Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:12167


This item is only available as the following downloads:


Full Text
O XLVI. NUMERO 187.
SJSBBADO 20 DE AGOSTO DE FSTO

l
PABA A CAPITAL E LUGARES 0DE SAO SE PAGA PORTE.
i*or tres raer .
fw se1' .
......' : : .'
*
24,1(000
320
U DEffISO E FOSA DA M&VUCIA.
.
Por seis ditos idem. ...........
Por no*e ditos idem......'.'......+-..
Por nm anno idem......' .
657(5
13500
271000
DIARIO DE

Fropredade de Manoel Rgneira de Faria & Filhos.

Qs-Srs
. SAO ACCSITE : ^
Gerardo Antonio Alves A Filhos, no Para ; Goncalves 4 Pinto, no Maranbio ; Joaquina Joa de Oliveira, no Cear ; Antonio de Lentos Braga, no Aracaty ; Joao Mara, Jalio Chaves, no Assn ; Antonio Marques da Silva, ne-Natal
Pereira d'Almeida, em Mamanguape; Antonio Alexandrino de Lima, na Parahyba Antonio Jos Gomes, na Villa da Penba; Belarmino dos Santos BoleSo, em Santo Aatao; Domingos ose da Costa Braga,
em Nazareth ; Francisco Tavares da Costa,' em Alagoas ; Dr. Jos Martins Alves, na Baha; e Jos Ribeiro Gasparmhono Rio de Janeiro.
; Jos Justino
PARTE OPTICIAL
Governo da provincia.
KH'EMKHTE ASSH'.XAB PULO EXM. SU. HIKOBRICO DK
AI.MRJDA, 8 ALUU0UKHOUK, PRESIDENTE DA PROVIN-
< U, Hit J3 BE MAIVJO DK. 1870.
l.'secgao.
f>. 685. Tonara ai) Exm. Sr. general comman-
(Unte das armas.Recommendo a V. Exc. a expe-
digio das suas ordens, alim de que os encarrega-
ios de lonjas a* nota do gaz consumido nos quar
Mi iia cavallari., hospicio, sulidade e tnfermara
militar, aprsente cora urgencia na thesouraria de
faseada as dos mezes de agosto, noverabro < de-
zembro do anno prximo passado, alim de que
potaam ser examinadas ai contas da illininaco
dos mesmos quarteis dorante acuelles meten romo
dclarou-me o inspector da mesma tnesourara em
ofleioda SI do ce/rente sob n. 110.
N. 686. Oiu ao director do arsenal de guerra.
Mand* V. S. fbrneeer com urgencia, e hoje mes-
mo se fr pnsfivel o pedido que fez o enmmandan-
te da furia lea do Brum. e que fui remeilido a
esse arsenal, com despacho de 2 do correte rela-
tivamente ao azeite e pavio necessarius p.ra luzes
das prisoes e guarda da mesma furialeza, como
solicilou o hrigadeiro commaadante das armas em
ofico de ti do crreme s>d> n. l.'ii.
X. 687.Dita ao mesmo.Em vista da informa-
cao que V. S. rainistrou em ii do ceirente sol) n.
t, com referencia ao requerimento de Juvina Ma-
ra da Conceico, o auloriso a mandar admittir na
companhia de aprendices desse arsenal os menores
de nomes Leooolditiu e (ovino filhos da supplican-
te. se estivrem na> ondiges do regulamenlo de
de Janeiro de 1812.
X. 688. Dita ao commandante de Fernando.
Em ohwrvancia ao aviso do ministerio da ja;tica
de 9 do crrente infirme Vmc. com urgencia, se
nesso presidio existen): Io presos inda nao julga-
dos e outros peto mesmo proeessados, 2' >enten-
lyados ijae j lenliain cumprido as penas de suas
-enteneas, 3* individuos que Dar ahi tenham sido
remelllos em lugar de ou'ros, verdadeiros reos.
N. 689.Dila ao conselhu de compras navaes.
Approvo o contrato que o eonselho de compras
uavjes, celehrou em 5 de setembfo de 1868, com o
pnarinaceutieo Antonio Francisco das Xeves, e de
mu o mesmo eonselho me remetten copia em 5
do correte, para fornecimento dos medicamentos
mrcessartos a enfermarla de marinha pelo novo
formulario approvado por esta presidencia tm 22
de julho daquelle anno.
2" seccao.
X. 690. Portara ao presidente da relacao. -
Tendo fallecido fanoel de Luna Freir que exer-
ca os offleoa d# destribaidor de notase contador
do bulo de orphaos di-sta cidade, pelo juiz de di-
reito e juii municipal da 1* vara e juiz de cr-
pnos foram Horneados serventuarios interinos,
dando isso lugr a nm conflicto entre elles, pelo
<)ue remetiendo a V. Exc. os < fflcios que os dous
altimos me dirigirn) a respeito de taes Hornea-
res, Ihe recommendo que subrnelta a esse tribu-
nal o dito conflicto para que com brevidade saja
decidido.
N. 691.Dila an Dr. ehefe de polica.Em res-
posta ao offick) de V. S. de lo do correte sob n.
"(61. tenho a dizer-lhe que opponunamente se
provideuciar tom relajo ao pedido do delegado
do (enno de Buique quanto ao destacamento da-
quella localidade.
N. 693 Dita ao mesmo.Em vista do que ex-
poz o delegado supplente do termo de S. Bento na
ifarmacao, que por coaia veio annexa a de V. S.
datada do Io do corrente e sob n. 292, acabo de
autorisar a thesouraria provincial a pagar na ra
zao de 105000 mensaes o aluguel da casa que no
mez de dezeoibro do anno prximo passado ser-
vio de cadeia e de quartal ao destacamento alli
exigentes. O que declaro a V. S. para seu co-
nhecimento, e attm de que o faca constar a quem
competir, cumprindo que declare aquella delega
a. que em iaenticas circuin.-tancias nao proceda
sea antorisa^ao da presidencia.
N. 69i. "Dita o mesmo. Cimmunicanio o
(-presidente da cmara municipal de Agua Pre-
i- em oIBcie de 13 do correle-estar alli grassan-
do a epedeinia da varila, remet o a V. S. Dar
euviar ao delegado daquelle termo a ambulancia
com medicamentos que a este acompnnha, alim de
soa habilitada de appliea-los aolratamento dos en-
fermos indigentes que forem accomineitidos da-
quelle dial.
\. 695.Dita ao juiz municipal da 1" vara des-
t cidade.Em resposta ao ofllcio de Vine, de 18
do correnta, tenho a dizer-lhe que sendo a relarjlo
do disfnelo o tribunal autorisado por lei para de-
<'idir o conflicto que da-se entre esse juizo e o de
direito da 1* vara e o'de orphos desta capital
quaato a competencia para a nomeacao do serven-
tuario interino do ofn:iodo destribuidor de notas
untador do juizo de orphaos desta cidade, vago
por fallecimenlo do seiventuario M.noe de Luna
Freir, teoho nessa data remeitido ao presidente
da relacao iodos os offlcios, para que aquello tri-
bunal resolva a respeito, o que Ihe communico
para o eu conhodimonto.Igual, mutatis muan-
kis, ao juiz de orphaos.
N. 696.Deliberacao.O presidente da provin-
cia em vista do offlcio do chefe de polica n. 360
de 15 do corrente resolve exonerar do cargo de
subdelegado da fregueza de S. Lourenco o cida-
dio Bernardino de Miranda Albuquerque.
X 697.Dita.O presidente da provincia de
conformidade com a nroposta do chefe de policia
em offlcio n, 360 de 18 do corrente, resolve no-
mear para o cargo de subdelegado da freguezia
4e S. Lourenco o eapilo los Ferreira Daltro.
3* seccao.
N. 698.Portara ao inspector da thesouraria de
fazenda.Tendo nesla data mandado dar trans-
porte al o Penedo por conta do ministerio da
gaerra no vapor Gequi da compaohia Pernam -
bucana, aos offlciaes e pr fas do extincto batalho
n. 83 de voluntarios da patria desia provincia,
mencionados na relacao por copia inelusa, visto
serena eMes domiciliarios nos lugares consumes da
na relacao, recommend > a V. S. que nos ter-
mos do aviso daquelle ministerio de 25 de fete
relro ultimo, de que hontem Ihe remetti copia,
abone a cada un desses offlciaes e pracas a quan-
tia necessaria para eu transporte daili para Pi-
raohas.
N. 699.Dita ao mesmo.Mande V. S. liquidar
era vista da folha e pret nominal junto em dupli-
can os veHCimentos relativos ao mez de fevereiro
ultimo, de offlcial e pracas da guarda nacional des
tacados em Floresta, e paga a sua importancia ao
coronel do balalbao_rt 34 de infantaria ou ao seu
procurador, conforme solieium o commaadante
superior do municipio de Taearat em offlcio de *
d orrentf.
K. TflO.Dita ao mesmo.Tomando em cmsi-
dera^io o que V. S. expozem seu offlcio de hon-
nm, twb n. 190; resolv abrir sob mioha reponsa-
hildade nos termos do decreto d. 2884* do Io de
fevereir* oe 1862, um crdito na importancia de
IIJM0U7, sendo 41*600 para a verbaarse-
*e*-*:H6#89i para a-exercilo461*970 para
.-'tfeaes e materiaes tS:t8l|253 para apreiidios
etenias oiliurese 11*400 para aeventuaos.
ita flea V. S. habilitado a mandar tomar as
-comas do presidio de Fernando de Noronha e das
elleetorias da provincia perteneentes ao Uiinlste-
rio da gasrra, relativas so exercicio lln^n de 1868
a 1889, conforme indica no tirio a que
X. 701.Dita ao mesmo.Tendo nesta data ap-
provado o contrato que o eonselho de compras na-
vaes celebrou com o pharmaceutico Antonio Fran-
cifeo das Xeves. para fornecer os medicamentos
necessanes enfermara de mannha, constante
do termo junto por copia, que assim communico a
V. S. para seu conheeimento.
N. 702.Dita ao inspector da thesouraria pro-
vincial Attendendo as razoes que expoz em su
petico Joao Jos de Amorii, como inventarianle
dos bens deixados por seu irmao Man el Jo de
Amorirn, na qual reqner que esa Ihvsouraria Ihe
restitna a qnantia de 39:839*164, importaneii do
sello qne pagou elle de apoliees e outros ttulos de
divida publica. Attendeudo anda as informacoes
que sobre aquella preteoco me foram ministra-
das por V. s. em 8 do corrente, son n. 153, e o
Dr. procurador fiscal, determino que V. S. ordene
o pagamento, que reqner o supplicante, como res
tituico do que indevdainenle pagou. A lei de 24
de outubro de 1832, determinando qnaes os ira-
pestos que ncaram penencendo a recejta das pro
vincias e sendo um delles a decima de herancas
e legados, nao comprehendeu todava a dcima
de herancas e legadas que versaren) sobre apoli-
ees da divida publica, porque eslas, em virtude do
disposto no art. 37 da lei de 15 de njvembro de
1827, estavam fsenias daquelle Imposto. Sendo pois
evidente, que Meando semelhante materia excluida
das attrb'.iicOes das assemblas provinciaes, era li-
cito ao poder legislativo legislar como Ihe pareces-
se a este respeiio ; e se por esta razao que a lei n.
1507 de 26 de setembro de 1867, impoz sobre a
transmi*so das apollces. Sendo certo que o de
creto n. 4113 de 4 de marco de 1868 leou at a
ultima evidencia esta queslao, evitando assim a
possiblidade de conflictos entre a fazonda geral e
a provincial, assim, pois, cumpre que V. S. satis-
faca ao que cima Ihe recom-uendni.
N. 703.Dita ao mesmo.Devolvendo a V. S.
o requerimento documentado a que se refere a sua
infonnaro de hontem, ob n. 1860, o autoriso em
vista do parecer da coniadoria dessa thesouraria
a mandar pagar a emprezada illuminaco publi-
ca desta capital a quantia de 8:699*000 prove-
niente do gaz consumido com a mesma illumina-
co no mez de deztmbro do anno prximo passa-
do e nao de Janeiro como menciona a conta e cer-
liHcado annexo ao referido requerimento.
N. 704.Dita ao mesmo.Em solacio a duvida
por V. S. proposla em offlcio de SI do corrente.
sob n. 178, acerca do pagamento da* mensalidades
relativas ao trimestre de Janeiro a mar?o deste an-
no, dos alumnos internos gratuitos do gymnasio
provincial, constantea da relacao, que incluso de-
volvo ; tenho a dizer que o al rano Clerapen Xa-
vier do Amaral, contemplado na mencionada rela-
cao. foi admiltido naquelleestabelecimento em vir-
lude de ordem 1a presidencia de 31 de agosto do
anno prximo passado, e por isso pode V. man-
dar elTecluar e9se pagamanlo.
N. 705 Dita ao mesmo. Antoriso V. S. em
vala de suas informacoes de 21 do eorrente, sob
n. 180 e 181, a mandar pagar ao eseriplurario-e
ao amanuense da secretaria da presidencia, Ma-
noel Jos de Campos Barbosa e Itnflno Jos Fer-
nandos de Figueiredo, a quinta parte dos venci-
mentos, a aquelle de chefe de seccao e a este de
escripturano da mesma secretaria, por haverem
exercido interinamente esse? lugares, o primeiro
a contar do 3 a 27 de fevereiro ultimo e o segun-
do de 1 al o mencionado dia 27.
N. 706.Dita ao mesmo.Em resposta ao offl-
cio que V. S. me dirigi no l" de fevereiro ultimo,
sob n. oi, acerca do pagamento do aluguel venci-
do no mez de dezembro do anno prximo passado,
da casa que servio de cadeia e de quar'el ao des
tacamenio de polica do termo de S. Bento; tenho
a dizer que em vista da conta e atleslado qde in-
cluso devolvo, e do que expde o delegado supplen-
te daquelle termo na informaco junta por copia,
a que se refere a do chefe de polica n 292 do 1
do corrente, mande eectuar esse pagamenro na
razio de 10*000 mensaes nao obstante o modo ir-
regular como procefleu o delegado de entft, ala-
gando outra casa por maior preco sem autorisa-
cao da presidencia.
N. 707.-Dita ao mesmo.Pode V. S. conforme
indica em seu offlcio de 19 do corrente, seb n 176,
a que respondo mandar pagar pelas sobras de ron-
signacoes da lei do orcamento d> exercicio prxi-
mo lindo, visto achar-se esgotado o crdito volado
ao Io art. 16 da lei do orcamento vigente, a
quantia de 572*000, on.stante.do offlcio e coma
que devolvo, proveniente de 52 metros cbicos de
yedras quebradas por B-nto Joaqun) Gomes, pa-
ra os reparos da ra Imperial,
i" scelo
X. 709.Portara a cmara municipal do Recife.
Remeti a cmara municipal do Recife para seu
conheeimento e fins convenientes a inrlusa copii
do contrato ee'ebrado em 19 do corrente com
Jos Henrique Intua le, para o estabelecimento
de um systema de carrs de ferro, nos termis da
lei n. 879 de 23 de junho de 1869
N. 710.Dita ao nr -presidente da c mar mu-
nicipal da villa de Agua-Preta. Respondendo ao
seu offlcio de 15 do corrente, era que Vme. me
tooMMUriea achar-se grassando nessa villa a epe-
draia da varila, tenho a dizer-lhe que nesla data
remello ao Dr. chefe de polica para enviar ao de-
legado de polica desse termo, urna ambolanca
com medicamentcs alopathico, alim de que o
meamo delegado encarregue a alguma pessoa ha-
bilitada d'apphca-los ao traiamento dos enfermos
indigentes que forem accommettidos d'aquelle mal.
N. 712.Dila aos agentes da companhia brasi
leira de paquetes a vapor.Os agentes da com-
panhia Pernairbucana de paquetes, mandem dar
transporte para a Baha, por conta do ministerio
da guerra no vapor Guaro qne se espera do norte
ao Io cirurgiao honorario do exercto Francisco
Lino Soares d'Andrade, que veio acompanhando
o extinelo batalho n. 53 de voluntarios da patria
desta provincia.
X. 713.Dita aos mesmos.Os Srs. agentes da
companhia brasileira de paquetes a vapor mandem
dar transport oara o Para no vapor Tacantins
por conta do ministerio da guerra, ao alferes do
extincto batalho n. 53 de voluntarios da patria,
Manoel (iongalves do Nasclmeuto.
X. 714.Dita ao gerente da comsanhia Per-
nambncana O Sr. gerente da companhia Per-
nambucana mande dar transporte at Ponedo por
conta o ministerio da guerra, no vapor Giqni,
ao) offleiaes e pracas do exlinciu batalho u. 53
de voluntarios da patria desta provincia, menciona-
dos na relacao por copia inclusa, que regressam
para os seus domicilios.
X. 715.--Circular a cmara municipal desta ca-
pital.Para dar cumpriraento ao aviso do minis-
terio do imperio de 10 do corrente, Informe com
toda a urgencia a cmara municipal do Recife.
qual foi a receita municipal arrecadada durante o
anno prximo passado, e o anterior, com a deca-
racaa do producto di cada verba, e qual a somma
despendida durante o mesmo periodo extremndo-
se a qne for espeoial a cada verba. Informe outro
sim, se existen) neste municipio e quantos theatros,
lypographias, bebliothecas publicas ou partcula
res. Tojas de lvros, bem como quanlos Jornaes
polticos, litterarios, scientlflcos e religiosos, se pu-
blican), com que formato, e quad a saa circuladlo.
Igual as demais cmaras la orovincia.
EXPEWBNTg ASSlGNJLDOPELaEXM. SR. DR. ELIAS FRR-
DIWCODE AI.MEIDA K A'BDQUERQUB, SECRETARIO
20 DE MARCO D8 *,'870.
'. seecao.
X. 716.Offlcio cj0 Exm. Sr. general. De or-
dem de S. Exc. r, ;r. presidente da provincia, de-
claro V, Exc.ere, respeta, ao seu offlcio de 16
do corrente. sob n. 164, qae fica expedida a con-
veniente crdem aos agentes da companhia bra-
sileira de paquetes, para darem transporte para
a Baha no vapor Guar, ao 1* eirurgio hono-
rario do exereitq Fraocisco Lino Soares de Ao-
drade.
N. 717.Dito ao mesmo.De ordom de S. Exc.
o Sr. presidente da provincia, declaro a V. Exc.
em resposta*o seux cilicio ds 2f do corrente, sob
n. 15V. que neta data reeommendou-se ao major
director do arsenal de guerra, que mande eom
argencia e hoje mesmo se for possivel, satisfazer
o pedido do commandanie da fortaleza do Brum,
de azeite e pavio, necessarios paca lotes- das
pri-es e da guarda da mesma fortaleza, qui para
alli foi com despacho de 2 do correte,
X. 718.Dito ao mesmo.De ordem dt S. Exc.
o Sr presidente dafrovincia, teclaro a V. Exc.
em reposta ao seu offlcio de 22 do correte,
sob n. 155, qne fica expedida a conveniente or-
dem aos agentes da corap.nhia brasileira de pa-
quetes, para darem transporte para o Para no
vapor Tocantins que segu hoje para o norte, ao
alferes do extinelo batalho n. 53 de voluntarios
da patria Manoel Goncalves do Xascimenio.
2* seccao.
X. 719. Offlcio ao Dr. chefe de polica.De
ordem do Exm. Sr. presidente da provincia, trans-
miti a V. S o titulo jonto de nomeacao do ca-
pillo Jos Ferreira Daltro do eargo de subdelega-
Jo da freguezia de S. Lourenco, de "conformidade
com a sua proposta em offlcio n. 360 de 15 do cor-
rente.
N. 720 .=* Dito ao commandmte superior da
guarda nacional de Taearat.O Exm. Sr. presi
dente da provincia manda declarar a V. S. em
resposta ao seu offlcio de 5 do corrente, que a thes
souraria de fazenda tem ordem para pagar ao
commandante do baialho n. 3i de infantaria,
ou ao seu procurador os venciraentos, constante-
do citado offlcio.
DESPACHOS DA PRESIDENCIA DA PROVINCIA DOS DAS 16
DE AGOSTO DE 1870.
Barao da Soledade.Ao Sr. Dr. procurador fis-
cal da thesouraria provincial para informar com
o seu parecer.
Garlos Ernesto Mosquita Falclo. Dinja-se a
thesouraria provincial.
Dr. Francisco Pinto Pessoa.Informe o Sr. ins-
pector da thesouraria provincial, ouvlndo o Dr.
procurador flseal.
Padro Jos Procopio Pereira.A thesouraria
provincial com offlcio desta data.
Jos Gomes Carneiro. Informe o Sr. tenente
coronel commandante do corno de polica.
Anda Eufrasia do Rosario Xenhum receio ha
do conflicto a que allude, deram-se as providen-
cias necessarias.
-ir 17 .
Alfredo Cardoso Pereira.Sejaro entregues.
Adelaide Joaquina Xavier Biuen^ourt e Xco-
lau Veira da Silva. -Informe o Sr. Inspector d.t
thesouraria provincial.
Anna Ferreira Catto.Prove o que allega.
ADaixo assigoado o outros proprietarios e mo-
radores em Ilamb.Encaminhe-se.
Antonio de Paula da Veiga Figueiredo.Infor-
me o Sr. tenente-coronel commandante do corpo
de polica.
Bacharel Bartbolomeu Torquato de Souza e Sil-
va: Encaminhe se.
Ceciliano Augusta de Gusmlo Lobo.Informe o
Sr. inspector da thesouraria provincial.
Candida Mara Lins. Dinja-se ao Sr. dejem-
bargador provedor da santa casa de misericordia
em. sesslo da junta.
Companhia dos trilitos urbanos do Recife a
Olinda.Avista da informaglo do commandante
do batalho prove o supplicante que o guarda de
que (rata machimsta.
. Candida Monezes Drummond da Cunha.Est
prvida a cadeira a que allude.
Damiao Lopes Pereira Guimares.Entregese
o documento.
Frelden Broiher*. A thesouraria provincial
com offlcio desta data.
Tenente Heleoioro Avellim de Souza Monleiro.
A'vista da informaco nao pode ter lugar o que
reiiuer.
Hermogenes Braulio Ferreira da Cunha.A
vista da informaco opportunamenle ser aggre-
gado.
Idelfonso Joaquim dos Pasaos. Informe o Sr.
inspector da thesouraria de fazenda.
Jo> Isidoro dos Santos.Conceda-se com orde-
nado somente.
Bacharel Joao Viera de Araujo.A' vista da
informaco da secretaria, conceda-se na forma da
le.
Jos Francisco Ribeiro de Souza.-Vi He ao Sr.
commandante superior interino da guarda nacio-
nal do municipio do Recife para fazer inspeccionar
o 'npplicaate nos termos do decreto n. 3496, de
de 8 de julho de 1865.
Joaqun) Manoel da Costa. Xlo tem lugar o
que requer por nlo haver credit na lsi do orea-
mento vigente.
Jos Ferreira Colho. Informe o Sr. inspector
da thesouraria de fazenda.
Jesuino Xavier de Suassuna.Satisfaga o dispos-
to no art. 28 do decreto n. "2i de 25 de outubro
de 185a
Jos Das da Silva Jnior.Volte ao Sr com-
mandante superior da guarda nacional dos moni -
cipios de Santo Antlo e Escada, para fazer ins-
peccionar o supplicante nos termos do decreto n.
3496 de 8 de julho de 1865,
Joaquina Mara da Conceico. Indeferido
vista da informaco.
Joao Carneiro Monteiro da Silva Sanios.Informe
o Sr. inspec or da thosouraria provincial.
Joanna Rosa dos Praseres.Dirjase ao Sr. des-
embargador provedor da Santa Casa de Miseri-
cordia em sesslo da junta.
Padre Jos Teixeira de Mello.Informe o Sr.
inspector da thesouraria provincial.
Bacharel Menelo dos Santos da Ronceca Lins.
A' vista da informaglo da secretaria concda-
se com ordenado na forma da lei.
Marcelino Rodrigues Pereira. Indeferido I
vista da informaco.
Maria Cleobulina de Mello .Otloni.Indeferido a
vista da informaglo.
Manoel Joaquira Baptista.-Informe oSr. inspec-
tor da thesouraria de faeoda.
Thomaz Anastaci > da Costa Pimenlel.Informe
o Sr. inspector do arsenal de marinha.
Thereza Emilia de Sonaa Gomes. Provando a
supplicante que ainda se acha doente, conceda-se
com ordenado somente, e a contar do do cor-
rente.
Foram concedidas as reirr cos pedida* pehs-
profossoras publicas : D. Luia Euloxia- Baptista,
iia cadeira doCimioho Xovo para a creada na fre-
gnezia da Boa-vista pela lei provincial n. 947 de ff
de jnlho ultimo f>. Thernsa Alexanlrin.v de Bar-
ros Mello, da cadeira da Casa Forte para a do
Caminho Xovo; e D. Rita de Cassie di Oliveira
Lob \ da c*deira da Mtirtbeea para a da Casa-
Forte.
COXCURSO.C imegou hontem, perante a d-
reuinria geral da instruccao publica, o concurso
para preenckmerjlo das cadeirasdo sexo fennioo,
que seacham vagas. Comparecern) 26 candida-
tos, respondendo prova escripia; hjje devj ter
tugara prova oral.
GABIXETE PORTUGEZ DE LEILURA.-Cele-
bra ainaotiaa esta saeiedade o aumversario de sua
insullagao, eom sesulo magna pela manilla, e eom
exposica do estabelecimento a noute.
NOMES DAS RAS-Chamaran* a attengao dos
leiiores para o parecer das nommissoes reunidas
da calnara municinal e da Inuitoto Archeologico
e Geographieo, sobre a imidanca dos nomes de al
gumas mas da eidade do Recife, o qual servio de
base ulimia dehberacao da cmara municipal do
Recife. A pubHoago feda era nossa 8* pagina.
DIXHEIIIO.O vapor Ip^nca trouxe para os
Srs :
Manoel Antoho Pires 8000*000
H. de Lagranje 6:000*000
Prenle Nianua & C, 4:0005000
Manoel Perefra liemos 3:081*000
Fraga 4 Rocha 2:037*160
Julio C. P. Barata fc000*000
Jos Rodrigues de Souza. 2:000*000
Mendes A Celho 908*000
tfannel da Silva Puntes 889*000
Beltro, Olitein A C. 800*000
Flix Pereira da Silva 600*000
Joaquira Jo- Goncalves Beltro 500*000
Antonio da Silva Pautes Goimares- 400*000
Jos Luiz Goncalves Ferrara & C. 346*000
Dominaos Alves Matheus 110*000
ARACATY. No dia 14 do corrente Acarara a
barra do Aracatv, a espera de vento, os hiites
Garibaldi i Omita.
SOCIEDADE DOZE DE'|SETEMBRO. Damn
em seguida a ordem do dia do commando da divi-
san patritica desta sociedade, sobre as honras a
prestar-se SS. A. o Sr. conde e coadessa
d'Eu. ,
< Quartel general do commando da diviso p:
trotica, Doze do Setembro, 19 de agosto de
1870.
Ordjm do da n. 7.
< O abafxo asignado, ainda urna vez invoca o
vincia,teve de concertar um rombo que fez-duran-
te a wagem.
Foj, Humeado promotor publko da comarca do
rnlMiimua, o Dr. Vicente Alves Rodrigues de Al-
buqTjenpie. .
O vapor inglez La Pltm. sabido para Liverpool
no dia 7 do crreme, levou seguate carga:
1604 saeeas eom 99,211 arribas de algodao, 180
saceos com 6S-51 kilos do seruamby, e 2313 eon-
r.
P..lleeeram : na c?pilal, Leonel da Franca Aten*
car ; no Sobral, o coronel Jos Saboya; e aa
Imoerairij, Antonio de Agrella Janlim.
A' bordo da barca portogoeza Iris tinham che-
gado 82'ioKHigraoies da >Um do Miguel, entre
os quaes urna segunda companhia de zarzuela hes-
panhoJa.
X Aracaty grassava, com intensid se com carcter asthmatieo e de aogaa, tendo n
morrido diversas pessoas.
Xo IUo Gran le do Korka foi preso, no termo
da Iinperatriz, o celebre criraiooao MaaoW dos San-
tos Bowro.
A presidencia da provincia/roorganisou o corpo
le |ioia, elevundo'a sua forgi/a 160 ,ragas divi-
didas emem-dna companhia, e auroveiando par*
'ffleiaes os nndos nos moctin^Snlea de volunta-
ri s da potria.
Fm festejada, como de costume briihante-
mente a padrocira da provioeia de X. S. das
Xevps.
Chegra do centro da provincia o Dr. chefe de
polica.
L0TEH1A.A que se acha a. venda ea 157*
beneficio da Sauta Casa de Misericordia, a qual
corre no dia 25 pelo oovu plano, n'esle Diario pu-
blicado.
tmeta firma de Silva 4 Csrvalho, para-pertsMir-
se Ihe e aso dos livros Gopiador e Dmrio que Ser-
virn) a eatmeta ffrma,. visto como cosiera graodir
inantraae de papel em brineo.-Coesto pedem
J> Braa Jaouano Fernandes & a, sanineitentl'
a registro a nomeaci. de seu caixeir-FraMici>
Pereira > Ftgneirdo !T.ndena.-Sej,> registrada
Frawseo Antn Pereira & C, para certi-
ncar-se-ihe se est ou al registrada s, nomeacao
de sen caixoros Franciaco Amazonas^de Lacer-
da, Fehpne Lopes Ferreira. e Jos dos Rfcts Gome-
Junior.Pa-se-e a ceidlo requerida.
De Heilor & Sampayb* apresentandi para ser
registrada a aomeago de seu caxeiro-Oamlk)
rrancwcodo-'Santos.Sto
De Jtto .da Silva Farr> d' Irmao, submttemio
a reRBUro a aomeacin de carfeiro despachante
que derara a elmiro Pessa .da Silva.-(amo re-
queren*, reennheeida a Arma da nomeacao.
De As Fbweiso- de Figueiredo, par certifi-
car-se-lile se est ou nao jogjsrrada a nomearr.
de seu caixeiro Antonio de Altralo Cys-aeiro.
Certiliqne-sp.
De Joaqun) Antonio de OHvira. registro da nn-
meago que apre^euta de seu caxtiro Maaoel An-
tonio da Iva Oliveira.Sejj- registrada.
De Justo Jos Gomes Teixeira. dem d.">do seu
caixeiro Ignacio Cavalcante de Albuqueroae.Na
forma requerida.
PERNAMBUCO.
REVISTA DIAEUL
IXSTRUCCO PBLIBA.Py deliberagi da
presidencia da provincia, de 16 do corrente :
Foram nomeados para reger interinamente: a
cadeira do sexo feminino da povoagi do Canho-
tinho, da freguezia de S. Bento, a D. Cecilia Libera-
ta de Oliveira Santos; a cadeira do sexo mascoji-
no, da villa de Flores, a Miguel Francisco do
Queiroz Amaral; a cadeira, do sexo mascolino, do
povoado da Lapa, da comarca de tumb, creada
pela le pjovinoial n. 81? de 11 de malo* de 1868,
Francisco Amancio da. Silva alumno mejre, da
escola normal.
patriotismo e entusiasmo do destnelos eidado
que fazetn parte da divisan qqe tem a honra de
commandar, para dar ao bravo marechal do exer
cito S. A. oSr. conde d'Eu urna sol m nema ni Cesta
Sio de apreo n gratid) ao chegara esta provincia
a passageni para a Europa
i De conformidade cora o programla publica-
do, cabe luzida d vslo patriolica a destinegao de
fazer as honras da reeepgo a SS^ AA. ao desem-
barcaren) no caes 22 de ovembro.
t Para -egularidaJe da marcha e ordera da for-
matura, determina o general eoraraandante o se-
grate :
i Ao fazer-se o signal convenc! nado da aprox-
mago do paquete inglez. aqu esperado no da 28
do corrente, formarlo os corpo.* e esqaadroes nos
lugares do costume, marchando depots para a pra-
ca ile Pedro II, onde deve estar formada era gran-
de parada toda a diviso, um hora depos do iefe-
rido signal.
^ Feitas as continencias devidas a SS. AA. a di-
viso os acomp i tillara at o palacio do governo,
don le desfilaudo em conlin acia, vollar a praca
de l'-'Jr- II. a debanilar se.
Os esquadres de lanceiros e D>ze de Setem
bro, timarn de piquete a SS. AA. etn quanlo esti-
verem nesta cidade.
Para sustituir o Sr. commandante da segun-
da brigada tenente-coronel Apolinario Maranho
oomeado o tenente-coronel Ernesto Machado Fre-'
re Pereira da Silva, apara assistente do quartet-
mestre general da mesmabriga*la, oSr. major Au
gusto Du;irat.
O- corpos que novaraenle se organisarem. to-
marlo lugar as brigadas que o general comman-
dante da divisao derlgnar.
Espera o abaixo assignado que a briosa popu-
la gao Pernambucana concorra com todo o esforgo
para o bnlhantisnio desta festa, saudando assim
serenissima princeza imperial, e ao joven general
que cobrindo-se de logros ns campos das bala-
Ihas honrou a guerreira nago onde nasceo, hon-
rou a nova pama que adoptou.
o (Assignado), M Maria Uefonso iacome da
Vetga Prnoa, general commandante.
t ConformeJos Luiz Pereira, assistsnle do
ajudante general.
FRONTESPICIO DO CARMOA festa de Nossa
Seohora do Carme, que se venera no fronespicio
do^eu convento do Recife, foi transferida para o
dia 25 de setembro prximo.
MORTE REPENTINA.Xa freguezia da Varzea,
s 2 horas da tarde do da 16 do correte, falle-
ceu repentinamente a urna apoplexia, Antonio Pe-
dro da Costa.
ASSASSIXATO.Em trras do engeoho Alagoa
d'Anta, da freguezia de Nazareth, na noute de 13
do corrente, Manoel Alves do Xasckneaio, couhe-
cdo por Manuel llosa, assassinou ao epluagina-
rio Antonio Xazario, sendo preso em flagrante. ,
THEATRO DE SANTO AXTaXIO.Era conse-
quencia de nao se achar de iodo prompto o ce-
narlo deste theairo, s com/garlo os espectculos
da companhia frajeeza na terga-feira prxima (23)
devendo haver nessa semana tnaisous espectcu-
los, um na qmnta-feira, e outro no sabbado.
NOVO ATHENEO:llavera h)je sessl extraor-
dinaria desta sociedade, as 4 horas da tarde, alim
de se tratar de negocio urgente.
EMANCIPADORA.At o dia 27 -d corrente
devera as cora raissoes auxiliadores, da sociedade
Emancipadora, remellar ao Sr. Jos Matheus. Fer-
reira, na ra do Mrquez de Olinda, as listas dos
respectivos socios.
SEMINARIO DE OLINDA.O Exm. Rvm. Sr.
reilor recebeu ltimamente os segrales bolos
Esra as obras do estabelecimento :
o vigario de Santo Antlo 75*000
Do vigario Bazilio Lins 20*000
De Jos Lucas de Souza 15*000
Do padre Jos Alves Machado 5*000
De Antonio Ferreira de Oliveira 5*000
TRILHOS URBANOS DE OLINDA. Termina
hoje o praso marcado para pagamento da ultima
prestagao das acedes desta companhia.
COUREIO DO CEAR Recebemos carta do
nossoasignan.e dacidide do Sobral, o Sr. Jo
Rodrigues dos Santos, queixando-se de ter reeebi-
do os mansos do Diario, que Ihe temos remettido,
coro falta de ns., eomo bem so evidencia pelo maior
numero de eatarapilha do correio do que jornaes.
Nao sendo esta a|imera vez quo solrremos des-
sas gragas do correio da captial do Cear, chama-
mos para isso a attengao de quem compete.
VAPOR IPOJUCA. Amanheeeu hontem em
noso porto este vapor da Companhia Perhambu-
3ana, trazendo datas do Cear at 13, do Rio Gran-
o at 16, e da Parahyba, al 18 do eorrente.
O transpprte de guerra Marsilio Diiw, eslava,
ainda no porto da Fortaleza no dia 13, porque, d.o,
de ter desembarcado o< 90 voluntariosdajpro-
FASSAGEinOS. -Vindos da Granja e portos in-
termedios nos vapor pajito :
V. Ferreira Fre lerico, Candido F. Frederieo, A.
J-. dos Santos, E. de II. P. Pinto, J. J. Dourado, A
L. Borona, Benvenuto M C Na, F. de A. Bezer-
ra, J. P. Velloso de Mello, J. B. Penna, Maria J:
da Conceico, M. J. da Silva,E. J. de'Souza, J. D.
de Oliveira. J. P. Roline, F. J. de Andrade Pogy,
M. M. P. do Lago, major A. B. S. de Mello, M. S.
R. da Cmara, J. Henrique, A. L C e S., J. B, J. T.
Barbalho, L. S. R. da Cmara, C. de O. Pinto, N:
Cortez, A. T. da C. Cirne, FK Fructnoso ea S. S.,
J. V. da Fooceca, Dr. J. F.deMoraes, J.M. Pestaa
e 14 escravos a entregar.
Vindos da liba de S. Miguel no .patacho por-
tuguez Mlekaelrnse :
Ji Cordeiro, A. Cordeiro, M. S. Cordeiro. J. de
Andrade. Falisberto Jos, M. Raooso, P- Veira, R.
Veira, F. de Jess e 2 filhos, M. Julia, J. Henri
qnela, A. Innocencio. C. da Concego, Jos da C.
lili.). J. Leal. Ja lia Candida e urna liba. M. Igna-
cio, F. Jos, Rita C. de Azevedo o 2 filhos, I. J.
Sodr. M. Jos, Francisco de Medeircs, F. Emilia,
J. J. de Mello, Maria Jos 2 filhos, B. de Souza,
D. Candida, Jos Correia, Rosa da Jeaus o 4 II
Ihos, J. Caetano, M. A. Tavwaes, M. J. Ricarda, M.
Carlota, A. Ferreira, J. M. Machado, J. de Mello,
Rosa Hmilia, J. L. da Cosa e F. Ferreira.
" CEHJTE 10 PUBLICO.-Obituario do dia 16 de
agosto de 1870.
Caetano, branco, Pernamguco 9 dk*s, Santo Ao-
Ionio ; espasmo.
Eugenio branco, Pernaiabuco, 17 raozes, Boa-
vista,;; cerebrlee.
AnJr Avelina de Barros, pardo, Pernambueo,
66 anuos, casado, Santo Antonio ; h.ydrotorax.
Joao Jos Pacheco, bronco, Portugal, 72 anaos,
viuvo, Santo Antonio ; eryslpela.
Antonio, branco, Peroambueo, l mez, S. Jos ;
diarrhea.
17
Mara, branca, Peroambueo, 7 das, RBcife;
astma eonuenial.
Ildefon-o, branco, Pernambueo 5 mezes, Boa-vis-
ta ; espasmo
Jos Vieent Ferreira, pardo, Pernambueo, 47
annos. solieiro, Boa-vista, hospital Pedro d; apo-
plexia seroza.
Manoel, pardo, Pernambueo, t mez, Saato Anto-
nio ; entente.
Mam el, escravo, preto, frica 64 annos, solteiro,
S. Jos; ttano.
18
Francisco, branca, Pernambueo, 16 mezes, Boa-
vista; varila.
Jos Chrispiano de Moraes Va*; mceUos, braneo
Peroambueo, 14, aanos, solteiro.Boa-vtsta ; vari-
las gangrenosas.
Margarida Thereza de Jess, parda Pernambueo,
30 annos, solleira, Boa-visla ;. tubrculos pulmo-
nares.
Anton\ branco, Pernambueo, 1 auno, Boa-vis-
la; espasmo.
Juli.na, escrava, preU, Prnambuco, 25 annos,
solleira, Boa-vista; apoplexia.
Izabel, prela, frica, daaaoa, solleira & Jos ;
erysipela.
Mathildas do Carmo Lobo, -pardo, Pernam-
bueo, 34 annos, casada, Boa-vi.-(a ; tinca pulmo-
nar.
TheotoD) Gomes de Oliveira, pardo, Pernambu-
eo, 21 soltoiro, Santo. Antonio; militar ferimeuto.
De Joaqun) Goatalves Como, dem de sen cai-
xeiro Jo Ttertuliauo de .Wmeida Soares.Com
pede.
De JosBaptita Braga, certido de estar ou
nao registrada a nomeago de-sea caixeiro Fran-
cisco Rngerio do Sonto.Certifique se.
De Maaoel Duarle Veira, idem do iheor da no-
meago de seu caixeiro Ulysses Doarte Vieira.
D-se a eertidlo requerida.
Dt Satyro SeraSm da S*va, dem do regiitm
da nomeacao dos seas caixeiro Aagusto Pulyern-
oo de Maraes da Mosquita Fhneatel e Manoel do*.
Santo* Prejlello. D-se.
De Samuel P. Joansion 4 ., dem relativamen-
te aos seas caixeiros Manoel JAaqan do Paraizo,
Henrique Gerardo, Manoel Alvos Guerra Juoiori
Francisce de Paula Das Fernaades, Thomaz de
Aquioo Krreira e Amonio Hermino de Souna.
Sim.
Oe Vicente Jos da Silva, subiaettendo regis-
tro a nomeacao dos seus caieeciros Sidront Nones
Sette, Antonio Jhs da Silva Costa e Ildefuos JuB
da Silva.-Xa forma pedida.
Nada mas ho vendo se submettido despacho.
o Exm. *>. presidente encerrou a sesslo ^elas 11
horas e roela do- dia.
CHRONCA jrWLIRU.
sESSAfr JUBfiAMA ESH DE AGOSTO DE
1870.
WKSIBRN01A O BXBt. SR. DKSSMBARGADOR k. F. PE-
RBTT1.
Smvtar, Julio 3uimarei.
Ao meie-dia dectarou-se abarla a sessae estan-
do retwidas o Srs. desembargadores Silva Guma-
rles, Res e Silva e Acciali, os Srs. depulados
Basto, Miranda Leal e barao de Cruangjv faltando
com partioipago o Sr. Rosa
Lida, foi approvada a acta'da sesslo .interior.
A:COBD\OS .V'SWXiDOS.
Appellante* os administradores da raasea fallida .
de Manuel de Soaza Carneiro Pimplo, ampollado? -
Vianna A Cuimares; eraoarpntes a wwa e her-
deiros de Diogo Jos da Guata, embargado Anto-
mo Daarte Carneiro Vianna.
JILOAMINTOS.
0*Sr. Miranda Leal nlo-apresentoa o Cei lo ada-
do a seu podido na sesslo passada entre partes,
appeltanle Jos de Oliveira Lima, appcllado Joa-
quim de Souza Ferreira.
0 Sr. bario de Cruangy nao aprosealou os fei-
tos- adiados a seu pedido na sesslo anterior, entre
parles, appeUante D. Gar-trudes Anglica Joaquina,
appellado o baeharel Joaqwm Franeisco de Miran-
da ; appellante Manotl Pereira Magalbes, apppl-
Vado Di Jna Busson.
Xo eslaado presento o Sr. Rosa naa foi pro pos-
to o eito adiado na ultima sesslo, enlre partes.. '
embargantes os herdeiroe de Antonia Xorberta aV
Souza Lealdade, embargado Policarpo Jos Layne.
Esto ea poner do Sr. Rosa os fei4os adiados na,
sessao passada entro partes, appeUante Maternus-
Lenzt ap icllado Antuoiu Gimes NeUo ; embargaa-
le fru Francisco de S. Roa ventara, embargada
Maaoel Ribeiro Bastos; embargantes E. A. Borle
4 C, embargados Oliveira, Fleos & C. ; appel-
laate Manoel Carvalbo de Muora, appead* Ma-
noel Ribeiro Bastos.
A pedido do 2. jniz sorteado adiou-sa o jplga*
ment do feito adiado na ultima sessao, entre par-
tes, embarganto Antonio Jos Duarle Braga, em-
bargado o curador fiscal da massa fallida de Tho-
mai de Figueiredo.
1'ASSAiSNS.
Do Sr. desembargador Beis e Silva ao Sr. de-
sembargador Aceioli : appellante Jos Mara Be-
zerra Cavalcante, appellado Vicente Herroira Ve-
ras ; embargantes Jos Francisco Ribeiro Macha-
do o outros, embargado Amaro Jos dos Prazeres.
Do Sr. deserobargador Aicioli ao Sr. desembar-
gador Silva Guimarles : appellanU Joao Louren-
co Viriato de Vascoueellos, appellado Jos Rodri-
gues Pereira.
EoaBrrou-se a sessao mea rora da tarde.
niSBimii. do coiuifiRcio
VGTA DA SESSAO ADMINISTRATIVA DE 18 DE
AfiOSTO DE 1870.
'aBSWENClA DO EXM. SR. DESEMBASGADOR ANSELMO
rRANCISCO PBRBTTL
As 10 horas da manha, reunidos os Srs. depu-
rados Basto, Miranda Leal e bario de Cru ingy,
faltando cora partecipaeo o Sr. deputado Rosa, e
sendo oomeado afim de subsiilui-lo no seu impe-
dimento como secretario o Sr. Miranda Leal, S.
Exc. o Sr. presidente abri a sasslo.
E" lida e approvada a acta da sessao de 1G.
EXPEDIENTE.
Informaglo do Sr. Dr, ofBcial-maior sobre a
materia do offlcio da capitana do porto relativa-
mente a annuaeo feito pela sabida do vapor
Mossor da Companhia Perna nbuwna sem carta
de registro.Inforrae-se ptesidencia no sentido
ila informaglo, declarando-se que o pedido da
caria foi posterior a representaglo da capitana
do porto.
Foram a rubrica os seguintes livros : Diario e
Copiador de Bastos & Silva, Copiador de Alria-
ne Castro & C, dilo de Lelo 4 Reg, Diario
de Feliciano Jos Gomes.
O registro da correspondencia offlcial esl era
dia e escripturado regu rmente, tendo o ultimo
offlcio o n. 107.
DESPACHOS,
Requerimento de Antonio Valentn) da'Silva
Barroca, para registrar-se-lhe a nomeaglo de seus
caixeiros Marcolino Victor de Moraes e Antoaio
Geraldo do Reg Barroca.Seja regi*trada.
Do mesmo, para se Ihe dar por ceidlo as no
roeagSes de seus caixeig Jo* Rodrigues da Silva
Barroca e Francisco de Paula Pires Ramos.
Dse.
De Antonia Ferreira Xetto aposentando a re
gistro a uomeaglo de seu caixeiro Jos Zeferino
da Silva J(uoior.-Regislre-se. ,
Da Antonio Francisco Pereira. da Lira, para
certiftcar-se-lhe se, a nomeaglo de seus caixeiros
Moel Francisco das Chagas o Joaquira Antooio
Ribeiro acham-se registi adas.Cerftque*ae.
Do mesmo,. Pra tambera certiflear-se-lhe se es-
t ou nlo matriculado como commerciante.Co-
mo requer.
Da Araujo Carvalbo & C, lueo la e^-
COMMUNICADOS.
O CORONEL LEO>\ARDO BEZERRA DE SIQUEIRA
CAVALCANTE AO CORRESPONDENTE LIBERAL.
PARA O JORNAL DO COMMGBCIO NA CORTE.
O corre-pon dente liberal em urna de suas mi-
vas passadas para o Jornal > Cornmercio, censa
rou o digno vce-presidente da provincia, pelas no-
magoes de supolenles de juizes munieipaes ; o en-
tre alguns nomes di s nomeados citou o do di-iinc-
lo caronel Leonardo Bezerra de Siqueira, dizeado ;
que era elle bem conhetids pela cebre bacamarlada,
e por estar processndo por moeda falsa na provin-
cia do Ceara, d'ondettnha tindoprecatoriapara a
sua prisa.
A primeira vista parecer, que um escriptor.
que sepreza, nlo laneasse urna proposico lab
grave, sera que estivesre convencido de sua verda-
de, e munido das provas dos factos argidos aa
aecusado.
Entretanto assim nao acconteceu, porque o coi-
respndeme liberal assumio o tris! papel de ca-
lumniador, em vez de cen*or grave a-Jsto.-
Sem quenenhuraa offensa tivesse do coronel
Leonardo Bezerra o correspondente o atou ao
poste da calumnia, e desapiedainente o agouiou.
Qae lucros proven) aos partidos polticos do uso
consume das armas da calumnia ?
Lomo o verme (diz um profundo peusadnr) que
nao ataca senlo o mais bello fruelo, a calumnia so
dirige com preferencia ao merecimento mais bri-
Ihante.
0 coronel Leenardo Beaerra ora dos horneas
de bem, que possue a corqrca do Brejo. Carc-
ter firme e sizudo na poltica, homem de sentimee-
tos verdaderamenje relgioses, bom pai de familia,
ptimo eidado, exoellente araigjt, o coronel Leo-
nardo nlo teme a acgo da justira, porqueviven,
e vive tranquillo eom a sua consciencta, nlo le-
raendo que at elle cheguera os botes da calumnia.
Um so acto anda nao praticou em sua vida publi-
ca que o faca corar ante a sociedade.
Jera os defeitos, paftilha da frgil hqmanidade,
criraeuSQ,


/ r


irio do Feraambuco
Sabbado 20
> *

to K-
i in-
i principio de
caletre leca-
t pro vi n-
'a prava
cora a
tactoa que
feral par
tencoos rl
A' quemillega in
direilo. 0 eorreep"
ntartaia : d
ptique este facto, da
ca leve anda ocia.
desta soa asserco;
especiflca$ao to (acto.
Qua ato, porm, a aceusacao^ de alar o coronel
Leonardo processado no Ceari por moeda falsa, o
ustir precatoria contra elle, diremos, que a
passiicsw pronoeica.) Jo un* terceira edlCCudc
angra calumnia do I nuitejogada contra aquello
distarlo coronelExpltquonio-aos.
Em^p ca, um poncu remota, quando eeimoba
aos tonirarios arredar de na olean oleitoral es-a
txiaero-a influeaeia conservadora, se assoalhou,
sur ella prooessada na provincia do Rio Graude
te Norte por raoeda falsa : ckamadn a coalas o ca-'
lujwi.dor, pr>vou-se nunca ter existido semelhan-
urocesso.
Ventos depois renovou-se a mesma accusacao,
no boje era artigo publicado na curte, raudaudo-
-se apenas de Iceadade: o processo tinha sido
staurade na Bsaia. Foi ainda derrotado o ca-
-ianradur.
Agota reapparece a mesma acensacao pela
nesma forma, porm com n sumarie mudado. O
processo leve lugar na provincia do Cear!
Na marcha em que a* coasas levam o phanu
-siado processo do coronel Leonardo correr em
flrove todas as provine as do imperio do Brasil 1
E entretanto o coronel Leonardo nunca sanio
desta provincia para as provincias 0nt que se disse
for processado, em existe seaselhante processo.!.
Xas desejamos alongar csts artigo, e por Uto,
oadniremos. pedindo a< eorrespondenie liberal,
qne veaoa h iurprensa demonstrar a verdad* de
.as propositases, sob pena de ser tido por ara ca-
lumniador.
Sao ha de^ ser eom as armas da calumnia que
partido liberal ha de faier fortuna na poltica.
Os mordidos por esse eseerpio, ho de esaaaga-
te sofera a haga.
O calwmiador nao podesdo elevar-se ate o ho-
raeui honesto, procurande-e, abiixa-lo al si.
E*i>.qBi;succede (ni o conrrespondento liberal
do Jamtt do Comnurcto.
Aa fti
)-o in
PBLIOACOES A PEDIDO^
Questao-Seve
rKLA 2a VEZ O AMANTE DA VKUUBE AO JUSTUS
Verta* vincit,
(Divisa de-Dumoulin)
Beplicanda, nao nodernos deixir de, abra-
fados a essa rjrestig'osa divisa de Duraou-
lin. ciofessar e reconhecer com aquellos que
esw par da ehrorvea vergonhosa do ins-
tan Vu indio dualidad-e dtfplice: Caim e Phan-
tesma,qui ellceinda desta vez cora oseu ag-
glouieramemo depalavras, ocas de sentidoe
vastas .ie |^a-airiHntns, nada, absolutamente;
nada, pronas ; r. > in utii no animo publi-
co nuihutiM assenfai verdadera ; nao jus-
tijeon-se perantc a opinio dos homens im-
parcae?, o stimtna, o acervo de falseda-
des e calaminas foi a base da sucPaccusa
cao, bsers,a;do desta arle o seo costiime,
desde que appareceu mascarada enxertando
as colunias daim'.'rensa.
Niio pretendiamos apparecer mais, nao]
pretend irnos porlanto e>calvar essa accu-
sacao iiuprocrtdente. porque em casos tass
a un-a nsrwsta cabal e decisiva o silen
rio. n soberano d^sprezo : porm como nao
eso uvera -s ra essa iadividuadade, dig-
na por certa da execrarao de to los, mas
pira o p'jtilic'i sensato e iodicioso, invoca-
mos a tmnevoa attenc) delle par as nos-
sas breves (tubas, e in^ical-a hetnos sempre
qu.! a verdade fr falseada, a justica concul-
cada e a bonra offenditla, pinqoanto nunca
d^sprt-zaremos a alavra augusta do Apos-
tlo; non possimu* alinuid adeersus cert-
tatem sed tro caritate.
Somante, pois. inaneja noliremente as nicas armas permitlidas e
acceitas pela opinio publica, isto a cu
zoc a terdade ; mesoo porque riijicu
lo. vergonzoso e sobremodo off nsivo da
nioralidade, e.sgrhcar ontras sob pena de
ieaoar-se ao nivel dos bajulad r^s, que ar-
rujmi-se guando acc m uettem, poro u que
mlam-se humildes na poeira, que por amm
d zer rastejan, quaes o tros reptis, quando
san esuwgAlM ]>elo pezo ila verdade, da
culpa e aos remorsos.
Qando suopuunamos aue o Jvstus im-
ptignasse os Cactos que Ihe irrganos, fun-
dados alguns em documentos exigentes em
watts poder, debellando desta forma o sen
' adversario, eis que guardn silencio sohre
elles, prova exnuberante de que s5o fun
lados na verdade, a mais nconcussa. Foi
assim que nada disse a respeitn dos favo-
res,que foram dispensados an Caim; da ce-
lebrrima xpressoempenhado, lanzada
pelo proprio punlio do Phantasma no livr
raestr : expresso que traduz fiel e genui-
uameot; o sea earacver. a sua falta de cri-
terio e m is a'guma cousa que o publico
quaiic. t
O mesma silencio tornou extensivo in-
curia, del ixn, ou melhoramento fallundo.
viol icio expressa da lei, exercida pelo / han-
l.una com referencia a convocaco do con-
reino admmistralivo, atim de eleger um the
M)uiyiro oa. a o batafho. o que tem deixa
do de cumprir-se por espido de quasi 8
awnus, como j se t m ted-mado por va-
rias v'/es pela imprensa, cbamtmdo-se at
a attenco do mi .istr d justica e presi-
d-.nte da provincia. Porgue nio impvg.tiiu
ente ficto geralmente sbido, escanda.os4-
mente prtlicado e acertadamente censu-
rado 1
(Joanl prestaco de contas pelo Pfian-
tasma no inventario da rali, nao o dosirni-
da a imuiitacao, por mw se a commiss
composta de commendabri's ingerio-se neste
Delicio fui justamiiiie p"qie bavia esbau-
jamento, e porta Ato nenhuma garanta pa'a
com os respectivos herdeiros, visto anda
n;o ter liavido teinpo mancado para a en-
irega dos bens, cuino as9>-vci>. SolKe
ste assnmpto -teremos brevemente mfor-
raicits exactas, que tran^mitiiremos ao pu-
blico em lempo opportnno, afim de que se
-poss-i ter urna irfa comp eta do papel que;
repretentou o Phaniasma neste insrentario.
Tahz que o Justus considere estes factos
* otitros que deixou de responder, c^nno des
taidoa de importancia, como nada quefen
do tradu.irem, como nio infiumdo no ca-
rarl-T do phantosma tahz porque elle e
conhecido ao publico e j te.m firmada a sua
reputarn, cuino disse em seu palluveula
ar igo. Porm engana-se, porque, desde
que nao se destruir urna imputado, desd<-
que nao provar-se com factos contrarios.
cun rasoes plausivas e eonvinceutes. eUe
permiuecer no seio da sociedade, pesar
ce o individuo, o sua teputaciu ser
manchada
O bordi > do Justus mo fiiho e nao
"Me u llar al li j- anida
ao .juarda do 3 *
os qua es ihe >
te* eria ml"or que com
a -historia:
lll.t'im Ver'; j|jy Jj
irado o >\
iz, ale onde tem exercido a sua airoci-
da le, ponto
se qaat, o fim que teve em vista
assim procedendo lio infunda,damei
quanto. se o pat Fosse horoem rico, 4^H
vesse algum negocio, eqne infelizme
frwse algum desarranjo as saas famll^B
intellectuaes. enlSo, bem dos herdeiros e
daqueltes com qoem tivess4ransaccoes, de
ver se-hia linear .mi. deste meto legal;
mas, desde que o contralto se verifica, que
ni ba bens. neto to punco negocio, o res-
peilo filial, as conveniencia sociaes, o faci
de adiarse o pai boje reputado demente,
no occaso da vida, oroteslio alta e pode
rosamente contra o acto revollante deste-
renegado aim, que por isso mesmo nio
merece mais a considerado da sociedade.
Nio merece tarabem consideracio o
Pkamasma, porque, achando-se jogando no
Club Pernambocano, aconteceu perder nma
quantia um pouco avuliada, e deixare pa
gar alguns dos parceiros, pelo que auseo-
touse por algum terftpo. Se este facto
real, coma nos drzem, dep5e muito do ca-
rcter de qwem o praticou. pois que ama
violaca da fidelidade que se deve observar
n<-s jogos, ama falta de confiaBca que se
commetfe, e isto em lugar pubiieo ereqaen-
tado por certa ordem de gente, como o
Club.
0 Jusu< ou Injusto, nada' mais tendo
qne dizer do guarda do 3' batalhao; j
teBdo esgot'ado o sen repertorio de falsida-
des e calumnias, atira-se sobre nm estranho
juesto, quera aitribue a paternidade
dos es;riptos publicados em defeza do dito
guarda. Est completamente engaado ;
por'quanto o ojiante dv verdade, nio ne-
gogianie, por isso mesmo que nunca exer-
ceu era exerce actos de mercanca; nonc*
leve taberna para ser apoellidado, impro-
pri mente de vendelhio; assim como nunca
foi criado de brtel, nem pedagogo; urna
pessoa ia^ependento que, na qiwsio Sve,
smente trata i1e profligar, as (alsidades e
calumnias do Justus, dessa duahdade de
-Thug* braslleiros, que infestara as roas di
cidade, prflcuratido com a desfacatez do
roto soptar as convul-es do espirito:
elles deverio teriuai sorte a dosseus com-
panneiros em Franga.
O guarda do 3o batalhao j disse e repete
que est prompto a assignar por extenso o
seu neme, s* o seu adversario o fizer ; de-
vendo-se notar entretanto que. quando elle
escreve contra o Phantasma declina
por muitas vezes o nome deste, e por tanto
o Phantcsma para ser coheiente deve tam
bem iinilal-o, o que pnrm nio tem fe^lo
Nio querendo mais demorar a attenc
dos leilores, vamos terminar por hoje, pro
meitendo vultar brevemente, visto haver
bastante assumptoque deve cahir na aleada
da opiniio publica como por exemplo: a
hypoteca de urna caso para pagamento de
certa divida privilegiada e outros factos
que nao admitt m p ocraslinacio. Ni des-
Cangarem s. 0 Justas nos ter sempre a
lente, repellindo-he os gu.pes com as ar-
mas di v rdade e da ra/.au, nicas appro-
vadas pela soc edade dos homsns probos e
sectarios da jastiea.
0 amante da verdade.
ES
Ao pubiieo.
i
Sinlo dever ao publico a esp'icacao dos moti-
vos qne deierminaraui o mu procoim>Qio na
(|ui'st;io, um tanto conhceula, do envenenamento
do Bornard.no Francisco do Azexedo Campos. Si
nao fra o amor de mi,'u"nume, j que o deitei
i'iivolvi.io n'csse negocio, ou o deixaria re=ol!a-
nipoto de mo, convencido da inuliiidade dos
mcusesforgos para promover a pnnicio do culpa-
do ou culpadis, quat-squer qno sejain e si algum
o ha, por esse acunteeimeiuo, que cumpre cou-
fessar que nao se ligou toda a importancia que
devia suscitar o facto de um envenenamento irr>;-
ca^avi'lmente verificado.
C-infc) c faci seni commento.
Bernardino Campos, p no con norcio com armazem de molhaiios. poade
arcumular utua pequea fortuna que deixou .-em
embaraC; is. Casado n'esta provincia por contracto
de doto, tinha escripto o seu testamento ant.'S de
en preheiider nma vi.igem que rell'ou Portugal
pelo |ual ronsliluio sua inuiher herdeira da
meia;o, di-pondu da ootra mt-tade em favor de
urna inna e de urna lilha oatoral. Voltando
eta provincia, veio fallecer, um anno decorri
do. quando se preparav pira urna nova viagem.
Sabido que Bernardino Campos morrera enve-
nenado, e como este facto parecesse destinado
passar com urna serta indifferenca, explicando-sc
\w o envenenamento fra producido casu.ilment.-
pela applicacao de urna subsiancia que dizia-se
ter sido comprada pelo finado para a extineco de
ralo; provoquei diligencias aerante a' polica
com o lim de promover o de.scobrunento da ver-
dade, e sei que n'este seuti'io .--e instauran urna
ene de inquirifoes que, dando em resonado a
convicciu de q e a m.rte lora o resultado de en-
venenamento, nao poduram t aqui convencer a
aut>>ridade da existencia de um crime.
Deixando de uur<.em circiioisiapcias que nao
vem ponto recor-lar, pois nao vem ao mea fim
renovar suspeitas uua este facto naturalmente sus
cita ; o que-cumpre qne o publico aiba, que
fui am inquiridos alguus mdicos e, d"e-ta> infor
inacoes resullou como ficto irrecusavel o do en-
venenamento.
Era caso esto que, sao obstante as explicacdes
dadas sobre a applicaQao do ven-nu, devia abrir
espaco longas e dettifas indaga^oes. Um enve-
nena ment de sua utureza mu aoonlecimento
muito_ grave para que a polica d'aquelle tempn
donn-.t subie e caso. O zelo fadigado. com
que. agora mesmo, se est proceden 1 mu;
aborta inquirico sobre o envenenamento, sapp is
to ou real, dos irmos S e Albuquerque, e. M<>
quando a realidaledo f.-ito poi-ta em ditvida
por facultativos distinctos ; diz bem que, no caso
de Azevedo Campos em que o envenenamento ti-
oa provaJi>simo, devia-se ter empregado, ao
tenipo de sua morte, nina diligencia mais acurada
em opter esclarecimentj-.
O qae cerio, que Bernardino.Campos mor-
reu por envenenamei.to; e nem autopia, nem
i-xame cadavrico po?suea polica cem que possa
mostrar que substancia determimu a murta, em
que grao f a appl cada e o mais que cumpna tes-
ti&Var solemnemente por um acto judiciario.
Tndo isto pareceado me estranho, persi-ti era
chamar para ah a attenco da polica, confiado
no zelo, e genio indagador do honrado magistrado
que a dirige n'este momento.
Chamado explicacS^s pela vi ova de Bernar-
duio (Campo* proposito de um pequeo commu-
nicad i que iz publicar no segundo aoniversarm
d'aquelle myslerioso aconte inenio; nao recaei
etn fu izo do nenhnma de minhas assevera^es.
R^peti formalmente o que esc evi, declarando sem
reservas qne estava convencido de que a mjrte
do mea amig > lora o eflieito de am eavenenamen
lo, que en nao poda al ribuir a ningnem.
Susjielta.* que en pojless ter, possa nutrir
anda ; fundadas u nao ; n o podiam antorisar-
ufe con>tiuir-me aecusadnr de ningnem.
En nome de que direito entrei neste negocio ?.
Em nome do diroito que tem lodo cidado, naci
nal ou etrangeirn, de pr.mover em bem da ju--
tica o des'rfinmenie da verdade respeito de um
acoutficuaento to grave.
E'tou rraouiiad'i na seguridade de minha con
rieucia. Eili me Jiz que liz o mea dover. Aindaj
i firei. onblicaodo doeninenu que de vem guiar
o e*Mirito publico nVsin nielindrusi-siino nego<>.
Entre inim e qiieni iiuer que se jnlga offendi lo.
leoipre que ve>n a d o enveneiiainento de
Beroirdinotlain jugar.
Hecife, dea 870.
JcaqHhn Feru.initn ie Oliveir*.
Louvor ao mert-i.
A gralido, est seolimenta sagrado qae sani-
nisade
ansgiodwdo-a,
devido castigo, obriga-nb
ci, e pelo contrario iraz
tavel publico, e ao couheame.
principis desta provincia
tautisMoijs ser vicos prestados ao pan e is^edal-
mente a ata termo destnelo e be-
tiemerilo alfares do orpo [Man-
dante Qo desucameoto desta villa JoSo Pires Fer-
reira.
Con efteito, quem vio e estado deptoravel e las-
timoso em que se aciiava este termo ; quando a
elle chugou o Sr. alferes Pires, quando os grupos
de saknadores e assassinos capitaneados polos ir
luios Nasarios percorrtaui desassombrados lodo o
termo, rouuandu a nn. assassinando oulros,
antecanto assaJtar as villas e povoacoes, cujos ha-
bitantes Viviana em coutinao sobresalto e de baca-
marte em puuho, esperando a cada momento se-
rea atacados e despojados de *ens boa*, e v o
je, nao podo deixar de bradar bem altolouvores
ao Sr. alferes Joa > Pires Ferreiraa quera deve-
nios o socego de espirita, e a tranquiilidade de que
varaos toiaudo.
As ameacas'qae do continuo recebia to des-
tinelo otlicial, dirigidas contra a sua preciosa exis-
tencia [kc aqueffes .i.-assinjs, longo de o intimi-
daren pelo contrerio, serviram de estimulo para
Cota risco eminente de sua existencia, com s cri
Hoto pecuniario da sua algibeira, abandonaste os
aura ivos de uuia esposa desvelada e os cannbos
de urna Ulha, que cousiitue a sua maior' felicida-
de para atnai-se de oorpo e alma, no encalco e
peivegj.ic.ij desses salteadores I
Foi "as m que conseguio prender o assassino
mais afamado de toda esta esta rajoadeza pela
sua perver.-idadH e valenta, Joaqum (toarlo dos
Souaa, criminoso, de mais de dez mortes, eflec-
tuaudo to importante deligencia cojo umanha
pericia, tino e prudeacia, que apezar da resisiea-
cla pelo criminoso opposta, nao h >uve a lamentar-
se coosequencias fnjtestis um celebre Looreoco
Jfendesda Silva, indgnalo nesie termo por en
me u*e homicidio, o no de Pine provincia da Pa
rahyba pelo de rouho, por fazer parte do grupu
Njsario, que acccuin.neteu o importante povoado
do B in Coiisellio, aunde r.juuou ao uegociante Ma-
nuel Rodrigues Florentino subdelegado o lugar
jtal era a affuutesa desses salleadore-) depors de
tena fracturado coa uuia bala u braco direilo,
foi tambeui presa do Sr. Pire- Ferreira. Ontras
prises importantes leui realzado o Sr. aiferes Pi-
res, que seria aabtmb* enumralos.
Ueconbexemos que u Sr. alferes nao necessita
do uosso auxilio para larna-lo recoininenJado ; e
preci.'ido pelas autoridades superiores; a seu uo-
nie nao dever ter sido olvidado as eoavuuuica
toes oiBciaes.
Entretanto, como nem todos podem ter eonhe-
ciu.ento dulas, o nosso lim faielas chegar ao
dominio do publico, para que possa tamb.u apre-
ciar e admirar at que ponto sao elevados os ser-
vidos prestados a este termo por to deslindo mi-
litar, para que se conheca que uo smente vi-
sitando os campos do Paraguay, que adquire um
Ululo de recommandaeo, e torna-se credor da es-
tima publica, e i.'as vistas di governo.
, Estamos convencidos de que o Exra. Sr. vice-
presidente da provincia, justicelro e apreciador,
como do verdadeiro merecnoentj, nao deixara
uo olvido o nome do Sr. alferes J-.o Pires Ferrei-
ra, menospresando to relevantes servlciis e. taau
deilie.igo ao tiem publco.
Enfun, onomodo Sr. alferes Joao Pires Fer-
reira, a quein pedimos a devida venia se ofrende-
mos a sua modestia, dando xpins^ aos sent-
menina que nos inspira, jamis ser esquecido pe-
los habitantes do termo de Flores, e especialmen-
te pelos abaixo assignados, que o trari -e.npre
gravado na memoria, e delle sempre se acorda-
rn cora vivas saudades.
O capij e pr-presidenle da cmara, Torquato
Jo> da Sijva.
Manoel Ferreira Rabello e Aranjo, coadjuetjr de
Fio.es.
Negociante, Antoo:o Pinto do Olivera.
Alfres, IziJoro Alexmdrino 4. S. Burgo.
Vi gario Pedro Matioelda Silva urgos.
Leonardo Ferreira do Uo.aj^i, proprietano e ne-
gociante.
1j- Lyra Chaves Pess.ic, veredor.
Alfcist-, Bell.irmino Olympio de Oli>'era :ama-
rista.
AUenf a moita attenco.
tOTHIBI'.VIL BABELHtO
Sendo provavel que hoje se aprsente ao tribu-
nal da relajo um recurso de habeas Corpus, in-
ternostu pelo juiz municipal do iprmo de Oi.u.la;
appressamos-uos a dar pnMicl tade '* d icumen
tos abaixro, alim de mais orientar aos digr>ng ma
gistrados que tem de tomar conhecimenio desse
recurso. Da simples le tura d ropre^enlaca>, di
rgida pr-silenea da provincia pela cmara mu-
nicipal daquell.' termo, se v, o quanto seno e
grave, urna olucp que nao seja de acord com
a jushca e a lei.
Paco da cmara municipal de Olinda em sesa i
de 2 de junlio de I870.
Illm. e EX0. Senhov.A cmara municipal fies-
ta cidade de Olinda, como llel interprete do seus
inunicipes, vem pela segunda vez representar con-
tra o bacjjarel Rufino Celho da Silva, juiz muni-
cipal deste termo de Olinda, por factos differentes
daqnelles que di Tara origem a primeira represen-
tacao, os quaes ainla provam sua irregulardade
de conducta n i qualdade de agale da antoridade
publica, e o convencem de incontinencia publica,
escndalo e desidia actual no deserapenho de sna>
funci;6es. e por consecuencia incapactdade moral
de distribuir justiga s partes.
Eta cmara poda, era des>.bvno deste juiz que
por seus e nstantes factos iibidinoso?, fazendo
desta trra a coda da Campania, assemelha-se
esse celebre Tiberio, imperador romano, que apres-
sou a sua morte por meio de Ilegtimos prazeres,
retrata-lo mais fielmente, ocenpando-se de facto
e factos gravisimos que pesara contra elle, segun-
do voz publica, pratieados fra deste tern>;
mas assim o nao fez, porque os praticaios aqu,
no curto e-pico de tempn de sea zereern,
-o mais flue iifBcientes, para bem demonsirar
que lie incapaz de rwtaff revalido de direitos e
obrgo;'s to irapnrtanles. como os qqe devem
|er angeles, que jnlga.n da liberdade, B rara e
Vida dos eidados : para, dizendo afinal, demons-
trar sua iuleira nicapacidade de ser juiz. Eis al-
p'Uus factos que tem praticado esse moderno La-,
velace, os quaes urna vez provailos, chega->
evidencia do qua tica lito ; sao elles de notorio
dade publica, tanto nesta cidade, como fra della :
1." Indo o bacharel Rufino Coelho da Silva.juu
muuicipal e de orphos deste termo de Olinda,
pra3 do Jang proceder um inventario, vio tima
.noca da qual se embellezou Higo, no que len
muita facilidade : procuroa saber quera era e en-
trando no conhecimento de que era orphan e me-
nor, procaron o tutor, e loge o intiraou para que em
da marcado a trouxesse a casa de nestacidade, dizendd que qaeria bota-l em um col-
legio.lnformado o tutor de seus cnstunies reprova i -
econhecendo que a b>m pas'or sem duvida queria
mais aquella intiocentinha ovelha de searebanho
para sacrifica-la seu* insaciaveis oYsejos, nw
euraprio a ordem do juiz, e sendo insiado. deca |
r.m mu formalmente que sua tutellada nao tinha
que vir a sua ca-a, pois que, alm da obrigacao
jue tinha, de velar em seu favor como tutor, era
sua irma. Sement por is?o, pur nao querer
essebemem, que, -egnndo arasU, chama se Luiz
Ventura, sarrOear sua irma meaor e orpha
f.j pelo juiz modelo preso, e entregue du >
oiBciaes de ju-tca, que, conhecedorq do* costu
.ues desse famoso juiz, deixaiain eni carahaho fu-
gir o preso, o qual para poder jr vvenlo abando
am este termo, e actu-se no Recife trapalhando ao
Ex ii. Sr. bar do Livramento.
t* Aehava-se presa na cadeia Vata cidade
cu'oprindo sentenc-i urna mniher mo^a, da praia,
chamad Mana Rnlnn, por ter ferido o marido e,
Cu no a ualureza a tivesse dtalo de algoma bl '
leza, entenden o noso jniz. que me-rao dentro da:
ca leaa devia ter ridacSes Ilcitas rom essa pobre el
iiif-hz mulher. para o que mandou fallar c< caivereir i actual, J > NKpnmueeiio G .raes, paral
facilitar-Ule noitc a entrada na priso ; e pir-
,que ach*s*! ie ese career ro
proxompisi em nuompe io- couj)^^^
i, cjegando a lavrar urna
- d i ine-mo, paia aim#ntra.
lo, e pi>der conseguir ao c >uh cimeutti do De. J tar.if^^^^^^m
f i-Iba orle sentir que atA|HH^^|
i. i poda elle praticar, por na
ouigods, mai aim do delegado em vista 4a lei, de
. i' i. patsi a cida-
escrava,
^^^^^^Hlaqiierque,
mdo pela casa
u elle : en-
mela a conven-
acia r sens'daae-
r.jue nao annui-se a prett,!
^^^^^ a porta da ra para f irca-la, mas
gritando em altas vozos a victima de to brutal
aiseencia, sabir sem ser manchada sua hon
ra. que apesar de preta tem: grittndo, porra, em
altas votes na ra contra o acto selvagem da sa-
me I ha nte boraem, ao que a visiuhaoca da casa,
que na ra do Paco-eastelhano, urna das mais
publicas deata cidade, toda fechou-se envergonaa-
da, ? meRB para nao presenciar aemelhanta inv
moraldade,
4* Urna noite fra da horas appareceu dito juiz
no corpo da guarda, de camisa e ceroule; e pes no
chao, a pedir ao commandante do destacamento
duas pracas para effeeluar urna priso, promat-
tendo pagamento aos soldados, e tendo sahido
com as daas pracas nada fez, dizendo-se geral-
mente que a causa da priso, era por ter sido cor-
rido por um irmo, qne eucontrara aqoelht hora,
dentro do quintal de sua casa, em entrevista amo-
rosa com sua irma.
5. Na ladeira da Misericordia, deaencabecoa a
moa mulatinha escrava recolbida do conego Fir-
raino de iNlo Azevedo, a ponto de ver-se o cone
go to atormentado, qne at venden, declarando
a alguraas pe>soas o motivo.
Quando era alia note apparecia o jniz para a
sua entrevista amorosa com dita mulatinha, e por-
que tinha uia familia confronte, que por deitar-
se muito larde, eslava sempre na calcada toman-
do fresco, o juiz emenden de intimidar dita fami-
lia, a urna mate vestido- de domin, eom outros
preparos, (logrado alma do oulro mundo, para
que a familia intimidando-si abandonarse o malo.
Seqdo inspector de quarteiro do lugar Anto-
nio Piros de Car val lio que tam bem era tutor de
urna orpha, ou de proposito, u por casualidad*,
numa bella noite era que rondava, preudeu a mu
latinha fra de horas, e aotregou-a sou senhor,
a qual declarou que u para asa do juiz. por elle
nao poder apparocer-lhe naqu-dla ooite. Palo que
o juiz mqpdou lavrar um mandado de notilieago
chamando conias o inspector tutor para exone
ra-lo da tuiella ; porm, este fallaudo-lhe forte
disse que faria bem paienti o motivo das iras do
juiz contra elle ; enio esle com receto o deixou
em paz.
6.* Por occa.-io de ama -novena no Amparo
desta cidade, estando as Mnhoras qne cantavam
fechadas no coro, como coslume, porjue assim
bavia assentado a irmandade, para nao subir, ou
entrar la hornera algum. alm dos que locavatn,
evitando assim a confusao, apparece ama noite
o juiz municipal querendo subir para i coro;
foi-lhe vedado o ngreso pelo irmo alferes Frau-
cscoLu.lgero .\une- Viinna ; fot grande alari-
do, nao attendeu s razoes que a irmandade Ihe
dava, s fazendo dizer que era ju!z de capel las, e
que tinha o direilo de entrar all ; mas ven-o que
uada cinsegua, sae apressaJmente assim como
estiva de chiuellos raso-, palilut branco e sem col-
lele, como anda em toda a cidade, e algunas ve
zes sera ctapo, e volla com o esexivo. meirinhos,
e todos os peirechos bellicos para lavrar algum
t nno Je re i-tene.ia ou para arrombar a porta
que dava p>ra o coro, e assim poder elle -ubir. A
irmandade vendo que ra appareser gr.mde rao
lim, te conliuuasse na opposco que fazia, p ir
ser composta de cidpd is cordatos e amantes da
urdeiii, entregou a, .have da porta ao juiz, que
ab.-io-a victiTiosamente.
7. Dous menores que estavam assistiado te.m
poralianienle n t praia da Cmeeica) d is Milagres.
em casa de urna tia de nome Ur.-ula, sendo um del-
es do exu fe.iiiaiuno, e ji uiuc, foram encontra-
dos all pelo juz de orphos riacharel Rulino, e p ir
flear logo ap.iix malo da pobre rapariguinlia, lem-
brou-se logo de. vocalmente notuear-lhes tutor,
para ti Mr com junsdcQo.e mais fcilmente po
der fazer algum arranjo, ao rapasioh > nom ;uu um
tutor dalli clamado Jeronymo de Albu ueniue ;
em quanlo, pjr i, a moca declaren que s no-
meara tutor aqui na cidade, e ordenen a tia qne
trooxesse p ira c, afim de assim fazer-se.
Nesta ojcasio a mennniprincpiou a chorar, e
o subdelegado do Jang Fraiieso Camello Pessoa,
oiiipade.cendi-.se della e.-rieveu ao juiz miuuici
pil d'lguarass, o qual eulo declarou, uts se
raelluntes menores pertenciara aquello termo, e
pod isso estavam sujl> a sua jurisdiccio. e qu-
tnluin tutor. S assim o nosso juiz municipal
larg ra de mo a moca, por se ler mellido no ne-
g'cio a polica, do contrario, nao sabe e-ta cama
ra qual seria hoje sua sorle aqui pela cidade, etn
vista da pertinacia do juiz de :- a querer trazer.
sem duvja seria mais um* victima sacrilieada ao
seu inmoral desejo, como dizem e voz publica
leg Mcrificada oufras.
8." Indo o armo passado a Baberibc, proceder
a inveutario dj fallecido Antonio Flix dos Santos,
all dictando s.ib que no Arrabal, que termo do
Recife, navian duas raparigninhas orpna e me-
nores, para l seguio e se ui um lio que se
aprsenla em favor das uu-suias, -e.npre as tra-
ria para esta cidade, para em sua casa tiar-lhe$
tutor.
9. E' voz geral, que quando era elle jniz em
Serinhem, tendo offeudido a urna menor rela,
que diztnn era neta de um Jo.i Branco j falleci-
do, a qual appareceu depois pe jada; para oceul-
tar aos olos da familia e do publico seu crine,
fbrneceu esse juiz a pobre rapariga un licor ou
pilulas para fazel-a ab >rlar, e nao tendo explica-
do a maneira de tomar, malou to infeliz creatu-
ra, visto como tomou urna do> maior do qu a
que devia tomar I
Alem do que flea expendido tem por habito tro-
car os aias pelas noites, de sorte qu? muitis veze.-
ou quasi sempre, ao meio da anda doirae, e
quando se levanta sempre de man lia or, nao
queremk ouvir as parles, e at l rata mi-as gros-
seiram.-nte como aconteceu com o Rvm. conego
Ign..co Antonio Lobo, que leudo sido chamad.,
para prestar unas contas de um patrimonio de
que administrador, eh -gando a porta do juiz
bat.'u, c mi peuco ouvio de dentro Ihe pergrnnt.tr
urna voz, spera e alta, quera era; dizendo em
resposla que era n conego Lobo, que viuba a cla-
mailo do jniz prestar urnas cuntas, o esle Ihe res
ponJeu que uid Ihe en-omrnodasse aquella bota,
as onzo do da, e que voltasse em outra occasio,
nao man laudo o inosmo cmego nem se quer en-
trar para descancar. O mesmo aconteceu com o
itdro Fortunato David Amad >r de Olivera hoj
vigario da Ilha de lia narac, quando foi Lambem
p estar ouiras contas ; eom Man >el Joa jmu do<
Santos Christo, morador na praia de N. S. do O',
qae tendo tamben! sido notificado para prestar
urnas contas em da maroado, anda as nao pr.'S-
lou porque tendo viudo a esa cidade por varias
vtzes ora tem fallad com o juiz, dizendo-ln est.
que volte mais lar le, e quando assim o faz n>
mais o acha ; ora, vindo de outras vezes, tarabem
cm dias mrcados de novo, eoconira lugo a porta
fechada; finalmente, tem' dalo unas poua-
viagens a esta cidade, anctaodo de cada vez seis
leguas, tres para la e tres para c, nada lem feito.
tel a inercia, o pouco caso, que faz &ste juiz le
ludo e de lodos, sendo por isso que todos fogem de
ter quesies perante elle, preferindi perder mui-
tan v^jea os seus direitos.
Em vista do que claro (ue exeroo as funr-
ces de .sen emprego alera domis com desidia
habitual o que redunda em grave prejuizo de ser-
vico publico.
Podia esta cmara abundar em factos, mss para
q ie, se os jue ficatn relatados ,-o mais que snffi-
ciemes para se fazer idea do juiz que te.m este infe
ziermo? Do juiz que tratado por quasi todos s
-eus habitanles com j.maior lodiffereuca e p neo
ca>o por estes e outros fados que soDre si pe-
E' lio r provado o procedimenfo desse homem,
que so apreseuia com antoridade que rafe lumen
te n'este termo, que esta cmara uo lera ex
peisdes para dize-ln, satisfazse em a>s-verar que
a loga de magisiradono Ihe assenta, fica-lhe pur
deiu-i- pe-ada sjurt m Jumbrt* e aos olh^s Qo
puolico mal empregada.
Nada mais accreseenta. e espera qne em vista
dos faetos posto* V. Ex;. se digne lomar urna
providencia qualquer fazer cessar lano esean-
dalo.
Deu guard** H. Exc- lllm. e Exm. Sr. des
enibargadiir Franci>co fle A'sis Pereira Rocha,
digno vice-; residente da provincia.
Francisco da> Cliagas Salgoeiro,
Pr-pre-hlente.
Luz d Rgo Barros.
Francisco Lma Virau1.
Jacinlh Stares Bdi"iho.
Felippe LinH I de Christo Leal.
Antonio Joaijumi Ranello l'essoa. i
Alexandre Jae Dome.
^K Antonio
e qne
oreo
rocetsar,nq,M
bacti
lia o
dos P
trata
teoda^^^^^^^^^^H
defende Mrer I r+\
const ntes
provaa1a\a^^^^^H__
conderanar.
Colho da Silva a qoatro mezes e mei
multa correspondente a metade do lempo, grao
mximo du panas do rt 538 combinado coa o
art 237 S* do cdigo, penal, por ler sido o crime
revestido das circomstancins aggr vaoies fea. 4 e
15 do art. 16 e 4 do art. 17 do rotando cdigo
penal.
O escrivo intimo a preaente oaalsnca ao qnei-
xoso e ao reo; Ando o praso da lei passe mando
de priso contra o reo, a qnem igualmente con-
demn j as cusas, e compra no mais o seu regi-
ment.
Subdelegad .le -polica da freguewa de S. Pedro
Martyr de Olinda, 7 de julho de 1870.
(\ssignadn).O subdelegado, Candido Eustaquio
Cezar de Mello.
Vistos estes autos, em qoe sao parles appellan-
te Dr. fludno Colho da Silva, appellado teen-
te-coronel Manoelr Antonio dos Passos e Sil-
va. Considerando que a lei instrtnindo formulas
para no juizo criminal ae evjdenciar a verdade e
appiicar-se a pena ao'facto delictuoso, determi
nou qoe nos rimes eommuns sugeitos ao Jnlga
ment das autoridades policiaca se regulaso o
processo pelo? arts. 205 210 do cdigo do pro-
cesa. Considerando qne a queixa a folhas tor
mulada com os requisitos marcados- na le versa
sobre o crime de injuria commettido sem ser por
algnm dos meins mencionados no art. 230 do c-
digo criminal a nao de calumnia por nao se apun-
tar facto praticado pelo appellado no exercicio de
funecoes publicas, cuja infraeco ou omisso fosse
denunciada pelo appellante; e sim Injurias por
esle iniencionalmente laucadas contra aquello com
prejuizo de sua roputacao e expondo-o ao deepre
so publico, por isso sein fundamento a invoca-
5* feta ao art. 153 do citado cdigo. Conside-
rando que o delicio perpetrado pelo appellante se
acha provado com os dep limemos das testeoin
nhas de folhas a folhas. nao merecen lo censura
em direilo os seus dizeres declarados sob jura
ment; e muito men is elevar-se a cathegoria da
impossibilidade previsto na ord. liv. 3 lit. 56 g 7*
o facto das duas primeiras as-aguarein na qualida-
de de venadores a rrpre*enlacao da cmara mu-
nicipal a> Exm. presidente rwrraudo o occonrido,
pois que nao f rao- us signatarios os offeudido?,
para darem a queixa e nem contra o appellante
movm feito algum o demonstrado esl qualquer
dos casos mencionados na citada urd : conside-
ran lo quo no juiz aqu foram guardados os pre-
caitos ordenad. nos art-. a a 210 do ja citado
cdigo do processo n sendo, de mais, snb>lan
caos, as faltas indicadas pelo appellanie-p.ua se
invalidar o processo como fosse a do emprego da
palavraintimacao em vez da deeitaeao pois.
n> eslabelecendo a legislacao patria regia ohri-
gatonas para a signilieaco das plirases afora al
guillas deliiiices nos cdigos se deve seguir a
mtorpretaco uzual dos termos, que forem perfei-
lamente synonmos Cmsiderauda nao existirem
as eircuinstancia aggravaates. que tizeram -le-
var ao grao mximo a imposici da pena, a qual
cimeipoiideudo aodeheto n foi com lud applU
cada oo gio respetivo, pelo que julgando smen-
te nesta parte procedente a appelUeo -ugeito o
appellaute Dr. Huhno Qi'dlbo da Silva de eonforrai-
dade com as regros de direilo, pena de tres me-
zes de priso e multa eorrespondenie a metade do
lempo, e assim conderauado pagua as cusas.
Recoinmendo aoeserivo quo observe o art. 170
do regulamento n. 120.
Cidade de O oda, 4 de agosto de 18 0.
(Assignado).Quintiiw Jos de Miramla-.
8 seo-inlrelinhado*.
MMps senhores
Povoa^^H
1870.
.ra Gomes de Souza Castro.
XJ^LelbCflil l DOD16III.
ir, Joo Ferreicaifl Almeida 6b-
S^i^^Hto d qu* pa o Liberai de
_MgrabeO' tempru mores :'
_^^^^B|vrar-*e o termo de flagrante
- deciaraco 4o preso, de qne
menor nao aotarisa a nomeacik> de curador; por-
qnanlo muelle termo urna deligencia e nio urna
apressntaco em jnzo. na qual o juizo- deve dar
na formada le, curador ao menor.
Que eu nao podia desde logo aceitar sen oOere-
ctmento para curador do assaswno de T .eotonio
ternes de OliveiYa, porque arada tinha indagaete*
proceder relativamente a idade, adquirindo sea
baixa de voluntario do 42;
Finalmente que no caso de verificar-se a meo-
j-idade do assassino nio Ihe follara curador como
nratinm dos qne tenho proce;ado I tem (altado
visto-.como sei curaprir meus deveres sem precisar
de ponto ou accessor.
Rocife, 18 de agoste de 1870.
Miyuel Lucio Timo.
Se teem sido juntas as nomeaedes de hispo para
Pernambuco todas as que V M. tem feito : eerto,
que nao ser menos jmta se fr dada qutlte, qoe
pelas suas eminentes virtudes, e notare pVoeeder,
civil e moral tem grangeado a sympathia Se tod s
os diocesanos, aquello, que em todas as snas
funecoes religiosas, tam nos feito cooheeer ser elle
o modelo do clrigo a'esta diocese. fazendo pre-
gredir uos cora coas dos po vos a religio cbrisla ;
j com as raissoes que tem feito em muitas pro-
vincias d'esla dioeese, na qualdade de asvnreste,
onde tem feito mnilcs cemiterios e al igrejas.
como bem a da S. C. de Olinda, eo:itras qne dvra
principio quando andou missionando ; ja cornos
irabalhos do confessionario. .
E' o Exm. vigario capitular actual con Cbrysostomn de Pai va Torres quem'-me renro.
Hoje, porm, que a dioeese de Pernambuco est
viuva com o fallecimento do Exm. Sr.1i. Francis-
co Cardoso Ayres, e se acha repousando- nos bra-
cos da virtude d'elle; repousando na paz rta
boa admlpistracao ; imploramos bondisa justiea
de V. M. para que seja elle o bispo de Pernaifi-
buco.
Recife, 17 de agosto de 1870.
Soc^dade .lovem America
Alguns cidudos possiudos da sublime e gran-
diosa idea da eraanuipac do elemento serrii, es
se caucro pernicioso sociedade, e contraria re-
luio, resulveram installar nina II do correle
en ca-a de residencia do. Dr. Deudora Ulpiano
Coeilio Catanho, a ra do Imperador, ama socie-
dade com a dcuominaco de Joven America, com
o luuv.ivel lin de proimver por todo* us meins li-
cites e honestos a leu alcance, a liheriaco de es-
clavos, e de Xeito nesre da licou a mesma ocie-
dado m-ullada sob ma direcg) pr ivi-oria.
Esse faet. apenas propgalo, foi logo tomado
em Considerar e os directores ilo circo acro-
batioo, os Srs. D. Marcos Gaaeh e D. *os Mara
Zuazoia, enttiusiasuis de to humanitarias deias
expontanea e voluotariaraeute oll'ereceram o sen
valiuso concurso, dando um beneficio em favor do
Um quo se proiie a mesma sociedade.
A sociedade Joven America, possoida de grati-
do pela exponiansidade de semelhante aclo, nao
pdia deixa-lo dcar em olvido sem miuifesUr so-
lomtieaiente nm voto do adiiesao Afeadles senta-
res, era virtude do que os consideraran! desde lo-
go como sefes socios honorarios, fazeml) consig
oar na acta de suas essoes um voto de profund i
reconbecimento p,ir t i relevante *ervic>, e praza
a us que exemplog taes sirvam de iu -enlivos a
tadiis aquelles que p ideod > discr de inei.is, ve
uiiam em auxilio da moMna sociedade, digna sem
duvida de toda proteceo, atteulo aolin a que se
propSe.
liecife 19 de agosto de 1870.
COMMERCIO.
FRAGA DO RECIFE 19 DE AGOSTO
b 1K7G.
aS 3 I f9 BoBA D* TABfel.
Assucar CanalI^t par 15 kil. (frontera).
Algodo Ia sorte748 rs. pur kil.
Acces da divida publica80 0(0 (hontem).
Cambio sobro Londres 90 d/v 19 7|8 por UMlt
(hontem).
Goncallo Jos Affbnso,
Presidente
A. P. de Lemos%
Pelo presidente,
ALFANDEGa.
Aendtmento do dia a 18. 605:131*337
dem do dia 19...... 42;28903*
64i:420#37:i
5I0VIMENT0 DA ALFANDEGA
Ioimaes entrados cera faxendas
dem idem com gneros
'olnmes saludos com fazendas
dem dem com gneros
84
795
fin
Visto estes antns, e a prova ne.lle3 produzida, que
consta dos depoinvnloa das tesiemunha- de folhas
a folhas, e considerando que dos meamos de-
O .4B.4/ATO ASSIGNADO, EM MSPOSTA AOS
SRS. ALFREDO & BARBOSA JNIOR. PE-
LA FORCA DE SUA RESPOSTA AO P DA
LETTRA.
Em pnmelro lugar declaro aos Srs. Alfredo \
Barbosa Jnior que nao tenho cuidados com rea-
cao ao pagamento de inou debito real, para o q'ia:
tenho o en pagamento prompto, e perando ape-
nas i|ue i'hegue o seu venximent i; tenho, eerto,
euidadO e muito seno com relar-ao supposta hy-
potheca, de que abaixo trato, s-i qne me seja pre-
ciso darresp istasao pe du Ultra, dando-Ih'a,
oo entreten o, so p da lei.
Sabe o publico e com elle meus credares os Srs.
Aifrei & fi. Jnior (pie fui verdadeiro em mafehas
declaraces cuntidas em minha primeira publicar a
a qual deu lugar que meus credores respon-
des em, sem a menor coiisideracaj .o publico e
muito menos a si proprios. ,
Dis- eu que tinha aceito urna letra esses meus
credores da qUautia de dous c ratos Beato e taftios
mil ris. e que es-a lelra ou quantia nao estav?
bquuteda, conform- se v de intulia dealaratjo ci
iaila, a qual nao f.,i impugnada pelos meus credo-
res coin vaiitagein propiia: apenas procuraran!
dar urna i.np-rfeita resposla mifebn pubiicigo
por mero ojtinprtmoMu de dovor. Craio ter Mdo
este o deseju ; mas fra de duvida, que nao rea-
ponderam a nenhnm ponto do minha declarar i;
e, o que mais para estranbar, nao havprem essts
uioeos^affirmadi ser nimba afirma,la tal pro-
curaco que servio de base, supposta hyuo-
theca.
au terem esses mocos apreciado esse ponto,
quanto basta pira que seja verdadeiro tudo quan-
lo disse em in nha primeira deciaraco, apesar de
ter eu on ciencia de que jamis seria mura a sua
resanada sen Jo como foi afflrmando nao ser o
devedor da quantia dos deus cuntas cento e tantos
mil ris; porque ueste poni nao pdeos dizer o
cootrario, bem como na quantia de ento e tantos
mil rea, que me fui individaroento debitada.
Suba mais o publico que au neg a minha
Urina com relaco a letra cima nienoioBada, e
menos sou disiu capaz; apesar de ni ser eu ne
gocianie nem tepuuco r;>: mesmo nssim ser
por mim paga no vencimento do men .eme a
quantia que verdadeiramente eu egiiwr de
ver. Palo que lovo dito so v, que em saim nao
existe desejos da prejudicar es^cs mne/ig, tem
J.ir-lhes irabalhos para de-mim receberem.
lien bero, quando de mim se veacer dita letra:
receberao o que de faci a de direKo estou de-
ven lo.
9 que eu neg i,, nao ter at amonado tai pro-
curiifiliL
Eu apena* juste passar hyprtheia r>ara garan
lia le nitu debito, a qual nao (dif eSeilu por ftl-
tar-ine a ceiluj negativa que defia ra eonduzu
ao Recae | ara que t.vesse lugar a ajusfada bypo-
tl\eca. e nessa occasio receber en ee taes quaini-
cenio mil ris; uo vullau.io eu, mais deixei de
receber esta, nitima quautia; e, porlant". n.
passe aja fallada jijpotbeoa. Ho voWei d R.ci-
fe, cooio devia, por me convir u>ais dispr de
jos meas e^cravos, do, que zer bj^ih
do-; ,* qisto eslou fjruv, tu oto. bu
ieu>po fiz scienle aos Sr*. Alfoadb 4
uior.
E la a verdalede ludo.
. Nao sou, poi,, de m T, com djmn
esta impuiaco Ihea n
100
241
------^541
Descarregau) hoje 20 de agesto
Patacho portuguez -Restauracaomercadorias.
Barca franceza Colinu mercadorias.
Brigue mglez-Jlr//a'ordem
Lugar portogutfDant&em.
Brigue francaLwza dem,
darca borueguen-e Brasileiraidem.
liriguo ioglezDautoei lem.
Brigue inglezEdita Vury dem.
Patacho p;rtuguezMichaelenseiieta.
IlUJUH t afO.
Pataclto norte-allemSo otto w'ndo de An-
tuerpia, consignado a llenry Forster & C, mani-
fest* :
9 calas armamento, 8 barris vinagre a
Muuhard. Metller & C.
16 barricas chumbo ; aShaw, Hawkes & C-
8 ilitas dita, 23 volumes cerveja ; a Keller A C
7 ditos marmore, 9 dito* armamento, i ditos i-
dros. 32 barril pregos, 48 barricas e 230 caixas
genebra ; a Von Shosten & C.
1099 formas de ferro ; a A. V. da Silva -Dar-
roca.
3 barris prego?, 20 caixas vidros, 8 ditas lonca;
a Otto B. hres.
2 ditas tecidos de lia ; a Rano Schininvttau & C
33 chimes papel, l.'o ditos vidros para vidra-
ca: a nrdem.
i-i caixas spermacetti, 5SS0O kilogrammas ae
carvn de pnlra ; aos consignatario-.
Vapor bmtileira ipoiuca. vindo da Granja e.
partos intermedios, moni festn ;
10 saceos caf, ;oO saecas algodo, 246 meis
de sola ; a ordem.
414 ditos de dita, 1 molho conrmhos, 1 garajo
carne, 18 saecas algodo ; a S Lei to di Irmios.
13 dHas dito, 199 couros salgados, 1308 metes
de sola ; a Moraes & [rmo.
130 ditos de dita, 7 garajns carne, 4 saecas al-
godo ; a Manoel Marques Piulo.
26 litas dito, 686 uieos de sola ; a Luiz Goncal-
ves da Silva 4 Pmio.
3 garajaos carne ; a Antonio da Silva Puntes
Guimaraes.
3 d tos dita ; a Cunha Irmos & C
6 barricas gomma, 10 eonrus salgados, 142
meios de sola ; a Jos Lopes Davim.
40 caixas paz ; a Amonio Jo:- de Souza e Silva.
12 saecas algodo ; a Manoel da Silva Ponte.
Despacho ec exportacao no dia 1.9 d
ag sto
Ni oarca franceza Vcridiana, carregaram
para o H >vre : E. A. Barle & d, 209 euros sal-
gados com 949 kilos.
CONSULADO PROVINCIAL
ftendimenio do dia 1 a 18.
(dem do dia 19. ,
o'l:3?lG2K
::36-632
33:7174860
MOVIMENTO DO PORTO.
- ^ ^
Navios entrados no dia i9.
lo-Grande do Sul87 das, patacho brasileo
Petica o. de 2 M toneladas, capitn Franciseo
Dias da Os'a, equipagem 10. c.ra 12:700 ar-
robas de carne ; a Bailar & Olivera.
Ilha de S. M gnel 30 illas, pat cho portognez
Michttelens, de 133 toneladas, capitn rraiieieso
So.Ir de Medeims, equipagem 10, earga eneee-
mendas e la tro ; a ordem.
Granja e portos inlermdios8 das, vapor *rai-
leir Ipojuca, de 360 toneladas, coimnandaate
Moura, equipagem 30, carga difiranles gana-
ros ; a ctenpannia Pernambucana.
Anluerpia41 dias, patacho norte-allema Otto,
de 140 toneladas, capit" H. Hyeng, eq'iiBa-
gem 7, carga differentes gneros; a Heory
Forst-T A C.
Buenos-Ayres24 dias. patacho liespanhnl Mty
memto. de t90 tonelada*, capitn Tteunar. Alsina,
equipagem 12, em la-tro; a Anxiim Irmao.
Navio S'ihido no mesmo din.
Mosor Eseuua ingteza Sitoerlands, caaiiao
Marskali. em U>lrn.

CITAES.
Ju
V* da lei Ihes pnu#ttu ilep.,i de. o
meule coareucidos da (orea do decreto.
De ordem do man Sr. ruosHaniro inspeatet-
da th-souraria de aaeoda desta proincia maaeki
faer publico que em et* da circular exp-ia.
prla secretaria 'l< M"te PioG^rai dos Serviduras
do altado em 2 de jamo deten ittav
-louisUis vnivas d ciHitiitewnae ao dito Moa
Po apres ntar no ptf^H^Mo mez de ratubae
,dos d que se a eado uv vib-
a contar de 1671 d.aote devora extidur
a testad is nos nsezes de jaaeiro o jinte 4e
cada an-..
Os att fiados devero ser pausados pelo respes-
.livos parochoa e devi.iameuie tefatisa
retara da itausonraria de f .zeuda de TTsatagaj
buco 17 de agosto de 1870.
Servind i de ofeial-maior,
Manoel Jos Pinte.



JQf# & JllMAll2]t>CQ)
M*
AgraU) Je lgj
'
A eam
de communic i
viacia, convida tos
tato tormo, que tiverera tirada seas
*> al dia SS de jaiba ultima, 0 nio tiverem
osiuaie.
presta* Juramento para virara
U rae correte. v*m ta ver
trafagar al esta data o p;
marcado.
Paco da rimara municipal!
agaate de 1870.
Ignacio Joaqmm de I
Pro-prendante.
fc S. Ei
*
_
todos os g#i|
DECLARACOES.
De orJem do Iilm. Sr. conselheiro raspewdr
da theaeoraria de fazaoda desta provinera se t.
pabtieo qne flea de novo tresferida para o da 40
de etombro prximo vindouro > arrematacao dos
mcertog de que precisa o propro nacional que
serva de Lararetu na Una do Pina, oreados em
2:834*700.
Seerettn* d* thesoararia de faienda da Per-
aamaueo 18 de agosto de 4970.
Servindo de offleial-malor,
Manoel Jos Pinto.
wwila'io de Portugal em
Pernambuco,
?i Srs. Joao Mace.lo do Amara).
Bubosa i Primo.
Andr Barbosa Soares.
Manuel Das de Carvaio.
Manuel Luiz da Costa.
Fajases Jnior & C
Balthar & Oliveira.
Francisco Alves Monteiro Jnior.
Francisco Googalves de Arruda.
Sebastin de (sein sobrenoraa)
Silva & Juaquim Felippe.
Manuel Gomes da Cruz.
Amor i m & C
Christovio Ferreira Campo*.
1 Beltrao, Oliveira 4 C.
Antonio Jorge dos Santos.
Antonio Goncalves Guimares.
Antonio Jos Goncalves de Azevedo.
l'lrutira & Bi-ltrao.
Manoel Barbosa Hibeiro.
Jos Bernardo da Silva
Sao chamados a compareceris neste consula-
do aflm de ree^berem o que Ihes tocoo em rateiu
n.i liiuiiJacao de alguns espolio* de subditos por-
ugu<*ee -fjlleeido*, dos quaes provaram ser ere-
dores, "
Beetfe U te patito, de 4870.
O inyector interino da afandega faz publico,
porta da meama reparticao, ser vendido em
hasta publica, por autohsico d tbasouraria de
f izenda cont da ua portara n. 107 de i i do dito
met, urna parco dr cobre velho da barca de viga
que servia deporto fiscal n. 2, avahado em 332.
kilos o peao liquido do cobre, a 500 rs. o kilo, total
166* ; (cando ansa venda, que livre de direilos
ao arrematante, dependente da approvaro da
Exilia, presidencia da provincia.
Afandega de Pernaiobuco 17 de agosto de 1870
O inspector interino,
Luiz de Carvalho Paes de Ahdrade.
Pela subdelegada de polica do l -districto
da Boa vista se faz publico que ss acha recolhido
a casa de delencao o preto Francisco, que diz ser
ecravo de Serafim de tal, morado/ em Crnangy ;
quem se julgar com direito ao mesino apareca.
Recife, 17 de agosto de 1870.
subdelegado snpptente,
Corma Sette.
A cmara municipal desta ndade, l tendo de
contratar^com quera por menos fuer os letreiros e
aumracao das ra?, cujos nomes feram mudados,
convida sos pretendeutes apresentarem suas pro-
po.-tas em carta fecbada no dia 21 do crrente, in-
dicando logo o menor preco.
Pac.) da cmara municipal do Recife 17 de agos-
to de 1870.
Ignacio Joaunim de Sruza Leo,
Pro-presidente.
Lourenco Becerra Carneiro da Cunha,
Secretario.
Tribunal do commercio.
Por esta secretaria se faz publo que ficam ar-
chivados :
0 contrato de sociedade de Candido Alberto So-
dr da Motta eJosc Domingues dj Carrao e Silva
'stabelecidos nesta cidade com casa de commer-
cio de gneros de estiva, sob a firma de Candido
Albert'i S >1r da Molla & C, e o capital de.....
80:0005009.
0 sliit) de J i-i! Mara Ferreira da Cunha e
ATonso U ireira Temporal, dis^olvendo a soceda-
le que girou sob a firma deFerreira da Cunta
A Tempiral, cu|o activo e pssivo ficam a cargo
0 distrato de Serafim Alves Rodrigues, Domin-
es de Soma RoJriguos e Joao Paulo dos Santos
Janior, di -si >| vendo a sociedade que girou sob a
lirma de Rodrigues, Irmo & C, somente quanto
M socio Santos Jnior que se retiroa pago do seo
rapital o lucros ; continuando porem a sociedade
com o capital primitivo, sob a firma de Rodrigues
A Irmio.
0 contrato de Manoel Ramos Correa e Manoel
Gomes da Silva Ainorim, enabelecidos nesta cida
de com casa de commercio de gneros de estiva,
son a firma de Ramos de Amorim, e o capital de
t:877*839.
Secretaria do tribunal di commercio de Per-
nambuco, 19 de agosto de 1870.
O offlrial-maior
Julio Guitnares.
anunciado
^^^^^^^^^^Bnmpre
^^^^^^pa-' d-iiou
m i ?
taioaror
gritan Ja : 1 Alian
[a* rkomm* m ^mos ver o "horneo
voador. E nesta adroiraco gerat teve o celebre
LoUrd vinle nchente consecotiras.
Asaim, puta, a compeohia certa de que este res-
peitavei public tambern aprecia as sciencias a
artes como os europeo, rsohreu por a ana apre-
eiacao a iras- travesas on o hornea voador, e es-
pera na sna concurrencia.
PRQGRAMMA.
PRtlIBRA PAlTfE.
1* Urna rinda symphonia dirigida pelo maestra
Martin.
! Posip5es acadmicas, por Lurte Anna, obre
dons ca val los.
3.* Um jocoso entremez, palos clovns ou pa-
Ihacos.
4 Exercicios sobre um cavallo em 6 so, po
Vicente.
K pedido) desiooace petos meninos oanin
e Juanita.
6 O estudante louco pela eqaitocao, toendo
paudeiro ao som da msica, pelo artista equestre
Luiz Casali.
Iatenralio de 20 minuto*.
SEGUNDA PARTE.
8.* Symphonia.
Io A menina Jaannita, sobre um cavallo.
3." O tambor areo, e varios equilibrias da
raaior diBculdade. por Vicenta.
4.* Volteio rpido, pela menina Juanita sobre o
cavalito mosca.
Intervallo de 15 minutos.
TERCEIRA PARTE.
O hornera voador 00 oe tras irapesios, pelo ap-
plaudido gymnastico Cesar Casali, nos quaes eje-
cutar o difficil salto mortal, al hoja s execata-
do pelo intrpido Lolard.
A meama fuoccao se executar s 8 1)2 horas
da noute.
Presos
Camarotes com 6 estradas........ 12J00U
Cadeims....................... 2*0*1
Cadeiras avnlsas para seohora..... 2*000
Geraes.......................... i*ooo
Os bilhetes de camarotes, cadeiras a plateas
vendem-se no mesmo eirco.
Ao publico
Nao poendo os tres irapesios estar mnito teif
po postes, em eonaequencia de outros trabalhos
que amia temos a apresentar de nosso repertorio,
rogamos aquellas pessoas que desejarem ver este
trabaJho que nao se guarde mpara muito tarde.
THEATRO
GYMMSIQ DRAMTICO
(No Monteiro)

fi
^4,
mrm
gira
dia 21 do1
.Cntgfiro do Sul,
dep,*ia:da demora
lentes
COM 0 CONDEKT
DA
MUITO APPLAUDIDA
NA
IHPERI4L
FABRICA DE CERVEJA
r,SRua do General Victorino35
iioji:
As 7 1x2 da noute
AMANKA
UAS 6 D\ TARDE ATE- MEIA NOUTE,
A orefcestra tocar'.as ptimas e applaudidas
pegas : como polka Cuckuck, Cantos snissos,
n inglezes. Postos mala, Srdioe, Solo de
trompa, Trombadour, Serenada, Luccia de Lame-
rnoor, Hymno nslional e ingjez etc. etc.
Dar-se-ho os programmas na entrada, onde se
vende os bilhetes.
Haver todas as commodidades para familias.
<> jardim ser brillantemente Iluminado a gaz.
Preco da entrada 1*0J0 para o concert e 1*
para o trem especial.
Atten$do.
A directora offerece aos bravos offlciaes e sol-
j do % baiallio de iofantaria, no caso que
chefuem, tero entrada livre para o coaear-
toa cima publicados.
CIRCO
NO
PAViLHAO DES. ISABEL
Em conseqoencia .de ter Jugar domingo a festa
do Gabinete Portuguez de Leitura, flea traoafe-
rido o espectculo annnnclado para domingo 28
do corrente em beneficio do Santa Rosa.
THEATRO
SANTO 4M0.
EIPBEZA-COIMBRA
Tcrca-foifa 25 de agosto
Estra da conipaaMa fraaceza.
O emprezario d'ste theatro reeonhecendo a
grand. necessidade e falla de um centro de dis-
traceio e passatempo de que se ressentia esta ci-
dade do Recife, falta motivada pelo desappareoi-
mento do theatro de Santa Isabel, nao obstante
faliarem Ihe os recursos precisos, emprehendeu
construir um theatro onde a sociedade do bom
gosto podesse encontrar o agradavel junto ao
bello, esquecido dos zoilos e amantes predilecto-
da censura, tendo sraente em vista o bem ds
maioria dos amante- das bellas artes, depois da
algum lempo de trabamo e fadiga ajudado ne
carreira do infortunio por alguns amigos sincea
ros, tem o subido prazer de abrir as porta* do
theatro Santo Antonio (islo provisoriamente) ao
publico pemambucan dando a primeira repreo
sentacao terca-fetra 23 do corrente cujo pro-
gramla o que se segu :
Depois que a orchestra dirigida pelo Sr. Jos
Coelho Barbosa houver exibido urna de suas me-
Ihores ouverturas dar principio o espectculo
que ser dividido em tres parles, pela maueira
segrate:
PRIMEIRA PARTE.
Madamoiselle Marielt caniar urna linda can-
conelo
C'EST UN BEL HOMME.
En seguida Mr. Raynaud cantar o bello ro-
mance
L'HIROXDELLE DU PROSCRIT.
Findo este mademouelle Cboiberl cantar a
linda aria da opera cmica
PETIT POUCET
Intervallo pela orchestra.
Em seguido Mr. Carn, cantar a chistosa
cansoneta cmica, com danca
LA MANDOLI.VE A' DORLO
Em seguida mademoiselle Mariele cantar a
bella cansoneta
JEN'VOUSDIS QUEQA.
Finda esta, Mr. Raynaud cantar o lindo ro-
manee
PERDUE !
SEGUNDA PARTE.
A linda opera cmica em 1 acfo
LES NOCES DE JEANNETTE
na qut tomarao parte, mademoiselle Bresca, Ma-
rie.te e Mr. Maris.
TERCEIRA PARTE.
Mademoiselle Coiberl cantar a aria da apera
uanm
GRANDANDE GALATHEE-.
Em seguida Mrs. Raynaud e Garon cantaro o
chistoso duelo cmico
LES DEX CHAETERS 5ANS PLACE
Depois deste, mademuisello Mariette cantar a
linda cansoneta
PAS TA
Em seguida Mr. Cron cantar a parodia c-
mica
PS DE g\
Parece ao emprezario do theatro Santo Antonio
ser esta a occasio de urna vez ao menos appel-
lar para a boa vonUde da povo pernambucano,
invocndola sua pre-tirnosa coadjuvacSo para a
manutencao de seu theatro, onde mais tarde se
far ouvir urna companbia asss regular para o
que nao poupar esforcos.
O empresario previne aos Srs. assignantes que
o importe de suas assignaturas s recebe depois
deste espectculo que a apresentacio da compa-
nbia. .
Os bilhetes aeham-se dezde ja venda no as-
criptorio do theatro pelos seguntes :
PREgos.
1.' ordem........................ 10*000
2,'ordem desde n. 1 at 10........ 12*000
Os nmeros 11, li, 13 e 14......... 16*000
Cadeiras de classe..........,... 3*000
Cadeiras......................... |j0O0
E" absolutamente prohibido o fumar-se Centre
do theatro havenda para esse fim urna rea.
Principiar s 8 da nouta.
ar os do nort'- i
j recebem-aa'yiassageiros
;arga que o vapor paier ."onffuzir,
er embarcada no diade soa chega
las e dinheiro a freta-at as 2 or
ahida. 11
Nao se recebem como eaeomnuncial MO ob
jectos de peqneno valor e que nao excedan a do
arrobas de peso ou 8 palmos eubicos de" medicar
rudo que passar deslas limites devora ser embar
ado como carga. _____________^^
mnm\ hhasileiha
DE
Paquetes a vapor.
Doe porto do norte esperado
at o dia 27 do corrente o vapV
Arinot, commandante o pnraeiro"^
tenenle Jo< C. Duarte, o qual
dapois da demora do costume
os do snL
Desde j recebem-se passageiros e enga}a-se
efT^jaqaeovaporpodr conduzr, a qual deven
er embarcada no dla"e sua hegda. Enee-mmen
ias a dinheiro afreta at as duas horas do dia di
toftiSahida.
N5o se' recebem como, encommendas senao ob-
ectos de pequeo valor e ijue nao excedan a
Tobas de peso ou 8 palmos cbicos de me*
Ja.
Todo que passar destes limites devora se
irabarcado como carga.
Previne-se aos Srs. passageiros que suas passa
lis utensilios xis-
J
Toados, prtenc^Dte i massa fallida de
Maooel Jtri. > Seguo'a-firan
PMttaa tara leilo a.joqnerjraento do
aiufc iHiflar de Manuel Julio da S*
iodo Jllro. Sr. Dr. ja especial do
commercia^da roDafao, gneros e mais utansi.
aoj, exlsteieaVia taberna, sita a1ittrro dos Afd-
dos, a qual sera vendida
Segunda-feite 22 d5 correte.'s 11 horas em'1
P*-
Na mesmaiabertia;
Ai
auua,
Ganos de ferro galvanisados por barato pre<
Tomeiras, e corvas para os mesms! No armazem da (ravMt* do Con
Banto-D. 28. *^
Moinhos para caf e para milho
Os melbores moioho? para caf e para1 milho que tem viudo a este mercado s
se eneoritram no armazem da travessa do Gorpo Santo n. 25.
aiioafio, gneros, pertences e divida d
UHerna da travessa da Senzalla Veba
n. 4.
p agente Martins far leilo da laberna e dividas
cana.
ttrfi.feira M^lo correiMe.
A 11 horas do dia na masme taberna, onde ao-
oerao os pretndanles examinar o balanco.
eos s se recebem na agencia ra da Cruz n. 87
( andar, escriptorio de Antonio Luiz de Oiiveir.
\zevedo & C.
GOMPANHIA PERNAMBUCANA
H
%"aTe-;af5> eowtdra pr Tapor
Mamangnape.
O vapor nacional Garnripe, eemmnndante Sil-
va, seguir para Mamanguape no dia 27 do cor-
rente as G Bocas da taraa. Reeebe carga, encom-
mendas, passageiros edinbrire-a freteatas2
horas da larde do dia da sabida, no escriptorio
da companhia. Porte do Mattus n. 12.
GOMPANHIA PERNAABliCATO
DE
Navegando costea
Goyanna.
O vapor Parnhyhn seguir pn'ra o porto ci-
ma no dia 26 do corrente as 9 horas ca nonte.
Recebe, carga encommendas, passageiros e di-
nheiro a frete at as 2 horas da tarde no escrip-
torio de Forte do Matms n. 12.
por vapor.
de 5 rolos com fumo
Terca-feira, 23 de agosto de 4870, is 10
horas".
Ot agente Pinto levara leilo a requerimento
de (.arlos Alves Barboza e por mandado do Hlm.
Sr. Dr. jnz especial do commercio, 5 rolos de fu-
mo com 245 li uraa, e 80 majsos de cigarros, ar-
restadas Mnoel Jos Marques da Silva ; o leilo
seraeffeciuado s 10 horas do dia, no escriptorio
do referido agente, ra da Cruz n. 380. .
AVISOS DIVERSOS.
PARA.
Para o referido porto, pretende seguir cora a
possivel brevdade a barca portugueza S. Joao,
por ter j porcao na carga, e para a que Ihe falta
a frete commodo, tratase com o consignatario
Joaqnira Jos Goncalves Beltrao : a ra do Coro
mercion. 17.
ara o Pono
pretende sahir o brigue portuguez Triimpho at
10 do etembre prximo com a carga que tiver :
quera no mesmo qnizer carregar ou ir de passa-
gem,.para o que tem bous commodos, trate com
os consignatarios Thomaz de Aqurao Fonseca &
C, ra do Vigario n. 19, l'anlar.
/2*o de Janeiro
Pretende seguir para o referido porto com a
possivel brevidade o patacho Monteiro por ter por-
cao da carga engajada ; e para a que Ihe falta t
e-cravos a Trele, trata se cora o consignatario Joa
qoim Jos Goncalves Beltrao ra do Commercu
n. 17.
EQUESTRE
p
ACROBTICA
RIADAS, MI DIVERT
F.1CCO
Aiuanhaa 21
QUE TER.i
Urna s'
ili.
IN8TRXMVA8
do corrente.
)LUGAR
tarde,
Para Lisboa.
A barca portugueza Nova Mananna, vai se-
guir para Lisboa at 21 do corrente, ainda re-
cebe alguraa carga a mdico frete, e passageiros,
para o que tem bons commodos: tratar com
Oliveira. Filhos & C. ao largo do Corno do Santo
n, 19, andar.
RIO DE JANEIRO
Para o porto acuna segu com brevidade o bri-
gue nacional Isabel, tem parte do sen carregamen
lo engajado : para o resta que Ihe falta trata-se
com os consignatarios Antonio Luiz da Oliveira
Azevedo A C, ra da Crut n. 57, lc andar.
Para a fahia
O brigue portuguez S. Jos seguir cora toda a
brevidade possivel para aquell porto, para o qual
recebe carga : trata-se com Marques Barros & C,
no larg;> do Corpu Santo n. 6, 2o andar.
G.ibi ere Portngu z
de Leitura.
I A directora do Gabiiieie Porlngaea de*
Leitunr. de vendo sotwnmsar o !!) anni-
ni da adertura *.i ine-imo Gabinete,!
j 21 do corrunU, tem a honra def
;ir a lodos os senhores a an Musir corpo acadejnie e em geral a f
l das as pescas e sociedades, que por es-
iqueciinaoio deixas^em dpser convidadSsl
por ciiuvite especial, aflm deqaoeedig,
neui ahrilhanlar conT Vtias presents ai
sessio infgna, qne ter lu|>r nos saloesS
da biblollieca, as 10 horas da manha dos
referido dia 21.
A'direclria scienlifica ao respeilavel!
publico que o estabelecunento Ihe scrS
franqueado desde as 6 horas da tarde al!
as 10 da noite, pudendo nesse espaco ser!
gjvisitado por todas as pe>soas qaer de um,S
agtquer de outro sexo, que decentemente se
.ipresentirem.
Secretaria do Gabinete Portognez del
aoLeitura aos 17 de agoste de 1870.
Antonio de Albnquerque Mello,
1 secretario.
Acommis:ao, encarregada
peloExra. Sr. presidente da pro.
vincia de promover a libertatjo
de crianqas dos xo feminino avi-
sa as pessoas interessadas, que
tleverao mandar t.s libertandas e
as", propostas, consantes de cer-
tidao de baptismo, e d'eclaracao
do ultimo preqo, ao pac,o da c-
mara municipal nos dias 19,23 e
26 das 10 horas as 2 da tardo.
A o commercio.
Sebas/iao Antonio R. da Costa fazver ao corpo
commercial que deixou de ser caixeiro de sen pai
Felipp" Antonio R. da Costa, morador em Santo
Antao, desde o da 17. Recife 18 de agosto de
1870.
GRANDE ARMAZEM
DE
Fazendas, ronpas feitas e de encommendas
I0-R114 DO BARAft DA TKTHI&-II
(Atitiga rm Nova)
DET
LEfLOES.
LEDLAO
DE
Armapo de loja
A SO do corrente.
O agente Oliveira, far leilo da linda armacao
e balco da loja sita roa da Cada n. 42, a qual
construida d amarello e envidracada com a maor
perfeico, prestando se a mesma para qualquer ra-
mo de negocio a retalho em grande escala; assim
como de urna taooleta, urna caixa de chapellinas
de palha para Sentara, e outra de chapeos france-
zes para homens:
HOJE.
ao meio dia em ponto, no proprio estabeleciment
iniieado ; ra da Cadeia o. 42.
AVISOS MARTIMOS.
---------------.-----------------------.--------
COMPANHIA PERNAMBCAN/
DI
%'avega^io costelra por rapor
Parahyba, Natal. Maco, Mossor, Ara-
caty, Ceara, Mandah, Acarac e
Granja.
' vaoor Pirapama. ceraraan-
seguir paraos
a 31 do corren-
. is da Urde. Recebe car-
ia at o dia 30, encommendas
mida : escriptorio ao Forte do
DE
aigumas obras de ouro e prata com pedras,
e sem ellas, e diversas dividas penen-
centes a massa fallida de Aolonio Gon-
dolph,
HOJE
Sabbado 20 do corrente s 11 horas da manha.
A' requerimento dos curadores scaes da massa
fallida de Antelo Gondalph e por dnspacho do
lllm. Sr. Dr. julz especial do commercio, o agente
Pestaa far leilo de algumas i bras de ouro e
prata, como sejam relogios, 14 quilates de esme
radas, anri<, salvas, cordes, butes, ooro e pra-
ta em pedacos conforme o mandado, e diversa-
dividas no valor de 873*6*0 rs. eonforma as con-
tas que examinadas, tudo periencente a massa fallida de
Amonio (iondolph e sero vendidos sabbado 20 do
do carrete pelas 11 horas em ponte, no largo do
Corpo Saate n. 9.
rsvu #e papel para ei-
;arro.
R,\, 23 DE AGOSTO.
LEILO
DA
Armacjio e gneros existentes na taberna si"
ta roa da Imperatriz n. 22.
O agen'e Pontual, vender era leilo, por man-
dado do lllm. Sr. Dr. juiz de direito especial db
commercio, a requerimento de Antonio Fernaades
Braga, a armaca e gneros -existentes na taberna
sita a ra da Iraperatriz n. 22, periencente ao dito
fallido, em um on maia lotes a voniade dos lici-
tantes.
[Ter** felra 23 do corrente.
De ver ter lugar o ieiiio m mesma taberna te II
oras. '
CASA DA FOETUNA
AOS 20i)00:?00
RDA Io E MARCD N. 23.
O abaixo assignado avisa ao publico, que com
quanto a nova le do orcamente tive.-se elevado
muito o imposto sobro os billetes de loteras do
Rio do- Janeiro, continua a vende-los com as for-
malidades da i-i, e pelos mesmos preces abaixo
publiados, pagando todos os premios com o dis-
cont somente da le, e com a proroptido do eos
turne.
PREC03.
Bilhete inteiro... 2iJ!000
Meios bilhetes... 12A000
Quartos........ 65000
Em quantidade maior de 1O0JKW0 na razo de
22*000.
Manoel Martina Fiuza.
I iwwm nmm
55-HuadaImperatiiz-55
-Tinge, lava, limpa, lustra e achamale-
Hta-se, com a maior perfuico, fazendas em
pecas,e em obrwde tudas as e2oalidad9s;
I como sejaro ; e.da, laay atgiWo.- lirrlio,-
chapeos de fetro e de'pajha etc.'etc.
Tira-se Bnoae e Hmp"a-se a sece sem
I molhar os tecidos, conservando assim to-
do o hrifho da fazenda.
' TlntuTa'prctaTias tercas e isextas*" fef?"
SI ras.
GOMES, SILVA & C
Os proprietarios deste importante eslabelecimento. no empeobo de eleval-o
aliara dos primaros do scu genero estabelecklos nesta cid.de, mandaram feontratar em
LisDoa, um eximio artista alstate para dirigir a sua oficina.
Acaba pois de chegar d'aquella corle, e para este fim, o hbil
artista
e conceiloado
PEREIR REG
alli assaz conhecido eomo perito em sua arte e pelo que se loma urna ?arantia cifra
de que na direccao da offiema que agora dirige, satisfar cabalmente tanto
aos nume-
rosos fregoezes deste eslabelecimento, como a todas as pissoasque se qauereiif uUtisar
da sua grande pratica e proficiencia. H
Nesle esuhelecimento adiar o publico constamemenle um magaiuVo ->rti-
mento de pannos linos, casemiras, gorguroes, e artigos de-modas, ludo do qne ha d
melnor e mats lindos padres que lem vindo ac,a n<"
10==Rua (I
a este mercado.
co Baro da Vietoria=i0-
(ANTIGA RA NOVA)
Asm
Pudido
Pede-se ao Sr. Americo P^rreira da Silva o ob~
sequo de vr ra da Peoha n. 8, a negocio.
Vende-so pomboa de raca muitos grandes :
tratar na venda da estrada de Joao de lauro*,
pie faz quina para a rna do Principe.
^1u^a-se
Urna eserava a qual eosinha sofrivel : tratar
na rna da Alegra n. 46.
Precisa-se de urna ama para dous borneas
_ porto de em- solteiros estrangeiros, para cuzinhar : na ra 4o
parque e tedas as proponcoes para se montar rea Brura n. 79.
iabrioa oo-qualqaer estabelecimeato grande.
As casaB.de morada qne farem Irmv'fnma
s rualambem so alugaai-coadicienalmente, asskn
orno a. casa-sraada, que fot morada, do masan o
senhor coronel, tem muito bons commodos e bom
quintal sepamdo, grande cysterna que fomeee
agua potavel, raelhur do que a do encaBamenlo,
por ser fluvial e livre Te panculas ferragmosas,!
Gndes armazensf
Alugam-^e.
Alugam-se os grandes armazens da ra da Praa
de Santa Rita Nova,,pnde foi a fobnca de sabo #o
Sr. coronel Franca, e ltimamente ocenpados pela
companhia-de esgoto, os quaes tem
Praeisa.se de urna am qiw cosinba-o engom-^
me para casa de^eqnena familia : ua;-cua datraz
da matriz n. 28, 2* andar.
ftferece-se urna parda para ama da casa e
homem solteiro ou de pivuca familia, para todo
servco, menos cozinhar e comprar : a tratar tV
largo de S. Pe-'ro, loja do palacete.
Eogommadeira
A raa do Apollo n. 2i, 2o andar, precisa-se de
eomoaqueila : Vtrattr'com'o coimnendaflor J."j. ama a Tasso, em seo escriptoria rna do Amortm nu-
mera 37.
_
Quartel do rommundo do ba
talhao patriticobmiiqcb
dias=, 19 de agosto de 18TO,
O ooaantfdam a<>aw: aaiiywaH yiqa^
da aos sem cotmnartdnfl$ reorrirem-se
no logas do costme (Praga do Conde- d'Eb)
ao fazer signa I dotapor-wi qie tea 8S:
AA. a princzavimpefi^l e o Sr. Crfhde-Pfii,
afim de devidaiaeote. forrjia.dfl, o batallHo
marokir para a praga de Pedro II. de con;
forldade com a ordem do dU'*dbqijyt6l
general da divisSo.
Ci/rip
Honlem as 4 horas da tarde, ronbaram da casa-
do 9*. ttompehe, no enes 4n Capitoaribe, um rete-
gio de mesa todo de metal amarelto, e mostrador
de porcelana eom urna figura repYesetrttfrto um
cacador ; gralifica^e i quero dw ooUcado rea*
gio ao do tal frefuaz.
de
mais
moradores da ra das Larangeiras ne-
^^^^^^^B morador em urna casa terrea aa
a, o favor de nSo continuar a dar asean
^^^^Hlo ao menos em considerado as fami-
lias qne ah Btoranvdo contrario ter de ver sea
norae jar ajiatau.
Ama
Frontispicio do Carmo
Os enearregados da festa este anno do N. S. do
Carmo do Fromiopicio resolveram mndar para o
tiia 25 de setembra prximo futuro impreterivel-
meatea fasta d mesma Senhora, viste achar-se o
palea em eseavaao para *e collooarem os canos
de agolo da-hmpaaa da cidade : rogare aos se-
nborw ptednrailores e pessoas eBcarregadas de
agenciarem esmotas, qua activara a oobranea del-
las, afim de qiM e possa fazer eom riihautism
eaptaadar as autos religiosas de ena fastividade.
Gafeiwete Porttiez de Leitura
em. JPernambuco
A dlreetoria do^abinete Portuguez de Ltura
solicita aos seohores raembros qne compAem a
ooramiafcalde itftptaoaiara a seataa aaagla do
19 aauivarlaria do abkiate, qae se alga,** eom-
parecer nos sa'Ioes do Gabinete as 10 horas da ma-
nha db da 21 do correte, aOm de exerceram o
encargo para que tao dignamente foram nomeados.
' Secretarla-do Gabinete Portuenei de LeituA em
PerawttwicD ue agwrn de 1870.
Antonio de AMWrqnerqne Mefloi
i ^______ 1 SecTtaarlo. | Berathung deber einen Beitrag iu der PAega
A abaixo aasignada declara que tem rearado varwondeter deulsjher Krieger aus def Vareta
iodos os poderes qne conceder ao Drs. Antonio.
Borges da Fooceca e Beoto Borges da Foncee pa-
ra intentar quatquer aceao contra o seu marido
Ignacio dos Santos Coelho. Recife 18 de agosto
de 1870.
.Mara de Oliveira Mello.
Na ra do Vigario n. o, 3 andar, precisa-se
de una ama para cosinhar, cujo servco faca eom.
peifeico e que seja de boa conducta.
BILHETES DO RU
Na Praga da Independencia n. ti.__________
Aluga se a parle da frente do I' anda* db
sobrado da ra das Cruze n. 39, mnito protiria.
para um escriptorio de advogacia: tratar aa.
ra do Crespo 20 A, leja.________________
Na ra da Aurora, esta^o dos tnlhos urba-
nos do Recite a Olinda eBeberibe, compra-sa me-
tal velho e cobre velho, das 8 as 4 da tarde,
Precisa-se fallar com o- Sr. Bernardo Osear
Freir a negocio que nao ignora, na ra da Ca-
i deia o. 80 A, loja. __________________
I Precisa-se de utna ama que saina eam-
'mar, preferindo-se ascrava : m rna da Paabaa.
23, 1 andar.
DEUTSCHER HaLFSVEREIN.
Ausseror dentlicha Geaeralvers ammlung :
Montag den 22. August
Abends halb acat Uhr, ra Nova n. 44.
Zvteck dereelben
OlTereoa-sa m homem aura bastanaw habi-
laooes par serfiaada agrteollura oo aaUairo de
qualquer anganao fra desta cidade : a tratar na
ra larga do Rosario n. 8.
Prectoasa de orna ama: na roa de Hurtas.
n. 1.
Caise.
Der secretaer
Olio Bohres.
Aluga-se o 2* andar do sobrado o. 30,da
roa da Aurora : tratar no mesmo sobrada.
Na praga da independencia n. 33 se dar-
iheiro sobre penhoras de ouro, prata a pedraa
preciosas^aaja quil for a quanua e na, naaaaaa
sasatsecon de ouro e prata,
igoalme' 4a e qualquer obra, aa aa~
oromeada, e todo e qualquer concert toada**
Amesmaarte.



lam


Foto4
AI
JF
IIJB J %
PaaM
ra VtllekL
Rua<
Desta o da 7 de abril \ U-pe aberto o
uvo estabelecimento photographico' sito roa do
bug n. 18, esquina do paleo .la matriz. Oslraba-
i que desde entao, tem sahido de nossa offlcina
geralmenie agradado, sendo recebidos por
signos coro adrairacao pelo extraordinarii pro
meso que ltimamente tem tdo a pbot. grsphia,
e por ootros coru alegra, por verem a provine
dotada com um eslabelecimerrto digno d ella, ro-
coct-tavelmente o prineiro que nesse genero
tiejepcssue : tambemno nos poupamnsem cousa.
ateuma para monia-to no* em que se achs, es
aerando que o publico de Pernambuco saber
apreciar nossos^torcos e recompensar nossos sa
crtflcios.
Convidados a todas amellas pessoas, nacional
e estrangeiras que gostam das arles, ou tiverem
ecessidade de trabalhos de photograpbia a visi-
larcm o nosso estabelecimento, que estar sempre
aborta e sua dis|K*ico todos os dias desde as 1
horas da manhaa at as 6 da Urde.
Para es trabalhos da photographia possuimos di
versas machinas dusmelhores autores franeczes,
wgtezes e allmenaes, como sejarn : Lerebours ei
Secretan,' Rermagis, Thomaz Hoss, Voigtlander et
Son* eWulf ltimamente recebemos tres novas
Tnacainasi sendo urna dolas propria para tomar
bre e mesmo viiro 4 ou 8 imagens diversas e
isoladas, e ontra de 6 a li imagens diversas e
igualmente t.-oladas, de norte que no caso de
grande concurrencia pederemos retratar sobrt
urna nica chapa at>- s pessoas diversas e isola-
das para carios de vi-ia, eassim em menas de
um quarto do hora espacharmos 8 ditTerenies
pessoas que peeam ead;i urna, umaduzta de eartoes
mais ou menos, eom u seus retratos eme'nte, ou
em grupo com outras.
Encarregamos-nos exclusivamente da direeco
i feitura dos trabalhos de photofwaphia dei-
xaudo i porcia e talentos do dtsttncto pintor
alleruio, o Sr.
Jorge A. Rot>h
os trabalhos de pintura, a aquarela, a olee, e a
pastel.
O Sr. Ro* acha-se ligado a oossa empresa por
ama esetipsura publica, e at o presente tem se
desvellado na execucao de sen? tralbaihos.
o nossocstabelecimento achara-se expostos ou
tros trabarnos importantes do 8r. Rolh, tanto em
miniaturas aquarella como oleo, reiratos
oteo, qualdros sacros e diversos outros trabalhos.
Tomamos encommendas de retratos oleo al o
tamnho natural, assim como de quadrus sacros
para onsanientacao de igrejas ou capellas. Tam-
bem aceitamos encotiimeodaseo quadrus histri-
cos.
Assegosamos que os procos dos diversos tra
toalhos da nossa casa sao mui rasoaveis.
GAtlTOKS E VISITA NAO COM*1DOS A 10^00 A
DUZ1A
CAKTOES *D VISITA COM O 50L0RD0 AO NATU-
RAL A IrlWK) A DCZIA
Retrates em miniatura oleo ou aquarella de
16 20*1600 cada un, inao convenientemente ,-aixilhado em moldura dourada e regulando c
bnsto da posoa retratada de 3 4 pollegadas e
todo o quadro palmo e nieio de tamanho
Julgames que bastaran qs precos cima para
dannos idea da baraiesa d.is trabalhos do nosso
establecim uto, quanto sua perfeicao cada um
verma julgar por seas proprios olhos.
As meteoros horas para sf tiraretn retratos^ nr
ospa estabelecimento sao das 8 horas da manhaa
1 da tarle; entretanto de urna hora s 3 da tarde
em casos especiaes pde-se tambero retratar qual
iner pessoa.
Nos dias de chava, ou por tempo sombro po-
demos retratar, e aseguramos que esses dias seo
H mai> favoraveis aos trabalhos de photographia
pela docura e persistencia da luz, e p< r termos r
BoH ti>rac> construido com taes proporcoes e
rrvlhorameuios, que anda ehovendo orros ne-
ahum inconveniente ha para fazer-se bellos re-
tratos.
J. F Agencia tm Pernambuco
Do l)r. Aver
. Peitoral de Cereja
Cura a fbthjwica e todas molestias do petto.
a sa parrSia
*Air oieoras e chagas antigs, impigens e dar-
os.
Ton loe
Conserva e limpa os cabellos.
(.Punas ca rticas.
:3

>0
>T
O
ibeqr oecia 7
como cdiHiscici i
nao ]
dos, e mui c
nos espasmos e c
e df
cnanc
Este antigo estabelecimento, acha-se hoje montada n'uma
escala de poder servir vantajosamente os seus freguezas, atien-
to o granie sortimento de joias d'ouro, prata 6 brilh antes, que
sempre tem e recebem mensalmente das principaes fabricas da
E iropa- cujos presos sao em competiveis e as obras garantidas
de lei.
MOREIRA HITARTE .
TML R
DOR N. 38.
Preparados d'akatrSo eoa- capsulas, licor,
xarope ferrugiqpsg.
SSSSKtt_
PH>fflfe
DOR N. 38.
Pillas de Vallot.
Pillas de Blancard.
Pitla de Bland.
Xarope furroginoso de Blancard.
Coofettes de lactalo fe ferro.
Pilotas de carbonato de ferro, laclado de
ferro, iodureto de ferro com magnexia.
Ferro de Quevenne.
Assucar ferruginoso.
PRIMEltO E ANTtGO OOS ULTORIO
IIOMEOCATHI O
&i iido pelo Dr.
S*NTUS MKLLO
RestaMerido de -ta tonga enfermdade
conliii < a -er encontrado -toaos os dias
para ammUtu das 10 t mew dia.
Chamado-- a qualquer hori.
A*8 pnres giali>.
43Kiia rtn BarSo fia Victoria43
I Amiga ra Nova).

C0R1PANHIA
DOS
TEILHOS SBAHOS
DO
RECIFC A9 OIIWDA.
Por uideui da directora sao convidadn-
os Srs. accionistas para, no prazo impoi
rogavel de dex dias *ffecloarem a 11* t
ultima preetaco de suas accoes, a raz^ao d*
Para essn flm ser encontrado o Sr, the-
oureiro, das 11 horas da manhaa as 2 d
Urde de todos os dias, no escripterio da
companhia, ra Nova n 3o, Io andar, en-
trada pela ra das Flores n. 14.
-Becife, lOde agos'.o de 1870.
Joan Joaqmm Alves-
Io secretario.
Comprase durmentes de ioticica e secu
f>ira, amarell, sedro e aroeira, de 10 pal-
mos de compridos e 8 polegadas de largu-
ra e 3 1/2 de gros*ura na festago da ra
da Auror? das 6 hjras da manliaa s 6 da
tarde.
cife, 17 de agosto de 1870.
0 snpreintendente. ,
A. de Abren Porto i
TABELLA
que regula de sabbxrio 20 do corrente em
diante, nos dias uteis.
MANHAA.
Do BecifeAs 0. 7 e 8 horas.
e OndaAs 7. 8 <* 9 horas.
tarde
Do Re rifeA* i. 5 e 6 1/2 horas.
De OlinriaAs 5, 6e 8 1/2 lnras.
Foi alterada a tabella em vista de exigir
o servico da liuha, continoa-mos a esptra/
toda a coadjnvacSo do respe'tavet publico.
Recife, 18 de agosto de 1770.
-li erintendente.
I brea Porto.
DC
DIDO
m mmmmw&mwm mmmwmmmma asnmifl
cja o.
cd Z.&
&?v
3
5st3. o
O as 3
M B
B
5 Oag ?
5* 5
"2 c
crS^ C
=? B o'"S


~ -
t a 5
eo 3
asna "
?' s. a oa
-1-2 ~
^- 3
B253S t
2.2-3 3 c-i
3
2,
O r^O?.
Q CD
o 2,
6 3
s"2
01 O.
-
a:
3
A *
-
O* \
C3 09 ^. i
as V) if CD
-ja Sp3 -
5 cr* o 3
cDg.3D.2g
m as 3. es 3-
'=-3 <= o
-g cd o sr
^^ n "^ ^ CD
CD CD CD -^J. S.
o<53s=
SM5
3 O "> M O
a> P D 3
J.3 2.B
H x -o. o
O U u ^
-5 CJ.. CJ
r- O?
Precisa-se fattar cosn o Sr. Jos de Barros
Aeckily a negocio de sea interesse : sa praca do
erpo Santo n. 17, A aodar^_________^_^
PHARMACIA CENTRAL RA DO IMPERA-
DOR N. 38.
Vinho e xarope de pepsina ediarthare,
excelleote tnico para aoiiliar as digestoes
difRceis nos casos de debilidade do esto-
mago
PHARMACIA CENTRAL RA DO IMPERA
DOR N. 38.
Agua hemostbatica de Lechelle, mui re-
commendada em qoalqner caso de henaor-
rbagia, e principalmente na thysica pulmo-
nar, e as hemirrhagias uterinas
MOFINA
Roga-se ao Iffcn. Sr. Ignacio V.eira de Mello, es-
crivao na cidade deiaiareth desta provincia, o
favor de vir a roa do Imperador n. 18 a oncluir
acwelle negocie qne V. S. se compronetteu reali-
sar, pela terceira chamada deste jurrial, em fins
de dezembre prximo passado, e depois para Ja-
neiro, passon a fevereiro e abril, e nala enmprio,
e por este motivo de novo chamado para dito
ftm ; pais V S. se oeve lembrar que este negocio
de ruis de oito annos, e quaode o senhor su
filho se acbava no estudo nesta cidade._________
Viudas dn permutas
Vende-se a propriedade Gtiarapes no Rio-
Graude de Norte, com trras casa* e armaren
de um e outro'lado do rio, lugar toen*, conhecdo
pela sua importancia commercial, cu jo porto offe-
rece muita facilidade para etibarque e desembar-
que de gneros.
Igualmente se vende o engenho Juudihahy (na
ntesma provincia) moente e eferente, com cinco
temas de trras de maltas virgens. oito escravo-.
bois, testas e alambique ( ou somente o emgenho
com as trras propriedades vendem-se por tara tissimos precos,
u uambe se permutam por engenbos nesta pro
vincia Parahyba e Alagas, ou por casas as ca-
pitaes das mesmas : a tratar cun o proprietarii
major Fabncio Gomes Pedroa ra da Cadeia
n. 25, ou com os seus procuradores no Rio-Gran-
de do Norte.
extrawo tkt* denles e oper uteis, ifas 10 otuat meiedia
PELO EMiMiEGO 00
FROTdXYDE D'AZOTE
no gabinete de <;nmgi.io detitiMa FUEUEUtQO 'CAUtlER
19Eua Nova19
O qual, ibghdo-se n laciarto com s nm< celebres deatinlas de Pars, adquiri
com elles, na Hima vu-getn Franca, o moda de (Mspafar e empinar este excedente
;mo>thesico de que se pode seuiprt usar sen icoivviitoijie algutn, e produz insensibili-
dade completa.
O mesmo aproveita a occ'aae pan tensbrar ao re^peitavel publico que no
seu gabinee continua-se a axer iwdas as odhh^ oa sua arle e enllocar, denles por
todos os sy^temas: com miro, platina *jti Miicamie. Mgi4|do us casos.
Esi ecifliindi' ne tibfvracties ffh uro puro.
VERDAQEIRAS
PILULAS DE BLANCARD
COM IODU*ETO 09 FERRO tNALTERAVEL
APPROVADAS PELA ACADEMIA DE MEDICINA DE PARS, ETa
Possiiindo as propriedades do iodo et do farro, eonvem esoeeialmente as Affeccos
Ksrann'LOSAS, a Tsica no principio,a fraqwza de temperamento e tambem nos casos de
Falta pf. non, amfnoriihf.a, em que precisarkagir sobre o sangue seja para restituir
-lhe a sua riqueza e ahundencia normaes, eu para provocare regular oeucurso peridico.
IV. B. 0 iodvreto de ferro impnro oa alterado nm medicaniento infiel,
irritaale. Como prova de pnrea e da aothencidade das y*r*mdrtrmm Pi-
de RlascBra, dera-se exipir nosso en *e prata reactiva e
nowo Irata, aqui reprodoziHa, que te aeha-na parte inferior de nra
ratala vera*. Deve-se desconfiar das falsificacos.
^ lalu
^^ dom<
arkaa-tema ^u ai aaaanaiilla.____Phamaee*Ueo, ra Btnmparle,_j0, Pmr
y
[OU MOSTdflnZ
i]
ADOPTADO
NOS HOSPITAES DE PARIZ AS AMBULANCIAS
NOS HOSPITAES MILITARES NA MARINHA IMPERIAL!
FRANCEZA E NA MARINHA REAL INGLEZA
O problema resolvido por Mr Rigollot com o mais feliz resultado na composicio deste
papel foi conservar i mostarda todas as suas propriedades, obtendo em poneos instantes,
e com facilidadeum effeitodecisivo cosn a menor quantidade possivel
de medicamentos. (A Bouchardat 'Anntutirt de tkrapeutique* de 1868
Exigir a awifrnalura ao lado, por que ba UciAVadoras.
PARS, Ru ViMe-d+-TempU, 26.
em poneos instante:
\\\
Preciso-s de urna ama livrre ou escrava :
ra das Crozes n. 39, hotel pemambucano.
na
Casa Feliz
AOS 20:000^000.
A casa feliz, sendo a ornea que no decurso do
armo prximo passado, vendeu mais premios' da
lotera do Rio de Janeiro, faz sciente ao alustra-
do publico desta capital e a seas numerosos fie
poeies que contina a venderos referidos bilhe-
fes rubricados na farma da lei, pelos precos se-
guinles :
Bilhetes inteiros 215000
Meios hilhete?.. H#.100
Quartos....... 6*000
S na easa feliz ao Are i da C. m'-pigao n. 2.
I), W. MnltK
EKGENHEIRO
Com fuii(IQao.
A RA DO BRM N. 52.
Pass nao o (haf riz
Machinas vapor sysiema melhorado.
Rodas d'agoa.
Moendas de canna.
Taixas de ferro batido e fundido.
-R)das dentidas para moer com agoa, va-
por animaes.
E outros muilos objectos proprios d'agri-
cul'ura.
Todo por preco muito rednzido.
H-tel Oindtnse
0 abaixo assignado tem a honra de participar
ao rc-peiia el publico desta cidade e da do Reeife,
que no da 11 do corrente estar aberto concor-
rencia publica o grande hotel Olindense.
jTotnamso as-ignaturas para dentro e fra do
eslabelecmento ; ha quartos para alagar, banho>
salgados, hoa comida, sortimento de viohos fios
portuguezes e francezes, charutos finos e ludo
que concernente a um estabelecimento desta
ordem.
Este estabelecirrenlo alero da magnifica posicio
em que fe ach, ofTerece as melhores commodida-
des por ser prximo sstacao dos trilhos urbanos.
O serven da casa felo com muito asseie e
pr-oiaptidao.
Joao Luiz Vianna Jnnior.
Ama
Ppeeisa-se de. nma ama: na roa de Heras,
i>rado n. 50, andar.
so-
PHARMACIA DENTRAL RA DO IMPERA-
DOR N. 38.
Xarope de rbano iodado escolente com-
binaco do iodo com o sueco de plantas
anti-scorboticas.
Este xarope empregado com grande
socoorro contra as molestias da pelle, os
engorgitamenlos escrofulosos, o rachitismo-
cachloroso.
0 vinho iodado de joly, e oleo iodado de
Personoe, sao reccmmendados para os mes-
mos casos, e encontram-se nesta pbarma-
cia.
PHARMACIA CUNTRAL RA DO IMPERA-
DOR N 38.
Variado sortimento de chocolate oe ban-
Dilha, salepo araruta, ferro, ede sade, da
acreditada officina de Menir.
Sabonetes d'alcatrao, d'acido phenico, en-
xofre e camphora recommendados para as
mulestia& de peL> como sarna, panos, em-
pingens etc., sendo o ultimo de muita utili-
dade para o uzo do toilette, por preservar
a pelle de ser manchada das maculas, que
costumam accomettel-a.
J Ferreira \
PHTO (SRA DO CABUGA18
pelopn tt<> da matriz.
<5ia dwta pbolographto,
e que tanto tempo, acagsa-s
felizmente t^^^HPe ella a berta ao serwerdo
publico desde 7 de abril passado.
O predio em que est eoMoeada esta photogra-
phia acha-se mnito augmentado, e s a parte destr-
nada ao estabelecimento conta ciaco sala, ine'o-
sive as do laboratorio. Todos os coieerioa e aaf-
mentas tendo sido fettos exprastMieaai para se
montar convenientemente a photograpaia, e sao sa
podeodo melhor modelo eseolher de qae a Pktto-
grafiia Imperial do Sr. Insley Pacheco do Rio de
Janeiro, o primeiro photographo do Brasil, t os dos
pnmeiros do mando, segunde a opiniio dea 'mats
abalisados mestres, a nossa photographia acharse
dlsposta e reedificada pelo me>mu piano da i a Pr
i. Pacheco, a qual foi montada sob todas as regra*
recommendadas pelos mais destnelos prefessore*
de acrordo com as modificacoes aeeessariava
clima do Brasil, reconhecidas e estudadas pelo na-
bilissimo e praticfr Sr. I. Pacheco.
Todo o interior do predio em qne'est ianssa
photographia foi mudado desde a soleira da porta da.
ra at a eoberta, tendo->e demolido todas as pa-
redes interiores para se fazerem as novas satas,,
edifleando-se um novo terrace envidrando mui
espacoso e elegante.
Como sabido, fizemos urna viagem expressa-
mente corte para examinronos as melhores pho-
tographias all, e foi a do Sr. I. Pacheco, a'que
melhor correspondeu aos nossos des*jos e aspifa-
COes, e da qual trouxemos os planos depoie de
all estarmos todo um mez estadando e ajro-
veitando ai lirjOes de tao dlstinct mestre. Pen-
samos que juntando os nossos estada e tonga
pratica de 15 annos de photographia satilissiroa
Iic5e8 ultiman ente recebidas do Sr. I. Pacheco,
tendo montado a nossa photographia como se
aeha, podemos offerecer ao illwlrado publico
desta cidade e aos nossos nonemsos fregaeies
trabalhos de photographia to perritos, coato se
poder desejar, e disto convencidos, esperamos
que contiuorm a dispensar-nos a mesma pro-
tercan com que ha 1S annos nos tem honrado e
ajudado.
Sociedad Recreativa
Juventude.
LCIA CENTRAL RA DO IMPERA-
DOR N 38.
Os melhores vermfugos para criancas,
Pastilhas de sanctonina.
Ditas de Kemp.
Oleo vernifugi.
Tudo de melhor qnalid de.
PHARMACIA CENTRAL RA D LVIPLRA-
DORN 3*.
Variadsimo sortimento de fundas de
excellentequalidade. ,
FARlAr.I\ GElitR'L
lina do (mpe a Lamploutfhs Pyrelic S-line.
A preparation of well known utelity to the En-
glish Facalty, as a eooling and refreshing beverage
in all cases of f^ver. Tlie frequenl nseV'Nssa
line preserves foreigners from many msu^ea lo
which they are leable befure becomng acriima
ti-ed. M iy be obtained at the Pharmacea Central,
.m.i do Imperador n. 38.
PHAIIM.VCIA CENTRAL HA DO IMPERADOR
N. 38.
Pastilhas de balsamo de tol e de serva
de pinho maritimo, para as affecces chro-
niras d-is pulrnes.
Pa>tilhas de therydocio e lotiro cerrjj"
para as losses acudas, e de carcter nervo-
so, e para os vom-ios durante o periodo da
gravidez, e qualquer affeccao nenosa.
Pastilhas de hypophosplieto de cal mui
uteis na thysica pulmonar.
Pasiiihas, de angico naf, e de Rfgriaull,
de hortela, pimenta, e de Viccley, de pe-
cacuanha e de R-'rmes.
Em virtnde de ter a maioria da directora eleita-
em 7 do corrente, renunciado os seus cargos ao
conrdados os senhores assoriados a se rennirem
em sessao extraordinaria de assembla garal, do-
mingo 21 do corrente, as 7 horas da manha, afim
de preencher-?e as vaga1- existentes.
Secretaria da soeiedade Recreativa Juventode
17 de agosto de 1870.
F. Peixoto,
______1 secretario.
1 Manuel Joaquim da Mola tem justo a coa-
tratado com o Sr. Jio Luiz dos Santos a sua
padaria sita a ra ia Concordia n. 9, livre_e des-
embaracada de qualquer debito ou obriacio ; se
porcm, alguem se julgar com direito a mesma,
cumpareca no praso de tres dias na mesma.
D. Mara Bernardina da Rocha Leal e filho., 1).
Maria B. Monteiro o fihos, Antonio Ferreirc da
Rocha Leal, tendo de mandar dizer flissa* por al-
ma e seu prezado marido, p;n, genro e irmo P.
F. R. Leal, desde j logain a lodos os prenles e
amigos, assim romo do tinado, a assistirem as raia-
sas por sua alma, na matriz da Boa-vista, sabbado
20 do corrente, as 6 huras da manhaa, annivera-
rio de seu fallecimento em Lisboa ; e desde j se
confessam eternamente agradecidos.
B>fBlSBBVBBBaB1B^BBaSaVajlBJHSJKaBjnSJSjaB
PHARMACIA CENTRAL RA DO IMPERA-
DOR N. 08.
Cha purgativo de Chamhard, excellente
laxativo, e "religeraDte, que se pode usar
repetidas vez-s sem irritar os intestinos.
Aluga-se on arrendase ama casa terrea de
pedra e c; com 4 qnartos e 2 salas, sita na na
Nova desta cidade. n uit > fresca, cm excelleme
vista, com quihlal de grande ixtenso asseineltran-
do-se a um sitio, com bastantes fructeiras e pes
de coqt'eiros, botando os fundos para o Bomnm,
perto do baoho salgado, e porque a referida casa'
preri-a de alguns reparos, por is-o convida-se aos
apreciadores da fesla para arrendar tu alugar a
sobredita casa, faxendo a sua cosa os reparos de
qile preci-a a referida propriedade. levando se em
conta nos alugueis as rie>pezas feilas. pelo lemp.o
iue se convenciotiar. assigursndo se yxia ir
mndidade no pr o : qoem pret--nler dirjase a
cidade de 0:inda, na laiieira da ribeira, conira-
tar com Miguel Carlos de Parias. _____
(ASA OA l'OttllJU
Aos 5:0005
Bilhetes garantidos.
A ra Primeiro de Marco n. 23 e casas do
eosiuM
Acham-se a venda os elizes bilhetes garan-
tidos da 4* parte das (oleras, beneficio da Sania
Casa de Misericordia (187*) que se extrabira qoa-
ta-feira, 2."> do crrenle me .
PREfJOS.
Ril note Inteiro 6i000
Meio buhen. 3*000
Quinto 1*100
Em porciii de 100*000 para cima.
'Bilheteinl ira 5*400
Meio bilhete -2*700
Quinto 15080
MaDoel Martins Firua.
taixeiio
i
Creado.
Paga-se bem a nm creado de 12 a 14 annos pa-
ra servteo de casa e compras : trat-se no caesde
Apello n. 69.
FALSIFICARES /
das PlLULAS de BLANCARD
(CAVE DOLM)
A nossa correspondencia do Brazil nos taz [ commercio, estes honrados intermediarios 1
saber que as pracas deste paiz acho-se| nao ^eniostn'in dignes daiconfian^i dos seus |
actualmente inundadas por urna muUiddo de
falcificaces vis do nossos productos (textual.
Para garantir-se centra estas composifos
mais on ajenes pergosas, que escondem-se
d'essa maneira por detraz das nessaa martas
de "fabrica e mesmo da nossa (Irma, rogamos
aqui com instancia aos mdicos e aos do-
entes de assegurar-se sempre & origem das
PlLUUsque trazem o nosso nme.appellando,
entre'outros meios prcticos, pela boa f dos
nossos collegas, os pharmaceucos. Nao de
duvidar que n'uma ituestad que inlressa ta
seriamem- aude publica e a n.oralidade do
fregueies; nao d duvidar igualmente que
repudiando toda solaridade cora' os falcili-
cadores e os seus rumplices, elles nao se fa-
ci um dever i'or. em diante de procurar
as verdaoeuus Piixls ne Bi..\cguf em
origens cartas, eBderecando-;se, quer a nos-
mesmos em Pars, quer indirectamente aos
nossos priueipaes correspondentes, ou enlo
as casas as mais r ecom- /?/
mendaveis da Fraa^a/V/faft/
ou ilo stu paix. _v^_ a
Precisa-se de urna ama para o servicp in-
terior, cosmhar e engommar para duas pessoas :
na roa. da Aurora, passagdo a (undicao n. 44, 1'
andar.
BMflMaf Sa'&tt aSsaVAalM
I ADTO"
iOOB. JOAQUIM CORREA DE ARAUJO 8
M tem o seuescriptorio rha Imperador SM
g a. 67, etide pode ser procurado das 9 ho- H
JBB ras da manhaa s 3 da tarde.
UBI a. mOBIBI MOHaVaata
immXSmmB HMW OTIMilHi
Engomma Precisa-saje orna mulher qae engorotne coro
perfeicao, para casa de familia, e da se-lhe boa
paga : Halar do *ndr do sobrado n. 18,
ra da Cadeia do Recite.
Thaffhace'dico, ra Bouui
Acao-ta a< notiaf FluUi priosrpses jThannaciai.
Labonlaye
O principe Cfto d'Aa;ua.
(le Punce Camcke)
traduccao
de
R. A. F. F.
1 vol. 18. br. 2*000 r
LfT-arla franceza
XaHOPE hypnotigo de chloral.
Ochloral um agente therapeutico recen-
temente experimentado, mas cujos Iienefi
ciiis vio setidu largamente aprov itados pe
los pratxos em quasi todas asaffenes ni'r-
vosas, calmante e somnfero poderoso, tile
simpre empregado om vantagem nos
casos de dores nervosas intensas, e as de
insomnia, em que elle produa um somno
calmo e profundo.
Elle rec mmendado as clicas, na cho-
rea, no ttano, nos partos laboriosos, na
clampria, as queimaduras extensas, nos
accessos agudos de gotta, na asthma, na
tosse convulsa, e em muilos ouiros casos.
DOSE.Da?s a oito colheres de sftpa
por diat conforme o effeito que o medico
quer obter.
Encontra-se na Pharmacia CENTRAL ra
do Imperador n. 38.
VINHO DD QUININNO DE LABARRAQUE
Poderoso tnico hoje toaconselhado nos
gozos de{ debilidade geral, e mui usado
como antifebril.
PHARMACIA GENTRAL RA DO IMPERADOR
N, ,38. .
OlTerece-ie oro rapaz de 15 a 16 annos par:
caiieiro de arnaasm de seceos on de moldado a
oa roa da Concordia n. 68.
A. verdadeira farinha peitoral de
S B*Hto.
Esta farinha usada coro vantajosos resulta-
dos nos' padecimeirtos dos orjraos do peilo,
como asthfna ou pu:hamenlo de catharros,
inflamacao de bofe, ptenrizes e na plhysica ; re-
commeudando se com igual proveito as pessoas
convalecenles
nico deposito na phirmacia e drogara.
DE
Harlholomeu de C.
34Ra larga do Rosario34
"InlClo
Rafia-w ao Sr. major Firn
ra, do engpnbo S;
i renco. A M'
dar raa^ouan. 5t,ap
Offtrect se um rapaz brasileiro de idade 22 an-
nos, para caixeiro de taberna on loja de ferra-
gens: a tratar na roa di Livrament.to. 22, oa na
Direita n. 14 on 16, dando negociantes nesta praca
qae attastam sua conducta.________________
AVISO ^
Na ra Velha n. 49 eosinha se para? casas de
pouca familia com aceeio a piomptidas, a por me-
dico prec' : assim como recebe se roupa para en-
gomar o toda e quarqner costura, as quaes sero
feilas com toda prestesa e pelo preco que se con
vencionar.________________________
Engotma-se eom asseiif e perfeicao. roup:'<
de humein do seohora, por prcco rasoavel : a,
tratar na Boa vista, ra do Viseonde de Albu-
qaerqoe n II. omrVra da Glora.
Criado pequeo
Precisa-se de um menino Jo 11 13 an-
nos, brasileiro on portugoez, para criado
de urna casa particular. A dirigir-se ra
Bella n. 37, sobrado de 2 andares.
00^0 &$&** #$*
O DR MCISTHO SOARE^ RESELLO, A
^ ANT1GO MEDICO HOMEOPA-
J THA,
O recememente esubelecido nesta cidade.
mudon a sua residencia da praca do Con- -^
*X de (i'Ea n. 32 para a ra do In jurador %
ML n. .25, e abri consultan junto ao labora- M,
Z lorio homeopathico dos Srs. F. de P. Car- *
W doso Juni r A C na mesma ra n. 41, ft
onde todos os dias dar eoassiHas do me ?g
fi| dia s 2 horas da tarde, reservando para 9
1S as visitas/ do ciliares os intervaltos, que )fC
S5 decorrem das 9 oras da manha ao meto rg
Jt$ dia e das 2 4 horas da tarde. A qual- ft
/X quer hora attendera chimados, qae lhe M
2j jam dirigidos, quer
&&@&
I). rsula d _____
viuva inventa iante
o lenente-cironel
Cunba, d
de orphaos, se
conaequen
ntra o
jado marido
e era
aVaaaSSMBSNMSWMai avi
",' ;


LfllDUCO

AO ARMAZEM
00
VAPORFRANCEZ
IHM1IHU
Este conhecido estabeleeimento acha-se constantemente bem.sonido, em virtude das
facturas que recebe por todos os vapores e navios francexes, dos artigos abaixo menciona-
dos, procos os mais resumidos qae posiivel.
CALCADO FRilICfiZ
Botinas para eohoras e meninas.
Botinas pretas, brancas e de rauitas outras cures soriidas o bonitas, do ultimo gos-
to da moda, e presos mais baratos do que em outras partes.
Botinas para r> ornen e meninos.
Botinas de bizarro, cordavo, lustro e pellica, das melhores fabricas e escolhidas.
Botas e pernelras rnsslanas.
Botas e pernelras para raadtaria, das melhores qualidafles, de couro da Russia, lus-
tro e btzerro.
Napatos de borracha para hnmens e snhoras
Tendo chegado grande porcao de tpalos de borracha yende-se pelo custo aflm ^de
desempatar o dinheiro nelles empregado, sao baratis9imo.
A patos de lustro para homens.
Sapatos de entrada baixa de couro de lustro com salto, de mnito boa qualidade.
Abotinados para meninos e meuiuas
Sapatos abotinados de diferentes modelos, de muito boas quafidades e forte:, tanto
para mentos como para meninas, muito baratos.
Sapatos de tpete.
Sapatos de tapete avrludado, de casemira, de charlte e de tranca francezes e por-
[ tuguezes- para homens, para senioras e para meninos.
PERFUMARAS
Excellentes extractos, banhas, leos, agua de cologne, florida, divina, lavande, den-
triflce, de toilette, sabenetes, tintura para cabellos, pomada angroise para bigodes, pos de
arroz etc., tudo isto de primeira qualidade, dos afatrados fabricantes, Condray, Piver e Lubm.
Quinquilharias
Luvas de pellica do conhecido fabricante Jouvln, espelhos pal-a sallas, qoartos*e ga-
binetes, toucadnre de diversos tamanhos, leques para snhoras e para meninas, abridores
d luvas, brincos, pulceiras, botos, crrenos e chaves de retyrios e tranceln-, lud de
ouro de lei, correntes e, brincos de plaqn, a imitaco e de mais gosto. do que as de ouro,
caixinhas de costura ricamente guarnecidas e ornadas com lindas pessas de msica, albnns
e caixilhcs dourado9 para retratos, caixinhas com vidro de augmento para distinctamente
ver-se a perfcicio dos retratos, objectos de phantasia para toilettes, holsinhas e ceslinhas
de seda, de velludo e de vimes para braco de meninas e snhoras. ditas para costuras, pe- 0
quenos registros muito finos e delicados, boaqnet9 de flores de porcelana, -jarros proprios B5r
para gabinetes e santuarios, quadros promptos para enllocar-se vistas, molduras douradas l*fc
para quadros, estampas finas de paysagens, cidades, figuras e de santos, vidros para eos- moraron, malas, saceos e bolsas de-viagens, esporas, ch>otes, bengrla, oculos, lunetas ou M
pensinez de prata donrados, grvalas pretas e de rres, abntoadurss de collete e de punhos, 53?
carteirinhas para notas, tlwsourinhas e caivetes finos, penies, eseovas, ponteiras de espuma *
para charutos e para cigarros, joeos de domin, rodetes, bagatelas e outros diITereotfs, ve-
nezianas modernas muito conveniente para pnrUs e janellas, cosmorama?, lanternas mgi-
cas, esteriocopns com interessante? vistas de figuras e das mais bonitas mas, bmilf varas,
pravas e passeins de Paris, photographias e caixinhas mgicas, reverberos para candieiros,
tapetes de vidrilho e de laa de cores para ps de lanternas, reafejos grandes e pequeo?,
harmnicos, acordions de todos os tamanhos, berros de vimes para mangas, sapatinhos e
toucas de laa, carrinhns de 3 e i rodas muito elegantes para cpniu;ir enancas passeio ; e
outras muitas quinquilharias de phantasia, francezas e allemaes precos muito em centa.
Para este artigo nao ha espago nem tempo para a mascante leitura da infinidade de
gneros de brinquedos fabricados em diversos paizes da Europa.
VINBAS.
podi
imp
orcameai<
publico que ;
sempre liara
tes de to casa
feliz do arco da Copceigo u. 2, a ohd o
mestno abaixo assignado pagar" com a
promptidSo do costume a garanta de seas
bilhetes.
Recife 15 de agosto do 1870,
Joo Joaquim da Costa Leife
i GAO FGIDO
m Fugio do sitio da campia da Casa
<8 Forte um ci grande e gordo da
g Terra Nova, de cor pfeta com lis-
X< tra branca ao redor do pescoco e &
25 tambem os ps brancus, Quera troo- X
W xer elle ao sobredito sitio ou ao '
SK largo do Corpo Santo n. 15 ser &
$ generosamente recompensado.' $
$&$&&*$ &ftrJSB$&&
O abaixo assi^nado, lendo no Jornal do*e-
cife de 16 e l1 do correute, um aviso ao Sr. Ma-
noel Joaquim Gomes de Souza e Castro ao com -
mercio, declarando que apenis tinha de sea ac-
ceite, urna letra ainda nao vencida passada a fa-
vor dos Sr.. Alfredo & Barbosa Jnior de d5us
contos cento e tantos mil reis, assim como todos
os seus bens livres e de*mbaracados de qualquer
onos, e como o mesmo Sr. deve ao abaixo assig-
nado duas letras, ha anuos vencidas, de sea pro-
prio acceite, principal, urna de 1.155*728, outra
3211820 ; aim como urna hypotheca em seus
bens por eseriptora legalmento registrada, passa-
da no cartorio do tabellian Francisco de Salles da
Costa Honteiru, e para evitar duvidas do futuro
e conheeimento de quem inleressar possa, que
fago a presente declarado.
Recife, 17 de agosto de 1870.
Antonio Jo- Paulo de Carvalho
se;
411011.
Cruz*, contina a prevenir
(Anlif
proprias.
Parraba americana alfdade.
Alem da outro muitos gneros de Hnportacao,
ja condecidos do respeltavel publico, ,e tero mai
queijo e carne do sertio de superior.qualidade.
Cal nova de Lisboa.
Chegada recentemente no vapor Gladiator, tero
para vender Joaquim Jos Gspcalves Beliro, no
sea esenptorio, ra do Cominercio 17.
Labyriraos
Chegaraml ra do Crespo n. 10, riquissimas
toalhas de lahyrinlho de diflerentes tamanhos, lin-
das fronhas e lencos, cujos objectos se vendem
muito em conta.
Bichas hamburgnezas
Neste novo deposito recebe-se por todos os pa-
quetes translanticos bichas de qualidade superior
e vendem se em caixa ou porcao mais pequea,
e mais barato do que em outra qualquer parte :
na ra da Cadea do Recife n. SI, andar.
Farinha de milho.
Vende-se diariamente farinba de milho muida,
fina e nova, a 120 rs. a libra ; e tambem farinha
grossa a 100 rs. : na ma do Cotovello n. 25.
CEMENTO
O verdadeiro portland. S se vendo na ra da
Madre de Dos n. 22, armazem de Joao Martins de
ATTENCAO
Acaba de sahir luz
E
Vende-se
.NA
Livraria franceza.
OlllA DEVOTA
OU
1T.
O dono deste estabeleeimento pede ao pubco era geral que continu a
verificando as qualidat>s e os precos baratos de ditos objectos por serem vindos
reitura e de conta propria.
visita-lo r
era di- [i
3 portas n. 53, ra Direita, 3 p rtas n. 53, mitiga
loja do Braga
O abrixo assignado, dono deste antigo estabeleeimento, tendo em vista apresentar um j?;:
cnmpleio sortimenlo de ferragens, mm.lezas e 'eotileria, tem resrlvi.to mand.->r buscar em ^
diversa pi n .os da Europa o> melhon s objecios de sea estnbereejmeoto dos fabrleanti
mais conhecides ; pe i que convida ao respeitavel publico e a seus numerosos freguezes, fg
virem se ervir dos objectos de >w carencia, amde encontrarSo por menes 10 0(0 d) que ^
em outra qualquer pan*, um sertimento completo de machinas para des^aroear algodo, {3
do bem o mhecido fa>iricante CoUorr Gin A C, ditas para cnsmra, motores para animae*, pn
ditos par:i foj'. moinfc.m |i vi eaf de todos os tamanhos, da fabrica do Japi, espingardas de, {s
doas nn is e le mi, bulo in.-lezas oortlti trncelas, louc* de porylana, facas e gai.'
'de diversa- 'luxtArtes preg -. Jejas chinela*, salitre, bren, barbante, enxore, papel e 5
limallta le t- tro, ar, a agultia pira fogueteiro ; assim como enc/mtrario constante- j
meste graole p"ri;ao de fcgo d*i ar, e recebe se encoinmenda de fug-is de vista, alem de um s
eemniiniero de ordentos,i| tornara enfadonho npmera-los : venham ra Direita o. j
R, ; [a de !.*onidas'Tito Lonfeife,antiEa loja do Braga.

m**"~:
o
A'raadoJardi.n n. 45 de-eja-se fallar cornos
seguites seohores :
Anienio Gon^alves da Silva, senhor de engeuh.i.
Maooel Poiicaryo tk< 4zevedo.
Jetnino Augusto dos Sauos Fragoso, ex-prea-
sario.
Damiao Jus Jtartios de Oliveira lrn*rass.
Feruand Barata dafiilva, eo enho Morojo.
Frederico Auusto Teiloso da Siiveira.
Jos Hermino Pontual.
Joaquim Cvale inti de Albuquerque 'Filho.
Antonio Gome* Cordeiro de Mello, conhecido
por Tolo, iguaraesti ou < lianna, das 8 s 10 ho-
ras da manha.
0 Campos com armazem
demlliadoe a na do Im-
perador n. 28, vende eomo
no trapiches, cuixas com ba-
tat'S n^vas de Lisboa a #ito
mil reis cada urna.
A ellas, b ndo.
^TTEGAT
Alotta-se' un i mibUii de raz de amarello a
Laiz XVt v na m^stna aa vende-ne meia duzia de
aeiras doe proprios. para sala, e seis quadros tambera
graades par. sala : na iravessa de Jeo Franeisco
a 3 se dir qnerm tuca e vende.
I e.itt)ele<-ioie^(tJ da mo-
lludos sito ama di* Pedro AII ni, per-
tencentea um ftias de AJmaJda Costa,
Ui;o o presente a toda e qualquer
peaaoa qu> resentar-se
.tres dias, l'J de afato de
107v.
_._ e Souza.
Travesea Uo Queimadb n. 5
Horacio Antonio Mangabeira, proprietario desle
stabelecimento, tendo feito uaia grande refor
na no su bera cunhecido estabeleciment, faz
sfi"nte ao respeitavel publico e aos seus amigos
reguezes, que se acia de ora em dianle com u:n
completo sortimento de charuto) de Havaua e de
toda as quididades, cigarros de palha do Rio e de
wrsas qualidades ; e recebe sempro por todo-
os vapores um eonipjeto' e variado sorhmento de
ponteiras para charutos e cigarros, boleas para
utdo e fumo do Para ; as?m como um irande
sortimento de cachimbos de todas as diversidades ;
9 se vende por menus 10 por cont do que em ou-
tra qualquer parte.
Xarope E' um dos medicamentos que sna effic.icia n,t^
enfetmidades, toss e saugue pela bucea, bronchi-
tes, dores e fraquea no pello, escrobuto e moles-
tias de figido, quo nieliicr tem aprovado.
Tintura de ma apuama.
A celebre raiz de marapuama cuja energa elfi-
cacia oas paialysias, imporpecimento ote muito
se 'ecommeada.
T idoM 8MM preparados se encontratima phar-
macia e Drogara de Barfeoiomea A C
3iRa larga do Rosario34
nico deposito.
Cara rpida e iufahive! dos cai-
tos, pela pomada
Cialopejm.
Depo' especial na pharmacia do Bartholomeu
tC,
4iRa larga do Rosario34
Ro< Hte-rheum^tico.
Remedio efikacissimo contra as dores rhoom-
ticas at iii vilhosos resflltados.
DE
XOSSO SENHOR JESS CHRIi.TO,
MARA SANTISSIMA
E
VARIOS SANTOS.
A saber:
Setenario do Senhor Bom Jess dos Passa.
OfDcio do Senhor dos Passos.
Nnvena do Menino Deus.
Novena de N. Senhora da Conceifao.
Setenario das Dores de Maria.
Offlcio das Sete Dores de Maria Saatismia.
Novena de N. Sennora do Carmo.
Offleio de N. Senhora do Carmo.
Novena de N. Senhora da Penha.
Cnticos de N. Senhora da Penha.
Novena do B. S. Joan Baptista.
Novena da Senhora Sant'Anna.
Trezena de Santo Antonio.
Novena do B. S. Jo.
Um bonito volume encadernado.
200.______
Te Liverpool & Lop-
on & Globe Insu-
rance Company.
Companb'a ingleza de seguros contra-fogo,
estahelecidd em 18.36.
Capital e fu tos de reserva
ais. 3tt,S06:13O.
Os agntes deta coiiipaiilna Uonam segaros so-
bre propriedades. generse fendas armazmadas,
mohnas, etc., etc., e e-iao igualmente auWisados
a saldarem a ui quaeMpier reclamayoes. ,
Saunders ltr> ih rs & C,
Prac do Corpo 9atito n. 11.
. Prcis so iie tima ama para tutmhaf e en-
punmar para casa de peqneoa fj;nt!ia : na ra
do Pilar n. 112 sobradinho.
-------------------------4--------------------------------------------
Doce fino.
De goiaba, laranja. limito e bananas, vende-se
coDtantemente ra de Marsilio Dias, outr'ora
Direita. uherna rfh Hnrire'.
i rm rs,
Novo soriintento.
Mimosos cortes de percales a 2*000, de dous,
um vestido : na ra do Crespo n. 2o, loja da es-
quina.
Cera de Lisboa em velas
Tamanhos diflerentes desde 2 a 16 por libra, em
caixas de urna arroba : no irmazem de Tasso Ir-
Baos & C, ra do Amorim n. 37.
TEES VaPOBES
0 Campos da ra do Imperador n. 28, receben
pelos ltimos tres vapores chegados a este porto,
differentes gneros que vista das suas especiaes
e diversa qualidade-s merece fazer-se delle es-
pecial menean; e avisa nao s ao seu crescido
numero de fieguezes e amigos, como tambem
aquelles que nao tem querido honra-lo com suas
freguezias, encontrando por esse motivo serias dif-
liculdades em suppnrem-se de bons gneros, por
falta talvez de quem Ihes Indique com lirmeza um
es ahelecimento que con o o seu, po-sa com ga
raotia, bem sattsfazer as justas exigencias do res-
peitavel publico desta capital; que se acha o seu
armazem prvido dos mais novos e variados gane-
ros, e limita-se a nomear o seguinte :
Carne e qneijos do sertao.
Prezuntos inglezes e portuguezes.
&>niolo (nova marca de bolachinhas).
Peu't Pois an Beurte (ervi has em manteiga).
Chocolate hjspanhol a I "00 a libra.
Conservas a 700 rs. o frasco.
Caf chumbado e de moka.
Rap Paulo Cordeiro (viajado e commum).
Guizados francezes (TrulTe).
Superior champanhe.
Doces Unos de goiaba laranja. liman e bananas
AMA
Precisa se de ama ama para czinhar e faz*r
mais -ervicos do interior de urna casa de familia :
na rita Imperial n. 27.
CAIXEIRO.
Preeisa-se de n:n caiseiru que teaha pratica de
taberna : na ra la Palma n. 37.
Preewa-se de tima ama .tara cozinhar e en-
gpmmar para rasa de ponca familia; livre ou es
ra.iva ..na ra Nova de Santa Rita u. 6.', primetro
andar.
Attcncao
Continua se a fornecer almoco e jantar : no so-
l brado m ra e-'reita d i I! s.irt'o n. 35
ITTiCA"
.i
Da-se sociedade na taberna do largo do Terco
n. 11 a atguin moco que teuha bastante pratica
deste negocio edd fiador a sua conducta, entrando
onn a gum fundo e tomando conta para adminis-
trar o negocio ao balean ; e na falta vende-se a
BMHm taberna com ef fundos existentes, ou com
aquelles que convicr'm ao comprador, e nao se
duvida laaer negocio c n a armacao somente : a
tratar na me-ma.
AMA.
reeis
T.
familia.
Ama
Precisa-?e de urna, ama para o servico de urna
s pessoa na ra de Sama Tlierea n. 3. Paga-
se tem.
Iroiandade acadmica
DE
N. 8. do Bom Conseiho.
A iccsa administrativa da irmandade. acadmica
le N. S. do Bom Conseiho convida a toaos os r-
ii.aos para se reaorem na lacnldade de direito.
no domingo 21 do corrente. as 9 horas do dia, afim
de procder-se a cjet'ci para a nova mesa admi-
nistrativa de anni de 1871.
Nao teve lugarj?sta e'eicao no domingo 14 do
crreme, ja por nao trra m nuvido a competente
mssa, culto dirigido nossa Divina Imagem, e j
por na haver nnmero legal deirmaos ; pelo qne
o nosso irmao juiz transferio para Dommso 21 do
corrente.
Consistorio da Irnrandade Acadmica aos 19 de
agosto de 1870.
O secretario,
Camilto Correia Dantas.
COMPRAS.
0 muzeo de joias
Na rna do Cabug o. 4 conipra-se ouro, prits
t podras preciosas por precos mais vantajosos do
p'e ero outra qualinter parte.
ka ra do Coqinior se de uroa proa para andar cora urna menina, -iue
seja d- hna enodaeta
"ase. l:.000 apremio sobre hypotheca o
endo propriqdade que agrade, solara mus d -
nheiro : a tratar na ra do Arago p. 16. t
Na ra Diretta o. 64 existe urna caria para
ser entregue ao. Sr. Adeiioo da Silva Pint.
Em rmiioe do Aonmoeio do 8r. Manoel Joa-
quim Gomes le &.uza a Castro no Jornof do Re-
cife de Ifi e,47 do corFvnle, tenho a diz.
devedor da quantta de 264880
g-neros qgi'
ora grande i ero pareito _
a moldura nalobramaito boa para snhoras; a qual 9e vende
o* Migue dos Santos. ] roa do Cabug a. i I, loja de joias. Imutlo barato.
Lom muito raaior vantagem compnus-se
ouro, prata e pedras preciosas e a obras velhas: na
loja de joi^s do Cora;ao de Ouro n. 2 D, ra do
Cabug. _______' _______i_ ,
Compram-se patarSes hespannes e bi
no caes do Ramos n. 8.
Gompra-gf
Vende se superior farinha de milho : d. ra
i streita do Rosario n, a. padaria.
Vende-se urna rotula de amarello em bom
estado na eambAa ilo Carmo n. 16.
i,az m m
Chegou ao ant;go deposito da Henry Forster <
ii, roa do Imperador, um earregaraento de ga
le primeira qualidade; o qual se vende em partida
a a retalho por menos prt-eo do que em outra qua
tuer parte___________________
Vende se orna bi nita casa nova a moderna,
com 2 salas, corredor ao lado, 5 quartos, sotan
muito fresco, dispensa, cozinha enm b >m fimo,
rande copiar cora gradeamento na frente, gali
ubi iro umbem com graiteamento de-ferro para
grande porcia de eriacji privada para despejos,
leibi-in pira lenha, carvao, ele, cacinida co
houba de Ja o, lanqoe coberto que serve para
banlio, e sitio, tem 100 palmos de frente e oOO di-
fundo, todo murado de novo com gradeamento Da
fente e portao de ferro, lindo jardnn para re-
creio, plantacao de arvoredos novos, passa Ihe o
rio Capibirilie perto para os banhos, no lupar de-
nominado Chacao n. l.jint) da estaco da Casa
Forte : os pretendentes poder se-hio dirigir para
tralar ra de Thom de Souza, outr'ora ra da
Lingoela, n. 4
20
iras Anas para un: tu-
ra a. OO'
Papis de agtrihas francezas a bc-
lio a. ... 60
Caixas com seis sabonetes de fruta 1^000
Libras de 13a para bordar de todas
as cores a....... 60000
Carrileis de liaba Alexandre a. 400
Frascos com azeite para machinas 500
Grvalas de cores muito finas a 500
Grozas de boles madepersla fi-
nissimos a....... 500
Novello de linba de 400 jardas a. 60
Caixas com 100 envelopes muito
superiores a...... G00
Pentes volteados para meninas a. 240
Tinteiros com tinta preta a 80 rs. e I0G
Pecas de fita elstica muito fina a 200
Lata com superior banha a 100 e. 200
Frascos de oleo Philocomo moilo
fiDoa. .-....... 50(1
Frascos de macaca perola a. 240
Frascos de extracto muito bonitos a 500
Duzia de sabonetes muilo finos a. 720
Sabonetes inglezes a 600 rs. e. 10200
Frasco com agua de colonia Piver a 500
Dito de oleo baboza a..... 500
Caixas de lamparinas a. 40
Sabonetes a forma menino muito
superiores a. 240
t.artillias da doutrina fazenda nova a 400
Libras de linba surtidas de todos os
nmeros a....... 1,5800
Capachos muito bonitos e grandes a
Carriteis de relroz preto, com 2
oitavas a........
Agulheiros de osso enfeitados a, .
Libra de linba franceza superior
qualidade a........-
Caixas de palito do gaz a. .
700
640
240
2400
20
Joaquim Rodrigues Ta- |
vare- de Mello,
iraqa do Corpo Santo n. 170
TEM PARA VENDES : *<
Cal de Lisboa. $
Potassa pa Russia. s
Vinho Bordeaux.
& Fa'ello d^ Lisboa. $
Farinba de mandioca. 0
Farinha de mandioca
Vende-se farinha de mandioca, nova, de Santa
flatharina, chegada no patacho portugnez Ullirsit.
fundeado defrunte do trapiche do Sr. Uaro'do Li-
vramento : a tratar no escriptori> de Joamm
Jos Goncalves Beltrao, ra do Cotnmercio n. 17,
ou a bordo do referido navio,
Ele uro preventivo seguro e certo contr
Ela calvice,
d e restaura forca e sahidade a pelle
da cabecat
Elle de prorapto faz cessar a queda prema-
tura dos cabellos.
Elle d grande riqueza de.lustro aos ca-
bellos,
Elle doma e faz preservar os cabellos em
qualquer forma e posicjio que se deseje
n'um estado formoso, liso e macio,
Ele fazerescer os' cabellos bastos e com-
pridos,
Elle conserva a pelle e o casco da cabera
limpo e livre de toda a especie de caspa.
Elle previne os cabellos de se tornarem
brancos,
Elle conserva a cabeca n'um estado defsoj
cura refrigerante e agrada ve!,-
Elle nao demaziadamente oleoso, gordu-
rento ou pegadizo,
Elle nao deixa o menor cheiro desagra-
davel,
Elle o melhor e o mais aprasivel artigo
para a boa conservacao e aiianjo dos ca-
bellos das snhoras,
Elle o nico artigo proprio para o pen-
teado dos cabellos e barbas dos senho-
res, i.
Nenhum toucador de senhqra se pode con-
siderar como completo sem o
0 CABELLO.
Tontee Oriental
o qual preserva, limpa, fortifica e aforinosea
Acha-se a venda nos eslabeleciraentosde
\. Caors, I. da C. Bravo C. P. Maurer
4 C, M. Barbosa, Bartholomeu C, e em
todas as principaes lojas de perfumaras
e boticas.
Especialidades.
Continuam a aehar-se a venda na na Direita
botica n. 88. os mu conhecido9 e acreditados re-
medios da veame, e outros diversos medicamen-
tos feitos em Paris. bem como o xaropes de co-
deina de Berth, de rbano io.lado, de oduretn de
ferro de Dlancard e as pillas do mestno, npitoral
de cereja, p< de Ron; depurativo ile Chable,
digital de Labellony, pillas ou eonfeitos de liis-
muiho ir Chevrier, o outros medicamentos cuj i
proflcieoeia quanJo empreados as dneo^aa das
vas respiratorias as dores iheumaties, na
amarellidao, na falta c mpleta ou irregulandade
de mensttuo, as diarrhos, doenea- do eoraea
e do eftomago, ti ni sido e ioconteslavel, i ni
v sta dos benficos resoltados das experimeoti{dVs
ou uso que diversas pe^'Oas dclles teem feito, as-
sim como das pilulas der omina la- bravinas in
comparaveis em -ua effleaeia nos acomniettimen-
tos febris ou MtoVs ; exMindo tambem na mestna
casa, alm de stifOciente iiuantidaile de drogas,
um nao pequeo -ottimento de tintas, oleo de li-
nbaca e pincis, que se vendem por menos do que
em nutra parle.
Vende-se urna taixa fundida com 10 palmos de
boccf e com o peso de 1,378 libra, p t prec.o com
molo : trata-s na eamboa do Carmo n. 41
Farinha de mandioca
Vende-se na rna do Amorim o. .13 sac :os oom
especial farinha de mandioca, igual a de Muribeca.
propna para casas particulares, e por prego muito
em centa.
Vaccas
Vende-se urna va;ade raga, parida ha pouco
lempo, e urna ovelha da trra tambem parida : a
tratar no viveir do Jluniz, ra Imperial, das 6 s
9 horas, e das 4 em diante.
GRANDE
armazem de 1 uc,a roa do Im-
perador n. 46
Neste estabeleeimento alem do esplendido sorti-
memo que ha de louca. vidros, porcelanas e crys
taes. como sejim : apoarelhos para jantar, cha e
toilet, ricos vasos de phantasia oara flores e can-
dieiros a gaz, ba tambem ltimamente chegado
vanado sortimento de vasos de .lonca para plantar
flores, bustos, estatuas, pinhas, globos, leoes e
indas figuras para tanques dejardins.
Chegaram tambem os magnficos easticies de
metal com mela para vela, nicos que, as pessoas
que leora de noite, dsvem usar para nao cantjarem
a vista.
Tambem chegaram a tao desojadas bacas de
porcelana com bauvula, e por serem muitas as
pe-soa* que as teem procurado, se previne que
as venham buscar antes que se acabem : na ra
do Imperador n. 46.
Ra; grosso
Rap grosso
Na loja da Aurora, na ra larga do Rosario, n.
38. pericltente a Manoel Jjs Lopes & Irmao re-
ceberam rap gi-se gn-sso do Rio de Janeiro, dito
gas*e fine, dito Paulo Cordeiro viajad., dito prin-
i-eza Bocha, dito phnceza fino, da Babia, dito meio
gros-o, dito miau francez, dito do Lisboa ; de Indas
jas qulidades de rap se vende tanto era libras
como a rttalho.
Cachines
Cachines
-ja da Aurora na ra larga do Rosario, n.
38, tem boas cachines de lia de diflerentes cores.
Fir do fumo.
o
1
o
O
Oiegou h"je pelo vapor Topan-
tais fumo picado para cigarros e
cachimbo? o meihor qne ba neste
genero (ahrii-ado no Para p. r Jos
Julio San paio Pires, nico deposi-
to ira Pemaoiboro, ni Pr.ca da
Indejieiidenc.ia, hja de Caleadi s,
de Porto & Bastos.
A elle antes qoe se araliem ;
reme-sa f\< pequea
9
O
o
S5
3
O
Flor do fumo.
Fardlo.
Vende-se saceos cum 90 libras de farelio no-
vo do Chile a 45OO : ra da Madre de Deus
n. 7.
Emim chegaran !
0 Pavilhao d'Aurora ra da Imper iriz n. 2,
rei-fbeu pelo ultimo vapor o mais completo sorti-
mento de cortes de vestidos de seda, estampas c
gostus inteiramente novos e de superior quali-
Jade ; vieran) junios e igualmeule ricos corles de
vestidos de blond bordados a petlas para casa-
mento : assim copio popelinas, padrdes noves e de
lindissimo gosto ; e militas outras fazendas para
vestidos igualmente novas e desconheeidis no
mercado ; ludo se vende muito em conta.
Cigarros da imperial
fabrica de S. Joao
de Nictheroy.
nico deposito cm Pernambueo caes da alfat>
de?a velha n. 2. t amia.
Vende-se la de canil a 280 i-s. a libra, em
pon,-ao faz se dilTennca : na ra de Hurlas, ar-
mazem n. i.
Attenqao
Vende > dnas caneiras homeopaihica, urna de
48 tubos o iutra de 24. perfeitas, e as obras ho-
ineopathicas dos Drs. Jahrr e Cociirane, por prego
commodo : na ra estreita du Rosario n. 19, 2
andar.
A 0^000
Vender calcado francez tachiado, obra boa.
pelo diminuto prego de 6J : venham ma da
Cadeia n. 30 A, loja de miudezas confronte ra
da Madre de Deoj>.
A 5^000
Venham a rna da Cadeia ver as bonitas botinas
res para snhoras, pelo diminuto prego de
3*000 ; venham, qu acabando, na bem
conhecida loja de miudezas confronte a roa d
Madre de Dos.
Taberna venda.
Vende-se a taberna da ra de S. Benlo n. 19
em Olind.i, nma d>s melhores ras : tntar na
ra do Pilar, n 108 0 motivo da venda achar-
te doente e necessitar do re-
ne ia.
Manteiga a ljL
Vende fe manteiga ingleza flor alia libra
no progresso do pateo de Carmo n. 9.
MiilS PARA
COSTURA
Acabara de ebegar ao GRANDE BAZAR
UNIVERSAL, ra Nova n. 22cabnbibo
vian.n'aum completo soriimijnto de ma-
chinas pata costura, dos autores maisco-
nttecidus, as quaos isIo em exposic5o no
mestiO Bazar, garantiodo-M a sua-boa qua-
lidade, e tarfcbcm ensina-se com peifetfio
a todos os ccmprfcdorw, Estas ma. binas
sao iguaes no .seu trabalho ao de 30 costu-
reiras diariamente, e a sua peieigati tal
como da melhor costureira de Paris. Apre-
sentam-se trabalhos execu(a?Jos pelas mes-
mas, que muito dvfn agradar aos preten-
dentes.
m\ I'KCI NA W6l,
L >ja lor boa-vista
I>l
R !'. ?. n'c >a. <(:lmnrr ('hita gnitas e rlar.-.s. cuvado a 200, ?i0 e
280 rs.
Cmibraiasde cores lixa?, Cuvado a 200, 20 e
320 rs.
Laa com Ibtras, e miudinhas, covado a 200, 30
a 890 rs.
Brim pardo iraneado Com pequeo toque, meito
a Mo, 800, 900 r-. ,
Dito- de res,; tiro linl pechincha, a
i :>. i .->. i
Diios d< do, boa covado a
3(0. :0 i- .o rs.
Hotcfeme paia calcas, Trema nova, covado a
90rt, 900, 00 :-s.
Cuites de i:.ii,_a de casemira preta a 33301'
4*000.
Di'os (Je dju ,e qur,,]r c de ef,Tei a 7()0 e
12*000.
Calis de brim para o ,-r.v i ,, \Q 1*000.
Cao.isas de risead i para i-se.iavos a 800- 1*000.
P- ras de algodao lio por precos ba-
ratissimos. /
48RITA DA IMPERATRIZ-W
liinto a iiadana francesa.
-CA.NDIO ALBEUTUSDHEDA MOlTA &C.
erm escripP rio e aiuazmi a iravessa da Madre
diDeni.n. 14, tem para vender o sepilite -.
OCRE de muito boa qualidade a l^t'O a ar-
roba.
CIMENTO P011TLAND. verdadeiro 6 de primei-
ra M re.
VINHO BORDEAUX, desde o mais fino e espe-
cial m r commi m.
CONSEVAS FUaNCEZAS das mais mpelares
qulidades, ainda uo bem cenheeidaa neste mer-
cado. (
PAPEL de diflerentes marcas para cigarivs.
DITO PINTADO para forrar salas, gabinetes, es-
rri[itorios etc.
Acaba de ehogar nova remessa desse arlef.
tie se vender por procos mais reduzid
Aos vidraceiros
Na rea Direi.a'n. 18, loja de funileiro, vende se
vidros de todos i s tamanhos, mais barato do que
em outra qualqul-r parte.
OlilKfL
Vendem-se cinco icefla d s tri'hos urbanos a
Olinda : na ra do Crespo n. 23, U*ja da e'qnma.
= Vende-se urna ca*a terral na roa dos Qua-
rarapc< n. fi'i e entra na ra do Pilar n. 114,- am-
bas na fregue/ia do Recife : os oretendentes diri-
jam-se a fundirao Cardosn & Irfiil i rna- do
Brum n. 100 a 104 ou ra do Puar n. \\i.
i. --------------------------------------- t
Veno >-se una auugo do padaria ro larg>
da Pazn. 78, freguezia .Jos Afogados : a iralar na
Vende se urna arma benia! uo largo
da Paz n. 78, freguezia dos Afogados : a tratar a
mesma.
Vende se a casa terrea n 37 da i ua da Es-
peran;, e un.a parte da de n. 33 contigua a mes-
ma. a* quaes foram do finado i io Peres
4e. Motira, e hoje de sua mai residente na Hespa-
nna : a tralar na me Costa Campos, procurador da mesm.i
'Vende-se os tiienrili is da padaria da ra
Direita n 69. a qul tem gaz e agua encausto, em
muite bom li.gr
ma por lir s preten-
dentes podem il
ns. 14 e 16.

,T


. albuco
Sab'l

BAZAR DO PAV
60-RA DA IMPERATRIZ-60
DE
. SILVA, FIGUEIREDO t &
Neate irnoirante estabelecimento encontrar o respeivel publico, um grandee variado sorUtoenlo de fateodas domis
apurado goslo e todas de primeira necessidade, que se veodem mi|s baratas da qae emoutr quaquerpar*, vwto que os H
vos socios desta firma, adoptaran o systema de s veoderem D1NHEIRO ; para pderum vender peJo casto, limitndole penas
a ganbarem o descont ; as pes*oas que negocian ern nequna esca'a nesti toja e armaem poderlo fa*er os >eus sorUmeatis
pelos me,mos precos que compram as casas inglezas, (importadoras) e para maior commodtdait das Extras, famflras -se daro
amostras de todas as fazendas, ou Ibes levam em soas casas para escolhe em.
pech.n:ha encase viras a aooo.
No Bazar do Pavao fez-se urna grande
compra em um leilSo, das mais finas
casemiras inglezas que tem viudo a es-
te mercado, teodo cores claras e escaras,
todas con padrbej serios, iroprios para
CORTES DE LA ESGOCEZBS 65000
Vende se boaitos cortes de iai escocesas,
vindo cala om em seo papel, palo barato
prego de 65000 cada um; no Bazar do Pa-
vao.
CASSAS FRANCEZAS 240 RS. O COVA-
CAMISAS DE EftANELLAS A 30300,
No B izar do Pavao vende-fe om bonito
s^timeeie coav todo* os lmannos das me-
ntores camisa, de 0mella de lia, c m
mangas tanto proprias par hm ens como
para fenboras e vende-se a 300D cada
caigas, palitos e Golletes; vende-se a 4&000 DO. urna, eqiiem-comprar de meia dozia para
O covado, o-qoe em outn qualq ler parte No Bazar do Pava vende-se om grande cima ter om abatimecto, Silo ds omita
n3o se vende por menos de6; grande sortimentode cassas* de cores, para acabar, oiilidale.
vantagem. 240 rs. o covado, das finissimas fraoceaas Gran >* pobiicka mi eaaisa inginas. 4e 41500
BRINS DE LlNHO DE COR A 10200 padrBes miodinbos e graudos 380 e 640 NoBazir oot'avaofei-senmagranflecom-
No Bazar o> Pavao, fez-se urna grande rs. o metro; s5o moit barata'. pra em leiio, de tnis>imas camisas- ingle-
lilil
00 .
BMG DE OROJ
Rila do Imperador n. 26
O respeitavel p ncontrar nest
.stabelecnento diariamente um completi
sortimento de pastelaria, bollos inglezei
podins, p5ds-de!, prgsentos dos ultimo
chegados ao-mercado, salame de liori, bo
linhis finos de todas as qualidades parachi
amen loas cnfeiladas, coufe/.tos, bomboin
pastilbas, chocolate ffancez era libras-, pts
tillias-do masme .eartuxos e carteiras con
seis ohruos.de^lio-date cada: ama, fc
sortimento de chscolate do'mais acredita-
do fabricante de Pars e 6 o melhor queiW
boje, tem vindo ao mercado.
VnJios portuguezes,,figueira maito sope
rior. Os mais genuinos e superiores vmhoi
do Porto, rrrescatel e Setobal, o illustradi
publico encontrar nesle estabelecimeat
por commodos precos, fazeodo-se abatimeo
tG a quem -omprar em porcao.
Os Oobo* des te estabeteeimeeto nlo t>
m% poupadr> a despezas para melhor me-
recer em a aaadjuvag3o do Ilustrado pu-
blico.
Wrmm
CABEHEIREH FRAN
51Ra da Cadeia do Eecife51
Chama a attencSo dos seus innmeros fregueses, e do respeitavel publifl
{eral* pan a segointe tabella dos precos de sua casa, os qttaes sao vate por mu*
nais barato do qoe em outra qualquer parte:
compra de puros brins de lir.ho, rouito eu-
corpados, propriospara calcas- palitos, co4-
lets e roupas para meninos, por serem de bonitos e maito fines organdys com listas
padroes miudinhos; garante-seque nlo ba largas e miudas lOOO a vara, ditas lisas,
barrel'a que Ibe tire a cor, e vende-se a fazenda de muita pbantasia 800 rs. a vara,
1)5200 o metro desta excellente fazenda_j ditos d c. es, finissinm.-s padreas ioteira-
MADAPiLO FINO A 63400 A PECA-
No Bazar do PavSo vendem-se pegas de
ma dapolao fino de maito boa qualidade,
tendo 22 metros ou 20 'aras cada peca,
pelo barato prego de 65000, por se t-rem
comprado um pouco enxotalbadas ; pe-
cbincha
CHITAS ADAMASCADAS A 240 RS. O
COVADO
O Bazar do Pavo vende muilo boas chi-
tas inglezas incarnadas adamac adas, pro-
prias para cobertas e cortinas, sendo faz*n
da que emqialquer loja se vendo a 320 rs.
e liquida-se a 240 rs. o covado; s o Pa-
v3o.
mente novos 80 rs. a vara; pesbracha.
GROSDENAPLES PRETOS
Chegou p*ra o Bazar do Pavao um gran-
de
pretos que t-m vindo ao mercado, que se
ve tdfm de Ii6*i0 at 5$u00 o covado ;
sao tod'>a muilo em roma.
GAMBRAIAS TRANPARNTES
No Bazar do P .vi > ven e-se um grande
sortimento das me hores cambraias bra cas
transparentes, t*m de 355 )U at 0|00u
peca, ditas suissas finissiruas com 8 pal-
mos de largura a 25000, 25500 e 30U0
vara, ditas victorias e tapaoas da mais infe-
ri* al amis fina qoe ven ao mercado;
tudo isto se vende mnito em tonta.
CRETONES PARA VESTIDOS A 640 RS. j MANTELLETES E FIL ^
Chegou para o B izar do favSo, um sor- j N > Bazir do PdvJu vende-se moderoissi-
tim-n'o dos mais elegantes cretones frao- mos maotelletes ou basquinas de fil preto,
cezes de cores fixas, propnos para vestidos ;om lago, pelo barato prego de 105000 ca-
e roupas de meninos, e vende-se a 640 rs. da om, barato,
o covado. PANNOS PARA SAIAS A 15003, 5280 E
TOALHAS A 75500 I56u0 O METRO
No Bazar do Pavo fez se urna grande No Bazar do Pavao vendase bonita fazen-
com.'ra de tualbas alcocudadas, proprias da branca ncorpada para saias, sendo gcm
para rosto, bastmte enccrpadas e grandes, babados e pregas de um lado; dando alar-
que sempre se %enderam a 1250O0, e li- gura da fazenda a comprimenlo da saia, a
quidam-si a 7.500 a duzia^ou a 640 rs. qnal se pode fazer com 3
cada un a, b^a pe^hincha.
ORGANDY BRANCO E DE COR 'za* com pettM pwvbos de linao, sendo
N o Bazar do Pavao vende-se os mais com collarinhos e de todos os nomeros a
45*X) cada urna, ditas sem co 'arinbos,
pora faze da tni.-sima a 45500; grao-
de peehincha,
CAMISASBAHATA9 a 25800* 350C0 e 25600
No Bazar do Pava vende-se urna gran-
de parejo de caseaairas mescladas, maito
encorpadas a 25800, ditas fioissimas com
sortimento dos melbores grosdecples msela de seda a 35200, ditas modernas
de quadros, fazenda de
CabeUairas para sismaras a 255,
m, 384 a. ...
Ditas para homem a 355, 401 e
Coques a 125. 155, i 85, 205,
255, 305 e.....
Crescentes a 125,15#, 185,9)5,
265, 305 e.....
Cachos ou crespos a 35, 45, 55,
65,75, 85, 95 e. .
Tranca de cabello para annel
500 e.......
Tranca para bracelete* a 105,
155, 205, 25 e.....
405000
505000
505000
325000
105000
15000
Cadetes para relogia a 55, 65,
71,81. 8*% 25 t, ; 181001
Corto di cabello i..... 80
Corte de cabello eom friccJo. 801
Corte de cabeUp com lavagem a
champou...... l#P0t
Corte e cabello com limpez da
cabeca pela machina elctri-
ca, tnica em Pernambnco. I|80t
Frisado ingleza ou i franceaa. BOt
305000 Barba. ,...... 26.
CHAPEOS PARA MENINOS A 25000
3 \\i metros,
e' uende-'se 15000 e 1580 e 1600; assim
como tambe u no mpsmo esbbelleclofeuto
O PavSo -vende um a grande por^o dos se vende bonitas saias brancas bordadas ten-
mais bonit >s cnaposinbos d^ pallia da ita- do 4 palmos cada urna, ditas de la d
lia propnos para meninos de todas as Ma- cores j prt.mptas urnas com barras dife-
des, seo Jo chapeos que valem 5# 0 > e ven- rentes, da me^mi fazenda 45^ e outras
dem-se a 23000 cada um, muito b3rato. com barias bordadas 65003 e 75000,
____ iludo isto moderno e barato.
CHITAS E RISCADINHOS MIUDINHOS A a>
200 RS. ALGODO ENFESTADO PARA LENCES.
O Dav5o ven d* chitas ou ricadinhos miu-j yjo Bazar do PavaO vend-se o melhor al-
dinhos cor de rosa e rsinhos, proprios godomho amricano e' Testada para len-
p?ra vestidos e roupas de crean?.s a 200 c^, tend liso e entrangado por prego
muito barato.
rs. o ci vado, sao muro barato*.
LAA^ISHAS COM PALMAS E SEDA
Cbe'on para o P-va o mais bello sorti ,
m uto das mais brilb*ntes laasinhas claras
com bonitas palmiobas, de seda; ten lo lar-
gura de chita france'a e veade-se a 150UO
o covado grande pecbincha.
ALPACAS HATISADAS A Mi) RS. 0 COVADO.
Wndem se as mais m derna e bonitas
alpacas matsadas com palmiohs, muito
proprias para vestidos de senbora e d) me-
ninas pe'ui barado prego de 640 rs. o cova-
do ; sao muito em conta.
PARA NOIVADOS CORTINADOS, COLCHAS.
Cheou para o Bazar do Pov3o um gran-
de sortimento dos mais bonitos entinados
bordados, proprios para camas e jaoellas,
qoe se vendem de 105 00 al 205 > 0 o
par, aseio como o melbnr damasco cem 8
palmo de largura a imitagao de (.'amaso
de seda, proprias para colchas, e propia-
mente colchas de damasco, send os melbo-
res e mais bonitas que tem vindo ao mer-
cado.
SEDAS PE LISTRAS.
No Bazar do Pavao vende-se urna grande
qnaniita e das mais elegantes sedas com
listriohas, tendo de tolas as cores e at
furta-rr ; fazenda que ninguem vende por
menos de 23400, e hquida-se a 25000 cada
co'aao; s3o maito baratas.
SE INSDE CORES E GROSDENAPLES.
No Bazar di Pav3o vende-se um sortimen-
to completo dos meloi re* setins e grosde-
napies de todas as cores, que se vendem
muito em conta.
.LANSJNHA A 3*0
No Bazar do Pavio veade-se um elegante
sortimento das mais bonitas iasinhas imi-
taiSo de poupelinas, com listas de seda miu-
dinbas e de urna s cor 320 rs. cada cova-
do.

POUPELINAS DE LA A 400 RS. 0 CO-
VADO
N > Bazar do Pavio vende-se um elegan.
fe sortimento das ma de la com Iista> miadinnas, sendo todas
qoasi de orna s c6r, 400 rs. o covado ;
a baratsimo.
GRANDE PECHINCHA, GORGURES
DLA.
Para vestidos a 400 rs.
No Bazar do Pavo fez-se urna grande com-
pra de laziiihas muito modernas de urna s pradasem Ieii3i, que snmpre se ven leu a
cor que pela sua bi qualidade se Ibe deu 55000 o covaloe pode liquidar a 35600,
o ttu:o de gorgurio de la, seodo fazenda por er urna excedente comura,
ESPARTILHO.
No Bazar do Pav3o recebeu-se um elegan-
te sort ment'> dos maU mod'rnos e melho-
res espirtilhos. que te vendem por prego
moiio em conta.
PANNOS E CROCHJ PARA CADEIRAS
O Bazar dQ Pavao recebeu um grande
soniaiiHto dos me'bores pannos de croch,
proprios para cadeiras de balaoco sofs,
piani.s, tmboretes e at proprios para cu-
brir aimi fulas e pratos; vendeodo-se por
menos do que em qualquer parte.
MERINOS PARA VESTIDOS A 15000
Chegou para o Baar do PavSo nm ele-
gante 'ortmemo de merinos, muito leves
de urna s cor e cm as mm lindas cores,
prnprius para ve>tldos enupasdo meninos,
cipinas bourns etc., e vndese pelo
bar to prego oe 15000o c vado; bonita
fazenda
Laasinhas traiirparentes a 500 rs. o corado
O 'a*o rectbeu um'bouito sortimento
das mais elegantes laasinhas transparentes
proprias para ve>tidos, que vende a 500 rs.
o covado; mnito barato.
PARA LENC0E3
No Bazar do Pavo vende-se su )erior
bramante d'algodS i com 10 palmos de lar-
gura a 1580oo metro, dito de Imho com a
mesma largura a 25800 cada metro, pannos
ds Imbodo p rtocom i t/2 palmos de largura
de 720 al 15 a vara. as>im como mg ande
sortimeoio de Himburgo ou creguella* le
todi s os nu ner.js, preg s ou qualidades,
que se vendem mais barato do qoe ern ou-
tra qnalqner parte; aproveitem-
ATOALHADOS
No Razar do Pavao ve^de-se superior
atoalhadb trangado, com 8 palmos de largu-
ra a 15600 o metro, dito oe. lioho adamas-
cado o uielhor que tem vind > ao mercado a
35500 o metro ; tudo isto mnito barato.
Bales reguladores a 450<)0 45*00 e 55000
Cot-garam ao B-zar d feitos baf-'S reguladores, endo de fu-lSv
a 45000. ditos de muselina a 45500, di-
tos de !5asioba de todas as cores a 55Q0O,
todos elles sao muito baratos.
Panao preta muito barato a 35600
O Bazar d i Pavo rtcebeu urna grande
porcao oe pegas de panno preto fino, com-
ino to larga e veede-se a 400 rs/o &>vado,
fazfnda ^ne s vend3 sempre a 150OJ,
grande pe'bini'ha.
Lisa arta cires a 400 rs.
No Bazar -o Pav3i vende se um elegente
LSasinbas cura msela a 501 rs. o corad)
No Baiar 1o Pava> vente-se urna grande
poigo de finissimas laasinhas de orna s
cor com msela, que parece mescada de
seda, e tita* muito bornta* com istr. s, ten--
sort'menti de llasiohas de ftirta cores que do ;aasia largura de cbia franceza, e li-
nm igualmente as sedas e vendem-ss quid tn-se a 500 rs. o covado, fazenda que
a 40t vado, fazeoda qoe vale modo se npre se vendeu a 15000 e 15200, grande
mais dmheiro. i pechmcba a 500 rs. *
muito gesto a
35600 o covado; aproveitem.
TAPETES
Chegou para o Bazar do Pavao o mais
legante sortiment de tapetes grandes, pa-
ra Sufs, com 4 cadei.rs-, ditos mais peque-
nos, .para duas carteiras, ditos para
pianos, camas, portas ; et\ vende-se por
meos do que. em outra qialjuer parte.
COLCHAS BKANCASA 352K),S550E 75
Para o Bazar do Pavo chegou um gran-
de sortimento das melares colchas do fus
to, s ndo uas melhores e mais e corpada-
que tem vindo, 7w0 ditas um pouco
mais abaizo a 35fi0', e ditas a 35000;
umbem no mesmo establecimento se ven-
de um grande soitiment < di cretmes e cbi-
t s, proprias para colchas, que se vendem
muit em 'Onta.
GORGUItOS O POUPELINAS DE SEDA
A 5O0O CADA COVADO.
Cheg u para o Bazar do Pavo um ele-
gante sortimento das verdadeiras poopelinas
e linbo e seda, com os mais modernos
gostos, que se ven lem a 250j0 cada covado,
o que em outra q alquer parte nao se ven-
de por menos de 25500, previne-te que nao
sao algodo e seda, tomo ha muitus; n^
sim puro li ho e seda ; sao muito baratas.
ROUPAS PARA HOMENS
No accreditado Ba:ar do Pavo encootra
r o respeitavel publico um grande sorti-
mento de roupas para bomens tadlo bran-
cas como de cores, a saber :
Camisas con: peitos d'algodao e delinho,
para todos os precos e qua'idades.
Ceroulas de linbo e algodo.
Meias curtas francezas e inglezas.
Palitos sobrecasacos de panno preto e
casemira.
Caigas de brim branco e de cores
Ditas de casemiras pretas e de cores, com
colletes iguaes
De todas estas roupas ba para todos os
Drcgos e qualiaades, e tem de mais mais
um perito

ALFAIATE
Por quem se manda fazer com prestesa
e aceio qualquer peg< de obra a capricho
ou go^to do freguez, tandon'este importan-
te estabelecimento tidas as qualidides de
panno fino, as melbores e mais moder-
nas casemiras, assim como os melbores brins,
qur brancos, qnr de cor; e qnanio qual-
quer obra nao fiear ioteirameote ao goslo
dos fregnezes i.a por conta do estabeleci-
mento.
CHALES DE MERINO
Chegou para o Bazar do Pavo nm elegan-
te' soltimenti de cuales de merino de cores
muito bons com padres muito decentes
para qualquer urna senbora usar, ditcs de
crpGQ com lisias de seda o mais fino e
moderno que tem vindo ao mercado, e ven-
de-se por prego muito em conta.
BABAD1.NHS
No Bazar do Pa\3o vende-se om grande
sortimento dos man Anos babadinhos borda-
dos tapados e transparentes, assim como
i urna grande porgo de entr.meios largos e
etreitos, que para acabar ?e vende mnito
em conta e mais barato do que em ostra
qualquer parte.
FAZENDAS PARA LUTO
No Bazar do Pa\3o vende-se constante-
mente o me'hor sortimento de fazendas
pretas para luto, como sejam :
L3asinbas retas lisas.
Cassas pretas de la.
Cassas pretas, francezas e inglezas, lisas
e com salpico?.
Chitas pretas de todas as qualidades.
Alpacas pretas lisas.
Ditas lavradas com branco.
Merinos, cantos, bombazinas, qoe 89
veodem maisbarti do que em outra qual-
quer parte*.
CHITAS PRETAS A 200 RS. O COVADO
No Bazar .do Pavo vende-se chitas pre-
tas ioelezas com sal picos 200 rs. ocovado,
ditas todas pretas, por esNrem om pqoeo
russas, 12) o covado; pecbincha.
O* propnetarios d este importante esta-
be!ecimento rogam ao respeitavel publico e
particularmente Exmas. familias o favor
de se darem sempre ao trabalho do lerem
us seus annuncios, pela razio de muitos
d'elles serem mudados amiciadas vezes.
CACHE-NEZ A 65000.
No Bazar do Ja grandes cachi-nez de pura la, pelo bara-
to prego de 65006 caoa
A Nova speranca
St-Raa Duque de Cavia81
Quaado a NOVA-ESPERANCA faz os seus
anuncios xpotfflo aos seus freguezes e a
todos em geral o grande sortimento e su-
perioridad de seus objectos nao com vis-
tas de atrair a attongSo de urna grande fre-
guezia, como a de que actualmente despoe,
e sim para scienlifiear (a interese, de todos)
a qualidade de seus objectos 03 qoaes. sao
sempre de apurado gosto e perfeko; tor-
uaado-se quasi indispensavfl pai a aquellos
apreciadores (dobom) freqoenlarem a No-
va Esperanga, pois o/ie ella caprieba em re
ceber constantemente, o que ha de melhor
relativamente a sua repartigo: o que se po-
der verificar quaodo em qualquer reunio
de pessoas (amantes do xique ) v-se um
bonito eneite em um bouUo vestido, um
aroma agFadavel escapar d'um alvo lengo,
um moderno e linde lago, um dilicado ra-
mo de finas flores, ele, etc, todos olbam-se
reciprocamente e dizem com sigo (e as ve-,
zes UB9 aos outros) estes sao objectos
comprados a NOVA-ESPERANCA: realmen-
te 11!! procurar descrever em annuncios os
arligos que contem dita loja, seria trabalho
insano e nunca o fariaraos com aquella
graga e perfeigo com que sao elles fabrica-
dos, assim pois a NOVA-ESPERANQA con-
tenta se em convidar a todos geralmeote,
visitarem-na para ento Acarara intei-
rados do que ha exposto ua mesma loja.
81-Rna Duque le Casias9t
La para bordar a
5^500 a libra
O Cysne, ra da lmperatriz n. 61, acaba de
recebe'- grande e variido sortimento de laa, a qual
vende pelo baratissimo prefo de, 53500 a libra,
cores sortidas.
ASSIGNATURAS MENSAES
Especialidade de penteados para casamento ,
Bailes e solrM b
O dono de estabelecimento previne as j Recommenda-s a superior TINTURA JA
Simas. Sras. e aos cavalheiros que ha nm PONBZA para enegrecer os cabellos e*M
olo para tintara dos cabellos e barba, as-
nm como om empregado smente occopa-
lo nesse servico.
ba, nica admittida na Exposigo Universal
como nao prejudicial sade, por sertot
latil, analysada e approvada pelas afctde*
mias de sciencias de PARS E
GRANDE
ESCOLA PHARMACEUTICA DE PARS
Medalha de Prata 1860
UOUEUB
DEQ0ljDRONcn^^
GUYOT
EXTRACTO DE ALCATRAO.
nico medicamento approvado por lodos os
Hospiues de Franca, Belpica e Es|nha como a
melhor prparacao inttantane* e regulada em
dotes da AGUA DE AI.C VI'IIAO.
(Dua* eolherada* grandes de liquido por cada
litro de a;ua, ou urna eolherada pequea por
cada copo grande.)
O luodhlr.Mior mala enerefe* da mo-
coaaa alo eioniago, dos Uro-hlo e da
bexlea.
Exigir a firma do inrenlor. /? t
"Deposito Gomal ^-*}~f
Rae desFriBos-Birgeais, 17 =^T^*
Em PARS. -^?"
Deposito : no Kio de Janeiro, Dnpanchclle; na
Baha, Sil Lopf{ na l'ernambuco, P. llaurer
n C ni Muranhi, Ferreira el O,
JAROPE
DEpuRATiyO
IMEMBRO da AGliDEMpeMEDICINaI
Preparado por desuuIiers.ph.
Suc* DE BOUTIGNY-DUHAMEL
51 Ra- de Clpy Papis
Quando a AGUIA BRRNCA, mais precisa, scienlifiear ao respeitavel publico em
geral, e em particular a sua boa freguezia, da imnjensidade de objectos que ltimamen-
te tem xecebido, justamente'qaando ella menos o pode fazer o porque essa falta invo-
luntaria ella confia e espera na benevolencia de todos que Ih'a attendero e relevaro.
continuando portanto a dirigirem-se a bem conhecida leja da AGUIA BRANCA roa d
Queimado n. 8, onde sempre acharo abundancia em sortimento de soperioridade em
qualidades, modicidade em pregos e o seu nunca desmeottido AGRADO E SINGERIDADE.
Do que cima fica dito se conhece que o tempo de que a AGUIA BRANGA.pde
dispr, empregado apezar de seus cusios no desempenho de bem servir a aquellos qae a
honram procurando prover-se em dita loja do que necessitam, entretanto sem enanme-
rar os objectos que por sua natureza sao mais conbecidos ali, ella resumidamente indi-
car aquelles cuja importancia, elegancia e novidade os tornam recommendaveis, como
bem seja
Corpinbos de cambraia, primorosamente
enfeitados com fitas de setim e obras essas
cuja novidade de molde e perfeigo de ador-
nos os tornam apreciados.
Fitas mni largas de diversas cores e qua-
lidades para cintos.
Leques uesse objecto muito se poderia
dizer querendo descreve-los minuciosamente
por soas qualidades, coree e desenbos, tal
o grande e variado sortimento que acaba
de chegar, mas para nao massar o pretn-
deme se lhe apresentar o que poder de
melhor.
Entremeios em pegas de 12 tiras.
Guipure branco e preto de diversas qua-
lidades e desenbos.
Ditos de algodo com flores e lisos.
Veos de seda para chapelinas e monta-
ra.
Meias de seda para noivas.
Ditas abertas de fio de Escossia.
Go'stumes ou uniformes para meninos.
Enxovaes completos para baptisados.
O Xarope depurativo iodurado do Dou-
tor Gibert oflerece, no seu emprego, um
resultado bom, cuito e constante na cura
das moij/ens, escrofuliisy molestiasdapelU,
vicio ao sangue, obstr ucevex it/mphaticaj,
molestias contagiosas {syphiltticas), leves
u inveteradas, ede todos os accidentes que
d'ellas dependem.
A receita deste Xarope foi approvada
pela Academia imperial de Medicina de
Paris.
Deposito as principaes pharmacias do
Brasil.
em Pernambuco: Maubeb e C"; Joaqih
Mabtinho da Cruz Correia ; Joao da Con-
ceicao Bravo e Cu; Augusto Caors ;
Bartholomeo e G"; Alexandbe Ribeiro;
Abreu Ribbiro ; Joo da S* Faria eliufio.
Para casamentos
Augoslo Porto, rui Duque de Caxias (outr'ora
ra do Queimado) n. 11, recebeu um bello sorti-
mento de vestidos de Wond com manta e capella
para noivas, trazendo um rico vestido de setim
branco para sombra, o que tem vindo de. melhor,
cortes superiores de seda de cores, poupelinas as
mais Anas, gazes de Pars de nadas cores, eolias
de seda, frouha< bordadas, cortinados bordados,
lavas de pellica e muitas fazendas de gosto qae
vende mais barato que em oulro qualquer parle.
Tem sempre sortimento das melbores e mais
baratas
Esleirs americanas paro forrar
sa as.
Capellas brancas para meninas.
Grandes sortimento de flores finas.
Fil de seda, preto.
PERFUMARA
Grande e constante sortimento de dita,
sempre melbor quajidade.
Lindos vasos com p de arroz e ptasel,
Gaixinbas com ditos aromticos.
Bonitos e modernos pentes douwdos
para circular o coque.
Bonitos brincos de plaquee.
Aderegos e brincos de madreperolr.
Caivetes fios para abrir latas.
Tbesouras para frisar babadinhos.
Aspas para balo.
Novos stereoscopos com 48 vista, as
quaes sao movidas por um machinjsmo
urnas substituem as outras.
Vistas para stereoscopos.
Bonitas caixinhas de vidro enfeitados com
pedras.
Ditas de raadeira envernisada com vispo-
ras e com dminos,
Bollas de borracha para brinquedo de
Touquinhas de fil, sapatinhos bordados cnangas
e meis para ditos.
Camisiohas bordadas para ditos.
Diversos objectos de porcelana, proprioa
para enfeites de mesa e de lapinbas.
B^M$MMHi ilHlilIliliIP
co
%
i
o
n=5
03
P3
II COLLAR i DIO
\..HRLH0C4Bl(iiN..1A.
AMTIIOi milis
e
p-..
o
i
9
0
CO
Com este titulo acba-se aberto e inteiramente transformado este antigo
estabelecimento de joias, onde os freguezes e amigos encontraro tudo quanto
a moda e o bom gosto tem inventado na arte de ourvesaria, o Collar de uro
observar delicadeza no trato e senciridade e modecidade nos precos.
Espera que o respeitavel publico venba ver o que existe de melhor em
aderogos de brilbantes, esmeraldas, robins e perolas, meios aderegos, pul-
ceiras, brincos, alfinetes e anneis de todas as qualidades, prata de lei aquei-"
ros, colneres, palileiros salvas e outros muitos objectos que seria enfadonho
mencionar.
S Compra-se ouro, prata, brilbantes e pedras finas, pormaior prego do
que em outra qualquer parte, troca-se e concerta-se todo e qualquer objecto
H pertencente a esta arte.
smmHMMHM mmmmwammmwmmmm
BRAMO E KS^HU)
r)p:irceiailoo Oleo de fgMO ;e Bncnll'i,
* m de a esi. prrriwprepara-
1 um chrir" E aajkor yraiiaTeia
,|iiu ni'iiliuiii;i ilesuasviiiudcsliciiain.
I';: mi arta drsroliem. qnegranpeoa a
su aun- urna M*da'lia de honra, TulRarisaa
uso do Oleo de ligad deBacalhao desinfectado.
O medir*o receitam preferivr'manir'a todo
os outros. em todas as molestias onde se em-
presa o Oleo o> rtgado de liaculho.
Ver por mais pormenores os felatorio medi-
aes que conten a noticia que accom|.auua cada
frasco. __
M'fttrmtft't MKVI*fF: W. I
lONR
niIRriilMu DE ClIEfRirR
O Seulior Cknrier completou a tua de*i
bena atuntan-do a iodura de ferro ao Or
Bielli::o (i'sinfe. lado Kste Oleo de V\fl
Bacalht. ci i'Ugiueo tem toda as propneiUf
do oleo e do ferro, digre-se fne.ilmente e nunc?
leLTel
I
eausa pnsao de ventee. Portaalo i \>r
s ma.s preparacoes fernigineaslPilulasou Xa-
rope'. eonvm em todas as doencas onde se
etnptega o ferro. Tsica pulmonar, broncBites,
-nio. escrfula?, impigena. gota, rbeu-
mati-mo chronico. calarrhos antigos. dyspepr .j
aias. conralescencia difficeis e fraqueiai.de
constHuiela.
. ru ttt Fauf/ Wmntmmrtftf
^^"''."n.'rma'e-aVr^s.,, VHHt a ELIXIR d COCA. *
0 TAF.PF.TAvnLHFAKlOen...AHMlCA para curyas ,',ags, leridas. MM"^"
O OKAKOLOS 0 Bazar do Pavita sito a ra da tmperat iz n. 60, esta' constantemente aberto
das 6 horas da manb&a as 9 d noute
Farinha de milho. ^^
Ha para vender farinha de milho branca,
amarella e fub de superior qualidade em
saccas recentemenle chegada de Porto Ale-
gre : tratar na roa da Craz n. 3, escrip
torio d'Amorim Irmos de C.
Oleo de lnhaqa
Vende-se em casa de Mills Latham 4 C, ra da
Cruz n. 38.
Vende-swum rico piAno transpositor, quasi
novo, da fabrica de A. Blondel] A. J. Vigne,
na roa do Imperador n. 05,1' andar
itasio, i a
l'truumhuco, 1'. M
Y" JrfK Hkm.o. /'-"-'
--."^rwiKaJi|*wn>
.'.. ./,"->,, Don n :iieu.eel C". tiahia, MoiEin* 1bm*ocd$' B
Autii el C". lartmhio, KtiiHtnu el &. PW
RW I.EIV.4S.
ROB LAFFECTEUR
Approvado em Francli, Russia, Auslria e Relgica. 0 arrobe vegelal Lnflecteur sa mtti
rizado, he mui superior aos xaropes de ruisinier, de Larrey e de salseparnlba.
digestao, adagraved ao paladar, e ao altato, elle cura radicalmente teaai mrrrurlt
afleooes da pelle, ianpiccns. I por cu, tumorc. iilrei;tiH, miii-hm a'(sr-
nernda. -Mcorlsnlo. e os accidentes provendos do? partos, da idale critica, e a
monia hereditaria dos humores.
O anvbe h? especialmente recommendada contra as doencas sjphthcas recent>
radas ou rebeldes ao mercurio e ao ioduro de potassio.
Deposito geral do verdudeiro R(B LAFFIXTEUR, tm casa do doutor G
SAINT-GERVAJS, ra Richer, 2, i Paris.


Diario de JtaautikibjaCD Sabhado 20 de Agosto de 1870.
tio ramiL rauco
Loareoco Pereina Memles Guimaraes, conunercianle desta praca acaba de conctoir
Us Q&ttu*. negocios wmcntirciae o da ovo abro os.aeus estaelecimenis de fazendas
tos roa laiperatriz, cota a. denotakacoes 4e Garibaldi e Arara, e teodo resoi-
'jde liquidar tudas as suas faaendas con grande abatimento de precos, por sao con-
vida .ao respeitavel publica e a seos rtilos e freguezes, tanto da praca como do mallo,
para Ihes lembrar de nova u fien eubuleeimonto, e que todas as fazeoda esto
' Paaai.las na luja e armazem da Arara na ra da Imperntru n. 72. e que resolveu-se
"dar a anuaco da luja Garibaidi, para car smeote com a da Arara, como cima
lea dito.
Novo stibsleeimento
Attengao.
Vende-se chitas frncezas a 240, 280, 320
'300-o covado na loja do Arara.
ORGANDYS DE LISTA DE CORES.
Vende-se urgandys para vestidos de sa-
onoras, fazenda muilo modernas a 410 r.
ocovado.
Brllhaatina 011 aiisvsuliaa de cor
Vende-se brilhantina ou mussulina de
cor para vestidas a 440 o covade.
RIFADOS FRACEZES A 300.
Vende-se riscados fraucezes para vestidos
* '-00 rs. o covado.
Chitas larga a 3SO.
Vende-se chitas escuras finas das largas
ara vestjdos de seuboras, a 320 o covado.
Ditas matisadas oscuras a 280 o covado,
ALPAGAS LISAS A 500.
Vende-se alpacas lisas para vestidos de
enfloras a 500 e 640 rs. u covado.
LiAZINHAS TRA* SPARENTES A 560 RS. i
Vende-se lisinhas transparentes, para!
CHALES BRANCOS DE CASSA A I .$000
CADA UM.
COBERTAS CHINEZAS DE CHITA A 2*000.
Vende-se urna grande porcSo de eober-
tas de caitas cbinezas para cama peto barato
presso de 2*000 cada urna.
Vende ve na loja do Arara 3 balcoes para
qyilquer estabeiecjmento por barato presso
por uose precisar d'elles no estabekci-
mento.
RETALHOSDE CHITAS PRETAS E CASSAS
A 120 O COVADO.
Vende-se urna grande porc"o de reta-
llios de chitas e cassas' pretas a 120 rs. o
covado para liquidar.
COBERTORES DE ALGODAO A 1*400'
Vende-se cobertores de algodo cada um
(AMO.
BRAMANTE DE LINHO FINO A BARATO
PRESSO/
Algodo randado de duas lar-
saras 14'iOO
Vende-se algodo transado de duas lar-
UE FIK4IAS E
Rua da Iinpera'.riz n. 40, squiua do be co
FEITAS
tros Ferreiros.
vestidos a 500 rs., ditas tapadas a 400 rs. guras a 1,5200.
o covado para liquidar. MADAPOLO ENFESTADO A 3>00.
ALPACAS DE LISTAS A 500 BS. Vndese pecas de madapoln de 12 jar-
Vende-sealpcas de listas para vestidos'das a 3500 a pica.
? .100 rs o cavado. ALGODO A 4*000.
BRILHANTINA BRANCA A 500 BS. Vende se pee s de algodo encorpado a
Vende-se brilhantina branca pira vestidos' 4. 5$, 65 e 7>O00 a peca.
"OO rs, o cavado. Hadapolo a 3*000.
ALPACAS MtTISADAS A 640. Vende-se- pecas de madapotto de 24 jar-
Veada-se alpacas malisadas para vestidos das a 5# 6f> e 6^500, dito muito fino a 7$,
de senhora a 040 rs. o covado. 8$ 93 e 103 a pega para liquid r.
CORTINADOS PARA JANELLAS A OOOO. \ ALGODAO DE 8 PALMOS DE LARGO.
HHIMJV llMUItt
O novo propietario deste eslabelectraento, commamVa ao respeitavel publico
dta cidade, e especialmente s Exma*. familias, que est liquidando por precos bara-
tsimos, as antipas f;ends que existan nesto e|abelecrn)ento, alm das qoe abaixo
3o relacionadas, cojos precos tnerecera toda a atlticto do respeilavel publico, que nao
rix.i.i de com pequ na quaqtia refazer-so de qualquer qnalidade do fazenda que pre-
cise. Preune-se tamheifi que a mesma loja lem Mo soitimerito de zendas moder-
nas e continua a snrtir-se das do mais apurado e escolhido gosto, que vender mais
barato que qualquor ontrli toja.
A LOJA DO PAPAiAU) alm de ternm gratule deposito de mupas fitas, tcm
um bonito soriimenio de casemini* fraficezas. ingieras .: allemas dos padrOes mais no-
do; nos, e asim coma pannos pretos, casemiras e panno fino cor ae pinteo, azul claro
e mais escoro, bruta bramas e de cts, fusloos bran.'os, e ilu cres, gangas de linho
e bi'iii- pardos de indas as qualMades.
A LOJA DO l'A^AG\10 tem contratado nra opiimo mestre alfaiate perito'no
sen oficio para execniar qualqaer ot>ra da arle com a maior perfeir;3o e esmero, e qunl
qner ubra Biw nao fique a vontade dos freguezes, ficar r>ara a loja, e manda-se
fazer ou ra.
Ato.illiado de linho fino, a 3# o metro, E*goi5o dellnho de 16000 a 33 a vara,
e le sigodo a 23. Chdcs de merino pretos muito randes
Ali/odrc-iinlio ki;go, pira lem.'es e toa- a .'t3.
ihas a W00. Dito dito?, estampados de 4,500 para
Alpacas-pn'la.e, de' cores, lisas, de furta cima,
cores, e di listras. Fil da linho braceo e preto liso, e de
Bsnvu's colO iistrinIiES de differentes co- salpico,
res a 32ii rs. o wvado. Giavatas de seda pretas e de cores, da
Bolri sdi tapete aveiudadas. para viagera, mais medemas que tem vlndo ao mercado.
o piY'M e cotrfbfnte o lainanho.
Romhasioas pretos. lisas, e trancadas.
Bramantes de linho, fiancez e inglez a
23500'
BalBeS de mnssufioa, bra.co$ rnm ils.
Guardanapos de linho brancos e pardos.
Grosrlenaple preto de difTorenics pr pos.
LSasobas em cortes com palmas com 14
covado porf>5.
Ditas lizas e del'tStS transparentes e !a-
Vende-se cortinados para janellas a 03000
o par para 1 quid-r.
SEDAS DE CORES 15000.
Vende-se sedas para vestidos a 1 jOOO o
^vado.
GOWINADOS PARA GAMA 143000.
Vende-se cortinados para cama a 143000.
SOLMNHAS PARA SENHORA 100.
Vende-se urna grande porco de goHinhas
para senhuras e meninas, a 100 e 200 rs.
cada urna par* liquidar.
CHITAS PARA COBERTAS !120.
Vende-se chitas largas oara coberta a
320 e 360 rs, o cotado.
MANGUITOS E GOLLAS A 500.
Vende-se manguitos e gollinhas para se-
ofcora a 500 is. ditas d-. linho a 640 e 800
t; cada urna.
CHALES ESTAMPADOS A 23000.
Vende se chales de merino estampados a
23000 para liquid. r.
CAMBRAIAS VICTORIAS 03000.
Vendf-se, cambraias Victorias finas a
-3UO0 63500 e 73000, peu' ser liqnidaco.
^iLPACAS COM PALMAS DE SEDA A 15000.
Vende-se alpacas om patinas de seda para
"estidos de senhora a 1*000 o covado.
ORESDE CHITAS DE CORES A 23400.
Vende-se cortes de chitas de cores com
su ..-ovados a 2/5500. I
Vende-se algodo com oito palmos de
largura proprio para lences e toalhas a 900
rs, o metro.
ALGODAO DE LISTA A 160 RS. O COVADO.
Vende-se algodo de lista proprios para
saias ou vestidos para escravas ou calcas e
carnizas para escravos por ser mito forte a
100 rs, o covado para liquidar.
Cortes de castor para calca a
roo rs.
Vende se coi tes de castor para calca a
500 rs cada om.
CORTES DE BRIM PARA CALCA A 13400.
Vende-se cortes de brim de cor para
calca a 13400 cada um.
Brim p jrdo liso a .0O rs.
Vende-se brim pardo liso, meio linho para
calcas para trabalho a 500 rs, o metro.
Gaugas para calca a 980 rs.
Vende-se gaDgas inglesas para calcas e
patilots a 280 r*. o covado para liquidar.
CORTES DE CASEMIRA DE COR A 33500.
Vende-se cortes de casemira de cor para
calca a 33500 cada um.
Ditos mui o finos rom listas do lado a :>>.
PERCALAS FIN\S A bf.
Vende-se percalas finas, para vestidos de
senhoras a 440 rs. o covedo.
Cassas fi-a cezas a 840.
Vende-se cassas francezas para vestidos
a 240 rs. o covado.
NOVIMDES
DO
TRIUMPHO
7 Rua doQueimado 7
DE
SIOBEIBA k BASTOS
E' chegado a este novo estabelecimento o mais bello sortimenlo de 'azendas
toas, sendo sua especialidade enxovaps para noivado.
Vesti ios de bl ini de,seda ricamente bordados.
Gorguro de seda branco para vestido.
Col'has de seda pura, para cama com ricos deseuhos.
Ditas de la e seda, id m idem.
Ditas de crox, idem idem.
Cortinados tietm nte bordados para camae janellas.
Croxs p ra cadeiras e sofs.
Vestidos de carobraia branca bordados.
Popelines de Hndos gostos. .
Las de diversas qualid des, lindos gostos e modernas.
Ricos b ii'nus para passeio, com listras de setim.
Sahidas de baile o que ha de mais rico.
Cretones para vestidos com lind-is desenbos.
Carnizas bordadas e sem bordados, para senhoras.
Camisas bordadas muito linas para homens.
i D tas inglezas para homens e menino?.
Seroulas de linho, e um grande sortimenlo de roopas ieitas e de fazendas que
i eafadonho mencionar.
Luvas fffseas de Jouvin
Sortimento de tapetes para guarnicoes de salas, leatifas para forro de sala, e o
prande &ortimento das acreditaos e veradeiras
Esteiras da India
e oulros lodos de panno cnin 0 feilio dos padas de difT-ientc- pre^ns.
de fitas, para senhaias e meninas.
Basquinas de groM'i'napIPs preto roo-
lernas e de cr."h ini.iio enf.iadas.
Bretanhas de linho. c de tfpoa.
B ins,de linho ;ran,dos brancos e du
cores.
idadapolo inplcz de 53 at 103 a prn.
Lencos de algodao, brancos ie 23 a i)3
a duzia.
Ditos decambr.'.ia de Huho de 63 a I23s
Ditns de ^guiSo de 03 a8*.
MusMilinas btsncas e de cores a 500 rs.
Brins de algddo tranc.nlos brancos e de o covad
cores. Gorgures de 13a coa listras, fazenda ln-
Cnnibraia> bmneas lapadas e ranspa- t ramele nova no mercado a 800 r<. o
rentes, sendo oglezas e suissas de 8 pal- covado.
mos ile higu/a' i Merinos (reto, (raneado e de cordo.
Camisas de meia. de flaneila, branca, e j P'-it^s bordados n lisos, tant fle linho
de algodo. m .como-de algi.i'.o para camisas de homem.
Camisiif as brancas du ca'id'.-i a com di-; t'rincetas pretas de diflerente; pregus.
licadus brdalos, e enfcl!adid de cor paraj Cambraia branc tapada muilo larga com
Sras. pregas e bordado, harte tres qnalidades
Camhraias de cores i 400, rs. o metro c ',roI,ria 0a" :tias (,e Sras" l,!e ba'
a 8UU rs. a vara.
Camisas r^Y/as, e lrancey.es de linho. e
de tlgodit ae juegas, lisas e bordadas.
Char.os de. sol de seda, merino e almar-
ca de dtfie.reiiles nires, e muito baratos.
Cintas para Ve-ndos, fiancezas, de 240,
at too rs.
lavradas para vestido a
rato.
Sedas pretas
i) o covado.
Sargera francez e inglez de toda ao co-
res.
Toalhas dn aJgdtfSo e de linho de dif-
! erentes qir.|idades e tamanhos.
CiuUs para cuidas de 326 at G40 rs. | Punhos de linl, Para llmem muit0 fi'
Cort!i.;(lus de candida, e -tie fil borda- D^;
dos pura camas e jnelas de 103 I 'ara cima.
Col.has.de fu>to b;:ncas a 33500.
Ditas de cores a iSNiO.
Cularinlios.do liiibos.mclezes, ealemes.
lisos honiaOo'.
Damaso tfe>Uh WTriado, a zule ama-
pello, i'Si-nmlia prta.
EipnAitfBiS de d:lerenks procos.
Meias ing'czas para Sras..e para meninos
eparahomens.de d-ITerentes qu.^idades
e de todos es tamarhos.
Para qufm comprar peca ou duzia de
qualquer fazenda stu prego o cusi ; para
diminuir o rct-ibo.
D-rn-se as ?mo>tras de qualquer fazenda.
A loja do Papaaio achare aberta todos
os dias. al s 9 horas da noule.
Francixc Teixetra Mondes
CASA CAUVIN a

m iiiwMS a
m ni tira i j.
rame de ierro galvamaado era rede para cercas, gaiola*, gallhhiros c
Chapas de ferro galvanizado para cubrir casas.
Tacto de ferro estanhaio para engenta.
Sofres ei ferro de Milner e oulros autores.
Chumbo em cano.
Dito em len?ol.
Dito em barras.
Diio em enxalas.
Extanho em barra e vergoiaba. i
v Tolha de Flaodivs.
Arados americanos para ladeira e vanea.
Carrinhos de mao.
Veneziana^ para Janelas.
Machinan de descargar algodo de facao. N
Ditas de serra.
Dita para enriar furoo.
D nMkinas de algo la.
Caleiras de torro.
Cainai de f rro,
Prensas para copiar caitas.
Bataneas para pesar. ^
Oteo de fii)hK^m lau de ferro.
Trilliu- do Ierro para eDgeohos.
Sao.
_ lacacos de e.-tirarS
Balinfas pesos decimoes e ostras.
Fimoe Je patente.
Wtopa' tatga e boa qn
Pieareas para aminhos oe ferro.
Vw grande sortimento de forrajea e entilara.
MARINIER,
Boulevaid
NOVAS ESPECIALIDADES A. MARINIER
AiirtieuUdas a Academia de Sfienoia^ c ao Instituto de Frang,
Pbarmaceutico privilegiado
suecessor
Sebastopol, BB PARS.
III iCPPn Sotl orml ie Pastilla, deredid e doeada para
lituHuHU fjser dt momento ama solufcao
Proventiva e caritta du MOLESTIAS CSITAGIOSiS.
RJECTOR PH1LTR0
do TOlerae iie um relogio, senindo de
i H1LTU0 e SERINGA stm os
ptTtt inconrniantei de fragllldade.
ESTOJOS
Com j forma, e de roame de um Porte-Jloodi
COTENDO TODO 7HATAilE.\TO.
COLLYBIO Contra as affeccois das palpebras,
preparado tob a meima forma.
BARTHOLOMEO t C
CASA CAUVIN a!M
Depoeilarios geral para e BRASIL, e PORTK4L
34, rua larga do Bosario. PBIINAMBCO.
Phartnaeontlco privileEindo
euc .oseor a
Iioulevard Sebastopol, 85. PARS.
NOVAS ESPECIALIDADES A. MARINIER
Apresentadas a Academia de Scieneias e ao iuatiUle de Franea.
III ICPPtn Sob forma de Pistilla, deredida e doseada para f> ser de
INuCwAU momento ama solaccao PREVUTIVA I C0RAT1WA du
MOLESTIAS CONTAGIOSAS
BJECTOR-PBILTO
Or*Ts
do volflme de nra relogio, serrindo
de Philtro e Seringa sera os
inconveniente de lragiliaade.
Con a forma, e do volume de om Porte-Hoeda contend
TOBO TIUTAMENTO.
ESTOJOS
COLLYRIO Contra as affeccois das palpebras, preparado sob a mesma forma.
Depositarios geral para o BRASlC e PORTUGAL
34, rua larga do Rosario. PBRNAMBUCO.
BARTHOLOMEOiC
GALLO INTE
Rjsa da Crespo n.
Os pruprieu eido estabelo-
eiraentf, a uiito objectos que tioha
potos 3. aprcciaeio do respeitavel publico, man-
daran) vr e acanarn de receber pelo ultimo vapor
da Europa nm completo e vanado sorbraenu) de
lnase mui delicadas especialidades, ae quaes es-
ao resoh'idos a vender, como de sen ostume,
por precoa muito baratinhos e commodoa para to-
dos, com tanto que o Gallo....
Muilo superiores luvas de pellica, pretas, bran-
cas e de mui lindas cores.
Mui boas a bonitas gollinhas e ponhos para se-
nbora, ueste genero o que ba de mais moderno.
Superiores pentes de tartaruga para coques.
Lindos e riquissimos enfeites para cabecas das
Exmas. scnlioras.
Superii.res trancas preas e de cores com vidri-
Ihos e sem ellos; esta fazeuda o que pode baver
de mellior e mais bonito.
Superiores e bonitos leqnes de madreperola,
niarlim, sndalo e osso, sendo aquelles brancos
com lindas desenhos, o estes pretos.
Mnito superiores meias lio de Escossia para se-
uboras, as quaes sempre se venderam por 30*000
a auzia, entretanto que nos as vendemos por 20,
aiem destas, tratos tambem grande sortimento de
outr.-.s qualidudes, entre as quaes algumas muito
finas.
Boas bengalas de superior canna da India e
casiao do martim com lindas e encantadoras figu-
ras do mesmo, neste genero o jue de melhor s >
pode desojar ; alm destas temos tambem grandi
quantidade de outrasqualidades, como sejam, ma-
aeira, baleia, osso, borracha, etc. etc. etc.
Finos, bonitos e airosos chicotinhos de cadeia e
de oatras qualdades.
Lindas e superiores ligas de seda e borracha
para segurar as meias.
Boas meias de seda para senhora e para meni-
nos de I a i 2 annos de idade.
N.n'jilw cabo de marflm e tartaruga para fazer
barba; sao muilo boas,e de mais a mais sao ga-
rantid.- < pelo fabricante, e nos por nossa vez tam-
bem a.sseguraoi*s sua qualidade e delicadeza.
Lindas e bellas capellas para noiva.
Superiores agulhtis para machina e para crox.
Lraha muito boa de peso, frouxa, para encher
liliyrintho.
Uons barn|bo? de cartas para voltrete, assim
como os teios para o mesmo fim.
Grande e vanado sortimenlo das melhores per-
fumaras e dos melhores e mais conhecidos per-
fumistas.
COLARES DE ROER.
Elctricos magnticos contra as convulsoes, e
anlilan a duntc,ao das innocente criancas. So-
mos desde muilo recebedores destes prodigiosos
coilares, e continuamos a recebe-ios por todos os
vapores, atim do que nunca laltem no mercado,
tomo j tcm acontecido, assim pois poderlo aquel-
les que d;;!es precisarcm, vir ao deposito do gallo
vigilante, aonde sempre encontraro destes verda-
deros colbrcs, e os quaes attendendo-se ao fim
para que u applicados, se venderlo com um mui
dimuuto lucro.
Rogamos, pois, avista dos objectos que deixamos
declarados, aos nossos freguezes e amigos a virem
comprar por precos muito razoaveis loja do gallo
vigilante, rua do Craspo n. 7.
Jl ;iviil luuiyia
ArodoDuqut su 21.
(ABTI( 0 RIMADO)
charui
de muiu
qn
:
MVIU \l BOWNAN
EI6EBBE1R0
Com iundico
RUA DD BRM 52
Pbssando o ch Fa iz.
Chaina a aU-.iigio ilus Sis. de engenuu para feus acretliados niathinismos e
.um espe. ialiii.de para seus vapores que anda tima vez ft-U meluorado.
<)> vapores loruecidos por elle j funconiidu le bao de fazer melhor pre-
cvitfi do que quaJ utr dtopitipno.
Deseca lo avia meneiooar que vista do cambio agora mais favoravel do que
na pocba dos apontaiueulos do anno passado lem leilo urna redaeco sensivtl em todo
seus precos.
mm
r;
A MAO DE
3 cordeiro px'evident
Roa do Ineimado n. l.
Sovo e variado sortimento de perfuman
finas, e ontros objectos.
Alm do compieto sortimento de pern
ataras, de que efectivamente est provida
oja do Cordeiro Previdente, ella acaba
receber irm outro sortimento que se tore
'jotavel pela variedade de objectos, superior
lade, qnalidades e commodidades de pr-
;os; assim, pois, o Cordeiro Previdente pee
3 espera continuar a merecer a apreciar*
io respeitavel publico em geral e de si
loa freguezia em particular, nlo se afa:
vando elle de sua bem conhecida mansidr
a barateza. Em dita loja encontraro i
preciadores do bom:
Agua divina de E. Coudray.
Dita verdadeira de Murray 4 Lamman.
Dita de Cologne ingleza, americana, frj
eza, todas do9 melhores e maisacreditadi
'ubricantes.
Dita de flor de larangeiraa.
Dita dos Alpes, e vilete para toilet.
Ehxir oiiontalgico para conservacao
sseio da bocea.
Cosmetiques de superior qualidado e ch*
*os agradareis.
Copos e latas, maiores e menores, coi
jomada fjna para cabello.
Frascos cora dita japoneza, transparen
i outras qualdades.
Finos extractos inglezes, americanoi
rancezes em frascos simples e enfeitados.
Essencia imperial do fino eagradavel cb
o de violeta.
Outras concentradas e de cheiros igu
nente finas e agradaveis.
Oleo philocome verdadeiro.
Extracto d'oleo de superior qualidac
om escolhidos cheiros, em frascos de difl
. entes tamanhos.
Sabonetes em barras, maiores e menor*
jara mos.
Ditos transparentes, redondos o em fig
ras de meninos.
Ditos muito finos em caixinha para barb
Caixinhas com bonitos sabonetes imitanf
fructas.
Ditas de madeira invernisada contando;
tas perfumaras, muito proprias para pr
entes.
Ditas de papelo igualmente bonitas, ta>
iem de perfumaras finas.
Bonitos vasos de metal coloridos, e 4
acides uovos e elegantes, com p de arr.
i bonca.
Opiata ingleza e franceza para dentes.
Pos de camphora e outras differaai
cualidades tambem para dentes.
Tnico oriental de Kemp.
Aldda mais coques.
Um outro sortimento de coques de n
os e bonitos moldes com filets de vidrilb
alguns d'elles ornados de flores e fiU
:sto todos expostos apreciadlo de qoe
>s pretenda comprar.
GOLLINHAS E PNHOS BORDADOS.
Obras de mnito gosto e perfeicJo.
FlTellas e fitas para ciatos.
Bello e vanado sortimento de taes obj.
tos, ficando a boa escolha ao gosto do coi
prdor.
Milho novo d Fer-
nando
Em sacros arandes a prp^o rnmra d< : no ar-
mazem de Tas,-u Irmos & C, rua do Aaiorini nn-
iero 37
Bonita^ pistf pnm pap matisada
Boss caix;!sv?ia*-para cotura com sua compe-
tente ehnve.
Delicadas caetas de' marflm com o bocal de
Pra,a- .l .... .
Modernos pentes df t;iri:irnt;a, obresalnndo en-
tre elles os mimosos (eieprachistas.
Commodos toucadores com dns gavetas e bs
espclho.
Port b3nquet, o que de melhor tem appare-
eido.
Port rdogios de mnil?s qualidade?.
Bons l.'ilheres psra eri.Mo-as.
Vo.Miiarios, cfiapoxinliov loucas, sapalos e meias
para bplisado.
Toalhns e fieohas de labyriniho.
Chapos eotMpennaspsra >enbora, moldes hotos
e iK'iiiio.
Chapozinhos gorros e bonets para meninos
menln.is.
Cubtra as convulsoes uas
criancas
Vende se os verdadeiros collares na Nova Esp-
ranos, ma d" Duque i!e CnXia* n. 21.
PAKA TING1II CABELLO^
para preto on ewtantn*a r,-.ii,u a Nova Espe-
ranca a verdadeira una ingleza.
para Acabar com as sardas
ou pannos, lem a Nova Esperanza o vtrdadeiro
leile do fwwis iiranca*.
AGUA DE FLI1 DE l.ARANJA.
Vende-se na Nova Esperwga, rua do Duque de
Casias 11. l.
PAPEL PARA ENFIT'tTAR-SE ROLOS
recebeu-os nonio lindos a Nova Ksofranca, rua
do Duque de Caxias n. 21.
PARA AMACIAR E aFUHMSEAR A PELLE
tirn a N'jva Espeanca s sabonetes de pos de
arroz.
Eival sem segundo
RUA DO DUQUE DE CAXiAS H. 49
EsU'U disposta a continuar a vender mdas
as miudezas pelos baratissimos pregos abai-
xo declarados, garantido tudo bom e pre-
cos admirados.
uzias de p t.is seguranca a -..
Duzia de palitos seguranga caixa
grande a................'
Fraseos com oleo baboza muilo lino.
Pacotes com pos de arroz o me-
lhor que h a...............
Navalhas muito finas para fazer
barba a....................
Caixas de linha branca do gaz a..
Vara de franja de linho para toa-
lhas a .....................
Caixas com pennas d'aco de t erry
superiores a.............
Lencos de cassa brancos e pinti-
dos a......................
Caixas coa -20 cadernos papel pau-
tado a.......'
Caixas com 50 noveilos de linha
do gaz a.....,
Duzias de meias crua$ superior
qualidade a.......3500o
Pegas de babadinhos com 10 va-
ras a.........
Pecas de tiras bordadascom 12
metros cada p ci a 500 e.
Pegas de lita* para cs de q' al-
quer largura com 10 varas a.
Esct.vas para tinhas fazenda fina a
Ditas para denles a 240, 320,
400 rs. e......,
Pecas de tranca lisas, brancas e
,de cftres a.......
Dzia-d6 linha ixa para borda-
dos a 400 rs. e.....
Pares de ninas crua* para mt
nos diversos tamanhos a. .
Duzias de meias brancas muito
finas para senhora a.
Pares de sapatos de tranca do
Porto........
Pares c"e spales de tapete a. .
Duzias de barettJQJ para vultarcte
Sylaharios porluguezes a. -
Ciims com cdxek's -. carreras a
A'oioadmas para colhte diversas
qnalidades.......
Cual com p-nna de ac miiit
boa de 320 a. .
Caixas com fuperiores obreias a.
Duzia e agnlha para machina a.
Libras de. p-egos francezes lodos
os tamanhos a......
Pacote de papel com 20 qnader-
nos...........
Rpcma do papel pautado super or
Kesma de papel liso muito supe-
rior a ...........
120
320
32J
320
15000
500
160
800
ICO
700
400
500
6000
500
569
500
40
500
320
41500
20000
1*300
3*000
400
20
too
809
4
2i#00
24o
400
4*000
2
STova loja d joias
RUA DO CABUG.V N.9 A.
DE
Maaoel da Cunaa Saldanha & G.
Acata 0 ahrir-w eme esMOnleciiieBio de !"*.*. o. qnal tem grande ortimen- ^i
to de luda* as j ias do uliiino gusto, as quaf vender o mais birato powivei
I is doio do !ei, ots o eus d.mos leudo em vista
neise?, &o .Ividaro Teddtt, ttom por precos os mais razoaveis qu
CnvM se o publico-a m a p>reastbeltCmrnlo, certo de qae Oear coaipie- **-*
s&ftf
MAO DE-OL'RO^-RL'A DO GABU .V N. 9 -V
Cabellos
Vendem-se cabellos de todas as cores, qualquer
cemprimento, qualidade superior, em caixa ou
porco mais pequea : na rua da Cadeia do Re-
cife n. 31. i8 ailar
LQLKKIX Do RIO
RUA DO CvBUGA' N. 2 B.
At nova retolucao, se ven lem bilhetps do R o
aos veuded res na raza de iOOO, seja qnal
fdr a porco; dinheiro avista e ao parlicolares a
- Em casa de THEODORO CHRIST'
UNSEN. roa da Cruz o. 48, encontram-n
iflectivamente todas as qnalidades de vinb
iordeaox, Bouxgogne edo Rheno.
3*(tH)
niiTii.
20Rua da Tmjv rntnz20
Farl & Lessa.
Acaba de eb< gar a esta wm ora foja de fa-
zrnias finas um variad* sortimento e fazenda- de
la e seda, como sejam : granad'mes do ultimo
goMo, pupelinas de urna s cor, alpacas e lazi-
nha< de cores, o que ha de mais moderno, tudo
por baratissimos pretas brilhantina- de boto*, te-
nidos das indias, fazenda nova a imitacao de per-
cala, hale- de cliua fing do saia de cor com lin-
das barras, fusiBes proprios para venino e mapas
de nenios ; agora grandes e admirareis perhm-^
chas, saias brancas com lindos frisados a 3. i "
eos ci rpinhos bordados muito finos a St. balo -
modernoB de -re. s a 2, ricas colchas para cam*
alcochoadas. sendo brancas e d> cores, a 5#\ 0* e
7*, cambraia victoria fina a lifi, ditas transparen-
tes a 3a, 6| e 7a,chitas finissimas esenr e claras
a 280.300, 320 e 360 o covado. cassas de cores *
240, lencos hranens de cassa a 2a500, ditos ch:
lidies a 3^500 a duzia, malapolo I no a 6a e
6*500, e miiiti supern r a H, 7^00 e 8\ ago-
daozinho largo proprio para lences a 6*. panno
de al odao branco trancada proprio para toalhas
de mesa a \ 600a vara, nramanie paia lences *
24000 b 3*">00. o que h? de melhor. esguao -
inssimo a 2*200 e 2*300 a vara. Mandamos as
casas das Fxma*. familias para melhor porterem
esc 'Iher. Tambem temos completo sojtimento de
perfuma ras d(s pr muiros fabricantes frsniceiee o
ingleies as pessoas que se dignarem vir a esta
I ja tero occ qae annunriamos para nos justificar.
ATTriNCAO
i
Vende se a talurna n. 4 da rua Direia, dero-
muida Ptnlra Marmore, (\at (oi do falleca Jos
de Mel'o Costa Oliveira, 'tendo poun gener. s e
achand> se mnito .freguezada : a tratar na roa
da Madre de Dms n 34.
Vende-se a casa terrea n. 44. -ita em Ollnda,
rua do Urgo do An paro, ctmi excellenies com-
modos e grande qivital, sola prwrio : a tratar no
Itecife. rua da adea n. a
Vvti'Jt-se no trapiche Dantos o
a* guante:
Milho nvricano.
Fatinha de nianoincM.
K-ieira. de camaiiba de diver?cs tamanhos.
Vi Has de ran
Alpi-la em hurricas. ,
Vioho BoidiMiix.
Cimento Portland.


Diario de Pernambuco Sabbado 20 de Agosto de 1870
ASSEMBLA GERE

AMARA
iscurs
DEPUTADOS.

O nobre que en I
clare minha
que s tem dado temporariamente at agora
s enibarcagoes estroigciras para mirtina
transporte costeiro entre os porto* alfande-
gados do imperio.
Foi a lei 9 re setembro de 1862 qae
atarfeOQ-o governo a fazer ta1 coneesslo.
O decreto de 27 de marco de IS66 permTl-
tio, com elTeito. que os navios estrangeiros
izessem aquellos transportes at o lim de
1867. EstS permissio foi depois proroga-
da por mais nm armo.
Fui adverso aquella disposigao legislativa.
por me parecer que ella concorreria .para I
empece:- o desenv Iviraento da nns pacio ; mas depois do poder legislativo t
ta utorisado, depois do governo t-la p sto
em execugSo, parecou-m* que*en n5 > p dia
sera lacios que me justifcassem obrar de
um modo differente. Por isso em dezem-
bro de 1868. as*im como no fim do armo
passndo, entend dever proroga-la anda na
esperanca de qae podesse, durante a pro-
rigaco, colber dados que me autorisassom
a tomar urna dtliberag.au decisiva sobre
este importante assumpto ; dados esta
tisiicos que tenlio recebido nao me d3o base
para ajuizar do; elfcitos que a concessao
aos navios estrangeiros tem preduzido so-
bre a navpgago nacional.
O Sn Andrade Figeira :A concurren
cii estrangeira deve s*er funesta nacional.
O Sr. Correa :Os poucos dados do re-
atorio do ministerio da marinha levan a
crer que tem bavdo diminuigSo da navega-
cao nacional.
O Sn. Andrade Figeira: O que con-
ven) sahir deste estte.
OSn. Presidente do Conselho:J ds-
se que a minha opinio foi adversa me-
dida de'que se trata: parecia-meqne, temi
os Brasileiros tao pouc.as carreiras indos
trites a que se appliquem (apoiados), nem
os interesses do paiz, nem raides polticas
nos aconselbavam semejante medida ; mas
ella foi decretada...
O Sn Andrade Figeira :De um modo
inconveniente ; preciso reformar a lei.
O Sn. Presidente do Conselho:Nisso
na > concordo com o nobre deputado ; te-
nho que conven ainda esperar pelos resul-
tados da experiencia, e que, sendo assim.
nao ba inconveniente em conserva la tempo-
raria. Revoga-la, sem nos fondarmo para
isso em dados estati lieos bem averiguados,
niio me parece razoavel.
O elleito moral da revqgaco os seria
desfavoraveli tanto mais porque algunas
provincias, como porexemplo a de S. Paulo,
que mais se serve dos navios estrangeiros
para transporte de geros e mercadorias
entre os portos do Rio de Janeiro e Sin tos,
teriam de ser prejudicadas.
O Sr. Anorade Figeira:Um anno
pouco tempo, nao se avaliam as vanla-
gens ou desvantagens da concurrencia.
O Presidente do Conselho:Desde 1866
que o commercio de cabotagem permit-
tido s erabarcagoj.s estrangeiras.
O Sr Andrade Figeira:Mas por pra-
zos aranhndos.
O Sn. Presidente no Consei.ho :Pensa
O nobre deputado que os estrangeiros virlg
i iganisar aqui companhias para transportes
costeros ? Esse ser viro feito ocasional
mente pelas proprias embarcaces da longo
corso.
O Sn. Correa :Urna medida indirecta ja
est proposta, que a suppreso do im-
posto sobre industrias e profisses quanto
aos estaleiros de coostrucces.
O Sr. Presidente do Oonselho :N3)
basta seno empregarmos medidas mais eli
cazes para promover a navegago de cabo
tagem, nao creio possivel que o consigamos,
com a concurrencia estrangeira. (Apoia-
dos.)
O Sr. Correa :E' preciso animar a in-
dustria de consirucg3o.
O Sr. Presidente do Conselho : Isto
nao basta ; preciso bem examinar o que
mais nos convem. se pagarmos *gora mais
barato os freles das mercadorias que impor-
tamos ou exportamos de urnas para outras
prov ncias, ou crannos urna industria qae.
alem de outras vantagens, ter a de dar en>
nada mar? me compre accrescen-
bem I mu;
inervas prnpeirwea de nossos compatriotas
regos public
Indus-
temos nave-
reo para crea las,
ssamos nunca colber as
va:t gmsqne dahi resultam para outras
aacoea. (Apoiados.)
Nao qqero diz-r com isto que ao Estado
i'onvenlia fomentar e proteger a creaglo de
todos os rwnos de industria; mas algumas
;ue n3o precisam, para desenvolver-se,
seno de protecgo temporaria, e que po
derSo crescer e prosperar soa propria
custa depois de alguns anuos de exisiencia ;
e ess >s o Estado far bem em anima las,
at que tenham forra para viverem por si
inesinas. (Apoiados.)
Nao sei se deixei de responder a outras
observares do nobre deputado.
O Su. A.NDnADE Figeira : Eu propuz
urna emtnda sobre os juros dos bilhetes do
ibesouro. I
O Sr. Presidente do Conselho :
verdade.
Peco para premio e descont de leltras,
joros, etc., 3.000:000$ ; o nobre depulado
reduz essa qianiia a 3.326:000)5, que foi
volada no orcamento do exercicio correte.
Ped 3,600:0003 nao porque fosse essa
a quanlia que se despenden nos ltimos ex-
ercicios: bavia entao muito maior somma
de bilhetes do thesouro em circulago. e a
despeza desta verba deven elevar-se a maior
quantia.
Ped 3,000:0003'porque, existindo na
circulago 53,00C:0i>0?5 em bbetes do the-
souro, e n3o podendo esgata-los com a
renda ordinaria, ter o thesouro de recor-
rer a operaces de crdito, medida que
aquella divida fox sendo exigida, e para
essas operaces coniei com o juro de 7 %
Se contmuarmos a conservar grande porco
daquelles bilhetes em circuaco, a quautia
que peco ser de mais; mas, se tivermos
de retirar grande parte delles. o juro cor-
respondente cnnsolidago desta parte po-
der exceder a 7 %
AUegou o nobre deputado que, no caso
que se fuude parle ou loda a divida repre-
sentada agora por bilhetes do thesouro. o
pagamento della ser feito pela verba cor-
respondente a divida fundada. isso exacto;
mas o que cumpre qoe a lei do ornamen-
to contempla todas as despezas, ombora em
urna verba sobre o que faltar na outra.
Este arbitrio preferivel ao de se consig
narein somraas insufcienles para servicos
que se tem de faz r uecessariamente, o que
d dep< is iugir a se brirem crditos sup
^ementares,-e a f,-zer com qoe os balancos
estejam em completo desaccordo com as
leis oo rfamento. fcil aos ministros
passarem por econmicos, pedindo lun ios
insltenles para cerios ramos de servico
em que llies permiitido abrir crditos
su>plementares: j vi urna proposta de or
(amento em qoe, para pagamento de juros
de 70,<)< 0:00i5 de bilhetes do thesouro, se
pediam apenas 400::)00$; mas esta pralica
me pa-ece viciosa, e nao desejo segui-.a.
O Sr Andrade Figueiua d alguns apar-
tes a que. o orador responde. '
O Sr. Presidente do Consblho : Pedi,
lorno a d;/.er, 3,600:00 5 para pagamento
de juros de bilhetes do thesouro, porque
parte da divida floctuanie tem de ser funda-
da, e esta op rago ha de augmentar a des-
peza q:i- se faz com o juro dos bilhetes.
Depois de te,r dado as explicacoes que
devia aos nobres deputados, cumpre-me
dizer porque entendo necessar o que se aug-
mente a verba pedida para juros da divida
interna fundada.
Depois que apresentei a proposta do or-
camento que se discute, teve o thesouro
necessidade de contrahir com um dos bancos
desta capital o emprestimo de 12,000:000(5
reaes em apolices ao preco ite 8i % de
dar em pagamento da iloa das Enxadas
1,705:800(5, val ir nominal; d emittir as
provin ias 1,680:400$, e de dar 23:8 O^em
pagamento da divida anterior a 1827, e por
permutta de accoes da estrada de ferro,
Assim a referida verba dever ser aug-
mentada com a somma de 1,061:538(5.
Como, porm, na proposta do orcamento se
contemplou a qnaniia de 545:678$ corres-
pondente ao dficit presumivel do ultimo ex
ercicio, bastar accrecentir quanlia pedi-
da na dita verba a de 515:86<5 00.
VARIEDADE
FOLHETIM
\\\\ DEPOIS DG 110RT.I
POR
Xavier de Montpia.
parte seui \iia.
0 HORSCOPO
(Continnaco do n. 186J.
XVI
A carta do conde.
O correio, que no seu jubilo esquecia
todas as regras da* etiqueta, ou que n3o as
tioba talvez aprendido, estendeu immedia
tamente a carta ao marquez, em lagar.de
lb'a offerecer n'uma bandeja de prata. Os
demais criados, moito sabidos as ceremo-
nias de rigor, encolheram os hombros
quando viram aquillo.
Saint-Maixent rasgn o sobrescripto e
percorreu com os olh s o escripto, sem que
se notasse oas suas feic5es a menor altera-
cao e leu finalmente em voz alta a seguinte
epstola, q intencao do qoe pelo estylo em que eslava
redigida, porque entre os grandes GdaUos
d'aquella poca poucos mulos bavia da
marqneza de Sevign :
t Meu querido primo.Tempo j de
lite participar a immensa felicidade qoe o
co me enva, e desejo que toda a gente
do caslello, todos esses bons servidores,
affeicoados seos amos, que de pas filhos
vestem a libr de minha casa, saibam tam-
tem a boa nova.
Prepare-se para receber nma grande
sorpresa, e urna alegra maior ainda, mej
primo, pois pela minha pane n3o duvido
do seu affecto, assim como n3o dave tam-
bem duvidar do meu. O milagre que eu
pedia ao co, memo sem esperanca de o
conseguir, acaba de se realisar. Acondessa,
passados quatorze aonos de unio estril,
vai dar-me um berdei'O, e esse herdeiro
ser de ceio um filho, porque a Divina
Providencia, que me favorece com o maior
TRABALHO DAS COMMLS -lARA MU-
NICIPAL E DO INSTITI (ICO E
(EOGRAPIUCO PERNAMH A 0-
JIANCA DE NOMES DE ALGUMAS RUAR DA Cl-
DADE DO RECIPE, POR OITROS TRADICCIO-
NAES E HISTORICO.-
As conqmiss*s da Illma. cmara mnici-
pal e do InsMuto Archeologico e Geogra-
phico Pernambucano, reunidas para'confe
renciar sobre a mudanca dos Doites de al-
gumas ras desta cidado, -ubstituindo-os
por outros que commemoram fados imp r-
tanies, vaioes Ilustres, e pocas gloriosas
da* historia patria ; concluindo seus traba
ihos no dia 24 do corrate me/, e ando,
concordaran) as seguintes mudancas :
BAIRRO DO RECIFE.
Ra da Gadjia.Roa do Brrelo Menezes.
C mmemora o nome do grande general
chefi do exercito portugus na guerra con-
tra 03 H llandeze?.
Ra da Cacimba.Ra 3 de agosto de
16 '5.Commemora a batalba .do monte
Tabocas cum os Hollandeze;, onde obtive-
inos assignalada victoria.
Ra do Encantamento.Hua do Bispo
Sardinha.Perpeta o nome do primeiro
bispo dj Brasil, morto devorado pelos in-
dignas entre o rio de S Francisco e Cu-
ruripe.
Ra do Vigario.ba. do Vigario Teno-
rio.Commemora o nome de um dos mar-
tyres da revolucao de 1817, e por e;la sa-
crificado.
Ra daSanzalla Velha. Kna de Domin-
gos Jos Mariins.Conmemora o nome de
oulro martyr de 1817, e por ella victi-
mado.
Ra da Sanzalla-Nova.Raa de D. Ma-
ra Cesar.Perpeta o nome da respeilavel
molher de JoSo Fernandes Viera.
Ra dos Tanoeiros Ba de Alvares Ca-
bral.Commemora o n me do grande des-
cubridor do Brasil, Pedro Alvares Cabral.
Ra das Miudinhas.Rin dos Mscales.
Para lembrar a guerra dos Mascates de
Pernambuco em 1810.
Ra da Lingoeta.Raa de Thom de
Souza.Commemora o Dome do primeiro
governador do Brasil em 1549, e fundador
da cidade da Bihia.
Ra das Crioulas^-Raa de D. Mara de
Souza.Pepeta o dome da Ilustre Per-
nambucana, que tenflo, perdido 3 filhos sen-
do o ultimo no combale de Porto-Calvo, en-
viara 3 Mithias de Albuqaerque os dous que
Ihe resta va de 13 e 14 annos, rogando-lhe
que os recebesse com soldados para bate
rem os Hollandezes.
Becco]do Tocofomb.Becco doPindoba.-
Para lembrar o lugar onde combateram os
patriotas de 1817.
Ra do Trapiche.Ba Praca do Com-
mercio.Por ser a Assocac3o Commetcial
al;i existente.,
Ra da Cruz. Ra do Bom Jess.
Para lembrar quenaquella roa existi sobre
o arco, que era antiga porta da cidade, a ca
pella do Bom Jess demolida em 1850.
Ra do Pilar. Ba de S. Jorge.Para
commemorar que naquelle lugar existi o
forte de S. Jorge, que 13o celebre se tornou
pela resistencia aos Hollandezes em 1630
Praca do Chafariz.Praca da Bestaora-
c3o.Para perpetuar a restauragao de Per-
nambuco em 1654, triumpbo glorioso obtido
na guerra bollaodeza pelos Pernambucanos.
BAIRRO DE SANTO ANTONIO.
Ra Bella.Ba liba Camino. Para
perpetuar a memoria do combate dado em
frente do forte Itapir ou Paraguayos na
ilba que tornou esse nome em 1866.
Ra da Florentina.Ra de D. Joo de
Souza.Perpeta a memoria dess3 general
-{na guerra dos Hollandezes.
Praca do Paraizo.Praga do Padre Jo3o
Ribeiro.Comm mora um dos martyres da
revolug3o de 1817, e que moroo nesse
lugar.
Travessa do Ouvidor.Travessa Friburg
Para lembrar a fundagao da freguezia de
Santo Antonio, principiada por Mauri io de
Nassau, que constrio logo a primeira casa,
onde boje o palacio da presidencia, a
qual denominaraFriburg.
Ra do Crespo.Ba do Marqoez- do
Recife.Para perpetuar o martyr de 1817,
e benemrito da patria.
Rui! do Queimado e Cruxes, formando
_ ira com-
me; ue tanto
n a sua patria, e a feliz indepen-
dencia :-aos quaes a patria dir o nome de
benemritos.
Rwa larga do Rosario.Raa de 6 .de
Margo de 1817.CotMaemora a revoluco
de Peroambnco que wt>entou nesta roa e
no quartel boje de polici i.
Ra do Cabugd.Ra de Antonio Cabu-
ga.Perpeta a memoria de um dos mar*
iyresde!817.
Ra das Larangeiras.-gRat do Padre
Roma.Perpeta a memoria do hroe de
1817, que por sua dedicagao foi immolado.
Ra Nova Ra de Duarte Co-dno.-r
Commemora o nome do primeiro donatario
ie Pernambuco, fandador de Iguarass e
de Olinda.
Ra da Camboa do Carmo.Rua-do Pa-
dre Mguelinho.Perpeta a memoria do
here da revolugo xle 1817, qae por ella foi
victimado.
Ra das Flores. Roa de Mathias de Al-
buquerque.Commemora o nome do go-
vern .dor de Pernambuco na invasivo hollan-
deza em 1630, e que tamo resisti aos in-
vasores.
Ra da Concordia.Ra do Bispo de
Cbrysopois.Para commemorar o nome do
grande personagem Pernambuco D. Fr.
Pedro lo Santa Marianua, preceptor de S.
M o Imperador.
Ra da Palma.Ba Palmares.Para
lembrar a repblica dos Palmares dorrotada
pelo governo de Pernambuco em 1697
Travessa da Bomba. Travessa deUtin-
ga.Para lembrar o lugar do alojamento
dos realistas em 1817, e ahi dispersados
pelos patriotas.
Ra do Fogo.Raa do Capii3o Bebelli-
nho.Perpeta a memoria de um esforgado
general na guerra hollandeza
Ra de Hortns. -Ba Je Felippe Cama-
rao.Para perpetuar o nome do Ilustre
guerreiro indio, 3 quein a patria tanto
deve.
Ra das Aguas-Verdes.Ba de Luiz
Barbalho.Commemora o nome do illustre
general da guerra holland-za.
Ra Direita.Ra 27 de Janeiro de
1654.Commemoiago do dia da restaura-
gao de Pernambuco do jugo hollandez, e
lugar por onde entrou o exercito restau-
rador.
Ra da Praia. Ra de Felippe Bandei-
ra.Perpeta o nome do general quo com-
baten n guerra dos Hollandezes.
Raa Nova da Praia.Ra de Francisco
Berenguer.Commemora o nomf de um
dos generaes da guerra hollandeza, sogro
de JoSo Fernandes Vieira.
y de 1847, e qn8 por
w o grito de
los don-:, nao pora limites prolecgo que
se digna oulhorgar de om modo tao visivel
minhi familia, na i deixar que se extinga
urna raga ihustre da valentes e christos
cavalleiros, e ha de me dar um filho var3o
em quem se perp*tuem as.crengas e as vir-
tudes dosmeus antepassados.. >
Ao chegar aqui foi, interrumpida a leitura
da carta por um verdadeiro alvoroto.
Os criados, que pela maior parte eram
sinceramente affeigoados seus amos, deram
ivre curso aos ruidosos transp res da sua
alegra soltando mil e mil exclamages, ca-
pazas abalar a imraeusa cpula da casa
de jantar.
Oppor-se aquellas manifestages entu-
siastas tena sido impoltico, e Saint Maixent
nao as mpedo durante alguns segundos;
depois, impondo silencio com gesto impe-
rioso, proseguio a sua leitura n'esles ler
mos :
< Ha a'gum tempo, meu primo, qae eu
suspeitava esta suprema felicidade, mas nao
me atreva a dar-lbe crdito, -n:m a* partici-
par-lb'a, com receio de lbe cansar urna ale-
gra momentnea c depois urna decepgao
amarga, porque tanto mais se sent urna
queda, quanto de maior altura se cae. Se
boje, finalmente, sio da mmha reserva,
porque j nao cabe duvda, porque a cer
teza succede esp ranga. Os mais afama-
do* mdicos de Pars, aquellos coja opinio
lei para todos, asseguraram-me repetidas
vezes que a condessa anda grvida, e todos
estSo coacordes em declarar queiessa gravi-
dez se aprsenla as mais favoraveis condi-
ges.
Desejo, porlanto, que desde boje toda
a gente do caslello e. das suas dependencias
tome parte no jubilo que tinha esposa e
en sentimos. Sopplico lhe, querido primo,
que se entenda com o meu mordomo Lac-
lando, para que cada um dos servidores do
castello qualquer que seja a sua idade ou
sexo, receba cinco luizes em ouro, titulo
de gralifleago. Alm' d'isto, d as ordeos
opportunas para que se fagam publicas ora-
coes em cgjo de gragas, e qae se celebrem
festas, para as quaes serio convidados todos
os habitantes dos meas dominios. Mande
Iluminar o parque todas as noutes, baja
toda a hora mesas chelas de mmjares nos
carramanchSes do jardim e corra o vinbo
em abundancia, para qoe brilhe a alegra
em todos, os semblantes. Aos meus aquilinos
e arrendatarios coocedo-lhes plena remss3o
das quantias qae me deverem, como igual-
mente das multas impost s por delictos
ruraes. Assim lh'o particpar3o os meus
guarda-bosques.
t Esta carta, qae eu entrego ao meu
correio Jacinmo Husbert, s nos preceder
alguns das. Amanha de madrugada
sabiremos de Pars. Mas como o balango
do coche, no mo estado dos caminos, po-
deria comprometter a preciosa existencia da
creaturinba qoe a condessa tem no seio, re
solv que a minha chafa metade faga a va-
gem de liteira e pouco e pooco. Eu
acompanbo-a cavallo.
c Por meio de ootra carta o avisarei dia e hora exacta em que ebegaremos ao
casle lo. Determine que n3o nos saudem
com descargas de mosquetaria, porque no
estado da condessa, a bulha dos tiros poda
molesta la.
Com isto, meu querido primo, rogo-lhe
que nao dnvide do meu sincero affecto, e
dizendo outro tanto nossa muio amada
prima Olympia de Chavigoy, desejo que
Deus os tenha aos dous na sua santa gra-
ga.Annibal, conde de Rihon.
Apenas terminou a leitura, principiaran)
novamente os gritos e o vivorio com redo-
brada inten>idade.
Destribuigao de dnheiro, festejos, mesa
posta loda a hora, vinbo farta, todas
estas risoobae perspectivas enebiam de en-
thusiasmo os criados, de modo que ale-
gra chegoa a converter-se n'um verdadeiro
delirio.
Vou combinar todo com Lactancio,
para se principiar amanhaa a dar execugo
s disposiges de meu primo, disse o mar-
quez com voz t3o sonora qne dominou a
vozeria. Felicito-os de todo o coragio
pelo affecto que m stram ter seus amos,
o que Ibes farei constar mal qae ebegaem.
Agora podem retirar-se.
Todos sahiram immediatamente da casa
de jantar, e os seus clamores foram dimi-
BAIRRO DE S. JOS.
Ra das Cinco-Ponta-s, da greja do Ter-
gd at a matriz de S. Jos.Ra de Vidal
de Negreiros.Commemora o grande here
da guerra bollaodeza, qnem coube a glo-
ria de tomar o forte das Cinco-Pontas.
Ra do Marisco.Haz de Frei Henrique.
Perpeta o nome do religioso que cele-
brou a primeira missa na trra da Santa]
Cruz, incravando ah o estandarte sacrosan-
to em presenga de Pedro Cabral e de gran-
de Dumero de pessoas da armada.
, Travessa do Marisco. Travessa do Pra-*
ta.Faz lembrar o grande rio do Prata.
Ra das Calcadas.Roa de Domingos
Tbeotonio.Perpeta o nome de um dos
martyres de 1817.
Ra dos Acouguinhos.Roa de An'.onio
Henrique.Perpeta o nome de outro mar-
tyr de 1817.
Travessa do Sirigado Traversa da Bir-
reta.Faz lembrar o lugar por onde pas-
sou o exercito portnguez e brasileiro, qoe
combata aos Hollandezes.
Ra dos Copiares.-fon de Christovao
Colombo.Perpeta o nome do descobri
dor da America.
Ra Nova de Santa Rita.Ra 19 de
Fevereiro de 1649.Commemorago da 2*
batalha no monte Goarai apes. em a qual foi
derrotado o exercito hollandez pelos Per-
nambucanos.
Ra A-igusta.Roa do Coronel Suassu-
na.Perpeta a memoria de um dos extre-
mados generaes da rcvolug3o de 1817.
Rpa do Alecrim.Ra do Padre Nobre-
ga.Commemora o nome d) Io provincial
jesuta qoe pisou do Brasil para ca hechisar
os indgenas
Rtia do scente.Ra de Luiz de Mon-
donga.Perpeta a memoria de um dus
ra
ell i .-..i s
Ruai^Ot
lembrar i
dependen
-Ra de- Das Car-
doso. Com'memoragjo do nome (te unidos
vigorosos generaes qne tiemos na guerra
contra es Hollandezes.
BAIRRO DA BOA-VISTA.
Rita dos Ferraron. Ra Riachuelo.
ra perpetuar a memoria deste grande
'eito ffarmas do exercito brasHeiro, no com-
bate nava.1 com os Paraguayos napassagemt
do Riachuelo, em 1865. "
Ra do Carnario Ra D. Clara Cama
r3o. Perpeta o nome da mulher de Fe
lippe Carnario, berina que, ornada com
vestes guerrbiras, sahio cavallo exhortan-
do os soldados a investirem os Holande-
ses, e assegurando ihes a victoria.
Praca da Bda-Visli Praga de Pedro I,
Tributo de recoohecimento ao immortal
fundador do Imperio do Brasil.
Ra do Arago.Rm d Conslitaicio.
Commemora o cdigo poltico da nagao
brasileira.
Ra do Sebo.Ra 25 de Margo de 1824
Commemora o.juramento neste dia da
Constituigio.
Ra da Trempe.Kai Monte Paschoal.
Commemorando o nome que deu Pedro Al-
vares ao 1." monte qoe avistou, quando
na tarde do dia 22 de abril de 1500 des-
cobrio casualmente o Brasil.
Ra do Mondego.Rud, do Visconde de
Goyanna.Perpeta o nome de um dos ex-
tremados lidadores da independencia do
Brasil.
Ra da Passigem.Raa da Passagem de
Cuevas.Para commemorar o grandecom
bate da marinha brasileira na passagem de
Cuevas, em 1865.
Ra d> Cotovsllo.Raa do Monte Tabo-
cas.Em com emorag.3) da batalha dada
naquelle lugar em i de agisto de 1645.
cuja victoria por moitas circumstancias fez
antever o trumpho da cansa brasileira.
Ra dos Coelkos.Raa do General Coe-
Ibos Perpeta a memoria de um dos li-
dadores da independencia, e quem Per-
nambu o lauto deve.
Ra dos Prazeres.Raa do Coronel La
menha. Perpeta a memoria do valente
mi itar, hroe da independencia.
yRua do Jasmim. Ba do General Sera.
Perpeta a m-moria do bravo general
hroe da independencia.
Travessa da companhia. Travessa de
Ibiapaba.Para lembrar a grande serra
deste nome.
Ra Velha.Ra do Bispo D. Estevjo
Brioso.Perpeti o nome do Io bispo de
Pernambuco.
Ra da Mangucira.Rm do Le3o Co-
roado.Perpeta o martyr de 1817, Jos
de Barros Lima, conhecido por esta anto
nomasia.
Travessa do Quiabo.Travessa do Cor-
deiro.Faz lembrar quando Joo Fernandes
Viera atravessou o rio no lugar deste nome
para bater os Hollandezes na Casa Forte.
Ra do Liam.Kot, do Capillo Antonio
de Lima.Perpeta a memoria do here
que combaten aos Hollandezes, commandante
do forte de S. Jorge.
Ra dos Pires.Ba de Gervasio Pires.
Perpetua o nome de um dos vultos da re-
volugo 1817.
Ra do Palacio do Bispo.Roa Episcopal.
Para indicar que all a residencia do
Diocesano.
Estrada do Boi Estrada do Amazonas-
Faz lembrar o gganie rio Amazonas.
Becco dq foi.Becco do Borburema.
Para lembrar a grande serra deste nome.
Ra da Traico. Ba 17 de Agosto
1 (lio.Commemora a batalha no lugar da
Casa Forte. '
Os nomes aqni consignados, para snbsti-
tuirem aquelles que figuram em diversas
roas desta cidade, alguns dos quaes, alm
de ridiculos, rilo fem significagio seria, e
outros nada indicam de tradicional oo his-
torie >, serviro para alimentar o sentimen-
to nacional, cojo desenvolvimento se obter
empregando entre outros meios o da com
memoragao de fritos grandiosos, de pocas
notaves e de hroes Ilustres, quem deve-
nios nossas glorias patrias.
Recife, 24 de maio de 1866.
Feliciano Joaquim dos Santos
Gustavo Jos do Reg.
Salvador H-nrique d'Albuquerque
Padre Lino do Monte C. Luna.
TJTTERif
nuindo maoeira qoe soavam nos quartos
mais interiores do castello.
O marquez ficoo s com a senhora de
Chavigoy., v
Os dous amantes trocaran) om olbar sig-
nificativo, e n3o descerraram os labios.
Veio afinal tira-l.s da sua abstraegio o
ruido dos f guetes e bombas que estalavam
no parque, e o desafinado motim dos tam-
bores e rabeis, serenata desordenada que
ensordeca toda a gente.
Maldita nova murmurou Saint-Mai-
xent, machucando convulsivamente o pa-
pel que tinba ainda na mao.'
Adeus esperangas 1 volveu a condessa
em voz surda e como se fallasse entre si.
0 nosso porvir, as nossas ilinsoes, ludo se
derroca, todo se perdeu !
A'estas palavras succeden novo silencio.
Sami-Maixent levantou afinal a cabega,
brilboj-lhe nos olhos um relmpago sinis-
tro, e exclamoa com accento rude :
Diz qne ludo se perden I Quem
sabe ? Porque motivo se ha de desesperar
antes de tempo ?
Mas essa carta... interrompeu Olym-
pia, fitando no marquez um olbar de as
sombro.
Esta carta I bradou Saint-Maixent
quasi com violencia. Ent3o que prova esta
carta, afinal de conts ?
Prova a prxima realisag5o das espe-
ranzas do conde, burladas por muito tempo,
proa que a condessa est grvida.
W8o, n3o prova nada.
Como ? N3o prova nada !
Nao, nada prova, atalhou Saint-Mai-
xem pela segunda ves. Isto nao passa das
illusoes que o conde de Rabn e sua es-
posa forjam, acreditando na realidade, e
seduzidos por nao sei qae falsas apparen-
cias.
E a opinilto unnime dos raelbores
mdicos quem consnltaram ?
Os mdicos nio s3o infalliveis nem
cousa que se pareca ; enganaram-se como
simples mortaes, e qqizeram talvez lson-
geiar esperangas de qne nio participam. E
seno, diga-me : verosmil, cri depois, de quatorze annos de esterilidad^,
a senhora de Rabn chegue a ser mii ?
(Fragmento de om casi
Era meia noate, a inhuma cbormoste
canto montono.
A loa branca como a fonte do erao dis-
lisava-se no co, suave e lenta qual ama
canoa pela flor de om mar calmo.
E as estrellas brilhavam no espaco azul
como brilham no petalo da flor banhada
pelo sol as gotasmbas de orvalho.
Nem nma nuvem toldara o co ; elle era
como a face da virgem da floresta sereno
e puro.
O luar cobria os bosques com um manto
branco e coando-so pelas folhas prateava o
chSo escuro das maltas adormec.das.
A f Inagem trema aos beijos do vento
que sospirava harmonioso como a vlavinha
i madrugada.
E as sombras do arvoredo desenhavam-
se trmulas na relva como desenha-se oo
fundo da laga a imagem da india que se
banha.
As narcejas deitadas nos ninhos arru-
Ihavam, e ao abrigo dos ramos o sabia
cantava os seus amores. -
E seu canto ia perderse ao tooge as
campias como perde-se no ar o vo do
pombo pravo.
Um doce aroma se exalava dos cam-
pos.
As flores nocturnas abriam os seros bran-
cos beijados pela loa.
E a bonina entornava o seu perfume.
E os jasmiiis que se debrugavam dos
troncos, derramavam seos efluvios.
II
N-t taba todos dormiam.
Embalados as redes de penna suspensas
ao palmeiral, os gnerreiros descancavam.
A' seo I-do jazi^m os arcos flexiveis
como a liana, e as settas qoe correr mais
que os viados das campias e que mordem
como a serpente feroz.
Tupan estendia suas azas sobre os indios
adormecidas, e dava-lhes s1 nhos mais doces
que os favos que a jaty fabrica no* das das
flores.
E elles dormiam tranquillos.
Na aldea s velava JatyJaty bella como
o neuuphar do lago, pura como a azi da
garc branca.
A sua rede vaziaembalangava-se aos eu-
ros indolentes como o oinho da ave marina
boia na correle.
E ella eslava l ao long no campo
onde jazem os gnerreiros mortw sentada
sobre o tnmeo de nma arueira abatida.
Sua fronte penda como a flor que mor-
chou.
E de seos olhos corriam lagrima's, como
das rosas matutinas correm bagas de orva-
lho.
E as trangas negras cabiam-lhe soltas
pelos hombros ns.
Ella chorava. Seu seio arqneijava des-
compassado. Tremiam-lbe os pomos como
dous pombos que tirito de fri.
E sua boca vermelha como o bollo da
imbayba, gemia entre solugos este canto.
Aracymais formoso que o beija-flr
da malta onde ests ?
En procuro-te como a ara perdida no
bosque procura o companheiro de seus
amores.
E la n3o vens.
E te escondes como o flamante na folba-
gem ao cahir da tempestade.
Qual a uiriponga pousada no coqueiro eu
gemo e choro.
E meus gemidos se perdem, e minhas
queixas morrem na solida").
E tu nao vens.
Mas tu dormes aqui, debaixo da trra
que eu banho com as minhas lagrimas.
(Continuar-se-hay.
Ser inverosmil, ser incrivel, e
lado mais que quizer ; todava, n3o ser a
primeira vez que succede. Eu mesmo lhe
posso apontar alguns exemplos.
Pos bem: admittindo mesmo esse
absurdo, comprometi me a demonstrar-lhe
qoe os nossos calclos e os nossos planos
nao ficam totalmente desfruidos.
Como ?
Pense bem, e achara que tenho razo
Quantos e quio perigosos escolhos nao tem
amda que pa>sar antes de vir ao mundo
essa creatura que nos desberda I Leve em
coota o cansago da viagem encetada agora
pela condessa. os innmeros accidentes que
podem sobrevir e ?obrevm cada passo
as estradas, qoe nem toda a pruden i*
humana podem prever, eemfim asenfermi
dades. s vezes pengosas, que acompanham
os ltimos periodos da gravidez Lembre-
se de que pode bastar um susto inopinado,
um abalo imprevisto, urna queda, qualquer
cousa, para matar no seio da m3 o herdei-
ro de tant's mlhes.
E' verdade, murmurou Olympia mui-
to pensativa.
E n3o preciso, alm de ludo, qne o
parto seja feliz ? proseguio Saint-Maixent.
Bem sei que a condessa anda moga ; mas,
emfim j passou da idade em que a mater
nidade fcil, especialmente sendo o pri-
meiro filho. A senhora de Rabn pode
suecumbir de parto. %
E' verdade, temraz3o, disse Olympia.
E ainda ha mais : a crianga, se tiyer
nascido, pode morrer, continuou Saint-
Maixent com voz sombra.
A senhora de Chavigoy fitou no amante os
olh s espavoridos :
Acredita que morrer ? perguntou
lentamente e com singular expressio
Acredito, volveu o marquez mais com
o gesto do que com os labios.
De raorte.. natural? balbucioa a
marqueza.
Natural ou... accidental! bradou o
fidalgo. Que importa ? Seria acaso um
crime resistir ao nada urna frgil creafnra,
um pedaco de materia mal organisada
(estas palavras do marquez de Saint-Mai-
xent to histricas e textuaes cujo oaici-

POTJCO DE TTJDO.
GBANDE CATASTROPHE.Um despa-
cho de Londres, datado de 21 de junho,
d a trisle noticia de ter havido no referido
dia um choque entre um comboio de via-
j?ntes e outro de mercadorias perto de
Newark e sobre a linha do Great-Nor-
thern.
Fcaram moras 15 pessoas e um numero
ainda desconhecido de pessoas ficaram gra-
vemente feridas.
ment basta para destruir as legitimas es-
perangas de urna pessoa como Olympia de
Chavigny ? Sim, a crianga ba 'de morrer,
I mas preferivel que nao venha ao mundo.
'E de que serve atormentarmo-nos d'esse
fntio ? accrescentou Samt-Maixent ao cabo
de um minuto, batendo com o p no chao,
cheio de raiva. Para que pensar em des-
gragas que se nao h3o de realisar ? Illo-
sio, mentira, engao A condessa nio es-
t grvida I N3o pode ser, de todo o
ponto impossivel I
Ah I Deus o ouga I murmurou a for-
mosa Olympia .
Saint-Maixent respondeu com um dos
seus sorrisns sinis-tros.
A idea de que a gravidez da condessa nio
passava de fallaz illuslo. cor.firmou-se cada'
vez mais no animo do marquez e da se-
nhora de Chavigny, e resttuio lhes em parte
a tranqudlidaderoubada pela carta do conde.
Passaram-se doze dias no meio das mais
variadas diverses. u
O mordomo fazia todo grande, e nio
poupava nem dnheiro, nem vinho, nem os
rebanhos de sen amo.
Matavam-se duas vaccas por da, quatro
ou cinco vitellas, cinco ou seis carneiros.
outros tantos porcos e moitas duziasde
gallinhas.
Tiravam-se das adegas pipas e pipas de
vinbo, e accendiam-se grandes braseiroa
as cosinbas.
Ao meio 'ia apresentava o jrdim do
castello o aspecto esplendido das bodas|de
Camacho ou urna perspectiva da maravi-
Ihosa cidade de Jauja.
A' noute, as alamedas Iluminadas com
baloas de cores, resoavara os cantos e as
lcalas de urna turba de msicos ambulan-
tes, e os rapazes e as raparigas daneavam
quasi st o amanhecer.
A' todos pareca famosa urna vida assim,
e todos faziam votos para que ella se prq-
longasse indefinidamente.
Pela noutinha do dcimo segundo dia
chegou toda a bri-ia outro correio. com
orna carta do conde para o marquez de
Saint-Maixent |
_____________(Con/
YP, JH) Q AHM KA


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ERP21MHFZ_M3DO5B INGEST_TIME 2013-09-14T02:24:20Z PACKAGE AA00011611_12167
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES