindo a este mercado sendo, miudos e
(raudos, tanto em cortes para vestidos como
tara vender em covado, assim como um
Mnito sortimento das mais bonitas sedas
stradas que se vende tudo muito em conta
CERA DE CARNAUBA.
Vende-se urna grande porgio de cera de
arnauba em saceos por prego mais barato
lo que em outra qualquer: na loja do
'avo ra da Imperatriz |n. 50: De Flix
'reir da Silva.
RiNDE 1VIMDE
Quando a AGUIA BRRNCA, mais precisa scientificar ao respeitavel publico em
geral, e em particular a sua boa freguezia, da immensidade de objectos que ltimamen-
te tem recebido, justamentefquando ella menos o pode fazer e porque essa falla invo-
luntaria ella confia e espera na benevolencia de todos que lh'a attenderao e relevarlo,
cont:nuando portanto a dirigirem-se a bem conhecida U ja da AGUIA BRANCA ra do
Queimado n. 8, onde sempre acbarao abundancia em sortimento de superioridade em
qualidades, modicidade em precos e o seu nunca desmenttido AGRADO E S1NCERIDADE
Do que cima fica dito se conbece que o tempo le qitt a AGUIA BRANCt pode
dispr, empregado a petar de seus cusios no desempenho de bem servir a aquellos qne a
honram procurando prover-se em dita loja do que necessilam, entretanto sem ennume-
rar os objectos que por sua natureza s3o mais conhecidos ali, ella resumidamente indi-
cara aquelles cuja importancia, elegancia o novidade os tornam recommendaveis, como
bem seja
Corpmhos de cambraia, primorosamente
enfeitados com fitas de setim e obras essas
enja novidade de molde e perfeigSo de ador-
nos os tornam apreciados.
Fitas mni largas de diversas cores e qua-
lidades para cintos.
Leques oesse objecto muito se pedera
dizer querendo descreve-los minuciosamente
por suas qualidades, coreee desenhos, tal
o grande e variado sortimento que acaba
de chegar, mas para nao massar o pretn-
deme se lhe apresentar o que poder do
melhor.
Entremeios em pecas de 12 tiras.
Gtfipure branco e preto de diversas qua-
lidades e desenhos.
Ditos de aSgodao com flores e lisos.
Veos de seda para chapelmas e monta-
ra.
Meias de seda para noivas.
Ditas abertas de fio de Escossia.
Costames ou unrtbrms para meninos.
Enxovaes completos para baptisados.
Touqumhas de fil, sapatinhos bordados enancas
Capellas brancas para meninas.
Grandes sortimento de llores finas.
Fil de seda, preto.
PERFUMARA
Grande e constante sortimento de dita,
sempre-melhor quajidade.
Lindos vasos com p de arroz e pmsel,
Caixmhas com ditos aromticos.
Bonitos e modernos pentes (horados
para circular o coque.
Bonitos brincos de plaquee.
Aderegos e brincos de madreperolr.
Caivetes finos para abrir latas.
Thesouras para frisar babadinbos.
Aspas para bailo.
Novos storeoscopos com 48 vistas, as
qaaes sao movidas por um machiuismo
amas substituem as outras.
Vistas para stereoscopos.
Bonitas caixinbas de vidro enfeitados com
podras.
Ditas de madeira envernisada com vispo-
ras e com domines,
Bollas de borracha para briequedo de
e meis para ditos.
Camistnhas bordadas para ditos.
Diversos objectos de porcelana, proprios
para er.feites de mesa e de lapinhas.
SOISTIIEXW PARA A FESTA
Y-ende^se por menos de 10, SO e 30 %
SO' NO
ilIAIll EIIU1TATITI
N. 23Largo do Ten?o.N, 23-
DE
SIMAOJDOS.SANTOS 8: C.
Os proprietarios deste bem sortido armazem de ecco e molbados estao re-
solvidos a fazere urna grande diminuicao de pregos as suas mercadorias, como se apro-
xima a festa e sempre se fazem avuteadas compras para o centro e praga, por
isso previnem ae respeitavel publico em geral, que mande fazer suas despengas e cer-
tos de que vern a granda differenga em pregos mais do que cm outra qualquer parte
e garantindo-se 3S superiores qualidades.
GAZ AMERICANO 8BQ0 a lata, o 4M j SEVADINIIA E SAG 280 rs. a libra e
rs. a garrafa e tGO rs. o litro. 620 rs. o kilo^rammo.
VINHO VERDADEIRO FIGUEIRA 60' FARINHA DE ARARUTA VERDADEIRA
a garrafa, e i-jiiOO a caada e 800 rs o ti- 6';0 a libra e 15400 o kogrammo.
tro. | BOLAXINHA INGLEZA MUITO NOVA a
DEM DE LISBOA das reelhores marcas, i
400, 110 e 500 rs. a garrafa, a 558O0 e
0 Campos da ra do Imperador n. 28
no intuito de servir satisfatori menie ao>
seus innumeraveis amigos e freguezes, em
particular e em geral ao respeitavel publico,
desta cidade ; avisa aos que pstrvterera pas-
sando o tempo calmoso, nos deleitaren
arrabaldes desta capital, que tem resol\id<
vender, de de superior qualdade, a piveo>
razoaveis, os seguintes gneros a saber:
PARA CIMA DE APARADORES _
Latas com doce em calda de diversas
qualidades nacionaes e estrangeiros.
Ditas com peixe a saber; salmn, ostras
e (agostas.
Ditas com ervilhas francezas e portugue-
zas. -
Ditas com gela francez.
Cerveja franceza verdadeira Bobee.
Presunto para fiambre e afiambrados.
PARA DISPENSAS
Latas com chourigas novas sendo de 85,
cada urna.
Presuntos de Lamego para tompeiro.
Cuias do Para (pintadas pelos indgenas
daquella provincia.
Copos de vidro com dobradiga e tampa
para diversos misteres.
PARA OS QUARTOS DE DORMIDA
Porta-phosphoros cheios de pbosphoros
de segnranga.
PARA SALA
Churutos de S. Flix do afamado fabri
cante Costa.
Pumo picado do Daniel de S. Jo5o do
Rio de Novo.
Alm desses gneros, o Campos tem con-
vicgSo de que o seu estabelecimento um
dos que podem satisaier com garantas as
exigencias bem entendidas, dos ilhistrado*
habitantes desta heroica provincia, porquan-
to se acha eHe bem prvido de gneros su-
periores, de manara a nao desmentir
O Campos.
iTASSOiRMASa-f,
Wtirtein t-fii seu* ;.rn'iZt'ln- i le Apoltt'
d. 7, E-cadinua ote ra J.i i. 37, o>
siguinif? teneres :
A51) de Milfio.
Milho em ;iocb pr^nd*?.
F.-irelln em ntttt &: O libras.
Chumbo de muni^ao fui lido.
Mi-ial amaitllj pura Rirro de navi-j?.
Machinas par descarorjr algodo de lA, 161 ib
serrns.
KiTusene rjiampajine do afamado rubricante Krug.
Hi-rmoulh.
Vinho do Porto engarrafado.
Goaae do afamado fabricante Gaotler Frre?.
F(o da China, caixinhas, 10 cartas u. 1. Extra.
Genebra ingloza Od tum
Cimento Romano.
Cimento Hidrulico.
Cimento Portiand. -
Gesto parne>iu(|u*s.
Cannos do barflu para c^oto.
Gradeamentos de ferro ppra jardins, calcaM ^k
Carros da mo para tervicos de artnazew.
Garrafoes com H gl5es de vinagro tinto. i
dem com 3 pales de vinagre uni.
Chumbo om bat ra. ____________
COGNAC
De superior qualidade da mui accredit>
da fabrica de Bisquit Dubouch d C, en
cognac urna das que mais agurdente d*
cognac, fornecem para o consummo d<
Reino da Inglaterra.
Vende-se em casa de Th. Just. roa dt
:ommercio n. 32.
BRACO
3^200 a caada, 660 e 720 rs. o limo.
DEM BRANCO DE LISBOA a 4^000.
a caada e 560 a garrafa, e 840 rs. o litro.
VINAGRE VERDAOEIRO DE LISBOA
200, 240 e 320 re. a garrafa, 1*400,
1#800 e 2,$200 a caada,
AZEITE DOCE DE LISBOA 900 rs. a
garrafa, e a 7$ a caada, e 134Q o litro.
MANTEIGA INGLEZA FLOR 10400 e
i280 a libra, 30060 e 20780 o kiio-
gr ammo.
DITA FRANCEZA 960, 900 e 80 rs.
a libra, e 20100, 10980 o 10860 o kilo-
grammo.
DITA PARA TEMPERO :i60 rs. a l
bra, 10220 o ldlogrammo, em porgSo se
far abatimento.
BANHA DE PORGO DE BALTIMOOR
e armazem do Pavao rw da Imperatriz n. 60.
720 rs. a libra, u 10360 o kilogrammo, em 800 rs. a garrafa.
00 rs. a libra e 8 VELLAS DE ESPARMACETE 720 rs. o
m3.sso, cm caixa ha abatimento.
PUOSPBOROS DO GAZ E DE SEG-
RANC.V, 280, 400 e 560 re. o masso,
3/5200 e 60500 a groza.
AMEIXAS EM LATAS E G4CHINHAS
DE MITOS TAMANHOS 10280, 20500
30500,40500, 30500 a tata e a retalho e 10
a libra.
GOMMA DE MLHO AMERICANA 400 rs
o masso, e em caixa ha abatimento.
BATATAS NOVAS DE LISBOA 60 rs.
a libra, em caixa faz-se abatimento.
SERVEJA INGLEZA MARCA II 50500
a duzia e 500 rs. a garrafa.
DEM BASS, VERDADEIRA IHLERSA
BELL, 800 rs. a garrafa e 95 a dnzia.
VINHO DO PORTO ENGARRAFADO DE
DIVERSAS MARCAS 10500, 10200, 10 e
Ra do Imperador n. 26
Neste-novo estabelecimento encontra-se
diariamente om variado sortimeuto de bo
linhos para cha, pastis, podins, bollos in-
glezes, pies de lo presuntos, ditostm fiam-
bre, superior ob Hysson, preto, e miudi-
nho. Viohos finos de todas as qualidades
conage, licores, conservas, champagne, cer-
veja iogteza, frucias muito boas, por-
tuguesas e francezas.
Una completo e variado sortimento de
caixiubas de todas os gostos e precos par
mimosear senhoras, estas caixintias recen-
temento chegadas de Pars sao de prraora-
do gosto, offeresse-mo-las aos galanteado) es
do bello sexo pois nellas acharao nm digno
e serio presento para as donas dos seus
pensamentos. Tambem os apreciadores da
boa fumaca encontraro charutos dos me-
Ihores fabricantes da Bahia e de Ha vana
sganos do Rio de Janeiro etc. ele.
Doces d'ovos seceos, cbristalisados ede
calda, ditos de caj e de outras qualidades
Nesta casa recehem-se encommendas para
bailes, casamentos e baptisados e qualquer
encommendas avulss, como seja pao d- 16
e bollos enfeitados e outros muitas couzas
que enfadonho mprninnar.
VNDESE ou arreuda-se o engenn
S. Gaspar, silo na freguezia de Serinhi m
comarca do Rio Formoso, proaiu>o do ero
barqne, com grandes partidos do pal
massap i roda da moenda, mallos manj.'iic>
para madeaa necssaria, bom" pasto, etc,
a tratar na ra d'Aurora n. 26, ou na d(
Imperador n. 20.
L)ja do pagso
Os requissimos corles de blonde de seda rorri
manta e capetla para casarueoto, sendo nc-te ar-
tigo o qoe sh pude dwejar de melhor c mais'mo
derno, tambem chegaram os cortfs de sed.i V ti
res novidade, e outras muitas tondas de gu-to
que chegaram pelo, ultimo v^n<)r francez, s para
a loja do Passo a ru do Cre>po n. 7 A.
Farinh de mandioca
Vende-se farintta de mandioea nova e mtiito n
perior, chegada ultimamentu de Santa Catharina,
a bordo do logro Miinjurida, fondeado dtfronie df>
trapicho do Exm. Barao. do Livr.imeuto ; e para
miar ra do Commercio n. 17, e^cripturio do
Joaqun) Jo- Otmealtcs llellrao.
VENDE-SE OU ARRENDASE a pro-
predadedenomiada Barra de Sifiinlitm.
no liltoral da freguezia do mesmo fimo
com gr?nde renla rta ierra a rceber e mui-
tos coqueiros a desfrnefar ; leudo, alm
disto, a excellente e rara psito betto-ij ar
e beira-rio, inteiemente apropriada para
manter-se ahi qualquer estabeleclnnieto
commercial de seceos e molhados: 11 ca-
lar na ma d'Au.-oran. 26, ou na do Impe-
rador n. 20.
< a:va "al do Bueo ti ttia
sil cm Pcrunnihuco, tui I qt-
daco 5f. c Janeiro de 1M3V
A Gaixa filial vende o grande eexi-tina^-
te sobrado silo i ra Imperial n. 04 t m
aceomodaecorfi para gnmde fili, ai-
bem venda a casa terrea coi.Ugoa n. (rj :
trotar na mesma caixa iua ib GowueT-
cio n. 34.
porcao se far abatimento.
ARROZ DO MARANHAO E DA NDIA
120e rs. a libra, 260 rs. o kilogrammo e
3^100 a an-oba.
ALPISTA 200 rs. a libra e 440 rs. o
kilogrammo, e 6i5000 a arroba.
CAF EM GRAO 6 e 6#00 a arroba,
200,240 e 260 rs. a libra. 440 6 320 rs. o
kilogrammo em sacca se far abatimento.
SARAO MASSA 240 e 200 rs. a libra,
520 e 440 rs. o kilogrammo, em caixa se
faz abatimento.
MASSAS PARA SOPA, MACARRO, TA-
LHARIN E ALETRIA, 560 rs. a lbra>
1^220 o kilogrammo.
ROLACHINHAS EM LATAS DE DIVER-
SAS QUALIDADES, bem como perola bri-
Ihante, combination, Francy-cracynel, mixed
Britania. Mdium, Fancy-nic-nac, a, b, c, o
soda a I 5000 e 1)400, cada urna lata.
Assim como ba outros muitos
GENEBRA DE HOLANDA E HAMBUR-
GUEZA 7(5 e 60 a frasqueira, e 500 rs. o
fiasco.
DEM DE LARANJA DOCE AROMTICA,
HA a frasqueira e Ij o frasco.
QUEIJOS DE DIVERSOS VAPORES,
3800 e 20400 em caixa ha aba-
mento.
TOUCINHO DE LISBOA MUITO ALTO
400 rs. a libra, e 880 rs. o kilogrammo,
e 116500 a arroba.
LINGUICAS FINAS PROMPTAS EM LA-
TAS 10000 rs. a lata.
LOMBO DE PORCO ASSADO JA PROMP
TO a 10000 rs. a lata.
CHA FINO. GRAUDO E MnjDINHO
30200 e 20800 a libra, e 60100 o kilo-
grammo.
DEM PROPRIO PARA NEGOCIO 2 J000,
25200 o 15800, rs. a libra,
gneros, vinho em ancorlas, azetonas,
ti
Resta venda um escolhido sortimento de ob
leetos de marcineria, como sejam, mobilias de ja-
iaranda, mogno eamareilo, obra nacional e ostran
feira, de apurado gosto e por prejjo* razoaveis:
aa rna estreita do Rosario n. 32. Nesta mesnu
sa faiem-se eom perfoico todos os trabalhos dt
palhinha, como sejam, cmpalhamentos de lastro-
jara camas, cadeiras e sophs.
Cal de Lisboa
chegada no ultimo navio, tem para vender Joa-
qun Jos Godcalves Uclirao, no seu cciiptorio ;>
ra do Ommereio 11. 17.
ESCRAVOS FU6IB0S.
Attenpo.
muito novas, passas e Ggos novos, charutos de diversas marcas, marmelada, feita pelos
melbores conserveiros em Lisboa, gela de marmello, pcego, ervilhas, em latas, por-
tuguezas e francezas, vinho verde engarrafado retalho, peixe em latas, bem como
pescada, taihha, pargo, goraz, lula, corvina, vezugo, cavalla, sarda" e sardinhas do Nan-
les. Canella, cravo, ervadoce, cominho, pimeuta, grandesmolhos de sebolla 10500.
Finalmente muitos outros gneros que enfandonbo menciona-los.
PARA A FESTA
3 portas, loja de fer a^em
53-Rua Direita--53
Neste jrrande estabelecimento, ha para vender
um completo sortimento do ferragem, e miodezas
Unas e grossas, como sejam bandejas chinezas
quadradas o ovaes, facas o garfos ao 1 2 bo-
lees, batane/) inteiro o l/i balando; panellas, rlia-
Iheiras, cacarollas, fripdeiras, assadeiras, tanto
de ferro como de porcelana, noinhos para caf do
diversos lmannos do fabricante *
granraos, tanto de ferro
para medir fazenda tanto do ferro como de laio,
olitre, breu, barbante. on\ofr", papel marca via-
do, do verdadeira Picardo, macisoas par dewa-
racar algodio ; alm de outros artgoa de terra-
gem, miudezas eutiiarias tinas, que s com a vis-
ta se verifica; na ra diroita n. S3 loja de 3 por-
jas'de ntml Rento de Olivcira DragaA C.
CEMENTO
PORTLAND.
Vondo-so no armazem amarello de Vicente Fcr-
reira da Costa & liiho, defronte do arco da Con-
ceicio, em barricas grandes
CIMENTO
Da melhor qualidade e por menor preco
dMaLp6109 't'0" ^ae em oulra 1na' a!v.^'dfl ra|. Moreira d C. em sou armazem do Caos
da Alfandega n. 7.
Vende se ama escrava de meia idade que
cosinlia e eugomma bem, 6 ama negrota de 10 an-
nos. bonil-'1 fgttr ambas pretas a ru dft Paz
I). 34. w
NA PHAKMC1A DO PINTO RIJA LArtG D
ROSARIO N. 10 JUNTO AO QUAR- .
TEL DE POLICA.
Acham-se constantemente promptjs a
ser;m satisfeitas, as prescripcoes dos Srs.
facultativos, e as necessidades dos enfermos
s especialidades da rnesma pharmacia.
composta de medicamentos, tanio indge-
nas, como estrangeiros.
To.-ses e molestias do peito.
Xaropes de fedegoso, rabo de lat.'
Agriao, pao Cardoso, juca, raulung, u.u-
iimba, etc, etc.
Rheumatismo e moles-
tias syphiliticas.
Arrobo vegetal, xarope de salsaparrilha
do Pai, pilulas e xarope de veame, tin-
tura e xarope de sicupira.
Doctas do ligado e ba$o, ane-
mia, opilado, ete.
Emplasto, oleo, pommada. tintura, pi-
lulas, xaronc o vinho da milagrosa Juru-
beba.
Sezftes on febres intermitentes
As pilulas anti-periodicas de Pinto.
nico deposito destes medicamentos na
pharmacia do seu autor ra larga do Ro-
sario n. 10, junto ao quartel do torpo de
polica.
Liquida O proprietario da loja, denominada (jaribaldi.
Tendo fngid), ha dias a esrrav Agpida, ral
do 2 .'innos, mais on menos, m^fonco mafH t
vesga, com o nomo ,,'..1,- f
a qnem a poder prender 1 nseqnio le it-vu-k
a sna sepb> ra ;> tima. Sra. fJai ineta da Yklorta
a ru:i da Aurora n 1 i.
Aviso s autoridades policiaca
e a. quem coui^elir
No dia (i de maio do corrent anno
fugio o escravo Ezeqniel, cronlo di- :io i :ia
anuos de idade, estatura regular, relorcadt
cor bem pela, oabeca redonda, trajav ca
mi a azul e ealca de cassemira einzeM
durante ( dia cosluma andar gaobaiitdl na
mas, ou em armazens de assucar ou ias ta
bernas a conversar e a beber; di rete 2
noite recolhe-se a telheiros abertos, nii pv-
netraveis, a casas om construcrao e a Outn
quaesquer lucres, onde se possa abr'gar:
quem oapprebender lenha a bondade de c
conduzia a ra da Aurora n. 26, on na te
Imperador n, 20, onde ser raiili ado.
Fugio no dia 24 do correlo nwz de dezembr:
do sitio da Ponte de llclia, o oseravo Victorino
filbo do serU'10 do Ico, preto fula, baixo. idade i*
a 18 annos, vestido eom calca branca, blusa d
alcodaozinlio curra, chapeo do cbyle de aba lanra.
bastante ladino, cosluma a euibrcagar-se. faH-
com liumildade : pede-so, iwrtanto, auli rida
des pnliciaes e aos capitaes de campo a captura-
do referido oscravo, e de entregar no sitio da Pon-
te de Ucba, de Jos Moreira Copes, que recober
I00 de gratificaran.________________
AVISO
Fugiouo dia 18 do corr^ntomez a escrava i
heria, crioula, cor fu'a, do idado do 23 innoa, ti-
(atura regular, serea do corpo, quando anda na-
cha por um qnarto, falla mansa, beiera rofo.
sentura delgada, rogase portanto as autoridad:
e capitaes de campo a sua captura o quem a po
gar eve leva-la na ra do Ainorm n. 64, oa na
Solidado n. 90 onde ser gratiBeado.
faz ver ao respeitavel publico seus freguozes, qui
tendo concluido seu balance, ramo de costme
dar-so no fim do cada anno, -i i&ndo o mosmo pro-
prietario feito diversos Ti'jatisienlos em suas fazen-
das para servir seus fregu-ves, como sejam algu-
mss abaixo mencionadas, a sabei : madapolo
3* e bom, algodao pessa o Si, chitas france-
zas a 280 o covado, casaas francezas a 240 o co-
vado, alpacas de cores pura vestidos a 300 o eotn-
do o outras muitas laz'nli' que seria enfadonho
mencionar por falla de tempo, fazendas preas para
a quaresma a saber : gi asJonaplos preto de to
das as qualidades, panno flao preto de todas as
qualidades, caxemiras preas o do cores o outras
muitas fazendas quo so wndo sem rowrva do.pre-
50 : na roa da Imperatriz loja do Garibaldi n. 30,
em tempo para Dao haver engan i na frente da lo-
ja do Garibaldi hovera dous letreiros do liquida-
cao om lettra grande.
Chegera pechincha.
Cambraia francezas de cores mui'o finas a 240
res o covado, e 400 o 50J reis a vara.
Ditas ditas protas muito linaB, a 24" o covado o
400 e 300 reis: estas fazendas sempre so vendo-
rara por 800 rci* a van : ra do Queimado n.
10, dafi-ijrjte da boca nota.
A VISO
Aasentou-so no dia 21 d.; jrrente, do entinto
Katto-grosso da frr|/uczia de SaBto Amar de J*
boalo. o escravo Vicente, >:oiu oa signaos segu
tes : representa ler 20 annos. cor fulo, caarNu
carapinhos. rosto redondo, nariz grosso, tem nm 1
lstala do lado de urna uoofcerfM proveniente do
dores de denles, e ras rostas cwatniM de chirola,
altura regnlat, lewu vestido caiga do brim nardo,
canisa de madapolo o cbauo de biela pardo :
roga-so s autoridades poiiciaes o capitaes d^ cam-
po a approhensao do dito osjravo, o ser rcmsttki >
ao mesma engenho, que ser graJilcada______
Pugio no dia 27 de dozepibro prjimo pas
sado, a escrava Henriquela, preta *:
20 annos, cheia do corpo, altura regular, cabell. 1
carapinhos, testa larga, pelle grossa, e espinh.
beicos grossos, bocea grande, Jni'-
fe i tos, olbos e m
em cima de urna dol;
de bixiga e chiclo pi
o nome para Mara,
erara tem por costo;
tost a quem tem occullada : roga-?e a- ant
ddas pnciaes 1
se gratificar sa
sonor ra do i! *).
^


8
Diario, de Perpambuao Sabbado 29 de Janeiro de 1870
fc
jiisr
Tambem osla noute, co no a que .segu
ao asesinatode Gulavo, Tjppmanviase:panhia, sele ap
sou'fra do hotel. No manli5a voltou-sempic s; chapis., sae d\' as domis victimas. i^-"ene"qeTO,wnrj>
novo preeipitdameeU. depois de ter-.nm- ipreeedeBti'mmte/i babitedo 'nos Qriatro Car
dado de falo, dtixauit uljjtclos. flwilos, [minwsj pode sfensac era escolber a pla-
nos quaes atada existemrfnat odias de sangue ntcio onde poda ex^utar os seus desig-
i, cora s3u mno e seu amigo. apaMr os Oiforcos -que so'agipvgfraiplnios. As- correspondencias, os escriptos
passaram a tarde e urna parte J^ q& ^ De ^ csta ny ft1>r0. |.fdl90Si a, ,,, e o -transporto dos instru-
Jultfatueai de Troppoaaa.
THIM'NAI. ClilMIYVI. POSKNA
Presiden cea e M. Tltvtniu.
Audiencia de torca (eir 2H do dezembro;
inHtiiiia(n)
* 17 de setembro.
~t Acabo do chegar a p.ins: Drveis par-
para Papa. Sair de I. uibait, domingo
mi!'-, as u 18 miii'j'u?: .classe. Trnze lodos
.i pape
u Gustavo.*
I guale do b<4ei wu troppman o Gus-
avo sakvra, e distarrcinram se rpidamente.
O acensad i passoa a note fra ; namariho
guite, valla s
' Gustavo nao loroa mais a appaiecer.
Aqui, Troppman interrogado pefojoirda
mstrucn, inventa tima verso audaeiosa.
Kinck pie. que nao Uutia podido achar-se
ao momento da ebegada do Gustavo, reo-
jwu-se uo caf, cora S3U filho e seu amigo
Talos tres
ni noite a passeiar
Tr-oppraan separoii-se depois de sous
HUMBpanhekos, o nao sabe, para onde clles
un. Mis nao pode citar nenhuma tes-
f-munba que os'tenha visto juntos.
Bastn uiu uni o esclarecimento para
noAporUr o accasado.
Kn/,ontraram-se dois quinquilheiros cha-
fados Dafour o Deval, que decl-raram ter
,i aquello dia, da* nove para as dez hora*
ra Djnh, vendido a Troppman. que pa-
reis estar com muila pressa, uma p de
jirdnapem, cuma pequea eochada, cha
-diadi ptraret* O apernada confrontado
"..un aquellas testemunhas e com oatras
pessoas que sssisliram s duas vendas, fui
fibrjgado a reconhecer que linha Cuito aqutdh
apjawrj, pretendeod parm ter^proce-
dido wiicanaentc segando as instiucjes de
Ki'kI pao, t d Itie ter feito entrega, sena
se in poetar du.uso que se dev.a fazer, os
abjectos por elle comprados.
Debaixo desta' ponto do vista do pro-
?CS3', tornava-se evidente que os instru-
,7i mos comprados pelo assassinra Ihe tinham
ttrvido n'aqnolla mesina tarde para abrir
?> fosso' do liliiomais velho. o qaal, segun-
do expoz um dos seos companheirns de
viageu, tinha chegado alegre e satisfeito dej
Pars.
Aqni caba timbera urna circuiustancia
aao menos grave ontra o aecusado. Assim
orno sp encoiitrou em seu poder o dinhi'i-
ro e os pps de Joo Kinck, e em casa do
rulojoeini Durand um relogio e uma cadeia
o oiro veodidus por elle a t de s^tembro,
qae pertencera a Kinck, tambem se d-
aobrio qn; tuio quanto linha sido trazido
Gustavo estava igu linete em seu poder.
As carUS em parte, dentro de um estojo,
i Analmente o relogio e a cadeia uo filh
Imck f iram appreliendidas ou no hotel dn
inininho de ferro do norte, ou ao proprio
lroinn:i. O aecusdo prctendeu qu.
loS aquelles ..objeclos Ihe tinham sido
ii v Cuiisumou-se o segundo assassinato
O assassino ro pode apoderar-so da
somata d j 5 500 trancos, to cobjeados,
m- restava-me d-^sp befar, e pie devia vir manida dos papes
e Kim-k. das economas de casa, o de d
n!i-iro proY-'nientT do cheque mandado
para Ronbaix a 5 de setembro. No din s-
quinte in escrevea a sua familia qu* os seu*
negocios iim bem.e que'p-deria provavel
inenic regretsar no da O a Cernay.
A caria de Gustavo produzio o efeito de-
sej.ido.
i senhora Kinck vence a sua repugnancia
par orna vf&feffl emprehendida em eodi-
BQes (\'i a preoecupavam, nao obstante as
.a ligas da sua gcavidez e no momento em
aue u;n de gejufilhos acabava d'-cair (len-
le. Rene que ulga necessario aos o-
|OCos trata I s por s-^u marido, faz rapida-
ii .1' 03 seos preparativos de partida, e a
10, a o meio dia, os seos visinhos os seu-<
prenles m'-.-iii na partir, com os. lilhos. que
so mostrara salisfeilos. Na estrcJo de Lfl',
site que part) um trem ant.-s d'aquelli-
que Ihe ra indicado; toma nVlle un lu-
gar, ch !ga a Paris alga as lloras antes do
nioi.'nlii concordado e faz logo com que
lies i indicado o hotel do cammho de
IViv.i do orta.
. Pergonta por o Kinck, repo'idem-lhe
uo sabio, e convidaoi-ua a ile^cancar na
aU$9 ido !i itel, c a lomar algatua refoicao.
Recusa este cosale, que ii siivala, di&in-
i qae >refer# volt ir estifod caminlio
d; forro, aonde .- maiijo djv. ir eac na
irai-a. Dirige-^ para alli, dep.isitand >
alienas um pi&He W hotel, e espera a
eh-uada do ultima trem.
Que i: i a dorante este lempo o arcosa-
do? Ni su poje diz ir. Mis a instruc-
"i i ni istmo o. preparan lo os instrumentos
i s"u i-lii'ui crme. A pequea p e a
picareta que abindonou no campo, depois
,! t i i ;i'errado o Corjio d| G'.rstavo, nao
bastara para instir seis peSSOas, o para oc
coitj/ ws seui) cadveres. Tropmam com-
p*,i. petas ciiMP huras t tarde, ora cjsa
ajh iiu logita na ra da Aleaiflha, um i p
e mili .::irhila.dj maiores diinjnsi'is, e
4.;\i as em cas.a do coTimerciiute at s
iio h'tras. Qiniti'MT.a nonio complfta-
.v,4| a lnajsc.ir aque:|r?s ola -
'lila du um omnihus, v.
ipea-se rm$^iaiaoil'.alia,it6.> Iiilerrega-
di a rspAito d'oate acto^ oigadoa cpn-
; lar Vi.\ Mas aqu;., asuare--
f /. aqn'o para obede-
a J i i Kmck, que o esperava no cami-
\ I! Ii.
Ai onze liora ninosd'jz minutos, o co-
cli.w'r i liar i.)(, q>i esticionava em freul
da eslaco do cam!nlio do norte, v entrar
ua sua-coniageo doscolerla a rnulher e. >
lia da/do atciisado. Tro
man ajusta o ptvo, o fual paga adianl.i
imiu a ir at a porta de Flandres.
A raparte os viajantes Conver-
fallam do pai de faini-
unir. Asculh'ra Kii k
vtiUe minutos; durante esb)
p<). u utcUeiiu
sabe d alies que fizeram de dia una longa
viageoii que votm pela primeir
que o homem em companlifa do 4Pa.b se)
acham como prente, que esperara eeujpai*
e que todos juntos vo voltar para o-lioM
do carainhii de f no do noilc.
0 a.-cusado volta c diz : Mj*slilh"c,
n-Acarnos aqui; paga a carruigem.
afasta-se com as tres cranlas Era e
lalvez meia noute c lies q mi.o. 0 cu,
ra volta para Pars. Nada oevia du Udo
da planicie. Um auaida do eiabel-j..inen-
io oroxkno doqual a !a> pa-
rada, s sentio o.nwiod-) stuciodi '"_U|-
te um ou dous frac os gritos, e^gmm
raai I. os quaes logo cossaram.
i-+iWfa . *;lar*<4mentos juaunidos
am sido para
dar a este respeito justiga urna carapleta
certeza. Um semelharjte.- -Affero de
ims de longa ata c pauem\em*nte
msados e di incidentes im
tcrminadosBa. ecm leguas
mesaran,*nao podespr
imaginaco tao aclja
acompanhou livreqpacl
plano ^^^^^^^^h* hiad-i.
Troppman. la1 i^H
.precisamenteo liomem que poda
K guarda.Ujl/^c-jirjf'o e cumpiiudo-o
Desd o dw lm ijpflut^eltrjlHfateat
ao dia da sua priso ^'G^iRualujijs-
tantemenle solado o agitado. ^MtJgliM
companheiros, ao abrigo de toda a suspeita
i'uram accidenlalmejiiie^jslias gm_ sua co,n-
Iecc3o. Desde os mais tenros annos o ac-
cusado revolou um carcter singular
sempro jnelancolico, reservad e nao ti
po fallava dos
fortunas. Teve-
violento,
trabalbava
Edraund,
martello sobre
elle c deixon-lh'o cahir na lesta, que ficoo
coberta dcangue. EJmund disse-lhe
ento : i: :i; ho Caim, dizendoj
depois do oceusado : t t um cao que
morii ?'*
\%i0niar-se-ha.) -


deveri 3 cingii
fe ta ver-
vez de cinco Oty da vui^ata.
cos, e Cddeos,supastos os mais aa
da antiguidada dwdbrdam igualmente de ma
neira qnesuifpraode^nHiaado.oarjiMvfiirei ^\Q
doUi,
se mu
TTERATURA.
i.
Taeseram as rewlacoes do, processo.'mentos, Indo' foi feilo por elle ; selle
qaando o allimo nter.rogatnrio a., que se fdevra-eproveiiar do assassanalo, es'eHeo
sujeilou Tropman, o levou aazer .cm-
plelas coufissoes. Urna syndicuicia acaba,-'
va de demonstrar supera mndauloiftaiilo. que
todjs os do nielos ou asignaturas.atri-
buidas a Joo Kinck erara do puniio do ac -
cujsado. Tropinaon nao sustenluu ancHns
o seo sjetema, accresceatando novas inven-
Ces, que sena muito .loogo o iuporlluo
numerar aqui. para as conciliar cora a* cir-
cunstancias que as dessiientiam. l'oi poios
obrigado a reconhecer que a procurac.u o
o cheque de 500 fracos, dirigidos era. 5 de
aprmeKou. Tndoqitanto a irBtroc?o ela-
raraento precison -eomo tendo ido levado
Je Roubaix pelos diversos membros da fa-
milia Kinck. foi, sera ewepcao.enc^ntrado fu 7mais belKe'a nato7ez tVd'a
em su peder, ou nes-lugares abandona-
dos por elle.
J nao 6 permittido suspender nos vaos
,.e ltimos esiorcos que elie empregou para
demorar a expiacao a que se oo pode
sublrahir. A conseiencia publica inquieta
p lo arroidoqae se fez a proposito do nome
do Troppman, e dos boatos muitas ve/.es
la?,
Ira ostorco sublime a Pns imploro
Para tra\a,a panna os leus encantos
L-oenhumme sorri!
Um souliti phaiUasio. um anjo busco
A' qncm possa emprestar as grabas
E nenhum chega ti.'
Formo de estreflas nrn collar c pm cinto.
Adorno o niveo seio, aporto o tathe
Da primavera,em B6r;
Comparo-a ti, e a illosao se perde :
trezenlos o setenta rafl e tantos annos. e
os segundos quatrocenlos e setenta e cinoo
mil e mais.
Parece-me qae fundado em tanta disao-
nancia foi que um dos ais Soutos: padrea
da ignja.latina, S. Jerunyaio, ou-onass^verai
.;ue a cceaco do mundo nao se pode pro-
var deajousirativam^ntu, sa quemrfii
Taz cre-la. S'utiinm non $emm' exlitissi
sola fide Icnclur, elitemnshatm proba
non potesl. *J
Mas essa f apenas nos induz a crcr qu*
razio) pri-
as acharam-
is polares do
f ftiptffi! oVPd ir alimento
a uma populaba > Aedciocre arada boje T
Alm disto orao, se lana turba leve de
ir, p le ter -qs iwm propcroioaados ?
#aiH |ua-
tidoi'. i delitMI,4PFter o maiPUK
sigjial de ori
1
tal a coqp
o melhoV
no
id
ujua
imana que mita*%a-
rt, que lauWlIis ^tirar
, perceb.rmos
mos conhecer o
remo das cousas
duste mundo, lera encerrado nos seus nex-
ionvencidos que com a f, s com a f, nos
iernaras ProsUv fides swppkmentnm
Sesuwn defeelm.
setembro scubora, Kinck, liohara sido inflis de tima informac) escrupuhsac
mandados de Lili, e nao de Pars ; t'lygou
a sustentar que J iao Kwick uha ido com
elle a Lille para os assignar, em vez de
proseguir at Roubai.x para xcr sua familia.
voltia noute para Pars. Tambera aqui
Te ama com fervor.
Qu"ini|K>rta qiin De poetas, romancistas. dramthurgos.
Literatos em im.
Tenlia desea lo imagens seductoras,
Tenha cread formas sobr humanas.
Vises do serapbim ?
Quimporta. sim? si Daus, nico e gran.le,
prudentemente eonduida. devo dwixar ver
afina! que sebo de--fueer-ompteta justica, Nam airoubo infinito d.poesa,
quando o aulor nico- de tira crime sem Creoa-lc inimitarel!
exemplo tiver soffridea pena que o espera. Pode acaso oque 6 raco e contingente
Dsde as 9 horas da min!ia,.os coriosos'
pretendeu que .parao/orapsomelter. Joo affluiam ao palacio da justica, e d'tribuna!
assignando as oaxtas osckmais documeu
tos enviados, procurara imitar a sua letra.
A inslruco eslava, uUiiuida : apazar do
pouao exilo das .ims'acoes empreeiiili(las
as iraowdia$oese S iu tz e de >V|ttwliqr
para se descubrir o cadver de Joaojvinek,
meia hora depois eslava completamente
choio de espectadores, a deitar fra. Tina
torrente de advogados novo? precipita-se
de repente em um corredor da sala, epro-
duz uma desordem momentanea.obstiuind.i
a circHlar,o. Smente voz de : mgam
nada faltava ao conjoncto de pro vas [mA\\mra diante, se desfaz a torrente e conse-
estabelecer a cipabidadi da Tropaian. gue collocar-se ou antes amostrar-sc.
tito nud-. v?h
mente
jectos, so A|
r-i]
P f
;a a ira vez
oaee. e >ara Panlin, aun
d'elle Ihe
n:na casa.
luchar
' u m
da ii i.iali'..
Trdpman
0-processo ia ser ewiado para o tribunal,
quando a 13 de novcinliro, comprqhendeo-
Nenhtmaa senhora foi admittida no pre-
torio, as que conseguirn entrar na sala
do elle que as'accusatoes que liavia toamn-';foram collotadas uos primeiros bancos dian-
lado contra as victimas nao faziim' seno: te dos lugares destinados para as teste-
augmentar o horror do seu procedimento,:-! auabas. De todos os lados se ouvem re-
e senlindo, almd'isso, a necessidade dejclamacoes por causa dos lugares,
prolongar ainda os detalhis lo procosso,; Grande numero de magisli adose de fon-
pedio para fazer contissOes. i eiouarios pblicos licarain em p por de-
Era, disse elle, o u lie i criminoso; tinlia traz das cadeiras dos juizes.
attraido Jo3o Kiri'-k as lumerliaooes iuhabi-1 Ai 10 boras.e moia, abrio-se a aodien-
tadas de Watwi ler, liz-ndo-lhe acredi ancia procurador geral M Grandperre
qiie linha encontrado a I i um logar propicio i oc upa o lugar do ministerro publico, tendo
para a fabricado de moeda falsa.
No mei i do bosque linha apresentado ao
seu companheiro uma garrafa de vinbo, na
qual lancera antecipa 'ament acido prussia-
eo fabricado por elle. lo linha cado
fulminado. IIavia-o p lis despojado e en-
terrado na ra-mtanha. Se tivosse po!:.l
fensor.
Depois.
lugar flo d
de sorteado o jury, entrou. o
4>escrever e pintar o que divino
Bello, immensuravel ?
Todas as creaces da humana plianlasia.
Tado que a trra immensa tem gerado.
De bello e seductor.
Nao valle. Milla, a chama de leus olhos,
Nao valle a pura excencia de tu'alma
Nao valle o teu amor.
houve um.tejnpo de creacao porqu 6 a--, aJarveBJiaal.Uiio nosert^rgonhemos
creado s e Deus! a poca certa, se por.i(je confessar a nossa inferioridado natural
ventura consorvouse, nao foi guardada
fielmente pps aaRraiies a* oaffculoaa ir*
ca, ooTlesv^iroao no decurso dos se-
culos.
Ainda admitlindo o computo mais res-
tricto da vulgata, nao podemos dei*ar de
concluir racionalmente, que a America antes
do diluvio univerial, j se acliava habitada,
e com probabilidade -faViresceole. Cinco
mil annos de existencia lempo de sobejo
j para formaco, crescimenlo, e anaiquilatao
de grandes imperios e repblicas. era
outra concluso podemos tirar sem ames-
quinhar a obra lo Creador mnipolente.
tendo havido um diluvio,, que scgunoV)
lem'os no Gnesis, foi universal, a catas
troplic delle derivada, necessariamente a
attingiria, tudo deveriater desapparecido.
Na conf.rmidade da mesma vutgata.
mais do quatro mil annos tem decorrido
depois desse cataclismo; e qoand i as tres
partes do velho mundo acliavara-se)em es
tado vantajoso, quando a Asia aprosentava
maravllias em lodos os ramos da Indus-
tria agrcola e fabril, na posse inveterada
das S;iencias humanas, eis que apparece
a America d'Sprovida de tudo, e os seus
habitantes, ex.epc3o de dous pontos,
Hecife-1870.
??
IXSTITITOAIBIHEOLOGICO E GE0GR4PHO
Discurso pronunciado em sesteo magua de
27 de Janeiro de 1810, fio respectivo
presidente, o venerando Sr. nwnsenhnr
Unniz Tacares.
Sinhores.0 seaso intimo, que a nin-
gaem lisongeia. quando consultado cm boa
ao seu adobara o auxiliar o advogailo ge--1 fe. assevera-me que nao poderei' fazer u:n
ra!M Merveilleux-Duvignaax. discurso correspondente a illuslracao d'a-
M.;Laehaud senta-se no
quellcs que se dignara ouvir-me. Ha no
bomsm urna harmona prestabilila entre a
alma e o eorpo : (j o disse. o celebre phi-
I*V-['.,'I* (Ib OUI kVUUtf \J \,ltJ* VIMIUM. \ -
aecusado. A sua chegada produzio urna tosoplio LeibmlzV Daorganisacao docorpo
receber os 5:KW francos na estaco d i se levantara
Gunbwiller, baria partido imraeliatameute! dado,
para a America. Mas u homicidio que aca-
bava de perpetrar nao uo tizia oqiii-elie
esperava. Tinha pois organisado a viagem
e o assassnalo de Gustavo e da familia
Kin k, aiim de conseguir un roubo mus
consideravel. O assassiaato de todas as
ereancaa que nao poderiara abandonar sua
mi, fra, accrescentou elle, urna conse-
quencia forgada.
Tinha morlo Gustavo deum s gdpe
com a faca ; ma tiuha depois ft-rido o ca-
dver para o lomar desconhecido Quanto
mi e as cranlas, descrevia a scena da
t>ua n irte atasolutamente como os homens
(Parte haviara sido levados a cxpo-la por
raeio dos exaaies mdicos. Alguns golpes
rpidamente descarregados, priineiramente
o;ii a fai-a e d-.-pois ,o,n a i-nduda, tinham
sido sulli-ientes. Os lencos que tinha con-
vida.lo as ereancas para-prem ao pesco-
eo. tinhani-lhe servido ara abafar os sous
gritos. l'Jsfaqueou depois os cadveres
CQBJfl o de. G istavo, para os desfigurar.
Nao obstante alguns p irmi'nores eviden-
l'niiie l'i sos. c.o'ii os piaes pr icnrava
atteauar a importancia das anas confisses,
era aun .1 a verdad., que Ihe escap iva da
hora Km prosenea das anas inlicacoes,
tratou ile ^e proceder noval indagarles no
ponto em que ol', dizia ler dolo a-niorle
a loa > Kinck, e a 2 de nnverabrOj proxnn -
de Wattwnler, no terril to da communa
de luiiolu, no meio da floresta, e i
do castello de II irreaflug, f >i encontrado o
carpo aterrado, e debaixo de pedras, qin
Troppman tinha accumulado para o pe
cuitar. Era tal a dectnoposi^o d cad-
ver, q e era mpossivel MTificar-se a m -r
te linha sido dad| ooiq.o anxiio de uma
arma. A aiiaiy.so do qu; resida daf. vis-
tieras produzio resultados cltimico.^. dos
|uaes se d \e conclu r que Traupm n i
disse a verdad quando p qp i ha-
cia enve.n.'u ni ikick. Eslava at sacia-
grando seo*aco. Todos espontneamente
para satisfazer a sua curiosi-
laJ- provade, que1 o accusfido'aeW pre-
parar aci-lo pi'ibsico, a que titih i muitas
vezes fallado dos elVeit s o'a jneno vem
Depois d'ist.i,e desdo cutio, o aoetwido
tenloii lonfundir as suas c nissu's. Pro-
nr mi fazer acreditar qu t un re-
ces na preoarapa > e execu-.'ro dos allenia-
dos de Ulholtz e d Pan'iu ; mai. Insta ler
a carta raque esto tsciptas as suas pre-
teudidas rcvelac.'S, para se fjcar corn
cid i de que nao sab mais di qi\e k1'-
ias meitias. A pretexto de" o: culiar Os
onhecidos, aos quaes impe uma pn-
) analta a que Imita, -prfineirauv-ul
attiiititido a Joo Ki ck, limitou-se aura1
nuiacao de pltanlasia, em qwe o mais iu
verosrmil concurso de fcircoojsWncbs faz
ila tres individuo-, sobre a detttidade
quaes nao da absolutamente nenhunu in-
ii os autores pnn. ipacs do
nunento do Joo c do as-
da familia. Resta demonstrar que Tro
ppuian foi o nico juo comoieUeu o.<
inalos.
J'as contestaajSes da
ceram alos que, as circum
q te a seahora Kini'k e seos llh:<
ente coadazMos ao Iu
ceram, um s homom lli
lado a tnorle ; mas que i
lian?a dos ferimenl
lcito produzi
mado tu
plenam'
Trop[)man um homem deqeqoena es-
tatura, de conformaco fraca e juvenil.'
Magro c abali lo. nao eslava com tudo
muito paludo; linha as' otelhas vermelbas
as extremidades. O seu olhar, sem ser
tmido, pareca pouco lirme, tal vez por caa-
sa da immensa multido que o inservava ,'
dirige cora preferencia as suas vistas para
os membros do jury. Visto de frente.
Troppman tem a apparencia de uma enan-
ca ; a energa do seu carcter manifesta-se
melhor pela expresso do perfil. O seu
nariz aquilino, o que revela certa finura,
prende-se a uma testa bastante desenvol-
vida. O olhos vivos completara a forc-a
que exprime o perfil.
A parte inferior da cabera de Troppm n
vulgar, acanhada e bestial; os qoeixos
esla suspensos ao crneo como os de um
animal feroz. Os cabellos bastos csto le-
\ ainados sobre testa e para trz dasort-
Ihas. Um raro buco cobre-Ihe o beiea
superior, e Ihe circunda o rosto 1
O aecusa lo esta vestido como um ope-
rario. Tem uma sobrecasaca um pouco
usada, e um coleto de veludo escuro. So-
bre a grvala cae-lho o collerinh da ca-
ra sa, deixando ver um pescjco alongado,
pie sustem orgulhosamente a cabeca.
Seis gendarmes escolta/n Troppman.
Aite.-.dendo a longa durago que deve
ler o julg,;mento d causa, o tribunal tem
um juft %uppiementar.
A loUa/a do auto d accasaaSo nao pa-
receu produzir iaJoreasS i lgoma sobre o
aecusado. Ouviooquasi com indi ierenea.
mesmo as passagens mais odiosas e sai:-
g linarias da o*posicao dos seus cr/raes.
Na parte em que o auto de accosacSo
tt.it intrigas relativas a procurar a.
I! o acensado qoeria maular a uslivo.
uto em Guimwiller, Trepiaaa pertur-
boii-s-, visivelmenle, euifiaiiideceu, con-
ervsndo com tadj semoreamesma imma-
iliiki le
Ofi ju.adas obsamm alteinanieute o ac-
u- ido quando o escri-o ir -as p*tkltari
l.'il s relativas ao assaf-ynato da mi f
il us Ii los mais p -q-.enos, que divam.gri-
t .s, ciainando : Muir Muua ropp pan
nao mostrou a menofl ooteewojb ; i
os ollujs regqdopjflo chao !
Em seguida .-fu. chamadas as tetleiu-
nias, c retiradas dsela. Os .curi*">,
ouvindcortos'noraes de ipi5. mintoset'ti
fallado, dabruga,n-so poa ver as pessoas
ooiueadas. Os noaies de Uapgloia, Fer-
raiid o i! : Mangue! causara grande sus-
SUlTO
IoJ rn.galorio de Troppman.
O acensado declara :om voz firme cha-
ra ar-se I alo Baptista Troppman, residir em
Cernay*. ser machi lista o ter 20 nn .
Quando se levantan para responder s pe
gunlas do presidente poz as rnos na grade
que o separa do lugar do defensor ; as
m is siio chatas e descarna tas ; os bra
eos do um comprmeuto desmedido : os
braco o as raaos parece* ler sido feitos
para agarrar e dopsdar-air urna presa. A
de ferca que d cjln constrneco
particular pn^elafluir ni opiniae d'aqoelles
que p nsavan coppnaan tinli. com-
Prestleate.Parece que os negocios de
a viva em C-aiaay nao
:ra muito bem, eslava conslantem
iiimano pende o processo espiritual Na
idade avanzada, ou em qnalquer enfenat
dade mais ou menos violenta, as forcas di-
miuuem, a itatelligoacia enfraqueee. Dihi
o- vulgar aphorysmomens sana in enrpore
sano.
E' verdade que a historia ajunta alguns
cheles d'obra produzidos no ullimo termo
ila vida : mas sao estes na frase do Mantuano
rari nantis in gnrrjite vastosao fructos
de seres privilegiados, a quem a scintila da
sabedorii infinita por excepe) sempro
acompanh.a. Todava relira-se o amor pro-
prio quando trata-se de enmprir um dever.
O ar!. 28 do nosso regulamento obriga im
perosamente ao presidente delle Instituto
a fazer urn discorso de abertura na sesso
do anniversario ; fa-lo-hei deprecando
ainda mais a costumada indulgencia. To-
carei de leve no grande myslerio da origem
dos. povos que foram encontrados na Ame-
rica, e por consequeneia no Brasil em
sua descoberla.
dando ainda (como j disse) os primetr >s
passos da infancia! Dado aquello diluvio
contemporneamente, nao constando que
houvcssc intorrup<;3o, como se pode expli-
car que tres partes conhecidas do mundo
se raanifestem era grao elevado, e a in-
cgnita em abiixamento desmesurado ?
Senhores, ninguem hoje duvida que o
globo, onde habitamos, tem sollrida tans-
formacoes en-irmes. Montanhas ho desap-
parecido deixando lagos; das pa dees tem
surgido montanhas; o marlem-se retirado,
reduzindo a ter-a firme portes assaz abriga-
dos ; o que acontece no mundo phisico,
nota-se no moral. O Egypto juntamente
considerado foco das' luzes no periodo
das trova-; quando ap,aareceu a America,
eslava rcdnzido a barbandade, eslava en-
tregue a mamelucos brutaes. Muitas ci-
dades d'Africa que tanto doram que fazer
as cohortes romanas, tornaram-sc quasi de
sertas sera o mnimo brilho.
Ooe maravilha causar, se avancarmos a
dizer que nao improvavel que essa raesma
America-to desfigurada, servindo de escar-
neo a Europa, que delli se apossava para
opprimi-la, nao contivesso na immensi -
dado dos secutes cidades opulentas, povos
de hroes, e que aqui mesma neslc local
coberto ha pouco mais de doz ratos anuos
de mangues, c pas, hoje cctipado por um
dos mais sumptuos >s templos do Brasi ;
sim, que maravilha causara, se dissemas
que talvez houve tempo. cm que c im i ago-
ra celebraram-se aqui feiios heroicos ? Na
se poder afirmar com certeza, porque nao
temos, nem podemos ter documentos ; mas
tambero nao se poder negar cora pertina-
cia irreOectida.
Passamos ao T qoisito.D'onde parti-
ran as dilTerentes racas, que se apresen-
laram aos olhos dos primeiros descubrido-
res do novo mundo ?
Varias c nao muito sensatas tem sido as
opiuies a este respeilo E' o que de or-
dinario acontece, quando queremos exp i-
car o que humanamente na explicavol.
Os intitulados hvres pensadores nao tendo
forcas, ou disposiej i ao trahalh), julgaram
POUCO DE TUDO.
NAUFRAGIOS. Receberam-se despa-
chos lelegraphtcos em Pars noticiando- qae
o vapor La Gorgonc, qof regressava da
estaco franceza de llespanfta afl|3hrD9rgo
se perder complefaraeote, pereceado tode
a.triptrlaeo, ao sul de Onessant.
Tinham-se dado as ordons convetortas
para que a.corveta Belicosa e.p aviso a va-
por Flambean se apr.amptassem sem perda
de lampe com rdmo ao lagar da fafcstro-
phe.
Entre Atheuas e M bem o hiate a vapor Beerhonmt, aabaao
do qaal ia 6 ministro das Indias sir Sae-
fford Norlhcole, quo pereceu com todos
os sens companheirns de viagem. < U
Eso desgreca leva o luto ao seio de
tes das mais nohres lareas da Gr-Bre-
tanba.
PRINCIPES REINANTES. SagandJae
v da Inta dos principes remaotes pu-
blicaba pelo Almanal: dt otha para a aneo
do 1870 (107 da sua existencia) dade Pi IX, que 4n77 annos, o so-
berano mais velho -, segue-se a elle o du-
que Leopoldo de Annalt, de 75 aonoe e
que oceupa o throno ha 51; analmente o
lercairo o re (uilherme da Prussia, que
conta 72 annos.
O principe reinante mais novo 6 a de
Reuss, HenriqueXXII, que tem 23 annos.
No decurso do atmo de 1#69 fabecerain
doz pessoas peTtcncCTKes a famflifts-Hei-
nanies.
MODO DE FAMILIAR1SAR-SE CM A
MORTE.Um individuo, preso u'n'ias
cadeias de Muuich e condeinnado nnTte
por ter comm-tt do um assassinato, acbou
um singular modo de dislrahhr-se dadeea-
gradavel sitiacao em que se achava, forman-
do com milo de pao e orna especie de
macarrio rapit i comraum na Baviera un
horroroso retabnlo, onde efle fazia o prin-
cpd papel.
Ilepresentava o momento em que o ver-
dugo ihe tinha orlado a-eaoeca e a mos-
trava ao publico, m frade franciscanoora-
va dejoelhos sobre- o cadafalgo, e ao p
d'elle um invalido com uma perna de pao
venda aos? circuinstanles exemplares da
historia do justicado.
Nao possivel familiarisar-se Oais com a
idea da moiie.
E' um fado incnntestavel que esses ha-lhaver descuberto, o qie chanmi enigma,
a recebir inlimacoes j; ;ior debito-.IB'
hitantes do denominado novo mundo,
quando aproover a Providencia apresenla-los
em scena, j nao eram todos nmades, j
haviam dado alguns passos na infancia da
vida. Os que se ftxavam a borda dos
rios entregavam-s) 3 pesca, usan lo de gros-
seiros insirumuilos; aquellos que habita-
vam as florestas, eram cassadores, e com
destreza recorran) ao arca, c flexa para se
aliraentarem. Assim supe historia que
principiaram naluralrarate todas os povos
do univuso euto oenbeddo.
Ha outro acto nao nviios verdico que
na desmesurada exienso do territorio
descoberlo viviam horaens que se distiu-
guiam pela multipcdade de idiomas
.Nao cara dialectos desusados, ou alterad -.
de ^raa lingua geral, segundo as obj
varos foifas, era linguagera peculiar, i
nstiitie naci inteiram me diversa urna
la ou'ra. O Sr Barey, cscriptor rntav.-l.
dep.ij de acralo estado conheceu qjie as
lineis americanas eram to differ.
entre si, quanto a lingo i grega da alle-
nia, e a franceza 3 "-'laca.
rts nuu:a liveinas, e para ver,;
maior iii'.m ainda hoje temos, orna cstatisti-
ca para formarmis juizo menos imperl'ei; i
a este respeito!. As racas ostia) qasi ex.-
indas: mas. consta-nos pela testemunh
: ivaltieiru ('. unpagnoui, qae aqiclles ipie
aia 1 ayerman \m izonas.e nos afl
tes apresentam mais d ce geragoes !:-
versas, to prximas urnas das oatras ojio
suas-al lea-,a pouto que se scutciu al t-
aiada.nente quando cortara arvofs: alguraas
luzi las a pequeiiu numero, e entre
lamo follara uma lingua to sua propria.
que de nenimn modo entendida pela sua
vrsi da Azara qae viven por mullos annos
no P.irjguav," esse campo immorredouro de
u issas ['Mezas, di-correnda das tribus os-
p-lhaas por aqui-lle paz, aflirma que con
tou entre ellas triata e cinco linguas dislinc-
las ; ot*calcul;uilo- os demaia poeos de
i ido o omnente, a illas. Consigo nao ser
eaageado aflirraar que mil dtamas diwr-
s i per alli se fallara.
Pensando nesia materia o espirito huma-
no impelida a interrogar: Io em que
poca mais nu menos aproximada dusenvol-
veu-seessa ponulago ? 2.* donde partira
ella ?
As poca- geraes da aea.cSo do mundo
iiiversal, sao Uo disparatadas
u nenhuma luz nos
arriscado abys-
i, que pareca
sharmonia com
etent?, quando em pJJjot
afjfirmando que nenltum povo cstrauho en-
trou na America, qua os homens ahi vistos
sao todos indeg as. como sao os animaes,
e plantas proprias smente d'aquelle solo.
Ufanos creom que a nica deciso ra-
zoavel sera lembrarem-se que de.ve-se reve-
rencia aos Hvros consagrados pela religio
christa.
Ou tos mais engeo'uosos imaginaram qtui
d'Atlnatida sahiram para alli os primeiros
habitantes no tora ao em que aqudle paiz
to celebrado p ir Plalao, florescU. Sabe-se
que essa Altautida, vaslissata trra, sub-
boersa por tremeada catastrophe, estradia-
s: pilo anip'o ocano, qae ain la hoje de-
nuuiina-se Alluilico, e que alguns julgara ver
restos dol.as varias ilhis alm das CO
lumuas de Hercules. Mas osta suposfo,
pisto que a piimeira vista possa ptrecer es-
peciosa, aprsenla o lavia nao poucas in-
superaveis difficuldades.
Se os habit-iutes d'Hqidia torra de pro-
posito volveram-so pera o cnotioenie arae-
licaito, quan lo as CiWas de sea paz pros-
peravam, tinha necessariamente meios aptos
para a uavegaca i travez de mares M
nhecidis; eeutretanto n historia stese so-
breest n >:it). Alm distse os Anvricanns
fissein ciiloni:s d'Allanlid haveudo princi-
piado a o v .p.i-la uto estado He fivilisaco,
alguin trae i ao menos desta, algnma me-
moria I r-se-liia conserva.lo.
Se por acaso u.nu'paroo dos habitantes
Ios-a Allaalida livoasQ aportado as praia.
d'America, cerlainenle essa porc-a nao pe-
dera ser considerada como a progenitora
de todas as racas Americanas, c nao se sabe-
ria explicar a horrivel dispersan, que- con-
vit i i admllir, nem as lanas dilferoncas
em figura, cor, falla, qualqjer que seja a
forca que so possa concedor ao clima, aos
elementos, e aos diferentes modos de vi-
ve r.
A iuellta< am, noiaudo coma, as extrema>
partes da Asia septcmtrhnnl sa aisfnham
as d'America, creem desdoiarar o myslerio
di povoico desta, coneedrado ludo a me-
nor difficaldade da passagem, ^leveriam di-
zer-nos para que fitn tn>e,ar-se-hii um hr-
rido clima por outro equivalente ? E ain-
da que cora incriveis privaces so craiser-
vasse a raes dos emigrados, como Ir-mella
ao depois to alterada era paridad de cir-
ComsUncias, quando de fado a vvraos nos
iraoi; s, quo debaixo dos para-
lello- is passam entre os eelos
de una e o il u mar ? E como nao se po-
de ti agom depoacos jndividaos
dentro de rana caafla, ou" balfa, nem de
uma i inloiras na-
ACAMPAMENTOS. A Franca tem
actualmente quatro acampamentos: o raui
to conh cido de Chalos : o de Satbonay,
pertode Lyi), ondea tropa tem barracas
em lugar de tendas : o de Lannetnexan.
simado ao p dos Pyreneus, entre Tarbea
e Bagneres; e o de Saint-Maur, jomo
a Vince'nnes, onde concorrem aos dmia-
gi'S os parisienses, para completar, anda
que seja era mimaUra, o animado qoadro
que aprsenla a vida do campo raso dos
lilhos le Marte.
STANTON.A repnblica norte america-
na acaba de soffrer uma perda irreparavel
com a raorte do ex ministro da guerra
Stanton, que foi o que mais efieazmeote
contribuir) [ra terminar a lata fratricida
provocada pelos estados do Sul.
O general Stanton tinha 54 annos, e, ro-
mo muitos dos generaes d'aquelle patz,
antes de entrar na carreira das armas ds-
empenliou cargos purqinente r.ivjs. issiru
que em quanto cursava o direito, Stan-
ton. cuya fortuna era menos que mediana,
deserapenhava r;s funcefes decaxifode
um livreiru, e uma vez 1-ecebido no-au-
ditorios como ad.vogad chegou at ele-
vada posfo de ltorneu (jenerpl.
A sua tllraaa (lo ministerio da guerra
data de 1862 e na guerra civil entre o Nor-
te e o Sul da grande, republca tn.mift-
tatt dotes de cousumado militar qnda
um tino o uma prudencia que Ihe ciincilia-
ram as s\mpathias geraes.
B.tPTISAp d:; uma *1RWCEZ\.-
Segundo diz a (', te, de Lt)^-
ifres, o baptisado da princeza, lilha do
princip de O ,![,.,. .vl-lirnu-^ c i'm 'WIMe
apparato, em Malboroagrl llouse, Na ce-
reraonia celebran o bfsp'i de lioadre.' A
princeza receben os nomes 'de Malriidu
ita Mara1 Victom.
Foram padnnhost o rol daSu^K-,- re-
presentadw pelo -b'aeo tiochclndl, minis-
ijislro plenipotenoiacra da Saecia e No^ue-
gaem Londres: s. A. I. a gran-duijj,eia
Cesarewua, da lliissia, eprese/itaaa-t^eta
baroneza de Brunnow ; a princeza berdera
da coma da Dinamarca, repr%*eiitaOai pui
ndame Bulow ; o prmoipe l^opeWv-Ki-
[aresentado pelo (loque duqneza de Nassau represntala Dtdal prate
cena de Teck ; a princeza J Leimiegaar.
represeniad. pela princeza Ciuadins de.w#
olcrnd gravo de liesse, represenOrtefieie
[iriucipe ila Teck.
'-
3
IM AVARO.Um sacordoteshorl%jKft
velho avarento que esli a raorrer. O afro
conserva-se surdo a lodos os rogos,
Tenha confian*;- em Deus, urno a
IU*.
NaBca i uica waj
Gom I N'Hti ao rae?
as palavres ti
Deus in
dre que en a
pai*nunca ha de uaorv
i
T't p, UU11AHK


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EBD4T6S6V_AGASTV INGEST_TIME 2013-09-14T04:08:13Z PACKAGE AA00011611_12199
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES