Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:12178


This item is only available as the following downloads:


Full Text
k
/.
sas^
^^"M y|8Q 2.
PAU A CAPITAL E LCABES QITDE IAO SE PAGA POITE.
j>*or tres mezes adjuntados.......
lor seis ilitos dem........
Por um anuo dem......... .
Oatia umero avulso....... .

tOOO
'OOO
326
nraes
ld& DE
DEITTr roA DA PWTBCIA.
Por Ires mes adiani.K
Por seis dilos dem. .
Por nove ditos dem .
Por uro anuo dem
. V

43IBOO
20*230
27*000

Propriedade de Manoel Fifjueira de Faria & Filhos.
------------
AO Atienm:
Os ^-s. Gerardo Antonio Alves A Filboi, no Fart; Goncalves Pinto, no Maranho ; JoaqnhH Jos de Olrwira. no Cear ; Antoii fte Lemos Braga, no Araeaty ; Jo2o Mara Julio Coares, no Ass ; Antonio Marques da Silva, no Natal; Jos Justino
Pereira d'Alnieiua, era Mananguape; Antonio Alejandrino de Lima, na Parihyba; Antonio Jos.Goales, na Vil! da Penha; Betonnirtodos Santos Buleao, era Santo Anto; Domingos Jos da Costa Braga,
em Kazairth : Francisco layares da Costa, em Alagoas ; Dr. Jos Kartms AKeslua Baha : e Joi Ribeiro Gtfspatiho no Bio de Janeiro.
OFFKIAL.
.oserno da atroriacia.
<. pnK.SIDKSCIA 9.K IHTISCH DOS DIV5
W E .'ti DE DKZEMBRO. -
1 Amonio Francisco Correa deAnujo.
uwpet-tor da thesouraria de fazenea pa-
ur jusiificadai as falta de 17 26 do
a qu' allude o supplicante.
r.ssignados moradores na roa da Cruz,
r-sc rrdem no sentido que requeren!.
do Livramento.Jnortne o Sr. engenliei-
liras geraes.
mo.Informe o Sr. inspector da thesou-
fcinciai.
ho Antonio.Informe o Sr. inspector da
Iri'i de fazenda, oovinflo o da aiandega.
fio Camillo'de Mendonca Furtado. Por
i m;i lugar o que requer.
' r.-iici-en Jos da Sirva, Severino Cesar de Me-
e r.:i!n s estafetas do correio .desta cidade.
.'%.:'->r.l:':n :i deeisao de governo imperial.
nins de Sonta.Informe o Sr. inspector da
l> souCria de fazenda.
los Ir: linio Cesar de li.Ufarme o Sr. ma-
l i lreVJf no arsenal de guerra.
iii]V.imTiieodaro de Vasooneellos Arago.
i A: o fiuppticante sido pago a razio do 10a
m aes, eati o interina a thesoararia proviucial,
f lia qu< providenciar. N
' Goneiives Torres.Informe o Sr. Dr. juiz
Hilos da fazenda.
V miro torerra daunh*.Informa o Sr. eo-
\! ci.mmaodante superior interino do rauaici-
<%Kw.ir-..
Km! Marcos Corroa da Cmara Tamarindo.
;i-..riMiu vencimentos na forma daiei.
ri^Lp da Silva Cosa Informe o Sr. Dr.di-
- >,r i''iVl da nstrucc&n publica.
riiirti^ijk Praneisco de Otivcira. Como re-
' C>-P X^\t dem
& :.-%msso portara nos Ierra >s do res-
i reguli Auto.
porm, as iras oraeios do ministro brttanneo fo-
ram reaclad* essas retacees, e retiradas per am-
bas as parteras notas trocadas sobre o assumpto,
para que nlicassora archivadas as (trovas da im>
pradeneia ellescoriezia do general Web,e os doen-
maatos da eurgia e dignidade com que o minisfro
de estrangeiins ulo Brasil repeli as ofensas comi-
das naquelkt documentos.
O govern dos Estados-tordos (el a de vida jns-
^tica aos s(titimntos do Brasil, desapprovando
a politice st/zuida na corte do imperio pelo seu
representaos. Esse precedimento da repblica
por demais isongeiro para o Brasil, e 1>em deixa
ver qnaes p deseaos di* Estados-fnklos com re-.
fereneia mdacio de ama poltica internacional
puramente americana.
Na abert ra do ultimo congresso o presidente
da repitblifi fez largas consideraces e*n sua m n-
sapem solre a situaco poltica e econmica da
Unio, pro lamando s ptimos resultdos ohtidos
nos ultimntempos pelo emprego rencentrado das
forjas prowctoras do paii em fazer desapparecer
as hrecnv prodiuidas pela ultima guerra.
Os Estajos-Unidos, exemplo da Inglaterra,
celebrar!: um tratado de coiutm-rciooom a Cliina,
e procurai por tod o~ niios augmentar auas
tran-ace3^ c m os paizes mais commereiantes, e
sobre tud com os que ceusoroem em maior eseata
os seas ptdnctoe, em eujo caso est o Brasil.
A nTodfcco ameriema assume proporcoes vas-
tisimas, (os seus productos invadem todo o mun-
do, vencotdo toda a concurrencia pela sua gran-
de barate:i. A Inglaterra romeca a rweiar-se
dssa nvi poderosa no flemmercio. como ja se
poli
d.
Bf partea ta polica.
S1 jec--mSecrtUiria a polica de Perearabn-
. .; dejar v i d,' 187.
\\ i, [Ubu E . i 4 \ Exc. qae, segnnd eonsl da partt-
t.-.-^bidasHUi'n>sta i^riarticao. fer*
n re >'!. dos casa te detennioos sguii'
livi iivn
lia di mt prximo Sndp, m:t.
:. | inuii i irreia de Meti. Prancisdo Mano
: lat el Alexatflfe da DoAtt, viad fi
fi'ir iTriiri \ irde i d :bdelegado do Rccife, o anstriaco
I: i ..-;.:o bespanlwl Manuel Sao Roma
I ;!:-.,;, i .i..iri-eia,estep*-Mrocria jahuel
; i.',-.'i;i."-'' i respectivos cnsules.
orde n di de Sanio Antonio, Manoel Boa-Ven-
i : iitcs pw disturbios, e Joanna, escrava
|i> Mafia de .' a requertmento desta.
\o ia i'*.' crreme, aordeiu do subdelegado
I Mite, !"'. nervio de Aprigio fcs da Silva,
1 ibedierua : lee, escravo de coronel Jos
Soaren Haposo da Cmara, por andar fugi-
I rrii re e .:rto.
. nrdem do de S. Jos, Benedicto, escravo de
risco de tal por disturbio,-.
. nrdem d d .- AtTogados. Romualdo Moyses
I 'arias, per 'Time de tertmentos ; e Felippe San-
,. i (i i i,.-;-, pnr disturbios.
i dia i ontem do nbdelegadc de Santo An-
l hia.i Pene?. Joan de Paulo Caler, Jacintbo
l'.-Mtte 4a Cnnha. e Mara, escrava de Joaquina
I! i dii bsf ifito-Sanlo, esta a requeriniento de
.. ra, qaeUe por crime de erimeatos e
orle.
nrdem do de S. Jos, oaquim,escravo de I.mz
M -.1 poi Time de furto e Pedro Celestino Be-
. por : tetante.
icii- de :tOde dezembro ultimo, particr-
-mc c delegado de polica de Serinlcm que
,:: da 2. dr rr.esmo mez, no sitift Potabele do 1
lislricto da Ireguezia de Gamelb-ira daquelle ter-
Antonio o tal ali morador, fora accimmetti-
|e t .ue de hydrophobia, do qual veio a
. jpcer algumas horas depote.
*eus gaarde a V. ExcItlm. e Exm. Sr.se-
n : or rede: co de Almeida e Albuquerque, pre-
tnte da provincia. O chefe de polica, Luiz
mu Fet-nondet Pinhriro.
sua importancra roanjima
catxi
reeera
tita,
O projejo de um cabd transatlntico entre a
Frtnca e America achou peTfeilo aecolhimento
errj New- irk,quecompreheridi'U a immensa van-
taem, qi' aos paizes commcrciacs resulta da f-
cil e rapi Ijtroea de noticias.
K Amer a do Norte va i progredindo todos os
di; s; e, o breve talvrz, -livre do resto do orirms
qi r Ihe d xou a ultima guerra intesiina, com to-
;<, as sois dates de riqueza em estado de pr-
foi|i e completa produccao. cortada de estradas
de erro em todos os sentilos e glorificada pelo
ir: ralbo, illa realisara ;i foltcidade de seu grande
o, dando lifoi-s de liberalismo, de civrlisacao e
progresen lodosos pfctzes (! globo.
i infeliz Mxico, depois de vultar dos btaeot
Parchistas ao seio da repblica, com a queda
j ivco e desgranado Mavimiliano, tem-se con-
vado quasi constanteinente em estado de re-
!e batimento, quer material, quer moral, em ]ue4e
atrophia o sea presente e tal ver o seu Trituro.
0 Ks tado Oriental passoa por diversas rdveltas
qua rebentando em vicrios pontos, trouxr^.nn o
espirito do paiz coraba tildo e receioso. Xicacro
Rorges, seu mais desterrado caudilbo, levantou iu
grito de guerra que eonstsconu todo o e lado e
mii;poz serios embaraeos ao governo. As-forc,
legaes da ropnblica moveram-se era sua JMtwV
gaico e deram-lte ora combate em qnc fsi elle
vencido.
A Tevolta nao abaixou o cello, preseguio, ora
pouei tempo assuinio urna posirao importante, sr*
o fjuvnrno dos Ilustrados eidadaos que o convenio
allados per.in'ltio que fosse eieilo.
Ess* govrno tm stdo prudeide o vtente, e,
asunsjnado as dRceia oceasioes pelos reyresen-
tati;3 da allianca. vai al.istando os nheracos
qae ajMMrgaitisjii.'ao do Paraguay aprsenla lodos
os dmjdi'stnbiiindojxistiea, creando urna admi-
nistrscao publica em .)do> os seus- diversos e va-
riados ramos, derramando a lnstruc*ao elen>eit,ir,
fonto principal de urna boa e^lucarao politna, e
provideoeianop no sentido de seren mentidos e
mais calma, ora mais amcacadorn. mas sempre respertarlos tr>dos os.direitos dos cidbdaos enre-
y.
America, o estado de agacao quasi norn
a.oas succedem outras re'vollas come as ela
, do anuo.
mais esforc:* q^ie tenli.iemprelado
iz nouct. jL:m iT'Ose^uidn, iles-
os" E abecilha que vaifror toda a
seentelba agitadora c\m a con-
o prestigio de que goz;? entre os
ento em que a vida do presiden-
te peritro em urna conspiracao
com o fim de mudar de gover-
produando terrivels chagas e deixando funestos,
vestigios no paiz.
Nao foram, porm, as guerras eir, alteiadas
entre os partidos poticos, as micas casas do
seu abatimenfo. As mancas tamben o troaxoram
agitado, eonservando-lhe 'suspensa sobre a cabeca
sua mortiphera espada ; e a pra$ft de Monfcivideo
passou per runa erise Imaneerra e monetaria das
mais cree, por oceasHo das medida* tomadas
pelo governo proposito dos bancos. Essas me-
didas dorara em resultado'fallir! innmeros es-
labelecimenlos commer^iaes e alguns bancarios,
pela liquidaco forjada que Ibes impoz o go-
verno.
Estacrise financeira ia abalando poderosamente
os crditos do paiz por sua longa duraQaoL se o
governo, entran.lo em ?i5 mais razoaveis, niio f-
chasse as portas ao desmoronamento commercial
e quic poiitico da repblica. S*" m csten-
deram-se at irnoortanles. casas ?, cujo
tino e solidez nao seriara hasia siAiir-
Ibe au impelo sem o elQcaz auxilio hm aliiial
prestou o governo ao commercio, suspendendo al
granas das medidas qae provocaram a erise. ,
As discenses polticas da repblica derara lu-
gar que o governo lancasje mo de medidas vio-
lentas, deportando alguus eidadaos ; mas essas
medidas nao chegaram ser executadas poraat
o corpo legislativo, julgando issu attentatori i dos
direilos garanndos pela coflstrtuicao, fez eotaque
o governo sobrtstivesse na stia exeuteao.
A banda oriental, ao calr qe 18ii9, entrava em
um periodo de descauco comparativamente aus-
picioso, e prosegua na obra da'soa p*iificacao in-
testina, dando ao mesmo tempo as suas fontes de
produccao, o desenvolvimcnto eompativel com
suas uaucas, j pela proteccao s industriase la-
voura, j peU facilidade d" iransarcoes com que
dolava o coaimercio, e.onh-.-'.tando e construindo
estradas de ferro, telegraplios elctricos e subma-
rinas e companhias de navegicao.
Logo que a repblica, do Uruguay ?e compene-
trar .de sua misso. e esgotando a lome de suas
discenses mteslinas. se entregar a una paz du-
radoura interna c externa, alimentando as nilho-
res rela^os de conunercro e amizadecom oss(S-
feliz prornca de Matl i-Grosso, e restatrelecia corx
ella as cotiitnwnicafoes do resto do imperio.
Urna vez acampado era Assurapcao o exerco,
o- geueral em clwfe duque de Casias den por
fmda san-missik. atiento o seu estado valetudina-
rio-, e pedmdo perraissao dr. go\Trno brasileiro,
refiron-se do Paraguay toberto da glorias, aoatp
Scrpiao o Africane> na phrase de ^ot moderno- es*-
criptor.
O coi ornando passoa s maos do marechal (>rsi-
Iherme Xavier de Seuza, que, posto que deugonte
econhecedordanrtc-da cuerra, niio intcio i-
nliuma operacaoirap>rrtante.^
A guerra tomn desde entao orna feie/ao diver-
sa. A queila de Assmnpco e suas conse(|iiencrB.s
Italia completado a justa vinganea qae d Para-
guay tomava o Brasil. A nodoa linlia sido lavada
ao navilhtt anri-verde; restava dep o tratado
da triirlice allianca iinperndo am eoncliavo- que
pozesse termo aos nales de qae a guerra inunda va
o Brasil.
A grande gnerra lindara em Assumpciio, e-qne
aiuda restava fezer era a pequea guerra, a gner
(tares, por
,i.itv.i\c_
io do auxF
[(io um ruMav
Irle laacaado
).. que Ihe d
k
MIouve um m
lri'orreu immin
jlida contra el
gnes abata direcrao.
Infanmente nehhnraa rarao, alera, das alliadns,
reeonlweu o governo provisorio do Paraguaw ;
mas temos f que. fa-lo-hao em breve, quanto,
deserjjbirarada a repblica dos exeroilos brasilei-
ro, argentino e oriental, ella poder gosar de todos
os beencios que sao de esperar da solicitude e-
illuslr.iaao dos honrados membros desse governo.
Em. todo caso ninguem poder contestar que m
de boa'p^tica a lirrinacao do governo provisorio,.
>; que .oh seus auspicios val a repblica desde j j w de correra nos matos, em basca do fnrtivo
se organizando proveilosarttenSe. acostumandn-se o
seo heroico povoao rgimen 4a lilierdade no seio
la ordem e baseda em saos wincipios de poltica
internacional.
As repablleas platinas gosam actualmente de
rclafoes in'eriiaclonaes sem vislumbres de animo-
sidades. nao s entre si, como enm- todos os- mais
piizes do mundo ; e, bem quo nos estados orien-
laes e argentinos ainda seja o Brasil mal visto, do-
minados como all 6 achara alguna espiritos de
i le.is auta-lirasJeiras, o joven tmwerio americano
en'el^m aslneltioivs rea .oes cora os governos
platinos
No parto de Assiimpciio Oetf-se ltimamente um
"inflicto entre a policia paraguaya e acurveta ita-
liana Ardita, por causa dos embargos que aqnella
pz ao embarque da bagagem do cnsul desta na-
ca', que diziase geralrnenlc ser depositario de
fiens de subditos paraguayos, no tempo do dominio
de Lpez. Esse conflicto que a roando propor-
coes asMWadoras, eranaHicando o goveroo pro\i-
sorio, (si felizmente resolvidp, gracas aos esforcos
do nos ministro em Assumpcao. (cando regulada
a pendencia sem oitensa dignidade de nenlium
dos p;iizes.
O joven imperio da Sania Cruz, nao obstante os
aunemos sacrificios que faz para manteV essa
guerra do Paraguay, que lhs arruinou as finan-
raa, estragn todas as forras productoras e abaten
o commercio, depreciando sua moeda e o sen cr-
dito ; o leao sul-americano, cuja coma eticada
infunde respeito desde o isthmo de Panam at a
pona sul do novo eonnente. merecejtdo asatten-
io de iodos os paizes do mundo ; o Brasil, du-
o aum> que fin u, nao esqneceu o dever
que Ibc corro de marchar ,com a civisarjao do
secuff.
Em vo-iride da mudanca peliiica efectuada em
Essa O0tWln.j0 p.tpnrten sn\rd? por todo
o ,iaiz. apoiand^,,-,,,, Yucatn, que se sublevou e
aiarctasooan111Dli(.a
As u,timas d ,lS d'a|(1 do, porm, os seus di-
v irsos estadosL,, via IilU:. a,.Ijva de pacjflcaeSo,
ti jido Jurez "hnsoguido que W fizessem eleieoes,
\ fncendo raj|(.u|ave; obstculos, e abrindo o
r jimeiro con dpp0js da volla ao paiz aos
principios re lblic&nof
Alenii dos I^)t.s tusados pelas rcvoltas, o M-
xico sotlreu- ; L. dvprsa natureza. sobresahindo
entre outros d^trujeao completa deHuanchinan-
gu por nra v ,ent(1 incendio.
Mas, a aeeil0 de ,ant0;; ,rabalhos e vicissitu-
vai-se reorganisando poltica e eco-
promettendo auspicioso futuro, de
sao dignas fuellas ubrrimas re-
des, este par
nomicamenl
que por cei
giaes.
A situac
central e do
de 1868.
A^quesla
divergenei^'
gencias des
esforfos da
termino
G-AFilO DE PERNftMBUCO
RECITE, !.' DE JANEIRO DE 1870.
r Ma retrospectiva sobre o antno
de 18f.
(Conutao.)
Pepcii1 d;, pomposa e gigantesca iuta havidaen-
estado do sul e os do norte, luta que ab-
- ven atocinar parte das forras vivas da repu-
ea Norte-Americana, este paiz tem-se oceupado
r-olotte (mtmaae de seus interessos internos,
i se d >ci iraado todava da poltica externa; pelo
; tem ci..n>eguido alcancar urna posicao impo-
u*e, lanu no novo, como no velho conti-
rtc
Povo. cujo querer poder e oude o trabalho
i. rseverante eleva e nobilita o hornera, a Anterica
ri Norte rasga todos os dias novos horisontes a seu
; :raudeCiiMeiito. *
Reixando os campos de batalha, os soldados da
i ita repblica entregaram-se com ardor enlhu-
ii combates industriaes e agrcolas, eo
iz, exhausto de forras, foi-se roconstruindo sob
:ius icios do trabalho lvre. Hoje os Estados-
i ; .los, exonerados de grande parte do sua pesada
1 ida, eacatniahaai'se com denodo para os altos
', ter de sua missao pohtica no mundo.
Os iiegorioSde sua pohttca interna passaram uo
ario lindo por sonsiveis alteraQoes; eo senado,
', para cercear os poderes ao presidente Jobn-
>'i: linha creado oteuure-oflire-act, revogoti-o no
neoe de Wll, quando devia assumir as redeas
alta dministracao do paiz o general Grant.-
O congre so, convencido da necessidade de igua-
lar os direitos de illegibiiidaue de lodos os oda-1
da ypublica. sanecionouo decreto que esta-
ca esta medida, votando um bil especial, no
. ral o antisocial principio de dstinegao de cores
iie racasToi abolido; e igaalawuto votos a-conS-
i ir*,., da Virginia, que al entao tinha sido um
i':.s estados luais perseguidos da Unio, depois da
(ruerra 'ratrecida.
As relaces externas da repblica passaram no
io fmdo sem notaveis altera^ties. Apenas
emi a Inglaterra as diversas questoes pendentes
(i ara afiladas, e ficaram sera solutjao, porm sem
ca para as regulares relac<5cs entre os dons
{laW
Cum a Hfspanha os negocios de Cuba apre-
jtaram alyama gravidade ; roas o congresso de-
rminou que_o-*e guardada a ais. restricta neu-
' lade. Nao obstante, porta, es flibusteiros
i ni roinpid as barreiras dessa neutralidade, e a
iiiia americanadir.lpda a Hespanaa acha-se pouco
i a harrnonia com a<|aeMa f-e~retae~k>.
O ministro amerlcaao to Hk> de Janeiro, gene-
r-,} Web, julgou ermveoieote iBterromper as boas
r-laoBes daijnelle estado cora o Brasil, por causa
fui alterad;
nos preouz
doloroso es
uo de 1869H
rador de
O Chyle
Arancania.
poltica das repblica* da America
pacifico quasi que a mesraa do anno
que entre tilas mais avultra, foi a
om a Hespanha, mytivada por exi-
potencia. Esla questo, grabas aos
fcoa dos Eslados-Cndos, toca o seu
dos vizinhos, ella gozara a justa Importancia a jante
que sua pusna i no rio do Prata Ihe d direilo!
Ekm einmU.de paz, que por ora anda se e iadn-
ina punco com a ndole do seu povo. irn dia, e tal-
v3z.no muito Ion ge, se ha de estabeleccr, domi- i 1808 e eonseqnenie dissolncao da cmara legisia-
nando a hydra da revolucao em proveito d'' hn- liiva, novos "amatadas foram eleilos em Janeiro ;
mauidade ; so euiao se liojjr^JW;- toU. reojidts as eaatacffi mu maio. < |wiz fui leste- f
]"," f-'iiHi1 (til f'f'tf-'^i'cT fliesccnie. innni'as reformas ah iniciadas, baseando-se na
A repblica Argentina gozou taure-m de pouco hbersnde.
socego no correr do anno que Badoa, e vio alguns 5s*as refiirmas. que oanno de 1870 sem duvida
caudilhos, ambiciosos de poder e orgnlhosos de o>- ha del ver votadas em ambas as casas do parla-
teiiiarem sua loica, reunirem algumas centenas i menup, dan lesiemnnho das ideas qne vio lavrando
de horneas e agitaren! diversos estados, especial- no im perio, e que fazotn a gloria oWecnlo XIX. e
meiite os do norte onde o general Taboada. aoa-j a bji anote da geraeao actual,
zando de sua influencia, ergiieu a bandeira da re- j t nado finaneeiro do Brasil moilo precario
VGtlta contra o governo de BueDos-Ayres. '> e dpi ida urna usa medida o depreciamento de
governo argentino conseguid, porm, abafar saan >ea quasi exclusiva o papel. Felizmente
todas essas rebelioes, e a ultima do norte, para a! os sJei a crditos na Europa tem sido mantidos em
qual tinha elle concentrado toda a sua atteacao, I um'p que Ihe nao totalmente desvantajoso, visto
eslava em vesperas de Qtn resultado (avoravel aos 'cii ;'de tem sabido fnzer bom e tempo o piga-
inieresses da repblica. raerstrlde sua divida i proOorcao que esta se vai
A presidencia de Sarmiento tem sido para a re- ve.inlol.'o.
publica Argentina urna fonte ihexlimavel de bens: 1 olsili oonmercio, industria e agricultura tem
e, segundo sua ultima mensagem, os estados sb seu governo tem caunliado na senda do progre>M), iliwinajessn soffrirnftto se prolongar por muito
vidos come
aos seus r
_Em quaf^; es
pelo emprego inlehigente quede suas rendas tem iem|
elles fe i lo, quer era pr/l au desenvolvimcnto mo-
ral do paiz, quer do/rater al.
Na verdade piafados Argeulinos tem curado
muito seriamente da nstrucco publica de seu
povo, e os inrlhorainentos m.itoriacs iutroduzidos
uo paiz ah eslo attestando os seus desejos de oc-
cupar o lugar de honra entre os estados do Prati.
Esta razoavel aspiracao nao poda aehar melhor
interprete que Sarmiento, cujo tino administrati-
vo e conheciineutos das cuusas do seu paiz e da
America colocamno em posicao de cooperar efll-
jntre os qu 1 sorpret
Em todos
eonstituicoe.
Chyle e do
prova, este
urna conven
aquelle lim
so extraord
ral e de iir,
De todos
em civilisa
e a constit
mais solida
reinar a harmona tao necessana
procos nteresses.
repblicas a paz interna
HT dissencoes polticas mais ou rae-
Blas, rjue irouxc-nim-nas sempre em
lo de preoecupaco. Ao cahir do an-
seu aspecto era' porm, mais inspi-
fianca.
anseguio sabmeller os Indios da
.presidente Baez obteveo apasigua-
mento do Hilv_ A res0\^ da Bolivia foi suffoca-
da, e Lucre,kBde e||a relntou. vio as forras le-
gaes levareirLt. vencid;i os insurgentes. Em Ve-
uezue la o J-Mfemo sabmetteu todas as partidas
armada*. rJ[Ba|mente o presidente do Equador,
r' o, repellio a tavaso que em uay-
eu as forjas do governo.
is estados do Pacifico manifestase o
pensamento e a|irgar,as bases das respectivas
i; de leis liheraes : e os governos do
quador j tem dado disso frizante
nnvocando os povos para elei^o de
ao que deve reunir-se em Quito para
> aquelle convocando o seu congres-
ariamente para tratar das leis eleito-
rensa.
ises paizes os que mais se avantajam
o e progresso >ao o Peni e a Bolivia ;
r;ao deste estado, assente sobre as
liberaes bases, um penhor segu-
ro do cngrtdecimento do sen povo, com qrfem,
a estorcos (L COnselheiro Lopes Netto, consegui-
mos lazer tL, iratado de commercio e amizade e
demarcar alt,onteras_ estrellando assim os la?os
de iraternidaCg ue,j0 necessario ao estabele
ment de ut\a potitica americnna.
ru, recinnecendo a necessidade de desen-
ver suas tottes de riqueza, acaba de promul-
ma le tatpndg ampias concessoes aos immi-
raatse aue sf ^uj^fem eslabelecer as margens
^JS seas afluente. Oxal que o Bra-
sil, cempeueit^jjjQ^g ^ mesina necessidade, pro-
cure attrahir a injajjjjraeao para aquelle lado do
imperio maxiC ,^5 ^ aberl0 a ^as as ban.
9?**s "f? na5estraigas aqoelle vasto occeano
d agua dote.
As repblicas f^ tlK1u da America, jalgao-
tados limilroplies e de assegurar a tranquilidade
Ja repblica duas aores frondosas cuja som-
bra se desenvolvem os gerinens da grandeza de
qualquer povo.
A crise flnanceira que contaminou o mundo
apenas rocoa sua aza aajn na repblica, sem
causar-lhe males; e o estado monelario de suas
diversas pragas coinmerciaes, especialmente da de
Buenos-Ayrcs, junto ao pagamento de? parte de
sua divida publica exlerna, di urna justa medida
do flurescirneuto
O general Sarmieu
volada no uongress
publica de Buenos-Ayres para
A Kvpnblica do Paraguay, entregue- aos horro-
res de urna guerra de invaso, que, era desagravo
de offeasas pesadas, Ihe movein tros naeSes sur
visinlias, viutcoar-se urna parte do aano de 1869,
tendo apenas a existencia poltica que Ihe garanta
o traotado da triplico alhanco.
Seu brbaro presidente, cruel tyranno, cujosfei-
tos horrorosos tem enchido o mundo de iudignacao,
dejiois dos ltimos combates que a suas forras e
posicoi.'1 levaram os exercitos allados no anno de
1868, desbaratando aquellas e assenhoreando-se
destas, abandunou sua capital de As^mpio,
inleruou-se para o rjentro. Esse abandono e os
que se Ihe seguiram, merecidos jnreaiu de seus
eritnes e desarazoaias prelencoes, derara por ierra
coin o seu poder, derrubando-o do pedestal dicta-
torial em que o collocara o testamento paterno.
Internado Lpez, de seu governo apena* existia
um simulacro, e a repblica achou-se em ura es-
tado poltico rnteramente anormal, sb os auspi-
cios de ura coramando militar dos allados que
tinha sede era Assumpcao.
Em principios do anno lindo o conselheiro P-
rannos, ministro de extraogeiros do Brasil, em
misso especial no Prata, ineetou urna serie de
negociaces com as repblicas alliadas do impe-
rio, com o Ara de ostabelecer-se uro governo pro-
visorio no Paraguay, como j tinham sollieitado
das potencias alliadas os eidadaos paragaaios ex-
isleates em Assumpca
A' 8 de jnoho assignaram os alliados um con-
venio para a orgauisac*) desse governo, e pouco
lempo depois foi eleito em Assumpcjw pelos cida-
U'it qne se rest.iheleca a Iki ordern nr,s fi-
kcs, ;ii que sejan as loles productoras des-
Lvadas dos (asados inumslos, que anda no
[de 18(3i) fiM-am augmentados, e Analmente at
|esapparecani as brechas fitns as muralhas
Kopulaco pelo augmento tVsta, quer pela
jracao, quer pelo accrescimo ptvgressiva de-
|.u!o pela reproducciio.
[agua questo lo elemento serv!, nao cessa
[upar seriamente a atiencn dus homens emi-
do imperio: e a forni:icn em quasi tolas
1 iiiias de sociedades abolicionistas, com o
hllk'laretn as criancas c os ventres. nina
prova 1 lente do desojo que lera a sociedade bra-
sileira ver arrancada do seu seio essa serpente
veneno cuja baba Ihe corrompe o corpo e a
alma.
E' es sem contradice') um meio etlieaz de au-
xiliar a uco desse difficil problema, que s pode
e deve 1 resolvido sem abalo para a scciedade,
som choque para os diversos nteresses que ncUa
se agitatn), c pensada e paulatinamente.
Foi efte sem duvida o pensamento das diversas
as provnciaes que, no correr do anno
tarara quotas destinadas libertacrw de
I captivas.
\------------
diciador.
Dnrante algnns mezes o estado *' exercito- foi
apathicn e a guerra nao deu um paseo para sua
eonclasao.
Ogoverno to imperador do Brasil nomeoi> S.
A. o conde d'Ku commandanie em chefe do exeo-
cito, c. e-se 'joven enlhosiastico prncipe parti para
o Paraguay deffonder os interesses d; sna patria
adoptiva, dominado por um nobree guerreiro sen-
timento. que (lie faz honra.
Algnm tempo consumi o novo commandanie I
em chefe para organisar as forcas e dispiir todo |
o material.de guerra para entrar em campanha.
e para fszer abaslecer com abundancia os arma-i
zeris de vveres. Keito isto, a nova phase da gner-:
ra fot inaugurada, e urna serie de combates, ape-
gas interrompida para dar deseanro as tropas e
refazer as provisoes, levaram o exercito Miado I
ateos uliimos confins do Paranoy ; expelindo o!
dictador, como se disse as ultimas dalas do ter- ,
ritorio da repblica.
Rema serie de feifos sobresaliera : a tomlo do i
Rosario, W leguas cima de AftompcSo ; a toma-
da de Ibicny, l'undico e depsitos do lyranno. de
queresu'tou o abandono de Patino-Cni): a ocen-
p*cao de toda a linha frrea at Paragnary : a
tomada de Sapivaia ; o reconhecimenlo de As-
curra, em !) de julho ; o ataque alomada do pas-
so de Saneenhy. a 5 de aguato, de que resultoH a
oceupacao de Valenzuella 7 ; a tomada gloriosa
do reluci de Ascurra a 8 ; o ataque e lomada
de Prraln'ln;y ;- capital de Lpez, ii ; a tomada
de Coacup." arsenal efabrinade pelrechos belli-
cos a|oii:'s pequeos combates das tercas brasi-
leiras e araenliiias contra as fugilifas do decaltide
dictador, dos qnaes resukou a tomada de Ignacio-
Cu, Ximguass, S. Estanislao, Naranjay, kaki-
tangi:\ Sangiiino-C.u P;.cuaty.; a occaiiacao de
Caiagualay, 'y' capital de Lpez, em 2S de'.ulu-
bro ; ,1 tomada da ponte sobre o Jejuy-mirira, e
finalmente a oceupacao de Igatem;-.
Em todo? os sers (siles darmas, mxime nos
de Ascurra e Pirabebuy, o joven general mostrou
sempre um valor nexcedivel e urna coragem s
digna de um bravo. R todos cjsos eitos. que
tri.uxerain novas e hri I liantes coroasde louro ao
Bnasil aproximaraai do seu termino essa por do-
mis prolongada campanha.
O Brasil a cada boa noticia que reeebia dos
campos do Paraguay estremeca de jubilo desde o
Prafe al o Amazonas e vctonava os exercitos ai-
liados e seus genuraes com pomposas demonstra-
efies de prazerpor te-los associados s suas glo-
rias.
As uliimas noticias de Assumpcao arraigan: a
convieeao de que a guerra cot o" Paraguay est
completamente concluida. O protocollo assignado
naquella cidade sobre retirada das forcas alliadas
nenluuiia duvida deia mais esse aeopeita
E" .pois. possuidos da mais viva satisfaco que,
au terminal- esta breve roseaba, felicitamos o Bra-
sil pela volta ao seio da paz exlerna, por que com
es-* resultado temos esperancas de ve-lo entregar-
se con 1 f a reconstrueco dos edificios que essa
malfad da guerra fez baquear.
se a reprodueco de f.icUn desta enfrio, raja he-
diondez exclue qaali|uer omnenlo de nos.-a p;trli*
por esta occasio.
FESTT1DADE IKLrGJOSA..V larde do dta ft
do corrente levanta-se a b.iadeira de oev Hiaar
ra da Coneeico, erecta em sna capella ila ealrain
de Joao de Barros, seadb esse acto praiicad,. cora
loda a pompa.
No da seguinte eotaataia as naataas, i-n-xlia
tC ter lugar a fesia, orando *> Evangelho o Kn.
Dr. Pelinca, e noito o Rvm. Fr. Joaqun d E
pinto-Santo.
Ha fago de artificio em tenninaco de t la a
festividade.
JUNTA DE COK RECTORESTomain b-.j^ p*-
se os funccimianos, que lera de eorap>r a jnnu
dos corredores desta praca no mrrenii anrv 6V
1870, sendo eHafo Srs. Bvaaala *e Mbm*. prr-
sidenle; Antonio BolelboVinto de Mesquiu Jnior,
secretario; e Aiife-usto Pinto de Leruos. loori-
reiro.
PROCLAMAS.fttramlido'domingo, na intUriz
dn freguezia de Simo Antonio os proclamas j-
juintes :
1.* denfinciaco.
Manoel Francisco de Paula,"coinJotia Vmmemn
da Silva Orpho.
2.* denrrnciacao.
Henriqne Dias de Mosquita', com Isabel Mari:
da Coaeetcjk) Lima de JUmmo,
Salusliaoft BasUis di>s Santos Rego.com Id .,e-
na Gomes dos Santos.
Francisco de Oliveii i Mello e Silva, rom Maria
Carolina.
Theotonio da Silva I^ureiro, com HafKaa Hwia
da Coneeico.
bndgero Joaquim de Faria .Noves, com Mana
Emilia Jorge Gonrjalves.
:i.J denunciaco.
Jonqnim Vicente de AlmeiJ, rnm Ataida Ma-
rta dn Poaatoa.
LOTERA.A que se i-ha venda 1 a I! a
neneOeio da igreja de Nossa Senhora da Gaaeaspa
dos Militares, que etM no .lia 13.
PASSAGBinos.Viink>s do itii Wiiauau aa
vapor P'Hiihn'n :
Antonio A. lie C. Vera.-. 'raneise.i i 1 S. M.a,
Joao Allonso Torres, Alilouio d.i Caolta Jnm i
Saludos para 11 sul no v.ip r Gni i
F. S-Teiiipural, K. Foi.*, M de Anbcrf, M
Jt dos Santo-, A. de S. Cadas, M. HoadiM de l-i-
gueill'do.
Idiiii para o non da vapor braslleira //*-
S. \iAh, padre Tiloma/, v., padre A. lab as,
II.Boe,e um creado, F. Verrmr di i mm
C. P. de A. Mello, JaeintM Hi-tivo. F. de Pan-
la Mindelo a sua sahora, eanitao Pautan li K.
Barros, Dr. J. G. I'ince d; L-io e sua senhora,
e una creada, F. de Paula. J. A. Lene la S i\ .
Candido Marcoiiao Mnoieiro. Angeh i!, .i 1 l:.--ha,
J. ilos SanKi-, Coelho, M. Modesl > I'.t. 11 v .1.0 .
Manoel Antonio da Cosa, I lirasoe i ...i-i-
PUBUCACOES
A PEDIOO.
PERNAIBUCO.
REVISTA DIARIA.
0 esta 1
sil em lt-
pacifica 1
no modei
Circula
de ordina
las e guer
s-naoes
jar qae es
ment do i
cao
rantia dr
A* re
nao forai
dos Estad
no Rio d
eupamos,
de tranquillidade de que gozou o Bra-
io sera duvida preveniente da ndole
eu povo, sob a direceo de um gover-
0,Ilustrad) e cuidadoso.
por pequeas repblicas, que vivem
entregues s mais desordenadas lu-
iqteslinaa, o Brasil serve de modelo
America do Sul ; e seria para desc-
repaMicas se ^uiassem pelo procedi-
erio no que diz pespeitu raanuteB-
no justo emprego das leis, e na ga-
do Je recipnxj anveniencia r.imentarera urna daos da repnblica do Paraguay, nogosodeseus
uraao protectorj ^ ronranins mteresses, traba- direitos pohticos", utn triunvirato coaiposto de Be-
rdads publicas.
do imperio com as outras potencias
radas ; apea as com o represntame
-Uihidos aa America do Norte deu-se
auleiro a desaveuca de que j nos oc-
as que nao leve serias ooosequeneias
gracas as bon s oflicios do ministro inglez e a In-
teireza do tove rno daquelle paiz que desapproron
a poltica tto feu representante, retirando-o da
curte do.irdjierio.
0 Brasil
homens no
talento e i
que oceupa
senadores
ma, quando
onde acaba'
lo uros de si
corte para t
queridas na
Depois do:
de 1868, co
ti* ja 'io dbada questo do Canad. Uraca?, ro e volare' f 5WJ,,
Iham aotrrasnej^ ^^ ^^ fm? encaminhando os
seas negocios pJra a jqIupo mais concentanea
com esse pensg^g^
Obtio ssse regulado a peditica americana ter
dado um passp vairtaic^o. marcando assim urna
aovae notav^ ^^.^ o0s fygfas do novo conti-
neate. ^ K
As repuhlica5 flxia. ainda no anno qne fin-
dou, ders-n ari raunt0 0 espectculo trisle e deso-
lador couHaotes gerras iatestnas. Aquellas re-
gioes, para q0em a najureia f0 prodiga de todas
as riquezas que p0dem ^^ a gloria as naepes,
sao oonstante^gmg v0tjeias do carcter guerrei
pnvos, e dahi o estado de
dova, Lovsaga^e Rivarolla, para dirigir os destinos
do'nascete povo paraguayo. Esses tres eidadaos
tomaram posse solemne das rdeas da alto admi-
nistraco do paiz em 15 de agosto; e, desde ento,
as consas da repblica entrarara em via de orga-
nisacao, comecaodo ella urna nova vida poltica,
que a deve conduzir um prospero lutaro.
As subsequentes victorias dos alliados sobre os
restos destrocados das forcas de Ijopet, foram suc-
cessivamente deixacdo os distrieto paraguas
sugerios ainda sna influencia e lestitoindo a vida
civil militares de soMUes daqaeila naco, qae an-
da va m foragidos.
Assumpcao foi o centro attottivo para ende
elles se difigiram, e a capital da reparWR em.
erdeu no prximo fmdo anno rauitos
veis, tanto por suas virtudes cvicas,
Straco, corno pea elevada po-ieo
am. Entre outits morreram varios
sempre chorado visconde de Inha-
e rolla dos campos do Paraguay,
de conquistar os mais virentes
vida de bravo militar, se recoltua
itar-se das graves enfermldades ad-
arapanha.
memora veis combates de detembeo
que as aossas forcas, sob o com-
mando do inictn duque de Caxias, abriram nma
estrada para hssumpcao, tapetando-a com os loa-
ros das victorlis ;i dspuj dessa lula gigantesca ini-
ciada em Angkstrtra 22 de dezembro e termina-
do as Lomas Valentiuas a 27, gloriosas campa-
nhas qne nos Izeram sennores das linhas do Pi-
qu'ciry, de mas do urna legua de extea^o; de-
pois dessas estupendos felos de armas, qae poze-
rara em faga a nefasto dictador; urna divisao do
nosso eiercito.jexa 2 de Janeiro, entren em As-
snmpcao, capitli da repnblica do Paraguay, e oe-
cnpon essa cidide de onde Lpez foglra, abando-
nando-a vergpatiosautenie. No da 5 o grossodo
exercito adiado acampava em Assumpcao, e nesse
mesmo dia nni exaedkio de navios'de guerra
brasdeiros saba) o rio e'm deaanda da cessa hv
RECEBIMENTO DA DCIMA.No dia 10 do
correle terminara os 30 dias ufis para o paga-
mento desse imposte provincial a bocea do cofre,
sem dependencia da multa de 6 por cento.
EALLECIMNTO. Fallecen hontem as 3 ho
ras da larde o professor publico de insirucco
primaria Seraphim Pereira dos Santos Monteiro,
victima de urna bronegtes, que em poneos dia*
Mm tfHen a vida. O fallecido gozou smpre de
muito boa reputaco professional, alm de reali-
dades que sempre soabe conservar com evangli-
ca resignaco: morreu pobre edeixou apenas unta
numerosa lamilla a quem damos os nossos sen-
tidos pnames.
APPREHEXSO.Pelo fiseal da Boa-vista fo-
ram apprehendidas ditas vaceas e urna bezerra que
vagavnm a srino, achando-sc as inesmas deposi-
tadas, atim de serementregues aos respectivos do-
nos, depois de satilfeho por elles o disposto no
art. 10 das posturas municipaes de 30 dejuohode
H>.
HYDBOPHOBIA.No sitio Pontabile, da fregae-
zia de Gamelleira, foi accommetiidj de um lorie
accesso desse horrivel mal um individuo alli mo-
rador de nome Antonio ; o quai veio a fallecer
horas deptois do mesmo ataque.
PR1SO.No dia Io do corrente foram presos
pelo subdelegado desta freguezia do Saato Anto-
nio Joo Torres. Jaciotho Roquo da Cunta e Joao
de Paula Caler, por disturbios praticados, princi-
palmente por este ultimo, no trajelo pelos inlhoi
urbanos dos arrabafdes para esla cidade, onde afi-
nal por occasio de elTecluar-se a respectiva pri-
sao fez o mesmo differentes ferimonlos em um
dos soldados, alm de outrasfacanhas.
Cumpre que a polica nao deixe de infligir-lhes
a devida punicao, afim de que se nao dem taes
acontecimenlos.
ESCNDALO. Pedem-nos a publicaco do se-
grate :
Em um dos dias da semana passada, urna pes-
oa, tendo a mulher prestes render a alma ao
Creador, dirigio-se a dous sacer Jotes, aflm de que
a ouvissem em eonfissao; porm debalde o fez,
porque arabos estes ministros do altar furtaram-se
ao eutriprimeato de sea restricto dever, apresen-
tando. romo jastifieacao desse sea procodimeato
inqaalificavel, rasoes frivolas, capazes de revottar
o animo o mais fleagmatico.
Da) l^rceiro sacerdoie, porm, digno do ministe-
rio que exerce, nao se fez esperar; e quando des-
varada anda aquella pes oa peloJacto cima ex-
posto, dirige-se a matriz em companhia de alguns
amigos com o fita de trazer o Viatico para a en-
ferma sob o palito, abi teve ainda do passar pela
decepeo de receber do respectivo sachristo urna
f*pos"ta idenes a qne bavia momentos antes re-
cebra daqnelles sacerdotes, ou peior ainda, alle-
gando nao barar opas; brandos, esm fugo para
accender-se o tauribulo !
c Aftestamos veracidade do expendido; e as-
pira, Srs. redactares, solicitamos de \K a pnblica-
Contestamos que seja ignorado o Ih m .-oiaviin
de ipie gosa o referido nmrdoiiiu, e na.) raatpta-
hendemos que possa ser ignorado tnanen (Ihhu
ou mo) de um hornera que muito ttmktat,
como diz o proprio arficnlista.
No modo insidioso de dtar a nava, o attiaai
ta revelou, sera querer, a m f rom OH pr>icu-
rou deprimir o carcter do Sr. Ignacio jan Piala,
o (jual, em sua repnlaco d*> hoinem d-; licni, tem
sido at aqu e cuulua a ser acatado pr iodos
que o conliecpin.
So o articulista quer ser explcito 110 s.*: pens.i-
uiento. se que ilguina eou-a salw cinara .1 r-
putacio do Sr. Ignacio Pinto, retira o que uiiber.
aisumindo a res|ionsabiliiade com aassigaanan
do sen norne; nao sero, poi*> (,s aciHimietliinm-
tiis de inianitjon graiuitos admlaaas.qoa naatfta-
rao prejudica-lo na eslima e coiiceito, de que
guaa.
O novo mordomo nao carece da attM w-feza ;
.-( tem os repu-ilos Lgaes para de- naanakor
o tajar, digam o Rvd. censor o os mai-
dos do Gyutnasto. que, segundo ara tala, e-in
satisfeitos com elle, a al os proprio- jlranajj,
pea meihor alimenlac.", que tem nestam, d.-
pois de sua mordomia, segundo nos ten eiaumu-
uirad) os pas de alguns dos referidos ataaaaa.
Finalmente o pertencer o novo mordomo a es-
tirpe de S. Exc./ainda que nor alliiii ade nao o
poda inhibir de ser prvido no lugar, qae aetaal-
raente oceupa, nma vez qne tinha os r*'|ue>ilus
para bem exerce-lo.
A justa apreciayo de aluuns helos rtavaaeci-
dos pelo proprio articulista, musir baaWat qww
a sorie do Gvmnasio n.> emprior u earaaaa-
meaco do Sr. padre "Hto de Barms Corre 1 pan >
lugar de censor.
< Nao corada que grtves vicios (diz o arli -uli-
a) teiiham sppareriilo no Gyamasio e qu.nii. a
edneaeo religiosa, nssas aos domingo* a quima*
feiras'uma especie de terso ao detiar e l.va iu.r
dos meninos, ludo quanlo lia neste ge-ien.
Antes da nomeacao do Sr. padre Tilo, e ainda
no lempo da adraiistraco do Sr. conde de Bae-
pendy, honra quem negas-e is se pela (lazetln no sentido de ser nomea lo uui capello para o
Gvmnasio, em quanto n> fosse noovado censor,
afim de que, os alumnos do Gvmnasio nao raatt-
nuassem por mais tempo privadiH de onvir nnssa
aos domingos e quintas fciras etc.
Com a administrara do Sr. Dr Haaoel P. rtella.
e com a aorataaio ao Sr. padre Tilo .
do Gymnasio os meninos veraat a '"
hoje missa aos domingos c quintal feiras, alm de
uutros actos religiosos.
Logo o proprio articulista reemhece, em saa
precitada puhlicac, que coro a nomeaei> do Sr.
padre Tito para censor, o Gymnasio ganhon. I11-
crou pelo menos alguma censa rnianto a edui-ir;j
religiosa. --..,
Pelo que diz respcito a edneacao inteHeetaal,
tambera se pode anegar fcilmente a rasan roa-
0 Sr. vi :e-presidcnte Manoel PorleJla reconhe-
ceu a inconveniencia de (pie os logare* de rq>eti-
dores continuassem a ser exercidos por mocos
alumnos da Faculdado de Direiu, e estudant s de
preparatorios, rujas brigaffies nessa "qu,ilida sao incompativeis com as de taes lugares (ciiio
se v at do am do< oflicios transcriptos no Libf-
ral de 21 do corrente); e nao obsUnle as cobm-
deracoes resultanles de sna qualidade de lente du
Faculdade, e apesar da bra vontade, que de*i*
ter nataralmente a algn* daqueiles estadaaley.
que erara seas discpulos, o mesmo Sr. viee-pre-
sidenle demiltto algans dos repetidires, qae
achavam as precitadas condic/jes, t n mw.,11 lu-
chareis para snhstiiui-los.
Nao se pode pois negar quo o sr. Dr. ponetia,
entre o> roelhoramentos que procuroo prora ver
em sua adraiistraco nterin*, nio se esquieu
de attender as necesidad;* mais urnti!s 1.7
estabelecimento de instracrp) secundaria, e
ama censura inmrita, e contra a qnal proles -
Um os factos, dizer o articulista, que S Exc da-
xou cahir era abatimenti lio til loslituija.-.
Como diz o articulista que cora a nonvae w *
Sr. padre Tito para censor, de ma
peior a sorte do Gymnislj
torno*-
Corno concite
Ira

i'.'
\
[riTili IniraraMi. iflm fininrriTiriaii lilil fft-'rf P"" cora o juizo favbravel que o Ube il
rara
l
( MUTILADO



#-v-


..

M
r~fe.|i,'
T


I
mansnn
t
tr>
^
y
ernambucO
..r. padre* Tito por oceasiii' de soa
para "o rwferido lugar de 'Censor?
i. n_____... ___.__j:.i. ni mu'

1
'
pro
., foi er. i-
.toui) era rccuyi-
n.i i tinha pedido
|a e)W mezes'feereerfa
? pafa as bandas do eagenho
Cono evita a flagrante contradicho cm qu jfrado fuando uin cavallo,
cabe, contestando ao Sr. padre Tito a qudkhdiy pcnsa da.jaelle servil}.), qu
te empreado roloso, e de eonslituir-se na rege- raimoseou-o cora urna nieta duza de bas peiaaa>.
doria interina, centro de energa, o revestido da Apfesentando-se o offondido ao miz rawijLipai
precisa torca moral para promover o bem e>Ar e deste termo, mandou elle incontinente proceaer a
o progress real do e>tabelecimento, e ao mesmo Icorpo de delto, declarando os peritos nomeiacio>
vempo Ihe attribue, se bera que sob a denomina- serem leves as offensas pbysicas,quu receoau, uno
cao de especulacao, o emprego de meios enrgicos
e legaes, que deram lugar dwnisso, tao censu-
rada pelo mesmo articulista, do antigo mordomo
o Sr. Joaquim Jos da Costa ?
. Nao temos pois rasoes seno para considerar-
me* o censor e mordomo actuaos do dym-
nasio como bous empregados, era vista das
proprias sllegacoes do articulista; e como as
censuras, a que respondemos, nao paisun de
meras hostilidades de opposico aos actos da ad-
mraislraeo do Sr. Dr. Manuel Portella, conclu
remos do mesmo modo porque o fez o articu-
lista, appellanilo pira os pais de familia que alli
tem sens fllhos, e para o actual presidente Ja pro-
vincia, que nao deixar sem dnvida do informar-
se dos Cactos, e de proceder de acc.rdo com a
lei.
Justas.
Terqa t ie J\t
Je
1870.
ALFANDEa
leudtmento de dia 3. \" ''%
M0V1MENT0 DA AURNDB
'iuinea entrados com faze^das
dem idem com gneros
189
------313
486 .
Mi,
Gyranasio provincial. ()
No Liberal de 20 do corrente, sob o titulo pu:
hlicaco a pedido, se desrreva com cores mui
earregadas e indevidas o estado em que ficou o
gymnasio provincial, depois da demisso do mor-
domo Joaquim Jos da Costa, e das aomeacoes do
Sr. Ignacio Jos Pinto para o substituir, e do Sr.
padre Tito de Barros Correia para o lugar de cen-
sor, ailm de so concluir d'ah, como se concluio,
que o Sr. Dr. Manoel Portella em sua administra-
cao t em vez de beneticiar e endireitar e gymna-
sm, como (filia, tornou peior a sua surte, e dei-
xou-o em tal abatnenlo, que oceasionar a sua
queda comiileta, se em lempo nao liouver um pa-
ra.b'iro etc.
Nao pensamos assim. tanto raais quanto dos
proprios faci-, qu exibio o autor da referida
publicarn, se deduz concluso diversa o at dia-
inetraliiiente opposta a que pretendi, mas nao
conseguio, chegar.
Comecaudo por asseverar que um dos ltimos ac-
tos censaravei- da admraistracaodo Sr. Dr. Manoel
Portella foi a demisso do tnordom* Joaquim Jos da
Owta, logo depois, quando se devia esperar a de-
moustraco cabal desse asserto, o articulista huir-
ton-se a declarar oque nao pretenda mostrar quan-
to immerita u infausta foi a demisso do Sr. Costa.
deixando que o digam o conceto de seus amigos,
dos diverso-; regadores cora que serbio, e dos
quaes mere-eu elogios, principalmente do actual,
a Sr. Dr. Campos, que era seo relatmio llie fez
honrosa menean, como se, por motivos superve-
nientes, um empregado qual pjer nao podesse per-
der aquelle couceito, e tornar-se merecedor de
demisso I
a probidad* do ex mordomo nao carece de
no>sa defeza, contina o autor da precitada publi-
cado ; pode ir com vista ao proprio Dr. Portella,
qu de longa data eonbece o Sr. Costa, foi seu
advogado e protector at a sua ascenso presi-
dencia.
(Juando essa demiso nao tivesse sido baseada
na informar i do director geral interino da ms-
trueco publica ( segando -e v do expediente do
governo publicado no Diario do 20 do oorrenle),
e a sua justica nao fos autor da referida pubhraco no modo porque se
exprime (que bem revela o que eat em sua con-
sciencia), baetava essa ultima Eonsideragao resul-
tante das favortveis disposicSes em que o Sr. Dr.
Portella so acbava para com o Sr. Cosa para
mostrar i|ue ni feria sido decretada a sua damis-
sao, se motivos importantes e previstos najei nao
a rcclamassem. ou, em outros termos, se nao fosse
a\h just, jusssima.
ferdade que o articulista diz que o nico re-
quesito, que reromraenda o novo mordomo, eper
tencer lno de perlo beata estirpe de S. Exc. ; e
para iso. c mesmo para convencer de que lia fri-
sante nic.i',i|i:iiiiiliilaile entre seroelhante Bornea-
cao e o b im desempeiiho de u.n Uil emprego, nao
llovida declarar -que esse allira do Sr. Dr. Uanoel
Portella .1 lente de tal modo das pernas ou dos
ps, que poaco anda fl cnn trabalho, e tem, aU-ui
disto, omita falta de vala, e um dos olbosinntili-
sado ; -o as H horas que vem se cliegando com
todo si o vagar Imewno porque nao anda depres-
sa), e logo iioilinlia reiira-se para easa, nao
tanda ainda pernoitado urna* so vez no estabelec-
inento (nem ao menos per cunosidade).
Tu.lo is^ i. p irm, nao pa*sa de am castalio nos
ares, de um aiuoatoado de palavras sam significa-
rao real, que (sapparece ante a m;.is formal ne-
gativa.
N.i i esa i qae o novo mordomo ainJa nao
livesse perm dad i urna s vez no estabeleciment);
qae lenlia deixado do chegar s horas mar-
cadas do respectivo regulamento ; que este-
j.t sulTrendo das pern.is ou d is ps. de nWdo a
nao p nler andar, ou a andar milito p meo e com
trabalho.
B' vordade que lia mais de annos sotTren elle
i eacommndo do que se restabelecea ; e s a
lgica do articulista nao admie que aquella que
una vez adoeceu se possa jamis curar.
12 porque o novo mordomo nao anda a correr,
segoe-se que o nao possa faj* por solTrer das
pernas ?
Alem de qne nao tem elle o previlego de velo-
eipcdi, acci esce que as funcres do cargo de mor-
domo nao exigem a marcha rpida e veloz dos es-
tafetas ou correios.
A presteza quasi sempre inimiga da perfeicao;
e estou coiivcneido de que se. o articulista nao li-
vesse unta pressa, nao andas tao sofreg em
censurar 0 Si. Dr. Manoel Portella, nao teria pu-
blicado o artigo a que respondemos.
E' igualmente inexacto que o novo morlomo
tanha muila falla de vista, como diz o autor da
otada poblieaco, porque ainda nao Ihe foi pre-
ctso recorrer a oculos, o que alias Ihe teria n-
dispensawl, leudo um dos olhos mulilisado de-de
a infancia. Esta circumstancia nao o impossihilitou
entretanto do exercer por mais de II anuos o lu-
rar de fiscal da importante freguezia da Boa-vista
desta cidade. Ma que, durante todo esse tempo.
se Ihe notasse a mnima falta no cumprimento de
seus develes.
Se com eteito o novo mordomo soffresse minia
falta de vista, o articulista sem duvida Ihe teria
attribuiao completa privacio da vi-ta, e nao se te-
ria esquecido de dizer que elle andava guiado por
alguera etc.
Portanto nao se prnvou, nem se pode provar,
que pkisicamentc o novo mordomo estava imposi-
bilitado de bem exercer o lugar.
Quanto a honestidade e carcter do nove mor-
domo (prosegue o articulista), o conceito de que
xosa c ignorado, e como hornera nmite oonhec-
do ; qualquer poder informarse de sua cliro-
nica.
Pao d'Alho, 2 de Janeiro de 1870
Ainda urna vez o SoMado-lelA), cora o taiento
que tem para depreciar os cidados honestos desta
comarca, veio pelo orgao do partido liberal de 31
do passado derram>r sua bili inmunda sobre o
digno major Joo Antonio da Silva Cabral, e ostros
distiuclos cavalleiros deste lugar.
No scu aranzel o missivista adulterando factos,
que aqui se deram, falla o criminoso Pedn) Mar-
ques, como se fura urna victima de perseguices
pcdiciaes, e considera criminoso o delegado major
Cabral, que, amigos e inimigos polticos reconbe-
cem como um typo do probidade e honradez.
Fiel cumplidor da lei, durante o tempo em que
exerceu o cargo de delegado deste termo, o major
Cabral preslou relevantissimos servicios causa da
ordem, e smente contestar esta verdade, quem,.j
v.nm:y o vel.'io soldado, s tenha por divisa fazer
guerra aos horneas jjue oceupam na sociedade
alguma lavada posco.
O escrivao de orphaos major Hypolito ua Silva,
que diz aquolie correspondente ler sido o conse-
Iheiro do delegado, homeai. que nao se envolve
em negocios politicos desta localidade, a oeeopado
sempre nos inisteteres de sou cargo, niio Ihe pode
sobrar tempo para os alazares p-liciaes.
Demais o digno major Silva Cabral cera bastante
hom sonso, para guiar-so por si; e assira o tem
feilo, com bom resultado.
A amnale- que existe entre o major Hypolito e o
niajor Cabral nao pode de modo algara autorisar
a suspeita de que este se deixe levar regaiente
por aquelle. A historia da sorra ]ue deram em
Lnurenco Nuoes de Araaj i contada pelo corres-
Sndente Liberal irrisoria!! Quem i.o sou-
er como o t'.!C!o se den ppnsar que o Exm. Sr.
viscnnde de Camaragibe foi o mandante do crime,
sendo o delegido maniatarlo!! Lmreaco Nones
afamado Ir.drao de cavalb s, oque j por vezes
tem visitado a cadeia desUi villa, tendo ido tres
Lourenco.
Ora, perguntamos o que poda azer a autorma-
do nestas circumstancias t proceder ex-olpeo
contra o deliquente que nao foi preso em flgran-
te Nao o poda fazer. Esperou que o olleodido
desse a qucixa necessaria, ou provasse miserabili
dade para poder entao seguir nos termos de um
processo contra o autor do espancamento.
E' absolutamente irapossivel que todoi os cn-
mes sejam prevenidos; seisso podes*acontecer
sera feliz a humanidade.
Agora cumpre-me dizer duas palavras sobre a
mentirosa noticia, que di o correspondente, da
nomeacao futura do capito Manoel Thomaz de
Albuquerque Haranho para delegado d'aqui.
Nunca se fallou era'semelhante nomeagao,, o se
acaso ella se realsasse seria adelegacia oceupada
por um cldado amigo da justica, traballiador, e
de costuines raaito superiores aos de cerlos dele
gados, que existiro nesla comarca no tempo em
que governou o partido liberal.
Promellemos nao deixar de responder a quai-
o&7
'olumessahidoscora fazeno>3
dem ittom cora.gneros
Descarregam boje i de Janeiro
Brgue inglez Matluld -bacalh).
Patacho inalezIdamtTbadorias. ;
Bngue portiguezTrumphoido o.
Sumaca bespaaolaliaticitavoh
lrigue americano-i?c/io-l>riiilia de trigo.
Sumaca hespanholaDataresvmli
Lugar inglezCauque diversos gneros.
Patacho inglezBranchidem.
tECEBEDOKIA DE RENDAS INTERNAS CE-
RAES DE'PERNAMBUCO.
ftandinMDlo do dia 3..... 7ioi3t3
CONSULADO PKOVINC1AL
tendiraento do .lia 3 9:096226
MOVIMENTO DO PORTB.
Rio d.
Natas sahidos no dia 31.
Janeiro e Babia5 dias, vapor amanea-
O rrcrata.
Ao publico.
Sn. reicctores.-Oi abaixo assignados morado-
res no povoado de S. Jos da Extrema, f.iltariam
a um sagr do dever, se pela imprensa nao vies-
em agradecer as maneira* urbanas com que fo-
ram tratados pelo Sr. padre Orastantino Gomes de
Matos, durante o curto espagd"de dous mezes e
poucos dias ; retirando-se ora destino a sua pro-
vincia natal (Cear) nao vienms aqu cora elogios,
pois roconheeemos que elle nao os precisa, mas
to smenle mostrar ao publico a falta quedo mes-
mo sentimos; sacerdote modelo, e verdadeiro
christao, como elle nos demonstrou, julgamcs que
para aqu nao vira outro igual, pois nao houvc
essa hora, que chegasse qualquer pessoa chaman-
do para ir confessar nm enfermo, que com o ar
alegre, ou poralgum motivo deixasse de ir. oeca-
sioes houve que o mesmo Rvd. Sr. estivessc na
capella deste lugar ouvindo penitentes de coniis-
sao, e deixar dizendo-que era primeiro lugar, soc-
correr a quem est enfermo.
Queira-nos o Sr. padre Constantino Gomes de
Matos, desculpar se com estas liohas olTendeims
sua modestia na certeza de .pie sao filhas d ami-
sade e re to vivos forera sempre tribntarao.
S. Jos da Extrema, 2! de dezetnbro de 180'J.
Vicente Alves Correia.
Jos Lopes da Silva.
Caetano Siires da Silva.
Henrique Lins Brrelo.
Joo Soares de Mello.
Manoel Lourenco da Silva.
Araerco de Siqueira Bri o.
fioi' uiima da festa da imma-
cciEada Conce!eo da Vlr-
Kem Me de Deus em sua ca-
pflla da estrada de Joao de
Sar'os. .
As 6 Inras da larde do da G do corrente (a-i
da Epipliania) ser basteada a baudeira de No*sa
Senhora da Conceigao no meio de uiaviosos hym-
nos cora a'ompaliamento de msica marcial;
nesta occasia i s. rao recitadas, luz de fogos
bengalasalgumas poesas anlogas por duas acai-
cenas animadas; segumdu-se os baloe; e fogos do
ar do estylo.
s 7 hiiras da note do dia seguinte, comegaro
as aovenas, as qaaes terminaio diariamente par
un melodioso liynino entoado pelas devotas ; e se
faro ouvir antes e depois de cada novena lindas
e mariosa* aympbomas pela msica do 2o bata-|
Ihao de inlanlari.t da guarda nacional.
Ao despuntar do da 10 urna salva real annun-
ciar ser esse o dia da solempidade da festa da
excelsa padroelra.
s II limas ana poato entrar a festa, na qual
se cantar a solemne inissa intitulada o igm da
Conreirtto, cojos solos ser > cantados pelas melho
res v.iz.-s, lxenlo o Sr. Salusiiano ouvir uinsolu
de llanta cohi a habilidade e mestria que o destn-
gnem ; orando no Evangelho o Ilustrado Rvd. Dr.
Pelinca ; e prereder ao serino um magnilico
co solo de saxophone (instrumento muito raro nesta
cidade) executado pelo Sr. profes-or Francisco
Xavier Carneiro dos Anjos, dando lira missa urna
salva real e grande quantidaJe de fogo.
Durante a tarde sern exe.-utalos por duas ban-
das Jo mu:ica as mais agr lavis melodas, e s
7 huras da noite caatar-se-ha a ladainha sendo
orador o muito coiilieeido pregador da capelia
imperial padre mestre l'r. Jcaquim do Espirto-
lindo o que subiro ao ar lindos baldes e
, galera Norueguense Pftiataxd, de
337 toneladas, capitao Larsen, equipagem 13,
lastro; a Semp3on Brothers 4 C. Segaio para
a Parahyba.
Novios sahidos no Husmo dia.
Penedo e portos intermedios Vapor brsileiro
(Hqi, commandante Costa, carga differentes
gneros.
Granja e portos intermedios Vapor brasdetro
Ipojuca, commandante Mourn, carga varios g-
neros.
Para Hiate brasileiro Emilia, capitao Manoel
da Silva Lourero, carga assucar e outros g-
neros.
New York por S. Thomaz e Para Vapor ame-
ricano South America, commandante Teiem-
pangh.
Observacao.
Suspendeu do laraaro para Macei e pata dio
inglez IKi'ne, capito Donld, com o mesmo lastro
que trouxe da Baha
aiios entrados no dia 1 de Janeiro,
New-Yoik 43 dias, patacho americano John
Freeman de 319 toneladas, capito Baker, equi
pagem 10, carg600 barricas com farinlia de
trigo e outros gneros a Henry Forster & C.
Maranho 57 dias, patacho portuguez Bon-F;
de 2li toneladas capito Domingos Martin*,
equipagem 9, carga 200 seceos com farraha de
m indioca e outro? gneros ; a Joaquim Geraldo
Bastos.
Navio sahido no mesmo da,
SergipeLugar ingl-z Ignis Fatuas, capito W.
Mearos, carga baoalho o outros gneros.
Naviot entrados no dii 2.
Cardiff29 dias brigue inglez Resal, dep279 to-
neladas, capitn A. Daslland, equipagem 10,
carga crvo; a Antonio Luizde Oliveira Ale-
vedo & C.
Londres54 dias. escuna Xorle Allemaa Mara
Elizabetli, de 16 toneladas, capitnH.Erust, equi-
pagem 6, carga ?8tti barris esm plvora ; a H.
Oetli & C.
Vaco sahido rfo mesmo dia.
BalitaHiate americano S. (.'. Evans, capitn. C--
thill, carga parte do que 'troxe'le New-York.
Navio en/nulo no dia 3
Rio-Formn6 horas, vapor brasileiro Parahgba}
de lOi toneladas, com naneante Oliveira, equi-
pagem IV ; a Companliia Pernunbucana
Navio* iahidot no mes-no dia.
liba de Sj. Migoel Escana poriagoea Dias. ca-
pitao Francisco Jos do lidio; carga assucar.
e inel.
lo da Prata Brigue inglez Qaeen o\ tiie Xvon,
capito ;". Torre-;, carga assucar e agmrdente
CanalBarca ingleza Miranda, capito Wakeham,
carga assucar.
Obtervacao.
Espectculo i inaugnracao.(Ia reciu de as-
. signatura).
Depo dos lirofessores da orchestra, regidos
pelo sempre idspirdo maestro COLAS FILH,
exeeutarem \
O hyralo nacional
Abrir-se-ha a sceoa para o arti-ta De-Gioyanni
reciuc.om MONOLOGO DE GRATIDA,-
dedicado ao hospitaleiro povo Pernarabucano.
Segdindo-se a represanta?o da espirituosa
comedia em 1 acto, traduzda do bespanhol pelo
artista De-Giovanni, intitulada
Ima noilc de desespero
Tomara parte a Sr. D.Jesuinaeo Sr. De-Giovanni
Depois a orchestra executar a brlhante polka
Minerva
composta e offerecida ao iHutrado corpo acad-
mico pelo maestro Colas Filho.
Finda a qual a Sra D. Jesaina cantar a nteres-
sante cantnela denomiuada
CAFE' CANTANTE.
Em seguida a orchestra tocar a linda polka
Schottich
Jesuina- Joao.
Composta pelo maestro Colas Filho, e por
elle offerecida actriz D. Jesuina.
Segur~*c-ha a oxhibigo da graciosa comedia
em 1 acto intitulada
O mundo e o fantasma
em cuja tomam' parte a S|a D. Jesuina, o Sr.
De-Giovomni e o artista prusso o Sr. Alexandre
Strubing, cujo dosempenhar o importante e jo-
coso papel de Pierrot.
Pela orchestra, a bjlissiraa quadrlha deno-
minada
- A AMOLACAO
original do Sr. Colas Filho.
Terminando o espectculo cora a chistosa e
sempre applaudida estravagancia-burlesca,
ornada de msica, e danca intitulada
Urna noite de carnaval
Exhibida pela 5ra. D. Jesuina e go Sr. De-Gio-
vann.
0 panno de bocea, representando
0 anjo da liherdad
foi pintado pelo habilssirao artista o Sr. Adolpho
Saldanha ; tornando-sc digno de menco pelo seu
bello trabalho por ter sido leito com a mo es-
ipierda, atlendeudo a achar-se mulilisado do raco
direito.
O LARGO DO M INTEIKO
estar Iluminado e embandeirado, soltando se al-
ternativamente fogos cambiantes, baldes etc., etc.
0 resto dos bilhetes existe na eslaco do Reci-
fe e no escriptorio (Jo theatro pelos grecos se-
grales :
Camarote com 6 ingressos e passagens
correspondentes, a qoalquer hora, nos
f ^mpanhia urbana, antes c
ispectaculo.. ._
'' n 6 ingressos, nao incluin-
u i passagens.........
Cadeira com pasagem a qualquer hora,
antes e depois do espectculo.
Cadeira nao indurado passagem. \ .
O espectculo principiara as 7 3(1.
N..B. No trem das 6 1|2 hora? ir urna
BANDA DE MSICA
cuja tocar durante a viagem escolhidas pe^as.
O artista De-Giovani, conta com a Ilimitada
coadjuvaeTu do Ilustrado povo desta capital.
COMPANHIA P
\avesaco eosteia por vapor
Parahyba, Natal, Mac, Mossor, Ara-
caty, Cer, Mandat, Acarae e
Granja]
iM^v O vapor Pirapama, commandanu-
/fcH Azevedo, seguir' para 09 porto*
MB cima no dia l.*id. corrate as 3 horas
la tarde. Recebe carga atfro da 14, ncom-
mendas, e passageiros e dioaeiro a rete at as
i horas da tarde do da da sihida no escripto-
rio'no Forte do Maltas n. 12.^________________
COMPANHIA PERMBCANA ~
Navegando costeirapor vapor.
Porto de Gallinhas, Rio Firmse e Taman-
dar.
O vapor Paralinba, segnir lara os portos ci-
ma no dia 10 do corrente, eia note. Becebe
carga, encommendas, passageir s, e dinheiro a fre-
te no escriptorio do Forte do attos n. 12.______
COMPANHIA PERNA 1BUCAN.4
DE
\:ivega$5o costelra por vapor
Fernando de Nocnlta.
m0ff\\f O vapor Hiqum. ommandante Cos-
JIXL ta, s&jroir para > porto cima no
aaMaW dia 12 do corren i ao meio dia.
Recebe carga at o dia 1, encommendas,
passagens e dinheiro a frete aU as 10 horas do
da da sahida; no escriptorio <) Forte do Mattos
n. 12.
COMPANHIA PERNAA IBUCANA
DE
Mavega Mamangnape.
0 vapor Mandah, commandarje Julio, seguir
para o porto cima no dia 12 dij corrente a's G
horas da tarde. Recebe carga, encommendas,
passageiros e dinheiro a frete at as 2 horas da
tarde do dia da sahida, escriptoi no Forte do
Maitos n. 12. ._____________
CAA .*
Aos 20:000*$!/
Bilheies do Rio venda : roa dr, <
vende Vieira & Rodrigoes.
C-TJ r> * -i f**
MI - VA
." =.3 *3
S9 " ^B
ocr"M ^ s
": ~ O o f ir-2 tD 1=3
: C3
o =J o. "' p a
3 A o 3-C5 3 B Fi 5d i 5
r-l'g.l "g FFlfs a H
ct 3 o m
=.-<* Si. C *P iT^
_~ S
rza
18S000
*
12J00O
snoo
25000
Quititt-feira 6 de Janeiro.
Repelr-se-ha o mesmo espi-ctaculo com todo o
apparato cima deecrpto.
5a penden do lamara > para ParahybaO bngue
inglez Eleonor, capital Clipperton, com o mes-
mo lasti*o que trouxe do Itiu de J in.po.
_____________________________________________^
Aycna-se recolhldo pela Bnbd*iegi*-a Jo l>
cife tasa de detencao, o i ibra los,rnnio luci-
do e Que diz ser escravo de I). Mara IMariins do
Amor Divino, moradora no sertao HiaJio (rao le.
Quem se julgar com direito ao referi escravo,
r-ompareca nesta subdelegacia munl lo de seus
documentos, que Ihe ser entregue. 0
jado supplenie em exercicio,
l-erreira.
Autoni
Santo;
grande quantidade do fogo, sendo ento arriado o depositadas no armazein do sal, na
estandarte da Cooceicao, ceic^o, duas vaccas c urna bezerra :
s 9 horas da noite do dia seguinte, ser quei-
mado um bera elaborado fogo de vista, de gostO
inteiramente novo, que muito deve agradar, atien-
ta a reeonhecida habilidade de seu autor o Sr.
Leoncio Gomes da Fonceca.
Os intervallus sern preenchidos cora lindas pe-
cas de msica marcial.
Pis'alisacao da freguezia dallo -vi ta 31 de
lezembro d 1809.
Por esta fiscali-icn se faz publico a quem in-
teressar, qne desde o dia 19 do eorre e se acharo
na da Con
iuem se jul
gar cora direito s alosmas, eompareep, ique sati-
fazendo o isposto no art. Id das po>luis rauni-
cipaes dt>;iO de junho de 18'9, Ihes isfro entre
gues. I
Jeronvuio Jos perrf ira.
G tne.ilves
pubdelff-
Agua de Florida de Mmray &
Lannimi
As senhoras que desjan e gostam de gyrar e
mover n'uma atmosphera radiante, de frescura e
fragrancia, deverao sempre usar desta rica e mi-
mosa agua nos seus toucadores. Urnas poncas de
gottrs deitadas no banlio ou n'um copo djagua, no
caso que se deseje dar ama lavagem odorfera aos
(lentes, achar se-ha ser eminentemente refrigeran-
te e summamente saudavel, e para a boa conser-
varlo d&s denles nao ha cousa melhor ; a.me-^raa
usada n'um fino lenco de cambraia por occasio
de urna visita ou ao ir-se a um baile, a delicada e
deleitavel fragrancia que 6e dilTunde do lenco, al-
trahir s| mais attencjk), do que o raro bordada
de que o mesmo composto. Aquellas pessoas
snjeias vrligens e dores violentas da cabeca,
quando presentes em grandes asseinblas, acharo
um promplo allivo no uso da Agua Florida ; a
mesnia faz desaparecer como por encanto toda a
oppresso do espirito, restituindo ao mesmo urna
doce e refrigerante suavidade, alliviando as ideas,
dando ao espirto uira brilhartte elasticidade, e
mente aovo allivio e vigor. Adra de se estar
eerio que se ha obtido a verdadeira Agua, bom
ser ver-se se os nomes de Muiray & Lanman
exislem inscriptos sobre cada envoltorio, letreiro e
at mesnie lavrado no proprio vidro das garrafas,
>endo este o signal raais evidente da sua genui-
dade.
Consulado provincial.
Pelo consulado provincial se declara la quem in-
teressar possa, que foram eomprebnadiflos no res-
pectivo laneamento para percepeo do/imposto de
>5 por escravo nesta cidade, no corrente anno fi-
naneexo de 1869-70. todos aquelles escravos que
anteriormente se achara matriculados para o im-
posto de 33 por escravos ganhadores e emprega-
dos em annazens. j
Consulado provincial 29 de dezen -o do 1869.
O admimst lor,
A. Carneiro Ma ido Rios.
iro inspector
>vincia se fu
i interessar,
uidouro, as 2
COMMERCIO.
() Esta p'iblicaco foi demorada'por affluencia
de materia con as* noticias-trazida< pilos ltimos
vapore?, Un', ra Europa,tamo do Sul >inImperio,
O ftdactoits.
EiNGLISH BANK
Of Rio de t/aneiro Limited
Deseo ita lettras da praga taxa a con-
vencionar.
Recebe dinheiro em conta corrente e a
praso fixo.
Saca vista ou a praso sobre as cidades
prlncipaes da Europa, tem correspondentes
aa Baha, Buenos-Ayres, Montevideo, New-
e New-Orleans, e emitte cartas de crtidilo.
para os mesnaos lugares.
KA DO COMMERCIO N. 36*
ociedade baiicaria em com
mandita
Theodoro Simn Sf C,
Compratn e vender por conta pro-
jria metaes, moedas nacionaes, e estran-
{eiras, letras de cambio, sedulas do go>
verno e do banco do Bsasil.
Descontara letras da trra e outros ti
tulos commerciaes.
Encanvgam-se por coota alheia das mes-
-as transaccoes, da cobranca de letras da
trra e de outros ttulos commerciaes.
Receb-m quaerquer quanas em.depo-
jito, em coota corrate, e a pjazo Gxo.
De ordem do lllm. Sr. conse
da ilu'.-ourana de fazenda desta
publico para conhecimento de qi
que no da 1"> de Janeiro prximo
horas da tarde, ir prac para seiam arremata-
das perante a junta da mesma lliekouraria por
quem por menos lizer as obras da ednstrucco da
ponto do trapiche do ajgodo desta papiial, e de
urna fachada sobre o largo da assenlbla, oreadas
era li 770*320, con/orine as plautas e oreaniealo
que tariada tbesuuraria. Os lcitntr 'deverao raos-
trar-se autnticamente desembr 'ados e quites,
tanto com a fazenda geral como i a provincial,
As pessoas a quem convier a a matacao deve-
rao comparecer na referida thes aria no dia e
hora inilicados.
Secretaria da thesonraria de rnambuco em
29 de dezembro de 1869.
Servindo de ol al-maior,
Manoel J Pinto.
AVISOS MARTIMOS-
mam brasileira
DE
Paquetes a vapor.
Dos portos do sul esperadi
at o dia 9 de Janeiro o vapoi
ti* tenente P. H. Duarte, o qual de-
pois da demora do costume se
lira para os portos do norte.
ud.de. ja 7^CeL,pm-se passageiros e engaja-se i
carga que o vapor poder ouuuil, i uuai deviv
*er embarcada no dia desuachegada. Encommen
das e dinheiro a frete at as duas horas do dia dt
sua sahida.
Nao se recebem como encommendas seno ob-
lectos de pequeo valor e que nao excedam a J
arrobas de peso ou 8 palmos cbicos de raedi-
co.
Tudo que passar destes limites dever sci
embarcado como carga.
Previne-se aos Srs. passageiros que suas passa
gens s se recebem na agencia ra da Cruz n. 57
Io andar, escriptorio de Antonio Luiz de Oliveirs
\zevedo 4 C. _
CPASHIA BHASILEiF
DE
Paquete^ a vapor.
Dos"' portos do norte esperado
at o da 8 de (Janeiro, o vapor
Cruzeiro do Sul, commandante J
P. Guedcs Alcoforado, o qual
depois da demora do costume se-
,K...., u. "portos do sul.
Desde j recebein-se passageiros e engaja-se a
sarga'que o vapor poder conduzir, a qual dever
ser embarcada no dia de suachegada. Encommen
las e dinheiro a frete at as 2 horas do dia da sua
sahida.
Nao se recebem como encommendas seno ob
|ectos de pequeo valor e que nao excedam a dua>
arrobas de peso ou 8 palmos cbicos de medico.
rudo qne passar destes limites dever ser embar
;alo como carga.
Previne-se aos Srs. passageiros. que suas pas-
sagens s se recebem na agencia ra da Cruz
n. 67 primeiro andar, escriptorio de Antonio Lui?
do Oliveira Azevedo A C.
COMPANHIA PERNAMUJCANA
DE
Navegagdo costara oor vapor
Gpyanna.
O vapor Parahuba, segnir pan o porto ci-
ma, no dia b* do corrente. s 9 loras da noite.
Recebe carga, encommendas, pasageiros e di-
nheiro frete, no escriptorio d( Porte do Mat-
tos n. 12. ________________
COMPANHIA PERNAMIUCANA
DE "\
SavegaeS costelra par vapor.
Macei em direimra. e >enedo.
0 vapr Corurtpe commandante
Silva, seguir para f portos cima
r no dia 8 do corrente 'as i horas da
tarde. Recebe carga at o dia 7j encommendas.
passageiros e dinheiro a frete a; as 2 horas
da tardo do dia da sahida no escriptorio do
F.irte do Mattnsn. 12._______________ /
PARA LISBOA i
vai sabir com brevidade a barca Airtugtie|a Ale-
randre llercalano, capito Alme*: pars carea
e passageiros trata-se com E. I Rabefn &('..,
ru do Commercio n. 48.________|____________
PARA LISBOA
a escuna portugue2a Agina, capitao Fonsca, vai
sahlr com brevidade, recebe ainda alguna carga
a rete trata-se com E. R. RabePo & C ra do
Commercio n. 48_________________^
PARA O PORTO
Prepara-e para sahir em poneos dias
pnrtugupza Srtpironca oor ter prompta
parte do seu earresamento : para o reat
geiro*. aos quaes olTerece bons commodos,
com Soares Prunos, ra do Vigario n 9,
o capito Lourenco Fernandes do Carmo.

sr?^ s 3 O 3
w o 5 o S-3 = ra en pj
o
* 3 -I ^- a: 3 c- fc o
2 = O 3 X
2 n n e S ?
a
saco |

c n sr I- o o o ^
Ai O

n .
I3-* .
B. "3
O ct> "
9 9 *
e*o
i
pretende seguir com a niaior brevidade o
portuguez Marianna II, recelie carpa e
ro, ;i mera oilereco os melhore< commod
la-e :-!" ..' ccev.;- ..
PoffiBca 4 C, ra do Vigar
gira .para
Conselho de compras
navae \i
O con.selho, no dia S de jam iroprximo vmdou-
ro, vista de propostas receb da< at as I i horas
da manha e sob as condicoes dotatyle, contrata o
fornecimento de lenha, sal, co nitores de la, co-
bertores de algodao, lencos d seda preta, e de sa-
paiees para completo do de vveres e de farda-
mento aos navios da armada tabelecimentos de
marinha no trimestre tarabein broxim) vindouro
de Janeiro mareo ; bem coma promove a com-
pra dos objectos "do material da armada seguin-
tes : 12 libras de'cera em arebntes, 20 arrobas de
estopa de algodo. 8 arrobas df merlim, 8 arro-
bas de aiialhar braaco, 10 libras de obreias fran-
cezas, 2 ocolos.de alcance, 2 terrinas de ferro es
tanhado, 20 tira-liobas, 1.000 I tijolps de fogo, 20
arrobas de verde franrez, lOfl baldes ferrados, 10
Secas de lona larga, Wdn7.ia?ide limas chatas de
a lo p(He&as, 10 duziaspe limas meia cana,
dffioaa de limato e O arrdbas de graxa do Rio
Grande. | J
Sala das sessoes do coiweljio de campras na-
vaes 30 de dezembro de 18
O secretario,
Alexandre r|odjigues dos Anjos.
THEAJlSr
Gymnasio Dramtico.
I No Moifteiro )
Hb a directa do artista
DeMSi Quarta-feira 5 ifle Janeiro de 1870.
(OHPWfilll
DAS
Messageres imperiales.
At 'dia 13 do corrente mez, espera-se da
Europa o vapor francez Amazone, o i pial dep os
da demora do costume seguir para Buenos- Ay-
re, tocando na Baha, Rio de Janeiro e Monte-
video.
Para condugoes, frates e passagtns trata-sc na
agencia ra do Commercio n. 9.
At o dia 14 do corrente mez espera-se dos
portos do sul o vapor francez Estramadure, cora-
mandante Giost, o qual depois da demora do cos-
tume seguir para Brdeos tocando em Dakar
(Gore) e Lisboa.
Par conducoes, fretes e passagens trata-so na
agencia ra do Coinmc-i 6\o a. 9.
Rio Grande do Sul.
Para o porto cima pretende seguir com omita
brevidade o brigue nacional Amelia, capito Mi-
guel Vieira, por tr parle da carga engajada e para
o resto que Ihe falta trata se cora os consignatarios
Antonio Luis de Oliveira Azevedo & C.*, ra da
Cruz n. 57, 1. andar.
l!lodefaaelro.
Para o porto cima pretende seguir com mnta
brevidade o brigue brasileiro Izabel, caqitp Jos
Marques Vianna, por ter parte da carga engajada
e para o resto que Ihe falta rata-se com os con-
signatarios Antonio Luiz de Oliveira Azevedo 4 C*,
ra da Cruz, n. 57, I. andar.
Vende-se o patacho nacional Palma,, forrado
de cobre, prompto a navega!, cojo navio chegou
ha pnuco do Rio Grande do Sul cora carregamen-
to de carn secca, e se acha fundeado no ancora-
diiiiro re-pectivo, aonde pode ser examinado pelo*
pretendenles : a tratar com Jos Victorino de Ra-
zende 4 d, ma oa Cadeia n. 52. Io andar.
Porto.
Va) sahir breve a barca Laura para carga e
fiassageifiiR, trata-se com os consignatarios Carva,
lw* Nqgneira, na ra de Apollo n, 20.
Para Lisboa
rt,,.. ^n
,, .11 ,/.
n. 19, l'aiij
/ Para o Hrto
seguir cera a aossivel presli]
za Harmona, do tJ marcha,
de parte de sua carga imgaji
e passageiros. trata-so com >/
ma? de Aquino Fonseca 4 Cj
n. 19, andar.
?a a barca p
i.ira o que te
a : para o
eonsignatar
na ra do
Eio de Janeiro
Para o referido porto prctenl
brevidade o brigue oraseiro .!
te de seu carregamenlo engaji
Ihe falta escravos a frete, ira]
natario loaqnim los Gongalvei
Commercio o. 17.
tnguo-
i gran-
listante
s Tho
N'igirin
sahir coi muito
d'iaide por hr par-
do', e p.ir. o qne
[a-se coin o Sf.nsig-
neltio, ma do
Maranht .
Para o porta a.-ma pretend ?;,hr com muita
brevidade o hiate brazileiro Jov u Arthur, capito
Trajauo, por t-r parlo da carga
resto que Ihe falta trata-se eoaj
Antonio Luiz do Oliveira Azev
Cruz, n. "7. I.0 an Jar.
engajada e para o
os consignatarios
do & C", ra da
Em poucos lias deve estar aqlj, pn cedente dos
Estados-Unid is, a brigoe Katre.tque siguir ao
porto cima : recebe carga e ffeies commedos :
a tratar com Tass i limaos.
MI I) Plll
sahir com toda a brevidade o
guez Villa-Flor tem a mSior
gajada : para o que Ihe falta,
David F. Bailar, ru do Brum
pito do mesmo navio.
ilhabote portn-
irte da carga en-
le tratar-s com
92, ou con: o ca-
FORT
Pretende sabir em poucos o|
gueza Social por ter a aiaior pai
to prompto; para o resto qne ll
ros, para os quaes tem bons c|
com o consignatario Joaquim
tro, ra da Trapiche n, 17.
is a barca portu-
do carregamen-
falta e passage-
nmodos, trata-se
Goncalves Bcl-
i)> ab isoQastigiudos I
do Io o"e |jdi r-i de '
casa eonMoerel na i
Simpson, Duder C. i.lo a ;
nova firma I i; ] lid
feitas pela firma ojeje
Rcctfe 31 de ;
_______n. <:. C.
ntigu collegiode S-'m .< Li-
sa a paraedocacaodt n
ninas, na ma Form
A directora ttHt ;
faz scii'iitc nao t M f
a dos de BHN iue qui.'. .
c,io de suas lillias, ^n : >. >
meeajn oa trabalho; da r*hri
do qual se adiara pri,i'
o uic.-ino. deb'iiura, -r.r:.. iryfl
verncula, fran-er.. pas ."r.u i
directora promelie, ': i o |
todo esmeru m
dflfBTW, para mantee o
por mais ne dez anuos c >; i
agraaeaada em exffeei >
diiiam b'iira la ea s -n'
.indo-lhe a ejaai l
lirsl.i Ai-
Antonio de Axev ado I
peitavel publico que >r i
()or Antonio de Az-v.].) la k
igual nome.

Boa-Viaiem.
Para Lisboa
tem de par.ir em breve o banlccnhecido lugre
portuguez Ja'.io, de superior ra ;ha : para o re-
to da carga e passageiros, trata- e com os consig
nata rios Thomaz de Aquino Foi ca 4 C, ra do
Vigario n. 19, 1 andar.
Porto por L
sboa
Aln?a-se urna pequen; '-.. na Boi-\
melhor lugar, e por praco r K >oto tiaii
ra do Livrami'iiti n. -. m .
Ao commercio.
Candido Alberto Sodr la I I. .
do a sua ra>a i jaamrrial wa aria i ir, r
Sr. Jos buuaiatuaa .io Cann i -!iv;i i
que desta dita cm lia:' i
gocios sob a razan I Candi i Alberto :-
Molla 4 C. Rfcife 2 de janeiri d_l>*70
Antonio Jos deCarv.iti., C. la.: soratt a--
respeitavel pablco aaap doKirte an tara* *
Lcmmercw\ tpi eomiro'i ^6.:ii:: -i-
Pharol n. 10, ao Sr. Ma.o- tatown a> Carva
ivre o desembala adi (.- j v.r r.n,
reito a mesnia, compar-;-. i i ra- me In s di>
a contar de hije, o daaois alo praso ai*'
.-atender reclagaeSa n%
Com a maior bre.idodo vai sa ir para os refe-
ridos portos a barca portuguezqf Claudia, de pri
meira marcha e primeira clast> por ter a maior
parte da carga prompta, e /para o resto que ihe
falta e passageiros, trata-s com os consigna-
tarios Veras 4 Barbelo, ao ([jes da alfandega ve-
Iha n. 2. i
AVISOS DIVERSOS.
FBLHIlHAS
PARA aftO.
Ven a 160 rs. o exemplajr da de porta.
Barca porluguezal Ignorando-se a morada doc seguintes senhores.
roga-se-lhes o favor de virpm ao escriptorio d
Soares Primos, roa do Vigari) B. 9 primeiro an-
dar, aim de Ihes cerera aprontadas letras de
passagens no navio cima chj\-a(iu do Porto em
II do mez passado:
Severino Saraiya de Andraqs.
Franci?: > Gonjalvcs Maia.
Antonio Panv.wle de Fig; ^^
.

ozinhei'o
Precisa-se de om c i r>m algnrn. \
ca d casa de pasto : no b* ila B.ia n *
Collegio de *S*. Franciscf
Paula.
O bacharel Fraaci mente habilitado pela J liria da in>:nirrn pxi-
blica, tem aberto ooierihja pan edcrai ,
maria e secondaria do se: ),maf das Barreiras n- 2. No atwno i'oUejrK) -. r *'
rao iiesdc j increver m imnmos qu-- priVs
rem freqnenUr o cnro iasirias qnaf ^p>\
ciaimente (eisimri-> a* materias por.n i
mes na facnldade r> m* i5 marco.
"Z- Prerisa se de uan ysoa aar^ <
nma caixa de joi.v dai nav b *a* da awnl
as tres da larde, paga-'bom : qnei li*-r Uir
te a i ua d Cabuga n. % kja dt; refcijoeirw.

Caixeiro
Precisa-sc de um caiinrt par taberna qm :-
nha pratica no pateo da Sanu i'xna n. n. 2.
na mesma se pnrisa de w ama para ei-ah
m ca*a de punca lamilia. ___
Francsc.t Hcnrijoe v'arque drclara m>
blico e com especialidad *o eorpo o-a
3iie nesu data eixol 4e ser eaMra a>
ni; ,r 4 Sauoaio por ti* la awtvir a*aa> e-
em casa dosbkst. --a?"w. R-rifc JeTaJa"-
n Je 1870.



Mi
j MUTILADO
ILEGlVEL
. f.-m- -
'i i iiaoiiiii


*! '>
Diario de Pernambucn
Terca feira 4 de Janeiro de 1870.
i

MDALHA A EXPOSICAO UNIVERSAL DE 1867
ioi'iiipirle d'a.
PERFUME INFATISC.UlYEL.
P.Vll.V 0 1- lOR, K BaXIO.
faicaita per LE GR AND, PeramsU do IiperiiiT- dos Fraicezes.
PARS. M9, Ron ff.-itnt-Bonor. 207. "TARIS.
I .-" -V m -*-.* rf-^1^ -fiar ik ^-v ^- ^
oi?u-:ivijrU oriza.
DE NIKON DE LENCL0S
Par .ir freicuia i .rile, destruir a ru;s> catrrcar rl>iM ORIZATLACT*
LE|TE AWrBPHELlCO
Para rsfrsfc.r, tranquear r advftr afllt, faunim
itiiipfircrt.r i nodoni t al ra.
1
)
Paie*fletaos seguimos senliores, se dig-
-rer na loja do Passo a ra do
po n. 7 A. a negoio do' seu pariicu-
Antonio Pereira de Souza.
SARAO OIIIZ A....... D'umn inassa excesivamente aosve e d'uin peiTunie do maisdelicados.
Ol;i/.\-(:..r.AMaoiisMne. Massa especialmente preparada para 4 banln e ffMJBrba.
WitA-H.! II)........ limada foriilicaiilec nutritiva para conservar os cabellos erra|>wl)1nsdc quebraren.'
OttlZA Pili LOCME.. Teilino de bui c c'.cn ucavi-la com base de quina para os eab
OI'.l/.A-Oll .......... Oleo litiiismo peiTnmailo para lustrar n cabello" .' rmperiilos de quebraren).
<)(i/.A-.:.!'.II.I.AVI1M:. Cns,i!!is...lo uon vilela, para (lar brUbo oos cabellse a barba.
UU1ZA Kl/HVERS.... Ama incomparavei de um pcrfiin-e soase e delicado, para furiilicardo la pelle.
0a,*.'''" V<"111-'XI' Vinagre o loucador, aroma e aiiiepliMieo.
?i-OttlZ..... PWfuaic mi; mirati" para oJrarus prwlucvt multo delicado.
OI'IZ l.\S.......... Pi-rlume lo bom lom e da alia Heridle paia os lencos.
OIUZ \-^'i>.\ | l'.S----- Kliir d-> rroi da Giroliita pero u cara e a belle da pelle.
01:1/ f-UI- VI IKOItil'... Para abej.ir os denles r conservar.us rengbafc
OlilZA-'..N'l All;l;. ... \\u matsn para akt-jar os denles sem destruir o e-mallr.
AGUA TNICA DE QUINA E PODADA OE BALSAMO DE TANNINO
im limjMi e ulntuaLd i (Wcj, fmSmt u cita |as,s> eapasisJs le cihir fjirns crwr nsMmmU.
DEPOSITO GBOL na Caza V. tn i'.izi: de luda.': Perfumistas do Brczil.
*nnararerreK==g3CS5^x^--,i,h y i..' -, m-^iTi,~T~ iiiT Vi' ""flilalnlil"
COLLEGIO
, DE
S. FRANCISCO OE PAULA
Travessa das Barreiras n. 2
DIRIGIDO PELO BACIIAREL
No (lia 7 do corrente principiarao funecionar as aulas deste novo es-
labelecimento. O director procurar por meio do mais apurado zelo e dedica*
rao na instrucco e tratamntb dos alumnos, corresponder a espectativa dos paes,
que se dignaren) honra-lo, comiando-llie a importante missiio da educarao de
~** seus fillios; e espera que o aproveitamento des alumnos coroar a seus esforcos,
>R e convencer a s#us, paes de qne nao foram Ilusorias suas promessas.
^ A inscripeo para os alumnos, que desejarem frequentar o ccllegio,
^ acha-se aberta desde }.
5-
mais
U
QUINIUM LABARRAQUE
APPROVAOO PELA ACADEMIA OE MEDICINA DE PARIZ
O Ouininm Labarraqri*, eminentemente tnico e febrfugo dere ser
preferido todas as outras preparacOes de quina.
Os vinhos de quina ordinariamente empregados na medicina preparam-se
com cascas de quina cuja riqueza era principios activos extremamente
variavel; parte disso, em razao de seu modo de preparacSe, estes vinhos con-
tem apenas vestigios de principios activos, e em proporgSos sempre variaveis.
O Qnlnlnm Labarraqne, approvado pela Academia de medicina, con.
stitue pela contrario um medicamento de composic^o determinada, rica em
principios activos, e com o qual os mdicos e os doentes podem sempre contar.
O Qniniam Labarraqa* prescripto com grande xito s pessoas fracas,
delibradas, seja por diversas causas d'esgotamento, seja por antigs moles
tas; aos adultos fatigados por urna rpida crescenca, s meninas qui tem diffi.'
coldade em se formar e desenvolver; s mulheres depois dos partos; aos velhos
enfraquecidos pela edade ou doenca.
No cazo de chlorosis, anemia, cSres plidas, este vinho um poderoso
auxiliar dos ferruginosos. Tomado junto, por exemplo, cora as pilulas da
Vjjxet, produz effeitos maravilhosos, pela sua rpida aegao.
Deposito em Pars, L. FRERE, 19, roa Jacob
Rio-Janeiro, DUPONCBELLE; CHEVOLOT. Pernambuco, MARER et C
A MU AMM.'
4GUA DE FLOKTDA.
fllRRtY & LAXH.l
He o mais delicadq. e mim
mo tempo o mais estavel de
fumes, e encerra emS.no s>
de excellencia, o.proprio aro:
deiras flores, quando anda na
concia e fragancia natural. O
seguro e.rpido allrvio otmtr
caliera, aervbsidadc, debilidade.
flatos, assini como contra todas as f
ordinarias de accidentes hystericos;
summa elcaca e nao tem outro
iguale^ Igualmente (piando des
com agua, trna-se um deutifriflie o
agradavefe excejlpnte, dando
aquella ahiirae aperolada apparene.
altamente apreciada edesejada ;
niioras.
Como um remedio contra o mau hlito
da boca, depois de diluida em apja,
summamente excedente, faz remover < neu-
tralizar tudas as materias impuras aue se
criam, roda dos dentes o das gingivas,
tornando-as duras, sadias e d'uina liiubcr
encarnada. Quanto a delicadeza, riqueza
e permanencia do sen flagrante aroma, ella
por crto nao tem igual; e sua spe-
rioridade sem rival. Ella igualmente tor-
na-se um meio mui excellente, para fazer
remover de sobre a pelle do rosto, toda a
qualidade de brotoejas, ebulices, sardas,
pannos, manchas, impigens e espinhas.
Quando se queira servir della como reme-
dio para fazer desaparecer qualquer um
(lestes disfiguramentos, e que tanto desfei-
am aindas feices do bello sexo; devra-
se usal-a n'um estado de dilluico, destem-
perando-a n'uma pouca d'agua ; porera nc
tratamento de qualquer espinha, usar-se-ha
della pura em toda a sua forca. Final-
mente como um admiravel meio de com-
municar'as feices trigueiras e paludas,
urna pelle macia e d'uma transparente al-
vura, dando-lhe urna linda cor de rosa :
para um tal fim. ella leva a palma a todos
os perfumes que se tecm inventado at ho-
je, e existe em plena soberana sem rival.
Bem entendido tudo istp se refere nica-
mente a Agua de Florida de Murray d
Lanman.
As imitaces que se tem feito na Franca,
Allemanha, assim como em outras partes;
sao inteiramente inuteis e invaliosas ; por-
tanto recommenda-se mui especialmente
s senhoras, que tenham toda a precuco
e cuidado, de quando comprarom, estejam
certas que compram.
' A Genltna
AGUA DE FLORIDA
DE
MURRAY & LANMAN,
A qual preparada smente pelos nicos
Proprietarios,
LANMAN & KEMP,DE NOVA YORK
Acha-se a venda nos estabelecimentos il ,
A. Caors.J. da C. Bravo. & C. I
rer & C. A. A. Barboza Batlholomeu, & ('..
BartlioMeu & C,
Vinho, Pilulas, Xarope e Tintci
DE JuBjbBEUA StUP^SS E FEnRt.'GtNOSO ;
Oleo, Pomadae Emplastro da mesma
planta preparados por
BARTHOLOMEO & C"
Pharmaceuticos-Droouistas
l'KKltmuio
A Juniliel : xa plan e boje reconliecd
cuiuu o man podeniin lomeo, como o melor
aesoistnieiiicc cuino tul A(iplicaaa uos pndeciineniof
do ligado e b(u, bepniiie, dniesas, tumores inter-
no* lspucialmenle ilo mero. Iijilropesias, erjsi-
pellas, etc.; e associada ao ferro nlil aas pal!,da,
core, chloros e lalta de uieiistruav'O, desarrai-
jos do .tomago. etc., u que disemos allesUa
unninerae caras iui|>orlanies obtidus oom nossos
preparados ja liem conhecidos e usados pelos man
disucioa mdicos do patt e Portugal. Em todos os
nosos depsitos distribuimos gratis folbetos qaa
mnlhor rasen coobecar a Jurbaos seos resultadoi
appcaflo.
Ama
Precisa-se de nma ao livre ou escrava para
cozinhar, pajra-SB bem: na ra da Grur. d. 66.
*D-si> 1:20D000 a premio sub hypotheca
nesta typographla se dir qnnm o? d.
-* A pesso'a que perdeu urna ai gola com tres
chaves de armario e tima de relogio, queira pro-
curar nesia typocraphia.
Precisa-se de um caiseiioqoe tenha bastan-
te prattea de taberna e que de fiador de sua con-
ducta, paga-se bom ordenado : a tratar na ra da
Santa Cruz n. 3,
Os abaixo asignados fazem ver ao respeita-
vel corno do rommercio, que tJeixou de ser seu
caixeiro o Sr. Francisco Henrque Marques desde
o dia 31 do dezembro de 1860.
Heitor & Ssmpaio.
Precisa-se de urna ama : im ra da Praia n.
7, armazem do boi.____________________________
Perdeuse na uoito de lestauinalliaete.de
peito com um retrato : a dona quiz entrar na ma-
triz da Boa-Visla, e como nao pode, veio ouvir
missa na igreja da Santa Cruz, e so no fim da mis-
sa que deu por falta do alflnete : a pessoa que
o aeliou e o qu ira restituir, pode leva-loa ra
da Santa Cruz n. 3, padaria, ou na na do J.i-mim
n. 7, que ser generosamente recompensada.
Jos Fernandes Gomes A G. deelaram ao
respeitavel publico e especialmente ao carpo d)
commercio, que nesta data admittiram para socio
de sua casacornmercial, sita a ra do Livramento
U.4, a Joaquim Jos Gomes Leito : fu-ando desde
agora em diante gyrando son a razao social Go-
mes, Leite & C. liecife l" de Janeiro de 1870.

OPPRESSO SOFFOCQO
a* Pfroi% d'riiier do nntTOR Clfbtas approvadas pela Academia imperial
d'' medicina de Par/ ara-Imam quasi sempre instantaneamrnle os ataques d'asma,
o|i]irossao, soffocacao, assim como as dores de cabeca e enxaquecas. suffi-
ciente na occasiao em qne apparecer o mal, o engolir-se urna ou dtias perolas
com tima paica d'agoa. L' con: certeza o medicamento mais fcil de tomar para
esta genero de doencas.
As> Prn.lan de Icrebentliina DO DOCTOR Cl.ERTAB Sao impregfldas diariamente
rom grainlf xito para a cura das nevralgias, rheumatismn, sciatico e catarrhos
da braga, lisias perolas foram sempre recomniendadas por um grande numero
de mediros e especialmente pelo Dotitor Trousseau, que indica este medica-
mento como o mais el'caz. conveniente tomar de 4 at 8 na ocensiao das
comidas.
A apprnvacio da Academia imperial de medicina sem duvida a melhor
garanta da boa preparacao d'stes medicamentos e de sua efficacia.
Deposito cm Ro-Jamuro. DuponchcVc; Chewlol. Em PF.nNAunico. Maiirer t C:*.
CARVAO DE BELLOC
PARS
Approvado e recommendado pela Academia imperial de medicina de Pariz para a
cura da gastralgia e em geral de todas as doencas nervosas do estomago e dos intestinos.
E igualmente o remedio por excellencia contra a retencao de ventre. Finalmente em
razao de suas propriedades absorbentes, recommendado como verdadeiro remedio nos
cazos de diarrhea e cholerina. O rarvo de Belioe toma-se na occasiao das cernidas
sob a forma de pos ou de pasttihas.
Deposito em Rio-JAHEnto. Duponrhclle: Cheeojgt. Em Pkrhahbuco, Mavrer k C".
VERDADEKO LE ROY
de lUJiHt, Docteiir-Mrdeelii
Ru do Seine, SI, t\ PARS.
Em rada garrafa, rai. rntre i rollia e o paprl a/;i!
qne leva o iceu Mete, nm rotulo impreso ni ama-
relio cora o Sello UrttiAL do ovfNn tuwc-i.
rf H.B.-tmA-
/\sjr ------------3* liiul?sriiii;ai.tira
^4S/&/yiOl'L,-J i' 5>o Irn i -
lie Pars, acritavaj
a tu das \ sla.
aoacxirtio.pua-s
d" aliat.mfh'.ii rilo
manir desennln
OOCTER-MDECIN
Jtt PHARMACIEN
Priweiras" letras,
Mara Barlhajeza da Conceico agradece aos
rus ua* do suas alumuw o favor de lhe te-
if ni condado suas meninas, assim como participa
.-.os mais honra de lhe confiaren, sua meninas para as ins-
truir no que relativo s pcimeiras letras ; cortos
de que fara todo o esforoo para que" ellas obte-
nham o desejado aperfeiooamento. Alanca-lhes
a boa letra. Pode admittir pensionistas. Sua es-
cola estar aberta do dia 7 de Janeiro em di;'ole':
na ra da Matriz da Boa-vista n. 16.
Prineiras letras
Jos de Bitaneourt Amarante agradece aos se-
nhores pais de seus alumnos o lavor de lhe terem
confiado seus meninos, assim como participa aos
mais senhores que lhe quizerem dar a mesma
honra de lhe confiaren) seus meninos para os ins-
truir no que relativo s piimeiras letras; certos
de que far todo o esforQo para que alies ohte-
iharn o desejado aperfeicoamento. Alllanca-lhes
a lina letra. Sua escola estar aberta do dia 7 de
Janeiro em dianle : na ra da Matriz da Boa-vista
n. 16.___________________________________________
- Precisa-se de urna ama forra, di meia ida-
de e d boa conducta, para casa de pouca lamir
iia: no pateo de S. Pedro n. 12, loja.
AVISO
aot eonvalescentes e s pessoas
fracas e debilitadas
O QUINIUM IABARRAQUE approvado
pela Academia imperial de medicina de
Paria o tnico por excellencia.
. I era R'o-lisaiio, DupouekeUe; CAew>.'>l.
,rk*' j em l'aasaiiBSGo, Ataarer A C".
XAROPE de HYPOPHOSPfTO de SODA
XAROPEdsHYFOPHOSPHITOdeCAL
PILUUSderYPDPHOSPHITQdepNINO
GGRPS PAOTAS
XAROPE deHYPOPHOSPHITO de FERRO
PlLULASdeHYPOPHOSPHITOdelYiANGAHESIA
W.SSm BRONCHITIS-
OEcUXOS- :.'ASTHMA
PASTILHAS PECTORAES*.^CHRCHILL
Eligir pora os xaropci o froico quadrado e cm
todos os producto a assignatura do D** CHR-
CSZUL, e u letreim com a marca de fabrica da
Pharmacia SWANRI, 12, ra Castiglione J>.\r.. S

Anda n5o foi possivel vencerem-sa os
trabalbos de acabamonto da PH0T0GRA-
PHIA IMPERIAL da ra do. Cabog D. 18.
osqaaess estarlo terminados o dia "
de Janeiro de 1870.
Pe'rjimos indulgencia e paciencia aquel-
las pessoas que se tem dignado esperar
que principiemos nossos novos trabalbos
photngraphicos para se fazerero retratar.
Jleode, 12 de dezembro de 186).
i. Ferreira Vilklc
Jaijnafao.
Algn5 amigos do Dr. Pedro Barbalho Ucha
Ctvalcante mandam rosar urna missa na-matriz
de#ta povoaclo, as 6 horas da manha do da 7 do
GOrrenle, trigsimo do sen falleimonto; e para
esse acto de piedade e religiio convidar os ami-
gos daqnelle infeliz Dr.
HVHHJJHHBaBr'HaHBNHM
de%embargailor Alv.uo B.irliaUo l'cha Ca-
valcante convida os seus amibos e os que foram
de seu rauilo amado lilho Pedro Barbalho Ucha
Cavalcante a assistirem a nnva missa, que manda
celebrar na igreja do Carino as 8 horas da nia-
nliiia, do trigessimo dia do passamento d'elle ( a 'i
do corrente) pelo repouso eterno do sua alma; e
desde j agradec t cordialmente a todos aquellos
que coiicorrerni com a sua presenea a esse acto
religioso-
Silvio Pellico Pereira Ferraz, lenJo de mandar ,
celebrar no dia 4 do corrente, as 7 horas da na-
nlia na matriz da Boa-vista tima missa por alma
do seu presada amigo o bacharol Louret;o GhMS
de Araujo e Silva, fallecido na capital da Babia,
convida aos collegas e amigos do mesmo barba-
re! para fazerem o obsequio de assistir esse acto
do caridade. .
COIIEC-IO
1)0
sifflsi mm nrms.
A directora dese collegio, Joseebina Beanada.
da Cunha Sonto-Maior. compotontotm-ntehabiliasi*
pela directora geral da instmeco publhta, afta
ao respeitavel publico, quo acha-se sea eoileg
estalioieciilo ra da Imperatriz n. 63, coja ma-
tricula abrir-sa-ba ldejineiro pn-xin iota,
e oferece sen prest nW aos pais de familia, .*_-
verando-lhes seus bons desejos, quer a respn"
ensino, quer da edncaco de suas fitoas. Ojg*>-
gramma dos estatutos leitura, escripia, antlwe-
ca, systcma mtrico, lnpua naci-al, franeex.
geographia, msica vocal c piano ; para o sjoe
ha ver professoies e professnra* ewBpetenicn
habilitados. Tambem se entinara bordados, mm
de varia? qualidades, inclusive as rte cera, e darrsa.
Deposito de pao e cestas na na
larga do Rosarlo n. &6
Este estahelecimenlo araba de ser supprido rom
um dos melhoros sortimento< d obras de paiha
(cestas finas) proprias smenle para costura ste
senhoras c meninas de escola. O bem acabad
destas cestas de modejos inteiramente novos. no?
facilitar (o que desojamos) Ma proniiita e\trac-
cao. Ainda por esta vez solicitamos dos nossos
fregueze* sna coadjuvaco para c<>nclnir-se o
quanto antes o sorlimento de obras de vina che-
gadas de Lisboa em novembro passa lo. >>nven-
cido de ser o nosso estabeleci nenio nico nesta
cidade que constantemente recebe da Earopa n>
das as variedades de obras do palha o viroe, ofle-
[eisiM- tudo u em todas as picas pelos menores
precos que possivel; sempre adoptamos o sysle-
ma de vender milito e lucrar patio-.
Mara Joaquina da Rosa. Genuino Jos da Rosa,
Libania M. L da Rosa Vires. Francelina Joanna
da Rosa Araujo, Joaquim Luiz Vires e Jos Ma-
ra de Araujo, agradecen! cordialmente s pessoas
que assistiram as exequias que se celebraram na
Igreja doconvento do Carmo, e acompanharam ao
cemiterio publico os restos mortaes de seu mui
prezado esposo, pai e sogro Alexandre Jos da
Rosa: e de novo os con ida m para assistirem as
missas do stimo dia, que tero lugar no da 5 do
corr-ute, as 6 horas da inanha, no mesmo con-
venio do Carino.
ra! V.
O abaixo assignado conhecido porLuiz
Pelludo comonica que, n3o se entenda
consigo a admisso para socio desse club,
visto o Sr, Jo5o das Neves nao lhe co -
sentir.
Luiz Antonio S. Lopes.
Director do alcacar.
Da roa da Concordia at os Afogados. per-
deu-se ama rabeca noite de festa ; quem achou-a
e quizer restituir dirija-se a mesma ra n. 15, que
ser recompensado.
Aluga-se
o I* andar do sobrado da ra do Ygario n. 3 com
bons cornmodos para familia e para escriptorio : a
tratar no armazem da travessa do Corpo Santo
n. i'\
Bichas hauburgiiezas
Neste novo deposito recdbe-se por todos paque-
tes translanticos bixas de qualidade superior, ven-
de-se em caixa ou porcao mais pequea e mais
barato de aue qualquer outra parle ; na ra da
Cade a do Becife n. SI. 1" andar.
' Ama
Precisa-se de urna ama livre ou escrava para
cozinhar, paga-se beift : na na da Crnz n. 66.
IMl 1 Wli
FIO DEVELA
Barbante
Em casa de Rabe Scbmetau d C. Corpo
Santn. 15.
SHERRY OLOROZO.
Gelo seal.
COGftAC IIEWESSY.
Em casa de Rabe Schmetiau .- C. Corpo
Santo n. lo.
CAHMl'ANHA
SUPERIOR.
Roussillon, carte h\anche.
Kk casa de Rabc Kchmettaa &
i. Corpo Manto n. 15.
VINHO
DE
BORDEAUX SUPERIOR.
CHATEAU LA ROSE-
CIIATEAIT RAVZAM
Em casa de Rabe Schmettau A C. Corpo
Santo n. 15.
' Precisa-se cmnpr.ir urna *tisrava de meia
nade : quem ti ver e quizar vender, dlrij-se a
loja de calcado da ra d.iCriu n. I.
Qqem precisar de una ama que tem pratica
de todo o servico de urna casa de familia, diriia-
se ma da Cruz do Recite, sobrado anureUo,
qtiarlo andar.
Educacjao primaria e
secundaria.
Jeronymo Pereira Villar, faz srieate a.
B respeilavel publico, e com especialidade
5 aos lllms. pai) de seus alumnos, que por
tB motivo de mole-lia, se acha morando no
" Mangqinho entrada dos Afllicto n. 37,
l3 onde continuar a exereer seu inapiste-
9 rio, promeitendo nteressar-se no pro-
! gresso de seus alumnos ; as aulas estt-
I rao alwrtas 10 do vigente.
Precisa se de urna ama para cusinhar e ea-
::oiiniar para pequea familia: ra da Amizade
n. 21, Capunga.
Joaquim Jos Leite faz publico que bavendo
onlro de igual nume passon dessa data em diaate
a assignarse Joaquim Jos Gomes Leite. Recife*
1 de Janeiro de 1870
Sonta Moutinho & C- fazem publico que des-
de o do corrente teem admeltido o Sr. Jos Ur-
bano da Costa Carvalh como socio no sea esta-
belecimenlo commercial
a Aluga-se urna casa com 2 salas, i qoarhss,
cosinba fura, cupi, cacimba e pequeo sitio com
fructt'iras. no principio da estrada dns AfUicto; i
tratar na ra Imperador n. SS, armazem do Cam-
pos. ^^^^ ________________
Um lioinein portuguez, casaao, do 55 annos.
com babilitacoes para e sitiar a ler, escrever,
grammatica nacional, latina e msica, oflerere ao
respeilavel publico seas limitados prestimos, com
preferencia para fura da cidade : quem preten-
der dirjase a ma da Concordia n. 4, que acaara
com qneni tratar.
I,iqiiidarao de ouro e prata.
O abaixo assignado comprou a loja de oirives
da ra da Imperatriz n. 73, que foi do fallecida
Jos Ferreira Tavares, tem resolvitlo liquidar par
isso vende por menos de sen* valore*, cadeas da
relogios, trancelins, cacoletas, pulceiras, brincos,
rosetas, aneis, pecinez, relogios e outras minia
obras, todas do ultimo gusto e tambem alguuu de
prata.
Recife, 30 de dezembro de 1869.
Francisco Pedro Advinrula.
Em 3 de dezembro foi recolhid ao Hospital
Porlbguez o socio Joaqnim Gnocalve* Torres para
ser tratado de turbeculos polawaans, durante o
curto periodo da enfermidade qoe o levou ao t-
mulo, foi visitado tres wzes por mns honrados ea-
trbes ; fallecen no dia 22 do mesmo roex sem qne
seus patres recebessem parlicipaeo alguma p>i-
parte do referido cstabeJecioieolo ; fic.ando assim
privados a fazerem enterro decente a que iinham
em vista, demonstrando com tal acto a estima qoe
trilintavam a sea caixeiro, nao otilante as r-
recominendaces que em tal sentido tizara a al-
gn* dos empregados do eslabelecimentn, alten-
deudo ao estado do enfermo, recoinmende
essas que juigamos desneceasirias, ee que o es-
tabelecimento tem tima regular escripinracao, nar-
rando o fado, que attnbuimos an descuido do*
empregados e do mordjuio da semana, deixanvt
de analisa lo, attendendo aos caracteres dos di-
luidos eavalheiros que se acbam na aiimmstrarao
dos qnaps esperamos que provleocaro para qne
laes descuidos nao se repitam. descuido^ i-ames ajar!
at a municipalidade prejudicada, visto qne >
fallecido nao eslava as rircumstancias de snr en-
lerrada pela caridade, quando alem de seu patr
e da pessoa a quem veio recnnniendado, alta*
ainda seu prente, pertencia a duas corporacoes,
urna benefteente e outra religiosa, que tem por
dever, quando ao desamparo, de fazer am enterro
decente como ten o feito a algn* fallecido* no
proprio hospital, quando taes descuidos niosa
dan. x
Aluga-se a Ifala da Ma4a Gloria n. 79, com
I \ quartos, quintal o cacimba'caiada e' pintada ; a
ra do Uueimado n. 69.
RA
|D0
tk\mk
esquina
da ra larga do
Rosario.
DEOU
BITA
EO
LdJA DE aJJOMAS
Este importante estsbelecimento no sen genero, tem sempre nm sortimento sem igual,
e vende por presos qu n&ihuma outra crasa pode vender.
vista da qualidade e do prepo das joias cada um pder-se-ha convencer da verdade*
Garante-se ser tudo de lei. Compra-se ouro, prata e pedras finas por prepos muito ele-
vados.
A loja est aberta at s 9 horas da noute.
CABUG
esquina
da ra larga do
Eosario.
(Jasa de commissao de escravo.
Na antga casa de commissao de esrravos. en
abaixo assignado, ra du Imperador n. i">. cihiIi-
nua-se a p eeber eseravos por eommissi, lanw
i1o mato como da prara para seren vndelos.
garntese o bom tratamento e prompta venia
para o que se emprega todos os esforc, >s aiim y>.
satisfazer em ludo s pessoas que o quizerem hon-
rar con sua conuaoca. Xesta ca^-a ha sempre
para vender eseravos de ambos os sex velho* e
mocos, assim como ha t da segnran- para os ter.
Antonio Jo* v. de Soma.
Marcolino Ferreira ua Luz.a\i/.a ao res-
peilavel publico, com especia li dad es ao cor-
po commercial que hateado nutro igual nome, assipnar-ses-ha de hoje em di-
ante por Marcolino Martins Ferreira da
Luz.__________________
Marcolino Ferreira da Uu avisa ao respei-
lavel publico e com especalidade ao corpo com-
mercial, que havendo outro de igual n >me, ai-
nar-se-ha de hoje em diante par Marcolino Mar-
tins Ferreira da Luz.
V

I [IIIAOO
A T-'^isf^Fajm^-^'^"^



Diario de Pernambuco
t
Ter 11
Janeiro de 1870
Po?os tubulares ins-
tantneos.
Travmwa do corpo Santo a. 15.
armazem. e rua IVova a. 3H.
Btndeira, Machado & C, avhnm no rfispeitnvrl
paWtco que nos lagares cima enoontrar no mi.
mo semjvre grande >i>aniidade de drns
que se ncha-m habilitados para vender [por monos
que outro qualqcer, por sso que os iwcbora di-
rer.tamento do fabricante Norton, o> LonOrcs.
As vaatagcns que otrcrecem os porns ustanta-
neos so : (.riiwio, ii.iderom ser cotilleados den-
tro de b)ss oti t.'a, num o trabalho de urna a duas
horas; segundo, forneceretn os mesmos agua pu-
ra e abundante, podetido se rom removidos de um
para outro lugar, qnaiido asskn convier.
H* anaufldafltf* sreeen-rSo a importancia dos
referid* pocis drpois decoiloeados, sattstnzendu
espectativa do comprador.
AMA
Precisa-se de una ama lfonfon captiva para o
, wrvieo interno c cxlemo de nina casa de nonca
familia, pasa-sn Iv-m, dando earantc a sna con-
ducta : a tratar m frente a rua doA'igario n. 2,
arnwiert de iiv>!r>|qa.
rffenciii.
Preeisa-se de um* ama livre os es<-rava para o
scrvioo de urna casa do duas nessoa?, pnga-se
bem : a tratar nt na Nova n. 45. toja.
AMA
Precisa-se alugar urna escrava on urna ama
forra que cozmlie, enpomnie e faca as compras,
para casa de pequea familia, pagase bem : na
rua do caes doCapibaribi!, casa uova com grade
de ferro na frente e portan ao lado.
ESTABTO MENELEGIEM 183S
Salsaprillia de Bristol.
LEGITIMA E ORIGINAL
8M FRASCOS GRANDES
AVISO
Fugio no dia 2i do crreme met de dermbro
do sitio da Ponte de Ucba, o escravo Victorino,
fllho do sertodo fc, preto fula, Iiaixo. dade i"
a 18 annos, vestido com caiga branca, blusa de
algodaozinlio cinta, chapeo do chylc de aba larga,
c bastante la.lino. coslurna a etUbrcapir-se. falla
com huinildado : pn.->o, potlantu. as antorida
d.^s pnliciaes o aos capitacs de ciiupo a captura
de referido oscravo, m de entregar no sitio da Pon-
to de Uclioa, de Jns Moreira Lopes, que reeober
1005 do aratlficaeao.
Precisa-se de urna ama de Me, paga-se hetu,
e de urna ontr para sereieo de casa : no pateo
dt Carino n. 18. andar.
Escriptorio
AliL'a-se a parte da (rento do drimeim andar n. i
12 da roa do imperador : a tratar no mesmo so-
brado.
a
Af
PROOlJ'RADORlA |
0 wllicitadur Bargas Punce do Lean, &
uncarrega-si; dequaeVquir qnestoes civeis, j&J
crimes e caiiniiiercias, com ihs cclcsus. ^
ticas, das quaes tutu nina tonga pratica i!e flKi
'ivinzutiv-is, e se acl>acompete.item.'nlo tjj
tm orovisionadu pelo Exin. e Ilvin.Sr. Bspo a
* diocesano, ms
Kilo continuar a emprear todos seas lfrS
1 -f.'i'i'..s. atini de manler a ini-sma anca que tem merecido de seas dignos 8
cinsiituinios. M
Pode ser procurado das seis as nov
Horas di isabaa e das" quatm na tarde SJ
i.'in piante, em Ma cas*, da rua das Trio- lj
I clieias, junio ao cartoi'io do Sr. eserivo 2
Motta, o lora detas botas nas salas das 5
j aiidiem-i;;s
i-mmmm
w
preeisa-se alugar ama nmlher de moia ida-
do e boa conducta para servir o l'azor comi-anliia
a duas pessoas : a tratar ta rita do Quei;;i.:do u.
i. piiwiciii au iar.
Dinheiro a juro
D-fe 70:lO0O a juros sob tirinas a con;.'!:-1 :
na rua das Trincheiras, sobrado n. -VS. dir-.-:.a
qilCIU i!.:.
IMPERIAL
INSTITUTO
L0.ll DE JOIAS
C
Este antigo estabelecimento, competa-
siente reformado ie novo, est nas condi-
coes de servir vantajosaurente os seus fre-
guezes, visto que acha-se prvido com um
expendido sortimento de obras de ouro e
prata de lei, assim como brilhantes e ou-
tras pedras preciosas, sujos pre?os sd os
otis mdicos que se pode encontrar.
As joias compradas nesta casa recebem-
e em troca ou compram-se com pequeo
" \ 5 RIA DO G4BLGA Pl 5
INJECTION BRO
Sai
i no mm mm.
O baettarrl Antonio Columbano Seraphico de
Usis Carvalho hojf o pro|irietario o director
desse instituto. Pretcudendn dedicar-se exdusi
vamente, e com todo zetoesoHcitude aos trabalbos
proprios dessa proWsSo, espera que os paes dos
actuaos colegiaos o honrarn com ma conflanc,
e bem isvitn que acolbcro o sea estabelecimento
aquellos nuo precisarem de colle-iio para edacacao
de seus/ilhos ou (RfHagMo* cortos de qne o ac-
tual director se esforzar nao s para tuanter o
bom nomo e crdito, que desde muitos annos goza
a referido Intitulo, como tambem para imprimir-
Ihe novos tnelhorainentos.
No dia 7 de Janeiro do anno vindouro ter In-
gar a abertura de todas as aulas de instruecao
primaria e secundarla.
Amas.
Precisa-se de doas amas para o servico de casa,
sendo urna para oua de pouca familia, que saiba
cozuib.-.r o engommar, e outra para cozmhar o
com|M-ar : tratare na rua das Trincheiras, so
brailo n. 48.
Aos 4:000^
Bilhetes garantidos.
k roa do Crespo n.23 e casas do crtame.
O abaixo assignado, tendo vendido alm de ou-
tras sones, um meio n. 183 com 4:000> da
lotera que se acabou de extralur a beneficio da
igreja de N. S. do Amparo de Goyaona (132*),
convida aos possnidores a virem receber na con-
formidade do costume setn descont algum.
Acham-se a vonda os felizes bilhetes da i1
parte da lotera beneficio da igreja de Nossa
Senhora da Conceicao dos Militares do Kecife (i:i:t-)
q'ie se Mrahir na qninta-feira 13 do mez vin-
douro.
Preros.
Os do costume.
i _____________Manoel Martins Fr*">.
Purtaram hontem da obra do Sr. Maia na
rna da Aurora, da algibeira de om eollete um re-
logio do prata com o dourado gasto, de n. 80,488
eylindm. com urna rndeia-de dous cordoos de
ouro com dous pasStidores, sendo que na tran-
qneta que prende ao eollete esta machucada urna
pequea bola que a ella se liga. A quem for of-
ferecidoou delle der noticia certa sera gratificaoo
na rna da Senzalla n. 130 :
OGMVNDE PRIFIO.\IK)R DO SANGUE !
Esta excellentc e admtravel medicina, e
[ireparada d'utia maneira a ntais scieritifl-
ca por (eunucos e Droguistas mtri dontos e
d'uina iustracrao profunda, tnndotido mui-
tos annos d expcFienci ao par d'rana lon-
ga e laboriosa pratica.
A sua composico nao consisto d'um sim-
ple extracto d"um s artigo; mas sim,
composta d'cxractos d'um numero de rai-
zes, liervas, cascas, e folhas, possuindoto-
(.seltas, sua virtnde especial ou podV
era curar as molestias as quaes teem sede
ou essento, no sangue ou nos humores;
e estes di ITerentes extractos vegetas, acham-
se por urna tal forma combinados ponto
de conservaren) em toda a sua forca, o cu-
rativo especial de virtude, que cada um de
per si possue. A raiz da planta de Salsa-
parrilha, produzida nas Honduras, a que
nos usamos nesta prepararo, sendo a qua-
lidade que todos os mdicos mais prex.am
e estimam. Na composico da alsa-
parrflha de Brfstol entra mais de 50
por cento deste concentrado extracto. Ella
nao encerra em si confia algmni. que pos-
sa por leve ser perigsa o.i injuriosa
sade; e tanto tf'este, como em quasi to-
dos os mais respeitos, ella infeiamente
diversa de todas essas mais preparacoes,
as quaes deba 'o'nome de Salsapnrr-
llia, sito accnndk'ionadas on postas em gari
rafas pequeas, sendo recetada cm doses
mui diminutas dtima collier de cha por
cada vez. Nos pulo contrario engarrafa-
mos a
SALSAPARRIRA DE RRISTOL
em frascos grandes, c assim por este modo,
dividimos com os consumidores, o grande
proveito e vantagem alcancado jior aquelles
que acondicionan! sita preparaco em gar-
rafas pequeas. Cada um dos frascos da
nossa Salsaparrltlia le Bristol
oontoem a messa qnandado igual porco
cuntida naquellas garrafas pequeas, e alm
disso. possue, anda muito mais forra e
virtude medicinal do que aquella, que por
ventara se possa achar cbnida dentro de
seis garrafas de pequeo tamaito. Por-
la-ito mol natural, que aquelles, que se
acaam oeenparfos em preparar e vender as
suas proilucc.nes, em garrafas pequeas,
murmuren! e gt tem contra os nossos fras-
cos grandes: proclamando, que a nossa Sal-
sapai'rilha de Bristol nao possue a
menor virtude: porm quao elfectjvamen-
te sao ellos mos cm silencio, quando indi-
camos, ou siinplcsinente referimn-nos para
com cssas centonares de certidcs e tes-
ternunhos aulheiiticos, por nos receidos
de todas as classes da sociedade, nos qmc>
plenamente alU'stain o poder curativo c vir-
tudes maraviIlfjsos da nossa.
^ALSAPAHilIJIA DE RRISTOL.
V vanrngcm de termos os nossos pro-
< a gentes' naquellds lugares aonde as
dulcientes raiws, drogas, tierras, e plan-
tas de que se compem as nossas medicinas,
sao ptoduzidas, que nos habilita exer-
oer aquello constante cuidado c tlisvello ua
toinnciosa escoma; e o que assegura ega-
rante um'ibrmidade de excellcncia.
Km quantoque, por om'co lado, nos nao
nos poupamos netn i dinheiro, nem _dili-
gencias ; afim de aicaneai tnos o melhbr
e nicamente o melliorde cada um artigo
ou ingridiente que entra na sua oomposi-
co; 6 pois levados e compenetrados da
mais (irme e persuasiva conlianca; que po-
demos afoutamente dizer aos doentes de to-
das as nacoes, e do todos os patees* que na
Malsaparrll ha de Bristol. possuem
om remedio mais efflcaz e seguro; do que
nenhum outro, que vos tenha sido offere-
cido at hoje, e o qual por certo nSo hade
mallograr vossas expectativas, naprompta
e effectiva cura das seguintes enfennidades:
Escrfulas,
Chagas antigs,
Ulceras,
Feridas Ulcerosas,
Tinha,
Syphilis.ouMal Ve-
nreo
Humores Escrofu-
losos,
Irregularidades do
Sexo
Feminino,
Nervosidade,
Debilhlade Geral,
Febra e Malignas e
Febre e Sezoes
Hulosas,

COIWPAffHM
DOS
TRILHOS URBANOS
Dq
REC1FG A9 OI,l\lA.
Por ordem da directora sao convidados
os senhores accionistas para no praso de
10 dias, contados do dia 3 de Janeiro pr-
ximo futuro, elertuarem a 61 prestaco de
suas aeces na razo de 10 0/0.
Para esse fim ser enesnirado o senher
thesoureiro dos H horas da maniSa s S
da Urde no escriotorio da companbia.
r.ecife, 9 de dezembro de i8(J.
hoo Joaqnim Alvos,
Io secretario.
Tumores
Abscessos Apostemas,
Erupcoes,
Herjies,
Salsagem
Impigens,
Lepra, febres intermitientes e fmittontes,
hidropesa e ictericia, etc., etc.
Ontro-sim, achar-se-ha, que para o bom
resultado e perfeito curativo de todas aquel-
las enfermidades cima apuntadas o adian-
tnmento da cura, grandemente promovi-
do e apressurado; usando s ao mesmo
lempo das nossas mui valiosa pilnlas
vesetaes assnearadasde Bristol,
temadas ein doses moderadas em connec-
cSo ou conjonctamentecoma Salsaparrilha;
ellas fazem remover e expellir grandes
quantidades de materias morbifleas e hu-
mores viciados que se desprendem e vre-
mente circulara espalliados pelo systeraa.
isto caussdo pelo uso da Salsaparrilha; o
por esta forma facilita a volta e o exercicio
normal das eperaces funecionaes,
Acha-se a venda nos estabelecimentos de
A. Caors, J. da C. Bravo & C; P. Majara
C, B M,dr A.arbosa, Bartholomeu C d-.
_ COMPAMBIA
de seguros martimose terrestres
A companhla de Ruros Fidelidafle ojtabelerida
em Lisboa d<-.de o atino de 1835, e representada
nesta cidade polos seus aeentes abaixo assijma-
dos, com plena antorisacio do governo impeal,
toma seguros a risco martimo e contra fnjjo, en
predio- e estabelecimentos, dando ao sepnrao o
stimo anne gcatuito quamio teir seguro seis
annos consecutivos, para tratar na roa da Cadera
do Reoife n. 12, escripturio.
Os apeles
Feliciano Jn?(i Gcmes.
Thomat Fernandos da Cunlia.
Methodo Castilho.
Seoandino Jos rte Paria Simes, prnfpsor par-
ticular de iostmecao ihndo Cas-
tilho, avisa ao resnerUrvel pubtieo e n m ,-
lidade aos pas de seus alumnos, que no dia 10 de
aaelro esta -abena soa aula na roa da Peni
25, Io andar ; agnde rec\'lic pentloOistas per pre-
50 commodo. O mesmo ^r mettKi
seesaierar no adianuiiaeflto de seus aJu;... .,
GUSTAVE
CABELLEIREIRII FRANCEZ
51Eua da Cadeia do Recife51
Chama a attencao dos seus innmeros freguezes, e do respeitavel publico r
geral, para a segnmle tabella dos precos de sua casa, os quats so viole por ceti
mais barato do que em outra qualquer parte:
Cabeleiras para senhoras a 25$,
30(5", 355 e. O500O
Ditas para horaem a 3ty, 405 e SOiJOOO
Coques a W, W, W, 0-5,
254, 30J e.....riOOOO
Crescentes a 1-2$, 155, 185, 205, '
255, 305 e .... 325000
Cachos ou crespos a 35, 45, 55,
65, 75, 85, 95 e. 105000
Tranca de cabello para annel a
500 e....... 15000
Tranctf para braceletes a 105,
155, 205, 25 e.....
Cadeias para relogio a 5% 65,
7* S^ 05, 125 e. .
Corte de cabello......
Corte de cabello com frieco. .
Corte de cabello com lavagem a
champou......
Cc'rte de cabello com limiez da
cabega pola maciiina elctri-
ca, nica ein Pernambuco. .
*l55t>
500
I50M
m
; Frisado ingleza ou franceza.
305000 Itrba. ......
ISSIGMTUiUS MENSAES
bspecilidade de penteados para casamento
Bailes e soires
0 dono do estabelecimento previne s I Recommiinda-se a superior TI.MTRA M-
Exmafi. Sras. e aos cavalheiros que ha um PONEZA para enegrecer os cabollos e wr
salao para tintura dos cabellos e barba, as- 'Da' unil>a admittida na Exposico nrrersa
I como nao prejudicial sade, por ser to-
san como am empregado smente oceupa-
do nesse servico.
latil. analvsada e approvada pelas rraeV-
miasde scienoias de PAlS E LO.NDRlS


1------------1
>
>
C


t
DAVID WILL!AM BOWMAN
Parte :,:a aos ^enhores prOfirieUtrlM de e^Brtrlw"*, que acontecendo fa!t;.r-h*s
goa ou animaes para a moaRem durante a presente -.ira, elle tem vapores protm
jara assentar, S'-m prcisar re obra nova ou dtroeftao de obras existentes, eaar
Jde botar taes .i^e.'ibos a moer oito dias depoU de estaa as pecas do vap- nw
fflgenbo, garantindo-ie o trabalho.
Fundico. rua do Bram n. 52. pu&sando o chafar.
t
' PRODUCTOS de J.-P. LAROZE
nuRMACETico, 3, E DES UHS-MMT*flOl, pars.
XAROPE DEPURATIVO
DE CASCAS DB LARANJAS MARCAS
(on IODIIIRTO e POIASSI
0 tatareto de potassio am verdadetr* alterante, um doporador de inconftml efB-
cacia; combinado com o xarope de tasca de laranjas amargas, e aturado
setn pertur bi;ao algoma petos temp^ramenUM os mais traeos, sem alterar as fnneedet
do estomago. Af. doses mathematicas qoe'elle contem permklcm aos medios dersesital-o
para todas as complieaedes nas affeccoo-i escrofulosas, tuberculosas, oance-
rosas e non accidentes inter 'lttentes e terceiros; alm e'isso, *
afele o maia poderoso'contra as doei Qas rheumaticas.
XAROPE TNICO ART1-NERV0S1
de essem de ism^ss soa&rgss.
35 annos de furcessossitestao a sna efff-
caeia para curar: as denpas nervosa*,
agudas otirhr&ticas\ as gasrites, gastral-
gia* \ e faeili'.a* a digesio.
xarope ferruginoso
de cascas de laranjas fsesma m>.
E' sob a forma liqnida qne mais fcilmen-
te se assimila ferro; n'esta forma prefe-
rivel as pirutascpasiilhasentodotoscasos
em que s3o prescriptos os femginosos.
DENTIFRICIOS LAROZE
,
COM QUINA, PYRETHRO E CAIACO
lixir dratifrtct*, para a alvura e con-
servacio dos domes, curando as dores
causadas pela caria ou producidas pelo
cornado do calor on do fro
Ft> der.tifricio, com base da siflflinisa
para a _aiynr> c conservacSo dos dentes,
proveaindo a descarnadura, provoeasdo o
trtaro de qM empede a reproduco.
Deposito en Rio d* Janeiro, e. Che*elot; em Pemamtntt, r.lunre C"; em MueH
tico mu; em Pelotas, Aatrr* Laicas; ea Bakia, Da Rseke; tmPff lfre, tmm
.11.. mm Ifilf Kftn CbaIiM m, f mm /luVA Prftn f f O__t- r* >
Falco
Briia; em MartuhBn Perrelra r C'j em Ouro Preso, c. i. V. Vele
nas, s. Seaatcl} em Mtmttoideo, G. Isatter* ( em Bueno*.-Afret, r
I en Santa Coito-
J MUTimDO I
' J*l%BaiiB*BBa*4esrf#"




r
II

^s
>
ARMAZEM
LONDRES
Aos banhps no Mon-
tero.
Absa-se nina nanacna rata no fin da levada do
Munfico junto :ii) riir, mi melhor los lugares de
lianlio, cotn 2 -alas, :l quartos c cozinha, e muito
porto da estaca i do lile!, propria para mocos sol-
Uncos : :i n alar na rasa nova da estrada do lama-
rao, oh no Reeife, ra Nu*a. lija n. 7.
60--RA Di
CADEIA DO RECIFE60
LIQU1DACAO
PAR ACABAR NESTES OAS
O prnprrtnrio deste estabotecimento tendo de partirfmuito breve para os listados Unidos e Europa, faz completa liqnidagao nestes dias, para acabar ; como
cortinados para Minas e jaRoIlas cobertores ingle es finos, calcado de pao, bijoterias d'ouro de 18, como rosetas de brilhaotes, aneis, ocales, lunetas, trancjtns etc., appareltaos
4i m*tsl lo mais tino que ha para almoco, bandejas etc., perfumaras de difrentes fabricantes, differentes caixinhas, vastas com enfeites muito proprias para presentes, caixas
da mosteas, ditas eona pertenecs para costara, ferro de engommar, nSo sendo preciso carao ncm fogareiro, machinas o\j delir batatas, ditas para preparar a carne prja gui-
ttos, ditas para bater ovos e bollos, grande variedade de porcelanas, como, vasos para toilette, apparelhos para mesa etc., drffereates. objectos de vidro como seja: histros ej
itabo* para saloes. Linternas para cima de mesa, escariadores etc., uns excelentes cofres de ferro,- espetaos de di versos tamanbos de moldura doarada e preta, moldaras*
?ra qnadros, ricas cairas para retratos, fiitas com cheiros proprias para presentes, mesas de cbarJo, bandejas de dito. Estampas finas para qaadros talagarsa
Mtd-va para atmofadas dita para tapetes e para deitar vasos em cima da mesa, retogio para cima de mesa, de parede e de ouro para atgibeira, i-tereoscopos de diversos
tawmfctfs, cosmrama, Linternas mgicas para: diverlime.nto em salas, qmadros coro fiBas figuras de porcelana, ditos com movimentos, figuras bronseadas para enfeites de mesas;
(va-vidas para se tomar bauhos no mar ou rio. lencos de linhos finos para algibeiras, ricas grvalas de seda, variado sortimeoto de rnindezas e brinquedos para enanca,'
lito barato para tateiramente acabar, no armazera EXPOSICAO DE LONDRES
frutee
Ir-
COSTRA FOGrO.
Pk Gompanhia Indcmnisadora,, cstabelectd;
esta praca, toma segaros martimos sobn
navio? e seos carregamentos e contra fog(
em edificios, mercadorias e mobilias: s
ra do Viparion. 4. pavimento ter eo.
Na praca da Independen na n. 0*3 te da d
aheiro sobre peineros de ouro, prala e ped^
prenesas, seja mal tor a qnantia ; n na raesius
casa se compra e vende objeetos de ouro c prata
e igntrtnwnle se fa7. toda e qnalquer obra de en
couimenda, e lodo e tfualquer concert terdenii
mesniiarte. '
55finado Qucimado #
A VERDADE tendo em deposito
qtiautdade de miudezas u paruaaai ia
sejaatdo apurar dioheiro e.aalajoerir la* ir*-
cuezia est rsolvda a \order xuuitsm*
barato, : por essa razio convida .
tavel publico a.vir coifrnleciClo a do a sortir-se do bom o barato. Pois quao
do ra Yerdade agpaKce, tudw na* '.(*
apparece-----
Grande sorlimento de bonecos le cfrc *
massa as maisfindaspossifOJivosiida ia-
racter.
Abotoaduras modernas para col-
letea....... 19
CADEIA DO
mm
lEiPRESTIMO SOBRE!



m
(SEM LIMITE.)
!\* travessa da roa
das rnzes n, 1 pri-
mm andar, da-se qal-
(jucr quantia sfela ouro,
prata e pedras pr?riosas.
O m<> deste estabelecimenlo,
C'Mnpetentemonte autorisado peto
OvenM| ust rs eoMcSfcs do ga-
raoiir a Iraosaccjo quo se fizer era
sua casa, prometteodo todo e zelo
consHlera(9o as pe-jsoas que se
dignaren! de boina-lo em seu esta-
li.-icr. -tiento.
Na mesma casa-compra-so ouro,
MB?tnM|
-
|f5 P1^! e .Tilliann.'S.
m*mmm.
Correspondencia de Portugal.
M< alK.i-ios rKstpnados prtninpm nos SfllffdUVB'
.i<>:;ii:ii>!rs 'li'.-o- jini.il, que de Janeiro prximo i
futuro em ili-nt a di'-l'-ihuirio s.'r feiti no lar-'
_ i do ( tipo S-mu, mi cal di Sr. Paltana, n*idn ,
n itHMinos senhores as-ignonlea mandaran payar i
t--o/ a a asrijfnnra do amw prximo quinte-
mH litis por 21 numera* cantado do numero '
iv i'MivIp/.ir o pquele de 33 de Janeiro prximo i
ln'iuo Utl" I'1 de janein- do 1871. S'timeros
avul-ii-f-iwl reji. fts reeib llr-
maiJ.is pelas ahaixos algnafjK A desiriluiiro
ln j.-rn;.l para tw a^ipmurten o far a aquel-
1^.- que Ii!iij;i:.'i j |i.i;;o ?na aiinnalhJAdi*.
Ta-so Irniilns.
C/2
Aiiiga-te a casa d>> Mondejo il llti pai
: le :.imilia, rom pequeo ttio e reinilia d'>
li m i;iia. lamina > liantuiro : a tratar Da ra d;i
r.ni/ dn {lUi n. M
- Yi'1'ts.vso de iiiii.i ama de leite em Hio o
I' i .1" s. Pedro, ii. :>.
GOMES DE KATTOS IRNtOS
j tendo feito completa nmdan^a em sen antigo e
i acreditado estabelecimento de joias, com o flm de
dar-lhe maiores propor^oes e elegancia, convidam
ao pubSco em geral e com especialidade as Exms.
Sras. de bom gosto a comparecerei pessoalmente
das 8 ho^as da manhaa s 9 da noute na
RUS DO CABUGA K. 4
onde encoRtrarao um -completo sortimento do que ha de .naift elegante,
bello e precioso em brilhtaites, esmeraldas, rubins e tudo que em obras
de ouro, prata e platina se pode desejar.
ADEREMOS DE BRILHAKTES, ESMERALDAS E RUBINS
de novos gestos, a&sim como grande variedade de salvas e paliteiros de
praa contrastada e de gosto anda nao visto, e completo sortimento de
ob/ectos de prata para so das igrejas, .
Coaipram e trocam qualquer joia ou pedra preciosa e
a qualidade dos objectws vendidos.
F
POS DE ROG
Approcados pela Academia imperial
de vtedicwa de Pariz
Dm Irasco do P 4o Roc, dissolvido
ere urna yai rafa d'agua, d nina limonada
agradare!, que purga rpidamente e de
um modo certo, sem causar a menor
irriiiirao como acontece com a maior
parte ddl outros purgantes. Os P de
Poc. s3o inallerans por isso empre-
gjin-te fcilmente era via<;ern.
em I'.!o-.'>ieiiio. Dupoiuelle: Chetolat.
Iqa*
Z/2
PILULESSSICAUV1N
HubmM, 15. kwla,iH SAanoyol. Pirto.
Este precioso rar|Mlra veaetal lio commodo
como mrnlavcl o remedio mais inlallivel pira dev
imr as coaMlpa^oet, a* nevralglan, as mais re-
beldes, assim como a Dula e a lacoaUates
Elle t effifji nal faanitla, batroefoca roa-
occaa, aaOiavaa. ***, caurrba*. ejulgeni,
oua e rkouaattoaaaa.
O nerecimcntu das fHInlai < auvln pode reu-
mMt aesus palatru meilaoelecer ou coaaer-
war i ue.
BUas nlo peem nem resfoardo na comida ncm
bekia; ao doic laxaaMr e araaratWa, otase tomar
ella as M(eecae>. em dote pargailm de noite ao
- MM. !
aten
garantem
0 MUSEO DE JOIAS
*V! :j[VS-CMKmSIitUSOiiTSeSShKmcM
BOTA
GRANDE ARMAZEM DE PLiNOS, MSICAS E LNSTUIMENTOS
ANTONIO }OS DE AZEVEDO
N. H-RUA NVA-N. t
3,
l'.ittenip.i ao respeitavel publico desla cidade
acaba 4e chejar ura grando e explendido (wrttmnto de
e das mais provincias visiuhas, que o seu grande e bein aaedilado armazera de instrumentos para musi-
0 one tu de mais moderan, aiasi.'os 'em condecido Raanos da fabrica dnSr.
de autores os mais acreditados nesta cidade, como sejam : os
4e Pars, de ijuem o liiounciairte e o nico agente nesta cidade, como pro va com o documento abaixo< tfawcri{|to eassipado pelo dito Sr. Brande!. Estes pianos, fabri-
Uh .;spi':ialmente para o dima deste paiz, sao os nicos pe olerecem urna garanta segura de sua doracSo. EUes s3o aqu bastante conhecidos desde 1844, para que
sja necssario insistir sobre sk superioridade. As .soas vozes sao uito flautadas e melodiosas. EUes possuem um teclado que se presta a todos os caprichos do
jsuhl lores pianistas.
Todas as pessoas quo comprarom pianos nesta casa, sao rogadas a exigirem o certificado de orgem assignado pelo Sr. Rondel, afim de provar a sua
ai; cidade do n:imero de piano cora o de certtticado
AO PUBLICO
^
Mr. Alphonso Blondel, fabricante de pianos em PAJUS, declara ao respeitavel publico de Peraambuco, rpie o nico deposito de seus pianos na cidade
do Recite, RA NOVA N. II, armazem de Autonio Jos de Aievedo. Outo sim que tedos os seus pianos icio accotnpanuados de um certificado de orgem assig-
itado nir miin.
Paris, 2* de ullw de 1809. (Asssignado) Alphonse Btoadel.
O annuciaoe tambem troca e alaga pianos. Ij tem o maior e mais explendido sortimeoto de novas
1IEISICA* PAR PIAIO*
As quaes recebe directamente da Europa e do Rio de Janeiro; das acreditadas casas m 8rsv Fabfpone & Tornagbi. Narciso, Arthur Napole3o d C,
ele. Tambem tem gratule sortinwnio de papel para msica e deseabo ; cordas para todos instrumentos, ricas gravaras e qiia4ros para ornamentos de salas, oleados para
atwialho de sakM. ricos espethos dourados, quadrattos e vaos, eaixmhas de costura com msicas e se ta, stojos para viag^m, relogics com despertador, vidros para
espinos d todos os tamaahos, taJa^arca. las e agites para bordar, e amitos outrs argos qpe o respeitavel pubfico encontrar serapre neste- armazen, o qual slar
abert') iodos os dias al s 0 horas da noite afim das Exrnas. familias poderem ir apreciar os kus piaues. __:___ _______
VERITBLES
q\ /
3
Oe lUalilrm OOUAM1 HOTIH, os nicos aptiroratna peta
a Aeadtaia d> Medicina, teaa asslan coaso es bbbo turto* araSaelaa
aOraaido a enpldn dos falsificadores, qoe para '(MHUr m citMmb
aosepeja6,oeaareeeiBfl aunanciav wdu *ahoaCoi*Aa
msv *osb. En prerino a* familias paia interesse de seus filfao*
para erttar folsficaoAes, de>em exigir, fue mawa Coxxam Una
tejao tendido en calas de tambas de eneaiie e catcedau cobertaa
por A tquetai cotn a minba merca de Mrtea e eacerrando na
proapecto crrcunstaneiado, e selladas por urna aaedalba cea olettreirov,
COUAJ BOTEB, Re St-Bsrla. U. Pm.
CASA FELIZ
Amwmmm
So Ilecife a*c4a Oacoicoa.. M
Oe aaiw) aaeipisaV teaato.se awatattado a*
hrma (tos leisyaf* eposto a vajda aea*blba#4a#tttrtti'1>''4e>-hBe4v^Ba asa
cima, aeade se pajarin as sortea que sabrrem
ao totea' biajeta?, tom o descomo soment*
da lei.
EOS.
Biihete iateiro 2i#fl0
ac iSpOM
Qualtos I8O0
EJde 100* para Cima a 22* o Mhete.
1([uetreo>i fif Leile.
AVISO
Pode-se ao senbor qae em o da gexta4eira, 1C
do correle, as 2 l\2 iii.ras da tarde ontroa na fa-
brica de cigarros, sita na Direita b. 50, para
comprar um maco de cigarros de sada, o por en-
gao lev iu um chapeo de sol do ab.-iixo aseiima
do e daixoa o sea, em vista disso tenha a bandada?
delittrcalo, do contrario ou declaro o aome
paa so se cbaicar a ignorancia.
t
Joaqixiin Jos Gon-
TOA DO TRAPICIIE N. il, t. ANDAk
Sacca por todos os paquetes sobre o Ra)
i do Mirrfio. em Braga, e sobre os semiiD
tes logares em Portugal:
Lisboa -.
Porto.
Valenca.
Guimaraes.
Coimera.
Cbaves.
Viseo.
Villa do Conde-
>Arcos de Val de Vez.
Vianna do CastoIIu.
Ponte do Lima.
Villa Real.
Villa-Nova deJFamalicao.
Lamego.
Lagos.
CovilhSa. imt
Vassal (Valpassos).
Miran (olla.
Beja.
Barcellos.
Sab le alcatro
para curar as molestias de pe/le,
tacs romo empingens, darmros, tama*, comicbSes
e mais molestias depelle, sem oteasioiiar acciden-
tes ; desfaz as inancb.^s dojeorpo, pannos, sardas,
restabekce a cor natural, quanto a cutis, secca,
grossa e amarellcnta, occasionado por algama
enferraidade, e como de-infectante o preventivo
das molestias contagiosa*.
NICO DEPOSITO
Boticaido Pinto, roa larga do Hosario n. 10, junto
ao quartel de polica.
Espedios domados .pepaenos. -
Agulbas de osso para crox a .
Petates pra regac com esntas a
Ricos globos para candiuiro de gaz a
Chatiuiis a .. .
Grande sorlirfleiilo de ll|plM
louca |ra brinque*!! de menino
Garrafa coai tinta a. .
Dita^com S'w florida vo; ;!.(!< ira a
Dita com 'iita dila -
Frasco com oleo do bibosa a .'>i!f; c
Dito com afilia deCobwia a MN) e
G.ntrafa com aguadiviaa a. .
Frasco com e.\ir;i; L. -s uoe a .
Lates pequeas com !;a::h mniH
fina a I2U4 v .
i Sabooctes do-diversas quali iatk
80,160,24 e......
Finas escovas para denles fl 1-0 a
Lindos coques modernos a. *.
Pavios para gaz, duzia a 240 e .
JEsccAas para facto a SO, 000 e
Ditas para cabello a.....
Pentes para tirar piolho a KiO e.
Brincos de cores, bonitos a 400 c
Pecas de tranca de iaa com S
varas por.......
Oleo para machina de costura,
frasco a........
Pennas dftCO linas caixas a SUO e
Dita d'aco Perry, cain a. .
Galn do algodao pora .
Lindos babadnbos e ontreaeios
pera de 500 a......
Ditos de louca pito f:ig a 120 e
Ditos para calca a 100 e. .
Caixa com papel amizade a. .
Ditas com envelnos a. .
Ditas com obrcias a.....
Caixa com agulbas fuink domado
Ditas de ditas ditas a.....
Thesoura para costara a :0 c
Caixa com linba do avea a .
Linha de cores em noveios (li-
bra) a........
Carrctes de linba Alejandre de 70
at 00. .-,,....
Grarapos muito finos com yassa-
ros, duzia a......
Cartas portuguezas, duzia a .
Ditas Irancezas a ;soo e .
Papel almaco e do peso, resma a
3,->i00, 3,^300 e .
jSamuilo tina para bordar, libra
Fita de algodao para ilebrum de
snpaloa, peca a .... .
Ditas de la para dclnim de ves-
tido, peca a ......
Pentes linos para segara ca-
bello a .......
Ditos ditos de bfalo para alisar
a 240, 30 e. .
Ditos para aparar penna a .
Rosetas pretas, par a .
Tranca de Iaa dr-car3col peca a 40 e
Fita de coz peca a 480 e .
Alfinetes de latSo a. t. .
Sapatosde Iaa para enanca a 400 y
Gravata de sedas de coree a .
Calcadeiras a.......
Grande sortimento de rendas Um par de suspensorio de borracha
lOOrs I!!!!!!
Na venfade ra do Qr.cli. "'-
n. 5.
rfaM*
r*
I
7.
: <
.:
--
i
m

I -
.

AMA.
Precisa-se,de urna ama para comprar e cozi-
nliar : na ra d i Livramento n. 13.
- Precisa-se alugar urna escrava para cozi-
nhar, pagase bom ordenado : a pessoa que tiver,
pude vir tratar no pateo do Terco n. 64.
COMPRAS.
Gorapram-se. moedas de onro e prata de to-
dos oa valores, onro e prata em obras inutilisadas,
brilhantes e mais pedras preciosas : na leja de
mrives dt> arco da Concctcao, no Recite.
0 muzeo d joias
' Na ra do Cabug n. 4 compra-se onro, prata
pedras preciosas por preces mais vaatajosos do
fg em ontra qualquer parte.
(om mnito maior vantagem compram-se
moedas de ouro e prata : na loja de joias do Co-
racaode Ouro n. i ra do Cabug.
0 VAPOR
Compram-se e veiiilem-r diariamente para fra
e dentro da provincia escravos de todas as idades,
cores-a sexos, com tanto que sejam sadios : no
terceiro aadar do sobrado d. 36, ra das Cruzes,
freguezia de Santo Antonio.
PNDAS.
lepolUo salgado, salame suissos, l.indjaeger,
nnhos braocos saissos, jvoroe, villenenve, crepy,
cates du Rhone, beanjolais : na imrerial fabrica
de enreja, ra do Sebo n. 35.
Nao mais cabellos brancos.
A.*intura japoneza para tmgia os cabellos
da cabeca e da barba, fei a nica admiUida
- Emcmcat* Universal, por ter sido 1000-
ARRODA SE a propnedade denomi- ^g^ja saperior todas as preparaeoes at
mtdv Barra de 8ennh9etn, no bttorai da .buje asistentes, sem alterar a Hada,
freguezta do mesmo nome com gr?nde ron- Vwle-se a 1,JO0O cada frafO na
da da trra a recebar e muos coqneiros ar J
desfructar; tendo, alm disto, a excellent?
e rara po9cao beira-mar e beira-rio, iate-
ramente apropriada para manter-se ahi
qnalquer estahetecimento commercial de
seceos e raolhados : a tratar na rna d'Au-
roran.20, oun'a do Imperador n. 20.
Erna da Cada n. 51,
1. andar,
Precisa-*e de um criado liyre oa captivorou
nanao um moleque crescido : n?. ra da Madre
de neos n. 3.
Iaidoro Bastos & C, ra da Cruz n. % tem
emseu armazem superior vinl velho engarrafa-
do, o mais puro que tem viodo a este mercado :
raga se aos senbores chefes e familia o obsequio
de irem ver sua qualidade, o qoal se torna re*-
commendavel por nao ler confeegao algama.
DAS
Roa da Impcratrlz numero 3C
Grande novtdadep ra a ftta.
A'ella antes qoe se acabe.
O proprictano d'cste sumptuoso e mui i- -da-
tado estabulecimento, vendo Wat aapnnima a
festa e querendo apresentar ans seus amatis fu
guezes urna novidade de quo so adniii ass^in, 11 -
viou o seu vapor, isto,o vapor das Bnrw
desa todos os paizps da atamada Euruj.u. al
de procurar e trazer o que do maior gosiu t- no.-
dade achasse.
Regressando etn, trooxe cutuo alta novida !*,
como defacto o. :
Liado guepure escarate com Mnissitno loiit.,
e o mais bonito possivel^ proprio para raoHaial
e fcbns, o qual se vende por preco nmito etaa-
modo.
Grande sorlimento de titas de sarja te opii.ia,
qualidade e de differentes larguras e aftres,
Completo sortimento de lilas assctinailas. sen*
estas lizas c escossezas do todas as larguras e <
mais lindas cures, haveodo oaire ellas amito lar-
gas e proprias para cintos da ultima naoda.
Graade quantidade de pirfmnariss <. >i .n .
ros perfumantes da Europa.
Aim d'ustes objectos vieiam nmiiu- i ti -;
tambera do grande novidade.
O propietario previne a todas as pessoas -]v
pretenderam alguns dosobjectos menci..nados, c.^.
puderiio buscar as amostras, do Hit" -i.il>
ment, oa indicarem o logar da resideucj.i. puna
tudo isto antes que se acabe a grande iM";i!nd;.
Loja do vapor das-Novidadits,
Kua da Impcratnz n. 36,
Henripue de SLeitan
Deseja-se vender um coliegio de men
situado em um das mais agradaveis -arrabaMe? --
Rio da Janeiro, estabeterido mais-de diz anat%
gozando de granee eredo, e renutaco, e qoe af-
ana lisongeiros resaltados. Motivos de sadc ubn-
gatn- as donas a rerartm-se : Mn quizer com-
pra-lo. pode dirigir-ae k ra do Vinario n. ii
cripiorio de Oooiingos AKes Matatae.
Cal de Lisboa
chegada no ultimo navio, tem para vender Joa-
qun Jos Godcalves Beltrao, no seu escriplorio
roa do Commercio n. 1?.
Vende-se borracha fina do Para para limas
de ebeiro : na ra do Cabug. botica confronte a
matriz, e no principio da ra Direita. no estabe-
lecim>utii n. 8 |unto a reflnaco di Sr. Bernardo
Valente, mais barato do que em ontra qnalquer
perte. J-
Vendem-se tres bombas em mnito bom es-
tado, ama de Japy n. 2, urna de ferro e ama de
cobre, as de luranjas rravo, da china, e ps de
rosas de diversas quididades, j plantados em ces-
tos proarios p;ir tn'ndar-se, assim como as laran-
geiras : na rna das Cruzos n. 36, andar, se dir
qnem a ven le. ______.: ..
Vendcm se. dons taM'i* nitiilu bona para ser-
vico ou para o talhi, njoitngirinB quem preten-
der dirija-se a ra da Palma n. 31.
GAZ SAZ CAZ
Cbegon ao antigo deposito de Heary ForsteV .*
1, roa do Imperador, um earrtgamento na >ai
de primeira qualidade; o qoal se vende em partios?
e a retaiho por menos preco do job em ontr* qu.-
quer parte.__________________________
ATTENCAO
Vende-se urna mnlataate de M annos. sadi.
com pnneas habilidades : foem awtender dirija-".
rna Nova n. 22. onde se aar aam i|oem tratar.
Chapelinas para feeuliora
dr precos mui favoraveis e ricos gratos, chrp
uliimmente, de preco de 10}, 12*". 11* e IB4 '
na praca da indepeadancaa, loja de cuapas *}
Jos irli r-.i Pequeo.
a refinicao da rna do Arago n. IJ : jusm
tender dirija-se tratar na me?ma.

l'V

.
{
m
:
-
80*
%.
k.
a*


i
)
I MUTIHUW
^
anamataaaaaai
aLEGfVEl
'M-
T^
aa-ai
i


6
Diario) de Pemambuco Terca Ifeira 4 J Janeiro de 187.0
\

.
4'
BENTO MACHADO fr C,
A AGUIA NEGRA animada onn o hora accolbimento que teve en seosannun-
cios, vem (le novo participar a seos l'iegaeses. que, acaba de receber una variado sorti-
ri de objectos le posto, os quaes serle vendidos por preces muito razoaveis, pois
ip.ando fez ps seos primnos annunci >s, foi o que assegnron, e seas rodo de errar,
porque a m> ja disse est ligada por interesaos a urna casa importadora desta praea, e
por issa poder Mr tndo espacial e vender por precos adtwraveis.Chama pois aatten-
rjao setis fregnezes ['ara os artigo* que possa duscrever :
Livros com n lampo de maritn, nsilfB-
perota e tartihign, proprios para missa
de charoteiras e
Garafinlias razias proprias para presantes
c ansa de gosto.
Indispensaveis de paliaba c de couro pro-
prios para senboraa e meninas irazer nos
I ICO!.
Binculo? di madreperola, marfim c tar-
tartwa todos esmaltados.
Cintos largos de setira, coosa inteiramen-
t? aova.
Fitas de sarja de todas as cores e larga-
ras para lacos.
Toucas, snpntinhns meias de seda e mais
pertenoBS par baptisados.
Uta varintk sortiments-
pallitoiros de porcelana,
Tentos pora rollareis
Dengallaa com marfim, cousa especial.
Sabonetes de alcatrlio.
Cofres de roteas para dinheiro.
Lindas caixas para costura.
Um completo soflimeatB de I uvas de pe-
lica,
Talagorce para bordar.
Um completo sortHBeuto de eafeites de
seda para vestido.
Perfumaras de todos os autores os mais
Fitas com inscripcoes proprias para bou- acreditados em extracto*, pomadas e leos
qi it de noiva, le finalmente ouiros mullos objectos que nao
Ricos vasos com p do arroz. possivel mencionar ; mas com a vista se
Um variado sortimente de jarros de por- certiflearo do sortimento deste esabeie-
ce 3Q3.i
cimento.
A^uia Negra, ra do Cabug n. 8.
GALLO VIGILANTE
Roa do Crespo n. 9
Os propnetarios deste bera conheeido estabele-
cimento, alm dos muitos objectos que tinham ex-
postos a apreciaran do rcspeitavel publico, man-J
darain vir e acabam de receber pelo nltirao vapor
da Europa um completo e vanado sortimento de
finas mui delicadas especialidades, its quaes es-
to resolvidos a tender, como de seu eostunaB,
por presos muito baratinhos e eommodo9 para to-
dos, com tanto que o Gallo....
Muito superiores lavas de pellica, presas, brau-
cas e de mui lindas cures.
Mui boas e bonitas gollinhas e punhos para se-
nhora, neste genero o nue ha de mais moderno.
Superiores pehtes de tartaruga para coques. .
Lindos e riajuissimos enfeites para- eauceas das
Ex mas. setflioras.
Superiores trancas pretas e de cores com vidri-
Ihos e sem elles; "esta fazcuda o quo pode haver
e melhor e mais bonito.
Superiores e bonitos leques de madreperola,
marran, sndalo e osso, sentjo aquelles brancos
com tinioSlesenhos,e. estes Tireses.
Muito superiores meias So de Eseossia parase-
nhoras, as quaes seropre se venderam por 30000
a duzia^nlretanto que nos as vendemos por 20*,
alm destas, temos tambem grande sortimento de
outras qualidades, entre as quaes algumas muito
linas.
Boas bengalas de superior cama da India e
castao de marfim coro lindas e encantadoras Api-
ras do niesmo, neste genero o qoe de melhor se
pode desejar ; alm (testas temo tambem grande
quantidade de outras qoatidades, romo sejam,aet-
deira, bateia. osso, borracha, etc. etc. etc.
Finos, bonitos e airoso* ehicotmbos de cadeia e
de ortras qualidades.
Lindas e superiores ligas de seda e borrad
para segurar as meias.
Boas metas de seda para seubo o para meni-
nas de 4 a 12 annos dfc idade.
Navales cabo de mariiiii tartaroga para faaer ^
barba; sao muito boas.e de mais a mais sio ar
ranada pelo fabricante-, e nos por nossa ve: tam-
bem assefur.im^s Sua qualidade & dotieadeza.
Linda. e bellas capelfes para rweva. .
Superiores agulhxs pora macha para ciwc-.
Linha muito boa d peso froasa, para eoefcer
lahvrintke.
Bons baratos du cartas para voltarele, asm
como os tcntos para o mesmo lii*.
Granas e vanado sottimento do memore per-
fumaras e dos melbores e mais eonhecido per-
fumistas. *
COLARES DE ROER.
Elctricos magnticos cdntr as eonrulsoes, e
farilitMH a dentro das innocentes enancas. So-
mos desde mwto recebedores destes prodMWBO
collares, e continuamos a recebo-Ios por todos os
vapores, atina de que nunca falten, no mercado,
tomo j tem acontecido, assim pois poderao amel-
les que delles precksarem, vir ao deposito do gal
vigilante, aonde sempre encontrarao destes verda-
detros collares, e os quaes attendendo-se ao flm
para que sao applicados, se venderao co nm mui
diminuto lucro.
R&gamos, pois, avisu dos objectos que deixamos
declarados, aos nossos freguezes e amigos a virem
comprar por precos muito razoaveis loja do gallo
vigilante, ra do Crespo n. 7.
Machinas & vapor de
forpa de 3 e 4 ca-
vallos.
Motores para 2 cavallos.
Arados americanos.
Machinas de facSo e serrotes para desca-
nsar algodo.
Balanzas para armazem e balco.
Camas de ferro.
Cofres de ferro de Milnez e de Ubit-
field.
Prencas para copiar carcas.
Fogo americano patent
as mm SEDAS
11--RUA DO QUEIMADO--11
Chegaram da Europa JK'lo olSmo vapor loja de Augusto *orto C ricos-
crtes das mais linda series de mimosas-coree para vestidos proprios para fcaese casa-
mentos.
GraDd yariedade- de sdfs de-Hstrae-de diversos precos toda*de bodas- cores,
gorgtirao de seda preta, egrosdenaple d&-varia* qoalidades e gorgiiro de seda iaa de
diflerentes cfire's.
i 3 cordeiro previdente
Rus 4o Queftfltad* f .
Sow e variado sortpeato' de .
boas, e oonfos objetaos.
Al do completo sortimente do
alarias, de qoe etTeetiwepte esta prmt
loja do Cordeiro Prndente, elta acabo *>
receber um ovtro sortintalo fM
sotavel- pela variedade eobjecUo
dade, miafidades e coomedidadee
Novo vestidos brancos de bl<>Edpara noivas, lindas coius de sda-per tamas, goe; aswa,pws,o(^?d^roPre^dwla
ditas d'tea e'sda, rortimdos- bordadapara- camas ejanellsfronhae o toalbos de
cambraia de linho bordadas.
Luvas novas de Jouvio.eelefantes-sonbrinbas de sdas-de cpara seoboras.
Espartilhos de 5&at 303, lindec boeruotjs de cachemira de o6r pera sabida
de baHe, basquinos de renda preta, e ditosdc croch braoco e preto para senboras.
Grande variedade te camisas bordadas e bsas para hoens e meoiaoe.
Sortimento de mui tas faaendas de-lfet, Imbo e algedaotodas per presos muito
mdico.
Tapetes grao-ies para sof, piano e-camas, pecas dte tapetes o de akatif para
forrar salees ludo em quantidade; e venden*sempre^r n^oos qoe efio-outra-quaquer
parte.
Esteiras da India deCS e 6 palmos de largo.
I
espew contmuar aaMSWor
do respeitavel publico em geni e e
boa fregoetia em particolar, nio
irado eHe de sua bemcwihiidda
barateza. Em dita loja encentran
preciaderes do bom:
Agnadivma de E. Coidray.
Dita yerdadeira de Morray 41
DHade Cologne iogleca,
caca, tedas dos melboroa e:
fcbricaaes.
Dita de flor de larsogeiraa.
Dito des Alpes, e vilete ptn toiH.
Elixir odontalgico para canservaca a
asseio da bocea.
Cosme tiques de superior qualidade tckm-
tos agradaTeis.
Copo e latas, maiores e nenoMS cota
Crande armazem de fazends e rwipas fellas na da lo^ralriz ^^os cw^ti^lin, traospatent.
n. 5^ porta larga, 4e Paredes ?to. d Fino? ^cto%ie> amerk^os
Pfeste estale)eciment encontrar o respeitavel puklico um bonito sortimento (raaceaes em frase simpleseenfeitado*.
de roupas de toda; a qualidades, paiitols de alpaca a 3*, 3-S600 at 6^. Ditos de Essewciaimperiaido finoagiadtaaeictata-
merino, ditos de caseinira de cores bonitos gosios a 3r5, t 8> e \0f\ de paooo preto r de violeta,
sacos e sobrecasacos. Ditos de brim pardo finos e ordinarios. Ditos da alpaca branca Ontras concentradas e do cheiree igoai-
de cores de 3#>00 a 5(5000. Calcas de brim de cor-finas e oadinaria, ditas j mente finas e agradaveis.
brancas e todas as qualidades, ditas de brim pardo fino o ordinario, ditas-de easemira! Ote pnilocome verda/Seo.
de cor e preta de t%, fn5\ 0> a 1W. Golletes de todas n qpalidadas- e paeco muito. Extaacto d'olea de aaperior cpaoMado,
barato. Completo sortHneato de camisas franoezas de algodio e de Wnbo de 2i at 50! c* escomidos dwiros, mb fraao* de
urna. Sortiinento de Hfawdas francezas- de algodao, de lineo o bramante 2^ e 2)S500.! rentestamanbos
Gravatas imantas) novsimo gosto a todos os precos. Matas-sortimento completo a 3-, Sabonetes ea bairas,maione>o
6 at 7 a duzia. para maos.
ROUPAS PASA MEMNOS.
Encarrega-s de qnaesquer obras de encommeada. tanto para- bomem, coaao
para metanos, e com brevidade, por isso que tem um bonito sortimento de frondas da
todas as qualidades tanto em casemiras como brins, paaoos-finos e> outaae moitas a~
zendas.
FA2ENDAS
Bramantes de l p^lmos de largura'a 45800'Ometro.
Cambraias de cor e branca.
Alpacas do todas as cores a 6i0 rs. o covad.
Poil-de-chvre com lista de seda fazenda de gosto a i$DQ..
Basquines de goimire enfeitadas a ISOOO-
Sortimento de chitas escuras e claras a 8Q\ 300 e 330 rs.
Madapoln lino a 6^300, 75, 8^' e 90000.
Algodao pega com 20 ardas a 45500, 5i0 e 60000.
Peca de algodao largo a 7(5500.
E outras muitas fazendas que ser enfadonho mencionar Cbeguem *>apa
feita que se est liquidando na loja ra da Imperatriz n. 52 (junto loja de oures) do
LEftO DA PORTA LARGA
M
Paredes Pirto.
LOJA DAS MACHINAS
BASTOS
Acabam de chegar grande quantidade das \erdadeiras machinas americana
p- -a descarocar algodao de todos os svstemas e tamanhos seguintes:
12 serras 12 serras
14 ditas 14 ditas
15 ditas *5 ditas
16 ditas 16 ditas
,. 18 ditas 18 ditas
20 ditas 20 ditas
22 dttas 22 ditas
25 ditas 25 ditas
30 ditas 30 ditas
35 ditas 35 ditas
40 ditas 0 ditas
is qeaes se vendem por preoos commodos e, roga-se a3 pessoas que dolas fizeram en-
commendas de alguns tamanhos, obsequio de as mandarem busca-las o mais breve pos-
sivel aQm de nao baverem faltas.
BIJA DA CADEIA N. 56 A
Cal nova de Lisboa
rhesada no ultimo navio : vende Joaquim Jos
Ramos, na ra da Cruz n. S. Io andar._________
M) BAZAR DA MODA
OE
JOSfc DE SOLZA SOARES & G,
Ra Nova
VENDE-SE MUITO BARATO PARA LIQUI-
DAR A DINHEIRO.
Luvae.
De pelica branca muito frescas, chegadas
por este ultimo vapor para homens. senho-
ras e de cores e pretas para meninoso
par 2,5000. *
Minhas festas!!
Lindos objectos para minios, como sejam:
Estojos e caixinhas de msica, bolcinhas e
sestinhas, vasos e balainhos de porcelana
dourada, figuras, tinteiros, port-bouquet.
caixinhasparajoias, interesantes conchinhas
com frascos para excencias, ricos quadros
para retratos, apparcllis de plaqu, cama
feo e madriperola, lindos vasos com perfu-
maras etc. etc, e tnuilos- outros objectos
para este fim.
Chapeo** de sol 011 sombrlnhas
de setira ricamente enfeitados e mais mo-
dernos que pode haver para senhoras a
145, 16,5 e 185000.
GUIPURE 01 CROCH
preto ou branco que b pode bever de mais
bonito em padres e superiprem qualidades
para casacos, capinhas, corpinhos, meias
saias etc. e vende-se muito barato."
LINDAS CAMELIAS
brancas e cor de rosa de dous tamanhos
cada rosa a 1200 e 1^500.
Chapeos para senhoras,
de palha fina de Italia elegantemente enfei
tadose gostos muito modernos de 15(5000.
vende-se para liquidar a 100000. E' pe-
chincha.____________________________
Vende-se urna propriedade na cidade de
Olinda, collocada damaneira segninte : na frenta
da igreja de N. S. do Carmo, tendo na mtsma
urna linda campia, boa vista para o mar e recife
muito perto aos bahos salgados, rodiado aos pri-
maros templos daquella cidade ; o dito predio,
um sobrado de um andar com commodos para
duas grandes familias, com dous portSes de ferro
grandes, sitio t..do murado, algnns arvoredos,
com baixa para eapim, c lavonra tanto de inver-
n como de vero por ter bastante agua com um
olho de agua doce permanente, que nunca seccou,
cocheira. para carros, em chaos proprios, com
terreno para fazer duas ras de casas, livre e de-
sembaracadas : quera o pretender dirjase ci-
dade de Olinda. no sobrado do patoo do Carmo
n. 2, qae achara com quero tratar.___________
lll
Vende-se t2 cadeiras novas, 2 consolos, 1 mesa
redonda, l dita de jantar, 1 relogio de cima de
mesa, t par de lanternas de vidro, 1 candieiro de
gaz e i marqueza, tudo de amarello, por preijo
commodo e urna espada; ra da Imperatriz
n. 73.
SOFFRIMENTOS D'ESTOMAGO, COHSTIPAQAO.-
Cura em poucoi das pr lo CSRvio OX BELLOC em ye ou coi pastilhas.
ENXAQUECAS; NEVRALGIAS. Esso$anecoesriodi^
sipvljs tapidamente pelas PFR0LA8 D-ETHEp S' CLLRT1N.
ANEMIA, A PALLIDEZ e t ^frimentos que nccpssitam do
empicpo do* lerruginoos sio senipre coinbatiilos cuid o mellioc irsullsdo
pela hilui as DE VALLET. Cada Pilula tem incravado o nome VULCT.
PO OE ROSE. Basta dissolver mu frasco deste po cm raeio
(ni ni:! (Tagua para o ohtruma limonada ajra*favcl que purga sem fa-
er col as.
V1NHO DE QUINIUM de Latornpie. Este vinho, m dos
po'icos cuja co!iiuimi.:!o .' garantida constante, urna das nn lliores pre-
paravtfs de quinino, sem accio notavcl sobre os convalescentes, dando-
Ibes forcat c aprestando volta a nudo. Cura as febrec antigs que re-
sista ao sulfato de quinino.
MOLESTIAS DA BEX1GA. A maior parte d'estas motas-
tm. como as ^citicas, lombagos, catarros, e todas as dfires nervosas em
gera'i sao curadas pelas ptROLAS PE ESSENCLA de thereb ntina do
Dr. Clertait. 0 prolessor Trousseau em seu Tratado de therapeuiiea aeon-
sellis a* para seren tomadas na occasio do jantar, na dse de i 12.
OLEO- DE FIGADO DE BACALHAO DE BERTH.-
Genntido puro e di- pi Inicira qualidade, um dos poucos aprovados pela
Academia de nwdidiia.
AFI30. Tod.*
e*te* medicamentos foram aprovados pela Academia
imperial de medicina de I'aiis.
K
Uit-Janriro
tiiikia.
DKrosno
Cm Pars. L. m:T.:, IB, rae Jacak
ItcrmcHEti r.; lltus -s.s i Vr.rnnmbuco Haouek ct O.
Tmwnea,
a Cl'irn.
kUeaa* et Ch.
X A R O P E
VEGETAL AMERICANO
Z SAL DADE
DE
BA RTHOLOMEO & C:
Para a cura eerli toues antigs e recentas, otarrh pnlmoasr, lima; tost convulsa, eatarrhM
Vonchias, o era goral contra toiot os sofJrimealos das fias respiratorias.
DEPOSITO GERAL
sonrzcA. ib d no es aria
34, RA LARGA DO R0ZAR10, 34
PERNAMBUCO
A therapenlica das diversas molestias do peito, desde
a pharyngite oo mal da garganta at a taberculacao
pulmonar, passando pelas diversas bronebites catarrhaes
e o emphysema acaba de ser enreqnecida com mais
te medicamento, que tomara a primeira ordem entre
todos al boje conbecidos. O xarope Vegetal Americano,
garantindo puramente vegetal, nio cootm em sua
composifo um s6 tomo de opio, e sim somente sue-
cos de plantas indigenas, cujas propriedade? benficas
ua cura da molestias que peVtencem aos orgaos de res-
piracio foram por dos observada! por longo lempo,
com ptimos resultados cada vez mais crescentes; pelo
qae no julgamoa autorisados a compor o xarope que
agora apresentamos, e a oflerece lo aos mdicos e ao
publico. Provenios com os attestados abano o que le-
vamos dito, e contamos que o conceito de qoe ja gosa
o xarope Vegetal Americano crescer de da a da,
deixando muito aps de ai todos os peitoraea em voga.
Illas. Sr. BartbalooMO A C.- xarope Vegeta! Ame
ricano. preparado en eoa conceitnadissima pbannacia,
um ot remedio pera combater A terrivel astbma.
Sofra en aquella molestia ba quatro metes, sem ainda
ler combatido os ataques mensaes que tinba; esta ultimo
qae tive foi fortissimo que me presura por 8 dias, usei,
porm o seu milagroso xarope, tomando apenaa tres
dotes, e at o presente nao foi de novo atacado. Praea
Oeee. qne en fique reeubelecido por au ves. Reneo-
Ibe, pois os meas agrdecimentos por me ter aliviado d
tio borrivel mal. Com a mais significativa gratidao,
subscrevo-me deVmcs. alTectuoso e reconhecido criado
Seaerino Duari;.Sua Casa 14 de fevereiro de 1868.
Illms Srs Bertbolomeo 4 C. Depois de quasi seii
mezes de soTrimento com ume tosse incessante, faslio
extraordinario, eipecloraco de um catarrbo amarella-
do, e perda total das torcas, que o menor passeic
me fatigava completamente, censado de tomar mnis ou-
tros remedios sem resultado tive a felicidade de saber qi
Vmcs. preparavam o xarope Vegetal Americano, e coco
elle, gracaa a Dens, me acbo restabeleeido ba mais t
dois metes, e robusto como se nada tivesse so/Trido. A
gratidao me forca a esta declara;4o, qoe podarlo Vmcs
fater o uso que quiteren. Sou com estima de Vmcs
muitos respeilador e i criado. ionio Joaquim di
Catiro t Silva. Recite 8 de fevereiro de 1868.
Atiesto que nsei do xarope Vegetal Americano, dt
composiflo dos Srs Bartaolcmeo A C. para cura de nm
forte deOuxo que me treme urna rouquido, que me na'
faxia edtender, inflemmaclo e dor na garganta, toase,
grande falla de respiraoAo, e liqnei completamente res-
tabeleeido com nm se vidro do mesmo xarope; pele
qne Ibes protesto eterna gratidao. Recite 10 de Ja-
neiro de 1868. Joaquim Pcrnrt ArtnUi+Jtmtor.
EstAo reconbecidoe.
r.
VERDADEIRAS
^
PILULAS de BLANCARD
COR IO0URETO DO FERRO IHALTRAVEL
APPROVADAS PELA ACADEMIA DE MEDICINA DE PARS, ETC.
Posioindo as propredades do todo et do /erro, convem especialmente as Afrccos
scmoFULOsAS, a Tsica no principio, a fraquea de temperamento e tambem nos casos de
Palta m cor, amenokrhea, era que precisa reagib ibm o sakgue seja para restituir
lfc a sua riqueza e abundeneia normaos, ou para provocar repilar o seu curso peridico.
M. B. O iodarete de ferro imporo on alterado i em medicamento infiel, yff
irna e de anthencidede dea ve^d M exigir nosso Hle ele prettat rraetira %^fCfti
eqai reproduxide, que te echa na parta inferior de um
i>. Dere-te deeeonfiar au faliiflcac.oit.
>* enea ajee m pliaiii ulaai Pharmactiuico, me Btnupmrte, 40, *actt
trritante. Como proTa de pure
laataei aWemaei-e?, dere-se
k noeeo ~
Ditos transparentes, redootlM eaa ifo-
raa- de menino.
Ditos muito fino em aauak para barba.
Caixinbas eom bonita* sabosetet) aTiiteTielr
frnctas.
Ditas de Biatleira it-vennisaaia conteni IV
oas perfumarias, muito proawia pan ferv-
ientes.
Ditas de papel5o iguaimefate bonitas ^tam-
bem de perfumarias finas.
Bonitos vasos de metal coloridos, Ote
moldes novo e elegantes, cota p d arros
e boneca.
Opiata ingleza fraacea para destas.
Pos de campbaoa e outras fliTainalss
qualidades tambeaa para dentes.
Toaico oriental de Kasnp.
Alada bmU rta^awsj.
oB ootro sotitmento de coqon de le-
vos e bonitos amoldes eom filete do rriato
* alguns d'elles ornados de fosas a fitas,
estao todos expostos i apreciacab de qoea
os pretenda comprar.
GOLLINHAS E PUNHOS BOBDADOS.
Obras de muito gosto e perfaicSo.
FItcIIm e Otas para, eiaiflea.
Bello e variado sortimento de tees oltjec-
ios, ficando a boa escolha ao gosto do cossa
orador.
R.IP POPUIi.tR
DA
FABRFA X \nOY\L l\ B.III.4
DE
Teixetra ldurtcofyC.
Acba-se venda ete ptimo ran, tratco eje
pode suppnr falta do princesa de Usaos, por ser
de mui agradavel perfume, vb>*do, e a prtfo <
mais mdico possivel; e por i.*> tesa s
acolhido na.' praea? da Baha, do Rio V .
em outras do imperio : do esarrifenrio d>,
'Jos G mero 17.
LIQUIDAClO
de ffizendo.v.
Na roa Nova n. 48, ainda rc-!:,:n alenma- sV
zendas que se vendem por SfMue que arlmiraiM
como sejam lazinhas a 300 r-. m~ 'imainjs
com listas de muito lindas core* a 300 rs.. derla
a 900 e 300 rs., grande qnantubile de rambraa-
de mnito lindos padri-s a .100 r., e outras tata-
las fazendas que pela sua lia qualidade se tor-
nmn recntrmendadns p.ira casas d- tarnia
Grande quaniidade de paletaai is Ntjai, d> paativ
fino, de casemin, de bnoatitntsa (pstsSM e de er-
res) qne se vendem por todii preco para li.arti-
llar, iproveilem a MataBfssa que ossl 'indiseti
Sitio fresco o mam,
Vende-se um pequenn sitio murado, runa tve
caa de sobrado, casa para feil>r, coehK'a, esfri-
baaia, boa afea de brher, grande r.-cimba con.
botabis e ttaojOT [tara hnnlm e para avar roopa
gallitos arvoredo da diRaresstn njolnkoV. eir .
sttosdo b^ira do rio, go pon HSM lM da f
e o mais saudavel dos arndores desu riilaue :
tratar na na Nova n. 19, t- an lar.
CADET
CU RA
m TRES DAS
Denain
P A,R I S
Parif, 36,RaTlTsaM, V
CHABLE MEOECIN
0ASCfTau COIS fXTArTIAS,! ALTIIUCOKSlK>
SISO tareero ino i
3EPURATIF
SANG
im
PLUS DE
COPAHU
o tunyue. (Xarope 1
re>Ua vegeeaiu
tomao-ee i^oas por aemeaa. eegeiare I
Depurativo .- i etprepe eaa aniiaa
bsaa<
ferro ee CHAtlX
iauMaiaua
men oa ftuxu e flores brme*t ees
IttsdMwataris! asapress mas
Citracto dt tem.
Sfeerraltoa. Peeeaa .ee es can ees
POMADA ANTIHEBPETICA,
Contra i asa afecto* eniseust) e
PILULAS VEGETAES DEPUHATIVA
se av Ckeki* seta frasee vai aaarsaftAais i
tai fe!hto.



,*
*
\

i!

Diario.de P< awamlmoo Tere* eira 4 de Janeiro de 1870.
A OINHEIRO NA LOJA E ARMAZEi
DO
saaa sa iaipaiaa'iiaisa. 9
DE '
FEIiX PEREIR1 DA S1XVA.
O proprietario-d'este grande estabetocmento, veodo.qtio *e est aproximando o fin-
do awio, e tendo em ser um grande deposito deposito de (sendas; n5o fattando em
avultadas encommeodas que lhes -esto obrigado todos os-dias, tem resofvido liquida-,
ias por preco muito mus barates do que em outra qoalquer parte : s con o fira
de diminotr o deposito e aparar dioheiro. Encontrase neste estabelecimento do
PAVA, avallado sortimento de4azondas de baso e modas; assimcomo deprmela
uecessidade. As pessoas que negeciam em peq-oena escaa n'esta loja podero surtir-
te yenden-io-se-rhes petos precos .qae compran, -as casas-inglezas; asara cerno as ax-
oeUeotwswas familias poderlo mandar buscar as amostras do todas as fazeatiac ou raan-
dar-se-ha levar peloscaixeiros datuesma loja em suas casas; o estabelecimento se
a cons nteatente aberto- das horas da manhla s 9 da noite.
LA2ISHA6 M8DERNAS NA LOJA DO PAVO
Chqgeu para -esle estatelecnonto um grande
sortimento das memores mais maderaas lazi-
mia>s tra TetiSos, sen*) tapadas e transparentes
de todes os presos e vialidades roe si,- vendara
ais barato do que em outra qtialqaer parte.
Crochs para cade-iras e sofs
0 6<* $MA*6
Expleadido sortimeii^o de
roupas feitas
NA LOJA 00 PAVO RA A
JWERdTHlZN.SU
Acba-se este grande estabetectnento com-
pletamente sortido das memores roupas,
endo caigas palitts e coletes de ctsemira,
de panno, de brim, de alpaca, e de todas';roais bonitos crochs proprios para cadei-
as mais fazendas que os compradores pos-:ras ofas, mesas, aimofadas etc etc., assim
aam desojar, assim come na meema loja *me Propr*os para cobrir presentes, e ven-
GRANDE H1MDE
Quando a AGL'IA BRKNCA, mais precisa scientificar ao respeitavel publico *m
peral, em particol.tr a sua boa freguezfa, da iramerisidade de objectos que ltimamen-
te tem recebido. justamentequaodo ella menos o pode fazer e porque essa falta invo-
luntaria ella conlia e espera na benevolencia de todos que Ih'a attenderao e relevarao,
continuando portanto a dirigirem-se a bem conbecida leja da AGUIA BRANCA ra do
Quermado n. K, onde seiupre acbaro abundancia em sortimento de superioriQade em
quaMades. modicidade em precos e o seu nunca desmenttido AGRADO E SINCEftlDADE.
Do que cima tica dito se conheceqae o tempo le que a AGUA BRANC V pode
dispr, empregado apez^-deseus costos no desenipenbo de bem servir a aquellos que a
honran procurando prover-se em dita loja do qoe necessitam, entretanto sem ennume-
rar-as objectos qoe por sua natureza sao mais onhecidos ali, ella resumidamente indi-
car aquelles coja importancia, elegancia e novidade os tornara recommendaveis, como
btm 9cja :
I
tem um bello sortimento de pannos -easemi-
ras, brins, etc. etc. para se mandar fazer
qualquer pe?a de obra, coma raaiorpromp-
tido vor.tade do i freguez. e nao sendo
de-ee mais barato do qu em outra qual-
quer parte,
LACE* A 1:200 PARA VESTIDOS
Pavao*em esta nova fazenda lisa pro-
fligados a acoeita-las, quando nao-estojara pria para vestidos, com as mais delicadas
completamente ao seu contento, assim comoj neste vasto estabelecimento encontrar osedacorn 4 palmos de largura que facilita
respeitavel puaheo um bello sortimento dej!fazer.se qwHqUer vestido cora 10 covados
camisas francecas e raglezas, ceroulas de e vende-se pelo baratissimo preco de 1:200
rs.-e covado, e pechiocha.
Organdys a 369 rs.
Vende-se os mais bonitos organdys de
ores com padrees miudos egraudos. sen-
do lodos de cores fixas, pelos baratos pre-
sos de 360 rs. o cova lo.
ALGODO ENFESTADO
Vende-se urna grande pouco de aigodo-J
smho americano com 8 palmos de la'gura
proprio para lences e toaibas tendo liso e
trrncado que se vende por prego inuito em
conta.
anbo e algodo e outros muitos artigos
proprios para bomens e senhoras promet-
iendo-ee^kie vender mais barato do que em
outraqualquer parte. Ka ra da empera-
triz n. 0, loja e armazem de Flix, Perei-
a da Silva.
CERA DE CARNAUBA-
Vende-se orna grande porgo de ora de
carnauba em saceos por prego mais barato
do que em outra qualquer: na leja do
Pavo rea da Tmperatriz |n. 50. De Flix
Pereirada Silva.
FAZENBAS PARA LUTO
Na loja do Pavo.
Encoadra o respeitavel publico neste estaboleci-
aento una grande sortimento de fazendas pretas,
como sejam, cassas francezas e inglezas, clatas
pretas de todas m qualidades, fazenda de iaa de
odas que teic viDdo, proprias para luto, como
-ejam, latiubas, alpacas lavratas e lisas, cactao,
fiorabazinas, merino, etc., que tudo se veade por
preco barato.
AS CASSAS DO PAVAO
Covado a 300 rs.
Vendem-se finissimas cassas francezas com lia-
dos esenhos e cores fixas a 300 rs. o covado.
Madapolo francez a 7^000 rs-
Vende-se pecas de madapoio fraocez
700 a peca, pechincha.
Alias RdTidadcs em sedas
- Chegou um grande sortimento das mais
moderaas poupelinas ou gorgures de seda
; linho com os mais elegantes padres que
.em vindo a este mercado sendo, miudos e
^raudos, tanto em cortes para vestidos como
:a*a vender em covado, assim eomo um
bonito soi' ment das mais bonitas sedas
iistradas que se vende tudo muito em cunta
Grosdeiiaples de coree
Chegou um grande sortimento do6 mais
onrtos gro^denaples de todas as coras para
estidos que se vendem muito mais barato
io que em outra qualquer parte.
R.1NDE PECHINCHA A 3:000,RS. PECAOE
Bretanka
Vende-se pecas de superior bretanha de
Igodo tendo quatro palmos de largura
com 29 varas o 22 metros cada pega, esta
azenda seria pava custar 8-5000, a nao ser
sma grande compra que se fez, e liquida-se
a 3i50OO, cada peg-a.
Goppiehos de cambraia, primorc smente
enfeitados com fitas de setim e obras essas
coja novidade de molde eperfeico de ador-
nos i tornam apreciados.
Filas mi largas de diversas cores e qua-
lidades para cintos.
Leqaes uesse objecto muito se poderia
dieer querendo descreve-los minuciosamente
por suas qualidades, coree e desenhos, tal
o grande e variado sortimento que acaba
de ohegar, mas para nao massar o pretn-
deme se lhe apresewtar o que poder de
melbor.
ntremelos em pecas de 12 tiras.
Guipure branco e preto de diversas qua-
lidades e desenhos.
Ditos de algodo com flores 6 lisos.
Veos de seda para chapelioas monta-
ra.
Meias de seda para noivas.
Ditas abertas de fio de Escossia.
Costumes ou uniformes para meninos.
Enxovaes completos para baptisados.
i Capellas brancas para meninas.
Grandes sortimento de flores finas.
Fil de seda, preto.
PERFUMARA
Grande e constante sortimento de dita,
sempre melbor quajidade.
Lindos vasos com p de arroz e pinsel,
Caixinhas com ditos aromticos.
Bonitos e modernos pentes dourados
para circular o coque.
Bonitos brincos de plaquee.
Adereces e brincos de madreperolr.
Caivetes finos para abrir latas.
Tnesonras para frisar babadinbos.
Aspas para balao.
No vos stereoscopos com 48 vistas, as
quaes sao movidas por um machinismo
urnas substitnem as outras.
Vistas para stereoscopos.
Bontas caixinhas de vidro enfeitados com
peflras.
Ditas de madeira ehvernisada com vispo-
ras e com .dminos.
Bollas de borracha para brinquedo de
I
0 Campos da ra do Imperador
no intuito de servir salisfatori mente ao.-
seus iunumeraveis amigos e freguezes, em
particular e em geral ao respeitavel publico,
ta cidade ; avisa aos que cstiverem pas-
sando o tempo calmoso, los deletaveis
arrabaldes desta capitel, que tem resolvido
vender, de de superior qualidade, a pn
razoaveis, os eguintes gneros a saber :
PARA CIMA DE APARADORES
Latas com doce em calda de diversas
qualidades nacionaes e estrangeiros..
Ditas com pexe a saber ; salmn, ostras
e (agostes.
Ditas com ervilhas francezas e portugue-
zas.
Ditas com gela franceza.
Cerveja franceza verdadeira Bobee. *
Presunto para fiambre e adumbrados.
PAR.V DISPENSAS
Latas com chouricas novas sendo de 83,
cada urna.
Presuntos de Lamego para tompeiro.
Cuias do Para (pintadas pelos indgenas
daquella provincia.
Copos de vidro com dobradica e tampa
para diversos misteres.
PARA OS QUARTOS DE DORMIDA
Porta-phospboros ebeios de phosphoros
de segnranga.
PARA SALA
Churutos de S. Flix do afamado fabri-
cante Costa.
Fumo picado do Daniel de S. Joo do
Rio de Novo.
r
PASMOS
Aeaiam do chgar ttj Bnmtk
a raa >ovi i. HOamefn Vlirn gfc &.-..
to ui menlo de na .-hias |
lores n;a:.- i-unli *i erj n
co no me-i.iii Itaz.ir. p.ir
lidtulf. e lan licm i>ns:na-i! i-uie |x ,
os ccnipr:nluri-s. E fea trabaliw ao dr f'mu
suajierleirao tal n ..- ,
Pars. Apreseatam-M (ribjl!Kis .\^u(ada pcm
mesmas, quf maleo ieim gradar avs ti
di-nii!.
Alm desses gneros, o Campos tem con-DoeilCuS fradft P h'ii 2H-
vieejo de que o seu estabelecimento um uw-"Va^ uu c Urfitf, U
ma, pilado, ele.
dos que podem satisfazer com garantas as
exigencias bem entendidas, dos illustrados
habitantes desta heroica provincia, porquan-
to se acha elle bem prvido de gneros su-
periores, de maneira a nao desmentir
0 Campos.
Armazem da Estrella
Cae* 8 de \ovraihr zh
.Nao ha duvida pnr falta de roiiipr|B!|r.s
yuras de luadviran de pinho, nj.> c i\
de fazer obra. |>s psiM jk> uurrado de i* >'
i'i pollejradaa de largur aia d..a.,
desde o branco pinho atnerieam a*. > mam
do de rciina : pnanlo os aOBazeiiarm* ,!
apruveitar a (iccasio. pow tfm pi
30 palmos lamhcm cmplelo o/timeiU pi!n lo ka
para ctnvi.* de navio?, e serrado rm UD< .
forro, para fundos it harria, prcfAivel a
<|uali|uer |ior causa de ler poneos m*y^tum-*r
de 9 a 10 a doxii, remos de laia, e Mlu.!- iat-
Ul para forro de navio-, e pr.~adtiras p.ira-s
inesrr.os. ludode ff.iifurmi.lade com os prepuso
mercado : noantieoe bem eeabeeido j-' u
Paulo Josi- bornes Je Climspo.
Eheumatismo e moles-
tias syphiliticas.
Arrobe v.-geni, xarope de salsapat *
do Pai. pilulas e .xampe de .
tura e xaropc de akoptra.
fanos de llisio
Chegou um grande sortimento de pe?as
de panno de buho do Porto que se vendem
de 70(i rs. at 1{JOOO a vara, garantindo-se
que era fazenda de linho nao ha nada me-
Ihor, era mais proprio para lenc'es e toa-
Ihas.
PECHICHA EM CHAPEOS DE SOL
Chegou um grasde sortimento dos me-
ihores otapos de sol de seda, inglezes ten-
do neste art-go o melhor que tem vindo ao
mercado assim como urna grande porfi de
ditos de alpacas de todas as cores e todos
se vendem por prego muito mais barato do
que em o tra qualquer paite, por liaver
grande perco.
a^eaeos forneos
Vende-se um grande, sortimento de len-
cos brancos para homem, sendo a duzia a
1600, 2(00 e 3d000. ditos abnnhados
imiito finos a 4)5 e 05000 a duzil, ditos de
eseuio fazenda muito superior a 54, 65 e
7*000,
Peehleha em easemiras a ..
Vende-se finissimas easemiras de cor com
listras ao lado, tendo duas larguras e com
as cores mais novas e mais bonitas que tem
vindo ao mercado, pelo baratissimo preco
de 45000 o covado ou 75000, cada corte
de calca.
n
liirtni ufi
LASINIJAS LUSTROSAS A 400 RS. O CO-
VADO.
S o Pavao
Vende-se um grande sortimento das
mais modernas e elegantes lasinhas para
vestidos, com as cores mais novas que tem
vindo a esto mercado, sendo com listrinhas
miudnhas que parecera de urna s cor e
com tanto lustro que imitam perfeitamente
s poupelinas de seda, e vendem-se pelo
barato preco de 400 rs.
Bretanha* de rolo a S#500 a
eea
Vende-se superior bretanha de rolo ten-
do 10 varas ou fl metros com 4 palmos
de largura pelo barato preco de 25500,
pecbiocha.
OssetmsdoPavo
Vende-se os mais bonitos setins de cores
e mais encornados proprios para vestidos
tendo de diversas cores.
AOS PALITTS DO PAVAO A 185 e
205000.
Vende-se um bonito sortimento de palit-
ts fraacezes sendo, sobrecasacados e pro-
ariamente sobre-casacos, que se vendem
forrados de alpaca a 165000 e forrados de
aeda a 20000, pechincha.
COLCHAS DE PSTAO
Na loja do i'avaa veude-se um grande, sortimen-
to de oolcbas da fustao sendo brancas e de cores
'utas e crocL pau camas de noiva, assim como
^omtcs damascos de laa para colchas.
Na* lojf oo PavSo vendem-se os mais
bonitos chales de verdadeira cachemira de
cor, com os desenos mais modernos, a 65,
10 e 125000. muito barato na ra da Im-
peratrii n."0.
BASONAS A 124000
Na loja do' jPavao vende-se as mais mo-
dernas basquinas ou manteletes de guipure,
pelo barato prefo de 125000 cada urna.
Cortes de organdys com barras
Para a loja do Pavao chegaram, os mais
bonitos cortes (Ve organdys com barra, sendo
eada um em seu carto, com o competente
figurino, muito proprios para fazer pre-
entes-
Os baloes do Pavao a 2S000,
Cheg u um grande sortimento de balees
ou-crenolinas do feitiomais moderno muito
proprias para vestidos ennesgados que se
vende pelo baratissimo preco de 25000 ca-
da um grande pechincha.
AS CAvlRRAIAS DO PAVAO A 4:o00 RS.
Vende-se urna grande porgo de pecas
de finissimas cambraias brancas transparen-
tes tendo 10 jardas, com mais de vara de
largura pelo baratissimo preco de 45500, a
pe?a sendo fazenda que nunca se vendeu
por menos de 85000, grande pechincha.
AS POUPELINAS DO PAVO A 500 PS.
Chegaram as mais lindas poupelinas de
13a com imitago das poupelinas de seda,
urna fazenda muito leve com as mais lin-
das cores, sendo: verdeBismark,rxa,azul
lyrio, c nsento, perolla etc, etc. e vende-se
pelo baratissimo preco de 500 rs.
Fustes Lrancos para vestidos
Chegou um lindo sortimento dos mais ba-
ratos e bonitos fustes brancos com listras
e cordes, sendo fazenda bastante larga e
flexivel, muito propria para vestidos e rou-
pas de meninos o vendem-se a 640 o co-
vado.
BONITAS LASINHAS
OU ANADINAS A 15000 BS. O COVADO.
Chegou para o Pavo, um grande e va-
riado sortimento desta nova fazenda de 13a
e seda propria para vestidos, cora os mais
delicados desenhos e mais modernas cores,
tendo bastante* largura que facilita fazer-so
nm vestidocom poucos covados, pelo bara<-
tissimo preco de 15000 o covado, por j es-
larera muito prximos da fesla.
CRETONES MATISADOS PARA VESTIDOS
A 640 E 800 RS.
Para a loja do Pava chegaram os mais
bonitos cretones oscuros matisados. pro-
prios para vestidos,' roupSo chambres etc.
que se vendem 800 rs. o covado, assim
como a mesma fazenda em padr5es claros
proprios para vestidos e roupas d meni-
nos a 640 o covado, sendo os padres mais
moderaos que tem vinpo ao mercado.
Chitas francezas
Para a loja do Pavo chegaram as mais
finas e bonitas chitas esciwas, propriamenle
francezas, e veodo-se a 500 rs. o covado.'
Tonquinhas de fil, sapatinhos bordados criancas.
e meis para ditos. Diversos objectos de porcelana, proprios
'Camisinhas bordadas para ditos. para enfeites de mesa e de lapinbas.
SORTIffl) PARA A FESTA
Veude-se por menos de 10, 20 e 30 t0
SO' NO
CONSERVATIVO
N. 23Largo do Terpo.N. 23.
DE s
SffiAO DOS SANTOS ir C.
Os proprieta/ios deste bem sortido armazem de secco e molbados esto re-
solvidos a fazere urna grande diminuico de precos as suas mercadorias, como se apro-
xima a festa e sempre se fazem avultadas compras para o centro e praca, por
isso previnem ao respeitavel publico em geral, que mande fazer suas despencas e cer-
tos de que vero a grande difereuca em precos mais do que em outra qualquer parte
e garantindo-se as superiores qualidades.
GAZ AMERICANO 95300 a lata, o 440, SEVADINHA*E SAG 280 rs. a libra e
rs. a garrafa e GCO rs. o litro. 620 rs. o kilogrammo.
VINHO VRDADEIRO FiGEIRA 560, FARINHA DE ARARUTA VERDADEIRA
a garrafa, e 45500 a caada e 800 rs o ti- 640 a libra e 15400 o kilogrammo.
tro. BOLAXINHA INGLEZA MUITO NOVA a
DEM'DE LISBOA das melliores marcas, 400 rs. a libra e 8<>0 rs. o kilogrsmmo.
400, 440 e 500 rs. a garrafa, a 25800 e I VELLAS DE ESPARMACETE 720 rs. o
35200 a caada, 660 e 720 rs. o litro. masso. em caixa ha abatimento.
DEM BRANCO DE LISBOA a 45000:! PHOSPHOROS DO GAZ E DE SEGU-
a caada e 560 a garrafa, e 840 rs. o litro. RANCA, 280, 400 e 560 rf. o masso,
Ra do Imperador n. 26
Neste novo estabelecimento enconlra-se
diariamente um variado sortimeuto de bo
linhos para cha, pastis, podin, bollos in-
glezes, pes de l. presuntos, ditos tm fiam-
bre, superior cha Hysson. preto, e miudi-
nho. Vinhos finos de todas as qualidades
conage, licores, conservas, champagne, cer-
veja ingleza, frnctas muito boas, por-
tuguezas e francezas.
Um completo e variado sortimento de
caixinhas de todas os gostos e precos para
mimosear senhoras, estas caixinhas recen-
lemente chegadas de Paris sao de primoia-
do gosto, offeresse-mo-las MSgalanteadoies
do bello sexo pois nellas adiarlo nm digno
e serio presente para as donas dos seus
pensamentos. Tambera os apreciadores da
boa fumaca encontraro charutos dos mc-
Ihores fabricantes da Babia e de (lavaos
sganos do Rio de Janeiro etc. ele.
Doces d'ovos seceos, cliristalisados e de
calda, ditos de caj e de outras qualidades
Nesta casa recehem-se encommendas para'
bailes, casamentes e baptisoNjs e qualquer
encommendas avulsas, corno seja pod- l
e bollos enfeitados e outros multas couzas
que enfadonho mencionar.
Emplasto, oleo, poila Hatera -
lulas, xarooe e vinho da Htegma 3
beba.
Sezftcs oo febres iiilermilew
As pilotas anti-perodicas ila Pinlf>.
nico deposito dntaijiffiriwoil u .
pharmacia do seu autor rua larga do
sario n. 10, junto ao quartel do c>rn
polica.
NA PI1AMCIA DO PINTO RLA LARG
ROSARIO N. 10 JUNTO AO '' .
TEL DE POLICA.
Acham-se censtantemente ptoa^xa?
serim satisl'oilas, as presirip;rjes d -
facultativos, e as necessidadi s dos eafei i
s especwliddes da u;osm ftmmi .
composta de meJicamentos, : -
as. como estrangeiros.
Totsefl e mole^tiai Xa ropos de fed vgoso, r^b di
Aurio, pao Cardoso, ju.-. i:.'j!.;:
lamba, etc, etc.
VINAGRE VRDADEIRO DE LISBOA a
200, 240 e 320 rs. a garrafa, 15400,
15800 e 2-3200 a caada,
AZEITE DOCE DE LISBOA 900 rs. a
garrafa, e a 7;> a canaria, e 15340 o litro.
MANTEIGA INGLEZA FLOR 1-500 e
15280 a libra, 3$0C0 e 25780 o kilo-
grammo. *
DITA FRANCEZA 960, 900 e 830 rs.
a libra, e 25100, 1;>9S0 e 15860 o kilo-
grammo.
DITA PARA TEMPERO 560 rs. a li
E CACHINHAb
a 15280, 25500
35200 e 65500 a groza.
AMEIXAS EM LATAS
DEMUITOS TAMANHOS
35500,45500, 53506 a lata e a retalho e 15
a libra.
GOMMA DE MILHO AMERICANA 400 rs
c masso. e em caixa ha abatimeflto.
BATATAS NOVAS DE LISBOA 60 rs.
a libra, em caixa faz-se abatimento.
SERVEJA INGLEZA MARCA II 55500
a duzia e 500 rs. a garrafa.
DEM BASS, VERDADEIRA IHLERSd
bra, 1JI220 o kilogrammo, em porco se BELL, 800 rs. a garrafa e 95 a dnzia.
far abatimento. VINHO DO PORTO ENGARRAFADO DE
BANHA DE PORCO DE BALTIMOOR DIVERSAS MARGAS 15500, 15200, 15 e
720 rs. a libra, e i 560 o kilogrammo, em 800 rs. a garrafa.
Na loja e armazem do Pavao rvi da Imperatrz n. 60,
porco se far abatimento.
ARROZ DO MARANHO E DA INDIA
120 e rs. a libra, 260 rs. o kilogrammo e
35400.a arroba.
ALPISTA 200 rs. a libra e440rs;0
kilogrammo. e 65000 a arroba.
CAF EM GRAO 65 e 65500 a arroba,
200.240 e 260 rs. a libra, 440 e 520 rs. o
kilogrammo era sacca se far abatimento.
SAB.iO MASSA i 340 e 200 rs. a libra,
520 e 440 rs o kilogrammo, em caixa se
faz abatimento.
MASSAS PARA SOBA, MACARRO, TA-
LHARIN E ALETRIA, 560 rs. a librare
15220 o kilogrammo.
BOLACHINHAS EM LATAS DE DIVER-
SAS QUALIDADES, bem como perola bri-
Ihante, combintion, Francy-cracynel, mixed
Britania. Mdium, Fanoj-nic-nac, a, c, e
soda a 15000 e 15400, cada urna lata.
Assim como ha outros muitos
GENEBRA DE HOLANDA E HAMBUR-
GUEZA 75 e 65 a frasqueira, e 500 rs. o
frdsco
DEM DE LARANJA DOCE AROMTICA,
115 a frasqueira e 15 o frasco.
QUEIJOS DE DIVERSOS VAPORES,
35000, 25800 e 25400 em caixa ha abati-
mento.
TOUCINHO DE LISBOA MUITO ALTO
400 rs. a libra, e 880 rs. o kilogrammo,
e 115500 a arroba.
LINGUICAS FINAS PROMPTAS EM LA-
TAS 15000 rs. a lata.
LOMEO DE PORCO ASSADO JA PROMP
TO a 15000 rs. a lata.
CHA FINO. GRAUDO E MIUDINHO
35200 e 25800 a libra, e 65100 o kilo-
grammo.
DEM PROPRIO PARA NEGOCIO 25000,
25200 e 15800, rs. albra.
gneros, vinho em ancoretas, azeitonas,
Resta venda um escolhido sortimento de ob
lectos de marcinem, como sejam, mobilias de ja-
jarand, mogno camarello, obra nacional e ostran-
jeira, de apurado go>to e por preco< razoaveis :
aa rua estreita do Rosario n. 31 Nesta mesma
asa fazem-se com perfeicao todos os trabalboe t
jalhinha, como sejam, empalliamentos de lastro
>ara camas, cadeiras e soph;i<.
CMttI
De superior qnaiidade da
da fabrica de Bisquit Dubouib .
cognac cma das que mais aguarde
cognac, l'oruecem para o COMMMut
Reino da Inglaterra.
Vende-se em casa de Th. Ju_t. na
comraercio n. 3S.
Anlonioda uU Mello, .....
para :i \'.vr ; .i. \< ii le : i
viian ilis.Mn.'i!,'-. raja caa p
gucia la e propria para qualcjo .
tamb m se faz arfoei u .
mo pnvoaflTn unjja rna d w farm :. m 4
Vu)du-s em aaecos : ua rua d 1 Qneimadn .- 1 .
andar.
Farinha d
trra
Manoel Jos Alves contina a te.- farinha da
trra para vender: na rua da Pnia n. >.
Labyriiitho.
Chegaram rua do- Crespo n. 10.
grades de labyrintbo da Car, qae
muito em conta.
uperiores
vendem
Armaeo baratiami
ta rna Sota n. vende-se mu
ci, parte en* rnula, eaalcfrMt, fao*
ilivcri..- eaix 1 grand -. pavor''1 para !
padaria. deposito ou unlro inakinrr d
(|onl se vende j>or preco baralbsimo .ilim
cup.ir rasa : j> juntamente \ n ..: '- .
v:isas arqueadas da (em.
E8SBAVGS FUGIBOr.
RUA llA GIORIA \. 5
Olaria do Fundao.
Ha sempre nesta olaria mnde sortimento df
materiaes, como lijlos de afvenaria batida, ladri-
Iho, (juadrado de 8, 9 e mais poiiegadas, telhas e
telhfles, tijol* de tnparaentos. O proprietario.des-
fa olaria garante a bondade e barro de taes mate-
riaes, como tambem veude-se inais barato do ijue
em outra njiialquer psrie.
Fiigi.- tu da 8 do corivnle Btl i .. -
Uro de 1869, do engenno ;i|u, fn .. -
rada, o escravo Paulo, cabra, de idaia if ai
aliara e ci r;( regnlarea, barftadn, aMI
pmlios, p.-it,- o p.-rnas bo'n ratadus, ara
oiireas de Lexigaa, um marra de rhif
cufias ''r.rti f.;i;inci;s li- |ucii!i;iitiiri-. vt*u
calca He l. pardo, camisa de mapatz -
peo de parta de cannotn, Mmn ip
Loia, moradi r mis Afxgaios. tend o me*;" ~-
cravo mnltier e lillios n-s-"' lugar : pafa-?e 1 Hy
de gratilic.n-fui a quem o prender c teta- ao i
engenlio, ou na ni; do Cabug n. II 3" -.
dseo Antonio de Brim.
Pinga do Douro.
Flix Pereira da Silva recebeu novamente por-
co de barris do bem conhecidoe exi-ellente vinho
puro do Douro, muito proprio >ara mesa, : ve*da
por preco commodo : na rua da Iinperatriz nu-
mero 60.
VENDE SE ou arrenda-se o engenno
S. Gaspar, sito na freguezia de Serinhem,
comarca do Rio Formoso, prximo do em-
barque, com grandes paiti-los Je pal e
massap i roda da moenda, mallos mangues
para madeira necssaria, boin pasto, etc.:
a tratar na rua d'Au.rora n. 20, ou na do
Imperador n. 20.
Manuel Alvos Kerrea A C, na rua da Moe-
da n. 5, 2o andar, tem para vender superior vinho
do Porto em a navetas e caixas de duzias, barril-
tinhos com 400 ePJO sardinhas sp-jriores e bar-
ricas com bago de sabugneiro. potassa da Russia
e sal de Lisboa.
muito novas, pasas e figos novos, charutos da diversas marcas, marmelada, feita pelos
melhores conserveros em Lisboa, gela de marmello, pcego, ervilhas, em latas, por-
tugus ^ francezas, vinho verde engarrafado retalho, peixe em latas, bem como
pescada, tamba, pargo, goraz, lula, corvina, vezugo, cavalla, sarda e sardinhas de Nan-
tes. Oanella, cravo, ervadoce, cominho, pimenta, grandesmolhos de sebolla 15500.
Finalmente muitos outros gneros que enfandonho. menciona-los.
PARA A FESTA
3 portas, l"ja de fdr agein
53-Rua Direita--53
Neste grande e.r.abelecimonto,' ha para vouder
nm completo-sortimento de ferragVm, emladezas
finas e froasas, eomo sejam bandejas chineas
qnadradas e ovaes, Eas; e gorfits de I 3 bo-
tes, balancn inteiru e Ift balando; p.inellas, cha-
iheiras, cacarolh?, frlgideira, assadeiras, tanto
de ferro como de poblana, moinboa para caf de ^jKpT v*nf ^V"
diversos tamaitos do abricante Japy, pesos kilo- ^L^L^IL'JLL
graximos, unto de ferro como de Jato, melros Ledi de Lisboa
para medir fazenda tanto de, ferro como de iato, a.' ,
salitre, bren, harhan ftrixofre, papel marca via- wfn**'fe 'aSe, de paira de Li do, do verdadeira Pierde, machinas para desea- U dea n. 57, ria
rocar alpndo aleara de ootrn artigne de ierra- Vedam-se duas casas em Santo Amaro de
geni, rniudezas cufiaras linas, que seomavis- Jaboato, una na rua de Baixo, prxima feira,
CEMENTO
PORTLAXD.
Vende-se no armazem amarello de Vicente Fer-
reira da Costa & Filho, defronte do arco da Con-
ceico. em harneas grandes.
.Balanzas decimaes.
Vendm-se balancas deeimaes de todos o? tama-
de asentar
na
Companhia de seguros marti-
mos -ulidade publica.
A direcQao de conformidade com os eus estatu-
tos a.t. 19, vfndepor internwdio do corretor Ma-
cedo dez accOes da mesma companhia : para tra-
tar na rua da Gadeia n. V.
~ CIMENTOr~
Da melhor qualidade e por menor preco
que em outra qualquer parte, vendem Ama-
ral, Moreira d- C. em seu armaem do Caes
da Alfandega n. 7.
Gratificaciio de 100$
Ao chegar esla cidade em sua ailiou i i
dos Dorios di norte o vapor nacional Sm
de bonlo o escravoSeveriao, mulato, de M
de idade. que do Ccara remettiam os Srs V
Salgado Souza & C.por conta do Sr. Baymuv'
Olimpio <>. Kreilas, ao Sr. Di-lpbim tmmn *
Abreu, no Kio de Janeiro : pede->e, portank.,
autoridades policiaM 'lesia cidade e aos tmiS
de campo a raptara do relerid e*ena\ e de -
iregarem-no aos abaixo assigoados nesta -idai.,..
ao caes da alQutdega vellia u. 2, que .-e Wf m -
hilisam por lodas asdespezas quo -o er-.n,
tificando mais a qualquer capllw de caapO
quanlia cima referida.
Veras & Barbedo.
Aviso s autoridades p-aliriA
quem competir
e a
No da 29 de
maio do corrent-; an :...
24000
^adeiras de pinhtfde abrir e fechar
Fo armazem dj Paulo los Gomes A CU maco,
caes ti de Novembro n. 28, vendein-se eadeira-
de pinho americano de abrir e fechar, proprias pi-
ra armazens, assim como, pela faeil conducca.
nde qualquer pesson que viaja eondozi-las sem
inrommido, e treo! assim nm assentn apropriado
para descanui; e bem assim a rapa zea
da, que na presente quadra, procura os arrabaldes
aflm de passarem um da livre do calor da cidade,
podem estar sentados debaixo de froniiKtns arbusr
fugio o escravo Ezeqniel, crioolo de 3G i ..
anuos de idade, estatura regular, reforja')
cor bem pteta, cabera redonda, trajara ra
misa azul e calca de cassemira cmtm
durante o dia costoma andar gaobjudo na5
ras, ou em armazens oV assocar 00 as i*-
bernas a conversar e a beber: dinn 4
noite rcoolhe-se a telheirns abertos, 011 :
netraveii. a casas cm constmeco e a outrr*
quaesqu'r lugares, onde se pos.-ia abrigar;
quem o ;; aprehender tenha a bondade 1 o
1 unduzia a rua da Aurora n. 20, on na d
Imperadi r 11, 2", onde ser ralifi-ado
Fugio a i'de dezembrn de 1W^ o eecr
Julo, crioii', ptdreiro, idade 30 amme, estatura
regular, carelios branco. narir chalo, d oocca grande, pouca barba ; roga-se as aoa^rit-
des, capi.i^s de campo, e a qoalqoor pewM >>
povo, a Oaptan do son referido esrravo, cuto >
lo a rua do Imperador n. SO, que sera gn*>
cado.
.011 c.crao fetxMn
Fngiram dous escravos do engrlih Br.-qoe :b
'reju-'Zia da focada, um de t>nie Bonitari, c-
bra. que representa ter de !0 a Si amo* 4* iMi .
lem feii^es regniares, puora barba, e rp rjo
lar, tanto na aitura romo em gn*ora, est
o cabello cortado rente ; e oatro le jamao Vg.-
njdo, panlo, que representa ter de 30 a 33 asar t
iR idade. tem nariz afilado, cabello-. eomdw, car-
po regular, tem os olhos enenrad >. soiwlu,
falla mansa e ina, ae-conlia-se ter segaMa \
Cruar, cm virtude do Bonifacio t>r aW* X
tus, aahoreand sen havana, sivn ser preciso esta-1 qnem os pegar pode levar a-
ta se verifica ; na r.-.a direita n. S3 loja de 3'pW- e inlra na rua da Matriz : a trotar na rua do Ira- rem deitados na relva, com recelo (i sercm mor- nesta praca. r.a rua do Ap ;
tas de Manoel BerrtJ je Wrreun 9raga* C. perador p. 37, entrada pelo caes it de Novembro. I didos por algum nsocto venenoso. que sera recompensado xm fmr-imiU:.



8
de reriTambuco Terqn
i-



two
!*
f "I
11TTEMTBA.
ouro. e t nutra irista t. 1 ifi un ihi mal Jalerian r mili*' r~T' T'""" J"*'i------soba a- awwnhta dor-
teiiiinto Historie* e ieogra-
4hlee> Itr asi! erro.
3SSO M\(..\'A 'A.\MVKKS\B|.\ EM 4" E
bKZEiuuio 1869.
XATOBtO UPO NA BKSSJO WJMMCA ANNrVER-
IUU DO 1NST1TITO HISTOIJICO E C.K0GRAPUI-
CO WiASIl.KIHO, KM 13 DE
iitU, PKLO 2." SECttETABIO,
Iti'./.r.MBIlO DE
D.n. Jo-:': Ri-
le S
o de consolaran
*itiO D(' SOI.7.A F(I.\TKS.
(Cuiuluso)
Pio salisfeilo coa a laboriosa tarefa da
retira Jo Instituto Histrico, ondt; tem
H*:iikl() constantes reia^Mis com as socie-
dades linearas e o sabios do novo e ve-
ib tunado, nao Qe impedindo as fadigas
; Mo magisterio era o abatiraenln que a mo-
kjti Ihe causava. o Queso erudito 1" secre-
torio nao qiz deixar de pagar o tributo.
qne rnni espontneamente se suhmetteu.
tendo em uina (Lis seques o seu bem. ela-
borado trabalho acerca da academia brasi-
..- dos renascidos. Ah diz o autor que.
ornado pela' extrema benevolencia com
que o instituto acolite u o^seu estudo sobre
m acidemia brasitica dos esquecidos, pro-
gofo as pesipiizas relativas a existencia e
deajenvolvimento das associaces Iliterarias
fjebouvecm nossa tena durante o rgi-
men* colonial.; investigou documentes, eom-
pulsou velhas chronicas, carcomidos ma-
useriptos, e. apenas um ou nutro fado so-
oo\> paiecia tndicar-iba fcMe vestigio, logo
rl so apaga va : isto Ihe fez desesperar pe
amorir a promessa, que havia feito na al
ftiai sessai do anuo de 18(13; portu, se-
aliwes, au genio presentador, 'ao amor e a
laduraf-.u que o autor sagra ao institu-
ir. i aua boa estrella MJmenle. como
rite refere, devo boje a nossa assocacao o
nruh"''i:neiit(de tor existido em 1759, na
provincia da Babia, urna seciedade com o
titni do academia dos renascidos, socieda
*' esta que existi posteriormente a dos
v-.queci.los, a qual celebrou sua ultima ses-
oa 4 da fevereiro de 175. Dcve-lhc
anda o saber-se que, altjm do que foi es
triplo pelo nosso tinado consocio viseen de
S. LeopldO, e pelo oosso 3o vice-pcesi-
deate o Sr. Norberlo, nada ba conhecido
Ais aqui cpie possa fazer crer na existencia
i& alguma outra sociedade litteraria at
1736* qunnJo na cidade do" Ro de Janeiro
apparecen a academia dos felizes, tomando
purempreza Hercules a afuyentar com a
mt o ocio, e por divisa a letra Ignavia
{agamia et fngienda; bem como que exis-
i:-> com duraco fugaz a academia dos se-
lectos do auno de 175-2. nao lia vendo at
i*ii>. em que appareceu a academia dos
renacidos, (pie reclamava a heranca janease
*L> dos esquecidos, e lirmava seu direito
:>> ii<>;.tiilade de las e analoga de muios.
vestigios de academia alguma litteraria na
colonia americana.
C impulsando com insaciavel desejo de
*. foram oflertados pelo Sr. conselheiro
anjrte da Ponte Ribeiro, ebegou o nosso
arudljtp r secretario a noticiar-nos as ses-
>s celebradas (tela academia dos renasc
& > da de sua inaugurarao, o numero
de sucios que a compunba com a lista de
s>s nomos, e as materias que tizeram ob-
jeeto de suas sesses, e bem assim a nob-
m 9obre dous trabamos nicos de que p-
i ter sc'.f ricia.
Em iodo esse trabalbo se enxetga a forca
['jcodiiui do autor e a bem conbecida
i i:.) do Bvm. Sr. conego J. C. Fernaudes
.10.
l ia o anno social a terminar, sem que
amaos visto chegar um dos mais ro-
ostofi ta bal lia dores a dar conta dos f nie-
to* irimorosos que postuma colber seu es-
piito as repetidas e aturadas vigilias ; j
amos no ultimo dia de Irabalbo e o
Oro to pnenia que. cansado do seiTio pas-
sudo, nao tiuba recobrado (oreas para reco-
air..ar, quando a sonora voz do nosso 3o vi-
te-presjdente ouvio, dando pasto ao genio
t realce as musas, lembrando a patria em
ti upien aqnelle here que junto ao es-
aOJ Pao de Assucar entregou a vida a
9em e ao lio o governo do Rio de Janeiro,
'.;,.\essado em sua face pela India e inimi-
pi si-la.
O histuto Histrico vio-se por alguns
mstaeles transportado ao antigo arraial de
Utacio de S;'i( o fundador da capital do im-
perio, chamado a assistir aos ltimos instan-
es do goerreiro martj r. Todo quanlo ba-
nia de grande e nobre'na-nascente aldea ro-
d-ia o leito do bere. N'um delirio sublime
beio de visoss homricas, de sonhtfs de
ra odemiragens do pona. Estacio de
Ss .passa em revista os feitos de sua conquis-
ta t Uruconerim e Parampueahy ostentam
.'. a seas oih is como paines de suas victo-
M : e cmquanlo seus guerreiros colbem
kitroselle contenla-se com a palma do mar-
fyrio. Entao sua mente engrandece-se, in
'Sronma-se de viva luz, bou ve harmonas ce-
testes-, e entre hymn's divinaes apresenta-
--Ibe o guerreiro santo, o martyr S.* Se-
t"3stiiii>, a quem consagra a nova cidade :
re veni no corcel que tem azas de relm-
pagos, e qne corre sobre as nuvens da^tor-
Bentn. Umi das maos sustenta a b**da de
su-. ujiav
de Estaeio deS brotar un tavo powi, e
m coiipensacio de sen soStaento permit-
te-lbe o santo qat elte no angede seu delirio
fBvasse os seclos futuros, e como Romulo
veja a sna nova Roma, e, se isso pouco,
urna vindoura Babyionia. '
Bella imagem do co palefltoa-sc a seus
olhos. A nascente aldcia engcindeCe-se e
transfonma-se nessa melropole do sul. nesse
immenso imperio, Rostrada cotn a cora dia-
mantina, e Estacio c SA expira, terido nos
labios asaudaco ao rlnpero de Santa Cruz.
Segue-se o grande funeral, e o conquistador
vem dormir na ierra regada de seu proprio
sangae aos gritos da victoria, pois qne c pa-
tria sua tamben a patria qne elle los deu :
e quando om dh a magestade do Sr. D.
Pedro JI unida a historia o vier despertar do
somno dos secutas, pagando homenagem a
sua gloria, o poeta tocar tambern os seus
restos para que reviva-lho n*alma e 'amor
dos patrios feitos e a prcdisponha a ao8f
cantos, dignos de nossa patria.
Esta nova poesia histrica" revela Dos. o autor prepara novos cantos picos' que.
com outras e augmentadas eompostpies das
figoram nessa v^sta epopa, que o aam da
patria legar a gloria nacional.
O nosso 3o vice-prirsidente o Sr. Joaqutm
Norberto nao podia deixar de dffcitar mais
urna prenda a nossa associacao ; o amor que
tributa ao instituto nao Ib'o permita, ei-lo
na 8ess3o de 3 do correte lend-nos essa
sua preciosa poesia, a qual denominou -
Tonda do guerreiro. O autor collocon-se
na altura* do bere qne cantou e conflr-
mou mais urna vez os foros que lera conquis-
tado.
Nao- limitaiara-se aos trabadlos j .mencio-
nados os que os nossos consocios prodazi-
ram a custa do tempo em qne *e privaram
do descanso, t3o necessario ,i repararan das
forjas esgotadas no exerdeio de seos encar-
gos civis.
As nossas comrrrisses offereceran a con-
siderarlo do instituto nini luminosos e bem
elaborados pareceres acerca das questes
sobre as quaes foram consultadas, e, ada-
los-heis as actas das respectivas sesses.em
que loram lidos.
O estado de flnancas do instituto pros-
pero. Ao patriotismo de corpo legislativo,
que consigna todos os annos no orcamenlo
gefal do imperio urna subvencao para occor-
rer as despezas desta associaci; liem como
a solicitude e zelo com que o nosso mui dig-
no thesoureiro o Sr. Antonio Alvares Peta-
ra Coruja desempenha esse encargo, satis-
fazendo com promptido todos os compro-
missos, e liada mais, por meio d severa e
entendida economa, promovendo um fundo
de reserva possivel para acudir a qualquer
emergencia, deve o instituto o estado
de prosperidade que acabo de affirmar-vus.
Os servidos do nosso honrada eincaosa
vel thesoureiro sao taes, que nuda eu pode-
rei dizer que faca sobresabir ao. que tem-se
dito, com verdadeira justiea, nos relatoiios
anteriores.
Gracas a Divina Providencia, a inexoravel
morle nao fez numero a collieita entre os
membros etlectivos do itistitnto nu coirenle
anno; infelizmente, poim, causou-nos rre-
paraveis perdas as pessoas dos prestantes
consocios dos quaes vos face a devida men-
r.5o o nosso erudito orador.
Pira admisso de novos o'ireiros-que nos
venliam ajudar na ardua e glnosa empreza
a que nos dedicamos, substituir os que ja
nao podem trabalbar por estarem fatigados
pelas vigilias, ou .exhaustos pela avanzada
idade, bem como para preencher os claros
deixados pelos que foram arreuatados pela
morte, fizeram-se algumas propostas de
mocos talentosos nacionaes, que tem exhi-
bido ricos cabedaes, c tambern de alguns
estrangeiros de nomeada conbecida no inun-
do scientifico. Sobre estas propostos nada
posso dizer-vos, porque urnas se acbam an-
da submettidas aojuizo das nossas commis-
soes de historia e geographia e outras pen-
dentes de pareceres da de admisso de
socios,
O instituto contina a receher dos altos
poderes do estado innmeras prpvas d
considerado: releva que em seu nomo agra-
decamos estes favores.
Os Exms. Srs. ministros e secrtanos de
estado, presidentes de provincias' e todas as
autoridades do paiz nao cessam diariainejit;
de offerecer-lhe.seus relalorios e nutras do-
do sangoe' da quer pel.iS nacionaes como pelos estran
geiros.
A collecta de dratetos historiee fM
corrate aaao, ftoi KpnrtanUs*i. grande
nnaero de offertas foi feito taato por parte
de assodc5es lUkrahas pacim e es-
traogeiras comofsAesmam por pseoss
eslranhas aa instinto, mas qtie se krtefes-
snm polis eettsts da patria': longoe ae-
ilioso seria wweri-las e mes desm-
cessario, porque sero encontradas no ao-
nexo-deste retilorio.
O- nseos, empregados* oae em abono da
verde**, linda ett3o mal pagos pectteiaria-
in^ote. tim meslrado aatrite zelo e dadtea-r
c5o pelo servico, tornan lo-ee per isso digaes
de justos louvores. !Mais ao sen patriotis-'
mo do que ao diminuto estipendio que Ibes
marcado dreteos os seos baos frvidos,
e convm reeienera-las elboriogo quo*s
nossos cofres o perraUlirem.
Aifoi, paro, seabores, para nao fatigar
por mais lempo vossas attoneftes, e agride-
co-vos e bendade cea qe ne oaariste* :
aonlteco qae snei mal campr. o qus a nos-
sa lei orgnica ordena, pardea era oejster
que o V secretario sabsttusse o 1 em
'seus impedimentos ; era mister dar-vo
canta, sa coraprimento da aic.naa iei, do
que aatiasi feito os obreiros rteste monu-
mento de gloria nacional duraste e Brrente
auno, que lu je fin da ; era mister balincear
as rifoezas Iliterarias de que o instituto
dispoe para espartar em sua Revista-, e o
biiteriador eproveitar-se nm dia quando
quizer honrar a patria escrevendo-lhe a bis-
t.Tia: tudo iito era tarefa (Quito superior
s ffiioaie torcas ; acabastes de .ver qno^
mal desenpenbei o voseo mandato a razo
eu j vo-ladisse, ctiapre-vos remediar para
o. futuro esli; mu, celloGandn em meatagar
I quem dignamente sab9titua o nosso se-
tretario em seus irapedimetrtos e saissfa^a
a vossa espectativa.
Senhor, a V. M Imperial e excelsa Im-
peratriz do Brasil, ea S. A. Imperial, resu-
me com o mais profundo ariamente agra-
decer o favor de tao benovolaeaente ha verdes
assistido a esta fasta lieraria, e pedir-vos
desenlpa por ter eu abusad* de vossas at-
teetes; faitam-me expressjes com as quaes
eu possa faze-lo, demonstrando-vos ao
mesrao tempo os senttmeobfe de respeito e
gratidJo de que me acbo possuido signi-
fique, pois, o silencio o meu eterno reco-
uheetmento.
icnbramentos : parecia-so com a repre-
beoHe e com aameaca ; lodos o cousi-
derteam com urna especie de curiosidade
em que liana o horror. Elevou a voz, ti-
zeram silencio.
OifliM.1 entao setiir daquella face dis-
famec orna palavra sublime. Era a voz
do mundo novw qae fallava pola boca do
mundo velbo ; era 89 que se levantava,
e qoe accB*aa e dennnciava a Oeus e
aos humos todas as datas fataes da ino-
aarchiac ora o paseado, espectculo au-
gusto, o pausado machucado de curdas,
ferrado as espadoas, velbo escravo, velbo
*al. o passade, emfim. q ie chamava em
lirados o futuro, o futuro libertador Eis
quem era aqnelle desconocido, eis o
que fazia naquelle es'.rado. A' sua pa-
hivra, que por momentos era trovao, pre-
conceitos. fiocoes, abusos, supersticSes,
erros. infedecancia, ignorancia, liscalidades
infame?, penalidades hartaras, autoridades
caducas, Magistraturas caronchosas, cdi-
gos decrpitos, leis apodrecidas, tudo o
oae duvia perecer MQtw-se esU-emecido e
edmecou o desabir d.iqnellas cousas.
Aquella apparico l'ormidavut dei%on um
nme na momera dus homens : deveriara
chama-la rerolufao ; ennma-se Mirabeau.
IH
No dia em qoe melle anmem poz o
p naquelle estrado, aqneHe estrado se
transMgurou: eslava fundada a tribuna
francesa.
A tribima franceza Seria preciso om
livro para dizer o qoe contem esta para-.
de tado. de tmmtoeio-, qoesle* di 'pai-|pj. da guerra-. .v>u questwt;*
All proMunciai'am-e pela prmeira
etas piaaras, que ootinham ama socie-
dade tova os rjireita do Hemom. All
onvio-*e soer date- cmceete aanee a
bigorna sobre I qual forjavam ferreiros so-
brehumanos ideas poras; as ideas, esses
gladios do aovo, mi laucas da justir.3,
essas armaduras do direito. All penetra-
dos s ibitamente de efhrrios STmpathko*.
como brazas que coram ao vento; todos,
os que tinham em si omfoco de luz,
os grandes advogados como Ledro Roiin e
Berryer, os grandes historiadores como
Guizot, os grandes poetas como Lamartine,
acbavam-se inesperada e naluralmeate gran-
des oradores.
Aquella tribuna era nm lugar de torca
e d virtude. Vio, inspirou, porque pare-
ca que delta sahtam aquellas eraanaces,
todas as dedieacoes, todas as abaegacoes,
todas as energas, todos os denodos. So-
mos dos que honram todas as corageos
at as uleirae dos adversarios.
Um dia involveu-se em sombras a tri
buna, pareceu que o abysmo se cavara em
redor ciedla; euvia-se oaquellas sombras
como o mugido de um mar. e sbitamente,
por entre aquella noile lvida, naquella re-
oorda de marmore a que se tinba agarrado
a forte mao de anton, vio-se apparecer
urna lanca, trazfendo urna cabera cortada.
Boissy d'Anglas saudon.
Foi um dia araeacador aquelle. Mas o
poo n5o deita abaixo as tribunas. As-tri-
bunas sao delle : bc:n o sabe, Collocai

I
FOLHETIM
6S CASACAS PRETAS
ROMANCE
POE
Paulo Fval
Terceira parte
APLOREITa DE I MUS
V
Funeral de un Jma(.
(Continuaco do n. I)
ti o prestito para alm da ra das Fi-
fias-do Calvario.
Epvolto na chusma, mas nao com o fim
* acompanhar o enteri-o, Estevao sobra-
cava nm 3'esscs sugeitos mal lavados;
esgrenhados, vestidos de cousas preten-
aosas e de iafimo proco, burlescos da
beca at aos ps. no topo pelo chapeo,
eco baixo pelo calcado, e entre os dous
asiremos pela simploria vaidade que tres-
om por todos os poros, um d'esses em-
brolbos da nossa civilisaco a qoe cbamam
jrtistas as immediaces dos tbeatros e
qae a Ifogua volgar dos outros locaes inti
ia comediantes de m morte. Estevao
r, soffrego. Possuia-o. N5o abrir% m?<
che por nm imperio.
la fallando ; nio-sabia qae passava o
fiche funerario ; contava o seu drama
cumentos imp ranles para a historia e geo-
graphia do imperio, e a todos iks confessa-
uios agradecidos em nome do Institnito His-
trico,
As relacoes do Instituto com as acade-
mias e sociedades scientincas, qaer nacio-
naes, quer estrangeiras, emesias tanto as do
novo como as do velho mundo, cada vez
se tornam mais estreitadas. j recebendo
de todas ellas as mais distinctas provas de
consideraco e respeito, que tm sido retri-
buidas, j trocando entre si os productos
de seus labores, nos quaes se encontram
obras de verdadeiro mrito.
A nossa Revista tem sido regularmente
publicada: nella e v a boa distribuico
das materias que escrupulosamente faz a
nosso mui digno Io secretario, tornaodo-se
aquelle pobre diabo, qne era utiUdadc n3o
sei onde e procurava conquistar-lhe a pro-
teccao, torca de eloquenca. O artista
fazia com os olhos os mais extravagantes
e ridiculos tregeitos s inulhe es que pas
gevam. As costureiras achavam-oo seduc-
tor, porque levava grifata cor de amaran-
ibo e collarinbos de papel.
Eu sou s, dizia Estevo ; o meu col-
laborad r casa-se e larga o ofllcio. Era
um rapaz intelligente, mas que nao bavia
de fazer nada. Meu querido Osear, ta-
Ibo-lhe nma carapuca soberba, se o senhor
resolver o director.
O director um asno, responden
com franqueza o querido Osear. .
O facto que por niTo ter confiado
um papel de prmeira ordem a um moco
da sua torca...
Qae ? paga o menino ?
O que quizer tomar.
Para seduzir aquelle influente Osear, a
quem o director nem para Ihe engraxar as
botas quizara, dora Estevo a propria mo-
cidade. Osear exigi vinho quente.
O meu ooHaborador tinba demasiadas
pretences litterarias, oootiouon Estevo,
n'um d'esses cafes de
figurantes e qoe ar-
Dao-rae vootade d^
De Copneille para
paralo. S falta o
depois de abancados
\vctores, onde vSo os
lam os boalevards.
rir os taes sabichoes.
c. nao se tem estado
plano...
E tabaco, accrescentoa Ossar.
Rapaz tabaco... Ora, o plano le-
.% trrbnna faaeeza
1
kim dia, fazem sessonta e tres annos, o
povo francez, possuido por ama familia
liavia oiloeentos annos. oppresso pelos
hares at La'a XI, e depois de Luiz XI
pelos parlamentos, isto para ^npregar
um dito sincero de um dalgo do seculo
passaujq comido pnmdiro pelos lobos
e pelos piornas depois ; dividido em
provincias, em casteiiantas. em baliados
senescalas, explorado, tributado, laxado,
edrtado, pellado, tosqoiado, rpalo, roido
e vilipendiado vootade, multado indefi-
nidamente ao capricho dos amos ; gover-
nado. conduzido. estafado, arrastado, tor-
turado ; iicoitado a varas e marcado com
um ferro em brasa por causa de. un ju-
ramento, mandado as gales por um coetlio
morto as trras do rei, entercado por
causa de cinco sidos, forneceno ssu
mlhes a Versamos e seu esqueleto a
Montaucon; carregado e sobrecarregado
ile prohibicoes. de decretos, de cartas-pa-
teuies, de cartas-regias, de edictos de
dinlwiros, de edtos de trras, de leis de
cdigos, de posturas, esmagado de direitos
desaes, de direitos Je auxilio, de cersos,
de in3os-mortas, ce sizas, de loros, de
rendas, .de dizimos, de pedagios, de cor-
veas, do bancarotas: castigado com um
basto, que se chamava sceptro, suando,
sem folego, chorando, caminhando sempre.
coroado, mas de joelhos, mais besta de
carga do que naco, ergueu-se sbito,
quiz ser hornera e lembrou-se de pedir
contas monarchia, de pedir conlas
Providencia e liquidar aquelles oito seculos
de miseria. Foi um grande esforc.
II-
Escolheu-se urna vasta sala que cerca-
rain de baucadas, depois tomaram taboas
e com essas taboas construiram no meio
da sala urna especie de estrado. Quando
se*apromptou o estrada, o que naquelle
tempo se chamaba a naco. isto o clero,
de .-otaiuas vermelhas e violetos, a nobreza
de plua.as brancas e espada cinta, e a
burguezia vestida de preto, foram sen-
tar-se as bancadas. Mal se tinham sen -
lado, viram subir ao estrado e erguer-se
urna figura extraordinaria. Que monstro
aquelle :' disseram uns; que gigante
aquelle ? perguntaram outros. Era um
ser singular, inesperado, desconbecido,
sabido repentinamente da sombra, que
mettia medo e fascinara ; uma-doeica he-
dionda lbe tinba dado urna especie de ca-
beca de tigre; todas as fealdades pareciam
ter sido depostas naquella mascara por
todos os vicios ; eslava, como a burguezia.
vestido de preto, isto de luto. Seas
oho-o eu, em plano mil veaes mais origi-
nal que o da 17cforo, oh os contelhos
da noute.
Lume ordeoou Osear.
Bapaz I lame... Alina!, de contas,
o que vem a ser o plano da Yicterim ?
um son no !
Osear (Ksse, accendendo o cachimbo :
Obrigado, principe Qual f no pas-
sava de urna illusao funesta.
Isto de sentaos mais vemo que
Herodes, nio Ihe parece ? Ea nao me
servia de tal recurso, anda qne me garan-
tissem cem representacoes a tres mfl fran-
cos cada ama.
Eu c, niarmaroo Osear, nao achava
mao urna buebita.
Rapaz .' carne fra... Em vez do
sonbo. emprego eu, adevinhe o qne ?
Um soaho, adevintaea Osear, qae
bocejoo e pessoa a comer.*
N3o acertou.
Isso pouco me rala.
Julgava que tinba algum inters se
por mim..
-- Algum ? mnito!... mas estou re-
bentando por ornas sardinhitai.
Bapaz I sardinhas de Nantes... Em
lugar do sonbo, emprego ama collabora-
C3o: percebe a coosa ?
Nio, repueaa Osear... verdadfi,
queras qne nos tratemos por tu. me
nio ?
Podera n3o I respondou Estevo, in-
chado com tamnha bonra.
wa.. A tribona francesa ba sessenta
annos, a baca aberta do espirito humano.
Do espirito humanoy dizendo tudo, juntando
todo, combinando lodo. ecoodado tado,
o bem, o mal, a verdade. o falso, u justo,
o injusto, o alto, o abaixo, o horrivel, o
bello, o robo, o facto* a paixo, a raza >
o amor, o odio, a materia, o ideial, mas em
summa, por qae esse seu traballio su-
blime e eterno, tazando a nonte para tirar
o dia. fazendo o chaos para tirar a vida,
(zeudo a reyoluco para tirar a repblica,
O que se passou naquella tribuna, o que
ella vio, o que fez, as tempestades que
a assaltaram, os acontecimentos que pro-
duzio, os homens que a abalaram com seas
clamores, os homens que a sagraran) com
suas palavras, como contado ? depois de
MirebauVergni md, Camiilo,' Dasmoulin,
Siint-Just, esse mancebo severo, Dan!on.
esse tribuno enorme, Robespierre, essa en-
cirnaco do anno immenso e terriyel.
Ouviram-se all interrupges ferozes assim:
Alt! exclamsva um orador da Convengo,
des tirar-me boje a patarra? Sim. res-
ponde urna voz, e a cabeca amanluSa! E
apostropbes soberbas como esla : Mi-
nistro da jusiiea, disse.o general Foy a
um guarda-sellos, iniquo, condemno-vos ao
sahirdes d'aqui a olhardes para a estatua
do l'Hoppttal! All tudo foi advogado,
acabamos de djae-to, as ms cansas como
as boas ; s as boas ganhara.n-se deliniti-
vamente ; all, em presenga das resisten-
cias, das negaces, dos obstculos, deses-
p rarao os que querem o futuro como os
que querem o pasxlo ; alli succedeu
verdade tornar-se violenta e mentira fa-
zer-se furiosa ; alli surgiram todos os ex-
tremos. Na paella tribuna teve a gailhotma
seu orador, Marat; e a inquisico o seu,
Monlalemberl. Terrorismo em nome da
salvaco publica, ierrorismo em nome de
Roma; le em ambas as bocas, angustia
no auditorio quando ama fallava jhlgava-
se ver cahir o cutello ; quando fallava
a outra, pareca crepitar .a fogueira. Alli
eoiubaleram os partidos, lodos com sanha,
alguns com gloria. Alli o poder real violn
o direito popular na pessoa de* Manuel,
qne a historia fez augusto por causa
dessa .violceo ; alli appnreceram. despre-
sando o passado, que serviam, dous an-
cioes melanclicos, Royer Collard, a pro-
bidade altiva, Chateaubriand, o genio
amargo; alli Thiers, a destreza, lutou
com Guizot, a forca ; al'.i misturaram-se,
atracaram-se, combateram-se, agitaro a
evidencia como urna espada. Alli, durante
mais de um quarto de seculo, os odios,
as raivas, as supersticoes, os egosmos, as
imposturas, uivando, sibilando, ladrando,
levantando-se, torcendo-se. bradando sem-
pre as mes mas calumnias, mostrando
sempre o mesmo punho fechado, escarian-
do as mesmas saiivas que sobre o Christo,
tuubilhonaram como urna nuvem tempes-
tuosa em redor de tua face seera,
verdade !
IV
Tudo aquillo era vivo, ardente, fecundo,
tumultuoso, grande. E quando tudo ti-
uha sido advogado, debatido, escoltado,
investigado, aprotondado, dito, contradito,
que sabia do choque ? Sempre a faisca :
que sabia da nuvem ? Sempre a claridade.
Tudo que podia fazer a tempestado era
agitar o raio de luz e muda-lo em relm-
pago. Alli, na mella tribuna, apresenla-
ram-se, analysaram-se, esclareceram-se
e quasi sempre resolveram-se todas as
questes: questes de financas, questes
de crdito, questes de trabalho, que t~ns
decirculaco, questes de salario, questes
Entlo manda vir meio pastel de figado,
qne esteja bom. E cousa por que me
pello.
Rapaz. I figado para um, que esteja
fresco... Ora, ea Ihe digo como entendo
que a collaboraco srrbslitue ventajosamen-
te o sonho. Os dous autores estilo em
plena accao. Julgam que inventam o dra-
ma; e o drama...
Qae os inventa a lies ? interrompeu
Osear de bocea atafulhada.
Nio... quero dizer : acontece que o
drama por etles inventado urna realidade,
entende agora ?
Creie que eim, meu velhote.
E qae diz a isso ?
egnac.
Rapaz, cognac Ha nm magan3o
de um cofre que representa um papel...
-i o meo t
Voces sao (evades da breca O co-
fre perteoce a Olimpia Verdier.
Osear le?aiiouse.
N3o entremos por ora nos pormeno-
res, disse soberbamente. Desejo contrabir
para comligo urna divida de honra de uns
cinco francos... e vem ter amanb3a conti-
go ao mesmo sitio. Pago-te outra vez o
almoco.
Era evidente que a fortuna sorna
estra de Estevao. Conseguir comprar a
influencia de Osear.
N'aqnelle matante apeiavam-se das car-
rnagens i porta droemiterio. O Sr. Sch-
wartz, antigo commissario de polica, e o
urna tribuna no centro do mundo, e dentro
em pouco, nos quatro cantos da trra le-
vantar-se-ha a Repablica. A tribonadrradia
em\prol do povo: elle no ignora. Par
vezes a tribuna o irrita e o faz escumar;
bate a elle comas suas ondas, at mesmo a
cobre como a 15 de maio, depois retira-se
magestosamente como o ocano, e a deixa
em p como o pharol. Deitar abaixo as
tribunas, para o povo ama estolticie, s
trabalho bom para os tyrannos.
Levantava-se o povo, irritava-se, indignava-
se, era victima de algum erro generoso,
andava desvairado por alguma illuso, ou-
ganava-se acerca de um aeto, de um acto,
de urna medida, de urna lei, encubTisava-
se sabia dessa calma soberba, em que re-
pousa sua forca, acodia as prac-as publicas
com* rugidos surdos e saltos formidaveis,
era urna revolta, urna insorreico, a guerra
civil, urna revoluco quic. L eslava
a tribuna. E!evava-se urna voz amada e
dizia ao povo : para, olha, escuta, julga !
si forte viram quem conspexre, silent, era
assim em Roma, e tambern em Pariz, o po-
vo para va. O' tribuna! pedestal dos ho-
mens fortes! sahia dalli a eloquencia. a
lei, a autoridade, o patriotismo, a dedica-
Co e os grandes pensamentos, freios dos
povos, acaimos de lees.
Por sessenta annos todas as natnrezas de
espirito, todas as especies de iulelligencia,
todas as qualidades de genio|ergueram suc-
cessivamente a voz naquelle lugar o mais
sonoroso do mundo; Desde a prmeira
constituinle at a ultima, desde a primeir.
legislativa atoa uitima, atravez a conven
C3o, os conselhos e as cmaras, contal os
homens se pdenles! um censo homrico.
Segui a serie. Qoantas figuras que con-
trstalo desde Danlon at Thiers! Quaaias
que se parecem desde Barre at Baroche,
desde Lafayetle at Cavaignac! Aos no-
mes, que j citamos, Mirabeau, Yerigniaud,
Danton, Saint-Just, Robespierre, Camiilo,
Datnoulins, Manuel, Foy, Royer-Collard,
Chateaubriand, Thiers, Guizot, Ledru-Rol-
lin, Berryer, Lamartine, accrescentai esses
outros nomes, diversos, s vezes inimigos
eruditos, artistas, estadistas, guerreiros,
legistas, demcratas, monarchistas. libert-
es socialistis, republicanos, todos famosos,
alguns Ilustres, tendo cada um a aureola
que Ihe propria: Rarnave, Czales, Maury.
Mounier. Thouret, Cnapeller, Petion. Buzo!
Brissor, Sievs, Condorcet, Cbenier, Carnot.
Lanjuinais, Pontcoulant, Cmhacers, Tal-
leyrand, Fontanes, BeniaminConstant, Cas-
semiro Perrier, Chauveliu, Voyer d'Argen-
son, Lilitte, Dupont (de l'Eurei. Cmullo
Jordn, Lain Filz-James, Bonald, Villele.
Martignas.Cuvier, Villemain, os dous Lame-
ths os dous Davids, o pintor em 93, o escul-
ptor, em 4S,Lamarqu. Mauguin, Odilon Bir-
rot.Arag, Garnier-Pags, LuizBlanc, Marc
Deofraisse; Lamennais E Lamoricere Dufaore Crmieux, Migue! (de
Bourges), JuloFavre..Quantos talentos di
versos! quanta aptides variadas! qaantos
-ervirospres lados I qae lucta de todas as
realidades contra lodosos erros! quaatos ce-
rebros em trabalho que despender, em
pruve to do progresso, de saber, de phi-
losophia.de paixo, de convicro, de ex-
periencia, de sympathia, de eloquencia!
quanto calor fecundante derramado! que
immeuso rasto de luz !
E nao os nomeamos todos. Para ser-
vir-nos de urna expr^sso que por vezes
se toma ao autor deste livro, esquice-
mos e dos melhores. Nem assignalamos
aquella valente legiao de jovens oradores
que surga esquerda nestes ltimos annos
Arhalde (de Arige), Baucel, Cbaufl'our,
Insistamos Bftite peal : a r
Mrrabaau, hoove uo tnmvl> oa soba**- ^
dade hunwra, rw HW*k*>.
cahninantD. um lugar ceutrai, om f
luz, um cimo. Esse cim (* a
Frnca, admira*! pona d'.- mira pora a pr-
racoes ea inareha, vrtice dW*mhraai
aos lempos pacifico<, piardl na tanaiada
de das caiastrophes. Om extremidades da
universo intolligcnte, fttimei ea povau a
vista naquelle carne om que IrrdBbva m>
pirita humano ; quaudj alguma n > t re-
pentina oa envolva, ouviaui sabir datt
urna grande x qne Ibes fallava na saaa-
bra Adwuutet et magna tesUHmr toe* ftr
umhras. V< que sooitn quaado era car-
gada a hora, cauto do gallo a aonmviar a
aurora, grito da agina a chamar sal.
soavo como am clarka de guerra, oa omss
urna trombeta do jnizo, e Caza pAreavaa
em p, terrveis, a agitar seus tear,<">. a
bascar gladios em seos scpaMros. t*wbs
essas heroicas aaces martas, a PMooia.
Hungra, a Italia Entao, a osa vut da
Franca, entre ; abre-se o cea eam\redade>
do futuro, curvavam a cerviz aas mri a
velbos despotismos cegos e espavorln. a /
via-se, com os ps as nureas. enea a
fronte as estrellas, com a esparh cuaef-
majante na mo, apparecer, coa a* so
grandes azas desdobradas no erhareoxtat
da liberdade, o Ardumjo dos Po*i*.
V
Aquella tribona era o terror de bofas a
tyranniai e de todos os taaaaaaos. era a
esperanca de lodoto que vive eayae* da-
baixo da co. Quem poaba as pe* ao-
quella elevacio senta dotiactaio.m.-
pulsar do grande coracao da auroani-t^lr.
ali, com tanto qae tosse oa hoam da
boa vootade, engraadecia se aa a liaa e
ia irradiar l tora ; abjana coosa de uni-
versal se apodera va de saa espirv > e n
enchia como o sopro enebe a veta; em
quanto eslava oaquellas qaatrotaboas. era
mais forte e raelbor : senta oaqo-B mi-
nuto sagrado vi ver a vida cottectiv: ti
naces, tinba palavras boas para twrtu* os
homens. a vista va alm da assetaWa. arra-
pada a sens ps e muitas vetee tatmu.M o povo atiento, serio, cora o oovido appti
cado e o dedo na bocea, e asea do puto.
o genero humano pensativo, jaari 1 em
circulo e escntmdo. Tal era essa ,t >da
tribuna do alto da qual fallava oa haaaa
ao mundo.
Daquella tribuna onlinuamenlA ea vi-
braco sahiam perpetu-irneute esp>;r<-s in;
ondas sonoras, aaessas os itaces da
sentimentos e de ideas que. de oimI i^a
onda e de povo em povo, uun aos r miiiis
da Ierra agitar essas inleiiicKU.'ias eer mas
que se cbamam almas. Maitas vexes n
se sabia porque um i certa t:i. uioj corta
construeco, uiua corla insliluh;as >-.i.u;ki-
leava la em baixo, roaita adiaite datraa-
teiras. muito adianto dos rar**, a p.ipad
alm dos Alpes, o tlirono do Ciar a* r.xm-
midade da Eorooa. a escravdo na Aovrra.
a pena de morle em toda pane. vque
linha estremecido a tribuna de Franca. Era
certas horas um estreinecimerito d>jn.-iU
tribuna era am terremoto. Fallava a tri-
buna de Franca, tado o qoe pen*a ivste
mundo punba-se a meditar: as pabvris
pronunciadas l se iam pelo escaro, eaa-
vez o espaco, ao accaso, nao importa |wra
aonde; e vento s, ?ruido, dizinu *
espritus esteris que vivem Je irona.
no dia seguinte, ou tres BaM depois. mi
um anno mais tarde, cania algu-n-i am*
na superficie do globo, ao algurai .-.-isi
surga. Quem linha feito aqnllo t A p**h-
ruido, que se linha dissipad, aqnetti: ven-
to que linha passado. Aquello raid, .iqurri-
le vento, era o Vemo. Forra sagra-la. I>
Verbo de Deus sabio a crearo dea aa
do Verbo do hoioem ba de saltrr a airar-
dade dos povos.
VI

lima vez naquella tribuna o hornea qm-
l estava nao era mais um hornero. <*ra nm
obreiro mysterioso que se v, a scure-
cer caminbar a passos agigantados pe**
sulcos despejando no espaco, au am ges-
to de imperio, os germens. as em-n^-.
a ceara futura, a riqueza do ver>, o pi.
a vida.
Vai, vem. retrocede, abrem-*e-!be as
maos e esvasiam-se, enebem-se e esvasiaav
se anda ; move-Se a planicie sombra, eo-
tre-abre-se a natureza profanda. cnny.i i
seu trabalho o abysmo daaaaa td > ila
creaco, descera os orvathos sa^peusus.
estremece a palbinba de aveia e diz qw;
lbe ha de sacceder a espiga de tn sol escondido atraz do borisoate rejosna-
se pelo que faz aquelle homem e sabs ipie
seus raios nao serao perdidos. Obra san-
ta c mar vi I liosa !
(Couttnarsr-hmh
i
Sr. Roland cumprimentaram respeitosa-
mente o Descoohecido.
A beira da sepultura, pronunciou o Sr.
Contentin de la Lourdeville o obrigatoro
discurjo. Fallou das faltas do antigo r-
gimen, dos excessos da revoluco, das ba-
la has do imperio ; e tal e tal ; mostrou o
seu -constituidle (e podem os morios pre-
cisar de mes patronos !) renunciando
carreira das armas e entregando-se exclu-
sivamente philantropia. O gosto do jo-
go, certo ardor juvenil, *s paixes enafirn,
se temos de pronunciar a plavra, torna-
vam mais heroico o apostolado do homem
eminente que todos pranteamos. E-tes
coracSes grandes podem conter tal e tal, a
flor do bem, o germen do mal...
c ... certo que se nio pode dizer
que fosse arrebatado na primavera da vida,
porque eslava prestes a completar o cenie
simo anno ; mas o vigor do seu tempera-
mento prometu'a-lbe ainda longa carreira.
Lia sem oculos.
Lisongeiro sussurro acolheu aqnelle mo-
vimento oratorio Contentin declaran o
seu pezar por nao poder ser mais extenso
sobre tal e tal, e mais tal, e principal-
mente sobre as viagens do seo nobre ami-
go as diversas capitaes da Europa, via-
gens de tanto proveito para a humnidade ;
podia, porm, affirmar, com as lagrimas
nos olhos, qae aquelle grande cidad&o sua-
visara os costames de-ama regio vastis-
sima e acendera o tacho da civilisaco nos
matagaes da Corsega.
Adeus, coronel Bozzo Corona f terai-
nou ; adeus nobre e venerando ataa .'
Do alto dos cos, vosso asyio sopmau
(ultima morada j o Sr. Scrib erberira).
abaixai os vossos olhos para esta mohiilai
inmensa, que vai conservar nos Seos, cin-
coenta mil coraces, a santa relii'in it.
vossa memoria fff
Da va-se ali am caso singular... Trora-
vam-se ditos sobre ditos n'aqoeHa muitidr
composta de cincoenta mil coraces. Para
nao imitar o Sr. Contentin nas'soas ata-
geracoes oratorias, diremos qne aqoetles
ditos pareciam apeoas destinedos a atgeas
centenares de paces de oovidos. rxt es-
caldando lora dito a principio. Depots
flzera-se circular esta parase sea vaho :
ao meio dia, a pula, depois nomes, e esses
nomes pareciam -ser ama lotacSo, porque
se baviam formado difiranles grupos.
Cercado pa calorosos cumplimento, o
Sr. Contentin responda com modestia:
Era preciso passar de leva sobre tal
e tal...
Quando a multiflo se desfazia, oa ho-
mem em trajo de operario aeercoa-sa
Desconhecido, qne ponha o p o
da carroagem, e disse-lne baixaba:
Est escaaaado. Ha da raaper a
da is doze bora no boaqaia da Espiga
Ceifaia Jogat a pula 1
C
.
I
TP. DO DIAUt-lCA UAS CBUfePaV



UGfVEL


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EJV832IL2_53XRUL INGEST_TIME 2013-09-14T00:23:58Z PACKAGE AA00011611_12178
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES