Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:12168


This item is only available as the following downloads:


Full Text
xlin. Numero- iss
\\>
PASA A CAPITAL E LOGARES OKJE IAO SE PACA POHTE.

-CU nosero avuiso
63000
12(9000
24O00
320
m FEIB
PARA DESTBO f FDIA DA P107IBCIA.
....
i idea
leu .
647C5
13*500
20*250
270000
i
\
DIARIO DE PERNAMBIM
-t
Propriedade de MMoel Rgraeira de Faria & Fhos.
_

<* SAO A6EXTEI:
Os Srs. Gerardo Antonio Alves d Filhos, no Par ; Gon?alves & Pinto, no Marantaao ; Joaqim Jos de Oveir, ao Cear ; AJ*roio de Lemoa Braga, no Aracaty ; J5o Mara Julio Chavea, no Am**; Antonio Marques da Silva, no Natal p Jos* JnsteJO
Pereira d'Almeida, em Mamanguape; Antonio Alexandrino de Lima, na Parabyba ; Antonio' Jos Gomes, aa Villa da Penba; Belaraino dos Santos Boteao, em Santo Antao; Domingos Jos da Costa Braga,
em Nazareth ; Francisco Tavares da Costa, em Alagoas; Dr. Jos Martins Alws, na Babia ; e Jos Bibeiro Gaspawnho no Rio de Janeiro.
PABTE OFTICIAL.
Censuando das armas.
-QUARTF.L-GKKERAI. DO COMMANDO DAS ARMAS NA
PROVINCIA DE PERNAMBUCO, 20 DE AGOSTO
DE 1S70.
Ordem do din u. 483.
O brigadeiro cominaadaole das Irmas jubilo? o
anuuncia. que acaba di chegar a esta provincia
para nella fazer o servico de sua guarnico, o ba-
talho 9J de inhalara que toroou activa o dislinc-
U parte na campanil* do Paraguay.
A famosa hatalha naval de Riachuelo a i i de
junho de 1865,.e o dgcisivo combate de Cero-Cora
no i* de marco do presente anno, sao os dous pa
drdes de gloria sobre que asseulam os importan-
tsimos servicos prestado por esto batalho du-
rante a campan ha. em a qual leve de afrontar
inauditas pnvacos e perigos, com a resignaco
e cora geni que nunca faltiu ao soldado brasileire
nos lances niais arriscados.
Uizer-se que o denodado 9 batalho assistio ao
primeiro e ultimo feito de armas na campanha do co^oo amortecido pelasdrtBculdades da vida.
Paraguay, dizer bastante para bem se poder ava
grande,
Todo isso ja se v que peeca por exagerado. A
prova est em que tendo o nosso ministro a pedi-
do do general visconde de Pelotas, dirigido urna
nota ao general e ministro argentino Julio Vedia,
porque o proprietario, redactores, e mais emprega-
dos da Vos del Pueblo sao argeotinos.pedindo o seu
auxilio amigavel para o descobriment dos auto-
res de tio lamentavel successo, vio-se, ja da in-
formacao dada pelos interessados, j da averigua-
cpes feitas peto noso general, que apenas vinte e
tantos homens tinham entrado na condemnavel
empresa, que alguns ferimentos tinham resultado
da resistencia, nao flcando, porra, provada a ac-
cusacao de roubo.
Vamos desde j dizendo bem alto que reprova-
mos. com tedas as torcas de nossa alma o allanta-
do contra a imprensa, essa locomotiva do pensa-
meoto humano, tbeomometro da opini, pao do
espirito que recebemos cada dia cora o primeim
raio d- sol da manhi censura o juizo de nossos
semelhanies que nos inspira um temor salutar e
que lem sobre nossas acedos um poder ao menos
igual ao da nossa consciencia, temor que na maior
parte dos homens substitue-se ao sentimento do
dever, imperfeitamente desenvolvido pela eduea-
liar o seu heroico comportamento nessa
prolongada e sangrenta lata, que terminou com a
raorte do dictador.
E, pois, o coinraandante das armas que a 2 de
levereiro do citado anno de 186), coube a honra
de conduair o sobredito batalho ao sen embarque
com destino a guerra, e agora a fortuna de o re-
ctber no seu regresso, dirige-lhe suas felicitac5cs
.pelis vireates louros que colhau, e pelo bem que
mereceu da patria, concorreodo para o seoiwm-
pleto desaggravo, e ainda pela sua volta a esta
provincia, onde eonta que se far respeitado pelos
principios de ordem, subordinaco e disciplina que
adquiri, sob a direeco de briosos ofliciaes, que
na pazo saberao levar pele caminho da honra e
do dever. como dignamente o fizeram durante a
guerra.
AssignadoJoaqwm Jos Goncalres Fontes.
ConformeEmiliano Ernesto de Mello Tambo-
um, tenente ajudante de ordens encarregado do
detibe.
EXTERIOR.
Asjnmpfn. 91 de Jnlho do
18.
DeUa vez, ao eomecar a nossa correspondencia,
nio diremos que nos falla argumento, como falta
um hroe a Byron ao principiar o seu D.Juan.
Sempre se admira, e nunca se acaba de admi-
rar, que o Immortal poeta inglcz se tivesse sen-
tado mesa e tomado a penna sem ter seqner o
esqulelo do eu poema, vendo desenhar-se e to-
mar pe as primeiras estrophes a inimitavel figu-
rado s Me fatigado mas nunca saciado aman-
te de todas as mnlhere'.
Eu admiro me com toda a gente; porque nao
raro que me veja em senos apuros para ali-
nhavar o= retalhos de que se compoe urna cor-
respondencia, a meu ver a mais difflcil das ma-
terias que, fundidas sitmimui artem, podem va-
sar boas pec,as d s moldes luteranos, conta do
grande trabalho de memoria que exige e dos
grandes sacrificios que o pensamento obrigado
a Ihe fazer.
Tres noticias das quaes duas portadoras de ver-
daderos successos vao para essa corte nestas li-
nhas. se nao encaminharmos aopinio publica,cujo
impulso sempre bom, mais cuja direeco pode
ser errada ; se nao mostramos a verdade aos que
se interessam por seus compatriotas que soffrem
longe da patria os rigores da ausencia e da sau-
dade, pelo menos alimeniaremos a actividade dos
espiritos curiosos, e a ligeirareraos os ocios dos
bemaveoturados que se engolfara as delicias da
vida contemplativa. Ter quaterqut beali I
Ciaste, pois, o meu sacco de noticias de tres
vo|p.me3 com os seguintes rtulos :
Baile dado pelos offlciaes brazileiros ao vence-
dor de Cerro-Cor.
Casamento do Dr. Pedra, subdito brasileiro, com
a Sra. D. Monica Raphaela Antonia Lipez, irma
do ex dictador do Paraguay e viuva de Saturnino
Bedoya.
Assalto typographia da Voz del Pueblo por al-
guns soldados brasileiros.
Sem amor pelo culto da bolicosa Terpsychore,
mas por amor ordem chronofogica, comecarei
pelo baile, cojo motivo a prxima partida do
Ilustre visconde de Pelota.
Os mssos bravos olBciaes quizeram despedir-se,
dansando, do seu general.
A Biblia nos mnstra a dansa como um signal
de respeito, dze.nio qu David, o poeta rei dan-
i diante da Arca.
Nai muito. pois, que os offlciaes bailem dian-
te dj seu general. t3nte rwis quando o general
nao desdenha enredar se nos meandros chore-
graphicos.
O baile teve ingar na sala oceupada pelas re-
partig5s do'quartel-general, onde reside o general
Jos Auto da Silva Grimaraes A ornamentacao
dos dons salSes em que se dancava era a melhor
possivel, figurando na sala principal era magni-
iropho de armas coroado peUs armas impe-
riaes.
Nos urabraes de todas as portas que davara
entrada para as salas baviam escudas em que se
lia,em letras douradas as iniciaes V. P. que os
aimiradores do visconde de Pelotas traiuziam ora
Victcrim PredilectosUllor Patria, ele. etc.
Este baile fui nm dos mais animados qne se
*em dado aqui, e a elle concorrerara as molhores
familias de Assnmpgao, cora raras excepcSes.
Par satisfacao dos imitadores, senao successq-
res, do legendario Ignacio Carioca, que, dizem,
totnava um vomitorio quando i a s festas de co-
mesana, em qne eram grandes os nossos avs,
o servico de mesa foi abundante at a profusas.
Com.medo de qe o general Jos Auto nao se
enfade contra o correspondente do Jornal do
Commtrcio, que elle julgaria ser um refractario
chamau do bello sexo, devo dizor que todas as
s^nhoras que raalcaram o baile com sua presenca
eram bonita quando nao tormosas quer soltei-
ras, quer jasadas, quer viuvas. S. Exc. de quem
ellas receberam a mais hospilaleiro agasalho, nao
me deixar ficar por men'.iroso.
basta de baile.
Quanto ao casamento do Dr. Pedra, foi o que
todos os casamento*. Duas existencias que
se lgam para sempre com urna simples palavra
que os labios pronnnej^m, ou mais exacto, o cen-
aeto de dna >es entre as duas maos
aperladas pelas dobxas da estola.
Esto casamento, alias muito natural, como sao
naturaes todos os casamento?, nao veda que se
exclame : Destino do horaem I Destino da mu-
liierl Devo dizer que este xclamacao sahe in-
,veltnenle do modo todo physiologico porque
' o casamento. '
agora do ataque typographia da voz
Vo dia 16 sorpeendeuse toda a cida-
4e com um artigo escripto em letras garrafaes na
del Pueblo, aonunciaado urbt et orbi que sua
ada durante a noite por cento
lodendo ar-
xix* llicosa dos
e mattar
na mesma
de valor.
Mas, sao os nossos soldados os nicos culpados ?
Vejamos.
O melindroso sentimento da nacionalidade espi-
onado dia por dia no espirito dos brasileiros pela
palavra brutal da Voz del Pueblo, o amor da pa-
tria, esse amor de todos os amores, como o chama
Castellar, ofTendido systemalicamenle rfo coracao
de tolos nos que aqui vivemos, nao podia ter
outro resultado do que o desforco violento que
himens ignorantes tuinaram por tuas mos. Nos,
que nos presamos de amar a berdade, e de con-
siderar o exercicio da imprensa como um sacro
santo sacerJocio, nao hesitamos em dizer que o
que na* fizessem os brasileiros justamente indig-
nados qne nao seria natural.
O nosso goneral viscoude de Pelotas mandou
iviiolher pnso os delinqnentes que tero de
responder a conselho de guerra. Acba-se tam-
bem nm offlcial enredado no successo da noito
de 15, nao por ter sido o cabeca da lasfimavel tra-
vessura, mas porque acudi em defeza de alguns
soldados que erara custodiados pela polica para-
guaya.
Nao temos de nos cansar em dizer at sacie-
dade que o adiamento dos ajustes definitivos de
paz, creando urna situacao toda excepcional, que
nem lodos comprehendem, e a causa de acontoci-
mentos desta ordem. Os nossos alliados assim o
quizeram, e nos os vencedores de una guerra
que custou tantos e to pesados sacrificios, have-
raos de ficar merc dos insultos de urna gazeta
publicada no territorio vsneido.
Pelo ultimo vapor chegado da provincia de Mat-
to Grosso sabe se que all nada occorria de novo.
Hoje parle para Humayia e depois para o Bra-
sil o 4* batalho de artilharia qu estova de guar-
nilo nesla cidade.
Cons'.a-me que o nosso ministro parte no dia
2i para Bueaos-Ayres. E" voz geral enlre os
brasileiros que com a i artida de-S. Exc. e das
nossas lro|as ficar ssta trra entregue aos ca-
prichos de ambiciosos polticos, que nao vm estar
ainda sangrando as feridas que o despotismo pas-
sado rasgn as veias deste povo.
deires arcos de cireule o qaatto neetssano a
boa perspectiva do monumento, visto de-estreilo
recinto da nave e da capella-mr da igrejB.. Ter-
mina a cpula urna cruz siogela adornad de um
sudario, e repousando em am globo, sobre o-qual
est colloeada urna espada e urna grande corea de
saudades. Abaixo da cpula e pouco cima do
primeiros friso* que unem tranaversalmente -es-
tandaries, acham se dous irapbos imperiae eo-
bertosd erepe, e servindo de centro ao enlace
dos mantos negros, que de na e ouiro lallo rega-
lados para os lados prestam ao monumento o as-
pecto de urna tenda fnebre de incontestavel el*
feito. Seis grandes escudos de prata trazem e
seus e.cpelhos negros os nomes de seis dos raa<
gloriosos vnltos que terminaran) sua existencia no
combate : sao de um lado Fernando Machado,
Antunes Gurjao e Greenhalgh, e do ouiro Rodri-
gues da Costa, Bonifacio de Sant'Aona e J. M.
Meuna Brrelo. Os topes dos estandartes sao guar-
necidos com 16 trophos, dos quas 8 de raarinha. Entre estes esto outros qualro
convidando admiracao, saudade, ao reconhe-
cimento, e sao es do baro do Triumpuo, o do vis-
conde de Inhama, de Camerino e de Marcilio
Das, generaos e soldados, todos bravos, todos ni-
velados pela raorte e santificados pela gloria I
Quatro versculo? lirados do livro dos Reis e dos
Machabens volvera o espirito do que* os l para
os lempos heroicos de Israel.
O alade jaz no centro do monumento repou-
sando sobre um alio pedestal, que eomo os da base
do mausoleo sao terminados diagonalraente por
bem esculpidos faeno* de genio. Al se lm os
nomes de 20 provincias do imperio, escriptos
com letras de ouro as filas que adornara 20 co-
ras tecidas de plantas caractersticas de cada urna
delias. Em todo o monumento reina' aquella gr-
vida de e aosteriilade que conven celebracao do-
feitos heroicos, e memoria dos tallecidos, que
deixam a patria cubera a um lempo eom as pal-
mas de gloria e com o crep da saudade.
urna graiificacao. que ser arbitrada! pelo goverav I aconiDaohoua ao seu ultimo jazigo par do pros- lajmbro d> 1841.
lo e-xedendo tfc 2:600*000. i tito do finado tenente-euronel Antonio Alves de f tade Figneira.
Ovaram os Sr>. Pinftere'ff An-
ArL 3. Sero suprimidas as antes de pre^tCarvalhwr que oeste acto lambem fazia sua ultima
IIIODi: JANEIRO.
6 DE AGOSTO DR 1870.
Continuou bontem na cmara dos deputados a
2. discusso do art. 2. do projecto mandando
proceder ao recenseamento da populacao do impe-
rio, e Bcou encerrada, nao se votando por falta de
numero legaj.
Tratou depois a cmara da 3.* discusso da pro-
posta do poder executivo que autorisa o governo
a despender at a quantia de 1,000:000*000 para
o abastecimento d'agua na captol do imperio.
Oraram os Srs. ministro da agricultura e Correa,
Ikando pelo mesmo motivo a discusso encerrada.
Foi offerecida a segrate emenda :
Accrescedte-se ao nico do arl. I.0 qual
correr perante o juiz dos fetos da fazenda, a
quera ompete uoraear o qdinto arbitro de que
trata o art. 4." do mesmo decreto.M. F. Cor-
rea.
Occupou-se em ultimo lugar com a 3.a discus-
so da proposta do poder executivo reformando
diversas dispesicoes da le de 3 de dezembro de
184,1. Orou o Sr. Borges Monteiro, flcando a dis-
cusso adiada pela hora.
Por decreto de*3 de agosto de 1870 foi nomeado
para o commando das armas da provincia do Pa-
ra o brigadeiro Herculano Sunches da Silva Pedra.
Por decreto da mesma data foram concedidas
as homas dos postos militares do exercito, era at-
tenco aos relevantes servicos prestado* na guer-
ra contra o Paraguav, aos seguintes offlciaes :
De cirurgio-mr de brigada ao cirurgio-rar
de brigada de coraraisso Dr. Luiz Alvares dos
Sanios.
De capito ao capitio de eommisso de volunta-
rios da patria Candido da Silva Barbosa.
De tenent ao ex-tenente do 32. corpo de vo-
luntarios da patria Antonio Joaqum de Magalhaes.
)e alferet ao alferes do 30. corpo dito Joo Au-
gusto de Freitas.
Por decreto n. 4,554 de 30 do passado foi con-
cedida compaohia Ituana. destinada a construir
e custoar urna estrada de ferro entre a cidade de
Jundiahy e It, a necessaria autorisacao, para
funecionar.
Por decreto n. 4,355 da mesma dala foi conce-
dido a Florencio Monteiro Peixoto privilegio por
cinco annos para urna machina, que diz ter inven-
tado; destinada secea do caf e do assucar. v
Por' decreto a 4,536 da mesma data concedeu-
se ao engenheiro Charles Bernard privilegio por 4
annos para o seu systema de perfnracao de ooqos
de agua lmpida e inodosa.
Hontem, na cmara dos deputados, logo depoi-
da leitura do expediente, o Sr. Aranjo Ges funs
damentou o seguinte requerimento :
Requeiro que o governo informe se existe
processo por crime de morte contra Antao de Al-
raeida Branco, da villa do Urub na Bahia.
O Sr. ministro do imperio, expondo o estado da
instruegao pnblica, e indicando as medidas que
julga mais adequadas para melhora-la, fundamen-
tou o seguinte projecto :
A assembla geral resolvc :
t Ari. 1.* E' creada na capital do imperio urna
universidade, ijuesecompor de quatro facilidades
de direito, de medicina, de sciencias naturaes e
malhematreas, e de theologia.
1." Sero incorporadas na universidade a
faculdade de medicina do Rio de Janeiro-e a es-
cola central, continuando as respectivas eadeiras
os lentes actuaes.
< 2." O governo organisar os estatutos para
a universidade sobre as seguintes bases :
t I." Cada foldade ter nmdirector especml,
a quem compete presidir a congregarlo dos len-
tes. A fiscalisaco immediata de cada ramo de
ensino encarregada ao di(ecior da respectiva fa-
culdade, e congregacao ludo que diz respeito
ao rgimen scientifico.
c 2.* Os directores das faculdades eom quatro
lentes cathedraticos, um do cada congregado e
por ella delegado, formarn o conselho da univer-
sidade, sob a presidencia do inspector geral do en-
sino superior, que ser o chefe da mesma univer-
sidade.
A este conselho compete deliberar sobre todo
o que diz respeito ao rgimen econmico e policial
do estabelecimento, e applicar as penas discipli-
nares excedentes da aleada do chefe da universi-
dade.
3." Haver em cada faculdade oppositores em
numero correspondente a dous tercos do dos len-
tes cathedraticos, os quaes tero vencimento na
razo de raetade dos desles e serlo obrigados,
quando nao esliverem na, regencia de alguma ca-
deira, a ler, em cursos complementares, as mate-
rias pertencentes seccao scientilica a que forem
aggregados.
c 4.* As raate(ias do ensino sero divididas as
faculdades de direito era sciencias sociaes e jur-
dicas, na de medicina em sciencias medicas, cirur-
gicas e accessorias ; na de sciencias naturaes e
raathematics nestas duas clases ; na de theologa
tambera era duas classes, urna das quaes compre
hender direito publico ecclesiatico, direito can-
nico e historia ecclesiastica e a outra theologia
moral e dogmtica, exegetica e eloquencia sa-
grada.
As eadeiras sero distribuidas em secc5es, s
quaes sero aggregados os oppositores. Nesta dis-
tribuico respeitar-se-ha quanto for possivel a
classificacio das materias.
As eadeiras que vagarem 3ero prvidas me-
diante concurso entre os oppositores ainda que
sirvam era outras faculdades. Quando nao con-
cerrerem, pelo menos, dous opposiores, abrir-se-
ha nova inscripcao, qual sero admitlidos todos
os graduados pelas respectivas faculdades, que o
requererera. Na falta de concorrentes poder o
governo, sobre proposta da congregacao nomear
um dos aggregados da seccao a que pertencer a
cadeira vaga.
3.* Sero admitlidos, independentemente de
frecuencia, a exame vago das materias ensinadas
em qualquer das fatuidades, e nellas approvados,
a defeza detheses para se lhes confenrem os graos
aiademicos, os alumnos que o reqnererem, de-
pois de pagas as contnbuicoes eslabeleciias, e
bem assim os graduados pelas faculdades estran-
geiras. S podero exercer a medicina no impe-
rio os graduados pelas faculdades de medicina do
Rio de Janeiro e da Bahia, respeitados os direitos
dquiridos.
i Estas disjiosigoes vigorarao desde j :
f 3. As quatro faculdades da universidade
trsbalharo no edificio que para aloja-las o go-
verno tratar j de construir, applicando acqui-
sicao do terreno e a construccao as sobras que se
verfkarem entre a despeza realisada'e os crditos
parator** annexa s (acuidades de direito de S.
Paulo f do Ilecife lugo qne o governo estobelecer
os extrnalos quo lira autorisado a crear, segundo
o piano do imperial colleg de Pedro Ir, naquel-
las cidade f na da Bahia.
Art. fc* O uoreroo crear estabeleimitos
iguaes aos de que trate o artigo antecdeme, pe"-
deodu anoeaar-lhes imernatos, na provino** qtre
rnaotivereni escolas de idstrneeio priman para
um e.ouiro sexo, pelo menos ei cada paroe*, e
nelto tiverem tornado effeciivi a obrgacao doea-
sia para a pepolaco d' 7 a ? anpos de idade.
residente denwo do circulo iraeado pelo raie de
t kilmetro medido da sede das- parochias.
Art o-Fica o governo antorisado a mednr
o intrnalo do imperial cnllegie de Pedro II pera
a povoacio de serra acimn, na provincia do Oto
de Janeiro ou de Mlnas-Gerae r que julgar ma
adetmada ; abrindo o mesmo governo o crdito
neeessario para as respectiva despeas, que rea-
lisa r pelos meios autorisaios na le do orame
to era vigor.
Arl; 6.*"0 governo fica' reanmenle autorisa-
do para na reorgaaisseao de enstno primario e
secundario do municipio da t&rte.
?.Dividir o ronoicipio pava os fins desse ra-
mo da administraccao em cineo eo mais distrie-
tos, eada um dos quaes snjeilos fjsealis'acao im-
mediata de nm inspector especial, a quem se abo-
nar a graliiicaco de l20ftsOTH> a 2:0002000.
< -- Augmentar at mais um ierro os venci-
mentos dos profesares de instriweao primaria,
graduando augmento segundos se'rvieosque ti-
verem prestado.
< 3." Crear nma escola norma) primaria.
a Art. 7." E' abertfl ao governo no presente
ex-rcicio, para mElhoramento do ensino pub ico,
um crdito igual recsita-proveniente dos rapos-
tos eeraoinmentos que recabem sobre a instruc-
Cao publica e do rendimanto do imperial collegio
de Pedro If. Na proposta do orcameolo o governo
incluir todos os annos, para o mesmo tira na
despeza do ministerio do imperio a quantia em
que tiver sido oreado a prodaolo de taes impostas,
enolumentos e rendimento, deixando no lim do
exercicio de annullar-se este crdito, cujas se-
bras continuaroem deposito no exercicio seguin-
te, para terem o eraprego a qne o mosmo cro-
dito destinado.
Paco dajeamara dos deputados, em 6 de agos-
to de 1*701Piinlino Jos Saret de Souza.
Entrando na ordem do dia, a cmara approvoo
m segunda discusso o projecto mandando pre-
ceder ao recenseamento da populacao de imperio.
pprovou em seguida, em tereeira discosso,
com a emenda do Sr. Correa, a proposta do po-
der execvtvo que autorisa o governo a despender
ate a quantia de mil contos de ris cora o abaste-
cimento d'agua na capital do imperio.
Elegeu depois para membros da mesa que tem
de funecionar durante o mezos Srs. conde de Bae-
pendy presidente ; Cruz Machado, Araujo Ges e
Heoriques v.ee-pres i denles ; nao se elegendo os se-
c.eiarios por falta de numero legal.
Continuou era ultimo lugar a 3" discusso do
projecto reformando diverjas disposicoss da lei de
3 de dezembro de f84I. Orou-o Sr. Souza Reis,
flcando a discusso adiada pela hora.
[jornada sobre ierra.
10
A camera dos epulades approvo* Hontem em
* discusso, depois- de orar o Sr. J. db-Anencar. o
arL 1 da proposta do poder executivo-autorisando
o governo para conriabir un empreslimo de .'!...
t3;000:0005100 para a conliBHiago da estrada de
ferre de D. Pedro ir.
Filtrando depois om- discwso os artgos addi-
tivos impressos da eommisso, (oram os mats ofle-
recidV os segaintes:
A' patear o crdito- db 3X0)0:000* :
(?governo autorisado eontjphir ostro em-
prestio de 3$000:000 que ser empregado a
estradas, inelhramento de portos e natvegagao'
fluvial das provmeias nos seguales termos :
< A importancia do eropreslinae ser distribuida
com as provincias dSo contempladas no outro em-
preslimo de 35,600:0005. tnmando-se por lase a
deputacio de cada urna dlos, que corresponde a
populaba respectiva:
As estradas iiaarn o nleric-r aas prc^futiae
com as capitaes, Rtnral ou rins.
0 governo mandar levaotar as plantas e or-
camentos das obras por eagenhefros de su no-
meacao, e depois ib approvadas as far exerutar
por si, pelos presidentes das provineias ou por em-
l>rezasA*mij Lna.Pae& de Jfmdonra.G*
,sndo. -Domingnes. Goncaiins- da Sitva, J. ir
Aleftcar. Krnande^Vieua.
Do crdito de 35,000:900*. ser dispendida
somento a iptantia precisa para a condado dte I'
seecao at o Porto [fovo do fiiinha^ aem cmoda
4-, da barra do Pirahy at a Kachoera.
t O gnvernc autorisado a mandar fazer o? es-
todos, piantas-o orcamentos de obras que se n-
ram viacae era todas as provincias do impesie,
d.) qne dar partea e>ta cmara, na prxima ws-
sao, para se ecreiarem as obras que forem julga-
da> con venientes.Amujo Lima. *
A disrussab flcou adiada pela hora, depois at
orar o Sr. Coeiho Rodrigues.
CoBtinuou em ultimo lugar a 3* dascusso de
pro)ecto reformando diversas dispesiej5es da le de
3 de dezembro de 1844. Oraram os Srs. Doante
de Ate vedo e- Doqoe>Estrada> Tteixeira, licando -x
discusso adiada pela hora.
Por decreto de 3 de agosto de 1870 foi exone-
rado do commando das armas da provincia do
Para o brigadeiro Jacintho Pinto de Araujo Correa.
Por portara de 6 do correte foram concedidos
a Manoel Francisc Bordallo, preparador das sec-
ces de zoologa' e botnica do museo nacional,
tres mezes de lleenca com o respectivo ordenado
para tratar de sna sade.
Por cartas mperiaes de 20 de julho ultimo :
Foram iiomesdss odesembargador Jos Pereira
da Graca e baoliarel Jos Fraoeiseo Tiveir,os- vi
ce-presidentes da provincia do Mannhu, para
servirem o l" era 2, e o 2o em3 Intfar.
Foram transferidos Frederiee Jbee- Correa, e o
desembargador Jbaquim Rodrigues de Souza, o-i*
de 3o para 5 e-o 2' de 2o para. 6" vice-presidfcotM
da mesma provjnoia.
Por decreto da mesma date fui exonerado Jos
Caelano Vaz Jaoior, do cargo de 6* vice-preswib3ie
da da provincia.
vada subsiu^o dos arts. 2., 3.', 6." e 7>"dos
estatutos da companbia de navegac/w por vapor
na baha do Rio de Janeiro e Nitherohv.
Por decretos nmeros 4,538 e 4,339 da mesma
data coocedeu-se corapanhia The British and
foreigne Ufe ani fce assurance Alliance autorisa-
gao para estabelecer agencias na captol de Per-
unubu o e na da Bahia.
Por decreto n 4,557 da mesma data foi appro- concedidos ao ministerio do imperio. E' aberto
ao g>verno no exercicio crreme, para o lim de
que se trata, e realisar-se-ba, pelos meios autori-
sados na lei do ornamento em vigor, um crdito
igual s sobras do orcamento do ministerio do im-
perio no ultimo exercicio liquidado.
i Art, 2." E' igualmente creado na capital do
imperio um conselho superior de instrueco pur
*lica, o qual, presidido pelo ministerio do imperio,
e composto do inspector geral 4a instrueco su-
perior, dos directores das faculdades existentes no
Rio de Janeiro,.do inspector geral da instrueco
publica primaria e secundaria do municipio da
corte, e do mais ciaco membros Horneados pelo
governo, ser encarregado :
t i. De formla/ e consultar sobre regulamen
tos, ipstruccoes. e mais obiectos relativos ao ensi-
no publico quo Ihe forem sujeitos pelo mioistro do
imperio.
2." Do consultar sobre a creacao dos estabe-
lecmeotos de que trata o' art. 4.*, sobre os auxi-
ios e premios que o governo deva dar a quaes-
quer astabelecimentos particulares de instrucciu
publica e s obras didalicas que forem ou tivetem
da ser publicada
i 3.* De julgar, salva a confonnaco p'dlo go-
verno, os recursos intorposlos de. decisoea proferi-
das em materia de instrueco publica.
i Os membros deste conselho qae nlle nao
I tena asseniq enn, razo 4e. ?eu,4 cafiqa, vencerQ
Terminaram hontem na eapella imperial os so-
lemnes suffragios pelos bravos de nosso exerci-
to e armada, fallecidos na campanha do Para-
guay.
Comeciram as ceremonias pela execocao de
urna symphonia fnebre do maestro A. Fiorito, a
que se seguio o Rquiem de Mozart. Ento cele-
brou-se missa solemne por finados, e Analmente o
Libera-me de Julio Sarment.
Assi>iiraui a estas solemnidades Suas Magesta-
des e Altezas Imperiaes,o ministerio, varios mem-
bros do corpo legislativo, do conselho de estado,
offlciaes generaes e offlcialidade da guarda naci
nal, do exercito e marraba, funacionarios pbli-
cos e grande concurso de povo.
Fez as honras fnebres urna brigada comman-
dada pelo Sr. general Pedra, e composta do 4" ba-
talho da guarda nacional, do corpo de artilharia
da mesma guarda, do batalho do fuzileiros na-
vaes e dos Io e 9 batalhoes de infamara de
liona.
A eapella imperial estar exposta hoje, ama-
nha e depois, desde as 9 horas da manha at s
5 da tarde.
9
Continuou hnntera na cmara dos deputados a
eleieo da mesa, e toram reeleilos para secretarios
os mesnoos senbores que funecionaram no mee
passado.
Em seguida o Sr. Mello Mattos, obtendo urgen-
cia, fundamentou o seguinte ro'quermento, que foi
abprovado :
Requeiro que se pecam informacoes ao gover-
no sobre a importancia total das somraas extravia-
das na thesourana de fazenda de Goyaz nos exer-
cicios subsequentes ao anno de 1866 a 187.. >
Continuou depflis a 2* discusso do art. Io da
proposta d i poder executivo aotorisando o governo
para contrahir ura emprestirao da 35,00O:OGOj5
.para a continuaco da estrada de ferro de X Pe-
dro n. Orou o Sr. F. Bellisario.
Coniinuou em ultimo lugar a 3'Jdisca'sSo do
projecto reformando diversas disposicoes. da lei de
3 de dezembro de 1841. Oraram o* Srs*. Correa,
Uchda Cavalcaote e Gama Cerquelra.
.Ambas as discusses Acarara adiadas pela hora,
Por aertaria de 3 do correte foi nomeado Pao
lino Martins Pacheco para reger a cadeir de cali-
grapbia e desenho linear, creada no instituto coro-
mercial do Rio de Janeiro, com o vencimento mar-
cado na le n. 1,764 de 28 de jnnho ultimo.
Por decretos de 20 de jaita-ultimo:
Foram nomeado : ,
O bacbarel Vicente CyriUo-Mannho, jniz munv
cpal e deorpbaosdo termo-de Itajany, na previo
cia de Santa Catharina.
O alferes Marianno Aug6to de Araujo Qrei-
ra, capito quar-tel-mestre do commando superior
da guarda nacional do moaioipio de A lean taray na.
provincia de Mapanho.
Fez ventia vitalioia dos o file ios de Ubelltio do pablioo,
judicial e notas-e escrivo das execiaeoes. capellae-
e residuos e do jury de termo do S. Bento, na
mesma. provincia; flcando obligado apresura
eK-serventuario Marianno Hermeaegilflo Nime a
a teres parte das rendunentos dos aitos oUfcie*,
na forma do art 2 do^feereto n. 1,294 de-16;*e
de dezembro de 1833.
Por decretes de 27 do mesmo mez foram Bo-
rneados:
O bacbarel D. Carlos de Souza da Silveiro, jfiz
municipal e de orphos do termo de Macah-, na
provincia do Ri" de Janeiro.
Para a guarda nasional da seguintos-prorin-
cia? :
Parahyba.0 alferes- Eaeas Villar do Santos
rarboza,"tenente-coroaeli chefB do estado-maior do
commando superior dos municipios deSiJbaoe
fdouong.
IhraoMft-O capito Tito Joaqaim de Lamos,
tkente-coronel do batalho de infaitari n. 24.
! Rii designado o capile- Miarcionillo da StWeira
Lins, para exercer as fanec^e de major do bata-
lao de infamara n. 24, ka guarda,nacwtnal da
provincia de Pernambuco.
Cuncedeu-^e refirma :
Ao lente coronel, aggregado ao eora'ondo su-
perior da guarda nacioaal dos municipios de Vian
na e Mearim, da provincia do Maranhdy Jo: An^
tuiio de Oliveira, no posto de coronel.
Fea-se nierc Fredenc Augusto Neiva da
serventia vitalicia do oficio de partidor do termo
da capital da provincia da Paralaba.
Araba as discussee Acarara adtiiada pela tara.
9 M. o Imperador, acompanhado- de S*. A. e-9r.
coade d'E, visitou Inntem as obras-rntemas e*hv-
draalicas do alfanrtega, ea thesourariae germn
da eompaaM da dca.
En seguida sua magK>tade visito tambem .-
repartfrde d eorreio e do caita da amortisariki.
Por decretos > 27 de jato ultimo :
Foi removido o jniz de direive Severin Alves de
Carvahe, da comarca de P>natmy,de 2""lraocia,
na provincia do Ri G'ande do Sol, para-a da ca-
pital de Sanua Gaitarioa, de 3' entrancia. Mar-
oo-se be o pc&* de tres mezes para eatrar etn
exercirie-e 3' ajo da ae cnslo de 400000.
Foi designada a netnarca de-9. Borja. 4I I* en-
IraBcia, na prewncia do Rio Gsvmde do Se, para
aella ir exewicii>joiz de direito Fraacelisi..
Adolpho Pereira- fiawnaraes. Hareou-se-lbe i>
uraso de seis metes e-a ajada d-cteiio de ftOUO.
O grande oriente do-Lavradio acaba de conce-
der as has do falteeido conseeiM Francisco
Jos Furtao a senso aanual de H4A0aO0O.

A cansarado!* depnbdo aoprovoa hontem, de-
pois de orarem es 3ts ministr-.' ca acrirultara e
Araujo Lhi, a segninto- emenda substitutiva da
eommisso aos- additfcwo offerendo pela usas-
tea commtesio ao-urojeeto, autorisand o govern
para conerahir um-erapeestimo de 3t^0M:OOOOOO>'
pora a caMiauacra da estoada de ferro de D. Pe-
dro II:
O governo fie*.tamben anlorisaae a contratar
om as rseetiva~- compaobias o resfate das es-
tradas de Cerra de IJecife a Agna-Preto,. a Joazeir,- do Paratteassi o de Santos- a Jandiahy.
por tituloda divida.exterooy eomtantoquo o *>*
pendi aarmal cam o jaro e amoriisaaa desles
nio exceda 'impenaacia- da garanta concedid
a cada urna das ditas companmas.
Effeetaado o resgate,. a. naada liqaidfr das es-
tradas de-ferro se?>iem prega da as Obrae do s^u
prolonganeato po> secc5*s segando o trafo mais
vaatajmo qae se verifiuar per estados, que sero
desde ja fettos, poieado c-governo despender mais
na constraeeio de-cada ama at l,Ot04MI8000
aitnnalmente.
Se ni effettaar.se o-resgate, o governo con-
trara, como julgar eonveoiento, o proloogemento,
pela forran., e com os meios-acin declarados, alera
dos facultados em- Jais anteronas.
O governo mandar, com urgencia eetedar o
systema completo de via jo e levantar a caria iti-
neraria do imperio, despendeodo pelos rceio* con-
signados-a lei de oreameoto vigente a qsantia ne-
cessaria execucs destes trabalhos, qa sero
opporlunamenle apresentados assembl* geral.
Antn Candido da t'ruz M do Reg Rmros Brrelo.Antouto Luiz J.ffnuo de
Carca/A,.
O projecto pas3oa para a 3* dtscasso,. ficando
arejudieados os artigo* additros impressos da
eommisso, bem como a emenda dos Srs. Antonio
Prado e- varios r.enhores^sendo regeilados todos os
outros.
Conlituaou depois a 3r discossao do prejecto re-
formaaao diversas dispesiodes da lei de S de de-
zembro. de 1845 Oraram os Srs. Jos JalmoD e
Alener Ararip*, fioando a discasso adatada pela
hora.
Comecaram hontem tarde na eapella imperial
as solemnes exequias peles no-sos bravos talleci-
dos na guerra di Paraguay. v
Executaramse as Malinas do padre Jos Maun
ci, a que assistirara Suas Magestades e Altezas
Imperiaes, o ministerio," membros do senado e dos
tnbunaes otfldaes generaos eofflcialilade do exer-
cito, armada e guarda naciooal, altos funeci
ros pubeos e muilas pessoas de diversas classes.
O.templo aeha-se ornade com riqueza e propne-
dadb, erguendo-e no centro um sumptuoso mau-
soleo, concepeo do Sr. Dr. Pedro A>nerico, e cuja
descripeo a seguinte :
Sobre seis pedestaes, de um estylo elegante e
severo, e dispostos as direegoes diagoaaes do
mausoleo, elevam se em guiza de columoas 24
graodesjestandartes retnaoos, 10 dos quaes eso co-
rnados cora as competentas aguias victoriosas. Do
topo supe is, parte uraa cupU'
laoctogoc aUstatn de yerdA^
L-se no Astro Rezendtnse :
* Falleceu no dia 22,do corrento Qulho) Mara
das Doras Bueno, que, segundo informacSes de
pessoaa fidedignas, viven, talvez 100 annos. Muitos
fados ocorrdos ha bastantes annos e referidos
pela tllustre finada levan-nos a crer em sua lon-
gevidade.
Esta molber, que soube resistir por tanto tempo
ao dos annos irreparavel ulirage, to coohecida
por seus serttiraenlos religiosos, leve ao que se diz,
celeste avisa que sua peregrioaco na trra ia t'm
dar. Erara 5 horas da tarde do dia 22, quando
esta poBre, mais ainda robnsta eeotenaria, appa-
receu em casa do Sr. coramendaflor Ladislao Jos
da Fc,oceca coodozindo orna troflxa de roupa, urna
vela de cera e um cruxifixo, peJio familia do
mesraa Sr. Qommendador urna esleir para des
eaucar, e jaotou com appetite ; s 10 horas da
noute cliamou orna escrava da casa para aceoder-
Ihe a vela : a escrava ao voltar encontrou-a ro-
vestindese pressade am habito que vinha mu-
nida, alando o cordao e dizndo ter lido um ao
nuncio de que ia morrer. Com eeito tendo a ve>
la em punho e ajudandose a si propria a bem
morrer, exbalou o ulUmo suspiro 11
terrq f,9ifejto pe* irmanda,(}e daBOa^MorW qu
Reuoio-se hantenv sob a presideocia do Sr. voa-
dor Jos Carlos Maryak, a assembla geral eos ae-
ciooislas do banco eommerciaL
Approvada a acta,.enlraram.conjioctanienem
discusso o relatorio da directora e o parecer da
eommisso fiscal. O Sr. Joaqum Jos Duarte mo-
tvou e mandou mesa urna proposta p.ta que
se consignasse ua acta um voto die louvor direc-
tora pelo zelo zeto e inielli^encia com que proce-
der na adojinistracc dos negocios do banco, o
que, na. opiniao do proponente, se evidenciara do
relatorio. Era para elle de-alta importanaia o mo-
do como a directora entender e lizera execular a
conta de redescontos juros dando assim cum-
primento lei de 22 de agosto de I86U A direc-
tora nao hesitar em lancar mo dos meios que
as tais facultam, para evitar que credores impon-
tuaes e pouco escrupulosos tentassem e tentbra
dbr prejuixos ao banco,
I O relatorio, o parececer da coramisso fiscal e
ja propoeta foram unnimemente approvados.
Em seguida, procedendo-se a votaco para di-
rector, foi unaoimemeote eleiio o Sr. eonselheiro
Joao Jos dos Reis, tendo-se recolhico 40 cdulas
representando 134 votos. Para a eommisso fis-
cal foram eleitos os Srs. baro de Itamaraty cora
128 votos e Joaqum Pinto de Carvalho Ramos com
123.
Veio finalmente mesa urna proposta assignada
pelos Srs. Elkin Hime e J. M. de Miranda Leone,
para que a assembla geral dsse um voso es-
pecial de agradecimento ao Sr. commendador Joa-
qum Jos Rodrigues Guimares pelos bous e va-
liosos servicos que presten ao banco desde a sna
installacao, lastimando ao mesmo tempo qoe a di-
rectora se visse na obrigacd de separar-se de
to prestiraoso collega. >
Approvada unnimemente esta proposta levan-
tou-sa a sesso.
11
Cootinuou hontem na cmara dos deputados a
discusso dos artigos addtivos offereeidos pro
posto do poder executivo, aulorlsando o Poverno
para contrahir um omprestimo de 35,000:000*000
para a continuaco da estrada de ferro de D. Pe-
dro II. Orou o Sr. Andrade Figueira.
Foi apreientada a seguinte emenda ao art V
additivo:
Depois da palavraPernambucodiga-see
de. S. Paulo.Antonio Prado.'Cosa Pinto.-Ro-
dnoo Sifoo. ...
muou depois a 3' discosaio do projecto re-
formado .versas disposicoes aa lei de 3 d de-
Pe vapor :rta Ci ut, entrado hontem- do Rio
da Prata e portos do sul do imperio, recebemos
folhas-de Mon;evido at-d do crreme, lenbosilu
as 11 rimas toniadas eta Santa Catharina, aoade fo-
ram levadas pelo transporte Tassmon.
(> negocios da provincia argentina de Entre-
Ros- iam tomando carcter cada vez mais serio.
O general GeMy y Olios, .nomeado para o comman-
do das torcas- naciones, cnegou all apenas com
12Cfeomens, tendo-o abandonado pelo caminho <>
reto das trepas qua lavara-do Corrientes. O ge-
nena! Conesa eniregou o commando de chamado
exsrtelu do Paran, qiae cabria a cidade do mes-
rao neme, ao coronal Avala, e eheguu ao Rosario,
insdo tambara eslava o geaoral Arredoadov O mi-
nistro da guerra Gainza voltou paja Buenos-
Aprw.
Entretallo o grosso do exercito de Lpez Jor-
dn acaiupava no- departamento de G'ilf guaych,.
occapand a cidade do mesmo nome, abandonada
aeia guami(,o naciooal,.que se refugiara em duas
lancbas. llalli os rebeldes expedia/n columna?.
volantes-era varias direeces, percorreado libre-
mente toda a psoviocia.
A injpreosa de Bueoos-Ayres pr80ceupava-*e
com esto estado, da' cousas, a que se nao via des-
fecho proximr. A Naoioa desmeato o boale da
renur-iea do pwsidenie Sarmiento.
No listado Oriental davase outro tanto appro-
xiraaaaraente. Os bltmoos appareeswn por toda a.
parto, e o general Caraballo sempre a perseguir
Aparicio sem alcaaga-lo. Fallava-se amiudada
mente de novas invasoes de blancoo vindos En-
ire-Rios, mas ao corto nao se sabia de nenhuma
destas passagens, ao menos em. ponto conside--
ravel.
Os colorados cootinuavara desatindos erare si e
paralysando os esfbrcos commaDsr Anda agora,
o general Caraballo desapprova o ajuste feito em
Paysandit entre Flores e o conuaandanle Beln, e^
recusando ote entregar o commando a Regules
ia aqueile general marchar sobre a praca para re-
duzi-lo obediencia.
O presideoto general Batll era ainda esperad
todos os das era Montevideo
Do Paraguay nenhuma aeiieia encontramos as.
folh.u que temos vista. Bizia-se qae o Sr. eoa-
selheiro Parantes devia ter partido a 29 de As-
sumpeo, donde recebemos urna currespondeacut
que brevemente publicaremos.
As datas do interior sio : Porto-Alegre 4, Rto-.
Grande 7 e Santa Cathajioa 9 do crreme
A cmara municipal da capital da proviseia de
S. Pedro, tomando em alta considerao o pensa-
mento manifestado por S. M. o Imperador sobre a
necessidade' de promover o desenrolviaiento da
instruceao publica ni paiz, resolver nootear una
eommisso para agenciar donativos para a cons-
truccao de edificios apropriaJos ao estabelecimen-
to de escolas, devendo a mesma eommisso no-
mear a seu turno outras que nos diversos manicio
pos da provincia cooperen para a realisacao da-
qaella idea.
O presidente da referida cmara municipal, te-
nente-coronel Francisco Ferreira Porto, snbsere-
veu com a quantia de 10:000*000.
0 Rio Grmdense de Porto Alegre, dando noti-
cias de Sant'Anna do Livramento, publica, a se-
guinte carta com data de 7 do passado.
t Desde o dia 3 do corrente mez qne se arpa,
acampado na margen: direita do arroin Ciyihapir,
no Estado-Oriental' a um legua de distancia da
linha, o intitulado exercito libertador, sob o cora-
raanao de Apparicio, Angelo Monii e Benitos, em
numero de 300 homens, pouco mais oa me-
aos.
c A gente qae tero entrado ocsla villa, vea
toda desarmada e na melhor ordenaer gularidade,
e se algum individuo tea) se apreseotado armado
oo se embriaga, logo expedido para o outro la-
do; estando por isso a populacao em completa
tranquillidade e desassombrada do susto que ha-
va com approximaco dessa forca.
c Quem v essa gente, a maior parte, de pessi.
ma caladora, rota e. esfarrapada, ou frolescameo.


HwA &Q Pernanibuco Segunda feira 2 de Agosto de 1870.
-,
te w -istr finalmente de tulo, n5o raleu-
U qu
u>. T: jMtrit
qae i^^^^^H
Un. '-.
inerciava pavear
do eti
Algn* indivi
Srado-, e* os gnu
soria, so reunir^
larde, e dando t?
laram junio ao ti
ito semeRwnte proceditnea-
ss&o e poder
una casa de cora-
Niwr., otn par de botas, foi
ii soffrvel altara
divi-
2, a
fuzi-
o fanio Lpez
lasileiro Mih'ao
' s ajera a liona
poveaco, io da
bnJii l&qtadnr,
fcoicia oj
Jordn, que haviaj I ao br__
Ter*6ra,mondor em Ganhapir, wmettendo
violencias e\>xtorsoes c-Hlra os viajaste* e os re*
pectivns moradora*,
t E' u.iT deiuais pcrempioriD o preeesso nesse
paiz.
Refere a mesma fotfca : *'"-..
t '(iremos occasHe de ver a medalna que a
eomaiM-ao nomeada pilos portugacues residentes
na capital encomiweudoii para ser ollerccida ao
bravo general itseonde ae Pelota*.
A mpinfjra de num e do grande espesjura
seadu era urna de mas face* c*rneeidas do vinte.
hrtuatea regalares e tendo mais cinco no pas
, .i cent da face, ornada de brilliahtes, ha a
aefuinte ascripc5<>:
f) oortuuezes an Pm to-.tkQre ao tnricto gene-
ral Cmara.
. Ni ladoopposto, no centro de nm relevo figu-
randxuMB eora da loaros, ha tambera ewa os-
tra n'ortpciio:
7Vemp*o Afmtithan de marco de
1870,
lfc*a medaiha ser offereroeida ao Sr. vis-
eral* de Pelota*, en) seu. regresso do Paraguay,
pelos portugoezes residentes nesi cidade, qne
o orporacn e procedidos de urna banda de
miados, irao felicitar a S. Exc. em sea pala-
cete
he no Jornal tomnurcio de Pelotas :
No da 19 do correte, do lugar denominado
Poarlie-Yemle, entre Dag e Sam'Ana do Livra-
nwuto, na liaba divisoria, uommetteram-se tres
tiorriveis or me de que varaos dar contoeeimento
ao nossos leitres.
Agusiinhn Ferreira de Sonza, portuguez, sol-,
Mr-, nmji> bem tui>io, que gosava de muito ere
4ti> estima nest cidade, humera completamente
iauiTensivo. era e recular escala n referido lunar Ponche-Verde.
Ao escured-r do dia 17, entraram em sua
rasa tres individuos dttseoaheddos, e pediram a
u menino caixem inie eslava ao baieo doze
vinteus deoo. Quando o nfelit menino Ibes da-
va o pao, um m barbaros i'iirrfu-lhe urna lacada
no ven tro que o presura por ierra.
Aos gritos da innocente "victima, acode Agos-
iqIki Ferreira de S raza, que estava nos furid-x da
a-a, e tire ello precipitara-so os tros assassin s,
qiirt o toraam ibdVfeso e Ihe cravara o corpo
im R maja de vinte lacadas, deixando-o sera
vida.
O- ficinora*, ainda sedalos de sangua, ppne-
tr.jiam ata o interior da casa, onde encontram
i::ua mullcr que viva no companhia de AcoUi-
nh-, e teiiiam contradi a su exi-teneia, nao che-
gand 1 a eommeticr o terceiro homicidio porque
a infeliz, bastante ferida, con-egniofugir.occultan-
disi" Oentro de um foro 1.
Voliaram entito os maldiun assassinos a casa
i' negocio, e alti, nao eBCiitrh'nndo i, menino que
teharaM por morto, e iwnatta que elle os fosse
denunciar, fuiiaiu ao tasugo da justica hu-
mana.
< O menino, com os inlostians as maes, dirt-
g.o-ro a casa de um visinho, onde expirou ni 1
meatos depoi.
Suppoi'-so que o intento 03 assassinos era
rouhir, o que talvez nao realisaram em conse-
ejoencta de na enciiiitrarem o menino e recelando
que rnrigasM a polioia.
Ag stinh 1 Ferreira de Sonza, enlretinha rela^
ritt* ri.minerciaesotn esta praca, eticootleven-
1 1 --j;iintes iiiantias ao.< tionrados eoinmer-
ciatii.M Sis. Adriano i>* de M lio 4:926945,
Son G unos & C. 2:761|1743, Seuza c Irraaos...
2:o27(i(JO.
Una (arto escripia i* B.tg por um resjveita
wl Begootanta diz o segrate :
As mbrdweue* qu^ tenho que as aatorida-
li's ertao lomando couta dos liaveres do fallecido
a eu get, c nada de oar providencias para cap-
turar a O S". Dr. rhefn depnltrh, que viaja por esses
rogaros, deve neeessarimfiente ter tomado conbeci
uH'iiio Je. lio monstruoso ei jme.
O rtuito digno vicecmsul de Portugal nef-
tr. dado, Sr. commendador Jo* Vieira Pimenta,
/j'loso como pelos i o ten s-es dos nditos de sua
naci, dvu as providencia* qne ocaso exige,eor-
denou ao repectiro encarregado e;n 'itag para
proceder a'arreea/ncaj do e.-polio de Agusltnho
Fern-ira de Sounr
No Rio (rande sajoidara-s w> dia 3 o guarda-
livros daconpanliiade segurosFidelidade,Bernar
dio Antonio Gmtveia Paclieo.
Em Pe itas fallecer o capitalista commendador
Domingos Rodrigues ltir>a<.
As fi.lhas de Santa Catharina noticiara o falleei-
ra'nto do/cinirglaode diviso do corpo desa-
de do exercito Dr. Justino Jos Alves Jacu-
tiova.
nio J.isiV I
na proviacia
ite mantaria Joal
le Soma, morto em o
mansaes sem prejaizj do meto sold.
Ao ra^ior haliorarinJ do exerelto Fortunato de
Campos Freir, de 8l| measae*. igual ao
de sua patento. .
Pm concedido o titulo* 6$ cnn lai, ao lente da escola eenlal I lo de Aze-
redo Coutliran, e nomeado limte :flirfr e&mn de
anno da faculdade de direiio de Heci'e, o lente
s. PALLO.
ilOde agos
t^Hbco Jos u
^HC
le Jaasen de Mello Rocha,
de 30*
substituto Dr. J-ao Jos Pinto
Jnior.
ni 1
orcaio de romffliroco
RECE,St DE AGOSTO DE 1876.
A VIAGBM DB S. A. 0 Sb. CONDE D'BU.
Em viagem para a Europa devem. dentro
Por titulo de 11 do crreme foi nomcado Joa-
niini Antonio tuimaries paia o lugar de adminis-
Ira lor da idos de rendas de Antoaina, provincia
do Paran.
Pt portara de 10 lo agoto de I870,permittio-
ao ?egundo cirargio do corpo de saade do
exercito, Dr. Joaquim Mariano de Macedo Soare,
etmtincar a uar do* distiuctivos do po-to de pri-
mdrocirurgin, em que foi eommissionado durante
a guerra do Paraguay, nos termos do art i*
da ei n.. 1765 de de junho do correte
auno.
Por decreta de 8 do corrente foram concedidas
as honras do 2 pharmacentico da armada, 2* te-
lente, ao ex-pharmaeoutico de commissao Silves-
tr Mendes"Ferreira de Mazallnle-, pelos relevan-
tes serviris que prestou ni esquadra em opera-
c6>s contra o governo do Paraguay.
13
A cmara dos deputados approvou hontem ue-
cess'.v miente, em urna tnica discutan, duas emen-
das j -enado s pr p sicoes da mesma cmara re-
lativas a diversas pensoe?.
Appivyoa den is, era tima s dNcassio, o pro-
i apprn addo igualmente penses vuva e
tuba* Jo hrigadairo Antonio da Silva Paranhos.
Aiipr<>*ou era sfgmda, taiAVm era amasdis-
rns-o co.n varias emendas, o prjeeto autorizan-
do o g >erni) a conceder so dfse-ribargador da re-
Ii da hahit Luir Antonio Barbosa de Almeida
noi anuo de licen^ajcom iodos o< seos vencimentos
pan tratar de ua saude onde Ihe convier.
A.iprovon mais em 3' dl-ctisso projecto man-
datidi pnceier ao re-cenceamento da pnpa'acn
di imperio, com a segnini' emenda substitutiva
i* parte do art. Io !.
0 governo designar o dia em qua se ha de
efl" ctuar o priraeiro re-cenceamento contndole,
o, o praso para o seguate do dia 31 de de-
remoro de 1870.
Ai art. 1* g nico, accrescente-seannexan
de-a, s julgar conveniente, ao archivo publico,
a que pnder dar nova orgaoisacSo.Paulino J.
S. Ae Sonza.
Continoou depdis a 3* dNrnsaio do projecto re
formando diversas di*poslc6es da lei de*3 dedo
zembro del8il. Oraram os Srs. Vfrira da Silva
e Gi:nes de Gistro, ficando a diseussSo addlada
pela hora.
Por decretos de 10 do correte firam nome.idos:
o bacharel Canudo Antonio Perefra Lima para
o lugar de procurador fiscal daih sourarla di
Amj na*, e o 2* eonf--rente da alfarideg 8o Pa-
ranagu, provincia do Para, Francisco |{-b*e/ii) de
<]arnlh i, para o do 1* confereiite da de Uruguaya-
na. jiioviucia de S. Pedro.
Por cartas imperto;* de 10 do e irrente :
F.ii nom-ado cavalheiro da ordem da Ro9a, De-
Laroa, director de sci-cSo uo ministerio do interior
eui Fran
Foi raturalsado eiiaiao brasilera o subdito por
tugue 'r..ncisc i Antmio dosSantef, alteres bu-
rio do 'xercito.
r decret is da me;raa data furaih nomeados :
Cunmendador da ordem de S. Beiito de Aviz o
o a*.. ..
a Knropa devem. dentro de
poucos das, pausar por este porto SS. AA. o
Sr. Cunde d'Eu e sua virtuosa esposa a princeza
imperial.
Na cruenta guerra do Paraguay, qne tantos an-
no* ioflmgin-nos suppfejos horriveis, arrancndo-
nos taatas vidas o cnnsnraindo-nostantjs ihesou
ros, S. A. D Sr. conde d'Eu to'mou urna parte to
activa, quo vapule forasoa espada do general.
jjU'ta* ebem merecidas deaiimstra^oe* do ale-
gra derarn os Brasileiros do sal do imperio ao
pisV trra de Santa Cruz o jowm gnerrtiro que
fecliou coui chave (fe uuro as sangonoWntas
pugnas, que America do Sol vio ascmbrada
n'esles ltimos tempos.
Tera sido praxe de todas as pocas, entre todos
os povos, semear-se 'de Boros as portas da* cida-
des e os eammhos do lar domestico, para receber
os eidadaos que nos campos da honra conquista-
ram lours para a sua patria.
O Sr. conde d'Eu mereceu as demonstracos de
louvor o as flores que em soahonra spalfiaram
os Rdmineoies sobra ^eus p#S*o>, quando elle Cn-
irou na corte de volta do Paraguay.
Agora (juo se offerece, anloga ocaselo aos Per
nainbncano* para idntico flm, nao era crivel que
Pernambueo dormitasse. E no durraitou.
A cidade do Recife prepara-s, atavia-se para
recebej" ojovera e valente generil, em simial de
grartdao pelo muito que elle f.-z em prol da n '.tria
adoptiva.
A ASociaeaV Commercial e a sociudade patriti-
ca Doze Je Seteaibro, testa dos festejos e de ac-
c.irdo com a preshlencia da'provincia, j nrgam
sa:am um programla de festas liara e de-em-
barque ,f i iliusii e viajante, ao qual o pavo, o sem-
pre her( ico e reconhecido pvo Pernamlmcaun
nao deixar por certo de*prestar o.seu valisissi-
rfto apoio. correndo a lesteniunhar ao jvera prin-
cipe una affeicio qne deve ser-rae chara, una
gratido de que elle credor.
Na phrase de Malesherbes a Justina a verda-
deira beneficencia dos res. O povo o rei da
America ; a sua beneficencia deve ser, pois. a jus-
tiga ; < em nomo da JusTfca ^e dizemos que as
feslas fritas ao Sr. con Je d'Eu devem sardo povo e
explendidamcnte feits, por qne elle bem mereceu
da patria, e a patria o corafio d,povo.
_.\a destineco dos cidadais pre-tantes, na seler-
co dos que merecen! o nome de Ullix extremo
>os da patria, a hitla o merecimento real, es-
cudado com os serviros importantes prestado-
causa publica e honra nacional.
O Sr. cjflde d'Eu estn'este cs?o. Tlvess9 elle
embora nascido na choupana de un pastor, a
nossa lipguagem outra nao seria. Nao c o seu
diadema de principe que nos deslumhra ; sao os
louros colludus para a patria, a sna aureola do
gueareiro, que nos orgulha.
Era nome, pois, dos lirios da provincia, era no
me do pa>'*alo de Pernambueo, nos nos desvane-
cemos de dizer que quem sent a fronte, pejada do
louros sent prazer em saudar ura corapanheiro
de glorias.
Pernambueo nao dormita. Venha o Sr. conde
d'Eu, elle sab?r recebe-lo com os bracos abortos.
Eis o programla :
t As con inisse.i reunidas da Associaciio C-'fln-i
mcrcial, recepcao official e da soxiedade patritica
Doze de Sel -more, de accordo como Etm. Srj
vice-presideote da provincia, organisaram o se-
ulnte pr igramma pira a recepcao de SS. AA.
a s-rertiSsima prinreza imperial e sen augusto
esposo o Sr. marochal conde d'Eu, por oceasiu
de sua pas-agera nesla cidade :
O vapor que conduzir SS. AA. ser aii
noneiadb por tres tiros dados pela fortaleza da
Uro m e pelo pavilho nacional icido n mastrodo
telegra pho.
<( Logo depois deste *gnal seguir para a pa-
quete vapores e escaleras embaodeirados, forman-
do ama ti itilha que acompanhur a galeota un
perial qa conduzir SS. A A.
a Ao passarem pelas fortalezas e navios surtos
no porto receberu SS. AA. as continencias de i
vi las.
O desembarque ter lugar no caes 2 de No-
vernbro, que sera para este flm convenientemen-
te decorad!,. Para alli so dirigirn todas as pes-
soas e coininissoes convidadas e nomeadas para
psta recepcao.
A divisan patritica da sociedade Doze de Se
tembro formar em parada na praca de Pedro II,
e ahi f,ir a* honras Jo desembargue.
t lima origada da guarda nacional e tropa de
linha, formada em parada no campo "das Prince-
zas, fara as continencias doestylo.
Ao desembarcar, SS. AA. seguirao pela ra
do Imperador at o palacio da presidencia. Ah
recebero SS. A A. as pescas que as forem cura
primentar.
A' hora que for designada por SS. AA. ter
lugar o Ittntii offerecido em nome do com nercio
pela Assjciacao Commerciad no seu palacete, di
rigiodo-w SS. AA. para este fim, pelas ras do
Imperador, Priaieirudetn'arco (antiga do Crespo),
do Mrquez d-! Olrada (outr'ura da Cadeia) e pra-
ea do Corpo Santo.
t Tenuinado o lunch, embarcirao SS. AA. na
rampa da Praca do Commercio, com as mesmas
formalidades com que foram recebidas.
No caso de SS. A\. chegarem tarde, e te-
rem de perqoitar.haver, alm do que acusa tica
asentadn, recepcao a nmite no palacio da presi-
dencia, devendo o /cA offTecido pelo commer-
co ter lugar no dia segulnto.
t As companhias das entradas de ferro de Olm-
da e Apipucos poem dlsposifto de SS. AA. trens
especiaes, para o casi de quererwn SS. A A. per-
correr os suburbios da cidade.
As comm"s(5es, cima mencionadas, rogam
encarecidamente todos os irioradpres das ras
por oode leera de passar SS. AA., que mandara
ornar as frentes de suas casas, e que empregue.n
todos os esforcos para o briihaatismo da recepcao.
As eommssoes emulara que a populacao desta
cidade, nao desmentir anda desta vez o patrio-
tiSrao e enthu-iasrao que Sempre teem manifesta-
do pelos hroes dos graades (sitos .do Paraguay,-
dando sa joven) generil, jue tanto concorrea para
as-iiria* njcioaes, as mais solemnes provas de
apreco o gratido.

roa
Ir, Manoel
^^^^^ra Villabouo, per oecasiaode
oa que hav&^flhicara ama
a ^Mloa ttnna sido propina*- por algara de-
cravo*,x5om fias ulvez frtitros, e reekhin
HHttUs em sen.f^nljek ________
i^Ppde foi iotefrt
wotedendo o Or. delegadi
mal deligencias para ^^H
m remettidi. para a Faculdade de
edim^ para proceder-se a exame eJimco. Por
^alml Sr Dr Yil|a>ni medlcod-se coave-
nmnfmiiie, e nao solTre alieraco natavel em toa
sude.
WwJelegaJo deNazareth foi coramu
que no fila 7 do crreme, sahlnflo da povoa^ao _.
f patKi6a presidencia, ende S. E
presioa dea alguns viva, qne f/i
r*" 'oaaaieote correspondidos.
as ca
do Mrquez de Oliod trajavam vestes
restivaW ostentndose aas respectivas v&randaa
bandelras-da? edres naciouae?.
Q placio seplc- o prestito para o qnartel das
pei-
Do Ilio-fclar .#cre*ea^ ao Cneio Paulis-
tm: -
ftt noula d 25 do correrte (Jilbn) Gaidino
Antonio Rulrtgws ^ssassltiot com 4 tacadas as
costas sua inulhor',' erara moradores na colonia
rainho dods tiros qne^> dS?am ?
rrlZP ,J f9^l*<,' 0fTend8Dd(,lhe "'" dos projectis a regio do
commette tao tnste tac arxo vcnire.
de 2t do
ro. DatRqae a causa Jo crina foi cinroes. O
assss.ino esi preso.
segondo marido qoe
to I Se pega a moda estamos perdidos.
O Demcrata de Giiaratingueti,
passado refere o segujnta:
No dia 20 pelas W horas da manha, sebdn
Antonio MarceJIiiw convidado por Candido Joo,
para ir Tirar ornas'raites mediciones para fszer
reme jios contra aslluna, de que sulfre q meamo
Marcefllno, logo que' rhegar*rn a mirtta onde Can-
dido sabia po havia a tal herva medicinal, des
carregou este sobre a cabeca de Marcellioo. trai
cao, um graqde golpe de foorn que Ihe ofTandeu
bastante e incontiaenti nutra foucada sobre o bra-
co esqoerdo, que Ihe cortn a carno os ddos
ojsos, e em s*:uida urna facada no peito do lad
esqoerdo. Marcellino esta ainda em perigo de
vida. E tendo islo feito. Candido reio a cidade
ensangaeatado dar parto a polica contra Marcelli-
no, o que nao chegou a fazer por haver quem o
aeiMMlhasse que fugtsse. Quando a polica che-
fon a saber do facto mandn ama escolta que nao
o encontmu mais. Consta que Candido 'estava
jan> por um cont de r* para sssassmar a Mar-
cellino. O qne neste drama mais admira que
Candido era muito amigo de Marcelline, viviara
somjire jooto* o a inutber deste atilhada de ca-
samento daqueile. E' preciso haver mnita malva-
dez par- um horroroso procedimeot< desta ordera
por. causa de dinheire,Vomo vot publica.
T.to DB JANEIRO.
No dia 10 foi apresentado S. M. o Impera-
dor a reposto a falla delhrono.
0 cambio sobre-Londres regalafa 41 l/l pa-
pel particular.
-t A* aceoji do Banco do Brasil vendiam-se
a I65,aii*-oblanos (*) a H830 cada um, e a*
apolicis geraes de 0 % de 8o' /, a 8ti %
A alfundega -la .orto reudeu de i a 12 do
crrente 1,073.: 305300.
Domo devia partir a f% e o Merrinak a
2& do crreme.
o proanio para o qnartel ds
nstrartras de' *ynti-
INSTftTcnAO PtlCA. A eaddra nljaa-
idr.
cerrenie-
.^^B** perten
da Cosa.
HKUTr.Siij IjE Lfclltn io Jos MB-
riaoo de Altraquerque, nt^^^H eartofio para
illudjfaanm se diverta esUeSea
" particolare*.
pu
Hontem chegou o vapor Cruzeiro ds Sn, trazen
do joruae- : la corte de lie lo, da Baha al 18
e de Alag as ale 0 do corrf ote.
Nenhura vapor, procedente do Rio da Prata, ti-
nha chegado corto aps a sabida do Bonifacio.
IUO DE JANElBO.
0 senado nao func.iotiou no da 13.
Na-caraira dos leautados. na sessaq de .1-1,
logo depois da leitura d. expediente, o Sr. Galvt-
fandamentou > seguinte requenroeuio, que fieou
adiado par ter pedido a palavra o Sr. Correa :
Requeiro que se pe(}a ao governo copia dos
offlcios trocados entre a presidencia da provincia
de Santa Catbartaa e a diroctoria da conipanhia
Cathariui-nsede Nvegacio a Vapor.
Pie > da cmara, em 13 de agosto de 1870.
Galvao.
Entrando na ordem do dia. approvou em urna
nica djicusso a emenda do senado ao projecto de
resoluco di cartira, approvando a* peosoes con-
cedida- a U Marcolraa Thereza Dcurado Ner\,
viuva do capiliio do 16" batalh'o de infamara Fe-
lippe Nery dos Aojos e butros.
Appri-vuu depois, successivamer.te, nove projec I
tos foncedendo varias pensSes.
Continuou era ultimo lugar a 31 discusslo do
projecto ref'miando diversas disposigSes da lei de
3 de dezembro de 18il. Orramos Srs. Pinto Li-
ma e Theodofu di Silva, fijando a dlledsSo adia-
da pela Kora.
Por decretas de 27 de julho, 5 e 10 de
agosto :
Foram removidos :
Ojuiz de di reito Antonio Jos Alfonso Gnima-
res, da runiirca do Ro Grande para a secunda
vara crime da- de Porto Alegre, ambos de terceir.i
0/,ty delegada, tendo-se dirigido ao lugar
mterrtjando o raesmo Rodrigues, quexou-se este
de Antonio Joaaujmderrito,-a outros, pois que
dos pastos de sua fazenda partfram os tiros, es-
tando as emboscadas pauco distante de tu
casa. r
* AyPn Jurara foi pr*so,e alguos escravos,
e remeltldo para' a cidade Tle Nasareth, onde
j foram interrogado*, e prosegtte-se no pro-
cesso.
0 eambio regnlava: solare Londres 20a-2l
1/4 d., sobre Pars 490rs. sobre Hamburgo 880 rs..
fe sobre Portugal 1600/0. .
A airaMega rendeu de i a 18 do corrente...
449:978J*83
sEttr.iPF.
No cha do corrente fogln, na capital, fflu-
dindo a vigilancia-de donsguarda* que o aeom-
panhavam, para o servhgo de conduco d'agrra.0
gal r>lippe Nery
Continuavam a fiizer vclrdias nessa provin-
cia as febre- perniciosas.
Ai.ac.oas.
No dia 20 do orrente devia ter lugar, na
cid?de de Mae-oo, nm grande ConSerto mosical,
lado cora o concurso de amadores, para *er o seu
producto appliearto creacSo de utn eftabeleci-
mento onde sejatn educadas convenientemente as
orphaas pobres e desvalidas.
A presidencia da provincia abri concorrn-
cia para contratar a illuminacao publica da cidade
de Penedo.
Do Penedo sahio carregada para Lisboa a
escuna pnrtuguza .Inda:. E' o priraeiro navid
que sai desse porto completamente carregadn.
Lemos no Diario das Alagos:
)e Anadia nos erevem :
O subdelegado desta villa, sendo avisadd no
di 17 do correte que D: Zilmda Telxeira L*tte,
matara urna sua e>crava uoacoite e mandara en
terrr por 9 horas da nome, orfleou ao RTtii.viga-
rio para nao consentir que de dese -epnltura ao
cadver, e no dia seguinte pri'cedendo corpo de
delicio verlficcu-se qne com effeiio a escrava tintn
sido victima do martj rio de sua corfdcio.
As snas costa, as nadegas, ai pernas tinham
sido pasto (Je cbicjteera lamntavele o que
mais horrorison foi j haver nos bracto chagas
com bichos de mscas.
A igreja matriz, onde teve fugar o corpo de
delicio por nove horas da manha, ficou cheia de
especiaderes.
E2VTSTA DIAKIA-
NONO BATALIAO DE INFANTARIA.-No sab-
bado chegou ao Rosso porto o transporte de guer-
Velloso a exonera cao que pedio do
municipal e e orphaos do termo d
y\lb
noticias do sal do imperio.
Che"gou no sabbado ao nwio-dia do Rio ie Jaoei-
ro e Babia o transporte de guerra Bonifacio, tra-
zend'o apenas mar da edite, apesar de se ter
demora lo na Baha 24 horas.
A- noticias mais importantes da corte e do Rid
da Prata vo publica la sob as rubricas Exterior e
Interior, alm das ques apenas encontramos os
joroes as quosegoen.
MIN.AS-GE.RAES.
Aleanfant i de agito as ttlHhias datas.
No da antecedente c> me cara a tnbalttr a
ass.'mbla piovmal. A m-s* lcavaco.nposia dos
Srs.: Dr. Kalbino Candido da Cunha, presidente;
Candido Ignacio l^rrer L pes, vire-presiden-,
te; Dr. Lmz Eugemo H ra Birbosa, secreta-1
rio; D'\ A. Casimiro da Molla Pacheco, 2o je.cre
tai+r; Dr. Carlos Pelx'tto le Mello, 1'sUpplenie de
-erreanu; Franjeo Evangelista de Araujo, 2*.
dito. J i
Da Ajtiruoea screvem ao Conshiiaior dan
Ca*p.mha.
No lugar denominado Safado, distar
ivuruoea meia l-Btn. appitreefU ti
ewancta, ua provincia de S.'Pedro do Ro Gran-
de do Sul, por jssim o haver pedide.
juiz de diiito Pedro Camello Pessa, da co-
marca de S tutu Anto, de segunda entrucia, na
provincia de Pernamfcuco, para a do Rio riode,
de lerceira, na de S. Pedro do Rio Grande do Sul.
F i desiguada a referida comarca de Sauto An
lao, de segunda eutraucia, para nella ter exeroi-
cio o juiz de direito Cielauo Esfellita C ivalcante
Pessoa ; licapdo sem Vffeito o decreto de O de
abril do corrente anno, que designuu'lh? a comar-
ca da Granja, de igual entrncia, na provincia do
Ceaia.
Foram nomeados jui/e* de direito :
0 tiaciiare* Ernesto Julio Bandera de Mello, da
comarca de Cunb, de primeira entrncia, na
provincia ero .Maiti-Grpsso.
^ O bacharel Jas Paulino de FigueireJo, da de
Souza,v da mesma entrncia, na provincia da Pa
rahyba.
F-iram nomeados juizes municipaes e de or-
phaos :
O bacharel James de Oliver Franco e Souza,
dos termos reunid i* do Rio Pardo e Encruzlhida,
na provincia de S/Pedro do Rio Grande do Sul.
0 bacharel Jo-.j Vdreirada Franca Jnior, do
termo da Abbadia, na provincia da Babia.
O bacharel Manoel Aotunes Pintete!, dos ter-
mos reunidos de Belmonte e Canavielras, na mes-
ma provincia'.
Fui concedida ao bacharel Luz Manoel Mendea
cargo de juiz
do Rio Bonito,
na provincia do Rio do Janeiro.
Fot aposentado, a siu pedido. Jos Xavier Faus-
tino Ramos no lugar de official da secretarla de
polica da provincia de Pernambueo com o urde
nado marcado ni tabella qnebaixou cora o decre-
to n. 2,119 de ii de marco de 1838, em onformi
dade do de a. 1,897 de 21 de lewreiro de 1857
Foi ape-mtadu o chefo de seccSo da tjtesoura
ria de S Pedro, Francisco Jo> Furtado, com o
ordemdo.qae Ihe competir oa forma da lei
Foi concedida a Francisco das Chagas Oliveira e
S a demissao que pedio do lugar de praticonte da
thesouraria do Cear."
Fallecen, no dia 13, o conselheiro monse-
nhor Narciso da Silva Nepomaceno, com 86 an-
uos de ilade. As excellentqs qualdades d-
te dlstncto ministro da igreja erara devidamen-
te apreciadas par todos qiiantos o conheciam de
perto.
Era condecorarlo- com a dgnitaria da Rosa a
com a coaimenda de Christo.
Exrceu o importante cargo de vigari capitu-
lar po mullos anuos e governoa o bispadopor
algumas veres Era prelado dome.-tico de Sna
Santidade, coafessor de SS. AA. Iulpertaes, ins-
pector da imperial apella e faorlqneiro da cathe-
Ji ai do Km de Janeiro.
No dia li cti'gou o transporte fassimon,
trasendb do Paraguay o i batalho de arti-
Iharia. -
- A alfandega da efirte renden de 1 a li do
corrente I.201173328.
Sahio para Peraambuco, o brigue braslleiro
Ro f Ourc.
alHTA.
A cmara municipal da capital marcou o
(JU 18 de setembro prximo para tere(c lugr os
fe>t jos pblicos pela terminacaio da guerra; por
ser ese o da anniversarlo na rehdicao de ru-
guayana.
Era o segnlnte o resultado da efeicSo senato-
ria! nos collegios da capital, Halla de S Virio,
Sant. Amaro, vida de S. Frarteisc, taparic
ajirulpi, Ccboeira, Fera de Saot'Anna, Nazafetb,
arue, Aoraiites, Alagoinlias, Inharamiue Ca
uis o, Camapti.TaperiSa. Valenca, Leftlpjrt, Santa
lab!, Cira vallas, 'P>r) Seguro, CanOilvieira ,
Con le, lbeos tapieur, Mmle Santo, Rio de Coa-
Ss, JVobraa, Ptinn>aca>. Marahii,Tueanf, tiem
ics, (3aptni'Crt>sso. Gereraoabo, Joazeiro, M o-
:e Alio, Cari,ihida, Villa Nova da Raioha e Ta-
ra Bonifacio, condnzindo Seu borde o valente e
intrpido 9* batnlhSb de- infamara de finha, do
minando, de ura dos mais bravos officies do
nosso exercio o vaforoSo coronel Joao do Reg
Barros Palea), eonaposto de 249 pracas e 22 olR
ches, a maior parte nataraes de de se achava miando soou o'clarim chamando s
armas as phalangos briMleiras, e pira onde vol-
tou coberto de lonras raraarces>veis ganhos as
mais famosas aegoes da guerra ultima, desde
Paysand at Aqui laWan.
Apenas o telegraphJsta avistoao transporte, coo
o estandarti metonal, dAnlo a fortaleza do lruin
tr-'s tiros cora intervallos ; o que dspertou a po-
pula j5o da cidade. que corru pressurosa aos
ri's afimde vr-demamJ'ar.'a'harra "o navio cdh
ductor desaa cohorte de bravos, indo muta gente
bordo ve-tos e fIciU'-Ws, fendendo os ares
ne^a occrsao'viarlrojriS gyrandolas de figuetes.
As 3 horas da tarde ja o rjaieo interno e os
cae, Jo arsenal de mariwha estavam ebeios d .*
lutoridailes civrs e militares, e de ura concurso
extraordinario de p ivu, quando omecaram a che
gar os lam-ho'N rum a tropa, que era" felicitada
cadapasso'pel.is prenle*; pelos1 amigos e pel".-
companheiros de fadigas. Mais de nraa vez se nos
encheram de lagrimas os olhos ao ouvirmos os
enternecidos colloquios di soldado queimalo pelo
sol das rampaulias cora o pacifico cidado, que
va_o aps urna separaco de quasi seisannos!!
No interior do arsenal de marinha esi.ivam os
Exms. Srs. pre das armas, connundante superior da guarda na
ctonal, Dr. chele de polica, offiialidades de linha,
da guarda nacional e honoraria do exercito, com-
missao da scidade Dox de Setelnbro, e crescido
naraero de pessoas grada^ da cidade ; da parte
externa do edificio, o erpo do polica e o esqua-
dra-j patritico de lanceiro*.
Logo que o batalho se achou reunido no paleo
do arsenal, S. Exc. o Sr. vice-presidente da pro-
vincia feliciiou-o pela sua volta trra natal, co-
berto de virentes louros, dizeodo-lhe que, comu
no> campos de batafba, espera que se raostrom os
membrus d'esse batalho luidos e aeeordes em
ajndar a sutentacao da se'g'uranca de vida e de
propriedade, e era secundar as vistas benficas do
governo do paiz.
Em seguida S. Exc. o Sr. general commandante
aas armas raandou lera ordem do da, que vai pu-
blicada no lugar competente, abracando ao bata-
In a pessOa de seu digno commandante.
U Sr. Dr Laraenha Lias, em nome'iia sociedade
patritica Doze,le Setembro, atoa haste do e^tan-
aarte do batalho, tima rica e elegante corta de
louros, proounci ndo antas as segumtes palavras:
Hroes do Brasil '
_ Palpita de emhu-iasmo e commocSo o cora-
cao-de voseos Irniaos ao ver-vos de volta dos por
Hados combate !
/ Despena o nosso enthusiasrao essa cafla de
teitos gloriosos, esses trac.os'de luz que imprims-
tes as paginas da grande historia desta lula ho-
mrica 1
Treme de eommneao o eoraeo pernambaca-
no. porque v briliiar sobre vossas cabeoas os
raios da gloria intraorredoara do proto-manvr do
Herosmo, do bravo cujo nome s pie ser pro-
nunciado de fronte- descoberta-do cap tao Pedro
Alfonso Ferreira'
eran
10 e Vi
A' n_,
blicaa-j
GABltVETE PORTGORZ DE LBTURA -Teve
lugar hontem a fesu anniversarla do Gabinete
Portuguez de Leitura^om o brilhantsioo dos an-
uos antedates.
A se,s3aonaga foi abena a 11 har* da ma-
nha pelo Sr. director Manoel Teixeira Bastos, a-
ciando-te presentes os Exm*. Srs. vicepresidente
da proviacia, vigario capitular, chefe de polica,
erpo consular, diversas commissoes e chefes de
reparticoe, bem como uo craaeidieaima nume-
ro de pessoas de todas a) classes..
Recitaran) discursos e poesas os Srs. Dr. A-
prigio Guimares, por parle do Institua Arebea-
fognro.'Dr. Joo Joaqnim d* Pbnceea Alhoquerqne,
Victoriano Palhares, Joaqun Borjes Carneiro,
Dr. Fraois Lulz Correa de Avidrade, Faus-
to, por parte do Partenon Pernambucano, orador
do Gremio Philosripnieo, oraiiir da Sociedade
no Phlosophica, orador do Instituto Histrico
e Phrtosophico, Silvio da Sitveira Ramos, An-
tonio de Souza Bandea Filbo, Dr. Antonio Ran-
cel de Torres Bandera, Antonio de Sonta Pinto,
Jas Augusto Ferreira Costa, orador do Novo
Alheen, orador da Minerva fernambucana, ora-
dor do Hospital Portuguez, e Dr. Pitanga por par-
le da Sociedade Patritica Dous de ulho.
Foram tambem nessa mesma occasio mano-
mi ttidas 3 escra vas, sendo doas da Exma. Sra.
D. Mara Euphemia da Conceieo que, para com-
meraorar o 19* anniversario* do Gabinete Portu-
guez, Ihes deu a libernade, a outr do socio effec-
tivo oSr. Manoel Fernaades Maecarenhas, que pelo
uiesmo motivo liberiou a sua escrava.
PASSEIATA ACADMICAHojeas 3 Iteras dB
'arde pretende o corpo acadmico ir enmpnmen-
Ur a oiflcialldade do 9 batalho de infamara, fa-
lcado para isso urna pas.'eiaia com mostea petas
seguinte* roas, ao sabir do largo da Faculdada de
Direito, ponto de reunlo : roas do Hospicio, do
Conde d'Eu, da loiperntriz. d'Aurora, ponte de Pe
dro II, Campo das Princeza*, roa do Imperador,
praga de Pedro II. mas Duque de Cxia*, Lvra-
menio, Mars lio Das, e Vidal de Negreros at a
fortaleza1 das Cinco Pomas, onde felicitara o bata-
lho. Ao sahir dahi tomar : a raa de Marsli >
Das, Livramento, Dniue.de" Caxjs, Primeiro de
Marco, ponte Seie de Setembro, ra* do Mrquez
de Olinda, e do Bom Jess, largo dos Voluntarios
da Patria, eaes do Visconde de Itaparica. ponte de
Sete de Setembro, nas Priraeiro de Marco, do Ca
huga, do Barao da Victoria, i >lo Mrquez do Her-
val a disolver^se no largo da fortaleza da* Cinco
Pontis.
A corporacao acadmica denja e pode que o
moradores da* nas do irateeto ornamentem snas
rarandas, Iluminando as nouie.
UM\ CURA IMPORTANTE. OIlustrado Sr.
Dr. Carolino Francisco de Lima Santos, acaba de
realisar na Exma. Sra. D. Emilia Olivia Corra de
Brito. rtlha do Sr Floriano Corra de Bnto, um
tratamenio cirurgreo, tanto mus digno demencSo,
quanto veio corroborar o juizo dus pessfla*,'que
conhceeodo de pert8 o esforcado e reOectUo me-
dien, com sobraos razan ermferem Ihe diploma de
hblissimo e experimentado operador.
A fnteressante moca achava--o adoentada desde
os ultimo* dias de judio proxim i passadb : seno
qnando sohrevelo-1he formidavel totntirna parte
lateral e esqaerda do ventre, bem vzinlio ao rim
e aos'inlestinos; tomor, que, considerado como
le graves, consecuencias ate por dlstncto profes
sionaes, afD;iirou-si' de fatalissimo resnhado i to-
da a gente, que tenii visitado- a doente, notara
Ihe rpfde magrem, b.m como o estado de abati-
mento, era que, raorrtlnte durante a uonie, a dei-
xawi a febre intensa, t,ue omecara a sahea-la.
Grandes era n as apprehenes da parte da fa-
lia ; variados e as-nstadnres juizos o maniferta-
ram, graves e por deraais fondados recejos infun-
da todos a sede do raa!, que rornava indispon
save! imbber-se na partde do'ventre da enferma
instrumento para dar sai-.ida ao pnz. f>Sr. Dr.
Carolino, porm.que era o medico ssistente, cou-
tmuava, sempfe, ptasido n) craprego dos melos
que julgava mais acertados wra predspor as ra-
sas a geito de praticar a operafao sem o mais li-
geiio atropello do? prectos Ja sceieia qae t5o
raal5'ralmente professa
De fito, a 14 do corrente, aps qninze dh* do
mais acerbo e constante *fiffrioioro da Exma. Sra.
D.- fimt*a, oSr.-^r,- ^rorraw. em qne de modo
al gura houv-i^sanreveuidtva Wilt, para naa per-
turba-la, depois de t')^ ettmnnafl' de novo oto
mor, e de hav(, miOd'Wa(mnte observado tm
sua> mais detcadas rettefies, d:sse ao Sr Correa
de Brito e-a saa espasa : Agora; lira, vou abrir
o tomor.
Proferidas estas palavras, S. S., cora a calma
porque s>. revelar-se a cenvincao, ponetron o pro-
fundo tomor le modo ti) certero, que dentro-m
pouco transbordwo puz em quM'rdade pela lenta,
sem que nem de leve tHMffeM sido ollendldo qaal-
quer dos orgaos importantes da doente,; que de
en'o para c tm ido de mclhon em meihora ;
tanto queja est de t, e ivre d* todo o perigo,
era que realmente se achou.
PROCLAMAS. Foram iios no domingo 15 na
matriz da freguezm de Santo AntotiTo os proclamas
seguintes:
1.* denunejacc.
Turibio Archanjo de Lima Ferreira Rarrbs, com
Agfnela E-le[|ita Matroniana da Silva.
Joo Evangelista -da Silva Bastos, cora Mara
Carolina da Silva Daarte.
Antonio Jos Alves, com Therezi d Jess
Lima.
Henriqoe Soares de Azevedo, cora Virginia Laura
do Nas.ciinento.
J loGualberto Scares. com Moftisa Francisca da
Silveira.
a ra
rti-
AMAZ'iyjli' r^Mia doce em movi-
lo, que Mae- a ancia do Pacifleo e
DM-Sc as agnado A*ntfd*per um .estuario de
300 kilomeiro, fUtgm liifc de diviso entre an
aas raetadesa AMh dMJL e. como na eqoa-
dof visivel, aepara o hetni'piM do Norte do Sol
em urna exIMsao de ^netro*. Tod*.
colossalneeaa arteria central da America, que
resume ao e de nev que recebeu por ama baeia de 7,000
Kilmetros quadradog.
Este rio, quenas diversas parte* do territorio M>
banba, recebe os nomes de Maranhio, Solmr>*-
Araatona*. e ^)^-prtfrTof^im-du)ietrirrr8rj-lhe
aavam os indgenas o nome de Paranllngua no no
luAr. Veeera03 lres para mais de 30,00o
kilmetros de navegacao.
ANNO DEW7- Um aonteclmeno astronomi-
na dedar-se'eml87i.
E' a passagem do planeta F*niM sobre o disco
do Sol.
O* gM-ernea-daa-prtoeipaee potencias t esUc-
providenciando sobre a raaneira de fater observar
aquelle mipirtaptisrae pheaomtao nei*seus pr,.
raeiros astrnomos. '
IMPREXSA-ma Collerriio amputadmtrola-
dos celebrados pelo Btal com dijfirenles naeies
qae
dos de muito valor, sem exceptuar mesmu
deixarara de vigorar, e que sero semprtj^eeiosos
.locunientos bJateneos e valiosos auxiliare para
imelligencia d os que vieram derofO-loj. m-.dittea-
fos ou Mtbstrtu-lo.. Entretanto com o modste/ti-
tnlo. Apartamentos para o direito inlernacoMl
empreiendeu e acaba de levar ao cabo o Sr Dr
Antonio Pereira Pinto nao s aquella ardna uref.-
mas mitra que Ihe realca a vaha, qual foi a de fa'
zer preceder a maior parteadestes (ratudes de u**
noticia histrica, e acompanha-losde mullos uocn-
mentos que ex pondo as circunstancias em qne fo-
ram negociados omesmo* tratados e as cauas qne
osdeterminaram, coocorrem poderosamenie para a.
bo* intelligenle, tanto da sua letra com *vsea
espirito.
Os altos poderes do estado, concorrpBOo*t
nm auxilio pecuniario para a publieacao distabbrs
mostraram o valor que Ihe reconheeeram e am'
viqo que yi n-Hn para o paiz. O totno rVqcr
acaba de vir lome camprehende os diversos tra-
tados desde 1837 at os n'-s^os dias. abrangedd
assira as convencocs e protocolo* rlanvos guer-
ra do Paraguay e cooclninJe pelo aeeordo preli-
minar de paz ce! lirada com aqnella re|eblie *
20 de junho nltimo. Arham-se tambera nesWio-
ftio as conver.Wiea consulares. aeompanhadaRa-
decreto de 10 d setombro de 1860, que veio regu-
lar o estado civil dos e'trangeiros no Brasil,'>
pareceres do eoti*efho de estado e de otas e rn-
elos trocado* pobre este assompto.
15 \SES DE BIREITO MARTIMO. Como sa-
i Kodn-
f rio 4
-----_
d- vili.r qi e oa Ajrufuoea,
Volvido GUI :
ndes.dVCnha
,dor Flgueiredo Rocha

1986
Km
1643
ion
1139
ioe, estrangen-o indu"
nde montiiu fabricas
aguas gaaosa.-.; e o acadmico de me-
A vos que vingastes esu morte, que se po-
ufna chamar antes a transfiguracao de um h-
roe em dlvmdade da guerra, vem dize/ a patria
reconhecida -obrigado I
. *, Guia-vos um Pernambaeano, carao vos; co-
Wrto de louros, como vos, asighlado pela victo
* -^3 bravos do 9*bataIblo so Reg Barros, o
sviTOoro da bravura, poderia guiar aos br--
da patria 6
Ao pi-arde3 hoje esu trra d'onde partiste*,
na sen annos, acompanhaios das lagrimas da fomi
lia e das heneaos do povo, voss'os irmos Pernara-
bm-anos representados p^la socielado patritica
wize ae 3etemnro-vos offerecetn esta sdgula co
iu 'SLi?.fl,jres da frtidSo de ura pov Intei-
ro que rds .untar aos louros'que accuniulastes
neste pavthao glorioso I K' ao abracar-vos n- ste
;",Hant"i rf5veft-se a* nosso prazer neslas vozes
partid do corajao-Vfva o 9- batalho de fnfan
tana I! I
Lr^ ote**"**:* de flores artificiales, louro
eouro, t^odo na tl-a rica,nenle B rdada esta sim-
/rt,U8Cr'P5a0 : V'Va .*"*"*> '* W*
..-!a,1r J d9mJle m,rcna. ^r**^ obatalh.
pela praca dos VohinUrins *da Patria B ra dd
Si HlC'nat. .^eda Assocav. Con,
cial Beneficeote, mdo na vanguarda o esqiadro
t^'llL '"Ws e "'&nd, o p .ro 1.
compactas e erithu*iasticas, que de espaCd era espa-
VJV^arZ&P** 'W n'* h'-nroo aos bra-
vos e mais deinViraivo do seu jando.
..twLrai?.-i! ed,li '' da AsiOda^.Coramer.
\2Sat
ida. '"a|J
Proeeguhido o itinerario italhi-
pas-mn petas ras d hr-iu
rae.ro de M*rSo e do Imperador
' 2." dennn- iacap.
Joai Sacerdote Ferreira ta Silva, com Emilia
Perpetua de'Oliveira.
3* demrai5c2o.
Sevriann Perreira de Lyra Sampaio, com Frao
cisca Mara da Conceijao."
Edoardo Colombez, com aria Ribero Montar-
rovos.
Pedro Paulo da Silva, eoms,'Atiwnia Rita da En-
ea rna^So.
Joo Donnelly Jnior, cora gueda Ferreira da
Silva.
Joo Francisco de Almeida. com Senhorfnba
Francisca da Luz.
Rufino Muniz de Soaz;:, -jtj Francisca Xavier
da S Iva llamos.
HOSPITAL PORTUGUEZ.-Esia de semana neste
estibelecmento or. mordomo Manoel Marques de
Oliveira.
PREGEZIA DE GAMELEIRA.Por deliberT
Jinda Wgar.aria capitular de 18 do corrente, fbi
orneado viga rio em'omraeadadn dista fregnezla o
coadjuior *ia de Q ilpap Rvd. Hercuiaoo Marques
da Silva.
SUPPLENTES DOS JUU5ES 'U.VIGIPAES.-A
chinara municipal di Reciferiavida ao* supplen-
tes do- juizes munieipaes da oemsfrca, qae tira-
rtrm seos titulos at 25 de jdtoio Ultimo, a vireo
prestar o ddvldo juramento at' m do correte
ne?.
HISTORIA PATRIA.0*empre apreehdo es-
erptor iiortoguez M. Phihetro Chagas, *ob o'titu-
l( de Consfirnr.Ro de Permmimn, acaba de pu
h car era Luid* ura ntido -votmne, tratando de
factos oceorridos durante o drtmwe eHandez em
Pernambueo, e fiendo ohr.sanfr atlifTreraadade-
iicaeo e ii denodado esfr.v ** restttradores
de Pennmhuco. Satisfaienlaos de*>*>s dos vr-
dadeiros apreciadores dahistoria 'pafrla, eemeea-
m.i-lo a dar hoje em-mssa oiuva pagina.
JUVRNTOttE LIBEi*aDdRA. Installou-se
sexta feira 19 de go-to una suciedade sob este
Aitolu uimo o Um de aifirriar urna crea/rea de tre^
tn tre, uiecaBflr' fumfadbre^ o* estudantes :
Amonio Onne de Ortveji'a'Be'go'fero.
J is Gomes Coiomra Fimo.
Luiz Frederico Codeceira.
Luiz liarbisa Madureira Svrfiaj.
Adolpho da Rocha Wanderley.
B-nja iiim BoaruPal We'veaV
Olh >n Harros de Wanlarley.
Prucedenlo-se um i eleipij fiedu mesa'+eg-
dora couipjsu da seguinte man ira :
odo, f,' combnala aos 16 de abril de 1836, cm
Par-, entre os pleni|>oteoiarios da Prussia, Fran-
ca, Gra-Bretmha, Austria, Russa, Sardenha, Tur-
qua, em adirao"ao tratado de pt de Pars,.traa
declaracao sobre as bases do direito martimo,
oual mais tarde annnirSn ouiras potencias qn-
mao tomaram parte no congresso de Par.-.
Declararam 'dhrir :i decl.iraeSo os segulates
paizes : Anbalt Bernburgo, Anhall Dessan, Rader
liaviera. Balaca, Brasil, Breracn,.;8cua*wik,^n-
federaear, G rmacuca, Diuanurc, Francfort, Gre-
cia, llambur:Hotovr,-H! (grao ducada),VfJnfie,' Luetfel, Mecklenburgu
Schwren. Mecl^nbargo Su-rlz, Modena, Na>*au.
Oldenburgo, .Paizes-ftiixos, Parma, Portugal,
RVoss. SJx-Weimar Ei"narch, Saxe Altenfmrgo,
S^xe Coburgo Gol*. Saxe Meioingen, Srhann-
burgo Lippe, Schwarburgo Rudolfatadt, Srhwar-
burgu Londershau>en, Saeca, Noruega, Sutssa,
Sicilia,- Toscana. Waldeck, Wuriemfierg.
As bases combinadas era Par sao- as sigui-
te :
1* O corso e Oca adolido.
2. A bandeiru neutral cobre carga inimiga, enm
ex'-'iicio de emir bando dj guerra.
3 A carga neutral, debaixo de Jwndeira wioii-
ga, com excepcao de contrabando de guerra, nao
pie ser embargada.
4. O liloquein. iara preduzir effetos legae, de-
ve ser etlieaz; i la manlido por urna forca nval
ralhciente de impedir o :.ccesso costa mimiga.
ROA DAS NYMPHAS.-Temos quebias de mo-
radores desta ma,no Campo Verde, contra uit vi-
snho ipie.' dens Bacho, esptica a
ua Dulcinea c ni acampanhamento de orchestra
de descompostura desenf-eada.snppoadotalvizffloe-
habta nm de.erto. Do Sn Dr. chefe do polica
esperara os m radores da roa da* Nymphas pro-
videncias que sanem ^^e mal visto que Dada nn-
tam qne ac o subdelegado da frvgnezis.
I\010S GUARAXYS. \"o jornal Oezv-r.ore /t>
Dezembro. da provincia di Paran, publica o Se-
gu ote :
O director do aldeamento do Paraospanema
commnOica tere'm alli ebegado a 20 do mea passa-
do 17 indios gu.ar.iny-. viudos e Iguatemy, fora-
gidos do Paraguay, qae trajam camisa de baeta
com gol:, preta que Ihes serVe de. blnsa. xerii
em lugar de raiga, e urna manta de la, obra
d'aquelle paiz; qne conduzem ootros Hbjcto
tae> como: calca de casimira, patitots de brim e&
panpopretn. .marmita", colhercs de mptal, etc. que
uppoe aos rotibados infelizes fallecidos na guerra-
que por inf .rrnacSf s que d'elles obteve coftsegtld
saber que fizerara parte do exercito de Lpez: que
o accrapanhou desde Curuguaty al a Panadero e
que dahi desertaram, procurando a dirercSo da
aldea do cacique Galeano, na margem do Iguate-
my, algumas leguas abaixo da villa di. mesmo
m.me; que convencidos da morte de Lpez, pe-
deui urna guia qne Ihes sirv de salvo conducto
a (Im de a apresentarem aos itdiyjduos
forera de sua D'cionalidade :
Pre-
Jos Gomes Coiinbra
Antonio Dnarte
fofto.
Addplnda R.ichi^H
H.iverseso urna
sempre na vespera do da ui
tmr, jiDiiuJiL
huido-se
que*no
finalmeote, que tra-
zera aljuma umeda papel da repblica do Para-
guay e cerca de 4003 i-m prata hespanhola.
O referido d.redor M-os seguir para esta rap-
tol, mas coasta que at agora se achara na coioaia.
do Jatahy.
No da 1 do corrente chegou esta capital
capturad.) o criminoso Manoel de
que com ouiros assassinou na fregaetia'to cua-'
rassd, no dia 21 de mareo de 1867, a 'Manoel Al-
ves da Cruz, e.lando por ste facto prou'uociJkdo-
como inenrso no artigi, 192 do cdigo en
Constando ao Exm. Dr. chefe de poi
es da Serrinha, no \nar denominado Illba do alto
para l expedio urna escolta ue o -cap'.uroa sea
encontrar a menor re-istencia
COLLECTOUES GERAES.-Pelo aviso do-afo.
teo da fazi-nl-, de 23 de julbn, foi deearadu*
presideaea de Pernambueo, em rescela ao olfick^
o. 236 de.SL.de outubro do anoa~ paseado, que.e-
Rundo o 2. do ar:. 52 do regulaaento de 17 de
abril Uo dito anao, CHnpete aos presidente- Ae
provincia irauor as mitas em que possam' inevr-
rer os collectores pelas ufracedes pre islas-no-
arL 47 do mesmo-fogulameato, e no art. 48-f-i.
os in-pectores das dfandegas e admioisiradorts
das recebedorias, quando atteaderera ocialtnenie
papis ou^oeaneatos nao sellados. .
TRILHOS URBANOS DE OL1NBA.Pelo decre-
to n. 4SoT de 8 do corrente, do mlnisterio'aatri-
cultura, foi oncedida auturisa{ao eomparinw
de trubos uibaoo do' Rerife Olrada para eWMu-
a 5O0t000#000 o capital flxado nos estatutofaV
provados.
D1NHEIR0.-0 Vapor Cruzeiro
para os Sr-. ;
Perora, Canjeiro'jS C.
A. Hyvernal &C
Eloardo Pire- Barbosa
Para as provin -is- do
P.rahyba
Cear
?.rahio
ra
GRUSEIRO Di> mU
mala a- 3 horas da tarde
do iiiiperio.
PASSAGEIRO Vmdos M
vapor Cmzeitiy'tw f'
&*pli*i il
veiraC-
;..:
Pe-trina -----------------------
liawH-'Oii.
lacb, AbJuio de Yasooncelios, ktto Ja- 0ta j
1
.


Dk
de
Pe'rtMgJlflT
^^p afiz de
AgosU
W.
*>
I
i
Jttr, W. V
Vraacisc* Ma neliada ilin.i da
MWdo, J i leas Pioneiro, Joas
Franei'j> Gomes de
evedh, Jos
irlos Agato Zenoth,
, Flix *>r-
AKlrHMy Wow, Jesaftanbiaco di'Sil vi
Braja, Felipa Gaodolphi, Joo Baptisu Pezanni,
VtfjHMCreir.) da Cunta, Joaqaia PVanei*co do*
a^^Blta, Jos aetaoo de Meare Leile, Ernesto
AM*o fe Viwiros Gosu, lneel Bernardino
Jf*5CHnhs, los Cirneiro Duarte, Pedro de A-
mj Lima, Jos Antn de Oliveira, Braz Conde
4**mr*. Joao La.it Vteira, Fabrieio G -mes P-
Actrn* I no, Beocdieu emula a entregar a Ma-
w*eMiMi|*iM Baptiata, FauaU erioula a Jos da
^ilWLoyo, t ornea invahd.
- Se*uee pan o norte :
t>. .oSil ta> Monta, 1 lila* e 1 eravo, Alfredo
MKira des Sanios, Francisco Gnrgal do Amara I
Vatoat na safan, alfares Jos Joaqun) Ayres
dTSwoimeato, raajor Joo Lniz Tavares, Jotaes
Hnriqtie Ratke^ tente-coronel Jefe Evangelista
Kry" da Foneeta^ioiaThora dos Sanios, i cade-
te, Dr. Vicente de Paula Cascaos Tetina e 1 escra-
t ( eseravo a entregar, 12 praoaa.
f-OTERlA.A qne s* atna a renda a 187
beneficio da Santa Casa de Mlaerieerdia, a qual
cerr no dia 25 pelo novo plano, n'e*W Diario pu-
tdicado.
CEIUTE^IO PBLtCO.-Obitaario do da 19 de
agosto de 1870.
Francisca Seohorinlia do Espirito Santo, parda,
Pernambuco!, 19 anuos, soiteira, Boa Vista; tu-
herculos pulmonares.
Jorga de Lima, preto, frica, 70 anuos, casado,
heeife ; gangrena.
Amelia, parda,- Pernambuco, 7 annos, Santo An-
in ; tubrculos pulmonares.
Celesta, preta, Peruarabuco. 10 annos, Santo An-
('Utio ; phtysica pulmonar (casa dos exposlos).
Ilaria Francisca da Conceiro, preta, Pernambu-
-o, 23 annos, soiteira, Boa-Vista; bypetrophla do
ooracao, (hospital Pedro Ji).
Manool, branco, Pernambuco, 2 mezes, S. Jos;
-paaroo.
jUConcoico Leite, branca, Pernambuco,
.5 annos, viuva, S. Pedro Martyr de Ollnda ; by-
Aona alaria da Conceirao, branca, Pernambuco,
JO nanas, soiteira, Poco ; gastro entente.
TaetiMa Mana das Merc*, parda, Parahyba, 39
annos, soiteira, Santo Antonio ; marasmo.
MtfteWi escravo, preto, Pernambuco, 2 horas,
-Santo Antonio ; gustarlo.
Joaana Wanderley Pessa branca, Pernambuco,
<9 annos, viuva, Ba-Visla ; aserte.
Pedro Francisco de Sftllo, pardo, Prnainbuco,
2* a Joseph.i Mana Viannn, parda, Pernambuco, 19
mmi, eulteira, S. Jos ; phtysiea.
i.ait pardo, Pernambuco, 1 hora, Santo Anlo-
^fes=
Pli
do paqugtB a, ,(C(M.
tome ( rqa do Imperador) para 'ab
o. destino determinado pelo Exa,.'Sr.
commandante da visti.
Convencido de que, o brioso e patritico
corpo delanceiros, dar mais orna prova
de sua adheso a tao patritico festejo, con
signo a cada um, um voto de grafldao.
Joaqmwrd'Albuqmrqt SkUo,
Teen le-coronel comman >smte.
Sefar-no OUaHe,
Tente secretario.
CQWMIBOO.
' ENGtSB BAJN
O Rio Deseo ata learn da praca taxi a con-
mencionar.
Recebe dinheiro em canta crrante hk
I raso fixo.
Saca vista o a a praso sobre as cidades
jrlucipaes da Europa, tem orrespondeotet
la Baha, Bnenos-Ayres, Moatevido, New-
} New-Orleans, e emitte cartas de crdito
jara os mesos lugares.
KUA DO COMMERCI0 N. 38-
Pela -
iraem se pulgar cum direito ao mesmo apangl
Recife, 17 de agosto de 1870.
O subdelegado sopplente,
Cbrftia Sette.
A cmara munii lade,
contratar cora quem por tallaos ftior osletrirbs
nnmeracao das mas, cujps "nomes foram
convida aos pretendentes apresentarera anas pro
potas em carta feeaada-ar. dia 24 do coifwajg, in-
dwando logo o menor praco.
Paco da cmara municipal do Recife 17 de ages
to de 1870.
IgnaciQ Joatqnim de Sfuza-Lelo,
Pro presidente.
Lourenco Beteera Carneiro da Cunh*,-
Secretario.
Para
oa consignatarios Tbej
J>arca a&
He coin
'itseca &
Despacho de exportacao no dia 20 d '
agosto
Nasumac* hespaubola Jocm A4f.Ua, para
Barcelona, carregou: JoaqUlm Jos Goncalves
Beltrao, 317 sacca cera 23,3i3 kilos de algodo.
Nobrigue bespaobol Integridad/, para Bar-
celona, carregaou: Pedro M. Maury, 208 saccas
com 48,713 kilos de algodo.
Na barca portugueza iVotd Marianna, carra-
garam para Lisboa : Oliwira, Filbos & C, 480
saceos com 36,730 kilos de assucar.
*ECBBBDORlA DK RENDAS INTERNAS GB
RAES DE PERNAMBUCO.
Aradiraento do dia 1 a 19. 48:414*972
deudodia 20..... 7994490
49:214*462
ni o ; espasmo.
/
1
PlCACOES A PEMDO.
Ao commercio
Manoel loapuim Gomes de Souu Ca?/ro, pelo
jiresente declara ao publico, e especialmente ao
ommercio da cidade do Recife qne, e a pro
sent data tem de seu aceite e nao venoiJa, urna
letra d qnanti i de dous eontos iteuto e lanos
mil rli, de que sao meus credores os Srs. : Al-
freda 4 Barbasa Jnior, cemmerciantes residen-
te* nesia mesma cida le ; sendo que esta mesma
<|nantia de que se fez deveaor uo est liquida,
visto como, falta ao declarante recober em di-
nheiro quatroceml}3 mil ris, e porqoo pesa nma
dlerenca de cento e tantos mil ris incluida nesta
mesma letra contra o declarante, como se veril!
-ara das contas correles que em raen poder
iMstem : ccrescendo aioda nwi?, a ditferenca
contra o declarante dejuros da qaantia aiuda nao
receida. Outro sira, declara mais a quem possa
itileressar, que nao lera seu* heos sujeitos a hypo-
thecas ; eso faz esta declarado -porque j Ihe
ix a presentada a copia de urna escriotura publica
assignada por iioeuracao, cuja procuraco nao
assgnra, e que opportunamonte ser este suppos-
to titulo apreciado por quera em direito competir.
Povoado los toles ti dfl agosto Manoel Joaquim de Gomes Sou/.a Castro.
RESPOST A PE' DA LETRA.
Lemo* o aviso cima do Sr. Manoel Joaquira
Gomes de Souza e Castro, e apenas nos limitamos
i iizer-lhe, para destruir suo vecouhecida m f,
que ccnstindo na conta corrente (que eonfessa ter
erasen poder;, que supprimos era Io dejunho,
4roximn passaflO, a verba do rs. 3;li400 para des
pezns ron a eseriptura depenli>r de tres eicravos
pira garanta de seu debito, para o qual aceilou a
l -ira a que se refere, e que tant<> cuidado Ihe d,
nao pode o mesmo Sr. Mauoel Joaqaim allegar fal-
sidade da prjcnr.'icao, visto como aceitou letra da
despeza de um ael posterior que h.via de ter In-
gar, logo qua nos reineUesse a cextido negativa,
para ser in-sada le eooforrai.lade com a mesma
ttraco. conforme provamos com u*a caria
sua, nos dirigida, quaudo nao basiasse a asig-
natura do tabelo e testemunhas que subscrevem
a procuraco.
alestaiaM contra a re volt ante alsiiade do Sr.
Manee! .Joaquira, e em lempo Ihe mostraremos se
'.^ una maoeira to estranha aos bous senlimon
ue costnma o develor satisfaier ao seu
lor.
fe 13 de agost de 1870.
Alfredo 4 Barbosa Jnior.
O abaixo assignado, lendo na Jorual d Recife
) e 17 do corrente um aviso ao Sr. M-noel
-lua^uim Gomes de Souza 4 Castro ao commercio,
.clarando que apenas traba de seu aceite urna
i "ra ainda nao vencida passada a favor dos Srs.
Alfredo 4'Barbosa. Jnior de dons eontos cento e
UntM mil ris, asshn como todos os seus ben3 li-
e desembaracado* de qualqner onus, e como
', uesrao ienher deve ao abaixo assignado duas
letras, lia annos Vencidas, de seu proprio aeeite,
principal urna de 1:155*728, outra de 5241820,
asskn como urna hypoiheca em seus bens por os-
ara legalraent registrada, passada no cario-
no do tabellio Francisco de Salles da Costa Mon-
e para evitar duvidas no futuro e coBheci-
ai interessar pjsi, que. fac a pre-
declarta
7 de agosto de 1870.
^^ftaio Jo- i'aulo do Carvalho.
ALFREDO 4 BARROSA JN10R AO PUBLICO E
JALMEXTE AO COMMERC'O.
abaixo assigoados apreciando deoidamentd a
i pelo Sr. Manoel Joaquira (jomes de
a e Castr, no Dtmo de Pernambnb de boje,
vendo suficientemente provado a boa f do
las publieacoes insertas no Jornal do
le houtem, e cima transcriptas, julgam ter
r'sponiido a quem tao artifisit .mente procura
r qaatroeentot mil res sera trabalho, e des
coaetudo no seu devedor e o Illm. Sr. Manoel Joa-
qaiea propeiMo para procurar mover o publico
alsi ladea e calumnia*, ilesde ja declaram nao
-ponderem a nenburaa publicaco sua, pro-
Vetando oela injuria cansada, depois de provarem
tribunaos competentes que :
< A procuraco verdadeira e passada pelo
mo Illm. Sr. Manoel Joaquioi.
' Que na i ihe devem os suppostos quatrocentos
iis.
E que a escriplnra de hypoiheca se acha le-
da e produziri os seus devidos
#
Compre notar que o Sr. Manoel Joaquira nao so
.. -eusescravo anos bypolbecados, nicos
ue, assim como tambera tem
o Sr. Antonio Jos Paulo de Car-
is seus bens anteriormente adqueri-
tadiga oSr. Manoel Joaquira na sua pa-
ta transcripta, qne nada tem hypo-
le agosto de 1870.
AUVado 4 Barbosa Junioj-
* DO CQftPO PATRITICO
AGOSTO DE IJ70.
arle, em sua pas-
paqueteJoglez es-
perado a 88 on 20 do corrente, MereoissiQo
la augusta
MOVIMENTO DO PORTO.
Navios entrados no 'dia 20
Rio de Janeiro e Babiat dias transporte
de guerra brasilero Bonifacio, comtnan-
dante capillo tenente Maooal de Moora
Cirne. Trouxs o batalhSo 9." de infanta-
ria, composto de 349 pragas, 22 otliciaes
e familias dos ofGciaes e soldados.
Rio Grande do Sul28 dias, lugar norue-
gueose Hitterdal, de 222 toneladas, ca-
pito O. A. Torrssen, equipagem 8, carga
i 1:839 arrobas de carne; a Rezende .
Rio de Janeiro17 dias, brigue brasileiro
S. Paulo, de 233 toneladas, capillo Ma-
noel Marciano erreira, equipafrem 10,
carga cafe e outros gneros ; a Marques
Barros de G.
S Matbeus7 dias, liiate brasileir^ Ros III,
de 69 toneladas, capito Joaqaim Jos de
Miranda, equipagem 9, carga 2070 al-
queires de farinha de mandioca; ao mes-
mo capillo.
Rio Grande do Sul^7 dias, escuna norte-
allero Jolumne, de 158 toneladas, capillo
C. H. Meyer, equipagem 6, carga farinha
de mandioca e^oulros gneros; a Ca-
oba Irmlo.
Obs iracao.
Nlo bouve subillas.
Navios entrados no da 21.
Rio de Janeiro e por los intermedios5 dias
e 12 horas, vapor brasileiro Cruzeiro do
Sul, de 1119 toneladas, commandante
capillo tenente Pedro H. Duarle, equipa-
gem 6f, carga differentes gneros; a A.
L. de 0. Azevedo C.
ObservacSo.
Fandeou no lamarlo urna barca ingleza e
al meio dia nlo teve communicaclo com a
trra.
Apparece ao norte urna barca ingleza.
Nao bouve sabidas at meio dia.
THEATRO
santo mam.
EIPREZ.4--C0IDRA
Terfa-feira 23 (fe agosto
Knar da mpmaiktm fraoceza.
O emprezario d-^ste thaalro reeonhecendo a
grandeece^sidade a f.lta de ora centre de dis-
traccae-e passatempo de q^de se ressentl esta ci-
dade do Reoia, f|i motivada pelo daaanaaraci-
mento do theatra- de SaMa Isaia), ala obstante
afltarem Ihe os recursos precisos, emprehendeu
consiroir um theato onde a sociedad do bora
gosto podesse encontrar o agradavel junto ao
bello, esquecido dos zoilos e amantes predilecto-
da censura, teudo smente em vista o bem ds
maioria dos amantes das bellas artes, depois da
algum tempe de trabalho e fadiga ajudado se
carreira do infortunio por alguns amigos sineea
ros, tem o subido prazer de abrir as portas do
theatro Santo Antonio (isto provisoriamente) ao
publico penambacaaiv dando a nrimerra repreo
sentacao torga-fetra 28 do corrente cojo pro-
gramma o qua se segu :
Depois que a- oreeatr.a dirigida pelo Sr. Jos
Coelho Barbosa bouver.exibiilo urna do suas me-
:ihores oavertnras dar principio o espectculo
'qne ser dividido em tres parles, pela raaaelra
seguinte :
PRIME1RA PARTE.
afad^moiselle Marietto cantar urna linda can-
coneto
C'RST UN BEL HOMME.
Em seguida Mr. Raynaud cantar o bello ro-
mance -* '
L'HIROXDELLE DU PROSCRIT.
Pind este, raademoiselle Choiberl cantar a
linda aria da opera cmica
PETIT r-OUCET
Intervallo pela orchestra.
Em seguido Mr. Carn, cantar a chistosa
cansoneta cmica, com danca
LA MANDOLINE A' DORLO
Em seguida mademoiselle Mariete cantar a
bella cansoneta
8S.
^eria, re-
^fce at
p m Slques,
g L., D^targo do Corpo Santo n. 6, segon
M i
*^M .t.''-'-
de Marn, anliga
A barca Maria,
gne para o Mar
egad dd Rio' de Janeiro, se-
keat pnwt' dtts eom a cargal
por isso "^neny-qntfer. aproveiur
"de carregal^^ijja- ao consigntr
Jos GoncalveHantrao ra do Com-
*.
Para o referido pono pceunde seguir em poucos
tas-o-paiaeno Tru Amibos, or tersignau caiga,
engajada; para a que Ihe .falta, traU-se como
cs05ljr*iBr>* Joaqoiqi Jose^Gong^lves Beltrito,
roa da Commercio n. 17.
CQMPiNHtt PEKNAMBCANA
DE
%avega^ao eotelra ptr vapor
Mamanguape.
O vapor nacional Coruripe, commAiAnle Sil-
va, seguir para Mamanguape nadia ti do -cor-
rente as 6 horas da tarae. Recebe carga, encom-
mendas, passageiros,,e dinheiro a Meal as 2
horas da tarde do dia da sahida, no 'escriptono
da cowpaohia, Forte do Mattoa n. t.
tOMPANHIA PERN.VMBaCANA
o:
Para ca
Atinar
r*gi(lajnnfc;
pe* Sxm. Sr. presidente d pro- (,a^ <"" **
r. ..i r ,.T ra do Crespo, na
,vin0KS>de promorer IibertaQo
rian^as dos exoem Uiino ari-
aaa8.pessoas interesadas, que
d* Smandar as tbertandas e
. > Catbarioa de Sena Barbosa da CarvalboAx-
COrtStantes de cer- en.verde, declara ao publico que Dea de oeaJann.
_!', j i effeito urna pracuracao que pwson ao seu neb>
ptismo, e declaraqao Manoel CaeUno de Siqneira, na qnaUn o cona-
(lo tlitimo preep, ao Daco dca- i S* ?ea ^f^ procurador, e para que niniam
f v ps uau (dgpQjj fie chame t0 engao & a presente anntm-
marajuiunicipal nosdias 19.23 erci0 no i"*1 M !>>pio ?Jr*jirr,0 po"">-
MJial i i Arratal, 19 de, gos da I8mCainarina de-
cas 10 horas a2da tarde. Sena Barbosa de tarnlbq Arco verde.
O Illm. Sr. capitn Monfefr
tem urna carta ne importancia na roa do Qni-
mado n. 13.
PEDBO
Aa stnhores alguns moradere da roa das La-
rangflitas. autores de annnncio-r-E' de maissabi-
do^ no Diario n. 187 de saabado prximo passado,
o favor de declararem o aorae do morador da casa
terrea, jorque havendo mais do qne mi de nome
M~, JaOm para lirrar a roaos jafeea._________
Bartholomeu & Gt
Sr Be. Frandaco Doningoa de Souia tem
nesta typographia urna carta.
PEDIDO
DE
costeira
Goyana.
por vapor.
EDITAES.
De ordem do Illm. Sr. conselheiro inspector
da thesouraria de fazenda desta provincia manda
fzer publico que em vista da circular espejida
pela secretaria do Monte Po Geral dos Servidores
do Estado em 22 de juibo nltimo, devem as pen-
sionistas viuvas de contribnintes do dito Monte
Pi aprrs'Mar no prximo futuro mez de eutubr~>
attestados de que se conservam no estado de viu-
vez, e a contar de 1871 em diante deverao exhibir
iguaes a testados nos mezes de Janeiro e julho de
cada anno.
Os attfstados deverao ser passados pelos respec-
tivos parochose devidauenle legalisados.
Secretaria da thesouraria de fazenda de Pernam-
buco 17 de agosto de 1870.
Servindo de offlcial-maior,
Manoel Jos Pinto.
JEN'VOUSDIS QUEgA.
Finda esta, Mr. Ravnaud cantar o lindo ro-
mance
PEflDUE !
SEGUNDA PARTE.
A linda opera cmica em 1 acfo
LES NOCES D JEANXETTE
na qual toma rao parle, mademoiselle Brescia, Ma-
ne.te e Mr. Maris.
TERCSIRA PARTE.
Mademoiselle Ccuberl cantara a aria da apera
cmica
GRANEAN DE GALATHEE.
Em seguida Mrs. Raynaud e Garon cantaro o
chistoso dnetn cmico
LES DEUX CHAETEL'as SANS PLACE
Depois dcste, mademoiselle Mariette cantar a
linda cansoneta
PAS Q.\
Em seguida Mr. Carn cantar a parodia c-
mica
PS DE CA
Parece ao emprezario do ieatro Santo Antonio
ser esta aoccasio de urna ve* ao menos appel-
lar para a boa vontade de povo peroambucano,
invocando a sua preuimosa coatljuvaco para a
manutenco de seu tbeatro, onde rilis tarde se
f ir uvir urna companhia asss regular para o
que nao poupar esforcos.
O empresario previne aos Srs. assignantes qne
o importe do suas assignaturas s recebe depois
deste espectculo que a apresentacao da compa-
uhia.
Os bilhetes acham-se dezde ja venda no es-
critorio do theatro pelos seguintes :
PREgoS.
I.' ordem........................
2,* ordem desda u. 1 al 10........
Os nmeros 11,1, 13 e li.........
Cadeiras de classe..............
Cadeiras.........................
E" absolutamento prohibido .. fumar-se dentro
do theatro havendo para esse flm urna rea.
Principiar s 8 da noute.
Navegando
O vor Parahyba seguir para o porto ci-
mano.oa 26 do corrente as !) horas da noote.
Recebe, orga encommendas. passageiros e di-
nheirc .a frete at as 2 horas da tarde no escrip-
tono do Forte do Mattos n. 12.
O abaixo assignado pede esses algnns mora-
dores da ra das Larangeiras qne declaren) se se
emende com elle o annuncio inserto rio Diario do
dia 20 do corrente, visto ser morador na mes-
ma ra e ter a inicial M.
____ Jos Bernardo Mendes.
Htit
de Jannru
Pretende seguir par* o referido pnrto com a
pOSSivel breviddi; o patach Sjpnleiro pur lar por-
cao da cwga, engajada ; e para a que Ibe falla
e-cravos a freto, irau se c>m o consignatario Joa
quim Jos Goncalvea Beltrao a ra do Commercij
a. 17.
P^ra Llfboa.
A barca portuguesa Nova; ttarianna. ai se-
guir para Lisboa at 21 do corrente, anda re-
cebe alguma carga a mdico frete, e pasaageiros,
para o que lem bons commudos: tratar com
Oliveira. Filhos & C. ao largo do Corpo do Santo
n, 19, 1* andar.
RIO DE JANEIRO
Para o porto cima segu com brevidade o bri-
gue nacional Isabel, tem parte do sen carregamen-
to engajado : para o resta que Ihe falta trata-se
com os consignatarios Antonio Luiz de Oliveira
j-Azevedo A C. ma da Crnt n.-.'i7, lc andar.
Faraa /iahia
O hrigue pwtngez S. Jos seguir com toda a
brevidade possivel para aquelle porto, para o qual
recebe carga : trata-se com Marques Barros & C,
no largo do Corpo Santo n. 6, 2 andar.
LEILOES.
10*001)
12*000
16*000
3*000
2*000
A cmara municipal desia cidade, em vis-
de comraunicaco do Exm. Sr. presidente da pro
vincia, convida aos supplenles do juiz municipa
deste termo, que liverem tirado seus ttu-
los at o dia 25 de jnlho ultimo, e nao tiverem
prestado juramento para virem prestar at o flm
do mez corrente. visto haver resolvido S. Exc.
prorogar at esta data o praso anteriormente
marcado.
Paco da cmara municipal do Recife, 17 de
agosto de 1870.
Ignacio Joaquini de Souza Leo.
Pro-presidente.
DEGLARACdES.
De ordem do lilm. Sr. conselheiro inspector
da thesouraria de fazenda desta provincia se faz
publico qne fica de novo trasferida para o dia 10
de setembro prximo vindonro a arremafaco dos
concertos de que precisa o proprio nacional que
serve de Lazareto na ilba do Pina, oreados em
2:83i*700.
Secretaria da thesouraria de fazenda de Per-
nambuco 18 de agosto de 1670.
, Serviodo de offlcial-maior,
Mapoel Jos Pinto.
OonsulaK) d Portugal em
Pernambuco,
Os Srs. Joo Mace.lo do Amaral.
Barbosa A Primo.
Andr Barbosa Soares.
Manoel Dias de Carvalho.
Manoel Luiz da Costa,
Fajoses Jnior A C-
Batthar A Oliveira.
Francisco Al ves Monteiro Jnior.
Francisco Goncales de Arroda.
* Sebnstiao de (sem sobreaome)
Silva A Joaquira Felippe.
Manoel Gomes da Croa.
Amorim A C. *
Cariatovio Ferreira Campos.
Beltrao, Oliveira A C.
Antonio Jorgados Santos.
Antonio GoncaiJms Goimaraes.
s Gooaalvesde Azevedo.
Sao cb
doalm
na ltqui
tugnezea
dores,
Recife, 17 d
cnsdla-
em rateio
AVISOS MARTIMOS.
COMPANHIA PERNAMBCANA
%avega?3o costeira por vapor
Parahyba, Natal, Maco, Mossor, Ara-
caty, Cear, Mandah, Acarac e
Granja.
O vapor Pirapama. comman-
dante Azevedo seguir paraos
portes cima no dia 31 do corren-
as 5, horas da tarde. Recebe car-
ga at o dia 30, encommendas
passageiros e dinheiro a frete at aa 2 horas da
tarde do dia da sabida : escriptorio no Forte do
Mattos n. 12. ______
COMPANHIA BRASIL
DE
Paquetes a vapor.
Dos portes do sul esperade
at o dia 21 do corrento o vapor
Cruzeiro do Sul, commandante J
P. Guedes Alcoforado, o qual
depois da demora ao costume se-
guir para os do norte.
Desde j recebein-se passageiros e engaja-se -,
sarga que o vapor poder conduzir, a qual deven
ser embarcada no dia de soachegada. Encommen
das e dinheiro a frete at aa 2 horas do dia da su:
(anda.
Nao se recebem como encommendas senao ob
jectos de pequeo valor eqn^nio excedam a duai
arrobas de peso oa 8 palmos ennicos de medicao
rodo que passar destes limites devar ser embar
ado como carga.____________.....
GMPAIIA BRAS1LEIR
DS
Paquetes a vapor.
Dos pertos do norte esperado
at o dia 27 do corrente e vapor
Arinos, commandante o pnmeiro
tenente Jo?* C. Duarte, o qnal
depois da demora do costume
seguir para os do sul.
Desde j recaben*** passaf eiros e engaja-se i
carga que o vapor poder conduzir, a qual deven
ser embarcada no di de suachegada. Encotmnen
das e dinheiro a frete at as duas horas do dia
sua sahida.
Nao se recebem como encommendas seno ob-
lectoe de pequeo valor e que nao excedam a i
arrobas de peso on 8 palmos cbicos de medi-
cao.
Tudo qua pastar deslee KtniM deven se-
embarcado como carga.
Previne-se aos Srs. passageiros que suas paasa
zens s se recebem na agencia roa da Cruz n. 5"
l* andar, escripiorio de Antonio Luiz de Olivein
Azevedo A
PAfil.
Paa|^^^^^^^Brpretonde seguir em a
possia^^^Kde baa portugueza & Joa,
por tai io da carga, e para a qne Ibe falta
a frete eommodo, trata-se com o consignatario
Jos Goncalvea BeJtrio : a roa do Com-
mercio n. 17.
LEMO
DA
Arrnaciio, gneros e mais utensilios exis-
tentes na taberna sita no atterro dos A-
fogados. pertencinte massa fallida de
Manoel Julio da Silva.
Segunia-fera22
O agente Pestaa far leilo a roquarimento do
depositario da ma^sa fallida de Manoel lulio da Sil-
va e por despacho do Jllm. Sr. Dr. juiz especial do
eommercial, da armaco, gneros e mais utensi-
lios", existentes na taberna sita no atterro dos Afo-
gados, a qual ser vendida
HOJE
Seguirla-frira 22 do corrate, s it horas em
p onio.
Na mesma taberna.
Alugaoi-.-e duas casas ora grandes commo-
dos para familia, sendo nma na roa das Pernam-
bucanas, na Capunga, defronte de chaariz, perto
da estaco, ontra no Mangninho, principio da es-
trada dos A luidos, e estao pintadas : a tratar com
Jos Antonio Marques no Chora.-menino.
Na estrada da Ponte do Uchoe, sitie n. 2,
precisase do nma boa engommadeira e urna cru-
da para o serrico domestico e ensaboado, paga-
se bem.
Profeoaor de N. do O' de
lpojiiea.
Precisa-se fallar com oSr. Manee! Candido de
Lyra, na ra do Livramelo n. 37, loja.
Precisa-se de urna ama para cozinhar
ra do Queimado n. SO.
na
Vinho, Pilulas, Xahopb b Tintuha
DE JRUBEBA SIMPLES K PEnUlOINO;
Olbo, Pomadas Emplastro da Masau.
PLANTA PREPARADOS POR
BARTHOLOSflEO & C* *
PHARMACEUTICOS-hOOUlHTA
PEII\4Uitl(.U
A Jiruheba : e.n plaau e hyp ntemnta
cnn
iteMbMrueiKe.ecumuul ipjilicada uosptilacimeals*
u Ogadoe b*co, hepjiucs. itaruui, tamerts lasar-
nos especnluiculr do Blsro, hfdrootiiits, ryai-
pellas, ele; e ssocuJ ao frro e ulil ni pcUti
cort, ehlorosu e falta da menrtrnafo, deaaira-
j do eslomago, ele., t o que dlMuio MtaabW
niiumenu cura imponate* obtuki eom bojnn
preparados ja bem conbecido* e usada* pela* ataia
distincias medico do pan Ponapl. Em taaW *
nossos <-.sposiios distribuimos gratis folsatoa ot*
melbor faaam coohacar a Jnrababa sao* raaaliailo
% applicacaa.
PARA AGUA
Canos de ferro gaivanisados por barato preco.
Torneiras, e corvas para os mesmos! No armazem da travessa do Coroo
Santo n. 25. ^
Moinhospara caf e para milho
Os tteluores moiohos para caf e para milho que tem viudo a este mercado, so
se encontrara no armazem da travessa do Corpo Santo n. 25. ?
ao resmas de papel para ci-
garro*.
TERCA FEIRA, 23 DE AGOSTO.
LEILAO
DA
Armafo e gneros existentes na taberna si-
ta ra da I-Dperatriz n. 22.
O agente Pontnal, vender em leilo, por man-
dado d" Illm. Sr. Dr. juiz de direito especial do
commercio. a reunerimento de Aniooio Fernandos
Braga, a armaco e gaeron existentes na taberna
sita a ra da Emperatriz n. 22, pertencente ao dito
fallido, em um on mais lites a vontade dos lici-
tantes.
Tercafeira 23 do corrente.
Dever ter lugar o leilo na mesma taberna s 11
horas.
DA
armaco, gneros, pertences e dividas da
taberna da travessa da Senzalia Velba
n. i- *
O atente Martins far leilo da taberna e dividas
aci
Terca-feira 23 do corrente.
A?|l horaade dia na masma taberna, onde po-
derjfeos pretendentes examinar o balanco.


de 5 rolos com famo
Ter|-feir3, 23 de agosto de 1870, s JO
horas. .
O agente Pinto levara leilo a requerimento
de (irlos Alves Barbota e por mandadaaVIIla:
Sr. Ifcjoiz especial do commercio, 5 rolos de.fi-
mo mm245 libras, e 80 massos, de, cieras ar.
restajas Manoel Jos fcfarquer drva : o leilo
ser
do
(-
aathetnado s 10 horas do dia. no escriptorio
raferide afeore-raadCHftn.-MR
LEIUO
af vos <>m mta viodo a esto ~TTTrufgl
O Mente Pestaa far leilo ; en U
quemvperleneer, d porcio de i
radoa** de metal, re^eeotetn
mereaAios quaes serio vend i ^ pe aior pre-
?o e a tMMo marteUs ; qnarti-feira tt do cor-
rente riaiiO^ da
Santo n. 9.
w
O
0
0
P
t
P
i-
e
p
o*
w
P
U aWa^uoMfetcida Ttmm mriMk mu ai ai
ARMAZEM
DE
Fazendas, roupas feitas e de encommendas
JO-RA 00 BARAf DA VICTORIA-.O
qH, (Antiga ra Nova)
GOMES, fflLVA & C.
Qs,jW^r^arios deste important#eatabelecimento, no empenho de eleval-o
altara dos pnmeiros do sou genero estabojlcidos nesta eidade. mandaran, contratar era
Lu-U*. uii'eMoirti*ta>aitit6.Bara,diri|ir a sua o&cina.
*h*^. ^^ ^ de gar d>a(luella V*6' 6 Pa este fim, o hbil e conceitoado
artista
PfiI|AREGO
qae se toma ama garanta safan
_______________^ ge. satisfar cabalmente tanto aos lontn-
Wttofa&im*'frM actaJiaJqj^^Kc las as pessoas que se quizere
ca e pro:
Ubtlecimento achara o Blico constantemente \m magnifico sori*-
mft iras, gorgujes, e artigas de modas, tudo do qne ha da
PHasaaP^'11'' l|il(ios pidrOe* que tem jpdq a este marcado.
10Ra dojara) da Victoria10
GA RUA NOVA)


Diario de
uc
Samuel
de |87i
Folograf-
DE
J. Fentra Filela
iinpmdi
PINTURA
Desde o di 7 e abril panado aeba se aberto c
ova ettbatee'.inento phoiographico sito ra te
Cabufi n. K, esquina do pateo da matriz. Ostraba-
Iho qw d&sde entSo, lem sabido de nossa oiflcina
tem geralnienle agradado, sendo recebidos por
algtuscom admlracao pelo extraordinarb .p%.
gresso qoe ltimamente tora ttdo a phot< gr.phia,
e por oolros cotn alegri, por Yerem \ provincia
dotada coto om esUbelecimenlo fligno 'j ella, e in-
^ontstavelmente o primetro que nesse genere
taoje possue : tr.mbem nao nos pryapamns em cousa
alguma para moi*.a-to too pe. itn que se acha, es-
perando que o publico e Peroambuco saber
apmiar nossos esfrcos e recompensar nossos sa
criBcios.
Xon**mos a toda acuellas pessoa, naaWM
estrangelras que gostain das artas, ou tiverem
necessidade de trabnos de photographia a visi-
taren o nosso estabelecimento, que estar sempre
aberto e sua disposico todoa os das desde as 7
tora da manhaa al as 6 da Urde.
Paraca irabalbos de photograpbia possuimos di
"versas machinas dosmelhores autores franceies,
infieles e allmemes, como aejam : Lerebours el
Secretan,- Hcrmagis, Tberoai Ross, Vbigtlander et
Sonh eWulf. ltimamente recebemos tres novas
machinas! sendo urna deltas propria para tomar
obre mesmo vidro 4 ou 8 iraagens diversas e
isoladaa, e otitra de 6 a tt imageus diversas e
igualmente isoladas, de sorte que no caso de
grande concurrencia poderemos retratar sobre
urna unltta chapa ai Spessoas diversas e sola-
das para carties e vi.-fla, e assim em men^s de
um qoarto e hora lespacbarmos 8 differemes
pessoas qoe oecatti ead* urna, nina doria de cartdes
mais ou menos, cora os seas retratos smenta, ou
em grupo eom muras.
Eueamgamos-rws exclusivamente da' direc^ao
oifura dos irabalbos de photograptiia dei-
xando pen*ia e talemos do distincw pintor
lleraio, o Sr.
Jorge A, Roth
os trabalhos e pintura, a aquarela, a olee, e a
oaste!.
O Sr. Re* acha-se Itgado a noss* -empresa por
urna escripaura publica, e at o presente tem-se
lesvelladooaexecueao de sens trabalhos.
No nossoestabeteciniento acham-se expostos ou-
tros trabalhos importantes do Sr. Rotb, tanto era
miniaturas aquarella como oleo, reiratos
leo, quadros sacros e diversos ontres trabalhos.
Tomamos encommendas de retratos oleo at o
-.amorto natural, ssim como de quadros sacros
para oroamentacio de igrejas ou capellas. Tam-
bera aceitamos eccommendas de quadros histri-
cos.
Asseguramos -que os precos dos diversos ira-
balbos da nossa casa sao mu rasoaveis.
CRTOES DE VtSITA NAO COCORIDOS A tO|J00 A
DZIA f
CARTOES BE VISITA COJI COLORDO XO NATU-
RAL A i 6(5000 A DZIA
Retrates e*i miniatura 4 oleo ou aquarella de
16 20*000-cada uro, indo convenientemente en-
aixilhado ni moldura dourada e regulando o
busto da pessoa retratada ele 3 4 pollegadas e
todo o qua-fro palmo e meio de tamasbo
Julgamos que bastarlo os precos cima para
darmos ioY da baratesa dos trbateos do nosso
establecinwuto, quanto sua perfeico cada um
venfaa jalgar por seus-proprios odos.
.-Va melhores horas para se tirarera retratos_ no
nosso estabelecimento sao das 8 horas da manhaa
I da tarie; entretanto de una hora s 5 da urde
em casos especiaes pode-se tambera retratar qual-
quer pessoa.
Nos das de chuva, ou por tempo sombro po-
demos retratar, e asseguramos qus esses dias sao
os mais avoraveis aoi trabalhos de photographia
pela dolara e persistencia da luz, e p< r termos o
neoso terfsc/) construido com taes proporeoes e
melboramentos, que anda chovendo orros ne-
ntium Inconveniente ba para fater-se bellos re-
tratos.
_______J.F-rreiraVUlela.
Agencia em Pernambuco
Do Dr. Ayer
Peitoral de Cereja
Cura a phthysiea e todas as molestias do peito.
a sa parrlisia
Cura ulceras e chagas antigs, impigens e dar-
iros.
Tnico
lonserva e limpa os cabellos.
Pitillas catbariicas.
iO
t5
60
=5

o

PHAB AL
Ruad'
Xarope de l
thery decio d'Abbad '"j^l
como calmantes para os cas
nao pode osar do opio e de seos
dos, e mu cenvenientes para
nos espasmos e convulsSeSv
TRA
DOR N. 38.
Preparado dlatoatrio em capsulas, licor,
V iiej
as criancas
IMPERA-
fr\
Este antigo estabelecimento. acha-se hoje montado n'uma
escala de poder servir vantajostimente os seus freguezes, atten-
to o grande sortimento de joias d'ouro, prata brilhantes, que
sempre' t^m e recebem mensalmente das principaes fabricas da
Europa- cujos presos sSo em competiveis e as obras garantidas
de lei.
JIOREIRA DVARTB C ______
--------wm RUADO I
DOR N. 38.
Pillas 4b Vallet. k. r^
Pillas deBlancard. i?H
Pillas de Bland.
Xaropo forroginoao de Blancard.
Gonfeites de lactato de ferro.
Pillas de carbonato de ferro, laclado de
ferro,- iodareto de ferro com magoezia.
Ferro de Qoeveone.
Assocar ferruginoso
PHARMaOEfRALBUA DO IMPERA-
DOR N. 38.
Vinbo e xarope de pepsina jdiarthare,
excellente Whico para auxiliar as digesioes
difficeis nos casos de debilidade do esto-
mago.
i s>B&mmwm&mm wmmwmmm wmnwamm
M
a
i
i
i
i
a.
a
i
8
8
8
i
S
i
B
tiltil
ti 5 3 T
n
er 2 c
-i i
" sr =
rt>
03
5 O,
OJ
a
Q 3
03
C5?'B."
* 2 3 5-ss.h3b
o._ |:_ ca.g a
E3
c-5
5_' S.S.3B"3
1
FR1ME1UO 1-: AMIGO GONiULTOHIO
HOMEOPATHIO
Dirigido pelo Dr.
SANTOS MELLO
Restabelecido de sua longa enfermidade
ceutina a ser encontrado todos os dias
para consulta das 10 ao meio dia.
Chmalos a quali|uer hori.
A'.s pobres gratis
43Ra do Baro da Victoria 'i
,Antiga ra Nova).
COMPNKIA
DOS
TEILHOS URBANOS
DO
REC1FE A OUfDA.
Comprase urmentes de loticica e secu
pira, amarillo, selro e aroeira, de 10 pal-
mos de cwapridos e 8 polegadas de largu-
ra e 3 V2 de grossura Da estaco da ra
da Aurora-das 6 horas da manha s 6 da
tarde.
" Recife, 17 de agosto de IbiO.
O supreintendeote.
. de Abrcu ?orto.
3
I
o
S a.
oS
9:3
cu **
2 -i
O tu
^
<-\. O)
w
as'
B
(O
o
S S s.
xi ST o 3
a. 21 5
S *. % a.
5" o 5 .
c3|g
3 O O O
3 D B D ""
age:. CJ.-3 -
S 2. o cd eo o
w
S-B

- ~ o c
> 2. B o a>
T>

Precisa- fallar com o Sr. Jos, de Barros
Accioly a nsBoco de sen interesse : na pra$a do
Corpo Santo n. 17. 1 andar._____________________
MOFINA
HACIA CENTRAL RA DO
DOR N. 38.
Agua bemosthalica de Lechelle, mui re-
commeridada em qualqoer caso de hemor-
rhagia, e principalmente na thysica pulmo-
nar, e as hemorrhagias uterinas
Rogare ao Illm. Sr. Ignacio V.eira de Mello, es-
crivao oa eidade de Nazareth desta provincia, o
favor de tir a ra do Imperador n. 18 a onclmr
auuefit negocio que V. S. se comprometteu reali-
! sar, pela terceira chamada deste jornal, em tos
rte dezembro prximo passado, e depois para Ja-
neiro, passoa a bvereiro e abril, e na la cumprio,
e ror este' motivo de novo chamado para dito
ftm pois V. S. se eve lembrar que este negocio
de' mais de oito annos, e qoando o senhor sea
filbo se achava no estado nesta eidade._________
"Vendas on permutas
Vende-se a propriedade Guarapes no Rio-
Grande do Norte, com ierras casas e armazen;-
de um e outio Udo do rio, lugar berr. conhecido
pula sua importan commercial, cujo porto offe-
rece muita facilidade para embarque e desembar-
que de gneros.
Igualmente se vende o engeDbo Jundinany (na
mesraa provincia) moente e crreme, com cinco
leguas de trras da maltas virgens, oito escravo-,
bois, bestas e alambique ( oo somente o emgenho
com as-trras que convier ao comprador). Estas
propriedades vendem-se por baralissimos precos,
e lambe se permutam- por engenhos nesta pro
vincia Parahvba e AlagOas, ou por casas as ca-
pitaes das mesmas : a tratar com o prbprietario
maior Fabncio Gomes Pedroa ra da Cadeia
n. 45, ou com os seus procuradores no Rio-Gran-
de do Norte.______
i a
Preciso-se de urna ama livrre ou escrava
ra das Cruzes n. 39, hotel pernambucano.
H
extrar<]o dos -dentese oper^esUntaras sem dores, torios oa
PELO EaIPREGO DO
PROTOXYDE D'AZOTE
na gabinete do cirergio dentista FREDERICO GATIBR
19Ra Nova19
O qual, adiando-se relacionado com os mais celebres denntas de Paris. adquiri
eom elles, na ultima viagem Franca, o modo de pteparir e erapregar este excellente
anestbesico de que se pode sempre usar sem iacnveoienU? algum, e produz insensibili-
dade completa.
O mesmo aproveita a "occasio para kmbrar ao respeitavel publico que no
sen gabinete coniinaa-se aszer tedas as operacoes da sua arto e eollocar denles por
todos os systemas: com ouro, platina oa vukanite, *;gundo os casos.
Es(.pecialidade de obturwces com ouro puro.
----------------------------.----------------------------------------__------------------------------------------------------
II
TABELLA
que regula de sabbado -0 do corrente em
diante, nos ds uteis.
MANHAV.
Do Recifek 6. 7 e 8 botas.
De Olinda te 7. 8 9 horas.
TARDE
Do Recife-As 4. 5 e 6 i/2 horas.
De Olinda-Vs 3. 6 e 8 i/ h Fot alte ada a tabella em vista de exigir
o servico da linha, cotttinua-mos'a -esperar
toda acoadjuvaco do respetayfil publico.
Recife, 18 de agosto de 1770.
O superintendente.
.4 d'Abreu Porto.
Grandes armazens!!!
Alu?am-se.
Aiogam-se os grandes armazen* da ra da Prai;
de Santa I w^ r,)i a fobnca de sabio d>>
Sr.ccron. 8 oftiniameqle occopado
i prto de
barque e todas as propor se montar urna
labrica ou ana aQde.
para s
a qi.
nji
r-~BfiST,
^BBETi^nsi-sr::- :' v: >,

1

4.ICB CQKCTtnrjJC CT-TULACO
0 P I Ohi IfMT an nlcn'cna
... acrimonia''Asmi amargoMM'iprinrtavaj^
..iu; flUK'n.'i mi*sofeivel. Apnvc:i:'i)flo<'si
leliz descotvrta, elle prepara *m licor e<-
.iiUaiio de alcazro, o qual, sol um pr>qimiio
voliune, contera urna-grande proporco de
principios activos.
0 Alcatr* e timjot tfoudron de
Guyot) possue por consequencia todas as van-
tagens da agua de alcatri ordinaria, sem ter
s inconvenevtes. Basta deitar d'elle urna
i J cat ii'um-oopo O'ugua par* obter
Ipjjo ni (" d'essj aisii'-i.i prcpar.v a sua aguada al-
catrquafi'Jo.ilVIia |uvrisa, o quflofleKce
(unorniii !< lempo, .tacili.lade de transport
e evita ujianejoiao desasradafel doaicatrio.
O 4 Ira r*o Je (iuyttt SUsShi C0I11
vantageoB mnitOT tisanas mais ou menos
inerles, no?- casos de delluxns, bronchites,
tosses, eatarrhos.
0 AlrairAo Om *mya ernpregado com maior xito me molestias negointes :
EM BEBIDA. Vma colher de caf para um cojio d'aijuu u\t uus colheru de-
sopafara urna garafa :
ca. bronchites
O lll a III Ul CATARRHO DE BEXICA
DEFLUXOS
TOSSE PERNITAZ
IRRIIAQO D PEITO
TOSSE CONVULSA
EM FQBEBTACOES. lcr puro ou com umpoucod'agua:
AFrECCflES OA PELLE
COMICHOE6
MOLESTIAS J)0 COURO CABELLUDO
iaMri
El UUEG(0ES. UmapartedelicdrquarodaguaM
FLUXOS ANTICOS OU RECENTES
CATARRHO OA BEXICA
MmibUI>
W
0 UlemUtkn de Gyot foi experimentado com um verdadeiro xito tos
principaes kospilaes de Frotca* da Blgica e da Espanha. Foi reeonhecido
que, pan os impon de calor, elle consiiiue a bebida a mais kygienico, e so-
oretudo durante os lempos de epit **> aeeompanka cada vidro.
Ve a pharm: e drogara de P, Mau-
Casa Feliz
AOS 20:000^000.
A casa feliz, sendo a nica que no decurso 4
anno prximo passado, vendeu mais premios Ja
lotera do Rio de Janeiro, faz scieute ao llustra-
do publico desta capital e a seus numerosos fr-
guezes que contina a vencer os referidos bille-
tes rubricados na forma da lei, pelos precos s guintes :
Burieles inteiros 235000
.Mpos bilhetes.. il'00
Quartos....... 6*000
S na casa feliz ao Arco da Conreicao n. 2.
PHARMACIA DENTRAL RA DO IMPERA-
DOR N. 38.
Xarope de rbano iodado excellente com-
binacSo do iodo com o sueco de plantas
aoti-scorbuticas.
Este xarope empregado com grande
soccorro contra as molestias da pelle, os
engorgitamentos escrofulosos, o rachitismo-
cachloroso.
O vinho iodado de joly, e oleo iodado de
PersonDe, sao recommendados para os mes-
mos casos, e encontram-se nesta pharma-
cia.
PHARMACIA CKNTRAL RA DO IMPERA-
DOR N 38.
Variado sortimento de chocolate de ban-
nilha, salepoararHta, ferro, ede sade, da
acreditada ollicina de Menir.
Sabonetes d'alcalro, d'acido phenico, en-
xofre e camphora recommendados para as
molestias de peta como sarna, panos, em-
pingens etc., sendo o ultimo de mnita utili-
dade para o tizo do toilette, por preservar
a pelle de ser manchada das maculas, que
costumara accomettel-a.
PHARMACA CENTRAL RA DO IMPERA-
DOR N. 38.
Os melhores vermfugos para criancas,
Pastilhas de sanctonina.
Ditas de Kemp. ,
Oleo vernifug-j.
Tudo de melbor qnall-d.
i ^^HL
PHOTOtRArill V IMPK
1-RA DO CAB
A entrad a pelo pateo da mtm-
Os trabalhos da rwiBcacaa desta photoprapto..
e qoe se prolongarim pa talo ;icomm"
feliimente terminados ella al
publico desde 7 de abril pass
O predio em que st coHocada esta phototra-
phra aeba-se muito ugmenurio, e 6 a paite desti-
nada ao estabelerimeaio ootta caco saka, ineln-
sive as do laboratorio. Tbdoa os coocerto:
memos tendo sido fetos expresaBtn4e para a
montar convenientemente a pboaographia, e nao se
podendo melhor modelo escolher do qoe a Pao-
qrafiia Imperial do Sr. lasley Pacheeo do R de
Janeiro, o prtmeiro photograptwdo Brasil, e um dos-
primeiros do mondo, segundo a opiniao dos mais
abalisados mesirea, a nossa pbolographia ahve
dlsposta e reedificada pelo mesmo flano da do Si>
I. Pacheco, a qnal fot montada tob todas as regras-
recoromendadas pelos mais desliactos prefesaore.*
de accordo eom ai modificacSes necessarias ao
clima do Brasil, reeonhecidas e estudadas pelo ha-
bilissimo e pratico Sr. I. Pacheco.
Todo o interior do predio em qne est notsa
photographia foi mudado desde a soleira da porta da
ra al a coberta, tendo-e demolido todas ai pa-
redes interiores para se fazerem as novas safa?,
edificando-se nm novo terrado eDvidraQado mui
espacoso e eleganto.
Como sabido, fizemos urna tiagem expreasa-
meie corte para examioarmos as melhores pho-
lographias all, e foi a do Sr. I. Pacheco, a qne
melbor correspondeu aos nossos desfjcs e aspira-
(des, e da qnal trouxemos os planos depois de
aili estarmos todo um raer, estndando e apro-
veitando a licSes de t5o dlstineto mestre. Pen-
samos que jamando os nossos eslndos e longa
pratica de 15 annos de photographia s utilissimas
licoes ultiman ente recebidas do Sr. I. Paebeeo,
tendo montado a nossa photographia como se
acha, podemos offerecer ao Ilustrado publico
d'esta eidade e aos nossos nnir.erosos'frefnezes
trabalhos de photographia to perfeitos, como s&
poder desejar, e disto convencidos, esperamos
que contluuem a dispensar-nos 'roesma nro-
teccao com que ba 15 annos nos tem honrado e
ajudado.___________________________________
LINM
Aluga-se on arrenda-se urna casa terrea de
pedra e cal com 4 quartos e i salas, sita na ra
Nova desta eidade. n uitr fresca, com excellente
vista, com quintal de grande extenso assemelban-
do-se a um sitio, com bastantes fructeiras e ns
de ejqueiros, botando os fondos para o Bomnm,
perto do banho salgado, e porque a referida casa
preci-a de alguns reparos, por rsso convida-se ao9
apreciadores da testa para arrendar cu alagar a
sobredita casa, fazendo a sna costa os reparos de
que precisa a referida propriedade. levando se em
conta nos aiogoeis as despezas feitas. pelo tempo
que se convencionar, assegurando se toda a com-
rnodidade'no preco : qnem pretender dirija-fe a
eidade de Olinda, na ladeira da ribeira, a contra-
tar com Miguel Cario de Farias._____________
PHARMACIA CENTRAL RA DO IMPERA-
DOR N. 38.
VriadUsimo sortimento de fundas de
axcellentequalidade.
FARMACIA CENTRAL
Rua do Imperador n. 39.
Lamploughs Pyretic Saline.
A preparation of well known utelity to the En-
guato Fa^ulty, asa cooling and refresliing beverago
I in all cases of fever. The frequent use"cr'^is sa
line preserves foreigners from many discutes to
whica they are leable before beeolDiDg acclima-
' ti-ed. May be oblained al the l'harmacca Central,
; jua do Imperador n. 38.
D. W. tOttlAK
ENGENHEIRO^
Com fundiqao.
A RUA DO 8RUM N. .(
Passando o thafariz
Machinas vapor sistema melhoradi.
Rodas d'agoa.
Moendas de canoa.
Taas de ferro batido e fundido.
Rodas dentadas para moer com agoa, va-1 ate{s na tI)ysica p|mooar.
por antmaes. Pastilhas de angico naf, e de Regnault,
Eoutros moitos objectos propnos d agn-1 de norte|aa> pmenta, e de Vtccley, de pe-
cu',ura- i cacuanha e de Rermes.
Tudo por preco routto redusido.
"SS ?**..
PlRMACTAtENTRAL A DO rMPERADOi!
N. 38.
Pastilhas de balssmo de tol e de seiva
de pinho marititno, para as affecges chro-
nioas dos pulmoas.
Pastilhas de therydocio e lonro cerejb
para as tosses agudas, e de carcter nervo-
so, e para os vmitos durante o periodo da
gravidez, a qualquer alfeceo nervu-a.
Pastilhas de bypophospheto de esl mui
asas do
CASA DA FORTBSA
Aos 5:000^
Bilhetes garantidos,
A rua Primetro de Margo n. 23 e c
costme
Acham-se a venda os felizes bilhetes garan-
tidos da 4a parte das loteras, beneficio da Santa
Casa de Misericordia (I57-) que so extrabir qain-
ta-feira, 25 do crreme me-.
PBEQOS.
Bnete inteiro 6000
Meio bilhete 3*000.
Quinto UMO
Em porcao de 100*000 para cima.
Bilhete nLiro 400
Mero bilhete S*"0O
Quinto 1*080
Manoel Martins b"ia?a.
AVISO
0

H tel 0 ind nse
PHARMACIA CENTRAL RUA DO IMPERA-
DOR N. "38.
O aba.Ko assignado tem a honra de participar Cfa pargatvo de Chambard, excellente
ao rr..-eila el publico desta dade e da do Recife,!. ,. ._
que ndia 44 do correflte estra aberto concor-1 lMVO e refigerajlte, que Se pode usar
renCia publica o grande.hotcl Olindense. repetidas vezS sem irritar os intestinos.
Tornare -se assignatnras para dentro e fra J SR4>fri;^5^?f SrT^-'>*B*ffffljr?^^
estabelecimento ; ha qaartos para alagar, banhos a^r^JTi^pv^irAn? cm OKAl
salgados, boa comida, sortmiento de viohos tinos; XcKUt'li HiFiNULU Ufc U1LUHAU.
portuguezes e franceres, charutos tiuus e tudo Odiloral um agente therapeulico rec n-
que toDcernente a um estabeleeimento desta temente experimentado, mas CUjOS benefi-
oriem- ... .____. .- icios v5o sendu largamente aroveitados pe-
Este estabelecimento alem da magnilica po-i-ao:. ..
em que se acta, offereee as metborts oommodida- ilos praticos em quasi todas as afle<:.oes ner-
des por ser prximo stacao dos trunos urbanos, vosas, calmante e somiifero poderoso, tile
servio da casa eito coin multo atseio e sempre empregado com vantagem nos
promptida*. casos de dores jnt c wf fc
insomnia, em que elle produz um somno
calmo e profundo.
Elle rec. mmendado as clicas, na cho-
rea, no telano, nos partos laboriosos, na
clampria, as qoeimadurs extensas, nos
accessos agudos de gotta, ,na aslhma, na
tosse convulsa, e cm muitos outros casos,
DOSE.Dafs a olio colheres de sopa
por dia, conforme o effeHo que o medico
quer ohter.
Encontra-se na Pharmacia CENTRAL rua
do Imperador n. 38.
ViNHO DD QU1N1NNO DE LABARRAQUE
Poderoso tnico boje to aconselhado nos
Ama
Precisa-se de ama ama-: na roa de Hertas, so-
brado n. 50, 1* andar.
Creado.
Paga-se bem a o creado de li a li amnos pa-
ra servicp de casa e compras : trat-se no eaesie
Apolla n. C9.
wmmmmm
ADWGM.
.OBR.JOAQUUI CORBEA DE ARAUJO
tem o sea escripiorio i rua do Imperador
n. 67, onde pode ser procurado das 9 be-
ras da manhaa s 3 da tarde.

Laboulaye
O jwincipe Cao d'Aga,
f le Primee Camiche )
traduucao
de
R. A. F.F.
1 *ol. 18. br. 2>000 rs.
Uv^aria frasceza

A abaixi
todos os poderes qoe conceder aoi
assignada dtdira qoe tem retirad? conv)! ta
*q*.e conceder aoi Drs. A.ntDui,'' VniTdLtxuo na
da Fonceca e Bento Borges da
gozos de' debilidade geral, e mui usado
como antifebril.
PHARMACIA CENTRAL RUA DO IMPERADOR
lN. 38. V. ,
A verdadeira farinha peitoral de
S B-nlo.
Esta farinha usada eom ventajosos resulta-
dos nos .padecimentos dos orgaos .do peito,
como astil'na; oa paehameolo de calbarros,,
inflamado de bofe, pleurizes e na ptby*ica ; re-
icommendande-se coia igual pro vello as peasoas
ra tentar qualquer accao crnitra o seu marid&
Ignacio qps Santoe Coelho. Recifo 18 de agosto
de* 1870.
rmacia e drogara.
Bartiwonteu A
J4Ruu larga db Rv>
FranciM
flor-e nm Dm>
litecoes para aervico 4e agneu
qaaliuer enfKoho (ora de*t* a
ru larn d" Rc^
Precisa se
n. i.
^eiij_
habi-
ATTENCflO
Na rua Velba n. 49 cosinha se para casas de
ponea familia com acceio e promptidao, e pi r m-
dico preco : assim como recebe se roupa para en-
gomar e toda e,qu.il(|rer costoia, as quaes serio
feitas iMn toda preslesa e pe|o p*XQ) que se con-
venciopar._________________
Offtrece-se nm rapaz de 15 a 16 awios par:
caixeiro na ruada CiBeftrdia n. r8.
-------------------------1----------------------------------------------------------------------------------------------------<------------------------------------------1-------------------
Criado pequeo
Preci=a-se de um menino de 11 13 an-
nos, brasilcirc ou portuguez, para criado
de urna casa parlicular. A dirigirle rua
Bella n.37, sobrado de 2 andar?.
O DR JAC1XTH0 SOARES RERELLO, &
ANTIGO MEDICO HOMEOPA- ^*
THA,
receniemente estabelecidn nesta. i'idai'e,
^ mudou a sua residencia da praca do Con-
Q de'd'Eu n. 1(2 para a rua do Imperador .
QL a. 2.j.h abri cm.-ulioii i junto ao labora- 1f%
fc torio homeopathico dos Sis. I", de P. 'lar- *
9 (loso Juni r& C na ihesma rua n. 41,
onde todos o< dias dar consultas do meio ^_
19 da a? 2 horas da t.-.rde, reservaijd para
^ ns visitas do ciliares os mi |ue "'
f^ decorrem das 9 horas da manbaa ao aiaio
dia e das 2 s 4 horas da larde. A qual-
quer h ira attendera chcmadds, qno Ihe
_. sejam dirigidos, quer casa, qner ao con
.solUirio.
CASA DA FOETUWA
AOS 20:0O05C0O
RUA l l>K MARCO N
0 ahaixo assignado atisa ao pubKco( qus
quanto a nova le do oiramento ilvesse elerado
muito o imposto sobre os bilhetes de loteras
Rio-de Janeirj, continua a vende-los com as for-
malidades' da lei, e pelos mesmo* preces aba
rmbli.'ados, pagando todos os premi dis-
conio somtnteda lei, e eom a promptidao do
lunv.
PRECOS.
Riibete inteiro*... 2i*000
Meios bilhetes... 12*000
Quartos........ 6*000
Em qnantidade maior de 100*000 na razao de
22*000.
Manoel Martins Fiuza.
"S
mim\m frma
55-Hua (iaImperatiiz-55 ]
Tinge, lava, limpa, lastra e achamalo-
ta-se, com a maior perfeico, fazndas em
pecas e em obras de toda-
como sejam : seda, laa, algoo ^^
chapeos de feltro e de palha Me. e
Tira-se no loas e limpa-s
molhar os tecidos, cons
do o brilho da fazenda. '
Tintura preta as terca e
ras.

Ama
Precisa-se de ama ama^^H
me. para casa de uequeua
da matrii rUflL S ant'.r.
na
"a n.
le S.
gioc -egaez.
urfH
i


Diar i Pernattbuco
lo ae crfu.-
m
^8-Acabaaes uz
AO ARMAZEM
COMPRAS.
joias
,
l 7~MI lOtHL7
Este conhecido estabeleeltnent acha-se eo* l fletaras que recebe por todos o vapores e navios francezes, -dos artigoa abaixo meDQna-
" dos, procos o* mais resumidos que possivel.
Botiaaa para zahoras e meninas.
Bolinas preUs, brancas e de multas outras cores, sortdas e botritts, do Itimo gos-,
I to da moda, e. preeos mais baratas do Botinas para borneas e meninos.
Botinas de biserro,- oordavao, histro e. pellica, das meiljows fabricas e escolbidas.
Bous e perneiras pan mantaria, das memores qu.alo'es, de couro da Russia, lus-
tro e bizerro. .
Sapatos de borracha para humeas senhoras
Tendo chegado grande por^ao de acatos de borraaOft vende-se pelo custo am mto
desempatar o dinheiro nelles empregado, "sao baratsimos.
patos de lustro para homens.
Sapatos de entrada baixa de eouro de lustro cora salto, de moto boa rjualid&de.
Abotinado para meninos e meninas
Sapatos abotinados de differentes modelos, de muito boas qoalidades e fortes, tanto
para meninos como para meninas, muito baratos.
lapatos de tpete.
Sapatos de tapete aveludado, de casemira, de charlte e de trataoa franeezes e por-
tguezes para homens, para sennoras e para meninos.
PERFUMARAS
Excelentes extractos, banhas, leos, agua de cologne, florida, divina, lavande, den-
trifice, de toilette, sabanetes. Untura para cabellos, pomada angroise para bigodes, pos de
arroz etc., tudo jsto de primeira qualidade, dos afamados fabricantes, Condray, Piver e Lubin.
Quinquilharias
Luvas de pellica do conhecido fabricante Jouvin, espelhos para sallas, quartos e ga-
binetes toucadore- de diversos Umanbos, leques para senhoras e para meninas, abridores
de luva brincos, pulceiras, botos, crrenos e chaves de relegios e tranceln*, tudj de
ouro de lei, correles e brincos de plaqu, a imitaco e de mais gasto do que as de ouro,
caixinhas de costura ncameBte guarnecidas e ornadas com lindas pessas. de msica, albuns
e caixilhos dourados para retratos, caixinhas com vidro de augmento para ostmmmenrc
ver-se a perfeicao dos retratos, objectos de phaotasia para toilettes, bolsinhas e. cestinhas
de seda, de velludo e de vimes para braco de meninas e sennoras. ditas para costorss, pe-
qnenos registros muito finos e delicados, bouqoets de flores de porcelana, jarros proprios:
para gabinetes e santuarios, quadros proroptos. para colloear-se vistas, tolduras dauradas ,
para quadros, esumpas finas de pav>agens, cidades, figuras c de santos, vidros liara eos-
morama, malas, saceos e bolsas de viagens, esporas, chirotes, bengala?, oculos, lubetasou
pensinez de praia dourados, grvalas retas e de rrts, abotoaduras de collete e de puuhos,
carteirinhas para notas, tbsourinlias e caivetes fios, pentes, escovas, ponleiras de espuma
para charutos e para cigarros, jogos de domin, rodles, bagatelas e outros diffeieatts, ve-
nezianas modernas muilo conveniente para porus e janellas, cosmoi a mas, lanternas mgi-
cas, esteriocopos com nteressantes vistas de figuras o das mais bonitas ras, boulevard?,
pracas e passeios de Pari?, photozraphias e caixinhas mgicas, reverberos para candieiros,
tapetes de vidrilho e de lia de ores para ps de lantemas, realejos grandes e peqneno?,
harmnicos, acordions de todos os tamaulius, bercos de vimes para enancas, sapaliohos e
toucas de laa, carrinhos de 3 e i rodas muilo elegantes para conduair enancas psseio ; e
outras aiuitas quinquilharias de phantasla, francezas e allemae?, preeos muito em conta.
Para este artigo nao ha espaco era lempo para a mascante leitara da infinidade de gg
gneros ds brinquedos fabricados em diversos paizes da Europa.
"Livraria fr|incev
CUIJI DEVOTA
00
COLLEC0\0 DE \0\11i\S E OFFICIOS
NOSSO SENHOR JESS CHRISTO,
MAIUA SANTISSIMA
E
VARIOS SANTOS.
A saber:
Setenario do Senhor Botn Jesns dos Passos.
Officio do Senhor dos Pasaos.
Novena do Menino Deus.
Novena de N. Senhora da Coneeicio.
Setenario das Dores de Mara.
Officio das Sete Dores de Mara Santis: una.
Novena de N. Sennora do Carmo.
Odlcio de N. Senhora do Carmo.
Novena de N. Senhora da Penba.
1 Caticos de N. Senhora da Penba.
Novena do B. S. Juan Baptista.
Novena da Senhora Sanl'Auna.
Trezena de Sanio Antonio.
Novena do B S. Jote.
Uo bonito volume encadenado.
2$0G0.
ATTENCAO
O dono deste esubelecimento pede ao publico em geral que continu a
veriieendo as qualidades e os preeos baratos de ditos objectos por seren vnflos
reitura e de conta propria.
visita-Io
em di-
mm-m
Compram-se pataeoes hespanbej
tos : o caes do Ramos n. &
Compra-^
um grande espeiho, estando o vidro em perfeito
eslado embora a moldura esteja estragada : na
ra do Cabug n. 11, loja de juias.
The Liverpool & Lon-
don & Globe Insu-
rance Company.
Companhia ingleza de seguros contra-fogo,
estabelecida em 4836.
Capital e fnmios de reserva
hs. :*.*: i :o*
Os agentes desta companbia lomam,. seguros so-
bre propredades, gneros e fazendas armazenadas,
mobilias, etc., etc., e eslo igualmente antorsados
a saldaren] aqu quaesquer reclamagoes.
Sauoders Brothers & C,
PraQa do Corpn Santo n. 11.
Precisa-se de urna ama para cozinhar e en-
gommar para casa de pequea familia : na ra
do Pilar n. 112, sohradiflho.
ICAIXEIRO.
Precisa-se de um eaixHro que tenha pralica de
taberna : na rur da Palma n. 37.
Precisa-se de una ama para cozinhar e en-
gommar para casa de puuca familia, livre ou es
rajva .-na roa Nova de Sania Rifo o. 63, primeiro
andar.
Attencao
Continua se a fornecer almoco e jantar : no so-
brado da rna estreita dn Rosario n. 38.
ATTENCAO
D-se sociedade na taberna do largo do Terco
n. 11 a algnm mero qae tenha bastante pratica
deste negocio e d hador a sua etinducta, entrando
com aigum fundo e tomando coola para adminis-
trar o negocio ao balcao ; e na falla vende-.-o a
mesma taberna rom o? fundos existentes, on om
aquellos que convierem ao comprador, e nao se
duvida fazer negocio om a armacao someale : a
tratar na mesma.
Ama
Precisa-se de urna ama para o servico de urna
s pssoa na ra de Sania Thereza n. 3. Paga-
se hem.
Pe<)ido
Pede-Si' ao Sr. Americo Ferreira da Silva o ob
sequo de vir i ra da P*nh:i n. 8, a negocio.
8 portas n. 53, ra Direita, 3 p ras n. bZ,antiga
lja do Braga
O abdixo assnoado, utio de.te antigo r staWfriin. :iv imilo era vi>ta ^.r^entar um
^Le-i^rtinModeferrage^niiudeLas o Gtiloria, m resolv.de madt r buscarm
divv ^ .i o a Euroua os melhores objectos de seu oslabel. emento OS fabricantes
Sata ^nhecidoi; Mu convida ao respeilavel puU.eo .seua m-W tff*>
virem se servir dos objectos de >ua carencia, aende nconirarao por menos 40 l)|0 dj que
era outra q.SIuer>..* ura sortimenlo completo de macHfns flara ir alirodao,
IflKSSK&caBie CoitorrGiu&C, ditas para costura, motores para uiman,
5L P ; o ':.- S .Va eaf de todos os lan.anno, da fab^|, c;p::.ardas de
dous ean.a Raucoias, louea de.porcelaa
dediv '>k ;.rteos.'h
liraaltii f rre, a?o
men'e ... ,:- porco ae I i do
> de objeeios, q'.) si-. IjT' n:i
Venda-se pombos de rara muitos grande :
(datar na venda da estrada de Joao de Barros,
que faz quina para a ra do Principe-__________
^luoa-se
Urna escrav a'qpal co-inha .-ofrivel : tratar
na ra da Alegrh n. 40.___________________
Precisa-sede urna ama para dous homens
solt iros estr-ngeiros^ para cozinhar : na ra do
Brnm n. 70._________'___________^__
Offerece-se urna parda .para aaia de casa o
VrNDAS.
Sindh.
0 Costa da ra das Cruzes contina a prevenir
aos seus numeresos freguezes que receben pelo
ultimo vapor os mais novos e excelentes
Quejjos flamengos.
Macaas de especial qualidade.
Ervilhas para sopa eoutras massas proprias.
Farinha anerlcana de especial qualidade.
Alem de outros mnilos gneros de imporlacao,
j contecidos do respeitavel publico, e tero mais
queijo e carne do sartio de superior qualidade.
-----
Cal nova de Lisboa.
Chegada rocentemente no vappr Gladiator, tera
para vender Joaquim Jos Goncalves Beltrao, no
seu escriptorio, ra do Commercio n. 17.
Bichas hamburgnezas
Neste novo deposito recebe-se por todos os pa-
quetes translanticos bichas de qualidade superior
e vendem se em caixa ou porcao mais pequea,
e mais,barato do que em outra qualquer parte :
na rna da Cadea do Recife n. 51, 1' andar.
CEMENTO
O verdadeiro portland. S se vende na rna da
Madre de Dos n. 2, armazera de Joao Martins de
Barro
Doce fino.
De goiaba, laranja, limao e bananas, vende-se
constantemente ra de Marsrlio Dias, outr'ora
Direita. taberna rto Horeef.
\ vm n\,
Novo sortirnento.
Mimosos corles de percales a 2*000, de dous,
um vestido : na ra do Crespo u. 25, loja da es-
quina^_______________^_^___^__
Cera de Lisboa em velas
Tamanhos differentes desde 2 a 16 por. libra, em
caixasdeurra arroba : no arnmem de Tasso Ir-
ruios & C, roa do Araorim n. 37.
Vende-se urna rotula de amarello em bom
estado : na camba do Carmo n. 16.__________
tiAZ GAZ GAZ
Chegon ao antigo deposito de Henry Porster *
<1, ra do Imperador, um carregamento de gas
de primeira qualidade; o qual se vende em partda
e a retalho por menos preco do qae em outr* qua
quer parta.
^^Brato
^^pe are
i finas
imsegu
Bado)
^B boi
Vil
!!'
h
jsoons
C Lu
iu-
120
w
Papis de agolpas francezas a ba-
... 60
Carxas com seis sabonetes de fruta 15000
Libras de 19a para bordar de tudas
as cores a....... 6QO00
Carreis de lioha Ale xa odre a. .1 100
Frascos com azeite para macLioas 500
Gravitas de cores muito tinas a 600
Grozas de bolbes madepersla 0-
nissinoos a....... 500
No vello de lioba de 400 jardas a. 60
Caixas com 100 envelopes muito
superiores a...... 000
Pentes volteados para meninas a. 240
Tntenos com t:nta preta a80rs. e 1W3
Pecas de fita elstica muito fina a 200
Lata com superior barrha a 100 e. 200
Frascos de oleo Pbilocomo muito
fino a......... 500
Frascos de macaca perola a. 240
Frascos de extracto muito bonitos a 500
Duzia de sabonels muito finos a. 7d
Sabonetes inglezes a 600 rs. e. lOd
Frasco com agua de colonia Piver a 500
Dito de oleo babaza a..... 500
Caixas de lamparillas ...... 40
Sabonetes a forma menino muito
i superiores a. ..... 240
uartilhas 9a doutrina fazenda nova a 400
Libras de linba surtidas de lodos js
nomeros a....... 1)J800
(apacbos muito bonitos e grandes a 700
Carriteis de relroz preto, com 2
oitavas a. ...... 640
gulheiros de osso enfeitados a, 240
Libra de linba franceza superior
J qualidade a....... 20400
Qaixas de palito do gaz a. 20
Joaquim Rodrigues Ta- |
vare^ de Mello, 1
traeja do Corpo Santo it. 17ft
TEM PARA VENOER : Z
Cal de Lisboa. &
Petassa pa Russia. S
Vinho Bordeaux. ^
Favello dj Lisboa.
FarSnha de iuamloea. 0
Farinha de mandioca
Venge-se farinha de mandioca, nova, de Sania
Camarina, chegada no patacho pjrtupnez Ullissa.
tundeado defrome do irapiche do Sr. liarn do Li-
vramenio : a tratar no escriptorio de Joaqun;
Jos Goncalves Beltrao, ra do Commercio n. 17,
ou a bordo do referido navio,
homem solteiro ou de nanea familia,
servico, menos cozinhar e comprar
larpo e S. P<- ro. luja do palacete.
para todo l'
a tratar n'-'

. Je Lecnida's Tilo UbuVeiro, aliga loja do Braga.
facas e garfos
..ndeias chineia, salitre, breu, barbaute, enxofre, papel e
para f-gneteiro ; assim ci.mo encontrarao constante-
e recebe-se enoommeBda de fogos de vista, alem de um
enfadouho nuraora-los : venbam a ra Direita n.

.o
deseja-se
fallar om os
A' riiado'J.irdiui i. i->
segnintes senhores :
Antonio Gaacalves da Silva, soolior de engeubo.
Manoei Policarpo de Yzevedo.
Jezoino Aagustu dos Sanios Frago-o, ex-preo-
sario.
Damiao Jos Martin) de Olivelra. Iguarassu.
Fernando Barata da Silva, en.enho Morojo.
Prederico Augusto Velloso da Sitveira.
Jos Hermino Pontual.
Joaqnim Cavalcinti <1e Albnqnerqae Filho.
Antonio U>me-s ilordeiro de Mello, conhecido
por Tota, Ignarassrj ou Goianna, das 8 s 10 ho-
ras da mantia. ^*

Eii A rna do Apollo u. 2i, 2 aguar, pxecga-si'-de
urna ama para lavar e eng mmar, piga-se bera.
Ama
Na rna do Viga rio n. Si, 3o audar, precisa- s>
de urna ama para cosinhar, cujservico laca com
perfeicao e quo soja de boa conducta.
pgK
bilhi:t.:-> do Riu
Na Prac.' da Independencia n. 2J.__________
Na na da Aurora, estaca dos tullios Rrba-
ti"s do H.-cife-a Olinda eleberib-, compra-se me
tal vellin e cobre eJho, da* S as 1 da iar.l.\
Traressa do Quimado n. 5
Horacio Antonio Mangabeira. proprietario desle
istabeleefraento, t^ndo feito urna grande refor-
ma no sru bom conhecido estabelecimento, faz
jcieote ao renpeitarel publico e aos seus antigos
freguezes, que se acha de "ra em diaote com um
completo sortimento de charuto de Ha va na e de
toda) as qualidades, cigarros de palha do Rio e de
diversas qualidades ; e recebe sempre |or todos
os vapores um completo e variado sortiroento de
ponteiras para charutos e cigarros, boleas para
fumo a fumo do Para ; a*sim como um grande
3orrimento de cachimbos de todas as diversidades ;
e se vende por menos 10 por cento do que era ou-
tra qualquer parte. .____________
Precisa-se fallar com o Sr. Bernardino Osear
Freir a negocio que nao ignora, na ra da Ca-
dea n. 30 A. I>ji. ______ __________
BEl'TSCHEB ftELFSVEKEIN.
Ausscror denlliche Geueralvers ammlupg :
Banlag Sea 21 Augost
Abends ha'b ach Uhr, rna Nova n. 44.
Zweck orwlben
Berilhuntr ueber einen Beitrag tu der Pflege
verwundeler deuts;her Krieger aus der Vereins
Can.
Der secretaer
OUo Bnltres.
Vende-se tima taixa fi ndiaa cora 10 palmos de
bocc e-rom o peso de 1,378 libras, por preco com
modo : trata-se na camboa do Carmo n. 48.
Farinha de mandioca
Vende-se na ra do Amorim n. 33 saceos com
especial farinha de mandioca, igual a de Maribeca.
propria para casas particulares, e por preco muito
em conta._______________________________
GRANDE
armazem de jV-uqa rnadolm-
p. rador n. 46
Neste estabelecimento altni do explendido sorli-
memo que ha de louca. vfdro, porcelanas e crys
laes, como sejam : apparelhos para jantar, cha e
toilet, ricos vasos de phantasia para llores e can-
dieiros a gaz, ba tambera ltimamente chegado
variado sortimento de sos de louca para plantar
flores, bustos, estatua?, pionas, globo, leoes e
lindas figuras para t&Bqaas dejardms.
Cliegaram tambera M magniflcos casticaes de
metal com mola para vela, nicos que, as pessoas
qoe lee'm de noite, davem usar para nao cancarem
a Vi9W 4 U A
Tambem chegarara as tai desejadas bacas np
porcelaua com bauvula, e por serem muitas as
pessoas que as leem procurado, ,e previne que
iiliam buscar antes quo ^e acabem : na ra
do Imperador n. 46.
Vende-se nm rico piano transposilor. cuas
novo, da fabrica de A. Blondell A. J. Vignes,
na rna do Imperador n. 53, 1 andar.
."
Ele um preventivo seguro e certo contr
Ela calvice,
p d e restaura forga e sanidade a pelte
da cabeca
Elle de prqmpto faz cessar a queda prema-
tura doa cabellos.
Elle -d grande riqueza de li^tro aos ca-
bellos,
Elle doma e faz preservar os cabellos en
qualquer forma e posico que se deseje
n'um estado formoso, liso e macio,
Ele faz crescer os cabellos bastos e co
pridos,
Elle-consena a pelle e o casco da cabeca
limpo e livre de toda a especie de caspa.
Elle previne os cabellos de se tornarem
brancos.
Elle conserva a cabeca n'um oslado de fcaj
cura refrigerante e agradave,
Elle nao 6 rlemaziadamente oleoso, gordu-
rento ou pegadico,
Elle n3o deixa o menor cheiro desagra-
davel,
Elle o melhor e o mais aprasivel artigo
para a boa consenaco e.aj'ranjo dos ca-
bellos das senhoras,
Elle o'unico artigo proprio para o pon-
teado dos cabellos e Barbas dos senho-
res,
Nenhum toucador de senhora so pode con-
siderar como completo sem o
0 CABELLO.
Tnico Oriental
o qual preserva, limpa, fortifica e aformosea
Acha-se a venda nos estabeleoimentos de
X Caors, I. da C. Bravo & C. P. Maurer
4 C, AL Barbosa, Barlholomeu A C, e em
todas as principaes lojas de perfumarias
e boticas.
COSTURA
0 Campos com armazem
de m lhados ua na do Im-
perador n. 28, vende como
no trapiche, caixas com ba-
tatas novas de Lisboa a oito
mil res cada urna.
A ellas que estao se aca-
b ndo.
ATTENCAO
'otaNia de raz ae amare
Alnjra-
Laiz X
cadeiras ti
dos p^H
a 3 8.;
de amarello a
Xarope e agnao.
E- um dos medicamentos que sua elficacia na
enfermidades, tosse e sangue pela bocea, bronchi-
les, dores e frai|iic no peito, escrobuto e moles-
lias de ligado, que inelhor tem aprovado.
Tiitura de ma apuama.
A celebre rail de marapuama cuja energa cITi-
cacia as paratysJas, iraporpecimento etc., muito
e 'ecommenda.
Todos esses preparados se encontrara na phar-
macia e Drogara de Barlholomeu 6c C
34-4tt larga do Uosario34
nico deposito.
Cura rpida c laialilvel lo*cal-
los- pela pomada
Galopean.
Deposito especial na pharmaeia de Bartholomeu
4C,
34foa larga do Rwario34
R'ji'- nte-rheum; tico.
Remedio elficacissimo contra as dores rhenma-
ticas at lioje o reaU conhecido pelos seus mar-
vilhosos resultadas.
Dase l.OOa a premio sobre nyi.w.i-a 9
. sendo prooriedade que agrade, se lara f,ui- Ji-
"^''"..^^J^^'^i' awWviirinrwhii m Art||BJif.-w:
AnicHii'i Rjiinundu l'aes de Lima, Firmiuo Anto-
nio da Silva' Manoel de Jess Fl .res, e Antonio
P.-rlirio Leite, genros e Bino da fallecida D. Maria
da Conceico l-eile, vem pelo presente confessar a
sua gratidlo a todas as pessoas que se dignaran)
acompanhar al o cemilerio publico cadver da
mesma ; assim como convidam todo- os paren-
tes e amigos para assistirem raissa do stimo
lia, que ter lugar no dia 25 do corrente, s 7
horas da manliaa. na matriz do Corpo Santo
i^Hjnr !......mi Ven'Je-se uo trapiche Dantas o
aeguinte :
Milho americano.
Farinha de mandioca. ,
Esleirs de carnauba de dive/spa tamanhos.
Vellas de carnauba.
Alpista cm barricas
Vinho Bordeaux.
Cimento Porlland.
Especialidades.
Continua ni a adiar-se a wnda na ra Direita
botica n. 88, os mui conhecidos e acreditados re-
medios da veame, e outros diversos medicamen-
tos feltos em Paris, bem como o* xaropes de co-
deipa de Bertb, de rbano ioJado, de iodurete de
ferro de Blancard e as pilulas do mesmo, peiloral
de cereja, pos de Rog, depurativo de Chable,
digital de Labellony, pilulas oa confeitos de Ns-
mulho de Chevrier, e outros niedicamentus rnj;.
profi;iencia quando'empregados nas doMfaa das
vias re3piratv)ia>. nas dore rheumatiras, na
amarellido, na falta cmplela ou irregularidad.
de menstruo, nas diarrhas, doenca" do coraca
e do eftaago, tera sido e iHconieatarel, 'm
Visla dos benficos resultadus das experimentare} s
nu uso que diversas pessoas deiles leem feito, as-
sim como das pilulas de&ommadas bravinas in-
comparaveis em sua efflcacia nos acommeilimeo-
tos f$bris ou sezocs ; existindo larnbem na mesas
casa, alm de sufflcienle quantidade de droeas,
um nao pequea sortimento de tintas, oleo de li-
nbaca e pincis, que se vendem por menos do que
em outra parte. ____
Flor do fumo.
Chegon baje pelo vapor Tocan-
tins fumo picado para cigarros e
cachimbos o melhor que ha neste
genero fabricado no Para p< r Jos
Julio Sampaio Pires, nico deposi-
to un Peroarobaeo, ui Praga da
lnde;i.-!idenc;., lija de Calcados,
de Pjrto & Bastos.
A elle antes que se
S3-f>>i pequeua

acabem ;
o
S5
s
o
Acabam de chegar ao GRANDE BAZAJk
UNIVERSAL, ra Nova n. 22carneir
viannaum completo sortimento de ma-
chinas para costura, dos autores mais co-
ahecidos, as quaes esto em exposic3o bo
mesmo Rayar, garantuido-se a sua boa qua-
lidade, e tambem ensiia-se com perfgSo
a todos os cobradores. Estas machinas
sao iguaes no sou trabalho ao de 3 costth
reiras diariamente, e a sua perfci0o tal
como da melhor costuroira de Taris. Apre-
sentam-se ttabalhos execulados pelas mes-
mas, que muito deven) ifftst aos preten-
dentes.
,'
ilS il
Ja
Flor do fumo.
Farello.
Vende-se saceos ctm 90 libras de farello no-
vo do Chile a 4500 : ra da Madre de Deas
n.
7.
WiSO
Vende se ura cabnol.t americauj em per-
feito eslado com assento para dua? a quatro pes-
soas, qoem o pretender dinja-se ra do Impe-
rador cocheira n. 25, que achara com quem
iraiar.
I 1
Bento Monteiro #a Silva, encarrega-se de eolio-
var encanamentos para agua, e concerta bombas
de qualquer sysihema eom perfeicao mais enconta
de quo em "una qualquer parte, pode ser procu-
rado na ra da Imf.eiairu n. 43 A, eu ra Nova
n. H3. Lija do Sr. Jos Rapli __Quem precisar de urna ama escrava que co-
zinha e engoraras bem, dirijase rna Nova nome-
ro61.________________________ t
Precisa-se de um menino de'12 a 14 annos
para faixeiro da taberna da.jua AugneU n. Ilfi.
__Precisa se de urna ama idosa para casa qne
tera pouco servico : oa ra Wova n el.______
33 se dad'
-4
para
Teaii 10 de mo~
Ihado w ***r *a*>, tasa n. 1, per-
aqHim Wk* Almeida Costej
i toda' e qualquer
t.tr-se
ti de agosto e
Eu L>ritie Oa, auimuAip # Sr. Uamv.l Joa-
quim (Ju.tjc de Souza e Castr
pife de 16 17 do cunate, tenha a 'diz
uio seniur iue me devodor da qpanua
importe de g-fl'-.r.^ we Bie /
tabe.leeimt'.
c lista 4os .oea^^^^H
.Na praca da ladependencia a.
iheiro sobre penhores de ouro. prata e pedra
ireciosas, seja qoal fot a qnautia; e na mesni
asa se compra e vende objectos de oaro epraia
Hmalmeato s ai toda e qualquer obra dan
meoda, e todo e pial^ieT eoncerto teidanf
> mesm arte. .
-'. ---------------------------1---------------.. -----------------
bonetes d'aicatr&Oi
i Antooio Neves deHJast'ro.
acreditado preparado, que lo bo>
accwtacao tem merecido nesta provincia,
a para cora certa das
rapigens, sarnas, estas, coceiras, e todas
48 Hwlsas de peHa, sendo ainda prefen-
abo-
I roa da Aurora : tratar n> xaumo sobrado.
nada edro^aria de artbolomeo
*ua larga do Rosario n. 34.

Ra do < respo n. zd.
SEDAS DE CORES MIUDINHAS a 1$
o covado.
COLCHAS ADAMASCADAS ^operinres
de cores a 31.
CHALES DE MERINO de cores e pre-
tos a 2*500. .
MADAPOLAO FINO superior de 4 pal-
mos cora loque de avaria a Gf a peca.
ALGOOAOZINHO cm 18 jardas a
2*800 e 3* a peca.
CAHBR.AIAS FINAS de cores a 280 o
covado.
CHITAS SUPERIOR-ES de cores a 220,
240 e 280 o covado.
MUSSELINAS BRANCAS finas a 400
rs. o covado.
ALGODO AZUL cn-n 36 ovados a
Si a peca.
MEI AS DE CORES para boraem a 5*
a d07.a.
DAO SE AMOSTRAS com penhor, na
ra do Crespo n. 23, loja de Mancel Dias
Xavier.
IN m mmmmmmm mwm
Vende-se
nm sobrado em Olinda, na rna de Mathia Ferrei-
ra : a tratar na Bi.
Albuq_uerque n. i
manhaa, e das i
Emim chegaram
0 Pacilho d'Aurora ra da Impera tris n. 2,
recebeu pelo ultimo vapor o mais completo sorti-
mento de cortes de vestidos de seda, estampas <
gostos inieiramente novos e de superior quali-
dade ; vieram juntos e igualmente ricos cortes de
vestidos de hlond bordados, a perolas para casa-
mento: assim como popelinas, padroes novos e de
lindissimo goslo ; e muitas outras fazendas para
vestidos igualmente novas e desconhecidas no
mercado ; tndo se vende mnito ero, conta.______
Cigarros da imperial
fabrica de S. JoSo
de Nicthery.
nico deposito em Pernambuco caes da altan-
de?a velha n. 2. I" anda. '
Vende-se laa de caqua a 280 rs. a libra, em
porc) faz-so dierenca : na ra de Horias, ar-
mazem n. .
Attencao
Vende-se dn.is carvirasbimeopalhicas, nina de
i8 tubos e outra de 24. perfeitas, e as obras no-
meopathicas dos Drs. Jahrr e Coclirane, por preco
com modo : na ra estreita
andar.
do Rosario n. 19, 2*
A 6#00
das 6 as 0 horas da
Vende-sevcalcado francez tachiado, obra boa,
pelo diminuto nreco de 61 : venham a roa Ua
Cadeia n. 30 A. loja de miudezas confronte a ra
da Madre do Doos. #
NA
!or ra boa-vista
D
P.tnlo V. fe t3. Chita- escuias' e ciar-.-. i 200, 210 e
2S0 rs.
Cairbraias de cores fixas, covado a 200, 2i0
320 rs.
Lia com listras, e miadinhas, cavado a O, 320
a 300'rs.
Bnm pardo trancado com toque, mciro
.-, 500,500, 500 h.
Dito- de "."'-, i uro lidb i, y hincba, a
;..!,:
D.iosdi- -.lito, alg.idaj, I covado a
360, 3*0 e 0 rs.
U Iskioe paia calcas, f.iui.i.....: ., eoyadoa
901, 9H0, 800 r>
Cortes de calca de casemira r-'.& a>3
4 DOO.
Ditos de di'.a de quadros de cm a "OiHI
121000.
Calcas de brim para ecravus a 40 e l(X)i). T-
Camisas de riscado para wersvos a 800 e HOOO.
Pecas de algodo e inadapala por pregos ba-
ratissimos.
48-RUA DA 1MPERATR1Z-48
Junto a padana franceza.
ANDIDO ALBERTO SODREDA MOlTA &C.
eom escripu>rio e armazem travessa da Madre
deDeiis n. 14, tem para vender o sepuinte :
OCRE de muito bea qualidade a I520O a ar-
roba.
CIMENTO PORTLAND, verdadeiro e de primei-
J-a sel le.
VINHO BORDEAUX, desde o mais fino e espe-
cial M coman m.
CONSEVAS FRANCEZAS das mais supen
qualidades. ainda nao bem conbecidas nesle mer-
cado.
PAPEL de differentes marcas para cigarros.
DITO PINTADO para forrar salas, gabinetes, es-
criptorios etc.
Acaba de chegar novf remessa desse artcf,.
ue se vender por preeos mais ceduidus.
Aos vidraceiros
Na ra Direia n. 18, loja de funiloiro, vende-se
vidros de lodos os lmannos, nais barato do que
em outra qualquer parte.
OLINDA
Vendem-se cinco -croes d trilhos urbana a
Olinda : na rna do Crespo n. 2S, loja da equina.
= Vende-se urna ca*a terrea oa ra dos Gua-
rarape- n. basna fr^gutzia du Recife : os pretendentes diri-
jamse fumn- rdnsa A Irma i. ra 4a
Brnm n. tOOa'UHou ma d Pilar n. 112
Vende Frea o 37 da ru.i da s-
peranca, e urna parle da de n. 3o contiena a mes-
ma, as qu.'uis foram do finado Joao Antonio Pere*
le Moura. e boje de sua mil residente na Hespa-
nfia : a tratar na v>ema ra com Bernsrdino da
Costa Campos, procurador da mesma senhora.
A 5^000
,d
Venham a ra da Cadeia ver as boditas botinas
do cores para senhoras, pelo diminuto preco de
51000 ; venham, que JM> te acabando, na bem
conhecida loja de miudezas confronte a ra d
Madre do Dos. _^_________
'I
Vende-se um gran rna de Malhias
Ferreira, c .1 murado e mnUo boa cacim-
ba, precisando i crio : a tratar
nohotel da roa de S. Bento.
Taberna vend a.
Vendase a Ubenia da ra do S. Bent
em Olinda, orna d s melh
ra do Pilar, n 108 O motivo da venda acuar-
io ba-tante doenle e necessilar de re-
. da provincia,______'
SStigTaT^
Vende e manteiga ingleza flor ilji libra :
no pngresso do pateo de Carmo n. 9.
Vende-se os nlenrilms da padaria da roa
Direita n 89, a qual tem gaz o agua eucacada, em
muito bom lugar, e se tnspassa a chave da mes-
ma por ter c6nseno dos propietarios : os |Keten-
denie< podem dirigir-se ptaca da Independencia
ns. 14 e 16._______
n. 8
Vaccas
tratar no -
9 horas, e das 4 em atante.

-^
na rea da

k



'%>'
6
Di
ai
Pemambuc? la 'eir 22 An Agosto de 1870
Y
GRANDE
BAZAR D PAVAO
60-RA DA IMPERAmZ-60
DE
SILVA, FIGUEIREDO&C.
Neste imoc rante estabeleetmeoto encontrar o respeitavel publico, om note e miado sortimento de fareodas do mais
aparado gosto e todas de primeira necessidade, qae se vendem mais baratas to que em ootra qualquer part>,.-vi*o qoe os ne-
vos oaos desta firma, adoptaran o systema de svenderem DINHERO ; para poderem veoder pelo costo, limitando-te apenas
a aanbarem o descont ; as pesseas qoe negocian, em pequea esca'a nesh loja e armazeun podero fazer os eeus sortimeatos
pelos meamos precos que comprara na* casas inglezas, (importadoras) e para maior commodidaie ius Exroas. familias se dato
amostras de todas a fazendas, on Ibes levam em suas casas para escolhetem.
PECHAN CHA EM CASEMIRAS A 4*000.
No Bazar do Pavao fes-se ama grande
compra em om leillo, das mais finas
casemiras inglezas qoe tem vindo a es-
te marcado, tendo core* claras e escoras,
todas cono padroes serios, oroprios para
calcas, palitos e colletes; vende-se a 4*000
o covado, o qoe em outra qaalqoer
CORTES DE LA ESGOCEZES A 6,5000
Vende se boaitos cortes de lia escocezas,
vindo cada om em sea papel, pelo bando
prego de 6*000 cada um; no Bazar do Pa-
tio. .
C.\SS\S FRANCEZAS 240 RS. O COVA- para
DO.
CAMISAS DE ERANELLAS A 3*600.
No Bazar do Pavao vende-se um bonito
sortimeDto com todos os tamangos das me-
Ihores camisas, de flineila de la, com
mangas tanto proprias para borren* como
sennoras e vende se a 3OOO cada
urna, e quera comprar de meia dnzia para
abatimento, S3o do muita
tt
1
Mh
[BRAGG BE ORO.
Rua,(JaIjiipcador u.26
O respe|aU p estabelecinfento diariamente um ompleU
sortimento de pastekria, bollos inglezei
podviSj. j5d8-dek>, prgsentos dos ultimo/
diegajios w Hincado, salame de lion, bo
linhos finos de todas as qualidades para cha
amen loas cnfeiladas, eorrfeiros, bomboios
pastilhas, chocolate fraqcez em lbras, pas
tilhas do mesmo- .trtaros e eartoiras con
I-seis charutos de chocolate-cada ama, est<
sortimento de chocolate do mais acredita-
do fabricante de Paris e o melhor qne aU
boje tem vindo ao aerearlo.
Vinhos portuguezas, flgueira mrrito supe
rior. Os mais gnninos e superiores vinhor
do Porto, moscatel e Sstubal, o ilioatrdi
publico encontrar oeste estabelecrmento
por commodos precos, fazendo-se abatimeo
le a quem .omprar em porcSo.
Os donos deste estabelecimecto n5o *
tem poapado a despezai para malbor me-
recerem a acoadju,a}io do Mostrado pu-
blico. ',________
CABELLEIREIR FRANCEZ
61Bu da Cadera do Reoife61
Chama aattenc3o dos seos innmeros regoezes, e do respeitavel publico a
gnl, p 11i segante tabella doi precoe de sm cata, os trnaaJo vtote V#um
mais barato do qae em ootra qualquer oarta;
Sabelleira pan senhoraa a 6*.
90&35* e. .
para hornera, a 354, 40* e
es a 12*, m, 18* 20*.
*, 30* e ...
.ntes a 12*. 45*. 18*. 20*.
30* e.....
os(mMposa34, 4d, 6*,
77*. 8*r 9* e. .
ica de cabello para annl
e........
icapaxa braceletes aiO*.
", 20*. 25e. ....
Iquer parte:
Cadeias para roiogfo r 6*, fl|,
H, 8*, t*. 12* e. .
40JWO
50*000
50*000
32*000
10*000
1*000
30*000
K*06t>
Crtt de cattWo, .
Corte descabello conr friccao. M-
Crte de cabello com lavagem a
champoQ. 1*00*
Corte de cabello com Iimpezi da
eabeca pela machina elctri-
ca, nica era Pernambuco. 1*06
Frisado ingiera-on franceza. 50t
Barba.......... 29,
parte No Bazar do Pavao vende-se um graode cima ter om
nao se vende por menos de6*; grande sortimento de cassas de cores, para acabar, otilidade.
vantagem. 240 rs. o covado, ditas finissimas franceza Gran* petbwefca on camisa imjlaias a i r. &ift
A 1*200 Padr5es miodinhos e grandes 560 e 640 NoBaur ooPavo fez-se ^ma gtnd com-
No Bazar do Pav3o, fez-se ama-grande
compra de puros brins de linbo, milito ea-
corpados, proprios para calcas, palitos, col-
letes e roopas para meninos, por serem de
padroes miudinnes ; garante-se qoe nSo ha
barrella que lhe tire a cor, e vende-se a
1*200 o metro desta excellente fazenda
MADAPDLO FINO A 6*400 A PEQA*
No Bazar do Pavao vendem-se pecas de
ma.'dapolao Gno de muito boa qualidade,
teodo 22 metros ou 20 raras cada peca,
pelo barato preco de 6*000, por se terem
comprado om pouco nxovalbadas ; pe-
efaiocha *
CHITAS ADAMASCADAS A 240 RS. O
COVADO
0 Bazar do Pavao vende muito boas chi-
tas inglezas incaraadas adamacadas, pro-
prias para cobertas e cortinas, sendo fazen
rs. o metro; s3o moitn barata". pra em leiln, de dnissimas camisas ing'p-
ORGANDYS BRANCO E DE COR zas com peitos e pmbos de liano, sendo
No Bazar do Pavao veode-se. os mais cora collariobos e de todos os nmeros a
bonitos e moito fios organdyscom listas 4*000 cada urna, ditas sera' Rolavrobos,
largas e miudas 14000 a vara, ditas lisas, porffl faze da oai-sima a 44K0Q; gran-
fazeoda de muita pbaotasia 800 rs. a vara, de pechincha.
ditos d c es. finissjmos padroes inteira- CAMISASB.\RATAS a 2*800.3*000 e 2*600
mente novos 80 rs. vara; peshincba. No Bazar do Pavao vende-se urna gran-
GROSDENAPLES PRETOS rle.porc3o de casemiras raescladas, muito
Cbegou pra o Bizar.do Pavao um gran- encorpadas a 2*800, ditas finissimas com
de' sortimento dos melbures grnsdeoaplea msela de seda a 3*800, ditas modernas
pretos qoe t'tn vindo ao mercado, que se'de qoadros, .fazenda de muito gosto a
veodem de 1*600 at 509 o covado
sao todoa muito em coma.
CAMBRAIAS TRANPARNTES
No Bazar do PaVSo vende-se um grande
sortimento das mejores camoraias brancas
transparentes, tem de 3*5)0 at 10(500
peca, ditas suissas finissimas com 8 pal-
da que em qaalqoer loja se vende a 320 rs. jmos de largura a 2*000, 2*500 e 3*000
e liquida-se a 240 rs. o covado; s o Pa-
vao.
CRETONES PARA VESTIDOS A 640 RS.
Chegou para o Bazar do Pav5o, um sor-
tim ni o dos mais elegantes cretones fran-
cezes de cftres fizas, proprios para vestidos
e roupas de meninos, e vende-se a (510 rs.
o covado.
TOALHAS A 7*500
No Bazar do Pav5o fez se orna grande
compra de toalbas alcocboadas, proprias
para rosto, bastrate encorpadas e graDdes,
que sempre se venderam a \12*000. e k-
quidam-se a 75O0 a duzia^ou a 640 rs.
cada urna, boa pethiocba.
CHAPEOS PARA MENINOS A 2*000
O PavSo vende um grande porco dos
mais bonitos chaposinhos de palha da Ita-
lia, proprios para meninos de todas as Ida-
des, sendo chapeos que valem 5*000 e ven-
dem-se a 2$000 cada um, muito barato.
CHITAS E RISCADINHOS MiUDINHOS
200 RS.
O Pav5o vende chitas ou riscadinhos miu-
dtohos cor de rosa e rxinbos, proprios
para vestidos e roupas de creanns a 200
rs. o covado. sao moito baratos.
LASINHAS COM PALMAS DE SEDA
Cbegou para o Pava > o mais bello sorti
miiui das mais brilbantes l'iasinhas ciaras
com bonitas palminhas, de seda; ten lo lar-
gura de chita fmce'a e vende-se a 1*000
o covado grande pechincha.
ALPACAS MATIS1DAS A 640 RS. 0 COVADO.
V nlemse as mais m-dernai e bonitas
alpacas matsadas com palmiobas, moito
proprias para vestidos de seobora e di me-
ninas pe'o barado preco-de 640 rs. o cova-
do ; sao muito em conta.
PARA NOIVADOS CORTINADOS, COLCHAS.
Cbegou para o Bazar do Pov3o um gran-
de sortimento dos mais bonitos cortinados
bordados, proprios para camas e janellas,
qoe se veodem de 10* 00 at 20*0 -0 o
par, assim como o melbor damasco cem 8
palmos de largura a imitacSo de damasco
de seda, proprias para colchas e propia-
mente colchas dedamasco, send os melho-
res e mais bonitas que tem vindo ao mer-
cado.
SEDAS PE LISTRAS.
No Bazar do Pavao vende-se urna grande
quanti'iade das mais elegantes sedas com
lislrinbas, tendo de todas as cores e at
furta-cdr ; fazenda qae ninguem vende por
menos de 2*400, e liquida-se a 2*000 cada
covado; sa~o moito baratas.
SETINSDE CORES E GROSDENAPLES.
No Bazar do Pavao vende-se um sortimen-
to completo dos melhores setins e grosde-
naples de todas as edres, que se vendera
muito em conta.
LANSINHA A 320
No Bazar do Pavao veode-se om elegante
sortimento das mais bonitas lasinhas imi-
taco de poupetioas, com listas de seda raiu-
dinbas e de urna s cor 320 rs. cada cova-
do.
POPELINAS DE LA A 40O RS. O CO-
VADO
No Bazar do Pavao vende-se um elegan.
t& sortimento das mais bonitas poopelnas
de laa com listas miudinbas, sendo todas
qoasi de ama $ cftr, 400 rs. o covado;
9 barlissimq,
GRANDE fECHINCHA, GORGURES
DELA\
Para vestidos a 400 rs.
No Bazar do Pavao fez-se ama grande com-
pra de iazinbas muito modernas de urna s
cor. que pela sua boa qoalidade se Ibe dea
o titulo de gorgur3o de lia, sendo fazenda
mu to larga e vende-se a 400 rs. b covado,
fazenda qae s venda sempre a 1*000,
grande pechincha.
Lits tarta cores a 400 rs.
No Bazar o Pavao vende se um elegente
sjrtimeot > do iiasiobas de fnrta cores qne
brilbam igualmente as sedas e vendem-se
a 400 rs, o covado, fazeada qae vale muito
mais dinheiro.
vara, ditas victorias e taparlas da mais infe-
rior al amis fina qae ven ao aereado;
tudo isto se vende muito em conta.
MANTELLETES DE FIL
fo Bazar do Pav3o veode-se modernissi-
mos mantelletes ou basquinas de fil preto,
:om lago, pelo barato prego de 10*000 ca-
da um, barato.
PANNOS PARA SAIAS A 1*000, 1*280 E
1*600 O METRO
No Bazar do Pavao vende-se bonita fazen-
da branca tocorpada para saias, sen 1o com
babados e pregas de um lado; dando a lar-
gara da fazenda o comprimeoto da saia, a
qoal se pode fazer com 3 ou 3 \\i metros,
e oende-se 1*000 e 1*280 e 1600; assiai
como tamben no mesmo est?bellecfmento
se vende bonitas saias brancas bordadas ten-
do 4 palmos cada orna, ditas de la de
corea ja promptas urnas rom barras dife-
rentes, da mesma fazenda 4*oou e outras
com barras bordadas 6*003 e 7*000,
tudo isto moderno e barato.
ALGODO ENTESTADO PARA LENQES.
No Bazar do Pav3o vend-se o maIbor al-
godao^inho americano erfestado para len-
C3S, tendo liso e entrancado por preco
muito barato.
ESPARTILHO.
No Bazar do Pavao recebeu-se um elegan-
te sort-ment dos mais moderno i e melho-
res espjriilhos, qae se vendem por preco
mnio em conta.
PANNOS DE CROCH PARA CADEIRAS
O Bazar do. Pavao recebeu um jfrande
sortim^Bto dos me'bores paonos de croch,
proprios para cadeiras de bataneo sofs,
pianos, Umboretes e al proprios para cu-
brir almfddas e pratos; vendendo-se por
menos do que em qualquer parte.
MERINOS PARA VESTIDOS A 1W00
Chegou para o Bazar do Pavao nm ele-
gante sortimento de merinos, muito leves
de urna s cor e com as miis lindas core,
proprios para vestidos e roupas do meninos,
Capinhas bourns etc., e vende-se p^lo
barato preco de 1*000o c-vado; honita
fazenda.
Lasinhas trurpirentes a 500 rs. e corado
O Jav5o recebsu um- bonito sortimento
das mais elegantes lasinhas transparentes
proprias para vestidos, que vende a 500 rs.
o covado; moito barato.
, PARA LENCOES
No Bazar do Pav3o veode-se suprior
bramante d'algodo com 10 palmos de lar-
gura a l*80oo metro, dito de linbo com a
mesma largura a 2i5800 cada metro, pannos
ds linbodo p> rtocom 3 1/2 palmosdelargura
de 720 at 1* a vara, assim como tmg ande
sortimento de Hamburgo ou creguella- Je
todos os nmeros, preces ou qaalidades,
que se vendem mais barato do queeoa oo-
tra qmlqoer parte; aproveitem-
ATOALHADOS
No Bazar do Pavao veode-se superior
toalhado trancado, com8 palmos de largu-
ra a 1*600 o metro, dito de linbo adamas-
cado p melhor que tem vindo ao mercado a
3*500 o metro ; tudo isto muito barato.
Baloes reguladarec a -1*000 4*300 e 6*000
Cbegaram ao Bazar do Pava > o ma feitos bal>s reguladores, sendo de fustau
a 4*000, ditos de musselina a 4*500, di-
tos de aasioha de todas as cores a 5*000,
todos e.'les s3o motto baratos.
Pann preto muito barato a 3*600
0 Bazar di Pav8o recebeu urna grande
porco de pecas de panno preto Gno, com-
pradas em leil5o, que sempre se venden a
5*000 o covado e pode liquidar a 3*800,
por aer urna excellente'compra,
Lasinhas com msela a 509 rs. o corad)
No Bazar do Pavao vende-se orna grande
porco de finissimas lasinhas de urna s
cor com msela, qne parece mesnada de
seda, ejdita* muito bonitas com liatr s, ten-
do quasia largura de chita franeeza, e lr-
quidam-se a 500 rs. o covado, fazenda qu"
sempre se venden a 1*000 e 1*00, graoue
pechincha a 500 rs.
3*600 o covado ; aproveitem.
TAPETES
Chegou para o Bazar doPjvri o mais
nlegante soraent d tapates grandes, pa-
ra sof j, cara 4 cadeirjs, ditos mais peque-
nos, para dnas cadeiras, ditos para
pianos, camas, portas ; et;. vende-se por
menos do que em nutra qialjoer parte.
tOLCHAS BRANCAS A 3*2oO, 3*500 E 7*
Para o Bazar do Pavao chegou om gran-
de sortimeot das melores colchas, do fus
t3o, sudo da* nrelhores e maise corpwdi.
que tem vindo, a 7*00 ditas um pouco
mais abaizo a 5*50", e ditas a 3*000;
Umbem no mesmo estabelecimento se ven-
de um grande sortiment > di crehnese cbi-
t s, proprias para colchas* que se vendeos
muit em GORGUHOESOU POUPELiNAS DE SEDA
A tOCO CADA COVADO.
Caeg u para o Bazar do Pava) nm e'e
gante sortimento das verdadeiras poapelinas
de linbo e seda, com os mais modernos
gostos, que se vendem a 2*000 cada- ovado,
o que eofootra q alquer parte o3o se. ven-
de pir meos de 2*500, pre.ine-oque nao
sao algodao e seda, como ha mnitos; ma.-
sim puro liaho e seda; sao muito baratas.
ROUPAS PARA HOMENS
No aocrediado Baiar do Pavao encootra
r o respeitavel publico um grande sorti-
mento de roupas para homens tanto bran-
cas como de cores, a saber :
Camisas corr peitos d'algodo e delinho,
para todos os precos e qua'idades.
Ceruulas de linbo e algodao.
Meias curtas francezas e inglezas.
Palitos sobrecasacos de piano preto e
casemira.
Caifas de brim branco e de cores
Ditas de casemiras pretas e de cores, com
colletes iguaes
De todas estas roupas ba para todos os
precos e qaalidades, e tem de mais mais
um peri'o
ALFAIATE
Por quem se manda fazer com prestesa
e aceio qualquer pee de obra a capricho
ou go^to do freguez, tendo n'aste importan-
te estabelecimento todas as qualidides de
panno fino, as melhores e mais moder-
nas casemiras, assim como os melhores brins,
qur branco?, qur de cor; e qaando qual-
quer obra n3o ficar ioteirameote ao gosto
dos fregnezes Sea por conta do estabeleci-
mento.
CHALES DE MERINO
Cbegou para o Bazar do Pavao nm elegan-
te sotiimeut) de chales de merino de cores
muito buns coro padroes muito decentes
para qaalqoer urna senhora usar, ditos de
crpon com listas de seda o mais fino e
moderno que tem viodo ao mercado, e ven-
de-se por preco muito em conta.
BABADINH5S
No Bjzar do Pavo vende-se um grande
sortimento dos mais linos babadinhos borda-
dos tapados e transparentes, assim como
urna grande porc3o de entremaios largos e
estreitos, que para acabar se vende amito
em coma e mais barato do que em ostra
qualquer parte.
tfAZENDAS PARA LUTO
No Bazar do Pav3o vende-se constmte-
mente o melbor sortimento de fazendas
pretas para luto, como sejam :
Lasinhas pretas lisas.
.Cassas pretas de 13a.
Cassas pretas, francezas e inglezas, lisas
e com salpico?.
Chitas pretas de todas as qaalidades.
Alpacas pretas lisas.
Ditas lavradas com branco.
Merinos, cantosa, bombazinas, qoe so
vendem maisbaratj do que em outra qual-
quer parte.
CHITAS PRETAS A 200 RS. O COVADO
No Bazar do Pavao vende-se chitas pre-
tas inglezas com salpicos 200 rs. ocovado,
ditas todas pretas, por eetarem om pouco
russas, 123 o covado ;. pecbiocba.
0< proprietarios deste importante esta-
beHecimento rogam ao respeitavel publico e
particularmente s Ezmas. familias o favor
de se darem sempre ao trabalbo do lerem
os seos annuncios, pela razio de muitos
d'alies serem mudados amiudadas vezes.
CACHE-NEZ A 6*000.
No Bazar 'do PavSo vendem.se bonitos e
grande* cachi-nez de pura la, pelo bara-
to preco de 6*000 caoa om.
A. Novar iS&peranpa
tiRa Duqne le caxlas*i
(Jaaodoa NO**ESPEKANCA ftt O^geus
anuncios expondo aos seas freguezes e a
todos em geral o grandn sortimento esu-
periondade-de seo% objectos n3o com vis-
tas de atrair a attonrSo de urna grande frt-
guezia, como a de que actualmente despoe,
e sim para scicntificar (a intereso db todos)
a qoalidade de sens objectos os quaes s3o
sempre de apurado gosto eperfeii;ao; tor-
uando-se qnasi idispensavtl para aquellos
>preciadore(do bom) frequenlarem a No*
va Esperanca, pois que ella caprieba em re-
ceber constantemente, o que ha de melhor
relativamente a sua rcparticSo: o qae se pe-
der verificar qnando em qualquer reunio
de pessoas (amantes do xiquo) v-se om
bonito enfeite em um bonito vestido, um
aroma agradavel escapar d'um alvo lenco,
um moderno e linde laco um dilicado ra-
mo de finas flores, ete, etc, todos olbam-se
reciprocamente e dizem com sigo (e as ve-
zes uns aos ontros) estes s3o objectos
comprados a NOVA-ESPERANCA: realmen-
te !!!! procurar descrever om annuflcios os
artigos que contera dita loja, seria trabalho
insano e nunca o fariamns com aquella
graca e perfoicat) cor que slo elles fabrica-
dos, assim pois aNOVA-ESPERANCA con-
tenta se em convidar a todos geralmente,
visitarem-na para ento ficaram iutei-
rados do que ha exposto na mesma loja.
tiRa Duque te Caxlas91
Laa para bordar a
5$>00 a libra
O Cysne, ra da lmperatriz n. 64, acaba de
recebe' grande e varisdosortimento de laa, a qual
vende pelo baratissimo preco de 53C0 a libra,
cores sortidas. .

ESCOLA PHARMACEL'TICA DE PARS
Medalha de Prata 1860
LJQUEUR
DiGpBMfflTnEE
Gtrsjdr
EXTRACTO DE ALCATRAO.
? Onico meicamenlo approTado por todos os
Ho^pitaes de Franca, nelpic e Rsnanha como a
melhor prp.iracao instantnea e regulada tm
dos** da AGUA DE ALCATRAO.
[Dnas colherada* grandes de liquido por cada
litro de o-a, o urna eolherada pequea por
eada copo grande.)
2ju?ll"c"dor m,u e* rnn-
cow^ o NMiun, dos broscblo* e da
Exigir a firma do inventor. /> ,
Deposito Geral -^^,
Koe ilcsFraucs-BoBr|eojs, 17
Em PARS.
Deposito : no Bio di Janeiro. Diiponchrllc; na
Balita, Silv Lopt na Pernambuco. P. Maurer
M llmranhati, Ferreira
-V -..
AfOPE
DiEMlO
|MEMBR0 DAAC.ADEmr.EMEDICINAl
Preparado por deslauriers.ph.1
SucJ DE BOUTIGNY-DUHAMEL
51 Ra de Clpy Papis
O Xarope depurativo iodurado do Dou-
tor Gibert oflerece, no seu emprego, un
resultado bom, certo e constante na cura
dasimpigens,escrfulas, molestiasdapelle,
vicio do iangue, obsr uccoes lymphatica,
molestias contagiosas (sypkiliticas), leves
m inveteradas, e de todos os accidentes que
a"ellas dependem.
A recerta deste Xarope foi approvada
pela Academia imperial de Medicina de
Paris.
Deposito fias principaes pharmacias do
Brasil.
em Pernambuco: Mawber e O; Joaouim
Martwho da Cruz Cokreia ; Joao da Cow-
ceicao BiAtro' e C"; Augusto Caors ;
BARTHOLOMEe e Cu; Axexahdre Ribeiro;
Abreu Ribeiio; Joo da S* Faria elRMAO.
0 Bazar do Tarto sito a ra da Imperatfiz n. 60, esta' constantemente abert
das b horas damanhaa as 9 da notite.
Farinha: de mho.
Ha para vender farinba de milho branca,
amarella e fob de superior qoalidade em
saccas recentemente ebegada de Porto Ale-
gre : tratar naN-ua da Cruz n. 3, escrip-
torio d'Amorim Ira5os & C.
Oleo de llnhaqa
Vende-se em casa de Mills Latham & a, roa da
Croi n. 38._______________________
Farinha de milho.
Vende-se diariamente farinha de milho muida,
Boa e nova, a ISO rs. a libra,; e tambem farinha
groasa a 100 rs. : na rna do Otovello n. S5.
Veode-se urna bonita casa nova a moderna,
com t salas, corredor ao lado, S quartos, sotao
muito fresco, despensa, cozinha cora bom foruo,
grande copiar com gradeameoto na frente, gal i
nheiro tambem com graaeameoto' de ferro para
grande perca de criacao privada para despejos,
telheiro psra leona, carvao, etc., oachnba con
bomba de Japi, tanque coberlo qoe 9erve para
baoho, e sitio, tere 100 palmos de frente e 800 de
fundo, todo murado de novo com gradeamento na
frente e portao de ferro, lindo jardim para re-
relo, plantacao de arvoredos noros, passa-lhe o
re Capikaribe perto para os buhos, no lugar de-
nonittdo Chacaon. t, jauto daea?ao da Casa
Forte : os pretendentes poder-se-bad dirigir para
tratar roa de Thom de Souia, outr'ora ra da
Lingoeta, n. *.
SIGNATURAS MENSAES
Especialidade de penteados para casamento
UHIes !
0 dono do estabelecimento previne s! Recommend-se a superior TINTURA JA-
Sijmas. Sras. e aos cavameiroe qttrba a PONEZA ptra^ enegreoer os cabellos e bar
tatto para tintara dos cabellos e barba, as- ba> Dnlca admittida na Exposicao Umversat
m como om .pregado *mm onP>. SfSfiT^ &
lo nesse servico. mas de scienoias de PARS E LONDB3
Qaaodo a AGUIA BRRNCA, mais precisa scientifkar ao respeitavel publico ea
geral, e em particular a sua boa freguezia, da immenafdade de objectos que ltimamen-
te tem recebido, jUstamenteqnando ella menos o pode fazer e porque essa falta invo-
luntaria ella confia e espera na benevolencia de todos qu lh'a attenderab e relevarlo,
continuando portanto a dirigirem-se a bem conhecida leja da AGUIA BRANCA rna da
Queimado n. 8, onde sempre achar5o abundancia em sortimento de superioridad em
quaKdades, modicidade em presos e o seu nunca desmerrttido AGRADO E SINCERIDADE.
Do que cima fica dito se couhece qoe o tempo de que a AGUIA BRANCV pode
dispr, empregado apezar de seus custos no desempenho de bem servir a aquellos qoe a
honram procurando prover-se em dita loja do que necessitam, entretanto sem ennume-
rar os objectos que por sua natureza s5o mais conhecidos al, ella resumidamente indi-
car aquelles coja importancia, elegancia e novidade os tornam recommndaveis, como
bem seja
Corpinhos de cambraia, primorosamente
enfeitados com fitas de setim e obras essas
cuja novidade de molde e perfeico de ador-
nos os tornam apreciados.
Fitas mni largas de diversas c&res e qua-
lidades para cintos.
Leques uesse objecto muito se poderia
dizer querendo descreve-los minuciosamente
por snas qualidades, coree e desenhos, tal
o grande e variado sortimento que acaba
de chegar, mas para nao massar o preten-
dente se lbe apresentar o que poder de
melhor.
Entremeios em pecas de 12 tiras.
Guipure branco e preto de diversas qua-
lidades e desenhos.
Ditos de algodao com flores e lisos.
Veos de seda para cbapelinas e monta-
ra.
Meias de seda para noivas.
Ditas abertas de fio de Escossia.
Costumes ou uniformes para meninos.
Enxovaes completos para baptisados.
Touquinhas de fil, sapatinhos bordados
e meis para ditos.
Camisinhas bordadas para ditos.
Capel I as brancas para meninas.
Grandes sortimento de flores finas.
Fil de seda, preto.
PERFUMARA
Grande e constante sortimento de dita,
sempre melhor quajidade.
Lindos vasos cora p de arroz e pinsel,
Caixinhas com ditos aromticos.
Bonitos e moderaos pentes 'douradoa
para circular o coque.
Bonitos brincos de plaquee.
Aderecos e brincos de madreperolr.
Caivetes finos para abrir latas.
Thesouras para frisar babadinhos.
Aspas para balo.
Novos stereoscopos com 48 vistas, aa
quaes sao movidas por um machinismo
urnas substituem as outras.
Vistas para stereoscopos.
Bonitas caixinhas de vidro enfeitados com
podras.
Ditas de raadeira envernisada com vspe-
ras e com dminos,
Bollas de borracha para brinquedo da
enancas.
Diversos objectos de porcelana, proprioa
para enfeites de mesa e de lapinhas.
o
N. 3 A RA DO CABLGA N. 3;A. f
3 MTIIO MOS i
Com este titulo acha-se aberto e inteiramente transformado este antigo
estabelecimento de joias, onde os fregoezes e amigos encontraro tudo quanto
a moda e o bom gosto tem inventado na arte de ourivesaria, o Collar de Ouro
observar delicadeza no trato e senciridade e modecidade nos precos.
Espera qae o respeitavel publico venha ver o que existe de melhor em
aderecos de brilhantes, esmeraldas, robins e perolas, meios aderecos, pul-
ceiras, brincos, alfinetes e anneis de todas as qualidades, prata de lei faquei-
ros, colheres, palileiros salvas e ontros muitos objectos que seria enfadonho
mencionar.
Compra-se ouro, prata, brilbantes e pedras finas, pormaior prego- do
que em outra qualquer parte, troca-se e concerta-se todo e qualquer objecto
pertencente a esta arte.
MI
s

a ci Oleo 8e F-tda e Bacsiio,
i ir Clu'vrLT de., a eU:i pivrios pr. pnra-
'.' um rhf !n> t siil.nr o;ra(lave
ahuma i!c sunsn lulisllieiiram.
"i-n-rniiip ilcsrnherti. <\ne granjsenu a
>fii auiur una Sqdullia il bonra, vulpaiisou o
utp iio (.ieo do l-'ijjutt.i dcacalliaii Jeaind'clailo.
Os mediros o receitam iireforive'menti-a Indoi
os ormos em tuda as molralin onde se em-
prima o Oleo (i Fijado dii Baculhio.
Ver por mais poruimorea os rclmorins mei-
cne que conten a noticia que acconipanlia cada
irasr.i.
O Sonlior Chetrier complelou a sua deseo-
berta ajinta.-i-ilo a iodura Bacalhlo di'sinfe.'tado Etle Oleo de Fignilo i
Uacallio i>ixUKiico lew todas as pj-opried^de.-
do oleo e causa prisao de mire. Portanto prcftritel
aa ma;s |ir,:|>ararcs ferrujincas (Ponasou Xa-
ropc). conten em todas as doencaa onde se
empregu o Ierro, tsica pulmonar, kroncfcites,
rnehitisino. escrfulas. impigetM, pota, rheo-
Hiatismo ciironico, eaunlios autiRos, djapep-
ains. r.mvalescwnciaa difficeis < fraquea* de
rnmtMirao.
fi'&rwrm'if-tn ClBfW/f H. !. lytii.seuVIHln c FLIXKl C C3CA, e\r.!lrnt;s preHrar>-.s
O TP1 lerids,r.ortad'jniae ro
l |ioai|iQlo*ia..iliaos di ii'.io.i-.Jvs:iiturms.dMres dr
vtytjulLv r i:;: ir. t". l.:*. En/tia. .\Hi.ikiba Ir.UAu i'H.1"
ll.U'0. !'. '!\''. .I.'v.:.!:i>. r"ytr.t.JH\ ft <"V- l'nrlo
rh|tr.un\ et C"
Aemr
i:
KHO f.F.IVis.
-, r
ROB LAFFEGTEUR
Approvado em Pratacla. Rnssia, Austria e Blgica. O arrobe vegetal Laflecteur sa antho-
rizado, he mui superior aos xaropes de cuisinier, de Larrev e de salseparrilha. De fcil
digestao, adagraved ao paladar, e ao alfato, elle cora radicalmente ten mercarle, as
affecoes da pelle, I maticen a. atlporcaa. tnmeret. alceraa, aarna deaj-
inaeta* earorknla, e os accidentes protendos dos partos, da idale critica, e da acri- |
monia hereditaria dos humores.
0 arrobe he especialmente recommendada contra.u dotncas syphiliticas recente!, iavete- I
radas oa rebeldi -curio e ao ioduro de potaas-
Bf: Bro ROB LAFFECTUR, em casa do doutor GIRAUDEAU DE
kjjjjjjjjjjjjjjjjabar, 18, a Paris.
IbWMHHHPJHbWbWI


I
strr
wdos os
toa ra
ido liqui-jj!
1%'ftO i
para lhes leu
reunidas na
vender i aro:
fca dito.
&aii J Pwaibuw SejBUttki ieira 2 tk A
<><
de (70.

IAi
uper
tOllli K ,
de
Ntauftnnte desia pra?a acaba de conoloir
Ti S?;<5^^^^belwHBBBtos de Pendas
i daaoto.Bfoe* da .tanbaldi e Arara, e teodo resel-
. Z ^*V-fr-pM,M*' laaio da pracacou* do mallo.
daTia Gar -. "' ,-W'dax ,n,Perjlr" 72.-e que resolveu-se
ua luja Gatibald., para ticar somate com a da Arara, como cima
r


Attenpo.
Vende-se chitas rranaezas a 10. 2S0, 320
360 o covado na foja do Arara
ORGANDYS DE-LISTA DE CORES.
v&pae-se organdys para vestidos de se-
nooras, fazenda muito modernas a 440 rs
o covado.
rllhaatlna un raussuliaa de cdr
\ende-se brilhautma ou mussuiina de
or para vestidos a 440 o covade.
1U5CAD0S FRACEZES A 3G0.
vftnde-se riscados francezes para vestidos
* 60 rs. o covado.
Chitas largas a 3*0.
l000
CHALES BRANCAS DE CASSA A
CADA UM.
CORERTAS CHIN8ZAS DE CHITA A 2000,
Vende-se-orna grande pwcatfde cober-
ta docilitas cbinezas pera cansa pelo barato
presao Vende-e na loja do Arara 3 balces para
qoajquer estabeiecimento por barato presa.
#r ni se precisar d'elles bq estabeieci-
mento.
UETALHOSDE GHITAS PRETAS E CASSAS
A 420 O COVADO.
I Vende-se urna grande porco de reta-
Ihos de cuitas e cassas pretas a 120 rs. o
covado para liquidar.
Rtra da 1 nperatiz h. 40,
BU- I Vi
JSovo estaba lecimeiito
I
ssqiima x\o
DE
["1
fletarlo deste estabefocnento, commurrk-a ac
ea udade, e especia lineo te s Exmas. familias, aue est BqoidaQao^preVos^a'rt
iwunos, s aligas Inundas que eiisltffl neste eMabelacimento, alm\ias que abaixo"
5o re aciotsad.is, Wjos precos merecen, toda a attenco do respeitavel publico, aue nao
espaitavel publico, que nao
qualidade de falenda que pre-
COBERTORES DE ALGOD.iO A l400'
Vende-se caitas escuras finas das largas
*ani*sCd?S 1a seDhoras- a 32 o wvado. I Vendase cobertores de algodio cada ora
DiUs matisadas escuras a 280b covado, i U.QQ
ALPAGAS LISAS A 500,
Vende-se alpacas lisas para vestidos de
Boras a 00 e OiO rs. o covado.
LAAZfNHAS TRANSPARENTES A 560 RS.
Vende-se I5asinhas transparentes, para
'stdo3 a 500 rs., ditas, tapadas a 400 re.
o covado para liquidar.
ALPACAS DE LISTAS A 500 RS.
Venderse alpacas de listas para vestidos
->00 rs o cavado.
WLHAKTINA BRANCA A 500 RS.
Vende-se brilhantina branca para vestidos
300 rs, o cavado.
ALPACAS M USADAS A 040.
Vende-se alpacas malisadas para vestidos
de senhora a 640 rs. o covado.
CORTINADOS PARA JAXLLAS 63000.
Vende-se cortinados para janellas a 6#000
o par para Pqoidar.
SEDAS DE CORES A I $000.
Vende-se sedas para vestidos a 1000 o
covado.
CORTINADOS PARA CAMA 44,^000.
Vende-se cortinados para cama a 144000
'OLWNHAS PARA SENHORA 100.
Vende-se urna grande pore5o de gollinbas
para senhoras e meninas, a 100 e 200 rs.
cada ama para liquidar.
CHITAS PARA CORERTAS 320.
Vende-se chitas largas para coberta a
lio e 360 rs, o covado.
MANGUITOS E GOLLAS A 500.
Voiide-se manguitos e gollinbas para se-
cura a 500 rs. ditas de linho a 640 e 800
rs: cada urna.
CHALES ESTAMPADOS A 2.JO0O.
Vndese coates Je merino estampados a
000 para liquidar.
CAMBRAIAS VICTORIAS A 6#000.
Vende-se cambraias Victorias finas a
*JOG C;>500 e MOOO, por ser liquidaco.
'ALPAGAS COM PALMAS DE SEDA A1-5000.
."eude-se alpacas com p3lmas de seda para
**:idos de senhora a IOOO o covado.
curtes de cuitas de cores a 25400.
Vende-se cortes de chitas de cores com
o covados a 2jJ500.
RRAMANTE DE LINHO FINO A BARATO
PRESSO.
Algode randado de duaw lar-
garas i1800
Vende-se algodSo transado de duas lar-
guras a lt$200.
MADAPOLAO ENTESTADO A :i500.
Vndese pecas de madapolo de 12 ar-
das a 35500 a peca.
ALGODO A 45000.
Vndese pees de algodo encornado a
45, 55, 65 e 7-5000 a peca.
.Wadapolo a 6000.
Vende-su pecas de madapolo de 24 jar-
das a 55 65 e 6f>500, dito moilo fine a 75,
8^ 95 e 105 a peca para Jiqaid t.
ALGODAODE 8 PALMOS DE LARGO.
Vende-se algodo com oilo palmos de
largura propiio para lenges e toaihas a 900
rs. o mitro.
ALGODAO DE LISTA A 160 RS.O COVADO.
Vende-se algodo de lista proprios para
saias ou vestidos para escravas ou calcas e
carnizas para escravos por ser muito forte a
160 rs. o covado para liquidar.
Cortes de castor para caica a
00 rs.
Vndese coi les de castor para calca a
500 re cada urn.
CORTES DE BUSI PARA CALCA A 15400.
Vende-se cortes de brim de cor para
calca a 15400 cada um.
Brim parda Uso a OO rs.
Vende-se brim pardo liso, meio linho para
calcas para trabalbo a 500 rs, o metro.
angas para calca a SO rs.
Vende-se gangas inglesas para calcas e
patitols a 280 r<. o covado para liquidar.
CORTES DECASEMIRA DE CORA 3550U.
Vende-se cortes de casemira de cor para
calca a 35500 cada em.
Ditos mui o finos com listas do lado a 55.
PERCALAS FIN iS A 440.
Vende-se percalas finas, para vestidos de
senboras a 440 rs. o covedo.
Cassas fraueezas a 2 i O.
Vende-e cassas francezas para vestidos
a 240 rs. o covado.
0 riuvo propietario desie estabeiecimento,
aes.t cidadq,
tissiinos
(o
Mar de com ^(^qnjla refzf-se d. qualq^S.
liso. I revine;,*: taWtm que a mesma l.ja lem eiio sortimeiuo de fazendas moder-
nas. econt.i-.ua a tfirut-fe Bw do mais apurado e escolfiiflo gosto, que vender mais
Darato qni qualque-- outia foja,
m h. L0JVni> PA'>A W^fiib d lar um grande dtelo de roppas feitas, tcm
um boniu ottme^o de lacainiraa lra/!:,-is. mglezas e aomiias dos padrees mais mo-
ne.no. e a^nn corno pannos prels, cawmiras e panno lino cor oe pinl.o, azul claro
eraais esciwo, bnns brancos a de c.'iros, fusir. s LiaiKos e de
e bnns pardqs de todas as qualidadc?.
., n,rA L0JAD0PA!'APU1() l''in contratado a opdmo mostr alfaiate .i
seo ollic.o para excitar quaJqner obra da arie com a maior paifei^lb 6 esmero, e qnal-
freguezes, ficar para a foja, o manda-se
XOaTA
FfcfLIVTE
Ra do crespo m. 9
hecido estbele-
ci.imM*, al*m dos nmiios objeciog que linliam er^
PCSHB4 apreeiaao do reapeita ver publico, man-
aram vr e.calam do.receber pelo ultimo vapor
a Europa um completo e vanado sortiraento de
npas e mu delicadas especialidades, as tjaaes es-
tao resMvidos a vender, como de sen crteme
por preeos muito baratinhas e commodos para to-'
dos, com tantoquoo Gallo....
respeitavel publico ^a1&lSS,*,p-,k*' PreUs'brUl-
be eo
t^o
FeTeiros.
coi es, "angas dB nh
a 35
quer obra que n3d fique vuiiu.de fazer oh ra.
Aioalhadn de lii'^o fino,
e ile algodo a 25.
At'or/Sosiiiho lai'o, i>,ira lera)8
Idas a I &'
Alpua- pi^ia?, de cores, lisas, de furta
cores, e de ftrs.
o metro,
e loa-
Eguilo de linho de 15& 0 a 35 a vnra.
'hiles de merino pretOS mpilo grandes
a 35.
Dito ditos, estampados de 4.500 para
ciin.x
' de linho brano e preto liso, e de
Raives com frionas de dill'erenics co- salpico.
res a .{_>( rs. cov,,!o 1r,,va(,,s (,e ?eda pr(,las fl de cfi da
Bffls su. lapete avelud.-.das. para iagcm, mais modernas .irte km vindo aomercado'
o nrjo e .ui.lorme o tamanbo. Gurdanapos de Uobo hrnc(e pardos.
KJ ir rla? UT U'm::^- Grtedenaple preto de diff>ren!cs pr ros.
Bramantes de bnlio, ftancii e ihglez a
25500 b
filles de iiii<:!, l:ni;.-():, com its.
o ootros todos de pcunvi com o leitio dos
do fitas, para SenhVwas o menins.
Rasquias de arustftiaples preto mo-
lernas c [Je croch muito enditadas.
Bretanhas definlio." .; de alj*ado.
B ios .lo 'iiiiio trincados brancjjs c de,
Hites. i
Laasiiilias em cortes cc:u palmas com I i
covado por 65.
Ditas loas c delitUl transparentes' e ta-
padas de dilT.'rente pregas.
Mad.TjwJao inglez de 5 \ al 10 I.e. ros dealgo.uKo, brancos de 2-a3r5
a 'u/.ia.
Ditos decambraia de h'iihn de G,5a I2
Ditos de eguiati .1.- (!?} *a 8^.
Mosnljnas bfocas o de cores a 500 rs.
Brms d{i algcdSo trancados braocds e de o corado,
C0I^^, Gi.rgur.s de 13a cem isiras, f.zonda ln-
Coqibraia* brwcas tapadas c tnan,pa- L-irame^te iva bo pitii*catto a SuO r*. o
rentes. :ei;do ingles e smssas iU 8 pal- covado.
mos;e laij.'i:;-.-,. erods preto. trancado ^ de cordato.
Wmjsas ,.- ipea, de a^ilao. romo de aJjgctQb para camisas d bomem.
(.aftii>i!ii;is brancas de ca.oibra a m di-! 'riKy:!a< pretas de dl'eivntes
ucados bpfdaflos, e enlejiadas de cor ou* Cimbraiabrarici tapada muito
Mu boas e bonitas gollinhas e punhos para se-
nb2a'nest Kcro o que ha de mais moderao.
SOperiorespentes de tartaroga para coques.
undtjs e riqaissimos eufeites para cabecas das
tjtmas. fenhoras.
SoperlOTes trancas pretas e de efires com vidri-
iBos e em Hes; esu fazeuda c que pode har
de melhor e mais bonito.
Saperioros e bonitos leqaes de madreperola:
marniB, sndalo e osso, sendo aquelles bronco?
cora lindo* desenos, e estes pretos.
Muito superiores raeias fio de Escossia para se-
unoras, as qiuies seuipre se vonderam por 30#000
a (uuia, outrotaato que nos as vendemos por 20a
aiem detas, temos tarabem grande sortin.ento
mitras qualidades, entre as quaes algumas muito
Boas bengalas de superior canna da India e
caaao de uurm com lindas e encantadoras figu-
ras uo mesmo, neste.genero o que de melliur s
pode desejar ; alm destas temos tarabem crand.
quanndade de outr*s qualidades, como seiam ma-
ira, balea, osso, borracba, etc. ele etc.
tinos, bonitos e airosos chicotinuos de cadeiae
de outraa qualidades.
Lindas e saperldres ligas de seda e borracha
para segurar as mcias.
Boas molas de ieda para senhora e para meni-
nas de l a i atinos de idade.
KavaJhas cabo de marfim e tartaruga para fazer
baiba; sao incito boas.e de mais a mais sao ga-
rantid-- pelo fabricante, e nos por nossa vei tam-
bera asseguranus sua qualidado e delicadeza.
Lmdas e bellas capellas para noiva.
Superiores agulhas para machiua e para crox
Linha mmto boa de peso, frouxa, para encher
lanynntho.
E.^ns haralhof de cartas para voitarete, assim
como os teios para o mesmo m.
Orando e variado sortimonto das melhores per-
presos,
larga com
Sras- : progz, e bordado, ha de tres qualidades
Cmtonw de cores a 400, rs. D m.lroe PrDPrM P^ saias de Sras o p,eco ba-
a 8tH />. a vara. ''
Camisas inoc/.as. e franctzas de liiibo.e! .s,,,'',s Prol8S lavradas para vestido a
de nlgadfafle pnqm lisas e honidas. \**) ivado.
Chalos >\<- wi de Mda, meiino .il.ar-l ^^" francez e iuglcz de toda ao co-
ca do dillerviif-.s ota, a minio baratos. rcs-
Cimas para veswdos, Cancezes, de 240 ToaJhs de'afpoaaoe fln linho de dif-
ferentPS qualidades e tamaid**.
Punhos de linhd para homem muito fi-
-4. ----------------
7 Sua doftueimado
DE
E' chegado a este novo estabeiecimento o mais bello sortimento de fazendas
anas, seudo sua especialidad enxovaes para noivado.
Vestirlos de blond de ,sda ricamente bordados.
Gorgur3o de seda branco para vestido.
Colchas de s/eda para, para cama com ricos desenbos.
Ditas de 15a e seda, id m idem.
Ditas de crox, dem dem.
Cortinados lieam nte bordados para camae janellas.
Croxs p ra cadeiras e sofs.
Vestidos de ombraia branca bordados.
Popelines de lindos gostos.
Lias de diversas qualidades, lindos postos e modernas.
Ricos b urnas para passeio, com lislras de sem.
Sabidas de baile o que ha de mais rico.
Cretones para vestidos com lindos desenhos.
Carnizas bordadas e sem bordados para senboras.
Camisas bordadas muito finas para homens.
Dtas inglezas para bornese meninos.
Seroulas de linho, e um grande sortimento de roupas feitas ede fazendas que
enradonho mencionar. H
at 400 rs.
Cintas para coberlo de 320 a 040 rs.
Cortinados de cairbnia.e de lil borda- nut
dos para cainase janelas de 105 riara cima.
i'.of has de fusiao brancas a MfUO.
Di'as do cures a 8^660.
Colariohos de liiihos, inclezf s, e alemies.
lisos n bordailo-.
!) :mas peilo. e-siomilha orH...
*Esp->rli.hos do nlio branco para Sras.,
de' d.lkrentcs precos.
Sleas ing'ezas'para Sras.,e para meninos
e para horneas, de difierentes quididades
e de todos os tamarhos.
Para qnqm comprar peca ou duzia da
qualquer lazi-nda seu preco o custo ; para
diminuir o retalio. *
Dinamo as motras de qulquer fazenda.
A loja do PapaRaio acha-ae aberta todo3
os dias. at as 9 Iioi's da noute.
Francisco Teixeira Mondes
CASA CAUVltt LJSum
Pharmaceutico privleeiad
succaasor
Konlevaid Sebastopol. PARS.
NOVAS ESKCIAUMDES A. MARINIER
*presenKUs i Arademu de Sciencits c ao Instituto de Fringa,
Sob i .'orraa de Pstala, devedida c doseada pan
(aser de momtut un solut(io
PrcnaUva a carailva du MOLESTIAS COSTAGIOSAS.
iNJECCO
,do
valone "le Bti relogie, servindo d*
I'HILTKO c SERLNGA un os
grvi IncoaTtnleatei fra{illdade.
IMCMPHILIRO
CCTA'IOC Com fonwi de olme e um Porte-Mocil
LO I UdUO COTEDO TODO IHATAUE.VTO.
COLLYBIO Contra as affeccois das palpebras,
preparado, sob a mesma forma.
Luvas frescas de Jonvin
tetes para gtiarnices de salas, alcatifas
ireditadas e verdadeiras
Esleirs da India
aiiSI-men!0 f tape,e? P"ra"ar>i'le salas, alcatifas para forro de sala, e o
^raade sortimento das acreditadas e verdadeiras
___i_
M
ES &
14
1. I
AranXe de ferro galvarsado era rede para cercas, gaiola?, gallinbeiros etc.
TJiapas de ferro alvanisado para cobrir casas. ^nuwww ec
Tacbios de ferro etanhado para engenhos.
Cofre* Chumbo era cano.
Dito em lencjl.
Thto era barras.
Dito em enxadas.
E^uohu ero barra e vergaiataa.
Fottu de Flandrcs.
Arados americanos pitra ladeira a vanea.
Carrinbos de mao.
Veoenanai para'janeHa*.
Machinas de'descaru^ar algodo de faeao.
Dtas de serra.
Ditas para cortar fumo.
**M?6 Cadeiras *> ferro.
Cama de furo.
Pren-as para copiar caras.
Balanca para pesar.
Oteo dV linhaca en latas de ferro.
Triiho* de ferro para en;crihof
Bombas americana*.
Jlacacos d e.-tiar. *
saUncas e pmos decimaes e ontras.
goes Je patente.
Eoxofre.
Salitre.
stopa larga e de Be* qnali i. Jm
Tiearetas para ai ferro.
ma grande sortimesto de fwrageu e entilara.,
BARTHOLOMEO l G
casa cauvin Kmm
Depositarios grt para e BRASIL e PORTUGAL
34, ra larga do Rosario. PERNa^MBTJCX).
PharmaceuUco privileaiado
successor ,
Bonlevard Sebastopol, 66. PARIg.
NOVAS ESPECIALIDADES A. MARINIER
A presentad s a Academia de Sdeaeias e ao hs.itolo de Kriata.
|||J CPPJO Sob forBa ie Pastilla, devedUa e doseada para faser de
IHVKVWflO monento urna solucflo PIITIITIVA I OOlATIfA das
MOLESTIAS CONTAGIOSAS
injecm-pbil
Oravse
do volume de um relogio, servindo
de Philtbo e Sbunga sem os
inconvenientes de iragilidade.
Com a forma, e do volme de om Porte-Moeda contead*
TOBO TBATAMENTO.
COLLYRIO
BARTHOLOMEO tC
ESTOJOS
Contra as affeccois uas palpebras, preparado sob a mesma forma.
Depositarios geral para o BRASIL e PORTUGAL
31, roa larga do Rosario. PKHNABCO.
w. mm
ENGEHfiEIBO
Com tundieo
DO BRM 52
l'assando o ch. i'a i.
Ohana a attenclo djs Srs. de aftgvalW para sw arredilados machinismose
om espec;dlm,;dH para>eus vapores qup anda nmat.-z ID melliorado.
Os vapores fbraecidoa por elle ej liinc.-ioii.-ndo Aw bao de faser melhor apre-
Wiaoao do qoe qti u Di-seja tfviHvia maMlotiar qoe (taita do cambio agora mais favoravei do qoe
na poct.a dos apootnientos do anuo paasarlo'iera Ibito urna redacto si-nsivel ero todo
seas presos.
|r>*i
lova loja de joiias'
RA D.CABU6A' NO A.
Maaoel da Ciina Saldanka & C.
Acaha .'> ntirir--- fSfe co':iMerimeWo 'de JO'?- ml
fornarias e dos memores e mais conhecidos per-
fumistas.
COBRES DE ROER.
Elctricos magnticos contra as convulsdea, e
fa mas desde muito recebedores destes prodigiosos
collares, c continuamos a recebe-los .por todos os
vapores, afim de que nunca faltem no mercado,
como /a tem acontecido, asim pois poderao aquel-
lo* que dalles precisaren], vir ao deposito do gallo
vigilante, aonde sempre encontrarao destes verda-
acir<;s coUares, e 03 quaes altendendo-se ao flm
para que ti af pilcados, se Tender com um mui
diminuto tuero.
Rogamos, pois, avista dos objectos que deixamos
declarados, aos nossos fregueres e amigos a virem
comprar por prege* muito razoaveis loja do gallo
vigilante, ra do Crespo.n. 7.
3 cordeiro previdet
Reaa do <|nelmado n. 1.
S'ovo e variado sortimento de perfnmari
finas, e outros objectos.
Alem do completo sortimento de porft
msrias, de qoe efectivamente est provida
ioja o Cordeiro Previdente, ella acaba
receber um outro sortimento que se toro
aotavel pelavariedade de objectos, superior
lade, qualidades e commodidade de pn
?os; assim, pois, o Cordeiro Previdente peo
e espera continuar a merecer a apreciaci
do respeitavel publico em geral e de se
boa freguezia em particular, nlo se alai
tando elle de sua bem conbecida mansidl
e barateza. Em. dita loja encontrarlo t
apreciadores do bom:
Agua divina de E. Coodray.
Dita verdadeira de Morray 4 Lamman.
Dita de Cologne ingteza, americana, frai
jeza, todas dos melhores e maisacreditad
fabricantes.
Dia de flor de larangeiraa.
Dita dos Alpes, e vilete para toilet.
Elixir odontalgia) para conservacSo
tsaero da bocea.
Ccsmetiqnes de superior qualidade e ch
ros agradaveis.
Copos e latas, maiores e menores, co
jomada fina para cabello.
Frascos com dita japoneza, transparen
i outras qaalidades.
Finos extractos inglezes, americano
'rancezes em frascos simples e enfeitados.
Essencia imperial do fino ea^radavel ch
o de violeta.
Outras concentradas e de cheiroa igua
Dente finas e agradaveis.
Oleo philocome verdadeiro.
Extracto d'oleo de superior qoalida.
om escolhidos cheiros, em frascos de difl
entes tamanho.s.
Sabonetes em barras, maiores e menor
para mos.
Ditos transparentes, redondos e em fifi:
ras de meninos.
Ditos muito finos em caixinha para barb
Caixinhas com bonitos sabonetes imitan
finetas.
Ditas de madeira invernisada contendo t
aas perfnmarias, muito proprias para pr
ientes.
Ditas de papelo igualmente bonitas, tas
oem de perfnmarias finas.
Bonitos vasos de metal coloridos, e i
moldes novos e elegantes, com p de am
e boneca.
f A MI
E prai;
nSSr?' Ch3rD! m;*
Bonitas pastas para papek Finiplen p maiisa4as
Boas eixas vasias para Matara com sua efiap
tente chave.
Delicadas caetas de niarfim com 0 bocal de
prala.
Modernos prulcs de tartaruga, obresahindo e-
tre ellts os mimosos lelegiaiihistas.
Commodos toncadores com duaa gavetas e btm
cspelho
Port bonqoet, o ffue do njelhor .lem appare-
cido.
Port rclogios demuilas mialidadm.
BouS'lalheres para crianc i*.
Vostuarins, chaporinlios, toucas, sapa tos emeia*
para baptisadtta.
Toaihas e ronhas de labyrinll.
Cfcapos e cJM|Mlina< para seotwra, moldes oovoe
e bonitos.
Chapozinbos gorros e bonels para meninos
meninas.
Contra as joiivulsfrs cas
crin nras
Vende-v os verdadeiras CNtlarea na Nova Espe-
ranca, rua do Duqoe de '"..i.\.a- 11. 2J.
PAHA TINCli CABELLOS
para preto* uu casianhog, rMara a Nova Espe-
ranza a verdadeira linta kitirta.
PARA ACABAlt COM AS SAliDAS
on pnno, tem a Nova KascraBea h verdadeiro
leitode roas liranea^.
AGl'A DE FI.OII DK r.ARANJA.
Vende-se na Nova Esperan, rua do Duque de
Casia 11. 31.
PAPEL PARA KXFITAH-SE TOLOS
recebeu-os muito lindos a N >va Ksp. r..nca, me
do Duque de Caxias ir. 21.
PARA AMAC1AR E aFORMOSEAR A PELLE
tem a Nova Espeanra *>s sabonetes de poa e
arroz.
Rival sem segundo
BA DO W.QIH DE CAXIAS N. 49
Estou disposto a continuar a vender todas
as lindezas pelos baralissimos precos aba;-
xo declarados, garautindo ludo bom e pre-
cos admirados.
Dozias de paitos seguranca a 120
Duzia'de palitos seguranca caixa
grande a................... 320
Frascos com oleo baboza muito fino. 22'j
Pacotes com pos de atroz o me-
lhor qoe ha a............... 3-<>
Navalhas muito linas para lazer
barba a.................... !000
Cautas de linha branca do gaz a.. 500
Vara de franja de linho para toa-
ihas a ..................... 160
Caixas com pennas d'aco de euy
superiores a................. 800
Lencos de cassa bramos e piuli-
dos a...................... 100
Caixas com 20 cadernospapel pau-
tado a........ J&e
Caixas com 50 novellos de linha
do fas a......... 400
Duzias de meias cruas sopcrioi
qualidade a.....f 3$6Go
Pecas de babadinhos com 10 va-
ras a......., 300
Pe?as de liras bordadascom 12
metros cada p ca- a 11500 e. 2*00t>
Pecas de litas para cs de qi al-
qner larpura com 10 varas a. 50>
Escoys para unhas fazenda fina a 5(V;
Ditas para deutes a 240, 320,
400 rs. e....., 500
Pecas de tranca lisas, brancas e
de cores a....... 16
Duzia de linha froxa para borda-
dos a 400 rs. e..... 50o
Pares de meias crua* para me
nos diversos taannos a. 3
Duzias de meias brancas muito
finas para senhora a. 46500
Pares de sapatos de tranca do
Porto........2,5000'
Pares de sapatos de tapete a, .
Duzias de baralhos para rultarele
Sylabarios portnguezes a. .
Carios com colxetes carreras a
Anotoadoras para collete diversas
qualidades.......
Caixas com penna de ac muito
boa de 320 a. .... .
Caixas com superiores ob'reias a.
Duzia ae agulha para machina a.
Libras de p^egos francezes todos
os tamaitos a......
Pacole de papel com 20 qnader-
nos...........
Retna de papel pautado superor
Resma de papel uso muito supe-
rior a ...........
i#600
3000o
400
20
400
50f>
4"
20000
240
400
4^5000
30600
Opiata ingleza e francesa para dentes.
Pos de camphora e ontras different
cualidades tambem para dentes.
Tnico oriental de Kemp.
Alada oaalaco^axes.
Cm outro sortimento de coques de n
os e bonitos moldes com filets de vidriifa
' algons d'elles ornados de flores e flto
st5o todos expostoa aprecia?5o de qe
is pretenda comprar.
GOUJNHAjTe JNHOS BORDADOS.
Obras de muito gosto e perfeicSo.
Firellas e filas para catot.
Bello e vanado sortimonto de taea obj*i
tos, ficando a boa escolha ao gosto do coi
prador.
BDlho novo d Fer-
nan^o
Em bceos grandes a prec eomn nJ : no ar-
maiem de Tassu Irmos & C, rua do Amorim Ho-
mero 37
LA VILLE1 PARS.
20Rua da Imperatriz20
Faria & i.rssa.
Acaba de chi-gar a esta nosj'i nova loja e Ja
zendas finas um variad** sortimento de fazendas de
la e seda, remo sejam : granadines do ultimo
gosto, popelinas de ama s cor, alpacas e laai-
nba< de cor?, o qne ba de mais moderno, tndo
por baralissimos preco, brilhanlinas de cores, te-
cidos das indias, fazenda nova a imitaran de pe:-
calia.baloesde dina (jngrdo saia de cor com lin-
das barras, fustoes pmprios para vestirlo e roupa~
de meninos ; agora grandes e admira veis pecio:
chas, saias brancas com lindos frisados a 34. n-
ros corpinbos bordados muito finos a Si, balo*
modernos de arena a 2, ricas colchas para cama
alroehoaas. sendo brancas e de cares, a 6s b/ e
71, cambraia victoria Una a 5, ditas transparen-
te^ a.ij,U e 11,chitas finisiimas escuns e claras
a 280 300, 310 e 360 o covado, cassas nV cores a
240, lencos (trancos de casfa a 21900, ditos cb.
nezes a 31500 a duzia, readapolao I no a 6 <
6oO0, e muit supero r a 7#, 7*600 e 84, alg-
daonulio largo proprio para lences a 6*t, paono
de al.odi branco trancad? proprio para toalha-
de mesa a 13600a vara, nramante para lences a
24000 e 34500, o que hs de methnr, esguiao. -
n.ssimo a 24200 e 2*500 a vara. Mandamos as
casas das Exnias. familias para melhor poderes
esc >lber. Tambem temos completo scitiraento de
perfum ras dos pr mniro" fabricantes francezes <
inglezes. as pesabas que sedSpnapem vir a esb
I ja icrao-iicrasSo de recoubecer a rtalidade do
qne annurmamn* para nos jostlnMr.
m
;:randft sortimen- ^
iode-w^, i-dMinKl>.to.-y,uae8: tender* oIds barato ?m|
' '"uotfaraiiridfcVouro'de kri, (iws'Oi>seuf danos ter>do'e
n5w olvidarlo wnder l*n>.e-u procos u mm ra&rntti
vrda se o ptrMw a vir a e.=t*"eiwbelerrm'nto, m fy ffue Reara rntupic.'
f..r
VSiB
rrarlaia>-i|ne
A MAO DE OK9L-"RA -BO-^aBOiV-SH.
I,
fe>w.. -.,-.... ;|5PaW*.-;.
Cabellos
Venrjem-se cabellos de tortas as cores, qualquer
comprimento, qualidade superior, em caixa ou
porcao mais pequea : na rua da Cadeia do Re
cife n.|$l, anclar.
X)LHI\ DO RK)
*UA DOCiBUGA* N. B. -
5ft,la "Muca, e veo'leio hilhetes do fto
aos vanded. res na rajio de 254000, seja qnal
for 'JS^*' diiheirn vsia e aos particulares a
- jm ca
SKtfi, ro
casa de THEODORO CHR1ST/
wSEI|i, roa da Cruz n. 18, eneotram-f
^eect^'fament6 todas as qualidades de vinb
lordeuox, Boorgogne edo Meno.
Vende-se a casa terrea n. ti, s em Olinda.
rua do Urgo do Amparo, com excellentes com-
modos e. grande quintal, solo prtanft : a tratar no
Becip. roa da atleta n- t.
a grosso
Rap grosso
Na l ja da Aurora, na rua larga do Rosario, n.
38. pi ne.ii'eite a Manuel Jos" Lopes dt Irmo re-
ceberain raiie-gi-s" gr. sso do Bi" de Janeiro, dito
gas-e fino, dk i Paulo Ourdatro vi/ il., itn prin-
reza B. rh, dim i nmvzaflno, du Babia, dito ase
grua-o, dito relio fr.ineez, lito de Lisboa ; de todas
estas qualidades de zap se vende tanto em libras
eomo a retslho.
Cachines
Caohines
A tfija daAorrra ca rua larga do Rosirio, n.
38, tem hons cachines delade dili re-
obra multo boa para senhoras; a qual muito barato.
F
"*V-t-"


Pemambco
*>egu
nda leira zz
Uc IO
LITTERATllA
H
uIax fill-
C0V8.
u rosto.
fra como n
dflila
adormecido
as flores se
des-
cm
tgmento de um canto.}
Eq i-te quando depositaram-te na
Da cor do neoufrhar era o teorq
Teus olhos eramam r ecidos como
qoando desmaia no cea
Beije te na U-sta estava
seixo da fonu. f..,
Minhas lagrimas cabiram *<;le atua '''
como cabera na rclw, as g'-tas ^e
o cajoiro.
E tu n3o sentiste.
Doriuias E collociram-te
na trra hmida.
Acorda Ms-
jaey brillia as nuvens
abrem-o sabia cania no mallo.
\Mn A acy.
N< nos sentaremos a sombra da palmetra
e falliremos nossas ternuras.
Eu me eolacaivi em teus bracos como a
beia no tronco da mangueira.
E nos nosembriagaremos de prazer co
mo os viados se embriagam com o nctar
das bagas da vide.
Vem \racv.
Mas ah tu uSO ven;-tu n3o podes vir i
Teu corpo dnrme aqui, mas tua alma
vive no paiz de Tupan.
Fogt&te. e fugiudo deixaste-me esta lem-
braoca como o passaro que pousao'.o na
rozeira deixa em seus ramos as penas de
armiubo.
AracyAracy f
B a formosa Jaty chorava ; sua do.
fazia-se em lagrimas como dsfaz-se
chuvas a oiivem que tolda o co.
E o campo era mudo.
Ai acy uo vjoba do paiz das almas, en-
chufar o pranto da virgem do deserto.
S o oytib adejava soltando seus pos
tristes. ,
J icv ergueu-se seu olhar desvairado.
voHeou pelo eemiterio como urna ave da
youte que tonteia pelo ar.
Lentamente, com o aniar da corea Una
pelo catador deixou o tmulo de Ar;.cy e
eticam'uihou-se para as campias.
A la como que seguiodo seus passos
descia para o poente.
E ella camioliava errante.
Por fira ella cheou a margena de um
rio que corria rugiodo como o bracay da
floresta.
E parou.
Seos olhos se alongaram pelas
prateadas pelo luar.
E seu seio exalou um snspiro, preludio
do canto que Ihe extremeria n'alma como o
canario solta um silvo antes de entoar
seu1 gorgeios.
E fa lou :
O saby azul dorme no seu ninho ma-
aracaiy que pasa balanca-lhe o laito
preso na mangueii, como o'berco do me-
nino que Tupan collieu.
E elle dorme feliz.
Assim eu era adormecida no seio de
Aracy. .
Reclinada no ninho de seu amor eu dor-
ma ; e meus sonhos eram mais cherosns
e doc s do que as folhas da -ammambaya.
Mas ai veio a morte e levou 'o meo
amante qnal o vento que arrebata o ninho
do passar'nhc.
E o saby sem abrigo treme de fro; e
eu solitario extremeco de dr.
Aracy morreu.......................
) seo
Trini
de i'
serrai
p rqiw ilo quarto
quena linyia de te
prioeir* impeto o
praia
Mon-
isgoarnecidos,
esso orna pe-
ampeiavam Oanos
ja supposta nexpugnabilidade; tambem nao
restira a fortaleza de S. Barlholomeu, 8
Mauricio- de Nassau, armado logo eras
dois pontos d'apoio, marchara a estabele-
ccr-sc na eminencia chamada do-padre Ri-
beiro, qie ficava menos de meia legua da
Babia. Debalde p conde de Bagnuolo en-
viara algumas compaohias a hostilisa-lo, e
a embaracar-lhe a marcha. Apezar do va-
lor cora que se portarara, n3o conseguiram
o seu ra. Mauricio d- Nassau marchoo
desassombradamente, ainda que deixando o
caminho janeado de cadveres'dos eos e
estabelecendo as suas baterias com rapiaez,
comecou a varejar de balas os entrincheira-
ments avaocados, qa* defendiam a cidade.
Era ao cabir da tarde, e havia as roas de
S. Salvador nm alvoroto indescnpttvel. Ma-
gotes de populares cruzavam-se por todos
(is lados, uns furiosos e pedindo ?rmas, ou-
tros pulidos de susto e invocan lo a mise-
ricordia do \ltissimo. As mulheres, que
viain nos Hollandezes urna variante dos Can-
uibaes, choravam-e arrancavamos cabellos,
acumuladas s portas das babitacoes, ou
entrouxavam pressa os seus haveres para
seprem salvo no reconcavo. como haviam
fe.to no lempo do bispo O. Marcos,
palacios uo era menor a agitaco
as casas modestas
m5os,
lira;
awarg,
vam. sen-
ms.
os herejes,
que me eounam o
"ergen-se. Esi tabiotl
tremiam-lbe convulsos lasse
intima fobre.
eloquenci fazia v do Ins-,
trmenlo, onde ia despenar incgnitas e
tremendns melodas.
Porque esse borne m era o padre Antonio
Vieira.
Exurge, quare obdormis, Domine ? dts-
se Hle com voz grave ? profunda. Exitr
ge et ne repellas in finem. Quare faciera
mam avertis, oblivisceres inopia nostra> et
tribulationis postra? Exurge, Domine,
adjuvanos: et redime os propter nomen
tuum.
Fez ama pmsa. Ouvio-se ao longe o
troar doeaoho hollandez.
Antonio Vieira escutou ara instante ess
rumor longiaqoo. e fluctaou-lhe nos labios
um paludo sorriso. Depois, com a sita
voz melanclica e grave, contmuou:
Com estas palavras pied isamente re-
solutas, mais protestando que orando, d
flm o Propbeta Rei ao psalmo quare ata e
tres. Psalmo qu i des le o principio ate ao
fim nao parece senlo cortado para os tem-
pos e occasio presenten
O silencio era profuffdissimo ; o crepus
fio-
Mas eu n5o chorarei mais I
Como o saby sem abrigo va para a
resta para tecr outro ninbo en voarei para
a morte buscando o meu amante.
E eu o incontrarei.
Oh rio de prata. onde minha mi lavou-
me qundo eu sahi de seu seio recebe me
era tuas ondas I
Leva mo a margem onde Aracy me es-
pera.
Abre-me oh rio de prata as toas ondas...
Jaty emmudeceu.
E aproximou-se do rio como urna grar,a
que vai matar a sede.
Mergulhou e desappareceu...
Um instante depois o sea corpo boiava
sobra as aguas?
Ella estava dedada qual se dormisse em
sua rede de pennas.
As ondas embalavam-n'a e ella fluctuaba
a flor d'agoaass:m v-se as vezes b>iar no
corrego, a flor do manac que o vento des-
prendeu do ramo.
Neste instante passavam pelo rio trazidas
pela correnteza ilbas de verdura que as
aguas fabricaran), matizadas de flores, exa-
lando aromas no seu desusar suave.
E o rio agitava-se as prepassar dessas
pirogas de folhas. .
Urna onda crespa qual a plumagem de
um pombo que se aquece ao sol, atirou
Jaty a ama dessas ilhas fluctuantes.
E india morta estendeu-se neste tmulo
de flores; sobre o sea corpo adormecido as
trepadeiras inclinaram suas longas bastes, e
os nenaphares penderam suas rosas que
vertiam como lagrimas gottas de orvalho.
E a barca de verdura eontinuoa sea vogar
silencioso levando comsigo a virgem do
deserto fria e paluda como a
esconda atravez das montanbas
que se srguiam no poente.
A viuvinba prelodiava ento o seu pri-
meiro canto.
E amantta apparecia rosada a derramar
luz^pelo espaco.
Junbode t870.
Lenidas Damazto.
ua que se
de nuvens
i
M. Pinheiro das Chaves
I
UM SEIWO DE ANTONIO VIEIRA.
Havia dois ou tres das que a armada
hollandeza do conde Mauricio de Nassau
forcra a barra da Bahia, e, depois de
lancar em ierra as tropas de desembarque,
principiara a bombardear a cidade. Den-
tro dos muros da capital do Brasil a confu-
s3o era extrema, e a consternado immen-
sa. A (ama das victorias dos Hollandezes
tmba, havia muito, por de sobresalto os ha-
bitantes de S. Salvador. Sentiam que Ibes
e3tava imminente a sorte de Olinda, e u3o
julgavam ser mais felizes do que osPernam-
bucanos. Quando estes os nao podera
defender o herosmo de Mathias d'Albuquer-
que, tendo na sua frente um general medio-
ore, Theodoro Vanderbarg, poucas esperan;
s cade va alimentar quem era defendido pel
Nos
do que
da burguezia. Negros
robustos transporiavam pressa em pesa-
dos fardos, para sitio seguro, as riquezas
de seus anv;s. as pra?as estacionavam.
eiuostad-is forqnha ind'upensavel para a
suas armas quasi primitivas, as continuas
de mo^queteiros por haverem compndo o
sea dev;r esperavam com resignado urna
nova ordem dos seus chefes.
Aqui o i a'm, esquina das ras va se,
il uminado pelo ralos do sol poente, immo-
vel e tranqoillo. com o estoicismo caracte-
nsco da sua raca, algum indio das tribus
alliadas, cojo heroico chefe, Potyguarassu,
j nao era tratado entre os Portuguezes
sono pelo nome pomposo de D. Antonio
l'elippe Camaro. Mais adiante. expnmin-
do-se com volubilidade, e manejando o ar-
cabuz comi um lambor-mr o bisi3o, pe-
rorava, no meio d'um grupo d'escravo', que
o escutavam boqui-abertos, algum preto do
lerco >i Henrique Dias, narrando acanhas
fabulosas operadas por esses hroes de Ca-
binda, e da Costa da Mm i. A cada instante
entrava na cidade urna nova companhia de
mosqueteiros ou de arcabazeiros, dizima-
(|a, mas marchando com ordem e mostrando
nos rostns marcaes os vestigios bem visi-
veis d'ama peleja todo o trance. O re-
gresso dessas gloriosas reliquias augmenta-
va a co sternaco dos sitiados, e ame-cava
a cidade com a volta d'um desses pnicos
que to fataes nos havam sido em todas as
campanhas contra os Hollandezes.
cima deste borboiinho confuso onviam-
se dous sons ainda mais lgubre-, eque fa
ziam pairar o terror sobre a cjpit'.l afflicta.
Era a voz geme-Wa dos sino que vibra-
vam em todos os campanarios, acordando
os chos espantados com A pavido toque
de rebate, e era ao longo, abafado mas in-
cessante, o horrsono troar do canbo hol-
landez. cuja chamma indecisa se poda ver,
entre as sombras incipientes, avermelhando
o horisonte.
As aguas da bahia estavam j immersas
em meia trova, e nessa pscente escundao,
apenas aqui ou alm corlada por um reflexo
do sol doirando a crista espumea d vaga,
onvia-se com indefinivel angustia o melao-
clico lamento da onda quebrando as'fra-
gas. A ilba dTtaparica, vestida de denso
arvoredo, envolva se em mysteno. Do
lado das empinas, pelo contrario, anda o
sol esbraz-ava o horisonte, doirava com me-
tallcos reflexos a copa vvrdejanle das ar-
vores, e illuminava as cpulas e campana-
rios da cidade, accumulada as collinas, e
principiando j a descer para a baixa-mar
por encostas de rpido pendor. Mas era
breve, como sempre, esse crepsculo as
ierras tropicaes, ea noute n3otardariaa en
volver com o sen manto de terrores a cons-
ternada populacho.
Pelas portas los templos, abertas de par
em par, engolphavam-se ondas de povo, que
\inha procurac junto dus altares ou urna
esperanca ou um refugio. Em todos esta-
va exposto o Santissimo Sacramento, e no
meio das trevas e"m que se sepultava o cor-
po das grejas, esplenda a capella-mor com
as lunumeras luzes' que rodeavam o sacra-
rio. Era para a igreja da Ajuda, a igreja
dos jesutas, que se diriga mais grossa rao
de pov. Sigamo-la nos tambem.
A vasta igreja da Ajuda, sem ter ainda
a opulencia que se elevou depois, e lava
tambem j mmto longe de ser o templo
modesto, onde os leitores da Virgem Gua-
raaba assistiram a> soleranidade, em que
Beatriz cantau, dianie de Caetguara mara-
vilhado, umdos psalmosdePalestrina. Nes-
sa occasio as sombras crepusculares aug-
mentavam o sentimento religioso, que pare-
ca descer d'aquellas abobadas mageslosas
sobre a multidao ajoelhada. A capella-mr
innundavam-a as luzes, mas essa concen-
traco de fulgor nao fazia seno tornar mais
densas as sombras, que se a.ninhavam nos
recantos da nave. Atravez dos vidros co-
rados das altas janellas, um raio do sol mo-
ribundo coava-se, frouxo e fallido, e dese-
nhava na athmosphera um longo traco lumi-
noso. A mullidao confusa ondeava no cor-
po da igreja, e o choro das mulheres; o
murmurio das preces confundiam-se n'um
funubre lamento. O org3o, triste e como
que suspirando apenas, .fazia ouvir o seu
canto vago, vibrando debaixo dos dedos^dis-
Irabidos d'algum novico jesuta. O sino
calra-se por instantes, e o gemido do te-
clado pareca invocar com timidez a pro-
tecc3o do Omnipotente.
De sbito percorrea um frmito as turbas
susurrantes, e todas as canecas se voltaram
para o pulpito que ficava escondido na pe-
numbra. Um homem de alta estatura, de pouco
mais de trinta annos, em cuja fronte larga e
melanclica se va estampado o sello do ge-
nio, em rojos olhos vivos resplandeca a
chamma da inspirac3o, sabia vagarosamente
os degros da tribuna sacra. Vesta a am-
pia roupeta negra dos jesutas. Subi, e,
ao chegar ao pulpito, ajoelhou escondendo
a cab ca entre as mSos. O raio do sol,
qoasi a apagar-se nos vidros ainda scintil-
lantes, cereou-lhe os cabellos d'um nimbo
d'ouro. Reinou profundo silencio no au-
culo ia cada vez nvos desdobrando o seu
veo sombro ; os vi Iros corados p*ssavam
por todos os cambiantes decrescentes la
luz solar. A voz d.; Antonio Vieira con-
servou durante o exordio Inda a sua gr-
vida :e austera; humilhou dianie de Deus
o espirito, para depois melhor se levantar,
pedndo audaciosamente contas Omnipo-
tencia do desampar" cm que deixava os
Portuguezes Quando resou a Ave Mana
d i final do exordio, a sai voz estava h-
mida de lagrimas; form, ao erguer-se de
novo, adqu'rira como que um tim'n mais
viril; a sombra crepuscnbr, cida instan
te augmo tada, levantava ; ropor.es co-
lossaes a sua estatura firme e erecta no
pulpito. Debaixo das vestes do orador sa-
cro j se podia presentir o -tribuno patriti-
co ; j as vbncoes de sua voz tomavam
energa e vigor, j a eloquenci fogosa o
arrastava para as espheras vertiginosas ; ja
o auditorio senlia correrem-lhe pelas veis
as convulsas contagiosas d herosmo, e.
quando, do seio das trvas em que estava
o pulpito mrgulhalo, sabio, austero e for-
te, o brado de recriminac3o amarga contra
a constante prosperidade dos Hollandezes,
ouviu-se como que um Unir d'espadas na
ampiidao do templo.
Ji dizem os hereges, exclamava no
pulpito a voz de Antonio Vieira, j dizem
os hereges, insolentes com os successos
prsperos qae vos Ihe daes ou perraitts,
j dizem que. porque a sua que elles cha-
mam religio verdadeira, por isso Deus
os ajuda, e veeem, e porque a nossa er-
rada e falsa, por isso nos desfavorece e
somos vencidos. Assim o dizem, assim o
pegam, e ainda mal porque nao faltar
quem os creia. Pois possivel. Senhor,
quehajam de ser vossas permisses argu-
mentos contra vossa fe? possivel que
se bajara de occasionar de nossos castigos
blasptiemias contra o vosso nome ? Que
diga o herege, o que treme de o pronun-
ciar a lingua, que diga o herege que Deus
est hollandez ? Oh n3o permittaes tal,
Deus meo, nao permittaes tal, por quera
sois. Nao o digo por nos, que pouco ia
em que nos castigasteis, nao o dgo pelo
Brasil, que pouco ia em que o
seis: por vos o digo, e pela honra do vos-
so laniissimo nome; propter nomen tuum.
Nao se ouvia nem nm murmurio; estavam
todos suspensos dos labios do padre, e elle,
estendendo o braco com um gesto d'ener-
gica maldic5o, trovejou do pulpito com voz,
ao principio concentrada, e aflnal rugidora
como urna te .pestade :
t J que o prfido calvinista do successo
que s Ihe merecem nossos peccados faz
argumento da religio, e se jacta insolente
e blaspbemo d ser a sua a verdadeira,
veja elle na roda d'essa mesma fortuna qoe
o desvanece, de que parte est a verdade.
Os ventos e tempestades, que decompem
e derrotara as nossas armadas, derrtem e
desbaratem as suas; as doencas e pestes,
que diminuem e enfraquecera os nossos
exercitos, escalera as suas muralhas, e des-
povoem os seos presidias ; os conselbos,
que, quando vos queris castigar, se cor-
rompen!, em nos sejam Iluminados, n'el-
los enfatuados e confusos. Mude a vic-
toria as iosigaas, desafrontem-se as cruzes.
catholicas, triumphem as vossas cbagas as
nossas bandeiras, e pnheca a perfidia ho-
milhada e desengaada que s a f roma-
na, que professamos, f, e s ella a ver-
dadera e a vossa.
N3o b uve respeito que resistiese ; n3o
houve g [o, que se n3o derretesse ao fogo
d'eta eloquenci sublime; n3o boave deno-
do, por mais amortecido,"que se n3o exal-
tasse; nao nouve, por mais affpgada em la-
grimas, voz que nao soltasse um brado de
neroica maldic3o. Foi um grito unnime
que reboou as abobadas do templo, e que
ft-z passar como que um spro( bellicoso
as teclas do orgo, que despertaram n'uma
nota, s, longa, austera b vibrante. E
Antonio Vieira, arrastado por esse mesmo
elctrico impulso que aes outros commuoi-
cava, transportado pelo irreeistivel esd
Deus in nobis, com a voz fremente, debri-
cado do pulpito como qoe para mais se
aproximar do sacrario, lembrava ao Omni-
potente i>s sacrificios feilos pelos Portugue-
zes f catholica, e invocava assim ao mes-
mo lempo a gloriosa -memoria dos nossos
passados triumphos.
Se esta havia de ser a paga e o fruc-
to de nossos trabalhos, para que foi o tra-
balhar, para qae foi o servir, para que foi
o derramar tanto e t3o Ilustre sangue n'es-
tasconqu stas ? Para que abrimos os maj
res nunca dantes navegados ? Para que
descubrimos as regies e os chinas n3o
conhecidos ? Para que contrastamos os
ventos e as tempestades com tanto ar-
rojo, que apena? ha baixio ao occeano
que n3o esteja infamado com mi
se ibdissimbs naufragios de Portagaezes?
E depois de tantos perigos, depois de tan-
tas desgracas, depois de tantas e lastimosas
mortes, ou n'essas praias desertas sem se-
pultura, ou sepultados as, entranhas dos
alarves, das feras edos peixes que' as tr-
ras qoe assim gaohimos, as hajamos de
perder assim? Obi quanto melhor nos
fra nunca conseguir nem intentar taas em-
prezasl
O troar longinquo do canho acompanha-
va magest"sameute este quadroj?intado com
ao
a ira
i Abrasai, des*ri, consumi-nos i todos;
mas pode se um dia qaeiraes Hes-
panboes e Portuguezes, e que .os n3o
acheis. H Jlmda vos dar os apostlicos
conquistadores que levem peUmaado os
estandartes da cruz; Holl nda vos darlos
pregdores evanglicos, que semeiem as
trras dos barbaros a doulrina catholica, e
a reguera com o rr"prio sangue; Hollanda
defender a vrdade de vossos sacramen-
tos, e a autoridade da igreja romana ; Hol-
lana edificar templos ; Hollanda levantara
altares, e offerecer o sacrificio de vosso
santissimo corpo; Hollada, emfira, conclnio
elle, revelando com o trato enrgico do re-
mate, e com o vigor do gesto a ironia
acerba das pnrases precedentes, Hollanda
emfim vos servir 13o religiosamente como
em Amsterdam, Middleburgo 5 Flesioga, e
em todas as outras cidades d'aquelle fri
e alagado inferno se est fazendo todos os
dias.
Parou. No meio do s lencio so'emne que
se seguio, ouvio-se mais destnela a voz tro-
vejante da artilharia. Todas as respiracoes
estavam anciadas e oppressas. Vieira, como
que desfallecido pela fadiga sublime da elo
quencia, dxou pender a cabeca sobre o
peito. Depois ergueu-a de novo : quem o
podesse contemplar de perto vena as lagri-
mas a correrem-lhe pelas faces. A vo?,
que resoou enl5o, d3o era j forte e enr-
gica, era timida e solncante. O grande ora-
dor, percorrendo a esca a do seu mstru-
msnto maravilhoso, ia fazer vibrar as cor
las do pathetico, e encher de luto, mas
de ndignacifo tambem, as almas que al i
tinh, oscillaates cada s?ro do seu genio.
Pouco pouco linham-so id) aceendendo os
cyrios e os tocluiros da igreja, e os seus
claroes incertos ryojectavam graides missas
de luz cambiante no templo ond^ se acca-
malava a turba. Nos quadros sombros de-
seahavam-se en sinistro rel-svo as figuras
ascticas dos santos, e pelos crucifixus lvi-
dos escoma como que nm esplendor san-
guneo. O auditorio quasi que soltou. um
grito, ao ver paludo e banhado de lagrimas
o rosto de Antonio Vieira, e;um frmito,
precursor da procella, corren pelas veas
de todos. O orador continuou :
t Finjamos, pois, bradou elle, e os solu-
cos cortavam-lhe a voz,finjamos pois (o que
at fing io e imaginado causa horror) finja-
mos que vem a Bahia e o resto do Brasil
as m3os dos Hollandezes: que o fue ha
de succeder em tal caso? Entrarao por
esta cidade com furia da vencedores e de
hereges ; n3o perdoar3o estado, sexo,
nem idade : com os fios dos mesmos al-
fanges medir3o todos. Chorar3o as om-
itieres, vendo que se n3o guarda decoro
sua modestia: chorarSo os velos, vendo
qoe se n3o guarda respeito i suas c3s;
choraro nobres vendo que se nao guarda
cortezia sua qualidade ; chorar3o os re-
ligiosos e venera veis sacerdotes vendo que
at as cras sagradas os n3o defendem;
choraro finalmente todos, e entre todos
mais lastimosamente os innocentes, 'porque
nem esses perdoar (como em outras oo
casies n3o perdoon) a deshumanidade he-
reda. Sei eu. Senhor, que j por amor
dos innocentes dissestes vos algnma hora
que n3o era bem castigar Nmive. Mas
n3o sei que tempo, nem que desgraca esta
nossa, qae at a mesma imocencii vos na-
abranua ? Pois tambem vos, Senhor, vos
ha de alcancar parte do castigo (que o
destrus- que mais sent a piedade christa) tambem
a vos ha de chegar.
As lagrimas, os solocos, qoe esse qtrtdro
to vivo arrancara, estancoa os a curiosida-
de. Deus castigado Deus vilipendiado
pelos herejes! Jess J
f Entrarlo os herejes n'esta igreja e as
outras, continuou o orador com a ve* j
mais firme e sonora, arrebatar5o essa cus-
todia, em'que sstaes agora adorado dos
anjos; lomaram os clices e vasos sagrados,
e applica-los-hSo suas nefandas embna-
guezes. Derrabarlo dos altares os vultos
e estatuas dos santos, deforma-las-hio
cutiladas, emette-las-h3o no fogo, e nao
perdoaro as mos furiosas e sacrilegas
nem s ijaagens tremendas de Christ ;Cru-
cificado, .nem as da Virgem Mana.
Ouyio-se um grito immenso de horror.
, .;ma rl'iMiln i-n'fa nir.nf
lm i tan *
mo I j ^^^^^^^^^^^^|
a tim'
mor
roi-se escoando moltidso, q ,f'-
Hollarid#*s espalhando-se petas
O rgSo gen%e<
mas cima dfest grito unisono vibran tro-
vejante a voz de Antonio Vieira :
Se a Balthazar, por beber pelos 'vasos
do templo, em qoe "nao se consagrava
vosso sangue, o privastes da vida e do rei-
no ; porque vivera os hereges que conver
tem vossos clices osos profanos ? J nao
ha tres dedos que escrevam sentenca de
morte contra sacrilegos ?
E o gesto coinpletava a apostrophe, e a
mo de Antonio Vieira, estendida, pareca
inscrever as paredes da igreja, em ledras
flammejantes. o Man, Thekel, Phars da
origem de Babvlonia O troar do canh3o
pareca o preludio da viaganca celeste.
E os horaeqs exaltadas pediam armas
para correr s trincheiras, e as proprias
molheres estancavam o choro, e sentiam em
si os amigos brios das heronas portuguazas
Mas Antonio Vieira, mudando ainda urna
vez de tom, e dirigindo-se supp'icante
Deus, quem se dirigir altivo, implorando
a SHa misericordia, depois de ter invocado
a sua justica, bradou com voz cheia da
commoco religiosa:
t Se sois Jess, que quer dizer Salvador,
sede Jess e sede salvador nosso. Se sois
sol e sol de justica, depende os rigores da
vossa Deixai j o signo rigoroso do leao, e
dai am passo ao signo da virgem, signo
propicio e benfico. Recebei influencias hu-
manas de quem recebestes a humanidade.
Perdoainos, Senhor, pelos merecimentos
da Virgem Santssima.
Perdoai nos, Senhor, bradoa o audito-
rio cahindo dejoelbos, esolugaodo.
t Perdoai-nos, por seus rogos, ou pardo
a-nos por seas imperios; porque se'como
creatara, vos pede por nos, operd3o como
mal vos pode maodar, e vos manda qae nos
oerdoeis.
c Perdoai-nos, Senhor, tornou o ndito
rio lavado em lagrimas.
t Perdoai-nos emfim para que vosso
exemplo perdoemos, e perdoai-nos tambem
exemplo nosso, que todos desde esti
hora perdoamos todos pot vosso amor:
Dimitte nobis debita notra, sicut nos dimit-
timus debitoribus nostris. Amen.
Apenas expirou a ultima palavra nos la
bios de Antonio Vieira, ergaeu o orgo a
sua voz plangente. A sacra meloda vibrou,
espraiando-se meiga e trmula, pela ampii-
dao da igreja, e acompanhou com .o sea
marmurio qaexoso o jesuta, que descia

fo*a* r"
gindo-se para a ear*H8-mr, ajoelhon dian-
ie do altar. Qundo s* embeba em fervo-
rosa prece, serrtio locarem-lhe na maag *>
habito, e ama vo>, tremola de coinmocao
murmurar:
Meo padre, nm homen qae vai morrer
Ihe pede a sua santa benco.
II
VH W8C1PL0 OT. BAVAILLAC
Antonio Vieira voltou-se com espanto, e
vio diante de si orna figura realmente
caracteristics. Era nm rapaz de vinte e
cinco annos, alio e robusto, ainda que una
pooco magro. No sea rosto, qoeimado pelo
sol da America, transluzia claramente a
energa qoe se podia com facilidado mudar
en exa tac3o ; nos olhos, negros e rasgados,
lampejava esse fogo sombro que o fanatismo
expande. Vetia gi*)3o de clwmalote com
as mangas tufadas a calca cora abotoadara
lateral sumla-se na bota de cano alto e-
laigi, usada nesse seclo. Sem affectar
primores de elegancia, o trajar do mancebo
mostrava que elle tinha na dovida ennta os
seus vnte e cinco annos, e que nao desejava
escond-los.
Antonio Vieira abrangen de relance cora I
a vista esse guapa moco, que na flor da
vida Ihe pedia a benco que se concede aos
moribundos. Depois fitou com pasmo os
seos olh >s nos olhos delle. e perguntoo :
Ides morrer, irmao ?
Ai nSo me salvar am milagre do
Omnipotente. .
Comprehnio, tornou o jesuta, corris j
aos enlrinchciramentos, e tencionaes arro-
jarlos ao sitio onde mais ferverem as
balas. Dos, raen irmo, protege com
invisivel escu lo aque.les que desemoainham
a espada era defeza da patria e da f.
Cnmpri heroicamente o vosso dever, e a
minha benc3o desde j vo-la outhorgo, mas
esperando tornar-vos ainda a abencoar
quando vultardes cidade, cingido dos
louros da victoria.
Enganai-vos, meu padre, redarguio o
mancebo; do sitio aonde eu vou nao-se
volta com tanta facilidade, e, se as balas
cegas, ferindo ao acaso na massa dos com-
bat^ntes, podera poupar aquelles que mais
vidamente as pro mram, vnte esoingardas,
apontadas dez passjs de distancia ao peito
de um homem, n3o costomam errar o ca-
minho do coracll-).
Ides ser arcabusado! tornou o padre
Ant' nio Vieira, cada ve* com maior espan-
to, mas como, seestaes livre ?... Que mo-
tivo levob o conde de Bagnuolo?...
O mancebo interrompeu-o com um gesto.
E, depois de nm instante de silencio:
A historia de Judith verdadeira-?
Pois dnvidaes ? acudi Antonio Vieira
em tom de reprehenso; coatam-na os li-
vros santos.
E Deus abencoou a heroina.'exclamou
o mancebo exaltado, que iivrou o povo de
Deas, banhando a sua espada no sangue
impuro de Holophernes! Abencoou Deus
tambem, nlo verdade, meu padre, omar-
tyr Ravaillac. que, ha bem pouco tempo
ainda, deu ao mundo um grande exemplo,
cravando o pnnlul no peito desse falso ca-
thoiico, desse Henrique IV de Franca, que
protega os hereges, de quem fra compa-
nheiro e chele ? .
Ravaillac! exclamou Antonio Vieira
atterrado. Que dizes, irmo, Deus aben-
coou o assassino!
O assassino exclamou o mancebo
com espanto, assassino quera vinga a f
ultrajada, Deus insultado* Foi asasina
Judith, forara assassinos tntos hroes dos
livros santos que, vibrando 'tempo urna
punhalada, obedecern divina inspi-
raco ? .
A resposta era lgica, e Antonio Vieira
emmndeceo. Para se desviar desse terreno
que o esca'dava. tornou impaciente :
Mas qual emfim o vosso intento,
irmo ?
Atravessar eu s, armado apenas com
o punhal escondido na manga, as fileiras
dos Pbiiisteus, procurar entre elles a tenda
de Holophernes, do anti-Christo, de Mauri-
cio de Nassau, emtim, e vingar ah a reli-
gio e a patria.
Queris matar o prncipe Mauricio ?
Escondido na sombra da igreja, ouvi
ainda agora, meu padre, a vossa falla elo-
quente ; como aos outros que a escutaram,
a mo tremeu-me no punbo da espada
Mas urna outra voz me dizia : De que
servem todos os vossos esforcos para sal-
var Jerusalm, se Nabuchodonosor vai vi-
vendo, se o seu genio infernal contina a
dirigir contra as m-ralhas santas os soldados
que cada instante recebe desse fri ala-
gado inferno, como vos dizieis, padre An-
tonio Vieira. Repellido boje, voltar ama-
nh5a com duplicadas forcas, e os sacrile-
gios que boje evitaes, as barbaridades que
boje impeds, realisar-se-ho d'aqui um
mez, seis mezes, um anno. Mas fere
na cabeca os impios, fulmina o emissario
le'Salauaz, e dissipar-se-ba o exercito.
como rebanho que perdeu o pastor. ^ Era
esia voz a que eu ouvia no intimo d'aima,
em quanto a vossa palavra inspirada vibrava
na igreja, e essa voz obedego, e vou sem
besitaco procurar a morte e o martyrio.
troco-da salvaco da patria.
E os olhos resplandeciam com um fulgor
selvagera, e a sua voz, trmula e vibrante
de paix3o feroz, coava um glido pavor as
veias do eloqaente jesuta.
Meui:ra3o, disse Antonia Vieira, e
tremia-lhe a voz tambem com o pensamento
ainda
que rene-
ospreza os
pureza da f ?
Ai fo raidavel responsabilidade que estava
pesando sobre elle, entraes n'um caminho
perigoso onde difficil destinguir a nspira-
co divina da tenlaco diablica. O iniraigo
sabe tambem, quando isso conveniente
aos seus designios, fallar em nomo do de-
ver, e agitar as ms paixoes, pretexto de
exaltar os sedimentos religiosos, corar com
a denominaco de ardor pela f o rastrado
sanguinario, chamar vingador de Deus ao
assasino. Deixai Deus, meu irm3o, des-
tinguir entre os eleitos e os reprobos, e n3o
queiraes punir aquelles que a Providencia
tem ainda de julgar.
Antonio Vieira, levado pela sua generosi-
dade natural e pelo seu espirito esclarecido,
proferir estas ultimas palavras com verda-.
deira intimativa, e conseguir abalar o fana-
tismo do moco Bahiano. Este pensou al-
guns instantes, mas depois tornou <
lgica implacavel de qoe pareca prvido :
N5o fot meritoria a acejw de Judith
im-
a-0.
^^^^^^^^^^^^^^H* era
iisn i am H rapio
qod d .j ivj ; i .. dngm mas
que bUspbPOun do Ou Dos
trra.
Os olhos do desconbecido inflamma-
ram-se. ^^
E Mauric:
peior do qae II
ga da verdadeira re^^|
santos, que mancha a
Era o eterno odio 1 fanticos pelos
disidentes, olio que palme augmentar
medida qae a dissidencia mais insignifi-
cante.
Cautela, meu filho, excjamou Antonio
Vieira cora vehemencia, randas vezes o es-
pirito maligno se encobre as vestes do
anjo inspirador, para desvairar os espirites
quesedeixam fcilmente cegar por inter-
pretaces erradas dos textos sagrados.
perigoso o exemplo de Judith ; quem pode
saber se a voz que dentro de nos clama,
a voz de Deus, ou 6 apenas a voz das ms
panoes a aconselhar o assassinio ? Mas o
que sabemos com certeza que Deus nos
prohibe de atlentarmos contra a vida do
nosso semelhaote, que para o homem a
vida de outro' homem sagrada, e qaes
Deus pode fulminar aquelles que das suas
iras julga dignos.
O mancebo eacaroo-o com espanto. Fal-
lava Antonio Y'eira cora desasada exalta-
C3o, e, estendendo o braco, pareca amea-
car o fantico selvagem com os raios da ira
do Senhor.
Sa essas, pois, as mximas da com-
panhia ? pergantou framente o interlocutor
do jesuta.
Antopio Vieira descrou e balbuciou :
A companhia ?
O mancebo olhou para elle lisamente, e
depoi tracou no peito o signal syrabolico
da terrivel sociedade.
Sois enlSo... ? perguntou o jesoita.
Ura enviado de Deus.
Oo do inferno, murmurou o padre.
O mancebo voltou priraeira humildade.
Pobre e simples affiliado meu padre,
compro as ordens dos meus superiores,
d'aquelles que por mimdiscriminara onde
est o bem; e onde est o mal; mas, antes
de entrar n'essa empreza, n3o sei sejosta
se criminosa, onde pelo menos incontrarei
a morte, nSo quiz partir stm primeiro rece-
ber a benco do homem que ha pooco,
agitando em mira juntamente com a fibra
patritica a fibra religiosa, me exallou na
missSo que acceitra. Queris desanimar-
me agora, que j nao posso, nem devore-
cuar ? Negareis ao menos a extrema ben-
C3o ao moribundo ? .
O padre estendeu a m3o sobre a cabeca
curva do mancebo, e abencoou o, dizendo
com voz trmula :
Ide, pois, j qae assim vos julgais tSo
seguro da proteceo de Deas. Elle vos es-
clarecao espirito, e vos receba, na oltima
hora, no seio da sua misericordia.
O mancebo beijou a mo que o abencoava,
deixando cabir sobre ella urna lagrima ; de-
pois sabio com arrebatamento.
O jesuta, ficando s, ajoelhou diante do
altar,banhado em lagrimas o fri marmore
dos degros\
Quando se ergaeu, era j nonte alta ; na
igreja silenciosa velavam apenas algumas
lampadas sorturnas.
Ouviam-se os bra los das sentinellas as
muralhas, a, de vez em qnando, a arlilharia,
il laminando a noute, acordava os chos com
o seu estampido magestoso, procurando s
cegas destruir os entrincheirameotos dos
Hollandezes, ou abrir brecha praticavel as
fortiftcacBes da Baha. '
A 10a, alta no co, espraiava a sna luz
placida e serena sobre este quadro de hor-
rores, e mirava-se no espellio oscillante das
aguas da enseada.
III
NO ACAMPAMENIO HOLLANDEZ.
Depois da primeira e quasi victoriosa in-
vestida, suspender o conde de Nassau a
sua marcha, e, mandando aproximar a ar-
mada, que varejava continnadame&te a ci-
dade, preparava-se paca Ihe dar um assalto
decisivo. Organisra com tuda o conde de
Bagauolo a defeza. e, auxiliado pela boa
voutade dos habitantes, e pela rara abnega-
Co do governador Pedro da Silva, fortific-
ra-s juuto da igreja de Santo Antonio, pr-
ximo do iaimigo, cujos ataques eslava in-
trpidamente disposto a repellir.
NSo foi difficil ao nosso fantico hroe,
u'uma cidade irregularmente f rlificada, nos
preliminares do jstabelecimento do conde
de Bagnuolo no punto que escolbera para
centro de defeza, esquivar-se, e passar sor-
rateiraraenie ao acampamento hollandez.
Difliculdades que eoconirasse fcilmente as
levantara, fazendo-se reconhecer por alguns
dos jesutas, que percorriam as muralhas
animando os defensores, excitando o odio
contra os hereges.
Nao Ihe foi to fcil a entrada no acam-
pamento ; urna divisSo de seiscentos homens
preparava-se para marchar, afim de dar am
assalto uocturno, ero enthosiasmo, que rei-
oava entre os expedicionarios, corrtrastava
singularmente com os rosios fros a fleuguia-
ticos d'esses soldados do norte.
A luz de arenles illuminava a diviso
que ia partir, e o nosso Portoguez,' escon-
dido detraz de urna ampia baoaneira, pode
contemplar vonlade'o aspecloj e a destri-
buic3o-das tropas.
Eram seis.compaohias, compostas cada
urna de cem homens, que^inbam a ser cin-
coenta mosqueteiros e cncoema alabardei-
ros. O mosquate, arma quasi primitiva,
descancava com a coronba no chao ao lado
direito dos mosqueteiros, qae na m3o es-
querda sastentavam o forcado que Ibes am-
parava a arma quando apontavam ; nos de-
dos resplandeca o mnrro acceSo que ser-
via para inflammar a plvora, n'esse tempo
em que nao estava ainda inventada nem a
nossa classica pederneira. NSo parava ain-
da aqui o armamento dos mosqueteiros;
cordes. passados em bandoleras, susten-
tavam uns paueos de frasqurabos de conro
ebeios de plvora ; do mesmo boldri
direila pendia um sacco de cooro cbjaio de
balas, e alraz dous novelloi de murroes,
A arma dos alabarderos era simplesmehte a
alabarda de dez ps de comprido. savam
capacete, grvas, e couraca de ferro, ltimos
representantes da velha tctica, situados,
nessa poca de transicao, ao lado dos mos-
queteiros, que eram ainda os muito radi-
mentares representantes da tctica nova qoe
ia surgir.
' ((jontinuar-se-ha.)
"yp. do b akw Ha or/QUB De GaXIa

..




Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EPTF8ZZ9N_63B74U INGEST_TIME 2013-09-14T02:29:18Z PACKAGE AA00011611_12168
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES