Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:12190


This item is only available as the following downloads:


Full Text



\


)
ANNO XLV!. NUMERO 14.

,' -As
(PRTA FE1RA 19 DE JANEIRO DE 1870.
PARA A CAPITAL 1GARES 09DE IAO S PAGA NOTE.
Por tres oteze adiautudos.................
Iba seis ditos idem ....*...............
I'ur uu aooo idea.. .........' .....
Oda mamen avala... ..........
05000
240U0O.
320
A DEJTM E FORA DA PB07IICIA,
Por tres mezes adantrtlos.................
Pr-r seis (lilas i"l( .........,........
Air nove ditos dem..................
ftr um aono idea..........,........
Propriedade de Manoel Figueira de Faria & Filhos.
w ACENTO*: .
Os S. Gerardo AbIodo Alves 4 Filhos. no Para ,; Gonces & Pinto, no Maranfcao ; Joaqnim Jos de OHvetra, nd Cear ; Antonio fle Lemos Braga, no Aracaty ; Jlo Mana Julio Chaves, no Ass ; Antonio Marques da Silva, no Natal; Jos Justino
Pereira d'Almeida, em Mamanguape ; Antonio Alejandrino de Lima, na Pa-ahyba ; Antonio Jos Gomes, i*** da *nha; Belarmino dos Santos BoteSo, m Santo AntSo; Domingos Jos da Costa Braja,
em Naiaretb; Francisco Tavares da Costa, em Alago; Dr. Jos Martins Alves, na Bania ; e. Jo-t Ribero Gasparinbo no Rio de Janeiro.
_________ -' ------------_. -- ii iii i ~ '
rAKl li llrrtlllAli presidio de Fernando no mez de setembro okirao. sade.
I JXMkXU Vi A IVUUim v 47_D,Lo ao Erm. Sr. oresidanie da pro-
oraeuado. para tratar de sua
coverao da p
I \fKDIIMi: ASSlCNADO PH.O XM. SB. SENADOR
riutatiutio ok AijtKiDa e albwcmur.Wss0*
ooy
rtA
l'ltOVI N. 419.Portera ao enjilli do porto.afonde
V. S. por em libwdade a recrula Leopoldina Bap-
lista Fernandos quo.j>ara o.service da armada Ihe
toi remet do pelo Dr. chefe de polica a 9 deste
niez, visto ser guarda do 2o liatalhio de infantera
um-wv reelaado #elo respectivo coimnandan-
: sinario*".
3* secrio.
X, 151.Dito ao presidente d) supremo tribu-
nal de jusiiic*. Levo ao conhermento de V. Exc,
lian Moade partici|u o juiz, de direito da comar-
ca de Floros, aoaarel Paulo slarlra* de Almeida
<-m ofllcio de 18 do mez Sudo, nessa data, e em
\irludo dArdein desta presidencia reasumi elle
. osejrieiu das lunrcoes do dito cargo renuncian-
do a resto da tironea que- para tratar de sua sade
tile tora concedida o tiulia de fiudar-*ea 1" desic
nez.
*. 45;.'.Portara ao coinmandaate superior da
vnarda nacional de Sal o. Anlao.Mande V. S.
...a ii.aa guardatfe lioiita do batalhao n. 23 da
HH*arda nacional sob seu eommaudo superior para
-i! a I o-ni actos da testa de Nossa Seiiho-
n do Kosario que deven) ter lajtar no dia 28 do
un-mte e acomuauliar a procuuao da mesma Se-
iiluu-a.
V.\Z. Uit* ao enmmandante superior da
!ia*eoinl de Nazarelh.Expeca V. S. as
ordeos para que soja oissolvido o destaca.
Trl^'Z^r^eZ VT ^iciodeumdeputado^ende
N. 470.-.OHO ao Exm. Sr. presidente la pro-
vincia da Harabyba.Passo as toaos de V. Exc.
para os lins couVenient&s, o incluso auto de vis-
tona e identidade de pe-soa feilo no cadver do
sentenciado de justica dessa provincia e nonje
J >s Pereira de Albuquerque, que fallecen ha enr"
Urinaria.mdiur do presidio de Fernando no de setembro ultimo.
N. 471 Portara ao desembargador pravedor
da Santa Gasa de Misericordia.AUendeado-ao
(|ue roquereu Julia Seaborinha de S Oliyetra, c
tundo m vi-la a sua luormacao de 12 di corren-
te sob n. 2,So\ aatoriso V. Exc. a mandar admtu
tir nos dous collegtos de orpbaos a cargo desa
Santa Casa, como pensionistas da provincia e nos
termos do art. 14 da lei a 611 de 2 de mato de
18bo. os menores, lilhos la sitpplicante de noines
Eugenio, Mara, Anlouia e Tneodora de que ira
tam as ci'rtidoes de idade inclusas.
N. 472 Dita a cmara municipal da villa de
Agua Pela.Em sducio a duvida prouosu pela
cmara municipal da villa de Agua Prela em seu
tHcio de 12 do crreme, tenlio a dizer Ihe qW em
vista das instrucc<">es do 28 de junno de 1849, o
aviso n. 18 delKdefevereiro de 1830, que de'-U-
raram nao ser tao essencial o prazo de um mez
para a cuuvucaoio de eleitores, que alguuws
Ees nao possa ser preterido, deve essa cmara ex-
pedir cun toda a urgencia as necessarias urdeu
ao respectivo juiz de paz para sem perda de lem-
po, fazer a referida convocarlo, convidando os
eleitores da freguezia de-savilla a reunirem-se nos
dias 26 e28 deste mez na casa das seso>s de*sa
cmara, e na falta ou insuffienria na igreja matriz
da mesma villa, oode dvefunecionar o respectivo
collegio, ltimamente cralo, para procederem a
dos membros da
N. 45. .
(a cidadn.Transmiti a Vrac. para os devidos
:iis as piias inclusas dos aenteneados de jo-tica.
fuistanlu- do rea cao junta por epia sob n. 1, que
secnndo offlcio do eonWMWdante do presidio do
ri:'ruan,j da Nurunlia de i deste me/, vi.-ram
esta capital conjunctamenie enm os que to-
i un ;, | lisitados. o consta da relacao n. 2, Umbem
jauta tiur copia, a ser apreSeotados ao c
|. V; *:>;;.Hita ao mesmo.Incluso remelle
\i!ic. i', ni seu cuiiheciun-nlo o lins convenio
, .'las dos autos ile vislorii e idendidu de pB
W a qne'.sc procedeu nos cadveres dos seclen-
iiaiio< i. pistica da provincia da l'arahyba Jos
feteir.. de Albuquerqoe e do Para Francisco Bor-
pet, quj durante c-i'ram na enfermara do presidio de Fernando.
Do an Aiesmo.Itemelto a V'nie. para
.uiiilieciinento e lins oonvaoiestes b iuclus
..uto de visunia'e idenloladu de pessoa a que
firecedeu no cadver do sentenciado de justica
.testa provincia Joo Casalcanti de Albuquerque
<|ue falleeeu na eiil'ermaria do presidio de l'er-
iiaoilo no ii.i-z de seienir ultimo.
,". ior.lf ao commandaif.e do corpo prov-
-mi;,. (it^ Bolicin.Mande. Vine, destacar na cidade
azw!i m ofnYial subalterno e dez prjea,
s.l. o seu coinmaiido.
assembla provincial, atHxando para esee lim edi
3* seceo.
N. 490.Rortaria ao inspector da thesouraria de
fazenda.TVansmiUo por copia a V. S. para sen
cooheeimeato e devisas' effwt.* o oflteio (ue me
diiino o coinmtndante superior do municipio de
Flores em 5 do iwrrenle. acerca do pagamento dos
veBcimentos, a contar de 16 de junho a 30 de se-
lembro deste anno, da fbrea da guarda nacional
destacada naquella villa.
N. 4ai.-Dtaao nteseao Transmiti a V. S. o
pret jnnto em djpcala, afim de que depois 1e li-
quidados mande pagar os veaciinont-ia dos guar-
das nacionaes dstacadesifaorlnlzii do Bnraeo, a
contar de 24 de uutnbro ultimo at 18 deste mez,
cohh se v 4 mencionado pret, que me remetteu
o comm indanle suporior desle municipio com ofli-
co de 16 do crrente sob n. 23/.
N. 492.-* Dita ao mesmo.Providencie \. S.
para que Mjam liquidailos, em vista da folha, re-
lajo nominal e prel juntos em dapliciu, que me
remetteu o commandante superior do municipio
de Flores com o offlcl > ioclpso [ior copia, datado
de 5 do c rrente, os venriiiurntos relativus ao mez
de outnbro uliiino, do oCnriat e praca- destacadas
naquella villa, e'pagar a sua importanoia ao pro-
curador indicado no citad oflkio.
K. 493.Dita ao mesmo.En" vista da folha e
lret juntos em duplcala que me reoifiteu o com
mandaiile superior do municipio do Brejo com ofli
m de 4 do comente sob o. lti. mande V. S. liqui-
dar e pagar a Martins 4 Leopoldo os veucimentos
correspondentes ao mez de outnliro, do ofcial e
frraeas da guarda nacional destacadas naquella
villa.
N. 434.Dita ao inspector da thesouraria pro-
v.rt.
expbmMK'assignado crlo exm. |B. senador kre-
DEllICU DE ALMKIDA E AUIUOUERQ'.K, l'RI'.SIDENTt
D WWi-HiaA, EM 19 DE NOVUUJRO BE 1869.
1* seccao.
N. S93^Po-rtaria au Em'n. Sr. Reneral comman-
dante da armas.ExpedindooruVm nesta data ao
commandante superior respectivo para que a
guarda nacional deste municipio forme em grande
parada nu,campo das Princrzas pela S horas da
tarde de 2 de dezembm vindouro, anniversario
nataNcio de S. M. o Imperador, recoinmendo a V.
Exc a espedicio de suas ordena para a salva do
eslvlp.
N. 5QR.Dita ao fMractor no arseoal de gnerra.'
Respondo ans olcios ile V. S. n. 204, de 30 de
outuhro, e 211, de 6 d corrente, diendo-lhe que
em vista das infoimacdes da tliesourara de fa-
zenda ns. 771 e 778, de 12 deste mez, juntos por
copia, a importancia da despeza feila com o f rne-
rment d<^ espada* com bainhoe, mandado fazer
msica do Io bablhao de artilbaria da guacia
nacional desle municipio, deve ser paga pea caixa
do inesino Iwlalhao, auno tiesta data declaro ao
respecntcommandante superior para oswis con-
veniente'. Pelo que pille V. 5. naste sentido man-
dar fazer as sobreditasbaioh:^.
' Sl'CCio.
N. 511Portara ao Or/chec de polica Cora
a inforMcaO constante ao ofnein junto por c.iia,
du inspector da thesouraria provincial, sob n 708,
di hontepi datado, respondo ac de V. S. de.8 dc-le
mez, so n. ti9i, quanto ao pasamento d'agua e
luz ao destacamento de arweln.
N. 513 Ditn ao commandinte superior da guar-
da nacrojal de llaranhuns. Em re ci de-Vr S., de 17 do crtente, sob n. 1G29, lenho
a dizer Itv que. segunde n'ormou o Dr. chufe d
vincial.-romando em consideracao o qe expoz a polica, en, olaio n_ 1621). de 17 do eaMW'ud*
innandade da confraria de Nossa Senhora do l\o- consta na. reparlicao a^seu m
-ario da villa do. Iguarass no requerinn-nto a que
-------- --------- i asseinoiea provincial, amxanuo para ew mu c mik ug 'lim oo.nuanwu .w".......J.
*. um -------,i <{> ,. n ,i. I lacs n i* lugares mais publicse offlciando a cada i e refere a sua infura.aro de 17 de setembro u
Dita no jmz municipal da 1 *n._m ,1;i(.U(.||es eleitores nos termos do art 4" da lei limo sob n. 379, recommendo a \. S. que median
.^._*. .A .ni n I- 1*. --..__ __ ^ J^ ^I-. .-,., i.iv tlil.i'lirul f'i
!i. 387 de 19 de agosto de 1846.
N. 473.Qita a cmara municipal de Iguaras IemelU a cmara municipal de Iguarass con
a ,iossivel breviilade a relac) nominal dos varea-
doras e supplenies ltimamente eleiios para o ac-
tual quadrienuio, e nutra das juizes de paz e sup-
plele- dos diversos dislnctos das freguezias do
sen municipio com declaracao das respectivas nu-
>ram exui-
30 de juMio
municipaes de Seri-
nhaein o Agua Preta.
1 su municipio com declaracao das respt
lio a I meracoes e denuniinace.-, a* quaes fr
enlMldas por portara desta presidencia de 3C
n.;<-4t ultimo. Igual as cmaras municipae
lo ci'.rpo c
N. 4."i8.Dita ao mesmo.Pode \mc. eugj'jar t||ulv) j,lllt de nmneaciu do capitao Cainill
euriw nobfl sen commando o paisano Joan ..,., u..aiM .i, isto de Paula Hodrigues, a que allude o seu
mi. 'J2~ de 15 do torrente, leudo para sso
,: -T'-saria nioralidade.
N. 439.Deliberacao.<5 presidente da provin-
<-ia de cunfonnidade com a proposta do Dr. chele
l'.XriCIFJiTE ASS1CNAD0 PELO SR- UR. I0AQCIM COB-
l'.KA DK ARAUJO, SECRETARIO DO GOVEU.NO EM 17 DE
NUVEMBRO DE 189.
2a seccao.
X. 474.Oflicio au Dr. chufe de po'icia.De or-
s" j dem do Exm. Sr. presidente da provincia comimi
oic a V..S. para us devidos fins, que nesta date
se expedio ordem ao enmmandante do corpo pro
visorio de polica para mandar destacar na cidade
de Nazareth, um offlcial e dez pracas daquelli!
Ciirpfi)Q m iinmninil'iiit" -nperior daquelie iiiuiii-
"cipio para dissolver o da guarda nacional que nel-
le existo.
N. 475tDito ao mesmo.De ordem do Bxm.
Sr. presidente da provincia transmiti a V. S. o
titulo junto de nomeacao do capitao Gamillo Au
gusto Ferreira da Silva, para o cargo de delega-
do do termo de S. Bento de conformidad^ com a
pi oposta de V. S. em oflicio n 1,627 de 17 do cor-
te lianca idnea mande entregar ao the da mesma innandade, Antonio '.orra do E-pinto-
Santo, o cont de ri- votado pelo J {> do art. 10
da lei do oreamento vigente para as obras daquella
creja. -,
.\. 494 bis.Dita ao mesmo.A Joaquim Das
de Almeida Cosa, man le V. S. pagar depois de
liquidado* em vista do pret junto em duplcate,
que me remellen o eoimiiandante superior do mu-
nicipio de Agu-.-Preta. cmn o oflicio de 13 do cr-
reme, os venciinentos relativos ao mez de ouiubro
ultimo dos gualdas nacionaes destacados no povoa
do dos Montes. _
N. 495. Dita ao mesmo.Mande V. s. pagar
a i arrematante das obras da botaba na estrada do
Ubaia, Thomaz de Cirvalho apares Brandan So-
brinho, que assim solielton no nrluso requer-
ao guarda Perciano Barbosa do- Santos, rerutado
pelo delesado do termo do Bom Omselho, o a este
requisitado por V. S.
N. 314.Deliheracao O presidenta da provin-
cia resol ve conceder ao bacharol Jo- daLost'
Carvalho Guimaraes Jnior a exmeracao'por elle
pedida do oargo de promotor publico da comarca
de Tacarati.
N.IS.Dita0 presidente da provmcia re-
solve domear o barharel Austerliano Gorra de
Oraste, promotor publico da comarca de Tacara-
lil. Ilcfio ft-m effeito a deliberaPao de 18 de se-
tembro Ultimo, que o poiueon para igual lugar na
da lta-_Visla.
H. 5fiDita.O presidente da provincia re-
solve noraear promotor publico da comarca da
Bda-Via, o badwrel Ffaucisco Gomes Pinto de
Campo. .
N. 317.-Dita.O presidente (Ja provincia, al-
tendeiid ao que llie it-qneivu o bacbarel \ cente
If. 530.Dita.O presidente da proviocia era
vi dios de 29 de ouiubro ulnrao resol ve nomear o
eladao Mano I Francisco Bbtelho de Arnula, di-
rector parcial do indio- da tldeia do Brejo dos
Padres na freguezia de Tacarat.
EXPEDIENTE ASSIG.VADO PE.O-311. DR. JOAQUIM COR-
REA BE ARAUiO, SECRETARIO DO COVBR.NO, EM 19 DE
|. MJVKUURO US 1869.
2." seccao.
N. 531.Oflicio ao Dr. chele de polica.0
Exm. Sr presidente da provincia manda declarar
a V. S. em res .insta ao seu oflieio n. 1,628 ife 17
do corrente pie a 3 deste raez 5ij pedido ao Ex-in.
ministro da justica autorisai;ao pora o pagamenn)
do fornocimenlo a que allude o seu oflicio n. 1,553
de 3 do dito moz, visto constar da iaformaco da
thesouraria nao htver crdito sufficienle liara es-
se palamento.
N'. 312. Dilo ao nnesmo.O Exm. Sr. presi-
dente da provincia r*pondendo ao offleio de V. S:
datedj de 18 do corrente e sob n. 1,636. manda
declarar que a thesouraria pr ivinrial tem ordem
para pagar ao subdelegado do Poco da Panilla,
ou ao seu procurador, a quantta de 405000 cons-
tante do citado oflicio.
N. 533.Dito ao juiz de direite da comarca de
Garanhuns.O Exm. Sr. presidente da provincia
manda declarar a V. S.'que Q'-ou inteirado pelo
cada para o da 22 do corrente a 2.a sessao judi-
ciaria do jurv do municipio do Bo n Cm^'lho.
N. 534.Dito ao mesmo.0 Ex n. Sr prasi
dente da provincia, manda declarar a V. S. que
licou inteirado por seu oflicio de 28 de liaver a 27 do dito mjz encerrado a 2." sess >
judiciaria do jury do termo de Garanhuns, de
cujo* trabalhos da conta.
n. 535.Dito ao juiz de direito da comarca da
Boa-Vista.O Exm. Sr. presidenta da provincia,
manda declarar a V. S. que por delib-racao desta
data nomeot o bacharel Francisco Gomes Pinto
de Campos, promotor publico dessa co-mrca.
N. 536.Dito xn mejmo. O Exm. Sr. presiden-
te da provincia, manda declarar a V. S. para os
devidr.s fins que por deliberac.io de-la data fui de-
clarada de nenhum ofliIii a de 18 de setembro ul-
timo que nomeou o bacharel Ansterliano Orrt
de Craslo para o cargo de promotor publico dessa
comarca.
N. 5?7.Dito ao juiz de direito da comarca de
Tacarat.0 Exm. Sr. presidente du provincia,
manda declarar a V. S. para os lins convenientes
que por deliheracao desta data exonerou a seu
veniente ordem no sentido solicitedo cnts e* oB-
cio de 17 do corrate.
no ma
o r. coronel coininan.inie sute
guarda nacional do municipio da
Jos Bibeiro da Cu k* (aforo:
in-nto a qitanua de 7442t3, que segundo o cer- Ferre.r Goma, juiz do dneito d.. oimare.t Jo
..- ------........:. o^ iw oct-> i pao do Alho, resolve eoocednr-IUe um mez ue u-
renle.
\. 476.Dito ao commandante sup-nor ateri-
I no da guarda nacional do Recite. O Exm. Sr.
p m:ia em oflicio n. 162" de hoje datado, resol- j pre>jeute da provincia manda declarar a V. S.
ve non :.: para o cargide d. legado do termo de ne>u dala expedio ordem para ser posto em
Cimillo Au- |,|)eruade o guarda do 2" batalhao de infantera,
Leopoldmo Bapiista Fernando*, a que allude o seu
. -' ofOeio n. 232 de 10 deste mez.
N. 477. Dito.ao Dr. Paulo Martins de Almeida,
juiz de direito da comarca de Flores.
%. Dente, qiie esta vago, o capitao Camiilo Au
tu Ferreira da Silva.
':. Mi.Portara insp-dtor da .
I, I..: -la.-Expeca V. S. suas ordens para .po
.iu vi3!a dos prets junios em duplcate, que me
remet i o bn.'jadeiro -oinnundaiite das armas
<.ni offi-ics de ionlem so'o hs. 679 e 680, sejam
lilicido anhexo a esse r-queiimento, se Ihe esta
a dever proveniente da prunera [irestefao da seu
contrato.
'.\. 496.Dita ao mesmo.Depois de liquidados
em vista ds prets pintos em duulicata, os vimci-
incntos relativos aos mezes de setembro e ouiu-
bro deste anno dos guarda* nacionaes destacados
na villa de Barreiros, mande V. S. pagar a sua
importancia a Alfredo & C conforme solicitou o
commandaite superior do municipio de Agua-
Preta em oficio de 12 do corrente:
N. 497.Dita ao mesmo.De conformidade com
o que solicitou o commandante superior do corpo
promisorio de polica em offlcio de hontcm, sob n.
330, recommendo a V. S. que mande abonar por
adiantemento tres mezes de aciment a conter
do Io do correte ao tenent Joaqnim tle Molla o
Silva, que segu em dehgencia para a comarca de
.Nazareth, a oito datas desold, a contar de 11
deste mez para 12 pracas que acompanham ao
mencionado teuenle, a quem se entregara a quan-
lia de 30* como ajuda dt custo de idae volu.
.498.D*a ao mesmo.Pode V. S. de con-
que por ffleiiDeraca. nesta nata ex. nm.. **v.. p^,,, ,,e a,;ih,r com ., existencia e os
pedido o bacharel Jos da Costa Carvalho Gu ma- i,Vara.i.
c i,.w... ao .. ------
ve lormidade com a sua kiformacao de 16 do corren
presidente da provincia manda declarar a \. s. k im\ ..QI.,- ,i,. ranuurimoni
que licou inteirado por seu oflicio de 18 do mez
. o pagos os veucimentos relativos a 1"
inibzeaa leste moz, das pracas empregadas no
de rercrutas edos prisionciros de guerra
languayos, m
K 462 Diu ao mesmo.Em resposta ao ofli-
cio que V. S. me dirigi em 15 do corrente sob
,i 7Ji. n'lati ament ao transporte para a ca-
pital dJ Espirito Santo do inspector noineado para
a thesouraria fe taada daquella provincia Um
Spinola, e sua familia, tenho a diz-r
bnuton ja se provideuciou a este ruspeito. co-
BM \. S. ven do oflicio que nessa data Ihe foi di-
rigido ,
H, 4C.'.-.Dita no mesmo. f ransmitio a \. n
fiara i Dos convenientes as inclusas c nas ducu-
tadas da rereita e despea da enfermara mi-
lite;- desta cidade sub adninisua^o do conselho
miiee dedepo>itode recruuis, relativas no
iez de ouiubro prximo lindo, bem como o pare-
cer da junta de sede, que na forma da lei taes
coafc s oxaainou, declarando-as conformes e re-
K. '.64.Dita ao mesmo.Constando de oflicio
, i, id I mU do pre-iiio de Fernando de 10
\) n. 103, haver remetlido no vapor
;' da companhiaPernambucaua com detti
un a cssa theaiuraria, eineoonta e duas sacras de
ladea I:".i da pioduro da ilha, com o peso
arrobas c 24 libran, c ao director do arse-
de sapat >s sola e vira manufatura-
. ,'. ieina dp sapatairos do mesmo presidio
1V.K cmti do govorno a preoode H'.'"7 cada par;
. o co;imunico a V. S. para seu conheci-
iiii-nlo. c
.\. af>Dita ao mesmo. Transmuto a V. S.
paraos devidos lins a guia junta do soccorri
ufcoKi de varios sentenciados oella declarados
i ,s de Fernando de Xoronha para este capital
a i r apreentados ao Dr. chefe de polica, seguv
to parcipnu o commandante daquelle presidio era
, .fii-i oe 10 deste mez.
N 66 Dte ao iwpeeioc da thesouraria pro-
vnr.al.-Declaro a V. S. para seu conliecimente
. i i- .onvenientes, que O chefe interino da repar-
, da- obras publicas partieipou-nie em oflicio
. ,- humero s>b h. 388, que achaudo se oarrema-
unie das obres da bomba de baia, no caso de
retener a prlmeira prestacao do seu contrato, man-
nassaf o respectivo certificado.
N. M7.Dita ao mesmo. Tendo nesta data c
o.in vista do que requeren Julia Senhonnha de S
Olivcira e da intmnacao ministrada pe > desem
fcargadar prv.ve.dor da santa Casa de Mi*encordia
em 12 do corrente sob n. 2.26C, mandando ad-
ir nos dous collapoos de orpho- a cargo da
inesun Sania Casa, como pensionistas da provin
(;a, e nos termos do art. 14 da lei n. 611 de 2 de
roaio de 1863. os menores, fllho da supplicante de
i.oaies Eugenio, Mara, Antonia e The -dora ; as-
an o comanme a V. S. para seu conhecimento.
N. 468.Dita ao chefe da YeparticAo das obras
uabicaj Arcuso reeebido o officio de hontem
.ol n 388, em qe Vmc. me part sipou que
c,hndo-se o arrerantaule da obras da bomba de
Ubaia o caso de reeebar a importancia da pn-
nitra presiacan do uotfcntrato, mandara lavrar
o e.mipetente certifleado, e era resposla tenho a
dizef que dei selenna disso a thesouraria provin-
cial para os as convenientes.
'4" >e3C*o.
ti. 9.-Oficio o-fttm.*. prndente da pro-
vrfa do Pari.-taclno reoetto a V. Eic para
ftic>ovniantes,oiueluso auto de
lindo, de haver V S. nossa date reassunndo as
funcejies de seu cargo, renunciando o resto da h-
cenca que ob vera para trntar de sua sade, e
quedevia llnasr hoje.
N. 478.Di to ao juiz municipal di termo de
Flores, b icharel Bento Ceciiiano dos Santos Ba-
ln*. Exm. Sr. presidente da provincia manda
declarar a V. S. que licou inteirado por seu oflicio
de 19 do mez lindo, de ter no dia anterior reassu-
mido o exercicio das tnnecoes do sen-cargo.
3' seccao.
X. 479.-Offlcio ao iuspecter da thesouraria do
fazenda.0 Exm. Sr. presidente da provincia
manda declarar a V. S. para os devidos fiif, que
seguudo oflicio do juiz de direito da comarca de
Flores, bacharel Paulo Martins de Almeida, de 18
do mez liado, nessa date rea-somio elle o exerci-
cio das funccOes do dito cargo, renunciando o res-
to da Kcenca que levo para tratar de sua sade, e
que"oevia liudar-se hoje.
X. 480.Dito ao mesmo.O Exm. Sr. presiden-
te da provincia manda declarar a V. S. para os
devidos fins, que segundo participou o juiz mutii-
cipa) do termo de Flores, bacharel Bento Cecilianj
dos Santo, Kamo-, em oflicio de 19 do inez lindo,
.no dia anterior reassumio o exercicio das ronc-
eos de so cargo
' \. 481.Dito"ao inspector da thesouraria pro-
vincial. -De ordem de S. Exc. o Sr. presidente da
provincia transmuto a V. S. cinco exemplare* do
regulamento do asvlo de mendicidade de 21 de ou-
tubru ptoximo lindo.
N. 482.Dito ao mesmo.0 Exm. Sr. presiden-
te da provincia manda declarar a V. S. para os de-
vidos lins, que nesta-data se mandou dissolver o
do.-taeaii.ento da guarda uacional que havia em
Manuel!), fazenlo-o substituir por outro do corpo
provisorio do polica, couiposto de 1 ollicial o i
pracas.
4 seccao.
N. 483.Oflicio ao da-embargador provedor da
Santo Casa de Misericordia.De ordem de S. Exc.
. Sr./presdeme da provincia remello a V. Exc'
cinco exemplares do regulamento do asyb de men- i
dicidudode 21 de ouiubro prximo tindo.
EXPEDIENTE ASSIGNAD0 PELO EXM. SR. SENADOR FRI>
DERICO DE ALMBEIDA E ALBUQUERQLE, PRESIDESTE
DA PROVINCIA, KM 18 DK KOVEMBRO DE i869.
. i.1 seccao.
N. 483.Portera ao Exm. general c< mmandan-
te das armas-Mande V. Exc. apresentarao Dr.
chefe de polica, afina de Ihe dar o destino que
julgar conveniente, orecruta Candido Jos Duarte,
visto ter sido julgado incapaz do servico do f xer-
cito, como consta do termo de inspec^io que veio
annexo ao seu oficio n.'68l, de 17 do corrente..
2" seccao.
N. 487.Puatria ao Dr. chefo de polica.Por
parte do brigadeiro commandante das armas Ihe
-r apresentado o reernta Cindido Jos Duarte
afim de Y. S. dar Ihe o destino que julgar conve-
uiente, visto ter sido elle considerado incapaz i
servido dnexercito em inspeccao de sade. omno
consta do termo que veio annexo ao oHeio do
mesmo commandante das armas de 17 do corrente
sob n. 681.
X. 488 -Dita ao juiz de direito da comarca,do
Bonito.Informe Vine, ouvindo antes o juiz mu-
nicipal do termo do Bonito, o que consar-lhe so-
bre o que requer a sentenciada Roa Maria da
Gooceicao na petljao junta, que devolver.
N. 489. Deliberacao.O presidente da provin-
cia attendeudo ao que Ihe requeren o bacharel An-
cenca oosn ordenado, para tratar do sua saude.
3." sefceau.
X. 3iaPortara ao inspector da lliosourana
de fazen.).v-Paa o lins cawvcntontes cominuin-
co a v\ S. que nesa date mandei dissolvnr o des-
tacamento ao guardas nacionaes do bata.hao n.
26 do II mito, que se achava na villa de S. Bento.
X. 319.Dita ao loesrto.Ao commandante su-
perior ttaTguarda nacional de-te municipio decla-
ro nesta data para s lins convenientes que a im-
portancia da despeza era e fornecirnento de espa-
das com bambas roaudado fazer para a mostea d..
1 batalhao de artilhilra, deve ser paga pete caixa
do mesmo batalhao era vi-ta da.- infonuacoes de
V. S. ns. 771 e '18, lo 12 do corrente.
N. 320. Dita ao mesmo.Em addiumento ao
meu oiliei.i de 19 de ouiubro ultimo, transmiti
f V. S. para os lins convenientes as inclusas re-
lacoes nominaos que me remetteu o commaudaute
superior do municipio deTaearat, rom oOtew de
23 lo citado m?z de ontulKO, da- praeas da guar-
da naeioii.il que e-tiveram destalladas naquella
villa, a contar de 10 de junlio a 30 de setemoro
deste atino. ....
S. 521.Dita ao procurador fiscal da thesoura-
ria de fazenda.Atlen lomto ao que reqnern An-
tonio de Pinito Borges, contractanla que fui dos
toncerUis que se lizeram na casa de sua proprie-
dade em que funciona o rollcffhi das artes e
ten lo em vista a informnca. da thesouraria de
fazenda de 17 do corrente, sol. n. 789, antonso v.
S. a assignar com o snpplicanto a esenptura de
distracto da hypotbeca que se passoit f*r seguran-
ca do referid.', contracto.
jj 522 bita ao inspentor da thesouraria pro-
vincial.-Deciaro a V. S. para seu conhecimeoto e
fins convenientes, que o chefe da rcpartico das
i obras publicas participou-nn! em oficio de Hontem,
| sol. n. 391, que, adiando so o arremtente dos
ivparos da ponte do Gin.iay con do cito ao paga-
monto da primeira prestacao do sen contracto,
mandara passar o competente eertift-ado.
N 523.Dita ao mesmo.--Aunumdo ao que
solicitou o chefe interino da r,paili;ao dus obras
,a publicas em oflicio de honem. sob n. ^0, reomn-
hacional e cangraptiia no concurso, que se vae| mendo a V.S. que "^WiliSlg1^
rocoderna renar-ieo das obras publicas no di. daquella reoarticao aquantiade l.tXK)->(M)J a
22 do frente para prehich.mento do lugar va- occorrer as da^s com SSS
go deescrevente daquella reparticao; assim o | que van ser executedos por adi.nni5lraiao na pon
declaro a V. S. para seu conheeiineuto, e allin de | te do Anj..
aneo faca con-tar ao mencionado professor, que \N. 524.-Dita ao mesmo.-Com a unta jante,
fornecida pelo administrador da casa de d -tencao
do gaz consumtnido cun a Uuniinacao daqaeUe
eslabeleciiiienlo nos mezes de alud a junho deste
anno, sati-faco a requisic.io contida no uVio de
V. S. datado" de 17 do co.rrenie, e sob n. 702, a
que vieran annexas as cuntas que inclusas de-
raes Jnior do cargo de promotor publico de-;.-.
comarclt, perneando para o substituir o bacharel
Ansterliano Corroa de Craslo.
X. 338 Dito ao juiz de orrhaos do termo do
Recife.0 Exni. Sr. presidente da provincia, man-
da declarar a V. S. que ficou inteirado pelo nep
dfflcio de hontem datad) de haver nessa daiadei-
xalo po encommodo do saiie o exorcicio das
funecoes do seu cargo.
X. 539.Dito ao juiz municipal A\ 1." vara da-
la cidade.De ordem do Exm. Sr. presidente da
provincia, transmiti a V. S. a relacao junta por
copia, que em offleio de 17 do corrente sob n
1,631 enviou o Dr. chefe de polica de sentencia
I h il .t ilni.i i.ktv.l hit j nA^ini A
DESPACHOS DA PRSI08NCIA DA PBOVCtaA
15 BK JANEIRO.
Barao do L'vramento.l/jnceda-se.
Coime Ignacio de Araujo Lima.Informe o Sf
Dr. juiz de direito da comarca de Hambo.
Krineneo Ferreira de Xovaes Jnior.Informe
o Sr. coronel eommamlante superior interino da
capital.
...me o Sr. major
director do arsenal de guerra.
Joaipiim Pires da Silva. Ao Sr. osperter la
the-iwiraria provincial im:d a portera tiesta dala.
P.dro Jos Gregorio du Silv.-i Carvalho.IbJwt-
me o Sr. inspector do arsenal de marmita.
Man-tel Simplicio Corroa. Leal. Bev.ilide o re-
qnerimento que dirige ao governo impenal, com
sello inferior ao devdo.
Reparticao da polica.
2* seccao.Secretaria da polica de'Periiambo-
a, 18 de Janeiro de 1870.
N. 86. Ilhn. e Exm. Sr. Levo ao conheci-
menlode V. Exc. que, segundo consta das pir-
cipaefies recebidas n'esta reparticao, foram hontem
recolhido casa de deteiico, os seguinu indivi-
tPjOv
A ordem do subdelegado do Recife, Jowv Cielbo
di Costa por chine de resistencia, e o subdito tU-
namarquez J. Roen, a requisicao do respeotito
cnsul.
.ordem do de Santo Antoiuji. Fsanc'co,aera-
vo de Mftnoel da Silva Caiiijio^, a rqueriuionto
tjesie.
Em data de hontem p^rticipon-ine o suboVIega-
d i do Recife, que as 7 hora* da manliaa do dia
anterior o subdito portuguoZ Luir.-Augusto Maclui-
do Leal, tentara suicidar--.- de-lorhando um tiro
de revohver sobre o crneo que, I..30 que soube
do fado, dirigise ao lugar onde se achava L0.1l,
fez proceder a vistura e applicar os socoorros que
11 caso exigi, em virtude d.w quao* llcava e tw-
rigo, e que das ndagacoe- procedidas a M>inHian-
te rsped verlicou que Leal lora levado a prati
car un tal alteottdo eia consequeneia de aektr-
ptMdesempregado ha qnasi nm auno e s.'in reinirso
algiim. o. segando suas expressoes, desacreditado
no cooimercio pe seu ultimo patrie que nao ces-
sava (tedeprtnirdesua reputai;aico.iiuieroial,sen-
do que em seu podT l encontrada urna carta
dirigida a seu proprio, na qual coininuiii'.'.va-Ue
nsito de acal, ir con .1 existencia e os moti-
vos que* Por oflicio datado laumem do hontem coraran-
nicoume o Dr. admini-tr. lor da casa de deieucio
que na manliai. do mesmo di.-f* fallecer all o eri^
uiinoso Elia- Joaqnim dos S.nlo-i, de quem trntoi
em minJia parte diana sob n. 77, em iVi^'quencia
dot (orinientos graves que rei-.l. ra no acto da
lucia que occasionon'a m irte di pardo F-annsc-.
Deus guarde a V. ExcLim. u Exm. Sr. se-
aador Frederico de Almeida u Albuquerque, pr-
ndente da provirieia. O chefe de noticia. Litis
Intonio Firmando.- PMwint.
te, sob 11 700, cerca do requerimento deVSetiri-
que Miguel de S mza Abren e Lima, mandar pa-
gar a e-te a quantia du 2343, proveniente de 300
Bravatas desolla do lus.ro. que forneceu ao corpo
provisorio de polica, em virtude de contrato que
celebrou com o respectivo conselho administrativo,
(cando assim desfeito o engao que se deu na as
signatura do mesmo contrato, supprimindo o sup-
plicante o cogonome de Souza.
N. 499.Dita ao chefe da reparticao das obras
publicas.Tendo designado o professor Simplicio
da Cruz Rineirc e o engenheiro Joaquim Galeno
Coelh para examinar no concurso a que se vac
proceder no da 22 do correle, para preenchi-
tnento da vaga de e do o primeiro em linnua nacional e calig'raphia,
e o segundo em arilhmetiea, assim o declaro a
Vine, para seu conheoi ment e flus convenientes.
4* seccao.
X. 800 Portara ao director geral da instruc-
cao publica Toado designado o professor Sim-
plicio da Gru Bibeiro, para examinar em nagua
dos de lustica viudos do ^residi de Femando e
recolhidos a casa de delencio.
X. 540.Dito ao coimiinn.lante do corjio provi-
sorio de polica.Sua Exc. o Sr. presidente da
provincia, manda declarar a V. S. em resposta ao
sen oflicio de 5 do corrente sob n. 514, que a the
souraria provincial tem ordem para pagar a Joa-
quim Antonio de Carvalho a quantia de 5:5003000
constante do seu citado oficio.
N. 341.Dito ao bacharel Antonio Domingos
Pinto Jnior, promotor publico de Pido Albo.
0 Exm. Sr. pre-i lente da provincia, mandale-
clarar a V. 5. qno fleon inteirado pelo seu oflicio
de 18 do corrente de haver nessa data entrado no
goso da licenc 1 que Ihe fot concedida por despa-
cho de 17 do dito mez.
X. 312.Dito ao bichar Francisco Gomes Pin
EXTEBIOS.
para isso datera eulender-se com o cnefe da mes-
ma reparticao.
F.XPKDIK.N-TE ASSIRUADO TELO SR. DH.JOAQC15I CORREA
DE ARAUJO, SECRRTAUIO DO GOVERNO, ES 18 DE
NOVEiiero os 1869.
2 -1 seccao. '
X. 501.Oflicio ao commandante superior da
guarda nacional' do municipio de Agua-Preta.
Nesta dala autorsou-sc a thesouraria provincial
a pagar a Alfredo & Cunha e a Joaquim Das de
Umeida Costa os veucimentos constantes dos of-
fieios de V. S. datados de 12 e 13 do.corrente, os
quaes licain assim respondidos de ordem du Exm.
Sr. presidente da provincia.
X. :oi Dito ao commandante sMeror da
guarda nacional do Brejo.S. Exc. osr. presi-
dente da provincia, manda declarar a V. S. em
re-poeta ao seu oflicio de 4 do carente, sob n. 16,
que a thesouraria do fazenda tem ordem para pa-
gar a Martins 4 Leopoldo as vencUnentos cons-
umios d. citado oflicio
W. 503. Dito ao commandante superior da
guarda nacional de Flores.-O Exm. Sr. presiden-
te da provincia respondendo ao seu oflicio de 5 do
corrate, manda declarar a V. S. que a thesoura-
ria de fazenda tem ordem para pagar ao procu-
rador indicado no citado oflicio, os venciinentos
constantes da folha e pret, a que elle se rafere.
N. 504. -Dito ao mestno.S. Exc. o Sr. presi-
dente da provincia, 'manda declarar a V. S. em
resposta a., seu oficio de 5 do corrate, a respe
to dos venciinentos do destacamento dessa villa,
que a thesouraria de fazenda expedio as conve-
nientes ..rdens.
N 503 Dito ao com mandante do corpo provi-
sorio de pplicia-Sesta date autorsou-sc a the-
souraria p'rov ncial a mandar abonar os veni
volvo.
N. 525. Dita
ao mesmo.-
to le Campos.Pela secretaria do governo se
coinmnnica ao Sr. h.icharel Prancisc Gomes Pin-
to de Campos quj Cii S. S. nomeado promotor pu-
blico da comarca da Boa-Vista.
X. 543.Dito ao bacharel Ansterliano1 Correa
de Craslo.Pela secretoria do governo se com-
mantea ao Sr. bacharel Ansterliano CbrrAa de
Craslo que por deliheracao desta data foi S. S. no-
meado promotor publico da comarca de Tacara-
t, (loando sera effeito a deliboracio de 18 do se-
tembro ultimo que o nomeou para igual cargo em
Boa-Vista.
X. 514 Dito ao bacharel Jos da Costa Carva-
lho Cumiarles Jnior.Pela seoroteria.do gover
no se commnnioa ao Sr. bacaarel Jo da Costa
Carvalho Gnimartes Jnior, que por deliberacao
desta data Ihe fui concedida a exoneraban que pe-
d o du cargo de promotor publico da comarca de
Tacarat.
3* seccao.
N. 545.Oflicio ao inspector da thesouraria de
fazenda.Sua Exc. o Sr. presidente da provincia
manda iransmittir a V. S. competentemente des-
pachado o incluso requerimeoto documentado de
Antonio Joaquim de Vaseoncellos. que so_refere
a sua inlormaco de 15 do correte sob n. 780.
N. 546.Dito ao mesmo.De ordem de S. Exc.
o Sr. p/esidente da provincia commnnico a V. S.
que segundo consta de oflicio de 29 de ouiubro
ultimo do juiz de direito interino de Tacarat.
fora nomeado para exercer interinamente o crgo
de promotor publico d'aquella comirca o capitao
Jo- Paulino Rodrijues de Barros q te pre ramento, entrando na mesma occasiii en oxe-
lo do
N. ozo.una ao ilomoo. De conformidade lamcuiu, jumiri u. hh.-..h ..o,,*.....>
cora o que solicitou o teuonte coronel commanlan- cicio, como igualmente consta de participar
to do corpo provisorio de polica em oflbio de nomeado.
boje, n. 635. recommendo a V S. que mande abo-
nar por adianiatuenio tres mezes do venejraentos
a c.nlar do Io deste mez, para o altares Mareohno
da C.la Raposo que segu em diligencia para a
villa de S. Bento, e Icn as>iiu a quautia de.....
705000, ciuo ajuda de custo de ida e volla.
N. 526.Dita ao chele da reparticao das obra*
publicas.Accuso reeebido o ofll;io de hontem
-ob n. 391, em que V. S. particijou, que, adan-
do-se o arrematante dos reparos da ponte do Juu-
dtahv cqm direito ao pagaraentj" da-prlmeira pres-
laca do seu contrato, mandara passar o compe-
tente certificad-i, eem resposta lenho a dizer que
acabo de dar sci-ncia desse offlcio a thesouraria
provincial para os lins convenientes.
4.a seccao.
X. 527.Portara a cmara municipal do Brejo.
Para resolver acerca do que expoz a cmara
municipal do Brejo em seu oficio de 10 do cor
rente e do que requereu Antonio Jo- Vietra da
Cunha sob que versa a sua informarlo daquella
lata, mister que a mesma cmara remella me
urna copia das pisturas de que trata a sua citada
informaco, e informe por qtem c em que data
foram ellas approvadas.
N. 528.Dita ao administrador do correto Do-
Miranda.Dando solueai
N. 547.Dito ao mesmo.-Ten lo sido nomeado
para exercer o cargo de promotor publico interi
no da comarca de Garanhuns o capilao Antonio
Vctor Crea, era sustitaieai do elTectivo ba-
charel Jos Francisco de iScs Cavalcanle que
desde 21 de outuhro ulto se aclia no goso de
brenca, assim h coramuniAi' a V. S. de ordem do
Exm. Sr. presidente da pr-mncia.
X. 548Dito ao mesmo.D,: ordem de Sua
Exc. o Sr. presidente da provincia, commnnico a
V. S. que a 8 do corrente o juiz mnnidpal de
Goyanna bacharel JoaquimCordeiro C>lhoCintra
entrou no exercicio da vare de direito d'aquella
comarca por achar-se no goso de urna licenca de
30 das concedida pelo presidente da relacao, o
respectivo juiz de direito.
N. 549.Dito an chefe di reparticao das obras
publicas.Sua Exk o Sr. presidente da provincia
respondendo ao aflicio.de V. S. datado de hontei
e soh n. 392, manda declarar que a thesour
provincial tem ordem para entregar ao thesoure
cadver do sent;n- tonto Domingo Pinto Jnior, promot >r nublico.da
^ssirs^jurs^\s^s^^
e V S, datado de "hontem, son u. 5;, o qual li
ca 'assim respondido de ordem do Exm. Sr. presi-
dente da provincia.
& seccao.
N 506 Oflicio ao inspector da thesonraria de
fazeda.-O Eira. Sr. presidente da provincia
manda transraittir a V. S., corapotenteinente des-
pachado, o incluso requerltcento documento a que
se refere a sua informacc de W do corrente. sob
mingos dos Passos Miranda.Dando solucao ao
seu oficio de 12 d corrente tenho a di^er Ihe que
mentes obre ajudafde custo, i q^jra oi|J{,"J" ^ndo Vine reeebido comniunicaoo de haver sido
aposentado por decreto de 27 du nez prximo Pin-
d, deve passa* o exercicio do cargo que exerce
ao seu substituto legal, nos termos do art. 40 3
do regulamento le 21 de dezerabro de 1844.
N. 529.Deliberacao.O presidente da provin-
cia resolve declarar sein 18 de agosto do anno prximo passado que no-
meou a Domingos Filgueiras da Cunha, director
parcial di indios da aldeia do Brejo dos Padres
na fregueoa de Tacarat.
ro dessa reparticao o cont de res de que trata o
citado offlcio.
4.* seceo.
N. 530. Oflicio ao director geral interino dos
indios S. Exc. o Sr. presidente da provincia ten-
do por deliberacao desta data e em vi-ta do seu
ofltein do 29 de "outnbro prximo findo resolvdo
noraear o cidadao Manoel Francisco BoteJho de
Arruda, director parcial dos indios da aldeia d>
Brejo ds Padres na freguezia de Tacarat, assim
o manda communicar a V. S para seu conhect-
ment e afi n do que faca constar ao nomeado.
que deve solicitar nesta reparticao o competente
''t010- .. A V
N. 551.Dito ao cscrivao da irmandaile de Xos-
a Sanhora do Amparo da cidade de Oliuda.S.
Exc. o Sr. presidente ds provincia inrada commu-
nicar a V. S. que nesta data fien expedida a con-
Fraau*.
CARTAS LIPAS TELO CIDABAO GAMII >N NA UKl.StVI
K1.K1TORAL .I BURGO DE SANTO ANTONIO.
Aos mentiros dos anuidos rf-ls cuniiuti wntjn-
mmen'atlo*.
Mem caras ecmciiadot. Convidaee-in iior in-
lermedio dos cidulos G.unbon, I!. Bocbetorl, tit
lavo Flourens e lieaunumie. a voltar i n ir lia'-.-
mente a Franca para apreseuUir o suatoatar ;. iui-
nha candidatura.
O seumcnto qoe vos diclou es-o convite tmm-
move-iue e hnrame. Moslrar-me-lu'i. d.v.io da
ossa coofianca, respondendo-vos com todo a iau-
queza de um homeui livre, de um rep/abtieanu.
Designastes quatro candidatos. Os seus, nomos
recordara lulas val irosamente sustentadas gran-
des serviros prestados causa democrtica, o na
circtiuistancia presento jigmfleam a soboranta do
povo reclamando a sua ndopondencia, bjfnlmgia
universal reclamando a -ua liberdade. Ora, essos
nomos foram publicados em todos os jornaes fo-
ram acceilos por tima pnream considcraveldi nos-
so partido : foram aedamadjM as reunios pu-
blica-. C.mo se na de reconsiderar depois de tal
resultado ?
Se 8U csti ;e-sc no nu ero dos candidatos pri-
neiro designados, toria id > I >go ao vosso chaiua-
ujento. Mas que snecoderi i so, nao lento sito de-
sgnalo, toase a Pars apreeentar a miulia candi-
datura ?
Podel-o-ia fazer sem mostrar antagonismo a res-
peito de una das candidaturas ja acceitas pelo pu-
blico?
Podel-o-ia fazer sem indicar protesto contra urna
d.is escolhas ja combinadas?
Seria lanear a porturbae'io e a incerteza no es-
pirito dos eleitores; sena acereseentor novo uio-
livo de divisa.) aos que ja se suscilaram as oa-
sis fileiras. a que .-<> totdom a diminuir muito as
nossas forcas.
E vs rae mos poderieis adoptar a minha can-
didatura sem destaier parto do que ten les feto e
-em desacreditar assim a autordade das oaiM
decisoes
que preciso 6 que" o principio seja cura-
mente representado. Reconhe-ido esse fira, a
queso de pessoa tora apenas importaucia secun-
daria.
E dahi, do que se trata? E noressario que os
candidatos inajiuamentedos, se forom eleito-, vao
torear a entrada da cmara, sil.o a seren ivpel-
lid'S. agarrados, presos. Nao hesite om dizer,
quanto a mira, que seinelhau'.e passo me paneta
tesejavel, se o acord de tod M os republicano*
a unidade de impulso |ue d'ani re-ultasse houvos-
sem tornado realisavel una manil.;sUi;ao popular
bem inpouente, bem unnime, para que ao aspec-
to de um povo, revantando-?e inteiric-., as annas
,-aliissem das mais du so'.da 11, ou ente >, se na au-
sencia de qualquer inanifosl^So. os inajura uen-
tados eleitos tossetn assembla no da da abertu-
ra apoiado* pela unnime appwacno do parii to
democrtico, o qne era preferivel. Porque ne ca-o o perigo torta ido nicamente para Mitins
homens o as rioleucias de qu- f..ssem nctunas
sei veriam causa da liberdade, sem nenhum rt-co
de a coranrornetter.
Infelizmente, o que era licito esperar nao so dot.
O partido 'demicralico dividise a respeito de
raa urna raesto que doveria, segundo parece, te-o
jrei Uncontrado eslreiamente unido : o imraenso at-


v
,--;

V
i-nwuM <' v.. ^.------------ --------- .
canco da eleicio dos najuramentados nao toi cora-
prehendido por todos. L-unentaveis disciv*3es
pozeram era guerra soldados que deviam esperar
combater sob a mesma bandeira. Honve confiis;.
onde a harmona dos. esteris e a associaeao das
vontades erara indispcnsawis ; e os oossos iniuu-
gos tiraram d'ahi o thoma para tornaren_a p.rflt-
p o espectro vermelho, preparar golpes de estad
la de cima, fon-arfe se fallar em golpes de esta-
do c de baixo, e amedrentar essa parto da buc-
Saezia que sempre est prompta a cahir ua anosc*
n medo. ,. .
Neste caso qual a boa poHlica? Temos dianto
de nos um obstculo o um perigo. O jbstaeuto
est as inquietarles com que so consegmo ator-
mentar o espirito dos qae querem a ordem antes
de tndo. -.^
O porigo esta na possibilidade de urna mamBa-
&.




Diario de Pernambuco Quarta feira J9 d# Janeiro de 1170.

i



tacio popular sem conjoncto, parcial, que condu-1
ana a un combate horrivelmente desigual, esse
cmbale a um destroc bem corto, dand>-nos
pela segunda vez um senhor disfarpado em oJ-
/ Faxer todo o possivel para affastar o obstculo e
evitar tudo quanto- chamara o perigo, cis, pnis, a
ana ver, a liona de conducta quo as actuaos
chvjumstancias nos ordenam imperiosamente de
Pertence no?, meus caros coocidadios, exami-
nar se esso dupl) intoit. nao seria conseguid" pela
poMicac&o de urna declararn collecuva, dizendo
en substancia :
Qne o flin da eleicao do- inajurameitados 6 fa-
aararreigar pelo proprio sulTragio universal a li-
berdade do sulTragio universal;
Que a democracia nao precisa de um rcboli^o, c
mnilo decididamirnte nao o quer ;
Que o nao quer, exactamente por precisar de
ama revnlucao;
Que no rebol ico l est inleressado o governo, a
qofina de Que de faci os ltimos actos oe periurbacao
social de que temos sid.i teslemunhas, e do que
recntenteme sotTrerara o commercioe o trabalho.
todos teem vindo da poder ; jornadas dos blusas
bruteas; prisoes nn egaidas de pwseguicoes,
tio impossivel era con essar-lnes a ososa; loral-
to represenlacao nacioual neta prorogaco da
cmara ; insulto opinio publica pela rolonga-
cii arbitraria e irritante do interregno de rigor;
insulto ao paiz. pelo adiaiiiento systemalico das h-
berdides promettida*;
Que ba manifest m f em se servirem da? pa-
lavras escapadas legitima indignarn, indigna-
ci, tio claramente provocada, do alguns espiri-
to ardente-, para nos espiritos tmidos suscitar o
. terror d* um reviramento social ;
Que a p'ior das desordens a violceo dodi-
reilo, a suppoiijo insolente da soberana de um
bemem a s.iberania do povo;
Que a essa desordem que a eleicao dos ina-
juramentados lea por lim cortar de vez;
Qae os republicanos ponpam o sangue do povo,
vaproporca do amr que elles Mies lem ;
Que por consequencia os candidatos inajura-
meatados; em vez de serem os candidatos do mo-
lim, sao os da ordom verdadera, a qual nao pode
r existir fura do respeito des principios ;
Que a grande revolta cmn que os republicano-i
coutam para o trium.ioo da lib-rdade, a revoita
da honradez publica e da razan ; -
E em sumuw, que os pretendidos candidato do
motim, sao formalmente convidados a fazerem
jastica a esea calumnia, abstendo-se quando la-
ma nomeados, de se apresentarem na cmara at
que a verificaran dos poderes traga o valoroso
cidado, cuja p'resenca na assembla era requeri-
da, para que odireiti dos.inajuramentados ahi
tivesse um ilefensor, e formulando esta pergunta
iterante a esqnerda como perante a direita : rana
ser aqni representado pelos que Pars repel io
ou pelos que Paris elegeu ?...
Que, se a esta pergunta se respondesse com
urna exclusao quesera un ultrage a soberana
do povo, que sena urna insurrcicn moral contra
o suffragio universal, a de nocracia nao ignora
que, para 'vencer, tem outros ineios o lio efjfcazcs
como 0 recurso das armas; e a Franca nao pre-
cisara, para producir Hampdeus, de ser animada
a isso pe > excmplii da IngUterra.
Eis, meus charos cidados, tudo o que eu
pens.
Fazei i*esfa carta o uso que julgardes conforme
cora o bem publico, e re;ebe as ininhas sauda-
coes fraternaes.Luiz Blanc.
Heu'caro Gambon.Combinamos que logo dc-
pois da la partida eu resumirla a noi-sa eotivcr-
sacao.
Disse-fo : sou partidario do voto contra o jura-
mento, contra a insolencia de um hornera qae n- s
diz sera ce-sar : eu que sou o soberano. A este
respeito s fui excedido por ti ; t principiaste a
hita p >r occa-iao da eleicao da Nivre. Senhoriei-
me da la idea e propaguei-a ; por consegrante,
de toda' a miaba alma o de todo o nien cora-
efe, esinu de acc rdo com o que se est tentando
em Paris.
So posso declinara honra que me querem fazer
e dizer que procurem outro oais muco, que ne
substiluam por um operarioe os habem aptos
porque a,doenca de que padeco me nao permute
o coalar contigo pira a livre disposico do espirito
e do corpo. Exactamente quando me chamara
todos os meus amigse que eu uo posso sahirdo
quarlo. trisie cruel I
Guidei que talve gorasse a eleicao com o rncu
silencio ; por isso te encarrego de diieres aos ci-
dados do cumicio que Iba rogo rae descul-
pom.
S, bem que eu era partidario do voto que adop-
tarain e algarera que faziara bem servindo-se do
met nome. Nao me snppunliam Su doente. F.
alinal, elles romprehendein melhor do que eu, so-
litario, o que til a nosta causa.
Se o reb.lic > tem de vir. nao acceitemos nunca
para da de balalha n qne o imperio tiver por bem
lixar-no-. Se a natallta necessaria, d la-hemos
no dia e a hora fixada nelo povo. Nessa dia, ou
se me despedaea o coracao no caminho, e l estarei
comvosco para receber urna bala.
as espero que nunca teremos de matar sold-
is* francezc e ijue nao nos farcinos matar por
des.
Somos Bilma da mesma mi, que nos legou o
dever de fructificar por toda parle a fraternida-
i que atiabo de ecrever poneo digno de ser
lido n'uma assembla. Nao sou grande advogado
O meu coracao, quando pens ta patria, bate nem
eu sei cora quanlas pulsacoes por minuto! A.
Barbes. .
PERNAMBUCO.
REVISTA DIARIA.
ACTOS OFFICIAES.Por deliberacao de' 15 do
cerrenle. foram nomeados:
Joao do Rege Maciel Jnior, quarto supplcnto
do subdelegarlo do primero districto do Brejo.
Jerony.no Alberto Maia, primeiro supplente do
di de P inenteiras.
Jos Bento de Oliveira, subdelegado do primeiro
districto do termo de S. Bento e sea primeiro sup
penle Feleraliuo Antonio da Silva liemos.
Por outra de 17 do crrente, foram nomea-
dos para o bal Ihin n. 19 da guarda nacional de
Nazaretb os sJguintes ofclae* :
Estado-maior. Porta-bandeira, Fraocisco Ga-
rcillode Parias.
3.' compnhia.Para tenenle o alferes Antonio
de JJollanda de Albuquerque Mar^uho e, para al-
teres Jos Callado Gaio.
Por outra de igual data se mandoa dar a
guia de que trata o art. 45 do decreto n. 1,130 de
1833, ao capitao do 8" batalho deste municipio
Antonio Candido de Oliveira para o municipio do
Liotoeiro, onde e>l residindo.
THESORAlUA PROVINCIAL. -Porante a junta
administrativa de>ta repartigo vo pra$i :
So dia27 do eorrente me'os reparos urgentos
de que precisa a ponto do Anjo avaliados em ...
6:670,, os reparos do caes da ponte de Uchoa por
i:870, e os ropaios do aterro do Anjo por.....
4:730*.
2in lia 10 de fevereiro prximoa obra do
aterro da Varzea no engenhn Rosario, avaliados
4im 7:9205, devemto ser c-imecada dentro de um
mez, e concluida no de sete.
CAIXA FILl.\L.-^E-te ostabelemento paga o 32*
dividendo das accies do Banco do Brasil inscrip
tas, razao de 9&pnr cada urna.
HOTEL EM OLINDA.No Varadouro acaba
ota lama Faure de esiabelecer um hotel, cora todo?
os entraudos indispeusaveis s iwssoas que dse-
jarem tomar banlio-. salga>los ,ou mesmo passeiar
na cidade de Olm la, sera o trabalho de preparar
asa. Acha-se dirigindo a cosinha Mr. Creton,
outr'ora director do hotel da Europa no Recife.
FALLECIHEMO.Anto-hontem deu alma ao
Creador, ca cidade de Oiinda, o escrivio de or
pnio* do termo o Sr. Francisco das Cbagas Caval-
cante Pessoa.
PHAROL DO PARA'. Tendn-se inutilisado a
barca pnarol ue lnvia sido enllocada no* baixos
de Braganca, na provincia do Para, foi substituida
tamporaraiuente pelo hiate Riachuello; o qual
turante o dia bordejar oas proximidades, e
noute ancorar, londo no mtstro um lampeao.
CmB X.Conforme noticiamos roaniram se
anto-hontem em assembla geral os socios desSa
sojiedade para approvacfe dos estatutos e etoic^'
da directora, composta dos seguntcs Srs:
Presiddoie, Luiz toncalves di Silva; vico-prosi-
dente, Antonio Machado G. da Silva ; 1. secretario
Julio Cosar C. Guiraares; Io dito, Miguel Carnei-
ro y Baggio; ihesoureiro, Joaqnim Dias dos San-
-tos; procurador, Policarpo Jos Layme.
fJSBIMEETO.H-tutem ao principio da noite,
tu travessa di Moolciro na regaezia de S. Jos,
um individuo conhecido por dera t m
outro duas punhaladas com um fornido, htveudo
precedido ao delicto urnas cacetadas com a cha
de lenha que, segundo nos informara, foanm dadas
pelo oflendido. O criminoso pode evadir-aj.
CACADA DE GATOS. Somos informado de
que ha na freguezia da Boa-Vista nos mocos que
possuem urna raatilha compusta de cinco ou U
caes perfeitamente adestrados em ca^ar os gatos
que van encontrando. A cacada de -ante-hootem
leve lugar na ra da Ponte Velha e circumvizi-
nhancas.
Nesie mando, infelizmente ha geole para tudo !
llora seria ade esses caladores empregassem me -
Ihor o seu lempo, pois, que os pobres, animans nao
merecein lio barbara devastaco.
LOTERA.A qae se acha venda a 134', >
beneficio da igreja de Nossa Senhora do Arapan
de Oliuda, que corre no dia 21.
CMARA MUNICIPAL.
5ESS0 EXTRAORDINARIA AOS 12 DE JANEI-
RO DE 1870.
PttBSIDENCIA DO SR. DR..S0t,ZA LE\0.
Presentes os Srs. Dr. Barros Barreto, Or. Pi-
tonga, Gameiro, Soiua Magalhes e lgnac:o Pes-
sa, faltando com causa os atis senhores, abri-
se a sessaa, e foi I ida e approvada a acta da ante-
cedente.
Leu-se o seguate
EXPEDIENTE :
Um oeio do Exm. Sr. presidente da provincia,
communicando que por deprehender-se do rela-
toro do engenhero fiscal da estrada de ferro des
provincia, que o arrematante dos impostos muni-
cipaes da villa do Cabo tem exigido que'os pesos
e balancas da mesma estrada sejam aferdos, man
da o Exm. Sr. ministro da agricultura, commercio
e obras publicas por aviso de 13 do dito mjz de
dezembro, sob n. 40. declarar a cmara, que com
quanto a lei n. 1157 de 26 de junho de 1862 em
nada alterasse as altrbuirJes das municipalida-
des a e-te respeito, om tudo ordenando a sub"ti-
tuicao dos pesos e medidas usado no paiz pelo sys-
tema mtrico, deixou ao governo o arbitrio do em-
pregar os meis para saa substituirn, dentro do
praso nella estabelecido.Inteirad>.
Outro do mesmo, de 30 de dezembro ultimo,
concedendo a autorisaco pedida pela cmara em
sea olllcio de 22 do mesmo, sob n. 101, para ex
ced r mais a verba votada no 4o do art. 2 -da
lei do ornamento municipal vigente, nao s na
quantia de 400A000, para a lesapropriacao de 60
palmos de terreno do Dr. Antonio de Araujo Fer-
reira Jacobina, para a conlinuaco da travessa da
ra da Ventura, mas tambera na qus for necessa-
ria para as despezas.Intoirado, comraunique-se
ao procurador.
Outro do mesmo, recoramendando, de conform-
dade com o que foi determinado era aviso de mi-
nisterio da marinha de. 10 do dezembro al timo, e
no intuito de remover as causas que concorrem
para obstruccao do pono des provincia, que a
cmara procure evitar a continuago de lancar-se
lixo oo rio e praias do aocoradoro.Que se reco-
ve as recommendaces ja feitas aos fleaes a seme-
ntante re.'peito.
Outro do tne^rao, de i do corrente, communi-
cando ha ver deferido naquolla da, em vista do
art. 21 do rtgulameuto de 2 de junho de 185i e
da iiformacao da cantara de 22 de dezembro ulti
rao sob n. 100, o requerimento em que los Joo
d Amorm nede para levantar no cemiterio pu-
blico ora jazign para ana familia.Inleirado, cora-
munique-se ao procurador
Outro do administralor do cemiterio publico,
remettendo o mappa obfuario que lite foi exigido
por offlcio de lo de dezembro ultimo. A quera
fez a requisiciio.
Outro do eng 'nheiro cordeador, informando o
requerimento do D Mara Amalia le Albuquerque
Mello, tem a dizer que pelas posturas era vigor nao
, pernii.tido a construeco de casas de 22 palmos
na ra do Alecrn), e que possuindo 'a supplicante
44 palmos, pode construir urna casa cora 30_ pal-
mos, e nos 14 que sobrara c dlocar um porto.
Deferio-se oo sentido informado.
Oqtro do mesmo, informando o requerimento de
Manoel Anselmo Correa de FigueirJ >, declar i jue
existe no lugar indicado pelo supplicante tuna
trenle de casa de tijollo anda em respaldo, e dan
do o supplicante a altura que marca as posturas
em vigor, e construiralo as obras le conformidade
com a uesma postura, pJe-se conceder a licenea.
Oncedeu-se. ,
Outro do mesmo, informtndo contra o que pede
era seu requerimento Gregorio Jo^ Garca.lade-
fero se.
Outro do mesmo, informando q requerimento de
Jos Antonio Correa, diz que nada tem qu op-
pr a pretenso do supplicante. -Concedeu-se
Outro do mesmo, informando o requerimento de
Joanna atara Nunes, cumpre-lhe dizer que nada
tem a oppor sobre a pretenso da supplieante.
Concedeu-se.
Outro do mesmo, informando o requerimento de
Manoel Vctor de Jess da Malta, cumpre-lhe di
zer que nada tem qu>! oppor sobre a pretenso do
supplicante.Concedeu-se.
Ontro do mesmo, informando o requerimento de
D. Mara Clara Dias, declara que nada ha a oppor
dando-ee previamente a cordeaco.Mandouse
cordear.
0 ilrj do mesmo, informando sobre o requeri-
mento de Antonio Pinto de Barros, cumpre-lhe di-
zer que o terreno que o supolicante pretende cer-
car, acha-se desde poca inmemorial servndo de
logradouro publico, dcIo que necessario que
aprsente ella o titulo era qjie prove ser dono do
mesmo terreno..i ;ominissao -le edificacao.
Outro do inesm', informando sobre o requeri-
mento do Joaqnim Alves da Silva Ferreira, declara
que nao ha inconveniente na concessao, conslruin-
do o supplicante a casa, de conformidade com as
posturas e segurado o alrahanv nto das outrasque
exslem no me>mo correr Concedeu-se.
Outro do mesmo, informando sobre o requeri-
mento da junta administraiiva da Santa Casa de
Misericordia des cidade, lera a dizer.que nao ha
nconveuiente no que pede a supplicante, devendo
enllocar as podras as esquinas das casas de ma-
neira a uo prohibir o transito publico.Conce-
den-se.
Outro do mesmo, informando sobre o rqueri-
ment de Manuel Joaquim Dias 4 Irino. tema di-
zer que nada ha a oppor acerca da collocaco da
grade, mas quanto a licencia para o upamente da
por com parede al o meto, parece I he que nn
so deve consentir, porque al n do damnificar e
inutlisara por de raadeira, tira a symetria do
predio.Ci'cedeu-se a licenea com a condico de
assignar um termo em que se obriguem a repr a
purta no seu primitivo estado, quando deixarem
de oceupar as casas.
Outro do mesmo, aformando sobre o requeri-
mento de Bento Joaquim Gomes, arrematante dos
cuncertns da ponte do Luca, declara que o sup-
plicante lem direito ao que requer, visto ha ver
concluido as obra de seu contratle conformida-
de com o orcamento e clausulas do contrato.
Mandou-se pagar duas prestaeoes.
Ootro do fiscal da freguezia da Boa-vista, com-
municando que Ihc foram remedidas por Meuron
& C, moradores no Moudego, duas vacas e urna
bezerra, que se aehovam destruindo as plantocoes
de seu sitio, as quaes fez depositor no annazem do
sal.e tendo annunclado no jornal noappareceu
anda quera as reclamasse, cnsul como dew
proceder a respeito, visto como as posturas nada
dispe quando nao apparecerem os d-m >s.Que
se declarasse ao fiscal, que as remettosse ao juiz
mini'ipal como benst o evento, quera a cantara
ofBciaria
0 Sr. Gameiro fez doas requerimentos, um para
que se mandasse de novo publicar o regulamento
em vigor para a cohranca do imposto de auercoes
e nutro para que se autorisasse ao procurador fa-
zer a despeza preci do povoado di Torre e da estrada projectada
quelle povoado. Postos em discussao por parles,
foram appmvados, deliberando-se quanto ao pri-
meiro que se pedisse autorisaco a presidencia
para despender a quantia de 500,5000 com o ser-
vico.
Foram abenas duas propostas, urna de Antonio
Domingucs Pinto e outra de Joaquim da Costa Ri-
mus, para fornecimento de cadeira> e deliqenm-se
reinette-las a commisso de policia para examinar
e tratar do contrato.
Marcou-se o da 17 do correte para ter come-
co a primeira sesso ordinaria deste ann >.
Despacharam-se as petices de Andr Peterson.
Antonio Qnintino Galhardo, Andr de Abren Por-
to, A. Millete Filo 4 C, Amancio GnddredoLo-
cas, Bento Joaquim Gomes; BernaidoAlvesPinhei-
ro, Bento Jos da Costa Vleme, Christovo-dos
Santos Cavalcante, Carvalbo 4 Suiza, De.wlato
Francisco da Silva, Domingos Aff >n*o Ferreira, Do-
mingos da Gos de Souza Leao. Frederico Cesar
Builanaqui, o escrivio Francisco d" Barro Cur-
ren, Francisco Jes da Fonseca, Guilherme Henri-
<|ue Cbapmen, Gregorio Jos Garra, Hypuolilo
Martins Gomes de l'inho, Ignacio Mirques do E*
piito Santo, Isabel de Faras Guimares, Jos An-
tonio Soares e Azrvedo, Joaquim Jos Alvo< de Al-
buquerque, Joaquim Caeuno de Carvalh,o, Juao
avalcniite de Albuquerque, Joaquim de Oliveira
e Mello, Jos Francisco de Soma Jos Francisco
de Souza Guedes, Jo< da Silva Neves Jos Anto-
nio Pereira, Joaqajm Jorge de Souza, Luiz Jos
da Cos ittBtorim,' Fre Ludgro do SS- Nome le
Mara, Machado 4 M uira, Mara Saturnina dos
Prazeres, Manoel Antonio Teixeira, Maooe^Fran-
cisco de Barra Reg, Manuel Francisco do San-
t Dia, Mara das N vea de Miranda Ribeirn, Manoel
Francisco Pocas, Manoel Gomes da Costa, Pedro
Maurair, Pedro Amerco da Gama Daarte, Romn
do Reg Barro-, Rodrigues Oliveira 4 C, Sabino
Ferreira de Mello. Thora Rodrigaes da Cunha.
Vicente Jes de Oliveira e levantoc-se a ses-
fo.
Ea Francisco Canuto da Boa-Viagm, secretario
a subscrevi.
Declaro em lempo, qn* foi co cedida ama li-
cenea de 15 dias com vencmentos ao vjntinuo
J<-stlfguel de Souza Magalhies para trator de sua
saude.
Boa-viagem o dedarei.Ignacio Joaquim de
Souza Ledo, pro presidente.Dr. Pedro de Athay-
de Lobo Hoscoso.Ignacio Pessoa da .Sj/po-r-Dr.
Prxedes Gomes de Souza Pitonga Flix Fran-
cisco de Souza Magalhes.Dr. Joo Mara Seve.
Manoel de Barros Baffeto.
COMMERCIO.
fRACA 00 HEC1FE 18 DE JAJEIRO
# DE 1870.
AS 3 1/2 HOHAS DA TARDE
'lambi sobre Londres 90 d|V. 201|I por 1*000
(hontem).
Dito sobre dito 90 d[v. 201[8 e 20 lri por 1$
(boje).
oncallo Jos Aftmso,
Presideut*-.
Mosquita Jnior,
secretario.
ENGLISH BANK
()f Rio le Janeiro Limited
Deseo ita lettras da praca taxa a con-
^enciouar.
Recebe dinbeiro em conta corrente e a
jraso 6xo.
Saca vista oa a praso sobre as cidades
jrlncipnes da Europa, tero correspondentes
ia Babia, Buenos-Ayres, Montevideo. New-
New-Orleans, e emitt cartas d crdito,
jara os mesrnos lugares.
KA DO COMMERCIO N. 3rj-
Sociedade bancaria
em com inaudita
Theodoro Simn df C,
Comprara e vendem por conta pro-
iria metaes, moedas nacionaes,. e estran-
wiras, letras de cambio, sedulas do go-
bern e do banco do Bsasil.
Descontam letras da trra e outros ti
'.ulos commerciaes.
Encarregam-se por conta alheia das mes-
nas transaeces, da cobranca de letras da
erra e de outros ttulos eommerciaes.
Receb m quaeruuer qnantias em depo-
iito, em conta corrente, e a prazp fixo.
I^argo do Pelourinho n. 7
Caixa Filial do Banco do Brasil
A caixa filial d< Banco do Brasil em Per-
tambuco em li-juidagao paga o 3z dividen-
do das acc5es.pi> b;tnc> do Brasil1 inscriptas
resta caixa, a razao de 9f>000, por aeco.
ALKANDEGa.
lendimento do dia 3 a 17 716:031*321
Hom do da 18...... 8t-.Z92i(
*r?26767
MOVIME.VTO DA ALFANDH**- ,
olumes entrados com Cazenda3 h%*.
(dem dem com gneros 218
''olumes sauidos com fazendas 187
'dem dem com gneros 111
1303
298
Oescarregam hoje 19 de Janeiro.
Vapor inglez -Congacraercadorks.
E>'una inglezaHase idem.
Patacho americanoJottA Frentndem.
Hiate inglezFie don idem. .
Patacho inglez Sydeny Janefarinha de trigo..
Biigue inglezDora bacalho.
Brigue inglezCoustenay bacalho.
P tacho inglezHaider idem.
Escuna inglezaOcean Bredeiicta.
Patacho diuaraarquez Kaliemercadorias.
Barca francezaAugustina idem.
Patacho inglezHarb> llrarabacalho.
Patacho americano -Seoritafarinha de trigo.
ttiEBEDOKlA OE HUNDAS l.NTEKNA.s Ufc-
RAESDE PERNAMBUCO.
-endiraento do dia 3 a 17. 20:8533911
iero do dia 18 ..... 1:134^121
21:!!88335
iMNSLADO PROV1NCAI
.ndimento do dia 3 a 17. 108 98I202
I lem do dia 18....... 13:0235714
, I22:006#916
MOVIMETO DO POHIU.
Nano entrados mo dia 18.
Terra-Nova 32 dia-. brigue inlez enriela, de
175 tonHada-, capnao A. C. Marshall, equipa
gem 10, carga 2600 barricas com bacalho ; a
J.dinston Paler & C.
Harbir Grace 2o dias patacho inglez Harbour
Grace, de 190 toneladas, capitao James Brown,
equipagnm 9, carga 2500 barricas cora baca-
lho ; Saurlers Brothers & O.
Rio de Janeiro 33 das, patacho inslez Rowen,
de 193 toneladas, capitn James Fox, equipa-
gem 8, era lastro f ordem.
Montevideo 26 dias, patacho hespanhol Juanito,
de 243 toneladas, capitn loio Fontaniles, car
ga 6000 qumtaes hespanhocs do charque, equi-
pagetn 10; a ordera.
liba de S. Miguel 20 dias, escuna portugueza
Sereia, de 132 toneladas, capitao Hilario Gon-
calves Sobrinho, carita varios gneros, equipa-
gem 9 ; a Joo do Reg Lima.
Navios sahidos no rtiesmo dia.
S. Thomaz -Patacho din iraarraez, Codain, capi-
llo Pedersen ; em lastro.
Liverpool Barca ingleza Joseph Johnson, capi-
tao Henry Lansen ; carga as- ucar.
Canal Barca austraca Constantino, capitV
Sopch ; carga assnca.
EDITAES.
A cmara municipal desta cidade raz pti
blico para conbecimento de seus municipes
o regulamento abaixo transcripto, que se
acba em vigor para a cobranca do imposto
de afericao.
Paco da cmara municipal do Recife, 1
de Janeiro de 1870.
Ignacio Joaquim de Souza Leo.
P' o-presidentH.
Francisco Canuto da Boa-viagem,
Secreta rio.
Regulamento pira as afericoes de bataneas.
pexos e medidas do municipio do Recife
pelo novo systema mtrico decimal.
Todos os annazens, deposios, casas de
negocio, estabele.cimentos de industria de
i]3lqtier namreza que Sejam, Hxos ou vo-
lantes, onde se compre o venaa em grosso
e a retallio, mercadorias ou gneros solidos
ou lquidos, que seja necessario pesar ou
meiiir, serO o ligados a ter collecc&es
completas de pesos e medidas, segundo a
f atureza de seu commercio, na forma do
padro do imperio.
Todas as pessoas assim obrigadas a ter
balanzas, pesos e medidas, pagarao a afe-
r53o oa maneira seguiute :
Art. i. Por cada metro;pagaro os lo-
gistas U, os mascates e boceteiras i*. '
. Art. i* Por cada temo de peso, come-
cando de 20 kilogrommos at o menor peso
45, por terno; comecando di 10 kilogram-
mos, 2^560 por terno; comecando de 5
kilogranupos ift.
Os que excederem a 20 kilogrammos pa-.
garo40rs. por kilogrammo,
Pe-sos avnlsos pagaro 80 rs. por kilo-
grammo; menos de 20 kilogrammos para
cima que pagarlo 40 rs.
Art. 3. Cada marco qne n5o exceder de
meio kilogrammo pagar 80 rs., os que ex-
cederem pagarao 40 rs.
Batanea* purtuguezas, que n5 excede-
rem a 8 kilogrammos, pagarao 500 rs. ; as
qu4 fsrem de maior capacidade e menor de
20 kilogrammos pagaWo \S, e as que exce-
derem de 20 kilogrammos pagarlo 25.
Balancas para marcos e granitarios paga-
rao 320 rs.
As romanas e decimaes com pesos at
300 kilogrammos pagarao 65, e as que ex-
cederem pagarlo 10.
Art, 4.o A collecao de medidas para sec-
eos, com oito vasilbas, comecando pele de-
calitro meio de i-litro, pagarao 1600.
Por collecclo de cinco vasilbas, comecan-
do pelo duplo-litro at meio. deci-Hro pa-
garao 1(3000.
Art. 5.* A collecclo de medidas, conten-
do seis vasilhas para lquidos, principiando
pe > double-Iitro at meio deci-litro pagar
15300.
P t um terno de quatro vasilhas, come-
cando de meio litro at meio dea litro
10*00.
Art. tj." As vendas e armazens slo obn-
gidos a ter tantos temos, quantas forera as
qualidades de lquidos que venderem.
Art. 7. As medidas avulsas, quer para
liquido, quer para secco, pagarlo 200 rs.
Art, 8." Os que venderem pelas ras fa-
sendas ou seceos, como azeite. mel, leite,
feijo milbo, arroz etc.: pagarlo de afenclo
por cada m-dida 32o rs, e o mesmo paga-
rlo as canoeros, barcaceiros e na vi s que
venderem cal, sal, farinha e outros g-
neros.
Art. 9. Os que venderem lquidos em
barris ou ao ;oras, slo obligados a aferi-los
marcando ao texto de ada um o que pode
conler, e pagarlo por cada par de barris
ou ancoras o que est estipulado por urna
s vez ao anno 15, al a prxima arrema-
tadlo, ficaodo livre da revislo para nova
arremata alo*
Art. lo. Porcada regra de dnus metaos
pagarlo 500 rs. e slo obrigados a mt
parte dellas os mestres do obras, carapi-
nas, pedreros, cantos, vendedores de raa-
deiras e todos os que por'sua profisslo
di-la possam prec sar.
Art. 11. As staeoes publicas continua-
rlo a pagar as arerices, bem como as es
(acoes da estrada de ferro, e matadouro
publico as balancas de arrobacl
Art. 12. A medidas e pesos sao sojei-
tos s revises, que costar metade : todos
os pesos e medidas aff iridas pela primeira
vez Qcam sujeitos mais da metade da alie
rielo prescripta.
Art. 13 As afferices terlo comeco em
outubroa dezembro, e a revislo de abril
junho ficando poi*m os acougnes oDriga-
dos a reverem de tres em tres metes.
Paco da cmara municipal do Recife, 13
d** judio de 1868. Luiz Jos Pereira Si-
raes. pro-presidente..F licano Joai ioi
dos Santos.Thomaz de Aqoino Fonceca
Dr. Joaquim Jos de Miranda Gustavo
Jos do Reg.Dr. Prxedes Gomes de
Sonza Pitanga. Antonio Jos Silva do
Brasil.
Approvo.Palacio do governo de Per-
nambuco, 17 de agosto de 1868As sis.
Conforme.Antonio Annes Jacome Pires.
4" aeoea i.Secretaria do Rilverno d Pernam-
buco,' 24 de dezembro de 186).
Pela secretaria do governo se faz publ co, que
o Exm. Sr. presidente da provincia nao accelou
as proposias apresentadas pelo engenbeiro Manoel
Buarque de Macedu,e o bacliarel Bento Jo da
Costa Jnior para a construccao de urna estrada
de ferro desta cidade a villa do Limoeiro cora 2
ramacs para Nazarclh e Victoria, por exigirem os
proponentes aramias de juros, e nao permittirem
os cofres provnciaes um compromisso dessa or-
dem, nao obslaule a aulorisaciio para esse fim
concedida pela lei provincial n. 836 de 5 de ju-
nho do anuo prximo passado; e por isso nova-
mente se convida as pessoas que quizerera con-
tractar a conslruccao da referida estrada a apre-
sentarem ao mesmo Exm. Sr. no dia 24 de Janeiro
viudouro ao meio d.a suas propostas era carta fe-
chada, sob as bases e coitdiroes declaradas na lei
abaixo transcripta :
LEI X. 836.
O barao de Villa-Bella, presidente da provincia
de Pernambuco. Fago saber a todos os seus ha-
bitantes que a assembla legislativa provincial
decretou eeu sanecionei a resoluro seguirte :
Art. 1. Fica o presidente da provincia autori
sado a ontractar com o Barao do Liviaraento, oa
com juera raelhrts garantas offerecer, a cons-
truccao de urna estrada de ferro desta cidade a
villa do Limoeiro, com dous raraaes para Xaza-
relh e Victoria, passando pelos povoados Caxan-
jf, S. Lourenco di Malta, villa do Pao d'Alho,
Povoacao de Tracunhaem, sobre as condic6e9 se-
guintes :
1. 0'contratante obrigar-se-ha a aprsenlar
planos e esludos da estrada no praso de dous an-
uos, a coatar da data e asignatura do contracto.
2.* 0 presidente poder fazer nos planos e es-
tuaos as alteragoes que julgar convenientes etixar
a bitola e pe-o dos trlh >s, as diincnsoes das obras
d'arte e todas as coadicoes para seguranza e boa
execu^ao da estrada e raraaes.
3. 6 presidente p-der tiscalisar a construc-
cii e sexvico da e-trada e ramaes.
4. 1 estrada e ramaes sern concluida a 1"
no prso de 4 annos, a contar do comeen das
obra, as segundas at 3 annos depois de conclui-
da aquella.
As multas por iofracco dessa clausula e a pro-
rogaco dos prasos nella estipulados por casos
imprevistos, serio determinados pelo presidente
da provincia.
Art. 2. Fca o presidente da provincia igual-
mente autorisado a auxiliar a construccao da li-
ona e raraaes com urna subvencJo kilomtrica de
uin quarto do valor das obras oreadas, ou a cou-
ceder 4 garanta de jaros at 4 / sbre o ca-
pital empregado.
Art. 3.- Ser coacedido ao contratante um pre-
vilegio por 90 annos para uso e goso da estrada
e ramaes contando-se da eoncla4o das obra< nao
podendo pessoa alguma construir estradas seme-
ntantes nesse praso para os mesrnos ponto?, nem
na direeeaa dus raraaes e na zona de 3 leguas
pare cada lado das estradas.
Art 4." Adestrada e ramaes e todo o material
empregalo Acara isentos dos impostos provmciaes
e muniripaes
Art. o.tt Fcam revogadas as disnoscoes era con-
trario.
Mando por tanto a todas as autoridades a quera
o conhecimento e execncao da presente rosolucio
pertncer, que a cumprm e faeam cumprir to
intoiramente como nella se contera.
Q secretario d > governo desta provincia a fac,a
imprimir, publicar e correr.
Palacio do governo ds Pernambuco, ajs ," de
junho da 1868, qaadragessimo stimo da inde-
pendencia e d) impeno.
L.S.
Barao de Vdteelh.

Sellada e publicada a presente resolacao nesta
secretaria do governo de Pernambuco, ao9 5 de
junbo de 1868.
O secretario
Dr. Francisco de Paula Salles.
Registrada a folha do livro de leis provineiaes.
Secretaria do governo de Pernambuco, aos 5
de junho de 1868.
O e Theodoro Jos Taares.
O secretario
______________Dr. Jodgubn Corra de Araujo.
Perante a cmara iminicipal do Recife fiesta
cidade estao em prafa nos dias 1S, 1-1 e 19 de
Janeiro prximo futuro para serem arrematados
por quem maior precomerecer, os talbos na. 10.
11, 12 e 13 do acnugue publico da freguezia de S.
Jos, lado do sul : aquees que pretenderen ar-
rematar, C'imparecam no pa^o da mesma cmara,
em os referidos dias, manidos de llanca na forma
da lei.
Paco da cantara municipal do Recife, 29 de de-
zembro de 1869.
Ignacio Joaqnim de Souza Leao.
Pm-presidente.
Francisco Canuto da Boa-viagem.
Secretario.
de Pernanibu-
4.* scelo.Secretaria do governo
co, em 17 de Janeiro de 1870.
ED1TAL.
Pela secrstaria do geveroe se convida m pes-
soas que fizeram propostas para a
gaz das cidades de Ohnda, Goyanoa e
so, a comparecerem no palacio do governo no dia
19 do corrente s 12 horas da manhaa, aliin de
assislirem a abertura das referidas propostas.
O secretario interino,
Elias Frederieo de Almeida e Alouquerque,
Agricultor, Pimo Augusto Xavier, de Lima, Tb-
bias Barrote de Menezes (2),Dt Joao Silveira de
Souza.
AVISIS MARITWOS.
------------------ ------------------------
COMPANHIA PERNAMBUCANA
Navegando costeira por vapor.
Porto de Gallinhas, Rio Formse e Taman-
dar.
O vapor Parahyba, seguirS para os portas ci-
ma no dia 20 ido correte i meia noite. Receb*
carga, encomraendas, passageiros, e dinbeiro a fre-
te no escripioro do Forte do Mattos n. 1?
COMPANHIA BRASILEIRA
DK
Paquetes a vapor.
Dos portos do sul esperado
at o da 21 do corrente o vapor
Tocuntiaj, commandante J. IL F.
Franco, o qual depois da demo-
ra do costume seguir para oe
portos do norte.
1.' seci^ao.Secretaria do governo de Pernam
buco, 14 de Janeiro de 1870.
EDITAL.
Por esta repartidlo se communica a Sra. D. Ma-
ra Francisca Ferreira de Azevedo. vi uva do alfe-
res reformado do oxercito, Francisco Ferreira de
Alcntara Barros, que para ser tomado em deracio o seu requerimento em que pedio ama
pensao ao governo imperial, faz-se necessario
a supplicante remata a >ecrejaria de estado
negocios da guerra, para serem juntos ao mesmo
requerimento os seguate documentos em origi-
nal, felha corrida, certid&es das secretara* de es-
tado do imperio e da guerra, declarando quaes as
mercs que tora tido. ou que nenhuraa ha reco-
bido.
O secretario interino.
Elias Frederico de Almeida e Albuquerque.
Desde j recebem-se passageiros e engajvse a
iluminacao a Ljar8a Que o vapor poder conduzir, a qual devera
s Rio Formo- *er embarcada no dia de suaehegada. Encomnteu-
lase dinbeiro afrete al as i ttor\ do diarda sua
sabida.
Nao se rocebem como encommeodas senao ob-
jectos de pequeo valor e que nao excedam a duas
arrobas de peso ou 8 palmos cbicos de medieao.
rudo que passar destes limites dever ser embar-
a lo como carga.
Previne-se aos Srs. passageiros. qne aaanpas-
sagens s se recebem na agencia a ra da Cruz
n. 57 primeiro andar, escripioro de Antcnio Luiz
de Oliveira Azevedo A C.
1 que
dos
BltftulLEIR
DE
BECLARACOES.
tanta Casa da Misericordia do
Itecife.
A lllma. junta administrativa da Santa Casa da
Misericordia do Recife manda fazer publico que na
sala, de suas sessoes, no|dia 20 de Janeiro, pelas
luatro horas da tarde, tem de ser arrematadas a
juera mais vanlagens offerecer, pelo lempo de um
a tres annos, as rendas dos predios em seguida de-
clarados :
ESTABELECIMENTO DE CARIOADE.
Ra ao Calabougo
Casa terrea n. 20, por anno 2425000
Ra das Cinco Ponas.
Casa terrean. 112......300000
dem n. 114........ 36U-&00
PATRIMONIO DOS ORPrIAOS.
Ra do Vigario.
Primeiro andar do sobrado n. 27. 240*000
Ba do Pilar.
Caso terrea n. 105, por anno ... 146*000
Sitio n. 5 no Forno da Cal. -.......... 150*tHX)
Os pretendentes deverio apresentar no acto da
arremataban as suas naneas, ou comparecerem
acompauhados dos respectivos dadores. ,
Secretaria da Santa Casa da Misericordia do Re
cife, 18 de jaueiro de 1870.
O escrivao,
Pedro -Rodrigues ArSwza
la tarde,
nendas, e
Declarago.
Desta dajt em diante se acha a berta a matri-
cula para a Escola Pratica de instruccao primaria
annexa Escola Normal.
Secretaria da Escola Xormal, 13 do Janeiro de
1870.
O secretario.
Ezequiel Franco de $.
Aviso ao navegantes.
Do orde n de S. Exc. o Sr. presidente da pro-
vincia fa^o publico que a barca Pharol que ^e
ichava enllocada nos baixos de Rraganca, foi re-
tirada do ponto de sua amarrado, porque esta
mprestavel, tendo corrido risco de perder-so : e
qne at fazerem se os reparts, de que ella noces-
sita, estar naquelle ponto o hiate fincliuello, o
qoal de da crusar as proximidades dos baixos
o denoite ancorara, tendo um lampean, que pos>a
ser visto dos navios, jue se aproximareni em de-
manda da entrada para o porto desta cidade.
Secretaria do governo do Para, em 20 de dezem
bro de 1869.
Antonio dos Passos Miranda,
Servndo do secrelarii.
Est conforme,Capitana do porte de Pernam-
buco, 13 deJanero de 1875.
O secrctirio,
Dedo de Aquina Fonseca.
Santa Casa* de Misericordia
do Recife.
A lllm. junta administra da Santa Casa da Mi-
sericordia do Recife, pelas 4 horas da tarde do dia
20 do corronte, na sala de suas sessoes, recebe
p ropos tas para o fornecimento de carne verde aos
esiabelecimentos pios seu cargo nos inezes de
fevereiro e marco prximos.
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do Re-
ciie 24 de janoiro de 1870.
O escrivao,
Pedro Rodrigues de Souza.
Santa Casa de Misericordia
do Recite
Pela secretaria da Santa Casa de Misericordia
do Recife se faz publico que no dia 24 do corren-
te, pelas 9 horas da monbaa, no sali da casa dos
expostos o lllm. Sr. thesoureiro interino Vicente
de Paula Oliveira Villasboas far pogamento das
mensalidades relativas ao trimestre de outubro a
dezembro do anno prximo lindo s amas que se
apresentarem com as criancas que Ihes foram
conliadas. -
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do
Recife, 17 de Janeiro-de 1870.
0 escrivao,
Pedro Rodrigues de Souza.
O inspector interino da alfatylega faz publico
qae em virtude da antorsaco da thesouraria de
fazenda, em portara sob n. 6 de 13- do corrente,
sero levados em hasta publica porta desta re-
partiejio, no dia 19 do torrente, um bote, urna
bal eir e urna calraia do servico da alfandega,
visti nao admitlirein mais conceos. Esta arre-
mntacao Ii:a dependente da approvacjlo da Exma.
presidencia da provincia.
Alfaadega 15 de Janeiro do 1870.
O inspector interino,
Luiz de Carvalho Paes de Andrade.
Relacao dss cartas registradas existentes na adm-
nstracao do correio.
Augusto Muniz Machado, Antonio Rodrigues de
Albuquerque, Augusto Candido de Atabyde Se-
xas, Antonio da Silva Pontes Gulmaraes, Antonio
de Souza Bandeira, Antonio Pereira Leite, Andr
Avelino Pereira e Silva (2), Adelaide Emilia da
Silveira Lobo, Arcenio C Atua, Antonio de Souza
Neves, Baleriano Antonio Jos da Cruz, Baro de
'VilUvBella, Carlos Francisco Soares de Brilo, Can
tato Xavier Pereira de Brto, Cfeme Jos dos San-
tos Calado, Chri>tovao Gomes pereira, Decio de
Aquino Fonseca, Estevao Cavalcanti de Albnquer-
que, Francisco da Silva Reg, Francisco Manoel
Raposo de Almeida, Dr Franriscn Domingues da
Silva. Francisco Alves Monteiro Jnior, Mr. Dr.
Francisco Muniz Tavares, Jronymo loa za 1e Oliveira. Joaquina Mara do Sa-ramento,
Joaquim Jos de Carvalho Siqueira Varejo, Joa-
quim Augusto Ferreira Jacobina, Joaquim Antoni"
Teixeira, Joaquim Jos Goncalves Beltrao (2), Joa-
<|iiiin Porfirio de Araujo, Joaquim da Silva Lisboa,
Jos Fraoeisco Bastos Guimares, Jts An'ono
Pires, padre Jos Francisco B->rges, Lniz Francis-
co de MelloTavare% Dr. Lniz Lopes Cistello liran-
co eSifVa, Luiz deSoiza Montelrnde Barros, Mar-
ciano Goncalves da Rocha, Manoel Guales Viegas,
Manoel Maria Ro hignes do Nascimfnto, Manoel
do Nasciim-nto da Gusta Monteiro, Maria Antonia
Alresse. Narciso Francisc Vidal, sec>retria da
direcloria imperial nstulo PernatubQCJno de
mtm
Paquetes a. vapor.
Dos portos do norte esperada
at o dia 28 de Janeiro o vapor
Guar, commandante interino o
1 lente Gremhalgh, o qual de-
pois da demora do costme' se-
guir para os portos do sul.
Desde j recebem-se passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir, a qual dever
ter embarcada no dia desuachegada. Encomnten-
las e dinheiro a frete at as duas horas do dia da
sua sabida.
Nao se recebem como encommendas senao ob-
lectos de pequeo valor e que nao excedam a 2
arrobas de peso oa 8 palmos cbicos de medi-
eao.
Tudo que passar destes limites dever sar
embarcado como carga.
Previne-se aos Srs. passageiros que suas passa-
ens s se recebem na agencia ra da Cruz n. 87.
andar, escriptnrio de Antonio Lniz de Oliteira
Xzevedo A C.______________________
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
%'avegavo costeira por vapor.
Parahyba, Nata', Maco, Mos&or, Ara-
caty, Cear, Mandah, Acarac e
Granja.
O vapor Ipojuca, commandantu
Moura, seguir para os port.*
cima no dia '31 do corrente as 5 horas
Recebe carga at o dia '9, eneom-
passageiros e dinheiro a frete at as
i horas da tarde do dia da sabida 00 escripto-
rio no Porte do Maltas n. 11._______
~G0MPANHIA PERAiMBUCANA
DE \
Vavegaco costeira. por vapor-
Macei em rlireitura e Penedo.
-">fr O vapor tuquia, commandante Co.-
T IX la, seguir para os porlus cima no
ffifl0B da 22 do corrente as 4 horas da
larde. Recebe carga at o da 21; encommendas,
passagens e dinheiro a frete at as 2 horas do
da da sabida ; no escriptorio do Forte do Matto
n. 12.____________________-_________________
COMPANHIA PERNAMHUCANA
DE *
Xavegaco c scira por vapor.
G>iinna.
**^h' O vapi r Parahyba, seguir para e
(,\\ po 10 cima no dia 2(5 do coiTente,
JBOBBM as 9 horas la 11 lite.
R cebe carga, encommendas, pa-sageiros e di-
aheiro a frete oo esuriptorio do Forte do Mallo
n. 12.____________________________________
OUfPANHIA PERNAAMBUCANA
DE
%'avcgaeo costeira por vapor.
Mamangaape.
0 vapor Mandahu, commandante Julio, seguir
para o porto cima no da 28 do corrente as t".
horas da tarde. Recebe carga, encommendas,
passageiros e dinheiro a frete at as .'1 horas d
tarde do dia da sahlda, escriptorio no Forte do
Maitos n. 12.___________________________
Pede-se attengo.
Vende-se.
O lindo e mnito veleiro patacho inglez J. Bou>
ley, lotacao de 143 toneladas e carrega 220, calla-
do de 10* p* carregado, com 14 ps de quilha, 31
de boca e II de puntal, tendo sidj construido cm
lG7 na llha Britnica Prince Edw-rd, e classifi-
cado A I. com ma-im novo de proa de praho di
Riga, andaina inteira de panno novo, rcccniemen-
le apparulhado .1 rame, c.im seus pertences com-
pletos, e mais sohrecelentes constantes do inventa-
rio. Deelara-se haver sido dito patacho promuti-
lii-ado antes de sabir de Inglaterra com massiros,
massame de rame, e andaina completa de panno
inteiramente novo ; e qne para memores informe-
ces, podem railouro da descarga nesie porto, e entenderem-si
cora os Sr. Simpson Duder & C, ra do Com-
raercio n. 16. _____________________________
PARA LISBOA.
0 Brigue portunuez Laia 1.a, seguir com
toda a breAtdade visto j ter prompta quasi todi:
sua carga; para o que llie falta, passageiros diri-
jo-se aos consignaiaros, Oliveira Filbos e C, ui>
largo do Corpo Santo, n. 19, ou ai capitao na pra-
ca do Commercio. ___
"PARA LISBOA
Pretende seguir viagera, com maior brevidam
possivel, para o dito porto o patacho portuguez.
Positivo, capitao Joao Ferreira Bastos, recebe al-
guma carga a frete a tratar com Marques Barro
A C. no largo do Corpo Santo n 6. 2* andar.
PARA 0 PORTO.
Dever spguir com a fcrevidado possivel a
Barca portugueza. Atoro Silencio, para carga o
pasageiros dirijo-se aos consignatario, Oiiveini
filhos 4 G, no Largo do Corpo Santo n. 19, ou a<>
capitao na Praca do ccmmercio.
Para o PoriO
a barca Flor de S, Simo sahir brevmente, por-
que j tem parte da carga engajada : para o resto
e passagens, trata se com os consiguatarios Car-
valho A Nogneira, na ra do Apollo n. 20.
ara Lisboa.
Segu com toda a brevdade a barca portugaeza
Pereira Bornes, por ter quasi toda a sua carga
prompta: para a restante e passageiros trata-so
com os consignatarios Oliveira, Filhos a C, na
largo do Corpo Saito n. 19, ou cora o capitn na
praca do Commercio.
Porto por Lisboa
Cora a maior brevidode vai sabir para os refe
ndos portos a barca portugneza Claudia, de pri
meira marcha e primeWU*, P parte da carga prompta, e para o resto qae iho
falta e passageiros, trata-se coro os. Coneigna-
uros Veras A Barbedu, ao cies da alfandega re-
Iha ft. 2.
PORTO
? >
'
. Segae com brevdade para o porto cima a tar-
ca portugupza tris, c-pitho Mathiaa de Souza Ma-
ciel, recebo carga por frrte jonmndb : tratar
cora os consignatarios Antonio Lniz i'o Oiivf ir.i
Aceredo A C, roa da Cruz n. 57, 1" andar.



/

Diario de Pernambuco Quarta eira 19 de Janeiro de, 1870,
PARA LISBOA.
A barca portugueza Gratidao devora seguir eotn
* menor derruir pnssirel: para cafw e passagM-
ros trata se nun os consknilarius Oliveira, Fillws
4 C, no largo do Orno-Santu n. i'.\ ou cun o ca-
pito na praya do Gunmercio.


Para.

0 brigue diaamarquei Kali seguir para o Pa-
ra inipretrrivalmente no da 10 do corrente; re-
cebe carga a frates cominodos wata-se eom Taaso
Irmao C. _________.
Porto.
Vai sabir breve a barca Laura para carga e
passageiros, trata-se eom os consignatarios Carva
feo A Nogueira, na ra de Apollo n. 50.
LEILOES.
LEILAO
De um sitio e movis.
m sitio na Baixa Verde cora perto de 90 pal-
mos de frente e 506 de fundo, solo proprio, tendu
ma casa de podra e ral por acabar fallando en-
eaibrar >' enripar. a ijual tem 22 palmos de fren-
te e 37 de fundo, a moderna.
Urna mibilia de Jacaranda eom 12 cadeiras de
guarnicao, 2 Je batanen, 4 do braout, 1 sof, 2
consolos o mesa redonda eom pedra, 1 suard
louca. 1 mesa clstica, ama commoda, urna cama
franceza,! piano de Jacaranda do afamado autor
Bonl.uin guarda vestido, 1 nmbilia de amarello
a Luiz XV coni pouco uso, i marquezo, diver-
sas raarquezas, consolos, mesas redondas ditas
do piano para cosinha, oadeiras avulsas, barcos,
nm armenico, un vestuario para mascarado e
muitos outros objectos.
IIOJE.
O asente Martins competentemente autorizado
vender em leilo o sitio e movis cima descriplo
noarmazem da na do Imperador n. 16, as 11
lloras em ponto s-em reserva de precos.________
Lilil
DE P.l__%1)1N
Hojf 19 de Janeiro.
A. C. de Abreu continuar o seu leilo de fa-
randas inglezas e franc zas, por intervencao do
agente Pestaa: hoje quarta-(eir 19 de Janeiro, as
11 h iras da manha em ponto, emseu armazem
a ra da Cada.
LEILAO
DE
14 saceos eom arroz da India eom toque
de avatia e 8 james eom queijos
de Minas.
Hoje as 10 horas da manha.
O agente Pestaa far leilo por conta e risco
4e quem pertencer de li saceos eom arroz da
India eom loque de avaria e 8 jacazes eom queijo
de qu tilia, bojeas 10 horas da manha no arma-
rtm do Annes. largo da tlfandeca
Wos gneros e anaaQo existentes na ta-
berna sita a praca da Boa-Vista n. 32,
intitulada B *m Demonio.
O agente Puntual competentemente autorlsado
vender em leilo a re |uerimeoto do depositario
da massa fallida de Miguel Gomes da Silva, por
mandado do Exm. .Sr. Br. juiz de direito especial
do eommercio. a armarn e gneros existentes na
taberna cima n'um ou em mais lotes a vontade
dos licitant 's.
Quinta-feira 20 do corrente
Dever ter lugar o leilo na mesma taberna,
as II horas.
Da armario, gneros, gaz etc., do arma-
zem de molhartos na ra da, Imperatriz
n. 39.
qu ata-ffelra o do corrente
O agente Pestaua far letlo por conta e risco
<1 quera p-rtencer da excellente armacao de ama-
relio envidrarla e dos gneros, gaz i mais uten-
cilios existentes no armazem n. 39 ra da Im-
peratriz, garante-se a casa, o >stabeleciraento
acha-sn em bom lugar e bem afreguezado e ser
vendido em um ou mais lotes, achando-se o ba-
lanco em mao do agente e ser effeciuado o lei-
lo no dia de quinta-fe-ira 20 do corrente as 11
horas'da manha uo me-moestab-lecimentn.
LEILAO
LEILO
de C queijos ltmengos, G caixoes eom dore
de guiaba, 30 pegas de chita e 10 pegas
d'algodl.
*e Ua-felra A's 11 horas em ponto.
O agente Pinto far leilo a reqnerimento do de-
nositano geral e por mandado do Illm. Sr. Dr. juiz
especial do cmmercio, dos ohjecb\< cima men-
cionados arrestados a Joaquim Mantiel Souza,
requorimento de Bernardino Jos da Silva Maia e
existentes no mesmo deporto geral; leilo ser
effeciuado as 10 horas do dia cima dito.
No -obrado do pateo da Santa Cruz n. 2.
AVISOS DIVERSOS.
(^STITLTOARCHEOLOGICO B (JEOGBAPHJCO
PERNAMBl'CAYO.
Tendri.o Instituto Archeologico o Geographico
Pernambucapo de celebrar o oitavo anniversario
da sna fundadlo no dia 27 do corrente Janeiro,
pola I hora d tarde, no salo da bibliotheca pu-
blica provincial, no convento de Nossa Senhora
do Carino, sao convidado' para seine1 liante effeito
em assembla geral todos os socios ijue >e acha-
rein no Recite, effectivos, honorarios e correspon-
dentes.
Nao conhecendo o Instituto a sede das difieren
tes associacoes litterarias, scientificas, artsticas e
de benellcencia que exMein nesta cidade, tem a
honra de convidar pelo presente ediial a cada
urna de taes associacoes a assistir solemnidade
do da 27, ou a fazerse ahi representar.
E para coobecimenlo das corporaeoes ou pes-
sas que tiverera de ornar a sesso eom a sua
palavj-a authorisada, aqui se transcreve a ultima
parte da artigo 28 do regiment _o Instituto :
Se na sala existera sucios ou pessoas outras
qne dosejam 1er algumas memorias interessantes,
partecipamnn ao secretario perpetuo, para este
prevenir o presidente, o qtial d a palavra aos au-
tores das memorias; a leitura de cada urna das
quaes nofde estender-se alm de raeia hora.
P.irm nennuraa memoria ou trabalho pode ser
appresentado e iido em sesso publica, sem que
antes seja submettido a urna sommisso de exame
para too momeada a qual tem voto decisivo sobre
a conveniencia ou inconveniencia da leitura.
Secretan do Instituto, 17 de Janeiro de 1870.
Jos Soares de Azevedo,
St-crelario per pe po. ___
FOLHINHAS
PARA 1?0.
Vende-se nesta typographia
a 160 rs. o exemplar da de porta.
m wmammmmm m
0 advogado Dr. Antonio de V- gg|
concellos Menezes de Drummond, a*
mudou o seu escriptorio para a ra !
3 do Imperador n. 20, onde pode |
5 ser procurado para o exercicio de 1
js| sua protisso em todos os das
I atis das 10 horas da manha at
Sas 4 horas da tarde. Fra dessas
horas, e para qualquer occorrencia
urgente, ser encontrado no seo
i domicilio, ra da Aurora n. 26.
IMPERIAL
INSTITUTO
l S, 1)0 BOM
O bacbarel Antonio Columbano'Seraphico tssis Carvalho hoje o proprietario e director
desse instituto. Pretendendo dedicar-se exclnsi
vamente, e eom todo zeto e solicitude aos trabalho?
proprios dessa proflsso, espera que os paes o-
actuaes collegiaes o honrara eom sna confianza,
e bem assim que acolhero o seu estnbeleeimenli
quelles que precisarem de collegio par educacac
de seu? filhos ou protegidos, certos de que o ac
tual director se esforzar nao s para raanler c
bom nomee crdito, que desde muitos annos goza
m referido Instituto, como tambera para imprimir
Ihe nuvos inelhoramentos.
No dia 7 de Janeiro do anno vindouro ter lu-
gar a abertura de todas as aulas de instruego
primaria e secundaria.
Collegio de S. Francic*o Xa-
vier. ,
Aos 3 de fevereiro se abriro as aulas no colle-
gio de S. Francisco Xavier (ra do Hospicio n.
32).
No intuito de fornecer aos alumnos as eommo-
didades segundo a condicao de suas familias, o
director d'este collegio nao recuou ante o grande
augmento de aluguel pelo accrescimo considera-
wl do edificio, alentado da esperanca de um mais
rNonho porvir.
% Alm de mais aulas, espacosas, e bem arejadas,
ha um salao para o estudo particular dos alum-
nos, onde cada um delles tem a sua banea eom
gaveta para guardar livros e papis ;m ampio
quintal eom paleo e jardim para o recreio e os ju-
gos gvmnasticos. O dormitorio acha-se no sobrado
sob as melhores condieoes hygieonas, e cabem
nelle commodamente urnas cen camas; o con-
tiguo terraco contribue a tornar mais asseiado o
servico. Dezeseis casinhas de banho corr b^nhei-
ros fixos, para onde corre a agua por canos e tor
neiras, satisfazem as exigencias assim da limpeza
o hvgiene, como da decencia. Muitos qirtriosi-
nhos de retrete, casa de porteiro, cosinha aun
fog5cs modernos, enfermara e offleinas de mar-
cineiro e altaiate completam o servioo material.
Ha para os alumnos urna conveniente bibliotheca
commum. A capella tem a dimensoes de urna
assaz grande igreja, a qual 6 accessivel ao publi-
co, sem communieaco eom o resto do collegio.
Emflm a situarlo solada do edificio contribue j
para o livre curso do ar, j para a boa disciplina
do collegio. _______________
a,*i
u
_
_
S
3
_
as
SE'o
~"o =
f .- o
b 9 9 Era
5 S f |
'las
iiHl
r_-->
w
_
ce -
3
=_
9*
1C
Cf
lili1*
S..-5S
_ _;_
De fazendas geraes.
A '20 do corrente.
Henry Willmer far leilo por intervenco do
fiento Oliveira, de completo sortiment de fa
moda* inglezas, francezas e alleme* de algodo,
linho, l e de seda as mais proprias do mercado,
assim como para li piida^, de papel alraaQa e de
peso o superiores esteiras da India para salas.
Quinla-feira 20
as 10 horas da manha, em seu armazem sito
ra da Cruz n. 62
Si 53
o" 5 O
^"3 5_B

h_
m
CD
2 = ce 00
p
a _
_ (ja
_J ro
- _>
c ; =-
j- re re
o o o
ais'
H. "O
o ? ?

_o
Ama
Preeisa-se de urna ama que saiba comprar e
eosinhar para casa de hornera solteiro : a tratar
na praca da Indepondenci n. 4 e 6.
Luiz Pereira de Carvalho vai Europa
taBdie sua sande.
tra
Preeisa-ne de um criado | ara compras e re-
cados ; na ra lares do Rosario n. 26, 3 andar.
D-se 2 (lOOiOOO a juros de 1 1|2 por rento
ao mez, por lempo de nm anno. eom hypotheca
en urna casa terrea livre e deembaracada : nes
la tvpographia se dir a pessoa que d dita quan-
ta.
{Canarios.
Chegou um completo sortimento de canarios da
Alemanha cantadores de prmieira classe garant
dos : ra do Imperador n. 16, armazem Pideli-
dade e no hotel d'Eun pa ra do Commercio
n. '2.
Ama
Preeisa-se de urna ama, preferindo idosa, para
comprar e eosinhar para anas pessoas : no pateo
do Carolo n 39, defronte do porto de Santa The-
rea, sobrado.
Auga-se a rasa n 16 da ra do Jasmitn
tratar no sobrado n. 50 da ra da Aurora.
Precisarse de um caixeiro eom pratica dte ta-
berna : a tratar na ra da SenzaU n. 2.
Ao publico.
Foi despedido da botica da ra da Imperatriz n.
77 o Sr.'Joao E. Gedlo Lins da Silva, e qualquer
transaeco feita cora elle relativo a casa nollo.
nnimcio.
Nao tendosc realisado a renniao geral dos con-
senbores da pmpriedade commum Apipucos con-
vocada para 9 do corrente, por falla de numero,
o respectivo administrador de novo convoca aos
Senhores herdeiro da dita propriedade para se
reunirem no dia 23 deste mez pelas 10 horas da
manhaa na casa de sua residenria para se tratar
dos negocios seguintes : leitura do relatorio, ap-
onvario de contas, do confalo di capel*0 da c-
llela, do augmento do or i-n-ido do sacristo.
E*ta reunan se far cora o numero de consenho-
res que comparecerem na conformidade do art
18 dos estatutos.
Apipucos, 10 de Janeiro de 1870.
O administrador,
Joo Franeisco do Reg Maia.
Urna mobilia de Jacaranda eom 1 sof, 1 mesa
uval, 2 consolos. 2 cadeiras d bracas e 12 d--
gmrnico, 4 casticaes e mangas, 2 jarros, 2 es-
earradeiras, 1 candieiro gat 1 tapete, 1 cama
fraoceza, cora coko e coruado, 1 toylet, 1 ca
bi le, 1 meza de jaiitar, I marqueza, 12 cadeiras
louca para jantar. dita para cha, c impot-iras, co-
pos, clices, garrafis, taboa de engomar, 1 lava-
torio e muitos o uros objectos de casa de familia,
existentes no sobrado do pateo da Santa Cruz nu-
mero 2.
Sexia-feira 21 de Janeiro.
O agente Pinto l^galmente aulhorisado fara lei-
lo dos movis, louca, vid/o* e mais objectos ci-
ma desTiptw existentes no sobrado do pateo da
Santa Cruz n. 2.
Principiar as 10 1|5 horas.
No dia 6 di corrente fugio do engenho Ca-
choeira Tapada do abaixo assignado fregara da
Encada o eseravo Clemente eom s -igoaes seguin
tes : mulato escuro,' alto, barbado, b >m corpo,
pode ter 25 airaos de idade pouco mais^ ou IW
nos, e>se eseravo foi comprado ao Illm. Sr. Dig-
natario Antonio de Souza Leo do engenho M -re-
nos, levou roupa bastante, anda como forro cal
fado de borzeguins, caljja, jaqueta e comisa en
gomada, e diz chamar-so Manoel Antonio. J es-
teve no engmno lieija Flor, e outro eom o n.>me
de Manoel,*ie novat.i e carreiro. oga-se portanto as
autoridades poiiciaes, e capites de campo a sua
captura, e quem o pegar e levar ao abaixo assig
nado sera bem redmi|iensado e julga-se elle ter
ido para os lados de Agua Preta.
Tliom Joaquim de Oliveira
Escripturacjio.
Urna pessoa habilitada se oflrece para escre-
ver em alguma casa commercial. e mesmo toma
sob sua responsabilidade qualquer escripia para
fazer em sua casa : a tratar no pateo do Pafaizo
n. 22, encostado ao Sr. Salustiano, a qualquer hora
do dia.
Contina estar fgido o esravo Ubaldo, per-
tencente ao convento do Carino de Olmda, j ao
nunciado neste Diario de 26, 27 e 28 de outubro
ultimo, e juntamente seus signaes, que agora tor-
na ser os mais notareis.
E' claro, bonita figura, corpo seeco e agiganta-
do, pe-coco e cara comprida, nao tero barba, tero
24 annos de idade, fuma e costuma mascar, ca
bellos pretos e quasi corridos, que os tem sempre
grandes para esconder duas faltas que tem quasi
no alto da cabeca perpendicular da orelba dreita,
tem mais duas cicatnzes de ulceras na canella es-
querda junto da entrada do p, e sobre e>te tem
mais urna costura de um taiho, alein do outro?
mais de iguaes formas, em diversos lugares dos
ps, ltimamente lhe falta o dedo menirao do p
direito, e parte de esquerdo procedido de muito
bichos que tivera at idade de 18 auoos, e por
isso consta andar calcado para nao ser conhecido
Este eseravo nesfc praca bem popular, e ni
deixa de ser protegido por quem quer que seja.
coosta andar homisiado, ora pelo bairro do Recife,
ora pelos arrabaldes desta cidade, como pelos os
de Olinda, ondenem sido sempre encontrado, ja
trabalhando, j divertindo-se aaimpanhado de adv
juntos, que pro avelmente estejam preparados em
sua defesa; e nao deixa de ser esta a causa, pela
qual nao tem sido capturado o dito eseravo.
Tambem somos informados, que elle tem traba
Ihado em varias obras nos arrabaldes desta cidade
e da de Olinda, como dentro do Recife no trafico
de C3rvau de pedra, algodo, assucar e no enea-
xaraento de certos armazens, onde tem sido en-
contrado por diversas ve/es, e veriflcou-se quando
ti vemos certeza qne o eseravo quasi sfinpre tem
trabalhado no Forte do Mattos no armazem de laa
do Sr. Augusto Coelho Leite, de cujo dominio fra
o dito eseravo reivm licado em 1863, e no do Sr
commendador Jos da Silva Luyo, sendo que o
mesmos empregados do Sr. commendador confes
saram ter trabalhado o eseravo cinco dias na st
mana antes da Coneeiclo, que se contou at o dii
4 de dezembro ultimo e recebera 55000, e elU
mesmo, Sr. commendador, sabendo do occorndo
permittira all ser capturado o eseravo no caso de
tornar apparecer.
0 que certo que o eseravo depois desta ul-
tima occasio nao fra mais visto nem alli nem em
mais parte alguma desta cidade conjunctamente
nm dos seus-mais especiaes amigo, que agora nos
disfavoravel declarar seu nome.
E de suppor terem ido ac-utar-se em casa de
nma ta e madrinha do eseravo de nome Felippa.
e-Miheeida por Filippinha, hoje moradora em ter
ras do engenho Velhd de Jaboato, ou no engenln
de Camassary, onde tambera o eseravo tem mi e
mais parentes hoje do dominio do Sr. Miguel Au-
gusto de Oliveira, de crer que elles se ntrete
nham ahi at depois da festa prxima de Jpboato
Portanto rogase as autoridades do lugar se dig-
nem empregar suas auostoaudas providencias pa-
ra o flm de tal captura, da mesma forma radon
menda-se aos senhores capites de campo que
tero do seu trabalho 305000, e se o capturarem
em algum servico qualquer ou em lugar do sen
homesiamento le'ro 5$000, pgjs desde j o fizemos-
publico que se o dito eseravo for capturado n.>
servido de qoem quer que for, protestamos coutra
tal procediinento, e s ib sua responsabilidade ser
obrigados nao s pagarem todos os dia de servic.
dede o da 13 de abril diurno, como todas as mab
percas e damnos que forem decorridos
Fr. Joo do A. Divioo Mascarenhas,
Vigario prior.________'
Casa de pasto. .
Traspassa-se a da roa da Lapa n. II, por sen
dono ter falta de saude e nao poder administra-la
Ama de leite.
Precisa-se de urna ama de leite: na ra do Hos-
piejo o. 38.____________________________-
Feitor dg engenho
Um moco solteiro offerece-so para feitor de en-
genho : quem pretender anniinci>- por est- jornal'
Ama.
Precisa-se de urna ama para casa de pouca fa-
milia : ra das Cruzes n 25.
Caixeiro
Precisa-se de um caixeiro de 14 a 16 annos
portuguez ou brasileiro : na raa dos Pires n. 50.
MGLESTIASdoPElTO
HYPPHOSPHITOS
-dOrCHURCHILL
XAflOPE de HYPPHOSPHITQ de SODA
XAROPEdeHYPOPHOSPHITOdeCAL
PILULASdeHYPOPHOSPHITOdeQUININO
CHLOROSEANEMIA
CORES PLIDAS
XAflOPE de HYPOPHOSPHITO deFEHRO
PILULASdeHYPOPHOSPHITOdeNIANGANESfA
WSSE BRONCHITIS
EfLUXOS ASTHMA
PISTILBAS PECTORAES^CHRCHILL
Exif-lr para os xaropet o frasco quadrado t em
todas o$ productos a asignatura do U" CHVl-
CBI e o letrciro eom a marca de fabrica da
Pharmada SWAKN 1J, ruaCaiiilio*t.PAr,\?
r
CASA
DE IMPORTACO E KXPORTACAO
J. CARRERE
Escriptorio, ra do Vigario n. 5,
1 ANDAR.
Miicliimsia e f >uista.
Precisa-se de serralheiro ou outro que entenda
de machinas a vapor para tomar conta de urna no
engenho a fallar na ra do Brum n. 52, passando
o chafariz, fund cao do Bowoien_____________
Precisa-se de um hornera portuguez para o
lugar de copeiro em urna casa estrangeira : na
ra da Cdea n. 3G
1870
FOLHINHAS
Arabio de a-hlr *
Un e ickiMe
LIVRARIA FRANCEZA
Itna o Crespo. W 9.
u af__<_ Folhiiu
l
PARA 0 ANNO DE I 7
PREGO R.S
3 % O
verm
aaa
MDALHA A EXPSITO UNIVERSAL DE 1867
Para, a Superioridade d'a
PERFUMERA ORIZA
Ineiuda (ir LE GR AND, Perfnnisia di Impender dos Francexei.
PABIS. O, Ron Mnat-Hoiiorc, tO?. PARS.
OFt:iVJ__ ORIZA ORIZA-
de N1NON DE LEKCLOS
Para iar frtteurt i i>ttle, destruir ai rujai d cara,
conservar elirnamenle a Se Una da juventude.
LAOT
LEITE ANTEPHELteO
tara rsfreteor, tinquear e aductr a pttis, ft
dss 8ABAO ORIZA.......D'uma massa ceirmente suare e d'nrn perfume dos mais delicados.
ORIZA-C EAM Moussirse. Mas-a especialmente preparada para os ban'.io e a barba.
OJtlZA-KLl ID........ Pomada forlilicantee nutritiva para conser.arnscilwllospcmpvUilosdfquebr;
OttlZA I'll 11.01 '.OME.. Teluno dr boi c oleo dr avrla enm base di qiiin.i para os cabellos.
OI1IZA-OII........... Otro linissinio pe fumado para luslrar os cabellos rmpedo* de quebrare.
OtUZA-BI1II.LANTINK. CrisUllisado eom vilela, para dar brilbo aos cabellos e a barba.
OKIZA Ki.oWERS----- A;ua incomparavrl de um perfu i e suae c delicado, para fonicardo la pette.
ORIZA-ACIDULINE... Vinagre do lourador, aroma e anlepliiliro.
fcSSKNC.E-OtUZA..... Perfumo cnnccutrudn para os lencos producto muito delicado.
ORIZA L.YS.......... Perfume do bom tom e da alia su'-irdadr para os lencos.
ORIZA-I'OWDKRS.... Flor de arroz da Carolina para a cura e a belleza da pelle.
ORIZA-DF.NT1KR1CE.. Para al OMZA-DEMAir.E ... Nova niassa para alvejar os denles sen destruir o ennalte.
AGUA TNICA DE QUINA E POMADA DE BALSAMO DE TANNINO
tus luapui salubridad* 11 ultra, bitiicudi is ubi lis, n (itls i> takir s 11 funis cnutr niilurnti.
DEPOSITO GERAL na Caza de
E em Caza de todos Perfumistas do Brazil.
msmim
__
iTi ?3
mmmtmmmm &mmmmm&&
55Ba da Imperatriz55
F. Gautier, proprietario deste importante estabeledimento tem i honra
de participar ao re>peitavel publico que acaba de chepac da Europa para on-
de tinha ido especialmente para contratar peritos oliciaes e que consejniio
contrata-lo na primeira rasa de Paris, por isto julga que todos car3o satis-
feitos dos trabalho* do seu estabelecimento cujo excellente material ainda
foi augmentado rom novas machinas que ja recebeu e tambem muitas drogas'
novas curn as quaes se oblem estas maravilhosas cores modernas to aprec-
elas em Franca e em lodo o mundo.
Tinge, lava, limpa, lustra, achamalota eom a maior perfeicjio fazendas
en pe^as e em obras de todas as qualidades como sejam: seda, lia, algodo,
lionas, chapeos de fcltro edepaiha etc., etc.
Tira nodoas e hmpa secco sem molhar os tecidos, conservando assim
todo o brilho da fazenda.
Impressoes sobre tecidos
eom este novo syslema, os vestidos de seda e outras fazendas que at agora s
podiam tiogir-se'de cores lisas, podem receber um bonito desenho de cor
diversa, a escolha, o que realfa a fazenda e lhe d mais merecimento.
Tintura preta, tercas e sextas-feiras
As pe*soas das provincias limitrophes que qui^rem utilisar se do seu
estabelecimento poderlo mandar o que tiveretn, na certeza de srem to bem
servidas como no Rio de Janeiro ou na Europa, e eom mais prestesa por
causa da distancia.
(MEIT ill\ lIIS AVIMZES
Ra da Crz n. 16
Grupos de alfinim para noivado o que
h de melhor.
Caj secco e chrystalisados,
Dito em calda.
Abacaxi em calda e outras qualidades.
Xaropes.
Recebe-se encommendas de bandejas, eom
j armarao de assucar.
Rolos e pao de 16 enfitados.
Neste estabelecimento prepara-se grande
var iedade de objectos para mesa,
HA DIARIAMENTE BOLINHOS PARA CHA'
i_J_L__J_Lii
MLNQO DE HONRA
V'er.de-se em frascos
Di FiGDu FKL-LOb L bALALuAO raei0 *n
lares, phannacii Hoce.
i, ra de Casliglione,
em Paria.
As conlrnfaf^Ac, os oleo* pau-doH, d'iiiu Curar or.c, e ums uinposicfirs frijts cem ateos
de privo iiiiununs, acs como o esquiva, a amia, o phora, a tua, os oros tos a''"adores prsfihns
n ntauua >. oteo* vegeta", foram iniapinados para nrhstituir os -erdaulriros leo de- llg.-nt
fresen -e titac-llia de Tfrra-Sovs. testes leos coininiins ou seos nurerdane a
ii lieios na indiCria |i r procos niui baixos,oiu quanio que os venladeiros leos de fijado de bacillian
fr. praude vivilancia e ter osmaion cuidados nos proprios lusares dasjw^ca, assim como manda futr
M. Hong datda o auno de 1849. Estes Ico psiros de BaralhaC de l'erra->o\a de nogu
rangeamm para estr precioso medicamento una fama universal nas molestias do peilo, as aflfeor-
escrofulosase lijmphalkas, a magieut dos meninos,etc.,e por isso.deram lugar a nocivas e dcsleaes
Imitacdea.
Y, !,i. O oleo de Ilogfj 6 mui fcil de digerir, distingne-se entre os outros leos pela sua
i cor m palha. o *co cheiro suave e delirado, e seo gosto de sardinha fresca.
! O r.IXATORIO faroravel do chi-fe dos trabalhos chymicos da FACLDADE DE MEDICINA DE
1>\1!IS eom lur como segu : 0 oleo cor de palha de U. Hogg contem urna terca parte de prta-
< i. art vos mais do que os leos paraos e nao aprsenla algum dos inconvenientes que se
rej-am tl'ettt, quunlo co rAeiro e sabor.
-. ondr-se em todas as plaarmacias da I ranea e dos palzes eatrangelros.
mr'iiacanaai_aiaoaraa_>^
Os verdadeiros vOlUBM ROTIB, os nicos app'ovados pela
a Academia de Medicina, tem assim como os meos outros productoi
attrahido a cnpidei doa falsificadores, e,ue para facilitar sna crimino-
industria nao sepjao, nem receiad annunciar Tender falsos Collabj
coh tuv ion. En prerino as familiai para Interesse de seus Clhoi
,qne, para eritar felsificacoe, devem eligir, que meusOo_____ tbet
sejao Tendidos em caixas de tambas de encaiie e corredias cobertai
por i ettiquetas eom a minha marea de fabrica e encerrando na
prospecto circunstanciado, t selladas por ama aaedalka eom o lettreira.
COLIAR ROYER, Rne Sl-Iirtii. 22B. Pirii.
CVBOiA
esquina
da ra lar?a do

CAHUGA l
esquina8
m



Este importante estabelecimento na seu genero, tem sempre um sortimento sem igual,
e vende por grecos que nenhuma ontra casa pode vend#. j da ra lardado
k vista da aualidade e do pi*cfr4as foias'cad ^r-se-ha"! ootivot Mo.| .
Gara^.t> rtud r finas |or preces o?-A
vadlos.
Vi i- '
sano.
smB____a-M__-BMa_a-_H__BMaa_|B
ILENEL


Diario de Pernambucx Quarta feira 19 de Janeiro de 1870
g-Hfo||g=>|5|gs-g
5 o -.BaSS-.,'
' "". 3 i*
5 c
- a 2.-W
CO t, S
ElHII
srg
M
$
e>9 n n n
"' a

83*3. as8! al
i > p.
' z: ^ ^
? /!
o, y 2. ""*
3
-o 3
2;
i 5*
o> 3. 3 3
Sos'ja
T Boom
o.- 2
o O" -i
* H
ore
._ S3 _
_ /, '/! a
^. V> Gfl va
_T re re re
BJ
-j 3 as .
- o re
aa *i
< -5 .' '.- "
c a 5 Se
BfB.!
T5 reo

i
=, 3' ffi "3
ce c s;
--, c_-c re
re c gj i. s
.2 3
Q a >
rom Twuib
NSTaNTIBS
Travessa doCorpo SaMon.23
ARMAZRM
Ra Nova n. 38, loja.|
Bandcira, Machado & C, avisam ao respeltavel j
publico que nos lugares cima encontrar no mes-
mo sempre grande qnaritidade de ditos |imw. e
que se acham habilitad os para vender por menos
que ontm qualnrer. per issn que os receben! di-
rectamente do fabricante Xorton, de Londres.
As vantapen* que offerecem os pocos instant-
neos sao : primeiro. poderem ser enllocados den-
tro de rna on fra. com o trabaho de tima a dnas
horas; segundo, fornecerem os mesmos agua pu-
ra e ahondante, pdenlo seren removidos de ttm
para outro lugar, qnandn assim eunvier.
Os .i.nrmnciantes s reeeb'rao a importancia dos
referidos pocos depola de collocados, satistazendo
esoeeUliva do comprador.
1 J'ROCRABORIA-
S O snlliciiadyl Hurgas Ponce de Len,
entrampa-"' dequiie-q'.ier qUestiVs civeis, *jBt;
35 criines e coin-iiei nw as ea 'testa** tg
3 tica*, da* quaes leni una longa pian
mstnze anno.1, t seacbacooi|'teritei)ii-nij
provUunado pelo Exm. c ttvm.Sr. Bispo vm
**< diocesano. a
{S Elle continuara a em pregar todos sena fj>
Tg e>t.'i ees, afim de maular a niesma con- a
Sa Ganca que te tu merecido do seus ^igoos gg
g coBNituioles.
Podo ser procurado das seis as nove >g[
* horas da Dianba u das quatro da tarde g
'^ ei djante, em >ua casa, da ra dasTiin- ||j
^ cheiras, junto aoartorio>di Sr. cscrivao c
' Motta, e fura deus horas as salas das |
:/'; audiiMieas
Prerisa-se de urna ama livre ou es-
crava para o servido interno e externo oV
urna casa de ponca familia, sendo de boa
conducta ; na ra da Santa Cruz n. 6.
* ?
c
a. re
O Q O ^ 2. >
-. = 5 re >-
2 L 3 5 &
7= ES I O
c-5 c^o.a en

a

LOJA BE JOIAS
DE
c
2ste

antigo estabelecimeuto, completa-
mente reformado le novo, est as condi-
3oes de servir vantajosaniente os seus fre-
gueses, visto que acha-se prvido com um
ascendido sorthnento de obras de ouro e
^rata de lei, assim como brilhantes e ou-
tras pedras preciosas, cujos presos sao os
saais mdicos que se pode encontrar.
As joias compradas nesta casa recebem-
os em troca ou eompram-se com pequeo
&bate
N. S RU4 l>0 G.UDG.4 N. S
S4LA0 DE PIANOS E BE MSICAS
Ra Nova n. 58, primeiro andar, a
Receb^u pelo uitimo paquete urna collfrco completa das
Msicas de GOTSCHACTK. ditas de ARTHUR NAPOLEO.
.Modiobas, 3S&>* cavatinas com paJavras italianas e francezas, dancas, c uvertu-
'toas e a quatro mo6 ect. ele.
PRODUCTOS de J.-P. LAROZE
MURM4CBUTIC0, J, ME MI U8l$-$*IIT-Mt, PUUS.
XAROPE DEPURATIVO
K CASCAS DE LARAWAS AMARGAS '
Cw I DI RUT 4m POTtIIIO
O lodoreede poUssio wn verdadeiro altenoie, um der*rador e iocontesUre) effl-
eaeia^.combinado com o rarope de oaacaa d laranjas firjni e aturado
em perturnacio alfuma pele* temperamentos oa mais traeos, sem alterar u teecies
do estomago. Aadoses malhenaticas que etle contem permitlem aos mdicos de receul-e
para todas as complica toes nasaffeccoes eacrofitlosatsi, taberouloaaa, oauoa-
roaaw nos accidenteB intermlttente tercelro*; alem d'isso, _
agente o mais poderoso contra as doengas rheuaaatioaua.
XAROPE TNICO ARTI-NEBVOSO
ou a> laJa aaaawca*.
38 anuos de suceesaoa atteslio a soa effi-
caeia para curar: aguaos ou rhronicas, m fotries, gttrc-
fu; e faeUar a xaeto.
XAROPE FERRUGINOSO
M GftaVCAaV aW ltWftAAaf # CVAHft Aa^tta^RM.
F sob a forma Hqnida que mais^a meo-
te se asaimila o forro; n'esta forma prefe-
rivel as pilulase pastilbueo lodosos caaos
em que sJo prescriplos os ferruginosos.
DENTIFRICIOS LAROZE
COM Q!MA. PY*TI0 I CAUCO
Hi mitifriaW, ara A alvao ecoo-
servaclo dos denaea, arando u dores
causadas pela caris eu prodozidas pelo
contado do calor ou do fri
M AartMnaio, aom base de maanmtm
para a alvura a cooaenraeao doa dantas,
proaeniudo a canearandura, provecabdo o
taare da qae anpede a reproducn.
Deposito em Ro i* /Mies, n. CtMtvotaS; em Nn/mkuf, r. Kmmt C*; ai ateeats.
raJ* Umi: Mslai, a-ier* li*. a Ssaa, um l#jjm *m Nr* ilffrs. Up
elto! a Marala rs*rm > C-, em Ours IVeto. C. *^m*m~>% mmicSB
r*M. a. et*mH m af#ti Nao mais cabellos braucos
A tintura japoneza para tingia os cabello?
da cabeca e da barba, foi a uuica admiltids
i xposigo Universal, por ter sido reco-
nhecida superior todas as preparacoes aV
hoje existentes, sem alterar a sade.
Vende-se a iOtO cada frasco na
Sita da Cada n. 51,
1. andar.
Hospital Portuguez
de Beneficencia.
\ junta administrativa do Hospital Portugucz de
beneficencia, roga a quem se jnlgar credr - mismo buspital a apresentar a sua cunta at o
da 15 do corrente, ao respectivo esmoler, para
ser ihipontinente paga.
OSr. Antonio Pcreira de Soura mgne-se
omparecr na loja do Passo a rna do Creci n. 7
i negocio que nao ignora : .-lo com urgencia.
CASA FELIZ
Aos 20:0004000
Yo Becife are-oda CoucefcSon. 2
Os abaix assignados leudse habilitado v.:
orma das leis, teni exposto a venda os iens fel;
e> bilhetes das loteras do Rio de Janeiro, pacas;
'Cima, aonde se uauarao as surtes que sahir- n
ios mesmos biitieles, com o descomo someme
la lei.
PRESOS.
Billieic inteno 24*000
Metos 12000
Qnartos OOO
E de 100a para cima a 22* o bilhete.
Fiotieiredo Leite.
Nutrimento
MEDICINA!
PREPARADO POB
Ltmman SKemp
PARA
Tsica e toda a
(jualidade de do-
encas, quer seja
na garganta, pei-
to ou bofes.
Express a-
mente escolbjdo
dos melhores li-
gados dos quae?
se extratte o
leo, no banco
da Terra Nova.
purilicado clii-
micalmente, e
suas
propriedades
conservadas
com- todo o cui-
dado, em todo o
frasco, se garan-
te perfeitamen-
te puro.
Este oleo tem
sido subuiellido
a um exame
muito severo, pelos clihnico-de mais talen-
to, do govemo hespanbol em Cuba, foi de-
vulgado por elle e contem:
' -MAIOR POKCO D'IODINA
do que outro qualquer oleo, que elle tem
examinado
IODINO E' l'M PODER SALVADOR
Em todo o oleo de ligado de bacalho,
enaquelle no-qual coutm a maior porgo
d'esta invaluavel propriedade o nico
meio para curar todas as doencas de
GARGANTA, PE1T0, BOFES, FIGADO,
Tsica, bronchites, asma, catarrho, tos.'-e,
resfriamentos, etc.
Uns poucos frascos d carnes ao mudo
magro que seja, clarea a vista, e d vigor a
todo o corpo. Nenjium outro artigo co-
nbecido na medicina ou sciencia, d tanto
nutrimento ao systema e encommodando
quasi nada o estomago.
As pessoas cuja organisaco tem sido
destruida pelas affecees das
ESCRFULAS O RHKMVTISMO
e toda^ aquellas cuja digesto, se acha com-
pletamente desarranjada, devem tomar -
0 OLEO DE FIGADO DE BACALHO
DE
l.n: mam k Beiap.
Se que desejam ver-se livres exempas
de enfermidades..
Acha-se venda nos esta^elecimentos de
P. ?,lau er 4C, J. C Bravo & C. A.
C*f-. rV M. Barl)M7,a e B^tuilimeo & C
Preciosa ublicapao
GUSTAVE
51Eua da Cadeia do Reaife51
Chama a attwicSo dos seus innunwros freguezes, e do respeitavel publico en
geral, para a seg-iinle tabella dos precos de sua casa, os quats s5o vate por ceatt-
mais barato do que em eutra qualquer parte:
CaMtnns para senboras a 25,$, CatJeias para relogio a 3& Q5,
305, 3J54 e......405000 ( U, 85, 95, 1*5 e. .. .
Ditas para homem a 335, 405 e 305000
Coque a m, 155, i 85, 205, Corte de cabello......
235, 305 e 505000 crle de Mbello frict3o.
^,30^^' 325000 Corte de utello com lavagem a
Cachos ou crespos a 35, 45, 55
65. 75, 85, 95 e. .
Tranca de cabello para annel a
500 e.......
Tranca para braceletes a 105,
155, 205, 25 e
champou.
,' Corte de cabello com limpez da
cabeca pela machina elctri-
ca, nica em Pemambuco. .
Frisado ingleza ou franceza.
305000 Barba.
105000,
45000'
155fJ0t-
KOfc
iOtit
10*
n
2Sf
ASIGNATURAS MENSAES
Especialidade de penteads para casamento
Bailes c soirces
O dono do estabelecimento previne s, R.'commenda-se a superior TINTURA Jt\
Exmas. Sras. e aos cavalheiros que ha um PONEZA para eneprecer os cabellos e bar
a .kii k-k c ba, nica admittida r>a Exposico Universa
saiaopara t.ntnra dos cabellos e barba, as- ^ ^ pr(jq(licial sade/por s,rvil
sim como um empregado smente oceupa- jatil. analysada e approvada pelas a'cade
do nesse senico. mas de sc'iencias de PARS E LONDRF.S
DAVID miUMi BOWM&N
Partecipa aos senhores proprietarins de engfrthos, que aoontecendo faltErMh*;-
tgoa ou animaes nra a moagem durante a presente safra, elle tem vapores pnimpt.'-
>ara assentar, sem precisar de obra nova ou demihco de obras existentes, e qt:
)de botar ta'es engenhos a moer oilo dias depois de estarem as pecas do vapo;
tngenho, garantjndo-se o trabalho. #
Fundic;o, ra do Bram n. 52, passando o chafanz.
?~at
- Em casa de THEODORO CHRISTi
INSEN, ra da Cruz n. 18, encontrara-s
juriica,
Commentario o Ccdig- Commercial Portu-
ftma e Br asi tetro.
Vcnde-se na loja. da rna do Crespo n.
25 A esquina da do Qtieimfdo. a impor-
tante e iimdema oura.scb o littilu de. an-
mtures ao andigo do comnwro portugwz
em 6 volumes pelo Exm. Sr. mselheiro
Dr. Diogo Pemra Forjaz de Sampaio Pi
iLenld, lente calliedralico na univursidade
de Coimbr:. i)s subidos crditos de que
goza muito merecidamente aquelle eximio
M.niraercialistapor sis bastariam para re-
ri.mmendar to importante obia, quando
nao concorresse-mais para rsso a grande
vjintagem .de.ser um ptimo commentario
iflectivamene todas as quadades de yiqb' ao cdigo commercial brasileiro (na falta
lordpaux. Bonrcogne do Rheno._____absolutaque lia de qua quer nutro) pelamo-
C1 _* ~~i | g \ima homogeneidade de entre militas das
baDaO le 31Ca traO -m.-.$ disposicoes, e as do mencionado codi
go portuguez, que lije servio de texto.
para curar as molestias de pelle,
Mes 'orno empingens, darthros, sarnas, comichees
i mais molestias de pelle, sem occasionar acciden-
tes ; desfax as manetas do coro", pannos, sardas,
restabelece a cor natural, quanto a cutis, secca,
zro?sa e nmarellenta, eccasionado por alguma
mferiuidadi'. e como de-infectante e prevoutivo
las molestias contagiosas.
NICO DEPOSITO
Botica do Pinto, ra larga do Rosario n. 10, junto
jo quartel de policia._________________
- Na relinaco da Florentina n. 2S vende-sc
um pnrdinho d bonita figUFa. robusto, excellenle
ofllcial de alfoiate. e com pralica de caixeiro.
iCABELLEREIROg
gfe^. 82RA DA MPKRATRIZN. 82g
Odtlon Duarte, cabelleireiro, tendo se j|
3 despedido da rasa de sen cunhado o Sr.
I Cark^Dubois, ate trabaUtou p>r espaeo
jga. de dez annos, acha-se estabelecido com
S casa de cabelleireiro rna-da Iniperatriz
I n. 82, promplo a satisfacer qualquer en-
fS cgmnjea tP(?i:e^ -un re. |jjg
PHiHPam-PlP1
Precisa-se de um menigo pequeo com pra-
lica ou sem ella para taberna : no pateo da Penba
numero 6. _J________________________^_
Precisarse 4c.uma. ama ,de.lfitte sem nluo na
rna-do hvperador a. 7o, .3* anaar ou na ra do
Queimado n. 11. ____
Prcisa-sedc um nomem portuguez para
feitor de engenho ; a tratar na ruada Cruz n. 8.
1 andar.
Aluga-se um escravo muito bom cozinheiro
e copeiro. sabe tambem bollar : na ra do Impe-
rador n. 30. 3' andar.___________________^
Precisa-se alugarum moleqne para caa de
familia : a tratar na ra do Queimado n. 50.
Preci?a-e de urna ama para cozinhar e com-
prar : na ra Augusta n. 81.
o dia S de Janeiro fugio da padari que
Gca no oiao da fundicao de Santo Amaro, o es-
cravo Izidoro, estatura regular, cara ebeia, per-
nas finas, ha noticia que anda pela Passagem ate
a Torre, fazendo caiacOes, etc.; este negro foi
escravo do Sr. Bailar Otiveira, e teto nma amasia
oa Torre : quera o capturar sera gratificado.
Forneiro.
oirei pressurosos. distinda moridadt
do 41 anno da Faculdadi; de Direito desla
cidade e notareis jurisconsultos, a prover-
vos desse poderoso auxiliar para vossos
trabaihosda sciencia, e pelo preco oommoilo
ile ^05. toda a obra em 6 voL_________
Subliiue juib ica^o Iliteraria
sob o titulo de Neinori. do
Boia rfcsiis do Monte, eui
llraga.
Acba-ne venda na loja da ra do Cres-
po n. 25 A, esquina da do Queimado a pri-
morosa Memoria do Bom Jess do Monte em
Braga, ornada de grayuras finas, segunde
edicao, obra da penna de ouro do mui Ilus-
trado lente da unlversidade de Coimbra, o
Exm. Sr. conselbeiro Dr. Diogo Pereira
Forjaz de Sampaio Pimentel. Quem tiver
noticia da extraordinaria devoc5o que exis-
te em Portugal para curo aquella milagro-
ssima imagem, alRujndo f-empre para o
seu magestoso templo em rom na o nume-
roso povo de todas as panes desse reino ;
quem souber avahar as brilhantes desenp-
ces, e o,bello estudo daquelle consumma
do jurisconsulto e ex,imo litterario portuguej
na> deixar de procurar, quanto artes pro
ver-st de um exemplar da dita memoria,
pelo diminuto preco de 35, na loja indica
da, onde ha pequeo numero bellas.
Na mesma loja acma ha ontras estampa,
muito perfeitas e grandes do dito SetJtot
fom Jess de Braga, por preco commodo
Escravo para padaria. (
Precisa-se a lugar um escravo na padaria da
ru Direita n. 84. *
4 MiBV fU
.indas e superiores bare^s de cor, de qnadro e de listras, para vestid* s G
gindo seda. pe.< baratissimo preco de 300 o 640 rs. o covado.
As^m como superiores cassas francezas de cor padroes, de muito gosto 40
e 600 rs. o metro, na loja das Collumnas nu do Crespo n.c13, de Antonio Corre
Vasconwllos.
CASA DA FOUTISA
Aos 4:OO0S
Bilhetes ?ar:intidos.
\ ra do Crespo n. -23 e casas do costume
0 abaixo msignadn, tendo vendido ilin ile un-
irs sortes, um meio n ItiO Bom 4:0fli) d
lotera que -e acabou de exiraliir a beneffio da
igreja de N. S. da Conceicao d->s Militares do
Iteeifn (133"), convida aos 'posadores a virem
receber ua coofonuidade do costume setn descon-
t alsnin.
Acham-se a venda os fetiaas bilhetes da 2"
oarte da lotera beneficio da igreja de Nnssa
HenhoradoAuipaFodacia.de de '(linda (l.">4a)
que se eitrahira ua sexta-feira 21 do correle
mes.
Precos.
Os do costume.
Msiiocl Martina Fi""J
COIil-liCtlO
uo
Precisa se de urna ama para casa de hornea)
solteiro : na ra do Mondejo n. 93. ____
WRl Di MO
Rna do Hospicio n. 84
Este jkwo estabelecimento fornece comedi-ria
tanto para lora como para dentro do dito esiabe-
lecimento, assim ajamo nos dowtngqa e dias santos
have.r miio-de-varea, o proprietario tem una
sala para aiguuias pessoas que qttiier se ervir
l>articulannente, por issotem commodos sullicien
mm tutu de mi
A direct.Ta dese colleaio, Josephina Benvinr:
da Cunta Suto-Ma:.r eumpelenleinente, habilitad.
pela diieelmia yrffl da instruccao sjmWien,
ao respaifctveJ paUicmi que acha-se sen collegij
eaubvietnln a ra da Iniperatriz n. 63, cuja ma-
tricula abni-.-e-lia a 10/deJaneiro prximo tutu:
6 uffrrcec seu prestiino aos pais de tamilia. a.-s.
verando-lhes seus bous desejos, quer a respii
ensino, quer da edocac^at de suas filhas. 0 pi'.
y ra una dos estatutos ileitura, escripia, aritbni
tica, systema mtrico, lingua nacional, fttM
geograpliia, mnsica vocal e piano ; para qu-
imera professoraae ptorVsuras cMupeteuleineDl >
habilitados. Tambem se minar bordados, llore
de varias i|ualila (Jasa de cornmissao tie escravos
Na antiga casa de commissao de escravos, d.
abaixo asslgaado, ra do Imperador n. lf, vm
nua-se a nceher escravos por commis>ai>, lam
do malo como da praca -para seren vendidos.
garanle-se o bom tratamento e ptompta rpnd;.
liara o ipie se emprega todos os esforcos alim il
satisfazer em tudo s pessoas que o quizirem her-
rar coa' sua conftanca. Nesta casa .ha semj
para vender escravos "de ffmbos os sexo-;, velhos
mocos, assim como ha t da segranos para os te
Antonio Jos V. de Souza.
AMA
Na rna do Codorniz n. 8. precisa-se decaa
tes para ess- lim ; espera portanto, do respeitavef ama que saina cosinhar.
publico a grande proteceao.
Ama
*recisa se de um bom forneiro para urna pada-
ria em Una: a tratar no caes do Apollo n. 69,
inacem de Jos oarle das Nev s
mjiiiiD di \m m
Eua do Commercio n.
Jo Francisco Ribeiro de5pD^{ djrecr
k.r d'esse instituto de edacacao iastruc-
Co. faz siente ao respailavel nabjico e
partactlarMQt aos pas de seos alumnos,
que a rfabertura das aulas de mstruccJo
primaria e secundara lera logar em o dia
10 do aodaote.
0 programma do ensino ser de canfor
midade com o. decreta n. 44^0 de 39 dp
outnbro de 1869.
Admitte alumnos pensionistas, meio^peB-
siois.tas e externos.
Precisa-se de orna ama que cosinhe com
perfeic^o ; rna do Queimado n. >2, loja das seis
portas.
mm-mmm-ammmm
CURSO DE PREPARATORIOS
KCUJSIVati
i>i\
Ra da matriz da Boa-vista n. 28.
Mensalidade 6*000.
Na (ravessa da na
m ,das Crois n, 2, pri-
meiro andar, da-s di-
M nhelro sobre penhoros
| de ouro, prala e briiban-
tes, seja qual for a pan-
| tia. Na mesma casa eom-
pram-se os mesmos me-
taes e pedras.
Precisa-se de urna ama livre ou captiT, e nt.
i moleque de 10 a 12 anuos : a tratar na ra 61.
I.inpueta n. 8, 2* audar.________^^ _________
Ra do Pharol n. 58.
Em Fra de Portas, lado da maro grande, ali
ga->e urna casa com bons commodos para jiequi
a familia, tem duas salas, dous quartus, sota..
cozinha fra, e um pequeo quintal : tratase i
caes de Apollo n. 68.__________________
casa" .*Tfb.
Aos 20:000^000.
Bilhetes do Rio venda : ra do Cahug n. ".
vende Vieira 4 Rodrigues.
FUMO CAPORAL.
Chegado pelo ultimo paquete.
Marca Civette
Livraria francaza,
Bichas hamburgnezas
Neste novo deposito recebe-se por todos naque
tes traoaiawicos bas de qualidade superior, ven-
Ja-so en caixa ou porcao mais pequea e mais
barato de que qualquer outra parte ; na rus da
Calais do Recite n. 8!, r" andar.
Attenpao.
Corres-pondenctd/ie Portugal.
Os abaixos assignados previnem aos senhor s
a.signantes deste jornal que de. ja jeiro prximo
futuro em liante a dislribuicao ser feitu no largo
do Corpo Santo uo caf do Se Pestaa, onde os
mesmos senhores asignantes mandarlo pagar des-
de j a assignattira do anno prximo 34000
per 24-nnnieros contados do numero que condu-
zir o paquete de 28 de Janeiro prximo futuro ao
de 14 de Janeiro de 1871 Numero avulso i 000
rei?. Os recibos sao impresaos e tlrmados pelos
baixos assignados*. A distribuidlo do jornal para
os as; guanes s se far a aquelle%que tenham
j pago >ua animalidade.
Casa para JiUlgar em linda.
Aluga se por mu auno pago adiaiMado, a c-
n. 3 Ja ladeira da Misericordia, com 3 sallas,
quartos.cosinha fra, ternco na frente, e no tnn-
do com assentos de pedra e cal para grande t*
milia, e bom quintal cercado, muito fresca e ev-
cellente vista. Quem quizer prevenir-se logo <
casa para passar a (esta vindoura, evkar ilar
esss temp um preeo fabuloso por una cas.
naquella apprasivel cidade, visto C'jmo de esp
rar grande concurrencia de povo para all ei
consequencia da conduelo faeil pela estrada d--
feTo que l deve estar a esse lempo: quem prv-
tender dirija-se mesma casa, ou ao largo d
Tergo n. t.
AGENCIA DE COBRANZAS
BAIRRO DKSAorWAKTaNIO.
Ra eslreifh do Rosario n. 17, 1? andar.
Ama de leite.
IVecisa-se ua* ama de leite. na rna nova dos
Pjres u. i8, casa que fica solada entre a ra do
Corredor do Bispo o a do Destino. Paga-se bero.
__Precisa se de urna ama que saiba comprar e
cozinhar, para casa de pouca familia, pre/enndo-
se scrava.: na roa do Rosara a. 21, loja de cal-
cado.
b!
Na rna estreira do Rosario n. 3o, sobrado (casa
particular) coatioua se a fornecer almnco ejanur
para fr mandando-e levar as pessoas que nao
tiverem portador e nao for muito grande a dis-
tancia, nt mesma casa prepara-se qualquer peca
de comida, b, podjns, pio-del, etc. sendo
enconnanlado com anucerteneja.
Caixeiro.
Precisa se de um pequeo de 12 a 14 anuos,
com principio de taberna, para informacoes : a
roa ata Cruz n. 16.
Ao publico.
O* abaixos assignados declarara ao corpo do
commercio quo, desdo 3 do correrte maz, se acha
dissolvida a suciedad* commercial que tiveram na
loja de miudots* sita a roa do Queimado a. 61,
que gjT.'.va nesta praca sob a razio de Silva Bar-
bosa it C ficando a carga do sor Julo Barbosa
de Lima a liqniriacao do activo e passivo da men-
cionada (lima de conformidade com o respectivo
detracto social.
Recife, ii de Janeiro de J870.
Manuel Rodrigues da|Silii Filo
Ji <> Barbosa He Lima.
Neste escripti'rio recebem se procura-
coas para cobranca de ordenados e con-
graas, liquidat-lo de cootas de pessoas do
cestro com outras desta praga, bem assim |
de arrendamentos de predios, para agen
cia de causas civeis, crimes, commer-
ciaes e ecclesiasticas em que seja neces-
sario constituir os mais coDceituados ad-
vogados e procuradores que melhcr ga-
rantam os direitos das partes ; para soV-
licitar ttulos e patentes na capiXal, oa
manda-Ios vir da corte,**, etc.
Das cofcrancss e compras sobro as-
quantias liquidas 3 % e sobre o mais
mediante previo ajusto.
As entregas de qna squer eneommen-
das. e ttulos s ser* foitts # seos pro-
prias donos is#asas'ortts aulorisa-
das em carts de *> o medame re-
cibas legalnisute pausados.
Ama de leite
Preclsa-se da mnaama. de lette
Qneimado n. 30.___________________
na ra t
N roa do iardim n. 20 conna a ter muito
boa fariuha da ierra.
(J(|sturpiras.
Na imneriaj h>m* &> cOspos a ra do Crr
po n. 6 precisa-sWe cosnwiras.________
Krrafa para cownhar
"' Prcifa-se comprar un do meia idade, i
tambem so alogti: a tratar oa roa Direita o. i
andana.
El

vi





Diario de JPernambuco Quarta feira 19 de Janeiro de 1870.
6
I



Joaquim Jos Gon-
(jalves Beltro
ROA DO TRAPICHE N. 17, l. ANDAl,
Sacca por todos os paquetes sobre o fan-
co do Minti, era Braga, e sobre os seguie-
tos fogares em Portugal:
Lisboa.
Porto.
Valenea.
Coimbra.
Chaves.
Viseo.
Villa do Conde -
Arcos de Val de Vez.
Vianna do Casteilo.
Ponte do Lima.
Villa Real.
Villa-Nova de]Famalicao.
Latnogo.
Leg
CovifMa.
Vassal (Valpassos).
MinHidella.
Beja.
BareeHos.

Caixeiro
Precsa-se de um' eaixeiro de idade de 13 a l(
annos c|uv tenlia.pratira da taheano qe d fiadtu
de sua' e-undula .na rna dos uarapesmli:____,
Apparcceu na ra dn liuucraiur n. 4o, un
esrravoqne diz ebamar.se Scha a Sra. D. Anionia Mara da Cunceirao, moradora
em Cralo de Bom Jardn) : ro-a-s a Bita senho-
ra vir tomar Canta delle, nao Brando o abaizoas-
signado rasponsavei. pelo que possa acontecer ao
tiito pseram
Pede-se
MATA AMAI
Ba do Queimado n'; Sj
TEIXEIKA MARQUES ft C.
attenso {VIMIADE
O adwgado \Mt* I
| en escriplurio da rasa n. i! da rcMlo Qoeini
i u si-JwMo andar i!:i rasa n. 31 ua ni
'roa, preilio mido o commerrlante Rnliin tem sen
1 cstabeiecimnln ; o q-m fu publico, e [hii
, mente avi.va seus cliente! e a aquetas quo dig-
naren! =u procura-lo pira os irabalh >s i!e sua
sso Al ser do boje em diante encentra-
do tua il;!, de tr.tballio de-de ai 8 horas da ma-
Crespo
Os novns proprietarios deste importants, bom conhecido e acreditado estaba-11n" \f%- t'--------1-------------
ecimento de fazendas finas, vera communicar ao respeitavel publico e mu ^tte^^\caZl'tt^ZT\\^T^T^A
Aos donos de obras e mestres pedreiros, quo ment aos seus amigos e freguezes que o mesrao estabelecimento acaba de oas-ar por n 17 loja
nao compren materia* sem irein visitar a otaria um;| r(.rurma rajica|. j ------------------------------------
SS? .%STft 5 SCS A FRAGATA AMAZONAS, livre e absolutamente desembaraza das peas qu, | ASSOC!3 CaO Commer-
das as qnadades do bem alomado barro dennmi- lhe tolhiam a marcha, uu para mclhor dizer, haveodo expelido de seuseio os paraguayos
nado do Taqnary, por manos SOOO res o milhei- que tambera pode den minar erpkcik nova de torpedos, qu*: lhe ameacavaafca victo -
ro do que em mitra guatqnor parte._________ riosa proaj apresenta se ao publico ufana e garrida, arvorando no raastro grande o,pa
Iriiianriade do* **assos na ma-'villiao indicador da sinoeridade. A barateza e escolhido sortimento de fazendas sao as
Na pra^a da Independencia n. 33 se da di-
nheiro sobre peohores de ouro, prata e pedrat
tria: do Corpo Ntnto. garantas cura qne emita para merecer todo a proteccSo do publico.
De ordem me raedora sao envidados to- A FRAGATA AMAZONAS, celebre pela gloriosa tradieco as aguas do Prata.
t^J^LRX3^^ aq,, >rfea[,[irr:^ n,*tl,ul qoe,nie,hor r("^^ esta^lerJaNJ. do
rece ainnandadeno da 19 do prsenle mez as zendas linas. All -o valor, a !on;;i e herosmo tiveram hymnos de victoria, aqui
C horas da tarde no respectivo consistorio. o agrado o cavaHieisrno. a siocerdatle, o bellissimo e completo sortiinentc de fazendas
Oescrivao interino, coroaru os sforcos de seus proprietarios.
r_____________JLaL*!!'*ra Campos,___| EJa a,cai(:ar;i ir\.Jlf[fy Sl)l)re todos
Fupiram na noile de 14 ilo corrate, da FRAGATA adrftsa .tle Slia aciiudde.
rrdad.es Mara, de t aonne de idade, baixa e .-rossa 4o (]. Pj*,c P*a segnn.es fazendas:
crpo, nariz chato, cara tarpa, testa estrella, liei-1 CorlSs de vestido de lilond de seda COm
fwto.as, seja qual for a qnantia ; e na mesm ,.llS |ns e cabellos cortad reates, do tne>mo dia, todo os pertences para ucivas.
3B2R63&^ "Ue ,ertha amamJ r!,. M.go,s e grandes
Mmoneda, e todo e qualijuer concert tendente Amia, .le (6 anuos de idade, de estatura tvva- braw0 W Camas.
* nif^ma :ir^>.
os triemphos, A acco triumpliante da
de seus amigos
i'ni'isa-sH tallar com algQOS credores da
faencia de Thomaz de Figueiredo, na ra do um pos
QaMmade n. :i, '! andr.
Guipure em peca, prelo c brinco,
Cortinados de cambraia bordados para
colchas de croch cama, grande o v.mido sortimento.
OMchs para safas e para eafietras.
lar. ttn osralM-llos Cachi.-vdos o nao muito cm-: COftas i!e suda, de 13a e seda
pridos. naiir. ebato, n*ra ir?a. testa esirea, olha g(dlio para o mesmo im,
. de coMprimihto de 20 Mimas para mesa.' S^T? de chapeos de paha
Sitas ferpaas e de buho adamascadas, vetdad, Ac *" pimiorosamente enfei-
cial Bfneficente.
Pelo presente si > caudados todos (,s seoho^e/
socios da Associacan Conniifrcial Bewlrdl
se rennirem em assenjplel creKil no da Id do cor-
ii'nie ntexao uicio dia no edificio da DMsma ^sso-
ciacSo.
Reefld l\ 3e Janeiro de IR70
Vunie Besar Ihtmos,
Rerreinrio.
Para-se bem
Precisa-se de urna ama forra mi perra t$oa
saiba BOfiiiMf hnn : ra d inpa a. 23
K>RukIo ( Kn
A VKRI)AtE tundo em rtepx^o grane-.
quaiilidade'demiudejMise perfumaria, e do-
sajando apurar dinbeiroe s^pclir ba frt
trnezia est rssolvida a vonibr n.itis
barato, ; pur essa i-3zio i
ta*el publico a vir cun^petefitemente mun-
do a S'iriir-se do bomebarato. iJois qu
do a Verdadc apparece, tudo'mais de-
ap parece----- -
Grande sortimento do bone;"-s de cera '
i vissa as mais lindas possiveis vesas a es-
racter.
Abotoaduras modernas para col
etea.......
Espclhos domadas peptienos. :,
Agulhas de oo para i
Pentes para regace- con osotas a "..
Reos globo para csndieirb de '?.z a
Chau.ins a ....... '.'.
Grande su tinic;-.H> de ebjetw de
lou'.a par brinquede au
6m rafa com Inda a. ....
Dita com agua Derida rerdad'
Bita otud rfHa da a .
e de al- | Bellos tapetes sof, camas, portas e janellas.
talos.
MMITliHOS
CONTRI FOCO.
A Companhia Indemnisadora.estabelocidi
aasia praca; toma seguros maritimos sobn
uaos e seus carre^amentos e contra og(
m edificios, mercaderas e mobfias: J
m? '*( Vieanon. 4. pavimento ter en.
Ailirrna emiiunreial s>b a ra u de liento-
eis iV C., jnlfa nada dever nesta praca ou lora
delta por qualduer tilulo ; % porm algoecn so
jaezar credor, iwoira apreseutar oestes tres das a
i pira", sendo legal, ser (tuga iiiMnediatamante.
i!>*>- f l' rtK j ini'iivi do 1870.
- OSr. bacbarel Joagqim Gordejru Coe-
Iho Cintra, juiz'municipal de Goianua, quei-
n ter a boneade de apparecer na do
ispi'io n. 84. negocio ingente.
tanto sorda do pavMo direio, e est algtima coasa
[latida.
l.evaram ambas vestidos brancos, e n mais bai-
xauma carneas dc-i.otadas, i izi'nda.um cii.rio .letuneo azul com flor-es ; am- u ,:, ,,i. ,-j mjm, ..-.r.,., ,iA i,. w
has l-vram calcados, a mais alta sapaios de cou- (o }'m qadade para Vestidos. ,m^ pitia C de Se la.
ro de lustre, e a mais hatea botina! de ceuro pretj Wtas protas cen lislrs .issetinadcs o que FtDtatlores bordados e camisas d; li-
de cnfiar. DesconHi-so qne e*iejam acontadas, ha de mellior pira um bom vestido prelo. "bo- e('e algodao bordadas para senboras.
e protesia-se proceder com todo o rig^r da Ini a
qoesTi as liouver homisiado : quem as apprelien-
der ol der noiicia no largo do Corpo Santa n. 1'.),
ser bem recompensado.
Attenco.
Frc-i-a se de um cuzjaheiro ou ceziutieira :
vm rna iln Imperador n. 73. ? andar.
I'-ia-se alujar p ^ nifz uma pTi-ta ue
DRfaMnme bem : na iiia Nova, sobrado n. 39.
RDADEROIER'/
de siciouet, fntlmir Miftila
Ru de Seins,
IH t*m a
c o M
a 2
S ^
% >5
*& %, y 5 E
I
&
u
ja rada Kirrafa, ti, itre a rnllia t o r-wl a.-il
<: loa o mtu i nete, nnQ rotulo impertid rro aun-
reilooio mlio lirmiu do Covsi no nunei i

N B.~ i rmrt-
SIBVl ITIIIIMlf Mw
d' SoO ii-.,i,, (.4 so-
brel'.ins.rrnlan-l
a 60 ilirs dr v sia
aom'ixinin.cozii-se
donhnlm-i!" pilo
maior .fsc.:o
ROG
POS DE
Approvadot pela Academia imperial
de medicina de Parix
m irasco do Pos de Ros, dissolvido
ein uma garrafa d'agua, d uma limonada]
agradwd que purga "rpidamente e de
um modo certo, sem causar a menor
irri'.aoio como acontece com a maior
parle dos outros purgantes. Ou Pa> de
. 0K*, sao inaltcraveis por isso empre*
Igam-se fcilmente em viagem.
P'tnil* ''iI'''o-Jneio, Dupetcktllt; Chevoltt.
. I em I'ehshiiboco, Mttrtr C". A
Antonio Luiz leixeira Coirnaraes morador no
lartro do Car o n. i, faz ver ao rcpeitavel publi-
Mic i e aos seos fragaezes que acaba de reeeber
a segunda remeca da venladeira borracha viuda
do Para para limas e vende per meos da queeni
ou ira qualiincr parte, s no largo lo Cnrmo n.. i
Prerisa-se de um partugura jno eotenda
perfeitaraente do irabalho de padara, niara, cai-
conduela : qnem pretender, dirija-se a roa do
Crespo n. 1, das 10 horas do da at as \ da
tarde.
-- Alaga-sf nas ras estreita do ..sano, larga,
Cruzes. Oueiraadu, etc. urna sala em pri ncjrii an-
dar : podem en!ender-se com o esc ivao Molla,
ra estreita do Rosario n. 17.
Pi'Cisa-se de dous bonuns, sendo oiu para
feilor de campo e nutro para caixeiro de casa de
purgar para nm engenho margen) da estrada de
ferro : a tratar nas Cinco Ponas n. i:0, das 6 as
8 lloras da mana*, o das f, -A< 8 da tarde.
Grande sortimento de camisas para bo-
meets bordadas, lisas, inglrz.is e francezas.
Vestuarios para meninos enxovaes pai
baptisiidos.
Cachenezricas sabidas de baileman-
tilb-.is pretas de fil de- seda para cnb< ca
yraade sortHnento de alpacas lisas e
mi nenos.com tanto que ejan sadioj: o
r I subr.Kki o. ;tr>, in'a .las (nro-.
' i \ |onu,
Grosrlensides prelo -do differentes qualt
darles e pr-e^os.
! Ditos de cores, gorguro de seda preto
]e de cores.
Popelinas (de seii* e lindo grande e
Tariado sortime*ito 'ius melhores gostos.
Grande e variado sortimento de basqui- yraie sorinnento de alpacas usas e lavra
nsde seda preta, curtas e de datura com daslaasmnito medemas e Imitas com
Jaco, muito bem guaniecidas. Iistrasdesef.a -espartHtios cerpmhos bor- 't'da aleada da r i da i rnx n. W.
ilas le guipure (a-och) de diferentes dados e. mtri:as ontras fazendas que seria ~^1 i se urna eserava de meia
raodelliv protas \ Be cores. fastidioso wibotd* |.*atba c-sinhar : a tratar na padana da
:1a sempie s:)rti!iefl'o variado de Iotos de JOLiVN, -sortimentodo ronpas j*1''1,1 "!i^___
'feitas e encarreg-se de qualqaer obra por medida, para o que procura senipre bons ar-1 r Cornupiii
listas.
Comnmm e aOiatoi de odro e prata de I
valores, naro < prab em nbn da.-,
"es e mais podras [irenosas : na loj de
vis ik> arco lia lntcoi^ao. no Raeifa.
U b i de jjis
Na na i n. 4 compnr-sa doro, prau
ipedraspi m procos mais vantajosos-d
njf em mitra QiiabpMr parte.
Uijn iikiuu -jiri i C'vnipram-se
noedas dd eur : na toja de foias di
rai-ande Onm n. ? I>. ma do ''.aboga.'
,1
iijffl.\M inmhh
Cowpraoa-se-e venitem-se diariamente para fikaLv, "''. ^ ',:'' '
idean id a eseravos de todas as Jades, 0,eo Pan niachina de costara,
Frasco cohhmh) de babosa <> 50U
Dito com agua deCol rola !NH) a
Gatrafa cora awii rtivina a. .
Frasco com extractes Bw s a .
Labs pequeas com banba mu
hna a kl- e......
Babonetes dedivers; sq rali
80, lU. iOe......
Finas escovas p.:ra deotOS de I-l11
Lindos coques ni' a. .
is para'pif, dszla a 240 e .
Escovas para (acto a Si 0, ($00
Hitas para cabello a. .
Pe tos para tirar piolho a (i e..
Brincos de coree, burujos i i
Pe^as de tranca de la cdoi S
varas por.
Frei-i.-a-se luiiipr.i i ma e-
dado : qii"in liver equeir'a vend
irasco a........
Peonas d'a?o tinas cai?.r- a ; Dil d'aco Perry. caixa o. .
(avade u.e.a ;OalTi*. de aboiiao pc--a
r. dirija >e a lo- iv.vi.!ii.i..,.- a
Lindos babadihus e eii.; -. p
-r -----i peca de.500 a. ,. -.
nw(9T!,)im<(le Wca mtoto fino a 1:'
Ditos para calca a ll 0 e. .
Caixa cun papel amizsde a. .
\ \! -lera, 11 do crente, pedeu-se urna
sedula deaVOJlun eai alguma das seguintes mas:
da Cadeia/PontB do He.-ife, rna do Crespo, praca
da IndepaideiMia, ra do Calinga, Nova, Ponte da
b'a-vi-ia. ra da Irnperatflz. "dos Ferreiros, do
Camarao e Hospicio atea esiacao nas oflirinas : a
pessoa i|iieaclw;i, receber a gralilicacao quequi-
zer, se reseiluir no Caf Cunmereial, 'no la'go do
Corpo Santa n. 0.
f'ieeisa-so lie urna ama loria ou captiva
quesaiha ngummar e eoziahar, para casa de pou-
calaroilia, pagase bem: a tratar no armazem
defronte ila alfandega n. 2.
t'recisa-se de uma boa. cozinbeira para casa
estrangeii a, a gradando paga-se bem: a tratar na
ra da Cruz n. 20, armazem, ou na Capunga, porio
Lasen* n. 20.
VIC^MaES
J. Rfeigass, successor
55Ifcaa do imperador55
Nesta arvtiga e bem conhecida casa, encootrar-se-ba corjo outr'ora grande oar-
.imente de pianos construidos expressamente parap clima deste paiz, e Mr. J. Rhicass
ndo'rabalQ*do mudos annos na construocSo de pianos em Paris, acha-se habilitado
> preparar os pianos que eade com todos os accessorios indispensaveis nao s sua
oiidez, como sua durado. Todos os pianos sao garantidos.
Tambera ba neste estabelociinento, grande variedide de msicas novas e dos
nelbores autores, tanto viridas de ftaris coiao do Bo de Janeiro, que ee vende mais
iarat -do que em outra qualquer parte ; assim oobbo ha igualmente venda todos o.-
)bjectos necessarios cootrueco de pianos. Os coocertoe e afinacoes de pianos serao
'eitos com o bmot zelo e cuidado.
rios : na ma Dir. ila u
rahriea de cigarra a ,"5000 a arroba un a Ido r>. i Bitas cuiii eiivelopes a.
; Ditas jcom obreas a. .
a libra.
."\a ra di Cruz n. :J6 compram se -sciavos
de bonitas 'llgnras o mulatas prenda -las, p,,ga mellior do que <-< outra qual-
quer parte. x
VJ
te.
Vende-se nina burra do ferro grande : na
roa da imneratnz n. 14, loja.
MaDoel Abiw Kei|eita *C, na rna da M"C-
da a. 5, Pandar, i m para ventor sdoerior vml,
dol rto em anroreas e 'arias da ilnzias, bairil-
zidbos com W) e ."00 sardinlias supiriores e bar-
ricas con baf > de siibgiK iro. pniassa da Itiuwia
e ca de LHnki

i
s
7..
5(i
-
: n
A tenido. ,
Precisa-se fallar enm urgencia aos senhores
abaixo declarados a negocio de seu interesse, na
ra ila Imperatriz n. 21 :
Julio Jos da Silva, Freerico Skner, Romana I
da Costa Monteiro, Manoel Jos Uartins e Crego-
rio da Costa Monteiro.
DE

qujuu
Ra do Hospicio n. 22 e 24
Antonio Marquede Amorim, director do
collegio de Santa Genoveva, tem a honra de
participar aos paes, tutorese correspunden-
tes de seus alumnos que as aulas do" ins-i
tritccao primaria e secundaria fnnecionarao
neste collegio desde o dia 20 do correnle!
pudendo desde j regressarem reinscre-1
ver-se os que quizerem, \
Avisa igualmente que tendo dado mais j
ampias e commodas proporcoes a este es-
tabelecimento pela adjunego da casa im- i
mediata aquellas em que tem residido des- i
de 18118 pode admittir maior numero de
pensionistas.
APPROVAOO PELA ACADEMIA DE MEDICINA OE PARtZ
0 Qvtmiam Labarraqaw, eminentemente tnico e febrfugo tere ser
preferido todas as outras preparaedes de quina.
Os vinhos de quina ordinariamente empregados na medicina preparam-se
com casca3 de quisa cuja riqueza era principios activos extremamente
wiavet; parte disso, em razio de seu modo de preparaco, estes vinbos con-
tem apenas vestigios de principios activos, e em proporcoes sempre ariaveis.
0 QatBieun abarraqn, approvado pela Academia de medicina, con.
titue pela contrario uva medicamento de composic^o determinada, rica era
principios activos, e com o qual os mdicos e os doentes podem sempre contar.
0 Qunism Labarracraa proscripto com grande xito s pessoas tracas,
delibitadas, eeja por diversas causas d'esgotamento, seja por antigs moles
tias; aos adultos fatigados por uma rpida crescenca, s meninas qui tem dif
cuidade em se formar edesenvolver; s mulheres depois dos paitos; aos velhos
enfraquecidos pela edade ou doenca.
No cazo de chlorosis, anemia, cores plidas, este vinho um poderoso
auxiliar dos ferruginosos. Tomado junto, por exemplo, cora as pilulas de
Vaiur, produi effeitos maravilhosos, pela sua rpida aeco.
lUpotto en Paria, L. FRERE, 19, roa Jacob
Rio-Janeiro, 1UP0NCHELLE; Cfl*0L0T. Pernmmbuco, MADRKR et C
Vndese una esclava que czmlia e en
gomma, moca o sadia : na rna do Rosario da Boa-
Vita n 4i.
V'iTdein-se e-.-rv,.s ij. su |,os os sexos na
ra do Imperador o 7o 2 titilar.
Vendee r,r tueg eou.mod in>'tad~do
enfenlio Camorimzmho, sita no termo de Agua
pertu da estacad de Cnianibuca, com imito
a
Preta,
boas trras de promiceao, matas li gradoiiras
tratar na ra da
de Mnnnel Alve^ Ferrrira 4 C.
na ra da Moeda n. S, 2 andar, esenptorio
3s Ferreira 4 C.
Charutos da Baha
Na ra do Commercio n 32. 2'' andar, escrip-
Inrio de Then Just tem para veoder exceiientes
charutos da alua da fabrica do Sr. Gu-tavo La-
porte, das mana- Flor de ralSn, Regala do la
welpa, BiachuejaiH'S e hiriua II vana.
Nova factura de b.ilaios;
Cestas, bercos, condenas, mnpeiros e cosinreiras
de todos os tamnnho-. a rna Drrefta n. 29, ven
de-so per meo.s do qoe em Mitra qoalqner pane
BOTAS
l i .V i vn T1 irnArr/ i n
GRANDE ARMAZEM DE FANOS, MSICAS E
ANTONIO JOSI DE AZEVEDO
N. 11-RUA NOVA-N. 11
e das mais provincias vlfinhas, que o seu grande e bem acreditado armazem de instrumentos para mosi-
Partecipa ao respeitaveb publico desta cidade
a, acaba de chegar um grande e explendido sortimento de
1
'. 0 aoo ha de mais moderno, de teclado feo e mobile, e com transposic5o ou sem ella, de autores os mais acreditados nesta cidade. como seiam : os
amados e bem conhecidos pianos da fabrica do Sr. '
AFFONSO
^afc ^^^J^M a^Lk ^LH aS^Laf ^\^_^aV H ^k ^B _aaL ^H J^M H
^L^falr^i^^L0 *m*icite jp aniC( a8eate nesla ci,lade, como pro va com o documento abeixo transcripoe assignado pelo dito Sr. Brondol. Estes pianos, fabri-
lf ir*1.0 eJ,ma desle Pa,z s5 os unic8 que offerecem uma garanta segura de sua durago. Elles s3o aqui bastante conhecidos desde 1844, para que
aeabon pti3l?^,r SUP*nr As SaaS V0MS s3 mBt0 flauladas e melodiosas. Elles possuem un teclailo.aw se presta a todos os caprichos do
...^..y. ^ nJ*liw. P688098 qw comprarem oianos nesta casa, sao rogadas a exigirem oeertiBcado de origem assignado peto Sr. Blondel, aflm de provar a sua
BaeMaaane- uo numero ae piano ,com o de certtucado.
* ^ AO PUBLICO
^ tadf mr* ^va^S086^ fabr.lcant0 de P,anos em PAR,S. declara ao respeitavel publico de Pernambuco, qae o i nico deposito de seus pianos na cidade
o Koette, e a,HLA uva H, armazem de Antonio Jos de Azevedo. Oulro sim que tedos os seus pianos irao accompanbadosoe om certiOcado de origem assie-
aado por aun. 8
Paria, 24 de julbo de 1869. (Asssignado) AlphmMe BUatalel.
0 maam tabe troca e aluga pianos. E tem o maior e mais explendido sortimento de novas
k ___ ^ ,. A Ml'SICAB PAR IM %%4>*
, ** V* r^t)e. d^ectamftrte da E"""P e do Rio de Janeiro; das arrediladas casas dos Srs. Feppone A Tornagbi, Narciso, Arthnr NapoleSo C.
*. Tambe ten grande ortinieoto de papel para moaicae desenho ; eonfas .para todos instrumentos, ricas pavuras e quadros para ornamente* desalas, oleados para
aU*1e salaa, neos aspemos dobrados. quadrados e ovaes, caixinhas de costara com msicas e sem ella, estajos para viag m. Mogios com despertador, vidros para
mnt de todos os tamaonos, talagarca Has e agolbas para bordar, e amitos outr s artigos que o respeitavel publico encontrar' sempre -oeste armazem, o qual estar
berta todos os das at s 9 horas da owte afim das Exmas. familias poderem ir apreciar os seus pianos. r w <, v 4U* cbm
requissimos cortes de blonde de- seda com
mana e capella para casa memo, sendo ne>te ar-
tigo o que se .pode desejar de mijlhnr e mais mu
derno, tambem cliegaram os cortes de seda de co-
res n^vjdade, e outras omitas fazeodas de goto
que cliegaram pelo ultimo v. por francez, s para
a teja do ftts--n a rna do Cre-po n. 7 A.
Chegern pechinclm.
Cambraia francezis de eore^ mniln finas a 2*0
reis o covado, e 400 e 100 reis a vara.
Ditas ditas preta* muito finas, a 24 o covado e
400 e 300 reis : estas fazendas sempre se vende-
r m por 800 reis a vara : ra do > ueimado n.
40, defronte da botica nova.
"i&TOHM.
No-caes 22 de Xoveinbro o. 32, vende-se e>to-
pim para quebrar iiedras.
Wnde-se o engenho Ilha, junto a villa de
Porto-Calvo, em Al.gas rom obra de pedra e cal
roberto de telhas, h.ias ierras e bom de criar<
tratar com Thomaz Cavalcante da Silveira m
Jnior, rna do Aiiollo n. 18. 0 mesmo precisa
comprar 4 burro mancos para carga.
Vende-se a arma^o da loja de cigarros da
ra dr>s-Quarteis n. 18 : a tratar no raes do AM
lo n. -63.____________________________
Por -4S0 llxos, barato, vende-se uma tma
Ereta de oO annot, boa no taboleiro : na roa de
ortas n. 96
Por 6001, barato, vende-se um pretn de
30 atrnos. robusto, o motivo da venda ser dito ao
comprador : na r*ia de (lorias n. 96.
Caixa comagniliis u.
Ditas ib ditas '.as a.....
Thesoura para cestarj a 'ie
Caixa com liDlia de marca a .
Linha de cr.^s cm noveos ;
bra) a........
Carreteis de linha AlexunJrc tle 70
at -200..,,....
Grampos muito linos cea passa-
ns, doria a......
Can.:-1 orttipnezas, diizia a .. :.'
Unas francezas a jjO e .
Paael almajo e de uc:-o. resma a
W400, amo e -
.a miio I Ha para bordar, libra 6$
Fita de algodo para dobrum de
sapatosj peca a..... '>''
Ditas de laa para debruui de ves-
.tido, peca a ; .
Pentes finos para kegnrar
bello a .,,.-....
Ditos ditos de buflo para ilihai
a iO, 30 e...... iiOfi
Ditos para aparar penna a .
Rosetas pri-tas, par a .
Tranca >ie la d- caracol peca a 40 e !
Fita de coz peca a 480 e .
Alfinetes de latao a -. .
Sapatos de la para crianca a OOe 8< K>
(ravata de serlas de cores a 2C0
(hlcadeiras a....... 80
(irai.de sortimento de rendas das Illias.
Um par de suspensorio de borracha por-
lOOrislHlH!
Xa Verdade rna do tiicfmndi
II. .5.
"^^VENDE-SE OU AHHENDA SE a"pro
priedade denomi lada Barra de SeriphSem,
no littorai da freguezia do mesmo Romo
com grande ren la da trra a receber e miji-
tos coqueiros a iesfrectar ; tendo, alm
disto, a excellente e rara posico beira-n,ar
e beira-rio, inteiran ente apnpriada par
mantt-r-se alii pialqner esUhele>'menlo
commercial de seceos e molhados: a Ira
lar na ra d'An-oran. 6, ou na do Imp;
rador n. 20.
Cortes de seda
A loja dos Arcos a rna do Cre>|>" n. 90 A. de
Alvaro Augosto de Almeida & C. acaba de r>-.-
ber ricos cerli s de que ha no mercado, as-im como ba-qumas de
gorgurai); mn lelos interamente botos, chapi'o-
sinhos de velludo a Tirolien e (Mitos oulrus arf-
os, tudo do nllimo go lo.
PIANO.
ATTENCO
Vende-se dons modernos e elegm^s ca^os
americanos do mais acreditado fabricante, de dous
e quatro assentos rhegadosreeerttenv-nt^ dos lis-
iados-Unidos : a tratar na ra do Trapiche n. 8.
Praca do Corpo Saatn n. 17 I* andar,
escriprio de Joaquim Rodrignes lava-
res de Mello, tem para vender :
Fumo em folba de superior qualidade.
Vinho bordeanx de superior qmlidade
Fariulia de mandioca em grande por-
e3o e boa qualfdade.
Cal de Lisboa muito nova.
Polassa da lius-ia. <
Loja a venda.
i Vende-so o estabelecimeiHo de msicas da ra
Nova n. 9 : a tratar no me*mn.
PARA VEMIER
Duas casa terreas em Olinda. sendo:
lima na ra do Bom fim, com quintal gran-
de tendoarvons IrHOftia, cotrtb"sapotls.
at*. e entra na ladeirada Mi-encurdla
tambem com quintal, ambas em torrfm I
proprins. A' allarcoin o Sr. Angelo B p-
tista do Nascimento em Oiinda, ra d S.
Pedro Novo.
Vende-se um piano em perfeiio estado de co:>
servacao, boas vozes. proprio para aprendizes : -
tratar na roa dn Q'ieimado n S9. I-ja.
CEJvtfUTO ~
O verdadeiroiportland. S se vende iv
roa da Madre de Deus n. 22, armazem de
Joao Mitinsde Barros.
Candido Alberlir Sinlr da M-ta & C. en:
escriplorm c armazem na travessa da Madre d
Dos n. 14 tem para vender o seguirte :
Cemento Portland de 1* qnalidade o melhor qu-
tem vindn ao mercado.barricas de 12a 14 arroba
por 101000.
Vinho Brdeaux das segrales qaalidadcs:
St. Julin.
Fronsac.
Lormant.
St. Emilion.
Margans.
Chateau de Boyeberelle.
St. Lmbrt
Lalonflere.
uplessis,
Cauor.
Dearsesai.
Vinho do Porto qnalidade muito espacial
Azeite doce refinado 00* caixas de 12 garrafa'
Vinagre superior am garrames pequeos.
Farelo haniburgoaf, saceos de sK) libras, poi
6*000. ,
Farinha de trigo de suffrior qual idade.
Barris com alcalriu, di arcos de ferro.
Fumos de todas aa qaaliJades. se encontrar
neste e>tabel*iimento em latas, rolos e fardos.
Papel de todas as qualMades, propro para e>
garras.
V^nde-se
e
ir menos do qt em oatra parte fcrinh* da ter
e ffijn miHafiHI : no arttzem lmt*nenden-
cia, ra do Riwgel'n 3.
Venee-se a rasa terrea'n uadoTt
lar, com bastantes commodos, inclusive um |w
pieno s->bratlinho no faodo do quintal :
na mesma ra n. 17.

01


-i

M

^
6
Diario de Peinambuco Quarta fera 19 de Janeiro de 1870.
AGUIA NEGRA
00
-s
pfij
BENTO MACHADO a* C,
A AGUIA NKGRA animada .com o bom accolhimento que teve em seas annon-
ios, vera de novo participar a seus fregxiezes, que. acaba de receber um variado sorti-
iQento de objectos de gosto, os quaes serio* vendidos por precos muito razoaveis, pois
silicio fez os seus primeiros annuncios, foi o que assegurou. e sera mdo de errar,
porque orno j disse est ligada por interesscs a urna casa importadora desla praca, e
. por isso puder ter tudo especial e vender por pregos admiraveis.Chama pois a atten-
'3o de serj freguezes para os artigos que possa descrever:
Livros com o tampo de raarfim, madre- Um variado sortiraents de charuteiras e
>enla e tartaruga, proprios para missa. palliteiros do porcelana,
GaraOnbas vazias proprias para prsenles
ousa de gosto.
Indispnsaveis le palinha e de couro pro-
crios para senhoras e meninas trazer nos
bracos.
Binculos di madreperola, marlim $ tar-
:.irn 3 todos esmaltados.
Tentos para voltrete.
Bengallas com marfim, cousa especial.
Sabonetes de alcatro.
Cofres de follias para dinbeiro.
Lindas caixas para costura.
Um completo sortimento de luvas de pe-
Cintos largos de setim, cousa mteiramen- r
(6 nova. |I,ca*
Fitas de sarja de todas as cores e larga- Talagorce parabordar.
ras p^ra lagos. I Um completo sortimento de enfeites de
Toucas, sapatinhos meias de seda e mais seda para vestido.
!>ertences para baptisados. i perfumaras de todos os autores os mais
Fitas com inscripces proprias para bou- acreditados em oxtraetos, pomadas e leos
qaet de noiva, e finalmente outros muitos objectos que nao
Ricos vasos com p do arroz. possivel mencionar ; mas com a vista se
Um variado sortimente de jarros de por- certificaro do sortimeno deste estabele-
celana. cimento-
JLOJA
DO
Aguia Negra,
ra do Cabug n. 8.
m
s
as a
SS
fl
O)
8
1
D
F1
1
a f
B
3
^2
l
bS
9:3
ai "
s'l
O.ST
a
a o
ce C
* 3

2.
o'
o.-
V
o o
a a- g c
o1 Oa2 2- 5
tu m r ""T 3 .2 H
O- s
o. I
5.5
"3 g-
< w
f a 11 f
S. 2.3 b o- 3
w iC
ffS
cu u < w s
3 .o sr o b
So.3 3 o sr
* M = 9:- 5
.
--
-
og
B9 O
O 9 -X
o 33 =
3 q -i
33 =
B a O.T3 ,-,
w> c _
>&l:2g
_g X Q.O
B U O ,.
es, K
a>.N
3
09 CJ
A U
JB?
H
{8

e

B
o
3
e


%mmmmmmummm* rttSMHHl HHHin
88 A 3 dq
i


^ B a
lili
-

S' S 26


O
O
O OD
GALLO VIGILANTE
una do Crespo a. 9
Os propnetarios deste bera conhecido estabelp-
cimente, alm dos muitos objectos que tinnam ex-
postos a apreciacao do respeitavel publico, tnan-
daraai vir e cabam de receber pelo ultimo tapor
da Europa um completo e vanado sortimentq de
linas e mui delicadas especialidades, as quaes es-
to resolvidos a vender, como de seu costume,
Sor preces muito baratinhos e commodos para to-
os, com tanto que o Gallo....
Maito superiores luvas de pellica, pretas, bran-
cas e de mui lindas edres.
Mui boas e bonitas gollinhas e punhos para se-
nhora, neste genero o que ha de mais moderno.
Superiores pentes de tartaruga para coques.
Lindos e riquissimos enfeites para caberas das
Exmas. serfhoras.
Superiores trancas pretas e de cores com vidri-
Ihos e sem elle; esta fazenda o que pode haver
de melhor e mais bonito.
Superiores e bonitos loques de madreperola.
marfim, sndalo e osso, sendo aquelles brancos
com lilos desenhos, e estes pretos.
Muito superiores meias So de Escosski para se-
nhoras, as qnaes sempre se venderam por 30*000
a duzia, entretanto que nos as vendernos por 20*,
alm destas, temos tambem grande sortimento de
nutras quaMades, entre as qnaes algumas muito
finas.
Boas' bengalas de superior canna da tadia e
castao de marfim com lindas e encantadoras figu-
ras do mesmo, neste genero o qoe de meraor se
pode desejar ; alm destas temos tambem grande
auantidade de oolras (|ualidades, como sejam, ma-
eira, balcia, osso, borracha, e^c. ele. ete.
Fmos, bonitos e airows chicotinnos de cadera e
de ontras quaiidades.
Lindas e superiores gas de se* e borradla
para segurar as meias.
Boas meias de seda para senhora e para meai-
nas de-1 a 12 annos de rdbde.
Navalhas cabo marlim e tartaruga pra azer
barba; sao muito boas, e de mais a mais sao ga-
rantidas pelo fabricante, e n por nos vez tam
bem asseguraniMS saa qualidade e delicadeza.
Lindas-e bellas cabellas papa noiva.
Superieres agulkas para machina e para crox.
Linha muito boa de peso, ftooxa, pant encher
labyrintho.
Bons baralhos de artas pana voltarete, assim
como os testos para o-mesmo fin.
Grande o vanado sertimento das melhwes per-
fumarias & dos melhores e mais conhecidos per-
fumistas.
(X>LAREDE ROE.
Elctrico magntico contra as convutsSeSi e
Vilitam a dentirao das innocentes criancas. So-
mos desde mnito recefcedores dsstes prodigiosos
collares, e continuamos a recebe-los por topfts os
vapores, alim de que sunca falten no mercado.
tomo j tem acontecido, assim pois poderlo aqael-
les que delles precisaren!, vir ao deposito do gaUo
vigilante, aonde. sempre encontrara destes verda-
deiros collares, e os quaos attend-mdo-se ao fon
San que sao applicados, se vender com um mui
minuto lucro.
Rogamos, pois, avista dos obyectos que deixanw
declarados, aos nossos fregaezes e amigos a virera
comprar por precos muito razoaveis aloja do galh'
vigilante, ra do Crespo n. 7.
Machinas a vapor de
forqa de 3 e 4ca-
valles.
Motores para i cavallos.
Arados americanos.
Machinas de faco e serrotes para dest-
rocar algodo.
Balanzas para armazem e baldo.
Gamas de ferro.
Cofres d8 ferro de Milnez e de Ub*-
field.
Prencas para copiar capeas.
Fogo americano patent

Cal nova de Lisboa
rhegada no ultimo navio vende loaqaim Jos
Ramos, na ra da Cruz n. 8. i" andar.
AS NOVAS SEDAS
11-RUA DO aEIMADO--ll
Chegaram da Europa pelo ultimo vapor toja de Augusto Porto* A C. reos
corteadas mais linda sedas de mimosas cores para vestidos proprios para bailes e casa-
mentes.
Grande variedade de sedas de listras de diversos precos todas de bodas cores,
gorgnrao de seda preta* e grosdenaple de varias quaiidades e gorgurSo de seda 13a de
diUerentes^res.
Novos vestidos brancos de blond para ooivas, lindas colxas de seda para camas,
ditas de la e seda, cortinados bordados para camas e jaoellas, frpnhas e toalbas de
cambraia de linbo bordadas.
Luvas novas de Jouvin.eelegantes sombrinhas de sedas de cOr para senhoras.
Espartilhos de 54 at 105, lindos bournous de cachemira de cor para sabida
de baile, barquinos de renda preta, e ditos de croch branco e preto para senhoras.
Grande variedade de camisas bordadas e lisa para bomens e meninos.
Sortimento de nanitas fazendas de lia, linbo e algodo todas por precos muito
mdico.
Tapetes grandes para sof, piano e camas, pecas de tapetes o de alcatifa para
forrar salos tudo em quantidade; e venden) sempre'por menos qne em ootra qualquer
parte.
Esteiras da India de 4,5 e 6 palmos de largo.
Grande arinazfn de razeiuks e reepas fritas roa da Imperatru
n. 52, porta larga, de Paredes Pirto.
Neste estabelecknento encontrar o respeitavel publico um bonito sortimenU
de ronpas de todas as quaiidades, palitots de alpaca a 3$, $$500 at 6;$. Ditos d<
merino, ditos de easemira de cores Bonitos gostos a 5<$, 6i, S e 10, de panno pret<
sacos e sobrecasaces. Ditos de bria pardo fino e ordinarios. Ditos de alpaca branca
e de cores de 35500 a 55000. Calcas de brim de cor finas e ordinarias, ditas-
brancas de todas as quaiidades, ditas de brim pardo fino e ordinario, ditas de easemira
de cor e preta de H, 5& a 15d. Golletes de todas as quaiidades e preeo moitt
barato. Completo sortimente de camisas francezas- de algodo e de linbo de- 25 at 5
urna. Sortimento d& seroulas francezas de algodo, de linbo e bramante a Z& e 20506
Gravatas (mantas) novissimo gosto a todos os precos. Meias sortimento completo a 3
;> at 7;> a duzia.
ROUPAS PARA MEIflUOS.
Enearrega-se de quaesquer obras de encommenda tanto para homsm, com*
para meninos, e com brevidade, por isso que tem um bonito sortimento de faaendas d*
todas as quaiidades tanto em easemiras como brins, papnos finos- e ontras emitas (a-
zeadas.
FAZENDAS
Bramantes de 11 palaos de largura a 1&80Q o metro.
Caabraias de cor e branca.
Alpacas de todas as cores a 640 rs. o covado.
Poil de-chvre com lista de seda fazenda de gosto a 152&6.
Basqnines de guipure enfeitadas a 18-5000.
Sortimento de chitas escoras e dars a 280, 300 e 360-ps.
Madapolo fino a 65500, 75, 85 95000.
AlgodSo peca om 20 jardas a 45500, 55509 e 65000.
Peca de algodao largo a 75500.
E outras muitas fazendas que ser enfadonbo mencionar Cheguem i ronpa
feitav qne|se est liquidando na lo)a na da Imperatriz n. 52 (junto loja de ourves) d<-
LE&O DA PORTA LARGA
DE
Paredes Porte.
O
t=5
* 5 B j
Bl:?*
Ss,?s,,si
LOJA DAS MACHINAS
BASTOS
Acabara de fisgar grande quantidade das verdadeiras machinas americana
.vira lescarocar algod3o de todos os systemas e tamanhos seguintes :
12 serras
14 ditas
15 ditas
16 ditas
18 ditas
20 (lilas
22 ditas
25 ditas



O
2 serras
14 ditas
15 ditas
10 ditas
18 ditas
20 ditas
22 ditas
25 d


o ra? i brvt u
NO BAZAR DA MODA
DE
JOSfc M M SOARES & C,
ua Nova
VENDE-SE MUITO BAR\TO PARA LIQUI-
DAR \ DINHEIRO.
Luva.
De pelica branca muito frescas, chegadas
por este ultimo vapor para homens. senho-
ns e de edres e pretas para meninoso
par 25000.
Minhas festas!!
Lindos ubipctos para miraos, como sejam:
Estojase caixinhas de msica, boloinhas <
sestinhas K08 e balainhos de poreelan;'
'lonrada, figuras, tinteiros. poit-bnnquet
caixinhas para j ias. interesante* conchinhas
c m frascos para excencias. ricos quadn
para retratos, appareihos de plaqu, cama
feo e madrt'perola. lindos vasos com perfu-
maras etc. ftc, e muitos outros objecu
pira este 6m.
Chapeo1 de sel on sombra as
le seliin ricamente enlejiados e mais mo-
dernos que pode haver para senhoras >
145, 165e 185000.
Gl'IPI'KR OU CROCH
preto ou branco hunito empadroes e superioremqualidade>
para casaros, capinhas. corpinhos, meia>
saias etc. e vende-se muito barato.'
LINDAS CAMELIAS
brancas e cor de rosa il- dons tamanhos
cada rosa a 15200 e 15500.
chapeos para sen oras,
de palha tina de Italia' elegantemente enfei
tados e gosios muito moilernosde 155000.
vende-se para liquidar a 105000. E' pe-
chincha.
ARARA
E' novidude.
O prnpriPtarin da I-ja d.i Arara, t^ra a honra de
declarar ao respeitavel niiblico, qne roreben um
completo snriimi-n o de fazendas de t rlades p vai expdr a venda uelo preco mais b:iral"
que possivel,ci>m seja madapoln !'- ludao M
qualldr-lps. aipndansinhns, chitas e taSaa, panno
fin. s pretus, lachpnuras pretas c de c-.i
paple* pretna e ouiras muitas fazendas (|iie a vi-i.i
dos seu< fr.'guez"- terio a sna qua'idade d.- |ir.n-
i- om barato ra .11. ___ ___
' filf
-. }

L. RIK EM nDAimi
Frmeiro introductor dos pocos tubulares
apantneos da Abyssinea.
Avisa-sp as essoas
cmniiieiidas dos r rid ks p<<
i cordeiro prevdente
Rnatlo OuelMado o. .
NdVo e variado aortmiento de pertanariu
finas, e outros objectos.
Alm do completo sortimento e perfa*
maras, de qne efectivamente est prvida a
ioja do Cordeiro Providente, ella acaba da
receber um ontro sortimento qne m tora
lotavel pela variedade de objecto9, superori-
4ade, quaiidades e commodidades de pr*-
-^>s; assim, pois, o Cordeiro Previdente peda
e espera continuar a merecer a apreciacao
do respeitavel publico em geral e de so
boa freguezia em particular, nao se afas-
tando elle de sua bem conhecida mansidao
e barateza. Em dita loja encontrarlo or
apreciadores do bom:
Agua divina de E. Condray.
Dita verdadeira de Muyay & Lamman.
Dita de Cologne ingleza, americana, fran-
oeza, todas dos melhores e mais acreditado
fabricantes.
Dita de flor de laraageiraa.
Dita dos Alpes, e vilete para toilet.
Elixir odontalgico para conservasio d
isseio da bocea.
Cosmetiques de superior qnalidade ecbei-
ros agradaveis.
Copos e latas, maiores e menores, com
pomada fina para cabello.
Frascos com dita japoneza, transparente
a ontras quaiidades.
Finos 'extractos inglezes, americanos
francezes em frascos simples e enfeitados.
Bssencia imperial do fino eagradavel chei-
o de violeta. .
Ontras concentradas e de ebeiros ignal-
acente finas e agradaveis.
Oleo philocoaie verdadeiro.
Extracto d'oleo de superior qaalidad,
com escolbidos ebeiros, em frascos de dia
-entes tamanhos.
Sabonetes em barras, maiores e menoret
i ara maos.
Ditos transparentes, redondos e em figu-
ras de meninos.
Ditos muito finos em caixintaa para barba.
Caixinhas com bonitos sabonetes imitand
fructas.
Ditas de madeira invernisada contendo f
oas perfumaras, muito proprias para pra-
*ents.
Ditas de papelao igualmente bonitas, tan-
oem de perfumaras finas.
Bonitos vasos de metal coloridos, e la
moldes novos e elegantes, com p de arras
8 noneca.
Opiata ingleza e franceza para dentes.
Pos de camphora e outras difirante!
raalidades tambem para dentes.
Tnico oriental de Kemp.
A Inda asis coques.
Um outro sortimento de coques de no-
vos e bonitos moMes com filets de vidrlbo
e alguns d'elles ornados de flores e fita,
esto todos expostos apreciacao de que*
os pretenda comprar.
GOLLINHAS E PUNHOS BORDADOS.
Obras de muito gosto e perfei^ao.
Flvellas e Olas para cintos.
Bello e variado sortimento de taes objec-
tos, ficando a boa escolha ao gosto do com
prador.
que
8 Vf
ha ni
te r
en m
busear run
n.21, ouuViib-
qiia!c|iier t*sela-

tT:i dep-f-e. Ues 01
ete elle refreoca ^
"on ittu
o*
KAPG POPILIR
DA
MUTA mm N BABIA
. DE
leixeira Uldwrtco fy C.
Acha-se venda psle ptimo rain'-, tnica qn
pdc suppnr falta do prnrpza de Lisboa, por ser
de mui apradavel perfume, viajado, e a preco o
mais mdico possivel; e por isso tem sido asss
acolhido as pracas da Babia, do Rio de Janeiro
em ontras do imperio : no escriptorio de Juaquim
Jos Gnncalves Beltrao. ra do Commercio mi-
meri' '7
.1
TUEA.
Acabam de chepar a> Grande Bazar Universa;
ra Nova n. 22 Carm-iro Viannaum comple-
to sortimento de machinas para costura, d-s au
tures niai- conhecidns, as quaes estn em exposi-
i-an no ine-niu Razar, garaniindu-se a sna boa qna-
lidade, e tandiem ptisina-se com perfecan a todos
os compradores. Estas machinas san ignaesn
seu trabadlo ao de 30 co>tureiras diariamente, e a
ua perfeicau tal como da melhor custnreira d
Paiis. ApreseBtam-se trabalhos executados pelas
mesmas, que muito devem agradar aos preten-
dentp.
MUDO
Em pequeas poreoes a 83300 ; em maiores
a 8000, milhn novo, saceos grandes, na roa do
Vigario n 16. Io andar eseriptorfo de Joaquim
Guido de Bastos. Na iiiesina rasa ha para ven-
der excedente farinha de mandioca, arroz, gam-
ma, tapioa araruta en- barriquinhas alf^zema,
vinho do Porto Pin ancoretas e arris de <|uioto,
tudo precos nzoaveis.
CADET
C U R A
m TRES DAS
DEPURATIF
Paria, 36, Una ?ivlenne,
CHABLEmDCCin
BASINFtKMIllADAS UESHt.lLAKS.Atii___
COES illAWH'.t AI.TE8ACOK8DOSAJjaBBt
"~' iiiu. keroei, nmi
nmixot$,memitnim,m
rQou, eieiotat do mm
_ej nana, ittmfm*
do t-ng, # Vir^e veyeUl NI rcrio|.r
rati*a> <-trl>n BlVIltM HHIV
iui. f nind o triet
10 D1S IIIMU B0l___
Bta Xtripc Citrteto *.
farro i* CBafii.lt n>
immtiMi timtaic ^iifi
'uurnorco, rtlaxaea.
bUidtuU. fto
, -icw iai- ojlhir^.
;. slajiaprsgt-Me loo-w Jod* por
Dr nittpi a
PLUS Dt
COPAHU
; sf "'
ft>ibu> fc.
I HiGHj


\
\
I


Diario de Pernambuco Quarta feira 19 de Janeiro de
7
GM1E LMIO&iO
DE
W/%. ZEMDitfil
n DINHEIRO NA LOJA E ARMAZEM
DO
(Dma a& iisaipaiaaTOiaa. w
DE
FEIilX PEllEIRi DA NII/VV
O proprietario d'este grande estabelacimento, vendo que se est, aproximando o 6n*
do anno, e lendo em ser um grande deposito deposito de fazendas; nao fallando em
tvultadas encommendas que Ihes estao obrigado todos os das, tem resolvido liquida-
las por preco muito mais baratos do que em outra qualquer parte ; s com o fim
de diminuir o deposito e apurar dinheiro. Encontrase neste estabelecimento do
PAViO, avultado sortimento deiazndas de Ihxo e modas; assim como de primeira
oecesaidade. As pessoas que negociam em pequea escala n'esta loja poderlo surtir-
te vendendo-se-hes pelos precos que compram, n-'s casas ingieras; assim como as ex-
cellentissimas familias poderlo mandar buscar as amostras de todas as fazendas. ou man-
dar-se-ha levar pelos caixeiros da mesma loja era suas casas; estabelecimento se
acha constantemente aberto das 6 horas da raanhia s 9 da noite.
LAAZINHAS MODERNAS NA LJA DO PAVO
Chegou para este estabeleci menta am grande
sortnento das melhores e mais modernas laazi-
nhas para vestidos, sendo tapadas e transparentes
de Iodos os presos e qualidades que se vendara
raats barato do que em outra qualquer parte.
Crochs para cadeiras e sofs
O Pavo lera um grande sortimento dos
mais bonitos crochs proprios para cadei-
ras sofs, mesas, almofadas etc etc., assim
como proprios para cobrir presentes, e ven-
de-se mais barato do que em outra qual-
quer parte,
GLACE' A 1.-200 PARA VESTIDOS
O Pavao tem esta nova fazenda lisa pro-
Explendido sortimento de
roupas feitas
NA LOJA DO PAVO A RA DA
IMPERATRIZ N. 60
Acha-se este grande estabelecimento com-
pletamente sortido das melhores roupas,
aendo calcas palitts e coletos de caseraira,
de panno, de brim, de alpaca, e de todas
as mais fazendas que os compradores pos-
aam desojar, assim como na mesma loja
tem um bello sortimento de pannos casemi-
ras, brins, etc. etc. para se mandar fazer
qualquer pe?a de obra, coma maiorpromp-
Udo vontade do freguez, e n3o sendo
obrigados a acceila-las, quando n3o stejam pria ^to vestidos, com s mais delicadas
completamente ao seu contento, assim como
n'este vasto estabelecimento encontrar o
respeitavel publico um bello sortimento de
camisas fraocezas e inglezas, ceroulas de
linho e algodao e outros muitos artigos
proprios para homens e senhoras promet-
vendo-se-lhe vender mais barato do que em
outra qualquer parte. Na ra da Impera-
triz n. 60, loja e armazem de Flix Perei-
ra da Silva.
CERA DE CARNAURA.
Vende-se urna grande por?3o de cera de
carnauba em saceos por pre^o mais barato
do que em outra qualquer: na loja do
Pav3o ra da Imperatriz n. 50. De Flix
Pereira da Silva
FAZENDAS PARA LUTO
Na loja do Pavo.
Encontra o respeitavel publico ueste estabeleci-
aento um grande sortimento de fazendas pretas,
como sojam, cassas francezas e inglezas, chitas
pretas de todas as qualidades, fazenda de laa de
todas que tem viudo, proprias parallo, como
sejam, ILizinhas, alpacas lavradas e lisas, cautao,
bombazinas, merino, etc., que tudo se vende por
preco barato.
AS CASSAS DO PAVAO
Covado a 300 rs.
Vendem-se flnissiraas cassas francezas com lio-
dos desenhos e cores fixas a 300 rs. o covado.
Madapolao francez a 7S000 rs*
Vende-se pecas de madapolao francez
com 22 metros pelo baratissimo preco de
7|5000 a peca, pechincha.
Altas navidades em sedas
Chegou ara grande sortimento das mais
moderuas poupelinas'ou gorgures de seda
e linho cora os mais elegan es padres que
tem vtndo a este mercado sendo, raiudos e
graudos, tanto em cortes para vestidos como
para vender em covado, assim como um
bonito sortimento das mais boitas sedas
listradas que su vende tudo muito em cunta
Grosdenaplcs de cores
Chegou um grande sortimento dos mais
bonitos gro^denaples d todas as cores para
vestidos que se vendera muito mais barato
do que era outra qualquer parte.
GRAKDEPECHINCH A A 5:000 RS. PECA DE
Bretanha
Vende-se pecas de superior bretanha de
algodao lendo quatro palmos de largura
com 20 varas ou 22 metros cada peca, esta
fazenda seria para custar 8S000, a n3o ser
ma grande compra que se fez, e liqnida-se
a 50600, cada peca.
m n m mm h
LASINJUS LUSTROSAS A 400 RS. 0 C0-
VABO.
S o Pavo
Vende-se um grande sortimento das
mais modernas e legantes lasinhas para
vestidos, com as cores mais novas que tem
vindo a este mercado, sendo com listrinhas
raiudinhas que parecem de urna s cor e
com tanto lustro que iraitam perfeitamente
s poupelinas de seda, e vendem-se pelo
barato preco de 400 rs.
Bretanha' de rolo a 94 peca
Vende-se superior bretanha de rolo ten-
do 10 varas ou 11 metros com 4 palmos
de largura pelo barato preco de 25500,
pechincha.
OssetiDsdoPavo
Vende-se os mais bonitos setins de cores
e mais encorpados proprios para vestidos
tendo de diversas cores.
AOS PALITTS DO PAVAO A M e
200000.
Vende-se um bonito sortimento de palit-
ts franeezes sendo, sobrecasacados e pro-
piciamente sobre casacos, que se vendera
forrados de alpaca a 8S000 e forrados de
seda a 205000, pechincha.
00LCHAS"bE FSTAO
Na loja do Pavo vende-se um grande sortimen-
to de colchas de fustio sendo brancas e de cores
ditas de croch para camas de noiva, assim como
qoutos damascos de lia para colchas.
Na loja ao Pavio vendem-se os mais
bonitos chales de verdadeira cachemira de
cor, com os desenhos mais modernos, a 60.
10 e 124000, muito barato na ra da Im-
peratriz n. 60.
BASQUINAS A 120000
Na loja do Pav5o vende-se as mais mo-
dernas basquinas ou manteletes de guipure,
peto barato preco de 120000 cada urna.
Cortes de organdys com barras
Para a leja do Pavao chegaram, os mais
bonitos cortes de organdys com barra, sendo
cada um em seo carto, com o competente
figulino, moito proprios para fazer pre-
sentes*
cores e com mais luslre do que a propria
seda com 4 palmos de largura que facilita
fazer-se qualquer vestido com 10 covados
e vende se pelo baratissimo preco de 1:200
rs. o covado, pechincha.
Organdys a 5<0 rs.
Vende-se os mais bonitos organdys de
cores com padres miudos e graudos. sen-
do todos de cores fixas, pelos baratos pre-
ces do 360 rs. o cova lo.
ALGODO ENFESTADO
Vende-se urna grande porclo de aigodo-
sinho americano com 8 palmos de la'gura
proprio para lences e toalhas tendo liso e
trrncaao que se vende por preco muito em
conta.
'anos de linho
Chegou um grande sortiiueuto de pecas
de panno de llflho do Porto que se vendem
de 700 rs. at 10000 a vara, garantindo-se
que em fazenda de linho nao ha nada me-
Ihor, nem mais proprio para lences e toa-
has.
PEGHICHA EM CHAPEOS DE SOL
Chegou um grande sortimento dos me-
nores chapeos de sol de seda, inglezes ten-
do neste artigo o melhor que tem vrado ao
mercado assim como urna grande porco de
ditos de alpacas de todas as cores e todos
se vendem por preco muito mais barato do
que em oi.tra qualquer parte, por haver
grande pcrcSo.
..neos brancos
Vende-se um grande sortimento de len-
cos brancos para homem, sendo a duzia a
10600, 2t$000 e 30000, ditos abanhados
muitb finos a 40 e 60000 a duzia, ditos de
eseuiio fazenda muito superior a 50, 60 e
70000,
Pechteha em casemfras a .;*
Vende-se finissimascasemirasde cor com
listras ao lado, tendo duas larguras e com
as cores mais novas e mais bonitas que tem
vindo ao mercado, pelo baratissimo preco
de 40000 o covado ou 70000, cada corte
de calca.
bs baloes do Pavao a 2&000,
Chfg u um grande sortimento de balSes
ou crenolinas do feitio mais moderno muito
proprias para vestidos ennesgados que se
vende pelo baratissimo preco de 20000 ca
da um grande pechincha.
AS CA BRAIAS QO PAViO A 4:500 RS.
Vende-se urna grande porco de pecas
de finissimas cambraias brancas transparen-
tes tendo 10 jardas, com mais de vara de
largura pelo baratissimo preco de 40500, a
peca sendo fazenda que nunca se vendeu
por menos de 80000, grande pechincha.
AS POUPELIN\S DO PAVO A 500 RS.
Chegaram as mais lindas poupelinas de
la cora imitaco das poupelinas de seda,
um- fazenda maito leve com as mais lin-
das cores, sendo: verde Bismark, rxa, azul
lyrio, c nsento, perol la etc, etc. e vende-se
pelo baratissimo preco de 500 rs.
FustOes trancos para vestidos
Chegou um lindo sortimento dos mais ba
ratos e bonitos fustes brancos com listras
e cordes, sendo fezenda bastante larga e
flexivel, muito propria para vestidos e ron
lias de meninos e vendem-se a 640 o co-
vado.
BONITAS LASINHAS
OU ANADINAS A 10000 RS. O COVADO.
Chegou para o Pavao, um grande e va-
riado sortimento desta nova fazenda de 15a
e seda propria para vestidos, cera os mais
delicados desenhos e mais modernas cores,
tendo bastante largura que facilita fazer-se
nm Vestido com poneos covados, pelo bara-
tissimo preco de 10000 o covado, por j es-
tarem muito prximos da fe.-ta.
CRETONES M .USADOS PARA VESTIDOS
A 640 E 00 RS. -
Para a loja do Pavaa chegaram os mais,
bonitos cretones escuros matisad"s. pro-
prios para vestidos, roupSo chambres etc.
que se vendem 800 rs. o covado, assim
como a mesma fazenda em padres claros
proprios para vestidos e roupas de meni-
nos a 610 o covado, sendo 06 padres mais
moderaos que tem vippo ao mercado.
Chitas francezas
Para a loja do Pavao chegaram as mais
tinas e bonitas chitas escuras, propiamente
francezas, e vende-se a 500 rs. o covado.
P'ACUIA
um mmm
Quaado a AGITA BRRNCA, mais precisa scientificar ao respeitavel publico em
geral, e em particular a sua boa freguezia, da immensidade de objectos que ltimamen-
te tem recebido. justamente,quando ella menos o pode fazer e porque essa falta invo-
luntaria ella confia e espera na benevolencia de todos que Ib'a attenderao e relevarlo,
continuando portento a dirigirem-se a bem condecida U ja da AGUIA BRANCA roa do
Queimado n. 8, onde serapre acharo abundancia em sortimento de superioridade em
qualidades. modicidade em precos e o seu nunca desmenttido AGRADO E SINCERIDAD!?
Do que cima fica dito se conhece que o tompo le quf a AGUIA BRANCv pode
di6pr," empregado apezar deseuscustosnodesempenho de bem servir, a aquelles que a
hunram procurando prover-se e,m dita loja do que necessitam. entretanto sem ennume-
rar os objectos que por sua natureza s3o mais conheoidos ali, ella resumidamente indi-
car aquelles cuja importancia, elegxncia e novidade os tornam recommendaveis, como
b* m seja'
Corpinbos de cambraia, primorosamente
enfeitados com fitas de setim e obras essas
cuja novidade de molde e perfec5o de ador-
nos i s tornam apreciados.
Htos mni largas de diversas cores e qua-
lidades para cintos.
Leques uesse objecto muito se poderia
dizer querendo descreve-los minuciosamente
por suas qualidades, coree e desenhos, tal
o grande e variado sortimento que acaba
de chegar, mas para nlo massar o pretn-
deme se lhe apresentar o que poder de
melhor.
Entremeios em peca? de 12 tiras.
Guipure branco e preto de diversas qua-
lidades e desenhos.
Ditos de algodSo com flores lisos.
Veos de seda para chapelinas e monta-
a.
Meias de seda para noivas.
Ditas abertas de fio de Escossia.
Costumes ou uniformes para meninos.
Enxovafs completos para baptisados.
Capellas brancas para meninas.
Grandes sortimento de flores finas.
Fil de seda, preto.
PERFUMARA
Grande e constante sortimento de dita,
sempre melhor quajidade.
Lindos vasos com p de arroz e pinsel,
Caixinhas com ditos aromticos.
Bonitos e modernos pon tes dourados
para circular o coque.
Bonitos brincos de plaquee.
Aderecos e brincos de roadreperolr.
Caivetes finos para abrir latas.
Thesouras para frisar babadrahos.
Aspas para balito
Novos stereoscopos com 48 vistas, as
quaes sao movidas por um machinismo
urnas substituem as nutras.
Vistas para stereoscopos.
Bonitas caixinhas de vidro enfeitados com
pedras.
Ditas de raadeira enveroisada com vispo-
ras e com dminos.
Bollas de borracha para brinquedo de
Touquinhas de lit, sapatinhos bordados enancas
e meis para ditos. Diversos objectos de porcelana, proprios
Camisinhas bordadas para ditos. para enfeites de mesa e de lapinhas.
SORTIMENTO PARA A FE8TA
Vende-se por menos de 10, 20 e 30 0i
SO' NO
ARMAZEM CONSERVATIVO
N. 23Largo doTerpoN. 23.
DE
SIMAO DOS SANTOS f C.
Os ptoprietarios deste bem sortido armazem de secco e molhados esto re-
solvidos a fazere urna grande diminuico de preces as suas mercadorias, como se apro-
xima a festa e sempre se fazem avultadas compras para o centro e praca, por
isso previnem ao respeitavel publico em geral, qoe mande fazer suas despencas e cer-
tos de que verao a grande differeuca em precos mais do que em outra qualquer parte
e garantindo-se as superiores qualidades.
GAZ AMERICANO -WSOO a lata, e 440 SEVADINHA E SAG 280 rs. a libra e
rs. garrafa e 660 rs. o litro. 620 rs. o kilogrammo.
VINIIO VERDADEIRO F1GUEIRA 560] FARINHA DE ARARUTA VERDADEIRA
a garrafa, e 4$5O0 a casada e 800 rs o ti-. 640 a libra e 15400 o kilogrammo
tro.
DEM DE LISBOA das melhores marcas,
400, 440 e 500 rs. a garrafa, a 26800 c i
35200 a caada, 600 e 720 rs. o litro.
DEM BJRANCO DE USBOA a 45000.1
a caada e 560 a garrafa, e 840 rs. o litro.
VINAGRE VERDADERO DE LISBOA
200, 240 e 320 rs. a garrafa, 400,
15800 e 2-3200 a caada,
AZEITE DOCE DE LrSBOA 900 rs. a
garrafa, e a 75 a caada, e 15340 o litro.
MANTEIGA INGLEZA FLOR 15400 e
15280 a libra, 35060 e 25780 o. kilo-
grammo.
DITA FRANCEZA 960, 900 e 85 rs.
a libra, e 25100, 15980 e 158G0 o kilo-
grammo.
DITA PARA TEMPERO 560 rs. a li
BOLAXINHA INGLEZA MUITO NOVA a
400 rs. a libra e 8 VELLAS DE ESPARMACETE 720 rs. o
masso. em caixa ha abatimento.
PHOSPH0R0S DO GAZ E DE SEGU-
RANZA, 280, 400 e 5!X) rs. o masso,
33200 e 65500 a groza.
AMEIXAS EM LATAS E CACHINHAs
DE MUITOS TAMANHOS 15280, 255
33500,43500, 55500 a lata e a retalho e 1
a libra.
GOMMA DE MILHO AMERICANA 400 rs
o masso. e em caixa ha abatimento.
RATATAS NOVAS DE LISBOA 60 rs.
a libra, em caixa faz-se abatimento.
SERVEJA INGLEZA MARCA H 55500
a duzia e 500 rs. a garrafa.
DEM BASS, VERDADEIRA IHLERS6
bra, 15220 o kilogrammo, em porco se BELL, 800 rs. a garrafa e 95 a duzia.
far abatimento. VINHO DO PORTO ENGARRAFADO DE
BANHA DE PORCO DE 720 rs. a libra, a 15560 o kilogrammo, em 80tjrs. a garrafa.
porco se far batimento.
A8R0Z DO MARANHAOE DA INDIA
120 e rs. a libra, 260 rs. o kilogrammo e
35400 a arroba.
ALPISTA 200 rs. a libra e 440 rs.o
kilogrammo, e 65000 a arroba.
;.\F EM GRAO 63 e 63900 a arroba,
200.240 e 260 rs. a libra. 440 e 520 rs. o
kilogrammo em saeca se far abatimento.
SABO MASSA 240 e 200 rs. a* libra,
520 e 440 rs o kilogrammo, em caixa se
laz abatimento.
MASSAS PARA SOPA, MACARJIO, TA-
LHARIN E ALETRIA, 560 rs. a libra e
15220okdogrammo.
BOLACHINHAS EM LATAS DE DIVER-
SAS QUALIDADES, bftm como perola bri-
lhante,-combination, Francv-cracynel, raixed
Critania. Me-tium, Fancy-nic-nac, a. b, c, e
soda a 15000 e 15400, cada urna lata.
Assim como ha outros muitos
GENEBBA DE HOLANDA E HAMRUR-
GUEZA 75 e 63 a frasqueira, e 500 rs. o
DEM DE LARANJA DOCE AROMTICA,
115 a frasqueira e 15 o frasco.
QUEIJOS DE DIVERSOS VAPORES,
35000. 25800 e 25400 em caixa ba abati-
mento.
TOUCINHO DE LISBOA MOTO ALTO
400 rs. a libra, e 880 rs. o kilogrammo,
e 115500 a arroba.
LINGUICAS FINAS PROMPTAS EM LA-
TAS 15000 rs. a lata.
LOMRO DE PORCO ASSADO JA PROMP
TO a 15000 rs. a lata.
CHA FINO.'GRAUDO E MIUDINHO
35200 e 25800 a libra, e 65100 o kilo-
grammo.
DEM PROPRIO P.ARA NEGOCIO 25000.
23200 e 15800, rs. a libra,
gneros, vinho era ancoretas, azeitonas,
muito novas, passas e figos novos, charutos de diversas marcas, marmelada. feita pelos
melhores conserveiros em Lisboa, gela de maroello, pcego, ervilhas, em latas, por-
tugus e francezas, vinho verde engarrafado i retalho, peixe em latas, bem como
pescada, tainha, pargo, goraz, lula, corvina, vezugo, cavalla, sarda e sardinhas de Nan
tes. Canella, crato, ervadoce, cominho. pimenta, grandesmolhos de sebolla 15500.
Finalmente muito* outros gneros que enfandonho menciona-los.
Na loja e armazem do Pavao r*i da Imperatriz n. 60.
PIRA A FESTA
3 portas, l"ja de fer arem
53-Rua Dreita-53
Ne*te Rranae estabelmmootn, ha para vender
am completo sortimento de ferragem, o miudezas
finas e grossas, eomo sejam bsndej cWneas
qoadradas c ovaes, faci> e garita de l 2 bo-
t5es, balanco inlairo el/2 balanco; panellas, cha-
Iheiras, cacarollas, frigideira*, assadeiras, tanto
de ferro como de porcelana, mninhos para caf de
diversos tamanhos do fabricante Japv, pesos kilo-
gravimos, tanto de ferro como de latis metros
para medir fazenda tonto de ferro como de lati,
salitre, bren, barbante, enxnfre. papel marca via-
do, do vprdadeiro Picardo, macliinas^jpr desca-
mpar algodao; alem de outros ardgw de lerra-
gn, raiudezas cutilaria finas, qno s o-m vis-
ta se verifica ; na ra dimita n. 53 loja de 3 por-
to de Manool Becto do Otiveira Draga* G.
fe CEMENTO
PORTLAND.
Vcnde-se no armazem amarello de Vicente Fer-
rara da Costa de Fimo, defronte do arco da Con-
ceicao. em liarncas grandes.
Vendem-se s-is casinhas mei aguas com l-
cova e sala, edificadas em chine proprios, na se-
gunda ra a sabir na estrada de Joao de Barros,
entre a ra do Principe e becco do Poir.bal: a
tratar na roa larga do Rosario n. 36. loja.
RTO
Da melhor qualidade por menor preco
que em outra qualqner parte, vendem Ama-
ral, Moreira C. em seu 3rmazem do Caes
da Alfandega n. 7.
0 Campos da ra do Imperador n. 28,
no intuito de servir salisfatori mente aos
seus innumeraveis amigos e freguezes, em
particular e em geral ao respeitavel publico,
desta cidade ; avisa aos que estive em pas-
sando o tempo calmoso, nos dele.itaveis
arrabaldes desta capital, que tem resolvido
vender, de de superior qualidade, a procos
razoaveis. os seguintes gneros a saber:
PARA CIMA DE APARADORES
Latas com doce em calda de diversas
qualidades nacionaes e estrangeiros.
Ditas com peixe a saber; salmn, ostras
e lagostas.
Ditas com ervilhas francezas e portugue-
zas.
Ditas com gela francesa.
Cerveja franceza verdadeira Bobee.
Presunto para fiambre e afiambrados.
PARA DISPENSAS
Latas com chourcas novas sendo de 8$.
cada urna.
Presuntos de Lamego para tompeiro.
Cuias do Para (pintadas pelos indgenas
daquella provincia.
Copos de vidro com dobradica e tampa
para diversos misteres.
PARA OS QUARTOS DE DORMIDA
Porta-phosphoros cheios de phosphoros
de segnranca.
PARA SALA
Churutos de S. Flix do afamado fabri
cante Costa.
Fumo picado do Daniel de S. Joo do
Rio de Novo.
Alm desses gneros, o Campos tem con-
vieco de que o seu estabelecimento um
dos que podem satisfazer com garantas as
exigencias bem entendidas, dos Ilustrados
habitantes desta heroica provincia, porquan-
to se acha elle bem prvido de gneros su-
periores, de.maneira a nao desmentir
O Campos.
BRACO DE OURO,
Ra do Imperador n. 26
Neste novo estabelecimento encontra-st
diariamente um variado sortimeuto de bo
linhos para cha, pastis, podio bollos in-
glezes, p5es de l presuntos, ditos m flam-
'>re, superior cbi Hvsson, preto, e miudi-
nho. Vinhos finos de todas as qualidades
conage, licores, conservas, champagne, cer-
veja ragleza, fructas muito boas, por-
tuguezas e francezas.
Um completo e variado sortimento de
caixinhas de todas os gostos e precos para
mimosear senhoras, estas caixinnas recen-
lemente chegadas de Paris sao de primora-
do gosto, offeresse-mo-las aos galanteadores
do bello sexo pois nellas acharo nm digno
e serio presente para as donas dos seos
pensamentos. Tambem os apreciadores da
ha fumaca encontraro ruarutos dos me-
lhores fabricantes da Baha e de Ilavana
sganos do Rio de Janeiro etc. etc.
Doces d'ovos seceos, christalisados e de
calda, ditos de caj e de outras qualjdades
Nesta casa recebem-se encommendas para
bailes, casamentes e baptisados e qualquer
encommendas avulss. como seja pao d> l
e bollos enfeitados e outros muitas couzas
que enfadonho mencionar.
COGNAC
De superior qualidade da mui aooadita-
da fabrica de Bisqut Dubourhc & C, cid
cognac urna das que mais agurdente dV
cognac, fornecem para o consummo di
Reino da Inglaterra.
Vende-se em casa de Th. Jusi. rea de
ommercio n. 32.
llCitUill
Resta venda um escolhido sortimento de ot>
lectos de marcineria, como sejam, mobilias de ja-
jarand, mogno eamarello, obra nacional e estran
jeira, ae apurado gosto e por pre/^o- razoaveis
aa ra estreita do Rosario n. 32. Nesta mesma
;asa fazem-se cora pcrfeicao todos os trabalhos dt
jalhinha, como sejam, ernpalhamentos do lastro-
jara camas, cadeiras e sopbft
Cal de Lisboa
chegada no ultimo navio, tem para vender Joa-
quim Jos Godcalves Bfltrao, no seu esmptorio a
ra do Omme'rcio n. 17.
Sheumati < mo e moles-
tias syphiliticas.
Arrobe vegetal, xarope 'de salsaparrilha
do Para, pilulas e xarope de veame, tin-
tura e xarope de sicqsira.
Iloennis do fgado e baco, ane-
mia, (iS!i(;ao. etc.
Emplasto, oleo, pommada tintura, pi
lulas, xarope e vinho da milagrosa Juru-
beba.
Sezfies ou febres intermilentes
As pilulas anti-periodcas de Pinto.
nico deposito desjes medicamentos na
pharmacia do seu autor ra larga do Ro-
sario n. 10, junto ao quartel do corpo de
polic a.
NA PH\RMCIA DO PINTO RIJA LARGA DO
ROSARIO N. IOJUVFO AO QUAK-
TEL DE POLICA.
Acham-se constantemente promptas a
er ;m satisfeitas, as prescripcoes dos Srs.
facultativos, e as necessidades dos enfermos
as especialidades da mesma pharmacia.
composta de me licamentos, tanio indge-
nas, como estrangeiros.
Toses e molestias do peito.
Xaropes de fedegoso, rabo de tat.
Acrio, pao Cardoso, juca, mulung, u.u-
imba. etc. etc.
VENDE SE ou arrenda-se o engenm
S. Ga>par. sito na frcRUezia de ScrinhaVm.
comarca do Rio Formoso, prximo do em-
barque, com grandes partidos de pal e
raassap i roda da moenda. mattos mangue>
para madeira necssaria, bom pasto, etc.
a tratar na roa d'Aurora n. 26, ou na do
Imperador n. 20.
Vende-se um estabelecimento de car
ros de passeio, em lio* l.icalidade, por
seu dono nao poder adiar-se sempre
n'elle. Assim como se fsz sociedad com
alguma pessoa <|ue quoira : tratar ra
r,ua Direita n. 47 loja.

MILHO
Vndese no trapiche Bario do Livramento sar-
co? com milho, boa saccaria e por menos do qu
em outra qualquer parte.
Vendem-se duas casas na n-gnea i de Santi
Amaro de Jaboalao, sendo urna na i ua da Matrii
da mesma freguezia, e outra contigua fi-ira :
quem pretend r dirija-se a ra do Imperador;..
*>7, entrada pplo caes tt de N ivenibro.
RIJA DA GLORIA M &
Diaria do Fundo..
Ha sempre nesta olaria grand* sortimento >>
materiaes como tijllos de lvenaria batido, ladr-
Iho, quadrado de S, 9 e mais pollegadas. telbas e
lelhSes, e tijollos de tapamentos. O proprietari'i
desta olaria garante a bodaile o barn de tae |
materiaes, como tambem vende mais barato c.
que em ourra iinalnunr parte.
_
ESCBAVOS FGIDOS.
Acha-se fgido o escrav.i preto de nome Jo-
s, ida e 40 annos, eUtora regular, corpo a prc-
porco, pouca barba, algnns c.bellos brancos n-
cabefa, tem junto a bocea e no pe*coco siun-1!
de nm arranhilo, cuja c-r 6 mais dar que fc
pelle em consequemia de ter sarado ha ponen, 1
vou chapeo cinzenio de fdtm. camisa de chita i
e outra branca e duas cale i pardas, foi e+cr.^
do Sr. Antonio Manuel l'ereira Vianna wmnm
no Grvala : quem o capturar lew-o a roa to
Apollo n. 14. qoe*er rami pensado.
Attenqo.
Tendo fugidi, ha dias a csrr.iva Aguida. cabr.
de 25 annos. mais oo menos, um poocw m.-.gr i ?
vesga, com o nomo suposio de Tlirreza, pede >>
a quem poder premier o nb-equio (!. I-\
a sua senhora a Exii a. Sra. Haroneza da VhMfak
ra da Aurora n (ii
Aviso s autoridades policial
c a quem competir
No (lia 2'J de maio do corrente ar.n.
fugic o escravo Ezeqniel erioulode30 ti
annos de idade, estatura tegular. nfBfp
cor hem preta cabera rertonda, Mm a
mi a azul e calca de cassemira cinzenta:
durante n dis costuma andar ganhando as
mas. ou em armazens d assucar oo na ta-
tAmas a conversar i a brbtr : di ran'
noite recolbe-K6 a te'hciros aberio, m
netraveis, a tasa em CMtfttasfSo c
quaesquer lugares, onde se possa abriur.
quera oapprebenderteoba a bondades
ronduzia a ra da Aurora n. 2G, ou na
Imperador n. 2<>. norte soni "ratifi-ado.
AVISO
V'rtnriiH.
Fngio no (lia 2i do Vi rente nx-z de
do sitio da PoBie o> l'clia, o eseravo
filho do sertao do Ico, preto fula, baixo.
a J8 annos, vsiido rom calca branc?.. I !n
algodaozinlio corla, cbape do rliylc de aba argi
bastarte ladino, eostoma a embreagar-so.
com homitdada : p|te-M, pnrUato,
des p"lici:ies e aos espifies de i-ampo a rapfitr.
do referido escravo, > de entregar no -iio da !',..,
te de Udioa. de .'"- Morfin Lepes, qai
1003 de gralificaro.
Fiigm no (l..i l' d" janeim, c gratiK
nerosamente a quem pegar levar a sen sen
l)r. Virginio Caraeiro d (jimba Alhuqnerqsr.
morador no engenho Fumas da fregmiia de -
tu Amaro de Jaboalao, o esenvo Jnaqiiim de San
t'Anna, preto. de iJade 2>i ann"S. hue; ,ido. .--tair.
ra regular.mii pnnen epailiB*i largo, nfb*
pequeos, viv- s e um potirn brancos, dente- :
fi'ito<. alvos e limados, cabera peipjena, pi'" < :
regulares, dispo-to e esperto para qualquer
vieu, falla vaparusa egMs-a ou cheii, an lar pa#-
qiiinho eangueiro, deve ier marcas fie Mdfca n:
oernas de ferros qne levnu, e cicatrizes as r
e assentu de chicote fi compradi aa bario de
Nazareth, e estecompron aoSr. ln*i Mgurl i-.I'r-
mao). que o Imuxe do Rio Grande do Surte. an
fomprnu ao Sr. capilo Frederico. morado- p\
villa do Pao do Ferio, e sen pai o rpita.' Fppiaa-
des compren ao Sr Mamft Thom.-.z da Suva >-
'ador na villa de Poito-Alegre, sendo Htonb
escravo natural do Inga da provincia da ParaMha.
viajou principalmenlc nf srries A? Inpzera ,
Paja ii, mide tem d> ns senhores p* ""!
Marcelino e On lio. Si-rra Talhada, ri Souza, Serra dos Martlns, etc. etc. : prevae-c .
quem prender o refer d escravo, qne end
centn da provincia da Parainba, o entogue a>
Dr. Jos Paulino de Figoeired, mirador na Ja-
ileil- S'-uza. ou ao capito Joaquim Saldan*, Ba
fazen-ia do Mulnngti, no riarb" de pnrc*. nea.*
de nao querer iraze- ao -u refi-ridn .culnir.
Eugin do sino I la pi rus-o', frrgiwia > *-
rass, a escravr Thomaz, criiiOlo, de KboV 3S --
nos, altura regular, eurpu ebeio. tarha gn>ei*.
(lentes limados, falla manca, p> braiv. le mm
manw na face, le1 mi carnea de mail.-ipola e ralr
A' brim p:rdo, desapirereii n db lerca-lrirj.
11 do corrente. e presume-se qoe tenba tnirsdh
o destino de Panella* de Miranda, d'unnV ven*,
sendo aqui vendido polo Sr. Yiiunrio Jo> Ferrt-
ra da Cruz, morador no dito logar : pnfM
quem o apprebender o arnr de lev>|n ao rfiti
lugar a entregar a seu senlmr Anlnnin Rodngax.'
Cr.ipello de Mello, que *itri> rrrmfimu.
Scientifiea-sc s aniWMMn polica s e *-
pitaes de campo, que no da II ile janeir' de llCC,
deapparererani do engenho Califomia da fitfn*
zia de Serm aVm o* s-2Uintes escravo* :
Germano, idade de 18 annos. ben preto. ra*f-
ca pequea o afunada, testa aperlada, vivo
pre C'in semblante tnroiiho. mni coreando. I
bros levantado, lem ilhar baiv.o, p.-rnas rnmprl-
dan, ps l.nigo,ixn- denf s. Ifroa mane gn -
parece que UniheiM urna ha-la encamada, Onrn^i
am bonel perlencente ao balalhao n. 4 'le 8
Tihiwn : este es-ravo veio de Bananeira* Aa pr-
las a 280 o covain, cassas francezas a 240 o eo^
vAdo, alpacas ae cores para vestidos a 500 o cova-
do e muras muilas lazenda que seria enfadonho
4/nencionar por falta de tempo, aa'ndas pretas para
a quaresma a saber : grosdenaples preto de to
das as qualidides, panno fino preto de todas as
qualidades, caxemiras pretas o de airea e outras
muitas fazendas que se vende sem ie-prva de pre-
co na ra da Imperatriz loja do Garibaldi n. S6,
em tempo para nao haver engao na frente da lo
ja do Ganbaldi haver dous letreiros de liquida-
cao em lettra grande
Vende se burracha de prinifira qualidade.
para limas de cheiro, tanto a retollw como em
qualquer porgao : na na das Trincheiras, fabri-
ea de iientes n. I e 8 ^____
Vende se a reiinaeau na ra dr Arit';
19, com todos os oertences : a tratar na r.i_
uu nobceco do Jvio FrtUsco n. 7.
Liquidaqo.
O proprietario da loja, denominada Garibaldi,
faz ver an respeitavel publico e seus fregui?zes, que
tendo concluido seu balando, como de costme
dar-se no fim de cada ando, e tendo o mestoo pro-
prietario feilo diversos abatimentos em si is fazen-
das para servir seus freguezes, como sejam algo,-:
mas abaixo mencionadas, a sabe! : madapolao r
I o bom, algodao prssa 45 c Jj, chitas france-^ innx A* ftiratiyha, e U comprado po ..
asignado o Sr ioaquim Xauncio Wmierttj ia-
sidmUe-em Santo Anio.
Gregorio, de idade de li a l anuo;, tan mn-
preto. caneca redonda lest tambem red*.
olhos bem vivo-, nariz pequeo, te falta e *?
les na fente, beiews flm*. ns curios, e*
iguaes, tem urna marca de queimadura na aarr-
'ga. tam algomas marca* de chicote as naaegas
isto muito recente, soffreu em pequen anta i^-
trepada na cocha direita qne atrave** u *> an
para nutro lado, muito carbimheir- e raaai>a\fc
voo camisa de chita o mais roupa *jdgu itai
e chapeo do chyle. __[_
:\azario, pano escuro, de n para I* aaa'.
gneija algurrta cusa quando I.
|:s curtos, rosto red->odo ; ete Ivtb, ofplwo."
alilhado do abaixo Offcr"^-** "tt*
de gratiOca^o pela captura de do* escraTi, -
leva-Ios ao mesreo erigen!: la fn
a. 31,2- andar.
r


Diario de Pernambuco r Ociarla feira 19 de Janeiro de 1870.
-


O T* MI ii> BMi PAG1 PALA-
cvo.
# A rua.1 americana,
(f.ie ilo Antrctico Hoto mais vizinha,
Brasil sustenta ufana,
ma Cruz 'i i' il'.intt'S tnha
, miel, g-ntt inhumana,
ros n sol fia Iridia,
ladas c un vanjiloria.
i Espirito Santo, oftra Victoria.
Xas iu':imri:is bisl nicas do diroofela-mr
o imperio e nos auna rta capitana do Es-
o-Santo, l-se o segrate :
I. Luz Grinahf e a.- cunaras da villa
. i Vtoria edoEspito-SantnJlwiTOd'iafao
come drt Murro < ip.-lliiiiwt de Noasa
hora di Pucha aos religiosos menores
iiclios, oque f' sane miado peto prela-
. ,;i. eos- do lii. de Janeiro Bartholo
. Simoes hrara, que se acliava a esse
totopo rrfu.yiailo na capitana ; porcm o con-
venio s uiiieve merc de ser rontenrpjado
i.a ordinaria por Icaria de padr5o em ii de
Ji nombro de i >;.'{.
Braz da Costa Roben, em seus doeumen
los memorias sobre a capitania do Espiri-
to-Santo, nao fo parco no di/.er a respeito
,;, fivi Palacyos. sondo abundante e instrui-
do a respedo dos donalarios,.da ba e m
rite, da colonia, com que foi agraciado
V;*-o Fernandes Coutinho por carta.regia
A 1). J iao III. de que leve foral a 7 de ou-
i.ubm de 1534.
Fui calamitosa, como todas. a.fundaeio
ue cm tuda p~
ino-
uninenu que orna a
se a frvi PaUc
deu principio a
esta grande obra.
A erudita memoria do Sr. Or. Fornandes
Pinheiro, um dos uves diligentes polygra-
- desta gera^, nao i'.omprebendau o
oome desie martyr u, porque <>
Ilustrado academic> :;o visitn o convento
da Penha para dar-lbe a nxmofrapbia; iwm
screveu, assuuipto seus talentos:
;i vida do Irei Fulanos.
O biographo d" Mtott Alverne. fijara
homrica nitm semdo di prosa
paio e Caldas, teria, nos tombos do
vento e nos archivos das cmaras niumci-
paes das villas e cidades da prov .ca do
Espiriio-Santo. excralos- para incentivos
de urna notbia ebeia de valenta na parase
e rica de conceitos Iliterarios, em que
sempre distingue se o meu (Ilustrado mos-
tr, quer nferindo o esludo da historia ee-
ciesastica e da litteralura sagrada, quer de-
nunciando os crimes e atteniados dos do-
natorios, quer avigorando os tracas tao apa-
gados do here que comluteu pela causa da
tgreja. Frei F.'lacyos nao foi smenle um
martyr que passou a vida durante dezesete
anuos em doutriuar os indios das diversas
aldeias.
O povo, poe poucas vezes erra, chamou-o
de Snii-
con-
0 despreso da otarte, que tor
rosd Clodi n Ctirsio. Sffila P
Felicidade e tantos martyres do Evaqgelho
nao excedem ao alo de fi Pav
lacyos na cateclioaoAl Anekieto
e Nobrega,; dous cejareis aniir..,
le e candada, emelhante ,-eevd
evangelizar, forana djg
ligaces neniadas p
bostas no empeoho de p*rp seus
esforros e trabalhos ua p ppagaad da re-
ligiap eatholca, apostlica, rom
A especi lssima caiechesi ios m
capitana d i Esprito-S nto exiga fradeneia
< ii:o, r sigrftfeVi quali.ii les
que ornaram a| r q em sempre
sandoso fe triste cliorouopovu de VnlaV
e da entilo villa da Victoria.
No empeoho fatdico de edificar o coa-
vento mido et a padroeira, obra
anda boje sorprehea.de, gr-lo segflp^
equilibrio a ponto -de parecer un
hio escapo, ou urna pyramide suspensa
enUe frvens, fru Falacyos reuni osjxivos
vizinhos, os indios e poucos colonos.
sempre1 arriscando a vida, quer n edili-
oacio, quar -indo aos aldeamantos am
de os converter a f christaa
i|oeram ou terr.i. <>s tlie^owos
i|ik u O ro-
maneo oneulaes ua. n.calisiraiu. s> p*i"^|
oblim-'S categoras
ospiiosji. fmbara invisivei*.
iloffmwn, a#-*feacoes fan-
, uo aio realidades no
iSPB^o :is ha cert ordem dj
que nasc''m. vivem e
norrem no myst ri > piychologico, e lem
euUvUiiHo, mu- |MMtK is co a os fiet >s
HKa manifestad s no
O que as vitS^repres nj*, o que a ima-
ginar: > d'- '.o (Jim; amn'sia invena.
l;m mn i'nnufcw cora a vef.la le.
VicssUi poewa. i nagm ira. e i.ilasia ain la
nao apresmiaiam esto-faci exlraordinari >:
Fre Pedro Falacyos foi eocuniralomorlQ
dentro da gruta, o:nl< fazia oraces; eslava
de pe. meostadj p#lra como o veras cm
tixlasi profundo, cun as mos encruzadas,
coifioeni per(wuia coiompla
< A viU escoou-se-!he coaao. um plilro
de luz ti'um tb> de ar.
O relegioso leigo. o martyr. o forQadn da
virtj le chrisl e da carlad'. eviglica,
como recompensa v\m, mmediata de seus
POUCODETUDO.
AUSTRIA. o im-
perador KrfUeisCf i sessio das
cmaras austracas. e zenalra.:
f Honrados senbof**lfc* duas cifcawas
do reii-bsralb :RnBdo-vo* hoj nova-
mente em torno de mim, ardentemeate de-
se;o que sejaes bem vindos.
< F.tco-o com a sUisfacao que me d o
relancen-d'olbos retrospectivo pela vossa
actividade durante a ultima sessao, aetividi-
de animad do unis nulire palriutismo.
Faco-u cotnt*0MMlaofa a que adqairistes
um justo titulo.
t Nmguem poderia desconhecer o pro
gressivo desenvolwnciio do imperio, que
a Providencia conflou rainlia guarda, de*
senvolvimento que se pro luzio em todas as
direcces e'oai todas bases das iustituicoes
con.'ttnciontVs.
. Ojulgamento favoraval dos homen*
poltico nVste paii o noeatrangeiro a res-
peito do cittdo desenTOlvimento, forttficaa-
pdx
O que isso o que temos vitto, o que j sacrificaos, fui convertido o.m santo.
.1:, cotoiiia fioit-jgiieza na capitana ao Ls- Eslad(,Si omissoes e implicas.
sauto, e sabe-seqae mais larde pretendeu-s-
a sua canonisaco, que i.o leve seguimento
como refere Braz da Cvtat Habim em suas
memorias publicadas no lomo XXIV da
Revista do Instituto HiM.rici.
Ha na historia da igi-rja, como na dos
wri.i-S.mto.
- Coutfnbn, o lionrado vassullo, dalgo da
r.-.sa real, cm servico do re em 66a e llhina,
dtjixando a sua quinta, e cedendo a tenca
qiv. receba ao Estado, contrabio alguns em-
|,ie timos, e a 2li de maio de 4535. do-
,-o do Espirito-Santo, chegou sua ca-
jiitaua.
Pan Coutinho essa doaco opulenta de
riquezas naturaes foi um presente de ari-
;;'j*--ti:i-t. Osaventureirosdecommercio. que
tem sil., em geni os civiltsadores dos bur-
luios, nao protegeram.
Alm dos criminosos polticos que goza-
> im de hnrnisio por grata d'elrei, entre os
lies a ma or parte eram fidalgos, vieron
aulfeilores, in-iolentes, desbnados c lber-
l.i: ?.
As bitas que sustentoo contra os selva-
gei.s. que I he oppuzeram resistencia, e em
liita a ovaso hollaadeza o as matancas
comm-ttidas pe os franceses, que cntrram
r.o p'rto e deram fundo em fente da po-
v.iiro, c.ra duas naos anubadas, d'onde
esuliou gloria ao capito-mr Belchior de
redo e ao jesuta Bras Loureuco, que se
i stingiiiram defendeodu a povoacao, con-
iTiimrain pira dosgoslal-o.
O periodo que decorreu de 1558 a 1562
ii .-h-io de desgracas a infortunios.
Wstas instes circunastaRcSa n'estcs das
iutu-isos di' nefasta recordaran ede que nD"
. i!"ve guardar mmoria, appareceu o anjo
1-j paz, o religioso leigo frei Pedro Palacyos.
Da p'oviu.ia Ch Arrabida, em Portugal,
aportoa capitana do Espirto-Sanlo e
au prmeipio a um Paaao sobre urna grande
ra contigua ao ma
q nVlle eoltoeoo a ifia
HGQ tosen .-ratono e mal acabado nicho.
No conae d'essa montanba est o convento.
Carlos Maguo e Luiz de Franca, ambos
res foram'canouisados; entretaoto n3o sei
S9 deviam ter aceilaco no ciro como tve-
ram no mundo.
Desde que o-historiador consciencioso
quer re'iidincar a veidade tcm decompa-
rar-se as consequenei'as moraes polticas
desses assassinalos religiosos'foram resul-
tados do delirio ou da perversidad?.
No primoiro caso intentar a responsabili-
dade pde-se aclr a escusa da crime ; no
segundo, deve-se tirar um corullari i: o
poder temporal do papa urna anomala ou
um contra s uso do Kvaiagdttib.
(Jue frei Palacyos era um santo, basta eu
descrever asna morie. Os povoa da Vic-
toria e Villa Velha anda repelem. como se
fosse um testomunho vivo, oque ouviram
de seus antepassados. Frei Palacyos era
santo Essa rrenca indesii uciivol uaquella
pro.incia. '"orno a dos propielas entre as
racas clticas.
Qftando (re Palacyos combata p*la f
catholica e edilicava o convento, onde es-
lava a ermida que depois de sua uiorte foi
nlregue ao religioso Nicolao Alloaso, nao
se notava no pnvo, como boje acontece, o
abatimento moral, a impiedade. Nota-se
pie a soci<-dade civil e r ligios i vai passau-
na sculos tem chmalo a aUeacio dos de-
votos, descreve-se as seguintes estancias:
A gente aduirada em trra salla,
Eamando com gWia nao pequeua
Os louvores da Virgem m voz alta,
Pois tantas temnestades Ibe serena.
E miando de Hara a gloria exalta,
Tambem confessa humilde a pena.
Parque seaa caulrico t > luaaifaa
Nao vale a devoco, a le nao presta.
A escabrosa, penha va subindt
Descalca, de joethos e de brugos.
g por toda a ladeira csto se ouvind i
Menos a voz que o cbo dos suluco.,.
As aguas que dos olhos vm sahindo. '
Causam as venias hmidos defiusos ;
E parece que te.n ja cuiiveil-id is
Os coracoes em lorma de gemidos.
t A escarpada pimlia nao coasente
QiM por elli se de em um so pa*o.
Porque o temor da queda preeminente
Ao toque mais sublil pe embaraco.
S por urna ladeira sobe a gente,
Que igual devorao faz o cansaco,,
Talvcz porque si enlen la que a vinude
Damno do corpo d'alma saude.
O labyrntho das florestas druidicas. as
ras entro os Ii taques arliciaes e jar dios
no lempo de Luiz XIV, os ampliiieatros
improvisados as praeas de Coiistantiuopla,
n'aquates lempos de feudalismo desptico,
todo qnanto a natureza e arte associa las
apresntom de estranho. de ejrtraordiaario
na expsiuce da confusa), e ao raesmo
lempo bem deuneuli, nao excedem a roa
D> hornern havia o aUnilacro o milagre
eafcava feito!
Jfo d^ de.maio de 155 os habitantes
do Villa Volha, em pro-.isso solemne, dingi-
| ram-se ao santo lunar.
L 'grimas, gritos oe dr e dosospero, la-
i mentaros, saudade*, decnginos. dores la-
! cenmtes. todo o resumo d i suffritaenlo re
seon a> rodor d'aqaeUQ.zirohorio at boje
espeitiido e sempre venerado.
Pensador ou visionario, sptico oo^reut,
poetaomphilosopho,caanabante, quemquer
quft.sejas, para .
A vodadeila algn< pod rosos e sobera-
nos consagrou memoria ai i aposento de Si-
gismundo, aode Carlos IV e ioosflin trra :
escada d'onde Carlos VI promulgou o sen
edicto de oerdao ; ligia sobro a qual Mar-
ee! degollou Roberto de Clermonle o mi-
reobal de Cuampagne em^resenca do Del-
phim; o lugar onde fpram despedacidas as
bullas do anti-papi B medido.
Qnando a vaidade nao o pratica a perver-
sidade se aatora. E' assim que temos visto
ratcar-se o ultraje de levmtar-se a estatu
de um re no I igu* cnsanguentado ondee
hio a cabera de um martyr.
S urna excepeo! o Vaticano tambem
urna memoria: mas essa nao um ul.raje
i rasao nem ao direito; o Vaticano est no
ursino lugar onle ei^so o Circo romano.
ondi ero inandiva troolar os chrlstos.
do por transformaf.5es que nem garanten) a j de sombras forrada de pedras. que, da
estabilidade dos estados, nem a iranquilli-
dade da igrt-ja.
Que tempos foram-tiquclles!
Oh! innocencia!
Hitje...
A le, a juslca. a honra, o norae,
A religio. costume, ideas,
r e junto montanba, | ()pnioes e principios, conscieoeia,
igfn daV.rgem em Dj^nHirfea.fdder, mesmo o resoeilo.
Y sta. que digo, penha descoberta,
stiiso fdicio se olerece,
f)w pela inimensa altura avista acera
Gaamncidn casielo se parece :
Has n'esie mesmo engao avista acerta,
io direi, e b-m confesse,
11 inimigo deffie emqualquer guerra
. a dcvoro, o Rei da trra.
Jssa tone de Faro esclarecida,
Esse leiiipi. de Epbeso, assombro humano,
' ism. u,i Iba Grecia unida,
O famoso obelisco de Trajano,
A machina do Egyplo engrandecida,
O palaciano Cyro soberano,,
E o mausoleo de lana architectura.
rao confusos barros desta pintura.
iodo esse prodigio, quer se encare pela
Coilipia-se buje I Maldico ao seculo !
A negra hypncrisia ludo infesta!
\ heresia negreja em toda a parte!
Da religia se ni'.fa impunemente!
Os dogmas da fso insultados !
A innocencia suecumbe. o crime exulta !
Quand i faltarem os vnculos moraes os
actos da consciencia: quando as armas
mais mais oppostas destruirem os princi-
pios da mora e ludo icar invertido de
modo que a liberdade nao seja hlha do di-
reito ; direito nao seja enean acao da justica ;
a justica nao seja ti consciencia da le, a ponto
de servir a impunidade de estimulo a lodos
oscriinese miserias ; quando urna cousa fr
ao mesmo tempo generosa e m, applau-
dida pela opmio e reprimida pela religue ;
oesse dia. nessa hora nao desanimem
aquelles que esto, que vivem na le d*
Dos. Estas seriam as palavraa de frei P.u
loeyos se elle vvesse ne-te tempo de des-
tructivis.no poltico e religio.^o.
rampa d> inontanha. vai ao convento de
jgossa Soliora da Pmha.
Jir-se hia u:ua archivnlta cyelopica, es-
pecie de tabernculo paradisiaco, cmlim
umthrono de Oberon. um deseuhode Reai-
brandt, urna scea de Zimerman.
Era a tarde os raios ltimos
1)0 sol rubro e morredouro
R impendo as nuvens escuras
Uue se tornavam cor d'ouro
Se reflectiam brilhantos,
Sempre bellos o diversos
De formoso colorido,
Nos varios lagos e tanques
Pelas campias dispersos.
A gruh de pedra onde o relegioso vveu
* foi encontrado mirto, estando sen corpo
intacto e sua p'iysionoma animtda. de fren-
te para o lado do oratorio onde eslava a Vir-
gem da Penha. nao tem rontam gothic*.
imalhas. cornijas do exquisita arcbiteclura,
nem declives lateraes. Mola desuda, nem
subida.
A abobada formada pelo ngulo de pedra
ao em ogiva, nem forrada di moldura-.
Dentro umi cellula natural, obliu.gi
Ha a Ii o deslumbramento !
O deslumbramento causado pelo pavor
e pelo respeito, pela veoeracao e pela creni;a.
Fra, no mesmo terrapleno em parallelo-
grammo, est sobre urna pedra o oratorio,
que inda se conserva Intacto.
A gruta onde morreu frei Palacyos nao
subterrnea.
Ha all um enorme pilar a trra que
nao devorou o corpo !
Urna grande paredea eternidade que o
esconde!
Um s tectoo silencio!
Li:xn.v. .
do acoragemea conlianca ao comprman-
lo d'esse grande dever, n5o impede qu-t as
obrgacoes anda por cumprir nao sejam
menores.
< N"uiaa parto do imperio a populacao
oppoz urna resistencia armada exeaucao
da lei militar. Esta resistencia necossitou
de providencias escopciooaes a Njspeito das
quaes o meu goerno vos fara propostas
conformes com a constitnico. Lastimo
profundamente a allucinacSo que Ihes deram
motivo, e eiperando que se me ponha ter-
mo, encarraguei o meu governo da minorar
qnanto possiv-l as tristes consequencias,
mal o estado legal se restaoeleca.
Tendes larga occaso para cantinuara
ob^a da legislacao e para dar pruvas do
mesmo espirito de progresso, demwderaclo
e de intelligencia das situa^oas a*cepcio-
na^s e das necessidade* ecobomicas do
imperio que vos tem guiado at agora na
via legislativa, na discusso de numerosos
projectos de leis acerca dos ramos impor-
tantes di administrado da justica e da ad-
minstraco do paiz, dos quaes alguns vos
foram submettidos durante a ultima sess5o.
e outros sel-o ho no decurso da actual
sessao.
Mas nao se trata smente d'estes tra-
oalhos, preciso tambem obter para as
bases desses trabalhos urna approvacSo
geral e effectva, que, com bem vivo p**zar
meu, Ibe aiuda recusada de manas
partes.
Se a experenca^obtida at aqui pro-
vou que sao desejveis rnodificaces na
c.tnstiluifao, o camnho para ellas est indi
cado na propria coasttuicao.
A raaior parte das representaces dos
a quaes nem en.
ranea na coojaaarifi
da qu |ue ae
fcil cenvii^ao ao ar do
como swid a comlicciu do* verdsJi ira
inieressos dos reinos e dos paet, uvi
cortamente e devem tra-er a uniSo da -
piracis HM|ti>'1- D o -m '-bi i) t fetx
^m w.-Domfl(rij'-se a minha eaa r;aiisar as molas otenc*. que ai ga-
dis p ir um sincero anua* aos mena p**
Honrados seuboras, foi para
grandisaislaca a aaudar-vos aafca aTa*
longa viagem pelos paizs cora os qua<*s so-
mos clamadas partcolarm>n!e a coosetrrar
um tmfico activo e cresreote.
Exprimo com. satisfacao qoe por ta4a a
parte eacentrei cdorosa sympalhia pela ns-
sa patria e pelo sea futuro. Urna ofcra qm
honra o espirito emprebendedor a pnrae
veranea do seu auttror e nMlpBaac^o ala
qual assisti, promette. no aea eaaovflH-
manto, ao nosso coumercio vm aoo ierre
no para a sua actividade. e i
com insistencia que a tomis
rac^o.
< E' umi tirata a qui todos oa ajoa a
ella sao chamados poden dedicar-ae am
unta mais tranquilidad^, qaanio a siuncao
pacifica no estertor convida a sm de oa-
nera nao equivoca, tendo adjuirulo ui
sas relacoes de todos os I m* orna "
pacifica e propria para trauquillisar al aaas-
mo onde sympto uas passagearo parecatea
perlubadores. vmparado porealaaci
tancias satisforias, vejo o fbaaro cosa
coragem, e espero qoe o mesn
vos dirija tambem, honrados senboflB, ama-
ranto os vossos trabalhos, cissAaado-oos
felizmente ao alvo.
Era na hora em que a luz do dia au-
fraga no ocano de tre 'as, em que nos de- j f ^ treN3S ,^
serios do ceo o leao o o cordero, MWJ- k bra d.unrai,na genticla
p.ao e o saggilano se confundem emtom-l Caminl.a....camir*a a voar:...
) iporSa. a hora emhm^rn ^^;JParece a neblina levada do vento.
Di noite ao relento.
FGLHET
OS G&SAGAS FBETAS
ROMANCE
POE
Paulo Fval
AS
I erceira
parte
DE PAIII*
XI
Cmara negra.
(Continuajo do n. 13)
E parti. O cuidado de Ibe retardar a
volta pertoeja empreza.
Celeste, vMda para o baile, procurava
anda a expbcaoio d'a jnelle enygma. quan-
do Similor deu a sua entrada, semelhaiite
l>age u de Malbornuk. Pi fino, sagaz
m>-terioso e repassado de sentimenio.
Westre t.eouidis Dniz, deilado no seu les-
een Yersailtes. quera' ver anda
t, antes de entregar a alma, a rau-
x. a fada, o arijo...
\h como Cele>to achava islo natural !
Celeste lanfioa urna manta escura por
cima do traje de baile, porque, n'esla nar-
ntiva. lodos sacrilicam ao eflVto, at a
iprta Celeste Bem podom por na sua
i o aitraclivo que um falo de baila ac-
tcoalMU ao ultimo colloquio amoroso,
lilumou o caixeiro ; disse-llie o qua bem
, Iba parecen : desculpcm-n:a : entre ella e
o tabelliao ? bouvera antigos suspiros. O
caixei o foi especialmente encarregado At
r at morte
Chegou a vez de Mazagran, a seductora.
', ird, infiel sobrinho do guarda porlo
% deu entrada i M*zagran o ao seu compl-
o Sr. Ernesto, como j mtroduzra
Gchalot e Simi'r. O caixeiro era honrado,
I. Um quarlo de hora depois.
ipeo entregue vi-
i do Sr. Ernesto. A guarda do
ipri mcia ao lobo
lar que a empreza
;rio fra ora relegan
Ningoem restara na sobre
Foi Ho que o tocador de realejo an-
v
nunciou pela pnmeir. vez asna lanterna
magias Sera orna hora depois da ineia
notiie, quando o Sr. Lecoj de la Perrire,
itbedaaendo quelle signal, deix u a sala
de dansa.
bms pregues do hornero, da cmara p-
tica haviam lulo lagar desde enlao, e de-
correra meia hora. De ludas as cousas que
temos contado nVsto c no precedente cap-
tu o, nada transpirara no baile, oud,e, pelo
contrario, o prazer, venendo vigas preoc
cu|iacoes, pred minava francamente.
N5o temos a vele tade de ensinar :i pes-
soa alguma que n'un baile, depois de certa
hora e urna vez tianspoi-to ona certo grao
na escala da opulencia, os convidados nao
do absolutamente pela ausonciq dos don is
da casa. Normalmente, de dez cinco nao
os avistam em toda a noue.
A porta do corre 'or que conduza dos
qnartos do baro ao esciipt ro, passando
pela babitaco doSr. Campeio, eslava aber
ta. Andr Maynotle foi o p imero a trans
por Ibe os bumbraes. O aniur i commis-
sariodc poli -ia e o magistrado seguiramno
Os candeiros que de "ordinario allumia-
vam o corredor estavam apaga los.
S pela po'ta do vestbulo p-iretrava al-
guma claridade, que os allumiava fraca-
mente por detraz.
Todos tres caminhavam em silencio. O
corredor tnha o comprimento do pateo.
Chocados meio camnho, Andr prou e
disse :
Os senhores fazem demasiada bulla;
o homem que alm est, so sabe que vou
acouipanhado, nad.- dir.
Aonde nos c-nduz ? perguntou O
conselheiro, cuja voz era tranquilla.
Devo preveni-lo que estou armado,
accrescentou um tanta.impressiunado o iq
tigo commissario de polica.
E eu estou sera armas, disse Andr.
Proseguio, respondendo ao cousehieiro :
-Conduzo-o ao cpahecimcnlo da ver
dade, com referencia nm crime que o se-
nhor leve de julgar outr'ora, e onlro
crime que ter de julgar amanhaa : o rou-
bo do cofre o lanqueiro laucelle e o as-
sassnatoda condessa Corona
Foi cendemna.do" por um e acensa.
do do outro, murmurou o magistrado.
O palacio est cercado pelos sena
tureza, es-a intelligencia morta, enlanguece
aos beijos da briza.
Nos paizes onde as legendas sao artigas
de f. onde os castalios tem um espectro,
os templos antigos um fantasma, todo se
engrandece e perpotua-se, porque o inve-
rosmel nao exclue o possivel, e a critica
histrica espantando a fbula deixa patente
a origen) da tradiccao.
Esses palacios encantados que os poetas
agentes, pronunciou lentamente vndr.
Nem posso nem tenno vontade d- fugr.
Nao ihe retorguiram. Ella contiuuou
o ara diante. Os outros dous abafaram o
rumor dos passos
de crerquetenhamos dito alguras, que
o sumptuoso escriptorio do baro gcbwartz.
es'.abelecido nos quartos baixos do conside-
vel edincio que aiva para a ra de Enghien,
imha os seus cafres di receitas e despezas
correntes. fallando no plural, por que a casa
centralisava muitas emprezas destinctas. O
famoso C'fre da obrc-lo.a, chamado prin-
cipal e central, era c mo que a alma uni-
versal d\.quelle grande, corpo, e agglomera-
va accidentalmente os fundos das diversas
companhias.
E>tavam os fundos da casa Schwartz,
propria nente ditos, collucados sob a im-
de
Fantasma que paira na pedra a rezar.
Vil'a Velha, tu s nbencoada.
No vrtice d.i nraotto|H| sancluario daVirgeni!
Na base, o tmulo de um santo!
PESSAMIA POVOA.
meas remos e dos meus paizes teem-se
seriamente oceupado das questi) tanles s'eleicoes para o reichsrath.
t a esse respeito far o m u governo
u na communica^o ao reichsrath, habilitan-
do-o para ella poder tomar as resolures
que estad as suas atlribuicoes
Sd, O'tSta queslo lo importante, se
ctv'gar a um accord > t) desojado, p le-se
un muito mais conlianca esperar a soiuc'
de ludas as outras quests respaitanles
constiiuicao.
i Cornquanto ce.rca do seu desenvolci-
mento a forma da constitu o deixe livre
curso s v stas e aos dssejos de toda a
natiiivsa. essas vistas e essas desejos estn
limitados em mais de urna direcelo em
conse.quencia da propria organisago do
imperio.
t A constitico nao foi creada sem ter
tido cuidadosamente respeito peas sita-
ces particulares dos reino-* e dos paizes.
e pelo seu justo desejo da determinar Cssa
siluaco de maneira conforme com a. sua
autonoma.
Espero que a intenro de restringir
esse desejo a<>s limites mais estretos
do que imperiosamente exigem a forca e a
potencia do imperto no interior e no exterior
nao se uppor ao geral desejo dum ac
cordo.
Estou certo que todos os meus povos
esto convencidos como eu de que um
passado glorioso s pode ser renovado pelo
coiihecimento do presente que urna falsa
interpretarlo poderia fcilmente obscu-
recer.
Anda a este respeito tenho urna espe-
ranza cheia de confianza nos senlimenios
Pelo menos, para Andr Maynotle era
indicio certo. procurou e acbou as m >s
dos que e acompanhavam e apertou-as m
silencio, indicando por expressivo m 'Vi-
meufo que haviam camnhado quanto cum-
pria. Depois continuara a andar i>s.
A porta do corredor abra justamente
para o recinto descripto pelo S\Campei,
e no qud eslava o famoso ;ofre de del>z .
que nunca vimos, mas que representen
importanti papel no comeco d'esla narrati
va : com a dilferenca, porm, de que a por-
ta abra por fra de urna caocella de gra-
de, que em tempo ali havia sido posta
por occasio da formaco de urna eompa-
uhia celebre, cujas ac^oes eram proenradaf
,com cnthusiasmo ; a extraordinaria affluen
cia reclamuu aquella fottificaco supple
mentar,
mediata garanta de um homem capaz e Era um quadro vasto, se bem que de
paricularisamamente seguro, o Sr. Cam-jpouco p direito. Servia de quarto ao
ueo Capacidade nao significa intelligen- ixeiro sednzido pelos quindms da Ma-
zagra", e cuja cama era todas *s noutes
LIBERALISMO E MAIIOMETISSO^-So
nleressanies estes pontos de contacto aula-
dos pela Patria de Santiago entre o l.beraka-
mo e o mahometismo:
O liberalismo diz: Toda a reTobac^
iriumpbaula legal; a torca victoriosa a
justica.
O mahometismo diz: O qoe n5o er a
eadi, morra: o Coran a verdaile.
) liberalismo: N. posso convencer; ia
doniiuarei a fnrfa.
O mahometismo : Sou absurdo; mas a
espada me defende.
O liberalismo: A r -ja catholiea falla a
verdide: persigano-lo de morte....
O mahometismo: 0^ catinheos s>
inlieis: oamo-los em pedacos se nao 1 narem creles.
O liberalismo: lim padre, que nos siga
vale mais que mil da nos: cacemos clri-
gos...
O mahometismo: Um renegado vale naaa
conquista : facamos o possivel para alca-
car alguns.
O liberalismo : Guerra aos a4MBH al
a sua humilhac!
O manometsmo: Guerra aocathoiswn,
al exterminar ess i rara !
O liberalismo: Cithdico o mesmo que
escravo bruto...
O mahometismo: Cathohco o saesaau
que cao.
O liberalismo: Os catholicos s'm fatoos:
pois tanto do para o culto divino: desa-
inortisemos...
O mahometismo: Os catholicos sin riese;
pois do milito ao seu Deus: apodereaa-
nos (Ipiles.
O liberalismo : Nao ha nutra soberana
senio a nacional; c nos os seus represen-
tantes.
O mahometismo: Nao ha Deas seni
Deus ; e Maforaa o seu pnpheia.
O liberalismo: Comamos, bebamos, e
povo que sai.
O mahometismo : Faramo-nos ricos ; e e
povo q-e anee.
O liberalismo : Ah, reaccionarios, raroin-
narios havemos de acabar omro* |wr
que queris inlroduzr um calluticaat
novo.
O mahometismo : Ah, perro clirislo! ou
serves Maforaa, ol le degoll !
NAVEGACO VAPOR. Formoo-ae
urna linha de vapores russos para f-aar a
viagem entre Bombaim e o Mar Hagra pala
canal da Suez Esi i liuha ensarrega-*e de
transportar 4:000 balas de algodo por se-
mana.
peao Cap
ca ; e pa avra que ene-na sempre a reser
va de urna especiafidade qualquer. Na pi a-
Ca de Paris, nao havia caixa ma s acredi-
tado que o Sr. C mpelo.
Na circunstancia em qoe estamos, fura a
caixa principal que recebera as enormes
realisacoes operadas peto banqueiro nos
ltimos das e cujo destino se conservava
mysterioso at para o p'oprio Sr. Cam-
pean.
O corredor o-;de se encontram os nossos
tres personagens terminava em dupla por
ta perfeitameute fechada, mas a' qual o Sr.
lampeo nao mencionara no seu poema
descriptivo, recitado aos passageiros da
diligencia, porque aquella porta era do uso
exclusivo do barao. Andr Maynotte tnha
a chave de ambas as fechaduras, que aario
precavidamente. Rumor algum teslemu-
nhon que o tivessem ouvido da paite in-
terior.
Entrou, sempre acompanhado pelos doas
fuucdonarios, e havendo-se os batentes fe-J
chado por si, acharam-sa tedts tres im-
mersos em completa eseuridao.
Digo completa, pjrque, como o Sr.
Campeo nos sf rio, a^ jaoellas da sobre
Iota eram fechadas cora taipaes.
Haviam imtodo de ser recentes aquel
las trevas fl tdoava no ar algum ferid
de morrao qe deaaaciava a presenca de
um ser humano.
fetta junto da arca forte. A direita e es-
quvrda ficavam os quaitos do senhdr e
da Sra. Campeo.
And acbou pelo tacto a abertura da
cancella. Tran queile recinto, e, impellindo os dous baten-
tes ao mesmo tempe, fechou a.
A bulha do ferro retii fortemente.
Boin, disse Andre meia voz, i dei-
xei cahir o alcapio. Est escuro como
breu.
Era a voz de Tres Patas e a expressa >
da um homem que f>Ha de si para si.
O antigocommissario de polica e o con-
selheiro ticaram immoveis ao p da en
irada. J nao eonheciam a voz do que
acaba va de fallar-Ibes.
"Fres Patas tossio, palpou e prosegno
como que enfadado :
Diga se est ou nao ah ; n3o se
faga raorio Olha que eu uo vim c para
jugar as escondidas, patrio.
Estou aqui, resmungou urna voz sur-
da para o Jim do qoadro; e raiOs nos
part m todos! Cahi na laro cmo nm
lobo.
Em que lato ? pergontoo Tros Patas.
Ento nao trazia o bracal *
Nao tinham de certo a nossas dus tes-
temunha aeeessidade de excitacao para
estarem altemos. Vodavia, a ultima pala-
vra o bracal, fe-!os estr mecer do mesnv
choque, e, seu pezar, deram um passo
para a frente.
Ouvi bulir, disse a voz do fundo com
sbita iquietaaSo.
Mas j se poda ouvir dcstractamante o
rocar de nm corpo que se arraslava pelo
sobrado. Tres Patas eslava ;amioho.
A voz do fundo tornou.
Tenho o bracal, tenho, mas foi elle
que me filou... Aquelle tratante do
Uruneau cavou-me urna contramina. Foi
t-lle de certo quem me poslou a rapariga
no camnho ; o patife e serralheiro ; ar
mou-me urna ratoeira no bracal... e cada
vtz que qoero retirar o braco enterro um
canto de agulh s at ao osso I
Nao e mal apanhada! disse Tses
Patas, qua contiuuava arraslaudo-se; ento
o palro est feito rato ?
Em resposta s recebeu urna praga, que
exprima enrgicamente a atiribulaco de
l.ecoq e a ira qu; o d minava.
0 resto corre s mil maravlhas, con
tinuou o alejado. L em cima dansa-se
que um louvar Deus, c as historietas
circulan)... ^abe o que digo, as nossa*
bombas ?
Se podesse, corta va o braco gemeu
Lecoq.
Para isso era preciso um.homem d>
officio, disse framente Tres Patas, e boa
f;araineiito... A machina l est a andar
ddiuiraveimente, lauto da parte de dentro
como de fra: a menina Edma Leber, os
nossos tres rapazinhos... n'uma palavra,
tudo!
Sabes alguraa cousa do Bruneau ?
perguntou Leeoq.
Nada. Esse. o melhor que o senbor
tinha a fazer era compra-lo, cuslasse o que
custasse.
Tu que estavas encarregado de vi-
ga lo... s tu que tens a culpa...
Meu bom Sr. Lecoq, ioterrompeu
Tres- Pats, eu sou pra$a sua; mas sempre
ihe digo que se, quan rem, encontram eoms^go ah, ugir dos
punhaes I Logo veem que. o senbor quiz
prejudicar a aasociacio.
Eu sou o mestre, disse Lecoq.
Depois accrescentou :
Polea icar-te minha altara, para
ver se desarmas o bracal ?
Qual o senbor n Ul o meslre.
replico* o aleijado. Mas socegue q-ie por
i.-so nao deixo eude ver se comsigu d*Sfn-
rasca-lo ; parece que uo est l mudo
vontade... ,
0 p de Lecoq. que apalpava como ama
sonda na eseuridao, encontrou D'aqjelle
momento a ilbarga de Tres Paus.
A gymnjstica dos olhos que se ha litoasa
sombra nada poda contra aquellas tre-
vas absolutas. O Sr. Lecoq proseguio o>m
ar singello e fagueiro :
Tu s meu amigo bem sabes que
sempre foi minha intonco cuidar do leu
bem estar... Ergue-te.
0 meu bem estar! repeli 4atheos.
Han, han patro ; com sigo quem so no
acautolar, est aviado... dizera isso por
ah.
lina'especie de gemido annonava o
esforco que elle fazia para se endireitar.
Passa para o ouiro lado, disse Lecoq.
Kesta-me um braco para ajudar-te.
Tres Patasicava-se agarrando-se-lbe ao
falo, como um nadador que, &m o corpo
n'agua, procura trepar escarnada rocha.
Pareca empregar a melhor vontade.
Assim que Lecoq o pode agarrar p-lo
panno da casaca, levantou-o com graudo
pulso.
O senhortem torga como um h>meaa
patro I disse admirado Tres Patas.
Ta nao trazos a la vesta 1... awr-
raurou Lecoq com expressio de de coofi-
anca.
Para apparecer em boa soci'dade.. -
comecou Tres Palas cora a maior sinajeUeaa. "
Tu podeste iutroduzr te no palacia ?
O patrio bem sab-i que a grate a-
pre ^se vai encaixando om poacochail por
teda a parte.
Resfolegou om etroodo. e aeaboo ao
que surtocado por nm espasaao da, brutal
exaltaco: _
Ah! ahf..-ah lapref... Oeo-
rac5o de urna pessoa a > esti aara*iFt)CB,
p tro. 01 ne que as tae* seaooras -
das sempre se decota o bem. As-fea nao
sao honradas nunca me mostraran Unta
pellinha alfa e rosada !
(Conmmr w-aaj
TVP. VO MABI*-li a i
i



Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EEBFDTBUJ_NUL1N6 INGEST_TIME 2013-09-14T02:18:37Z PACKAGE AA00011611_12190
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES