Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:12156


This item is only available as the following downloads:


Full Text
^^
-
')
NNO XLVI. NUMERO 176
PASA A CAPITAL E LUGARES QIDE IAO SE PAGA POETE.
tres mezes adiantados................. 60000
l'or seis ditos dem................... i^JOOO
Jor una dem..................... 24(0000
Cada mumero avuiso................... 380

SIBMDO 6 DE AGOSTO DE 1870
PAKA DEJT10 l MEA DA PBOVDICIA.
Por tres mezes adiantados..............
Por seis ditos dem................
Por nove ditos idem...........-....
Por ana armo idem................
6#7CtV
43IOOO
201250
271000

Manoel
Ou Sre. Gerardo An
i i i.. 11
A A<
no Par ; GoocUvea Pinto, na Maranho ; Joaqtririt Jos de Oliveri, no Cear ; AnI
em Mamangoape; Antonio Aluandrino de Lina, na Paralte ; Antonio Jos Gones,
em Nauroth ; Fraociaco Ta venta da Corta, en Alago; Dr. Jos Martn Ali
M:
de Lemos Braja, no Aracaty ; Joto Mara JuHo Chayes* no Ass ; Antonio Marques da Silva, no Natal; Jos Justino
Hila da Penha; Belarmino dos Santos Bulcao^ em Santo AnGo; Domingos Jos 4a Costa Braga,
Baha ; e Jos Ribeiro Gasparioho no Rio de Janeiro.
PABTE OFFIOIAL
f Yerno da provincia.
EXPEDIENTE ASSIGNADO PELO EXM. SB SENADO W>
iK11ICO DE ALMEIDA R ALBUOUERQCK, FI1BSIOINT
Bk PROVINCIA, N tt BK MARCO DE 1870.
1* MCCo.
N. 31}.Portara ao general commandaute das
arana. J--,, havendn presentemente cavallos no
deposito de instruccao, p<.r terem vendido lti-
mamente quasi toeV era basta publija, inaode V.
Exe, recolber ao respectivo corpo as uraca d
polica que allf sa achara, al que se faca ara-
monta ila cavalhada.
>'. 313. Dito ao oiesiuo. Ficam expadij M
<* invenientes orJens tos ageates da cc-anfsnhia
Rcuilaira de paquetes para fazerem reanber e
transportar par a corte no vapor Cruzeiro io Sul
o* $ei6 recruias mencionados no offlcio da V. Exc.
d? hoje datado, sob a. 133.
-V. 31i.Bita ae director do arsenal de guerra.
Mande V. S. com urgencia um oficial de cara-
pa a torlalczi do Brum, fazer o concert necea-
-ario na porta da eozinha da casa de residencia
do respectivo commandante, que desabou do portal
de pedra.
N. 315.Dita ao eapitio do porto Ficara ex-
pedidas as convenientes ordena aos agentes da
<' transportar para a corte do vapor Cruuiro do Sul
os dous reeditas de nome* Angelo Tliomaz de
Aqnino e Mizael Jnior, visto terem sido julgados
apios romo coarto do termo que veio ann xo ao
'Ifleio de V. S. desta dala, sob n. 26 a que res
[tendo.
N\ 316Dita ao mesmo. Transmiti a V. S.
;i'.r.a seo eonbeciroento e alim de que faca publi-
car o incluso edita!, junto por copia, que me foi
remettido pelo Exm. 3r. presidente do Para, de-
clarando que toodo se ultimado os reparos de que
precisa a barca Pnnrol. acha-se ella desde o di a
17 de fevereiro ultimo, ancorada na mesma posi-
<;ai qua occupava no canal de Braganea. i
2* seccao.
t. 319.Dito ao presidente do supremo tribu-
nal de jnsiicaLevo ao conhecimento de V. Exc.
nue, segundo participo o juiz de direilo da co-
marca do Bonito, baetiarel Joao Rodrigues Cha-
ve em olficio de 26 de fevereiro ultimo, nessa da-
la eolfuu elle no goso da licenca de quarenta das
seiff ven amentos, que por esta presidencia lite foi
< roceflida a 31 de Janeiro ultimo.
N. 320.Portara ao Dr. chefe de polica.Pe-
l ament Joan Deoclecio da Silva Bettto, que se-
rie para Bnique, Bora Conselho, S. Joo e Gara-
ntan*, conduzindo soccorros para os indigentes
perseguido pela fome. remeta V. S. a ambulan-
cia desuada a segunda daquellas localidades.
N. 3il.Dita ao juiz de direito da comarca de
Caruar.Tendo norteado urna commissao com-
posta do major Banto Jos Alves, capitao Tbomaz
de Araujo e Albuquerque e p delegado do termo
Matwel Aprijtio de oraas. para receber e distri-
buir cora toda a igualdade e verdadeiro "espirito
.le caridade pelos indigentes accommettidos pela
fome nti termo de S. Benio dessa comarca, os ge-
asta data remeti pelo te-
3' seccio.
Portaria ao inspeolor da thesoora-
Declaro rV. 8. para su conhecl-
Mego Franeisoo Jos Tavares 4a
o me participou em oflkio de 7 do
umio nessa dala o exercicio do go-
ese.
ao mesmo.Declaro a V. S. em
minha portara de hoje e para o
tes que acabo de autonsar o lente
leeio da Silva Paula a tirar dos 3:1X103
mandei entregar pira as despezas com a
celo dos gneros alimenticios, destinados a
occorros aos indigentes do alto sertao, a qaantia
de BOJ oara a- despezas de sua viagem.
N. 333.Dita ao mesrao.Comraunico a V. S.
piraos devidos fins qu- segundo participou o juiz
municipal do termo do Cabo, bacharel Joaquim
Cordeiro Coelho Cintra em offlcio de 7 do corren-
te, nessa data reassumir. elle o exercicio do dito
cargo, por 1er o juiz de direito da comarca entrado
no das respectivas funccOes.
N. 331.Dita ao mesmo.Communico V. S.
para os devidos fins que segundo participou o juiz
le direito da comarca do Bonito, bachare Joao Ro-
drigues Chaves em offlcio de 26 do mez lindo Les-
sa data entrou no goso da liceoca de 40 dias sera
vencimentos que Ih foi concedida por deliberaran
de 31 de Janeiro ultimo.
N. 335.Dita ao mesmo.Em vista do que me
solicitou o presidente da Parahvba em offlcio de 10
do correte, sob n. 811, expeca V. S. suas ordens
aflm de que ao commandanto ou immediato do va-
por Potengi da compsala Peraambuc na, que se-
gu para o norte no dia 11 deste mez, se,a entre-
gue a importancia da arrecadacao dos direitos da-
qnella provincia ahi recnlhidos, relativos ao rae-
zfs de novembro a dezembro ultimo-.
N. 336 Dita ao mesmo.Por conta do crdito
de 40:000| aberio honlem sob a responsabilidade
da presidencia, para soccorros aos desvalidos fla-
gelados pela fome no alto serlao, mande V. S. en-
tregar a quantia de 3:000j ao tenente addido ao
corpo provisorio de pnlicia Joao Deoclecio da Silva
Paula que se acha encarregado da condcelo des-
ses soccorros, allm de que possa elle occorrer a
neressarias despezas.
t. 337.- Dita ao inspector da thesouraria pro-
vincial.Expeca V. S. suas ordens .para que em
vist i do pret junto em duplcala sejam liquidados
os vencimentos relativos ao mez de fevereiro ulti-
mo, dos guardas nacionaes destacados na villa do
Cabo, e paga a sua importancia ao negociante An-
tonio Jos Pereira da Cunha, conforme solicitou o
commandante superior daqnelle municipio em offl-
cio de 9 do eorrente, sob n. 1037.
N. 338.Dita ao mesmo.A Miguel onralves
da Luz mande V. S. pagar depois de liquidados em
vista do pret junto em duplican, que me reraetleu
o commandaole superior do municipio de Agua
Prela, com offlcio de 7 do correte, os vencimentos
relativos ao mez de fevereiro ultimo dos guardas
nacionaes destacados no povoado dos Montes.
N. 339.Dita ao mesmo.Nos termos do pare-
cer da contadria dessa tnesouraria, a que se re-
fere a sua informa^ao de 9 do correte, 'ob n.
135, mande V. S. pagar ao cimrgiao Justino Eu-
genio Lavenere ou ao seu procurador, conforme
solicitou o chefe de polica em offlcio n. ibt, de 21
eros alimentario* que ne, _'^r:iH-.L defewmro uluw,' a quantia de 52*860 i,ro-.
eme, Joao Deaclecio da ftdva (futa. 5" nienl8 tfB medieamemos fornecidos pelo referido
l
riM.icao junia an offlcio que a mesma commissao
dirijo; ass m o communico a Vmc. para seu co-
nliecimento e Bns ci nvenientes, recommendandn-
Ihe que me participe o que occorrer acerca da
mecma fome. .
N. 322.Dita ao Dr. Antonio Manoel de Medei-
paa Furiado. jui-.de direito da comarca de Gara-
nhuns.Tendonoin,eado a Vmc, o capitao Anto-
nio Vctor Correa e o vigarto Nemerio de S. Joao
Gualberto, como Ihe communico nesta data para
e miporem a commissao encarregada de distribuir
peiM indigentes accommettidos pela fome no mu-
nicipio de Garanhuns, e para os municipios do
Bnn Conselho e Buique, os cuidaos mencionados
na relarao inclusa, remetiendo a cada una das
commissdes oa gneros alimentarios constantes de
relafocs, que. s mesmas remeti pelo tenente Joo
Deoelecio da Silva Paula ; assm ili'o communico
. irn bsu conhecimento, recommendando-llie que
re participe o que occorrer na comarca acerca
d ni.'sma fome.
N. 323.Dita ao juiz municipal da pnmeira va-
ra de-ta cidade. Transui'qto a Vmc. para que
sub'tituam as irregulares que e>lao em Fernando
de Noronba as guias juntas dos sentenciados Ja-
cob Jos (lo Franca, An-enio Cesar de Mello Bar-
, Eppliano Joa Moreno, loso l\ idrigues de
Su/.a, Man I FL.rano da Silva, Narciso Gomes
Pereira, Targinio de Garvalho e Silva, e Silvino
Birardo Amanrio. de que traa o offlcio junto por
copia do presidente i a provincia do Para, e as re-
lacoes que tamhem Ihe envi.
N. 321.Dita ao commandante do corpo provi-
sorio de polica.Mande Vmc. desligar do corpo
sol sea corumando o soldado Antonio Mendes de
Mtllo, de qnew trata n seu offlcio n. 101 de 9 do
eorrente, vista ter c impleiadn o tempo de seu en-
gftjMteotO e nao querer continuar a servir.
N. 32o.)ita an mes no.Expeca Vmc. ordem
para que seii praeas do corpo sob seu commando,
ai'ompanhem o tenente Joao Deoclecio da Silva
Paula que vai em deligpncia conduzindo soccorros
par a comarca de Garanhuns.
N. 326.Dita ao mesmo.PJe Vmc. desligar
do corpo sob o seu commando o furriel Davino
Wbeiro de Senna, de quera trata o seu offlcio n.
IOS de 9 do eorrente, visto ter sido julgado incapaz
do servico.
N. 32/ Dita ao promotor publico da comarca
de Palmares, delegado do termo de Agua Preta e
.subdelegado do dmricto de Cassuipe.RecommeH-
do a Vmc que preste todo o auxilio ao seu alcan-
ce ao tenente Joo Deoclecio da Silva Paula para
que nao encontr a menor dficuldade em obter
os cavallns neeessarios a conducrio dos gneros
alimenticio- que leva para socorro dos indigen-
tes dos municipios do Buique, Bora Conselho e Ga-
ranhuns.
. N. 328.Dita ao tenente Joao Deoclecio d* Silva
Paula.Fica Vmc. autnrisado a tirar do 3:O0OX
que nesta data mandei entregir-lhe na thesouraria
de fszenJa para oceorrer as despezas com a con-
dcelo dos gneros alimenticios, destinados a soc-
corros aos indigentes do alto sertao, a quantia de
-W para as desperas de sna liagero.
N. 329.Deliberacio.O presidente da provin
ca comforraando-se com a proposta do chefe de
polieia em offlcio n. 30o de 3 do eorrente, resol ve
noraear para o lugar vago de subdelegado da fre
guezia de Salgneiro o cidadao Domingos Goncalves
Martins Prente.
N. 330.-.O presidente da provincia cmforman-
do-se com a proposta do Dr. chefe de polica em
offlcio n. 342 de 9 do eorrente, resolve nomear para
os lagares de i, 2., 3.', 5." e 6. supplentes do
subdelegado do districto da Capunga da freguezia
d Boa-vista os cidadaos seguintes a ordem em
rae to collocados: bacharel Walfredo da Cunha
;igu-to Jus Goncalves Lessa, Jos
Ioraingaes do Carrao e Silva, Miguel Ferreira Pin-
to e Alfredo Henrique Garca.
N. 331.Dita.O presidente da provincia em
vista de offlcio do chefe da polica n._312 de do
ve conceder a exoneraco que pedi-
rn is de 1., i.", 3., S. e o" supplentes
lo do districto da Capunga da fregu
zia da Boa-vista -os cidadaos bacharel Miguel Jos
nbuco Janior, bacharel Bento
roeI Thomaz Jos da Sil-
gnto Francisco de Oliveira p
> Araujo.
orneciuos pe
cirurgiao para curativo dos presos da cadeia d)
termo do Bonito, como se v da inclusa conta em
duplcala.
N. 310Dita ao mesrao.Devolvo a V. S. para
os fins indicados na portaria da presidencia de 16
de setembro do anco prximo passado as contas
juntas em duplcala que vieram annexas aos sens
offlcios de 27 do citado mez de setembro, sob ns.
393 e 593 relativas s despezas feitas nos mezes
de junho a agosto daquelle anno, com o sustento
dos presos pobres da cada do termo do Buique,
visto j estar satisfeita a requisicao consUnte dos
citados rfflcios, que licain assira respondidos.
N. 311.Dita ao mesmo.Em vista do que so-
licitou o coronel commandante do corpo provisorio
de polica em offlcio de hoje, sob n. 109, recom-
mendo a V. S. que mande abonar por adiantamen-
to dous mezes de vencimentos, contar do 1" desle
mez, ao tenente addido aquello corpo, Jao Deo-
clecio da Silva Paula, que sege em diligencia
pira a comarca de Garanhuns, e bem assira en-
bregar-lbe a quantia de 653000, como ajuda de
casto de ida e volta.
4.* scelo.
K. 312.Offlcio ao presidenta da provincia da
Parahvba. Xesla dala, e de confnrmidale con o
offlcio- (lo V. Esc, de 10 do eorrente, sob n. 811,
t
xperu as necessarias ordens, am de que o com-
mandante ou immediato do vapor Poteniji, que
segu para o norte no dia lo desle mez, nceba
da thesouraria de fazenda dest capital e couduza
para essa provincia, a importancia dos direitos a
ella pertencentes que se acha recolhida aquella
thesouraria, relativa aos mezes de noverabro e
dtzembro ltimos.
N 313.-Portaria ao onnego Francisco Jos Ta
vares da Gama, governador do bispado.Pelo seu
offlcio de 7 do crreme, fiquei inteiraJo de haver
V. S. reassuraidjj o exercicio do cargo de gover-
nador desta diocse.
N. 311.Dita a cmara municipal do Becife.
Declaro cmara municipal do Recife, em respos-
ta ao seu offlcio de 23 de fevereiro prximo lindo,
sob n. 13, que era vista do que informou a the-
souraria provincial, em 9 do eorrente, approvo o
orcamento na importancia de 2323003 da obra do
pedestal de que trata o seu citado offlcio e auto-
riso a mesina cmara despender aquella quantia
pela verbaobras novasdo' 4 do orcamento
municipal vigente, se a renda que tiver de arreca-
dar no eorrente exercicio o permillir, sem pre-
juizo das despezas urgentes que devein ser prefe-
rida.
N. 315.Dita ao tenentecoronel Joaqnim Lucio
Monteiro da Franca.Kecommendo a Vmc. que
nao s auxilie, pelos meios sua disposicio, ao
lente Joo Deoclecio da Silva Paula, que vai en-
carregado de fazer craduzir genero alim?m_icios
com que lm de ser soccorridos os habitantes indi-
gentes de diversos raunicipio3, aflm de que os
mesmos gneros sejam conduzidos com a maior
brevidade, como que no caso de nao ser possivel
a condico de todos os gneros, Vmc. naja de os
mandar recolher aos seus arraazens, o que espero
de sou patriotismo.
N. 316.Dita Joo Manoel Puntual Jnior.
Aceito e agradeco o offerecimenlo que V. S. fez
em seu offlcio de hoje de 100 saceas cora farnha
para soceorrer aos nossos irmos victimas da fome
nos sertes desta provincia e em particular aos de
Papacaca. os quaes V. S. mandar entregar ao
tenenie Joo Deoclecio da Silva Paulo, portador
desle.
N. 347.Dita ao gerente da corapanhia Per-
nambucana.De conformldde com o que solici-
tou o presidenle da Parahyba, em offleio de 10
do eorrente sob n. 811 providencie Vmc. aflm de
que o commandante ou Immediato do vapor Po-
tengi que seguem para o norte no dia 15 do cor-
rente, receba da thesouraria de fazenda desta.ca-
pital e condusa para aquella provincia a impor-
tancia dos direitos a ella.p6rtepcente,queseacham
recolhidos aquella thesouraria, relativos aos me-
zes de novembro e deiembro nllimos.
N. 348.Dita aos agentes da corapanhia Brasi-
lera de paquete. Podera Vmcs. fazer seguir
para os porto di sal o vapor Cruuiro i Sul
amanha a hora indicada em sea offleio de hoje.
N. 319.Dita aos mesmos.Os Sr. agentes da
eoropanhia Bra3ilera de paquetes, inaudem dr
traneaartet para a eorte por coni 4o ministerio
da iTierra i vapor Cruseiro do Sul, aos rearmas
da ornes Antonio Barbosa de Lima, Jos Batata
Vlelra, Jos Joaqnim de Saot'Anna, joaqui Fran-
cisco de S. Barro, Manoel Francisco de Oliveira e
Pedro Gomes.
1*. 330.Dita aos meamos.Os Srs agentes da
companhia Brasileira de paquetes, manden dar
transporte para a corte por coota do ministerio
da marinha, no vapor Cruzeiro io Suh os doos
reerulas de nomes Angelo Thomaz de Aqnino e
MiOel Janior
N. 351.-Dit a Severino Cimillo Peasoa. Ca-
valcante, capitao Joo Hyppolito de SoJn, tenente-
coronel Manoel Camello Pessoa Cavbanle. -Cum-
prindo o rigoroso dever de soceorrer oa habitantes
indigentes dessa villa e sea termo, qae se aeham
infelizmente sem meios de satisfacer as suas mais
u/gentes leeesndades, em conscqoaaiia do (U-
gelio da secca, reselvi nomear nata commissao
composta de Vv. Ss. aflm de receber os gneros
que sao condolidos pelo tenente Joao Deoclecio da
Silva Paula a coostam da relacao incaua e des-
tribui-los pelos dlndiaents com toda igualdade e
verdadeiro espirito da caridade. E confiando no
patriotismo e philantropia de Vv. Ss. espero qae
aceitarao semelhante commissao.
Relacao doi gneros alimenticios que m refere o
o/fiew do Exm. Sr. prndente ete provincia desta
data :
50 saceas com farinha. ,
40 ditas com milho.
10 ditas com feijao.
28 arrobas de carne secca.
X. 352Dita ao tenente-coronel Manoel Silves-
tre de Albuqnerque Maranho, Aroerieo Caval-
cante de Albuquerque e Augusto Soares Villela.
Cumprindo o rigoroso dever de soceorrer os ha-
bitantes indigentes dessa villa e sea termo, qae
se acham infelizmente sem meios de satisfazer as
suas mais urgentes necesidades, era conseqaen-
cia do flagello da secca, resolv romear commis-
sao composta de Vv. Ss., aflm da receber os gene-
ros que sao conduzidos pelo tenente Joao Deocle-
cio da Silva Paula e con*tam da relacao inclusa e
e destribui-los pelos indigentes com toda igualda-
de e verdadeiro espirito de caridade. E confiando
no patriotismo e philantropia de Vv. Ss., espero
que aceitarao semelhante commissao.
RelacHo dos gneros alimenticios.
100 saceas com farinha.
13 ditas com milho.
4 ditas com feije.
60 arrobas de carne secca.
60 saceas com arroz.
N. 353.Dita ao Dr. Manoel de Medeiros Fur-
tado, capitao Antonio Vctor Correia, e o vigario
Nemezio de S. Joao Gaalberto Cumprindo o ri-
goroso dever de soceorrer os habitantes indigen-
tes dessa villa e seu termo, que se acham in eliz-
mente sem meios de satisfazer as suas mais ur-
gentes necessidades, em conseqaencia do flagello
da secca. resolvi nomear urna commissao compos-
ta de Vv. Ss. aflm de receber os gneros que sao
condusidos pelo lente Joo Deoclecio da Silva
Paula e contm da relacao inclusa, e desiribni-los
pelos indigentes com.toda igualdade e verdadeiro
ospiriio de caridade. E confiando no patriotismo
de V. S'., espero qae aceitarao semelhante cora-
Uliiio. "* '
Relacao dos gneros alimenticios.
40 saceas de farinha.
2 dita com milho.
3 ditas com feijao.
60 arrobas de carne de secca.
N. 354.Dita a Manoel Aprigio de Moraes, ma-
jor Bento Jos Alvs de Oliveira e capitao Tho-
maz de Araujo o Albuquerque.Cumprindo o ri-
gorosa dever de soceorrer os habitantes indigen-
tes dessa villa e seu termo, que se acham infeliz-
mente sem meios de satilazer as suas mais urgen-
tes necessidades, em consequenca do flagello da
secca, resolvi nomear urna commissao coraposla
de Vv. Ss.. afna de receber os genero que sao
condusidos pelo tfnente Joao "Deoclecio da Silva
Paula, e constara da relacao inclusa e distribui-
dos pelos indigentes com toda igualdade e verda
deiro espirito de caridade. E confiando no pa-
triotismo e philantropia de Vv. Ss., espero que
aceitarn semelhante commissao.
Relacao dos gneros alimenticios.
40 saceas com fariuha.
20 ditas com milho.
2 ditas com feijao.
40 arrobas de carne secca.
N. 353.Deliberaco. O presidente da provin-
cia, attendendo ao que requererara as professoras
publicas de instruccio primaria Francelina Forjaz
de Lacerda da freg'nezia de S. Pedro Mattyr de
Ohnda e Amelia Carolina da Silva Ramos, de San-
to Antonio de Tracunhem, e tendo em vista a in-
formacao do director g 'ral da instrurcao publica
de 8 do eorrente sob n. 90, resolve conceder-!hes
licenca para permutaren! entre s as respectivas
cadetraa.
EXPEDIENTE ASSIGNADO TELO SR. DR. ELIAS FREDEBI-
CO DE ALUEIDA E ALBUQUERQUE, SECRETARIO INTE
RIO DO GOVEBSO, EM 11 DE MARCO
2a seego.
N. 356.Offlcio ao Dr. chefe de polica. O
Exm. Sr. presidente da provincia, manda decla-
rar a V. S. em resposta ao seu offlcio de 21 de fe-
vereiro ultimo sob n. 251, que a thesouraria pro-
vincial tem ordem para pagar ao cirdrgio Jn-'.i-
no Eugenio Lavenere, ou ao seu procurador a
quantia de 523860, constante do citado offlcio.
N. 357. Dito ao commandante superior da
guarda nacional de Agua PretarNesta data au-
lorisou se a thesouraria proviucial a pagar a Mi
guel Goncalves da Luz, os vencimentos constantes
do offlcio de V. S., datado de 7 do eorrente, o
qual fica assim respondido de ordem do Exm.
Sr. presidente da provincia.
N. 358. Dito ao commandante superior da
guarda nacional do Cabo S. Exc. n Sr. presiden-
te da provincia, manda declarar a V. S. em res-
posta ao seu offlcio de 9 do correte, sob n. 1057,
que a thesouraria provincial tem ordem para pa-
gar ao negociante Antonio Jos Pereira da Cu-
lia, os veucimentos constantes do citado offlcio.
N. 359.Dito ao juiz de direito da comarca
d > Bonito.O Exm. Sr. presidente da provincia,
manda declarar-lhe qae licoa inteirado pelo sen
offlcio de 26 do mez fiado, de ter V. S. nessa dala en -
irad) no goso da licenca qae Ihe foi concedida por
deliberado de 31 de Janeiro ultimo.
. 360.Dito aojuiz municipal e de orphos do
termo de Goyanna.O Exm. Sr presidente da
provincia, manda declarar-lhe que licoa iateira
da pelo sea offlcio de 7 do crrente, de ter ness
data reassumido o exercicio do sea cargo.
N. 361.Dito ao commandaute do corpo provi-
sorio de polieia.O Bxm. Sr. presidente da pro-
vincia, respondendo ao offlcio que V. S. Ihe dirigi
hoje sob n. 108, manda declarar que a thesoura-
ria proviooial tem ordem para abonar ao tenente
Joo Deoclecio da Silva Paala, os vencimentos e
ajuda de custo, constantes do citado offlcio.
3* seccao.
N. 362.Offlcio ao inspector da thesouraria
provincial S. Exc. o Sr. presidente da provincia,
manda communicar a V. S. para seu conheci
ment que por deliberacio desta dala, conceden
as professoras pnbJicas de inatraeoao primaria
Francelina Forjas de Lacerda da freguezia de S
Pedro Martyr de Olinda e Amelia Carolina da SU
va Hamos, de Sanie Antonio de Tracunhem, a li-
cenca qu pediram para permutarem eutre si as
referidaa cadeiras.
4" seccao.
v 363.Offlcio ao director geral da instraccao
que |
cao
gneaxi
rolina
nr>
-S. Exc. o Sr. presidenle da provincia,
omrnunicar a V. S qae por deliberarse-
e em vista de sua informacao de 8 do
fsob d 9f>, resol vea conceder a licenca
as profe-soras pob'rcas de instruc
i Francelina Forja* de Lacerda da f re-
Pedro Martvr de Olinda e Amelia Ca-
Silva Ramos 'da de- Santo Antonio de
, para permutarem entre sLoa res
eiras. ,
lDitaao eagenheiro fiscal da estrada
iDe ordem do Exm. *r. presidente da
Wgjneira V. S. providenciar para que si
festino os inclusos telegrammas dirig-
motor publico da comarca de Palmares,
termo de Agua Preta e snbdalegad)
i do mesrao nome.
ASSIGNADO PELO SB. D. ELIAS FRE-
K ALMEIDA E ALBUQUERQUE, SECRETARIO
MW. Eli 12 DE MARCO DE 1870.
1* seccao. ,
|Portara ao Exm. Sr. general comman-
armas.Mande V. Exc p' em liberda-
^ta Jos Pereira do Espirito Santo, visto
ligado incapaz do servico do exercito em
[de snde, como coasta do lermo annexo
ci de hontem datado, sob n. 134.
2.' seccao.
-Portaria ao commandante superior in-
f uarda nacional do Recife.Expeca V.
ordena para que diariamente seja apre-
i juiz de direito da segunda vara, presi-
ibuml do jury, quo esla ftmecionando,
11 do correnl, a guarda qae cosame
|da para o dito tribunal
N 369.*-Diii ao commandante superior interino
da guarda nacional de Barreiros e Agua Preta.
Expeea T. S. as suas ordens para que urna guarda
de honra tirada do batalho n 15 de infanlaria,
acompaaaVe as procissoes que durante a quaresma
ou a semana santa sahirem da igreja matriz, da
frepaezia'de Barreiros.
:*. 370>-Circolar todos os commaodantes su-
periores da guarda nacional da pr-ivineia Com-
munieo i.V. S. para o seu eonheeimenloedircccaa
que, sopando o aviso do ministerio da jnstica de
26 de fevereiro ultimo, os caixeiros das casas
commerciaes matriculadas, estao sugeitos todo o
servico do< coros da reserva da guarda nacional,
visto como o art. 15 da lei de 19 de setembro de
1850, s os dispensa do qae prestam os coros da
activa, conforme j foi explicado pelo aviso de 1
de abril de 1B67.
N. 371.Portaria ao jniz de direito da eomarca
Je Garuar. Declaro Vme., em additamento ao
mea offlcio de hontem, que um dos membros da
commissao nomeada para a disiribuicao dos gene-
ros alimentarios no termo de S. Bento, o major
Bento Jos Alves de Oliveira : o que Vmc. far
constar mesma commissao.
S, 372.Dita ao commandante do corpo provi-
sorio de polieia.Pode Vmc. eliminar do corpo
aob o son commando o soldado Jos Irtneu da An-
runciacao, de quem trat o seu offlcio n. 112 de
11 do corentej visto ler sido considerado incapaz
de continuar a servir.
N. 373.Dita ao mesmo.Pode Vmc. engajar
no corpo sob o seu commaud) o paisano Jos Joa-
quim da Silva, gd^gm traa,o seu offlcio n. 110,
CU do eorrente, se bara isto tiver a precisa le-
nrrente, s
neidade.
N. 371.Deliberaco.O presidente da provin-
cia, attendendo ao que Ihe requereu Eduardo en-
tunes de Albuquerque Mello, tabellio de nojas e
escrivo do criine, civel e jury do lermo de Cira-
res, resolve conceder-lhe mais tres mezes de licen-
ca para iratar de sua sanie nesla capital.
. 3" seccao.
N. 376.Portaria ao inspector da thesouraria
de fazenda.-^Provideucie V. S. para que, em vista
da iochrsa conta, que se refere o offlcio do ins-
pector da sade publica de 10 do correte, seja
paga ao phartnaceutico Joaquira de Almeida Pinto
a quantia de 823210 rs., em que rapirlou urna
ambulancia de medicamentos que forneceu para o
trataraento Jos indigentes accommettidos de febres
de mo carcter na vila do Ouricury, devendo este
pagamento correr por conta do crdito de.......
10"0005 de que trata a raesma portaria do citado
dia 10.
N. 377.Dito ao mesmoTransmillo a V. S. as
dnasjmclusas contas em duplcala queme remelteu
o superintendente da estrada de ferro doltecifuS.
Francisco com offlcio de 10 do crreme, aflm de
que mande pagar a quaoa de 83300 rs., prove-
niente do passagens dadas nos trens da mesma
estrada durante o mez de fevereiro ultimo, sendo
63690 rs. por conta do ministerio da guerra, e
23 pelo da marinha, como se v das mencionadas
cootas. ,. ., ,
N. 378.-Dita ao mesmo.Depois de liquidada
em vista da conta em duplcala e documentos jun-
ios, a despez, proveniente dus medicamentos for-
necidos no >emesire de julho a dezembro do anne
prximo passado para a enfermara dos menores do
arsenal de guerra, mande V. S. pagar a sua im-
portancia Augusto Caors, conforma soliitou o
director do raesmo arsenal em offlcio de hoje, sob
n. 38.
N. 379.Dita ao inspector da thesouraria pro-
vincial Annuindo ao que solicitou o ebefe da re-
partlco das obra3 publicas em offlcio de hontem,
sob n. 66, recommendo V S. que mande entre-
gar ao ibesourelro d'aquella repartico a quantia
de 2:2003 para execucao dos reparos supplemen-
tares de que precisa a casa destinada ao asyto de
mendicidade, os ques constam do orcamento que
por copia aconpauhou a minha portaria de 9 d'e-te
mez. ...
N. 380.Dita ao mesmo.Em vista da inclusa
conta, mande V. S. pagar Geraldo Henriques de
Mira a quautia de 1503, proveniente de 5,000 en-
vel ipes que forneceu para o expediente da secre-
taria d'eata presidencia.
>'. 381.Dita ao raesmo.Recommendo V. S.
qae, em vista das duas inclusas contas que me re-
meiieu o superintendente da estrada de ferro do
Recife S. Francisco, cora offlcio de 10 do cor-
rente, mande pagar a quantia de 533250 rs., pro-
veniente de passagens dadas por cont da provin-
cia nos trens d'aquella estrada, durante o mez de
fevereiro prximo lindo.
N. 382.Dito ao raesmo.Ex peca V. S. snas or-
dens para que. de conformidade cora o que solici-
tou ccomraaodante do corpo provisorio de pjolica
em offlcio de hontem, sob n. 111, sejam abonados
por adiantaraento 4 mezes de vencmenios ao alfe-
res Antonio Joaqun de Barros Lima, que segu
em diligencia para Paje de Flores, 4 mezes de
sold para 0 pracas que o acompanlara, e 2 me-
zes tambera de solio outras 6 pracas que vo
cora o tenente Joao Deoclecio da Silva Paula a Ga-
ranhuns, ludo a coutar do 1." do correte, entre-
gaado-se ao mesrao tempo quelle alferes a quan-
tia de 1103, como ajuda de custo de ida e volta.
4" seccao.
N. 385.-*ito ao Exm. Sr. presidenle da provin-
cia do Rio-Grande dolarte. Remetiendo V.
Exc. o incluso involucro, cootendo 4 pares de la-
minas e i tobos capillares com puz vaccinieo que
V. Exc. solcitou em seu offieio de 24 de fevereiro
prximo lindo.
N. 386.Dito ao Exm. Sr. presidente da provin-
cia das Alagoas.Remetiendo V. Exc. o incluso
involucro, eontendo 4 pares de.laminas e 2 tubos
capillares com puz vaccinieo. Fica assim respon-
dido o *eu offlcio de 8 do eorrente.
N. 387.Delibraoao. O Exm. Sr. presidente
da provideia, attendendo ao que requereu o pro-
fessor da cadeira de instrueco primaria fie Villa-
Bella. Guilherjpina Francisca de Araujo Lin?, r
tendo ero vfera i informacao do director geral da
instrueco publica, de 25 de fevereiro prximo Bo-
de sob "n. 80; resolve coneder-lhe o prazo de 3
Fmezes contar daquella data para entrar no exer-
cicio de sua cadeira.
BXrKDIKNTE ASSKNABO PELOS*. DI1. ELIAS FREDERT-
C0 DB ALMEIDft E ALBUQBBttOVE, SECRETAn|i IN
TBB1.NO DO GOVMBNO, EM 12 DE MARCO DE 1870.
I* aeeco.
ti. 388 Portara ao Exm. 9r. general comman
dante das armas,De ordem de S. Exe. o St. pre-
sidente da provinia, declaro V. Exc. em res-
post ao seu offlcio-de 11 do eorrente sob i>. 133;
que se n.andou satisfazer o pedido de objectos no-
ces ario ao qnartei das Cinco -Ponas, onde- lem
de ser alojado o crpo de voluntarios da patria
qne se espera da corte.
N. 380. Dita ao director do arsenal de gser-
ra.Nesia data autorisou-se a thesouraria de fa-
zenda a pagar Aagosln Caors a qaantia de
1013976* coDstnte do offieio de T. S., datado de
hoje e sob n. 38, o qual fica assrm respandido
de ordem-do Exm. Sr. presidente da provincia.
2" seeeo.
N. 390.Offlcio ao juhi de direito da 2" vara,
presidente do jury. 6 Exm. Sr. presidenle d
provincia manda declarar V. S., era resposta ao-
seu offlcio de boje datado, que nesta data se expe-
dio ordem ao commandante do corpo provisorio
de polieia para mandar-lhe apresentar diariamen-
te, principiar de 11 do eorrente, e em quanto
durar a sessao dojory que est funecionando, a
guarda que costme ir para esse tribunal.
N. 391.Dito ao commandante do corpo provi-
sorio de polica.S. Exc. o Sr. presidente da pro-
vincia manda declarar V. S., em resposta aoseu
offlcio de hontem sob n. 111, que a thesouraria
proviucial tem ortlem para abonar a ajuda de
custo, suidos o vencimentos contante* do citado
offlcio.
3" scelo.
N. 392. Offlcio ao chefe da repartro das
obras publicas.S. Exc. o Exra. Sr. presidente da
provincia man seu offlcio de bontem sob n. 66, que a thesouraria
provincial tem ordem para entregar ao thesourei-
ro dessa repartido os 2:2003*J00 constantes do
citado offlcio.
4' seccao.
N. 393. Offlcio ao inspector da sade publi-
ca.O Exm. Sr. presidente da provincia manda
declarar V. 8., em resposta ao seu offlcio de 10
do eorrente, que. a th'souraria de fazenda lera or-
dem para pagar ao pharmaceatico Joaquira de Al-
meida Pinto a quantia de~823240 proveniente dos
medicamentos constantes do citado offlcio.
N. 394rDita ao superintendeete da estrada de
ferro do Recife S. Francisco.Pela secretaria da
presidencia se declara ao Illm. Sr. superintenden-
te da estrada de ferro do Recife S. Francisco,
em resposta ao seu offlcio de 10 do correte, que
nesta data transmitto-se s ihesourarias geral e,
provincia), para os fins convenientes, as cuntas que
vieram annexas ao citado offlcio.
EXPEDIENTE ASSIG&ADU PELO EXM. SR. SfiADOR KB.E-
DERICO DE ALMEIDA. E ALBUQUERQCE EM 13 DE
MARCO DE 1870.
1" seccao.
N. 393.Portaria ao director do arsenal de
guerra.Mande V. S. fornecer o carluxame ne-
cessaro para as honras fnebres devidas ao cada-
ver do capitao da guarda nacional d'este munici-
pio, Flix Francisco de Souza Magalhes.
2* seccao.
N. 396.Portaria ao commandante superior in-
terino da guarda nacional do Recife. Expeca V.
S. suas ordens para que pela guarda nacional
aquartellada sejam feitas as honras que forera de-
vidas an cadver do capitao da mesma guarda na-
cional Flix Francisco de Souza Magalhes as tres
e meia horas da tarde de hoje na igreja da ordem
terceira fio Carmo.
Repartidlo da polieia.
2' seccao.Secretaria da polica de Pernambu-
;o, 5 de agosto de 1870.
N. 1064!Illm. e Exm Sr.Levo ao conheci-
nento de V. Exc. que, segundo consto das parti-
ipaedes recebidas hoje nesta repartico, foram
hontem recolhidos casa de detencao, os segra-
les individua* :
A' minba ordem, Jos Apparicio Gomes, como
complica em ertme de morie no termo de Porto
Calvo da provincia das Alagoas.
A,' ordem do subdelegado do Recife, Felippe, es-
clavo de Francisco Muniz Puntes, por ru-
gido.
A' ordem do de Santo Antonio, Manoel Antonio
de Jess, por crime de furto.
A" ordem do de S. Jos, Lniz, escravo de
Jos llarenlino da Cunha Fragoso, por dis-
turbios.
Deus guarda V. ExcIllm. Exra. Sr. de-
sembargador Francisco de Assis Pereira Rocha,
vice-pre dente da provincia. O chefe de po-
lica. Luiz Antonio Fernandes Pinheiro.
OTAIBUCO.
da
3EV2STA DIARIA.
MDICOS DE POLICIA.Por deliberaco
presidencia da provincia, de 5 do crreme, foram
nomeades, em vista da le provincial n. 981 de 14
de junho uLimo, mdicos de polieia os Srs. Drs
Adrio Luz Pereira da Silva e Dr. Jos Soriano
de Souza.
aLFORRIA DE ESCRAVOS.Tendo pedido dis-
pensa o Sr. Dr. Joao da Silva Ramos, foi nomeado
o Sr. Dr. Gervazio Rodrigues Campello, por deli-
heraco da presidencia, de 4 dn eorrente, para
membro da commissao encarregada d promover
a alforria de crianzas do sexo femenino,"por conta
dos cofres proviuciaes.
AUTORIDADE POLICIALPor deliberaco da
presideacia da provincia, de 4 do correte, foi de-
clarado chamar-so Felippe de Moraes Bezerra de
Andrade, a nao Flix Nery de Andrade, o 3 sup-
plente do subdelegado, do Bebedoum, no termo da
Garuar, nomeado em 2i do junho ultimo.
NAVIOS ENCONTRADO.O brigue inglez
Edita Marg, chegado de Glascow, Tallou durante a
viagem com os seguintes navios : a 14 de junho,
na lal. N. 39 e long. O. de Greenwioh 17, a ga-
lera ingleza Makaiana, indo de Liverpool para
Ca cuta ; a 34e julho, na lat. N. 9 e long. O. So"
a barca ingleza Bancagua, indo de Leeds para
Callio, a barca norueguense Vilrmff, iodo de ^la?cov"
para Buenos-Avres, com 41 dias ; a 11 de julho
ni lat. N. 6e long. O. 21, a barca ingleza Paul
Fredetick Pogae indo de Glascow para Buenos-
Avres, com al dias; a 20, na lat. N. 5 e long. O.
23% a galera ingleza WM Rose, indo de New Las-
tle para Calent cora 27 dias; e a 30 na lat. N.
12* eJong. O. 25*, a barca americaua Caorfer Oak,
indo de Liverpool para Bueuos-Ayres com28 dias
FE5TIVIDADE RELIGIOSA.Tein hoje logar
no convento dos missionarios capuchinhos, o le-
vantamento da bandeira de Nossa Senhora Mi do
Povo, precedido de missa solemne.- A' tarde co-
mecarao as novenas.
RA DO MRQUEZ BE OLIX^A.-E' este o
nome. que pa ^r a "t 1 Cda do Recife, e
nao do Mrquez da Rec\U, edho' (houtem sahin na.
nossa Revista por
SOCIEDADE PATRITICA DOUS DE JCLHO.
Devete-je reunir-se est sociedade, sihorasd
larde, na ra da Aurora d 70, aflm de seren
empossados os novos funecionarios. Para ella sao
convidados todos o socios.
COADJUTOR.Acha-se nomeado coadjmor da
freguezia da Escada, o Revm. Antonio Francisco
Ara?.
ESTJABELECIMENTOS DE CARIDADE. Movi-
njenlo do hospital re Nossa Senhora da Conceicar.
dos Lazaros, do 1>. ae ultimo de jnlho d.-
1878.
Existiam 14 hoinens e 13 muJheres, entrar I
homem e 1 mnlher, existem 15 homens e 14 mu-
flieres.Total 29.
Poi visitado o estabelecimento pelo respectivo
medico deste o Sr. Dr. Ignacio Firmo Xavier, nos-
dias segnintes : 2, 8, 12, 15, 19 e 22.
Esetem empreados nesle esfabelecimenlo 8,
a saber: eapello 1, medico 1, regente 1, dita i, bar -
beiro cuznheira 1, serventes 2.
Aivertencia.
Foram recolhidos este mez neste hospital, o*
enfermos seguintes : Manoel Paz dus Anjos, pardo,
solteiro, no dia 23, e Angela Francisca de Barros,
pai da; solteira, no dia 25.
O" mordomo do mez,
Antonio Ramot.
. O regente,
Dtniz Ignacio i*, ios Sanios.
Movrraento do hospicio de alienados na Mi-
sericordia de Olinda, do ao ultimo de julho de
1870.
Exisriam 29 homens e 45 mulheres> entraran) 3
homens e 3 muflieres, morreram 2 homens e 1
mulher, existem 30 homens e 47 muflieres.To-
ril 77.
Existem 10 empregados neste estafceteermeJto, 7
hemens e 3 muflieres, sendo: 1 regente, 1 medico.
1 eapellao, porteiro e sachristao 1; 2 enferraeiros,
1 barbeiro, 2 enfermeirae e 1 cosinhewa.
Ftii visitado o mesmo estabelecimemo pelo res-
peciivo medico o Sr. Dr. Ignacio Firmo Xavier,
nos dias : 2, 8, 12, 19, 25, 28 e 30, as 10, 10 1/2,
11,11 1/2 e 12 horas da manba.
Advertencia.
Entraram :
No dia 8, um homem de nome Benedicto Jos
de Mello, preto, solteiro, com 25 annes de idade,
natural desta provincia.
No dia 10, um hornera de nome Antonio Diogo,
branca, solteiro, natural do Rio-Grande do Norte,
com 40 annos de idade; o qual morrea no dia 12
de oJeeras trangrenadas.
No dia 23, um hornero de nome Luja Bernardo
da Suva, pardo, solteiro, com 30 annos de idade e
natural desta provincia.
No dia 1*, urna mnlher de nome- Ktenieotina.
branca, solteira, com 25 annos de idade, natural
da freguezia da Boa-Vista.
No lia 8, urna mnlher de nome Ftoncisca Rita,
parda, solteira, com 30>annos de idale e natural
do Herile.
No dia 29, urna mnlher de nome Mergclina de
Mello Azedo Ramos, branca, casada, com 25 annos
de idnde e natural da provincia da Parahyba.
Morreram :
No dia 13. urna mnihor de nome Ifraneisea Leo-
poldina da Fonseca Guiraares, branca, solteira,
com 35 annos de idade, natural do-Rki-Furmoso,
de pntysica pulmonar, e entrou para este estabe-
lecimento no dia 29 de agosto de 1868.
No dia 14, um hornera de nome Camillo Bezerra
Garateante, pardo, solteiro, uom 46.annos ue ida-
de, natural do Recite, de phlysica palmonar, e
entrou para este estabelecimento no dia 18 de
fevereiro de 1864.
Existem neste estabelecimento, 77 alienados, 73
a cusa da caridade e4 que pagam a casa.
Hospicio de alienados em Olinda, 1* de agosto
de 1870:
O mordomo de mez,
J. J. nlunes.
O regente,
Luiz do Reg Barros -
LOTERA.A que se acha venda a 155',
beneficio da Santa Casa da Mseriordia, a qual
corre-hoje.
CEMITE i 10 PUBLICO.Obituario do dia 4 de
agosto de 1870.
Jos Antonio de Oliveira, branco, IVrnambnco,
94 annos, casado, Boavista hemeplegia.
Lourenco Lopes daFonceca, pardo, Ivrnamhu-
co, 40 anuos,, solteiro, Boavista, hospital Pedro II;
entorile chronica.
Joseplia, branca, Peraambuco, 44 annos casada
Boavista, hospital IVJro II; fu-bre maligna.
Loyol Hep Kenges, pardo, America, ."i'.l anoos
solteiro, Boavista, hospital Pedro 11; delatecj no
crneo.
Franjena, preta, Pernambnco, 26 annos, sol-
teira, Boavista, hospilal Pedro II; tubrculos pul-
monares.
Laurentino Texeira dos Santos, branco, Per-
nambuca, 60 anuos, casado, Sanio Amonio, casa de
deleuco ; inflamaco na bexiga.
Faustino, preto escravo,'Pernambuco, .'6 annos,
solteiro, Boavista; anemia.
Maria da Concreto, parda, Pernambueo, f an-
nos solteira, Recife ; phiy-ica pulmonar.
Elimlerio, escravo, preto, Pernambueo, 40 an-
nos, solteiro, S. Jos ; catarro pulmonar.
CHRONICA JUBICIARIA.
TRIBI'.VIL I 1 HU. 1C.'.IO.
SESSO EM f DE AGOSTO DE 1870
RESIDENCIA DO BXM. SR. CONSELHBIRO CAXTAIfO
SANTIAGO.
Secretario Dr. Virgilio Colho.
As 10 horas da manba, prsenles os Srs. desern-
oargadores Gitiraaa, Lourenco Santiago, Alraeidat
Albuquarque, Motte, Dominguee da Silva e Regtiei-
ra .Costa, fallando cora causa os Srs. desembarga-
dores Guerra procurador da cora, Doria e Souza
Leo, abno-se a sessao. .
Passados os- feitos, deram-se os seguintes jura-
mentos : ._
Agoravos. e petiqao. Aggravaate, a santa
Casa da Misericordia; aggravado, o juizoitelatur
oSr desembargador Lourenco Santiago, sorteados
os Srs. desembargadores Giliranae Domingo** da
Silva.Deram provimento. Aggravante, Jos An-
tenio Guiraares; aggravado, o jaizo.Relator o
Sr desembargador Almeida Alnuquerque, sortea-
dos os Srs. desarabargaiores Doraiogues da SHva
e Regueira Costa.Negaram provimento.
PASSAGENS.
DoSr. desembargador Gitirana ad Sr, desembar-
gador Lourenco Santiago, Appellacoes crimes:
appellante, ojoizo; sppellado Jos Paolino de
Mello.Appellante, Francisco David Gomes de Sa:
appellado, o jaizo.
Do Sr. desembargador Lourenco Santiago, ao
Sr. desembargador Almeida Albuquerque. Ap-
pellaco crime : appellante, Joaquira Ferreira de
MeHo; appellada, a jostica. Appellacao ewel:
appellaote, AntonioVa da Costa; appellado, Fran-
cisco Ignacio da Cesta.
Do Sr. desembargador Almeida Albuqnerque ao
5r. desembargador Motta.- Appellac.oesfreis: ap-
pellanie. Joao Quilherme de Mello; apianado. Ti-
burcio YafetWBo Baptsta. Appellantes D. Caroli-
na Mara, da Conceico e outros; appellalo?, o
herdeiros do baro d'Atalaya.
Do Sr. desembargador Motta ao 8r. desembarga-
dor' Doria.Appellaces civeis: appellante, Lou-
renco Jos Peres; appell ido, Luil Gontaga de Seij-
,
B
I



Diario de Fernanibuco Sabbado & de Agosto de 1870.
aa.
Sr. deseo
tro
Ju'Uoi
3S6IR SOIUCI
i; appella<
OIU AB "
servir po:
i npo muito superior ao necessario para a
Do Sr. dwemlwrsador P.cguolra Costo ao
descmbargador Souza Leio.-Appella^at r;
amellante, Jtw ravarea de Azeved.0,: 1MSa<
Anio.it.> Hodri&ues ,la Costa.
Assignoa-se da para jtP'ineit0 dos gegutoes
(rilado, k* C. d-u eneiw! Apiwllaoli; o hfto
appeHaJi>,Sa^}.ro> weraVl) j^peHaute; LdfeFran-
c .eir; appeUad -***^5Iac,5ks uvais.Appcllante, Balthazar Lo-
fes deSouxa; appelUdo, Francisco Cordeiro da
Cruz. Appellante, HoJrgo Antonio Brnslleiro Ma
Ket); appellado, Macario da Costa Moracs.
Dojuew:ia croa..Ao Sr. desembargader pro-
motor da Justina: appellante, Joo Joaquim Mon-
leiro; apocllada, a Justina.
Aj meto-dia cocorrou-se a sessao.
CMARA MUNICIPAL.
*, SESSAO ORDINARIA AOS 18 DE HJLHO
DB 1870.
PKGSIDRNCIA BO SR. DR. COSTA JNIOR.
Presentes os Sr. Dr. Lobo Moscoso, Gameiro,
Costa Moreira e Dr. I'itanga, ibrio-se a sessao, foi
Itila e approvada a acta da antecedente.
Leu-sa o seguinte
EXPEDIENTE.
Um cilicio do secretario ila presMeneia.-de 14 do
correte, cemmoqlcando deordem de S. Ex?, para
seu conhecimento, qoe oe>ta nata e em vista de
oVu na petic.io do engr-mViro civil Dr. Gustavo
Wurbaio o "seguinte ilespacho: Pagando osnp-
(tirenle acamara municipal dwta cdada o impos-
to devido e a>si:n.tiido na reparticio das obras
publicas o respectivo termo de respensabdrda-
de. lnt tuda.
Outro do contador, eo.umunirando qae a quota
vduda no 14o do art. da le n. 01, desuada
para as despeas evenhtaes, arliae esgotodn, e
senlo de lece-aidada ooiinuacii das despezas
temoro, rega .i cama a que se digne providen
ciar.-Marcou-se 1:000*. offlciando-se a S. Exc.
para au!on-ar ma despeza.
Outro do engeiheiro cordeador informando o
requerunonto do Custodio Jos Vianna, no qaal
ji'-ile licenca para c, ustruir urna solea na casa
n. .'io da ra do Pilar.C ncedeu-se.
Outro do me-uno engenneiro, informando favo-
ravelm-rnte tabre o reqaeriOMmto deDiogn Augus-
to dos ateta, rio qaal pede licenca para azer janel
las das ditas ponas da casa n. 175 da ra linpe
ri.il. -Concedeu-se.
Ouiro do mesmo, respondendo aos quatro qusi-
Ihs (ropostos pelo aovogado, relativamente i>re-
lenco de Ant nio Piulo d Barros.Ao advo
Outro do mesmo, informando favoravelmente
slice n reqoerlmento d< eompanbia Pernamrmea-
lia, no ijiial |.Hde licenca para murar n rm terrena
sit.i na ra do raes do Mrquez do Hf rval. Man-
du-se coraVar.
Outro do rrlesmo, informando favoravelmente h
re inerimento de Smeo Pereira de Castro.noqual
peda licecca ji.iiu construir urna casa de taipa no
(mVoaio do Eflcanamento do Pc j da Panel laCon-
cedea-sc.
F.ii approvad > um parar* da commisao de po
li-ia s ifire a petiyao de Vicente Jos do (Hiveira.
peilindo urna ra| leacan por excesso de trabalho.
A <-oiu his-au (; de parecer que seja indeferida a
O Sr. Dr. Pit.nga fez o seguinte re^ue-
rimeiito que posto votos fui approvado :
* Requelrn que se facam comprar livroa de qoe
tr.iu o art. 77 do regulamento do esmileno, eque
estes Cllteilll.lll todo' os liizeres precisos ..lio de
qne-epossa prueader cscriptui.cao de ma-
ueira a preveuir os inconveniules conhecidoe'.
P.ic i da cmara mnnic pal do llecifo 2 de marojo
de'1870 Dr. Pitonga.
O Sr. G.meiro fez taialien o seguinte requeri-
mentip que posto votos f ii approvado.
Raquetro que a commissao enca;regada dos
neg^ios d > cemiterio publico, examine e da es
criptar cid do mesmo se poda tirar qualquer du-
vidapela imnieiMcaj das.sepulturas onde se acham
intiuniadns os eadaveresj c no caso contrario, in-
dique i meto mais conveniente a adopUr-se, e qae
l'i:ili:o prompto (onhecimento.
Sala da* ses-oes, 93 de jar,h>de 1870. O
vereador Josa-Mara Freir Gameta
. Fol igualmente apreaentade um reqnerimanlo do
ir. Dr. Aquino :
t U-queiio que se f.iei cumprir pontualinente
0 que deierniina o art Io do lit. 4o das posturas
mnnicipaes de 30 de junho de 1849, que nao
cnao o ijiie (li-|M> o 9o do art 66 da lii do Io
> oi.liiliro de lt-8, almi de nia'.vremse e esquartajaratn en quintaes v.
|>atioa p.sieriores de aev ugue?, poreos, carneirosc
cal .ra.
n S.ila das ses oes 2 de mire) de 1870.Dr.
Anniu i Fooreca.
P.isto a votos nao foi ai>provado.
O Sr. Dr. Moscos> propoz a seguate poslura ad-
dicii nal :
Fica de-de ja prohibida a fumlacao do esta-
beici'iineiiUis de caldeiraria, fundida'de ferro ou
de metaes de qnalqurr qoalidade que sejam, ru
nulros que trabalhem coni carvo de ferro, ou
prudtuam graade fu'iiaca, em lugares que nao se-
jm da uta do Urum pa'radianle da fundir di>
l.i.wo.'i.n, Santo Am.ro adiarte da ultima casa da
mesini ra na Irente do rio Capibar.be, na Im
i*erial, adrante do ediScio onde foi fabrica de sa-
bao. A* fabrica* ou estabelecimentos s tal na
t r.za r.etualmefite existentes, logo que por qaal
q.jer motive dexem de existir.no p "I rao-ser re-
novadas no mesmo lugar e sim nos lugares nesta
|.o-tu a designados. Post. a votos foi appro-
vad >.
D-spichanm -e as pet"ro.is da Companha Per-
namboeana, Domingos Js Marques, fia vio Fer-
rera Clito, Germano Jos de, Farias, Heitir &
Sampaio, brigadeiro Joaqoim Bernardo de Figuei-
i.-do, Joo Gonoalves Ferreira e Silva, Jos Car-
neto de Meilein.s c outros, Luiz Cafrane, Manoel
1 < d s Santos, Manoel da Costa Az^vedoNapoleo,
Manoel Coelho Pinheiro, Siraeo Pereira de Castro,
S'gi-uiundo da Costa Mello, Trr.jano Jos Pereira,
Vicente Ferreira Audriz; e levanta-se a sessao.
Bu Lourenc) tezerra Orneiro da Canha secre-
tario snliscrevi.
liento .lose da Costa Jnior, pro presidente
Ignuco Pesson da Silvn, Caetnno Cyrtaco da Costa
Mnrrira, Jos Mura Freir Gameiro, Dr. Pedro de
AthayJe b>bo Matcoso, Dr. Prxedes Gomes Souz*
Pilonga.
PSLCACOES A PEMDO.
O Liberal ncorregiyel; nao trepida ante a ver-
dade : Quem lea a correspondencia que ha pou-
eos dias o Sr. major Marcionilio da Silveira Lros
fi-z publicar sob sua asiignatura neste Diario, ex-
plicando o facto que servir ao Liberal de objecto
de accusacSo, (cara certmente pasmo antea re-
plica com que apparece o iteraf'de huje.
Fieoii eniao prorado'pnr documento publico, qqe
o major MarcioDijIo Do comprara o pret'o Antonio
sim heranea. cabe do-lhe em partilha os sert'-
r i% do mesmo preto pelo resto do lempo designa-
do pela testadora qoe o libertara. Bastara esse
simples facto para que o espirito o mais prevenido
rcpellisse a idea de baver re>lac;o de pssda livre
a escravdao, tanlo mais sendo ci rio, cj;no licou
explicado, que nao como escravo, mas como obri-
gado a prestacao de sorvicos est o dito preto no
engenho do Sr. Marcioniflo..
Entretanto o Liberal, refractarlo a verdade e
somente dominado de mesquinho espirito de oppo
sirao insiste em .ua afcensaQo.
O que pois dizer a qrffern n|0 so quer conven-
cer ? F^fizoiente o Sr. aareioiiill) nao escxeV
para o Liberal e >rr. Dar o publico que recebeu
a sua explicacJo como precedente e satislatoria.
Todava como amigo do Sr. Marcionillo diremos
duas palavras
So entre os proprios jurisconsultos do paiz ba
rgencia s-bfe puderem ser ou naii_ ir.osferi-
.ibertado com a clau-
i de p in que euiquanlo uo prehencliida a cund
. sb-
m sna
ser ca-
fa-n-
'
; nada aproveila ao Ltbtral, a clausula do
Nio sabenio) nem cumpre endagar,
do Paes Brrelo deu ou nao educado ao pr
na idade porui em que este, por forea da semen-
i;a da p-irtilha. fol para o engenho do Sr. More
bao eslava certmente em cendicoes de ob-
incacio, pois esta nao e dada quem tam
30 annos de idade, se falta hoove, pois, tiaveaha'-se
o Liberal,
com
rejo.
a alma do finado Paes Bar-
0 jiberat, nao recuando, proenra tirar partido
dizeodo ser o Sr. MareiouiW suodelegado da fre
goezia da Escada, qoando tal nao ha ; apenas
sexto snpplente qae nem juramentado est e nem
per tanto jamis rateve em exercteo.
(Continu embora o Liberal em sua ingloria
missio, o publico j conhece a ciicuiaslaocia do
fado, e aquilata os motivos qae deteminam a
pertinacia do Liberal.
Nao sabemos se o Sr. Marcionillo o mais falla
do dos dignos filhos do Sr. barao de Utinga, como
diz o Liberal; mas se em sua correspondencia
aprese.nli'u se empatado, dea com isto prova de
que sabe pregar sen nome e o bom caaceto que
gosa entre seus conciJados^ elle na verdadefles
tmido, mai< s para dizer a verdade ereagir con-
tra adversarios, que nem ae menos tem a coragem
de seiis tettis pata assumir a responsadiidade do
qae fazem escrever.
Um amigo.
Senhores Bedaetores.Tendo VV. SS. em sua
Revista Staria de hoje declarado que virara a li-
cenca c m que o Sr. Francisco Jos d Costa
Araujo c pre.lio.pr limo ao hospital portugus, e que essa
iieenc se acha em ordem, sendo porlamo iujusta
a pessoa que Ibes envou a noticia que deram an-
t-t-bonVn a respeito, tsperamos que VV. SS. dem
lugar'em seu coaceituailo Diario seguinte recli-
fieacSo, quo inostra qhe nao merecemos a pecha
Je io}h-1os, que nos lacada.
Ignorramos que o Sf. Gusta Aracjo tivesse a
iiecessa-ha licenca ; mas aau foi esso o ponto prin-
cipal de nossa communicayi). O que quizamos
[Or em relevo fol que existe urna tei provincial
quefridjihe a reedificaelo (trati-se de urna ver-
(lailerra reedilicac^) de prilios fra do alinlia-
menM,e que essajei est sendo claramente iraus-
gredda em rcla Quem r a estrada do Cajueiro nio poder dei-
rar de notar a dosformidade em que Oca dita es-
trada por causa de tal reedificaco
Contiaaamos a entender que a le* que nos
referimos, absoluta como em seas termos, e ten-
do por alvo o a)rftioseau.eoto da cidade, nao
pode de modo algum, e sob qualqner pretexto
que reja, por mais forte que este paraca, autorisar
uma reidilicaco quo tanto prejudlca aquillo, qua
essa lei teve em vista promover.
Da illustrissirua cmara municipal p?nde recla-
maco em forma este respeito; e pnis em bem
da 'verdade pedimos a,W. SS. a in=erao da pre-
sente roctiflcacao em seu Diario, com o que mulo
obngarao aos seus constantes leitores
Os prejudicados.
PREJUDICA AOS BONS QUEM POPA AOSMOS
Sent. de P. Syrus.
AO A. n. S. DE PEORAS DB FOCO E UM DOS ESCRU'TO-
BKS DO LIIIEBAL.
Geme'u de dor a natureza. quanio
Cousummou-se o crine d-.- Israel na cruz
Mas em solutas pranleou griando
O fado horrendo de te ver a luz.
Animal replenlo o. refalsado,
Lava de algum vulcao de lama podro
NaseoMe p'ara desgraca da espedo
Bpede na forma pe a raca bode
Hatonei o, atrevido e petulante
Chteanisti, inso'entee trapacero,
S vives as mizerias de teus actos
Sondando os meios de lia ver dinhiiro.
A honra tu detestas, d'sgracado I
A teus olhos s luz o vicio (horror I)
Nao descobres entre os homens um igual
Em acqoos, na forma,no sentir, na cor.'
por nada disso, como diz A. B. S.; mal
somente fiorqoe na camera de ltamb e r
neio tem-se relaeckmado mal
e psnencem ao partido con-
libcraes. e fagido alias do
coataoto imaruudo de certos Mertes da moda,
cujos nomea j tcm sida por vezns denantadm em
a para se
lenfrioju qae l% vota um,
^^^^Bcestes ao par
a algo mas contrariedades
aro surtr es advogadoi
jo patrocinio doeanaas ma o oatra.-
^ze^ sio devidas as ercurasttneiaa de
ltamb, 2 de agosto de 1870.
T. E. F. C. B.
5teii#io
Rapazes do certa ra
Fazem venda por marlello,
D'ara calXelr namorado
Chamado Siri Donzelln.
O rapaz conhecido ;
Vende botas e chnelo ;
Quem passa na ponto diz-lhe
Hom dia Siri Donzello.'
Quando princijiavamos gosar da paz e *egu-
ran^a individual, foi quando por ordem do Dr.
chefe de polica, foi mandado retirar dttStt povoa-
do, o alferes Apolinario Luiz de Carvalho com lodo
seu destacamento.
Desde que esse offlcial aqui cliegoo, onlro ar
respiravamos, j nao se encontravam as facas de
pomas, as pistolas, os bacartnries, os sambas que
tanto enneorriam para a perpetracao dos crmes,
os jngos prohibidos, ludo tinha desappareiydo. e
s, como j dissemos, a paz e a segur inca indvi-
duf I reinava, devida actividade e zelo desse offl-
cial. A disciplina e conducta das praxis do des-
tacamento sob o commando desse official digna
de elogio, sohresahmdo a do sargento graduado
Jsame Gon;alves de Azrvedo. E' p is bera sen-
svel a retirada dts*e offlcial com seu destacamen-
to que tonto bem nos troxe: paciencia, voltarem s
para o estado assusiador das f^cas e rcete ,
ele. etc., a pesar dos b msdespjos do actual snb-
di legado o Sr. capillo Austriclino de S Barreto,
roa', que morando distante deste povoado duas
leguas e sem forca, pouco poder fazer.
Pvoado dos Montes, 3 de agosto de 1870.
O amigo da ordem.
It-mlj 31 .1 jul o de I890
Senhores redactores.Profundo sentimento cau-
sou em nos-o espirito a tPitura de uma correspon-
da publicada no Liberal n. 183 de 21 de junho
ultimo, na qul sob as iniciaes A. B. S. m indi-
viduo, assaca pessoa do pr. Meuelo dos Santos
da Fonctca Lins, julz Municipal e de orphaos de
ltamb, injuriase calumnias sem o menor respei-
to as leis constituidas.
Contra tao hedionda correspondencia tem se ma-
nifestado uniformemente todos aquellos que o co-
nhecem e tem lido occasio de apreciar seu nobre
caracier; mas nao sendo elle por todos conhecido
e muito menos o seu detrietor, nos deliberamos a
vir a imprensa manifestar a nossa j sta indigna-
cao contra o autor daqujlle acervo de injuriase
calumnus ; o qual qnem quer qoe sja, nao passa
de um infame, lo despresivel e covarde que nem
se quer teve coragem de publicar o seu nome.
com receio talvftz de eahir no ridiculo e ser para
sferapre votado ao despresc de que merecedor.
Na verdade a nao terem os desaffectos do Dr.
Menelo encontrado um testo de ferro na pessoa
de A. B. S., nos inclinamos a crer qae ate hoj-4
anda nao teria sde mordido to arrmente a re-
pntacio de lio integro juiz; porquando fui elle
sempre lido por um moco distindo, probo, delica-
do e verdaderamente digno da mais fina estima e
alta considera^ao, pdrrnie tem procurado sempre
cumprir fielmente os seas dveres, tratando bem a
todos os seus jorisdiccionados, e fazendo justica a
todo sem distinecao.
Ora, sendo ass-m, qual sera a razan que toroou
hydr ipbobico a A. B. S. (qneremos dizer o verda-
diro autor da referida correspondencia), a ponto
de morder tao acre e injustamente a reputaci^
d'eale juiz 1
Nao foi porque tivesse elle recebidn ama a pael-
la cao fra dopraso legal, em yez de julga-la de-
serta e nio seguida, como fez ba poucos mezes,
um juiz nosso conhecido e amigo de A. B. S. para
satis fazer as exigencias deste que tinha para me-
dianeiro um certo escrivao sem consciencia, que
mais de uma vez tem perjurado escandalosamente ;
nem porque em lempo algum. houve como ajuelle celebrrimo juiz municipal de Sou-
za, h> los h ihiianti-s de ltamb e" do
Pilar, donde j tor de honrada (ama...
e mudo n iue tivesse prevaricado e
aqnelle que outr'ora ua cidade do Reiife '
lo bem issncar... e Boje leva
grande parte do lempo, que devia gisUY nos ne-
noeio* da just. ;o tempo parausad.s< em
observar leu trab'alhadores e as
lavcuras de seus robado.
prr-j I rm tra,
melhaate detaaafl
re
que gl
que *l
quenL.
occasma.
Estaas entretanto certo. da que, so por ventu-
ra o Dr. Menelo procurasse satrslazer em tudo a
ventada caprichosa daqu> He advogaios sem at
tender os principios de duetto a os ditames da ra
o, e tivesse tido a fraquoza da deelarar-se liberal
para favonear <- interesse-s polticos deste parlid'j,
seri sem duvlda muilo estimado o elogiado par
A. B. S. e seas comparcas, como j o foi a prinei
pi, antes da entreter retocos de amisadu cem
alguns conse vadores distmetos da comarca.
Hoje, porm, como j perdern a esfertica de
contar cem elle em negocios polticos, per ser um
juta que sabe raanter-se dignamente na altara de
sea nobre cargo, e porque Ibes parece ler-se eHe
declarada eonservadwr;-cahiu no desagrado de
alguns liberaes frenticos qae arrogando a si o
honroso titulo de cnefes lo mmaw parjide libe-
ral, querem ludo conseginr a. >eu talante: e.
como as vr-zes sao contrariados em saas- preten-
es injustas e nao podem d'outra serle vinga- se
do mesmo juiz, procurara ofleiide lo aun injurias
e calumnias mpressas.
Entretanto ruelhor seria que esse liberaes da
moda se lembrassera de <|ue nanea foi erirae o
maaifisi ir-se alguem conservador ou liberal,
conforme Ihe apraz, e qae, se ha numen- que me
re^ain em puiti^io de seu*> aclos o eterno despre
so do povo, devum ser aquellos que, a imiuciio do
juiz de direito do Pilar teudo certos uompromssos
com a poltica, conservadora, a deixaram para
adherir uma aova poltica excntrica denominada
Liga; queremlo hoje er lidos por liberaes Obi
que liberaioes t!
Coovera, pois, observar que o hydrophobico A.
B. S., verdadeiro autor daquella correspondencia,
nao ousa+ia a atacar tao furiosamente a reuuta-
oo do Dr. Menelo, se nao fosse aculado por al-
gum dos vis inimigoj deste ; prr quanto s o odio
seria capaz de sugerir no espirito de A. B. S. tan
ta maledicencia ; visto como no entender de padre
Vieira, e-ia'piixao le.n a propriedade de mudar
apparentemente as qualidades das cousas, de sor-
te que, para os olho* que vem com odia, cysne
parece negro, b o anjo parece feio.
Quem pois, sem amor nem odio apreciar devi
dam nte a pessoa do Sr. Menelo, quer como par-
ticular, quer como jot, ver que elle tem qualida-
des muito diversas das que he altribueA. B. S.;
o fleir entao certo de que, se neste mundo anda
ha jnize8 que saibam sacrificar os sentmenlos de
am sade na ara da justica, uuidestts o Dr. Mene-
lo; porquanlo, no acto de proferir seus despa-
chos e sentencas, nao cocuma favorecer os ami-
gos em detrimento da parte contraria; faz antes
desear a espada da justica core igualdade sem at
tender as qualidades pessor.es dos litigantes, ou de
sena advogados, mas somente do direito de cada
un; viudo assimmuitas vezes a proferir semen-
Eias contra amigos dedicados como o tem feito con-
ra alguns constiiuinies nossos; mas apesar disso
aioda nao abrimos a nocca para offenJc-lo.
Com o exposio uao queremos oadeosar o Dr.
Menelo que, com quanto seja dolado de excel
lentes 'lualidades e proceda sempre com pureza de
iutenses, homem o deve pardlJiar das fraquezas
da huinanidade ; mas, se defeilos lem, quem se
julgbr innocente e puro Ihe tonco publicamente a
primeira podra ; pois estamos dispostosa tirar a
trave dos olhos daquelles que procurara ver nos
olhos dalle algum alguero impe.rceptivel. I
Em coneluso cumpre nos ponderar a A. B. S.
que desde o principio nos preparamos para mos-
trar exuberantemente a falsidade de snas proposi-
coes calumniosas: o que deixamos agor^ de o fa-
zer individualmente, porque, no Diario n. 161 de
20 de crrente mez, o mesmo Dr. Menelo o fez
onveniente ficando A. B. S. sciente de que eaflp
brevidade receber a revompinsa merecida pelos
seus f,.tos, se dignar-se publicar o seu nome nes-
te jornal, (que nos merece rtais crdito) assu-
uiindo a responsabilidade de todo quanto rrferio
em sua correspondencia.
Tenius concluido, pagando assm uma divida de
honra: e q provavel que anda voitemqsi ira-
prensa.
.VitE'mittKino Jos dtlnojosa Varejao.
Os abaixos assignadi.is raulher, filho?,
genro, irmSos, e cnnharlo do finado' tei.ente
coronel JftriDQO Xavier Carneiro da Cunha
veem possuid s de profundo sentimjDl). de
ratid5) render ) reito de reconheciment
o Illra. Sr. commondador Antonio Gomes
de Miranda Leal, e a sua Exma. familia, pe-
Us devotoes de amisade vedadeira e ex-
tremosa prestadas ao esp'zo, pai, sogro.
irmo e ciuih'ic'o dos mesmos, durante sua
penosa enfeimidade.
Oomprehendem os mesmos abaix sassig-
nados, que por tal mo-lo rompem o veo da
modestia das virtudes de que o mesmo Illm
Sr. commendador e sua boorada e estima-
ve I familia dorara no equvocos e desinte-
ressads testetmmhos; mas forca tambem
i'ODsentir, tenham expanso os transbordos
deciraces ^uesabem experimentare apre-
ciar todos os prazeres da gratido.
Recife, 2 de agos o de 1870.
rsula de Siqmira C. da Cnnha.
Joo Surera Carneiro da Cunha,
Delphina Tertuliana C. da Cunha.
Jos Marianno Carneiro da Cunha.
Por si e 3or s^us irm5os menores.
Maria Honoria Pinto -de Souza.
Jos Julio R. Pinto de Souza.
Arma Hmorata Carneiro da Cunha
Francisco Joo Carneiro da Cunha
Coriolano Vellozo da S'lveira.
importadlo.
'-
mnifest
^^^^^^^^^^^^^^Bnlvora,
52 .aoseb-
signa tao?.
io toneladas de ierro em barr.v 10,000 t olios
a orde
ttBSa.r'.V:-.:- ws
'm-.i-lMlkr
JISDL'UW PR0VMICaI""*C_="-
m9D dem do atS .... 1-.786M8
20:3Wnoy
MOVIMENTO DO PORTO.
No dia 6 nao.houveram entradas nem sahi'das.
Appareda ao norte uma escuna.
EBITAES.
Faca constar a quem convier qns o Exm. Sr.
conselberro director geral interinn, tem designado
o did 19 do crrenle, pe s 10 horas da raanhaa,
para ter lugar nesta secreiaria o osneurso s c,a-
deiras vagas de instrncc>> primaria do sexo fe-
raenioo'de N. S. do O' di Ipnjuca, Pesqueira. Ta-
caraui, V5fla Bella, Granito, Ouricury e Salgueiro,
e bem assim as ltimamente creadas, e para as
quaes foi designada a respectiva quota na lei do
ornamento vigente, e' sao as seguinle* : Sanhar,
Ganbotinl, Olho d'Agua dos Bredos, Torre, (%
brob e Pelrolina.
A senhoras qpe quizerem oppor-se s ditas o-
deiras devero habitar-?e e inscrever-se nesta
secretaria na forma das insiruccoes de 11 de ju-
nho de 1859 at o dia 18.
Secretaria da in-t.ucgo publica de Pernamtiu-
cj 4 de agosto de 1870.
O secretorio,
______Aoreliano Augusto Pereira de Garvalho.
O iospedor interino da alfandega faz publico
que o leil&i das pedras annunciado para hoje, e
qae por falta do licitantes deix >u de ser efectua-
do, flea transferido para tenja-feira 0 do crrente.
Alfandega de Pernambuco 5 de ag)sto de 1870
O inspector interino,
Luiz de Carvalho Paes de Andrade.
BECLAtACOES.
Juzd dos fcito^dafazenda
De ordem do Illm. Sr. Dr. juiz dos feitos da fa
zeodadesta provincia, face saber todos os arre-
matantes dos bens do extinelo vinculo de ltamb
e bem assim seus ladores, que deniro do praso
de 13 das, a contar da data deste, e sob as penas
da lei, deverv corapare:er por si ou por seus pro-
curadores na thesouraria de fazenda ; aquellos
que arrema la ram vista para r> c ilhorem aos co-
fres na mesma thesouraria em dinheirode contado
o respectivo preco, e aquelles que arremataron
praso, e seus Madores para assignarem as letras,
que Recife 26 de julho de 1870.
O escrivao,
Luiz Fanfiseo Rarreio do Almeida.
ln p cqao do arsenal de
marinh.
Faz-se publico que a commissao de peritos exa-
minando na forma determinaba no regulamento
annexo ao decreto n. 13i de 5 de fevereiro de
!8oi, os ciscos, machinas, caldeiras, apparelbos,
inastre.iros. vclames, amarras e ancoras dos va-
pores Parahyba da companha Perna.obocana de
navegar) costera, Cam pmhia "Vigilante de reboque, achou todos esses
objertos em e-todo de poderem os vapores con-
tinuar no servido cm quj se empregam.
Inspeccao do arsenal de irarraha de Pernambu-
co 3 de agosto de 1870.
O. inspector,
H. A. Barbosa de Almeja.
Tribunal do commercio.
Por esta secretaria se faz publico que flcam ar-
chivados competenleiiif nte:
O tontrato de sociedale de Joao Antonio Velloso
e Mariano Jacintno dos Sanios, eslahelecidos nesto
cidade com negocio de padaria, sob a firma de
lia Antonio Velloso & C, e o captol de........
ft 001 730.
O cuntalo de dissolue.ao da snc edade de Joa-
quim de Sonza Maia e Jnaquim de Oliveira Maia,
cujo pra-o linK'Uj fleando ^ activo e pa-sivo
carg do ex-?i ci Joarraim de Souza Maia, e o ex-
solu Oliveira Maia pago do sen capital e losres.
O dlstrato da sociedade de Jos Juaquim Con-
nives Bastos e Joao An onio da Silva, que gyron
sob a firma de Bastos & C, retirando-se o socio
Bastos eran o sen capital e lucros.
O cdntrato de Jos Joaqun) Goncalves Bastos,
Jos Ant .nio da Silva Bastos e Antonio Mariins
Moreira, eslahelecidos nesta c lade com casa de
comme'cio .de faz ndas e roupas fei'as sob a firma
de Bastos & Martins, e o capital de 37rOOO000.
E que ftctm registradas a escriptura de contra-
to ante-nupcial de Jbo de Aquino Fonoeca e D.
Maria Eugenia da Silva, c im a cmdicao de nao
entrarem em cnmmunho tanto o dote desta no
valor de 8:000000 como os bens que adquenr na
constancia do matrimonio ; e a de dote por adan-
tomento de legitima, no valor de 20:0:>OO 0 feita
pele commendador Themaz de Aquino Foneeca
sen ftlbo dfto Joao de Aquino Fonsecar.
Secretaria do tribunal do commercio ie Per-
nambuco, 2 de agosto de 1870.
O offl'-ial-maior
Julio Guimaraes.
Snl*Kem VW*r*o "ls UOOO pela pssa-
*B voha no tro: a nonte na estacao
da SoJcd. uumero de pessoas
bastante p oceupar o trem, sera resu-
rtida a importaneia da passagom quelles que a
houverem pago.
CIRCO
PTIlHi9lffiS.lSiffil
COMPAlvHIA
EOL'ESWI GYMASTfCA E ACROBTICA
SOB A DIREC&AO
DI
D.Luz Casali.
Daos escolnitU fuACfeo
Araanha 7 do corrente.
QUE TERO LUGAR
Uraas* f|* di tarde,
Outra s 8 Ii2 da ooute, como de costme.
SOPPLICA.
Acbaodo-se as .paredes do circo n'um estado
lastimavel pelo destroc que .certo povo com as
raaos, e certos soldados oom as bayonetas lem
feito, estando s vezes mais de trnta pracas ven-
do os trabalhos e nem uma s se ensonira por
fra, poden Jo eada um abrir 09 boracos que qui
zar e arrancar as taboas que Ihe approuver, sup
plicamos a autoridade competente o favor de man-
dar fazer rondas era torno do circo, na occasio
de se exibirem os trabalhos, embora a compa-
nha pague essas rondas ; porque anda 00 do-
mingo passado, na occasio dos trabalhos, arran
caram tres taboas ao res do chao, por onde en
iraram algumas pessoas que presam ser bons.oa-
valheiros.
PROGRAMMA.
PRfMEIHA PARTE.
i.' Uma linda symphonia dirigida pelo maestro
Martins.
Io Novos exercicios equestres, pelo artista Vi-
cente.
3 Sorprendente volteio por Juanin, stbre o
cavalito.
4. Os dous anaos agigantados, divertido entre
mee.
5. Poscoes acadmicas, por Luiz e Anna, sobre
dous cavados.
6. O gymnastico Aldabo execotar o perigoso
salto do despenhadeiro, da altura de 4 mezas e 1
cadeira.
7. As posturas do ehaile, pela menina Joao-
nita.
Intervallo de 30 minutos.
SEGUNDA PAUTE.
1. Symphonia.
2. A percha annel, pelos equilibristas Tesari e
Vicente Casali.
3. Os drages francezes, scena joc oa, por Luiz
e Aberino.
4. 0 duplo trapesio, pelo artista Aldabo e Vi-
cente.
5. Fnalsando-se com urna aplaudida panto-
mima.
A mesma funceao se executor s 8 1|2 horas
da noule.
Camarotes cora 6 entradas........ I2J0O0
Cadeiras....................... 2*00l'
Cadeiras avulsas para senhora..... 2*000
Geraes.......................... 1*000
Os bilhetes de camarotes, cadeiras e platea"
vendem-se no mesmo circo.
COMPANHA pernambucviu
Navegado
per mp#\
, passageos ,
da taMs at>' esen
porto asi-
..5at
escriptorie da
O vapor Parakyb* s(
ma no dia 1; do correntg
Recebe encommendas.
a k at aa i horas da
Fon do Mata
COMt^iA1'kRalWbUGARA-----
u
lawegaci* caira por Tapar.
Fernando de Noronha.
O vapor landahu, coramanaate
Jo, aagair para o porto aciau
no da 1J do corrate ac meio dia.
Recebe carga at o dia 41,
encommendaa, passagaims e di-
nbeiro a freif ate as 10 botas do dra da sabida
no escriptorio do Forte do Mallos n. 11.
PAR\ 0 RIO GRANDE DO SflU
Segu com poucos das para o referido porta
o patacho nacional Palma, fallando ponca carea*
para completo do seu carregaraento. Qnem nelie
quizer canegar free, dinja-se a J*s Vietoriie-
de Rezende 4 C,. escriptorio ra da Cadeia nu-
mero 52.
Maranho
COMMERCIO.
PRACA DO RECIPE 8 DE AGOSTO
DE 1870.
aS 3 1/S HORAS 0A TAKDI
Cambio sobre Londres 90 d/v 82 5i 8 d. por
1*000.
Pelo presidente,
Mosquito Jnior.
Pelo secretarie,
A. P. de Lemos.
ENGLISHBNK
)f Rio de /aneiro Limited
Descoata tettras da prarja taxa a con
'enciooar.
Recebe dinheiro em conta correte hb
(raso fixo.
Saca vista ou a praso sobre as cidade.1
jrlnoipaes da Europa, tem correspondentei
aa Bhia, BaeDOB-Ayres, Montevideo, Nev
) NeW-Grieans, e emitte cartas de crdito
jara os mesmos lugares.
RA DO COMMERCIO N. 36-
ALTANDEGA.
Aendmento do dia 1 a 4 186:914*479
dan do da 5..... 17:203*262
204:117*741
MOVIMENTO DA ALFANDBGA
'olumes entrados cen Tazeadas 234
dem dem com gneros 471"
/oloraes sabidos com faxendas
dem idem com generes -

Descarregsnn bofe 6 de agesta,
Patacho inglr Brukmertadorbrs.
Barca wgleza Wittic offkt Feigauidtm
scuna norl9-alieMi'>-eMrjdem.
Lugar ioglez-Jtt/rVI Que*idetB.
Patacho americanoPrestpwnidem
Patacho norte-alfemib W)riliiii--|liB.
Brigue inglexJurbaealhao.
705
30
DA
MUITO APPLAUDIDA
ULTIMAMKNTK
CHEGADA DO RIO DE JANEIRO
IHPIIUL
FABRICA DE CERVEJA
3!"Ris de Gmeral Victorino-3
9abbado 7 de agoato.
ProgrartiTna PRIMEIRA PARTE.
i. I. Marcha do Courennement do Prephte de
Seyerbeer.
N. II. Ouvortura da opera Adelia de Doni-
zelli.
N. III. Potpourri da opera Freischulz de Ve-
er.
N. IV. Yaba da Estrella do Norte de Labi-
ttky.
SEGUNDA PARTE.
N. V. Oiivertura da opera As mulheres ale-
gres de Windser de N colaj.
N. VI. PotpoOrri dos Fantaseos de Strack.
N. VIL Doeto da ojien Anu Botonada Doti-
zet.
N. VIH. Rosa dos Alpes. Polka Maaorka de
Faust.
TERCE1RA PARTE.
N.' IX. Onvertnra da opera Lodaisca de Cbi
rubia.
N. X. Petpourrf da opera, Preciosa de Weber.
N. XI. Vrenade deSehnnert.
N.* XH P dpnurri da opera da grande Dachesse
de Gerolstoin de Offenbar.h
Nao se repetir pecas tocadas sonao no 6ra do
correar to.
Prin.-ipifr as 8 heras danoute; fim as It
|rf d noute.
O jafldtm ser brimanteraeote Iluminado gaz.
A entrada do jardim ser marcada por transpa-
rente e estrella i gaz.
Hivera briffettes de sorvetes e todas as onfir?
baaMkft
Preco de entrada i000 por cada pessoa.
Atteiie,
As pessoas do3 arrabaldes que quizerem assis-
AVISOS MARTIMOS.
Para Lisboa
A barca porlugueza Nooa hkirianna vai seguir
para Lisboa al 12 do corrente ; recebe carga a
freie a modiro preco, e p.vsageiro\ para o qne
tem bons commodoc : a tralar com Oliveira, Fi-
lhos & C, no largo do &rpo Santo n. 19, pnmei-
ro andar. _____________
COMPANHU BERNAMBLCANA
DB
'Vavega^So cosefra por vapor
Parahyba, Natal, Maco, Mossor", Ara-
caty, Cear, Maodah, Acarac e
Granja.
"i/lr* ^ vapor PiraPama commandan
':VlL_# Arevei, SPnir para os porloi aci-
aBaMB ma no dia 13 do corrente as 5hora
la tarde. Recebe carga at o dia 12, encom
nendas, e passageiros e dinheiro afreto at a*
2 horas da tarde do dia da sahida^uo escripto
rio do Forte do Matts n. 12.
E* esperada do Rio de Janeiro era poneos das a
barea pqrtuguoxa. Mario, que ira* ] atgoata car-
ga para o referido porto ; e darreBar5ta qne
para este onduzir. receber squt a qna for pes-
sivel obter para o Maranho, e eom pouea de-
ra : por isso quem de-ejar aproveitar esta boa
occasio de embarque, dirija se ao consignatario
Joaquim Jos Goncalves Bertrio, i ra do Co-
metcio n. 17.
COMPANHA PERNAMBUCANA
DI
\avega^o co(elra por vapor.
Mamaiigoape.
O vapor nacional Coruripe, commandante Sil-
va, seguir para Mamanguape no dia t2 do ear-
rente as 6 horas da tarde. Recebe csTga, encom-
mendas, passageiros e dinheiro a frete at as *
horas da tarde do da da sahida, no eserlptorra
da companha, Forte do Mattos n. 12.
Rut fie Jwiro
Pretende seguir para o referido porta com a
posivel brevidade o patacho Monteiro por ter per-
cao da enrga engajada ; e para a que Ihe Cito e
e-cravos a frete, trata se com o consignatario Joa-
qoim Jo- Goncalves Beltrao a roa do Commereie
u. 17.
pin:
Para o referido porto, pretenle seguir cora a-
po'fivel Itreviihnle a barca portugtre?a S. Jen,
por ter j preao da earga, e para a qoe Ihe falto
a frete oommodo, trata-se com o consignatario
Joaqnim Jos GTmealves Beltrao : a ra do Com-
mercio n. 17.
LEELOES.
CUMIA BMSIU1M
DE
Paquetes a vapor.
Dos porto* do norte esperado
at o dia 8 do corrento o vapor
Tccantins, commandanle J. M
F. I'ranco, 9 qnal depois da de-
mora oo costume seguir para o
do sul.
Desde j recebem-se passageiros e engaja-se
;arga que o vapor poder conduzir, a qual deven
ter embarcada no da de sua chegada. Encommen
las e dinheiro a frete at as 2 horas do dia da su.-
iahida.
Nao se recebem como encommendas senio ob
jectos de pequeo valor eque no-excedam a dna
arrobas de poso ou 9 palmos cbicos de medct
fudo que passar destes limites dever ser embar
ado como carga.
Previne-se aos senhores passageiros que sua-
pas>apens s se recebem na agencia, ra da Crm
n. 57, andar, escriptorio de Antonio Luiz df
Oliveira Azevedo & C.
GOMPAHU BRASLEr
DE
Paquetes a vapor.
Dos .portos do puI eperad
at o dia 8 do corrente o vapoi
Arinos, commandante o primeiro
lente Ju- C. Dnarte, o quai
depois da demora do eostume
seguir para os do norte.
Desde ja recbem-se passageiros e engaja-se 1
arga que o vapor poder conduzir, a qual deven
rer embarcada no dia de sua chegada. Encommen
las e dinheiro a frote at as duas horas do da d:
ma sabida.
Nao se recebem como oncommendas sead ob
ectos de pequeo valor e qne nao excedam a 5
arrobas de peso ou 8 palmos cbicos de med
ojio.
Tudo que passar destes limites dever se>
mbarcado como carga.
Previne-se aos Srs. passageiros que snas passa
ens s se recebem na agencia roa da Gnu a. 5'
andar, escriptorio de Antonio Lnix de Oliveir;
\zevedo A C.
LEILAO
DE
movis, lou obr s deourocombrilhantes.
a saber:
l'im mobilia de Jacaranda, 2 camas, 1 apparelp)*
pan ct, dito para jamar, 66 garrafas com vi-
nho, 7 mangas antipas, 14 cadeiras de jacoran-
d, 1 sof, 2 consolos, 1 dito com espeiho, It
cadeiras de amarello, l guarda ronp.i, 3 mesa?.
1 coramoda, 1 candieiro a gaz e ontros ob-
jertos.
Cinco castices de prafa, 2 salvas, 1 baadeija e
tezoura, 1 paliteiro, 4 colheres e 1 faqueir,
prata do Porto.
Um adereco de coral, 1 ddo de ouro. 1 volta e
brinco- de Ofagran, 1 corda 1 com uma cruz >
diamantes, 1 dita com pedras, i cordan gros-o
de ouro, 1 dit:> chato, ^ cruz, I Bracelete, I
par de brinco), 1 alBnete, 1 relogio I fivela, 2
annes com bnlhantes, 1 dito com diamante e
ontros objectos
Segunda-feira 8 de agosio, n segundo nadar do
sobrado da ra Nova n 18, as 10 horas.
O agente Pinto levar leilao, a requeriraeniu
dotesiamenteiro e inventarianle dos bens da finada
D. Clara Clementina Carlota de Brito, e por des-
pacho do Illm. Sr. Dr. juiz municipal da sguaaa
vara, os objeclos acin a defcriptos, existentes Be
segundo andar do sobrado da ra Nova n. 1$,
radese efftttuar o leilao, s 10 horas do dia ari-
ma dito.
armado, gneros e mais oienciios existen-
tentes na taberna sita na travessa- do- Ar-
senal de Guerra
Segunda-feira 8 do corrento.
A requermento do depositario da mansa fallida
de Silvestre Henrique de Paiva, com despacho do
Illm. Sr. Dr. juiz especial do commercio, o agente
Pestaa far leilao da armacao, gneros a mais
otencilios que fazem parle da mesma roassa, exis-
tentes na taberna sita na travessa do Arsenal >
Guerra onde ter lugar o leilao, segunda-faifa t
do corrente, s 11 huras da manhaa.
DE
dividas activas da massa fallida
de Antonio Maria O'Com-
nell Jersey, ua importancia,
de ris 7:7445890, a 9 o
ce rente.
Por despacho do Illm Sr. Dr. juiz especial do
commercio, sendo ouvidos os administradores da
supradita massa, o apente Oliveira oftVrecera nova-
mente era leilao as indicadas dividas, na imsr-
tancia de 7:744*800. o qual ter lugar
Terca feira
ao meio da em ponto, era seu escriptorio raada
Cruz n. 53, primeiro andar.
COMPAMHIA
mt
Mess geries imperiales.
At a dia 9 do corrate mez espera-se da Eu
ropa o vapor trance? Sindh, aqual depon da
demora do costume seguir para Bnenos Ayres,
tocando na Baha, Rio de Janeiro e Montevideo.
Para conducoes, fr-tes e pas-ageae, trata.se
na agencit, ma io Commercio a. 9.
At o dia H do corrente mez espera-se doa por-
tos do sul o vapor francs Aiumone, commandante
Gie*t, o qnal depois da (ternera do costme
-egmr para Brdeos,locando eraBafcaTGora) e
Lisboa.
Para condieSes, fretes e passageHe, trate-se sa
agencia, ra do Commercio a. t.
B4HIA
O brlgne inglea Bnsk seguir: para a lana no
correr da presente semanal; recete carpa lrete>
commodos: tralar com Tasse Innata ., ra
do Araorim n. 37.
LEILAO
DB
20 eixas com superior chVaia
India, marca triangulo SP
Terca feira 9 do eorrente.
O agente Pestaa far leilao por erara e ripee
de quem perleneer, de marca triangulo ? dan-
tro. SO eaixa* com cha da India de snperiar qjn-
hdade. de 30 libras oada eaixa, as quaes
vendidas em um ou mais lotes voatade, teran-
eira 9 do crreme, as 11 l/ bons da nuaHt
na porta da Anoes. defronte da alfamftyh
dnas tercas partes do prasive1 sitio toa*
magnifl-a casa de sobrado, no fugar ta
tr-.vesa de IfemuYa o. *V fregueafa a
Aos, periencenid a maan-faHiia; e
SebastiSo Jus-da Silva
A 9 HO CORRESTB
Por mandado i> Illm. 8r. Dr. ju esrAMrt *
commercio d'esta, cidade, a requerimentu diid-
mimstrador da ditfc massa, o agente OHrira W
das dnas tercas part
ras, fail de raplra ecaru ae
por um lado e fundn, cum
le so+mido com 50
100 dr fundo ou pavimem ta
por um coi
frenie, mtr.airaz e dous
soio em toda a exien-o do fue Ja<<
salas aa frente, duas atraz com seis quarlos, m6*


I
.zinh
mais -
par* aaaho,!
a la Cria ti
Diario de ^raambuc fcalbado 6 1<
Agosto
d H??0
airea _
urna sata e tras qosrtoj,
com
baa, uta turto
n maoMUlo
luana,
iftOMID;
%*o vipnrio d
W prawiro anda
pUrio do ditoagan-
)
WaL
lite, as
t*atem do
cora superior cham-
, nteini8 meias, e 20i
com cerveja Bobee
Ter^a-fein 9 do corrale.
~ .tana'kr tolau-par coflu e rfcco a>
er, de 100 eaixas eom garrafas de
iphe a cneias iateiras e SM gifos
obee, cbegadas ltimamente, e>
VMM vendida em nin 90 icms
i concurrentes, ter$a-T9a 9 de
horas da aanba. na porta de ar-
d afronte na Itandega. *
ESTABi^L^L^L^L^L^L^LS

(v
S DIVERSOS.
Monte o portugnez
Pergunta-sa a
ente o cumprtmi
UMos pira com a II
otas, tal demora
ifra Malina indefinitiva-
{21 <*>*. 40 dosesta-
eoRmiigaae de exame de
inconte?tavel mente compro
*ado a postergarlo de do art. 49 dos estatutos
MfflBBH&S W8IKM
S MDANCA.
S'O Dr. Carolina Praneisco d Lima Sari-
tas itradou sua resideucia e consultorio
__ para a na do Imperador n. 57, 2 andar '
I do sobrado enjo araatera conserva ain-l H
I da hoje o nomo de AHanea, tendo a M
entrada, qoe pelo lado da ponto Seta 3
de Setembre, o Mesmo Damero 57, da |
frente. Ahi continuando o dita Dr. 00 **S
exercicio de sua profissio de medico e H
de operador, pode ser procurado a qaal- 9
quer hora do dia e da noute.
EffiMHS
ADYOGAlA.
O DR. JOAQUIM CORftEA DE ArW
teni o sen escriptorio ra do Imperador
n. 67. onde pode ser proeorado das 9 ho-
ras da maiina s 3 da tarde.
EtoUth preventivo segaroe'rJerto eontr
Ela calvice,
* fle restaura forfa e sanlrJide a pellt
da cabeca
filie de prompto faz cessara qneda prema
tora dos cabellos.
Elle d grande riqueza de lustro aos ca-
bellos,
Elle doma e faz preservar os cabellos em
qualquer forma e poslcSo qoe se desejt
n'um estado formoso, liso e maeio,
Ble fazcrescer os cabellos bastos e com-
pridos,
Elle conserva a pelle e o casco da cafceca
limpo e livre de toda a especie de caspa
Elle previne os cabellos de se tornaren)
brancos.
Blle conserva a cabera n'um estado delsoj
cura refrigerante -e agratiavel,
Elle Tilo demaziadwnente oleoso, gordo-
rento oa pegadizo,
Elle nio deixa o menor cheiro desagra-
davel,
Elle o melhor e o niais aprasivel artigo
pana bda conaertaco e arrsmjo dos ca-
bellos das senboras,
Elle o nico artigo proprio para o pen-
cado dos abollse barbas dos senho-
res,
Nenhum trocador de senhora se pode con-
siderar como completo sem o
O'CABELLO.
Tnico Ovteatal
o qual preserva, limpa, fortifica e aformosea
Aeba-se a venda nos estabelecimentos de
A. Caors, I. da C. Bravo & C. P. Maure
4 C, M. Barbosa, Bartholomeu 4 C, e em
todas as princiiiaes lojas de perfumara*
e boticas.
Salsaparilba de Bristol
LEGITIMA E ORIGINAL
por esta forma fj
normal das
Acha-se a
A. Caors, J. da
C, B H.4& A-arbosa, Dan
ni'
^Bras "morbficas e
Ha**08 pelo systema,
Sajsapanilha; y
e o exercicio
B,
imentos de
Maj&in
t.
datracqo dos dertese operagae.dentarias sem lores, todos, os
dias uteis, das 10 horas at meiodia
Aluga-t
e solo do se
a'traUr na loja do mesmo.
o segundo and.tr e solio do sobrado sito
Direita n. 93
;t' ra
PERDEU-SE uro rolo de papel, conten
da varios documentos e entre elles um di-
ploma de cavaibeiro da Ordem da Rosa, a
pessoa que os achon, querendo reslitui-lo?,
ser generosamente recompensado, se o
qtnzer. Para entrega-Ios, ra do Rasario
n. 47, t. andar.
Sociedad Recreativa
Juventude.
De ordem do lllm. Sr. presidente canvido es s-
nitores associados a roonirom-e em sessao ordi-
naria da assembla geral, domingo 7 do corante,
M 3 horas da tarje, alim qe proeeder-se a leitura
do relatorio annual e eleicao da nova directora.
Oa senhores associados qne nao se acharem em
harmona com o 2 do art. 20 nao poderlo volar
ncm serem volados.
Secretaria da sociedad Recreativa Jnventnde
-4 de agosto de 1870.
F. Pn'xoto,
, 1" secretario.
Precisa-se de uuu ama forra ou escrava
que saiba coziohar c fazer compras : no Corredor
do Rispo n. 33.
Jos Francisco de Figueiredo agradece do inti-
mo d'alma a todas aquellas pessoas que acr r.ipa
ubaram ultime morada os nstos mortaes de sua
prezada esposa Margarida Campos Figueiredo ; e
de novo convida para a missa do stimo dia, que
ter logar oo dia 9 do correte, as 5 horas da ma-
nhaa. na igreja d:t Santa Cruz.______
Prectsa-se de urna ama pan lavar e engom-
mar (ppa-se bem) na rna de Horias n. 4.
Precisa-se de dons carroeeiros
Soledade n. 1C.
na ra da
Arti'i
Precisa-se de urna ama : na ra das Cruzes n
W, hotel___________________________________
Prt-cisa-se de algumas pessoas estrangeiras
que queiram empregar-se era agricultura tora
desta cidade, porm perto delia, no engenho Cali-
fornia : pre(ere-se ai|iiellas que forem ilhos ou
portuguezes ; e aquellas a qm;m cr.nvier tal oc-
oupaco hajam de vir ra d( Pedr i Affonso o.
:tt, 2" andar, ou na mesan ra n. 43, que acha-
nto eom quem contratar.
Mugase um primeiro andar do sobrado n.
86 ua ra de Lombas Valentinas, e un segundo e
tercero andares do sobrado n. 9 na ra do Duque
de C; xi is, muiti frescos, com bonita vista, tanto
aara a na do Imperador com) para a ra do Du-
qae de Caxias a tratar no l andar do memo
.(obrado, das 8 horas ao meio dia.
Ao publico e ao com-
mercio em parti-
cular.
la abaixo assignado tentio a satisfacao de soien-
viiicar ao publico e ao commercio, que desde o dia
4 do correte mei deixei de ser caixeiro da Inja
ielauca, ra t de Marco, outr'ura ra do Cres-
po n. 16, pertencente firma dos Sr*. Bernardino
Aliarte Campos & C Recife S de agosto de 1870.
Francisc > Jos-? Carneiro.
AO PUBLICO
O abaixo asignado, thesoureiro interino da de-
v,)cao da Senhora Sant'Anna erecta no convento
de-Sinto Antonio do Recife, declara ao publico,
quem interessar possa, qne se acham salda-
bas todas as cuntas" tendentes festa da raesma
Seahora que leve lugar no da 31 do prximo
passado ; no caso de que alguam se julgue crc-
der apresentar uas contas com
.'i praso de 3 dias a na do Imperador n. 22,
fnasero immediatamente pagas.
Recife, 5 de agosto de 1870.
Manoel Do^rle Vielra Jnior.
Thesoureiro interino.
HISTORIA
DA
Guerra do Paraguay.
Acham-se publicados osdou< primelros volumes
lsta obra ; o ierceiro e o nuirtu voluinus m
breve sahirio do prelo e a NA
Livraria 'ranceza.
7EHDADEIR0 LE

it eiCt.lET
Ru d Selno, 51
, Doeteur-Mdcrin
k PAIS. i
fcn rtt garrafa, ral. nlrr -, rniha n wH 7,/
qne Irrt o mrn liaet., nm rotule imn.' o -i
reliOCUIB O 5BLCU lrAt e C:,Vt,-;,.,.. ..
rf .Vi ,:.--,.!
/>/' '-------. J* --"'"> nal.-Hr }
--fc>^/ c*//Z COCTEfl-MEDECI.%
1 PHARMACtEN
br.P.ir'..,it1.'
ii 60 c'ia (V ,"a
i>m-ilmo,r"ja-
4o al. .i.ni' >i. u
axior drc.'^1
ESCOLA PHARMACEUTICA DE PARS
Medalha de Prata 1860
UOUEUJi
>
EXTRACTO DE ALCATRAO.
nico medicamento approrado por lodos os
Hospitaes de Franca, Belfrica e Espanha como a
melhor pr|wracao irutantanea e rtgulada em
do,* da AGUA DE AI.CATItAO.
_ (Dvas eolheradas grandes de liquido por cada
litro de agu, ou urna colherada pequea por
cada copo grande.)
O ranrfliirafl.r mal. rnrrelc- 4a. mu-
kexlea *'om. kroaeBlo. e m
Exigir a firma Ao inventor ^ .
Deposito Geral <<^fl
Bip tlesFraiicj-Boorteis, 17
Km PARS.
=5Cf,
DBTOsrro : no Rio it Janeiro, DnponcMIe; na
Bnhia, Silv.i Lor* na Pernamhuco, P. Maurer
I l?f | n i Maranhat, Perrcin el O'.
OGRANDE PURIPICADOR DO SANGE1
Esta excellente e admiravel medicina, e
preparada d'uma maneira a raais scientfi?
ca por Chinucos e Broguislas mu doutos^
d'uma instruccao profunda, tendo tido mii-
tos annos de experkacia a par d'uma to-
ga e laboriosa pratica.
A sua composigo nao consiste d'um sim-
ple extracto d'um so artigo; mas sim,
composta d?extraci(s d'um numero de rai-
zes, hervas, cascas, efolhas, possurMo to-
dafi ellas, sua virtatte especial ou poder
em curar as niolesllas as roaes teem sede
ouefaento, no ttttgtn.ou nos bunwres;
e estes diferentes extractos vegetaes, acham-
se por ama tai forma combinados ponto
de conservarem em toda a sua 'ferr;a, o cu-
rativo especial de tirtude, que cada um de
per si possue. A rniz da planta de Slsa-
parrilha, produzida as Honduras, a que
nos usamos nesta prepararlo, sendo a qua-
lidade que todos os mdicos mais prezam
e estimam. Na composico da *ala-
parrilha de Brlstol entra mais de 50
por cento desle concentrado extracto. Ella
nao encerra em si cousa alguma, que pos-
sa por leve ser perigosa ou injuriosa
sade; e tanto n'este, eoiniD em quasi to-
dos os mais respeitos, A IM inteiramente
diversa de todas essas mais prepara$oes,
as quaes debatxo do nome de Salsaparr-
llia, sao acondicionadas ou postas em gari
rafas pequeas, sendo receitada em doses
mui diminutas d'uma coher de cha por
cada vez. Nos pelo contrari engarrafa-
mos a
SAL8APARWRA DE RRISTOL
em frascos grandes, e assim por este modo,
dividimos corados consumidores, o grande
proveito e vantagem alcancado por aquelles
que acondicionan sua preparac3o m gar-
rafas pequeas. Cada um dos frascos da
nossa ftasaparrilha le Brislnl
oonteem a mesSa quantidade igual porcao
couda naquellas garrafas pequeas, e alm
disso, possue ainda muito mais forca e
virtude medicinal do que aquella, que por
ventora se possa achar contida dentro de
seis garrafas de pequeo tamanho. Por-
lanto mui natural, que aquelles, que se
acham oceupados em preparar e vender as
suas produccoes, em garrafas pequeas,
murmurem e gritem contra os nossos fras-
cos grandes proclamando, que a nossa ial-
saparrilha de BrEstol nao possue a
menor virtude; porm quo effectivamen-
te sao elles postas em silencio, quando indi-
oamos, ou simplcsmente referimo-nos para
com essas centenares de certidees e tes-
temunbos authenticos, por nos recebidos
de todas as classes da sociedad, nos quaes
plenamente attestam o poder curativo e vir-
tudes maravillosas da nossa.
SALSAPARRILHA DE BRISTOL.
A vantagem de tormos os nossos pro-
prios agentes naquelles lugares aonde as
differentes raizes, drogas, hervas, e plan-
tas de que se compSem as nossas medicinas,
sao produzidas, que nos habilita exer-
cer aquelle constante cuidado e disvcllo na
minuciosa escolha; e o que assegura e ga-
rante uniformidade de exccllencia.
Em quanto que, por ostro lado, nos nSo
nos poupamos n|m dinheiro, ncm dili-
gencias ; ah'm de alcanfarmos o melhor
e nicamente o melhorde cada um artigo
ou ingridiente que entra na sua composi-
?3o; pois levados e compenetrados da
mais firme e persuasiva confianza; que po-
demos afoutamente dizer aos doentes de to-
das as naces, e de todos os paizes, que na
Salsaparrflha de Bristol. possuem
um remedio mais efficaz e seguro ; do que
nenhum ontro, que vos tenha sido offere-
cido at hojeTe o qual por certo nao hade
mallograr vossas expectativas, na prompta
e effectiva cura das seguintes enfermidades:
mr Ooie de
jfcmbn^i m)'a.-40, lera
m-optiino MrtinMia le oferas deofo. praia a
SnT^**l^B^1,^^V)P0^r,, wHfkaB|**le docirurgo dentista
|SNU e pedras **:<* fraeles qne pre^
lenderem comprar Ma iroaar jusfofler obra, po-
dem levar para da fatnitts esWlfcorem sen
contento, e laatt VotUHtto,s obra* te
forem compradas ao rrmtto ealwiecimentoT gr-
I DO
j
PROTOXYDE DAZOTE
.t.
stru^yrim^ift
partMlar.
e Vicente F de S. VarejSo, pn'feasorwi-
, jubilado na 1* cadeira da regueate de 9ln-
to Antonio, por ter roa de 31 annos de exercicio,
continua a, easinar partieuiarmenle (or era ) na
?***'** hurtis n. J4. Os enhofe ehefes
de ramilla?, que (|uiieroro ntiar-se da a Ion
ga pra*ca e ejperienci, potfem pava aJiman
dar Mis fllbo, qne serilo "dasvtiados e proveilo-
sanante instraidos e edueados. A callygrafiM*
topara o seu primeiro cuidado. Dorante as rai-
des leceionar em grammatiea nacional e ariltMiie
|i?a ao< aprMrs ** empneaee poblicos e crtn-
inerciaes ; assira eomu prepara candidatos para
o magirterio primario.
FREDERICO GAUTIER
19Ra Hova19
0 qual, achando-se relacionado coa os mais celebres dentintas de Pars, adqoirkr
conrelles, oa ultima viagem Franca, o modo de preparar e empregar este exesilena
estbesico de que se pode sempre usar sdm inedmenienie atgum, e prodoz inseosibtli-
le completa.
O mesuio aproveita a occasrio para lembrar ao respeitavel publico qoe ao
bnete continua s a fazer tudas as operacoas da so arte e coltecar denles por
os systemas: coa o uro, platina oo vnlcanite, segnndo os casos.
Especialidade de obturaces com ouro pur.
Ao publico
Como nao temos a honra de ennbecer ne-
nbom dos represealanies da Santa Cata de Mise-
ricordia, pai a os procurar inos afta de'combinar
sobre o benelicio qe ienriooamos dar esse es-
tabeleeimento de caridde. resolvamos dar tam-
bem um beneflcio a-r tt\>pitaii\>rtafaet. qne ter
hipar quarla-leira prxima, e esperamos que al-
puem da Santa Cisa venha ter comaoseo.. para se
tratar qual n dia do sen beiiefieio.
Alnga-se um escravo mulato pmpho para
serrara on armazera re assucsr, o qual enttnde
dones servicos, ou para criado de ca-a estraogei-
ra : a tratar na ra do Rangel, taberna n. 7.
Eua estreita do Rosa-
rio n. 36.
Hotel re Hespanhm.
O preamtario deste estanakcimento faz publico
aos sous respeitaveis fregueses, qne Ihe arabam de
chegar da Europa nm famoso cozinheiro, e nm
bello servente, fallando este ultimo diversos Mio-
mas ; e porlanto offerece ao muito illnstrado povo
desta cidade constantemente mesa aberta-eom toda
a d'-cenria, e oran sn-vidos com toda limpeza,
promptidau e agrado, cora comedopias epliraas.
Aehrao tambera nesta saa casa divertimento de
domin e bebidas das mcihores qnalMadee. Ad-
miltem-se assignautes pagar por mez, e prepa-
ram-M encommendas de gnst para bodas e bap-
tisados. Antecipanft-se (!sde j a agradecer o
boni acolliHiiento d,)^ seus hospedes.
Largo do Para izo n. 8, no pri-
meiro andar.
O abaixo assignado, proprielario deste estele
cimento avisa aos seus fn-guezes e mais pessoas
que receten carteinis fl tinturas por preco com-
owdo. e por isso venJe a 560 rs o tubo de qual-
quer drega. elium vidro de tintara, ecompran-
do de 100* para cima ten) 10 de abate. ,
Augusto Xavier de Sotua Fonseca.
Tiie Liverpool & Lon-
don & Globe Insu-
rance Company.
Companhia ingleza de seguros contra-fogo,
estabelecida em <836.
Capital e ftio'os e reserva
. 3fi.0:130*.
Os agentes desta companliia turnara seguros so-
bre propriedades. gneros e fazendas armazenadas,
mobilias, etc.. etc., e esiaii ipidliiiont-- aotorfeados
a saldarem aqu quaesquer reclamagoes.
Sannders Brcthers A C,
Praca do Corpn Stnlo n. f I.
Aluga se urna boa escrava para servico do-
nnestier. : na roa do Imperador n. 50, 3" andar.
Escrfulas,
Chagas antigs,
Ulceras,
Feridas Ulcerosas,
Tinha.
Syphilis,ouMal Ve-
nreo
Humores Escrofu-
losos,
Irregularidades do
Sexo
Feminino,
Nervosidade,
Dcbilidade Geral,
Febra e Malignas e
Febre e Sezoes
Biliosas,
Tumores
Abscessos Apostemas,
Erupces,
Herpes,
Salsagem
Impigens,
Lepra, febres intermitientes e remitientes,
hydropesia e ictericia, etc., etc.
Ontro-sim, achar-se-ba, que para o bom
resultado e perfeito curativo de todas aquel-
las enfermidades cima apontadas o adian-
tamento da cura, grandemente promovi-
do e apressurado; usando s ao mesmo
tempo das nossas mui valiosa pllnlas
vegetaes assuearadas de Bristel,
ti imadas em doses moderadas em connec-
c3o ou conjunctamente com a Salsaparrilha;
ellas fazem remover e expellir grandes
Urna sanno a e-tranpeira n|ferece-se para
criada de casa de familia ou para costureira : na
ra \ Amizadc n. IV. na Ca Megoca-se
uro armazem com annaco propria para loja de
i etalh i na ra da Cadea, garanto se o arrenda-
menU por cinco annos: qnem pretender deixe seu
nome e morada em carta fech ida nesta typogra-
phia cora as letras M D para ser proetfrado.
Da-se 4:000* a premio com hypolheca em
bens de raiz de dubrao valor oesta cidade : na
ra Nova, loja de ferragens n. 31.
BILHRTE3 DO RIO DE JANEO.
Nai-prtadaltdepert.l.-nnia n. 8i.____________
Precisa- modos para familia, rom quintal o cacimba, pre-
ferindo-se na bairro d Biavista, ou e.n Fora de
Portas : quem liver procure no -ilio n. 5 da ra
de Joo Fernandes Vieira* on anouncie para ser
procurado.
Estrada 'Je fisin..
Arrenda se um pequeo sitio, ne3ta estrada,
adianto da capella e no lugar onde para o trera
dos trilhos nrbanss de Olinda, c^m m uiguelra*
cajueiro, e ou'ras militas arvores Je fracMs. Tm-
bem se vaade o mesmo sitio : na rui O ata* dj
Caxias, (outr'ora cas Grures) a.'90, egirado an-
dar. .
-Km casa oe TMfiODOiW ^taUSfi
iNSEN, roa da Cruz n. 18, encontram-K
ifiectivamente todas as qualidades de viqim
ordeaox, Boargogne edo fibeae.

-*.!
fnS cestnfflimoi proco rar atteitidm para acreditar
iossos preparados,* deixaow* qoe toa applicaclo oa
resultados obtidoa petas peiweaaqoe se dignara* aeceita-
I*, Ibes deaaa rdito e oga; porqoe to aetipre os
itustadoi coaaiderados gratnos, de I les Me lUca
So o caerlaUoiSBio; mas ni qoereodo offeader as pes-
qnereodeon
ajqoeespoDianeaments nos offememn, os ata abiiio
lo transcripto*, os faunos publicar naalfeitiodo-lkes
tossa aratidto peta aUeocSo. eeprnaao qoe Tnhm
tfljs corroborar o coBeeito, e aeceitaeto oa* te* taere-
lida aoaso xaropa. Brikolm* ft C.
iTTBTiOaS.
Illms. Srs. Banaoloneo t C. coa a a ais rbida
twfaeto que echaro aer o tarop Americano de ni
ifflcacia extraordinaria, pois qoe soffreodn ba dfae de
tBUpsa tosse, i ponto 4* aSo poder doria* arte a
tasfeito mesmo de aredicsaentos e UiMta. a elle
recorr e na terceira colher tui allTiado, e de todo me
cao boje reslabelecido oa o as semeule de quasi
g frase: gvato yo I eaBe resaRado Bnurlfeato a
'. S. oMb rsMnheelaSkMa. VvV*. #*.-tr.-w-
'VtiiT e obrigado. Manoel Antonio Viegas Jnniorr
- i:u casa ItO de nbril dfl 1W.8.
Miar ^rs. Kirilmiomeo It G. Peohnrsdisf>imocosa
- "v ao* ta tii-nm de aroosaiaac u aso do xarsne
Vegetal Americano, de so compoeieao, qnaaa* av
sebera bastante doenle de ama constipacao, qo* rn
tornoo completamenie rooco e qne trouxe orna farsa,
tosse. me hapossibilitoB. de cumpTir os seos des*r*a.
de eaator da emprexa lyrica, voo agradecer-lsM
completo reslabelecimento, qne obtiv* eom nm a
do mesmo xarope, depois da haver recorrido a
tratamentos. Desejarei qne ontres como ea
ao feo xarope para se vern aunados de Ua tamaat
incommodo, to fatal oeste paii. Com malcr i
relo conliDno a aer de Tv. S*. ltenlo, val
obrigado. Laix Cremoaa. Recife K da l
aaallk
lllms Srs Barttao!ome*aC.-0 xarope Vegetal aaa-
ricano qne Vt. Ss. tm aposto A venda 4 d UtaaaaaV-
cacia aara o corativo tastana, canforme abatwai aay
allcaaao-o a mea Hlao Joaqaim, menor da asaata
annos; victima d'esse flageHo, qne ate entloaar i
excedente a doos anaas baria resistido a ontres i
d* grande nomeada. Qaeiran pois Tv. Ss. irram
exprsalo altamente sincera de mea mrnnblisinla s
meritorio trrico qne tbe prestaram eom o ianinasa
xarope, acreditndome para seannra de Vv. Sa. ittaaay
atiento e obrigado. Asoerien Nctto da IVtaiHati_
Raoife 9 de oatubt da 868.
CABGA
esquina
|da roa larga do
Rosario,

I -j--S
WJO<*J*L ME JOaUS
Este importante estatylecimento no sen genero, tem sempre nm sortimento sem igual
e vende por presos qne nenhnma ontra casa pode vender.
vista da qnalidade e do prepo das joias cada nm poder-se-ha convencer da verdade.
Oarante-se ser tndo de leL Compra-se ouro, prata e pedras finas por procos muito ele-
vados.
A' loja est aberta at as 9 horas da noite.
CABfiA
esquina
da rna larga doflt
Rosario.
sWaaaaeatl


1
Diario de Pernanmca "Safaba ]o 6 de Agosto de 1870
Fotographia imperial
E
CALERA de PIXTl R.4
DE
J. Ferrtra Vtllela
Desde dia 7 de abril pausado acba-se aberto e
novo estabelecimento,photographieo sito fua do
Cabug n. 18, enquia? dopateo >la matriz. Ostraba-
lhos que d*sde entao, icm sabido de nossa oficina
ten feralmente agradado, sendo recebidos por
alfana com admiracao pelo extraordinari > pro
fresso qae ltimamente tem lido a phol grapbia.
e per ontros com alegra, por vercm a provincia
dotada com mn estabelecimeoto digno d ella, e in-
conUstavelmente o pri oeiro que nesse gener.
ojepossue : tambcm nao nos pompamos em couss
algoma para monia-lo no pe em que se achs, es
perando qae o poblico de Pernambuco saber
apreciar nossosesforcose recompensarnoasos sa-
crificios.
Convidamos a todas aquellas pessoas, nacime*
e estrangeiras que gustara das artes, ou tiverem
oeeesaidade de trabalhos de photograpbia a visi-
tar? m o nosso estabslecfmento, qae estar sempre
abort e sua dUposico todos os das desde as 7
horas da aianhaa at as 6 da t-rde.
Para es trabalhos de photographia possuimos di
versas machinas dosmelhores autores francezes,
ngiezes e allmemes, como sejam : Lerebours el
Secretan, Hermagis, Thomaz Ross, Voigtlander el
Sonh eWulf. ltimamente recebemos tres novas
macbinasi sendo ama dallas propria para tomar
sobre o mesmo vidro 4 ou 8 imagens diversas e
asoladas, e outra de 6 a 12 imagens diversas t
igualmente soladas, de sorte que no caso de
grande concurrencia pederemos retratar sobre
orna nica chapa al 8 pessoas diversas e sola-
das para cart5?s de vi-itt, eassim em menas de
um quarto de hora pessoas que pecam raila urna, umaduzia de cartoe?
oais ou menos, cora os seos retratos smente, ou
em grupo com outras.
Encaregamos-nos exclusivamente da direccao'
feitura dos trabalhos de photographia dei-
xando pericia e talentos do disiincto pintor
allemio, o Sr.
Jorge A. Roth
es trabalbos de pintura, a aquarela, a oleo, e a
pastel.
O Sr. Roth acha-se ligado a nossa empresa por
urna eseriptura publica, e al o presente tem se
desvellado na execnc^o de sen- trabalhos.
No nessoestabeleeimenlo aehanvse exposlos ou-
tros trabalhos inq>ortantes do Sr. Rolh, tanto em
miniaturas aqaarella como oleo, re ratos
oleo, quadros sacros e diversos outros trabalhos.
Tomamos encommendas de retratos oleo at o
tamnho natural, assim como de quadros sacros
para ornamentaeao de igrejas ou capellas. Tatn-
bem aceitamos encommendas de quadros histri-
cos.
Assegnramos qno os preces dos diversos tra-
balhos da nossa casa sao mu rasoaveis.
CARTES DE VISITA NAO C0L0IUDOS A 10^00 A
DLZIA
CARTOES DE VISITA COM O COLOBDO AO NATU-
RAL A H#000A DIZIA
Retrates em miniatura oleo ou aqaarella de
16 20*000 cada um, indo convenientemente en-
caixilhado em moltura dourada e regulando o
busto da pe lodo o quaJro palmo e raeio de lamanio
Jnlganios que bailarle os preces cima para
darmos idea da baratesa dos trabalhos do nosso
establecimento, quanto sua perfeicao cada um
venha julct.ir por seus proprios ollios.
As melhores horas para se tirarem retratos^ no
KM estabelecimsnto sao das 8 horas da manhaa ;i
1 em casos especiaes pde-se tambem retratar qual-
quer pessoa.
Nos das de chuva, ou por tempo sombro po-
demos retratar, e asseguramos que csses dias sao
os mais favoraveis aos trabalbos de photographia
pela docura e persistencia da luz, e pi r termos o
nosso terrac construido com taes proporeoes e
melhoramcntix, que anda chovendo orros ne-
nhum inconveniente ha para fazer-se bellos re-
tratos.
J. F rreira Vlela*
Ml ESMJi E e ALD^t
J2=
%
-O
C5
O
"C5
aO
)
3
-o
3

a
3
o
PHARMACIA CEBTRAL
Ra do Imperador n. 38
Xrope de lactucario (TAubergier, e de
tbery decio d'Abbadie recommendados,
como calmantes para os casos, em que se
nao pode osar do opio e de seos prepara
dos, e mui convenientes pan as crianzas
nos espasmos e convulsoes.
A-
Este antigo estabelecimento, acha-se hoje montado n'uma
escala de poder servir vantajosamente os seus freguezes, atten-
to o grande sortimento de joias d'ouro, prata e brilhantes, que
sempre tem e recebem mensalmente das principaes fabricas da
Europa- cujos prepos sao em competiveis e as obras garantidas
de lei.
TIOREIKA III A lili: ________
Nova padaria
ameriiana, rna dos Pire* n. .ri0 ; dora em dianle
continuar a Euer pao e bolacha de farinha espe-
cial de 1' BOrte para melhor agradar a seus fre-
guezes.
a
I
1
i B o o"^
1
1

i
1
09
O
aa
o- g a ^=* o
cp o> 2 B
x 5=. g
o a a ;
ZZ^ PS33S
v i-. 3 ^ O
llslfflt5
=r^ ^ S 3
o s ;? -o w
B*a1 3-^ S- .
2.2.3 3 o" a
os-Ja;
S > a =?. .
gao" o g
o
a
o <->
*-* o
tu
3
o
cr
O
a
B
3
I?
2
3
o
&o
2 "
o aa
o.!
M e
m ro
i c
-i
y
'- a s
a ui
a>
o =3
^
e3

8 S^S
1I..8.C
s
r3
-
o
Zi
1
3
a> w
a>
2
OS
= 5
C 3
SS.n
3 ;"
O 3
3 CB o O O
=3 2 "> -
" 3 3.2
;.o
en 'ji _,
O. B ""2
s m a. (
r-O te qj

3^!
Bu
HOMEOPATHU
0 Dr. Ca-anova pie ser procurado a
quMqner hora em seu ronsultori > espe-
cial honieopalhico, DO largo da matriz de
Santo Ant.>niu n. 2. Neste consultorio
; tem sempre sortm?ntos dos acredindos
: medicamentos Je hoineopalhia de Weber
& Catellan em, tinturas, e em glbulos, e
tudo qnanto necessario para as pessoas
que seguem este systema.
Os pobres foram sen pre e coatinnam
__ a ser tratados gratuitamente.
mmmm
UM DESGOBBIMENTO ESPANTOSO
XAROpE DE FEDEGOSO DE PINTO
Para as tnolesiias do peito, tosses, as-
Ibma, bronebite, etc.
AcsadOS,
lllm. Sr. Joaquim de Almeida Pinto. Braga,
23 de Janeiro 1868. Meu amigo, aqui che-
guei com algumas m- Ihoras depois de ler to-
ma o tres garrafas do seu preparadoXAROPE
DE FEDEGOSO-; loto, pelo mar, porque lo-
iro que cheguei em Lisboa, principie! com nsais
f a tomar o dito xanpe, por conhecer pelo mar
que elle me fawa grande beneficio, pois a vista
da grande qantidade de sangue qne eu botava
pela bocea, vi que me ia desapparecendo com
rapidez, depois que continuei a tomar o dito xa
rope, e lao milagroso foi para minha molesta.
que hoje me acJ de todo restabolecido, e ale
mesmo b.vtante nutrido, e por too pode Vmc.
fater sciente ao publico o milagre que o scu
pjeparado obrou na minha enfermitiade. Sem
tempo para mais, sou de Vmc.
Amigo atiento venerador e maiio obrigado
Manoel Jos oncalves Perora
Ilfm. Sr. Joaquim de Almeida Pinto.
t Ha muito que onvia proclamar as excellentes
propriedades do XAROPE DE FEDEGOSO con
tra a tose e asihma, e scffrendo eu de urna
tosse pertinaz, e tendo usa.o de toda a sorte d'
medicamentos, vali-me, pois, do XARoPE DE
FEDEGOSO, e urna garrafa somente fui bastante
para restabelecer-me, e me vejo tao robustj w
mo dantes : suecumbiria de certo a nao ter
usado seu XAROPE DE FEDEGOSO.
A' vista disto nao icnho expressoes com que
'xprima a V. S. a gratidao de que Ihe devedor
o de V. S. ltenlo venerador e criado i
Joo da Costa Rogo.
nico deposito, pharmacia de Jsaquim ile
Almeida P.'n o, ra larga do Rosario
n. 10. onlo ao qaartel de polica.
Precisa se fallar lu Sr. Bernardino Oscarfei-
le na ra da Cadeia n. 59 A,loja de miadczas.
Furto de cavallos
Em a noile de 2o para 26 de julno findo furta-
ram do engenho S*bir. do (lavalcanli, dous ca-
vallos com ns >pnaes seguintes : sendo um casta-
nbo amarello, (reme iberia, principiando a mas-
cara d'enlre as orelbas e cobrindo um dos olhos,
quatro ps calcados, anda moitohem balsa, car-
io, pequeo, castrado e um p'ouco pesado ; e o cu-
tro mellado raposo, dinas e cauda prelas, arislins
em dous ps, que o impedem de andar ou fazer
viagem longa no invern sem que fique inulilisado,
alm disto velho : pede.se a quem dellcs >ou-
ber leva los ao enger.ho supra mencionado, ou
apprehende los para serem entregues ao seu dono.
eafecialmi'nte s autoridades policiaes, a quero
mais compre a invest zacao destetfacto._______
Quem precisar de um caixeiro com praiica
de taberna ou outro qualqner negocio, pira a pra
mero 152.
.i luga-se
una casa jen! ao do Maugoinbo n. 31,
i agua il<> encanamiioto o gaz, wendo o pro-
prietano q\iem caga o c iiiem pretender
'diriia-se casa innt>
jnnl) para infirmar
Prfcisa-se fallar com o Sr. Jos de Barros
Aecioly a oegocio de seu interesse : na praca do
Corpo Santo n. 17, 1 andar.
MOFINA
Roga-se ao lllm. Sr. Ignacio V.eira de Mello, es-
crivao na cidade de Nazarelh desta provincia, o
favor de vir a ra do Imperador n. 18 a oncluir
aquelle negocio que V. S. se eomprometteu reali-
sar, pela terceira chamada deste jornal, em flns
de dexembro prximo passado, e depois para Ja-
neiro, passou a fvereiro e abril, e na la cumprio,
j e por este motivo de novo chamado para dito
iin ; pois V S.se aeve lembrar que este negocio
de mais de oito annos, e quando o senhor s^u
filbo se acbava no estudo nesta cidade.
O
I
JL3 A MU MCAIl.4\ 3,A.
JQ
0
CO
Com este titulo acha-se aberto e inteirameDte transformado este antigo
estabelecimento de joias, onde os freguezes e amigos encontrarn tudo qnanto
a moda e o bom gosio tem inventado na srte de ourivesria. o Collar de Ouro
observar delicadeza no trato e senciridade e modecidade nos precos.
Espera que o respeiiavel publico venba ver o que existe de melhor em
aderagos de brilhantes, esmeraldas, robins e perolas, meios aderegos, pul-
ceiras, hrincos, alfinetes e anneis de todas as qualidades, prata de lei faqaei-
ros, colberes, palileiros salvas e outros muitos objectos que seria enfadonbo .
mencionar.
Compra-se ouro, prata, brilhantes e pedras finas, pormaior prero do
que em ouira qualquer parte, troca-se e eoncerta-se todo e qualquer objecto
pertencente a esta arte.
CASA CAUVIN A MiWHiER
Pharmaceutico privilegiado
euocessor
Boalevard Sebastopol, BS PARS.
NOVAS ESPECIALIDADES A. MARINO
Apresentadts a Academia de Stieneias e ao Instituto de Franca,
III ICPPAn Sob a forma de Pastilla, deredida e doseada pera
I l LUHU faser de momento ima solcelo
Preventiva a carativa l do volme He
l'HILTRO
um reloRio, tervindo da
e SERINGA sem os
INJEt lUIi"l IllLlnU grat.a"
ESTOJOS
Com a forma, e de volume de um Porte-loea
COTESDO TODO TfATAMBNTO.
COLLYKIO Contra as affecc-ois das palpebras,
preparado sob a mesa forma.
Depositarios geral para e BRASIL e PORTUGAL
34, ra larga do Rosario. PERNAMBUCO.
BARTHOLOMEO C
lUVIli \\. UM A.\
EBCEHEI1I0
Com f un di q o
RA DO BRUM 52
Passando o ch&fariz.
Chama a attencSo dos Srs. de engeobo para seus acreditados machinismos e
com especialidade para seus vapores que anda urna voz tem memorado.
Os vapores fornecidos por elle e j funecionando lhe h5o de faeer melbor apre-
ciado do que qualquer dito proprio.
Deseja todava mencionar que vista do cambio agora mais favoravel do que
oa pocba dos apontameetos do anoo passado lem feito urna redacfo sensivel em todo
>eus precos.
AOS SRS. ALFAIATES
Chegou loja das Coluonas, da raa do Crespo n. *3, de Antonio Correia de
Vasconselos. superior velludo preto de seda. ____
ATTENC&O
Lavase e engoroma-se roupa para homem e se-
ahora, com perfeicao : na ra das Grases n. 16.
Na tinturara da ra das Plores n. 25 preci-
sa-so de ama ama para cozinhar e passar a ferro
diversa peca?. t
AMA
Xa ra do Codorniz n. 8 precisa-se de urna ama
que saiba cozinhar.
Aloga e o J andar jio sobrado da roa .hn-
perial r. I4i -com bastantes commodos para urna
numerosa iamilia, e cera bella vista : a tratar na
mido Imperadan 1VJ, uv-
Vendas on permutas
Vende-se a propredade Guarapes no Rio-
Grande do Norte, com trras casas e armaxens
de um e oulio lado do rio, lugar berr. eoohecido
pela sua importan.'ia commercial, cujo porto offe-
rece muit* facilidade para embarque e desembar-
que de gneros.
Igualmente se vende o engenho Jundihaby (na
mesina provincia) moenle e correnle, com cinco
lenuas de trras de maltas virgens, oito escravos
bois, bestas e alambique ( ou somenie o emgenho
com as trras que convier ao comprador). Estas
propriedades vendem-se por baratissimos precos,
e tambe se permutam por engenhos nesta pro
vincia, Parahyba e Maguas, ou por casas as ca-
pitaes das mesmas : a iralar cun o proprietaric
inajor Fabncio Gomes Pedroa ra da Cadeia
n. S5, ou com os seus procuradores no Rio-Gran-
de do Norte.
Precisa-se de um menino portuguez que ne
exceda de doze annos de idade, para caixeiro de
urna taberna : quem quizer se propr dirija-se
esia ivpographia a eotender-se com o Sr. Ferreira.
D, W. BOWMAN
ENGENHEIBO
Com fundiqao.
A RA DO BRUM N. 52.^
Pass mdo o thaf riz
Machinas vapor sysiema melhorado.
Rodas d'agoa.
Moendas de canna.
Taixas de ferro batido e fundido.
Rodas dentidas para moer com agoa, va-
por e animaes.
E outro> muitos objectos proprios d'agri-
cul'ura. *
Tudo por prego muito rednzido._____
Varope de saisaparrilha do Para'
ou
Depurativo do sangue.
Usado Das molestias da pe le, impingeos e para
todas as molestias venreas.
nico deposito, pharmacia de Joaquim de Al-
meida Pinto, ra larga do Rosano n. 10, junto ao
quartel de polica.
PHARMAGIA CENTRAL RA DO IMPERA-
DOR N. 38.
Preparados d'alcatrao em capsulas, licor,
e xarope ferruginoso.
Rffll Intra
D0RN.3&
Pillas de Vallet.
Pillas de Blancard.
Pilulas de Bland.
Xarope furraginoso de Blancard.
Confeites de lacUto de ferro.
Pilulas de carbonato de ferro, laclado de
ferro, iodoreto de ferro com magnezia.
Ferro de Quevenne.
Assucar ferruginoso.
PHARMACIA CENTRAL RA DO IMPERA-
DOR N. 38.
Viabo e xarope de pepsina e diarthare,
escolente tnico para auxiliar as digestSes
dilceis nos casos de debilidade do esto-
mago
PHARMACIA CENTRAL RU DO IMPERA-
DOR N. 38.
Agua hemostlialica de Lecbelle, mui re-
commendada em qnalquer caso de hemor-
rbagia, e principalmente na thysica pulmo-
nar, e as bemorrhagias uterinas.
PHARMACIA DENTRAL'"RA DO IMPERA-
DOR N. 38.
Xarope de rbano iodado excellente com-
binaco do iodo com o sueco de plantas
anti-scorbuticas.
Este xarope empregado com grande
soccorro contra as molestias da pelle, os
engorgitamentos escrofulosos, o rachitismo-
cachloroso.
O vinho iodado de joly, e oleo iodado de
Personne, s3o recommendados para os mes-
mos casos, e encontram-se nesta pharma-
cia.
Na tmessa aa rna
das Craies n, 2, pri-
meire andar, da-se di
nhelro sobre penhons
de oan, prata e brilha-
les, seja pal for aqw-
(ia. Na nesna easa m-
pram-se osmesmosne-
taes e pedras.
Manoel da Silva Amorim rejra-se para Lis-
boa tratar de sua saude, e deis por sfiu bas-
tante procurador o Sr. Candido Alfonso Moreira.
Monsenhor Dr. Gregorio Lipparoni, rerior do
seminario episcopal de Olinda, legitimo adminis-
trador da capella Je Sanl'Anna do Rio Doce, termo
de Olinda, possuiodo as necesarias facoldades,
lem resol vido de arrendar os dous sities de co-
queiros contiguos e perleneentes esta capella,
com casa de pedra e cal ; indo conforme ao edital
relativo que se acha na cmara episcopal de Ota-
da, onde al ao da 25 de agosto do correnle auno
(1870) se recebe rao as propostas de dita arrenda-
ment.
ESCOLA
DE
IiHtrucqo primaria.
429-RUA MARCILIO DIAS-I2)
2 andar.
Anna de Queiroz e Albuquerque,
Professor.t particular.

PHARMACIA Ct^TRAL RA DO IMPERA-
DOR N. 38.
Variado sortimento de chocolate de ban-
rjilha, salepo-araruia. ferro, e de sade, da
acreditada oficina de Menir.
Sabonetes d'alcatrao, d'aeido phenico, en-
xofre e camphora recommendados para as
molestias de pe. como sarna, panos, ern-
pingens etc.-, sendo o ultimo de muita ulili-
dade para o uzo do toilette, por preservar
a pelle de ser manchada das maculas, que
costumam accomettel-a.
PHARMACIA CENTRAL RA DO IMPERA-
DOR N. 38.
Os melhores vermfugos para criancas,
Pastilhas de sanctonina.
Ditas de Kemp.
Oleo vernifug.i.
Tudo de melhor qualid'de.
PHARMACU CENTRAL RUADO IMPERA-
DOR N. 38.
Variadsimo sortimento de fundas de
excellente qualidade.
FARMACIA CENTRAL
Raa do Imperador n. 3.
Lamplou^hs Pyretic Salino.
A preparation of well ku<>wn utelity to the En-
glish Faculy, as a cooling and refreshing beverage
iu all cases of fr ver. The frequent usercf "Ns sa
line preserves foreigners frum many dist-oes to
which lliey are leable before becoming acclima-
tised. M^y be obtained at tbe Pharmaeea Central,
jua do Imperador n. 38. '
PllAUMAi'.IA CE.XTHAL HUA_DO IMPERADOR
N. 38.
Paslbas de balsamo de tol e de seiva
de pinho martimo, para as affeccoes chro-
nicas dos pulmes.
Pasiilhas de therydocio e lonro cerejo
para as tosses agudas, e de carcter nervo-
so, e para os vmitos durante o periodo da
gravidez, e qualquer affecgao -oervosa.
Pastilhas de bypophospheto de cal mui
uteis na thysica pulmonar.
Pastilhas de angico naf, e de Regnault,
de hortela, pimenta, e de Viccley, de pe-
cacuanha e de Rermes.
CASA DA FORTUNA
Aos 8:0001
Bilhetes garantidos.
A ra Primeiro de Marco outr'ora do Cres-
po n. 23 e casas do cosiume
O abaixo assignado, tendo vendido alm de oo-
jas sorles, um meio n. 1994 com 8:000 da lo-
tera que se acabou de extrahir a beneficio da
Santa Casa de. Misericordia (lo**), convida aos
poRuidores virem receber na conformidade do
costume sem descont algum.
Acham-se a venda oa feiizes bilhetes garan-
tidos da 3' parte da lotera, beneficio da Santa
Casa de Misericordia (155*) que se extrahira sab-
bado, 6 do correnle me vindouro.
PRECOS.
Bilhete inteiro lOOOft
Meio bilhete S^OO
Quinto 2000
Em porca de lOOOOO para cima.
' Rilhete inleiro 9000
Meio bilhete 4*300
Quint 1*800 ,
Manoel Marlins Fiua.
Precsa-se de um cozinheiro que seja perfei-
to om sua arte : oa ra da Imperatrix n. 9, se-
gundo andar._______________________
LEAM
O abaxo assignado, morador no 3o andar do so-
brado n. 36 da ra das Cruzes, encarrega se de
recebimentos de sidos, honorarios, cobranzas de
PHARMACIA CENTRAL RA DO IMPERA-
DOR N. 38.
Cha purgativo de Chambard, excellente
laxativo, e refigerante, que se pode usar
repetidas vezts sem irritar os intestinos.
XAROPE HYPNTlCO DE CHLORAL.
Ochloral um agente tberapeutico recen
dividas e de quaesquer outros negocios >e pessoas temente experimentado, mas cujos benefi-
tanto da cidade como de fra, ofTerecendo em tudo
aquelles que se dignarem e o procurar, vanta-
gens e garantas reaes.
____________Pedro Jorge da Silva Ramos.
Ama
Na ra de Apollo n. 24, 2* andar, precisa-se de
una ama para andar com meninos e que seja de
oa conducta.
PerJeuse urna pulceira de ouro de lei, da
ponte de Santa Isabel em seguimento ra da
Aurora, ponte da Boa vista, ruado Sol, Palma at
o becco do Gamella; quom acbou, tendo conscien-
cia, e querendo entrega-la, derija-se a rna de
Hortas n 138, 1 andar, que ser recompensado
com 20*000.
0 directorio do partido liberal, nesta pro-
vincia, manda celebrar na igreja matriz da
freguezia de santo Antonio, no dia 11 de
Agosto prximo, s dez horas da manh,
um officio solemne por alma do (nado mar-
guez de Olinda.
para esse funeral o mesmo directorio con-
vida atodos os cidados brasileiros e estran-
geiros residentes nesta provincia, e espera
que accedendo ao convite que faz por este
meio, se dignem assistir a esse acto de pie-
dade e religiSo, e antecipa os seus agradeci-
mento todos a quem se dirige._______
lustino Pereira Ramos convida a todos -os seus
parentes e amigos para assisiirem a missa e me-
mento que por alma de seu sempre chortdo e
lembrado pai Joaquim Perera Ramos, manda re-
sar na ordem terceira do Carino, as 7 h tfas da
mauba do dia 8 do correte, por oeeasiao de se
rem trasladados os ases de seu fallecido pai, do
cf miterio publico para o sen jazigo especial nesta
rdem ; pelo que se ewrfessa grato. ____
--
M
A luga
*e
uraaescrav para oservico domestico
Hospicio n. 29,
na ra do.
Alaga se m moleque de bons costme-
que tenha idade de 10 a 12 annos: roa da Cruz
sobradla. *,3# andar.
cos vo sendo largamente a'proveitados pe-
los prat:cos em quasi todas as affeccoes ner-
vosas, calmante e somnfero poderoso, tile
sempre empregado com vantagem nos
casos de dores nervosas intensas, e as de
insomnia, em que elle produz um somno
calmo e profundo.
Elle rec mmendado as cucas, na cho-
rea, no telano, nos partos laboriosos, na
clampria, as queimaduras extensas, nos
accessos agudos de gotia, na asthma, na
tosse convulsa, e em muitos outros casos,
DOSE.Das a oito colberes de sopa
por dia, onforme o effeito que o medico
quer obter.
Encontra-se na Pharmacia CENTRAL ra
do Imperador n. 38.
VINHO DD Q1NINN0 DE LA8ARRAQUE
Poderoso tnico hoje t5o aonselhado nos
ty)zos de{ debilidade geral, e mui usado
como antifebril.
PHARMACIA CENTRAL RA DO IMPERADOR
N. 38.
Aluga-se
urna casa com pequeo sitio de larangeiras, bana-
neras, ic., at o flm de ontubro do correnle an-
no, da-se barato : a tratar no becco do Quiado do
Monteiro, no primeiro siiio drela logo ao entrar.
O bacharel Joaquim
Gouqalves Lima tem es-
I oriptorio de advogado a .
q ra do Imperador n. 35. g
?reeisa-se
alugar ao oi'iqainho de bons costnm*, que te
nha ii.vJ de 40 a 13 asaos: aa roa da Cruz, so-
brado n. k 1" fdar. *
Precisa sede urna ana que saiba bem cozi-
nhar e queia sabir ra : a tratar na rua.doSe-
bo n. 29._________'_____________________
CASADA FORTUNA
AOS 20:0605000
RA DE MARCO N. 23.
0 abaixo assignado avisa ao publico, que com
quanlo a nova lei do orcamento tive>se elevado
muito o impost sobre os bilhetes de loteras do
Rio de Janeir.i, continua a vende-los com as for-
malidades da lei, e pelos mesmos'preces abaxo
publicados, pagando todos os premios com o dis-
cont somt-nteda lei, o com a promplido do eos-
turne.
PRECOS.
Bilhete inteiro... 24*000
Meios bilhetes... 124000
Quartos........ 65000
Em quantidade inaior de 100*000 na razao de -
22*000.
Manoel Martn Pinza.
Puramente vegetaes e sem mercurio, curn se-
i5es, curam e purificam todo o systema hun>ano
Vende-se efffdivamente em casa ae Samuel F;
hnston & C, ra d.i Saotalla Nova n. 42.
.Na iraca da Indepuudeucia D. 33 se da t-
ibeiro sobre penhores de ouro, prata e pedra
reciosas. seja qual for a quamia ; o na mesina
sasa se compra e vende objectos de ouro e prata,
j igualmente se faz teda e qualquer obra de en-
ommenda, e todo e qualquer concert tendela
i mesma arte.
EmaM"~~
DE
Lcmliraiips Luso-brasiloira
POR
Castilho.
PARA 1871.
Rna do Crespo n. 9.
LIVRARIA FRANCEZA.
LITROS PORTUGDEZES.
Braga Theophilo) Espirito do direito civil in *
br. l'000.
Carvalho (A, A. Je SouzaJ O Brasil em 187>>,
n 8 br. 1*000.
Fval (P.) Os casacas pretas, in 8 ene ademado
oi 00.
Gongatves (T. Torcato) A Vilela in 12 encader-
nado 3*000.
Grande (0) Crime dAubervillters (Panlm) ip 8o
br. 2*000.
tosino Cdigo do processo, 2 volnmes 12" ewa-
dernado 8*000.
Uis do Brasil 1809, 2 volumes in 8a encader-
nado 10*.
Machado (1. C.) Qnadros do campo e da cidad?.
I v. in 12 ene. 115000.
Malheiros (P.) Procurador dos (eitos da fazenda
nacional fsupplemento) 1 vol. in 8 encaderoad.
8*000.
Memorias do Mrquez de Santa Cruz (arcebisp*
da Rahia) I vol. in 8 br. 3*.
Methodo de msica vocal, in 8 br. 3*.
N6ronka ITiti de) Passeios e digressoes, in 12*
encadernado 3*.
Paginas d'Histora con slitucional do Brasil, in
8* o*0O". ^
Pinto de Almeida Estrellas cadentes, in 8 ene.
SjOOO.
Seqneira, Architectura civil, in 8 encadernad'J
5*000.
Todas estas obras encontram-se a venda na !i-
vraria franceza, ra do Crespo n. 9.
SMHaa
tinturara fraieza
55-Rua da Imperatirz-55
Tinge, lava, limpa, lustra e achamalo-
_ U-se, cora a maior perfeigao, fazendas en
B pecas e em obras de todas as qualidades;
89 como sejam : seda, lia, algode, llnbo,
chapeos de feliro e de palha etc. etc.
Tira-se noioas e limpa-se a seccosem
W molhar os tecidos, conservando as?im io-
2 do o brillio da fazenda.
Tintura preu as tercas e sextas fei-
Wt ras.
MIII1IIII11
Agencia em Pernambnco
Do Dr. Ayer
Peitoral de Cereja
Cara a phtbysica e todas as molestias dn |>
Ma'M parrllha
Cura ulceras e ctugas antigs, mpiger:
iros.
Tonteo
.Conserva e limpa os cab>
Pilnla catbartlcaK.
IV


Diario de Pernambuoo Sabbado 6 de Agosto de 1870.




-

\
_
^MCkmfii-! ECHOE80M
ves Beltrao
AO ARMAZEM
DO
VAPOR FRANCEZ
1,7-Rl..........
Este eoDbecido estabelecimento acha-se constantemente bem sonido, em virtude das
j fletaras que recebe por todos os vapores e navios franceses, dos artigos abaixo menciona-
dos, precos os mais resumidos que possivel.
C AINADO FRAXCEZ
Botinas para enhoras e meninas.
Botinas pretas, brancas e de muitas outras cores, sortidas e bonitas, do ultimo gos>
lo da moda, e precos oais barates do que em outras partes.
Botinas para ttomens e meninos.
Botinas de bizerro, cordavao, lustro e pellica, das melhores fbricas e escoltadas.
Botas e perneiras i ussianas.
Botas e perneiras para maotaria, das melhores qualidades, de eouro da Hussia, lus-
tro e bizerro.
Mapatos de borracha para hnmens e senhoras
Tendo chegado grande porcao de sapatos de borracha vende-se pelo custo alim de
desempatar o dinbeiro nelles empreado, sio baratissimo.
Spatos de instro para horneas.
Sapatos de entrada baixa de couro de lustro cora sallo, de inuilo boa qualidaJe.
Abotinados para meninos e meninas
Sapatos abotinados de differentes modt'los, de muito 1was qualidades e fortes, tanto
para meninos como para meninas, minio baratos.
npatos de tpete.
Sapatos de tapete ave ludado, de casemira, de charlte e de tranca fran :ezes e per-
tuguezes para horaens, para senhoras e para meninos.
PERFUMARAS
Excedentes extractos, banhas, leos, agua de cologne, florida, divina, lavaode, den-
trinca, de toilette, sabonetes, tintara para cabellos, pomada angroise para bigodes, pos de
arroz te., ludoisto deprimeira qualidade, dos afamados fabricantes, Condray, Piver e Lubin.
Quinquilharias
Luvas de pellica do eonheeido fabricante J.uvin, espelhos para sallas, qoartos e ga-
binetes, toucadcrc de diversos timanhos, leques para senhoras e para meninas, abridores
de luvas, brincos, puleeiras, boies, correntss e chaves de releg ios e tranceln*, tud) de
ouro de le, correntes e brincos de plaqu, a mitacao e de mais gosto do qne as de ouro,
caixiohas de costura ricamente guar.-ieeidas e ornadas coi lindas pessas de msica, albuns
e caixilbos dourados para retrato, calxinhas com vidro de augmento para distinrtamente
ver-se a perfei<;3o dos retratos, objectos de phaotasia para toilettes, rolsinhas e cestinha9
de seda, de velludo e de vimes para braco de meninas e senhoras, ditas para costuras, pe-
queos registros maito finos e delicados, bouqoets de flores de porcelana, jarros proprios
para gabinetes e santuarios, quadros promptos para enllocar-se vistas, molduras douradas
para quadros, estampas finas de paysagens, cidades, figuras e de sanios, vidros para eos
Ra do Trap che n, i7, 1 andar.
Sacca por todos os paquetes sobre o banco d<
Mmho, em Braga, e sobre os eguntes lugares ero
Portugal :
Lisbaa.
Porto.
Valenn.
Guima'raes.
Coirnbra.
Chaves.
Vise.
"illa do Conde.
Arcos de Val do Vei.
Viannado Casielto.
Ponte do Lima.
Villa Real.
Villa-Nova de Fmelico.
La mego.
Lasos.
Covilhaa.
Vascal (Valpasso).
Mirandelta.
Beja.
Rarcellos.
relatando rainneioss
tos do concilio doB
C
annu

UVRARJA
COMPRAS.
D-se at a quantia de doas cootos de reis
a juros com hypolhcca sobre casas, uesta cidade:
Juem precisar prt cure no sitio n. 3, da roa de
oifi Fernandes Vieira._________________________
Na ra atraz da Matriz de Santo Antonio n.
18 i. andar, cozinha se para fra com asseio e
prnmpiidao e por mdico preco.
Attencao
Continua-se a fornecer almoco e jantar : ao so-
brado da ra estreitado Rosario n. 38.
iiiuraiiiii, mai.i, saceos e uoisas uu viageus, esporas, emboles, Dengiilas, ocuios, lunetas CU 4
pensinez de praia dourados, grvalas prelas e de cores, abntoaduras de collete o de punhos, SU
carleirinlias para notas, thtsounnhas o caivetes 0no9, pentes, escovas, ponteiras de espuma SM
morama, malas, saceos e bolsas de viagens, esporas, chibles, bengalas, oculos, lunetas cu
ihos,
. una a,
para charutos o para cigarros, Joeos do domin, rodetes', bagatelas e muros differeatts, ve- i|
nezianas modernas muito conveniente para porl-s e janellas, cosmoramas, lanternas magi- )Ja
cas, esteriocopos com interessaotes vistas de figuras e das mais b mitas ras, hoolevards, jlfip
pracas e passeios do Paris, photo;raphias o caixinhas mgicas, reverberos para candieiros, jrl
tapetes de vidriiho e de la de cores para ps de 'laniernas, realejos grandes e pequeos, J
harmnicos, acordions de todos os taannos, bereos de vimos para cr ancas, sapatinhos e 9JS
toucas de lia, carrinhos de 3 e 4 rodas muito elegantes para couJinir maricas passeio ; e f*
outras muitas quinquilharias de phantasia, francezas e allemae-, precos muito em conta. j1
Para este artigo nao ha espaco nem tempo para a mascante Icitura da infinidade de *>&
gneros de brinquedos fabricados em diversos paizes da Europa.
ATTENCAO
O dono drste estabelecimento pede ao publico em geral que continu a
veriieando as qualidades e os precos baratos de ditos objectos por serem viudos
reitura e de conta propria.
visila-lo ^
em di- |
GRAMDE
A ?miM EM PERNAMBUCO
11Ra Nova11
Antonio J >w -ht \i9wA, acaba de fundar em sen grande armazem de pianos e
instrnment s, nina
linprensa para gravar e imprimir msica,
de cojo lr-balbo se acha sacarregido o dislincto gravador e impressor o Sr. Nicacio
Garca, que por muilos anhos fui emproga^o das primeiras casas do Rio de Jutjeiro, de
I.AFOBGE e sinow.
Nesta casa s^ro impressas nao s as melhores novidades que vieren da Europa,
como tambem as msicas origina*;* dos melhores professores e amadores desia idade,
ijuer por nossa conla ou por conia dos seus autores
As primeiras msicas que se grjvaram e iraprimiram em nossa casa, tendo sido
maito bem acceitas pelo respeitavcl publico, nao s pela perfeita gravara e boa impres-
so, como peto superior papel que empreamos, faz com que boje publiquemos a lista
abaixo e que se acham a venda e:n nosso armazem. Cuuuuando a publicar-se ema-
nalmente pelos Drnaes as novplades que formos imprimndo.
ANNliTA polka brilhante pelo insigne maestro I. Smoltz. prei;o.
MINERVA, unlka brillianle pelo insigne professor Colas Filho .
i:iIi:o DI \B0, linda polka por ..........
I'Ma I.\iKIMA. mazurka.............
LA GRAN )E DUGHESSE polka........'..-.,
Treslinias polkas do Circo Equestre de M. Co=ali. (,Esla colec-
cio contina)............... IdOOO
Esl-se gravando para sabir a luz oestes dias, ouas lindas pecas de msica para
piano; composiao do insigne e sympilbico maestro chegado da Europa pelo ultimo
vapor o Sr.
E. Casalbore,
Valsa SOUVENIR. | Polka CIIANT D'OIREAIJX.
A oiprensa Nacional do .Msica tambera recebe
por seis mezes e por um anno. UJngaud-se a oniecar a seus assignantes duas ou
tres pecas de muaka pormsz, para piano s. e para canto e piauo, pla iabella seguinle:
Assignatura por um anno
PAKA
Qecife v Provincias
TrvS pecas por mez
sendo urna decanto
e piano 205000 2^000
Duas pecas por mez
para piano s Ij^OOO 18>000
U000
1)000
00
1)000
r-)Ooo
J. Ferreira Villela
PIIOTOiGRAPHl i IMPERIAL.
18RA DO CABUG18
A entra ta pelopate da matriz.
Os Irabalhos da reediflcaca desta photographia,
e que se prolongaran! por tanto tempo, acham-se
felizmente terminados e ella aberta ao servicp do
publico desde 7 de abril passado.
0 predio em que est collocada esta, photogra-
phia acba-se muito augmentado, e s a parte desti-
nada ao estabelecimento conta cinco salas, inclu-
sive as do laboratorio. Todos os concertos e aug-
meiiios tendo sido fetos expressamente para se
montar convenientemente a photographia, e nao se
podendo melhor modelo escolber do que a Photo-
grafiia Imperial do Sr. I osle y Pacheco do Rio de
Janeiro, o primeiro phatographo do Brasil, e um dos
pnmeiros do mundo, segundo a opinio dos mais
abalisados mestres, a nossa photographia acha-se
disposla e reeJiBtada pelo mesmo piano da do Sr.
I. Pacheco, a qual fui montada soh todas as regras
ecommendadas pelos mais destnelo* professores
de accordo com as modificacoes necessarias a
clima do Brasil, reconhecidas e esludada pelo ha-
bilsimo e pratico Sr. Pacheco.
Todo o int'-rior do predio em que esl nossa
photographia foi mudado desde a soleira da porta da
ra at a coberta, tendo-se demolido todas as pa
redes interiores para se fazerem as novas salas.
edificndose um novo terraco envidracadomui
espacoso e eleganto.
Como sabido, fizemos nina iagem expressa-
meiilj; corte para examinarmos as melhores pho
tographias all, e foi a do Sr. 1. Pachaco, a que
melhor correspondeu aos nossos desejos e aspira
coi's, e da qrial trouxemos os .planos depois de
all estarmos todo um mez esludandoe apro
veilando ai lines de lao dlstinclo inestre. Pea-
larnos que juntando os nossos e-ludos e longa
pratica de 15 annos de pbotographia as ntilissimas
liedes ultiman ente recebidas do Sr. I. Pacheco,
tendo montado a nossa photographia como se
acha, podemos Terecer ao Ilustrado pnblicn
d'esta cidade e aos nossos nnn erosos freguezes
trabaIbos de photographia lao per'eitos, como Sf
poder desejar, e disto convencidos, esperamos
a dispensar-nos a mesma pro
ha l'i annos nos tem honrado e
0 nnizeo de joiafe
Na rna do Cabug n. 4 compra-se ouro, prata
pedras preciosas por precos mais vantajosos do
jueemoutra qualquer parte.
Lom muito maior vaniajem compram-se
ouro, prata e pedras preciosas e a obras Tbas: u
loja de joias do Co:acao de' Ooro n. 1 D, ra 4o
Labugi v* ^
VrNDAS.
ULTIMA HORA
O Costa, x roa das Cruzes n. 42, participa a
todos o ?ns numerosos freguezes, que pelo ulti-
mo vapor reeebeu algnns gneros de primeira qua-
lidade. a saber :
Queijos flaaiengoso qae do melhor se pode ep-
contrar.
Bolachuha do fabricante Goodolo, pela primeira
vez vinda a este mercado, pelo nreco mdico de
ii a laja. ^
Maqaas de qualidade apreciavel.
Ameixas em latas e frascos.
Gaz de primeira qualidade, que se vende a
400 rs. a garrafa e 8 a lata.
Alem das muitas e variadas qualidades de mas-
sas para sopas, conservas, qner de hervas, qaer
de carne ou peixe, doces, vinnos, licores, etc., etc.,
tem velas eslearinas a 6i0 rs. a libra.
Taberna a venda.
Vende-se a taberna da roa de Sao Bento n. 19,
em Olioda, urna das hvlbores roas : tratar na
mesma. O motivo da venda aehsr-se o sea do-
no bastante doente e necessitar retirarse para
fra.
Vende-se 3 vaccas e 3 bizerros que do an-
da algum leite e sao de boa qualidade, na povoa-
cao de Beberibe, sobrado velho, junto a ponte :
quem pretender dirija se ao dito sobrado que
achara com quem tratar.
Vende-se urna boa aimacao existente na casa
do pateo do Terco n, 19, cedendo-se a chave ao
comprador.
que contiuuem
ii-ccao com qae
ajnilsdo.
M ute pi popular pe buciino.
De ordera da directora sao convidados todos os
senhores ocios para so reunirem em assembla
geral domingo 7 de'agosto, alim de com e.-pecia
lidade approvarein as coatas da mesma.
Secretaria do Monte pi popular pernambucan3,
2 de agosio de 1870.
O 1 secretario,
Candido Jos de Ges.Talles.
Casa ara alugar.
Otercciro andar da rna da Cadeia numero 4.
Tachigraphia
Achando-se presenteniente nesia cidade com re-
sidencia lerniiorarii o pn fejsor do exlincto Lyceo,
offerree se tomar tribunal, nn ainda de i|ual ou scienlilica por urna gratirtcacao r;izoavel : a
Iratar na ra X'ova n. t, das 11 1 hora da larde
dus diss litis.
Precisa-scTnma ama livre ou escrava : trata-se
na rus da Gamboa rtn Carnfo n. 9, cobrado.
Aviso ao publico.
Nao desejnndo perder n- relaedes de commercio
e de amizade que felizmente teho adquerido nes-
ta cidade, venho declarar por este jornal que meu
cognome Jos, e que pi rtanto nada tenho com o
juno que se fara sobre qualquer outra pessoa que
liver o mesmo nome de familia que en.
Jos Simn.
Hiitalo artstica
De ordem do Sr. presidente sao convidadas as
commisses pareJWs nltnnamente Horneadas para
agenciarem donativo para o fim proposto em rey-
uio geral; par*.dare:ii onota lo resultado de scu
trabalho, o que lera lugar as 11 horas do da do-
mingo 7 do mez anda ate.
Reeife 3 do ag isrto de t8"0.
No iiiipclimenio do Io secretaria,
Adolpho Thiago de Faria.
Attenqo
Assignatura por seis mezes
p\i\\
Duas percas por mez
para piano*> s
Tres pecas por raez
sendo ama para
canto e p'an
Reeife Provincias
84000 OWOO
105000 12^000
O preco da assignatura, aprsenla aos Srs. assignantes, urna grande economa:
porqtfe *e forern a c-aruprjr avuisa a musiea que l'orneceaos no 'tecureo de um anno,
Ihe costara 30 a 60,$. ou lahez mais. Paranlo co'ivKlamos a lo'lis as pessoas, quer
desta cida rectamente a nossa casa, que promptamente Ihe sera remettidas a seus domicilios,
petos vapores oo*corr
u aos Sis. negociantes de mu cas, que* desta provincia oo
deoalras, que *ju itrar wo relaviws de oegocio com nossa casa, ihe faremos
sobre os precos marcados na msica uto gran<1 i vantajoso.
(>MNDC ARMAZE i 1 dPR:
ortimento de le A. B!.Qdel, de qnem somos
i Jo sorlimento de musi:as para piaoo. edices
da E le Janeiro, o maior o m-us xplondfdo sortimeoto de instrameotos
de msica para banda m "lar e orchestra.
A mesa regedora do Senhor Bom Jezus dos Mar-
tyrios desw cidade convida a sens irmaos com-
pareeerem impreterivelmenie no domingo 7 do
correte, na nossa greja, alim d>- proceder se a
eleicao para a nova me>a rngedora.
Consistorio i de ajoMv d 1870.
O secretario di irmandade,
Jio Amaro Vianna da Paz.
0 ClKl'ltilAO Di
Frederieo
Maya
Teta a honra de scientificar ao respeita-
ve i publico e.- geral. e aos seus efeote
em particular que elle tnudou o seu gabi|
netede consultas da ra Direiia u. Ki para
a do Queimado n. 3i primeiro andar, core
i entrada pelo pateo de Pedro II, onde po-
do ser procurado p*ra os misteres de su?
profisslo, todos os da- uteis das 9 horas
ja manha s 3 da urde..
Tambem previne, que conttna a prestar-
se a vontade dos clientes n3o s na cidade
o>mo nos seos suburbios, para onde at
idas serio precedidas de ajuste. Elle ga-
rante 6 bom desempenbo o a perfei^So df
jeus trabaJbos, o que j bem eonheeido.
i8sim como as comroodidades dos prpcos.
ttecXo
Vende se iaa de eanna a 280 rs. a libra, em
porcao faz-se differenca : na ra de Hurtas, ar-
mazem n. 8.__________________________________
Vende-se pennas de ema, cera de carnauba
e feijao em sacco : no e^criptorio de Moraes & Ir-
mo ra da Madre de Dos n. 5, l" andar.
Para quemtiver
gosto.
Vende-se ama boa earanna ; o dono disfaz se
della por cantar muito : quem quizer v no pateo
do Collegio n. 6, taberna.
Laa para bordar a
5^500 a libra
O Cysne, ra da lmperairiz n. 64, acaba de
recebe"- grande e variado sortmento de la, a qual
vende pelo baratissimo preco de 5J500 a libra,
cores sortidas.
Vende-se urna taberna com poucos fundos,
na ra dos Coelh >s n l : a tratar na mesma,
das 11 horas as 3 da Urde.
Vende-se urna rotula de amarello em bom
estado na camboa do Carmo n. 16.
Cetos para ci uducao de materiaes e ripas
de carnauba.
No largo do-Corpo Santo n. 6, segundo andar,
vende-*- aquelles artigos, que sero mostrados
aos prelenden'ej.
Venham comprar.
Antes que so acabe, madapolao francez largo a
6S0 a pega : na K ja das seis portas em frente
do Livrameno.
Vende-se a armacao da mja da ra da lm-
perairiz n. 36, propria para qualquer estabeleci-
mento, e alnga-se a mesma loja a quem comprar
i armacao : a tratar na mesma ra i>. 7, loja
da Arara.
JACARANDA
MACHINAS PAIA
COSTURA
Acabam de chefar ao GRANDE BAZA1
UNIVERSAL, ra Nova n. i2carneir
viannaum completo sortmento de ma-
chinas para costura, dos autores mais co
onecidos, as quaes esto em exposic3o ni
mesmo Bazar, garantindo-se a sua boa qua
lidade, e tambem ensina-se com peifeic5(
a todos os compradores. Estas machina.'
s3o iguaes no seu trabalho ao de 30 costu
reiras diariamente, e a sua perfei^o ta
como da melhor costureira de Paris. Apre
sentam-se trabalhos ezecutados pelas mes
mas, que muito devem agradar aos preten-
dentes.
Vende-se as daifas ou em toros :
tratar na ra Direita n. 31. armaz m.
para ver e
1
Loja
NA
flor da boa-vista
DE
Paulo F. de M. Guioiares.
Chitas escuras e claras, covado a OO, 240 e
280 rs.
('. imbraias de cores (isas, covado a 200, 210 e
320 rs.
Laa com listras, e miudinhas, covado a 200, '10
a ."Ou rs.
Brim pardo trancado com pequeo toque, metro
a 300, 500, 300 rs.
Dito: decores, puro linho, grande pechincha, a
l, U, I000.
Ditos de dito algodo, boa qualidade, covado a
360, 360 e 400 rs.
Molskine pa a calcas, fazenda nova, covado a
900, 900, '.100 rs.
Cortes de calca de casemira preta a 3 500 e
4000.
Ditos de dita de quadros de cores a 7000 e
12*000.
Calcas de brim para escravos a 640 e I 000.
Camisas de riscado para escravos a 800 e 1000.
Pecas de algodao e madapolao por precos ba-
ratsimos.
48-RUA DA IMPERATRIZ-48
Junto a paitara franceza.
Sitio em Parnameirim
para vender
Ainda est para se vender o sitio Olhp de Vi-
dro, em Parnameirim, ou Ponte de Uch.i, com
sobrado de um andar com 10 qoartos, fogoVs e
fornos de ferro, sonzalia para lodos os arranjos,
bstanles arvoredos de Inicios, lerrenos para
planlacoes, boa baixa de captm, agoa de beber,
tanque para banbo etc. : qnem o pretender con,
prar enlenda se com Jos Aniunes Guimares.
na rna do Aragao n. 13 (hoje Viscende de Pele-
tas) at 9 horas da manhaa e das 3 as 5 da tarde
na falla, na ra de Queimado n. 1 loja, boje Ba-
que de Casia.
Rival sem segundo,
RA DUQUEUE CAAlA* V. 49
(Amiga ra do Queimado)
Contina a vender tudo muito bem e
muito barato a saber:
Libras de areia preta muito boo. 120
Tesouras finas para tinhas e costu-
ra a......... 50Q
Papis de agulhas francezas a ba-
ilo a......... 60
Caixas com seis sabonetes de fruta I 000
Libras de 15a para bordar de todas
as cores a '...... GflOO
Carriteis de iinha Alesandre a. 100
Frascos com azeite para machinas 500
Grvalas de cores muito finas a 500
Grozas de botes madepersla fi-
nissimos a ...... 500
Pares de luvas de cores muito fi-
nas a 30 e....... 500
rtyvello de Iinha de 400 jardas a. 00
Caixas com 100 envelupes muito
superiores a...... BOO
Pentes volteados para meninas a. 240
Tinteitos com tmla prela a 80 rs. e 160
Pecas de fita elstica muito fina-a 200
Lata com superior banha a 100 e. 200
Frascos de oleo Philocomo inuilo
fino a........." 500
Ditos ditos dilo gfande a. ISOOO
Frascos de macaca perola a. 240
Frascos de extracto muito b-mitos a 500
Dnzia de saboneles muilo finos a. 72n
Sabonetes inglezos a 600 rs. e. I520i-
Frasco com agua de colonia Pivera 50C
Dito de oleo babc.za a..... 500
Caixas de lamparillas a. 40
Sabonetes a forma menino muito
superiores 3....... 240
Lartilhas da rlontrina fazenda nova a 400
Libras de Iinha surtidas de todos is
nmeros a. ...... 1^800
Babados do Porto, largos a 160 e Ou
Capachos muito bonitos e grandes a 700
Carriteis de retroz preto, com 2
oitavas a........ 640
Agulheiros de osso enfeitados a, 24o
Libra de Iinha franceza supeiior
qualidade a....... 2?jl4O0
Caixas de patito do paz a. 20
Vende-se um grande sitio sem casa, terreno
proprio, no princioio da estrada do Rosarinho por
onde passa a estrada de ferro de Olinda, com mul-
tas arvores da fructo de diversas qualidades e bai-
xa para capim : na ra dos Pires u. 32, casa de
Cecilio.
Vendse a amiga nadara da roa Direita n
60 : a tratar na praca da Independencia n. I i.
Taberna
Vende-se urna taberna propria para principian
te, bastante afreguezada para a trra e para b ir
do : a tratar n;v mesma, travessa da Senzala-velha
numero 4.
Algnns m:<
garn ao pu
os debate
urnas filha
andar de umdos sobrad;-
Larangeiras ro-
conter
ronancidas por
qne moram no primeiro
decta roa.
Scientitlear que aiAGCIA NEGRA, reeebeu pela
ultimo vapor, os muitos desejados aderecos en
carnados imitando coral.
Voltos grandes de aljofares encarnados e de ou-
tras cores.
Um completo sortmento de cintos largos ; cou-
sa de muito go-io, imlispensaveis para meninas de
escola, eu mesmo para senhoras traierem no bra-
co, eousa inteirameote nova.
Leques, o que ha de melhor e de mais gost ;
neste genero existe tim tal sortimen'.o haver comprador por mais impertinente, na es-
eolha que deise de agradar-se.
P eninez de Picer.
Po de Carrlo de Lnbin.
f.xtraetns Unes de todos o= autores.
E oulres muiu.s ubjet-tis de que o publico j
esl soiente: pois que..* ACUA XKGBA n.vi des-
canca um s raojneuo em descobrlr otij
peciaes e inteiramente novos, para assim bem ct-
vrir seus freftnwes.
Vende se um teneno em Motocolombo, Ir-
gaczia dos AlT/gadns, com 160 palmos de fondo,
ji com alieeree* para cjnc casas e cacimha para
serventa : > tratar ta ra Di>eiia dos ^Iol'
u. 13.
GravaDhns de seda de cores para meninos, lio-
mens e senhoras a 3201!! : na ra do Duque de
Caxiasn. 5o.


3
Os accreditados cylicdros americanos para pa
daria.
Machinas para descantear algodao.
Canos de ferro galvanisados, para agua.
Carrinhos americanos para transportar fazendas.
-CANDIDO ALBERTO SODR DA MOlTA & C
com escriptorio e armazem travessa da Madre
deDeus n. 14. tem para vender o segumte :
OCRE de muito boa qualidade a 1-3510 a ar-
roba.
CIMENTO POltTLAND, verdadeiro e de primei-
ra sorie:
VINHO BOROEAL'X, desde o mais fino e espe-
cial al o comnrom.
CONSEVAS FRANCEZAS das^iais superiores
qualidades, ainda nao bem conhecidas neste mer-
cado.
PAPEL de differentes marcas para cigarros.
WTO PINTADO para forrar salas, gabinetes, es-
critorios etc.
Ciba de chegar nova remessa desse artefacto,,
ue < v.'ilri por prejos mais redtuidos.
Farello.
Vende-se saceos com 90 libras de farello no-
vo do Chile a 450O : ra da Madre de Deus
n. 7.
Carvao pa^afereiro
Vende-se em casa de Mili Latham & C. ra
da Cruz n. :8.
Farinha de mandioca
nie-se farinha de mandioca, n ianu
Catharna, chegada no pm
fundado
vram-
Jos G
ou a hord
Vende-se a
ra do Urgo ii
modos e grande quii
Reeife. roa da adela
17,
A Nova Esperanza
91Rna llnqnc de Caxlas9f
Quando a NOVA-ESPERANCA faz os seus
anuncios expoodo aos seus frVgaeMS e *
lodos em geral o grande sorlimento e sn-
perioridade de sens objectos n3o com \ te-
tas de alrair a attenco de uina grande, fre-
guetia, como a de que actualmente de*pe,
e sim para scientificar (a inlerese de todos)
a qualidade de seus objectos os quaes san
sempre de apurado gosto e perfeieja; lor-
aando-se qiiasiindispensavl para aquelie*
i-preciadores (do boro) frequentarem a No-
va Esperanfa, pois que ella capiieba em re-
cebar constantemente, o que ha de melhor
relativamente a sua repartir >: e que se po-
der verificar quando em qualquer reunio
de pessoas (amanies do sique J v-se un
bonito enfeitc em um bonito vestido, um
aroma agradavel escapar d'um alvo lenco,
um moderno e linde I;k;. um dilicado ra-
mo de finas flores, fie. ele, iodos olham-se
reciprocamente e dizera com :igo (e as *e-
zes' uds aos ootrn) e.-ie* s3o objectos
comprados a NOVA ESPERANCA: realmen-
te !!!! procurar descrever em "annuocios os
artigos que cunt-m dita luja, seiia trabalho
insano e nunca o fariam< s com aquella
graga e perfetto com que sao Hiles fabrica-
dos, assim pois a NO VA-ESPERANCA con-
tenta se em convidar a todos gerauente.
visitarem-na para ento karam inei-
rados do que ha exposto na mesma loja.
21 Re: Duque de Caxltis I
Joaquim Rodrigues Ta- |
vre de Mello, S
0Prculo Corpa Santo n. 170
TEM PARA VENIlF.R : S
Cal de Lisboa. 0
Potassa paRussia.
Vinho Bordeaux. A
Fai ello d^ Lisboa.
Farinba de mandioca. ft
Bichas hamburgnzas
Neste novo deposito recebe-se por todos os pa-
quetes iranslariticos bichas de qualidade superior
e vendem se em caixa ou porcao mais pequea,
e mais barato do que em outra* qualquer parte .
na ra da Cadeia do Reeife n. 51, 1' andar.
Vidros para vidrac.as de todus os lmannos
e em caixas, vende Dartholcmeu A C, em sua
pliarmacia na ra larta do Rosario n. 34.

^ Grande Uqui^co de
M t'nzeiidas b rata-
S A' RA Io DE MVHCO N. i.
MADAPOLAO II i<> sujn ri'r a peca
M 3^00 e i!5
ALCOUAOZINHO c m 18 jardas a pg
a 2^00a p.r;i. H
jgg AIjGODaOZINHO superior marca T ^
1^ c< m :',! v"l:l> '' g CA.VIAIA.S btaucas transparen:es a g
^ '.} a pee,..
33 CAMBIl-UAS finas de cores, modernas jgf
1^ a 280 n covado. "B
^ CHITAS escuras nintisadas e do cures
iho mindiiihas a 220 e 240 o covado.
1^ CHITAS imperines o ullimo gosto com
^ core* hevnras a 280 o roiado.
CHALES de merm prei g o e todas fc,,;
as coi'S i JSOO.
LENCOS li;iosde cambraia a 2o00 a g
du ia -.
COLX \S .adamasea'l.is superiores, de *=
cores e brancas a 'M. "'i 0 .- fi. g;
CHM.ES (o cs-sa bordados do cor a S
23500.
lili (MANTE de ::ili'. mta largura >&
com 27 vara* a i'.)., e co.n t.i ,:e; de cu- jL
pim a I i i t^;
I):1i-m- amostras Cimii i>enli"r ;i ra 1 jg
\v liaren n. 25, loja de vuneJ Oas Xa- JS
v"r
1
: iiiksi-nm
1|-O)
Lindos cortes de dota para camisa a 1*800 : na
ra do Crespo n. 2.'. loja di isquina.
IAZ GAZ GAZ
Cbegoa ao antgo deposito de Henry Forster i
J., ra do Imperador, um carregamento de g>i
le primeira qualidade; o qual se vende em partid; i
* a retalho por menos preijo do que enr oatr qaa
iur parte
Objectos para carros.
Solas de l:-i'o.
Vaquetas de lustro. t
la oes largos e eslreilo?.
Oleado preto para guarda chuva.
Dito de cores para forro.
Lanternas e veas.
Boloes de osso de cores diversa.
Cigarros da imperial
fabrica de S. Joao
de Nictheroy.
Uoico deposiio em Pernambuco caes da alian
dega velha n. 2. 1 anda.___________________
Vende-se urna balanea decimal em perfeilo
estado, qne pesa 300 libras : no arma;em de Pau-
lo Jos Gomes 4 .Climaco, caes 23 de Novembro
numero !4.
Oteo de inha<;a
Vende se em casa de Mills Latham 4C.,!rua da
Cruz n. 38.
Aproveiteui a occ siilo.
Vende-se nma lija concertada e pintada de novo
na travessa do S. Pedro, por ter seu dono W leti-
radn para fra : a iratar na ra da (mperatriz n.
13, bazar acadmico.
CEMENTO
O verdadeiro portland. S so vendn na ra d*
Madre de Dos r. 23, armazem de Joao Martin de
i Barro*-' '
DEPOSITO
lina da Cadeia n. 5.
Vndese por menos preco d-> que em ouira
qualquer parle, de 10 killos para cima, as segoi-
les qualidades :
Sam.Qnalid Une, fine snpereur.
Surfine.Par excelleiice. Vank.
Qalit One.
FJHis de fer o
para purgar assucar : vende se na ra da Cadeia
n. 4, armazem de S. .Uanrma.
Vende-se a taberna Mu na ra dos Guar
rapes n. 10 : a tratar na n
Cera de Lisboa m velas
T.imanhosdiffennies desde 2 a 16 por libra, em
-deuira airoba : no iromzm de Tasso Ir-
mos 4 C, ra do Anr rini n. i
/[
\


Diario de Petnambuco Sabbado 6 >.
GRANDE
BAZAR

60-RUA DA MATRIZ
DE
SILVA, FIlillEIREDO kt

NfWte imocrtante estabelecimento encontrar o respertael publico, f randa e variado sortettdMe teendas do mais
apurado goato e wdaa de irim>ra necesaidade, que te vende ais bar** 4e qow en outra qualqoer pjrrt\ vko im os o-
to$ secio desta firma, adoptaram o systema de aveoderem DINHRUIG ; par* peaerem veoder peto cost, AiMMb-iig attmas
a gaobarem o descont ; as pes>oas que negocian em neqo^na es^a oeti loj irroaze jfcer* faze* i tkt soiihfctos
pelos meamos presos que compram na* cafas inglezas, (importadoras) e para tumor commoctdal amostras de todas as fszendi?, oa Ibes tevam em suas casas para escolherem.
GAMBAS DE ERANELLAS A 3|S00.
No Btar do Pa*fo vende-!*- uto bonito
sor timen to orm todos os tamanhos das me*
Ibores camisas, de flaneila de la, e*m
mangas tanto proprias para Owens cerno
PECHIN:HA EM CASEMIRAS A 4O0O. CORTES DE LA ES .0 .EZBS A 6j0f>
No Batar do Pa*5o feie tuna grande Vende se bonitos cortes de 12a eseocetas,
cempra em nm ledSo, das mais finas yindo cada um em seo papel, pelo barato
casemiras >nglezas que tem tindo a es- prego de 60000 cada um; no Bazar do Pa-
l mercado, tendo cores claras e escuras, *o.
todas con padroes serios, iroprios para CASSASFRANCEZAS A 2DBS.0 CO?A-para seoboras YWrde-se a 3O00 cada
calcas, palitosecolletet; vndese a 4#000 DO. urna, eqpem comprar de meta dtilia para
o covado, oqne em outra qualqoer parte No Baiar do Pavlo vend-se um grande cima ter om baiimeeto, SIo de oit
nSo se vende por menos de6 vantagem. 240 rs. o covado, diae finitsrmas ftanecas Gnmnf peebtafcti eriii?stiittlarts a- *e 4*500
BRINS DE LMHO DE COR A 1*200 padroes miudinbos e graadi.s a 560 e C40 NoBazruoPai>ae fea^evma^ndecom-
No Bazar do Pavao, fez-se orna grande rs. o metro; sao moito barata-. pra em 1eit56, de nnistimas camfsas inie-
ORGANDYS BRANCO E DE" COR zas coco peitos e puobos de lia o, sendo
No Bazar do Pavao vende-se os miis coro collarioboe e de todos os nemems a
bonitos e mnito finos organdys cota listas 40000 cada oma, ditas sem co'larianos,
largas e cojudas i 14000 a wta, ditas Usas, poro fazei.da nUsima a 44500; gran-
fizenda de muita phantaia 800 rs. a vara, de petbinch.
ditos d c es, finisiaus padrn, iteira- CAMISASBARAtAS a 2<800,3#t.Oe2i600
mete oovusa 80 rs. a vara: peehmcta. No Bazar do Pavlo vende-se ama gran-
GROS ENAPLES PRETOS de porcso de casemiras mesctadas, multo
Cbegoa para o Bazar do Pavlo umgran- encorpadas a 2,5800, ditas finisstoae'com
de sortimento dos meluores grosdetaples msela de seda a 30200, ditas modernas
pretos que t-m viudo ao mercado, que se de qoadros, fazenda de muito gesto a
compra de puros brins de liotao, muito en-
corpados, proprospara calvas palitos, col-
letes e roupas para meninos, por serem de
padroes miudinbes ; garntase que nao ba
brrala que Ibe tire a cor, e vende-se a
10200 o metro desta excediente fazenda.
MADAP-ILO FINO A 60400 A PEQA.
No Bazar do Pavao veo tem-se pegas de
ma ida polio fino de moito boa qualidade,
tendo 22 metros ou 2 > aras cada peca,
pelo barato preco de 60000, por se t-rem
comprado om pouco enxovalhadas; pe-
chincha
CHITAS ADAMASCADAS A 240 RS. O
CAVADO
O Bazar do Pavo vende muito boas chi-
tas inglezas incarnadas adamac adas, pro-
prias i>ara cobertas e cortinas, sendo fazen
endrm de 106O ate 53t00 o covado
s5o tod' CAMBRAIAS TRANPARNTES
No Baiar do P.tS i ven le-se um grande
soriimmo das me bores cambraia brar cas
tran>prenles, tem de 305 M) at H'0OO)
peca, ditas suissa^ tiiiissi-j'as com 8 pal-
5 qu.,^^aTq rl^ ve'nd;a320rs. mds de brgara a20OOO. 20500 e 30O O
e iLda-sea 240 rs. o covado; s o Pa- vara- d'tas vctor.a. e Upa .as da ma.s infn-
..H r\o<- ate amis bnaqoe ven ao mercado;
e
v3o.
CACHE-NEZ A 60000.
No Bazar do Pavao vendem se bonitos e
grande-* cachi-nez de pura lia, pelo bara-
to preco de 6:000 cada nm.
CRETONE3 PARA VESTIDOS A 640 RS.
Cbegoo para o B zar do pav'o, um sor-
timfn'o dos mais elegantes cretooes frao-
cezes de cores fizas, proprios para vestidos
e roupas de meninos, e vende-se a 6i0 rs.
o covado.
g TOALHAS A 70500
No Bazar do Pava) fez se urna grande
comora de tnalbas alcoenoadas proprias
tudo isto se vende moito em <*mt.
MANIELLE1ES DE FIL
N i Baz^r do Pav3o ven ;e-se modernsi-
mos mantelletes en basquinas debi preto,
om lacp, pelo barato preco de 100000 ca-
da om, barato.
PANNOS PARA SAIAS A 10000, 10280 E
106t 0 O METRO
No Bazar do Pavao vendse nonita fazen-
da branca ncorpada oara salas, sen lo cotn
babados c pregas de um lado; danto a lar-
gura da f*zenda o comprinento d si, a
qoal se pode fazer com 3 n 3 i\i metros.
t oende-se 10000 e 108O e 1600; assim
para rosto, bistnte enerpadas e grandes, codo tamben no mesmo tt-ballecimento
que sempre se ^^'ndprara a\!20Oi^O. e ti-' se vende hondassa'as brancas bordadas ten-
qu'dam-se a 7-i500 a du'.ia- u a 640 rs.
cada urra, bfa pe hi-ctia.
CHA^O^ PARA MENINOS A ^?0OOO
O PavSo vende umi r-nde oorcSn do*
mis homtos ciaposirhos de p^.Iha li, propn'o* para meninos de loias =18 I ta-
rtos, sen to dem-ve a 250OO cada um, muito biltto.
ALPACAS LAVRADAS A640RS.O
COVADO
Receben oPv3n ornis bo'itosortimento
de a'pacas lavradas d>i tnd*s as cores pro-
piiis para vestidos, evendp-se a6*0rs. t
eovad" ; erando pechincba.
(HITAS E RISCADINHoS MIUDINOS A
' 200 Rs.
O D,ivaovendchitas ou ri-cadinhos miu-
diebos c6r de rosa e rxinhos, proprios
p^ra vestidos e roupas de cranos a 200
rs. o n vado. S5o mui'o baraio*.
LA^HAS COM PALMAS DE SEDA
Che^ou para o P'v51 o mus bello sorti
m nto das mai<* br Inantes latinhas claran
com bonitas pslmiohas. de seda; ten o lar
gnra de chita france>a e veide-se a 10OnO
o covado ; rande pechincha.
ALPACtS MATIS4DAS A 611 RS. 0 C0V4D0.
V-nlern se as mais m derna e bonitas
alpacas mat sarta* cnm palminb s, muito
p^opria para vestidos de senhora e d) me-
ninas pelo barado precn te 640 r?. o cova-
do ; s3* "in:tn ^m conta.
PARA NOIVADOS CORTINADOS. GOLCHIS.
Ch"ffci] para o Bazar do Pov3o um gran-
de sortimento dos m^is bonitos c trinados
borda 'oj. proprios para cimas e janeilas,
qoe se vendem de 100 00 al 200^ 0 o
par. a-si o como o me'hor damasci. cam 8
palmo- de largdra a imitaclo de damasc i
de oda, omorias para colchas, e prupria-
mente colehas de damasco, seod os meluo-
res e man bonitas que tem viodo ao mer-
cado.
SEDAS DE LISTRAS.
No Bazar do PavJo vende-se urna grande
qoan'i tale das mais elefante* selas com'
listrinh^s. 'enlo de'oas as cores e a'
rara- 6r; farota qae ningneo viorte por
roanos drt2H00, e l-qoida-se a 20000 cada
cora 'n ; sao mnito baratas.
SETINS DE CORES E GROSDENAPLES.
No Bazar d i PavQ vnd--s um s 'rtime-i-
to comp'eto rtos meh- re< setins e urosle-
nap'es de tod muito em coma.
LASINIIVS ESCOCFZVS A 500 Rs. O CO-
VADO
O Pav3 vende um elegante sertimento
das oa;s lindas I83sinhis escocias com 8 s
deseda, :-r|ioarato preqo da5 0 rs. oco-
vado ; grande pechincha.
LANSINHA A 3irt
No Bazar do Pav) vwnle-sa om elegante
sortimento das mais boniti* 'iir^as ini-
tac5o depoope'i >as, cora h diohase de una ; cor 32 rs. colacova-
POPELINAS ^E LA\ A 400 RS. 0 CO-
VADO
N Bizar di Pav5o vende-se um elegin.
/e sortmnto das mais bonitas poupelinas
de ISa om bsta mialbrus, seo lo t"das
qoasi de urna s 6r, i 400 rs. o covado ;
bar:
do 4 palmos cada urna, rt t;is de Ha de
core* ja pr.mptas urnas com barras dife-
rent's, da me-m* fazenda 40"Oe outras
com barras brdalas 60003 e 70OUO,
turto isto moderno e mrm.
ALGO'-O FNfrSTADO PARA LENCfS.
No Bazar do Pavin ve.-.i se o m loor ai
godo mbo a firicano e festao p*ra len-
5j, ten lo liso e entonado por preco
miito barato.
ESPARTILHO.
No Bazar do Pavao receben-se om elegan-
te sort rento dos mais mod rnoi e melb -
res esp.nrthos. que te vendem por preco
moi'o am cotila.
PANNOS DE CROCH PARA CADEIRAS
o Bazar do. Pavao receoeu nm grande
sonim uto d'is me'oores pannos de croeb
proprios paa cadeiras de bataneo fofas,
piiu s, t mboretes e at proprias para cu-
brir almi folas e pratos; vendendo-se por
creaos do que em qudquer parte.
MERGOS P\RA VESTIDOS A 10000
Cb-gou para "o Bazar do Pavlo nm ele-
fante KMPpnMto de merinos muito leves
de una cor e c m a mti> lindas cores,
pr prios para ve-tldut entupas do meninos,
c", in:as b urns tt., e vndese p-do
bar to preco-<.e 10000o c vado; bo i la
baenda
Liisinhas tranrparei'es a 300 rs. o covado
O 'avio r* tb um bonito sortimeijto
das mais elegantes iaa;inhas transparentes
proprias para ve ti dos, que vende a 5O rs.
o covado; m->ito barato.
PARA LE.\gOES
No Bazar do Pv3o v^nde-se su wior
bramante d'algoii com 10 palmos de lar-
gura a 10800 o metro, dito de lmho coro a
mesma largura a 208DO cada metro, pannos
ds I ohodoocrtocoral 1/2 palmos de la'gurt
de 7z0at 10 a vara, assim comoimg aodn
sortimeoto de H mburgo ou crcguei; le
mdi'S os nu ner-s, prec s ou quadales,
que se ven mu mais barato do que en ou-
t.a qnilqner p^rt-; a .r ivei'ta-
ATiALHVDOS
No Bazar da PavSi ferfe.fe superior
atnalbad trnca-lo, com8'pa!mo* de largu-
ra a 10duO o metro, aito cado o -utlhor que tem vmd i ao mercado a
30500 o metro ; tnd isto muito barato
DAMAS 03 a 9 0 r .
No Bazar do' Pavlo .vende-se bonitos
damascos de laa com ama s largura pro-
pria para u lenas e cortinas pelo barato
pre?o de 900 rs. o tovado, barato.
30600 o covado; aproVeltem.
TAPETES
Chegou para o Bazar do Pavlo o mais
legantesortimont de tapetes grandes, pa-
ra sifs, oom 4 cadeirs, ditos nwispeqoe-
nos, para doas cadeiras, ditos para
itianosj ranas, portas ; et;. vearte-se por
meos do que em nutra qualijuer parte.
(.OLCHaS BRANCAS A 302OO, 30500 E 70
Para o Bazar do Pavo chegou um gran-
de soitimeDto das metoores colcha* de fus
tao, s ndo das melhores e maise oorp?da.
qu tem vindo, a70uO., ditas nm ponco
mais abiixo a 505O'i, e ditas a 35000;
tambero no mesmo estabelecimento se ven-
de um grandesortimeat > di oret >nrt e cbi-
t s, proprias para colcoas, que se vendem
muit em 'onta.
GOftGUHOlSOUPOUPELWASDE SEDA
A r0OtO CADA COLADO.
Cheg^a para o Bazar do PavS am ele-
g3W9 sortimento das verdadeiraspoupetnar
de bnbo e seda, com os mais modernos
gostos, que se vendem a 20000 cada -ovado,
o que em ontra q alqner parte nSo se ven-
de pr menos de 20500,pre.ine- e que r3o
so algodlo e seda, coilo ba mnitos ; ma-
-im puro lisho e seda ; sao muito baratas.
ROUPAS PARA HOMENS
No acertditadc Ba.ar doPd*5'i enooatra-
ra o respeit vel publico um grande sorti-
meoio de roupas para homens tanto bran-
cas como de cores, a saber :
Camisas Cf;ir-peitos o'-dgodao e delinho,
para todos os presos e qaailades.
Cerollas de lindo e aigodlo.
Meias cartas francezas e inglezas.
Patitos sobrecasaco? de panno prelo e
casemira.
Caigas de brim branco e de cores
Ditas de casemiras pretas e de cores, com
clleles iguars
De todas estas roupas ba para todos os
)recos e qoalidades, e ttm de mais mais
um perito
ALFAIATE
Por qnem se manda fazer com prestes a
e aceio qualqoer pefide obra a,capricho
ou go-to do freguez, tendo n'este importan-
te estabelecimento t das as qualidides de
i?nno fino as melhores e mais moder-
nas casemiras, assim como os melhores brins,
qur brancos, qnr de cor; e qoando qual-
qoer obra nao ticar inleiramente ao gosto
dos fregueze3 fi-a por conta do estabeleci
ment.
CHALES DE MERINO
Coegou para o Bazar do Pava i am elegan-
te sottiment > de cba'es de merino de cores
muito bons com padroes muito decmtes
oara qualqoer ama senhora usar, difas de
cr.tt n com listas de seda o mais Gno e
moderno que tem vindo ao mercado, e ven-
de-se por preco mano em conta.
BABADlNFHS
Cretonas escaras pira vestidos e chamaros.
Chegou ao B>zar do PvSo esta n va fo
zenda, mati ada cnm c'es fixas e
muito enc-radi proprias .-.ra vestido e
chambres; vende-se pe;o bafato preco de
8iK) f*. o covoio; porm 'I-i mui o bo lito*
B Cn-ganm ao B-zar do Pavo o ma'sbem
'fit b:iio s revfo'3dor-s, -enrto de fo.-t
a 4^0H) ditos da mussetio a 40500. ci-
to d l-ii.ha d todas as cr^s a 50000,
I0dj8 nf es Slt ni. lio oa^t.,8.
Paini preto maiie barata a 30600
O Bazar d i Pavo receben ama grande
porco le pjc^s 'te nano preto fino, com-
praos era leill, qoa siraore se venden'a
55000 o cova lo e pode liquidar a 30300,
pdr ser urna estlente Com^-.,
No Bzir do P^vo vende-se om grande
sortimento dos mais fto:s babadinh.-s borda-
do8 tapados e transparentes, assim como
urna grande porcao de entr m-fios largos e
e>treitos, que para acabar e Yeode moit<
em conta e mais barato do que em ootra
qualqoer parte.
FAZ UNO AS PARA LUTO
No Bazar do Pa-o ?eode-se constmte-
mente o me'hor sortimei to de fazenda
pretas para luto, como sejam :
Lasinhas retas lisas.
Cassas pretas de laa.
Cassas oret a, francezas e ingleeas, lisas
e com sapicos.
Chitas pretas de todas as qoalidades.
A'pacas pretas lisas.
D tis I ivradas com branco.
Merinos, canto>s, bombazinas, qae se
vendem mais baje t do que em outra qual-
qoer p-rte.
CHITAS PRETAS A 200 RS. 0 COVADO
No 8az tas inwlezas com salpicos 2 O rs. ocovado.
d-tan tudis pretas, por estirem om pooc'
u-sas, I2> o eo ado ; uecbincha.
0. promtanos d'e-te inporiaote esta-
bel ecimrito rogara ao respeitavel pubbco e
uarii. ularmeote > Exmas. familias o 'avor
Je sa darem sempre ao trabdho ds lerem
-is se.u* annuncios, pela razio de mudos
d'>lN serem mudad-s amiouadas veses.
0 Bazar do Pavlo sito a roa da Impera-
triz n. 60 e*t cnostant-imeate abecto das
horas dn manla as 9 hora da ooote.
A
Rna l>uqu
Caifas n. 55
Na loja da VERDADE continna-se a ven-
ier por baratissimos precos todos os arti
gos de miudezas e perfumaras do seo
grande e variado sortimento, garaotindo aos
compradores toda a sinceridade.
Lindas bonecas de cera 9 nasal por ba-
ratissimo preeo. v
Espelbos dourados para pendurar a
160 rs.
Agulbas de osso para crox a 200 rs.
Pentes fines para segurar cabello,
320 rs.
Cbamins para gata 360 rs.
Garrafa com tinta al izarme a 10000.
Dita com agua florida a 10500.
Dita com dita dita a 0OV.O.
Tnico de Jayme a 10500 o frasco.
Frasco com oleo expresso de babosa, de
240 a 640 rs.
Dito cota agoa de Colonia de 300 a 10000
Dito cwa extractos finos a 10000.
DTt com sndalo verdadeiro a 10200.
Latas com btmba moito fina de 120 a
Aferi.
Sabonetas muito finos e diversas quati-
ddes a 80,160, 240 e 320 rs.
Finas escovas para tiente* de 320 e 500 rs.
Ditas para Tacto de 500, e 600 rs.
Ditas pare cabello a 500 rs.
Pentes para alisar com costa de metal a
320 rs.
Ditos ditos ditos de bpfalo a 240 e 320.
Pentes para tirar piolho de 160 e 240 rs.
Pavm-parfcrgaz. 4ia 240 e 320 rs.
Brjeos de cores, inleiramente modernos
d Wtf e' *f* rs.
PannascaKgraphicas mito finas a 10400.
Dita de lanca e meosinha a 800 rs.
Lindos babadnhos e ntremelos de 500
e 10500.
Grosas de botoes de loaca de 160 e
iOOrs.
Ditos ditos para calca a 240 rs.
Caixa com papel amizade a 700 rs.
Ditas com envelopes a 480 rs.
Ditas com obrejas a 40 rs.
Ditas com agulbas fundo dourado a
z80 rs.
Thesoura para costura a 240 rs.
Linha de marca eaixa a 280. rs.
Carriteis de lnhas de Alextodre de n. 70
i 200 a 10 t&.q
Grampos muito finos, com passariiihos du
ziaa 200 rs.
Cartas francezas para jogar dzia 30000
Ditas portuguezas, dnzia 10400
Papel almaco superior qualidade resma
0OOO.
Lam muito fina para bordar libra 60500
Fitas para debrum de sapato, pessa 160 rs
Ditas de lam para debrum de vestido peca
WO rs.
Caivetes grandes com molla a 400 rs.
Ditos grandes com 2 folhas por 320 rs.
Rosetas pretas para luto, o par 100 rs.
Trancas de lam de caracol branca e de
cdies de 40 a 100 rs.
Fit.s para cs, peca 480 rs.,
Alfioevos de lati, carta 100 rs.
Sapatinhos de lam para creanca de 400
a 800 rs.
Calcadeiras a 40 rs.
Gravatas de seda preta de 400 e 800 rs.
Ditas de croxe, brancas e de cores 500 rs.
Dita de gorguro de cores a 800 rs.
Ma Verdade a ru* Duqne de Ca-
itas a. 5.
CABELLEIREIRO FRANCE
-61%m da Cadeia do Rede51
Chama a atteocao dos seos innmeros fregueses, e do reepeitavel saUico>m
jeral, para a seguinte tabella dos preces de- ana cata, os quaes sao vintr.JIr oaBu
Mis bwato do qae era ootra qualquer parto:
GabeUeiras para senbras a 25|, Cadeias para retogio o* 0,

30fc 35| e. J .rv. 400000
Wtas para bonm a 3*J, 400 e 500000
fleques a 120, 150, 180, 200,
250, 300 e .....
Grescentes 12^ 150,'480,200,
70, g0\ 90, 120 e.
isUfi
Corte de cabello,.....
50*)#0|Ctoet)ellocotifi 250, 38* ""..".."! 320080 ***** cabella o* tavagem a
Gachoson crespos a 30, 40, 50, LA. amP- ^.i-, ;*
*u im om m iftftnnA ^^ de cabello coto ITmpez da
60,70, 80, 90 e. 100000 ^^^n ..-*._,
i cabca pela achina electn-
10000; ca auca cm Peraambnco. .
Frisado ingieza ou i framAxa.
Tranca de cabelle" por anaei
500 e.......
Tranca para braceletes a 100,
WW
100*
150, 200, 25 e.....300000 Barba.
ASIGNATURAS MENSAES
E6|>ecialida Bailes e aolres
- m
O dono do estabelecimento previne s I Rcommenda-se a superior TINTURA Jh
Simas. Sras. e aos cavalheiros que ha um''; P0NE2A para enegrecV os cabellos e bar
uo para tintora dos tabellos e barba, as- !*' admitda a Exposicao Unttem
a I conrn nao prejudicial sade, por ser *
nm como um empregado somonte occupa-jtatii, analysada e approvada pelas aoV
io nesse servico. i mas de sciencias de PARS E LONDRBl
3 portas n. 53, roa Direita, 3 por-
tas n. 53, ant'ga loj i do Braga.
O abaixo assignado. dono (este antigo jj
: estabelecimento, tendo em vista apresen- fifi
\ lar uro completo sortimento de Ferrageos, jjjg
; miudezas e cotileria, tem resclvido man- H
dar buscar em oiversos pernos da Europa K
i os melbor'-s objectos de seo estabeleci- "
I ment dos fabricantes mais conhecntos ; f
| pelo que convida ao respeitavel publico 9S
e a seas numerosos freguezes, virem se ?
' ervir dos objeclos de sua carencia, aan- JH
: de encontrarao por nienes 10 0(0 d) que jH
\ em outra qualquer parte, um sortimento 2
I completo de machinas para descarocar B
algodo, do bem conhecido fabricante SK
i Cottorr Gin & C, ditas para costura, mu- S
: tores para animaes, ditas para fogo, rnoi- g
: nhos p^ra caf de todos os tamanhos, da Sjt
| fabrica do Japi, espingardas de dous ca- 9
: nos e de um, tanto inglezas como Irn- |
cezas, louca de porcelana, facas e garfos B
de diversa; qualidides e precos, bandejas J
I chinezas, salitre, breu, barbante, enxofre, Wi
papel e timalha de f, rro, ac, e agulha W%
para fogueteiro ; assim como encontra- S
rao constantemente grande porcao de fo- g
go dp ar, e recebe-se encommeada de fu j
gos de visu, alem de um cem numero de 2
objectos, que se tornara enfadonbo nu- |
mera-los : venham ra Direita n. 53, Q
loja de Lenidas Tito Loureiro, antiga loja
do Braga.
LOJAD
Ra do Crespo n 20 A.
Alvaro Augusto d'Almeida # C,
Este estabelecimento de fazendas flnns e grossas j;i bastante conhecido como
am d is mais bem sonidos desta ciclarlo acaba de recebr directamente de Paris alguna
artigos especiaes que passa a mencionar.
Ritos co>le* de vestidos de blond para cassmentos.
Corles de vestidos de soda de edr, de gostos inleiramente novos.
Brochad, fazendas le laa e seda propria para vestido.
Foulard de serta de todas as cores, tambem para vestidos.
Fitas largas de seda para cintos, gostos escoceses e lisos.
Chapelioas de seda e de palha d'Italia.
Basquinas de seda e guipare.
Colchas de seda e de laa e seda.
Cortinados de cambraia bordados moito ricos.
Pannos de verdadi iro croch para jardinciras, sof e cadeiras.
Toalhas de linho de superior qualidade.
Bramantes, selias, sguiSes atoalhados.
Guardanapos, colchas, aaias bordadas camisas,
Cache-nez, bales, cami>inhas, sombrinba.
Madapoies de varias qua idades, sa :cos para viagem, mallas, tapetes, cape-
aos, alcatifas e moitos ontros artigos que se vende por precos mdicos.
Tem tambem constantemente um completo sortimento de ESTEIRAS DA IN-
[ A para forrar salas.
N
DO
BRACO DE OURO.
Ra do Imperador n. 26
O respeitavel publico encontrar nest-
estabelecimento diariamente um completi
sortimento de pastelaria, bollos ingezei
podins, p5ds-del, prgsentos dos ultimoi
chegados ao mercado, salame de lion, bo
linhos 6hos de todas as qoalidades para che
amen loas c-nfeitadas, confe-fos, bomboint
pastilhas, chocolate francez em libras, pas
tilbas do mesmo .cartoxos e carteiras con
seis charutos de cbo. oate cada urna, est<
sortimento de chscolate do mais acredita
do fabricante de Paris e e o melhor que at<
hoje tem vindo ao mercado.
Vinhos, portnguezes, flgueira muito snpe
rior. Os mais genuinos e superiores vinhev
do Porto, moscatel e Setubal, o illustradi
publico encontrar neste estabeteciment'
por commodos precos, fazendo-se abatimeD
to a quem orapra.r em porclo.
Os donos deste estabelecimecto .nao u
tem ponpado a despezas para melhor mt-
recerem a acoadjuvac^o do illnstrado prj
blico.
Qtiaado a AGUIA BRRNCA, mais precisa sciontificar ao respeitavel publico em
geral, e em particular a sua boa freguezia, da immensidade de objectos que ltimamen-
te tem recebido, justamente'quando ella menos o pode fazer e porque essa falta invo-
luntaria ella confia e espera na benevolencia de todos que Ih'a attenderao e relevarSo.
continuando portante a dirigirem-se a bem cenhecida lija da AGUIA BRANCA ra do
Queimado n. 8, onde sempre acharao abundancia em sortimento de saperioridade em
qualidades, modicidade em precos e o seu'nunca desmenttido AGRADO E SINCERIDADE.
Do que cima fica dito se conhece que o tempo Je que a AGUIA BRANC V pode
dispr, empregado apezar de seus custo'snodesempenho de bem servir a aqoelles que a
honram procurando prover-se em dita loja do que necessitam, entretanto sem ennume-
rar os objectos que por sua natureza sSo mais conhecidos ali, ella resumidamente indi-
car aqueiies cuja importancia, elegancia e novidade os tornam recommendaveis, como
bem soja :
Corpiohos de cambraia, primorosamente
enfeitados com filas de setim e obras essas
cuja novidade de molde e perfeico de ador-
nos os tornam apreciados.
Fitas mni largas de diversas cores e qua-
lidades para cintos.
Capellas brancas para meninas.
Grandes sortimento de flores finas.
Fil de seda, preto.
PERFUMARA
Grande e constante sortimento-de da,
sempre melhor quajidade.
Leqnes nesse objecto muito se poderia Lindos vasos com p de arroz e pinsel,
dizer querendo descreve-los minuciosamente Caixinhas com ditos aromticos,
por suas qualidades, coree e desenhos, tal Bonitos e modernos pentes donrados
e o grande evariado sortimento que acaba)para circular o coque,
de chegar, mas para nao massar o preten- Bonitos brincos de plaquee.
dente se lhe apresentar o quo poder de
melhor.
Entremeios em pecas de 12 tiras.
Gaipure branco e preto de diversas qua-
lidades e desenhos.
Ditos de algodao com flores e lisos.
Veos de seda para chapelinas e monta-
na.
Meias de seda para noivcs.
Ditas abertas de o de Escossia,
Costumes on uniformes para meninos.
Enxvaes completos para baptisados.
Aderegos e brincos de madreperolr.
Caivetes finos para abrir latas.
Thesouras para frisar babadinhos.
Aspas para ba!a"o.
Novos stereoscopos com 48 vistas, as
quaes sao movidas por um machiohmw)
urnas substituem as outras.
Vistas para stereoscopos.
Ronitas cnixinhas de vidro enfeitados com
pedras.
Ditas de madeira envernisade com vispo-
ras e com dminos.
Bollas de borracha para brinquedo de
Touquinhas de fil, sapatinhos bordados criannas.
e meis para ditns. Diversos objectos de porcelana, proprios
Camisinhas bordadas para ditos. para enf>,tps rtp m"q e de lapinhas.
VEGETAL AMERICANO
E SAUDADE
BA RTHOLOMtO & C
rara a ara certa iu \mut miija? e receatn, MtarrkN pnlmsmr, utban; Um trata,
Vneaiai, em goral esotra todti et softimentot das t reitintlritt. '
DEPOSITO ERAL
BOTICA El DROOAnZA
34, ROA URCA DO R0ZARI0, 34
PERNAMBUCO
KJ
Pechincha sem rival!
Raa da Cadeia n, 46
RT* bem conhecida e acreditad leja de Santos
Falro & C.
Btirzegain* franceies da Cordavao para homem,
em perf*to estado a 7906 o p
Borzeguins a 7^000 !
tbenpentic das diversai molestias do peilo,desde
ptairyngite oa mal da garganta *t tabemltclo
pulmonar, passando pela direrus bronchile caurrhaes
o emphysem acaM de Mr enreqaecida com mait
;ste medicamento, que losara a primeira orden entre
todos at boje conhecidos. O larope Vegetal Americano,
f ira ni i ndo paramente vegetal, ale con tem em ana
composico om sA tomo de opio, e sim eomcite toe-
toa de plantas indigeaas, cojas prepriedades benficas
ai cora da molestias qae pertencem aos orglos de rea-
piracio foram por 16a obserradss por longo tempo,
cao pUmos resuNades cada vbi mais creseentes; pelo
que nos jnlgamos aatorisados a compor o jarope m
agora aprsenteme*, e a offerece lo aos mdicos e ao
poblico, PrtraBM com a* attestadns abana o qoe le-
amos dito. contamos qoe o concert da anta ji cosa
o tarop Vegetal Americano eraaeart da dio a da,
eiiando moito anos da si todos aa peitoraes am toga.
Illm. Sr. Berlhalomeo C.-O xarope Vetatal Ame-
tieaao, preparado am ana e**eitoadissima harauess,
nm otil remedio para eombater A tarrraat aaLbaaa.
Sofra eo aquella molestia ha qaatre metas, aaaa anda
lar combatida m ataques meaaaaa ajea taafea s aate alaa*
qoe tire foi fortissimo qaa asa proetoa por das, aaai,
porem o sea milagroso tarop, tomando apenas tras
tosas, e ate a presente ole fni da noo amcado. Prisa
jo Ibes protesto eterna gratidA.
neiro de t88. ;oequtm frreira
Oau, aa w fiqaa ranabilaa>d per ama i*e. Beodo* EaUo ncaabacidM.
lhe, pois os meas sgrdecimentos per me ter elMada aa>
Uo horrlval mal. Com a mais significativa traCda*,
sabseravo-aie deVmes. affeetnoao e reeonheeido criada.
Srarriae Dtiar(t.-Soa Casa 14 da (avaraira da II
Illmi Srs Bartholomeo *C. Depois da qaaaiaaaa
mezas de soffrimenio com ama toase incessanle, lassm
extraordinario. expeetoracAo de am catarrbo amaratta-
do, e perda toul das torcas, qae o meaor paaaaaa
me fatigara completamente, cansado da tomar maia asa-
tro remedios sem resoltado tire a felicidad da as ar ama
f mea. prepararam o tarop Vegetal Americano, a eaaa
elle, grecas a Deas, me echo resubeleeido ha mam da
dois metas, e robnsta como se nada liresse oTri*.*,
gratidlo ma forea a esta deelaracAo, qaa podarte Vasta.
rasar o aso qae qanerem. Son com estima da Vate
moitos respeiudor e criado. latosa* /saaaaaa da
Csitr* < Silva. Becife 8 de ferersire de 1868.
Atiesto qae asei do xarope Vegetal Amaricta*. am
e*mpM>Ao d* Srs Bermolomeo C. par. cara da m
forte deflexa qee me troaxe aau roaqaidAo, qae ata B*a
razia edtaader, inflammacAo e dor na gartatHa, taaaa.
grande ralla derespiracAo, a fiaraei eemplaumeeiai
tabeleeido com am se ridre


Diario de
Kibbttdo 6 de Agosto t 1870.

\t
fl
i. i
Lo
todos os seus
sitos i
jdaljiji
flMfti.
para Ihes lem
reun jas ua
vender aarHM'>'
V-a dito.
mmerciaes e de non
rom a Ha de
AK*IA**E*S DE
GRANDES
seceos
tlfl
IOJTA
no da pra^acomo do
ia ii -i .sub- que todas as fa'zendas
Arara na rua da foiperalri/. n. 72. e que resolveu-se
mente cora a da Atara, como cima
i4 l.ija C*rba(li,
Attenpao.
CUALES BRAKCOS DE CttSA
CADA M.
I.$000
ra
wmto modernas a 4iti rs.
ahora*, fazeu
o vado.
rlIhaaUlsM ou iiansaiillaadecar
Vende-se brilhnhlina ou mussuliaa de
cor para ves! i .los a 410 n covad*
JUGADOS r'rtACEZKS A 300.
YeaiVse ciscadod balyaos para tesados
360 rs. o coirailii.
Chitas larga* 33.
Vea1e~e chitas esBJMM finas di* larga*
pai*. vendos de seniora, a 3i o cosario.
Ditas matead*.* (ujr.ut.is a 80 o ovado,
ALPACAS LISAS A 3*0,
Vende-se alpacas lisas para vestidos de
seaboras a UO g 040 rs. 0.1
laazl\h\s tuv s?Ab;.\Ti:s a >o as.
Vende-se lasiuh** traasaawuias, pifa
vestidos a 500 rs ditas tapadas a 400 rs.
o covado para liquidar.
_ ALPACAS 1)2 LISTAS A -'iOO RS.
Veade-slp>:cas de listas para vestidos
500 rs o cavado.
BRILLANTINA BRANCA A 500 RS.
Veod-se brilhaatina branca p.irayes4dos
-500 rs, o ovado.
ALPACAS ii i USADAS A 040.
Vende-sa alpacas mateadas para vestidos
de seuhora a 040 rs. o covado.
CORTINADOS PACA JAXELLAS GOCO.
Vende s cortinados para j mell.is l OfiOOO
o par para I q ii'dr.
SBDA9&8Q0&E9 A lolOO.
Vende-se sedas am WHidos a l >000 o
covado.
presso de 2"000 cada uma.
Vende-e na toja do Arara 3 btopes para
qonlquer estabeiecimeno por Barato presso
por nao se precisar d'cHes no estabeieci-
meno.
RETALHOSDE CHITAS PRETASE CASSAS
A 120 0 COVADO.
Vende-se uma grande porcao de reta-
Ihos de cuitas e cassas pretas a 120 rs. o
N. 23 Largo do Tmo.~N, 28.
DE
SIMO LOS SANTOS fr C.
PROGRESSO
10
10
CORTINADOS PARACUIA V I vi 00.
Veade-S,* confitados para cainq a i i
GOLLINHAS PARA SBNI IRA 100.
V-iid-s." uma granJe uorcSu do goUirjaas
oara Bebers o (tqjaas. a 100 c SIDO r?.
cada ocia par-" liauiJar.
CHITAS l'AV COBERTAS A'320.
Venls-se Hitas largas para coberta a
320 e 360 y, o co'adu.
N\NGUITOSE COLLAS fiOO.
Veade-sa mauguitos e RfjMmnas para se-
soora a 500 rs. utas t haho a (540 o WO
rs: cada orna.
_ CHALES ESTAMPADOS A AjfcOOQ.
Vende su ctaiee i i merm esijmpados a
2f>000 pira liqiid. r.
CAMBRAlAS VK.iO.OAS 0500D.
Vend '-se camhraias Victorias tinas a
6.S0O0 G9 i> 7Vl;i. por. ser liquida.*?...
4LP IMPALMaaDE SEDA A BO00.
Ven. icasoom palmos de seda paca
Stid'U de s~;:!i<>'.i a IrdUOdCOvadi'
COR BS IE CHITAS DE GOftES A S40S.
Versarse coj sores com
l-Ooov:di a 2--:;.).).
covado para liquida'.
I COBERTORES'DE ALGODO AI SOO'
Wnde-sd cobertores de algodo cada um
UiOO.
RHAMANTE DE UNHO FINO A ARATO
PRESSO.
tigodo raneado de duas lar-
guras 1A%00
Vende-se algodo transado de duas lar-
gBras : I200.
OTADAPOLAO ENTESTADO A 3*300.
Vende se pecas de madapolao de 12 jar-
das a 3(5300 a p M,
ALGODAjQ A 45000.- .
Venda se p^c s^de algoilo encorpado a
45. Si U c ~m0 a peca.
Hada>olo a 5ODO.
Vende-se p-cas de madapuUo de 24 jar-
das a $ (j-s e O-VjOO, dito muito fino a 7,
S > P4 e 103 a peca para liqutd r.
ALGODAODE 8 PALMOS DE LARGO.
Vende-se algodao com oito palmos de
Pateo da- Penha -
DE
S ARTOS t FE HE || A.
Os propnctanos destes bem sorlidos armazens participam aos seus innmeros
tregnezes tanto desta praca como do matto que tendo feito grande diminuicio de pre-
Cos as suas mercadorias esto por isso resolvidos a vender por menos de '.0 e 20 "i
do que eic outra qaalquer parte, garaniindo-se portanto a s seriar qaadade de qial-
quer genero comprado testes dous eslabelecimentos. Mencionamos algOns dos aossos
?fn"eri^ 6 a VISla destes 65 con>Pi,ebeml'a'os os outros. porque enfadonbo seria men-
Se alguem duvidar venha ver.
Gaz americano marca Deves a 8)5800 a
cina-los.
Vinagre branco mandado vir por conta
propna vindo de Lisboa, a 320 a carrafa e
480 o litro.
dem tinto Figueira, Lisboa e Porto a
143, 380 rs. a garrafa e 560 o Ttro.
Azeite doce de Lisboa a 900 e 15000 a
320,280, 240 e 2u0 rs. a garrafa e 480 300 2arr:rfa e porc^o faz-se grande abatimen-
to.
Caf em caroca a 220, 240 e 2*0, a li-
largura propio para ler^es e toalbas a 900
r. o metro.
ALGODO DE LISTA A 160 RS.O COVADO.
Vende-se algodao do lista proprios para
saias ou vestidos para escravas ou caigas e
carnizas para e?cravos p >r ser muito forte a
1G0 rs. o covado, para liquidar.
Cortes de castor para calca a
5 rs.
Vende se coi tes de castor para calca a
"iOO rs cada um.
CORTES DE BRLM P\RA CALCA A 15400.
Veade-se cortes de brim de cor para
calca a LHOO cada um.
Brim pardo liso a 500 rs.
Vande-s brim pardo liso, meio linho para
calcas para trabalho a 300 rs, o metro.
< Vefldc-se gangas inglesas para caigas e
patitols a 280 r. o covado para liquidar.
CORTES DE CASEMIRA. DE COR A 3?j500.
vaude-se cortes de casemira de cor para
rs. o litfo.
Vinho Figueira, Lisboa, Porto e Esfreito,.
a 360, 500 480 e 400 a carrafa litro a 840 bn kllogfammo a 480, 540 e 600, e
760, 720 e 6Q0. i 7(5000, Ttf500 e 8^800 arroba.
Vinho branco puro de Lisboa a 640 1560 Milboalpista 200 rs. a libra e 440 oki-
a garrafa, em porco ha abaiimento. lojraoana e 5800 a arroba, em porcao ha
Vinho do Porto, engarrafado das melho-' abatiaento.
res e maisacretadas marcas a 15000 e i 02001. .9^fios fr.escos do llimo vaPor a
3^200
13500 e 23 a garrafa.
dem Bordeaux, Medoc o St. Jnlien a' Aletria, macarr5o, talbarim a 500 rs. a
73500 e 63300, duzia e 040 rs. a garafa.! hm.a e ^10 kilogrammoem csis3o ba
Genebra de Holanda e laranja doce aro-! abt"nento.
maticaa 63500, 73, 11*500, a frasqoeira. i
Serveja Bss, Illers & Bell a 93800 du-'
zia em porcao ba grande abatimento.
dem m.rea HdT e outras marcas a
53500 e 83, a duzia e 500 rs. a garrafa.
Assim como ha outros muito
charutos finos de
Saho massa de l1 e 21 qualidade a 220
e 240 rs. a libra era caisa ba abatimento
Toucinbo de Lisboa muito alto a 400 rs.
a libra e 880 o kiiogrammo, em arroba ha
grande differenca.
gneros, vinho em ancoretas, azettonas,
KJp? n- v 8 dVer53S n""a-nnMtada. bolachmbaTde todas as
Zf^JZ^^'Cr^l^' C' MediUm' mixed- 80da Pancv-nic-nac, pa-
Sncin n?^t;Tbl!nan;,,t^n!a d0vCe de Siaba fina, chouricas, nianteigas filas
5?SmJa8 eM,..ban,fa d- MlmAo6r> JPhosphoras de Sycurvt,-Cognac, cha de ver-
ml Si lS..^Del,a;.P|d0lrer'erV S SIpJ ibilJ! *mM*te?' *n* & milho americana, grandes molhos de sabol-
^'irf m E ZmS eX,S6 tambem grande sortimento de laucas propnas para ne-
gocio, que pelos seus commodos prego faz vantagem aos compradores.
^rVimANTE
Ruado crespo m. T
Gs propnei. bera conhecido esUbele-
aaB, alera dos mitos objectos que tiobam ex-
Stos a apreeatie do res^eiuvel pablieo, maa-
da Europa nm completo e vanado stimeato de
unas e mu delicadas especialidades, as quaes es-
tao resolvidos a vender,, como de seu costurae,
por precos mnitc baratinhos e commodos para to-
dos, cora unto que o Gallo....
Mullo superiores lavas de pellica, pretas, bran-
cas o de mu ljntas cores.
Mni boas e bonitas golliuhas e pnnhos para se-
nbora, ne^te genero o que ha de mais moderno.
Superiores pontos de tartaruga para coques.
Lindos e rfqutssimos efeites para cabecas das
Exmas. ssnhoras.
Superiores traalas pretas e de cores con Tidrn
Ihos e sora el les; esta (ateuda o que pode ha ver
de iiielnor e mais bonito.
Superiores e bonitos leqrws de madreperola,
marfim, sndalo e oseo, sendo aquelles branco?
com lindos desenhos, estes pretos.
Muito superiores meias do de Escossia para se-
nhoras, as quaes sempre se venderaui por 304000
a dnzia, entretanto que nos as vendemos por SO*,
aim dostas, tomos tambem grande sortimento de
outras qualidades, entre as quaes algumas muito
finas.
Boas bengalas de snperior canna da India e
castlo de marnm com lindas e encantadoras figu-
ras do mesmo, neste genero o que de melhor s i
pode desejar ; alera des tas tomos tambem grandt
quantidade de ouiras qualidades, como sajara, ma-
deira, baleia, osso, borracha, etc. etc. ete..
Pinos, bonitos e airosos chicotinhos de cade e
do outras qualidades.
Lindas e suporiores ligas de seda e borracha
para segurar as meias.
Boas meias de seda para senhora e para meni-
nas de 1 a 12 annos de idade.
Navallias cabo de marllm e tartaruga para fazer
barba; o omito boas.e de majs a mais sao ga-
rantidas pelo fabricante,, e nos por nossa vex tam-
bc-nt asseguiaaus sua qualidade e delicadeza.
Lindas e bollas capellas para uoiva.
Superici es agulhas para machina e para crox.
Linha muito boa de peso, frouxa, para eacher
labyriutho.
Bons baralho? do cartas para voltarete, assim
como os tentos para o mesmo tlm.
Grande e variado sortimento das memores per-
fumaras e dos memores e mais conhecidos per-
fumistas.
C0I.AHES DE ROER.
Elctricos magnticos contra as convulsoes, e
facilitara a dentieao das innocentes enancas. So-
mos desde muito recebedores destes prodigiosos
collares, e continuamos a recebo-Ios por todos os
vapores, alim de que nunca faltem no mercado,
tomo j tem acontecido, assim pois poderao aquel-
les que delies anadearan, vir ao deposito do gallo
vigilante, aonde sempre encontraro destes verda-
deiros collare?, e os quaes attendendo-se ao flm
para qne sao applicados, se rndenlo com um mu
diminuto lucro.
Rogamos, pois, avista dos objectos que deixamos
declarados, ao3 nossot freguezes e amigos a virem
comprar por presos muito razoaveis loia do callo
vigilante, rua do Crespo n. 7.
A
o bocal de
lB-
A rua do Duque de (axias n 21.
CASTIGA BHA DO QBEIMADO)
Iti'cebea seguipi.. : '
Evpelhos gran
Curteiras, charuteiras e port-eigarros de mata
qnalidades.
Biinilas pastas para papis, simples e matisadee.
Boas caixa vasias para costura com sua cempe-
tente chave.
Delicadas canelas de rmrfmi >
pnuw
Mudemos pcnles de iiiianiga,ol>resshindo.
tre ellcs w< mimusos lelearajbatas.
Cninmwdm toucadores ecm duas gavetas e bom
espelho.
I'ort bouqoet, o que de melhor tem appare-
ciilo. "^
P.irt r'logios de muiu-s qualidades.
Bi'iis talheres para manta.
VoMoarios, rbaponuhos, toacas, sapatos e meiae
para b.ipti>:io. .
Toalhas e fronhas de labyrinihn.
Chapeos o chapelinaspara enhora, moldes novo*
e Ij'iiiitos. '
Cliapoiinhos gr>rro8 e hets para meninos
meninas.
Ootra as cobvisohs as
cr.ngas
Vende-se os venfdeiros oullares na Nova Espe-
ranca, rua d" liqu de (Lxi:is n. 2J.
PARA TINGIR CABELLOS
para preJos cu cartatih-s, rrceheu a Nova Espe-
raara a verddeH-a Imla intlfi.
PAKA AI'.AIIAK f.OM AS SAHDAS
iu pannos, tem a Nova Espranos o verdadeire
leile do rosaf branca*.
AGUA DE FLOR DE LARANJA.
Vend-si' na Nova Esperance, tua do Duque de
Caxiasn. 21.
PAPEL PARA ENFEITAR SE BOLOS
recpbeii-os nmito lindos a Nova Esperanca, rua
do Duque de Caxisfcn. 21.
PARA AMACIAR E AFORMOSEAR A PELLE
lera a Nova Esperanca s saboneUs de pos de
arroz.
Bival sem segundo
caica a 3->S00 cada um.
ao.
Dilos mpi o finos roir. lisias do lado
PRCALAS n.N \S A \i.
Vende se^percaas finas, para vestidos de
BCnhoras a 440 rs. o covedo.
Cassas Ira eczas a 310.
yen!e-se cassas francezas para vestidos
a 240 rs. o covado.
LOJA IO PAPAGAH).
Novo estabe ecimento
OE FAZEUDIS E RPAS FEITAS
Rua da luipeairiz n.
40,
esquua do
UE
be eo dos Ferreiros.
BA DO L'OL'C DE GAXIAS N. 7, (OUTR'ORA DO QUEIMADO)
DE
proprieta-
UJS^ItgJilHli Kk, lili
Bati n"vii fsiuntli'i'niionto j bem cunliecid^ nesla capital, os seus
mis rateo) te te aw *aos fregaesea a ao resp-itavel pnbiioo qne conservam'sfimpre o
melhor e mais variad*foritaaeoto de f.izendas para s^nluras, homsns e meninos, sendo
ua oajtactahdade easoraes para noivaiose preparos pa-a saias.
Pa a n ivas
Ricos vestidos de blond de seda bordido3 de duas salas o qne ha mais rico e
cor?, todo? os preparos.
GofjforSo branco d> seda, superior quald3d3.
Maulas da bluai com capellas de fior de laranja : s na
iiQ
>ja do Triumpho.
Pina do Daqut de Oaxias n. 7.
Bill DA (UK 1
rame de ferro galv:insado em redo para cercas, gaiolas, gallinheiros etc.
Chapas de ferro lalvanaado para cobrir ca
Tachos de ferro estanbado para eogenhos.
Osftw de forro de Miiuer e mitra autores.
Chambo em cano.
Dito em lenc)l.
Dito c;n barra*.
Dito em ciixalas.
Bstenlio em !arra o vei-guinha.
Folha de FlandTcs.
Andel tatertejiaos pnra ladeira e varzea. ,
r.nrrilr.is di'
Venefianas para janellas. *
Machinas de descarucar algodao de faco.
Ditas de 3ira.
Ditas para corlar fumo.
Dita a vapor de fjrca de ?> cavallos e motores para 2 cavalles, para mover as
machinas de algodao.
< ".a 'otras- it ferro. ,
Cama* de f rn>.
Prensas para copiar cartas.
Bataneas para pesar.
Oleo do Imhaga em talas de ferro.
Trilitos de ferro para engenhos
Bamba? americana?.
Macacos de esar. %
Bataneas e poso deeintees e outras.
Foaoes de patente.
Enxofre.
Salitre.
Kstopa larga e de to qnalilade.
Picaretas para eaminhos de ierro.
U..i urande sortimento de ferragena e cnti'ari.
GASA CAUVIN *!
Pacmaeeulico pririletiado
UoeMsor s
Bonlerort Sbmttopol. Bt$. PARS.
NOVAS ESPECIALIDADES A. MARINIER
Aproseitadis a Academia de Scientias e a iMCttalo de Franca.
III LTPrn ^^ *""* PwiilU, er,
IH Wb VUMU monroto uma saliccto Pll
MOLESTIAS C0MTA6I0SAS
e doittda pira fisw *
i otnunvA du
YHIO
1ABTH0L0IE0 C
-PBlfTPft d0 volHme <* "U rolse- servindo
I 111LI liu de Pmiltbo e Sesimga sem es
U i-a ves inconveniteB de fraiaade.
ESTOJ03 ^,f^:^5^^^'^-*.
Costra as affeccois as palpebras, preparado sob a mesnu forma.
Depositarios geral para BRASIL e PfsRTUGAlj
34, rua larga do Rosario. PBRNAMBTJOO. '
O novo propnetano deste estabelecimento, tommuiiica ao respeitavel publico
desta ciade, e especialmente s Exmas. familias, que est liqaidaodo por precos bara-
tissimos, r.s antiaas fazeoda que existiam neste e^tabelocimento, alm das que abaixn
vao relacionadas, cujos pregos mercete toda a attengao do respeitavel publico, que no
deixar de com pequ na quanlia refazer-se de qualquer qualidade de fazenda que pre-
cise. Previne-se tambem que a mesma laja tem fmto sortimento de fazendas moder -
na*, e continua a sortu-se d-s do mais apralo e escolhido gusto, que vender mais
barato que qualqne ootia loja.
A LOJA DO PAPA jAIO alm de ter um grande deposito de roupas feitas, tem
um bonito sortimento di casemiras franctzas, inglezas e allemSas dos padres mais ico-
de-nos, e assim como pannos pretos, casemiras e panno fino cor ae pmho. azul claro
e mais escaro, br.us brancos e de cores, fusloes bran:os, e de ces, sancas de linho
e brins pardos de todas as qualidades.
A LOJA DO PA<'AG\10 tem contratado um opimo mestre alfa3te perito no
seu officio para executarqualqner ohra da arte com a maior petfeigSo e esmero, e qual
quer i.bra que n5o bque vuntade dos freguezes, ficar para a loja, o manda-se
fazer ou ra. J
Atoalhado de linho fino, a 3 o metro, Efguio de linho de 156GO a U a vara,
e de algodao a U. Ch.les de merino pretos muito grandes
Algodaosinho largo, para lencoes e toa- a 3$.
Ibas a lfO. Dito dt0S) eslampado9 de 4 ^
Alpacas preus, de cores, lisas, de furta cima
cores, e de listras. Fi! de n0 branc0 e
Bareges com listnahas de differentes co- sblpico
res a 3i0 rs: o covado Gravabas de seda pretas e de cores, da
Bols sde tapete aveludadas, para v.agem, mais modernas que tem vindo ao mercado,
o preco e conforme o tamanbo. Guardanapos de .inho brancos e pardos
para
prcto liso, e de
Grosdenapte preto de differentes pr eos.
LSasiifbas em cortes com palmas com 14
;covado por 6^.
Ditas lizas e delistas transparentes e ta-
padas de drenles precos.
Madapollo inglez de 5,5 al 100 a peca.
Le eos de algodao, brancos de 2a3#
a duzia.
Ditos decambraia de linho de Q a ^24s
Ditos de esguiSo de 6! a 8j5.
Mus-ulinas brancas e de cores a 500 rs.
o covado,
Bombasinas pretas. lisas, e trancadas.
Bramantes de linho, francs e inolez a
25300.
Bales de mussulina, brancos com fitas,
e outros todos de panno com o feilio dos
de filas, para senhoras e meninas.
Basquinas de grosdenaples preto mo-
dernas e de croch muito enfeiladas.
Bretanias de linho. e de algodo.
B ins de lioho trancados brancos e de
cores.
Brins de algodao trancados brancos e de
cores: Gorgures de la com Ristras, fnzenda ln-
Combraias brancas tapadas e transpa- teiramente nova no mercado a 800 rs. o
rentes, sendo inglesas e snissas de 8 pal- covado.
Merinos preto, trancado e de cordo.
Peilos bordados e lisos, tant de linbn
como de algudo para camisas de homem.
Priacetas pretas de differentes pre?os.
Cambraia branca tapada muito larga com
pregas e -bordado, ba de tres qoalidades
propria para saias de Sras., o preco ba-
rato.
Sedas pretas lavradas par \-estido a
,J5O o covedo.
Sargelim francez e inglez de toda ao co-
res.
Toalhas de algodao e de linbo de dif-
ferentes qualidades e lmannos.
Pnaos de linho para homem muito fi-
nos.
Meias iag'ezas para Sras., e para meninos
e para *emeas, de differentes qfiihdades
e de todas ce ttmaobos.
Para qaera comprar pe?a ou duzia da
3alquer faz nda seu preco o costo; para
imiuuir o ret^ho.
D m-se as amostras de quilquer fazfnda.
A toja do Papaaio acha-se aberta todos
os das, al as 9 horas da noote.
francisco Teixeira Mendes
mos de largura.
Camisas de meia, de flanella, branca, e
de algodao.
Camisinhas brancas de cambra'a com di-
licados bordados, e enfeiladas de cor para
Sras.
Ombraias de cores a 400, rs. o metro e
a 800 rs. a vara.
Camisas inglezas, e fhmwzas delinho. e
de algodo de pregas, lisas e bordadas.
Chatos de sol de seda, merino e alpar-
ca de differentes cores, e muito baratos.
Chitas para vesiidos, francezas, de 240
at 400 rs.
Chitas para cobertas de 320 at Cortinados de cambraia, e de fil borda-
dos para camas e janelas de f0$ para cima.
Gol bas de fustao brancas a 3(900.
Ditas de cores a 2#S60.
Colarinbos de linhos, inglezes, e alamSes.
lisos e bordado*.
Damasco de 15. encarnado, a zal e ama-
pello, esenmilba preta.
I Espartilhos de linho branca para Sras.,
de d.fferentes precos.
OLEO
DE FIGADOS PWE3C0S
''a javAGAi.1

HOGG
T. M.VI. I-.MS et C, em Pcrntrntrnco; O* pLth, m Porto
SILVA LOI'KS. em Bakit; FimnKIRA a C'% m AfaronAao.
eortM
0 eordeiro previdenti
Kna db iiaeimado n. te.
Novo e variado sortimento de perfumar
finas, e outros objectos.
Alm do completo sortimento de perh
oarias, de que effectivamente est provida
oja do Coraeiro Previdente, ella acaba
receber nm putro sortimento que se ton,
aotavel pela vari dado de objectos, superio:
lade, qualidades e commodidades de pr.
eos; assim, pois, o Cordeiro Providente pee
e espera continuar a merecer a aprecias
do respeitavel publico em geral e de si
boa freguezia em particular, nao se afa:
tando elle de sua bem conhecida mansid
a barateza. Em dita loja encontraro <
preciadores do bom:
Agua divina de E. Coudray.
Dita verdadera de Murray Lamman.
Dita de Colugne ingleza, americana, fra,
^3za, todas dos melhores e maisacreditadt
fabricantes.
Dita de fior de larsngeiraa.
Dita dos Alpes, e vilete para toiet.
Elixir odontalgia) para conservacio d
-sseio da bocea.
Cosmetiques de superior qualidado e che
ros agra.davcis.
Copos e latas, raaiores e menores, coi
pomada fina para cabello.
Frascos com dita japonesa, transparen
a outras qnadades.
Finos extractos, inglezes, americanos
francezes em frascos simples e enfeitados.
Essencia imperial do fino eagradavol cht
'o de violeta.
Outras concentradas e de cheiros igna.
mente finas e agradaveis.
Oleo philocome verdadeiro.
Extracto d'oleo de superior qualidad.
;om escolhidos cheiros, em frascos de diff
entes tamanhos.
Sabonetes em barras, maiores e menor
para mos.
Ditos transparentes, redondos e em fig
as de meninos.
Ditos muito finos em caixinha para barb-
Caixinhas com bonitos sabonetes imitan^
fructas.^
Ditas de madeira invernisada coatendo I
aas perfumaras, muito proprias para pr-
antes.
Ditas de papelo igualmente bonitas, ti
Dem de perfumaras finas.
Eonitos vaso3 de metal coloridos, e
moldes novas e elegantes, cam p de arre
a boneca.
Opiata ingiezl e franceza para dente*.
Pos de camphora e outras differaau
cualidades tambem para denies.
Torneo oriental de Kamp. *
Alada mala eoqaes.
Um outro sortimento de coques de n
'os e bonitos moldes com filis de vidrilht
i alguns d'elles ornados de flores e fita
i8tao todos expostos apreciaco de qu!
)8 pretenda comprar.
GOLLINHAS E PNHOS BORDADOS.
Obras de muito gosto e perfeico.
Fivellas e Itaa vara ciatos.
Bello e vanado sortimento de taes obj
tos, ficando a boa escolha ao gosto do coi
orador.
RUA DO DUQUE DE CAXIAS N. 49
Estou disposto a continuar a vender todas
as miudezas pelos baratissimos precos abai-
xo declarados, garactindo ludo bom e pre-
gos admirados.
Caixascom 20 cadernospapel pau-
tado a........
Caixas com 50 novellos de linha
do gaz a........
Duzias de meias cruas superior
qualidade a..... .
Pecas de bibadinlios com 10 va-
ras a.........
Pegas de liras bordadascom 12
metros cada p ga a 4e$S00 e.
Pecas de fitas para cs de q al-
quer largura com 10 varas a.
Escotas para uubasfazendafina a
Ditas para deules a 240, 320,
400 rs. e....., .
Pecas de tranca lisas, brancas e
de cores a.....
Caixinhas de madeira com alfine-
tes fazenda- superior a. -
Duzia de linha frea para borda-
dos a 4D0 rs. e. .
Pa.-e d.i meias crtia- para im>
nos diversos tnmanlins a.
Duzias de meias btaaeas ataiai
finas para senhora a. .
Pares de sapalos de tiui;a ri..
Porto ........
Pares de sapalos de tpala a. .
Livros de missa aareviadoa.
Duzias de Iianillms para vuitarek
Sylabarios porfagSKZet! a. '.
C-rtes com colxetus icarrarasa
A otoadoias para colltte diversas
qualidades .......
Gsixafl com p>nna de ago muito
boa de 320 a......
Duzia de linha 200 jardas Alexan-
dre de 40 a 200 e, .
Caixas com superiores obrei;s a.
Duzia de agulha para machina a.
Libras de p'egos francezes lodos
os tamanhos a......
Pacole de papel com 20 quader-
nos...........
Caixas de phosphoros aeguranga
muito superiores a .
Refma de papel pautado superrr
Besma de papel liso muito saae-
riora..........- .
Garrafa com aua Florida verda-
deira a..........
Quaderno de papel Jiso amtzade
Carretis de 'inba de cores com
100 jardas a........
700
400
3,5000
500
2,5000
500
500
500
40
400
500
3-20
:,eo
000
i #500
MBOO
20.
400
BOa
40
2,5000
240
400
40
400
3;>0O
1OO
20
20
Milho novo d *Fer-
nanlo
Em saceos grsnde? a preco comm : no ar-
majem de Tasso Irmos & C, rua do Amorim nu-
mero 37
Cabellos ~
Vendem-se cabellos de todas as cores, qualijoer
comprimento, qualidade snperior, em caixa ou
porcao mais pequea : na rua da Cadeia do Re-
cite n. H, i" andar
Vf*nde-pe
ara sobrad em flliioia em urna das mplhore* roas:
qneni o pretender entenda so com o Sr. Luiz Jos
Pinto C..sta, na rus da L pa.
Farinhit t3 mi b .
No trapl -he Barao do Livrament" existe boa fa
tlnha de man'inca e expellpnte milho em saceo'
grandes : a tratar na ma do Vlpario n. 16, 1* ai>
dar, eicriptorio de Juaquim Gertrdo de Bastos.
LA VILLEI MUS.
20Rui da Imperatriz20
Farlft Lessa.
Acaba de ebegar a esta noss" nova loja e fa-
zendasJias un variada sortimento de fazenda* de
lata e seda, o>mo sejam : granadiues do tiHimo
gosto, pepelinas de uma s cor, alpacas e lazi-
nlia* d cores, o que ha de mais moderno, indo
por baratissimos pregos, brilhantins- de core-, te-
cidos das indias, fazenda nova a imitagio de p^r-
calia,baldes de dina finpi do saia de cor com lin-
das barras, fustoes proprios para vestiao e roapas
de menines ; agora grandes e admiraseis perhin-
cbas, saias brancas com liados frisados a la. ri-
cos cerpinhos bordados nmito finos a f, bale?
modernos de are s a ii, ricas colchas para cama
alrochoadas. sendo brancas e de cores. ~a Si, 6 e
7J, cambraia victima tina a 54, ditas transparen-
tes aS, 6 e 74,chiias flnissimas mearas e claras
a 280 300, 30 e 360 o covado, cassas de cores a
240, lencos hrancos.de casfa a 2*300, ditos chi-
nezes a 3<5'O0 a dnzia, madapol" ID a 64 e
6*S00, e muitj supenrr a 7, 75t.l)0 e 8j, algo-
daozinho largo propri para lengoes a 64, panno
de algodo branco trancada proprio para tualbas
de mesa a 14600 a vara, nramante para h-nces a
24000 e 3450O. o qne ba de melhor. esguio fj-
nissimo a 24300 e 24500 a vara. Mandamos as
casas das Exmas. familias pira melhur poderem
escolber. Tambem temos completo ojtimento 4
perfumaras dos prAciros fabricantes francezes e
inglezes; as pessoas que se dignarem vir a esta
loja terao orraiao de reconbecer a nadade do
que annnnciamos para nos jostiRcar.
tres vapores
O Campes da ros do Imperador n. 28, receban
pelos ltimos tres vapores anegados a este porto,
differentes gneros que vista das suas especiara
e diversas qualidades, merece fajerse dele? f s-
peciat mencao ; e avisa nao s ao seu eresrldo
numero de frngaeses amigos, como tatihe
quelies qae nao tem querido asara- lo com nn*
freguerias, encimtrando por efe imoIiv eria* rti.
Acuidades em suppnrem-se d ftohs gneros, por
falu talvez de q<\m mes indique rom ftrrnnt* osa
es.abeiecimento qne roao o seu, p-a rom sa-
rama, bem saHsfuar as justas atgeneias do rrt-
peitavel publico desta capital; qae se .vha san
anuazein proviilo dos mais novos e -ariados gene-
ro-, e limita se a nomear o segaiMe :
Carne e qm^j. do sero.
Prezunlos inglezes e portogaece*.
G'ii lulo (bv marca de bolaoh"ih
Prtt Pois a Retute (ervi ha en ,,.
Choalate h-iwi* I a 14' 00 a l-bia.
Conservas 700 r>. o frasco.
C' fe r|, de mi'ka,
lo e cimmnm).
Superior rhampanhe.
Doces fiaos de guiaba, laranja, limao e baoxnaa.


Diario de Pernambuco
Kabbado 6 de lo de 1870
ASSEHBLEA 6ERAL
DEPTADOS.
CMARA DOS
Discurso lo n
junho.
0 8R ALENCA^ ARARIPE:-Sr. pre>-
.lente, farei algumas obser
.ie que em urna
4isse o nobre deputado pila prjvinci
jhia, que encetou o debato di orijaraeato
ministerio dos negocios exteriores. D >
)is rae dirigir, re ministro de es-
rangsiros afim de que esclarec al^iimas
luvidas que snrgiram era meu espirito com
letura do relatorio respectivo, e espine
tratado do l de ma o relativo ga m
Mitra o Paraguay.
N5o me dirijo ao nobre ministro com ai-
lad ostil; procuro to somonte obter es-
clarec montos que me guiem em umj'tiz),
mais seguro e formal a respeito de algumas
clausulas desse tratado.
Ten o to a a confianca de qneessas cUu-
soks tecle doserapenhadas da nvdbor for
ma possivel pelo actual ministerio, achn-
di-se na pasta dos negocios estrange'ros o
illustrado Sr. bario de Gotegpe, cjo ea.
actor respeito e cojos servidos e zelo pela
causa nacioaa! o paiz todo reconhece
Portanto. pedmdo os esclarecimento^ do
que adianto tratar.-'., nao tenho dovidas so-
bre o modo vaitajoso ao paiz porque se- sol-
w-ro as qnesloes que possam resultar do
tratado.
Coaiecando, Sr. presidente, pilas obser-
vacoes do uobre deputa !o a quem rae refe-
r, oceupar-me-he primeirameute da censu-
ra que elle dirigi ao governo do nosso paiz
pela annuencia a abico das cartas de
torso, conforme foi eslabelecida em trata-
dos de alguns paizes.
O nobre depotado dflclarouque esta pro-
\;dencia Ihe pareca ura acto errneo, prati-
cado pelo nosso governo. Eu entendo o
contrario; considero este acto do governo
brasileird nio so um acto digno de lonvor
e applausos, porqu justo, como tam em
orn acto mil e vanlajoso, especialmente en
tarada a questo em relaco ao nosso paiz.
Todas as nagoestm reconhecido e vio re-
eonhecendo cada vez mais a cecessidade de
supprirair na guerra todos aquelles meios
que nao sao directamente conducentes e
indispt-nsaveis ao fim da mesma guerra.
O corso sempre foi reputado, anda no
lempo em que mais voga leve entre os po-
vos, como um meio tendente mais a pertor-
ltac3o do commercio, do que ao fim da
guerra.
Portanto, se annuimos a urna dontrina
que os povos cvilisados tm abracado, ogu
verco brasileiro nao pode deixar de ser ap
plaudido porte-Ios acompanhado, acceitando
urna doutrina ventajosa i barraonia das na-
<.es, e platicando um ato de justitja.
Disse eu que, em relaco especialmente
s nos, esse acto foivantajoso, porque, cora)
e mesmo nobre deputado reconheceu, o Bra-
sil tem urna mariuba de guerra pouco nu-
merosa : e, por conseguinte, anda insuffi-
ciente para sustentar o nosso commercio no
p em que deve ser mmtido, em caso de
guerra; sobretudo em caso de guerra om
qualquer naco poderosa, como a Franca, a
Inglaterra e os Estados-Unidos, que pode-
riam de um momento para outro perturba
os nossos mares, e assim embaracar e sup-
(.rimir t nosso commercio.
Sabemos qne 81o extansissmas as costas
do Brasil, e que s urna armada numerosa,
tomo anda nao'a podemos ter, seria capaz
de defender e sus'-enlar os direitos do nosso
; unmercio e ssegurar a nossa navegacio
costeira.
E. pois, se sotamos nestascircumsiancias.
- claro que oacto queveio ab .lir as carias de
torso vanidoso ao nosso commeicio ; c
portanto, longe de c-nsuralo, devenios ap
piaudi-h ecuiisidera-lo como acto u'tlissimo
te nosso paiz.
Outra cinsura que o nobre deputado di-
> ao governo fji tambem em relacJo
;a annuencia ao tratado que acabou com
b uso das balas explosivas as occasies da
guerra.
Sr. presidente, boje as nacoes tendem 3
coafrtterojsffio, e procurara evitar nas
suas dmeoc&ese lulas todas aquelles meioi
que possaam agravar a sorte j to borri-
%el da guerra entre os povos.
Todo e omprego d- meio que nao < esi ne-
tamente necessario para eoosecuco dos fins
ua guerra, os povos modernos tem condem-
aado camo urna culpa que nao deve mai>
POLHETIM
W\ DEPOs DI MRTA
pon
Xavier de Montpin.
a semelbante pro-
osso da rivilisafSo
mal.
Porin, anda ora zio n3o fosse
bastante, era s ifflcieaie o nosso juizo escla-
reci* i para r r e acceitar as canse-
que." dos verdadeiros prin-
cipios l.^direii inleraacional, e especial-
uiente dos direitos da guerra. Se a gperra
em si j um grande mal, nio devemos
;iogmeiila-lo com o emprego de meios qoe
se podara dispensar, evitando-se assim parte
lis grande* calamidades por que os povos
p.issam em uma tal sitmeio. v-
Se- pois, o emprego das bila* explosivas
como meio intil ao Qm da guerra, e preju-
dicial causa da humanidade, foi considera-
da .orno no d-vendo ser mais admittido
da |ui em diante nos actos de hostili lade
internacioaal, devemos reconhecer qoe|acei-
tamos un grande principio que tende a hu-
uianisar, para assim dizer, a guerra entre
os povos.
Simio assim, incabda e inteiramente
injusta a censura que o nobre depatado lao
eou sobre o nosso governo pela annuencia
I.- semelhante providencia, que consagra e
si ilielrce ura principio positivo de direito
dos agantes. Admira qoe o esclarecido jui-
zo do nobre deputado vresse fazer censura
a nmareso!n(;3a qm s louvores mereca.
Se nos, Sr. presidente, se as nac5es mo-
lernas nao podem ainda conseguir o grande
Mas, anda
facto, n3o a
iksi'ieratum dessa paz universal, de que ira-
'aram tantos escriptores, e de que se fez
campeo o insigne B ;rnardioo de SaintlPier-
re, nem por isso devems deixar de procurar
aquelles meios que s5o conducentes a dimi-
nuir os flagellos, os cslwgos e os grandes
clamores da guerra.
Se nSo o c nsegnimos de uma vez, ou se
por ora anda o estado de civilisacao dos
povos nao pode permittir que sa estabsleca
o principio da paz universal e permanente,
ao menos justo e concentaneo com os sen-
timentos de brandura que honram a nature-
z.i humana, com os principios da civilisa-
cao que tanto promeitem, qu* vamos dimi-
nuindo os meios de mera destruico, os
meios que s tenlem a aggravar os males
j to graudes da guerra em si.
Disse o nobre deputado em sustentaco
da saa censura que os Estados-Unidos nao
baviam aceitado esse principio, isto n5o
tiaviam annuido supresso desse meio de
guerra, conforme propuzeram algumas na-
c5ea da Europa ; meio que nosjulgamos in-
justo, inuiil e por conseguinle digno de ser
supp: iinido.
Mas, Sr. presidente, porque una nacao
nao qniz reconhecer um grande principio
porque uraa nagao [>referio antes attender
io seo interesse do que ao direito, nao era
motiva pira qie nos unissemos a essa po-
vu. e deixassemns de reconhecer as grandes
verdades do i1>reito das gentes.
Se os Estados Unidos tiveram razes es-
peciaes para recusarcm o seu assentimento
i esta liio luraanitaria idea, nem por isso-
i^ompetia-nos acompanba-lo, quando saba-
mos qoe essi na?5o mostrava-se injusta e
recalcitrante aos bons e salutares impulsos a
que devia obedecer.
Et apoio da sua censura, o nobre depu-
tado fez tambera uma consideraco qne, no
meu modo do entender, nao valiosa, era
fuadada naverdade dos fados.
Disse o Ilustre representante da Babia
que o dictador do Paraguay, empregando
os meios de guerra que at aqui lm sido
admittidos, o que a in/eacau humana alean-
C-ou descobr r. augmentou poderosamente
os sens rae s de resistencia
Ent'-ndo que esss apreciaco do nobre
deputa-lo niio exacta, nao se basa era fac-
tos. O dictador do Paraguay, nao nos re*
sistio lio .enaztoeo'.e empregando extraor-
dinarias machinas de guerra : nao foram
esses os meios que fizeram com que a re-
sistencia all fosse t) tenaz, e basta analy-
sar os meios de que o Paraguay se servio,
para reconbecermos esta verdde.
Acousa tnica que se p (dera considerar
como tima michina de guerra, como um
meio novo all usado,. foram os torpeios.
Mas qual foi o resoltado que este meio de
guerra prodazio ? Nuacaple proiuzir re-
sultado vanlajoso.
O Su. JuiNql'f.ia :Fizeram voar um
vapor.
O Su. Ai.ENC.vii AnAniHK :Is'o est ave-
riguado : e toda* as probabilidades levam-
PIHTB E6ITWDA.
O UOROSCOPO
(Gonlinnac5o do n. 173J.
VII
O Inqnerito de Lzaro.
Para me tornar digno da confianca
que o seobor marquez se dignou de me
conceder, principiou a dizer o criado, de-
via estudar o tto Lactancio sob o trplice
ponto de vista da maravilhosa probidade,
do desnteresse sem limites e da virtude
sobre humana que o senhor conde de
Kabon soppe reonirem-se no mordomo
Para me desempenbar d'este plano, z todo
o possivel, e atrevo-me a dizer que o xito
foi alm das minbas esperances.. Princi-
piemos, se o senhor marquez tem por bem
consentir-m'o, pelo capitulo da probidade
e do desnteresse. O lio Lactancio mor
domo do castello ha vinte cinco annos, com
o ordenado de 400 annuaes, qoe multi-
plicadas por 25 dio o total de 10,000, se
que sei contar, e se o pobreznbo do
honvm nio entrn nnnea na mais pequ nj
extravagancia. Juntemos isto o juro que
l'.oderia produzir esta quanlia, mais algumas
(craiificacdes que tenha abiscoutado, e, para
ncar em conta redonda, calculemos um to-
tal de 15,' 09 rjf de eeonomias. Ora bem :
o to Lactancio comprou ba pooco orna pe-
quea fazenda, exactamente pela quantia
de 15,000 sf pagas de contado.
Caspite I interrorapeu o marquez.
Mas isso nio prova nada contra elle, antes
pelo contrario
De certo. senhor marquez, respon-
den Lzaro. Mas o que prova alguma cousa
que essa impo9c3p de capital oslen ivel
para todos e sabida 'pelo sennor conde, tem
por nico* fim esconder outr^s militas de
miior imp Ttancia, qoe obom do mordomo
julga desconhacidas por toda a gente; e
orne que para dar com ellas foi preciso o
meu olph iio de cao perdigueiro costumado
a nao perd r a pista depois de a desen-
cantar. Ora as iinpo cjs oceultas ascen-
dera quanlia de setenta e cinco mil Jf.
Sessenta e cinco mil bradou o
marquez de Saint-Maixent muilo admirado.
Nem ma's n-^m menos.
Esis certo d'isso ?
Tenho as provas... D-ss o senhor
marquez ao incommodo de reparar n'esta
lista, onde achara exactas indagaces com
o norae dos testas de ferro encarregados
de gyrarem com o dinheiro do digno mor-
domo, emprestando aos caraponezes peque-
as qoantias coro, juro elevadissimo.
Br?vo l O tio Lactancio entende bem
de negocios.
Ah isso l cirn certeza! E' preciso
ser muito esperto para ter roobado ao
conde de Rabn tres mil certas em caria
anno dos viote cinco que tem de empreg-
do. sm o amo dar por isso. Parece-me
que basta o qoe levo dito, para que o se-
nhor marquez Oque sufflcientemente edifici-
do acerca da probidade do excelente servi
dor.
Pedir mais era Inxo.
Passemos, pois, s virtudes. O de-
voto Lac:ancio, o santarrao d'uraa figa, o
hornera austero, cujas virtudes sio citadas
pelos padres nas igrejas at do palpito,
uma especie de Sirdanapalo, fervente ado
rador do bello sexo e do deus Bacobo.
Aquello horrendo mocho, aquelle velhaco e
jesuta, que baixa modestamente os olbos
ao enc-nirar-se com urna mulber, e que
mesa s bebe vinbo c m agua, avesa nada
menos que orna querida favorita, tal qual
como um fidalgo ou rico negociante A
tal Dulcinea, que se chama Marineta, vive
no logarejo de Gharmottes, a legna e meia
d'aqui. L'Clancio d-lhe ama pensio e vai
regularmente um da sim outro nio em-
briagar-so casa d'ella. A rapariga mais
veo.
O Sb. a
quando fo
submersio de un
escaler, que pode
iracao de t
ras de guerr. para o accresJmo-
de resistencia do dictad >r do Paraguay
contra as nossas forjas. E* um facto insig-
fleante, que nio pode ser apresentado como
exeraplo da utilidade do emprego de meios
antihumani O Su JasoOfeiRA: Pallo em geral; foi
uma guerra dqartilharia e posicoes.
O Sn. Akbncar AnAniPE:A vwdadeira
cansa de resistencia -que encontramos all
foram as Circumstancias locae* (apoiados),
foi a situacio daquelle paiz, j pela distancia
a que ficava de ns.e j pelos seas grandes
pantanos, pelos seus extensos bosques, e
sobretudo pelo incgnito do terreno. Foram
estas as cansas da resistencia prolongada, e
nio o emprego de quaesqoer meios de
guerra qne o dictador contra nos empre-
gasse.
Vemos qu quer em Humayt, quer em
Angostura, as difficaldades dos terrenos
adjacent s foram o grande bice qoe detive-
ram as nossas forjas, que retardaram os
nossos tritimph' s.
Essa grande'-empreza, que o mundo mi-
litar vai denominando a grande acanha,
essa maravilhosa empreza do Chaco, onde
veneera s uma grande resistencia, nio leve
por bice as difliculdades produzidas pelos
meios de guerr?, e sim pelo terreno, e tanto I
mais nobre foi all o nosso esforco. qaanto
all nao combatamos prooriamenie -os bo-
rneo ', combatamos a nalureza e a vence-
mos. Isto. pois, glorioso ao nosso valor e
s nossas armas. (Apoiados.)
O nobre deputado apresentou a idea da
Utilidade de possuirmos a ilha doCerritonas
T.es Bocas, onde j t-raios um arsenal, no
qual fizemos algumas obras durante o tem-
po da guerra, e onde havemos despendido
milhares de contos de ris.
O nobre deputado espraiou-se um pouco.
querendo mostrar a utilidade desta posees-
sao ; mas eu entendo que. em ve7 de ser de
ilgami utilidade, prejudicial, e em lugar
de termos all um arsenal de guerra, tare-
mos om arsenal para guerras.
Sabemos que a ilha do Cerrilo, formada
no rio Paraguay, Oca no coracio do estado
paraguayo, e para nos montamos all am
estabsiecimento, como um arsenal, deveria-
mos ter numero pessoal e jurisdiecio. Da-
qui c lacil comprobender como surdiram
frequentes motivos ie quest5es, e consegoin-
te de desavencas que nio devemos procurar
augmentar, pois que j temos germens de
dissidencias que podem no futuro desenvol-
verle, e apparecer de ama maneira grave.
Alra disso, como seria possivel manter-
mos all jurisdiecio sem offensa dos direitos
da suberania da naci paraguaya ? Acbo
grande -.bstaculo para isso" no proprio trata-
do da trplice allianca. Se por elle obrig
mo-nos a respeitar a soberana dessa naci,
a sua indepradencia e a sua integriiade,
como irmos, pois, violar todas estas consi-
derares, tiraodo parte do seu territorio,
posto que mnima ?
Mas nio de extensio de terreno a ques-
tio, de direito.
Como temos jurisdiecio no interior de
um paiz soberano ?
O Sr.' Mello Reg:Essa a questSo
principal.
O Sr. Ale.ncar Araripe : Portanto, me
parece, Sr. presidente, que, longe de ter-
mos o pensamento de licarmos de posse
daquella ilha, devemos por toda a forma
recusarmo-nos continuacio da sua oceu-
pafao.
Dir-me-ha o nobre deputado que sendo
uma cousa necessaria para a nossa defeza,
ou alias para a conservacio ds navegacao
dos nossos rios, devemos ter direito a ella ;
resubando daqui a legitimidade da posse e
dominio da ilba naqu-illas paragens, e talvez
rae pudesse ainda aprese atar, neste sentido,
o exempio da Inglaterra que mantera sob
suas armas a fortaleza de Gibraltar, parte
integrante do territorio hespanhol, por en-
tender ser isso necessario sua seguranca.
Mas nio ha naci nenhuma do mundo que
nio reconheca que a oceupaco de Gibraltar
pea Inglaterra um acto de violencia, e s
se manlm pelo direito da fonja.
O Sr Cardoso de Menezf.s : E nio pela
forca do direito.
orna I O Sr. Alencar Araripe : Todo o mun-
ae a
iirocorado
pungente nju-
rio.
(GnUimur-se-ka
sonos; o aroma de
ex bal
velinji^H
a de
doi suspiros quefjse
I- vidas iodi-
^H| d
pomo o peito e a
UTTERATBRA.
,------------^--------------------------------------
Mafia.
Dina le guarde, et te sanctifie
Lamartine (Joceiatn).
Flua da luz, s lilo sol de um mando
Creado por Dsus ao soro grato e profundo
Das celestes harmonas ;.
s nota sentida das harpas Elinas,
Cntico saudoso das auras matutinas
Por sobre as ambrosias.
Qoeai que nio te v no firmamento,
Tu, homrico e ingente monumento
Da eterna grandeza ? I!
Quem sentindo te a luz pura e anglica,
Nio le julga o transumpto da belleza clica
Presidindo a nalureza ? t
NiBguem ; porque a luz fe re e esclarece
A profundeza do abysmo. que s cresce
Aos olbos da cegueira,
Ningnem; porque o sol lera raios scintilantes,
Que sio guias dos perdidos viajantes
A' regiio aitaneira.
Deus o sol de i:m mundo eterno e infinito,
Tu o s de am grande mundo, do finito,
Gonjunclo de altractivo,
Todos se curvara ao leu poder menso,
Da nalureza lens nm culto immenso
Erguido em sons fe^vos.
28 de jumo de 1870.
A V.
UM
QUADRO
nolvado em vaovias
DA EMANCIPApO
(Concluso-)
III
DOS POLACOS
Depois de ouvir eslas palavras, ficou Ma-
ra como altonita e muda. Empoucos ins-
tantes, porm recuperou o animo, e dirigi-
se a um quadro da Virgem que se va na
pare le principal da sala. Mioha mii, disse
ajoelhando, minha mii, ouvi-me O nave-
gante, quando as nuvens ompanara as es-
trellas, quando o vento agita as vagas, e
quando o furacio ruge, invoca-te, e tu ou
ve-o ; o co torna a brilhar com as suas
estrellas esplendentes, o mar dorme tran-
qnillamente como am menino, o furacio
transforma-se em briza suavissima, as velas
do baixl rizam-se como as azas de ama
ave, e o navirFchega ao porto sem avaria.
Porque, porque nio has de soccorrer um
povo que naufraga em um mar de sangue ?
As nossas casas sio pantbe5es; os nossos
ledos sepulchros; os altares das tuas igrejas
mangedoras dos cavallos trtaros; os teus
filbos despojos do seu furor. Aniquila se
este povo ; submerge-se era um mar de fel,
e, quando a voz ihe falta, levanta para ti,
implorando auxilio, as suas mios requei-
madas e ensangoenladas. Padecemos j
suplicio da Cruz. Dormimos j longaraente
a somno da morte no cimo do nosso calva-
ro. Pois nio ha de chegar a hora da re-
surreico para este Chrsto dos povos ??!.
IV
Foi interrompida a oracio pela presenca
de um mancebo, que suava apezar de tra-
zer o gorro de pelles e o capote coberto
de nev.
Maxa levantou-se e correu ao seu encon-
tr. Era impossivel que podessa haver na
Polonia par mais" bello. Ambos mocos, am
bos loiros, ambos altos; os dois parecidos
com a differenca de que elle tinha a forca
e a austera formosura do vario, e ella a
graca, a delicadeza e a formosnr aque Gce-
the considera como o ideal feraininojunta-
ram as mios, os lhos, o alent e as al-
mas.
Reinou por instantes o silencio infinito
que nenhuma phrase humana poder ex-
pressar, o silencio religioso que foi sempre
a sublime eloquencia di amor. Se aquello
estazis se prolongasse em toda a dilatado
dos terapos, sena a beinavenluranca ce-
leste.
A electricidade de dois oihares que se
juniam em um desejo ; o choque de duas
almas que se confundere em uma idea ; a
filarmona de dois coraras que batem uni-
negra do que as cousas negras, mas ainda
assim muito supon r ao estafermo.
Muito me contas, muito me centas !
disse o marquez desatando gargalhada.
O tal mordomo pessoa muito completa I
Que dir o senhor marquez em sa-
bendo o resto I
Pois ainda ha mais?
Ora Se ha : agora o que falta o
melbor. O tio Lactancio possue uma torre
de Nesle em miniatura custa do seobor
conde.
Uma torre de Nesle, repetio Saint-
Maixeqt, admirado.
E' como Ibe digo. Consiste ella n'um
pequeo pavilbio, l no meio do bosqueja
dous tiros de espingarda da extremidade
do parque. O senhor conde nio poz nun-
ca os ps em tal sitio, e por causa de estar
assim abandonado bavia tanto tempo, todo
elle era quasi um montio de ruinas; o tio
Lactancio mandou vir operarios para o con-
Cdrtarem convenientemente, nio por fra,
que apresenta ainda o seu aspecto humilde,
mas por dentro. 0. mordomo arranjou
toda a mibia com o maiortuso, e tirada
dos armazens do castello ; as adegas do
senhor conde forneceram os vnhos pan o
solio do pavilbio cujas chaves s possue
o tio Lactancio, e quando Ihe do cocegas
de reinar um pedago, para l se vai dar s
mais extravagantes satarnaes, na companhia
de ciganas e mueres perdidas, que sem-
pre enconira mi, sem que se saiba de
onde vera nm quem sio. Ainda bontem
noute o espreitei, e -vi e oavi qaanlo se
pode ver e ouvir atravz das janellas fecha-
das. Duron festa at pela manhia -. -
Que diz a isto, senhor marqaez ?
Digo que o tio Lactancio nis perten
ce em corpo e alma, e qne o pivilbio
que te referes pode vir a ser-nos bastante
til.
Est entio contente comigo
marqaez ?
Contenlissimo, e devo reoder-te os
aiBores elog > falles oingaem das
tuas descoberi deixemos l o tio Lac
tancii, emqi fizer conta, com a
sua aureola de virtude.
respiracaoisio e amor
Para qoe nio dize lo ? O anor sempre
egosta, sempre; o egosmo sublime d
mocidade, a concentracio da vida em si
mesma, como para tomar forca, dilatar-se,
eslender-se em no os entes. Como disse o
mais sublime dos poetas moderno, o amor
o egosmo de dois. Para elle nio ba, nos
seus instantes de arrebatamenlo, nem patria,
nem bomanidade ; ha s elle proprio : a
trra o espaco que o ente amado habita,
e a bumnidade est compendiada no mesmo
ente. ..
E eis porque Maria esqueceu, n aqoelle
momento as palavras do anciio, a tristeza
de sua alma, a patria anniquilada, as voefe-
races dos trtaros, a sua oracio Virgem.
e as suas lagrimas ; nio va a trra no co
do seu amor, compendiado nos olbos azues
do amante, onde so Ihe concentrara a alma.
Quio felizes eram aquellos momentos II
Acariciava o mancebo a idea do seu noi-
vado como o conseguimento de todos os
seus deseos, como o termo de orna ambicio
em qoe pensara a vida inteira. Amara
aquella molher desde menino, desde que os
priraeiros sentimentos brotaran de sua
alma. Haviam n'o, porm. combatido mil
obstculos insuperaveis o mil contrariedades.
O sen amor immenso chamava-o para Maria,
e o destino apartava-o de Maria.
Por fim, depois de lutar, depjis de con-
sumir annos inteiros em uma desesperacio
iramensa, encontrava-se na vespera do noi-
Vado.
Contava com impaciencia os minutos que
altavam para sellar cora um juramento eter-
no a allianca de dois coraces nascidos um
para o outro. dignos de se confundirem
em uma s vida. A aspirado do seu ser.
aos vinte e dois annos, quando toda a ima-
ginacio cor, toda a intelligencia luz, todo
o sentimento paxio, todas as ambicas
amorera onir-se com a mulher dos seus
sonhos.
Nio olha o satellite para o planeta, nem
o planeta para o sol, nem o rouxiool para
o nraho, nem o arroio para o co, nem o
co para Deus. como aquello amante olbava
pira a sua amada.
Nio saberii eu, humilde narrador desta
historia naosaberia dizer quanto elle diza,
era repellr as suas palavras entrecortadas.
Ainda oio nasceu pintor que retratasse o
fundo de nos olbos namorados. Ainda nio
nasceu msico que traduzisse a nota de um
suspiro de amor.
Onde est o escriptor capaz de repetir as
palavras que sahiram de ura peito amante ?
Mais fcil he repetir o rumor espantozo
que levantara no espaco as vagas do ocano.
O coracio cheio de amor o universo I
O coracio do moco Ladislao estava cheio
de amor, de esperanzas e felicidade. Ambos
linham esquecido o mun lo. Que valia para
elies a patria, quando o imam de seu amor
os attrabia ao co ?
VI
Ibe, e cahio de joelhos ante o qaidro da
Virgpm.
za Viva al' H e rtn
descarga cerrada.
de uma
VII
Asgim o prometleu Lzaro, e Saint-Mai-
xent *deu-lhe licenca para se deitar.
No da seguinte, ao jantar, fa lou Anni-
bal de Babn pela primeira vez diante da
esposa e da formosa Olympia, respeito
da absoluta oecessidade qje tinha de fazer
inmediatamente uma viagem Pars.
A condessa empallideceu e revelon pro-
fundo sentimento, porque amava sen ma-
rido ainda mais que nos primeiros das do
casamento ; dorante quatorze annos nunca
se haviam separado nem umi nstante sequ r;
e, apezar do conde asseverar que seria curta
a ausencia, a esposa nio podia supportar a
idea de um apartamento.
Qaero r comtgo bradou ella. Nun-
ca no: separamos, e se um dos dous se
afastasse do outro, nio sei que p;esent;-
raento me diz que nos succederia alguma
desgraca.
Mas isso uma doudice, queri-
dinba.
Ser doudice, pois sim ; d .o nome
que quzeres voz mysleriosa que me ad-
verte. Mas eu acredito no que ella diz, e
repito, quero ir cpmtigo.
O senhor de Rahon quiz fazer compre-
hender condessa que seria uma necedade
arroslar as fadigas de uma viagem, que
nio era demorada e costosa, para estar em
Pars s aUuns das ; e domis, tendo-os
acompanhado para a Auvernia todos os
criados, nio acbariam a casa arranjada para
receber a fidalga.
A condessa nada quizoavr, e depois do
marido insistir, deu-lbe um ataque de er-
vos, desfez-se em lagrimas, e levantaodo-se
da mesa, retirou-se para o seu quarto. onde
a seguio o senhor de Rahon,
Anda o conde tento socega-Ia cora as
mais ternas e affeetnosas snpplicas, e entrou
novamente no assompto, desnvelvendo-o
mais, accrescentano novas razSes s que
senhor j expozera na casa de jantbr, o apontando
como cousa importante a absoluta impossibi-
lidadeem qne o conde se via de deixar sos
no castello o marqaez de SainU.Maixent e a
senhora de Chavigny, sob pena de compro-
metter gravemente o creditq da marqueza
aos olbos do mondo,
Foi interrompdo aquello arrebatamento
pelo anciao, que entrn exclamando :
Amar quando a Polonia est em trra co-
berta de cinza e sang-ie, amar um crimol!
Nio houvem as byenas que iritu^am entre
os asquerosos denes os ltimos restos do ca,
daver ? E sois felizes I.....
Oliera, olbem, e descobria o peito: urna,
duas, tres, quitro, cinco, seis cicatrizes.
Derramei por aqni o sangue das rainhas
veas; saltaram por a ]u os pedacos do meu
coracio. Encanec na Sibera.
Encurvei-rae debaixo do peso das minbas
cadeias. J nio teaho forcas pira viver e
ainda tenho forcas para aborrecer. A,Polo
nia pode levantar-se^ Se boje he o ludibrio
'1o mundo, amanhia ser o anjo extermina
dor dos tyrannos.
Lidislo vae morrer pela Polonia.
Mara mandou-o para a tnorte.
O vosso prmeiro bejo de amor ser
amaldicoado, porque dar por certo ao mun
do a alma de um escravo. Se amanhaa Var-
sovia nio se levantar de novo para pelejar,
depois de amanhia' iris atidos bra?o
braco para a Siberia. Que o vosso peito
seja todo bdio, que os vossos bracos saja ni
lancas, que o vosso alent s,jja foga : por
que eu, anciio, eu, que cem veas cahi nos
campos da batalha, von morrer por fim
sobre o seio da patria osera a !-----
E o ancio quiz ergnu-se e correr como
um mancebo ; mais as pernas fraquejarara-
Mas todos os argumentos a condessa
respondeu como quem nao quera conven-
cer se.
Trabas talvez razia, replicou Maria,
se se tratasse de tima menina sem expe
riencia, que fcilmente podesse commetter
um erro de fataes resultados ; mas Olympia
casada, coohece'o mundo e sabe oque
faz. Por parle do marquez de Sainl-Mai-
xent nada tem a receiar, e bem- o garante a
altitude respeitosa e fra que eile guarda
para com a marquezi, nio fallando j na
sua honra de cava'beiro o na sua pahvra
empenhada. Tal qual como se tem porta-
do diante de nos, assim se portar em no3
ausentando. Tenho n'elle a mais Ilimitada
confianca. Olympia e elle sio prenles ;
ambos lem a nossa hosp.talidpde ; uma im
prevista occorrencia obriga-nos a deixa-los
por alguns das ; certamente que hio de
ficar sos, mas submetlidos em todo o caso
eslreita vigilancia de uma immensidado
de criados. Ha cousa mais natural e mais
simples ? Affianco te que nada vejo n'isto
que possa dar pasto maledicencia. Entio
porque motivo ha de mundo reparar nos
nossos dous hospedes, qae nada tem que
ver com elles ?
Mas... principdu a dizer o senhor
de Rahon.
Era nome do co, meu amigo I bra-
don a condessa nlerrompendo-o vivamente;
nio pr>samos ama discussio intil. At
agora tens encontrado em mim uma esposa
dcil s submissa. Gosto de te obedecer,
porque as tuas ordens sao sempre justas ;
mas boje, pela primeira vez na minha vida,
nio cederei. ffa-ta d'aqui Saint-Maixent,
se te parece, ou manda passar Olympia al-
guns das n'am convento, se nio tens medo
le offeoder ambos com uma desconfianza
qae nio merecem ; nio queiras, porm, ir
Pars sem mim... porque olha... en
raorria de peaar. Assim, pois, ou nio vas,
ou vamos ambos.
Que fazer contra uma resoltlo lomada
e formulada lio positivamente
O senhor de Rahon ha ,r< .e
den se por venddo, com bistante sent*
ment.
O moco Ladislao apontou para o anciio,
depois aponton para o co, e apertou forte-
mente Maria contra o corado.
Vaes te f pergunteu a noiva.
Vou, Maria ; cbama-me a patria.
E a furia do vento, disse Maria.
Nidfe a furia do combale, repbcoo Ladis-
lao.
E o nosso amor ?
O nosso au.or ? Pois quei perguntoo o
mancebo, o nosso amor s avia dorar em
quanto durasse a vida ?
Amaabia l disse Maria ; amanhia I
Diz-me o coracio, e se exclamou Ladis-
lao, diz-me o coracio qne a manhi seras
minha.
Nisto ouvio-se uma descarga mais"* perto
Ladislao!ex lamon Maria. PorD eos!...
Maria nio onsava diz-r-lbe que ni6 par-
tisse. Ac:rescentavi, porm, para en-
gaar a si propria:
Ladislao,' o vento.
Nio, d sse o mancebo, a alma da patria.
Adeus, a manhia, como quer qne seja,
replicou Mara, sempre se effectoar o
nosso noivado.
O mancebo sahio precipitadamente para a
roa, e Maria foi cahir ao lado de seo av6
ante a imagem da Virgem.
VIH
Decorreu um da mteiro de combate.
Derramou-se o sangue dos Polacos do-
rante longas horas.
Os filbos da Polonia combateram de novo.
Todos os bomens so arremessaram aos
campos, e todas as mulheres aos altares.
Maria chora e reza. Do fundo do abys-
mo da sua desesperacio s se levanta uma
supplica.
Soccede nova noite, e cessou o rnido do
combate.
O xito nio he duvidoso. A Polonia
luda sabendo que suecumbe.
Reina immenso silencio na cidade.
Aquella devia ser a noite do noivado de
Maria. A cora de larangeira est all, e
tambem o veo ; mas o sen amante nio
est
Maria chama-o, e elle nio responde.
Tre3vana-se a razio da joven. Oade foi
o combate ? Fora de si, louca cinge a co-
ra, prende o veo, e aprompta-se para sa-
bir.
Onde est Ladislao ?pergunta ao
av, que jaz moribundo aos pos da Virgem,
expirando de dor e de cancaco..
Felizes os que morrera no Senhor I
respondeu o anciio...
Mara comprehendeu-o. ,
A escurido da noile medonhd ; a nev
solta-se em grossos Hocos.
Maria, vestida de branco, envolta no veo,
s, e entre as refegas do vento, 'parece
estatua ambulante de. um sepalchro oa a
alma de uma virgem que volta do co. Ba-
tem-lbe as fontes, e pulsa-lhe o coracio.
como se se dirigisse ao ihalamo nupcial.
Nio, porque se dirige aos arredores de Var-
sova, ao lugar do combate. Examina an-
gustiada e anhelante os montes de cada-
veres. Sio j tio espessas as sombras,
que nio pode distinguir os rostos.
De repente ouve um gemido, que de
certo o ultimo de uma vida que se apaga.
E' elle, exclama, elle !!!
E um raio de la r>mpe as nuvens,
Maria reconhece o rosto de Ladisdo, l-
vido e tinte pelas sombras da morte. O
coracio nio bale, e o peito dio respira, Ne-
nhum signal de vida !!
Morreste, diz, sem lancar nm ai!
Devias nesta noite receber o meu prmei-
ro beijo de amor. Recebel-o-has. E cra-
voo os sens labios ardentes nos fros la-
bios do cadver. Absorveu a morte naquelle
beijo.
No dia seguinte levavam em carros para
o cemiterio os cadveres revoltosos, e entre
elles o cadver de orna joven formosissima
envolta no veo de noiva.
Advinhariamos cove'trososegredo daquella
morte ?
Nao sei.
Ignaro, pois, se os dois cadveres se jun-
taram na mesma cova.
Emilio Caslelar.
Quando o conde voltou para ao p de
Olympia e do marquez, j estes tinbam
sahido da casa de jantar e estavam na sala
gran e, sem reprarem ura no outro, se-
gundo parec j.
A marqueza, sentada no vio da janella,
trabalhavij n'um bordado, e muito longe
d'ella, ao fim da casa, lia o marquez um
livro com profunda attencio.
Disse-lhes Annibal que sua esposa ga-
nbra o pleito e que por conseguinle seria
sua cornpanhera de viagem.
A ouvir aquella noticia, inclinou Olym-
pia a cabeca para oceultar a veraelbidio
que Ihe sbio ao semblante. A idea de que
(icaria sozinba com o marquez durante lar-
gos das, e noute* ainda mais largas, fazia-
Ihe subir s faces todo o sangue do cora-
cio.
O nosso here mordeu os beicos para
disfamar ura sorrso involuntario, seme-
lhante ao que deveria apparecer nos labios
de Mephistopheles ao certificar-se de qae o
doator Fausto Ibe partencia.
E basta effeclivamente saber qne planos
o marqaez meditava no futuro e os singa-
lares meios de aeco qoe tencionava re-
correr, para se avahar quio maravilhosa-
raente o favoreca a ausen.ia dos con les,
que Ibe entregavam Olympia descripcio.
Saint-Maixent nio duvidava j : estava
certo do seu bom xito na conquista da
marqueza.
Encetaram-se n'aquelle mesmo dia os
preparativos da projectada viagem, duraran*
ainda mais dous, e ao terceiro pela manbia
pozeram-se caminbo o conde e a con-
dessa.
Saint-Maixent despedio-se dos seos pnasos
com as mais vivas mostras de ternura e
gratidio. Na sua mente, porm, agitava-se
nm pensamento horrendo.
Se nunca mais c voltassem dizia
elle comsigo.
YP. DO DA8H HUA DUQUB Wt


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EOJB3HSBU_ZP3IAV INGEST_TIME 2013-09-14T00:11:15Z PACKAGE AA00011611_12156
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES