Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:12196


This item is only available as the following downloads:


Full Text
k
*
H
\
I


AMO XLVI. NUMERO 20.


PARA A CJHTAL E IGARB OHDE SAO SE PAGA' MTCE.
Por tres mezes adaotados..... gtntin
i'or seis ditos idem................ 05000
Por um anuo idam.. ............. 4*000
Oadamumeratoteo. \ [ [ [............ **<>
.1 >20


DIARIO DE P
____MARTA FEIRA 26 DE JANEIRO DE 1870.
, .------------------...... ------------.------------
A1A DEITHO I rOU DA P10VHCIA.
Por tres ffiezes adiantados.................
t?or seis ditos idftn...................'.
Pw'WDje ditos idem........\ ] \ {
Por um atino idem .......
ttmm
Propriedade de Manoel fgueira de Faria & Filhos.
MBCO.
-a i...._.
________
Os Srs. Gerardo Antonio Alves & Filhos. no Para
A9 AftKmrmm,
Connives Pinto, no Maranhao ; Jo.quim Jos de OHveira, do Cear ; Anta,* % Lemos Br-3g,, AraCatr \ J0S0 Maria Jobo chaves, no Asso ; Antonio Maraes da Silva, no Natal; Jos
PwfliM ii'iimaiHa m ni,m._____ ..,,.. -------- -----------J > 'uih/ umtn, u aisu aiodio Marques aa sura, nc
to. d Alnada, em Mamanguape; Antojo Alexaodnno de L.ma, na Parahyba ; Antonio Jos Gomti*, la f j^. BetaffllB0 M SaDt0S BuIc3o, em ^ AmSo ^^ ^ ^
;____________em Nazarelh ; FraBe8C0 T8t"^ da C084* em Alag<> ; Dr. Jos Mrtir Afras, na fcftia ; e Jos Kbero Geaparinho no Rio da Janeiro.
r
PARTE OFFICtAL
REL .TORIO
rom que a Exm. Sr. Manoel do Nascimento M-
rMdo Portelta passou administrando, desta
pnincia ao Exm. Sr. conselkeiro Almeida e Al-
buqiiet que.
lllm.e Erm. Sr.Entregando a V. Exea adrai-
uistraco desta provincia passo a cumprfr o pre-
oeNo do aviso circular de 11 de marco de 184*.
E nesta occasiao cabe-me felicitar a V. Exc. pe-
ta prova de confian ea, que acaba de recebar do
-averno imperial, e tmbein a provinda pela aeer-
iada escolha que o mesmo governo fez de V. Exe.
para adminlaltala.
Nao V. Exc. cstrnho a Peraambuco, e nem
deseonhecedor das suas principaes neeessidades.
Na esclarecida inrelligencia, antorisada experi-
encia e espirito de jostlea e moderacao de V. Nxc.
neontrarao os pernambucanos plena garanta do
cumprimento das luis e do dcscnvulvimento e pro-
ffressn da provincia.
D'elles recbete V. Exc. constantes provas
de apreco e de reeonheeimento pelos beneficios
que esperam da administra cao de V. Exc.
Fallara a um dever se neste momento deixisse
de dar solemne tcstemanho de grati Jao aos meas
comprovincianos pelo apoio que n'elles encontrei I
< pelo espirito de ordem que inanifestaram doran-1
da devido o na 1 ter occorrido nennuma altera-
*;ao na ordem publica.
As informacoes qhe sobre os differentes ramos
do s.ivi.;o publico devo dar a V. Exc. seriam
Ninrii) eiiv-umstancndas si eu nao tivesse para of-
-er a considera^ de V. Exc. o importante
reiatorio om que no crreme anno foi abena a
hssio da i-'embla legislativa desta provincia,
felo multo digno presdeme o Exm. Sr. conde de
Swpeady, a o ollicio com que este em H de abril
tsou-iiie a adtiiinistracao. Limito-mc, poi, a
Jaier ama sucoiola exposieao do que occorrou du-
rante o perido em que administrei a provincia.
FAMILIA IMPERIAL
Qiogando ao nieu conliecnnenlo pir aviso expe
Hidg pela repartirn :t_de inaio. que a Divina Providencia, acabava de
l'eiMilar ao imperio com o nascimento de um prin
npe, que Sua Alteza leneaiferaM Sra. princeza
1). Leopoldina, no dia t'l do meimo mez deua luz,
z em 12 da junbo as convenientes parlicipacoes
as cmaras municipacs.
Tundo participacio de <|ue Sua Alteza a Sra.
princeza D. Leopoldina o seus augustos esposo e
tubos pas-ariam por esla provincia em sua viagem
i Europa, dci as providencias necc>sarias para
coaiposta dos Srs. Bario do Livramento, Dr. Igna-
'io Joaquim de Souta Leao, e negociante Candido
.Affonso Horeira. fea eiu |>oueos dias o que era
mi para que o palacio da piesidencia Ucasse
jircparado alini de receber os augustos viajantes ;
'. nao menos socita foi a eommissao com-
posta dos Sr*. commendador Domingos Alfonso
v:v Ferreira, desembargador Jos Pereira da
Costa Motta e corrector geral Francisco Mamede
de Almcida. nos convites dirigidos as senhoras
capital, para taercm as honras da recep^o
a aosnsta princeza.
Infelizmente, porm, Sua Alteza, por encommo-
dos de saide nao pTide desembarcar, nem eus
migosto' espoao e (ilhos
A l.' de oulubro em sua viagem da Earopa ao
Hie de Jaueiro vi-ilou esta capiul Sua Alteza o
^r principe D. Felippe de Dourhon, onde demo-
se awpmas hora*, percorrendo differentes edi-
fidos pulilicos c alguns dos arrabldes de nosa
de em trem especial qne a sua disposicao foi
jtasto pelo gerente da companhia dos trilhos'urba-
;i di ]i rieao Apinuco-.
assemblbS legislativa provincial
A sessi do crreme anno da assemlil* legisla-
rovinrial, em-errou-se no dia 16'de junho
.por ter sido prorogada por doliberaces de 9 e 14
-trio mez.
Mando concluida a discussao da lei do or-
;:.n!ento, de que tanto careca a provincia, resolv
-conceder aquellas prorogacoes.
Foram submettidos a pblicacao e sanecao 66
jirojectos. dos quae> deixei de saneconar 15 pelos
motivos quenelles dedarei, e que esuo, convenc-
.tstembla em sna futura reumao.
Usando da attribuico qne me confere o % Io do
art 2i da eatls de lei de 12 de agosto de 18i con-
voquei no d 2i de agosto ultimo a nova assera-
bea que te.n de funecionar nos
4871.
ELEICES
Por .'.visos de 3 e 5 de maio c 14 de janho
<-ommtmicou-iie o Sr. ministro do imperio qne
forera appruvadas as elei^oes primarias c secun-
darias, a que se procedeu'u:timamente nesta pro-
vincia, liem como por aviso de 26 de iuHho decla-
tm-tK terem sido epprovadas as eleieoes de elei-
torci para si-nadores.
Tundo os Srs. visconde de Camaragbe e conse-
Iheiro Jos liento da Cunha Figueiredo, deputados
|M.'lo< 1" e I!0 districtos cleitnraes dsta provincia
prestado juramento e tomado assento no senado,
l'U:rmiEu-iii'.- o Sr. ministro do imperio, em avi-
so de_31 de judio, que ma.odas.se proceder a nova
;ao i^ara preencherem-se as vagas deixadas
por aquelles Srs. na cmara do^ depntacos; o que
uiirnri designando em "\ de. agosto o dia 26 do
correle para ter lugar aqnella eleicao.
No mesmo dia 2i do agosto deter'rainci qne no
dia "H d-ie mez se proeeilcsse a eleicao dus depu-
lados, que devuin formara nova asemhla legisla-
liva provincial
Pir descrelo n. 1,720 de 4 de oatnbro foi crea-
do collagio eleitoral na villa de Agoa Prcta, com-
posto dos eleitores da mesma freguezia, o que
wmmuniquei a cmara municipal da mesma vil-
la na dia W do dito mez, designando de conformi-
dade com o disposto no art. 22 do decreto n. 2,621
le 22 de agosto de 1860, a sala em que a referida
tmara funeciona, e na sua insufflcenca a igreja
matriz de. fregnczia para renno do mesmo colle-
io.
O quadro annexosob n. 1. contm a diviso dos
districtos eleitoraes ^u provincia.
SEGI'RAKCA INDIVIDUAL E DE PiOPRIE-
DADE
Do qnadro abaixo publicado Ter V. Exc. os
crian cmmeUido$ durante o tempo de minlia ad-
rainislrac
Se o estado de segnraoca nao o mais lisongci-
ro, com ludo o numero dos crmes tam diminuido
consideravei mente, o que sem dnvida devido ao
r.elo e enargia das autoridades, bem como ao pro-
yresso>e desenvolvimento moral.
Eii o qiladro formulado em vista dos dados
qne me fovam foruecidos pola reparucjk) da po-
!cia.
:'lIMtS PUBtICOS
Resistencia..................
Tirada ou fuaa^de preses......
Arrombameiko de cadeta......
desobediencia autorijades
CttlUSS PARTIiri-AHES
Falsidade....................
Homicidio...................
Tentativa dn aoi o indio........ M
menlos a. oflen-as phisicas
s......................
n idemlpves..............
5
19
3
1
17
4

3
Calomnia e injoria............
Furto................A.....
EstUioneto.......,..........
Tentativa de estellonato.......
Daino......................
Houbo......................
Tentativa de rmibo...........
Fallencia frradulenu.........
CRIMKS fOf/KtARS.
Armas dofezas...............
Pelo numero de c.rimes eommettidos em t'io
curio espaco de tempo, ve* se que mnito neewsario
e torna o emprego de meios tendentes a auxiliar
a accip da autoridade nos differantes pomos da
provincia, eprineipalrtwnie no interior, onde existe
o maior numero de criminosos. Em geral a* a-jlo-
ridades ge esforcam por cumprlr os seos deveres,
mas s vetes sao baldados os seus esforcos por
nao lerem recorsos sufflcientes de que possam
dispor.
Durante o tempo que administre! esta provincia
apenas em Gabmb fui tomado um recruta da (or-
ea que o conduzia. Trazando o Dr. chefe de poli-
ca este fado aomen conheciment, recommeodei-
Ihe qne mandasse instaurar o competente processo,
sobre cujo resultado ped Ihe nrormaroes.
D'entre os factos mais notaveis concernentcs
seguranca individual e de propriedade. devo men-
cionar o roubo feito na noite de 27 de junho em
una caixa de joias, no valor de 86 existente na
alfandega, penetrando o ladro pelo teeto da me<-
ma repartirn. As acertadas diligencias dadas pelo
digno chefe de polica, se deve a prisd de um in-
di vid iu) como auior do facto, nao foram porm
descobertas as joias roubadas.
Contra o inrtigitado autor do ficto criminoso
foi instaurado o respectivo processo.
Segundo participou-me o commandante do cor-
po provisorio de polica, em ollicio n. 365 de 14
de agosto, o segundo sargento Miguel Archanjo
rerreira Pinto conduzindo do Buique para Agoas-
Bellas a quantia de 1:364*000, destinada ao paga-
mento das praeas ah destacadas, desertou, levan-
do em seu poder aquella quantia.
Contra elle mandei proceder nos termos do re-
gulamento do corpo, e consta do officio n. 1451 do
chefe de polica que o referido sargeoto foi preso
e mandado recolher a cadeia de Tacarat pelo
respectivo delegado.
Em virtnde do officio qne em 15 de abril diri-
gio-me o Exm Sr bisp diocesano communicando
que no dia 19 comecana na igrej de S. Farncisco
d'esu eidade o exercio espiritual, e pedindo
providencias para evitar qualquer desagradavel
e inopinado incidente da parte de pussoas menos
discretas, (iz ao digno chefe de polica de entao, Dr.
Francisco de Farias Lemas, as convenientes re-
commeodaQoes.
Na exercicio espiritual do primeiro e no da ma-
nuaa do segundo dia nenhum incidente occorreu
a nao ser a ligeira rnanifesiaro do desagrado
contra o prgador padre da companhia de S. Fran-
cisco Xavier. Na larde, porm, do segundo dia,
mais de mil p sssoas se cuBseL>arain em (repta-
do templo durante o acto religioso, bridando al-
guns individuos mais exaltados contra os padres
Jesutas.
la um padre Jesuta chegando a igreja para fa-
zer a predica quando urna das pessoas prsenles o
segura pela facha : 'ol logo garantido por umitas
pessoas que mais prximas eslavam, sem que ne-
nhuma olTensa soffresse. como referio-me o mesmo
padre ao ehegar a palacio acompanhado por um
numeroso grupo que, ahi deixandoo regreasou ao
atrio da igreja.
Terminada a ceremonia, foi o bispo diocesano,
ao apparecer porta do templo, saudado com re-
pulidos vivas e acotnpanhado por todo o novo al
este palacio. Estas e outras saudacoes iam de en-
volta com repetidas protestares' contra os Je-
sutas.
Havia o bispo deliberado, ainda na igreja, nao
proseguir nos exercicios espirituaes, e nessa reso-
luQc se manteve, apezar das reiteradas assevera-
foes que liz-lhe de que seriam dadas as providen-
cias necessanas de modo a haver plena garanta
A agacao dos nimos era patente, sendome diri-
gidas diverjas representac.oes solicitando garan-
tas para os padres Jesutas e mesmo para as ir-
raaas de caridade e outras de differentes ordens
estrangeiras.
Posto que confiasse no bom senso da popnlacao,
que sena a primeira garanta cootra todo excesso,
dei as precisas providencias para que fosse de
prompto reprimido qualquer accommettimento aos
estabelecimentos, que se dizia, ameacados, tanto
mais qnanto na manhaa do dia 21 alguns mocos
annos d 1870*e baviam entrado nd sitio em que funeciona um coi-
legio de meninos a cargo dos padres Jesutas, e a
estes dirigiram alguns gracejos.
Entretanto apezar de taes providencias e das
que com toda solicitude havia dado o digno chefe
de polica, um grupo de individuos irrellectidos
bradaodo contra os padres Jesutas e irmaas se ii-
rigira s 7 horas da noite para o hospital Pedro
II; cuja porta de entrada pretendeu forrar sob
pretexto de nao ter sido recebido inmediatamente
no hospital um enfermo, que nao apreseniava guia
do mordomo competente, como exige o respectivo
regulamento.
A polica auxiliada por diversos cidadaos pres-
tantes, eonseguio qne se dissi lves rando-se os que o compunham, sendo o enferme
reciJhdo ao hospital, logo que foi exhibida a com-
petente guia.
A maneira por que diversos factos havam sido
discutidos anteriormente na imprensa com relacao
ao digno prelado diocesano e aos padres estran-
geiros e irmaas de caridade, e a coincidencia de
ao lempo das occnrrencias que fleam relatadas, es-
tarem sendo discutidos na assembla provincial
dous projertos prohibindo nesta provincia a con-
gregaca > de padres da companhia de S. Francisco
Xavier, e o emprego de padres e qualquer pessoa
eslrangeira nos estabelecimentos a cargo da Santa
Casa de Misericordia, concorreram para que urna
parte da poptrlacao menos pensante d'esla capital
se deixasse lesvairar com as manifestaes a que
me ten no referido.
Confia va eu, porm, que a reaceo se estabele-
ceria no sentido das bas ideas, e nao me engane;
pois fui desie entao arrefecendo o exaltamenlo dos
nimos anlk a repruvacio que taes manifestacoes
encontraram na ordeira po pu'aeo d'esta capital
e ante a aecao previdente e providente das autori-
dades. E tanto que urna reunao que devra ter
lugar no Campo das Princezas na tarde ri*o dia 23
e para a qual o novo havia sido convidado, nao
teve as consequencias que se propalava, dissolven-
do-se por si mesma, como circamstanciadamente
referio-me o Dr. chefe de polica em officio n. 618,
de 27 de abril.
Nao foi, pois, alterada a ordem publica, nenhama
violencia ou ofensa pessoal soffreram os padres
estrangelros, nem as irmaas de caridade, setn que
fosse mister empiegar a forca publica, o que tudo
deve-se ao bom senso da populacao e prndenria
e actividade do mnito distinclo chefe' de polica e
demais autoridades policiaes, bom como do digno
commandante do corpo provisorio de polica, te-
nonte-eoronel Prancisco Carnoiro Machado Rius
Jnior.
Qtu$tao Aratangil. Em virtud8 dos reeeins
que verbalmente manifestou-me o Dr. Victorino
de S Albuquerqne ter sea irmao o lenente-coro-
'nal Joio deS e Albnqnerque, rendeiro- do enge-
nln. Araiangil, de que o tenente-coronel Gaspar
Cavaleanti de AlbaSquerqne recorrera a forca ar-
mada, em vez de promover judicialmente a *x-
caQo de urna sentenca joblida contra aojalle, e
I
4
1
1
i
41
37
49
2
1
1
por forra da quataptn
motar a safra para o
wno aarieol de 1869 a 1870, officiei ao cnefe
de polica em 30 de abrit, referindo-tHe o queme
Wtna sido representado, e recomrnendando me or-
denasse a? aut iridades policiaes dos temn* de
fpojnca e Sernbem que nao eonsenriseem no ap-
parecimemo de tal forca, e a drssolvessem caso
appa recess*.
Entretanto-na urde do dia 6 de maio reeebiof-
ci.1 do joiz mimfclpal. 6* snpptente em exercicio
do termo de Ipojuca, dzendo que o tenente-coro-
nel Gaspar invadir o engenhb Aratangil com-gen-
te armada, e pedindo-me forre para faer cusn-
prir o mantlado que contra elle expedir a reque-
rimento do tenente-eorafiel Jlo de 84, aflm de re-
tlrar-se do referido engenho. Fz logo seguir o
teoente-corrmel commandante do corpo provisorio
de polica com urna forca de vinte e quatro pra-
eas de cavalNria ; retirndose de Aratantil l-
ente-coronel Gaspar no da 10, vmton a forra no
dia 11 por nao ser mais necesstria, como decla-
reu-me o dltojuiz.
Posteriormente no dia 3 de janho o tenente-co-
ronel Gaspar lomando posse d referido engenho
por meo d^ tabellio dirigio-me um reqaerimen-
.o acompanhado do respectivo auto reclamando
contra o procedimento, que-dizia ler tido o mesmo
jmz municipal expedindo contra elle mandado de
despejo incontinenti; recebi lambem do mesmo
juiz um offirio pedindo forca para dar execucio
ao seu mandado.
Declarando-me, porm, o juiz no dia 11, qne
quando expedir o mandado de despejo, o mesmo
naocrasiao em que lizera reqnislno d forca, ig-
orava o faeto de haver o tenunle-eoronel Gaspar
tomado posse or aquelle meio, pois, se o soabesse
nao i) teria fflto, e tanto que apenas soube nao ex-
pedir novo mandado e nem insistir na requisi-
eao de forca, por julgar ipie io estado da ques-
to o direito de posse deveria ser perante elle dis-
entido por ambos os contendores pelos meios e
formas legaes. entend que nao bavendo da parte
do tenente-coronel Gasoar foroa armada, e nem
receio de ser alterada a ordem publica, nada me
eumpria fazer..
Poneos dias depois a 16 e 23 do mesmo mez of-
flciou-meo joiz requisitando de novo for;a para
execui;ao do mesmo mandado de despejo, necres-
eentnndo qn o tenonie-coroiiel Gaapar eslava dcs-
pedindo larradores, fasando oecupar p;r pessoas
suas as casas destes, tinha munica. e gente arma-
da as proximidades de Tantagil, o praoaVa un-
iros actos nao menos graves. No mesmo sentido
recebi representarles do tenente-coronel Joao de
S. sobre as quaes, bem como sobre a espMioao
daquelles officios andei informar o chefe de po-
lica ; eleve logo a trinta o destacamento de quin-
ze praeas do corpo provisorio de polica existente
na villa de Ipojnca, declarei ao juiz que em-
qnanto nao resolva definitivamente sobre a mate-
ria de seus officios, visto aguardar as informacoos
pedidas ao Dh chefe de polica, reqnsitasse elle
ao delegado, a cuja disapsieao eslava 8>|uelle des-
tacamento a forca prec para as neas*iU* di-
ligencias, -y
Em vista das informacSes que me foram pros*
tadas pelo chefe de pnlici em officios sob ns. 1,003
e 1,014, recommendei-lhe que se dirigesse ao en-
genho Aratangil e por si conhecendo dos fados
argidos providencias): a respeito delles naorbila
de suas attribuieoes ; o que de prompto fez elle
como consta d mhroeioea expos.cao contida em
officio de 56 de jnlho, do qual, beni como do de 7
de agosto sermostra que o tenente-coronel Gaspar
desoocupuu as casas de que havia desp ijado mo-
radores, sendo quasi todos estes recondnzidos nel-
las, e que o tenente-coronel Joao de S deu por
escilpto ao tenente-coronel Gaspar execucao aiui-
gavel a senteni;a, sendo o novo rancho accoito pe-
lo tenente-CLironet Gaspar.
Pareca assim esur terminada entre os dous
eonlendores urna qaestioque tantas vezes tem oe-
cupado a attencao publica.
Dentro em pouco, porm, o tenente-coronel Joao
de S inientou aeeo de forca contra o tenenle
coronel Gaspar, e o mesmo juiz contra quem es-
te, por mais de urna vez me havia dirigido repre-
sentacoes, proceden por forma tal. que nao pude
dallar, depois de ouvi-lo, bem com. ao juiz de di-
reito da comarca sobre a materia das ultma> re-
presentacoes, de decretar a sua suspensao e res-
ponsabilidade pelos motivos constantes da porta-
ra de 20 do mez passado.
No termo de Flores foram assassinados e
mudados no dia Io de setembio, don italianos
Francisco Carillo c Joao Baptista Millo, mas tao
promptas e acertadas foram as diligencias feilas
pelo subdelegado de Baixa Verde Antonio Lopes.
de Si jiieira Braga, que no dia seguinle. ao de lio
brbaro crime foram presos quasi lodos js crimi-
nosos, e aprehendidos alguns objectos roubado*:
o respectivo processo fui logo instaurado.
No termo de Salgueiro foi o subdelegado da fre-
guezia do nesmo neme, Manoel Angelo de Arau-
jo Pitia, assasslnado pelo criminoso Jos Barboza,
que refugiou-se no termo do Barbalho na provin-
cia^ do idear, e ahi eslava sendo protegido pelo ca-
pitn Joaqnim da Costa Arau jo, moralor no sillo
denHmmado Cajazeira, donde reunido a ratas cri-
minosos pretendia vir aballar o termo de Salguei-
ro, aflm de, assassinar entre outros o primeiro sup-
[ilenle do delegado Jos Rufino de Araujo, irmao
daquelle subdelegado.
No 'crino do x o criminoso Antonio Pereira
de Carvalho com grande numero de sequaze* cer-
cara a casa do promotor publico interino, e nao o
encontrando dirigio-se as fazendas do mesmo pro-
motor e do tenente-coronel GualteT Martiniano de
Alencar Ara rie, matando animaos, queimando os
pastos e os cercado-; destinados a creabas do Bar-
balho na provincia do Cear, seis leguas distante
do Ex.
Em vista destas oceurrencia o mesmo da cr-
eum-tanei* de vagar pela comarca de. Flores o
criminoso Francisco Correa de Atbayde Siqwira,
com o sen se pulo, e de constar que pessoa-* des-
sa comarca pVotegtam oassassino do subdelegado
de Salgueiro,atintiam participarao nessa crime en-
tend conveniente que o juiz de direito da comar-
ca de Flores, que eslava nesta capital lo gozo de
(cenca, voltasso a comarca para, de accordo com
o juiz de direito de Cabrob, que acabava de to-
mar posse do cargo, drem as mai-enrgicas pro-
videncias, tanto em urna como em nutra comarca,
alim de ter lugar a perseguicao dos :rimnosos om
qualquer dos pontos, em que se refugiassem, ao
que anouio aquelle magistrado, como eu espera-
va de sua dedcaejiQ ao servido publico, partindo
logo para a comarca, apezar dos seus incommodos
de sade ; fiz seguir para Flores un destacamen-
to de vinte praeas do oorpo provisorio de polica
ao mando de un cap i lio, e nomeei delgalo de
polica do turnio de Salgueiro o capitao Paulino
Teixeira de Carvalho, que para ah seguo com
trinta praeas do mesmoorpo.
Recommendei aqnelles jaizes de direito que ds-
sem s precisas ordens para a captura das cri-
minosos e fizessem seguir para qualquer locada-i
de das respectivas-coinarcas, nao so aquellas pra-
eas como as da guarda nacional que autorsei-os
a requisitar.
Do accordo destas dous magistrados e das au-
toridades policiaes, a quem o digno chafada poli
ca deu as precisas nsiruccoes. espero que resol-
temas providencias neoessaras para o restbale-
cimento do seguranca individual e de proprieda-
de naquellas comarcas.
Ao presidente da provincia do Cear dei teisn-
ca da proteccao que os criminosos encootrarim
no termo do Barbalho, atim de qne fosem ellas
all perseguidas pelas respectivas autoridades.
Nao tenhdVnda conheeimento das diligencias
effeettiadas par a pr^ dos crmhj8os do Sai-
gnairo d# Kx. mas uliimamente por eommuni-
eacao do delegado- de polica do- trra de Flores,
consta ^ua sabando ella estar o criminoso Correa
de Alteyde Ba**weod-iTamboril -macando gado
e rurtamjo cavallos, fez seguir para mesma fa-
aenda wua forca de 58 praeas para captora-lo,
bem como aos demas: criminosos, quecompSem o
seu seMito/ nio sendro- enconlradwi demorou-se
31* 3 K? a'<' ^ 8etP,'n*i P"1 Q Pei K1-
nbaa s^reseotou-se o crimino* thajde e com os
outroa qne a acompanharam deslecbaram s ar-
mas coftra aquella forca, do que resuitou a morte
qiianelra, logrando os criminasos avadirmn-se,
aeixando seis cavallos e aikms objectos.
POLICA.
- j cooeedido ao Dr. chefo de poKni Fran-
cisco de Paria Lemos om mea de licenc par tra-
tar de sua sade, noniee para subsIituMo interi-
namimte o juiz de dimito da-2- vara Dr. Francisco
de Assis Mivelra Macjef; que lem sabido eorrw-
Tambores...................
A guarda nacional desta capital, tem continua-
do a mostrar se merecedora de toda a considera-
cao. No dia 7 de-setembro. formou ella ero gran-
de parada com lodo o loaiinenio, garbo e disci-
plina, dignos dos esforet de sans commandanfes,
e da dtedicacao de sea'eammandante superior in-
tenno.
Durante a minlra adminstracao, hooveram as
seguales alleraces nos diferentes destaeameatos.
Em vde maio determine}, em vista do que
representen o Dr. etef-de poicia, que o-destaca-
manto de um officiai. um-inferior e vinta- praeas.
existente no termo da Boa-Vista, passasse- par a
villa de Pkrohfta. O destacamento do lermo do
Ouncury foi augmentado com nm inferior equa-
torze praeas.
Approvei em 22 de iwuo a reiajisicao qne faz
juiz de direito da comarca de llores,' ao respecti-
vo commandante superior, db owis um oficial
frrea de S. Freneise. a
elle negado msolewla.
S. Jos recommeneninos o
paree narpieMe Hnw, e^,
da aipimas providencias que
dos insultos e mam pracejos
valdalos os patsagnros da estrada e
CWJft X.Deven nirtr-se hnjrr i* \
tarde, no safan do Ch* Prrnambnano, m
broa resta associacao, affm de ser appnrrad ti-
t un oo.
FERNANDO DE NORO!Wl.-Pare es
sae, em wagem extraordinarie, o vanar f-.
da compnnbia Parnamaccaoa, no di Jt ,k, t.7
rente.
NACPR.VGf.N.is bftiKns V Mareajack na Hi
Grande do Norte, perden-sa a galera nftn Km-
baha,de44toneladas. W r?rda;na>
^jdeBosloa para a-Aastraa. rwn ken. c.insta a actual di-
ponder a edufianca que nolle depfisitei.
Por decreto de 18 de mareo- foi removdn-aqual-
le magistrado do cargo da ebefe de polieia dasta
Jil0*.1^3 ',ar3 ipual rar-'" m n''rie' e Pr deerel1
de 18 detnai7 foi nomeadn efmft de pnrlria desta
provincia o Dr. I>uilgero Gonelves da Silva, que
naoentroueweXrcicio, e -ando elle dispensadlo
por decreto dlo de setmnbro, foi nitimamente,
por decreto de l.'t do oulubro. remavido do cargo
de chefe de polica da pmvncia,de Santa Caihari-
na para igual cargo nesta provincia o Dr. Luiz An-
tonio Fernando-. Pinheiro.
Pela deliberado de 26 de mimbro, annuindo ao
que pmpoz o chefe da polica, sapprmi o distric-
lo de subdelegada de Periperi ao termo do Bo-
nito.
Do' quadro annoxo, sob n.
viso da dislriclOs policiaes.
Durante a mnha adirnisiraco foram exonera-
das, por^eonveniencia do serveo publico, e a pe-
dido, algumas antoridalet policiaes. sendo nomea
do.; para as substituir os cidadias ijue pelo chefe
de polica foram propostns.
Dranie o lempo em que lunecionou a assembla
provincial foi o oIBcial exlerna da vi-ita do pono
substituido por Ernesto Soarssdo Azevedn. -
Seguido parlicipou me n Dr. chew de pocia
firam pr elle exiinerados do<>nrgos da portdro
e continuo da secretaria de polica Jos Pinto dos
Santos a Flix Riberro dn Auaral, o nomeadn; para,
os substituir Henrque Manoel Mailieiros de Mello
e Joaquim Francisco Borges Uch.
DIVISO JODICIABi'A.
Do quadr aqnexo, sol n. :, consta a divso
judiciarif da provincia. Nenhnma a Itera cao houve
duriinie a minha ndministraijao.
Em vista do officio do juiz" de direfo da comar-
ca de Cabrob, dar-wo da 4 de setembro ultimo,
resolv pjr deiiberacao de l deontnbro crear furo
'civil no ririn de Salgueiro d,i-|:illa comarca, e
iMrinfti iffl m??ma da' i ora os cargos de sno-
plente do jniz municipal os seguales cida-
daos :
R'miao Pereira Filgneira Sampaki.
Jos lufino de Araujo.
Antonio Sampaio Ptl|tueira.
Tfcom Ferroira Machado.
Antonio Rufino de Araujo.
Joaqaim Manoel do Sampaio.
Man lei por em eonenr-o a serventa dossegnin-
ios officins de justiea : todos os o\i termo de Papa-
caca, que estavam vagos, esrrivio dos feitos da
faz^ada provincial, partidor c contador do termo
do Ex, escrivao dn tribunal da relacao, partidor
do termo de Agua-Pm'a, partidor e distribu ior do
termo de* Villa-Belie, depositario geral do termo de
C ivanna. contador- e partidor do lermo do Baique,
depositario geral, partidor e distribuidor do lermo
do Cabo, partidor e distribuido*) termo da Esea-
di, partidor e contador do terrso de Iguar.issii,
partidor e contador do tormo do Rio Formse.
No pessoal dos juizes de direito- liouveram asse-
guntes alteracdss :
Por decrr .s ,1,. 2!) de- marco e 12 de abril fo-
ram n^meados : pira a comarca de Tacaran! o
bacharel Jnao Clemente Pessoa de Mello o para a
da Cabrob o bacharel Pedro Cadtano da Costa, e
iwr acreio .|e ftde jnnho foi designada a comar-
ca do Rio Formoso para n-lln ter exercicio o ba-
charel Marros Correa da Cmara Tamarindo. A.
excepcao do primeiro, que foi tomar assento na
assembla provincial da Cear, todos os mais
asham-se em exereVio dos respectivos .-argos.
Nenhama alteraba-i h-mve no-nessoal dos i ni zas
municipacs. O juiz municipal do termo de Taca-
rat desde i de setembro de 1807, e o de Ser-
nhaem desde l"i de setembro do anno passado
conservam-se fra dos respectivos termos com par-
te de doente.
Em mrnprmento ao que me foi ordenado por
aviso do ministerio da justiea mandei em :1 do
dito mez rsponsablisar o do termo de Seri-
nhaem.
Finalmente, no pessoal dos promotores deram-se
estas alieraeSes:
Em 21 djnnho nomeei o baehaarel'Antonio Do-
mingos Piulo Juuior, promotor publico da comarca
de Pao d'Aiho.
Em 18 de setembro noimei o barharel Auster-
liano Correa de Crasto para igual cargo na comar-
ca da Boa-vista : nomeei timben em 23 do mes-
mo mez o bacharel Joaqonn Antonio da Silveira
Jnior para o cargo de promotor da comarca de
Cabrob.
GUARDA NACIONAL.
Contina a ser feito pela guarda nacional o ser-
vigo da guarnicao nsta caoital e suas fortalezas,
bem como no presidio de Fernando de Noronha,
alm dos destacamentos que d em alguns munici-
pios.
O pequeo numero de praeas do corpo proviso-
rio de.poliria, e a filia de (opea de linha fazem
com que ainda contino a cargo da guarda nacio-
nal esse penoso serv--..
No intuito de, allivi.'.r a (parda, nacional aquar
telada, dimnuindo o servio, i da guarnicao, detor-
minei em 16 de junho que as guardas dos arsenaes
de marinha e de guerra, fqssem como oulr'ora
feitos pelas praeas da companhia de artfices o
(pelas da companhia do operarios militares.
Epara evitar os inconvenientes que para osar
vico e disciplina resultaran! do facto de ao corpo
aquartelado estarem addidos contingentes de ou-
tros corpos, determinei que cada corpo aquarte-
lasse com offlciaes e praeas respectivas sem con-
tingente algum.
A forca da gvarda nacional nqii.irtelada nesta
capital.que do 3o batalhao de nfanlaria, compoe-
se de:
Tenente-coron-1 commandante. 1
Major..................-... 1
Ajudanto.................... i
Tenento quartel -meslre....... i
Tenenle Cirurgiao......._,... i
Alteres secretario-----....... i
Dito porta-bandeira ... .*...... t
Capitaes.................... 5'
Tenente<*(injlusive 1 addidu).. 2
Alferes (inclusive 1 adidos) ... (
Sargento ajudanto............ 1
Dito qtartel-mestre.......... l
Mastre de masicn............ 1
Msicos..................... 16
Tambor-mr................ I
Priracros sargentos.......... ;
ndos ditos.......'........ 8
)os .'..................... 1?
Soldados.................... 128
vinte praeas para reforcar o de tacamente dn villa; eitio; de anrtealftjra e
do mesmo nome,-atientas, as cireumstancias espe^ -
ciaes em que-se achava essa tecalidade, tnfnan-
do-se indispensavel o refbreo do destacamento
lara evitar qtie fosse as-altada a cadeia e aVella
lirados os cWmioosos.
Pela guardi nacional deOKnda era prestada-a
guarnicao das fortalezas do Brum a Buraco. Mhn-
det em data de 2*de outubro, sobslitQr os de-
taeamenias destas fortalezas por paac da guarda
nacional do municipio do Racife, em- wla do (pie
reprcsenlou-me o general coinmandame das ar-
mas.
Mandei destacar na freguezia de S-. Loureneo
da Malla um inferior e quatro praeas.
Nennuma altereeau houve >a diviao da guardo-
nacional.Os commandantes superiores ';Compre-
liendem os corpos constantes do mappa annexo
sob o.
Nomeei offlciae^ para alguas corpo* da guarda
nacional
tambem
deo-se no dia do imi. estando i
do Ipojuc* sa*a a maior porte db i iri
a iripolao.ko.
ECIIOS WmOATVXIkk- pmp dm
peesia, publiead n'.-sia ridade- em i
anno pasanda, extrahmo^v o oeraala nneti >
na tolhetim d toroliu-m jt Srtmkr* > 19 V
deawnhro de lr!t>, parjoJiro que se potinca em
Ijaba.
Ainda ba ponen fall.vm- en> eie hriarti-
pnetas de Atni AJbaliro.
Nos lames aaaatniaatian. dtia-o. .- pen
que so podeiHes iini>>rUr di Bne4i bordaHl
bares, palaw*fiS rra-< e saceos rfp aatil Sa.
rin, na cmala pringue qw- m.M>reja putas
vasas ierras da-Sania Cru moiu eret>r.
, mecidos pela iM-vros* .1. panja, mnitiM r:
I que, amalado -enire- a balr da tenda e a
qne nao estavam organsadus; nomeei 'Va A> *r,m*< ** apanden a* ofllciaes. sob proposlas da an6CtiT0?i|l2^_f*5*J*miliftti Hnti
ou a ronif-m i
comoundames para ouiros "que j o estavam (|l,e ** de u">!*"'lo *> bamnato
CORPO PROVISORIO DE POLtCJA. | urna eoureila mmhoft.
Contina este corpo sob o cominondo do digno- 5L'K5?" al1'-
tenente-coronel Finacisco Carneiro Machado Rios' *" sab'* -*1 P *ando m-re-t **u< -&%.
Xonior, a prestar' os servicos a que i* desuado.: Jf*i f" v.mh* :i ':"?",," de naa im hmhIi->i
os servidos a pie e-
IX> mappa anne*5p consta o raido porque se
aeha destribuida a farra de que- ella se compoe.
A sua nrgnnisaeJo nao me parece mais conve-
niente. O numero deofleiaes 6 superior ao que
fai-se preciso par.v as praeas deque elle deve
compr-se. Mnito raais rommodmente se lar
o tarrifo, e'sem maiar dispendio para os cofres,
provinciaes reduzindo-sa o numero de otilciaas e'
elevando-se a das pFaeas.
Jugando inconveniente a dirise- ibis pracas. I
em penenos destacamentos pelo interior da pro-
vincia, procurei divkli-las em grandes destaca-
mantos amov'
territorial
ihHliaar de 8 .agira* qiie era a hfj*anle r.-u.
maca das minirns pilaaa.
Ha poel.is-alli a grandes pealas
QMM Vi.itor de |jrr. Inein -abe di e-fc.
por e ? Sabeino* a /Jhmai titiras, ada ia gniNte pyrn creara
em generoso i.d>r ar-racao, nu en nonre *-
lentosa cabera : .,::.i, ;i -r 1JiW. yw
Ijarra um verdadeiiii i. la da rrra
| Ciruz. _
| Nao antecipamn* juiz.^r.awi Umm* rf,*r*.
; udamos um talento sphmdido. ^eml.-n: > a
oviveis dentro de certa" circnmseripc..', ** am"fi :k "-i'aposMlo alotiawti a a na Ima-
'determinando ai, Dr. chefe de polica w hreiro. dt hmwo.
.. poli
i|ue iaformasse anal a divisa) ritarrcrinTeniente,
o numero de praeas de que devera compr-se
cada um dos destacamentos, o o ma que se Ihe
olferecesse a respeito : diversas oireuuistancins,
p irm, nao me permittiram realisar essa idea qne
me pareceu proveitosa para o servco a que
destinado o corpo de polica e para disciplina I
do mesmo corpo.
Em 21 de junho mandei recolher ao qnartcl do
corpo algumas praeas que estavam servmdo em '
algumas reparticoes pnbcas, com prejuizo do
servco a que eram desuadas.
Em i de maio e 20-de agosto, mandei addir ao
corpo provisorio o alferes Joao Francisco Paes
Brrelo, e o capitao Antonio Jos de Andrade, do
corpo effectivo de poicia, que est no snl.
Em 14 de agosto nomeei .para o carpo de capi-
tao, vago por ter fallecido Luiz do Franca Mello
Jnior, a Paulino Teixeira de Carvalho.
BECBlfTAMENTO.
Seguiram para a corte de 1 i de agosto at esta
data IK remitas, sendo 1!) para a armada e ti
para o exordio.
Foram mais para o exercito 12 praets, 1 volun-
tario da patria, 2 voluntarios para o exercito e i
gualdas nacionaes designados.
(Continar-e-ka.)
* PftMMM.;-. ormhntermo' n>;s o qu aiida.iM.-s a fitina d pan-
gess.
ljeam-30 esses verwv.
i Sao sirapleiii. nte una t.br AMR mcn.*r.
ecilio tal a pblle.;uo-. .-. m a liUrbde ne
amare se" maatana
otano Cordita.
-|ui am coaso darte, -tn-
DBSPACHOS DA PnBSIDKNClA DA PROVINCIA DO WA
22 DE JANEIRO.
Antonio Luiz de Olveira Azovedo.Passe por-
tan.
Antonio Carlos de Almeida.Ao Sr. inspector
da thesourai a provincial com a portara dasta
data.
Alleres Basilio Luiz Colho*-Informo o Sr. te-
nente-coronel commandante do eorpo previsorio
de polica.
Nati Paes Brrelo Cavalesnte.Informe a Sr.
inspector da thesouraria provincial.
Capitao Jos Sancho Beserra Cavalcante.Con-
ceda-se seis mezes de licenca.
Capitao Mignel Rerreira Velloso.D-se.
24
Firmino Corroa.Pessoa de .Mello.Informe o Sr.
coronel commandante superior interino da guar-
da nacional do municipio do Recife.
Francisco Xavier Dias.A'vista da inormarao
de-se portara.
Jos Pereira da Cunha.A'vista da informacao
de-sea baixa requerida.
Maria da Concdcao Vieira.rija-se ao Sr.
desembargador provedor da Santa taa de Mise-
ricordia era sessao da jauta.
Padre Ricardo Jos Machado.Informe o Sr.
inspector da thesouraria de fazenda.
Tenente-coronel Man.oel Dionizio. Gomes do Me-
go.Informe com urgencia o S. coronel com-
mandante superior da guarda nacional de Olinda.
Rcparti^ao da polica.
f* seceSo.Secretaria da polica de Pernarabu-
50, 23 de Janeiro de 1870.
N. H.film, e Exm. Sr.Levo ao eonheci-
ment de V. Exc. que, segundo consta das parli-
sipa<;es recebidas hoje nesta repartlcao, foram
recoihidns casa de detencao, os seguimos indi-
viduos :
A* minba ordem, Leandro Soares Quintao, rin-
do de Trombta,' como desertor do exercito.
A' ordem do subdelegado da freguezia de Santo
Antonio, Flix, escravo de Francolino do Rogo
Machado, requerimento deste, e Jos, escravo
de Antonio Jos Valente, por insultos.
A' ordem do de S. Jos, Andr Jos Prancisco,
por suspeito de ser eseravo e aniar fgido e Ro-
sa Maria Joaquina, por crime de offonsas physias
e resistencia.
A' ordem do da Boa-Vista, Antonio Augusto da
Costa Guimaraes e Thcophilo, escravo de Pedro
Pereira de Lemos, pos briga.
A' ordem do do Poco da Panella, Domingos Soa-
res Campos, minha disposicao.
A' ordem do do Peres, Apotnario Jos de Lyra,
por erime de injurias e ameacas.
eus guarde a V. Bxclilm. e Exm. Sr. se-
nador Frederico de Almeida e Albuquerque, pre-
sidente da provincia. O chofe de polica. Lu:
Antonio Fernnwles Pinheiro.
PEENAMBUCO.
REVISTA DIARIA.
CINCO PONT AS.E' altamente inconveniente o
procedimento das pessoas forras e captivas qpe
se juntara, no pateo externo da estacan das Cinco
Pealas, naz bofas de chegadas dos tren? da va
0RRACAOCIRRGICA.0r Dr. M.il.v;ns
Antonio Gmoil.vs, imiiiiamenie i-^,i.v,1,1..' en-
tren-, enm escriptork msdico-ri 'iir.- i.-o. raii-
cou bontem a difcil e delirada o;enea. >h''*mm
penncnl laterahtmk, extraanla um raanlo ir-
tatieo do volum-, limna anjnm de ana m
moaeaaa. A npeunjj foi Ma enm rani-l^t o
incidente desagr.->lawl, sendo rkenla ara
in-nla cblamrormiaado. Ajintaram a operanar
Srs. Drs. Adria Sarment Pilh. e-aanm.
INSTMCiO rtBUCA. ntaRM eiKn.anaa
funecionar na Panaagam ih M^gilab-na a ratina
de instrnaeao primario <,- a d-rrrao d-ooafcs-
sor interino Henrque de osrr.ndalnjiriqie
LOTEIMA< A. que se aeha.a venda a *Xt, a
beneficio do pat:iiiiMinio dix urplMis.iiae e *ra
dia 29.
*
*
LEIL.k.t-0 asente Mhrtias i,i h.i|e l.^ni da
reliiia.y., da ra. di Aragia n. 1! n un >^ ai-
lotes.
laiaimento ten lng.ir boj ni so**, da
ra do lni| arador n. 30 o lailn nm movein, im.
prata vmlios, beus perier^antes nos lier >,nn ao,
tinado Doiihg Anda atuauhaa vender o m<^-.-|ii agente
Pinto ihfierenfl'j fazendas a variad i-", calea^Muara
horneas e eatsa* con> velas staarinas en lote a
voniadn dos-eompraUores, om-seu escriuM* raa
da CMH n. !"v.
PASS-AtailBOS.ViniSie da liranja jortoa ia-
termedios no vapor naci.n.il IpnjHrn
l)r. MmoI Vicanie de Magalhae^. Jo*. J
Mendos Itiheiro, Antonio Vcn* floro Jos da Km ana, Lean Cnadi Nerj a n se-
nhnra, \driann dos Santas Pereira. Parips C A
Bosa, D: Aana Amalia de Jtaanatia, D. Mara Ama-
lia de Amando, mam laarn tia >rae-. Vm
Rndolpho Gomes e sua soi>i ira. Ant-nio da
Joo Cartm G, Francisco Antonio iii-al,
da Silva Heves, Antoni i Thi.inaz ta?neir tia Ila-
nhae 1 eseravo,-Jartina Jos da Sii\. lunario Itraz
Puito Vi>nna, Severino ftnedes Aln.lurado, Mannet
.los Lopes de Aibiiqnenpie. maa> da M lira a sua familia, Dr. Jna 8 ainaa l" S-niza. I n-
Iho e e criado. Paulino C do Beg Barme, na
in, I escravo e 2 caiatin, Mu '. R:hirn. Aaa>-
nio Nunes de Mello, inrge ile Soaza Caldas, e -i
senliora. Amaro B. A. Marethao, sua .unaara e
filhos, Symplironia C. Pie l!.?rreto. Mnauet Per-
reira da Costa, Frane*r > Perra Ja l'.tsia M-*H>>.
Jos Sexismando Pereiti. Clamemn-i Farmra aV
Ainla. Jos da Silva Q.. Manoel Teixeira. tia F*n-
seca e Silva, Joao Candido Ribtin- B.mias, Dr. Ma-
neas >'. Rindoirade Malln.I.anriod.' Pereira I
Manoel >Lria Dantas l^avaleanii, Aana
Casar de Andraiie, Dr. Vienta Perreiaa Gana:-,
Manoel Martins da Silva c I lilho, ThnpM* An-
gosto do Olivein BaptMa, Poni de Wiveira Lms.
e, 2 escravo*. J. ao de Daos (encalves. Joan kim
Teixeira e,2 escravo?. (Jan lino Jos onn. km*t
Leandro da Silva, Maaoal Alves aarb->a. Mano^t
Joaqnim de Otivetra, Joao Franrico
Miranda. Ricardo Porlirio da Multa a 1
Francisco Jos da Silva a 9 escravo a
Vindos de Mirajnfnapano vapor nraaaa"
Mwidtih :
Antonio Barbalho da Costo. Joaqnim BaptMaaa.
Silveira, Jos Antonio Rodnc es Urna e I Mna>
menor. Jos Mavmoae. Pedro Baarintia C-nineir.
Joao Baplists de Carvalii i .- | ftlho manar, J-s
Justino Pereira de Almeida, H-rmenejihk dr %-m-
za l/ibo. Le.Vi Jos fia! van, Vicente Ferreira *
Souza, Ismail Felicio da f.unha Bel*, patiae An-
tonio BaptiMa Espinla, Ba>iundo Newton, Aam
nio Alecrim de Mendonca, Jos Flix tia Rey
Barros.
Vindos de Fernando no vapor aacJoanl Cm-
ruripe: i
Henriqne Josi'- Vieira da Silva e 1 eerav*>. Ixe
Antonio Bibeiro. Anna Gomes Fernandas, Aatimio
Augusto I>ereira da Silva, J(o Pereira tia Lima,
Jeroitfma Maria da Conccic.io, Damiaaa Mata
Lnz, Juan Po da Frmseca, Anna Mara Ca
o I e Francisco de Gn Lins Caldas, alferes Eroig.iin do Lem h.
quira dos Santos Noves o sua familia, 9
nacionaes, 18 sentencia! 5 molnaan a til
dos sentenciados, 10 gooinJas-nacionam ?sar-
gento que o esotiUvam, B praea* *WP* "
liria e 1 sargento.

'



fI

Diario 4e Femamlmoo Quarta fera 27 de Janeiro de 1870.
+
i
r
do dia J3 de
CSMITERIO PUBLICO.-UDUU
Janeiro:
Bartholomeu Tarares de Oliveira, Pernambueo,
M naos, casado, Sanio Antonio; ietano.
mecate Ferreira da Silva, Pernambueo, 41 an-
uos, viuvo. Boa-vista ; lubercnlos rjulmouaro9.
RiU Mara da Conejean, Pernarabaco, 60 an-
nos, solteira, S. Jos ; apoplexa.
Joao, Pernambueo, 9 mezes, S. Jos ; convul-
so*
Feismina, Pemamlnico, l* annos, solteira, i
Antonio ; tubrculos pulmonares.
Balbina. Peroambuco, 30 annos, solteira. Boa-
vista; tubrculos pulmonares, l
Isabel Maria da Porciuncult, Psrnamhuco, 32
anuos, solteira, Boa-vista ; lceras-uterina.
Gertrudes, frica, 60 annos, solteira. Boa-vista;
intente.
RiU Maria da Coueeicao, Pernambueo, /i an-
uos, viuva, S. Jos; interite.
calves Fonte, Maria a Coneeieio Veiga e Remigio
Keraps.
Lovanlon se a sessao. *
Eu Francisco Canuta da Boa-Viagm, secretario
a subscrevi.
Declaro em tempo que o despacho na peticao
de Joo VeHoso Soares, comprehende ainda a
obrigacao de assignar um termo de responsabiu-
dade pelas infr aeces de que uattm as poetaras
relativas aos proprietarios dos predios.
Bna-Viagem o declarei.
JonacO Joitquim de Souza Leo, pr-prestden-
te.-[)r. Pedro de Athaude heho Moscoso. Flix
francisco de Souza Magalhaes. Manoei de Bar-
ro Brrelo.Dr. Prxedes Gomes de Sotas Pi-
tanga.
PUBLiCACOES A PEDIDO.
em
vez
com as
CMARA MUNICIPAL.
3. SESSA0 ORDINARIA AOS i DE JANEIRO
DE 1870.
PRESIDENCIA DO SR. DR. BARROS BARRETO.
Presentes os Srs. Dr. Moscoso, Dr. Pitanga, Dr.
Seve, Souza Magalhaes e Ignac o Pessoa, faltando
com causa os mais senhores, abrio-se a sessao, e
i lida e approvada a acta da antecedente.
Leu-se o segrate
EXPEDIENTE ".
Um offlcio do engenheiro chefe da reparticao
las obras publicas com despacho da presidencia,
mandando informar, e que acompanhon a plan
u da parte comprehendida entre ra da Aurora
estrada de Jno de Barros, indicando com um
traca encarnada a modilleaeao a fazer-se na linha
re dever seguir a emiirza Trilhus urbanos
Reeife a Olinia.Que se informe nada haver
que oppor.
Outro do Dr Padro de Athahyde Lobo Moscoso
Jnior, coiniuunicando liaver roassumido as tune-
odes do cargo de subdelegado do Ia distncto da
Tregnezia da vwista.Inteiradx
Outro do engenheiro cordeador, informando so-
bre o reauerm-ratu de Manoei AuDnio Teixeira,
campre-The ilizer que nao ha inconveniente
coueeder-se o que pede o supplicante, urna
jae exeeute elle a obra de conformidade
posturas.Concedcu-se
Outro do mesmo, informando sobre o que pede
Bernardo Jos da Costa Valente e suas fllha* me-
nores Cecilia e Anna. tem a dizer que nada se Ihe
offerece oppor.Concedeu-se
Ostro do mesmo. informando obre o requer >
meoto de Maria Saturnina don Prazere?, tem a
nter que nada ha a opporCneedeu-se.
Outro do mesmo. informando o requerimento de
Bernardo Alves Pinhetro, declara que nada se
lhe offerere opnr a pretencio do supplicante.
Coneedeo-se.
Outro do mesmo, informando sobre o requer
ment de Hermno Ernesto de Lemos Amaral,
como procurador de D. Carlota Joaquina Sondes
lo Amaral, declara que a planta aprontada pt-lo
major Jos Joaquim Antunes para divisao dos u>r
renos de sen sitio, nao fui altrala com a edifica-
cao do muro d Joaquim de Oliveira Mello, na
estrada de Joio de Barros.Despachou-se no sen
tido da inl'v.rma(fi>.
O Sr. Dr. Pilauga, requereu e foi approvado,
que serecominm.le aosflscaes rae facam cumprir
04 arts. 7, 8. :i, 10 e i 1 do tit. 0 das posturas de
3 de junho Je 1849, 10 do til. 9, e 2 e 3 do til. 10
das mesmas posturas e Analmente o art. 9 das
posturas addicionars de 18 de julho de 1855, fr-
iendo publicar ns ditos artigo*.
Maadou-se remetter a comraissat de peticoes
um requerunento da irmanJade do Santissim i Sa-
cramento da matriz de Jaboatu, relativamente a o
eemiterio da dita freguezia.
DespacJiarani-se as pceoes i
Do desembargador Anselmo Francisco Piretli,
Antonio Jos unrte Coimbra, Bento Joaquim Go-
mes. Bento Jo-.') Doiningues, Clementino Goncalves
de Parias, Prancisee Xavier de Sa Leito, Joaquim
Jos Ferreira da (ocha Jnior, Jo* de Souza Al-
meida, Joaquim Caettno de Camino, Joaquim
Francisco da Silva Azevedo, Manuel Jos Dantas,
Manoei Jorge de Souza, Manoei Fernandes da Cos-
ta, Vicente Jos da Oliveira, e levantou-se a
Eu. Franzitco Canuto da Boatiagcm, secretario,
a escrovi.
Declaro em lempo que a petieao de Herinmo
Ernesto do Lemos Amaral foi despachada no sen-
tido ilo >vr mamila a planta presentada pelo
major los Joa |iinn Aniones e que se. oliiciasse ao
Mebeir i eordaadur, para sssim eamprir.
BtM-viigein a declarei.Manoei dtBorro Br-
relo, iin'i-iov-idciiu'. Dr. Pedro de .{that/de Lobo
\lasamo. /(,-n wio Pessaa da Silva. Dr. Prnxede
fom nizn Pitanja. Flix Francisco
Souza Muga tes.Dr. ooo Varia Seve.
Coucilio ecQinenico do
Vaticano.
JScAo de Roma:Sob esse titulo sai mensalmen-
te em Lisixia urna publicacao, em folhetos de 32
paginas, as vezes com suppleraento, destinada a
acempanhar o actual concilio do Vaticano desde o
seu comeco al sua inalisaij'io.
Nao era possivel que Portugal, catholico como
, fleasse indifferente a reuniao. do concilio que,
como sempre succede, tanto interesse e movimen-
to tem despertado em todos os paizes.
Emqnanto a religiaj f6r para o horacm urna ne
cessidade, tndo quanto a ella disser respeilp me-
recer-lhe-ha toda attencao. Ora, se os concilios
ecumnicos denotara grandes necessidades e re-
formas, nerturbaedes e perigos para a igreja, >?e
sempre dedidera sobre pontos de dogma ou desei-
plina, fora de duvida que quer governos, quer
individuos, terao os olhos filos sobre os seus tra-
balhos, e anciosos desejaro saber o que nelles se
trata.
Alm disso nao poJer deixar de despertar a
curiosidade e interesse a veneravel reuniao de
centenares de prelado* vindos de todos os pontos
da ierra, dispostos a disculi rem congregados
questoes religiosas, as quacs se podem prender
uao so os interesses espirituaes, como outros tem-
certo escrivae para dar o traslado de nns autos :
en outra que os Albos do fallecido F erara re-
fliadosTelhacos, eiae s viviam detraspassas e
do gentilezas : nesta, tratando por seus nomos
dos empregados do foro do lugar, ^e dii, que
a pocha era dos ladrees.
Adevinbe mais da quem urna vergonhosa cen-
ia, recbeada de dolosas supphcas das quantias
pedidas.
A decifra?ao nao ser difleil para o Sr. Dinix,
que qtando a na.) I*ca por ai, joder ser orien-
tado por seu sogro, qat tem bom tino para-isto, e
para tudo, e para maw amda...
J disee, e ainda repilo, que al agora tenhe
guardado reserva, mas a seo tempe prometi di-
zer claramente, e sem rebnco tudo que sei por
ver e por ouvir dizer dos factos pracados por
esee Sr. Gouveia, sogro do 8r. Diniz.
Emfim, Sr. Dlniz, as .proporcoes negativas sae
facis de avenlurar-se, mas muito difflceis de pro-
varem-se : custe ponce diier-se jsto nao as-
sim, mas dar a razio porque, poucos o fazem, e
o Sr. Joaqaim Francisco Diniz Jnior desta vez
ainda nao conseguirf fazer-me de mentiroso, e creio
que o nao conseguir nunca, porque fallo, me
preso de fallar sempre a verdade. f* \ *
Reeife, 22 de Janeiro de 1870.
* Manoei Elias de Moura.
,!
DE JANEIRO
ficando
no dito esta-
SESSAO ODlN'AiUA A'K 2i
DE 1870.
PBE81DENCU DO SR. DI'.. BARBOS BABBETO.
Prsenles o Srs. Dr. Hoscoso, Dr. Seve, Dr.
Pitanza, Soaa Magalhaes e Iguaeio Pessoa, fal-
lando eoffl causa os mais seuhores, abre-se a ses-
sao.
Foi lida o approvada a acta da antecedente.
L-se o seguiute
BXPKDKDTB
Um offiew dn provedor da Sania Casa de Mise-
ricordia, c.Mi de-pacho da presidencia, mandando
informar, no qual representa sobre o procednuen-
to do administrador do eemiterio publico, de fa-
/er desagregar os caixoes em que iam os cadve-
res de diver>a pnssoa., fallecidas no hospital Pe-
dro II, conelue pedindn a S. Exc. quo se digne
providenciar de modo a fazer com que cesse seme-
Jhanlc abuso.Que o administrador informe.
Outro do administrador do eemiterio publico,
communicando qae, estando quasi terminados os
vinie pares de catacunibas da cmara, e
para fazer symetria de todas as que
Jielecimento sao construidas, urn espaco para ser
enllocado o pedestal das mesraas pir ser e-quina
de urna ra, pede que a cmara providencie como
julgar conveniente. Ao engenheiro para infor-
mar e orear. ,
Outro do engenh.'iro corleador, informando o
rcquerinenln de Hyppolito Martins Gomes de Pi-
nho, tem a dizer que nao ha inconveniente em se
conceder o que requer o supplicant. -Conce-
deu-se.
Outro do mesmo, informando o requerunento de
Joaquim Francisco das Chagas, tem a dizer que
nada ba a oppor, dando-se a competente cordea-
ao.Mandou-se cordear.
* Outro do ines'mo, informando o requenmente
de Jos Pedro Fernandes, tem a dizer que nada ha
a oppr a preiencao do supplicante, conslruindo
elle a casa com as dimenees marcadas as pos-
turas, e sendo a mesma edificada com 10 palmos
ai-redada do tallude da estrada, e parallela a mar-
gem della.Con?edeu-se.
Outro do mesmo, informando o requenmento de
Anuncio Francisco Mendes, declara que nao ha
inconveniente na concesso pedida, dando-se pre-
viamente a cordeacio.Mandou-se cordear.
Oulro do mesmo, informando sobre o requer-
mente de Candido d'Albuquerque Maranhao, de-
clara que nada tem a oppor, a construeco da
casa, urna vez que sedhe J a competente cordea-
>eo.Mandm se cordear.
Outro do mesmo, informando o requenmento
de Joao Velloso Soarsa, diz que nao ha inconve-
mente em se conceder que o supplicante faca os
eoocerlos que pretende na casa n. 11 da ra da
Uruz, de vendo a sacada da varanda do 2a aodar
ser collocada eom metade da largura d do pri-
meiro.Concedeu-se.
Ontro do mesmo, informando o requerimento de
Joaquim Francisco da Silva Azevedo e Henrique
de Oliveira S->ares, para reedilicarem a casa n. 54
da ra da Cada, tem a dizer que nada ha a op-
por, dando-se a competente cordeacao.Mandou-
se cordear.
Outre do fiscal da freguezia de S. Jos pedindo
a exoneraeao do lugar que exerce.Concedeu-se.
Procededo-se a voacao para o preencniraenio
da vaga, fot nomeado rom quatro votos o cidadiio
Ernestino Cavalcanto de Albuquerque, tendo o ci-
dadao Manoei Manjue da CosU Soares dous votos.
Mandou se remetter a commissao mposta dos
Srs. Dr. Pianga e Dr. Mocose, um requerimento
de lanoel Jos Dantas pedindo a cmara que or-
dene seja lixado previamente de accordo com elle,
o preeo da desapropriacao do terreno do Forte do
Mallos, j conh-ci lo .pela mesma cmara.
Despacharam-se as peticoes de Amancio Fran-
cisco Mendes, desembargados Anselmo Francisco
Feretti, Andr de Abreu Porio, Antonio de Souza
Puntes Goiuiares, Bernardo Jos da CosU Valen-
te, Bernardo Alves Pinneiro, Francisco Carnairo
Monteiro, Francisca Pereira Meirelles, Francisco
de Paula Marinho Falco, airmandadedoS. Sacra-
mento de Santa Antonio, a junta administrativa da
poraes.
Tambem por esse motivo em lodos os paizes
tem a imprensa se oceupado com o concilio, sea-
do que nesta publicacao se leve em v-ta satisla-
zer essa n<'eessidade, oceupando-se ella com espe-
cialidade de tudo quanto poder interessar a Por-
tugal e ao Brasil.
J oito nmeros tem sido publicados de mato
ultim para c, sendo a Uvraria francesa nesta
cidade (ra do Crespo n. 9) que s^acba encarre-
gada de receber as assignaturas.
Nesses nmeros encontrar o leilor nao so as
allocucoes, breves e bullas do SS. Padre Po IX,
como as pa um estudo sobre os concilios em geral, e noticjas
sobre o actual do Vaticano, artigos sobre questoes
religiosa, e indicacao de obras importantes sobre
laes materias, o que torna sua Icitura nao s pro
veitosa, como interessanle.
Redigida com claresa e precisao, e impressa n-
tidamente na tvpographia ds Lisboa, em hom pa-
pel e bom tvpo, o proco da assignatura b|000
annual ott por 12 nmeros, o que nao pode ser
mais redusido e barato, para licar ao alcance de
todos, que assim terao sciencia do. que se passa
no con-ilio, ficando a par de muitas questoes e
Tactos sobre que nao poucas vezes terao de oceu-
par-sc no trato social ou no silencio do gabinete.
Recommendando pois aos labores tao ulil publi-
cacao eremos prestarlhes um verdadeiro servico,
sendo qne conveniente ser toda a animaco a
urna tal empresa.
Faltava o Sr. Diniz para flagel-
lar-uie.
Mandando a minha digni>lade, que eu diga al-
guma causa em contestacao a urna corresponden-
cia, que o Sr. Joaquim Francisco Diniz Jnior fez
publicar no Correio Pernambucano de 7 de de-
zembro prximo findo, s agora o posso fazer, por
que j me acho um pouco melhor da molestia, de
que desde enlao fui acommeitido.
Quasi sempre estou enganando-me com os h-
meos pela (acilidade que tenho de crer nelles.
Por una vez s que fallei com o Sr. Diniz J-
nior, ktfb entend que o deveria alistar no catha-
logo ilos inoci's sftttdos e delicados, porque real-
mente me euieiticaramsuas msnelras assucaradas,
e neste sentido lhe teci elogio pomposo em minha
eorrespon lencia publicada no Diario de 23 de no
vembro ilo anno passado.
Hoje, porin, j nao posso, e era devo te-lo por
tal, porque a retribuidlo foi lerrivel: este moco
de proprosito, ou talvez, por esquecimenlo, nega a
verdade do que se passou entre mim e elle, e o
meo advogado, e me pe do mentiroso.
Sim, em bom portuguez de mentiroso, por-
que a tanto equivalle essa exageracao, com que
diz elle em sua correspondencia ter eu referido a
historia da convencao em que interveio acerca do
emperramento de seu sopro, o Sr. Francisco de
Goveia Souza, em nao querer coiregar os bens,
que um accordo manda que elle me oalregue.
Ora, a termos ambos o mesmo peso, e por con-
sequencia a merecermos o mesmo grao de f e de
creoibilidade, haveria urna perfeita colliso ; por
que, de um lado, sou eu a dizer sira, e do ou
tro, o Sr. Diniz a dizernao.
Pois bom, conceda-se que eu fosse exagerado, e
pouco fiel, como quer o Sr. Diniz, deve recordar-
se de ter dito, na sala do Sr. Manoei Antonio Soa-
res o meu advogado, o assim com geste ade pezar,
e de vergonha} que seu sogro a aada_ quera
annuir, e que meu advogado nessa occasio repc-
lindo, alias pelas mesmas palavras, de que uze
no jornal, a conveniencia de minha proposta, ou
antes de minha condescendencia para com seu ?o-
aro, o Sr. Diniz disse cortamente nao sei em
que se lirma meu sogro para nao querer a cora-
posicao olTerecida I I
Assim com estes adminculos o Sr. Diniz ha de
lembrar-se, salvo se j tem embotada a faculdade
da memoria ; e neste caso para desperla la, ah
eslo os Srs. escrivo Rufino de Almeda, Leoncio,
ooares, Dr. Leao, seu dlho, e outros muiio, que
de tudo logo souberam pela forma que refer em
minha correspondencia. x
A historia da composico, de que foi modianeiro
o Sr. Diniz, andou tanto' em ordem do da no Rio
Formoso, que tratando-se della na loja do Sr. Soa-
res, e estando presente o Sr. Manoei Hylario de
Gouveia, cunhado do Sr. Diniz e lilho dj Sr. Fnin;
cisco de Gouveia Souza, disse este meu pai est
com urna tranca nos olhos.
Realmente nao esperava quo o Sr. Diniz so por-
tasse assim, mostrando unto esquecimenlo ; mas
emlim verilica-se o que disse o philosopho as
maneiras nao sao os costuraos, mas disfarcam a
falta delles I
Como se fra pouco chama-me de mentiroso
chama-rae o Sr. Diniz ainda de grosseiro e de ma-
ledicenle, no bello perodo de sua corresponden-
cia que diz assim :
Uto 6 muilo differente do quanto referi o
Sr. Manoei Elias de Moura, que ao passo que me
elogia descompde desabridamente a meu sogro,
acto aue nao revella polidez no cavalleiro, que
laes armas maneja 11
Est bonito este trecho, mais nao acceito a lieao,
ou reprehensao, porque ao Sr. Diniz Jnior falta
absolutamente aplido para ensinar-rae e compe-
tencia para admoesiar-me.
Parao que en escrevi mal encachado o ad-
verbio desabridamente da correspondencia do
Sr. Diniz: a phraze de minha- correspondencia
um pouco animada e enrgica para com o sogro
do Sr. Diniz, mas nao essa plirazo do arrieiro ou
da cosinha
E se eu a empregasse em relacao pessoa do
Sr. Gouveia. merecera desculpa, porque seria um
justo desabafo com um bomem, que tao vergonho-
saraento rae tem prejudicado, e prometle prejudi-
car-me, dizendo a quem o queira ouvir que
gastar o valor do dous engenhos, com tanto que
me nao entregue os meus bens.
Quanto atrevimento, quanto insulto, e quanta
injuria nao vai nisto!
Oleo par* medicinal de ligado
de liacalho. de Laminan *
Kemp.
Tendes alguma crianca, cuja respiracao difficil
o arquejante losse so.provas da presenca ou da
approximacao da thysica ? -Se assim lancai mi
para logo da melhor preparacao do nico antidoto,
conhecido, para a molesti i que redis. Usai pois
do oleo puro de ligado de bacalho, de Lanman A
Kemp. Entre o branco e o negro e ea dillerenca, e ambos sao os melhores remedios
de sua clas'se que se podem preparar com os liga-
dos frescos por meio do mais approvado preces-
so. A senhora Lena del Valle, de Bogte, escreve
que a sua tilha de 19 annos de idade, se achava
reduzida, segundo sua propria phrasiologia,
pedes e ossos >, em razio de urna tosse obstinada
e continua, suores nocturnos e expectoraeao as-
susiadora, p^rm qne hava sidot milagrosamen-
te curada no espaco de dez semanas com este
remedio. E o mesmo allestado relativamente
muitas mocas e yaysinhas, que primeara vista
se achavam j < quasi defunlaso, foi recebdo pe
los senhnres Lanman & Kemp, da senhora Joanna
Vives, de Caracas, da senhora Gertrades Peralta,
de Buenos-Ayres, e de oulris muitas. Nao resta
pois duvida alguma. bacalho, de Lanman & Kemp, o pulirionico o
mais poderoso e ellleaz. Acha-se de venda em
todas as principaes lojasde drogas e boticas.
|
kiiog.
duzia.


cenlo
kilog.

D
centro
>
kilog,
>
>

>
duzia

um
i
kilog.
um
duzia
COMMERCIO.
PRACA DO RECIFE 2o DE JANEIRO
DE 1870.
AS 3 1/2 HORAS DA TARDB
Asnear americano baixo 3J060 rs. por lo kil.
(hontem).
Assucar da Parahyba regular35267 por 15 kil.
(hontem).
Algodo de Pernambueo I" sorte1007 por kil.
lambi sobre Londres 90 drv. 20 d..por 1000
(papel bancario).
Dito sobre dito 90 d[v. 20 1[8 e 20 3il6 por 14
(hontem).
Goncallo Jos Alfonso,
* Presidente.
Mesquita Jnior,
Secretario.
Sociedade bancaria
em commandita
Iheodoro Simn C,
Compram e vendem por conta pro-
aria metaes, moedas naGionaes, e estran-
^eiras, tetras de cambio, sedulas do go-
verno e do banco do Bsasil.
Descontam letras da trra e outros ti
.ulos commerciaes.
Encarrtgatn-se por conta aiheia das mes-
oas traosaeces, da cobranza de letras da
-.erra-e de outros ttulos commerciaes.
heceb-m quaerqner quantias em depo
iito, em conta corrente, e a prazo fixo.
Larao do l'elourinho n. 7
ENGLISH BANK
Of Rio de Janeiro Limited
Descoita lettras da prafa taxa a con-
.encionar.
Recebe dinheiro em conta corrente e a
praso fixo.
Saca vista bu a'praso sobre as cidades
principaes da Europa, tem correspondentes
la Babia, Buenos-Ayres, .Montevideo, New-
i New-Orleans, e emitte cartas de crdito,
para os mesmos lugares.
ttUA DO COMMERCIO N. 36-
Caixa Filial do Banco do Brasil
A caixa filial do Banco do Brasil em Per-
aambuco em liquidaco paga o 32 dividen-
do das aeces po banco do Brasil inscriptas
resta caixa a razo de 9*J00O, por aeco.
ALFANDEGA.
teKdimentodcdla3ai. !,0388O4*3)0
dem do da 2 29:679*779
1,068:484*169
Cocos seceos.......cento
Colla..........kilog.
Conros de boi, seceos salgados,
demidem espichados. ...
dem idem verdes.....
tdem de cabras cortados .
dem de onca.......
Hoces m calda......
dem -em gela ou raassa. .
dem seceos.......
Espanadores de peonas grades .
dem pequeos .
lera de palha.......
Esleirs de carnauba ....
dem propria para forro ou estiva
de navio........
Estopa nacional......
Farinha de aramia ......
dem de mandioca.....
Feijo de qualquer qualidade. .
Fumo charutos .~*fr. r .
dem garres......
dem em folha bom
dem em folha, ordinario ou res-
tolho ........
dem era rolo e en i latas bom .
dem, ordinario oureslolho. .
Rap.......; .
Gomma de mandioca (polvilho).
Ipecacuanba ( ral;).....
.ingco (toros)......
CaSros ..... ... un
Enxams........
Frechaes........
Jacaranda (coucoeiras) duzia
Lenha era achas......cento
dem em toros......
Linhas e estelos......
Lour s (pranchSes). ....
Pao Brasil........
dem de jangada.....
Quiris ,........
Vinhatco costadinho de 25 a 30
milliraetros de grossura. um 16*000
dem pranchoes de dous costa-
dos al 50 millimetros de gros-
sura .........
dem taboado de menos de 25
millimetros de grossura duzia
Taboado divorso...... *
Tatajuba........kilog.
Travs.........urna
Varas para pescar.....dutia
dem para aguilbadas <
dem para canoas.....urna
Cavernas de sucupira(em obra) >
Eixos de cicupira para carro. par
Melaco.........kilog.
Mi'l de abelha.......
Mlho..........
Ossos.........
Palha de carnauba..... olhos
Peohury......... mlog.
Pedras" de amolar .
dem de liltrar......
dem de rebollo .
Pennas de eraa. ..."..
Piassava.........
Pontas ou chifres de novilho ou
vacca.......'.
Sahao .........
Sal. ... ,.......
Salsaparrillia.......
Sapatos de couro brauco ; .
Sebo ou graxa em rama .
l'l'-m era velas. .'....
Sola e vaqueta......
Tapioca. .......
{Jnhas de boi. ......
Vassouras de carnauba .
idem de piassava.....
dem de timb......
Alfandega de i Pernambueo, 22
1870.
01." conferente, Florencio D. da Silva.
O 2. dito.Jos Thomaz de A. P. Ferreira.
Approvo. Alfandega de Pernambueo, 22 de
Janeiro de 1870.Paes de Andrade.
Conforme.Joaquim Terfiliano de Medeiros.
4ECEBSDUR1A E RENDAS INTEHAAS JE-
RAES DE PERNAMBUCO.
iendiraento do dia 3 a 2i. 40:7945733
dem do dia 25....... 6573811
ki>
i

molhos
640
330
350
10#000
1*133
784
2*180
481000
24*000
12*000
16*000
12*000
136
681
92
272
3*000
320
1*090
613
681
545
2*180
170
1*703
60*000
360
1*500
5*000
95*000
3*000
12*000
6*000
10*000
102
5*000
6*000
20*000
144*000
96*000
33
6*000
400
6*000
1*000
3*500
163000
50
320
68
16
15000
817
31
18
34
4*796
160
cento
kilog.


par
kilog.
>
%*O90, LEIN. 856.
1*438 o barao de Villa-Bella, presidente da provincia
* de Pernambueo. Faco saber a todos os seus ha-
bitantes que a assemWa legislativa provincial
decretou oeu sanecumei a resolucao segu ite .
Art. 1." Fica o presidente da provincia auton-
sado a contractar com o Barao do Livrameolo, ou
com juera melhorfs garantas offerecer, J C'1DS"
truccao do-nma estrada de ferro desla dnde a
villa dojfcioeiro, com dous ramaes para laza-
reto e Victoria, passando pelos podados Laxan-
g, S. Lourenco di Mana, villa do Pao d Albo,
Povoacio de Traeunbem, sobre as coadicoes se-
grales :
g 1.a O contratante obrigar-se-ha a apresentar
planos e estudos da estrada nn praso de dous an-
nos, a eonr da dala e assignalnra do contracto.
2.- O presidente poder lazer nos planos e es-
tuuos as alteracfles que julgar convenientes hxar
a bitola e peso dos trilh >s, as draensdes das obras
darlo e todas as condicoes para seguranca e boa
execnclo da estrada e ramaes.
3.a O presidente puder fiscalisar a construc-
cao e servico da estrada e ramaes.
4.a A estrada e ramaes serao concluidas a I
no praso de 4 annos, a contar do comeco das
obras, as segundas al 3 annos depois de conclui-
da aquella.
As multas por infraccao dessa clausula e a pro-
rogacio dos prasos nella estipulados por casos
previstas, sero determinados pelo presidente
da provincia.
Art 2.a Fica o presidente da provincia igual-
mente autorsado a auxiliar a construccao da li-
nha e ramaes com urna subvencao kilomtrica de
um quarto do valor das obras oreadas, ou a con-
ceder a garanta de juros al 4 a/. sobre o ca-
pital empregado.
Art. 3.- Ser concedido ao contratante um pre-
vilegio por 90 annos para Uso e gos da estrada
e ramaes contando-se da cnclusao das obra* nao
podendo pessoa alguma construir estradas seme-
ntantes nesse praso para os mesmos pontos, nem
na direccao dos ramaes e na zona de 3 leguas
para cada lado das estradas.
Art. 4.a A estrada e ramaes e todo o material
empregado ficam isenlos dos impostos provmciaes
e municipaes. .
Art. 5. Ficam revogadas as disposeoes em con
trario.
Mando por tanto a todas as autoridades a quem
o conhecimento e execucao da presente resolucao
pertencer, que a cumpram e facara cumprir to
inteiramenle como nella se contera.
O secretario do governo desta provincia a faca
imprimir, publicar e correr.
Palacio do governo de Pernambueo, aos o de
junho de 1868, quadragessimo stimo da inde-
pendencia e do imperio.
L.S.
Bardo de Villa-Bella,
Sellada e publicada a prsenle resolucio nesta
secretaria do governo de Pernambueo, aos 5 de
junho de 1868.
O secretario
Dr. Francisco de Paula Salles.
Registrada a folha do livro de leis provinciaes.
Secretaria do governo de Pernambueo, aos 5
de junho de 1868.
O escripturario
Tlieodoro Jos Tatares.
O secretario
Dr. Joaquim Coira de Araujo.

su is mais da metade da ais
rifo prescripta.
Art: 13 As affericSes torio comero MI
outubro a dezmbro, e a revisao de abril
junho ficando porm os aedogoes obriga-
dos a reverem de tres em tres aexes.
Paco da cmara municipal do ncife, l&
d" ja lio de 18tt8.->Laa Jos Pereira S-
moes. pro-presidente.Feliciano Joaq-Mi
dos Santos.Tboonz de Aqnioo Fooceca.
Dr. Joaquim Jos de Miranda.Gosttvo
Jos do Reg,Dr. Pratedes Gocms de
Souza Pitanga. Aatooio Jos Silva *
Brasil
Approvo.Palacio 6V> governo de Per-
naatoco, 47 de agosto de 1808.As*#-
Conforme.Antonio Annes Jacome Pires.
DECLRAME*.
------------------------------------ ..... ---------------------- ^"* '
Pela recebeora de rendas imanas earas
3e faz publico que neste mes e no de tevr*r>
prximo futuro que tem logar n tipmtf, sean
multa, bocea do cofre da tase ee escravos t
exercieio rorrete de 1869 a Ifllt, cnjna donos ata
administradores morera as frffuaias desla cida-
de e as de fra, a saber : Abofadn, S. Asara
Ja>oalao, Poco da Panella, Vanea S. Loorene
da Malta e Muribeca; e que Ando o referido pra>
-era"cobrada com a mulla de 6 /-
Recebedoria de Pernaraboeo, 7 de Janeiro ds
1870.
O administrador,
Manoei Qanuiro de Souza Lmcerit
cento
duzia
35800
348
10
23043
800
340
476
usoo
204
380
768
1*200
960
de Janeiro de
242*000
300*801)
tssjoo
240400
41:452*544
00NSULADO PROVINCAL
lennimcnto do di.t 3 a 21.
Idem do dia 25
149-4901334
5:308*278
lo4:798ii
MOVIMIENTO DO PORTO.
MOVIS1ENTO DA ALFANDEGA
'oluraes entrados com azeadas
dem idem com genero?
v"oluraes sahidos com fazendas
dem idem eom gneros
-----143
92
331
----- 4-43
Descarregara hoje 26 de Janeiro.
Barca franceza lugustinar-mercadoria>.
Brigue ingiez Soluvaeidem.
Patacho portuguezPojilicolagedo.
Patacho americano -Seoritafarinha de trigo.
Es:una inglezaLj/citri/iMbacalho.
Polaca hespanhoia.Uttmtarucharque.
Prtmeramente, injuria-so o Sr. Qouveia a si |Wem restilada
Sanu Casa da M-sericordia (2), Joaquim Francisco
e Sdva Jo Frani-iseo de Figueiredo, Maris Joa-
qnina de Jess, Miguel Candido de Medeiros Pinto,
JES'SaiiKai! Pnaeres, MarceliBO Jbw Gon-
proprio, campando de usurpador do alheio, e de-
pois faz uma offensa grave aos juizos, a que lerc
de recorrer para constrange-lo.
Al agora ainda nao disse claramente, como
pretendo, que e o Sr. Francisco de Gouveia
Souza e neste caso, o falto de delicadeza, e
de polidez o Sr. Diniz, que sera o presumir of-
feude a seu sogro, entendendo ser com elle to-
das essa* perguntas que Qz, e os casos que pro-
puz eui minha correspondencia, apenas aun elle
as resolver.
E j quo o Sr. Diniz Jnior tem tanta agude-
za, e metle-se a adevinbador, e deviube quem sera
o sobrinho, que exigndo ndevidamentii,Ml3 seu
to uma lettra, logo depois, s por eicarnoo e para
atrepellar, a foi rebatera um uzurario I
Adwjnhe de quera sero urnas cartas fijue tenho
enj meu poder, dizendo-se ora ama que deu-se
tres wrobw do assoeor e ti^ewffa mel a
TABELLA dos precos dos genebos sl-ieitos a di-
REITO DE EXPORTACO. SEMA* DE 24 A 29 DE
JANEIRO DB 1870.
Mercaduras: Unidades. Valores.
Abanos......... duzia 300
Algodo em caroco..... kilog.
Idem em rama ou era la. 960
Carneiros vivos....... um ^^P^0
Porcos idem. ....... 2*000
Arroz com casca...... kilog. 68
dem descascado ou pilado 177
Assucar branco......
dem mascavado...... 208
dem refinado....... 436
Gallinhas......... uma 1*000
Papagake........ -'000
Azeite de amendoim ou men-
dobim......... litro 937
Idem de coco ....". 675
Idem de mamona. '....'. 523
Batatas alimenticias..... kitoe. 102
Baunilha.......' >
Bebidas espirituosas e farmentadas:
Agurdente cachaca..... litr.
;,n'm de canoa......
em genebra......
Navios entrados no dia 23.
Admoniquique (no Per)72 das, barca ingleza
.Wott/in, de 633 toneladas, capitao Henry Guy,
equipagem 17, carga salitre; ao mesmo capitao.
Veio refrescar.
Ilha de Fernando48 horas, vapor braileiro Cu-
ruripe, de 222 toneladas, capitao Jos Henrique
da Silva, equipagem 17, em lastro; acompanhia
Pernanibucana.
Granja e p >rtos intermedios7 dias, vapor bra?-
leiro Ipojuca, de 312 toneladas, commandanle
Moura, equipagem 30, carga differeales gneros:
companhia Pernambucana.
Navios sahidos no mesmo dia.
IlamburgoBrigue diuamarquez Chrislian, capi-
pilo Nii?lseii, carga algodo e couros.
MarsdlleEscuna dinainarqueza Addaid, capitao
Ru3e, carga assucar.
Observacao.
Suspendeu do lamaro para Lisboa o brigue
portuguez Ld ta cora o raesrao lastro "que trouxe do Rio de Ja-
neiro.
.Vflfio entrado no dia 24.
MarseilleBarca norueguense Mandaron, capitao
M. Roer, carga assucar.
Navio sahido no dia 25.
Ilhas de Paial, Boa vista e liabo-verdo40 das,
eendn do ultimo porto 30, patacho portugoei
Maria Barbosa, de 183 toneladas, capitao Tho-
maz R. Furlado, equipagem 14, carga sal; a
Marques Barros & C.
Maraanguape15 horas, vapor brasileiro AfundaA,
de 222 toneladas, commandanle Julio G. da Sil-
va, equipagem 16, carga 470 fardos de algodo;
a companhia Pernambucana.
S. Francisco (na California)108 dias, galera ame-
ricana Japan. de 1251 toneladas, capitao S. P.
Emons, equipagem 25, carga trigo; ao mesmo
capitao. Veio refrescar.
Rio de Janeiro16 dias, brigue norueguense Nor-
men, de 238 toneladas, capitao H. E. Matbeisen,
equipagem 10, em lastro; a H. Oetlli & C
Navios sahidos no mesmo dia.
S. ThomazPatacho inglcz Branch, caplo Card,
em la>lro.
HamburgoBrigue norte-allemo Saperb, capilao
H. Von Appen, carga algodo.
Observacoes.
Suspendeu do lamaro para Macei a barca rns-
sa Turku. capitao Fargelund, com o mesmo lastro
que Irouxe do Rio de Janeir >.
Snspendeu para a Parahyba a barca norueguen-
se Diamante, caplao Borehsenius, com o mesmo
lastro que trouxe de Santa Camarina.
dem alcool.
Idem cerveja.......
Ideinvinagre........
dem vnho de Caj......
3olacha fina, comprehendidos os
biscoit s.........
dem ordinaria, propria para
embarque........
Caf bom.......
dem escolha ou restolho -
dem torrado ou moide.
Cal branca. .......
dem prota ......
Carne secca ( xarque ). .
Carvio vegeta].......
Cera amarella.......
dem do carnauba em bruto. .
dem dem em velas, ....
Cha..........
kiiog.

195
390
330
300
337
600
360
660
7C
20i
476
42
959
39
27
23S
168
442
436
763
>*360
ELITAES.
4* seccao.Secretaria do governo de Pernara
buco 24 de Janeiro de 1870.
Pela secretara do governo se convida aos senhn
res qne apresentaram propostas para a con-'truc-
cao de uma estrada de ferro para o Limoeiro,
comparecerem no palacio do governo no dia 26 do
corrente ao meio dia, alim de assistirein a abertu-
ra das mesraas propostas
O secretario interino,
Elias Frederico de Almaida Albuquerque.
--------------------------------------------------------------_____i_____
4a seccaJ.T-Secretaria do governo de Pernam-
bueo, 24 e dezmbro de 1869.
Pela'secretaria do governo se faz publ'co, que
o Exm. Sr. presidente da provincia nao acceitou
as propostas apresentadas pelo engenheiro Manoei
Buarque de Macedo e o bacharel Beato Jos da
Costa Jnior para a construccao de uma estrada
de ferro desta cidade a villa do Limoeiro cora 2
ramaes para Nazareth e Victoria, por exigirera os
propouentes garantas de juros, e nao permittirera
os cofres provinciaes um compromisso dessa or-
dem, nao obstante a autorisaco para esse Bm
concedida pela lei provincial p. 856 de 5 de ju-
nho do anno prximo passado'; e por isso nova-
mente so convida as pessoas que quizerem con-
tractar a construccao da referida estrada a apre-
senlarem ao mesmo Exm. Sr. nojia 24 de Janeiro
vmdouro ao meio dia suas pronsvns em carta fe-
chada, sob as bases e condicoes declaradas nn lei
abaixo transcripta:
A cmara municipal desta cidade faz pu-
blico para conbecimento de seus municipes
o regulameuto abaixo transcripto, que se
acha em vigor para a cobranca do imposto
de afericio.
Paco da cmara municipal do Reeife, 12
Je Janeiro de 1870.
Ignacio Joa I'io-presidente.
Francisco Canuto da Boa-viagem,
Secretario.
Regulamento para as afericoes de balancas,
pesos e medidas do municipio do Reeife,
pelo novo systema mtrico decimal.
Todos os armazens, depsitos, casas de
negocio, estabelecimentos de industria de
qualquer nalureza que sejam, fixos*Ou vo-
lantes, onde se compra o venda em grosso
a a retallio, eradorias ou gneros solidos
ou lquidos, que seja necessario pesar ou
medir, ser50 o''ligados a ter collecc5es
completas de pesos e medidas, segundo a
nalureza de seu commercio, na forma do
padro do imperio.
Todas as pessoas assim obrigadas a ter
balancas, pesos e medidas, pagaro a afe-
rico da maneira seguiute :
Art. 1. Por cada metro paga rao os lo-
gistas 2$, os mascates e boceteiras i3.
Ari. 2.* Por cada temo de peso, come-
cando de 20 kilogrommos at o menor peso
4i5, por terno; come?ando di 10 kilogram-
mos, 2;5o60 por terno; comecando de 5
kilogrammos i $.
Os que excederem a 20 kilogrammos pa-
garo 40 rs. por kilogrammo,
Pesos avulsos pagarao 80 rs. por kilo-
grammo ; menos de 20 kilogrammos para
cima que pagarao 10 rs.
Art. 3." Cada marco qne n5o exceder de
meio kilogrammo pagar 80 rs., os que ex
cederem pagarao 40 rs.
Balanzas portuguezas, que nao excede-
rem a 8 kilogrammos, pagarao 500 rs. ; as
que fsrem de maior capacidade e menor de
O kilogrammos pagatao t5, e as que exce-
derem de 20 kilogrammos pagar3o 2J.
Blancas para marcos e granitarios paga-
rao 320 rs.
As romanas e decimaes com pesos at
300 kilogrammos pagara 6$, e as que ex-
cederem pagarao 10#.
Art, 4.o A colleco de medidas para sec-
eos, com oito vasilhas, comecando pelo de-
calitro meio de i-litro, pagarao 13600.
Porcolleci;ao de cinco vasilbas, comecan-
do pelo duplo-litro at meio deci-Mro pa-
garao 4(5000.
Art. 5." A col!ecc3o de medidas, conten-
do seis vasilhas para lquidos, principiando
pe'> double-litro at meio deci-litro pagar
1(5300.
P r um terno de quatro vasilbas, come-
cando de meio litro al meio deci-litro
1*200.
Art. 6. As vendas e armazens sao obri-
gados a ter tantos temos, quantas forem as
qualidades de lquidos que venderem.
Art. 7. As medidas avulsas, quer para
lquido, quer para secco, pagarao 200 rs.
Art, 8. Os que venderem pelas ras fe-
sendas ou seceos, como aseite, mel, leite,
feij5o milho, arroz etc.: pagarSo de afenco
por cada medida 32o rs< e "esaio paga-
rao os canoeros, barcaceiros e navios qae
venderem cal, sal, farinha e ootros g-
neros.
Art. 8." Os que venderem lquidos em
barris ou ancoras, sao obrigados a aferi-los
marcando no texto de ;ada um o que pode
conter, e pagarao por cada par de barris
oa ancoras o que est estipulado por uma
s vez ao anno 1$, al a prxima arrema-
tarlo, ficando livre da revisao para nova
arrematagao,
Art. 10. Por cada regra de dous meos
pagarao 500 rs. o sao obrigados a mi
parte deltas os mestres do obras, carapi-
nas, pedreiros, cantos, vendedores de raa-
deiras e todos os que por sua profissao
della possam precisar.
Art. 11. As estacSes publicas continua-
ra) a pagar as afericoes, bem como as es
faces da estrada de torro, e raatadouro
publico as balancas do arrobaco.
rt. 12. As medidas # pesos sao sujei-
tos s. revisas, qae costar metade: todos
tanta Casa da Miecrlcorella de
Reeife.
A Duna, junta administrativa da Saeta Casa a
Misericordia do Reeife manda fazer publico qae n
sala de suas sessoes, no) dia SO de Janeiro, petan
quatro horas da tarde, tem de ser arrematada a
quem mais vantagens offerecer, pelo tempe de em
a .tres annos, as rendas dos predios em seguida de-
clarados :
ESTABELECIME.NTO DE CARIDADE.
Ra ao Calabonco
Casa terrea n. 50, por anno .
Ra das Cinco Pontas.
Casa terrean. 112......
Aua do Padre FWriano.
dem n. 45........
PATRIMONIO DOS ORPHAOS.
Ra do Vigario.
Primeiro andar do obrado n. ti.
Ra do l'ilar.
Casa terrea n. 10o, por anno IWOOO
Sitio n. 5 no Forno da Cal.......- 130*000
Os pretendentes deverao apresentar no acto da
arrematacao as suas naneas, on compaiecerera
acompanhados dos respectivos fiadores.
Secretaria da Sania Casa da Misericordia do Re-
eife, 18 de Janeiro de 1870.
O escrivo,
Pedro Rodrigues dr Souza
Pela secretaria do gymoaoki Pmvincul te fe*
publico que no da 3 de fevereiro prximo vm-
douro principiarlo os trabalhos do anno lectivo,
neste instituto ; e que contina aberta a matricn
la para os que quizerem seguir o curso refalar
abi adoptado, ou frequenur as aulas qoe neli*
funecionam.
Os alumnos internos pagarao uma roensadade
de 305000 reis, os meios |K*nsonitas metade u>.
la quantia e sao oorigados a exibir, no acto da
matricula, ceidlo de idade que nao pode exce-
der a 12 annos, alera da de vaccina jeeelenmte
exigida dos oxternos, que concorrerio novn:*
com oSOOO reis, e uma vez ,atisfeitas_ess;.* pen-
soVs, por trimestre adiantad", poderlo estudara
sua esculla, qualqinr das materias qne se ensi-
nam em dito estabelecimento.
Gymnasio provincial de Pernambueo, 19 de Ja-
neiro de 1870.
Antonio de Assumpclo Cabra!
Secretario.
Kelacao das cartas registradas' vindas do norte
sol existentes na aduiinistrai;ao do corre: i.
Antonio do Sanios Oliveira, Anna Joaquina da
Trindade, Antonio Borges da Fonseca, Ani n
B. de Azevedo. Antonio Jos da Silva Brasil, An-
gusto Muniz Machado, Arsenio Cuim Catua. Bentn
Jos da Co-la Jnior, Benjamim '".onstaT.o I
Moura, Carlos n. Dampson, Dinamcnco Augusto
do llego l'.angel, Decio de Aqnino Fonseca. fjmew
Josujdos Sanios Callado, Euxebio da Caoba BwHra i
(2), Emilia Cavalcanii de Oliveira, Ki.ni;i-> J>-
da Costa Araujo. Francisca Candid.i de Miranda,
Francisco Marques da Cimba, Francisco B. Mon-
cao, Gustavo Adolpho Murffbara, GaiaVrme A
gusto Altayde, Genuino Jos da Rosa, ll-:neter
Jos V. da Silveira, lyete E. Gomes da Silva, Jo-
sepha da Silva Ramos.-Josephina de Oliveira O.-
bral, Joaquim Jo> de C. Siqueire V., J. da Silva
Lisboa, Jis Antonio Pires, J"d Dcming.i'M d.
Carino e Silva, Jos Francisco Bastos Magalhaes.
Jos do> Sanios Neves. Jos Ignacio Accwii de
Vasconeellos, Joao J. Ferreira de Agniar, befa
Franc-co Bastos de Almeda, Manoei Gomes di-
Mello g), Miguel Jo? Rodrigues, Narciso Fran-
cisco Vidal (i), Pedro Ferreira Brandao, Pira A.
Xavier de Lima, Romeu da Rocha Basto-, Ray-
mundoB. de Lima Pires, Salgado VV Xeves, seere-
Urio da directora do Imperial Insliluto di Agri-
cul rara.
THEATRO
GYMMSIO DRAMTICO
(No Monteiro)
SOB A DIRC^AO DO ARTISTA
DE GIOVANNI
QIIMAFEIRA 21 DE JANEIRO DE 197 j
3.' RECITA DE ASSIGNATURA
Espectculo em grande gala
Para soleiunlsa** o ineaoravel
anu versar, o da
RESTAURADO DE PERSAIBfJCO
Depois de executar-se
O hymno nacional
a Sra. D. Jesuina o toda a companhia carnario,
ante a augusta effigie de
S. M. 0 IMPERADOR
o novo hymno, escrpio expressamenie pelo maestro
Colas l'ilho, intitulado
ESTAl IIEi;AO DE PERMJBI B(>
seguindo-se peloSr. DeGiovanni uma
Poes a patritica.
Finda a qual ver-se-ha entre fogos cambiantes
um apparaloso "*
QUADRO VIVO
representando urna
Allegoria
anloga transcendensia do assnmpto; sauindo
ao ar, nessa occasio, innmeras gyraoJol.13 do
foguetes.
Era seguida, exhibir-se-ha o muit appiaadido
drama em 3 actos, denominado
1V1 i
em cujo, tomara parte as Sras. D. Jesoina. I I11.1
eus Srs. Braga, Taurino, Scnna,Gil Braz, Emiliano,
Oliveira, Lyra e De Gtovann.
Terminar o espectculo eom a interesante
comedia em 1 acto, ornada de msica com via
pela Sra. D. Jesoina, intitulada
Criada impagave!
exhibida pela Sra. D. Jesuina e os Srs. Braga, Gil
Braz e Do Glovanni.
O theatro, achar-sc-ha internaeexternar.i>nte,
decorado eom toda\ descencia.
U resto, de btlhetes acha so naestacao ib Heoie
e no theatro pelos precos seguintes :
com 6 ingressos, incluindo pa snpiai.
Cmante,
os pesos e medidas afferidaj Olla primera m wagn, antes c depois do espectculo, le*.
i
1
,|
(
i I
I


Diario de Pernambueo Qirarta feira 27 de Janeiro de 187&:
*
I
Camaro/, nio indurado passagera, 124.
Cridara, rom passagein antes e deputa do
repectarulo, 3|.
Cadeira, sem passagom, 2*.
Pia.-a, com passagem par antes e defflfg do
espectculo, 2.
Platea, sera passagem, 1.
O divertimeoto principiar s 8 horas.
A diroecao, comaemorando o mais importante
da, nos annaes dea Ilustrada provincia; jente,
o intimo d'alraa, nao ter tido tempo de promptifi-
car um drama novo, original brasileiro, visto, os
arti-tas que bao de completar a sua companhia,
anda nao haverem ehegado e 09 queja se achara
contratados, nao poderera vencer o estado do>
papis, que porventara tivessem de reproduiir em
utra qualquer compoa$io, que Ihes fosse inteira-
mente deaeonhecida ; todava, julga, que o espec-
tculo que preparuu, nao deve deixar de merecer
a attencao do hospttaleiro e patritico publico
pernamuucano.
THEATRO
DA
CAPUNGA.
Sabbado 29 do crreme principian os eepec-
taclos pastora sob a direccao Jlo artilla drama-
tico Pedro Baptista de Santa Rosa. Vae a scena
um GRANDE VAUDEVILLF. em dons actos o
inesmo que Coi scena no theitro de Santa Isabel
ora 1863, que tantos applausos mereceu, achan-
do-se aborta desde j urna asignatura para i re-
citas rus de Santa Isabel n. 13, sendo os cama-
rotes a 8|000 e ascadeira* a 25000 com oabaie
de 20 por cento. O programma dos espectculos
aera publicado com brevidade no qual ir tudo
ctreumstanciadamente annunciado.
PARA USflOA.
O Brigue portuguez Laia 1, seguir com
toda a brevidade "visto j ter prompta quasi toda
-ua carga; para o que Ihe.falt, passageiros diri-
lio-je ao* consignatarios, Oliveira Filhos e C, no
largo do Corpo Santo, n. 19, ou ao capitao na pra-
ca do Commercio.
t ara Lisboa.
Segne com toda a brevidade a barca portuguesa
Pern Barga, por ter qnasi. toda a sua carga
prompta : para a restante e passageiros trata-se
com os consignatarios Oliveira, Filhos 4 C, no
largo do Corpo Santo n. 19, ou com o capitao na
praca do Com mercio.
Para o lortO
a barca Flor jte S, Sitnao sabir brevmente, por-
que j tem parte da carga engajada : para o resto
o passagens, trata se com os consignatarios Car-
valho & Nogueira, na ra do Apollo n. 20.
Porto.
AVISOS MARTIMOS.
COMPANHIA BRASILEIRA
DE
Paquetes a vapor.
Dos portos do snl esperado
at o da 7 de fevereiro o vapor
Arimos, commondaote o primei-
ro-tenente J C. Duarte, o qual
depois da demora do costume
seguir para os portos do norte.
Desde j recebem-se passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir, a qual devora
ser embarcada no da de suachegada. Encommen-
das e dinheiro a frete at as 2 horas do dia da sua
sahida.
Nao se recebem como encommendas seno ob
Joctos de pequeo valor e que nao excedam a dua'
arrobas de peso ou 8 palmos cbicos de medica a
Tudo que passar destes limites dever ser embar
ca lo como carga.
Previne-se aos Srs. passageiros, que suas pas-
sagens s se recebem na agencia a ra da Cruz
n. 57 primeiro andar, escriptorio de Antonio Luiz
do Oliveira Azevedo A C.
Na agencia nao se recebem carias, so
nteressados devem leva-las ao correo.
Kisco martimo.
I!. Selvig, capitao da escuna norueguense Oal,
tendo de continuar sua viagem Lisboa para Bor-
deaux precisa tomar a risco martimo a importan-
cia de rs. 8:000jO00, pouco maisjou menos, sobre
o casco, apparelhos, victualias, earregamento de
caf, e o nte do dito navio, para pagamento das
despezas encorridas por causa de ter arribado a
este porto : as propastas devem-se entregar em
arta fechada no consulado da Suecia e Noruega
at meio dia de 29 de Janeiro corrente.
Vai sahir breve a barca Laura para carga e
p.issagc-iros, trata-se com os consignatarios Carva.
Iho A Nogueira, na ra de Apollo n. 20.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE I
Navegacdo costeira por vapor.
Porto de Gallinhas, Rio Formse e Taman-
dar.
O vapor Parahijba, seguir para os portos ci-
ma no dia 31 do corrente meia noite. Recebe
carga, encommendas, passageiros, e dinheiro a fre-
te no escriptorio do Forte do Mattos n. 12.
as 11 horas do dia cima, garntele a casa a
quem comprar o estabefeciment no caso de ser
vendido tudo emum s lote._______________
~LELA0
N. Danhersser, por intervencao do agente Mar-
tina, far leilao dos objectos dados em penhor em
toa casa travessa das Cruzes n. 3, vene dos a
mais de tres mezes, sob as cautelas ns. 7, 10, 35,
39, 55, 64, 91, 96, 104, Hi, 123, 142, 147, 148,
155, 160, 161, 171, 174, 179,184, 193, 202, 205,
222, 233, 243, 247, 264, 273, 283, 312, 338, 370,
250, no dia quinta-feira 27 do corrente -as 11 ho-
ras do dia.
Os donos dos {mencionados objectos podero
resgatalos at a hora do leilao ou reformar as
respectivas cautelas.
Nutrimento
MEDICINA!
LEILAO
da met*de do sobrado de dons
andares da ra da Cula n. 99.
Quinta-feira 27 de Janeiro ao meio-dia.
Por intervencao do agente Pinto, em seu escrip-
torio, ra da Cruz n. 38. _^^^
PARA O PORTO.
Dever seguir com a brevidade possivel a
Rarca portugueza Novo Silencio, para carga e
passageiros dirijo-se aos consignatarios, Oliveira
filhos_& C, no Largo do Corpo Santo n. 19, ou ao
capitao na Praca do commercio.
Para o Porto
pretende seguir com a maior brevidade possivel
a barca portugueza Cluudina, de primeira mar-
cha, por j ter grande parte do earregamento en-
gajado : para o resto e passageices, aos quaes
offerece ricos e excellentes commodos, trata-se
com os consignatarios Cunba Irmaos A C., ra
da Madre de Dos n. 34, on com o capitao a bordo.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
M
."VavegaeSo costelra por vapor.
Parahyba, Nata', Maco, Mossor, Ara-
caty, Gear, Mandah, Acarac e
Granja.
rfjffy vapor Ipojuca, commandante
/[/\\ Monra, seguir para os portos
-4HBB cima no dia 31 do corrente as 5 horas
da tarde. Receba carga at o dia 29, encom-
mendas, e passageiros e dinheiro a frete at as
2 horas da tarde do dia da sahida no escripto-
rio no Forte do,Mattos n. 12.
"COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
1%'avegaco costeira por vapor.
Goianna.
m* .?| w O vapor Parahyba, seguir para e
,%j4_, porto cima no dia 26 do corrente,
aBri as 9 horas da noite.
R cebe carga, encommendas, pa5sagciros e di-
uheiro a frete no esariptorio do Forte do Mattos
n. 12.
COMPANHIA PERNAAMBUCANA
D"
Navegacao costelra por vapor.
Mamanguape.
O vapor Mandah, commandante Julio, seguir
para o porto cima no dia 28 do corrente as 6
horas da tarde. Recebe carga, encommendas,
passageiros e dinheiro a frete at as 3 horas da
tarde do dia da sahida, escriptorio no Forte do
Mal tos n. 12.
Para o Porto
deve sahir no flm do corrente mez a barca portu-
ueza Seguranza, ainda recebe alguma carga e
tem lugar com bons commodos para passageiros:
a tratar com Soares Primos, ra 6o Vigario n. 9,
ou com o capitao Carmo.
TraTsboF
Pretende seguir viagem, cora maior brevidade
possivel, para o dito porto o patacho portuguez
Positivo, capitao Joo Ferreira Bastos, recebe al-
;.r,.inia carga a frete a tratar com Marques Barros
& C. no largo do Corpo Santo n. 6, 2 andar.
Porto por Lisboa
Com a maior brevidode vai sahir para os refe-
ridos portos a barca portugueza Claudia, de pri
i!.pira marcha e primeira classe, por ter a maior
parte da carga prompta, e para o resto que Ihe
falta e passageiros, trata-se om os consigna-
tarios Veras A Barbedo, ao caes da alfandega ve-
lita n. 2.
ClPAlIA BRASILEIRA
DE
Paquetes a vapor.
Dos portos do norte esperadi
at o dia 28 de Janeiro o vapor
Guar, commandante interino o
1 tenente Gremhalgh, o qual de-
pois da demora do costume se-
guir para os portos do snl.
Desde j recebem-se passageiros e engaja-se t
carga que o vapor poder conduzir, a qual dever
ler embarcada no dia de suachegada. Encommen-
las e dinheiro a frete at as duas horas do dia da
*ua sahida.
Nao se recebem como encommendas senao ob-
lectos de pequeo valor e que nao excedam a 2
arrobas de peso ou 8 palmos cbicos de medi-
5o.
Tudo que passar destes limites dever ser
embarcado como carga.
Previne-se aos Srs. passageiros que suas passa
gens s se recebem na agencia roa da Cruz n. 57
! andar, escriptorio de Antonio Luiz de Oliveira
Azevedo & C.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
De navegacSo costelra por
vapor.
Fernando de Noronha.
O vapor Coruripe commandante
Silva seguir para o porto cima no
_ dia 29 do corrente, ao meio da.
Recebe carga at o dia 28, encommendas, passa
geirose dinheiro a frete, at as 10 horas do dia
da sahida no escriptorio do Forte do Mattos n. 12
SL
LEILAO
DE
Fazendas avarladas
Quinta-feira 27 do corrente as 1 i horas em
ponto. s
O agente Pinto far leilao por conta e risco de
quem pertencer, de differentes fazendas avariadas,
como sejam : brins pardos, chitas, madapolSes e
estoupa, as 11 horas do dia cima dito, era seu es-
criptorio, ra da Cruz n. 38.
LEMO
DE
Cateados para homem
Quinta-feira, 27 do corrente ao meio-dia.
Por intervencao do agente Pint >, a ra da Cruz
n. 38.
LEILAO
DE
velas stearinas
Quinta-feira, 27 de Janeiro ao meio dia.
Por intervencao do agente Pinto, em seu escrip-
torio, ra da Cruz n. 38.
Babia
Segu com brevidade para o porto cima o pa-
tacho inglcz i. Bowley, recebe carga a frete com-
modo : a tratar com os consignatarios Lempson
Duder & C.____________________________
COMPANHIA PERNAMBUCANA
M
Navegagdo costeira por vapor
Macei escalas e Penedo.
O vapor Potengit commandante Mello, se-
guir para os portos cima no dia 31 do corrente
as 5 horas da tarde. Recebe carga at o dia 29,
encommendas, passageiros e dinheiro a frete at
as 2 Ir-ras da tar.l do dia da sahida no escripto-
rio do Forte do Mattos n. 12.
LEILOES.
De movis, lougas, vidros, ouro e
prata,
COMO SEJA :
Duas mobilias de Jacaranda com tampos de pe-
dra, um excellente relogio com msica, urna
commoJa com secretaria e segredos, urna
dita com pedra, urna mesinha de Jacaranda,
um espelho dourado, um marquezo de ama-
relio, una estante para livros, urna cama de
Jacaranda, um armario para roupa, urna ca-
deira de feno estufada, um mesa elstica de
amarello, um guarda louca de dito, um tacho
de cobre, urna gamela grande para banho,
ura quadro com uuia cesta de cera, urna ve-
neziana, um apparelho dourado para cha, um
dito incompleto para jantar, salvas, faqueiros,
cqlheres, casticae?, copos tudo de prata e di-
versas obras de ouro, candieiros para gaz,
livros, 10 caixas vioho do Porto e outrosmui-
tos objectos que estaro patente no acto do leilao.
0 agente Pinto autorisado pelos herdeiro* e
representantes de heranca do finado Domingos
da Silva Campos, far leilao dos movis, louca,
vidros, ouro e prata cima descriplos existentes
no primeiro andar do predio da ra do Imperador
n. 30, aonde se effectuar o leilao, isto
HOJE.
Quarta-feira 'O do corrente as
lo horas m ponto.
LEILAO
Da armacao, depsitos, nma batanea decimal, urna
dita de balcao, temo de pesos, moinho de moer
caf, deposito para o mesrao, 8 taxos de co-
bre, 3 caldeiroes, 1 raspadeira de ferro, tinas
fiara caldas, um torrador de caf com forna-
ha, 2 fomalhas de derreter e renar assucar.
1 coco para tirar calda, 8 resmas de papel
marca grande, 4 ditas de marca pequea e
mais pertences da refinacao da ra do Arago
n. 19.
.HOJE
O agente Martins far leilao dos objectos cima
pertencentes a refinacao da ra do Aragio n. i9,
De Jim relogio de ouro, 1 corrente do dito, 4 bo-
tos depunho, urna casaca nova, urna sobre ca-
saca, calcas brancas, camisas, seroulas, meias,
toalhas, coletes, 1 chapeo de manilha, 4 pecas
de cabo de linho e manilhas, 1 bah de couro
ainda novo, 1 malla de viagem e muitos outros
objectos miudos.
SEGNDA-FEIRA. 31 DO C0RRENTE_
O agente Martins. far leilao por autorisacao do
Illm. Sr. D. Juan Buson, vice-consul de Hespanha,
dos objoclos cima pertencentes ao espolio do sub-
dito bespanhol Antonio de Monserrat : as 11 ho-
ras do dia cima, a porta do consulado a ra da
Cruz n. 5.
AVISOS DIVERSOS.
Ama de leite
Precisa-se de urna ama que tenha bom leite
em Bem-fica, sitio do Sr. Barroca.
0 CIRURGIAO DENTISTA
Frederico Maya
Tem a honra de scientiflear ao respeita-
vei publico em geral, e aos seus clientes
em particular que elle mudou o seu gabi"
netede consultas da ra Direita n. 12 para
a do Queimado n. 31 primeiro andar, com
a entrada pelo pateo de Pedru II, onde po-
de ser procurado para os misteres de sua
profissao, todos os dia* uteis das 9 horas
da manha s 3 da tarde.
Tambem previne, que contina a prestar-
se a vontade dos clientes nlo s na cidade
como nos seus suburbios, para onde as
idas sero precedidas de ajuste. Elle ga-
rante o bom desempenho e a perfeico de
seus trabalhos, o que j bem conhecido,
assim como as commodidades dos precos.
Umbelina Nunes Machado Antunes e Etelvina
Augusta Gomes Antones agradecen) cordialraente
a toaas as pessoas que se digoararo assistir aos
ltimos suffragios feitos na capella do cemiterio
publico pela mui sentida morte de seu sogro e pai
Francisco dos Reis Gomes ; e de novo Ihes rogam
o caridoso obsequio de assistirem a algn as mis-
sas que per sua alma tem de serem celebradas no
Jia 27 do corrente mez, as 6 1|2 horas da manha.
no convento de S. Francisco ; pelo que desde ja s
confessam eternamente eratos.
Declarado.
Jos Joaquim de Castro Barroca, estabelecido
na villa do Cearamerim do Rio Grande do Norte,
f. z publico que deu sociedade em sua casa com-
mercial ao seu caixeiro Joaquim Theotonio Bar-
balho, sendo a firma de hoje em diante Barroca &
Barbalho. Villa do Cearamerim 15 de Janeiro de
1870._______________________________
CAIXEIRO
Precisa-se de um caixeiro qoe tenha bastante
pratica de taberna : a tratar na ra da Senzala-
nova n 22._____________________________
Antonio Joaquim Dias Medronno fazjpublico
que vendeu a sua botica sita ra do Raogel n.
62, aos Srs. Marcolioo Pedro de Souza Braga e
Jos Braz da Silva, livree desembarazada de qual-
quer onus. Recife V de Janeiro de 1870.
rSEPABADOPOR
Lannan Kemp
rs.*
Tisica e toda a
qualidade de do-
encas, querseja
na garganta, pei-
to ou bofes.
Exp ressa-
mente escomido
dos melhores fi-
gados dos quaes
se extrahe o
leo, no banco
da Terra Nova,
purificado chi-
micalmente, e
suas
propriedades
conservadas
com todo o cui-
dado, em todo o
frasco, se garan-
te perfeitamen-
te puro.
Este oleo tem
sido submettido
a um exame
muito severo, pelos chiraicosde mais'talen-
to, do governo hespanhol em Cuba, foi de
vulgado por elle e contem:
MAIOR PORCO D'IODINA
do que outro quaqer oleo, que elle tem
examinado
IODINO E' UM PODER SALVADOR
Em todo o oleo de ligado de bacalho,
e naquelle no qual contm a maior porco
d'esta invaluavel propriedade o nico
meio para curar todas as doencas de
GARGANTA, PEITO, BOFES, FIGADO,
Tisica, bronchites, asma, catarrho, tosse,
resfriamentos, etc.
Uns poucos frascos d carnes ao muito
magro que seja, clarea a vista, e d vigor a
todo o corpo. Nenhum outro artigo co-
nhecido na medicina ou sciencia, d tanto
nutrimento ao systema e encommodando
quasi nada o estomago.
As pessoas cuja organisaco tem sido
destruida pelas aflecces das
ESCRFULAS OU RHEUMATISMO
e todas aquellas cuja digesto se acha com-
pletamente desarranjada, devem tomar
0 OLEO DE FIGADO DE BACALHO
DE
Lanman A Kemp,
Se que desejam ver-se livres e exempas
de enfermidades.
Acha-se venda nos estabelecimentos de
P. Maorer & C, J. C Bravo & C. A.
Gaors, B. M. Barboza e Bartnolomeo & C.
KDIM
O Sr. Procopio de Sena Santiago e seu? dignos
coinpanheiros que compozeram a companhia dra-
mtica, que ha poneos dias se retirou da Escada,
onde dea algnmas recitas, muito penhoraram aos
habitantes desla villa, j pelo seu perfeito cava-
Iheirismo e fino trato e j pelo bem que desera pe-
nbaram os seus deveres em todas as noites que
subirara ao palco, e eintim pelo acto de inteira re
ligiosidade que praticarara, dando ura beneficio,
cujo producto dever ser applicado na acquisicao
de alguns objectos que a igreja matriz precisa.
Recebam. pois, esses senhores os agradecimentos
de que sao dignos, ficando certos que multas e
gratas recordares deixaram na Escada.
Um Escadense.
PEMAMt.\0.
Tcndo o Instituto Archeologico e Geographieo
Pernambucano de celebrar o oitavo annivprsario
da sua fundacao no dia 27 do corrente jandro,
pela i hora da tarde, no sallo da bibliotheea pu-
blica provincial, no convento de Nos'sa Senhofa
do Carmo, sao convidado- para semelbante effeito
em assernbla geral todos os socios que se acha-
ren no Recife, effectivos, honorarios e correspon-
dentes.
Nao conhecendo o Instituto a sede das difieren
tes associacocs litterarias, scientiHcas, artsticas t
de beneficencia que ex i-tem nesta cidade, tem
honra de convidar pelo presente ediial a cada
urna de taes associacSes a assistir solemnidadt
do da 27, ou a fazer-se ahi representar.
E para conhecimento das corporacoes ou pes-
soas que tiverem de ornar a sesso com a sua
palavra authorisada, aqu se transcreve a ultima
parte de artigo 28 do regiment do Instituto :
< Se na sala existem socios on pessoas outras
qne desejam ler alguraas memorias interessantes,
partecipam-no ao secretario perpetuo, para este
prevenir o presidente, o qual d a palavra aos au-
tores das memorias; a leitura de cada una das
quaes nao pode estender-se alen de meia hora
Purera nenhuma memoria ou trabalho pode ser
appresentado e lido em sesso publica, sem que
antes seja submettido a urna commisso de exame
para isso nomeada. a qual tem voto decisivo sobre
a conveniencia ou inconveniencia da leitura.
Secretaria do Instituto, 17 de Janeiro de 1870.
Jos Soares de Azevedo,
Secretario perpetpo.
AMA DE LEITE
Precisase de nma ama de leite: aa roa *J
Vigario n. 26, j*ndar. ______________
Precisa-se alugar nm preto para entregar
pao e bolacha, assim como tambem se precisa 4e
nma ama par cozinhar. paga-se bem : a tratar
na padaria-da ra do Livramento n. 31
Aluga-se urna excellente e fiel escrava para
comprar e cozinhar em casa de familia : quem
precisar dirija-se eta Santo Amaro ao sobrado jun-
to do cemiterio inglez.

O advogado Dr. Antonio de Vas-
concellos Menezes de Drummoud, |
mudou o seu escriptorio para a ra S
do Imperador n. 20, onde pode |
ser procurado para o exercicio de I
sua profissao em todos os dias
uteis das 10 horas da maohSa at
as 4 horas da tarde. Fura dessas
horas, e para qualquer occorrencia
urgente, ser encontrado no seu
domicilio, ra da Aurora n. 26.
Marreca desapparecida
Do quintal do sobrado n. 43 da ra do Brnm
desappareceu urna marreca (ave de penna: quem
levar mesma cass cima ser recompensado.
O advogado Francisco de Paula Penna conti-
na no exercio de sua profissao, ra do Quei-
mado n. 29, onde pode ser procurado de 9 horas
da manha as 4 da tarde.
hiffuel.
Aluga-se a toja do sobrado por acabar, tendo
travejado confronte ao hospital Pedro II, nos Goe-
Ihos, muito proprio para qualquer estabelecimenlo.
tem porto de embarque junto da porta : a tratar
na ra do Mondego n. 13, otaria.
O.W5 O
si -i
sS 3
m
re g*5 S3
re E'o 5
re i o s
9 2.- a
M a> '
c _
l O O "
W jg "S s
B ^- 5- >
C3

P
o
O a
u 5
"1 rs
ipil
o' 5 M S
i-si-"I
m re __ pa
S ff Si w
" o- a, a
o>" 2.P
s
lili
vH
' tsa>
e> ~
11
Q.2.S
re i
O re as
8.
os
o
^1
*0
INDEMNISADORA
Sao convidados os Srs. accionistas a reunirem-
se em assernbla geral ao meio dia de 29 do cor-
rente, no escriptorio da companhia, para Ihes se-
rem apresentados o rea torio e contas das opera-
edes relativas ao anno lindo.
Recife, 25 de Janeiro de 1870.
Os directores,
Francisco Joo de Barros.
Antonio Jos Leal Reis.______
Ao commercio.
Joaquim Silverio de Souza & C. declarara ao
commercio que desde o dia 31 de dezembro prxi-
mo passado deixou de fazer parte da sociedade
que tinham na loja de fazendas ra do Livra-
mento n. 30 o Sr. Jos Francisco Moreira, ficando
a meu cargo o activo e passivo da sociedade. Re-
cife 24 de Janeiro de 1870._________________
Precisa-se de um earrceiro para tomar con-
ta de bois e carro para o trafego de condcelo de
lenha de Beberibe para o Recife todos os das : a
fallar no escriptorio deste Diario. .
Precisa-se de um caixeiro de idade de 14 a
16 annos, e que afiance sua conducta, se tiver
pratica de refinacao se prefere : a tratar na ra
Direita n. 10____________________________
Aluga-se a casa terrea da ra de Henrique
Dias n. 16, vulgarmente contienda por Estancia :
a tratar na ra da Cadeia n. 39.
Na raa da Penna n. 11, 1" andar, alnga-so
nma escrava para todo o servico de urna casa d-
familia.
1870
FOLHINHAS
Aeafc* 4e iwhlr A Las e ach**
vewto *
LIVRARIA FRANCEZA
Ru do Crespo TV* 9.
u ttaiaM hlklikia
ANECDTICA E RELIGIOSA
PARA 0 ANNO M 1870
PREGO B.8 O .
Bnawaap

AVISO
tot contalescente* e t fetstas
rucas e debilitadas
QUIHIUB UBARRAQUE pprotado
pela Academia imperial de medid d
Pirii o inico por eicellencU.
fr*|
era RioJna>o, Duponcktlle; CtioMl.
em runiiuou), llaurer i "
THEZORA DE OURO
DO
AMA
Aluga-se para casa de familia urna escrava ro-
busta, boa engommadeira e cozinheira, tendo j
bastante pratica por ter servido em casa estran-
geira e brasileira : trata-se na ra da Matriz da
Boa vistan. 26.
Caixeiro
Precisa-se de um caixeiro de 10 a 12 annos, que
tenha alguma pratica de balcao, preferindo-se
portuguez : a tratar no piteo de S. Jos n. 51, ta-
berna.
Officiaes de barbeiro.
O salo de cabelleireiro do Jayme, precisa con-
tratar efficiaes de barbeiro.
A' ra do Queimado n. 6, primeiro andar
8 pessoas para o servido e o maior acceio nos trabalhos- di* barbeamento.
0 sallo estar aberto, nos dias uteis das 6 horas da manha s 9 da nou-
e, e nos dias santificados das 7 a 4 hora da tarde.
Jacintho Medeiros dos Sautos e Jos Vences-
lao da Cost previnera ao eorpo do eommercio, que
teera resolvide dissolver a sociedade que gyrava
sob a firma de Santos & Costa, fi cando o activo e
passivo a cargo do socio Jos Venceslao da Costat
Povoado dos Afogados 31 de dezembro de 1869..
Alugam-se os segundos andares das casas
ns. 35 c 39 roa do Imperador : a tratar com
Luiz de Moraes Gomes Ferreira.
PORCELANAS
Apparelhos de porcelana branca com-
pletos para jantar com 282 pepas a 180$.
meios ditos ditos a 90$, e apparelhos de
ditos para cha, e caf com 34 pepas 16$*
pratos de porcelana branca para mesa a
5$. ditas para sobremesa a 4$, guaenipoes
para lavatorio de porcelana branca com 6
pepas 6$ e 8$ e militas outras pepas que
se vendem por commodos p epos e garan-
te-se a boa qualidade da mercadoria.
W M lf 1MTR11N. B, I.' ANHI
RA
DO
CABUG
esquina
da ra larga do
Rosario.
ANNEL DE OURO
IRITA
EO
______de JOiUfii i CAMA
Este importante estabelecimento no seu genero, tem sempre um sortimento sem igual.1 esquina
e vende por prepos que nenhuma outra casa pode vender. da'rua lar erado!
vista da qualidade e do preqo das joias cada um pder-se-ha convencer da verdade.1 : ^ |
Garante-se ser tudo de lei. Compra-saioura, prata e pedras finas por prepos muito ele- Rosario,
vados.
A loja est aberta at fts 9 horas da noute.
u

DATA INCORRETA
'"rT7vT


>
Dkb de Peraambuoo Quarln fei** fc? de Janeiro de 1870
=r^=
[Tiuniununijriiu.r

o
I
B
O"
o*
o
o>
O.
ce


a
O

f
O.
2.
s
O.
ce
3
a.
a
2.
P3
D
a.
o
a.
i
a
g
a.
3
a.
o
.
S
o
a.
o
-i
f
a
1
a
3
%
5
a
O
a.

g"
O
tu-
co
-l J -
ET 3
u
I
t
-4
"O
a.
a
a-
a
2
a
3
er
o
o.
a,
CA
"1
a
09
>
c
3
3
o
a
3
c.
09
Wl
a
B
00
a
ai
8-
8-
I
&
c?
o
M
Bao
o*
"1 **
a>
a
H
i
|.i
B "
o?
S ??
a E&fe
i- =
-c-o
cj as
-i i
a o
e&
:/. co
a
.
a 3
o o
8 3
a, S
0
o
tJ
cr.
oa
3"
I
a.
a
a
a
a
a
*
B

3
3
3
til
09 U
a. a. m
o o a
0 <
re os o
2. oo"
CD
n, **
a-a
o = g
(0
t3 a.
ti y
3
lo
en 3
09
09- 3
al
5 "
3 3
*3 09
5 S
09
*j
s>
o
-I
rs sr.
II
?3
So
a'a.
o
o. ^
amo
^33
O- (T-
B
a
s a.
3 *
> a
o -
3
"O
o
-1
09
a.
a.2-
oto
B
3
V.
a
2.
"
09
B9
3
C2 PJ
09 a
C6
2 -i
I
3 |
a
a
_ a
H
o
a r
-a" r
s
S-2
3
3
en
I
B
a. cj
a.- 3
i9 "i
fff
e.a
S5 3
a.1
I
o*
a
a
en es
a a
en s5 sr
"* -5 O"
ES ZZ CJ
a--
O -9
en
a
es
o
> 09
en
CW
C 09
en en
y.
\
o ?
-1
en a
O !
a
a. r-
a-a
a a
a
-5
a
-3
a
es
09
ct>
a
a
3
3
a-
09
en
g
3
a
3
09
r>
3"
09
3
=>
a
5"
O
a.
ct>
.3
f
-o
B
P3
[INSTANTNEOS
Traversa doCorpo Santn.23
AIMAZE
Ra Nova n. 38, loja.
Bandeira, Machado 4 C avi^m ao reipeltavel
publico i|ue nos tugares cima encontrar no mes-
mo sempre grande quaniidade de ditos poro, e
que so acham habilitadas para vender por menos
que oulro qaalqoer, por isso que os recebem di-
rectamente do labricanie Norton, de Londres.
As vantagens que otfcrecem os pocos instant-
neos sao : primeiro, poderem ser collocados den-
tro de casa on fura, com o irabalho de urna a duas
horas; segundo, forneierem os raesmos agua pu-
ra e abundante, podeudo serem removidos de um
para oulro lugar, quando assim confier.
Os annunciantes s reeeb.rao a importancia dos
referidos poc-* depuin de collocados, sausuzendo
especutiv* do comprador.

P*
3 c-r; = i;
^P 3-a__S ** a w

a. O
3 2.
Q9
= r*
f||
la t r.
I- i
5 =
-. m
3 >
co
3 3
u UM
< a.'a cb
c o JS
S "' g"^!2 Si o
_ -i 5 > 22 = 3
g-3 o> sg-r
oj o ^
a-" 2-2 cdS
n 2 Q. ^
2?fa
w o 5 ^* o*
* n> o o o
S .%. s 51 1 s 5 3
3 o CC tt es r? -
Bg
rt

Q.
f/3
M
a.- 2
a c ix
2 a
09 3_
--
o Ct,
2; 3 .
-- o a
Ir "!
i O O
B =
o
sao
a 5 >
3
- 3*
a. a o
a o a
*^
2 Ib a-S"
a _^ o c o-
^- ^ OS -*
^o a a-
i "5 en a

Nao Hiais cabellos brancos.
A tintura japoniza para tingia os cabellos
da cabeca e da barba, foi a antea admiltida
Exposico Universal, por (er sido reco-
nhecida superior todas as preparacoes at
hoje existentes, sem alterar a sade.
Vende-se a lc50t)0 cada frasco na
Rna da Cada n. 51.
1. andar.
Hospital Portug^uez
de Beneficencia.
A junta administrativa do Hospital Portuguez de
Beneficencia, ropa a quem se julgar credor do
mesmo hospital a apresentar a sna conta at o
dia lo do corrente, ao respectivo esmoler, para
ser in continente paga.
OSr. Antonio Pereira de Souza digne-se
comparecr na Inja do Passo a ra do Crespo n. 7
i negocio que nao ignora: isto com urgencia.
LOJA DE J01AS
IJB
&c
iSte antig*o estabelecimento, complet-
bate rtbrmado ie novo, est as condi-
s de servir vantajosauente os seus fre-
^aezes, visto que acha-se prvido com um
xslendido sortimento de obras de ouro e
..trata de le, assim como brilhantes e ou-
ras pedras preciosas, jujos presos sao os
aais mdicos que se pode encontrar.
As joias compradas nesta casa recebem^
8 em troca ou ompram-se com nequeno
bate.
il 5 BA DO CABliliA N. S
CASA FELIZ
Aos 20:000^000
%o Reclfc arco da Coacciono *
Os abaixo assignados teudo-se habilitado m
(orma das leis, tem exposto a venda os seus feli-
ces bilhetes das loteras do Rio de Janeiro, na casi
icima, aonde se pagaro as sortes que sahirerr
nos mesraos mnete?, com o descont somentf
ia le.
PRECOS.
Rilhcte inteiro 2-iOOO
Meios 12*000
Quartos 6000
E de 100* para cima a S*| o hflhete.
_______________' Fipueiredn & Leite.
- Em casa de TH0D0RO CffRISTi-
iNSEN, ra da Crui n. 18, encontram-st
iffectivamente todas as qualtdades de viobr
ordeaux, Bourgogne e do Rtaeno.

Joaquim Jos Gon-
(?alves Beltrao
RA. DO. TRAPICHE If. 17, > ANDABt
Sacca por todos os paquetes sobre oBau-
x do Miaho, em Braga, e sobre os segaa-
3 logares em Portugal1:
Lisboa.
Porto.
Vatenfa.
GuimarSes.
Coimbra.
Chaves.
Viseo.
Villa do Cond*-
Arcos de Valfle Vez.
Vianna do Gastelo.
Ponte do Lima.
Vffla Real.
Villa-Nova de^Faipaltclo.
Lamego.
Lagos.
CovilhSa. i j
Vassal (Vipassts). *
Mirandella.
teja. v____________________
Na praea da Independencia n. 33 se da di-
heiro sobre pentiores de ouro, prata e pedras
jreciosas, seja qnal for a quantia ; e na mesms
:asa se compra e vend objectos de ouro e prata.
i igualmente se faz toda e qualquer obra de en-
ommenda, e todo e qualquer concert tendenu
i mesma arte.
MARTIMOS
GUSTAVE
CABELLEIREIRO FRANCEZ
51Ra da Cadeia do Recife51
Chama a atleneo dos seus innmeros fregwrces, e do respeitavel pablico cb
geral, para a seg-nnle tabella dos precos de sua casa, os quaes sio vinte por cent
mais barato do qae em outra qualquer parte:
Cabelleiras para senhoras a 25(J,
30#, 355 e......t 40,5000
Ditas para homem a 35^, 4 Coques a 12c?, 154, 18& 20c?,
25,5, 304 e.....504000
Crescentes a 124,154,184,204,
Cadeias para relogk) a 54 64,
74,84\ 94, 124 e. .
Corte de cabello,
Corte de cabello com fricejo.
15400
501
501
254, 304 e.....324000 Corte de cabello com lavagem a
Cachos ou crespos a 34, 44, 54, champou...... 1,500*
64,74, 84, 94 e. 104000 Crt d cabellcom IimPez da
Tranca de 'cabello para annel a cabeca pela machina electri-
500 e....... 14000 ca u0'03 em Pernambuco. .
Tranca Para braceletes a 104, Frisado ingleza ou franceza.
154,204. 25 e.....304000 Barba. ,......
,. ASSIGHATURAS IttENSAES
Especialidade de penteados para casamento
Bailes e soiores ,
rW
m
0 dono do estabelecimento previne s
Exmas. Sras. e aos cavalheiros que ha um
Recommenda-se a superior TINTURA A
PONEZA para enegrecer os cabellos e bar
sal5o para tintura dos cabellos e barba, as- Da> unica admittida na Exposiclo Universa
o ,nmA ., nm~~n~~A~ a M)mo na0 Prejudicial sade, por ser vo
s.m como um empregado smente oceupa- ,lt,t anaIysada e approvada peias acade
do nesse servico. mas de sciencias de PARS E LONDRES
.EREIOi
1
|N. 82RA DA LWERATHIZN. 82j
Odilon Duarte, cabolleireiro, tendo se
r> dcs|iedidii da casa de sen cunhado o Sr.
B ('arlos Dnbi is, onde trabalhou por es paco
I de de?, annos, acha-se eslabelecido ooni
casa de cabrlleireiro ra da Imperatriz
n. 81, promptn a satisfazer qualquer en-
i comuienda tendente a sua arte.
Hi-K
rmmmMm
Pr cisa-se de nm homem portugn< para
feltor de engenlio ; a tratar na ra da Cruz n. 8,
Io andar.
Ra do Coimnercio n.
5.
Jos Fraacista Ribeiro de Souza, direc-
tor d'esse instituto de educaco e instruc-
cao. faz siente ao respeilavel publico e
particularmente aos.pas de seus alumnos,
que a rMbertura das aulas de instrucc3o
primaria e secundaria ter lugar em o dia
10 do andante.
0 programma do ensino ser de confor-
midade com o decreto n. 4430 de 30 de
outuliro de. 1809.
Admitte alumnos pensionistas, meio-pen-
sionistas e externos.
i
B
o
o

-
O
B
C3

& g ^
p
B ^
t
d
it
t= Cu
15 ce
CS oo
k a2
fsm^
6 i"'
Jos da Cruz Santos e seus filhos menores con-
vida m aos seus prente? e amigos para assistirem
a celebraco de algomas missas e memento, que
mandan) resar na igreja da veacravel ordem ler-
ceira do Carmo desta cidade, pelas 7 horas da
manhaa do din 28 do corrente, por oc*a*io do
primeiro anniversario do Wlecimento dsua sem-
pre chorada esposa e mai D. Francisca Senhori-
nha de Oiiveira Santos, e desde j dirigem seus
sinceros aradecunentcK a todas aquellas pessoas
que se dtgwrem prestar ersa otflcio de caridade,
rerominendado pela nossa santa religo,
Convidam a qualquer Rvm. Sr. sacerdote que
se apresentar, para celebrar, segundo a inten^ao
cima, na n tond igreja do Carmo.
COMTRA FOGO.
A Companhia Indemnisadora, estabelecid.
esta praca, toma seguros maritimos sobn
aavios e seus carregamentos e contra fog*
jm edificios, mercadorias e mobilias:
ra do Vigarioo. 4, pavimento ter eo. .
Precisa-se de um co/.inheiro ou cezinheira :
ia ra do Imperador n. 73, 2" andar.
Precisa-se alugar pr mez urna prela que
mgomme bem : na ra Nova, sobrado n. 39.
Precisa se alogar com brevidade por mezes
ou por armo, urna casa em Apipuccs, (ue niio seja
na povoarjaa, ou na Torro, Derto da estacao: a
tratar na ra da Imperatrii, loja n. i4.
Preciosa ublicaco
jurdica,
Coinmenlario do Cdigo Commercial Porlu
guez e Brasileiro.
Vende-se na loja da ra do Crespo n.
23 A esquina da do Qneimado, a impor-
tante e moderna obra sob o titulo de an-
notard~es ao cdigo do commercio portuguez
em (i volumes pelo Exm. Sr. conselheirc
Dr. Diogo Pereira Forjaz de Sampaio Pi
11 entel,-lente cataedraiico na umversidade
de Coimbrx. Os subidos crditos de que
goza muito merecidamente aquel le eximio
commercialisla por si s bastariam para re-
commendar to importante obra, quando
tio coneorresse mais para isso a grande
vantagem de ser um ptimo commenlario
ao codito commercial brasileiro (na falta
absoluta que ha de qoaqaor nutro) pelamo-
xima homoeneidade de entre militas das
shhs disposices, e as do memionado cdi-
go pwrtuguez, que lbe servio de texto.
1 cu rei pressurosos, distincta moridadt
do 4. anno da Faculdade de Direito desta
cidade e notareis jurisconsultos, a prover-
vos desse poderoso auxiliar para vossos
tralialhoeda sciencia, e pelo preco commoda
de 204. toda a obra era 6 vol.
SnfeflaBe pnbtcaco litierarla
sob o tituio de Memoria do
Bom Jcsiis do Moate, eui
Acba-ne venda na- loja da rna do Cres-
po n. 25 A, esquina da do oucimado a pri-
morosa Memoria do Bom Jesus do Monte em
Braga, ornada de gravuras linas, segunde
editao, obra da penna de ouro do mui Ilus-
trado lente da universidade de Coimbra, o
Exm. Sr. conselheiro Dr. Diogo Pereira
Forjaz de Sampaio Pimentel. Quem tiver
noticia da extraordinaria devoco que exis-
te em Portugal para curn aquella milagro-
sis-111,1 imagem, affluitu'o sempre para o
seu magestoso templo em rom na o nume-
roso povo de todas as panes desse reino;
quem souber avahar as brilhantes descrip-
ces, e o bello esludo daquelle consumma-
do jurisconsulto e eximo Ijtlerario portugue?
5o deixar de procirrar, quanto artes pro
Ter-se de um exemplar da dita memoria..
elo diminuto preco de 34, na loja indica
a, onde ha pequeo numero bellas.
Na mesma lop cima ha ontras estampa,
muito perfeitas e grandes do dito Senhor
Bom Jesus de Braga, oor preco commodo
DAVID WILLIAM BOWMAN
Partecipa aos senhores proprietarios de engenhos, que acontecendo faftar-rhe
igoa ou animaes pira a moagem durante a presente safra, elle tem vapores promptu*
wra asseotar, sem precisar de obra nova ou demolico de obras existentes, e qui
)de botar taes engenhos a moer oito'dias depois de estarcm as pecas do vapor nt.
uigenho, garantindo-se o trabalbo. '
Fundiqo, ra do Bram n. 52, passando o chafariz.
da rna
2, pri-
Wa !ra\essa
1 das Cruzcs n,
meiro andar, da-se di
i nhelro sobre penhores
I de ouro, praia e brilhan-
3 tes, seja qnal for a pan- SIS
lia. ^la mesma casa com-
1 pram-sc os mesmos me-
lacs c pedras.
FUMO CAPORAL.
Chegado pelo ultimo paquete.
Marca Civette
Livraria francaza.
Correspondencia de ortugal.
Os abaixos assignados previnem aos senhores
a;signantes deste jornal que de jaaeiro prximo
futuro em dianie a dislrilmicao sera feita no largo
do Corpo Santo no caf do Sr. Pestaa, onde os
mesmos senhoresassignantes mandarao pagar des-
de j a assignatnra do anno prximo loOOO
por 2'i nnmeros contado do numero que condu-
zir o paquete de 8 de Janeiro prximo futuro ao
de 14 de Janeiro de 1871 Numero avulso UOOO
reis. Os recibos sao in>prefsos e tirmados pelos
baixos assignados. A distribuicao do jornal para
os ase ignanles s se tara a aquelles que teuham
j pago sua aonualidade.
AGENCIA DE COBRANCAS g
BAIRRO BK SANTO ANTONIO. v
Rna titirita do Hosario n. 17, 1 ambir. $&
Director gj
LEflP0LWS0A3T0NI0WF0NSEC.\'g
Nesje escriptorio recebemse procura- ^*
roes para cobranra de ordenados e con-^^
gras, liquidacao de contas de pessoas do cJ
centro coro ontras desta pra^a, bem assim ^
de arrendamentos de predios, para agen ^l;
cia de cansas civeis, primes, commer- gt
ciaes e (eclesisticas em qu^eja neces- %*
sario constituir os mais concenuados- ad- X"-,
vogados e procuradores que melhcr gii- ^
rantam os direito? das partes; para sol- j$
licitar ttulos n patentes na capital, cu s
manda-Ios vVt da corto, etc. etc. HE
Das cobrancas e compras sobre as 5^
qnaotias liquidas '! /, t sobre o mai K?-.
mediante previo ajuste. S
As entripas de qna sqner encommen- %*
das e tilulo< so serofejtas aos seus pro- V^
prios dono* pessoas por estes autorisa- cJL
das era caNas de ordtm e mediante re >j5>
cibo? legalmente passados. rt<
w-mmwmmwmmv, &
CURSO PE PREPARATORIOS
"NCLUSIVE I
Ra da matriz da Boa-vista n. 28.
MensaKdade 6*000.
s.
Bichas hamburgueza
Neste novo deposito recehe-?e por todos paqne
*s translanticos bixas de qualidade superior, ver
leseem caixa ou porcao mais pequena e ma -
barato de que qualquer.outra parte ; na ra 1
Cadeia do Recife n. 51, Io andar.
COJLIiEOIO
DO
mi
,3-
2
n

i
o
so
??Jf*
2
d
-S-*9 B
B *2'
1 Sftr-* g
i
Ao publico e corpo do com-
mercio.
Miguel Joaquim da Costa A C fazem sciente
qoe nada devem nesta praca, e se alguem se jnl-
gar credor, sirva-se tirar suas contas para serem
conferidas e pagas, no praso de res das, assim
como scieMiem que venderam o estabelecimen-
to que tin am na ra da Senzah nova. n. 4, tican-
do assim extincta a lirma cima. Reeife ii de
janeir de 1870.
Precisa-se de um <-aixeiro de 18 a 20 annos,
de capacidade, que d Mador a sna coBducU, pois
nao se importara dar um bom ordenado : na ra
do Principe n. 40, Boa-vista.
CASA
DE DIPOBJACAO E EXPORTACO
. J, raitoifui:
Escriptorio, ra do Vigario n. 5,
! AWDAR.
Precisa-se fallar na ra do Crespo n. 17, a
negocio de interesse, com os Srs. Jorge Doweley,
Francisco Pereira de Arruda Cmara (senbor de
engenbo).
A directora desse collegio, Josepbina Benvmd;
da Cunha Soulo-Maior competentemente habilitad;
pela directora geral da instnceio publica, avls;
ao respeitavel publico, que acha-se seu collegii
estabeiecido ra da Imperatriz n. 63, cuja ma-
tricula abrir-se-ha a 10 de Janeiro prximo tature,
e ofT-rece seu prestimo aos pais de familia, asse-
veraodo-lhes seus bons desejos, <|ner a resp iito di
ensino, qoer da edueacao de suas filtias. O pro-
gramma dos estatutos leitnra, escripia, arithme
tica, systetna mtrico, lingua nacional, franeez
geographia, msica vocal e piano ; para o qiu
llavera professoies e professoras competentemenb
habilitados. Tambero se ensinar bordados, flore-
de varias qualiiades, inclusive as de cera, edansa
Casa de comroisso ie escravos.
Na antiga casa de coamisso de eseravos, o
abaixo assignado, ra do lmiierador n. 45-, cenii-
nua-se a n seker eseravos por oomminsao, tanti
do mato como da praca para seren vendidos, t
garante-se o bom tratament o prompta venda
para o que se-em prega todos os esforeos afim di
sasfazer em tudo s pessoas que o quizerem hoB-
rar coro sua cootiaoea. Nesta casa ha sempn
para vender eseravos de ambos os sexo-, velhos i
mogos, assim como ha t da segranos, para os ter.
Antonio Jss \. de Souza.
AMA
Na. ra do Codorniz n. 8. precisa-se de um;
ra a que saiba co.-inhar.
Telesphoro Marque? da Silva Jnior nao po-
dendo despedirse pessoalraeaie de todos os seus
amigos, o faz peta prsenle, flerecendo o seu di-
minuto prestimo na cidade da FortaJeia da pro-
vmcia do C.ear, onde vai residir.
Precisa-se de um cozinheiro que saiba bem
devempenlr as suas obrigaeoes : a tratar ao pa-
teo da ribeira de S. Jo- o. 9.
m 9 "5 ft> 5
Preeisa-88 da urna pessoa para crregar um
caixao eom raiudezas e para vender pelas roas,
encravo na Kre : a tratar na ra da Imperatriz
n. 74.
Jr-ews-^e de um eseravoi qae emenda de
padaria (rara a padaria da ra da Florentina n. '!
Na mesma |ire nsa-ae de ama ama qne jaiba eozi-
nhar e enfrummar.
Na ru < da Alegra n. 10 preeisa-sa da nina
ama para comprar, coznhar e engommar, para
pequiHia familia, prefere-se scrava, e pw**
agradando.
Preci&i-se de um amassader que ir^hripue
a entregar ies a fregnezia :na padaria ahrna
em Santo Amaro.
CASA DA rORTCSA
Aos 4:0001
Bilhetes garantidos.
\ ru do Crespo n.23 e casas do costme.
0 abaixo assignado, tendo vendido alm de ou-
iras sontas, um meio a 3487 com 4:000* da
lotera qoe se acabou de extrabir a beneficio da
igreja de Nossa Senhorado Amparo da cien de de
Olinda (134*) convida aos possuidores virem
receber na conformidade do costume sem descon-
t alcum
Acham-se a venda os felices bilhetes da 14
arte da lotera beneficio do patrimonio dos
"rphaos (433'), que se entrabir sabbado 29 do
corrente.
Precos.
JOs do costme.
O bacbarel Antonio Colombano Seraphico g-
Assis Carvalho hoje o propietario e directo/
desse instituto. Pretendendo dedicar-se excli.-
?ament, ecotn todo zelo e solicitude aos trabalbo
proprios dessa profissao, espera que os paes do
aetnaes cotlegiae? o hnnrnro com sua ronfianc
e bem assim que acolherao o seu estabelecimenl
aquelles qne precisarem de eollegio para educo-;,
de seu? filhos oo protegidos, cerros de que o c
tual director se esforear nao s para manter
bom nomee crdito, que desde muitos annos go?a
o referido Instituto, como tambem para imprimir-
me novos mel hora mentas.
No dia 7 de Janeiro Uo anno vindouro tora lu -
gar a abertura de todas as aulas de instrucr'
primara e secundaria.
pisaba assaaQSGffia
TNICO DB1.SUC.
O Tnica Delsuc qoe iV.e- aprsente ao pablir.
depois. porm, de um severoexame e de reilerada--
experien -is, tendo a eerteza de que possue* un
supenoridade incontestavd a todas as ontras pr;
paracoes, (pie at hoje teein apparecido, recom-
menda-se por sua boodade. e pelo briibante lus-
tro que produz nos cabellos, tirando immediata
mente todas as caspa;* e coceiras, fazendo com qu^
appareca era boro estar impagavel.
Fsta agna compSe-se de substancias cuidadosa -
mente escolhidas, purificadas, e eonfeecionnda-
com' o maior cuidado, e alm disto combinadas df
modo tal a d*r-lhe urna aeco verdadeirameai-
eJhVaz. consoladora e#benigna.
D.rrama-se esta agua na cabera e esrrega-s.
levemente ; iminediatampole liclm os cabello
limpos e com um brilho magnifico.
P. S.Someuie ha venda em casa do autor,
.TOBE DELSC,
Mano! Martin? Fi".
Precisa-se de um menino pequeo com per
tica ou aom Da para taberna : no paleo da Pe-
ora n. 6.
Machinista e foguista.
Precisa-ee de serralheiro ou outro que entenda
de machinas a vapor para tomar conta de umn no
ehgenho a fallar nn ra do Brum n. 52, passando
o chafariz, fundigo do Bhwmen.
CUBX. ,
De ordem do Ufan. Sr. presidente, convi- ^belleireiro, ra do Crespn. 7 A, pnmeir
do os Sra\ socios a reunirem-so-iun assem-
bla geral quarta-feira 26 do corrente s 6
1/2 hora* la tarde no salao do Jub Pe**
nambucano para a approvacio do flgurino
proposto pela directora.
Outrosfm previo aos Srs. socios qoe de*
veraomssa occasio apresentar su>s pro-
po las nesse sentido para sen m sqjeitas a
competente discus.sn.
Recife, 21 de Janeiro de 1870.
0 4 secrlario.
i. GuimarSfs.
m
0 Dr. Ignacio Firmo Xavier medico f
tem o seu consultorio na ra das Trinxet-
ras n. 50, 1 andar.
Amn
Precisase de urna ama para cetinhar
da Ca ieia n. SO.
na ni.'..
. '
Moleque
Precisa se singar um hmn moleqae
bem : na ra larga do Rosario n. 44.
paga *
Aliiiii se dook es-ravos (ra Uabaarem.
dormindo em casa do -enhor, sio carneceirns e
Ih^m m t 'do^ -ervicu por estarem acostn
i : a t' llar no Arraial. sitio de grade e por
lao o> f. rio, defrome de am muro e auoftwiras
^SOOEDADE MO .TE PI POPULAR
PErW\MBCANO.
De ondam da directora convido a todos os Srs.
socio? que estiverem atrasados em sua? mensali
dados, para virem satisfacer os seus debito?, tendo
ssn vista o art. i d n,c( esmintes.
Seretarla do Monte Pi Popular Permunbuca-
no 24 de Janeiro de 1870.
Candido Jos de 3oes Telles,
_______ Secretario.
Precisa-?
O Sr. Antenio Pereira de Souza. digne-'
V. S. comparecer na lija do Psso> ruad.^Dif
po n. 7. a negocio ^ue Ib* diz retpeiH, iste r
urgencia
AMA.
Preaisa-se de urna ama para servico ae um
casa do familia : na-wwa Cabag.. 3. leja.
ubenu
?e de um cai.xeo-
na roa da Penba n. 33.
coiu pratica dt.
Precisa-se de urna ama que saiba coznhar o
diario de urna casa, prefere-se escrava : a tratar
na ra do Imperador n. 12, escrinlorio.
Precisase alugar por mez urna prela esrra-
va, que engomme bem : na roa Nova, sobrad
n. 39.
O arrematante da aiTerico do mnuicipio do
Recife avisa ao negociante que tem o seu esta-
IHecm-nt aberto das 6 hora* da manhia s 6 da [;a de S.Vn'jak convida as pe tarde, ru do Barrh'*i-neu n. 67, a v*r afferr {e encarregar das obras do- oitdes da mesm
seos pesos, e qne nao oeix ,ra os ultimo* ja. de apre>enUMvm sua* prupMOas em carta fe-
dis?. pois nao Ata > gran* o pe*sr>al de calieirns j,.|)ada;le o da 30 do crranlo, as quaes .1
qne o >-sa em nm -n dia sWem todo^
Na roa Nova n. 58 se dir qnem precisa
bma ama pa'a c3"9 de (Hinca familia.
a cotnmissajencarregada das obras da are-
Atusa se uioi "scrav.i psra
ca-a ; na roa do Impf radur n. 50\ 3* a.
lar.
1 DATA INCORRETA
.mda
ICO
diada 'te o da 30 do crrv>iite, as quaes
?er errirepiie? n rraca da Boa viste loja n. l?l;-.
irarau o plano que ha de servir dttfba
;,0 piejo.
uHB
i



f
\
\
Diario de Pernambuco Qarta feir 27 d Janeiro de 1870.
AGIA NEGRA
6
00

t

DAS MACHINAS
COEIO ECUfflEICO.
A BENTO MACHADO ft C,
A AGUA NEGRA animada com o bom accolhineato que te ve em seus annun-
co; vem novo participar a seus freguezes que. ataba de receber un vanado sorti-
cao Ojj seus freguezes para os arttgos possa descrever:
Livros com o tampo de marfim, madre- Um variado sortimeats de charuteiras e
?CS.Hr!ar0ga' P^'08 Para mSSa- Pa'teiros de porcelana,
lidulinoas vazias proana para presentes T .
-ousa de gasto. Tentos Para vo"arete.
Indispensaveis de palinba e de couro pro- B'^ngaas com marfim, cousa especial,
prios para senhoras e meniaas trazer nos Sabonetas de alcatro.
Cofres de folhas para dinheiro.
Lindas caixas para costura.
.Um completo sortimento de lavas de pe-
lica.
Acaban d chegar grande quaotidade das vrdadeirasTachinas americana-
>ara desbocar algodao de todos ossystemas e lmannos seguintes
2'serras
ditas
ditas *
ditas
ditas
ditas
lo-
te
18
20
22
25
30
35
40
dttas
ditas
ditas
ditas
ditas
12 serras
14 ditas
#5 ditas
16 ditas
18 ditas
20 ditas
22 ditas
25 ditas
30 ditas
35 ditas
40 ditas
ai!OKfilI.HEUT.lRELl(iiO,NA
Isjcc almentc
Dedicada as mat.-i i.is dn Concibo (lerai Ecameai-
cu d.> Vaticano,
Publica-so mensamente em LWxJa
asignatura para 12nmnet\>s
6$000.
Livraria franceza
__ ftM do Ospo n. 9.
Proeisa-se de urna .una, preferindo-se idosa, para
comprar e cozinhar para duas pessoas : no pri
mejro andar do sobrado defronte da igroja oV
laraizo, esquina.
w qaaeai se venden por precos commodus e roga-se as pessoas que dellss fizaran' en-
ionnendas de alguns tamanhos, obsequio de as mandaren busca-las o. maisbrove pos-
uvel afim de oao baveren faK. r
RA DA CADEIA N. 56 A
Talagorce para bordar.
Un completo sortimento de'eafeites de
Draeas.
Binculos da madreporola, marfim e tar-
uru/a todos esmaltados.
Cintos largos de setim, cousa inteiramen-
;e nova.
ritas de sarja de todas as cores e largu-
ras para lucos.
Towm, sapatinhos meias de seda e mais seda para vestido.
^SaSwi^SSSS I k Perfumaras de todos os autores os maii
5de Si Cnpu9SPrPr,aS Para boa- acreditados em extractos, pomadas e leos
' e finalmente outros muitos objectos que nlc
Ricos vasos com po do arroz. possivel mencionar ; mas com a vista se
m vanado sortimento de jarros de por- certificaro do sortimento deste estabele-
-ela,ia- cimento.
Aguia Negra, ra do Cabug n. 8.
Collegio de S. Fraude o Xa-
vitas
ka ') da fivreiro se abrir as aulas no eolle-
gto de S. Francisco Xavier (ra do Ibspijio n.
No intuito da fornecer ans alumnos as coinnio-
didad segundo' a eomlicao de anas familias, o
uirector d'este Vollejio nao reeuoii ai.te o gratule
augmento de aluguel pelo arareseimo considera
vel do edificio, alentado da esperaoea de um mais
rJM olio porvir.
3- &2. ~~ S- B
6 o- a b "-
SWHMVPttM
^5 ^ 3 M S.
g f? t

C5 T3
6:1 S. ir 3 -i
-. a o"2 aj
. 3,
3 O

,0Q =
O
TMHOS URBANOS
DO
RGCIFE A* APIPUCOS.
A empieza temi resolvi4o alterar o sys-
toma da venda dos bilhetas para pa.sageiu Alen, de mais aulas, espartas e hem arelada*.
>oa irnis. por moto do presente avisa ao haumsalao para o esludo particular dos alom-
resftitavel pobJJCQ QUU do dia 1-." de marco ncs- onde ca,,a ;im delles lem a sua banca com
pruxintd vindouro em dinle nao sero g^ vemliilos bilhetes nfw (rpn n m,M A0 ,|0"lt:" Cl,m lat"uejardim para o recreio eosjo-
...,. t. !! q e" eos gymnasiicos. o dormitorio acha-senoaobrado
tin ser comprados as diversas estacees. sob as melhnres condicoes hvgi.mta, e oabem
Que 00 da 25 do IWvereiro em diante nao nlle commodamene moas cen camas; e o con-
resjjaiaK mais bilhetes, os aoe or ventura "u? Ie".:"-''' c9nIribu? a t"ar maisaaeia4o .
lica, b nodero servir mr tLm ,, Th Deums,'*as,nhas dc b',,ll", Pom b^l"'i-
.1 .X .i.n n i pagamento rus Osos, para oqdo ene a agaa por canos e tur-
gepas&agens nos tivn-. ne.ras, saiis/aaem as exigencias assim da t;ue?
irtu do dia 1." rie marco em diante co- e' n>'P'ene. coaw da decencia. Moitos (|uario*i-
:nec a correr nm tren de carca accom- ?t'Lde Ftret' ca/a de.Prtir"' "*
:-H* .* 35VS5 SS"?Bt,S3By.'5SS5a
.noda^ao das pesswas que quuerem Ha para os alumnos ooia^oareaiante faitiUotber
i3 9
?
. a. c
1 5 ="
,, J ^- v. O
3 ja m o 3 _.
e.SS o
2?2.
3 = 2f
Bal
llfff
W 3 a:
r. a, os g.
.ss a sa =>
f ?!
ct> ^"^ o-
FA '^
N ti U ffi U
O 1J
com (|uem t|iiewa en-
versas estacoes 15 minutos antes da hora Precisa-!* coatraHr
da partida do trem. pagando-se frete adian- carrerar-pe da extincoo de diversos lormi/uei
U gnfcimemo do 1." de abril de 1869.
Santa Thereza, em Olinda, onde funeciona o colle-
i gio das orpBftas : a pessoas, portanta, (iae se
.sr.riptorio da empreza, 20 de Janeiro de a<*arem em erreumstancias de fazer tal servigo
187!) William Bawiivson "renle den-erao entandr-ae rom oimrioio c mea na.
quelle estabelecrmenio conwnendaikir Antonia Jos
Gon'es do Corre, ou com a respectiva snpe-
rira.
Fariaha muito barata
Vend-se em .laboatao fari
uha pelo systema da engeuha-
ria de Gand, na casa do L)r. Pa-
tury, ou na do Bczerra collete
curto.
Brevemente o mesmo dou-
tor aunuueiar a veuda deum
Ipardinha de nome /Varia 6lha
deoutrade ioual nome, de 16
annos de idade.
AInga-se
O segundo e brceirn andar do serrado roa
do Amorim n. .T.' riiri mnitus co ion.,do- para fa-
milia : a tratar na amwtWn dn me^nr>.
* Atna>sador
l'i'.risa-se de nm ao;assado'r de padaria ; u
roa dosl'ires-n. -"O.
wuBEasssBzm
Jo.no Uo Iti-gn Lima, r.-ga liHifl.* euj ami-
go?, bem com a > tngw |iaraaae< dn s^n li
nado anillo. Ii.uinp.s J,.s da Costa linnnara,s,
fallcido na ridafle (. l.i-lma. o ob-|Uio de a^s<-'
tirein, a urna inissa qne manda czar no oa 27
do crreme, nig.simo de sen f.liccimentu; na
jgreja do (Arpa Sintr, pelas 7 liur.is oa manbaa,
pelo quo desde ja jnie.-tpa os mjus ayradeciuienij
eempcba luda a sua gratiJao.

Fdg no da 12 do enrjvnfe, de casa de en
sentinr o escravo de mue Martinialio com os sis
naes seguintes : .!.! aoims ,i,. MV. cabra, bao
grotso, com aeucB bari.a. lenta n'um dos braco
urnas letras aaaes, cosiuma andar calcad > ; uuein
o pgar queira lcva-lo a ra dc >anta IMa o. o
entrada pela roa de San-a lta Nova, .pie ser i re
compensado.
320
flti
m
IISO*
loo-:
720
16000
m
2|0O(i
38c
2*0
200
80
600
I
Norberp Miunz T.ixeira Gnimarae--enrar-
rega-se de dc<|i .cliar e dar ao (ameno a rene
rimentos dirigido. n cmara municipal, cgcmn seia
beenea de eurdeaca^. edlic.ca, confrli e ou-
tros, tendente- a inmVipalaade, o para -tu pode
ser procurado no Corredur dn Bipa n. 51. nu ra
da Concordia n. ti.
Precisa.-e de um cria lo para o servio, i i-
terno < eMerm d- u.na ra : na do Iiimera-
dor n. 7:, 2 an lar.
.1. Rhigass, successor
55Erai do Imperador55
4 ^Ne5la am,g,a e b,,-m connecida casa. encontrar-se4}a comooutr'ora grande sor-
nento de ptanos construidos expressamente para o clima deste paiz, e Mr. J. Rhigass
'nl.r. mmtos anno na con$tracc< de pianor en-Paris, acha-se habilitado
pieparar os piaoue que -ende com lodos os accssorio mdspensaveis-nao s sua
oudez, cono a sua duracao. Todos os piaaoi sao garantt*>ft
Tatnbem ha oeste estabelecimento, grande variadade de msicas novas e dos
oelhorea aores, tanto viadas de Pars cono do Wo de Janeiro, que se-vende mai*
aran do que em outra qua'quer parte; assim conn- ha igualmente venda todos o
nietos ueessanos a coatrucc3o de pianos. Os concertle alinagoes de pianos serSo
'itos con o mator zelo e cuidado.
Jos Lm|hw Alhiir.i vaj a Europa e deixa
durante sua .ni-en-ia p.|f en- nr.cimderes o-
Srs. : 1" Man.el h- fiied.v Miaalhae*, 2 l'elix
Pereira da Silva e 3" Krancisei. Jos Goncalven la
Silva-.
Manoel da Costa Cunpus vai a Eur..pi e dei-
xa turante sua au enca p r -cu- pr< uradxres i.
Srs: I''Joaqun J^-e 11 SJv;, Azevodo. i' Luiz
da Silva Ferr-ira, Z lao Martin- Zeterino.
moe,i siii.-:r.i que |c.r este Diario se icm
uflerecidopara f':l.r de engenhi, se t-m ortica
deste servie,. e com abon i de>ua oimdaeta, quirer
em vez de feilor de engimboser de nm sitio, oae a
excepeo da ,:anna de as-ucar. tem todos os la-
bores de eneniw, procure ao csciiplorio de-le
Diario saber quem leile precisa.
TABELLA dos precos de transporte de mer-
endonas e bagagens, nos trens de carga
daf empreza dos trunos urbanos do Heci-
le Apipucos.
S?

Soledade.
n
H
3
"US
2. o o x
Manguinho.
h a
~ -- M> 2.
-1 OOOx
-a
Torre.
3
p

3
_
> co ii" 2,
~
l'arnameirim.
9
3* m ce > ex 2
Casa Forte
OJ
IS35S8SS-
Caldereiro.
m
s
1
P
as
&
Monteiro.
ce
-3'
^SggSggggS-
m
m
O
a
ATTENCAO
As senhorns qae ttverem aiguma menina on
cria, quererhlo mandar ensinar a toda qualklade
de costura e bordados, marca e toda quaiidad de
llores., por barato preoa de .000 por mer, vindo
ellas almoeadas e ir jantar em suas casas : na ra
estreita do Kosarm n. 3S. 1 andar.
Oasi de pasto.
Trespassi-se-a da ra da Lapa n. 11 por sen
dono, falto de sande. nao nndp- "-"'"nistrala
Especial para limas.
Em porcao e a retattio, vende-se no armazerr.
de pianos e msicas do Azevedo, ra Nova nu-
mero H.
COMPRAS.
;r.An ,Lindas Mperjores barefres d cor, de quadro e de listras, para vestidos fio
gindo seda pe.. baratissimo preeo de 500 e 040 rs. o covado.
Assim como superiores cassas francezas de cor padres de muito goslo 40(
VasconSiloa M d3S Col!umDas ra* do CresP n' i8' de Ant0io rna d.
A tengdo.
PreciSHse follar com urgencia aos serAore
abaixo declarados a negocio de seu interesse b
ra da faiperairiz n. ti :
Julio Jos da Silva, Frederico Skner, Ilomana
da Costa Monteiro, Manuel Jos Martina e Grco-
rio da Costa Monteirn.
Antonio Jos Itodrigues de Souza precisa
algar urna mulher forra ou escrava que saiba
bem cozinhar : a tratar na thesouraha das loteras
U em sen sitin, no Monten, junto a igreja.
Faga-se bem
Prccisa-se de urna ama forra ou escrava qua
saiba engomar bem : ra do Crespo n. 2:1
Os anaio assignados fazem sciente ao res-
Apipnt s..
psitavel commercio dest praca, que dissolveram
amigavelmente a sociedade que tinham no estabe-
^ lef .ment de rnolhados sito no largo da Sant*
. Cfui n. 4, desde o da 31 do dezembro proximft
passado, na razao social deJoo Luiz & Virginio
Mando a cargo do ex-socio Virginio Freir de 011
veira todo o actual e paasivo da mesma sociedade.
Recite Io de Janeiro d3 1870.
Joo Luiz Ferreira Ribeiro.
Virginio Freir de Olive**.
Vafacio po govemo. de Rernamboco, f
de abril de 1860.
____________Cowfe de Baepeny
casa B>*~rEr~ "
Aos 20:0004000.
Hilhetes do Rio venda : roa do Cabug n 1
v Na roa o Jar-lmi n. 96 contina a u-r muite
boa farinba da trra.
l'recisa-9 de um- bwn adimm-trador de
"braa de pedmro ecarpmfcfiM, que seja honrado
e iotelligente : na roa do Crespo n. 20 A.
mmwm-mmmmmmm
Praga do*Corp* tem n: 17' primeiro i andar OTrriaWrt dif'JnaiqQini Rodrigue S
(Tavare de Metta tem para vender :
Plimn em fo'lia da sgperior qualidade. SM
Vinbo Rordeenx dtf superiar qualidade. J
Fannba de mandioca ea graade por- I
i* e boa qirMidade.
Gal- d Liaba tm*> mn.
Pooks da tn-ia.
\
Esta por alugar-se o novo sobrado da ra Jas
Cruzes, fngnezia de Santo Antonio o qual tem
commodos bastantes, omlendoS dous andares e
sota, e armazem, sendo que dos andares superio-
res traa-toda a eidaoe debatxo de vista : atratr
no CoracSo de ouro.
55Sua da Imperatriz55
. F. Gautier, propiietario deste inportante estabelecimento tem a honra
de participar ao ropeitavel publieoque acaba de.clifegar da Europa para on-
de tmna ido especialraent para contratar peritos ofliciaes e que conseguio
.ontra^lo* na pnnroira casa de Paris, por isto juga que todos ficarao satis-
leito dos trahalbos dr> seo estabelecinento enjo excelente material anda
toi augmenudo com novas machinas que ja receben e tambem muitas drogas
novas com arquae s obten esta maravilhosas cores modernas 15o apreci-
das em tranca e emtodo o mnndo.
Tingej lava, limpa, lustra, aebmalota com a maior perfeico fazendas
em pecas e em obras de todas as qaalidades como sejam: seda, lia, atgodo,
Imhas, chapeos de fellro e depalha etc., etc.
Tira nodoas e limpa secco sem molhar os tecids, conservando assim
todo o brilho da fazenda.
Impressoes sobre tecidos
con este aovo sy>tema,os vestidos de seda e outras fazendas que at agora s
podan tmgir-se de cores lisas, poden receber un bonito desenho de cor
diversa, a escolha, oque realoa a fatoda e Ih d mais merecinento.
Tintura preta, terqas e seitas-feirae
As pessoas das provincias limitrophes que quiwem ulilisar se do seu
estabelecineutu puderao mandar o que titerera, na certeza de srem to ben
servidas como no Rio de Janeiro ou na fiorepa, e com mais presu-sa oor
causa da distancia.
Comprara *e moedas de miro e prata de to-
los os valores, ouro e prata em obras inutilisada>,
irilhantos e mais podras preciosas : na loja de
uriyes do arco da Conceicao. no Hecife.
0 miizeo de j>ias
Na rea do Catinga n. 4 compra-se ouro, prai,
peoras preciosas por presos mais vantajosos d
|U era outra (inalguer narte.
Lom milito iiaior vantagem coiupram-se
moedas de ouroe [irata : na loja de oas do Co-
acao de Onm n. } I), rna do Cabug.
OOtRlM I tfllHF
ESC3RAY08
Compram-se e vendem-se diariamente para fra
J dentro da provincia escravos de todas as idade*.
^)res e sexos, cem tanto que sejam sadias: no
erceiro andar dT) sobrado n. 36, ra das Cruzes.
reguezia de Santo Antonio.
Precisase comprai urna e>ciavade meia
idade : quem livr e queira vender, dirija sea lo-
ja de calcado da rna da Cruz n. 21.
Na ra da Cruz n. ;)G compiain se- escrasi
de bonitas figuras e muidas de 18 a 20 annns.
prendadas, paga-se melhor do que em outra qual-
quer parte.
Escrava para cosinhar
Prtctga-se comprar urna de meia idade, ou
lambem se aluga : a tratar na ra Direita n. 54
aadarla.
Compra-se
Urna casa terrea no bafea-a de Santo Antonio ou
Boa-vista que nao seja e roa esquesita : nesta
typographia se dir a pessoa que desea comprar.
Compra-se o Diario n. 298 de 24 de dezembro
de 1868 : nesta typosrraphia.
o5~Eua do Qemado55
A VERDADE tendo en deposito grandt
quaotidade demiudezase perfumaras, ede-
sejando apurar dinln-iro e adqtierir boa fre
uiiezia est rssolvida a vender n.uittssiiEo
barato, ; por essa razo convida ao rtspei-
tavel publico a vir compctentcmenle mun-
do a sortr-se do bon c barato. Pois qaan-
do a Verdade appareco, Uido,nais dea-
apparece____
Grande sortinento de bonecos de cera e
massa as nais lindas possiveis vestidas a ca-
rcter.
Abotoaduras moderuas para col-
letea.......
Espelhos donrados pepnenos. .
Agulhas de osso para crox a .
I'-lites para rogay com esntas a
Rios gioboa para candJairo de gaz a
Cliatuins a.......
Grande sorlitoentt de objetos de
louca piti'a brinquedo de menino
Ganan com tinta a.....
>ita can agua florida verdadeira a
Dita com .lita dita a .
Frasco comol.jo de babosa a iiOO e
I)iin com agua de Colonia a 31) e
'arala rom agua divina a. .
Frasco cum extractos finos a .
Latas pequeas com banha nauto
hna a laj*......
Sabonetes de diversas qu i i lades a
80,160,340e.....
Finas escovas para denles de l0a
Lindos coques BMaimoi a. .
I'avios para gaz. dwzia a 240 e .
Estevas para lado a ovo, 600 e
Ditas para cabello a.....
Pentes para tirar piolho a 160 e*.
Brincos de cores, bonitos a 160 e
Pecas de tranca de laa cora 8
vanas por.......
Oleo para machina de costura,
frasco a. .......
Peonas d'aco finas caixas a 800 v
Dita d'aco Perry, caixa a. .
(Jalao de algodao peca ....
Lindo* babadinhos e entremeios
.peca de 800 a......
Ditos de louca muito fino a 120 e
Ditos para calca a lf0 e. .
'.aixacom papel amizade a. .
Hilas ton envelopes a. .
Hitas com obreas a.....
Caikj com agulhas iundo dourado
Ditas di: ditas ditas a.....
Thesoiira para cosluia a 240 e
Caixa com linhu, de marca a .
Linha de cores em nuvelios (li-
bra) a........
Carreteis de linha Alexandrede70
at 200. ,.....
Giatnpos muito linos com passa-
ros, dnzia a .
Cartas pontofuaaBSt dona a .
I titas francezas a 200 e .
PflMl almac" tle peso, retina i
36*00, :;0U e ....
fia molt lina para bordar, libra
Fita de. algodao para deb um de
sapatos, peea a.....
Ditas de laa para delirnm de ves-
tido, peca a ......
Rentas finos para segurar ca-
be.llo a.......
Dilos ditos de bfalo para alisar
a 240, 320 o......
Ditos para aparar penna a .
osetas pretas, par a .
Tranca de laa d.-caracol pega a 40 e
Fita de coz peca a 480 e .
A lmeles de latao a.....
Sapatos de la para erianca a 400e
Gravan de sedas decores a .
Gslcadeiras a.......
Grande sortimetito.de rendas das Ilhas.
(Jm par de suspensorio de borraca pot
lOOrislMM
\a Verdade rna do tueinsau.
______ a. aa.
VENUE-SE OU KRENDA-SET'pio-
priedade denomi lada Barra do Serinhaem,
no liltoral da freguezia do mesmo nome
com grande ren ia da ierra a receber e mal-
los coqueiros a Jesfrtsctar ; tendo, alrn
disto, a excellente e rara posit So beira-!i;ar
e beira-rio, inlei-anente apn priada para,
manter-se ahi jaalquer estabelecimento
commercial de seceos e molbados : a tro-
tar na ra d'An-oran. 26, ou na do Inpe*
rador n. 20
9.. '

4S
28!
I*
SO',
BQt
Mi
SW
:;;10:(
I.''
m
160
ico
:..,
lOt'-
80t'
20
8C
Escrava.
Compra se/ urna eerava que saiba cozinhar e
engimmar com p<-Heicao, agndando. paga-se
bem; na fabrica a vapor de cigarro, ra larga
do Rosarlo n 21
MISMO GOSTO DE PARS
Chamamos e rpcommendamos -tienevola attenco das Exnas/ familias, o
do SR. ANDRE' DELSUG, cabelleireirb 7 A, ra do- Cresno nrimeiro andar
Aluira se a casa terrea n. 48 da ra da Cal-
cada : a tratar n- B vi^u.rua do Mondegn n 51.
Ao publico.
PH'despedido d. botica la ra da Impera-
rtriz a. 77opor ser inconveniente sua-con-erva
cao, o eaiian-o Joio E. GM., Lins da Sirva, e
uualquer trncelo feta p..r eUe deste data em
ciitinte nulla.
Recife, 16 de janeino de 1870.
_________________C. C.lat A C.
- Precisa se aHigar u l r l i .| C
relialdes desta r
..
Cr.it n. SS.
Caxeire.
Precisa-sede uro menhio de ta f4 annos n>
r*de,qne sej hra-=in>ir. cm boa fertra para cai-
M de esenptorio a tra'ar a rtia d i Crespo no-
annuncto do SR. AORE' DELSUG, cabelleireirb 7 A, ra d Crespo prineiro andar
mde encontrar-se-h* urna noticia sbreos novissimos e afanado pinteados de Pars,'
Laotefne e mais o famoso pen-
Sardauapale, Po n tadour, Metraok, itthne de Suez,
loado das Victimas de. Pantim.
AVISO AS FAMILIAS
0 V\DRE DELSfJC.CvBe.LLEiaflfr;0 7A,roa do Crespo 1.a andar, ten
honra de participar excdeonsirnis seohor is que receaeu pe'o nltino vapor osflgu
miios sobre os mai afamados ponteado- u danapale, P .mpadoar. Mtternick, Gygne. Monlonuire, Frisette, Istne de Sux, la Lan
terne, la Reunin publique e o tunoso ponteado abanad dag Vkbnaa de Pantim cao
um dostes peateadHa reeomnenaJa-se peta belleza e anunciante d parte nesta octa-
siao qua todos os peanado .-! achanga prnnptos ser execotados nesta casa do
Mo pato) d LivranieMo n. 26, Io andar,
compram-se alguns escravos que sejam de idade
regular, prefenado-se sobretodo os de boa con-
ducta.
Cabe os
Na ra do Queimado n. 6, ^ andar, salan de
eabellelreiro, comprase continuadamente cabvllns
compridos.
Charutos da Baha
Na ra do Commercio n 32, 2o andar, escri-
torio de Theo Just tem para vaader iirnoBoaw
charutos da Hahia da fabrica do Sr. Gustavo Im-
porte, das mamUi Flor de snlao, Regala de l\
Ijeina. Riachuelanos e lorma Havana.
Carrocae boi.
Vende-se urna carroca quasi nova e um boi no
nito por precti corrmodo : na estrada Jua; do
Barros n. 1. uliimo sitie.
Vende-se o engenhe llha, junto a villa do
I'orto-Calvu, fin Alagas com obra de pedra e cal
caberlo de telhas, boas Ierras e bom de criaeo
tratar com Thouiaz Cavalcanle da Silveira LJi
Jnnior, rna do Apollo n. 18. O mesmo precisa
comprar 4 burro- man MILU! I
Vende-se no trapiche Bario dS LivramenW sa-
cos com milho, boa sacrara e por menos do que
em outra qualquer parte.
fui
Cemento.
0 verdadeiro cemento prnlland ; vende-se na
travessa da Madre de Dos n. IV. armazem d
Candido Alberto Sodre" da Molla & C.
V^DAS.
Bolaehinha in^lez a 4S
a barrica, e a 240 r*. a libra : no armaaem da es-
trella, largo do Paraizo n. 14.
- Vende-s tpscravn panto de 24 ann< d^ ida-
de, com otBcio de pedreir>; na ra da Cadeia ve-
In do Recit, casi n. I. 2o an-lar.
ANPR DELSUC
7 A, rea do Crespo prfnfeiro andar.
Vend.'m>se-vac-a> novilhas. e viie-ia, d>. ,-
to.t.i eriacad ebia carne para o prato, at o
nuniero de 20 eabecas-: a er todas as tardes n
SilH) da Sapncaw. em Beb^ribe.
Vendem-se eecravos de an.bos os sexos a
ra do Impera<1i>r n. 75 2o andar.
r Vende-se una bonita ainacao nova,
do anarello. envidracada, propria para
qualquer estabelecimento, e qnerendo-ee
mudar oara qualquer paite, pode se. por
serem todas as pecas seguras a parafusos :
a tralar na roa da Imperatriz n. 4.
- Alrat da uiatni .la Boa-vista n. 20,- vhkoV
se um lindo mulatinho muito sadio, de Idade de 10
anaoK
Caixa I li.nl ilo Haar tim Un
*4I m fVniiMhuco. ean liafaal
clapo & dc Janeiro de 1HJO
A Gaa- tilia) vende o grandt! e (fjjj Hen
ffc Sobrado sito roa Ioiperial n. ti. ctm
aci-modaccoes para grande familia, e tan-
^bem vend a casa terrea contigua a. 68 :
i oritarna mesma caa rna d^ Gjmmer-
cio n. 3'4.
Pechicfiji.
Vonde-s urna grande anuaria, parle detU -
vidracada, etret graade oaixtw< proprins para.
dep rsiio, padaria. refiaacao ouonlri quanpjer ae
g-cio, o dous balces, ludo por 100*000, fin dn
desorenpar a casa : a tratar na b>ja da "ia fM
n. 48. A prove tem que mu'* viata.
Bnbit bonito.
Vende se um mnlata moca, bonita figura, lava
e aagonim perfriainenle. cnzinba ecos#sn*iivc|,
asritn ramn mulaiiiMvidbannos, hunda flsii
x, aiiihrs ehiiSrtns litllmaioenl
ia se na rna do Codorniz n. 9.
J DATA INCORRETA
I


Diario de Peinambuco Ouarta eira 27 Je Janeiro de 1870.
0
MU
iitlJA
A RIJA DA OPEK % 11(1/ W. *
Esquina da ra da Aurora, ein frente do caf Imperatriz.
N'este novo-e sumptuoso estabelecimento de fazendas encontrarao as Exraas.
familias tudo quanlopussam desejar, tanto em artigos do mais rigoroso luxo, como em todas
as mais qualidades de fazeudas.
Altn de se acharan prvidos do que de melhor se encontra neste mercado,
por todos os paquetes da Europa, receben) directamente o que em artigos de moda e
do mais apurado gusto se encentra em Pars, o que vena cada dia augmentar s propor-
co s de que dispoe este estabelecimento para bera servir sua numerosa fregaezia.
ik esa-
Gase com lstras de seda e flores, fazen-
da inteiramente nova para vestidos de baile.
Grvalas p completo sortimento que se pode desejar.
Guipure preto e branco, diversas largu-
ras e diferentes gostos.
Coilas e pnnbos bordados para senboras.
Guardanapos de linho pequeos e gran-
des.
Gorgorito de seda preto e de cores.
Grosdenaples preto e de cores, haven-
do diversas qualidades e gostos.
Japonezes para senboras, o nielhor gos-
to. e fazenda propria para as festas nos ar-
rabaldes e passeios a tarde.
Lazinhas de todas as qualidades, core
as mm SEDAS
11--KUA DO QUEmADO--ll
a pelo ultimo vapor toja de Augusto Porto & C. ricos
*JSemES SSlJoWa^ cortes das mai nda das de mimosas cores para vestidos proprios para bailes e casa-
GALLO VIGILANTE
Boa do> Crespo 9

Algodao laigo para lences e toalhas de
todas as qualidades que costuma vir ao mer-
cado.
Alpacas de todos o padrees e qualida-
des tao variadas que se nao podem descrever.
Albuns com msica para enllocar reir tos,
delicado presente para quslq-;er pessoa de
esima.
Atoalhado de linho e algodo, branco e
de cores proprios para toalhas.
las "juinas do seda pretas e muito moder-
nas, bem como de crochet* lulo de apurado
gosto e feitio.
Bales de musselina, madapolao, brancos
e de cores, para senhora e meninas,
Careges de cores variado sortimento.
fabadinbos ou tiras bordadas em todas as
larguras.
i -Ibutma de todas as cores.
Bolsas de tapete para viagem, grande
variadade de tamanhos e gostos.
Bombazina preta de todas as qualidades.
Bramante de linho de H palmos de lar-
gura, e todas as mais qualidades.
Bretanhas de linho e algodao, grande sor-
timento.
Brins de linho branco e de cores, do mais
commodoao mais caro emqualidade, aman-
eando o que ba de melhor na especie.
Bros d'algodo completo sortimento e
variedad de prejos.
Gassas de cores, o maior sortimento, pri-
mando pelo bom gosto e barateza, alientas
as qualidades.
Ca nbraias brancas, tapadas, e transparen-
tes de todas as qualidades e precos.
Camisinhas de cambraia de linbo e cassa
bordadas ricamente enfeilados para Sras.
Camisas para boitens e meninos, tao va-
riado sorlmento que vai do mais ordinario
madapoln ao mais perfeilo bordado de li-
uho e cambraia.
Camisas de meia, de fanella, brancas e
de cores para homem.
Casemiras pretas e de cores, o raelbor
que se pode imaginar, sendo d'isso a me-
itior prova o grande consummo dcllas na
officina da casa.
Capailas de flores, para noivas e bailes,
desde a mais candida flor de larangeira at
mais interessante grnalda.
Chapelinbas no melborgoslo.de todas as
cores hoje preferidas pelas senboras de
mais apurado rigor na moda.
Chapeos pretos de velludo, para senboras,
ultimo gosto de Pars.
Chapeos de sol, para senhoras e horneas,
de todos os pre;os e variados gostos.
Chaly com ricos padrees para vestidos.
Chales de todas as qualidades, avultado
aamero e nao menos variedade de gostos,
Chitas, impossivel descrever o sortimen-
to e variedade de padres e novos gostos,
ba neste artigo tudo quanto se pode desejar.
Cintos para senhoras o que se podo ima-
giiar de melhor.
Coques, o melhor no gosto e nos enti-
tes, varios tamanhos.
Colchas de seda com borlas, o mais apu-
rado gnsto e lavor.
Ditas de fusto branco e
precos commodos.
Corpinhns de cambraia, ricamente borda-
dos para senhoras.
Cortinados de cambraia bordados e de
fil.o que de nvlhor se pode desejar.
Colarinhos de linho bordados e lisos, o
maior sortimento.
Damasco de la de 9 palmos de largura
lindas cores e ricos padroes.
ca
Esparlilhos bran:os e de cores, para se-
ahoras e meninas, o melhor neste genero ;
nenbuma Sra. deixar por certo de muir j pria para baile,
se de tao precioso auxiliar perfeicao de
um corpo delicado.
Entremeios bordados.
Escomilha preta.
Enteites para cabeca, ultima moda de
Pars, recebida no ultimo paquete.
Esguiao de linho, completo sortimento de
lodos os nmeros.
e gostos, nao ficaodo nada a desejar, tal
o sortimento que existe para escolher.
Lencos, ludo quanto pode baver desde
esguo ao algodo commum.
Leques de madreperola e osso, o mais va-
riado sortimento.
Ligas de seda, bordadas, para senhora.
Lu vas de Jouvin, chegadas por todos os va-
pores, sempre novo sortimento, qoer em
pellica para homens e senhoras, quer em fio
d'Escocia, brancas e de cores.
SQ
Madapoiao; indescriptivel o grande sor-
timento que ha neste genero, desde o mais
elevado preco ao menor, que se vende em
peca e retalho por menos do que em ou-
tra qualquer parte.
Mantas de blonde para noivas: o apurado
gosto dos nossos correspondentes em Pars
habilita-nos a dizer que lemos em nosso
estabelecimento o que de melhor se deso-
ja para vestir e ornar ama noiva.
Mantas pretas de blond.
Mantas para carros, com lindas piolaras.
Merinos pretos, trancados e lisos.
Musselina brancae de cores,lindos va-
riados padroes.
cimente, _
nostos a apreciacao do respeitavel pubtteo, man-
daram vir e acabam de receber pelo ultimo vapor"
da Europa um completo e vanado sortimento de
finas e mui delicadas especialidades, as quaes es-
to resolvidos a vender, como de sen costme,
r precos muito baratinhes e commodos para to-
, cora tanto que o Gallo.-.
Muito superiores luvas de pellica, pretas, bran-
cas e de mui lindas cores. .
Mu boas e bonitas golhnhas e punhos para se-
nhora, neste genero o que ha de mais moderno.
Superiores pentes de tartaruga para coques.
Undos e riquissimos enfeites pan cabecas das
Exmas. senhoras.
Superiores trancas pretas e de cores com vidr-
Ihos e sem elles; esta fazenda o p pode naver
de melhor e mais bonito.
Supeitoes e bonitos leques de madreperola,
marfim, sndalo e osso, sendo aqueltes brancos
com lindos desenos, e estes pretos.
Muito superiores meias So de Escome para se-
nhoras, as quaes sempre se venderam por 30*000
a duzia, entretanto que nos as vendemos por 2Q,
alm destas, temos tambem grande sorament de
outras qualidades, entre as qoaes algunas mwto
finas. T _
Boas bengalas- de superior eanna da India e
castao de marfira com lindas e encantadoras Api-
ras do mesrao, neste genero o que de melhor se
pode desejar ; alm destas temos tambem grande
quantidade de outras qualidades, cerno sejam; ma-
Wa, baleia, osso, borracha, etc. eJc. ete.
Finos, bonitos e airosos chicotintiw de caela e
de outras qualidades.
Lindas e superiores ligas de sean e borracha
para segurar as meia?.
Boa meias de seda para senhora e para meni-
nas de a 12 annos de idade.
Navalhas cabo de raarfit e tartaruga parafazer
barba; sao muito boas.e de mais a mais sao ga-
rantidas pelo fabricante,. nos por nossa vex tam-
bera assegaramas sua qualidade e delicadeza.
Lindas e bellas capelfes- para noiva.
Superiores agulhas para machina e para crox.
Linha muito boa de peso, frooxa, para encher
labvrintho.
Bons baralhos de cartas para voltaret, assin>
como os tentos para o mesmo fias.
Grande e nado sortimento das melbovee per-
fumarias e dos melhores e mnis conheciJo per-
fumistas.
COLARES DE ROBU.
Elctricos magnticos contra as convulso, e
fai-ilitam a dbnticao das innocentes enanca. So-
mos desde muito recebedores desles prodigiosos
collares, e condonamos a reeebe-las por toan os
vapores, afina de que nunca Mtem no mercado,
tomo j tem acontecido, assim pois .poderio aajael-
les qne delles precisarem, vir ao deposito detallo
vigilante, aonde sempre encontrara destes verda-
deiros collaresy e os quaes attraadtendo-se ao fim
para que sao aplicados, se vender com um mi
diminuto lucro.
Rogamos, pois, avista dos objectos que dcixanos
declarados, aos nossos freguezes e nangos a virem
comprar por preeps muito razoaveis loja do gallo
vigilante, ra do Crespo n. 7.
Pannos pretos e de core, desde o mais
barato ao mais superior, per preco ibuIo
c.mmodo.
Pannos de crochet, para eadeiras e setts.
Ditas de casemira muito finos para
mesa.
Peitos bordados de linho, lisos e de al-
godo para camisa.
Princetas pretas e de cres.
Popelina do seda e linho, com lstras* e
flores; fazenda lindissima.
Pelberinas para senhoras, do ultimo
gosto.
Perfumaras ; os mais finos extractos o
que de melhor e mais agradavel se pode
encontrar neste genero, e de mais fragante
e suave no olphato, tem o PAVILHO DA
AURORA, desde a verdadeira agua Flori-
da at o mais fino Bouquet d'Amour, final-
mente tudo quanto deve oceupar o louca-
dor de urna senhora de gosto.
Saias bordadas, brancas, lisas e de eres
com folhos e sem elles, o melhor possivel,
Sahidas de baile, de todas as cores.
Sedas pretas, de quadros, lavradas, lisas.
de cores por de lstras de todas as cores e qualidades e
o mais barato possivel.
Sargelim de todas as cores e qualidades.
Tapetes grandes, lindas pinturas para 8
eadeiras, mais pequeos e de todos os ta-
manhos desejaveis, e em peca para co-
vados.
Toalhas de labyrintho, do maior e mais
fino trabalho ao mais barato.
Toalhas de linho e algodo de, todos os
tamanhos, lt-as e felpudas.
Tarlatana branca cora palmas e de cores,
fasenda muito nova, e gostos delicados pro-
Machinas a vapor de
forpa de 3 e 4 ca-
vallos.
Motores para 2 cavallos.
Arados americanos.
Machinas de fecao e serrotes para desca-
rocar algodao.
Balangas para armazem e baleo.
Camas de ferro.
Cofres de ferro de afitaez e de Uhifr-
field.
Prencas para copiar carcas.
Fogo americano patent
mentos.
Grande variedade de sedas de lislras de diversos precos todas de lindas cores,
gorguro de seda preta, e grosdeoaple de vanas qualidades e gorgurao de seda la de
differentes cores.
Novos vestidos brancos de blond para noivas, lindas eolxas de seda para camas,
ditas de la e seda, cortinados bordados para camas e janellas, fronhas e toalhas de
cambraia de hinho bordadas.
Luvas novas de Jouvin, e elegantes sombrnhas de sedas de cor para senboras.
Esparlilhos de 5 at 101, lindos bournoos de cachemira de cor para sabida
de baile, basquinos de renda preta, e ditos de croch branco e preto para senhoras.
Grande variedade de camisas bordadas e lisas para homens e meninos.
Sortimento de rouitas fazendas de 13a, linho e algodao todas por precos muito
mdico.
Tapetes grandes 'para sof, piano e camas, pecas de tapetes o de alcatifa para
forrar sales tudo em quantidade; e vendem sempre^por menos que em outra qualquer
parte.
Esteiras da India de 4,5 e 6 palmos de largo.
ATTIIHH"
Grande amazem- de fazendas e roupas felfas ra da Imperatriz
n. S2, porta larga, de Paredes Porto.
Neste estabelecimento encontrar o respeitavel publico um bonito sortimento
de roupas de todas as qualidades, palitots de alpaca a 3<$, 34500 at 6#. Ditos de
merino, ditos de casemira de cores bonitos gostos a 5#, 6, 8$ e 10(5, de panno pretc
sacos e sobrecasacos. Ditos de brim pardo finos e ordinario. Ditos de alpaca branca
e de core de 35500 a 5)5000. Calcas de brim de cor finas e ordinarias, ditas
brancas de tedas as qualidades, ditas de brim pardo fino e ordinario, ditas de casemira
de cor e preta de 40, 5& 6'a 15*. Colletes de todas as qaalidades e preeo muilo
barato. Completo sortimento de camisas franceza de algodao e de linho de 29 at H
urna. Sortimento de seroulas francezas de algodo, de linho e bramante a 20 e 2(5500.
Grvalas (mantas) novissimo gosto a todos os precos. Meias sortimento completo a 3,5.
4# at 7> a duzia.
ROUPAS PARA MENINOS.
Encarrega-se de qoaesquer obras de encommenda tasto para homem, como
pan meninos, e eom brevkfade, por isso que tem um bonito sortimento de fazeadas de
todas as qualidades tanto em casemiras como brias, pannos fino e outras imitas fa-
aaadas.
FAZENDAS
Bramantes de 11 palmos de largura a 1/80O o metro.
Cambraias de cor e branca.
Alpacas de todas as cores a 640 rs. o covado.
Poil-de-chvre cora lista de seda fazenda de gosto a 1(5200.
Basquines de guipare enfeiladas a 180000.
Sortimento de chitas escuras e olaras a 280, 300 e 366 rs.
Madapolao fino a 60500, 70, 80 e 90000.
Algodao peca Com 20 jardas a 40500, 50500 e 60000.
Peca dfi algodao largo a ,70500:
E outras omitas faaendas que ser enfadonbo mencionar Cbeguem roupa
feita que se est-liquidando na loja ra da Imperatriz n. 52 (junto loja de ourives) do
LEiO DA PORTA LARGA
DE
Paredes Porto.
Mikroskope achroma-
tiseben. Obje* Lin- ^^^^.\D
ScAV
3 cordeiro providente
Roa do jaelmado l.
Noto e variado sotlimento de perfumaria
fina, e ootros objectos.
Alm do completo sortimento de perra-
alarias, de que effectivamente est prvida
loja do Cordeiro Previdente, ella acaba d*
receber um outro sortimento que se torna
dotavel pela variedade de objectos, smxnon-
dade, quaCdades e commodidades de pre-
cos ; assim, pois, o Cordeiro Providente peda
rptr. connuar a merecer a apreciacao
do respeitavel publico em geral e de sus
boa freguezia em particHlar, nao se aia-
tarido eUe de sua bem conheewa ansias*
e barateza. Em dita loja encontrarlo of
apreciadores do bom:
Agua divina de E. Condray.
Dita verdadeira de Murray Lamman.
Dita de Cologne ingleza, americana, fron-
ceza, todas dos melbores emaisacreditadof
fabricantes.
Dita de flor de larangeiraa.
Dita dos Alpes, e vilete para toilet.
Ehxir odontalgico para conservacio o
sseio da bocea.
Cosmetiques de superior qjualidade ecnai
ros agradaveis.
Copos e latas, maiores e menores, o
pomada fina para cabelle.
, Fraseos com dita japoneza, transparente
e outras qualidades.
Finos extractos inglezes, americanos
francezes em fraseos simples e entortados.
Essencia imperial do fino agradavel chai'
'o de violeta.
Outras encentradas e de eheiros igual'
mente fina e agradaveis.
Oleo pbiiocome verdadeiro.
Extracto d'oleo de superior qnalidadt,
com escolbidos eheiros, em frascos de diffe-
rentes lamaahos.
Sabonetes em barras, maiores a menore
para maos.
Ditos transparentes, redondas e em figo-
ras de meninos.
Ditos muito finos em caixinba para barba.
Caixinhas com bonitos sabonetas inatande
fructas.
Ditas de madeira invernisada contendo I
qjs perfumaras, muito propria para pro
lentes.
Ditas de papelao igualmente bonitas, tan
bem de perfumaras finas.
Bonitos vasos de metal coloridos, e dt
moldes novos e elegantes, com p d arrot
e boneca.
Opiata ingleza e franceza para dantas.
Pos de camphOFa e outras differentaY
qualidades tambem para dentes.
Tnico oriental de Kemp.
Alada mal coquea.
Cm outro sortimento de coques de no
vos e bonitos moldes com filets de vidrilhof
e alguna d'elles ornados de flores e fita*,
estao todos exposlos apreciacao de que
os pretenda comprar.
G0L.INHAS E PUNHOS BORDADOS.
Obras de muito gosto e perfeicao.
FlTellas e Mas para cintos.
Bello e variado sortimento de taes objeo
tos, ficando a boa escolha ao gosto do com
pndor.
Barometre e termos
metre. Centigrade
e reuumeure.
Fitas largas escocesas para cintos, varie-
dade de gostos e lindos padroes,
Fi hs de crochet, modernos com cintos
e capas, o que ha de melhor.
Fil de seda, iinbo e algodo, de todos
os gostos e padroes.
Fustao de todas as cores'e qualidades
grande sortimento.
Fanella branca e de cores.
Flores, o que ba de mais rico, quer
Vistuarios bordados de fusto brancos e
de cores para meninos, de cambraia para
bapti>ados, o que de melhor tem vindo a
este mercado.
Vestidos de 15a escoceza de 2 saias,
novidade pelo padro, gosto e forma; ditos
de linho com barras de cores, e de cam-
braia de cores com 2 saias, tudo inteira
novidade, trazem os modellos juntos para
mostrar a forma de os fazer.
Veos de blond para noivas e pretos para
luto.
Vestidos de blond para noivas: podemos
asseverar as nossas Exmas. freguezas, que
somos os nicos em Pernambuco que pode-
mos offerecer ao Ilustrado publico, o mais
apurado gosto em semelhante materia, gra-
Cas ao bom gosto do nosso fornecedor em
soUas, quer em ramos, tem oPAVILHaO Pars, podemos garantir que ninguem neste
D.\ AURORA om permanente jardim a genero o possue melhor, nem mais em
disposieo das Exmas. familias. conta.
E' dispondo d t5o grande e variado sortimento que os proprietarios do PA-
VILHO DA AURORA se apresentam ao publico declarando desde j que a sincerida-
de e o bom gostoo movel nico de seus negocios.
Prvidos de tudo e promptos sempre a prover-se do que por,ventura lhe
seja necessario, os proprietarios deste sumptuoso estabelecimento recommendam-se
sem receio de serem contradiclos e proleslam esforcar-se por continuar a merecer
protecao que se Ihes tem dispensado ; certos de que do seu estabelecimento nao sahira
) freguez descontente.
Contina sempre a officina de alfaiate dirigida por um dos mais habis artis-
tas, prompto executar com promptdao e bom gosto qualquer trabalho qun Ihe seja
ainado. Urna mo'dista especialmente oceupada nos trabalhos do PAVILHO D i AU-
RORA, dirige os que lhe sao concernentes, garante por seu apurado gosto e promptido
na execucao e a mais completa perfeicao nos seus trabalhos.
A numerosa fregoeziarque nos honra uma prova de que merecemos ocon-
ceto que se dispensa ao nosso estabelecimento, conceilo que procuraremos firmar cada
vez mais. Para facilitar ainda a concecucao do fim que nos propomos, termino nosso
esl ihelecimento os ultimos^gurinos de Pars, que recebemos por todos os paquetes, os
ruaes enviaremos para serem vistos as familias nossas reguezas, am de escolherem,
com o padrao da fazenda o gosto na forma.
Na oilicina de alfaiate, junto ao eslabelacmento, ha igualmente os figurioos
para homens que |M)r lodos os vapores se recebem.
E! este o modo porque nes a presentamos pedndo a proteccao do illustrado
'jnblico e com o mais profundo respeiio convidamos s exceilentissimas Sras. a visi-
tarem o nosso estabelecimento, certas de encontraYem nelle pelo menor proco possive-
tudo que podem desejar.
Mjndaremu-s caixeiros levar as fazendas e amostras onde forem pedidas, visto
-jo pudermos especicar tudo quanto temos.
Joo-Lutz, Sobrtnho & C.
Aberto d^s 6 s 9 horas da noite.
Cal nova de Lisboa
chegada no ultimo navio : vende Joaqnim Jos
Ramos, na ra da Cruz n. 8. i* andar._________
PO BAZAR DA ODA
DE
m m mu soares c,
Sua Nova
VENDE-SE MUITO BARATO PARA LIQUI-
DAR A DINHEIRO.
L.uvas.
De pelica branca muito frescas, ebegadas
por este ultimo vapor para homens. senbo-
ras e de cores e pretas para meninoso
par 25000.
Minhas festas!!
Lindos objectos para mimos, como sejam.-
Estojes e caixinhas de msica, bolclnhas e
sestinhas, vasos e balainhos de porcelana
dourada, figuras, tinteiros, port-bouquet.
caixinhas para j'jas, interesantes conchinhas
com frascos para excencias, ricos quadros
para retratos, apparelhos de plaqu, cama-
feo e madreperola, lindos vasos com perfu-
maras etc. etc, e muitos o otros objectos
para este fim.
Chapeo! de sol ou sombrnhas
de setim ricamente enfeitados e mais mo-
dernos que pode haver para senhoras a
14^, 16 e 18OOO.
GUIPURE OU CROCH
preto ou branco que o pode baver de mais
bonito empadr5es e superior em qualidades
para casacos, capinhas, corpinhos, meias
saias etc. e vende-se muito barato.*
LINDAS CAMELIAS
brancas e cor de rosa de dous tamanhos
cada rosa a 15200 e 15300.
Chapeos para senboras,
de palba fina de Italia elegantemente enfei-
tados e goslos muito modernos de 155000,
vende-se para liquidar a 105000. E' pe-
chincha. ^
BCEOS PEKCOMOS
E crystal de rocha do Brasil.
F. f. Germano, recommenda ao publico, seus vidros periscpicos aperfeicoa-
dos; porque, com estes vidros, a vista descanca, fortifica-se e nao a canea come com
os vidros ordinarios. Urna vez escomido um vidro, pede durar dez annos, emquanto
que, com os vidros ordinarios se est obligado a moda-Ios todos os annos e os ter
cada vez mais grossos, o que altera o crystalino do lho e determina quasi sempre do-
res de cabeca. O alcance ordinario da visla perto de 30 centmetros do mo, e,
todas as vezesque o objecto est mais-perto ou mais longe, os raios que expeHe sao
mui convergentes ou mui divergentes e a visio nao perfeita. Um grande numero de
pesseas tem o defeito de fezer convergir muito de sorte que a vso nao distincta.
Com a applicaoao de meus vidros pde-se vencer estas difliculdades. Para os qoe tem
a vista curta e cojo crystalino mui convexo (o que faz ver bem, de perto, e mal de
longe), o que se chama myope, por meio de um vidro concavo affasta-se o ponto de
vista, o que fez divergir 06 objectos e deixa ver tao longe como as outras vistas. Quan-
do o crystalin muito chato, o que succede aos que tem chegado a urna certa idade,
o que se chama presbyta, vem melhor de longe que de perto, e nao enxergam seno
um nevoeiro na distancia ordinaria da vista; com un* vidro convexo, estes enxergar3o
tac distinctamente como na idade de 15 annos. Servindo-se desles vidros quando e
vista principia eufraquecer, previne-se o mal.
P. a. ermann encarrega-se pela sua experiencia, tendente aos olhos, a e s
colher, a primeira vista, seja qual for a idade e grao de vista, oculos proprios para
qualquer pessoa,
Para que sao fabricados estes vidros??
ARARA
E' novidade.
Para a vista myope,. (vista curta).
Para vista que se cobre de nuvens.
Para a vista que por momentos, v es-
voacar pequeos pontos negros.
Para a vista que as palpebras tremem
de fraqueza.
Para a vista que os olhos sao desiguaes.
Para a vista que se turva com o traba-
lho e a leitura.
Para a vista presbyta (vkstagalon).
Para a vista que nao supporta os raios
solares nem grande claridade.
Para a vista operada da catarata.
Para a vista que as palpebras estao ce r
cadas de saugue.
Para a vista que om dos olhos myop
e o outro presbyto.
Para evitar finalmente que o crystalino
do olho se cobra de catarata.
RAPfi POPULAR
DA
FMrA NACIONAL DA BABIA
DE
Teixeira UlduncofrC.
Acha-se venda este ptimo rap, onieo qn
pdc suppnr falta do princeza de Lisboa, por ser
de mui agradavel perfume, viajado, e a preco o
mais mdico possivel; e por isso tem sido ass
acolhido as pracas da Babia, do Rio de Janeiro
em outras do imperio : no escriptorio de Joaqui
Jos Goncalves Beltrao, ra do Commerck) nu-
mero 17
TURA.
Acabam de chegar ao Grande Bazar Univera
ra Nova n. 22Carneiro Viannaum comple-
to sortimento de machinas para costura, dnsau
lores mais conhecidos, as quaes estao em exposi-
cao no mesmo Bazar", garantindo-se a sua boa qna-
lidade, e tambem ensina-se com perfeicao a todoi
os compradores. Estas machinas sao iguaesai
seu trabalho ao de 30 costureiras diariamente, e a
sua perfeicao tal como da melhor costureira da
Paris. Apresentam-se trabalhos executados pela
mesmas, que muito devem agradar aos pretn-
deme?.
MILHO
Em pequeas porcoes a 8*500 ; em maiores
a 84OOO, milho novo, saceos grandes, na ra df>
Vigario n. 16, 1 andar escriptorio de Joaqnim
Guido de Bastos. a mesma casa ha para ven-
der excelleote farinha de mandioca, arroz, gom-
ma, tapioca, araruta em barriquinhas, aWazemi.
vinho do Porto em ancoretas e tarris de quinto,
tadu^,iprecos razoaveis.
Sortimento
para theatro,
de binculos
e oculos de
alcance para
rinha.
o campo e ma-
0 proprietario da loja da Arara, tem a honra de
declarar ao respeitavrl publico, que recebeu om
completo sortimen'o de fazendas de todas as quali-
dades rvai expi'ir a venda pelo preco mais barato
que possivel, eoifio seja madapolao de todas as
unaUtfades, aijodosinhes. chitas e cassas, panno
finos prel'-s, c*clienin.-s pretas e rie cares, rosde
aples pretos-e outras militas fazendas que a vista
dos seus fivguezes vern a sua qualidade de prego
como barato r ra da'Imperatriz, loja da Arara
UZ cuati
Ghegou ao amigo deposito de Henry Porster *
-, roa do Imperador, uro carregameoto de gai
de primeira qualidade; o qual se vende em partida
e retalho por menos preco do qoe em ontr qual
quer parte. ^ ____________",
Milho e farelo.
Ma- liaralo i< nue em optr;'
cnrazemr da Eslrel;, largo do Pan
*S*ll*!SB'
Lunetas, pince-nez e
face--main, ouro, prata,
tartaruga, bfalo, ac,
etc., etc
Tem tambem grande sortimento de Telogios para parede, 1 que d3o horas e para
cima de mesa dos mais lindos modelo Relogios para algibeira, de ouro, prata, prata
dourada efoleada, inglezes, suissos e orisontaes dos melhores e mais afamados fabri-
cantes.
Vendas em grosso e a retalho. Em Pernambuco.
N.21=Rua Nova. 21.
Candido Alberto Sodr da Mulla 4 C, com
escriptorio e armazem na travessa da Madre de
Dos n. 14 tem para vender o seguinte :
Cemento l'.iriland de qualidade o melhor qua
tem vindo ao mercado,barricas de 12a 14 arrobas
por 10*000.
Vinho Bordeaux das seguintes qualidades:
St. Julin.
Fronsac.
Lormant.
St. Emilion. *
Mrgaos.
Chatean de Boycherelle.
St. Lambert.
Lalonbere.
Duplessis.
Canor.
Dearsesai.
Vinho do Porto qualidade muito especial.
Azeiie doce refinado em caix.is de 12 garrafas.
Vinagre superior em garrafoes pequeos.
Farelo hamborguez, saceos do 90 libras, per
6|000.
Farinha de trigo de superior qualidade.
Barris com alcatrio, de arcos de ferro.
Ftimos de todas as qualidades, se encontrar
neste estabelecimento em latas, rolos e fardos.
Papel de todas as qualidades, proprio para ci-
garros.
INJECTIO BROU
jflralca !!tttn e PrmtrfmOn, bintHwtilB i vt.-.a nue cura wm neiibura dCiiito. Vcue4
im anadH Udct* > moa. (Exif lawroin a). (II an*j a, cWucb.) Fr#; a* ta
aawmui. I whwaaMaaarta.ua.
Lequc de madreperola com soda, e todos de
midreperola, muito proprio para ni as, chega-
ram a loja do Passo a ra do Crespo n. 7 A. as-
sim como requissimos chales de touquim de to-
nas as cores, vestuarios bordados de cambraia
para baptizados, rocas de escocia (novidade) mui-
to bonitas para as Exmas. Sras. qoe postara andar
de sapatinho raso e outros muitos arugos de gos-
to que oj proprietarios deste estabelecimento teetn
recel-ido. ____________ \_
O verdadeiro portland. S so vende na
ra da Madre de Deus n. 22, armazem de
Julo Mavtins rt" Ilarros.___________'
Nova factura de bahrios.
Cestas henjrs, enndecas, ronppiros e rosioreiraa
de todos os t|manhos : a ra Omita n. 29, ven-
de-se por menos do que em outra qualquer parlo.
i
, i
DATA INCORRETA


Diado de Peruambuco Quaita eira 27 de Janeiro de 1870.

I
\
han Lian
DE
F^ZEIDA
A DINHEIRO NA LOJA E ARMAZEM
DO
DE
FEIIX PEREIK1 DA SIIjVA.
O proprietario d'esle grande estabelacimento, vendo que se est aproximando o fin-
io anno, e tendo em ser um grande deposito deposito de fazendas; nao fallando em
imitadas encommendas que lnes estao obrigado todos os das, tem resolvido liquda-
las por prego muito mais baratos do que em outra qualquer parte ; s com o fim
de diminuir o deposito e apurar dinheiro. Encontra-se neste estabelecimento do
PAVO| avultado sortimento de iaz^ndas de luxo e modas; assim como de primeira
oecesadade. As pessoas que negociam em pequea escala n'esta loja poderao surtir-
te vendendo-se-lhes pelos precos que compram, n.is casas inglezas; assim como as ex-
cellentissimas familias poderlo mandar buscar as amostras de todas as fazendas, ou man-
dar-se-ha levar pelos caixeiros da mesma loja em suas casas; o estabelecimento se
icha constantemente aborto das 6 horas da manhaa s 9 da noite.
LAZIN'H AS MODERNAS NA LOJA DO PAVO
Chegou para este estabelecimento um grande
sortimento das melhores e mais modernas lazi-
nhas para vestidos, sendo tapadas e transparentes
de todos os precos e qualidades que se vendam
mais barato do que em outra qualquer parte.
Crochs para cadeiras e sofs
O Pv5o tem um grande sortimento dos
mais bonitos crochs proprios para cadei-
ras sofs, mesas, almofadas etc etc., assim
como proprios para cobrir presentes, e ven-
de-se mais barato do que em outra qual-
quer parte,
GLACE' A 1:200 PARA VESTIDOS
O Pavao tem esta nova fazenda lisa pro-
Explendido sortimento de
roupas\feitas
NA LOJA DO PAVO RA DA
IMPERATRIZ N. 60
Acha-se este grande estabelecimento com-
pletamente sortido das melhores roupas,
endo calcas pabtots e colotes de casemira,
de panno, de brim, de alpaca, e de todas
as mais fazendas que os compradores pos-
iam desojar, assim como na mesma loja
tem um bello sortimento de pannos casemi-
rts, brins, etc. etc. para se mandar fazer
qnalquer peca de obra, com a maior promp-
Qd2o vontade do freguez, e nao sendo
obligados a acceita-las, quando n3j stejam prja para vestidos, com as mais delicadas
cores e com mais lustre do que a propria
seda com 4 palmos de largura que facilita
fazer-se qualquer vestido cora 10 covados
e vndese pelobaratissimo preco de 1:200
rs. o covado, pechincha.
Organdys a 360 rs.
Vende-se os mais bonitos organdys de
cores com padrees miudos e graudos. sen-
do todos de cores fixas, pelos baratos pre-
sos de 360 rs. o covaJo.
ALGODO ENFESTADO
Vende-se urna grande porcSo de algodo-
sinho americano com 8 palmos de largura
proprio para lences e toalbas tendo liso e
trincado que se vende por preco muito em
conta.
completamente ao seu contento, assim como
Q'este vasto estabelecimento encontrar o
respeitavel publico um bello sortimento de
camisas francezas e inglezas, ceroulas de
jobo e algodad e outros muitos artigos
proprios para homens e senhoras promet-
lendo-se-lhe vender mais barato do que em
outra qualquer parte. Na ra da Impera-
r n. 60, loja e armazem de Flix Perei-
ra da Silva.
CERA DE CARNAUBA.
Vende-se urna grande porco de cera de
carnauba em saceos por preco mais barato
do que em outra qualquer: na loja do
Pavao ra da Imperatriz |n. 50. De Flix
Pereira da Silva.
FAZENDAS PARA LUTO
Na loja do Pavao.
Encontra o respeitavel publico ueste estabeleci-
mento um grande sortimento de fazendas pretas,
como sejam, cassas francezas e inglezas, chitas
pretas de todas as qualidades, fazenda de laa de
.odas que tem vindo, proprias para lulo, como
*ejam, laazinhas, alpacas lavradas e lisas, cantao,
oombazinas, merino, etc., que tudo se vende por
preco barato.
AS CASSAS DO PAVAO
Covado a 300 rs.
Vendem-se flnissimas cassas francezas com lin-
dos desanos e cores fixas a 300 rs. o covado.
Madapoluo francez a 7$000 rs-
Vende-se pecas de madapolao francez
com 22 metros pelo baratissimo preco de
"(J000 a peca, pechincha.
Altas novidades cni sedas
Chegou um grande sortimento das mais
modernas poupelinas ou gorgures de seda
linho com os mais elegantes padres que
;em vindo a este mercado sendo, miudos e
graudos, tanto em cortes para vestidos como
para vender em covado, assim como um
bonito sortimento das mais bonitas sedas
iistradas que se vende tudo muito em d*nta
Grosdenaples de cores
Chegou um grande sortimento dos mais
bonitos grosdena pies de todas as cores para
vestidos que se vendem muito mais barato
do que em outra qualquer paite.
m n mil mm i
LASINHAS LUSTROSAS A iOORS. O CO-
VADO.
S o Pavao
Vende-se um grande sortimento das
mais modernas e elegantes lasinhas para
vestidos, com as cores mais novas que tem
vindo a este mercado, sendo com listrinhas
miudinhas que parecem de ::ma s cor e
com tanto lustro que imitam perfeitamente
s poupelinas de seda, e vendem-se pelo
barato preco de 400 rs.
Os setins do Pavao
Vende-se os mais bonitos setins de cores
e mais encorpados proprios para vestidos
tendo de diversas cores.
AOS PALITOTS DO PAVO A 18$ e
20*000.
Vende-se um bonito sortimento de palito-
ts franceies sendo, sobrecasacados e pro-
priamente sobre-casacos, que se vendem
forrados de alpaca a 183000 e forrados de
eeda a 20*000, pechincha.
COLCHAS DE FCSTAO
Na toja do Pavao vende-se um grande sortimen-
i de colchas de fusilo sendo brancas e de cores
ditas de croch para camas de noiva, assim eomo
qonitos damascos de laa para colchas.
Na loja ero Pavao vendem-fe os mais
bonitos chales de verdadeira cachemira de
cor, com os desenhos mais modernos, a 60,
10 e 12*000, muito barato na roa da Im-
peratriz n. 60.
BASQUINAS A 12*000
* Na loja do Pavao vende-se as mais mo-
dernas basquinas ou manteletes de guipure,
pelo barato preco de 12*000 cada urna.
Cortes de organdys com barras
Para a loja do Pavo chegaram, os mais
bonitos cortes de organdys com barra, sendo
cada um em seo carto, com o competente
figurino, muito propr.os para fazer pre-
seates-
Pechincha a 2.5000
Par* lenqes.
Naloiado Pavao veode-se superior bramante
com 10 palmos de largura, dando a termino com-
primento do leocl, sendo apenas preciso para
cada lencol um e meio, ou u-n e um quarto me-
tros ; alm dcsta aplieaeo tem outra* muitas
para irranjos de familias e vende- se peJo&arato
preco de 2*000 o oieiro. Na loja do Pavao, roa
almpertfnz n. 60. De Flix Pereira da Silva.
Paaos de liuho
Chegou um grande sortimento de pecas
de panno de linho do Porto que se vendem
de 700 rs. at 1*000 a vara, garantindo-se
que em fazenda de linho nao ha nada me-
Ihor, nem mais proprio para lences e toa-
lbas.
PECHICHA EM CHAPEOS DE SOL
Chegou um grande sortimento dos me-
lhores chapeos de sol de seda, inglezes ten-
do neste artgo o melhor que tem vindo ao
mercado assim como urna graqde porc3o de
ditos de alpacas de todas as cores e todos
se vendem por preco muito mais barato do
que era oiitra qualquer parte, por haver
grande pereao.
Lencos braucos
Vende-se um grande sortimento de len-
cos brancos para homem, sendo a duzia a
1*600,2*000 e 3*000, ditos abanhados
muito finos a 1* e 6*000 a duzia, ditos de
esguiao fazenda muito superior a 5*, 6* e
7*000,
Pechlcha em casemf ras a 000
Vende-se fmrssimas casemiras de cor com
listras ao lado, tendo duas larguras e com
as cores mais novas e mais bonitas que tem
vindo ao mercado, pelo baratissimo preco
de 4*000 o covado ou 7*000, cada corte
de calca.
r" "^riBB'*" i
&a CtutMAU*
>*'
GR4NDE NOMDE
Quando a AGUIA BRRNCA, mais precisa scientificar ao-respeitavel publico em
geral, e em particular a sua boa freguezia, da immensidade de objectos que ltimamen-
te tem recebido, justamentePquando ella menos o pode fazer e porque essa falta invo-
luntaria ella confia e espera na benevolencia de todos que Ih'a attenderad e relevarlo,
continuando portanto a dirigirem-se a bem conhecida Ir ja da AGUIA BRANCA ra do
Queimado n. 8, onde sempre acharo abundancia em sortimento de superioridade em
qualidades. modicidade em precos e o seu nunca desmentido AGRADO E SINCERIDADE
Do que cima fica dito se conhece que o tempo le que a AGUIA BRANC V pode
dispr, empregado apezar de seus cusios no desemptnbo de bem servir a aquelles que a
honram procurando prover-se em dita loja do que necessitam, entretanto sem ennume-
rar os objectos que por sua natureza sao mais conhecidos ali, ella resumidamente indi-
car aquelles cuja importancia, elegancia novidade os tornam recoramendaveis, como
b^m seja
Corpinhos de cambraia, primorosamente
enfeitados com fitas de sem e obras essas
cuja novidade de molde e perfeic5o de ador-
aos (s tornam apreciados.
Fitas mni largas de diversas cores e qua-
lidades para cintos.
Leques uesse objeeto muito se poderia
dizer querendo descreve-los minuciosamente
por suas qualidades, coree e desenhos, tal
o grande e variado sortimento que acaba
de chegar, mas para nao massar o pretn-
deme se lhe apresentar o que poder de
melhor.
Entremeios em pecas de 12 tiras.
Guipure branco e preto de diversas qua-
lidades e desenhos.
Ditos de algodo com flores e lisos.
Veos de seda para chapelinas e monta-
ra.
Meias de seda para noivas.
Ditas abertas de fio de Escossia.
Costumes ou uniformes para menioos.
Enxovaes completos para baptisados.
Touquinhas de fil, sapatinhos bordados
e meis para ditos.
Camisinhas bordadas para ditos.
Capellas brancas para meninas.
Grandes sortimento de flores finas.
Fil de seda, preto.
PERFUMARA
Grande e constante sortimento de dita,
sempre melhor qoajidade.
Lindos vasos com p de arroz e pinsel,
Caixinhas com ditos aromticos.
Bonitos e modernos pentes dourados
para circular o coque.
Bonitos brincos de plaquee.
Aderecos e brincos de madreperolr.
Caivetes finos para abrir latas.
Thesouras para frisar babadinhos.
Aspas para balo.
Novos stereoscopos com 48 vistas, as
quaes sao movidas por um machinismo
urnas substituera as outras.
Vistas para stereoscopos.
Bonitas caixinhas de vidro enfeitados com
pedras.
Ditas de madeira envernisada com vispo-
ras e com dminos,
Bollas de borracha para brinquedo de
enancas.
Diversos objectos de porcelana,, proprios
para enfeites de mesa e de lapinhas.
SORTIMENTO PARA A FESTA
Yende-se por menos de 10, 20 e 30 i0
SO' NO
N. 23Largo do Tenjo.H. 23.
DE
S1MA0 DOS SANTOS 8" C.
Os proprietarios deste bem sortido armazem- de secco e molhados estao re-
solvidos a fazere urna grande diminuico de precos as suas mercadorias, como se apro-
xima a festa e sempre se fazem avultadas compras para o centro e praca, por
isso previnem ao respeitavel publico em geral, que mande fazer suas despenca* e cer-
tos de que vero a grande differenca em precos mais do que em outra qualquer parte
e garantindo-se as superiores qualidades.
GAZ
rs. a garrafa
Os baloes d Pavao a 2000,
Cheg u um grande sortimento de baloes
ou crenolinas do feitio mais moderno muito
proprias para vestidos ennesgados que se
vende pelo baratissimo preco de 2*000 ca-
da um grande pechincha.
AS OH BRAJAS DO PAVAO A 4:500 RS.
Vende-se urna grande porco de pecas
de finissimas cambraias brancas transparen-
tes tendo 10 jardas, com mais de vara de
largura pelobaratissimopreco de 4*500, a
peca sendo fazenda que nunca se vendeu
por menos de 8*000, grande pechincha.
AS POUPELINAS DO PAVAO A 500 RS.
Chegaram as mais lindas poupelinas de
laa com imitaco das poupelinas de seda,
um* fazenda muito leve com as mais lin-
das cores, sendo: verde Rismark, rxa, azul
lyro, c nsento, perolla ote, etc. e vende-se
pelo baratissimo preco de 500 rs.
Fustoes trancos para vestidos
Chegou um lindo sortimento dos mais ba-.]
ratos e bonitos fustoes brancos com listras
e cordes, sendo fazenda bastante larga e
flexivel, muito propria para vestidos e rou-
pas de meninos e vendem-se a 640 o co-
vado.
BONITAS UASINHAS
OU ANADINAS A 1*000 RS. O COVADO.
Chegou para .o Pavao, um grande e va-
riado sortimento desta nova fazenda de la
e seda propria para vestidos, eom os ms
delicados desenhos e mais modernas cores,
tendo bastante largura que facilita fazer-se
nm vestido com poucos covados, pelo bara-
tissimo preco de 1*000 o covado, por j es-
tarera muito prximos da festa.
CRETONES MATISADOS PARA VESTIDOS
A 640 E 800 RS.
Para a loja do Pava chegaram os mais
bonitos cretones escuros matisados, pro-
prios para vestidos, roopao chambres etc.
que se vendem 800 rs. o covado, assim
como a mesma fazenda em padres claros
proprios para vestidos e roupas de meni-
nos a 640 o covado, sendo os padres mais
moderaos que tem vinpo ao mercado.
Chitas francezas
Para a loja do Pavo chegaram a mais
finas e bonitas chitas escuras, propriameuti
francezas, e vende-se a 500 rs. o covado.
AMERICANO 9*500 a lata, e 410
e 660 rs. o litro.
VINHO VERDADEIRO F1GUEIRA 560
a garrafa, e i*500 a caada e 800 rs o ti-
tro.
DEM DE LISBOA das melhores marcas,
400, 440 e 500 rs. a garrafa, a 2*800 e
3*200 a caada, 660 e 720 rs. o litro.
DEM BRANCO DE LISBOA a 4*000.1
a caada e 560 a garrafa, e 840 rs. o litro.
VINAGRE VERDADEIRO DE LISBOA
200, 240 e 320 rs. a garrafa, 1*400,
1*800 e 2*200 a caada,
AZEITE DOCE DE LISBOA 900 rs. a
garrafa, e 7* a caada, e 1*340 o litro.
MANTEIGA INGLEZA FLOR 1*400 e
1*80 a libra, 3*060 e 2*780 o Icilo-
grammo.
DITA FRANCEZA 960, 900 e 850 rs.
a libra, e 2*100, 1*980 e 1*860 o kilo-
grammo.
DITA PARA TEMPERO 560 rs. a li '
bra, 1*220 o kilogrammo, em porco se
far abatimento.
BANHA DE PORCO DE BALTIMOOR
720 rs. a libra, e 1*560 o kilogrammo, em 800 rs. a garrafa.
SEVADLNHA E'SAG 280 rs. a libra e
620 rs. o kilogrammo.
FARINHA DE ARARUTA VERDADEIRA
6^0 a libra e 1*400 o kilogrammo.
BOLAXINHA INGLEZA MUITO NOVA a
400 rs. a libra e 800 rs. o kilogrsmmo.
VELLAS DE ESPARMACETE 720 rs. o
masso, em caixa ha abatimento.
PHOSPHOROS DO GAZ E DE SEGU-
RANZA, 280, 400 e 560 rs. o masso,
3*200 e 6*500 a groza.
AMEIXAS EM LATAS E CACHINHAS
DE MUITOS TAMANHOS 1*280, 2*500
3*500,4*500, 5*500 a lata e a retalho e 1*
a libra.
GOMMA DE MILHO AMERICANA 400 rs
o masso, e em caixa ba abatimento.
BATATAS NOVAS DE LISBOA 60 rs".
a libra, em caixa faz-se abatimento.
SERVEJA INGLEZA MARCA II a 5*500
a duzia e 500 rs. a garrafa.
DEM BASS, VERDADEIRA IHLERS&
BELL, 800 rs. a garrafa e to a dnzia.
VINHO DO PORTO ENGARRAFADO DE
DIVERSAS MARCAS 1*500, 1*200, l*e
0 Campos da ra do Imperador n. 28.
no intuito de servir satisfatori mente aos
seus innmera veis amigos e freguezes, em
particular e em geral ao respeitavel publico,
desta cidade ; avisa aos que estiverern pas-
sando o tempo calmoso, nos deleitaveis
arrabaldes desta capital, que tem resolvido
vender, de de superior qualidade, a procos
razoaveis, os seguintes gneros a saber:
PARA CIMA DE APARADORES
Latas com doce em calda de diversas
qualidades nacionaes e estrangeiros.
Ditas com pee a saber; salmn, ostras
e lagostas.
Ditas com ervilhas francezas e portngue-
zas.
Ditas com gela franceza.
Cerveja franceza verdadeira Bobee.
Presunto para fiambre e afiambrados.
PARA DISPENSAS
Latas com chouricas novas sendo de 8*,
cada urna.
Presuntos de Lamego para tompeiro.
Cuias do Para (pintadas pelos indgenas
daquella provincia.
Copos de vidro com dobradica e tampa
para diversos misteres.
PARA OS QUARTOS DE DORMIDA
Porta-phosphoros ebeios de phosphoros
de segnranca.
PARA SALA
Churutos de S. Flix do afamado fabri
cante Costa.
Fumo picado do Daniel de S. Joo do
Rio de Novo.
Alm desses gneros, o Campos tem con-
vieco de que o seu estabelecimento um
dos que podem satisfazer com garantas as
exigencias bem entendidas, dos Ilustrados
habitantes desta heroica provincia, porquan-
to se acha elle bem prvido de gneros su-
periores, de maneira a Do desmentir
O Campos.
DO
BRACO DE OURO,
Ra do Imperador n. 26
Neste novo estabelecimento encontra-se
diariamente um variado sortimeuto de bo-
linhos para cha, pastis, podins, bollos in-
glezes, pes de l. presuntos, ditos tm fiam-
bre, superior cha Hysson, preto, e miudi-
nho. Vinhos finos de todas as qualidades
conage, licores, conservas, champagne, cer-
veja ingleza, fructas muito boas, por-
tuguezas e francezas.
Um completo e variado sortimento de
caixinhas de todas os gostos e precos para
mimosear senhoras, estas caixinhas recen-
temente chegadas de Paris sao de primora-
do gosto, ofleresse-mo-las aos galanteadoi es
do bello sexo pois nellas acharo nm digno
e serio presente para as donas'dos seus
pensamentos. Tambem os apreciadores da
boa fumaca encontraro charutos dos me-
lhores fabricantes da Baha e de Havana
sganos do Rio de Janeiro etc. etc.
Doces d'ovos seceos, christaiisados e de
calda, ditos de ca e de outras qualidades.
Nesla casa recebem-se encommendas para
bailes, casamentos e baptisados e qualquer
encommendas avulss, como seja pao d l
e bollos enfeitados e outros muilas couzas
que enfadonho mencionar.
n
lili
porco se far abatimento.
ARROZ DO MARANHO E DA INDIA
120 e rs. a libra, 260 rs. o kilogrammo e
3*400 a arroba.
ALPISTA 200 rs. a libra e 440 rs. o
kilogrammo, e 65000 a arroba.
GAF EM GRAO 6* e 6*500 a arroba,
200,240 e 260 rs. a libra. 440 e 520 rs. o
kilogrammo em sacca se far abatimento.
SABAO MASSA 240 e 200 rs. a libra,
520 e 440 rs. o kilogrammo, em caixa se
faz abatimento.
MASSAS PARA SOPA, MACARRAO, TA-
LHARIN E ALETRIA, 560 rs. a libra'e
1*220 o kilogrammo.
BOLACHINHAS EM LATAS DE DIVER-
SAS QUALIDADES, bem como perola bri-
Ihanie, combination, Francy-cracynel, ffiixed
Britania. Mdium, Fancy-nic-nac, a, b, c, e
soda a 1*000 e 1*400, cada urna lata.
Assim como ha outros muitos
LI
Resta venda um escolhido sortimento de ob
lelos de marcineria, como sejam, raobilias de ja-
iarand, mogno eamnrello, obra nacional e estran
eir, de aparado gosto e por prejo.< razoaveis :
aa ra estreita do Rosario n. 32. Nesta mesma
asa fazem-se com perfetcao todos os trabalhcs d*
palhinha, como sejam, empalhamentos de lastros
jara camas, cadeiras e sophs.
Cal de Lisboa
chegada no ultimo navio, tem para vencer Joa-
quim Jos Godcalves Bnltrao, no sea escriptorio 3
rna do CmmpTCo n. 17.
TASSOmMASftC.
Vendem em seus armazens, no caes do Ap d. 7, E>cadinha n. 1 e ra do Amorira n. 37,
spguintes generes:
Ac de Milao.
Milbo em saccas grnde?.
Farello era suecas de 00 libras.
Chumbo de munico surtid.
Metal amarvll > pa'ra forro de na\ i .
Machinas para usearocar algodo de 14, 16 IR
serras.
Kerosene era latas de o palito*
Champagne do a'amadu fabricante Krgi
Hormuulh.
Vinho do Porto engarrafado.
Coac do afamado fabricante Gaotier Frres.
Fogu da China, caixinhas, iO cartas n. i. Estr*.
Gencbra ingleza Cimento Romano.
Cimento Hidrulico.
Cimento Porlland.
Gesso para estuques.
Cannos de barro para rsgotos.
Gradramentos de ferro para jardns, calcadas ele.
Carros e mao para servidos de armazeus.
Garrafoes com 5 galoes de vinagre tinto,
dem com 3 cales de vinngre tinto'.
Chumbo em barra.
COGNAC.
De superior qualidade da mui accredta-
da fabrica de Bisqoit Duboucb A C, en*
cognac urna das que mais agurdente de
cognac, fornecem par,a o consummo do
Reino da Inglaterra.
Vende-se em casa de Th. Just. ra do
^ommercio n. 32.
VNDESE ou arrenda-se o engenno
S. Gaspar, silo na freguezia de Serinhtm,
comarca do Rio Formoso, prximo do em-
barque, com grandes partidos de pal e
massap i roda da tnoenda, mattos mangues
para madeira necssaria, bom pasto, etc :
a tratar na ra d'Aurora n. 20, ou na do
Imperador n. 20.
Loja do p:isso
Os requissirnos cortes de blonde de seda corr'
manta e capella para casamento, sendo oeste ar
tigo o que se pode uesejar de melhor e mais mo-
derno, tambem chegaram s cortes de seda de c'>
res novidade, e outras inuit.ns fazendas de go-t
i|ue chegaram pelo ultimo npor francez, s para
a loja do Passo a ra do Crespo n. 7 A.
Farinh de mandioca
Vende-se familia de mandioca nova e muito su-
perior, chegada ltimamente de Santa Caiharioj,
abordo do lucre ilnrijaridn, fondeado dtfruiile trapiche do Exm. Baro do Livramnto ; e pata
ratar ra do Commercio n. 17, escripturio de
Joaquim Jos Goncalvs Beltrao. .
Aos forradores de carros
donos de coahtdra.
Na cocheira da ra Nova de Vieira & C, te.1
para vender o seguirte :
Pelles de vaqueta muito grandes.
Encerado grosso para guarda-chuva.
Dito lino para forro dos carros.
Seda azul e panno para forro.
Galo largo e etivilo.
Lanernas e fichas para carros.
Escovas para lavar cava!los.
Bonitos chicotes.
Latas com grarha para limpar arreios.
Pregos de cabera de osso.
Mollas de a e de i folhas.
Attenco.
GENEBRA DE HOLANDA E HAMBUR-
GUESA 7* e 6* a frasqueira, e 500 rs. o
frasco.
DEM DE LARANJA DOCE AROMTICA,
11* a frasqueira e 1* o frasco.
QUEIJOS DE DIVERSOS VAPORES,
3*000, 2*800 e 2*400 em caixa ha abati-
mento.
TOUCINHO DE LISBOA MUITO ALTO
\ 400 rs. a libra, e 880 rs. o kilogrammo,
e 11*500 a arroba.
LINGUICAS FINAS PROMPTAS EM LA-
TAS 1*000 rs. a lata.
lOMBO DE PORCO ASSADO JA PROMP
TO a 1*000 rs. a lata.
CHA FINO. GRAUDO E MIUDkNHO
3*200 e 2*800 a libra, e 6*100 o kilo-
grammo.
DEM PROPRIO PARA NEGOCIO 2*000,
2*200 e 1*800, rs. a libra,
gneros, vinho em ancoretas, azeitonas,
Na loja e armazem doPavi 4 ri/i da Imperatriz n.
60.
muito novas, passas e figos novos, charutos de diversas marcas, marmelada, feita pelos
melhores conserveiros em Lisbfia. gela de marmello, pcego, ervilhas, em latas, por-
tuguezas e francezas, vinho verde engarrafado retalho, peixe em latas, bem como
pescada, tainha, pargo, goraz, lula, corvina, vezugo, cavalla, sarda e sardinbas de Nan-
tes. Canella, cravo, ervadoce, cominho, pimenta, grandesaolhos de sebolla 1*500.
Finalmente muitos outros gneros que enfandonho menciona-los.
PARA A FESTA
3 portas, loja de fer a^em
53-Rua Direita53
CEMENTO
PORTLAND.
Vende-e no armazem amarello de Vicente Fer-
reir da Costa & Filho, defronte do arco da Con-
Neste grande estabetecimonto, na para vender ^^ em oarricas grandes
um completo sortimento de ferragem, e aude/.
linas e grossas, no sejam bandejas ehineas |
quadradas e ovaes, facas e garras de l 2
toes, balanco inteiro e 1/2 balanro; pancllas,J^
Iheiras, eac3roUa?, frigideiras, assadeiras, t^H
de forro como de porcelana, mointos para caMH
diversos tamaitos do
gra^imos, tanto de fe
para medir fazenda
salitre, bren, barban1 papel marca va-1
^b verdad.lro Picardo, machinas para desea- i
~r algodo; alm de outros argos de trra-.
uiiadezas culilarias fina
_ se voriflea; na ra dlrerta n. S3 loja de 3 p
tai de Maaoel Bento de Oiivcira Braga* U.
CIMENTO
Da melhor qnalidado e por menor preco
que em outra qualquer parte, vendem Ama-
Moreira & C. em seu armazem do Caes
da Alfandega n. 7.
o muito acreditado armazem de
da Cnnceic^OjA U, com boas
para ijucm tiver bmilia ; o dono
iin p.ir nao poder continuar :
uem prstender djrij-se ao mesmo.

Rheumatismo e moles-
tias syphiliticas.
Arrobe vegetal, xarope de salsaparrilha
do Pata, pilulas e xarope de veame, tin-
tura e xarope de sicupra.
Doencas do Ggado e bago, ane-
mia, opilado, ete.
Emplasto, oleo, pommada, tintura, pi-
lulas, xaroDe e vinho da milagrosa Juru-
beba.
Sezdes ou febres intermitentes
As pilulas anti-periodic3s de Pinto.
nico deposito destes medicamentos na
pbarmacia de seu autor ra larga do Ro-
sario n. 10, junto ao quarlel do corpo de
polica.
NA PHARMCIA DO PINTO RA LARGA DO
ROSARIO N. JO JUNTO AO QUAR-
TEL DE POLICA.
Acham-se constantemente promptas a
senm satisfcitas, as prescripcoes dos Srs.
facultativos, e as Decessidades dos enfermos
s especialidades da mesma pharmacia.
composta de medicamentos, tanio indge-
nas, como estrangeiros.
Tosses e molestias do peito.
Xaropes de fedegoso, rabo de tat,
Agri3o, pao Cardoso, juca, multing, u.u-
amba, etc, etc.__________________
Liquida^o.
O proprietario da loja, denominada Gr.ribaldi,
fai ver ao respeitavel publico e seus freguezes, qne
tendo concluido sen balando, como de costume
dar-se no (lm da cada anno, o tendo o mesmo pro-
prietario feilo diversos abatim*itos em suas fairtt-
das para servir seus freguezes, como sejam Alca-
mas abaixo mencionadas, a sabei : madapoln
o o bom, algodo pessa i3 e 5, chitas france-
zas a 280 o covado, cassas francezas a 240 o co-
vado, aloacas de cores para vestidos n 500 o cova-
do e outras muitas fazenda que seria enadonho
mencionar por falta de tempo, fazendas pretas para
a quaresma a saber : grosdenaples preto de M
das 3S qualidies, panno flao fireto de todas as
qualidades, caxemiras prejas e de cores o ouiras
muilas fazendas que se vende sem reserva do pre-
co na ra da Imperatriz loja do GaribaMi n. 5o.
em tempo para nao haver eogano na frente da ro-
ja do Ganbald haver dous letreiros do ii.iuida-
can em lettra grandf.________________
Chegem pechincha.
Cambraia francezas de cores milito finas a 240
reis o covado, e 400 o 300 reis a vara.
Ditas ditas pretas muito finas, a 24<> o covado c
400 e 300 reis : estas fazendas sempro so vende-
rn) por 800 reW a vara : rus do Qoeiu
40, defronte da botica nova.
Tendo fngid, ha dias a escrava Agtiida, cabra
de 25 tonos, mais 011 monos, um poueo mspr:i f
ve=ga, com o boim soposto de J'h. reza, |ede a quem a poder prender o obsequio de lava-la
a sua senhora a Exina. Sra. Baroneza da Victoria.
ra da Aurora n. 64.______________ __
Aviso s autoridades paikiaes
e a quem competir
No dia 29 de maio do corrente anno.
fugio o escravo Ezeqniel, crioulo de 30 3S
anuos de idade.. estatua repular, reorcado
cor bem prea. cabeca redonda, trajava C3-
mi a azul e calca de cassemira cinzenta:
luranle o dia cosluma andar ganhando na*
ras, nu em armazens temas a conversar e a beber; duran to a
noite recolhe-fe a telhetros abortos, oh po-
nelraves, a casas em coDStrocco e 1 outio?
quaesquer lugares, onde se possa abrigar;
quem o apprehender tenha a bondade de o
conduzia a ra da Aorora n. (i, oti na t<
Imperador n. 2\ onde ser iiralifi ado.
u
Fugio no dia 24 do correte mez do flezeml
do sitio da Ponte df Ucha', o escravo Victoria.
filho do sertao do Ico, preto fula, baixo. idade |T
a 18 annos, vestido wm calca branca, blusa d*
algodaozinho curta, chapeo do ehyle de aba larn.
baslante ladino, costuma a emhreai^ar-se. fa*
com humildade : pede-se, portanto, s autorida-
des p.-hciaes e ios capitaes de ''.ampo a captura
de referido escravo, e de entregar no -ilio da Por-
te de cha, de lote Moroira Lopes qo recober
100a de gratificado. ________________
Aelia-s^ fgido y esrravo preto Je nom
Jo?, idade 40 annos, estatura regular, corp-
proporcao, potirit barba, alguns cabellos brane
na cabeca, tem junto bocea e no pesenco tip'-i
de um arranho, coja cor-5 mais clara (|iic ac
pelle em ct-ns iquencia do ler garado ha pone;.
levnn capeo cinzento de feltro, camisa de enjl
rocha o outra branca, e dnas calcas pardas ; fot
escravo do Sr. Antonio Manoel Pereira Vianu;.
morador no Grvala : quem o capturar leve o *
ra do Apollo n. 14, quo ser reriiinpen AVISO
Fugio no dia 18 do crrante nMt a Bfenva t-
beria, crioul, cor rua, do Idade de io annos, e
latura regular, secca do corpo, quando anda p\j
cha por um quarM, falla mans.i, beic/a gr,
sentora delgada, rogase portanto as autoridad
e capilaes de campo a sua captura o quem a p-
gar deve Uva la na nm do Amortan n. 4, ou i
Soledade n. 00 onde -eru gratificado.
Na noite do sVminfib 18 do correte fugi) fa
engenho Limoeirinho, fregneiia da Ewad. n:>
mulato de nome Joan, com os seguinies signan
um tanto claro, cabellos neaboclados, olho- grai-
des c papnd"*, bocea grande, beieos fwwn. pt
bem cambados do bichos, levou vestido cal?
aqueta de brim pardo, tendo a calca o forro ca-
buleos encare-ido, camisa nao se sabe se do rOr e
branca, chapeo de bata j usado ; foi do padr"-
Jos de S. M;i!heus, e comprado na praca ao Sr
Souza, na ra do Imperador ; quem o apprel.
dor, eveo ao sen scnhiff, no ogenho Limoeirinb
ou nessa prai i ao^ Srs. Bernardino Corren 4 C
ra do Livnuuonto n. 20, qao ser bem reo
pensado. t .
ATTENCO
Fugio do engenho Arartpo do
Ignara- Benedicto,
mais ou menos, 16 tutees, baixo.
bem preto, rosto cotr.prido e
linas, pjis pequeos t l2,
falla bem; coata qt
Ooyanna : r
DATA INCORRETA




8

u
Diario
de Pernambuco



FOLHEUiW
OS CASACAS PRETAS
ROMANCE
NI
* Paulo Fval
(Continuaco do n. 49)
>
FPIMKIO
Primeira represen ta^. o dos Casacas Pretas,
drama em fi actos e i 1 quadros, de
grande espectculo, com prologo, epilo-
go, sete scen*s novas, mutacoes vista
e dancas em carcter.
latrodaicco
Tal era, poneo mais ou menos, o corpo
dos enormes cartazos aflixados, que alm
d'isso continuara, n'qm quadrado branco,
alerto eutre a geral cor de luto que cor-
responda ao titulo :
A Sra. Taima Ro:ixiool estreiar-se-ba
no papel de eondessa Fra Diavalo. *
Todos em Paris saaam que o theatrode
'Iracas, raeu Deus! jogava a sua pa/ada
decisiva u'aquella importantssma obra. O
il e inteligente direc'."r, quem de
urapo imrnemoravel ameacava imperturba-
vclmente a alleocia. entrara em gastos ex-
dmarios. Alm da acquisig.au da Sra.
Taima Rouxiaol, tinlia elle esepurado
clowns. nleiranaeuto inditos, tres sel-
as das margeos do rio Colorado, que
uslentavam da carne dos mimigos ven-
;, urna matrona d nosa agi-
lidad: no difUcil exer< lir espa-
oado. que dovia
ir a can
No t eanos
LITTERATMA.
As melodas do capillo
Wolfram,
fContinuaeo.)
11 i
J! disse o cmitSo mordendn os la-
bios para nao rir. Estar lambem nomu
pmgraaima sur aa o salvador de mocas
,,tas ? Ah Toniam a liberdude du ser-
v rease de ineu nome sem cpnsentimente;
i ver isso. E no emtanto eila en-
cantadora !
Vio respondis, senlwr, so ret-
metale a vos, a quem eu devo a vida ; nSo
recusis por mais tempo aceitar os tete-
nunlvs do meu reconhecimento.
Vamos, disse o capitn com fingida
modestia, parece que son eu.
Carrugaslc-me ale a choca de um
cesrador.
A' casa do pai aquelle, como o cba-
niaes.
Nao. a casa da velha Magdalena.
Ali! sim, venlade ; passa bem a
boa reina Magdalena ?
Co lada morreo.
Ora vamos, tanto melbor, isto tanto
peor. Einbrulhoii-se-me a Iragua.
Agora, senhor, que estis ahi, espero
qne mu restituiris o que bem sabis.
O que eqoe eu sei repeli Wolfram
uuiito intrigado.
Oque metirastes.
Eu?
= Essc bracelete feito com os meus ca-
ballos.
Vossos cabellos, minlia senhora ; ne-
ihum poder humano peder scp '','lles. Nao contis com isso, minha se-
tihora, nunca o restituirei.
Ento guardai-o capito, disse Mar-
gacjda abaixando os othos, porm como
nina lerabr nca do servico que me pres-
tastes.
Minha senhora, oxclamou com fogo
Volfram, infelizmente nao lenho tempo d
usar de circumloquios e florear o eslylo
los namorados coinmuns; fallar-vos-hei
francamente como verdadeiro marojo. Te
uno vinte e oito annos. urna sau le de ferro,
3,000 fl-jrins de rendimento e um com-
mando que me d outro Unto.
Filo um auno por outro, dous mezes em
trra. Qierds ser minha mulher.
Vossa mulher ? re.-ietio Margarida
aturdidor com a singulai idade da per
gUlllM.
Nao vos embaracis respondei com
francjucza: salar um sim, volto d qui a
um Bel, se for um nao, fa;o proa para
Nova Z-landia, e nunca mais ouv reis fallar
de mina.
Renunciareis para sempre a msica,
e i gloria ?
Com enthusiasmo!
Mas emtm, eapito, urna unio con
tratada com semelhante precipitaeSo sena
sem precedentes no mnndo
TereL eolio o mrito da invenco.
Pois bem capito, disse Margan !a
relirando-se, eis meo primo Fabncio que
volta ; fa/.ei-lbe o vosso pedido, e se elle
coasente proraetto-vos obedecer lite.
S iis adora vel exclam >u Wolfram.
aportando a mo que llie esiendia a moca.
Urna nora depois, o Ilustre maestro Wol-
fram chamava a parte o seu migo Fabri-
ioeo lio Muller, e pedia ollicialmente a
mo de Margarida.
Os sei mil llorn* de rendimento pro-
lu/.iram mgico feito sobre o velho ren-
deiro, que insi>tio para que se lixasse sem
demora u da do casamento.
Quanlo a Fabricio. nao p'le contero seu
mau Jaumor, e depois de ter procurado dis-
uadir Wolfram de sua ideia lixa, recu-
sotHhe positivamente o se consent-
ment.
Ali! ento a cousa essa ? disse o
capito attrahindo o seu antigo camarada
ao van de urna janella ; tt. recusas admitir-
me em tu.t familia, l'ois bem.'mil cartu-
i ios! vamos ver... Yon j principiar, de-
clarar en alta voz que nao son autor de
todas essas engenho asa quatromos; re-
neg qnatro vezes os Cintos nocturnas.a
Estrella do navegante ..
W"ifram, tu nao fars isso balbu-
ciou Fabricio com terror.
Lies ver.
Mas essa unio impossivel; mi-
rtha prima nao te ama, nao le pode mar!
Muito bem : linda em cima atrevi-
do. Pergunta-lc isso primeiro, anles de
aliar.
Seja. disse o mancebo, paludo de commo-
;o e de colera. Mas tu te calars ?
'linio como um peixe.
__p,.
,i.-|.'-Imm
_ bem! ti
^^."5la.
*Sua resposta, i dir.er '
Wolfram un ha ra aiprogr esse
ultimo pi ee miji-
to leal e rect pe de feto
tutor e a deci iaa dever-ll>e4lla
ser sagra
M o genio exaltado
que ia deixar de co-
her com agrado pediiVi do capitio; com
mesmo fecto quttava-su para cora o seu
salvador o associava o seu destino ao de um
liomem Ilustre.
-abncio fui pois portador de urna solu-
cM favuravel para seu amigo.
S urna pessoa da gnnja advinbara o
segredo-de Fabrinio ; era Mara, que m grado as instancias fraternas, raaolueti im-
pedir um casamento que. faria a dc^grafa
de todos. Fallar a Margarida era lempo
perdido, porq ,e as observaces que Fabi-
cio julgara de seu de ver dingir'lhe, lize-
ram-a leimar ainita mais na sua resoiiico.
S tinha, pois, que tentar una ultima me-
dida junto do capito : inandou-lhe >edr
tima conferen ia.
Wolfram prmcipiou por encnlorisar-se.
E' de mais! julgam-me entoum pes-
tifero, hradou elle colrico.
Nao, capito*, disse a linda mocinha,
mas um homem engaado e teiraoso. e qne
se teimar em sua deploravel resolucSo,
far a desgraca de seu melbor amigo.
Elle ento ama a prima ?
Ah sim, capito.
Mas com isso nada ganfaa, se ella
nao o ama.
Ella ama-lo-ba mais tarde qeando
snuber ludo que elle fez, para merecer o
seu amor.
(Continuar-seJia.)
'i -fla+- "Tmi uui wo0" flcseeonoBioo,*
urna crianca,e gentjl crianca que eli
o qual me disse rpidamente com a v
POUCODETUDO.
OPINIO DA IMPKENSA DA CORTE
SOBRE OS Ctrymbos Os Cori/mbos.
Ha mezes l'oraiu publicados em urna das
folhas diarias desla capital dous interes-
santes artigos que se djzum d'um dos mais
aproveiluveis discpulos ita escola fcumoris-
lica de H. Heme, e da musa faceta do
cantor da Vida da Bnliemia.
Estes mimes de esiylo mlitulavam-se
Magro> e GordjM. os l'es e os l'iins.
Mepbistofeles en o nome que os subscro-
va. Kasgou-se o veo do mysterio.
O auto"* dessas bellas proiluees, o
Sr. L Guimares Jnu'ior, que em horas
vagas deixa a lyra de ooro pira v;isar o
humor de seu espirito ei lo delicados
moldes.
O perfume suav; da poesa denuncia
sempre seus escriptos, bem como invslica
fragrancia tpahe a vilelo, emboia occulla
pela f.illiagein.
O Sr. Cuimares, mesmo na salyra, cas-
tigando o ridiculo, falla a linguagem dos
deuses ; e nao se esqui-ce das musas.
Com jubilo annunciamos a sua volla de
Pernambuco, donde tiouxe seu pergaininlu
de bach re em sciencLs jurdicas e so-
ciaes.
0 jornalismo tem obrigaco de receber
em sen seio o Qlno dedicado, 'que, um-
punliando a penna, anda no verdor dos
anuos, lita, cheio de e>|!ciaioa, o largo ho-
risonle que se be aniolha.
Nao smenie urna voca;o, que pro-
curamos animar ; um ov*m tlenlo que
tem j st"S ttulos cons leraco publica.
Seu ultimo hvro inliulado Corymbos
apresenta-o como poeta ; os lolhctijs do
Mano de l'ernainbuco. e espontneamente
transcriptos em diversas folhas alcanQa-
ram-lhe os lourosd) escoihido foltielinisla.
Nevos horisontes se rasga n imaginario
do joven escriptor, e as urentes palmas
do dra aathurgo cingem-lhe a fronte.
Brevemente fallaremos a respeito dp seu
livro fie versos.
Do Dezeseis de Jullio, 28 de dezem-
bro de 18G9 :
Corymbos. Tal i o titulo de um primo-
roso livro de versos que acaba d publicar
em Pernambuco o Sr. Dr. Luiz Gsimmes
Jnior.
Nao nomo desconhecido o do autor dos
Corymbos, mas esta nova obra vem certa-
mente laucar os fundamentos da sua repu-
tagi) : um evid ote progresso sobre os
ve-sos anteiiormente publicados.
Apertamos a mo ao poeta.
(Di Semana Illustratla, Rio, 21 ds de-t
zembro de i869.)
Da mesina Iblha do dia 2 de Janeiro de
IS70 :
UM POETA FLUMINENSE. (Corymbos,
poesas de Luiz C. P. G umareos Jnior).
Ha cousa de seis anuos enconirei na
rl<
Janeiro de 1870.
sao^a e

disse
veza impetuosa da sua tdade f
Estae nrlo un livrinlio tem
offe're'l) aojnatier. Parto boje mesmo
para S. VMlo ; j doi ordena na typogra-
lareui um emplar.
< amo se caa
Luiz Gnixaries.
Poneos dias recebi o.livrinho
annnnciado. Ernm as primicias a-um ta-
lento legitimo., incjtperiente, caprichoso,
que poderia vir a seraguia mais tarde mas
que nao psswa .aHa de um beija-flor,
galante e brinca), trioam, toAo4rav-
suras, todo sede de aromas e tie 1.
Noticioi o livrinbo ao publico, e escrevi
ao poeta agradecendo-lhe o mimo e con-
vidando-o a que nao pjracse eaqatdla pri-
meira obra. Inuu'l coaseHia a quem aeitia
emjii o myslorioo imjwlso da iespirafn.
Luiz Gu maraes entrou a compr versos
de amor e arligos de prosa, de que m
tinha eonhecimento pelos jornaes. Quem
se nao lembra com saudade de.M iafaga-
bilidade dos pnmeiros annos ? Lniz Gai-
mares nSo escapoa regra. bengoada
regra qne ihe deu aso a ir asseMaodo a
mo, moderando o eslylo, preparando em-
fim a vocacj para obras de or tomo.
A sua,musa t'mha n'quelletempomcerteta?,
caprichos, exhobeancias, mas era musa, e
havia de sofrear as impetuosidades no dia
em que viesse a reflexo, essa indispensa-
vel coaWadora do talento.
Lotz GnimarSes corresponden s espe-
rancas que as su estras bavwm inspi-
rado. Ao cabo de seis anuos, ei-lo que
ebega do norte, onde fura concluir os es-
tados acadmicos, trazeodo em um ds
m3os o diploma de hachare!, e aa outra
nm livro de poesias. Esta coincidencia
premeditad eu fortuita ? Qil elle de-
positar na mesma occasio, o diploma nis
maos da familia, o livro as mos da pa-
tria, mostrando assim que nem a poesa
prejudrcou o 'Ureito, nem o drrerto Mnullou
a poesa ? N3o sei. Basta dizer que a
coincidencia existe, e qne, se a poltica
ou a magistratura nos vier roubar o ci-
dado, c nos fiea o poeta com todos os
seus soobos e melodas, porque o autor
dos .Corymbos (oxal me tifo engae !)
dos que hSo de ter vinte annos toda a sua
vida. Nao se tome m parte esta pro-
phecia que nao alinde compostura neces
saria ao homem. Qaer apenas dizer que
este inspirado -pneti est vendido, corpo e
alma, musa loura e travessa da mocidade
a musa que corono de rosas Anacreonte, a
despeito da calva e das cans.
Corymbos o nome do livro. Os traeos
genios da poesa de Luiz Guimares sio
hoje os aaesmos de outr'ora ; ms o livro
dos Coriimbos destaca melhor a sua phy-
sionomia potica, e a este respeito como
ouiros a verdadeira data da sua rocacSo
luterana. Nao precisa esmerilhar mnto
para cbar enlrj os saus esrriptos do pri-
uieini periodo de produceo, paginas cheias
de iispiarno e de gmea ; mas esses pr-
nr iros caprichos de urna imaginado so-
frega e vivaz espremiam anda as adora-
veis incobureo/ias de um talento nao edu-
cado. Os-seus ltimos escriptos mostram
a intervenco do tempo o da reflexio. D-se
com a literatura u que se d com o amor.
Mme. de Stael dzia qbe os segundos
amores eram os mais profondos, porque
os primeiros nasciam da simples uecessi-
d ule de amar. Com a poesa a mesma
cousa. O coraco novico e a imaginaco
inexperiente cedem s prmeiras seduc?es,
por ventura as melhores, mas nao as mais
capazes de dominar a-vida*inteira.
O livro dos Corymbo* representa, pois.
um talento desenvolvido e reflectido, que
nada perdeu das snas gracas nativas, antes
as melhorou com o estudo e o trabalho. E'
tambera um livro original. E' sobretudo
um livro de senlimento e de imaginaco.
0 amor a corda exclusiva da lyra do poeta.
Urna ou oulra composico de inspirado
difieren te nao desmente este carcter geral
da obra. Os que condemnam a poesa
pessoal, perguntaro, sem dnvida, o que
vem fazereste poeta comas suas revelacoes
intimas ? Elle poder responder que as
vem communicar de alma para alma, que
essa a verdadeira communho do senli-
mento e da poesa.
A poesa pessoal, quando nao se tem
alguma cousa para mostrar ao publico,
seja a originalidade da forma, seja a novi-
dade das ideas, ou emlim qualquer dessas
modificacoes do sentiment', que sao to
varias como os caracteres, a poesa pes-
soal que nao isto, realmente urna cousa
fatigante e sem inleresse. Mas nesse caso.
s se Ihe condemna o que Ihe falta ; nao
jrande paoor:

m ido com oraos braocos Batanes. No
quartn, o bailad i dos matadores de tigres.
com luz elctrica e ascenso deum balSo.
No stimo quadro, abrasamento geral d
floresta.
Os crticos serios apostavam, d;utnao
outro extremo do bomevard, que o xito
seria monstruoso, deploran lo todava ao
mesmo tempo os funestos desvos que a
re dramtica se tem dado, desde a mor-
lo prematura de Voliaire.
I \
Antes do panno sabia*
Junto oichestra, forma va animada ter-
tulia urna sociedadr escolnidissima.
Eu nao sei, disse Cabiron, como se
lembrara de metter indios anlropophagos
n'uma peca eminentemente parisiense.
Em Paris, ha de tu lo, replicn Ala-
voy. Cada vez que me lembro que almo-
faraos viute vezes em casa do tal coronel !
Fra Diavolo que tremendo mara-
nho!
Eu dou-lnes a minha palavra de
honra, exclamou Contentin de la Lourde-
ville, que vi o lamoso escapulario as maos
do Mayootte. L eslava o nome, letra por
letra Fra Diavolo. E as datas das bata-
Ibas. .. e tal e tal... 0 patito chegou a
ter o papa preso no Apenuioo O verda-
deiro nome d'elle era Miguel Poaia ou
Bozza ; tinna j sido enforcdo em aples
como chefe da Camorra, *n 180*'. Nao
me arrependo de* Ihe baver pronunciado
algumas palavras sentidas beira da se-
pultura, porque afinal de coritas era um
personagem histrico.
Fra Diavolo na ra Tbereza mur-
murou a Sra. Touban, toda concha e em-
plumada. Costa a acreditar !
A Marselheza bradaram das varan-
das.
Se a casa do bario Schwartz que
.1
brease disse o Sr. Tourangeau, adjunto,
que oceupava com a sua roda outro lugar
do theatro, era urna calaraidade para esta
terr .
Se quebrasse soltou a Sra. Blot. E
porque havia ella de quebrar ? Por o ba-
ro ter levado umtiro a defender burra...
se verdade o que por ahi dizem, que c
para mira nao faltavam ao pr.meiromari-
do da mulher d'elle boas razes para se
ver livre d'elle.
Pelo contrario, observou o Sr. Cam-
peo, notavel pela esplendida feico da
physionomia, a casa parece ter adquirido
anda mais vida, desde que o Sr. tfigue! e
o Sr. Mauricio, Ihe communicam respecti-
vamente, n'uma directo esclarecida, p
fructo dos seus estados classicos.
g Abi esl um que deu em heio,
arriscou timidarneote a Celeste ; o Sr. Mi-
guel foi bem ditoso!
Oh como esta abatera do seu lustre
desde a nocturna e sentimental viagem de
Versalles Curapre que o digamos : dra
ella com o tabeflio Lenidas Diniz sao co-
mo um pero, e os olhos do Campeo ha-
viam-se afinal escancfado. Prudente
sagaz pelo uso da pesca, o marido Do'fi-
zera espalhafato; mas a b>pa da Celeste era
na vida intima tratada cois o maior rigor.
Cirpia ella amiudadas vezes as suas ma-
goas, exclamando sentidamente:
Anda seeu fosse criminosa !
Na primeira ordena, bavia de ambos os
lados dous camarotes com as rotulas com-
pleta mente corridas, um defronte do
tro.
as segundas galeras, o Sr. Patu,
tigo oSidal demarinha, acompanhava a rai-
nha Lampelo, cujo traje fazia mal vista.
Eifi seguida quebra da empreza dos
bar;oa de posta, recoDiera-se* o capitlo
Patu i privada. Administrava. na
ualidade de principe consofl|fl i>kotequim
a Espig* Grifada.
d riwvii'
e a poew* que i
maraes est livre
- oms v m a novidade de
i e arrasta. e
h seaKaienlo^ue iransmiUe
BpssWMp- Folbetn
as nosaas e livro niimoso, leatn a
Sepultura detta Consuelo, Recuerdo, Tres
cartas della, t*,o Vagalume e tantas
outras.
As Estancias sao lindissimos versos de
taudado profunda e serena, cheos de har-
mona e de melancolia. O Poema do Pes-
cador f urna especi de Caitico dos Canti-
oof, ama apreaaia*atnonisa feitaemmelo-
dias^irrquaLras. Que estou eu a citar? Melbor
que os leitores vejam o livro; o seu cora-
cio far melbor a critica do poet| do que
o pode faaer aairiba penna.
Tambem traz versos alexandrinos eate
volume de, Laiz Guimares. Condemnar
boje o verso alejandrino j'pissou a cathe-
goria das ideas singulares. O verso alexan-
drtnn trimnnhou no Brasil, e em Portugal;
quasi nao ta poeta que lee nao tenhamet-
tdo a mo. Anda agora acabo de ier um
interessanle artigo de Latino Goelho a res-
peito do meslre dos alexandrinos. Querera
saber o que peasa de**o verso secretario
da Academia ?.... Anles haveriam de de-
liciar a escrupulosa autondade potica do
nosso respeilavel amigo o Sr. Castilho, o
iniciador, o evangelista, eopregador desta
amenissima especie de metro. Cito de
proposito o Latino Cocino, qne considera-
do-em ambos os parzes cuno escriptor de
apuradissimo gusto.
Os alexandriaos de Lniz Guimares sao
cadentes, cheos e correctos. Luiz Guima-
res j de ha muito trabalhava nestemetro;
mas, como aconiece nos pmneiros ensaios,
a obra nQo Ihe sibil b)a. O poeta nao.de-
sanimou, nem so enamorou de sua obra.
Como os verdadeiros talentos, os que tem
conlianca em si. traten de acertar mediana
o trabedho e o estudo Abencoada disposi-
co do animo cate o nico meio deche-
gar a perfeico.
No meio de tantos louvores que Ihe fao,
sinceros, Hlaos do-cora^o, sem que o co-
raco prejudique a analyse, nao ter Luiz
Guimares alguns defditos ? Tem ; p le-se-
Ihe achar algum verso mal soante, alguma
expresso obscura ou descabida, aJguma
rima imperfeita, defeitos que nao prejudicam
o talento, descuidos raros no meio de nu-
merosas bellezas.
Em summa, este livro dos Corymbos
urna victoria e urna obrigagao. Colha o
poeta osiouros da primeira, mas nao es-
quena a responsabidado da segunda. A
sua musa pertence ao paiz.
Nao dexarei di apresentar aos leitores
urna amostra da poesia de Luiz Guimares.
Sara a melbor noticia que posso dar do,
poeta e da obra. Vejam a pagina seguinte.
M. M\cu.\no DK ASSIS.
ESTANCIAS.
D-me a ventura que fugio comtigo,
Dame urna flor das flores que voarara ;
Ao p de mina, Mara, aqui comraigo
S lagrimas tacaran).
minha voz j nao responde um echo ;
O vento nos meas ps geme expirando;
E do uosso jardn] deserto e secco
As rosas vo murchaudo.
As anduriflhas quo tu vias d'ntes
Do co da tarde as nevoas parcorrendo
J vo longe, Mara, vo distantes, .
Que o invern vem descendo.
Na quieta face da lagoa fra
Onde ambos nos vagavamos sorrindo,
Nao vejo miis teurojts, nao, Maria.
Que as trevas vem cahiado.
Se s vezes ouco o teu vestido branco
Turbar das noutes a nudez sombra,
Ghego tremendo, apalpo a re va eo branco
tudo vo, Mirii.
Parece s vezes, meu amor, parece
Que a taa voz responde voz da lyra.
Mas nao! f Iba secca que estremece,
o vent que suspira.
Perdida ests, viso do meu passado.
E vos meus das, vos iris asesando,
Como as aguas de um no abandonado
Na escurido rolando-----
Nem urna rosa boiar as aguas,
Nem de estrellas um raio fugidio:
Cortindo penas e espalhando magoas
Irs secando, rio !
Irs seccando. E o p lasso e pesado
Do viajante calcar sem medo
A campa que sepulta o meu passado
E fecha o meu segredo.
Quem saber que alli n'aquelle canto,
N'aquella relva festival, macia,
Dprmem meus ossos, meu amor, meu pranto
Nem tu, nem tu, Maria!
L. Guimares Jnior
Passado o pequeo abala, cansado psla
rasga que a polica efectuara depois da
catastrophe da casa do baro Schwartz, o
botequim da Espiga Ceifada continuara re-
gularmente no seo negocio, e o excellente
estabeiecimento prosperava ento. como
nunca.
O Sr. Patu e a rainha trocavam nume-
rosos; orrisos para todos os lados da sala.
O titulo da peca interessava sua clientela,
amplamente representada em todas as or-
dens de lugares.
as varandas, haviana de conhecer o
Echalot sos sem o Similor. O Saladim
nem se Ihe via s cabritas, nem Ihe appa-
recia debaixo do braco. Que desventura I
A caoeca da desditoso Echalot penda Ihe
para o peito e os olhos estavam arrasados
de lagrimas.
Dizia ehe aos circumstantes mais pr-
ximos, ojie, trocistas desalmados, Ihezom-
bavam das magoas, imitando o cantar do
gallo, carcarejando como as gallinhas, asso-
biando, trincando macas, e sorvendo como
cousa deliciosa o tremendo ftido d'aquel-
la horrivel atmospbera ; dizia, pois, elie :
O pequeo nao nascera vivedouro ;
aquillo era mesmo um ratinbo, e foi antes
dos nove mezes o autor innocente da morte
da mi. Caba no meu cbapo que foi o
primeiro berco que conheceu. Aprend o
offic o de ama de cria, para t atar d'elle -
porquera o pai, esse era mesmo um des-
cuidado e capaz de o dei.xar morrer s fe
d'agua. E agora, que em to tenra idade,
*os tres annos, senboresj'aos tres tanos se
estrea j na scena franceza, porque aqoiika
um phenoraeno vivo de talento, o Simi-
lor lan|a mo d'elle, para obter a entrada
^ os oi*reainhos do ordenado ; e ah me
deixam ficar porta, como so f^a um ci
damoado ; o, pura gosar da estra do meu
menino, vejo-me obrigado a pag
gar. e aqui fico de longe, sem pjder[
LITrfi^TOnA.Corvn! \Mo
que Sr. Dr. Luiz Caatanu Pereftp
m .raes Jutnur deu a muitai de stts poOia^
que reuni em nm volume de 175 paginas.
Gumarles Jnior aqae|le menino que
se estreonm S. Peni, nosprimeirosaftfww
dos seus estados, publicando no Carreio
Pautistano algumas poesas que traziairi a
a asignatura syrapai laica de Vitar MaurtUe e
que forana muito festejadas n'ssa tempa.
o volme que temos i vi6ta ha poesas que
do ao seu autor um lugar dstincto entre
os pnetas brasileros. Citaremos de mo-
raenlo Anima Mater, A chora do lenltador
e A tins quinze annos.
Mais de espacio publicaremos um juizo
sobre as p -esias do Dr. Guimares Jnior.
(Do Correio Nacional, 2i de dezembro
de 18(59^
PUBLICACO. Um dos nossos mais
mimosos poetas, o Sr. L. Guimares Jnior,
brindou-oes com um bello livro de poeas,
que veio confirmar o concedo em qne ti-
ubamos o cantor de Monte Alverne.
Anda no verdor dos annos, muito (leve
esperar o Brasil de to distincto cultor das
musas.
(Do Jtrnal da Tarde, 22 de dezembro
de 869.)
Diario do Rio de Janeiro
bro de 1869:
(Folhetim)
27 de dezem-
Duas palavras agora acerca de um poe-
ta. Estou engasgado, como se vesse en-
golido o pomo do paraso.
Sao uas palavras dHiceis de dizer nessa
quadra em que o Sr. Capanena procura li-
gar pelo tetegrapho os pontos mais afaita-
dos do imperio, em que a vlvula do pro-
gresso sybila as florestas, e era que final-
mente, Ferdinand Lesseps liga o mar Me-
diterrneo com o mar Vermelho, divarcia-
dos pelo islhmo de Suez, desde o tempo
de Necho, que leve a pretenco de querer
reconcilia-los.
Parece-me ouvir um espirito srio res-
raimgar:Porque este diabo nao escreve
antes sobre as dcas da alfandega ?
Apresentar um poeta em pleno secoka de
emprezas. lavrar com o proprio pnnho o
diploma de espirito ftil 1
NSo importa. Salto por cima de t"das
as considerares, e aprsenlo as leitnras,
que anda nao estudaraoa os telegraphos e
as vias frreas, o Sr. L. Guimares Jnior,
mimoso poeta recem-chegado de Pernam-
buco, onde receheu, como justo premio
de suas fadigas, um diploma de bacharcl
em sciencias jurdicas e sociaes. O Sr.
Guimares Jnior apparece no Rio de Ja-
neiro como Rossini apresentou-se em Paris
no fina lo seculo XVIII. O maestro trazia
o barbeiro de Sevilla na pasta, e o Guilher-
me Tell na cabeca.
Ojovem poeta Iraz os Corymbos na ma-
la, e esperanzas no coraco. E' urna ba-
gagem leve, bem o sei, masdtosososque
podem carrega-la.
Abramos as malas do Sr Guimares.
Corymbos o nome de urna brochara
era que o poeta consagra risos as horas de
prazer, e lagrimas aos das amargos do in-
fortunio. E' a.vida em sessenta e seis
cantos.
Os espiritos fortes, que eserevem arligos
sobre poltica e raelhoramontos materiaes,
medem prosaicamente a existencia pelos
ponteiros de um relogio; o poeta esvae-
se cantando, cantando como a cigarra no
tronco agreste dos laranjaes em flor.
Se os pretendidos collegas do Sr. Gui-
mares nao livessem abusado do canto do
sabia, eu dira que a sua musa e melanc-
lica educe como os threnosdo alado Ana-
creonte das nossas selvas.
Seos versos teem um cunho do simpli-
cdade que deleita, e fallara ao coraco an-
tes de fallar a cabera.
A poesa, a sepultura delta a pro va
eloquente do que acabamos de dizer. E'
urna pintura singela e fresca.
O coraco eotende esse canto, porque,
foi escripto cora elle, e s para elle.
O Si'. Guimares Jnior tem talento e
mocidade.
Sua imaginaco a flor de maio, abrn-
do as ptalas perfumadas aos pnmeiros.
raios da primavera.
Eis a razo porque nao ha nos Corym-
bos urna estrophe que nao seja bafejada
pelas musas.
Um critico dssecara logo o livro.
Eu nao o disseco por dous motivos :
Primeiro, porque falta-me este sexto senti-
do que caracterisa o homem analytico.
Segundo, porque s se dissecam cadve-
res, e os versos do Sr. Guimares Jnior
tem vida e palpitam, qual corceo que
soffre.
abraca-lo, sem pod^r apertalo ao meu'iuai, meas filaos,
coraco no momento em que se vai cobrir
de gloria !
Desfazia-se em agua, e dava um verda-
deiro pralnho aos circumstantes.
Ouvem-setres palmas por traz do panno
que estremece : o regente da orchestra le-
vanta o arco como urna espada que execu-
ta a parada de prima. Rompe urna tre-
menda e soturna harmona : msica imita-
tiva que se refere cor do titulo.
Peo peo gritana na platea.
Corta a cabeca, meu lir !
E os do officio do palmas, para irem
exercitaado as mos.
II
Prologo. A Vendetta O
bracal.
Io quadro: a Moatanha.Fra Diavolo e
os seos bandidos esto acampados em lu-
gares desertes. Cem comparsas, aldeos,
aldeas, soldados do papa prisioneros, ci-
ganos etc.. anmam o scenario,devido ao
pincel nao sei de quem. Tem incendiado
o castello. Rodolpho, o tenente de 'ra
Diavolo, conduz a joven Josepba, filha do
senhor do castello, e jura immola-la se ella
nio ceder sua flamma. Coro de bandi-
dos, msica do regente da orchestra. Fra
Diavolo entra com estrondo e aconselha aos
seus subordinados que alliem a astucia
auda ia. Tiro de espingarda ao longe.
Conduzem um cstran^eiro que deve a vida
hfha de Fra Diavolo. Permita o inferno,
diz Rodolpho, que nio teohamos que arre-
peader-nos da nossa clemencia f Vem a
noute. O estrangeiro, que serralhei o,
lima os grilhes e foge com Josepba, que
tllha do castellao, o a sua desposada Do-
rante Deus Despertar dos bandidos.
Preparativos da perseguico. Rodolpho
previra-o Se queris conseguir a rea
isaco dos vossos intentos, dia f'ra Diavolo
perturbado no meio do primeiro aeamo,
Ll os sens -mo trotf/ftrraww'oa-
ve injM *
0 ra poeta de
talento, ma raen, tambem com ra-
n haMk; Je Henrique
"Tfeina e ATpIoTBlfiBriv
No rodap do Diario de Pernambuco__
figura o seu nome em lettras indeleveis,, e
nao ha modo lempo qae os nor leitores
liveram occasio de festejar as columnas
desta forha, tres espirituosos artigos devi-
dos a sua penna, e qge se intitulavam
Magros e GordosOt PseOe Primos.
Transcriptos do Correio Pernamlmtano,
de que ora redactor Iliteraria.
Tenho f que o jornalsmo e o publico
desta capital recebarlo de bracos aberios
era seu sajo o festejado poeta e escriptor.
E termina este artigo padindo a Sama
Barbara, que o livre das tempestades da
poltica.
Osiris.
Da Qpiniao Uberal, 24 de dezembro de
4869 :;
Corymbos.E' este o titulo da delicada
collecco de poesas qne o Sr. L. Gmma
raes Jnnior, acaba de publicar na cdade
do Recife. L. Guimares Joltior, 4 ain
desses talentos brilbantes e felizes, ^u so
fazem preceder no mundo, das celebridades
iliterarias antes de conquistar abi um tugar
a forra de estudo e de trabalho.
Folhetinista festejado e espiritos, es-
criptor flueole e expressivo, poeta nravioso
e apaixonado, imaginaco opulenta, tal o
auctor dos Corymbos.
Ao terminar na facuIdade do ReCifeeu
tirocinio acadmico, aotraospora realidade
da vida, L. Guimares Jnior dispoja-se
das suas mimosas inspiracoes deestodante,
por ventora como a flor que, arrancada as
soavidedese encantos do jardim. eaipalli-
dece e definha ao contacto das mos que a
affagam.
Para medir o va'or do livro de L. Gui-
mares Jnior offerecemos ao leitor duas
pequeas amostras, ara soneto, que prece-
de a bada collecco, e oj versos a u:n anjo.
Cremos que qaem os Ier, felicitar com-
noseo ao estimavel poeta flurainense, e pro-
curar com avidez apreciar mais da espa-
co as fragancias dos Corymbos,
(Segnem-se o soneto alludido e os ver-
sos a um anjo.)
ACADEMIA CATHOLICA.Os catuolicos
de Allemanha nao cessam nos seus traba-
Ihos ; lraos nos jornaes que se instituir)
um comit especial composio dos bisos de
Cologne, Mayenee, Wurtzbourg e Paderho-
ra para trabalhar na creaco de urna acade-
mia catholica em Fulda.
CONLUIO DE CRIANCAS.Tambem fi-
seram conluio, grve ou strike em Vtrviers
(Blgica) ascriancas. Umapro.'isso de 500
a 600 creancas de ambos os sexos percor-
reu as ras emboa ordenae com urna m-
sica na frente. Esta demonstraco dnrou
por quatro dias. Eram erapregadas as fa-
bricas de tecidos d'aquclla cidde: nao que
riam traba mar desde as at as (0 da noite.
As condiees que propunham era que o
trabalho s durasse das 6 horas da manh
at s 7 da tarde
Os empresarios foram forrados a ceder:
a opinio publica era contra elles, e tiveram
receio que o povo demolisse os seus esla-
belecimentos.
ESTATISTICA DAS REUGIOES.A po-
pulaco do mundo est repartida em rea-
cao aos cultos pelo modo seguinte:
Catholicos mlhSes d'almas......., 208
Seitas gregas e roseas.....!...... 70
dem protestantes............... 66
Judeus........................ 4
Mahometanos............,...... 100
Sectarios de Brahma.............. 68
dem de Budha.................. 480
dem de Confucios, deLicto, ele.... 182
818
Na Europa, catholicos........... I41
Na Asia e Oceania............... ft
Na frica........................ 4
Na America....................". 46
Em Franca, Catholicos..... 37 107:212
Calvinistas..... 515:739
Lutheranos____ 38(5:738
Outros protes-
tantes....... 41:333
Judeus....... 80:047
Nem christos
nem -judeus.. 1:400
Nao clasifica-
dos........ 22:786
38.167:316
o arrojo prodeo
2 quadro : o interior da casa do joven
serralheiro em Poiliers (alteraco pedida
pela censura). Paulo (Andr) e Josepba, a
antiga filha do castellao, esto trabalbando,
elle a restaurar um bracal, ella a concer-
tar os coeiros do filho. porque a unio
d'elles foi fecunda. O fructo esl no sea
berco. Sabemos se o Saiadim ou nao
capaz de desempenhar como se quer papel
de pequerrucho de papelo Paulo sae
para ir casa do banqueo o mais rico da
cidade, Rodolpho entra disfarcado de pe-
regrino. Ouve-se o sino das Ave-Maras.
Josepba vai buscar a cruz de sua nali para
lanca-la ao pescoco do filbo. Rodolpho
retira-se com o bracal dizendo : O' minha
wnganca Entrada de Paulo cheio de ju-
bilo. Prejectos de futuro. Do bataneo
ao mealhiro. Chegada de policas. O
cofre do banqueiro mais rico daci-
dade* foi joubado, e o bracal fornece pro-
va contra Paulo, que preso. \o menos
resla-me o meu lilbo exclama Josepba.
que desmaia nao longe do berco. Mas Ro-
dolpho entra sorrateiraraente, murmuran-
do : O' miaba viuganca I Me'.te o Saladim
na algtbeira ora a cruz da mi de sua mi,
e some-se, em quanto que a orebestra
execul em surdina urna harmaaiai so-
turna anloga esta eircumstancia deplo-
ravel.
Nota; Avistase, por entre osbaau'do-
res, a cabeca orgulhosa de Similor, qoe s
adianta demasiado para seguir com os
olhos a troaxaani que vai o Saladim. lio
alto das varandas, Echalot derrama tagf-
mas de triaaipbo sobra a platea, gritando:
Saladim me filho! Se a soa in-
feliz mi o visse !--.
Vociferam : Mra, fura. Circula algu-
mas laranjas, e j votes aotorisadas effete-
cem : Orchata, limonada, licoree e Anees t
(Continuarse-ka.)
Ttr. 1>0 lIARI(aV-KVA DAS t&PZt!
1
DATA INCORRETA


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ELJ0MIH4D_3IC7TZ INGEST_TIME 2013-09-14T01:37:30Z PACKAGE AA00011611_12196
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES