Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:12187


This item is only available as the following downloads:


Full Text

...I II

*P


~i.-i
ANUO XLVI. HUMERO II.
I





PARA A CAPITAL E ifiAIES OIDE IAO & PACA POSTE.
#or ices awzes aduntada* *.....w .
*or s te* ide ........<....'."'
i^jr un o idem.. ...............
Oda !Dnx*o*Ytils. ...............,"
J30
SABBADO S D JANEIRO D 1870.
I "--------------- .1 -V II .'I ----c^^----;--------------------
pa Dmse e tosa da mnflav
Por tres^zesydiantsdbs .......
Pnr seis dm tWtn...........''*'' *
Por nove dito Meta ....., $ ','.'.- m
Por um anno iilem....... *
61750
.3*800
de Manoel Kgiwra de Parla & flotee.
Hw.ra < M m W, HM OUtb de i, Paraba ; tM M S** o Ti* da h*.; mm. Sa-K uIcSo, em a* Antto Doto,M teeTc,* Rra
___________1____________* """"^ ; yiWCISC0 l3Wes da &"*1' *" *W Manto AlTO, na Babia ; Jort RMro Gafara! Rio do Jaoon>.
=.
PARTE QUICIAL.
da p rlatela.
VWSMFVrK .KttCRX^'ra.O EXW. Sf. St.+!lllO FRK-
.'MlIT- M limiBA ALUOCatftQ0K, PRBSIDe.VTE
oa'eftovtxdn; ce 9 B* novtjibro De" 1989.
i* seccio.
V. 5*3Portara ao Br. endb de pofiria inte-
rina fcfgknfo o xnv. 9r. mmistro ba repaTtleo
la agricultura, tft aviso de 27 de outabro proxi-
no (Nido u curar ranelo do de f de junlio do auno
taawdb) rcrnrtimpedw a T. S. a cxpeuieao de ter-
-tunantes ordena, afim de que sejam ministradas
-ir*a njainr nrg*ncte aiinformaijow exigidas por
tadle ailo, de coBrormidade coro o modelo entao
-moHido a por ciifattes, vIHns e freguezte< nos ler-
dos Jo aviso de 27 de oeiuhro cima citado e jan-
n por copia.
-X. 2*4.ftita ac comraandante suflvrter >la Ruar-
la nacional di Otinda.De eonforraidade com o
-I-ret rf. 34!>e de 8 de ju'ho de liWo, devdva
V. S. con a respectiva inl'ormaelo e parecer da
.nata de turle da guarda nacional' deser raunici-
yio, a (cticos QW guardas do 9 batalhode in"
.aMarla a -laa alhide o seu ofllcio de 28 de onln-
"iiro uiiinio.
3f.2I.1.Di'af tmmandantesuperior dagnar-
'1+ Racional de Santo Anto. Tendu por delibera-
;o dista data, ede cTnformidade com o art. 73
d decreto n. 72 de 2i> de outabro de 1830, de-
-fado o capiii da 5* enmpantiindl> batatho 24'
Marcmilln rm Silvc-ira f.ins |>ara etercer as fnne-
i'-s de mai'.r i! n;csmo batalliio ; assim o com-
iiinicua V. S. (.ara seu conhecimento e direc-
.Y 210.Dita a- juiz municipal da 1J vara do
eofe.-TransnrkW a Vmc. para os dbvidos llosas
itfirmardw inctiisa? relativas aos sontfrtciados
'raocis-i, .'-cr.ivo. Maria Francisca dos Santos e
fina rio, eseravo, tcdO existentes no presidio de
J-crfundo de NorWHW, sendb aqueles do termo
ihtt Alajoas na provincia desse nume e este do de
N'Murov, na di. Hio do Janeiro, al qaaes me furam
'uvi.idas (Milus r:r*ctivos presIdVjntes deltas em
"iri-K de 2" Jo rr.er. lido e-dii crrante.
31. l7.Dita ;,( juiz municipaj Wjpplcnte em
verejeio do rmo de S. Beim.-merme Vmc.
\m dtstino te ve e'de que bens consta o espolio
rrecadado por e< juia: e pertencent a subdao
norteunez, assassinado .em Quipap, Paastiao Si
JiMes l'Vrreira.
X. 2W.Da k bacliarel Vicente Cyrillo Slari-
:Iki.IVndo sidy Vmc. nomeadb por decrete de 11
i agosto uliimo para o cargo de jatz municipal e
'I* oCfilio dn terrm rft- Ponta-Giiissa na provm-
i do Paran; ftgendn ofllcio d respectivo presi-
l ute do 9 do her. l.ndo, assim lhi> communico
"itr* que qnaatr atiies asnunia o exercicio do dito
rargii, HenBk para isso o respectivo titulo na
-'cretaria do eowren daquella provincia.
.V. 2!.Defifcw-acSc.O presijentc da provin-
: d-i i'ontoniii'faile com c art. 7Jdo decreto n.J.
:2 io i-i do ontetnr de 1850, designa o capitao
la 'i' ciinpanhia to bataBio ir. 24 de infantaria do
n;ii.-i(o da Ksrada Marcionillo di SHveira Lins
>ara e\eitrer as ^.nCdes"ne major do mesmo ba-
-liliao.
X. 220.Dita.Ci presidente da provincia tendo
tivijo o Dr. elrefe de polica, resolye por conve-
-ncia do servido {.ublco exonerar a Antonio Ben-
: \nm de S. Hent.
N. 221.Dita.O presidente da provincia atten-
lendo ao <|e llm rtquereu Belannino dos Snntos
HMrao, MMID de olas c enffrie do crimo, c-
I .t cwwwreto de termo de Sanie AntSo, resolve
'onceder-lhe tres aeres de liecncapara tratar de
-ua saud',*.
*.' seecao.
X. 2JtPortara ao tnapector da lhe luloConstando de aviso da repartioao da
iiinlia de 23 de outubro ultimo ter-se solicitado
ii dj (izenda a c&pt-diro das convenientes ordens
allin de -er o '# sargento reformado do corpo de
iporiaes marinheirco Fraacisco' Xavier Carneiro
los Anjos pago or essa thesouraria do saldo que
lie compete viisto se ter concedido licenca para
sidir nesta provincia; assim o commnnico a V.
S. uara seu ceaieerraento.
N. 221.Dita o inspector da thesouraria pro
.ocia.I Expeca V. S. suas ordens para que sejam
iqaidadas em vitia do incluso pref nominal que
e lemetteu ocemmandante superior interino do
'unicipio de Sauro Antfw com ofllcio de 5 do cor-
eate os vencimentc? reUtivos ao mez de outubro
ittimo dos guardas nacionaes destacados na villa
la Escada ? paga a sna importancia ao sargento
l>e N. 224.Dita ao mesmo.Mande V. S. liquidar
m rista da relaco o conta junta* a despera feita
' o sustento dos presos pobres da cadeia di
>rmo do Cafco duraatc os mete de julho outu-
Ifrodesle aneo e pagar a saa importancia ao car-
erciro Asdi* Afeliao do Erpirito Santo confor-
le -olicitou o cicle de polica interino em ofllcio
le i do (oriente, sob n. 1591.
N. tiix Dita ao tuesnio.Ao tenente Manoel
\ri< mo Soares Jnior mande V. S. pagar depos
.'.' liquidados em vista da folha e pret juntos era
lanlieata me remetteu o commandante supe-
rior intenno do municipio do I-.io Formlo com
i, o>: doeorrento os vencim"nt<>s relativos ao
itiei de outubro ultimo do otacial e pracas da
guarda nacional destacados naquella cidade
f seccao.
M- -Ofllcio ao F.xm. Sr. vice-presidente da
(iiwincia do Paran.Acenso o recebimento do
Helo de V. Exc. dv 0 db mez Ando, e em cum-
rfntcnlo do pedido njle cootido, nesta data com-
inntoi ao boefurel Vicente Cyrillo Vlarinli i, que
'giiiido dito olfcic reside em Olinda liaver sido
mineado para o lugar d jiiz municipal ede or-
ios do termo da Pinta-Grossa, nessa provincia
r-ieoinmendo-lhe qcequanti antes tire o titulo e
suma o oxericio do dito carga.
-V 27.Dito aomjsmo.Coffl' o ofllcio de V.
Kxc. ilo II deoutebro ultimo recebi 2 exemplares
i relatorio aaresenudu a assembla legislativa
a provincia n> sea sessioordinaria do correte
sae.
N 22S.Dito aa> presidente da provincia de S.
Paulo.AecmeiieewiVMOB ewmplares dos rea-
! rins (feo V. Se*, se servio reioetter-iee eom o
u ofQ.-i.i dc de outubro prximo Ando.
N. 229*-i'o*ta*h. a cmara municipal d; Olin-
,iDeclarla cantara municipal daciladedu
linda em rdsposta aj sea ofllcio de 4 corrente,
me appr ivo as arreuetafus dw impostes de que
ataui os termo qu# por copia acompauliarain o
a citado ofleif.
X. O.Dita a directef geral da instruccao
icaDeeiare" a V., S, era reposta ao ofllcio
;a iresioria. de 2? de outnbro prximo findo
- jU n. H4I, queOnlio n;ta data denigrado a pro-
f ora la Ia ca.leifa do lecifo, Claadioa Nativa do
"' o Santos para luneciouar no- exame dcliabili-
' <"** o tein do proceder do dia 10 do
*
tes da oompaahia Bralei-
Podem Vmcs. fazer
_} pactes ,dp'nrte o vapor Guar,
(tanna a hoca,ei4icado em seU'Officio de boje.
N1. 2J2.Dile apa.masmos.Os- Srs. agentes da-
aiipanuij Brasileira de Paquetott a Vapor raan-
em tr*nsBor*r pai a a corte or conta do minis-
da nirma oo vapor Cruzeiro do Su/, que
-o espera ratas kfapoel df Aquino
uva, ItiMetp FTaucisee de Barros Wander-
3 LTOaoMiho Bsjiisu Fenuodes.
JF 3.-fibflberac5o.0 presidente da provin-
cia, em vista do que expoz o director da Escola
Iwttal ero otflco de 8 do correte mol, resolve
designar o secretario da raesnaa Escola, Exequel
Franco de S para asslttoar a' folha dos veflcim te-
tes dos respectivos proiessores e mals eraorgados
durante o lempo das ferias em que se tem de atl-
sentar desea cidade por molestia o referido di
rector.
XPEDIENTK ASSinXADO PBLO SB, DB. JO^tl COR
RA DB AROJO, SKCBCTAWO M GOVERKO, ES 9 DE
.VtfVMBRO DE 1889.
> secc.
X. 534.Ofllcio ao director gcral interino da
secretaria de estado des negudos laJustina. Ac-
cuso o recehjmento do oficio de V, 3. de 28 do
mez Ando e bem assim da copia db decreto
n. 4134 de 50 dn dHo mr, mercando o 2* unifor-
me para a esquadrio n. 12 da guarda nacional
desta provincia a que o mesmo se refere.
N. 235'.Dito ao Dr. ehefe de poltria interi-
no.S. Exc. o Sr. presidente da provincia manda
declarar a V. S. em resposta ao seu ofllcio de 6
do corrente sobn. IMfr, que a thesouraria pro-
vincial tem ordem para pagar ao carcerero An-
dr Avelino- do Espirtto-Santo a quantia de 63.
constante do citado ofllcio.
?. 2:16 Dito ao commandante superior da
gua#da aaciwnai de Seal Aato.Xesta data-au-
lonsou-se a thesouraria provincial a pagar ao
sargento Deomedes Francisco das Chagas o< venci-
mentos constantes do olncio le V. S. de 5 do mez
corrente, o nual Oca assim respondido de ordem
do Exm. presidente da- provincia.
K 237.Dito ao commandante superior interino
da guarda nacional do l.to-Forraoso. O Exm. Sr.
presidente da provincia manda declarar a V.S.
em resposta ao seu ofllcio de 5 do corrente que a
thesouraria provincial tem ordem para pagar ao
tenente Manoel Amonio Soares Jnior os venci-
mentos constantes do citado ofllcio.
3'seecao
N. 238 Ofllcio ao inspector da thesouraria de
fazeuda.S. Exc. o Sr. presidente da provincia
manda transmitirr a V. S. as iuclusas ordens do
thesouro nacional sob ns. 197, 200, 202,203, 204,
20o, 207, 209, 210 e 311. bem como um olftcio da
directora geral das rendas publicas datado de 28
Je outubro tiftimo
N. 239.Dito ao mesmoDe crdem de S. Exc.
o Sr. presidente da proviuoia communico a V. S.
3ue segundo consta do olBcio do director geral
os correios de 29 de outubro prximo Ando, fui
concedido por dtscreto de 27 desse mez a aposen
tadoria que podio Domingos dos Passos Miranda
no lugar de administrador do correio desta pro-
vincia.
N". 240.Dito ao mesmo.S. Exc. o Sr presi-
dente da provincia manda devolver a V. S. com-
petentemente despachado incluso requenmento
docmneolado de P, aro Manoel daConceicao a que
se refere a sua informaco de 5 do correte seb
n. 755.
N. 241.Dito ao mesmoS. Exc. o Sr. pres-
danle la pmvic.cia manda Iransmillir a V. S. as 4
inclusas ordens em duplcala sob ns. G93 a ti jo
expedidas pela repartigao do ajudanle general.
N. 242.Dito ao mesmo. De ordem de S Exc
o Sr. presidente da provincia tiaosmiito a V. S. o
ofllcio expedido pela secretaria de estado dos na-
gficios da fazenda de 30 de outubro ultimo, acom-
pandado dos conhecimentns das quanlias de......
50:000i em notos e de li:3005 em moedas de
bronze, e bem assim as ordens do tribunal do the-
souro nacional de 23 e 28 dauuelle mez s. b ns. 196,
206 e 208.
N. 243.Dito ao inspector da thesouraria pro-
vincial.S. Exc. o Sr. presidente da provincia,
tendo por deiiberacao desta data e oai vista do
que expoz o director da Escola .Normal em ofllcio
de 8 do corrente aesolvido designar o secretario
da mesuia Escola, Exe.quiel Franco de Sa para
assignar a folha dos vencimentes dos respectivos
professores e mais empregados durante o tempo
das ferias em que tem de estar ausente desta cida-
de por causa de molestia o referido director, assim
o communico a V. S. para seu conhecimento.
4* seecao.
N. 214.Ofllcio ao administrador do correioDe
ordem de S Exc. o Sr. presidente da provincia
communico a V. S. que segundo consta da ofllcio
do director geral dos correios de 29 de dezembro
prximo Ando, foi concedida por decreto de 27
desse mez a aposentadoria que V. S. pedio no
lugar de administrador do correio desta pro-
vincia.
N. 245.Dito ao director da Escola N'ormal.S.
Exc. o Sr. presideute da provincia tendo por deii-
beracao de>ta data e em vista de seu ofllcio de 8
do corrento, resolvido designar o secretario da
Escola Normal, Exequel Francisco de Sa para
assignar a folha dos venclmentos dos professi res
e mais empregados da mesma Escola durante o
lempo de ferias em que V. S. se tem de ausentar
desta- cidade por molestia, assim Ih'o manda com-
uiunicar para seu conhecimento.
N. 246.Dito ao Dr. Pedro de Athayde Lobo
Moscoso.Pela secretaria do governo se commu
nica ao Illm. Sr. Dr. Pedro de Athayde L >b >
Moscoso, que existe nesta reparlicao o seu titulo
de inspector de saiide do porto desta provincia,
para lhe ser entregue depois de pagos os dtreilos
devidos.
Sr. eonselheiro director gera di o^truec pu-
blica.
Geotif Hornera Rodrigues de Soxa. Dse
nenrfqueto Amella de Mertezes Lyr.Informe
t Sr. conselhoro director geral da ioatroccao pu-
blica.
Jos da Costa Reg Lima. Remeitjdo ao Sr.
commandante do presidio de Fernando par mandar
passar a cortidao requerida, nao havendo iiconve
niehft.
Jos> Felipjw Nery da Silva.Iofjrme e 9r. ins-
pecpir da thOMurarfa de fazada.
Jos Morera da Sitia. faform o Sr; inspector
da thesourari'i de fazenda.
Landulino (fe Lea Freir Informe o Sr. ins-
pector da thesdUTaia provincial.
forma o Sr. insptor d thenou#aria provincial.
Ladislao Beptaibde iaero* ladeferido por
depender do governo imperial a providencia que
requer.
Manoel Caetano dq Paz. Ao Sr. inspector da
Ihasouraria provincial para informar.
Maria Francisca da Conceicao.Com informacito
do commandante do presidio Ser attendlda.
Manoel Fipueira de Faria 4 Frtlws. Ao Sr
inspector da thesouraria provincial com a portara
desta- dala.
Sidronio Lidio de Oliveira Magaihaes.Informe
o Sr. Inspector da thesouraria provincial.
Reparti?3o da polica.
2* sec.go.Secretaria da polica de Pcrnanibu-
o, 13 de Janeiro de 1870.
N. 66. lllm. ,e Exm. Sr. Levo ao conheci
ment le V. Exc. que, segundo consta das part-
cipacocs recebidas n'esta reparlicao, foram hon-
lem recolhidos casa de deteucao os seguales iu-
divduiH :
A' ordem do Dr. dijlegudo desta captol, Luc-
cas, escravo de Sebastiao Lopes Guimaraes. por
briga.
A' ordem d subdelegado do Recife, Laura, es-
crava de D. Etelvina Fjprisbella da Silva, a requo-
n ment desta.
A' odem do do Perc, Vicente Gomes de Bar-
ros, por crime de furto.
Em aflojo 'test* data parkcipa me n subdele-
gado do districto de Jahoato que bontcm, em um
rancho silnado entre os etigeuh )s Velho e Spc-
corro d'aquelle districto, fallecer um iadivhino
i|ue no dia anterior havia perooitado all com
um menor do idade de 7 anuos mais ou menos
que apenas teve sciencia desse hato, dirigio-se a
aquel le rancho e fez proceder a~ competenle vis
loria, em esuilado da qual veriAcou que a mor-
te.fra natural ; depois do ijue mandou inhumar
o oada*er. Que interrogando ao menor sobra te-
melbante assumpto devlarou ello que o mor lo
era seu pai e chamava-so *moel Domingos, mo-
rador no lugar Torto do termo de Santo An-
tao, donde vinha para o Uecife com o lim de
conseguir ser admitiido no hespiul Pedro.li,-para
contra o hnpeMo o partid} Umeo. k frente deste
grupo, que se denomina mimrtxajar, aoha.se o
esejiptnr Di Jaan Garlo Gomes, e sSe seos repre-
feneatti nfaTiprensa d> Mootovideo o^ ara. Ra-
I2!r2Lr1edact0res dB S***'- ^'SDnificandaao nnrSo
ai o. iiteressw do Brasil, e coasnleraado o
oettfeledineato bancario oeste brasileiro. eonw o
mcipal :as!rn-nenU> da oassa poltica, no Rio dn
Frata. eaienden aqn-lle grupo qne para desarmar
o apeno bastava destruir o Maneo Maua. Nesta
conrkyao faraiaram os coiuervadorm o seu plano
deiNtaJtoa, xercendo Una prassio virieBU pela
improns* sobre o animo vacila uto da presiataM,
ar honasio do que hbil adreinistraderr chega-
!;"OBter medidas flnaueeira radieaes, asrigna-
jwc cunhn da injusiica e da imprevidbncia de
que vinbwn revistidas.
Ao grito de guerra obaixo o airto firgndo.
mirigaram ted-w us l.aneos que linbam oinissao a
techar as sua porta-, o a entrar era urna liqui-
dai-ao rniOtadialn. .Vuma praca do tanto gyro
mercantil, dhtto i de Montevideo,, e onde todo o
meio enrlame era papel, semerhanto liquiOBoo
era o sigan! dn banearroV) gera, Nem mesmo o
estado poda exHnir-s a ola, ou antes era o pri-
niciro a faze-la -K porqmnlo iinha suas amas va-
zias, o devia a algnns destos beos sommas m
portantes (ftie-nao poma p*gar.
Nesses das de aRnnau etn m o pnico era
geral, houvtrcoinpteta parftrvsacio m> commerrio.
O papal bancario depreciava-se- rpidamente, a
medida ene u agio do oun> suba, seui que par
i-so ello apparecesse com mais abundancia. Qaem
tmha ataam deposite nosbancos apressava-se are
tira-lo, mas- os tirulos de urieira, realisaveis em
prazos Ci.'rtos, garantin- desloa depsitos e em-
prego nrltinit Melles nao podain da mesma ter-
ina er convertidos em niinierario, o que obrigav
os banqueiros a fedwr as portas, emquanto o po-
vo, exa8aeradu pela deseoiirtaiici, aitribuia o soe-
cesso- ioavitavel a eaasas puniveis.
O governo reconlieceu entfw qne linha caminha-
do de mais, e que era pmaMtl rotroceder. No-
raaio desta campletaTonfusio atipareciam as mais-
disparatada j proposH^esconio salvalerio da crise,
e ja nitiguem atinava com o remedio. A aspira-
cao geral, e por certa muto digna, era acabar
com o rgimen do pupel-moeda, que se la turnan-
do per manen le na repblica. X:ula, porvm, st ii-
nha preparado para ehegar a este desidertum, e
um fado econmico desta ordem nao se opera de
improviso, por Ato, entre a o|>iniao extrema, d'a-
quelies que ajueriam-a cOnverfio iimuediala, e de
turbacao externa aflligio a repblica, que mame
ve dwinte o anno com todas as naedes cultas asi
maf> amigaves rrtacfes. Com o Brasit conHmia
eHa a permanecer flel alliada e se os fados que
se deram com o banco Mhn pnderam por um mo-
mento faier duv,dar do sua lealflnde, o procedi-
mento nfterior do governo dissipou todas asus-
peitas,' e tonda a fortfeeer os lacos qne- nos
ligam.
Nao se vencem em um anno preconceitos ve^
Ihos, nom prevencoes de rae, exaltadas, por cal-
culo. E' eonsoladbr. porm, registrar qne estes
senrtmeiKos perniciosos vao-se abrahdando potha
a ponen, e transformando seo em uma franca
atmzade, pelb menos em urna sincera reconcp-
hacao.
A Confederafao Alrgeatina. vasta scena para
tran*osos wpectacnlos, no anno que acaba de
decorrer prosegoio na sna obra de reconstrnecao
nacional, sempre adiantada pela perjeveranca e
energa de um partido patritico que aspira a
constituir um grande naca >, respetada e feliz,
oade hoje so debaten) os interesses rivaes de pe-
queos estados independeotes. atrasados e po-
bres.
A trela immensa e de deflcil realizacao, mas
por isso mesma gmrosa e ineitonte. O enthnsias-
mo ardento de Wtre, a aecao reAectirta de Sar-
miento, a influencia rresistivel dos Gutirrez e
onlros j( rualistas, e ns trabalhos permanentes de
umn plyade de hemeiw notaveis que se secundara
admiiavehtiHnlie na imorensa, nos meeffngs e na
tribuna, vio preparando o terreno em que ha de
fructificar a arvore colossal sob cuja sombra os
Argentinos se nao do eunir nra dia, movidos por
um so Densamente.
A irovincia de Buenos-Ayres certaraente o
ponto da confederacao onde o sent monto de bsir-
rismo parece mais vivo e mais intolerante. Ah a
amtonomkt .una bandejra de partido que tem nu-
merosos soldados, e qae serve de sigoal de com-
bate as Unas eleiloraes. Nanea se toca nesta cor-
da sensrvcl dos portento*, sem que ella vibre so-
nora, e foi anda sob a impresao dos seas mgi-
cos sons que D. Emilio Castro se elevou cadeira
de governador no principio do anno.
K', porm, no proprio toco de vitalidade deste
prioclpi estril, que a propaganda nacionalista
travou a peleja cora m;is ardor. Bacnos-Ayres,
capital dajirovincia do mesmo nome, que tao
ciosa de seus foros, e capitel tarabem da confede-
racao, n5'> somenie a mais opulenta cidade do
Kio da Prala, o imporio mercantil de um exlenso
ili-
das
a
asperezas..
Assim anainou a tcmpuslade Anauceira, que
ameaijava Cantos interesses, e a boiianca foi pouco
a pouco iravndo a tranqnllidade, restaurando a
cuulianca e reanimando o commercio.
CoHitudo, una cnninocao poltica tamliem ba-
viannpido nVeie 4esla desontem econotuiea.
tratarse de gravs enTerinidadas que ha milite-; O partido dominante, quo so havia upido eemo
sofTria ; que sua ine era m<-rta e que tinha dons
irmos e duas irmaes, todos menores, os quaes
haviam Acado no citado lagar Torto. Que em
vista de toes declaracoes tomava sob seu cuidado
o referido menor, que diz chamar-se Joao, at
que seja reclamado por pessoa de sua familia.
Deus guardo a V. Exclllm. o Exm. Sr. se-
nador Frederico de Alenla e Albuquerque, pre-
sidente da provincia. O chefe de policia. Luiz
Antonio Fernandet Pinheiro.
INTEKIOR.
DESPACHOS DA PRESIDENCIA DA PROVINCIA
l2 DE JANEIRO.
DO DIA
Padre Antonio Domingues de VasconceHos Ara-
gao.informe o Sr. iaspector da thesouraria pro-
vincial.
Fulden Brotbers.A presidencia nunca estpu-
lou o preco pelo qual a empresa devia fornecer
illuminacao a gazaos particulares : os- o tivesse
feto cominelteria am excesso de auloridade injus-
tiflcavel, visto como nao pode o governa era typo-
these algutna dispar da fortnni dos mesmos o art.
II do regulamento de 22 de agosto de 1859, que
os snpplicantes citam, determina cora eAeito que
os einprezarios nao poderao exigir dos particulares
inaior paga do que nove res por p cubico de gz,
mas a presidencia dispondo por id modo nao fez
mais do qae interpretar a condicao sexta do con-
trato de 26 de abril de IS'iO inlini, onde se Axa o
mximo do preco parque deve ser fornecido gaz
ahs niesmos particulares. Entre porm a Axaca i
do mximo do preco a a estipularan della ha ama
irameosa dilTerenca. Quanto ao que se acha dis-
posto ao supracqdo artigo do regulamento, rela-
lativamente a alteraca do preco na hypothese de
menor deallade de gaz para prefazer a laz da
dttnsldadc exigida no contrato, anda interpre-
tacaodo mximo d> pre^>. Eutendant-se pois os
snpplicantes se lhe:- aprover, com os particulares,
estlpalern cora elles c preco porque teem de Ihes
forneefer gac. asslra como sobre o padrao moneta-
rio a presidencia nada tem qae ver a este res-
p.-ito, salvo o caso de exigirem prego mais elevado
do que aquello porque fornec 'm uaz a illuminaca
publica. Quanto porm illuminacao dos edifi-
etes' pnbllcbs porlndaes a presidencia vai ex-
pedir "as conveoienfos ordens para que
toante saja faite do era avante a vista
taonetario,
FranceHdio Ferretra Crespo.Informo o Srflns-
pector da thesouraria de fazenda.
; Francisco Auguito de Abnada.Informe o Sr.
juspector da thesouraria de fazenda.
Francisco Manoel Bezersa de Vasconeellos.
ldfrirrrtB-o 9r. coUenielro director geral interino da
lfc4fWecid pdolica
Feippe Maena;Gudo'd'FoBcc:a. Informe o
RIO DE .3 \M.3lO
KETROSPEOTO POI.ITIOO DO ASNO DE 1869
Hepublieas platinas
Nao foi s o velho mundo que, durinte o anuo
que se acaba de sumir no passaJo, se agitou pre-
oceupado na resolucao dos graves problemas so-
ciaes que nos progoostica o futuro. A America
do _Sul pagou seu trbulo a este estado de inque-
tacao. signal visivel do presente em todo o mundo
civilisado, que parece presratir urna destas crises
solemnes que alterao profundamente as condicoes
da huraamdade.
O auno surgir as repblicas platinas, das
quaes ora nos occapamos, Iluminado pelo clai ao
ladiante das victorias que os alliados acabavain de
arrebatar s legioes paraguayas, nos baluartes de
Angostura e de Villeta. Estas victorias foram sau-
dadas as duas mergens do Prata, com inmenso
jubilo, e consideradas com) precursoras da paz,
que todos almejavam, depois de urna luta too pro-
I mgada. O lempo veio destruir esta formosa as-
peranfi, e mostrar que fora infundada a* crenca
de que tinha sido enio disparado o ultimo tiro
de canino nessa privilegiada regiio. Eneerra-se
o anno, portante, legando a mesma aspiracao, c a
mesma crenca.
Na Europa os povns esto educados para a li-
berdade, mas snpiram debalde pda forma das insti-
tuicoes democrticas ; nastas repblicas e stem
as instituicoes livres, porm nao sao comprehen-
didas, nem apreciadas pela populacao anda rude,
que supporia todas as tyrannias em nome de utn
principio que tanto se luz a itnaginacao. A civi-
lisacao, caminhando da cidade para a campanga
vai lentamente operando una transformacao com-
pleta nesta sitaagao deploravel, mas seus trium-
phos sao apena* perceptiveis, e lhe assignalam um
longo estadio atnda a percorrer para completar a
sua grande obra.
De vez era qando o elomento brbaro reage,
levauta a cabera, revela a sua terca, e obriga o |
elemento civilisador a transigir com as suas exi-
gencias para salvar 3 sociedade de urna crise e de
urna luta. A moral condemna esta fraqueza, mas
a poltica a acceita como urna suprema imposi-
can da aetaaliilade. Os homens mais eminentes
das duas repblicas, distinctas pela sua iilustracao
e pela pratica de governar, raconhecem que nao ha
outro raeio de conduxi las felicidade, e realisar
as instluicoes livres quo adoptaratn. 1" esta a
historia anda do perodo caja revista neste mo-
mento fazeraos.
Dous importantes successos oceuparam atirante
elle a vida do E-tad) Oriental. Um, a crise ban-
caria, abalou profundamente a fortuna pubhoa,
abateu o crdito e alterou extraordinariamente a
un s homem, ao da aziago era que cahio ao
golpe de tratcoeiros assassiuos, o general' Flores,
seu digno chafe, logo que dissipou o recro do urna
raacau, que este ousado enme levantara,, princi-
piou a dilacerar-se e.a partirse em grupos, nao
movidos por u.iu idea poltica quaiquer. mas por
urna sympathia possool.
Entre oa membros do ministerio, um havia que
se tinha apoderado do manejo do quasi Pidos os
negocios pblicos. Mais hbil o mais activo, sua
influencia predominnva em todas as deliberadles, o
que causava ciume aos seus amigos da vuspera
que Iraduziaiu todos os seus actos como prepara-
torios para apoderar-se d-i mando supremo da re-
publira na prxima eleicao. Fallamos de D. Jos
Candido Btisiamante.
O general Caraoalln p iz-se a teta do m-ivimen-
to revolucionario, omiienhando-su em reunir sob
sna Dandeira todos os cheles cotnpanlieiros d-> ge
Doral Flores, que amlavam taubem- descontentes
por verom a parle que esuvam tomando na ad-
ininistracao os conservadores. O proprio ministra
da guerra D. Goyo Suartz deinittQjse e fui-so uuir-
se aquello caudilbo. ,
O presidente dn repblica deberou immedia-
lauenie sabir para a campanha, frente dos pou-
cos soldados de que disnunha, e emquanto organi -
aya os elementos militares para repellr e ven-
cer a revoluco, d5o se descuidou igualmente de
empregar medidas conciliadoras para desarma-la.
De parte a parte houre t'bezi nos inovimeates, e
por algum tempo pareceu indeciso o resultado
desta nova lucia civil. Por Am declarou-se pela
orden* e pela legaldade o celebrecaudilho do Mer-
cedes D. Mximo Prez, o pesando sua espada na
batanea do governo, Caraballo julgou prudente
aceitar o aecordo que por ni' o daquella chefe e
com sua garanta lhe oflereccu o presidente, que
pude entilo voitar sua capital.
Pela primeira vez presenciou o Estado Oriental
urna lucia civil, em que nao hou -e dcrraraamenlo
de sangue nem persegutcdes, o que falla mudo ern
abono de sua progressiva civilisacao. O ministro
do governo, cuja influencia j era temida, conso-
lidon-a anda mais eom este desfecho favoravel.
Seas adversirios mais ardente-, porm, nao cur-
varam a serviz. e perseguiram na iinprensa em
uina opposicao desabrida, tao desabrida que elle
tambera lancou-se lora da le, e exerceu urna ver
iladeira dictadura por algunsdas, deportando ci-
dadaM dstinetos sem motivo fundado, atacandb a
iinpransa. e pralicando outra* violencias attenta-
torias das liberdades publicase da constituicaw).
A sua defeza era que tinha descoberte rana coas
(iiraco, na qual entravain de coinfoinacao os blan
eos e os conservadores, ntonstruosdade poltica
que nao era possivel admiuir-se.
Observou-se enio da parte da commissao per-
manente do corpo legislativo, do supre.no tribunal
e juslica, e da junta econmica e admmstrr.fiva.
um procedimento altamente honroso para estas
elevadas corporaces do estado. Todas ellas, em
urna linguagem digna e severa advertan) ao po-
der executvo que eslava (ora da rbita de suas
attribuicoes, e que nada justilicava seus actos
extraordinarios.
A con-equeacia dessa intervengan respeilavel
nao se deixou esperar. O poder executivo dasc.ul-
pou-se com a suprema necessidaito de salvar a
repblica dos funestos elleilos da revoluco, cu-
jos Aos assegurava ter em mi, mas nao obstante
recuou, e permittio que vottaasem patria os ci-
dados que haviam sido della expulsos. A irapria-
sa opposicionista nem um instante moditicou sua
rttiguagan violenta. Ao contrario, cada dia ella se
mo-tiava mais vehemente, e por rada redactor
situaco ecomica do paiz. Ou-.ro, a revoluco de
Cu-aballo, indcou que o pattigio dosvcacdilivis se
vai quebrantando, e que nao passa j do departa-
manto ern que tales exereem o seu predominio, que era experriado, surgan, dus ou tres, dispos-
Os chefes, que sabiam magnelisar toda a campa- a soffrer a mesma pena.
nha, e que exercam urna afluencia vendadora- f Ne-to situacao abrio-se o pleito eleitoral, do qoal
depenwa futura eleicao presidencial. O-ministro
mente nacional, acabaran, no general Fi
perfeito do gaucho crvsado seeipre lea
franco, sempre generoso.
A crise bancarla, provocada por raedidas im-
prudentes, que aggravarara o .nal, o rsplenda
par odios politices ioconfessaveis, fui o aeonteci-
mento mais grave na xistaneia da pequma repu
blica, e comproaottea nao s a fortuna de naejo-
naes. ame a de estrangeroshoorados, que tinham
conflanca na bea T do goverao oriental, sem se
lembrarem que a fraqueza dalle era una cir-
oamstaoda qae podara influir muito em suas da-
isSes.
Ha um grupo do partida calorado fortaado pe-
la gente mais Ilustrada daquelle lado poltico, que
maatm contra o Braad uasa prsvengao tradicio-
nal, tal vez maisrviva do que a que tatuben. alimenta
do governo quo era si concentra toda a saminis-
Iracao como ja dissomos, enipenhou- na Inta todoi
os recursos de sua psito e do soas sympathias.
e, apezar da fnsis de algnns clubs que estovara
desamdos, consoguio vence-la. Est, perianto, pre-
parado o terreno para a sna.olevacio ao supremo
peder. O presidente Battie, que desde o principio
de sua administrado o torneu para companheiro,
de forma algunia admitte a possibiltaade de sepa-
nar-se dalle.
Nasoondcoes actuaos da Repblica Oriental
destooa-se conseguintemente o coronel Bustoraaf
te como a saa hluencia mais legitima, e Deus
queira qne ello a exerca para desenvotviaento mo-
ral e progresso nuierial de sua bella patria.
Fra destas dHseosoes intestinas udnaotat per-
progresso para urna extensa re-
glao, que olla ilumina moralmente. A victoria nes-
te cau^n de baialha ser a esplendida conquista
de urna idea fecunda, que immortahsar a gera-
cao que a alcancar, depois de engrandece-la. Por
isso ahi tarabem ella disputada cmn mai- vigor,
renosando-se os lidadores constantemente, para
nao haver inierrupco na justa.
A quesio da transferencia da capital para ou-
tra localdade e>t em trogoas, depois qtie o pre-
sidente interpoz seu voto execurao da le que a
transferia para,o Rosario. Esta cidade, na espe
ranea de hospedar um da o governo nacional, e
de assumir assim urna importancia que anda ho-
je nao tem, embelleza-so com magnificas ras,
formosos edificios, e com outros esplendores da
civilisacao. Seu pt/rto, um dos melhores diro
Paran, esto suspirando pela anaunciada mudan-
ca para rivalisar com o de Buenos-Ayres que, de-
pois de ter permanecido pir tantos anos abando-
nado natureza, disperto repentinamente reques-
tado pelo governo nacional e pelo governo provin-
cial, disputando ambos a competencia de doto lo
cora os inellioramentos que a arto offerece para
tonla-lo seguro, comm ido e profundo.
Nesta terreno deu-se anda no anno urna acc,ao
reunida entre o principio autonomista o O princi-
pio nacionalista, vendse este ubrigado por lim
a ceder d sto vez. E' ama derrota, porm, intei
ramente nominal; porqaanto o essencial_para a
prosperidade do paiz era que o melhoramente se
executosse, e nao fieasse adiado por uina di-cus-
-o interminavel. Nesta parte os estadistas argen-
tinos deram pro va de um grande tino poltico ; re-
velar-se homens praticos, que nao sacrificara a
urna idea o bem do seu paiz, anda que ella seja
respeilavel.
Esta mesma questio de transferencia da cap-
tal assim apprazada outro odelo de bom senso
Na aclualidade, cora os germens de independencia
que se notara na provincia de Buenos-Ayres, pi-
deria elle ser o ponto de di corda, c a orgein de
um conflicto fatal para a nacionalidade argentina.
Os lacos da confederacao estao anda mu frou-
xos para que se possa considerar |*rduravel o ac
tual estado de cousas. A educaco poltica das
diversas provincias faz se lentamente. A instrac-
cao do novo deffleiente; os hbitos rudes e os
deveres e direitos de cidadac de urna repblica de-
mcrata .pouco apreciados Nestas condicoes a
base de todo o poder residindo no snfTragio, o sys-
tema representativo Ac completamente falseado.
O caudilho influente e rico que demina na provin-
cia eU-ge-se governador, e forma a adminstracio
cora creaturas suas. Da mesma sorte con-titue o
corpo legislativo. Se nao tem adversarios, igual-
mente fortes, conclue o seu periodo legal, mas
nem por isso dcixa de ser o governador de facto.
Transfoima se em commandante geral das tercas
de provincia, e poe na cadeira de primeiro magis-
trado um seu preposto, que, passado o intervallo
constitucional. Ule transfere intacto o poder, que
assim se eternisa em suas rnios. Se1, porm, lia
outrajnfluencia que dfspfle de ama parte impor-
tante da provincia, e que lhe dispute a preceden-
cia, entu trava-se urna luta selvagera, que envolve
todo o paiz em urna deploravel anarchia, e destre
todos os lacos sociaes.
O g> verno nacional devo ver todos estes acon-
tecrmentOs cora indilTarenQa. Su intervencao as
provincias indebila, e ellas, ciosas de um fdro
bto importante, condemnam sempre a administra-
0n que, esqaecendose do dogma constitucional,
pretende por om dique a males que ellas raesmas
depioram. Diante do caudilho assim montado na
constituico, este poder central reconhece-se fraco
t impotente. E' necessario le va-lo com prudencia,
procurar convnc-lo por raelo de um commissa-
rio nacional, que, se encontrt um elemento forte
de apoio, o prirWro a revolucionar a provincia,
mas se nota n-n espirito contrario na populacao
tambem o primeiro a sanecionar com a sua pre-
senca os rigores do ehefe afortunado.
Com Tima orgpnisaio semelhanto nao admira
que apparecam certas anomalas, que de longe
parecem inexplieaveis quem nao atiende a este
lue'ehanismo politleo. Quem nao re recorda anda
flas nterpretac5es vehementes que retumbaram no
senado argentino por causa do fuzilaitwnto de Sa-
pra, om S Luiz,-por ordem do general Arredon-
do, commissario do governo nacional ?
Este infeliz tinha sido preso em um mo viniente
revolucionario contra o governador daquella pro-
vincia, e, sujeito a tuna commissao militar, foro
incompetente para julga-lo, tai condemn,.do e tegO
executado. Sote.a presidencia de Sarmiente, re-
publicano austero e ilhistrado, este assasslnato ja-
ridico horrorison tota a sociedade. Para justifi-
ca-lo, o governodnwluu antigs leis hespsnbdas,
qae dizia estorem anda em vigor, porque nao ha-
viam sido derogadas t Qaatudo na propria Hespa-
nbaaltos acabavau de ser eobdenraada*pela opi-
niaaTp>aVa, era singular que emuina.de suas co-
lonias emancipada ha uieio secuto, s-sob o domi-
nio do iosjituicees. democrticas, surecerresse ao
seu uso. Mure, e oatros oradores distiortos, pw-
nigaram o acto, o pro varara que elle se pratica
pela fraqaeza do governo, que nao ooeava ooa-
demnar o seu commissario, obefe de prestiaio no
interior.
Logo em seguida susejtoa-se noooograsso outro
deaate Importante acerca da faculdade do governo
para interv.r as pro viadas. O ministerio desaja-
va nma lei oue ampliasse esta faculdade e per-
mitlisse a adinini eavorrer-se as questoes
politieas das provincias, iadependenta mesmo de
roqusteao dellas. A opposicao entendeu ao con-
trario, irae devia restringir-Ibe a accai., drtxando
aos esMos confederados ttecattrem seus negocios
a vontaae. Depois de uiim Jieeossio animada-esta
import'wiissima qoestao M adiada, nao sem soflrer
primeira o projecto do governo ama derroto na
votacao. Foram os dous focto polticos cauilaes
do anno.
Houve era certo lempo recete de uraa retroluco
promovida pelo general Tabeada, para depor o ei-
dadao que Boje governa a einfederacao, e qae ai
empregando todos os seus estorens para ser lid a
seu mandato. Felizmente estes sosa se vio di-
sipando, e ludo parece indicar qne a aova magis-
tratura pnwnchero seu periodo legal, como a an-
terior, facto-benfico que prova resaeito da. le e
amor das nutitoicdes, dous elementos de felicidade
para quaiquer povo.
Emquanto a agitoipo poltica de ootras oras se
modifica assim, lodo o enlliapasme e enerva da.
raca vi.il quecmreca a dirigir a>sociedhde se con-
centra nos meihorainentos moraes' e materii.es dl>
pahr. As escolas continuara a multiplicar se, a<
e-tradas d da* para o aogmcatsm d> extenso,a
deserto desappareee diante da invasao do nuui-
granie, a iiidostria prospera e o commerrio realisa
grandes riquezas.
Um-escnplor eslraageiro reuni os actos do pre-
sidente Sarmiento era sua por ora curta aduiiais-
tracaoj.e este inventario prora iierfeitameeft- quaa-
to cima dissemos : a pacificado de Corrlea-
tes; 5", protecejk) mais eflleaz as fronteiras con-
tra os iudlus; >. organisacao do censo da rep-
blica ; 4*. oxposicao do Cordava -r 5, tiegr:quo
para o Chile (contrato); 6", numerosas asedasaas
provincias; 7; organisacao do servico postal ; ",
telegrapho para Cordova ; i, projecto de navga-
cuo dn Verme!* e Salado ; W, iradas e poles
as provincia* centraes; II-, crdito pobli-co n*.
gamsado no interior e no exterior ; fi2>,-Rnaiieas
equilibradas paga regularmente as tropas ; W,
subsidio de 159,600 patacoc- para memrame
do porto do Buenos-Ayres; H, Bnhas telrgrapr-
cas para Corrientes ; !&, observatorio em Ornee*
va ; 18, cdigo civil Sarsneld; !7>, lei de nado-
nahdade; 18, tratados cora hila e com B >)via
19, rediiccaow direilos deexportac*); 2o*, or-
ganisacao do institnto tle engenharia civil; 21-,
subsidio para fabricas de tecleos e nutras indus-
trias; 2*>, camnho dejun argentino de leste
23, caes e camrabo de (WKi do Paran ; 2t, de-
marcacao dos limites das rronteiras de varia- pro-
vincias.
0 estado da divida e da renda publica avali-se
no seguinia quadi'o, que official:
Bonds nacionaes. 6 Vo 11,740,705 patacoes
Di'o dito com 2 '/-. amorti -
zacao 5,2t8,24.'i
Divida estrangefra 2,08o!o42
Eraprestiam Hiestra 12,201,600
Bonds provinciaes, de 6 /. 744.000
Ditos de 9 % 1.473,600
Emprestmo a Buenos-Ayres
(-854) 9,635,360 .
Total em patacos
Direitos de importarn
Ditos deesportacao'
Sellos, ete.
40.14.1.303
1867
8.713,074
2,535,629
791,684
1868
9,660.506
2,2l,38fi
554,234
Total 15,0405287 i2,496,i5fi
Estes algarismos prestam-se a serios estudos
comparativos, e desenbam Aalmente a siluacao ti-
nauceira do segundo estado da America do Sul.
Neste momento dnas festas preoecupam os Ar-
gentinos : a volta triumphal do valenle exer< ito
que combateu no Paraguay, e a preparacao da
duas exposcoes universaes, ama em Bueno--Ay-
res, e outra em Cord iva. A primeira o pajra-
mento de urna divida de gratido aos bravos que
long da patria, e, sacrificndo-se por ella, nao s
vingaram a sua honra, como tarabem coneorre-
ram para sus prosperidade ; a segunda a con-
sagraeao do trabalho, a luta da intellgenri;., a
conquista do progresso. Neste certamen indus-
trial os dous focos de dvili-acite da Confederacao
Argentina, um encostado .s monlanhas que a se-
parara do Pacifico, outro banbado pelas aguas que
a soparan, do resto do mirado, indicara bem cla-
ramente as suas aspiracoes no porvir. E* uina
revolugao econmica que so opera ao- nossos olhos,
e que prova nao terem sido esteris os esforros
generosos dos estadistas que teem governado nos
ltimos annos esta varonil nacionalidade, que pas-
so a passo, mas sem desanimar ante os obstcu-
los que encontra em sua marcha, procura realisar
os brilhantes destinos que lhe estao reservados
ncsie continente.
Alguns espirites inquietos, deslumhrados por
urna f'ai-a grandeza, sonham de vez em quaudo
om a reconstruecodoantigo vico reinado, e lan-
cam olhos cobi^osos sobre o Paraguay, hoje red-
zido a um montan de ruinas, e sobre o Estado
Oriental, a joia mais preciosa do Bio da Prala. Os
tu men- pensadores, porm, devem ver os perigos
que jazem no fundo deste plano funesto.
as suas relacdes inieroacionaes a eonfederaca
manteve a mesma cordalidde com nueat agora
tem sabido cultiva-las, captando a estima e respri-
to das oulras naciies do globo. I^omnosco a sna
poltica foi de adiado e amigo. Praza aos cos quo
o mesmo espirito presida no fulnre s delbcr..roVs
dos g vernos dos dous paizes unidos, sempre qiut
ma missao civilisadora e generosa lnos acenar
com o incentivo da gloria e do progresso da bu-
minidade.
DIARIO D PERnflMBUCQ
RBGJFE, 15 DE JANEIRO DE 1870.
Noticias dos Estados-Unidos e
do para.
Hnnten. cliegou o vapor americano North-Aae-
rica, procedente de New-York e Para, trazend
datas daqudle at 24 do passado, e desle at 81
do corre Me.
BSTAD^WIDOS.
A cmara do commercio deNew-York, m>
proposito de erguer a mariaha a vapor dos Esta-
dos-Unidos, da decadencia emque cahio, voten
no da 2 de dezembro diversas resolncoes reconi-
uiendandn ao congresso a adopcao de varias me-
didas tendentes a nao prodazir este resultad; A
*uppressL> dos direitos sobre o ferro em pregado
na eonstrnrcao de navios, sobre os propros na-
vios, e o pagamento de premios aos constructores.
aclmin-se no numero dellas.
, O departamento do thesouro nnblicod, nessa.
mesma data, o balancete da divida publica, coua
urna nova diminuifao de oio milhdes de aollarsj
na somera total da passini
AMAZOKAS.
A provincia continua va a goaar de socogo.
Diz o Amazonas fu corriam, na capd^

1
r



A8U I*ario de ^o"*8"*1108 **" Sbfbbado 15 de Janetro de Wfl>.

oalos assustadores sobre ama invasao-ealaogeira
pelo to Branco.
Lomos do Comi de Manos
< Havendo noticia de haver sido astas* uin
reaatao/negociante ambulante) en Taspessasii,
jara all fez seguir S. Exc. o Sr. residente, de
aecordo com o Dr. chafe de polica, o Br. de egado
Gawcc de Figneirede em ama lancha a^W), que
tsbMrou at Jaraqui trazendo preso Pedro (romos
nVem recahem snspeitas de ser nutor do tacto
Ignoni-'e a ftama, pos Gomen enofessa ter
centrado ha don measa, algumas tondas ali-
ndas praia, o que servio de deniMMM do facto,
sor ser Gomes hornera miseravel e de dia para a
oite apparecer veodendo mercadorias.
A polica proeegue em averiguare.
Acaba de cbngar do Madeira por de orne trazendo 1S:388 arroba de borracha, oOl
ditas de sebo, 971 ditas de quina, Mfltas de pei-
ne, 124 couros de boi, 7 1/2 caadas de oleo e 21
jdqueires de ca-tanha. f
E" urna companha que muto promeUea pro-
vincia. *
De cartas .recebidas do Crato, extractamos
estas noticias: .
No dia 21 de novembro prximo passado,
olas 3 horas da urde, cabio um raio sobre a
-casa do Sr Miguel Ignacio Tenorio, onde-seaelu-
**m reunidas urnas cincoenta e tantas pessoas.
O raio caho sobre a ponU de um varao de ferro a
U Mimos de distancia de urna mesa onde se acba
Tam diversas pessoas, passoa urna travessa e
madeira, e rorapendo urna parede desceu por um
^,. deste ao chao, onde se sumi. Com tanu
Wicidade, que ninguem foi fulminado pelo raio, ti-
do, n-rm, todas as pessoas estupefactas com
estampido, que s depois de alguns momentos
eonheceram ser um raio.
No comeen do mesmo mez de novembro, os
sdvagen* Parintintins assassinarara a Boxadas a
4ou- .odios que servir de Jos Rezende de Mo-
tos haviam ido ao no Machados buscar farinha.
a fez desse rio foi qae os elvagens mataram os
**?SNK' militar de Santo Antonio haviam p-
parecido as rebres intermitientes, mas sem carcter
Durante o mez de novembro prximo passado
descerara da Bolivia duas erabareacoes tnpoladas
por 38 pes>oas, trazendo 652 arrobas de quina e
30 couros ie gado vaccum seceos.
Para a Bnlivia subi urna canoa levando 11
- messoas, um piano e tres camas de ferro.
PARA.
_ O -vapor MaSeira trouxo da provincia do
Amazonas utn importante carregaraento de 14.207
-arroba* de hnrraeha. .
A alfandega da capital rendeu no mez de
4ecembrn 511:0062095.
A directora da praca do commereio, que
deve servir no anno de 1870, comp8e-se dos Srs.:
Augusto Eduardo daCo ta prest lente; Dmu un-
iere viee-dito; Antonio Dionisio Pereira de Car-
valho e Jos Ayres Watrin, secretarios; Septimu
rocklehiirsl, thesoureiro; Agostmho Jos de A
meida. Dr. Barrean, Frederico Pond, e Joao Gual-
terio da Costa, e Cunha, adjunctos.
PERMMBUCO.
REVISTA DIARIA.
FESTIV1DADE RELIGIOSA.Amanhaa ter lu
gar, coui a.pompa j annuneiada, a fesU da Se-
ntara da Ciiceica<. na -apella da estrada de Joao
de Barro-, p>egwdo ao Evangelho o Rvm. Dr. Pe-
Jinea. e ao Te Deum o pregador da capella impe-
rial Fr. Joaquim do Espirito Santo, e boje a imite
Jlevd. Ainaral, que pela primeira vez oceupa a
tribuna sagrada.
ESTRADA DE FERRO PARA LIMOEIRO Fin-
dase no dia 4 do crrente o prazo par* o reee-
biinenio de prop-sta* para a con-trueeio de urna
Iwba f-rrea entre acidado do Rente a villa de
Limoero, com ramaes para Nazareth e Vrinna,
pausando palo Casanga, S. Lmreoco da Halla,
Pao d'Albo e Tracunhaem.
ILLL'UISACO A' -iAZ. -Termina h- .je o prazo
oara o recebinento de prop islas para a illumm i-
J-ie. g.r. das cidades de Oliuda, Goyanna e rtio
Fonn so.
ESCOLA NORMAL.-Comeca hoje a matricula
neste esialHit-iiiiento publico de instrueea.
FREGUIZU DA BOA-VHT V-Acha se no ex-
" crciei., le j.iiz do paz do 3 di*irieto da fregue/.ia
da.a-Yi-!a, io Rorife, o Sr. capiUo Jos Perei-
ra Teixeira; sendo suas audiencias nos das sex.
a-feira de taila semana.
TUiELLlfXATO.No impedimento do Sr. Dr.
Teivi "ln, est servinlo interinamente as
faocx-coes de tatiellio de nulas uesla eidale, por
e4tteai,-i servcnoaiio uiterino Jos Carlos de S.
BETRO6PECT0 POLTICO.-Chamamos a at-
aeneii d is lailn para a Mbriea humor, onde
raiiM-rcveiniis hoje a parte do retrospeeto poltico
do ano. di^ 1869, relatii s Repblicas Platinas,
do Jornal do Commercio da corte.
AYA PANA. 0 Sr. ThradnM Christiansen aca-
ba de recctur de Bordeaux, dos afamados fabri
antes HilJebrandt & C.. U'iia renessa de um no-
t,. Hrr ex rahido da planta Aya Pam, i|ue
on ideralo cuno rival do licor da i.harireine.
tanto no >afcor, com no aroma e quali ladea esto
maraes. Kecoinmendamo-lo aos apreciadores do
que bnm.
SOCIEDADE BENEFICENTE DEZE^ETE DE
JANEIRO. Procede, no dia 1? do Torrente, casa
a 41 da ra da Cada do Recife, 2 andar, a re
anio, em assembla peral, por convite d< seu
artual presidente, segundo e deprehende do an
nunrio no competente lugar publicado, los mem
%r.s da mesma, alim de se proceder a eleicao da
nova directora, alm de uniros a>sumptos concer-
nenies mesma sociedade.
GABINETE PORTCGEZ l)E LF.ITURA.-Co.no
se v .lo annuncio que em nutro lugar vat pulili-
-chdii tm Oe reunir-se amanha em assembla
arral os socios effeclivos do Gabinete Porluguez
de Lailau, alim de elegrem o c.mselh > delibera
tivo que deva funecionar no correle anno.
MORTE CASUALNo dia 12 do crtente falle-
eeu repeniinanienie Manoel Oomingues, morador
no lugar Torio do termo de Sanio Anto, que dah
vinha aconipanhado por um filho menor, com o
li* de ver se era admittido ao hospital Pedro II.
para se tratar de amigos padeoimenlos.
LOTERA.A que se acha venda a 134a, a
eneflcio da igreja de Nossa Seahora do Amparo
de Olala, que corre no di 21.
PASSAGEIROS.Sabiram para o sul no vapor
americano Nortk Amrica :
Dr Gimes Colaca, Joa Dommgues de Ohveira,
lar. Tristi) de Alencar Aranpe, Augusto Bien,
Joao Crancber.
CEMITERiO PUBLICO.-Omnario do da 14 de
,aMrgarida,Pernambueo, 36annos, solteira, Boa-
-Vistt; amoleciraento cerebral.
Francisco, Pernambueo, 6 mezes, Boa-Visu;,
^Pauia Maria de Gova Santo, Pernambueo, 26
onnos-Poco ; tubrculos pulmonares.
Manoel,"Pernambueo, 20 mezes, Santo Antonio ;
ritizenlera. .
Francisca Romana das Chagaa, Pernansbuco,
48 amios, Recife; molestia no interior.
Felicia Mana do Sacramento, Pernambueo, 75
annos, Aflbgados ; anazarca.
resultou que fossem eleim membroa-a a*n>l)^-'
previncial-os Drs. MaieelArthar 'dellollanda ta-
valcanle de VAIbuquerfue com 258 votos ; Frao-
risco Teixeira de S, 433 ; Francisco'-L^^^H
deGusmiy^b-j, 225; gnacio Joaqan-lem
Leo, 180 JSManoel a Bego Barros de Sosia
Leo, 179 ; Miguel *e de Almeida Pernamnuco
Fiiho, r73; Feliape-de Figueira Faria, 170;
Antonio Oomingues Pmto Jnior, 4t>7 : Jos Nico
iao-Tolentino de Gacvalho, i6i. JJtfJinaila una e
outra apnraco, e leitan' as respectivas acta, a
cmara as assigna, e detefmma jne, tiradas as
epias recommendaas pela le, se expe^am os
plomas aos eleitos. r
Lea-so ainlaoaeguinte
bxpbmshte : "
Um oficio do Esa, presidente da provincia, de
tt do correte, declarando que na mestn data
recoanmendra an efcefe uterino da reparetoa>
ooaes pjblicaa, qne provideacie-em brefm_a
flm de ser satisfe>to o que. pede a cmara no oill
eio que Ihe dirigi em lo do m-.srao sobn. 9,
com relacao a planta do bairro da Boa.Visto.,
Inteirada.
Outro do mesmo, de J3 do corrate, transmit-
tndo por copia o ofBcio do Dr. chefe de polica
sob n. 1,724, recommenda a cmara que mande
proceder aos reparos a quo allude o subdelegado
da freguezia de S. Ie?, no offlcio Umbem por co-
pia, na casa que serve de quartel a guarda da
Hibeira da mesma .freguezia.Que se responda a |
S. Exc que quanto aos concerios da casa, a ca
mar vai providenciar para qrfe ejain Coitos, e
quanto aos fornecimentos que sao reclamados pelo
subdelegado sempre tem sido feitos por outra re
particao.
Outro da cmara municipal da villa do Brejo,
aecusando a recopcao do que Ihe foi dirigido,
communicando ter presta lo juramento e lomado
posse da administraco da provincia o Esm Sr.
senador Frederico de Almeida e Albuquerque;
Inteirada.
Outro do engenheiro cordeador, informando so
bre o requerimento do Dr. Francisco de Assis de
Oliveira Maclel, declara que nada lem que oppor
& pretencao do supplicante.Concedeu-se.
Outro do mesmo, informando sobre o requeri-
mento de Isabel de Firas Gunnaraes, d z que na<
ha Inconveniente no que pede a supplicante.
Concedeu-se.
Outro do mesmo, informando sobre o requeri-
mento de Th tmaz de Garvalho Soares Brandao So
brinho, arrematante dos reparos' da casa do ma
ladouro publico, tem a dizer que o supplicante es-
t oo caso de recebor a Hltima prestacao de seu
contrato, visto como as obras podem ser rocebi
das definitivamente.Mandou-se pagar.
Outro do memo, informando sobre o que pede
cm seu requerimento o engenheiro Joaqun Pires
Carnero Monteiro, arrematante do muro e repa-
ros da estrada da Cabanga, tem a dizer que as
ditas obras anda na e^tao concluidas, visto que
falla ab?hular o aterro, assim como reparar os
taludes e pl ntar gramma a margem.Que satis-
faca a exigencia do eugenheiro quanto ao abahu
lamento da estrada, e quanto a gramma que tem
de plantar a margem, flea espacado o praso para
esse servico.
Oulro do mesmo, informando o requerimento
de Antonio Duirto de Figucirdo, cumpre-lhe di-
zer que a casa amito baixa, s tem 14 palmo-
de altura, mas como as obras que o supplicaiit-
pretende fazer sempre melh iram a frente, parece-
Iho que se pode conceder. Concedeu-se.
Qulro do mesmo, informando o requerimento
do engenheiro J pedindo o pagamento da primeira prestacao di
seu contrato, declara que o supplicante tem direi-
to ao jue requer, visto j haver execqlado met-
de das obras.Man loa-se pagar.
O Sr. Souza Magalhae* apresentou o seguinte
requerimento: Requeiro que esta Illma. cma-
ra no relatorio que lem de apreseutar a ascemhla
provincial, peca a creaco de um ajudan'e de fis-
cal para a freguezia de S. Jos, por ser de urgen-
te necessidade que se fiscaiisem diariamente os
acougues, praca da farinha, ribeira do peixe, e
mercados pblicos afm de nao sea este defrauda-
do, por tsso que > fl*cal por si s nao pode bem
cumprir os shus deveres em toda freguozia, sendo
dito ajudante revestido das inesmas ohrigacoe<
das do fiscal.Requeiro igualmente que sa pee
lambein o augmento de mais quitro guardas fis-
caes, visto que os existentes sao insuficientes pa-
ra o servico de que eslo enearrgados. Pac da
cmara municipal, 28 de dezemhro de 1369.
Flix Frunciici d? Souzu Muyltes. Posto em
Uiscusso, f. sol ve o se quo fosse remettdo a cora-
missio de polica.
Despaelaram-se as peticSes de Antonio Duaite
de Figneirilo & C, Antonio Q intmo Galhard r,
AiistulesDuirte Carneiro da Cunlia Gama, baro
la Soledade, companhia dos trilhos urbanos de
Olinda, Domingos Alfonso Ferreira, Heleodoro Deo
datn da Paz. Franciscn Jos Arantes, Francisco de
Assis de Oliveira Maciel. o engenheiro Joaq'Hin
Pires Carnero Monteiro (2), Jos Joaquim Ribei-
ro, Joao Lonel, Joaquim Almagem Odilon Duarte,
Joaquiii Pereira de Smza, Joo Baptisla dos San-
tos, Joao Vicenta Ventura, Jos Jacintho Pavo.
junta admiiiisirativa da Santa Casa de Misericor-
dia, Jos Mariano de Albuquerque, Joo Ferreira
L-Mireiro, Manoel Jo Marques da Silva, Manoel
Pinto de Carvalho. Manoel Joaquim Das A Irma >,
Manoel Monteiro da Cunha. Manoel Fructuozo da
Silva, Pedro Amerie.o da Gama Duarte, Ramos**
Amoriin. Satyro Serafim da Silva. Ttiomaz de Car-
valho Soares Brandao Sobnnh i, e levantou-se a
sessao.
Eu Francisco Canuto da Boa-Viagm, secretario
a subscrevi.
Ignacio Joaquim de Souza Leao, pro-presidente.
Jos Maria Freir Gameiro. -Ignacio Pessi da
Silva.Dr. Prxedes Gomes de Souza Pitanga.
Flix Francisco de Souza MagaUuies.Uanoel de
Barros Brrelo.
PUBCACOES A PEDIDO.
Ao publico.
CMARA MUNICIPAL
SE3S0 EXTRAORDINARIA AOS 29 DE DEZEM-
BHO DE 1869.
|>BESaBNeiA DO S.R. DB. S0WZA LeXo.
Presentes os Srs. Dr. Barros Barreto, Dr. Pi-
langa, Dr. Hoscoso. Souza Magallifu-s e Ignaco
Pessa, faltando cora causa os mais senliores,
ahri-se a s^sio, e foi lida e approvada a acia da
antecedente .
Devend> proceder-se hoje, valo que nao loram
procedidas nos dias marcados, por falta de nume-
ro, oo s a apuradlo geral de votos para um de-
patad > assembla geral legi-lativa pelo primeiro
Astricta desta provincia, como a a;>urac!o geral
pira.*,nove memhros a.sembla peoviocjal pelo
nesmo dstricUi, achando-se sobre a mesa os offl-
toa ciuilendo as actas das eteieoes bitas nos col-
legios desta cidade e do Pao do Albo, que com-
poem o tneaciondo districlo. para o primeiro>e os
segundos, esundo esaes officios fachados e intec
o, e, posteriorm nte abertos. passou a cmara a
fazsr, d> conf'irmidade com o que estabeleee o
art. 23 do decreto n. 2,021 de 22 de agosto de
1850,- a primeira apuracJo, a qual dea era resul-
tado ter sifl^ eleito depuudo a wsJinbla eral,
o Dr. Antonio Joaquim de Harte* e Silva com
dnzeutos e quartnU e um votos.Terminada esu
apuraco, paisou a proceder, na misma coqfor-
tmifo da
primeira, a segujxh, e conelmndo-a,
No Liberal a. 35 se registra um artigo firmado
pelo padre Antonio Goncalves da Silva, digna
uro luceo de seu autor.
Neste artigo em que o padre se retrata a fundo
vejo meu pobre, o une aliado ao poste da maledi-
cencia, entregue a diff unacao nos factos que allu-
de, cuja verdade calculadamente sj deturpa.
A multo desee o houiem quando o domnam
paixoes igaobeis I
A ma f com que o padre se anauncia ; o des-
pert e odio que deixa ver em seu esenpto sua
Imguagem balda, losja que so recente das reras
mais triviaes de syotaxe, me despensaria de quaes-
quer resonla, se nao flie corresse o dever de
justQcar meus actos, e restituir a verdade aos
factos.
Sim, se o estylo o boraem, tem o padre assas
provado o que e quanto vale.
Sabem todos quanto tenbo goffrido de um ini-
migo mulo geuerMO que me segu iraplacavel.
Espirito mo que Do roe perdede vista, frtil en
inacbinacoes, no intuito de me perder no conceilo
publico, me fazer passar como irapossvel enf eu
henelicio. apurar emlim a paciencia de sua vic-
tima al ver na earreira do crime, o que nao
conseguir pe- cerlo tenho f era Daos.
Ohomem forte aquello que sabe soffrer. Eupois
sabere soCfrer resignado e firme na tranquilida-
de de minna consciencia, com o riso nos labios e
o perdao no roracao. Saberei soffrer mudo e
silencioso, anda que se dosencadeem todos es
elementos contra minba Inste uuraanidade, sabe-
rei ser furte.
Sem mesmo agora viria ao jornal, se oo ap-
parecesse na estacada um vulto a quera >vo cor-
tejar o Sr. padre Antonio que em publico es-
pectculo representa um duplo papel dyacolo
do miuha honra, o subscriptor, no-sentir de inul-
tos, de um artigo que nao seu. que aiguem
disputa as honras de autor. Vergohba I Nao
quero precintar meu juio, apenas digo o que
vejo, islo a firma do padre e um complexo de
asneiras que nada honrara seu autor ; mostrara
sim sua ignoran-i.. supiua, o despeito e o odio
quo o cga. Dolactor oficioso de seu irmao na
Ihe sabe o rubor as laces pelo ridiculo papel a
que se pre,sta, meltendo-se na fila das vis rafei-
ras que no Liberal eontra mim ladrara, onde p-r
sua vez vem tambera o padre dizer : amem. Mi
zeria I
E Unto mais miseravel, em urna opaca que a
igreja se v aballada em seus fundamentos ; al-
tacada em seus dogmas, perseguida em seus mi-
nistros at o Supremo pastor, que geme eotre o
vestybulo e o altar : poca m que o libertino
pega da pedra para cora fervorferir ao sacerdote,
a quem laxa de ignorante elfclapso.....nesu
poca, digo, vem o padre dar de seu punho auten-
tico documento de sua ign iraneia '. Quebra o
lo da earidade, da uoidade que us prende, e
torna-se o escndalo de seus irmos, a fabniafo
din. a o escarneo de qaantos u leem i
Veja o publico. t
% Lxbtrai n. 32 t estoapa tim doinneatu ,'-
ficoso do padfe, em -ajoe detroim -Manean
prelado, que o 4espreMi'n Simine^ porm opa-
dre raivoso {ai, das rtlha da ira lj rea^e contt
juizo superior mirando aen publico o uome dSr.
hispo, pondo assim eaduvida seu t-jlo pastnraL
Como obediente t
No mesmo jornal seregistra umlibello fanVwo
subscripto tambem por *ra prente do padre, e em
casa deste como sabido. Nada tenbo a respon-
der a esse qaadam, porfue nada se ntende cnmi-,
go. Sou bem eonhneWo, raerc 4e Deus, e lou-
vo-me no jnizo publico. 3 Omn me pode eabef
aquillo que nm raicndor apnfcooadci escrerra,1
sob a aspjracao do orttmal qna) presente tinna...
mutotis mttondis. Sabio Ca) retrae-
No Caiarof n. 33, bem O'.p, tirmar com sua vnz esfarrapada,
quanto se !a dito de mim, e dar a ultima de mao
a esst ano infernal de quenalou sendo vieuma
sem rarib, sem graca. Que excellente earaeter !
Para aqpe.Hes que de perto conhecem o padre
sabem perfeitamente, que efle nao moeda cor-
reo. .. mas pnra o*-que de longe apenas meaena
seu volume, suas palavras podem produzir algum
eff-ito : nao Ihe devo pois voltar as costes.
Principiara pela fesU, a decantada frsta que
m itivou esse barnlho todo, e desaflofl asirs do
padre contra mim. .
Sempre que a -mandade do Santissimo Sacra-
menloTera de cumprir o onus de seu compromis-
so de fater urna festa ao Senhor em dia certo, tem
transferido e>le dia para o 1 de novembro, que
pelo rito bem se harmonisa com a s lemnidade
pretendida. Neste auno sem mais consulte da ir-
mandade, padre manea a festa para a dominga
ultima de ootubrode *a cora a cor verde.
Avisado nao fiz especie do da, pos que bem
longe esteva de pensar um proposito deliberado
no padre, incumbido lambeta de talar o rilo; e
nem ignorancia, viste como o vejo com umacas
de rubricisu, sempre eom questes de folinha in-
culcando-se um outro ioo Serrano : assim pres-
tei na f do padre meH asseatimento.
No dia 27 viho ao conhecimento da inconve-
niencia do dia, e da difflculdade emque me achava
para cantar a missa, sao tendo ornamentos da cor
do dia a matriz, nem onde os ir ver.e logoqua-
tro das antes da festafiz aviso ao padre, alim de
que, ou lirasse licenca do ordinario para substi-
tuir a cor, ou espacasse a festa para o da afgjun-
te, dia do eosturae, que assim fieariam resolvidas
todas as diffleuldades, sem o menor dispendio e
nem inconveniente.
Este aviso fra dado ante pessoas,- e nao na ves-
pera como cavilosamente diz o padre : na vespera
mandei sim, urna sinopse do direilJ em que rae
fundava. qne nem ao menos o padre a quiz ler,
dando igual resposta ou faf.-se a festa no da de-
signado, ou nao se far. Que fatuidade I
Falln alio o capricho o padre, como bem se
comprehende desta fiel exaosleao, que provar pas-
so, se preciso fr. E mas alto anda fallou, quan-
do de rainha parle Ihe p'adira o Sr. padre Franklin
alim de demorar a festa para o seguinte da, e f
ra desattendido. Desde niao comprehenli o laco
grosseiro qno me arma'a o padre, no intuito de
me c ilher em urna rede de intrigas, ou abrir longo
espaco as columnas do Liberal para censuras acri
moniosas. Tomei medidas serias para conjurar n
mal, como efectivamente cenjurei, sem quebra
de minan dignidaJe, sem desgo>tos com a irman-
dade. Resta agora a padre o redieulo de seu pa-
pel. Bom proveito : nao Ihe inveio o gosto !
So nao te offendi para que me feres? Se te of-
rend irostra-me ao sacerdote, nico competente
para mis compor, n>s resnonsahilisar: nunca vir
em publico escandilisar assim /
Padre, padre V. Rv-na. nao medio o abysmo que
eavou !.. Q liz sujar minha batina rasgou a sua.
e manchn a de todos. Entre nos asedda um juiz
que nos juigar severoo publico. Tenho T em
Deus que o frrete ignominioso, que quizestes im-
orimir em minha fronio mentiroso e mal disen-
te ir ferrar a viwsa, e l lloara o indelevol estig-
ma de vossa fraqneza.
A queslo de direto.
Qualqner sacrista ou donato sabe qu o sacer-
dote deve observar reslricte as rubricas do mis-
-al, e que os vigarios nao podem inverter o rilo
prescripto pela igreja em sua liturgia. Ahi eolia
as bulas de Po V Clem. VIH e rb. VIII trans-
criptas no missal, e bem assim decreto da S.
cmgr. dos ritos : Demun... mandal sacra con-
gregan* in mnibus, el per omnia servari rubri
cas missas romaai, non obstanle qno cumque
pretexta, et contraria consuela mi/, u*m abusum
esse dedarat.
Esta doutrina em hese crrente entre .es ru-
brinstas, que apenas exoptaain uara aifijuersa-.
Ja cor, o nico caso do celebrar para cum|.nr
com o preceito de ouvlr missa nos dias que sao
taes : Monte T. 2 p. 242. as soleninnla les,
quando as causas que a de.terii.mam Sao taes,
comopublica cansa da igreja, utilidade publica,
e concenso de povo imo devoto espera ver a testa
v. g. de seu padroeiro, ento tem ajgreja preve-
nido estas tiyi.oilieses coin as missas votivas, ou
more votivas pro re grave., tem lugar a inver-
sa do rito do dia. Porem, mesmo neste caso
deve ser ouvido o prelado, nico competente para
apreciar as causas quando ha lempo : quando
nao ha usa o vigario entao da epiclia, que b"in
rondada presumpcio da licenca do superior eui
caso* taes. Tal 'a praxe Ueste bispado.
J se v pnis que o vigario caresse desse direto,
dejare proprio uaople inverier o rito, apena
em raso- extraordinarios. Nem pode aproveitar
os exeinplos que cila o padre das MU de S. Mi
uel e Panana redas no Recife, por quanto foram
feitai de licenca do Sr. bispo, circunstancias que
cavilosamente occulta o padre, para chamar BSSBfl
o odioso contra aiim. Q e boa f.
Tambem se v. quo qualquer solemmdade, em-
bora con e.xposicao e sermao nao .joiistitue re
graveRes graves en est, per qitam convenit totus
cterus cun Epi-copo : ec. de 19 de marco de
1607.Duarte dos Santos no sea thesouro p. 69
n. 6.
Ora, nao pdenlo 0 vigario ioverler o rito como
este demonstrado, nem mesmo quando as solemni-
dades sitio as condi(;oes de re grave sem licen-
ca do bispo sempre que ha lempo, claro que
regularmente, e bem fundado ine negara a cantar
a missa da resta em" questo. Tanto mais regu-
lar quanto lioiive lempo, para sa pedir licenca, a
que se negara o padre, cumprimio-ine logo fazer
resucitar a autoridade de meo superior quando
mesmo onhecesse estar a tal resta as condicoes
de re grate, do que nem ao menos a menor som-
bra disto tenha.
A festa I Falla nella o padre com a bocea la
cheia dear, como se fallara da fe-la de S. Pedro
em Boma, entretanto nao passa ella de urna fejti
nua teita em desempenho de um dever da irman-
dade, que nem sempre, nem regularmente a faz ;
sem concurrencia, ecomo quepas-a inapercebida.
Neste anno ga-lou a irmandade a enorme verba de
130* !ll
Bastam estes ligeiros traeos para comprehender
o puolico a regularidade de meu aclo, e a sem
razio do meu antagonista padre em suppor ma
vontade minha. Ma vonlade, odio, furor tem o
padre a mim como bem o provou em seu escrip-
ia, em o qual chega at a rebaixar seu estado.
Erga-se meu padre desse abysmo de miserias I
Um padre, como diz Madrolle, sempre um ho-
ineiudeb-in. Nao teinaf pelo seu conceilo que
nao o quero disputar, antes zelar. Se o tem em
bases solidas serei o primeiro a curvar rae rev
rente se assim infciizmeole nao quem presu-
me ter aquillo que nao lera, qual phantasma que
vagueia : qual estatua que sonbara Nab-ico, vai
por ierra ao menor sapro. Nao serei eu quem
pegue da pedra para Ihe atirar, nao: o padr.-
mesm quem vero indecente e lelo desde a epigra-
pl.e de *eu escripto Actos de ignominia e de im-
piedadeoperadospelo vigario de Tracunhaem.
Arre ou nao meu padre---- V. Rvma. quera
sabe fazer essas artes sem respetar ao pu-
blico !
Quem nao v no escripto do padre o caso pen-
sado, o firme proposito de me ferir a esm)?
Quando retirava-se o povo em ter origosijo
sUioei festa, era de esperar quo o padre viesse dis-
cutir o direto quando mulo. Porm, que I....
vem todo furias daeclaroar sem geito contra meu
zelo no deseinpeB.0 de meo mni'Oerio, e
mesmo to infeliz anda, coitado que f
tne argir me exalta e qirendo ate -Tiannar tras
sa de seu pnnbo san fienten^a condemnateim Ve-
jamos.
Sim, se voltam meninos por baplisar em mas ne
semana, p r nao ester en em casa, certamente I
o padre que eu sou um ajarla lalmriosn, i|ne na >
me poupo ao servico; nao rae doixo estar a um
canto da sacristia.qual jarra votba.ca-'oetitae b quda
como o padre, quenaoquer trahatharna yinha, **
julgando urna entioade neutra na igreja. Fallam
alioineiis servieos as differntes erises, v g., no
cholera ; crise em (jue o padre se identificara >m
nifjpapote sem ao meii ndk. Quantis Bonfesson'f Se o padre est mM-
yre em ca^a. como e sabid >,e acasohega U'O l'r'
valo para ser baptiaado, ni> me adiando na ma-
irin pjrque o padre nao -e inflainina na earidade.
e ni) vai baptkar, aflm de nao mttfer o que *>
vil eom esiaodaiosd dia 19 do andante,estando en
em una enterro qnotro leguas distante da matriz, e
o padre prajMte, como mero espectador ?.... Egi-
ce pmwm traben de oculo tm.
So deata natureza as aecnsa}6e8 qne me sao
leitas, meras deelamagoes sob a esfarrapada capa
donotorio.
Sao Cactos alheios de mim. petauanto se este ou
queile caso raramente se ha dado, bem compre-
hende e-DOblico, que omitas deveres pesara sobre
o vi|ra>ia,J|ue absolutaanente ao pode arnem dee
estar em um lugar ponto, sim naquelle onde se fu
precisa-ana presenta.
Entretanto, que piedade, qne telo nao mostra o
oadre ter aos fiis, princinaimeBte no presente jn>
bilee kv-in diflcil distinguir-so a verdadeira da
falsa piedade : e>sa cavilosa, aquella tem raizes
na 0 padmoo conressou urna pessoa em quan-
to celebradlos o jubileu em commum neMa matriz:
logo... Vou citar suas textuaes palavras : As
preces ltimamente mandadas pelo Supremo Pas-
tor, e qae consistera em todo se confessarera,
(bravosl) e commungarera, e vistarem as igrejas
p;ira ganbarem o jubileu, elle as fez em sua ma-,
fiz (e essal) por espaco de oito dias somente
Suando por todos sabido que ellas duram at
ncerrar-se o concilio ecumnico, (at dia de juizo)
oque todos os parochos continuara neste santo
servico at segunda ordem. Que tirada de as-
neiras lf!
mianetaa,iferragens, armamento, espatetas; a P-
rente Viaana & C.
40 ca xas e 4 brris timas, vidros e ferragenr;
a Jos Antonio Moreira Dins. .
3 la'tros de carvo de pedra, 2(9 jigos batatas.
400 narras de ferro, 275 caixas. 800Trasqueiras e
13.1 barris genebra-; ao consignatario.
4 caixas chapeos, 11 ditas vinho; a Christiani
Irmao. ^ *SB"
- 1 dita vidios; a Alber Henschel & a
3 ditas ateo, Wscoutos e chonricas; a'Jos
Francisco de Paula Ramo.
20 barcia nregos : a Samuel Power Joknston
de C.
dECEJiflDORIA DB RENDAS IRRHNAC GE-
RAES DE PERNAMBCO.
4>naimentododia3al3. 16.1M556
dem do dia l't.......
jaldo Recife
(le po d 86* Pereira Si-
idom. pro-prsident'
dos SantosThomez de Aqtoo Fonceca.
-Dr. J-.aqo.ta Jos de Miranda GusUvo
Jos do Reg.Dr. Prxedes Guara de
Sfjajna Pitaaoa__* "<*
Appro'.
oambaco,
Gooforme.
16:972*740
CONSULADO PB0V1NCAL
^ndimeato do dia 3 a 13.
dem do dia 14
86:792*894
2:560*745
89:373*639
Tapai padres, tapsi vossos nucidos
O sobre vsso irmao soltai gemidos.
Quem ab menos nao sabe o que sejam preces, e
por ellas entende confissao, eommanho, visita de
igreja: quem diz que o pontfice mandou preces,
e ignora que ellas l estao formuladas no Ritual
desde Clemente X : quem emflm quer que o po-
bre vigario leve o resto de seus dias no ora pro i o-
b da titania, tem carros' de razao para chamar
a attencao do prelado contra mim. So eu nao te-
nbo razao de pedir ao Sr. bispo alim de que o
mande para o seminario aprender alguma cousa,
alim de nao andar envergonhando sens irmos,
dando-se em publico espectculo.
Tenho respondido e votto ao silencio de meu
retiro, a cuidar nos deveres inherentes ao meu mi-
nisterio.
Tracunhaem, 20 de deznmbro de 1869.
O vigario Basilio Goncalves dd Luz.
Ifrerno de Per-
B868.Assis.
i Jacome Pires.
de Pe mam-
faz pnblco, que
nao aeceitoii
COMMERCIO.
rRACA DO HEC1PE 14 DE JANEIRO
DE 1870.
.S 3 1/2 HORAS OA TARDB
Assucar bruto americano 3/ e 3*050 por 15
kil. (hentera).
Dito dito dito3*150 por 15 kil. (hoje).
Algooode Maxei l'sorte1*096 por kil. posto
a bordo, frete de 3|8 e 5 OjO (hontem).
Algodo de Pernambueo i* sorte1*007 por kil.
(hoje).
Cambio sobre o Rio de Janeiro7 d>v. l|4 0(0 de
descont.
Goncalto Jos Affonso,
Presidente.
Mcsquita Jnior,
Secretario.
MOVIMENTO DO PORTO.
Navios entrados no di" 14.
Terra-Nova29 dias, escuna ingleza Ocean Bride,
de 132 toneladas, capitn John Popham, equi-
pagem 7, carga 2,400 barricas com bacalho ;
a D. C & C Simpson & C.
Terra-Nova29 dias, escuna ingleza Susan Vitte-
ry, de 140 toneladas, capitao George Col, aqu-,
pagem 7, carga 2,122 barricas com bacallao ; a
Jobnston Pater 4 C
Bahia21 dias, palacho ingW Sydney Jane, de 177
toneladas, capitio A. Robert, equipagem 7, car-
ga 1.890 barricas com farinha de trigo ; a Hen-
ry Fnrster & C.
New-York por S. Thomaz e Para22 das, send i
do ultimo porto 6 das, vapor americano North
America, de 2,000 toneladas, commandante Slo-
enn, equipagem 68, carga differenles gneros ;
a Henry Forster & C.
Navios saludos no mesmo dia.
AracatyHiato brasileiro Novo Intencivel, capto
Vieente Ferreira da Costa, carga ditTerenles g-
neros. _
BaltimorePatacho americano Echo, capitao Terht-
me, carga assucar.
Rio de Janeiro e BahiaVapor. americano AforA
America, commandante Slocun, carga a mesma
que trouxe dos portes do norte.
Qbservacao.
Suspendeu do lamaro para o Cear o brigue
hespanhol Salvador, capitao Demingos Saranaga,
com o mesmo lastro que trouxe de Buenos-Aires.
ECITAES.
Of
ENGLTSH BANR
Rio de /aneiro Limited
Deseo ita lettras da praca taxa a con-
^encionar.
Recebe dinheiro em conta correte e a
jraso fixo.
Saca vista ou a prago sobre as cidades
jrlncipaes da Europa, tem correspondente
a Babia. Buenus-Ayres, Moutevido. New
i New-Orleans, e emitte cartas de crdito,
jara os mesmos lugares.
RA DO COMMERCIO N. 3t>-
Sociedade bancaria
era com inaudita
Theodoro Siman $ C,
Compran e vendem por conta pro
>ria mjjtaes, moedas nacionaes, e estran-
.'iras, letras de cambio, sedulas do go
-erno e do banco do Bsas.il.
Descontam letras da trra e outros ti
tilos commerciaes.
Encarregam-se por conta albeia das mes-
nas transaccoes, da cobranca de letras da
erra e de outros ttulos commerciaes.
Receb rn quaerquer quamias em depo-
rto, em cunta corrate, e a prazo lixo.
Largo do Pelouriario n. 7
Caixa Filial do Banco do Brasil
A caixa filial di aoo do Brasil em Per-
nambueo em li juidicao paga o 32 dividen-
do las aeces po baoco ao Brasrt inscnp'as
resta caixa, a razio de 9 LFANDEGa.
tendimento de da 3 a 13 300797 sOGO
fdem do dia li ... 73:506*321
374:3034:181
IIOVISaNTO DA ALFANDEGA
oiumes entrados cora fazendas
dem idem cora gneros 241
olumos sahidos cora fazendas 240
fdem idem cora genero? 940
241
1180
Oescarregaro hoje 15 de Janeiro.
Brigue ingle. Crimeiamercadorias.
"alacho dunamarque Katie merca d> rias.'
Patacho americano Jonh Fremonidem.
Hiate inglnzFredon idem.
Barca inglezaLavinabacalho.
Brigue inglnzDora idem.
Escuna inglezaOvan Brede idem.
Patacho inglezSedney Janefarinha de trigo.
Importa cao
- Escuna hollandeza hi.nzr, vinda de Ham-
burgo consignada a Domingos Alves Matheus, ma-
nifestou:
52 Darris alcalrao, 5 ditos cerveja, 5 caixas mo-
vis ; a Rabe Scbmettau & C.
8 ditas miudczas e ferragens; a D. P. Wild.
4 ditas louca; a Duarte, Pereirv4'C.
2 ditas chaiios ; a Vaz 4 Leal.
6 dita* lavatorios e machinsmo ; a A. D. Car-
neiro Vianna.
1 dita movis; a Joao Ramns.
7 ditas phnsphoros e sperraacetti; a Joao Ja-
nuario Pinto de Azevedo.
101 ditas sperraacetti; a Franciseo Alves Mon-
teiro Jnior.
20 ditas phnsphoros; a Jos M. Palmeira.
i dita aguthas ; a Antonio Lopes Rodrigues.
t dita porcelana ; a Estevan da Cunha Medeiros.
1 dita chai eos ; a Arminio & C.
1 dita papel; a Rocha, Lima & Guiraaraes.
210 ditas spermacetti, 40 ditas vidros, 2 ditas
marroquins, 20 ditas papel, 400 fardos papel de
einbrullio, 15 barris ceada ; a Theodoro Just.
3 ditas e 33 barris drogas; a Malurino Barroso
de Mello.
3 fardos e 4 caixas objectos para lvthographia ;
a F. H. Cirh.
10 caixas phosphoros, 2 ditas conservas; a Isi-
doro, Bastos c C.
10 ditas ditos ; a Boorgard & Faria.
200 ditas spermacetti. 100 trasqueiras genebra;
iup iuprendOi a A. L. de Oliveira Azevedo & C.
6 ditat dita; a J. M. da Rosa & Filhos.
ta miudezas; a J. Je Almeida & C.
4 Ana ndros; a Marques 4 Ferreira.
86 dilns ditos e drogas; a ordem.
I dita miudezas ; a Costa Irmos & c.
5 ditas ditas; a Domingos T*rxeira Bastos.
8 ditas ditas e espoletas, 400 barras de ferro; a
loaqnim Antonio de Aranjo & C.
5i eaixas, 9 barris e 2 farJos barbante, miude-
zas, erragens, vidro?, papel, lonca, livros e dro-
gas ; a Guo Bohres & G. '
13 voluntes conservas alimenticias; a Maternoz
Lenz.
3 ditos drogas % A. Caore.
S caixas canella, 200 ditas genebra; a Fonceca
A Santos. M i
m Tardos- papel le brulho; a Luiz Jos da
C'ta Amoriai.
Ji catjtts, 7 /ardos a 1 barril lecidos de slgodito,
A cmara municipal desta cidade faz pu
bli-o para conhecimento de seus municipes
o regnlamento abaixo transcripto, que se
acha em vigor para a cobranca do imposto
de aferico.
Paco da cmara municipal do Becife, ii
de Janeiro de 1870.
Ignacio Joaquim de Souza Leo.
Po-presidente.
Francitco Canuto da Boa-viagem,
Secretario.
Reguldmento para as afericBcs de bataneas,
pesos e medidas do municipio do Recife,
p?ln novo systema mtrico decimal. '
Todos os aimazens, deposi os, casas de
negocio, estabelecimentos de industria de
qaiquer naiureza que sejam, lixos ou vo-
lantes, mde se compre e "venaa em grosso
e a retalho, mircadorias na gneros solidos
ou lquidos, que seja necessario pesar ou
medir. serO o!)rigados a ter colleccoes
completas de pesos e medirlas, segundo a
natoreza de seu commercio, na forma do
parirSo do imperio.
Todas as pessoas ass.m ohrigadas a ter
bataneas, pesos e medidas, pagaro a afe-
rico da maneira "guile :
Art. 1. Por cada metro pag^r5o os lo-
gistas M, os mascates e boceteiras l.
An. 2.e Por cada terno de peso, enme-
lando de 20 kilogrommos at a menor peso
45, por temo; comecando th 10 kilogram-
mos, 9360 por terno : comecando de ">
kilo(>rammos ift.
Os que excederetn a 20 kilogrammos pa-
garn 40 rs. por kilogrammo,
Pesos pulsos pagar3o 80 rs. por kilo-
grammo ; menos de 20 kilogrammos para
cima que pagar5o 40 rs.
Art. 3. Cada marco que nao exceder de
rneio kilogrammo pigar 80 rs., os que ex-
eeiliTr-m pagarn 40 rs.
B,ilanca< portuguezas, qoe nao excede-
retn a 8 kilogrammos, pagaro 500 rs. ; as
que fsrem de inaior capai-idade e menor de
O kil gramm ilerem de 20 kilogrammos pagaro 25.
Balancas para marcos e granitarios paga-
ro 320 rs.
As romanas e decimaes com pesos at
300 kilogrammos pagaro 65, e as que ex-
cederem pagaro ii'5
Art. 4.o A colleco de medidas para sec-
eos, com oito vasilhas, comecando lelo de-
calitro meio de i-litro, pagaro 1(5(500.
Por collecco de cinco vasilhas, comecan-
do pelo duplo-litro at meio deci-1 tro pa-
garo 1* 00.
Art. 5. A collecco de medidas, conten
do seis vasilhas para lquidos, principiando
peh double-litro at meio deci-litro pagar
.5300.
P r um terno de quatro vasilhas,. come-
cando ue meio litro at meio deci litro
I500.
Art. 6.8 As vendas e armazens sao obn-
gados a ter tantos temos, quantas forem as
qualidades de lquidos que veoderem.
Art. 7. As medidas avulsas, quer para
liquido, quer para secco, pagaro 200 rs.
Art, 8. Os que veoderem pelas ras fa-
sendas ou seceos, como azaite. mel, leile,
feijo milho, arroz etc.: pagaro de aferico
por cada medida 32o rs, 6 o mesmo paga-
ro os canoeiros, barcaceiros e navi s que
venderem cal, sal, farinha e outros g-
neros.
Art. 9. Os que venderem lquidos em
barris om an -.oras, sao obligados a aferi-loi
ma-cando no texto de ada um o que pode
conter, e pagaro por cada par de barr"
ou ancoras o qu est estipulado por urna
s vez ao anno 15, at % prxima arrema-
tarlo, ficaado livre da reviso para nova
arremalaco.
Art. 1<>. Porcada regra de dous raeos
pagaro 500 rs. e sao obrigados a mt
parle dellas os mestres do obras, carapi-
nas, pedreiros, cantos, vendedores de raa-
deiras e todos os que por sua profisso
delta possam preosar.
Art. II. As estaces publicas contintia-
ro a pagar as afericSes, bem como as es
iaces da estrada de ferro, e maladouro
publico as balancas de arrobaco
Art.||2. As medidas e pesos sao sujei-
tos Is revisoes, que costar melade: todos
s pesos e me lidas atiendas pela primeira
vez fiain sujeitos mais da metade da afta
riCo proscripta.
Art. 13 As affericoes terSd. comego em
outubro a dezembro, e a reviso de abril
junho ficando porm os acougues obriga-
dos a revern de tres en Ires metes.
,_4* seneao.
bneo, ?i de _,
Pela secre|(|
o Exm. Sr. prC
as proposus apreseotadas pelo engenheiro Manoel
Buarn.ue de Macedo e baeharel Beoto Jos da
Costa Jnior para a coostrueeao de urna airada
de ferro desta cidade a villa do Mmoeiro cora S
raraaes para Nazareth e Vietoa, por exiglrem os
propnnentes garantas de juros-, e nao permittirem
os cofres provinciaes um compromisso dessa or-
dem, nao obstante a autorisaqao para esse flm
concedida pela lei provincial n. 850 de 5 de ju-
nho do anno prximo passado; e puf isso nova-
mente se convida as pessoas que ipiizerem con-
tractar a eoustruccao da referida estrada a apre-
seqtarem ao mesmo Exm. Sr. uo dia 34 de Janeiro
viudouro ao meio dia suas projiostas em carta fe-
cnada, sob as bases e condicSes dechtradaa na lei
abaixo Iraascripta,. : ri
O bario de VUta-BelU, presidnle da prlvincia
de Pernambueo. Paco saber a lodos js sens ha-
bitantes que naasembl legislativa provincial
decretou e eu sanecionei a resolucao segu ite
Art. 1." Pica o presidente da provincia aulor-
sado a 'Xintractar com o Barao do Lvraraenlo, ou
com mera melhorts fjaranlias offerecer, a cons-
truccao de urna estrada de ferro desla cnlade a
villa do Limoeiro, com dous ramaes para Naza-
reth e Victoria, passando pelos povoados Gaxan-
g, S. Lourenco d. Malta, villa do Pao d Albo,
Povoacao de Tracunhaem, sobre as condicoes se-
guinte* .
i.' 0 contrtente obrigar-se-ha a presentar
planos e estndos da estrada no praso de dous an
nos, a contar da data e assignalura do contracto,
g S. O presidente poder fazer iios planos e es-
tudos as alteracdes que julgar convenientes e flxar
a bitola e pe-o dostrilhos, as dimensoea das obra*
d'arte e todas as conJicOes para seguranca e boa
execu^So da estrada e raraaes.
I 3. O presidente p-der fiscalisar a eonstruc-
cao e servico da estrada e ramaes.
i.* A estrada e ramaes serio concluida* a I-
no praso de 4 annos, a contar do comeen das
.*ras, as segundas at 3 annos depois de conclui-
da aquella.
As multas por iofraccao dessa cJausula e a pro-
rogacio dos prasos iHIa estipulados por caso
ianrevistos, serio determinados pe presidente
da provincia. .
Art. 2." Fica o presidente da provincia igual-
mente aulorsado a auxiliar a eoustruccao da U-
nha e ramaes com urna subvengo kilomtrica de
um quarto do valor das obras urca das, ou a con-
ceder a garanta de juros at l % sobre ca~
pita I empregalo.
Art. 3.- Ser concedido ao contratante um pre-
vilegio por 90 annos paia uso e foso da estrada
e tamaes contando-se da conclu-ao das obras na.>
podendo pessoa alguma construir estradas seme-
Ihanie* nesa*\pnao para os mesmi > poon>s, nem
na direr.co dos ramaes e ua zona de 3 legua*
para cada lado das estradas.
Art. 4. A estrada o. ramaes e todo o material
empregalo fleam isentos dos impostes provinciae
e uiuniripaes
Art. b. Fica ni revogadas as disposicoes em con-
traro. ,, ,
MandM por tanto a todas a* autoridades a quem
conhecimento e execugao da presente resoluca-
--------- lao
pertenrnr, que a ciimpram o facaoi cumprir
inteirainente cumo nella se contera.
0 secretario do governo deste provincia a tari
imprimir, publicar e correr.
Palacio do enverno de Pernambueo, aos o de
junho de'18118, quadr.igessimo stimo da inde-
pendencia e d imperio.
L. S.
J5(ii(Jo de Villa Bella
Sellada e publicada a pre*ente re-olueJo oesla
secretaria do governo de Pernambueo, aos 5 de
junho de 1868.
O secretario
Dr. Francisco de Pimo Saltes.
Registrada a folha do livro de leis provinciaes.
Secretaria do governo de Peroambuco, aos ..
de junho de 1868.
O escripturano
Theodoro Jos Cavares.
0 secretario
Or. Joaqwai Correa de Aranjo
Peranlo a cmara municipal do Reeife ueste
cidade estarna em praca nos da* ii, 15 n 19 i.
Janeiro prximo futuro para seren arrematados
por ipiem maior pr;o oihreoer, d inlhns ns. 10,
11, 12 e 13 do a?ougue publico da freiin'/ia de S.
Jos, lado do sul : aqnelle* jue pretenderem ar-
rematar, c imnarecam no naco da mesma cainan.
em os referidos dias, munidos de fiaiuja n.i forma
la lei.
Paco da Minara municipal do Recife, 19 de de-
zembro de 1869.
Ignacio .Irciqmm de Suiza Lean.
Pro-presdeme.
Francisco Canuto da ita-viagein.
Secretario.
rjiGLARACOES.
Pela receliedoria de rendas iuternas geraes
se faz publico que he ueste mas e no (te levereiro
prximo futuro que tem logar o pagamento, sem
multa, boca do cofre da taxa de escravos do ex-
ercicio correala de 18G9 a 1870, eujo* donos ou
administradores innrein as frevuozio* desta ci
dade e as de fora, a saber : Aflogadoe, S. Aman.
de Jaboaia, Mur'jeca, Poco da l'auella, Varsea e
S. Lourenco da Malta; e que Sudo o referido
praso, ser cobrada com a mulla de 6 por cunto
Recebedona de pernambueo 7 de Janeiro de-
1870.
O Administrador,
Manoel Cartuiro O seerelario da escola Normal faz publico
qoe do dia 15 do corrente tm diante >o ncha aber-
la a matricula para o curso da referida e cola.
Secretaria da escola N Wfnal de Penambuco li
de Janeiro de 1870.
O seerelaoio,
Ezequiel Franco do S._______
0 fiscal da freguezia da Boa-Vista, faz scien-
le a quem Interessir possa jue aeha-so deposita-
do desde o lia 18 do mez de dezembro lindo, no
armazem do sal a ra da Confeieao da mesm:i
freguezia duas vacas e urna garrota que foram
encontradas destruino as planlacdcs do siik de
Meuron & C. a ra do Mondego na mesma fregue-
ia; quern se julgar com direito as mesnias noro-
wreca que satisfazendo o desposto do art 16 d'
titulo nono das posturas municipae) de 30 de ju-
nho de 49 Ihe serio entregue?.
Fiscallsacao da freguezia da Boi-vista, em 12
de Janeiro de 1870.
Jeronynv Jos Taares.____
__Pela secretaria da cmara municipal dVata
cidde se faz publico para conheenneot' d> quem
interesar p-rssa. que a mesma cmara d ro et^.
a primeira sessao ordinaria tesa auno m o du
17 do correte, e continuar* no* seguinies
Secretaria ila cmara municipal do Recife IS d>
aneiro de 1870.
O secretario,
Francisco Canuto Relacao dss cartas regi4rda exisMaas na a>smi-
nistracao do torrtb.
Augusto Muniz Machad.), Antonio Ro-r'ras oV
Albnquerijue, Augusto podido Je Atebyte S-
xas, Antonio da Silva Pontes Guimarae:,. Antea*.
de Sonta Bandeira, Antonio Pereira Lr-te, AmlT'-
Avelino Pereira e Sirva (?, Adehid-; &mb d>.
Silveira L-*o. rcente C Alui, Antonio de Sba
Neves, Balenami Antonio Jos* da Cnz,Jtn<
Villa-ftella. Caries Franciseo Soares de IWo. Cae
ian> Xavier Pereira deBrito, fome hr-mttm-
tos Calado. ChristovSo^ flomn Pereira, 1
Aqninn Ponseca. Estevio Cavalranu ay
uue, Franciscn da Silva Reg FrariL.
Raposo de Almeida, Dr. Franrtseo t>Hnm*n x
Silva. Francisco Alves Monteiro Jnniff. r. Dr.
Francisco Muniz Tavares, J?t\njino Joa pii Fio-
ia 1e Oliveira. Joaqoioa !(Uria hwwai'.
Joaqoim JiH de Carvalho .jnrir Tarrjao. Jwa-
qnim Angust' Ferreira Jajoftmn, Jn
Teixeira, Joaquim Josr Ooncahe? BW i
qnlm Porflrw de Aranjo, fr**r* ti Sta Lis*
Jos Franeisco Basto* Orrhn., >* Uyts*t
Pires, padre Jcs Finaeiw Sorges, UizPraaan-

'-

'



m ni
-
-*A
Diario* de Pernarabuco Sabimlo 15 de Janeiro de '1970.
eo ie Mello Tarares, Dr. Lmz Lopes Castello Brin-
co e Silva, Luiz de Souza Monteiro^e Barro*, Mar-
'Uanoftonra I vos da Rocha, Manoel Gomes Viega,
Manoel Mana Ro Irigues do Nascimento, Manoel
do Nasdmeat da C Mart'ifetonia
Aire*, Narciso Pm%<|co TFlili, secretoiia da
directora i rapar^ jpL lambacaao de
MTieoHtra, Plinto Augusto Xavier de Lima, To-
bas Barrete de Meneze (*L Dr. Joao Silveira de
soy. _____
ItfjnUtetracio d> errel*s de
Pernmbuco 15 de Janeiro de
Malas pelos vapores Potengy e Piaapama da com-
panhfa Pernambucana.
A correspondencia que tero de ser expedida aoje
pelos vapores cima mencionados, tanto paraos
portos do aorta como para os do sul, ser recebi-
la pela forma frgulnte:
Macos de jornaes, impressos de qaalqoer na-
*ureza e carias registrar at 2 horas da tarde,
cartas ordinarias ate as 3 horas da tarde, e estas
legando porte duplo at 1)2 rfora depois.
O administrador,
Alfonso do liego Barros.
PARA LISBOA.
O Brigue porlguz Una 1, seguir com
toda a brevidade visto 1i ter prompta qnasi toda
na carga; para o qnf Re faka, passageiros diri-
o-se mi consignatarios. Olivera Pulios e C, no
' dp Corpo Santo, o. 49, on So capitao n: pra-
4|a Jo Commercio.
'mrm PANA, O PORTO.
Devw seguir rom a brertdade possirel a
Barca portugueza Aforo Silmch, para carga e
pasta gli ras oirQo-se aos consignatarios, Oliveira
filhos 4 C, no Largo do Corpa Santo n. 19, ou ao
capitao na Praca do commercio._____________
THEATRJ
Gymnasio Dramtico.
( No Monteiro )
Por jostos motivos, boje e amaahfu, nao have-
r espectculo.
AVISOS MARTIMOS.
Para O PorlO
a barca Flor de S, Simio sahir brevmente, por-
que j tem parte da carga engajada : para o resto
e passagens, trata se com os consignatarios Car-
valho 4 N'ngneira, na ra do Apollo n. 20.
r ara Lisboa.
Segu com toda a brevidade a barca portugueza
Pereira Borges, por ter quasi toda a sua carga
prompta: para a restante e passageiros trata-se
com os consignatarios Oliveira, Filhos & C, no
largo do Corpo Saato o. 19, ou com o capitao na
praca do Commercio. ___
PARA LISBOA.
A barca portugueza Gratidao dever seguir com
a menor demora possivel: para carga e passagei-
ros trata-se com os consignatarios Oliveira, Filhos
4 C., no largo do Corpe-Santo n. 19, ou cora o ca-
pitao na praca do Commercio.
A'tengdo.
Precisa-se fallar coro urgencia ao* sentieres
.afcaixo declarado a negocio de sen interesse, ua
rea da Imperatria n. 21 : _
Julio Jos da Silva, Frederico Skier. BWmiia
da Costa Monteiro; Manoel J-js Martns e Grego
rio da CosU Monteiro.
Clnb do Monleiro
Sabfeado 15 do-jorreate harar* reanilo
familfc*. fT -
Oompanhia americana e brasi-
leira de paquetes a vapor.
At o dia lo do corrate esperado do New-
York por S. Thoroaz e Para o vapor americano
Yorfc Amenca, o qual depois da demora do eos-
fume seguir para os portos do sul, para fretes e
passagens trata-se com os agentes Henry Forster
4 C, roa do Commercio n. 8.
GOMPANH1 PERNAMBUCANA
DR
Navegagdo costeirapor vapor.
Porto de Galliohas, Rio Formse e Taman-
dar.
O vapor Parakyba, seguir para os portos ci-
ma no dia 20 do corrento meia noite. Recebe
carga, encommendas, passageiros, e dinheiro a fre-
to no escriptorio do Forte do Mattos n. 12.
Porto por Lisboa
Com a maior brevidode vai sahir para os refe-
ridos portos a barca portugueza Claudia, de pri
meira marcha e primeira classe, por ter a maior
parte da carga prompta, e para o resto que Ibe
falta e passageiros, trata-se com os consigna-
tarios Veras 4 Barbedo, ao caes da alfandega ve-
Iha n. 2._________________________________
Para.
O brigue dinamarquez Kati seguir para o Pa-
ra impreterivelmente no dia 20 do corrente; re-
cebe carga a fretes commodo*, trata-se cora Tasso
Irmo 4 C.
Porto.
COMPANHIA PEKNAMBUGANA
DE
Savegaeao eosteira por vapor.
*'Ti W O vaptr Parakyba, seguir para e
^UL\ porto cima no dia 16 do corrent?,
3HB as 9 horas da noite.
R -cebe carga, encommendas, passageiros e di-
uheiro a frete no essriptorio do Forte do Matlos
a. 11
(MPA1IA BRASILEA
DE
Paquetes a vapor.
Dos portos do sul esperado
at o dia 21 do corrente o vapor
Tocantins, commandanto J. M. F.
Franco, o qu 1 depois da demo-
ra do costme seguir para os
portos do norte.
Desde j recebem-se passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir, a qual deveri
ser embarcada no dia de suachegada. Encommen-
das e dinheiro a frete at as 2 horas do dia da sua
sabida.
Nao se recebem como encommendas senao ob
jectos de pequeo valor e que nao excedam a dua.-
arrobas de peso ou 8 palmos cbicos de medicao.
Tudo que passar destes limites dever ser embar
calo como carga.
Previne-se aos Srs. passageiros, que snas pas-
sagens so se recebem ua agencia ra da Cruz
n. 87 primeiro andar, escriptorio de Antonio Luiz
do Oliveira Azevedo 4 C
~ COMPANHIA BRASILE1M
DE
Paquetes a vapor.
Dos portos do norte esperadt
at o dia 28 de Janeiro o vapoi
Guar, commandante interino o
ltenente Grembalgh, o qual de
pois da demora do costme se
gira para os portos do sul.
Desde j recebem-se passageiros e engaja-se
carga que o vapor poder conduzir, a qual deven
ser embarcada no dia de suachegada. Encommen
das e dinheiro a frete at as duas horas do dia d*
sua sahida.
Nao se recebem como encommendas senao ob-
jectos de pequeo valor e que nao excedam a 2
arrobas de peso ou 8 palmos cbicos de medi-
cao.
Tudo que passar. destes limites dever soi
embarcado como carga.
Previne-se aos Srs. passageiros que suas passa
fens s se recebera na agencia ra da Cruz n. 57
andar, escriptorio de Antonio Luiz de Olivei
Azevedo 4 C.
Pede-se atfanc&o.
Vende-se.
O lindo e muito veleiro patacho inglez J. Bow-
ley, lotacao de 143 toneladas e carrega 220, calla
do de 10 ps carregado, com 94 ps de quilha, 31
de boea e 11 de pontal, tendo sidj construido em
1867 na llha Britnica Prince Edward, e classifi-
cado A I. coro mastro novo de proa de pmho de
K/ga, yidaina inteira de panno novo, recentemen-
te apparelhado a rame, com seos pertences com-
pletos, e roais sobrecelentes constantes do inventa-
rio. Declara-se haver sido dito patacho prompti
cado antes de sahir de Inglaterra com masstros,
massaue de rame, e andaina completa de panno
inteiramente novo ; e qne para roelhores informa-
coes, poilem os pretenderles examina-lo no anco
radouro da descarga neste porto, e entenderera-se
com os Sr<. Simpson Duder 4 C. ra do Com-
tnercio n. 16._______________________
Freu-so o lugar inglez, de 1' elasse. Casi-
que, para qualquer porto da Europa ou Rio da
Prata, preferindu-se este ultimo : a tratar com o
capitao na praca ou com os consignatarios Cndi-
do Alberto Sodr da Molla 4 C, na travessa da
Madre de Dos n la.
Vai sahir breve a barca Laura para carga e
passageiros, trata-se com os consignatarios Carva,
Iho 4 Nogoeira, na roa de Apollo n. 20.________
PARA LISBOA
a escuna portugueza Agina, capitao Fonseca, vai
sahir com brevidade, recebe anda alguma carga
a frete : trata-se cora E. R. Rabello 4 C, ra do
Commercio n. 48.
PARA LISBOA
vai sahir com brevidade a barca portugueza Ale-
taare Hercukmo, capitao Al me i da: para carga
e passageiros trata-se com E. R. Rabello 4 u,
ra do Commercio n. 48.
LEILOES.
Grande fabrica de christalizar e
red nar assucar, no lugar do
Monteiro.
fTerga-feira 18 do corrente.
O agente Pontual, competentemente autorisado
vender em leilo a grande fabrica cima, em um
ou mais lotes a vontade dos licitantes (visto ter de
retirar-se para a Europa o seu propietario) es-
tando a mesma fabrica ero exposicao nos das
quinta-feiras, domingos e dias santificados.
O leilao ser effectuado no dia cima, na mesma
fabrica as 10 horas.
LEILAO
DE
movis, vidros, e muiios outros
objectos, a saber:
um flfeiro envidracado, 1 balco com tampo de
pedra, 3 duzias de cadeiras de faia, mesas com
lies de ferro e lampos de pedra, 1 repartimento
de amarelro, 2 panos com bonitas vistas pintadas
oleo, garrafas para vinho, copos e clices de
differentes qualidades, vasos de vidro, 12 cadeiras
de Jacaranda, 1 machina para gelar bebidas, diffe-
rentes formas para pastelleiros, vinho, cerveja, I
relogio, 1 prensa de copiar, 2 espeihos, 1 machina
para fazer agua gazosa, sendo toda de cobre, 1 ca-
ma franceza, 2 quartinheiras, e muitos outros ob
jectos existentes no arraazera do sobrado da ra
da Imperatriz n. 15 (outr'ora confeitaria franceza).
Terca-feira 18 de Janeiro
O agente Pinto far leilo por conta e risco de
quem pertencer, em muites e differentes lotes, a
vontade dos concurrentes, dos objectos cima
mencionados, as 11 horas do dia cima dito, no
armazem do sobrado da ra da Imperatriz n. 15.
Principiar as 10 horas.
LEILAO
DE
30 saccas com farinha de man-
dioca com toque de avaria.
TERCA-FEIRA 18 DO CORRENTE
O agente Pestaa far leilo da mercadoria ci-
ma, por conta e risco de quem pertencer, no dia
18 do corrente, as 11 horas da roanha no trapi-
che do baro do Livraroento, Forte do Mattos.
AVISOS DIVERSOS.
HUMAS
PARA !*.
Vende-se nesta typographia
a 160 rs. o exemplar da de porta.
Ama de leite
de leite : na ra do
Preclsa-se de urna ama
Qneimado n. 30.
- Contina estar fgido o escravo Ubaldo, per*-
tencente ao convento do Carino de Olinda, j an
nunciado neste Diario de 2, 27 e 28 de outobro
ultimo, e juntamente seus signaes, que agora tor-
na ser os mais notaveis.
E' cjaro, bonita figura, corpo seeco e agiginta-
pecoco e cara cotnpFida, nao tem barba, tem
annos de idade, fuma e costum mascar, ca-
bellos pretos e quasi corridos, que os tern semprc
grandes para esconder duas faltas que tem quasi
no alto da cabeca perpendicular da orelha direita,
tem mais duas cicatnzes de ulceras na canella es-
querda junto da entrada do p, e sobre este tem
mais urna costura de um tono, alem de outros
mais de iguaes formas, em diversos lagares dos
ps, ltimamente llie falta dedo menioo do p
direite, e parte de esquerdo procedido de muitos
bichos que uvera at idade de 18 aunos, e por
isso consta andar calcado para nao ser conbecido.
Este escravo nesta praca bera popular, e nao
deixa de ser protegido por qaem quer que seja,
consta andar homisiado, ora pelo bairro do Recite,
ora pelos arrabaldes desta eidade, como pelos os
de Olinda, onde tem sido sempre encontrado, j
trabalhando, j divertmdo-se aeompanhado de ad-
juntos, que pro avelmente estejam preparados em
sua defesa; e nao deixa de ser esu a causa, pela
qual nao tem sido capturado o dito escravo.
Tambem somos informados, que Hle tora traba
Ihado em varias obras nos arranaldes desta eidade
e da de Olinda, como deotro do Recife no trafico
de carvao de pedra, algodo, assuear e no enea-
xamentu de certos armazens, onde tem sido en-
coolrado por diversas vezes, e verificou-se quando
ti vemos certeza que o escravo quasi sfnipre tem
trahalhado no Forte do Mattos no armazem de la
do Sr. Augusto Coelho Leite, de cujo dominio fura
o dito escravo reivindicado em 1863, e no do Sr.
comraendador Jos da Silva Loyo, sendo que os
mesmos empregados do Sr. corameodador confes-
saram ter trabalhado o escravo cinco dias na se-
mana antes da Conceicao, que se centou at o dia
4 de dezembro'ultimo e recebera 5J000, e elle
mesmo, Sr. comroendador, sabendo do oecorndo
permittira all ser capturado o escravo no caso de
oruar apparecer.
' O que certo que o escravo depois desta ul-
tima occasiao nao lora mais visto nem all nem em
mais parte alguma desta eidade conjunctamente
um dos seus mais especiaes amigo, que agora nos
disfavoravel declarar seu nome.
E de suppr terem ido ac>utar-se em casa de
nma tia e madrinha do escravo de nome Felippa,
cenhecida por Filippinha, hoje moradora em tr-
ras do engenho Velho de Jaboato, ou^io engetiho
de Camassary, onde tambem o escravo tom mi e
mais prenles hoje do dominio do Sr. Miguel Au-
gusto de Oliveira, de crer que elles se ntrete-
nham ahi at depois da festa prxima de Jaboato.
Portante rogase as autoridades do lugar se dig-
nem empregar suas acostumadas providencias pa-
ra o fim de tal captura, da mesma forma recorr
roenda-se aos senhores capilaes de campo que
tero do seu trabalho 301000, e se o capturarem
em algum servico qualquer ou em lugar do seu
homesiamente tero 5000, pois desde j o flzemos
publico que se o dito escravo for capturado no
servico de quem quer que for, protestamos coutra
tal procediment, e sob sua responsabilidade sero
obligados nao s pagarem tocos os dia' de servico
desde o da 13 de abril ultimo, como todas as mais
percas e damnns quer forero decorridos
Fr. Joo do A. Divine Mascarenhas,
__________ Vigario prior.__________
O capitao Jos Pereira Teixeira, juiz de paz
do 3o districto da freguezia da Boa-vista, tem de-
signado o dia sexta felr para as audiencias, as 4
horas da tarde, em sua casa na roa da Estaocia
n. 4; e quaodo for o dia santificado ou feriado,
lera lugaj a audiencia no dia anterior.
0
empresario.
P. J- Beynrn.
O advogado Dr, Antonio de Vi-
concelos Meneze de Drummond,
raudo o sea escriptorio para-a ra
do Imperador n. 20, onde pod
ser procurado par o exerciejo de
sua protiss5o em todos os- dias
uteis das 10 horas da manha at
as? 4 horas da tarde. Fra dessas
horas, e para qualquer occorrencia
urgente, ser encontrodo no seu-
doaiiciHo, roa da Aurora n. 28.
IMPEHM
nsTmiTD
l Dd M
Aluga-se urna casa na povoacao de Apipu-
ces, junto ao hotel francez : a tratar no Recife, ra
da Madre de Dos n. 2, cora Joo Alves de Quin-
tal.
03 3-
E3 O
a
O.CK3 O
S E'o a
o* o _, 5"
tp -i *5
> S' w
Cf "> -
M
S"
5
lili
OB C: = >
- ^ S f
a >
3f SL = ^
o
r,
a 5
3 P3
5
(9
W
CD
sis. 3

" p a o 5S
2.?Dg
3 s g ce
0> N
P
Na padaria da ra Direita n. 24, precisa-se
de dous trabaihadores e tambera precisa-se de
dous pretos para o servico da mesma. ______
Precisa-se de ama para comprar e cozinhar,
forra ou escrava : na Boa-vista, ra do Destino
numero 19.
a refinaco da Florentina n. 28 vende-se
um pardinho de bonita figura, robusto, excedente
official de alfoiate, e com pratic de caixeiro.
< olli,i:<-io
DE
SANTA GENOVEVA
Rna do Hospicio n. 22 e24
Antonio Marques de Amorim, director do
collegio de Sauta Genoveva, tem a honra de
participar aos paes, tutorese corresponden-
tes de seus alumnos que as aulas de ins-
trucclo primaria h secundaria funcciooar5o
neste collegio desde o dia 20 do corrente
pudendo desde j regressarem reinscre-
ver-se os que quizerem,
Avisa igualmente que tendo dado mais
ampias e commodas proporces este es-
tabelecimento pela adjuncelo da casa im-
mediata aquellas em que tem residido des-
de I8>>8 pode admittir maior numero de
pensionistas
Praiicitcu Xavier ,Temporal, Manoel Juvencio
de Saboia, Cleraentino Moreira Temporal. Belar-
mino M. Temporal (ausente), Afionso Moreira Tem-
poral, e Joao Paulo Temporal, convidara a todos
os seus parentes e pessoas de suas amisades e as
de seu finado pai, sogro, a ouvirera urna roissa do
stimo dia de seu fallecimento, que p< r al na do
mesmo finado mandam celebrar no sabbado 15 do
corrente, pelas 7 horas da manha na veneravel
Orden; Terceira do Carino, por cujo acto de hu-
manidade, caridade e religio desde ja se confes-
so eternamente gratos^_____________________
No dia H do corrente ugio a escrava Delmira,
preta intitulada molaia ou cabroxa, por ter o ca
bello grande e arrepiado (cujo cabello arrauja-o
da f rma que quer) idade 30 annos pouco mai-
ou menos, secca do corpo, baixa, com faltas de
dentes, tem a barriga um pouco erescida, cuja
escrava tem por owtume dizer que anda as com-
pras ou procurando senhor, levou vestido, de la
escura e enale de edr de cano (welho) muito I*
dina e esperta, tem leite em razao de estar crian-
do : roga-se as autoridades policiaes e a quero
convier a captura da dita esttrava e leva-la ra
do Cabug n. 3, terceiro andar, que se gratificar.
ES
fi>
ni
Q.SE.S
I 2
o ce aj

Na ra da Senzala-velha n. 138 precisa-se
fallar ao Illm. Sr. Dr. Claudino Beserra Cavalcanti
ha pouco chegado do norte, ou epeira annunciar
sua residencia para ser procurado.
Hhomaz Cavalcanti da Silveira Lins Jnior
em resposta ao annuncio de hontem, 12 do cor
rente, declara que pode ser procurado na ra do
Apollo d, 18< todos os dias das 7 horas da manha
as 5 da tarde.
O bacharel Antonio Corombano Seraphiea de
\ssis Carvalho 'boje o propietario e di+ector
desse instituto. Prelendeado dedirar-se exlusi
vamenle, e com todo zeloe socitude aos trabhos
proprios dessa preflfsao, espera que os paes dos
actuaes collegiaeso ionrarao com sna conflanca*j
e bem assim que aeolhero o seo estabelecimento
quelles que preeisarem de eoHegio para educaeao
de seus filhos ou protegidos, eertos de que o ac-
tual director se eslbrear nao s para manter o
bom nome e crdito, que desde muitos annos gosa
o referido Instituto, como tamftem para imprimir-
Ihe novos melborameotos.
No dia 7 de Janeiro do ano viadouro ter la-
pfar a abertura de tedas as wtfee de iastruc;c-
primaria e secundaria. _______________
Collegio de 8. Francicso Xa-
vier.
Aos 3 de fevereiro se abrirlo as aulas no colle-
gio de S. Francisco Xavier (ra do Hospicio n.
No intuito de fornecer aos alumnos as comino-
didades segundo a condioiio de suas familias, o
director d'este collegio nao recuou ante o grande
augmento de aluguel pelo accreseimo eonsidera-
vel do edificio, alentado da esperanea de um mais
risonho porvir.
Alm de mais anlas, espaeosas e bem arejadas,
ha um salo para o estudo particular dos alum-
nos, onde cada um deles tem a sua banca com
gaveta para guardar livres e pape;um ampio
quintal com pateo c jardim para o recreio e os jo-
gos gymnasticos. O dormitorio acha-se no sobrado
sob as melhores condicoee- hygiemeas, e cabero
nelie commodamente urna cem camas; e o con-
tiguo terracp contribue a tornar mais asseiado o
servico. Dezeseis casinbas d banho com banhei-
rus fixos, para onde corre a agua por canos e tor-
neiras, satisfazem as exigencias assim da limpeza
e hygiene, como da decencia. Muitos quartosi-
nhos de retrete, casa de porteh*o, cosloha com
fogoes modernos, enfermara- e oflliriiias de mar-
cineiro e altaiate completan) o servico material.
9a para os alumnos urna conveniente bibliothera
commum. A capella tem as dimeasdes de nma
assaz grande igreja, a qual accessivel ao publi-
co, sem communicaco cora o resto do collegio.
Emfim a situacao isolada do edificio contribue j
para o livre curso do ar, j para a boa disciplina
do collegio.
Joaquim Jos Gob-
(jdves Beltrao
ftUA DO WiPICHE N, 17, I.
Sacca pordos opaetes sobr
do Minho. era Braga, sbreos mi
tes logares ea>Pertigal:
Lisboa.
Porto.
Valenca.
Gnmaries.
Cotmbra.
Chaves.
Viseo.
Villa do Conde
Arcos de Val de> Vte
Vianna do CasteSb.'
Ponte do Lima.
Villa Real.
ViUa-Nova de]Fan!ioio.
Lamego.
Lagos.
Covilbaa.
Vassal (Valpassoa).
Miraodella.
Beja.
Barcellos.
Precisa-se de ama ama para rasa e \
faawWa : a Irattr na rna do Caboj a I.
Precisase de um cenabeiro on
na raa do Imperador n. 73.2* i
Na praca da Indcpeneocia 33 se V
nheiro sobre penbores de ooro, prau e
preciosas, seja qoal for a qwantii; e a*
casa se compra e vende objectos de oor t|
e iguaimente se te leda e qualquer obra
comraenda, e todo e qualquer concert M
mesma arte.
SEGUROS
MARTIMOS
AVISO
Antonio Pereira de Oliveira Maia tendo recebido
pelo ultimo navio chegado do Porto unta nova re-
messa de calcado, sendo superiores chinellos, ta-
mancos, sapatos de tranca, tanto para hornera
como para mulher e meninos, por isso convida os
seus numerosos freguezes a- ipje aproveitem em-
quaoto nao se acabam taes-objectos na ra da
Sen zal Nova n. i.
CONTRA FfHiO
A Coinpanhia Indemnisadora.
aesta praca, toma seguros martaMt
na vi os o seos carregameato e coatra
en i edificios, mercadorat e BoMhi
raa do Vigaron. 4, pavimento ter eo.
Prente Vianna & C. fazem publico ao com-
mercio desta praca, que desde o 1* de Janeiro do
corrente anno admitti ram socios da sua casa os
Srs. Joaqnira Ferreira Diniz e Manoel Joaquim da
Costa Carvalho, continuando os negocios da casa
da mesma forma que at aqui. llecife 12de Ja-
neiro de 1870.
mnibus para a festa de Ja-
boatSo,
Moje, 15 do corrente, haver dous mnibus
para Jaboato, partindo arabos do ponto da raa do
Imperador s 4 horas da tarde, e no domingo, 16
do torrente, haver um outro partindo do Itecife
do mesmo ponto s 6 horas da manha e voltando
de Jaboato s 5 1/2 horas da tarde.
Precisa-se de ama para todo o servico
ra de Hortas n. 30, sobrado.
na
AMA
Precisa-se de urna ama para cozinhar : na pra-
ca da Independencia ns. 37 e 39.
Na refinaco da ra da Tenzala nova n. 4
precisa-se it trabaihadores para o collro (bate-
dores).
Matilde Umbelina do Reg Lima, Ursicina Sil-
vera de Lima Paio e Jnvencio Antonio Pato, pos
suidos do mais grato reconhecimento agradecem
cordialmente a todas a pessoas, parentes e ami-
gos, que assistiram a encommendacao que se ce-
lebrou na igreja de N. S. da Conceicao dos Milita-
res, e acoinpanbaram ao jazigo no cemiterio pu-
blico, os restos moitaes de seu presado esposo,
pai e sogro Jo- Norberto Casado Lima, e de no-
vo pedem, (e desde j agradecem) aos que se dig-
naren! assistir as missas que no stimo dia, 17 do
corrente, as 6 horas da manha, pretendera man-
dar rezar na referida igreja
Recife. 12 de Janeiro de 1870._______________
= Oabaixo assignado, depositario particular do
escravo Theodosio, de idade 4.> a 30 annos, escra-
vo de D. Mara Eugenia de Castro Erster, que se
aehava penhorado por execueao de Jbaquim Fer-
reira de Mattos, fugio do poder do mencionado de-
positario desde o dia 21 de dezembro prximo
passado.
Manoel Francisco de Mello.
Aluga-se a raei-agua n 28 na travessa de S.
Joo, com 2 quarto-, quintal e cacimba, paeco de
1 -i 000 por m-z : a tratar cera L. M. 11. Valenca
no mesmo lusjar.
Anna Felicia Branca Guimares. Aatonio Jos
da CosU Guimares (auzente), Francisca Mara
da Costa Guimares e Manoel Alfredo da Costa
Guimares. tendo de mandar celebrar una missa
por hIiiia de seu muito presado marido e pai Do
mingos Jos da Costa Guimares, fallecido em Lis-
boa, convida a todos Os seus parentes e amigos
para assistircra. a este acto de reNcio e caridade
na matriz do Corpo Santo pelas 7 horas da ma-
nha do di i 13 do corrente.
S
Precisa-se de um menigo pequeo cora pra-
tic ou sem ella para taberna : no paleo da Peana
numero 6.
CLUBX
Assembla geral segunda-feira 17 do cor-
rente s 6 1/2 horas d* tarde no salao do
Uab Pernambacano para a approvaco dos
estatutos e eleicao da directora effectiva.
Recife, 13 de Janeiro de 1830>.
O l* secrtario.
G; Guimares.
Sociedade benefieente II de
Janeiro.
O presidente desta sociedade pelo presente con-
vida aos senhores socios ae-reunirem era. assem-
bla geral, na casa n. 41, ra daCada do Recite
2 andar, s 6 horas da tarde do da 17 de Janeiro
correte, afim de se proceder eleicao da nova
directora e tratar-se de assumptes relativamente
. mesma sociedade.
Recife li de Janeiro do 1870:
Jos Bernardo S. Alcoforador
Presidente.
Associapo Commer-
cial Benefieente.
Pelo presente sao convidados todos os senhores
socios da Assocaco Commercial Benefieente a
se rennirem em assembla geral no dia 19 do cor-
rente mez ao meio dia no editicio da mesma asso-
ciaco.
Reeife 14 Je Janeiro de -1B70.
Daniel Cezar Ramos,
Secretario.
I4SSA e XU0K
DE CODEINA DE BERTH
DEFUntOS, CATHARROS, I TODAS
IRRITACOES DO POTO.
X.B. O Xarof. t Codam 4
konrtk, altas mtm rnttur* mi
noto** m HT rtfiltrmdt etmu
men offUima 4o tmptim
qutlqvf etofio.
AVMO. Per
6cK*oqnel" mitiHi 0mn!**I
Xarope t MMB e Berih iim 1u\in j
Iwtrir qne t*et mtt
canccituadtn id $t
Tendea em ciixin-
bts e fniiein Ina n (lo
wigMtara
urente.
6, An itt trola, t m PIwmij Ostral |
de KraDca, 7, Hnt di Jtny, tm fmria,
lodas as Pbannscia* principio ilitntii.
^^Si
E' hoje o> ultimo lia em
que o agente ^fartin recebe
propostas para a venda doses-
cravos- perteoeentes a massa,
fallida de Maia & Espirito-
Santo.
MOLESTIAS a o PEIT
HYPPHOSFHITOS
d0DrCHURGHILL
XAROPE de HYPQPH8SPHIT0 de SODA
XAROPE deHYPOPHOSPHITO de CAL
PflUi. AS de HYPOPH05PHITO de pUMM
CHLOROSE ANEMIA
CORES.PLIDAS
XAROPE deHYPOPHOSPHITO deFEJMB
r^tASdeHYW)W10$rWDdeMAf16ArgStt
TOSSE BR0NCHITI5
OEFLUXOS
PASTHH1S PEGTORAJS^- CHKIILI
Exigir para o xaroao o froto amadrmhomm
tomo o$ prodnetot atuifmfra 0*> I
OHXLX., e o letreiro cea aaarea I
Humada SWJJOf. 11. ruoCtMtiaticmt.P.
O Sr. bacbarel JoaquitaGordeiro Coe-
lho Cintra, juiz municipal do Goianna, qu-
ra ter a bon> ade .de apparecer ra do
Hospicio n. 84. negocio argente._______
Precisa-se alugar por mez orna preta qae
entrame bem : na raa Nova, sobrado n 39.
Amanha, 16 do crrenle, trigsimo da do
fallecimento de Domingos da Silva Campos, ha
missa por sna alma na igreja da Cooceicao do
Militares, as 8 horas, para o qae se convida a
sens prenles e amigos.______________________
Precisa-se de um portuguei que entenda
perfeitamewe do trabaRjo de padaria, para caixei-
ro, paga-se bom ordenado, dando fiador a sua
conducta : quem pretender, dirija-se a roa do
Crespo o. 1, das 10- horas do dia at as 4 da
urde.
VERDADEIRO IEa
dt siCieHET, Doetenr-1-Jw..
Ru do Sein, 61, A PARS.
Em cada garrafa, ral. ratee a rolfca e raprl a -*
aue lr*a o eoru ainrle, > rotulo laaati ~f
relio coa Mua laraauM M er'-io
jy H M. r-
S\s7f----------mwot t**4 ?non1
Jkdssc*Vl fcre'rr^ milajiH
tX >. :. .1
DOCTEUR-NOEC
ET PHARMACIEN
C
G

HA
|DO
CABUG
esquina
da roa larga do
Bosario.
AO ANNEL DE OURO
BIA
EO
CABUG
I
Este imputante estabelecimento no sen genero, tem sempre um sortixnento sem igualJ esquina
e vende por prepos qne nenhuma ontra casa pode vender. .
vista da qoalidade e do preqo das joias cada nm pder-se-ha convencer' da verdade.l "^ .*a ao|
Oarante-se ser tndt de lei C(mpra-se onro, prata e pedras finas por presos milito ele- Bosario.
vados. i
A loja est aberta at s 9 horas da noute.*
"s





*
Diario de Pemaiubuco Sabbado 15 de Janeiro de 1870
3C=
.....
NCOS TMliffi
ISSTaNTAES
Travessa daCrpo Santo i. 25
ARMAZEM
Ra Nova n. 38, toja.
Baodcira, Machado & C. nvisam ao rrsprttavel
publico que no*' Inpares ante encontrar no mes-
mo sempre grande quandado de ditos pocos, e
qoe se anbam .habilitados para vender por menos
qae outro quatqner, por isso que os reeeliem di-
rectamente do fabrican* Norton, de Londres.
As vantagen* que dfferecnm os pocos instant-
neas sao : primwro, poderom aar eoHorados den-
tro de casa ou fra, com o trabattio de urna a duas
lloras; segundo, farnecerem os mesroc* agua pe-
ra e abundante, pudendo .seren removidos de um
para outro tugar, qnando assira cnnvier.
Os aooanciaiaes s reepb<*rao a importancia dos
referidos poc/.s depois de eollocados, satistazendo
espectativa do comprador.
Gabinete Portuguez de Leitttr
KM
PEIMBIO
Do ordem do Ulm. S. presidenta do eeoselao
delmecativo, convido os seuuores socios effecuvos
4. rennreise ejn .a>semhlea geraL domiozo 16
d correte, pelas, 11 horas da raaubaa, a tira de
#e procedef eleicio do novo conselho delibera-
tivo, advertindo-se que a assewbla geni fnnc-
cinaar cwn o numero que comparecer, visto nao
ler hojc havido casa.
Secretaria do eonselho deliberativo do Gabinete
Portuguez oe Leilura eui Pernaoibuxo 12 de Ja-
neiro de 1870.
J. B. Fonseca,
2a secretario.
GUSTAVE
CABELLEIREIRO FUANCEZ
51Boa da Cadeia do Becif*1
Chama a atiendo dos seos ionuineros freguezes, e da respaila?! P0**^*
geral, para a seg'MDle tabella dos precos de sua casa, os quaes lo tinto pav afa-
mis barato do que em outra qualquer parto:
taixo assigsad, seido depositario do
escravo Tbeodnrio, de idade 45 a SO autos, escravo
da Sra. O. Mam Eugenia de Castro Estol, por
excctfcao de Joaquim Ferrara de Mallos on Hou-
ra, loase do poder do depositario.
PROCURADOS! A
-O so*iidta*or*nr?os Pttucc del^on,
encairega-seoe^at^qui'r Kstes eSveis,
c rimas e cotnoiercaos, contoas eclesis-
ticas das tuaes*8w urna loaga pralica de
jSt quice asnos. e acha coinpiHejtfomente
,j5 pu.vi.-iouado potoExm. e RVn.9i\ Bispo
D" diocesano.
K Brte eo!taat a entregar todks seus
m Caluros, ana de manter a njesma cott-
I Sanca qoe tem merecido deotus digaos
3 cons'ritu*!'^.
Pode ser procurado das^'is as sove
ooras da maana e das qutro da tarde
$3} diaate, em ?ua casa, da ra assTriri-
^ ebairas, junio ao carlerio do sr. scrivao
Mulla, e lora dess lioras.uas salas
Jg| audienc::
bomoo
O vjnselheiro Jos Bento da Conha Fi^ueire-
do contina oo exercicio de advocacia na ra do
Imperador u. 57. entrada pelo caes i2 de No-
vembro._______________________ !
Alosa-se urna sala asseiada coia algumas
nccomiuodagfas : no 1* andar da casa da ra do
Imperador o. 7, oode quem pretender puder
fallar.___________________^__________________
Para Porto-calvo.
Precisa-se dd u menino para caixeiro, de 14 a
lo anuos, quer seia portogex ou brasHeiro, qae
tenha pratica de toherna e toja de farendas : a
tratar no escriplorM do Sr. Joaquim Bcdrigues
Tarares de Mello, largo do Corpo-Santo n. 17, V
andar.
Cabellaras para senhoras a 'i"&,
30, 355 e......<$000
Ditas paraboroeni a 35*, 405 e 500000
Coqufes a M, VM, W, 204,
m, 30* e.....
Crecentes a W, W, 1W, 20*,
253, 305 e.....
Cachos ou crespos a 35, *5, 55,
65, 75, 85. 95 e. .
Tranca de 'cabello para armel a
500 e. ....
Tranca para braceletes a 105,
Cadeias para relogio a 55, G#,
75,85. 95, iU -
Corte de cabello, .
Corte de cabello com frk&o. -
325000 Crt* de cabello com lavage a
105000
15000
a*
5i*
PM
|155, 05. 25 e

i

2.oj B*13twai g^
^^-oM. =j :
rr ti f 's
c
- -.
3 o
re >>
rt 3 i
I
IBI-^
rfl|f
3 g.M- c t5
Sr- = -5 =
; 1 noit
fa en p r- sr
0-t I tu en .
S l o 3 w .
O
cu 2. ty "^
"' -ffi i- i 2
"o "
3

to
9
-
O." 2
O 0---I
f ??
3
c '.-
1--
Ui
c
fio
VJ ^
-5 ^.' "> "a*
2 2iS
T v. O
i
o
O)
f i
f
1 !
V I
fe
Prsa-sd do urna ama lrvre oo es-
crava para e servioo lerno e exterDO de
ma oasa de pouca familia, scudo de boa
ondueto ; na ra da SantaMkuz n. 62.
Nao milis cabellos brancos
A aiH japoneza pira ttocia os cabello;
! da *5 da barba, foi rnica admittid
Eafiosigio IJtmwsal, por ice sido reeo-
nhecida superior" todas as preparaces at
boje esentes, sera alterar a sade.
Vende-se a JiflOO cada frasco na
Rna da Cada n. 51,
1. andar. <
BU
SCABELLEREffiS
N 82MJA DA 1MPERATRIZN. 82
Odileu Duarte, cabeHeireiro, tendo se
desfiedido da casa de sea euohado o Sr.
Carlos Dirbois, onde trabalbnu por espaco
de dez anpos, acha-sc establecido cora
casa de cbelleireiro roa da Iniperatrii
n. S2, proinptu a salisfazer qualquer en-
commenda tendente a sua arte.
champoa.
Corte de cabello com limpes* 4
cabeca pela macbiaa elctri-
ca, nica em Pernajuht**. .
Frisado ingiera 9 i taneexa.
30#000 Barba.........
ASSIGNATURAS MENSAES
Eapecialidade de penteados para casaiireiilo
Bailes e torees
0 dono do estabelecimento previne s Recomraenda-se a snperior TINTURA )*
Exmas. Sras. e aos cavalheiros que ha um PONEZA para enegrecer os cabellos e bar
^0 par, mm I. oMo. barb,. =, Jj-J- **- X^^w
sim como um empregado smente occHpa-iiau|i anlvsada e approvada pela atad
do nesse servico. mas de seteneias de PAK E
Hospital Portuguez
de Beneficencia.
A-junta administrativa do Hospital Portupnezde
Benefioencla. roj quera so julgar crwtor do
iiu-siim liospital a presentar a Ma conta ate o
dia 15 do correirte. ao respectivo esinoler, para
ser in onntinenie papa. ________________
33
LOJA l)E JMAS
DE

&c
Este antigo estabeiecimento,'eompleta-
-meate reformado ie novo, est as eondi-
oes de servir vaatajosamente os seus fre-
guezes, Tiste que acha-se prvido com um
ex slendido ortiniento de obras de ouro e
prata de le, assim como brhantes e ou-
tras pedras preciosas, oujos precos sao os
mais mdicos que se pode encontrar.
As joias compradas nesta casa recebem-
os em troca eu compram-se com pequeo
abate.
PL 5 RIJA DO CAWGi PL 5
111 Mto> Hosa de Lima Piubo convifla a
todos os credox-sde seu lirado mando o t>r. Sabi-
no t. L. Pinlio a virem hal>ilitar-se no inventa-
rio do mesmo finado, aqne ja deu comeen; epro-
terta todas as ltvidns que pn.-sam appancer
V-ois.de eiTectuido o referido inventario. Recite,
Id de Janeiro de 1870.________________________
Offerece-Te um seofaora habilitada ao eus-
no prim irio, para leceiunar em algum colleaii
desta cidade, ou mesmo para o mato, como tam-
bpm um moco qiie se pioie ao meimo fim. nao
s para o mesmo ensino e;fclo pera a linirua fran-
ceia e geogra^hia : a tratar nesta typographia.
OSr. Antonio Pereira de Son diime-ue
;omparucr na laja do Pa a nep.oc.io que nao'ignora ; i--to own urgencia.___
CASAflM
Aos 20:001^000
Ve e Os abaiso assignados tendo-se habilitado n
erma das luis, tern uxposto a vaada os seas fel.-
es bilhetes das loteras do Rio de Janeiro, nacas;
ncima. aonde se ua pari as sor tes que Minoi
aos liiesmuf bmiotes, om o dasaonto somenu
la le.
PRECOS.
Bilhete inteiro 34*000
Mfius 12*000
guarios 6*600
EZdelOO* para cima a 22* o bilhete.
Figueiredo & Le te.
Quem tiverpara vender urna ca-a terrea nova
ciii boa ra de Santo Antonio ou Boa-vista, solo
proprio, no yalor de tres contos de reis ponco
1 nais 01) umjJSs, dirija-se a ra do Hospicio n.
tratar.
IILF.f.111 M m
Ba oo Commercio n,
5.
Jos Francisco Ribeiro de Souza, direc-
tor d'esse instituto de educa?o e instruc-
cao, faz sente ao respeitavel pobtco e
particularmente aos pas de seus alumnos,
que a rcabertnra das aulas de inslrucgao
primaria e secundaria ter logar em o dia
10 do andante.
0 programroa do ensino ser de conbr-
mid.'idc com o decreto n. 4430 de 30 de
outubro de i869.
Admiittc alumnos peusionistas, meio-pen-
sionistas e externos^________________^
PfecisiirSf-
De nm metiirn de !3 a 16'anuos, que tenha
pratica de caixeiro, na ra do Livratnento n. 36,
laja de cera.________________
Escravo para padaria.
Precisa-se alugar um escravo na padaria da
rna Diretta n. 8i.____
DAVID WILLIAM BOWMAN
Partecipaaos senhores proprietarios de engenbos, que aooctecendo faltar-Jto-
oa ou animaes ptra a meagem durante a prsenle safra, elle tem vapores proapt
tara assentar, seui precisar de obra nova ou demutco de obras exisUntoa, t
jde botar taes engenbos a moer oito das depois de cstarem as pe^as do vapor
genho, garantmdo-se o trabalho. -
Fundiqao, ra do Bram n. 52, passaiido o chafara.
I
Lindas e superiores bareges de cor, de qoadro e de listras, ptra *olto f -
gindo seda, pelo baratis>imo fr%o de 500 e CO rs. o covado. ^^
Assim como asperieres cassas francezas de cor padres de ramio gasto i 4***
e 600 rs. o m*re, ca oja das Collumas ra do Crespo u. 13, do A^touw Corrw
Vasconcellos. .'
Ama
Precisare de urna Bine quo cosible com
pereicao ; ra do Qaeitnado 53, loja das seis
^mrtas'
CURSO DE PRBPAflA'IOttiOg
JSCLUSIVE
i.i^i % iHK'Hfiiir/,i
Rna da matriz da IJoa-visfa n. 28.
Mmisalidade li^tiUO.
USA DA miltt
Aos 4:000^
Bilhetes garantidos.
\ ra do Crespo n. 3 e casa do costme
O abaixo assiguado, teod vendido-aim de nu-
tras sorU!s, um me n Idit con 4:000* da
lotera que se acabuu de extraliir a Umelicio da
ipreja de K. S. da Caneoiei ds, Militares do
Reeife (13:p), convida aos posvudores a virum
receber na conferudade do costume seia descoa-
to Iguoi.
Acham-se a venda os felizes bilhele* da 2"
parte da lotera hanecio da igreja de Nossa
Senhora do Amparo da ci de da tHipda (134')
que se extraer na sextarfeira 31 d correte
mez. '
Pecis.
Os do t'AJStunie.
Manuel Martins Fi"'._____
Ahiga-se o 2" .inflarlo-sobrado n. 10 da ra
do Aragao, com bastante conwwdi par famila,
caiado e pintado de novo, com um bom quintal e
cacimba : a tratar na botica n. 6 da praca da
Boa-vista.___________r_______^___________
Pncm-s de mama para asa d bomem
solteiro : na ra do MoadeRo n. S3.
-----------------r
OT,liEIO
00
ton tit mi
S.40 K rUNOS E K K1SKAS
Ra Nava n. 58, primeiro andar,
Rocebeu pelo ultimo paquete una coHfi-rao completa Msicas de GOTSCHACTK. dita* de ARTIIUR NAPOLEO.-
Modinhas. arias, cavatinas com palavras italianas e ir. ncetas, dancas, otivortu-
ira a duas e a quatro mVis ect. etc.
AMA
Em casa de THEODORO CHR1STI-
\NSEN, ra da Cruz n. 18, encontram-sf
fiectivamente todas as qaalidades de viub<
Hordeaux, Bonrgogne e do Rheoo._______
Sabio de alcatro
pw-a cirflr as molestias de pe fe,
tacs forooempinjens, darthros, sarnas, comichoes
5 mais molestias depelle, sem oceasionar acciden-
tes ; desfaz as manrnas dotcorpo, pannos, sardas,
restabelece a cor natural, quanto a cutis, secca,
jrossa e amarellenta, occasionado por alpuma
?nfermidade, e como de? infectante e prerentivo
las molestia; contagiosas,.
NICO BEPOS1TO
Botica do Pinto, ra larga do Rosario n. 10, imito
10 quartel de polica. ______ '
Precisa-se de urna ama de meia idade
do Livrameoto n. 12. para cosinhar.
a ra
lJagi-S6 bem
Precisa-? de una ama torra ou osera va que
saiba engomar ben) : ra de Crespo n. 23
Ama
Precisa-sc de urna ama para cosinhar em casa
de homein solteiro que tem pouca familia : ra
do Crespo casa n. l "."_'____________^^
CASA
BE IMPORTACO E EXPGRTACO
JU CiRRHE
Eseriptorio, ra do Vigario n. 5.
1 ANDAR.
* PRODUCTOS de J.-P. LAROZE
phabm*ceutico, 3, ME BEI UOIS-SAIIT-MUl, Parts.
XAROPE DEPURATIVO
DE CASCAS DE UKAHJ AS AMARGAS
Cmb lODIRETS de PtfAIII*
0 lodoretde potassio um verdadtiro alteraaie. um depurador de neontestawl efB-
eacia; combinad* com o sarope da cascas do laninjas amargas, e aturado
em perturbacio alfuma peros temperamenios os mais traeos, em alterar as fsacoies
do estomago. As doses malhematiess que elle coolem permiUem aos mdicos de rawital-o
para todas as coiaplicaces as alfeeco* sorafulcsas, tuberculosas, oanco-
rosas a no* acolootoa intermitientes o terooiros; alem d'isso, o
agaate saais podesoM eaaira as deengas rbeiunatioas.
Moleque
Aluga-se uro motesue com 14 a ib aonos de
idade : tratar na rna Direita n. o3,jloia de fer-
ra sea-*. _
CWaWe paste.
Tripa*8-se a da roa da Lapa b. 11, por seu
dono ter (alta d* saue e nao podor ;dminislra-la.
S. S. da t>'ceif5o
de Hlvlno espirite
Uevo^ato le
a tflrcta
aata.
Por oritera do irmao juiz faco publico que
testa da nasa divina pdroeira foi traosferi
-ptra quando e annuociar.
Itecie, 13 de Janeiro de 1870.
0 secretario,
Joto Bonifacio de Medeirns.
Ana.
XABOPE TNICO ARThNERVOSO
O csscm a i&rsLDj&a uuriw
35 asaaa^dc sseeessos aitesUlo a sua dfi-
cacia pora curar: as doenpat ntnosat,
aguda ou fkrmiau, a* gastrites, guttrai-
giat; faeiUter a iigtto.
XAROPE FERRUGINOSO
m csjcu laraajM sapsassl
E'sobafHroMikquidaqMaMisfadfmav
te se assim i la o ferro; n'esta forma prefe-
rivel as pilotase pastiMiasen lodosos casos
em que sao pnoecriplos os ferragiaosos.
DENTIFRICIOS LAROZE
Q01NA. ?TBR0 I CUiC*
A raparifa sohalra que aaaaaeioa querer ser
ama, dtri|a-se ao Corredor do Rispo em frente ao
palacio epkeopa*, os oasa VooidM ViMst, qae
achara a seshom tratar. Na siessia eaas en-
de-se urnas poucas de operas italianos para piano
e canto.
XLW tiMai, pasa a alvura e con-
servaco dos denles, curando as dures
causadas pela caria eo producidas pelo
contado do calor on do fro
a% sndfrfalu, coas base de magnstia
para a alvura e coiMorvacBo dos dea tes.
pnoieaindo a descarnadura, provocando o
trtaro de que empede a reproducio.
Ocsosiu ca i i* imn, CmoisIoi; em Ptrnmmme, r wr o*; mMutt,
rala* M** PW, w Vim*m; em BUia. a aods; ) Parst AUgn, i
*? **" 'MI MHtn '^im0"" fcl4.orwsdaiaa04aolis>^lt
_ osa salkaaa A aMaJ^s^a ata asoaaei^WB^Beaaa -*-
au. a asaa*ai||aa^s*s)^-e")saass "> aaraj.
Precisa-se de urna ama capaz, para cosinhar,
tazer as compras e sais algam serricc- de eaaa:
na tinturara frawrrta, rna dalmperatri n. 55;__
Ataga-aejima excelense del orna para
comprar ceehar esa casa de pe-piena familia
ou hornera soiloiro : quem precisar dirija-se em
gaato Amana ao sofctadu )nati> do cewfcerio inple
" Aluga-se urna preu moca para o servie de
casa de familia : a tratar na ra da Santa Gr'.
n. 24________________________t
se a padaria do. Chora aenmo.eom
i os pertencts,
uxiox os ptteoces, Bsuito afreguezada, e em bom
JfiA; a tratar na nu^woa.
fazeadaa.
da nu da Uatfo n.
na ra do LrrraiueBto n. 19, loja de
Aluga-e a casa ierres
S3: tratara
Elle um preventivo seguro e certo contra
a calvice,'
Elle d e restaura forca sanidad a pelle
da calM'ra.
^Elle de prompto faz cessar a queda prema-
tura dos cabellos.
Elle di grande riqueza de lustro aos ca-
bellos,
Elle doma e faz preservar os cabellos em
qualquer forma e posicao que se deseje
n'um estado formoso, liso e macio,
Ele faz crescer os cabellos bastos e com-
prados,
Elle conserva a pelle e o casco da cabera
limpo e livre de toda a especie de caspa,
EHe prewi os cabellos de se tornaren)
brancos,
Elle conserva a cabeca n'um estado de fsai
cuca refrigerante e agradavel,
Elle nao demasiadamente oleoso, gordu-
reato ou pegadioo,
Elle nao deixa o menor cheiro desagra-
davel,
Elle o membr e o mais aprasivel artigo
parata boa conservacao e arranjo dos ca-
bellos das senbaras,
Elle o nico artigo proprio para o pen-
teado dos cabellos e tadMis dos senho-
res,
Nenhum toucador de senllora se pode con-
idorar eomo eompleto sem o
0 CABELLO.
preserva, limpa, fortifica e aformosea
Acte-se a venda nos asmbelecmenlos de
A. Caars, I. da C. Bravo C. P. Afeurer
ACM. Barbosa, Bartitetoneu 4C.,e
todas as principaes lejas de perfumara
e boticas.
Bichaa hamburgruezas
Ueste novo depuesto reeebe-se
m transtanueo hame de ^alilaiw m$im, veo
le-se em caita ea porcae mal* peouena e mais
barato de que qnalqoer outra parte ; na rus da
Cadeia da Reeife n. 51, r andar.
AMA.
A direclnra dee rofle.'' > J^^cphina
da CunhaSurto Haior comptentameatr
pela directora ger! da instrvcao paktin, i
ao respeitavel pn! co. que actia-se sea eoflef
tabelucidu ra da Imperatrit n. 63, roja *
tricula abjir--e-lia a 10 de Janeiro pnniiso (ator
e offreci' seu prestimo aos pais Je faoiina. aav
verando-thes seus bous deseios, qnar a resp
ensino, quer da edneacan oe suas fiu. O pr
gramma dos estatotos e leilu.-a, esrripta, ariia
tic-a, systcma mtrico, Irogua narioal, fraa*
geographia, msica vocal e piano ; jora > i
I latera prefessores e pTofeesoras cnmpermtilia* Bt
habrlrtadns. Tr.mlpm se ensirmi bordados, irr
de varias qualidades, inclush : as >te rHi. e daa-
Preeisa-e alugar um nwiMpM <>
velho pamo ervipi doaa do hmtkn
ra do Hospicio n. 38.

Casa tle commissiio le eacwvo-
Na antifea casa de eommisso de un rtoui,
abaixo assignado, ra do Imperador a If, no.
ona-se- a wcwbr ocrauos por cenwn srn^Mc
do mato cerno da praca para aren e^riM.
garante-so o bom trtanoste prometa vrau
para o que se emprega lodos os aflore-)* aia .
satisfazer em tudti s pesaoas qae o uiwtom Wi
rar com sua tunliaoca. N-su usa ua jn
para vender escravo de aiubo-". os seso-, odka
mocos, assim como ha t da seguraaf para a* t
Antonia Jos.- V. de aos
do tsn
Prcci.-a-se da uuw ama da leite sem 0lho : no
pateo le 8. Pedro n. 3. _________________
AGENCIA DE COBRANZAS
BAinilO DE SA.NTO ANTONIO.
Ra ettreita do Rosario n. 17, andar.
MMOm
Iseopoldino Atit'mo da Fonseca.
Reste escriptorio recehein-se procuracoes para
cobranca de ordenados e congruas, liquidacao de
contas de pessoas do centro com outras desta pra- prpcja.^ ,je mTa ama livre ou raptin, c
ca, bem assim de anendamentos de predios, para ^^m de 10 a 13 asnos : a traiar
agencia de causas citis, eritnes, commei ciaes e | |jn^uela n_ g_ f> andar.
eeclesiasticas em que seja iecessario constituir os
AWLA
Na roa do Codernis n. 8. arretos-se
j ama que saiba cosinhar. ____
Ama.
mais conceituados advotados procuradores que
mcllicr garantam os diretos das partes; para sol-
licitar ttulos e patentes na capital, ou manda-Ios
vir da crte, ele. tic.
Das cobranzas e compras sobre as quantias li-
quidas 3 / e sofcre o miis nwdante previo
ajuste.
As entregas de qa*=quer encommendas e ttu-
los s serio feitas aos sen? proprios donos s pes-
soas por estes autorisadas enl cartas de ordem e
mpdinte recibos legalmente passados. ^^^^
li M U
Eua do Hospicio n. 81
Este novo estaliehvimento foracce rompdoria
tanto para fofa como para ilentro do ditif tiabe-
lecimnto, assim como nos dominojos e dias santos
haveri mio-de-vac a, o propriaiario tete urna
sala para algumas pessoas que quizer se ervir
particularmente, par lisa tem commodos sullioien-
tes para essa liui: espera portaato, do respeitatel
pabllcn agrande proteccSu.
prersa-s a> a
No collegio da Cmcei^io
rozifiheiro.________^______
Ra do Pharol n. 58.
Em Fra de Portas, Mi d asan frasd.. .
ga-so urna casa com hons conrmod para pe^n
na familia, tem duas salas, deas aparto*. mA.
cozinha fra, e uit pequeo qaiafirt : irata-fa n
caes de Apollo n. 69.
Preoisa-ss me e taca o servicc de casa de i
preferindo-sc serava na ra de Queanaao a ...
1 andar._________________________
"" CJMA DAFK.
Aos 2(HKK^000.
Bilhetes do Rio i renda : raad Ceaaaa a :
vende Vieira Rodrigues.
D..
Na travessa da na
das Crazes n, i, pri
melro andar, da-se 6
nhflro sobre penhores
(te ouro, prata e krilhin-
es, soja qual for aqnin-
lia. \a mesilla casa com-
inu-se os mesmos me-,
taes e pedras.
AHA
Offerece-sa^iMBriga soMeira para coa* de.
familia paralf *< euemiaar, ptefertode^o
casa estrangeira; qaem precisar annuncie
ser procurado.
para
Correspondencia de Portu-
gftl*
Os frs. assigoantes queirao mandar papar as
na* ansia-naturas do anno coffente, para no flra
do mez nao ha ver atropello na entrega da olha.
ATTENCAO
Os abaixo assignados her deirroo represe ata
da heranea de D-wunpos da .Silva campo, pe
vistivter ie se proceder em B*m^eja~el
partilhas des hens deixado* pela *
que se jelgar om direifi) i r
mesma heranea virem ao pn
presentar suas contas para seoam
pagas; bem como aos dutedores do bReride Ca
pos a viren saasfazer destro do aaesaao isa-
seus JebKos, ra do Crespo a 7.
Reeife 8 de janeirr de 1870.
Custodio Jos Aires Goimarae
Antonio Jos Cordeiro Siatoe
Carolina Mara Campos._______i"
Trabalhador.
Precisa-se de um tnbalhader pan tratar -
em sitio pequeo perto da praea, paga-so a era
dando-se casa propria o boa para morar, e|
se casado : a tratar na nu Nova a 19, t*

Francolino Domingues da Sirra j
nares airadecem do profwado d'a
concidefafio ^ue Jk$) awWran>oi
e amigos de iaireat-a dMI
acompanharem os restos moraos de saa i_
sima a ampre chorada espesa o odi Ansa i
mira 4e Oliveira e Siha oo tiaiioa psaaoo
da K do oirrente ; 'aoaaaa mmim s teda
na seas amigos e prenles para aswMroai aosasaa-
owe seaao resallas na matriz do 88. 3* rasmia tV>
Boa-vi>ta no dia terca-feira 18 de cocuis a*
horas da manbaa, e selioso dia do sea i
to, peloqti3 s< onlpssan es
-" s^^^^^a^ae saiitr ai^a
soja pjD^a wattataam lia
35, i' andar a esquerda.
/.


Diado tle Peaambuco Sa
ido 15 de Janeiro de 1S70.

i mi 1 ii#i
GOMES DE MinOS IRMftOS
atondo feito completa mudanza em sen antigo e
acreditado estabelecimento de joias, com o m de
dar-lhe maiores proporqoes e elegancia, convidam
ao publico em geral e com especialidade as Exms.
Sras. de bom gosto a comparecerem pessoalniente
das 6 horas da manhaa s 9 da noute na
RA 00 CABUGA N. A
onde encontrarao um completo sortimento do (jue be de raai", elegante,
bello e precioso em brilhantes, esmeraldas, rabins e tdo <[ue ci obres
de ouro, prata e platina se pode desejar.
ADEBECOS DE BRILHANTES, ESMERALDAS 1 RBINS
de *ovos gestos, assim como grande variedade de salvas e paliterros de
prata contrastada e de gosto anda njo visto, e completo sortimento de
j objectos de prata para uso das igreja,
Compram e trocam qualquer joia ou pedra preciosa e garantem
a qualidade dos objectos vendidos.

I
0 MUSEO
AMA
Precisa-so de ifjjrfln i\ m la idade qae sai-
i eiiiinhar e va : a tratar na na (in-
fiel n.21*.
A1A DE LEITE
Precisa se 1o udm .tina te bem na na Nova n. 21, 3" andar.
' Precia--, i nina naFivreuutauTavapara
o servia interno i>xtimo d ocna casi da pnuc
famili.. si'itiXj de l)i">a conducta : na roa da Santa
Orrn ii. 6*.
FOLHINHAS
*<* u> aaklr Las e aefcts se
LIVRARIA FRANCEZA
Rn do Crespo, W O.
u afcmadis FoDaku
MECD0T1CA E RELIGIOSA
PABA 0 ANNO DE 1870
PRECO R.9 3
- '-ftw:^'^*,'.,-*.
* jan
US**
Manoel AlvesFerrea & C, na na da Moe-
da n. 8, 2o andar, tem para vender superior vinho
di. Porto em ancores e caixas de duzias, barril-
Khihos com 400 e oO sardinhas superiores e bar-
ricas com baro de sabugueiro. nolassa da Hussia
e cal de Lisboa-
j
SOFFftIMENTOS DTSTOMAGO. CONSTIPAQAO.-
i-ura cm poucos das pelo orvAo oe eelloc em p ou cm pastillias.
ENXAQUECAS; NEVRAL.SIAS. Essaaffeccossioois-
sipadas rpidamente pelas Pr.ffcl.iS O'ETHC 'D'CLEbTM.
ANENllA, A PALLIDEZ e frmcntosque ncccssitnm do
emprego dos ferruginosos so sempre combatidas com o inclhor resultado
pelas pik.Ui.AS DE VALLET. Cada I'ilula tem incravado o nonie tULtt.
PO DE ROG. Basta dissofrer um frasco d'estc p cm meio
garrafa d'agna para so obtruma limonada agradarel que porga sem ft-
er clicas.
VINHO DE QUINUJM de Labarraque. Esto vinlio, um du.-
poucos cuja coivpoigao garantida constante, urna das mclhores pre-
paracoes de quinino, sem aceao notavel sobre os convalescciites, dando-
Ibes torca* e anressanas rolla a saude. Cura as febres antigs que re-
sist ao sulfato de quinino.
sa Sa
"MOLESTIAS DA BEXIGA. A majar prt*.d'tas motes-
t..j. como as sciaticas, lombagos, catarros, e tois af doras, nervosas em
eral eio coradas pelas pebolas oe essenom DBTHEtfBPuTiNA do
Br. Ciertan. O profissor Trousseau em seu Tramo it Iterapeuiim acon-
selha as para surem tomadas na occasio do jaatar, na sose de 4 k i i.
OLEO DE FIGAD0 DE BACALHIO OE BERTH.
Garantido puro c de primeira qualidade, um daa poucos aployadas pela
Academia de msdiciiia.
AVISO. Todos estes medicamentos f$wm nprmmlos pito Academia
imperial de medicina de Pars.
DEPOSITO
Em Paca V. FREKr., I, ros Jacob
-Janeiro. Domcnaia; Hsaauaa 1 Pernambuco. Iaghsh et O.
1 Cetra.....Mau.hi et S<*.

'i'EsiMwra.
Calda.....IlAiEetC!'.
FABRICA DE PIANOS
DE
af. W1GM1
J. Bhigass, saccessor
55Ra do Imperador55
Ner-ta mtiga e bem conhcida casa, icoHtrar-8e-lia como oatr'ora grande sor-
iipento de pianos construidos expressameat para o etma deste paiz, e Mr. J. Rhigass
^eijdo rabaltiado muitos annos na construcepo de pianos ern Pars, acha-se habilitado
i preparar d piano* que vende cwo todos os^icce^spfios iadispensawi* nSo s sus
oicz, como a sua duiafo. Tcdos os pianoa*) gjmrrjtfdns.
Tambera ha neste estabelecimento, grande variedade de msicas no'.as e dos
(Saflftores autores, tanto vindas de^Paris como oarato do qae em outra qualquer parte; assim como ha igualmente vooda todos os
abjectos necessarios eitos com o maior alo e cuidado.
ATTE
Pede-se ao Exm Sr. pr^sid^nte da pro-
vincia que tenlia ;i bondade de dar pn.vi
demias sohre o m;i > lado d<> calcamenU
tVi Atierro dos Af'gadon, visti n3o termo>
sido satisfeitos c-mf igual pedido an Sr
chefe das obras publicas por diversas vvzes.
Ama
Precisa'se de urna ama para cosinhar a
tratar nt ra da 'Jade do Re-'ife n. 22

O Sr. Horacio da Silva R.itteJtu e Cas
tro, acadmico do '>" auno, dirija-se a.iu<<
da .Madre de Deus n. 9. negocio de seu
ioteresse.
Criado
Precis.t-se do um criado de 16 a 22 annos,
para todo aervc do um rn"?) solteiro (menos en-
ibiiar) preiTinilo-^p eravo : a tratar na ra
di' l',;ihii}; n. 4. no musen de j as.
Furiaxaia mi d>4 5i>/ corn-nie da pov^ac"
deJanoatii um ravano lzao fiiveiro. romossig-
naes Npiiom : latnanbo regular, bdaa carn-s,
eam urna pequea marca de bexiga: quetu o
larehender ou delle der utira Jo> Leoncio d
AlbaqacriH} jiajjfDp lugar ou nu Recite rita
Bella n. 4-> sera re< mipensado.
Urgencia.
Muito se deja salier se nesta cidade, ou em
in.-.lquer outro aar desta provincia. Hxi>ti*tn os
Srs. Doniliigos Martins de Brillo e Joaqoim Pin-
to de Siqueira -ndn este pedido feito rumi muita
instancia paesuai taiilia, do rajan df Purtugal;
os interi'ssados por eate aanuncio, pi.dem dirigir-
la i). 10.
Pn-cis*'* lij ui>> a-ciavo nu forro para to-
jo serviju : aa ra >l*s Lurangeiras n. 10, hotel
(ranrrz:
Attenco.
'temi l'u^id i, lia das a escrava Aguida, cabra
de S unuus, mal- mi menos, mu pnuco uiigra e
v9fa,coiii n miio -^iipnsto d. Thereza, e4e se
a quein a pasis*' prender o nb>equio de leva-la
a sua s-nlr^ a,C\iM,i. Sr:i. Raiuucza da VioUiria.
a ni ii i Aurora n ik |
Siw.\;
vmm
tr^nma*
mi;w;o OE uo.vra
'L ii iKiiuTtlH mmf&l&JMamjmniyammJt Vende-re em frascos
D FG0S ffiESCOS Bi, BACALfO "'on-ascos nSQ-
lares, pharmaci Hoca,
2, roa de Caartglionc,
em Pars.
'i' *? 3
17
.....-'lattw, ns olrB panio-i. il'ow clwim
lorie, 1- mais ;oi:ipok0es feitas com oros :
.....;i"!'-- '-'" ''"...... /'-'*". :'iia. o phoca, a xa, m ;., ,.* <->i-athre.i pescad.-ra I
,,'rn<-r'fl.in, arnii .raginidos para .u!-titnir os rtraa.Ifir oros k> a,!,,,
dr ::.,<-.tH,nj .ir Tvirra-Nova). Es*es leos coinrauns ou seos nncmn -Jo i
!. iml:.-, ,i pnrprccosmui baos, em qi.-..jio que os Tcnlsdeirtti oioos de ligado de sacaP.ao '
.....;"' '''*''' 01.U0 .aro, visto q.iu para oblal-os [restos e He mitlura. cinopro xe-ccr '
,! 1 1 mna <: ic-r os n:-.on ciidadn- nos iroprto Inzares das pesca, asim come iamJa fazer '
..m:,o le 'vi. Kst,- airo. rntroK dr Barnlho ar Terra-Ko*a atr Mtxtm '
' ':' '! ::cniii i.-m i'.:ina universal as molestias do petto, as aSbrou i
. t 1 n-ipiatttzi. a mayf.ria 'os mci.ine:.,ctc.%cpoT i30,deram lugar a nociva o Oataea
- i !> l'Csfiy mu fcil de digerir, distlnpue-se entre os nutras ateos anta EU*
aVfrn -ua.r e delicado, e sea gosio de sardinlia fi-nsca.
tTOKIO (tnmteat do cliefe dos trabsllios cliymieot da FACliLDAIlE DE MEDICINA DE
': ':-. u --<:.-: 0 o.'eo cor ile pcli.a ie. Ai. lioga omtfm urna torca parle ss> Mfc. i
-- :,.i waai mai do que os oltt* parum e Uso aprsenla sigas dos aco>a'rif/*t *m H
'/./-.,. /limito ao i.he.iro e S'.bor. ^^
.I.---.C ros Uiana as piarniaciaa la Frauaa e iom pases ealraaorlraa.
^siaBarsjB8aatBia>MaiB!
SOFFOCAQ&O
AiM r^Ntiaa iwhrr oo BaiTori Ci.fbtax approvadtrs pela Acaderfa imperial
d,) medicina dv I'aiiz qcatanm quasi sempre instuntmmmmnte os atujpeS U asma,
Hj-rossao, solTocacrio, assini como as dore da caiawa e enxaqsswas. sufi-
icule na oneusio i-m qui! ajpaiecer o mal, o cngolir-se tima oirtfaa? parolas
com urna poma d'agm. com certeza o medicamento mais fcil de tomar para
iste gcneravdc enca.
A\s rcrnias uwabcntaista do tiooTOR Clertak sao iinprcg.idayeKtH'iamente
com grande xito para a cura das nevnalgias, rlieurnatismo, s'.:iatico e catarrlios
da bexiga, Lsias pcrolas lorarn aempre recommendada por um grande numero
de mdicos e espccialmeuto pela Doiitor f rQussaau, %m iudiua este medica-
mento como o mais cticaz. cenvsaiciile tomar de 4 at 8 na occasio das
comidas.
A approvacao da Academia imperial de medicina sem duvida a rnclhor
garanta da boa prepararlo dstes mtlicamentos e de sua efiicauia.
Deposito em Hio-J&xKinn, IHiptmchelie; Cheoalot. Emi IV.rkahbcoo, Maura-LO*.
CARVAO OE BELLOG
PARS
Approvado recommendado pela Academia imperial de medicina de Pai para a
cora da gastralgia e era geni de tedas as doencas nervosas do estomago e dos intestinos.
1 igualmente o remedio por exeelleBcia contra a retencao de ventre. Finalmente em
rasa de saos propnedades absorrentes, recomraendado como verdadeiro remedio Me
.cazos de diarruea e citoleiu. caras d*t BeUoc iataa-ae na occasio daa comidas
aob a forma de pos m de pattilhas.
Deposibe ta RioJaEiaa, Duponchell$; Chevolot. Em PEBaAaaoco, Maurer I C*.
--
i {
jdvogajo Lpiz Lop.s (*aI?liii Branco mndou
sen esi'ripliirio I > casa n. 2 da r ia d.i Ouelmado
parao segrinfln amlar da cana n. 31 da mesma
ra, predio onde o (Miunereianlr Rolim tem sen
estabelecimento; 014.1a faz publico, rtrm'ipal-
ini-nle a\i*a a.s*>.as clieates e a a.|uen*e* que di-'-
narem-sa proi-un-l" para os irah-illus de sua
protissao Aii srra de h je em diante rnrontra-
do nos din? fe ti a !>;| li*. de-de as 8 horas da ma-
ma nhaa iM*a tarde.
Desappareceu li n!em II! do Crreme urna ra-
rh"rinh rateira prei.i cun os ps e mos
amarelln, tatn um sigoal na Narrisa por falta de
cbe|| pnuco menos da moeda de um vmb-in :
quem a tiver achadti leve-a a ra Nova n 50.
luja, qu'.i ser geiv rosemenie rec "inpen-ado.
Asphalto
0 deposita darte material aeha-se bstanle peu-
vida, e o-aejikBtiisla abaixo assignado obriga-se a
fazer ladriUms dearmazins, terracos, calcadas,
coaUrira- ua*as de 111 .radia etc. etc. tuil eom
a maior perfeicao e -egnranea, visto a Innga pra-
tica que tem rJPsi.i arle, o C'im a maior presteza.
Ja deve estar ao alcanre de todos a utiilidade des
ta desc -licria. porque os ladrilhos fetos com as-
phaata sao livres da humidade, dos ratos, e do
cupial ; e mnito duradotires. Os senhore prelen
dente* podem mandar seus aviso- roa da Con-
cordia n. 113 : a tratar com o asphaltista Manoel
Firmino Ferreira.
Prfcifa^e de uina ama para comprar e co-
zmhar : na ra da l'raia annazem ns. 13 o 13.
COMPRAS.
Gajapraai-ac moedas de ouro e prata de to
los oa valore*, miro e prata em obras ir.ntili-;uia^.
arilhantes e mais pravas jireeinsas : na loja de
mrives do airo da Coacaicao, no Recife.
0 miizeo de joias
Na roa do Cabug a. 4 compra-se onro, prata
t pedras preciosas pop preoos mais vantajosos de
^ae era ulra niialiiuer parte.
(jone muito maior vaniagem eumprara-se
rocedas da oaro c prata : na loja de joias do Co-
raran dr uro n. 2 J). rna do '".ahupa.
ELEPHANTE
BOTAS
GRANDE ARMAZEM DE PLANOS, MSICAS E INSTRUMENTOS
ANTONIO JOS BE AZEVDO
N. 11- RA NVA-N. 11
Partecipa ao respeitavel publico desta cidade e,das mais provincias visinhas, que o seu grande e bem. acreditado annazem de itaslrnaientos para msi-
ca, acaba de chegar um graade e explendido sprtimento de
0 qae ha tje mais moderno, de teclado flxo e mobile, e com transposico ou sem ella, de autores os mais acreditados nesta cidade, como sejam : os
a-ama ios e bem conbecidos pianos da fabrica do Sr,
AFFONSO ____
de Varis, de y>OT o anaiitoiapia e q nico agente rtrsta cidade, cmo prova com documeato abaixo transcripto e assignado pelo dito
dos espei*mBBBW pai* o ctiHa deste pa^z, sao os nicos que offerecem urna garanta segura de sua doraco. Elles s5o aqui bastante cuahecidos desde 1844, paira que
*da nccsario iDistjr sobro sua sueerioridade. As suas vozes sao muito flautadas e melodiosas. Ees uossuem um teclado que s
4e Varis, del a O anainoiaBta a a nnico aanntp. ntsL-i cidade cumn nmva com a documento aliahn transcrintn e assitrnado rielo dito Sr, Urortdel. Estes piauos,* abi-
jote caahecidos desde 1844, para qae
wya riccssario iDistjr sobro sua superioridade. As suas vozes sao muito flautadas., e ofelodiosas. Elles possuem um teclad qae sa pteala a tode* oe caprichos d
eaborae pianistea,
Todat as pessoas qp* comprarera pianos nesta basa, sao rogadas a exrgirera e cartrcado de origem assignado pelo Sr, Ronde) aflm de provar a sua,
autoicdafle do aumaro de piaa* com o de certificado.
AO PURLIOD
Mr. Alphoase Bloadei, fabricante de pianos em PARS, declara ao respeitavel publico de Pernambuco, que o nico deposito de seus pianos na cidade
lo rietie, *UA WVA H. f 1, aasaum de Antonio Jos de Azevede. OtMro siaa qae tcdos m seus ptanos ao accossi>anbados de um certificada de origem assig-
itado ^s.mtL
9mp%s de juiboda 18rl9.(Assignado) *|plM*e UfaradeL
O auMidan tambem troca e ataga pianos. E ktm o maior e mais explendido. sortimente de aovas
HI1IA PABA mAXto*
As aakMS recebe dkactamente da Eanapa e do Rio de Janeiro; des acreditadas caaes dos Srg. Pelippone 4 Tornaghi, Narciso, Artbur Napejifc A .,
etc. Tamben4001 graae sortimento de papeleara masieae dVswiho ; cerdas para todos instrumentos. ricas gr*tme- quadios para ornameatee wi, oteados para
astwatho de salas, ricos eepelhos dourados, qaadrados e ovaes, caixinbas. de costura com msicas e aera ella, oatojOB pare viag m. nlogics com despertador,, yidros para
anelbos de todos es tamanos, iala^arca. laase agulhas para bordar, e muitos outr s artigos que o respeitavel publico encuatara) sempre neste annazem, 9 ruiai estar
harto todos os das ate s 9 horas da nojte aim itiai Exmag. familias poderem ir apreciar os seus pianos.
MVR.UHE I
CoBipjam-se e vendem-se diariamente para fra
e dentro da provincia eseravos de todas as idades.
cores e sexos, com tanto que sejam sadios : n<'
erceira andar do sobrado n. 30, a nu cbis Crnzfts,
'reguezia de Santo Antonio.
Preeisa-se comprat urna esrrava de meia
idade : quem liver e quaira vender, dirija se a lo-
ja de calcado da ra da Cruz n. 21.
Compratn-se
eseravos de ambos o* sexo : na ra do Impera-
dor u. 73, andar, da- 9 la ranina as > da tarde.
CoqaprasoBiau oserava jte meia idade que
saiLa cosinliat : a tratar na padaria da ra Bi-
reita a. 84.
VIMDAS.
eseravos de ambos n sexoa na rna do Impera-
dor n 75*2 andar, *a* t a navhia as 5 da
tarde.
mmm
No caes 22 de. Novembro n. 32, vende-se esto
pim para quebrar iiedraa.
Carrosa eom boi.,
Vende-se urna carrot* t*>va eom um, boi muito
bom, quem pretender sstrja-ae roa da Praia
371, loja defunileiro.
Attenqao ao bom.
Vndese urna s-rrava peca mucamba recolbida
idade 16 annos, engomma, e eoae ramio bem; i
seravas para todo o ser vico. 1 dita idade 35 an
aue, perfeita eng unmadeira e Cinneira, 1 ascra-
ivoi peca, idade 28 annos. e t nwlaliuho idade 13
1 araos : a Trave-sa do Carmo-a, 1.
A
2*
m
t ja
r>tt*
t I
IM
i#ui*
H
(O*
m*
Si*'-
i(*
A VEHM1IE
tRuado Queimad|<5
A YEKDAD&trtdoem debite r-ate*
quantidade demiodezaae pe/futnariaV e 4#-
twjando-apurar rohuww adajucnr fea i"-
uuezia esta rssjivida a veuder moki ;-
barato, ; pyr e*M razio convida aOt\^>-
tavel publico a ir copetit.:ii.-r do n sorUr-se do bom e barato, l'dkt q*tas>
do a Verdad? appareca, lutlo rosa e>*-
ipfiarece....
Grande sortimento de bnoecoe de tct m
massa as mais lindas possi^eis venidas a ca-
rcter.
Abotoaduras modernas para cnl
lelca.......
Espelhos doeradoi pepoeaos. .
Agnlbas de o*o para crox a .
Pentes para regav com osotas a
Ricos globos para candieiro de gaz a
Cbamms a.......
Grande soiiimento de objetos de
louca pai.. brinque do de nKaiuo
Garrafa co:a tinta a.....
Hita com agua florida verdjdeiiJ a
Dita 1:0111 alisa lita a .
Frasco com>.! Dito com a};ia deQiilonia a :IQ0 .;
Gairafa com agusvdivsia a. .
Frasco coi rxlrelos fao e>. .
LaUs pequeas com Oatitu nimio
fina a l-e......
Sabonetes de(1iveisasqua!i ijJesa
80, 100, 40e.....
Finas cscovas para dentos do l0a
Lindos coques moderuos a. .
Pavios para gas, duzia a 2*0 e .
liscevas para facto a {k<0, fjOe
Ditas para cabello a.....
Peale; para tirar piolho a 1R0 e.
Rrincos de cor*s, bonitos a 160 e'
Pecas de tranca de la com 8
varas por.......
Oleo para machina de costura,'
frasco a. ..,,.. .
l'Hinas d'acjo tinas Cafias a 800 e
Dita d'aco Perry, caixa a. .
Galo de alcodo |>era ....
Lindos babadiuhs e entremeios
peca de 500 a......
Di 1 os de lou$a milito lino a 1-20 e
Ditos para catea a !(*) e. .
Caixa com papel amizado a. .
Ditas com envelopes a. .
Ditas com'orireas a.....
Caixi cora-agulhas fundodocradd
Ditas de ditas ditas a.....
Theoora para coatara a MOe
Caixa com linha dB marca a .
Linha de ct)fes em novellos li-
bra) a........
Carreteis de luda Alejandre da 19
. at OO. .......
Grampos muito finos coen pass>-
rys, duzia a......
Ditas france/.as a -jiOO e .
Pa,iel almarjo e de peso, resma a
33400, tyM c .
a muito lina para bordar, libra.
Fita de algodo para debra.u sapatos, peca a.....
Ditas de laa para debrum de ver-
tido, peca a ......
Pentes Gnos para segurar ca-
bello a ........
Ditos ditos de bufaio para alisar
a 240, 320 e......
Ditos para aparar penna a .
Rosetas prrtas, par a .
Tranca de laa d< caracol peca a 40 e
rila de coz peca a 480 e .
Alfinetes df> latao a.....
Sapatos de laa para enanca a rQe
Cravata de serlas de cores a .
Galcadeiras a ...... .
Grande sortimento de rendas 4aa til. k
Um par de suspensorio de borracha pe
100 ris I!! !
\a Verdade rna do ___________&.
~ CIENTO
Da melhor qualidade e por m< n >r |
i|ue em outra qualquer parte, v.ndem .\bi
ral, Morena & C. -m seuarmaztm ib. C
da Alfandeca n. 7.
u
I--:
*
14)
7*
i
. i
!
*^
i*
. **
:rf.
.44*
-
4fr>
' sd
109
(;-
MP
Mi
\m
2ft-
Cera ein velas e ca g; iiane
a I 9JO por libra
Domingos Alvrs Malheus, tem paia vender ew
seu escripierie a ra do Vigario iv. 21. -m'
'era em .'ruine e em velas fabricadas em li-bo:.
pelo barate pn-co de lf por libra era lotes a
vontade dolnmprador.
* Vende-se urna bonita MfriNb* aiuito dol
CMle, com idade de II annos a qnai-eude-se por
precisa : na ra da Paz n. 34.
Na taberna da rna do RaaBei n i, vender
unta preta de idade 26 annos coro ama fllha da
idade de 1 mez.
Vende-se .taberna da ra de Snla Bita n
31: a. atar aa mmmiv.
Refln"$t<>
Veade-se a refin;j<;o si|B\jua de Hojeas n. Tr.
* tratar na niesnia.
Vndese a-4>ern
|oannazem le muHiados d s Sis. Cuvatb;
& Sonta, ra da Praia n. 29, v^ndVm >e -accwdc
farinba de mandioca n grosso o a refalho.______
~^^VENWi-ScTOij AHRENDA S_ a pro
priedadedefromiada Barra de SeriiiMHi,
no littoral da freguezia do mtmo nnnv.
com gnmde ren la da trra a recebar e ma-
tos coqueiros a iesfructar; trndn. alee:*.
disto, a eicallene e.rara posii o beira-uia-
e boira-rio, inteiranate aprupriada par
manter-se ah malquer iajjj>rlnrisfsfsda
cooaaercial de seceos e motilados: a tra-
tar oa rna d'Au-ora n. 2tt, ou na do itnr
rador n. 20.___________
Bous escraves e escruta
Vetide- e 0 eseravos bonita* ftguraa, Ha-,
do 15 a 22 annos rom todas as liabilids-
des precisas ao ser vico de urna casa, i ee-
cravo pessa. idade 22 annos. I moleqov
idade r6 anuos, e I mulatiuho d*- 13 anoot-,
na trawssa A* Carrao a. *. _____
Cortes de seda
A loja Alvar Augusto de Atmeida & C. acaba de r*e-
ber ricos corte da sida de cor e, pr-Hos o melher
qao ha no inwreaitvv assim caa> ba-qmna* d j
gorgurau; muda+i* uiteirament nov-. chai
-inhos de vello* a rirofien e maito- ootrus ara-
dos, tudo do uiamoao te.
MIUIO
propria para principiante
Ja'roa DrrPi n. &,
a tratar oa mesma.
- Em pequea* porgues a83500; em qiaion-.
a 8|000, milho noaa, tecos grandes, na ra -*
Vigario n 16, *sbbbV eaeriptorio de Joaqu'f
Guido de Bastos. Sa mesan casa ha para ven-
der excellenle fariaaa ide mandioca arroz, g..a-
ma, tapioca, ararata em bairiqninhas, alfateana,
vinho do Porto em anaoreats c arrfc de quieta,
tudo precos rizoasasa.
" CEMENTO
O veriladeir pordand. S se veade a
mada aMr di Bewn. 32, anna-ads>
J ao M-i tmsnV'sttrtoe.
I -- Menletsa ps dV piiiras da Aft-v''
ler J phatada em sesto, propyias par: muda
itfe oaartiB muita* oandades em rarna citio junto ao portio do cncanacicnto d'agna.
metal



t.
I
'6
Diario de Pernunbyoo. Sabbado 15 Je Janeiro e 1870.
AGUIA NEGRA
oo
i
BENTO MACHADO i C,
A AGUIA NEGRA animada com o bom accolhimento que te va em seas annun
cios, vem de novo participar a seas freguezes, que. acaba de receber um vanado sorti-
mento de objectos de gosto, os qaaes serio vendidos por presos muito razoaveis, pois
quando fez os seus primeiros annancios, foi o que assegurou, e sem mdo de errar,
porque cr-mo j disse est ligada por interesses a urna casa importadora desla praca, e
por isse poder ter tudo especia! e vender por precos admiraveis.Chama pois a atten-
?5o de seus freguezes para os artigos que possa descrever:
Livros com o tampo de marflm, madre-( Um-variado sortiments de cbaroteiras e
perola e tartaruga, propris para missa, palliteiros de porcelana,
Garafinhas vazias proprias para presantes
cousa de gosto.
ndispensaveis de palinha e de couro pro-
pris para senhoras e meninas trazer nos
bracos.
Binculos de madreperola, marfim e tar-
taruga todos esmaltados.
Cintos largos de setim, cousa inteiramen-
te nova.
Fitas de sarja de todas as cores e larga-
ras para lapos.
Toucas. sapatinhos meias de seda e mais
pertences para baptisados.
Fitas com inscripcOes proprias para bou-
quet de noiva,
Tentos para voltarete.
Bengallas com marfim, cousa especial.
Sabonetes de alcatro.
Cofres de folhas para dinheiro.
Lindas caixas para costura.
Um completo sortimento de luvas de pe-
lica,
Talagorce para-bordar.
Um completo sortimento de enfeites de
seda para vestido.
Perfumaras de todos os autores os mais
acreditados em oxtractos, pomadas e leos
e finalmente outros muitos objectos que nao
possivel mencionar; mas com a vista se
deste estabele-
Ricos vasos com p do arroz.
Um variado sortimente de jarros de por- certiflcaro do sortimento
colana. I cimento.
Aguia Negra, ra do Cabug n. 8.
ft*Bflm iiiiiiini mull
Sil a
2. cr. T.
r* cr.2.
SJ o
lili
gS 335
*" o o
B m ft J a 9
gg^^
MU*:!-
g B
' Mg.o g
"* CU
lH
A9 V> IL V5 CD
2ja So 1 _.
2.. "-o
(9
i



3
II
8 I
BS
og
i?
15

pf
o
o
s
oi
o'
E
B
jgg c
2 a-a a
5-9 S 1*9 2-
Sf
p-
^
B 3
E S*" H o r; o o
a3 S ""
?2tlis
S M I X
Bu
tt ""Cu-
n si B (t a
B
e
|
O
S*
o
3.
e-r-
IiOJA
DO
GALLO VIGILANTE
Ra do Crespo n. 9
Os propnetarios deste bem coabeeido estabele-
cimente, alm dos quitos objectos que tinbam ex-
postos a apreciacao do respeitavel puMico, man-
daran vir e acabam de receber pelo owjmo vapor
da Europa um completo e vanado sortimento de
finas e mui delicadas especialidades, as tjuaes es-
to resolvidos a vender, como de sea costume,
por precos muito baratinhos e comrnodos para to-
dos, com tanto que o Gallo....
Muito superiores luvas de pellica, pretas, brauj
oas e de mui lindas cores. ,
Mui boas e bonitas gollinhas e puntaos para se-
niora, neste genero o que ba de mais moderno.
Superiores pentes de' tartaruga para coques.
Lindos e riquissimos enfeites para caberas das
Exmas. senhoras.
Superiores trancas pretas e de cores com vidri-
Ihos e sem elles; esta fazenda o que pode haver
de melhor e mais bonito.
Superiores e bonitos leques de madreperola,
marflm, sndalo e osso, sendo aquellos brancos
com lindos desechos, e estes pretos.
Muito superiores meias fio de Escossia para se-
nhoras, as quaes sempre se venderam por 30*000
a duzia, entretanto que nos as vendemos por 20*,
alm destas, temos tambem grande sortimento de
outras qualidades, entre as quaes algumas muito
finas. V; i
Boas bengalas de superior canna da India e
castao de marflm com lindas e encantadoras figu-
ras do mesmo, neste genero o que de melhor se
pode desejar ; alm destas temos tambem grande
uanndade de outras qualidades, como sejam, ma-
Bira, baleia, osso, borracha, etc. etc. etc.
Finos, bonitos e airosos chicotinhos de cadeia e
de outras qualidades. '
Lindas e superiores ligas de seda e borracha
para segurar as meias.
Boas meias de seda para senhora e para meni-
nas de i a 12 annos de idade.
Navalhas cabo de marfim e tartaruga para^ fazer
barba; sao muito boas,e de mais a mais sao ga-
rantidas pelo fabricante, e nos por nossa vez tam-
bem asseguramss sua qualidade e delicadeza.
Lindas e bellas capellas para noiva.
Superiores agulhas para machina e para crox.
Linha muito boa de peso, frouxa, para encher
labvrintho.
Bons baralhos de cartas para voltarete, assim
como os teios para o mesmo Dm.
Grande e vanado sortimento das raelhores per-
fumarias e dos melhores e mais conhecidos per-
fumistas.
COLARES DE ROER.
Elctricos magnticos contra as convulsoes, e
faWlitam a denticao das innocentes criancas. So-
mos desde muito recebedores destes prodigiosos
collares, e continuamos a recebe-los por todos os
vapores, afim de que nunca faltem no mercado,
eomo j tera acontecido, assim pois poderlo aquel-
les que delles precisaren, vir ao deposito do gallo
vigilante, aonde sempre encontrarao dostes verda-
deros collares, e os quaes attendendo-se ao flm
para que sao applicados, se venderlo com um mui
diminuto lucro.
Rogamos, pois, avista dos objectos que deixamos
declarados, aos nossos freguezes e amigos a viren
comprar por precos muito razoaveis luja do gallo
vigilante, ra do Crespo n. 7.
Machinas & vapor de
forpa de 3 e 4ca-
vallos.
Motores para 2 cavallos.
Arados americanos.
Machinas de faco e serrotes para desca-
rocar algodo.
Bataneas para armazem e balco.
Gamas de ferro.
Cofres de ferro de Milnez e de Ubit-
field.
Prencas para copiar carps.
Fogao americano patent
i
US NOVAS SEDAS
11--RUA DO QEIMAS0--11
1
Chegaram da Europa pelo ultimo- vapor toja de Augusto Porto. A ricos
cftes das mais, linda sedas de mimosas edrespmn vestidos propris para bailes e ensa-
rnen tos.
Grande variedade de sedas de listras de diversos preeos todas de lindas c&res,
gorgurao de seda preta, e grosdenaple de varias qaadades e gorgurao de seda 13a de
difierentes cores.
Novos vestidos brancos de blond para noivas, lindas colxas de seda para camas,
ditas de la e seda, cortinados bordados para amas e jaueMas, fronbas e toalbas de
cambraia de linho bordadas.
Luvas novas de Jouvin.eelegantes sombrinhas de sedas de cor para senboras.
Espartilhos de 5<5 at i(W, lindos boornous de cachemira de cor para sahida
de baile, basquinos de renda preta, e ditos de croch branco e preto para senhoras.
Grande variedade de camisas bordadas e lisas para homens e meninos.
Sortimento de militas fazendas de 13a, linho e algodjo todas por presos muito
mdico.
Tapetes grandes para sof, piano e camas, pecas de tapetes o de alcatifa para
forrar sales tudo em quantidade; e vendem sempre^por menos que em outra qualquer
parte.
Esteiras da India de 4,5 e 6 palmos de largo.
ATTINCAI AO
Grande armazem de fazendas e ronpas fritas roa da Imperatriz
n. S2, porta larga, de Paredes Porto.
Neste estabelecimento encontrar o respeitavel publico um bonito sortimento
de roupas de todas as qualidades, palitots de alpaca a 3^, 3^500 at 6. Ditos dt
merino, ditos de casemira de cores bonitos gostos a 5, 65, 8;> e 105, de panno preto
sacos e sobrecasacos. Ditos de brim pardo finos e ordinarios. Ditos de alpaca branca
e de cores de 35500 a 55000. Calcas de brim de cor finas e ordinarias, ditas
brancas de todas as qualidades, ditas de brim pardo fino e ordinario, ditas de casemira
de cor e preta de 45, 55, 65 a 455. Colletes de todas as qualidades e preco muito
barato. Completo sortimento de camisas francezas de algodo e de linho de 25 at 55
urna. Sortimento de seroulas francezas de algodo, de linho e bramante a 25 e 25500.
Gravatas (mantas) novissimo gosto a todos os precos. Meias sortimento completo a 35-
45 at 75 a duzia.
ROUPAS PARA MENINOS.
Encarrega-se de quaesquer obras de encommenda tanto para bomem, como
para meninos, e com brevidade, por isso que tem um bonito sortimento de fazendas de
todas as qualidades tanto em casemiras como brins, pannos finos e outras multas fa-
zendas.
FAZENDAS
Bramantes de 41 palmos de largura a 15800 o metro.
Cambraias de cor e branca.
Alpacas de todas as cores a 640 rs. o covado.
Poil-de-chvre com lista de seda fazenda de gosto a 15200.
Basqoines de guipare enfeitadas a 185000.
Sortimento de chitas escuras e claras a 280, 300 e 360 rs.
Madapolao fino a 65500, 75, 85 e 95000.
Algodo peca com 20 jardas a 45300, 55500 e 65000.
Pega de algodo largo a 75500.
E outras muilas fazendas que ser enfadonho mencionar Cheguem roupa
feita qne|se est liquidando na loja ra da Imperatriz n. 52 (junto loja de ourives) do
LEftO DA PORTA LARGA
DE
p Paredes Porto.
3
S a
i
^lilil
Cal nova de Lisboa
ehegada no ultimo navio : vende Joaqun
Ramos, na ra da Cruz n. 8. Io andar.
Jos
LOJA DAS MACHINAS
BASTOS
Acabam de chegar grande quantidade das verdadeiras machinas americana
para descansar algodo de todos os systemas e tamanhos seguintes :
12 serras 12 srras
14
15
16
18
20
22
25
40
ditas
ditas
ditas
ditas
ditas
ditas
ditas
ditas
ditas
ditas
14 ditas
15 ditas
16 ditas
18 ditas
20 ditas
22 ditas
25 ditas
30 ditas
35 ditas
40 ditas
is quaes se vendem por precos commodos e roga-se as pessoas que deltas fizeram en-
commendas de alguns tamanhos, obsequio de as mandarem busca-las o mais breve pos
ve! afim de nao baverem faltas.
RA DA CADEIA N. 56 A
1(0 BAZAR DA MODA
DE
JIM DE SOLZA MIRES k C,
Ra Nova
VENDE-SE MUITO BAUTO PARA LIQUI-
DAR A DINHEIRO.
Lavan.
De pelica branca muito frescas, ebegadas
por este ultimo vapor para homens. senho-
ras e de cores e pretas para meninoso
par 25000.
Minhas festas!!
Lidos objectos para mimos, como sejam:
Estojos e caixinhas de msica, bolcinhas t
sestinhas. vasos e balainhos de porcelana
dourada, figuras, tinteiros, port-bouquet
caixinhas para j'jas, interesantes conchinbas
com frascos para excencias, ricos quadros
para retratos, apparelhos de plaqu, cama
feo e madreperola, lindos vasos com perfu-
maras etc. etc, e muitos outros objectos
para este fim.
Chapeo* de sol ou sombrlu^as
de setim ricamente enfeitados e mais mo-
dernos que pode haver para senhoras a
445, 165 e 185000.
GUIPURE OU CROCH
preto ou branco que o pode baver de mais
bonito empadroes e superior em qualidades
para casacos, capinhas. corpinhos, meias
saias etc. e vende-se muito barato."
LINDAS CAMELIAS
brancas e cor de rosa nV dous tamanhos
cada rosa a 15200 e 15500.
Chapeos para sen oras.
de palha fina de Italia elegantemente enfei-
tados e gostos muito modernos de 155000.
vende-se para liquidar a 105000. E' pe-
chincha.
ARARA
E' novidade.
O propnetario da loja da Arara, ten a honra de
declarar ao respeilavel publico, que reeeben um
completo sortimen'o de fazendas de todas as quali-
dades e vai expr a venda pelo prego mais barato
que possivel, como seja madapolao de todas as
qualidades, aigodosinhos, chitas e cnssas, panno
finos pretos, cachemiras pretas e de cures, grosde-
aples pretos e outras muitas fazenda que a vista
dos seus freguezes verao a sua qualidade de preco
como barato-: ra da imperatriz, loja da Arara
az m m
Chegou ao amigo deposito de Henr? Forster 6
L, ra do imperador, um carregamento de sai
de primeira qualidade; o qual se vende em partida?
e retalho por menos preco do que em outr* qua)
qur uarie. ___
Attenpo.
Vende-se o estabelecimento de molhados da ra
da Imperatriz n. 39 : tratar na mesna,
3cordeiro presidente.
Ru 4o QnelMado a. 1.
Ntev variado sorthaento de perfumara*
finas, e outros objectos.
Alen de completo sortimento de perfu-
maras, de qae effecvamente estprevida
loja do-Gorctro Providente, ella acaba d
receber nm outro sortimento que se torna
ootavel pela variedade de objectos, superior^
dade, qualidades e commodidades d pre-
cos; assimrpois, o CordeiroProvidente pede
e espera continuar a merecer a apreciacSe
do respeitavel publico em geral e de sua
boa freguezia em particular, nao se afas-
tando elle de sua bem conhecida mansidae
a barateza. Em dita loja encontrarao ot
apreciadores do bom:
Agua divina de E. Coudray.
Dita verdadeira de Murray 4 Lamman.
Dita de Cologne inglesa, americana, fran-
ceza, todas dos memores e mais acreditado
fabricantes.
Dita de flor de larangeiraa.
Dita dos Alpes, e vilete para toilet.
Elixir odontalgico para conservacio do
isseio da bocea.
Cosmetiques de superior qualidade e chei-
ros agradaveis.
Copos e latas, maiores e menores, con
pomada fina para cabello.
Frascos com dita >aponeza, transparente
a outras qualidades.
Finos extractos ingleses, americanos e
francezes em frascos simples e enfeitados.
Essencia imperial do fino e agradavel chei-
ro de violeta.
Outras concentradas e de cheiros igual-
mente finas e agradaveis.
Oleo pbilocome verdadeiro.
Extracto d'oleo de superior qualidade,
com escolhidos cheiros, em frascos de difie-
rentes taannos.
Sabonetes em barras, maiores e menores
para maos.
Ditos transparentes, redondos e em figu-
ras de meninos.
Ditos muito finos em caixinha para barbe.
Caixinhas com bonitos sabonetes imitando
fructas.
Ditas de madeira invernisada contendo fi-
nas perfumaras, muito proprias para pre-
sentes.
Ditas de papelao igualmente bonitas, tam-
bem de perfumaras finas.
Bonitos vasos de metal coloridos, e de
moldes novos e elegantes, com p de arroi
e boneca.
Opiata ingleza e francesa para denles.
Pos de camphora e outras differente
qualidades tambem para dentes.
Tnico oriental de Kemp.
Alada Mais coques.
Um outro sortimento de coques de no-
vos e bonitos moldes com filets de vidrilhoe
e alguns d'elles ornados de flores e fitas,
estao todos expostos apreciado de quem
os pretenda comprar.
GOLLINHAS E PUNHOS BORDADOS.
Obras de muito gosto e perfei?2o.
FI vel las e Oa para cintos.
Bello e variado sortimento de taes objec-*
(os, ficando a boa escolha ao gosto do com
prador.
Primeiro introductor dos pocos tubulares
instantneos da Abyssinea.
Avisa-se as pessoas
que baviam feito en-
eommendas dos rel
ridos pocos que os ve
filiam buscar a ra
n.21, onde b
qualquer e^cla
\ova
tero
recimt'iito.
HHi (1/
Este dioira*el
epuraTO oau
ontaneniiimer-
urio, iodo ou
dk| um i
^ teto Bodil-
cador parto singue e con radicalmente as molestias depeii'e,Ues coio lepra, atimpigens, as herpes, as
| espinosa, e os Pastaos, etc.Empregado diariamente elle refresca a massa do sango? e consolida o uoflo.'
IlIJFrriA ranrt Cva s.dh? ? c*^*1"0* antigo w
Tamo,
t ft i 11 iffi i I
w, c os rasaos, etc.Empregaao ami
IHJECCAO GADET
9AMM, 7, B Denain,
M nal rebeMea.
ItAP! POPUIiAR
DA
FABRIfA NACIONAL DA BABIA
DE
Teixeira Uldurtco f C
Acha-se venda este ptimo rap, nico qua
pode snpprir falta do prnceza de Lisboa, por ser
de mui agrada vel perfume, viajado, e a preco o
mais mdico possivel; e por isso tem sido asss
acolhido as pracas da Baha, do Rio de Janeiro e
em outras do imperio : no escriptorio de Joaquim
Jos Goncalves Bel trio, ra do Commercio nu-
mero t7
TURA.
Acabam de chegar ao Grande Bazar Universal
roa Nova n. 22Carneiro Viannaum comple-
to surtimento de machinas para costura, dos au-
tores mais conhecidos, as quaes estao em exposi-
cao no mesmo Bazar, garantindo-se a sua boa qua-
lidade, e tambem ensina-se com perfeicao a lodos
os compradores. Eslas machin*s sao iguaesit
seu trabalho ao de 30 costureiras diariamente, e a
sua perfeicao tal como da melhor costureira de
Paris. Apresentam-se trabalhos executados pelas
mesmas, que muito devem agradar aos pretn-
denos.
vintee cinco accoe da estrada de ferro de Olinda:
quem pretender dirija-se ra do Imperador n.
75, 2 andar, das 9 tl.-i manh.i as *t da larde.
Vende-se um terreno com 120 palmos de
frente para a ra da Cadeia Nova e 120 para a
ra do Gaz: a tratar a ra do Queimado n. 35 A
loja da Esperanca.
Paris, 36,lluaViTienn, W.
CHABLEMCOCCIN
OEPURATIF
i- SANG
aUBIHrnUMIDADAS DESSKXUAJiS. AS
COKS rUTANAS.E ALTOUCOESUOSA
"nu, itsrofool
Isarcirlo).ao|mj
ato lanyue. (Xarope vogotal i
r.'l'M vematatoa *_-
tomao-se dous por samaos, sogaiodoo traotammiam
Dariiratt tmpragaa'o aas masmas "
lata XsroD Citrarto i
__opa
ferro da CHABLI.
immadiaumata
ayryavcoo, rtk
,bUid*l, ifU
Ll. tan
PLUS DE
COPAHU
mente oa(buen**r *<*"" ^L^tSU
su iajaecao beuign tpra- oo o Xupoh
Citraoto i F*m.
n^Mais. ramaa qaa a ca am tros
POMADA ANTIHERPETICA
Contra t %u mflevmjMamm tm
PILULA8 VE0ETAE8 DEPURATIVAt
4 v auMf, 4 nm tai ?? *
aaMaotc.
S \
l



(

m


~
r
1 -.
VTH


Diario de Pernambw Sabbado 15 de Janeiro de 1870.
---------------tj.
0

I
i

-.
A OINHEIRO NA LOJA E ARMAZEM
DO
DE
FEIIX PEREIRA DA Sllrt\.
O proprietario d'este grande estabelacimento, vendo que se est aproximando o fin-
do anno, e tendo m ser um grande deposito deposito de fazendas; nao fallando era
vultadas encoramendas que Ibes esto obligado todos os das, tem resolvido liquda-
las por preco muito mais baratos do que era ontra qualquer parte ; s eom o fim
de diminuir o deposito e apurar dinheiro. Encontrase neste estabelecimento do
PAVO, avultado sortimento deiajwidas de lexe e modas; assimcomo de primeira
necessidade. As pessoas que negociam em pequea escala n'esta loja poderao surtir-
te vendendo-se-lhes pelos precos que comprnm, n*s casas inglesas; assim como as ex-
cellentissimas familias podero mandar buscar as amostras de todas as fazendas, ou man-
dar-se-ha levar peles caixeiros da mesma loja em suas casas; o estabelecimento se
acha constantemente aberto das 6 horas da manh5a as 9 da noite.
LAAZMHAS MODERNAS NA LOJA DO PAVO
'" *TBm*'*"
A
'A 00 QustMAB
JX>*
Explendido sortimento de
roupas feitas
NA LOJA DO PAVO A RA DA
IMPERATRIZ N. 60
Acha-se este grande estabelecimento com-
pletamente sortido das melbores roupas,
aendo calcas pahtts e coletas de easemira,
de panno, de brim, de alpaca, e de todas
as mais fazendas que os compradores pos-
am desejar, assim como na mesma loja
tem um bello sortimento de pannos casemi-
ras, brns, etc. etc. para se mandar fazer
qualquer peca de obra, com a maiorpromp-
do vontade do freguez, e nao sendo
Cfaegoa para este estabelecimento un grande
sortimento das memores e mais modernas lazi-
nhas para vestidos, sendo tapadas e transparentes
de todos os precos e qualidades qne se vendara
mais barato do que em ontra qualquer parte.
Crochs para car I eirs e sofs
0 Pavo tem um grande sortimento dos
mais bonitos roches proprios para cadei-
ras sofs, mesas, almofadas etc etc., assim
como proprios para cobrir presentes, e ven-
de-se mais barato do que em outra qual-
quer parte,
GLACET A 1:200 PARA VESTIDOS
O Pavao tem esta nova fazenda lisa pro-
GMNN NOVIDADE
Guando a AGIA BRRNCA, mais precisa scientificar ao respeitavel publico em
geral, em particular a ua boa freguezia, da immensidade de objectos que ltimamen-
te tem recebido. justamentequando ella menos o pode fazr e porque essa falta invo-
luntaria ella confia e espera na benevolencia de todos que Ih'a attendero e releWao,
continuando portanto a dirigirem-se a bem conhecida k ja da AGUIA BRANCA ra do
Queimado n. 8, onde sempre aehaio abundancia em sortimento de superioridade em
qualidades, modicidade em precos e o seu nunca desmenttido AGRADO E S1NCERIDADE
Do que cima fica dito se coahecequ o lempo le qat a AGUIA BRANCV pode
dispr, einpregado apezar de seas castos no oesempenbo de bem servir a aquellos que a
hoaram procurando prover-se em diU loja do ^ue necessitam, entretanto sem ennume-
rar os objectos que per sua natureza sao mais conhecidos ali, ella resumidamente indi-
car aquellos cuja importancia, elegancia e novidade os tornam recommendaveis, como
obri??(^s.a 5^!a:!?'*.???!? "i8!?!11? Pria Para vestidos, com as mais delicadas
cores e eom mais lustre do que a propria
seda com 4 palmos de largura que facilita
fazer-se qualquer vestido com 10 covados
completamente ao seu contento, assim como
a'este vasto estabelecimento encontrar o
respeitavel publico um bello sortimento de
camisas fraacezas e inglezas, ceroulas de e vende se pelo baratissimo proco de 1:200
rs. o covado, pechincha.
Organdys a 360 rs.
Vende-se os mais bonitos organdys de
cores com padres miudos egraudos. sen-
do todos de cores fixas, pelos baratos pre-
cos de 360 rs. o cova lo.
ALGODO ENFESTADO
Vende-se urna grande porcSo de aigodao-
sinh americano com 8 palmos de largura
proprio para lences e toalhas tendo liso e
trrucado que se vende por preco muito em
conta.
rabo e algodlo e outros muitos artigos
proprios para bomens e senhoras promet-
tendo-se-lhe vender mais barato do que em
outra qualquer parte- Na ra da Impera-
trizD. 60, loja e armazem de Flix Perei-
ra da Silva.
CERA DE CARNAUBA.
Vende-se urna grande porco de cora de
carnauba em saceos por preco mais barato
do que em outra qualquer: na loja do
Pavo ra da Imperatriz n. 50. De Flix
Pereira da Silva.
FAZEXDAS PARA LUTO
Na loja do Pavao.
Encentra o respeitavel publico neste estabeleci-
mento um grande sortimento de fazendas pretas,
como sejam, eassas franeezas e inglezas, chitas
pretas de todas as qualidades, fazenda de la de
'.odas que tem viudo, proprias para luto, como
sejam, laazinhas, alpacas lavradas e lisas, caolao,
bombazinas, merino, etc., qu tudo se vende por
preco barato.
AS CASSAS DO PAVAO
Covado a 300 re.
Vendem-se finissimas eassas franeezas eom lin-
dos desenhos e cores fixas a 300 rs. o covado.
Madapolao francez a 7 #000 rs-
Vende-se pecas de madapolao francez
com 22 metros pelo baratissimo preco de
7S000 a peca, pechmcha.
lilas novillaitos em sedas
Chegou um grande sortimento das mais
moderiaspoupelinas ou gorgures de seda
e linho com os mais elegan'es padres que
tem viudo a este mercado sendo, miudos e
graudos, tanto o;n corte* para vestidos como
para ven-ier em covado, assim como um
bonito sortimento das mais bonitas sedas
iistradas qut su vende tudo-muitoem emita'
Grosdenaples de cores
Chegou um grande sortimento dos mais
bonitos grosdenaples de todas as cores para
vestidos que so vendem muito mais barato
do que em outra qualquer parte.
GRANDE PECHINCH A A 5:000 RS. PECA DE
Bretanha
Vende-se pecas de superior bretanha de
algodao tendo quatro palmos de largura
com 20 varas ou 22 metros cada peca, esta
fazenda seria para custar 85000, a nao >er
wia grande compra que se fez, e liquida-se
a 55000. cada peca.
\0S 20IIIL M DE
LAASINHAS LUSTROSAS A 400 RS. 0 CO-
VABO.
S o Pavao
Vende-se um grande sortimento das
mais modernas e elegantes lasinhas para
vestidos, com as cores mais novas que tem
vindo a este mercado, sendo com listrinhas
raiudinhas que parecem de urna s cor e
com tanto lustro que imitara perfeitamente
s poupelinas de seda, e vendem-se pelo
barato preco de 400 rs.
Bretanha*'de rolo a WOOa
peca
Vende-se superior bretanha de rolo ten-
do 10 varas ou 11 metros cora 4 palmos
lie largura pelo burato prego de 20500,
Rehincha.
Os setins do Pav&o
Vende-se os mais bonitos setins de cores
e mais encorpados proprios para vestidos
tendo de diversas cores.
AOS >ALIT0TS DO PAVAO A M e
205000.
Vende-se am bonito sortimento de palito-
U franceses sendo, sobrecasacados e pro-
priamente sobre-casacos, que se vendem
forrados de alpaca a 185000 e forrados de
seda a 205000, pechincba.
C0V2IASDEFUSTA0
Na toja do 1 avie vende-se um grande sortiroen-
> te de calchas de futio sendo brancas e de cores
ditas de croch para camas de noiva, assira como
Qomtos damaaeos de Isa para colchas.
Na loja ao Pavo vendem-so os mais
bonitos chales de verdadeira cachemira de
cor, com'os desanos mais modernos, a 05,
10 e I2)>000, cuito barato na ra da Im-
peratriz n. 60.
BASQUINAS A 12,5000
Na loja do.Pavao vende-se as mais mo-
dernas basquinas ou manteletes de guipure,
pelo barato preco de 125000 cada urna.
Cortes de organdys com barras
Para a loja do Pavita chegaram, os mais
bonitos cortes de organdys com barra, send>
cada um em eeu carian, com o competente
figorino, muito proprios para fazer pre-
sentes*
anos de llnho
Chegou um grande sortimento de pecas
de panno de linho do Porto que se vendem
de 700 rs. at 15000 a vara, garantindo-se
que em fazenda de linho nao ha nada me-
Ihor. nem mais proprio para lences e toa-
lhas.
PECHICHA EM CHAPEOS DE SOL
Chegou um grande sortimento dos me-
nores chapeos de sol de seda, inglezes ten-
do neste art go o raelhor que tem vindo ao
mercado assim como-urna grande porco de
ditos de alpacas de todas as cores e todos
se vendem por preco muito mais barato do
que era o Ira qualquer parte, por haver
grande perco.
llneos braucos
Venfle-se um grande sortimento de len-
cos brancos para homem, sendo a dnzia a
15600, 23O00 e 35000, ditos abanhados
muito linos a 45 e 65000 a dnzia, ditos de
eseuio fazenda muito superior a 55, 65 e
75000,
Pechlcha esa casenilras a .v.OOO
Vende-se finissimas casemirasde cor com
listras ao lado, tendo duas larguras e com
as cmvs mais novas e mais bonitas que tem
vindo ao mercado, pelo baratissimo preco
de 45000 o covado ou 75000, cada corte
de calca.
Os baloes do Pavao a &000,
Cheg u um grande sortimento de baloes
ou crenolinas do feitio mais moderno muito
proprias para vestidos ennesgados que se
vende pelo baratissimo preco de 25000 ca
da um grande pechincba.
AS CA RRAIAS DO PAVO A 4:500 RS.
Vende-se urna grande porco de pecas
de tinissimas cambraias brancas transparen-
tes tendo 10 jardas, com mais de vara de
largura pelo baratissimo preco de 45500, a
peca sendo fazenda que nunca se vendeu
por menos de 85000, grande pechincba.
AS POUPELINAS DO PAVO A 500 RS.
Chegaram as mais lindas poupelinas de
la com imitaco das poupelinas de seda,
um- fazenda muito leve com as mais lin-
das cores, sendo: verde Rismark, rosa, azul
lyrio, c nsento, perolla etc, etc. e vende-se
pelo BSratissirao preco de 500 rs.
Fustes brancos para vestidos
Chegou um lindo sortimento dos mais ba
ratos e bonitos fustoes brancos com listras
e cordes, sendo fazenda bastante larga e
llexivel, muito propria para vestidos e rou-
iias de meninos e vendem-se a C40 o co-
vado.
BONITAS L&ASINHAS
OU ANADINAS A 5000 RS. 0 COVADO.
Chegou para o Pavo, um grande e va-
riado sortimento desta nova fazenda de 15a
e seda propria para vestidos, com os mais
delicados desenhos e mais modernas cores,
tendo bastante largura que facilita fazer-se
nm vestido com poucos covados, pelo bara-
tissimo preco de 15000 o covado, por j es-
tarem muito prximos da festa.
BRETONES MATISADOS PARA VESTIDOS
A 640 E 800 RS.
Para a loja do Pava chefjaram os mais
bonitos cretones escuro* matisads. pro-
prios para vestidas, ronpo chambres etc.
que se vendem 800 rs. o covado, assim
romo a mesma fazenda em padres claros
proprios para vestidos e roupas de meni-
nos a 640 o covado, sendo os padroi-s mais
modernos que tem vinpo ao mercado.
Chitas fraocezas
Para aloja do Pavo chegaram as mais
finas e bonitas chitas escuras, propiamente
franeezas, e vende-seffc-800 rs. o covado.
b-m se]a
Corpinhos de cambraia, primorosamente
enfeitados com fitas de setim e obras essas
cuja novidade de molde e perfeic de ador-
aos i s tornam apreciados.
f-itas mni largas de diversas cores e qua-
lidades para cintos.
Leques uesse objecto muito sepoderia
dizer querendo descreve-los minuciosamente
por suas qualidades, cftreee desenhos, tal
o grande e variado sortimento qae acaba
de chegar, mas para nao massar o pretn-
deme se lhe apresentar o que poder de
melhor.
Entremeios em pe?a? de 12 tiras.
Guipure branco e preto de diversas qua-
lidades e desenhos.
Ditos de algodo com flores e lisos.
Veos de seda para ehapelinas e monta-
ra.
Meias de seda para noivas.
Ditas abertas de fio de Escossia.
Costumes ou uniformes para meninos.
Enxovaps completos para baptisados.
Capellas brancas para meninas.
Grandes sortimento de flores tinas.
Fil de seda, preto.
PERFUMARA
Grande e constante sortimento de dita,
sempre melhor quajidade.
Lindos vasos com p de arroz e pinsel,
Caixinhas com ditos aromticos.
Bonitos e modernos pentes domados
para circular o coque.
Bonitos brincos de plaquee.
Aderecos e brincos de madreperolr.
Caivetes finos para abrir latas.
Tbesouras para frisar babadinhos.
Aspas para balo.
Novos stereoscopos com 48 vistas, as
quaes sao movidas por um machinismo
urnas substitnera as oulras.
Vistas para stereoscopos.
Bonitas caixinhas de vidro enfeitados com
pedras.
Ditas de madeira envernisada com vjspo-
ras e com dminos.
Bollas de borracha para brinquedo de
lilUfi IIIIUVI
O Campos da ra do Imperador n. 28,
no intuito de servir satisfatorimente aos
seus innumeraveis amigos e freguezes, em
particular e em geral ao respeitavel publico,
desta cidade ; avisa aos que estiverem pas-
sando o lempo calmoso, nos deleitaveis
jarrabaldes desta capital, que tem resolvido
vender, de de superior qualidade, a precos
razoaveis. os seguintes gneros a saber:
PARA CIMA DE APARADORES
Latas com doce em calda de diversas
qqalidades nacionaes e estrangeiros.
Ditas com peixe a saber; salmn, ostras
e (agostas.
Ditas com ervilhas franeezas e portugue-
zas.
Ditas com gela franceza.
Cerveja franceza verdadeira Bobee.
Presunto para fiambre e aflambrados.
, PARA DISPENSAS
Latas com chouricas novas sendo de 85,
cada urna.
Presuntos de Lamego para tompeiro.
Cuias do Para (pintadas pelos indgenas
daquella provincia.
Copos de vidro com dobradica e tampa
para diversos misteres.
PARA OS QUARTOS DE DORMIDA
Porta-phosphoros cheios de phosphoros
de segnranca.
PARA SALA
Churutos de S. Flix do afamado fabri
cante Cosa.
Fumo picado do Daniel de S. Joo do
Rio de Novo.
Alm desses gneros, o Campos tem con-
vieco de que o seu estabelecimento una
dos que podem satisfazer com garantas as
exigencias bem entendidas, dos Ilustrados
habitantes desta heroica provincia, porquan-
to s* acha elle bem prvido de gneros su-
periores, de maneira a nao desmentir
O Campos.
Tmiquinhas de fil, sapatinhos bordados enancas
e meis para ditos. Diversos objectos de porcelana, proprios
Camisinhas bordadas para ditos. para enfeites de mesa e de lapinhas.
SORTIMENTO PARA A FESTA
Vende-se por menos de 10, 20 e 30 {0
SO' NO
UIAZII CONSERVATIVO
N. 23Largo do Terpo.N. 23. -
DE
siMAO nns santos a- c.
Os pi oprielarios deste beai sortido armazem de secco e molhados esto re-
solvidos a fazere urna grande diminuico de p^egos as suas mercadorias, como se apro-
xima a festa e sempre se fazera avultadas compras para o centro e praca, por
isso previnem ao respeitavel publico em geral, que mande fazer suas despencas e cer-
tos de que vero a grande dinerenca em precos mais do que em outra qualquer parte
e garanlind<)-se as superiores qualidades.
GAZ AMERICANO 9*500 a lata, e 440 SEVADINHA E SAG 280 rs. a libra e
rs. a garrafa e tt60 rs. o litro. 620 rs. o kilogrammo.
VINHO VERDADEIRO FlGUEIRA 560 FAR1NHA DE ARARUTA VERDADEIRA
a garrafa, e 45500 a caada e 800 rs o ti- 640 a libra e i<54<0 o kilogrammo.
BRACO
Ra do Imperador n. 26
Neste novo estabelecimento enconira-se
diariamente um variado sortimento de bo
linhos para cha, pastis podin>, bollos in-
glezes, pes de l presuntos, ditos mi fiara-
ore, superior cha Hvsson, preto, e miudi-
nho. Vinhos finos de todas as qualidades
conage, licores, conservas, champagne, cer-
veja ingleza, fructas muito boas, por-
tuguezas e franeezas.
Um completo e variado sortimento de
caixinhas de todas os goslos e precos para
mimosear senhoras, estas caixinnas recen-
temente chegadas de Paris sao de primor a-
do gosto, offercsse-mo-las aos galanteado: es
do bello sexo pois nellas acharo nm digno
e serio presente para as donas dos seus
pensamentos. Tambem os apreciadores da
ha fumaca encontraro charutos dos me-
Ihores fabricantes da Babia e de Havana
sganos do Rio de Janeiro etc. etc.
Doces d'ovos seceos, christalisados e de
calda, ditos de ca'j ede uutras qualidades
Nesta casa recebem-se enommends para
bailes, casamentos e baptisados e qualquer
encommendas avulss, como seja pao d- l
e bollos enfeitados e outros muilas couzas
que enfadonho mencionar.
tro.
DEM DE LISBOA das melhores marcas,
400, 440 e 500 rs. a garrafa, a 2&800 e
35200 a caada, 660 e 720 rs. o litro.
DEM BRANCA) DE LISBOA a 45000.
a caada e 560 a garrafa, e 840 rs. o litro.
VINAGRE VERDADEIRO DE LISBOA
200, 240 e 320 rs. a garrafa, 1)400,
15800 e 25200 a caada,
AZEITE DOCE DE LISBOA 900 rs. a
garrafa, e a 75 a caada, e 10340 o litro.
MANTEIGA INGLEZA FLOR 15400 e
15280 a libra, 35060 e 25780 o kilo-
grammo.
DITA FRANCEZA 960, 900 e 850 rs.
a libra, e 25100, I 980 e 15860 o kilo-
grammo.
DITA PARA TEMPERO 560 rs. a li
bra, 1,)220 o kilogrammo, em porco se
far abatimento.
BANHA DE PORCO DE BALTIMOOR
720 rs. a libra, o 15560 o kilogrammo, em
porco se far abatimento.
ARROZ DO MARANHAO E DA INDIA
120 e rs. a libra, 260 rs. o kilogrammo e
35400 a arroba.
ALPISTA 200 rs. a libra e 440 rs. o
kilogrammo, e 65000 a arroba.
OAF EM GRAO 65 e 65500 a arroba,
200.240 e 260 rs. a libra. 440 e 520 rs. o
kilogrammo em sacca se far abatimento.
SABAO MASSA 240 e 200 rs. a libra,
520 e 440 rs o kilogrammo, em caixa se
faz abatimento.
MASSAS PARA SOPA, MACARRO, TA-
LHARIN E ALETB1A, 560 rs. a libra ,e
15220 o kilogrammo.
BOLACHINHAS EM LATAS DE DIVER-
SAS QUALIDADES, bem como perola bri-
Ihante, combination, Francy-cracynel, mixed
Britania. Mdium. Fancy-nic-nac, a, b, c, e
soda a 15000 e 15400, cada urna lata.
Assim como ha outros muitos
muito novas, passas e figos novos, charutos de diversas marcas, marmelada. feita pelos
meihores consentiros em Lisboa, gela de marmello, pcego, ervilhas, em latas, por-
tuguezas e franeezas, vinho verde engarrafado retalho, peixe em latas, bem como
pescada, tainha, pargo, goraz, lula, corvina, vezugo, cavalla, sarda e sardinhas de Nan-
tes. Canella, cravo, ervadoce, cominho, pimenta, grandesmolbos de sebolla 15500.
Finalmente muiios outros gneros que enfandonho meociona-los.
Na loja e armazem do PavBo m da Imperatriz n. 60.
BOLAXINHA INGLEZA MUITO NOVA a
400 rs. a libra e, 8"0rs. o kilogrsmrao.
VELLAS DE ESFARMACETE 720 rs. o
masso. era caixa ba abatimento.
PHOSPHOROS DO GAZ E DE SEGU-
RANCA, 280, 400 e 560 rs. o masso,
35200 e 65500 a groza.
AMEIXAS EM LATAS E CACHINHAb
DE MUITOS TAMANHOS 15280, 25500
35500,45500, 55500 a lata e a retalho e 15
a libra.
GOMMA DE MILHO AMERICANA 400 rs
o masso. e em caixa ha abatimento.
BATATAS NOVAS DE LISBOA 60 rs.
a libra, em caixa faz-se abatimento.
SEBVEJA INGLEZA MARCA II 55500
a dnzia e 500 rs. a garrafa.
DEM BASS, VERDADEIRA IIILERSA
BELL, 800 rs. a garrafa e 95 a dnzia.
VINHO DO POBTO ENGARRAFADO DE
DIVERSAS MARCAS 15500, 15200, 15 e
800 rs. a garrafa.
GENEBBA DE HOLANDA E HAMBUR-
GUEZA 75 e 65 a frasqueira, e 500 rs. o
frasco.
DEM DE LARANJA DOCE AROMTICA,
115 a frasqueira e 15 o frasco.
QUEIJOS DE DIVERSOS VAPORES,
35000, 25800 e 25400 em caixa ha abati-
mento.
TOUCINHO DE LISBOA MUITO ALTO
400 rs. a libra, e 880 rs. o kilogrammo,
e 115500 a arroba.
LINGUICAS FINAS PROMPTAS EM LA-
TAS 15000 rs. a lata.
LOMBO DE PORCO ASSADO JA PROMP
TO a 15000 rs. a lata.
CHA FINO, GRAUDO E MIUDINHO
35200 e 25800 a libra, e 65100 o kilo-
grammo.
DEM PROPRIO PARA NEGOCIO 25000.
252O0 e 15800, rs. a libra,
gneros, vinho era ancoretas, azeitonas.
l
ilIJIIIill
Resta venda um escolhido sortimento de ob
lectos de marcineria, como sejam, mobilias de ja-
arand, mogno e ama relio, obra nacional e estraD
{eir, de apurado gosto e por preco- raznaveis
na na estreita do Rosario u. 32. Nesta mesma
sa azem-se cqm perfeico todos os trabalhos dt
jalhinha. como sejam, empalhamentos de lastro-
jara camas, eadeiras e. sophis.
Vamie-se um arriuho americano de. ditas e
quatro assenios : pnra ver e tratar na ra da Flo-
reniina.
i atralos : pnra ver e tratar
i, nfflrina no Sr. Grosjean.
Cal de Lisboa
chegada no ultimo navio, jem para vender Joa-
qun Js Godcalves Ri-ltro, no seu escriptorio a
roa do Oniiwreio n. 17.
Rheumati mo e moles-
tias syphiliticas.
salsaparrilha
veame, tin-
ane-
CEMENTO
PORTLANO.
Vende-se no armazem amarello de Vicenie Fer-
raira da Costa & FiHio, defionte do aro da Gon-
eeicio, em harneas (iraniles.
Gunha IrraHos & 0.
PARA A FESTA
3 portas, 1 ja de fer agem
53-Rua Direita-53
Neste mnao es^belecimonto, ha para vender
nm completo sortimento de ferragem, e mindi'zas
finas e grossas, como sejam bandejas chinezas
cuadradas e owaes, fcicas e garlos un I, i bu- (
bes, bataneo intniro e 1/2 balance panr1las,rha- .. MADdE DOS N. 3i. .
Iheiras, racarolla?, fn^ideira-, as'.tdeiras, tatito Tem para vendur vinho de ferro oono s porertana, moinh diversos tamanho do afericanie Japv, dmos teilo- mrate o bem coohecdo vioho engarrafado lagri-
gra-imop. tanto te ferro, como, de ut$n, metros mas do Oooro, e bem assim ancoretas de vinho
para medir fazendJ tanto de ferro romo de latao,. fino encapadas e cal de Lisboa nova.
laltre, hreo, barbante, ensofre. nap.-! nBTi via- ~
do, do verdadoiro- Ficardo, nwe*lnas par 4esea-
rocar algodo; alera d*ou*n arn^os de lerra-
geni, miudezas eolilaria fina, que oem a vi,
te se verifica na r ji direita n: 53 loja le 3 h r-
Us de Manoel Bento de Oliveira Braga* C
Veude-se
Arrobe vegetal, xarope de
rio Pai pilubs e xarope de
tura e xarope de si.upira.
Doencas do ligado e
ma, opilado, ele.
Emplasto, oleo, pommada tintura, pi-
lulas, xarorje e vinho da milagrosa Juru-
beba.
Sczftcs ou Mires intcrmitenles
As pilulas anti-periodieas de Pinto.
nico deposito destes medicamentos na
pharmacia de seu autor roa larga do Ro-
sario n. 10, junto ao quartel do corpo de
polica.
NA PflARMCIA DO PINTO RA LARGA DO
ROSARIO N. 10 JUNTO AO QUAR-
TEL DE POLICA.
Acham-se constantemente promptas a
ser.'m satisfeitas, :is prescripces dos Srs.
facultativos, e as necessidades dos enfermos
s especialidades da mesma pharmacia.
composta de melicamentos, tanio indge-
nas, como estrangeiros.
Toses e molestias do peito.
Xaropes de fedegoso, rabo de tato.
Ainao, pao Cardoso, juca, molung, llo-
araba, etc, tc.
^-----------------;-----.----------------I
Liquidaco.
0 proprietario da loja. denominada Garibaldi.
faz ver'ao respeitavel publico c eus fregoezes. qm
tendo concluido seu balanco, como de cosime
dar-se no fnn di cada anno, e tendo o mesmo pro-
prietario feito diversos abatimentos em suas fazen-
das para survir seus fregoezes, como sejam alio-
mas ahaixo mencionadas, a saber : madapolao
o e bou, algodao pessa i e '.i, chitas france
zas a 280 o cova lo, eassas (rancezas a 20 o co-
vado, alDacas de cores para vestidos a 300 o cova-
do e outras muilas fazenda- que seria-enfadonho
mencionar por falta de lempo, fazendas pretas para
a quaresma a saber : groslunaples preto de to
das as quaJidides, panno fino preto de todas as
qualidades, caxemiras pretas e de ores e nutras
moilas fazendas que se vendo ero te-erva de pre-
co na ra da Imperatriz loja do 'arihaldi n. 56,
em leiniH pra nao haver engao na frente da lo-
ja do Ganbakii tiaver dous leireiros de liquida-
cao em teitia (rande
menos do que era outra parte farinha da ter-
a efcrjSomnbtinho : no aroazem iodapenden-
cia, roa do Rangei a 3.
COGNAC.
De superior qualidade da mu accredita-
da fabrica de Bisquit Duboacb & C, em
cognac ama das que mais agurdente de
cognac, fornecem para o consnmmo do
Reino da Inglaterra.
Vende-se em casa de Th. Just. ra do
commercio n. 12.
VENDE SE ou arrenda-se o engeno
S. Gaspar, sito na freguezia de Serinhiiem,
comarca do Rio Formoso, prximo do em-
barque, com grandes partidos de pal e
massap i roda da moenda, mattos mangues
para madeira necssaria, bom pasto, etc.:
a tratar na ra d'Aurora n. 6, ou na do
Imperador n. 20.
- Vende-se
para om s o!
co razoavol
n.32.
t un:
barv
trn
na agullu azo-nullial prismtica,
ador, obra excallente, por pro-
ater no ci-s ? de Novombro
Candido Alberto Sodr da Molla & ('.., com
escriptorio e armazem na travessa da Madre de
Dos n. 14 tem para vender o seguinte :
Cemento Poriland de 1* qualidade o melbor que
tem vindo ao mercado,barriCas de 13a 14 arrobas
por 10*000.
Vinho Bordeaux das seguintes qualidades:
St. Julin.
Fronsac.
Lormant.
Si. Emilion.
Margan*
Chateau de Boycherelle.
St. Lamben.
LaJonbere.
Duplessis.
Cauor.
Dearsesai.
Vinho do Porto qualidade muito especial.
Azeite doce refinado em '.-aixas de 12 garrafo
Vinagre superior em garrafcs pequeos..
Farelo hamburguez, saceos de l'O libras, por
63OOO.
Farinha de trigo de superior qualidade.
Barris c6m alcatro, de arcos de ferro.
Fomos de todas as qualiJades, se encontrara
neste estabelecimento em latas, rolos o fardos.
Papel de todas as qualidades, proprio para ci-
garros.
Vende-se nm csbbelecimento de car- ^
ros de passeio, em boa l.)calidade, por fwl
seu dono nao poder achar se sempre jg-
n'elle. Assim corno se fn sociedade com &
alguma pessoa que i|ueira : tratar na Hj
ra Direita n. 47 loja. H
MILHO
Vende-so no (raplcbe Barao do Livrameuto san-
cos com milho, boa saleara c por n.enos do .|Wt-
em outra qualquer parle.
Vende-se
Urna negrinha de idado de 12 anuos, fabe tra-
tar de meninos : compra muito bem, e faz tois
algans servic.is de casa : quem quizer derija-M
ao becco dos Fern iros n. 3, casa terrea.
ESCRAVOS FGIDOS.
Fugio no dia 27 de dezembro prximo pas
aado, a escrava Henriqnela, prea er.nla, itlae
20 annos, chela do corpo, altura regular, eabelloa
carapinhos, le>la larga, iclle po n e pinhenta,
beifos grossos, bocea grande, denles larpns e per-
feitos, olhos e maos grandes, pura ama cicatriz
em cima de una follas e pea ehalON cuja *cravn
tem por costume alugar-se como livre, proleslu
a quem tem oreultada : ropa-se as autoridades
pohciaes e a quem cunvier, a caplura, que se m,
tilicar satisfactoriamente em casa de seu sentvu
ra do Hennqnes Dias n. 20.
Acha-se fgido u escravi. prciode nome J
s, ido e 40 aun is, estatura regular, carpo a pro-
porco, poura barba, alguns cabellos tranco:-, na
cabefa, tem junto a bocea e no pecoeo lgni I-
de um arranhao. cuja rr mais clara que :. ff.'i
pelle eui consequem-ia de ler tarado ha Bouco, le-
vou chapeo einzenm de f.-ltro. camisa de chila 1 >
e outra branca e duas calcis parda, foj esei 1
do Sr. Antonio Manuel Pereira Vianna nor&dnl
no Gravar : quem o capturar leve-o a ra do
Apollo 11. 14, que ser recoii'pensado.
Gratificacaode 100|
Ao chegar a esta cidade em sua ultima viagein
dos portos do norte n vapor nacional Guar, fugio
de bordo o escravo Severino, niolalo, de 30 annos
de idade. que do Ceara remeiriam os Srs. VWra
Sal|ldo Smiza 4C por cnntt do Sr. RaVmundo
Olimpio G, l-'reilas, ao Sr. Ilelphim Ribciro de
Ahreu, no Rio de Janeiro : pede--e. portanlo, s
aut iridades policiaes desia cidade e aos apiliei
de campo a caplura do referido escravo, e de en-
tregaren! no aos abaixo asignados cesta cidade,
ao caes da alfandPga velha n. 2, que se re-p.n-a
hilisam por todas as despezas que se. tlzereni, gra-
tificando mais a qualqner capitn de campo com a
qoaotia cima referiaa.
Veras & Barhedo.
Fngin no dia 8 ilo Brrenle nifz de dezwn-
hro de 1S69, do enpenho (iqui, fregaezia da fc.'^
cada, o escravo Paulo, cabra, de idade i' anMfc.
allnra e corpo regulares, barbad", cabellos cara-
pinhos, peitos e Urnas bem rabeliudos, cara rara
marras de bexigas, lem marca do chicote !elas
costas com parenciasde ipielmadaraa, veftid.- con-.
cali;a de biin. pardo, camisa de madapolao, cha-
peo de palha de carnauba, fui escravo do padi'H
Lniz, m Tador nos Afogados. tendo o mesnu- es-
cravo iniiltier e fllhos ntsse lugar : paga-se 100
de gratific^cao a quem o prender e leva-lo ao dito
engenho, ou na mi do Cabug n. 11 ao Sr. Fran
cisco Antonio de Brito.
Aviso s autoridades policiaes
e a quem competir
No dia 21 de maio do eorrente anno.
fugio o escravo Ezeqniel. crioulo de 30 5
anuos de idade, estatura reputar, reforjado
cor bem prela. cabeca redonda, trajava ca
mi-a azul e calca de rassemira cinzenta
dorante <> dia cosluma andar ganhando as
roas, ou em armazens d. iMOcar ou as ta
berras a conversar e a beber; dtrarjjtft a
nnite recolhe-se a telheirns abortos, ou pe-
nutraveis, a casas em coristrncc5o e a OHtros
quaesquer lugares, onde se possa abrigar:
quera o appri'hender tenha a bondadeder
condnzia a ra da Aurora n. 26, ou na d>
Imperador n. 20. onde ser gratificado
Fngiram do engenho Animoso, do 4* dislri;-
to da Escada. no dia 31 n> dezembro, os esrraro*
seguintes : Lniz, crioulo, de idade 20 annos, maf*
ou menos, cor fula, alto, secco, cara redonda, filia
moderada. Icio pernas e partos do corpo com mar-
c.is de sarnas grandes, de nm dos Indos marca dV
caustico que ha pouc.o -dffe^u, levou roupa 9ral
de aloo" o de onlras cores, um piban de moro,
chapeo do couro e um de bale. Felippe. haixo.
grosso. cor jirea, rara redonda, pouea barba e
conserva raspada, lem nina ferida mi Jed> grando
do pe dieir rendido da venina- do lado e>qner-
do, levou roupa azul de algod e d outra laz*-
da, chapn de eoaroe lm de baia ; ambos fi>ram
comprados a Amaro Jo de Araujo, como proe-
rador, e morador na frenuezia de Villa-Bella, Ut-
mo de Flores, sendo senhor do Luiz, Leonel t!oc-
deii-o de M igalhes, e de Felippe. Cornelio Cor-
deiro de Ma:alhes ; foram vendidos na cidade dw
Victoria : roga-se aos capitaes d campo e as au-
toridades a captara dos ditos negros.
AVISO
Fu"io no dia 24 do correte niez de dezembro
do sillo da i'onte de t'cbua, 0 escravo Vicluruui,
(lino do ser'.o do Ico, preto fula, baixo. idade 17
a 18 anuos, vestido com caifa branca, blusa He
ateoAozinbo curia, chapeo do rtiylo de aba larga,
t bastante ladino, costuma a embreagar-se, N 1
eom humiidade : pede-se, porlanu-, s aMortia
des pliciaes e nos capilaes de c,--.;jio a ra[:
d referido escravo, e de entregar no sitio da Pu-
te de tjeha. de J>>s Morcira Eop -fie xetJltd
ipOj de gratiacacao.

I



iimRATIffii
Sonho.
* ** faena noven* oberta de fture,
.aWriadu.rfn amora radiante de, luz,
vw|(t-!i) da virgeiu que o peito uto eatlaoimu
ttnraul.i da ch.imiiiai|iie n.i-.v d:i cruz,
* frus raininho constante <1ex;wn
ffeOipics da lava ilo lftm<:8*i vnli-*i
a od-'i i i! irisics, (irnsi-npi.ci duserjn'
*te ptfeeca rdanles pedir-llic pordaV.,
"'" *! offuliia raioha d'wn mundo
ac> rio" e Itieund > de (i h de aiiidr,
torrn p'ra di'* na erenea inlbminiiU
artaiW', em-afe Oe gratoxpteti&r,
<|r A>e, qae Lrlln nrihada Harmona
iwi! eava r, arebauj" ns ceas,
l: pulira tmageie twein lao bella
i sola capel la, das fosas d !>eas,
\6>ft].';s rtK nnvrm p.is franja te o r-1
totaa-i* o tlies*nr fe sffecto* dw mata*.
.X) ** ijue scni elle, era acre tur-memo.
&m nste lamento, soeunrlio *j dr?
3 a- marn ligeira do espaco corra
X bem i.mge a harmona tiapresja paroe,
sin* mi pMeonva a sombra da rgn
*Sof arJente vurtigem p'ra inim desuoh
esperto, c conheoo que o quadro iwooho
ff*(nh> d'uni MOhoquo a nuvem roobea.
*s* eu r na larra, na mente gravada,
Reservo a sonliada vao que paou.
Soneto.
Has aersoa .'ram>pjmxiu qae no espae.,
Ka cortejo LaruMukwo van passamK
?-m J'lrft embriagante ento soaha;.
Hiera acordar nw (eu regado,
o* flirts matioacs cm estrello abrac
"?aroma tirgidal oo respirando,
'Joizera le dizer logo acordando :
50 taha Leonor. 4a rlfee primavera dos teus annos
*> anecio, a amor tudo delira
To eiabale iatal dos desengaos,
JGKIkt! em sentidas notas diz m'a lyra
"^tartratrJftom tu'r.lina os seus arcanos,
S-iz quem- jirtHv ti por ti suspira.
C. Y.
Berjfe, 10 de anoiro de 1870.
qim ilas lo \jo. Il.-i-le percorrer alera
d'.sso ao cite Italia que da. expedcd,
s aguas aH o punto d eeaassa da
Babor. 0 Tanfanyika e o Nyiee Ch b* (de Baker) tem um poriU) de ori^e a
300 tniihas d'aqui. As l'mhas do corren^
do oeste do centro converger era um
lago n3o explorado, situado ao oeste ou n
sueste d'este. Em^inuto ao canal ds ex-
|)edic5tj d'este lago e preciso tiQqoe se o Nilo ou o Gong i.
Os habitante* d;is raarRfis fl'este ligo
so cauibaes, a dar-s ciedV) is araD'js.
Devo ir primeiro alli. de);is vallar ao Tan-
atiyika, so o poder faf.sr s nado, e eavmlrarei alli a mmUn nova esi
cuita de ZanzbarDavid UchigslaM. i
0 Dr. Kiik escreve ao mesm.f lempo
qae envina j a OudjJji os objeclos qu
ibe pedio Livngstono na sua carta do raesi
ultimo e que vai euviar-lrte imtnedata'
mente o que loe pede de novo.
UMBE8ERR0 JUBILADO.-ma softh
ra de Londres, cojo laai-nk b prteticia
a sociedade de temperam; i, marinan um
meio, qbe suppnz elD-.az, para o curar
do vicio la embriaguez. Eotehdeu sy
cura o wachman, que se presten a coad-
juva-la no seu projecto.
0 marido eslava bebado como tri.iti
mil homens. 0 wacliman fez que o irans-
portassom a escola de medicina, ctijo
porteiro era seu amigo. Q.iando o bebado
acordou da sua profunda l^thargiabacchico
olhou e a vidta de si. e descohro ura ho-
mem sentak) junto do fugo fummdodcsj
cuidadamente o seu charuto.
Onde estou eu V perguntod ee.
No nmphilealro de medicina.
Que estuu aqai l'azendo ?
Para ser dissecado.
Dis.-ecado Que me diz 1
Semduvida. Ymc. morrea hntem
com urna bebedeira, e sua multter rometten
para aqui o seu cadver, e Iftve razSa de
o vender, visto que viuc. nunoa llie ren-
dera cinco ris. Se vmc. nao est morro
nao culpa dos doutotcs qu* o compra-
ram, e lacerto o han de dissitcar. qaer
mono.qaer vivo.
Pois isso verdade'?
utoMikt. fmtst tnkr nln
perawtecfl na trra, sera
vista de mais pajlu, para
dmtor ese rosto lao puro,
esa Jo leiivel, ess
QtMtxla as ptUnam rc*wbt?aci conj| jara *ttr%
dicta universa t neutntlidade do csoaL Irem
Que o direitd martimo em tm
guerra seja reformado; e JMPd^
tencias rsconlta^aft ia^itppMade i
priedade pafvadt, w^iKTf, ^^|
handeira Ur,xceplaai|
de guerra' e que ao.iai mais perfwfc di dai
mem que os Iiloqu^^^HEa imiui
pracas fortilic.id:is, .
Que adireito os usos taim-:
acta I m me existeotM no G0f!o aejata
tabelecidos em novas solidftitws,
de que as socilJadas d e0at|iaiit''>, de lar 9
industria e (ftn*-itrto pbssajn fundar-see! Bm PB
denenvolver-se (vreapte ^: !*> ** << stGfi
Qae diversas potencias n:n'iifflf*4alei^,Jk^n3^''j
anda
ivocador,
is encaata-t
terrestre
foi a encarnar!
sler agrada v^
i s muflieres;
10 incommodavim!
liaba ciumes da
F
iuba
fe!
POTJCO DE TUDO.
nOUTOR LrVN'GSTONli:. Diz O Mor-
tiaff Pt/ti que a mala de Suez trouxe urna
sari* tul-.ressante do Dr. Livingstonc, com
gata rtd I de rnaio. e que rec^beu a i de
*nubro o doutor Kiiik. cnsul da raioba
J I'igUterra em Zanzbar.
NVsta caria datada em Oudjidji, o cele-
fero vajanie queixa-so muito do mesmo
H'Madnr do despacho. Misa Kamaais, o
D.il estava encarregado de conduzir os
..rus bufidos e eqtiipagena, e deixu pere-
;r os primeiros e roubar as segundas
sttes de chegar a Unyanyewflb. E.\p5-
diiiBi-iildad que tem de dar nocias da
Ma viagein, poique a gesta das tribus, no
mwD das quaes se encentra, pralica o com-
>er.-i<) dos escravos e slo inimigos dos l-
as a (oem temem; por conseguinte,
j; imil'? interceptar tudas as cartas que
podmir a Zanzbar. O Dr. Livingstom-
sfiDla qui- conliou a um indgena que la
iva Uuyanyiisub um maco de correspon-
detMa que liiiba urnas 40 cartas, porm
msnifesta ao mesmo lempo o reoeio d
toe nao chegoera ao seu destino, Pede,
jwr fin, que Ihe enviem homens e municoes
yiy necessita para continuar a sua expe-
-Ji-ao.
Es o final d'esta carta, que se refere
ao ohjecto da sua viagem:
a esta-rae aimla enlajar com o Nilo
j.iker e do Speke o< m nanciaes qu'
olni. entre oiK) e 709 uilhas de di*
aii-.ia ilos que aquelles descobriram. O
folorae de agua que corre mais alm de
tg graos de latitude to consideravet
)ue julgo aver trabalhado para a desco-
berta das foirteado Congo; ao mesmo ternpo
FOLHETIJ
OS CASACAS PRETAS
ROMANCE
ror.
Paulo Fval
Terceira parte
APLOllESTti DE PARItt
IX
Amorosa oxpIa?o.
(CoQiinuaco do n. 10)
En roa finalmente ; um veo, porm, Ihe
artoscava a vista. Os olhos incertos per-
rreram-lle em redondo o quarto, que
tte pareceu deserto.
De repente, suffocoa se-lhe um ai na
ssrganta A'-abava de avistar rente do
hio e cerca da porta que conduzia a os
qgia* tos* de Branca, urna cab 'Ca phantastica
* bom conh.icida, urna caraca guiada, im-
jbodI. medonha, no centro de urna malta
d pe. 11 s hirsutos : o aspecto de Trt-s Pa-
tas, o aiuijade do pateo do Pratp de Es-
amko.
Itecuon espavorida e balbaciou :
N5o elle !
. Paqpelle momento, s havia um ponto
tar.fila no seu cerebro dolorosamente exal-
tIo. Ve-lo : tal era o nico pensamento.
Tfido ella esquecera menos isso. N5o era.
c-ii'-ai que claramente o exprimamos, nem
(auitier do baro Scbwariz, nem a mai
de Branca ; era s. era livre; o egosmo
d paixao apoderra-se d'ella victorioso;
tudas as imprudencias commeltora ; todas
;*^macas atirantara ; nada no mundo
avia, nada, uero terrivel nem sagrado, que
podesse niistar-lbe ao arrebatamento. Se
a'priioeira vista d'olhos Ihe houvera mos
f*lo, em vez d'aquelle miseravel, Andr,
lgo Anirn velUo. leproso, cobcrlo de cri-
ai-'s. ji ella Ihe estara nos bracos \
Nao era elle 0 seu primeiro movimen-
lo foi para fpgjr. i
V"nbo da-parte d'elle, disse urna voz
severa, que a deteve como se mo pesada
'lie oavera pou,sado no hombro n.
Nanea o raendigo do rato d Estato
ftHra e.n pritfenca d'ella ; por oatro Inda,
fiella voz n5o su pareca de modo algara
wa a que Ihe vibrava na memoria, e tn-
i aquelle voz fe-la estremocei toda,
desde a cabeca al aos pos.
Porijue n2o reio eHe murmaroo
albo h
co-
E' verdade, e o trabitoo
mecar.
O beberrao esfregou os olhos, reflectio
um pouco na sua posico, e accrescentou
rtsignadamente :
0' amigo, pois iio haver meto de
beber urna pi iga antes de combar a ope-
raco ? y
OFFERECfMENTO.-- A Unit Citholica
d-nos couta do olerecimento leilo por
inuitos nobres italianos, condes, viscondes.
marquezes, duques, de todas as cidades
d'aquella pennsula, que declaran ter como
favor a si feito o agasalharera em seus
p lacios os Exms. bispos que de todas as
partes do mundo se dirigen) ao concilio.
Em qualquer cidade pois, ou villa, onde
estes passem, ou queii ;m descanrar. nao
ter3o que recorrer s estalagens publicas
para encontrarem umi hospedagem con-
veniente. Isto honra sobre maneira a no-
breza italiana e m tstra bem claramente
seus profundos sentimentos catholicos.
ISTHMO DE SUEZNo momento era
que a abertura do isthtiio de Suez propor
cionava novo caminho a civilisaco, oceupa-
va-se um congresso internacional, para le-
var a elleito o complemento da ohra. tra-
balhandopara trnala verdaderamente uti!
e fecunda
Ao Sr. Len D'nnal, secretario geral da
associac.ao internacional do Cairo, convoca-
da para desenvolviraento do commercio,
que se deve a reuniio do congresso, que
j formulou urna serie de resoluces desti-
nadas a servir de base a um novo cdigo
da potencias commerciantes.
As li resoluces que consiituem a obra
do congresso, sao, em resumo, as se-
guiutes:
Que todas as mercadorias que passaram
pelo canal fi^ueio livres de todo o ditvito
de transito, e das taxas anlogas.
tivamenie aos privileg os que linda man-
laem no rgimen c^'onial.
Que a unidade da reglo dDi; nrtol/a-
cebe prompta soluclo, pnr a*ln flteiw
n.eresse do comnwl%if, qW na MMk-
artto-s rewmmendi desile j o tnpwgu
11 ta^llicde r.xlucci'j adoptada pelo d*
criptorl iVeritasIraneer; reoommeadap.!
*H-seigmmwteqo*-icflla cono p
dencia iwwral a deddccSo, na mediato
Irttal dw nnfos a vapor o mixtos, o *-
paco oocapaoo pteljrs mu Mm$ peine d1
postftsdeetirvS^
Qne asal>rWicoos'canegada8 xclus-
vMtmte de cwnrS'idepedfiwjam sent
de lodo o diW)l*dotonelagem.
Que os tw qualquer ponto do (.anal, ou os que passa-
remem laswi- pwa Mtirim trnwndo car-
rega?*, sd por urna vez sejam subtnetti-
dos aosdireitos de tonelagein.
Que os destinados aos patitos do isthmo
paguen moderados direito* de pcwt<*, eque
ns direitos do tonpram sijnm sft mii pro
IHWSo da distancia que [rcorrerom uo
canal.
Qe o gobern egypcio fircllite a cokni-
sacao do isthmo, bm como > stibeleci-
raento de bazares.armszens, t/pdt** livres
e mercados.
Que imporla completar por hmIo de
novos traballios o conheeinwnto hydrogra-
phico do mar Vermelho. publicndole o
respetivo, mapps ; b -m como estabelecer
all nrtvos pharoes, alimentadoB cusa de
taxas raodenda9.
Que os governos facilitem por totfts os
oaeios possiveis o estado das linguas mo-
dernas, e o da geographit commorciai,
porassim o denandar o grande deaen-ol-
vimento das vas > coramtmicano e de
commercio.
Que o Egypto adopto o systema mtrico
nos seop pesos e medidas.
E, na .nente. que o vice-roi faca ela-
borar sobre as torcas productivas do pai?.,
relacoes peridicas para |serem esmmu-
nicadas aos ouiros estados, e IrScadas
por pu'&'ios anlogas.
Taes sao, em resumo, as resoluces
lio congresso! c rdldercW do Cairo, que,
como se v, prope medidas especiaos.
que so tbrem adoptadas farao da abertura
do sllimo a
nosso seculo.
sler empnnha-
piro que conquisa
poz a mau, querJ
dizer o p, en om papel ero- que podia
desenvolver todo o seu talento mmico.
ItnSiieiB itanlot nunca como ella a Ca-
cAsfas, imitaba afrancesada dessas dansas
hevUinHotas, taoebniss de requebr, e da
qoil titrno-se personificaijao
ipreis, craoh> o papel d GaMurmei
Tlt; Falcon o da Jttim ; Tagoni o te
SUpUde; 6fisi o de Nwma: e Essler o
da Caclwcto,
AWINCK
fW f^ddd, paM 9* dirigir a BaoRwqne. [fomot ssseato na e*qbeTH
f cirriuMB :> opjalwio do sua
i aw cirruagem
lilua.
Apenas les viajattaf liobanj feito au
vinte passoB do $* estabeeOnieoeD, Jlnv
0 cavado, tm? mm w-f* dhoV
ora, fez um movfmenlo violento, e a
enrruagem foi precipitada no canal a
Bowrboorf, qao tica a niargem da es-
traji. ^f i
f5#pnrti rnjf para md prestar srWcor-
ros, e o Sr. Di -.k-o assnn cotn sua HUia
1 iran tirados d'agua.
ladenwstfe Diekson pde^er restihjldn
a vida, mas seu pai tinha deixado
anda
de exis-
no foi
lir. Parece que O cocheiro
emuintrado.
0 Sr. Di-kson era um desses homens.
cuja elevada reputacSo se tem tornado uni-
versal. No Senna inferior contava elle nu-
merosos amigos. Est facto, como disse-
mos, produtio profunda ssasacab em todo
a povolcSo.
JARDISI DE MARSELHA.Esta cidade,
diz um jo'oal que lera *s presente, est os
mais completa fd>9oUca ; linha um en-
cllente jardiin zoolgico, que poda visitar
NOS TMULOS. Como i pagando um bgeiro imposto, mas agora
sem ter consciencia das palavras que sol
lava.
Porque hoje como outr'ora, respon-
dern! Ihe, aecusado, quero dizer condem-
nado.
Ah soltoo ella volvendo nvolonta
riamente os olhos para o aleijado, porque a
conturbava aquella voz d '.sconhecida e alor-
moutava a mais cruelmente, se possiwcl ,
que as palavras pronunciadas, accu
sado, ver 1 de anda aecusado!
Matheus cravava-lhe os olhos, brilhantes
e fros como um reflexo de crystal. Ella
eucosiou-se urna culumna de loito, que
revestida de alto a baixo de m dreperola.
desferia paludos e azul dos fulgores por
entre as nebulosas dobras do cortinado. A
sua allitude negligente e desalentada for
m va singular contraste coa o esplendor
dos atavos e as riqn zas que a eercavam.
Tinha o olhar irrequieto da creatura que
se v acossada e sem recurso, seja ella fra
ou mulher. As palpebras de Matheus cer
raram-se
E com tudo nao se condoera, porque fez
de novo ouvir a voz gelada, dizendo:
Estou aqui para substituido, e com-
pre que me ouca f
Fille-me d'elle supplicou Jaba.
N'esta casa, disse Matheus, etn vez de
responder, est a senhora cercada de acon-
tecimentos que caminiiam, acceleram-se e
envolvem-n'a. Todos os que ama estn
ameacados...
Eu s elle amo, balbuciou Julia,
que se deixou cahir de bracos sobre a ca-
ma estoroendo as ms diante do roste.
Emendou-se como que horrorisada e
solucou :
Oh! meus filhos, mtuf llhos I meu
Miguel, que tilho d'elle, a miaba querida
Branca 1
Vibraram-lhe os dedos, a voz dilacera
va-se-lhe. Todava accrescentou, acicalada
por ama paixo cuja pintura nos tpavora :
Por Deus Ihe peco que me falle d'elle!
A vista metallica de Tres Patas coou-se-
Ihe por entre as palpebras como un raio
vivissimo e rpido. Mudava-lbe drtora a
pallidez das feices, e profuodo circulo su
Ihe esfuraava em volla dos olbes.
issera-lhe, pronunciou en tbz bai-
xa : S t para mira existes no eaond.
A propria omnipotencia divina n5o pod. a
dar-rae outro que nao l'osses tu...
Ergneu-se ella da completa prostraco.
desenvotvendo toda a estatura. A pere-
grina beileza at ali velada,,**- ateoo-se-lhe
como um incendio. Dea aiffpwso ; toda
prova da importancia que team lodos os
meios quantos so empregim para propa-
gar M aununeios, tradazimos o seguate
epitapblo, que se t n'am sepolcbro que
existe em ara dos cemitBrios de Nova-York :
Aqui jaz V. H. S.. que se suicitlou
com um volver, k suamorte foi iris-
'Manea. O reamIver era <>l?, systemj' antigo. I'ara casos como
este, esta a auditor arma que se pode
empregiM -
A viuva receben ama somnia em dinheiro
por consentir que no tmulo do seu ma-
rido se inscrevesse o indicado cpitapiio.
BAVIERA.0 partido popular dcste paiz
formulou o seu programma? onde se imlica
para o alvo-das suas aspiracoes na qnestao
allema a lirre unio de todos os ramos
da familia allemi ivum estado federal ba-
scado na soberana popular. Posto ito,
o programla comprelieade os seguintes
[>ontos :
1." Mro'luccJo do suffragio ua versal
directo e secreto para todas as repreSen-
ta?oes polticas ;
2." Reviso da constttui(3o poltica se-
gundo a base da autonoma em assumpto
de governo e admrnistraoao :
a 3.a SeparacSo completa do estado
feottprehendendo a OaOtUai e da igreja ;
4. Recusa de todos os-creditos, ap>
plicaveis ao exeicito permanente ; iatro-
dueco do systema da mdicia
obra mais admiravel de
esta, verdade, a pontu de ser senhor d<>
jardira, podando entrar n'elle sera pagar
nada, todava desapparecam todos os ani-
maes.
Eis-aqui como se passou o facto: Em
oonseqoeucia da faiteada da sociedade do
jardim zoolgico, foram vendidos para pagar
a algnns credores a maior parte dos ani-
maes raros, que tinham sido dados ao jar-
dim.- Restam anda alguns animaes fero-
zus, como lens, lobos, panteras, tigres,
ele. Parece qu a administraco municipal
entendeu que a deepeza necessaria para a
sustentacio daquelles animaes era intil, e
depois de algumas mdicas economas, man-
dn, nada mais nem nada menos, fusilar
todos esses animaes as suas jaulas. K
um processo summario, de que o publico
se queixa, com razad, parque s tem agora
para se destrair ura elephante doenle, urna
girafa e algumas cegonhas. 0 jardira desle
modo, j nilo tem de ^zoolgico senio o
nomo.
AS MULHERES NA INGLATERRA. 0
casamento na Inglaterra vai cabrado em
urna baixa atterradora. As mocas se quei-
xam de flear soltoiras, e os homens da
estatislica compadacerara-se dcstas quei
xas.
Eiles veriicaram, nao sem um certo
terror, mu excesso de populaco femi-
nna. inteiramente anormal. O equili-
brio desappareceti, o que applaudirara s-
de
5. Suppress5o de todos os privilegios i mente os Mormous no fundo de seu Lac-
FANNt"ESSLKil.-0 Sr. Veron foi buscar
em Londres e Irouxe em triumoho a I*aris
urna celebre dansarina Fan y Esskr.
Alexandre, rei da, Macedooia o toda a
sua corle estavam cera a caneca baixa.
E as cortezas da opera lastima vara a sor te
da pobre Taglinni. E que choregrapho,
que bailado ser digno da. nova estrella ?
Nourrit, que compoz a Sylphide, esbo ou
a Tempvtadc.
Como mukier, Fanny Essler destronison
Taglinni.. mas como dansarina ella foi
vencida.
Vimo-la, diz um dos seus admiradares.
correr as pontmhas desseS pos 15o peqfie
nos, to ageis, lao encantadores; mas n
publico nao- immolou as atas da Sylphide
s pontmhas dos ps de Alema. Do
throno da dansa que Taglioni oceupavn
s, ella fez dous ihronos ; o primeiro um
pouco n.zis alto para a Sylphide. e o outro
um pouco mais baixo para Ahina.
Fanny Essler mostron que se poda ser
urna adoravel dansarina sem vi ver nos
nascimento, de sangae. do poste.
a 0. SuppressSo da lei acerca d'asso-
ciaces e de reuuioes. estabelecimento da
liberdade completa de reor.io e d'asso-
ciaf.o ;
7." Revisio da lei d'impretisa, que
deve ser liberta de tudas as dispusieses
restrielvas e oppressivas ;
8.a Responsabilidade dos funeciona-
rios, suppressao do pesado systema de
pcnsres;
0.' Pralica livre da profisso d'advo-
gado, sem obrgaco do domicilio; creaco
di'uma lei civH uniforme ;
10." Melhoramento da sltnaco mate-
rial das classes operaras;
ll. Repartico justa dos impostos.
sappresfo dos impo-tos indirectos, fntro-
duccad d'nm imposto progressivo do ren-
d i ment do capital:
12." Ensino gratuito em todas as es-
colas publicas ;
13. Inteira liberdade de coaliso, es-
tabelecimento d'om dia normal de traba-
Iho, lei industrial no inleresse da saude
dos operarios.
SINISTRO.0 Meiisageiro do Norte, d
noticia de um aconnlecimento que causn
a mais triste commoc >|mn Dunkerque.
O Sr. Dickson, que um dos homens
mais honrados|do departamento sahia, pelas
seis horas da tarde, da fabrica de tiaco
a alma se Ibe estampava nos olhos radian-
tes.
Mas a vista batea-lhe contra aquella
mascara severa, e mais inerte que urna
pedra. Ao menos, urna medalha gasta
pelo labor dos seclos conserva alguns
sumidos resquicios, que Iba traem para a
scieneia a antiguidade e a origem.
Aqu, nada.
Como sabia aquello horaem?... Julia
debatia-se peranle o indecifravel enygma.
Era urna leoa. 0 seio arfava Ihe ma-
jestoso ; o sangue, chamado com violen-
cia, incendia-ihe de v.vissimo carraim os
contornos da face ; os cab los, soltos por
ura d'esses robu>'.os movimentos que es-
capara paixo, ondeavam-lhe tumultuosos
e opulentos pelo cullo e pelos hombros.
Cogitava. Desde que os sabios cogitam.
nunca na scieneia houve to potente olhar
como o sen.
Mas tambem nanea, nunca botive
perante uns olhos investigadores medalha
que mais muda fosse.
Nada. Nem um vestigio. Contara An-
dr quelle singular confidente os i dimos
segredos do seu supplicio ?
As janellas do quarto davam para o pa-
teo, onde havia muito que cessra o vai-
vem das carruagens. Por urna das janel-
las apenas cerradas. p*netravam ali os sons
de ura realejo. Quando os suns cessararo
ouviose uraa voz apregoando :
Lanterna mgica, vista curiosa !
Era a segunda vez. Os othos de Ma-
theus volveram-se de sbito para o re-
logio.
Prononcion com expresso fria e aus-
tera :
Dentro de dez minutos, senhor, todo
entre nos deve eslar concluido f
Saiam aquellas palavras contra vontade
do que as pronunoiava ; nao eram de uiu
enviado, senio de ura senhor. Julia nao
ouvia. Julia s percebia das cousas o lado
que Ihe lisongeava o desvario da esparan-
ca. Deu mais ura passo, mas a vista
prescrutadora, desviando-se da medonba
mmobdidade d'aquelle aspecto, interrogou
o busto, depois as- pernas.
Andr, para Ha, era a drea; quando
fechava os oinos, vio a valente estatua da
mocidadn.
mWveu-ihe ao coraco pungente, angus-
tia, o peito soltun-lhe em gemido. Nao
era el e, santo Deas 1 au quria j qae
fosse elle 'Dmeve-sa e cafo novaraene
ft'esse torpr que ades' a prostrava.
sangae opprimia-lhe o cerooro, p^oe
para
Sal.
Sobre 100 mulheres no Reino Unido, de
idade de 20 a 24 annos, 55 smente sao ca-
sadas, e 13 viuvas ; 32 enfeitam e reenfei
lam Santa Catharina. A proporco dessas
melanclicas moras espantosa se se tuina
o termo medio das mulheres de 20 a 40
annos.
Lde estes algarismos, e eslreraecei, co-
races sensiveis.
Sobre tres rallhes de mulheres de
'20 a 40 annos, 1,248,000 esto
casar.
Passou o tempo em qae se enviavam
carregaceS de mocas de Inglaterra para a
Virginia. Alli tinham ellas certeza de achar
urna escolha de noivos piuco exigentes, e
a este respeito as colonias eram incompara-
velmente preferiris a metropole. Hoje a
mulher abunda no novo como no velho
mundo, e resulta do ultimo censo que s
no Estado de Massacliussets, em urna po-
pulaco de 1,200 000 almas, o bello sexo
excede ao outro de 40,000 graciosos espe-
cimens.
da tmarJ ao
prtncipw. mosoo m antru e*queroo
pando suvonrm a M Siccard. qo
sincciooena n ebolicaO lee immahidade
ecclesiastica. Quando e conde de Cavo'or
* '** 'flflfectuo a sua manobra"parfamentar sepa-
rando-se da extrema direita para realisar a
fusSo entre o centro esquerdo e e direita
liberal. Lanza ecoolrew-se por Me mo-
vrmetto aas fiteiras da maiuri/r.Oiiervado-
ra liberal, as quaes se conservou sempre.
Os seus eleirore* de Caeale deranf-lhe urna
prota de soa estime ete|eodd-o iepoieeon-
stantemente.
Sella, ministroda faienda perteace a ama
rica e aatiga familia de indostriaes dn
Biell qoe exerce grande influencia na sua
proaincie. Entro* muito cedooa vida poli
tica e foi mu#> estimado pelo conde le
Cavour. Fez parte sucoessivaraente de di-
versos gabinetes como ministro de obra
poWicas, de agriculwra e do coawiefcio;
porm na pasta da fazeoda foi onfle den
maior es pro vas de grande viveza de espi-
rito.
Viscont-Venosta pertence a uraa aoti-
quissima familia da Vallelina, qoe tonvni
sempre parte as metas polticas daqaett
provincia italiana. Desde a sua jiiventtje
mostron decidida paixo pela poltica e oo-
volveu-se as diversas conspiracoes qoe ti-
nham por fim a independencia de Ita-
lia.
Em 1848 as suas opinies eram muito
avancadas; mas foram-se modiUcando aoc-
cessivaraente e, quando a Lombardia foi
emancipada, as suas opinies j estavam
modificadas de tal modo qbe o conde da
Cavour escolhea-o, entre os lombardos,
para associalo ao movimento poltico do
governo. J tem sido ministro tres
vezes.
Govone, ministro da guerra, feaia partr
era 1848 do estado maior do doque de Ge-
nova, que era sem conlradicco o estado
maior mais distincto do pequeo ex'errito
sardo narradla epocha. Renne a intrepi-
dez d soldado a reflexao do homem poH-
Uco. Desempenhou differentes coromisses,
especialmente dorante a guerra da Crimei*.
onde, enviado como commissionado ao acam-
pamento francez, desembaitou .com a pri-
meira expedlco. Fez quas todas as diffe-
rentes guerras da epochs no seu pai* no
estrangeiro na qualidade de enviado mili-
tar. Te ve o commando da Sicilia, onde di-
rigi excellenteraente urna caropanha contra
os refractarios ao recrutamento. Enviadih
Prussia no lempo do ministerio Lamar-
mora, foi elle quem negociou com o condi>
de Bismark o tratado que foi o preludio da
guerra de 1866.
Gadda, ministro das obras publica?, nm
bom administra ior, que se vio enllocado
n'uma situagao falsa na vespera da derrota
de Mentana, e procedeu com grande pru-
dencia n'aquefle difficil momento em que as
nslruccSes procedentes do ministro dos
estrangeiros eram incompletas e at con-
tradictorias.
Castagnola, miuistro da agricultura e do
commercio, piemontez. Antigo deputa-
do pertencenle ao antigo centro esquerd<,
homem de ordera, bbm financeiro, nunca
chegou a cargos tan elevados que perroit-
tam formar juizo sobre a sua capaciuade
orno homem de estado.
Correnti, ministro da instruego publica,
lombardo. Antigo empregado na liquida-
co do Montepo Lombardo-Vneto, foi um
dos chefes da insurfeicao de 1818, o que
nao tal vez ama grande recoramendacao
como ministro da instrueco publica, mas
d-lhe alguna direitos popularidad*. as
difliceis posicoes em que a poltica o collo-
cou sahio-se sempre bem.
sempre alguns phenomenos mrbidos veem
complicar as grandes angustias da alma.
Foi obrigad a encostar os cotovellos ao
maimore do foiro, porque o mosaico do
sobrado Ihe faltava debaixo dos ps, e a
pobre cabera descahio-lhe pesadamente
entre as mos.
as salas, entre a multido, nao consu-
mir ella tanto e tanto herosmo em sor-
nr ?
Em quanto assim jaza abatida e que-
brada, entreabriram se ainda urna vez as
palpebras ie Tres Patas.
Ouve-me ? perguatou cora aspereza.
A baroneza sobrssaltou-se.
Nao respondeu E todava ouvira e en-
tender. Scismava. Na cerraco em que
o pensamento se engolpha e que tanto se
assemelba imperfeito delirio, sobrenada
urna singular facoldade de perceber certas
combinaces frivolas ou simplices. Ella
scismava, dizendo comsrgo : s vezes,
estes excessos do rigor encobrem iraraensa
compaixo, que receia trahir-se...
O romance o ultimo refugio dos sen-
tenciados.
Devo sahir amanha de Paris, excla-
moo Qaero e-lo esta noute. Arrscarei
a vida para ve-lo, ainda que mal seja* por
um instante. Onde est elle ? L irei.
Franziram-se as sobrancelhas de Matheus.
Ella sorro-se Dar elle como as creanca*
que procurara conjarar com um affago a
ira que receiam.
Bem sei, bem sei, disse com mei-
goice, o senhor tem pressa. Nao veio
aqui para me servir mira. Elle j me
nao ama, e nao enm castigo bem merec
do ? O senhor, porm, bondoso ; visto
qu* file Ihe confiou os seas segredos.
Adevinha o meo sapplicio ? O' mi-u se-
nhor. .. raen pobre seonor... Ora f nao
precisa dez minutos para rae faltar como
quera manda uraa escrava. Vera da par-
te d'elle : tudo que determinar eu farei...
S restam cinco minutos, disse o
aleijado, cuja, voz sempre spera, tinha
mais roucas tfitoaces.
de mais para obedecer, disse ella,
largando o apoio do fogo, apezar das per-
nas Ihe fraqn arera. Pan dizer orna pala-fj
vro, 'ura segundo lasta. E eu, para fallar
d'elle, s tenbo este instante, este instante
to curto. Oh t eihe para mim : aqui me
tem de mos erguidas I Elle, se assim
me isse, havia de compadecer-se maito...
Estava louca, ainda agora... suppu'z, por
um nstente, qae ere i>senhor... Pergaa-
tei ao meu coraco o como o estremecera,
MINISTERIO ITALIANO.Apesar de j
nos termos oceupado em outro lugar dos
novos ministros de Vctor Eramanuel, nao
sero fra de proposito os seguintes apon-
lamentos biographicos:
Lanza, presidente do conselho e ministre
interior, piemontez. Deputado desde 18*8
como o adorara assim abatido, atormenta-
do, anuiquillado... como o senhor e&t...
meo p bre senbo
Nao andava, e todava a distancia dimi-
nua entre ambos.
E da va- se ali um facto inexplicavel. A
austeridade d'aquelle horaem produzira
constantemente elleito contrario.
Porque nao pronunciava a palavra qae
devia por punto quol.o colloquio ?
No antro de Lecoq gabra-se elle de
gostac de mulheres. E Lecoq sorrra, co-
mo pnilosopho que observa socegadam^nte
as mais hediondas excentricidades. Este-
raos nos em presenca de um satyro, ou
de um vampiro que sor/e o sangue de
urna agona f...
.Nao faltara quera acreditasse isto, por
que mysteriosas convulsoes trahiam s
vezes a vida n'aquelia ma&sa de carne pe
trincada.
Julia proseguio :
Meu pobre senhor... mais qaebra-
do, mais macerado ainda do que o senhor
est... e o meu coraco responda: ama-
lo-hia. assim... ama-io hia cera vezes, mil
vezes mais do que as paiavras o podem ex-
primir. Por quem ... tenha d, tenha
compaixb ; eu estou louca, d) certo... e
Mo sera querer... em tudo tenho pen-
sado, at di cadafalso! Ama-Io-hia no
cadafalso Ama-lo-hia victima... Ama-
io-hia veringo I
A ultima palavra irrompeu-lne dos labios
rementes como a expresso de urna ido-
latra suprema.
A respiraco do aleija lo tornou-se curta;
elle, porm, nao se moveu.
Julia proseguio. afaslando para traz s
raaos ebeias o importuno veo dos seus ca-
bellos ;
Soa bella; Deus conservo a-rae a for-
mosura para elle. Se soubesse como dan-
tes me estremeca. Eu... Oh t eu nao
conceda o mea prdprio coraclo... Fra
elle quem me dissera : Nao vas para a ca
deia... Agora, se me dissesse: Nao vas
para o inferno
< Os seas olhos reluziram nterrompeu
ella com jnbilosa exclamaco Se fosse
o sennor !... Porm nao.. impos-
sivel... Teria d de mim. -
In-Jinoase como se irresistivei forca a
attrahira. Elle ebrio rasfadatnente os
olhos.: duas pupilas geladas; dtpois as
palpebras cerraram se-lhe de novo, ao mes-
mo lempo que soltava:
0 tempo passa 1
MELHORAMENTO IMPORTANTE. A
scieneia oflerece-nos cada dia um novo pro-
gresso. Em Chatham (Inglaterra) est se
construndo um navio, cujo casco vai ser co-
berto de urna substancia anti-corrosiva de
recente inveucao.
As experiencias deste novo processo, fei-
tas com uma minuciosidede e um esmero
(.templares, deram felizes resultados.
Diga-lhe isto, murmurou ella com ter-
nura que verbo algura potler exprimir ;
arrastar-me-hia como o senhor.. como elle,
para que os labios me ficassem assim ao
alcance dos seus beijos... e que nao julgue
que me esquejo de minha fiiha nem de mea
tilho ... a minha filha portence-m ; havia
de vir coranosco ... o raen filbo filbo d'elle
'.. .diga-lhe isto ... diga-lhe que vio ama
misera, urna mesquinha mulher,... a sua
mulher d'elle que o ama como elte ama-
va e mais I urna mulher que lbe,pertence
toda, mesmo contra vontade d'elle... ama
mu her que morreria ditosa para oliter urna
pal-vra de perdo...
Tomou a respiraco pelas ventas tmidas,
e traduzindo d'antemo a energa das pala-
vras p'>r um gesto sublime, rematou :
Urna muiber que rasgal ia o paito para,
Ihe dar o corceo tt
Conservava o aleijado as palpebras obs-
tinadamente cerradas ; a forca humana po-
rm tem limites. Cornecaram de desliar-
se-i he das lntes gro.--sas bagas de suor.
Os msculos da face experimentavam con-
vulsoes, e por baixo da plmbea linha que
Ihe -ircundava os olhos, appareciam man-
chas agora ardentes, logo lvidas,
Julia prostrou-se. Foi arrastando-se nos
joelnos que se dirigi para elle.
Prolongado suspiro ergueu o peito do
aleijado. qae a senta approximarso.
Qu ndo Julia se acercem d'elle, radiavam-
Ihe os olhos lar rnosos e os labios tinham
esse sorriso das mulheres estremecidas, que
enleia a alma como releste amplexo.
Andr I murmurou.
N'-dle, era impossivel augmentar a pal-
lidez : acabeca, porm, curvou-se-Ihe para
o seio 1
Julia estendeu os bracos ainda, o balbu- ,
ciou, embevecida de jubito :
Andr, meu quer-do Aodr 6s tn !
sei que s tu I
Descah ranvlhe, porm, os bracos re-
pentinamente, e a palavra abafou-sedhe na
garganta, em qoanto os olhos, Matados
pelo assombro, se Ihe abriam desmedida-
mente.
A oorta qae fleava por detrax do aleijado
indefeso acabava de entre-abrirSe deita-
Sroviso. mostrando o aspecto desFigwadd>
o baro Schwirtz.
' (Cmumuar-sb-ha.)
TVr. DO DIARIOOTA DAS CRUZ! S *
IIEBWI
\

W"
*mm


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EHTTWISFB_YOE117 INGEST_TIME 2013-09-13T23:22:14Z PACKAGE AA00011611_12187
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES