Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:12166


This item is only available as the following downloads:


Full Text
AUNO XLVI. NUMERO 186
3D713 FEIH n DE IGSSTO DE 70
PAM A CAPITAL E LUGAIES OD IAO SE PA&A MHTE.
.... flOOO
:a ,.............. 12)J000
'or *m wiao iikm................. -J 244000
Cada montero valso.................. 320
PASA DEHT3 E JPOBA DA fWflSOA.
dtwUdos
V
'

i
-
Propredade de Manoel Figuera de Faria & Filhos.


'SAO ACSKSTE: \
Os Srs. Gerardo Antonio Alves & Filhos, no Par* j Gonfalve Pite, do Maranhao ; Joaquina Jos de Otiveira, no Cear ; Antonio de Lemos Braga, no Aracatj ; JoS Maria Julio Chaces, no Ass ; Antonio- Marques da Silva, no Natal; Jos Justino
Perora d'Almeida", em Mamanguape; Antonio Alejandrino de Lima, na Parahyba ; Antonio Jos Gomes, na Villa da Penha; Belarmino dos Santos Bulc3o, em Santo vAnt5o; Domingos tose da Costa Braga,
em Naiareth ; Francisco Tarares da Costa, em Alagoas; Dr. Jos Martins Alvas, na Baha ; e Jos Ribeiro Gasparinhe no Rio de Janeiro.
--------:------------- .1
PARTE OFFTCIAL
Gorrrno da provincia.
.ANMENTE AS-IGXADO PBLO KXJI. s SEVADOll fRB-
RRICO OE ALMK1UA E AI.UUUUEKOI.'K, M18SIOKNTE
DAV*C>VWCU,Ml2l UK AHjUi. DS 1870.
1" stii-r;*.'.
N. 59*.Porlari. a Exm. Sr. general comman-
dante di>* armas.Orn as informarse* juntas pur
copia, da contadora da lliesourana de fazenda,
cun as qnaes concorda n re-peet\> n-pector, res-
pondo ao ofli'-io too V. Exc mo dirigi em ) do.
orrente. srb n. 121, acerca d pagamentos dos
vvneimentos dos empreados do forte Pau Ainarel-
lo.'n* mez de f-vereiro ultimo e no actual.
593. Dita so in"sm<>. Respondo ao oflicio de
"V. Etc. de 18 do corrente. sol) n. 110, declaraodo-
Ihe que o recrnta Miguel Jos Ta vares o mesmo
Mil'u Jo Pereira. i|OB por ottlcio de 17 do cor-
re ue mez, man lei i>or em libardade por ler pro-
vado isencao lega .
N. 396.Dita ao mesmo.Mande V. Exc. por
ora liberdade o ncrute Pedro Francisco Jo.- da
Rocha, que reclamado pelo eomiuandante supe-
rior interino d'esto municipio, como guarda prc mu-
lo do 7* batalli.io do infantaiia.
N. 597.Dita ao mesmoTundo resolvdo que
Sfjl transportada no da 27 de corrente, ,is 6 horas
da manlia para a cathedral de Olimda de eonfer-
tnidade com as orden> imperiaes, a handeira do
exilado batalho n. 3'! de voluntarios da patria,
desta provincia, qe se ach recolhida no arsenal
de guerra, expeca V. Exc. m suas ordens, alim de
que 'sejt ella entregue aoofllejal que se apresen-
tar commamlando a guarda de honra, que para
esse lim uiandei postar naquolle arsenal no referi-
do dia.
N. 598.- Diti ao conselho de compra navaes.
Approvo as contas que o conselho de compras na-
vie-, segundo o sen olllcio de 16 do corrente,
celebrou c'am diversas pesseas para tornee*-
re.m vveres, dietas e outros cbjectos de consuin-
tnn aos navios di armada e pslabelecimentos de
marinha no trimestre prximo de abril a junho.
2-1 seceo.
N. Sn.Portera ao Dr. chefe de polica.- Res-
pondeudo a offldn de V. S. de 11 do corrente, sob
n. 318, tenho a di?er-lhe, que opportunamente dar-
se-hSo as neces>arias ordens quanto ao destaca-
mento do termo de Floresta.
N. 600,Dita ao mesmo. RecommenJo a V. S.
que mande pasar as tros inclusas conta, que
me sero devolvidas, os recibos, de que tpata o of-
licio junto por copia, do inspector da thesooraria
de fa7.enda. laudo de l) do corrento e sob n. 181,
visto terem sidos as ambulancias.^constantes dessas
ontas, reeebida* nesga reparticao com destino
Oaricury, Salgueiro 6 Bjn Conselho.
N. 602. Dita ao commandante superior interi-
no da guarda nacional do llecife.Expeca V. S.
as suas rneos, alim de que urna guarda de hon-
ra esteja postada em frente do arsenal de guerra,
ao dia 2T do corrente, as (i horas da manhaa para
receber a bandeira do exmelo batalho n. 53 de
voluntarios da patria, quesa ach all recolhida, e
. onde
eonduzi la at t ponte de Tacaruna, onde a trans-
miitir a outra guarda de honra de nm dos bata.- Ido primerro lanco da estrada de Una Riachaosi
metteu o ch ite o chefe de polica com olllcio de
(9 do corrente, sob n. 388, adro de que denois de
liquidada a despea om a illnminacao d'aquelle
e-tabelecimento no semestre d julho a deiembro
do ann prximo pissado, se|a puga a na nv.ior-
tancia a empreza da ,'iiluminacio publica d'esta
capital.
N. 61'.Dita ao mesmo.Expeca V. S. suas
ordens, para que, em Ti-ta da inclusa folha que
me remellen o commandante superior de Gara-
nhuns com ortelo de 7 do corrente, sob n. 14, se-
jam liquidados os vencimentos do capito Doriodo
da Cunta Lima, commandante de urna escolta de
guardas oacionaes, que condnziodo termo deBui-
|ue para e>ta capitai quatro criminosos e oito re-
erlas, sendo paga ao meneionado capito a pjrte
d'esses vencimentos, relativa a taes criminosos.
i pois que o restante deve ser salisfeito pela tne-
i sourana do fuenda.
N. AIS.Dltaan mesmo.Reeommendo a V S
i que mande liquidar em vista da relacao nominal
| o pret junto em duplcala, da veneimnto de tuna
escolta de guardas nacionaes que conduiio quatro
criminosos do termo de Buique para esta capital e
pagar a sua importancia ao capitn commandante
da mesma escolla, Rorndo da Cunha Lima, para
isso indicado em olllcio do commandante supe-
rior de (j.iranhuns, datado de 7 do corrente, e sob
ii 14.
^ N. 616.Dita ao mesmo.A Manoel Hilarim de
tlouveu, mande V. S. pagar depois de liquidados
em vista di pret junto em duplcala, que me re-
melfeu o commandante superior do Rio Formoso
com offlcio de 3 do corrente, os vencimentos rela-
tivos ao mez de fevereiro ultimo dos guardas na-
cionaes dos acados n'aquella cidade.
N. 617.Dila ao mesmo. Em vista do que
expz o director geral da injirucgao publica, em
olllcio de 2 de fevereiro prximo Bndo sob n. 86,
resolv nesta dala relevar o professor publico da
cadeira da eucrusilhada do Rosarinho Manoel An-
tonio de Albuquerque Machado, da mnlta que Ihe
foi impo-ta por aquella direc'oria em 7 de feve-
reiro de 1866, ptla falta de apresentago dos mar-
pas dos alumnos do sua aula quando professor da
Venda Grande; o que communico a V. S. para
seu conhecimenlo e axeeucao.
N. 618.Dita ao mesmo.Depois de liquidada
em vista da conta junta em duplcate a despeza
feila nos mezes de dezembro do anno prximo
pascado a fevereiro ultimo, com o fornecimenio
de luz e agua para o quartel do destacamento de
guardas nacionao. existente na cidade do Rio For-
moso, man e V. S. pagar a sua' importancia a
Manoel Hilarino de Gnuveia para isso indicado
em oflicio do delegado d'aquelle termo, de 10 do
corrente.
N. 619.Dita ao chefe da reparticao das obras
pubicas.Nos termos de sua informacao de 16 do
corrente, sob u. 72, resolv conceder a permissao
que solicitou o Dr. Symphronio Cesar Coutinho
para fazer um o no ramal que d esgoto as aguas
de sua casa sita rna-Veiha n. S, para o cano
geral; o que communico a Vnjc. para sen conhe-
cimenlo e l'tns convenientes!
X. 620.Dita ao mesmo.Inteirado do quanto
Vine, expz em seu officb de 19 do crreme, sob
n. 74, acerca do recebimeoto definitivo das obras

Ihes do municipio de Olinda, que a deve levar at
a cathedral, onde litar depositada como determi-
nou o governo imperial.
N. 603.Dita ao commandante superior da guar-
da nacional de OHoda.- Expeca V. S. suas ordens,
alim de que nina guarda de honra csteja postada
na ponte de Tacaruna no da 21 do correle as 7
horas da manhaa, nara reciber a bandeira do ex-
tinelo batalho n. 53 de voluntarios da pairia des
ta provincia ; e d'alii conduzi la para a calhf dral
d'essa cidade onde tem de filiar depositada segun-
do as onle:i- imperiaes.
N. 604Dita ao juiz dos feitos da fazenda.Em
resposta ao ofBcio que V. S. me dirigi em 18 do
corrente, tenho a dizer, que por deliberaclo de 19
do corrente, nomeei Macario de Luna Freir para
exercer interinamente o lugar vago de solicitador
dos fritos da fazenda nacional.
N. 603.Dita ao juiz de direilo de Garanhuns.
Em resposta ao seu olllcio do 2* de fevereiro ultimo,
tenho a dizer Ihe. que responsahilise o juiz munici-
pal sunpletite do ti-rino di Bom Conselno urna vez
que, nao obstante a advertencia que ln foi feila
por Vfie., persiste em tran-gredir a lei, conser-
vando na serventa interiua do cartorio detrphuis
um terceira por elle nomeado, em vez do e-crivo
companheiro a quem compete a subsiituieap. .
N-606.Deliberacio.O presidente da provin-
cia atlendmdo a qiie Ihe requereu Joio Gomes
PerrtZ 1 sargento da 6' eompanhia do batalhs n.
24 de infamara da guarda nacional do municipio
da E-cada, resolve eofeedeNM seis mezes de li-
cenca para vir a esta cidade tratar de seus ne-
gocios.
N. 607.Dita.0 presidente da provincia, con-
firmando-se com a proposta do chefe de polica
em o'fcio n. 389 de 19 do crrente, resolve no-
moar para o lugar vago de pnmeiro supplente do
delegado do termo de Pao d'Alho o bacharel Chris-
tovao dos Santos Cavalcante.
N. 608.Portara ao inspector da thesoura de
Cizenda.Providen-ie V. 8., para que, depois de
liquidados em vista da relacao nominal e pret
jtint >s em duplic.ua, os vencimenlos de urna es-
colia de guardas oacionaes, qae conduzio cu
l^iquopara esta capital oito reerutas qoe se des-
imavaro ao servic.i d> exercilo seja paga a sua
importancia ao capito commandaot da mesma
escolla, Dorindo da Cuolja Lina, conforme sol ci
ton o commandante superior do Garanhuns em
olcio de 7 do corrente sob n. li.
N. 60|."Ditaan mesmo Tran junto em duplcala que meremetleu o comman-
dante superor d'e-te municipio com offlcio de
hoje sob. n. 61, afirn de qne mande liquidar e
pagar os veneimnto, relativos a primeira quin-
cena d'est mez aos guardas nacionaes destacados
no forte do Buraco.
N. 610.Dita ao mesmo.Em vi-ta da inclusa
folha, que me remetteu o commandante superior
de Garanhuns com < lucio de 7 do corrente, sob n.
14, mande V. $. liquidar os vencimentos do capi-
to Driodo da Cunha Lima, commandante de
urna escolte do guardas nacionaes. que conduzio
da termo de Buique p:ra esta capital oito reeru-
tas, que se destinaram ao servico do exercilo, e
quatro criminosos, e pagar ao mencionado capito
a parle desses veacimentoi relativos a taes recru-1
tas, porque o restante deve ser salisfeito pela ihe-
- virarla provincial, fazendo tirar n'e^sa reparticao
caia da referida folha, para supprir a falte que
se d de duplcala d'esse documento.
N. 611.Dita ao mesmo. Tendo n'esta dat
approvado os contratos constantes do termo junto
.por copia, que o conselho de compras navaes
eelenrou com diversas pessoas, para foraeciraen
tode vveres, dietas eoutros obje;tos de consumo
dos navios da armada e estabeleci nentos de .ma-
rina do trimestre prximo de abril a juoho, asstm
o communico a V. S. para su conhecimenlo.
Ji. 612.Dita ao inspector da thesouraria pro-
vincial.Declaro a V. S. para sea conhecimenlo
flns cdnvenientes, que o chefe da reparticao das
obras publicas partecipoume em olllcio de 19 do
< orrente, sob n. U, que, achando-se em perfeito
estado de cou^ervaco o priraeiro lanQO da estra-
da de Una a R.achaosintao, mandou lavrar o res-
pectiva termo de entrega definitiva, e passar o
competente cortificado ao arrematante dessa obra.
N. 613.Dila ao mesmo.Coberts com a in-
formacio do administrador da casa de detencao,
nho, tenho a dizer em resposta, que d sciencia do
citado oflicio a thesouraria provincial, para os flns
convenientes.
4a scelo.
N. 62.Poriaria ao desembargador provedor
da Santa Casa de Misericordia.Era vista de -ua
informago de II do corrente sob n. 2520. mande
V. Exc. inscrever no competente quadro, afnn de
ser admitiido no cpllegio dos orphaos, quando hou-
vi r vaga, e depois de haver satisfeito o disposto
nos 1 e 2 do arl. 39 do respectivo regulamento.
o menor Antonio, fllho de Maria Joaquina Flores-
ta, de qie traa a cerlido de idade inclusa.
N. 623.-Dita aogovernador do bispado.Com-
munico V. S., para seu conhecimento, que, em
vista de sua proponte de 15 do corrente, resolv
nomear, de conforraidade cora o arl. 5* do regula-
mento de 2 de Janeiro de 1834. o padre Antonio
dos Santos Oliveira para o lugar de capello do
cemiterio publico desta cidade.
J. 62i.Dita cmara municipal do Recife.
Communico cmara municipal do Recife. para
seu conhecimento que, em vista da propo-ta do
goveruador do bispado de 15 do correnle, resulvi
nesta data e de conformidade com o art. 5o do re-
gulamento de 2 de junho de 1854, nomear o pa-
dre Antonio dos Santos Oliveira ptra o lugar de
capel o do cemiterio publico desta cidade.
N. 623. Dita cmara municipal da vjlla do
Bom -Conselho.Declaro cmara municipal da
villa do Bom-Conselho, em resposta ?o seu offlcio
de 29 de Janeiro ultimo, que nesta data ordeno ao
juiz de, direito de Garanhuns que respansabilise o
juiz municipal supplente desse termo, visto qne,
nao obstante a advertencia do mesmo juiz de di-
reito, persiste em conservar no servijo interino do
respectivo cartorio de orphaos pessoa incompe-
tente secundo a lei.
N. 627.Deliberacr.O presidente da provin-
va, em vista da pr posta do governador do bispa
do do 15 do corrente sob n. 174, resolve nomear,
de conformidade com o art. 5 do regulamento de
2 de junho de 1854, o padre Antonio dos Santo*
Oliveira para o lugar de capello do cemiterio pu-
blico le-ta cida le.
tXPKDIENTK ASSI0NXD0 PELO SR. DR. ELIAS FIIR-
DERICO DE ALMEIDA E ALBUQUERQUE, SECRETARIO
DO GOVERNO INTERINO, EK 13 DE MARCO DE 1870.
1* seceo.
N 628.Oflicio ao Evm. Sr. general comman-
dante das armas.De ordeno de S. Exc. e Sr pre-
sidente da provincia, declaro V. Exc, era res-
posta ao seu offlcio desta data sob n. 153, que se
mandou satisfazer o pedido d i commandante do
deposito especial de instruccao, que veto annexo
ao seu citado oIBcio.
2* seceo.
B, 629.Offlcio ao Dr. chefe de polica.D' or-
dem do Exm. Sr. presidente da provmcia, trans
mitin V. S. o mulo junto de nomeacao do bacha-
rel Christovo dos Santos Cavalcante para o cargo
de 1" supplente do delegado do termo de Pao do
Alho, de conformidade com a proposte de V. S.
em offlcio de 19 do corrente sob n. 389.
S. 630.Dito ao mesmo.S. Exc. o Sr. presi-
dente da provincia manda declarar V. S., em
resposta ao seu offlcio de 19 lo corrente sob n.
388, que a^hescuraria provincial lem ordera para
pagar empreza da illuminaco publica desia ca-
pital a quantia de 1:224*900, constante do citado
offlcio.
N. 631.Dito ao commandante superior interino
da guarda nacional do Recife. Da ordem de S.
Exc. o Sr. presidente da provincia, declaro V. S.
em resposta ao sea offlcio de 8 do corrente sob n.
52, que neste dote se mandou por em liberdade o
guarda nacional do 7 batalho de infantera deste
municipio, Francisco Jos da Rocha, que foi preso
para reorota.
I, N. 632 Dito ao commaadante superior da
guarda nacional do Rn-Formoso. O Exm. Sr.
presidente da provincia, respondendo ao offlcio de
V. S. data lo de 3 do corrente, manda declarar que
a thesouraria provincial tem ordem para pagar
Mmoel Ilario de Gouva os vencimentos constan
les do citado offlcio.
N. 633. Dito ao commandante superior da
guarda nacional de Garanhuns.-~0 Exm. Sr. pre-^j
sidente da provincia manda declarar V. S., em
resposta a seu oJlcio de 7 do crranle sob n. i4,
que s thesourahaj geral e provincial se excedi
nha Luna dos vencimentos da escolta, enastantes
do citado offlcio.
N. 634.Dilo ao delegado supolen'e em exerci-
ci oo termo do Rio-Formoso.Nesta dala autori-
ou-se thesouraria provincial pagar Manoel
Hilario de Gouva despeza de que trata o oflicio
de V. S. de 10 do corrent*, o qual flea asim res-
vendido do ordem do Exm. Sr presidente da
provincia.
4' seceo.
N. 633.Offlcio ao director geral da instruccao
publica S. Exc. o Sr. presidente da provincia
manda coramunicar a V. S. para seu conhecimen-
to, quo nesta data e em vista do que V. S. ex
poz em seu offlcio de 3 de fevereiro prximo (lu-
do, sob n. 86, resolveu relavar ao professor pu-
blico da cadeira da Encruzilbada do Rosarinho,
Manoel Antonio de Albuquerque Machado, da
mulla de 20i000 que Ihe foi imposte por es*a di-
rectora em 7 de fevereiro de 1866, por falta da
apreseoiacao das imppas dos alumnos de sua au-
la quando professor da Venda Grande.
N. 636 Dito ao Dr. Zeferino de Almeida Pinto
e Andr de Abreu Porto.Pela secretaria da ore-
sidencia se commnnica aos Illms. Srs. Dr. Zefe-
rino de Almeida Pinto e Andr de Abreu Porto
que S. Exc. o Sr. presidente da provincia, em
19 do correte, contraio'u com o lllra. Sr. Dr.
Jos Heorique Trindade por ser d* mais vanta-
gem a proposta por elle api esenteda para o esta-
belecimento do systema de carris de ferro que li-
gue a capitel deste provincia com os seus subur
nios.
EXPEDIENTE ASSIGNAD0 PELO EXM. SR. SENADOR FRF.
DERICO DE ALHEI >A E ALBUQUERQUE, PRESIDENTE
DA PROVINCIA, EM 22 DE MARQO DE 1870.
! seceo.
N. 637. Portara ao Exm. Sr. general com-
mandante das armas.Mande V. Exc por em li-
berdade o recru ta Manoel Feliciano da Luz, visto
ter provaio isencao legal.
N. 638. Dito ao mesmo. Expeca V. S. a
suas ordens para que assenie praca no deposito
especial de instruc o o soldado eo corpo provi-
sorio d* polica Pedro de Almeida, que requereu
voluntariamente para servir no exercito e que
para esae lim se apresentar a V. Exc.
N. 639.Dita ao mesrao. Deveado ter lagar
no da 1* de abril prximo vindouro a ama hora
da tarde a abertura da assembla legislativa pro-
vincial ; assim o communico a V. Exc, afnn de
que mande dar a salva do costume na fortaleza
doBrum.
N. 640.Bita ao capito do Porto.Pode V. S.
mandar assenter praca, como voluntario, depois-
de inspeccionado a Mariano ero Carneiro da Cu-
nha, i-oin 'i pedio no requerimento a que aliude a
informacao de V.S. de 21 do corrente, sob n.
29, fazendo-o remoller para o quaitel general de
marinha na primeira occasio que se offerecer.
2* seceo.
N. 643.Portara ao Dr. chefe de polica. Em
observancia o aviso do ministerio da justica, de
9 do corrente, informe V. S com urgencia se no
Presidio de Fernando de Noronha existen), pn
meiro presos que anda dependam do jnlgamenio
e outros anda nao processado* ; segundo, crimi-
nosos j tendo cumprido a muilo as penas de
suas sentengas; terceiro, individuos que tenham
ido para la remettidos em lugar de'oiros, ver-
daderos reos.
N. 644.Dita ao commandante superior interi-
no da guarda nacional do Recife.Mande V. S.
apresentar em frente do pagoda assembla legis-
lativa provincial no dia 1." de abril vindouro an
meio dia, um dos balalhoes da guarda nacional
sob seu commando superior* alim de faier as
honras do esiylo por occasio da abertura da ses-
so ordinaria da mesma assembica no corrente
anno.
N. 645. Dita ao co nmandante superior da
guarda nacional de Nazareth.Era vista do que
ponderou V. S., em offlcio n. 12 de 10 do corren-
te, designei por deliberacao desta date o capito
da !. companhia do batalho n. 18 de infantera
desse municipio, Domingos Jos da Costa Braga,
para exercer as funcces de majar do dito bata-
lho e o da 5." companhia do de n. 20 Christovo
de Hollanda Cavalcante de Albnquerque, para
iguaes fnnecoes neste ; o que Iho communico
para o seu conhecimenlo e fins convenientes.
N. 646.Dita ao juiz municipal da primeira
vara deste cidade.Em observancia ao aviso ao
ministerio da justica de 9 do corrente, informe
Vine com urgencia* se no presidio de Fernando
de Noronha exi-tem, 1. presos que ainda depen-
dam de julgamento outros ainda nao processa-
des ; 2. criminosos j tendo cumprido a muito as
penas de suas sentencas; 3 individuos que te-
nham sido para l remettidos em lugar de outros,
verdaleros reos.
N. 647.Dila ao juiz municipal do termo de
Pao d'Alho.Em resposta ao seu offlcio de II do
corrente, tenho a dizer-lhe que luyendo vanta-
gem para os orphaos sob sua jurisdiecao, nao ha
inconveniente em mandar irocar a quantia de que
trata o seu dito offlcio ao cambio corrente
Entretanto Vmc resolver como entender, visto
que tajs duvidas devora ser decididas de confor-
midade com o que recommeadam os avisos de 16
de noverabro de 1864, e 12 de outubro de 1865.
N. 648.Dita ao commandante do corpo provi-
sorio de polica.Desligue Vmc do corpo sob o
seu commando, fazendo-o apresentar ao general
commandante das armas, a quem neste date se
expede as convenientes ordens, o soldado do cor-
po sob o seu commando, Pedro de Almeida, que
requereu para assentar praca no deposito especial
de instruccao, e a quem aliude o seu oflkio n.
123, de hontem datado.
N. 649.Deliberacao.O presidente da provin
ca, em vista do que ponderaran! os coramandan-
les dos batalhoes ns. 18 e 20 da guarda nacional
do municipio de Nazareth, e informou o respectivo
commandante superior, em offlcio n. 12 de 10 do
corrente, resolve designar os capites Domingos
Jos da Costa Braga e Christovo de Hollanda Ca
valcame de Albuquerque, para exereer as func-
ces de major, este do batalho n. 20 e aquelle
do batalho o. 18 do referido municipio.
3.* seceo.
N. 61\.Portera ao inspector da thesouraria
de faienda.Informe V. S. sobre o que requereu
o juiz de direito da comarca da Boa-Vista, Lnii
de Albuquerque Martina Perira, no requerimento
junto qne devolver.
N. 652.-Dito ao mesmoMande V.S. liquidar
era vista da folha e pret juntos em duplcate os
vencimentos relativos ao mu de fevereiro ultimo,
do oflkial e pracas da guarda nacional destacados
na villa de Cimbres o Pesqueira, e paga a sua
importancia a Pedro Paulo dos .Santos, conforme
solicilou o commandante superior do municipio
do Brejo, em offlcio de U do corrente, soU n. 34.
N. 653.Dita ao mesmo.Autoriso V. S. nos
termos do parecer da contedoria dessa thesoura-
ria a que se refere a sua informacao da hontem,
tob d. 187, a mandar pagar pela verba arsenaes
do ministerio da guerra, a quantia de 1:768* 529,
despendida como se v das coates que incluso de
volvo, e me foram remetudas pjlo director do ar-
senal de guerra com offlcio de II do corrente, n.
37, com a acquisico e oonduccao para a loratela
das Cinco-pootas, dos objectos oeaessario^ para a
recepeo do corpo n. 53 de voluntarios, da patria
deste "provincia. c
N. 634.Dita ao mesmo.Transsnilo a V.
paraos flns convenientes as 4 aetasas ordns,
W. 653.Dita ao mesmo.Constando de aviso
da reparticao da guerra de 11 do crrante, ler se
solicitado ao da fazenda a expedico das conve-
transmitto a V. S, as melosas coptes que me re- Qraem. para pagajaanto aacapiHfl Dorindo. da Cu-
nienies ordens, par que por conta do exercicio
de 1869870, o na forma da tabella annexa por
copia\jejeoncedido o augmento do crdito na
importancia de 3:6193898, paca occorrer a dr.*-
peza uo i 9 do referido exercicio; assim o com-
mmica aV. S. fiara seu conhecimento.
N. 656.Dita se msmo.Autoriso V. S. nos
termos de sua informacao de 19 do corrente sob
n. 184, eom referencia o da contedoria dessa Ihe
souraria, a mandar pagar o ordenado correspon-
dente ao mez de fevereiro ultimo ao juiz munici-
pal e de orphaos do lermo de Cimbres, bacharel
Jpo Vieira de Araujo, que deixou o exercietodo
seu cargo no da 11 d'aquelle mez para vir lomar
assento na assembla legislativa provincial.
N. 657.Dita ae mesmo. Transmuto a V. S.
para seu conhecimento, e fins convenientes, a>
inelcsis copias dos avisos do ministerio da guerra
de 25 e %> de fevereiro ultimo, acerca do extincto
batalho n. 53 do voluntarios da patria deste pro-
vincia
N. 658.Dita ao inspector da ihesoarari pro-
vincial.Nao objlanle haver o regedor do gimna-
sio provincial impugnado com toda a razo o pa-
gamento da quantia do 2003 que reclama o Dr.
Felippe Nery Collaeo pela impresso de que t>i
incumbido iielo regedor interino d'aquelle estabe-
lecimenlo, 200 folhetos conlendo a lei da creaco
do mesmo eslabeleeimento e seu regiment inter-
no por nao haver autonsaco da presidencia para
esse fim, e dever essa impresso ser mandada
fazer pela secretaria da mesma presidencia, como
desse V. S. em sua informacao de 9 do crranle
sob d. 156, e auloriso a mandar que, pela verba
expodida da secretaria do Gymnasio seja elecluado
esse pagamento ao referido Dr., que de boa fe
fez exHcdtar esse trabalho, o '|iiai nao intil
visto haver n > estabelecimento falta do respectivo
regulamento limpresso.
N. 659.Dita ao mesmo. Attendendo ao que
solliciluu o Dr. cuele de polica em offlcio do hon-
tem, sob n. 94, reeommendo a V. S. que mande
pagar ao lenle Antonio Correia Maia o aluguel
de 3 mezes vencidos no dia 24 de fevereiro ultimo,
da casa que servio de quartel ao destacamento do
Peres^
N. 660.Dila ao mesmo.De conformidade com
a minlia portara de boje, mande V. S. pagar in
tegraimente, em vista das contas, que devoivo em
duplica, a quantia de 223420 em que importou o
foroecimenlo de luz e agua, feito ao qaarlel do
destacamento de Iguarass, durante os mezes de
dezembro do anno prximo pissado. o Janeiro
ultimo. Fica assim respondid- o offlcio de V. S.
datado de 11 de fevereiro. prximo findo sob n. 87,
a quo vieram annexas as mencionadas comas.
N. 661.Dita ao mesmo.Depois da liquidar
em vista das inclusas cootas, 2 despeza feita com
o sustento dos presos pobres da cadeia do termo
de S. Rento durante os mezes de dezembro do
auno prximo passado a Janeiro ultimo, mande V.
S. pagar a sua importancia a Joo Jos Ferreira,
conforme sollicilou o chefe de polica em offlcio de
hontem sob n. 399i
N. 662 Dita ao mesmo.A Joo Jos Ferreira
ou.ao seu procurador, mande V. S. pagar eonfor
me solicitou o chefd de polica em offlcio de hon-
tem sob n. 398, a quantia de 103 proveniente do
aluguel vencido no mez de Janeiro ultimo, da ca a
que no termo de S. Bento, servio de cadeia e de
qaarlel do destacamento de polica all existente,
como se v da coma e attestado juntos.
N. 663.- Dila ao mesmo.Tomando em conside
ragto as razos expedidas pelo comman lame su-
perior de Olinda em sua informaijo de 7 do cor-
rente, reeommendo a V. S. que em vista da f >lha
e pret que devoivo em duplcala, e a que se refere
o seu offlcio de 4 de fevereiro ultimo sob o. 66,
manda pagar inlregralineate os vencimentos rela-
tivos ao mez do dezembro do anno prximo passa-
do, do official e pracas da guarda nacional que
e-tiveram destacados na villa de Iguarass. Assim
ilea respondido o seu citado offlcio.
N. 664. Dita ao mesmo.Annuindo ao que so-
licitou o tenenie-coronel commandante do corpo
provisorio de polica era offleio de 19 do corrente
sob n. 121, reeommendo a V. S., quo em visia da
inclusa conta, mande unjar a Agr & C. a quantia
de 253 proveniente do inlerro do cadver da tira
ca daquelie carpo Joe Luiz dos Sanios que falle-
ceu no hospital Pedro II.
N. 665. Dita ao mesrao. Tomando en conside-
rarlo o expendido por Candido Emigdi > Pereira
Libo no incluso requerimento documentado, e
constando do exame a que se procedeu as diver-
sas infbrraacoes da reparticao das obras publicas
e dessa thesouraria que o supplicante em cnnse-
quen ;ia de molestia e>leve sera exercicio do lugar
que oceupava de guarda conservador da estrada
de Pao d'Alho desde agosto de 1860 at maio de
1867, e nao tendo o mesmo Lobo perdido o direito
que tinlia ao respectivo ordenado, era viste do des-
posto no Io do art. 15 da lei do oreanienlo vi
gente, reeommendo a V. S. que mande pagar ao
supplicante o seu ordenado smente correspon-
dente ao periodo de ;empo acim mencionado.
4.' seceo.
N. 669.Portara ao governador do bispa-
do.Pelo seu offleio de 21 do corrente, fleo intei-
lado de baver V. S. providenciado para que no
dia 27 deste mez seja recebida na cathedral desta
diocese a bandeira do batalho n. 53 de volunte
o* da patria deste provincia, que segundo as
ordens imperiaes tem de ser all depositada res
tando sigmfiear-lhe que a menciouada Blndeira
s r depositada naquella cath dral pelas 8 boras
da manha do referido dia. devendo V. S. provi-
denciar para que por essa occasio se lavre o auto
de que trate o aviso de 28 de fevereiro, de que
Ihe remetti copia em 19 do corrente.
N. 670Dila ao mesmo.Devendo ter lugar na
dia i de abril vindouro a 1 hora da larde a aber-
tura da sessao ordinaria do corrente anno da
assembla legislativa provinci ti, assim o commu-
nico a V. S., afirn de que se sirva de providenciar
no sentido de ser celebrada na igreja matriz oe S.
Frei Pedro Goncalves a hora do coiturae, a missa
votiva do divino Espirito-Santo.
N. 671.Dila a cmara municipal do Reci-
fe.Devendo ler lugar no dia de abril vindouro
a i hora da tarde a abertura da se3>o ordinaria
do correle anno da assembla legislativa pr ivin-
nial, reeommendo a cmara municipal deste cida-
de qne mande preparar a igreja matriz da fregu-
zia do Recife, no qual lera de celebrar-se a missa
votiva do divino Espirito Santo.
N. 72.Dila ao engenheiro fiscal da illumina-
co .publica deste capital.Faga Vine, colloear
conforme se autorisou em portara de 7 de agosto
do anno prximo passado, 4 lampioes a gaz na
iravessa de J ao Fernandas Vieira.
N. 673.Dita aos agentes, da companhia Brasi-
leira de Paquetes a Vapor.=Podem Vmcs. fazer
seguir para os portos do norte o vapor Ibcani'ns,
amanbaa a "ora indicada em sea offlcio de
hoje.
N. 674.Dte ao gerente da companhia Pernam-
buca.Pode Vmc fazer seguir para os portos do
norte e sul os seus vapores Jaojura e Giquta no
dia 31 do crrente, a bofa indicada era seu offlcio.
de 19 do dito mez.
N. 675.Deliberacao__O presidente da provin-
cia atienden lo ao que requereu a professora pu-
blica da cadeira de instruccao primaria da povoa-
cao de Correales, Domingas P> alia Ayres,. e te
reme sob ns. 81- e 183, resoive de conformidade
com o disposto no art. 23 da le o-. 398 da 13 de
maio de 1864, conceder a referida proleasora a
remoca 1 que pedio daquella cadeira para a da
povuaco de Nossa Senh ra da Conceieo dos Ml-
lagres na freguezia de Marangnape, creada pela
lei n. 812 de 11 de maio de 1868.
EXPEDIENTE ASSIOKADO PELO SR. DR. ELIAS FREDEHI-
CO DE ALMEIDA E ALBUQUERQUE, SECRETARIO
INTERINO DO GOVERNO, Eli 22 DE 1IABCO DB
1870.
1.' seceo.
N. 676.Offlcio ao director do arsenal de guer-
ra.S. Exc. Sr. presidente da provincia manda
communicar a V. S. em resposta ao seu.offli'io de
11 do correnle sob n. 37, que a thesouraria de
fazenda tem ordem para pagar a quantia de ....
1:7683520- consterne do citado efflcio.
2* aeco
N. 677.Offlcio ao Dr. chefe de polica.S. Exc.
o Sr. presidente da provincia, manda declarar a
V. S. em resposta ao seu offlcio de hontem, sob n.
396, que a thesouraria provincial tem ordem para
pagar ao lente Antonio Correa Mai, os tres me
zes de aluguel de qne trata o seu citado offlcio.
N. 678.-Dito ao mesmo.Nesta date autori
sou-se a thesouraria provincial a pagar a Joo Jo-
s Ferreira as quanlias constantes dos olllcio? de
V. S. datados de hontem e sob ns. 398 399, os
quaes Acara assim respondidos de ordtni do Exm.
Sr. presidente da provincia.
N. 679.Dito ao commandante superior inte-
rino da guarda nacional do Recife.De ordem de
S. Exc. o Sr. presidente da provincia, declaro a
V. S. em resposta ao seu offlcio de 21 do corren-
le, sob n. 62, que se mandou por em liberdade o
guarda nacional do 2 batalho de intentara deste
municipio de nome Manoel Feliciana da Luz, como
stlicilon V. S. em seu citado offlcio.
N. 680. Dito ao eommandante superior da
guarda nacional do Brejo.O Exm. Sr. presidente
da provinc'a manda declarar a'V. S. em resposta
ao seu oflicio de 11 do corrente, sob o. 34, que a
(hesonraria de fazenda lem ordem para pagar a
Pedro Paulo dos Santos os vencimentos constantes
do citado oflicio.
N. 681.Ditoao commandante do corpo provi-
sorio de polica.S. Exc. o Sr. presidente da pro-
vincia manda declarar a V. S. em re'sposta ao seu
offlcio de 19 do correte, sob n. 121, que a the-
souraria provincial lem ordem para pagar a Agr
& C. a quantia de 253000 constante do citado of-
flcio.
4J seceo.
N. 682.-Oflicio ao director geral da instruegao
publica.S. Exc. o Sr. presidente da provincia
tendo por deliberacao desta datee >m vista de sua
informacao de 28 de fevereiro ui'.imo, e da thesou-
raria provincial de 21 do corrente, resolvido con-
ceder de conformidade com o art. 23 da lei n.
598 do 13 de maio de 1864, aremoco que pedio
a professora publica Domingas Paulina Ayres, da
cadeira de instruccao primaria da povuaco de*
Crtenles para a de Nossa Senhora da Conceieo
dos Milagres na fref iiezia de Marangnape, creada
pete lei n. 812 de 11 de maio de 1868; assim o
manda communicar a V. S. para seu conheci-
menlo.
N. 683,Dito aos Srs. vigaro, subdelegado e
juiz de paz da freguezia de Aguas Bellas.S.
Exc o Sr. presidente da provincia manda com-
municar a Vv. Ss. que em 11 do corrente j deu
as convenientes providencias acerca do que Vv.
Ss. expem em seu offlcio de 14 de fevereiro pr-
ximo nodo, cora relacao ao estado da secca.
Rpartlcao da polica.
2* seceo.Secretaria da polica de Pernambu-
0. 18 de agosto de 1870.
N. 1124.Illm. e Exm Sr.Levo ao conheci-
nento de V. Exc qne, segundo conste das parti-
:ipacoes recebidas hoje nesta reparticao, foram
hontem recolhidos casa de detencao, os segra-
les individuos :
A minha ordem, Manoel Duarte Rodrigues Pin
to, que para este fim se apresentou voluntaria-
mente, por se achar pronunciado como cumplice
em criira de quebra fraudulenta.
A ordem do subdelegado do Recife, Jos Fran-
cisco dos Anjos, por disturbios.
A ordem do de Santo Antonio, Antonia Maria da
Conceieo, or enme de ferimentos, e Joaquim
escravo de Joaquim Marcos dos Santos, por distur-
bios.
A ordem do de S. Jos, Custodia Maria dos An
jos e Jos Loarenc por desordens.
A ordem do da Roa-viste, Jacnlho Jos de Souaa
l>or disturbios.
A ordem do do A Rogados, Vicente Muniz Ta-
vares, por embriaguez e disturbios.
Era date de honlera declarou-me o subdelegado
do dislrielo de Maracahipe do termo de Ipniaca,
que despronunciara os inlicadosf em crime de fe-
rimentos leves Joo Nepomuceno Xavier e Anto-
nio Cordeiro, e pronunciara o preto Agostinho, es-
cravo de Jos Henrique do Salles Abreu, como in
curso no grao mximo das penas do art. 192 do
cdigo criminal, de conformidade com'a lei de 10
de juoho de 1833.
Por offlcio tamben datado de hontem commu-
ncou rae o delegado do termo do Cabo que tendo
um inspector do quarteiro do 2dislricto daquelie
lermo, se dirigido com urna patrulha as matias do
engenho Mundo Novo do mesmo distrlcto^de ordem
do respectivo subdelegado, com o lim de appre-
hender dous cavados lunados por Manoel Joaquim
de Sanl'Anna, eonhecido por prej este, no acto de
serem apprehendidos ditos cavados, desfechra
un tiro sobre a patrulha, do qual resultou licar
gravemente ferido Manoel Atves, qoe fazia parte
da mesma palrulha ; que procedeu-se a corpo de
delicio e trala-se de instaurar o competente sum-
mario conlra o criminoso.cujo captura o deligencia.
Deas guarde V. ExcIllm. Exm. Sr. de-
sembargador Francisco de Assis Pereira Rocha-
vice-pre dente da provincia. O chefe de po-
lica. Luiz intonio Femandes PinAWra.
PEBHAHBCO.
sendos do,ribunai do thesouro otoal, sob ns.Idocmvsia as mformacoes dodireetor geraLda
ierra datado ds ?|
prov
t^^^^,^^^\^s^ru^
EEVISTA DIABIA.
PROMOTORES PBLICOS. Por deliberacoes
da presidencia da provin :ia. de 16 do eorronle,
foram nomeados promotores pnblicos : da comar-
ca de Palmares a Sr. Dr. Ernesto Vieira de Mello,
e da comarca de Garanhuns, o Sr.fDr. Joaquim
Ferreira da Silva Guimares.
FERIMENTO GRAVE.Quando am inspector
de quarteiro, do 2* districto policial do termo do
Cabo, no dia 16 do corrente, procarava prender
as mattes do engenho Jtfundo Mimo, Banoel
Joaquim de Sanl'Anna, oonbecido por Prea, e lo
mar-Jhe- dous cavados que havia fuado, deste-
cho! Pre um Uro em Manoel Alves, praca da di-
ligencia, fer ndo-o gravemente.
PROMUNCIA.-Pelo subdelegado de Carsuipe
f pronunciado ineurso as penas do art. 192 do
cdigo riminal combinado com a lei de 10 de jd-
nho de 1853, Agostinhe escravo de Jos Henri-
que de Salles Abren.
TRILHOS URBANOS DE OLINDA.A' come-
car de sabbado sero alteradas as horas da parti-
da dos treus desta linba, sahindo do Recife para
Olinda s 6, 7 e 8 horas da nnoha e 4, 5 e 6 1/*
da tarde, dp Olinda para o Recife s 7, 8 e 9 ho-
ras da manhaa, S, 6. e a 1/1 da tarde, nos dial
uteis.
PNTRE CARMELITAS.Os dous outros liberto*
Rliseo e Enteqoiano, qae.tembem havanV sidu
presos e recolhidos casa de detencao. a reimpri-
men to do Kvd. Fr. Alexandrino, com o lira de serem
remetiid s para a Baha, i-se aeham felizmente sal-
tos e depositados a requWco do distinclo advca-
lo Dr. Paula Penna curador adhoa, nomeado pelo
Sr. Dr. juiz municipal da t* vara.
Prata a Deas que pelo mais pleno irinmpho da
cansa da religio e da hnmanidade, spjam eoroaaVs
os supremos esforc,os de q^antos, adsu-iclcs ao es-
pirito publico e a santidde da causa, se lem em-
penhado a favor dos 8 libertos, em cojo nnmere
contase um pobre cgo denascenca.
NONO BATALHO DE INF ANTA RA.-Para
recepeo desle destnelo batalho, a sociedado pa-
tritica Dote de Selembro deiiberou : que, duas
horas do desembaique, formera os esquadioesde
lanceiros edose de selembro, e marchera par o
largo dos Voluntarios da Patria, aonde esperara
que desfille o batalho nono, marchando na van-
guarda do batalho o esquadro de laneeiros, e
na retaguarda o esquadro dose de selembro.
Ant.s de desfilar o 9 bala I nao a sociedade pa-
tritica Dose de Setembro offerlar Ihe ha urna lin-
da cora de luuros.
NOA PLBLICACO. Remettem-nos se-
guate :
t Sob o titulo Sonhos da Mttcidade. teremos de-
sandar a apparico de um novo mimo lillerarn.
produeco da fecunda e inspirada penna do Sr.
Eluardo de Carvalho.
O- joven e esperancoso poete, qne agora sor-
ge para o mundo da litleratura apenas escudado
pelas aspiraces phantaslosas e fugitivas da me
cidade, promeite an sea torno natal um futuro
cultor desvelado pelo engrandecimento e aprimo-
ramentn da repblica das letlras.
< k imprensa da provincia j o tem apresenta-
do ao paiz sob as formas graciosas do seus dev-
nelos poticos.
< Agora cumpre-nos acolhe-lo e festejar a sua
enfraila-no templo da poesa, irazcndo-nos o mi-
moso presente dos seus Sonltet da SUiadadt, que
sao encantad01-69 e lindos pelo esplendor de suas
mirageos, pelo aprimorado de suas creacoes e pe-
las lepidas roupagens de que se revestem.
Polgamos de consignar aqu o nosso apreco
pelo talentoso poete peroambocaoo, que vem en-
grioaldar o seu berco de n ais coras de flores.
SEGUROS CONTRA FOGO.-Pedem-nos a se-
grate piiblicaco :
< As daas companhas de seguros, ndemnim-
dora e Imperial Fire Office London acabam de sa-
lisfazer a quantia de 75.0003, por quanto tinham
segurado a casa commercial de drogas dos Sr.
Joo ds Silva Faria & Irmo, sendo a Indemnisa-
dora 5&0003 e a Imrerial 23:0003-
Os dignos directores das niesmas companhias
apreciaram certameote os documentos que pro-
vavam a exacdo do valor segurado.
UNLAO JURDICA. Funceionou hontem esta
ssciedade, sendo autoridades : presidente Goncal
de Mello, promotor Ernesto Vieira advegado Por-
firio.
O reo ineurso no art. 249, foi absolvido.
REVISTA.Fomos obsequiados com um nume-
ro da Reotsla de Pharmacia e Sciencias^ Accs-
torias do Porto, folheto mensal que se pablica
nessa cidade expensas c sob os auspicios do
centro pbarmaceulico portuguez. e que redigida
pelos Srs. Albano Abilio Andrade e Agosiinho da
Silva Vieira, destinaos prurraaceuticos de 1* cas-
se do Porto.
Esssa Heriste muito recomraendavel pela pre-
ciso e clareza com que sao nella expendidas as
doutrinas, e eluci Jadas as questoes, quer as de
sciencias accessorias, quer as de pharmacia, quer
finalmente a therapeuliea, que um de seas ra-
mos >
Agradecendo o offerpcimento, chamamos al-
tenco dos interessados para a Revista, certos co-
mo'oslamos, de que nao perdero seu lempo len-
do-a e estudando-a.
LOTERA.A que se aeha a venda a 157*
beneficio da Sania Casa de Misericordia, a qual
corre no dia 25 pelo novo plano, n'erle Diario pn-
blicado.
PASSAGEIROSVndos de Goyanna no vapor
Parahyba :
Abidom da P. Barbosa, Joo A. de Araujo. Esta-
nislao R. de Albuquerque, Joo de S C. d'Albo-
querque, J. Mello de A. e 1 escravo, Francisco A.
da Silva, Francisco Agostinho Guimares, Antonio
F. da Silva.
CEMITE 10 PUBLICO.-Obituarlo do dia 13 de
agosto de 1870.
Marcolino, escravo, Pernambuco, 20 annos, sol-
teiro, Boavisla ; hepatile agudo.
Quiteria, escr*va, preta, Pernambuco, 60 annos,
solleira S. Jos; laryngo pharyaaote.
Anna Joaquina Otayo, branca, Sergipe, 35 an-
nos, casada, S. Jos ; encefalite.
Julia, eterna, parda, Pernambuco, 1 anno S.
Jos; convaleces.
Maria, branca, Pernambuco, 8 annos, Boavsta ;
ttano.
Maria Silvia, branca, Pernambuco, 13 mezes,.
Sanio Antonio denles.
Dia L4.
Arthor, branco, Pernambuco, 2 mezes, S. Jos ^
convulcSes.
Maria Margarida de Azewdo Neves, parda, Per-
nambuco, 22 annos casada, Boavisla; phtysica pul-
monar.
Thomaz, branco, Pernambuco, 22 annos, Boa-
vista ; Opillaco.
Bertholeza Bonfacia da Hora, Pernambuco,. 30
annos, solteira, Buavista, hospital Pedro II; tu-
brculos pulmonares.
Luiz, prelo eseravo Pprnamco, 20 annos, sol tet-
ro, Poco; phtysica.
Julia, parda esclava, Pernambuco, I anno, i.
Jos ; convuleoes.
Bartbolmo, branco, Pernambuco, 1 anno, Santo-
Antonio ; convulcSes.
Dia 15.
Agostinho, pardo, Pernambuco, 38 annos, soltei-
ro, Boavisla. hospital Pedru; gastro entente.
Manoel, pardo, Pernambuco, 22 annos, solleiro,
Bovsta, hospital Pedro II ; desintena.
Maria, parda, Pernambuco, 3 annos, Boavisla ;
Sarampe.
Izabel, parda, Pernambuco, 9 mezes, Santo An
tonio; dentes, t^
Maria J#aqnina da Concetcao, preta, Pernarabn-
co, 35 annos, solteira, Buavista ; Parto.
Thereaa de Jess Maria, brama, Peroarabneo
72 annos, viuva, Recife ; congestao cerebral.
Olimpia, preta, Pernambuco, 4 annos, S. Jos ;
gastro entente.
Manoel, preto, Pernambuco, 2 anno, S. Jos ;
loco convulsa. _
Josepha, preta, frica, 50 annos, solteira, Boa-
vista ; hypelrophia.
CHROM A JIDMURM.
TRIBU*AI. DI IIELAVIO.
SESSAO EM 16 DE AGOSTO DE 1870
BisroanciA DO bxm. r. consblkiro CA1TABO
SANTIAGO.
Secretario Dr. Virgiho Coelho.
As 10 boras da manhaa, presentes os Srs. desem-
oargadores Girana, Guerra procurador da corta,
Lourenco Santiago, Almeida Albuquerque, Motto,
Doria, Domingues da Silva, Reguera Costo e Socua
Leio, abno-se a sessao,

*
"

iv-


Diario d* Pirnambw Sexta feira 19 t Agosto de 187.
los, b.tcii.irei
iros.-Relator
Tusados os faUeev dera;n-se os seguintes jolga-
Aggrtvaote, Flix de
aggravado, o Juizo.Re-
ibirgador Dominrnes d* Sil.
largadores Gi tirana e Mo
Uto.
orrnte. o oizo ; recorr-
loel da Cnoha Figoeiredo e on-
Sr. desembargador Souza LeV>,
sorteados os Sr?. deaedtbajfadorei GiUrana, Al
cantea Albuquerque e Moua.Anuullaram o oro-
cesso.
Hmcbso comiKBaAL. Recurrente, *> Jos
Heanque-; recorrido > joizo.Relator o 8r. es
Miirgailr Souia Lelo sorteados os 8. desem-
fcargadores Gitiran, AlTeid Albuquerqne e Lou-
Ventfo Santiago.Reram provimonlo.
AKU.AC(5ts c*iaas.~Appe.!linte, o jnrzo; ap-
pelado, Manuel l.iaquim Alvo. liuproceden
te. Appellante, los Anlooio de Mafia ; appellada,
a junira. Impropenle. Appellanie, o juico ;
appellado, Pedro Goucalves Pereira.Improceden-
te. Appellante, leao Joaquim Eleaierio ; appella-
, *i anneitaJo, Amonio Virtuoso de Cerquen a.A' no-
vo jury. Appellanie, juizo; appellado, ioao Af-
fens Perrera Filho.Improcedente. Appellanie,
jateo; appcllarto, F.lix, eseravo.Improceden-
te. AppeRante, n juizo ; appellados, Maooet Jos
da Suva e outro.lmprocedeme Appellante, Joan
Antonio Ribeiro; appeJtajta, a juanea.Iraproee
deU\ mandarain responsabilisar o envo.
AnttiMixo ruvKi.. AppWUnie. Tasao irmao ;
appellada, a fazenda. Receberatu os embar-
go*.
Pnonoaavio os nvrxtamo.Conceder proto-
acii de uweaurio por 6 motes a Aulunie da Silva
Omino.
BauoiuicJA ciumb.Ao Sr. desarabargador pro-
olor da jusiica : appellanie, o juizo; appellado,
Adtrfmo Jos da Silva. Appellantes. o juizo e Sil-
vino Amonio da Silva; appellado, Claro Al ves de
Oliwira. ApueJlaulc, Lourenco Antouio da. Silva;
appallada, a justica. Appellaute, loao Francisco
dos Hms; apue|lada, a jus.tica. Appellaute, o jui-
i appellado, Jos Cosme Ja Silva. Appellaote,
o juizo; appellado, Antonio Jo- Dias.
Oelicencia avm..Ao curador eral: appellau-
es, os herdeiros de Loo renco Jo das Noves; ap
fielUdos, os lierdetros de Jos da Rocha Para
ib w.
Assignou-sc dia para jnlgamemo dos seguintes
feitos:
AfpBLLAr^Es crihrsAppellante. o juizo; appel
1td-.i, Arouud de ll illan la Cavalcante. Appellan-
ie. ojuizo; appellado, Alexandre Gomes da Sil-
va. Appellanie, o juizo; appellado, Laurentino
Jos Antonio.
PASSAGRNS.
Oo Sr. desembargador Gitlrana ao Sr. desem-
oaigador Guerra.Appellaeao civel: appellanie,
Jone Ignacio Nones Freir ; appellado, Manoel Go-
mes da Cunha Lima. Embargo : embargante, Jas-
Uno Pereira de Karia ; embargado, JoaoLuii Fer-
r ira K ib e ir o.
Ao Sr. desembargador Lourenco Santiago.-Ap-
ps-llaeaoerime: appellanie, o juizo; appellado, Joao
Penetra Mar liado.
Oo Sr. desembargador Lourenco Santiago, ao
Sr. desembargador Almeida Albuquerque. Ap
pellacao prime : appellantes, o )uuo e Manoel An-
glico da Silva : appelladoc, ojuizo eM.-tiool Felp-
pe de Araujo.
Do Sr. de<.!ui:iargador Alpieida Albuquerque ao
Sr. desembargador Molla.Appellaeao erime: ap
pellanle, Autouiu Francisco dus Batos, appellada.
juslici.
fio Sr. desembargador Motla ao Sr. desembarga-
dor Doria.Appellacoos crimes: appellaute, fio
mingos Mximo da Trindade ; appellada. ajusl-
;a. A apellante, o juizo; appellada, Mana, es
crava.
0> Sr. desembargador Domingues da Silva ao
Sr. destvnbargador Regueira Costa.Appeilacio
-ivel: appellantes, Jos Victorino de Rezeode dt
C; appellado?. Minleiro Cona A C.
Do Sr. desembargador Sooza Leao ao Sr. des-;
emosrgitilor Gitirana. Appellaeao crime: appel-
laate, o juizo; appellado, Aolunio Platino di>s San-
tos. Aupellacors civeis.- appellaute, Manoel Joa-
i|im do li-go Albuquerque; appellada, a fazeu
da. Appi-llante, leso Ribeiro Campos o Pires ;
aopcllado, Antouio J>k de Souza. Appellanie,
RlMrtn Brasil de Mello ; appellados, os herdeiros
de Miguel A Ivs de Mello.
A' i: ua hora o meia da tarde encerrou-se a
sesso.
baixa o da nomeac
Cwta.
De
l&e r-T-'re o t:'. i 'le aa nnmeacao de calxviro
tRegistre-,
onie da CoQtpaphia
n a m bu cana, pedindo earta de registro para o va-
por i/ossor d Udn da referida eompa-
ViMa ao Sr. temkargador Hscal.
COJI INFOOiaCAOMtR. OKSCIOAMaUOa fiscal.
De Hugo Sctling, matrieiila do eonmerciaBl*
-Ufetei^lagar por rao ter provado devidaraen
te a uualidade de sacio da Arma da Kalktnaon 4
CFoi veoeJdo o Sr. epatada Bailo.
De Serafhn AIvm Rod/igues, Domiogos de S u-
ea Rodrigue o Joa* Paulo dos Santos Jnior, di-
tratul sociaJ.Ilegiaire.se.
De Manoel Rasaos Correa e Manoel Gomes da
Silva Amorim, cntralo social.Registre-.
De Jos Mara Ferrara da Cunha e Alfonso Mo-
reir Temporal, distrato.Regi.-tre-se.,
De Candido Alberl Sodr da Molla e Jos Do-
mingues do Carrao-e Silva, contrato de sociedade.
Registre-se.
Hehabilit que do Albuquerqae,Vista ao Sr. desembarga
dur liical.
Sendo i I I/i horas do dia, e nada mals haven-
do a despachar, o xm. Sr. presidente encerrou
a sesso.
5ESS0
latan Vil. oo COHERCIO
ACTA DA SRSSAO AD>nXISTRATIVA DE 16 DE
AGOSTO DE kOO.
ffltSIMKCIA DO axil. SR. IIHSKHIIVHADOR .AKSKLM0
RAJICISCO PRRF.TTI.
As 10 horas da manhaa, roonadM os Srs. depu
udos R >si. Basto, Mirauda L-al e baro do Cru-
arzv, S. B*e. o Sr. pre^idonte abri a aflUJO.
E' lida o approvada a acia dt snssao de 11.
exped rjtTB.
4"avo indereco so Exm. Sr. presidente do tribu
nal enyiou o Exm. Sr. vica-presidinte da provia
c.i afim d sor infonnido pelo mesm.i E'in. Sr.
pivsi lente, uii olfl-io do capitn do pirto dizondo
-i-r falsa a aliegac i do gerente da companhia
Penuaabaeua quando attribui i a erro lypogra-
phico o aononcio da sabida il vap .r Mossor em
vez de ser o Mandah, para Goyanna, visto como
p AajM vezes me pedir Manoel Rodrigues dos
Swtos lloara qu-i deixasse sahir dito vapor.A'
secretaria para iuformar.
o.li io ila direccao da AssociaQlo Commercial
R-MAdooBte, Armado de 10 do corron'.e, comrauni
ca lo a eleico dos novos fnnecionarios que de
veja rege 11 oo presente anuo social.Accuse-se
agradecendo he.
Ollieio do presi lente e secretario da junta dos
corrotores, enviando o bolelim coininerciil da se-
mana prximamente Anda.A' arcnWar.
Ostribuiram-se os livrs seguintes :Entradas
sabidas do trapiche Bario di Livrainento ao
Caes do Apollo n. 45.Diario o Copiador de M
galbiis, Mendes & C.
S DESPACHOS.
R*qierimento do olMcial es-ripturario da secre-
taria do tribuml Dinameneo Augusto do Bago
Uangel, pedmlo que se Ihe d por ceriidao o dia.
mez o auno em que entrn para a secretaria co-
mo am lmense archivista ; se teve accesso, e
quando ; se obteve alguma licenca ; se obteve a
gratificacio de 25 par % do ordenado, p, final-
mont*, se soffreu alguma suspencao ou adverten-
cia por falta da cnmprimenlo de seus devores.
Certifique se.
I>- F-lippe Carneiro Estrella e Alypio Dias Ma-
chad i, e-talielecidos na ci I ido da Parayba sob a
fraaa de Felipp Estrella A C., pediado o registro
de seu'contrato sjcial.Visia ao Sr. desembarga
d-r fiscal.
IW; lleraclio.Constantino de Paula Monteiro, pe-
dio lo o registro da nomeac i de seus caixeiros
Julio Ferreira da Costa Porto e Joao Francisco
Lupa.RgMre-se.
De Joauu'm da Cos'.a Martins, pedindo igual-
mente o da de seu eaix io Manuel Garbiao de i
Sena o Silva. Registre-se.
Di J G'jilherqae A C-, pedindo o reg distrat social celebra lo com Felisberm Ferrein
de Oliveira, e titulo de quitacao passado por elle.
Vista ao Sr. desembargilor fiscal.
l>: \nt mi Jos Goncalves Je AzevJo, pedindo
qan se Ihe reiislre a o imeaca- de seu eaiseiro
Aqnelini GTaldo de Paria". -Regi-rre-se.
Da I. mrenc Ribeiro da Cunha Oliveira, pedio-
d> timnem que se Ihe registro a nomnacao, qn-1
juma, de seus caixeiros Alfredo dos Sanios Al-
meida e Franc,80o A'.haoasio da R*iba Braga.
Registre-se.
!)e ll m ial Jos da Fonseca, pediado qo se Re
aaaaJe certificar se est ou nao registrada a no
rn*ar > de sno caixeira Jse Roberto de Sotua.
Certifiqese.
Di Minoel Henriqoe Rima', para ser-lhe regis
trada a owneaeAn que apresynta de seu caixeiro
Uanod rabino da Trwladacao ijwin recaer.
De Mmoel Pedro de X'ir-mha, asignando como
procurador Awmio Francisco dos Smos e por
pasto otituh de eaixeiro Miaoel Pedro
Alves lii'iior.Junta pr-icuraijao o q io assigaoa a
no neaci > aoresente peticio.
De I). P. Wil.1 & C, pe'nfdo o registro da n.
mMi;a > de seo* caixeiros Jos Maximiano Soares
de Aveilar e Midesto Leopoldo lia-los.Regs
tre-se.
De J .aquim Pint Maglhaes n Antonio M-ndes
mu Machado, petando o rogidruidji seu om
trato .'Jado. Vi^'A ao Sr. desJoibargadoi
.Ucal.
De Gfgino Jis Cir-ia a Ait mi> Jos R .Iri-
gue- ii tratos, I) pi
que juiUrn.Vista ao r i'gi|o"
D< Manoel Ferreira Piato Mt'hejro, mostrand .
tarde
q&e dera a seu c.ui-ir.. I) ^^^a^B^B^B^B^H
JUDIC1.AR1A FM 15 DE AGOSTO DE
4870.
nuasmimciA oo kxm. sr. dksbmbaroadob a. r. r-
arrri.
Sgcretari, Julio Guimanuu.
Ao meiodiadeclarou-se abena a sesso estan-
do retnidos os Srs. (lesembargadores Silva Guima-
ries, Res e Suva e Aecioli, e os Srs. deputados
Rosa, tasto, Miranda Leal e baro de Cruaugy.
Lida, loi approvada a acta da es&o anterior.
O ascrivo Albuquerque registrou o ultimo pro-
testo de letra a ti do presente mez sob o n. 2037,
e o escrivo Alves de Brilo a 9 do dito mee, *ob
o n. 2030.
ACCOBDAO ASSJ6KAD0.
Appellante Urbano Jos de Mello, appellado Jo-
s Velloso Soares.
iloametos.
Juizo especial do commercio : appellairies reos
os administradores da massa Taluda de Manoel de
Souza Carneiro Pimplo, appelladns autores Van-
na A Guimaraes; juizo os Srs. Silva Goimaraes,
Re* e Silva, Rosa e bario do Cruangy. Poi fe
formada a sentenca appellada.
Juizo especial docoramercio : embargantes ap-
pellantes reos a viuva e herdeiros de Dimio Jos
da Costa, embargado appellado autor Antonio
Doarte Carneiro Vianna ; juizes os Srs. Silva Gni-
mares, Res e Silva. R sa e Miranda Leal.Or-
dMiim-se urna deligeucia, send> voto vencido o
Sr. Miranda Leal.
Embargantes os herdeiros de Antonio Norteo
de Sooza Ltwldad', embargado Policarpn Jos Lay-
ne ; appellant Manoel Carvilho di> Moura, ap-
pellado Mmuel Ribeiro Bastos ; appellanie Jos de
Oliveira Lirm, appeilado Joaquim de Souza Fer-
reira ; appellaote Matern'is Lenz, appellado A oto
nio Gomes Xetto ; embargante frei Francisca de
S. Boa ventura, embargado Manoel Ribeiro Bas
tos; appellanie D. Gerlrudes Anglica Joaquina,
appellado o barharel Joaquim Fran iscn de Miran
da ; embargantes E. A. Burle A C. embargados
Oliveira, Flhos & ll ; appellante Antonio Jos
Duarin Braga,,appellado o carador fiscal da mas-
sa fallida de Tnoinaz Manoel Pereira Magalhes, ap^iellado Juan Bus-
somAdiados a pedido dos Srs. deputados.
BMBMBM8.
Do Sr. desembargador Silva Guimaraes ao Sr.
desembargador Res e Silva : aitpellanles o ad-
mioistralores da mn--a fallida de Antonio Maria
O'eonoel Jersey, appellados Jof Victorino de Re-
zende A C.
Di Sr. desembargador Reis e Silva ao Sr. de-
sembargador Accioli: appellante Pauto GuHphe,
appellada D. Luci na Gerlrudes Clara da Silveira.
DKSTMSUICOF.S.
0 Sr. desembargador Res o Silva jarou suspei-
{ao e o Exm. Sr. presidente destribuio ao Sr. de-
embargador Accioli o feito entre parles: appel-
lante Jaoob Can, appellada D. Delphina Telles de
Menezcs.
Ao Sr. desembargador Silva Goimaraes : ap-
pi'llante Joao Francisco de Carvalbij, appellados
anoel Fraecisco da Silva Novaos e outro ; ap-
elantes a viuva e herdeiros do Diogo Jos da
Cosa, apiK'llado Antonio Duario Carneiro Vian-
na ; appellanie Joaquim Francisco do Espirito
Santo, appellado; Intiman Frres.
Ao Sr. doiembargador Reis e Silva : appellanie
Joaquim Francisco do Espirito Santo, appeilado
Nathan Danheisser; appellante J. Blum, appella-
do Jos Alves Barbosa; appellanie Antonio do
Azevedo Neves, appellado Bento Jos de Mced<>
Pocas; embirgante Jas Carlos Teixeira, embar-
gados Oliveira, Flhos & C.
Ao Sr. desembargador Accioli : appellante Jos
Maria Panneira. appellados Antonio Luiz de Oli-
veira Azevedo & C.
Eneerrou-se a sesso uma hora e meia da
-tarde.
PUBLICACBES A PEDIDO.
Ao publico
Sob a epigrapheGemeo a montanha e pari
nm ratovem no Uinrio de Pernambuco n. 148
de 5 do correte, o Sr. major Panlaleo de Siquei-
ra Cavalcante, com uma estira la publieaco, di
vidida em duas partes, na primeira das qtiaes di-
rige-se 3 cmara je-te, municipio como corpo col-
leeiivo. e, na segunda, destacando me dentreos
ineinbros daquella corporacao, considera me sub a
trplice reiacao de pro-presidente da mesma ca
mar, de segundo supplente de delegado de poli
cia. e finalmente d homem particular.
Teve o mesmo maj r em mira, primeirameate,
convencer ao publico, da jnstica e regularidade
com que foi forgicila a sua decantada demarca-
cao de Cradog, o depois, fazen lo-se eaiiiuar co-
mo o pretolypo dos caracieres desta comarca, es-
tabelecar compar <;oes, que dessem em resultado
chamar odi >sidades sobre outros, e sobro si, e
conseguiitemeotij subre a tal demarcacao, um
certo inleresse compa-sivo.
E' justameate o terreno em que o Sr. major
nunca deveria ter e< lineado em a sua pessoa, nem
a seu querido juiz C. suppleole ; este porque col-
lado nao encommendou e era poieria arriwar-
se um tal commeliimento, e V. S. porqle, coihe-
cido como cuido de longe e com orna car
reir de brilhmUs episodios, nao ser cornizo,
nascido do p, vindo de liontem, o primeir> a co-
ubecer-se quando se considera, que se deveria
ter encontrado.
Deixando de parte o acerva informe de saodices
e lalsrdaies de que consta a primeira parte da tal
pub'.icacao. sobre a qaal contmto-me, por minha
Mina, de chamar a alte cao do publie < para o
protesto do Dr. Joao Alvares Pereira de Lyra, in-
ser i no Jornal d> Rrcife de 11 do crreme, don
de so v que at na tr.mscripcao de um trecho d
senlenc se emprega a m f, e assim pr^icedend >
pricip lmente porque aos triounacj do.paizcom-
pote tno obstante o qne de pressi emprega o
sr. major a os seus para maiarerc a appellaeao na
in^i.iuea inf-yior) o o mh-'ciraaoU desse pino fi-
lho do msestueso ajunUmeflto do cynismo e.da
ambicio, passar-i no terreno em que Fui r.ollica-
d >, a acompanhar o gorlnxo majnr, fallando a
linguaaem da verduie conforme o se* vw$mi dse-
jl, embota o ammlte e machuque -pois que, quem
nao quer ser kiki>*ao-/ke l$mi as oes/e* Uto pos-
lOLicitnQrmo que bordara ) Sr. major urna das
inaiores firmnas desta trra ; ma* a^crescenvi
qoe a si o .i si deve recrirnieir-se pelo seo es
lad-i, ijue lmenlo de veras, principalmente por-
que sei qne com a sna reeonheeida abnegicso
amitos beus i.oiyinuaria a prestar a seus pa. entes
- pirentas, a pobreza e orphandade desvalida, e
fnalaiente* mnn prop/io, qne oascide qunsi in-
volt i com o p, pa^a ch 'gir a arrotar grandeaas,
imito necesitara do apoto do Sr. maj >r.
Nao tenho grandezas, nao, roeu charo enhor ;
figo insistir toda minha went ra etn viver mi
nh-t cusa, ivnn indvpendeneia, b'inradez o digni
dileeui todas as relacs de minha vida nublia
?< particular, provoeand >, como provoco o Sr. ma-
j >r. para quo, aa menos diga o contrario.
Cni-ca oSr. Panti. depiis de garatujar algu
m!is Inhi..,ein que da notiejado P'issuir pm, suas
naos uma representa*) da cmara asignada r
mira circu nsiancia de grande peso, p irque d> /ia
> lu-iuto t^i i leiiifi-^dos juiz e parles tln
ica>
o Sr. hidoru riaao Sa
at e r
Panto oega, o S fiar, veseemando en por canta des mui
OmaM que um ajuste prerkide >...,
comptirto a qne suhiram as taes deuiadat Ji.
Nao
discripOe ^
destealdadei tambicies 4esla loc.liiadt mani.
'. incesta A
. fce2ter d",v'*> 'Unr*e desse ajuste,
tntre V. g. o su juiz sopptoate Oo 6- mani-
*enlo. Agora sr. major se quar que llie Siga o
termo com (|ue deve qualilicar o procedimooio da
cmara municipal em coatrapoticjio r> de usurpa-
dor, com que o alcuabej, me nesponda prnoeira-
monle se ombeceu em tf3i Panlaleo de Squei-
ra Cavbante Jumor, procurador entao, da cma-
ra de Cimbres, assim como so coronel' Panlaleo
de Siqueira Cavalcante e llnalmeute uode ucaui
asses sitios de que. todo falla o documento sob n.
1, em publica lerma. Ah I meu bora Sr, nao ha
mgica qtte < faca explicar orna tal metornrpbose.
Em face de tal documenta creio que o.Sr. Pajii
licar salisfeito, sabpena de cair ua falla de sci-
encia oronria, e d'abi po abysmo___ Compare
o Sr. Pasta esso documento do procurador di
cantara de 1852. lempo em que ronecionava
como juiz do pai ilesse mesmo procurador, e
quandojarabos ram posstidores de Cairqg,
qoe nnnfia existi, e nem capaz o mesmo r., de
mostrar donde Ibe proveio^com o que boje quer,
quer achara o termo cmi qne deve ifjalificar o
procedimento d> cmara, quando pugna pelos
seus direitos.
Compare anda a falta de scienoia propria des
se mesmo fooccionao, que depois foi pr-presi-
deote da cmara, seu .ai, tos e lodosos ante-pos-
stidorns de Sororoca, que nnuca liveram ierra
alm da planicie, base geral da divisao de ter-
renos deste lado da sorra, e qoe se qneriam tra-
balhar as fraldas da rnesma, em toda a eitensio
do lerreDo disputado, e alm delle liraram datas
por arrendarnento, como sabe o Sr.'Panto, coa o
que qner oje S. S. que, tendo pedido ao Exm.
Sr. presidente da provincia (e a cmara trans-
ada) para Ihe mandar entregar os- fundos de So-
nsoca, eleva agora Cradogo na extremidade do
nasoente de Sororoca e na planicie, a eathegnru
do propriedade, para demarcando a ir dani urna
legua ao poente no alto da serra (que Bada tem
com Cradog.) e eomecar >ua divisao em direc-
cao ao norte, duas leguas pela erra cima, e
veja se obtein do publico sensato o termo com qoe
deve qoatinoar o sea proeedimenio. Ah I Sr.
Pinta acredito que S. S. deve estar maravillado
com a .ua propria ebra !...
A' vista disto, creio que nao dir mais qne aao
sali o que disse, que nao o conhco ele.
Somos da mesma aldeh, meu caro; sempre
ostivemos por aqui, com exeepeo do pequeo
espaco de tempo em que residi V.S. no engenho S.
Paulo e por is>o acostomado desde a infancia a
deslembrar-me com as suas gentil leus, eu nao
poderia ter querido fei-lo, expo-lo e faze-lo co-
unecidofradajni, onde V. S. acompanhado dia e
no;ie, o onde nao necessilaria dos meus services.
Agora Sr. Pama d noticias de michas mazeiias,
peovoco n para que as aprsenle. Sou hemem,
tenbo delrtos, mas orgulho-me, quando me com-
paro com V. S.
Porque nao falln de mlnh.is mazelas da prele-
rencia a ealuraniar-me Oude vio que tacho o
ftweco porque ha de ser vendido o milito na
feira *
O quo fez, Sr. PanU, foi censa milito differenle;
e senSo veja o documento sob n. 2 e diga-me
quem falla a verdade ?
Fiz o que se i na capital, e oai tedas as partes,
onde a administracio tem visto, na qnadra em que
airavessamos, douma-seeciiidemais de tres annes.
levaiilarem-se, nao o Sr. Paula, que nstcnlaes da
/r rom a populacao desvalida.
Nao devo esquecer a remessa do sentenciados,
sem guia, para a c> pital, e assim tambera a priso
do re^ruta, solt por babeas corpus.
Se en tve so mazelas de certo que nao estara
respondendo a desparales.
>Ign >ra o Sr. Pauta qne todos os dias e de todos
os pernios do serto, como medida de verdadeira
segnraoca e at de homanidade, sao reraettilos,
no intervallo das sessoes do jury p ra a capital,
alguns presos nao julgados, iui appellados, e que
respeito dos sentenciado-* ai os obrigam a cum-
I rir alli as suas eniencas ? Quem o juiz discreto
do- modo, occ.asio, conveienuia ou inconvemeneia
dessa remessa ? A que vem a falta de guia que
sao ohrigados os juizes mnncipaes a reuieti-las
ex-oflicio, se no ta torra de-de fevereiro, ou prin-
cipio de marc\ que r- se sabe que ha juiz, quin-
do o senior o qaer e manda chamar a 20 legad*
para da priso d remita com tanta parcialidade?
Se foi o seu adrogado, tenba eoidado tnta elle
Sr. Pinta. Sama que essa priso foi a MMe, qne
quando com certeza se praticam as deiigericias
por toda parte; mas saiba tambem qne o indivi-
duo aprisionado nao eslava dentro da casa do seu
advogado, portas feehadas, e nem se Ihe arrom
barain as taes portas, e por isso se qnizV. S. fallar
le casa, como synonimo de aggregados. estamos de
accordo. E enlo o quoficarao sendo os seus
aris. 149, 201, 187 e outro9 do cod. eriro., e consti
tu icio 1
N. I
i otros artigo do codico criminal s autoridades
descriotionari s e desptica?, de que fallam as
fls. I, 13 e 14 dos autos de habeas corpas, a re-
querimento fe Jos Sdnres da Silva ediga-me oude
estariara essas autoridades se se cumprisse a
le ':'
Extraa certidao desse auto de ommnosas recor-
daces, de verdadeiro canmbalismo e faca ajuniar
demareaco do Cradog.
Em fim. Sr. major, preciso prova, porque o es-
pero e devo guardar algum material para o seu
segundo encontr e isso
Vlete.
Sanhar, 20 de julho de 1870.
^nttfro Ferntra jcile.
color
-rae de virolento e
se fura ti ficil darpitent-detuflq
ispi, luaot) f.zer pellpiicas, chamando de mons-
iru.*sa e d'stitjida de verd.ile a referida repre-
|. i, que entretantt Iha merpci-u repiro 0a
liarte ra que lamentar que a jnsiica oo CiTihre-
nve-se e .ti i la a mi joil ym deek.rava faxar-
ocaa e Mello e cujo registro pedio, bem com e levar pelo tnteresse das cusas, ponco se impor-
DOCUMENTOS.
.Y |.
Publica forma de um documento do theor se-
enlute : Illm. Sr. Diz Panlaleo de Siqneira
Cavalcante Junio-, procurador da cmara muni-
cipal deste-lermo de Cimbres, qoe, tendo (oVcorri-
1 o mais do am mez, depois da ultima ordem do
Illm. Sr. director geral das aldeias de>da provin-
cia ao director parcial da aldeia deta villa, man-
dando suspender as reivindicacoes aroitranas com
quo este dito director mandara invadir a* trras
ou patrimonio da mesma cmara, introdnzindo
oos sitios Minas, Couro d'anta, Corral dos lipis e
mjtros, alguns indios em despeito e usorpacao do
dire.to de propriedade, cojos ttulos e actos posses
sorios de mais de sessento anno3 sao evidenissi-
inos, compre qoe V. S. mando pas9ar mandado ao
porteiro c olBcial de justica, Jo? do Bomfim Meo-
des Leal, para que, pVcorreodc os ditos sitios, cer-
tilijuo so com eff-nio anda seacham alli ditol In-
dios, qoe baviam para ellos entrado de ordem do
snpralito director parcial; pelo qoe pede ao Illm.
Sr. juiz municipal supplente desto lermo assim Ihe
defira. E recbi-r merc.Panlaleo de Siquei-
ra Cavalcante Jnior.
Come requer. Posqneira, 28 de jnnho de 1832.
Cavalcante.
O coronel Pantaleao deSIqneira Cavalcapie.caval-
leiro daordem de Chrsto, e juiz municipal sup-
plenteem exercicio nesta villa e seo termo, por
S. M. / e C, qoem'Dos goarde, etc.
Mando aos offlciaes de jnstica que, vendo este
por mira ass'gnado e pasjado requerimento re
tro, facam a cxncocao njquerrda. Cnmpram.
Pesqofira, 28 de jnnho de 18JI Eu Leonardo
Bezerra Cajraicinte da Silveira. escrivo, o escrevi.
Cataltante.
CeTtiftco qoe um comprment) do mandtdo re-
tro do Sr. joiz monicipal supplente deste termo e
do qoe con>ta na pepcii retro, foi esta villa de
Cimbres, em 'Pesqu'ira, aos sitios mencionados
peneocente< ao arrendameoto desta respeitavel
cmara deste municipio, os onaes acpei oceupa-
dos pelos indios por ordem do director desta al-
deia, os qnaes sitios sao os seguintes: Cooro d'an
ta, Biixa verde.1 Zombi, Minas, Qnisanga, Corral
los bois/Tnrra-lalruda e Baoaoeira; do qoe pas-
si o rWerido era f de'verlade.
Villa de Cimbres em Pesqo-ira. 30 de junho de
1832 -0 offlelal de jostlfa Josi do Bmfim Mendes
ttbs\
Nada mais se oonllnh em dtto documento, qne
eu. tinelliio, bem e fielmente extrahi por publica
forma do propria original, ao qual me reporto, a
que com esti entregoei propria parte que m' >
apreseninn, Satvro Perreira Leite; e vai sem eon-
sa qoe dovida' faca, emngo conferida, eonceriaia
e assignada. neal Villa de Pesqoeira, aos 31 de
nnio de ifffQ.
En tetonwnbo de rerdale.
O taMKiA poMiee,
Antn* Snmano de Mello Falcao. I
i Srs. empegados poblieos, Mfootantes e mais
ajantes sensatos da villa de Cimbres era Pes-
qoeira, decrarem ao pe deste quando o em qqe
idaixo anignado uxou gaaaro algaa.
esoecialmente ri.ilfto, que se expazesse vofl^H
mercado da feira da mesma villa, no carcter de
delegado de polica 3 opplente em exereicio.
Nestes termos o suppllicante pede
declarar a jedozido sodtonte cora a
V- &\yn Ferreira Leite.
Aao ras consta que o supplicante imnoaasse pre-
co aos gneros, que vom au mercado nobco dea-
ta illa, nem corno delegado, peni como part-
Villa de Pesqueira 20 de julho de 7a
Marco Tuilio dos Reis Lima.
Refiro-me ao que cima flca dito.
Jos Martins Leito.
Heiiro-me ao cima dito. Pesqoeira 20 de iu-
Ibode 117o.
Malaqnias Jos Baptisto.
Rero-rae ao attestodo supra.
Candido-Rodrigues B.
Kefiro-fnn ao attesudo supra. Pesaueira 20
de julho de 1870.
n.. cleiDI"wo,de,PaaJa i-eie.
HeHro-me so attestado supra. Pesqueira 20
de julho do 1870.
Francisco Rodrigues Lins Soares
Ueflro me.ao atestado s0pra. Pesqueira 20
de jolho de 1870.
a ..... An,on' Pedro de Torres.
Aiiesio que nao me consta que o supplicante ti-
vesse laxado preco era genero i nesta villa, nem
em carcter de^uwrdade o nem como particn-
lar. Pesqueira 20 de jolbo.de 1870.
D Fwmino R. Lins de 'Alboqnerqoe.
rteuro-meao attestado supra. Pesqueira 20
de foibo de 1870.
Flix Athaoisio Leite.
RcflroHiie ao attestado supra. Pesqoeira 20
de julho de 1870.
a. Gaudeacio Rodrigues de Araujo.
Hcliro-me ao attestado supra. Pesqueira 20
de turbo de #870.
Riendo Cardoff.
Reoro-me ao alletado supra. Pesqoeira 20
de julho de 1870.
Joaqnlm Vicente de Almeida.
' Em virtode de mieiia vida no lodo particular
qoe mesmo nunca vou a feira, novo-todo quanto
diz o supplicante. Villa de Pesaueirr 20 de julho
de 1870. '
Joao R. Cordeiro Waodertey.
Aao me consta que o supplicante earatler de
autondade, tivesse laxado preco em genero al-
gum nesta feira. Pesqueira 20 de julho de
1870. '
* AntonkrCelesuoo da Fonceca.
Nao me consta que o supplicante tenba imposto
preoo aos gneros que vnn ao mereado, nem co-
mo aoloridade, nem como particular. Pesqoeira
20 de julho de 1870.
Francisco Cecilio Mango.
Refiro-me ao attestado cima. Pesqueira 20
de julho de 1870.
Thomaz de Atevedo Albuquerque.
Refiro-me ao attestado supra. Pesqueira 20 de
julho de 1870.
Joao Muniz Baplista Falcao.
Refiro-me ao attestado cima. Pesqueira 20 de
julho de 1870.
Mathias de Oliveira Cavalcante.
Nao me consta que o supplicante tivesse impos-
to preco aos gneros no mereado dessa villa com
o earacier de delegado. Pesqueira 20 de marco
de 1870.
Zcferino Candido (lalvo.
R'liro-me.ao attestado cima. Villa de Pesqoei-
ra 20 de junlio de 1670.
Severiano Rodrigues Pires Jatob.
Reliro-nie ao alte-lado cima. Villa de Pesquei-
ra 27 de julho ilo 1870.
Jais Severiano Leite Jatob.
Refiro-me ao attestado cima. Pesqueira 27 de
julho de 1870.
A rogo de Sebastio Bispo Professor,
Joao Severiano Leite Jateb.
Refiro-me ao atiesado supra. Pesqueira 27 de
julho de 1870.
' 0 fiscal desta villa,
Antonio Jos da Silva.
Atiesto qne o supplicante esta cima de todo
elogio pela boa e acertada direccao com que tem
sabido desempenhar no carcter de autoridade
policial, e como para soropre gosuu de rxeinpiar
procedimento, pelo que se'dizem q*e o mesmo pe-
ticioaario impe precos aos gneros, vin lo ao mer
cadn desta villa, urna falsidade, urna calamina
inaudita smente falsa do genio do mal e de dos
altelos destituidos de itcnerosiiade. Villa de Pes-
queira 28 de jultio de 1870.
Alcbiades Augusto dos Santos.
Refiro-mn ao attestado cima. Pesaaeira 29- de
julho de ,1870.
Joao Leodegario de Parias.
Reconheco as urinas supra e retro a doo te.
Villa de PeNjuotra 29 de judio de 1870.
Em teslemunho de verdade atiesto. O tabelliao
publico,
Antonio Se'veriano de .Vello Falcao.
se sirvam m, occasio, i asi
NULLIDADES DE ALFOKRUSDE ESCRAVOS
M DOS CONVENTOS.
N." 160.Imperio em 13 de mao de 18C&Ao
Faca, Sr. Pauta, applieaco des tes e de todos o*- visuador apostlico da provincia carmelitana flu-
minense.pechra que os superiores das ordeas
regulares sao curapet oles par* pissarem cartas
de liberdades aos escravos das mes as ordens.
4.* seceo Rio de janeuo Ministerio dos ne-
gocios do imperio am 13 de maio de 1868.Em
liicio de 2o do mez liad i, consulla V. P; R. se sao
validas as carias de liberdole passadas a qnalro
escravos dessa ordem, sem auiorjaco de V. P.
K.pelo prior do convei.to de Mogy das Cruzes.
Em resposta cabe-me declarar a V. P. R., de
accordo cora o parecer do coaseiheiro procurador
Jacoia, fazenda e soberana nacional junto por
copia, que o dito prior nao traba inder para pas-
sar as referidas cartas de liberdade.
Den* guarde V. P. KJos Joaquim Fernn-
des Torres, Sr. visitador apostlico iuterioo da pro-
vincia Cinoelitana Flumiuense.
Parecer a que se refere este aviso.
Illm. e Exrn. sr.C m quaiito a liberdide ti-
vesse sempre entre nos a manir proteccao, nao
pJe asta coraiodo ir alm dos limite?, violentando
os principios de urdem e de propriedade, elemen-
ios essesciaes das sociedades. 0 prior do conven-
to do Carmo uo liaba poiler pra dar liberdade
aos escra vos, e bem sabido a axioma jundic :
non esl major defectos qmm deftetus potestutis. E
entao consecuente que ludo que fez como se
uo exisbsse, nollo, nao pode produzr elfeilo al-
gum. Nada faz ao caso a epocha em que fbrarn
passadas as cartas ou emque se liguran passadas
as taes cartas de liberdade, nao s porque nao po-
dem prevalecer contra os priucipos expendidos,
como porque os insirumentos particulares se
reputara datados do da em que nelles intervem
um acto selemue, legal, como registro, seHo, etc.
Davein, pois, eondbrar se. como nao existentes
as liberdades concedidas pelo prior do couvenlo do
Carino. Sua Magestade mandar o que fr ser-
vjdo.
Rio de Janeiro, 15 do maio de 18680 procu-
rador da corta.
D. Prancisa Ballhasar da Silveira.
cripta aob a titulo tk-ff tmpora mores da
peona tolve de nm Sr. Goimaraes.
Anda esto gravada 0a animo de lodos a mi im-
pressao daquella horrtvel assassinato oo centro
desto rrenuaaia e ao sol de meio da, poi, bem
quando todos aecnsavam o eriminMo e ama gran-
de imiltidao-assistia ao mlerrogatorio qoe Ibe fa-
zia o Dr. Lucio, nm bacharel, seua(|0 M ,jjlse na
pecasio, insiajcaqeil-,Ja l'tid'naaM Inr
dezoito aoadMe Mil. essa sfelaraajKfiKei-se
para sen cneador I
O subdelegado sao devU aceitar o effereetoaen-
to do ad vagado, que afrontova av|inio mre-
seotada per mais de trezanlaa pessiad, unto aai
quanto aqooila deijtoracao nao era has tanto para
se Ihe dar curador, isto como sendo o aasaasino
ex-.veluntario do iieorpo nao poda ter mareba-
do cem menor de dazoiin anaos na forma do de-
creto, e tendo estado cinco oo Paraguay deve ter
vinle e tres annos feitos : foi o qoe disse o len-
te coronel Carneiro, sentido pela perda de om
anenbro daquella fanilia qoe se chamacorpo de
policae d qual elle 9 chefe na forma da le.
Tal foi o fado qoe o articolista do Liberal disvir-
tuou.
Urna testemunha.
A arvore da sade.
Cama mesma certeza com que o veneno deupas
da Batavia mata, 1 balsmico sueco id'oma arvore
do Mxico, chama Anacahnita cura.
O rauito afamado Pettotal de Atutoakuita, com
posto e eleboradamente preparado por esto mara-
vilhoso especfico vegetal. Neobuma tosse calar
ro, ou ofermdade dos bronchivs, podem resistir
sua suave o benfica influencia.
Fortalece de tal mo o os orgos da resoiracao,
que em poucas boras desapparece a inflamaQo
que impeda sua aefao salutar.
O allivio infallivel e inmediato. A irritacao e
inflamaco dos puknoes, que ja priocipiavam a
apresentar urna certa tendencia A ulceraco se
abate e modifica para desde lugo, esaa operaci
maravilhosa os cara e Ibes resliUM o seo vigor e
elastisdade primitiva.
Na sua delicada e elaborada composico nao en*
tra accidu prussico, aoliraooio, nem neobum dos
agente deleterios que de ordinario se encontrara
aeases xaropes e peitoraes feitos de fruclas, e que
quasi sempre produzem lio fataes e funestas con-
seque ocias.
sm
COMMERCIO.
*AgA DO RIC1FR 18 DE AGOSTO
DE 1870.
US 3 1/2 BOBAS DA TABDB.
Cambio sobre Londres 90 d/v 20 d. por U0O0
Soberanoslia 700 cada om (boje),
dem 12300 cada um (bonlera depois de 3
horas).
Goncallo Jos Affonso,
Presidenie
Mesquita Jnior.
Secretario.
EPLISH BANK
O Rio de Janeiro Limited
Dscoata leitras da pra^a 4 tasa a con-
'encionr.
Recebe diabeiro em cont correte h
I raso fixo.
Saca vista oo a prasusubre as eidadet
^rjnpipaes da Europa, lem correspondentes
ia Baha, Bueaos-Ayres, Moalevio, New
j Naw-Orleatis, 1 omiUe cartas de credilo
>ara os raesmos lugares.
RA DO COMMERCIO N. 36-
AI.FANDEGa.
lacdimenio-.-dia la 17.
dem du di 18. .
37i:7Sd553
27:401*780
G02:i3U337
MOVJMENTO DA ALFjtNDEGA
i'olnmes eotrados com faiteadas
dem dem com geserna,
'olurces sabidos com tzaselas
dem idem com,gneros
113
898
-----1011
252
1016
1368
Descarregam boje S) de agesto
Patacho porluguez /tesfaMro^aomercaduras.
Rarca trancezaColiny- mercodorias.
Brigue loglezBeguiaioridem
Lugar porluguezD(ittfiiem.
Brigue francezLui:a--^dem.
tarca noru^uenselirasiluraidem.
Ilritiuo uglezlliuloeidem
Brigue inglezEdilh Margdem.
Despachos du exp^rlace nos dias
16 c 11 de agosto.
No patacho hespaohol Miguel, para o Ro de
Janeiro, carregaram Pereira Carneiro A C, 500
barricas com 61,922 kilos deassucar branoo.
Na barca portugueza Nova Mapiannn, carre-
garam para Lisboa : Josd Antouio da.Suv.i Araujo
100 saceos com 7,500 kilos de assticar ; Amonio
Joo Fuado 1,000 saceos com 7S.000 kilos de as-
sucar ; Jos Corroa Braga 20 saceos eojn 1,500
kilos de assucar. .
,No brigue inglez Resolution, c-rregaram pa-
ra Krnnstad : Rabe Sehameltao A C, 18o saccas
com 8.645 kilos de algodao.
No brigue hespanhol In\e celona carregaram: Pedro M. Manry 271 saceas
cora 6,710 k los de algodao.
No vapor inglez Gladiator, carregaram para
o Havre : S Ceitao A Irmos 60 couros salgados
com 792 kilos.
ECEBEDORIA DE RENDAS INTERNAS OK
RAES DE PERNAMBUCO.
tendimantodr- dia 1 a 17. 44:976*766
tdem do dia 18........ 6606541
O inspector interino da alandcga faz pandeo,
qne sanbado 20 do crrenle, depois de meio Aa e
a porta da mesma rapar vendido em
basta palmea, por aabirisacad d* thesonrark de
fazenda cont da oa poriaria n. 107 de II do dito
mez, qmaj^r^n>drtrvyiBB.dtJeada vffia
qoe servia do porto fiscal n. 2, a vallado em 332
Kilos o peso liquido, do cobreaJCjr*. kilo, total-
I6 i ficanda nasa vendc'^Hflvre de direw
ao arreiiiaunte, dependate da approvaeio da
Exma. presidencia da prnvmcw.
Alandega dcfenaHeo ff de agosta de 187
O iaapscter iatenno,
._________Lqit^e Qtfvalna gaes de AhdraoV.
Santa (Jasa d Misericordia
do Re(fe
Perant a Rima, junta administrativa da Saeta
Cas* de Misericordia do Recite, na sala das ses-
sessoes no dia i8 do correte, tem de arrematar-
se o forneoimento do pao e bolacha que tiver de
consumir o asylo de mendieidade seo cargo nos
roezes de seterbro I noverobro.
Sanu rasa de misericordia do Reeife 8 de
agostao de 1870.
O aserivao,
Pedro Rodrigos de Souza
De ordem o Illm. Sr. conselheiro inspector
da tbesouraria de fazenda desta- provincia ranada
fazer publico que em vista da circular expedida
pela secretaria do Moole Po Geral dos Servidores
do Estado em 22 de julho ultimo, deven a* pen-
sionistas viuvas de ountribuinles do dito Monte
Po aprea>-atar no prximo futuro mez de entunr
attestadosde que se coacervan noesiadodo rio-
vez, e a contar de 1871 em diaote devero exhibir
iguaes a testados nos mezes da ianeirv e jobo de
cada aooo.
Os a t listados de ver So ser passados pelos respec-
tivos parochose devidamente legaiisados.
Secretaria da thesourarrade fazenda de fWnam-
boco 17 de agosto de 1870.
Servindo do otTlcial-maior,
________________Manoel Jos Pinto.
Pela subJelegacia de polica do Ia dislrieu
da Boa vista se faz publico que sa acha rccoJhid
a casa de deleocao o preto Francisco, qoe din ser
e-cravo do Seranm de tal, morador em Crnangv .
quem se julgar com direilo ao mesmo apareca.
Recite, 17 de agosto de 1870.
O subdelegado supplente,
Gomia Selle.
. A cunara municipal desta eidade, lend te
contratar com quera por menos fuer os lelreaee e
numerado das ras, cojos nomes fe ram mudados,
convida aos pretendentes apresentarem snas pr#-
poitas em carta fechada no dia 24 do correte, in-
dicando logo o menor preco.
Paco Oa cmara municipal do Reeife idanos-
lo de 1870.
Ignacio Juaqnim do Srnza Leao,
Pro-presidente.
Lonrenco Rezerra Carneiro da Caoba,
Secretorio.
THEATR
SAMO 4NHM0.
EHPREZA-C0IIBR4
COMPANHia F3ANGEZ
O empresario deste ihnatro tem a boom t
pa/tecpar ao respeitavel publico desta capital,
que acaba de chegar de Pars a coenpanbia jptr
elle mandada cuntratar para dar espectculos d>
declamacao e canto, da ipial sao artistas Jl."*
Brescia, M."- Clioilierl. M* Mariette Thiarry
Mrs. Aotonin Carn, Josepb Ravnaud e Alred
Maris.
O emprezario nao ousa transcreVer o queorfn
correspondente de Pars, Ihe diz a respeilo d ?
mrito ondea artistas, esperando que o respeita-
vel publico qu* coocorrer ao theatro forme o 9eo
jnzo a tal respeto.
O empresario deste theatro nao se tem penpa-
do a despezns nt-m a fadigas, afim de apresentar
um estabelecimento digno desta capital ( onde vi-
ve desde 1837).
O emprezario previne ao Ilustrado pobl:eo,que
o raachinisrao deste iheatro feito pelo hbil ar-
artista Jos Alves Mmiteiro, assim como toda o
sceoario, pao de bocea e arco do procenio
executado pejn hbil pincel do distinto senofra-
pho Mr. Chapi-lin.
0 emprezario aproveita a occasiao para maer
ao pnblco ipie se acha afeerta de^de ja, a assig-
natura para camarotes e ci-.driras de 1* e 2*. cias-
te por 30 recitis. pelos preroslkaixo decJtfadps:
Camarotes de 1* ordem com 5 entra-
das, por 30 recitas.............. SOflOO
Ditos de 2* ordem com o entradas por
30 recitas...................... 360*66
Ditos de 2" ordem m-. M. 12, 13 e 14
com 0 entradas por 30 recitas..... 48O*0O(>
Cadeiras do classi-, 30 recuas..... 'jO#6ii
Ditas de 2" classe, 30 recitas... v.. 60*660
As pessnas quu quizerem asignar podem des-
de j derigir-se ao .scriptorio do tneatro qoe cr-
iara aberto desde s 7 horas da manba at as
6 da tarde, oa roa Joo do Reg, antiga da Flo-
rentina.
O emprezario previne qne vao entrar os ensajos
afim de principiar es seus trabalhos o mais breve
possivel.
45.637*307
CONSLAfJO PROVINCAL
ttendiraento dn dia 1 a I",
(dem do dia 18.
48:O3203
2:3094598
5ii:3il*628
Para desvanecer qual,|urr juizo menos favora-
vei, veauo na qualidadu de ex-commaodante do
corpo provisorio. de poli.-ia, declarar que^-o pare-
cer d;i commissao de mqueriins da a-sembla pro-
viacial, publicado no Diario de Pernambuco de 17
Jo crreme,uo se entenilo com o corpo que ti-
vea ooprade commaudar desde agosto do 1867
atejunno de 1868.
Jos Joaquim dp Reg Barros.
O LIBERAL RE HO.VTEM.
Respondo ao Sr. Joo Ferreira de Almei la Gui-
maraes, subre o faci de que folia o Liberal de
boniem sob a epigrapheO' tmpora mores :
Que no acto de lavrar se o termo de Migrante
delrcto. e_siitjp|e3 rfeclarafdo do preso, de que
meuor nao autri>a a nomeacao de curador ; por-
quanlo aqpelle termo uma durgoncia e nao ama
apreseutacao em juizo o juiz deve dar na forma d 1
le, curador ao menor ;
Que eu nao poda desde logo aceitar seo off^re-
cimento para curador do.ass.issinn.de The.Mni,
Gones de Oliveira, porque aioda linha inligare.-
proceder relativamente a idade, ad menudo 5u*
baixa de voluntario do 42;
.F,ja,JWII,e "J"8 e-so'de verificar-se a meno-
rldade do assassinn oii Ibe filiar curador eormi
a neohum dos,,ue tei.bo pruressado tem f-iltado
vism timo set eumprir meus deveres sem precisar
depo/o ou acoessur.
Reeife, 18 de agosto de 1870.
Mlfml-tMn Felko.
0 ASSAS^TO DO .MDBMA1C4 RO OR. SB-
UELEiJADODE SANTO ANTONIO.
Com sorpreza lerno no lrrof de hoatem nm
i '" ",l
b PORTO.
Vocws entrados no dia 8.
Rio de Janeiro17 dias, barca portugueza Maria,
de 288 tonelada, cap.tao Berriardino Pinto Cor-
rea, euuigagam 14. carga faripha de mandioca,
caf e ouiros gen-ros ; a Jpaqom Jos Goncal-
ves Bellri, e 2 escravos a entregar.
Tricstre-93 das briguo ialiano Estabia, de 303
tneladis, capitn Carlos Romario, equioigem
12, carga farinha de trigo; a Taaso Irmls.
Terra X,va-37 das, e-curta trntl-xa Bmnca.de
138 toneladas, capito R. H.-Prupt, equipagem
8, carga 2010 barricas eom b.ca,io ; a oriem.
Araca y pelo Ass19 dias, sendo 12 do uitiino
porto, hiate brasileiro ,\ouo Injoencivel, de 43 to-
neladas, capito Vicente Ferejra da Costa, equi-
pagera 5, carga sal e algodao ; a Jos Lopes
David.
Gojanoa6 horas, vapor, bra H4 toneladas, coramspdante Oliveira, equipa-
gera 11, em lastro; a coinpanhia Peroambucana.
Tnestre-72,dias brigue ilaliaop S.cipione, de 22
toneladas, rpita P.etro Vec.hiui, equipagem
9, carga 2090 barricas com fanoha de iriso : a
Kelicr Si C
\avtos sakidas no tnnmo dia.
AracatyHiate brasileiro V|M.(# Qnanle, caplia
Manoel Caeuno da Cusa, .carga diffcrentes g-
neros.
Cnstand (oa Rnssis)-Paueho Oi-iez Resolution,
cipit.io Subell, carga,algodao.
N. R. As assignaturas tanto de camarotes cerno
de cadeiras sao feitas por 15 e 30 recitas, o. ano
por es luecimento so deixou de mencionar oo
Diario de hontem. Assim como os espectaentos
de assignaturas nao lagar as quartas-feiras e
sabbados.
O fi?cal encarresado do expe ente d'. theatro.
BrncsJ mrdino Correa de Barros
TBE4TR0
GYfflRASO DRAMTICO
(No Monteiro)
BENEFICIO DO ARTISTA
SlTS. ~.CZ^
Ioiuiu-o 2 i de agosto de 18 b>.
Represenur-se-ba a linda comedia
O
Opera em 3 actos do Dr. Joaquim
Maeedo.
Personagens Actores
Capito Tiberio....... O beneficiado.
Basilio lavrador....... O Sr. Braga.
O sr. Peregrino.
O Sr. Emiliano.
O Sr. De-Giovanni.
A Sra. D. Olympia.
A Sra. 9. Jesuina.
A Sra. D. Julia Rosa.
Ihe
UfURACOES.
De riera u Illm. Sr cunselheiro inspector
Ja thesourana de fozenla dnsia provmcia se faz
pnblifti '|u.'- fia de novo trasferld para n dia 10
le setembro pr.ximo viuduoro a arremtate) d>>*
conoerftis de que precisa o ppiprio nari-mal qu'-
.nrve de Lazareto na ilha-do Pina, orcaJos em
Secretaria da thesooraria de fazenda de Per-
nambuco W de agosto de 1870.
Serviml > d nfflcial-maior,
Manaal Josa Pinto.
Francisco,
Antonio..............
J'ISC........... ......
Galata..............
Mara................
Julia................
Clara................ A Sra. D. N. N.
Fritares, agregados ole.
Terminar o espectculo cem orna das
res comedia em I acto.
E' este o espectculo que o beneficiado 1
Iheu .para por meio delle anda rereber as pravas
de sympathia qoe sempre Ibe ha dispensad* o
illusirado publico pernambncano ; ns tulbales
achara se desde ja dispusicaa do publico.em *a-
sa do beneficiado ra de Sarita Nbel n. i^ e
nn dia do espectculo na e>tacao dos trilhas w-
b^oos ra de Santo Amaro e 00 escripttie- d>
theatro.
O artista que immerecidamenle tem sido ane-
ciado pelos seus apologistas muito confia qoe :
No dia do beneficio
H ija enrhente fervorosa
Fu.- o negocio de ea-H-'
E'.du velho Santal Rosa.
Se leva o Phaoiasma Braceo
E' pr ser sempre apptatWdn
Antes o velho g.>si
Qoe o novo desconhoci io.
A' nobre grei de Minerva
Ptde serla prnlerciu,
Do nmmerrio Solicita
A aniiga dedicaco.

v
:i
1
*
i\


Dimf de towwpbwa,- S*x% fetra 19,^. J^4o s
>.
v

Prme i,
P'ra gravara* un lettra
DigrMdfctpbreopeiio.
flriad piar erl Iff hora?.
HO
CQMPANHW
ISABEL
i
808 a Mscelo
M
D. Luiz CasalL
llamingo H do eomut, se Iwuver ioeoo-
1*",B fnn. eawemaT>Mai mu mo 01
'** Bpiiii otr o hornea voaaor, arrojada
* perifowinvencio o almad Mr. Lutardt jne
***> esK o uoieo trbala) de ais aamincio
a-hoje toaheetdo em ymasatiea, toda a Boro-
P* aal*8ra como um armtaioaigae aioaftu
Can oa res trapalo Mr. Lourd no tora
gaofeo a sua gloria 4a artiMa, como tem faite a
sM fortuna.
iwWioO' desta oedade qnej conhece o ge-
Kna afooter arttstfc-a 4tr digno acipulo de Loo-*
toad, o joven Caar Casa, admirara aiada mais
na vei o sao mrito, e ver o quan lo se extorca
para merecer as suas synipataias.
wartoaamenie se arrnu aclara o respectivo
. da fuuccao.
Armacfto de loja
a.-.. A O do correte.
hJmtS MwTi, farileilSo da linda armado
e Dafcao da luja sita roa da Cada ri. 42, a qoal
*^22S2? d"n*** anridraeada eotna autor
PWaMift, patwluj w a nwaH naa OJWlajaar ri
mo de negocio a retalho em grande escala; assira
como de ama taboieta, una eaixat de ehapeWoM
de palha para Seaoara, e ostra de chapeos france.
w,Mi*b*ene:
SABBADO
aomeie da era posto, noproprio eaubeleeimeato
rna- da Cadaia n. .
Fazenda*, roupas #tas e de Mgmmendas
-RIJA DO WiO DA YIWm-W
m
AVISOS MARTIMOS.
C0IPAM4 BR4SILEIRA
m
Paquetes a vapor.
Dos portes do sol esperad*
a* o rifa 21 do correte o vapor
Cntsfiro d Sul, oommandante 1'
| P. Gaedes Alcoforado, o qaa
---------_J depois da demora do cosame se-
guir para o do nurte.
Desde j recebem-se passageiros e engaja-se
carga que o vapor poder eonduzir, a qual dever.
aer erabarcadano diado suachegada. Encommei
as e diheiro a frete at as 2 horas do dia da so;
salida.
Nio se recebera como encoramendas sezoo ob
Jlos de pequeo valor eqaenaaexeedam a dua.
arrobas da peso oa 8 palmos cbicos de medica*
rudo que passar destes limites dever ser embar
do como carga.
1MIIA mSMLU
DE
Paquetes a vapor.
Dos ponos do norte esperado
at o dia 27 do corrate o vapor
Arinos, coramandante o primeiro
tenenle Jos C. Duarte, o qual
depois da demora do costme
seguir para os do sul.
Desdej recebeavse passageiros e engaja-se
carga que o vapor poder eonduzir, a qual deven
s*r embarcada no dia de suachegada. Encommen
das e dtthoiro a frete at as duas horas do dia d
sua sabida.
Nao se recebem como encoramendas seno ob-
ledos de pequeo valor e que nao excedam a 5
arrobas de peso ou 8 palmos cbicos de medi-
oio.
Tudo que passar destes limites dever se>
ambareado como carga.
Previne-se aos Srs. passageiros que suas passa
gens s se recebem na agencia ra da Cruz n. 37
1* andar, escripiorio de Antonio Luiz da Oliveir;
Azevedo 4 C
COMPANHJA PKRNAMBUCANA
DK
."Ka vesana o costeira por vapor.
Parabyba, Nata', Maco, Mossor, Ara-
caty, Cear, Maodah, Acarac e
Granja.
O vapor Pirapama. comraan-
dante Azevedo seguir para os
portos acira no dia 31 do corren-
as 5 horas da tarde. Recebe car-
ga al o dia 30, encommenda-
linheiro a frete at as 2 horas da
escriptoro no Porte do
algumas obras de ouro e prala com pedras,
e sem ellas, & diversas dividas perien-
cenias a massa faHida de Aalaaio.Gon-
dolph,
Sabbado 20 do correte s 11 horas da manbaa.
A' requerimento dos curadores ftscaes da massa
fallida de Aotonio Sondelph a por daapaeAo do
JNn. 8r. Dn jutz especial do commercio, o afate
Pestaa far leilo de algumas obras de ouro e.
prata.como sejam relogips, 14 quilates
radas, aneis, salvas, eordfies, a->l9es, ouro e pra-
ta eoi pedaeos eooforme o mandad1, e diversa
divida no valor de 8734620 es. confonne aa coa-
tas qae se acham era mao do agente para sereai
examinadas, tudo pertencente a massa fallida de
Amonio Geodolph. e serio vendidos sabbado 98 do
do cornnte pelas 11 horas em pomo, no largo do
Corpo Santo n. 9
GOMES, SILVA 4 .
Os pronrieUnos deste importante eiUbeleeiauatp, no enpeshe de eleval-o i
altara dos pr.melres do seu genero estabeleci^ nesta cidd&, ipandaram contratvi
Lisboa, tun eximio artista alfaiate para dW t fi officinT ^^^^^ oWuiraiWtp
artisu Acaba P0** de chegar d'aqaaUar^M>^-.pani este Gm, -iutbil e coaca**
PERERA REG
all assaz conhecjdo como perito em sua arle e pelo gue se torna urna nrantia segora
de qjj u d.re^o da oOom que agn dirige.gafear cabatwer-e Ueto ** m
hm 0n^a ?]*!* Cm 3S Pessea8(ut s qo^S E
e*, a NeSte efM,wl0 acbara Pub,ico constantemente um magnifleo sortl-
de esmo-Wlk de pannos fioes, casamiMs, gorgariJea, e artigo* de modas, tudo do que na de
' memor e mais liados padrees que tem vmdo a este mercado.
10Ba do Baro da Vitoria10
(ANTIGA RA NOVA)
Canos de ferro.galvanisados por barato pr .
n1^"3'eCOrVa8paraSm8SraOS! N *mnm datrwesia do Corp
Moinhos para caf e para ipilho
N0s melhores moinhos para caf e para roilbo que tena viode a este -~~- -^
e fnwnram no armaaera da travessa do Gorpo Santo n. 35.
DA
Armacao, geoeros e mais utensilios exis-
tentes na taberna sita no atierro dos Af-
fogados, pertencnte massa fallida de
Manoel Julio da Silva.
Seguo-la-feira 22
O agente Pestaa fa' leilo a requenmenta d
depositario da ma va e por despacho do Jlrm. Sr. Dr. juiz especial do
commercial, da arrancio, gneros e raai* atunsi-
lios, existentes oa taberna sita no atierro do Mu-
gados, a qual ser vendida
Seguada-feira 22 do correte, s 11 horas em
ponto.
Na mesma taberna.
!
M.


^W LARCA 00 ROSARIO.34.
Mol eonu
AVISOS DIVERSOS.
Ama
Precisa se de ama ama para cozinhar : na roa
da Praia n. 37, 1* aadar.
U directorio dparudoltoera^con-
vid* aos liberaes e amigos do conselheiro
Francisco Jos Furtado, e a todos os cida-
dos que apreciavarn o sen carcter e ele-
vado merecimento assistirem no dia
sexta-feira 19. pelas 10 horas da manha
na greja matriz de S. Aotonio, comme-
uioracao fnnebre que manda celebrar por
alma do referido conselheiro: agradecendo
desde j a todas guantas se djgnarom cim
parecer a to po e religioso acto.
8Uo cntrlataamao; bu m qntrwdo ofandeVli m.
2*?^Va oa baaawi pablicr .ifesuaJo-la
de aoawianpa. Bmtktmm A
lllai. Sr.. Bwtholomeo k C. t eem a miit sabia.
tfelo ,d, i^xmo k, o uraaa l!?7Z
fflc.cu tr,rdi1,r. poi, ^SSSZ dij*
r^^.^. a* "?,,c,"laB oa. man. ,
no bo|e restabelecido com o nao aomeuto de qoiai
Srasas smssss
Vegetal Anericano, de ana composicln, amando u
eben b^unt doeote de nm, onsiipaco. qae m
tonM compleumente roneo e que trooie ama fart
Wf^JM napoasibiliton de eooprr o* meta derera.
eoaieu> restabelecimento, qne obtive com ae vidra
IZESXfnS:-***0"de h"er recorTido -
afESUL^ZF*1 ^ oa!^0, eomo ""
imZSF.J.t ytnn il,T' ^EfZ?}*0 faUl ?e, P11- Coa> >ler eonaiaV
%ZT?*? i !F d* Tf- &- "to. warador
Ua Cremosa. Racifa 29 da aeumbra
rtalT^v1?^?" *C- ""P* ?*l *
ncaae <( ?t. S. Un axaooto i venda de loda efl-
pHcaaaa>o a mea (libo Joaqun, menor da Mira
annoa; Tict.m. d'aaae dagello. qo u entUaor imm
excedente a dons annos bata rasiatido o oaUoa unj
de grano* nomeada. Oue.ram po V. Se. aeoaera
axprMao altamente sincera de osen raeonbocimaai. m
meritorio aervieo qne lbe prestaran ton indica*
"ropo, acreditndome para sempro do Vt So criaZ
aliento eobrigado. Americo NaUod* Hoadoao. -
Beoilo a de oatubro do I8S8. w->~^
o.-wsageiros e
(arde do dia da sabida
Maltes n. 12.
COMFANHIA FERISAMaANA
DE
Nacega$do costeira por vapor,
Goyanna.
O vapor Parahyba seguir para o porto ci-
ma no dia 2C do corrate as 9 horas da noute.
Recebe, carga encoramendas, passageiros e di-
heiro a frete at as 2 horas da tarde no escrip-
t >ria do Forte do Mattcs n. 12.
A commissao, encarregada
pelo Exra. Sr. pre sitente d i pro-
vincia de promover a libertaqao
de crianzas dosexo feminino avi-
sa as pessoas interessadas, que
deverao mandar as libertandas e
asTpropostas, constantes de cer-
tido de baptismo, e declaraban
do ultimo pre^o, ao pa mara municipal nos dias 19,23 e
26 das 10 horas as2 da tarde.
PARA7
Par o referido porto, pretende seguir com a
(ussivel brevidade a barca portuguesa S. Joo,
por ter j porcao da carga, e para a que lbe falta
4 frete commodo, trata-se com o consignatarie
Joaqntm Josa Gon^alvea Beltro : a roa do Com
merejo n. 17.
Para o Porto
pretende sahir o brigue portugaez Triumpho at
1) de setemhro prximo com a carga que tiver :
gem, para o que tem bons commodos, trate com
< consiguatarios Thomaz do Aqaioo Fonseca &
;. ra do Vigario n. 19, anlar.
Rio de Janeiro
Pretende seguir para o referido porto com a
nosivel brevidade o patacho Monteiro por ter por-
. t da carga engajada ; e para a que lbe falta e
fscravos a frete, trata se com o consignatario Joa
I a-n Jos Goncalves Beltrao ra do Gommerci)
a.tf.______________________
Para Lisboa.
A barca Dortugneza Nova Marianna, vai- se-
s'iir para Lisboa at 21 do corrente, ainda re-
e alguma carga a mdico frete, e passageiros,
tiara o que tem bons commodos: tratar com
i)iiveira. Filhos.otC. ao largo do Corp do Sant^
u, 19, i* andar."
1
Na travessa da roa
das Cruzcs n, 2, pri-
meire andar, da-se di-
nheiro sobre penhores
de ouro, prala e brilhan-
tes, seja pal for a qnan-
tia. Na mesma casa com-
Jabonetes ci'alcutrao. .
fi Antonio Neves de Castro.
i Este acreditado preparado, que t3o boa
acceitacao tem merecido nesta provincia,
mnto se reoommenda para cura certa das
tmpigeus, sarnas, castas. coceirM, e todas
as molestias de pelle, sendo ainda preferi-
vel para a barba, outro qualqer sabo-
nete.
nico deposito do verdadeiro, na phar-
macia edrogaria de Bartholomeo & C,
-na larga do Rosario n. 31.
CHIICOLATE VERMFUGO DE ANTONIO NE-
VES DE CASTHO.
Este acreditado preparado, que to boa
acceitacao tem merecido nesta provincia,
muito se recommenda para cura certa e
eflicaz das bichas ou lombngas,
COMPANHIa PEKNAMBUCANA
DR
Vavegafio eosteira por vapor.
Porto de Gallinnas, Rio Formoso e
Tamandar.
') \3<>orParahypasegolra para os portos cima
o dia 20' (Jo corrente niPia noite. Recebe
irga, encommendas, passageiros edinheiro a n>
t o/) escriptorio do Forte do Mattos n. 11
RIO DE JAHEIH)
Para o porto cima segu cora brevidade o bri-
ae nacional babel, tem parte do sen carregamen-
','ajado : para o resta que Ihe falta trata-se
c im os consigaatarios Antonio Luiz de Oliveira
Azevedo k C, ra da Cruz n. 57, le andar.'
LEILOES.
BE FAZENDAS
limpa8 e avariada^.
Em contnua<}o.
s ^*."*S!.,rmlos contlnuaro, por intervencio
gente Oliveira, o sen leilo de perfeito aort-
juera petnaew : no sen arraasemji roa da C-
oiota, deveado priaaipiar s 10 horas da manhaa
S MUDANCA.
! O Dr. Carolino Francisco de Lima San-
ia tos madeu sua residencia e consultorio
S para a ra do Imperador n. 57, 2o andar
f, do sobrado cujo armazem conserva ain-
N da hoje o noma de Alianca, tendo a
S entrada, que pelo lado da ponte Seta
| de Setembro, o mesmo numero 57, da
I frente. Alii continuando o dito Dr no
B88 exercicio de sua proflssao de medico e
de operador, pode ser procurado a
quer hora do dia e da noute.
Isffi^ef a& mmn
A o commercio.
Sebas/iao Antonio R. da Costa fazver ao corpo
commercial que deixon de ser caixeiro de sen pai
Felippe Antonio R. da Costa, morador em Santo
Antao, desde o da 17. Recife 18 de agosto de
1870.
CASA DA FORTUNA
AOS 20:0005000
RA i DE MARCU N. 23,
O abaixo assiguado avisa ao publico, qne com
quanto a nova iei do orcameoto tivesse elevado
muito o imposto sobre os bilb^tes de loterias do
Rio de Janeiro, continua a vende-los com as for-
malidades da Iei, e pelos mesraos preces abaixo
publicados, pagando todos os premios com o dis-
conto somente da Iei, e com a promptidao do eos
tome.
PRECOS.
Rilhete inteiro... 24*000
Meios bilheles... 12000
Quartos-........ 6*000
Em quaatidade maior de 100|000 na razao de
Manoel Martins Fiuza.
, tanto as
o crianzas como em pessoas de maior idade
8 Praffl-Se OS meSmOS me- U,liC0L dePsit0 m Pharmacia e drogara
f de Bartholomeo A C. ra larga do >Rosa-
;rio n. 34.
E' hoje o preparado d ferro de mais ac
, ceitaco para a chlorose atona dos orgaos,
perdas brancas, mensbruacoesdifficeisetc.
: e tem seu favor o juizo autorisadb d* es-
I cola de medicina de Park.e dos chimicos os
mais notaveis. Deposito especial pbarraacta
e drogara de Bartholomeo C, ra larga-
do! Rosario n. 34.
INJECCO LHOSTE.
Utiicahygienica radical e inallivel na cora
perla das gonorrbaat, lies.brancas, e flu-
xos de toda a especie retentes oa chroni-
oas, a que oflurece com arantia de seus
ahitares resultados a aniiga e continuada
applicacao que sempre com a maior van-
tagem se tem feito dellas nos bospitaes de
Paris. nico deposito para o Brasil, Srs.
Bartholomeo C, ra larga do Rosario
n. 34.
Joaquim Jos Goncal
ve3 Beltro
Ra do Trapiche n, 17,. I" andar.
Sacca por todos os paqnetes sobre o banco do
Mmlio, em Braga, e sobre os seguintes lugares em
Portugal :
Lisboa.
Porto.
Va I enea.
Ouimaraes.
Coimbra.
Chaves.
Viseo.
Villa do Conde.
Arcos de Val de Vez.
Vianna do Caslello.
Ponte do Lima.
Villa Real.
Villa-Nova de Famelieao.
Lamego.
La nos.
CilBiWt
Vasca! (Valpasso).
Mirandella.
Beja.
Barcellos.
S TFSTI1AMA FRAPCEZA
855-Kua da Impe.at iz-55
Tinge, lava, limpa, lustra e acnamalo-
Mta-8e, com a maior perfeico, fazendas em
pecas e em obras de todas as qualidades;
I como sejam : seda, lia, algodo. linh,
| chapos da lellro e de palha etc. etc.
2 Tira-se noioas e limpa-se a aecco sem
I moihar os lecidos, conservando assim to-
Sdo o brlho da fazenda.
rutar preu as tercas e sextas fei-
ras.
MKMftffmft*l
Roh-site-rheumhtico.
Remedio efflcacissimo conh^ as dores rheuma-
ticas at hoje o rnai coohecido pelos seus niara-
vilbosoe resultados.
0 MKJIAO DENTISTA
Frederico Maya
Tem a honra de scientificar ao respeita-
ei publico em geral. e aos seus clientes
em particular qae elle mudou o seu gabi'
oetede codsbIUs da ra Direita n. 12 para
a do Qaeimado n. 31 primeiro andar, com
a entrada pelo pateo de Pedro II, onde po-
de ser procurado para os misteres de sua
profisslo, todos os dias uteis das 9 horas
da manbaa s 3 da ta/de.
Tambem previne, que contina a prestar-
se a vontade dos clientes nao s na cidadt
somo nos seus suburbios, para onde as
das serlo precedidas de ajuste. Elle-ga-
rante o bom desempenbo e a perfeirio de
seus trabalhos, o que j betn conhecido,
assim como as commodidades dos precos
BILHETES DO Ro
Na Praca da Independencia n. 22.
Na ra atraz da Matriz de Santo Antonio d-
18 1. andar, cozioha-se para fra com asseio e
promptidao e por mdico preco.
Aluga se a parle frente do andar do
sobrado da rna das Cruzes n. 39, muito propria
para uro escriptorio de. advogacia: tratar na
ra do Crespo n. 20 A, loja.
Na na da Aurora, estaco dos tnlhos urba-
nos do Recife a Olimla eB-InTib compratse me-
tal velho e cobre velhu. das 8 as 1 da larde,
Precisa-se fallar com o Sr. Beruardino Osear
Freire a negocio que nao ignora, na raa da Ca-
dea n. 50 A. loja. _______
Precisa-se de urna ama que saiba engom-
mar, preferindo-se escrava : na rna da Penha n.
23,1 andar.
-. Offerero-se urna ama de
ra da Alegra n. 5.
le '.'. : a tratar ob
Eartholomeu & C,
Ama
m:
i fa.
Precisa-se de urna ama que cosinte e engom-
me para casa de pequea familia : na ra detraz
da matriz n. 28,2 andar.
_ gineaio hezerra Cavalcanti perdeu naera
da v lia de Peiqueira ama carteira coutendo em
dinheire wnte e tantos mil ris e mais urna letra
da am cont de ris sacada por He e aceita pelos
Srs. Luiz Alvs do Araaral, Pedro Nunes d Olivei-
ra e liidora Pereira Torres Galindo ; e para que
ninguem faga sobre a dita letra transaccao alga
ma. ae tai o presente annuncio. Pesqneira 8 de
juiho de 1I7.
Mudanza.
Jos Henrique da Silva Guimaraes pode ser pro-
curado d'ora em diante na rna das Craza n 38
primelxo andar, das 9 horas da manhaa as 3 da
Urde, tanto para negocios seos, como os que fo-
rera do casal do fallecido sea pai Jos Henrique d
Silva, comq tambem para roceoer os fon do ex-
tincto vincolo da Concaicao dos Cojueiros.
Offerece-se ira. feitor para sitio vindo ha
poneos dias do sul, o qoal bom jardineiro :
quem precisar dirija-se ao Chora-menino n. 2 ta-
berna.
Um professor competentemente habilitado
resolve se eosinar priroelras letras pelas casas
particulares a meninos e meninas ; aos pai de
familia garante o adianlamento em nenes lempo
do qne oulro qnal^uer : a tratar na rna larga do
Rosario, loja n. 24 A.
Preeisa-se de urna ama que lave e eagorarae,
paga se bem : na roa de Hartas n. 1.
Aluga-se o 2 andar do sobrado n. 30 da
raa da Aurora : tratar no mesmo sobrado.
DEUTSCHER HUELFSVEREIN.
Ausaeror dentliche Generalvers ammlung :
Montag den 22; August
Abends halo acht Uhr, roa Nova n. 44.
Zweck derselhen
Berathung ueber eiaen Beitrag zu der Pflege
verwnndeler dentssher Krieger aus der Vereins
Sana.
Der seeretter
Otto Bohree.
Vinho, Pilula8, Xaropb b Tintura
ds jurubeba simples e perruoinoso;
Oleo, Pomadae Emplastro da mxsma
planta preparados por
8RTH0L0BE0 & C
PHARMACEUTIC08-DR00UI8TA8
IkBR.1.4MBUCO
A Joraboba : esla plaou e baja raoonboeida
como o maia poosroee toaico, coioo o toetbof
desobauaaote.ecomojol applicoda aoa padeeiauatoa
do ligado a baco, bepatiies, doreaaa, tabana inlar-
noa e especialmenta do otero, hydropasM, arvfi-
pellaa, etc.; a asaooada ao forro mi na pallMtaa
corea, cboraoea a (alu da aMtMttaafsa, iiinwn.
joa do estoa&ego, ote., a o que dkaaaoa atlaaUa
inaomena cuna imporUDMa oatidoa ~
preparado j boa coabeeido* a naadoa aUa auia
disBctoa medico do pon o Ponaga!. Bal ladba oa
D0S8M dapoeiioa diatribaiaMa patls fothatoa qit
BMlkor (aoaa cenhacor a Jorabalra aaaa aataltaino
appliaaela.

i

OLEO
FIGADOS FRESCOS
BACALHAQ Ol
PHco^ReCastigl!one Pars
P. MAUREB et C*. em Pemamlmeo; JOST. BELLO, m Porto ^lfor,j
SILVA LOE& em Bakia; FERREIRA. el C". tm Marankao.
mmm
wm
PILULAS
LIOWE
HOGG
HAUKER
m P*numtmo; JOS BELLO,
, tm BtMim; FERREIRA


-.-*
Fotograi
AJLBR FIXTIK4
/. Ferretra Filela
Desde da 7 de ai>ril pausada acha-se atarlo c
ovo estabelecimento phutographico ito "> "*>
Cabo 18, etquma7 dopateo matriz. Osiraba-
Ihoe fl*e enlo, tom ahido de nossa oficina
tem geralraenle agradado, sendo rec*bi*os por
,1-ons com adroiracao pelo extraordiuari pro
gi-esso qoe ltimamente tem lido a photigraphta.
* por outros com alegra, por verem a provincia
dotada com um eslabelecimenjo digno d ella, e in-
contestavelmcnte o prineiro que nesse genero
boje pcssoe : tambem n> nos poupamos em cou3a
alguma para nioBla-lo no p em que se achs, es
perando que o publico de Pemambuco stber
apreciar nossos estorbos o recompensar nossos-
criflcios.
Convidamos a todas aquellas pessoas, nacionaes
e estrangeiras que gostam das artos, oo tiverem
necessidade de trabalhos de ptiotographia a vigi-
laren o nosso estabelecimento, que estar sempre
aberto e mu di sposicao todos os das desde ai 7
horas da mantisa at as C da t^rde.
Para es trabalhos de photographia possuimos di
versas machinas dos melhores autores francezes.
inglezes e alu)cn.es, como sejam : Lerebours el
Secretan, Hormagis, Thotnat Ross, VolSjtlander el
Sonh e Wulf. ltimamente recebemos tres novas
machina sendo urna dolas propria para tomar
sobre e mesmo vidro 4 ou 8 imagens diversas e
isoladas, e outra de 6 a 12 imagens diversas e
igualmente isoiadas, de sorte que e caso de
grande concurrencia poderemos retratar sobre
orna nica chapa at S pessoas diversas e sala-
das para cart&?s de vi-ita, eassim n memis de
um quarto de hora, lespachartnos 9 differeaies
pessoas que peeam ead.i urna, ama thsria de cartee?
meta ou senos, com o- seus retrates smente, ou
em grupo em airas.
Encar regamos-nos exclusivamente da direccao
e feitura dos trabalhos de photographia dei-
sando penla e talentos do distineto pintor
lleraio, o Sr.
Jorge A. Roth
as trabalhos de pintura, a aqoarela, a olee,* a
-pastel.
0 Sr. Roth acha-se ligado a urna escripaara publica, e at o presente tem se
desvellaoVsvi execucao de seus trabalhos
No nossbestabelecimento actem-se exposlos ou
tros trabalhos iin| miniaturas aquarella como oleo, retratos i
oleo, quaros sacros e diversos oulros trabalhos.
Tomamos enenmmendas de retratos oleo at o
tamnho natural, assiin como de quadrus sacros
para ornementacao de igrejas ou capellas. Tam-
bera aceitamos eneommendas de quadros histri-
cos.
Assepcramos que os precos dos diversos tra
toahos da nossa casa sao mui rasoaveis.
CABTeS DE VISITA NAO <3X)RIDOS A I0;>GG A
NJZIA
CARTOESPE VISITA C0*-00 AO NATU-
RAL A lrlSO0G a duzia
Retrates em miniatura a oleo ou aquarella de
6 38*000 cada um, inao convenientemente en-
calxilhodo em moldura dourada e reguiando o
busto da pessoa retratada de 3 4 pollegadas e
todo o quaJro palmo e meto de tamaito
Julgamos darroos idea d batatesa dos trabalhos do nosso
eslablecimento. quaMo sua perfeicao cada um
venha jolgar por seus proprios olhos.
As nielhores horas para sr tirarem retratos no
iHssoestabelecini-nto sao das 8 huras da manhSa a
1 da tarie; entretanto de una hora s 5 da tarde
eu casos especiaes pode-se tambera retratar qual-
quer pessoa. .
Nos dias de chova, ou por lempo sombro po-
demos retratar, e asseguramos que esses dias sao
os ma:? favoraveis aos trabalhos de photographia
pela-doci'.ra e persistencia da luz, e p< r termes o
imsso terra^i construido com taes proporcoes e
metheramentiis, que anda rhovendo orros no-
nhum Inconveniente ha para fazer-se bellos re-
J. F rreira Vulela.
Agencia *-m Peruambueo
Do Dr- x\yer
Teitoral de Cereja
<;sira a pnthvsiea e todas ss molestias do poito.
''.ts.i |ar;iha
Cara ulceras e chagas antigs, impigens e dar-
tros.
Tnico
Consarva e limpa os cabellos.
ftl'ihilaa caHjrtlcas.
111K|MLD%
t;
^
!>
a t
o
z5
d
pharhghHH
Xarope de 1; |_
comocal Ia* *
oJo pode osar do opio e de seos prepara
dos, e mui cepvenieoles para as cmn
nos espasmos e convulsoes.

STENTRAL RA DO U
DOR N. 38
Preparados d'alcitrto em capealw, licor,
e xarope ferruginoso
Tern
PH
A entra
Os trabalhos da ret d
Villela
npiuiu,
F18
da matriz.
acia desia photognphia.
33frAW3fi^
Este ttntiga estabelecimento, acha-se hoje montado n'nma
escala de poder servir ventajosamente os seus freafuezes, atien-
to o grande sortimento de joias d'ouro, prata e brilhantes, qne
sempre tem e reoebem mensalmente das prineipaes fabricas da
Earopa- cujos precos sao era competiveis e as obras garantidas
de le.
JKOREIRA lalTAUTE C _________
DO VMPERA-
1
i
1
1

1
I
1
i
i
S
i
i
i
i
I
i
1
I
b o-g a
1
"ls
w
5. 5=. g
tztzM r g B 3 3-
w B> D ^
B
9
CE
a
S]ob^ a a
fgcf-S-5'5
c 2.3 s c B
B 5 r.
X
cu
si
C;
o
C3 -n
T5"?
&>
que >aiba cozinfcar
a tralar lia ruado
- Precist.....le nina aini
paraca-a de pouea familia.:
baque de Caxias n. ou.
"illllEll't B AVTIGit CONSULTORIO
HOMEOl'ATHI '.O
Di igtilo pelo Dr.
SANTOS MI-LLO
Restabelecido de sua longa enfermidade
contiui a ser riK'ontrado lodos os dias
para Chamado a qiialqoer hori.
A i> pobres giaii*.
43 J4ua do Baran fia Victoriai-i
(Anuga roa Nova).
w
mmm
COMPANKIA
DOS
7RILH0S URBANOS
DO
RCC1FE A9 01.IWDA.
Por ordem da directora sao convidados
os 8rs. accionistas para, no prazo impor-
roffavel de dez dias effectoarem a H* e
ultima prestaeode sitas aecoes, araeo de
Para esse fim ser encontrado o Sr. tlie-
soureiro, das 41 taras da manbSa s 2 da
tarde de todos os dias, no eoriptori da
compaahia, ra Novan. 3o, Io andar, en-
trada pela ra das Flores n. 14.
Recife, 10 de agos-.o de 1870.
Joao Soaqnim Alves-
Io secretario.
C pira, amanello. sedro e rueira, de 10 pal-
mos de coaprtdos e 8 polegadas de largu-
ra e-3 1/2 de grossura na esUQo da ra
(Lardo.
Recife, 17 de agosto de'1870.
O snpreiotendente.
A. de Abrett Porto.
TABELLA que regola de sabbado 20 do
.torrente em dtante, nos difs uteis, pela
mariUSa do Recife s G, 7 ve 8 horas, de
Otinda 7, 8 e 9 horas, e a tarde do Re ife
4. 5 e 1/2 horas, de Olina s 5, 6
e 8 1/ horas.
Fot alterada a tabella em vifta de exigir
o servteo da finha, continua-mos a esperar
toda a coadjtiva?o do respe-tavel publico.
Recife, 18 de agosto de 1770.
O superintendente.
A d'Abreu Porto.
PEDIDO
tica paral*
desloca cao
Joaoita, 00
rajialnns"
I). Joann fl
i
o
o .
B
o
O 09
**
a.
w o
"2
o.
o"
O
Ib
O
O
6J v _
a a 2""
ce S & sr
x ? a a,
igl2|l
g83S.
P S.O CD
H M .o,
rO u u
^ *> a m S
o."
--N *> OS
"
Precisa-se fallar com o Sr. Jos de Barros
Accioly a negocio de sen ioteresse : na praca do
Carpo Saoto p. j7, 1" andar.________________
Pillas d
Pillas d
Pillas de _
Xarope furruginoso de Blaneard.
Confeites de lacjtalo de ferro.
Pilulas d,e carbonato de ferro, laclado de
ferro, ioddreto de ferro com magoezia.
Ferro de Que,venne.
Assucar ferrugiooso.
SiBsISBSraB-'*
PHARMACIA CENTRAL RA
DOR N. 38.
Vioho e xarope de pepsina e diarthare,
excellente tnico para auxiliar as digeslSes
difficeis nos casos de debilidade do esto-
tnaco.
^i^m mmmmwm
PHARMACIA CENTRAL RA DO IMPERA
DOR N. 38.
Agua bemoiUialitt d Lechle, mui re-
commendala em qualquer case de hemor-
rhagia, fl priBcipalneftle na Ihjsica pulmo-
nar, e as bemorrbagias uterinas
MOFINA
Roga-se ao Hlm.Sr. Ignacio V.eira de Mello, es-
errrio na cidade de Narareth desta provincia, o
favor de vir a rna do Imperador n. 18 a oncluir
acuelle negocio que V. S. se comprometten reali-
sar, pela terceira chamada deste jornal, em nns
de deiembro prximo passado, e depois para Ja-
neiro, passoo a fevereiro e abril, e na 1a eumpno,
e por e.ste motivo de novo chamado para dito
flin ; pois V S. se deve lembrtr que este negocio
de' mais de oito annos, e e/iano o snior
fllho se acbava no estodo nesla cidade.
swu
Vendas on pcrnintas
Vende-se a propriedade Guarapes no Rio-
Grande do Norte, com trras casa? e armazens
de utn e oulro lado do rio, lugar beir. conhecido
pela sua importancia commercial, cuja porto oue-
rece muila facilidade para embarque e desembar-.
que de gneros. _,-,.,.,
Igualmente se vende o engenno Jundinany (na
mesma provincia) moente e crreme, com cinco
lesnas de trras de maltas virgens, oito escravo<,
Ik.S bestas e alambique ( ou somente o emgsnhc
com as trras que convier ao comprador). Estas
propriedades vendem-se por baratissimos precos,
r lambe se.permutam por engenhos nesta pro
vincia Parahvba e Alagas, ou por casas as ca-
pitaes da* mesmas : a traur w-m o proprietarii
inajor Fabricio Gomes Pedrosa ra da Cadea
n. t, ou com os seus procuradores no Rio-Gran-
de do Norte. .________
PHARMACIA DENTRAL RA DO IMPERA-
DOR N. 38.
Xarope de rbano iodado excellente com-
binarlo do iodo com o sueco de plantas
anti-scorbuticas.
Este xarope empregado com grande
soccorro contra as molestias da pelle, os
engorgitamentos escrofulosos, o racbitismo-
cachloroso.
O vmho iodado de joly, e oleo iodado de
Personne, s3o rtcommendados para os mes
mus casos, e encontram-se nesta pharma-
cia.
O predio em que i ep##eda esU photogra-
phia aeha-se mutto auamei. a pafte desn-
nada ao esublerimeoto coma cinco sals, jnelu-
sive s do laboratorio. Todos os concert? e ang-
menios tendo sido ertes expressaraente para se
montar convenientemenle a photographia, e nao se
podendo mentor modelo escollier do que a Photo-
jrafa Imp&iai do Sr. lisie? Pacheco do Rio de
Janeiro, oprtaseiro pliotographo do Brasil, e um dos
pnmelros do. mando, segundo a opiolio dos mais
abalisados estrs, a no dtsporta e reedificada peto memo plano da do Sr
I. Pacheco, aqual foi moitada sob todas as regras
recommendadas pelos raais destinctos prwtessore
de aceordo com as modificarles, Beett-sarias ao
clima do Brail, reconhecidas e estudeda pelo ha-
bilissimo e prauco Sr. I. Pacheco.
Todo o interior do predio em qne est ossa
photographia foi mudado desde a sojeira da perla da.
ra at a robera, tendo-se demolido todas as pa-
redes interiores para se faierem as novas salas,
edificando-se um novo terrace envidrando dm
espa^oso e eleganl?.
Como sabido, tuemos nma viagen expr/ssa-
menie corte para examioariuus as melhures pbo-
tugraijjjias aJL e foi a do Sr. I. Pacheco; a ;iue
ndeu ans nossos desflM FTHtJWa-
coes, e da Jual tronxemos os planos depois de
alli estarmw todo nm ires esiodaadoe apro-
veitanao ai lic,5es de to dlstincto mestre. Pen-
samos que juntando os nossos esludos e longa
pratica de 15 asnos de photographia s nlilissiroas
licSes ultiman ente recebidas do Sr. L Pacheco,
tendo montado a nossa photographia como se
acha, podemos oflrecer ao Ilustrado publico
d'esta cidade e aos oos*os non er'osos fregneies
trabalhos de pbott grapbia tao per'eitos. c: mo se
poder desejar, e disto convencidos, esperantos
que contluufm a dispensar-nos a mesma pro-
teccao com que ha 15 annos nos tem honrado e
ajudado.____________
Precisa-se d urna ama para casa de pouea fa-
milia para cotinbar e engommar ; a traiar na
praca da Independencia ns. 8 e 10.____________
A luga se
urna escrav para o servido domestico
Hospicio n. 29.
na ra de

AOS SRS. ALFAIATES t c d
Colunnas, da raa 4o Crespo n. 13, de Antonio Correa de
Cbegou leja das
Vasconselfos, superior velludo preto Ae seda
-estracq&o dos (lentese oper^aes^-ntarias sem dren, torios oa
dias uteis, das 10 horas at meio da
PELO EMP8EG0 00
PROTOXl'DE S'AZOTE
no gabinete do ctrurgio dentista F^EOERICO iUOR
19Eua Nova19
O qual, aobando-se relacionado om os mais celebres deoiintas i**-***?
com elles na tima vi.gem d Fraoc-a. o modo TsSco de ^uTse pode se*pre usar sem acremente algutu. e prodpx msens.bil-
dade completa. ...
Omesmo aproveita a occasio :pstra loraferar *o respettave
geu gabinete continua-se a aicr Jdas as eperac-s da oa arta e col
lodus os syste.nas: cem curo, platina oo vu'.canile, segundo os casos.
Esi*ciati Quem precisar de um caixeiro com pralica
de taberna ou ontro qualquer negocio, pira a pra
ca o lera della, dirija-se a ra da Concordia nu-
mero 152 ___.
Preciso-se de urna ama livrre ou escrava :
ra das Croes n. 39. hotel pernambucano.
na
publico que nn
e collocar denles por
AYOG^GlA.
O OR. JOAQIM CORREA DR ARAUiO
lom o eeu escriptorio ra do Imperador
n.67, ende pode ser procurado das 9 ho-
ra* da manhaa s 3 da tarde- ___
msm &mmmm mm
AMA
Precisa-ee c. urna molber para cozmhar
nasa de poica amilia, psga-se
Hospicio n. I6.f
em
bem : na ra do
Engomma ie ra
Precisa-sa de una mulber que enfomme com
perfeicao, para casa de amilia, c da se-lhe *oa
pag : traiar o 2 andr do eabrado n. I, a
ra da Cadeia do Recife.
AMA.
Na roa do Comroermo n. 44, 2* andar, precisa-
se de urna ama para andar com urna menina, que
seja de boa conducta. ______
Para urna lamika al-
lemaa de duas \
precisa-se de nma ama
moca para comprar e
fair o mais ervico dej
casa : no largo da ma
rii de Snto Antonio n, 4, andar.
AMA
Labonlaye
O principe Cao d'Agua.
{le Prince Cometo )
U-aduccao
de
R. A. F. F.
1 vol. 18. br. 2*000 rs.
Mearla franeeza
Atusa se um moleque de bons costumes
qne tenha idade de 10 a 11 annos: roa da Cruz
sobrado n. 8, 3* andar. ^__^
ATTENCO
a-se ao Sr. major Firniiano Jos Rodrigues
gento Santa Lnr.'a, fregueiia de
11, a u%nt
Attei^Ao
inM e afertMefer alm.^ e jan
da rna estrella do Rosarte avttf
tar

A verdadera fai inha peilorai de
5 B lo.
Esta arinha us.-.da com vantajosos resulta-
dos nos padecimentos dos orgos do -peno,
nomA aina ou piirthamento e catharros,
ioflamaeao de beie. nleurizes e na pthvsiea; re-
eommendado-se com igual jruveito as pessoas
/yjBvaleceaies
nico deposito na ph irmacia o drogara.
DE
Bariholomeu A C.
'&fiua larga do Rosario^34
"nffEQl
Preciea-se de na ama para casa de -pouea fa-
milia : nesta typograptwa se dir.
Criado pequeo
Precisarse de umaenino de II 13_an-
nos, braseiro ou portugoez, para criado
de urna caa particular. A dirigir-se a ra
Bella n. 37, sobrado de 2 andares.
" O DR ACINTHOSOAE> REHELL, 0
AMTRO MEDICO HOMEOPA- X
THA, g
recenlemenle estabeleeido nesta cidade. 0|
-x Dodou a sua residencia da praca do Con- /
& de i'En n. 3t para a roa do Imperador W
A b. 25, e abri consultori > justo ao Jabora- jg
' lorio liomeopalhico dos Srs. F. de P. Car- j
9 doso Jnni r&C na mesma raa n. 41, g
onde todos os dias dar consultas do meio c
fSt dia as 2 horas da tarde, reservando, para 0
XX as visitas domiciliares os mtervaHoa, que fe
?25 decorrem das 9 tiorasda manha ao meio X
dia e das 2 i* 4 horas da tarde. A qual-
quer hora attender a chamados, que Ihe jfi
sejam dirigidos, quer easa, quer ao con c
saltorio.
D. Ursula de Siqoeira Carneiro da Cuaba,
viuva inventa iaate do casal de seu finado marido
o teneate-coronel Unrianno Xavier Carneiro da
Caaba, d aviso de que nesta cidade, pelo juiz
de orphOr,|se e-t profedendo a inventario e em
coasequeuca Convida s pessoas que tiverem con-
tas coutra eaaal a apresenta-las dentro
do prao de cinco dias. depo-Uando-as no escrip-
ias-Sr*. Ia
'870
Travejamento de man
gue,
para ver, e tr ctar, ro Ta?
iixe d> Sr, Dantas,
Casa Feliz
AOS 20:000^000.
A casa felir, sendo a nica que no decurso do
annn prximo passado, vendeu mais premios da
lotera do Rio de Janeiro, f.iz scieute ao illnstea-
do publico desta capital e a seos numerosos fre
guezos que contina a vender os referidos bilhe-
:es rubricados na forma da lei, pelos precos se-
euintes :
Bilhetes inteiro? tlOOO
lfeios bilhetes.. 11*300
Quartos....... 6*000
S na casa feliz ao Are.j da Coneeigao n. 2.
Iroca-SH
a morada de um sitio perto da linba-ferrea do Re
rife a Apipucos,por outro de algoma casa nos bair
ros de 5. Jos e Santo Antonio. O sitio ti de mdico
alnguel e perto desta cidade : a tratar na ra das
Laranpeiras n. 10. _________
PHBMACLCCliSTrUL RA DO IMPERA-
DOR N 38.
Variado sortgmento de chocolate de ban-
nilha, salepo aramia, ferro, e de sade, da
acreditada officina de Menir.
Sabonetes d'alcatrlo, d'acido phenico, en-
xofre e camphora recommendados para as
molestias de peU como sarna, panos, em-
pingens etc., sendo o ultimo de maita niili-
dade para o nzo do toilette, por preservar
a pelle de ser manchada das maclas, que
costumara accomeltel-a.
PHARMACIA CENTRAL RA DO 1MPERA-
DOR N 38.
Os melbores vermfugos para crianfas,
Pastilhas de sanctonina.
Di'as de Kemp.
Oleo vernifug.
Tudo de melhor qoalid de.
PHARMACIA CENTRAL RA DO IMPERA-
DOR N 38.
Variadsimo soriimento de fundas de
excellentequalidade.
FAMACU CESTFR'-L
Rna o imperador n. 38.
Lamplouyhs Pyretic Satine.
A preparation of well known ulelity to Ihe En-
glish Facullv. as a cooling and refreshing beverage
in all cases f-ver. The frequent use'f ">is sa
line preserves (brigners froni many dis^.-r* lo
whieh ihey are leable before hecommg aeelima
-ed. M .y be oblamed at ihe Pharmaeea Central.
jua do Imperador n. 38.
Pir.\ll.MACIA CENTRAL RA DO IMPEKADOR
N. 38.
Pastilhas de balsamo de tol e de lava
de pinho martimo, para as affecgoes ebro-
uicas d>>s pulraes.
Pa>tillias de therydocio e lotiro cerojo
para as losses agudas, e decracler nervo-
so, e para os vmitos durante o periodo tia
gravidez, e qualquer affereao nervosa.
Pastillas de bypophosphelo de cal im.i
uteis na thysica pulmonar.
Pasiiihas de angico naf, e de Regnaull.
de hortela, pimertta, e de Viccley, de pe-
cacuanba e de Retines.
Sociedad Recreativa
Juventude.
Em virlude de ter a maioria da directora eleija
em 7 do corrente, renunciado os seus cargos, sao
convidados os senhores asociados a se reunirem
em ses^ao extraordinaria de assembla geral, do-
mingo 21 do crreme, as 7 huras da manhaa, atirn
da preenober-se as vaga* existentes.
Secretaria da soeledade Recreativa Jnventude
17 de agosto de 1870.
F. Peixoto,
Io secretario.
- Manoel Joaquim da Molla tem juste e coi
ratado o un o Sr. Jilo Luiz dos Santos a si
U. W. MVUN
ENGENHEIEO
Com fundiqo.
A RA DO BRUM N. 52. '
Pass'do o chaf'riz
Machinas vapor sysiema melhorado.
Rodas d'agoa.
Moendas de canoa.
Taixas de ferro batido e fundido.
Rodas dentidas para moer com agoa
por e animaes.
E outros muitos objeelos proprios d'agri-
ealtora.
Tudo por preco maito reduzido.
va-
con-
tratado mido Sr. Jvao tuiz oos sanios a sua
padaria sita a ra la Concordia n. 9, livre e des-
embarcela de qualquer debito ou obrigaeao ; se
porm, alguem se jolgar com direito a mesma,
cumiiareQa no praso de tres dias na mesma. _
Sociedad Liberal Uniito Be-
neficente
Por ordem do con-elho administrativo sao con-
vidados todos os socios reunirem-e ero r.ssem-
hla geral extraordinaria, no na 19 do corrente
me. as 6 l|2 horas da tarde, na casa de nossas
sesgues, p^ra tratar-se de negocio* urgentes ten-
den!e< mesma sociedae.
Secretaria da sociedad Liberal Uuiao BeDen-
cente em 16 de agosto de 187u.
Innocencio Xavier Vianna Sobriobo,
Io secretario.
D. Maria Bernardina da Rocha Leal e lhos, D.
Mara B. Monu-iro e Who?, Antonio F-rreirn da
Rucha L*al, tendo de mandar dlzer inlssas por al-
iii ue seu prezado mando, pM, genro e irm.) F.
F. R. Leal, desd j nigam a todos os prenles e
sango, assim eoote do tinado, a assistireiuajmi--
sas por sua alma, na maliz da Boa-vista, sArbado
20 do correle, as 6 huras da manhaa, anoiversa-
no dr ?eu fllecimento em Lisboa ; e desde ja se
confessam eternamente agratteeidos.
so de nma anta para o servicu m-
i liar a eagonaaiar para duas pessoas :
> orara, paseand? a /indicio d. 4a, i'
Htel rnense
O abaixo assigoado tem a honra de participar
ao reapeitael publico desta cidade e da do Recife,
que se dia 14 do correte estar aberto concur-
rencia publica o grande hotel Olindense.
7omarcse assignsiuras para dentro e fra do
estabelecimento ; ha 4juartos para alugar, banhos
silgados, iboa comida, sortimento de vinhos finos
pertuguezes e franc3, charutos finos e tudo
que coacernente a um estabelecimento desta
ordem.
Este estabelecimento alem di magnifica posieio
em que se acuj, offerece-ai melbores commodiJa-
des por ser preximo iwtot) dos trunos urbaaos.
O servico da casa feto com rouito assek) e
promptidao.
______________Joao Lniz Vianna Jnior.
- Precisa-se de nma ama %ae saiba e ogommar
com perfescao : aa rna do Quaimado n. 4>9, rival
sen' xegoedo.
Precisase de nm caixeiro que tenha p rauca
de taberna para ir para a villa da Penha : a tra
tar na raa do Encantameat d. II.
0 Sr. Jos Joaquim da Silva Pereira deixo i>
de ser caixeiro da casa eoownerclal de Lima, Silvia
A C. Recife 16 de agosto de 1870.
PHARMACIA CEKTMAL Rl'A DO IMPERA-
DOR PL 38.
Cha purgativo de Chambard, excellente
laxativo, o refigerante, que se pode usar
repetidas vez s sem irritar ostn,testinos._
XAROPE HYPNOTICO DE CHLORAL.
Ocbloral um agente therpeulico recen-
tmente experimentado, mas cujos beneft
cios vj sendo largamente aproveitadus pe-
los pra Icos em qeasi todas usaffeccSes ner-
vosas, calmante e somnifer poderoso, lle
sempre empregado com vantagem nos
casos de dores nervosas intensas, e as de
insomnia, era que elle produz um somno
calmo e profondo.
Elle rec mmendado as clicas, na cho-
rea, no telano, nos partos laboriosos, na
clampria, as qoeimadoras extensas, nos
accessos agudos de goita, na asihma, na
tosse convulsa, e em muitos oulros casos,
DOSE.Da^s a oito colheres de sopa
por dia, conforme o effeito que o medico
quer obter.
Enconlra-se na Pharmacia CENTRAL "ra
do Imperador n. 38.
VINHO DD QUININNO DE LARARRAQUE
Poderoso tnico hoje to aconselhado nos
gozos de< debilidade g;eral, e mui usado
como antifebril.
PHARMAQA CENTRAL RA DO IMPERADOR
N. 38.
I
Precisa-se de orna ama
para urna familia estrangeira :
ratriz n. 9, loja.
de boa conducta,
na ra da Impe
Ama
Precisa-se de nm ama: na raa de (tartas,
brado n. 80, 1 andar.
so-
Oreado.
Paga-se bem a uro'creado de 12 a 1 i annos pa-
ra servico de *a*a fi compra? : tr?t-se do caes de
Apollo n. to.
ftVece-se um jardineiro que se encarrega
de tudo quanto necassario de um jardim e sitio :
quem pretender dirija-se a ra das.Cruzes n. 37,
loja.
ii
Gabinete Portirguez de Leitura
Seientiflca-se aos senhores associado* que tendo
de proceler-se aos necesarios preparos para a
, **lebracao da testa do 19* aniversario, que ter
1^ f ar no dia 21 do corrente, se fechar o expe-
d -nte da bibliolheca df sde o dia 17 at o dia 25,
m,.| usive, pedido-se aos roesmoe sonheres asso-
ciai. "*> 'azerem recoHter as obras eqp seu poder
Secr, aria do Gabinete Portuguez de Leitura em
Pernam. "w *6 de a<>*to d*7,>-
Antonio de Altraqoerque Mello,
1- Secretario.
Jos Malinas Lopes da F inrera convida a todos
os seus prenles e amigos do ^eu finado er.nhaiio
Joaquim Jo- Perreira de Abreu a a.-i^iirem a al-
puni;.s nussas que por alma de sen seo pre lem-
brado runhadn maml resar no dia 19 Jo corren-
te, as 6 horas da inanliSa, na igrtja de N 8. do-
Livramento, primeiru anmver. ario do seu f.-.ileci-
mento ; e desoV j sp eonfe**a grato a ludas a
pessi *- que ~Q dignarem as-i.iir este acto de re-
jgiaa o earnlade.
Aluga-se ou arrenda-so urna cas.", urrea de
pedraecal com 4 quarlos o 2 salas, >ita na rna
Nova, de-ta cidade, n uit> fresca, cura exc. lente
vista, com quintal de grande extenso asseimihan-
dose a um sitio, com bastante fructeiras e ps
de coqt-eiros, botando os fundos para e Bonifim.
perto do banho salgado, e porque a referida casa
preci-a de lguns reparos, porisso convida-se aos
apreciadores da fesra para arrendar tu alngar a
snhredita casa, fazendo a sua cosa os leparos de
que precisa a referida propriedade. levando >e em
eonta nos alngueis as desperas feilas. pelo lempo
que se convenciopar, assegurano ?c toda a coui-
uiodidade no preco : quem pretender dirija-e a
cidade de Olinda.'na laileira da rilitira, a contra-
tar com Miguel Carlos oe Parias. __________
Aluga-se, para pas-ar i fasta, a casa n. SI
da ra do J"go da Bolla em Olinda. com i qnar-
tos, 1 gabinete, 2 salas, cosinha e quintal grande:
uem a pretender dirija-se a roa do Duque J
asas n. 41, 2o andar.
de>
CASADAF0RT1M
Aos 5:000|
Bilhetes garantidos.
A ra Prirdeiro de Marco n. 23 e casas do
cosime
Acham-se a venda os feliies bilhetes garan-
tidos, da 4" parte das loteras, beneficio da Santa
Casa de Misericordia (157') que se extrahtra iuin-
ta-feira, 25 do crreme me .
PREfOS.
Bilhcle inteiro C#*W
Meio bilhete Jl
Quinto 1*zuo
Em porcao de 100/600 para ma.
Bilhete iet iro M40O
Meio bilhete M/W
Quinto J.iO
, ,,i i m*bo*1 Maruos Fmu*.
Cnxeiro
Off'rece se nm rpaz brasileiro de idade 22 an-
nos para caixeiro de tabar ou leja de ferra-
cens: a traiar na ra do 1 > n. 2, on na
Direita n. 14 ou It, dando at-goeiantcs nesta praca
,|ue aliaslam sua rondneta.
AVISO
Na roa Velhajo.
49 cosin! as de.
pouea familia cora ar m-
dico preco : assiin como receb< para en-
gomar e toda e qualquer eestu;
(eitas com toda prestes e pelo projo tjue se con-
vencionar.
Kngomma-se cosa
de. hoinem de seobora, por preoo
tratar aa Boa-vista, ra do
querqoe -n. 11, ootrVra da Gloria.

V



Diario de Pernambuoo Sexta eira 19 d Agosto de 1870.
ipmus
v
OTA
AOAUMAZEM 3
I
S,7-RM1IH,7
i'
111 xf II VJ II 11 V I 11 i-lflf..fR
Este Mohecido estabelecimento acha-ee ceasfanteroeme bem sonido em virtude daa
facturas que recebe por lodo os vapores e navios Trncele*, das artigus abiixo menciona-
dos, predas os uns resumidos que pouivel.
4 t M VUO FltAMCE25
Botinas para enhora e meninas.
Botina* pretaa, branca e d militas outras cores, *orlidas e bonitas, do ultimo gos-
to da moda, e procos mais baratas do que em outras partes.
Hotiuas para borneas e meninos.
Botinas de bizerro, eordavao, lustro e pellica, das melhores fabricas e escolbidas.
Bola* e eruelras riisslanas.
Botas e perooffi paYimantaria, das roefcores qniaMaoVs, d couro da Russia, lus-
tro e bizerro. u. ._.._,._____
1M de borraeha para h orneas le cnhora*
Tendo chegado grande porcao de sapatos de borracha vende-se pelo custo altm ^
desempatar o dinheiro nelles nnregado, ao tatttishw*.
Spalos de lustro para horneas.
Sapatos de entrada baixa de conro de lustro coro salto, de muito boa qualidade.
Abotinados para meninos e meninas
Sapatos abotinados de differentes modelos, de muito boas qualidade? e fortes unto
p*ra menino como para meninas, muito baratos.
patos de tpete.
Sapatos de tpete aveludado, de casemira, de charlte e de tranca franwzes e por-
togueies para honjens, para senhoras e para meninos.
PERFUMARAS
Excellentes extractos, banhas, leos, agua de cologne, florida, divina lavande, den- gjl
triflee, de toilette, sabonetes, liotura para cabellos, pomada angro.se para bigodes, pos de V&
arroz etc., tudo isto de primerra qualidade, dos afamados fabricantes, Condray, Piver e Lubin. ,m,
Quinquilharias
Luvas de pellica do eonhecido fabricante Jouvin, eepelhos para, sallas, quartos e ga-
binetes toucadorc de diversos tamanbos, leques para senhoras e para meninas, abridores
de luvas brincos, pulceiras, boioes, crrenos e chaves de. relttgios e tranceln*, lud de
ouro de li, correntes e brincos de plaqn, a iritarao e de mais gosto do que as de miro.
caixrohas de costura ricamente guarnecidas e ornadas cora lindas pescas de msica, albnns
e caixilhos dourados para retratos, caiiuhas com vidro de augmento para distintamente
ver-se a perfeico dos retratos, objectos de phantasia para toilettes, holsinhas e cestmhas
de seda, de velludo e de vimes para braco de meninas e senhoras, ditas para costuras, pe-
queos registros muito fino? e delicados, bouquets de flores de porcelana, jarros propnos
para gabinetes e santuarios, quadros promptos para eollocar-se^ vistas,
i
ap

1
molduras douradas. IJaL
:os- IB
;, esporas, chi-olts, bengalas, oculos, lunetas ou I
--'ios. V:
para quadros, estampa finas de paysagens, cidades, figuras e de sanios, vidros para eos-
morama, malas, sarcos e bolsas de \1agens, esporas, chb-olts, bengalas, oculos, lunetas ~
pensiDez de prata dourados, grvalas pretas e de cores, abetoaduras de collele e de pnnh
de ttur.
A diroi
Leitur 'moldar
i io da adertura do rnesiso Gabinete,1
domingo 21 do eorretu, km 'nanea de
lonvtdar a todos 04 aenhore asseciado,
o Ilustre corpj acadmico. eemgeral a
das as pes-oas e sociedades, qu' p
pecimeoto deixassem d ser convidador'
por convite especial, allm'de qoe sedig
nem abriihanUr com uas presentas aj
ses?5o magna, que ter tugar us saldes
da bibliolheca. as 10 horas da mantas d;
referido dia 21.
! A 'direcl.na setentifica ao respeiUW,
publico que o es|jibelecimenla .loe sera
franqueado desde as 6 horas da larde at
ias 10 da noite, podendo nesse espado ser
visitado por todas as perseas quer de nm,
quer de outro sexo, que decentemente M,
apresentarem. {
Secretaria do Gabinete Portgoez de
eltoTa ao* 17 de agosto d# 1870.
Antonia de Albuquerqne Mello, I
1 secretario. g|
0 abaixo assig-nad 1 tendo ohtido licenca
do Exm. Sr. presidente da provincia, para
poder garantir bihetes e pago respectivo
imposto de 1:0003000, decretorlo rwf 2
do orcamento vigente, avisa' ao rspeltavel
publico que para esle m o encontrado
seiepre i ra garantir aclunlmene os fcilhe-
tes de todas as loteras da provincia na casa
Tetiz do arco da Conceicio n 2, a onde, o
raesmo a'baixo assignado pagar com a
promptidao do costura* agarantia de seos
bilbeles.
Recife 15 de agosto de 1870,
Joao Joaquim da Costa Leite
i GAO FGIDO i
S Fugio do sitio da campia da Casa X*
& Forte um co grande: e gordo da r
g^ Terra Nova, de cor prela com lis- 0
ra branca ao redor do pescoco e >
tambem os ps brancos, Quem troo- ^
xer elle ao sohredito sitia ou ao **
largo do Corpo Santn. 15 ser
reniTisamente recompensado. 5^
Plano para as extraceoes das
loteras, approvado pelo Exm.
Sr. presidente da provincia
3,400 bilheU-s a 5*000 .... 17:000*000
Imposto, sello, beneficio, comiuis-
sao, ele.......3:ii0*000
ATTEINfA
ival sem segundo,
i ~
H'Kl
D-se oci
n. 11
destej
com
trar

aq
duvida raxer negocio
kratar na me-ma.'
I 4
ra do Oiieiniado)
jito bm e
IPrecisa-se de nma ama para o servico de urna
so pessoa na rna de Saota Tbereza n. 3. Paga-
se t em.
ao ?omenie.^a ^^ jQ ^^ fliua.zas ,A8.
ti \wp-
*l WiAs'cofo- stfs Jabonetes de frota
COMPRAS.
morama, malas, sarcos e bolsas de
pensinez de prata dourados, graval
carleirinhas para notas, thfsourinhas e caivetes finos, pentes, escovas, ponteiras de espuma
para charutos e para cigarros, jocos de domin, rodetes, bagatelas e outro differeoks, ve ]
nezianas modernas muito conveniente.para porl s e jnellas, cosmoramas, lanternas mag- ,1
cas, esteriocopos com inleressautes vistas de figuras e das mais bonitas mas, bouliyards,
pracas e passeios de Paris, photozraphias e caixinhas mgicas, reverberos para candieiros. 1
tapetes de vidrho e de laa de cores para ps de lanternas, realejos grandes e peqnono, S
M harmnicos, acordions de todos os tamanhos, bcrws de vimes para nianns, sapatmhos e
m touoas de laa, carrinhos de 3 e i rodas muito elegantes para conlusir enancas pa^seio ; e '
11 outras muita quinquilharias de phantasia, francezai e allemaes precos muito em conta. j
BiaiilaaBaDaa &aaa saaiaiaas ^ \
Para este artigo nao ha espaco nem tempo para a mas-ante Icitura da inflnrdade de
gneros de brinquedos fabricados em diversos paizes da Europa.
mi
Liquido
1 premio de .
1 dito de .
1 dito de .
1 dito de .
3 Jitos de IOOaOOO
i ditos de iOOOO
8 dito? de 20i
20 ditos de 10000
700 ditus de C*000
a "10 premios
O dono deste estabelecimento pede ao publico em geral que continu a visita-lo
verificando as qualida-les e os precos baratos de ditos objectos por serero viudos em ai,
reitura e de conta propria.
11:560*000
"1^000*000
900*000
100*000
JOOSnOO
300*000
200*000
160*000
sonjono
4:200*000
11:560*000
0 muzeo de joias
Na rus do Cabng n. i compra-e oaro, prata
podras preciosas por precos mais tantajoso* do
me em ontra qaafquer parte.___________^___
.Uom muito maior vantageai comprasa-ae
ouro, prata e pedrs preciosas e n obras velbas: na
loja de joias do Coracao de Ouro a. 2 D, ra do
Cabug.____________
Compra-se urna ea.-inba era um dos bairros
desta cidatte, quera tiver annuncie
0(Miipra-s
---------
orna casa lenta qua enta eoromodos para nma
familia, e que lenha quinUl e cacimba, ou mesmo
um sobrado de um andar com os roesmos com-
modos : ni ra de laap Fernandes Vityira n. o, ou
a* ma do Ara gao n 16:
Gompram-ie patacoes hespanbes e br-silei-
rs : no cae de Ramos n. 8.
Vr;NDAS.
Sindh.
O Costa da rna das Crnzes contina a prevenir
aos seus numeresos freguezes que receben peo
ultimo vapor os mais novo e excellentes
Queijos flamengos.
Maclas de especial qualidade.
Ervilhas para sopa e outras massas proprias.
Parinba americana de especial qualidade.
Alem de ontros muilos gneros de importadlo,
j eonhecido do respeitavel publico, e tem mais
queiji e carne do sertao de superior qualidade.
Cal nova de Lisboa.
Chegada rccenlemente no vapor Gladiator, tem
para vender Joaquim Jo> Gmigalves Dellro, no
seu escriptorio, ra do Cimmercio n. 17.
Labyrinthos
Chegaram' ra do Crespo n. 10, riquissimas
toalhas de labvrinlho de differentes tamanhos, lia-
das fronhas e lencos, cujos obj ctos se vendem
muito em conta.____________________________
Vende se na povoacio dos Afogados urna
Vqu'na casa sita -ua DlreiU : a traUr na ra
de Marcilio Das n. 74.
120

60
Libras de la para bordar de totUs
as cores .......CffOOO
100
500
300.
Garrir* (U jiqi^ Alejandre a. .
Frascos com azeite para machinas
Grvalas di cores mailo fins a .
Grozas de bolees madepersla fi-
nissimos a....... 500
Pares de lovas de cores muito fi-
nas 320 e.,...... 500
Nvello de linha de 400 jardas a. 00
Cai.Tas com 100 envelopes muito
superiores a...... G00
Pentes volteados para meninas a. 240
Tinteiros com tnta preta a 80 rs. e 190
.Pecas de fita elstica muito fina a 200
Lata com superior banha a 100 e. 200
Frascos de olfio Philocomo muito
fino a......... 501.
J)itos ditos dito grande a. 1)3000
Frascos de macacaperola a. 240
Frascos de extracto muito b Ditos a 500
Duzia de sabonetes muito linos a. 720
Sabonetes inglezes a 000 rs. e. 1(5200
Frasco com agua de colonia Piver a 500
Dito.de oleo baboza a. 500
Caixas de lamparinas a. 40
Sabonetes a forma menino muito
superiores a....... 240
Lartilbas da doutrina fazenda nova a 400'
LibrdS.de linha sorlidas de lodos os
nmeros a....... 1800
>'. 1!. O premio de 5:000*000 est sujeito ao
descont de 15 010 por lei gral.
Thesotiram das loteras de Pernambuco 16 de
agosto de 1870.
O thesoureiro,
Antunio Jos R.Mlrigne" de Souza.
3 potas n
53. ra
Dlrcita, 3 p rtas n. 53,anlga
loja di) Braga
abaixo assignado, dono d?t litigo eMabelwmenlo, tendo em vista apresentr nra .
completo swdlMBlu de nrr|a, mindeu o ciilrria, tem resolv do mandar bis.-arrm -
nSVnoVda Entupa os .... lt.or.-3 ..bjecios de sen estal. I.r.ment) dos fabrica mes |
Smtmheehlo*; P I- que envida ao respeiuivel pabhco c a seus "g^jTO^; S
viren, se ervir do objeetos de -ua fareocia, a-nd- eoeontario per n.ene 10 0,0 di qm -
enouranoherr.nr-, u... s, rtimen.o completo de mach.-as para deseaacar al;odao 1
d? beinSecklof. nante &.,rr Gin A C, dita para e*sfora, narfoM |ra anima i
ditos p'-. C n...i.ilios p-.r,. caf de todos os tamanbos, da ..bnc d ap., espmgards d j
Sur! mo inleza;*-mo fmtieeus, lonca de porcelana, facas e |arf>s f
de 1
l.malha
monte
rem c...
33. l !,-T: I. rl'ua loju do Braga.
u ahaixo tssivnado, lando .10 Jonvil do Re-
efe 'le 10 e 17 do correte, um avi>o ao Sr. Ma-
nuel Juaquim Gome de Souza e Ca*iro ao em..
merci, declarando que .ipents unha de seo ac-
ceite, urna letra ainda nln venciia passada a fa
i r dos Sr< Alfredo & Barbosa Jnior de dous
ce ii'jis C'i.tn e tantos mil reis, as a/Sea bens bvre e de-embaracados de qualquer
onos, e como o .nonv. Sr. .leve ao ab.iixo assirr
nado doa* letras, ha anuos vencidas. 1!" sea pro-
Itrin cw le, pn11eip.1l, tima -'e 1:159*728, nutra
820; am emn-i nma hy,i iihi-ca em sens
beus uor e?criptura legahnente repistrala, iassa-
itn no cirt'.rio do tahelliao Krtfne*en de Salles .la
Cosa Mi nteiro, e para evitar llovida no foturu
e e i.ihi-'Min-nlo d- |in*AI In.teres^ar possa, qu
presente eclaracS '.
fteifr, 17 de ag.*t.i \ 1870.
Ant ni J- l'.ii. V Camino.
Acaba q sahir lus
Bichas hamburgnezas
Neste novo deposito recebe-se por todos os pa
quetes translanticos bichas de qualidade superior
e vendem se em caixa ou porcao mais pequea,
e mais barato do que cm outra qualquer parte :
na rna da Cadea do Recife n. 31. 1* andar.
F. rinha de milho.
Vende-se diariamente farinha de milho muida,
fina e nova, a 120 rs. a libra ; e tambem farinha
rossa a 100 rs. : na rna do O.t .vello n. 25.
Ven-iese una a-maco de padaria no largj
da Paz n. 78, fregueiia dos Afogados : a tratar na
mesm.
h
O verdadeiro portland. S se vend> na ra di
Madre de Dos n. J2, armazem de Joo Martins df
Doce fino.
a. :.-y:,.,-y'/m
E Vende NA L,ivraria lranceza. A
(lili DITO OU
Ci)LiIi(lliI\!)\I.\UliHi(l
D gniaha. laranja. lima., e bananas, vende-se
constantemente rna de Marsilio Dias, ouir'ora
Direita. tahem "" K'>r*-. _________^.^
No-o sor i ment.
Mimosas cortes de penales a 2000, de dous,
mu vestido : na ra do Crespo 11. 26, loja da es-
quina.
.V ra do Jar i n n. i > daieja-9*) fallar cuinos
seguintas senh>res :
Antonio Grajalves da Silva, sennor de onjeuhd.
Manoel Po'icarpo d>! toevedo.
Jeiuino Augusto doi Samo fragj'-o, ex-pren-
sario.
Damio los Itartini du Olivera Iguarassu
Fernando liirata da Suva, en enho Morojo.
Frederico Aagosto Vello-o da Silveira.
Jos Hermino Pontual.
Joaquim Cavalcoli de Albuquerque Filho.
Antonio Gomes Cordeiro de Mella, eonhecido
por Tolo, [gnarass -ou Gjianna, das 8 s 10 ho-
ras da mannaa.______________________________
"" SanQa.
Rocha, Lima & Guimaraei mudaram-se da ra
v Cadeia oara a ra da Cruz, arn.a.em n. 12.
DR
NOSSO SENHOil ESS CHRISljO,
MAIUA SANTISSIMA
B
VARIOS SANTOS. /
A gabrr :
Setenario do Senlv.r Bom leus dos Passos.
Offl :io do S.'iili".- dos Pnsfos.
ni
Novena da N. Sentrara >i. Conceicao.
Setenario das D tcs de Maria.
Havana ede (inicio das Sete Dores ele Mafia SutiSi.una.
jvu 1/1/ ti
Travessa do Queimado n. 5
Horacio Antonio Mangabeira, proprietario dcste
estabelecimento, tendo feito urna grande refor-
ma no su be.m cunbecido estabelecimento, fjz
jciente ao respcitavol publico e aos sous antigos
fregueies, que se acha de ora em diante com um
completo sortimenio de charuto? de Havana e di'
toda*, as qualidade, cigarros de palha do Rio e de | svena de N. Sennora do Carino.
0 Campos com armazem
de m^lhados na na do Im-
perador n. 28, vende como
no trapiche, caixas com ba-
tat is novas de" Lisboa a oito
mil reis cada urna.
A ellas que estilo se aca-
b ndo.
ATTENCAO
Alnsa-se urna moblia de raz de amarello a
LuizXV, c na mesma casa vndese meia duzia ie
cideiras da mesroa, dous espelbos grandes doora-
do proprios para grandes oara sala : a travessa de Jeao Franctseo
n. 3 se dir quem aluju.e vende. ^j_____
Tendo cmpralo o irstabeleeimeiit. de mo-
lhados sito roa do Pedr^ Affjnso, casa n, 1, per-
tencente as Sr. Joaqnira Dias de Almeida Costa,
Caco o prsenle para constar a toda e qualquer
PMwa-qaojulgarcomdireiv^ a apreeDtar-e
we tres dia, a contar da boje 19 de gosto de
1870.
Gailberme Jos de Souza.
diversas qualidade ; e~ recebe sempre por todos
ds vaporos um completo e variado sormento de
pooteiras para charutos e cigarros, boleas para
?umo e fumo do Para ; assim como um grande
sortiment') de cachimbos de todas a diversidades ;
s se vende por menos 10 por cento do que em ou-
tra qualquer parte._________________________
Oonsulau),de Portugal em
Pernambuco.
Os Srs. Joiio Mare.lo do Amaral.
Barbosa Andr Barbosa Soarcs.
Manoef Dia do Carvalho.
Manoel Luiz.da Costa.
Faj es Juni.ir & C.
Ballhir & Oiiveira.
Francisco Alves Monteiro Jnior.
Francisco Goneilves de Arruda.
Sebastile de (s'em s.-brenome)
Silva ic Joaquim Felipoe.
Maqoel Gomej da Crn/..
Amorim & C.
Chri-tova i Ferreira Campo-.
r.Blufu), Olt'-wfa C.
.Turne dos Santos. _
Antonio (i mcilves Guimaraes.
Antonio lo- Gonjalves de AzeveJo.
Palnwira & Bello.
Manuel Barbosa l'.ibeiro.
Jus Bernardo da Silva
Sao chamados a eompareeerem neste consula-
do aflm de receberem o qne Ihes tocou em rateio
na !ii|uiJaeo de alguns espolios de subditos por-
tuguizes fallecidos, dos quae provaraia ser :rc
dures,
n.cife. 17 de agosto de 1870. ^^_^^_
Offlcio de a. Senhora do Carino.
Novena de N Senhura da Penha.
Cnticos de N. Senhpra da'Penba.
Kovea do I!. S. JoS. Baptista.
Novena da Si-nhora Sant'Anna..
Trezena de Santo Antonio.
Novena do B. S. Jos.
I'm bonito volume rncadernado.
2^)00.
Cera de Lisboa em velas
T .mai.hos differenles (leWe 2 a 10 por libra, em
caixas de un a arroba : no irm.iem do Tasso If-
maofl C, ra do Am rini n. 37.
Vende-se a taberna n. 4 da ra Direita, deno-
minada Pedra Marmore, que foi do fallecida Jus
de Mel'o Costa Oiv.-ira, tendo poucos gneros e
adiando se muito afrrguezada : a tralar na ra
,la Madre (lel)ei.S n :ii.________
Babados do Porto, largos a 160 e 00
Capachos muito bonitos e grandes a 700
Carriteis de relroz preto, com 2
oitavas a........ 61
Agulheiros de o-so enfeitados a, 240
Libra de linha franceza superior
qualidade a....... 2*WK>
Caixas de palito do gaz a. 20
8888888 *fiH88888880
Joaquim Rodr'uesTa- |
vare- de Mello,
SPracado Cor po Santn. 17$.
TEM PABA VENDER : Z
Cal de Lisboa. 0
Potassa pa Russia. 5
Vinho Bordeaux. 0
Fat ello d^ Lisboa.
0 Farinha de mandioca. $
Farinha de mandioca
Vende-se farinha de mandioca, nova, de Santa
Camarina, ebegada no patacho portuguei UMssu.
fundeado defroole do trapiche do Sr. Baro do l.i
vramento : a tratar no eseriptnri > de Joa |inn
Jos Goncalves Beltrao, ra do Comniercio n. 17,
ou a bordo do referido patio,______________
Especialidades.
Conniiain a achar-se a v, na na ra' Direila
botica n. 88. os mu eonhecidoa e acreditados re-
medios di vlame, e outros i'.iversos medicamen-
tos fdtos em Pati, bem romo o* saropos de co-
deina de Berth, de rbano otado, de iudureto de
ferro de Blancari e as pilwlas d.i iiiesnic), petcral
de enreja, pos de Roc, depurativo .le f,h M .
dicital de Lab lony, pillas no MHtfritos de bis-
mutho de Chevrier, e ontros medicamentuB cuja
pr(4iciPOi.i quanJo empregdo8 n.is dnencas das
vias respiratoria-, as dflres rheuniaticas, na
amarellido, na falla c-niplfta ou irn cular.dnde
de menstruo, as diar. has, d.ienfa- d> enra{iu
e do estomago, (ero do e i iconiestavel, nn
v sta dos benficos resultadas d.s Mperime.it; co s
ou uso qne diversas pe-io.v- ddl-'s lei-m f-ito, a*-
sjm como das pilulna deiominada* bravinaa in-
eomparaveis em sua efflcacia no- acmmeuimea-
tos febris ou stz3 ; esi bn lo lairrtVm na inestua
casa, alm de suflleieate inanildade de droga*,
um nao Bfqneno n rtenenaa de lintas, oleo de li-
nba?a c piin:is, que se vendem po menos do que
em entra parle. "__________________
Em tempos modernos nenhum descubrV
nwiito operoumaior revoluclo m modo e
curar aWcnoimenle om voga do que o
PEITORYL E AMCAHIJITA
TANTO NO TIUTAMEST0 DA
tossk, cnoi'O,
ASTHJIA. IIIISIC.V,
nOLQl'IDO, ^ESFRIXME.NTOS.
liHONCIIITES,
TOsSE CONVULSA,
DORES DE PEITO,
r.xprcTRACSO ir. sa.ncuk.
Como em l oda a grande serie do enferme-
dades da GARGANTA, dn peito e dos OBG.V-5
da RESPinACo, que tanto atonuentam e a-
zemsolTrera humankiade. A manetra
liga de curar consista geralmente na M>i> -
cai;3o de vesicatorios, sangrias.sariar ou ap-
plicar exteriormeute ungentos fortissimos
compostos de substancias vesicantes, alm
de produzir empolltas; cujos diHerentes nu-
dos de curar, nao faziam setiao enfraque-
cer e diminuir as forras do pobre doentc,
contribuindo por esta forma d'uma maneira
mais fcil e certa para a enfermidade a do-
truico inevitavel de saa victima Quem dif-
irante pois o effeito ailmiravcl de
PEITORAL DE ANACAHUITA I
VM E EZ DE IRRITAR, MORTIFICAR *E CALZA*
INAUDITOS SFFHIMENTOS AO DOENTE,
CALMA, MODIFICA E SUAVIZA A DOR.
ALUVA A IBRITACAO
DESEMVOI.VE (9 ENTENDLMENTO,
FORTIFICA O CORPO
e faz com que o systoma
Desaloje d'uma maneira prompta erapi.la
at o.ultimo,vestigio da enfermidde. 0?
melhores votos em medicina da Europa (os
Lentes dos Collegios de Medicina de Berlim)
testificam sercm exactas e verdadeiras eso
relaces analgicas, ou alm disso'a experi-
encia de milhares de pessoas da America
Hespanhola, as quaes i'oram curadas cora
este maravilhoso remedio, sao mais que
sufflcientes para sustentarem a opinio do
PEITORAL DE ANACAHUITA!
Deve-se notar que este remedio se acha
inteiramente izento de venenos, tanto mino-
raes, como vegetae, em quanio que pftrm.
alguns d'estes aHoos, e patliculaimcnt-i
aquelles que sito dados sob a forma de Opio
e Acido Hydrocianico," lormam a base da
maior parte dos Xaropes, com os quaes to
fcilmente se engaa a credudade do pu-
blico. A Composicfto de Anacahuila Peit(-
a acha-se linda e curiosamente engarrafadas
m frascos da medida do cerca de meaos
quartilho cada um, e como a dose que se to-
ma so doma colber peqnena: basta gi -
ramente a applica.Tio d um ou dous frascos
para a effectuaro de qualquer cura.
Acha-se venda nos estahelecinentoa d'-
f. Mau r <:., J C liyu C. A.
Caors. B. M. Barliozn e Barlnolnmer. & ('..
Flor ao fumo.
Vende-se a casa terrea n. 11, sita em Olinda.
ra do targo do Amparo, com excellentes eoro-
modos e grande quiutal, solo proprio : a tratar nu
Recite, ra da ailea n. ?i.___________________
Vende-se no trapiche Dantas o
segu'nte:
Milho ameri.-ano.
Farinha de mandioca.
Kteiras de carnauba de diversos tamanhos.
Ve lias de carnauba.
Alpisla cm barricas.
Vinho Bordeaux.
fimenb. Portland. ^^^^^__
Chegou lije pelo vapor Tcnn-
Uns rumo picado p;.rj cigarrirs *
cachimbos o meihnr que ha neste
genero fabricado no Para p. r Jn^-
Julio Sanpaio Pues, nico deposi-
to tm Pe.nanbueo, ni l'r. ca da
Independencia, Ija de Calcados,
de Porto & Bastos.
A elle antea qne se acabem ;
rcmcssa f i pequea
p-
o
s
o
Flor do fumo.
Fart lio.
Vende-se saceos cem 90 libras de farello no-
vo do Chile a 1J500 : ra da Madre de Deus
n. 7.______
Te Liverpool & Lon-
on & Globe Insu-
rance Company.
Companhia inglcza de segaras contra-fogo,
estabelecida em 1836.
Capital e fu tos de reserva
HS. :t.N6:i J.
Os agentes desta o.mpauliia tumam segnros so-
bre propriedades. gneros e fazendas artoazenaflas,
mobilias, etc., etc., e esia> igualmente antorisados
a S3ldarem a^ui qnaesquer reclamaroes.
Saumlers i!n Iban A C,
* Praca do Corpo Santo n. 11.
Da-se 1:000| a premio com hypotheca em
bens de rali de dobrado valor nesta cidade : na
na Nova, loja de ferragens n. 31 .
V*end*-se um rico piano transpositor. quasi
nov, da fabrica de A. Blondell A. J. Vignes,
na >ua do li.tpi.rad >r n. S5. 1 andar.__________
OLI1DA
Vendem-se cinco ; coes d trilhos urbanas i
01 inda na ra o1.. Cre ' = Vend-se urna casa ierra na ra dos Gua
rarapes n. 63 e onlra na ra do Pilar n. 114, am
bas na freguezia do Recite : os nretendentes d.ri-
am-se fundicao de Cardoso 4 Irma) ra do
Brum n. IQOa'lOi ou ra d'. P.iar n. 113
Vende se gnpenor (afinha de milho : ui ra
esireita do R"jarin r>. S. padaria. _________ .
Vende se urna armarlo de taberna, no largo
da Paz n. 78, freguezia dos Afogados : a tratar na
mesma.
Emfim chegaram !! !
O Patilhao d'.Uuora i rna da Imperatriz n. i,
receben pelo ultimo vapor o mais completo sorti-
mento de cortes de vestidos de, seda, estampas e
gestos inteiramente Boma e de superior qu:li-
dade ; vieram juntos e igualmente ricos corles de
vestido de blond bordados, perolas para casa-
mento: assim como popelinas*, fi:idroes noves e de
lindissimo gosto : e umitas outras fazenda* para
vestidos igualmente novas e desconhecidas no
mercado ; ludo se vende muito em conta._______
Cigarros da imperial
fabrica de S. Joao
de Niciheroy.
nico deposito em Pernambuco caes da alfan
dega velha n. 2, I"
nuda.
ATTENCAO
Silvestre Poretra da Cimba avisa ao respeitavel
corpo do commercio ou a quem interessar possa,
que hoje deiaon de ~er caixeiro do lllm. Sr. Jos
Velloso Sitares ; e agradece ao roesmo senhor as
mareiras urbanas p delicadas c<>m quo o tratou
dOTanle cem dias que iji seu caiieiro. Recife 18
de agosto de 1870. _
Precisa-se de nma ama para cozfnhar P e,o-
goromar para casa de pouea tatnilia, liviooaes-
crava :'n rna !*jva de Santa Rita o. 63, primero
andar.
Precisa-se de urna ama para cozmhar e en-
coramar para casa de pequea familia : na rna
do Pilar n. 111 sobradinho._____________
Ama
Precisa sede nma ama pasa* casa de familia,
qoe cozmhe bem : a tratar na ra d. Queimado,
oja n. 51. _
Vndese isa do Mima a 0 rs. a i.bi., wa
porga) fazse differeot* : na ra .de Hurla?, ar-
mazem r. i. __________
OlTerecese um rapaz de lo a 16 aanos par.
caixeiro de armazem de seceos ou de rnplbaOos a
na ra da C< ncordia n. r"8. .
AMA
Precisa se de urna ama para cfzinhar e faitr
mais servicos do interior de umi casa de familia .
na ra Imperial n. il._____________________
" CAIXEIKO.
Precisa-se de nm caixeiro que tepba prlica de
taberna : na ra da Palma n. 37.
Mauteiga a Ifi.
Vende ^e manteiga ingleza fljr a i' a libra :
no progreso rio pateo do Carino n. 9<
Vende se a ca*a terrea-n 37 da run da Es-
peranza, e urna parle da de n. 35 contigua mes-
ma, as quaes foram do finado Joao Antonio Peres
de Monra, e hoje de ana mi residente na llespa-
nna : a Iratar na mesma ru* com Bernardino da
Costa Campos, procurador da mesma senhora.
Vende-se o? ntencili .s da padaria da ra
Direita n 60, a qm.l tem -fi e ..gua eacacada, em
muito bom,lugar, e se tr.spassa a chave da mas-
ma por ler cnsenx. dos proprietarios ; os preten-
de nte podem dirigir-se 'praca da lndepeodenoia
ns li e 16.
CAL NOVA
DE
LISOBOA
Vende Joaquim Jos* Ramos: na rna da Cruz
n. 8, l andar.
Attenpao
Vndese duas ear'cirasjwmeopaiuicas, urna de
48 tubos e outra de 54. permitas, e as obra> ho-
meopailiieas dos rs. Jal.rr e Cninrate, por proco
commode : na ra estreila do R 'sario
andar. ^^___
19, 9-
A 6^1000
Vende.-e cabalo francez tachiado, obra boa,
,.elo' diminnto "preco da 6J : venham a ma fia
Cadeia n. .10 A. loja de mindezas confronte a ra
da Madre, de Daos. ,
rX54000
Venham a ra da Cadeia ver as bonitas botinas
de cores para senioras, pelo diminuto preco de
5*000*; venham,. que esto se acabando, na bem
c.nhenda loja de nnudezas confronte a ra d
Madre de Dos.__________ ______________
Taberna vena.
Vende-e a taberna da ru de S. Bento n 19
emOlind.-t, u:na d*s mellwres ras: a tratar na
ruad Pilar, n. 108 O motivo da venda achr.r
se o seu dono bastante doente e necessilar
tirarse para lora da provincia.
MURA
Acabam i!e diegar ao GHANUC ^JAZ.\^
UNIVEKSAL, ra Nova u. 2cahneih
va:.:. \u:n completo soruiaento ile ma-
chic.i.s para coslnra, rlus autores mais co-
unecid;.s, as quaes esli em .-.\-:iosioo no
mesmo Eazar, gwai sdo-&o : t>ua b6a ijua-
lidde, e UiUilicm .sja-se c*m oifico
a todos os ci.u.[-r. u,\:>. ElsUs maciiinas
sao iguaes no si u irabattio ao de 30 costu-
reirs diariamente, e a sua pcrfeii;o i *
como da melbor eoslureira de Paris. Apre-
sentam-se trabaihos ejecutados pelas mes-
mas, que muito devem agradar aos preten-
dentes.
boa-visla
P iilo F. de H. Ciiilmaries.
r.hiUx- escuras e claras, covado a 200, fiO e
260 rs.
Cambraias de cores xa?, covado a 200, 240 e
Lia ana li:lras, e miudinha?, covado a 00, 30
a 500 rs.
Brim pardo iran.;ado com pequeo tuque, metro
a 500, 500, 500 rs.
Dito.- decores,puro linho, grande pcchmch?, a
1J, l. 11000. ,
tDiloe de dilo, algodao, boa qualuado, covado a
360, 3C0ei00 is.
M'.lskir.e para calta?, fazenda noxo, covado a
900. 900. SOO rs. .
Cortes de calca de casemira preta a 3ol"
Di'o de dita de quadros de cures -a 7UO0 e
12 000.
Gateas de brire para ccravo a 40 e l00i\'^
Camisas de rtscado rara eseravoa a 800-. 1*000.
Pecas *. algoda.. e madapnlio por presos ba-
ratissunos.
4-RUA DA lMPEBAXWZ-48 ,
tanto a padaria fra.tf.ta.
" -l.A.NDlTX) ALBJiHTuSDBEDA MOnATC.
com pscriptiTio e arn.a^em travessa da Madr-*
diD.iH n. 1, tem para venilnr o sepninif- :
OCH de inuilo boa qualidade a^3200 a ar-
roba.
CIMENTO I'Ol'.TLAXD. verdadeiro f- de pnmei-
ra si rip.
VIMil) BOBDEAUX, eJe o mais fino e espe-
cia! ; i r pemmi m.
COXSEVAS FIIA.NCEZAS da mais ?:;jen.
qualidades, aintfa nao tem condecidas oeste mer-
cad.
PAPEL d differentes marcas para eipnr
DITO PINTADO para ferrar salas, gabinetes
criplorios ele.
Acaba de rbeg.ir nova remessa daese arte;
ue se vender pr pweoa mais redu?id
Aos vidraceiros
Na fnnileiro,
vidros de I
em outra qualquer parte.


I *>wa*~+m*w *tK *
6
Diario de Pei-nambuoo
Sexta Teira 19 Ai
-.-
i

I
s_
Agosto de
1TA
GRANBE
BAZAR DO PAVAO
60-RA DA IMPERMIZ-60 ^W
uij
II
DO
1
DE
N
SIL Vi, PIG DI f l'K-T 4 CL
m. jrnr rvassaars1: asirs .-i
mais
qU en outra qualqoer part, vfst qor o n<>-
vus socios desta firma, adoptaran o srystema de so vAn.Ur^ Vni^rmn q7 a g.nbarem o descono ;.is pescas qntnegociam m n.nln, I^f,R 5. W l91*8" *\Pto <* "Hmd.e .penas
netos me.*.* nafta J. r,mn,aTJ" .!!?^i ?? 6^1!.^ Dest' loja e armazem poderlo fatar os seo sormeatos
se darao
SE,mJm ,e,,3o\da8 .TS fin'8 Tind0 cadaomemaeo papel, pelo barato
te mercado, tendo cAres claras e escaras, va0.
tedas com padrees serios, oroprios para CASSAS FRANCEZAS
calcas, palitos e collete<; vndese a 4*000 D0.
240 RS. O COVA-
CAMISAS DE- EMNELLAS A- 3800i
No Bizar do PaVao vende-se a bonito
sorttawoto con todos os taannteiniat. me-
Ihores camisa^.-da) flaoella de Ua, cora
mangas tanto proprias para boveas como
para senhoraa e veode-se a 3*1000 oada
I
n5o se vende
vantagem.
BRINS DE UNHO DE COR A 1,1200
No Bazar di Pavao, fez-se orna grande
compra de paros bros de li&bo, moito eu-
corpados, proprios para caifas- palitos, Gol-
letes e roupas para meninos, por seren de
padrSes miudinbes ; garntese qoe nao ba
banel'a que le lire a cor, e vende-se a
10*00 o metro desta excelleote fazenda
MADAP1LAO FINO A 60400 A PECa!
No Bazar do Pavao vendem-se pecas de
ma dapolo fino de muito boa qoalidade,
tendo 22 metros ou 2) 'aras cada peca,
pelo barato prego de 6#000, por se t-rea
comprado uso proco enxoraJbadas ; pe-
cbinrih
CHITAS ADAMASCADAS A 240 RS. O
OVADO
abatitoeoto, sSb e maita
em potra qualqner j No Bazar do Pav*Tvende-se nm gra.ee SS?.e!r* "'l**
por menos de6; egrande gortimeotode cassas de cores, para acabar. otrdtdo.
240 rs. o covado, di as finissimas francesas
padras miodinbos e grfidos 560 e 040
rs. o metro ; sio muito barata-.
ORGANDYS BBANCO E DB COR
No Baxar do Pavio vndese os
ais
Gramr peeblncha o camisa infUiu a 4 45500
NoJJaz^r oo Pavao fez.-sft.lm*.gMate com-
pra em leilSo, de f.ksaimw camisas ini?i>.
zas cem paito puhbns-de linio, sendo
com coliariobos e de todos os nomo a
bonitos e mnito fiaos organdys com listas 4*000 cada urna, ditos sem colhhm
Urgs amadas 14000 a vara, ditas Illas, poro, fazo da &VJoo a S
fazenda de muita pbantasia 800 rs. a vara, tte pacbincba. g
ditos de c o. finissimos padroe?, ioteira* CAMISAS BARATAS a 2*800.3*0Cflt> 2*600
TSosdenIVfs nX!UMt a N Bafrd0 Pavao veQdese ""S
HOSDENAPLEb PRETOS de porcSo de casemifas mescladas, moito
Cbegon parto Bmr do PavJo nm graa. encorpadas a 2*800. ditas fioiatiawi cora
de sortimento dos melliores grosdenaoles msela de seda a 3*200 ditas
pretos que t-m viodo ao mercado, qoe se de' qoadros, fazenda de
veodem de 1*600 at 53000 o corado ,
sao tod'.a mnitn em coma.
CAMBRAIAS TRANPARNTES
No Bazar do PivS> venle-se ura grande
modernas
muito gosto a
O Bazar do Pavo vende mnito boas chi- sortimenio das mehores camraias bra cas
tas inglzas incarnadas admac adas, pro- lraDpreotes, ttjn de 3*5)0 at 10*00!
prias para Cobertas e cortinas, sendo fazen P^ d,t,s suissas finissiioas com 8 pal-
da que emq.alquer loj se venda a 320 re. mos de largura a-2*000. 2*500 e 3*OoO
e liquida-se a 240 rs. o covado; so o P- vara ditas victorias e tapadas da mais ink-
vao. rkr al a mais fina qoe vem ao mercado;
CRETONES PABA VEST.DOS A 640 RS. i'"* ""m^IeTeS DE HL
Lhpgoo para o Bazar do faVao, om sor-' N. Bizir do PavSo vemie-se modernissi-
tim.n-o dos mais elegantes cretones fran- mo^ maotelletes ou basquinas de fil preto
cezifs de cores fizas, proprios para vestidos ;om laco, pelo barato preco da 10*000 ca-
e roupas de meninos, e vende-se a 640 rs. da nm, barato
0 COy3d0' TOAf HAS i 7J!**. PANN0S PARA AUS A im' 280 E
M n TOALHAS A 7*500 1tf6o0 0 METR0
No Bazar do Pavio fez se nma grande Nt Bazar do Pavao vend -se bonita fazen-
comora da toallias alcocuoadas, proprias da braoca .ocorpada para saias, sendo com
para rosto, bast.nte enct^padas e graDdea, babados e pregas de um lado; dan Jo a lar
que sempre se venderam a 12*000. e li- gura da Nzenda o comprimento da saia, a
qu'dam-sa a 7^508 a duzia^ou a 640 rs. qoal se pode fater com 3 a 3 Ii2 metros,
cada ana, boa pethinrha.
CHAPEOS PARA MENINOS A 2*000
O Pavso vende um? griDde portfo dos se vende bonitas sa mais bonit >s caaposmhos de palha da iia- do 4 palmos cada nma, ditas de 13a do
lia propnos para meninos de todas as I Ja- corea -j promptas urnas com barras diffe-
des, sen 1o chapeos que valem 5*<'01 e ven- rentes, da me.-m fazenda 4*^00 e ouiras
dem-se a 25000 cada om, muito barato, com barras bordajas 6*003 e 7*000
e oenle-se 1*000 e I*80 e 1600; assim
como tamben no mesmo est belleclmento
CHITAS E RISCADINHOS MIUDINHOS A
200 RS.
0 Dava"o vende chitas ou r cadinhos miu-
dichos cor de rosa e rfisinbos, proprio*
p^ra vestidos e roopas de cranos a 200
rs. o C( vado. ^80 mni'o baratos.
1 Aa Cbe^ou para o P^v3 > o mais bello sorti
moto das m.iis hril,ntes liSa^inhas claraj
coro bonitas paloiobas. da seda; ten 1o lar-
tudo isto moderno e barato.
JALGODO ENFESTADO PARA LENCES.
I No Bazar do Pavao vend-se o m-Ibor al-
godo inho aairicano e'festado pra len-
cos, teoJ.i liso e etitranc-ado por preco
moito barato.
ESPARTILHO.
No Bazar do Pavao recebea-se am elegao-
te son ment dos mais mod>rnoi e melho-
gura da chita francesa e va ne-se a I*OuO res espiriilhos. que te vendem por preco
o covado grande pechincha.
ALPACAS MATISADAS A 64!) RS. O C0V1D0.
Vn'temse as mais tn derna e bonitas
alpacas matsadas com palmioh-s, muito
proptias para vestidos de senbora e rfj me-
ninas peto barado preco >ie 040 rs. o cova-
do ; sao moito em conta.
PARA NOIVADOS CORTINADOS, COLCHtS.
Chegnu para o Bazar do PovSo um gran-
de sortimento dos mais bonitos cjrtiaadoa
bordados, proprios para camas e janellas,
qne se vendem de 10* 00, al 20*) O o
par, assim como o meibor damasco cem 8
palmo? de largara a imitacJo de damascj
de seda, proprias para colchas, e propria-
mente colchas de damisco, send os melbo-
res e mais booitas qae tem viodo ao mer-
cado..
SEDAS PE LISTRAS.
No Bazar do Pa3o vende-se urna grande
quanti tarte das mais elegantes sedas com
listiinhas, tendo de tolas as cores e at
foria-i 6r ; fazenda qoe oinguem vende por
menos de 23400, e hqoida-se a 2*000 cada
coa'o; s3o moito baratas.
SEINSDE CORES E GROSDENAPLES.
No Bazar do Pa*5o venda-se am sortimen-
to completo dos melbre* setios e Rros'Jt.-
aaptes da todas as cores, que se vendem
muito em conta.
MANSINHA A 30
No Bazar do Pav5o vende-se um elegante
sortimeotodas mais bonitas liasioba imi-
tacao de poupenas, com listas de seda miu-
dinhase de utna s cor 3O rs. cada cova-
do.
POPELINAS DE LA A 400 RS. O CO-
VADO
N Bizar do Pavao vende-sa am elegan.
te sortimento das ma>s bonitas poupehnas
de 13a com lista- mia-liatias, sendo todas
qoai da orna s cr, 400 rs. o covado ;
o baratsimo.
por
mono em ronta.
PANNOS DE CROCH PARA CADEIRAS
O Bazar dQ Pa\3o recaoeu nm rande
sortin.-hto dos me'bores pannos de croch,
proprios j'a-a cadeiras de balancp tofs,
piaui s, t-rahoretes e al proprios para cu-
brir atmi fulas e pratos; vendendo-se
menos do que em qualquer parte.
MERINOS PARA VESTIDOS A 1*000
Cbftfou para o Bazar do Pav5o nm pla-
gante >ortimnto de merinos, muito leves
de urna s cor e c m as mus lindas cores
pronos para vestidos e mapas do meninos'
cipinaas bourns etc., e vndese palo
bar lo preco oe 1*000o c vado; bonita
fazenda
Liasiuas tranrparenles a 500 rs. o maife
O 'avao rsctbea um bonito aortimaoto
das mais elegantes I3asinbas transparentes
proiirias para ve-tidos, que vende a 500 rs
o covado; muito barato.
PARA LENQOES
No Bazar do PavJo veude-se so)eror
bramante d'algodo com 10- palmos de lar-
gura a t*80oo a,etro, dito de linho cora a
mesma largara a 2*800 cada metro, pannos
ds I nhodo p'-rtocona 11/2 palmos de largura
de7zOail*a vara, assim comonmg ande
sortimento da H mburgo ou cre|oell*s le
todra os nuuec.is. prec s ou qualidaJes,
que se ven lem m^is barato do qoe en ou-
tra qnslqner p^rle ; aproveitem-
3*600 o covado; aproveitem.
TAPETES
Cbegoa para o Bazar do Pavh o n
-leganteortiment de tapetes grandes, pa-
ra s.fs, com 4 cadeins. ditos maispeqae-
OOs, para duas cadeiras.. ditos para
oanos, camas, portas ; et;. vende-se por
menos do que em ootra qiairaer parte.
COLCHAS BRANCAS A 352^0,3*500 E 7*
Para o Bazar do Pavo chegoo om gran-
de sortimento das mejores colchas de fos
t3o, s odo oas memores e mais e cordada:
que tem indo, a 7*o0 ditas um pouco
mais abaixr a o*S0o. e ditas a 3*OO;
umbem no mesmo etabeiecimonto se ven-
de um grande sortiment 1 di cret mes e chi-
t s. proprias para eolebas, qoe se vendem
muit em onta
GORGhOeS OU POPELINAS DE SEDA
A #*O0OCADA COVADOr
Cbeg u para o Bazar do Pava) am ele-
gsnie sortimeoto da verdadetras poopelioas
ie Imbo e^ seda, com os mais modernos
gostos, qae se vendem a 2*0UO cada covado,
o qoe em ootra q atqner parte 0S0 se ven-
da p.r menos de 2*500, previneve que nao
sao algodSo e seda, como ba muitos; mas
Mm puro hobo e seda-; sao moito baratas.
ROUPAS PARA HOMENS
No accreditado Ba;ar doPavio erjeontra
ra o respeitavel publico om grande sqrti-
inenio de roupas para bomens tanto bran-
cas como de cores, a saber 1
Camisas con: peitos d'algodo e de linho,
para todos os precos e qaa'idades.
Ceroolas de 4p.no e aigodSo.
Meias cartas francezas e inglzas.
Paliti sobrecasaaoB de panno preto e
casemira.
Calcas de brim braaco e de cores
Ditas de casemiras pretas e de cores, com
colletes iguars
De todas estas roupas ba para todos os
oreos e qnalidades, e lem de mais mais
om.periio
B8A( BE ORO.
Ra do Imperador n.2ft
estabeledmento diariamente am complet(
orlimento t^psstalaria bellos ingteze
podas, pads-dWi, prgsentos dos nltao1
chegados ae mercado, salame de lion, bo
linhof finos de todas as qualidades para coi
amen loas onfeitadas, conteitos, bodlboln?
pastlhas, chocolate fraacez em libree na
tHhas db mesmo .cartoxos e carttfr con
seis charutos de clw.olate cada ama, ett>
sortmento de cbscblate do mais acredita-
do fabricante de Pars e o melhor que W
4je tem vindo ao mercado.
Vinhos pertugqezes, gueira muito supe
rior. Os mais genuino* e superiores vinboi
do Porto, moscatel e Setobal, o illastrad<
publico encontrara nest estahelecimem.
por commodos precos, fazendo-se abatimeo
to a qnem omprar em porc3o.
Os doos deste estabelecimecto n3o i<
tem poupado a despeza para melhor me-
recerem a acoadjavcSo do Ilustrado pe-
blico. ___________________
A Nora Esperanca
21Rna Ilnqiic de Caxiaai%1
Quandoa NOv/A-ESPERANGA faz. os seos
anuncios expondo aos seas f'regaezes e a
todos em geral o grande sortimento e su-
perior dade de seos objectos nao com vis-
tos de atrair a attcnco de urna' grande fre-
guezia, como a do que. aauaJmeoto despe,
e shn para scieritiftca (a interese de todo?)
a qualiOBde d& sena objectos os qoaes sio
sempre de aparaoV-gosto e porfolio; tor-
hiando-se quasi ndspensavtl para aquoiles
apreciadoras (do bom) frequenlarem a No-
va Esperance, pois que ella caprieba em re
cebar constantemente, o que ha de meibor
relativamente a sua repartico: o qu se po-
der verificar qaando em qualquer reuai3o
de pesaoas (mactes do xique) v-ee um
bonito enrite en am bonito vesUdo, m
aroma agradavel escapar d'um alvo lenco,
um moderno e linde lco, um dilicado ra-
mo de finas flores,, ete, etc, todos olbam-se
reciprocamente e dizem com sigo ( e as ve-
zes uns aos outros) ete? s3o objectos
comprados aNOVA-ESPERANCA: realmen-
te III! procurar descrever em annuncios os
artigos que contem dita loja, seria trabalho
insano e nunca o fariamos com aquella
graca e perfeifo com que sao elles fabrica-
dos, assim pois a NOVA ESPERAQA con-
tentase em convidar a todos geralmente,
vi9itarem-na para ento ficaram intei-
rados do que ha exposto na mesma loja.
Rna Dnqne fe Caxlas i
mm&A
mm
m 1
''Wll
CABELL^IRO FRANCEZ
51Ra da Cadeia io Recife61
Chama a atteocao do seos ioaanaros freguezei, e V respeitavei-BaWica* aat
fBraL |ajt a segmate tabella dos precos da sua casa, os q8a slovJi3lx)r
nais barata do -
do que effl outra qualquer parte:
a seahoras a 25*,
Ditas parahoMm a 36*. 404*
es^tesal2|,lJMl8*,20*,
m, 30* e.....
Cachos ou crespos a S*, 4*. 5*,
6*. 7*. 8*. 9* e. .
franca de cabella para annel
500 e. ^\
franca para braceletes
15*, 20*. 25 e. .
10*,
40*000
50*000
50*000
32*000
10*000
1*000
30*000
7*, & m> m. nm*
C*rted*flabeUoA. I Oa
Crtetl*cabellocamfitclo. UM
Corte de cabello coaa lavageu a
champo!...... \0t*
Corte de cabello com limpezl da
cabeca pela maehiaa elctri-
ca, nica em-Peraambuco. 1J0O*
Frisada i inglesa ou a frailean. 9Dt
Bba. ,......

i (aSNMTWMS ME1ISAES
I Especialidade de penteadi para casanealo
Baaes e aaHamaa
O dono do esUbelechnento previne i.i Recommend^ae a soperioi TIN1
Simas. Sras. e aos cavaffieires que na um/PONE2A pare enegreter os cabellos e liar
lio para tintura dos cabellos e barba, as- ba. ric admtttida na ExposicJo Unueem
m como um empregado amente oceup^{^ SlS'f IpprtaSa ^ '
M-- mias d scencias de PARS E
------
4o nesse servico.
Z&S
------------
tt
Laa para bordar a
8^500 a Ubra
O Cysne, na da lmperairii n. 64, acaba de
receber grande e variado sortimento de laa, a qual
vende pelo baratisstmo preco d SgSOO a libra
cores sortidas.
ESCOLA PHARMACETICA DE PARS
Madalha de Prata 1860
GRANDE MIMDE
.mi a -,!!?JrWUIA B1RRN,GA mai P"5 s^uncarao-respeitavel publicavm
T? kT1' Alar 3 8aa boa fre^82^- a immeosidade de objectos qaeulZamT
luntna e* coDfia e espera na benevolencia de todos que Ih'a attendero e ratoZ;
SiTA0 PflrS ^?-m:s!.a^.^ecida l?J3 da A JilS nm 8' onde sempre acharo abundancia em sortimento de s
qaal.dadesmodic.dade em preces e o sea nunca desmeottido AGRADO E sSSuSK
*.nA. a que fima fica dltse couheceqaeo tempo de que aAGUIA BRANCArde
tt nempreg3l0 apeMr de seus cusl ~ desempenho de bem servir a aquella. Ta
w os^aS^ ST; ?" dUiJa d qUC neC69Slam' entretanto s^menne.
Zi f J.i que por sua natareza s3 mais conhecidos ali, ella resumidamente ST.
re aquellos cuja importanc.a, e!egancia e novidade os tornan, recommendavet ao
Corpiahos de cambraia, primorosamente
enfeitados com fitas de setim e obras essas
caja novidade de molde e perfeicio de ador-
DE
uou EU R
GOjMSLfflffl
GYOT
ALFAIATE
Por qaera se maada fazer com prestesa
e aceio qaalqner peca de obra a capricho
ou gosto do fregaez, tando n'este importan-
te estabelecimento tidas as qualidides de
panno fino, as melhores e mais moder-
nas casemiras, assim como os melhores brins,
qur brancos, qar de cor ; e qnando qual-
quer obra nao kar ioteiramente ao gosto
dos -fregnezes fi a por conta do estabeleci-
mento.
CHALES DE MERINO
Cbegou pareo Bazar do Pa\5o am elegan-
te sotument) de chales de merino de cores
muito bons com padres muito decantes
para qualquer urna senhora osar, ditos de
crepen coto listas de seda o mais flao e
moderno que tem vindo ao mercado, e ven-
de-se por proco mano em conta.
BABAD1NH)S
EXTRACT0 DE ALGATRAO.
melh&r preparado i*,,lltKm regnlada ^
TrJa A,?tAJ DE Al.CATRAO
f Owtu eolherada, granea, d, liquido por coda
turo de affu.,, ou urna eolherada pnuena por
cada copo mande A r T *wr
nos os tornam apreciados.
Fitas mni largas de diversas cores e qoa-
iidades para cintos.
Leques uesse objecto maito se poderia
dizer querendo descreve-Ios minuciosamente
por suas qualidades, coree e desenhos, tal
o grande e variado sortimento que acaba
de chegar, mas para nao massar o preten-
dente se lhe apresentar o que poder de
melhor.
Entremeios em pecas de 12 tiras.
Guipare branco e preto de diversas qna-
lidades e desenhos.
Ditos de algodao com flores e lisos.
dita.
Capellas brancas para meninas.
Grandes sortimento de flores finas.
Fil de seda, preto.
PERFUMARA
Grande e constante sortimento de
sempre meibor quajjdade.
Lindos vasos cora p de arroz e psaai,
Caixinhas com ditos aromticos.
Eonitos e modernos pentes donrados
para circular o coque.
Bonitos brincos de plaqae.
Adereces e brincos de madreperolr.
Caivetes finos pare abrir latas.
Thesonras para frisar babadinhos.
Aspas para balo.
Novos stereoscopos com 48 vistas, as
quaes sao movidas por um macbitsaao
Veos de seda para chapclinas e monta-'nmas suhstituera as outras.
ATOALHADOS
do Pavao vendase superior
Ihad- trncalo, com8 palmos de largn-
l*m.0 o metro, dito .le linho adamas.
GRANDE PECHINr.HA, GORGURES
DELAA
Para vestirtos a 400 rs.
No Bazar do Pavo fdz-ae urna rende com-
pra de laazinhas muio modernas de uaia s
cor. que pela saa boa qoalidade se lhe den
o ttuo degorgurSo dI5a, sendo faeend3
ma t<> larga e veode-se a 400 rs. o covado
fazenda que s venda sempre a 1*000,
grande pechincha.
Lias larla cares a 400 rs.
No Bazar i'o Pava vende se um elegente
sortimento de liaaiobas de fert cores que
brilham ipuaimente as sedas e vendem-se
a 40( rs. o covado, fazeuda que Vdle muito
mais dmhiro.
No Bazar
atoalbad
ra a l*e(,u o metro, dito oe linho adamas-
cadh o i elhor que tem viod ao mercado a
3500 o aietn.; tudo esto muito barato,
regaladores a 4*00 4*00
- e 5*00*
Lnrgarara ao B- frit*i baKS s re^niad.ires, a 4-50"0. ditos de muselina a 4*500, di-
to de Uasioha de todas ag coras a 5*000
todos elles sSo amito baratos.
Pana preto mnito barato a 3*600
O B*zar d Pavo n-cebeu ama grande
porcao re pae>s de canno preto fino, com-
pra tas eio la.l., qu.a sempre se vendeu a
55(KiO o covaio e pode liquidar a 3*600
por er nma expeliente compr3y
Liastatias com msela a 500 rs. o covada
No Bat-T ;o l'av veoie-se ama grande
po'co de fioisMo: cor com msela, qae parece mrsclada de
seda, e lita* mnito bonitas com istr-s, ten-
do onaai a labora de chita fraoceza, e li-
quid>m-.e a on rs. o covado, fazeodaau
pre se v< ndeu a 1*000 e 1**0.), granne
No Bazar do Pavao vende-se om grande
sortimento dos mais finos babadinbos borda-
dos tapados e transparentes, assim como
urna grande porco de enuvnnios largos e
estreitos, qoe para acabar se vende moito
em conta e mais barato do qae em ootra
qualquer parte.
FAZENOAS PARA LOTO
No Bazar do PavSo veode-se constmte-
mente o meibor sortimet.to de fazendas
pretas pare luto, como sejam :
LaaMnhas i.retas lisas.
Cassas pretas de ISa.
Cassas pretas, francezas e inglzas lisas
e com salmeos.
Chitas pretas de todas as qnalidades.
Alpacas pretas lisas.
Ditas lavradas com branco
Merinos, cantas, bombazinas. qae so
vendem aaais barat do qoe em ootra qual-
quer parte. H
CHUAS PRETAS A 200 RS. O COVADO
No Bazar de PavJo vende-se chitas pre-
tas inglzas com salpicos 200 rs. ocovado,
d'tas todas pretas, por estarem om pouco
rassas, a 12) o covado; pecbincba
O* propnetarios deste importante e!ta-
bel ecimento rogam ao respeilavel pablico e
particularmente s Exmas. familia* o favor
de se darem sempre ao trabalho do lerem
os seus annancios, pela razan de rooitos
d'allesserem mudad s amio tadas vezes
CACHE-NEZ A 6*000.
No Bazar do Pa8o vendem.se bonitos e
grandes cacb-aei de pura lia, pelo bara-
to preco de 6*000 cada am
na.
Meias de seda para noivas.
Ditas abertas de fio de Escossia.
Costumes on uniformes para meninos.
Enxovaes completos pare baptisados.
Tooquinhas de fil, sapatinhos bordados
e meis para ditos.
Camisinhas bordadas para ditos.
Vistas para stereoscopos.
Bonitas caixinhas de vidro enfeitados cem
pedras.
Ditas de madeira envernisada com vapo-
ras e com dminos,
Bollas de borracha para brinqoede de
criancas.
Diversos objectos de porcelana, proprioa
I para enfeites de mesa e de lapinhas.
V. 3 A RA DO CABI1GA N. 3>A.
I
9
er-
es

CO
I
^ HIW DO CuTFKWO FtAXC
A'i. .'nrl-
lci.il MwmmMtri
d>-oiMUnanM to- ,
bi-eCaris, nrrilavr! f
f: lias .le v s'a I
a i mi niiiin^ma-.sp
diabatimrMifnoilo
maior drKonio \
casamentos
Para
ment de vestidos l'L?"**0 om be,l sor,i"
para noivas -h d cnm maDI* e caPlla
brueoMr^2,Bd0 um rico ves,ido ^
eorS iSa^tf*!? VOd de ,melhnr'
mais finas, gaze, ^, '^ poapelmas as
de seda, fronhas bordX J .das /T S0'"9
lavs de peliin e mnit i Cor"nadlls cordados,
baito fazendas de gosto; que
re sortimento fc, meibores e ^maig
Bsteiras amercarus paro forrar
saas.
Com este titulo acba-se aberto e inteiramente transformado este antio
estabelecimento de joias. onde os freguezes e amigos encontrarlo tudo qnanto
a moda -e o bom gosto tem inventado na arte de ourivesaria, o Collar de Ouro
observara delicadeza no trato e senciridade e modecidade nos precos
Espera que o respeilavel publico venba ver o que existe de roehor em
aderecos de bnlhantes, esmeraldas, robins e perolas, meios aderecos, pal-
ceiras^ brincos, alfinetes e anneis de todas as qualidades, prata de le faouei-
ros, colberes, palile.ros salvas e outros muitos objectos que seria enfadonho
mencionar.
Corapra-se oaro, prata, bnlhantes e pedras finas, pormaior preco do
que em outra qualqner parle, treca-se e concerta-se todo e qaalquer obiecto S
perteneente a esta arte. H 4 wujoio
ininiiinia BmamnMiiaaMs
VEGETAL AMERICANO
E SALIOADE
o c
Ptlica e mnitas
vende mais
Tem sempre
baratas
BA RTNO LOMEO &C
futt
cari eort dai tmei
aatifa e recentes, eilafrtt] pnlmoMr, utbm;
anaeliat, em garal contri (od m wfrincitM da ra renuntorUi,
DEPOSITO GERAL
BOTICA B drogara
M, RA URfl* DO ROZARIO, SI
PERNAMBUCO
pech ocha a 5u0 re.
Ha para vender fartnha de mimotScT
amarella e fuba de superior quaiidade em
saccas necentemente chegada de Porto Ale-
gre: retar na ra da Cruz n. 3, escrip-
torio d'Amonm IrmSos C. \
Oleo de ttnhaca
Veate-se era easa de Mili, Latham A C., rna da
Cruz n. 38.
^Tr?-^5,*>,s,0ai1,Tr''0 """""
A Ikenprniiea m dimwf neleft do pei
hwrngita m aal da arfwwa atd a tnbeici
aalaionar, paisaada na* divcMs stsaetui cala
"N*!**" <** f Dr^aecida coa man
ito.deade
rcalaflo
BtsacfeUi calarrbaaa
at aadicaaeato, qaa toaaari a prinaira ordem aatra
wdoa at hoja eoobacidot. O xaropa Vegetal Aauieaao,
farantindo poraaieMe Tetcul, alo eootem aa wa
ompaaie*. rt iwaio do opio, a ala aoaenta Me-
ata de plaotaa lodigaaaa, cajas propriedadea benficas
acora da ceoleaae h paOaiwai aoa orfjiaa da rea-
ptraclo foram por di abaarradaa por longo tempo,
eoa ptiBoa avalada* cada *a oun ernaacaoiea; pelo
<" Jlwn MloriMdM a eoapar o taropa ana
agora apaeotaitoa, a a aderece lo aoa mdicos a ao
pafclieo. freame coa a* attaaadoa aballo o qoa le-
*aoa alto, ojtttaaoa fo* eraceito da qae i toa
a xaropa Vegatal iaarieaoo enaear da du a da.
iaruodo ailo ipos de si t*do* oe paitoraes aa toga.
Illa. Sr. BartbaloiM* t C.-0 urop. Vagattl Ama-
i'S0-^''^0 "" 0f,iB" pfcaraacia.
om Mil reasedio pan eoabaler i tarntal aataaa.
Sofra w malla aoleetia ha aaatra mexea. sem alada
lar OMbaiido e* ataaoee aeoaaaa a tinha ; este oltimo
Eie fot fortiasiao qae aa ptoatM por S das, aaai,
sea milagroao larop*. toatdo apeaaa trae
a at o prtaanu nao fai da noto aUca^TPna
9m. pt m dqi rfMibfUcMo par ou w. ItaV
be, poia os meas ifrdeeimentot par me Mr si
Uo horrtfel mal. Coa a aais sigaiOcaTa mt
kacraao.ma da Vaca. aHeetaaao a r^sUc,Z
- Stvtrmt Dmru.-Stu Casa 14 da tararain i||M
nina Sra Bartholomeo C. Depoia U qaaai r*-
eaa da soffrimento coa naa toase iaraaeuia f
traordiiario, expaetoraeao da a caurrtw ,
do, e perda total das foreae, que t
toma
troe raaedia* sea raaaltado arre a WicMtad. 5 aakaraat
Vosea, praparma jarope Vegatal Aaetfam, ai
alte, gracaa a Deoa. ae aoho mUhalecicw aaaaal
doia meses, e robaste cobo aa nada ti*eeaa asftll
graaidao aa torca a seta declarecao, qoa podar* ha
aaar aae a. q.iaetaa.- So* oaa Oa. C'
aaitoa reapeiudor a criada. i,(c-
Calrf tS -BacilaI ikm^Z\m^
Attesto qae aaai 4o
coaposialo doa Sra,
forte delaxo qaa ase
(UM adteader, iaSamL_
gmAa MU de raapirac**. Boaai
Wiaaaeido eoa aa a tidro do a
'-
aa, Ihaa prouato tat gratidaa. rkdj
airo 4a ISM. lisuia fermrt -- -'


Diario de JPeruujubuco Sexta eira
*.

>

~~rr
LoarePp' aca5"i?conchiir
lodosos seus ne^w^ffWrcup,* de novo abre -os sci esubelec'imentos de fazendas
fe a rita da Imperatm, com a denominares e Garibaldi e rTraTTtendo resol-
*i hquidar toda* *s C0W com grande batimento de precos. por Uso co-
uda aaiflftjMitov?! uobUa e us aoiisos e freguezes, Unto da praca como do mallo.
19 4e 30*10 de 1870.
...... ...... -
para ibes ieiunrar de oovu
pracacomo.do mal!
u m tstabtlociMiinto. e que todas as fazendas eslo
?. J? W "f (fr "a roa da Iraperatru n. 72...e qoe resolveu-se.
*dlder a arma,ao d* l.-ja Ganbaldi, para ficar somonte com
me* mo. \
Atteueao.
Vende-se chitas arancelas a 240, 230. ."120
* 360 o covado im toja do Arara.
ORGANDYS DE LISTA DE CORES.
\ende-se orga& para vestidos de se-
aboras, fazenda omito modernas a 440 rs
covado. r >
Brllhaotlua oiiuaussullaadeedr
veode-se brilhantina ou mussuiina de
r para vestidos a 440 o covade.
RUCADOS FKAGEZES A'30().
Veode-so riscados franceses para vestidos]
3 Chita* largas a 38P.
Yeode-se chitas escuras Anas das largas
para venidos de seoboras, a 320 o ovado.
Difas matisadas escaras a 80 o covado,
ALPACAS USAS A 500.
Veode-se alpacas lisas para vestidos de
esporas a 00 e (40 rs. o covado.
UAZINIIAS TRANSPARENTES A 560 RS.
Veode-se lasinhas transparentes para
vestidos a 500 rs.. ditas tapadas a 400 rs.
o aovado para jiquidar.
ALPACAS DE LISTAS A 300 RS.
Veode-se alpacas de listas paja vesdos
300 rs o cavado.
RRILHAN'TIXA BRANCA A 300 RS.
Veode-se brilhautiua branca para vestidos
-"00 rs, o cavado.
ALPACAS M \TISADAS A 640.
Vende-se aJpaeas matisaxlad paca vestidos
de ahora a 040 rs. o ovado.
CORTINADOS PARA JANELLA 6000.
Vende-se cortinados para janellas a 6(5000
par para l;q:tiW.
SEDAS DE CORES I 000.
Veode-se sedas para vestidos a I 000 o
ovado.
a da Arara, como cima
CORTINADOS PARA CAMA A 000.
Veode-se cortinados [tara cama a 14^000.
OLL1NHAS PARA SENHORA 100.
Veode-se orna grande porco de gollinhas
para seahoras o meninas, a 100 e 200 rs.
uda orna par liquidar.
IHITAS PARA COBERTAS A 30.
"ende-se chitas largas para coberta a
550 e 360 rs, o covado.
MANGUITOS E GOLLAS 300.
Vende-se manguitos e gollmbas para se-
otiora a 300 is. ditas de iinuo a 640 e 800
re: cada orna.
CHALES ESTAMPADOS A 2000.
Vende-se pales, de merino estampados a
t000 para liquidar.
CAMBRAIAS VICTORUS 6000.
Veode-s cambraias Victorias linas a
'000 emo Q 7OQ0, por ser liquidaco.
ALPACAS COM PALMAS DE SEDA A 1)000.
Veode-se alpacas cora palmas de seda para
vestidos de senhora a lOOOocovado.
CWRIES DE CHITAS DE CORES A 35400.
veode-se cortes de chitas de cores com
w covados a 300.
CHALES BRANCOS DE CASSA A
CADA UM.
COBERTAS CHMEZAS DE CHITA A 20000.
Vende-se orna grande porcao de cober-
tas de chitas chinezas para cania pelo baralo
presio de 2000 cada urna.
Vende-e na loja do Arara 3 balcespara
qualquer estabeiecimento por barato presso
por nao se precisar d'elles no estabeWjci-
mento.
RETALHOSDE CHITAS PRETAS E CASSAS
A 120 0 COVADO.
Vende-se orna grande porcao de reta-
Ibos de chitas e cassas pretas a 120 rs. o
COvadn para liquidar.
COBERTORES DE ALGODO A 10400'
Vende-se cobertores de algodao cada uin
U.O.
BRAMANTE DE LINHO FINO A BARATO
PRSSO.
AJgodo *raa$ado de dua* lar-
guras f ASOO
Vende-se algodo transado de duas lar-
guras a I200.
MADAPLO ENFESTADO A :)500.
Vende se pegas de madapolo de 12 jar-
das a 35oOO a peca.
ALGODO A 4^000.
Vende-se pee s de algodao encorpado a
U, 55, 6e 7,)000 a peca.
Hadapolo a 3*000.
Veodrt-se pecas de madapolo de 24 jar-
das a ..4 6| e OoOO, dito muitu fino a 74,
?ri 95 e 195 a pera para liqnid r.
ALGODAO DE 8 PALMOS DE LARGO.
Vende-se algodao com oito palmos de
largura proprio para lences e toalhas a 900
rs. o metro.
ALGODO DE LISTA A 160 RS.O COV.\DO.
Vende-se algodo de lista proprios para
sajas ou vestidos para escravas ou calcas e
carnizas para escravos por ser muito forte a
160 rs, o covado para liquidar.
Cortes de castor para calca a
r.oo rs.
Vende se coi tes de castor para caiga a
500 rs cada om.
CORTES DE BRIM PARA CALCA A 15400.
Vende-se cortes de brim de cor para
calca a l->400 cada om.
Brim pardo liso a 500 rs.
Vende-se brim pardo liso.meio linbo para
caigas para trabalho a 500 rs, o metro.
gangas para calca a *SO rs.
Vrnde-se gangas inglesas para caigas e
patitols a 280 r-. o covado para liquidar.
CORTES DECASEMIRA DE CORA 35500.
Vende-se cortes de casemira de cor para
caiga a 35300 cada um.
Ditos mui o fluos rom listas do lado a 35.
PERCALAS FIN IS A Uo.
Vende-se perca as finas, para vestidos de
senhoras a 440 rs. o covedo.
Cassas i-a eczas a 4.
. Vender casas francezas para vestidos
a 240 rs. o covado.
loja no mmm
Ifovo estabeleKUnjwito
r 0E F1ZEK0IS l mm FEIT1S
Kaa da luiperainz u. 4ft, esquiua do beca dos Ferreiras
E
lili
Onovo.prpprieLin desle estabelertmento, tommuoi.:a so respeitavel publico
desta cidade, e especialmente as Exraas. f;mlias, qnn est liaoidaodo por pregos bara-
tissimos, as antipas fazendas ipie exi.aiam ueste e*iabel*icmefito, alem das ooe abaixo
vio relacionadas, eujdp pregos merecem toda a alteugio do respeitavel publico, que nao
deixara e un pequ-na quaipia refazer-so de qualquer qualidada de fazenda que pre-
cise. Previuese tambaui oee a oiesma loja tem f-im soniniinlo de fazendas moder-
nas econtinua a soriir-se d->s do mais apralo e eswlbido floslo, que veoder mais
barato 4jue qualqoe'ouUa> loja.
A LOJA Do PAPA .AJO alin de tet' um grande deposito de roupas feitas, tem
om boiulo suriimemo de .asemiias frsMMS, iiiglezac e altemas dos padres mais mo-
dernos, e assiui como pannos pelos, esemiras e panno fino cor oe pinliao, azul claro
,e mais escuro, br9 rancos e de cores, fustfies an:os, e de cotes, gangas de linbo
o brius ta i dos fi todas as qoalidades.
A LOJA DO PAi'AGWOtem conwalado um ptimo roestre alfaiate perito no
seu ofliuio para executar qualoner ot'ra da arle com a maior perfeicao e esmero, e qual
quer obra que nao que a vontade dos freguezes, ftcara para a luja, e manda-se
laaer ou ra.
Atoalhado de linbo fino,
6 de algodao a 25.
Algtfdtufybo largo, para longes e
Ibas a IrSCOi. Dito ditos, estampados de 4,300 para
Alpacas prefef, de cores, lisas, de furta cima,
cores, e de listras. Fil de linbo branco e nreto uso. e de
Hartes com sirinlias de diflerentcs co- salpico.
,es a :J-0rs- f'vado. Gi avalas de seda pretas e de cores, da.
Bols srte.tapete avelodwbs. para viagem, mais laoderiiag que tem viudo ao mercado
o preo e wmf.trme o tamanho. i j Guardan^pos de tinho brancos o pardos.
Huiiihasinas pretas. Ii.vas. e tranga.las. Grosdenaple proal de difTerentes pr roa
Onmantes de Imbo, francos e mglez a Laasinbag em cortes com palmas coni 14
-*'*' covado por 65.
atoes Je ranawlia, bnpacps com fifis. Dita |uas e d,;listas transparentes e ta-
e oulc-os t debas, para senhoras e meninas. Madapolo inglez de 55 al 105 a peca
Basquinas le ffmfemplse pelo mo-' Le-gos de algo.lo, brancos de 25a35
lernas a de croch mnito eno-Madas. a flzia.
Brei.inlnis o> liolio. de algo^l... Ditos de cambraia de lii.lio de 65 a tg&
It ios de iinlio tiaogados brancos e de :' Oil'is de f-gui.1. de t?> m.
cl.*s- r Mus'Hlinas brancas e de cores a 300 rs.
Brins de algodao trancado* brancos e de o covado.
cores- i Gorgures de la.i com listras, fazenda ln-
Combraias brancas tapadas e iranspa-'t-iramenie nova no mercado a 800 rs. o
rentes, sendo ingiezas e suissas de 8 pal- covado.
mos ile la/gura. ?.Ierins prato, trancado e de con'So.
Camis.i?! de iiif ia, de flanella, branca, e j IVitos.bordados e lisos, tant de linhn
de alaodao. p^ipo de algdao para camisas de iiomem.
I4KTA
^
o metro,
loa-
EsguiSo delinho de 150CO a 35 a vara.
Choles de merino pretos rnoilo grandes
a 35.
NOVIDADES
TRIU
DO
7 Kua do Queimado 7
DE
& BASTOS
E: ebegado a este novo estabeiecimento o mais bello sorlimeato de Coend
|paa, sendo sua especialidade enxovaes para noivado.
Vestidos de blmd de,seda ricamente bardados.
Gorpuro de seda branco para vestido.
Cokbas de teda pura, para cama cem ricos desenbos.
Ditas de la c sed?, id m idem.
Dilas de'crox, idem idem.
Cortinados ii.:am ule bordados para camae janellas.
Croxs p ra cadeiras e sofs.
Vestidos de cambraia branca bordados.
Popelines de lindos goslos.
Las de diversas quad-des, lindos goslos e modernas.
Ricos b iirnus p3ra passeio, com listras de setim.
Sahidas de baile o quo ha de mais rico.
Cretones para vestidos com lindos desenbos.
Carnizas bordadas e sem bordados para senhoras.
Camisas bordadas muito finas para homens.
D tas tnglez;is para homens e meninos.
Seroulas de linbo, e um grande sortimento de roupas feitas e de fazendas que
e, naconho mencionar.
Cimisiruias brancas do cambra a com di-
icades brdalos, e enredadas de cor para
Sras".
Cambraias do cores a 400, rs. o nutro e
a 800 r^. a vara.
Camisas iogl'ezas, e fianozas de linho. e
de alg.idaa 'le predas, isas e .bordadas.
Chai os f. oI de m da, merino e alpai -
ca de ajffereies cores, e muito baratos.
Cintas para ves ido?, fiaucezas, de 240
at 400 rs.
Cintas paia coi ertas de 320 al G40 rs.
Coitin::dos do cambraia, c de fil borda-
dos para camas ej.;nelas de I0 para cima.
Col.has de fuslSo brancas a 35300.
Ditas de cores a i'5800.
Colarinhosde linbos. inclezes, e alemes.
liso< e. bordado-.
Damasco de 13. oocaroado, a jwil e ama-
pi'o, CSComiJha pela.
E^p:rlih(;.s de lirdio branco para Sras.,
de d uVrenles pregos.
'rincelas pretas de differrntes oregos.
Caaibraia branct lapada muito larpa com
pregas e bordado, lia oe tres qualidades
piopria para saias de Sras., o prego ba-
rato, i
- Sedas pretas lavradas para vestido a
fiSflO o rovado.
Saigelira francez e inglez de teda ao co-
res.
Toalhas de algodao e de linho de dif-
IVn'tites qualidade; e lmannos.
Punlios de litdio para homem muito li-
nos.
Mcias ing'fzas para Sras.,e para meninos
e para homens. de dillerenles qualidades
e de todos os tamai-los.
Para qu*m comprar peca ou duzia da
qualquer fazenda sen prego o custo ; para
Oimiutiir-o let.olio. -
D'-oi-se as amostras de qni'qner fazenda.
A loja do P.rpaaio ada >e aberta todos
ios dias. al as 0 horr? da noute.
Fioncisc Teixevra Menes
CASA CAUVIN A- mawme8
Pharmaceutico privilegiado
succeaaor
_Kt>ulevid Sebastopol, SB PAHIS.
NOVAS ESPECIALIDADES A. MARINIER
A;'Kn!adis a Academia de Si'iencia* c ao Jtslitiilo Franca,
IU 1tl*Pn Sob a urma de Pas|i"J- detcdida e doseada pan
lltMbVbnU lser de momento urna solurcao
Prevtntiva o curativa aas MOLESTIAS CONTAGIOSAS.
GALLO FILANTE
Roa 4 Crespo n. f
Os prupneurius cirnante, .alni dos mui tos objoctos que tinham ex-
pomos a aureciacao do respeitavel publico, man-
daram vire acabam de receber pekaltimo vapor
da Europa um completo e vanado sori.mento de
toas e mui delicadas ft-gecialidades, as quaes es-
tn revolvidos a vender, como de seu costume,
por precos muito baratinhes e commodos para to-
dos, com unto que o Gallo....
loito superiores lavas de pellica, pretas, bran-
cas e de mui lindas cores.
Mui boas e bonitas gollinhas e punhos para se-
nbiira, neste genero o que ha de mais moderno.
Superiores pentes de tartaruga para coques.
Lindos e riquissiraos enfeites para cabecas das
Exmas. senhoras.
Superiores traucas pretas e de cores com vidri-
Ihos e sera etles; esta (azeuda o que pode baver
da mclhor e mais bonito.
Superiores e bonitos leques de madreperola,
niarliin, sndalo e osso, sendo aquelles brancos
com lindos desenos, e estes pretos.
Muito superiores meias fio do Escossia para se-
nhoras, as quaes sempre se venderam por30^000
a duzia, entretanto que nos as vendemos por 20a,.
aim destas, temos tambem grande sortimento de
ontras qualidades, entre as quaes algumas muito
finas.
Boas bengalas de superior canna da India e
castao de marfim com lindas e encantadoras figu-
ras do mesmo, neste genero o que de melhor s>
pode desejar ; alm destas temos tambem grandi
Juaniidade de ontras qualidades, como sejam, ma-
eira, baleia, osao, borracha, etc. etc. etc.
Finos, bonitos e aitosos chicotinhos de
de outras qualidas.
LindaS e supriores ligas de seda e borracha
para segurar as meias.
Boas meias de seda para senbora e para meni-
nas de t a 12 annos de idade.
KavaJhas cabo de marfim e tartaruga para fazer
barba; sao incito juas.e de mais a mais sao ga-
rantid: pelo fabricante, e nos por nossa vez tam-
bem asseguramos sua qualidade e delicadeza.
Lindas e bellas capells para noiva.
Superiores agu has para machina e para crox.
I.inha muito boa de peso, frouxa, para encher
Isbymtko.
Boas barailK' de canas para vottarete, assjm
como os lentos para o mesmo fim.
Grande o variado sortimento das meihores per-
fumarias e dos meihores e mais conhecidos per-
fumistas.
COLARES DE ROER.
Elctricos magnticos contra as convulsSes. e
fa/'ilitam a denticao das nocentes enancas. So-
mos desde muito recebedores destes prodigiosos
collares, e continuamos a recebe-los por todos os
vapores, atim de que nunca faltem no mercado,
temo i tem acontecido, assim pois poderao aquel-
las que delles precisarem, vir ao deposito do gallo
vigilante, aoBde sempre encontrarao desles verda-
deros collares, a os quaes atleudendo-se ao fim
Sara que oo appjicados, se renderao com um mni
minuto i aero.
Rogamos, pois, avista dos objectos que deixomos
declarados, aos nossos froguezes e amigos a virem
comprar por precos muito razoaveis loja do gallo
vigilante, ra do Crespo n. 7.
cadeia e
k ji p mut-
A ruado Duque tleCaxiasn 21.
(ASTIGA BA' EO QUEIMADO)
Recebe seguinte
pellic>* grandr:- ilnurado. moldn^ barajos.
Ciricira.s cbaruieirase poitcigarrcg d muita
qualdadof.
Bonitas parlas pan papei, iuiples e matizada
Boas caixa va.-ias para costura com sua cviupu-
tenle cfiave.
Delicadas ranetas de niarlim com o bocal t
prala.
Moderno.piules de laiisrqga, sobiesjbindo en-
tre elles os mimosos lelegra*bisias. 9
Coinmodoi toucadores com duas gavetas e bu
espelho.
Port bouquet, o qoe do meliior tem aonare-
cido.
Port rdogios de mu i las qualidade.-.
Bons lalliercs para cri.mra.
Vostuarios, chapozinlics, toucas, sapatosemeiM
para haptisado.
Toalhas e (ronbas de labyriniho.
Chapos e cbapelinas para senbora, moWes noves
e bonitos.
Chapozinhs gorros c bonets para meninos
meninas.
Cuiitra as eonvulsO^ cas
(T;-ligas
Vende-se os verdadeiros .liare na Nova Espe-
ranca, ra do Duque de C*xias o. 21.
PARA TlfiGlH CAELLOS
para pnloa un ea>tKnhis, ren-lieu a Nova Espe-
rance a verdadera huta inplcza.
PAHA ACABAR COM AS SARDAS
oivpannos, tem a Nova Espera*;* o verdadero
leile de rosas brancas.
AGUA DE FLOR DE LARANIA.
Vende-se na Nova Espenimu, la do Duque de
Casias n. 21.
PAPEL I'AHA ENFEITAR-SE BO.OS
recebcu-os minio lindos a Nova Ksperanca, ra
do Duque de Caxias n. 21.
PARA. AMAGAR E A FORMSE.*. R A PELLE
tem a Nova Es pe anca s *a bonetes de pos de
arroz.
MCM-FILIBO
*?
do vulom He um relogin, servinio da
I I1II.TR0 t SERINGA sem os
fWii inconTealanUi t frajiUiat.
COTrt l/^O Com 3 forma, e de vnJumo de um Porte-Moeda
CO ludUO COlSftDO TODO JlTMBSTO.
COLLYRIO Cootr. as ,affeccoiis das palpebras,
preparado sob a mesma forma.

Luvas frascas de Jouvia
tetes para guaroices de salas, latifas
:rerlitadas e veradeiras
Esleirs da India
Sortimeoto.de tapetes para guaroices de salas, ioattfas para forro de sala, e o
f.'aDfe tortimdDtjOdas acreditadas e veradeiras
li
IIMES k t
ii mu 11
rame de ferro galvaoisado era rede para cercas, gaiolas, cajliaheir*? ec
Chapas de farro galvamsado para cobrir casas.
Tachos de ferro esianhado para engenhos.
Cofres do ferro de Milner e outros autores.
Chumbo em cano.
Dito em lencjl.
Dito em barras.
Mito em enxalas. '
Estanho em barra e vergninha.
Folha de Flandrrs.
Arados americanos para ladeira e vanea.
Carrinhos de mo.
Venezianas para janella.
Machinas de descansar algodio de faco.
Bitas de serrn.
Bitas pera curiar fnrno.
Ditas a vapor de farca de 3 cavallos e moteras para 2 cavaUo Mrentver as
atllinas de algo-ia>>. ~'
Ca.lejras de ferro.
Camai d f.-rro.
JYet-as para copiar eartas.
Bataneas para pesar,
leo.* tinhaga em latas de ferro.
Trilhos de ferrn para engeohog^
Bvitba* ameriraoas.
Macacos, de Hi*ar.
Wwicas e oes,* .lecimaes a outras. Wk
Jogoe dp patente.
Eoinfre.
Jatre.
1om lara e de boa qoafl ferie,
caretas 1(ara eaminhos de ferro,
oa rnde sortimento do ferrageoa e cutilaria.
BARTHOLOHEO C
CASA CAUVIN awk?he
Depositarios geral para e BRASIL e POBTLUAIa
34, ra larga do Rosario. PE AMJ5 UOO.

Pbarmacoutlco privilegiado
eucceesor ,
Boulevard (Sebastopol, SB. PARS.
NOVAS ESPECIALIDADES A. MARINIER
Apreseutadas 4 Academia de Sciencias e ao kstituto de Franca.
III IC PP i A Sob forma de Pulula, devedida e doseada para faser de
InilLbbAU momento ama solacea PMTMmVA I COBATIVA das
MOLESTIAS CONTAGIOSAS
f\tf& 3
IWTOB-rHILTRO
Graves
do volume de una relogio, sarvindo
de PniLTto e Seuiga sem os
inconvenientes de ragicjado.
CfOrjL.YIO
BARTHOLOHEO4C
COTA lf\G Coa a forma, e do volme de im Porte-Moeda oitend*
CO I U J O TOPO TR.ATAMENTO.
Contra as affeccois das palpebras, preparado sob a meema forma.
DeposiUrios geral para o BRASIL, e PttltTI 34, roa taiga do Rosario. PERNAMBDOO.'
W.I0W14N
, EBCEEE180
Cm undip.o
RA 00 BRUM 52
Fassanclo o ch fa. iz.
Cliaroa a altenco dos ais. ile ti^etibo para seu> acreditados machiaismos e
x>m especiaiitliiie paia teus vapores que anda nina vez tem melhorado.
Os vapores lutmicidos por elle Cj fuDCciorjando Ihe bao de fazer melhor apre-
ciacao do qoe qual utr ditopinpno.
biseja loiaua tneiivioar que vifla do cambio agora mais favoravel do qoe
na pocLa dos aponlaiUtitos do aanu pas^do tem feito urna ritac.'o snsivl em todo
06 presos.
V>

**?
2ova loja de joias
HIJA DO CAiBGA' N.B A.
Manoel da Ousba Saldanha & C.
I
as
Acaha in nlnii-- ee esiabeJecimea'1 i"ia?- flual tem grande sortnen-
to de toda-i ^s j i.n do alliiuo |g. I I v ^> jo ad>iupru-.Jirgueie*, .ita<> ilvioarao vmder .uomje pan proc
W? for iMJ-ivel x

vU
t3mnt: sasiifeito.
os .os mais razoara que
viJas>',o yubteftiU "f\m*r es(ai)elc'iu"iato,.certo do^e ficar cowpfa-
A MAOtiE-ODRO^-ltJA DO CABi.V N. 9 A.


J cordeiro previdenti
Roa do Qnelmado n. IB.
Novo e-variado sortimento de perfumara
linas, e outros objectos.
Alm do completo sortimento de perft
otarias, de qoe etectivamente est prvida
ioja do Cordejro Previdente, ella acaba d
receber um outro sortimento que se tora
otavel i>ela variedads de objectos, superior
lade, qualidades e commodidades de pr<
eos; assim,pois,oCordeiroPrevidente pee
e espera continuar a merecer a apreciac
do respeitavel publico em geral e de sr
boa freguezia em particular, nao se aa
lando elle de sua bem conbecidamansid:
d barateza. Em dita loja encontrarao r
preciadores do bom:
Agua divina de E. Coudray.
Dita verdadeira de Murray & Laminan.
Dita de Cologne ingleza, americana, fra;
eza, todas dos meihores e maisacreditadf
'abricantes.
Dita de flor de larangeiraa.
Dita dos Alpes, e vilete para toilet.
Elixir odontalgico para conservacao t
Bseio da bocea.
Cosmetiques de superior qualidado e ch*
ros agrada veis.
Copos, e atas, maiores e menores, coi
jomada lina para cabello.
Frascos com dita japoneza, transparen'
* oatras qualidades.
Finos extractos inglezes, americanoi
francezes em frascos simples e eneitadoa.
Essencia imperial do fino o agr?.dave! ch
;o de violeta.
Outras concentradas e de cheiroi igua
cente tinas e agradareis.
Oleo philocome verdad eiro.
Extracto d'oleo de superior qnalidiG.
toa escolbidos cheiros, em frascos de difl
'entes tamaitos.
Sabooetes em barras, maiores e menor
para mjos.
Ditos transparentes, redondos e em g
ras de meninos.
Ditos muito finos em caixinha para barb
Caixinhas com bonitos sabonetas imitanc
finetas.
Ditas de madeira invernisada contendo t
aas perfumaras, muito proprias para pr>
lentes.
Ditas de papelSo igualmente bonitas, tas
bem de perfumaras finas.
Bonitos vasos de metal coloridos, e *
moldes novos e elegantes, com p de arr-
e boneca.
Opiata ingleza e franceza para dentes.
Pos de camphora e otitras differeati
cualidades tambem para dontes.
Tnico oriental de Kemp.
Alada laais coquea.
Um outro sortimento de coques de n
vos e bonitos moldes com filets de vidrilh
B alguns d'elles ornados de flores e fita
stao todos expostos i apreciacao de que
)S pretenda comprar.
GOLLINHAS E PUNHOS BORDADOS.
Obras de muito gosto e porfeiclo.
FlTcllas e ffitas para cintos.
Bello e vanado sortimento de taes objK
tos, ficando a boa escolha ao gosto do coi
prador.
Rival sem segundo
KUA DO DUQUE DE CAXlAS M. 49
Eatou dispot a continuar a vender tocias
as uiiiulexas peloa\ baraliimos presos abe>
xo declarados, garantindo ludo bom e pre-
?os admirados.
Caixas com 20 cadrnos papel pau-
tado a........
Caixas com 50 novelios de linba
do gaz a....., .
Duzia* de meias cruas superior
qualidade a.......
Pecas de babadinbos com 10 va-
ras a.........
Pecas de tiras bordailascora l
metros cada p ga a i 500
Pecas de lilas para cs de q> al-
qnerlarpura un 10 varas a.
Escovas para unhasfazeuda lina a
Ditas para denles a 2iO, 320,
400 rs. e....., -
Pecas de tranca lisas, brancas e
de cores a.......
Caixinbas de madeira com alfine-
tes fazenda superior a. .
Duzia de linba frxa para borda-
dos a 400 rs. e. .' -
Pares de meias croa* para uif
nos diversos tamanbos a.
Duzias de meias brancas muito
finas para senhora a. -. .
Pares de sapatos de tranca do
Porto......
Pares c'e sapatos de tapete a. .
Livros de missa abreviados. .
Dnzias de baraihus para vultarete
Sylabarios porlujjiifzes a. .
C^rl/ws com cclxetes t carreras a
A. otoadmas para colleto diversas
qualidades.......
Caixas com ppnna de ac muito
boa de 320 a......
Duzia de linda 200 jardas Alexan-
dre de 40 a 200 e, .
Caixas com superiores obreiss a.
Duzia oe agullia para macbina a.
Libras de p'tfM francezes todos
os tamaijhns a......
Parte de papel com 20 quader-
nos...........
Caias de phosphoros seguanla
muito suptrieres a .
Rerma de papel paulado superor
Resma de papel liso muito supe-
rior a ...........
Garrafa com agua Florida verda-
deira i .... *.....
Quaderno de papel Jiso amizade
Carrelis de 'ha de cores com
100 jardas a........
700
400
JH0D
Bra
iOOw
oo
500
, 500
40
400
500
320
4A500
24000
i|500
l(580i'
:\ffl^
40(1
20
400
i &m
40
2^000
240
400
40*
400
ftfgflU
20
20
UIILIJ I PARS.
20Ra da Imperatxiz20
Fari d- Lessa.
Acaba de ch-gar a esta noss nova loja de fn-
zendat finns um variad* sortimento de fazenda- d
laa e seda, como sejam : granadines do ultimo
go?to, popelinas de urna s cor, alpacas e laazi-
nha de cores, o que ha de mais moderno, ti'do .
por baralissinios precos, brilhantina- de core-, te-
cidos das indias, fazenda nova a imit: cao de per-
calia,baloe?de dina Hngr do saia de cor com lin-
das barras, fusloes proprios para ve;tino e mapas
de*meninos ; agora grandes e admira-cis perhm-
chas, saias brancas com lindos frisados a 3. ri-
cos n rpmhos bordados muito fnos a Si, bales
modernos de ar& s a 25, ricas colchas para caroa
aleorboadas. sendo'brancas e de cores, a O, 6 <
7, cambraia virpuia Una a o, dilas transpare:-
tes a :>. 6t e 7#,cbilas Unissimas pseur; e claras
a 280 300, 320 e 360 o covado, cassas de cores a
240, lencos braaoos.de oassa a 2flS00, ditos cbi-
nezes a 32500 a duzia, matapolo I no a 62 e
6*500, e miiiu sopen- r a 7, 7r00 e 82, a'go-
daozinho largo prtiprio para ienjges a 6*. pune
de al.odo branco trancada proprio para toalhas
de mesa a 1*600a vara, acamante pata lencoes a
2*000 e 3">00, o gne h? de melhor, e?guiao E-
nissimo a 2*,20O e 2*300 a vara. Mandamos as
casas das Exma*. familias para melhor pnderem-
esc 'Iher. Tambem temas completo so'jtimento de
perfumarlas do pr miros fabricantes francezes e
inglezes as pessoas que e dignarem vir a esta
I ja lerauorea^iao de r/conhect-r a rtalidade
que annuuciamos para pos justificar.
Milho novo d
nando
Fer-
Em saceos grande? a preco comm < : no ar
mazem de Taso Irnos & C, ra do Amorim nu-
mero 37
Cabellos
Vendemse cabellos de tortas as cores, qualquer
comprmento, qualidade superior, em eaixa oo
porcao mais pequea : na ra da Cadeia do Re
cife n. SI, LOLttitlA Do RIO
RA DO r.*B6A' N. 2 B.
Al nova reii.lucan, sp ven'en nilhetes do B-"
aos vended; res'na razao dr 2r,s000. seja qual
for a porcao ; dinln-im visia e aos nariicnlarHs a
a KIMO.
- Em casa de THEODORU CHHIST
LNSEN, roa da Crux n. 18, enconlram-*
iflecu'vamente todas as qualidades de vinh
iordeaux, Boorgoge edo Rbeno.
jhes vapores
O Campos da roa do Imperador n. 28, rcc>
pelo* ulliinos tres vapore* rhegados a eslp porto,
diffirenies genes que virta das suas .- peeiaes
e divers s qualidades merece fazer-se delle.- es-
pecial memjo ; e avisa nao s jo seu crescido
numero de fiegueies e amigos, como taTtbejn
qnell s que nao lera querido honra-lo com suas
fiegnezias eqcuntrandupnr etce molivo serias dif-
ticiilijaili-.- em uppnren^M de hons genero?, por
falta tlviz de (j eni Ihes n/lique com flinipza um
psat ranlia, bem saii.-fazrT as juntas exifMneias do res-
pril.>vel pulilic desu capi'al; que se aiha o ou
anoazem prvido dos oais novos n cariados jaae-
ro e limita se a nomear o seguate :
Carne e qu.'ij is do serta .
Pr- zunt"S iiijilezes e portapuer1'.
Gn lo (n-'Vj ma**'i de nqiachinhas).
Pelil Piis a- Beii'le (ervi h im n anieiga).
Owc.late h -i'xih I a 00 a libia.
ConM-rvas 700 rs. fiasco.
C f"1 rhinniiad e de moka.
R.ip PhuJh Cordeiro (viajlo,e qcuBnjum)-
Guizados fiatirije^ (TrutteJ.
Superior i
Doces unos de guiaba, laraoja, limao o baaaiu.


IB"
Q
Pernambuco Sexta fera 19 de Acost de 1870
ASSEMBLEA GERE
orphSos
pal
en
ac
CAM\R\
J)$Ctt!
DOS DE
(Conlita
Deveria eu espera-lo, 3nto mais qnacrto
as relaces ofkiaes que exislom ?nti"
auloriso-rue a contar coa o sen auxili < era <*u
semelhan'e materia.
Todava, o que S. Exc, disse Jo me
conven'-eu le ser Lindada sua i-pinia-.
Odefeiio, seyundo colgi do seu di-cur-
so; consiste em dos ponto-; pruniro.
rao odiarse as respectivas verfas a
porceotagera que se paca psla arrecadacao
de cada um impo>to; Segundo, em nao es-
peeiflcarem Pe m"do mais completo todos
iodos os servifos da repartido da fazenda.
Teobo romeado p ir mais de urna vez. o-
orfaiiieotos preparados por governo* de
paites rfluito adiantados e em nenhura en-
. oDtei a pratica indicada pelo nobre depu-
lado. Isto leva-me a desconfiar de que
:.jo seria ella to vantajosa como se nfigu-
rou a S. Exc, Se o fra, homens to tra-
quejadas na administradlo dos negocios p-
blicos, em paize3 to esclarec dos, n5o te-
ciara deixado de dopla-la.
De mais quil seria a vantagem de indi-
car na verba de despeza de arrecadacao
dos impostos a quola relativa a cada um
delles ?
O ornamento danos o producto das ren-
das de importaco, por exemplo; d-nos
lambern a despeza que se faz com a sua
recadadlo. ad mais fcil para quem
quizer saber quant> s por cenf> se (topen
dem com a arrecadacao des*e imiosto do
que acbar por urna simples operafo aiib-
o overao possa impedir aos juizes
de orphos fazer empregar os dinheiros
de oriihn em apoHces da dia poblija,
nSri ^?j i nein na le! netn em decre-
metica a relago entre os dous ai^aris-
BOA.
S*S dos do umentos que sa apres.mtam
ae cmaras nao se podesse deduzir clara-
ment o que quer o nobre deputado, razo
poderia elie ter : mas, qawndo das tabellas
qoe acompanham a proposti do orcamen-
tb se podem obter todos 03 esclaricenueii
ios necessario* para confie er quanto cus
ta a arrecadacao de cada um dos difieren-
tes impostos, nao me parece fundada a exi-
gencia do no' re deputado; e S. Exc. lia
de permi'tir que en nao adopte nesto pon-
to a sua oppinio.
Preiende-se que nao se especifkam con-
venientemente as despezas cnm os diferen-
tes ramos do servico da repartico da fa-
zenda ; mas que maior especilicaco quer o
nobre neuiitado ?
Se quandose pedem fundos para as des-
pezas das alfandegas, por exemplo, nao se
tspecificam o numero e classe dos empre-
ados o'os vencimentos (lacada um, apre-
sentam-sc,' todava tabellas, que cada um
dos membros das cmaras pode consultar,
e assim coi-hecer de que maneira se faz o
sorvifo, e se o numero e vencimentos dos
erapregados ou nao demasiado.
E e lera sido a minba opinio que o or-
namento das despezas deve ser o mais es-
pecificado que fr possivel, para que cada
umdos ^presentantes da na?o possa vo-
tar conscienciosamente o que necessario
para cada ramo de servico; mas para isso
cao necessario fazer-um orcamerto lao
extenso como as tabellas que o acompa-
uham, nem que as cmaras volem, em
vez depouco.s arii;os urna infinidade delles
200 ou 300.
Se esses esclareciraentos faltassem, .s
cmaras, se nao se Ihesapresentassem ta-
bellas explicativas, poderia o nobre depu-
tado dizer com razo que as despezas nao
ero convenientemente especificadas.
Quaes sao os servic. s da differentes na-
turezas que est) confundidos no orcamen-
to ? Todos ell-s se acham to dkliocXos
quant't possivel. Consulte o nobre d -
putado as propostas de ornamentos de ou-
tras na^oes, por exemplo, da Franca e da
Ltelgica, e reconhecer que em neiihiirua
tellas as despezas dos differentes ramos
dp servico da repailico da azeoda sao
mais miudamente avalladas que entre
nos.
Por varias vezea, tanto nesta cmara
como no senado, me dedarei pela separa
t.o das despeas d> material e pessoal das
repartieres de marinba e guerra. Tinha
isto muita impoi tanda, mas no ministerio
da faz-nda nao posso descubrir as verbas
em que o noore deputado querida mais
especialisafo.
Sobre a verba i8, que diz respeito ao
iuro do emprestimo do cofre dos orbaos,
tez tambem S. Exc. varias concideradjes'
FOLHETIIHI
Y1VA DlPOis D8 MORTA
[o vgut9
\ lei autorisa, verdade. o gorerno a
tomar por emprestimo o dinheiroMo cofre
dus orpiiSos ; mas uo prohibe que se Ibe
dout'o em prego, excepto o deempresti-
mos s praticulares.
A raza- deste disposido todos nos
a compreh-ndmos, e principalmente aquel*
les que sabem como em outros lempos o<
dinheiros io orphos erain malbaratados.
(.4poiados.)
O Sn. Anobade FiorrJnA :Foi sem du-
ida urna disposigao utilissuna.
O Sfl. PnESIDEXTE DO CONSELUO No
meu entender nao est os juizes de or-
ph s inhibidos de o empregar em apolices
da divida pu tica, porque, repito, so Ibes
e vedado empresta-lo a particulares.
E ser urna iniquidade que o governo
nao d mais de 5/0 do juros pelo dinheiro
que recebe do cofre des orphaqs? Creio
que nao. Se o governo paga aos particula-
res que levam o seu dinheiro ao thesouro
per prazo certo e determinado 6, 5 '/*
5 o 4 '/i 70, conforme o prazo mais ou
menos lougo, como se pdfi achar iniquo
que se pague 5 0/0 de qi.antias qne podem
ser reclara das a cada momento ? Nenhum
banco, neihum banqueiro procedera por
seme hanle maneira.
E domis, se durante cerlos periodos
tem o thesouro tido necessidade de recor-
rer a empreslinios para acudir a suas des-
pezas, tambera tem se dado outros em que
nao houve lal necessidade; e entretanto o
governo. sem precisar tomar dinheiro em-
prestado, e smei.te no intuito de assegu-
r*r os dos brpbos os recebia a 60/0.
Sou teste uunha -disto, p irque fui ministro
Ja fazenda quando o thesouro regeitava di-
nheiro por mais baix) juro, e recebia <> dos
orptio a 6 0/0 ; o foi esta raza > que levnu
o poder legislativo a reduzi lo de 6 a 5 0/0,
hoje mesmo o thesouro paga menor laxa
pelos emprestimos de menos de qnatro
mezes.
O nobre deputado entendeu tambem que
muito limitada a quantia de 600:0Qd,
que pedi para as obras da repartirlo da
fizenda, n apontou varias alfaodegas que
necessitam de edideios mais apropriados
para servico da arrecaco e de ponte* de
desembarque, e designadam^nte indicou a
necessidade da consiruc;o da ponte di al-
fandega do Para, qoe deve custar mais de
400:0005.
E' i'ra de duvida que, se quizessemos
fazer desde j e de um s jacto todas as
onras a que se referi o nobre deputado,
nem o dobro da quantia pedida na propos-
ta do orcamnnto seria sufliciente. Mas
nem julgo urgente, nem mesmo necessaria,
a constru cao de edificios para certas al-
fandegas do imperio.
S. Exc, por exemplo, entende que de-
venios construir j um edificio para a al-
fandega de Santa Calharina e ontro para a
da Parn-thyba En nao pens assim ; julgo
que as provincias onde ha quasi coramer-
cio directo, onde s mercadorias despacha-
das para consumo, sao em muito pequea
quantidade, nao vale a pena gastar desde
j i grandes quantias em edificios que deyem
ser construidos com muito maior capacida-
de do que as circumstancias actuaos per-
mifem, e que mais acertado adiar essas
construccoes.
Quado a ponte da alfandega do Paa,
tambem para mim queslo se ella deve ser
construida conforme o plano que foi remet-
tido ao thesouro, segn 1o o qual deve cus-
tar 40,000 libras esterlinas.
A cmara sabe que ha um projacto de
construego de doca para a alfandega do
Paf. Se esta construc o for levada a ef-
feito o que eu muito desejo, nao so para
A
i
POR
Xavier de Montpin.
P.1KTE lftr\l>A.
0 HORSCOPO
(Contionaco do n. 485>.
XV
O crrelo.
A formosa Olympia cumprio effectvamen-
. te a sua promessa. Logo do dia seguirte,
com as devidas precauc5es, foi juntar-se
com Sairt-Maixent no pavilho, repetindo-
so o'mesmo todos os das ; e as meditas
dos dous amantes estavam to bem toma-
das, que ninguem no castello ( excepc3o
do honrado mordomo Lactancio), ninguem
diziamos, suspeitou aqaelle mysterioso
trama.
Duas semanas depois da primeira entre-
vista, Saint Maixent, com o habilidoso pre-
texto de que a- sua bonra exiga o contrair
com a sua amante um compromiso de
eterna fidelidade, entregou-lhe um esoripto
assim concebido :
c Juro, pela minha bonra de cavalleiro e
pela salvaco da minha alma, toarar por es-
posa a marqueza Olympia de Aubray de
Cbavigny, quando a Divina Providencia, que
tem na sua mi a vida dos borneas, pozer
termo existencia do marquez de Cba-
vigny.
Seguiam-se a data e a assignatura.
Olympia, vendo o'aquelle solemne com-
proraisso, livremente concedido, orna gran-
de prova de amor, nao Ihe quiz ficar atraz,
e dea-te pressa em redigir a seguirte de-
elaracio :
Juro perante Deus nao ter outro es-
poso, qaando por vontade do co ficar viuva,
vantagem do commercio daquella provincia
como tambem para melhorar a fiscalisacao
das rendas do estado, claro que a ponte
ficar inulilisada, e se com ella se tiver de
gastar 4.r0:000? teremos, por assim dizer,
langado ao mar, sem nenhuma necessidade,
essa avultada quinina.
Entendo, portanto, que s depois do exa
me a que vou mandar proceder, e de con-
vencerme que to levar a effeitJ a cons-
truegao da doca, que cumprir adoptar o
rar algn:
nos, como a d'' ferro qu prujei...
450:0005, ROS
e jj^^^^^^^^H
ao cemmerc
mere
Fallou tembem o nobre *4epndo da
construido de urna alfandega para o porto
do Maranno. '
O Sb. Gomes dk Castro :Isso urna
necessidade.
0 Sb. Presidente do Consei.hd : ssa
construcfo de ce-to urea necesidade ;
a que existe, alera de acanbada...
O Sb Gomes dk Castbo : E' um verda-
deiro pardieiro, urna indecencia.
OSr. Presidente do Cosselho :...
de estar situada n'uraa ra escura, nao tem
urna ponte era que possara atracar a qual-
quer hora as alvarengas que i razem as mer'-
cadorias de bordo dos navios.
Nao ha mais mc>mmodo e mais prejudi-
cial ao commercio d> que a maneira por
que se fazem as descirgas na alfandega do
Maranho.
O Sb. Gomes de Castbo:As vezes urna
alvarengas pode desembarcar n'um dia.
O Sr. Presidente do Conseliio :Na
preamar dis mares vivas o mar inunda *
ponte : na baixa nnar afasta-se della cerca
de 80 metros ; quando a mar enche ou va>a,
nem sempre posrivel que as alvarengas
atraquem porte pela rapidez da correntn;
a hora mai* favoravcl para faie-lo nem sem-
pre a em que a alfandega pode receber
mercadorias. E', pois, de absoluta necessi-
dade alguma providencia ; e a quef occone
primeira vista prolongara ponte..
O Su Gomes de Castro : Que- | existe.
O Su Presidente do Consei.iio : ..
que j existe, mas a qual tem apenas 40
metros de extenso.
O Sr. Gomes de Castro : Nao muito
pequea.
O Sr. Presidente do Conseliio :E* pre-
eso prolonga-la mais80 metros, isto dar-
llte a extenso de IdO metros; e ainda com
esta extenso no%ba certeza de que se ache
fundo sufiiciente para na baixa-mar das
mares vivas atracarem ponte as alvaren-
gas que fazem a descarga dos navios.
E*. pois, indispensavel que se proceda a
exames antes de comecar-se a obra.
O Sr. Andrade Figueira :O melhor
fazer logo o caes.
O Sr. Presidente do Conselho :Est
j concedida autorisaejio para a construc?5o
do urna dca no porto do Maranho ; era
todas as provincias do imperio a construc-
fo de dcas grandemente vantajosa (apoia-
dos), mas em nenhuma ella mais til e ne-
cessaria que no pon i do Maranho.
O Sn. Gomes de Castro:A queslo
saber se a dca sj. realizara.
0 Sr. Presidente do Conselho :Per-
de-me o nobre deputado, em nenhum dos
n 'ssos portos ba mares tamanbas como no
Maranho, onde ellas sobem mais de 2 ps
se bem me acord.
O Sr. Gomes de Castro :Anda por trinla
e tantos ps de altura.
OSr. Presidente do Conselho:...
deixando na vasante urna extenso mmensa
de ara descoberta,
Em portos desta natureza o nico meio
elicaz de melhora-los consiste na construc
cao de dcas, onde os navios entrem com
a enchente das mares, e fiquem a nado na>
vasantes. Fago, port nto, votos para que
no porto do Maranho se construa a dca
projectada.
O Sr. Gomes de Castbo:A qnesto
se "a empreza poder levantar os capitaes
precisos.
O Sr. Presidente do Conselho :Nao
obstarte estas consideradles, vai partir paa
aili dentro de poucos dias um engenheiro
para examinar e propr-nn o que convem
fazer para facilitar o servido das descargas,
tendo muito em vista o prolongamerto da
ponte.
O Sr. Gomes de Castbo :Valha-nos
isso.
O Sr. Presidente do Conselho :Esteja
o nobre deputado eerto que essa urna das
obras em que lenho mais empenho, porque
reconhec/i a urgente necessidade della e os
prejuizos que soffrem nao j s o commer
ci da sua provincia, mas tamben o the-
souro,
O Sb. Gomes de Castro :E a fiscalisa-
Cao nlo pJe ser boa, porque a alfandega
est distante.
| p->r ora audar a alfandega ;
vecessario
Est claro.
Conlho: Fra
np pequea somma com
^^Hp- qne nVriaimitilisauV) pela
is dosem-
seno o marquez L.uz Segismundo, senhor
de Saint Maixent. Marqueza de Aubray
de Chavigny.
Singulares costumes os desse tempo, em
que a idea religiosa andava de envolta com
todo, at com o mal A marqueza, q^e
nao era, todava, urna mulher' comp'et3-
meute corrompida, fazia intervir de boa f
o nome de Deus para sanecionar de certo
modo urna unio adultera.
A partir daquelle instante, o marquez e
a senhora drf Chavigny consideraran! o seu
casamento como ceno em futuro nao muito
longe, e por conseguirte nada qaizeram ter
oceulto um para o outro, e pozeram em
commum os seus desejos e esperanzas.
Saint-Maixent apreseotou-se como era na
realidade, e lal como havia de ser para
exaltar, at ao delirio a paixo da formosa
Olympia. Deixou entrever o seo insacia-
vel desejo de luxo, de esplendor e de pra
zeres, e a senhora de Chavigny compre-
bendeuque o seu amante realisara os se-
ntios mais bellas que ella Uvera em toda a
vida ; se tudo aquillo desejava, era de cer-
to para o repartir com a sua futura esposa.
Mas para se darem essa vida; para se-
rem os astros refulgentes de Pars, a gran-
de capital; para reunirem a mais escolla-
da aristocracia de Franca nos sales di om
palacio e nos jardins de um castello quasi
regio ; para lutar, em surama, na magnifi-
cencia com a propria corte, e vencer toda a
gente, desenvolvendo om fausto Ilimitado,
a fortuna da marqueza, por grande que
fosse, nao poda bastar, e os seus dous mi-
Ihoes evaporar-se-hism como fumo.
Saint Maixent arranjou as cousas de mo-
do que a formosa Olympia foi a primeira a
fazer t3o desconsoladora reflexo.
Respondeu-lhe o nosso hroe que nao
devia esquecer a immensa heranca dos
condes de Rahon, que viria infallivelmerte
a cahir n'ella, p> r ser a nica prenla.
A formosa Olympia abanoa a cabega.
Receia por entura, minha querida,
que o condi e a eondessa a desherdem ?
perguntou o marques vivamente.
Nao an^ponhe tal eousa, respondeo a
I
ver-se abrigado a fazer nava alfandega. a
actual ba de cahir.
0 Sn Presidente ro Cowselho..:tMou
disso convencido se n3o se construir a dca ;
e nesse caso a alfandega deve-icar situada
no local que agora oceupa o arsenal de
guerra.
Fiz estas consideradles cora o intuito de
mostrar que me parece sufiiciente a quan-
tia 6dO;000(5i que peco para as obras" do
ministerio< da fazenda .
Devo mais notar que o orcameoto que
discutimos para o exercicio de. 4871 a
1872, e que no ornamento j votado para o
exercicio corrente se consigna quantia igual
que pe(jopara o de itl{ a 1872 ; assim
para os dous exercicios a consignadlo para
obras se elevar a 1,200:000^000.
O nobre deputado discorreu sobre a ne-
ces>idade de reorganisar as thesonrarias de
fazenda, de augmentar o* wncimentos de
>eus erapregados. e de restabelecer os con-
tadores as thesonrarias de segunda or-
dena.
Nao entrarei nesta discusso por me pa-
recer intil faz-io agora.
Devo entretanto dizer que reconheco,
como o nobre deputado, que necessario,
mesmo de rigurosa justica. augmentar os
vencimentos dos empregados do thesouro e
thesonraria d) fazenda. Relativamente-a
outros empregados. teem elles vencimentos
muito inferiores, e que nao podem dar-Ibes
meios de decente subsistencia.
O Sr. Correa :V. Exc. j diz isso no
relatorio.
0 Su. Presidente do Conseliu :Con-
vem, senhores, augmentar os ordenados dos
empregados do thesouro e thesour-rias ;
mas estou convencido de que se pude ao
menos diminuir o numero dos do the-
souro. ..
O Sr. Andrade Figueira :Eis ah, re-
duzir o pessoal.
O Sr. Presidente do Conselho :...
minha opinio que com muito menor Tiuraa-
ro de empregados no thesouro so pdi} fa-
zer o servico; o ponto que todos elles
tenham o zelo, a dedicago de alguns, cujos
nom.es desejaria aqu citar.
0 Sn. Andbade Figueira :Muito
bem.
0 Sr. Sobral Pinto ': E sao os empre-
gados que sabem estudar a lei e cum-
pri-la.
0 Sr. Andrade Figueira :Mas ha ex-
cesso de pessoal.
OSr. Presidente do Conselho-.Estou
persuadido que podemos simplificar o ser
vico do thesouro e thesonrarias; a tomada
de contas mesmo um ramo de servico
qoe creio estar nesse caso.
Passarei agora, Sr. presidente, a emittir
a minha opinio a respeito das emendas do
nobre deputado pelo 4o districto do Rio de
Janeiro.
Entende S. Exc. que se pode reduzir a
verbaEstafos de arrecadaces.
Duas razes levaram o honrado depmado
a juigar possivel tal reducejo : a primeira
foi que, tendo-se na alfandega do Rio de
Janeiro entregue o servico das capatazias a
unta companbia, o thesouro lcou alliviado
das despezas que com elle se faziam ; a se-
gunda que, tendo-se feito alteraces no re-
gulamento da alfandega, que trouxeram a
redueco do servico, d'ahi resolta a possi-
bilidade de diminuir o numero de emprega-
dos, e, portanto, de despender menor quan-
tia com os que ficarem naquella repar-
tiCo.
O Sr. -Andrade Figueira: Indiqoei
mais urna terceira abolico d|S impostos.
O Sr. Presidente do Conselho:Mas
essa abolico concorreu tambem para alli-
viar o servico do expediente das alfan-
degas.
O servico reduzio-se com a simplificaco
dos despachos; o das mercadorias navega-
da* cora cartas de guia tambem foi sirap Ol-
eado, mas nao abolido; e simplificado prin-
cipalmente as grandes alfandegas, d'onde
as mercadorias sao exportadas para as ou
tras, porqur .principalmente as primeiras
que avuliava o servicQ das cartas de guia.
Quanto primeira observaco do nobre
deputado, eu devo informar que na propos-
Se
verba
que. como
pregados das
denados fixos e de jorcentagens-, e as por-
centagens crescem com o augmento da ren-
da. Tenrlo-se avahado em maior quantia a
renda de 1871 a 18*2 de que a do exerci-
cio de 1870 a 1871. despeza cem a arre-
cadaro aeve ser tambem maior no pnmei-
ro do que np segundo.
por isso qoe contemplei nos venoimen-
los ds empregados da alfandegas- mais
IGO.-OOO^OOO, nos das recebedorias mais
3fi:COO,5000. e nos. das collectorras mais
124:000-3000, o que tudo perfaz a somma
de 321:000^000 ; e apwtaodo-lhe a maior
despeza das capatazias ias provincias onde
elle se faz por corta do estado, o que se
avaliou em 38:000000r vem o augmento
da 4espeaa.com arrecadaco a elevar-se *
339:000^000 mais. d,que a do exercicio
anterior. Deste augmento deve abater-se a
despeza que se fazia com o servico das ca-
patazias da alandega da corte e com os
vencimemos dos fiis dos armazens, qfie
foram empregados pela eompanhia das do -
cas. isto a quantia de 289bOOO?0OO.
eduzda esta quantia dos 321:0000000
de que fallei, re.-ulta o augmento que se v
na proposta que se discute.
O Su. Andrade Figia :A explicacao
que V. Exc, acaba de dar nao vem na ta-
bella.
O, Sr Presidente do Conselho :N3o>
vem.
Pelo que toca rednccSo de despezas
proveniente do menor numero de emprega-
dos. me parece fra de duvida que, simpli-
h'.-ado como foi o servigo doexpedente das
alfandegas, manor numero de erapregados
Ibes ser necessario ; mas que destino so ha
de dar aos que actualmente existem ? Nao
podemos despedir e privar dos meios de
subsistencia a borneas qoe teem prestado
servaos ao estado, e que nao podem dedi-
carle a outras profisses. Nao seria isso
razoavel, nem justo, e em muitos casos
fra deshumano.
Nao creio que alguem exija do governo
seraelhante procedimenlo. (Apoiados). Urna
reforma desta natureza, declaro-o cmara,
nao me encarregaria de faa la.
ser ta n
>aard du
Le Dieu de; batailles
Est sans cocear saos eetrailles
Sacrifie les nations
A proflt 4t blasn.
J'ai foi en ma patrie
Va, oh l Fraov cbrie.
Court donner la lecon
A l'orgueudvagabond.
Le Francais les Prossiens
Sonl fila du neme pre
L'humanit j'espere
Raffermira leur liens.
L. puoi.
dama, e estou convencida de que nao Ihe
passa isso pela idea ; nao e queca, porm,
que minha prima tem apenas trinta anuos,
e que o prprio conde, apezar de ter mais
idade que sua mulher, qua> um ra
paz. Ura e outro podem e devem vver
muito-tempo... talvez tarto como eu. Por
conseguirte, grande loucora a conUr com
a herdanca d'elles.
Agora foi Saint-Maixeni que abanou a
cabeca.
Nao acredito nisso, disse elle ; o
conde de compleiejo muito fraca, e de
pouca saude ; ha de morrer ainda novo.
Quanto eondessa, quem sabe t A's vesea,
quanto mais probabilidade se tem de vida,
tanto mais depressa se rende tributo par-
ca inflexivel.
Esquece-se d que minha prima pode
ser mi, e n'esse caso adeus heranca I
O marquez entrou a cascalhar como um
perdido.
Se nao tem qoe lembrar outro pergo
mais que esse, bradou elle, perca todo o
receio I No que respeita milagres, tenho
o costume de s crer nos que a nossa san-
ta madre igreja nos manda acreditar, e
mesmo esses...
Porque motivo falla de milagres ?
Purque a ser.bora de Rahon, casada ba
quatorze annos, e sem ter tido filbos em
to comprido espaco de tempo, nunca os
ter, menos que se verifique um prodi-
gio nunca visto, e exactamente esse pro-
digio que eu declaro impossive1.
Deus o queira I murmurou a formosa
Olympia. Se essa riqueza, por desgraca
nossa, nos fngisse, bem dignos seriamos
de compaixo. Nenhum dos nossos doora-
dos surti < se pode realisar com os meus
dous pobres mdhoes.
A senhora de Aubray "de Chavigny, como
quasi todas as Albas de Eva, catqcia s ve-
zes de lgica. Pouco antes havia declarado
que nio contava de modo algum com a
heranca dos seus parentes, e agora, quas
sem transico, j a estava julgando absolu-
tamente indispensavel.
O marquez nao quiz reparar n'aquello
Parece-me, pois, indispensavel que se
continu a pagar, quer como aposentados,
quer como addidos, aos empregados actuaes
que excederem os quadros das difiranles
alfandegas ; e eis a razo por que nao po-
deria desde ji propor no orcamento urna
redueco, cortando com a diminuic-ao do
numero actual de empregados.
O Sr, Sodral Pinto :Esses empregados
podiam ir para a tomada das contas, que se
faz fra das horas do expediente.
O S"- Correa :Has nao tero todos as
babi itaces precisas.
O Sn. Presidente do Conselho :as
alfandegas onde nao ha importadlo directa
a rodueco nao pode ser to consideravel
como as outras, visto que continuar o ex-
pediente a ser com pouca diferenca o mes-
mo que at agora, rr.esmo quanto s confe-
rencias das mercadorias importadas com
cartas de guia.
O Sr. Andrade Figueira :Essa confe-
rencia era o maior trabalho que elles t -
nham.
OSr. Presidente do Conselho : Mas,
como se sab^, essa conferencia era feita
muito linera.
OSr. Andrade Figueira:Pois era o
maior trabalho.
OSr. Presidente do Conselho : Se era
o maior trabalho. continuaro a t-lo, por
que as conferencias se continuaro a faer
do mesmo modo.
(Continuar-se-ha.)
flagrarte delictu de contradicho, sendo elle
de mais a mais que o havia inspirado.
Entretanto, iam decorrento semanas e
semanas, e j se estava muito alm da
poca aproximadamente calculada para a
volta ''os condes.
Annibal tinha escripto duas ou. tres vezes
ao conde., D pendencia' tinha diflieuldades mui graves, e
que, para triumphar d'ellas, era preciso
mais tempo e mais trabalho do que prin-
cipio julgaria.
Isso podia muito bem ser verdade, e em
todo o caso nada tinha de inverosmil; as
carts, porm, do conde apresentavam um
nao >eique de reservado e mysterios), que
nao pouca sorpresa e desassocego suscitavam
em Saint-Maixent.
Succede per l com certeza alguma
cousa extraordinaria. Essa demora em
Pars, indefinidamente prolongada, ba de
ter algum outro motivo sem ser o aportado
pelo conde. Prepara-se de certo algum
acontecimento grave. Ser contra mim ou
men favor ? Como hei de encontrar a
chave d'este problema ?
O marquez repeta comsigo estas petgun-
tas, s quaes nio podia nunca responder.
Afina! declarou-se o enygma de maneira
to sbita quanto inesperada.
Dous mezes e meio depois da ida do
conde e da sua esposa, estavam Saint-Mai
xent e a formosa O ympia ceiando sozinhos,
segundo era costume seu. Ambos elles
estavam preo copados, e como que sob a
impresso de um estranho preseniimento ;
mal provavam os manjares que Ibes serviam,
e, absortos cada qual as suas medilacoes.
nao proferiam nem palabra.
Ouvio-se de repente um grande barulho,
que fez estremecer os dous commensaes.
Baliam grade do castello, e o violento
badalar da sineta pareca annunciar urna
visita muito impaciente ou de grande im
portancia.
m seria ? Saint-Maixent sentio cor
rer um fri gelado por todo o seu corpo,
ao lembrar-se de qoe estava ainda sugeito

LITOATTOA,
LES PEPLES ET LES ROIS.
Les Francais, les Prussiens
Sont fils du meme pre
N'>n, d'-s res la colero
Ne brise point leurs liens.
Les hros, les batailles
L'clats de la metraille
Donne souvent ou fort
Raison quand il a tort.
Le flau de la gnerre
Ensanglante la terre
FTICO DE TTJDO.
TERRIVEL ACCIDENTE.Na estado do
caminbo de ferro de Brdeos aconteceu
ura horroroso accidente. Um dos empre-
ados esperava sua mollier e seos dous
filhos que deviam cftegar n'um dos com-
boios. Quando entrou na estaco, diz a
Gironde, a espora e os dous mininos des-
cerara, e na sna precipitaco para anraca-
rem o pae e o marido, atravessaram aquel-
te desgracados pela via, quando Qma ma-
china que fanecionava n'aquella occasiio
passou por cima dos ties, causando-lhe a
morte istartanea. Renanciamos a descre-
ver o desespero no desventurado pai de
familia, que diante de si- e em poucos mi-
nutos, viu m'rrer de merte espantosa sua
mulher e seis dous filhos.
TREMOR DE TERRA,Revoluco efe Se-
tembroNo dia 24 de jnnho sentiram-se
voentos abatos de trra' em Alex^ndria,
no Cairo, em Ismaila e oraros pontos do
Egypto.
Em Alejandra o primeiro abalo produ-
ziu-se s 6 horas e 29> minutos da tarde.
As trepidacbe* foram precedidas e acompa-
nhadas de um estrondo subterrneo seme-
Ibante a longiqua detooaco de artirharia.
O primeiro abalo, que durou de sete a
dito segurados, foi pouco forte; o segnin-
te, que Ihe succedeu cora alguns segundos
de irtervalto, foi muito mais forte; o ter-
ceiro foi menos violento.
Os abalos eram na direceo de sudoeste
a no" oeste.
A excepeo de urna casa que se desmo-
rono u ao p do forte Napoleo e que nao
causou nenhum accidente, houve poneos
estragos na cidade.
No mar sentiram-se tambem f rtes com-
moces e no porto os navios ancorados fo-
ram violentamente sacudidos. Ne- porto
Novo a agua salto aos caes impedida por
um tufan.
Os habitantes de Alejandra sairam todos
para a ra receiosos de ficarem sepultados
debaixo das casas e nao ousaram entrar
nelias seno passadas moitas horas, por
que receiavam qne se seguisse ao primeiro
um segundo tremor de trra.
No Cairo, as trepidaces que se prodo-
ziram mesma hora que em Alexandria
'oram muito mais forte. A primeira osd-
taco, que foi percepitivel s para algumas
pessoas, foi seguida, com dous minutos de
int^rvallo, de outra mais forte, e depois
de urna terceira, que levou o sosto a todos
os habitantes. Era quem mais depressa po-
deria fugir para as ras e pracas. N'estas
,a confuso era enorme, principalmente de-
pois do terceiro abalo, augmentada pelos
cocheiros, qoe fustigavam os seus cavallcs
com ra va, como se o pergo os nao amea-
Casse tanto como aos que corriam m^nos
Das pracas e das ras toda a gente ti-
nha os olhos filos nos edificios, qne execo-
tavam um movimento de osciilaclo muito
notavel, A casa da agen ia dos vapores
francezes ficou feudida de alto abaivo, e no
bairo de Koroniich desabaram muitos edi-
ficios.
Em Ismaila o tremor de trra tambem
se sentiu as 6 horas da tarde, e houve tres
violentos abalos na direceo de leste a oes-
te, dorando cada trepidado perto de cinco
segundos.
Finalmente, o tremor de trra, que foi
o maior que de ha mudos annos se tem
sentido no Egypto, estendeu se at a cosa
oriental do mar Vermelho.
aeco da justica e s perseguicoes do go-
vernador civil da Auvernia.
Oreinotina ainda concedido aspa
temes de remisso ou indul o, e o mar-
quez podia temer quilquer causa, espe
cialmente na ausencia do conde de Rahon.
Talvez n'aquelle instante qnizesse invadir o
castello alguma brigada de soldados do
marechalato.
Em quanto succediam no animo de Saint
Maixent esta* reflexes de m agouro, a
-ineta da grade lancava oo aras suas repe-
tidas e sonoras vibraces.
Que ser ? murmurou a formosa
Olympia sobresaltada.
O marquez, escondendo conforme pode
a sua pertorbaco, por cansa dos criados
que serviam a mesa, ergueu-se e chegou
urna das janellas ; vio por dentro dos vi-
dros urna luz que se diriga para a grade,
e instantes depois soou na praca defronte
do castello o furioso galopar de nm ca-
vallo.
Passsdos alguns segundos, levartou-se
um grande clamor, de regosijo. segundo
i pareca, formado pelas vozes de quasi to-
dos os criadas do castello.
Saint Maixent j nada receiava pela sna
liberdade, mas avivou-se-llie o desejo de
saber que motim era aqnelle.
Lourenco, disse para um dos criados
v l abaixo ver o que .
Lourenco foi porta, abrio-a, mas nao
pode comprir a segunda parte da sua in-
cumbencia.
Mordomo, boleeiro. criad >s, cosinheiros,
palafreneiros, humildes bichos de cosinba,
garridas mocoilas, uns com chapeos de
libr agaloados, outros de barretes brancos
e ponteagudos. outras de coifae e enfeites,
em summa toda a gente da casa, formando
om grupo compacto e bolicoso, invadi o
corredor, e entrn como om p de veno
na casa dejaotar. ^
A' frente de todo aqele povolo vinha
om correio vestido com a libr de Rahon
de botas de montar, grandes esporas, co-
berto de poeira e salpicado de lana, e de
cara mais satisfeita e orgolhosa que um ge-
neral depois da vict ria.
O tal bomem a^itava na mo esquerdao
chicote e o chapeo, e segurava no ar com
a mo direita urna carta fechada e lacrada
com lacre vermelho.
Boa nova, senhor marquez grande
nova I entrou a gritar o correio com toda a
forca dos pnlmes, mal entrou na casa de
jantar, sera fazer o mnimo caso da eti-
jueta.
Grande nova 1 Boa nova! repeli
em todos os tons a turba, dos criados.
Saint Maixent franzio as sobranceras e
deu ao semblante urna expresso de colera.
Que quer isto dizer ? perguntoo com
aspereza. Desde quando lhes permitlido
entrarem aqni sem pedir Ixenca, e en.snr-
decerem a senhora marqueza com tamanba
gritara i Vamos Fra d'aqoi, madrea-
dos Fra d'aqui todos I Saiam, que
mando eu ; fique s o correio.
Criados e criadas, e at o prprio Lac-
tancio, modos, confusos e ci>m a cabeca
baixa, principiaram a recoar humildemente.
Mas com bastante assombro de Sairt-Mai-
xent, deteve-os o correio com a voz e o
gesto.
O senhor marquez ter poroemper-
doar-me, disse elle ; mas o senhor conde
de Rahon, meu amo ( e accentobu estas
duas palavras) delerminou que toda a gente
da sua casa assista leiiura da missiva de
que sou portador.
A' isto nada se podia replicar.
"Annibal, apezar de ausente, como eslava,
era o verdadeiro e nico dono do castello,
e quando elle ordenava orna cousa, nao
havia remedio seno obedecer.
Urna vez qne assim o quer meu primo,
fiquem todos, redargoio Saint-Maixent com
sorriso obrigado.
Viva o senhor conde Viva a senhora
eondessa 1 Vivam os nossos amigos! gri-
toua turba entusiasmada.
D-me, pois, essa ca ognio o
marquez fallando com o cot
YP.QQahu/^HVA'WQi .W
. V
/ <
V
4



Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E5VAKTGJD_IAS78O INGEST_TIME 2013-09-14T03:21:29Z PACKAGE AA00011611_12166
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES