Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:12192


This item is only available as the following downloads:


Full Text
r*
I
., e

IHO XLVI. RIMERO 16
Pili 1 CAPITAL E LGABES DUDE IAO SE PA6A POITE

metes aianuos
6* tos idem .
m armo dora..
*ida Huero avulso. .
G000
12*000
2W000
320
SEXTA FEIRA 21 DE JAN
III.
PABA DHTTBO l FOHA DA PBOVHCIA.
"7 Y"
tres mezes adiaulados
.seis diios idem-
nove dito* idem .
Por um armo idem
730
13,5500
20*250
271000
DIARIO DE PERMMBIM
::.>

Propriedade de Manoel Fig-utra de
---------------------------------------" i '
4 Enras:
& Filhos.
----------
------------------r
Os Sre. Cerardo Antonio Alves Pibos, no Para ; Oongalves Pinto, no Maranhao ; JpajrjWj#s,da Qlwn, BPtXear ; Antoflo de Lemos Braga, no Aracaty ; Joao Maria Julio Chaves, no Am ; Antonio Marques da Silva, no Natal; Jos Jostra*
d'AlmeHla, em Mamangwpe; Antonio Alexandrino de Lima, na Parabyba ; Antonio Jos Gomes, nt VHht da Penha; Belannino dos^ Santos Bulco. en Santo Anto; Domingos Josa da Gesta Braga,
era Naiareth ; Frsneiso Tatsres da Costa, em Alagoas ; Dr. Jos Martins Aires, na Babia ; e Joi Ribero Gasparinbo no Rio de Janeiro.

PARTE OFPICIAL.
da rlaeift.
cttaJo
-WKWKNTK ABHMUM MWO EXV. 8H. SBI*BOK FRE-
itjjhppt Al*U*A B AUJUOt KQt, FnF.SIDEKTB
lA MtoJU*7Mt OE OVEMin DE t8'J0.
X. G70.-rof.ana ao inspector do arsenal de
:narinha.us termos de sua intormacao de 23
-Jo eorrente, swi> n. I86i, acerca do raqerimeato
l.'Thome AaWma Francisco Brrelo, aatori*o\
V. S. a mondar Seatigar da companbia de apren-
iize- luarinheirosS'e&e arsenal o menor de nome
Vctor Alves .lo Nasclinento, indoranisando o sup-
licante proviioriaiaenlc a fazenda nadona! da*
.i'vpetns ret! eom o referido roenor.
X iiSU,itito a capio do porto.MauJe V.
>. aprestla/ ao Br. cLcfe de polica, alu do Ibes
lar n destino que julgar convenieate, o* recratas
fos Paulino, Joo Francisco Pereira e Joao Amo-
no dts Sautus, *i>io terom sido julgados incapa-
r.at do servan o* armada, devunJo- fazer seguir
ara a corte 0 de come Joao Mnuool de Sania
.vana, pora o qne Ocarn expedidas as convenientes
rdens. Uuanta ao do nome Manoel Cyrillo do
Naeriiiionto. que tanibem fui julgada apto, eonviu
|1M dh siga para aiii no priraeiro vapor-que pas-
car para o sal, vito ter requorimento {tendente
i dei-isai Onal d'csla prosidencia.
N. IH.Dita a* inesmo.Com a inclusa copia
la uSiriu do eammandante do Ureeiro batalhao
le intentara da guarda nacinal d'esta municipio,
^ii"d ao que V. S. me drr.gio em 6 da cor-
< ente, sob n. 133, cerca Jo mao proceditnento do
i i Ja-nacional 4o referido batalhao ora aquarte-
i lu Jos Rodriguen de Oliveira.
\. i82.Dita aa nie .na na inteligencia e flns convenien'.es, copia do
viso <'X[>eddo pe. ministerio da marinha cm 8
l'est' am, da |ual se ve quoS. M. o Imperador
fioiivc por bem inundar que sejsra elevados a 300/i
kh veiicimenti. de 10* anuujs que ora per:ebe
-. aearNgadu Ja ecriptura(;u da asaociacio da
,iralicat."iii tl'esta provincia, oncalo Rodrigues
re AlmeiJa Me o ace este fara essa capita-
nia instar.
X. 68a.IM ao n.esmo.Transmiti a V. S.
para sen eoohaeipiento e execucilo copia do aviso
i xpedldo pelo (ajnislcrlo da maiinha em i d'este
ruea, i r i'iin mandar elevar a I* a diaria do 6i0 rs.
196 peicebeiu *s encarregados das diligencia
res.i capitana Firmino Smi de Souki e Genuino
loioMtnfuea, o que V. S. far cooslar a e:tes.
. 8i.OelmeracT.o ( prepotente di provin-
ia, aliandemla au que roqueren o alferos do pri-
..i.mio regiinealo dec.vallara ligeira AmaroFran-
-isco de Moma, o ten do a vista a iaoraclo do bri
jadeiru comuicdante das armas datada de 19 do
arente, swb 686, e pareo* da junta de saude
we o inspeccione*!, resolve, de conformidade oom
.. art. '* S i" do decreta n 3379 de 3 de Janeiro
le 1866. eowador4hfl dotis mezes de licenca com
s veiicimentos do art. g f do c,lado ***S
i tratar -la liceaqa aer eonv da do dia \ do correte, em
qaa lermiiiou a do 3 ;r.ezes do que gosou, conce-
dida pelo govereo lawerial.
see^ao.
X. OSC-l'ort.-'..-. > Dr. chefe de plida.Por
arU) lo cipitao do porto sarao apreseolados a
V. S.. |iara darlhe, o d^Stno que julgar con ve
nenie, os recrujas V Paulino, Joao Francisco
l'en-ira e lefc nonio -los Santos, visto terein sido
iuteifeH toeajiatcs o .-jrvieo daaru.ada em ins-
,io do sa,le, c. ,:. eonsu do termo ouo vejo
aunoso ao officiii do capilao do porto de 2* do
Vorrente, sub o. 13!'.
N. 7.Bita ao m. sino.inteirado de qnanto
V. S. expr/. eai wu olficio de 22 do eorrente, sob
n. 4633, tinho a dizer em i esposta que as cenias
h ti vas aos aingueis da casa que servio de ca-
-leia no termo do Bu. |ue, a contar de outubro do
lao prximo pairado a maio ultimo, foratu am-
rmaraessa refarti^o por despacito de2o de
julio, e nao do u..v.e. lancado no nlncio da tlie-
o.uaria provincial n. 338 de 12 da citado mea de
commandante superior em offlcio de 31 do
mez do outnbro.
N. 696. O'la ao raesmo. Attaudeado ao quo
requeroramas profaaaoras publicas das cadeiras da
freguezia de Jos dcsla cidada e da villa da JJs-
eada, Digaa de Santa Ro*a e Amelia de Santa Ro-
ja, enpio nesta data a* convenientes orden a
a Ihesouraria provincial, afim de que a contar do
l" do crrante, faej suspender o descont da cinco
por canto, que ofrereccram aquellas professoras
dos sem vencimentos para as despezai da guerra,
vista ler cessado semelhantc ofTerecimento; o que
commuaico a V, S. para o seuconhecimento.
N. 697.Diu ao inesmo.Annnindo ao que ro-
fqnucu a profossora publica da quarta eadeira da
rreguezia da Boa Vista, Cosma Joaquina de Lima
Mues, espego nesta data as convenientes ordens
a thesouraria provincial, alna de que faca sus-
pender do 1 de dezombro vindouro, o descont de
cinco por ceut i quo oieroeou aquella profossora
do scu ordenado |>ara as deapezas da guerra, vis-
to ter-se cessado semel liante offerecimoutu ; o que
declaro a V. S. para sen conhociinento.
S. 698.Dita ao inspector da thesouraria pro-
vincial. Allendendo ao que roquereram ai pro-
fessoras publicas das cadeiras da freguezia de S.
Jos desta cidade e da villa da Escadi. Digna da
Sanu Rosa e Amelia de SanU Rosa, recominendo
a V. S. que a contar do Io do crrente, faca sus-
penlor o descont de cinco por cento que oftero-
ceram as referidas professoras dos seus vencimen-
tos para as despviaa da guerra, visto ter cessado
semelliaote offerecimealo.
N. 699.Dita ao inesmo. Attendendo ao que
requereu a professora publiea da quarta eadeira
da freguezia da Ha-Yista, Cosma Joaquina de Li-
ma Nunes, recommendo a V. S. quo faca suspender
do I* de dezembro o descont de cinco por cento
que offorecou a referida professora d) seu orde-
nado para a9 despezas da guerra, visto ter cessa-
do semelhanle offereoimento.
4* seccao.
N. 701Dilo ao Exm. Sr. prosidento da provin
KPJiWKNTK ASWr.SABO PELO IXM. SB*SfUDOa rRE-
DERIC DE ALME1DA E ALBirQUERQUE, PRBSIPEITE
l>\ pnfviMPH| KM 26-OS KOVKIMMO DE 1869.
X. 721.Prt|ri*oj3i.,Sr.general comman-
mandante das armas.fc<%o qne os|e receber, ex-
pela V. Exe. as suas ordens para quo seja apte-
sentada ao jun municipal da 2 vara desta capital
cuna praca montada para levar, a diversos subde-
legailos desta municipio os ofneios de eonvoca^ao
do jury.
lt. 7?.Dia ao diroclor do,arsenal de gera.
Bm isla Ai qne me Mertau o idiroeor geral
inierino dos indios, em oflfcio de 8 e agosto ul-
tiaoe do.quc expoz no oflicio ikIuso por copia
datada de 22 do crrente, o direrlor parcial da
aldeia de Cimbres, mande V. S. entregar o menor
da eompanhia de aprcndtzes d/sse arsenal Fran-
cisco Cavalcante do Brilo ao seu irmo, depois de
indemnzala a fazenda das despezas com ello fei
las.
N. 723.Dita ao mesmo. Mande V. S. con-
duzir e reeother aos araaawns desse arsenal, co-
mo soliciten o Exm. Sr. brigteiro commandante
das armas em offlcio de 2o do eorrente sob n. 693,
os objeetos mencionados no incluso termo por DO
pia, a cargo da fortaleza do Brum, e que furain
dados era consumo de conformidado com o dispos-
to no aviso circular di ministerio da guerra de 10
de agosto de 1833, devendo V. S. aprosentar a
conta da despeza que llzer com o transporte de
taes onjectiK para esse arsenal, allm do ser salis-
feita pela thesouraria de fazenda.
N. 724.Dita ao mesmo.Approvo o contracto
qne V. S. celebreu, coui o negociante desta praca
Joaquim Jos Pomjalves Beltrao, consignatario do
hiate Rosita, para transportar at o Para 100 bar-
ris com 200 arrobas de plvora e dous wfras com
espoletas de friccao, a razio de 3J por cada volu-
me, como coata d i termo por copia, que veio an-
nexo ae seu offlcio de 24 do correte sob n. 219,
o i|ii:.l assim respondo.
N. "
3." secejt.
X. 715.Portara ao inspector da thesouraria
de fazenda.Providencie V. S. para que depois do
liquidados, em vista da foiha e prut nominal jun-
tos em duplcala, os vencimentos rul.uivos ao mez
de outnbro ultimo, do oficial c pracas da guarda
nacional destacadas na villa de Cimbros ou Pea-
queira, saja paga a sut importancia a Pairo Paulo
uis Slln, conforme solicilou o-conmMnduite su-
perior do municipio do Brejo em of^io de 16 do
crreme sob n. 18.
X. 743.Dita ao.njf*mo.Km vista do que alie-
gon obcharet Joio^jlra de Araujo, jniz muni-
cipal do termo de Cimbras, e di informacao de V.
S. n. 897 de 2-> deste mez, flca.n jastificadas as
faltas qoe por raole^ti foram por elle dadas em
shi anoreicio de 1 a 18 do mez fiado.
N. 744.Dita ao mesmo Em vista do que so-
i-*ii*Q a directiir geral interino dos Indios era offl-
cio S#de atesto ultimo, sobre qne versa a sua
inforeaipo de 21 desle mez n. 877, e do director
do arsenal le gu<*rra de 16 sob n. 160, expeco
neslaSata as convenientes ordens ao referido ri ctof para mandar entregar o menor da compa
nhia Se aprendices daqoella arsenal Franci?co Ca-
valcante de Brito Ginnitib a seu irmo, depois de
iodenmisada a fazenda das desperas com elle fei-
tas ; oque commnni>o a V. S. para seu coaheci-
mrnto.
N. 715.Dita ao inspecior da thesonraria pro-
vincial.Mande V. S. pagar, om vista da conta que
indas devofvo e me foi remettida pelo tenente-
coroan commandante do eorpo provisorio de^poli-
ca, com offlcio de 9 do correte sob n. 320, a
quantia de 1:1304080, que se est a dever a Bal-
llnzar Pinto de Goiiva, proveniente de 300 pares
de cSnmos que, de conformiJadc com o seu con-
trato,- e-rneceu ao mencionado corpo. Para esse
fim Rea V. S. aulorisado a passar por emprestimo,
conforme indica cm sua infonnaeo de 24 deste
mea. 713, da consignaban do ? 2 art. 18 da lei
do orcamenti! vigente para a caixa especial de
Repartido da polica.
t seceso.Secretaria da polica de Pernamba-
o, 20 de Janeiro de 1870.
N. 101.(llin. e Exea. Sr.Levo ao conbeci
ment de V. Exc. que, segundo consta das parti-
:ipac5es recebidas luja nesu reparticao, foram
hontem recolhidos casa Se detenco, os seguin-
tes individuos:
A' ordem do subdelegado do Rocife, Jos Anto-
nio de Oliveira, a reuuisicao do capilar do porto.
A' ordem do de Santo Antonio, alicliaella Ce-
una Tuerrza de Jess, por desobediencia, e Luiz,
escravo de Jos Bom Ramos de OUvotra, a reque-
r ment dpste.
A' ordem do de S. Jos, Firmiaa, esertva da
Jos Iguacia Kerreira Rabello, para ser cousorva-
da em custodia; Fauslina, escrava de Francisca
Eugenia de Lima, par ter sido encontrada depois
de nove horas da noile som biihte de sua senho-
ra ; Cezario do Assumpcao do Aibuquerque Ma-
raimao c Virgilio Francisco dos Santos, por iu-
sullos.
Deas guardo a V. ExcIllra. o Exm. Sr. so-
lador Fretlerico de Almeida e Aibuquerque, pre-
sidente da provincia. O chefe da polica. Luiz
\ntonio FentatHes Pinheiro.
EBjNA]
U |l|OMUV>l -. ---------------------" ------
jnnho, e por isao convm que sejam ah procu-
rados.
X. 683.Dita ao commandante do corpo provi-
- to de policio.Bando Vine, postar na casa do
-ade do Dr. Joao da Silva Ramos, em Sauto
maro, qiu'lro prar.r. do corpo sob seu commau-
o, mu quauto all :a tratamento de va-
lilas, oprsJo:* Francisco dos Santos segundo
jiedooDr- chele de polica cm offlcio n. 16oo de
_:; de uovemiira ultimo.
X. G89.-B.ta ao dotegado de pilicia do termo
dcScimiiaem.-tad.'io a Vmc. para aeu onhe-
mento e alira de e. faca constar a Mauocl Luiz
Salgado, que desdo o Io de oiuubro ulfuno o con-
sidera esta prJMHicin exonerad) da commssao
>te que foi iucninbtdo do tratamento das pessoas
indigentes aecomir.tttidas da varila nessa villa.
9 8eo?ao.
X. 6!H).-l\.rtar ao inspector da thesouraria
.le fazeuti.-Tjiivolsa.do V. S. o incluso reque-
: mentado de Manuel Luiz Salgado, a
que >o refere a su .formaglo de 20 do eorrente,
n. 797. te.iro :i fizer que acabo da solicitar
ininisterio d-i imperio o nceessario crdito
pagamento da gratifiraco de 4* diarios que
.i o suplicante, a contar do Io de julho a 30
setmhr.> .festr unm, cuno encarregado do
iratauwato das pess*invalidas accommettida-
!a varila na vill ihfain. Nesta occasiao
iulg. conveieu* (Wclarai t V. S. para seu co-
ment o dnvides eleilos, que a presidencia
eoi.sidera o iOpfidu Salgado exonerado dessa
miisso dese o Io de outubn. ultimo.
.\. "I nii'iBiinjnM Francisco Uonto
ta Boa Viagom, Wi Qagar depris do. i-
lados i-i,i risU Sm fi.mas juntas em duplcala,
no n-mettrn*> corninanditme superior do mu-
,i|iio de CahrjJw r;m (fflcio de 24 do outubro
ii. os venciioeotos a contar de julho dest an-
nuaa cuado max de outubro do alteres Cesario de.
.-jnw-WlVammandante do destacamento de
irda< naciuMcs existentes na villa do ijranit.
X. 692.Dita a mesmo.Tran-raitto a V. 8.
rara sua int xpedi.lo peto ministerio di marinha de 4 do cur-
ente, mande etnm a mil ris a diaria de seis
cent"* e qaareal ri?, que poreebom os encarre-
aM das-difaaoia' da capilania do pono, Fir-
ii imi &aa:.. o Gemino Joao arques.
MflPBBKBWHM).-Para os devdos f I-
faNoa tnmsmitwa V.S. copia d.> aviso expedido
lainisWrta' a marinha em 8 do corrent.-,
lie el varn'WOOOO os vencimentos de 240J1
iiae, quesra percebe o enearrega lo da es-
itaratt* aftaeiaci da praUcagem desta
inda fleta Rorigncs de Almeida Lene.
N 94.9m oo mesmo.Auuinso V. 3. em
a de sua tuformacao de 15 do commt^sol)i n.
, a mandar p?ar a quanlia de 405000, des-,
-adida como ae v* da conta em duplcala, an I
t,i reqaaalaiento quo incluso devolvo, cora
u-rniiaieaate-roforraado do exercito Fran-
ZfiSEtooVr* qne falleceu em
inbro destnanno sem dmxar esp>lro.
093. -DiU ao meanov-Boem nna,-a, v- b-
-manda l.qaihrent va dos prets JM f
; guardas naeMiwa*
.ranito a contar de agosto
rugar a sua importancia
Carlos Peixito de
m seguido a Fran-
o ediial que V. Exc. me remelteu com o sou offl
ci de 19 do crrente
X. 703.Portara ao mordorao da casa imperial.
Passoas mos de V. Exc. a inclusa caixa d', fo-
Ihi contando duas pecas do msica para piano,
em dous Albuns que para seren prsenles as Suas
Magestades linperiaes me foram remettdas por
Joseph Faehinette com a carta por copia inclusa,
datada de 24 do correte.
N. 704.Dita a cmara municipal da villa de
Pao d'Allio. Com a informacao junta por copia
ministrada pelo chefe interino da reparticao das
obras publicas, em 23 do eorrente sob n. 396, m
pondo ao offlcio que a cmara municipal da villa
de Pao d'Alho, dirigi a esta presidencia em 22 de
outubro (iroximo Ando.
N. 705.Dita aos agentes da eompanhia Brasi-
lera de paquetes a vapor. Os Srs. agentes da
eompanhia Brasileira de paquetes a vapor mandom
dar transporte para a corte por coala do ministe-
rio da marinha, no vapor Guan ao recrula Joao
Manoel de Sanl'Anna.
XPED1BNTB ASSraNABO PELO SW. M. JOAQUIM C0n
REA DK ARAUJO, SECRETARIO DO GOVERNO, EM 2o
DE NOVEMIIRO DF. 1869.
1" seccan.'
N. 700.Offlcio ao Exm. Sr. general comman-
dante das armas.De ordem de S.'Exc. o Sr. pre-
sidente da provincia deelaro a V. Exc. para seu
eonhecimento, que por despacho desta data se con-
ceden quiuze dias do prazo para provar isoncao
legal ao recrr.ta Manoel Damasio Ferrera.
2* seceo.
N. 707.Oflicio ao Dr. chefe de polica.O Exm.
Sr. presidente da provincia manda declarar a V.
S. que nesta data so expedio ordem ao comman-
dante do corpo pro i postar na casa de sa la do Dr. Joao da Silva Ra-
mos, quatro pracas daquelle corpo, emquanto all
cstiver o preso Joao Francisco dos Santos, fleando
assim respondido o seu oflicio de 23 do eorrente
sib n. l,o33. /
N. 788. Dito ao commandante superior da
guarda nacional de Cabrob.-O Exm. Sr. presi-
dente da provincia manda declarar a V. S>. em
resposta aos seus offifiius de 24 e 31 de outubro
ultimo, que a thesouraria de fazenda tem ordem
para pagar os vencimentos constantes dos citados
oflinos.
N. 709.Dito ao juiz de direito da comarca de
Cabrob. 0 Exm Sr. presidente da provincia
manda declarar a V. S. que ficou iateirado pelo
seu offlcio de 28 do mez .Ondo, de ter V. S. nessa
data procedido ao sorteio dos jurados que. devem
servir na seceo do jurv do tenno de Cabtoho,
convocada para o dia 8 ifeste mez, e bem assim de
ter feito igual surleio no Salgueiro, cuja sessao
eonv.icou para o dia 6 le dezembro vindouro.
N. 710.Dito ,".o mesmd.O Exm. Sr. presiden-
te da provincia manda dejlarar a V. S. que ficou
inteirado pelo seu oflicio do 28 de outubro ultimo
de haver V. S. a 2 do dilo mez, exonerado Aris.li-
des Newton Saldanha de Alencar do cargo de pro-
motor publico interino de*sa enmarca, nomeando
para o sul)3limir, ao cidadao Belarmino Ferrera
Padilha. : _
N. 711. Dito ao juiz municipal do Rio Formo-
so.O Bxm. Sr. pr sidenio da provincia manda
declarar a V.S. que doQ inteirado pelo sou olfl-
ci de 20 do c .rrente de haver nessa data reasu-
mido o exerrieio de seu cargo.
N. 712.Dito ao juiz municipal de Ipijuca. J
Exm. Sr. presidente da proviucia manda eclarar
a V. S. qne ficou inteirado de haver a 16 do cr-
reme reassumulo o exerciciodi seu cargo.
N. 713. -Dito aobacharel Pedro Alfonso refrei-
r.O Exm. Sr. presidente da provincia mandi
declarar a V. S. qne flcou inteirado pelo sea fflcio
de22do correte de haver oossa data reassumido o
exercicio do cargo de promotor publico da comar-
ca do Palmare.
3" seccao.
72o.Diu ao commandante do brigue barca fsrdamerito daquelle corpo a qiinntiadel'.lnloJ
a provincia da
Tonelero qne se
cia das Alaeas.Declaro a V. Exc. que foi pnbli-; llamaroc. Faca Vmc. regressar a provincia Ua <|ue falta para completar esse pagamento,
cado no Diario de Prrmnbne-o desta data n. 270, Babia o brigne escuna de guerra
. jr.^l __... ir 1'.. mb. m 1Im m kim ,. -. iii i itll 'inh i iui.l;> n ,1'lii
N. 714.Officio ao inspectar da thesouraria de
fazenda.S. Exc. o Sr. pre-idenle da provincia
manda transinillir a WS. a inclusa ordem em du-
plcala sob n. 697. expedida pela reparticao do
aju.ianta general datada de 5 do crrante.
N. 713-Ditu ao mesmo.O Exm. Sr. presiden-
te da provincia manda declarar a V. 3. para os
flns convenientes, que segundo partieipou o bacha
re Pedro Affotiso Ferreira em oflicio do 22 do cor-
rente, nessa data reassumin elle o exercicio do
cargo de promotor publico da comarca de Palma-
ras.
N. 716.-Dito ao mesmo.O Exm. Sr. presiden-
u da provincia manda declarar a V. S. que segun-
do olfleio do juiz municipal di termo de Ipojuea,
iiaebarel Joao Baptista de Siqueira Cavaleanti nes-
sa data rea-snmio elle o exercicio do respectivo
ireftt
H. 717 Dita ao mesmoO Exm. Sr. presiden-
te da provincia manda declarar a V. 9. que segn
ao oficio de juiz inunieipal do termo do Rio For-
moso4)acharel Jos Julio Riguoira Pinto de Son-
na de 20 d crrante, nes*a data reassamio elle e
exercieni lo respectivo cargo.
N. 718 Dito ao mesmo.De ordem do Exm.
ir. presidente da provincia coinmunico a V. I.
Jara o* devalo flus, quo segundo partteipon o
niz de direit i il com irea de Cabrob em officio
|e 28 de outubro ultimo de 2 desse (nal,foi exone-
rado di cargo de promotor publieoinleriii > daquel-
la couiarca o culadio Arislides Newton Saldanha
de Al-ncar, no.neaflo para substituilo em dito
of'jrmr soiciton o cargo o cidado tUaraoo Poroira l'a lima.
acha neste porto.
N. 726.Deliberacio.0 presidente da provin-
cia allendendo ao que requeren Lonrenco Nunes
Campello, escrivao do aliaoxarifado do arsenal de
guerra, o tendo a vista a informaco do respectivo
director datada do 23 do cjrrente sob n. 217 re-
solve conccder-lh) 3 mezes de liee:iei com orde-
nado para tratar de sua'saie, devenJo esta ser
apresentada as repariicoos eompeleates.
i' sceco.
1?. 729.-Portara a? presidente da relacao.
Informe V. Exc. sobre o que requer na pelicao
junta Antn o da Costa e S *
N 730Dita ao Dr. chefe de polica.Cora
informacao juuta por copia da contadura da th.
souraria'do fazenda, a que almde o respectivo" ins-
pector em offlcio n. 800 de 24 do eorrente, respon-
do ao de V. S. sob n. 1,623 de 16 deste mez, quan-
to ao pagamento do aluguel de Janeiro a junlio ul-
timo, da casa que serve de quarlel ao destacamen-
to do Ttamb. -
X. 731.Dita ae mesmo.Expeca V. S. orieni
para que as autoridades que Ihe sao subordinadas
Ihe parlicipcm, e por cssa reparticao sejam trans-
mitidos ae>ta presidencia, para serem levados ao
eonhecimento do gororno imperial, os casos de
fuga de criminosos para fra do imperio, de que
trata o aviso circular do miuislerio da Justina de
12 do eorrente, junto por copia.
N. 732.-Du.ao mesmo. Podendo ser esmaga-
do por algn* dos treus da estrada de ferro um
louco que frequentementc passeia pela linha aas
proximidades da esucc de Cuyambuca, segundo
me declaran o eogenheiro fiscal e.n offlcio de 23 do
crreme, reconmendo a V. S. a expedirao das
convenientes ordens ao delegado d'Agua Preta para
fazer retirar d'all o referido louco.
N. 733.Dita ao commandante superior da
guarda nacional de Serinhaem. Tcndo em vista
a sua iarormacao sob n. 37 e da de 19 do eor-
rente, dada acerca >t requerimenlo do alferes ag-
gregado ao batalhao n. 41 da guarda nacional sob
seu comisando superior, Jos Zeferuio de Vascon-
cellos, resolv por deliberac > desU data transfe
rir o referido alfares para' a lista da reserva; o
que cammunico a V. S. para scu eonhecimento e
afim de que determine a esse offleial quo trate do
apostillar a sua patente.
N. 731. Dita ao juiz de direito da comarca do
CaboTransmiti a V. S. a copia da portara da
presidencia de*4 de nuio ultimo, e do aviso do mi-
nisterio da justica de 12 de abril deste anno, rela-
tivamente ao tabelliao o official do registro de hy-
pothcas dessa comarca, Manuel Clemente Ribero
Va reja >, que Vmc. informa nao ter reeebido.
X. 735.Dita ao mesmo.Transmuto a Vmc.
para o devido cumpriraento a copia da poruria
que a 20 de outubro ultimo fui dirigida pela pre-
sidencia a esse juta, relativamente ao processo da
responsaoildade do 0" sapplenlo do juiz municipal
do termo de. Ipojuea.
N. 736 Diu ao juiz de direito Ua comarca de
Garanhnns.Por deliberacao desta data suspend
a Jos Sigi mundo de Aibuquerque Maranhao da
serventa dos offlcios de Io tabelliao, e-criv3o de
orphaos c roais annesbs do municipio do Bom-
Conselho, para que fra n'iraeado por decreto de
13 de julho de 1867, por nao ter apresentado o
respectivo titulo no praio legal, como Vmc. infor
mou em data do 3 do eorrente; o que llie commu-
aico para seu eonhecimento e flus convenientes.
N. 737.Dita ao juiz municipal do termo de Ga-
ranhuns.Por dcliberacSo desta dita suspend a
Jo Segismundo do Albaqaerqne Maranhao da
.serventa dos offlcios de Io tabelliao, es nvo de
orphaos e mais annexos do municipio do Bom-
Conselho, para que fura nomeado por decreto de
13 da julh) de 1867, por nao ter apresentado o
respecti o titulo no prazo legal; o que Ihe com-
muiiico para seu eonhecimento e flns conve-
nientes. -
\ 738.Dita ao commandante do corpo provi-
sorio de polica.A' di>posicao do presidente do
collegio eleitural, como soliciton, mande Vmc.
apresentar na matriz da freguezia de Santo Anto-
nio danta culada am official e aez praca para
guardar a orna daeleicao a que all se procela.
N. 739.Deberaeao.O prasidonia da arovn
cia attendendo ao quo Iha requereu Eduardo n-
tunes de Aibuquerque Mello, tabelliao o escrivao
do civel e mais aanexoa do termo do Ciranres, re-
solve cojiceder-lhedous mezes del i cenia para tra-
tar da su* aaiia nesta capitaK
N. 7*0.'-DitaO presidente da pjrojinea atten-
dendo a qae requereu o aWcres aggregado ae*a-
talhao n. 43 da *?* nactonsl do awoicipio de
SerinhSem, Jos Teferino de Vasconcellos, e a que
este official aeha-se imposibilitado deconliauar
no servico activo, segundo so v do resallado da
inspeccao de sade a que foi submett.do nos ter-
mos do decreto o. 34 6 de 8 de julho de 186a, re-
vive, de conformidade com a informacao do res-
nectivo commandante superior interino, de 19 do
eorrente-sob n. 37, transferido para a lista da re-
serva, ticando aggregado respectiva seccao
"' fl 741 Diu O presidente da provincia alten-
dondo ao qneinormou o juiz de direito da comar-
r a de Garanhnns, em data de 3 deste mas, resolve
suspender da serventa dos offlcios do Io Ubeiliao
o escrivao de orphaos e mais annexos do munici-
pio doTlom-Co.iselho, para que ff a nomeado por
decreto de 13 de juina de 67, o cidadao Jos Se-
oiimuodo de Albnquerqua Maraalu), por alo ter
apra'senlade o respectivo titulo no prat legal
It 7*6.Dita ao mesmo.Km Vista dos inclu-
sos preas qne me remelteu o commandante supe-
rior do municipio do Liraociro, com offlcio da 20
do crtenle, mando V..S. Uquidat- pagar asase
Mana Ferrera da Cuulia es vuiiniuenlos corres-
l^mdentes aas mezes de seteiabra e outubro deste
aniio,a.s guardas naciunacs deitacados naqaella
villa.
4.* seccao.
N. 747.Offlciu ao Exm.'Sr. presidente da pro-
vincia da Babia Expedind > ordem nesta data
para que regresse a essa provincia o brigue de
guerra ibanf/fro, assim o commanico a V. Exc.
pan*ua inteliigencia.
349 DiU ao director geral di inUruccao
ptiljlp.Era vista de sua informacao de 2 do
cornaate sob n 383, autoriso V. S. a jir o sen
rumpra-se na delibaracao quo inclusa devolvo,
coneedealo licenca a professora publica da eadei-
ra (W S. Joi da Cora Gran le Camarina Leopol-
dina de Castro Araujo llamas, afim de pader eHa
eobrax o. seas veaeiraentos.
N^730.*-Dila a cmara municipal de Barreiros.
Cura a infuriiiacao inclusa por copia mioJradi
pela thesouraria provincial em 23 do eorraate sol)
n. 719, respondo ao olflcio que a cmara inuiiici
pal da villa de Barreiros dirigi t esta prasidoBcia
em 8 de outubro prximo lindo, relalivamnie
aos reparos de que precisa a punte dessa villa.
N. 751.Dita a geroute d> Companbia Per-
narabucana. -0 Sr. gerente da Oompanhia Per-
nambiioana mande dar urna passagem de estado a
r at o Acarac a Luiz Martins de Araujo.
N. 732.Dito ao presidente da collegio Bosta
capital.Nesta data ox|iecu a conveniente ordem
ao ommanlanle do curpo provisorio de, polica
para mandar apresentar a V. S. nm oflicinl e 10
pracas para guardar a urna da olaiqo que se
procede nessa collegio. Fic.i assim respondido o
olflcio do V. S. desta dala.
kni:dif.*te assiwdu pki.o sr. M. JOAQDU COnRRA
di ab.vujo, nafomasn do r.ov-:ixo, m 20 d:
NOVEMBrO DE 1809..
i"seceo.
N. 733.Offlcio ao Exm. Sr. general comman-
dante das armas.- Do ordem Se a. Exc oSr. pre-
sidente da provincia, declaro a V. Exc. em res
posta ao seu officio di o. 801 de U i < Bocrento,
quo oaata data se mandou satisfacer o pedido que
veio annexo ao seu citado nfScio.
2.a seceo."
N. 7j4.--OHco ao commanJinle superior da
guarda nacional do Limooiro.0 Exm. sr. presi-
denle da provincia manda declarar a \. S. em
resposta ao scu offlcio de 20 da eorrente, que a
thesouraria provincial tem or leni para pagar a
Jos Maria Ferrera da Cunta os vencimentos
consianles do citado offlcio.
N. 755. Dito ao commaadanto superior da
arda nacional do Brejo.Sua Exc o Sr. presi-
dente da provincia, muida declarar a V. S. em
resposta ao seu offlcio de 16 d) correte sob n.
18 que a thesouraria de fazenda lora ordem para
pagar a Pedro Paulo dos Santos os vencimentos
eoiMtastes do citado offlcio.
N. 756.Dito ao juiz municipal da 2." vara des
u cidade 0 Exm Sr. presidente da provincia
manda declarar a V. S. que nesta data se expeda
ordem an Exm. Sr. general commandante da* ar-
mas para Ihe ser apresentadi a praca montada
qne pedio em seu offlcio da 23 deste raez.
N. 757.Dilo ao commandante do corpo provi-
sorio do polica.Nesta data antorison-se a thc-
-nuraria provincial a pagar a Ballhazar Pinto de
Gmveia a quantia de 1:5503000 constante do offl
co de V. S, datado Je 9 do crrente sol n. 320, O
qual fiea assim rospjiilida de ordem do Exm. br.
presidente da provincia.
4* seccao.
N. 758.-Offlcio ao director parcial dos indios
da aldeia de Cimbres. -S. Exc o Sr. presidente
da provincia manda communie.ar a V. S. cm res-
posta ao seu offleio de 22 do crranla que ac^ta
diU Oca expedida a convenieate orde n o direc-
tor do arsenal de guerra para mandr entregar o
menor da eompanhia de apronJizes daquelle ar-
s nal Francisco iivalcante de Pinto JequiUba ao
sen irmo, depon de indeuinsada a fazenda das
despezas com elle fetas.
DESPAOS DA PRESIDENCIA. D.V PROVINCIA Du DA
18 D8 JANEIRO.
Baro do Livramenlo.Ao Sr. inspecior ua the-
souraria provincial com a portara deste dala.
Francisco Isidoro Ribero de Carvalhr. -De-so a
paiente. ..
Guilhermina Francisca de Araujo Lus.Dirij.*-
se ao Sr. inspector da thesouraria provincial.
Ilenrique de Miranda Hcnriqnes Lavre-sa de-
liberadlo nompando o supplicatitc com a gratifica-
^ ' Jos Augusto de Araujo.Ao Sr. inspector da
ihesouraria provincial com a portara desia dau.
Alferes Jos Correa do Araujo. -Sella i >. vulto.
JosBarbalho Uchoa Civalcante.Conceda-se a
licenca requerida na fr na da lei.
Bacharel Joaquim Pontcs de Miranda.7-Imorme
o Sr. inspector da thesouraria de fazenda.
JeronytnoTheolnnio di Silva Loureiro.Nomfle-
se os Drs. Ptanga VilUs-B is o Mosaoso, aos quaes
o supplicate se apresentar.
Remigio Kucip.-Cenu requer, cuteniendo*
para esso tira com* o Sr. engenheiro chele da re-
particao das obras publicas.
REVISTA DIARUL
ACTOS OFFICIAES Por deliberacj da presi-
dencia com dau de 18 do torrente oi nonnado
delegado do polica do termo de Pao d'Alho o ba-
charel Antonio Francisco Correa da Araujo.
JUNTA DE QUALIFICAgO. A da freguezia
da Bou-visu aeha-se coraposU dos Srs.: juia de
paz presidonle teaenta-caronal Aoloaio Canieru
Macbad Ros ; mesarlos Alvaro Pereira de Si, Joao
Gregorio dos Santos, Jos de Barros Correa Sello,
e Manoel do Nascimenlo da Silva Bastos.
VIA FRREA PARA OLINDAChegaramllan-
tera os navios ingieres Cosmorant e Salway, por-
ladores de trillaos, e accessorios para esta emprea,
dou* dos que noticiamos era nosso n. a 17 do
crr;nle estarn om viagam. Tand > a empreza
ja reeebido, pelo vapor iBglaz Cognuc, aferramen-
la a ueusilios necessariud as officinas, e sobresa-
lenles para os trens, dentro era poneos dias deye
proseguir dos trabadlos de asseniameiito da tri-
llu>s etc.
GABINETE PORTUGUEZ DE LEITURA. De
pois de amanhaa, 23 do eorrente, deve reanir-seo
conselho deliberativo deste estabelecimento, o nao
a assemWa geral dos accionistas, como se v do
annancio respectivo.
POCOS TUBULARES INSTANTANEOS.-Acaba-
mos d"o ver um destes pocos, assenUdo pelos Srs.
Bandeir i. Machado & C, na cidade de Olra la, func-
aionando cora regularidade, e dando quantiJadc
d'agua de bom sabor e clara. Alm deste, infor-
mam-nus, que ha outros assenUdos paresses raes-
uos senhorese n diversos engenhos do sul da pro-
vincia, os quaes satlsfazem as neeessldads locaes,
com bandancia e pureza do liquido. Era vista
dos b ms resultados obtidos, eremos que nao sera
improflcuo o dinbeiro erapregaila cm seraelhante
melhoraraento.
PAPACACA.Escrevom-iios desta Ioealidaie,
em 8 do correte mez : ...,.
. Acha-se oatre nos o Rvd. capuchmho fre Ve-
nancio de Ferrara, o qual veio missionar, o tratar
da concluso da obra da greja matriz, cujos pri-
raeiros trabalhos foram feitos pelo Rvd. frei CaeU-
no de Masina, qu l> saudosas e gratas reccor-
daeSea deixou entre este povo, verJadc.iramenia
catholico.
A idea do concluir a grande obra do magni-
fico templo delineado e comeeado pelo Rvd. fre
Caetano, loi garalmente acceu e produzo um
inexpromivel cootentamenlo neslc povo, que acode
de todos os pontos da freguezia ao ch.iiniraenlo
desse apostlo do senhor, e pe ao trumpho ex-
pndalo desse. pensamento o obulo de suas for&is,
o auxilio de seus braco-, a esraola de sua coadju-
vano. Para auxdialo ueste grandioso intuito, o
Rvd. frei Venancio uomeou urna enmmissau aJmj-
Dislrativa, encarregadadopromo/er a subseripcao
e arr.-cadaco das esinolas offerladas pela can-
dado d .s christos e fazer o melhor e mais aderta
do empcego dos raeios adquiridos para esse lira,
ana escolha recahio sobro os segamtes s.'iihores :
Qoadjuctor padre Paschoal AITonso Lorabardi, to-
neole Araerico Cavalcante de Aibuquerque, Dr.
Francisco Aolonio Cesario de Azevedo, Augusto
Maiuiano Soares Vilella. Jos Emiliano .avalcan-
w. de Aibuquerque, profesor Vicente Ferrera da
Cruz, e Io*e do Alenquer Simoes do AmaraL
. O iniraenso povo, que todos o dias afflue ao
lugar do trabalhu, aonJo se veera confundidos
nm s pensamento, n'um s desejo, irandes e
pe menos, homens e manieres,, velhos a meninos,
faz estremecer de jubilo, c verter lagrimas de en-
tusiasmo os quo ainla possuem algu >a t nos
principios generosos, santos e un nuuveis do ca-
tnolicismo, na facundidade d^ sua d mtrini civili-
sadoura, de que s mente pJe provir a paz e a
rraiernisacao universal. .
Todo o enthuasrao, porm, tem u.n nivel,
quo nao dado, transpr, e alm do qual se en-
comia urna como torca centrifuga ou da r paisao,
que > faz rebaixar com a raasraa veloeidade, que
o elevou. Para raanter o calor de^sa dedicaeao, e
continuar o que a iniciativi inji>i.lual encotou, es-
p-raraos o auxilio da noss assemblea provincial,
caja piedade justificar a escolha de. um* provin-
cia que tem Untas e tilo ricas tradiedes religiosas.
As-ira o esperamos.
ASSOCIACO COMMERCIAL BEXEFICENTE.
Tendo dei'xado de haver no da 19 a reumao da
issembla geral dos accionnUs deste estabeleci-
meoto, por falta de numero legal; sao elles de novo,
convidados para o dia 21. I
ESTRADA DE FERRO DO REC1FE AS. FRAN-
CISCO.Alera d.s trens ordinarios que osla eom-
panhia expele, naverao mais no domingo tres ex
traordinarios parlindo um das Cinc Puntas para
o Cabo s 10 horas da manha, e os muros dous
do Cabo para o Recite um s 8 e outro 11 ho-
ras e meia da nonte.
FESTIVIDADESDommgo 23 do correle tem
lugar na igreja da Boa-viagem afoslividalo da pa-
droeira daqjfle arrabalda cora a pompa costumeira.
- Su mesmo da a nuute proceda-se lio. Puco o
hasteamento da bandetra de N. S. da Sada com
todo o brilhantismo do cosluine. A va frrea ate
Apipucos augmente o numero de seas trons para
all.
TIULHOS URBANOS DE APIPUCOS, -Durante
as noules de novenas do N. Sanhora da Salido, no
Pco da Panalla, a gerencia resol vau er.abelecer
um" trem extraordinario, partido da estacao do cal-
deireiro s 9 horas e 40 minutos da nouie em di-
recro ao Recite.
Segundo o annancio da empreza, inserto no
lus.r competente deste diario, do do vindouro
mar de marco em diante nao secan mais vendidos
na trens os bilhete* de oassagem. sendo-o rnente
as diversas oslacSes ; do dia 25 do proxim i maa
de fevereiro em diaole nao sero mais r^sgatados
os biihetes era circulacio, o,'ie so o serio aia a-
quella data sorvindo depois nicamente como paga
da pa sagem no- trens; Analmente do 1" de mar-
eo em diaato comecar percoro* a liaba diaria-
mente ura trem de carga scoinpanhado do am car'
ro de 2' classe para aqnollc f ni seguir
de perto seus volumes, que deverao ser despacha-
dos as diver-as esteedes 15 minutos antas do ael-
las tocar o ri ferid > trem, i\u devora partir' do IV'-
crfe ao meio dia preciso, regressando de Apipucoa
1 e 1(4 horas da larde.
Do annuncio da gerencia raelbores informaeaa
colheram os interessados, e para elle claniauoa
pois sua attencao.
ESCNDALO E FERIMENTO. Moradoros.d*
ra de P.iysandii na Capunga, se nos qwniaao m
griteria e escndalo publico que d nesee tof r
una multe de escravos, uroferindo iip^noralidaubs
e jugando a dinheiro ; teudu sabido de pona, a
sabbada, a esbordoarem a um homem duiuaS*
Celrin, porque nao quiz fazer parle da sucia.
Chamamos para ssj a allenco da autoridad.:
competente.
COMPANHIA PERNAMBUCANA.Hoje o uJ-
tfrao da era qoe recabe carga o vapor Giqtu pata.
Maceid e Penedo conforme o annancio da msoata
Companbia.
LEILO Hoje s II horas effectua o agente-
Pinto o leilao de doce, queijos chitas e algouues
conforme este anuuuciado para o sobrad ja-
teo da Santa Cruz n. i.
Em seguida vender! o mesmo agenta .e*. t
veis, louca, vidros c mais objeetos existentes
masraa casa.
LOTERA.A quo se acha venda ai Ufu\
beneticio da igreja de Nossa Senhora da Autfro
de Oliada, que corre hoje.
CEMITERIO PUBLICO.-Obtnario do dia 18 de
Janeiro :
Domingos Jos Machado, Portugal, 40 anno,
solt ro, Santo Antonio ; apoplexia fnhnintinte. '
Ignez Maria das D >res. Parnambuco, 45 aitnos,
viuva, Recite ; ulcera rancrosa.
Boravinda Maria de 1 esn-, Pernambnco, 22 an-
uos, solteira, Boavbta ; tubrculos pulmonares.
Aanunriada, Parnambuco, 4 inezs,S. Joa; co-
queluche.
Lidia, Pernambuw, 2 anuos, Boa-viste ; coaval-
ses.
19
Luc na Francisca Cavalcante de Aibuquerque,
Pernainbuco, 15 annos, solteira, S. Jos ; broa-
chile.
Marceliaa Parnambuco, 1 anno, Santo Aatonio,
denles.
Manoel Joaquim de Paula, Parnambuco, 3* an-
nos, casado. Boa-viste ; hypowndria.
D. Auna Josepba da Aunuiv'.iaeAu, PernamlNieo,
72 annus, viuva, Sinlo Antonio ; cuugesiao cere-
bral. '
Mara, Parnambuco, 10 mezes, S. Jos ; dyar-
CEMITERIO PUBLICO.Obluario do dia 20 So-
jaaeiro de 1870.
Flix, Purnambuco, 0 utes,' Santo Antonia;
convulces.
Olympio Nery dos Reis, Pernambuen, 28 annos,
casado, S. Jos ; tubrculos pulmonares.
Jos Rodrigues de Snuaa, Pernambuco, 25 an-
nos, setteiro, Santo Antonio ; larangite ulcerosa.
t'rtii-vardj, t to Antonio ; febre tvphoide.
Joo Antonio Pimenia, Rio-Gran le d.Sul; 25
annos, solteiro, Poco ; suicidio.
Antonia Maria das Mcrcs, Pernanibur i, .) na-
nos, casada, Santo Antonio ; bexigas.
Antonio, Pernambuco, 21 nuzes, Recife ; con-
valcoes.
Manoel, Pernambuco, 1 anno, Santo Antamo :
Denticao.
PUBLICACOES A PEDIDO.
Gamelieira,
Rifan antigo : julgar os mais por si Assim
querem jular os ex ubJelegados de Gaui ileira
pelo actual Carlos Lenidas do Reg Barros. ,\-
quellas no teinpo do progresso lizerara por nu;i
de sagacidada entrar na cocheira do -subdele-
gado Meu-Bem um cavado perlencenie ao Sr. Jus-
tino de Almeida. morador no Recife. Se quizesso
o Sr. Justino referir esta esprtela, scienutVaria ao
publico quera sao estes bm homens O subdele-
gado Carlos Lenidas nao procede igual a estes; e-
caluraniado em una publie icao que sahio ao prelo
no Liberal de 8 do eorrente, ao qae protesto quo
este, quera quor quo saja, desoobrlnda a visoira,
aprsente sua assignatura, do contrario sera in-
cluido no numero ios ladreas de cavallos, visto
ser os unicus desaffectos que podem calumniar o
Sr. Carlos Lenidas, tanto mais apresentand i-so
em defeza de um individuo que foi recruteJo cwno
suspeilo em ditos furtos.
A pedido do depositario so acha recolando a co-
cheira do Sr. Cirios Leoni las o cavallo da quo
tratera, sem paga algnraa e era intance? do a
exigir, porquanio o Sr. Carlos nao pansa e era
pratica actos iguaes a aquellos alicantineiros, quo
querem ser liberaos.
Era quanto a ordem que dizera ter vindo ao ins-
pector Balbrao, inuilade-caramento fallarem cm
puMeo com a verdade ; existe ura bilbete, mas
dirigido ao negro pai da moca do que traiara, da
qual s so comprehende eipertoza e iratenliac.
Portento, responda-me o autor daqnelU publica-
cao, se aquclle biHieie sera ou nao da pirana dos
patronos daquelle recrula ?
Da cocheira do Sr. Lenidas nao tem salud oa-
vallos furtedos, o que na i acunleca aqu cora a
de outros. Sao estes que passam a illudir a quoui
nao os cunhecem.apreseutando se em publico com
a capa do Liberal. Por brara e digmdadu d n-
berai da Ireguoziade Gamelleiradaviam declarar
ao publico qual a capa verdadeira quo cubro a
aquelles... A C. B. ti.
00MMERCIO.
PRAGA DO RECIPE 20 DK JANEIRO
DE 1870.
AS3 1/2 HOBi DA TABDB ^^
Cambio sobra Undres 90 d|v. 201(4 por liOQO
Descont de letras de 5 mezes12 OtO ao anno.
Goneallo Jos Afionso,
Presiden u.
Mosquita Jnior,
Secretario.
Sociedade bancaria
em com mandila
Theodoro SiV/ton ^ ^"
Gonipraui e vender por conta pro-
aria metaes, moedas nacioaaes, e estran-
^ira, letras de cambio, sedulas 4o fo-
verno e do banco do liasil.
Deacootam letras da trra e oqtros li
mos commercines.
Encarrfraro-se por conta albeia das mes-
nas transacroes, da cobraocji do letras da
ira e de outros ltalos otwtmerciaes.
Reoeb m quanrquer qaanas em depo-
to, em conta eorrente, a a praao nxo.
Largo do Pelourinho n. 1
m


.

^V


Diario de Pernambuco Sexta feira "21 de Janeiro de 1874.
ENGLSH BANK
Of {lio de Jaeiro Limited
Duscouta lettras da prafa taxa a coa-
^endonar.
Receba dinheiro em coota corrento e a
praso iixo.
Saca vista ou a praso t*>re as cidades
prtopai:s da Europa. Un correspondentes
na Babia, Uucnos-Ayi'e*, Antevido, New-
New-Orleans, e eiate -cartas de crdito.
para os mes moa lugares.
ItUA DO COMMERMO N. 3-
Caixa Filial do Banco do Brasil
A caixa filial do Banco da Brasil em Per-
nambuco em liquidacao paga o 32 dividen-
do das acedes po banco do Brasil inscriptas,
resta caixa a razao de 9fi900, por ac?5o.
AL.KANDB&A.
tteadimento de da 3 a 19 ... 850:4294570
Idea 4o -lia 20..... 50:773*800
901:205*370
JOVlHENTO DA ALFAfEGA
Voluntes airados cora falencias
Idea dem cora gneros
falunes ahidos cora fazendas
dem idem coro genero
161
456
-----620
210
39
----- 1049
Desearregam hoje 21 de Janeiro.
Eseuna ingteza Hume mercadorias.
Patacho ingtezHaiderbacalhao.
?alacho p ntaguezPositivo-merea dorias.
Barca franeeza Augustina idea.
Patacho americano -Seoritafarinha de trigo.
Pataefcolaglez -Harbo Gracabaealbo.
RECEBEDUKlA Ufi RENDAS INTERNAS GE-
RAES de pernambuco.
cadimeato do da 3 a 19. 23:4294267
Meca do 20...... 42I2
iArt. 9. Os foe veoderea lquidos em
barris ou ancoras, sao obrigados a aferi-los
marcando no (esto de cada usa o que pode
eonter, e pagarle por cada par de barris
oo ancoras o que esta estipulado por orna
so vez ao anoo 14, at a prxima arreraa-
tacao, Qcando liwe da revisio para nova
HirrWBatacaos-Mwr mh JM < A
rt. 10. Porcada cgra de dous meos
pagaro 500 rs. e sio obligados a mor
parte deltas os estrs de obras, Garapi-
as, pedreiros, cantees, vendedores de ma-
deiras e todos es que por na proflssio
della possm precisar.
Art. II. As estaces publicas continua-
rlo a pagar as afericies, boaa como ai es
**ac5es da estrada de ferro, matadouro
publico as bataneas de arrobacao.
Art. 12. As medidas e pesos sao sujei-
tes s revisoes, que costar -netade : todos
os pesos e medidas affenidas pela primeira
vez ticam sujeitos raaie da metade da affe
cico prescripta.
Art. 13 As affericoes tero comeco em
outubro a dezembro, e a reviso de abril
junho ficando porm os acougties obriga-
dos a reverem de tres em tres metes.
Papo da cmara municipal do Recite, 15
df juiho de 1868.Luiz Jos Pereira Si-
tnes. pro-presideote.Feliciano Joaquina
dos Santos.Thomaz de Aqnino Ponceca
lir. Joaquim Jos de Miranda.Gustavo
Jos do Reg.Dr. Prxedes Gomes de
Souza Pitanga. Antonio Jos Silva do
Brasil.
Approvo.Palacio do governo de Per-
nambuco, 17 de agosto de 1868Assis.
Conforme.Antonio Annes Jacome Pires.
Pareceres referida thesmraria no dia-e tiora in-
dicados.
Secretada da tbesoararia- de fazeoa de Per-
aamboco, 20 de Janeiro de 1870.
Servodo de oflieial-maior,
-_________Mmnoel Jote finio.
Aviso ao navegantes.
tovpieijjB S. Exc. -o St. presidente da nro-
vinciafavflftlico qu-e a *** fnarol que se
achaw eoflotada no*baixos i^ragnca, Toi-re-
lirada do'Boato de ana amamcao, porqtib est
iuipresu^il, tendo corrido mee de perder-se : e
que at flprem se o reparos, do que ella neees-
sita, Har naquplle ponto o baile ItiaChuello, o
qual de da crusara as prmdadades dos baixos
e denrita ancorara, teado um lampeo, que possa
ser visto dos navios, que se aprimarem em de-
manda da entrada para o porto -desta cidade.
Seeretana do govemo do Pur, Cnv20 de dezem
bro de 1869.
Antonio dos Pasaos Miranda,
wrviBio 4e eeretar.
Esta conforme,Capitana do .porte de Pernam-
buco, 45 de Janeiro de 1875.
O secwrtaru _:.
_________________Pecio de Aqnino WKJBtA'
PARA LISBOA. -
e*rigae portugnez Laia l, seguir com
toda a hrevidade visto j ter prometa quasi toda
sna alga; para o que Ihe falla, passageros diri-
ftnB aos consignatarios, Oliveira Filhos e C, no
largo do Corpo Santo, n. 19, ou ao capilao na pra-
ca do Commercio.
PARA 0 PORTO.
fOoTBr seguir roo, a brevidadc posivel a
Baroa portogoeza JVro Silencio, pan carga e
Ksajreiros dirijose aos conngnatarloj, Oliveira
os de C., no Largo do Carpo Santo n. ID, ou ao
caprtao aa Praca do i'nmmercio.
Para o Porto
a barca flor de S, Simao sahir brarmente, por-
que j leo parte da carga engajada : para o resto
e passageos, trata se com os eonsiguatarios Car-
valbo & Tlbgueira, na roa do Apollo n. 20.
23:883*479
CONSULADO PROVINCAL
Hendimeoto do dia 3 a 19.
Itom do dia 20 ...
125 804J9S7
7:454897
MOVIMENTO JO PORTO.
Navint entrados no dia 30.
Baha 11 dia>. patacho inglez Francis Drake, de
205 toneladas, eapitao Francisco D. Keslake,
equipafiem 8. em lastro ; a James Ryder A C.
Babia13 das, brigue nglez yetoton, de 218 to-
neladas, eapitiw R. Postor, equipagem 8, em
lastro ; a Jamos Ryder di C.
BahiiII das, brigue inglez Waterhen, de 293
toneladas, oapilo I. Cuulsen, equpagem 9, em
lastro; ordem. Suguio para West ludies.
Buenos-Ayrcs32 das, barca ingleza Grace Red-
pnlh, de 514 tonelada?, capitn L. H. BotsCord,
equpagem 11, em laslro; a Henry Forster t C.
Vacias saludos no mesmo dia.
Rio Gran 1 d pilao loa ini n dos Sanio- S tuza, carga assucar.
Rio da Pialal-euiia dinamarqueza Dorothea,
capito M. I'edersen, carga assucar.
PortoPalbabotc portnguez Villa Flor, capito
Manoel Pereira da Silva, carga (anear e couros.
Haviaa i>atacho hespanhol Juanito, r^ptao Joao
Fontanelli, carga a mesma que trouxe de Mon-
levido.
LiverpoiilVapor inglez Alhambra, capilao Ar-
thur W. Mee, carga algodn e assucar.
Observadlo.'
Suspenden do lamarao para a Parahyba o pata-
cho inglez John B. Campbell, capito I. Jewer,
com a mesma carga que trouxe de Terra Nova.
Fundiaram no lamarao ura brigue, urna barca
austraca c ratra laglexa, mas nao tiveram com-
municaco cmn a trra.
ECITAES.
A cmara municipal dosta cidade 'az pu-
blico para conhecimento de seus municipes
o regula ment abaixo transcripto, que se
ada em vigor para a cobranza do imposto
de afeiico.
Pago da cmara municipal do Recife, 12
de Janeiro de 1870.
Ignacio Joaquim de Souza Leo.
Pio-presidenle.
Francisco Canuto da Boa-viagem,
Secretario.
Regulamenlo para as afericocs de bataneas,
pesos c medidas do municipio do Recife,
pelo novo systema mtrico decimal.
Todos os armazens, depsitos, casas de
negocio, estabelecimentos de industria de
qualqner natureza que sejam, fixos pu vo-
lantes, onde se compre e venaa em grosso
e a retalho, mercadorias ou gneros solidos
ou lquidos, que seja necessario pesar ou
medir, serO o 'rigados a ter collecfoes
completas de pesos e medidas, segundo a
natureza de seu commercio, na forma do
padrao do imperio.
Todas as pessoas assim obrigadas a ter
balanzas, pesos e medidas, pagaro a afe-
rifo ita.mnneira seguidle :
Art.1.0 Por cada metro pagaro os lo-
gistasijl, os mscales e boceteiras 1J.
Art. 2.e Por cada temo de peso, come-
pando de 20 kilogrommos at o menor peso
40, por terno rcomefando di 10 kilogram-
mos, 2(J360 por temo; comeando de 5
kilogrammos 1#.
Os que excederera a 20 kilogrammos pa-
gar3o 40 rs. por kilogrammo,
Pesos avulsos pagaro 80 rs. por kilo-
grammo ; menos de 20 kilogrammos para
cima que pagarlo 40 rs.
Art. 3. Cada marco que nao exceder de
meio kilogrammo pagar 80 rs., os que ex-
cederem pagarlo 40 rs.
Balangas portuguezas, que nao excede-
rem a 8 kilogrammos, pagarao 500 rs. ; as
que fsrem de maior capacidade e menor de
20 kilogrammos pagatao 11, e as que exce-
derem de 20 kilogrammos pagar5o 2(j.
Balanzas para marcos e granitarios paga-
rlo 320 rs.
As romanas e decimaes com pesos at
300 kilogrammos pagaro 6$, e as que ex-
cederera pagarlo 10.
Art, 4.o A colleco de medidas para sec-
eos, com oito vasilhas, comecando pelo de-
calitro meio de i-litro, pagarlo 14600.
Por colleccao de cinco vasilhas, cooiecan-
do pelo duplo-litro at meio deci-litro pa-
gano w 00.
Art. 5. A collecyao de medidas, conten-
do acia vasilhas para lquidos, pnneipiaudo
pelo double-lro at meio deci-litro pagar
10500.
. P r um temo de quatro vasilhas, come-
pando de meio litro at meio deci-litro
10200.
Art. 6. As vendas e armazens sSo obri-
gados a ter tantos temos, quantas forem as
qualidades de lquidos que venderem.
Art. 7." As medidas avulsas, quer para
liquido, quer para secco, pagarlo 200 rs.
Art, 8. Os que venderem pelas ras fa
sendas ou soceos, c.mo azeite, mel, leite,
feijao milbr/, arroz ele: pagarao de afnelo
por cada medida- 32o rs, e o mesmo paga-
rio os canoeiros, barcaceiros e navios que
wenderetn cal, sal, farinha e ootros ee-
-aeras.
4* seecio.Secretaria do governo de Pernam-
buco, 24 de dezembro de 1809.
Pela eerelaria do governo se faz publico, que
o Exm. Sr. presidente da provincia nao acceiton
as propostae apresentadas pelo engenbeiro Manoel
Buarque de Macedo e o bacharel Beoto Jos da
Costa Jnior para a construeco de urna estrada
de ferro desta cidade a villa do Limoeiro com 2
ramaes para Nazarelh e Victoria, por exigrem os
, proponentes garantas de juros, e nao nermittirem
os cofres proviociaes um compromisso dessa or-
dern, nao obstante a autorisacao para esse flm
concedida pela le provincial n. 856 de 5 de ju-
nho do anno prximo passado; e por isso nova-
mente se convida as pessoas que quizerem con-
trastar a couslrueco da referida estrada a apre-
sentarem ao mesmo Exm. Sr. no dia 24 de Janeiro
vindouro ao meio dia suas propostas em carta fe-
chada, sob as bases e condices declaradas na le
abaixo transcripta :
LE N. 856.
O barao do Villa-Bella, presidente da provincia
de Pernanjbuco. Fago saber a todos os seus ha-
bitantes que a assembla legislativa provincial
decretou eeu sanecionei a resolucao segu ite :
Art. 1. Fica o presidente da provincia autori-
sado a ontractar com o Barao do Livramento, ou
com ijuem melhorts garantas offerecer, a cons-
trueco de urna estrada de ferro desta cidade a
villa do Limoeiro, com dous ramaes para Naza-
relh e Victoria, passando polos povoados Caxan-
g, S. Lourenco d i Matta, villa do Pao d'Allio,
Povoacao de Tracunhem, sobre as condices se-
guintes :
1." O contratante ohrigar-se-ba a aprsenlar
planos e estudos da estrada no praso de dous an-
uos, a contar da data e asignatura do contracto.
S 2." O presidente poder lazer nos planos e es-
tuuos as alteraces que jnlgar convenientes elixar
a hitla e pefo dos triih is, as dimensoes das obras
d'arte e todas as conJicSes para seguranza e boa
execueao da estrada e ramaes.
3. O presidente p.der llscalisar a construe-
co e servigo da estrada e ramaes.
4." A estrada e ramaes soro concluidas a Ia
no praso de i annos, a contar do comeco das
obras, as segundas al 3 anuos depois de conclui-
da aquella.
As mullas por infracoao dessa clausula c a pro-
rogaco dos prasos nella estipulados por casos
I da provincia.
Art. 2. Fica o presidente da provincia igual-
menta .iuloriado auxiliar a construc.;ao da li-
nha e ramaes cura urna subvengo kilomtrica de
um quarto do valor das obras oreadas, ou a'con-
ceder a garanta de juros al 4 % sobre o ca-
pital empregado.
Art. 3.- Ser concedido ao contratante um pre-
vilegio por 90 annos para uso e goso da estrada
e ramaes contndose da concluyan das obras nao
podendo pessna alguma construir estradas seme-
jantes nesse praso para os meamos pontos, nem
na direccao dus ramaes e na zona do 3 leguas
para cada lado das estradas.
Art. 4. A estrada e ramaes e todo o material
empregado fleam isentos dos impostes provinciacs
e mumeipaes
Art. 5." Ficam revogadas as disposicGcs en con-
trario.
Mando por tanto a todas as autoridades a quem
o conhecimento e execuco da presente resolucao
pertcncer, que a cumpram e facam cumprir ao
inteiramenti; como nella se contera.
O secretario do governo desta provincia a faca
imprimir, publicar e correr.
Palacio do governo de Pernambuco, aos S de
junho de 1868, qundragessimo stimo da inde-
pendencia e du imperio. ,
L.S.
Barao de VilliBella.
Sellada e publicada a presente resolucao nesta
secretaria do governo de Pernambuco, aos o de
junho de 1868.
0 secretario
Dr. Francisco de Pauli Salles.
Registrada a folha do livro de leis provinciaes.
Secretaria do governo de Pernambuco, aos 5
do juuho de 1868.
O cscriplurario
Theodoro Jos Tacares.
O secretario
Dr. Joaquim Correa de Aratijo.
inspector interino da alfaadega fu publico
que no dia 24 do crrenle, depois do meio da e
porta da mesma reparticio, serie levados a bast
publjea.Jivrede direitos, os volamos abaixo de-
clarados :
Trapioie Dantas WS Ires eafras viudas do Rio
de Janeiro no brigue portugnei Acaso, entrado
neste porto em 30 de marco do anno prximo pas-
sado, peSencentes a Tasso Irraos, ontendo ves-
timentas velhas de lia e algodio para cmico nu
valor de 20*000.
,r/n-xe,Ds< (alfandeK) AF urna caixa n.
127 135, vinda de Liverpool no lugar inglez Ann
Wheaton, entrado em 24 de abril do dito anno,
contando chico copos de vidro n. 1, pesando um
kilogrammo no valor de 600 rs.
Alfandega de Pernambuco 19 de Janeiro de
1870.
O inspector interino,
_____Laiz de Carvalno Paes de Andrade.
rara Lisboa.
Segu com toda a brevidado a barca portugueza
Pereira Bordes, por ter quasf 'toda a sus carga
prompla : para a restante e passageiros trata-se
com os consignatarios Oliveira, Filhos 4 C, no
largo^to Carpo Sanio n. 19, ou com o capito na
praca ao Commercio.
Porto por Lisboa
Com a mair brevidode vai sahir para os refe-
ridos portes a barca portugueza Claudia, de pri
meh-a marcha e primeira classe, por ter maior
parte da carga prompla, e para o reste que ihe
falta e passageiros, trata-se com os consigna-
tarios Veras & Barbedo, ao caes da alfandega ve-
Iha n. 2.
fWSTITTO ARCBBOLOGICO E GEOGRAPHICO
PEMtKCAM.'
PORTO
Relacao dss cartas registradas existentes na admi-
nstracao do crrelo.
Augusto Muniz Machado, Antonio Rodrigues de
Albuquerque, Augusto Candido de Athyde Se-
xas, Antonio da Silva Pontes Guimares, Antonio
de Souza Bandeira, Antonio Pereira Leite, Andr
Avelmo Pereira e Silva (2), Adelaide Emilia da
Silveira Lobo, Arcenio C. Atu, Antonio de Souza
Nevos, Raleriano Antonio Jos da Cruz, Bario de
Villa-Bella, Carlos Francisco Soares de Brilo.Cac
tan> Xavier Pereira de Brilo, Come Jos dos San-
tos Calado, Christovo Gomes Pereira, Deeio de
Aquino Fonseca, Estevao Cavalcanli de Albuquer-
que, Francisco da Silva Reg, Francisco Manoel
Raposo de Almeida, Dr. Francisco Domiogues da
Silva. Francisco Alves Monteiro Jnior, Mr. Dr.
Francisco Muniz Tavares, Jeronymo Joaquim Fiu-
za de Olivara, Joaquina Maria do Sacramento,
Joaquim Jos de Carvalno Siquera Varejao, Joa-
quim Augusto Ferreira Jacobina, Joaquim Antonio
Teixeira, Joaquim Jos Goncalves Beltro (2), Joa-
quim Porfirio de Ataujo, Joaquim da Silva Lisboa,
Jos Francisco Bastos Guimares, Jjs Antonio
Pires, padre Jos Francisco Burgos, Luiz Francis-
co de Mello Tavares, Dr. Luiz Lopes Casiello Brin-
co e Silva, Luiz de Soaza Monteiro de Barros, Mar-
ciano Goncalves da Rocha, Manoel Gomes Viegas,
Manoel Maria Ro Irigues do Nascimento, Manoel
do Nascimento da Costa Monteiro Maria Antonia
Alresse, Narciso Francisco Vidal, secretaria da
directora imperial nsiituto Pernambucano de
Agricultura, Plinto Augusto Xavier de Lima, To-
bas Barrete de Menezes (2), Dr. Joo Silveira de
Suuza.
Segu com brevidade para o porto cima a bar-
ca portugueza Iris, capitho Mathias de Souza Ma-
ctel, recebe carga por frete commodo : tratar
com os consignatarios Antonio Luiz de Oliveira
Azcvedo & C, roa da Cruz n. 57, andar.
PARA LISBOA.
A barca portugueza Gratidao dever seguir eom
a menor demora possivel: para carga e passagei-
ros' trata-se com os consignatarios Oliveira, Filhos
4 C, no largo do Corpo-Santo n. 19, ou com o ca-
pito na pra?a do Commercio.
Tendo o Instituto Areheologico e Geogranhico
Pernambucano da celebrar o oitavo anniversario
da sua fundacao no dia 27 do correle Janeiro
pela 1 hora da larde,-no sallo da bibliolheca pu-
blica provincial, no conveato de Nowa Saakora
do Carmo, m conaidado para seiaeRtanle'afeito
em assemHI geral todos os socios que se aeha-
r,em no ^MpP* efTectivos, honor, rio* t correapon-
dentes.
Nao ejobaeendo o Instituto a sede das difieren
tes associaedes luteranas, scieniilicas, artsticas e
de beneltoocia que exi-tem nesta cidade, tem a
honra de convidar pelo presente ediial a cada
urna de taes associacoes a aasistir 4 solemnidad.-
do da 27, ou a faasr-se ahi representar.
E para conhecimento das corporacoes ou pes-
soas que tiverera de ornar a sesso com a sua
ualavra aoihorisada, aqu se transcreve a ultima
parte ds anigo 28 do regiment do Insiuto:
Se na sala existem socios ou pessoas outras
qne desejam 1er algjimas memorias interessantes,
partecipam no ao secretario perpetuo, para este
prevenir o presidente, o qual d a palavra aos au-
tores das memorias; a leitora de cada urna das
Suaes nao pode estender-se alm de meia hora,
orra nenbuma memoria ou trabalho pode ser
appresentado e lido em sesso publica, sem que
antes seja submettido a urna commisso de exame
para issonomeada. a qual tem voto decisivo sobre
a conveniencia ou inconveniencia da Ititura.
Secretaria do Instituto, 17 de Janeiro de 1870.
Jos Soares de Aztcedo,
____________^_ Secretario perpetpo.
Ama
. Precisa,-se.de ama ata para comprar e eozinhar
para duas pess
mero 23 "
na roa das frioebeira nu-
Trecisa-se
Ihos n. 28
"Jpaba
nao paga com
Teixeira St-b
"oT
um
Precisaa
padana : a tratar na
- Precisa-as ie
trangeiro, con bata
do fiador a sua eood
a. 26 se .r qaom-precl
na ra dos Coe-
publieo que
il Rodrigu.'.-
menor idade.
Teixeira.
Ibe,
n. 3.
para
nacional ou e>-
atieade taberna, e dan-
na ra do Livrament..
v
**&
Canarios.
Chegou um completo sortimento de canarios da
Alemanha cantadores de primeira classe garant
dos : ra do Imperador n. 16, armazem Fideli-
dade e no hotel d'Eun pa ra do Commercio
n. <2.
Porto.
Vai sahir breve a barca Laura para carga e
passageiros, trata-se com os consignatarios Carva
Iho 4 Nogneira. na ra de Apollo n. 20.________
COMPANHIA PERiNAMBUCANA
DR
Navegago costea por vapor.
Porto de Gallinhas, Rio Formse e Taman
dar.
O vapor Parahyba, seguir para os portos ci-
ma no dia 31 do correte meia noite. Recebe
carga, encommendas, passageiros, edinheiro a fre-
te no fisrriptorio do Forte d" Maltas n. "
Ama
Precisa-se de urna ama, preferindo idosa, para
comprar e cosinliar para duas pessois : no pateo
do Carmo n. 39, dfronte do porio de Santa Tbe-
rea, sobrado.
12
Para o P rto
pretende seguir com a maior brevidadc possivel
a barca portugueza Claudina, de primeira mar
cha, por j ter grande parte do carregamento en-
gajado : para o reste e passageiros, aos quaes
offerece ricos e excellentes commodos, trata-se
com os consignatarios Cunha Irmos 4 C., ra
da Madre de D^os n. 34, ou com o capito a bordo.
Annuncio.
Nao tendo-se reah'sado a reunio geral dos con-
senhores da propriedade cominum Apipucos con-
vocada para 9 do correnle, por falla de numero,
o respectivo administrador de novo convoca aos
Senhores herdeiro da dita propriedade para se
reunirem o dia 23 deste mez pelas 10 horas da
manha na casa de sua residencia para se tratar
dos negocios seguintes : leitura do relatorio, ap-
provacao de eontas, do contrato do capelao da c-
pela, e do augmento do ordenado do sacristao.
Esta reunio se far com o numero de consenho-
res que comparecerem na conformidade do art
18 dos estatutos.
Apipucos, 10 de Janeiro de 1870.
O administrador,
^^^^^^^ Jno Francisco do Reg Maia.
AVISOS MARTIMOS.
uECLARACOES.
Pela recebedoria de rendas internas geraes
se faz publico que neste mez e no de fevereiro
prximo futuro que tem lugar o pagamento, sem
multa, a bocea do cofre da taxa de eseravos do
exercico correte de 1869 a 1870, cojos dones ou
administradores morera as freguezias desla cida-
de e as de fra, a saber : Afiogados, S. Amaro
Jahoaio, Poco da Panella,- Varzea S. Lourenco
da Malla e Munbeca; e que Ando o referido praso
ser cobrada cora a multa de 6 /.-
Recebedoria de Pernambuco, 7 de- Janeiro du
1870.
O administrador,
.______Manoel Carneiro de Souza Laceria
C01IPA1IA BRASILEIIU
DE
Paquetes a vapor.
Dos portos do sol esperad)
at o dia 21 do correnle o vapoi
Tocantins, commandanle J. M. F
Franco, o qual depois da demo
. ra do costume seguir para os
portos do norte.
Desde j rocebetn-se passageiros e engaja-se
:arga que o vapor poder conduzir, a qual deven
wt embarcada no diado suachegada. Encomnft'n
lasedinbeiro a frete at as 2 horas do diadasa
sahida.
Nao se recebem como encommendas senio ob
lectos de pequeo valor e que nao excedam a dua-
irrobas de peso ou 8 palmos cbicos de medico
Tudo que passar destes limites dever ser embar
;a lo como carga
Previne-se aos Srs. passageiros, que suas pas-
sagens s se recebem na agencia ra da Cruz
n. 57 primeiro andar, escriptorio de Antonio Lui7
do Oliveira Azevedo 4 C.
" CUMPA BRASILEIIU
DE
Paquetes a vapor.
Dos portos do norte esperad,
at o dia 28 de Janeiro o vapoi
Gtwr, commandanle interino o
ltenente Gremhalgh, o qual de
pois da demora do costume se
guir para os portes do sul.
Desde j recebem-se passageiros e engaja-se
arga que o vapor poder conduzir, a qual deven
4er embarcada no dia de suachegada. Encommeo
das e dinheiro a frete at as duas horas do dia di
Nao se recel>em como encommendas seno ob-
lectos de pequeo valor e que nao excedam a S
arrobas de peso ou 8 palmos cbicos de medi-
co.
Tudo que passar destes limites dever sei
embarcado como carga.
Previne-se aos Srs. passageiros que snas passa
gens s se recebem na agencia ra da Cruz n. 57
* andar, escriptorio de Antonio Luiz de Oliveir;
Azevedo 4 C.
LEILOES.
noite de 14 do correnle, da
na oovoaco do Monteiro, as
DE
Urna mobilia de Jacaranda com 1 sof, 1 mesa
oval, 2_ consolos. 2 cadeiras de bracas e 12 de
guirnico, i casticaes e mangas, 2 jarros, 2 es-
carradeiras, 1 candieiro gaz, 1 tapete, 1 cama
Iranceza, com colxo e cortinado, 1 toylet, 1 ca
bid, 1 meza de jamar, I marqueza, 12 cadeiras,
louca para jantar, dita para cha, comuoteiras, co-
pos, clices, garrafis, taboa de engomar, 1 lava-
torio e muitos o uros objectos de casa de familia,
existentes no sobrado do pateo da Santa Cruz nu-
mero 2.
HOJE.
0 agente Pinto l.fgalmente aulhorisadojYar lei
lo dos movis, louca, vidros e inais objectos. ci-
ma desiript >s existentes no sobrado do pateo da
Santa Cruz n. 2.
Principiar as 10 1|2 horas.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
VavcfiU'So costefra por vapor
Parahyba, Nata', Macao, Mossor, Ara-
caty, Cear, Mandah, Acarac e
Granja. -
O vapor pojuca, commandanle
Moura, seguir para os porte>
_ cima no dia 31 do corrente as 5 hora-
la tarde. Recebe carga at o dia 29, encom
nendas, e passageiros e dinheiro a frete at a-
1 horas da tarde do dia da sahida no escripto-
rio no Forte do Maltes n. 12.
3t
LEILAO
de 6 queijos flamengos, 6 caixoes com doce
de guiaba, 30 pecas de chita e 10 pecas
d'algodao.
Weita-felra 91 de Janeiro
O agente Pinto far leilao a requerimento do de-
positario geral e por mandado do Illm. Sr. Dr. juz
especial do commercio, dos objectos cima men-
cionad >s arrestados a Joaquim Manoel d-' Souza,
requorimento de Bernardino Jos da Silva Maia e
existales no mesmo deposito geral; leilao ser
effecluado as 10 horas do dia cima dito.
No sobrado do pateo da Santa Cruz n. 2.
LEILAO
De 90 barra com chouricas.
Segunda-feira 2i do corrente.
0 agente Pestaa far leilao por coma e risco
de quera pertencer de 20 barris com linguicas
chegadas ltimamente em um ou mais lotes a
vonlade, no dia segunda-feira 2i do corrente, as
11 horas da manhaa, no armazem do Aunes, de-
fronte da alfandega.
Ama de leite.
Precisa-se de urna ama de leite: na ra do los-
piejo n. 38.
Feitor de engenho
Um moco solteiro offerece-se para feitor de en-
genho : quem pretender annnncie por este jornal-
Caixeiro
Precisa-se oe um caixeiro de 14 a 16 ann is
P'i'luguezou brasileiro : na ra dos Pires n. 50.
Fugiram ua
casa parda < seguintes :
Maria, de 23 annos de idade, baixa e grossa do
corpo, nariz chato, cara larga, testa estreta, bei-
eos finos e cabellos corlados rentes, do mesmo dia,
pelo que suppese que tenba amarrado algum
lenco na cabeca.
Auna, de 16 annos de idade, de estatura regu-
lar, tem os cabellos cacbiados e nu muito com-
pridos, nariz chato, c*ra larga, testa estreila, olha
um pouco de esguelha quando responde, um
tanto surda do ouvido direito, e est alguma cousa
plida.
Levaram ambis vestidos brancos, e a mais bai-
xa una saiu com fundo branco b paltnmhas en-
carnadas desbotadas, com um garibaldi da mesma
fazenda, um chale defuodo azul com llores ; am-
bas levaram calcados, a mais alia sapaios do cou-
ro de lustre, e a mais baixa botinas de couro prete
de enliar. Deseoiilin-se que tejare acolitadas,
e protesta-s proceder com todo o rigor da lei a
quem as houver homisiado : quem as apprehen-
der ou der noticia no largo do Corpo Santo n. 19,
ser bem recompensado.
Associa($o Commercial lienefi-
cente.
Nao se tendo reunido boje numero sufficiente
de socios da Assoeiaco Couimercial Beneliccule
para que Iica>se constituida em assembla geral,
pelo presente sao novamente convidados os senho-
res socios para o dia 21 d> correnle ao meio da.
Assoclagaq Commercial Benelicente 19 d Ja-
neiro de 1870.
Danie
llamos,
Secrelaro.i
Gabinete
Portuguez
de Leitura
Pernambuco.
Pela secretaria do gymnasio Provincial se faz
publico que no dia 3 de fevereiro prximo vin-
douro principiarn os trabalbos do anno lectivo,
neste instituto ; e que contina aborta a matricu-
la para os que quizerem seguir o curso regular
ah adoptado, ou frequentar as aulas que nelle
funcciouam.
Os alumnos internos pagaro urna mensalidade
de 304000 res, os incius pensionistas 'metade des
ta quantia o sao oorigados a exibir, no acto da
matricula, certidio de idade que nao pode exce-
der a 12 annos, alera da de vaccin.i igualmente
exigida -dos oxlernos, que concorrerao somente
com 54000 reis, e urna vez satisfeiias essas pen-
des, por trimestre adiantado, poderao enlodar
sua escolha, qualqner das materias que se ensi-
oam emclit estubuleciqjejitp.
Gymnasio provincial de Pernambuco, 19 de Ja-
neiro de 1870. '
Antonio de Assumpcao Cabral.
Secretario.
COMPANHIA PKRNAMBUCANA
DE
\'avega^o eosteira por vapor.
Macei em direilura e Penedo.
O vapor Giquia, commandanle Cos-
ta, seguir para os portes cima n.
_ dia 22 do corrente as 4 horas da
tarde. Recebe carga at o dia 21, encommendas.
passagens e dinheiro a frete at as 2 horas do
da da sabida; no escriptorio do Forte do Mattos
2L
n. j2.
De ordem do Illm. Sr. conselheiro inepector da
thesouraria de fazenda desta provincia se faz pu-
blico para conhecimento de quem interessar oue
no dia 29 do corrente mez as duas horas da tar
de rao novamente a praca para seren arremata-
das peanle a junte da mesma thesouraria, por
quem por menos hfr as obras da ponte do tra-
piche do algrdn desta.capilal e fachada sobre o
largo da assembla, oreado om 14:7705-20 reis
conforme s plantas e orea ment que soro fran-
queadas aos pretendentes na secretaria da the-
souraria. Os licitaites devero mostrar-re au-
tnticamente desembarazados e quites tanto com
a fazenda geral como com a provincial. As pes-
soas a quem cjnvier a arrematacaa deverao -xm-'
COMPANHIA PEHNAMBUCANA
%avega? enstelra por vapor.
Guianna.
O vap. r Parahyba, seguir para ft
porto cima no dia 26 do corrent-,
_ as 9 horas da n te.
R cebe carga, encommendas, passageiros e di-
nheiro a frete no esoriptorio d Forte- do Mattos
o. 12.
a,
LEILAO
De urna mobilia de mogno a Luiz XV com 18
eadeiras de guarnicao, 4 de bracos, 1 sof, 2 con-
solos, 1 jardineira com pedra, 1 dita de Jacaran-
da com lampos de pedra, 1 m^sa elstica, 1 guar-
da louca, 1 guarda vestido, 1 commoda, 1 cama
franceza, 2 marquezes, 1 lavatorio, 1 sof, 12
cadeiras de guarnicao, 2 bancas, 1 par de conso-
los. 1 cadeira de abrir, 1 mesa para escrever 1
berco, 9 quadrrs geographco*, 2 pares de cadeiras
de balanco, 2 pratilheiras, 1 mesa de amarello
cora ps torniad.* propria para jantar, 1 appara-
dor, 1 banca para costura, 1 apparelho de jantar,
diversos objectos de vidro, 1 mesa para cosinha,
1 dita redonda e muitos outros objectos.
Terca-f*ira 25 do corrente.
Antonio da Cruz Muniz tendo de retirar-se pa-
ra o Cear far leilao por intervencao do agente
Martins, dos objectos cima descriptos os quaes
serio transportados para o armazem da ra do
Imperador n. 16, as 10 horas, sem reserva de
preeos.
AVISOS DIVERSOS.
em
De ordem do Illm. Sr. presidente do conselho
deliberativo, convido os senhores consolheiros a
reunirem-se domingo 23 do corrente, pelas 11 ho-
ras da manha, na sala das sesso..'.,, a lira de ser
discutido um requeriniento de 20 socios, no qual
pedem a nullidade das eleicOes fcitas a 16 do cor-
rente.
Secretaria do conselho deliberativo do Gabinete
Portuguez ae Leitura em Pernambuco 19 de ia-
neiro de 1870.
J. R. Fonseca,
'____________ 2." Socrerlano.
saoDiBBMnaHBB%flBaaKaB
Em temposmodernos nenhum descubii-
mento operoo maior re*)tok> no modo de
curar anteriormente em voga/loque o
PEITORVL DE MtCAHIITA
TANTO NO TRATAMENTO DA
TOSSE, CROPO,
ASTHMA, THISICA,
nOlQl II>0, BF.SFRIAMENT0S.
BRONCHITES,
TOSSE CONVULSA,
DORES DE PEITO, *
KXI'ICTURACAO DR SAMiUE.
Como em toda a grande serie de enfermi-
dades da gaiganta, do peito e dos orgaos
da respiraco, que tanto atormentam e fa-
zem soffre a humanidade. A maneira an-
tiga de curar consista geralmente na appli-
cacao de vesicatorios, sangrias.sarjar ou ap-
plicar exteriormente ungentos fortissimns
compostos de substancias vesicantes, alm
de prodnzir empolhas; cujos differentesmo-
dos de curar, nao faziam senSo enfraque-
cer e diminuir as forfas do pobre doente.
contribuindo por esta forma d'uma maneira
mais fcil e certa para a enfermidade a des-
truico inevitavel dci sua \iolima Quem de-
ferente pois o efleito admiravel do
PEITORAL DE ANACAHITA f
EM VEZ DE IRRITAR, MORTIFICAR E CAUZAh
INAUDITOS SOFFHIMENTOS AO DOE.NTE,
CALMA, MODIFICA E SUAVIZA A DOR.
ALLIVIA A IHRITACAO
DESEMVOLVE 8 ENTF.NDIMENTO,
FORTIFICA O CORPO
c faz com que o systema
Desaloje d'uma maneira prompta e rpida
at o ultimo vestigio da enfermidade. Os
melhores votos em medicina da Europa (os
Lentes dos Collegios de Medicina de Berlina
testificam serem exactas e vrdadeiras estas
relacSes analgicas, ou alem disso^a experi-
encia de railhares de pessoas da America
Hespanbola, as quaes ioram curadas com
este maravilhoso remedio, sao mais qu(
sufficientes j)ara sustentarcm a opinio do
PEITORAL DE ANACAHITA I
Deve-se notar quo este remedio se ada
inteiramente izenlo de venenos, tanto minc-
raes, como vegetaes, em quanto que porm,
alguns d'estes ltimos, e partiGularment;
aquellos que sao dados sob a forma de Opio
e Acido Hydrocianico, formam a base da
mior parte dos Xaropes, com os quaes ta<
fcilmente se engaa a credulidade do pu-
blico. A ComposiQao de Anacahuila Peito-
a acha-se linda e curiosamente engarrafadas
m frascos da medida de cerca de meios
quartilho cada um, e como a dosc que se to-
ma s d'uma rolher pequen::: basta gc-
ralmente a applicacao d'um ou dous frascos-
para a elfectuacao de qn.ilquer cura.
Perieu-sj na ribeira duas chaves pequeas,
urna de bah e outra de porta, atadas com un
cordo : quera a< livor acliaJo rogase Ihe a en-
trega na ra do Qaemado o. 29, teja, pelo que Si-
lbe flear av'ra lucid i.
Fugio no da 13 do corrente, levando calca
de brim pardo, jaqneta braiu'i, chapeo de oadta
rxa, Tancisco, cabra, idaJo de 33 a 38 annos.
mais ou meos, altura regular, caheja, iJhos e
bocea lambem regulares,, poaca barba, dentadura
da frente perfeita, e os de cima abertos natural-
mente, corpulento, pernas grossas, ps curtos e
Lrgos, quando fajla um pou.o gago, tem as cos-
tas basiante cicatrizadas de chicote, e tambera as
nadegas, cicatrizas velhas, que desde que foi com-
prado que'as trouxe. Esse eseravo foi cmpralo
pelo abaixo assignado no Recife a Jas Urbano da
Cusa Carvalho nt anno de lCj : i"oga-se s au-
tnndados policiaes o capiles de campo a captura
des-c escravo, que sendo entregue a sen senhor, ..
abaixo assignad.i, eero grati icados com a quan-
tia de 130*000. Prosperidad^ na freguezia da
Barra de Natuba da provm 'ia da Parahyba d i
Norte 18 de Janeiro de 1870.
lose da Silva Pessoa.
D. Alexandrina Florencia de Albuueii|uo Mello
(ausente), Joo Jos Henrique*, Feliciano Aniceto
de Albuquerque Henriques e seus ii mos cordial-
mente agradecen) a todas as pessoas que se digna-
rana acumpanhar ao cemiierio publico os reatos
mertaes de sua muto prezada filba e irma D. Se-
nhorinha Mathilde do Albuquerque Henriques ; e
de novo Ihes rogam o caridoso obsequio de assis-
lirera as missas, que por alma da mesma. mandara
celebrar amanha, sejimo dia do seu pasiamente
as 6 1|2 horas d manha, na matriz da Boa-vis
ta ; pelo que confessam desde j sua eterna gra-
tidao.
COMPANHIA PERNAAMBCANA
DB
STavegaco eontcira por vapor.
Mamanguape.
O vapor Mandalut, commandanle Julio, seguir
para o porto cima no dia 28 do corrente as 6
horas da larde. Rucebe carga, encommendas.
passageiros edinheiro a fete at as 3>horas da
tardo do dia da sabida, escriptorio no Forte do
Maitos n. 12. ________________
PARA LISBOA
Pretende seguir viagem, com maior brevidade
possivel, para o dito porto o patacho portuguez
Positivo, capito Joo Ferreira Bastos, recebe al-
guma carga a frete a tratar com Marques Barros I
C. no -Jargo do Corpo Santo u. 6, 2* andar.
FOLHilHAS
PARA 181.
Vende-se nesta tvpographia
a 160 rs. o exemplar da de porta
m MMMiaMI 9
O advogado Dr. Antonio de Vis- m
t concellos Menezes de Drummond, j
mudou o seu escriptorio para a ra !
do Imperador n. 20, onde pode I
ser procurado para o exercicio de tt
sua profissao em todos os dias M
otis das 10 horas da manh5a at S
as 4 horas da tarde. Fra dessas l
horas, e para qualquer occorrencia [
urgente, ser encontrado no seu
_ domicilio, ra da Aurora n. 26. M
imm-mmmmmmmm-mm
C'oiMnioditlade publica.
A pessoas que precisarem do amas, criados,
coinheiros. ftitores, jardineiros, amas de leite,
estraves para o servjco domestico, coslureiras,
tanto para coser roupa de hyinem como de senho-
ra caixeiros, Unto para a praca como para o
mato, casas e sitios, mulheres idosas para fazer
companhia a q'ialqutr familia ou tratar de crian-
fas, podero desta Jala era diante mandar os seu?
pedidos por escripto aos seguintes lugares : ra
Nova n. 34, ra da Imperatriz n. 68, roa da Ca-
deiadoRecife n. 48.
Mamosa (aiaaaaaaffa
TNICO DELSLC.
O Tnico Delsuc que hoje aprsenlo ao publico,
depois. porm, de um severo exame e de reiterada"
experien nas, tendo a certeza de que pos-ue"uina
superioridade incontestavel a todas as outras pre-
paracoes, que at hoje teem apparecido, recom-
menda-se por sua beudade. e pelo brilhinte lus-
iro que produz aos cabellos, tirando inmediata-
mente todas as caspas e coceiras, fazendo com que
appareca em bom tetar impagavel.
Esta agua compoe-se de substancias cuidadosa-
mente escolhidas, puriscadas, e confeccionadas
com o mair cuidado, e alm disto combinadas de
modo tal a dar-Ihe urna accao verdaderamente
efllcaz, consoladora e benigna.
Derrama-so esta agua na cabeca e esfrega-se
levemente ; immedialamente ficim os cabellos
limpos e com um bnlho magnifico.
P. S Sonie me ha venda om casa do autor,
ANDR
cabelleireiro, ra do
andar.
CONCILIO ECUMNICO.
ECHO DE R01IHEV!$TA RELIGIOSA
Especialmente
Dedicada s materias do Concilio Geral Ecumni-
co do Vaticano.
Publicase mcnsalraente era Lisboa "
Assignatura para 12 nmeros
6#O0Q.
Livraria iranceza
Ra do Cespo n. 9.
l'rejisa-se de um criado quer livrc ou es-
cravo a fiel : a tratar na ra R;l'j n. 37, prim i-
ro andar.
Caixeiro.
. Preoisa-se de ura i ara taberna que tenha ra-
nea de barro : ra da Cruz n. 8.
As 7 horas da manha do dia sabbado, 82 do
corrente, mandara os prenles de Jovemino Fiock.
Romano, fallecido no dia 23 da novembro de 186.
era Pellas, Rio Grande do Sul, resar alguma-^
missas na igreja de Santa Gru pelo ropouso eter-
no de_ sua alma; e para este acto de piedad* e
rebgiao convidara os prente* e amigos do raesun-
lln.ido.
Iugi.li) o escravo prete le nouie
Jos, idade 40 annos, estatura regalar, corpo a
proporcao, pouca barba, alguos cabillos brancos
na cabeca, tem junto baca o no p*scoc > ignal
de um arranho, cuja cor mais daca que a da
pelie era cons^quencia de ter sarado ha po
levou c ap';o cimento de feltro, camiba de abita
rocha e outra branca, e duas calcas pardas ; foi
escravo do Sr. Antonio Manoel tVreira Viann:1.
morador no Grvala : quem o capturir leve o t
ra do Apollo n. 14, que ser reeoinpea'ado.
DELSUC,
Crespo n. 7 A, primeiro
Aluga-so urna oscrava para servico do casa
c compras; na roa do Imperada n. 50.
Novo esUbelecnirento a 4oriJos*do
loja de barbeim na ra das Croaesn. SO.
COS),
AMA
Precisa-se de umi ama, preferindo se idosa, para
comprar e eozinhar para duas pessoas : no pri-
meiro andar do sobrado dafronlB da igreja do
Paraizo, esquina. ________^^^^
Precisa-se de urna ama para cosinhar e c
prar em casa de familia : ra da Cruz do M
o. IR
I
'1
I


\
l
I
I

Diario de Pernambuco- Sex ta feira 21 de Janeiro de 1870.
*
\0VISSIH0 (KISTO DE PARS
Ch fcnevflB nttengSu dris Exmas. familias, o
anuncio do SR^KrhHB.SIC, cabelltireim 7 A, ra u Crespo primeiro andar,
onde encontrar-se-ba urna noticia sobra os novissimos e afamados ponteados de Paris,
Sardaoapale. Pompadour, Meternick, Isthme de Suez, Lanteroe e mais o famoso pen-
eardo das Victimas de Pantim.
AVISO AS FAMILIAS
O NDRB' DELSUC, CABELLEIREIKO 7 A, ra do Crespo !. andar, lem a
tionra de participar s excellentissimas senhoras que recebeu pelo allimo vapor os figu-
linos sobre os mais afamados perneado usados agora em Paris cojos nomes 83o : Sar-
danapale, Pompadour, Metternick, Gygne, Montonnire, Krisetle, Isthme de Suez, la Lan
terne, la Reunin publique c o famoso ponteado chamado das Victimas de Pantim, cada
nm destes ponteados recommenda-se pela belleza e o annunciante d parte nesta occa-
siao que todos os penteados aoima acham-se promptos ser executados nesta casa do
ANDR DELSUC
7 A, ra do Crespo primeiro andar.
-Ia rutn
N'ESTA NTIGA E CREDITATA
FABRICA
@G3&S>a()3 5)3 3(3)2.
IICIITIl II CMITilTIIIlTl IDI CIIPLITI IIITIIIIII II
C1AP1M BE &!.:
De todaa u qualidades I
De todo o* feitioi I
De todaj o* pregas I
RA DO CRESPO
XA R O P E
VEGETAL AMERICANO
E S A LIDADE
BARTHOLOM E O & C
Pin cara eerli u louri iniijis e recentes, ularruis palmonar, uilun; Uise comba, uUrrb
Irweaiaj, em gtral contri todct 01 soffrimntos dai Tin reipiratorili.
DEPOSITO ERAL
TIC.
xa n
34, BDA LARG DO R0ZARI0, 34
PERNAMBUCO
A therrentic das diteras molestias do peito,desde
pbarvngite on mal da garganta al a intercaladlo
[lulmonar, paseando pelas diversas broncbites calarrbaa
Miphysaaa acaba de ser enriquecida com mais
este medicaaeulo, qoe topar a primera ordem entre
iodos sl boje eonberidos. O urope Vegetal Americano,
carantindo paramente vegetal, alo eontm em soa
omposiclo nm so tomo de opio, e sin somente sac-
os de plantas Indgenas, cajas propriedadei benficas
a cura da molaaa qne pertencem sos orgos de res-
pirado foram por nos observadas por longo tempo,
r.on ptimos resultados cada ves asis crescenMs; pelo
qne nos jnlgsmos antorisados a oompor o sarope qne
agora apresentsmos, e oflerece lo aoe mdicos e ao
publico. Profanos com os alicatados abaixo o ana le-
amos dito, contamos que o conceito de qoe j gosa
o nrope Vegetal Americano crescera de da a dia,
deixando muito aps de si todos os peitorses em vogs.
Illti. Sr. Bartbaiomeo k CO xarope Vegetal Ame-
ricano, preparado em ana conceitnadissims pbsrmacia,
e nm otil remedio para combater A terrivel aatbma.
Sofra en aquella molestia ha quatro metes, sem ainda
ter combado osattqnes menstes qne tinba; este nltimo
qoe lite foi fortiisimo qne me prostoa por 8 diss, asei,
porta o seo milsgroso nrope, tomando apenas trea
ases, e t o presente nlo ai de novo atacado. Prasa
Usa, qoe a fique reiubelecido per uta vez. Rendo-
Ihe, pois os menssgrdecimentos norme ter sliviado di
Uo horrivel mal. Com a maia significativa gratidio
sabscre>o-me deVmes. aflectaoso e recoobecido criado
Stvenno Duarte.Soa Casa 14 de fevereiro de 1868
Illms Srs Bartholomeo C. Depois de qnssi aeii
meses de sofTnmenlo com ama tosse incensante, tasti*
extraordinario, expectoradlo de nm catarrbo amarella-
do, e perda total das forcaa, qoe o menor passeif
me fatigara completamente, cansado de tomar mus oa-
tros remedios sem resaltado tiveafelicidadedesaberqm
Vmca. preparavam o xarope Vegetal Americano, e con
elle, grecas a Deas, me seno restsbelecido be maia di
dois meses, e robusto como se nada tivesse sofTrido. I
gratidio me torca a esta declaradlo, qoe podero Vmca.
axer o uo qne qoizerem. Son com estima de Vmcs
mnitos respeitador e crisdo. Inloiuo Joaquim t
Castro e Silva. Recife 8 de fevereiro de 1868.
Atiesto qne asei do xsrope Vegetal Americano, di
eompoficAo dos Srs Bartholomeo k C. para enra de na
forte defini qae me tronxe ama ronquido. qne me nli
fazia edtender, inflammaclo e dor na gargania, tosse,
grande falla de respirarlo, e (iquei completamenle res-
tabeleeido com nm as vidro do meamo xarope; peW
que Ibea protesto eterna grstidto. Becife 10 de je
neiro de 1888. Joaquim Pertirt Arantes* Juntor. -
Esli rtconhecidof. ____
r
tii s ufoiini
80FFRIMENTOS D'ESTOMAGO, CONSTIPA$AO.
Cura em poucos dias pelo CARVlo OE BCLLOC em p ou em pastiluas.
ENXAQUECAS; NEVRALGIAS. Ewa* anjees sao dto-
sipadas rpidamente pelas perolas ortTW* S I' CIERTA.
ANEMIA, A PALLIDEZ e ee twrfrimentos que neccssitamdo
emprego dos ferruginosos s3o sempre combatidos com o melbor vsultado
pelas Pl lulas OE VALLET. Cada Pilula lera incravado o nomo VALLET.
PO DE ROG. Basta dissolver un frasco d'este p em meto
garrafa d'agua para se obtruma limonada agradavel que purga sem la-
ser clicas.
VINHO DE QUIMUM de Labarraqne. Este Violo, um dos
poucos cuja corpposifio garantida constante, una das inelhores pre-
paragoes de quinino, sem acclo notavel sobre os convalcscerttea, dando-
Ibes foros* e apressando i volta a saude. Cura as febres antigs que rt-
sistito ao sulfato de quinino. *
"MOLESTIAS DA BEXIGA. A maior parte d'estas moles-
!. .-. como as sciaticas, lombagos, catarros, e todas as dores nervosas em
geral sJo curadas pelas PEROLAS OE ESSENCIA DE thepeb :ntina do
r. Clertan. O professor Trousseau em seu Tratado de tneropeutica acon-
selba as pora serem tomadas na occasiio do jantar, na dose de 4 i 12.
OLEO DE FIGADO DE BACALHAO DE BERTH.-
6arantido puro e de prmeira qualidade, um dos poucos aprovados pela
Academia de medicina.
AVISO. Todos estes medicamentos foram aprovados pela Academia
imperial de mediana de Varis.
DEPOSITO
En Parla, L. FUERE, I*, raa Jacob
Dotoscheoi; Heuiaim f Pernambuco. Matoe et O.
Ceara.....Hait.sii t O.
asamaassammmmmmmmm
(Megio do S. Francieso Xa-
vier.
Aos 3 de fevereiro se abati as au'.M ao oolle-
gj de S. Francisco Xavier (roa do ospkio n.
No ininito io forneeer aos alumnos as commo-
ditlades segando a condicao de saas ftamilias, o
director d'esle collegio nao reeuou anteo grande
augmento de aluguel pelo accreseimo eonsidera-
vel do edificio, alentado da esperanca de nm mais
risonbo porvir.
Alera de mais anlas, espacosas e be arejadas,
ha om salao para o estodo particular dos alum-
nos, onde cada nm delles tem a sna banca com
gaveta para guardar livros e papis ;rim. ampio
quintal con paleo e jardim para o recreo e os jo-
gos gymnasticos. O dormitorio acha-se-no sobrado
sob as melnores condictJes hygieniea.s e cabem
nelle eommodamente nmas cem camas; e o con-
tiguo terraco conlrbue a tornar ntais asseiado o
servico. Dezeseis casinbas de banno com banhei-
ros flxos, para onde corre a agua por canos e tor-
neiras, salisfazem as exigencias assim da limpeza
e hygiene, como da decencia. Mallos qnartosi-
nhos de retrete, casa de porteiro, coslnha com
fugos modernos, enfermara e oficinas de mar-
cineiro e allaiato completara o servico material.
Ha para os alumnos urna conveniente bibliotbeca
commum. A capella tem as dimensoes de urna
assaz grande igreja, a qual aeeessivel ao publi-
co, sem communicacao cora o resto do collegio.
Emlim a situacao solada do edificio contribue ja
Sara o Jivre curso do ar, j para a boa disciplina
a collegio.
TRILHOS URBANOS
DO
II EI Fi: A' APIPUCOS
Para maior accommodaco d s pessoas
que assistem as novenas de Nossa Senhora
da Saude no Poco da Panella do dia 2.a
feira 24 de Janeiro al o dia 1. de feve-
reiro haver um trem que partir de Calde-
reiro para o Recife as 9 horas e 40 minutos
da noite.
scriptorio daompreza, {9 de Janeiro de
4870.
A erapreza tendo resolvido alterar o sys-
tema da venda dos bilhetes para passagem
ros trens, por meio do presente avisa ao
respeitavel publico que do dia l.'1 de marco
prximo vindouro em (liante nao sero
vendidos bilhetes nos trens, os qoaes de-
vem ser comprados as diversas estacSes.
Que do dia 25 de fevereiro em diante nao
resgatar mais bilhetes, os que por ventura
ficarem, s podero servir para pagamento
de passagens n >s trens.
Que do dia 1. de marco em diante co-
misar a correr um trem de carga accom-
panhado por nm vag5o de 2* classe para
accommodaco das pesseas que quizerem
accompanhar os objectos, o qual partir
do Recife para Apipucos as 12 horas do dia
svoltar de Apepucos a l hora e 15' da
tarde. Os objectos destinado a segtiirem
n'este trem devem ser despachados as di-
versas estaces 15 minutos antes da hora
da partida do trem, pagando-se frete achan-
tado conforme o art. 33 e a tabella C do re-
glamento do 1. de abril de 1869.
Escriplorio da empreza, 20 de Janeiro de
1879.William Rawlinson, gerente.
TABELLA dos precos de transporte de mer-
caduras e bagagens, nos trens de carga
da empreza dos trilhos urbanos do Reci-
fe Apipucos. ^^_______^
ESTRADA
Recife a S. Francisco.
D^ Cabo e Boa-viagem
Domingo 23 de Janeiro de 1870, alm,
dos trens ordinarios de passageiros haver
os seguintes especiaes:
IDA
Manha,
Horas, min.
Cinco Fontas partida 10 0
Afogaos. 10 5
Boa-viagem. 10 20
Prazeres, 10 30
liba, t 10 55
Cabo. chegada 11 VOLTA 15 Noite.
Horas. min. horas, min.
Cabo. partida 8 0 11 30
Rba. - 8 20 11 50
Prazeres. 8- 45 12 15
Boa-viagem. c 8 55 12 25
Afogodo?. < 9 10 12 40
Cinco PontaSj chegada 9 15 12 45
Os bilhetes dos tres para o Cabo e Boa-
viagem podero ser comprados no sabbado
22 do correle das 10 horas da manha s
4 da tarde na estaco das Cinco Ponas.
Escriptorio da superintendencia, villa do
Cabo, 19 de Janeiro de 1870.
G. 0. Mann,
Superintendente.
Pito
m?
=r-M
lis i
?2- ?
O ,. 33
-s.s* a
c < ? e >
S ? = w
a i i
9
O Si.
oj o
vi
T3
CB
E3
2.50
Cfi
o.
Soledade.
2
i
B g?
5,00
o
S^
SOS"
ti
I-
s?s:S- *
o'2, = -
a
ce
g. a
5T2.f =?M g
lili
' 5
B
p
<-. re "
^^ T-
S
e> T
fcd
MDALHA A EXPOSigAO UNIVERSAL Di 1867
Para, a Superioridade *a
perfumera oriza
IiTeiut por LEGRAI^D, PKfniiiti di Iipejt.tr ds frucixtt.
Ba SataaVHMMlti, Mft. PARS.
-ORIZA LA-OT
LEITI AMTEP11EUC0
Pmn nlttfr, bra,ut*r mofr m ftlU, fi
dtiafpmrtetr Whi i u Mrrfaa.
PABIS. M9,
REME ORIZA
DB NUtON M LENCLOS
Parm dar [rtieura i ptHt, dulruir rfi da tara,
tontervar tliraamtnti a telina da jatlai.
SABAO ORIZA.......D'uma masaa ficcsiramBl anare e d'um pcrTnase do* maia delicado.
OHIZA-C.iF.AM imukh. Massa esprcialinrnle preparada para o tuilis e a barba.
OltlZA-KI.LID........ Pomada fonilicanteenutritiva para consenaroacabtlloseempedilosde quebraMM.
ORIZA Pili LOCME:. Tal uno de boi e oleo de arela cora base de quina para oa cabellos.
ORIZ A-0II........... Oleo linissimo perfumado para lualrar os cabellos t empediloa de quebrai
ORIZA-BRILLANTINR. Critlallisudo com vilela, para dar brilbo aos cabellos e t barba.
ORIZA FLOWERS.... Agua incomparavel de um perfume suave e delicado, para forcardo la>
Or.lXA-ACinL'LIN... Vinaitre do loucador, aroma e anlcphilico.
ESSKNC.E-ORIZA..... Perfumo conccnlradu par o lencos producto muilo delicado.
ORIZA LYS........> Perfume do bom tom c da alta so-.iedade para os lencos.
ORIZA-I'OWDERS...". Fiar ate arrox da Carolina para a cara e a belleati da pelle.
OIUZ A-DfiNTlKRICE.. Para alvejar os denles e conservar as gengitas,
OllZA-DENTAlRE.... Nova massa para alvejar a denles sem destruir o malte.
AGUA TNICA DE QUINA E POMADA DE BALSAMO DE TANNrNO
Pan hafii iiltiriMa u fikwi, faiticaad* 11 uls'.lu, is atiadt asir m lutaia ctNNt fi|
DEPOSITO GERAL na Caza de
E em Caza de todo* Perfumistas do Brmzil.
55Ba da Imperatriz55
F. Gautier, propiietario desle importante estabelecimento tem a honra
de participar ao respeitavel publico que acaba de che'gar da Europa para on-
de tinba ido especialmente para contratar peritos officiaes e que conseguio
contrata-Ios na prmeira rasa de Paris, por isto julga que todos ficario satis-
feitos dos trabalbos do seu estabelecimento cujo excellente material ainda
foi augmentado com novas machinas que ja receben e tambem muitas drogas
novas com as quaes se obtem estas maravilhosas cores modernas 13o aproci-
das em Franca e em lodo o mundo,
Tinge, lava, limpa, lustra, acbamalola com a maior perfeicSo fazendas
em pecas e em obras de todas as qualidades como sejam: seda, 13a, algodJo,
linhas, chapeos de feltro e depalha etc., etc.
Tira nodoas e limpa secco sem molhar os tecidos, conservando assim
todo o brilho da fazenda.
Impressoes sobre tecidos
com este novo systema, os vestidos de seda eoutras fazendas que al agora s
podiam tiogir-se de cores lisas, podem receber um bonito desenho de cor
diversa, a escolha, o que realca a fazenda e Ihe d mais merecimento.
Tintura preta, terqas e sextas-feiras
As pessoas das provincias limitrophes que quiserem utilisar se do seu
estabelecimento poderSo mandar o que tiverem, na certeza de srem to bem
servidas como no Rio de Janeiro ou na Enropa, e com mais prestesa por
causa da distancia.
(OMIT MI UIOS AYiMZES
Ra da Cruz n. 16
Grupos de alnim para noivado o qoe
de melhor.
Caj secco e chrystalisados,
Dito em calda.
Abacaxi em calda e outras qualidades.
Xaropes.
Recebe-se encommendas de bandejas, cora
armaco de assucar.
Rolos e pao de l enfeilados.
Neste estabelecimento prepara-se grande
var iedade de objectos para mesa,
HA DIARIAMENTE ROLINHOS PARA CHA
Mangainho.
Torre.
V?
3
Parnameirim.
m
a
i *- W2
C O*
O
Casa Forto

a 2?
2. ooocoo
Oi
Caldereiro.
2.SS5S
"3?
issf
Monteiro.
H
S
3
e
T
M
a"
e
t
ps
i
>
m
Attenqo
Joao Nepomoceno Colho, director da sociedade
Esperanca Pernambuc?.na> avisa aos socios a se
reauirem no dia 21 do comente pelas 6 horas da
tarta (na raa da Esperanca) onde funeciona a
me?raa sociedade, para se tratar de negocios im-
portantes.
Recife, 19 de Janeiro de 1870.
O director,
Joao Nepomoceno Coeiho.
O Dr. Ignacio Firmo Xavier medico
tem o sea consultorio na ra das Trinxei-
ras n. 50, Ia andar.
>
3
ssgssgsss?-
oc <
Apipucos.,
Palacio po governo de Rernambuco, i."
de abril de 1869.
Conde de Baependy
Precisa-se de ama ama que cozinhe bem
para casa de horaem solteiro : a tratar na ra
Imperial n. 47.
A scciedade benefleente Segredo e Amor da Or-
dem manda celebrar no dia 22 do correntc as 7
horas da manhaa na Ordem Terceira do Carmo,
(Santa Thereza) missas pelo repouso eterno de
Francisco Geraldo Moreira Temporal, pai dos con-
socios Clementino Moreira Temporal Francisco
Xavier Temporal e AfTonso Moreira Temporal e
lambem pela sogra do consocio Justino Marlyr
Correa de Mello, e pela irma do consocio Jos
Antonio Soares de Azevedo e convida os parantes,
amigos e socios compareeerem a hora indicada.
O secretario,
A. V. Jnior.
T^^orDertoMunizTeixeir^!uimaraesencarre
ga-Se de despachar e dar andamento aos requeri-
mentos dirigidos cmara municipal, como seja
licenca de cordeacao, edideacao, concertos e ou-
tros, tendentes a municipalidade, e para isto pode
ser procurado no Corredor do Bispo n. 51, ou ra
da Concordia n. 64.
MENCO OE HONRA
Vende-a em frseos
DE FIGADOS FRESCOS DE BACALHAO *
lares, pharmaci Hoos,
J, ra de Castiglione,
em Paria.
As eontrnfnc^fte, os oleo pardos, d'jm cliciro fono, e maia composicOes felfas rom olios
do poi-.es coniniuits, taca como u etqua'o. a arrala, o phca, a liza, os leos dos annailores prreadores,
e mcsiuo w leos vegetaes, foram imaginados para substituir os erdadelrosi ole* de (Inado-t
frescos de Bacallio de IVrru-Vna. Estes leos comimms ou seos saeeedaiieos sf*>
oi'.idos na industria por precos raui baixos, eiu quanto que os verdadeiros leos de ligado do bacallao !
fresco sao relativamente muito caro, visto que para obtel-o frescos e sem mistura, cumpre exercer I
grande vigilancia a ter os maiores cuidados nos proprios lunares das pesca, assim como manda (tser \
M. Hogg desdo o anno de 189. Estes oleo puros de Daealliaio di> TerrsvNova de llogg :
graiigearam para este precioso medicamento uiua fama universal as molestias do peito, as affeifies '
escrofulosas e hjmphaticas, a magrea dos meninos, etc., e por isso, deram lugar a nocivas e eslcaea
imitacot'S.
Nota. 0 oleo de Ilogg mu i fcil de digerir, distingue-se entre oa outros oleoa pela soa
cor de pallia, o seo clieiro suave e delicado, e seo gosto de sardinlia fresca.
O HELAT0IU0 favoravel do cbcfo dos trabalhoa ehymicos da FACOLDADE DE MEDICINA DE
P \r.IS conclue como segu : O oleo cor de palha ie tt. Hogg' eontem urna terca parte de prin-
cipios art'voa mait do que os leos pardos e nao aprsenla algum dos inconvenientes que se
repara n'estes, quanto ao cheiro e sabor.
v Vende-se cata todas aas pliarmaeias da Frasca e dos pases ratraagrlros. J
irmandade de N. H. da t oncei-
eo dos Militares.
Recebe-se propostas at o dia 25 do crreme
para o douramento dos altares latentes e arco da
capella-mr da igreja de Iv S. da Conceigo dos
Militares.
Consistorio da mesma igreja 18 de Janeiro de
1870.
O secretario,
Emiliano Tamborim.
Precisa-se fallar na ra do Crespo n. 17, a
negocio de interesse, com os Srs. Jorge Doweley,
Francisco Pcreira de Arruda Cmara (senhor de
engenho).
Oa verdadeiros OOIXAaUES EOTJK, es nicos approvadoa pela
a Academia de Medicina, tem assim como oa ateos outros productos
attrahldo a cnpidei doa falsiBcadores, que para mcHitar sua criminosa
industria nao aepja, nem receiao annunciar vender ulsoa Ooilammb
cosa auu ara. En previno aa familia* para interesse de seus filhoa
ique, para evitar falsificacoes, deveaa exigir, qae meas OoxxAaM lhet
ejao vendidos eaa cala de tambas de eacaiie e corredias coberta*
por 4 ettiquetas coa a minka marea de fabrica e encerrando na
prospecto etreunstanelado, e adiada por nasa asdala* coas o letU-eira,
COLLil BOTEB. Re St-Iirlii, 22B. Paris.
fl UUA
| CABUG
fl esquina
TIda ra larga do
Rosario.
ANNEL DE OURO
RA
EO
t!
Bi: joias jCABUGA
Este importante estabelecimento no seu genero, tem sempre um sortimento sem igual, esquina
e vende por pre vista da qualidade e do preqo das joias cada um pder-se-ha convencer da verdade.l m
Oarante-se ser tudo de lei. Compra-se ouro, prata e pedras finas por prepos muito ele- Rosario,
vados.
A loja est aherta at4as 9 Iiot.is da nonte.
J?.r;i
\
\


Diario de Pernambuco Sexta feira 21 de Janeiro de IK70
LOJA DE J01AS
IB
H
Este antigo estabelecimento, completa-
mente reformado ie novo, est as condi-
oes de servir vantajosamente os seus fre-
nezes, visto que acba-se prvido com nm
xjlendido sortiment de obras de ouro e
orata de le, assim como brilbantes e ou-
tras pedras preciosas, ujos precos sao os
oais mdicos que se pode encontrar.
As joias compradas nesta casa recebem-
2e em troca ou eompram-se com nequeno
bate
PL S M DO CABlli \ 5
T
1INOTANTA1TE08
Travcssa d fiww Sanio b. 2S
Ra Nova n. 38, loja.
Bandeira, Machado A C avisam ao resneisavel
publico que dos lugares cima encontrar jio roes-
mo sempre grande quanlidade d ditos pocos, c
qne se acham habilitados para vendor por menos
(iuo ontro qualquer, por so que os reeeliem di-
rectamente do fabricante- Norton, de Londres.
As vantngens que fferecem os pocos instant-
neos sao : pWmeiro, poderem ser collocados den-
tro de casa on lora, com o trabalho de urna a duas
horas; segundo, fornecerom os mesmos apna pu-
ra e abundante, podendo serom removidos do usa
para ontro lugar, quando assim convite .
Os annunciantes s rceebrao a importancia dos
referidos poc/>s depnis do collocados, satistazendo
expectativa do comprador.
PROmUDORlA
O sellicilador Burgos Ponce da Len, 8
cncarrega-se dequaesquer quesloi-s civeis, )
crhnes c comuierciaes, comps ccMesus-
!f ticas, das rua8 tem orna longa platica de J
"2 quinze anuos, e se acha competentemente 1
prt'vvioado pelo Exm. c Rvm. Sr. Bisno mg
diocesano.
Elle continuar a cinuregar todos scus }
a esfui't&s, aflm d_c manter a mesma con- rgi
W flanea que tem'merccido deseas dignos p
8|} constltainte?.
Pode sor procurado das seis as nove o
bom da inanhaa c das quatro da larde o
S cni diante, e;n .-ua casa, da ra dasTrin- jg|
cheiras, junto ao eartorio do Sr. eseriyio' gen
Mntta, o fra destas horas as salas das lg
ljS| audiencias
Preiisa-se de urna ama livre ou es-
clava para o ::$mco interno e externo de
urna casa de-pnaca familia, sendo de boa
conducta ; na ra ila Santa Cruz n. 62.
Nao mais cabellos brancoK
A titura japoorza para tiagia os cabelles
da cabera e da barba, fui a nica admittida
Exposico Universal, por ter sido reco-
nboitiita tperior a tudas as preparaces al*
tiojt existentes, sem alterar a sade.
Vendse a I 000 cada frasco na
Ra da Cada r. 51.

1. andar.
Hospital Portuguez
de Benefoencia.
A Jwrtu-tdmlnistraliYa do Hospital Portuguez de
BoocnVcnria, mga a (|ueui se julgar credor do
un smo hospital a apreseMar a sua cunta at o
dia la do lorenle; no ie. .'divo esmoler, para
ser in conttflent paga.
Ofcr. Anm IVrcira do Saraza i!;
oaapMMer-na loja do Passo a ra do Crespo n. 7
i npakM|uc nyr^gnnra ; isto r-oin urgencia.
CASA FELIZ
Aos 20:000^000
i BcoU'c arco da < ocelco o. 2
Os abaixo assignados tendose habilitado na
orma das leis, tom exposto a venda os seus len-
tes bilhetes das loteras do Rio de Janeiro, na cas*
iCima, aonde se pagarao as sortes qne snhiren
ios mesmos nnnotes, com o descomo soment
la lei. .
PRECOS.
Blietc inteiro 24O0O
Meios i2000
Quartos *000
E de loo* para cima a 22 o bilhete.
Fiirtir-ired" A l.ei'e.
CO.NNO TEM MLM CALO.MELANOS NEM KENIIin
OUTBO MINERAL.
A grande neeusstdade e falta de um ca-
thartico ou de urna medicina purgativa, ha
muito que tem sido sentida, tanto pelo po-
vo, como mesmo por meio da faculdade
medica; e por isso, infinito o gosto e
prazer que sentimos, em podermos com
toda a confianca e seguridade, recommendar
as pilulas vegetaes assucaradas de Dristol,
como urna encllente medicina purgativa, a
qual encerra.em si todas as partes e mais
ingredientes essencies, tornando-se em um
perfeito, seguro e agradavel catbartico de
familia. Este remedio n5o composto
dessas drogas ordinariamente usadas na
composigao dessas pillulas, que por ahi se
vendem, mas sim, s8o preparadas com as
mais linas e superiores qualidades deraizes
medicinaes; herTas c ])lantas, depois de se
haver cbimicimente extrahido e separado,
os principios activos, ou aquellas partes
que eentem o tewladeiro valor medicinal,
daquellas porcoes fibrosas inertes e agres-
tes inteiramente destituidas da menor virtu
de. Entre csses agentes activos ou ingre-
dientes especficos, podemos nomear a po-
dophgtn, a qual segundo a experiencia
mm demonstrado, possue um poder o mais
^aravilbosO possivel sobre as regfies do
fiyado, assim como .sobre todas as secre-
coes biliosas. Isto de combinago com o
leptandrin, e mais alguns extractos vege-
taes e drogas altamente valiosas, consti-
tuem e forraam urna pilula purgativa, tor-
nando-se por isso muitissimo superior,
qualquer urna outra medicina da mesma
natureza, que jamis fora apresenlado ao
publico. As pilulas vegetaes assucarada
de Bristol, achar-sft-liao sempre um reme-
dio prompto, seguro e eminentemente efli-
caz, para a cura de molestias, taes como
sejam as seguintes.
Dyspepsia, ou indi-
K'>tao,
Adstringencia, ou..
priso do ventre
habitual,
A/.ia do estomago e
fiatulencia,
IVrda do '.potito,
Ei:iiao sujo,
Hydropesia dos mem-
bros ou do corpo.
AffeccSes do figado,
Ictericia,
Ilemorrodias.
Mau balito, e irregu-
laridades do sexo
femenino,
Dores de cabera.

Em todas as molestias que derivara
sua origem da massa do sangue: a salsa
parrilha de Uristol esse melhor de todos
os purificadores deve ser tomado conjun
lamente com as pilulas, pois que estas
duas medicinas, tendo sido expressamente
preparadas para obrarem de harmonio urna
com a outra, quando fielmente assim se taz.
nao nos resta a menor duvida em diaer,
que nomaior numero dos casos, podemos
aiancar nao s un grande alivio, como
tambera urna cura prompta e radical, isto
est bem visto, quando jo doente nao se
ache n'um estado mullo alm dos recursos
humanos. '
- Em casa de 'fHEOUKO -CHKl.il
vNSEN, ra da Cruz n. 48,' encontram-s.
iflectivamente tolas as qualidades de vino-
nrdpanx. Ronreone e do Rhenn.
Sab ie alcatro
para curar as mohstws de pelle,
l*es i omo empingens, tlarlhros, sarnas, comichees
mais molestias de pelle, ?em occasinar aceiden
'#9 ; desfaz as manen* do corpo, pannos, sardas
restabolece a cor natural, qnanto a cutis, secca,
irossa e amai(lenla, occasionado por alguma
nfermidade, e eomo do-infectante c preventivo
las molestias oontafri m?,
NICO DEPOSITO
Botica do Pinlo, ra larga do Rosario n. 10, jitnto
lo quartel de puliera.
Preciosa ublicac c
i j :
.Xa retinaeau da Florrntina n. 8 vende-so
nm pardir.hu de tKmita flgnra. robusto, excollente
ofncial de alfoiate. e cem praiica de caixeiro.

f.i
A
CABELLEREIROI
BN 82RA DA IMPRRATRIZN. Sim
|j| Odilon Duarte, cabelleireiro, tendo so S8
S despedido da rasa de >cu runnado o Sr. i
I Carls Dubos, ondetrabalhun ixir espado W.
9S de dez nnnus, acha-se eslobeipcido com S
8B casa de cabelleireiro ra da Imperatriz
D. 82, pjOHpto a satisfazer i|iialquer en-
commenda tendente a .-ua arte.
Preeisa-e de una ama do leite sem lilno na
ra du imperadiT n. 75, 3 andar ou na nudo
Queimado n. 11.
Pn cisa-se de um hornero portuguez para
feitor de engenho ; a tratar na ra 4a Cruz n. 8,
<* anear.
Aluga-se a rasa n. 16 da ra do Jasmim
tratar no sobrado n. 50 da ro* da Aurora.
34.RA iG M ROSARIO 34*
"* rosmiiKiaot proearar KiMtirto* para tereditar
o*- te|iara4oa, a icaajliaUu obiioa pelaa peo*na aa itigaafamarraiU
la. Ihr" lieem creiliis a toga ; potqua ao uruftt oa
aHcMailo consi.lerailos gralailoa, a delira qoe lasca
mu cfcarUuniginn; mai ni qaerendo offeader 5 pea*
oaaajajuespouuneament nosofffreccram.oa qoa abaiw
aairaiicriploa. os bienios publicar BiaaireMaudo-lba
Maa ral.,lio pela al unci, aaparaudo qae reakaai
rs e. i-roborar o conceilo. e acceilaca qaa
qae
leas nere-
Illw. Srs.
tTTtiraaM.
Bartholomeo C. com a maii fabiaa
arlaa
ajV >^i qi: drdaro aer o larope Americano do urna
fflfcaoa i-xn -ordinaria, pois' oea aolTrrndo ba diaa de
"***'.' '"*-' P*wo de na* poder dormir ooiie a
eP*,? '<- aBedieataegiot qfl(. lomara, a elle
cm#> na rcaira eolfcer fui alliria lo. e de lodo rae
*m u-talHcrrdocom o Bfo aomcnte de qnaai
aMar>,-... ,n,io pela este resnllado manteslo a
. i? .-:, .-conheairnaato. iJ V, s. aaigo. -
>. HaoMl Antonio Viegas tinior.
I n IMS.
. |(-r.-.: .bk. ( r. _afr,h"rr','=.imornai
m .' .-..a.'nar > n'o .*o xurnn
*efeUI Americano, de ana romnoxicAo. irasno m>
adiaca aaiaaie dtale de orna caaciit>aa. ^tie ma
lora* aNDpteiamMie aaaea a qae rauta ama fert.
aaaa. a ata uap..aa>bUu>a de camprir os smus dwere,
e cantar da cnprna Ijnca, tou auradecer-lbe* mea
coijapUlo reaiaaelecimeBio, que oattta coa aj a tidr.
*' "ropa, depon da harer recorra a amito*
aaauaieotos. Oeaeiarei qaa oatros como aa aterra
a.aea tarasa para ae renal alitiajlos da Ua Ierritai
aeommodo, tao bul neata paiz. Com malar eansiaa-
raeo coalinuo a aer de ?a. &. liento, rtaarador
JrifM. Um OaaoM. Batie 25 da tatemar.
Illms Srs Barlbolomeo *C O tarop Vegetal Ana,
neano ae Vv. Sa. tem aipaato k atada e de unta efh-
S'-C cumi, '"taa, caaforme obaarvei ap-
pwcaaoo-a a mea lilho Joaauim. menor de qoalr
toaM; fKluna (fem flageHo.qne ale eattoper wp.
etcedeate a dona annos baria resistido a ontros uropaa
lie grande Borneada. Queireaa pois V. Ss. aeo-ila a
atpreasto aliaou-ota aiocera da mea-----nliirBaaHH n
mentorio trrico qae Ihe prettaram com n indicad
larope, acre litndome para sempre e Vv. Ss. crads
atienireab.iga.lo. A meneo NaUo de Mewoi.;t. -
atacaba 2 4> milobro 6* JMtX
Forneiro.
Precisa so de um bom forneiro para urna pada-
ria em Una: a tratar no caes do Apollo n. 69,
apiazem de Jote Dnarle das Nevo*__________
mm ss vuiii ana&o
Ra do Commercio n
Jos Francisco Ribeiro de Souza, direc-
tor d'esse instituto de r-ducacSo e instruc-
cao, faz s.ient* ao-resperiavel publico e
particularmente aogpais de seus alumnos,
que a reabertura das aulas de iostruccSo
primaria e secundaria tera lugar em o dia
40 do andante.
O pro^ramma do epsino ser de conoiv
mida de com o decreto n. 4430 de 30 de
outnbro de 1889.
Admitte alumnos pensionistas, meio-pen-
sronistaa -exterooa.
CARVO DE BELLOC
ApprVBBV Hmitanuujado pela Academia imperial de medicina de Parla nara
H 7E?^Zi?*0TntM' reMauDi,0 o erdadeiro remedio nos
yDufom*t4; Chanto. m r*M*aoo, iiaurer k C.
Attenpao.
junaica,
Commentario do Codign Commercial Porlu
giiez e tirasUciro.
Vende-se na luja da ra do Crespo n
ib A esquina da do Queimado. a impor-
tante e moderna obra sib o titulo de an-
noiagdes ao cdigo do commercio portuguez
em G voluntes pe" Exm. Sr. consolhi-iro
Dr. Diogo Per/ira Fnrjaz de Sampaio Pi
entel, lente cathedraiicn na universidad
de Cnimbr Os subidos crditos de qiu
gHai muito meieidam'nte aquelje exiini
UMnmercialista por si s bastaran para re
commendar to importante obra, quando
nao concorresse mais para isso a grande
vantagem de ser um ptimo comrnenlark
ao cdigo commercial brasuVirn (na falta
absoluta que ha de qua tpier outio) pelamo-
xima homo^encidade de i-ntre militas das
su.is disposices, e as do mem tonudo cdi-
go portuguez. que Ihe servio de texto.
oirei pressurosos. distinrta tnnridade
do 4. anno da Faculdade de Direito desta
cidade e notaveis jurisconsultos, a prover-
wn desse poderoso auxiliar para vosso
traba nos da sciencia, e pilo preco -ommodo
le 2Q5. toda a obra em f vol._________
Su lil i ni e ,nib Icar/o Iliteraria
sol o titulo le tleiuori. do
Urna Ishs Ao Hoatc, em
Braga.
Apha-ne venda na loja da ra do Cres-
po n. 25 A, esquina da do Queimado a pri-
morosa Memoria do Bom Jess do Monte em
Braga, ornada de gravuras tinas, segundt
ede3o, obra da peirna de ouro do mm illus-
itrado lente da universidade de Coimbra.c
Exm. Sr. conselheiro Dr. Diogo Pereirs
r'orjaz de Sampaio Pimentei. Que.m tivet
notida da extraonlinaria devocSo qne exis-
te em Portugal para com aquella milagro-
sisairaa imagem, affluindo >empre para c
eu magestoso templo em rom na o nume-
roso povo de todas as parte* desse remo:
quem souber amliar as brilhantes descrip-
Ces, e o bello estudo daquelle consumma-
do jurisconsulto e eximo Iliterario portuguei
nao deixar de procurar, quanto arles pro
ver-st de um exemplar da dita memoria,
pelo diminuto preco de 3, na loja indica
da, onde ha pequeo numero bellas.
Na mesma loj oma ha otitras estampa,
muito perfeilas e gramies do dilo SeiUtor
Bom Jess de Rraga, por preco commodo
GUSTAYE
Ba da Cadeia do Recife61
Chama a attoncao dos seos innmeros fre|uexe, e do reapeitavel publico t
geral para a seg-tinte tabella dos preeos de sua casa, os quaes sao vinte por cesu
mais barato do que em outra qualquer parte:
Cabelleirasparasenhoras a 250, Cadeias para relogio a 5l, 6&
304,35,1 e.......10,5000: 7fl, 8, 9^,12^. 130u
DiUs para bornem a 354, 404 e 504000
Coques a U4, 154, 18,9, 204, Corte de cabello,..... SO*
254, 304 e.....504000 nA. ... ..
Crescentesa 124,154,184.20,$, ^^ de cabell com tK#- **
254, 304 e 324000 Crte de cabello com lavagem a ,
Cachos ou crespos a34, 44, 5^1, i champou...... i^'i
64,74, 85, 94 e. ,0400o Crle de c*bellocom ^P"* da
Tranca de cabello para annel a cabcCa Iieia macuina alectri-
500 e....... 14000 ca, nica cm Pernambuco. l '?,
Tranca para braceletes a 104, Frisado -iugleza ou fraocea. U*t
154,204, 25 e. .... 304000 Rarbn. ,...... 1
SSIGIttTIMS MENSS
Especial id a de de penteados para casamento
Bailes e solres
0 dono do estabelecimento previne s Reoommenda-se asimerior TLNTlftA M
Exmas. Sras. e aos cavalheiros que ha um PONEZA para enegrecer os cabellos e bar
sal3o para tintura dos cabellos e barba, as- '* on,ca dmittida na Exposiflfo Universa
como niio prejudicial sade, por s sim como um empregado somente oceupa- ial|, anaiysida e approvada #U* a do nesse servico. mias de scieBCias de PARS E L034f. -
~ DAVID WILLIAM BOWMAN
Partecipa aos senhores proprietarios de engenosi (pie acontecamdo bhr.i
igoa ou animaes pira a moagem durante a prsenle safra, elle tem -vapores pi. >i-j*; -
>ara assentar, sem precisar de obra nova ou dem>iic5o '" krrr naliniai 1 14.11
)de botar tr.es rngenhos a moer oito dias depois de estarca as pecas to'\[-r
mgenho, garantindo-se o trabalho.
Fundiejio, ra do iJram 11. 52, passando o hnfari/.
Lindas c superiores bareges do cor, de quadro c de listras, para w.-'
gindo seda, pe." haratissimo preco de 500 e 040 rs. o otado.
As.-im como superiores capsas francezas de edr pidios de mudo $ la i AM
e 600 rs. o metro, na loja das Collumnas ru do Crespo n. 13, de Anli > \m
Vasconcellos.
CASA DA lORTGfU
Aos umn
Bilhetes 'arantidas.
A ra do Crespo n.3 e casas do costme
O abaixo assignado, ti-ndo vendido ali-in de ou-
tras sones, um meio 11 1002 com 4:0001 d'>
lotera que se ac bou do oxtrahir a benefloio da
ipreja de N. S. da wii-ei(;ao d-vs HililaitM do
Uecifo (133-*), dnvid aoi nmnailfirfi virem
receber na conf-rtoidade do eottume sem desen-
lo algnjn.
Acham-se a venda os lelcs bilhetes da 2-
parte da 1 olera benelino da igreja de Nossa
Seniora du Amparo da a. de de linda (134a)
.|iie se extrabir Da soxta-feira 21 do correte
mez.
PreQO.
Os do costme.
Manocl Martina Fu".
^E.IiE^IO
IX)
ti
DE JHH-
IL1A1
Ba do Hospicio n. 84
Ecle novo elbeleeimefito fimece romednria
tanto para fora como para dentro do dito-eMahe-
l> cimento, assim c>>mn nos domingos e dias antos
baver man-de-varea, o propriet.irio tem una
sala para aiguuia< pessoas que quizer se servir
parliculartneme, por isso lem commodos suQlcien-
tes para ess? lim; espera portanto, do respeitavel
publico a grande protercan.
A (liwl-ii^o-ac tXrUafio, .JiM|)liina I.
da CunnaSjutoMan.r compet-nl
pela aiipclori grral da iawiritfdta fttn, ?t
so roHMtiUtvcl pu'.ilicc. iiue aVaaVfM MI
>!;.t).li;v..i.< ;i ra da lioperalriz n. a*:*, riaja u .
liicula abnr-se-li.i a 1U de Janeiro pro
e ciffrwo seu prestimo aos pas d |;
de a .
Na Iravessa da
1 das Crnzcs n, 2,
I meiro andar, da-se
I nlielro sobre
de ouro. prala
g tes, sija qual lor a quan-
* tia. \a mesma casa com-
|] pram-se os ursinos me-
laes e pedras.
ra
pri-
di-
penhores
e brihan-
MJM CAPORAL.
Chegado pelo ultimo paquote.
Marca aCivetle
Livraria l'rancaza,
Casa de pasto.
Traspassa-se a da ra da Lapa d. 11, pnr sen
dono ter falta de ande e nao poder administra-la.
Correspondencia de Portugal.
Os abaixos asignados previnem aos senhores
asignantes deste jornal que de jaaciro prximo
futuro em diante a distribuicao ser feiu no largo
do Corpo 8anlo no caf do Sr. Pestaa, onde os
mesmos senhoresassigoaotes mandaran pagar des-
de j a asignatura do auno prximo IMOOO
por ti n> meros contados do numero que condu-
cir o paquete de 28 de Janeiro prximo futuro ao
de 11 de Janeiro de 1871 .Numero avulso UOO
reis. Os recibos sao in pressi e firmados pelos
baixos assifnados. A distribuicao do jornal para
os as-ignantes s se far a aquellos que tenham
j pago ba annualidade.
Ama de leite.
Precisa-ee urna ama de leila na ra nova ajos
Pires n. i8, casa que tica solada entre a ra do
Correilor do Bi-po e a do Destino. Pagase Jwm.
CASA
DE IMPORTAQAO E EXPQRTACAO
Eacriptorio, ra (io Vigario n. &,
i ANDAR.
Na ra estreir do Rosario n 35, sobrado (casa
particular) continua se a htottet almoco e jaatar
para fra mandando-se levar as pessoas que nao
tivererB porwdor e nao rbr multo grande a dis-
tancia, na meoia ea>a preparase qualquer pefa
de comida, bohV, pudins, pao-del, etc. sendo
encomnendado coV anucedencia.
N ra do JarnVOi n. 26 continia a ler aauilo
boa ferinha da trra.
1 --i*. --------------------------- '-(/W| aja
Ama engenho a fallar na ra dq Brum a. Si, pinnando
UI144. o chafa riz, fundicio do Bowman,
Precisa-se- de urna ama para c,ve *> penca fa- Precisa-se de um caixeiro com pratica de ta-
miha : ra das Cruzes n. 2JS. J berna : a tratar na ra da Senaala n, i.
Machn i ata e f< quista.
Ao publico.
Os alMxos assignados declaram ao corpo do
conitnercio que, deade 3 do crreme mez, se acha
dissolvida a sociedade commercial que tiveram na
loja de nuudezas sita a roa do Queimado n. 61,
que pvrava nesta praca snh a razio de Silva Bar-
bosa t C, ficapdo a carga do sucio Joo Barbosa
de Liana a liqtridacao do activo o passivo da men-
cionada fltma de conformidade com e respectivo
disiracio social.
Hecife, 18 de Janeiro de 4870.
Manoel Rodrigues djdJSiiva Killio.
lo|i>.Barboaa de Lima.
A t tenca
Pedimos ao Sr presidente da assembla geral
verrrndo-lh'x seus bons dselos, iraer a r. ;
encino, qni-r da educaci'. de suas Binas. O pr?
giamma dos estatutos leiiura, escripia,
tica, systema mtrico, lingua nariuiui, t r..
geogiaphia, msica vocal e piano ; u i
baver profe>sne8 e profesoras eompi-lwurnirB' -
li.iliilitados. Tambem se enxmar boritjds, am.--
de varias qualidades, inclusive as (Jasa de commis>5o re escruto-
Na antiga asa de coanatisao de eswavia*,
abaixo assignado, ra do taperadur n. i5, m>Mi
mi a-te a rtceber escraws por fmtr>rs-V. i
do mato como da praca para sercm vmli>li.
garanln-se o bom tratamrato e prmtipia vitad
para o qne i emprega tedes es esrVirrrs atim
sali?faz!r em tudo s pessoas qne o qniziTem !>-
rar con sua conflano. Nena casa Ua <-e*r-
para vender escravos de ambos oa sexos '. i..<-
nioijus, assim como ha t da aefnranr para i.
___________ Aottmo J..s v.'aV Si
AMA
Xa na da Codorniz n. 8. prcrisa-se
ama que saiha cofihar.
" $~AHJk~WkVE.'
Aos 20:0004000.
Bilhetes do Rio venda : ra do Cahnt -
vonde Vieira Rodrigues.
Casa pura alugar em Oliml.
Alnga se por um anno pago adiantado, a-
n. 3 da ladeira da Misericordia, rom 3 -altas.
quartos, eosinha tora, terraco na frente, r mi
do com asientos de podra e cal para grande L
milia, c bom quintal cercado, miiil fresca e
cellente vista. Quem quizer prevenirle lv.
casa para passar a testa vindoura, evitar d^"
esse lempo um preeo fabuloso por orna ra-
naquella appruiivcl cidade, visto c imo de *
rar grande concurrencia de pi>vo para aRi
consequencia ta coudurao fcil pela estrada
ferro que l deve estar esse tetnpo: qoeni nv
tender dirija -se mesma casa, oa ao largo a!
Terco n. II.
AGENCIA DE C0BRAJ?AS y
BAII1HO bi: SANTO ANTONIO.
Ra estreita to Rustri n. 11, /. fijidur. X
lUreeor J*
llflWUIIJWAimWIOMWM.,
Neste esenptorio recebem se procura- v
Qdes para cobranea de ordenad.* e ron- >f-,
gras, i|iiid;Qo,do cuntas de pps=oa> ,Ut J
centro com outras desta pra^o, bem assim x
de arrendamentas de predios, para agen / .
cia de cansas civeis, crmes, eouimer-
ciaes e ircclesiasticas era qae seja neces- %
sario constituir os mais ronceitoa* ad- K
vogados e procuradores qne mnHtrr g t <
rantam os direitos das partes ; para sol- j
licitar ttulos e paloma an
manda-Ios *ir da corte, ete. etc.
Das eobraneas e compra* mate as
quantias liquidas 3 / *oart o mais
mediante previo ajuste.
As entregas de qna sqoer encuwtmen-
das e ttulos s sern fetas aos seos pt-
prios donos s pessom por estes ao torrea-
das em cartas do ertk-ni e median!
cibos legalmenlo iiamados.
H
a'RSO DE lURPARATOrOS
r*X**r*
I.IA4.1 A PVHWtttn
Ra da matril da Boa-vita n. 18.
Mensalidade 64H0.
Bichas hamburgoezas
Neste novo tleposlto reeebe-e per mdoa <>
? translanticos bixaa de qnalidade superior,
Je-se em raixa on porce mais peqoeau e ma
barata d qne qualqaem ira parle ; na ra x
Cadeia do Recite n. II, andar.
"" iiiiowi c i'iyustct, .-----r.. ~ ---.---------__. 0v..^.
thMaaWa o a* .. iu iiln gabinete portuguez do leitnra, que baja do ave-
deK?na1 ? MU,\*a* enlen,la rignar da legalidade da eleico, 1 que honlem se
^TLT^V^^^IS^1 A*" -2" ^helet-imento, porque a nos que
fomoH rotantes n presonaiainos os -e. acto nos pa-
reco qtJi tal eleigo deve ser Tralla, por so teretn
dado nella instamos irregularidades.
Alguns wcitw.
Da casa do abaixo assignado ausentan >
dia 13 do corrente o seo mcravo de nome Fra -
eloo, bem conhecido nesta praca, e consta tan
acha oceulto em casa de nm branrn mais nrfm
que elle. Pro e la, bol, o mesm<> abaixo ai "
haver pelos meios raga** nao t o esrran roo,
justa paga de sena serviros de que se anas pr>' .
do por esse meio infame.
Antea deSooia
l




LKario de jVernambuco Sexta feira 21 d Jaueiro de l fe 70.
?
I
i
Precita- eaasiaritomentt &> aoui para co-
sinhar e comprar, paja so boin : Travessa dos
Expostos i _________'
Joaquim Jos Oon-
(jalves Beltro
WJA DO TRAPICHE N. *7, 4. ANDAJt,
Sacca por todo9 os paquetes sobre o Bar.
co do Minho, em Braga, e sobre os seguir
tes logares em Portugal:
Lisboa.
Porto.
Valeria-
Guimar^s.
Coimbra.
Chives.
Viseo.
Villa do Conde-
Arcos de Val de Vez.
Viaona do Castello.
Ponte do Lima.
Villa Real.
Villa-Nova^ dojFamalica'Q.
Laraego.
Lagos.
Covilha.
Vasal (Valpassos).
Mirandella.
Beia.
Na praoa da Independencia n. SJ se da di-
lieiro sobre peihores do ouro, prala e pedral
arenosas, teja ijual for a quantia ; c na mesro
:ft i igu lmenlo se faz toda e qualquer obra de en-
gWnnwndfc e todo e qualquer coucerio undeutf
a nvsma arte.
Peder
Aos donos do obras e raeslres pedreiros, qnc
pao compren) matwiaes sen irrn vuiar a olaria
a ra dos Prazerjs 4 *e, de Jus Carneiro da
unua e verem a superior tcllia e tijollos de to-
das ^ nulidades do bem afamado barrw deaomi-
uado do Taquary, por mios S^ttOO res o iikirbei*
ro do que em nutra qualqner parte.
Caixeiro.
Precisa so de um pequeo de 12 a 11 nos,
coin principio de taberna, para nformardes : a
ra da Croa o. 16;_______________________
Uostureiras.
Na imperial fabrica de chapeos a ra do Cres-
po n. 6 precisa-?e de costiu-eiras. "
Preeisa-e doroma anta tirn/n eterava quo
kaiba engomar bei : a roa Jo Crespo n. It
Ba do Queimado n. 5
TEIXEIBA MARQUES a C.
Os novos propietarios deste importante, bem conhecdo e acreditado estabe-
Iccimento de fazendas finas, vem communicar ao respeitavel publico e raui particular-
mente aos seus amigos e fregueses que o mesmo estabelecimento acaba de oassar por
urna reforma radical.
A FRAGATA AMAZONAS, livre o absolutamente desembaracada das pt-as que
llio tolhiam a marcha, ou para mellior dizer, havendo expelido do seu scio os paraguayos
j que tambera pode denominar jgfNCiE nova e Tonr-EDOs, que lhe ameacavam a victo-
l'reci.-a-se de urna ama livre ou captiva, e un nosa pia, aprsenla se ao publico ufana e garrida, aorando no tuastro grande o pV
moleqtie de 10 a 12 annos : a tratar na ra d v||l3o nd\aor ,ia sincci idade. A ha/ateza e esrolhido sor tmenlo de fazendas sao as
Ama.
Linpuea n. 8, 2 audar.
IMPERIAL
INSTITUTO
l S. DI) Filil SIIM
gariulias c(,m quo cunta para merecer todo a prnteccao do publico.
' A FRAGATA AMAZONAS, celebne pela gloriosa tradiccao as aguas do Prata,
aqu justamente recordada no titulo que meHior rfcommenda um estabelecimento de
fazendas finas. All-o valor, a fon;a e liewmsmo liverarn hyinnos de victoria*, aqu
,o agrado o cavallieiiiiiiio, a sinceridade, a bellissirao e completo sorlimcnlc de fazendas
^coroarao os esforcos de seus proprictaries.
Rila alcntara triajmpho sobre todos os .tricmpkos, A accao triurapnante da
FRAGATA a divisa de sea nc'ivjdade.
A FRAGATA AMAZONAS tem a honra de chamar a attencao de seus amigos
e do publico para as segnintes fazendas:
O bacliarel Antonio Columba ao Scraphico de
\ssis Carvalho hoje a proprietario e director
desse instituto. Pretendiendo dedicarse exclusi
vamente, ecom todo zel o solicitada aos tr.-.balhos | Cortes de vestido de blond de seda com
proprios dessa pVoflsso, espera que os paes des todos os pertences para noivas.
aetuaes collegiaes o honraro com na contonea, Maonifu-i* o orandp* rnlelns rio emu>M
c bem nssnn que acolhcro o seu estabelecimento I, OH"--* gi anfl! CO^has (10 CIOilK
branco para camas.
MARTIMOS
E
aquellos que precisarem de collegio para edu carao
te sen? fiihos ou protegidos, cortos de quo o ac-
tual director se coloreara nao s para manter o
bom nomee crdito, que desde amitos annos goza
o referido Imtuto, como tnml;eio para imprimir
lhe novos uielhoramenlo*.
No dia 7 do Janeiro do anno vindourn ter lu-
gar a abertura de todas as aulas do instrucrao
primaria o secundaria.
Aluga-si nas cuas estreita do Rosario, larga,
Crnzes, Queimado, etc., urna sala em prhv-ir an-
dar : podem entender->c com o escrivao Molla,
ra estreita do Rosario n. 17.
Precisa-so de dous humeos, sendo um para
1'e.ilor do campo e nutro para caixeiro de casa de
purgar para um engenho margem da estrada de
ferro : n tratar nas Cinco Puntas n. 130, das 6 as
CONTRI FOCiO.
A Companhia Indemnisadora, eslabelecida
aesia praca; toma seguros martimos sobrt
navios e seus carregamentos e contra foge '
em edificios, mercadorias e mobilias: i
rna do Vigarion. 4, pavimento ter eo.
Caixeiro
l'rc i-a-se de um caixeiro de idade de li a 16
annos ((uo tenlia praliea de laherno que d liadoj ;ili;iixn ,|.,.|arad.s a m-gecio adula na na d.s Guarapo^ n. 14. | ru l!a [mp^ratri! 21
i'ivcisa-se de urna boa eozinlieira para casa
estrangeira, agradando pagase bem: a tratar na
1 la da Cruz n. 20, armazem, ou na Capunga, porto
ja serr n. 20.
A tengdo.
Precisa-so fallar eott urgencia aos srnhore
inlcrcse, 11
Colchas do seda, de lila o seda e de al-
godao para o mostno im.
Toalhas cxcellenles de linho adamascado
de coinpi intento de O palmus para mesa.
Ditas felpudas c de libo adamascadas,
para nios.
Lindos corles do seda de cores, do mui-
to boa qualidade para vestidos.
Ditas pelas com lstras assetinadas o que
ha de mellior pira um bom vestido prelo.
Grosdenaples preto de dilTerenles qath-
dades o pie os.
Ditos de core?, gorguro de seda pre'o
c de cores.
Popelinas (de seda e linlio) grande e
variado sortimento dos melhores gostoj.
Grande o variado sorhmonto ile basqui-
Gnipuro em peca, preto e branco,
Cortinados de cambiaia bordados pata
cam. grande o variado soi lmenlo.
Crochs para sofs c para cadeiras.
Rollos tapetes de diversos tamaitos para
sof, camas, portas c janellas.
Grande variedade de chapeos do palha
veidadeira de Italia pimurosameiile enfei-
talos.
Gorros da mesma palha e chapclinas da
mesma palha c de seda.
Perneadores bordados e camisas de li-
nho, e de algodao bordadas para senhoras.
Grande sortimento d tamisas para bo-
nicos bordadas, lisas, inglezas e francezas
Vesluarios para meninos e eiixovaes para
bapttsados.
Cacbenezricas sabidas de baileman
tlbts preUs de fil de seda para cab' ca
grtHMfe sortimento de alpacas lisas e lavra
nas de seda prea. curias o de cintura com daslaasmuilo modernas c bonitas com
laco. muito bem guarnecidas. Iistrasdeseda -espaittlboscovpinhosben
Ditas de guipure (croch) de dillerentes dados f militas oulras fazendas que seria
modellos prelas e ie cores. fastidioso ennumerar.
lia sempie sorihnenlo variado de lnvas dd JOUVN, sortimento do roupas
O Sr. bacharel Joaquim Gordeiro Coo-1 '""" *"*& da Silva. Frrderico Skner, R.>mana fajtas e encarrega-se de qualquer obra pur medida, para o que procura sempre bons ar-
10 Cintra, juizmanicipil de Goianna, quei- g,**^uS ""S e eg" listas-
ra l t a boneade d 11 .-.pifio n, 81. negocifi urgente.
I're.'isa se de um cozinheiro ou cezinheira :
m ra do Imperador n 73, 2o andar
I'reci-a-se alugar por mez urna prea que
mine bem : na ra Nova, sobrado n 30.
Precisa s>^ alugar com brevidade por mezes
1 anno, urna casa em Apipucos, que naoseja
na ovoa?5), ou na Torre, nerto da estacao: a
traW* ni roa di Iin?eratriz, loja n 14.
Precisa se. de nina criada para, o servico de sitio que ser ur.itiflcad
ca-.i do preca familia : na rna da Concordia nu-
mi ro 71.
I'iecis;i-se de ama senhora habilit da para
-.:-iuar a lingoa nacional fra da cidade seis le-
g"as : quem o pretender, dirija-se a ra do Ale-
'' fcw n. 14 para tratar do ajuste.
I'i-cisa-.se de um caixeir. de 10 a 12 annos,
qoMunia al.-'uma pralica do laberoa, prefure-se
ri irtapiea : a trarr na mesma,no patfo do s Jos
I. .".!.
I ara os romeiros de S. ^ebastiao
Qneijos de Minas e nao do serlao. vende se ca-
tes oxeellentes qnerj> p-.r precjrj muito em conia
na villa do Cabo, ra di Rosario taberna do Sr.
Cruz Gomes ; a elles antis cne se acaliem.
No dia !.*> do i\ranle desappareceu do sitio
dot'afunil, e-trada de IihLi di- Barros, urna cabra
com leile, a qual grande e preta ; e com ella a
cria, lambeta preta.
I'ede-se a quem a achoii dea levar ao mesoio
Ana de leite
Precisa-se de urna ama de leito : na ra do Ca-
li ug ti. 3. luja.
Aluga-se
I'ie.:isa so do um menino p-nluguez para
aeirt de urna laberna perto da estacan da villa
d i Cuba : a tratar no largo do Paraizo n. 14,
- talento Jos Rodrigues de Souza precisa
alugar urna mullirr forra ou escrava quo saiba
bem cozinliar : a traur na thesouraita das loteras
:i 111 sen sitii, no Mmileiro. pinto a groja.
O 1 egundn anar do cobrado da ra das Aguas-
Verdes 11. 48, moito fresco n com bastintes com-
miidos, quem pretender dirija- e ao terceiro andar
do ni'-siiin sobrado onde so aeha as chavea.
Escripturago commercial.
Urna pesmia habilitada, eocarega-se de qual-
quer escripia, em sua casa ou no eseriptorio da
pes.soa que precisar de seus servicos a tratar
no largo do Orpo Santo n. 23.
Escripturacao.
Urna pessoa habilitada se iilIVrecc para faura-
ver mi algiuaa'owa ronmarcial, e masmo toma
sob sua resp.oxanilidade qnal joer escripia para
Inzer em Ma casa : a tratar no paleo do Paraso
.1. lUi igass,' s u ccesstr
55Ra do Imperador55
Nesta antiga e bem conbecida casa, tneontrar-se-ha como outr'ora grande sor-
.imonto de pianos construidos expressamente para o clima deste paiz, e Mr. J. Rhigass
endo trabalhado muitos annos na construeco de pianos em Paris, acha-so habilitado
i preparar os pianos que ende com lodos os accessorios itidispensaveis nao s sua
solidez, como sua duraco. Todos os pianos So garantidos.
Tambem ha neste eslabelecmento, grande variedade de msicas novas e dos
nelhores autores, tanto vinda>de Paris como :do Ro de Janeiro, que se \ende mais
jarato do que em outra qualquer parte; assim como ha igualmente venda todos o>
)bjectos necessarios contrueco de pianos. Os concertos e afinacoos de pianos ser5o
eitos com o maior zelo e cuidado.
Societlitdo Uiiiilo Beneficente
Mari ima.
Vida directora sao convidados todos os socios
pal i so teimirom um assembla gctal no domingo n- -- ''"^istado ao Sr. SaluMiano, a qualquer ho-
.1 di corrente as 10 horas da manliaa na salla de ra Jj <"a-
sita* se-soes.
; relaria da r-ociedade Uniao Beneficente Ma-
rtima, em Pernambuco 19 de jaoeiro de 1870.
Joao llodrigucs Bandcira.
________________1 secretario.
O iliesoureiro de usna Senhura do Rosario
I i Boa-visla, Apdr Avelino da Costa, declara que
imiiMSou o irmo bemfeiior o Bxm. Sr. Barao do
l.'vrainoolo. caixa da mesma irmandade.
O abaixo assignado, encarrgado do retalha- i
meoto do sitio Aguazi nha, em Beberibe, convida
aos sonhores compradores do terrenos retalhados,
qae ainda nao reniwaram seus pagamentos vi- :
: :u fi.o-lo no improrogavel priso do |5 dias.
ilecii'e 19 de Janeiro de M70.
_________Joa Tihurcio da Silva Guimaraes.
Na ra do Imperador n. 30, 3o andar, alu- |
ga-se um moleqao de 12 annos para o servico do-
mestico. i
~~ ~ B.ttOMMADRIflA.
p**ciM se de urna muloer qne engom:no e en-1
-:H.oe, para casa *e familia, e poga-se bem : a
mt.ar na ra da Cadda do Recifo n. 18, segundo
i dar.
Precisa se d? urna ama pata
nhar : rna da Cadew n. 29. 2"
comprar e
andar.
cos-
FILULES
DE VALLET
*M-L-
As ntuu Vniici. approvsdas peta
Academia imperial de medicina do Pariz,
sa9 empregadas com o maior ^^^^
xito para curar a chlorosis,
c forlilicar as constituiedes
fracas. Nunca este ferrugi-
, noso ennegrece os denles. "^^^
Para a garanta da sua authenticidade,
0 nome do inventor vai gravado era coda
pilula como margem.
01 U | cin Rio-Jasciro, IhponchtUc; Ckrwtil.
"i I'bhmvwco Httrer 4 C"
ABRAQUE
APPROVADO PELA ACADEMIA OE MEDIMNA DE PAR1I
O Qulniom La bar raque, eminentemente tnico e febrfugo deve ser
preferido a todas as outras preparaedes de quina.
Os vinhos de quina ordinariamente empregados na medicina preparam-se
com cascas de quina cuja riqueza em principios activo extremamente
variavel; parte disso, em razo de seu modo de preparaclo, estes vinhos con-
ten apenas vestigios de principios activos, e em proporedes sempre variaveis.
0 Quiniam I abarraque, approvado pela Academia de medicina, con.
stitue pela contrario um medicamento de composico determinada, rica em
principios activos, e com o qual os mdicos e os doentes podem sempre coatar.
0 Qniniam Labarraqa* proscripto com grande xito as pestoaa iracas,
delibitada, soja por diversas causas d'esfotamento, seja por antigs moles,
tas; aos adultos fatigados por urna rpida crescenca, s meninas qui tem iffi.
cuidarle em se formar e desenvolver; smulheres depois dos partos; os velhos
enfraquecidos pela edade ou doenca.
No caio de chlorosis, anemia, cores plidas, este vinho um poderoso
auxiliar dos ferruginosos. Tomado jauto, per exemplo, cora as pihuas de
Yallet, produz effeito maravilhosos, pela sua rpida aeco.
Deposito em Paris, L. FRERE, 19, rna Jaceb
RithJaneiro, DPONCHBLLE; CHEYOLOT. Pernambuco, MAOREB et C
ELEPHUNTE COM BOTAS
GRANDE ARMAZEli DE FANOS, MSICAS E INSHtlMEINTDS
JOSI DE AZEVEDO
ANTONIO
N. 11-RA
Participa ao respeitavel publico desla cidade e das i
a, acaba de bogar un grande e expendido sortimento de
NVA-N. 11
provincias visinhas, que o seu grande e bem acreditado armazem de instrumentos para musi-
famados 8 bem coabe^S*1*- ** "d'*^m' a* tectedo xo e mobi,e' e com ^nsposicao ou sem ella, de autores os mais acreditados nesta cidade, como sejam : o&
FFONSO BLONDEL
^,Pan^^:g* 1Bln,iil?.tltn^< anco a8ente f^1 tole, como prova nun o documento abaixo transcripto e assignado pelo dito Sr. Brondel. Estes pianos, fabri-
fTnSSX^S^J!^^'^*16^^0 UDC08 ^ offerecem ma garanta segura de sua duraco.
ShoSf pSi^ ^ w*orwaade- As saas vozes 85 i10 flaBteda8 melodiosas. Elles
Pap-si bem
urna ama
I "-IB : ra i
Pede-se
A quem |jc.'ar um rbexu vlho de g&iola tcn'ia
bondado dw levar na ra Uiretla toja de ferra-
peni do canilA" Jos.- I.junmtino quedar rtf gra-
[ilii-.icao 10400.1, fuuio no dia 17 de Janeiro de
1870.
Elles s3o aqui bastante conhecdos desde 1844, para que
possuem um teclado que se ptU a todos os wpriclros do
4-oleneidade d amamf&im*** ^ compifiarAm pianos ne8ta cwa s3 rogadas a exigirem ocertiQcado do origem assignado pelo Sr. Wondel, afim de provara sua
AO PUBLICO
(O-R'.'CffiB,
tido por mm.
u i ma MW?11! Wond8j fakricanto de pianos em PARS, declara ao respeitavel publico de Pernambueo. que o nico deposito de seus pianos na cidade
ja Ntw n. XA, armasem de Antonio Jos de Azevedo. Ontro sim que tedos os seus pianos ir5o accompanbados de um certificado de origem assig-
*m.}} d palbodo 1869. (Asssignadq)
^ ntMfitambem troca o aluga pianos.
Aihof4 M||?IrI
(em 0 maior e mm explendido sortimento de
MSICAS PARA Pl %\0i
* Tk ".y "*"**, "rectamp'}te da Europa e do Rio de Janeiro; das crerliadas casas dos -gm. Wjppoi Tornagbj, Narciso. Arthur Napolaao & C,
IL1J4? -** sortimento de papel para msica e desenho ; eordas para todos instrumentos, ricas gravuras o -ffltodJws para oroameotos -le sajas, otoaitos para
5S 1. /* "**9iu>* dourados. qaadrados e ovaes, caixinhas de costara com msicas e se olla, estojes para viag^m. rvlogios com despertador, vidros para
'h?rt?iJ?5L^JW??' taJlfarca.'. ,aa| jgu,tas Para bordar, e muHos outn s artigos que o respeitavel pabco oaeaatrar sempre oeste armazem, o qual estar
Jwrto todos os das ate it 9 horas da noite afim das Exma. familias poderem ir apreciar os seuspiaties
mvi.*juuaujtJLirjcum
aatx
\ 1870
F0LH1NHAS
trabo *c aahlr Imm c arbtHne
venda n
LIVRARIA FRANGEZA
Ra do Crespo. W O.
u afknuulai Filhiihu
Ai
E
PARA 0 ATOO DE 1870
PREGO R O
A
II
m
!
I
I
--"

COMPRAS.
Compram >< rnoedaa de ouro e prala de to-
lo? os valores, ouro e prata em obras inutilisada-.
Orilhantcs e nuuV podras preciosas : na loja de
uirives do arco da Omcpicao, no llecife.
0 uiuzco de joias
Na rna dbCatiuga n. 4" coinpra-se ouro, prar
t pedras precioeas por precos mais vantaiosos d.
|uo em outra qin<|tier parte.
Lom nonio i i.ihir vaniageni coinprani^e
noedas de ouro errara : na loja de joias do Co-
-acSode Oun n. t D. ra do i aburra.
"MI \
Goinpram-se e vendem-se diariamenle para-fra
dentro da pi'ovincia cscravos de todas as idaHe-.
ores e sexos,**rn tanto (|in- ejam sados : m
erceiro andar di sobrado n. 36t rua das Crtes.
T'^auezia de Sanio Anliwrto.
riniiprai nina esclava de nu-ia
ide : quem liver e i|onirn vi-nder, dirija sea hi-
de calcado da roa da Cruz n. 21.
Compra se ulna escrava de niela idade quo
uimpra se ulna escrava de meia laaae
-aiba cosinhar : a tratar na padana da ra
reita n. 84.
t)i
a ra da Cruz n. 36 compram se pseravos
de bonitas liguras e mabitas de 18 a 20 annos.
prendada*, paga-se rnelbsr do que em outra qual-
quer parte.
Escrava para cosinhar
Prpci-a-so comprar nina de meia idade, ou
t irnbem se alega : a tralar na ra Direila n. 54
padana.
Compra-se
Urna lialancn trmde do brac i : na ra ostreita
do Rosario n. M.
VrNDAS.
Manoel Alves hVrreija St C, na ra da Moe-
da n. S, 2* andar, t-m para vender superior vinho
do Porto em ancorelas e caixas de duzia?, barril-
zinhos com 4W) e 500 sardinhas superiores e bar-
ricas com bajo do sabupiieiro. poiassa da Russia
e cal de Lisboa
Vende-se una escrava que cozmlia e en
pomina, moya e sadia : na ra do Rosario da Boa-
Vistan 41__________________________
Vemdein-se ivcravos de an.bos os sexos : na
ra do Imperador n. 75, 2o andar.
Charutos da Baha
Na ra do Commrrcip n 32, 2" andar, escrip-
tnrio de Theo Just tem para vender excellenl.s
charutos da Baha da fabrica do Sr. Gustavo La-
porte, das marcas Flor de salo, Regala de la
Reina, Riachnelanns e turma Ha vana.
Yende-st! o engenho Ilha, junto a villa de
Porto-Calvo, em AlagAai com obra de pedra e val
eoberlo de telhas, boas trras e bom de criaco
tratar com Thomnz Cavalcanle da Silveira Luis
Jnior, rus do Apollo n. 18. 0 luesmo precisa
romprar 4 Berro mansos para carga.
Por 4505 flxos, barato, veude-se una boa
prela do 50 auno.-, boa no taboleiro : na ra de
Hurlas n. 96
Por 6004i, e barato, vndese um prelo de
30 annos. robusto, o m itivo da venda ser dito ao
comprador : rtn ru de Hnrlas n. 96.
55'Ra do Queimad >,
A YERDAM toado em depusitA ?mr-*
qtuuilidade'deaaieiifaim e pcrl'i a 4*-
sejando apurar dmlwiree sApnrir Um kf
rtiezia est rss.irria a veatT n.ortueiir^
barato, ; por casa raao convirla iesp^
tavel pablWo a ver coaayterKemcrite wmu
do a sortir-se do bomebaral". Cor qu. .
do a Vcrilnde apparece, tmlo mas t*-
apparece-----
Grande sortimento de boncros de cera
massa as maislindas possive vesi idas :
racter.
Abotoaduras moderuss para col
letea.......
Espelhos donrados pepnenc. .
Agulbas de oso para croxc a .
Pintes pan regar; enm csnl3 .1
Ricos globos para candiaira de gaza
Cbaniios a.......
Grande siiitimcnto de objeiV
loura pin lirinquedo de menino
Giirra'a coni tinta a.....
Dita com a^iia florida verdad"
Dita com dita dila a .
Frasco cometen de babosa a -
Dito com agua de Colonia 3
Gairfa com ;:giudivina a. .
Frasco com extoadM i. ; j .
Latas pequeas con btnha mi
tina a lii1 o......
Sabonetes de diversas ..jali 'adesa
80, l0,40e.....
FinascscofMparadflitel !. Ufi.1
Lindos coques modernos a. .
Pavios para paz, duzia a IhO e .
Esccvas paca laclo a 5r O, 6(H) c
Ditas para cabello a.....
Pentcs para tirar piollio a 160 e.
Brincos de cores, bonitos a ICO
Pecas de liiinfa do la com 8
varas por.......
Oleo para macbina do cortara,
frasco a........
IVnnas d'aco finas caisas a 800 e
Dita d'aco Pe 1 y, caixa a. .
Gslao de algo'io peca ....
Lindos habadinbos c eotrcmeii s
prca de OO i......
Ditos de tonca muito lino a l') c
Ditos para calca a I' o e. .
Caixa com papel amizade a. .
Ditas com envelopes a. .
Ditas com obreas a.....
Caixa com agulbas fundo delirado
Ditas de ditas ditas a.....
Tbesoura para costura a 2ii 1
Caixa com liulia de marca a .
Linha do cores em novellos (li-
bra) a........
Carreteis delnhaAIexandredeT')
at 00....... .
Grampos muito Anos com Masa-
ros, duzia a......
Cartas portuguezas, duzia a .
Ditas francezas a i|i(>0 e .
Proel almaco e de puso, resma a
30400, :!d50O e .
.Ha minio fina para bordar. ILm
Fita de algodSo para dehrum do
sapatos, peca a.....
Ditas de la p;ra debrum de ves-
tido, peca a ......
Pentes finos para segu ar ca-
bello a.......
Ditos ditos de bfalo para afiM
a 240, 320 e......
Ditos para aparar penna a .
Rosetas pntas, par a .
Tranca re lita decaracol peca a 40 c
Fita de coz peca a 480 e .
Aifinetcs de ltiro a.....
Sapatos de 13a para crianca a 400o
Grvala de sedas de cores a .
Cslcadeiras a.......
Grande sortimento de rendas das i
Um par de suspensorio de borracha _
lOOrisMimi
\a Verdade rea do Qneisuade
____ u. .
VNDESE OU MaHIM S a ,
priedade denomi rada Barra de .-11 ii bar
no littoral da freguezia do esa
com grande ren la da trra a rec-U : e om-
tos coqueiros a Jesfructar ; lendo. aip
disto, a excellente e rara posico bein-n^a/
e beira-rio, inteiraircnte apr'pri*da par
manter-se ah malqoer esU-t-eki moni"
commercial de seceos e molhado* : a tra-
tar na ra d'Au 'ora n. 26, ou na do Impe-
rador n. 20
Venee-se a casa terrea n. 107 da rna *> fi-
lar, com bstanles commodos, indn-ire nm f-
preo sotiradirtho no fundo do qamtal : a tratar
na mesma rna n 17.
ATTENCAO
Vndese dous modernos o elegantes carro*
americanos do irmivacredltado fabricante, de deas,
e qaatro assejttoa che nados recentemente dos Es-
tados-Unidos : a tratar na rea do Trapiche n. 6.
Loja a \enra.
Vende-se o estbale*irwnjo de msicas da rna
Nova n. 9 : a tratar no inesmo.
IaMIrmaMM
Vendem em seus armaaem, no eaes do Apollo
D. 7, B^eadirtfia n. 1 e ra do Amorim u. 37, o
seguintes gneros :
A50 de Milo.
Milho em saccas grvndes.
Farello em saccas de 90 libras.
Chumbo de municao surtido.
Metal amarell) para forro de navio.
Machinas para descaroaar algodao te 14. 16 e 48
erras.
Kerosene em latas de f.galoes.
Ghampagne do afamado fabricaMe rug.
Hormouth.
Vtnho do Porto engarrafado.
Coac do afamado fabricante Gautier Frre?.
'Fugo da China, caixinhas, iO carias a. 1. Extra.
Genebra inglea eOld ton
Cimento Romano.
Cimento Hidrulico.
Cimento Portland.
Gosso para estuques.
Carino* de barro para esgotos.
Gradeamentos de ferro para jardias, ealfadas ele.
Carros de man para servicos-de rmateos.
Garratoes com galdes de viaafW aeto-
dem com 3 galcs de vinagre tinto.
Chumbo em barra.
:
.
I
MI
t
2i*
m
m
y-

S

CEMENTO
0 verdadeiro portland. S se vende r^
ra da Madre de Deus n. 22, eriuazt-aa (*
J"3o Mi tinsde Barros.
Carroqa e boi.
eng
rela, perto-de
Vende-se ama crroca qj*ai nova e hiti boi bu- boas trras de _
airo por prego coro modo : na estrada Joaa italar aaruaOi
Barros n. i. ultimo sitio.
Candado Alberto Sodr da BWta l... ev^
escriptorio e annazem na iratessa da Madre ?
Dos n. 14 tem para vender o seguime :
Cemento Portland de 1* qnaKdade o mHhor f*
tem vindo ao rnercado.barncae de fi It arratv-
por toaono.
Vinho Bordeaux das sagites qal)d.->daa>:
St. Julin.
Prnoaac.
Lormanl.
SI. Bmilion.
Margans.
Chateau de Boycherele.
St. Lamben.
Lalonbere.
upleMis
Gaaor.
nortewi.
Vinho do Perto qualidade moito tvpeefol
Azeite doee refloao em caixas V si.
Vinagre seperisr d garraBes paaajm .
Farelo hamburgnet, saceos de M libras, a
QjfOOp.
Parinha de trigo de superior aeaiidade.
liarris com alcatrio, de reos ie Ierro.
Pumos de todas as quaMIa, Se 1 tusara
oeste esial>skime* ca latas, falos breas.
Papel-de loops as qsaaMsss, aroprio aerar
garros.
Chegera pechiacha.
Cambraia franceas de reres mni'o Boas a
res o envido, e 40D>e 100 rb a vara.
Ditas ditas pretaa otfsta fias, a 9t' o ovado *
400 e 000 res : esta fnaagai reaspra w ssoaVi-
ram por 800 res a vara : rna do 1 mismos m.
40, defronte da botlea van._______________
Nova factura de balni<*,
Cestas, berros, coaosas, asopriri e uwtwnin*
de lodos os tamao/ : a osa Direila o. JP, ss
de-se por meos dopaje m^tn fsassosr asea-.
No caes St de Noveoibro
pkn para quebrar >*>*_________________
- Veade-M por pre$o ealpJBneo m-t*T*
genho CaiBoawaalebo; Os a leswto a> Aaw
b moi-
de Manoel Alves Ferreira C.
Uoli


6
Diario de Pciaambaco Sexta eira 21 de Janeiro d 1870.
AGIA NEGRA
se **
BENTO MACHADO & C,
A AGUIA NEGRA animada coro o bom accolhimento que tere em seas annun-
ciqs, vem de novo participar a seus freguezes, que. acaba de receber um variado sorti-
mento de objectos de gosto, os quaes serao vendidos por precos muito razoaveis, pois
quaodo fez os seus primeiros annuncios, foi o que assegurou, e sem mdo de errar,
porque c< mo j disse est ligada por uteresses a urna casa importadora desla praca, e
por isse poder ter tudo especial e vender por presos admiraveis.Chama pois a atteo-
$0 de seus freguezes para os arligos que possa descrever:
Livros com o tampo de marfim, andre- Um variado sortiments de charuteiras e
perola e tartaruga, proprios para musa. :pa||iteiros de porcelana,
Garafinhas vazias proprias para presantes Tentos nara voI.arala
cousa de gosto. ,ie#
Indispensaveis ie palinha e de couro pro-
prios para senhoras e meninas trazer nos
bracos.
Binculos di madreperola, marfim e tar-
taruga todos esmaltados.
Cintos largos de selim, cousa inteiramen-
te nova.
Fitas de sarja de todas as cores e largu-
ras para lacos.
Toucas, sapatinhos meias de seda e mais seda para vestido.
Bengallas com marfim, cousa especial.
Sabonetes de alcatrao.
Cofres de follias para dinlieiro.
Lindas caixas para costura.
Um completo sortimento de lovas de pe-
lica,
Talagorce para bordar.
Um completo sortimento de enfeites de
- aertences para ba plisados.
Fitas com inscripces proprias para bou-
quet de noiva,
Ricos vasos com p do arroz.
Um variado sorlimente de jarros de por-
celana.
Perfumaras de todos os autores os mais
acreditados em oxtractos, pomadas e leos
e finalmente outros muitos objectos que nao
possivel mencionar ; mas com a vista se
certiflcaro do sortimento deste eslabele-
cimento.
Aguia Negra, ra do Cabug n. 8.
******* SttMftMS 1I1IIIIII
S-Bg-g&S
5 Er.2. g B
ft O oj 5 *
Ifl

a 13 >
*"!Q2#-s**w*ai
g s-
lirar
'i ffrflll
a b r. "
i q. B j_ w
Z SlmBaS?
(C
P S
4 5
C6 C
a5B
es
o >
5 c 3 t 8
S 2 g
!.M:* i
S 9 -i aj o
3 B 5
Bu BM D."B 0
=. o a> eo
eo w
O)
el
f s; i
M B co 3-
H ii o u
O

r s
o *
i 'o*
H \ e 1
>* , * * O-
"*> n tX>
s
n < i E 1
v> O V
5 =a-
e CD
O t< tr-
f 0 e CD
*
O

5ii*wfli*i g&KsmsssraiKWMi
LOJA
DO
GALLO VIGILANTE
Ra d Crespo a. f
Os propnetarios deste bem coahecido estabele-
cimento, alm dos muitos objectos que tinham ex-
postos a apreciaco do respeitavel publico, man-
daram vir e acabain d<) receber pelo himo vapor
da Europa um completo e vanado sortimento de
Anas e mui delicadas especialidades, as quaes es-
tao resolvidos a vender, como de seu costum,
por precos muito baratinhos e commodos para to-
dos, com tanto que o Gallo....
Muito superiores luvas de pellica, pretas, brau
cas e de mui lindas cores.
Mui boas e bonitas goinhas e punlios para se-
nhora, neste genero o que ba de mais moderno.
Superiores pentes de tartaruga para coques.
Lindos e riquissimos eafeites para cabecas das
Exra*s. senhoras.
Superiores trancas pretas e de cores com vidri-
Ihos e sem elles; esta fazenda o que pode haver
de melhor e mais bonito.
Superiores e bonitos loques de madreperola,
marfim, sndalo e otso, sendo aquees brancos
com lindos (Jesenhos, e estes pretos.
Muito superiores meias fto de Escossia para se-
nhoras, as quaes sempre se venderam por 3OJ5OO0
a duzia, entretanto que nos as vendemos por SOJ,
alm destas, temos tambem grande sortimento de
ontras qoaEdades, entre as qows algomas muito
finas.
Boas bengalas de superior canoa da India e
castao de marfim con lindas e encantadoras figu-
ras do mesrao, neste genero o que de melhor se
pode desejar ; alm destas temos tombem grande
Suandade de outras uralidades, con se/an, ma-
eira, baleia, osa, borracha, etc. etc. ele".
Finos, bonitos e airosos ehicotinhos de cadeia e
de outras qualidades.
Lindas e superiores ligas de seda e borrado
para segurar as meras.
Boas meias de seda para stnteora e par* meni-
nas de 1 a K anuos de idatfe.
Kavalhas cabo de marfim o tartaruga pan fazer
barba; sao muito boas,e de mais- a mais s3 ga-
rantidas pelo fabricante, e nos por nossa ver tam-
bem asseguraiwis sua qiT3dkd e delicadeza.
lindas e bellas capellas jara- n'>'rr.i.
Superiores agathas jar* machina e para croa.
Linia muito boa de pess, froaxa, para encl.er
labyrinfho.
Bons baralhos de cartas para voltarete, assira
como oe tentos pan o mesmevflm:
Grande e variad sortimento- dar mstttores per^
fumarias e dos memores e mais conbeeidos per-
fumistas.
COLASE DE R01R.
Elctricos mugnetiros contra as conrfdsdes, e
facilitara a dbntijao das innocenfts crianzas. So-
mos desde muito reeebedores destes predigiosos
collares, e continan* a recebis por todos os
vapores, aflm de que ntinra faItm no mercado,
tomo j tem acontecido, assim pois pederae'-aqnel-
les qne delles precisaren, vir ao deposito dfc gallo
vigilante, aonde sempre eneootraro destes verda-
deiros collares; e os quaes attendeto-se a fim
para qne sao applioados, se venderao com un mui
diminuto lucro.
Rogamos, pois, avista det-objectos q* deiamos
declarados, aee nossos freguezes e-amigas-a-virem
comprar por precos muito razoaveis loja do gallo
vigilante, ra do Crespo m- 7.
Machinas vaporde
forpa de 3 e #ea-
vallos.
Motores para 2 oavalto.
Arados americanos.
Machinas dafaco e sewotes para desca-
roejar algodo.
Balanzas para armazem e balcao.
Camas de forro.
eofres de ferro de Milnez e d* Ubit-
fielu
Prendas para- copiar carcas.
Fogo americano pater.t
AS NOVAS SEDAS
ll-RUA DO QEOEADO-ll
D cordeiro providente
Raa de Qnelaa4* a. !.
Cbe^aram da Europa pelo ultimo vapor loja de Augusto Porto dr C. ricos
crtes das mais linda sedas de mimosas cores para vestidos proprios para bailes e casa-
mente.
Grande variedade de sedas de listras de diversos precos todas de lindas cftres,
gorgurao de seda pretav e grosdenaple de varias qualidades e gorgurSo de seda la de
(liflerentes cores.
Novos vestidos brancos de blond para noivas, lindas colxas de seda para camas,
ditas de laa e seda, cortinados bordados para camas e ianellas, fronhas e toalhas de
cambraia de linho bordadas.
Luvas novas de Jouvin.eelegantes sombrinbas de sedas de cor para senhoras.
Esparlhos de 55 at 106, lindos bournoos de cachemira de cor para sahida
de baile, basquinos de renda preta, e ditos de croch branco e preto j)ara seBhoras.
Grande variedade de camisas bordadas e lisas para homens e meninos.
Sortimento de muitas fazendas de 13a, linho e algodao todas por precos muito
mdico.
Tapetes grandes para sof, piano e camas, pecas de tapetes o de alcatifa para
forrar saloes tudo em qoantidade; e vendem sempre'por meos que em outra qualqoer
parte.
Esteiras da India de 4 5 e 6 palmos de largo,
ATTMl) 1(1 "'LE
Granee armazem de fazendas e roiipas feitas roa da Imperatriz
n. 32, perla larga, de Paredes Porto.
Neste estabelecimento encontrar o respeitavel publico um bonito sortimenk)
de roteas de todas as qualidades, palitots de alpaca a 30, 3(5500 at 6#. Ditos de
merino, ditos de casemira de cres bonitos gostos a 5#, 60, 8fr e 10)J, de panno preto
sacos e sebreeasacos. Ditos de brrm pardo finos e ordinarios. Ditos de alpaca branca
ti de cores de 30SOO a 5,9000. Calcas de brim de cor finas e ordinarias, ditas
brancas de todas a qualidades, ditas de brira pardo fino e ordinario, ditas de? casemira
de er e preta de 4& 54, 6 a *55. Golletes de toda as qualidades e preco muito
barato. Completo sortimento de camisas francezas de algodao e de linho de 2# at 55
urna. Sortimento de seroolas franeezas d algodao, de linho e bramante a 20 e 20500.
Grvalas (mantas) novissirao gosto a* todos os presos. Meias sortimento completo a 30.
40 at 70 a crazia.
ROUPM PARA MENINOS.
Encarrega-se de quaesquer obras de encommenda- tanto para- homem, como
para meninos, e com brevidade, por isso que tem-um bonito sortimento* de fazendbs de
todas as qualidades tanto em' casemirae como brms, pannos finos e ottras muitas a-
aendas.
FMENDAS
Bramantes de 11 palmos de largura a 10800 o metre
Cambraias de cr e branca.
Alpacas de todas as eres a 640 rs. o covado.
Poil-de-chvre com lista de seda fazenda de gosto a 1J200;
Basqm'ues de guipure enfeitada a 180000.
Sortimento de chitas escuras e claras a 280, 300 e 308ra
MadapolSo fino a 60508, 70, 80 e 90000.
Algodio peca com 20 jardas a 408OO, 50500'e 60000.
Peca de algodSo largo a 70500.
E outras muitas fazendas- que ser enfadonho mencionar Chegoem roow
fefe que se est liquidando na loja ra da Imperatriz n. 52 (junto loja de ourives) o
LFiO DA PORTA LARGA
DE
Paredes Porto.
Mikooskupe achroma-
sehen. ObjetivLin-' r V~~)
Barometre e termo
metre. Gentigrad.
e reuumeure.
LOJA DAS MACHINAS
BASTOS
Acabam de etiegar grande quantidade das verdadeiras machinas americanal
aara descarocar algodao de todos os systemas e tamanhos seguintes:
12 serras 42 serras
14 ditas 44 ditas
ditas 45 ditas
ditas 46 ditas
ditas 48 ditas
ditas 20 ditas
ditas 22 .ditas
ditas 25 ditas
ditas 30 ditas
ditas 35 ditas
ditas 40 ditas
is qeaes se vendem por precos commodos e roga-se as pessoas que dellas fizeram en-
tfmraendas de alguns tamanhos, obsequio de as mandarem busca-las o mais breve pop-
livel afim d-3 i faltas.
Cal nova de Lisboa
chegada no ultimo navio : vende Joaqaim Jos*
Ramos, na pa da Cruz n. 8. t* andar.___________
NO BAZAR DA IODA
DE
JOSt DE S01Z.1 S0A1S i C,
Ra Nova
VENDE-SE MUITO BAR\T0 PARA LIQUI-
DAR A DINHEIR0.
De pelica branca muito frescas, chegadas
por este ultimo vapor para homens. senho-
ras e de cores e pretas para meninoso
par 20000.
Minhas festas !!
Lindos objectos para mimos, como sejam:
Estojes e caixinhas de msica, bolcinhas e
sestinhas, vasos e balainhos de porcelana
dourada, figuras, tinteiros, port-booquet.
caixinhas para ]> jas, interesantes conchinhas
com frascos para excencias, ricos quadros
para retratos, apparelhos de plaqu, cama-
feo e madreperola, lindos vasos com perfu-
maras etc. etc, e muitos outros objectos
para este fim.
chapeo* de sol ou sombrlnhas
de setim ricamente eneitados e mais mo-
dernos que pode haver para senhoras
140, 115) e 180000.
GUIPURE OU CROCH
preto ou branco que o pode haver de mais
bonito empadros e superior em qualidades
para casacos, capinhas, corpinhos, meias
saias etc. e vende-se muito barato.*
LINDAS CAMELIAS
brancas e cor de rosa de dous tamanhos
cada rosa a 40200 e 10500.
Chapeos para senioras,
de palha fina de Italia elegantemente enfei-
tadose gostos muito modernos de 450000,
vende-se para liquidar a 100000. E' pe-
chincha.
15
16
18
20
22
25
30
33
40
RA DA GADEIA N. 56 A
da
OCIOS PERISCPICOS
E crystal de rocha do Brasil
F. J. Geraiann. recommenda ao publico, seus vidros periscpicos apesfeicoa'
dos; porque, com estes vidros, a vista descanra, fbrlihca-se e nao a canea como com
os vidros ordinarios. Urna vez escolhido um vidro, pode durar dea anuos, emquanto
que, com os vidros ordinarios se est obrigado a muda-es todos os annos e os ter
cada vez mais grossos, o que altera o erystalino do lho e determina quasi sempre do-
res de cabeca. O alcance ordinario da vista perto de 30 centmetros do lho, e,
todas as vezes que o objecto est mais perto ou mais looge, os raios que expelle sao
mui convergentes ou mui divergentes e a vi sao nao porfeita. Um grande numero de
pesseas tem o defeito de fazer convergir muito de serte que a visao nao distincta.
Com a app)icac2o de meus- vidros pde-se vencer estas, dillicuklades. Para os que tem
a vista curta e cujo erystalino mui convexo (o que faz ver bem, de perto, e mal de
longeX o que se chama myope,. por meio de um vidro concavo affasta-se o ponto de
vista, o que faz divergir os objectos e deixa ver to longe como as outras vistas. Quan-
do o erystalino muito chato, o. que succede aos que tem chegado a urna certa idade,
o que se chama presbyta, vem melhor de longe que de perto, e n2o enxergam seno
gm nevoeiro na distancia ordinaria da vista; com um vidro convexo, estes enxergarao
tic d'tstinctamente como na idade de 15 annos. Servindo-se desles vidros quando e
vista principia eufraquecer, previne-se o mal.
F. I. Germana encarrega-se pela sua experiencia, tendente aos olhos, a e s
colher, a primeira vista, seja qual for a idade e grao de vista, oculos proprios para
qualquer pessoa,
Para que sao fabricados estes vidros ? ?
Para a vista que n5o supporta os raios
solares nem grande claridade.
Para a vista operada da catarata.
Para a vista que as palpebras esto ce r
cadas de sangre.
Para a vista que um dos olhos myop
e o oulro presbyto.
Para evitar finalmente que o erystalino
do olho se cobra de catarata.
Novo e variado sortimento de i
finas, e outros objedos.
Alm do completo sortimeato de
marias, de que electivamente
loja do Cordeiro Providente, dto
receber um outro sortimento qne n toral
aoiavel pela variedade de objectos, sapariori-
Jade, quaCdades *e eommodidades m ars>
ees; assim, pois, o Cordeiro Prevideaft
espera continuar a merecer a
do respeitavel publico em geral e de
boa freguezia em particalar, Dio se
lando elle de sua bem confaerida
a barateza. Em dita loja eneontrarfo e
jpreciadores do bem:
Agua divina de E. Condray.
Dita verdadeira de Munay I w
Dita de Cologne ingleza, americaae, fraa-
ceza, todas dos memores emaisamditadof
fabricantes.
Dita de fior de larangeiraa.
Dita dos Alpes, e vilete pava toileC
Elixir odontalgko para coaservacao it
nseio da bocea.
Cosmetiques de superior qualidade i
ros agradaveis.
Copos e latas, mawres e menores,
pomada fina para caello.
Frascos com dita japonesa, transparente
s outras qualidades.
Finos extractos ingtoaes, americanos
francezes em frascos simples e enfeitades.
Esseneia imperial do Ine eagradavel i
ro de violeta.
Outras concentradas r de choros it
mente finas e agradaveis.
Oleo phriocome verdadeire.
Extracte d'oleo de saperier qualidade,
cem escolhnfos cheiros, eav frasees de <
rentes tamanhos.
Saboneta em barras, maiores
para mos.
Sitos transparentes, redoadee i
ras de meninos.
Ditos muito finos em caixiatia para 1
Caixinhas com bonitos sabeaetes
fructae.
Ditas de madeira invernisada>eeatandoaV
aas perfumaras, muito propriae para pra>
lentes.
Ditas-de papetto igualmente bonita, tasa
bem de perfomerias finas.
Bonitos vasos de metal cotendas, A
moldes novos e elegantes, cosa pe de arras
e boneca.
Opiata inglezae franceza para, denles.
Pos de camphora e outras diferente
jualidae tambem para dente.
Tnico oriental de Kemp.
Anda mata coqne*.
Um outro sortimento de coqnes de a
vos e bonitos moldes com filete de vidrilho
o alguns d'elles ornados de flores a
estSo todos expostos apreciacao da aaai
os pretenda comprar.
GOLLBWAS E PUNHOS BOaDADOS.
Obras de muito gosto e perfeiean.
Flvella* c fitas para
Bello e variado sortimento de tees objet
los, ficando a boa escolha ao gosto do cosa
prdor.____
RAFfi POPUIiAR
DA
\u\n ummnmi
DE
Tetxeira Ultlunc*$C
Achar-9e a- venda este ptimo rap, nice qs
pode suppnr falla do princeza de Lisboa, per ser
de mui agradavel perfume, viajado, e a preco o
mais mdico possivel; e por isso tem de ana
acolhido as pracas da Babia, da Rio de lunas
em ontras do imperio : do escriptorio d> Josaaas
Jos Goncalves Beltrao, ra do Commeroo sa-
mero i 7
r
Para a vista myope, (vista curta).
Para vista que se cobre de nuvens.
Para a vista que por momentos, v es-
voacar pequeos pontos negros.
Para a vista que as palpebras tremem
de fraqueza.
Para a vista que os olbos slodesiguaes.
Para avista que se turva com o traba-
lho e a leitara.
Para a vista presbyta (vislagalon ).
ARARA
E' novidade.
O proprietario da loja- da Arara, tem a honra de
declarar ao respeitavel publico, qne recebeu nm
completo portimenio de fazendas de todas as quali-
dades e vai expdr a venda pelo preco mais barato
que possivel, como seja madapolo de todas as
qualidades, aigodaosinhos, chitas e cassas, panno
finos prel'is, cachemiras pretas e de eres, grosde-
napoles pretos e outrasmuitas fazendas que a vista
dos seus frepuez? verlo a sua qualidade de prego
como barato : ra da Imperatriz, loja da Arara
n. 71
az GAZ Chegou ao amigo deposito de Henry Forster <
C, na do Imperador, nm carregamento de ga:
de primeira inalidade; o qual se vende em partida
e a retalho por menos preco do qni em entra qns
raer oart<<.
Milho e.farelo.
Mai* barato de quo em outra qualquer part
armazem da Estrella, largo do Paraizu n. 11.
Sortimento de binculos
para theatro, e oculos de
alcance para o campo e ma-
rinha.
Lunetas, pince-nez e
face--main, ouro, prata,
tartaruga, bfalo, ajo,
etc., etc.
Tem tambem grande sortimento de relogios para parede, que d5o horas e par1
J mesa dos mais lindos modelo Relogios para algibeira, de oero, prata, praia
efoleada, inglezes, suissos e orisontaes dos melbores e mais afamados fabri-
doufada
cantes.
Yendas em grosso e a retalho.
N.21=
Em Pernambuco.
=Rua Nova. 21.
INJECTION BROU
retrates lufalllvn r 1'rcwryaOva, ibwluumentu t ubiea quacura lem i-ljh. addilivo. V.. u'4
wv). (M nm a Msela.) Pitis, a* w
a* r*mfn Wucaa a a>uaria. (ttrJfir a _
la knaMw sisa. Utlmmt Uumu.u*,
TURA.
Acabam de ehegar ao Grtndt Baz*r Vnitermt
ra. Nova n. It Orneiro- Viannaib> enafee-
to sortimento de machinas para rostnra, dr* ac-
tores mais coahecidos, as qnaes estn em exposi-
cao no mesmo Bazar, garantindo-s> sua boaqna-
lidade, c tambem ensina-se rom perfeirao a lodos
os compradores. Estas machinas sao iguaesii
sen trabalbo ao de 30 co-tureiras diariamente, e a
sua perfeieao tal como da melher eosioreira d
Pars. ApreseBtam-se trabalhos weolados pela
mesmas, que muito devem agradar aos pretea-
denies.
MUHO
Em pequeas porcops a 8*300 ; em
a 8-ioo, milho nevo, saews grandes, na
Vigario n. <6, S* andar escriptorio de .
Guido de Bastos. Na inesina casa ha para Ven-
der excellente larinha de mandioca, arrea, |
na, tapioca, araruta em barriquinhas aifai
vinho do Porto em ancore tas e arria de
tudo preces razoaveis.
ras db
CADET
CU RA
em TRES D!AS
pars
Pars, 36, Roa TI f !,
CHABLE MEDECIN
SSKNTERIUIIAOASDISSEXI'Aaa.ASAjfBa
COKS CUTANEAr.. B ALTKBACOSSDOSAaSSt
DEPURATIF
in SANG
pkvy*"j
io $angut. jXarope fafalal
rsttvaa twgrUtr BA
tomao-aa dona por ataa.
hitirtLtivo: i l
Iiu larva* dar
farra a CflaLI.
PLUS D
COPAHU
anta a /turo < f0* krmmeu aa m
*JU ajaecao banifM rags-M aaa I
Oiirelo 4i r*rt>.
Sliai......I'r PauaU qaa aa caae am wm
POMADA AMTIHERP6TICA
Cantra a nffte',om aelaiiaei
FMLtfLAS VOS8TAES OCPUJUTtVA|
te > OuMm, sil tfitt va! aaSMiaaSS l
aa Jalar.-


Diario de Pernambuco Sexta fera 21 de Janeiro de 1870.
> >
FAZEMDitS
A DINHEIRO NA LOJA E ARMAZEM
DO
DE
FLIX PEREIRA DA Mili VA.
0 proprielario d'este grande estabelacimento, vendo que se est aproximando o 6n-
Ao anno, e teado em ser una grande deposito deposito de fazendas; nao fallando em
vultadas encommendas que Ibes esto obrigado todos os das, tem resolvido liquda-
las por proco muito mais baratos do que em outra qualquer parte ; s com o flm
de diminuir o deposito e apurar dinbeiro. Encontrase oeste estabelecimento do
PAVAO, avultado sortimento deiazondas de Ibko e modas; assim como de primeira
necessidade. As pessoas que negociara em pequea escala n'esta toja poderlo surtir-
te vendendo-se-lhes pelos precos que compram, tus casas ingtezas; assim como as ex-
eelteatissimas familias podero mandar buscar as amostras de todas as fazendas ou man-
dar-se-ha levar pelos caixeiros da mesma loja en suas casas; o estabeleciwnto se
cha constantemente aberto das 6 horas da manh3a s 9 da noite.
iAazinhas modernas na loia do pavo
Chegou para este estabelemento nm grande
wwtlmento das -meltiores e mais modernas lari-
nhas para vestaos, sendo tapadas o transparentes
de todos os preces e qualidafles qae so vendara
mais barato do -que era outra qualquer parte.
Crochs para cadeiras e sofs
O PvSe tem um grande sortimerrto dos
mais bonitos crochs proprios para cadei-
ras sdfs, mesas, almdfadas etc etc assim
coawproprios para cobrir presentes, e ven-
de-se mais barato do que em ottra qual-
quer parte,
0*t2mm**t
A
4
2r 4>
Explendido sortimento de
roupas feitas
NA LOJA DO PAVJlO RA DA
IMPERATRffi N. 60
Acha-se este grande estabelecimento -com-
pletamente surtido das melhores roupas,
sendo cateas palitts e colotes de asentir,
de pamto, -de brim, de alpaca, e de todas
as mais feasndas que os compradores pos-
lam desejr, assim tem umbtlo sortimento de pannos casemi-
ras, hrins, etc. etc para se mandar fazer
mralquer peca detra, com a maior promp- trflo jontade o fregus, e rdfo sendo Pav5o ^ Mla ^ fazena ,
obngados a accetta-las, quaodo nio estojara,, para veslifl (am as ^ delicadas
completamente jo seu contento, ass.m como seda com 4 palmos de largura que facilita
'este vasto estabelecimento encontrar o
cespeRavel publico um belle ertimento de
camisas francesas e inglesas, ceroulas de
.linho e algodao e outros ccsitos argos
proprios paraomens e senhoras promet-
lendo-se-lhe vender mais barato do que em
outra qualquer parte. Na ra da Impera-
trz n. 60, leja e armazem de Flix Perei-
ra da Silva.
CERA DE CARNAUBA.
Vende-se urna grande percio de cera Ce
carnauba em saceos por preco mais barago
-do que em outra quanjaer: na loja do
'Pavao ra da Imperatriz |n. 50. De Flix
Pereira da-Silva.
TAZEXDAS PARA LUTO.
Na loja do Pcvo.
Eflcontrao rospeitavel publico oeste estaba!aci-
ment um grande sortimento de fazendas pretas,
como sajare, cassas francezas e inglezas, otilas
pretas de todas as qualidades, fazenda de ia de
todas que 1111 vindo, proprias para loto, como
ejara, laaziahas, alpacas lavradas e lisas, caatao,
bombazioas, merino, etc., que tudo se vende por
prego barate.
AS CASSAS DO PAVAO
Covado 800 rs.
Vendem-ce finissimas cassas francezas cera lin-
dos desenbes e cores fixas 300 rs. o covads>.
Aiadapoluo franoez a 7$00 rs-
Vende-se pecas de -raadapolo frsncez
com 2 metros pelo-baratissimo preco de
7000 a ps^a, pechincha.
Altas novidades em sedas
Chegou um grande sortimento das cnais
moderua& poupelinas ou gorgures de seda
e linho com os mais elegantes padrees que
tem vindo a este mercado sendo, muidos e
^raudos, tanto em cortes para vestidos como
para vemler em covado, assim como um
bonito sortnento das -mais bonitas sedas
listradas que se vende tudo muito em-canta
Grosdenaples de cores
Chegou om grande sortimento dosmais
bonitos gro*denaples de todas as cores -para
vestidos que se vendem muito mais barato
do que em outra qualquer parte.
M n IL CAVADOS E
LiASLNHAS LUSTROSAS A 400 RS. 6Qi
VADO.
faeer-se quaquer vestido com 10 covados
e vende se pelo banatissimo preco de 1:300
rs. o covado, peobincba.
Organys a 3W rs.
Vende-se os mais bonitos organdys de
cores com padrees miudos egraudos. sen-
do todos de cores fixas, pelos baratos pro-
cos de 360 rs. o covalo.
AfeeGOO ENFESTADO
Vende-se urna grande porc5o de a!god5o-
sinho americeHO com 8 plmos de largura
proprio para lences e tealhas tendo liso e
trrncado que se vendo per pieco muito em
conta.
Panos de linho
Chegou cm grande sortimento da pegas
de panno de linho do Porto que se^endem
do 700 rs. at 1(5000 a vara, garantindo-se
que em fazenda de linho nao ba nada me-
Ihor, nem mais proprio para lences e toa-
lhas.
PECHfCHA EM CHAPEOS DE SOL
Chegou *im graRde -sortimento dos roe-
hore chapeos de sol de seda, inglezes ten-
do neste art go o melbor que tem vindo ao
mercado assim como urna grande.porcSo de
ditos de alpacas de todas as cores e todos
se vendem por prego muito mais barato do
que em ottra qualquer parte, por haver
grande parejio.
lencos braucos
Vende-ss um grande -sortimento de len-
cos brancos para liomem, sendo a dnzia a
imo.WWO e 35000, ditos abanhados
muito finos a i5 e 6;$003 a dnzia, ditos de
esguio fazenda muito superior a 5& 6j$ e
750O0,
Pechlcka cm csemiras a .400
Vende-se finissimascasemirasde cor com
listras ao lado, tendo duas larguras e com
as cores mais novas e mais bonitas que tem
vindo ao mercado, pelo 'baratissimo preco
de 4-5000 o oovado ou 7iOOO, cada corte
de caiga.
&6 QUEMAN
GRANDE mWM
Quando a AGUIA RRRNCA, mais precisa scientiflear ao respeitvel public era
geral, e em particular a sua boa freguezia, da immensidade de objectos que ltimamen-
te tetn recebido, justamente'quando ella menos o pode fazor e porque essa falta invo-
luntaria ella confia e espera na benevolencia de todos quo Ih'a allendero e relevarSo,
continuando portanto a dirigirem-se a bem conhecida u ja da AGUIA BRANCA ra do
Queimado n. 8, onde sempre acbaro abundancia em sortimento de superioridade em
qualidades, modicidade em precos e o seu nunca desmenttido AGRADO E SINCERIDADE
Do que cima fica dito se conhece que o tempo le qo* a AGUIA BRANC V pode
dispr, einpregado aperar de seos custos no desempenhe de bem servir a aquellos que a
honram procurando prover-se em dita loja do que necessitam, entretanto sem ennume-
rar os objectos que por sua natureza sao mais conheoidos ali, ella resumidamente indi-
car aquellas coja importancia, elegancia e novidaoe es tornam recommendaveis, como
b* m seja :
Corpinlros de cambraia, primoresamente
enfeitdos com Stas de setim e obras essas
cuja novidade de molde c perfeicie de ador-
nos (s tornam apreciados.
Fitts mni largas de diversas cores e qua-
lidades para cintos.
Leques uesse objecto murte se poderia
dieer querendo descreve-los minuciosamente
por suas qmlidades, creee desenhos, tai
o grande-e variado sortimento que acaba
de chegar, mas para nao massar o preten-
dente se tbe apresentar o que poder de
melhor.
Enlremcios em pecas de 12 tiras.
Guipare branco e preto de diversas qua-
lidades e desenhos.
Ditos do. algodao com Bores e lisos.
Veos de seda para chapelinas e monta-
na.
Meias de seda para neivas.
Ditas abertas de fio de Escossia.
Costumes ou niformes para menioes.
Eaxovaps completos para baptisados.
Capetias brancas para meninas.
Grandes sortimento de flores finas.
Ftt de seda, preto.
PERFUMARA
"Grande e constante sortimento de dita,
sempre melhor quajidade.
Lindos vasos com p de arree e pinsel,
Caixinhas com ditos aromticos.
Bonitos e modernos pentes dourados
para circuir/ o coque.
Bonitos trincos de plaquee.
Adereces e brincos de madreperoh*.
Caivetes finos para abrir latas.
Thesouras para frisar babadinhos.
Aspas para bailo.
Novos stereoscopos eem 48 vistas, as
quaes sao movidas por um maohinismo
i urnas scbstitnem as otrtras.
Vistas para stereoscopos.
Bonitas caixinhas devidro enfeitadoscom
pedras.
Ditas de madeira envernisada com vispo-
ras e com dminos,
Bollas de borracha para brioquedo de
S o Pavo
Vende-se um grande sortimento das
mais modernas e elegantes Iasinhas para
vestidos, com as cores mais novas que tem
vindo a este mercado, sendo eom listrinhas
miudinhas que parecem de urna s cor e
com tasto lustro que imitara perfeitamente
s poupolinas de seda, e vendem-se pelo
barato prego de 400 rs.
Os setins do Payto
Vende-se os mais bonitos setins de cores
e mais encorpados proprios para vestidos
tendo de diversas cores.
AOS PALIIOTS DO PAVO A 18j! e
205000.
Vende-se un bonito sortimento de palit-
ts francezes sendo, sobrecsacados e pro-
pramente sobre-casacos, que se vendem
forrados de alpaca a 18i000 e forrados de
eda a 20,9000, i pechincha. -
COLCHA DE FSTAO
Ka loja do Farao vende-se um grande sortimen-
to de colchas de asiao sendo brancas o d ores
ditas de croefc para amas de noiva, assim como
onitos damascos de la para colchas.
Na toja do Pavo vendem-se os mais
bonitos chales de verdadeira cachemira de
cor, coa os desenhos mais modernos, a 65,
10 e 125000, muito barato na ra da Im-
peratriz b. 0.
BASQUINAS A 125000
r Na loja o Pavao vende-se as mais mo-
dernas basquinas ou manteletes de guipure,
pelo barato prego de 125000 cada urna.
Cortes de organdys com barras
Para a loja de PavSo chegaram, os mais
bonitos cortes de organdys com barra, sendo
cada um em sea carto, com o competente
figurino, amito proprioa para fazer pre-
sentes-
Pechincha a 2^000
Para lenqes.
Na loia da Pavo vende-se snprior bramante
com 10 patraos de largura, dando a largara o com-
primeito do lencl, sendo apenas preciso para
cada lencoi um e roeio, ou um e um quarto me-
tros ; aim deota aplicagao tem outra mnitas
par arranjos de familias e vende-se pelo barato
preco de WOOO o metro Na loja do Pavo, ra
da Imper&tm n. 60. De Flix Pereira la Silva.
Os balSes do Pavita a 25000,
Cheg u um grande sortimento de bales
ou crenolinas do feitio mais moderno muito
proprias para vestidos ennesgados (jue e
vende pelo baratissimo preco de 25000 ca
da um grande pechincha.
AS CAlBRAUS DO PAVO A 4:.j00 RS.
Vende-se urna grande porcao de pecas
de finissimas cambraias brancas transparen-
tes tendo 10 jardas, com mais de vara de
largura pelo baratissimo preco de 45500, a
peca sendo fazenda que nunca se vendeu
por menos de 85000, grande pechincha.
AS POUPELIN\S DO PAVO A 300 RS.
Chegaram as mais lindas poupelinas de
la eom imitacao das poupelinas de seda,
um fazenda muito leve com as mais lin-
das eres, sendo: verdeBismark,rxa,azul
lyrio, cnsento, perolla etf, etc. e vende-se
pelo baratissimo pre^o de 500 rs.
FustSes brancos para vestidos
Chegou um lindo sortimento dos mais ba-
ratos e bonitos fustoes. brancos com listras
e cordes, sendo fazenda bastante larga e
flexivel, muito propriapara vestidos e roo-
pas de meninos o vendem-se a 640 o co-
vado.
BONITAS LJUSINHAS
OU ANADINAS A 15000 RS. O COVADO.
Chegou para o Pavao, um grande e va-
riado sortimento desta nova fazenda de 15a
e seda propria para vestidos, com os mais
delicados desenhos e mais modernas cores,
tendo batante largura quefacilita fazer-se
nm vestido eom poucos covados, pelo bara-
tissimo prego de 15000 o covado, por j es-
tarem muito prximos da festa.
CUETONES MATISADOS PARA VESTIDOS
A 640 E 800 RS.
Para a loja do Pavaa chegaram os mais
bonitos cretones oscuros matisados, pro-
prios para vestidos, roupao chambres etc.
que se vendem 800 rs.' o covado, assim
como a mesma fazenda em padres claros
proprios para vestidos e roupas de meni
nos a 640 o covado, sendo os padrn mais
moderaos que tem vinpo ao mercado.
Chitas francezas
Para a loja do Pav5o chegaram as mais
finas e bonitas chitas escuras, propriameqte
francezas. e vende-se a 500 rs. o covado.
Touquinhas de fil, ^apatinbos bordados crianzas,
e meis para ditos. Diversos objectos de porcelana, proprios
Camisinhas bordadas para ditos. para enfeites de mesa e de lapirras.
SOBWMENTO PAKAl FESTF
Ven-se por menos do 10, 20 30 9\0
SO' NO
AlliUI CONSERVATIVO
U. 23Taxgo doTerpo.N. 23.
DE
SIMAO DOS SANTOS ft-t
Os proprietarios deste bem sortido armazem de seoco e molhados esto re-
selvidos a fazere urna grande diminuico de presos as suas mercadorias, como se apro-
xima a festa e sempre_ se fazem avultadas compras para.o centro e praca, por
aso previnem ao respeitavel publico em geral, que mande fazer suas despenca e cer-
tos de que verao a grande differenca em pregos-mais do que em outra qualquer parte
e -garantindo-se as superiores qualidades.
GAZ AMERICANO 85500 a lata, e 440 j SEVADINHA E SAG 280 rs. a libra e
fs. a garrafa e-660 rs. e litro. 620 rs. o kilogrammo.
VINHO VERBADEIRO FlGUEIRA 5601 FARINHA DE ARARUTA VERDADEIM
a garrafa, e 45500 a caada e 800 rs o ti- 640 a libra e 15400 ti kilogrammo.
0 Campos da ra do Imperador n. 28,
no intuito de servir satisfatori mente aos
seus innumeraveis amigos e freguezes, cm
particular e em geral ao rcspeita'vel publico,
desta cidade ; avisa aos que estiverempas-
sando o tempo calmoso, nos deleitaveis
arrabaldes desta capital, que trm resolvido
vender, de de superior qualidadr, a precos
razoaveis, os seguintes gneros a saber:
PARA CIMA DE APARADORES
Latas com doce em calda de diversas
qualidades nacionaes e estrangeiros.
Ditas com- peixe a saber; salmn, ostras
e (agostas.
Ditas com ervilhas francezas e portugue-
zas.
Ditas com gela franceza.
Cerveja franceza verdadeira Bobee.
Presunto para fiambre e afiambrados.
PARA DISPENSAS
Latas com chouricas novas sendo de 85,
cada urna.
Presuntos de Laraego para tompeiro.
Cuias do Para (pintadas pelos indgenas
daqoella provincia.
Copos de vidro com dobradica e tampa
para diversos misteres.
PARA OS QUARTOS DE DORMIDA
Porta-phosphoros ebeios de phosphoros
de segnranfa.
PARA SALA
Churutos de S. Flix do afamado fabri
cante Costo.
Fumo picado do Daniel de S. JoSo do
Rio de Novo.
Alm desses gneros, o Campos tem con-
.viccao de que o seu estabelecimento um
dos que podem satisfazer com garantas as
exigencias bem entendidas, dos Ilustrados
habitantes desta heroica provincia, porquan-
to sa acha elle bem prvido de gneros su-
periores, de maneira a nao desmentir
0 Campos.
COGNAC.
De superior qualidade da moi aeerefita*
da fabrica de Bisquit DuboocM 4C,
cognac urna, das que mais agaardeote t
cognac, fornecem para o codsmb
Reino da Inglaterra.
Vende-se em casa de Th. Just. tm da
commercio n. 32.
^ ENDE SE oo arrendase o eng*niK-
S. Gaspar, kilo na fce^uczia de SerinhaVtn.
comarca do Rio Form.iso, proxiu>o do ?
barque, com grandes partidos de paol
massap i roda da emenda, mallos mango*
para madeira nerssaria, bom pasto, fte.:
a tratar na run d'Aurora n. 26, oo na i
Imperador n. 20.
Vende-se nm rtabeleeinento de rar-
| ros de pa? sem, ero boa localidad*, por
BM seu dono nao poder sear--e rmpr
5 n'elle. Assim como so ft soeiedade rom
HJ algnma pessoa que qneira : tratar aa
I rna Dircita o. 47 loja.
iffis-Ba*ae-BM
MILHO
Vendo-se no trapiche Bario do LtvrawMln se-
eos com millii i, boa rarcaria e p^r num 4B
em outra qualipicr parte.
tro.
DEM DE LISBOA das melhores marcas,
460, 440 e 500 rs. a garrafa, a 2580 e
35200 a caada, 660 e 720 rs. o litro.
1DGM BRANCO DE LISBOA a 45000.
a capada e 560 a garrafa, o 640 rs. o litro.
VINAGRE VERDADEIRO DE LISBOA i
200, 240 e 320 rs. a garrafa, 15400,
15800 e 25200 abanada,
AZBITE DOCE DC LISBOA 900 rs. a
garrafa, e a 75 a caada, e 15340 o litro.
MANTEIGA INGLEZA FLOR 15400 e
15280 a libra, 35060 e 25780 o kilo-
grammo.
DITA FRANCEZA 960, 900 e 850 rs.
a libra, e 100, 15980 e 15860 o kilo-
grammo.
DITA PARA TEMPERO 560 re. a li
bra, 15220 o kilogrammo, em porco se
far abatimeato.
BOLAXINHA INGLEZA MUITO NOVA a
400 rs. a libra e 800 rs. o kilogrsmmo.
VELLAS DE ESPARMACETE 720 rs. o
raasao. em caixa ba a batimento.
PHOSPHOROS DO GAZ E DE SEGU-
RANCA, 280, 400 e 560 rs. o masso,
30200 e 65500 a groza.
AME1XAS EM LATAS E CACHINHAS
DE MUTOS TAMANHOS 13280, 25500
35500,45500, 55500 a lata e a retalho e 15
a libra.
GOMMA DE MILHO AMERICANA 400 rs
o masso, e em caixa ba abatimento.
BATATAS NOVAS DE LISBOA 60 rs.
a libra, em caixa faz-se abatimento.
SERVEJA INGLEZA MARCA II 5,5(500
a duzia e 500 rs. a garrafa.
DEM BASS, VEBDADEIRA IHLERSd-
BELL, 800 rs. a garrafa e 95 a duzia.
VINHO DO PORTO ENGARRAFADO DE
BRACO DE OURO,
Ra do Imperador n. 26
Neste nove estabelecimento encontra-se
diariamente um variado sortimento de bo
linhos para cha, pastis, podin>, bollos in-
glezes, paesde l. presuntos, ditos tm fiam-
bre, superior cha Hysson, preto, e miudi-
nbo. Vinhos finos de todas as qualidades
conage, licores, conservas, champagne, cer-
veja inglesa, fructas muito boas, por-
tuguezas e francezas.
Um completo e variado sortimento de
caixinhas de todas os gostos e precos para
mimosear senhoras, estas caixinhas recen-
teroente chegadas de Paris sao de primor a-
do gosto, oeresse-mo-las aosgalanteadoies
do bello sexo pois nellas achario nm digno
e serio presente para as donas dos seus
pensameotos. Tambera os apreciadores da
boa fumaca encontraro charutos dos me-
lhores fabricantes da Babia e de Havana
sganos do Rio de Janeiro etc. etc.
Doces d'ovos seceos, christalisados o de
calda, ditos de caj e de outras qualidades
Nesta casa recebem-se encommendas para
bailes, casamentos e baptisados e qualquer
encommendas avnlss, como seja p3o d" l
e bollos enfeilados e outros muitas comas
que enfadonlio mencionar.
Pili VEMIER
Duas casas terreas em Olinda, si-rnlo:
urna na ra do Bom-flm, com quintil ren-
de leudo arvores frutiferas, como sapolrs.
etc. ; o outra na ladeira da Misericordia
lambem com quintal, ambas cm lerrrm^
proprios. A* fallar com o Sr. \ngelo frp-
lista do Nascimento m Olinda, ra de S.
Pedro Novo.
Loja do passo
Os requissimos corlea de blondo de dz ro:i>
manta e eapt'llt para easameMo, sendo iK>t' ar-
tigo o fjno sfl pode de?ejar de iniflhor e mai mo-
derno, tamht'm etwgaram os aarin de Mda rt> rft-
res novidade, e oMru muitas r.izrmlaf de ew-fa
que eheparam pelo ultimo vi por franez, s para
a loja do Pas Leque de madreperola rom seda, e t- d.- dv
madreperola, muito proprio para u i as, rl.jra-
ram a loja do Panw a ra do Crespo n. 7 A as-
sim como requissinios etelH de tou|Oim d# lo-
aas as eores, ve?luanos bordados d. rariihrai
para b.-.plizidos me as de escocia (uovkladf j iua-
to bonitas para usExmas. Sras. que gostam andar
de sapatinho raso e uniros milito* artigo df p a>
lo que os proprietarios deste esUbclecimento terr
recebido.
ESCRAVOS FGIDOS.
Attenco.
Tendo fugid, ha dias a eserava Agi.id.i, i-abia
de 2o anuos, mais ou menos, um pouco magn r
vega, com o m n.e raposas de Then/a, \-i? ?*
a quem a poder premier o obsequio d.i I.
a sua scnln.ia .-, Binia. Sra. Haroneza Ja Vii-
ra da Anrora n 't.
Aviso is
iilordadfs polieiafs
i\um competir
BANHA DE PORCO DE BALTIMOOR DIVERSAS MARCAS 10500, 14200, 10 e
720 rs. a libra, o 10560 o kilogrammo, cm 800 rs. a garrafa.
Na loja e arraa*m 4q Perito rvi da Imperatriz n. 60,
por?ao se far abalimento.
ARROZ DO MARANI1AO E DA INDIA
120 e rs. a libra, 260 rs. o kilogrammo e
3$400 a arroba.
ALPISTA 200 rs. a libra e 440 rs. o
kilogrammo, e 63000 a arroba.
CAF EM GRAO 60 e 60500 a arroba,
200.240 e 260 rs. a libra, 440 e 520 rs. o
kilogrammo em sacca se far abatimento.
SABO MASSA 240 e 200 rs. a libra,
520 e 440 rs o kilogrammo, em caixa se
faz abatimento.
MASSAS PARA SOPA, MACARRO, TA-
LHARIN E ALETRIA, 560 rs. a librare
10220 o kilogrammo.
BOLACHINHAS EM LATAS DE*DIVER-
SAS QUALIDADES, bem como perola bri-
Ihante, combination, Francy-cracynel, mixed
Britania. Mdium, Fancy-nic-nac, a, b, c, c
soda a 10000 e 10400, cada urna lata.
Assim como ba outros multos
GENEBRA DE HOLANDA E HAMBUR-
GUEZA 70 o 60 a frasqueira, e 500 rs. o
frasco.
DEM DE LARANJA DOCE AROMTICA,
110 a frasqueira e 10 o frasco.
QUEIJOS DE DIVERSOS VAPORES,
30 mento.
TOCINHO DE LISBOA MUITO ALTO
400 rs. a libra, e 880 rs. o kilogrammo,
e 110500 a arroba.
LINGUigAS FINAS PROMPTAS EM LA-
TAS 10000 rs. a lata.
LOMBO DE PORCO ASSADO JA PROMP
TO a 10000 rs. a lata.
CHA FINO. GRAUDO E MRJDINHO
30200 e 20800 a libra, e 60100 o kilo-
grammo.
IDEMPROPRIO PARA NEGOCIO 20000,
202OOe 10800, rs. a libra,
gneros, vinho em ancoretas, azeitonas,
iiimini
Resta venda um escolliido sortimento de ob
leetoa de marcineria, como sejam, mobilias de ja-
iarand, mogno eamarello, obra nacional e estran
jeira, de apurado gpsto e por presos razoaveis:
aa ra estreita do Rosario n. 31. Nesta mesma
asa fazem-se com perfeicjio todos os trabalhos d*
palbinha, como sejam, empalhamentos de lastro-
jara camas, cadeiras e soplts.
Cal de Lisboa
chegada no ultimo navio, tem para vender Joa-
quim Jos Godcalves Beltrao, no seu escriptorio
ra do Commercio n. 17.
muito novas, passas e figos novos, charutos de diversas marcas, marmelada, feita pelos
melhores conserveiros em Lisboa, gela de marraello, pcego, ervilhas, em latas, por-
tagUHzas e francezas, vinho verde engarrafado retalho, peixe em latas, bem como
pescada, tainha, pargo, goraz, lula, corvina, vezugo, cavalla, sarda e sardinhas de Nan-
tes. Oanella, cravo, ervadoce, cominho, pimenta, grandesmolhos de sebolla 10500.
Finalmente muitos outros gneros que enfandonbo meociona-los.
PARA A FESTA
3 portas, loja de fer agem
53--B.ua Direita--53
Neste pande estabelecimento, ha para vender
um completo sortimento do ferragem, e miudezas
Anas e grossas, como sejam bandejas chinezas
qaadradas e ovaes, facas e parios de 1 2 be-
toes, bataneo inteiro e 1/2 balanco; panellas, cha-
Iheira, cacarollas, fripideiras, assadeiras, tanto
de ferro como de porcelana, moinhos para caf de
diversos tamaitos do fabricante Japy, peaos kilo-
grainmos, tanto de ferro como de latan, metros
CEMENTO
PORTLAND.
Vende-se no armazem amarello de Vicente Fer-
reira da Costa & Filho, defronte do arco da Con-
ceieio. em barricas grandes
CIMENTO
Da melhor qualidade e por menor preco
que em outra qualquer parte, vendem Ama-
ral, Moreira d- C. em seu armazem do Caes
para medir fazenda tanto de ferro como de latao, fa Alfandega n. 7.
alilre, bren, barbante, enxofre, papel marca va- ---------------------------------------------------------
do, do verdadeiro Plcardo, machinas para desea- Vendem-se dnas rasas na freguezii de Santo
rocar algodao; alm de fluirs" artigog de trra- Amaro de Jaboatao, sendo urna na rna da Matrir
gem, miudezas outilarias ln, que s eom a iris- da mesma freguezia, e outra contigua Mra :
ta se verifica; na ra direits n. o3 loia dtt 3 por- quem pretender dirija-se a ra do Imperador n.
tas de Muoel Benf do Ollveira Brafi c. 57, entrada pelo cae* 22 de Novembro.
Sheumatismo e moles-
tias syphiliticas.
Arrobe vegetal, xarope de salsaparrilha
do Pata, pilulas o xarope de veame, tin-
tura e xarope de sirupira.
Dcunis do ligado Hm;o, ane-
mia, opilado, ete.
Emplasto, oleo, pommada tintura, pi-
lulas, xarone e vinho da milagrosa Juru-
beba.
Sezftes on Pebres intermitentes
As pilulas anti-periodicas de Pinto.
nico deposito destes medicamentos na
pbarmacia de seu autor rna larga do Ro-
sario n. 10, junto ao quartel do corpo de
polic a.
NA PHARMCIA DO PINTO RA LARGA DO
ROSARIO N. 10 JUNTO AO QUAR-
TEL DE POLICA.
Acham-se constantemente promptas a
ser ira satisfeitas, as prescripcoes dos Srs.
facultativos, e as necessidades dos enfermos
s especialidades da mesma pharmacia.
coraposta de meiieamentos, tanio indge-
nas, como estrangeiros.
Tot-ses e molestias do peito.
Xaropes de fedegoso, rabo de tat,
Acriao, pao Cardoso, juca, mulung, u.u-
aml)a, etc, etc._________________
Liquidaqo.
O proprielario da loja, denominada Garibaldi,
faz ver ao respeitavel publico a seus freguezes, que
tendo concluido seu balando, como de coslume
dar-se no fim de cada anno, e tendo o mesmo pro-
prielario feito diversos abatimentns em suas fazpn-
das para servir seus freguezes, como sejam algu-
mas abaixo mencionadas, a sabei : madapolu
54 e bom, algodao pessa 4> e i, chitas france-
zas a 280 o covado, cassas francezas a 240 o co-
vado, alpacas de cores para vestidos a 300 o cova-
do e outras muitas fazenda* <\ae seria enfadonno
mencionar por falta de tempo, fazendas pretas para
a quaresma a saber : grosdenaples prelo de to
das as qualidades, panno fino preto de todas as
qualidades, caxemiras pretas o de cores e outras
muitas fazendas que se vende sem reserva de pre-
co na ra da Imperatriz loja do Garibaldi n. 56,
em tempo para nao haver engao na frente da lo-
ja do Garibaldi baver dous letreiros de liquida-
co em lettra grande.
e a
No dia 2!i de maio do crrante n
fugio o escravu Ezeq&iet, crioolo de ;>()
aunos de idado, estatura recular, rafm
cor bem ptela. cabera retionda, traja\a >,
mi-a azul e calta de casscniira dnmiUl :
durante n dia cosluma andar gaoliaiirio um
ras, ou-em armazms oV awocar o;i tr-
berpas a conversar e a brber; dirant- a
noite recollic-.'o a laihtirM abertos, ou pr-
netraveis, a casas om construefo e ou*M
quaesquer lugares, pnde se possa abi ..
quem oappreheuder tenia a bMUii o
coodtaia a ra da Aurora n. 26, ou i,.i M
Imperador n. i, nude teri ratifi-ado.
VV1S0
Fugio no dia 21 do corrciile mez de dez roftj
do sitio da Punte d>' Deba, o eserava Virtoriak.
filho do serlfi do Ico, preto fula, baixo. Uadc i
a 18 annos, vestidn com calca branca, |,|i.
algodaozinho curia, chapeo do chjle de aba
bastante ladino, costuma a embreagar -e. falla
com humildado.: pede-se, portanto, as aataria
des ptdiciaes e aos capities de campo a raptara
do referido esclavo, e de entregar no sitio d.. IV-
te de Ucha, de Jns Moreira Lopes, que rwiifcen
1003 dp gralificacao.
Fugio no ilia l i un Janeiro, o gralra-'
nerosamento a quem pegar e levar a s*-u seatMi
Dr. Virginio Carneiro d. Cunlia Albuqn< i tn>.
morador no enanho Fumas da freguezia da Saa-
to Amaro de Jaooali, o esrravo Joaquim de San-
t'Anna, preto, de ine 26 aun s. burando, ^toin-
ra regular, um pnuco espad.do e' Utfn, > !ii
pequeos, lvj e um pou:o brancos, dentis pn-
feilo^, alvos o limados, rabee* uc-iurua, ps n i -
regulre>, dispostu o espert para qlialqu -r >. r-
vien, falla vagarosa c trsa ou chcia, an lar ao
quiuho cangue.To, o'eve h-r* marras de feri'la- m
pernal de ferros que levon, e cicatrizes as c..i,
e assento de chicote, fi i comprado an bai .i de
Nazareth, e este comproa oSr. Jo.< M'gnel |
man), que o Irouxe do Rio Grande do Norte, a aiii
comprou ao Sr. uapitao Frederico, morador M
villa do Pao do Berro, e seu pai o rapitao Fi n.a.i-
des comprou ao Sr. Manind Thomaz da Sila mi-
rador na villa de Porto-Alegre, sendo r(*
escravo naimal do Inga da provincia da Paiahjbj,
viajnu principalmente 03 serldes de lng;7.'ira*c
Paje, onde tem d-us senhores mocos por 1
Marcolino e Canillo. Serra Talbada, rUaae ik:
Souza, Serra dos Martlns, etc. etc. : previne-o '*
quem prender o refer do escravo, qne sendo do
centro da provincia da Parnhyba, o enlngne an
Dr. Jos Paulino de Figoeiredo, morador na cid.,
dedo Scuza. ou ao rapitao Joaquim Saldaui.a, na
fazenia do Mulnng, no riacho de porros, no ca*o
de nao querer lraz-;-lo ao sen referido senbor.
' Elisio do sitio lipirus>u', rregtiezia de \9tx0
rassii. a esrravc Tlumiaz, crioulo, a idsn!
nos, altura regular, c-r,*,o cheio, barba grande,
denles limados, falla manya, ps largos, lera utna
marca navfacr, Icn camisa de madapoln e calca
debrim p-rdo, desappareven no dia terca-Wta.
II do correnle. e presume-so qne tenba ion
.; deslino de I'aneilas de Miranda, d'omie \niJ,
sendo aqni vendido polo Sr. Venancio Jos F> rrn-
ra da Cruz, morador no dito lugar : rogase a
quem o apprehcnder o favor de leva lo ao d-v,
lugar a entregar a seu senhor Antonio Rndrigu-
Cimpello de NMIo. que ser recompensado
Vndese burracha de primeira qualidade.
para limas de cheiro, tanto a retalho como em
qualquer porcao : na roa das Trincheiras, fabri-
cas de pentes ns. i o 8.
Vende-se a roUnaelo na ra d- Arago n.
19, com todos os pertences: a tratar na rucsuio,
cu no beced do Jo3o Fran::o n. 7.
No dia 1 do coi rente fugio do engenlm Ca-
choeira Tapada do abaixo assignaxki freguezia da
Escada o escravo Clemente coro as signaes s*>{iiii-
tes : mulato escuro, alto, barbado, bom ri.rp-j,
pode ter 25. annos de idade poneo mais ue mr-
iios, es se escravo foi comprado so IMm. Sr. Dif-
natario Antonio de Souza Leao do engenho M-i,
nos, levou roupa bistante, anda como forro
eado do borzeguin-, calca, a'iaeta e comisa
gomada, c diz chmnar-sc Manuel Antonio. J
teve no engenho Dflja Flor, e nutro eom
do Manoel, 6 novato e carreiro. Roga-se p"
autoridades pc.iiciats, e c
captura, e quem o pegar e levar ao abaixo a-
oado sera bem recompensado e jalga-se etie
ido para os lados de Agua Pr
Tbom Joa>rMD de Oliveira,
\


w
8
IIYTEBATRA,
LMMbranfM
l'MAUWA MMMMA. )
T alambras i ada andaluza
D'aqnedj or que ra<* deste
No da rta Gauceico .'
rindo.-toaquinaa o b II:,
Km trsonhai n ora instante
ni afleicio.
Te afombras eorao nn olhastc
V fir;i. mimo** v terna
Qttando a beijei
K do que Mulo hw ilitesle
thei< de doce V
Quando a gitardeit
Te alembras quan-lo na dansa
Fallamos da avr, do 0 >rs
Do poeSi?
K di) quo amb >s ui pensamos
Acerca dos magos lacas
Da sympatbu.
Te siembra como geladas
Tinlias as mios paqiwnkas
Otando di ia*:
a eve ssr mui venturoso
? Ouem goza de mu puro autor
As prira Te alumbras do que Qzesie
Qqando volteado ao jardim
Mo perguntasie :
p.ir que pas noules de amor
So retrtala afevtina
Na sii'hasle?
Eras tratan muito joven;
p'ra ti o mundo nio tiolia
Piantos nemdores:
A primavera era eterna
E tu vias sorveudo
O mel das flores.
Fri i'opossivel dizerie
Cu*> eu sonaara contente
Um puro amor;
Frl maior impossivel
Dizer-te como esse fogo
Nos ewat dor.
Gas ento muito joven
Para ma ouvires com calma
sein cilicio;
ii -je eu puilera explicar-te
gusas perguntas de outr'bora
Sem receio.
Mas fura isso attentar
'tfitra a pureza da alma
Qje pussues,
Perturbando a limpidez
Do seus vastos boiisontes,
Sempre azues.
Por isso, linda andaluza,
Preliro esses segredos
Revelar-te,
Quando amor, salisfazendo
As acias do peiio meu,
A' mim juntar-te.
Diario de Pernambuco Sexta leira 21 d

Jaii
i---------:--------:________________
para a m rratrimos a fattar
tara
quem ja Dio tem fulero a grammiiica da
vida.
Yaz estava assentado n'm*cadei#a de
espaldar, toda Trrala de couro, igual as
que ainda hoje se encontrad as sacristas;
e eu o tendi-me em um sof tambem de
couro. Ambos fumavamos dous escollen
charol
sent algus das antes
charutos que me havia n mandado de
or-
AvConversa, pouco ariinrmla ao orina,
foi esmorreend cada vez inais. at ltft
6 elle, sera deixariims' o charuto da boca,
erramos os othos e futramos no estado
a que alludi actmi, otmndo os ralos que
ipasseavam no forro da casa", mas nteira-
j mente esquveidos um dn ootrft.-
Era natural passanm tfalli ao somno
completo, e eu l ehegtria, se n>ovise
ber porta tres fortissiina* pancura. Lef
vantei-me sobresaltado ; Vaz continuava n
mesma posicao. o que mo f estivesse dormindo, porque as pan adas du-
viam ter-lbe produzdo a mesma impressio
se elle se achare meto acordado como eu.
Fui ver quem me bat a piirta. Era un
sujeito alto e magro embocado emum ca-
pole. Apenas Ihe abr a porta, o hornera
entrou semine pedir liceaea. o nem dizer
coasa nenhoma. Esperei qoomeerpuzeiwe
o motivo da sua visita, o espere? debaliio,
porque o dsconheci'lo seol'.u-se eemraod-i-
mente n'uraa cadeira, er-isou as pernas,
para a rainlatoca, du-minlu
l-ia, moca do vinte don_
nh ira de urna riqueza i
so, porque a minba na
Eu me espantara do'
va entre afiqaezi
conliecido leglo tivosso
qie tratad cora um
lava a ver era o
pela porla fura ; mis
alginn conflicto, o9H
lado daquilh ludo.
Entretanto p;>rgurrtav
tilda
Ensc-
Vitti-me com vagar para dar lompo a
que algmn incidente int rnuuper
aquella scena desagradavel para iuiiu. Alia
sfava trmulo nao atinava com
maneira de a

como que
raes m o
ivos deixaran
miliar um dM^liittUi al a pomdomeu
quarto, apesar das bi4is e^aeiaiis qiu en
havia dado em contrario. Ja eu eilMilDva
mentalroentn anatureza do castigo que Ibes
daria por causa de lamaiiba incuria ou cora
fjlicidade, quando o deajeuhetiUo airuu-ma
estas palavras a cara:
Antes de morrer qaieroque o seuher
se caso com liusebia; esta a proposta
que venlw lazer-IUe; soiub que, w ciio
de-aceMar o casamento, jia-pii liu 4iM
este oafo de notas do bnco para> allioe-
tes, e ne caso 4o recusar mando plesioento urna bala a cabera com-fete ve-
wolver qt>e aqui trago
E pz sobre a mesa o ma$o de bi-
lletes do banco e o revolver engati-
Ibado.
A scena tocaava um aspe:lo dramitien.
It-iO meu pnmeiro irapeto fui aconUr oDr.
na roa,
om poli
rou o hapo e comfciu a tocar* cem o*
dedos na a pa do diio chapeo urna ctmsa
que eu n3o pude saber o que era, mas que
devia ser algmua ympbonia de teudos,
porque o homem pareca vir direitinrio du
praia Vermelha.
Re'anceei os olhos paia o mea amigo,
que dorma a somno solt na cadeira de
espaldar. Oj ratos continuavwn a sea sa-
turnal no forro.
Conservei-rae de p durante poneos ins-
tantes a ver se o desooolieeido se resolva
a dizer alguraa cousa,- e durante esse ternpo.
apezar da mpressao desagradavel que o
hornera prudtuia era mim, esamiaei Ibc a
feces e o vestuario.
J disse que vnln embrulhado cm um
capote; ao sentar-se, abrio-se-Uw o capote,
e vi que o hoinem calca va urnas botas de
couro branco, vesta calca de panno amarello
e ura collet verde, cores estas que.se es^
ti b'in n'uma bandeira, nSo se pode cora
justica dizer que adornein e aformosera o
corpo human-.
As foi(5'S rao raais estranhas que o ves-
tuario. Tinlia os olh'S vysgos, un grande
bigodt, mu nariz moda le Cesar, boca
rasgada, qneixn saliente e beieos rKOS. As
sobranctlhaseram tartas, as posUmaslongas,
a testa esireila, coramlu ludo uns cabellos
grisalbos e em desorden.
O desconlifcido, depuH de locar a sua
msica na copa do chapeo, levanteu os oihos
para mim, e disse-me :
Sente-se, meu lie i senhor l
Era atrevimento receber eu ordena cm
minba propria casa. O meu primeiro devur
Vaz, a ver se ajudado por ellepuidu olu>-
mem pela porla fura; mas reccici, e com
razio, que vendo ura gesto meu nesse sen-
tido, o descoiiecido esecalasse a segunda
parte d,. seu diaourso.
S ba-ia um meio: ladear.
Meu rico Sr. Tobas, intil dizer-
llie que eu siuio iraraensa satisfaco com
a proposta que me faz, c esta lango de
mira a idea de recusar a mo de lo for-
mosa creaiura, o mais os seo cotilos de
res. Entretanto, pego-Uie qoe reparo na
minba idade; teuho setenta airaos; a Sra
D. Eusebia apenas coula vinte- dous. N5o
liie parece uia sacrificio isto que varaos ira-
pop a sua filha
Tobias sorrio, ollioi para o vewolvor,
e entrou a tocar cora os dedos na copa do
chapeo.
Longc de mira, continuei cu, a idea
le olende-lo; pelo contrario, seeu cousul-
lasse nicamente a minlia ambicio nao di-
ra palavra; mas no nleresse dessa gen-
tilissima dama, que eu j vou amando ape
???
Janeiro de 4870-
A VIDA BfKUXA.
opiniao unnime que nio ha estado
mparavtl quetle que nem somno, nem
vigilia, quando, desafogado o espirito de
aeTiicfOos, procura algum repouso s lides
4a existencia. Eu de mim digo que ainda
fcj achei hora de mais prazer, sobretudo
piando tenlio o estomago tatisfeito e as-
piro 4 futnaca de ura bora charuto de 11a-
aua.
iapqiff de urna oia copiosa e delicada,
um cjiopanlia do mm escolente amigo o
Dr. Vaz, que me appareceu em casa depos
ie d>is annos de aaseucia, fomos cu e elle
dciufva ura olhar
oe lia tra'h'quillamen-
Cervantes.
onze horas.
o lombrou-mi que. urna vez
eu tor o recurso de encontrar
a quem communicaria a minba
siiuacSo, coosegtihido vii-umlivre do meu
importuntf*8ogn>,
tkitriareciiWvi havi. a melhor que esse,;
vinba a^ter seorda- o Dr. Vaz na occasiio
'ja paftida (enusa natural) e ajudado por
elle desfazer-me do incgnito Tobias.
^uotivamootii, vasti-m-) o mais depressa
que pude, edeclarei mi a* ordens do Sr.
Ttiae, que feeou o livro. po lo na
eUntt, rebocmi-se no capote, e disse:
Varaos!
!- Po^o llie entretanto para acordar o Dr.
Vaa, que nio pode ficar aqui, visto que
tem de vultar para .casa, di*e-lhc eu dando
ua passo para a cj Jeira onde dorma o
Vaz.
Nao preciso, atalhou Tobas ; velta
mus dentro de pouco lempo.
N5o insist; restava me o reerso do po-
licial, ou de algum escravo se pudesse fal-
lar-lbe a.lempo; o escravo ora impossivel.
Quando sahimos do quarto o desconbeido
deu-rae o braco e desceu coruigo rpida*
mente as cicadas at a na.
A porla de casa havia um carro,
Tidas couvideu-me a entrar nelle.
Nao UmiIo previto este iiitideiito, senli
fraqoer-me as pernas c periji de todo a
esperaiip de ufcaaar lo meu algez. Re-
sistir era impossivul e arriscado ; o humera
eslava armado cora um argumento podero
so; t alora disso, pensava eu, nao se disju-
le ora um doudo.
Entrames no carro.
Nio sei quanto tenido andamos, n.?m por
que catniabo (oaos; caiculo qui nao ti*ou
no Rio de Janeiro canto por onde nio pas
sasseraos. No flm de longos e afTIi livos se-
culos de angustia, parra o carro diante do
uraa casa toda Iluminada por dentro.
aqui, disse o meu companheiro,
dosgamos.
A casa era um verdadeiro palacio ; a en-
trada era ornada de columvis de ordem
drica, o vestbulo calcado de marmore brau
tambem velb
Iicaadu o mordumo
Nunca me tu de
apenas %js me abri
era estrnho c raa
frente da porta de
guia de madeira inpt
(InStedo

rta-
da parede, com as azas abertas, e (iregn*
rando-se
penda
rior esl
assitn
ora es el
da aguia
espelho, cuja parle -tofe
s garras, conservando
inclinada que cosiuma ler
parede.
A sala nao era forrada-do papel, mas de
seda branca, o tecio'aftwtic^menle trabalha
do; grande eandeladroa, magnilica mobilia,
flores em profuslo, tafite, ludo emlim
qoanto o luxo e o gosto suggerem ao espl-
rito de um domen rico.
Os convidados eram poneos, e nio sei
porque coincidencia, erara todo3 velhos,
como o mordonw o lacaio, o o meo pro-
prio sogro; finalmente velhos como ea tam-
bera.
Introduzdo pelo criado, fui logo corapri-
mant'do palas pessoas presentes com uraa
attencio que me dispz logo o animo a qoe-
rer-Hies bem.
Senti-me,n'uraa cadeira, e vierara reunir-
se era roda de mim, todos risonbos e satis-
f-tos por ver o genro do incomparavel To-
bias. Era assim que cliamavam ao hornera
do rewulver.
Awudi como pude s perguntas que ms
laziara, e parece que todas as ranhas res-
postas contentavam aos convidados, par-
quanto de minuto a minuto choviam sobre
mim louvores e cpmprimentos.
Um dos convidados, hornera do setenta
annos, condecorado e calvo, disse cora ap-.
plausos geraes:
0 Tobias nao podia encontrar mslhor
sita.
quan<
Dr. '
porta
Ima-
na os
nodo
^^oba visto em
^J^^M^^^^^^^^^K gestos
L
No flm te oo^
para dar entrada
ginem o meu pasmo]
olhos do m*itti
abafar um 9HB0 4r[ Var
elle.
Tu aqui.
Ingrato; reeponde rrindo o Va,
cosa e nio convidas ao' leo prneiro ami-
go. Se nao toss3 esta carta ainda eu li
estara no ten quarto 4 espera.
Qoe arta ? peruntei eu.
O Vaz abri a carta que trazia na aun e
deu-rae para lar, eraquanto- o convidados
de longe conteraplavam a scena inesperada,
tanto por elles com > por mim.
A carta era de Tobas, e portWpava ao
Vaz quo, tendo eu de casar-me naqucUa
noite, toma va a elle a liberdade de coovi-
dal-o, na qua'idado de sogro, para aaitlr
ceremoraa.
Comoviesle?
Tea sogro mandou-rae um carro.
Aqui fui obrigado a eenfessar toental-
raonte qoe o Tobias merema o titulo de
incomparavel, eoeao Eneas o de pi. Com-
prehendi a razad por que rio qoiz qoe ea
o acordaste ; ara para caoaar-me a sorpresa
da vedo depnis.
Como era natural, quiz o raeu amigo que
eu Ihe explicasse a historia do casamento,
to subil i, e eu ji me dfcyntnha a isso,
quando a porta se abri e entrou o dono
da casa.
Era outro.
J nio tinha as roupas exquisita* o ar
era mandar o sujeito embora ; comtudo, o eu aquella alternativa, senao aceitar a mo-
sar dos raeus setenta, no interesso della co e preto, o illuraiuado por um magnifico
que eu llie observo a disparidad* -que en-
tre no existe.
Eslas palavras disse as eu em voz alia a
ver se o Dr. Vaz acordava ; mas. o meu
amigo conlmuava mergulhado na cadeira e
110 somno.
Nio quero saber de sua idade, disse
Tobias pondo o chapeo na cabefa e segu-
rando no revolver; o queeu quero que
se c^se com Eusebia, e boje mesmo. Se-re-
cusa, malo-o.
Tobias aponton me o revolver. Que faria
tom em que ele falln era to inlimativo
que eu insensivclmente obedec e fui seu-
tar-me no sof. D'ahi pud ver melhor a
cara do hornera, luz do lampefio que pen-
da do tecto, e achei-a peior do que antes.
Chamw-me Tobias e soa formado cm
mathematicas.
Iuclinei-rae levemente.
O desconhecido continuou:
Desconfo que hei de murre- amanbia;
nao se espanto ; lenta certeza de que ama-
nuia vou para o outro mundo. Isso o
menos; morrer dormir, (o din, to sleep;
entretanto, nao quero ir doste mundo s m
cumplir um dever imperioso e indspensa-
vel. Veja isto.
O desconhecido tirou do bolso um qua-
drinho e eniregou m'o. Era urna miniatu-
ra ; reoresentava urna mora formosissima
de feces. Restitu o quadro ao meu
interlocutor esperando a explicado.
Esse retalo, conlintiou elle olbando
FOLHETIM
OS CASACAS PRETAS
ROMANCE
POE
Paulo Fval
Terceira parte
A FLOne^Tt DE P4RIS
XII
# Ibraf al larrado.
(Gontinuacio do n. t)
Se nia fera a idea que ti vemos, o
coronel e eu, de loe furlar as voltas, diri-
gimlo Ihe as wispeitas para o bario Sch-
wartz, quera sabe o qn> elle houvera ten-
tado couli a n6s ? Alina! de contas, um
tooineiu. Soube evitar l) bem a forca em
L> lares cmo a grillieta en Franca. Mas
contra dous Drichos da minha laia e da do
eiirmu'l, nreciso s. r mais que homem.
Bhb sequer aes acercarmos d'elle, despeja-
anoibe una carrada de trra nos o hos !
O bari Schayartr. estava em Caen na nou-
te do r.iujo: Majraotte sabia-o ; o baiao
Si-,uW4riz, um anao depois, tinha de seu
Matruoent>N mil Nkos, quando casou
&jx a Julia. Por outro lado, aquelle ca-
saue>t>> era a defesa d'ella. A Julia tinha
urna lilha. Gostava talvez do novo ma-
ri...
Com mil diabos f urna razio d'essas
era p.ra espipotar t
Nao f^lam -parvos...
O Si. L coq que de cerlo nao era
parvo ; ^presentara rafl vezes as suas pro-
vas romo a te* horas ba, porm, em que
acom.uoci victoriosa domina os mais iu
velerados wstames diplomticos.
Aj palavra* pronunciadas pelo Sr. Lcco
erara oas e mui proprias para dissimular
a.iupreiua a|itaJo que o pun-jia. Pro-
wiuciavtf-iis, por'B, mal e os continuos
estr jiu. ci'iawiU* dos msculos desmentiam-
Ibe a ii'anqua garruHee.
Faiava pele cutovetlos, mas trema-I he
a ?'eerc qu'? desde cerca de um
aliara, nao eraj da impa-
taesar. travel oscuri
va-'oMe ameaca.
ts farfecia nao perceber aquelles
le prxima,
sem des-

ea e a riqueza, apsar de todos os incusos-
crupuloa ?
Caso exclamei.
Tobias guardou o rewulver na algibeira,
e disse:
Pois bem, vista-se.
J ?
Sem demora. Vista-se oqaquanto eu
leio.
Levantou-se foi a minha estante, tirou um
volume de D. Quizle, e foi sentar-se outra
vez ; e einquanto eu, mais m.rto que vivo.
candelabro de bronze de rma antiga.
Subimos, eu e elle, por urna magnifica
escada de marmore, at o topo, onde se
achavum ditas pequeas estatuas represen-
tando Mercurio e Minerva. Quando c!ie-
gmos all o meu companheiro disse-me
apontando para as estatuas :
Sao emblema*, meu caro genro : Mi-
nerva quer dizer Eusebia, porque a sabe-
doria; Mercurio, sou eu, porque representa
o commercio.
Ento o senhor commerciante ? por-
guntei eu ipgnnuimente ao desconhecido.
FuLnegi^ciante na India.
Atravessuies duas salas e ao chegarmos
tareeira encontramos um sujeito vellio, a
quem Tobias me a presento 1 dizendo :
Aqu est o Dr. Camillo da Annuncia-
Cio; leve-o para a sala dos convidados, em
quanto eu vou mudar de roupa. At j,
meu caro genro.
E deu-me as costas,
O sujeito vclho, quo eu soube depois ser
o mordomo da casa, tomou-me pela mo e
ia buscar a guarda-ro'upa a nrnha casaca, o levou-me a urna grande sala, que era onde
do?conhecilo tomou uns oculos e preparou-
se para ler.
Quem este sujeito que est dormin-
do lio tranquillo ? perguulou e!!e einquanto
limpava os oculos.
EoDr. Vaz, jneu amigo; quor quo
Ih'o aprsente?
Nao, senhor, nao preciso, respondeu To-
bias sorrindo raaliciosameote.
suelte; ameafos de
Havia ora minuto, que ji o braco qu
Leco j tinha livre so nio fligava. Oouli-
uuava a|). 1 lando com a mo robusta os rins
do aleijailo mudava. porm, o senliilo
do esforco, de td arte que esse esforco se
tornava impotente para suslentar Tres Pa-
las. Aquella transformado op -rra-se gra-
dualmente e de case pensado. lira urna
experiencia.
E o aleijado, quo j nio era por elle
suslido, o aleijado, que devora lar cabi lo
sobre as pernas moras, conservavase de
pe !
Ahi tem, porque o Sr. l.ecoq falla va
muito, como todos que experimentara al-
guraa profu ida turbceo.
E ah tem porque em quanlo faUava a voz
se Ihe alterava e trema.
Quem era aquelle fiomem. Para que
luta atroz e ceca Ihe restitua ee o braco
que estava preso ?
Era tahez um amigo, porqie da parle
de um inimigo, o trabalho ell'eciuado por
Tres Patas lora rematada loncura. Mas
nio a philosophia de toda a gente que
guia sugeitoscomo o Sr. Lecoq, e ua du-
\ida, nio se contera.
Alm d'isso, acaba va de. brilhnr como
que um lampejo no espirito de Lecoq. lia
phantasmas que se veem em toda a parte,
e na espessura d'aquellas trevas, fulgurava
o pliamasma de Andr daynoite aos olhos
do Tolonez Amizade.
Tres Palas, sentindo sempre as cruzes
a pressio d'aquella mi robusta, nio ade-
vinhava talvez o que se passava. Tossio
mais uraa vvz, como se quizera sublinbar
a ultima conbssao, depois disse :
Venha a molhadura, patrio; est a
tarefa concloida.
O antigo commissario de polica e o ma-
gistrado ouviram efectivamente o som
metallico do bracal- que rangia aoabrir-se.
Em seguida,immediatanente depois uraa
voz, abafada pela ira, clamara :
Toma, ahi tens a molhadura!
Apezar da promessa que haviam feito,
as duas testemunhas d'aquella scena cor-
reram para acancella, qae lenlaram abrir.
Uaviam visto, nio com os olhos, qie a es-
curidao cegava, senio com o jostiucto, apu-
rado pela prolongada espera, hmiam visto
Lecoq aproveitar o acnar-se deemijaracado
para -alaquear Andr M ynotte.
E nao se trabara engaado
N'uui movimeuto rpido como o relm-
pago, Lecoq, depois de ter largado 0% ros
do sen Ib -nadir, des irregou-lhe iima fa
cada altufa je ., passo que elle jronunciava a*
jpaiawas que acabamos de escrevr-
sobre
voz do aleijado respondeu rente com o
chao :
O patrio, deixou-mo cabir 1
Lecoq, guiado pelo som, carregou
elle com ancia.
Eiitfio que isso, disse ainda a voz
socegada dt Tres Patas muitos metros
de distancia, assim c que rae agradece,
patrio ?
O Sr. Roland abanou a porta, que resis
to. Lecoq ouvio a bulla e orreu para
se achavan os convidados.
Apezar da profunda itnpressio quo me
cansava aquella aventura, confesso qu9 a
riqueza da casa me assombrava cada vez
mais, o nao s a riqueza, senao tambera o
goslo e a ai te com que estava preparada.
A sala dos convidados esta a fechada
quando l chegmos; o mordomo^bateu
tres pa -cadas, e veio abrir a pona um lacaio.
genro, nem que andasse com tima linterna
por toda a ciddde, que digo 1 por todo o
imperio; ve se que e Dr. Camillo da Ao-
nunciacio um perfeito cavalheiro, n)tavel
por seus tlientos, pela gravidade da sua
pessoa, e emfira pelos admiraveis cabellos
brancos que Ibe ad-irnio a cablea-, mais
feliz do que eu que os perdi Iu muilo,
Suspirou o homem cora tamanha forca
que pareca estar nos amneos da morte.
A assembla cobiio de applausos as ultimas
palavras do orador.
Arculei ura agradecimento, e preparei
immediaiamente os ouvidos para responder
a outro discurso que rao foi dirigido por um
coronel reformado, e outro finalmente por
urna senbora que, desde a minha entrada,
nio lirava os olhos de mim.
Sra. condessa, disse o coronel quando
a senhora acabou de fallar, confesse V. Exc.
que os rapazas do hoje nio valem este res-
paitavol anciio, futuro genro do iuconipa-
ravel Tobias.
Valem nada, coronel! Em materia de
noivos s<'i o seculo passado os fornece capa-
zes e bons. Casamenlos de boje I Abre-
nuncio I L'ns peraltas todos pregadinhose
eslicados, sem gravidade, sem dignidade,
sem honestidade!
A conversa assenlou toda neste assump-
to. seculo dezenove sollreu alli um vasto
processo ; e (talvez preconceito de volho)
falla varo, o bem naquelle assumpto, com
tanta discripcio e aceito, que eu acabei por
admird-os.
No meio de tudo, estava ancioso por co-
nhecer a minha noiva. Era a ultima curio-
sidade; ese ella fosse, como eu imaginava,
urna belleza, e alm do mais riquissima,
que poderia exigir da sorte ?
A ver turei urna pergunta nesse eentido a
urna senhora que se achava ao p de mim
e era frente condessa. Disse-me ella que
a noiva estava no toucador, e nio tardava
muito que eu a visse. Accrescenlou que era
linda como o sol.
Entretanto decorra urna hora, e nem a
noiva, nem o pai, o incomparavel Tobias,
apparecia na sala. Qual seria a causa da
demora do meu futuro sogro"? Para ves-
tirse nao era preciso tanto tempo. En
confesso que, apezar da scena do quarto e
singular com que o vira no meo -quarto ;
agora trajava com aquella elegancia gravo
que cabe a um velho, e pairava-lhe uw .la-
bios o mais amavei sorriso-
Elap, meu caro gearo, disee-me alie
depois das eomp montos geraes, que me
diz 4 viuda do seu amigo ?
Digo, meu caro sagro, que o senhor
una perol. Nio imaginar talvez o pra
zer qu me deu com esta sorpresa, porque
o Vaz foi e o meu primeiao amigo.
Aprovcitei a occasiio para o aproatataf a
todos os convidados, qoe foram do geral
accordo em que o Dr. Vaz ra om digno
amigo do Dr. Camillo da Annuncaco. O
incomparavel Tobias manifesluu o desejo e
a esperanca de que dentro de pouco lempo
(icaria a sua peasoa ligada a de aos ambos,
por modo que tossemos todos designados:
os tres amigos do peilo.
Baleu meia noite nio sei em que igreja
da vizinhanca. Ergueu-se o iucomparavel
Tobias, e disse-me:
-Meu caro genro, vamos comprimentar
a sua noiva ; approxima-so a hora do m-
menlo.
Levantaram-se todos o dirigiram-se para
a porta da entrada, indo na frente en, o To-
bas e o Vaz. Couesso que, de todo os
incidentes daqoelia noite, este foi o que mais
me impressionou. A idea de ir ver urna
formosa donzella, na flor da idade, que de-
via ser minha esposa,esposa de um velho
philosopho j desengaado das illusoes da
vida,essa idea confesso que me aler-
rou.
Alravessamos urna sala| e chegmos di-
ante de urna porta, meia aborta, dando
para oiltra sala ricamente Iluminada. Abri-
ram a porta dons lacaios, e todos nos en-
tramos.
Ao,fundo, sentada n'nm riqnissimo divao
azul, estava j prompta e deslumbrante de
belleza a Sra. D. Eusebia. Tinha eu at
enlio visto militas muflieres de fascinar ;
nenbuma chegava aos ps d'aquell. Era
urna ereac&o de poeta orieiial. Compa-
rando a mmha velhce micidattodo Eu-
sebia, senti-me envergonhado, e Uve im-
peras de renunciar ao casamento.
(Contianar-sclis)
aquelle lado. Na cegueira da raiva, foi
Dater de encontr grade, onde suppunba
encontrar a victima.
Aqui, disse-lho en'io Tres Patas como
quem falla a um ci Aqui, Tolonez Ami-
zade. C le esperara I
D'ella vez a voz sabia altura natural
do homem.
O Sr. Lecoq correu para elle ovamen-
lo, soltando rouco bramido. O sopposto
Tres Patas recebeu-o de p firme ; avi-
se um choque surdo, depois o rajnor de
urna luta violenta.
Fulminante, deveraraos dizer, porqui-
mal dnrou um momento.
Oavio-se um estertor n'aquellas trovas.
o senhor. Sr. -laynotte, perguntou
o conselheiro, sem poder suster-se. Est
ferido f
Era ento ello effectivamente f d sse
por entre denles o que se ouvia em ex-
terior.
Sou en que tenho o p na garganta
d'este patife, respondeu Andr, danio
voz toda a varonil amplido. Nio tenhain
cuidado.
O Sr. Roland proseguip, depois de al-
gum silencio :
NJw o malte : isso perteoce jnica.
E Andr Mayuutte responden :
Nao tenbo connanca na justica dos
senhores, mas nao o mallo.
erara duas horas no relogio visivel
Era o instante designado por Matheas para
a entrada em scena dos seus dons protogo-
nistas OiemtaoJfcmiepuce.
Ouvio-se meeh#?de leve na porta prin-
cipal que se abri immediatamente^ As
chaves falsas eram boas eserviam-sc d'ellas
com a maior habilidad*.
Romper o dia amanhia ? pergunta-
rara de majumto -
Se Dua responderam do mesma
modo. ; v
Vme. patrio ?
Niagoem raspoodeo : suffocaram-se, p<>
rm/doos gritos sob as mordacas, ao mes-
mo tempo que urna onda de luz innundava a
residencia de Carapeio O clario repen-
tino mostrou Piquepuce e Cocotte j amar-
rados. Os restos espantadlos diziara cla-
ramente qu- nio oontavam com to funesta
recepeo. Por detraz d'elles cresc am as
cabecas dos agentes na sala do Sr. Cam-
peio e debrucavam-se chcios de curiosi-
dade.
Entre aquellas cabecas nao deixariam de
conhiscer de certo dous ou tres profis dos
nossos jogadores de pula. Como era lo-
dos os lugares onde se conspira, o bote-
quim da Espiga Ceifada, continua a sua
quota parte de monstros domesticidos.
Sio isto, porm, insignificantes porme-
menores. A luz allumiava rostes c cousas
que tem para nos muito maior significacao.
Em primeiro lugar, o cofre da casa S h-
wartz, o antigo cofre do Ban>clle, enorme
e pesado arma-io de ferro que vemos pela
vez primeira, -bem que baja servido d
eixo nossa narrativa. A porta, completa-
mente aberta, apresentava urna espessura
metadica de quatro dedos e pareca feta
para affrontar a metralba. Um luxo super-
abundante de fechaduras gigantescas cujo
ac polido reluzia, sobresatiiam na parte
interior ao batete e crtizavam em '/idos os
sentidos as linguetas de quinas afiadas. Na
parte exterior, immediatameuio por cima
das tres chapas de cobre dosrado que ser-
viam ao jogo da combiqago, um sys
lema de garras articuladas que, no eslado
normal, devuuayestar comidas e oceultas na
espessura da'wmofada, sabia d'uma aoer-
tura quadrada o sustentava alinda o bracal
lavrado o cinzel, aborto em todo o com-
orimento como a carapuca d'uma lagosta
pa tida por mi experimentada.
* Disprezando por um instante as leis da
perspectiva, aproximar-nos-bemos do bra-
cal para examinar de peno o mysterioso
trabalho etfoctuado por Andr Maynotte na
serrallnria prxima do botequ.ra da Espiga
teifada, na noute prece lente.
O bracal, montado em couro de Cordtmf;
qoe Ihe servia de forro, e o almofadav
interiormente, fra desarmado n'aquella
noute, e munido, na parte que protega o
ante-braco. O'una tripl'ce argola de hastes
de ac, sollas, e abriodo com o plano n
terior da manopla um ngulo pouco consi-
deravel. No momento era que se enfkiva
o braco, as bastes comprimidas a favor
ce liara ; mis, se pelo contrar o queriam
retira-lo, ento apaohados em sentido iu-
vtrso, ericavam-se as p otas -caradas e
cravavam-se na carne, enterrando ao mes
qio tempo os cem bicosja propirrio de
[cada esforgo mpregado.
Bastantes esforgos empregra de carie o
Sr. Lecoq, porque ^fc^diatamente
por'baixo d'aquelle; PPapparelho, es-
tava banhado de sang
No sobrado e om volta do sangue, viam-
se espalhados quatro volura sos masos de
notas de mil francos do banco de franca.
Eram as olas falsas, destinadas para
presa da associacio dos Casacas Pretas,
depois do roubo das not ,s verdadeiras ex
ecutado sos pelo Sr. Lecoq ; d'aquella
arte attribuia si aquelle homem enge-
nuoso a parle do leao, com ares de largar
aos confrades como presen'. pelo seu feliz
accesso a letal idade do saque.
E a causa devi prodozir duplo effeito,
confoime o (Lagma fundamental da Merc.
Cada nota falsa lornava-se as raaos do
libados ura pedaco da tnica de Nessus
O interesse de Lecoq, rico entao e dese-
joso de se elevar niveis superiores, era
anniquillar a associacio dos Casacas Pretas.
Fazia ir pelos ares o navio, depois de se
ter posto ao largo.
O interior do ofre estava atafulhado de
olas ; essas sinceras, verdadeiras, qoe de
viam car o Sr. Lecoq posicio de protec-
tor le ura principe.
Notcra que sem a ntervencao de Tres
Patas, L coq teria eflectuado cm continente
aquelle roubo arrojad* o maravillosamente
ihspo!.to. A gebte do bario Schwarlz, a
polica e os proprios Ca>acas Pretas lica-
liara ihidido As suspeitas, hbilmente
desviadas, voltarse-bian pora aquellos
quede antemio elle-destinara para paga-
rera lei aquella nova livida, e o bracal,
pea segunda vez testeraunha falsa, torne-
ceria mn .contra bataneo aos debates do
tribunal de Caen.
Estavam todas,as medidas tomadas. Co -
nhecia perfeitamnte aquelle cofre, que
duas vezes vender, e quaera o seu cavat-.
lo da Troya; soorava-lhe tempo; era exi-
mio na arte de abrir toda a qualidadede
fechaduas, e estara j bem longe. isto ,
pavoneando-se as salas do bario Schwaitz,
a 1 oiter das duas horas, momento fixado
liara o ataque d Cocotte e Piquepuce.
Quanto a o bario, s devia correr ao
cofre no moraeuto de partir, isto de-
pois do baile.
E porque havia de partir ? O Sr. Le-
coq Qzora as ;er o pnico com um fim que
se achava attingido. A casa possma ira-
mensos recursos ; o abandono do shefe
podia mata-la, m s nio um dficit de qua-
irn milhoes. L estava Lecoq para res-
sascitar a coragera que abatera. Estava
assignada a sPianea, novo futuro se abria
Em qoanto que um processo nestrtortN
ia comecar, conglobando ao mesmo lempo
oe.LasacrfS Pelas, e quantos o Sr. Lecoq
pieria perder, este, dominando (j\e alturas
heroi as aquello obscuro enredo, mmejava
oseu transcodente negocio poltico, e re-
servava-se para apparecer n'algum instanle
solemne cora o deus ex-michina.
E de justica que se conceda urna certa
latitude q em mergulha as profundidar
^!aavlLfojo social para prestar civilisarSo
urnservtco assignalado. Urna vez assumi-
da a attiltide de denodado cavalHrn erran-
te, que impunba si como missio o ba-
far era lernvel amplexo a assootaciio dos
Casacas Pretas, conquistara evidenu-mente
o Sr. Lecoq essse privilegio dos Curiaros,
que nio sio julgados conforme a lei cm-
nura Quem qoer o m, auer os meios.
Para combaler bandidos, c forcoso peno
trar na Agesta.
E acreditara que Carcio, cingindo a au-
reola da sua romanesca dedicacab, na
hora era que sae do barathro vencedor,
positivamente o homem preciso para dar
relevo tal on'qual impo'ssibilidade, que
tende a tornar-se evidencia.
Curcio vira o rei ; d'isso so a por ora
a commnm opiniao, mas sobresaltava-sc.e,
palrava ; Curcio tinha mais quatro mi hoes
que na wspera ; Curcio tinha ha mi as
i que seu g sto podia estrai guiar ou exal-
tar ; Curcio paira va cem envados cima
do seu peri^oso passado, e o joven duque
di prolil burbonico, ebegando debaixo da
aza dVlfo munido de litlos capazes d" fa-
zerem fluctuar a mais robusta increduli-
dade. possuindo devotos no bairro de S,
Germano, tendo por si a hesitacio de um
oartiflo, o prestigio de ama iradi-cio, o
capricho de um soberano : ludo isso for-
rado de ouro, porque Lecq e o bario
Schwarlz iam por-so de arcordo para jo-
garem urna parada decisiva n'aqoelle relan-
ce m iraviltioso ; o joven duque, dizemos,
compara no nosso drama de cera perso-
nagens, eslava 'ponto de sallar repentina-
mente protagonista e de ter, ia verd de,
a sua pagina n'esse outro drama que se,
manoseia co* respeitm.porqfle se appeHi-
da historia...
Socce lera apenas que o p de Careio
resvalra ao subir do abysmo onde s ga-
n a aureola; Careio nSo era Cureio,
chamava-se Lecoq como d'ante< ; menos
10 que isso : chainava-se Tolonez Amizade;
nia passava de um trtame vulgar, vwto
que nio triumphra, a, p^traedo ne es-
criptorio, a cUndade mostravaribe o rosto
enuirrecido pelo sangue, em quanto juo
ela) se debata baldadamente sob o p, que
\ndr Maytiatte me appaoava contra as
goe 3S* (GmUmar-ieha.)
1y P. m l ARIO-RA DAS CRI'ZES % *
uFeftn


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E3IAKFXID_JFK5FN INGEST_TIME 2013-09-13T23:54:47Z PACKAGE AA00011611_12192
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES