Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:12186


This item is only available as the following downloads:


Full Text




'. *-
A
"*l '" '' '
"
s.
ff
J

VI. NUMERO 10.
Pili i CiPITil E lCiBES OIDE liO SE PAGA NtTt.
Por trt mezes aianiados................. O60O
'ur teii daos iden................... 1*4000
.................. **uoo
Por umaaan iden
O
SEXTA FEIM 14 DE JANEIRO DE 70.
PAli DEITRO E F01A DA FlOvTICIA.
Por tres mezea adianlados..............
Por se ditos lena................,
Par aota ditos iden..........*!
i*or nm anno idem...........
61750
DIARIO DE PEMAMBIM
Propriedade de Manoel Rgraeira de Faria & Flhos.
4 inrm .-
Os Srs. Gfrardo Antonio Alves 4 Filbos. no Para ; Gonratves & Pinto, no MarmbSo ; Joaquina Jos de Otveira, do Cear ;,Antonio de Lemoa Braga, no Araeatr ; Jo5o Mara Jallo Chayes, no Ass Antonio Marques da Silva, no Nata!; Jos Justino
Pereira (TAImeida, era Mamangtupe ; Anfonio Alejandrino de Lima, na Parahyba ; Antonio Jos Gotnw, na Villa'da P^nba ; Belarmino dos Santos lolcao, en Santo AnUto; Domingos Jos da Costa Braga,
en Natareth ; Francisco Tavires da Coala, em Alagoas; Dr. Jos Martini Alvet, na Babia ; e Jo Ribeiro Gasparinho no Bio de Janeiro.
PARTE OFFMAL
Mlaiate ra A Imperio.
Ilio de Janeiro. 28 de dezembro de 1669.
lUin. eKxm. Sr. S.yM. o Imperador, a quein
ram pro entes a copia d acto dessa presidencia
lo 7 Je oatubro do anuo paasado, que auuullou a
leigo de vareadores e jaizcs do paz, feita na pa-
: ehia de Toeantiasdc Camela, os documento.-' em
que se baseou e as respectivas actas, euviadas
:tst<:r*itruientet liciwe por bera mandar declarar
valida a sobvedita eleigao.
Oo exime k>s rrencienados documentos e ac-
r >s nao result.-.rr. (trovas para aquella annulla-
ii.
O protesto apnst mado om 8 da setembro por
un reclamante centra a validada da eleglo, o
.n-ciiplo das actas, apoesenta molinos que, se
i i verana sido ras*i, s poderiam uccorrer ho dia
- -guma quaud ,-t concluio a apuraeao das ca-
hitas, ea justrn'esga'c [do mesmo reeramanto dada
jurante a antci idjpp policial nao se referein a ou-
ras alm das ite. aralo ratelo, roproduzidas no
arta te presidecc:,
>) que oaurar.in.it:' h V. Ese. para os fias con-
Heus gu.irdr a V. Em.Paulino Jos $oares
Souz<:.Sr. p^sidtatt da provincia do Pura.
lli de Janeiro, B> i'.< do dezembro do 1869.
Illta. o Exin. oC -Sua Magestadc o Imperador,
l udoouvido a scegao dos negocios do imperio do
- nseiiw do raudo sotre o ouicio dessa presiden- .
ii de II dejiutiro uilinw, a documentos anne-'.eslrada,
.*, rdnlirrn s tea* leigoes a que se procedeu
l ira BOMadarra e tejara de paz ru parochia de S.
. cafa do Alte Mearini, em seteinbro do anno
..-sado, mu presidida polo 1" juzdo paz do dis-
'neto da nutriz* a outra pelo 2' )u de paz.do 2o
iisiriea di parochia do Nossa San hora da Piedade
lo Coroal ; te-uw po bera approvar o acto do
iHWeesrai do V. Esc, pelo qual toram amba>
nuullada*.
Na primeira da-- rceildaa oteijijes, qne reali-
-uso na casa da cmara municipal, o processo
la a|H\racai>, f mdji refercm as actas, correu no
lia I!) o iu tal prffijaiwaio que denota inobser-
lacia do- .ni-. i da le n. .187 de 19 de agosto
lo Itttti, i" das in^tniccles de 27 do setembro
lo W*i, e 10 do deoieto n. 2,621 de 22 de agosto
lo 1860.
Na outra Wc.^ii. que tambem so diz "feita em
lira odicio qaaBeado casa da cmara munici-
l, aksm ilecutr.s irregularidades, dase a de
- |er elTectuado -ob a presidencia de juiz incoa-
:.'uto, visto ofcl'i? no exercicio das funcefies do
ii-go eia outra eie.'Soojnlz do paz nrais votado
i i (listricto da Hixtrib.
Oque comnmr>:a a V. Exc.'para os fins con-
-ententes,oliserv.-j.do, do aecordo cora a doutriua
d > aviso da 9 oc setembro do correte anno, que
i-o II de iancirj j nao podia ser exercida por
-sa prosjdonst'a a ftiribaicao conferida pelo art.
118di -obredita le; n. 397,"por nao M dar nais a
v. pothese neila Qgurada.
Den* guarde a V. Exe. P.i-.'''no Jox Soares
soiizti.Sr. pr? idente da provincia do Mara-
1 I lio.
MloinlorJo da Instiga.
Hio de ianeiro, 29 de dezembro de 1869.
lllm. e Ewn. Sr renho presente o seu offlcio
ilo 22 de maio uitlrro, sujeitando deciso do go-
.i-no Ineral'as s.^ninies duvidas, propostas pelo
liz mimici|'.!l. de :;|.hos dos termos duPombal
CatuM d.i Hocb :
i. So nos fncentarioi feitoj nos lugares fora da
si J.'iicia do juiz oiinalisados cru um s dia, com-
ii-llie as ctuir.s des arts. 24 e*J do regiment
ii iiuaes s que devam ser-lho contadas.
2." Sa aliii das cusas do art. 11 deve receber
is d>s arts. 3 % 13 o juiz que assistir ao inventario
jnlgar as parlilas.
m rwpo"U declaro a V. Ex.c. que no caso de
i a diligencia dn um dia, competem ao jniz as
iras laxi.ds na segunda parle do art. 24 do re-
giment citado : exctdendo esso prazo ter mais o
,;i* dnpe o art K, alm dos emolumentos pelos.
ictnt que pracar.
Quanto setAnda duvida, est ella resolvida
ido aviso de 2& do uovenrbro do anuo findo, nao
ndo nfeienca a>actQI de parthas a disposi?o
lo art. :l.
Dmis gnavd'e r V. Ble.'1 JH< Martiniano di
.1'MtMP.
Sr. presidente ^iovincida Parabyba.
Mioisterlo 4a fazenda.
Kio de Janeara. 0 ere dezembro de 1869.
Jllm. e Ha. S.-Oedaro a V.'Enc. para o fins
-.inveuienloa, a visas da renaweottciw que me
iiirigirain vviu Rcgociantcs deata praca, que as
.nercadorias iqnparudas por embarcaejeies. cay
' lamtestb ferem aM-esenttdos al o dia 31 di
-.i rerte, rinanto pagar dtreltos na furina onurlfa
tnal. J .
J)ens guarde ;. V. ExcVisconde de Uab-
S S. Exc. dSf. uispeetof da alfandejra da corte.
Misterio da guerra.
i>mmand *tr. che'fd co' todas as forras brasi-
1 rr.s en ti^innfP^ na repunlica do Paraguay.
juattd tWavnVtcampanMmto em marcha, 10 de
lllm. c,^n5tllcmalto a V. Exc. < m origi-
os inerans cementos nslatjvas expedi^.
>nfiada ao brtaadeiro Jos Antunio Oirrra da Ca-
nara, a wnanuta repntttea, constantes de qua-
q otiieitM Aaiaik.^ de do owrr-onto inez, a um dos
-uaes acouwritkfiu uin.i reiaejo nominal dos bra-
lloS em 8.' rtara pelo major Vasco
ira de AzevMo t'roitas.
Uens g>fca> Exc^-lllri). e Exm. Sr. con-
'liciro de f|jif! Laro de Muritiba, niinislro e.
crol ario de eita'do dos negocios da guerra.Gas.
n de rteamt, cci.iuiandante em chafe.
. 8a. I u ____u
i iian.KiW ias. Bstenei de
m*
rod 1869
di. J4 noiiU? se me apre-
corortet Brtmero, damfo-meno-
vUe enelMi Tacoaty a frente
de oavaHna, ara hjtalltie de
de fogo,. formando um total
libo de Pedernal e Tacuara
tfctef nMaanwncotes qne eu
ntpraiatn namnirr 4a gado, e dopo oc-
ese 4>i4trifo aervicij as mescaas nara-
Ao rerebeciai ti.nirinacao, apressei-me em mr-
har no #* !,i lra d* rbanlaa pata o
..na dn .MlBV**ead< nontoarr eoraifo bote* e
i alian i na n iinnaanriiiinriMi* n'i norte
. uu5 f^fecl&Jf'' ssa86tr. de toda a
' 'va n dMH'da >Mi*t rom qaatro bata-
-'as ao (uan fc. cornonl^tataaio da Silva Pa
p>2 coroos iTnUiinj mnov m inc*
^te n>Jaa>
Pedernal c
[ a f i
.': ,; -n>fBtoanaco no da I*
que nao se achava o coronel Romero nest dnas
estancias, deliberei dirigirme tarde para Tacuaty
onde me parecen que iria en testar com o inimigo
ou alcancalo em sua marcha.
Nessa noite, porm, fui obrigado a mudar de
parecer por baver-tne informado um velho para-
guayo, em cuja casa fra dispersa tima partida de
espas, que o coronel Romero ha qualro das mar-
chara de Taraaty.
(Confirmada esta noticia pela partida enviada a
este ultimo ponto, a qnal hatera no pres.) It nma
guarda initniga de que aprisionara um sargento e
matara um dos soldado?, retrograda nm pouco e
marchei no dia 27 em drreceao a Tacnara. Alean-
eei em minha marcha essa estancia s 6 horas da
manhaae fni informado pela vanguarda cjmman-
dada pelo Sr. coronel Rento Martins de Menezes,
que a curta distancia d'alli encontravam-se vesti-
gios de inimigo e indicios dan de haver-se elle
retirado precipitadamente.
Com a certeza entao de qne as proximidades
do lugar em que me aehava existiam forcae para-
guayas, ordenei ao Sr. cf>ronel Jio Nunes da Sil-
va lavares qne se me viesse incorporar com a
brigada sob o seu cummando, fazendo trasmittir
igual ordem ao Sr. caronel Paranhos, qne com tres
batalhoes c a artilharia navia acampado na reta-
guarda a urna lerua distante daqnella estancia.
Com a 7'hrigada de cvala ra e o batalhao 3Snnar-
chei na dirc.coao que leva va a pequea forra inimi-
gaque se retrava.encontrada ja pelo zeloso capitao
Cvpriano Nelsis da Cunha, meu ajudante le or-
deus que com 20homens.fazia,extrenia vanguarda.
E#se trogo de paraguayos, retirando-so acossados
pelos nossos, refugiou-se as matas prximas
perdendo tres cavallos mortos c levando
fendo seu cotnmandante o major Montiel.
as proximidades da estancia d. Tama rila en-
contramos o rapio do grosso da forca do coronel
Romero, que retira va demandando mu forte ba-
ndado denominado Peri Puc, que pode ser trans-
posto em d.ms passos, um de v denominado To-
rojiasso, eoutro de nado, condnzindo ambos a Ta-
cuaty.
Esse chefe se diriga pela estrada em que se
a cha o primeiro, tendo antes percorrido urna pi
cada muito estreita.
U regiment commandado polo majo Rogado
seguio a outra e.-trada de mais trapsito, que alra-
vessa o banhado no segundo pas--o, ligado ao pri-
meiro por um caminho milito praticavel.
O oapitao Nelsis seguio esta ultima forca dei-
x.oido as pogada das de Romero pela ditllculdade
do oniranhar-sc ppla picada por onde este mar-
chara ; pouco depois logrando chegar primeiro
que o major Bogado ao passo em que se achavam
duas caneas fe-la* descer o banhado logo quepre-
sentio o inimigo a que nao pode com seus 20 h >-
mens impedir que avangasse para o Tonupasso.
Sabendo, porm, o bravo coronel Benlo Martins
desta occnrrencia fes avancar a trote largo, por
i|ue os cavallos ja nao pudiain galopar, os clavinei-
ros dos corpos efe sua briyatis, que, encontrando o
inimigo cm numero de 268 pracas conforme o
mappa depois cucontrado, derrota ram-no, matano
do-lhe 17 hor.ens inclusivo um ofllcial o apnsio-
namio diveroos, dovendo o rosto da forca sua sal-
vacao a prompta fuga pela espessa mata que Ihe
denwrava prxima.
Devenios o feliz xito alcancado intrepidez dos
clavineiros da 7* brigada, a cuja frente se acha-
vam os bravos coronel Jos Fernandes de Souza
Dora e tenente-coronol Manoel Jos Soare*.
Temos a lamsntAr os ferimentos cm combate de
"> soldados de cavallaria c a morte de 5 de infanta-
ria asphixiados durante a marcha. O numero de
prisionoiros fcitos at hojo de 30 ; a mai.r parte
desles acossados da fomc tcem vindo apresenlar-
se s nossas fortas, asseverando todos acorde-
mente que Bogado conserva-se ainda no mato com
poui mais de 100 homens, tendo mnitos leridos
entre os quaes ocapito Acosta,e havendosellie
extraviado o resto da forca.
Entre os diversos desertores que se tm vindo
espontneamente apresontar existan um ofllcial e
um sargento.
Cahio em nosso podes urna bandeira e grande
numero de laucas, espadas e davinas que tem si-
do inutilisadas, podendo se aliancar quo os solla-
dos inimigos que conseguirem reunir-se s tareas
de Lonez iro na maior parto desarmados.
O calor intenso desse dia e a marcha forcada
qne trazia toda a tropa com o fim de impedir que
o inimigo repassasse o banhado, deixaramme
-em soldados e sem cavallos alm dos poucos que
alcancaram Bogado. O batalhao 35." cnegou meia
hora depois de derrotado este chele, trazendo ape-
nas oom sea commandante 18 homens : os mais
haviam ficado prostrados de fadiga ao longo da
estrada. O mesmo facto se reprortuzia us bata-
Ihries que conduzia o Sr. coronel Paranhos, que
s no dia seguinte se me pode reunir.
A brigada do Sr. coronel Silva Tavares, j ha
muito reduzida, reunio-se vanguarda com urn
tere > de sua Corea.
liavia ainda duas leguas a percorrer para al
cancar o coronel Romero no lugar era que elle
effeetnava a passagem de sua tnma, e eu me
aehava redwldo a um numero insignificante de
mfaatcs completamente exhaustos de forca, e qua-
si toda a ca.valhada cansada, nao podendo montar
mais que 60 soldados enjos cavallos poderiam
suppnrtar amn nma legua de marcha. Em taes
circumstanc as vi-me eem pezar forgad a deixar
aeanor-*e Itmato lOtn-saua W soldad* e duas
boceas de fogo, seta ao menos poder hostilisa- lo
em su' retirada.
Lamente! entilo profundamente ciue os fornece
don tivesscm deixado as cavalhaas desta expe-
dirlo desde c da 3 de outubro sem trragcns,
quando estas tSm-se tornado iudispensaveis por
causa das marchas de cavallaria foitas comfre-
qaencia desde c meu desembarnue na Conce'ao,
em expedicoes a 30, 40 e SO leguas de distancia,
e que produztram a derrotas de Cannete o Fran-
co e agora as de Bogado c Montiel.
filo julgo de todo perdido- u esforcos da tropa
ae commando porque, se nao logramos bater
Romero, obrigamo-lo abandonar e-tes campos
onde vlnha buscar recursos para as torcas d > dic-
tador, deixando derrotado o regiment de Bogado
e dispersa a ferra de Montiel. Se mais nae file-
mos, nrsst n$o fof a culpa, resta-nos esse consol.
Mais tarde terel a honra de remetter a V. Exc.
as partes dos dferenles carpos que compBam as-
ta fxpoJtfao
Donis de urna poquena demora em Tacuaria,
indi ipwsavtl para o doseauso dos cavallos qnasi
todos cansados, vou prosognrndo minha marcha,
tanate a qusl fflsls Imfortante occurrcncia a
captura do major Montiel, orlda om ani jootinv e
luajs tres aoldidoo fcitos hoio pelo incansavcl ca-
prian C^pnaaooor occa-iao do desempenho de
nma commisf^j i Ihe confiara as proximi-
dades do lujfaFwrfnflpmT/ 'H.
Eipeto n'in destes prximos dias acamparme
de novo r.a villa dn Coaanicin, donde me move-
reianiilirencao ao Ria ltrid, loso que teotm re-
roMta d.indjspensaveis recur^at qn jllvea
honra de pedir a V. Exc. a quem Deus guarde.
Una. Ma. Sr. marechal de campo Victorino Jo-
ne- Garnfi Monteiro, digmssimo commandante do
1* corpo > naMi0v-O briad*lrov lo* Antonio
Correa dn-Ccn-arn.
expedicao em qate saui contra as forras da Rome-
ro, Bogado e Monliol.
Nao pos-o porm como desejava marchar im-
mediatamente contra as posices fortificadas do
Rio Verde e Panadero pelo mo estad em que
esta toda a cavallaria do* corpos que uqo* tenho,
qne creio ndo poden arribar com facilidade pela
ponca lorragem que possnem os fornecedores,
lando estos .i>ona 40 forana de alala em depo-
aato.
Preciso mnitissimo qne V. Exc. me rem-nta com
a mxima brevldado SAO cavallos, para qnanto
an'es por me em marcha Temo muito qne qnal-
quer de ora me venha a prejndiear nos domis
elementos qne j tenho reunido, o qne (piando me
ehoguem o* cavallos eu tenha consumido os gene-
ros que fx>stem om quanddado sutieientc no de-
posito do viveros.
Dens guarde a V. Exclllm e Exm. Sr. mare-
i chai de campo' Victorino Jos Ciroeim M dgqissimi> commandante do 2. corj de enerciti.
O brigadeiro, Jos Antonio Cirra dA Camnra.
C-immando das forcis expedicionarias. Quartel-
gencral na villa da C-mceicao, 5 de dezen)bro de
1889.
lllm. e Exn. Sr.Incluso passo s maos de V.
Exc a retacad dos libertos o escravos de Matlo-
Grosso, que se achavam em poder do inimigo, e
foram resgatutns nelo major do 19." orno paovt-
anda de eavaHaria que IU sabir em deligsncia pa-
ra a villa de S Pidro e mas imme-liacoe*.
Deus guardo a V. Exclllm. e Exm. Sr. mare-
chal de campo Victorino Jjs Cirneiro Monteiro,
dignissimo commandante do 2. c-trno de exerciu,
O lrica li'ir.i. Jote Antonio Corren da Cmara.
Reltifo nominal dos hrasUeiros resaltados em .S.
Pedro pelo mijar dii 19." corpa de cavallaria
Vatcn Mara de Azevedo Freitas, em novembro
de 1880.
."Francisco Pires, escravo de, Joaquina Pires.
2. Uicaldo, idem idom.
3. Duotlia do Prado, e.-crava de Joao Faustino
do Prado.
4 Rita, ilern idem.
5." Ankmia Rosa de Moraes, liberta.
O." Thereza, idem.
7. Mara Lucrecia, idem.
8.' Jos, idem.
'.)." Mara Domingas, idem.
10. Leopoldina Italia do ESanto, idem.
11. Francisco, idem.
12 Benedicto, idem.
U.. Amelia, iden.
Acampamento m villa da C.onceicSo, 5 de de-
zembro do 1809.0 brigadeiro, Jos Antoro Cor-
iva da Cunara.
Gommaodo das favow xjs sdicioBarias. (Juarloi-
general am villa da. Coacolcao, Ji de dezorabro de
Din. e Bxji^Sa.-fTonlw a, honra dapaitioipar
a V. Exc. qi'3 ]Kaa-a*ho u-a villa dn voiu da
Gonimando em chefe de todas as torcas brasi-
leras em openecs na repblica do Paraguay.
Quartel-general, acampamento era marcha, 10 do
dezembro de 1869.
lllm. c Exm. Sr.Pelos documentos inclusos,
ver V Exc que a nossa vanguarda ao mando do
dc.Uernido coronel FidHis Pites da Silva, no dia 28
do mez prximo pascado, obtpve mais um bri-
Ihanii' triumdh grafa ao nrnje de um punhado
do soldados que. gui'idos pelo mesmo coronel, se
arremessaram por cima das liulias da pinte do ro
lejny my j em grande p.-;rtc destruida pelo iai-
migo e se npoderaram das duas boceas de fogo
destinadas a dofender esa perigosa pnssagem.
As extraordinarias difficuldades qno olTerecia n
terreno muito anginontara o merecninto dessa
oporacSo, a qnal, alm de anniqtiilar a retaguar-
da inimiga torio do mais de 390 homens, dea nos
a posse da villa de Igatemv, flcando ahi libertadas
do jugo de Lpez mais d V,000 almas, entro as
quaes acham-se algumas das familias mais dis-
tinetas da Assumpeo, como sejam a do coronel
Martnez, antig > commandante da guarnieo de
liumayt.
Tal voz ^eja esta heroica empma o ultimo feito
de armas da presente guerra, pois a villa do Iga-
lemy ora o ultimo povoado do territorio para-
guyoonde Lpez ainda dominasse. A de Lima que,
como aquella, Sea-entre o Jejpy o o Aguaray,
aclia-so rolativambote prxima a confluencia des-
ses rios, e portanto ipiasi na nossa retaguarda.
Nao pois, admissivel quo Lpez ainda consiga
ahi exercer autoridade.
Tres dias antes de se dar o ataque ponte do
Jejuy-my, o ex-dictador delxara o seu acampa
ment de (taara para proseguir sna mnrchn cm
direccao ao norlo
A mesilla carencia, porm,demeios de alimenta-
cao que nao dmxara sena >a nos-a diminuta van-
guarda chegar ao Jejuy-my impadio que esta, logo
aps o seu triumpho sa intcrnosse para perseguir
o inimigo destrocado. Mal chogando nesses dias o
gado e farinha cxisientc no mea acampamento,
para formar urna alimentabas ja e-cassa torca
aqu existente, lornava-se impossivel fazer condu-
zir estes gneros em quandade sufllciente at
o Jejuy-my a raaisquinzo legoas de distancia.
O ex-dictador se dirige para a posicao denomi-
nada Panadero, sita margem osqerda do rio
Aguaray.
Tudo'induz a crer que dahi procurar passar-se
do ouiro lado da serra do Maracajii, para a nesga
do terreno, estreita e deserta, limitada por esta
cordillera e pelo rio Paran.
Nao impossivel que nao achando ahi nenhum
recurso de alimentaban, continu sem demora a
marchar para o norto, para pelo valle da Apa,
gauliar o terreno boliviano. Por ora saba-38 por
um dos passados, quo diariamente se apresentam
a nossas torgas, quo mandou atravanear om ano-
re* derruhadas a picada que vai de Itanar a Pa-
nadero, na extensao de urna quadra, e u'iuu pon-
to em que a mesma picada passa ao longo de um
vasto banhado-
Sigo amanha a estabelecer mea quartel gene-
ral na villa da Curugualy.
Se rae tur dado all reunir a mdispensavel re
serva alimenticia, tenlarei ainda levar a persegui-
co at o Panadero, posigo onja oceupaelo na
falta de outros resultados, sempre trar a vanta-
gemde esulieleoer urai communicagao directa
catre as torcas aqui existentes c as que operara no
di trelo di Couceico, ao mando do biigadeiio
Caara.
Com a occupaeao deftnitiva da Curugnaty, tor-
nou-se desnecessaria a do Su Joaquina. Mindei,
pois, rctirara4irca qne abi se aehava, e cuja ali-
mentaco se tdava, pela dislaacia, summamann
diAcU:
A maior parto detla-j seguio para a villa do
Rosario, oodnae robra de tantas privaedes por-
que pasten. .
Deu IMRae a V. Exclllm. o Exm. Sr. con-
solheiro dn alado harn do Muritiba, ministro a
secretario 4 f alado dos nrgocioa da {.-morra.
Gautao de Qeit*ns, comiaandante om chele.
Sorenissimo aoohor.Feliciloa Vossa Alteza pe-
lo triumpho que acaba de aleancar a foroa a mea
mando. A' 10 boaatv do dia. V raarehni nomos
tro batalbeos doiofaotaria a l prncas dft caval-
laria, e depois dn atraves** logan o laoia do mat-
to etpesso fui naetar J*hah>fKn*ii naqneia
distaaei aeiraa, do paMO fotwiloi a -nto qua-
dras dn moino rio,|nwdirecgao do pumo
bre a margen direHa ao clarear de hentom ca>
ntiadwi at an-tt i/i hora da manbda, travos
s ando sompre ma malta
so nao odeu lentanvrtuae
os faooot e attatno os
hi obre a retaguarda d
o inimigo ao atnanbecor
por leus Qtfia.toaem
que un pas-
farar wabalnnr
ota*-hora ci
raa do potoo :
lera oon>antnnnn
Miente retiren-se em direceSo ponte no Jejuy
ray, quatru legua de distancia, deixando alh no
passo 190 homens somonte, os quaes logo foram
dernptados, Meando nm lente o qnatro soldados
prnoneiros, a o resto prailpann^e sobre um bra-
go do rio e ganhoa o matlo, mas j so oslan apre
sentando.
Sabendo da retirada da torga com data boceas
do fogo que liuham, iumvediatamento marehoi am
sna persoguicio, e ao chegar na ponte do Jejuy-
my achava-me a frente de pequeo numero de ca-
valleiros e do 11> batalhao de infaman que vintia
prximo ; a ponte j eslava qoasl toda sem o ta-
beado e o taaigo eom orna pequea triocheira e
as duas pecas assesudas : oowqnei ns clavineiros
em atira lores, e logo qae ehego* o 11 batalhao
de infamara man le faier um vn-j toao e *m se-
guida mandei avaacar per cima das largas linhas
da ponte e carregaei sobra r- inimigo que nessa
occasiao fez o laawno sobre no : o nosso arrojo o
faz desanimar e remediatamoale nronunciou se
em derrota ; ludo isto toi feita debahto da aor-o
da luetrallia inimiga, e a nossa victoria toi com-
pleta, pois que li'-arain em nosso peder as duas
jiccas, umabaudeira, imiitos morios, grando nu-
mero de prisioncires, o ipial nao posso precisar,
ja porqne lemlo e cumbate sido n'uma picada per-
miltio quo ellos ganliast;en os mallos, mas cois
tantemente se estilo apresontando n entro elles se
aeha o capiau Lopes, primeiro ajadanlc do ly-
ranno.
Deixci i IIo batMhai) aqnem da ponte, e cora
poucas pracas de cavallaria segu em persegoigao
dos destrocados, passei por Igatemy e fui at Ba-
ara, o neste ultimo ponto anda cuoontre perto
de cera pracas, a quaes foram l-ram logo derro-
tadas, lii-and i militas aprisionadas.
Eoi lianara onontrei a f.ibrica do plvora, a
quar. devido ao oequem) numero do soldados e ser
ja tarde, nao me foi jiossivel destruir, o que farei
boje cedo.
Do nossa parta Ifvemos un prejuiz* de 16 ou
18, sondo um dos ftidos altan*, raode o nu-
iiieio do armamento que licu em nossopidar, as-
daroi a Vossa Alloza parte l.-talhada dos combates
do hontoin, o quo nao me pos-ivel fazer agora,
porque sigo ja a destruir a Mrica de Itanari, e o
alten Gaudencio A 'elino Nnnc-', iim::i ajudanlo
le ardeos, portador d.i-t.', podera dar a Vossa Al-
teza noticias mais minuciosas.
Deus guardo a Vossa Alteza. Acampamento na
villa.de Igatimiy, 29 de noveoibro do 1869.l'ide-
Us Pues da Slca, eorou -I.
A Son Alteza o Sr. |irincipe conde d'Eu, mare-
ch il e eommandante em chele da uxlas as forcas
br.asileiras em operago- no Tar.iguay.
Serenissimo scnlior.Xasta ananaiao reroeltu a
Vos mero de 83, tendo licado aqui mais 10, os quaes
me s"b necessanos darom-me informages. Igual-
mente remeti a Vossa Allezi os dous canhoes,
nma bandeira. 178 langas das quaes 15 destribu
cavallaria, 23 carabinas, 'i baionetas, 1 pistola,
M espad-is e 2 cornetas, ludo tomad,) ao inimigo
no combate de 28 de novombro, nao entrando
nesta contago) o armamento tomado no combate
do Jejuy-guass, o qnal foi Lineado ao rio pelo
najor Francisco Viilola de Ra*tTo Tavares.
Deus guarde a Y. A.Acampamento do om-
inando das torgas da vanguarda no passo Jejuy-
my, 3 de dewmbro de 1869.Fiareis Pues d'i >"//-
irt corone!.
Serenissimo scnlior.De posse da carta que
Vossa "Al tez dipnou-se enviar-me com data de
2 do crreme, dou-me pressa cm respndela,
ulanando-mo pelo modo llsongeiro om que Vos-
sa Alteza se apraz approvar as medidas por mim
tomadas as operacuel dj Jejuy-gnassii e Jejuy-
my .
As informarors quo tenho dos passados sao
concordes o.-n que L >pez, com as forcas rcluzida.s
que Ihe resta.n, acha-so e n Pan idero, o:i suas im-
incdlaeoes ilesmoralisadu em exeesso pelos reve-
zes. de-ercoes e fnne.
Teudo eu j feito se3 ir para Curugoaty os
passadjs e prisionoiros tora Vossa Alloza occasiao
de obter delles os esclarecimentos qne Ihe falam,
o ver quo o altores Delflno enganou-sc intorman-
do que sen numero nao exceda a 60 sondo fra
de duvida que so sommarmos ao numero dos re-
metidos vossa Alteza o de morios, poneos: deve-
riam ter ido reunir-se s forcas do Lpez, e at
estou renle que a nao ser um ou nutro muito de-
dicado a elle, nenhum mais f >i l ter, porque a'
momento ainda continuara a ajiresentar-se.
A perseguigao que julgo dever-se fazer em di-
reccao a Panadero, pois, que batido Lpez nt'ste
ponto, ve-se na emergencia de retirarse, uu pela
estrada da Conceigio, onde est o general Cama
ra.ou pela do S. Pedro, onde faeilitar-nos-lia as
operagoes por se aproximar do na Paraguay, ou
ainda abrindo urna nova picada, que, segundo al-
guna apresentado-, j existe commonicando Pana
dero rom a estrada que segu de Itanara pira o
alto da serra de Maraeaj, ou finalmente, coma
diz o capilao Lopes que ahi deve estar, tencinna
elle escolner urna ooscSj boa para fazer-se for-
te, e enlio capitular, orno ja tem rnlo a seus ge-
neraos.
Quanto s familias chamadas destinadas de Nj;a-
dorncay foram transportadas para a margara do
rio Igatemy do nutro talo da serra, toado por Uso
voftado no da 3 dtste, a torga coniraandada pelo
tenentecoronel Moora, que com o ftm de traze-lss
tinha partida pora ni 2 horas da madrrqrada
daquelle da, o tfonxe daos passados qne Ihe de
ram esta noticia, bera como aun das mulheres
com quem encontrou-se, e queoooflrmarain. Ae-
crescenum elles (fue no aH*> da srraexi>te oma
gnardinha d" 80 homens, com 0 Hw de impedir
que essas miseras veohain ter eomnosoo, as quaes
sem raoursos sao disiniadas pelnfctno, e s ven-
eendo grandes dilcul lades poderetWH ahi chegar,
pois qne, terminando a estrada em Nandnracay. a
sorra inaccessivel a cavalleiros, sendo elnco'lo-
gaa mais alm o ponto em que esto.
Pareco-me, portanto, qne qnerendo conciliar os
interesses da humanidad* com os da causa nacio-
nal ; o partido qne nos resta tomar o anirtnilla-
raento completo da forca inimiga em Panadero ou
ao menos om a nossa approximagao dote ponto
torear a ratirar-sa a yiurd e qae lallai. A la-
bric.i de Itanara j toi destruida completamente.
Os gneros alimenticios tornara-^ inuiiponsaveis
para nos entraaharmoe mais, e Vossa Alteza me-
Ihor ot-ienUilo pelo l' lenle Lassaace, conheor
a que inelhor ha a fazer-sc, a mandar as suas
orden.* ao de Vossa Alteza amigo o priado obriya-
ao.FideUs "aet da Srtra. ejnv-mv, *! de dezem-
bro de 1869.
Cor era da pmrlneia.
EXMUIKXTt ASH6KAD0 PKLO T.\. (.Ek.U.'I, ST.S-
DER1C0 DE AtUKIDA F AUK'0LrKR'QC,.PBRSlOENTE
DA PROVINCIA. EU 8 Dli OVKAMIBO Dt 186'J.
l.'secgflo.
N. 179.Portara ao Exm. Sr, general ron roan-
danta das armas.Man-to V. Exc apreser.t;r ao
hete da polica iiuerino. am de |he dar o
dtiiliii qne Jufgar' conveniente o 'ecYct. Manoel
Jos de AlnW|hnfne visto ter sidMMnrfooa-
patpara n sepri do oxerehn, om. constn do
tormo de Inspen^Ro, qno velo attaMO ac se t c#eia
de 6 dn crreme Sob n. 69.
N. 180. -Mt m rector doarenal dfr*r-
ra.Mande V. S. aannr% nnd\Mic weoWsafio
pora a honres tooobros qne boj/ se v> fuer no
cem i teo publico aocapitio da guarda nacional I N jnunirn anlnit mn^wi .nLi- -.
do municinio de Olinrfa JoSo Franciacn Pint. L..1^'TU[0 lu, mn*?hl sopplene em
do municipio do Olinda, Joo Francisco Pinto. .
N. 181.Ditj ao engenheiro militar. Pode Vmc
contratar com Jos Peretra Alcntara do O' pela
quantia de SOlfM), a caladura e pintura da en-
fermarla militar de ontormidade com a proposta
quo veio annexa ao seu-offlcio de 30 de ootubro
ultime, que ffca assm respondido.
N. 182. Dita ao conselho de compras na-
vaes.Atitorisoo conselh) da compras navaos do
arsenal de mariaha a promovor, de conforraldade
com o resoectivo regulamento, a compra dos objec-
tes raenciolia los no ofBcio do mesmo conselho de
5 do ofrentc, visa seren necessarios para provi-
mento do almoxartfado do mesmo arsenal.
2.* seccao.
N". 187.Dito ao Eam. Sr. presidente do supre-
mo tribunal de astiga.Commnnico a V. Exc.
do commvrdo bacharel Tristo de Alamar Arari-
pe em eludo de 28 do mez ftndo, nessa data roas-
sumio elle o nereicio das funcedes do dito
cargo.
N. 188.--Dtto ao mesmo.Transmuto V. Exe.
a resposta inclusa que deu o juiz de direito da
comarca de (tamb bachard Felinto Iteorique de
Miranda acerca da reclamacao do juiz de direito
Antonio Mardno Manes Gongalves.
N. 189.Portara ao Dr. chefa de polica interi-
no.Por parle do brigadeiro commandhme das
armas sera presentido a"V. S., afhn de the dar o
deelino ime jnlgar onvniente o recruta Manoel
Jos* de Albujuerque, que toi julgado incapaz para
o sef vio do exercilo, como eonston dotinnode
inspecg;o que veio annexo ao ofBcio daqudlc bri-
gadeiro d 6 do correnta sob n. 663.
N. 191. Dita ao ommandant superior interi-
no da guarda nacional do RecitoExpega V. S.
as suas ordens para qne seja dispensado d servi-
o da guarda nacional no 3" batalhao de infamara
oeste municipio, at a reunio do conselho da
qualificacao, ao qual dever reqnerer a sua dis-
pensa, o guarda Francisco de Sales Alvos Pei-
xoto.
N. 192.Dita ao mesmo.Expega V. S. as snas
ordens para que se aprsente no cemiterio publico
d?sta cidade hoje as 4 horas da tarde urna guarda
para fwer as honras fnebres devidas ao capitao
da guarda nacional do municipio de Ohnda, Joo
Francisco Pinto.
N. 193.Deliberagao.O presi lente da provin-
cia, lt.-ndendo ao que Ihe requeren o bnchard
Joa.iuim Conlelro Coelho Cintra juiz municipal do
termo do Goyanna, resolvo oncerder-lhe 13 dias
do licenga com ordenado na forma da lei para
tratar de sua saride onde Ihe onvicr.
3.* anecio.
N. I!ii.Portara ao inspector da hesouraria
de lazo .ida.De ontormidade com o parecer do
procurador fiscal dessa hesouraria, a que se refe-
re a sna informagao de 5 do corrento sob n. 758,
antorisei o ensienheiro das obras mililares a con-
tratar cem Jos Pereira Alcntara do O' pela
quantia d" 301 300, a caiadnra e pintora da enfer-
mara militar: o que communio a V. S. parasfu
eonheeimento e direccao.
S. 195.Dita ao inspector da thesouraria pro-
vincial.Participando-mj o chefe da reiiartigo
das obras publicas em ofncio di 6 do corrente sob
n. 372, qne por haverem apparecido as obras da
vala lateral dealvenaria na subida da malta do
ongenho Araripe no'as minas que nao foram
previstas no respectivo orgamento autorizara o
conductor, do 4 disincto a contratar essas obras
com o augmento de 12 por cento, flcando assim
elevado o predilo orgamento a 4290O, acabo de
approvar es-a autorisagao. O que declaro a V. S.
para seu eonheeimento e devidns effeitos.
N. 196.Dita ao mesrao.Em resposta ao ofB-
cio do 4 do orrenle, sob n. 616, em que V. S.
me partedpou, qne, indo por tres vezas a praca
o reparos urgentes da ponte do Anjo deixaram
de ser arremattado* por falta de licjianles, tenho
a dizer quo acabo de autorisar o chafe da rapar-
licao das obras publicas que assim indiou em
sua ioformacao de 6 desto mez, n. 373, a mnda-
los -xecutar por admimslragao.
N. 197.futa ao ebefe da repartigao das obras
pnbHcas. Aceuso recebido o offlcio de 6 do or-
renle, sob n 372. em que Vmc. participou, que,
por haverem aj)parecido novas ruinas, que ua
foram previstas no orcamento das obras da vala
lateral de al venarla na subida da man i do enge-
nho Araripe, autorisara o conductor do 4o distric-
to a contratar essas obras com o augmento de 12
Tirando assim devado o predito orcamento a
29*440 rds. Era resposta tenho a dizr que ap-
pravo essa autonsag-) da qual don scienci a
tlie'sonraria provincia.
N. 198 Dita ao mesmo.Podo Vine, conforme
indica em sua informagao de 6 do orrente, sob
numero 373, mandar fazer por a Imlnistragao os
reparos urgentes da ponte do Anjo, pois qjie, se-
gundo consta do ofB-b do inspector di thesoura-
ria provincial, n. 616. foram tres vezes a praca e
nao appareeeram licitantes.
4* seegao.
N. 199.Portara ao desembargador provedor
da Santa Casa de Misericordia.Concedo a auto-
risagiio que V. Exc pJe em seu nfficio de 3 do
corrente, sob numero 2,242, para despender pela
verba annos lindas al a juantia de ritOOOOOO,
visto nao se ter mareado qnota para taes despo-
zas no orgamento onfecdonado no crrante *xcr
cicio para o patrimonio dos es'abeleciraentos de
caridade a cargo dessa Santa Casa.
N. 200.Dita a cmara munldpnl lo Bonito.
(nteirado do qna expoz a cmara municipal do
Bmiln oataaia ulBai da Jft tUoalitba uliimo, v
nho a dizer-llic que om vista di) artigo 41 da loi
n. '>'*, da 3 de joa*) de 180"., nao pode ter lu-
gar a aurorfctn que pede a mesma enmara no
linal do seu citado offlcio.
KXPROIRNTK AtSICNADO PP.LO SO. DR. JOAOtltM COR-
nr.A di: akal'jo, stiajtXAiuo 10 oovedno, bu 8
dr mvEsumn DE WC9.
f secrao.
M. 201.OBrio ao Dr. chafe de polica interino.
De ordem dn Exm Sr. residente da provincia
daclaro a V 8, qae sognndo participen o eom-
mandaate do eorpo de polica por falta de torca
suMmente no dito eorpo. nao pode por emqnanto
ser elevada a dez pracas, a guarda da ribeira de
S. Jos, o qae ter execncfo higo que seja pos-
si vd.
N. 202.Dita ao juiz de direito interino do
Cabo, Joao Baptista de Siqueira Cavaleamte.O
Bmx Sr. presidente da provincia, manda aeen-
sar o roeebimento doofneio de V. S. de 27 do mez
liado, em que d coala tas traba Ihos da 2* sessao
do jury do termo do Cabo.
N. 203.Dito o mesmo.O Exm. Sr. presiden-
te da provincia, nrnnda declarar a V. 8, que tlcon
mtaa-ado vdo sea otteio do 31 do mea lindo de ter
nossa dala par motivo de molestia aassade o exer-
cio daa fnncgdes da vara de direito ao sobstitn-
toimtnadhUb
N. JD4.Dito ao bacharel Joao flonzaga Bacal-
lar, jaiz aranicipal da Gdx> o haterino da uireilo.
-O Exea. 8r. prasideok* da roviaaa, manda V-
clarar a V. S., qaa fknu imdr*do pete tan otteio
de 34 doimt nodo, de haver nesaa^data Mtrnt-
do o txorcioio dan tanaooos do oargD de jaiz de
dbteite a comarca do ate como 1 anfcMterto.
S. 206.t*Dilo aa juiz do direito da comarca do
Rio onaoaa.O Exm. Sr. prendan* da pravin -
ca manda* declarar a V. 8, qua con tautead*
pete can tete do S da mrrmaa, datenmer a 31
do moa andarraa-aawiido ateaeoica damaat-
trm aarau o praraalur pnMteo dessa eoiaarra o
machare! loi Manoel de Barros ^aavlunj,'
exercicio do jnno de Ipojuc*. Loo reno Bfzerra
Je Siqueira Cavalcant;.O Exm. Sr. presteVata
da provincia manda declarar a V. ., qno Broa
mieirada polo seu oReio de ti de oaanbro Moto
de haver nesta data assamido o oanretefo das
^"^S ** ^uiz mu"c,^,:,' do termo de laufaca
" 20T.Dito ao presidente e mnmbroa de eua-
sdho da qualitlcacao da guarda nacional da pa-
rochia de S. Bento. O Exm. Sr. presidente da
provincia manta aecusar o roeebimento do otUcio
do Vv. Ss. de W do mee Hado, em que participa
asr nessa data cooduido os trabalhos doonselho
de revisao da-o)oalincgao da guarda nacional dessa
parochia, do qae feeram Vv. Ss. parte;
3a areco.
N. 208.Oftieio ao inspector da (hosoarortx de
fazemta.O Exm. Sr presidente da provincia
nata declarar a T. S. para os fins notwenteales,
que segundo partidpoo o bacharel Jado Gontaga.
Baeellar juiz municipal do termo do Cabo; em of-
flcio do 31 do mar lindo, nwi-a dita asoomio o
exercido das lunccdas da vara do direito- da Co-
marca do Cabo, como 2* snpptonic d'elte.
N. 209.Dito ao mesmo O Ex.n. 8r. presi-
donle da provincia manda declarar a V. S\ para-
os devidos lins, que segundo participou o jais de
direito interino da comarca do Cabo bacharel' Joao
Baptista de Siqueira C ivaleante em offlcio d 31
de oatubro ullimo, nessa,dala deixou dio por mo-
lestia o exerci'io do dito cargo.
N. 210.Dito ao mesmo. Exm. Sr. presiden-
te da proviuca manda declarar a V. 8. para os
levdos fins, quo segundo participou o juiz da di-
reito Jaomarc do Rio Formoso em oficio dn 2
deste mez, a 31 do passodo assumio as fnn.-jecs
do cargo de prom it. r publico d'aquella cooiafr^
o baclwirerjs anCi+i!4*8rro8 Wajte;Uy.
N- 211.Dito ao mesmo.3'Exm. Sr. presiden-
teda provincia manda declarar a V. S. para os
devidos (Inj. quo, segundo participou o juiz de di-
reito interino da comarca itoCabu, o bacharel Jaao
Bajista de Siqudra Cavbante, em otario de 34
de oatubro ultimo n'es< data deixou ello por mo-
lestia oexerccio do dito cargo.
1* seccao.Palacio do governo do Perua-nbuco
de 5 -de Janeiro do 1870.O presidente da pro-
vincia em vita do offlcio do chefe de policii n. B
da 3 deste mez, revive declarar de nenhum ef-
feto adotiberag-) do 20 de limnmhrii ultimo que
n iineou Joo de Raeros e Silva para o lunar da
subdelegado do 2o di-trirto da fregne/ia de Game-
leira do tormo da Sorinhaiu.Frederico de M-
meida e Atbuquerque.
INTEBIOE.
RIO DE dlVEIIIO
3 DR JANEII10 DE 1870.
Inaugurou-se ante-hontam o theatro de S. Lniz ,
prdpriodade do Sr. bote Candido Portado Coelho .
O edificio aprc-cnta (loas fachadas : urna para a
ra do Theatro, outra para a Salo de Setembro .
Esta ultima tem sua oiiginalidada, e como fundo
de theatro turna-se notavel. Aprsenla varias or-
dens de janella- pequeas separadas por edumne-
las, e abre tres portas para a ra, dando a da di-
reila entrada aos actores, a da esquerda aos com-
parsas e gente do sardn, a sendo a do centra, que
muito mais larga, destinada passagem do.ob-
jectos volumnsos, como pianos, carros, cavailos,
etc. A porta da (Urda abre para nm patamar,
esquerda do qual (lea um bonito escriptorio para
a adininislracao, c no fundo urna escoda qu.; eotn-
mnnica com o palco. A porta da esquerda com-
muniea tamben) com o palo por meio de urna
escada, e om o porao, que vasto o alto, o onda
llcam os camanns |>ara a comparsam, tndo re-
jada e bom illnuiinado.
A fachada da frente remata por urna platibanda
triangular, ornada com tres estatua* de diversos
emblemas, em alto relevo. Logo abaixo abran
cinco oculos de forma elegante, que do ar para a
segunda ordem de eam-irotes, o mais xbaixo nu-
tras tantas janellas, rasgadas om grade de ferro,
que perl.-nrem primrira ordem. Dos intervalos
sahem elegantes arandelas com tres globos de caz
cada nma para Iluminaran exterior. Dous globos
grandes, tambem do bm gosto, estSo' coiiocados
aos lados da pirla do centro. As portas sao igual-
mente cinco, perteneenao a primeira da esquerda
ao escriptorio do bilheteiro, a primeira da direita
ao bote juin, e abrindo as tres do centro para o
vestibulo, ladrilhadn de marmore.
Dos dous lados deste vestbulo partem oseadas
bem langadas, que do accesso aos cmaro a
portas por onde >e penetra na platea, qu* oceupa
toda a largara do edificio, mesmo por baixo da
primeira ordem de camarotes, para isto mu ele-
vada. Tem 2W cadriras numeradas, eorrendn no
centro nma grade divisoria que separa para um
lado os nmeros pares, o para o ontro os impave?,
enrrespondendo cada metade a urna das porta* de
entrada. Ao longo das paredes lateraes ainda ha
baos de palhiafta que pmm admit Ir 38 espec-
tadores, los dous lados da orchestra ha tunas
plataformas oreada* de grade o elevadas, servan-
do ama para camarote da p .licia e ouira para a
admi'iistragie. Ambas commnnicam cote o paleo
e a platea.
O* camarotes, dispostos em duas ordene, sin co
numero de 34, alem de dww que forman a irlbn-
na imperial, rica e elegantemente riouvada. e dis-
poeta ao lado direitn da 'ana, commiatenndo rom
um *iinVio eandguo ao theatro sobro ra Sote
de Setembrov por nte a entrada, awrondn all
lanabem salas de dnnanse. As columna diviso-
rias dos rainarotwtcam ao fundo, apresentando
assim a frente nma alaria nao interrompida, e
para o lado do corredor sai) elles fechados por
ortinas, em vez de parede e porta. Os corredo-
res sao largos o arejados. sendo o edificio ventila-
do por lodos os l*do>, inclusive pelo lemadn, para,
ande abran (resta* gradeadas, e pelo soalhn da
platea, qno por vintn e quiltro ralos da ferro rece-
be o ar que do lado da ra Seto de Setembro pe-
netra no polio, qne m esb-nde at ao fundo da
platea n'uma altura do 8 a 10 Vi palmos. Ha
timbera agua encanada na platea e nos corredores
das duas oidens, c nestas ainda gabinetes particu-
lares pare as sen horas.
A dtepealgo da sata tnrha-a eminentemente
acstica. Pe lodos oe pantos se v e oovo igual-
menta bom. O aspecto qne oiTerece vista real-
mente bello e facero ; a pintara, os ornatos, aa
cortinas, o fundo, a mesma forma, todo concurro
para dar realce a osta sata, tornando-a primorosa
no seu genere.
O palco espacoso, nene se ianedutlraaa
mnitos melnoranwntos desconhecidos at hoje nm
nossos theatro). Os pannos corren intoiros, o so-
bem e dAsem por mete de peras tonpaaadnrB,
te modo que par* mov-lo basta o nprego dte
forra p^fMa'oaloear temara naas. ram
crianca, pois, taz o que eo uara nniroe reqoer
crianga, pois, tez o que
tres ou quatro homena a cabirem da uroadnra.
atarrads a nmn tala. O systenta ate armar os
bratldmii tambem fd malta anertevcaada, per-
miatedo hm mntaeoes vteta oro numero *-
do-modo
OJlj
pera, n*. tei nanata* e -portar tea* nom mo-
nrararanstriK^. ***"<2?!Z
lodos com jandla paran.' **? "ni
fdnfM, nma para as aHHea o onnpara os ac-
t>|BleoedlddioomMalcaaoea, dn
esejaqdal for e nteefcdsnw qnn ewja




2
Diario
#t
lores, cada urna rom sua oseada indopcml.
> enmmuniracao aljruma entre si Contiguo .ao
paleo ha urna sala para descanso ou recreio dos
clores e Mura das pecas, e mitra que erve.de
caoarm para o director, e d'onde partem tres
caiupainhas elctrica*, urna para o vestbulo e ser-
ve para arigir o publico de que vai comecar o ae-
- to, outra ^mra o rgeme 4a orchestra, o a lereeira
para os homens que morem os pannos Por cima
ito proscenio ha u
"para os especiad
Tem o tlt.-atri
tara e as nee
rios da scjna
Torna te l
10
gua
alojonle unta
adaeoes
naM o sya
rea altor
la de pio-
aecesso-
.1. 00 l\.i
tinens percorreu acuelles para e .papel bancario -e
partienlar.
Sobre -Franca
lagar** 'o or-Mtimti e troe roinsigo 4 d'u
ros da forca deRaoien.
Parece que o mareelial Victorino mandar uina
torga para- guarnecer S. Pedro com o Im de
tranquilisar a popolaca daquella villa.
Como Romero depois da sua ultima derrota
nilo se atreva a apre*entar-s a Lope, envin
orte o coronel Gomes frento de 200 homens com
_|11e illum-
nacao. em que hebil maatrt da eoeuianliia do
gai, o Sr. Afaimk" Jos do \adrado Queiroz,
alm de to- f.'ito construir sol) suijiapeecao to-
das as peaa*'' appareltw* que so meoinmendam
pelo liom t/ttt ietroduriii importantes melhora-
mentos. Wro* grandes registra recebem o ga*,1
mn da ra do Theatro, outro da Sete de Setembro.
Estes registro, postas um ao lado do outro, com-
muniran entre si por um cylindro d'onde partem
os diversos encunamentos, que todos teem a sua
chave geral n'nm gatinete destinado ao mestre da
illuroinacao. All ha urna especie de mostrador
com os ponleiros, que abrem, fecham e graduara
a gaz que vai paca a sala dos espectadores, para
os corredores para a caxa, para os carnarios e
para a sala da pintura. E-tes diversos encana
meiitos, todo- independentes, ainda teem em diver-
sos lugares nutras chaves que pennittem corlar
parcialmente a coinmuncacao do saz.
A Uuimna.-ao dn palee calculada para tojos
os elftltos scenicos que se podem desojar, poden-
do-se prohur a atis deslumbrante elariJade.
Por trai de cada bastidor e respectiva bambolina
ha um are. de ferro con numerosos bicos de gaz.
Pude este lechar-s tanto no alto de cada bastidor
como no centro da bambolina, de modo que se I-
lumina a parlo que se qner, nodendo-se mesmo
deixar escuro um lado dascena emquanto o outro
brima com toda a luz. O registro de^ta Ilumina-
ran arta ao lado do ponto, que a grada, conforme
marearn da peca, por meio do um mostrador
com ponteiro, fazendo o mesmo com a illnininaca
da rampa, (po do globos com suas chamines e
lux vivissima, mas que nao fere a vista, resguar-
dad t como se acha pelos mesmos globos.
O Sr. Fuado C*lho, a caja energa e esforcos
evomos esie theatrinho, que cm luxo, ulegancia o
Sraor de d.-oracoes se avanlaja a todos os outro1,
quem organi^ou o plano geral du edificio e a-
suas divisos internas, devendo-se reconheeer que
aa rea limitada de que dispnnha difflctl teria sido
a Hender melltor, nao s as exigencias do flm a que
da dostinava :i cmsiruccao, mas tambem as com-
modidades do publiou. O risco c desenho das
duas ficha las e du teclo da sala e a direccao da
coastraccin licaram acargodoarebiteeioLcroy. r.
Os traliallios de esculptura sao do Sr. Somer. os
da pintura de marmore da fachada e entradas prin-
epaos do Si. Mediros, e da,pintura eral e dou-
radns estove incumbido o Sr. Guioaiies.
A fe reeorgitava de e-pectadore*.
nepresentou se a Morgadinha de Val flor, boni
to drama, e b^m desempenhado ; cumiado a ex-
-toasao que j leva esta simples oolicia inhibe nos
de ntais particularmente nos oceuparmos dolle
Ma ordenacao scenica houve esmero, capricho e
<-J9io. A"-' scenas e-tavam bem pintadas,, tornndo-
se inesmn nutivei- as-do-i* e 2o actos. Nos vesti-
dos e acee>sori.is baria prnpriedade e riqueza.
No fim do 4* arto, sendo o Sr. Furlado chamado
scena, foi -Ibe t-ntreguu a coroa de ouro, de quo
ja fallamos. olTerecda por alguns amigos, e no Hu
do espectculo os memhros todos da companhia
vicram entregar-lhe a medalha, de que tambera ja
demos noticia, sendo ne-ta occasiat recitada uina
poesa.
rts perseverantes esforcos do Sr. Furtado foram
assiin cornados do mais feliz xito. Po-sue elle
"boje, fruelo lo seu trabalhu, um bello theatro, em
qu nd entregar-se ao coito da arte, que sua
paixio, e proseguir desassouibrado na carreiraem
Possa swa carreira ser lon-ia e f< liz. A sympa -
tha que i-empre inspira o porfiado lular p.r urna
idea, nao pode deixar de fazer que sejam estes os
desejo de todos. -
*ue IkW-es
Jrtto iloniens, deban-
H das coiidervelni.:nte.' P'-
lo-sr aasegurar <|ae nao si i meaos de 20 trans-
os que ariameiite se aaresentam de Igate-
i;urugn;,iy, Concepeioa elaario fletas no-
transmi'Hidas por pessaa respeiiavel, me
n I crdito.
Os Indios Caiguayes e Marac-yues, que se-
gundo a balella publicada no Slandart do 11 Uu
ultimo, deviam ter celebrado um tratado de tr-
plice allianca offensva e defensiva eofn doas caci-
ques principaes, antes pelo contrario contnuam
a hostllisar Lpez por todos os meios imagina-
veis. >
A guarda nacional argentina tinha-se retirado
do Paraguay e da de Buenos-Avres j liavia no-
ticia de ter chegado ao Rosario sendo esperada a
31 na capital onde se preparavan grandes festejos
para receb-la.
A divisao oriental, que abrir a eampanha em
forea de 3,500 homens commandada pelo general
Flores voltou a Montevideo no da 29 contando
apenas loO a cuja frente vinha o general Castro.
Este punhado de valentcs foi recebido com todas
as honras pelo governo da repblica, e com vivas
demonstrares de. admiraejio e syinpathias .pelo
povo, que so apinhava na sua passagem.
Publicou se a tiomeacao de D. Duncan Stewart
para ministro da fazenda. Fallavase de urna
nova nsurreigao capitaneada pelo general Goyo
Soares, o o governo fez marchar um batolhao
para Tacuaremb afim de impedir a reuiiiao de
gente. Ainda assiin acrclitavam alguns que ludo
isto Tiao passava de manejos polticos.
Ficavam em Montevideo cinco transportes bra-
sileros espera, diseui, dos nossos voluntarios
para traze-los a esta corte apenas chegassem do
Paraguay.
19 7/8 e 20 d. para o ^DELEGACIA DE SANTO AWON goria wercer jurisdleciio ao memo tempo n'nma
notiO cnlleca f>r Francisco n.li\nn 'nvnraa i *__
ana de fr. 960,080 aes extoe
mos de i81 a 476 r*. por franco.
< Sobre Hamburge cerca Je % 63000 ile 880 a
90i r*. por /..
f Sobrefortogal-regulou o premio d:i'-tabella
seguate:
i 176 a 473 /. vista.
d/v.-
0 d/v.j
174
IT> a tK %
Tem-ae vendido alsuns lotes de sobnraoo* a *
12iO%--H aiwlici ger.is de6V.a71H
A* ditas de em?restmo nacional de 1808 i 7300d 5
e 80*800 de premia^ de acedes do banco doBra-
il aiiBilOltO ex-dMdendo.
lieao do mercado monetario mellni u
enie; liqfe de-c
ip.^oiwo ar. a
Tomn hontem pos*e conselho administrativo
da imperial Assoriaeo Typngraphica Fluminense,
w ton do fiineeii.nar no anuo social do 1869 a
4870, assiin como o u>soiireiro o commi>sa.> pi r-
manontedo cuntas, p proeodendo-se eieica. da
mesa o mus cinnmissoes, Acaran orgaiiisadj pela
nianera segutnle:
Pn-sidenu! -O Sr. Carlos Domingos do Souza
Caldas (reeleit >).
Vire-presidente-O Sr. Joao Jos do Car val Im
(radVitn).
Iu secieuui)OSr. Jos Morcira de Lemos (re-
tloil..).
2o secretario0 Sr. Jos do Souza Maia (fe-
eleit ).
Tiiisourero0 Sr. Pedro Nimio Alvares Jardim
(ree.lelo).
Coiiiniiss3o permanente de cintas0 Srs. Fran-
cisco Luiz da Silva -trum, Frederoo Clirisiian .
Desonzan e Jos lnh Im do Kspirito Sanlo;
oiiiniisso du benellcencia Os Sr-. Joao Len
Cliauv.ii, Antonio Luiz G mes dos Santos e Al-
nertJi Viclor Goucalves da F seca.
C.-ramissa'i de p.-n-3es.-Os Srs. Francisco Ja-
cin'h F-rnand-s, D 'inicano Anacleto Paran
Joao Miguel Alves Affonso de Aguiar (reeleil >).
Cimtnissio artsticaOs Srs. UmbelinoFerrPira
Das, Manuel Francisc^i do E-pirito Santo e Domi-
ciaau Anacleto Paran.
4
S. M. o Impera lor visitou hontem s 10 horas
da inanhaa <> hospital militar e suas dependencias,
e retirou-se 1 hora da tarde.
Por decreto de 18 de dezembro ultimo :
Fez-se merc a Pedro Correa do Albuquorqne
da serventa vitalicia dos offlcios de 2 tabellio
do publico, judicial e notas, e Io escrivo de or-
phaot e ausentes do termo deCautagallo, e do la-
gar de da respectiva comarca, na provincia do lt: j de
Janeiro.
Por dececto de 2 de dezembro ultimo foram
Borneados:
O Incharel Francisco Xavier Morelhson, juiz
municipal e de orpliaos do termo de Botucat, na
provincia de S. Paulo.
0 capito Joaquim Peros Rodrigues Souto, te-
nenie coronel commandante do batalbao de infan
taria n. 28 da guarda nacional da provincia do
Para.
Os eapilies Joo Monteiro de Amoriin e Miguel
Joao Ramos, majnrcs ajudantes de ordeus do coin-
mando superior da guarda nacional do municipio
de liraganca, na mesma provincia.
0 tenante Bnto Rodrigues Manas, caplao
qttartel-mestre do mesmo caminando.
Foi designado o caplao Jos Honorato Chaves
para exercer as funegoes de major do batalhan
de iuaiit iria n. 26 da guarda nacional dii provin-
cia de Peruamhuco.
Foi reformado a pedido :
Conceden-se inelhorainenlo de reforma no posto
de coronel ao lenente-comuel reformado da guar-
da nacional da provincia do Rio Grande do Norte,
Alexandre Francisco do Oliveira.
Por decreto da mesma data bou ve S. VI. o Im-
perador por bem perd.iar a E luardo Ferreifa de
Andrade a pena de d .u mozos correspondente i melado do tempo, a que fui
condemnado pelo juiz municipal da 31 vara da
corte, por crime de injurias verbaes.
m-*e facmiaate le-
trasiiWthesoiifco JSF' oJPfraca de 8 a M*/- >
A alfandega- da corto rende de 1 a doxor-
rool 496;9fi3JO. aW^aritfm i
~ Salda para Pernambuco. a 6, a baroapras-
siana Tarta.
1 BAHA.
Tendo fallecido o offi-ial maior da secretara do
governo, fu nomeado para esso catt* fr. Dft
Joao Jos de Moura Magalhes".
A junta de correctores, qne dte fmireionar
no correnle anno, conipoe-se dos Srs. : presidente
Udo Soaleusaer; secretario Antonio Leonardo Pe-
reir ; ihesonreiro Domingos Adrin Rebello ; ad-
juntos Antonio Bonicio Ferreira e W. Menee.
Lemos no Jornal:
No da 3 do correnle sepnltou-se no c.imiterio
da Quinta e hospital dos Lazaros, Thereza de Jess
Carvalho Borges, branca, soltera, natural desta
cidade, com 110 aonos de idade. Conservou sem-
pre sua razo som alternativa, e urna reminiscen-
cia apurada dos casos mais notaveis, occorridos no
longo periodo de sna vida.-
Recordava-sc da prsao dos jesutas nesta ci-
dade, assim como das grandes festividades que se
lizeram na igreja do r,ollegio; da execocaa do ce-
lebre Joo de. Deas e outros, no largo da Piedade,
por causa da conjuracao entio chamada Vrance-
zia : do incendio da igreja da ordem lerceira do
Carmo e de outros acontec montos mais mi menos
importantes, qne se acham as Memorias histri-
cas da Provincia.
Gozia renda e bordava perfeit mente, tendo
apenas ba dez anuos doixado estes trabalhos por
sentir falu de vista. Sabia ler e e os seus. ltimos momentos conversou com admi-
ravel discernimenlo na sua avancaria dado.
O cambio regnlava sobre Londres I9:/8 a 20
Va d., e sobre Paris 473 rs.
noiao collega Dr. Francisco Odilon iTavaresi^H
pede-nos declaremos ler sid> a aaa-cxoneraca de
subdelegado da freguezia de Santo Antonio, sea
pedido.
rnclhor informados, aprssamo-nos a declarar que
um dos persoguidores do oflaacor foi o proprio-
inspector da ra, que nao o prendeu em flagran-
te, por taaver o delnoaenie dasApparccLto a iu
p. iWJf"" sem duvfcla foi .neabido am algama
FEfeNTO LEVE.-No dia i(/M deiNriaTo
evemente sobeo oi^esaordo, no di
Carsupe, lonMina M;a do Espirito
Manoel de ial,eoidteekl par Sicupira.
oa cvsdir-se. $
BIO.No dia 2 do corrate diverso ia
asante embriagado travaram-se de ra-
. woado de Carsupe,' pastando vas de
Tacto, de tal forma que perturbaran o socego pu-
*#o. Os^urljuiontoapozeraa^-se eji^uija
KSPANCAMENTO.-Ein a mato de 4 do cor-
rente, ao mesmo povoado de Carsuipe,. Bernard
6 comarca ; "ou so lmjui petle ter jarisdi
era dotts lugares. E' m que no* pirece uni
el, e o que se dar infallivelmente se qui'.
dizer que o juiz vindo de comarca estranba pn
o jury exerce jarisdiccio na eomarea para onde
re.
S se tratasse de mn juiz, ou seu substituto, que
tivesse exeraiaw autow^jfr-ou j "
mesmo tajjfcoAa, o^Hdeu
para que ti nomMdo.j
dentro datis on qu
o exorcWas bem; n-* querer a
derar o Jai* de comarca eitranha
cumsuncias do juiz dd iug%r, IdV m
o espirito da lei.
0 juizdidireito ou raunci; il, qne val de ~na
Comarca presidir o jnrv fra, nao deix i o jarc-
ck, de sen argo, e se elle tem fri?(liek) ea^
sua comarca, nao polo ter n'outr ao mesmo
tempo.
Aparar de nao ser esta qtieslao a pedra philoso-
jal, e imito menos o elixir de prolongar a vida
eremos que o velho expeliente, mimiyo de nigro-
X.
A alfandega
264:290|lo0.
rendeu de i a 10 do correte
INSTITUTO VRCHEOLOGICO E GEOGRAt'lIl-
CO. Itiunio-se lionieui esta sociedad.-, s-ib a pre-
sidencia do Ex ii. om-eltieiro Mumz Tavares c
cmii asistencia dos Srs. Drs. \ .rigi Gai maraes,
dos recursos e cicargos do thesouro
dezembro prximo lindo era o se-
0 estado
ni 31 de
gninto :
Apolicescm circulagao, in-lusivn as do empre>-
-Cium nacional de 1868. abatida a quantia de.....
nOO.OOOiOOO, que por roula doste emorestimo se
amiHiisou em oulubro, 221,162.5001.000.
Papel moMila, emisso dos crditos de 12 de se-
acmbro de 1866. 28 de igual mez de 18G7 e a de
agosto de I8>8, abatida a somma applicada
sub-ntuica i das notas du ai da 6' estampa e 404
ila 4" aas tnesouranas da fazenda e j indemnisa-
da caixa da amortisacJi >, 97,463.8761000.
Ititbetes to thesouro, liquido em circulacao...
6V.t>78:40004000.
Re.nessas. para Londres a diversos cambios...
38,381471844; UiUl 99,751:7944316.
Pagamento de saques, sendo : da reparticao Os-
ea! de Montevideo, 35,434:742*796, da pagadura
mikur do exorcito, 42,443:254*687, da misso
especial no Rio da Prata, 1,109:425*441; letal..
79067:420*921.
Na tvtadade das apotices em eircu'oco acha-
ae ocluida nao s a somma de 5,000:000*000 no-
minaes, que se deviam emittir em dezembro em
viiiude do contracto ltimamente celebrado com o
saaooo do Brasil, como tambem a de 2,500:000*
correspondemos a apotices que, sjguudo o mesmo
cootracto, lnham de ser pagos de Janeiro cor-
rale em diante, mas cu> producto o referido es-
labelecimento recolbeu antecipadameate ao the-
souro.
Por decretos de 4 de dezembro ultimo :
F* concedida ao bac.haiel Joaquim Rogerio de
Oliveira a demis-ao que pedio do lugar do juiz
xnunieipal o de orphos do termo de Quelue, na
provincia de S. Paulo.
Fui oomeado para o referido lagar o bacharei
Joao Vasco Cabral.
Reuniram-se hontem no salo da pra(a do com-
morcio os memhros ltimamente eleitos para ser-
vir no anno de 1870 na junta dos orrei-Uires, e
d'entre si eiogeram: presidente, Hearique Har-
per ; secretario, Paulino de Oliveira c Souza ; o
Tkesoureiro, F. D. Machado
o
O navio franeez Commerce dt Pariz, sabido do
Rio para o Havre em 24 do outubro, deu costa
na madrugada de lt de dezembro a 12 militas SE.
de Piymoutli, salvando se a tripolaco.
Segundo en lelegrarntaa de Piymoutli de 44 o
navio eslava do todo perdido Os destrocoe do
naufragio deviam vendr-se no dia 10. Salvaram-
aa ISO Cardos de algodao e 100 coaroe. O reato
da carga dasappareceu.
6
Pelo paqiieto franeez Rtttemadure, entrado
luatom do Hiti da Prata rpeebemos folbas de fiue-
no-Ayres e M mtevido a' 30 o 31 da passado.
Belativamenie ao Paraguay apenas nnrnnlril'
noTrlejiapito Martimo de Montevideo a seguate
noticia Mtn do.-ignacao da data.
Sua hito o Sr. conde d'Eu a a general C-
mara milito breve darlo am ataqae ao ionifo,
caja poeicao j onoaeida.
E' coopetamenli' M*o que S. Pe 1ro toaba
ido invadida pelos Paraguayos, o capilpo Orlando
PERHAMBCO.
REVISTA DIARIA.
DELEGACIA LITTERARIA.Por portara da
presidencia da provincia, de 12 do correnle, foi
creada urna delegara liuerana na povoacao da
Boa Vagem ; e foi nomeado para exoace ia o Sr.
Dr Fulgencio Infante de Alouqnerque M-llo.
AOS NAVEGANTES.Damos em seguida um
ofllciodo-con-ul brasileiro em Hamburgo, sobre a
descoberta de nm rochedo coberto existente 22
millias ao nordeste da costa do lirasil.
Consulado geral 1 > Brasil.Hamburgo 15 de
noveniDro d' 186'J.lllm. o. Exm. Sr.Tnho a
honra do participar a V. Exc. qne recebi em data
de 6 do correle, .la commissao de commercio e
navegaran nesta cidale, a coinmuniceao annexa,
foita peio cipiao Eller, do navio norte allemo Ma-
rineninister con Roon, datado de lombay a 8 de ou
tubro de 1869, que na altura de 4o 46' lafitu.le
meridional e 33" 57' loigitude occidental, 22 mi-
litas da costa nordeste do Brasil, pouco distante do
cabo de S. Hoque, batera com seu navio sobre
un rochedo ciborio, nao encontrado at apora em
carta algmna, de 17 ps d'agua e crea de 1,000
ps do eireu nfereucia.
Queira V. Exc. aeoiher a expressao reiterada
do meus -entim^ntos de respeto e consideracao.
Francisco Moniz de Arando. A S. Exc. o r.
No intuito de revestir de solidas garantas os conseiheiro Juaqui.n Anta. Fernandos Loa., mi-
legitimos toreen dos seus compatriotas no lira- llislro e ,.,;rolario de estado dos negocios da agri-
sil, o governo portuguez por decreto de 9 de >e- ^tllnra.
tonibro de 1869, creou junto dos dilTerentos cm
alados i> ulugaezes ueste imperio, commissoes
onsultvas tira-las da classe commercil. Incum-
bim as respeetivas nmnaaedes ao ministro de S.
\1 Fideli-snna nesia corle, o quil, no desemponlt-i
desta mi*sai), nomoou as segumtes commissoes
consultivas :
Cniisulalo geral no Rio de JaneiroConde da
E>trella, conde de S. Mamede, consolhciro Joo
Jo> dos Res. '
Consulado na Baha.C imniendador Manoel
Joaquim Alves, commendador Justino Jos Fer-
nandos, Antonio do Soiua Sanios M .reir.
Consulado cui Pernambuco. -C .nnuendador Ha-
noej .11 Silva Sanios, Francisco J 'ii de Barros,
Roroardno Gomes de Carvalho
Consulado no M-ranha >. Joo Beato de Barros,
Custodio Gongalves Beiclu.ir, Delfini Ja Silva Gui-
mares.
Consola to no Para.Francisco Gaudoncio da
Coala, Bento Rebello de Andrade, Elias Jos u-
os da Silva.
- 7
0 vapor Guaport entrado hontem dos portes do
sul tr.oixe dalas do Pirto-Alegre at 30 do passa-
do, Ro rente.
Na provincia de S. Pedro do Sul linha comeca-
do o assentamento do 6 > elctrico que deve enn-
municar a capital com a lrutiuyan.i.
Su freguezia da Vaecaria, da mesma provincia,
fra brbaramente assssinada, com d.-zoito taca-
das, Carlota Pinheiro, sendo o assassi no seu pro-
prio marido o italiano Joo Jos Furiats, o qual
foi preso pouco depois de coimneltiJo o ennr .
Fra tambem morto, em Bag. um crioulo de
10 annos, escravo de Siun-o Fagun les de Olive
ra. Fi.-ava preso um indio sobre quem recahiam
as suspeitas do delicio.
Era Pf Iotas cominetteu igual attentado Manuel
Jos Godinho, na pessoa do subdito portuguez Ma-J
noel Henriques de Pinito, serrador. O assassia.,
imita sido capturado e bem assim alguns indivi-
duos qne o acompanhavam.
Em Canguss suicidra-se enforcando-se am
moije de noine Belisario d'Avila, perienceute a
urna boa familia da localidade. Havia lempos que
solTria de alienaco mental.
Da cadeia do /aguarn evadiram-se na noute de
21 dous reos condemnados por crime de homi-
cidio.
A .28 naufragou no Cavllete o biato Novo S.
Manoel, que ia do porte do Rio Gran Je para o de
Pelotas com carga da praca. Salvou-se a tripo-
laco.
Ficava no primeiro daqnolles portes o encoura
cado Mariz e Barros, procedente da Montevideo
De Stnta Catbarina nada temos que noticiar.
DIARIO DE PERNAMBUCO
RECIPE, 14 DE JANEIRO DE 1870.
Ms4lelas do sul do laaperlo.
O vapor franeez Estremadure, chegado hontem,
foi portador de jornaes do Rio de Janeiro at 7 o
da Baha at i do correnle.
Sob as rubricas Parte Official e Interior va i
por extenso as noticias mais importantes, tlm
das quaes apenas acbamos as qne sogaetn nos
joraaes.
MINAS GERAES.
Falleeeram os capitaes Jos Mara do Olivei-
ra, e Fidelis Martios Pacheco, fazendeiros abasta-
dos e membros do partido conservador.
O Notiaador de Minas publicou a seguinte
communcacao recebida do Mar de Hespanha :
* Foi preso o reo Manoel Cordeiro de Azevedo,
pronunciado no art. 192 do cdigo criminal.
i Este assassino viva ha tres.annos as imme-
diai;oes deste tormo, affnmtando as aatondades o
aUerrando as populaces .- gracas, porm, s pro-
videncias dadas pelo digno delegado de pobeis.
Dr. Joaquim Barbosa de Castro, e a> esforcos- do
capito do corpo policial, Francisco Antonio do
Carino, o qual dirigi pnsaeafctoealii a deligencia,
onVtuou-se a pnso, apezar da resistencia em-
pragada pelo rea, que disparoo am tiro em ama
das praeas, empregando-e, feUxmente. o chumbo
somento no ba, sem oflender ao individuo.
Eis as noticias emn neretaes da oltima data :
i O eewiu sobre Londres par o paquete En-
trena htn abrio-se a 24 do passad > a 20 o papal partiealar ; no dia 20 effoctuaram-se al-
gamas transa sedes a e e ao de 19 7/8 d ;
a 31 os botos eomecaram a saecar a 49 3/4 d ;;
estes algatVmua tm-se sustentado ato rue. Na
pari'tada deNea sacearam-se dorante a qatannti
para o Kttrtmndure:
Sobre Loodm cerca dq 250/300 a J 3/i d.
Srs. coronel Leal, padre Lino do Monta CannalloC
inajur Salvador. ,
V.' lida c approvada a acuda sesso anntecc-
Jcnte.
0 Sr. secratario perpetuo declara nao haver ex-
pediente, e em seguida d cunta das seguimos of-
fortas:
* Varios ns. do Diario d> Pcrnambmo, pelo
consocio Dr Figueira ; um n. da Opinin Nuci-
nal, o cinco do Assuense, polas respectivas redac-
ces. Todas estas olleras sao recebidas com
agrado, e uiandam-se arenivar.
E' n lo e vai a imprimir, psra ser di. cutido o
seguinte Dalanco de roceiu e de.-peza, verificad
no 2o trimestre de julho a setemtiro.
.4nno acadmico de 6970.
fteceia
Monsalidades 57*000
Itondimeiiio da revista 23i>00
Joias de socios 50*000
KeiieUcifi da lotera 1:903*320
Receita eventual 16*620
Saldo em 30 de junlio 8In*403
Despeza
Expediente
Ordenado do amanuense
Dito do continuo
Porcentagem do mesmo do 1325
lutnresso da revista ns. 12, 13, l
e 15
Saldo ao Dr. Raposo do Almeida
Saldo cm deposito
Saldo em raixa
2:873 j. .43
27*680
75#J000
30*000
26*400
(533*000
82*000
1:903*.!20
93*943
2:873*345
O Sr. presidente declara quo em vutude dos es
tatutos, o Instituto se reunir em assembla ge
ral no dia 27 do correnle, para o que elle convoca
aos membros de todas as cathegonas que exis-
tem nesta cidade.
Em seguida o mesmo Exm. Sr. nomeia para
a commissao ijue tem de convidar ao Exra. Sr.
presidente da provincia, general commandante
das armas, goveniador do bispado, aos Srs. Drs.
Aprigio Guimares ; Inn cenco Serapbico e Ma-
noel Figueirda; sendo autorsado o Sr. thesoa-
reiro a fazor as despezas com a decoracao da sa-
la e mais arranjos sob a sua direceo.
DINHEIROO vapor franeez Estremadure trou-
xe as segututos quautias para os Srs. :
Pereira Carnetro & C 450:000*
Bank o Rio de Janeiro 42O.-O00*
London and Brasillan Bank 120 000*
Phipps Brotber* & C 36:0004
J. Jos Goncalves Beltra j 36:000*
Aai.rim Irma. & C. 21:203*
D. Pedro M. Maurv 20:000*
J. X. da Trindade 10:000*
Keller 4 a 4:916*
Lehmann frres 4:000*
Para a Europa levou esse vapor, de nossa,
23/300 francos em ouro e prata.
EM TRANSITO.Com os recebidos em noss
pirto, levou para a Europa o vapor Estrcmadnre
84 passageiros.
IMPOSTOS PflOVINCIAES DE 1868 a 1869-
Tenil sido reodbida a liqaldacao da divida acti-
va dese auno tlnanceiru thesouraria provincial,
procede-se ja pete seceio do contencioso de>sa
repartidlo a extraccSo das guias, com qne devam
s resp.Ttivos_devediH"es salisfazer os sens debites
no consulado provincial, devendo para isso ir so
licita-las all.
Para a -oheitago do taes guias ha o prazo de
trinta das ii non >roga veis ; e, lindo elle, serio ac-
cionados aifUeslw dos devedores, qne ni effec-
tuaretn o pagamento, sendo assim sngotos s cas-
las do j o*, de que sao isentos realisando-o den-
tro .iesse pn*a>.
DECJtfA 0RBA.NA.Nos trinta das ulei-, em
que s os imposlos recebidos bocea do cofre,
pmduzio a arrecadaco da deci.na urbana, rela-
tiva ao primeiro semestre do frrente anuo flnan-
rero de 1809 a 1870. aquantia de 108:881*540.
RA D 4 1MPSUATKIZ Ha ahi urna porta dV
ma que se reeomnieada s vistas da polica p ;lo
constante a Ijunto de pretos de um e outro sexo,
cu jos desinan.los de lingua e gestos offendem
moralidade pnMioa, e fnrem directamente a po -
dor das taoulus das proximidades.
RECTlFI'.ACO.O facto do terimento dado
roa do HanjeJ aote-bontem e publicado bouteu,
Cazzi Carmine, irnuws Luza.
Gervasio CaniiK'llo, Paula Salles, Jeaqoini Portell,, I, Deost Ji-ephao Miaia. William Hirtery, F
Jacinilt do Sanpaio 0 Soares de Azov.-d i, e dos Mumz Ferrar, Domingos da Silva Pinto. Alberto
H.-nscltel, Eduardo Frey, Charles Marlini, Pedro
to Almeida.
CEMITERiO PUBLICO.-ODiuarto do dia 13 de
janeiro :
Antonio Braga, Pernambuco, 46 annos, solteiro,
Boa-vista; tubrculos pulmonares.
Antonio Francisco Gomes, Pernambuco, 19 an-
uos, solteiro, Boa-vista; bexigas.
Marta, Pernambuco, o das, Santo \tono ; fra-
quezeza congonita.
. Fernando. Pernambuco, 7 mezes, Bj3-vista ; c-
mara de sangue.
Jos Annps Vieira de Souza, Pernambuco, 25
annos, solteiro. Poco da Pauelia ; tubrculos pul-
monares.
Orcherio da Silva, Pernambuco, 71 annos; sol-
teiro. Boa-vi-ta ; paralysia.
no Jis de Barros foi espaneado por Joo Vicente nc/as, estove bem longe de rsolvel-a satisfacto
Podro Malheos, que conseguiram evadr-se. riumente.
- MfSSAFNEBRE. Hbje tem lugar no Corpo
Santo a missa por alma de Domingos Jos da
Cosa Gumaraes, que mandara celebrar os seus
par estes.
FERNANDO DE NORONHA-Em consequencia
de orden suporicres ficou transferida para ama-
nliaa as mosmas horas a sattida do vaper Coru-
ripe da companhia Pcrnambucana. .
COMPANHIA PERNAMBUCANA.Hoje o ul-
timo dia em que recebem carga os vapores Pira-
pama e Potengi para os portos do norte e sul,
conformo o annuncio da mesma companhia.
PASSAMENTO.Deu alma ao Creador, no dia
i 1 do crrente, vctima de ama apoplexia, no seu
engenlio Cacimbas do termo de Santo Anuid, o
capito Jos Severno Cavalcanti de Albnquerque.
O tinado era um dos membres mais importante
do partido con.-ervador, amigo e abalsado advo-
gado, e bomem eslimado por suas distiaclas qna-
lidada.
Acerca do finado e de sea enterro nos escrevem
da cidade da Victoria em 13 do correnle :
A's 4 horas da tarde, perto de cera cavallei-
ros e mais de trezentas pessoas do povo, a p
acompanhavam o fretro que veto ser depositado
na igreja do Livraraento, as quaes desde seu enge-
nho disputavain a honra de condazi-lo.
A's 7 horas da noute, reunidas todas as ir-
mandades, convidados e pessoas do povo, eut nu-
mero superior a seteceittas pessoas ; e, feita aen-
commeitdacao solemne, parti o fretro para a
igreja matriz, ondo existe o jazigo de familia, no-
lando-se em todos os semblantes a dor que son-
liara pelo passaraento do cidado probo e illmtra-
do. Ao baixarem seus restos mertaes ao ultimo' ja-
zigo] foram recitadas diversas allocucoes.
O finado legou duas irmaas que tem toda
sua fortuua, avahada era cerca de 150 conloa de
ris.
f Era elle solteiro, cavalleiro da ordem da Ro-
sa, capito da amiga guarda nac-.nal, presidente
da cmara municipal eadvogado noUvel.
IGREJA DE SANTO AMAROAs nica pes-
soas incumbidas de agenciar esmolas para o con-
erlo da igreja de Sanio Amaro das Salinas, sao
03 Srs. Rufino Manoel da Cruz Coussero, Domin-
gos de Souza Mello e Joaquim Gomes de Lima ;
sendo falso qualquer pedido feito por outra pes-
soa que nao e.-sjs.
LOTERA.A que se acha venda a 134a. a
aeneticio da igreja de Nossa Senhora do Amparo
de Olin Ii. que corre no di 21.
BILHETES OFFERECIDOS. Numeracao dos
billieles da lotera 134a olTerecidos pelo tbesouroi-
ro das loteras para auxilio das despezas da
guerra :
Bilhetes ns. 973 a 982.
PASSAGEIROS. -Sahidos para a Europa no va-
por franeez Extremadme no dia 13 de Janeiro de
1870 :
Supine Carlsen, madama Cambronne. Jos Cus-
todio Fernandes do Nasciioent, Jo- Alves da
Cruz, Joao Martins do Rio Manoel Mai tins Jnior,
II inn Wupto e sua senhora, Mersaond Drai e sua
tentara.
dem entrado no brguo inglez Dora, vindo
de Tera Nova :
Rvd. A. W. Titrner.
Vindos de Buenos Ayres e portos interme-
dio?, no vapor franeez Extrem idare :
Vicencia, Gabr
PUBLICACOES A PEDIDO.
i juiz de illreito ou municipal,
que chamado a presidir o
Jury bo terin visiuho I orna-
se ah loe mji.it vel para ade-
gibilMadet
0 parecer le Altlas, publicado no Jornal do
Recife de 7 do corren/e, provecen nos o desojo .le
ostudar esta questao, e o resu'tado, que obtive-
mos de nosso cstudo. foi inleiramenle oposto ao
modo de pensar do velho de tonga experiencia..
Quer examinando o espirito da le, quer a sua
propria lettra. firmamos a conviceo de que nm
jmz de dreito, ou municipal, por ter presidid., o
jury em termo visinho, 6 mezes antes de pn.ee-
der--e a eleicao secundaria, nao fica por esse factn
inhibido de ser ahi votado.
S quem qmzer aosolutamente tercer a lei a
seu geito poner dizer que ella regula a questo
especial de que nos oceupamos. O desejo de nosso
legislador nao foi sena prohibir que os magistra-
dos ae ama comarca ou seus substitutos nao fossein
nella votados dentro de seis mezes, depois de dei-
xarem o exerciio de seus cargos.
Isso so manifesta claramente do art. 1 g 14 do
decreto n. 10S2 de 18 de agosto de 1860, quando
etermina o legislador que cessar a incompaU-
biiidade, tela vez que seis mezes antes de prora-
der-se a eleica > secundaria deixar n magistrado de
exercer o seu cargo om virtude de renuncia, de
missao, accesso, ou remocao, dondf se conetne
qiie a lei refere-se s-nento ao lagar para onde fm
oomeado o magistrado, e onde exerceu autordade
ou jnrsdico.
Muito sabia e justa foi essa disposioa > de msso
legislador; por ella fica o magistrado independen-
te da vontade de eleiuirc-, que muitas veie< p.de-
riam movel-o a nao desempenhar satisfactoria-
mente as altas funroSes de seu cargo.
Concedam* porm que a le s ja geral, e apre-
ciemos os argumentos de Altotas, cada am de
per -i para melhoramente ivfutarmol os.
Diz o velho expeliente : o juiz que chamado a
presidir o jury no tormo visinko exerce jarisdiedo,
como substituto do juiz impedido.
E' extraordinario que o velho experiente avaice
urna tal proposicao I
Podem acao estar ao mesmo tempo em exerci-
ci o juiz enVtivit, e o substituto?. Por ventura
quando veni am jaiz de enmarca visinha presidir
o jury deixa o jaiz de direitn de exercer as fune-
efles de sea cargo 1 Sem duvida que nao. Ora
sendo a-sim manifest qoe, quando o jaiz de di
reito oa municpd val do ama a nutra comarca
presidir o jnry nao vai na djhalidade de substituto
do juiz do lugar, e sim como juiz de sna propria
comarca, e isso por ama lei especial que o deter-
mina.
Si em lugar de ir o juix, eterna o reo, e os ju
rados, dar-se-hia a iaoMapatihilidadi ? Cromos
qne ninguere da kem soaso o poder aSrmar.
Fique i>ola esubefecido. pie quando am jaiz de
di reito, oa municipal preside o jury f m termo vi-
inho nio o faz na qiulidade de substituto do juiz
te lugar ; e se assim fns^e aennteceria que ama
n enmarca teria em exercickt dous julzes de dimi-
to, o que nm absurdo.
Dase anda AI iotas g do mesmo modo, nao
s no ttrmo em que a fm-isdiccao i efectiva e per-
nantnte, como naqutlle em que i accidental t
ftmporaria.
Concordan) perMtuseeta, mas o que preci-
so saber, se podem dous jules da mesma calhe-
Ao publico.
Alagdas.
Lendo o Diario de Pernambuco de 11 do cor-
rente alii deparej com um artigo assigaado pilo
Sr Manoel Teixeira Mchalo Jonior, era que S. S.,
sem ousar nomear o nome do Exm. Sr. Dr. Silve
rio, mu digno juiz de direito de Macei, preten-
deu manchar a reputaco, e o carcter de to in-
tegro mageslrado.
Aprrclador das jdistiuctas qualidades, qne or-
nara a pessoa de S. Exc, nao. posso deixar de di
zer alguma cousa a respeto, pedindo desde j des-
culpa ao digno magistrado de assim praticar.
Morador em Macei, o conhecemlo de longa dala
o Exm. Sr. Dr. Silverio, nunca ouvi fazer a mais
leve censura S. Exc, quer como homem parti-
cular, quer como juiz.
S. Exc no curapriutente das suas arduas e es-
pnhosas funecoej s tem em vista justiga, e nao
elba consideracSe?.
S. Exc. bem representa a deusa, de que sa-
cerdote, pols traz os olhos vendados, nao conhe-
cendo, nem vendo ninguem, quando tem de fazer
cahir a espada da Justina sobre quem violn a lei.
O ni ii digno e honrado senador Sinimb foi o
ministro, que nomeou o Exm. Sr. Dr. Silverio juiz
de direito de Macei, o quando fez a nomeaco
disse, que.jnha certeza de que ia para a capital
das Alagas um juiz probo. Bastava s este faci
para se dar um documento irrecusavel da honra
do meriiissimo juiz.
0 autor do artigo, a que aliado, bem conbeci-
do em Macei, o s elle p.. loria ousar pretender
enlamear a loga de um magistrado honrado como
o Exm. Sr. Dr. Silverio. Mas S. Exc. est collo-
cado lao alto, que a lama, que seu nimigo gra-
tuito Ihe quiz lancar, nao chogou a tocar lite nos
boiins.
Rem feliz seria o Brasil se a sua magistratura
fosse toda composta do homens como o Exm. Sr.
Dr. Silverio.
Eoto haveria justica, de que tanta falta ha, en-
to seriam respeilados os Uireitos do ciJado, o
quem os julgasse ottendidos, poderia com confiancu
recorrer aos juizes, po que obltria Justina.
A reputaco do Exm. Sr. Dr. Silverio como ma-
gistrado j est formada, e o paiz inteiro conhece
S. Exc e faz-Ib' a devida juslca; e nao sero
homens como o Sr. Machado Jnior, que marea-
rn caracteres como o de S-. Exc
Concitando curapre me declarar, para que nao
so averbe de suspelo o que digo, que nao porten-
co ao lado poltico du S. Exc, e commungo na
mesa contraria a sua; mas s o espirito do jusl-
ca, e o pozar de ver pretender-se insultar um ho-
mem como S. Exc, me levaram a vir imprensa.
para que aquellos que nao conhecem S. Exc, se
por acaso fia quem nao o conheca, nao formem
um juizo falso sobre o sea carcter, e nao fique
assim sua reputaco manchada.
Recife, 13 de jaueiro de 1870.
Assemblu provincial.
Est elelta a nova assenibla provincial, e nao
longe o dia de sua reunio. A provincia tem
inulto que esperar dola, que eertamenle reparara
os males causados pelas anteriores, pro;odendo a
economa dos dnheiros pblicos, encaminbaudo
os melhoramentos mais urgentes, e regiilarisando
melhor u servico das e-tacoes proviueiaes.
A redifieacao do estado publico de maor
urgencia ;'a creacoe cooslruc^o de um passeio
pulilico tambem o .
Olanlo a< estacos fiscaes do relatono doillns-
trado Sr. conde de Baependy, se v que nao van
as cousas como seriara para desojar.
A ma organNacao das reparl^es provinciaes
manifesta, o cumpro dar-lhes nutra. Seria muit.
para desojar que aqu se segns-e o systema adop
lado na provincia do Rio de Janeiro, onde toda-
as roparticoes provinciaes sao directoras la se-
cretaria da nresidencia. Assim o oxnedirnte fica
mais centralsado, e feito c un mais rapidez, e
sem o inconveniente, das raformacoes, que s ser-
vera para temar lempo.
Seria anda melhor que em voz de directora,
licassemas repartic/jes deviddas em sceces da
secretaria do governo. Eta seria.a seceo de ex-
peiliente; o cmsulado e thesouraria, .secce^ de
fazenda, e as obras pubjicas, seceo de trabalhos
pu leos.
Deste nmdo, o expediento encaminhado sempre
polas respectivas soccoes, andar ia muito rpido,
seria feito com menos trabalho, e com economa
de tempo e de dnlieiro, dispensando o apparato
de inultos cheles de repartieres, do que nao re-
salta inconveniente algum.
E' tambera nocessano acabar com a lei qne con-
cede ratificacoos aos eiuprogados pblicos quo
servin-m por mais de 30 annos. Se esta lei teve
por fim diminuir o numero dos aposentados, foi
desvirtuado cm sua execucao, so servindo para
arranjo de amigos o para conceder-se as gratifi-,
cacos a quera nao as podiam ter, o que eumpre
suprimir.
Para evitar as aposentad trias ha um alvilre a se-
guir-se, o qual nao tem augmento de desp zas aos
cofres pblicos; .5 reduzir os voncimentos dos
empregados pblicos a 1/3 de ordenado e 2/3 de
gralifteaces, sendo s o ordenado contado no
acto da aposentadoria.
Emliin, nao queremos indicar tudo qaanto con-
vm que a assembla faca, confiamos no seu pa-
triotismo e criterio, diremos apenas qne nella tem
a provincia grande esperanea.
tixpectatoria
Todas as elilaees on demoras
**" perlgoaas.
Quando a enfermidado ataca os oreaos da res-
piraco, a sua marcha progressiva, terrivel e
rpida, o o doente nao deve perder nma s hora
era lancar nao do Peitoral de Anacahuita, guan-
do a tosse, as saffocari3es, o catuarro e a difflcul-
dade do respirar annunciam, que a enfermidade
comecou desenvolver-so e a contaminar as de-
licadas membranas c tecidos cellulares dos or-
gos da respraco.
Urna s dose t .mada em tempo evitar muitas
dores e sofirimetos. Porm por mais formidaveis
que sejam os symplomas, por mais arraigada e
inveterada que se ache a molestia, nem por isso
levis dese-perar.
Os casos reputados como incuraveis pelos m-
dicos os mais experimentados e expelientes, sao
alliviados e curados diariamente, mediaato o uso
desse admiravel e maravilboso balsamo pulmonar.
Nio deixels. pois, de acudir elle immediata
mente que se aprsente a approximace da en-
fermidade, pnrquanto existe um periodo as afleo-
des pulmonares, em quo preciso infeliimenlo
perder-se toda a esperanea.
Nao arrisquis pois vo-sa vida por meio de mal
cabidas dilaedes e inuteis demoras.
Patacho americanoJonh Eremonidam.
Escuna
Patacho dian
Hiate ioglez -lVedoi.i
Rarca ingle7.a-r-nMn'
Brigue inglezOvaid.-
lECEBEDORIA DE RENDAS.
^Hba de trigo
INTERNAS GE-
00.
13:.126*81H
1.068*738
Tro-iser;
aMndimentol
Mem do
mm pmfiNCAi.
ga^Kk \m 79:M*36i
|3 II- 7:097*332
%\ ^ 86:792*89^
MOVIMENTO DO PORTO.
Navios entrados no dit 13.
Terra Nova41 das, bngue inglez Dora, d22K
toneladas, capito George Debrix, equipegem
12, carga 3,800 barricas con bacalbo ; a
Sawnders Brothers S. C
Terra-Nova27 dias, barca ingle/a Xavina, de 431
toneladas, espitad Peter M. Kcnzie, eqoipagem
14, carga 4,090 barricas com baealho; a
Sawnders Brothers 4 C.
Marseille46 das, barca francesa Augustin, de
336 loueladas, capilao Ferrandv, eu/ii|Ogem 13,
carga dlfferentes gneros ; a Bdnaldb Burlo
AC. *
Rio de Janeiro o Baha5 das, vapor franeez Es-
tremadn e, do 1,2?.' toneladas, commandante
Geosto, equipagem 119, carga varios gneros :
a Tisset frftw.
Hamburgo50 dias, escuna hollandtza Hnnze, dr
126 toneladas, cap lo B. I. Mulder, equlpasem
6, carga vanos gneros ; a Domingos Alvos
Mathcns.
Navios sahidos no mesmo dia.
Rio-Grande do SnlPatacho brasileiro Nossa Se
nhora das Neves, capitn Franelsro Leonid
Ferreira Gumaraes, carga sal e taboado.
Havre Brigue franeez Belem, capito Eguay, car-
ga algodao o couros
Bordeaux c portos intermediosVapor franco/
Estremadure, commandante Geost.
06sfrac<7o.
Fandeoa no lamarao ama esctina inglea, mas
nao leve communicacln enn a Ierra.
ECITAES.
COMMERCIO.
ALFANDEGa
tendjmento de dia 3 a 12 .
dem do dia 13 ,
483-36l44t
47 436I9
800:797*0
MOVIMENTO DA ALFANDEGA
'oiuiaes entrados com fazenda*
dem idea com genero*
'olamos sabidos eofn fazenda*
(dea Idea coro gneros
38
239
660
38
Descarreraro boje 14 de Janeiro.
Patacho IngleBranohmercadera*. -
Escuna oorte-allemiaMara .h'ja&efs-idoa!.
Faculdade de Direito
do Recife.
De ordem do lllm. Sr. director se faz poblin.
novamente que a inscripcao para os exames do
scencias nos prximas mezes de fevereirn e mar
50, se acha nberta desde hontem (10), e continua-
r at o dia 22. O qne se pretender inscrever,
dever faee-lo por meio de requerimento ao Exm.
Sr. director, com deelaraco da materia em qne se
tem de inscrever. e attestado do director do eolio-
gio ou pn.fessor que o houver ensinado, certifican -
do a sua habilitadlo, o bem assim qne a letra o
assignatura do reqnerimonto do proprio punho
do examinando, conforme i foi Denunciado pol-
oste Diario em 16 de dezembro prjimo passado.
Secretara da Faculdade de Direito do Recife, li
de Janeiro de 1870.
O secretario,
_______________Jos Honorio B. ile Menrzes.
A cmara municipal desta ciliado faz pu-
Itli -o para conhecimento de seus municipes
o regnlrhento sbaixo transcripto, que se
ada em vigor para a cobranca ilo imposto
.le aferico.
Paco da cmara municipal do tiecife, I
de Janeiro de 1870.
Ignacio Joaquim de Souza Leao.
P o-presidente.
Francisco Canuto da Boa viagem.
Secretario.
Regulament para as aferices de bataneas.,
pesos e medidas do ,mitnicipi) do Red fe,
pelo novo systema mtrico decimal.
Todos os aiiuazetis, deposi os, casas de
negocio, elaholecimontos de indusliia ilt;
ijaiqtier Dataren que sejam, tixos ou vo-
lantes, onde sh compro c venaa em grosso
o a retallio, mercaduras ou gneros solidos
uu lquidos, que soja necessario pesar ou
medir, seraO o riga los a ter coergoes
completas le pesos e medidas, segundo ;
U'-itureza <'e Sf-u rommercio, na forma do
padio do imperio.
Todas as pessnas assm obri^adas a tci
bataneas, pesos e n.edidas, pagarao a afe-
rico da maneira seguinte :
Art. i." Por cada metro pagrf) os lo-
gistas 2^, o< mscales e bocoteiras 16.
Art. 1." Por cada temo to peso, come:
Qaodo de 20 kilogrommos at o m thu- peso
43, por terno; comecando Ai' 10 kilogram-
iios, 25300 por terno ; coraecodo de 5
kilogrammos M.
Os que excederem a 20 kHograramos pa-
garao 40 rs. por kilogrammo,
Pesos avoisos paHi3o 80 rs. por kilo-
grammo ; menos de 20 kilogrammos para
cima que pagarn 40 rs.
Art. 3. Cada marco quo n30 exceder de
meio kilograiumo pagar 80 rs., os que ex-
cederera pagarao 40 rs.
Bataneas poriuguezas, que to excede
rem a 8 kilogrammos, pagarao t*00 re. ; as
qui fsrem de maior capacidade e menor de
20 kilogramm >s pagat>o l&, e as que exce-
derem do 20 kilogrammos pagarn 20.
Balancas para marcos e graoilarioe paga-
rn 320 rs.
As romaaas e decimaes caB>- psos at
300 kilogrammos pagarlo W, o as que ex-
cederem pagarlo Hi*.
Art, 4.o A coileciiide meoHdw para sec-
eos, com oitn vasilbas, comejaado pelo de-
calitro meio de i-litro, pagwio 4^600.
Por collecco de cinco vasija comeca ti-
lo pelo duplo-litro at meio dect-1 tro pa-
gano 15 00.
Art. 5. A colleecao de medidu, conten-
do seis vasilhas para lquidos, pnocipiand
pe double-litro at meio dofHKro pagan
1,5(500.
P r um terno de quatro mmms, come
cando ue meio litro at nea? dea ltr
1,5200.
Art. 6." As vendas e armaane sao obri-
gidos a ter Untis temos, QjMMkfcawi as
qualidades de lquidos qoe tmmm.
Art. 7." As medidas avutaaa, auer par i
liquido, quer para secco, pajMteSDO rs.
Art, 8. Os que venderis pa+aa roas fa-
sendas ou seceos, c-.mo azae. mel,1eMe.
f. ijao milbo, arroz etc.: pagarde afenc3o
por cada medida 32^ rs, e o avsmo p..ga
rio os canoeros, baroaceiros t aavi s que
venderem cal, sal, farinba outriis g-
neros.
Art. 9.a Os qne venderem "qnidos em
barris oa an;ores, sSe obr|lJW aaVri-lo
marcando no texto de ada aa a qoe pode
conter, e pagarSo por cada par ae barris
n ancoras u. que est estiaaM aor urna
s vez ao anno II, al a prijgiaWarreaa-
lacao, ficapdo hvre da Tt**M}\ ora
arrematacao. ^TT
Art. 10. Porcada regr
pagarao 500 rs. e alo
parte dellas os mestres
as, pedreirng, canteas,
luirs a ladea os tajas por
delta possam prec-sar.
'Mi
m
a rooi
*rapi-
prussS"



II '

Diario de Pernambuco Sexta feira 4 de Janeiro- de 1870.

i .
_
.^
AL
3
cj!iii> as es
initadouro
luje i-
lade": todos
Art. 11. Ai estafes piWrcss conlirtuv
iao a pagir
facaos .publico as bala
Art. 1-2. As
los s rewsea, que ust
os pesos e medidas ateridas pela pririHlra
vez onn sojeiioa mais da metade da affe
rigSo .pretcripta.
Art. 13 As afferic5es tero comeco em
outubro a dezembro, e a reviso de abril
j junho ficando pormos acoogues obliga-
dos a rt>verem de tres era tres metes.
P Je judio de 868. Luiz Jos Pereira S-
raes. pro-presidente.Feliciano Joajuim
dos Santos.Thomaz de Aquino Fonceca
-Dr. Joaquim Jos de Miranda Gustavo
Jos do Reg,Dr. Prxedes (jomes de
Souza Pitanga. Antonio Jos Silva do
Brasil.
Approvo. -Palacio do governo de Per-
nambuco. 17 de agosto de 1808.Assis.
r.onforme.Antonio Anncs Jaeome Pires.
4" seeci.Secretaria do govsrno d Pernam-
buco. 14-do dezembro do 180.
Pela secretaria do governo so faz publ co, que
.. Exm. Sr. presidente da provincia nao aeceitou
as pronosms apresenladas pelo engerdiciro Manool
liuarque de Macedo e o bacharel Denlo Jos da
< osla Jnior para a construec.o de ama estrada
de ferro desta cidade a villa do Limoeiro com 2
ramaes para Nazureth e Victoria, por exigirem os
proponentes gnrantias de juros, o nio pormiliiretn
-is cofres (*roviuciaes uui coraprolnisso dossa or-
concedida pela lei provincial n. 856 de o de ju-
nho do anuo prximo pasado; e por isso nova -
mente se convida as pessoas que quizerem con-
traclar a construcco da referida estrada a apre-
^entarem ao mcsino Exm. Sr. no da 24 de Janeiro
- indciuro ao ineio dia suas propostas cm carta fe-
chada, sob as bases e condiroes declaradas na le
abata transcripta :
LEI N. 836.
'i bario de Villa-Bella, presidente da provincia
de Pcrnambuco. Faco saber a todos os seus ha-
bitantes que a assembla legislativa provincial
decretou ecu sanecionei I resoluro segu lie :
Art. 1." Pica o presidente da provincia autori-
zado a ontraetar com o Barao do Livramcnto, ou
-rom juca) melhorts garantas offerecer, a cons-
iruccao de urna osirada do ferro desta cidade a
tillado Limoeiro, com dons ramaes para .\aza-
relh e Victoria, pausando pelos poroados Caxan-
,', S.Lourenc.0 di Malta, villa do Pao d/Alho,
Povoarar, do Tracunbaem, sobro as condicoes se-
auintes :
? l. O contratante obrigar-so-ha a apresentar
.planos o esludos da estrada no praso de dous an-
uo?, a contar da data e asignatura do contracto.
2.* O presidente poder lazer nos planos e es-
lati as alteracoesque julgar convenientes efixar
i Litla o pe.-o dostrilh, as dimenses das obras
darte e todas as couJicoes para seguranza e boa
execuro da estrada e ramaes.
3. O presidente pvder fiscalisar a construc-
i.ao e servico da estrada c ramaes.
8 4." A estrada e ramaes serio concluida* a i'
HA praso de 4 annos, a contar do comeen d<
abras, as segundas at 3 annos depois de conclui-
da aquella.
A* inultas por iufiaccio dessa ilausula e a pro-
rogaro dos praso- nella cstipulailos por casos
i previstos, serio determnalo* pelo presidente
da provincia.
Art. 2.# Fica o presidente da provincia igual-
mente autorisado a auxiliar a construirn da li-
nda e ramaes com urna subvenga- kilomtrica de
un qnarto do valor das obras oreadas, ou a con-
ceder a garanta de juros at 4 / sobre ca"
,iital empregado.
Art. 3.- Ser concedido ao contratante nm pre-
vilego por 90 annos para uso e goso da estrada
ramaes contando-se da concluso das obras nao
podando pessoa alguma construir estradas serae-
Ihantes nesse praso para os mesmos pontos, nem
na direeclo dos ramaes e na zona de 3 leguas
liara cada lado das estradas.
Art. 4." A estrada e ramaes c lodo o material
rapregado ficam iscnlos dos impostas prcvinciaes
rnuniripaes
Art. 3." Ficam revogadas as disposicoes em con-
trario.
Mando por tanto a todas as autoridades a quem
o conhecimonlo c execucao da presente resolucao
portcncer, que a cumpram e facam camprir lo
inteiramente como nella se contoin.
O secretario do governo desta provincia a faga
imprimir, publicar e correr.
Palacio do governo de Pernambue), aos 5 de
iunho de 1868, quadragessimo stimo da inde-
pendencia e d imperio.
L. S.
Barao de Vdla-Bea
Sellada e publicada a presente re secretaria do governo de Pernambuco, aos 5 de
iunho de 1868.
O secretario
l)r. Francisco de Paula Salles.
Registrada a folha do livro de leis provinciaes.
Secretaria do governo de Pernambuco, aos 5
le junho de 1868.
O eseriptnrario
Theodoro Jos Tavares.
O secretario
Dr. Joaqun Correa de Araujo.
Parante a cmara municipal do Recite esta
idade eslaro em praca nos das 12, lo e 19 de
anetro prximo fuiuro para sern arremaiados
por quem maior preco offerecer, os talhos ns. 10,
11, 12 e 13 do aeougue publico da freguezia de S.
Jos, lado do sul : aqnelles que pretenderem ar-
rematar, comparecen no pago da mesma cmara,
m os referidos dias, munidos de Manca na forma
la lei.
Paro da cmara municipal do Recite, 29 de do-
' mbro de 1869. '
Ignacio Joaquim de Souza Leao.
Pro-presidente.
Francisco Canuto da Ba-viagera.
Secretario.
Conselho de compras
navaes.
Ih ner. vsla de
-las receid as at a 11 horas A manhaa e
sob as coiii oYf\o, promove compra dos
objerlos do material da armada seguinles :
800 agnlba de lona e brim, |0 arroba* docr,
S) pares di dobradieas de crui de 4 a 7 pollega-
dis 20 arrobas de estopa do algodao, 60 encha-
meis madeira de qualidaie de 30 palmos de com-
priiDPDlo, 6 arrobas Ue 8o de vela, 10 dudas de
limas chrlas de 4 a la polegarlas, 10 durias da
limas meia-rana, 4 duzias delimatoes de 3 a 5|8,
8 arrobas do merjira, 8 arrobas de mialhar, 10 li-
bras de brelas irnrM, 2 orlos de alcance, 600
pncaros de folha, 12 pedras de'amolar, 10 arro-
bas de pregM de forro do 4 polegadas, 10 arrobas
.le progos fraiicezes de 1 1|2, 2 e 2 1|2 polegadas,
50 duzias de npas de emberiba, 1,600 libras de
Unta branca de zineo, 600 libras de tinta preta.
2 terrinas de ferro estanhado, 1,000 tijolos de fogo
e 30 travs madeira de qualidade, de 35 a 40
palmos de compriraeuto.
Tambem o conselho, por igual forma, contrata
no mencionado dia 17 do c Trente mez o forneci-
mento de sapatoes para aprendizes artiHees, impe-
riacs marinheiros e aprendizes ditos, no trimestre
cor rente.
Sala das sessoes do consellio de campras na-
vacs 11 de Janeiro de 1870.
O secretario,
Alexandrc Rodrigues dos Anjos.
O secretario da escola Normal faz publico
qnerdo dia 15 do corrente em diante se acha aber-
ta a matricula para o cuno da referida escola.
Secretaria da escola Normal de pernambuco 12
de Janeiro de 1870.
O seerelaoio,
Ezequiel Franco de S.________
O fiscal da fieguezia da Boa-Vista, faz scien-
te a quem interessir ooa que acha-se deposita-
do desdo o dia 18 do mez do dezembro lindo, no
armazem do sal a ra da Conecrtao da mesma
freguezia duas vacas c urna garrota que oram
encontradas destruin Jo as plantares no sitio de
Meuron dt C. a ra do Mondego na mesma fregue-
zia ; quem se julgar com direito as mesmas com-
pereca que satsfazendo o desposto do art 16 do
ttulo nono das posturas municipaes de 30 de ju-
nho de 49 Ihe serao entregues.
Kiscalisaeao da freguezia da Boi-visU, em 12
de Janeiro do 1870.
Jerowjmo Jos Tavares.
ceffimv m\\m
DE
Paquetes a vapor.
Dos peNos do sul c esperado
at o dia Si do corrente o vapor
TocanlitUt commandante J. M. F.
Franco, o qual depois da demo-
ra do costume seguir para os
porlos do norte.
Desdo j recebem-se passaffeiros e engaja-se a
arga que o vapor poder condzir, a qual dever
ier embarcada no dia de sua ohegda. Encommen
Para.
O brigtie dinsmorfioez h'nti seguir par-o Pa-
ra impreteiivelinMite no dia 20 do corrente-; re-
cebe carga a frotes commodoi, tratase com lAasso
lrmo & C.
Porto.
Vai sahir breve a barca Laura
para carga e
passageiros, trata-s* com os consignatarios Carva nunciado nest Diario de 26, 27 c 28 d outubro
Ibo & Nogueira, na ra de Apollo n. 20. "Uimo, e juntamente seus-signaes, que agota tor-
PARA LISBOA
asEsr.-s-raTrari.fci.-. x:es;S l&^m .
luspepcao do arsenal de
marlaha.
Faz-sc publico que a commissao de peritos,
examinando na forma determinada no regulamento
annexo ao decreto n. 1324 de 5 do fevereiro de
1854, osaseos, machina,ealdeiras, apparelhos.
mastreaqoos, velamos, amarras e ancoras dos va-
pores Pirapama c Polengy da companbia Per-
nambucana de navegacao costeira, achou todos
esses objeclos em eilado de poderem os vapores
navegar.
Inspecco do arsenal de marinha de Pernambu-
co 11 de jaueiro de 1870.
O inspector,
________ H. A. Birbosa de Almeida
Pela secretaria da cmara municipal desta
cidide se faz publico para conhecimento do quem
interessar possa. que a mesma cmara d cometo
a prinieira sesso ordinaria deste anno em o da
17 do corrente, e continuara nos segrales.
Secretaria da cmara municipal do Recita 12 de
Janeiro de 1870.
O secretario,
Francisco Canuto da Boaviagem.
sahida.
Nao se recebem como encommendas senao ob
lectos de pequeo valor e que nao excedan a dua?
robas de peso ou 8 palmos cubitos de medicao.
rudo que passar dcstes limites dever ser embar
:3.1o comii carga.
Previnc-se aos Srs. passafuros, que suas pas-
o. 57 primeiro andar, escriptorio-de Antmio Lniz
do Oliveira Azevedo 4 C.
COPAllA BSLE1B.I
DE '--
Paquetes a vapor.
Dos portos do norte esperado
al o dia 28 de Janeiro o vapor
Guar, eommandante interino o
Io lente Gremhalgh, o qual de-
pois da demora do eos tumo se-
guir para os porlos do sul.
Desde j recebem-se nassageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder condzir, a qual devera
las e dinheiro a frete at as duas horas do dia da
Nao se recebem como encommendas sono ob-
lectos de pequeo valor e qne nao excedan a i
arrobas de peso ou 8 palmos cbicos de medi-
cio..
Tudo que passar destes limites dever ser
embarcado como carga.
Previne-se aos Srs. passageiros que suas passa
ens s se recebem na agencia ra da Cruz n. 57
andar, escriptorio de Antonio Lniz de Oliveira
Azevedo A C.____________________________
PARA LISBOA.
O Brigue portugnez Laia 1.', seguir com
toda a brevidade visto j tor prompta quasi toda
sua carga; para o que Ihe falta, passageiros diri-
jo-se aos consignatarios, Oliveira Pililos e C, no
largo do Corno Sanio, n. 19, ou ao capito na pra-
ca do Commercio.
a frete : trata-se rom E. R.
Commercio n. 48.
Fonseca, vim
umacj
Rabcllo & C., ra do
Maranho.
'ara o porto cima pretende sahir com muija
brSvidade o hiate brazileiro Joven Artkur, capito
Trajaoo, por ter parte da carga engajada e para o
resto que lh; falta trata-se com os consignatarios
Antonio Luiz ae (Mfveira Azevedo & C.*, ra da
Cruz, n. 57, l.'anlar.
PAIU LISBOA
vai sahir com breviiladc a barca portugueza .!/<.-
xandre-Herculano, capito Almeida: para carga
e passageiros trata-se com E. R. Rabcllo & C,
ra do Commercio n. 48.
A'tencdo.
Precisa-s* fallar com urgencia aos senhores
abaixo declarada1 a wegocio de *en iuterestf, na
ra da Imperatrii n. ir:
Julio Jos da SHva, Frederico Skner,' Romana
da Coala MuBteiro, Manoel Jjs Marlins e Grego
rio da Costa Monteiro._____________________
Continua eslar-fugido o e*cravu baJdo, per-
lencenle ao convente-do Carmo de Olmdh, j an
LEILOES.
PABA O PORTO.
Dever seguir com a brevidade possivel a
Barca porlugneza iVoro Silencio, para carga e
passageiros dirijose aos consignatario?, Oliveira
filhns & C, no Largo do Corpo Santo n. 19, ou ao
capito na Praca do commercio_______^^____
Para o Porto
Relacao dss cartas registradas -existentes na dm
nistracao do correio.
Augusto Muniz Machado, Antonio Rodrigues de
Albuquerque, Augusto Candido de AUhyde Sei-
xas, Antonio da Silva Puntes Gulraares, An onio
de Souza Bandeira, Antonio Pereira Leite, Andr
Avelino Pereira e Silva (2), Adelaide Emilia da
Silveira Lobo, Arcenio C. Atu, Antonio de S. uza
Neves, Baleriano Antonio Jos da Cruz, Barao de
Villa-Bella, Carlos Francisco Soares de Brito, Cao-
tae Xavier Pereira de Brito, Co-me Jos dos San-
tos Calado, Christovo Gomes P. reir, Decio de
Aquino Fonseca, Estevo Cavalcanti de Albuquer-
que, Francisco da Silva Reg, Francisco Manoel
Raposo de Almeida, Dr. Francisco Domingues da
Silva. Francisco Alves Monteiro Jnior, Mr. Dr.
Francisco Muniz Tavares, Jeronymo Joaquim Fiu-
za de Oliveira, Joaquina Maria do Sacramento,
Joaquim Jos de Carvalho Siqueira Varejo, Joa-
quim Augusto Ferreira Jacobina, Joaquim Antonio
Teixeira, Joaquim Jos Goncalves Beltro (2), Joa-
quim Porflno de Araujo, Joaquim da Silva Lisboa,
Jos Francisco Bastos Guimaraes, Jjs An onio
Pires, padre Jos Francisco Borges, Lniz Francis-
co de Mello Tavares, Dr. Luiz Lopes Castello Bran-
co e Silva, Luiz de Souza Monteiro de Barros, Mar-
ciano Goncalves da Rocha, Manoel Gomes Viegas,
Manoel Maria Rolrigues do Nascimonto, Manoel
do Nascimento da Costa Monteiro, Maria Antonia
Alresse, Narciso Francisco Vidal, secretaria da
directora imperial nstituto Pernarabucano de
Agricultura, Plinio Augusto Xavier de Lima, To-
bas Barrete de Menazes (2), Dr. Joao Silveira de
Souza.
Prepara-se para sahir cm poucos dias a barca
portugueza Seguranra, por ter prompto grande
parte do seu carregainento : para o resto e passa-
geiros, aos quaes offerece bons commodos, trata-
se com Soares Primos, ra do Vigario n. 9, ou con
o capito Lonrenco Fernando do Carmo.________
Para *
a barca Flor de S, Simo sahir brcvmente, por-
que j ten parte da carga engajada : para o resto
e passagens, trata se cora os consignatarios Car-
valho & Nogueira, na ra do Apollo iO-
~GOMPANHIA PERNAMBCANA
DE
Navegacdo costea por vapor
Macei, escalas, Penedo e Aracaj.
O vapor Potengi commandante Mello, se-
guir para os portos cima no dia 15 do corrente
as 5 horas da tarde. Recebe carga at o dia 14,
encommendas, passageiros e dinheiro a frete at
as 2 hiras da tard do- dia da sahida no escripto-
rio do Forte do Mattos n. 12.____________________
Para Lisboa.
Segu com toda a brevidade a barca portugueza
Pereira Borges, por ter quasi toda a sua carga
prompta : para a restante e passaceiros trata-se
com os consignatarios Oliveira, Fimos A C, no
largo do Corpo Saoto n. 19, ou com o capito na
praca do Commercio. ____________ "
Gramle fabrica de chrislalizar e
relinar assucar, no lugar do
Afoiiteiro.
,Terc>feira 18 do corrente.
O agente Pontual, competentemente autorisado
vender em leillo a grande fabrica cima, em ura
ou mais lotes a vontade dos licitantes (visto ter de
relirar-se para a Europa o seu proprietario) es-
tando a mesma fabrica em exposicao nos dias
quintafeiras, domingos e dias santificados.
O leilao ser effeciuado no dia cima, na mesma
fabrica as 10 horas._______^______ _
LEILAO
DE
movis, vidros, e muitos outros
objeclos, a saber:
um fiteiro envidrando, 1 hlelo com lampo do
pedra, 3 duzias de cadeiras do faia, mesas com
pes de ferro e lampos de pedra, 1 repartimento
de amarelio, 2 panos com bonitas vistas pintadas
oleo, garrafas para vinho, copo e clices de
differentes qualidades, visos de vidro, 12 cadeiras
de Jacaranda, 1 na -bina para gelar bebidas, diffe-
rentes formas para pastelleiros, vinhos, cerveja, 1
relogio, 1 prensa de copiar, 2 espelbos, 1 machina
para fazer agua gazosa, sondo toda de cobre, I ca-
ma franceza, 2 ipiartinheiras, o muitos outros ob-
jeclos existente no armazem do sobrado da rna
d Imperatriz n. 15 (outr'ora confortara franceza).
Terca-feira 18 do Janeiro
O agente Pinto far leilo por eonla e risco de
quem pertencer, em multes e differentes lotes, a
vontade dos concurrente, dos objeclos cima
mencionados, as II lioras do dia cima dito.no
armazem do sobrado da ra da Imperatriz n. 15.
Principiar as 10 horas.
na ser os oais notaras.
E' claro, bonita flgira, corpo seeco o agiganta-
do, petcoco e cara nmprida, nao tem barba, lew
4 anaos de idade, firma e costuma mascar, ca-
bellos pelos e quasi corridos, que os tem sempro
grandas para esconder duas faltas que tem ipiasi
no alt da cabera perpendicular da orelha (Ureiu,
tem roais duas cicatrizas de ulceras na canella es-
qnerdt junto da entrada do p, e *re este tem
mais ama costura de um. taino, alem de ootros
mais de iguaes formas, em diversos- lugares dos
p?, uiimamerne Ihe falta o dedo menimo do p
direito, e parte d bichos que uvera at idade de 18 auno*, e por
isso consta andar calcado para nao ser ronheridio.
Este escravo aesu praca bem popular, e nao
deixa de ser protegido por quem quer que seja,
consta andar homisiaih, ora pelo bairro do Reeife,
ora pelos arrabaldes desla cidade, eomo pelos os
de Oliuda, onde tem sido sempro encontrado, j
trabaihando, j divertindo-se acompanhado di' ad-
juntos, que pro avelmente eslejam preparados em
sua defesa e nao deixa de ser esta a causa, pela
qual nao tem sido capturado o dito escravo.
Tambem somos informados, que elle ten waha
Ihado em varias obras nos arranaldes desta cidade
e da de Ollnda, como dentro do Recio no tranco
do carviio de pedra, algodao, assucar e no enea-
xamento de certos armazens, onde tem sido en-
contrado por diversas vezes, e verifieou-se qnando
tivemes certeza qne o escravo quasi smpre tem
trabalhado no Forte do Mallos no armazem de la
do Sr. Augusto Coelho Leite, de cujo dominio foia
o dito escravo reivindicado em 1863, e no do Sr.
commendador Jos da Silva Loyo, sendo que os
mesmos empregados do Sr. commcudador confes-
sarara ter trabalhado o escravo cinco dias na se-
mana antes da Conceicao, que se centn at o dia
4 de dezembro ultimo e recebera ,5000, e elle
mesmo, Sr. commendador, sabendo do occorrido
permilra all ser capturado o escravo no caso de
tornar apuarecer.
O que o certn que o escravo depoi desta ul-
tima occasio nao lora mais visto nem all nem em
mais parle alguma desta cidada conjunclamente
um dos seus mais especiaes amige, que agota nos
.' disfavoravel declarar seu nome.
E de snppr terem ido aC'Utar-se era casa de
nma lia e madrinha do escravo de nome Felippa.
c-nhecida por Filippinha, hoje moradora em tr-
ras do engenho Velho de Jaboalo, ou no engenho
de Camassary, onde tambem o escravo tem mi e
mais prenles boje do dominio do Sr. Miguel Au-
gusto de Oliveira, de crer que ellos se entrele-
nhara ahi ai depois da festa prxima de Jaboatao.
Portante rogase as autoridades do lugar se dig-
nem empregar suas aeoslumadas providencias pa-
ra o tira de tal captura, da mesma forma recom-
menda-se aos senhores capiUes de campo que
tero do seu trabalno 30*000, c se o capturaren
em algum servico qualquer ou em lugar do seu
bomesiamento lrao 5*000, pois desdo j o flzemos
publico que se o dito escravo for capturado no
servico de quem quer que for, protestamos coutra
tal procedimento, e sb sua responsabilidade serao
obrigados nao s pagaren toaos os dia de servico
desde o da 13 de abril ultimo, como todas as mais
percas e damnns que forem decorridos
Fr. Joo do A. Divino Mascarenhas,
Vigario prior.
(Ibtb do Monleiro
Sabbado U do corrate llavera reonio
familiar.
0 empresario.
_____" P..J. Layme.
&m iMHimis
O advogado Dr. Antonio de Vis-. M
ai concellos Menezes de Drummond, *
| mudoa o seu escriptorio para a rna
I do Imperador n. O, onde pode
9H ser procurado para o exercicio de
l sua prolitwo em lodos os dias
uteis |as4 horas-da larde. Fra dessas
5 horas, c para qualquer occorrencia
! urgente, ser encontrado no sea
I domicilio, ra da Aurora n. 26.
Aluga-sc um* casa na povoaco de Apipo
eos, junto ao hotel francez : a tratar no Reeife, rna
da Madre do Dos n. 2, com Joo Alves de Quin-
tal.
Q.-KJ O
Jf
S E 3
CB -1 ^ tu
" E o 'k
9 CS -.?. -D
" 5
s-3
2.33

a (A
% 3
a> 5'O
o ^.~
fB"0 =, W
rS'3 3
a o ao ^j

g
en
o
s
ai
|l
AVISOS MARTIMOS.
Freta-se o lugar inglez, de 1" classe, Casi-
que, para qualquer porto da Europa ou Rio da
Prata, preferindo-se este ultimo : a tratar rom o
capito na praca ou com os consignatarios Candi-
do Alberto Sod'r da Molla 4 C, na travessa da
Madre de Dos n 14.______________-___________
Pede-se attenedo**.
Vende-se.
O lindo e muito veleiro patachonglez J. Boic-
ley, lotao de 143 toneladas e carrega 220. calla-
do de 10 ps carregado, con 94 ps de quilba,31, '_ Em razao de ser no dia 16 do corrente, o
de fedaa e 11 de puntal, tendo s.d. construido em d do & to Bom Jesus do Borafim> ue fe vene-
1867 na Ilha Br.tan.ca Pnnce Edwrd, e class.li- a provDCia da Babia, a commissao de artis-
rtdo A I. cora mastro novo de proa de praho de a0Far,enal de marinha aquella mesma pro-
Riga,^ndainainteirade panno novo, rerentemen- b assignados, mandara celebrar urna
te apparelhadoa rame, com seus pertences cora-. d c no mesmo dia aci.
mais sobrecelentesconstantes do inventa-! -..J., ....
AVISOS DIVERSOS.
FOLHINIAS
PARA 18*.
Vende-se nesta typographia
a 160 rs. o exemplar da de porta.
Ama
A rapariga solteira aue annunciou querer ser
ama, dirija-se ao Corredor "do Rispo em frente ao
palacio episcopal, em casa do coronel Vilella, qi e
achara asenhora tratar. Na mesma casa ven-
de-se urnas poncas de operas italianas para piano
e canto.
O capito Jos Pereira Teixeira, juiz de paz
do 3o districto da fragnezia da Boa-vista, tem de-
signado o dia sexta feir para as audiencias, as 4
horas da tarde, em sua casa na ra da Eslaucia
n. 4 ; e quando for o dia santificado ou feriado,
ter lugaj a audiencia no dia anterior.___________
Na padaria da ra Direiu n. 24, precisa-se
de dous trabaihadores o tambem precisa-se de
dons pretos para servico da mesma.__________
__Precisa-se de ama para comprar e cozinhar,
forra ou escrava : na Boa-vista, ra do Destino
numero 19.__________________
=r

, O
o. 8
S sr
O O
O o W
O ? T-

Na ra da Senzala-velha n. 138 precisa-se
fallar ao lllm. Sr. Dr. Claudino Beserra Cavalcan
ha pouro chegado do norte, ou nucir annunciar
sua residencia para ser procurado.___________
Thomaz Cavalcanti da Silveira Lins Jnior
em resposta ao annuncio de honlem, 12 do cr-
renla, declara que pode ser procurado na ra do
Apollo n, 18, todos os dias das 7 horas da manhia.
as 5 da tarde.______
Prente Vianna mercio desta praca, que desde o 1> de Janeiro do
corrente anno admitliram socios da sua casa os
Srs. Joaquim Ferreira Diniz e Manoel Joaquim da
Costa Carvalho, continuando os negocios da cas
da mesma forma que at aqui. Reeie 12 de ja-
neiro de 1870.______________
Precisa-se de ama para todo o servico : na
ra da Ilortas n. 30, sobrado. ______
Companhia americana e brasi-
leirade paquetes a vapor..
At o dia 15 do corrente esperado de New-
York por S. Thomaz e Para o vapor americano
North Amenca, 6 qual depois da demora do cos-
tume seguir para os portos do sul, para fretes e
passagens trata-se con os agentes Henry Forster
& C, ra do Commercio n. 8.
DECLARACOES.
Pola recebedoria de rendas internas geraes
su faz publico que he neste me e no de fevereiro
prximo futuro que tora logar o pagamento, sera
multa, boca do cofre da txa de oscravos do ex-
ercicio corrente de 1869 a 1870, cujos donos ou
administradores raorem as freguezia* desta ci
dade c as de fora, a saber : Affogadus, S. Amaro
lo Jaboalo, Moribeca, Por-o da Panella, Varsea e
> Lourenco da Matla; e que Irado o referido
praso, ser cobrada com a malta do 6 por cenio
Recebedoria de pernambuso 3 de Janeiro de
1870.
O Administrador,
Manoel Carneiro dt Sou:a Laceran.
COMPANHIA PERNAMBCANA
DB
Navegacdo costeira por vapor.
Porto de Gallinhas, Rio Formse e Taman-
dar.
O vapor Paraliyba, seguir para os portos ci-
ma no dia 20 do corrente, meia noite. Recebe
carga, encommendas, passageiros, e dinheiro a fre
te no escriptorio do Forte dn Mattos n. 12
COMPANHIA PERNAMBCANA
DE
\aveafo costeira por vapor.
<<^1 tr O vaper Parahuba, seguir para o
J[Aa porto cima no dia 16 do corrent-,
eMnrf as horas da n ote.
R eebe carga, encommendas, passageiros e di-
uaeiro a frete no essriplorio do Forte do Mattos
n. 12.
ptatos, e
rio. Daclara-se haver sido dito patacho prompli-
ficado antes de sahir de Inglaterra com masstros,
massarae de rame, e andaina completa de panno
ioteiramente novo ; e qne para melhores informa-
cSes, podem os p.etenentes examnalo no anco^
raJouro da descarga neste porto, e entenderem-se
com os Sr. Simpson Duder & C, ra do Com-
mercio n. 16.
COMPANHIA PERNAMBCANA .
DE
Vavegaco costeira por vapor.
Parahyba, Nata', Maco, Mossor, Ara-
caty, Cear, Mandah, Acarac e
Granja.
O vapor Pirapama, commandante
Azevedo, seguir para os portos
cima no dia 15 do corrente as 5 horas
Recebe carga at o dia 14, encom-
passageiros e dinheiro a frete at as
! horas da tarde Jo dia da sahida no escripto-
rio no Forte do Matts n. 12.__________________
PABA LISBOA,
jv barca portugueza Gratido dever seguir com
a menor demora possivel: para carga e passagei-
ros trata se com os consignatarios Oliveira, Filhos
2L
la tarde,
nendas, e
ma referido, e para isso sao convidados todos
aquelles que concorreram para o dito fin a assis-
tirem esse acto que ser celebrado na igreja da
Madre Deus. A orchestra ser dirigida pelo dis-
tincio professor Colas Filho, c tocar antes c de-
pois a msica do mesmo arsenal :
Francisco Silvestre da Silva.
Lucio Gomes Barbosa.
Manoel Firmo do Sacramento.
Jos Marques do* Santos Souza.
Raymundo Agostinbo Vieira.
Germano Barbosa da Silva. .
Severiano Barbosa da Silva.
Jos Pedro de Santa Rosa.
Izidio Jo< de Ceuta.
Joo Panlo da Pureza.
Pempilio Gonzaga de Sanl'Xnna.
Na refinaeo da Florentina n. 28 vende-se
um pardinho de bonita figura, robusto, excellente
official de alfoiate, e com pralica de caixeiro.
COLIiEGIO
DE
Mil (.i:\ovevv
Rna do Hospicio n. 22 e24
Antonio Marques de Amorim, director do
collegio de Santa Genoveva, tem a honra de
participar aos paes, tutores e corresponden
tes de seus alumno que as aulas de ins-
trucclo primaria h secundaria funcciooaro
neste collegio desde o dia 20 do corrente
podendo desde j regressarem reinscre
ver-se os qne quizerem.
Avisa igualmente que tendo dado mais
ampias e commodas proporcoes este es-
tabelecimento peta adjuncc5i> da casa im-
mediata aquellas em que tem residido des-
de 18<18. pode admittir maior numero de
pensionistas
Manuel
Fraucico Xavier Temporal, Manoel Juvaucio
de Saboia, Cleinenirau Moreira Tamjoral. Relar-
mino M. Temporal (ausento), Alfonso Moreira Tem -
poral, e Joo Paulo Temporal, convidara a todos
os seus prenles e pessoas de suas amisades e as
de seu finado pai, sogro, a ouvirem urna missa do
selirao dia de seu fallec ment, que p< r alma do
misino finado mandara celebrar no sabbado la do
corrente, pelas 7 horas da manha na voneravel
Ordem Terceira do Carmo, por cujo acto de hu-
manidade, earidade e roligio desde ja se confes-
s" eternamente gratos.
AMA
Precisa-se de urna ama para cozinhar : na pra-
c* da Independencia ns. 37 e 39. __________
Agencia geral,prac do Corpo
Santo Reeife n 21.
Todas as pessoas que tem para alugar
sitios, casas ou escravos, sao convidados a
rege$tra-los nesla agencia, A moda de
proceder e simpfesmente de mandar em
escripto urna descripeo do ohjecto que
se quer alugar, acompanhado com a quantia
de mil ris, e as noticias tlcam patentes
ao pubrico at que o aluguel for feito sem
mais despeza alguma.- Nesta agencia tam-
bem precisase de amas, cosinlieiras e en
gommadeiras e um eitor para tomar cunla
do cemiterio inglez, e este deve ser urna
pessoa muito capaz, pois ser muito bem
pago._________________________.______
Na refinaeo da ra da Tenzala nova n. 4
precisa-se de trabaihadores p?ra o eollero (bate-
dores).
Anna Felicia Branca Guimaraes. Antonio Jos
da Costa Guimaraes (auzente), Francisca Maria
da Costa Guimaraes e Manoel Alfredo da Costa
0Tc",o"aro'do"Corpo-SVnto"n. 19, ou con o ca- Guimaraes. tendo de mandar celebrar urna missa
Sfc!!.pr% do Commercio. __________ por alma de seu^mu.to presado mando c pa^ Do
Porto por Lisboa
Com a maior brevidode vai sahir para os refe-
ridos portos a barca portugueza Claudia, de pri
meira marcha e primeira classe, por ter a maior
parte da carga prompta, e para o resto que Ihe
falta e passageiros, trata-se com os consigna-
tarios Veras & Barbedu, ao caes da alfandega ve-
Iha n. 2.
mingos Jos da Costa Guimaraes, fallecido em Lis-
boa, convida a todos os seus parales e amigos
para assistircm a este acto de religio e caridade
na matriz do Corpo Santo pelas 7 horas da ma-
nha do di i 13 do corrente.
leil
Ama de leite
Preclsa-se de urna ama de leite : na ra do
Qoeimado n. 30.
No dia 11 do corrente ugio a escrava Delraira,
preta intitulada molaia ou cabroxa, por ter o ca
helio grande e arrepiado (cojo cabello arranja-n
da f rma que qner) idade 30 annos pouco mai-
ou menos, seeea do corpo, baixa, cora faltas de
dentes, tem a barriga um pouco erescida, cuja
escrava tem por costume dizer que anda as com-
pras ou procurando senhor, levou vestido de la
escura e chale de cor de canna (velho) muito I*
dina e esperta, lera leite era razao da estar crian-
do : rogase as autoridades policiaes e a quem
convier a captura da dita escrava e leva-la ra
do Cabug a. 3, lerceiro andar, que se gratificar.
Matilde Umbelina do Reg Lima, Ursieiua Sil-
vera de Lima Paio e Juvencio Antonio Paio, pos-
suidos do mais grato reconheeimento agradecen
cordialmento a todas as pessoas, prenles e ami-
gos, q le assis'ram a eocoromendacji'i que se ce-
lebren na igreja de N. S. da Conceicao do- Milita-
res, e aeompanharam ao jazigo no cemiterio pu-
blico, os restos murtacs de sai presado esposo,
pai o sogro Jo- Norberto Casado Lima, e de no-
vo pedem, (e desde j agradecen) aos que se dig-
naren assistir as missa que no stimo dia, 17 do
corrente, as 6 horas da manli, pretenden! man-
dar rezar na referida igreja
R-icife. H de Janeiro da 1870.
^nmaixoassignado, depoMianu ii.irticulardo
escravo Theodosio, de idade 45 a 30 airaos, escra-
vo de D. Maria Eugenia de Castro Erster, que se
achava penhorado por exeeuciv de J aquin Fer-
reira do Mattos, fugio do poder do rae icionado de-
positario desde o dia 31 de dezembro prximo
passado.
Manoel Fraueisco de Mello. _
A luga-se a mei-agua n 28 na travessa de S
Joo, com 2 quartos, quintal e cacimba, preco de
14*000 por mez : a tratar com L. M. R. Valenc;.
no mesmo lugar.
Rui
AIML DE OJRO
RIJA
EO
CABUG
igual, esquina
ilTIl -i | ve^Vpwrpe^8 V inhuma outra casa pode vender. ..Lrna larga dol
da ra larga do ^ vta ^ quaiidade e o pre 1 '- Compra-se onro, prata e pdras finas por presos muito ele- Rosario.
Rosario. Garante-se ser tudo de lei.
vados.
iHitlHl .i.
i 11/


4
Diario de Pernambuco Sexta feira 14 de Janeiro de 187

33:
n 3 c-g t> oo a a <
Sao s
2 -> = w
H^-3 a.p
S; O O
9 v.
-f __** T> 03 03
.5 |f *"
S f s s.
, CD o> O co
3*f
o
o.
s. a o.
W o o o
I.
M

I* 2 2.
1
03 09 U
-, C t/3
-j, A o o
3 s : : :
<^-" ^ I* K> w
". C-"0 re
m o
O
O
3 S. 5: fe o
slsftl'
si

???
2 la
o c o
9-~
1 C"! 1!
O o
c 5
3 -o g. 5
o o e >
f-ifii,sl
Si. 9 =-2 S
S:

^ '
-i w o
H
1
a
>
a
s
era
na
)
Ife^Bffifijiral
Po tantneos.
Traversa do Corpo Naato n. 15.
itrnuta. erm Nova 88.
loja.
Bandeira, Machado & C, avi-am ao rospeil
publico quo nos lugares cima encontrar no mes-
mo sempre grande nnsmidado do ditos pocos, e
que m acham habilitados para vender por menos
que oulro qaalqncr, por Isso que os rorohem di-
rectamente do fabricante Norton, de l.nndr>s.
As vantagens que offerecem os pocos inslanta-
neos <3d : prinwtra, poderem ser enllocados den-
tro de casa on fra, cora o trabalho de urna a duas
horas; segundo, forBerercm os mesmo agua pu-
ra e abundante, pudendo seren removidos de um
para outro lugar, qnando assim convicr.
Os annunciantes s reeeb. rao a importancia dos
referidos poc >s depois de enllocados, saszendo
expectativa do comprador.
PROORADORIA
O soHjeitador Burgos Ponce do Len,
encarrega-se dequaesquer questiVs civeii,
crinies o oiiiiiieiciacs cuino as cpjjesijis-ja
ticas, da* (|uaes tem umalongn pratica de w
qttinzeannos, c se clhl eompctatcrnefllc
provi-ionado pelo Rxm. e'Rvm.Sr. Bispo
diocesano.
Kile continuar a empregar todos seus
esforcc.s, aliin do manier a mesma coti-
flanca que, tem merecido de seus dignos
consiituines.
Pode ser procurado das seis as jiove
horas da uianbia das quatro da tarde
cm diaiito, em roa casa, da ra dasTrin-
cheiras, junto aocartorio do Sr. escririo
Motta, e fra dettas horas as salas das
audiencias
Precisa-so de urna ama livre u es-
crava para o servido interno e externo de
ama casa de pouca familia, sendo do boa
conducta ; na ra da Santa Croz n. 62.
Nao mais cabellos brancos.
A tintura japoniza para Unga os cabellos
da cabeca e da barba, foi a nica admiltid
Exposicao Universal, por ter sido reco-
nliecida superior i todas as preparaces at(
hoje. existentes, sm alterar a sade.
Vende-se a 1??0W) cada frasco na
Rna da Cada n. 51,
1. andar.
A ESMERALDA

fe
~-m
4*
LOJA DE JOIAS

Hospital Portuguez
de Beneficencia.
A junta administrativa do Hospital Portiij;ucz de
Beoeliceneia, roga a quem se julgar credor do
mesmo hospital a apresentar a sua conta at o
dia 15 do frrente, ao respectivo esmoler, pan
ser in continente paga.__________________
ATTENCAO
O abaixo assiguado, i'eixN de ?er eaixeiro do Sr
Bento Jos Domingues, desde o dia 8 do correnie,
o aproveita a ocrasii para agradorer no mesmo
Sr. Bento, e sti exeellentissima consone e com
especialidade o seu ex-soeio, o delicado tr;itamea-
to waneifos cvalI;t'iio*aj c*m uic siuu,irc sv
dipnaram latai'-uie. Becie, 12 de janiiro"de
1870.
__________ Trancisro Mloiio SJtvn Mhla.
D. lTn belina liosa de Lima Pinlio ronvida a
todos its eri'doies de sen ffnao mani no O. L. Pinito a virein ha lili lar-se no inventn
rio do me.-ino tinado, a que .ja deu tmelo e pro-
testa ludas. as d|\4das qna possain pp.n-ecer
depoisiie enVetuario o red rilo inventari. Ikcif,:
11 de Janeiro de 1870.
_______;______________,________ r f '1 ___
Preci.-a-.-e de urna .una para cemprnr e co-
zinhar : na ra da Praia armazem ns. 13 o 13.
Bichas hamburguesas
Gabinete Portuguez de Leitur-
PElt\%
IBKO
De ordem do Illm. S. presidente do ceirteHio
delibecativo, convido os sennores rocios eBecvos
a rcunirem-se em assembla peral, domingo 16
do corrente. pelas 11 horas da manhaa, a Itm de
se proceder a-eleielj do novireonseluo delibera-
tivu advertind-se que a assembla gerai func-
cionar Com o Bttmero que comparecer; visto nio
ter buje havido casa.
Secretaria do conslno deliberativo do Gabinete
Portuguez ue Leitura em Pernambuco 12 de Ja-
neiro de 1870.
J. R. Fon seca,
_______ 2 secretario.________
> Nesta typographia se precisa logar
un preto de ro-ia idade.______________
O abaixo assigttfdo, sendo deqosario do
escravo Theodozio, de idade 13 a KO annos, escravo
da Sra. D. Maria Eusenia de Castro Estel, por
execucao de Joaquirn Ferreira de Mattos ou Mou-
ra, fugio do poder do depositario.

. ....
GUSTAVE
CABELLEIREIRO FRANCEZ
51Rna da Cadeia do Recife51
rbi nM.?l4.-8!lfnC>H0!l9eM inntoBB!r08 fregwzw, e do reapeitavel publico t
geral, para a segnmte tabella dos preCos de sua* casa, os quaes sao vinte < o4*
mats barato do que em outra quaquer parte- r
^mW****' mi 40OOO (^W-t*& a *>
Luiz do Franca Sonto, sua innaa e seu cunbado
e ?eus lilhos e to e cunhada agradecem do pro-
fundo dalmaa pro va, doconsidarajao que Ibe mos-
traran!, acompanha*ndo os restos nuriaes de sua
liresadissima mae, sogra, av e innaa Anna Ma-
ris do< Anjos ao cemitorio publica e de novo con-
vidan! a todos, para as missas e memento que se
ho do rezar na igreja de Nossa Senhora da Con-
ceieao dos Militares no dia l do corrente, s 6 e
meia horas da manhaa stimo do seu fallecimonto,
pela que se confessam eternamente gratos.
O onsetbeiru Juse liento da C.unlia Figueire-
do contina no exercicio de advocada na ra do
Imperador u. 57, entrada pelo caes 22 do No-
vemhro.
Aluga-sc tima sala asseiada coin algumas
accommodacoes : no 1 andar da casa da ra do
Imperador n. 57, onde quem pretender poder
rallar.
Advocada.
Jovino Limeira Dino tero escriptorio do advo-
eaeia na villa de Rodicung, e encarrega-se de
qtiaesfjuer causas elveis, crimes e coinmerciaes,
nao s all, como nos termos de S. Joao, Campia-
Grande, Iqg, Bananeiras, c Cuit, da provincia
da Parahyba do Norte, eLimoeiro da provincia de
Pernambuco.
Ditas para homem a 3,'i#, 405 e
Coques a l* 15^, m, Z0&,
W, me ......
Crescentes a 12,5,15& 18)5,20,?,
25,5, 30,5 e.....
Cachos ou crespos a 35, 40, 5&
U, H, 85, 9Je. .
Tranca de 'cabello para annel a
300 e.......
Tranca para braceletes a 10,
50,5000
50,5000
70, U, M, m e.
ISOAi
"i""
80
4401*
85*
Corte de cabello......
Corte de cabello com fricro. .
32,5000 Corte do cabello com lavagem a
I champea......
10(5000 Crte e cabefi(>*n limpeai da
cabeca pela machina clectri-
15000 C3> unica cm Pernambuco. .
Frisado a ingleza ou franceza.
H155, Oil, 25 e 304000 Barba. ,......
iSSIGNATURflS MENSAES
Especiahdade de penteados para casamento
Bailes e solres
0 dono do estabelecimento previne s Recommenda-se a superior TINTURA *V
Exmas. Sras. c aos cavalbeiros que ha um PONEZA para enegrecer os cabellos e ba^
salao para tintura dos cabellos e barba, as- Da- unica admitlida na Exposicao niver?-
m ,nm, m __. como n5o prejudicial sade, por ser \o-
sim como um eropregado somente oceupa- m> analysaua e approvada p,8S K9^
do nesse servteo. mas de sciencias de PARS E LONDRES
Para Porto-calvo.
Precisa-se de um menino para eaixeiro, de 14 a
1> annos, quer seja portnguez on brasileiro, que
tenha pratica de taberna e toja de fazendas : a
tratar no escriptorio do Sr. Joaquirn Ri drigues
Tavares de Mello, largo do Corpo-Santo n. 17, 1-
andar.
CABELLEREIROi
IN 82RA DA IMPERATRIZN. 82^
Odilon Duarte, cabelleireiru, tendo se 555
despedido da casa de sen cunhado o Sr.
Carlos Dnbi s, onde traba!bou por espaco B
de i!ez nonos, acha-se cstal>eecido con 8
casa de eabeUeireiro ra da Imperatriz
n. 8, promplo a salisfazer quaquer en- I
commenda teniente a sua arte.
DAVID WILLIAM BOWNIAN
Partecipa aos senhores proprietarios de engenhos, quo acontecendo faltar-Ib^
tgoa ou animaes pira a moagem durante a presente safra, elle tem vapores prombt.^
jara assentar, seru precisar de obra nova ou demolicao de obras existentes, e qu
JrJe botar taes tngenhos a moer oilo dias depois de estarcm as peras do vapor nw
Qgenho, garantindo-se o trabalho.
Fundido, ra do Bram n. 52, passando o rhaferiz.
Lindas e superiores bareges de cor, de quadro e de listras, para vestidas lih-
gtndo seda. pe;o barattssimo prego de 500 e 640 rs. o covado.
Assim como superiores cassas francezas de cor padrOes de muito gosto i 4 e 600 rs. o metro, na loja das Collnmnas ra do Crespo n. 13, do Antonio Corroa ,k
Vasconcellos.
Na ra da Imperatriz n. 80 se dir quem
tem para atugar mu criadinho escravo de 12 au-
nos de idade.
liEIAJtl.
DR
ac
Ncsle novo deposito recebe-seTkir todo3 paque-
tes transponeos l)ixas de^q'ualdaao superior, ven-
le-se em caixa ou porcan mais pequea o nwi>
barato do que quaquer outra parte ; na ro da
Cadeia do Becife n. 31, 1 andar.
Quem tiver para vender ama ca-a terrea nova
era boa ra de Santo Antonio ou Boa-vista, solo
lUPprio, no valor de tres1 contos de reis pouco
ijiaifrou- mcn.*, dirija-se a ra do Hospicio n. .'t-3
parH tratar.
Este antigo estabelecimento, completa-
mente reformado de novo, est as condi-
$3es de servir vantajosamente os sens fre-
gueses, visto que acha-se prvido com um
ex plendido sortimento de obras de our e
*rata de lei, assim como brilhantes e ou-
tras pedras preciosas, oujos presos sao os
mais mdicos que se pode encontrar.
As joias compradas nesta casa recebem-
89 em troca ou compram-se com pequeo
abate
N. 5 RIJA DO MUGA N. S
Ollerece-se umt scnliora habilitada au elis-
io primirio, para leccionar cm algum collegio
desta eidade, ou mesmo para o mato, como lam-
ben! um moco que so propio ao mesmo fim, no
j para o mesmo ensino como para a Ligua fran-
eeza o geograpliia : a tratar nesta jypoyranhia.
Ama secn.
Precisa-se do una ama quo nao seja mon para
indar com urna enanca o cuidar de ludo que Ihu
disssr respeito; a tratar na piaca de Pedro II nu-
mero .17.
Pr-cisa-se alugar urna ainde leite : a tratar
aa_roa Direita n. 82, 1 andar, paga se bcm.
OSr. Antonio Pereira de Souza digne-se
comparcer na loja do Pnsso a ra do Crespo n. 7
a negocio que nlotiganra ; isto com urgencia.
_ PIANOS E DE MSICAS
Ra Nova n. 58, primeiro andar,
Kecebeu pelo ultimo paquete urna colleccSo completa das
Musicas de GOTSCHACTK, ditas de ARTHUR NAPOLEO.
Modinhas, arias, cavatinas edm palavras italianas e francezas, dancas, oaverlu-
n n uuas e a quatro mos ect. etc.
Ama
Precisa-se de ama ama para cosinbar a
tratar na na da Cadeia do Recife n. 22.
- O Sr. Horacio da Silva Rabello c Cas-
tro, acadmico do 5o anno, dirija-se a ra
la Madre de Deus n. 0. negocio de seu
.iteresse.
Criado
Prec.i-s de um criado de 16 a 22 anuos,
para toda seivie> de um rao^o soueiro. (menos co-
- mli ii) priferindo-so escran; tratar na roa
lo C-Uiug n. 4, no museo de joia*.
FuriiMn no dia 5 do corrente da povoaco
le Ja&tttdu um cavado lazao foveiro, com os slg-
oa^s -eguiotes: tamanlio regular, boas carnes,
ti una ik'quena marca de bexfta : quem ,o
ajfcvueiider ou delie del- notfcfa, Jo* Leoncio de
afrquo naquello lugar ou no Becie rta
: .tr recompensado.
^ -^-^_____
Urgencia. "*
i Jr-rja saber se nesta idade, ou em
outro lugar desta provincia, existen os
Martins do Brillo e Joaquirn Pin-
>endo este pedido feito com rmiita
por su as familias, do remo de Portugal;
tsados por este annuncio, podem drigir-
iraca da Boa-vjsta n. 10.
AMA DE LEITE
Precisase de urna ama de leite iem lilho. Daca
se bere : na rua.Wova n. 21, andar.
CASA FELIZ
Aos 20:000*5000
%o Recife arco da t oucelcSo n. f
Os abaixo assignados tendo-se habilitado as
torm das leis, tem exposto a venda os seos feii-
es bilhetes das loteras do Rio do Janeiro, na cas;
cima, aonde se nagarao as sortes qne sahiren
aos mesmis bheles, com o descomo somenti
Ja lei. .
PRECOS.
Bilhete inferro 24^000
Meios 12*000
Quartos 6/000
EJde 100J para cima a 22| o bilhete.
____ Figueiredo dt Leite.
Em casa de THEODORO CHR1STI
MSEN, ra da Cruz n. 18, encontram-K
flectivamente todas as qualidades de vmh<
Bordeaux, Rourgogne e do Rheno.
lio?,, rt Ligtitbown & C, negociantes desta pra-
c.i, aotigamente e.-tabelecidos ra da Cadeia n
53, e noje na mesraa rna n. 52, tendo recebido um
completo sortimento de fazendas, ronvida aes seu
?migos antigos e a lod* s uutnlo quizerc-m exami-
na-!o, para appareecfem em seu aovo armazem
do dia l do corrente cm diante, quando prelen-
dem dar comeen as snas vendas.
n i lira!"
Ra do Commercio n.
6.
Jos FrancLsco Ribeiro do Souza, direc-
tor d'esse instituto de educacio e instruc-
co, faz s.-iente ao respeitavel publico e
particularmente aos pais de seus alumnos,
que a reabertura das aulas de instruccao
primaria e secundaria ter lagar cm o dia
10 do andante,
0 programma do ensino ser de confor-
midade com o decreto n. 4430 de 30 de
outubro de 1969.
Admitte alumnos pensionistas, raeio-pen-
siOnistas e externos.
CASA DA NHiTlM
Aos 4:0005
Bilhetes garantidos.
A. ra-do Crespo n.23 e casas do cosime.
0 abaixo assignado, temi vendido alem de on-
tras sones, um meio n M02 com 4:0005 da
lotera quo se acabou de oxtrahir a beneficio da
igreja de N. S. da Gofteioio d-.s Militares do
Beeife (133*), convida aos postndores vlrem
receber na conformidad do cosame seta descon-
t alpnm
Acham-so a venda os feliz*3 bilhetes da 2'
parte da lotera beneficio da igreja de Nossa
Senhirado Amparo da rante de rtlinda (134")
que se extrahir na sexta-fclra 21 do corrente
mez.
Presos.
Os do costume.
uo
Mmoel Martins l'i1"
Alng-so o 2o andar do sobrado n. 10 da ra
do Arago, com bastante commodo para famila,
caiado e pintado d novo, com um bom quintal e
cacimba : a tratar na botica n. 6 da prca da
Boa-vista.
Ptecisa-se do urna ama para casa de homem
solteiro : na rna do Mondego n. 93.
AMA.
Precisa-se do niua ama da leite sem fillio
pateo de S. Pedro n. 3.
no
Ra
Correspondencia de Portu-
gal.
Os Srs. assignantes qtreiram mandar pagar as
suas assignaturas do anno corrente, para no flm
do mez nao haver atiopello na entrega da folha.
Precisn-se
De um menino de Ij a 16 annos, que tenha
pratica de eaixeiro, na ra do Livramento n. 36,
loja de cera.
Escravo para paclarta.
PrecUa-se alngar m escravo na nadara da
ra Direita n. 81.
Ama.
Na ra do Livramento, loja n. 6, precisa- d
urna ama que seja perita cozinheira, para casa de
oomees solteiros.
Oe ordem do director da ^ciedad amor Ao
Toximo, convidp a todos os socios da supradia
nciedade. a comparecerem na sessad geral que
jpa
deve ter lugar a 1 do corrente as 7 horas da mi-
te na casa da mesma ociedade, aflm do tomarem
parte em materias relativas a mesma, tieaudo ci-
entilicado aqoelles que nao comparecerem, qd la-
ver sesso com o,numero que comperecer na for-
ma da Je/.
Saja da secretaria da socfcdtde Amor ao Prxi-
mo, 18 do janeiro ee 1870.
O Io goeretario.
Antonio Manoel do Sacramento.
Precisa-se de urna ama, preferindo-se iilosa,
para comprar e cozinhar para duas pessoas: no
pateo do Carao u.39, defronte dj porto de San-
UThereza. sobrado.
Sab de alcatrao~
pora curar as molestias de pe/le,
taes epmo empingens, Jarthros, sarna?, comichdes
3 mais molestias depelte-aem occasiorar acciden-
tes ; desfaz as manen s dojeorpo, paoooa, sardas,
restabelece a cor natural, qaanto a cuts, secca,
irosa e amarellnta, oocashmado por alguma
nfermidade, e. como desinfectante e preventivo
las molestias contagiosa,
NICO DEPOSITO
Botica do Pinto, Trolsfga no Rosario n. 10, junto
io quartel de polica.
Ama
AGENCIA DE COBRANCAS
BAffiltO tK SANTO ANTONIO.
estreita do Rosario b. 17, Io andar.
DtlffiCTOR
Leopoldina Antonio da Fonscca.
Ncsle escriptorio recebem-se piocuracoes para
cobranca de ordenadus e congruap, licuidacao de
coalas de pessoas do centro com outras dest pra-
ca, bemassim de arrendamen! de predios, para
agencia de causas civeis, crimes, commerciaes e
ecclesiasticas em que seja necessario, constituir os
mais^conceituados advogados e procuradores que
mellicr garantam os direitos das partes; rara sol-
licitar t'tulos e patentes na capital, ou manda-Ios
rr da corte, etc. etc.
Das cobraneas c compras sobre as jiiantias li-
quidas 3 ', e sobre o mais mediante previo
ajusto.
As entregas de qoasquer enccmmendas e ttu-
los so scrao feitas aos ses proprlos donos s pes-
soas por eftes autoris3das em cartas de ordem e
mediante recibos legalmente passados.
Procisa-se de urna ama que cosinhe com
pcrfeicao ; rna do Qaeimado n. 52, loja das seis
portas.
s
s
CURSO DS PREPARATORIOS
INCLUSIVE
l.l\aA l'OMTK.U/t
Rna da matriz da Boa-vista n. 28.
qMMM rc'
IIIITEL M li\l III
Ra do Hospicio n. 84
Este novo estabelecimento fornecc comedoria
tanto para fora como para dentro do dito estabe-
lecimento, assim como nos domingos o dias santos
haver mao-de'-vacca, o proprietai o tem una
sala para algumas pessoas que qdirer se servir
particularmente, por isso tem eommodo3 sulDcien-
tes para esse Din; espera |iortanto> do respeitavel
publico a grande pro
AMA
se de ui.i escravo ou forro para io-
do ser vico : na rtn das Lara
iranecz.
ngelras
'*
ti. 10, Bofel
- Precisa-se de um criado para compras o re-
cados : na rna dos Goettos o. 22.
Precisa-se de ama ama livre oiuacraja nari
o seryieo interno e extemo de urna easa de pouca
familia", sendo de boa conducta : na ra da Santa
Criu d. 6.
ATTENCAO
Pede-se ao Exm Sr. presidente da pro-
vincia que tenha a bondade de dar provi
demias sobre o roa estado do calcamento
do Atierro sido satisfeitos com j^ual podido ao Sr
cheto das obra pWc*s gor djvereas vezes.
Justo lose Gomes Teixeira dlara ao respst-
!avel publico,, e com espeeialidade ao corpo do
torhmercfo, qtfe admi'ttio para socio de sua casa
'ente, ficando de agora em dunte gyrando sob a
-azao social da Teixeira k uni, tecife, 12 de
aneiro de 1870.
Precisa-se de urna arta de mera idade ;
do Livramento n. 12, par cosmbar.
ra
Paga-s bin
Precisa-se de urna ama romou escrava
saba engomar bem : ra do ifjrespo n. 23
quo
CASI r
tm RPOrtTACAb R EXPORTAC10
J, ARKIRi;
Escriptorio, ra do Vigario h. 5,
Alugn-se tan moleque com 14 a 15 anuos de
idade : tratar na roa Direita n. 53,.loja de fer-
ragana. ^
Amfl
Preci* se de nma amCpari\ cosmliar em c**
de homem solteiro que tem pouca familia : roa
do Crespo casa n. 12.
.----------_______
Ao commercio.
Os abrtto assignados fazem pnbUpo que no dia
31 dedwsinbroproximo passado dsOlveram ami-
irawermeote a socredade qne, sob a razile Nev1
A Cruz, tinbam no armazem de mercearias da roa
Direila n. 16, denominado Veado Braneo, Atando
a cargo do ex socio Candido de CarvaJJio Noves a
tiquidaeSo do activo e pagsivo da extincta firma.
Recfle 10 de janeiro do 1870
IJ
Na Iravessa da rna
das Gruzes n, % pri-
meiro andar, da-se di-
nbeJro sobre penhores
de ooro, prata e krilhan-
les, seja qual for pan-
tia. \aesDia casacon-
pram-sc os mesmos me-
ao rcspi'iuivol publico, <|uc aeiii-se seu colegii
wuibi'lauido nu da Imperatriz n. 63, cuja ma-
tricula abiir-.e-lia a lOdejanairo prximo fntu. .
e i(ff:rece seu presumo aos pais de familia, a*se-
verando-lhos seus bons desejos, quer a resp -ito do
ensino, quer da educacio do suas Albas. 9 pr-
gramnia dos estatutos leitura, escripia, aihme-
lica, systema mtrico, lingna nacional, frano.
geographia, msica vocal e piano ; para o qne
haver professores e professoras cotnpetentemeni-
habilitados. Tambem se ensinari bordados, flores
de varias qna jados, Inclusivo as >te cra. o dansa.
Precisa-se alngar um moioqoe oo um pi
vcltio para o servioj de urna casa de familia : n-,
roa do Hospicio n. 38.
Casa de eonimissao de escravos
Na amiga casa de commissao de escravos, *
abaixo assignado, ra do Imperador n. 43, conti-
nuare a nceber escravos por eommissrm, lans
do mato como da praca para serem vendidf.
garanle-se o bom tratamento e prompta venite
para o que se emprega- todos : -. esforcos a fim A
satisfazer em tudo s pessoas aue o quizerem her-
rar com sua confiaco*. Nesta cafa ha sempi-
para vender escravos de ambo3 os sexos, reinos
mocos, assim como ha t da Fegurang para oajer.
_____^______ Antonio Josii V. de Souza.
Aula particulir cleprinieiras
letras.
Manoel de Souza Ojrdcire Si ni Oes taz scienfe i -
~cnliores pais de sens alumnos, que no dia 10
corrente so achara aterta suas aula a continua i
seus exercieios na mesma casa n. 16 da ra Tra
vessa dos Expostos; c ao reatare! panuro, q-
contina a admiltir nlumnof externos e Inlerac-
pensionistas e meio-pensionistas, nao excedend-
estes idade de 14 annos, pjdenoo admittir ate <
n. de 16, para o que tem commodo suilcienie. <
esmero quo tem cmpfegado para o melhor desini-
penho de seu magisterio, j nuil contiendo t>-
todos os senhores pais do familia i que Ihe Rm
confiado seus lilhos.
AMA
Na ra do Codorniz n. 8. precisa-se de um
.ama que saiba eosinhtr.
Ama.
Precsa-se dt urna ama livre ou captiva, c um
moleque de 10 a 12 annos : a tratar ra ra Lingueta n. 8, 2* atufar.
No collegio da Conceico precisa-so de
cozifihero.
lio:
Ra do Pharol n, 58.
Em Fra de Portas, lado da mar grande, ai-
ga-e orna casa rom bon commodos para peque-
a familia, tem duas salas, dous quartos, sot;
cozinha fra, e um paqucBo quintal : irata-e n<>
caes de Apollo n. 69.
Precisa-se i!e urna ama livre qe^ompre i
rosinhe parapeqnen.1 famHfa: nt na WrtHs, n. ''.
2. andar.
urna ama quo eozinbe, engom
) de casa de pequea familiu.
na roa d*aeMMdott. :\t
!o foaqniml^t.reTra Crm.
Predn-se de nm eaixeiro de t a t annos
para um estabelecimenio fora desta praca : tra-
tar na roa oitreita do Rosarlo n. fc
Precisa-se d i
me e faca o ser vico
preferiDdo.se escurra
I" andar._______
N escriptorio de Leal 4 rm3n, i
da Cada n. 56, precisase de um feitca-
para eudenho com habilitado, pratica, *
que dador sua conducta, preferiud-fc"
I casado dom pouca familia._______
Da-ao 2.}000 inensaes polos ser vicos de n
'X
eos (
i n.
preto, ou homem livre, na rna do Rangel n. 9, r#
Ijana. 1
CASA DA FK.
Aos 20:(KXM0l
Bilhetes do Rto venda: rujk drat2 D
vende Vira A Rodrigues.


Offerece-se nma rapiriga aoltelra para casa de
familia para coser ou engommar, preferindo-se
casa estrangeira ; quem precisar annuncie para
ser procurado. '
admmisirativ, BjereaiiO, indnstrial a agrcola da
pnivincia de Pernambuco f ara o anno de 1870.
Ate o ota 20 do eorrente estara exposto a venda
em todas as livrarias da cidado o rserido alma-
nak, preco 2*000.
ATTENCAO
Os abaixo asgignadoi l,rrlTl r rnrrrTspimfiaM
da heranca de DooMikds Ua^Irabuab.J
visto ter o se proceder em breve ao nv Mario e
partilhas dos bens deados pelo dito Campos,
qoe se Julgarem com dlreito i cndtjrji sobr
mesma heranca i frote %6< apresentar suas conlas para serem verlfieodas <
pagas ; bem como aos devedoros do fallecido Car
pos virem sausbser dentro dv msemo p;
seus debites, ra do Crespo n. 7.
Recifo 8 de janeirr de 1870.
. Carolina Mara CasapWs.
Precija-se de ua coilnheiro ou cezinhe
amado Imperadarn*7,f andar.




Diario de Pernambuco Sexta feira 14 de Janeiro de 1870.
1



-
AMA
IVecisa-se Je una ama de in i\ iilale que sai-
ha abosar e ensalmr bem* : tratar na na Im-
perial n. 215.
COMPRAS.
Oompram-se moedas de oaro e praU de to-
do* os valores, onro e prala era obras mulilisadas,
hrilhintes e mais pudras preciosas : na loja de
onrives do arco da Conceicao, no Recite.
0 museo de joias
Na m do Cabug n. 4 compra-se onro, prata
podras preciosas por precos mais vantajosos do
SO* ein outra qnalquer parte.
i.uin muito mawr vantagem cocapram-se
oiiN'Jas de oaro e prata : na loja de joias do Co-
raran de Ouro n. 2 D, .ra do Cabng.

jfMsmm m

f
\ 01NHEIR0 NA LOJA E ARMAZEM
DO _
8Boa m mpsrslwiza, s>
DE
Compram-see vendern e liiariamenteparafra
dentro da provincia escravos de todas as idades,
cores e sexos, com tanto que sejam sadios : no
ercoiro andar do sobrado n. "J6, ra das Cruzes,
fregaezia de Santo Antonio.
i'rerisa-se comprar nuia escrava de ovia
i-'.adi; quem tiver e queirn vender, dirija-te a io-
ja *V calcado da ra da C.rnz n. 21.
Onnpra-se urna esciava iinc nao soja muito
idwa, o qno saiba .-ozinh.-ir : irala-so no sobrado
u. M da rua das Trineheiras.
Compram-se
escravos do ambos os sexos : na ra do Impera-
da n. 75. 2* andar, das '.) 'la mntaas 3 da larde.
Compra so urna escr.tva de meia idade que
sa.a c isiabar : a tratar na paJara da na Bi-
veia n. 8i.

VENDAS.
ABABA
E' novidade.
O'prr.piiiiario da Rija da Arara, lem a honrado
iertorar an rcspeitavel publica, ijuc recaben ora
r.ini;i( lo sortltnen'o de fozend.ls de todas as quali-
ta-\.-<\> vai expflr a venda peta proco mais barato
<: i) p issivel, wijno sej i madapoiao de todas as
iu li'U les, ngodauinliin, cuitan e cas*as, panno
fia pretos, cachemiras prelas o de e^res, grosde-
aples pretos c nutra* umitas farondas que a vista
dus seos fr.^uezoj veiiio a sua qualtiladc do preco
com barato : ra da imncrairiz, loja da Arara
. Ti._________________
!' 700O, e bar;.:.i, vt/iule-.-u una mula-
ta de :i"i annos rom habilidades: na ra de Itar-
ln< n. ifi.
FLIX PEREIRA DA -8ILVI.
O proprietario d'estc grande estabelacimento, vendo que se est aproximando o fin-
La nao, o tendo era ser um grande deposito deposito de fazendas; nao fillaude em
ivuitadas encommendas que lhes estao obrigado todos os dias, tem resolvido liquida-
as por preco mullo mais baratos do que em outra qoalqner parte ; so com o fim
le diminuir o deposito e apurar dinheiro. Encontrase neste estabelecimento do
PAVAO, avultado sortimento de iazondas de hi.xo c tnodts; assim otero de priraeira
ecessidade. As pessoas que ncgociam em pequea escala n'esta toja poderlo surtir-
te yendendo-se-lhes pelos procos que comprara, n s casas inglesas; assim como as ex-
wllentissimas familias poderlo mandar buscar as amostras de todas as fazendas ou mnn-
tar-se-ha levar pelos caixeiros da mesma loja era saas casas; o ostahelecimento se
icha constantemente aberto das 6 horas da manilla s 9 da noite
Explendido sortimento ie ^g^wgng
roupas fetas
NA LOJA DO PAVO RA DA
IMPERATRIZ N. GO
Acha-so este grande estabelecimento com-
ilotamente sortido das melhores roupas,
tendo caifas palitots e coletes de casemira,
le panno, de brim, de alpaca, e de -todas
is mais Fazendas que'os compradores pos-
tara desejar, assim cotno na mesma loja
em um bello sortimento de pannos casemi-
;as, brins, etc. etc. para se mandar fazer
raalquer peca de obra, com a msior promp-
idlo vontado do freguez, e nao sendo
h.
-/3^
> -^

** CllMA^
&*
brigados a acceita-las, quando nao stejam prja nara vcst jos
LOJA DO PAVAO
.-.mente nm grande
soriimento das melhores e mais modernas ail-
nhas para vestidos, sendo tapadas transparentes
de lodos os precos o qualidades qao se vendam
mais barato do que era outra q'ualquer parte.
Crochs para catteiraa e solas
O Pavlo tem um grande sortimento dos
mais bonitos crochs proprios para cadei-
ras sofs, mesas, almofadas etc etc., assim
como proprios para cobrir presentes, e ven-
de-se mais barato do que era ou-a qual-
quer parle,
GLACE' A i:00 PARA VESTIDOS
O P.ivio tem esta nova fazenda lisa pro-
%PE.%IE2-Mli3
escravos ile ambos os sexo* : 'na rnn do Impera-
dor n "a, 2" andar, das 9 da mavlia as o -da
terde.
ESTOi'IM.
Xn caes 22 de NoveaiLro n. 32, vende-se esto-
pidl nra ijnebrar pedras.
CIMENTO
Da mclhor quilidurli! c por menor pre^o
q.ie era outra qnalquer parte, vendern Ama-
rali Moreira d- C. cmcu'armazemdo Caes
ila Alfaodpga n. 7.
fer em tchh e em grane
a f tOO per libra.
Domingos Alves Mstheos, tem para vender em
sen escripterio a roa di Vipnio n. ai, superior
cera i'in itrume o ca vd r.liricadas mi Lisboa,
pelo barato prego do lO por libra em lotes a
runtade do comprador.
-a
N ; armazflm de mullalos d s Srs. Carvalho
& Sou/.a. ra da Praia n. ?0, vcmlemse accas de
farin'ia de mandioca em rr> Vende-so urna agulb azimutlial prisinati-a,
para nm so observador, obra excellenla, per pre-
< 11Miiavcl : a tratar uo caes il de Novombro
n. :i.
VENDE-SK 01 ARRENDA-SE a pro-
pri-1'! nio denominada Bafra de Serinhem,
no Litoral da freguezia do mesmo nome
eotn Kr''?"de ren la da trra a receber e mui-
<03 coqueiros a losfructar : tendo, alm
disto, a encllente c rara posiclo beira-mar
e h 'ii-.i-rio, inteiramete apropriada para-^
Bnnl-t-s3 ah jualquer estabelecimento
eowiercial de soceos e molhados : a Ira*
lar Ai ra d'Auroran.SJJ, ou na do Impe-
rador n. 20.
Cortes de seda
.1 ji d.i3 Aren a rua do Crespo n. 20 A, de
Alv.im Augusto de Almeida t C. acaba de rece-
ber re h b rtes de seda de cor o pretos o inelhor
|i>-i ii.i ni morcada, asim cuno basquinas de
!'i:v!i!.ii; un! !>s bu iramento noves," cliapeo-
.iinli is do vvilndj a f imiten o muitos fcutros arti-
is. tul) d>> lilinno po lo.
Vende-se
1 ni negrlnha de idade de 12 annos, a'je tra-
tar di; meninos : compra milito Lem, e faz mais
Je ras s i s de casa : quem quizer derija-se
i Weeco i! >s FVrniros n. 3, basa terrea.
Carrosa com boi.
Vi-n le-se ama carroca nova com um boi muito
Imiii. quem pretender dirjase ruada Praia n.
37. loja < Altenqao ao hom.
Ven Je-s urna s*craa pega inucaraba recolhida
ida ; 1(1 annos, engoma, e cose-moito bem;4
ecravas para todo oserviijo, 1 dita idade 35 an-
uo-, pi lcita enfr.immadeira e cosinheira, 1 escra-
v.i pora idade 28 annos, e i giulatinho idade 13
jimios : Travesea do Carmo n. I.
Vendu-se urna bonita negrinlia muito deli
geate. mi idade de II annos, a qual veode-se por
prec,!,". >: na rua da Par. n. 31.
Vi taberna 4a rua do Hangel a. 1, vend-se
nma pela di idade 26 anaos cora urna Ulna da
ida-te de I mez.

Vendeja a taberaa 4a roa de Santa Riu n
3 : a tratar na m^sma.
far-ffEi
Venile-se nm estabelecimento de car- |
ro de passeio, em boa localidade, por I
s'u dono nao poder aehar-se sempre
tu'elk'. Assim como so faz soeledade cota
.ilguma-MMoaqneqaelra:: tratar na
rua Direrta n. \7 loja.
mmm-wmmM^
VeR'te^ ros conmfe, M mtcmw*******h^
m outnn)(NiliaMr pw.

Em iieqoenas poreSes n 8#*)0 era maiores
ai * Vigario n umtr esrlpt.>fte de JoMlta
4Suii deBastns. !fa esnfaMfciw para Ven
ler xefflmife farinha 8e mandioca, arroz, gom-
w. i .plora, irardta ein 1>arriqaftibs Mhtm.
ninho ii. Porto em anooratas e rhs de qiMo,
ad.i .iprecos r*Mftveis.
Attendo.
Vende-so o ettWKteaaanHiL. de molhados la raa
emperatriz n. 39 ; tratar na mema.
araisas francezas e inglezas, oeroulas de
inho o algodo e outros' muitos artigos
iroprios para hometis o senhoras promet-
iendo-86-lhe vender mais barato do que em
ratraqualquer parte. Na rua da Impera-
;riz n. (>0, loja e armazem de Flix Perei-
*a da Silva.
CERA DE CARNAUBA.
Vende-se urna grande porco de cera de
arnauba em saceos por pn;co msis batato
lo que em outra qualquer: na loja do
?avo rua da Imperatriz jn. O. De Flix
Pereirada Silva.
FAZENDAS PARA LUTO
Eucontra Q^Hemvcl publico neste eslabeleci-
nento ura Spidl sVbraento de fazendas pretas,
.orno sejanW cafcaswancezas e inglezas, chitas
irelas de tonas as qualidad ?, fazenda de lia de
odas que tem vinJo, prop as para luto, como
iijam, laazitifes, alpacas ^ndas e lisas, cantan,
lombazinas, meno, etc., <}k tildo >e venda por
oreco barato.
AS CA8SAS DO PAVAO
Co\ad-i a 300 rs.
Vendau-so ftnissinws eassas francezas com lia-
las desenhos e cm flxas a 30 rs. o covado.
Vladapolao francez a 7|i000 rs*
Vende-se pecas de madapolao francez
:om metros pelo Haratissimo preco de
'$000 a peca, pechmcha.
Alias novidatos era sedas.
Chegou um grande sortimento das mais
noderaas poupelinas ou gorgures de seda
? linho com os mais elegan'es padroes que
tem vindo a este mercado sendo, miudos e
^raudos, tanto em cortes para vestidos como
para vender em covado, assim como um
bonito sortimento das mais bonitas sedas
lislradas que se vende tudo muito em ceBta
Grosdenaptes de cores
Chegou nm grande sortimento dos mais
bonitos grosdenaplcs de todas as cores para
vestidos que se vendem muito mais barato
lo que em outra qnalquer parte.
GRANDE PECH1NCH A A 5:000 RS. PECA DE
Brefanha
Vende-se pecas de superior bretanha de
ilgodSo tendo quatro palmos do largura
x>m 20 varas ou 2 metros cada peca, esta
tozenda seria para costar 8^J000, a nlo ser
ama grande compra que se fez, c liquida-se
i 5/5000, cada pvfa.
m ?ii il m,
L.USINtAS LUSTROSAS A 400 RS. O CO-
VABO.
S o Pavao
Vende-se um grande sortimento das
mais modernas e_ elegantes llasiahas para
vestidos, com as "cores mais novas que tem
vindo a este mercado, sendo com lislrinhas
raiudinhas que parecer de urna s cor e
om tanto lustro que imitara perfeitamente
s poupelinas de seda, e vendera-se pelo
barato preco de 400 rs.
Breiaahas'de rol a AOO a
pee
Vende-se superior bretanha de rdlo ten-
do f0 varas ou 11 metros com 4 palmos
d largura pelo barato preco de 20500,
pichincha.
OgsetinsdoPavo
Vende-sfros thais bonitos setkjs de cores
8 mais encorpados proprios para vestidos
tendo de diversas cores.
AOS PALfrOTS DO PAVAO A W e
20iJ000.
Vende-se um bonito sortimento de pHto-
ts francezes sendo, sobrecasacados e pro-
priamente sobre-casacos, que se vendem
torrados de alpaca a 48OO e forrados de
teda a 204000, pechincha.
e vende se pelo haratissimo preco de 1:200
rs. o covado, pechincha.
Orgaadys a 360 rs.
Vende-se os mais bonitos organdvs de
cores com padioes miudos egraudos." sen-
do todos de cores fixas, pelos baratos pre-
Cos de 300 rs. o covalo.
ALGODO ENTESTADO
Vend-se urna grande porc5o de algodo-
sinlio americano com S palmos de largura
proprio para lences o toalhas tendo liso o
trrncaoo que se vendo por preco muito era
conta.
Paoos Chegou um grande sortimento de pecas
de panno de linho do Porto que se vendem
de 700 rs. at l<5000 vara, g.irantindo-se
que em fazendi de linho nao ha nada rae-
Ihor, nem mais proprio para lences e toa-
lhas.
PECHKHA EVi CHAPEOS DE SOL
Chego nm grasde sortimento dos me-
lhores chapeos de sol de seda, iuglezes ten-
do nesto art'go o melhor que tem vmdo ao
mercado assim como nrtfa grande porc5o de
ditos de alpacas do todas as cores e todos
so vendem por preco muito mais barato do
que em ottra qualquer paite, por haver
grande pcrc3o.
.encos brancas
Vende-se um grande sortimento de len-
cos brancos para homem, sendo a duzia a
10600,20000 e 30000, ditos abanhados
mnito finos a i0 e 60000 a duzia, ditos de
esguio fazenda muito superior a 50, 65 e
70000,
Pechlcha em asentirs a ..OO
Vende-se Gnissimas casemiras de cor com
listras ao lado, tendo duas larguras e com
as cores mais novas e mais bonitas que tem
vindo ao mercado, pelo haratissimo preco
de 40000 o covado ou 70000, cada corte
de calca.
Os baloes do Pavao a 2SO00,
Cheg u um grande sortimento de baloes
ou crenolinas do feitio mais moderno mnito
proprias para vestidos ennesgados que se
vende pelo haratissimo preco de 20000 ca-
da um grande pechincha.
AS feAVBRALAS DO PAVO A 4:500 RS.
Vendo-Be urna grande porco de pecas
de finissimas cambraias brancas transparen-
tes tendo !8 jardas, com mais de vara de
largura pelo haratissimo preco de 40500, a
peca sendo fazenda que nanea se venden
por menos de 80000, grande pechincha.
GRANDE M1YIMDE
Quaado a AGUIA BRRNCA, mais precisa sciemiiicar ao respeitavl publico em
geral, o em particular a sua boa freguezja, da immensidade de objectos que ltimamen-
te tem recebido. justamente'qoando ella menos o pode fazer e porque essa falta invo-
luntaria ella confia e espera ds benevolencia de todos que Ih'a altendero e relevaro.
continuando portanto a dirigirem-se a bem conhecida lija da AGUIA BRANCA rua do
Queimado n. 8, onde sempre acharao abundaucia era sortimento do superioridade em
qualidades. modicidade em precos e o seu nunca desmenttido AGRADO E SINCERHJADE
Do que cima fica dito se rahece que o tempo le qw a AGUIA BRANC\ pode
dispr, erapivg.ido apezar deseos cusios nodesempenlio de b:-ra servir a aquellos que a
honram procurando prover-se em dita loja do que necessilain, entretanto sem ennutnc-
rar os objectos que por sua natureza s5o mais conhecidos ali, ella resumidamente indi-
car aquellas cuja importancia, elegancia o novidade os tornira recomraendaveis, como
b'm seja :
Corpinhos de cambraia, primorf smente
enfeitados com fitas de setim c obras essas
cuja novidade de molde o perfec3o de ador-
os Mas mni largas de diversas cores e qua-
lidades para cintos.
Leques desse objecto muito se poderia
dizer querendo descreve-los minuciosamente
por suas qualidades, coree c desenhos, tul
o grande e variado sortimento que acaba
do chegar, mjs para nao massar o pretn-
deme se lhe apresentai o que poder de
melhor.
Entremeios em pecas d 12 liras.
Guipure hranco e preto de diversas qua-
lidades o desenhos.
Ditos de algodao rom flores e lisos.
Veos de seda para ceapeiinas o monta-
ra.
Aeias de seda para noivas.
Ditas abortas de fio de Escossia.
Costumes ou uniformes'para meninos.
Enxovaes completos para baptisados.
Capellas brancas para meninas.
Grandes sortimento de flores finas.
Fil de seda, preto.
PERFUMARA
Grande e constante sortimento de dita,
sempre melhor quajidade.
Lindos vasos era p de arroz e pinsel,
Caixinhas com ditos aromticos.
Bonitos e modernos pentes dourados
para circular o coque.
Bonitos brincos de plaquee.
Adereces c brincos de madreperolr.
Caivetes finos para abrir latas.
Thesouras para Irisar babadinhos.
Aspas par/ balo
Novos sldrto>cop"os com 48 vistas, as
quaes sao movida por ma machiuhmo
um.is suhstituetn as nutras.
Vistas para sUreoscopos.
Bonitas caixinhas devidro enfeitados com
pe ilras.
Ditas de nudeira envernisada cora vispo-
ras o D)in duajins.
Bollas de borradla para brinquedo de
O Campos da rua do Imperador n. 8.
no mtnito de servir satisfatori menie ao*
seos innmera veis amigos e freguePs. **?
particular em peral ao retpeit.ivci-pirlilici),
desta cidade ; avisa aos que wtiwwni pas-
sando o tempo c dmoso, nos dol itaveis
arrabaldes desta capital, que tm n-solvid*
vender, de de superior qualidaih a pr-c^s
razoaveis. os seguintes gneros a saber:
PARA CIMA D APARADORES
Latas com doce em calda de diversas
qualidades nacionaes e estrangcii'o.s. ,
Ditas com peixe a saber; salmn, osr*
e lagostas.
Ditas com ervilhas fr.nncezas c portugui;-
zas.
Oitas com gela franceza.
Cerveja franceza verdadeia Do&.
Presunto para fiambre e afiambrados.
PAM DISPENSAS
Latas com chouricas novas sendo fle S,
cada urna.
Presuntos de Laraego nara lompWro.
Cuias do Para (pintadas pfitos iUigcm
daquella provincia.
Copos de vidro com dobfadica e tanif
[tara diversos misteres.
PARA OS QUAUTOS DE IORMLA
Porta-phosphoros cheios de phosphoros
de segni-c-nra.
PARA SALA
Churulos de S. Fclix do afumado fabri-
cante Costa.
Fumo picado do Daniel de S. J fio u
Rio de Novo.
Alm desses gneros, o Campos lem n-
viccSo de que o seu estabelecimi-nto \m
dos que podem satisfacer com girrantras id
exigencias bem entendidas, dos illusira-l.v
habitantes desta heroica provincia, poiqi^n-
to s- acha elle bem prvido de g'netoS su-
periores, de maneira a nao desmeniir
O Campos.
COLCHAS DE FSTAO
Na lija do Pa?ao veode-se um grande sortimen-
to de colchas de fastao sendo trancas e de cores
utas de croch para camas de noiva, assim como
lonitos. damascos de lia para colchas.
Na loja to -Pavio vendem-se os mais
Donitoe hales rfe verdadeira cachemira de
'/dr, com os desenhos mais modernos, a 60,
19 e 120000, muito barato na rua da Im-
peratriz n. 60.
BASQUINAS A 120000
Na loja do Pavao vende-se as mais mo-
larnas basquinas ou manteletes de gaipWe,
oelo barato preco de i*|000 cada ataa.
Cortes de organdys com Barras
Para a loja do Pavio hegaram, os mais
bonitos cortas e orfsa%scMb^ans, rtsio
.-.ada um em seo cartio, co -campe* 1
iTgarioo, muito proprio para fazer pre-
enteU'
Tonquinhas de fil, sapatinhos bordados crianzas,
e meis para ditos. Diverso? obje-ctos de porcelana, proprios
Caraisinlias bordadas para dilo's. para enfeite* de mesa e de tapinhas.
S08TIS1ENTO PARA 4 FESTA
Vende-se por menos de 10* 20 e 30 0fo
SO' NO
EQKSBKVATIVfl
N. 23Largo do Terpo.N. 23.
DE
*-
AS POUPELINAS DO PAVO A 500 RS.
Chegaram as mais lindas poupelinas de
a com imitacac- das poupelinas de seda,
umi fazenda muito leve cora as mais lin-
das cores, sendo: verde Bismark, rosa, azul
lyrio, c nsento, perolla etc, .etc. e vende-se
felo "batRissimo preco de 500 rs.
Fustes brancos para vestidos
Chegou um lindo sortimento dos mais ba-
ratos e bonitos fustes brancos com listras
e cdrdCes, "sendo fzenda tostante larga e
flexivel, muito propria para vestidos e rou-
pas de meninos e vendem-se a 646 o ca-
vado.
BONITAS LAASINHAS
OU ANAOlNAS A 10000 RS. O COVADO.
Chegou para o Pavo, um grande e va-
riado sortimento desta nova fazenda de 15a
e seda propria para vestidos, com os mais
delicados desenhos emais modernas cores,
tendo bastante largura que faeta fazer-se
nra vestido cdfh poucos covados, pelo bara-
tissimo preco de 10000 o covado, por j es-
taretn muito prximos da festa.
CRETONES MAHADOS PARA VESTIDOS
A ftO E 800 RS.
Para a loja do Pavaa chegaram os mais
bonitos cretones asemos mtiaados, .pro-
prios para vesidas, roujiio chambres etc.
que se vendem 800 rs. o covado, assim
como a mesma fazenda em^nMfas cla>r
proprios para vestidos e roupas de mttoi-
nos a 640 o covado, sendo os padriins mais
moderuos que tan vinpo ao asreado.
Chira* franoesag
Para a loja do PtSo (flRWWm as ma*s
lanas e bonitas chitas escupa, iMoprkmsole
francezas, e veads-se5 wf:aojado.
SIMAO DOS SANTOS ft C.
Os proprietarios deste bem sortido armazem de secco e molhados esto re-
solvidoi a fzef 'ma grande dimtojiico fc pretre as suas mercadorias, como se apro-
xima a festa o sempre se fazem avultadas compras para o centro e praca, poi
isso previnem ao respeilavel pobtico em geral, qao mande faz^r suas des|*encas e oer-
tos de que verao a grande dilereaoa em precos mais do que em outra qualquer parte
e garantindo-se as superiores qualidades.
GAZ AMERIGANO 9,5500 a lata, e 440 SEVAD1NIIA E SAG 280 rs. a libra e
rs. a garrafa e 680 rs. o litro. 620 rs. o kilogrammo.
VINHO VERDADEIRO FIGUEIRA 560 FARINHA DE ARARUTA VERDADEIRA
a garrafa, e 4^500 a caada e 800 rs o ti- 640 a libra e lioo o kilogrammo
tro. ROLAXINHA INGLEZA MUITO NOVA a
DEM DE LIS00A das melhores marcas, 400 n. a libra e 8(K)rs. o kilogrsmmo.
400, 440 e 800 rs. a garrafa, a 20SOO e i VELLAS DE ESPARMACETE 70 rs. o
30200 a caada, 660 e 720 rs. o litro. i mas, em caixa ha abatiraento.
DEM BRANCO DE LISBOA a 40000.1 PHOSPHOBOS DO GAZ E DE SEGU-
a caada e 560 a garrafa, e 840 rs. o litro. RANGA, 280, 400 e 560 rs. o masso,
BRACO DE OURO,
- Rua do Imperador n. 26
Neste novo estabelecimento t'tir..!.ira-so
diariamente um variado sortimeut" *- bo-
liobos parach, pastis, podio bidl"S io-
glezes, p3esde l presuntos, ditas, m rixm-
ire, superior cha llvsson. preto, e isjiidi-
nho. Vinbos finos de todas a^ qualu!
conage, licores, conservas. Qnaanpa^ittl r-
veja ingleza, frnctas muito Mn>, bj.
luguezas e francezas. j
Um completo e variado sortriniito-do
caixinhas de todas os gostos e pfjqu* met
mimosear senhoras, estas cailinfias rrcaj-
lenrPntc ehegadas de Paris s2o de iiiiv-.
do goslo, ofieresse-mo-las aosgalimitM';< i
do bello sexo pois aellas acharan nm dictio
e serio presente para as donas th^ seiis
pensamentiis. Tambem osaprfciai!"i'-s d.i
ha fumaca encontrarao cliarutns d-s raf-
Ihores fabricantes da Baha e de {(avana
sganos do Rio de Janeiro etc. etc
Doces d'ovos seceos, christalisadi s c 'Ir-
calda, ditos de caj ede outras epialidadi
Nesta casa recebem-se eucoramend.> vh'nt
bailes, casamentle baptisados equalquer
encommenda8 avnlss, como seja pao d to
e bidlos enfeitados e outros muitos muzas
que enfadonho mencionar.
3/1200 e 60500 a groza.
ASlEfXAS EM LATAS E CACHINHAb
DE M1T0S TAMANHOS 10280, 20500
30500,40500, 50500 a lata e a retalho e 10
a libra.
G05ISA DE MILHO AMERICANA 400 rs
hra .10060 e 20780 o kilo- masso- e em caixa ha abatimento.
libra, WW o 2078U o kilo- mkns NQVAS DE ySR()A m ^
VINAGRE VERDADEIRO DE LISBOA
200, 240 e 320 rs. a garrafa, 10400,
10800 e 20200 a caada,
AZE1TE DOCE DE LISBOA 900 rs. a
garrafa, e a 70 a caada, e 10340 o litro.
MANTEIGA INGLEZA FLOR 10400 e
10280 a
grammo.
DITA FRANCEZA 960, 900 e 850 rs. a ,lbfa> era ca,xa faz-se ^batimento,
a libra, e 20100, 10980 e 10860 o kilo- SERVE JA INGLEZA MARCA H 50500
grammo. a duiia e 500 rs. a garrafa.
DITA PARA TEMPERO 560 rs. a li IDEflf BASS, VERDADEIRA IHLERSA
bra, 10220 o kilogrammo, em porco se BELL, i 800 rs. a garrafa e 90 a dnzia.
far abatimento. VINHO DO PORTO ENGARRAFADO DE
RANDA DE PORCO DE BALTIMOOR DIVERSAS MARCAS 40COO, 10200, 10 e
720 rs. a libra, e 10560 o kilogrammo, em 800 rs. a garrafa.
porco se far abatimento.
ARROZ DO MARANHO E DA INDIA
I20e rs. a libra, 260 rs. o kilogramo e
30400 a arroba.
ALPISTA 200 rs. a libra e 440 rs. o
kilogrammo, e 60000 a arroba.
CAF EM GRAO 60 e 60500 a arroba,
200,240 e 260 re. a libra. 440 e 520 rs. o
kilogrammo em sacca se far abatimento.
SARAO MASSA a 240 e 200 rs. a libra,
520 e 440 rs. o kilogrammo, em caixa se
faz abatimento.
MASSAS PARA SOPA, MACARRAO, TA-
LHARIN E ALETRIA, 560 rs. a libra>
10220 o kilogrammo. \
BOLAGHINHAS EM LATAS DE DIVER-
SAS QUALIDADES, bem como peroa bri-
lbante, cosaWnstion, FrancyWacynel, mrxed
Britania. Mdium, Fancy-nic-^ac, a, b, c, e
soda a 10600 e 10400, cada urna lata.
GENEBRA DE HOLANDA E HAMBUR-
GUEZA 70 o 60 a frasqueira, e 500 rs. o
frasco.
DEM DE LARANJA DOCE AROMTICA,
i 10 a frasqueira e 10 o frasco.
QEIJOS DE DIVERSOS VAPORES,
30000, 20800 e 20400 em caixa ha abati-
mento.
TOUCINHO DE LISBOA MUITO ALIO
400 rs. a libra, e 880 rs. o kilogrammo,
e 110600 a arroba.
'L1IIGIHCAS FINAS PROMPTAS EM LA-
TAS 10000 rs. a lata.
LOMBO DE PORCO ASSADO JA PROMP
TO a 10000 rs. a lata.
.'CHA FINO. GRADO E MIUDINHO
30200 e 20800 a libra, e 60160 o kHo-
grammo.
'DEM PROPRIO PARA NEGOCIO 0O0O.
20200 o 10800, rs.afibra.
Resta venda um escolhido sortimento de o.v-
,ectos de marcineria, como sejam, mobilia di- ja -
jaraud, mognoeamarcllo, obra nacional < e?trmi-
aa rna ostreita do Rosario n. 32. Nesto inesm
asa fazem-se com perfeicao todos os trabalbos da
lalhinha, como sejam, empalhamentos de .-. r r.j,
ara camas, radeiras c sijphs.
Vende-se urna bonita crioiil;i pi-r.-i dp !.;
annos; com urna cria de I anno, laman pr.-t.r:
na rua do Horta? n. 96 Na mesma Basa ha na
iros escravos para *e vonder.
Vende-se um arruino americano v dnns >
ijuatro assentns: para ver e tratar na Tua di Plo-
remlina, olllcina rio Sr. Grosjean.
Cal de Lisboa
chegada no ultimo navio, lem para vranYr ]<*-
qmm Jos Godcalves Beltrao, no seo wnpMrt i
roa do Ommereio n. 17.
Assim como ha outros muitos gneros, vinho em ancoretas, azeitonas,
muito novas, passas e figos novos, charutos do diversas marcas, mermelada,-taita palos
melhores ctmserveiros em Lisboa, gela de marmello, pcego, srvimas, sK tm, por-
tugjiezas e francezas, vinho verde engarrafado retalho, peixe em latas, boa como
pescada, tainba, pargo, goraz, lula, corvina, vezugo, cava I la, sarta esardfshas de Nan-
tes. Ganella, cravo, ervadoce, cominho, pimenta, grandesmolbos de sebolla 10500.
Finalmente muitos outros gneros que enfandonbo menciona-dos.
PARA A FESTA
3 poitis, 1-ja de fer tKm
53-Baa Dirata-53
Nfc loja e armazem do Pavao rvi da lmpmttoh n. 60.
CEMENTO
PORTLAND.
Vende-so no armazem amarello de Vicente Per-
MeSte frtnSe Siaabetecimpolo, ha para vendar reira da Costa & Fimo, defronte do arco da Coo-
um einpMD aoMtaea*>e larnsJMa, -^MaSflaas, eeicao, em barricas grandes.
finas a-fcrSsas, orno sejam baniejM MnasSs -----------z------------------~-----------------
qd*drdas e-ovaes, facas e garios Se I lie-. (iIlTlha I rni'l A^ !
Ses^aMMBl) ISMro e l/l kilancp; paellas, cha- U Ui\ ^IH'1^- ^'
IheMs, aeaMltas frigMelra,, auMeiraa, tanto MAP^E DBOS. *.
de fefrn esma'^a porcelana, omnoapara cale de l Teei" l)ara wn*r vinho do Prtrtn Aso o de pas-
divrsos lmannos do fabrteante iapvrpesokilo- era baLrr,s de 1a,nt" e dcimo : rl*oii ultima-
gramitM, wat) Se Afro como detallo, metros wnteobem canecido vinho enrrrafedo -lagri-
paTa medir fazenda Unto de ferro eemo "de lBo, ,Bas do JnVR bem assim anw
lastre, breo, bai-titan, Sawfre. papel marca via-
da, do verdadeiro Picardo, machinas para deoca-
rocaralK**ao; atm de otifros artigos de femt-
gem, mitfSaus entilarla ta'so verifica ; na rna direita S3 laja de 3 pr-
U3 de Maooel Beato de Oliveira Braga* G.
fino eseapattas e eSMtVLHaO wm
~" SAL fDO ASS"
Vende-se superior sal-dotAMo'. alvo groaso :
a tratar a bordo da'barfa-'nattonal Fleika, ou com ------
Harquos Barros C, no targo'do Corpo-Saatoa.- Ja do OhMdf bav*i1daus Wtttr** liqnidt*
6, 2 andar.
Rheumatsmo e moles-
tias syphiliticas.
Arrobe vegetal, xarope de saisa|ianilrr.r
do Pai, ptalas e xarope de vtame, tin-
tura e xarupe de siropira.
Duernas do ligado e ba$o, m-
ma, opilado, lo.
Emplasto, oleo, pomraada tintura, -pi
lulas, xarope e vinho da milagr >sa Joro-
be ba.
Selles on febres intermilonl^
As pillas anti-periodicas de Pinta.
nico deposito destes medicamnit m na
pbarmacia de seu autor roa larga do Ro-
sario o. 10, junto ao quartel do rorpo- d*
polica.
NA PHARMCIADOBINTORUA I.AR(ABf)
ROSARIO N. 10 JUNTO A0 QUAK-
TEL DE 'POLICA.
Acham-se constantornante promptas

ertm satisfeitas, ss prescrip?t'8 dos Srs.
facultativos, e as oecessidarJes Hosenfrnns?
s especialidades da mesm pharmacta.
composta de me licamentos, tanto indge-
nas, como estraogeiroa.
To>ses e molestias do peito.
Xaropes de Megeso, -rabo de iat,
Acrilo, peo Cardoao,Juc, mulungi"i, i, t:
ara'a. etc-aac .
Liquidaqao.
O proprietario da -toja, dlnominada Garibjld*,
faz ver ao respeilawtpblidoie sea" fr^gneze-. qtM
tendo eonrlaido sea balance, como ile rosuime
dar-sa no flm de cada anno, e tendo o me-nm i>ro-
prietario feito diver^wbatlmentos em su faz-n-
das para servir seusCAragoeSM, como s-jam algn-
raas abaixo roencimadas. -n sabei : madaiflSs
5d e bom, algodao peaan (^e 5, ernta-' fcn.re-
zas a 380 o covado, caasas francezas a *40 o co-
vado, alpacas de cotwpara-vestidos a .100. eva-
do e outras mnias atMda* ^ue seria nfad.uko
mencionar por faltacdtftampn,'fazendas nrnas pam
a quaresma a saber : iroadanaples pn-i" de
das as quliatdes, panno lloo jreto .tu i> *
qniH.de,-tenirra*#Io;8e^w.-s imt -
maites faz>nda^VkmMlf urn *r 'I" I''"-
o B>maraIinperaVtrloja Jo ftinlMi.b i
m-wnliKiTiara niiisS* engaso na ftanb- 1

cao em ledra grande-


6
Diario de Pemambuco Sexta
AGUI NEGRA
t
I
o
C5
BENTO MACHADO fr C,
A AGL'LV NEGRA animada cora bom accolliimerito que te ve em seas annun-
cios, vem de aovo participar a seus frcguezes, que. acaba de receber um variado sor-
taeoto de objectos de gusto, os quaes serlo vendidos por procos muito razoaveis, pois
qiiando fez os scns primeiros annuncios, fui o que as-egurou, e sera mdo de errar,
porque crno j disse est ligada por interesses a urna casa importadora desta praga, e
pi)r isso poder ter ludo especial e wnder por precos adrairaveis.Chama pois a atten-
co de seus frcguezes para os artigos que possa descrever :
Livros com o tampo de marfim, madre- l'm vanado sortiments de charuteiras e
oerola e tartaruga, proprios para missa. palliteirn? de porcelana,
rihranohas valias proprtai para prsenlos Tcnt03 para Voltarete.
JLOJA
DO
GALLO VIGILANTE
AS MVAS SEDAS
-m
J cordeiro pre vidente
11--&UA DO QUEIMAD0--11
Chegram da Europa "pelo ultimo vapor loja de Augusto Porto 4 C. ricos
cortes das mais linda sedas de mimosas cores para vestidos proprios para bailes e casa-
mentos.
Grande variedade de sedas de listras de diversos precos todas de lindas cores,
gorgurSo de seda preta, e grosdenaple de varias qualidades e gorgurao de seda ISa de
diflerentes cores.
Novos vestidos brancos de blond para noivas, lindas colxas de seda para camal,
ditas de 13a e seda, cortinados bordados para camas e janellas fronhas e toalhas de
cambraia de Iinho bordadas.
Luvas novas de Jouvin.eelegantes sombrinhas de sedas de cor para sennoras.
Esparlilhos de 5 at iOt, lindos boornous de cachemira de. cor para sahida
de baile, basquinos de renda preta, e ditos de croch branco e preto para senhoras.
Grande variedade de camisas bordadas e lisas para bomens e meninos.
Sortimento de muitas fazendas de 15a, Iinho e algodao todas por precos muito
mdico.
Tapetes grandes^para sof, piano e camas, pecas de tapetes o de alcatifa para
jperiores e bonitos legues d.j madreperola,, forrar saloes todo m quatidade: e vendem sempre'por menos que em outra qualquer
fim, sndalo e oaso, sendo aquellos brancos n-rto
com de gosto.
Indispensaveis le palinha e de couro pro-
prios para senhoras e meninas traer nos
bracos.
Binculos di madreperola, marfim c tar-
tarai todos esmaltados.
Cintos largos de setim, cousa inteiramen-
ti nova.
Pitas de sarja de todas as cores e larga*
ras pira lacos.
Toacas, sapalinhos meias de seda c mais
.Ticnces para baptisados.
Fitas com inscripcoes proprias para bou-
qet de oa,
Ricos vasos com p do "arroz.
Um variado soriimente de jarros de por-
cina.
Ranga I las corn marfim, cousa especial.
Sabonetes de alcatrJo.
Cofres de folhas para dinbeiro.
Lindas caixas para costura.
m completo sortimento de luvas de pe-
lica,
TalagoriO parabordar.
l'm completo sortimento de enfei.es de
seda para vestido.
Perfumaras de todos os autores os mais
acreditados em oxtractos, pomadas e leos
e finalmente outros muitos objectos que nao
possivi I mencionar ; mas com a
certificarao do sortimento deste
cimento.
vista se
estabele-
Aguia Negra, ra do Cabug n. 8.
iwnmmm huiii ..
|||tfi
SY.it
f 8
llua do Cresp* n. 9
Os propnettrios deste bra contcido estabele-
cimento, alm dos muitos objectos que tmham ex-
postos a apreciado do respeitavel publico, man-
daram vir e acabam de receber pelo ultimo vapor
da Europa ura completo-e vanado sortimento de
finas e mui delicadas especialidades, as quaes es-
to resolvaos a vender, como de seu costurae,
por precos muito baratinhos e comniodos para to-
dos, com tanto que o Gallo....
Iloito superiores luvas de pellica, pretas, brau-
cas e de mu lindas cores.
Mui boas e bonitas gollinhas o punhos para se-
nhora, nesle genero o que ha de mais moderno.
Superiores nenies de tartaruga para coque?.
Lindos' e riquissimos enfeites para caberas das
Exmas. senhoras.
Superiores trancas preas e decores com vidri-
Ihos e sem elles; esta fazenda o que pode baver
de melhor e mais bonito.
Su:
marl
com lindos desenhos, e estes pretos.
Muito superiores meias fio de Escossia para se-
nhoras, as quaes sempre se vendern) por 30J000
a duzia, entretanto que nos as vendemos por 20,
alm destas, temos tambem grande sortimento de
outras qualidades, entre as quaes algumas muito
finas.
Boas bengalas de superior caima da India e
casto de marfim com lindas e encantadoras figu-
ras do mesmo, neste genero o que de melhor se
pode desejar ; alm destas temos tambem grande
Juantidade de outras qualidades, como sejm,ma-
eira, baleia, osso, borracha, etc. ele. ete.
Finos, bonitos e airosos chicotinhos de cade e
de outras qualidades.
Lindas e superiores ligas de seda e borradla
para segurar as meias.
Boas meias de seda para senhora e para meni-
nas de 1 a 12 annos de idade.
Navalhas cabe de marfim e trtaras para fazer
barba; so muito boas, e de mais a mais sao ga-
rantidas pelo fabricante, e nos per nos vez tam-
bem asseguramss soa qualdade e deliendeza.
Lindas e bellas aipehas para noiva.
Superiores agu has para machina e para crox.
Liona muito boa e peso, frouxa, para eneher
labyrintho.
Bons baralhos de cartas para voltarete, assim
como os tentos para o mesmo fim.
Grande e vanado sortimento das raelkores per-
fumarias e dos melhores e mais conheeidos per-
fumistas.
COLARES DE ROER.
Elctricos magnticos contra as convnteoes, e
fanlitam a denticao Jas innocentes maneas. So-
mos desde muito reeebedorcs destes prodigiosos
collares, e continuamos a recebe-los por todos os
vapores, afim de que nunca falte ni no mercado,
eomo j tem acontecido, assim pois poder aquel-
es que delles precisare, vir ao deposito do gallo
vigilante, aonde sempre encontrarlo destes verda-
deros collares, e os quaes attendendo-se ao fim
ara que sao applicados, se venderlo com um mui
minuto lucro.
Rogamos, pois, avista dos objectos que deixamos
declarados, aos nossos freguezes e amigos a virem
comprar por precos muito razoaveis loja do gallo
vigilante, ra do Crespo n. 7.
Machinas vapor de
a de 3 e 4ca-
vallos.
Motores para 2 cavados.
Arados americanos.
Machinas de faci e serrotes para desca-
rocar algodao.
Balancas para armazem e balcao.
Camas de ferro.
Cofres de ferro de Milnez e de Uhit-
eld.
Prencas para copiar carlas.
Fogo americano patent
forp
parte.
Esteras da India de 4,5 e 6 palmos de largo.
TTlllii Aft'LE.\0
(raito armazen de fazendas e roopas feilas rna da Impcralriz
n. 2, porta larga, de Paredes Porte.
Neste cstabereeimento encontrar o respeitavel publico um bonito sortimento
de roupas- de todas as qualidades, palitots de alpaca a 3, 3#500 at (5<>. Ditos de
merino, tutos de casemira de cores bonitos gostos a 5$, 6, 8$ e 10$, de panno preto
sacos e sobrecasacos. Dkos de brra pardo finos e ordinarios. Ditos de alpaca branca
e de cores de 30500 a 5)5000. Calcas de brim de cor finas e ordinarias, dita?
brancas de todas as qualidades, ditas de brim pardo fino e ordinario, ditas de casemira
de cor e preta de 4& 55, 65 a 150. Golletes de todas as qualidades e prec muito
barato. Completo sortimento de camisas francezas de algodao e de buho de 2 at 5
urna. Sortimento de seroufes franceza* de algodao, de Iinho e bramante a 20 e 20500.
Gravatas (manas) novissimo gosto a todos os precos. Mfeias sortrn^nto completo a 30.
40 at 70 a duaia.
ROUPAS PARA MENINOS.
Encarrega-se de qoaesqner obras de encommeMa tanto para homem, como
para meninos, e eom brevidade, por isso que tem um bonito sortimento de fazendaa de
todas as qualidades tanto em casemiras cerno brins, pannos finos e outras muitas (a-
zendas.
FAZENDAS
Bramantes de 11 palmos de largura a 10800 o metro.
Caiiibraias de cor e branca.
Alpacas de todas as cores a 640 r. o covado.
Poilde-cbvre com lista de seda feaenda de gosto a 10200.
Basquines de guipure enfeitadas a 180000.
Sortimento de chitas escuras e claras a 280, 300 e 360 rs.
Madapolao ftno a 60500, 70, 80 e 90000.
Algodao peca com 20 jardas a 40500, 50500 e 60000.
Peca de algodao largo a 70500.
E outras muitas fazendas que ser enfadonho mencionar Cheguem roopa
feita que|se est liquidando na loja ra da Imperatriz n. 52 Qunto loja de ourives) do
LEAO DA PORTA LARGA
DE
Paredes Porto.
LOJA DAS MACHINAS
BASTOS
Acabam de chrgar grande quatidade das verdadeiras machinas americana
para descarocar algodao de todos os systemas e tamanhos seguintes :
12 serras 12 serras |f|.
. 14 ditas 14 ditas
15 ditas 15 ditas .
16 ditas 16 ditas
18 ditas 18 ditas
20 ditas 20 ditas
22 dttas 22 ditas
25 ditas 25 ditas
30 ditas 30 ditas
35 ditas 35 ditas
40 ditas 40 ditas
is qaaes se vendem por precos commodos e roga-se as pessoas que dellas fizeram en-
oommendas de algons tamanhos, obsequio de as mandarem busca-las o mais breve pos
nvel afim de Dio baverem faltas.
RA DA CADEIA N. 56 A
Cal nova de Lisboa
chegada no ultimo navio : vendo Ioaqum Jos
Ramos, na ra da Cruz n. 8. 1* andar.
RO BAZAR DA MODA
DE
JOSL DE SUIZA SOARES & C,
Ra Nova
VENDE-SE MUITO BARXTO PARA LIQUI-
DAR A DINHEIRO.
iAivaN.
De pi;lica branca muito frescas, chegadas
por este ultimo vapor para homens. senho-
ras e de cores e pretas para meninoso
par 20000.
Minhas festas!!
Lindos objectos para miraos, como sejam:
Estojos e caixinhas de msica, bolcinhas *
sestinhas. vasos e balainhos de porcelana
donrada, figuras, tinteiros. port-bouquet
caixinhas para j jas, interesantes conchinha<
com frascos para excencias, ricos quadros
para retratos, apparelhos de plaqu, cama
feo e madreperola, lindos vasos com perfu-
maras etc. etc, e muitos outros objecta-
para este fim.
chapeo* de sol ou sonbrlabas
de setim ricamente enleitados e mais mo-
dernos que pode haver para senhoras a
140, 160 e 180000.
GUIPURE OU CROCH
preto ou branco que o pode haver de mais
bonito empadrSes e superior emqualidade>
para casacos, capinhas, corpinhos, meias
saias etc. e vende-se muito barato.'
LINDXS CAMELIAS
brancas e cor do rosa nv dous tamanhos
cada rosa a 10200 e 10500.
Chapeo para sea ^oras,
de palha fina de Italia elegantemente enfei
tadose gostos muito modernos de 150000.
vende-se para liquidar a 100000. E' pe-
chincha.
(.az m uz "
Chegon ao antigo deposito de Henry Forster c
ti, ra do Imperador, um carregamento de ga;
de primeiraquaJidade; oqual se vondeem partidaj
e a retalho por menos preco do que em outr qna'
Roa o Qne tasado n. I O.
Movo e variado sortiwBno de perfumariat
filias, e outros objectos.
Alm do completo sortimento de perfu-
maras, de que efectivamente est provida a
loja do Cordeiro Providente, ella acaba da
receber um outro sortimento que se torna
aotavel pela variedade de objectos, speriori-
iade, qualidades e commodidades .de pre-
eos; assim, pois, o Cordeiro Providente pede
e espera continuar a merecer a apreciacio
do respeitavel publico em geral e de sua
boa freguezia em particular, pi se afas-
tando elle de sua bem conhecida manaidSo
e barateza. Em dita loja encontrarlo os
apreciadores do bom:
Agua divina de E. Coudray.
Dita verdadeira de Murray A Lamman.
Dita de Cologne ingleza, americana, fran-
ceza, todas dos melhores e mais acreditado
fabricantes.
Dita de flor de larangeiraa.
Dita dos Alpes, e vilele para toilet. (
Elixir odontalgico para conservacio do
asseio da bocea.
Cosmetiques de superior qualidade e chei-
ros agrada veis.
Copos e latas, maiores e menores, con
ponc/da fina para cabello.
Frascos com dita japonesa, transparente
s outras qualidades.
Finos extractos inglezes, amorieasos s
(rancezes em frascos simples e enleitados.
Essencia imperial do fino e agradavel chei-
ro de violeta.
Outras concentradas e de ebeiros igual-
tDente finas e agradaveis.
Oteo pbilocome verdadeiro.
Extracto d'oleo de superior qualidade,
com escolbidos ebeiros, em frascos de difle-
rentes tamanhos.
sabonetes em barras, maiores e menore
para maos.
Ditos transparentes, redondos e em figu-
ras de meninos.
Ditos muito finos em caixinba para barba.
Caixinhas com bonitos sabonetes imitando
fructas.
Ditas de madeira mvernisada contendo fi-
aas perfumaras, muito proprias para pre-
sentes.
Ditas de papelo igsalmente bonitas, tam-
bem de perfumaras finas.
Bonitos vasos de metal coloridos, e ds
moldes novos e elegante, com p de arros
e boneca.
Opiata ingleza e franceza para dentes.
Pos de camphora e outras differentea
qualidades tambem para dentes.
Tnico oriental de Kenp.
Alaada asis eoqases.
Um outro sortimento de coques de no-
vos e bonitos moldes com filets de vidrilhoa
e alguns d'elles ornados de flores e fitas,
esto todos expostos aprecia?So de que
os pretenda comprar.
GOLLINHAS E PUNHOS BORDADOS.
Obras de muito gosto e perfeiclo.
Flrelias e Mas para elaatos.
Bello e variado sortimento de taes objec-
tos, ficaodo a boa escolha ao gosto do con)
prador.__________________________
RAP POPULAR
DA
FABRffA NAMAL DA BABIA
DE
Teixeira Uldurtco $* C.
Acha-se venda este ptimo rap, nico qoa
pode soppnr falta do princeza de Lisboa, por ser
de mui agradavel perfume, viajado, e a preco o
mais mdico possivel; e por isso tem sido asss
acolbido as pracas da Bahia, do Rio de Janeiro a
em outras do imperio : no escriptoro de Joaquim
Jos Goncalves Beltro, ra do Commercio nu-
mero <7
ATTENCAO
Vende-se um sitio no lugar Caratibe, perto da
Estrada-nova, com casa de pedra e cal com quatr o
quartus, dui- sala?, casa de farinha. estribara,
peruido haiiho de agua doce, cum "O pes de e<-
queiros, 100 aitos de cafeieirns. O dt->s de laran-
lii-iras, e mitras diversas fructeira- quem preten-
der dirija-SH ao lupar Muricoia a euwmler-se com
?eu proprio dono Miguel Ferreira da Gunha, ou
da Cruz com <> Sr. Amtr IWboa Si>are^.
na ra
Primeiro introductor dos pocos tubulares
instantneos da Abyssinea.
Avi,sa-se as pessons
qu* haviam feito en-
commendas dos rel
rulos pot os que os ve-
iiham Luscar ru*
\ova 11.21, oiidtv b
teran qualquer escla
recim uto.
Vende-se
por menos do que eni outra parlo farinh da tr-
ra e ftijao mulatinho : no armaiem Independen-
cia, ra do Rangel n 3.
Elle idmiriTei
imputativo nao
coolememDier-
iodo ou
aleo i na
^.oroto modifi-
isamfucccora rc*lBeiitci9Boltiasdcpelle,Ucs como lepra, uinpigcM. uherp, u
espinan, e os Phh, te.Bopregido diariamente elle refresca a masa do tanfac e contellda o saude.
*rtlMBtO aj)ti|M O* IMMM
liSf ffflffif
TURA.
Acabam de chegar ao Grande Bazar Universal
ra Nova n. 22Carneiro Viannaum comple-
to sortimento de madrinas para costura, dos au-
tores mais conhecidos, as quaes eslao em oxpovi-
cao no IU-.I110 Dazar, paraniiiuio-sc sna boa qua-
lidade, e tambem pnsina-se rom perreicao'a todos
os compradores. Estas machinas sao ignaesi >
seu trabalho ao de 30 eostureiras diariamente, e a
-na perfeiclo tal como da melhor costnreira de
Pars. Apresentam-sc trabadlos executados pelas
mesmas, que muito devem agradar aos pretn-
denos.
vintec cinco necoe- da estrada de ferro de Olinda:
quem pretender dirija-se roa do Imperador n.
75, 2* andar, das l da inanhaa as 4 da tarde.
Vemle-se um terreno com 120 palmos de
frente para a ra da Cadea Nova e 120 para a
rua do Gaz: a tratar a ra do Queimado n. 35 A
loja da Esperanca.
A IHJCCAO GADET Cn^l^JLa
ViUt, 7, B< Denain,
J
CADET
CU RA
m TRES DAS
Ph^BDenain?
pars
Paria, 36,RaaTlTlenne, W
CHABIEmedecin
SKRTXBMIBADAS DCSHBXUAiS, AS AJTTB
gOES CVTAWtAS. I ALTOUCOBESDO SAfOOTL
f ,4oriaa#wM^flp
\ler$ou% ctMaM do mm
OEPURATIF
ln SANG
PLUS DE
COPAHU
do $..,y. llama vavMTU .rilUH >*Wtl MMMAjaB
toaao-se dous eoreaaWM. aagaiMa OMUataaM
Dtimralirn t eipragaja aat atasaus atalaa
Eiu Xaropa Citraeta
farro U CHABLI.
taiaaadiaiaaila<
puraofM. rlaMBfu
iebxliAde, a 1*4
aau oa Huaot fioru brame* das aaiharaa.-*
(su laiaeeao baaigaa aaprap-M em a Xartfa k
Citrocto (ti Farro.
MuhMm, femU* i** a ara aa iraa aa\
POMADA ANTIHERPET1CA
Costra i aa *t*CfM tMttmtm lowfrin
PILULAS VECBTAE8 DEPURATIVA!
i* av Cfeawo, tate trata tai at*a>avaft m
ta ftilht.


I
Diario de Periiambuco Sexta feira 14 de Janeiro de 1870.
0 MUSEO DE JOIAS
!


/
GOMES DE MATTOS IRMlOS
tendo feito completa mndanpa em seu antigo e
acreditado estabelecimento de joias, com ofimde
dar-lhe maiores proporpoes e elegancia, convidam
ao publico em geral e com especialidade as Exms.
Sras. de bom gosto a comparecerem pessoalmente
das 6 horas da manhaa s 9 da noute na
RA DO CABUGA N. 4
onde encontrarlo um completo sortimento do que ha de mais elegante,
bello e precioso em brlhantes, esmeraldas, rubins e tudo que em obras
de ouro, prata e platina se pode desejar.
ADEREpOS DE BRLHANTES, ESMERALDAS E RUBINS _
de novos gostos, assim como grande variedade de salvas e paliteiros de 1 j^^
prata contrastada e de gosto anda nao visto, e completo sortimento dej p^'
objectos de prata para uso das igrajas, jj ^^i
Compram e trocam qualquer joia ou pedra preciosa e garanten!
a qualidade dos objectos vendidos.
!
BCSSK3A
0 MUSEO DE JOIAS

FOLHINHAS
trMra de Mhlr 4
* wtm*m mk
LIVRARIA FRANCEZA
Roa do Crospo, X* O.
MUikM
ASECDQTKA E RELIGIOSA
PARA 0 AUNO DE 1870
PRKCO .**
Manoel Alves Ferrea & C, na ra da Moc-
da n. 5, 2 andar, lem para vender superior vinho
do Porto em ancoretas e caixas de duzias, barril-
unhos com 400 e 500 *ardinhas superiores e bar-
ricas com baffo de sabugueiro. pofassa da Russia
e cal de Lisboa
Calcadeiras a....... 8f
Grande sortimento de rendas das Unas.
Um par de suspensorio de horradla por
100 ris lll
lYa verdad rna do Qnelmad
n. 5.
COGNAC.
De saperior qualidade da mni acredita-
da fabrica de Risqtiit Duboucb C, en
cognac urna das que mais agurdente de;
cognac, fornecem para o consummo de
Reino da Inglaterra.
Vende-se em casa de Tb. iust. ra d<
commercio n. 32.
VENDE-SE ou arrenda-se o engenno
S. Gaspar, sito na freguezia de Serinhem.
comarca do Rio Formoso, prximo do em-
barque, com grandes partidos de pal e
massap i roda da moenda, mattos mangues
para nadeira necssaria, bom pasto, etc.:
a tratar na ra d'Aarora n. 26, ou na do
Imperador n. 20.
Candido Alberto Sodr da Molta 4 C, com
escriptorio c armazem na travessa da Madre de
Dos n. 14 tcm para rendar o seguinte :
Cemento Porand de i* qualidade o inelhor que
tem vindo a por 10*000.
Vinho Bordeaux das seguintes qaaliddcs:
St. Julin.
Froneac.
Lormatu.
St. Emilion.
Margan.*.
Chateau de Boychcrelle.
SL Lambert.
Lalonbere.
Duplessis.
Cauor.
Dearsesai.
Vinho do Porto qualidade milito especial.
Azeile doce retinado em eaxas de 12 garrafa-.'
Vinagre superior em garrafGes pequeos.
Farelo hamburguer, saceos de 90 libras, por
6J000.
Farinha de trigo de superior qualidade.
[larris com alcatrao, de arcos de ferro.
Fumos de todas as qualidades, se encontrar
ueste estabeleeimento em latas, rolos e fardos.
Papel de todas as qnalidades, propria para ci-
garros.
-,,3 | ouva

.,3J3 3sh.....mi/Pf!
nnoatai
i 'avaaj -i 'HM
oxisodia
^
'tuoj rp vupipMu #p jvi.udut
vwvpvjy 9d sopvtiojdv iuwmJ sojujiuvjipjm soita sopo "OSIAV
EupipDui op mtirapnav
pd sopoj(f soonod sop ran 'epBpipinb uiouiud op 3 ojnd opijucjcg
3HlU3a 30 OVH1V3V8 30 OVOIJ 30 0310
lf f t 9P W 'JBJUBf Op OfSKKW BU Spi'UIOJ U13J98 jed SB BIT|S*
-uoob tmnoiauiil p opoie-H "^ n nwssnojj josfjo.id o "'ej.ioi-) jq
sp VNI1N naiHl 30 VI3N3SS3 30 8V10U3d si:|ad supgjna ofs jcjoS
01 reso.uau saapp re spj 'wjgiej 'so3cqu:o| 'mojinas se ouioa "r^l
^oca Bisa.p WBd joibui y 'V0IX38 VO SVI1S310..
-ouiumb ap oiEjms oc onsis
-aj mb stijuB ssjqai re cano '3pnK cjioa b opiic=sajde a irtjoj sm\\
-opufp 'raju5o?^|n\uoo so ojqoe |s\iou ofboe uias 'ouiumb ap sso^Ejed
-Djd S3J0t(].ltU SBp Clim 9 '91UBJSU00 Opr|IIEJB3 9 obSisoc! J103 Eft\D soouod
sop un oqniA sjsg nbtjuoqin 9p IMlllNIH 30 OHNIA
SB0!|03 J32
j uias Sjnd onb |o.\rpej3B Epcuoiui] eum ajjqo os wcd sn9n,p cjBjae
owui na (?d aisa.p oarejj ron ja.\(os>ip jscj "300U 30 Od
UTWA uwu o opcAcjaui urai erniM cpe3 '1311VA sa timid sspd
ope)|nsoj .ioi||--)ui o moa sopiicqiuoo animas oes sosoui^illuj sop oS.ii(liio
op uiEijssojau anb soihouii.i;-' <*> o 23QIHVd V 'VIIM3NV
"CTHflJ'S 3H3.0 STOMd sn|9d sjuauqndei SBpsdis
-s!PoisSa?S33iiSBSS3 "SVmVUASN SV03n6vXN3
Sqinsrd uia no od uio 00113S 30 0(AUO o|ad SBip solux! mo ejii-j
OvVdllSNOO O0VWOS3.Q S0ir-J3UlUJJOS
INJECTION BROU
Trcale* lnrlllel r Praervatlta, abMiuUDKBi* a uine* que cura tcm m-uliuiu addilito. V,i-ue#
Mt ptaMipac katieu 4* aiiaWo. (Kiifir a auWim tm H).IUaMli xiauaca.) Paria; m m
l 1. iiaalia* Miwli. MI.
A VERADE
55Ruado Quemado55
A VERDADE tendo em deposito grandt
quantidade de miudezas e perimarias, e de-
sojando apurar dinheiro e adquerir boa fne
gnezia est rssolvida a vender muitissisu
barato, ; por essa razo comida ao respei-
tavel publico a vir competentemente musi
do a sortir-se do *om e barato. Pois quao
do a Vrdade apparece, tudo mais des-
appaece....
Grande sortimento de boneoos de cera t
massa as mais lindas possiveis vestidas ac
racter.
Abotoadaras modernas para col
letea....... 320
Espelhos donrados pepnenos. 260
Apulhas de osto para crox a 200
PfuU-s para regar; com csnta6 a 320
Ricos globos para candieiro de gaza I^SOO
Chaminsa........ 32('
Grande sortimento de objetos de
louca par^ brinquedo de menino lOt
Garrafa com tinta a..... 80(
Dita com agua florida verdadeira a 1*930'
Dita com 'Uta dita a I#0' (
Frasco com fh'co debabosa a 300 e 720
Dito com agua de Colonia a 300 e 5(K
Gai rafa com agua divina a. 1$>0<
Frasco com exlrlctos finos a I)J00
Latrs pequeas com banb.i muito
hna a l e .....: I6(
Saltonetes de diversas quali iades a
80, I60,240e..... 32
Finas escavas para dentcs de 420 a 60(
Lindos coques modernos a. 2#(KH
Pavios para gaz, duzia a 240 e 32(
Escevas para fado a 5i O, 600 e 70(
Ditas para cabello a..... 50(
Pentes par tirar pioiho a IfiO e. 24(
Brincos de cores, bonitos a 160 o 20<
Pecas de tranca de lia com 8
varas por.......
Oleo para macbina de costura,
frasco a........
Peonas d'aco finas caixas a 800 e
Dita d'aco Perry, caixa a. .
Galo de algodo peca ....
Lindos babadinhos e ntremelos
peca de 300 a......
Ditos de louca muito fino a 120 e
Ditos para calca a ItiO e. .
Caixa com papel amizade a. .
Ditas com envelopes a. .
Ditas com obreas a.....
Caixa com agulhas fundo dourado
: Ditas de ditas ditas a.....
Thesoura para costura a 240 e
Caixa com linlia de marca a .
Linha de cores em novellos (li-
bra) a........
Carreteis de linha Alexandre de 70
at 200........
Grampos muito finos com passa-
ros, duzia a .
Cartas portuguezas, duzia a .
Ditas francezas a 20200 e .
Papel alroaco e de peso, resma a
35400, 3*800 e .
L.aa muito fina para bordar, libra
: Fita de algodo para debrum de
sapatos, peca a.....
Ditas de 13a para debrum de ves-
tido, pe?a a ......
Pentes fino* para segurar ca-
bello a....... .
Ditos ditos de bfalo para alisar
a 240, 320 e......
Ditos para aparar penna a .
Rosetas pretas, par a .
Tranca <1e 13a d-caracol peca a 40 e
Fita de coz peca a 480 e .
Alfinetes^dfi latao a .- ...
Sapatos de la para rrianga a 100 e
Grvala de sedas de cores a .
80
60<
10OOt
1040
40'
om
20t
24('
700
48(
40
28(
160
500
m
50C
10(
14(M
30OK
405CM
605O
16i
48
32(
50
1(K
1(K
m
56(
10(
80i
20
Gratiicac^o de 100J
Aochet. ltima viam
dos portys tara, fug"
de bordo i .10 aun-J
de idadr, i os Sra. VJ*.i
Silgaihi Son;. ic C. por cnia do Sr. Raymi
Olimpio G. l'icas, a o Sr. Iifl|>latu llibeiro fie
Abreu, no ['i;: de Janeiro : pode-re, rorWuto.^*
ant ridadc [diciaes de*S cidade o aos capilii
de campo & captura do referid* esclavo, c deu
trecarein no ros abaixo assi^oados uetta cidaa'i,
au caes da alfandrga velha u. 2. que te re-p>iW^
hilisara p d^pwas que. se lizerem, sr.
tifie.ui I qualquer capita-j de ampo coi* a
quanlia .cima referida.
Veras & liarliedo. ____
Fu pin nu dia 8 do correnio mes do ifcncm-
bro de 180'.), d(> engeidio Ciqui. fregueiia da E*<
cada, o escra.i. Paulo, cabra, di idade 40 anuos
altura o'corpo regulare?, barbado, cabellos cjw-
pinhos, peitos o pe as bem calielludus, c^ra cor'i
marcas de bexigas, ti ni marca do cnieote
costas enm parencifts de iBjei.!iiaduras, vestido cO'i
calca do l.riii. pard i, camua li madapo, rha-
ufMi do p&Iha de carnauba, foi escravo do padre.
Luii, mirador nos Afugadoa, leudo o mesane
cn\o mulber'o lilhos mse lanar : pagase 1Q0/
de graticaeo a quem o prender e leva-ki ao dir
cngeuho, ou n;1. rus do Cabug n. ti ao Sr. Prau-
cisco Antonio de Brito.
CEMENTO
O verdadeiro portland. S se vende na
ra da Madre de Deus n. 22, armazem de
Jo3o Matinsde Rarros.
Vende-se ps derozeiras da Aleandria bran-
ca j plantadas em Resto, proprias para mndar-sc
e de outras muilas qnalidades em l'arnameirim
citio junto ao porto d<> encanament.i da^ua.
Rcfirwcdo
Vende-se a refinacao sita a ra de Hortas n. 7 :
tratar aa mesma.
Aviso s autoridades policios
c a qu No dia 20 de maio do crrente aBV'.
fugio o escravo Ezeqniel, crioulo de20 412
annos de idade, estatura regular, reforcai"
cor bem prela. cabera redonda, trajava c^
mi-a azui e calca de raseemtra cinzenta
durante o dia costuma andar gauhando mm
ras, ou em armazens d* assucar ou as Vi
beroas a conversar o a beber; dtraote a
noite recolhe--e a telheiros abertos, o pe
netraveis.a casas em constiuccao e aoutnis
qnesquer lugares, onde se possa abrig..( :
quera o apprebender tinha a bondado de o
conduzia a na da Aurora n. 26, ou na do
Imperador n, 20, onde sera ratificado.
Ftigirr :i do engenno Animnso, d*>4> dis'n -
\ to da Escada. no dia :il iie decMWO, >s csrrar-
i seguintcs : Lu<, crioulo, de idade 20 aunof, roa':
ou menos, cor tula, alto, secco, cara rydouda, btfi
moderada, tem peinas e parlts do corpocum "ai
cas de sarnas grandes, de nm dos ladjs marra7'v
caustico que lia pouco soiTreu, levou roupa : de algodo c de onlras cores, um gibao de nitro,
chapeo de couro e (un de bala. Felippo. tais",
grosso. cor prela, cara redunda, p-juca barba .!
conserva raspada, tcm una fTida no 4e4o prvarie
I do p dircil t rendido da verilba do lado eVqnar
i do, levou roupa azul de aigoda-i e de ouira fa/e
i da, tapio Je coiiro e um de bala ; ambos **jf
cmpralos a Amaro Jo- de Aiaujo, como procu-
rador, e morador na freguezia de Villa-Bella, ter-
mo de Flores, sendo sentirn- d<> l.uiz, L>:onel Cor-
deiro de Magalhaes, e de Fehppe, Gornelhi Ccf-
deiro deMagalliaes ; foram vendidos oa cidade i*
Victoria : raga-se l.os capiaes d> campo e asr-
toridades a captura dos ditos negro*.
ESCRAVOS FGIDCS.
Fugio do dia 27 de dezembro prximo pas-
sado, a escrava Henriquea, preta erii.ula, idade
20 annos, cheia do corpo, altura regular, cabellos
carapinhos, testa larga, pelle gio sa e osplnhenta;
beicos grossos, bocea grande, denles largos e per-
feitos, idhos e mios grandes, nm u:na cicatriz
em cima de urna dellas e ps chatos, cuja o?erava
tem por costuma alogar-se como livre, protesto
a quem tem oceultada : ropa-se is autoridades
policiaes e a quem cnnvjer, a captura, qae segra,
titlcar satisfactoriamente em casa de seu senhor-
rua do llenriques Das n. 20.
101) j de grntifmtfio.
Fugio hontem, 10 de Janeiro correnle, a e>era\a
Luiza, preta fula, de idade de :i0 e tantos annos.
magra, estatura mediana, rosto redondo e paludo,
tem falla de dentes na frente, costuma a trazer o
cabello penteado e a trajar com .lignina limpeza.
usando sempre de diales e de calcado ; suppoe-
4*e i-star occnlta em alguma casa. Desde j:i pro
lesta-se proceder contra quem a tiver escondida.
Graiifica-se com a quanlia de 1003 apeada que a
capturar e a cnnduzir ra da Aurora n. 7li.
VVISO
'.cha-se fgido < escravo pretode notnc Jo
s, ida c 40 aun >s, estatura regular, corpo a pro-
porcao, pouc.i barba, algnns cabellos brancas na
cabera, lem iunlo a bocea e no pe*rop) signa I
de nm arraonao, cuja cor mais clara qao a da
pelle em consequemia de ter sarado ha pouco, le-
vou chapeo cimento de feltro, camisa de chita rxa
e ulra branca e duas cale, is pardas, fii escravo
do Sr. Antonio Manoel IVreira Vianna morador
m>Grvala : quem u capturar leve-o a ra do
Apollo o. II, que ser recompensado.
i
- Fugjo no dia 21 do curente mez de eifmfct
do silio da Ponte de Och'ia, o escrava Virtorir.'i.
filloi do sertao do leo, prelo fula, baixo. idade .[7
a 18 annos, vestido com cal<;a blanca, blusa V
agodaozinho curta, chapeo do rujio de aba Urca,
6 bastante lailiuo, costuma a embreag^ar-.e. fat.i
com bwnfldade : pedo-se, portanto, aa autorida-
des pnhciaes e aos capitSes de campo a raptnTi
do referido escravo, e do entregar no sitio da PBn-
te de Ucha. de Jos Moreira Lopes, que recebe; i
lOOi de gralificacao.
Fugiram do engenho ltihingudo daf frgqzTi
d'Agua-Prota, os escravos Feliciano e Domin.--,
este natural oas Alagas e aquello da fregueii?. *
Flores, o primeiro, de 110 a .'lii anuos o o seyn^d i
de :J annos de Idade ; ests escraves perlenri m i
Sehatiao Alves da Silva, qno inga as autoridad):;
poiiciaes. e capiaes de camjo, aapprebensaod'
ditos escraves, que teem os segointesiiiMfs:
lii-iaiin alto, seern, multo pretn, me ci-rj.:.
do cerpo, tem falta de tonos Os denles u qnci..i
superior, o beico do baixo comprido e cabido, d i i
urna eyeatriz i.o peito de un dos ps provenien(.-
de talho de machado do que Ihe. ticnu o p pin-
to. Do ingis .reto, haixo, corpo regnlar, 11!. .
vivo?, nariz afiliado, pon" barba, nao Icio, nuri-
to esperto, lem una marca de queimadnra n-1
peitos, tem es denles limados o falta de nm do
queixo de baixo, j foi ranada na nadega u q_ue
Jeni maren ; esti ewav s fugiram no dia .11 de
dezenDro le 1869, pede-sd a entrega dilles no
dito engen' o, i unesla praca m Sr. Santiago L
que tem crdem de recompensar 3 -idcid apre-1*
ta-los.
LISTA GERAL
IfBT *Ta
4.
DOS PREMIOS DA *t. PARTE OAS LOTERAS CONCEDIDA. POR LE PROVINCIAL N. 330, A BENEFICIO DA IGREJA DE NOSSA SENHORA DA CONCEICAO DOS MILITARES DO RECIFE, E.viUHIDA EM 13 DL JANlRO DE 1870.
iNS. PBEMS. NS. PREMS. SB. TOEMS. NS. PREMS. \S. PREMS. NS. PREMS. XS. PREMS. NS. mEMS'NS. PP.EMS. .\S. PREMS.
15
19
21
3
29
30
33
39
41
47
tttf
63
67
70
7*
74
64
66
91
99
101
4
C
7
11
17
W
37
41
62
70
65
m
94
200
4
*
-7
9
31

31
32
36
38
49
64
Mb. NS. P
43 238
71
72
7i
60
81
86
87
88
92.
__ 93
304
_* 0
6
_ 8
_ 16
17
04 22
41 23
32
IW
42
-: 36
53
33
<* 60
Cl
G3
67
69
72
76
60
94
%
97
99
402
64 4
44 ft
9
14

18
TOO* 20
44 26
* 32
84
44
40*
44
40
44
442 44
73
74
75
87
600
7
II
13
16
20
23
23
2t
29
32
36
43
32
83
33
01
'61
91
96
601
2
8
11
38
39
53
61
70
76
83
89
W
97
1S>0
1|
10 -
- 22
- 28
- 33

749
52
56.
63
71
74
77
84
88
91
93
96
99
801
2
5
8
14
18
26
30
40
42
46
52
59
62
63
64
66
77
78
80
81
86
88
89
90
94
96
900
5
14
16
22
25
35
36
47
44
84
u
84
44
84
44
951
63
73
84
85
97
99
1010
21
23
32
49
30
57
78
77
80
86
93
95
98
1106
7
9
11
15
20
23
24
28
31
34
36
36
39
40
43
51
55
58
66
68
70
71
72
97
99
1201
15
84
44
44 121(1
17
21
27
29
30
32
36
38
41
46
52
57
66
69
71
79
83
84
83
95
1301
5
10
12
13
15
84 18
44r w
22
44
30
38
45.
51
n
73
1408
14
16
20
27
28
41
42
m
M
63
70
74
04
44
1475
87
91
96
97
1501
3
7
12
15
18
22
31
33
37
42
57
68
69
74
77
80
85
93
94
1602
9
10
15
19
28
33
33
37
39
40
43
46
49
50
51
54
44
1676
80
4:0004
4*
63
68
70
73
96
98
1701
i
8
14
16
17
18
20
31
35
40
44
48
49
51
56
38
.39
62
66
67
83-
84
87
0
97
1803
4
7
*8
13
23
32
37
30
51
60
64
68
72
81
86
204
44
44 1890
1906
7
17
23
25
26
30
32
40
52
54
57
60
68
72
73
70
77
85
88
97
2008
9
10
19
23
28
32
33
43
52
54
55
64
72
73
83
86
88
97
2J0I
9
20
21
29
34
37
41
84
44
84
84
44
44 2143
55
70
75
76
78.
79
83
87
88
2206
9
38
40
42
43
46
47
53
57
61
66
68
71
77
79
82
83
83
89
94
93
97
-2310
12
18
21
33
51
61
70
72
74
73
78
80
82
88
99
44
84
44
NS. PREMS. ,NS. PREMS.
44
404
44
2414
13
21
30
37
43
47
48
59
62
67
69
70
78
84
86
89
91
94
98
2501
2
10
21
24
25
31
40
43
49
50
51
54
36
70
72
82
87
2601
2
8
9
11
13
18
21
28
30
84
44
84
44
NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PP.EMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS.
2631 44 2899
41 2902
44 " 8
51 11
53 13
54 84 17
63 44 20
90 22
2708 26
13 32
22 37
24 39
25 84
30 84 64
32 44 65
33 70
40 74
41 75
43 77
44 80
48 82
49 87
52 92
53 94
55 - 3000
58 9
63 18
78 21
81 22
90 23
95 27
98 29
2804 31
12 36
20 44
31 46
40 63
49 68
84 71
88 73
60 74
63 76
66 78
70 79
84 80
7 86
90 88
92 92
-97 93
45
84
8
44
m
44
8J
44
3093
%
3100
2
4
12
14
15
16
19
23
32
35
41
43
48
51
53
64
69
72
74
79
85
87
89
91
94
99
3205
10
11
16
21
24
27
38
36
37
38
43
44
45
51
60
62
65
69
71
44
84
44
84
44
84
44
84
44
3274
78
80
84
85
87
88
90
95
96
99
3301
6
9
13
14
20
28
36
38
39
43
46
49
53
56
57
60
61
68
83
87
93
94
95
97
99
3403
7
15
16
27
32
34
- 36
48
49
50
34
84
44
84
4*
44 3453
56
57
62
64
73
76
80
81
84
85
96
3307
12
14
17
24
25
26
29
38
50
56
65
67
70
73
77
80
81
82
92
3603
15
17
21
23
27
37
38
42
61
62
64
68
70
-' 83
I 93
-'3700
84
44
44 3701
2
3
17
23
33
39
41
58
60
72
74
73
87
88
3803
C
9
15
19
21
22
25
30
31
85
36
44
49
50
71
75
76
77
92
96
3962
5
6
7
8
29
32
33
41
45
46
54
B
^4
1004
44
2024
44
3936
59
69
76
81
84
85
90
' 93
97
4002
21
31
38
39
40
43
49
51
63
88
4100
1
4
17
20
22
25
33
43
44
80
52
56
59
61
66
69
81
82
93
97
4205
6
12
13
15
44
204
'i0
84
13
4220
19
30
52
53
57
sa-
l
80
81
97
9P
4301
7
n
14
18
23
2/
35
36
40
4!
68
61
I
n
60
68
74
al
8!)
90
44611
m
16
17
2!t
27-
3H
XI
3H
3!)
43
46
55
fr-
CI
44 4466 '1 i
70
*4
4
*4
44
44
m
44
83
80
87
4307
11
16
27
31
32
33
33
36
40
43
52
53
62
64
63
68
71
70
82 >
84
86
90
94
4600
14
18
22
27
31
80
38
66
67
68
69
81
83
84
88
9o

i'4
44




a
Diario de Pernambuco Sexta feira 14 de Janeiro de 1870.
IITTEEATRA.
POTJCODBTTn)0.
TREMORES DE TERRA-Na noute de
t pira 13 o na manlt* dtlidt dejan-,
aro, Haeram-se sentir aaatos subterrneos
? ta till.-rentes pontos da Italia.
ha Verona, s ii Ms e cincoenla mi -
l*rtus da m20hla de 1 i- sentiram-se iluus
4>ai,,s muios pruninetarios, com duus se-
u idos lo ii-tervallo pou;o mais ou me-
no-.
O priiii'ir'durou mais dc'uoi segundo:
t ii timo (|aa ires seguirlos, com inaior
t^UMStdado.
A's 10 horas da manha era ainda sotv
mw\ o movmenlo do pndulo do FoucauU,
alocad i no gabinete de physca do lyceu
ral. tuteas* que o plano de oscillafao
ha a rtirer.co ste-ostr.
Era Pansa s 3 horas e cincoenta mi-
amos ii t raanha de 13 senlio-se tambem
om abate que derou approxinwdameote dous
aguado*. A sua torca foi bastaste para
Uz r vibrar as campainbas das portas.
Km Genova, s 4 horas da manha do
Hsroo da, sentio-so igualmente ootro tre-
mor de trra.
Finalmente, no mesmo dia cm Bolonli a
aeram-se sentir tambara dou3 hgeiros aba-
tes : o prtmeiro as 3 horas e cincuenta mi-
nutos da noute e o segundos as t horas e
ra.
MVRENOO Tal 8 o ome de urna fragata
ouracada da espora)
agua em Toulon, na presenca da
; Eugenia. O bou armamento ser
oielusiwni'mte eemjwsto de pe:as de grande
>kmx. concentradas no meio do navio.
Nos quatro ngulo* do redujo erguem-se
larras? que domraam o mar e augmentan)
,i torga otfonsiva da fragata. 0 modelo da
Marengo fui milito notado na exposicSo uni-
en.al de 17t7.
ii dos passados das <
no puvilbo ettom iu i.- --;i disparo
espingarda debaiio da bar
A bala abaveasou a cal' bio pefo
ouvido direito.
Prevenido deste triste acoi
commissario de polica do palaflH a i'isli-
ca dirigise oposto do Museo, para-onde
o ftido f&ra transportado. Encas)llou-o
agonisante, incapaa da darquilquer explica
Cao ; mas respondiendo s faene \ nter
pellacoes do magistrado com esta pl
obstinadamente repelida :
Nao, eu nao sou Tropmann! rjo
Tropmann!
Dopois de nm eiame medito e. de
dados que deixam pouca- espralas* de He
wlvar a vida, esta infeliz victima dos engra-
nados alsacianos foi enviada ao liospitaj mi-
litar de GrosCaillou.
PRIVILEGIO EXQUISITO. Entro os
privilegios de que antigamente os nobres
gosavam, nenhum bavia lao singular como
o que sobre os acougues usofruia, o baro
de Retz. fidalgo francez e sashor de Macue-
coul.
No dia de entrado todos os taios da ci-
dade de Naotes, eran) obligados a pagar-lhe
um dinheiro.
Os cortadores, durante aquello dia de-
vam ter prompto na mo um diuheire para
o entregar aos lacaios do baro de Ret, logo
que elles Ibes mostras>em urna agnlba.
So o dinheiro nao era immedUtamer.tr-
entregue, os criados do fidalgp tinbam di rei-
aVforte castral que foi loa picar com aagulha a peca de carne que
mais Ibes aprouvesse, c a leval-a para o pa-
lacio.
PHKSENTES IMPERIAES. A impera-
trz dos francezes, no seu regresan a Varis
da sua excurcio ao Egyplo, distribui s
damas da sna corte ricos o numerosos
presentes, que d'alli trouxe. Sao ehailes
e telas do oriente, joas e objectos de co-
riosidade, que teem a marca da sua pro-
cedencia oriental. Entre as damas mais fa-
vorecidas, ct im-se a duqueza de .ttoncfay,
a marqueza de daristnas, a sr. de Janro-
bert. a princeza d'EssIiog, a duqueza de
Malakoff, e as sermoras Piyne e Carette.
ea tanta
(|.i nulo el
.Mtle. TofHom unmimii todos o*
dores. No Lago Oas FaJas MU f
tl^sempenha quaWo papis dilforeotes.
O primerro ansaji^no primero
cercada de suas
graca, com, q#
oum que a
urna t:
teda a
e com que
penara vilhosa.
(| segundo
ciita com
n. Oler-
consas comp'et;n.,!0 apurado osto, e JH nisto. porque sa
bjs que rara su dis-
uguein pelo b'Mti *#.
t Apaaar do merect^ento pwgpular de
oda modestes liesfasos, Ati coosa
mais admira*el nos espeiav.i. pjrque .VWe.
Ta^lirmi'Minha gtmidml paratim. foi
um passoa dous dcmsti as rmvens quan-
du a fada o seu amante voam para, o co,
Descrever-voi o qtrt gojai, me impos-
t Essa raulher, que. cora seus pes wn -
>s, sufre locar-Kg'iiraweate'a ao, asa-
fes e mosrao aobio. desla vez vollijou no
meo das nuvens, sobre a cabeca de todos
nos A este especiacnlo inesperado, o en
Uiusiasmo chegou a seu cumulo e os ap-
lausos e os bravos casando- com p que
se passava na scana, romperam estrepito a-
menle. Mlle. Taglion ro chamada ace-
ita rqiluare^ de vezj^s.
(jitatto ao inipoador, nft> contente de
a ter applaudTuo. mandn a alllc. Tagliom.
jepois da lepie^uMCo, mil magnifico bro-
che com I i turquezas.
Mara faglmi oatroa on Steckolmo em
f 80i. SeH pai ora italiano e dansarino
Eat1f3i ella casou-se com u conde Gil-
berto -dw ^ftssm* OMSsAem 4*47 reti-
rou-se para a Italia.
escitas de Pars n3> exceda a. ...
*; porjm dote
caiiiiiiho ile progresso asaom-
I8iV as despezai orduiarias
pnram-se a somma de 5"),5W:k) irn-
Stolcos, u !)i cenlesim >s e as extraordinarias e
^excepeionans impjrtaraat em 70,99(1:730
[francos e 59 centesimos, e comprebend.m-
r}o-se nesti somma nm empresiira), apre-
seiitava o total de L!j,laJ:(>2l fraocoi o
ii I centesimos.
A brganisacfij inauic>.il abraca as so
guite seccOej :
publicas e ponte, igrej:
i m t uv i du Iriiiiitplw. -Ai; res,
fontes e citicumbas --Bullios 0W)t pu MicosKstabelecimeniosde arte sieu-
ca*.tiWmiiisc.lo.Thcatrps bailes e con-
cecios, Passeiw pwhlfci)*. Entabele'-
mantos de carrdade.Imlu*tria e commifr-
cio. -Mnvtiueul da po()uiaDio.--4>wte-
ros. Consumos. == Adrainistrac9o o pod-
ci.
^iminislracSti de todos estes ramos im-
porta In poneos annos em 193,518:097
francos CjBBpreheodmdo-se nesta somma
as bMfMM is ordinarias e extraordinarias.
rio que nSo
Todos osj
braram a
fem con
[piravam." Mis reeonliecenm
?p um tvefliro otcontro %^i
coronel era implacavel; e era mistar
trarein-se grandes e dtgnof, segotndo o
minho fatal que elle lites indu;
O ultimo onconlru foi terri
Os adversarios compreceranf
braco dado o aa maior inlimidade post- j [h
vel. in
t paeaia na
im dof
Fi

NAUFRAGIO.0 navio MezdeMato, de
?faindres. naufragou a ste do porto da Neu-
. ville. abrinile o-'casco antes da noite de 7
4o corrente ; a tripolacio que se tioha refu-
'iado nos mastros, nao pone ser salvs, em
c -nseq.teuaa do mar nao deixar prestar-lhe
jiocv-orro alum.
A' meia noite ainda se onviam os gemi-
dos d s ilesgracados marinheiros, porm ao
*lvurecer navio e cquipagem tudo tioha de-
sapriaiecido I
TiMPERVNCA. O mairo de Brest ac
4n de pub.-ar'uma postura contra a em-
briajatti ua qual ha o seguinte artigo:
t Todo o individuo que for encontrado
lias roas ou logares pblicos era estado de
embriaguez tornando-o incapaz de so dirigir,
iei conducido sua custa ao deposito da
t mairio onde estar at que recobre a
hw sei depois levado ao tribunal de
iuiiles petifiM para ser punido conforme o
numero 15 do art. 71 do cdigo, penal pela
ojraccao da presente postura.
TUISTE GRACEJO.-Um valente militar
deong'in alsaciana pertencentoa um dos
eorpos de Paris, obtivera lcenca de alguns
di as pa a ir assistir na sua aldeia, as im-
mediaees 4* Soultz, ao casamento de
sua rm.
Infbzmente, dias depois das nupcias,
ui preso o recem-casado, por enmo de
who.
K" sabido que todo o paiz esta preoecu-
pado com o processo de Tropmann. Os
espirituosos do logar acharam engracado por
0ia ..lounha ao aecusado e igualmente ao
seu runuado, o valente soldado.
E>te responda como podia a este gracejo
de mo gosio ; porut como era de smpli
idado de espirito poucocommum, comefou
d ,'iitrislecer-se, e a horrorisar-se >io sinis-
trp TWflte de Tropmann qn-i sompre Ihe
vibrava aos ouvidos.
soldado a su cumbir ao pesar e insensivel-
rner.le se Ihe allerou a razo. Admittiram-n'o
no hospital do Val de Grce, e passadoum
rae. julgarara-rr'o curado. Mas a sua idea fixa
pe.rsugui-o sempre. A' noule era despei-
a alienas, para onde aliravam cadveres en-
sanguetados BntSo ouviam-n'o gritar com
voz suffocada:
Eu nio sou Tropmann I n5o sou
Tropmann. Nomeprendam pelo amor
de Deus t
COMO SE FAZ JUSTICV.iompareceu
perante o tribunal de polica da divisio
de Leicester, em Londres. Notty Miles,
negociante de aves, aecusado docruedi-
des contra um cao e um gu no da 30 de
novembro.
Parece que o criminoso entrando em
casa encontrara um pequeo cao a aqueccr
se na lar-dra e agarrando o animal, lao-
cou-o no lume, depois pegou oro um gato
e metteu-o dentro de urna caldeira cheia
de agua a ferver.
O malvado descu pou-se que eslava em-
briagado quaado piaticou esta crueldade
0 tribuual coudemnou-o a 6 mezes de
trabalhos forcados (tres mezes por cada
animal assim martysado).
O juiz acrescentou que lamentava que a
lei nao o i o vest sse do poder de condetnnar
o malvado pena das bastonadas.
MA.DEMOISELEL TALIONL Mlle. Ma-
ra Taglioni foi contratada p.-lo Sr. Luiz Ve-
ron para d rasar no Roberto do Dtabo: mas
nSo Ihe convindo pqiel, obteve autorisaco
para ser substituida. Ella lirou sua des-
forra na Sylpi.idc, em que foi vivamente ap-
plaudida.
E foi desde eutao que a rep tla?o de
Mlle. Taglioni tornon-se enr-'pa.
No Deus e na Bayadere, que foi repre-
sentada depois Mlle TagUoui citegju a re-
ceber 7 a 8 mil francos por noute.
Em 1832 o cholera devastan Paris. Mllo.
Taglioni retirou se para Londres ; maspou-
co lempo depois voltou para Paris.
Mlle. Tagloni gostava de gracejar ; mas
tinha um coraco excellente. Cerla de que
emiqueceria pelo seu talento, ella &8 dis-
tingua aquelles que se recommendavam
por sua elegancia, bonita figura e litlos de
nobreza e s se apaixunou por pessoas
pouco protegidas pela fortuna.
Um dos mais brilhantcs triumphos de
Mlle Taglioni foi o que i-bteve no Lago d
Fadas.
O visconde de S .. ue em 1839 a-sislio
rpresenfaeao deste bailado, dirigi a urna
revista franceza um analysc da qual extra-
Inm >s os seguintes trechos :
Mlle. Taglioni uma dansarina to per-
feita que nao se pode conceber como veo-
FOLHETim
OS CASACAS PRETAS
ROMANCE
POE
Paulo Fval
Ferceira parte
AFLSRBSTk DE PAR**
(Continuado do n. 8)
IX
miorosa cvpla^io
Mig le, o nosso here. se Edme Leber,
s .ynlillaute de salisfaco o ventora, o nao
illaq.ie-a as mil redes do seu regosijo,
esUria de erto melanclico e pensativo.
Rem lites dinamos nos que aqneMa sabia
rir. N'essa noute, iram jurar que jamis
0 prauto bauhra os l'ormosos oihos da
donz.-tia. Reprima ella o namorado moco,
que tiiiha a conscionca da sua inutilidade
u'aqueiies momentos arduos, ed'isso se in
digna va ; enlaja va o nosso misero lie re,
coudemnado a sentir om volta de si os
Sdbresdluis do romtnce cujo centro era ;
encaman o, fremente como estova e pos-
-uulo pelo geaeroso desojo de combater ;
faza-lfi'- tinalmcnte esquecer o tempo.
Alguem dissera Edme : preciso que
o Miguel se a3o mova.
Se, poim, eslava sem fazer cousa al-
gnraa, oo-aipa am-se d'elle. Nio sei se as
mdiscric&es do aRo e poderosa Bomergu--,
snbiudo da otc-camara, haviam subido s
salas, ou se deviam ser atlribuidos ontra
oiigera os boatos que corriam ; 4 corto,
porera. que todos Jbuscavam parecanga en-
tre a vaiinjl beliesa de Mieuel fOifucinh
do doninb i cevada do bario Scbjutaitz. N31
haviienganar-se agente : eram eonp o dia
e a nuil; mas a noute irme 4o dia e
o ar de familia saltava aos olbot.
A1' bre roocetaocra fimo de um
pee- uocidade. Recordavaei as su;-s
prodigadiUk- lan e a posica
adolesceaov dpurada
tinha eitSo de
CRIMINOSO CON'VICTE. Refore o Ma-
rio de Paria, que um i:iU i luo coberto de
farrapos apreseulou se ln dia o'um dis
commiss triados de polica d'aqocila capital
e pjdio com muita instancia para tallar ao
coiiimissario.
Immediatamente iotroduzido no gabinete
da aiiioridade, reveRou-lhe os seguales
factos ;
t Cliaa-me Adolpho X... e tenho 33
airaos, la passei tres mezes na priso de
Mazas.
A esle proposito obsprvar-lhe-bei que
fui condemoado d?baxo de um nome sup-
posto. Comraeti numerosas fraudes. Fi-
nalmente, visto qae devo confessar-lhe tudo
rotibei tO:Ol)J fir. (perto d-' 100 contos
da n issa moeda) no miz de fevereiro ulti-
mo, n'uma casabancaria di qual era cai
xeiro.
Gaste promptaioento esta somma via-
jando por Rade; iples, Florenca, Turim,
Miloetc. Acabado o dinheiro voliei a Pa
ris, onde oceupei por dfM dias, na ra
Mouft'etard, 0 lugar de surrador. Hoje ve-
nlto dar-me priso porque tenbo fome.
Eis a miiiln historia.
Depois de ler mandado dar de comer a
este inalfeitor o commissario enviou-o pan
a cadeia. .
Procedendo-se a averiguaces son be-se
mais tarde que era exacto ludo quanto o ru
Adolpho dcclarou ao commissario.
PARS.Urna follta estrangeira publica
alguns dados interessantes so >re as grandes
obras realisadas em Paiis durante o reina-
do de Napoleo III o as immeusas soinmas
n'ellas iuvertidas. O moderno Pars, le-
vantado em parte sobre o migo, modifi-
cou completamente a physionoma da capi-
tal da Franca. A adminislraco prefei-
loral, e especialmente a do Sr. llauss-
man, que data de 183, deu-lhe urna for-
ma to bella, elegante e seductora, que cau-
sa a admlraeao (le quanlos viajantes che-
gara a bullieosa cidade do Sena.
Paris est dividido em 20 bairros e 80
quarteires. polica da cidade est a
cargo do preteilo do Sena, que tem as suas
ordens 4,000 agentes de polica e 2,892
guardas inunicipaes. Ha alm disso 10 com-
panhias de sapadores bombeiros com um
effectivode l,2 liomeus. A receita mu
nicipal consti de. conirrt)uiro s diretas
ou indirectas, do aluguel dos edillicios
municipaes, e jde direitos sobre merca-
dorias.
No anno de 1799, pcoa em qua comecou
a fazer-se orcamenlo. mas na qual.nSo eram
to subidos os direitos raunieipaes, o total
WA COM M JAVVLLNa Horesta le
\Vnrmho4tz (Mmrthe) um m rateiro ch ua-
do Riar travou lula o:n um javali, dispa
raudo Rw dous tiros, o animal nao s >ecum-
bo o arremeten de novo. Osparou ter-
ceiro, e o animal licou ainda vigoroso.
Nio tendo nnis carluxos, Baar escarran
cJhmim sobre o lombo d^ javali, aggarrou-
se-lUe as orellns o ei-los a correr at ave/,
d* iwjitas. perseguidos por urna dozia de
caes paqueaos.
b tar rei-iirda-se qtie t^m no bolso urna
navalha. larga uun das orelltas. abre a na-
viiiin e crava-a bastantes vmes na fera ; tun-
do lima das navajliidas forido o coraco do
animal esle cab exange, terminando
assim a lula.
O javali, dopois de eslripado, pesot 150
kiogrinwiai.
E-antes do se baterem, oontiaram um ao
ootro um unto contendo suas ominas von-
todes. Depois abracaram-so e atizaran oa
ferros.
Ambos eram habis na esgrima, e dev-
pois de sdguns boles recprocos Armando
cabio mosto. Riofdo tambem foi fondo ao
peito. steterrret aconierimento mergo-
Ibou o regim/nto aa tois profunda con-
ternacSo. 0 pesar estatt gravado em todos
os rostos. .,,-.
Nessa raesma tarde o coronel convocou
todos os olciaes do regiment, e dirigiu-
do so particularmente aquelles que Ihe ti-
nham pedido autorisacSo para baterem-ae,
disse:
Agradeco-vos a altonco que livestes
para comigo: e ora que o negocio dos. ca-
pites Armando c Ricardo est terminado,
concede-vos as licencas que me pedis-
les.
Os officiaes inclina rara-se respeilosaraente.
depois retirarara-se silenciosos, sem que um
s nstasse pelo pojido.
Depois deste aconlecimento, diz o Sr.
D'AImbert na sua Phisiologia do dual, o
regiment do re foi citado como o mais
bravo e o mais bem disciplinado; mas ne-
nhum official so batea mais... se uao cos-
tra os inimgos da Franca.
Ja*
MNse
tama ao>
p^sm sol ta-
li> d
talento
ms as qoe
s ms-
rias
antiguidado
ijos provaa
aos
VABIEDADE
castigo paterno ; e, depois, a senhora ba-
roneza deva ter trabaltiado contra olle
m5i dr urna lha nica, eslava no sao di-
reito e era esse o papel que Iho campiia
desempenhar.
Bem vera que Paris nao acredtala em
phaut smagorias, v^to que esquadrimhava
minuciosamente essas comezmhas reali-
dades.
Pois nada veem. Paris faz tudo ao mes-
rao tempo. Prestem ouvidos por mais um
instante :
A senhora marqueza deve concordar
que o senhor prefeito de polica nao appa-
reeia aqu sem mais nem menos.
Toda a gente aqoi est, conde. C
estamos nos.
A bomba ha de estallar, digo-lh'o
eu. 0 Gaillardbois, fallando comigo. dis:
se-me que o Sr. Lecoq de la Perrire tinha
relscoes intimas... Eu c me entendo
com os meus bot5es.
Que sugeitinho que o t?.l Lecoq I
N'uma palavra, boje em Paris mais
de cincoenta mil pessoas s faljavam nos
Casacas Pretas.
E o t'eiuojeiro d'csla t3rde mette
buha os papa-moscas que do crdito
semelhantes patranhas.
Ah I disse a marqueza, onlo j aqu
uao est quem faHou. Desde o momento
qua o governo noga..
Eu propinbo urna aposta: este Le-
coq mais tarde ou mais cedo d entrada
no gabinete.
Com qne pretexto ?
Com o pretexto de bario dobrar o
doto promeltido para ser sogro de um
principe real.
Voltamos ao gracejo do Luiz XVII
E aoberbo !
Ainda na non ve um uoteo Luiz XH-
que tivesse condcoes de guerreiro... R
se o baile fesse jusiainente thdo para csse
Mho de S. Luiz ? Mas reparem : ah o
ostao apreseatando com toda a ceremonia
senhora baronaza Schmartz.
Esta asulher aoperiormente for-
mo ta !
Alguma cousa ha entre ella e o Mi
laaoaq
Mel de impedir os duelos nos
reg sneotos.
(Conclttso)
Dous jovens militares ebeios de arJor e
de coragem n5o preci-avam ser excitados
desse modo na presenca do seu regiment
e de seus camaradas.
No dia seguinie houve segundo encontr,
om consequenca do qual o visconde, Ri-
cardo foi cooduzido sua casa com nina
grave ftida, qno o prostrou no leito du-
raute lous mezes. .
Nesle espaea de tempo, houve oulras
rixas entre os officiaes que solicitaram do
coronel licence pira se baterem. Mas
este, sem explicar-se positivamente, p-jdio-
Ihes que esperassem, prumollndo-lhcs dar
opportunaracnto as licencas que pediam.
Os mais impacientes a custo submeiteram-
se a esta ordena.
Finalmente Ricardo sarou, pode dar al-
guus passeios, encostado ao braco de Ar-
mando, que Ule servir de enfermeiro.
No prtmeiro passer, por um acaso,
sem duvida adrede preparado, os dous
capiles enconlraram-se com o marquez.
Alt t sois vos, meus cavalheiros, fo'go
milito de encontrar-vos, disse o coronel
fiagindo urna agrada vel sorpreza. E como
o capito Ricardo j pode caminhar, espe-
ro que terminis esse duelo to mal succe-
dido.
Os dous officiaes nao poderam Contor
ura grito de admiraro.
E o marquez continuou :
de
*Eabi.esl o senhor duque., de
Bourbon tirando solemnementeJ a Schwart-
zinha.
E verdade que solemnemente !
Onde ira elle desencantar aquello
profil !
Eu agora chego a suppr que toda
esta embrulitada dos Casacas Pretas urna
conspracSo italiana... lem-se visto.
O Sr. Lecog acaba de fallar baixinbo
baroneza Scbwaitz, que enfiou.
- Afinal de contas, n'um rgimen d'estes
j nada absuedo.
A minha opiniio, disse n'em canti-
nho retiraio e humilde o adjtrato de Livry
Sra. Blot, proprietara, que a presenca
de um sugeito to rico nesta trra nao
prejudica.
Lamba muito prasenteiro o sea sexto
soivcle.
A proprietara repBcoa com ar myste-
rioso :
Sab9 o que ah se diz por bocea pe-
quea ? Est a casa atafulhada de espios.
O meu pobre Blot conheca-os legua, s
pelo faro. Parece que o assassino da tai
condessa Corona est na funeco.
O iudivuluo quem temos tratado pelo
Desconhecido >ahio n'aquellc momento com
alguma preeipitactio. O m rque de Gail-
lardbois cou. Estava sorumbatico,
Quando a orchestra sollava a Ultima no-
ta, urna voz longinqua, mas destincta, en-
trera pelas janellas abertas. Era o prego
montono, mas grato a ouvidos infantis. que-
os tocadores de reafojo soltara de bou;
Lan terna rasgical vista cu i losa 1
Onde est ento o fomoso S. Lee
perguntou instantes depois a maiqueza.
Desappareceo-. e o prefeito de po-
lica tambem.
Haver effeativamente alguma cousa -t
SoRava, porm, a baroneza uns sorrisos
to encantadores a lo traoquittos f
E a bario Schifar era to fturguezmen-
te belfo no seo paoel de dono de casa, cuja
fuocelo em trraaspno completo (
Quasi m mesnto iustaote, a passoa que
fallara en) voz baa so Sr. Roftmd e ao
chefo' de dkiso d prefeitoray acercou-se4
da baroaon e ctw^MDtoa-m N'aquellat
E' necessario acabar de urna vez
com isso : os duelos que envelhecem per- esta somma em urna
dera o seu valor. No meu tempo nao
bavia tanta demora nem tanta rellexo...
Assim. devei* bater-vos ama iha.
Mas, coronel, disse Armando tmida-
mente, o visconde ainda solTre, e alm
disso------
Quando passeamos porque nos sen-
timos melhor, e necessario por termo
importante queslo do roquelaure.
Os dous mancebos olham-se mutuamente
com tristeza. O marquez, querendo occol-
tar sua emoco, deoj-os, dieendo com
v estridente.
Stntirei muito ter de arrancar-vos as
dragonas dos hombros; e para nao rae
ver reditzi'fo a esta extremidade, necessa-
A origem da msica remonta ao berro
da sociedade.
Se a procuramos no raoio das fbulas e
das crticas supersticiosas dos povos, des-
cubrimos fcilmente que os primnos m-
sicos foram poetas que cantavam suas poe-
sas acompanhando as na lyra; Orpheu, Li-
nos, Aiiphion, Arion podem servir de
exemplo.
Percorrendo a historia, vemos os maiorcs
phlosophos entregarem-se seriamente ao
estudo da msica. Pythagoras cnsinava
msica a seus dscipulos, e desejava que
todo o homem podesse acordar ao som de
unat msica propria para aumal-o aocum-
primenlo de seus deveres. Lycnrgo intro
duzio a msica em Sparla, apezar da seve-
ridade das teis
Soi rales julgava que a msica torna va os
homens melhorese suavisava seu- padeci-
mentos ; este grande homem, j adiantado
em annos, ia asiduamente tomar licoes em
casa do cylarista Metron. Plalo impimha
a seus discpulos o esludo da msica e o
da geometria. Parece, dzia elle, que os
ouvidos foram feilos para ondulantes son-
ras, como os olltos para comtemplar os
movimentos celestes; por isso que a mu-
sica e a astronoma sao irms.n
Este philosopho quera qne o ensino da
msica fosse regulado pelas leis, e e-triba-
va-se no exemplo dos egypcios. que tintura
feto dessa arte a base da educaco intellec-
tual, como a gytnnastca era da educaco
do corpo.
Muitos antigos adquinram fortunas col-
lossaes com a msica. Amadieu exiga
dous talentos toda vez que tocava lyra no
ibeatro. Ismenas cooprou por 14,000
trancos uina flauta em Corintho e ganliou
semana. Nos jeges
ausM
A manc-
tro os grego:
das, os
VJHD d*
Os legisladores tinham julj
sica de via senil asjid ;
piixoes do qoe para rrilal-as ; ^bt'jor so
que ellos probtbiram todas as Ia*iiiae5es
Utndentes a desval-a de sdfe fimootelico e
mora]. A historia de Sparla coi %> om
precioso documento sobro a condfemnacio
dos laoaicas Ftryas o Ihimoteo poc teram
com suas ianovacos atacado o. aostmnos e
as leis.
A Btosjoa dessas pocas, ligada a poesa,
era um meio amoragado pelos govaruantes
par.ijdirigir os homensraara o bem e conser-
var a pureza dos csturaes.
Contigosanosaqut alguns factos relativas
influencia da msica sobre a organisacio
humada.
C-unecando por Orpheu, todos s beat
que esse poeta, msico civilisou os povos
baitaros da Grecia com sua lyra. Ampbiou
excita va com seus cantos eos aa rdes de
sua lyra os operarios qoe construiara as mu-
talhasdaThebas.
Quaojio se ergueram as -moralbas de
Messens, um novo Amphion operou o
inesmo prodigio; os operarios nao exgiam
salario e esqueoiam suas ftrdigas, ou-
vindo-o. ^s^
Arion, qnando estava preste ; sor toncado
ao mar por alguns piratas que o oueriam
roubar, empunhou a lyra e improviAs/atn-
cos to doces qae os malfetores>iBmme-
dos Ihe concederam a vida e o depiBitiram
em urna ilha deserta.
Oaraon, poeta, msico e homemv de es-
tado, comas sons de sua lvra, pos termo
a tima disputa que podia degenerarse cm
urna i xa sanguinolenta.
Pythagoras, vendo um mancebo aransvia-
do pelos traasporles do ciuuw e a
ponto de incendiar a easa da sua aman-
te, ordenen a um lacador da fiada qa
lucasse alguma cousa, eo mancabo tor-
nou a si ederramou copiosas lagrimas.
noute inclinara a baronaza o formse clo
para muito convidados dcsconhecidos.
Aquello, antas de se endireitar, soltoo
estas palavras, que s ella pode ouvir :
Elle espara-a no seu quarto.
Nao perdeu -ella o sorriso ; cavoa se-
iba, porm, un- circulo negro em volta dos
oihos.
O mensageiro passou. Ella levantou-se
ao cabo do alguns segundos, e tomou o
braco de Miguel, que ihe perguntou assus-
lado:
-<- Que tem, minha mai :' Porque
senta, atrsvez das rendas, o braco da ba-
roneza mais fri que ura ma more.
De longe o haro vio-os afastareiu se,
caminhando passos lentos.
Na sala prxima, a baroneza despedio o
lilho, dizeudo:
J veDho.
E, como elle nsislia por saber a causa
d'aquella lurbaco, accres^ntou :
/olla para o lado de Edme ; mando
ea.
E lomou, sempre apparedemente sere-
na, pela oseada que conduzia aos quartos
de familia.
Pulava-lbe, porm, o coraco e magoa-
va- lie as paredes do peito. Perguutava
ella si propria, mais louca que urna don-
zelta que corre ao primaro encontr amo-
roso:
Ir tratar me por Julia ?
FOra banal escogiur a doloiosa angustia
pas"vehementes esperancas que, ta sua
sawnidade, o sorriso de urna m-iihef pede
oocultar. Hara tres prolongadas horas
qua Julia sorna ; Julia, que tinha ais na
alma e o coraco trasbordaodo de solucos;
JuHsT, remocad* e redeviva, porquo aquelle
ditThe supprimira dezesete annos daexis-
teacta ; Jufra, joven, ardente, anciosa, cheia
do curiosidades de patxto, e mullrer mil
veaes mais moto r do rjoe o fra oatr'ora.
Havh tre^ horas que Jna dissimolava,
coma ajada d*quelle e>forco sobre huma
no que para tod ellas' um brinco. Urna
ventara que chegava embriaguez, tana
tribulacu eme attingia o martyno, receios
puugtvos, deliciosas esperancas, um mun-
do de violemos alvoroeds, de coraraxjltes
olympicos, a msica oceupou sempre o>ri-
m iro tugar; de todas as parles corra
gente para disputar all premios na cantera
e nos instrumentos.
Erguiam-se estatuas aos msicos, assim
como aos poetas. O locador de cylhara
Pytocrito e o tocador de flauta Sacadias fo-
ram coreados tres vezes nos jogos olympi-
cos, ee enthusiasmo geral queprovocaiam
valora Ihei urna estatua A cidade de The-
bas. que nao tinha concedido a mais pequen^
honra memoria de Pindiro, ergueu urna
estatua ao tocador de flauta Cleon, e no sen
pedestal gravou se estas palavras A Gre-
cia inteim ^dcclarou que a cidade de Thebas
gankon o yremio na flauta.
capazas de a proslrarem, do pensamentos
risonhos como o despertar dos dezeseis
auaos.
A datar d'aqaella tarde do raez de jo-
nho de 1625, em qoe, sofocando, murmu
rara o aeus, deorucada na p rlinbola da
diligencia que a levava para Pars, hora
remota e sempre presente, nm urna outra
hora da sua existencia decorrera om que
ella hou* esse invocado ou temido o instan-
te presente, o instante supremo...
Quantas vezes, desperta ou sonhando,
nao otivira ella com sobresaltos febris esta
palavras impossiveis :
Elfo est ati t elle espera-a I
Andr O homem que ella amava, o
homem qoe ella to acerbamente se expro-
brava de nao ter amado bastante I
Bem sai eu que a sentenciaran), quo a
sentenciaran) todos, Untos quantos sao,
que senlenciaram severamente e sem ap-
pellacao aera agravo ; tambera ellos sen-
teneiaram l em Gaen, sera appellaco, sem
agravo e severamente.
Disseram comsigo : A' essa mulher faha
a ceragem ; houve no seu proceder egoi*
mo e fraqueza.
E eu, respondo-mes : verdade, mas
nao condemnem.
Fra lenta em desenvolver-e a m rav-
Diosa forniosuradaojaslle corpo ; nenhuraa
florescencia prematura Ihe diminuir o es-
plendor. A alma niscera larde n'aquelle
envoltorio em que Deus se reservara o ne-
cessario tempo para completar um primor.
Nao condemnem ; a alma nascera finalmen-
te, urna alma gentil, 'que se abrasava em
magnificas profundesas. Eslava afi, enteo-
dam-n'Ok urna muther esforcada e ardente.
que estremeca paixo em tddas 38 partes
do seu ser, como essas cerdas sonoras
que o genio arranca hymnos ou gemidos ;
havfa ali om amor resoluto, franco, sem
dilatado e santificado em pungen-
lis, um amor ju enl e vivido, unta
de fogd, ama loucora, um des*
tino.
Os dias passados filio se contad). E-ra
virgen, creanca, e (80 adoraveliaente fof*
mos I
< Ir* 6hamar-mo Julia ?
n navra ati i
castKhde
Era pedocles nao podando acalme/ o fu-
ror de um homem que queria tentaf contra
a villa de ura seu amigo, travou da.- lyra e
lirou daQa sons to tacantes queoaasassino
eittc-rneceu-^e, chorou e veio a ser tim dos
discpulos do philosoph msico.
O pintor Thon lirou proveito da influen-
cia que exercia a msica ob o povo atheni-
ense. Um dia que expunha um qusdro re-
presentando um soldado armado at os
denles acommettendo o inimigo faz tocar
atraz do quadro muitas trorabelas \ e quan-
do vio os espectadores animados por essa
msica guerreira, desroblan o quadro. A
mullido batou palmas-e cobriu-o de ap-
plausos.
O cantor Phrynis soube enjerneeer o co-
raco de muitos soldados f-rozos que pre-
leudiam immolar seus prisoneiros.
Os mdicos sei vem-so com muito bora
exilo da msica para applacar certas enfer-
midades nervosas. Mippoerafos curara a
nsomnia com os sons-do peotaeordio.
A lyra de Chiron e a flauta de Isincnhs
alliviavam as dores rheumaticas.
Mas de todos os efoilos musicaes, os
mais notaveis sao inconlestavelmento os
que produz a msica dramtica, porque
ella desenvojve, engrandece o pensaineuts
do poeta e dirige ao mesmo tempo aos sen-
tidos e ao espirito.
Os son?, os accordes das vnzes humanan
e da. ocjjfistta**ngenhosamente combina-
dos, abalar' nossas fibras mais profundas o
obram sobro os entes mais indifferenles. O
que a poesa canta, a msica personifica ; o
que a primeira esboca, a segunda com-
pleta. V
Era no que ella scismava. Digo-lhs
que era ama creanca. Mas o seio.arfava-
Ihe, masas palpebras tremiam-Il, sacca-
dmdo lagrimas. No curto caminlfo que a
separava do sea quarto, leve ella4odasas
lembrancas, todas, as aspiracoes, lodos os
desejos, todos os terrores qae experimen-
tara nos longos annos da exilio. Acaora-
nhava-a a idea do sea crlme ; era, porm,
Andr to indalgente I e amava-s. d'antes
tanto e tao bem t
Como elle hara da estar desflgurado I
diziam-n'o totalmente encanecida. o
mesmo : via-o ella gentil. Como lite ia
conhecer o amado sorriso I
Meu Deus I meu Deas I assentoo>se des-
fallecida no alliuio degro da escada f
Nioguem ali para oihar por aquelle sin-
| gniar aclnque. Haviam de certo tomado
precauco s. Nem eaeontron Domergue, o
inevitavel, nem a Sra. Sicard, qne de or-
dinario, eslava em toda a parte qmn a nao
queriam. Os rumoras do baile aVgavam
aquella escada e aquellos corredores, dis-
cretamente atlumiados. Julia tinha medo,
e aquellas hannonias distantes confrangiam-
Ihe o peito.
Lembrata-se da clareira na grande matta
de Bourgnebus ? Cauta va o regata iavisi-
vel. os passarnbos riam, a aragesa espa-
thava nos cimos vastos murmurios E a
atmosphera espida estava impregnada de
embalsamados langores.
Tudo Julia vio: o sea. marido, o sea
amante, aqueta martyr, aquelle nobce man-
cebo : vio-o. 0 sol, aoado pelas fi-lhas,
brinca va nos negros aaoeis qoe Iho coroa-
vam a froate gentil Obi sm I a/aqoelle
tempo amava-o ella de todo o cora^fo Nao
era bastante. 0 coradlo crescera-,ibe.
Elle estava ali, algtths passoa! d'ella ;
porque havia de denArarHe porque ha-
va de perder um rtrauto? Levaotoo-so
de chfre e cattinboa coa nsseos idos
para a porta de qnar a porta
cerrada. Antes de etapattra-to, fe duas
mSos fna apararan-fe lbala, qbe abra-
f/Ossttir-w Ao?>
TfP.DfW-*rHRCRlIE5S.



Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EAAWX432N_ZU0ZU7 INGEST_TIME 2013-09-14T00:36:53Z PACKAGE AA00011611_12186
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES