Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:12154


This item is only available as the following downloads:


Full Text
AHHO XLVi. NUMERO 174.
1
PAEA A C,
i''ir Iras mp^pc tu
Omi mamaro avulso. .
I mim mz iao, a,paca mxh.
125000-, <
umo
320
,
WWT* FEIBA 4 DE AGOSTO DE 1870,
PA1A DIITBO E FOIA DA PBOVIICIA.
Por tres mezes uliHn iilim ...
Por seis ditos ..".* .......
Por nove dito; ......
Por um aono dem



67C*
13*600
20H80
27*000
------
Prapriedade de Manoel Egnera de Paria & Pilhos.


A ACKrarrss:
- -^ *JM, Antonio Jos Gomes, na Vil* da Penba; BelaroMdm Santos Botes, em Santo AnBo; Domneos Jos da Cmi Rra
m Nazareth j Francisco Tavares da Costa, em Ahumas Dr Jnr Martin* *!*' *k- i i^miugos **e da tosta Braga,
; '- '_______,________ "" Afagas ur- y Martms Aires, na Baha ; e Jos Rtbefro Gasjwrvobo no Rio de Janeiro. i
JS11
DE
-----
ASSJMBLU PROVETCAL
SESSO ORDINARIA AOS 25 DE XJNHO
1870.
PRESIDENCIA DO SR. AGUIAR.
Ao raeio da, /ella a chamada, achatnse presen-
tes o* Srs. Antonio Paolino, Rulin de Alroeida,
acotan Toleotiuo, Vieira de Molla, Gousalve Li-
ana, Manoel d Reg, Hermogenes, Ferreira d
Aguiar, Uarros Wandcrlev, Pedro Alfonso, Miguel
Pernambnco, Cunha Cavalcante, Mello Reg, Fe-
iippei de Figneffa, Henrique Mainede, Paes Barro-
2'1-S!le"'^Viani1'''- Manel Anhnr, Eduardo de
, i G"Par Drummond, Vleira de Araujo
to Calateante, Teixeira de S, Oliveira Andra-
mm*o Lobo, Oliveira Ponseca, Amonio Ca val-
ce*?, Ouedes Gondin, Ignacio Joaquim.
brese a sesso, I Ida e approvada a acia da
antecedente.
0 Sr. t*. Secretario da (jonia do seguinie
EXPEDIENTE
1 offloio de secretario do governo da provin-
cia remetiendo por copia a resolncao do Exra. Sr.
vicepresidente da provincia, pela qual prorogou
at o dia 36 da corrente a presente sessao da
assembla.Inteirada.
O SK. F. DE FIGUEIROA (pela ordem) propSe
que a assemMa funeciene no dia seguinie, a pe-
zar de ser domingo, em attencio ao atrazo dos
trcblho.
O SR. MANOEL DO REG manfesta-se contra
a proposta, lembraodo que raelhor ser comecarem
as sessoes s 10 floras da manha.
Posta votos a proposta do Sr. P. de Figueirda
approvada.
O R. HENRIQE MAMEDE (pela ordem) :-
Sr. presidente, ped a palavra para apresentar
casa ama ndieaco que julgo de summa impor-
tancia. Tencionava faze-lo j ha algnns dia?, mas
nao o flz era oonsegHeneia da 2' diseussio do or-
ramento provinnial, a qual maito propositalmente
nari qaiz intorrnmper; agora, porn, que o pro-
jecto do orcamente ja passou em 2* discasso,
seja-mepermitiido ronbar por alguns momentos
a attenco desta assembla, para aposentar sua
consideracie semellianto iniicarlo.
Esta provincia tem algumas'necessidades palpt-
Untes, que reqoer que 'yjam com urgencia atten-
didat; o foverno geral, talvez contra a sua von-
*a4e, tem olridado essas necessidades, nao tem
carado dellas como seria para desejar, e por isso
que aprsenlo a seguinie indicago, alim de que
es. necessidades sejam logo attendidas, (l):
Indico que esta assembla envi urna repre-
AeotacM assembia geral legislativa e ouira ao
governo de S. M. o Jmperador, pedindo que com
tuda a nrgencia sejam attendidas algumas das ne-
cessidades oais palpitantes desta provincia, como
sejam :o meluoramento do porto,a construidlo
de um canal de desvio no rio Capibaribe,e a
reconstruccao da ponie da Boavista.
O melhoramento do porto sera duvida urna
das necessidades ruis palpitantes desta provincia ;
verdade que na awembla geral j se apresentou
uta projecto com relacio a esta portante obra ;
porm esta pmjeete lera sido demoradb; ha nim-
ios annos que se fzem -estndos e exames, e estou
certo qoa tleeremos ainda por muitos annos em
estados e exames.
A.provincia de Pernarabuco precisa sem duvida,
que o sen porto seja melhorado, e nao soinenle
Mudado ^examinado!
O Sn. P. de Kifi'RiRA :Na me^ma razao e
importancia est a ponte da Boavisla ?
O Sr. H. Mamede :Emendo que sim ; julgo
que os tres melhoramentos mais urgentes de que
carece a provincia sao estes de que traa a minha
indieaco.
A C('iislriiCQ.*io de um canal ds desvio no rio
Capebaribe, emendo tambem qu urna das ne-
cessidades mais urgentes desta provincia. Nin-
{tuem ignora os male* que nos tem causado lti-
mamente as iammihifies, os prejuizos incalcola-
veis que ellas nin acarreado nao s ao governo
como aos particular;. Porlanto nntendo que a
abertura d um cinal qne sirva de desvio as aguas
do rio Capibaribe ds urgente ne:esjidade para
esla provincia.
A reconstruceji da ponte da Boa-visla, entenJo
tambem que urna nere vincia, porque que exisie sem duvida nenhu
ma, Sr. presidente, incapaz de prestar-se satisfac-
toriamente ao liin que destinada, como lambem
' vergonhoso termos nesta beHa cidade urna pon-
te corno a que ora existe.
Em vista de tao justas e rasoiveis consileracoes
espero qne a indlcago iue acabo >le apresentar a
usa'assembla, niereca a sua approva^o.
A indic(;o remeiiida a commifs de consti-
tuieao e pc)iieres.
O SR._HENR!QU! MAMEDE:-Peco que a
commissl d o seu parecer qaanto antes.
O Sil cKsuiuiVTi:A comuisso, ouvn o pe-
dida do nobro deputado e o tomara etn considera-

ORDEM do da.
diseossSo do ornamento municipal.
Vao mesa e apuiam-se w as seguintes emen-
" Ao 2 do arL ?em lugar de 600S, diga-
?DO#000 de graflcaco. Tofentino de Car-
ralko.
Ao art. 3', accrescente-se, detis do |'4;
dem do ajudame 2003 Dr. Manoei do Reg .
Rufino de AUaeida.
Ao 15 do art. r7 em lugar de 200$, dga-
se .*JO0.J. Helio Reg.
as cmaras municipaes em que-5o houve-
r m advogados, eos secretarios tiverem castas d
advogado?, podero ser insumbidos das causas da
municipalidade, sendo-Ibes abonada urna gratifica-
' cSo de 100 por anno.Dr. Manoel do Reg.
Ao art. 2* i em lugar do 32:000*" diga-se
il.0tif.~Dr. Mmoel do Relw. .
' Ao art. 2 g-J^^-m lagar de 1 600 diarios ao
eoveiro do caoNMrio doRecife, diga-se 2, e aos
serventes em lugar de U300dga-se 1*600,Pin-
liJunifr.
A art. 2* 5"cemiterio de JaDoatio, em vez
de seerWario, diga-se servente. Dr. Manoei do
Rew>..
A* art. 4 8acerewente-se das castas divi-
das m Dr. promotor publico de Olinda e Iguaras
o aflor de 27*.Dr. Rufino.
Art 18-em vez de 400*, diga-se 200*;
o tt-em vea de 200*, dia-s 400*. Rufino
de Almeida. >
Art. 32.Ficando a cansara municipal do Li-
raoeiroantorisada a mandar pagar, o que dever
de ciwus judi^jaej ao esg/ivao Hgnninj), Delfinodo
Nascimen Ljqt.c. de Araujo.
Art 3a\ J 16accrescente-se e que j d
fructo, ceptundose 10 ps pav uso do pro-
prietario.flu^no de Almeida.
o 8ubjtit-sB o 3t do art. 34i pelo'seguinie:
* Ti:: por cada palmo de terreno dentro da cida-
de do Recite e seas suburbios que o6 este]* edi-
, Jlcado uu caUivarJi erabora se conserve murado.
*ufiM4e,MmaUa.
10* por cada'licenca par
tar rogo do ar e 5*. para fogo de vista.Dr. Ma-
noel do R
Augmente-se: de vendo a cmara
nun oundar desobstruir todos os caes eom
do Reg.
oo5*J
ao premio de 9/. par8 a construccao ou renova
Co do mvadouro publico. /. Mello Reg. .
k' e?0 eomo auditivos projectos ns. 39 e
ao do corrente anno.Dr. Manoel do Reg..
Additiro l Pagamento de custas devidas ao
escriyao Joaqnim Francisco Padilha. .-intento
Paulino.
AddtvnA cmara municipal do Recite aD-
plicaraa spmma de 25:000*. vetada pela lei do
orcamio desn anno a desapproprisfao doWe-
no em que acha*e aemalmente a igreja da Pe-
nha com a condicao de aer a dita quantia exclu-
sivamente applicada a construeco da nova iereia
Dr. Manoel do Reg. .
-Ao art. additivo que apresentei, accresceote-
>e : assim como a dejobstrucao dos ditos cae
Dr. Manoel do Reg. *
Additivo. A cmara municipal do Recite
mandara proceder com urgencia ao ajardinamen-
to do campo das Princezas, podendo contratar e trabalhocom quem melborns condicoes ifferecer
se a?sim julgar convemenie. Dr. Manoel do
Hego.
Wi/^'iJ1 S3*-^" <>e 400*, igase
JliO. ao| l-emvezdelM*, diga-se 220*.-
Rufino de Almeida.
sniA0?rwi? SDl0~era vez de *00*-dga.se
7e^J^o^!-amUan,e Alb"^-
.i?J*i KUFL- dE als,EDA faz algumas con-
siderales em justificacao das emendas que olTe-
Encerrada a discasso approvado o projecto,
regatadas as quatro primeiras emendas, approva-
das as demais. ^
O SR. TEIXEIRA DE S (pela ordem) pede
urgencia para ser discutido o projecto n. 141 des-
lo anno.E approvada a urgencia.
1' diseussao do projecto n. 141 deste anno, que
approva o convenio feito pela junta da Santa Ca-
sa oe Misericordia, acerca do pagamento que Itie
deve o casal do brigadeiro Gaspar de Menezes
vasconcellos de Diummond.E" approvado e dis-
pensado o intersticio requerimento do Sr Tei-
xira de S.
3* diseussao do projecto n. lOi deste auno, que
crea duas cadeiras de rnstrucco primaria no lu-
gar Cruz de Almas, sendo urna para o sexo mas-
culino e outra para o sexo femenino.
Van mesa e apoiam-se as seguintes emendas :'
t Uraacadeiradeiostruccao primaria do sexo
mascolina para opovoado de Porto de Galinhas em
Ipojuca.G. Drummond.
Urna cadeira de instruccan primaria do sexo
mascolmo para o povoado da S. Jos de Ipoiuca
G. Drummond. >
ma cadeira do instruccSo primaria para o
sexo femenino no bairro da Boa-Vista desta cida-
de. G. Drummond.
Encerrada a diseussao sao approvadas as emen-
das ficando pendentes de nova discasso na for-
ma do r.egimeoio.
3* diseussao do projecto n. 145 deste anno ap-
provando o contrato feito pelo governe para ca-
nalisacao do rio Goyanna.
Vai a mesa e apoia-se o seguinte projecto subs-
titutivo :
Substitutivo da oondieio H'.-Este privilegio
consiste em cobrar o cooiraunle, pelo transito da.
meroadona no canal, urna retribuir-So regalada
pela seguinie tarifa : por kilogrammo 'de algo-
dao reaes 16/10; 2 por cada kilogrammo de as-
sucar 14/10 ; 3 por cada kilogrammo de genero
agranel 13/10; 4 por cada volunte de peso at 30
kilogrammos 40 rs. ; 5' por cada volume de peso
superior a 30 kilogrammos na razio de 16/10 por
kilogrammos.Oliveira Andrade. .
Supprimam-se as emendas apresentaias em
segunda diseussao ao projecto n. 145. Oliveira
Andrade. >
Encerrada a diseussao approvado o projecto
substitutivo. K '
3- diseussao do prajecto n. 81 deste anno que
isenta de imposto provinciaes a ropreza do en-
carmenlo d'agua potavel para a cidade de Olin-
da.E' approvado.
3' discuti do projecto n. 85 deste anno, qne
manda transferir do lugar em que se acha a esta-
cao central da estrada de ferro do Recite a Olinda.
O SR. PEDRO AFFON30 faz algumas connde-
ragoes em sustentado seguinte emenda, que,
apjiada, entra em iscus-ao :
Ao art. Io do additivo accreseente-semenos
no largo das Princezas ou em algum dos lados do
theatro de Santa Isabel.Pedro Alfonso.
O SR. OLIVEIRA FONCBCA diz que o substi-
tutivo Ihe parece, nos muito difireme do prr>
jecto, mas at contrario em alguns pontos. Est
inclinado a favor delle, ma? resta-lhe urna du-
vida.
Em virtude do contrato feito com a companhia,
esta tem o direito de intervir de algum modo na
escolha do local da primeira esUfia ; esse direito
e posto de parte pelo sub-titutivo, segundo o qual
a companhia de nenhura modo intervir na es-
colha.
Conclue dizeudo, que acteita a idea consignada
no substitutivo, mas sendo modificada de modo a
nao offender se o direito adquerido por forrado
contrato.
Nesse sentido vai mandar mesa urna emenda.
Vai mesa e apnla-se a seguinte emenda :
Ao art. l.Em lugar de fardiga-sepo-
der fazer,0/it>rn Fbnceca.
O SR. MELLO REG :-Sr. presidente, ncho one
esta emenda contraria inteiramente a idea do pro-
jecto. O projecto diz que se mudar a estacan, a
emenda torna facultativa a mudanza ; por conse-
grante se a cmara ou a companhia nio quizerem
a mudanca nao se far.
Chamo a atfencao da casa para este ponto.
O SR. OLIVEIRA FONCECA :-Diz-se que nao
ha inconveniente ero. decretar-se a mudnc-da
estacao, porque a companhia qner isso mesmo ;
logo nao ha inconveniente em Conceder-se a auto-
risacao.
Pareceume, que se ia cantrariar a disposieao
de um contrato. A companhia fez um contrato,
que est perfeito e acabado, e em virtude delle
tem o direito de intervir na designaeao do ponto
de partida. Este direito pode ser revogado t Esta
a questao.
Um Sh.Demjtado :De aooordo cora z com-
panhia.
OSn. Olivtira Fonceca : E' is'o o que-en
quero.
UmSr. Deptado :0 projecto nao designa o
lugar, diz apenas o bairro.
0 Sr. Oliveira Fonoeca : Diz que ser no
bairro d Sanio Antonio, consegnintemente prohi-
be que seja na ra rja Aurora-, obliga a tazer urna
ponte. Podemos, sem accorde da companhia, de-
terminar a mudanca ? E' o que duvido.
Um Sr. Deptado :Se a companhia est nes-
se accordo.
O Sr. Oliveira Fotcbca : Enlo a emenda
nao faz mal.
Um Sr. Deptado .-Faz, porque nao depende
so da vontade da companhia, depende da cmara
e do presidente.
OSb. Oliveira Fonctca :Direndo que a com-
panhia poderd mudar a stacio ; claro que Ihe
faremos urna conoessao e ae quizer usar della,
a cmara nao se oppor. Se a companhia nao tem
afaculdade de faier-a estacao em differente lugar
do qae foi designado, concedendo nos ossa faeul-
dade, nao aera mais neceasarie o consentimento
da cmara.
Era todo caso deve-serespellar o direito que a
companhia tenha adqueride m virtude de sen
contir.
Uk Sr. Depotado : Mas se eha
cordo ?
O Sr. Oliveira Fonceca :Se est o>.
nao preciso obriga-la.
emenda ?DEmAD : ~ Eol3 ^ fim *
est de at-
iccorrjo
2fxrSffs trJsSi ^r&~.~?s'sss
mudanca, que se diz desejada rela'companbia
respeitando-se todava os seus dirims.
O Sn. Airromo Cavalcawtb maoitesta-se comra
a idea eonstgnarJa no projecto, por entender que
e inconveniente, e que a companhia s- se sujeila
a transferencia que Ihe querem impar para evitar
embaraces maiores, e nao porque isso esteta nos
seus interesses.
O SR TEIXEIRA DE S faz algumas consMe-
racoes em favor do projecto.
Encerrada a diseusaiu, sio approvadas a emen-
das, ficando dependente He ova diicoseao na for-
ma do regiment.
3* diseussao do projecto b. 82 deste a-nno, que
regula o exorcicio dos lugares de partidor e con-
tad'T do termo desta capital.
O Sr. G. Drummond oppoe-se ao projeetb.
O Sn. Virira o'Araujo fus algamas eoneidera-
coes em sustenlacao do projecto.
Encerrada a discussio, o projecto approvado
2* diseussao do projecto d.125 que manda pa-
gar urna indemnisacao Joajjoira Mauoel da tos-
a, arrematante dos reparos da estrada do sol
Encerrada a diseussao, o projecto approvado e"
dispensado do intersticio. ,
Os Sbs. Gaspar Drlmmonr Gcsmo Lobo pe-
aera que se declare na acta que votaram contra o
projecto.
3' diseuisao do projecto n. 4- deste am qne
autonsa o presidente da provincia prever em al-
guma das cadeiras de rastruccao primaria rresta
capital ao piofessor jubilado Joaquim Antonio de
Castro Nones.
Vai mesa e apoia-se a seguinte emenda :
beja tambem comprehendid* nesta disposicao
a professora publica jubilada da cidade de Caraa-
r, D Anna Joaquina. Pere* Gmpello oV titi-
le.Gongalves Lima.
Encerrada a discussio, approvado o projecto
e a emenda, ficando esta dependente de nova vo-
tacao na forma do regiment.
Tendo dado a hora, o Sr. presidente desicna a
ordem do dia e levanta a sessio.
^^. .,e0(ln passa* a lei antorisande a-reforma
aooeiaes de aolicia qne marcharais para o sol,
o qoecootassen mais de 15 annos desepvlcjo,
l-,0, f ex-fc,Jn'' S Rarreto est no clso pre-
to aefa lei. pojae lea 16 annos de servcos
eontao*^e pelo rJotoro os meaes que esleve en
no servido da menina cam-
outro-siai, inntilisado
panha.
Como j disse, esto-oflkja tea eenoado eanros-
mporUMM, e creio ser mais do que um
acto de .mar jusca. sua aoowntadoria, Uo
que o noiNv inembro da commisaf de firca poli-
cial, o Sr. Pedfo AffoMo, nao quiz assignar o pa-
So*10* ^ d*9f*vt*avel' Porjulg-r
naraSg' Gu*H<>LoB0:~A88urMHBei que o assig<
O Sr. Maiwei bo Reg*:A mira efese qne ni
o assigaara, e nao assigi>ou
ii teadu passaaV) nesta-cata o projeelo qne au-
?Ti?? a *lJU:,en r^ P1re,r* ^Mi'' I est> e"'dtcas cir-
curmtaiic.as as do ex-majer S Brrelo, ao seria
justo inderenr a peiico dwte, que-prepon servi-
z arnrJa. mais importantes, poia alm de
conserva-lo, e como 4 commissao deisou de mar-
caf.1U0l P"ra "s? fim- oflfereco o'additivo.
Tol AL*!?* pa,'a os Prefessores de lam...
1:3865000. Preponho a suAetituir^o dessa verba
peta de 1:300*000, porque existe actnaln*enle
funccionan um nica escola de ltiro que a
da freguesa' de S. Jos desta e dade, e at o direc-
i Jiropc qua se supprimissemas-ouuas
caueras, no que nin haveria inconveniente ai-
gura, poia nao tm profavseres.
A '* I*"ao M stnenda, qoe consigna, en
vea de 289.0(*000 para cadeiras de instruccao-
pnmana, 25*:O0O*00O nicamente. Hoove sera
duvida engae-da parto da commissao dv orea -
ment na.sooma das parcellas. O balsmco da
J^P?" P?d8 para as aadeiras existentes.......
-w:5ju*iJO0, erearam-se i6 outras e veneendo
cada protessor 7Z0i(mde ordenado e 20D000
SPr"??,-'ai*ve i"Vrt*r essa aova despeza
em l*-'20*000; que addiciwnados quantidas
carJeiras existenlesprefaiera somraaique propoe
a enenda, que apresentei.
Geavru que s reiiffqBB este engao para qoe
DJo pareea que- despendemos muito dinheiro,
.quando assim nao aconteee.
17 em vta> do 708B00O Dropoono 1:689
ter sido delecad^dTcar ^ ,\V:;^ ^ e V em, vfe* a 7W proponoo 1:689^
maratn naartS 1/ !^u^h- yiau, perqae devando consignar se 500*000 para cura-
'n.irsuuu para o soi. i oadB- voitou moaoaa rtn ser. ,nra ra Ii.. nnuweJin______._J_^, *"7" ''""'
coi I
iA.
---------Vf .-_ i.-.^u v VTTL'T a litio
'a para o soi. i oadevoltou iacapaa do ser
o ido d'iqur,es estado, de aerfeita
iraportanle do
SESSAO ORDINARIA EM 27 DH.JUNH0 DR7d.
presidencia do sr. dr^aooiar.
Ao meio-dia feita a chamada acharara-se pre-
sentes os Srs. Antonio Paulino, Vieira de Mello.
C Lobo, Manoel do Reg, Feliope Figueirn^Ti-
xeira de Sa, Goncalves Lima. Rufino de Almeida,
Barros Wanderley, Ribeiro Viatma, Tolentino d
Carvalho, Correa de Araujo, Eduardo de Oliveira.
Hermogenes, G. Drummond, Oliveira FonsecavFr-
reira de Aguiar, Hollanda Cavalcanie, Ignacio Joa-
quira, Pinto Jnior, A. Cavalcante, Joio Cavalcan-
te, Cunha tavalcaute, Vieira de Araojo, Mello Re-
g, Gondim, Pernambuco Filho, Pedro AITmo
Augusto Costa, Amaral, Mamede, Oliveira Andra-
de, e Paes Brrelo.
Abre-se a sessao, lidaeapprovada a acta da
antecedente.
O Sr. i- Secretario declara nio haver exne-
denle. ^
S3o lidas e approvadas as redaeces dos projec-
tos ns. 81 e 105 deste anno e bem assim o parecer
seguinte: *
A commissao de agricultura, commescio e
obra* publicas, a quem foi presente a peticao de
vanos moradores do Barbalho solicitando a cons-
trueco de urna ponte e de urna- estrada que ligue
aquelle povoado a estrada do Caxang, confor-
raando-se cora a iofrmagao da directora das
obras publicas, de parecer que seja indefenda
dita peticao.
i;ftS,lpi-dasJcnnmmss8e8'- 26 de Janh0 de
1H7U. telippe de lugueira Far i a.-Antonio. Pau-
lino. >
ordem do. na.
Terceira diseussao do projecto n 110 deste anno
que autonsa o presidente da provincia a aposentar
com o sold que ora percebe o espilao da 3" com-
panhia do corpd de polica Joaquim Fernandes de
Azevedo.
Vao a mesa e apoiam-se as seguintes emen-
OlTerego como additivo o projecto n. 115 deste
anno.Dr. Manoel do Reg.
Fica igualmente autorisado o presidente da
provincia a aposentar emtods o-s seus venci-
mentosa Joaquim Jos Bello, ex-fiscaj da fregue-
zia dos Afogados. -Henrtque Manide.
Flca igualmente autorisido a aposentar com
o sold correspondente ao temno de servico ao
ex-rnajor do corpo de policia Francisco Antonio
de Sa llarreto, que tendo marchado para a cam-
panna do Paraguay commandando a ala esquerda
diquellecorpo,de l voitou por tersid julgado inha-
bilitado para o servico, segundo prova o certifica-
do do ajudante general, depois de ter servido
durante dez ou doze mezs. Dr. Manoel io
llego.
O SR. GU3MAO LOBO faz algamas considera-
Qoes.
' O SR. HENRIQE MAMEDE pede para retirar a
emenda que apresentou ao % 43, e faz algumas
consderacVs sustentando o que a este respeito
di-p5e o projecto do ornamento, e combatendo as
emendas apresentadas no sentido de ser augmen-
tado consideravelmente o imposto de que trata o
referido paragrapho.
O Slt. MANOEL DO REG:-Como autor da
emenda qrfe concede nutorisaco ao presidente
para aposentar ao ex-major o corpo de polica
Francisco Antonio de S Brrelo, devo dizer algu-
mas palavras era jastificacao da mesma emen-
da.
O ex-major S Barreto ura offkial dstincto,
que desde 1853 at 1868 servio sem interrupcio,
no corpo de polica sendo nomeado tenente, depois
capitao, o ltimamente major, o que prova que
serapre mereceu a conflanfa das autoridades su-
periores da provincia,, tendo alm disso exercido
lugares de confianja e d^ importancia, como de
1857 60 o de delegado de Caroar, de 1860
62 igual cargo em Nazareth o de 62 64 era
Goyanna, tendo sido exonerado dessa commjsaio,
em consequencia de ter um aviso do ministerio
declarado que nenbum offlcial podia exercer car-
gos policas.
Em 1865, na avancada idade de 55. anuos mar-
chou pafa o sul commandando a ala esquerda db
corpo de polipla, e ebegou at Alagda-Brava; san-
dq^accommettdo de urna grande enfermidade de
ohos, e sendo Juigado, em ajpeccao porque pas-
sou, incapaz do servico do exercito, voitou para o
Brasil com a seguinte guia. (L).
0 Sr. Gusmao Lobo :Que da gaia oom que
veio do Rio para Pernambuco?
O Sn. Manoel do Reg :Nao se, acbo que nao
era necessario.
(Ha um aparte).
O Sr, Manoel do Reg :A guia est assigtarJa
pelo Sr. Innoceneio Velloso Pederneiras, offlcial
muito dstincto coronel de engenheiros e deptado
assembla geral, e que seria incapaz de fornecer
am documento que nio merecesse crdito
sabido por todos que conhecem o Sr. Sa Barreto
tinn i\\\n t\ati\ n\i\mat\la rinanto Ana r.lk.. mI^ _..&
sauuu pur wuus tjuo tuuuooeiu o or. na nrrelo veuciiucuius i uueciur gerai a 3:000*000 som
que elle est realmente doenta dos olhos, pelo que ma que apezar de* diminuta, nio deixa de ser ra
fni inlfr-uln nc'in57 da eriripn mllifor daivuI
foi iulgado incapaz do servico mijitar.
Um Sr. Dbputado :Sabe se ji est restable-
cido? oauo uu tuimivaoui
permanece.
raaj
vfeci
sao
O Sr. Gusmao Loao:E' na
que ser delegado do Rio-Forojoao.
O r Manoel Dcv-Rsao-.-Mas se a-simptes^alle-
cacao do ox-tenente-Galda? de ter votado r> eam
pauna gravemente enfermo fi bastme par one
o nobre deptado Um desst om.pareeer &wra-
O Sr. Gusmao Loro :Nio apoiado.
O Sr. Manoel do- Rbgo :__..____devia ser
eohereute, e deferir tambem favwrave mente o re-
querimento do ex-njor S Baweto, aquelle afli-
cral nao provou que sua molestia f adquirida em
earapanha; no entaate, visto o sea.estado do eotn-
pieta cegoeira, nio contesto o direito que elle tem
ao ravor qoe solicita, mas se elle-tem esse direito
no mesmo caso acaa-se o ex-roajor S Barreto
(Trocaoi-se apartes).
S 5AN0KL D0 R*1:~E's oque diro. pare-
cer. (L)
OS*. Gusmao Lo.:Leia para diana.
OSr. Manoel doIlbboEntewlo qaeietojn-
iraca a aposentadoria que o nobre deptado conca-
de, no prajecte que elaborou, acho-a jooi, bms
e incontestavel qae o ex-major Si-Barreio nao
menos digoo desse favor, porque elle nao.alteca
aomentt qoe voitou do sul doeote; aprsenla om
attesudo uMiito valioso do ajudante geoecal do
exercito que prova cabalmente & saa assevera-
?ao.^
0 Sr. Gusmao Lobo:-Isso nio -alteitado.
O Sa. Manoel>) Rxo :Todoe-os otQciaes qae
voitarain do sul, por terem sido jolgados em. ios-
pecc-io incapazes do servico nio trouxerara outros
attestados differentes;. sao estes os unios que- se
concede; posso alianca-to ao nobre deptado.
ha nao quero contestar.o direito do ex-teneate
freir Cadas, mas parece-rao ter demoaatiad
qua uex-rtalor S. Barrete st.no caso de me-
recer o mesmoTaTOr, e a assemWa por ce*to nao
pode conceder a um sem conceder a ootrov para
mostrar a sua c herencia e o sea espirito do tas-
tica. r ^
O SR. PEDRO AFFONSO faz algumas conside-
racoes sobre a materia.
Encerrada a diseussao apprevaio o projecto
e emendas. .
Terceira discussio do orcamenioprov:nciaL
Vio a mes e sao apoiadas as seguintes emen-
das :
Ao 43 do art. *4, supprma-'se a 2* parte do
paragrapln, concebida nestes topraos, e 500* se
for brasileiro.4. Cavalcante. *
Ao art,& 5o accrescente-se, 400& ao secre-
tario do Gymnasio, pela acommulaeio das fanc-
coes'e ecnomo.Srnrai Wanderley. I
O ollicial da seitrelaria da thesQuraraprovin-
cial ter a cathegoria o vencimentos dos primeiros
escripturariosf. Drummond. .
Ao art. 4 Ia inclusive a gratifoaoo, que
pelos orcamentos anteriores tem recebdo "o secre-
tario, da iaspecco publica.Oliteirn Fanseca.
i Aoart. 4 accrescente-se : 4o Auxilio para
a pnblicaco dr> Brasil Agrcola e Industrial,
i:0OO*.Antoni Paulino.
Suppnma-se o 6" do artigo additivo, que
traja do emprestiao de i:2DQ#. S. R.Antonio
Cavalcante.
N. 7.Di pesicao penmanente.Ao art. 34,
accrescente se isendo a oorcentagem de i) por
ceui. Vieira de Araujo,.
Paragrapbo additivo ao art. 16 j por cento
sobre o valor dos predios segurados as compa-
nbias de segaros, devendo a imposicio ser cobra-
da dessas mesmas eorapanhias.Ptgueiroa.
Ao art. 1& 25, depois de atgura, diga-se: e
trapiches, exceptuados os alfandegados.Dr. Ma-
noel do Reg.
Ao 43 do art. 16, em vez de t:000*. diga-se
500, supprimida a palavra estraogeiro, e suapri-
mida tambem a ultima parte do referido paragra-
pho.Cavalcante di- Aibuquerque. ?
hpra de livros e 400*600 para o alugnel da ca
torna-se osufHeieBte auueiki quantia. O'biblio-
raecano rosta pela-ereacV do am lugan de con-
servader, porque adMoeudo elte nao ha. quem o
substiwa, devendo oeste caso feehar-se a-biblio-
meca, eem prejuio daquelles qaoahi vb coni-
pclsar diversas obras. Apresentei vista disto
S^FnSSS*esse ,agafeora ^ci"
Aa art 80 offereci tambem.urna emenda elevan-
da-a verba de 80:**00 a l'SicOOO^Oe por
isso-que na 2-diseussao a commissao mostrea que
por ama das clausulas do ontratepara o caira-
mente da eidade nao ae podia volar anouahaente
menos de 2o*000*0 para, esse moi
Aprsente orna eutra emeoda par qae en lu-
gar de l'OQ*fl00 paraa igxeja da Capunga se
consigne 5:000*000 para compras de alfaias l pa-
ramentos para a meona. Asbamos da diTidT a
rregnem da Boa-vis**.creando a da eapangarle
qoe ja-deve estar saocciooada, por^nie eomo reb-
lme urna eoramieso desta assembla, tv a
nc*xa de entregal a ao Exrn, presidente da pre-
25"'-a. *is de dia*. 8 d accorde con o
acia, addieioaal nio- tendo sido devolvida nesse
praio soppoe-se sanoewnada-; portante-para qus-a
capei.a que ra servir^ de matriz possa arover-se
nnBB!fS3,para al flm' apreseite. a emenda,
que entend deve s-r approvada pela osa.
wr5iu.DawrADo :.Par qoe nao esperara-
que- esteia promma a matrisf
t> 3.. Manobi do rabeo :O
tara contra se quizar.
Proponoo tambero 2)00em vfo. d i:000&
para a. matriz de Jaiteato, ujas obeas so acharo
paralisadas, conviodo acaaa-las apante antes,
poisque um dos oitaes corra-risco de desabar.
iAvSre^Jin,a emeoda P que em Ingaf de...
D para a estrada-da La diga-se..
I (Trocam-se apartes.)
depurados argumentara com abusos papa establ-
ecer ura prtacipio absordo.
iff^,0nhe?L?aODO Brasil- "este' com m mui-
laa omras .odustrias, se tem abasado da lamenia-
sertgw0""* "0SSO P0?' rinciP,l'D'e nos
Em ralacio, porn, determinacio do valin-
trnseco dos arieelos de onro e prata, se as Jis
que temos fossero observadas, se o paiz naavese
smo administrado em refaci aos- seu? interesses
permanente*, e alo Bracamente em relaro aos- in-
teresses transitorios dos qae governam, nem um;
apparencia de )mNiftVacao teria agora a proD*ta,
do enorme imposte de 5:000* sobre cada msate
que| sendo urna verdadeira probiiJite, dessa rol
mistna uos mostra rofeasos aos mais saos princi-
pio* eeooomitos. j"'""
et!^Jr?S'' Cm t0*i!, as n*C*n civillsadas.
g*** ,m 1"8 oSripara os artfices -fazer con-
EaI6^8 aWef8C'"'' Ia* boje w pratica por
?^? Droce!, cbmiicw, que pela na rapidez
ri,^'l2 eJx^s!i(,a,, me fe-rara paeawr era var
as- Ihcahdades da Europa. Por es l n^T-, e- ""P'89 o proprie artefacto ;
Lm^. e mais fecrl do *" a aPP"ca?ao das lei*
enmmaes contra seas aoteres. Nos temos a lei,
mas nusso, come em assuaaptos de muito maior
nT,'^'?'- 2 ?ae no* fe,,a a sn e--encaq; e.
porque-a le letra-morta este respeito-.quere-
mos remediar a sna inexecofio com ua* imposto
verdadeiramente prohibitivo de ama industria f
Aoyssus abitssum invocat t
Ma^, por ventura, ha motiva sufflcienle para.
sriaoao te tao enorme imposto T Nio, >>r certo.
' * nobre- depatado va-
bntrandi) no examedos teetes, averige qae ae-
taalmenittedo o commarcw de arielaetoe,- imiun-
doosdeooroeprata,.frfeitoporuraa casa, enjo
cltefe e da^raaior parte de nos bera conhecidu.
e-iie me afflrmou que-todos es raascates qne trafl-
cam na provincia comobjeclos imitando-o ouro e
a prata.jaomeros agentes seos, e ni podara ven-
der senao o qae elle lites confia, e que elle assume
a responsabilidade pecuniaria e penal doaualqner
traode que se venQque: Mas qne a considerar-se
cada om dos-seus agentes, como mscate obriaa-
doao enorme imposto d6 5;00a; elle nao poder
continuar o seu negocio, *e que naturalmente as
rraudes oontinuario enlo en muilo maior es-
cala.
Por todos estes motivos-proaenb qne o imposto
sobre os mscales continuo a ser de 200*,.. como
eslava no orrjamento, e a nio passar esta propos
la, que seja tao smente de 800* por caia mas-
cate.
Encerrada a diseussao appaovado o,' projecto
com tedas as emendas apresenladas as sescoes an-
teriores, sendo regolfadas teda as cima mencio-
nadas.
OSR.. A. CAVALCANTE pede que e declare-
a acta que votou contra .\ emenda relativa ao
imposto de berancas legadas por motivo que Ihe
! o todo pessoal.
3* diseussao do projecto a. 38 de 1869.
Vao mesa e apoiaro-se as segrales emendas e
90 nOflaA
nW^j' projecto substitutivo,
essa esffiB ""^ *^ **,n** f3 | ""lente da Proinc-.a mandara addir
trad, enja cessidade ^Mleeiinavel para ymmuio, ott* escola normal Os prof^seres
* Sapprima-se ailiima parte do % 25 do>art. 16
e a emenda que toi efTerocida.E. A. de Oli-
veira.
Art. 1C 16\.Na emenda approvada sobra
este paragrapno suppriraa-se a palavracaval-
lar. GnoralvS'i lima.
Supprimaro-se os.g.-u e 42 do art. 10, e SO
do art. 16.A. Cavalcante, .
Ao 8'1 do a/t. 16^ accrescente-se corapre-
heodida urna parte sobre o rio Una na estacao ter-
miaal da ostraaa de ferro ; para a construccio da
qual podar o presidite da provincia emitljr ab-
beos com o premio de 8 por cento se assim julgar
convenieate.Pedro Aflonso. t
O Sr. Masoel do Hego :Nao pretenda rou-
bar lempo algum casa, pois reeooheco que te-
mos ainda muito a fazer, e por isso tenho-me
abstido da tomar parte nesta discussio mas tea-
do apresentado algumas emendas ao orcaraemo
son obrigadoa jnstificalas, porque som algama ex-
plicaoao a casa nao estar habilitada a votar sobre
ellas.
Ao art. | 3 proponho a supressao das pala-
vras-3. oficial interno-porque, tendo sido no-
meado ertellivo, torna-se desner;essana a consg-
nacao de v#rba para aquelle fuecconario.
ao art. 4 propaz ama emend a elevando os ven-
cimentts do director geral da inatrnwjio publica
a 3:000*000. E' iueoutaolavel que os venonen|o&
deste funccionario sao muilo mesqninhos, q esta
urna verdade geralmente reerrahecida ; o director
geral marino na seu relatorio, apresentado este
anno, faz notar qoe ate a insignificante provincia
do Amazona* paga ae eu director geral da ins-
truetjio publica 2-:600*000, trago como exemplo o
Amaonas P9r ser "urna provincia secundarla; o
Rio de Janeiro paga fcfOOJOOO ; no emtanto o
Botso director geral tem de vencimantos 2:0*,
aa passo qpa o direetr da, sepia normal e o re-
gador doeymuasio, qua me sao subalternos, tem
' Aprasento por tanto tina emenda elevando os
vencimentos do director geral a 3:000*000, som-
mi lina u\t7ar fl* ditninnli nX i _. %.
soavel.
Ao 6.- proponho um ad>"-' ...j n nT
denado do coaervador <* ---,nvo marcando o or-
qun temos ai
"*> i ir|^rcwtaria^e*.>reco
por em coromunicaei coro-a estrada existentes de
Jaboatao para esla cidade a importante povoado
da Luz, estrada qn faz parte do plano delineado
pelo celebre engenaeiro Vauthier, mas que entre-
tanto nao tem sido levada a effeito apezar do se terem.
votado qnotes. A quantia de 10:008*00* insuf-
a" Po/'ine so a f laaoo est o.cado em.....
3O*O*)0, e por issodesigno essa. quantia, revi-
vendo urna disposwao do are amento vigeote.
_^lar'- 7* 7 proponb* emvea.de ll8r0O0*00O
9o:J!w0 porque tendo passado nesta casa
urna emenda suprimindo a dilTepenca ds cambirv
a. verba de 110:000*08*. demasiada. Existera
lunocionando 1354 combustores, mas segundo urna
emenda approvada em i discussio, devendo esse
numero ser elevado a 1457, costando cada um 180
. JJ!Lno,e' iO)P0rta' despeza. total em perte
de 95:000*000.
Ao art. 8o proponho que se rostabeleca a verba
d9 1:000*000 para a vala, Votei contra essa consicaagao, porque rae
la.ormaram quo nao. existia"essa casa, hoje, po-
rera.si'i (no existe o funcionando perfeilaraem;
por isso justo que se resiabelega a verba.
Ui bR.esTADo : Quera tei a autor dessa
inforraacao maliciosa ?
O Sr. M.uroat, do Reg : Foi o Sr. Antonio
l'anlrao, por estar mal informado.
Creio que s por engao deixou a commissao
oe incluir- o imposte dos trapiches, que sempre
tem sido tributados, devendo nicamente excep-
tuar-so os alfandegados, porque sio considerados
dependencia da alfandega e pagam imposte geral.
Aprsenlo, porlanto, urna emenda restabelecendo o
imposto-era relajo aos simples trapiches.
Ao artigo additivo *o Sr. Ruino accrescento:
a prolongacao da illuroinacio publica todas as
nones- durante, a estacao invernosa.
(Tcooam'se apartes.)
OSa Manoej, do Rsco : Aos 93:000.-}. j. est
incluida a quita para a illuminaQao durante todas
as noites do anno sem excencio, mas, como j co-
lirio meu projecto, neste sentido, por urna cir-
cumsiancia que nao podia prever, farjo urna dif-
ieren^ e proponho que se estenda a luminacao
smente s noites invernosas, apesar de con;er-
var-se a la cima 4o borisonte.
Um Sb. Deptado: E' a rnesma idea.
O Sr. Manoel do Hroo : Por certo que nao,
visto que a emenda s refere s noite3 de invern.
0 nobre deptado nao ignora qoe durante o In-
vern as nuveas enwbrem o co, e, embora seja
noito de luar, a cidade fica completamente no es-
curo, tornndole indispensavel a illuminaeo pu-
Creio que teoho justificado as minba3 emendas.
OSn. Cavaicastb d'Albuquerqub : -Sr. pre-
sidente, era segunda discussio apresentou-se aqui
urna emenda ao 43 do arL 16, mandando que
os joalheiros estrangeiros, que mascateam nesta
provincia, pagnein o imposto de 5:000* pelo exer-
cicio annual de sua ptolissio. Este imposto vem
a ser na realidade a problbicao de urna industria
como por toda a parte a da approxmacao dos
productos, ou artefactos aos lugares de seu con-
sumo.
Um Sn. Deptado :-- A maior parte dos joalhei-
ros sio industriosos.
(Trocam-se muitos apartes.)
0 Sr. Cavalcante d'Alouebque : Se elles
corametlem crimes, temos leis para os punir ; e
se essas leis nao sio execuladas por negligencia
das autoridades, por isso nio se segu que deve-
nios acabar com urna industria.
O Sr. H. Mamkde : Apoiados.
O Sr. Cavalcante D'Albuquerqub : Impugno
a exorbitancia do imposto, porque, alm d con-
trariar a Iiberdade da industria e do commercio,
equivale urna prohibirlo absoluta, o que evi-
dentemente contra os mais saos principio da eco-
noma polilica.
. (Ha um aparte.)
Sb, Cavalcante d Albuquerque : 0 nobre1
deptado nao me pode contestar isto.
Sendo eu, como j tenho mostrado nesta casa,
Sartiditta at da liberdade religiosa, seria contra-
etorio se nio foss sectario da doalrtna da liber-
dade industrial commei e nio pugnasse
em favor dessa liberdade, que a maior gloria da
Inglaterra nesle sclo, leio que anda
sempre na dtanteira do progresoreal da civilisa-
ao
di
extincto- curso eommercial.i. Mello Regoo>
O presidente da provincia abrir o crdito ne-
cessario para pagamento dos profesores tanto do*
l ordenados vencidos, quer dos qne se rforsm ven-
eendo& Drummond.
Substi'utivo. Art. 1. Fica restabetecido o
curso eommercial Pernambucano, creado por lei
a. 411 de 30 de abril de 1657, e qae foi sapprimi-
do peate! n. 749 de 21 de jnnboda 1807.
Art Os amigos professores sera reinte-
grados em suas cadeiras, se assim o reque-
rerem. H
ArL ,! O presidente da provincia poder re-
formar o regula ment do dito curso supprimindo
as materias que Ihe pareeerem inutes,.o substi-
tuindo-as por outras, devendo as aulas ,'iincciona-
rera a noute.
Art 4." Ficara revogadas as dispoaicoes em
contrario. >
rr Sala das enmmissoes 28 de junho de 1870.
Dr. Manoel do Reg. ~.
O SR, MANOEL DO REG pede que a votado
seja nominal,
E' approvado o reanerimento procedendo-se a
votiici. nominal, m:inifo*tam-se contra o projecto
substitutivos os Srs. Correa de Araujo, Antonio
Paulino, Eduardo de Oliwira, Augusto Costa, Ri-
beiro Vianna. G. Drummond. Ignaci Leao, Cor-
rea Gondim, Vieira de Araujo, Paes Barreto, Oli-
veira Fonceca. Conqalves Lima, Tolentino de Car-
valho, Amaral, Mello Reg, Oliveira Andrade, Al-
meida Pernambaco e Rafino de Almeida ; a favor
os Srs. Manoel do Reg,'Teixeira de S e Henri--
que Mamede.
A favor do projecto primitivo votam os Srs.
Correa de Araujo, Antonio Paulino, Eduardo da-
Oliveira, Augusto Costa, Ribeiro Vianna, G. Drum-
mond, Ignacro Leao. Correa Gondim, Vieira de
Aranjo. Paes Barreto. Oliveira Foaceca, Gonjalve*
Lima, Tolentino de Carvalho, Amaral, Mello Reg,
Almeida Pernambuco, Rufino ds Almeida. Olivei-
ra Andrade, e Teixeira de S; contra os Srs. Hen-
rique Mamede o Manoel do Reg
Sao approvadas as emendas.
2* diseussao do projecto n. 125 dest" anno que.
manda pagar urna indemnisacio a Joaquim Ma-
noel da Costa, arreaiaiante dus reparos da estrada.
do Sul;E' approvado.
2a discussio das emendas offerecidas em 3* a
o projecto de orcamento municipal."Sao appro-
vadas todas as emendas.
Tendo dado a hora o Sr. presidente designa a
ordem do da e levanta a sessio.

REVISTA. DIAKUL '
REPARTICAO DAS OBRAS PUBLICAS. Por
deliberarlo da presidencia da provincia, de 3 di >
crreme, foi nomeado elrefe do 3 districto de
obras publicas da provincia, enja sede ero Pao
d'Alho, o Sr. engeneiro Dr. Joio Bezerra de Mello;
visto ter sido exonerado, seu podido, desse car-
ge, o Sr. engenheiro Jacinlho de.Mendonca Jaia-
gu.
THESOURARIA PROVINCIAL.Perante a jun-
ta de fazenda desta reparljcaj vio praca :
No da 18 do corrente: os reparos de que pre-
cisara a dita repartirlo e a da guarda respectiva,
avahados em 343*376 rs., devendo ser comecados
dentro de 5 e concluidos no de 20 dias ; as obras-,
do 7 e 8 lauco da estrada do Liraoeiro, avolia-
dos aquellas em 4:408*800, e estas em 3:036*C0O
No dia 11 : o empedrameato da travessa, do
hospital portuguez, avahado em 1:672*220 rs.
DEFEZA JDE THSES.Deve effectuar-se nos
dias 8. e 9 do corrente a defeza das thses que
para obter o grao ds dautor en sciencias jurdi-
cas e sociags, apresentou o Sr. bacharel Antonio
Carneiro Antunes Guimaries Faculdade de Di-
reito do Recfe.
n. FRANCISCO CARDOSO AYRES.-Era nossa
oitava pagina damos hoje lugar urna carta do
Exm. e Rvm. Sr. D. Lourenco Gastalvi, bispo dn
Salurzo na Italia, escripia ao Exm. e Rvm. Sr. D.
Antonio da Costa, bispo do Para, narrando as ro-
bres qualidades e virtudes do nosso tinado doce-,
sano, D. Francisco Cardoso Ayres. E' am traba-
Iho importante e curioso porque descreve factos
ainda para ns ignorados, de sua vida de peregri-
na?io apostlica em diversas parte ido.
l


ttiano d VeTambtiCo Quinte feira 4 dt Agosto de 1870.

'*_

saber
fino.
Km de por bem patentes asvinoa o
tfcs>e Ilustrado pistor que to
Chamamos para elle a alien ao do* leitore.
A MENINA EGKRlrf ANTONINL-^Aena-se de
presento entre nos, vinda Jo Rio da Prata pelo Ro
do Janeiro Baha, onde toi sempre aeottwda es
1L f'
retrae vigoroso talento, profundo f2?.Pe'*""
*c,e acurado eiao. acoroaai*Bdapor sea
tm e Sr. Haphael Antonioi, disuado W''
umbem artista, a quem a fortuna t'e,n.
Xo.nor Pile cultivado cora esmere fc cuidado, a tal
woate ue o torna recoraroendado. Brevemente
ari, o nai e t Maa, um ico coticen no salao
*io olidos o* verdfideiros dilectaotes.
TfUNSFERENClA DE SABIDA Df VAPOR. -
*) collega do Jornal do flecfe censureu hontem a
1*re na to oer eosteiro p*ra Macei, *or dous dias,
pnoractt, scm duvidao oolivo uesse acto presi-
dencial. .
Precisando o alto sorteo de Peroambuco de
forc que auxilie as autoridades ua repreesio -crimese na captura de grande amero de cnmi
caes, nn.sada o corpo ffectivo tie ^o\im, leve a pre-
sidencia de addiar a remesada forca al* que o
-corio cstives>e de lodo organisado, como se aclia;
*, umdo de sahir par o sttl o vapor da companma
P.Tuambucana, qae mais radamente deve levar
.torca para e seuueelmo, resoivett B*c- or"
oenx a demora por quatrodias da salada do va
por, para que a forra se nonisse de ledos osjapres
tesnecessar.os'epiiese levar comed verses
criminoso* que -too reponder ao jury, (remos que
too motivo jnsiicalivn de seminante omero.
UV 1)0 OO.NDE BA BOA VISTA. Temo,
neixas dos moradores desta ra ee*ra o pouco
:ae4o do subdeWgado 4a freguezia i aptura dos
ladrn de qamtae, os quae* tero n estes uWmos
-as levado quanla e possuiam eHes drs ettpoei
ras, bem remo ilpwa roupa, nacas etc, qae por
descuido firaram ios quintaes. Ser intpos-.ive^
ao Sr. sub ^lepado cabir essa sna de'lai
dio de se achar t>a nao regisirada a Do\neaeao de
*us eatxeiros Manoel Antonio de Arujo e Ma-
nuel Soara* do l'.outo S^brinho.Certiinjue-fo.
Do Sr. bfflcial-maior Dr. Julio Augusto da Cunaa
GaimarSes, diieudo que, passando a examinar os
:npps nltimanrenie unviadus peAos administrado
res Uos diversos U apiches e armareos alfctga-
!asir>, no que fdra remet-
;Sejjn ouvidos osj-
______ para o que se Ibes
mandar copia dos nappas junios.
com iHFOUAgao no sa. mscmb*bhai>or fi
De Manoel Frandaco Oaraeiro, Antonio Jo
Tavares e FraoWta Xavier da Fonseca, cqWlo
social.Rtgistre-. ,
De Jaio Correa de Carvalho, Jos Anwatode
Araojo e Aaionio Alves da Silva, umbem cbralo
social Salistaeam o parecar ftcal.
De Jlo da Silva Bra|a, mulo de agente de lei-
l5e.v_pre9U(Is % nnra na forrda da Wl, 'oTte,
para se iiassar titulo.
De Jos Joaqun Goncalves Bastos e Antonio Al-
ves da Silva, contrato social.Registre-se.
17 ditas
de 9*0*
850*000
7-730*000
PUBLICACOES A PEMlr^.
S. E. e 0-.
O guarda livros
Ptwncisco Joaqun Perira Pinta.
HSI r:
AO
Liberal.
coi.i.%BiiiA<;lo
A appOsfcSai dehra.
A tti^iagwn uwda ditriarneulft l>ea
oppotelo, a soa.MtanttiUc5o exu-aVafan-
te, ifjre misTrta 4e iorios protam
(|ue op peslo ?dti r*-_
Sena appoio no carn* das .ideas para-
peitt-se ua- os Tactos iselado*, 4e exclu-
siva resporrsaMfidade de seus atores, e ei
Renabiliucio de Joaquim Jos da Ota Fajoles [e a despejar lOSUllOS >i>ra o -ParUOQ COO-
lanior Jos I.aiirontiho de Aseveda-^cnaaTa-' setvador. e sobre os que dirigen! a alta
do o julga ment.
Dada a hora (U e meia da mantea), o Exro.
Sr. presidente ocerroa a se$*ao.
sESSO
F. H-
JTJIMC1AR1A KM l. ftEAGOSpME
1870.
RESIDBNCU DO EOB. A.
aETTA.
Secretario, Jntm Gvmaraes.
Ao nwie dia declarou-se. alerta a sessao, estan-
do renmdos os Srs. desemBargadores Silva Gui-
mares, Reis e Silva e Accili, e o1 Sea deputa-
dos Rosa, Basto, Mirawfci Leal e barn de Cruangy.
Lida, loi approvada a acta da precedente ses-
sio.
O scrivao AlbuqBerqae registrou o ultimo pro-
testo de leura a*) do ruesmo ftado wfo rrumo-
ro 090 ; e o escrrwio Arves de Brfto a 26 do Ato
mea sob o numero 494?.
tlgaSkntos.
Jnzomuncpafdo commerci d'Ara, provin-
cia da Parakyba : appellante rto Archanjo Soa
res da Silva, appetlado nitor Antonio Jos wira; joizes os Srs. Sirva Gaim.res, Reis e Silva,
Oe Cruangy. Foi coflfir-
sr. rui*,z**i^jtii1i'. i>ui oa^i o*- w --------m nirriuS urti 8 )3rilo m<
Oremos ne ikw, e esperamos que elle d provasi- ,na(ja a selenra appailada.
d* M-lividade.
PllONOV'CIA.Felo subdelgalo dos Affogade*
do *rt
de Cas-
f>i puuuaciado- cerno iucurso aas penaa
201 di cdigo ermiioal, Pauhno Manoel
tro.
FERIIENTOs.-NTo dia 9 etjulno, -no I.' *s-
inclo Jo termo de Santo Anta, bouve um coaic-
ui entre Francisco Antoaio s Saados, Antonio
Rumos do Soua-i, Jjs Alves dos Santos, do ^ual
resulton o ferimefivo lew do arimeira, e grave dos
d.ns uiiimos. Foram todos presos e estao ssao
pr^.e\'o logar Jurubeln, do mesmodislricla Lau-
renno Francisca de Carvaftio dea um Uw> em
Amonio Carlos do Lima, sendo logo preso.
MCS-VI31SHOS.*U a rna do Vcscendeide
Pelotas mina do Arage, ans mocos estadntes,
wmoret! lcin: segando andar. contra s quaes
tomos recebido que.xas de alguas visinfcos. .
Diiein-nos que e*ses mocos costumam dirigir
ptfMriai aos teilahoa, alm de praticar actos pu-
oo e accorto com a moral patrHca.
Nao -sabemos at que ponto sao fundadas essas
queB a m*s em todo aso -aeonseUiamos esses
moo.s aatoveeato e jimo, lertbrando *e< que es
t.i.'nwnacidaJ.- cfvili#ada, e entre familias *
nf sus que teem -direito ao reu respeilo a aeata-
invnto. -
issnTrro histrico s PHiLosopuica-
H je as 11 horas do diana-sessao ordinaria aesia
socieda.le. sendo a nrdepi do dia discussao datne-
t do -Sr. Luiz Bemetrio, e fxpo*?ao da *o ^ Bandeira de Mello : Qunla melhor forma *e go-
l'PIW 1
CU'BTOPL'LAR.-IIje fcaveri sessao as 7 ho-
i..> li noiie eui (jonto. vX ordem do da a se-
Oiato : Revista de jomaos peto r. IWfere ;
pralee^in sobre a consliluicao do imperto pelo r.
Torres Bandeira.
(nReWAJUDtCKRIA.
rwr.i\tt no cojiiibbcw
ACTA DA SESSO ADMINISTRATIVA DU 1.' *E
AGOSTO E 1870.
fRlSTOENCIA DO EKM. SR. DESKXB/.RG.VDOR UISfiLtlO
PMkSCeeO PERETTI.
As 10 horas da manhaa, reunidos os Srs.-dopu-
usa. Basto, Miranda Leal e barao de Oruan-
cv >unnUnu> fi-Leiaa, presante o Sr. desem-
baraaw flscaL Exc. o Sr. preaaenw mm a
sonrio. j. jta
Foi lida e appwvada a actt da sessao de 2
do uas.-ado.
BXPB3IE.NTE.
Offieio do secretario do tribunal do eoormercio
d3-Baiia,acompBBliado ummarciaes espedidas por dito tribunal durante
.. ultwio semestoe.A archivar, depois de acensa-
da recepcao. L .._ ,
Qtto uo presideBle e seeretano da rant dos
oorretores, cobrindo o boletim commercial 4a se-
ma na, prxima inda.A archivar.
Jorra! t.ffleiat-de 1*1'i VQ
Aos Srs. deentados foram distribuidos os se-
euints livros :Diario e Copiador de Bastos*
Marims. ._ _K
lnomtrou-se regularmente felo o reglero na
correspondencia al n."103.
lUESi-ACHeS.
IW-jerimentos : ....
De Antonio Jos da Costa Cabral, pedtade eerti-
o de continuar e >-t seu caixeiro o sea uiu
Thomazdo Aquiao da Costa Cabral.-O-se a oer-
i;dao wquerida. ,K
De Antonio Pereira-de Magalhaes, paraae me
mandar registrar a omeacao que jnnla, de sea
caixeiro Joaquia elix de Albaquerque.-egis-
Oe Adalberto iBelarmine na Silva, no osm
s.ntiao re>pecti*meate Aotenio Augusto Das.
Hegbnre se.
le Matia Joaquina da Bosa, viuva de Alexan-
dri Jos da Rosa, tambero no meamo sentido
.i^nto a Francisco Xanes Pires.Regstrele.
De Antonio Dominges Pinto, para se me mandar
eeruflear se esto oo oao registrada^ as nomea?oes
dos seos caixeiros Drsulmo-Gervasio Carneire Pu
et e Pergentino Crysses de-Oliveira Ltma.-iPasse-
se a certidao requerida.
De Eduardo Maraes. & O, no mesmo sentido
quanto ao sea caixeiro Samuel Vaz deCarao.
Certifique-ee. ...
De Ernesto 4 Leapodo* para Ibes ser registrada
a uomeatao de sea caixeiro Antonio Jos Fettppe
Santiago.'-rRegistre-se.
De Juae ^Florentino Cavalcanti de Abuquerque
Jnior, certidao de se acbar ou nao registrada a
nomeacatt de sea caijseiro- Sajador Mana Pereira
do Laso.-^asse-se.
Do Fraactsso Ribete Svuros, registro da nomea-
^io de cadtarro qae dera4 deao de Deas Gonjal-
ves Vieira.-*egistre-se.
,<)e Fonseca A Abren, carWao de se achar ou
nao registrada a nomeeao de sea caixeiro Joa-
quim Grato de Oliveira Tavares.Passe-se a cer-
tiio requeriia.
De Dmiagos Joaquim Ribewo Soares, no roes-
mo sendo qoaaio Joa Martas Ponto.Certifi-
que-se. .
Da Jos da Ceata Ferrete-a, registro da nemeacao
de sea eaixei Henriqe ffotenuoo Figneiredo
Lima.Registre-ee.
De Joaquim inaoceock) Gomes, cerudao4e es-
tar ou ao registrada a nomeaeio de seus eaixafe
#os Manoel Braz Pereira da Silva e Heliodoro l1
nocencw<^)iias.-Ooo reaaar.
De Joaquim Martiho da Cruz Correa. noaMa-
roo sentido quanto Antonio ferreira da iwva
Lima, caixeiro de saa pbarmaeia sita a rna do Ca-
bug.Certique-se.
De Jos Teixeira de Souza, registro da rwmea-
;io que junta de sea caixeiro alto Cesar Maeiel
Moatei o.Rtgiatre-se,
De Manoel iiUQ8dalonstca,certidodeseanh.r
ou nao registrada a Bomeaoao de seus caixeiros
Damiao Adere FereiraLimaeCaaiillo da Silveira
Tavora.Cernfl^ine-sa.
De Joaquim Francisco da Silva Salles, no mesmo
sentido quanto Julio Cesar da Cunna.Como re
<|U-
De Manoel Monteiro da Caoba, pedindo permis
eao para empragar aa escriptnracao de ana nova
tinnaMonteiro da Conha 4 C os livros que ser-
sua firma individual.Como reqner, sem
Hizo do registra do sea contrato de socie-
da
De Vicente Ferrelra Nones de Paula e Jo-
Francisco Cotho da Pai. renlieaodo do rfwpacho
; minou en: > art. | 7." do
i com atlen-
:." $ 7. do decreto o. i305, e eum-
jir.i
Dt Tenjistecles Canuto de Aguiar, pediado cerii-
Jur. nranicipal e do commcrcio do Par, pro-
vincia da ParaM'ba : appellante autjr e capitao
Nicolao Jo Carvailw de Brito, apKellado reo o
eapito los Herctlnoo deCarvalo; jatees os
Srs. Silranmaraes, Reise Silva, Miranda L'jal,
e baro de Cruangy. Foi reformada a atenea
appeJIadn, sendo roto vencido o Sr. desen*arga-
dor Res-e Silva.
Juieo ospecial do eomroercio : anadiante autor
o barSo de Campo Verde, appellados reos os ad-
ministradores da massa fcllida de Seve, Filhos 4
C ; juiaes os Srs. Reft -e Silva, Accioli, Rosa e
Basto. Toi coaflrmada a sentenca appellada por
daferente fundamento.
inrzo espeal do coiwnercio : appellante autor
Francisco Meades Mattns, appettada r D. Mara
das Neves de Miranda Oliveira ; juizes os Sr?.
Reis e Silva, Acciol, Iflosa e Basto, foi conlir-
mada a seiNeira appellada, vstaado oSr. Rosa
ptla conBrmacao por differente fandamealo^
Ubzo etpeeial de commercie: witilicacao de
protesto .narilimo : ppellante Antonio Francisco
de Oliveira, cap to to hiato Racional Rosa, appel-
Isdos Tassos Irmos ; juizess 9rs. Accioli, Silva
fiuimaraes, Miranda Leal e barao de Cruangy.
Foi conftrmada a sentenca appellada, com o voto
do Exra. Sr. prestente, sendo votos vencidos os
Srs. Silva Cu maraes e bra de Cruangy.
Appeaute Jos de Oliveira Lima, apnellado
Joaquim de Sonoa Ferreira; appeltontes Urbano
los de Mello e sa* malher, appellado Jos Vello-
so Soares. Addiados i pedido dos Srs. deputados
Juizftespecial do commercio : embargantes p-
pellantes exeq-aentes os aaaBinijtradores da massa
fallida Joaquim-Sos Silveira, embargados appeJ-
ladas executados a viuva e herdeiros de Diogo
los a Cota; juizes os Srs. Accioli, Silva but-
maraes, Rosa e barao 4e Cruangy. FOram .des-
prezaos os embargo".
PAsaass.
Do Sr. desembargader Sil a eGuimarae* ao Sr.
deseaibargador Reis e Silva.: appellante Menoel
Canalho de lloura, appellado Maloel RBietro
Bastos; amellantes aviuva e herdeiros deDiogo
Jos da Costa, appellado Antonio Duarte Carneiro
Viaana; etobarantes os erdeiros de Antonio
Norberto de Souza Lealdade, embargado Policar-
l*>'os Lay-ine.
e Sr. doseaiJrargador Silva -Guimaraes -jurou
saspeicao e passou, em ver, o Sr. desemliarga-
w Re'is c Suva o ferto ottre jiartes; embargan
faes Joao Evangelista de S e-eutro, embargado
Jo* Fern;mdes Gomes.
Do Sr. eaemiargador Reis e Suva ao Sr des-
mbargador Accioli: embargantes E. A. Burle 4
C, embargados Oliveira, Filhos 4 C.; appellante
fre Francisco de S. Boaventura, appellado Ma-
noel Ribeiro Bastos, cesionario da massa de An-
talo Per ira de Carvalho Guimaraes.
BESIRUSUICOBS.
O Sr. snspeicao e deslnb*io-se ao Sr. de-embargador
Accioli oferte entre parte, a.ppellantJoaanuu
Sa Silva Costa, appeMado Josti Rodrigues Cordeiro.
aooa^vos.
Jaizo especial do eommerc : aggravanle M-
eel Pereira de Magalhaes, aggravado Manoel Jos
4a Costo; aggravanle Antonio Cezario Moreira
das, aggravado Joaquim Lucio Monteiro da:Fran-
ca ; aggravaate Mariano Xavier 'Carneiro da Cu-
aba, aggravad" Joo Pinto de>Lemos Jnior.
O Exm. Sr. presidente cegou provimento.
Encerrou-se a sesso ts duas Loras e dez m-
ivitos da tarde.
LO-NDOX & BRASUJAN B AK, (LDaTTED.)
Caniul do Banco lo.OOOaecoes
/de oo..............!7T. isfixaxaim
AceSes emittidas I3jm...... ll,5ao:553<*530
.Capital pago a 43 por acedes. 5^00:0004000
*UuANCO K CAKA FILIAL BM Pl RKfcBBUCO EM 30 0E
IUUK K 1M70.
^Icco.
Letras descoatadas..........
Cpeditosdivei-sos,outroslianco6
caixas luaes...........
Caixa:
Bm moeda crrente.........
Rs.....i..
Passico.
Gapiul forneeido pela caixa
matriz...................
Depsitos:
Emconta cr-
rante...... 325:072*110
Depsitos xos
e por aviso. 1,071:64U330
Credos diversos, outros baa-
eos e caixas filiaes........
Bs.
E. O. E.
Pernambuco, 3 de agosto de 1870.
T. WMtiBsm,
Accountaat.
!60VO BANCO DE PEBJSAMBUCO
ALNCETE 0 NOVO BAXCO DE PERHAMBUflO KM U*JVI
BA4AO, BM 30 DB JULMB DE 1B70.
Activo.
Letras protestadas........ ^:^i
TRulos- depositados
Despezas geraes.........
Caa,Pelos, seguintes valores :
Emouroamc^ado. 949^110
Em notas do thesooro
e da Caixa Filial do
Banco do Brasil 45:
Em pola e cobra,. .
Ris.
Paairo.
Capital. .
Emissao.........
Contas eorrentes com iuros.
Fundo de reserva........"^"l
(Bulos.era caue>o. -
Massa* fallidas a cargo do Banco
Lucro* .....
Ris.
DEaOrfSTBACO DA KMT5S.0
24 notos do valor de 200*000
II ditas de lOOjOOO
setvador, e sobre os que difrgeni a alta
administracSo dopaiz,
A redaccio do Liberal, em vez de tppro-
veitar os lalealos dos seus aembos e dis-
cussfo sera e gra' apreseoiadas aa oaoiataa pelos seos con-
trarios, apregoados como retrogradas e ini-
migas progres, oficia altepco de
seus lertores com artigo* edttonaes da or-
dem dos que se ieem iws Liberaes ns. 215
116.
Ko primeiro, o escritor liberal pinta hor-
rorisado um atentado- rommetlido por um
ernpregado ssbaRerno -da secretaria da poli-
ca da corte, e desae-se em considerac5eS|gaac3s e
iusulUiosas contra a situacSo dommautft,
cuja responsabilidade atira o fado d<> refe-
rido empregado, de nomeaeio das autori-
dades doi<-ogressov(sei?undo nos informao),
e que foi immediatamente rewlhido a pri-
so. e destituido do empregol
Qoera argwnefita, como argumenta a re-
.daccao do Liberal, d moslras ou de insa-
nia oo de perversidad*.
Responsavel um partido inteiro, respon-
savel m chefe de polica da tempera do
Or. Faria Lemos, pelo act) criminoso pra
licado por um emprgado subalterno, que
abusa da fraquesa de urna poDre miilber, e
Ihe rouba a virgindae 1
Sement o Liberal, tem a coragem de
avaocar semelhante proiposico.
Os offieios do delegado da corte, pu-
blicados no Jornal do -Commercio. explicam
como o caso se passou, e demonstram que
oio houve i umpli'.'s.
As enrgicas pravidencias didas poucas
horas depoisde perpretado.o crime, (,pri-
sao e demissao) mostram claramente que o
delnqueme nenau-na prutecgSo eucontreu
em seu superior.
Que responsabilidade esta.qne qaerfa-
zer o-Liberal pesar sobre o,partido cbser
vador, ainda que provado estivesse. ue o
criminoso era conservador, a oceupava lu-
gar imminente na sociedade ?
Acceita como correte, j sta eriaoavela
doutrina qua prega?
Ento acceite tmbem, com roaoria de
raza para o Dartido !il?eral, e especial-
mente para os Srs. Villa- Bella, Abilio e Sil-
veira de Souza, a responsabilidade di fac-
tos idnticos, platicados no dominio da liga
por Certas autoridades, especialmente por
um certo individuo appllidado Padre, mui-
,o protegido nessa ciade pelas inllnencias
ligueiras, embora as provas de seus cn-
mes.
Apostamos que aao acceitaro a respon-
sabilidade. Kio para que querem para
os outros o qm no querem para si?
O fado que servio de tlima 30 tiberal
de 30 do passado- somonte fere o seu au
Ui t, nico responsavel perante D30S e os
homens. Querer langa-lo conta do parti-
do conservador, repetimos, smento prova
insania ou perversidade inaudita.
No Liberal do 1 do corrente a propo
sito de urna pilberia grnsseira, estupida, de
um dos gaiatos da Reforma se insulta
atrozmente os Srs. Pinto de Campos i'esp-
nbade S. Braz dos liberaes) e teneme-
coronel Gospar choa Cavalcante. Ladro,
e assassino sao as phrases dos bem educados
cavallieiros que escrevem p>ra o Liberal,
empregadas para qualifiearem os dous ci-
dadao men inados.
E porque taatos msultos se tem prodiga-
lisado aoconego Pinto de Campos ?
Porque seguiodo os exemplos dos Srs.
padre F arias, Brando, Epaminondas e ou
tros cidadSos brasileiros, se apresenta can-
didatos urna cadeira no sead-!
Que provas tem o Liberal para assim in-
sultar este cidado, no gozo perfeito de
seus direitos polticos? As qae lhe forne-
ce a calumnia.
E se nos quzessemos bazear na auxiliar
do Liberal, que qualificativos nao teamos
para honrar qualquer de seus candidatos
senatoria no lempo doprogresso! ?
Sacrilego, assassino em tenra idade, la-
dro, convicto por- sentenca do tribunal do
jury, deflorador, ebrio nao foram eptetos,.,
que desgracadamente correram mundo na
imprensa contra algn* dos mencionados
candidatos liberaes? E por ventura estas
victimas da calumnia, como acreditamos,
mereceram por isto menos de seus amigos
e correligionarios?
E como pretende a redacco do Liberal
prejudcar to sem lealdade o seu adver-
sario poltico, lineando m3o das mesmas
armas ?
A Genipapada e o estribilbo favorito
*oira o Sr. Gaspar Ucboa : mas, que pro-
tas, alm dos ditos e boatos assoalhados
ounstantemente, j.colberam contra o acep-
gado?
Ponco tempo depois do horroroso atten
uo do Gtnipapo subiramao poder os libe-
raes, en'eilese conservaran! por cinco anuos,
dando largas ao seu pendor perseguidor;
oiacto estarta,ainda recente, vivas as tes-
teumabas, e por que oio levarm aos tn-
bBMes cono Mies compria, autores ecum
ptce*deste crie atroz? Nao Ibes faliavam
os meios. TiWwm amboridad^s polciaes,
adaMaJstrava.t. e judiciaes suas, e o acen-
sado eslava a diaposicio de seus adversa
rios awihicos ; e porq nao o pro-essa-
ram, enSolhe .Szeram sentir os effeitosda
i^rtameote pm-qoe aliavsm-lbes asipro-
fis. E como boje, depois do qoasi tres in-
nos, aecusard m.c wwervadores por.aquipo,
que nao conseguir MB provar ?
Aonde'cbeganam oa ae fossem aoeeMas
pala civilisKlo os ios de bsstHidaod.
usados pelos nosso part dos poUticas?
Moralisem o& libera ** a soa ia^rensa^
abraro mao do jnsnllo e da defanaaeiOrf
arma de dous gomes, c, me scnente nos pode
trazer males e nunca b eneficios,.
Piocedendo, como es Uo pracedeado. so-
mente'demonstram que et5 *m delirio,
10 conlinuo produzindo mu ^t para o paf?, e
2! loojwoo nada mais.
I,ol8:.?1710
1,309:570^750
252:23U8O
:,08: 140*010
-888:88818
M06:713*46O
704:537*660
3,080:1401010
221:717*937
84:352*000
7:790*000
4:W
5:198*172
1:553*407
600
2:*60'
222:717*987
Agnardci a publicaco da le do o^ufento, em
que em a reforma do Asylo de BrAditndade, para
dar ao Liberal a resposla q;a e soto obn-
modb por que elle me agfredio, nao me fez
eo',ciknem me.caasonsorpwaas ?* de esperar
.- aa\ (aria desusada, em dcsanafo do odio queme
ota ; mas isto nao diaran* a esrranheza qaasi
geid com que foi recottiio o tea artigo.
Toi de eeito a priroeira v tjne te vio ura jor-
nal de emosicao tornar assim com afn e alvorooo
o pariido 1 adininistracao costra o fiaaccionario
demittMo.
Eniraiaalo. por mais qae o Liberal tiveise bus-
turad? os seas ultrages com o acto que me des-
Utnw de cargo de ireetor da Asylo de Mendicida-
do, nao me jnigo obligado a dar as caasas. que,
iaeu ver, dterminaram esse acto. Desde que.
por parte da admnsiracao ellas nao foram exhi-
bidas, nao serei eu que o faca, en que nao quero
exereer-desabafos,- nem tenho carencia de revelar
despeitos, que nem de leve rocam o raeu es-
Basta que poudere que o relatorio do Exm. Sr.
prwedor da'SaBia Casa, A ene' seatlrianio ami-
uha demissao, nao offerece base ella.
Melle nao se articulam factos determioados con-
tra mim, nao se me arguera faltas, falla-se de
modo vago, (a*-se apenas insmnaedes.
Alm disto, o referido rslalorio foi ama peca
lida era sessao da junta da Santa Casa, nao ha
d'eUe conhecneato olHal, fai euqaem lhe deu
pablicidade.
Tambem nao con< que haja represenlacao e
qaeixaquemeattribuam faltas, capazes de exigir
urna provideocia extrema, com9 a de domissao.
Admiti, portaoto, que dsse elle lugar averi-
Baacdes e syadjcaueias por parte > admiaistra-
c>o, e q.ue depois d'estas viesne aquella providen-
cia. ; mas nem estas averignscots, nem a ootnea-
cae do emoregado que ped,-para Uscalisar o Asy-
lo, furam fitas pela adrainlstrac^p, o que mostra
nao lerem produzido impressio as insmuaijoai va-
gas do supracitado relatorio.
Devendo dito conclur-se qqe nao loram fallas
como furiccionario publico as causas da miaba
exoheraco, nao teabo que discutir nem apreciar
um acto exercido de pleno uireiio.
Tambem nao discuto com o Liberal s meus
actos como director do Asylo de Mendicidade. Ja
paz luz di dia o que coovinba referir em con-
testacao do relatorio do Sr. provedor da Santa
Cafa ; e isto o deve ter satateito. Apenas irans-
creverei aqu o da Jei da ornamenta, d'onde se
tira o argumento de que eu quiz embaracar a ac-
cao da presidencia, dando ao director do Asylo eon-
dicoas de vitaliciedade
Eis aqui o que diz o 4-* do art. 47 dessa le :
A raesma commiisu compete prpor ao pre-
sidente da provincia a demissao do director, se
entender que assim o deve f*zer,com tanto que a
proposta assente em tactos provado?
Creio que o torra/, nao tirar d'esta d3posii;ao
a ilacao absurda de que o direito do presideBt de-
mittiro director do Asylo flea tolbido, e ioteira-
mente dependente de juma preposta, que necessa-
riamente se ba>a em falta de comprimeoto de
dever. Ao contrario entender, como enlendein
t idos, quo semelhante disposicao s serve para
coai^tar o arbitrio da commisso, e limitar o caso
em quo ella tem o direilo de fazer a proposta de
demissao.
1-to posta, passarei aos pontos em que devo ar-
mar a minha resposla esse jurnal.
Sempre faom agradecer ao Liberal 1 coaceito
em que tem o mea carcter. Elle conhece que, a
de.-peito da demissao que me alirou s fqnas da
maledicencia, u*> deve faiw calculo coiuigo ; se
nao conlieces-e isto; nao me leria iraUdo com tan-
to desabr men lo.
E' este o motivo por qae enlende que a nenhuma
consideracao jfeabal qae se me presta 00 todo
injusiiricav.il ; c um peccado do chefes do partido
conservador.
E para arrtorisar a sqa opiniao, pretende trazer-
me a posicSo ele anda hoje discutir calumnias aa-
ligas, ((ae'revolva, e das qaaes roe defend conve-
nte ntemuhle !
Ne?la parte n5o aceito o cartel, e, por minha
vez, entndo que nao devo cjnsunir miaa vida
cm conipstar factos qae j conicstei de modo ple-
no e satisfatorio.
Coniestarei smente a insinai;.ao de ter eu sido
deinltlido de secretario da capitana do porto por
cobrar emolumentos indevidos/
Para destruir este aleivo, esta calumnia, eu po-
derla appellar para o leslemunho do Sr. Dr. Luiz
Fliiipe oe Souza Leo, nm dos caracteres mais
dMinctes do partido liberal d'esta provincia ; mas
direi qae as duvidas sobre cobr mea de emolu-
mentos que se suscitaran) na capitaflia do porto,
durante o tempo em que alli fui emprgado, refe-
riam-so ao< emolumentos percebidos pelo capitao
do porto, diziam respeito rubricas de livros etc.
Apenas sobre a fritura de cartas de pfalicos se ea-
tendeii que nao eram devidos emolumentos, por
nao estar esse servico comprehendido na tabella
innexa do reguiameuto das capitanas.
Por e sas canas recebja eu 4* por cada urna,
nao obstante ter se-rae informado que no lempo do
mea antecessor, o vr. Dr. Antonio Epaminondas
de Mello, cobrava-se 20*000.
Nunca lhe liz ceosaras por ist), nunca entend
que mal cobrasse essa quantia, porquanto eram as
cartas dos pralicos servico que accresceu capita-
na de :ois da sua creacao.
O que cerlo que eu, como secretario da ca-
pitana do porto, fazia a arreeadaco dos emolu-
mentos tendo a respectiva tabella pregada na se-
cretaria, e vista de todos.
Nao este o meio a seguir quando se quer agen-
ciar emolumeolos iode"idos.
Qnanlo considerado pessoal, que tenho tido, e
que o Liberal parece achar demasiada, traz-rae a
fazer uso de um faci, de que nunca usei. nem
mesmo entre os amigos particulares, saivo ura ou
outro.
Foi um fado que me encheu de desvanecimento
quando se deu, mas que s o record, nao como
motivo de jactancia, mas de gratidao memoria de
um Ilustre ttuado.
E' com o maior constrangimento que vou fazer
uso de intimidades. .
Qaando se lvantou nesta provincia a grande
phase de transfiguracao poltica denominada/19a,
e que frente d'ella appareceu um carcter eleva-
do e dislincto todos os respeitos, o finado conse-
Iheiro Paes Barrete ; nao segui essa torrente, -
quei no infortuaio com os amigos dos dias da bo-
nanca.
Entao aquelle Ilustre cidado, deu me provas
de aprego e considera^o, que a oenhum outro
devo maiores. Em urna conferencia de cerca de
duas horas, que com elle tive em casa do Sr. Dr.
Luiz de Carvalho, fez as possiveis instancias para
que o acompanhasse em sua nova poltica, fez con-
sideracoes largas sobre o estado da provincia, e
cueluio, dizendo-menao o chamo porque pre
eise de alliados, ja os tenho de mais ; chamo-o
como um amigo a quem aprecio e nao quero dei-
xar no esquecimento, .quem qnero distinguir
como anda nao foi distinguido.
Penhorado por urna demonstracao lao generosa,
Oz-lbe' tambem consideracoes ues, que elle me
disse em resaltadoat certo ponto doulhe razao.
Passados dias, foi ella mesmo miaba casa,
menos insistente, certo, mas fallou-me ainda so-
bre a nova siiuaoao, aconselhandorme, qaando me-
nos, a bstencao d poltica. Ainda fui obrigado a
na acceder ao que elle quera.
A 1 espeito do qae entre nos se havia passado,
finado conselheiro proeurou o Sr. desembarga-
dyr Francisco Dommgues da Silva, e pedio-lbe
qae, como amigo, roe aconselhasae para adherir
a nova situagao.
eixo que a palavra honrada do honrailo Sr.
des mbaxgador confirme ou conteste este, facto.
O caso que aooC ma s aquelle conselheiro
rae fallaade, poulica,e, tudo quanto toi possivel
fez, segundo me consta, para empedir a minha de-
missao de secretario da capitana do Porto, tanto
qne.wri jornal i6ra/ desta cidade o censurop
por isto, e deu lugar a qae lhe escrevesse agrade-
cen Jo a prova de misade que me da'Va, e pedin-
do-lbe qu por um adversario naa perde*se amigos.
Ora, avisu do qae acabo de xpdr, contina a
pensar o Liberal que fil tem explicajao possivel
a pequea consiaeracao que recebo do meqa
awgos?
. Qual dos meas amiios actuaes rae considerou
dais do que o finado Paes Barrete ?
[ Ainda conservo porcao de cartas suas^que e
en {me daquelles que rarera fazer camriho bor
meio de attestados o bao com o sea proceder,
ranqo1*-las hia a rdarao do Liberal. E ehtlo
me ent egaria ao jaizo dos seus redactor
Q Libwi, tm seu.emoenho de deprimir-rae,
filloa em eartas'ida cort, qae aqni sao lldas em
segredo, faliou vo pretencoes indecentes qae ea
ftz passir na assembla provincial, em flm aUcoa
Ime por todos os lados I
m bem"
clara qaaes as prauoees indecentes eae. Idve-
goei na assembla provincial; quero daMhe res-
posta cabal, e a todos luantos nem ao meno que-
rem rejpeitar a dignidade que raantive no exer-
cido das fqnccjes de membro daquella .carpora-
CAO.
Bm relatio as Cartas lillas ^m segro* hio tei
se Uto ou nao exacto ; sel apenas qae nesta
trra nao fajtnn intrigea e mexsaiquaiwa, que
ternera forOfna no' vil iranaaV daattva; .as e
nao trate de estorvarlos no seu M arate laor.
A vist* i* qua hei dita, v-sSaai. qae to por
desaggraTO de odio velan, w pot t ?*de *
mim? foi que o Liberal M assalton tae iadigna-
menle. eu, paraa, raaalvldo a aMrar era elle
em liquidatto de contas, se o sea juibo a meu
respeito fermanecor o meamo emettido no artigo a
que respaldo. .
Proponho-ihe para isto discwsio franca e leal
com todos os seus redactores, pedindo-lh smen-
le urna oncessao, e a de discutir cora todos de
um so" Vez, apreciando-os cora toda a liberdade
e comparando-os commigo, viste dever dar-me
e^-ta compensago a vantagem que lhes doa de-
pr mea norae a descoberto, era luU com ano-
nymos.
Fico nestas linhas.
Recife, 1. de agosto de 1870.
/. P. B. de Mello llego.
Declaro que nada tenho com o que foi publica-
do boje, no Diario de Pernambuco, relativamente
a ennnamiZo, e que eslou resolvido a nada
oscrever a respeito dsta questao, nos jornaes
desta provincia ou de outras, quer com raeu nome
qur em anonymo ; embora me provoqaem e
me iosulteai. O publico ha de comprehender o
raeu silencio, todos nos conhecem.
O que eu tinha de dizer acba-se escripte, e po-
de ser lido na secretaria da Polica.
Recife, 3 de agosto de 1870.
Dr. Joaquim iAquiio Fo^cepa
O guarda do *. batalao ao
anarda do 8.
Amanhl ters prompta e conveniente
resposta a tea commuaicado : molestia im-
pedio-me de satisfazer-le; tem paciencia. N5o
te decorei um s momete, qnaiquer qoe
seja a posico em que me colloqnes, tran-
quil.isa te, qae as pessoas a quem te refe^
res n5o tem parte no que fallo contra e a
teu favor : procura pois com cuidado este
amigo que anda perdido.
Cuarda do 6," batalho.
vror
la a quem aera o ter
' Para qae fallas o 1 batalho. tu qae
oosle de tna algil dos dinbeiroi
alheios qaando estevas ni alfander
Tens qae Jlier d algnaafl Max nos accres-
centareotos retto : o sabes qual o acere*
simo? Se aucraa pergqo nui responderemos.
"aWaqueTtlC? Ifqoa-Jifc-oio podes levan-
lar a cabeeai a sobra que pesa a maldigo pa-
terna, para M tallad
Qoeres crear um^Jn ? Uaahrate de um Adao
nbtU.
Foi maior o crime de Ado pecando, do que o
de Caim matando Abel.
Aquelle offendeu a Deus qoe era seu pal e su-
premo creador; este offendou apenas o irmo :
entre um e outro mais criminoso Adao do que
Caim.
O pecado do segredo foi eonseqoencia do cri-
me do primeiro um seria bom se o outro hoa-
vesse pecado.
Tu que testes miu fllho, porque uao queres-
encontrar um man trmlo T"
Descanca ; vai para longe, nos temos c no
nosso corpo urna cruz qae faz fugir o^demonio ;
-foge tu Sxtanaz. VADE RETRO SATANAZ.
Telta : fico preparando huxa, e qaando volttr,
j sabes : bomba veltaa ?
Tu meu charo amigo deves temer tudo e todos,
e por isso te peco um favor: invoca a transmi-
grarlo das almas, e pa-sa deste modo para o
carpo de algum cj que ladre menos do qae tu.
O cofneta do Qitavo.
ti!

Pernambuco 3'"aoat 1870.
Sucre lype 8 les 1$ k. 2#400.
Colon p'rimire qualit le k. 760 rs.
Chances.
Londres 9 j. de vtie 3/4.
Do Jodaisme an Proteslantisme 1/^.
Lehman & C.
Protesto
Respeta ao Liberal
'No Liberal a, 202 de lo do oorrreate encontrei
a asquerosa e peconhenta baba quo me foi lanca-
da por um vil encapetado, em quo se embassou
esso infame calumniador da houra albeia, o que
certamente nao o faria de viseira Tevantada, com
receo de que lhe. fossem pisados os callos*mas. que,
por mais que se escondes-e, nao deixo de o encher-
gar pelo bater das orelhas, quem seja esse vil de-
tractor da minha honra.
Deixo de responder, como merece esse pusilni-
me energmeno, por me jolgar ranito cima
d'elle ; se porm, nao teme que lhe seja desfeita
em pedacos suas mpntiras e calumnias, tire a
mascara, e assuma a responsabilidade de qae es-
creveu, be assevero qua n'esse terreno lhe dare
resposta cabal. E' quando tenho por ora dizer,
pois, qae nao cosiumo a perder o mea tempo
com anonymos'vs e entrigaote;.
C. Alegre, 3 de agosto do 1870.
Manoel Cavalcanli de Al!>uquentue Sa.
Joao Kink a Joao Baptista
Troppman.
Segunda caria-
Como le disse Da nimba primeira carta, a soh
dao e o abanlono obrigarara-rae i reilectir. No
meio das mnhas nflexoes assaltu-me a idea,
que te coiKmuniqaei, e qae resolv por logo em
ortica. Ne teuho plano assentado. Na exposi-
cao, quo vou fazer, nao guardare! a ordem chro-
uotegicados factos; tambera nao iraterei separa-
damente do cidado, do juiz, do poltico. Re-
conheco as vantagens do methodo, mas mPr-
prescindi d'elle em todos os actos de minha vida.
Segu re, pois, as tendencias do mea espiritomeu
trabalho nao ter ordem.
Comquano estas cartas sejam intimas, proraet-
to-te urna cousa : nao tratarei da tua vida pri-
vada, que to bem difunem o homem ; oceupar-
me-hei smente de alguas helos, que, nao obstan-
te ^e ordem privada, sao do dominio do publico,
pela notoriedade com que se deram.
Deixemos, por ora, os leus prmeiros annos, a
Uia passagem pela Escada e pelo Paj?, e vejamos
o que te sido, o o que tens feilo era Zanarelb.
A guerra do Paraguay, essa grande liecao, que
praza Deus aproveite aos nosso3 esta;!isus, fatal
a muitos, foi para outros um manancial de rique-
zas, honras e beneficios. Tu, Troppman, bel ao
leu systema de explorar, em teu proveito. os ho-
mens e os acoutecimentos, nao deixaste passar Uo
boa occaiio. i
Fiogindo-te abrasado no fogo sagrado do patrio-
tismo, declaraste que queras partir para a guerra.
Tua bypocrisia foi poolo de tu, o partidista in-
tolerante, odiento, mplacavel, fazere? te nomear
capitao de um batalho organisado por um advar-
sarm poltico !... Todos te viram descer do
serto como o/wtfcirio da pnlna. tendo no braco
aquella chapa famosa, cujo brilho as batalhas
deslumbrava os fanticos s Idados de Lnpez. As
celebres iniciaes V. P., que um jornal da
corte deu to patriticas e bellas iuterpretacoes. no
leu braco nao signiflcavam mais do que Vou
pescar. ,
Sim, Troppman, tu nuuca veste a inteneao ae
ir ao Paraguay, para, como cidado brasileiro, ex-
porej o peilo as balas inimigas em desagravo da
h nra nacional to tracoeira e cobardemente
ultrajada, porque, em primeiro lugarhonra na-
cionalsao palavras, para ti, sem sentido, nada
exprimem ; era segundo lugar, tu nao iras com-
bater coDlra Lpez, que sempre coosideraste um
grande cidado, um hare, um semi-aeus. be
fosses ao Paraguay, seria para, na primeira occa-
sute, te passares para Lpez, ao servico do quai
lancarias a barra muito mais longe do que Serra-
no, Godoy e outros. Tu to alistastes smente para
ires corte pescar. Ali flzeste valer servicps, que
nao prestaste, dedicado, que nao tinbas Para
quem todos os meios sao bons, fcil conseguir
os us. Tu conseguiste o que quenas pescaste.
Obtiveste urna excllente remcc,o e foste condeco-
rado III...... .
Tu, o republicano exaltado, o immige Hato aos
testas coreadas, sollicitendo, e pondo ao peite uma
condecoracao imperial II... .
Feiu a pescara, extingui se o teu eiUhustasiuo
despiste a blusa de voluoterio da patria, que tao
mal te assentava, e vollaste provincia natal para
gozares dos beneficios do teu patriotismo........
Para ti, Troppman, a guerra foi boa.....
J pensaste alguma vez no papel, que entao re-
presentaste T ,....
Na provincia, bvpqcri, falso patriota, olhado
pelo povo como nao merecas ; na curie, mper-
tinente, submisso para com os grandes, que qua-
lficacjw merece o ten proced ment .
Angustura, 22 de julbo de 1870.
Os abaixo assignados, moradores e estabeleci-
dos na roa Marcilio Dias, outr'ora ra DireiU,
pelo presente pedem a quem compebr que laca
asear o abuso do descalcamento desa ra com
detrimento e prejuizo saus, assim coms dosaemais
moradores.
Recife, 3 de agosto de 18/0.
Leoninas Tito Loureiro.
Antonio Dearte Machado.
Magalhaes Mandes & C
JoseLaurentuw de Azevedo-
Bastesdt Monteiro.
DomiRgos Joaquim RMiro Soares.
Adalberto BMatmino da Suva.
Anaerieo i Jrmaos.
Tranquilino Candido da Silva.
Jos Pujes de Carvalho.
Jos Antonio Macedo Lope
Ant'nio Manotl de Soaza.
Jos Manta* da Silva Barros.
Antonio Outes Martias.
Joao Francoo <>- GflMB'GW" t
Ladislao R tolano de,ABn Cew-
Joaquim Aatonae da &il"a.
Antonio Podio Gooes.
Os abaixo assignados, ajudante e commaodantes
de companliias no tercoiro bataho da guarda aa-
cional deste municipio, indignados pelas calumnias
e injurias que indirectamente Ibes sao assacaoV
pelo Guarda do 9.' Batalho, signatario de diver-
sos artigo-, cada qual mais insultuoso, que se tem
publicado neste Diario,' veem, em satisfacao ao
publico, declarar que oslo sobejameote senhores
de si e do >uas consciencias, que nao receiam a
aecusasao por maior que ella seja, quando for le-
galraenie feiu, porque na falta de culpa nao pode
haver recelo, mas tambera que despresam e ln-
gara para bem longe de s o inesquinho intrigante
que mo /ilho, nido prente, mo irmo e mo ci-
dado, no trepida em laucar sobre os outros a
laJia que s para si deveria guardar. _
O publico nteressado na cooseruco da ordem
social, que indague do procedimenlo do comman-
dante o ofliciaes do .3.* batalho : ha para tndo
um meio legal, nao faltara recursos na le, e n>
que nos sugeitaremo* as mais minuciosas indaga-
Qdes, quando precedidas por autrriade compe-
tente, ou pelo menos por pessoas de reconbecido
criterio, fugimos discussao com homens qne,
nao podendo apparecer de dia, occulum-se sob o
anonymo, para ferir aquelles qne. iadignados-em-
bora, eomiudo nao descero a responder-Ibes.
Protestemos nao voliar carga: diga o qoe
quizer o gaarda do 3. batnlhao, temos dignidad* ;
luamos com homens que se descobrem, mas des-
posarnos a petulancia que valeodo-sedacovardia.
fere pelas eostas.Manoel do Nasclmento Silva
Bastos, capilo da 3.' companhia.Antonio Jos
Mauricio, capitao da 2.'Joaqun Albino de Gus-
mo, capilo da 7."-Jos Bom Ramos de Oliveira,
lente commandane da I. -Silvestre da Silva
(iuimares, command^nio da 6.aManoel Gomes
de SiquHra, tenenie commandane da 4.aBenja-
mn! Virus Duna, lenle ajudante.
COMMERCIO,.
PRACA DO RECIFB 3 DE AGOSTO
DE 1870.
ns 3 1/2 hobas na tabdb.
Cambio sobre Londres 90 d/v 22 3|4 d. por
(hontem).
Pelo presidente,
Mesquita Jnior.
Pelo secretario,
A. P. de Lemos.
14
ALFANDEGA.
Aendimentododia la2
dem do dia 3.....
113:347aWi'>
42:509#l'.3'i
1SJBo?30:!
MOV1MENTO DA ALFANDEGA
/olumes entrados eo dem dem com genero*
/olumes sabidos com fazendas
dem idem com gneros
244
187
-----431
400
344
----- 74V
Descarregam hoje 4 de agosta.
Vapor uglezGladiatormercadorias.
Patacho norte-allemoLevonleidem.
Patacho inglezBriskidem.
Barca inglezaH'ittc ofthe Feiganidem.
Lugar iaglezBJuidal Qneniea.
Escuna norte-aliemoGeorgidern.
Patacho americanoPrest/Mrwoidera.
Patacho norte-allemSoGeorgineidem.
Brigue iuglezJurabacalho.
Briftue suecoMinaferro. ___
lEOEBEDOlUA DK RENDAS INTERNAS GE-
RAES DE PERNAMBUCO.
tendimentodo dia 1 a 2 12:850*33fi
ldndodia3........__^793*J33
ltiUWJ
CONSULADO PROVINCAL
Bendimente dn da 1 a 2 12:163*37::
Idem do dia 3 .... 4:468*9i:
16:622428f>
M0VhMENT0_D0_P0RT0.
Navio* saludos no dta 2.
"Rio Grande do Sul 'Barca brasilelra Santa Ma-
rio, capitao Joo G. Res, carga assucar. *
Navios entrados no dia 3.
Terra Nova39 das, brigue inglez Jura, de 21'
toneladas, capitn Ricard Searle. equipagem 12,
carga 3432 barricas com bacalho: a Johnston
Peter4C- n
Glasgow48 dias, brigue jnglez Weld Rose, de
395 l meladas, capillo John F. Sroeth, equipa-
gem 10, carga carvao de pedra; a Adamson
Xowie 4 C.
Observacae.
Suspendeu do lumaro para Bahia o brigne.
austraco Guileta, capitao Gliglenovich, carga a
menina que troQXe de Trieste.
COMMANDO DAS ARMAS.
O Sr. tenente bonerario do exercito Ojostovo
Francisco de Paula Cavalcanli que pertanceoAo
exlineto corpo n. 4t de volntenos da patria, :e o
Sr amanuense do exncto hoapiul milar deste
provincia Bernardino Pereira de Brit, quena
comparecer no quarwl general em qnai|per u
ntl para objecto qae toes raleressa.
Secreuriadocommandodas armas do.fiernain-
buco 3 de agosto de 1870.
FraMiseo Carneire Peasoa de Latera,
TeaeaftMQNOMl. aaewtario.
eollecA gnanTtUalo
a.'-hittmo-
Mea amigo : sempre toucura m an
ferro fri ; por mais, que se lhe d, nao se verga.
aaccao do malbot oio verdad* T por m
que tu MionJMdo a tente teaipo j nao i
Provow*o formalmente a que de- -latego da opiniao publica qua te despresa como
II
'
' ''i '
Tribunal do c mmercio.
Nesta secretaria flean^ cnmiwtentejnenle ,areb-
Jlstrato da sociedade de itqae. da
Costa Maia e Antonio da l' ato na, an
r'roa sob a firma de Jos >ta! Maw
C, caja llqaldacio flea irma *>
Costa Maia,& ('...que vai su
O contrato de sociedade dn rjaaj^^^Hfaain
Ferreira Cruz, Joaquim Bapta^^^^^^Kloa-
qrm Ferreira Vatente, esttbi nidada
casa, de commercio de gneros la f s"n
a Arma de Cruz, Nogueira 4 capital de
40.000, sendo 15:0004 em commandita.


ferio de ** ai Q^t* feira 4m^ Agto de lW0.
Oooni e.lMio .le llaetno Cyriae* da
^B Mr*o Moreira. -
oa tasa de oornajH-cio
fe Cos Moreira&C,
4a Cok Ita-eira
tent, disfik-
Cost UpreiraA O, coja |bjiIioflca er.
i rtocio Cosa Mureiea.
Secretara do tribunal do commorcio Mbuee II de junho de 4870.
offlcial-maior,
JoQ Gamariee.
^-^P^iSf^^ o*1"* Ci>aty4oo 4t.eorNM W eenaedida farta de reftstr* do na-
Secretaria do tribunal 4o commereio de Penutav
Nro iS4*jnlh de Ifo, *~
O ofnciahmaior,
JaJio Gmnuries.
casoar a twa fea do aftWt % mais, otiiri*
WK porciAM' de 1O|0(<
wtt. ik -mm. )bt ItiMet d* ww
em qiufcie ttiiaui elatiouidoii n. 27 e 180.
Provise-se igtalmente ao Sr. Pedro Jlo Vicente
do. Samo wmmffimwm*. laxa usa, pelo seu estabelecimeuto de marcena-
ra na referida man.'07.
Reeebed a das randas internas erees de Per-
namouco, 2 de aguato da 1870.
O lanzador interino,
Ernesto Angosto de nttayde.
Pretende -tfgU % m t
pojoivel hnurfdad i patoeuijRyrfro |>
ci da carga engajada ; e para a qu ib* MU* e
eacraros a treta, trata se cora o cvnsfgnai__
quira Jos Goncalves Beltro a roa do Com
n. 17.
Pili.
AVISSS MARTIMOS.
Corpo provisoria 4e
polica.
orden do lUm. Sr. taaeoie-eorooei eommao-
ae faz publico que, teado de ser nutalado no
** 1* do agosto Yiodanro o (lectivo con de no-
ticia creado pela le provincial o. 941 de 22 de ju-
nho ultimo, convida- peto presente aos cida-
da* om pretenderen! engajar-se no dito carpo
com todas as vanUgeos. concedidas oa referida le,
para que aparecara na secretaria do conunando
do sobredito carpo daquell. da em diante, muni-
das coa seus documentos que. caaiprove saos
idoneidades, ^^ ^^
Quartel do comnundo do corpo provisorio de no-
licia en 28 de juno de 1870.
O secretario,
_______________ Joa Geratdo d Una,
Corpa provisorio de
poliek.
De orden do Ulai. Sr. \teaente-coronel com man-
dae se Xz publico qne e enaoemo de admimstra-
Cj,contraa de eouf.rmidado oom oa-egulamento
vigente o forneeinrento de 000 fardamentos de
panno azul (bonet, sobrecanaco.e calca), 660 ditos
de-brin braneo liso (JaquaiH e alea), e 600 pa-
res de sapaldes, tudo para uso do crpo de polica
agosto vmd,nro, pelas ti horas du da, reeebem-
-*e prepoetaSi para o ndicado lira, e neos* occasio
serio abenas.em presenta dos proponnles.
Secretaria do eoramando do corpo provisorio de
polica em 29 de jnlho de 1870.
O secretario,
Jas Geraldo de Lima.
Para Lisboa
A barca portngneu Nova Marianna vai seguir
para Lisboa at 12 do corrate ; recebe carga a
frete a mdico preco, e passageiro, para o que
tem boos commodos : a tratar con Oliteira, Fi-
Ibos 4 C, ao largo do Corpo Santo n. 19, prinei-
ro andar.
Risco martimo.
WiHlan Taigg, capitao do lugre Jaglez SaM-
lUe, tendo d continuar sua vugem Uampton
Boads para ordens, precisa tomar a risco marti-
mo a importancia de 6:0002, pouco mais ou me-
nas, sobre o casco, apparabos, victualias, carre-
gamento de, la, salitre e o frote do dito navio,
para pagamento das despeas acorridas por eau
sa de ter arribado este porto.
Ao propostas deven-se entregar em caita fe-
chada no censulado britaanieo ale meio da, no
di 4 do corren^________________________
PARA O K10 GRANDE DO SL.
Vaa seguir para o referido porto a barca na-
cional batir, cuju navio pode receber alguma
carga a frete : para tratar eom Jos Victorino de
Rezendo & C, escrtptorie na da Cadeia n. 52.
PARA O RO GRANDE DO 3UL.
Segae eom posaos das para o referido porto,
o patacho nacional Palma, faltando pouca carca
para complato do seu carregamento. Qdem nelle
quizer carregar freie, dirija-se a Jos Victorino
de Rezende i C,. escripiorio ra da Cadeia nu-
mero 52.
Para o referido porte, pretende sega eom
possivel brevidade a barca portugue 9. Mt,
por ter ja porco da carga, e para a-qnedhe falla
a frete comroodo, ta-se eam o camtirio
Joaquim Jos Goncalres Beftro : aru Con-
mercio n. 17.
LEItOES.
m
fflaranho
SANTA CASA DA MISERICORDIA DO
RECIFE.
A Ulm-a. justa administrativa da Santa Casa de
Misericordia do Recite manda fazer publico que
na sala de suas sessoes, no da i de agosto, pelas
i horas da tarde, tem de ser arrematadas a quera
mais vantagens offcrecer, pelo tempo de um a tres
anuos, as rendas dos predios em seguida declara-I
d"s: *
. ESTABELEGIMEMTO BE C*a[DADE.
Ra larga do Rosario.
-.' dito do sobrado n. 24 A. 4004000
Travessa de S. Pedro.
Sobrado de 2 andares n. 3. 6021000
PATRIMONIO DOS ORPHOS.
Pateo do Paraizo.
Loja da frente do sobrado n. 29. 1615000
Ra das Larangeiras.
Casa-terrea n. 17.......196*000
Ra de Gervasio Pires.
Casa terrea n. 39.......145*000
Ra do Pilar.
Casa terrea n. 103 ..... 2033000
dem n. 94........2045000
dem n. 102........202*000
dem n. 103........203*000
dem n. 93.........204*000
Ra da Guia.
Casa terrea n. 27.......147*000
Sitio da Mirueira n. 4.._ .... 107*000
Os pretendentcs devero apresentar no acto da
arrematacao das suas lianzas ou comparecerem
acompannados dos respectivos fiadores.
Semtaria da Santa Casa da Misericordia do Re-
ife, 2 de agosto de 1870.
O eserivao,
___ Pedro Rodrigues de Souza,
E' esperada do Rio de Janeiro em poneos dias a
barca portugueza Mara, que traz j alguma car-
ga para o referido porto ; e descarregaodo a qne
para este condazir, recebera aqui a que for pos-
sivel obter para o Maranbo, e com pouca demo-
ra : por isso quem desejar aproveitar esta boa
occasio de embarque, dirija-se ao consignatario
Joaquim Jos Goncalves Beltro, ra do Com
mercio n. 17.
movis,
ra
do corrente, s l horas em'poDtQ.
flNMfi
Augusto Seixas ar,. Jeilan. por werveoeao do
age te Poatual, de mqi too o ojelos do marceneria.
como bem, orna mobilia de jacaTan/l a Lutz XV
am nsit poueo u*> e de maito gosto., um, piano
de arifano, ama mobifra de amareilo, Imim mesa
elstica, ura aparador de amareHo, uguara-
lonja, urngurda-roqpa, ama nasa para escripia
uma estante, urna costureira, uma cama franceza
ije amarelte, qualro naiquezoas, es marquetas,
versas eadeiras avals para sala de hurtar; ama
banca de Jacaranda, consolos, mesas recondas,
auatro fileiros para lojas de mindezas, copos, ea
iices, lou?a para almo^o, candiairos a gaz, um
globo, garrafas de vidros o um eabnolet ingez
com cavallo e arreios, ao correr do martellft.
MTiTLTOARCI^iiull l SEfcitfilCO'
corrate pela* 1. bom mohla.
.BareCTf e m* "aSSlkn. de com-
musoes;
^crelartt do Umato, J Magosto dej
______________9cretri pfrgetno
>rua de Apolo ,_o,.^ _*!. procisa-soj^
Saeta** *"** ctm i mi m
1-dTraTesm de S. p*ft

ves
/ no assigmdo
Leile, vindo
nio de ano
ao Sr. CaeteN|;Ar<
no vapor Jk.tUi
este Dmti o|u
BAZAR AEAMfflCO
IB Jlua da Imperatriz 15
LYSSES \ IRMiO
s. loor;a e crystal, do armazem an "__> sua residenciai pr
i do Impera Jor n. 10, qointa-feira 4 S"**' R0*" Procnw Par* receberVel Z. servidos
que omesmo Sr
I be trouie.
Antonio E. da Silveira.
o beeco do Gomeil*
fiortas^ 38, andar, que ser recomo. n
com 20*00^
Os proprietaros deste bem coahecido e a crediUdo estabelecimenlo avisio
Mtu numerosos fregnazes tanto desta pracji como de fora, e especialmente ao iostrado
eotf ACADMICO, qoe este estabelecimento acba-se sempre bem prvido de todoa os
unge; de seu gneros abaixo mencionados e que vendemos por mdicos nrecos tanu,
tmqo como por atacado para negocio, para o que se poden deriirir Dor carta __
CHARUTOS
taperiore de-Havana, Hamborgo, Babia,
recenoviisMc
Bem para cau de familia : a tratar na ra do
** Wi m, eben n maoulra
Pracoserroupa dorio.
f
Para o referido porto pretende seguir com bre-
vidade o patacho nacional Protector, por ter
maior parte da carga prompta ; e para o resto, a
frete mdico, rrata-se com o consignatario Joa-
quim Jos Goncalves Beltro, ra do Commercic
n. 17.
CO.MPANHIA PERNAMBUCAM
DE
Navegagdo costea por vapor,
Goyanna.
O vapor Parahyba seguir para o porto ci-
ma no dia 6 do corrente as 9 horas da noute.
Recebe encommendas, passagehros e dnheiro
a frete at as 2 horas da tarde no escriptorio do
Forte do Mattos n. 12.
O inspector interino da alfandega faz publico
que por autorisaejio da thesonraria de fazenda
contida na portara n. 101 de 30 do mez fiodo,
serlo levadas a hasta publica no da 5 do corren-
i'. livres de direitos ao arrematante, as dezesete
pedras iateiras e dezeseis pedamos de outras que
1 >rara tiradas dos dous torreoes. ha pouco demo-
lidos, em frente ao amigo trapiche do algodo.
Alfandega de Pernambuco 2 de agosto de 1870.
O inspector interino,
________Lniz de Carvalho Paes de Andrade.
Conselho de compras navaes
0 conselho no da 5 do corrente mez vista de
propostas recebidas at as 11 horas da manha e
i >b as condigoes do estylo, promove a eompra dos
cbjectos do material da armada seguintes :
1 mastro de 67 a 70 ps de comprimento e 2
ps. de dimetro para o brigue barca Itamarac,
10 baldeiadeiras de folha, 30 arrobas de estopa
para machina, 800 folhas de unco, 60 barras de
ferro inglez proprio para grelhas, 6 foles inglezes
de 8 ps de comprimento e 6 de largo, 50 cader-
r.os de papel raata-borro, 400 libras de pregadu-
ra de zinco, 2 ocnlos de alcance, 80 covados de
oleado para assoalho, 2,000 azulejos, 2,000 lijlos
de fogo, 400 colneres de ferro, 6 pegas de cabo de
linho de 3 polegadas, 8 pegas de arrebera, 8 arro-
bas de secante, 400alqueros de cal preu, 200 al-
nito de 3 polegadas, 10 duzias de taboas de pinho
de 1 1|2 polegada, 10 duzias de taboas de pinho
de 1 polegada, 10 duzias le taboas de pao carga
de 3 polegadas, 10 dutiai de taboas de pao carga
de 2 polegadas, 10 duzias de taboas de pao carga
de 3|4 de polegada, .'i troves de qualdade de 40
palmos de comprimento e 8 poregadas em quadro,
0 enehameis de quatdade de 30 a 35 palmos de
romprimento e 6 polegadas em qnadro, e 16 paos
de ginipapo de 12 palmos de comprimento.
Tambera o conseibo, por igual forma, contrata
ro mencionado dia o do corrente mez o forneci-
uento, por tempo de seis mezes, de carvSo de pe-
dra de Cardiff, New Castley e do fino, proprio pa-
ra forja.
Sala das sessdes do conselho de compras navaes
V de agosto de 1870.
O secretario,
__^^ Alexandre Rodrigues dos Anjos.
BAHA
O brigue inglez Brisk seguir para a Baha no
correr da presente semana ; recebe carga a fretes
commodos: tratar com Tasso Irraos & C, ra
do Amorim n. 37.
mFA1IA BMS1IMA
DE
Paquetes a vapor.
Dos portos do snl esperado
at o dia 8 do corrente o vapor
Annos, commandante o pnraeiro
lenle Jos C. Duarte, o qual
depois da demora do costume
seguir para os do norte. *
Desde j recebora-se passageiros e engaja-so i
orga que o vapor poder conduzir, a qual dever;
Mr embarcada no dia desuachegada. Encommen
las e diuheiro a frete at as duas horas do dia d;
iua sahida.
Nao se receben como encommendas sono ob-
lectos de pequeo valor e qne nao excedam a 3
UTobao de poso ou 8 palmos cbicos de medi-
lo.
Tado que pasear destes limites dever se>
embarcado como carga.
Previne-se aos Srs. passageiros que suas passa
gens s se recabem na agencia roa da Cruz n. 57
! andar, escripiorio de Antonio Luiz de Oliveiri
Azevedo & C.
dos salvados da galera america-
na Reover, constando de
latas com carne, lagostinho e graixa, frascos com
molhes, conservas, mustorda, saladas com fruc-
tas, caf, 4 barris, % ditos pequeos, latas com
oleo e tinta, 3 queijos, 5 presuoios, garrafas cum
oerveja, 3 barricas com farioba.
Dous phares, 4 cade/oaes, 1 bombe, 1 oseada, 3
velas, 2 macacos, 1 relogio, 1 (ole de cabos e 3
saceos com bolacha.
Urna langa e- 1 salva-vida.
Sexta-ferra 3 de 3gosto, no armazem da alfandega
(outr'ora trapiche de algodao) s 10 horas.
O agente Pinto far lelo, requerimento de
G. W. Caltin, capitao e dono da galera americana
Ocean Reover, naufragada nos baix'os de Goianna,
com aiitonsagao do Illm. Sr. Dr. juiz do coramer-
co, com licenca do Sr. inspector da alfandega, em
presenga de um erapregado da mesraa repartico
para o tim nomeado, com assistencia do consf dos
Estados Unidos e por corita e risco de qnem per-
tencer, dos salvados da referida galera, existentes
no armazem da alfandega, onde foi o trapiche de
algodao ; oode se efectuar o leilo, as 10 horas
do dia sexta-felra 5 de agosto.
0 directorio do partido liberal, nesta pro-
vincia, maeda eejebrar n.igpe* matriz j,
freguzia de sanio Antn, n&dnt H de
Agosto prnaimo, s dez herae da maafa,
um oficio solemne por alma dofioado mar-
goez de Olinda.
para esse laneral o mesmo dw-ectorio'con-
rida atodos os cidad5os brastreirose estran-
geiros reiderjtes nesta provincia, e espera
que accedendo ao convite que faz por este
meio, se dijjnem assistir a esse acto de pie-
dade e religiTio, e antecipa os seus agradeci-
mento tpdos a qoern se dirige.

Vigario Ageatinbo de Godoy e Vaseoqcelloa
A irmaa e sobrinhos do vigario Afostinho de
Godoy e Vasconcellos convidara a todos os amigos
do finado assistirem a algunas rai3s9-e memen-
to que mandara resar por sua alma na igreja do
Espirito Sanio, s 8 horas da manhaa do dia 4 d
crrante.
VARIEDADES
ponte dTsSzffu3J******a*9**** da. acredlMaa mareas- Regala Britnica
4Mm ata,io^ ranMieT nwrca Opera e ontrw moilaa feitaj aq de- PONTEIRAS de es poma flnas para eaa-
afamadoaBeteribe e outree qoese vendem ntos 8 c'?arros, completo sortimeMe.
jjttjor&es. t CACHIMBOS de superior espanta, de un-
Cigarros ^ira (raiz; de U at 3,500, ditos grandes
iepalha de S. Paule, de 3*000 a 7^00t> ? a dDzia d'tosfinos diversas quali-
3 -Mlbeiro; verdadeirea do afemado Daniel Z a mV' dll P de gallinbas de-qe.
do Wo Novo. Wrariiy, Imperiae Visconde f. mAmlrcio* 2.800 e 3,200 a di;
de Herval, Doqoe de Casias, fiandoD etc : lcot*' gesS0, barre>- ete' e,c-
de papel, de fumo de Daniel, General BOLSAS para guardar fono, de borre_af
Osorio, Conde dio, aromatices, e paito- 9 coai<0 de drversos modelen e gostos.
raes, Rocamboie, Radicaes, Acadmicos,
LEILAO
DE
*4_^K
l)e eooformid*de. cora os artigos 77 e 7S do
regulamento n. 2551 de 17 de margo de 1860, pre-
vine-se aos Srs. Rocha & Raraoa e Manoel Julio
da Silva, que foram comprebendidos no langamen-
t) sobre industrias e profissos que se est pro-
cedendo para o ejercicio de 1870 a 1871, como
marcadores de toijga da p de pedra, e sujeilos
COIffPA^HIA
DAS
Messageries imperiales.
At o dia 9 do corrente mez espera-se da Eu-
ropa o vapor franeo Sindh, o qual depois da
demora do eostume seguir para Bnenos-Ayres,
tocando na Babia, Rio de Janeiro e Montevideo.
Para condugSss, fretes e passagens, trata-se
na agencia, ra do Commereio n. 9.
At o dia 11 do correte raez espera-se dos por-
tos do snl o vapor francez Amazone, commandante
Giost, o qual depois da demora do co9tume
seguir para Brdeos, tocando em Dakar (Gora) e
Lisboa.
Para condigoes, fretes e passagens, trata-se na
agencia, ra do Commereio n. 9.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
%'avegaco costeira por vapor
Mamanguape.
O vapor nacional Coruripe, commandante Sil-
va, seguir para Matnangnape no dia 12 do cor-
rente as 6 horas da tarde. Recebe carga, encom-
mendas. passageiros e dnheiro a frete at as 2
horas da tarde do dia da sahida, no escriptorio
da companhia, Forte do Mattos n. 12.
ura bah com roupa usada e un
relogio de ouro
O agente Martins far leilo por ordem do Illm.
Sr. cnsul de Portugal de nm bah com roupa
usada e um relogio de ouro pertencente ao espolio
do subdito portuguez Antonio de Azevedo Maia
Sext.ieira 5 do crrente
emseu escriptorio ra da Cadeia n. 9, primeiro
andar, s 11 horas do dia.
LEILAO
DE
DE FAZENDAS
miudezas e cigarros
0 agente Martins far leilo por conta e risco de
quem perlencer, de c ilas, madapoloes, algodoii-
nhos, brins, castores, calcas, japonas de baetao e
orello, paletot, camisas francezas, diversas miu-
dezas, tamancos, sapatos e cerca de 90 milhetro*
de cigarros de palba de S. Paulo.
Sexta-feira 5 do corrente
em seu escriptorio ra da Cadeia n. 9, primeiro
andar, s 11 horas do dia.
~le1ao~
DE
movis, louqa, prata do Por(to e
obrds de ouro com brilhantes,
a saber:
Urna raobilia de Jacaranda, 2 camas, 1 apparelho
para cha, dito para jamar, 68 garrafas com ti-
nao, 7 mangas antigs, 14 cadeiras de jacoran
d, 1 sof, i consolos, I dito com espelho, 10
cadeiras de araarello, 1 gnarda-roupa, 3 mesas,
1 commoda, 1 eindieiro a gaz e outros ob-
jectos.
Cinco castigaos de prala, 2 salvas, 1 bandeija e
tezoura, 1 paliteiro, 4 colneres c 1 faquero,
prata do Porto.
Um adereco de coral, 1 dito de ouro, 1 volta e
brincos de fllagran, 1 crdo com uma cruz de
diamantes, 1 dita com podras, 1 cordo grosso
de ouro, 1 dito chato, 1 cruz, 1 bracelete, 1
par de brincos, 1 alflnete, 1 relogio 1 fivela, 2
aunis com brilhantes, 1 dko com diamante e
outros objectee
Segunda-feira 8 de aposto, ni segundo andar do
sobrado da ra Nova n. 18, s 10 horas. *
0 agente Pinto levar leilo, a requerimento
do testamenten^) e inventariante dos bens da finada
D. Clara Cteneatiaa Carlota de Brito, e por des-
pacho do Illm. Sr. Dr. juiz municipal da seguada
vara, os objectos cima descriptos, existentes no
segundo andar do sobrado da raa Nova n. 1S,
onde se effeeiuar o leilo, s 10 horas do dia an-
ua dito.
.Nfcohembomba, Mnlevido, Orientan, Bae-
pendy e maitas ootras qoalidadea.
FIMOS
Afamados de B&EPENDY em eataoes de
iO libras 4400 rs, a libra, e-paeotes
12*, e em porcao 10SOO dito en-lato de
qnarta' a 840, e a m& ris ; dito Daniel do
Rio Novo, do Para de S. Panlo, Caporal,
8 maitas outras quaKdades.
FABRICA BE
CARTERAS de todos os systemas par
cigarros.
PH0SPH0ROS de cera', dosnelbores qa
ba. em caisas de 500 a 5,500 a duzia, ere
catsas de fc 4,500 a duzia, em caixas-
de 2,500 2,600 a dozia e maitas ootras.
PAPEL de milbo, de arroz, sa-riom, Per-
san, pintado, e palbademilho, de Fernando
i papel de linbo.
Compromptidao apromptames qualqoer encommenda dos afanaaos cigarrof de seda.
a superiertdade o nossos cigarros. numerosa freRuezia dos nosso estabelecimentos
N. 1 fravessa de & Pedro N. 1
\
l m amigo do linado Dr. Jos Antonio Bahia da
Cnnha manda clebrar em sua interna uma mis-
sa as 7 horas da manha do dia 4 de agosto, na
igreja da Santa Cruz : convida os amigos do fina-
do para e-se acto.
Justino Pereira Baraos convida a todos os seus
prenles e amigos para assisOrera a miosa e me-
mento que por alma de seu sempre chorado
lerabrado pai Joaqun Pereira Baraos, manda ro-
sar na ordem terceira do Carmo, as 7 horas da
manha do da 8 do corrente, por oecasiao de so
rem trasladados os ossos de seu fallecido pai, do
cemiterio publico para o son jazigo especial nesta
ordem; pelo que se coofessa grato.
CANDIDO ALBERTO SODRKDA MOiTA *C.
com escriptorio e armazem travessa da Madre
deDeus n. 14, tem para vender o segrate :
OCRE de muito boa qualdade a 15208 a ar-
roba.
CIMENTO PORTLAN'D, verdadeiro e deprimei-
ra sorte.
VINHO.BORDEAX, desde o mais fino e espe-
cial alO fi coramnm.
CONSEVAS FRANCEZAS das mais superiores
qualidades, anda nao bem conhecidas nesle mer-
cado.
PAPEL de differeotes marcas para cigarros.
DITO PINTADO para forrar salas, gabinetes, es-
cnpturios etc.
Acaba de chegar nova remessa desse artefacto,
que se vender por procos mf\U reduzidos.
Precisa-se de urna ama para lavar e engom
mar (paga-s bem) na ra de Portas n. 1.
Aluga-se um mileque de bons costume,
que teuha idade de 10 a 12 anuos: ra da Cruz
sobrado n. 8, 3o andar.
Gabinete Portuguez de Leitura
Por orde-n do Illm. Sr. director convido aos so-
nhores membros da actual administraco e aos
novos eleitos, comparecerem sexta-feira 5 do
corrente. as 6 1|2 horas da tarde, na sala das res-
pectivas sesses, afim de serera erapossados como
determina o art. 64 dos nosso? estatutos.
Secretaria do Gabinete Portuguez do Leitura em
Pernambuco 4 de agosto de 1870.
Antonio de Albuquerque Mello,
2o Secretario.
ftTTENtfO
Lavase e engomma-se roupa para hornera e se-
nbora. com perfeico : na ra das Cruzas n. 16.
Eserava,
O agente Pontual, autorisado pelo illm. Sr. Dr.
juiz do? feitos da fazenda, e a requer ment de D.
l'mbelina Jacinlha Pereira, D. Joaquina Jacinlba
Pereira, Manoel Jacintho Pereira recabe propostas
at o.dia ;W do coxreato para venda da eserava Ba-
ziliaa : de servigo.doraetico, idade 31 annos,
avahada em to roa do Imperador n. 16, das 8 horas da ma-
pha s 3 da tarde.
Queiu aefaou um allioel* tratc. vino de Otinda ora o rteoife at a ra do
Torres n. 12, no dia 1 as boros da tarde, nos
wagftB?. teir a bondade do o entregar na mes-
ma ruae naraero, qae sera recompensado com o
valor do mesmo.
||2.oS?|i3P.s.oS
a.
o ^ si a.
= ca
X ,,, -r
O Q.
. a* o _
" 2
a 6
oner
' 2- 3
o *
o en ? n -*
"> '.r g.
S-3

crs v a =- 2.
-> c.S" -~
c- no j
a, a a> =; o g.
2 os re
S ="3
a T Ol
a, a>
S|o
CD o W C
w p o o o cT iH^
a es cp B S.^ >
K-o o.......3 o.0 a s*.0
VlSjftjft "^c.s-g
r$ g g I S 2. t
o e>5o jaSc'-
e p.e)
;a> o e-sj
69 U)
5-
BilS
s
,ss
AMA
BILHETES DO RIO DE JANEIRO.
Na praca da Independencia n. 22.
Precisa-se de nma ama para cozrahar em casa
de horneo selteiro, prefere-se de meia idade : na
ra de Pedro Afionso, outr'ora ra da Praia nu-
mero 34.
Precisa-se alugar uma casa que lenta com-
Amg modo* para familia, cora qniaial e cacimba, pre-
***1*C) ferrado-se no bairro da Boa-vista, ou em P6ra do
Precisa-so alagar ara* ama que cpainbe, forra ?ori^ : J,uem 'w procuro no sitio n. 5 da roa.
on eserava, pagase bem : na ra larga do Rosa- 'ornandes Vieira, ou annnooie-para sor
rio n. 20, Bndar. I Procurado.
Aluga-se nma preU periu cozwheira e en-
gommadeira : a tratar na ra de Marcilip Das,
antiga rna Bgetfa n. 82, 2 andar.
' Estrada de Belm,
Arrenda se um pequeo skicv nesta estrada.
.cha. ^ e en 7u^ SfSh 3S!. ToiX 2? 1SiJS
da Santa Grnz 74, pertncente aos Sr. Ferr | cajueiro, e outras mnitas arv?ATfrSSia. tS"
t dos trilhos urbanos de Olinda, eom mangnelras,
---i- I cajueiro, e ootras moitas arvoros de fructas. Tam-
^^^A ^Je J"P.d9r' a>re38*- I bn ^ vende o mesmo sitio : n "rna DoflS
te^nopr^o afeadla,' Reeil.3 de agostob|Ca^ (^WdlTc^es) ^30^3
aa->
S CABUG
esquina
da rna larga do
Rosario.
!,*% DE .IIII1N
Este importante estabelecimento no seu genero, tem sempre tim sortimento sem igual
e vend por presos que nenhuma outra oasa pode vender.
vtota da qualidade e do prew* das joiaseada um poder*e-ha convencer da verdade.
Garante-se ser tudo de lei Compa-se ouroi prata e pedras flnas por presos muito ele-
vados.
A| loja est aberta at s 9 horas fe nonti.
CABGA
esquina
da ra larga do
Rosario.






Diario de PefttamfcuQO iiiiit* fera 4 de Agosto de 1870
Fotegrapba imperial

calera de pintura
DB
J. Ferretra Flela
Desde o da 7 de abril paisido acha-se abertoi o
novo estabelecimenlo photograptuco ito a roa do
Cabul n. 18, eraoina7 dopateo .la matriz. Os-aba-
Ihos que desde enlao, tero sahidu de nossa offlcma
lem geralmenle agradado, sendo recebidos por
algunscom admirado pelo extraordinan > pru-
cresso ue ltimamente tem tido a pbou graphia,
por outros com alegra, por verem a provincia
dotada com um esubelecitnento digno d ella, e ra-
rxmlestavelmente o primeiro que ncsse genero
hoienossue : tambcmno nos poupamosem cousa
alguma para monia-lo no p em que se ach, es
iieranoo que o publico de Pernambnco sabera
apreciar nossos esforcos e recompensar nossos sa-
crificios.
Convidamos a todas aquellas pessoas, nacionaet
e estrangeiras que gostam das arles, oa tiverem
necessidade de trabalhos de photographia a vlsl-
tarem o nosso estabelecimenlo, qae estar sempre
aberto e sua disposico todos os das desde as 7
horas da manha al as 6 da urde.
Para es trabaluos de pholograpbia. possuimos di
versas machinas dos ruelbores autores franceies,
ingieres e allmeaSes, como sejam : Lerebours el
Secretan, Hennagis, Thomaz Ross, Voigtlandcr el
Sonh eWulf. ltimamente recebemos tres novas
machinas! sendo urna dellas propria para lomar
vobre o mesmo vidro 4 ou 8 imagens diversas e
soladas, eoutra de 6 a li imagens diversas i
igualmente boladas, de norte que no caso Ue
grande concurren .i.i podereraos retratar sobre
urna nica chapa at 8 pessoas diversas e sola-
das para cartees de v^ita, e assim em menas de
um qnarto da bnr '.pspacharmos 8 differemes
pessoasque peeani c raais on menos, com on -seus retratos sement, ou
em grupo com outras.
Enearregamos-nos exclusivamente da dtreocao
e feitura dos trabarnos de photographia dei-
xando pericia e talentos do distinelo pintor
alterao, o Sr.
Jorge. A. Roth
os irabalhos de pintura, a aquarela, a oleo, e a
a*el.
O Sr. Uoth acha-se ligado a nossa empresa por
urna escriptura pubHca, e at o presenta tera se
desvelladoii execuca de seus trabalhos.
No nosso estalrelecimento aeham- se exposlos ou-
tros trabalhos invwrtantes do Sr.'Rolb, tanto em
miniaturas aquarella como oleo, toi ratos
, quadros sacros e diversos outros irafcalbo?.
Tomamos encommendas de retratosoleo al o
-;'amnho nawal, assim como de quadros sacros
para ornamenia-ao de igrejas ou canella*. Tam-
fcem aceitamosencommendas de.quadros histori-
aos. .
Assegnramos que os precos dos diversos tra-
balhos da nossa casa sao mu rasoaveis.
CARTOES BE*VtSTTA NAO CXM.OtHDOS 10-500 A
Dl'ZIA
CART5ES de visita com o colordo ao natu-
iiw.A16-50O0ADrzr.\
Retrates em miniatura oleo ou aquarella de
46 364000 cada um, indo convenientemente en-
aixilhado en moIJur dourada e regulando o
bustn da pesftia. retrataba de 3 4 pollegadas e
todo o quairo palmo e ineio de tamanho
Julgamos qce bastarlo os preris cima para
dannos idea di baratera dos trabemos do nosso
establecimento, quanto sua perflftcSo cada um
ventia jnUiar -jor seus proprios olhos.
As roeihWM horas para se tirare* retratos^ no
nosso i -ial.ok'-imsnto sao das 8 horas da nianhaa
t da urda; entretanto de urna hora as o da. tarde
tm citos etpeciaes pde-se tambera retratar qual-
juer pessoa. .
N..s das da. chuva, ou por tempo sombro.po-
te retratar, e asseguramos .qii<' esses dias sio
.* rnais fav.trawi* aos trabalhos, de photographia
oela docora e persistencia da luz, e pe r termos o
KO terra^) construido com taes propore5es e
melhoram*!!;t>>s, que anda chovendo forros ne-
nhnm Inconveniente ha para fazer-se bellos re-
misa.
J. Frreira Vilrla.
PHARMACIA CEBTRAL
Ra do imperador n. 38 .
Xarope de lactucario d'AqJt*rgter* e de
thery decio d'Abbadie recoaraeodada*
como enmantes para os casos, em que se
nao pode. Osar do opio e de seus prepara-
dos, e mui convenientes para
nos espasmos e coovulsoea.
FBAL
DOR N. 38., ";
Preparidoe d'a!c8traojem capsult, licor
e xarope ferruginoso.
4


Este antigo estahelecimento, acha-se hoje montado n'uma
escala de poder servir vantajosamente os seus freguezes, atten-
to o grande sortimento de joias d'ouro, prata e brilhantes, que
sempre tem e recebem mensalmente das principaes fabricas da
Europa- cujos prepos so em conq)etiveis e as obras garantidas
de lei
JHOREIBA BU ARTE ._____________
"PHARlTA"aA~BH&a BU. -HrtA
DOR N. 38.
Pillas de Vallet.
Pillas de Blancard.
Pilotas de Bland.
Xarope forruginoso de Blancard.
Gonfeites de lactato de ferro.
Pilulas de carbonato de ferro, laclado de
ferro, iodnreto de ferro com magnezia.
Ferro de Quevenne.
Assucar ferruginoso.
U
en
22
3
T f 3
j p
?^o2,o^
2sS"g
SI
o 5 2 ^ w S
g o ETCB
o
a
si*

8a||"aOo
g:s5
' o

:
1SB13
^ ff H2.il
*o-Q c o
9 2
2o
p*
3 O
v> "
a O
-.
c-
S
3
a 2 -> o

Sg"BSB'
S B 3 =
to
o CrS
O co
a
*-- x *>
_.- 3
3 jj c-
5J C.co
O r. a.
Kova paria
amen-ana, ?. ra do; Pires .'80 ; d'ora em diaoie
continuara a aier pao e bolacha de farioha espe-
cial de l* ser:.; para inoihor agradar a seus fi-
guezee.
'" ira
m
ImI
HQMBOPATfflrV
O-Dr. O.-auova ijde sar procurado a
(Tir-tlijiifr hora em eu-coinuiliorio espe-
cial homoopalhico, no largo da matriz de
Sito Anu.nio.n. 2. Sesto ceusullun>>
ten ssmpre sortmentos eos airetlitados
medicanmtos Je homeopatma do V.'eber
A-Calellan em tintaras, em glbulos, e
tado iiaanto necessario para as pessoas
: qae seguem este svslema.
Os pobres foram Mmpre e continnam
a *er tr.T.ados gratuitamente.
UM ESCOBRIMENTO ESPANTOSO
XAROpE DS FEDEGOSO DE PINTO
lar m molestias do peito. tosses, as:
thnw, bronchite, etc.
Atestados,
IIlB.Sr.-Joaquim de Almcida Pinte. Braga,
23 dejancro d-* 1868. Meu amigo, aqni che-
gnei Com algumas mtlhoras; depois de ter t-
matio tro^ garrnfa's do sen preparadoXAROPE
. DE FEDBGOSO-; isto, pelo mar, porque lo-
o qne cheguei em Lisboa, principiei com tsais
;i a tomar o dito xarope, por conhecor pelo mar
- qoe elle ms fa?ia grande beneficio, pois visia
da graide (juanlidade de saogue que eu botava
pela bocea, vi \ae me a desappareceado com
rapidez, depois que continuei 4.tomar o dte xa-
rqpe, e fio aiilagwso foi para minba moleslia*
-que hoje we acbo de todo resttbolecido, c at
mesmo bastante nutrido, e por MO pode Vmc.
< taier scieote ao publico o roilagre que o seu
Disparado obrou na minha enfermiflade. Sem
teinpu para mai*. sou de Vmc.
Amigo atiento .venerador e mmio obrigado
Maaoel ios Gooealves Perira
-------- ,
IIIol S. Jeaquim de Almeida Pin la.
Saanuito qoe onvia proclamar as excellentcs
propriedades do XAR0PE DE FEDEGOSO con
traatossa e asinma, e so(Tredo eu de urna
toase .pertinaz, e leudo usado de toda a -forte 4^
medicamentos, vali-me, pois, do XAROPE DE
j> FEDEGOSO, e ama garrafa somente fot bstanle
para resfcibelecer-me, e rae vejo tao robusfj co-
roo dantes : suerurabiria de corto a nao ter
- asado sev XAROPE DE fEDEGOSO.
A' vista dislo nao tenho expressres com que
i exprima a V. S. a gratido de que Ibe devedor
o de V. &. ltenlo venerador e criado
Joao da Costa Reg.
nico deposito, pharmacia de Jsaquim de
Almeida Rno, ra larga do Rosario
n. 10, onto ao quartel de polica.
COMPANHIA
os
TBILHOS URBANOS
DO
REC1FE A9 OIiINDA.
A tabella qoe fot pnWioada e somente
para os dias domingo* e santificados', para
os dias uteis a segoinlev
MANHAA
IdaA? 8 e 8 horas.
Volta- lioras.
TARDE
IdaAf '; e G horas.
VoltaA< 'ie7 hm
0 srjpreintenrJen^.
A i Porto.
'. Prec ir ao Sr. Bernardino-Osearfei-
ze aa ra da Cadeia n. 59 A,loja de miadeza;.

S? W =3 w &-
Precsa-se faltar com o Sr. Jos de Barros
Accioly a negocio de seu interesse : na pra$a do
Corpo Santo n. 17, 1 andar._______________
PHARMACIACENTRAL UA DO IMPERA-
DOR N. 38.
Vinbo e xarope de pepsina e diarthare,
eicellente tnico para auxiliar as digestes
difJQceis nos casos de debilidade do esto-
mago.
ARMACL^ENWnWWI
DOR N. 38.
Agua hemostualica de Echelle, mui re-
commendada em qualquer caso de hemor-
rhagia, e principalmente na thysica pulmo-
nar, e as bemorrhagias uterinas.
Ha travess* da rea
das Crozes n, % pri-
meiro andar, da-se di-
nhelro sobre penhores
de ooro, prata e brithan-
les, seja qual for a ^aan-
tia. Na Hicsma casa com-
pra-8 os Bacsinos me-
taes e podras.
aMMBMHg WK IWPWB
Associa^ao Oommercia Bene-
fcente.
NSo teudo se reunido hornera mimer socb-
te de socios para que a assoctaeSo ficasse consti-
tuida em assembla geral, pelo presente S3U os>
mesmos novamente convidados se reabtrem no
safio do respectivo edificio, no da 4 do frenle,
ao meio dia. De conformidade com o art. 20 dos
estatutos a assembla geral se jalear eonslitoida
com o numero dos prsenles raeia hora depois da
que se acha designada.
Assoeiaeao Geromer iat Beneficente 2 da agosto
d8i87- Daniel Ram
Secretario.
MOFINA
Manoel da ilt* Amorim reiira-se para Li
boa tratar de sua saiia'/Tleix'a por seu bas-
tante procurador o Sr. Candido Alfonso Moreira.
Roga-se ao Iltai. Sr. Ignacio V.eira de Mello, es-
crivao na cidade de Naiareth desta provincia, o
favor de vir a ra do Imperador n. 18 a oncluir
aqnelle negocio que V. S. se comprometteu reali-
sar, pela terceira chamada deste jornal, em flns
de derembrt) prximo passado, e depois para Ja-
neiro, passou a fevereiro e abril, e naia cumprio,
: e por este motwo de novo chamado para dito
1 fim ; pois V. S. se deve lembrar que este negocio
; de mais de oito annos, e qnando o senhor seu
filho se acbava no estndo nesta cidade._________
Teladas" on permutas
Vende-se a propriedade Guarapes no Rio-
Grande do Norte, com trras .casase armazens
de um e outro lado do rio, lugar berr. conhecido
pela sua importancia commercial, cujo porto ofe-
rece muita facilidade paja errbarque e desembar-
que de gneros.
Igualmente se vende o engenho Jundihany (na
mesma provincia) moente e corrent, ctfm cinco
leguas deJerras de maltas virgens, oito escravos,
bois, bestas e alambique ( ou somente o emgenho
com as trras que convier ao comprador). Estas
propriedade? vendem-se por baratissimos precos,
e tambe' -se permutam por engenhos nesta pro
vincia, Parahyba e Alagoas, ou por casas as ca-
pitaes das mesmas : a yalar cem o proprietaric
maior Fabiicio Gomes Pedrosa ra da Cadeia
n. 25, ou com os seus procuradores no Rio-Gran-
de doone.
TINTA PAEA IMPEESSOES.
esta tvpograhii ha um grande deposito de ti ta
p ra rypograhi, ibricada na IngtoteTa, ae qiiaadade
superioi", e que i etalhada em barris de "< 0 a 100 libras
por preco commodo.
Criada
Precisa-se alugar urna escrava para engommai
e andar com criancas
na ra da Cadeia n. 8
Aluga se
na ra de
urna escrav para o servieo domestico :
Hospicio n. 29.___________________________
Precisa-se de um homem portuguez,
para feitor de um sitio, o qual entenda de
plantacoes; a tratar na ra do Imperador
n". 15 das 9 horas da manbaa s 3 da tarde
dos dbs uteis. ou a qoalquer hora do do-
mingo ou dia santo, no Arraial, sitio da casa
amarella.
Prevenco
*
ARllOOCAlHN.3
mmmM |
Com este titulo acha-se aberto e iDteirameote transformado este antigo ~.
estabelecimeato de joias, onde os freguezes e amigos encontrarlo tudo quanto m
a moda e o bom gosto tem iaveBtado na arte de ouri\tesana, o Collar do Ouro
observar delicadeza no trato e senciridade e modecidade nos precos.
Espera qoe o respeitavei publico venba ver o qae existe de melhor em g|
aderacos de brhantes, esmeraldas, robins e perolas, meios aderecos. pul- g
ceirae, brincos, alfinetes e aneis de todas as quafcdades, prata de le taquei- ^
B ros, colberes, patleiros salvas e outros muitos objetos qae sena er.radormo
B mencionar. m ^
Compra-se oaro, prata, brhantes e podras finas, pormaior preco ao
que em outra qaalqoer parte, troca-se e coocerta-se todo e qualquer objecto pj
pertencente a esta arte. g|
mmmmmmmmmmmmm wmwmmmmwmwmwm%
CASACAUVIMJSi
Phrcaaceutico privilegiado
succeseor
stMstopoi, aa pars.
Boulerard
NOVAS ESPECIALIDADES A. MARINIER
Aftesealudis t Vadea de Seinciu ao Instrtuto i* Franca,
INJECCO
frtMatlTi
Sob i forma ie PaMilla. Amt\i* t doseaia para
faser de momento urna solKfto
cavatiM tu MOLESTIA! 0MTA6I6A8.
do Tlame de mi relogio, servindo de
PHILTRO e SERISCA sem o
IXJTOK-PBILTBI) ^i^^rir.si^.
CoVa IAC Com a terna, e > volime de um Porte-lloaU
ESTOJOb COTE li DO TODO TMTAMBNTO.
COLIiTRIO Centra as affeocois das palpebrat,
preparado tofe a metma forma.
Depositarios geral para e BBAIaL e P*MWUi4i
.34, roa larga do Boaario. PERNAMBUCO.
BARTH0L01E0 4 t
DAVID W. BOWMAN
EHGEHHEIRO
Com fundipo
RA DO BRUM 52
Passando o ^18 fariz.
Cbama a attencSo dos Srs. de eogenbo para seus acrediudos machioismos e
oom especialidade para seos vapores que ainda rima vez tem raelborado.
Os vapores fornecidoa por elle e j funecioaaudo Ibe bao de fazer melbor apre-
ciaco do que qualquer dito proprio.
Deseja todava mencionar que vifita do cambio agora mais favoravel do que
na pocha dos apontamentos do anno passado tem feito urna redaeco sensivl em todo
seos precos.
AOS SRS. ALFAIATES
Cbegou loja daa GoIbobm, da roa do Crpo o. Ii\ de Amonio Corris de
Vasconsel'os, superior velludo preto de seda.
Achando me restabelecido, ontinuam com a
costumada regularidade, -e sem a menor alteracao
os trabalbos de minha ofBcina de pfiotograpnia si'.a
ra do Cabug n. 18, esquina do pateo da
matriz.
J. Ferrejra Vilalla.
Precisa-se de um menino porluguez que ne
exceda de doze annos de idade, para caixeiro de
urna taberna : quem quizer se propr dirija-se a
esta tvpopraphia a entender-se com o Sr. Ferreira.
ii, w. wm
ENGENHEIRO
Oom *fundQao.
A RA DO BRUM N. 52.
Passando o chafiriz
Machinas vapor systema melhorado.
Rodas d'agoa.
Moendas de canna.
Taixas deferro batido e fundido.
Rodas dentadas para moer com agoa, va-
por e animaos.
E outros mnos objectos proprios d'agri-
cubura.
Tudo por preco muito reduzido.
- -" -.*! -- -
daixeiro
Precisa-se de um menino de 12 annos poueo
mais ou meaos ; preferindo-se dos nltrmos chega-
dos de Portugal ; na ra da Cadeia nova ti. l-'i
se dir quem precisa.
Xarope, de salsaparrha do Para'
ou
Depurativo do sangue.
Usado as molestias da pe le, impingeos e para
todas as molestias venreas.
Uaico deposito, pharmacia de Joaquira de Al-
meida Pinto, ra larga do Rosario n. 10, junto ao
quartei de polica.
PHARMACIA"DENTRAL RA DO IMPERA-
DOR N. 38.
Xarope de rbano iodado excellente com-
binado do iodo com o sueco de plantas
anti-scorbuticas.
Este xarope empregado com grande
soccorro contra as molestias da pelle, os
engorgitamentos escrofulosos, o rachitismo-
cachloroso.
O vinho iodado de joly, e oleo iodado de
Personne, so recommendados para os mes-
raos casos, e eocontram-se nesta pharma-
cia. ,__.
%mm fmm* mmmwm
PHARMACIA CBNTRAL RA DO IMPERA-
DOR N. 38.
Variado sortimento de chocolate de ban-
nilha, salepoararuta, ferro, e de sade, da
acreditada ofBcina de Menir.
Sabonetas 'alcatrlo, d'acido phenico, en-
xofre e camphora recommendados para as
molestias de pel'> como sarna, panos, em-
pingens etc., sendo o ultimo de muita utili-
dade para o uzo do toilette, por preservar
a pelle de ser manchada das maculas, que
costumam accomettel-a.
PHARMACIA^BNTRAfc RA DO IMPERA-
DOR N. 38.
Os melhores vermfugos para crianzas,
Pastilbas de sanctonina.
Ditas de Kemp.
Oleo vernifugd.
Tudo de melbor qualidade.
PHARMACIA cINTRAE RA DO IMPERA-
DOR N. 38.
Variadsimo sortimento de fundas de
excellente qualidade.
FARMACIA CEXTR4L
Ra do Imperador n. $8.
LamplougBs Pyretic Saline.
A preparation of well known utelity to the En-
glish Facultv. as a coolmg and refreshing beverage
in all cases bf fever. The freqnent usejef "Ms sa
line oreserves foregners from many dist^es to
wlich tliey are leable before becoraing acelima-
tised. May be obtained at the Pharmacea Central,
jua do Imperador n. 38. ^^ ^^
PHSMACIA 'CENTRAL ItUA D~lMPERADOR
N. 38.
Paslhas de balsamo de tol e de aeiva
de pinho maritimo, para as affecgSes chro-
nicas dos pulmes.
. Pastilhas de therydocio e louro cerejo
para as tosses agudas, e de carcter nervo-
so, e para os vmitos durante o periodo da
gravidez, e qualquer affeccao nervosa.
Pastilbas de bypophospheto de cal mni
uteis na thysica pulmonar.
Pastilhas de angico naf, e de Regnault,
de hortela, pimenta^ e de Vtecley, de pe-
cacuanha e de Rermes.
The Liverpool & Lon-
don & Globe Insu-
rance Company.
Gompanhia inglesa de seguros contra-fogo,
estabelecida em 1839.
Capital e fundos de reserva
lis. 3&,S6:904.
Os agentes desta companhia tomam seguros so-
bre propriedades, gneros e fazendas armazenada,
mobitias, etc., etc., e estao igualmente antorisados
a saldarem aqui quaesqder reclamacoes.
Saunders Brothers A C,
Praca do Corpo Santo n. II.
Monsenhor Dr. Gregorio Lipparoni, reiior do
seminario episcopal de OHnda, legitimo adminis-
trador da capaila do Sam'Anna do Rio Doce, term
de Olinda, possuindo as necessarias laculdades,
tem resolvido de arrendar os dous sitios de co-
queiros contiguos e pertencentes esta capella,
eom casa de pedra a cal ; tudo conforme ao edita
relativo que se acha na cmara episcopal de Olin-
da, onde at ao dia 25 de agoto do correte anco
(1870) se recebero as propostas de dita arrend-
mento.
CASA DA FORTUNA
Aos 8:000$
Bhetes garantidos.
A ra Primeiro de Margo outr'ora do Cres-
po n. 23 e casas do costme .
O abaixo assignado, tendo vendido alm de ou-
s sorles, um meio n. 1^9i com 8:000* da ro-
tera que e acabou de extrahir a beneflero da
Santa Casa de Misericordia (154"), convida aos
posuidores virem receber na conformidade do
ostume sera descont algum.
Aeham-se a venda os felizes bilhetes garan-
tidos da 3* parte da lotera, beneticio da. Santa.
Casa de Misericordia (15a") que M extrahira sab-
bado, 6 do corrent me- vindouro.
PREfOS.
Bilhete iutero 10*000
Meio bilhete 5*000
Quinto 2*000
Em porcao de 100*000 para cima.
Bhele int.-iro 93000
Meio bhete 4*500
Quinto 100
Manoel Martiirs Fiuza.
s
Bscau
BI
Jjistrucqo primaria.
{ 129-RUA MARCILIO DIAS-129
^ andar.
Ansa de Qoeiroz. e Albuquerqne,
Professora partioolar.
BMSlrXft*MM
Manoel Antonio de Albuquerque, morador
na cidade de Goyanna, juiga nada dever em parte
alguma,e se aigoem se jolgar eeu ciedor dirija-te
cidade do Recif em casa das Srs. Souza Mbuti-
nbo je C, ou nesta cidade cm casa de sua morada,
deairo do raso de 30 dias. O mesmo aprovoita-
a occasiao para scieutificar ao respertaral publico
que por ha ver outro de igual nbrae assignar-se.- ha
d'ora em diante por Manuel Antonio Cesar de Al-
buquerqne.
Pede-se pessoa qne achsn no dia da Testa
de Sanl'Anna, em S. Francisco, urna puteara de
cabello encaeloada em ouro, o faor de entregar
ra do Imperador n. 18, que aera generosamente
recompensado.
IPm
O abaixo assignado. morador no 2" andar do o-
brado n. 36 da ra das Cruces, enearrega-se de
recebimentos de sidos, ihonorarios, cobrancas ile
jividas ede uaesquer ontroe negocio? pessoa^
tanto da cidade conio de fra, offerecndo n ludo
a aquelles que se dignarem de o procurar, vanta-
gecs e aramias reaes.
Pedro Jorge da Silva Ramos.
PHARMACIA CENTRAL RA DO IMPERA-
DOR N. 38.
Cha purgativo de Chambard, excellente
laxativo, e refigerante, que se pode usar
repetidas vez^s sera irritar os intestinos.
- =sm:,5=Sft=-S5S5aSS5SS?
xXropIc HYPNOTICO D CHLORAL.
O chloral um agente therapeutico recen-
temente experimentado, mas cujos benefi-
cios vo sendo largamente aproveitados pe-
los pratieos em quasi todas as affeccoes ner-
vosas, calmante e somnfero poderoso, tile
sempre empregado com vantagem nos
casos de dores nervosas intensas, e as de
insomnta, em que elle produz um somno
calmo e profundo.
Elle rec> mmendado as clicas, na cho-
rea, no ttano, nos partos laboriosos, na
clampria, as queimaduras extensas, nos
accesso* agudos de gotta, na asthma, na
tosse convulsa, e em muitos outros casos,
DOSE. Daas a oito colberes de sopa
por dia, conforme o effeito que o medico
quer obter.
Encontra-se na Pharmacia CENTRAL ra
do Imperador n. 38.
VINHO DD QUININNO DE LARARRAQUE
Poderoso tnico hoje tao aconselbado nos
gozos de' debilidade geral, e mui usado
como antifebril.
PHARMACIA CENTRAL ROA DO IMPERADOR
N. 38.
Publicaqao jurdica.
Repeticoes escripias sobre o din-it administra-
tivo brasileiro, para servirera de explieacSo e com-
plemento aos el intentos da mesma sciencia, que
servrm de texto s respectivas prt>lec$oes na ta-
culdade de dircilo da cidade do Recife, peto Dr.
Vtcente Pereira do Reg, lente cathedrarico da
terceira cadeira do quinto anno na mesma facnt-
dade, seguidas da principal legislacao administia-
tiva citada em ambas as obras. Subscreve-se para
esta pnblicacao, qne entrar para o preto logo qne
hajam asslgnaturas suflicientps para cobriretn as
despesas da impressao, a 10*000 que serao pagos
no acto da entrega do primado volume, as livr-
ras franceza e econmica, ra do Crespo nme-
ros 2 e 9. ?
Precisa se de urna ama para cezinhar s traiar
na ra larga do Rosario n. 22, 2- andar._______
AMA
Aluga-se
ama casa com pequeo sitio de larangeiras, bana-
neiras, ele,, at o flm de ontubro do 'correte an-
oo, da-se barato : a tratar no becco do Quiado do
Monteiro, no primeiro sitio direita log ao entrar.
O bacharel /oaquim
g Gomjalves Lima tenT es- j
S criptorio de advogado \
0 roa do Imperador n. 35.
Precisa-se alugar urna escrava ou livre, qoe seja
boa cozinheira, paga-se bera : a tr-atir na ra da.
Seazala-vellia n. 'J, padaria.________________
Precisa-se de um cjzintaeiro que seja perfei-
to em sua arle : na ra da Imperatrix n. 9, se-
gondo andar.____________________________
Precisa sede urna ama que saiba bem cezi-
nhar e quelra sabir ra : a,u-atar na ra doSe-
bo n. 29._______________________________
0 palacete
da ma do Mondego, em que residi o Sr. nego-
ciante Felippe Fceedhen, aloga-se lem ledas as
prcporeSes par* qualquer esU_elecimenl, com
sitio : a traiar na mesma ra com Marcelino Jos
Lonas, na olaria n. 13.
Precisa-se de orna ama para coznnar : na
| roa iarga do Rosario n. 46. _________.
Wecisa- de urna, criada que aiba coiidhax
v>diario de urna casa: a traur na ra* Livra-
R-erTio o, i'., wrvindo forra oo captira.
CASA DA FOBTUNA
AOS 20:000-000
RA DE MARCO N- ?3.
O abaixo assignado aviaa ao publico, que com
quanlo a nova le do oreadlo t.vesse elevad
rauto o imposto sobre os bilbetes de loteras do
Rio de Janeiro, continua a vende-loseom as for-
malidades da lei, e pelos mesmos preces abaixo
Dublisados, pagando todos os premios com odis-
conto somente da lei, e com a prompttdao do eos
tume PRESOS.
Bilhete inteiro... a0tO
Meios bilhetes... !**OfJ
. Quarto?........ 6<00O
Em quaatidade maior de 100*000 na raza de
mm Manoel larlms Fiuza.
""-T precisa se de urna ama para coiiohar t
er algum eogoma_do : a eni_dwr.se na ra de
S. Franeis-, n. .________________
~p_>ainente vegettes e sem merenno, can
15es enra e purifleam lodo o ayatema humaw
Vodrxse erTecUtamente em casa de Samuel F:
bastn & f-, ru> &* Sanzall ova n. 42.
. {|a pv-ca da dependencia n. 33 se~^^H
jheirosobre penhores de ooro, prata petras
iroetoaai, sti anal for a quana; e na mo__
sa se _mp.*a o vende objectos de jOuro e pratt,,
iguala__} .w Uk_ e qualqua^^^^^^H
tommenda, e i, Hlqu*r eQBeartc _i
ttaesmaarte.



>
1
Diario de Pernambuco Quinta eira 4 de Agosto de 1870.

**(*
AOA
TAPO
DO
Joaquim J
eHrara
al-1 Ra e
andar.

Este eoiieeido estabelecimento cha-se constantemente bcm sonido, em virlude das
factora que recebe por todos os vapores e navios francezes, dos artigoS abaixo menciona-
dos, presos os mais resumidos que possivel.
CALCADO FRMCfiZ
Botinas para eohora& e meninas.
Bolinas pretas, brancas e de omitas outras cores, sortidas e bonitas, do ultimo gos-
lo da moda, e precos mais baratas do que ecn outras partes.
Botinas para horneas e meninos.
Botinas de bizerro, cordavo, lustro e pellica, das melhores fabricas e etcolhidas.
Botas e perneiras riisslanas.
Bolas e perneiras para mamaria, das meluores qualidades, de couro da Russia, lus-
tro e biterro. j
Sapatos de borracha para homens c senhorus
Tendo ebegado grande porcao de sapatos de borracha vende-se pelo eustc'aiiin de
desempatar o dinbeiro nelles empregado, sao baratsimos.
Ni patos de lustro para bonicos.
Sapatos de entrada baixa e couro de lustro eool sallo, de muito boa qualidade.
Abotinados para meninos e meninas
Sapatos abotinados de differentes modelos, de muitu bas quaridades e fortes, tanto
para meninos como para meninas, muito baratos.
Sapatos de tpete.
Sapatos de tapete avelndado, decasemira, de charlte e de tranca franecees e por-
tugueses para horneo?, para senioras e para meninos.
PERFUMARAS
Excedentes extractos, banhas, leos, agua de eologne, florida, divina, fevande, den-
trifloe, de toilette, sabenetes, tintura para cabellos, pomada angroise para bigodes, pos de
arrea etc., tudo isto de primeira qualidatie, dos afamados fabricantes, Condray, Jrver e Lubm.
Qninquilharias
Lavas de pellica do conhecido fabricante Jouvin, espelhos nara sallas, quartc* e ga-
I binetes, toccad<,re> de diversos tamaohos, leques para, senhoras e para menina?, abridores
de lufas, brincos, pulceiras, botoes, corremos e chaves de pe4ngios e tranceln*, tnd3 de
ooro de le i, correles e brincos de plaqu, a imtacao e de mais gosto do que as de ouro.
caixinhas de costura ncament guarnecidas e ornadas com-Undas pessas de msica, albuns
e caixilos -dourados para retratos, caixinhas eom vidro de augmento para distinetamente
ver-se a pereico dos retratos, oojectos de pJisntasia para toilettes,. Msinbas e fcetinha-*
de seda, de velludo e de vimes para braco de meninas e aecharas, dit-,s para costaras, pe>
qnenos registros muito tinos e delicados, boaquets da fieras para gabinetes e santuarios, quadrs promptus para e?Uocar-se vistas, molduras dentadas
para quadros, estampas finas de.paysagenvoidadps, figuras e desastas, vidros para eos-
morama, malas, saceos e bolsas de viagens, esperas, ebico**, bengala?, ocOlns, lelas mi
pensioez de prata douradus, gravatas pretal e de cures, abotoaduras de cbllete e de punhos,
carieiriuias para notas, thesounrinas e caivetes linos, pentes, escovas, ponteiras despuroa
para etiarotos e para cigarros, Jesros de domin, rodetes, bagatelas e antros ditfereatts, *e-
neziaaas modernas muito conveniente para portas e janellas, cosmorama?, lanternas mgi-
cas, esteriocopos com interessaotes vistos de figuras edas mais bjuitas ras, lioulc-vards,
pracas e passeios de Paris, photosraphias e caixinhas mgicas, reverberos para candieiros,
tapetes de vidrilho e de laa de cores para ps de lanternas, realejos gcandese peqnenos,
harmonices, acordions de todos os tamaimos, berros de vimos para cr-iancas, sapatinhos e
toucas de laa, carrmhos de 3 e 4 rodas nsito' elegantes para conur enancas ptsseio ; e
outras muitas qninquilharias de phantasia, francezas e allemaes. precos muito en conta.
Para este artigo nao ha espaco nem tempo para a massante Icitura da infinidade de
gesefes de brinquedos fabricados em diversos paires da Europa.
Roa do Trap'che n, 17,
Stcfa-f qr todo** p*q
Porto.
Valonea.
Chaves.
Viseo.
Villa do i'.oade.
Arcos de Val de Ver.
Viannado Casteilo.
Pontedo Lima. '
Villa Real.
Villa-Nova de Famelicao.
Lamego.
Lanos.
Covilhaa.
Vascal (Valpasso).
MirandeUa.
Beja.
Barcellos. _______
D-se at a quantia de rtons cornos de reis
a juros com hypotheca sobre casas, nesta cidade:
quem precisar pn cure no sitio o. S, da ra de
Jlo Fernandes Vieira.
XIV 11.
rtel deJEL
3 Rosa-
mm
mas

amdt
erventeTlIBftfrIsR-lhfltaS Thvferfwiffio-
e portento offerece ao muito Ilustrado povo
citado cotMaatementrwesa aberta con toda
T *> #**5o senrfdoj. com toda, linpeza,
ororaptidao e agrado, com comedorias ptimas.
Achirao tambem tiesta sua caa diverlimento de
domino e bebidas das melhores qualidades. Ad-
tnittem-se assignantes i pagar por mes, e prepa-
ram-se encommendas de gosto para bodas e bap-
tisados. Anteeifiando-ee desde i a'agradecer o
dow acolhimento dos seus hospedes.
PORES
T-.Precisa-se de nma senhora habilitada para
ensinar a lingua nacional n'um engenho porto da
cidade : quem pretender dirija-se botica da ra
Nova n. 51, onde receber as devidas informacoes.
Na ra atraz da Matriv de Santo Antoui* n.
18 L andar, coha-se para Mra com assefb e
promptidao e por mdico preco. ______
Atten(?5o
Consnua-se a fornecer almoco e jantar : no so-:
brjdo da ra estrellado Rosar n. 35.
ATTENCAO
O dono deste estabeecimento pode ao publico em geral que eontinue a visita-lo
veriieendo as qualidades e os precos baratos de ditos objoctos por serem viudos era di-
reitura e de conta propria.
En m
WiS&*&-
DE
A
?ml\M EM PERNAMBUCO
11Ena Nova11
Aatoni Jos lie Aasvtdo acaba de fundar em stu grande araiazein de pianos- i&strunient' s, ama
Impr^iLsa para gravar e imprimir moeica,
de cajo trabalho se aoha enoarregado o distincto gravador e mpressor o Sr. Nicack
i.afohce e SttOW.
Nesta casa sero impressas nao s as melhores navidades que *ierera da Esropa,
como tambem as msicas oriainaes dos melhores professures e amadores desia cidade,
quer psr nossa conta ou por corita dos seus autores
As primeras mmicas que se gravaran e imprimiram em no^sa casa, tend* side
muito bem acceitas pelo respeitavel publico, nao s pda perfeita gravara e boa npres-
s5o, como peto Jpeiior papel que empregan^o?, faz com que hoje publiquemos lista
abaiio que s< acham a venda $iu nosso arni^em. (.onlinuando a publkar-se iir.a-
jialmente pelos jornaes as jiovidadts que formos imprimindo.
AltfNtTA ^ka briloaate pe4o insigne maestro I. Soioliz. precoz
MINERVA, polka brilbante.pelo insigne professor Colas Fiino
CHICO DJ.\B), linda polka por ..........
UMA LAGRIMA, mazurta..............
LA GftAXuE DUCHESE. polka...........
Tre Kad* polkas do Circo Equestre de M. -Cosali. (EsU colec-
cSo contina)............... I 000
.Esta-se gravando para sabir a Inz nestes dias. ouas lindas pecas de msica para
piaao; composicSo do insigne e sympUhico maestro ebegado da Europa pelo ultimo
vapor o Sr.
E. Casalbore.
Valsa SOUVENIR. | Polka CH:VXT D'OffiEALX.
A Iaiprensa Nacional de Msica ubera recebe
por eis mezes e por um atino. Obrigando-se a fornecer a sens assignantes daas oa
tres pecas de msica pormaz, para piano ,s6, e para canto e piaao, pela tabella segointe :
Asignatura por seis meze9 Assigaatora por um ^nno
PAK.1
2,5000
l^iO
300
1,5000
13000
J, Fereira Yillela
rasoTO.it viii v imperial,.
i-----RA DO CARUG-----18
A entra/la peloj)aten da matriz.
Os trabathos da reedIBeacaa deta photoprapbia,
f que 9e proloB0aramipor tanto lempo, arham-se
felizmente tenninados e ella aborta ao servio do
publica desde 7 se abril passado.
0 predio en que est collocada esta photogra-
pbia acba-se murto au|snentado, e s a parte desti-
nada ao estabelenroento conta cinco salas, inclu-
sive as do laboratorio. Todos os coacertos -e aug-
meotos tendo sido fecos expressamente para se
mentar ce.nwnteaietwnte a photographil, e nao se
podendo melher modelo escomer do que a Photo-
gntfiia Impa-M do Sr. Iasley: Pacheco do Rio de
Janeiro, o primeiro photograpnodo Brasil, e um dos
pnmeiros do mundo, secando a opiniao dos mais
abalisados mestres, a nossa photographia acba-se
disposta e reeiilieada pelo me;mo plano da do Sr,
I. Pacheco, a qual fei montada sob todas as regras
."ecommendadas pelos mais destnelos professures
de accordo com as moditicacoes necessarias ao
clima do Brasil, reconheeidis e estudadas pelo ba-
bilissimo e pratico Sr. I. Paoteco.
Todo o interior do predio em que est nossa
photopraphia fot mudado desde a soleira da porta da
ra at a cubera, lendo-se demolido todas as pa-
redi-s Dterinres tpara se fazerem as novas salas,
edificando-te um novo lerraco envidraejado mui
espaooso e eleganto.
Coaio sabido, Bzemos urna viagem expressa-
mento corte para examinarmos asmethores-pho-
tografihias all, e foi a do Sr. I. Pacheco, a que
melbor corresponden aos oossos desejoe e aspira
efies, e da quai troncemos os planos depois-de
alli ostorvnos todo um mez estudandoa abro-
veitaaao as lines de lio dlstincltflnestre. Pen-
samos qae juntando os ossos estados e langa
prauea'de:15^anoos de ptiotograpbia s utilissimas
lii;5ee ultiman ente receidas do Sr. L Pacheco.
tendo montado a nossa photographia como se
alia, podemos oflereoer ao Ilustrado publico
d'esta "bidade e aos nos-es Du.erosos Ireguezes
trabaHios de jrtiotograptia fio per'eitos, como se
poder desejar, e dislo -convencidos,-sptramos
que-eoiruui-m a dispensar-nos a inesma pro-
teccao com qae ha 15 aimos nos teui-honrado e
a j miado.__________________________
Monte pi popular pernam-
bucano.
De ordem da directora sao convi Jados todos os
senhorassociosfjra sfi'reooirea em assembl'.i
^eatl domingo 7 de agosto, alim de com e-pecia
iidade ppr Secretariado Montepo popular pernambucana,
2 *e agosto de K870.
6 secretan i.
Gandido Jos -do Ges Tettes.
H0.WATBK1A
Largo do Paraizo n. 8, no pri-
meiro anclar.
O abtixo assignado, proprietario deste estabele-
cimento avisa aos seas treuuezes e mais pe&soas
que reciben carteiras e tintaras por proco com-
modo, e por isso vende a 500 rs. o tubo de qual-
quer droga, e | um vidro de tintara, e compran-
do de 1005 para cima tem 10 de abate.
_________Augusto Xavier de Souza Fonseca.
ECHO DE ROMA.
Acha-se era distribuicao o d. 15 desta revista,
relatando minuciosa mete todos os aconteca en-
tes flo concillo do "Vaticano.
Contiua-se a flubscrever por 6000 rs. por um
anno.
NA
LIVRARIA FRANCEZA
HI1ST0KIA
O Gamnos da ra de imperad r n. 38, receben
peios oltimoi irts vapores cliegados a esto porto,
differentes genero* qo la* suas especiaes
e diversas qualidades, merece fazer^e delles es-
pecial meaco ; e avisa nao s ao seu (*scido
numero de [reguexes e amigos,- como tanbem
aquellos que nao toro querido honra-lo com suas
freguezias, encontrando i las IkuldaJes em suppnrem-se de bus geodrus, por
falta lalvez de quem lites indique com liimeza mu
esiabeleciraeaio que como o suu, pnssa com ga-
ranta, bem salisfazer as justas exigencias do res-
peitavel publico desta capital; que se acha seu
arroazam nrovido dos mais novos e fariidm gane-
ros, e limita-se a nomear o seguate :
Carite a. qoeijos do serto.
Prezuntos inglezes e portuguezes.
Gondoio (aova marca de bolachinhas).
Petit Pois'ao Benrte (ervilhas em manteiga).
Chocolate bespanhol a la< 00 a libra.
Conservas a /00 rs. o frasco.
Caf chumbado e de moka.
Rap IJaulo-Cordeiro (viajado e coraraum).
Guizados francezes (Truffc).
Superior champanhe*
Doces finos de goialia, laranja. limao e bananas
Farinha de mandioca
Veode-se farinba de mandioca, nova, de Santa
Cathanna, chegada no patacho portugnez Ullissa,
tundeado defxome do trapiche do Sr. Baro do Li-
vramento : a tratar no e.-cripiona de Jua^uim
Jos Goncalves Beltrao^ ra do Comuiercio n. 17,
ou a bordo do referido navio,________
Vende-se a casa terrea n. 11, sita em Oiinda,
ra do largo do Amparo, com excellentes rom-
modos e grande quintal, slo proprio : a tratar m>
Recite, ra da i'adeia n. S.
DA
Guerra do Paraguay.
Acbam-se publicados os dous primeiros voluntes
desta obra ; o terceiro e o quarto volurnes em
breve sahiro do prelo e assignam-te por iOjOOO.
NA
_________ Livraria 'rancea.
imo
!
PfQCisa.-se.de una casa nohairro de S-Jas que
tewh portlo no -quintil, para ter-se bolsi; asslm
como duas carrosas d> qwatro rodas : quem tver
inja-se ra doAiecrim-u. -60, que achara cora
quem !ivlar.
Casa aara alugar.
Oercciro andar rAIXEIR.
Ppecisa- ucs nara Jeja de fazenda fura da cidade : a tratar
no Mseu 'urilico a. 'ii.
-
Tachigraphia
Aciundo-se presentemente nesta cidade com.re-
sidenoia temporaria o professor do extinelo hyceo.
offereee se tomar sessi5es do jury ou de ostro
tribunal, ou anda de-qualquer sociedade potinca
ou scientilica por-urna gratMcacae razoavel : a
tratar oa ra Nova n. 4, das li il hora da tarde
dos diae utas.
[til
Precsa-*e alujar urna ama livre
trata-se
Carmo
ou escrjva :;
ao armazem a. 2, ra da -GambOa du
LIVROS PORTUGUEZES.
Brofa (Theopluto) Espirito do direito civil in 8o
br. UOOa
Coiratto (A A. de Souza) O Brasil em 1870,
in 8 br. UOOO.
Fvml fP.) Os casacas pretas, n 8 eicadernado
53100.
Gancalees(T.Torcato) A Violeta in 12 encader-
nado 3|Of30.
Grande (Q) Crne d-Auberviltiiert (Pantin) in 8o
br. 2*000. .
Josino Cdigo do processo, 2 volumes 12 enea-
dernado 8*000.
Leu do Brasil 1869, 2 volumes in 8 encader-
nade 10*.
Machado (i. C.) Quadros do campo e da cidade.
1 v. in 12" ene. 3,5000.
Malkeiros (P.) Procurador dos feitos da fazenda
nacional supplemento) l vol. in 8o encadernado
8*000.
Memorias do Mrquez de Santa Cruz (arcebispo
da Babia] i" vol. in 8o br. 3*.
Mftkoao de masica vocal, in 8o br. 3.
Nronha (Tito de) Passeios e digressoes, in 12
encadernado 3*.
Paginas d'Historia con stituclonal do Brasil, in
8 0*000.
Pinto de Almeido Estrellas cadentes, in 8o ene.
3*000. n
Sequeira, Arcbitectara civil, in 8 encadernado
0*000.
Todas estas obras eneontram-se a venda na li-
vraria franceza, rna do Crespo n. 9.
ALMANAR
DE
Lembraiicas Luso-hrasileiro
POR
Oastilho.
PARA 1871.
Roa do Crespo n. 9.
LIVRARIA FRANCEZA.
Precisa-se de urna ama : na ra do Apello
a. 31, 2 andar.
COMPRAS.
0 muzeo de joias-
Na ra do Cabug n. 4 compra-se ouro, prata
i uedras preciosas por precos mais victajosos do
lii" em outraqualqner parte.
Lora muito maior vantagem compiam-se
ooro, prata e pedras preciosas e 11 obras velhas: na
oa de jotas do Co.-acao de Oaro n. 2 D, ra do
1 .la Luga,
V1NDAS.
ULTIMA HORA
O Costa, ra das Cruzes n. 42, participa a
todos os seus numerosos freguezes, que pelo ulti-
mo vapor reeebeu algnns gneros de primeira qua-
lidade. a sabir :
Queuos Qameogos o que do raelhor se pode en-
contrar.
Bolachinha do fabricanteGondolo, pela primeira
vez vinda a este mercado, pelo preco mdico de
2* a lata.
Macaas de qualidade apreciavel. a
Amehuv em ,alas e frafC0?-
Gaz de primeira qualidade, que se vende a
400 rs. agarrafa e 8* a lata.
Alera das muitas e variadas qualidades de mas-
sas para .sopas, conserva?, quer de hervas, quer
de carne ou peixe, doces, vinhos, licores, etc., etc.,
tem velas estearinas a 610 rs. a libra.
Vende-se
tres portas ras de 1 egredo : a tratar na pharmacia americana
ra do Qneimado n. 15.
A Nova Esperanza
SiRa BHiqne de C'a\ias51
Quando a NOVA-ESPERANQA faz os seu.v
anuncios espodo aos seos freguezes e a
todos ero geral o grande sortimento e su-
periondade de seus objerlos nao com vis-
tas de atrair a attenco de urna grande fre-
guezia, como a de que actualmente despe,
e sim para scientiflear (a interese de todos)
a qaalidade de seus objectos os quaes sao
sempre de apurado gosto e pe feito; tor-
nando-se quasi indispensavtl para aquellas
apreciadores (do bom) frequenlarem a .No-
va Esperanca, pois que ella caprieba em re
ceber constantemente, o que ha de melor
relativamente a sua repariicao: o qae se po-
der verificar quando em ^ualquer reuniao
de pessoas (amantes doxiquej \-se um
bonito enfeite em um bonito vestido, um
aroma agradavel escapar d'um alvo lenco,
um moderno e linde lacAam diricado ra-
mo de finas flores, ete, ele, todos olham-se
reciprocamente e dizem com sigo (e as ve-
tes uns aos ootros) estes sao objectos
comprados a MOVA-ESPERANCA: realmen-
te !!!! procurar descrever em annnncios os
artigos qae contem dita loja, seria trabalho
insano e nunca o fariames com aquella
graga e perfeicSo com queseo elles fabrica-
dos, assim pois a NOVA ESPERANCA con-
tentase em convidar a todps gfiralrnente,
visitarem-na para entao flearam intei-
rados do que ha exposto na inesma loja.
*1Ra Duque le Casias 81
de
Joaquim Rodrigues la-
vares de Mello,
Praqa do Corpo Santo xa.Y
TEM PARA VENDER :
Cal de ^Esba.
Potassa pa Russia.
Vinho Bordeabx.
Farelo d^ Lisboa.
Farinba de iusG^ie-i.
nezas
-' .
Neste novo deposito recebe-se por todos os pa-
quetes lr;in-::.i'.i;--!S bichas de qualidade superior
e veodem se em i-aixa ou porcao mais pequea,
e mais barato do que em outra* ijiiahjuer parte :
na rna da Cadea do Recife n. 51. andar.
Aviso.
Xo armazn n. lo da ra Duque de Casias tem
Arando porco de [laitia para empamar cadeiraa,
vende-se muito hantc.
Vidros para vidracas de tudos os taraaulus
e em daixu, vendo bartholomeu* & <:.. em sua
pharmacia na ra lra do Rosario 11. 34.
TTHO

a-se 1:000*; a premio com hypoUieca em
bens de raz de dobrado valor neda dade : na
ra Nova, leja de ferragens n. 31.
Vende-se urna iboa ai maco esiitente na casa
do pateo do Terco o, 19, cedendo-se a chave ao
i-compradora ______________________________
Vende-se laa de canna a 80 rs. a libra, em
-porcao faz-se differenca : na ra de Hortas, ar-
mazem n. 3._______________________________
Veude-se peonas de ema. cera de carnauba
e "feijo em sacro : no ceriptorio de Moraes 4 Ir-
mo rna da Madre de Dos n. 5, t andar.
mezes
PARA
Duas pecas por mez
para pianito
Tres pe^as jior mez
sendo um para
canto e piano
Recife Provincias
8(5000 104000
I0000 liJOOO
Tres pegas por mez
sendo ara de canto
e piano
Duas pecas por mez
para piano fi
Recife Provincias
20*000
5000
24*003
18.0000
Uuga-se niu bom sitio na estrada do Arraial,
eom casa grande e ltimamente acabada, tundo as
eommodidade* oocessarias pare familia : 'ju^m o
pretender dirija-se raa Ia. de Marco a. *6, 1
anlar, que achara eom quem tracir.___________
Aviso ao publico.
Nao desejando perder as relacues 4e rommereio
e de amiude que feliuuente teunu adquerido nen-
ia cidade, venho declarar pur este jornal que me
cognome Jos, e que portante nada ertho co'n o
jiuzo qae *e far sobre qnalquer outra pessoa que
liver o mesmo nome de farma que eu.
Jos Simn.
Vende-se
ana obrado em Oiiadaemuma das melhores ras:
quem o pretender entendaso com o Sr. Luiz Jos
piao Costa, na roa da Lipa, ______
Vndese a taberna Mlaaa iua dos Guara-
ranes n. 10 : a tratar na mesma.
j Grande liquidaclo de I
iizendas b-trata*
A" RA f DE MVRCO N. 23. S
MADAPOLAO uno superior a peca a g
oSOO e 65 M
ALGODAOZINHO cora 18 jardas a en
28O0 a peca.
,\LGODaOZINHO superior marca T M
! eom 20 varas a 61500 a pee. S
! CAMBRAIAS brancas transparentes a *
[ 3i a peca. jg
CAMBRAIAS finas de cores, modernas fg
a 80 i covado.
\ CHITAS escuras matisadas e de cures g[
i miudinhas;a 20 e 240 o covado. S
CHITAS imperiaes do ultimo ^osto com
I cores seguras a 280 o cov*do. Bj
CHALES de merino pretc s e de todas gx
as cOres a 2io00.
LENCOS linos de cambraia a 25500 a *6g
COLXAS adamascadas superiores, de
I cores e brancas a Si. 5500 e 6*. M
CHALES ile cassa bordados du cor a ~5
25300.
BRAMANTE de linbo de urna largura *<
com 27 varas a 23, e com loque de cu- ji~j
pim a li. p|
Do-se amostras com penhor ra 1* jgg
de Marco n. 2j, loja de Manoel Das Xa- 2S
vier. SS
Ouque ae
Na loja da VERDADE connnBMe
er por baratissimos pfegos lodos os arti-
gos de miudezas e perfumaras do sen
grande e variado sui tiiaeittu, gjta.tMido
compradores toda a sinceridaue.
Lindas boaecas de cera e massa por ba-
ratissinw -prevo.
Espelhos doorados pa;a pendurar a
160 rs.
Agulhas de osso para, orox a 200 rs.
Pentes finos para segurar cabello,
320 rs.
Cbamins para gaz a 3S0 rs.
Garrafa com tinta atizarine a l^COO.
Dita com agua florida a W3C0.
Dita com dita dita a t#0( 0.
Tnico de Jayme a 45500 o frasco.
Frasco comoleo expresso de babosa,
240 a CO rs.
Dito com agua de Colonia de 300 a 10CCO
Dito com extractos finos a 10000.
Dito com sndalo verdadeiro a 1^200.
Latas com banha muito tina de 120 a
40 rs.
Sabouetes muito finos e diversas quali-
dades a 80, 160*240 o 320 rs.
Finas escovas para dentes de 320 e 50Q rs.
Ditas paxa tacto de ."00. e 600 rs.
Ditas para cabello a 5C0 rs.
Pentes para alisar com costa de metal a
320 rs.
Ditos ditos ditos de bfalo a 240 e 320.
Pentes para tirar piolho de 160' e 240 rs.
Paviospragaz/duzia a 240 e 320 rs.
Brincos de cores, inteiramente modernos
de 160 e 240 rs.
Pennas caligraphicas inrrito finas a 1)5400.
Ditas de lauca e mosir.ha a K'O rs.
Lindos babadinhos e entremaios de 500
e--15500.
Grosas de botos de lonra de 160 e
200 rs.
Ditos ditos para calca a 2WI rs.
Caixa cora papel amizade a 700 re.
Ditas com cnvelopes a S0 rs.
Ditas com obreias a iu rs.
Ditas com agulhas fundo dourado a
80 rs.
Thesoura para costura a 240 rs.
Linha de marca eaixa a 2?0 rs-.
Carriteis de nhas de Alexacdre de n. 70
a 200 a 10 rs.p
Grampos muito finos, com passarinhos du-
da a 200 rs.
Cartas francezas para jopar duzia 3,5000
Ditas portogriezas, dozia 15400
Papel aimaco supeiior qualidade resma
45000.
Lara muito fina para bordar libra 655C0
Fitas para debrum de sapato, pessa 160 rs
Ditas de lam para debrum de vestido peta
400 rs. '
Caivetes gr ndes cora molla a 400 rs.
Ditos grandes cora 2 foluas por 320 rs.
Rosetas pretas para luto, o par 100 rs.
Trancas de larn de caracol branca e de
ct6s de 40 a 100 rs.
Fitas para eos; peca 480 rs.
Alfioeies de laiao, carta ICO rs.
Sapafmhus de lara para ereansa de 400
a 800 rs.
Calcadeiras a 10 r.
. Gravatas de seda preta de. ii'O e 800 rs.
Ditas le crpxe, brancas e decores 500r.c.
Di:a de gorgfirao de cores a 800 rs.
Xa VcrdasSe rtw iuee de Ca-
xlaa m. o.
de 100 jardas a.
unvelopes muito
O preco d agsigrtatura, aprsenla aos Srfl. ass^nam'ea urna grande ecooomta;
porque se-torera a compraravolsa a msica que furnecemoa ao decurso de um anno,
Iba castat talvez mais. Portanto convidamos a todas as pwaoas, quer
'lesla^^^T^
redMMD
pelos va;
Ip<
Jeotitr,
sobre os
O
da E01
de msica para
de outras provincias, que (! casa, que promptamento Ihe serao reraetda a seus domicilios,
ios.
-i> aos ociantes 1 jas, quer desta'provincia ou
ora nossa casa, ibe faremos
lo, muito vaLttajoso.
Blondd, de
NUb AK-UAAfci
sortimento do
ttunlao artstica
De ordem d<> Se presidente sao convidadas as
commissdes parciaes ultimamente Borneadas para
agenciaren! doaatiw para o fm proposto em j-eo-
a 1 ao geral; para darem caula do resallada de rea
(rabalbo, o que u?ra lugar as lt lloras d: di a 4o-
miaco 7 do mez andante..
Itecife 3 de agoste de 1870.
No impedimento do i" secretan).
_______AdolphgTAiagodn Faria.
-r- Soaamo Goncatve Perrwra,*a Lar tem jas-
U e contra* da a compra da casa aiu na Estrada
Sova, periepccnte a Emilia Mara da Conceico,
jhlgar ere no praso -du tr"< dias.
Taberna a venda.^.
Vende-se a taberna da rna de Sao Rento n. 10
em Oiioda, 01a das mHhnres ras : a tratar na
mesma. 0 olivo da venda acnar-se o seu do-
no bastante doeate e necesitar retirar-se para
(ora.
Carvao paafe rftro
Vende-se em casa de Mills LatOaiu 4 C. a ra
da Crnx n. 38.
Veode-se 3 vaccas e 3 bizerros que dao an-
da algum leite e sao de boa qu^lidide, na povoa-
cao da Beberlhe, sobrado velho, jnnto a ponte :
quem pretender dirija sa ao dito sobrado que
achara com qnem tratar.
S.
bi
enestra.
'Y
de msicas para piano, edicoes
Jido sortimento de instrumentos
Socio
Quem prclar para taberna, coni algum capital
e prallca, dirjase i ra estrella to ri.>-:ario cu-
mero 17.
DEPOSITO
Roa da Cadea o.
Vepde-se p
segtfn-
Sant.Qualit fine, fine snperienr.
Surfine.Par e Vanille.
Qualit fine.
Por \$m
Lindes cortes de chita para camisa a 15800: na
rna do Crespo o. o, Hija da esquina.
sem segunao,
WA DUQUEBE CASIAS .^'. 4
(Anligaraa do (Jociniado)
Contina a vender ludo muito bom e
muito barato a saber :
Libras de sreia prc-la muito boo. .
Tesouras linas para unhas e co tu-
ra, a. ........ r ^
Papis de agoibas fraii-.ezas 3 ba-
lap a.........
Caixas com seis saboneles de fruta
Libras do ia para bordar detodss
as cores ;i.......
Carriteis de linha Al- xacdi .
Fraseos com azeile paja na '. s
Gravitas de cores oiotto linas a .
Gro/.as de boies matepersla li-
nissimo6 a.......
Pares de Invas de cores muito .i-
nas a 30 ti.
Noveilo de linha
Caixas com 100
superiores a.......
Pentes volteados para meninas a.
Tntenos com tinta preta a80rs. e
Pecas de fita elstica muilo fina a
Lata oom superior banha a 100 e.
Frascos de^oleoPhilocomo muito
lino a.........
Ditos ditos dito grande a. .
Frascos de macaca perola a. .
Frascos de extracto muito b nitos a
Duzia de sabuneles muilo unos a.
Saboneles inglezes a 000 rs. e. .
Frasco com agua de colonia Pivera'
Dito de oleo babaza a.....
Caixas de lamparillas a. .
Sabouetes a forma menino muito
superiores a.......
barbillas da doutrina fazenda nova a
Libr.is de linha surtidas de todos os
nmeros a.......14800
Babados do Porto, largos a 160 e 200
Capachos muilo bonitos e grandes a 700
Carriteis de reros preto, com 2
oitavas a........ 640
Agulheiros de osso enfeilados a, 240
! Libra de linha franceza superior
qualidade a........2^400
Caixas de palito do gaz a. 20
120
5C0
60
i& 000
6(1000
101.
500
500
500
500
00
oco
240
160
00
200
SOO
l,)0O0
240
500
720
lOO
500
00
40
240-
400-
1
(4
o -
= =
I*
Objectospara carros.
Solas de lustro.
Vaquetas de lustro.
tJaides largos e estraims.
Oleado preto para guarda ebuva.
Dito de cores para forro.
Lnnternas e vellas.
Botes de osso de Cores diversa.
ereditados cvlindros americanos para'pa
dara. ^
Itacliiaas para descansar .ilgndo.
Canos de ferro galvanisad >s, para agua.
Carrinhos americiuos para transportar fazenda;.
CigaiTOs da imperial
fabrica de S. Joo
de Ncther9y.
Onico Pernambuco caes da alian-
dega vtiua n. i, i' oda.
Formas do fer o
: venJo-so ua ra da Cadeu
n. i, armazem de S. Barroca.
Predio
Vende-se um sobrado de um andar sit
Pedro n. 1 a mi r na rna do Duque
de Oxias n. 34, loja de Guilherme Porto & C.
.


6
Diario de Petnambuco Quinta eira 4 Je Agosto de 1870.
:'

^m
\
JALVAUU Di
Pechincha sem rival!
Ra da Cadeia n, 45
Na bem conhecida e acreditada loja de Santos
Falcao 4 C.
Boneguins francezes de Cordavao para hornera,
cm perfeito estado a 7*000'o par.
Boraeguins a 7*000 !
Quem deixar
de comprar bombazioa preta de duas largaras a
000 re. o covado : na loja das seis portas em fren-
te do Livraroento.________ _______________
Vende-se
a armacao da ioj* da ra da Imperatnz n. 56, pro-
pria para qualquer estabeleciaiento, e alaga-se a
mesma loja a quera comprar a armacao : a tratar
na mesma roa n. 72, loja da Arara.___________
Aprovtitem aoccisi&o.
Vende-se urna loja concertada e pintada de novo
na travessa de S. Pedro, por ter seu dono se reti-
rado para fra : a tratar na ra da Imperatriz n.
i3, bazar acadmico. _____
Sitio em Parnameirim
para vender
Ainda est para se vender o sitio (Mho de Vi-
dro, em Parnameirim, ou Poste de Uebo, com
sobrado de um andar com 10 qdartoc, fogoes a
fornos de ferro, sonzalla para todos os arranjos,
bstanles arvoredos de fraotes, terrenos para
plaotacdes, boa baixa de capto), agua de beber,
tanque para banho etc. : qoem o pretender com-
prar enlenda-se com Jos Antones Guimaraes.
na ra do Aragio n. 13 (hoje Viseende de Pelo-
tas) at 9 horas da manhaa e das 3 as 5 da tarde,
na falta, na roa de Queimado, n. 1 loja, boje Ba-
que de Caxias. ^__^__
CEMENTO
O verdadeiro portland. S se venda na ru da
Madre de Dos n. 23, armazem de Joao Martius de
Barros
ATTENCO
CAF HUIDO A VAPPR
AVILLA IRMAO & C.
49 RA NOVA DE ANTA RITA 49
PERNAMBUGO.
Ha para vender nesle estabeleciment caf mui-
do a vapor e torrado a ponto certo, sem mistura,
empacotado em papel de estanto para se conser-
var sempre fresco. Garante-se a sua primeira
qualidade. Os apreciaderes do bom caf poderao
procurar nos principaes arraazens de moldados.
Para evitar falsiflcacao, previoe-se aos senhores
apreciadores que todos o? pacotes tero um rotulo
com a firma do estabelecimento.
GUSTAVE
CABELLEIREIRO FRANCEZ
51-^Ra da Cadeia do Recife61
Chama a attejtclo dos seos innmeros fregoezes, e do respeitavel pflblico ei
{al, para a segante tabella dos presos de sua casa, os quaes sao vinte por cent
luis barato do que em outra qualquer parte:
Cabelleiras para senboras a 5, Cadeias para relqgio a 54, 65,
30*, 35,5 e......404000
Ditas parhomom a 355, 404 e 304000
Coques a i*0, 4, 184, m,
W, 804 e.....504008
Pscenles a iAMfifc W, 2Q5,
254, 304 e .... .
bachos ou crespos a 34, 44, 54,
64,74, 84, Ue. .
Tranca de cabello para anoel
500 e.......
Tranca para braceletes a 104,
154, 804, 2&e.....
74, 84, 94, 124 e.
Corte de cabello,.....
Corte de cabello com fricco. .
ooftQQo \ Corte de cabello com lavagem a
404000
44000
champou.
Corte de cabellocom limpez da
cabeca pela machina elctri-
ca, nica em Pernambuco. .
Frisado ingieza ou francesa.
804000 Barba. ......
501
501
14001
xanima v ini>in%
No iraptcht itrio
rinha de mandioca e <
raodes : a tratar na roa do Vigario b. 16,
ar, escriptorio de Joaqnim Gerardo de Bastos.
*
?|
1400
501
254
GRANDE MVIMDE
Qaando a AGUIA BRRNCA, mais precisa scientificar ao respeitavel publico em
feral, e em particular a sua boa freguesa, da immensidade de objectos que uittoamen-
te tem recebido, justamentefquando ella menos o pode fazer e porque essa falta invo-
luntaria ella confia e espera Da benevolencia de todes que lh'a attesdero e relevarto,
continuando portanto a dirigirem-se a bem conhecida leja da AGUIA BRANCA ra do
Queimado n. 8, onde sempre acharo abundancia em sortimento de superioridade em
qualidades, modicidade em precos e o seu nunca desmenttido AGRADO E SINCERIDADE.
Do que cima fica dito se conhece qae o tempo de que a AGUIA BRANCV pode
dispr, empregado apezar de seus cusios no desempenho de bem servir a aquellos que a
honram procurando prover-se em dita loja do que necessilam, entretanto sem ennume-
rar os objectos que por sua natureza sao mais conhecidos ali, ella resumidamente indi-
car aquelles cuja importancia, elegancia e novidade os tornam recommendaveis, como
bem seja
ASSIGNATURAS MENSAES
Especialidade de pe titeados para casamento
Palles e soires
O dono do estabelecimento previne s I Recemmenda-se a superior TINTURA JA
Eanas. Sras. e aos cavalheiros que ha um PONEZA para enegrecer os cabellos e bai
laiaopara tintura dos cabellos e'barba, as-! *? J Expwicao Untversal
iduu para uun CQmQ ulQ prem(jIC|aj saurJe> por ser V0i
jim como um empregado smnte oceupa- latil, analysada e approvada pelas acade
lo nesse servico. mias de sciencias de PARS E LONDRES
MACHINAS PARA
COSTURA
Acabam de chegar ao GRANDE BAZAA
UNIVERSAL, roa Nova n. 22carnir
yiannanm copleto sortimento de ma-
chinas para costura, dos autores mais co-
nhecidos, as qaaes esto em exposico no
mesmo Bazar, garantindo-se a sua boa qua-
lidade, e tambem ensina-se com perfeico
a todos os compradores. Estas machinas
sao iguaes no seu trabalho ao de 30 costu-
reras diariamente, e a sua perfeico tal
como da melhor costareira de Pars. Apre-
sentam-se trabalhos executados pelas mes-
mas, que rauito devem agradar aos preten-
dentes.
Farello.
Vende-se saceos com 90 libras de farello ne-
vo do Chile a 4*500 : roa da Madre de Dtm
'^BASQUINAS
De Ciuny, brancas e pretas, do nltimp gosto : v*>
de-se na loja da Fita Azul, roa do Cabula n. 5.
%umm
Corpinhos de cambraia, primorosamente
enfeitados com fitas de setim e obras essas
caja novidade de molde e perfeicao de ador-
nos os tornam apreciados.
Fitas mni largas de diversas cores e qua-
lidades para cintos.
Leques uesse objecto muito se poderia
dizer querendo descreve-los minuciosamente
por suas qualidades, coree e desenhos, tal
o grande e variado sortimento que acaba
de chegar, mas para nao massar o pretn-
deme se lhe apresentar o que poder de
melhor.
ntremelos em pecas de 12 tiras.
Guipure branco e preto de diversas qua-
lidades e desenhos.
Ditos de algodo com flores e lisos.
Veos de seda para chapelinas e monta-
ra.
Meias de seda para noivas.
Ditas abertas de fo de Escossia.
Costumes ou uniformes para meninos.
Enxovaes completos para baptisados.
Touquinhas de fil, sapatinhos bordados' enancas.
Capellas brancas para meninas.
Grandes sortimento de flores finas.
Fil de seda, preto.
PERFUMARA
Grande e constante sortimento de dita,
sempre melhor quajidade.
Lindos vasos com p de arroz e pinsel,
Caixinhas com ditos aromticos.
Bonitos e modernos pentes dourados
para circular o coque.
Bonitos brincos de plaquee.
Aderecos e brincos de raadreperolr.
Caivetes finos para abrir latas.
Thesouras para frisar babadinhos.
Aspas para balo.
Novos stereoscopos com 48 vistas, as
quaes sao movidas por um machinismo
urnas substituem as outras.
Vistas para stereoscopos.
Bonitas caixinhas de vidro enfeitados com
pedras.
Ditas de madeira envernisada com vispo-
ras e com dminos,
Bollas de borracha para brinquedo de
e meis para ditos.
Camisinhas bordadas para ditos.
Diversos objectos de porcelana, proprios
para enfeites de mesa e de lapmhas.
LOJA DOS ARCOS
A
Ra do Crespo n. 20 A.
Alvaro Augusto d'ALmeida & C.
Este estabelecimento d8 fazendas finas e grossas j bastante conhecido como
am dos mais bem sortidos desta cidade acaba de receber directamente de Pars alguns
artigos especiaes que passa a mencionar.
Ricos cortes de vestidos de blond para casamentes.
Cortes de vestidos de seda de cr, de gostos inteiramente novos.
Brochad, fazendas de la e seda propria para vestido.
Foulard de seda de todas as cores, tambem para vestidos.
Fitas largas de seda para cintos, gostos escoceses e lisos.
Chapelinas de seda e de palha d'Italia.
Basquinas de seda e guipure.
Colchqs de seda e de 13a e seda.
Cortinados de cambraia bordados moito ricos.
Pannos de verdadeiro croch para jardineiras, sof e cadeiras.
Toalbas de linho de superior qualidade.
Bramantes, selicias. sguioes atoalhados.
Guardanapos, colchas, aaias bordadas camisas,
Cache-nez, baldes, camisinhas, sombrinba.
Madapoies de varias qua idades, saceos para viagem, mallas, tapetes, capa-
chos, alcatifas e muitos outros artigos que se vende por precos mdicos.
Tem tambem constantemente um completo sortimento de ESTEIRAS DA IN-
DIA para forrar salas.
3 portas n. 58, rmTieelBji Sar-
tas n- 53, anga loja do Braga.
O abaixo assigoado, doop deste antigo
esubelecimenlo, tetdo em vista apresen-
tar um completo sartiron*o de ferragens,
mindezas e cotileria, tem resolvido man-
dar basoar em olTsreoa pontos da Europa
os melhores objectos de sen etUbeltet-
meoto dos fabricantes mais conheoiUaa;
pelo qae convida au respeitavel publico
e a seos numerosos fregoezes, virem se
jrervir dos objeclo de sna carencia, aen-
de eneoitraro por menes 10 0(0 do que
em outra qaalqner parte, nm sortimento
completo de maehiaas para descarocar
algedau, do be conhecido fabricante
Cottorr Gin k C, dkas para costara, rau-
toreb para aoimaes ditas para fogo, moi-
nhos pira caf de todos os lmannos, da
fabrica do Japi, espingardas de dous ca-
nos e.de um, tanto iogtezas como trn-
celas, louea de porcelana, facas e garios
de diversa? qualidades e precos, bandejas
cbinezas, salitre, breo, barbante, enxofre,
papel e timalha de ftrro, ac, e agulha
para fogueteiro ; assim como encuatra-
i rao constan lmente grandt* porcao de fo-
i go do ar, e recbese enconneada de fo-
j gos de vista, alera de nm cen numero de
i objectos, que se tornara enfadonho nu-
mera-tos : venham roa Direita n. 53,
loja de Lenidas tito Loureiro, amiga toja
do Braga.
Vende-se ama rotula de aroarello em bom
estado : na cambOa do Carmo n. !6.
A
Gravalinhas de seda de cores para meninos, ho-
mens e sen horas a 320!!! : na ra do Duque de
Caxias n. 55. __________________________
Oleo de linhaca
Vende-se em casa de Mills Latham & C, ra da
! Cruz n. 38.
1 Veode-se urna balanca decimal em perfeito
estado, qne pesa 300 libras : no armaiem de Pau-
110 Jos Gomes 4 Climaco, caes 22 de Novembro
I numero 24.
BRACO DE OURO,
Ra do Imperador n. 26
O respeitavel publico encontrar nest
estabelecimento diariamente um complete
sortimento de pastelaria, bollos inglezea
podios, p5ds-del, prgsentos dos uftimo
ebegados ao mercado, salame de lion, bo-
lnhos finos de todas as qualidades para cb,
amendoas confeitadas, confeifos, bomboioB.
pastilhas, chocolate francez em libras, pat-
tilbas do mesmo .cartuxos e carteiras oo
seis charutos de chocolate cada urna, este
sortimento de chscolale do mais acredita-
do fabricante de Pars e o melhor que au
hoje tem vindo ao mercado.
Vinhos portuguezes, flgoeira moito supe-
rior. Os mais genoinos e superiores vinho
do Porto, moscatel e Setubal, o Ilustrado
publico encontrar neste estabelecimento
por commodos precos, fazendo-se abatimen
to a qnem -omprar era porc5o.
Os donos deste estabelecimecto tSo *
tem poupado a despezas para melhor me-
recerem a acoadjuvacio do illustrado pu-
blico.
60RA DA IMPERATRIZ60
DE
______* GUEIIIIIIO tfe C
N'este erande estabelecimento encontrar o respeitavel publico, um grande sortimento de fazendas, do mais apurado gosto assim como de todas as de primeira necesidade que se Ibes promette vender por precos mmto mais baratos do qu,
,im5or mrtP vKtn miA os novos socios desta firma adoptaram o systema de s vennderem OlXHEIft ; para poderem vender pelo custo, limitando-se apenas a ganharem o descont. As pessoas que negociam em menor escalla, nesta Job
^JKC os seu? sortimentos pelos mesmos precos que comprara as casas estrangeiras.
d.irem escolher. .^ n ...
Organdy branco com hstras lar-
gas e quadrinhos, a vara a 16000.
Todas estas fazendas, sao inteira-
mente novas e se vendem muito em c
conta, ra da Imperatriz n. 60, 5R
loja e armazem de Silva e Figuei- &
; SAMO AM.MO, S. JOAU K S. KE.UKU. Bk t%f do & G. ^
S Vendem-se as mais lindas poupel- ^^^^ %^&&W$$t&16i
* as de linho e seda com os ostos g Jfg^ca^^S!nT**
DO PAVlO
BONITAS FAZENDAS PARA A FES-
TA DE
SAMO AMONIO, S. IOO E S. PEDRO. 0
3
Vendem-se as mais lindas poupeli-
nas de linho e seda com os gostos
mais novos que tem vindo a este
mercado, pelo barato preco de-----
25000 o covado.
Sedas listradas, de furta cores, fa-
zendas ae muita phantasia a 2#O00
o covado.
Seda bismark, larga fazenda muito
encorpada o covado a 23500.
0
&
*
tt
Bonitas lasinhas largas com palma
de seda, covado a liJOOO,
Lindas agraciando lavradas covado
a 15600.
Alpacas lavradas de todas as co-
res, povado a 640, 800 e 1,51003
Bonitas lasinhas escossezas com
quadros e litras de seda, covado a
56D.
Finas alpacas lisas, sendo cor bis-
mark lyrio, verde, roxo, cinza, can-
na, azul etc., covado *6i0.
Ditas furta cores com as mais bo-
nitas cores, covado 500 rs.
55 Lindas bareges lisas, e com lista
** da mesma cor, fazenda inteiramen-
0 te nova, covado a 560 e 640 rs.
Bonitas lasinhas tapadas e trans-
parentes com grande diverstdade, o
covado a 600 rs.
Lasinhas lustrosas com lindas co-
res mitaco de seda, o covado a
320.
Lindos cortes de anadine, sendo
fazenda nova e transparente e de
muita phantasia, com 18 covados a
15(5000.
Finiss'mos crtes"de vestirlos bran-
cos bordados com todos os enfeites
francezes a 42(5000.
Cortes de ganga indianos, fazenda
inteiramente nova a 7(5000'
Ditos cbinezes com duas saias a
7,5000.
Ditos de la escosseza fazenda mui-
to b mita com fios de seda a 7i50oO
Finissimos organdys com lista de
cor e salpico, sendo fazenda de
muita phantasia, ojmetro 1(5280.
0
*
0
CASEM1RAS ESCOSSEZAS.
0 Pavo tem bonitas casemiras escosse-
zas com quadros grados e midos e outras
lisas com listras ao lado, sendo fazendo
muito fina que se vende mais barato, por
haver grande porcao.
CORTES DE CASE MIRA PRETA A 4:500,
0 Pavo tem os superiores cortes de ca-
semiras pretas enfeitadas pelo barato preco
de 4^500 rs. o cort,
CASEMIRAS RASPADAS A 800 RS. O CO-
VADO.
0 Pavo ende escolente fazenda de pura
la coa as cores escaras rauito proprias
para calcas, palitots, colletes e roupa para
meninos que frequentam a escolla por ser
urna fazenda leve, escura e de muita dura-
co, pechincha a 80J rs. o covado ou a
2*800 o corle de calca para homem.
FINAS BARGES A 640 RS. O AOVADO.
O Pavo tem as mais lindas bareges de
la sendo meias transparentes, com urna
s cor, tendo : lyrio, azul, rosa. Bsmarck,
roxo, etc., tendo muito boa largura e liqui-
da-so por 640 rs. o covado, por se ter fei-
to urna grande compra, assim como ditas
mais estreitas de urna s cor com listras
imitaco de seda a 560 rs. o covado, e pe-
chincha.
PECAS DE MADAPOLO A 35500.
O Pavo vende pessas de muito bom
madapolo, tendo 12 jardas cada urna, pelo
barato preco de 35500.
PECHINCHA EM ALGODAO A 4*000 RS.
O Pavo est vendendo pecas de algodo-
sinho francez, tendo 4 palmos de largara e
com 11 metros cada peca, pelo barato pre-
de 45000 rs.
CERA DE CARNAUBA.
Vende-se superior cera de carnauba em
saccas, mais barato do que em outra qual-
quer parte, na ra da Imperatriz n. 60,
loja do Pavo.
OS SETINS PO PAVO
Vende-se es mais bonitos setins de cores
e mais encorpados, proprios para vestidos
tendo de diversas cores.
Para maior commodidade das Exmas. familias, de todas as fazendas se do os livros das amostras, ou se mandam levar emjsuas casas, para melbor *..
ALPACAS LAVRADAS A 640, 900 -
1,000 RES.
CROCHE'S PARA CADENAS E SOFA'S.
O Pavao tem um grande sortimento dos
mais bonitos crochs para cadeiras, sofs
mesas, almofadas etc., proprios para co-
brir presentes e vende-se mais barato do
que em outra qualquer parte.
Algotio enfestado.
Vende-se urna grande porco de algodo
sinho americano com 8 palmos de largora,
proprio para lences e loalhas, tendo liso e
trancado, que se vende por preco muito em
conta.
LAS ESCOSSEZAS
LAS ESCOSSEZAS
LAAS ESCOSSEZAS
A 560 rs. o covado.
Chegou para a loja do Pavo, o mais
elegante sortimento das mais lindas laazi-
nhas escossezas com fios de seda, as quaes
fazem o mais delicado effeito, para vestidos
de duas saias, e vendem-se pelo baratissi-
mo preco de 560 rs. o covado.
SEDAS DE LISTA
SEDAS D" LISTA
SEDAS DE LISTA
a 25000 o covarto. ,
Chegou para a 1 >ja do Pavo um grande
e bonito sortimento das mais lindas sedas
de listas com as mais delicadas cores, tendo
entre ellas algumas que servem para lato, e
vendem-se pelo barato preco de 25000 o
covalo, pechincha
FAZENDAS PARA LUTO NA LOJA PAVO
Encontra o respeitavel publico oeste es-
tabelecimento am grande sortimento de fa-
zendas pretas, como sejam cassas france-
zas e inglezas, chitas pretas de todas as
qualidades, fazendas de la de \odaa que
tem vindo, proprias para lulo, sendo lasi-
nhas alpacas lavradas e Usas, canto, bom
basinas, merinos, etc. qae todo se vende
por preco barato.
PARA BAPTISADOS
Na loja cU Pavo venderse bonitos en-
chovaes para baptisados.
Cortes de casemira a 45000, cada um.
Vende-se bonitos cortes de casemiras
claras e escuras pelo barato preco de .45,'
ou a 25400 o covado, tendo duas larguras,
CORTINADOS PARA CAMAS JANELLAS
de 85, 105,125 e 165000.
Chegou para a loja do Pavo um grande
sortimento dos bonitos e ricos corttntdoi
bordados, proprios para camas e jioelUs,
que se vendem de 85000 0 par, at o mais
rico que vem ao mercado, e vende-se mais
barato qne em outra qaalqoer parte.
GROSDENAPLES PRETOS DE 1*600 AT 7*000
Na loja do Pavo encontra o respeitavel
publico am grande sortimento de grosde-
naples pretos de todas as largaras e qua-
lidades, tendo de 15600 o covado at 75000
e 85000, qae se vende por preco maito
em conta.
CASSAS FRANCFZAS.
Chegaram para a loja do Pavo as mais
lindas cassas francezas com delicados pa-
dres, tendo para todos os precos e quali-
dades, dando-se todas amostras, assim como
om Bonito sortimento das mais lindas chi-
tas francezas escuras e alegres, que se ven-
dem muito em conta, e tambem se do
amstras.
CHITAS A 240 RS.
Na loja do Pavo vendem-se bonitas chi-
tas francezas claras e escuras e cres'fixas
240 rs. o covado, e pechincha.
LASINHAS A 320.
LASINHAS A 320
LASINHAS A 320.
Na loja do Pa3o vendem-se elegante sor-
timento das mais lindas lasinhas lustrosas,
com listrinhas a imitaco de poupelinas de
seda e com as cores mais lindas que tem
vindo ao mercado, sendo fazenda que vale'
muito mais dinheiro, e liquidam-se a 320
rs. o covado, pechincha,
FECHIffCHA
EM CAMISAS DO PAVO A 45500 RS.
Vende-se um bonito sortimento de maito
finas e modernas camisas inglezas com pei-
to e coliarinhos de linho e punhos, pelo
baratissimo preco de 45500 rs. cada ama
e aos fregoezes qae comprarem dazias se
lhe far um abatimento, garantindo-se que
fazenda qae vale muito mais dinheiro,
liquida-se por este preco por se ter feito
urna grande compra: assim como se vende
am bonito sortimento de ditas tambem com
peito de linho bordadas e ditas de algodo
para todos os precos.
PANNO PARA SAIAS A 15000, 15280 e
15600 RS.
Vende-se bonitas fazendas {proprias para
saias sendo com bordados e pregas a um
lado, dando a largara da fazenda o compri-
mento da sata e vende-se pelo barato preco
de 15000,15280 e 15600, cada metro aen-
do preciso apenas 3 ou 3 1/2 metros para
cada saia pechincha.
Vestido hraaeos a l*Oe re.
O Pavo vende finissimos cortes de ves-
tidos de cambraia branca, ricamente borda-
das e com muita fazenda pelo barato preco
ROUPAS PARA HOMENS PARA TODOS
OS PRECOS.
N'este grande estabelicimento encontrar
o respeitavel publico um grande sortimento
de roupas, sendo palitos e sobrecasacos de
panne preto e cazemira, calcas e coletes de
brim branco e de cores, qae tudo se vende
mais barato do qae em outra qualquer parte;
assim como um grande sortimento de ca-
rnizas francezas e inglezas, e ceroulas tanto
de linho como de algodo e abundante sor-
timento de meias cruas.
VESTIDOS INDIANOS COM DUAS SAIAS.
O Pavo vende ama grande porco de
cortes de vestidos indianos, tendo duas
saias e tendo bastante fazenda, com os gos-
tos mais novos qu tem vindo, e liqoida-se
a 55000, tendo cada um seu competente
fignrino.
CASEMIRAS MESCLADAS A 35 G COVADO
O Pavo tem para vender bonitas case-
miras mescladas e bastante encorpada para
roupa de homens e meninos pelo barato
preco de 35000 cada covado ou 55000 o
corte de calca para homem.
Roupa por medida.
Na loja do Pavo manda-se fazer qualquer
peca de obra a vontade do freguez, para o
qae tem am perito alfaiate, responsabelisan-
do-se os donos do estabelicimento por qual-
quer falta que poasa haver, quer por de-
mora, quer por qualquer defeito na obra;
e para isto encontra o respeitavel publico
am grande sortimento de todas as fazendas
que desojar.
BRAMANTE A 4800.
Vende-se superior bramante com 10 pal-
mos de largura, proprio para lences, dan-
do a largura d'esta boa fazenda o corapri-
mento do lencol, sendo preciso para cada
um apenas 1 e 1/2 metros ou 1 e 1/4 pe-
chincha pelo preco.
SPARTILHOS A 5*000.
Vende-se um bonito sortimento dos me-
mores e mais moderaos espartilhos tendo
do barato preco de 55000 at 8000.
Cachenez.
Na loja do Pavlo veode-se um grande
sortimento dos mais bonitos cachenez de
para lia proprias para senboras, vendem-se
a 65009 cada um, na roa da Imperatrii
n. 60.
Chegou para este grande estabelicime&u
o mais bonito sortimento das mais moder-
nas alpacas lavradas de todas as cores, qu*
se vendem a 45, 800 e 640 res o covado
assim como om grande sortimento de alpa-
cas lizas de todas as cores ,
Basquinas.
A loja do PavSLo est, constantemente aberta, das 6 horas da manhaa s 9 da nonte
Chegaro as mais modernas basquina
ou jaquetinhas de seda preta, ricamente
enfeitadas a vidrilbo, tranca e setim prete
tendo de todos os modellos, os mais novo*
qae tem chegado e vendem-se por preco*
muito razoaveis.
POUPELINAS DE SEDA
POUPELINAS DE SEDA
POUPELINAS DE SEDA
a 25000 o covado.
O Pavo acaba de receber o mais ele-
gante sortimento das mais lindas verdadei-
ras poupelinas de linho e seda com os pa-
drees mais delicados qne tem vindo ao mer-
cado, tendo entre ellas cores proprias para
alliviar luto, e vende-se pelo barato preco
de 25000 cada covado, pechincha.
Cambraias brancas
Vende-se um grande sortimento das me-
lhores cambraias tanto victorias como tranai
parentes tendo de 35500 peca at a mais
fina qne vem ao mercado.
CAMBRAIAS BRANCAS A 4*000, A PECA.
S o Pavo vende pecas de cambraia
branca transparente, tendo mais de vara de
largura, com 10 jardas cada peca, fazenda
qne sempre se vendeu a 75 e 85000, qui-
da-se pelo barato preco de 45000.
FUSTES BRaNCOS A 640, 800 E 44500.
Vende-se muito bonitos fust5es branco*
maito flexivel proprios para vestidos de
senboras e roupa para meninos e vende-se
a 640, 800 e 15200 rs. o covado.
Csame a S40 re.
O Pavo est' vendendo bonitas cassae de
ceres fixas a 240, 280 e 300 rs. o eona
Brilhantea lasinhas.
S o Pavo, 640.
Chegaram as mais birlhantes HasiBhas com
as mais lindas cores, com palminhas miad
nhasassentadas as mais delicadas cores de
lyrie, cr d canna, cr de ganga e branco,
sendo estas novas lasinhas de moito boa
qualidade, tendo largara de alpaca e veode-
se 460 rs. o covado. i na da hnperatra
le. 60 loja do Ptife.
>-


Diario de Pernambuco Quinta feira 4 de Agosto de
1870.
-i-


arrr-
i
.

4| RESPMWEL PUBLICO
le concluir
immertiaas de tuyo ai memos de fazendas
z, C^i a (Ifennmi e .Garjbaldi e Arara, e teado resol-
rato per
Ros
om grande .abatim por isso con-
i e a seos amigos e .frqguie.s. tanto da pi ac como do maito,
flara rbes'lertmror de novo osen vstbelecinnvnto, e que todas as fazendas esiao
reunidas na leja e arinnzem da Arara na ra da Imperari n. 72. e que reaolveo-se
vender a aro i luja CaribaldK para Picar smenle com a da Arara, como cima
firatfto.
Attenpo.
Vende-se chitas frarlceias a 210, 280, 320
e 380 o ovado na foja do Arara.
ORGANDYS DE LISTA DE CORES1.
Vende-se organdys para vestidas de se-
naotis, fazenrla muito modernas a 440 rs.
o covado.
Brllkantinn mi ninssutlna de edr
Vende-se brifhaulin ou raossuiina de
cOr paTa vestidos a i 40 n envade.
RJSCADOS PHACEZES A 300.
Vendts-se recados fraticezes para vestidos
a 360 rs. o covado.
Chitas largas a 3?0.
Vende-e chitas escuras finas das largas
para vestidos desftnhoras, a 320 o covado.
Ditas rnatisadas escuras a 280 b covado,
ALPACAS LISAS A 500,
Vende-se alpacas lisas para vestidos de
senhoras a 500 e 640 rs. n covado.
LUZINHAS TRASPARENTES A 360 RS.
Vende-se llasrabas transparontes, para
vestido* a 500 rs., ditas tapadas a 400 rs.
o covado para liquidar.
ALPACAS DE LISTAS A 500 RS.
Vende-se alpacas de listas para vestidos
a 300 rs o cavado.
0MLHANTA BRANCA A 500 RS.
Vende-se brilbantina branca pira vestidos
a 300 rs, o cavado.
ALPACAS MaTISADAS 040.
Vende-se alpacas rnatisadas para vestidos
tfe senhora a (O rs. o covado. .
CORTINADOS PARA JANELLAS A COOO.
Vende-se cortinados para janellas a 63000
o par para lquid r.
SEDAS DE CORES A 1*000.
Vende-se sedas para vestidos a 1)000 o
covado.
CORTINADOS PARA CAMA V 14-iOOO.
Veade-se-cortinados para cama a 144000.
GOLLINHAS 'AMA SENHORA A 100.
Veode-se.iima grande porfi do gollinhas
para seriboras o meuinas. a 100 e 200 rs.
cadi urna pan liquidar;
CHITAS PARA CORERTAS 330.
Vende-se dulas largas para coberla a
l e 360 rs, o eosado.
MANGUITOS E COLLAS 500.
Vende-se manguitos e gollinhas para se-
ahora a 500 is. ditas de linho a 640 e 800
rs: cada urna.
CHALEN ESTAMPADOS A 2000.
Vende se i hales de merino estampados a
?5000 para liqnid: r.
CAMBRAIAS VICTORIAS 00000.
'Ve'hdV-se cambrias Victorias finas a
5000 6^500 e 7.*iOi). por ser liquidado.
ALPACASCOM PALM\S DE SEDA A 15000.
Vende-se alpatscom palmas de seda para
-stidos de senhtr.a a I aOO o covado.
RTES DE CHITAS DE CORES A 2$400.
Vende-se cortes de chitas de cores som
J0 covados a 2*5 500.
SOBTMTO COilPLETO
GRANDES
CHALES BRANCOS DE CASSA A 1*000
CADA UM.
COBERTAS CIIINEZAS DE CHITA A 2,J000.
Vende-se urna grande porcaode cober-
tas da chitas, chinezas para cama pelo .barato
pcesQ de 25000 cada urna.
Vende-e na loja do Arara 3;bakes para
qualquer estaljeiecimento por barato.presso
por nao se precisar d'elles no estabeleci-
mento.
RETALHOSDE CHITAS PRETAS E CASSAS
A 120 O COVADO.
Vende-se urna grande porco de reta-
Ihos de cm'Us e cassas pretas a I O rs, o
covado para liquidar.
COBERTORES DE ALGODO A 14400'
Vende-se cobertores de algodo cada um
1*100,
RRAMANTE DE LINHO FINO A BARATO
PRESSO.
Algodo raacado de duas lar-
guras a 1A00 x
Vende-se algodo transado de duas lar-
guras a 15200.
MADAPOLO ENFESTADO A 3,>500.
Vende se pecas de .madapolo de 12 jar-
das a 35500 a peca.
ALGODO A 45000.
Vende-se- pec-s de algodo encorpado a
45, 55, 65 e .75000 a peca.
Hadapolo a i*eOO.
Vende-se pecas de madapolao de 24 jar-
das a :>> 65 e 6500, dito rauito fino a 75,
85 95 e 105 a peca para liquid r.
ALGODAO DE 8 PALMOS DE LARGO.
Vende-se algodo com oito palmos de
largura propriu para lences e toalhas a 900
rs, o metro.
ALGODO DE LISTA A 1G0RS. O COVADO.
Veude-se algodo de lista proprios para
saias qu vestidos para escravas ou calcas e
carnizas para escravos por ser muito forte a
160 rs. o covado para liquidar.
Cortes de castor para calca a
& Vende-se coi tes de castor para calca a
500 rs cada um.
CORTES DE BRIM PARA CALCA A 15400.
Vende-se corles de brira de cor para
calca a 15400 cada umf
Brim pardo liso a OO rs.
Veade-se brim pardo liso, meio linho para
calcas para trabalho a 500 rs, o metro.
Gaugas para calca a Z SO rs.
Vende-se gangas inglesas para calcas e
patitots a 280 rs. o cavado para liquidar.
CORTES DECASEMIRA DE CORA 35500.
Veude-se cortes de casemira de cor para
calca a 35500 cada um.
Ditos mui o finos rom listas do lado a 55.
PERCALAS FIN iS A w.
Vende-se percalas finas, para vestidos de
senhoras a 440 rs. o covedo.
C'ssas fratteezas a *40.
Vende-se cassas francezas para vestidos
a 240 rs. o covado.
N. 25Largo do Ter^o*N. 28.
DE
S1M0 DOS SANTOS ft C
PR0GRESS0
10 Pateo da Penha
DE
10
S AUTOS & FERR IRA.
.Os propietarios destes tem iordo* armazeus participam aos seus innmeros
freguezes tanto desta prac* como do matto que tendo feito grande diminuico de pre-
cos as suas mercadorias estao por isso resohidos a vender por menos de 10 e 20 i,
do que ea. oira qoalqoflr parte, garantindo-se portanlo a s perior quafidade de qual-
quer genero comprado ueetas doue stabelecimeotos. Mencionamos alguns dos nossos
gneros e a vista destes sao comprehendidos os outros, poique enfadonho seria men-
cina-los.
Se alguem duvidar venha ver.
Vinagre branco mandado vir por conu Gaz americano marca Deve* a 85800 a
propna vindo de Lisbfta, a 320 a garrafa e
480 o litro.
"wnbTFigurtr., Lisboa, Porlo e EsttoHohJ^ '*' S^2ti08 f0^ "e
lita, 380 rs. a garrafa e 560 o litro.
Azeite doce de Lisboa a 900 e 15iKK)a
I.OJV
DO
760, 720 e 600.
Vinho branco puro de Lisboa a 640 560
a garrafa, em porcSo ha abatimento.
Vinho do Porto, engarrafado das melho-
res e mais acretadas marcas a 15000 e 15200
15500 e 25 a garra/a.
dem Bordeaux, Medoc e SI. Julien a
75500 e 65500, a duzia e 640 ra, agarafa. "^* ",LW
Genebra de Hollanda e laranJB doce aro- j aD"memo-
maticaa 65500, 75. 115500, a frasqoeira.;
Serveja Bass, lllers 4 Bell a .95800 a du-
zia em porco ha grande abatnenlo.
dem marca H e T e outras mareas a
5500 e 65, a duzia e 500 rs. a garrafa.
Assim orno ba o^iros muitos
Milbo alpista 200 rs. a libra e 440 o ki -
logramma e 55800 a arroba, em porco ha
abatimento.
QueijQS frescos do ultimo vapor a 35200
e 35400 cada um.
Aletria, macarrSo, talhariTn a 500 rs. a
libra e 15100 o kilogrammo em -caixo ba
Ia e 2 qualidade a 220
e 240 rs. a libra era caixa ha abatimento
Toucinlio de Lisboa,n,vuito alto a 400 rs.
a libra e 880 o kilogrammo, em arroba ha
grpwle -jjiffe renca,
gneros, vinho em ancoretas, azeitonas,
passas e figos, charutos finos de diversas marcas, marmeiada, bolachinkas de todas as
qualidsdes, peroia, Francy-cracynel, a, b, c, 'Mdium, mixed. soda Fancy-nic-nac, pa-
lace de Varieles, combinatio, Britania, doce de goiaba fina, chouricas, manteigas finas
franceza e ingleza, banha de Ballimoor, phosphoros de Sycuryt, Cognac, cha de diver-
sas qualidades, Canella, pimenta do remo, ervadoce, pomada, enxofre, bren, peixe
em latas de todas as qualidades, farinha de milbo americana, grandes molhos de sebol-
las, uestes dous rmaseos existe tambem graude sortimento de loucas propnas para ne-
gocio, que pelos seus commodos proco faz vantagem aos compradores-
GALLO VIGILANTE
. Rita do crespo n. 9
Os propnettrios dcste bem conhecldo estabele-
CimeBte, akm 4w muitos objecios que tinbam ex-
poato a aprneiacao do .respeitavel publico, man-
daram vir e ncaltam de receber pelo ult'pio vapor
da Europa nm completo e vanado sorumento de
(loas enrai fleficadas especialidades, as quaes e-
tio resolvaos a vender, como de sea costume,
por pr09 muilo banitinhes e commodo para to-
dos, com tanto que o Gallo...
Muito superiores luyas de pellica, pretas, bran-
cas e de mu lindas cores.
Mui boas bonitas gollinhas e pannos para se-
nhora, este genero que ba de mais moderno.
Superiores peuios de tartaruga para coques.
Lindos e riqusimos eneites para cabecas das
Ezmas. senhoras.
Superiores tranoas pretas e de cores cora ridri-
Ihps e som ellos; esta Cateada o que pode haver
de melbor e mais bonito.
Superiores e bonitos leques de madreperola,
marffm, sndalo e osso, sendo aquelles broncos
com lindos desenhos, e. estes presos.
Muito superiores meias flo. de Eseossia para se-
nboras, as quaes sempre se venderam por 30^000
a duzia, entretanto que'ns as vendemos por 20*,
aim destas, temos tambem grande sortimento de
outras qualidades, entre as quaes algumas muito
finas.
Boas bengalas de superior canna da India e
casto de marm cora lindas e encantadoras figu-
ras do mesmo, neste genero o que de melhor s i
pode dtsejar ; alera destas temos tambem grandi
quantidade de outras qualidades, como sejam, ma-
deira, baleia, osso, borracha, etc. etc. etc.
Finps, bonitos e irosos cbicotrahos de cadea e
de outras qualidades.
Lindas o superiores ligas de seda e borracha
parasegarar as meias.
Boas meias de seda para senhora e para meni-
nas da 1 a 12 annos de idade.
Xavalbas cabo de marfim e tartaruga panfazer
barba; sao mnito boas,e de mais a mais sao ga-
rantidas pelo fabricante," e nos por nossa vei tam-
bem assegcramw sua qualidade e delicadeza.
Lindas eTieilas capella para noiva.
Superiores agulhas para machina e para crox.
Linha muito boa de peso, frouxa, para encher
labvrinth.
Bons bcralhof de cartas para voltarete, assim
como os teios para o niesmo tim.
Grande e variado sortimento das melhores per-
fumaras e dos melhores e mais conhecidos per-
fumistas.
COLARES DE ROER.
Elctricos magnticos contra as convulsSes, e
fa^ilitam a doniiijo das innocentes criancas. So-
mos desde muito recebedores destes prodigiosos
collarc?, e continuamos a rccebe-los por toaos os
vapores, am de que nunca faltem no mercado,
eorao j tem acontecido, assim pois poderlo aquel-
tes qce delles precisarem, vir ao deposito do gallo
vigilante, aonde spmpre econtraro destes verda-
deros callares, e os quaes attendendo-se ao fim
para que sao applicados, se Tenderlo com um mui
diminuto lucro.
Rogamos, pos, avista dos objectos que deixamos
declarados, aos r.ossos freguezes e amigos a virem
comprar por precos muito razoaveis loja do gallo
vigilante.'rita do Crespo n. 7.
lil
A ruado Duque de L'uxiasn 21.
(AITIGA RA DO QUEIMADO)
Reeebe segninle ;
E Carleiras, charuteiras e [brieigarros de maltas
qualidades. .
Bonitas paftas par papis, sunplei rnatisadas.
Boas cala vaf4a* para costura com sua cempe-
16 DelkaS' caetes de marfim Jom o bocal de
^Modernos pentes de t.iriaruga,-8obresshindo en-
tre elles o* mimosos lelegtaphisias. ,.,
Oumiodoj wucadurts com dnas gavetas e bem
e! Port0 bauquet, o que de melhor lem appare-
cido.
Pnrt relngios demnitas quanaades.
Bons llheres para crian';*. '
Voftuarios. cliapozmlws, tnuca?, sapatosemeus
para ba plisados.
Toalhas e fronhas de labyrinlho. .
Chapeos echapelinaspaia senhora, moldes novos
e bonitos.
Chapozinbos gorros c bonets para meninos
meninas.
Contra as couvul&ors aas
as
criancas
Vende-se os vcnlarteirns collares na Nova Espe-
raaca, ra d>> Duque de Cufia* n. 21.
PAltA TING1R CABELLOS
para preto* ou ca>tanhis, rccclieu a Nova Espe-
ranza a verdadeira luiw inW.
^ PAKA ACARAR COM AS SARDAS
ou pannos, tem a Nova Esperanca o verdadeiro
lelede rosas brancas,
AGUADEHLOR1IELARANJA.
Vende-s-- na Nova Esperanra, ma do Buque de
CaX,pAPEL PARA ENFEITAR.SE BOLOS
receben-os mnito lindos a Nova Esperanca, rea
do Duque de Cexss n. 21.
PARA AMAGAR E AKORMOSEAR A PELLE
tem a Nova Espeanca es sabonetes de pos ce
arroz.______________________
_-------------
LOJA JO PAPAGAIO
Novo estabeemmento
OE FAZENDAS E ROUPAS FEITAS
Ra da Iinperairiz n. 40, es<|uiua do bePco dos
lis
UA DUQUE DE CAXIAS N. 7,(OUTRORA DO QUEIMADO)
DE
KISTOS
Este nov* estabelfcimento j bem conhecido nesta capital, os seus proprieta-
"ios fazem sciente aos seus freguezes e ao respeitavel publiee qne conservara sempre o
melbor e mais vado soriimento de fazendas para senhoras, bomens e meninos, sendo
eua especialidade euxovaes para noivados e preparos para salas.
Para noivas
Ricos vestidos de blond de seda bordados de duas saias o qne ha mais rico e
com todos o< preparos.
Grgara branco de seda, superior qualidade.
.Maulas de blon I com capellas.de flor de laranja : s na
Loja do Triumpho.
Ra do Duque de Caxias n. 7.
Ferteiros.
O novo proprietario deste estabeleciment, commnnia ao respeitavel publico
desta cidade, e especialmente s Exmas. familws, que est liquidando por precos bara-
tissimos, as antigs fazendas qne existiam ueste estabelecimento, alm das que abaixo
vio relacionadas, cuios precos merecem toda a attengao do respeitavel publico, que nao
deixar de com pequt-oa quantiarefaier-se.de qualquer quaUdade de-fazenda que pre-
cise. Previne-se tambem que a mesma loja tem^feito sortimento de fazendas moder-
nas, e continua a sortir-se das do.mais' apurado e escolhido gosto, que vender mais
barato qne qualquer ootia loja.
A LOJA DO PAPA JAIO alm d ter um grande deposito de roupas feitas, tem
um bonito sortimento de casemiras franezos, ingezas e allemas dos padres mais mo-
dei nos, e assim como pannos pretos, casemiras e panno fino cor oe pinho, aanl claro
e mais escoro, bnns brancos e de cores, fustes bran;os, e de coi es, gangas de linho
e brins pardos de todas as qualidades.
A LOJA DO PAPAGAIO tem contratado om ptimo mestre alfaiate perito no
seu ofOcio para exeeular qualquer obra da arte com a maior perfeiclo e esmero, e qual-
quer obra que nao que vontade dos freguezes, ficar para a loja, e manda-se
R Da ara 11
l'azer ou'ra.
Atoalbado de linbo fina,
e de algodio a -2-y
Algodlosinbo largo, para
Ibas a 1,5000.
a .'!:> o metro, \
Esguilo de linho de l&QVO a U a vara.
Chales de merino pretos muito grandes
lences e toa- a 3d.
| Dito ditos, estampados de 4,500 para
Alpacas pretas, de cores, lisas, de furta cima,
cores, e de listras. Fil de linho branco e preto liso, e de
Bareges com listrinhas de dillerentes co- salpico.
res a 320 rs, o covado. Grvalas de seda pretas e de cores, da.
Bols sde tapete aveludadas, para viagem, mais modernas que tem vindo ao mercado.
o preco e conforme o tamanho. Guardanapos de linbobrancos e pardos.
Bombasioas pretas. lisas, e trancadas. Grosdenaple preto de differentes prcos.
Bramantes de linbo, francez e ingleza; Lasinhas em cortes com palmas com 14
2(^500. covado por 64.
Bales de mossulina, brancos com fitis, Ditas lizas e delistas transparentes e ta-
e outros todos de panno com o feitio dos padas de differentes precos.
rame de [erro galvanisado em rede para cercas, gaiola?, ga'.linheiros etc.
Chapas de ferro galvanisado para cobrir casas.
Tachos de ferro estanhado para engenhos.
Cafres do ferro de Miluer e outros autores.
Chumbo em cano.
Dito em lemjil.
DUo em barras.
Dito em eintadas.
' Bstanho em barra c verguinba. >
Fotov de Flandits.
Arailos americanos para ladeira e vanea.
Carrnlios do mo.
Venezianas para janellas.
Machinas de descamar algodo de facao.
Dites de serra.
Ditas para cortar fumo. ,, ____i .
Ditas a vapor de forca de 3 cavallos e motores para 2cavallos, para mover as
machinas de algodo.
Cade!ras.ile ferro.
Caoisi do ferro.
Prensas para copiar cartas.
Balancas para pesar.
Oleo de linhaca em latas de ferro.
Trilhos de ferro'para engentaos
Bembas americana!.
Macacos de estivar.
Bataneas e pesos decimaes e outras.
Fogdes de patente.
Bnxofre.
Salitre.
Estopa larga e de boa qualidade.
Pcatelas para caminos de ferro.
Um grande sortimento Je ferragens e cntilaria.
AM1DIIDD pinrmaesuttco prtvilecUido
. HUniPrT1"! euccoasor
Bonlevard Sebastopol, OS. PABIB.
NOVAS ESPECIALIDADES A. WARIWER
Apresoiudis Academia de Stienciis e ao lniUlo e-Frufi.
lNCUbAU momento uu sotaccao rEITBITrU I OORATIVA dts
MOLESTIAS CONTAGIOSAS
do roltjnw de vm relogio, serrinn
de PtuLTao e Sbunoa sem os
onientes de fragitiaade.
mo-
e de
GASA CAVIN
de Otas, para senhoras e meninas
Basquinas de grosdenaples preto
dernas e de croch.muito enfeitadas.
Bretanhas de linbo, e de algodo.
Brins de linho trancados brancos
cores.
Brins de algodo,trancados brancos e de
coree.
Combraias brancas tapadas e transpa-
rentes, sendo inglesas e soissas de 8 paU
mos.de largura.
Camisas de meia, de flanella, branca, e
de algodo.
Camisinbas brancas de cambraia com di-
licados bordados, e enfeiladas de cor para
Sos.
Gambraias de cores a 40Q, rs. o metro e
a 800 rs. a vara.
Camisas ingezas, e francesas de linho, e
de algodo de pregas, lisas e bordadas.
Chapeos de sol de seda, merino ealpar-
ca de.diferentes cores, e mnito baratos.
Chitas para vestidos, francezas, de 240
at 400 rs.
Chitas para cobertas de 320 at 640 rs.
Cortinados de cambraia, e de fil borda-
dos para camas ejaaeloa de iOftpara sima.
Col. has de bati brancas a 3^500.
Dita de cotes 200.
Colarinhos de linhos, ingleies, eaWmes.
lisos e bordados..
Damasco de l, encarnado, a zul e a ma-
pello, escomilba preta.
Espartilhos de linho branco paca Sras.,
de differentes precos.
EM-PH11H
Graves
OOLLY3RIO
ESTOJOS
Contra as afleo;
Co a forma, e do Yoluoe.de om Porte-Moeda eoMwde
TOBO TaATAHENTO.
i paipebra, preparado ob a mema forma.
Madapolao ingiez de >> at 10,3 a peca.
Lencos de algodo, brancos de 2& a 3#
a duzia/
Ditos de cambraia de linho de 6# a 12^s
Ditos de esgoio de 6$ a8.
Mussulinas-brancas e de cores a 500 rs.
o corado,
Gorgures de 15a com ristras, fazenda In-
tehFamDte nova no mercado a 800 ts. o
covado.
Merinos preto, trancado e de cordo.
Paitos bordados e lisos, tant" de linho
como de algodo para camisas de homem.
Princetas pretas de differentes precos.
Cambraia branca tapada muito larga com
pregas e bordado, ba de tres qualidades
propria para saias de Sras., o preco ba-
rato.
Sedas pretas lavradas para vestido a
20500 o covado.
Sargelim francez e ingiez de toda ao co-
res-
Toalhas de algodo e de linbo de dif-
ferentes qualidades e tmannos.
Podos de linho para homem mnito li-
nos.
Meias ingezas,para Sras.,e para meninos
e para humeas, de difiranles qualidades
e de ledos.os tamanbos.
Paraiquem comprar paca on duzia da
qoalqner fazendaaan preco o costo ; para
diminuir o reUibo.
Dam-se as amostras de qualquer fazenda.
A loja do Papagaio acha-se aberta todos,
os dtas, at s 9'horas da nonte.
FrancistoVeixetra Menees
3 cordeiro previdenti
Hua do Sueimado n. 16.
Novo e variado sortimento de perfumar
finas, e ontros objectos.
Alm do completo sortimento de perft
manas, de que effectivamente est provida
oja do Cordeiro Previdente, ella acaba
receber um outro sortimento que se torc
aotavel pela variedade de objectos, superior
iade, qualidades e commodidades de pn
eos; assim, pois, o Cordeiro Previdente peo
e espera contirmar a merecer a apreciac>
do respeitavel publico em geral e de st
boa freguezia em particular, fto se afai
tando elle de sua bem conhecida mansidi
e barateza. Em dita loja encontrarlo c
jpreeiadores do bom:
Agua divina de E. Coudray.
Dra verdadeira de Murray & Lamman.
Dita de Cologne ingleza, americana, frai
eza; todas dos melhores e mais acreditado
fabricantes.
Dita de flor de larangeiraa.
Dita dos Alpes, e vilete para toilet.
Elixir odontalgico para conservaco
isseio da bocea.
Cosmetiques de superior qualidade e che
ros agradaveis.
Copos e 'tatas, maiores e menores, coi
pomada fina para cabello.
Frascos com dita japoneza, transparent
a-ostras qualidades.
Finos extractos inglezes, americanos
francezes em frascos simples e enfeitados.
Essencia imperial do fino eagradavel cha
ro de violeta.
Outras concentradas e de cheiros igual
mente finas e agradaveis.
Oleo philocome verdadeiro.
Extracto d oleo de superior qualidad
:om escolhidos cheiros, em frascos de difft
rentes tamanhos.
Sabonetes em barras, maiores e menor
para mos.
Ditos transparentes, redondos e em figt
ras de meninos.
Ditos muito finos em caixinha para barb
Caixinhas com bonitos sabonetes imitan
ructas.
Ditas de madeira invernisada contendo f
as perfumaras, muito proprias para pn
sentes.
Ditas de papelo igualmente bonitas, tai
bem de perfumaras finas.
Bonitos vasos de metal coloridos, a i
moldes novos e elegantes, com p de arre
e boneca.
Opiata ingleza e franceza para dente.
Pos de camphora e outras differenti
qualidades tambem para.denles.
Tnico oriental de Kemp.
Anda nal coquea.
IJm ontro sortimento de coques de n
vos e bonitos moldes com filets de vidrilhc
a alguns d'elles ornados de flores e fitai
astio todos expostos i apreciaco de qnai
os pretenda comprar.
GOLLINHAS E PNHOS BORDADOS.
Obras de ninito gosto e perfeico.
Fivellsu* e fttam para cintoa.
Bello e variado sortimento de taes objai
tos, Asando a boa escolha ao gosto do coa
orador.
Rival sem segundo
BA DO DUQUE DE CAXIAS N. W
Estou disposto a continuar a vender todas
as miudezas pelos baratissimos precos abai-
xo declarados, garantindo ludo, bom e pre-
Cos admirados.
Cai.us com 20 cadernos papel pau-
tado a......
Catatas com 50 novellos de linha
do gaz a........
Duzias de meias cruas superior
qualidade a. ..'
Pecas de babadinhos com 10 xa-
ras a........
Pecas de liras bordadascom i -
metros cada p ca a \ 5500 e.
Pecas de litas para cs de q"al-
quer largura com 10 varas a.
Escovas para unbas fazenda fina a
Ditas para denles a 240, 320,
400 rs. e..... -
Pecas de tranca lisas, brancas e
de cores a.....
Caixinhas de madeira com alfine-
tes fazenda superior a. .
Dozia de linha frxa para borda-
dos a WO rs. e.
Pares de, meias crtia para uu>
nos diversos lmanlas a.
Duzias de meias brancas muilo
finas para senhora a.
Pares de sapatos de tranca '<
Porto........
Pares t'e sapalos de tapete a. .
Livros (le misa abrevilos. .
Duzias de baralhos para voltarete
Sylabarios portngoezes .
Cart5es com colxe'.-'s : carreras a
Aootoaduras para colkte diversas
qualidades i.....
Cautas com penna de ao minio
boa de 320 a. ....
Duzia de linha 200 jardas Alexan-
dre de 40 a 200 e,
Caixas com superiores obreiss a.
Duzia de agulha para machina a.
Libras de pregos francezes todos
os tamanhos a.......
Pacote de papel com 20 quader-
nos...........
Caixas de phosphoros seguraba
muito superiores a
Reema de papel pautado superor
Resma de papel liso muito supe-
rior a .......
Garrafa com agua Florida verda-
deira a........
Quaderno de papel liso amizade
Carretis de nba de cores com
100 jardas a .......
700
400
30600
500
2,5000
500
500
500
40
400
50?
320
i^SDO
i'oOOO
i 500
15800
3f$000
m
2
. 400
505
1520"
40
25000
240
400
400
4O0
3560O
15000
20
20
ia mu k pars.
20Ra da Imperatrtz-^20
Farl d- I.essa.
Acaba de chegar a esta nossi nova Inja ie fa-
zendas jias um variada sortimento de fazendas de
laa e seda, como sejam : granadines do ultimo
gosto, popelinas de urna s cor, alpacas c laaii-
ntaas de cores, o que ha de mais moderno, tndo
por baratissimos prego?, brilhantina de core?, te-
cidos das indias, fazenda nova a imitacao de per-
cala, bales de dina flngicdo saia de cor com lin-
das barra, fustoes proprios para vestido e roupas
de meninos ; agora grandes e admiraveis pecbm-
chas, saias brancas com lindos frisados a 3,jri-
cos corpinbos bordados mnito finos a HJL, baloes
moderos de arcos a U, ricas colchas para cama
alcochoadas, sendo brancas e de cores, a 5, b e
74, cambraia victoria tina a 5a, ditas transparen-
te? a Si, 6a e 7*,chtas finissimas escuras e Jaras .
a 280, 300, 310 e 360 o covado, cassas de cores a
240, lencos brincos de cas?a a 2*500, ditas cbi-
nezesa3a500 a duzia, madapofeo Cn a .*
6aO0, e ronita superior a 74, 7*600 e 8*, algo-
daozinho largo proprio para lences a 6*, panno
de aLodao branco trancad,} proprio para toaloas
de mesa a 14600a vara, nramante para lences a
24000 e 3#m o qaeba de-melhor, esgiuao fl-
Dwsimo a2*100e2*300.avara. Mandamos as
casas das Exmas. familias para melhor poderem
escolher. Tambem temos completo soJtimento de
perfumaras dos primeires fabricantes franeexee e
inglems; as.peasoas que se dignarem vir a esta
loja teraooccasio de reconbecer a realidade ao
que annunciamos para nos jastificar.
Milho novo d Fer-
nando
Em saceos, grandes a preco commxlo : no ar-
maiem de Tasso Irmios C, rna do Amorim nn-
niero 37_________k_______________________
Cabellos
Vendem-se cabellos de todas as cores, qualquer
comprimento, qualidade superior, em eaixa ou
porco mais pequea : na ra da Cade do (Re-
cite n. 31, 1 andar. ______
& 3*Trarg* do*wano.- PNAMBUOO,'
Vende-se no arnazem de Roben Lightbnwn
4 C roa da Cadela n. 52, flo e barbante de todas
as qualidades, cores e grossuras, em grandes ou
pequea porcoes, estopas de toda a qualidadest
e UraurM. ^^____
Faruiha de mandioca de Santa
Catharina.
Da superior; vinda pelo patacho ingiez Shtij
Block i'ha partewacada.para conmodidade dos
coaipraores, e vende-ee nos armaxeos de T*ss
Irmios A C, no caes do Apollo, e rna do Am.nm
numero 37.
GbeMn iao afod#faA de *nry Feratar t,
. rna do ,Imperdor,.Bm earregamento de tas
de primeira qualidade; o qaal e vende em partidat
e aretaJboporinewpi^do,B'emBliaiiai-
quer parte.
Cera de Mmm velas
Tamanhos difiranles .deade i 16 por libra,em
caixas de nma arroba : no irmazem de1 Tasso Ir-
mos C, roa do Anurim n. 37.______________
LUVAS
Verdadeiras lava do Jonvio braocas e de cores,
viudas pelo ultimo vapor a 24500: na loja da Fita
Azul, roa do Cabog a. i
Vende-se un casa com urna garaoeira jan-
toa neto ca?a, com eanimoa de pedra e cal
com excelleate agna de beber, e com nma latan,
sita na estrada nova no Casanga : a uatar na
mesma.


Diario de Pernambuco
feira 4 de

1
I

SCIENCIAS ARTES,
MEMORIA

i
*'.
lo
de 1870
ir estudar
ncco para
SOBBK 0 PHOJECTO DE UM CANAL I
DAS AGUAS DO BIO C^PUUMRI
DA AO F.XM. SH. VICE-PniCMP
YINCIA DE PEIINAMBUCO, DESEMBARGAD OB
vi. o w-
IIECTOB DAS OBRAS PUBLICAS JOS Til!
PEBEIBA DE M \
ide da abertura de
prximos
com-
fHEUATICfcS B 8CIENCJAS P1IYSICA3 E
iENTE DO BOBPO DE E.NGEMHEIROS.
(Gwclmao)
Urna tentativa na bacia de um do-; pe'
unos confluentes do Capibaribe, podara
produzir bons resultados : bastava para
isso que os preprietarios dos engenhos com-
prehendidos deiitro da bacia fizessem a sua
cusa tantos acudes quantos fossern os pe-
queos corregos. tjue regassem as suas
propriedades. Esta despeza seria compen-
sada da alg'ima sorte, porque cada propie-
tario podena opportunaraeote utilisar-se das
aguas de seus acudes, para irrigar suas plan-
taces.
Os estragos causados pelas inundaras
na zona por onde passa este rio, sao ineal-
culaveis, principalmente de duas leguas
prximo sua fu. Comoj disse, ellr bi-
nba os mais bellos arrehaldes da caj'ia!,
onde estro situados ricos e bellos sitios e
propriedades.
as grand s iaundacoes toda esta zona
Oca sobmergda. as povoaces da Varzea
e C-uang, o rio transborda sobra sua*
margeos, e eleva-se a mais d 3 metros em
muitos pontos; a 'propria estrada do Cansa
g,.que at certo ponto serve de barragem
as aguas, que invadindo a Varzea, se es-
tnse at o Luoa, superada pelas aguas,
soffrendo em alguns lugares rombos de
maior ou.menor extenso, segundo a im-.
petuosidade da corrente. Tem-se observa-
do em mDitas clieias que os diversos pon-
tos arrombados sao sempre os meamos, o
que lem dado logar a exames minuciosos,
e verificado-se que estes pontos da estrada
correspondera as depressoes do terreno
adjacente. e se snppe que por ah outr'ora
tinha lugar a passagem do rio, ou sangra-
douro por occasio de suas endientes. A*
varzeas dos engeahos Poeta, Meio, Dous
Irmaos e Cordeiro, esto sempre sujei tas as
pequeas endientes.
As povoaces de Apipucos, Monteiro,
Caldcireiro, Poco, Casa Forte, Sant'Anna,
Parnameirim, Ponte de Uchoa. Capunga,
Torre, Passagem e Remedios, fleam intei-
ramente inundadas. A propria estrada de
ferro do Recife Apipucos em dous tercos
de sua extenso. fica submergida a ponto
de tornar-se intransitavel.
NSo sao os particulares os nicos que
sofirem prejuizos incalculveis as suas pro-
priedades, o governo tambem participa em
grande escala do resultado da impetuosida-
de das endientes do Capibaribe.
As ebeias que mais estragos tem causado
e de que se tem conhecimento, sao : s do
anno de 1842, 54, 66, e de 69, sendo esta
ultima a que mais prejuizos causn pro-
vincia. No mximo da impetuosidade de
sua corrente derrubou a ponte pensil do
Canxag e a di Magdalena, e urna outra de
propriedade particular no lugar da Torre ;
alm dos estragos feitos a ponte do Brum-
zinlio e grandes arrombos na estrada do
Canxag.
Causa do ver o estado em que fica a po-
pukeo d'estes povoados, quando assalta-
da inesperadamente pelo rpido crescimen-
to das aguas d'este rio, mormente quando
ella sorprendida durante a noute. S quem
Sem oceularmente presenciado os horrores
e calamidades de urna cheia com o sea
cortejo de males edamnos, poder ajuizar
a que perigos esto expostos os habitantes
de nossos suburbios compreliendidos m
zona das enenentes.
Alm d'estas cheias extraordinarias cima
indicadas, e que parecem tir um periodo
certo, observa-se quasi todos os annos
ebeias, que nao invadindo o todo de cada
povoado, nao deixam de inundar a parte
mais prxima do leito do rio, e que fica em
nivel inferior.
Nao ha propietario d'estes suburbios,
que depois de urna cheia, nao tenha de las-
timar os seus destrocos ; os .que menos sof-
frem veem por trra os embeMezamenlos
de seus jardins, estragadas suas hortas e
destruidas suas plantacoes.
Os males provenientes das inundaces r\5o
se restringen! ah, alm destes temos o
desapreciamento das propriedades que se
achara no permetro das cheias, o que mui-
to concorre para o pouco incremento que
actualmente se observa.
Se o governo tratasse. de remediar estes
inconvenientes, em pouco tempo a proprie-
dade teria o duplo do valor hodierno ; e
bem assim novas ediocaces surgiriara por
encanto nos lugares presentemente abando-
nados.
Assim, pois, o meio que a primeira vista
se oflerece, lancando os olhos sobre a carta
topographica da cidade e seus arrabaldes.
a abertura de um canal com proporcoes
taes que possa dar um fcil desvio as ebeias
do Capibaribe. Pelas depressoes que hoje
se observa nos terrenos adjacentes a este rio,
se v que outr'ora elle, qaando transbor-
dava, segua a directo das depressoes,
como um saogradonro natural; evitando
assim o rpido crescimento das ebeias.
Dous estndos de canaes se tizeram : o Io
mandado estndar pelo engenbeiro Dr. Ma-
noel de Barros Barreto, o segundo por esta
repartico, sendo encarregado o engenbeiro
do segando districto Joaquim Galeno Coe-
lbo.
O tracado do primeiro estudo parte de
um ponto do rio cima do Caxang, e passa
abaixo da povoaco da Varzea. Principia
este canal na sua origem por urna curva, se-
guindo depois em liaba recta al encontrar
a estrada de Gequi, segu depois urna cur-
va a quai encontrando-se com as aguas do
Tigipi, segu urna recta al a ponte de Mo-
tocolomb, tendo a sua extenso total
7, O canal assim tragado atravessa o riacho
do Cavaco, o qual serve de motor bydrau-
lico ao engenbo do Meio ; neste ponto de ve-
se construir urna bomba sypho por bai-
xo do leito do canal, afim de nao damnificar
o ser vico do mesmo engenbo.
O tratado d'esto canal tem dous inconve-
nientes, o primeiro, passar abaixo d
voacao da Varzea, -deixando-a sujeita a
Chentes, o segundo nao se ter procurado
as depressoes mais favoraveis do terreno,
apenas se teve em vista urna recta sera se
attender a economa que disto poderia re-
saltar.
Io Se havia |
um ranal entre os 5
dos rios Capibaribe e
di da entre o:
so negativo era possivel des-
viar as agu* do Capibaribe- pelo leito do
*, porque d'esta sorte seria este des-
vio pouco dispendioso, por ser ntilisado'o
seu leito.
Qumtq ao primeiro qusito o mesmo en-
genheTP, depois de fazer nm reconhecimen-
to n.) terreno indicado, verificos ser muito
despendiosa a abertura do canal por ser
mnito accidentado o terreno, e ter de ex-
tenso, entre os pontos mais prximos,
cerca de 6.000 metros.
Quinto ao'segundo qoisito, reconbceu
depois do estudo de nivelamento, qua o
leito do rio Tigipi, na distancia de dons
kilmetros do Capibaribe, era mais elevado
que este treze metros, e que por isso era
absolutamente impossivel conduzir por este
rio o canal de desvio. Depois de ter feito
este* dous estados preliminares, tratorf de
estudar outra zona, que mais se prestasse
a abe/turo de um canal sem grande des-
pendi, lirando partido das depressoes dos
terrenos mais faoraveis aotracado. Guia-
do pelas instruecces indicadas por esta re-
partido, e desejoso de prestar esse servico,
o engenbeiro Galeno, nSo se poupou es-
forcos, e cora prespicacia estudou s de-
pressoes do terreno e a -ua melhor zona;
o que feito, tracou o projecto do canal, reu-
i.inilo a seguranca e o bom xito do pro-
eta urna calculada economa. O canal
tem de ser comecado na margem direita do
Capibaribe, e em frente ao engenbo S. Cos-
me, cosieando os outeiros do eogenhoS.
Joo, e lendo tres corvas ; a primeira com
'-jum raio d* 440 metros, a segunda com um
raio de 720 e a teroeira com um raio de
700 metros, depois encontrando um Ierre-
n i do varzea, costeia os engenhos Curado
e S. Paulo e estendese em liaba recta, at
junto a estrada da Victoria, no lugar do Gi-
qui ; a partir, d'este ponto segu urna
curva com um raio de 4,420 metros, depois
em linba recta, terminando na ponte de Mo-
locolomb, onde encontra o rio Tigipi,
com urna curva de 640 metros. Coofun-
dindo-se assim a3 aguas do Capibaribe, con-
duzida pelo canal de desvio, com as do Ti-
gipi, passam pela ponte de Motocolomb,
situada no bairro dos Afogados, no comeco
da estrada do sul, e na distancia de 4,4 ki-
lmetros da capital, vindo a mistnrar-se
com as do seu ramal que passa pela ponte
dos Afogados.
Nao ha o menor receio de endientes no
rio Tigipi, porque alm de ter pequeo
curso e urna largura que varia de 5 a 8
metros, a sua bacia muito limitada, e mes-
mo porque no ponto de junecio do canal
elle tem cerca de 70 metros de largura, e
hanhado pelas mares vivas que abi se
espraiam.
O canal projectado e preferido oque tem
o seu comeco em frente ao engenbo S.
Cosme, com a extenso de 8,246,70 em
metros ; tendo a principio urna largura de
40 metros e terminando com 70, ficando o
seu leito um metro superior ao do rio Ca-
pibaribe, ecom om declive de "'0,000,55
por metro.
Com estas proponaos este canal aufere
grandes vanlagens, porque tendo elle no
seu comeco urna largura de 40 metros,
isto dous tercos da que tem o Capibaribe
n'este ponto, vai alargando de maneira a
terminar com 70 metros.
Se attender-se ainda que, o volum das
aguas das endientes deste rio, vo pouco e
pouco se accumulando por falta de fcil es-
coamento, e. que afinal ellas se elevam a um
ponto tai, que inundam no s as suas re-
banceiras, como os terrenos visinhos; im-
mediatamente se reconbecer que a abertura
du um caual as proporcoes do projecto,
satisfaz perfeitamente o im para que des-
tinado.
Aeresce mais que tendo o canal apenas
um metro de diflereuca de nivel, logo que
as aguas do.rio augmenten* de volme, elle
ir daudo sahida a proporco desse aug-
mento, resultando d'isto pouca elevaco das
aguas do rio abaixo do canal ; e ainda
mesmo que o volnme das aguas antes do
desvio, crespa rap.damente, este augmento
ser diminuido pela maior velocidade que
necessariamente ha de ter a corrente do
canal, devido a diflerenca de nivel.
Cin virtude do prompto escoamento, que
as aguas, certamente bao de ter no le to do
canal, cuja velocidade ser nidior do que a
do rio, por ser a extenso do mesmo canal
menor o que a deste, observar-se-ha .que
seuao acumulando as aguas das endientes
abaixo do desvio projectado, nao ha rajo
para se receiar as inundaces, que tantos
estragos tem causado en nossos arrabal-
des.
O rio Capibaribe a partir do ponto da
abertura do. canal, tem cerca de 20 kilo-
metros at encontrar as aguas do canal pro-
jectido ; em quanlo que as aguas d'este
apenas percorrem nove kilmetros at a sua
juneco com as do rio. Daqui se conclue
que, lendo menor distancia a percorrer as
aguas do canal do que as do rio, necessa-
riamente maior velocidade dever ter e por
tanto maior volume d'agua desviar.
As enebentes d'este rio no anno passado,
tiveram lugar a 10 de fevereiro, 20 e 2i de
maio ; a primeira destas foi a que mais
damnos causou, pois desmoronou tres pon-
tes, alm dos estragos feitos as estradas e
as bombas. Nesta ebeia, na ponte do
Canxag, o rio elevou-se a 7,48m cima do
seu leito natural ; no lugar do Monteiro a
5,70"
as duas
na ponte
cheias de
rio, foi inferior a 0,70 na
xang, a i,10m no povoado
da Magdalena a 2,64.
maio, o crescimento do
ponte do Ca-
ito Monteiro e
i,2> moa ponte da Magdalena.
J ti vemos este anno de lamentar os es -
tragos das cheias de 25 de maio do corren-
te annoj e tomando esta quasi o mesmo vo-
lme d'agua, que as de maio do anno pas-
sado.
Esta cheia, alm dos estragos causados
na est ada do Canxag, derrubou um dos
ramaes do muro de encost desia ponte, o
qual sempre resisti as ebeias passadas.
E' tal o volume das agnas e a rapidez de
seu crescimento por oocasiao das ebeias,
que ebega a ponto de inundar o espaco
comprebendido entre o bairro dos Abroga-
dos e os povoados da Varzea, Caxang,
Apipucos e todos mais K arrabaldes, que
margeiam o Capibaribe na extenso superior
ama legua qu adrada, variando o nivel das
aguas de 1 3 metros cima do terreno
segundo as suas depressoes.
A D^Bi^Bmi' do Caxaoff tinha 54 me- i
apezaf^^^^T
pejas agfas
------
aba me
om metro de altura
mo comprimo.
A ponte da Magdalena, que tamben foi
arruinada pela mesma cheia, dista cerca
44 ki ometroi da,ponte d'o Caxang, e tem
98,25 m. decomprmento sobre 6,20 de
altura.
Comparando-se as djoensdes destas duas
pontes, a do Caxang e a da Magdalena,
v-sa que a primeira mais elevada que a
segunda, emquanto que esta tem mais com
primento que aquella; comparando-se ainda
as suas seeces, observa-se que pouca diffe-
renca existe entre ambas, pois que a seccao
da primeira tem 588.6 qoadrados, e a se-
gunda m. 589,5 da superficie.
Tendo, entretanto, este rio, no poeto que
se pretende desviar, cerca de 60 metros de
largara e 8 metros de altura media, e ele -
vando-se as suas aguas as grandes eneben
tes dons metros s suas ribanceiras. v se
que o volme das aguas deb.tado por este
ro, sopposta sua velocidade seja de om
metro por segundo, superior a 32,400 m.
cbicos por espaco de um minuto.
Comparando-se agora este volume com o
do canal de desvio, que tem 40 metros de
largara e 8 de altara e debita 49,200 me-
tros cbicos supposla igual velocidade, re-
sulta que fhando reduzido o seu volume a
menos da metade. em virtude do escoamen-
to do canal, jamis a elevaco de suas aguas
inundar os pontos mais abaixo dos nossos
arrabaldes, porque elles esto superiores a
5 metros do lveo do rio, altura essa maior
que a metade da altura a que tem ebegado
as maiores ebeias conhecidas.
Do que acabo soccintamente de'expr se
observa claramente a grande otilidade a o
importante papel qne este canal vem repre-
sentar nos melnoramentos materiaes, que
aguarda esta grande e bella cidade, como
prenuncio de sua grandeza futura no des-
envolvimento da riqueza publica e parti-
cular.
Tendo descripto as vantagens, que aufe-
re este grandioso melboramenlo, passarei
a apresentar o seo, orcamento, constante
das obras do canal e das qne Ihe sao ac-
cessorias. Antes de faz-lo, entrarei na
apreciaco dos volumes de aterro a escava -
C5es de ambos os projectos. O projecto
organisado por esta repartico tem a eiten
sao de 8,246,7 metros, emquanto que o oa-
tro tem m. 7,640,7 de comprimento ; com-
parando agora os sens cortes transversaes,
se nota que os destes sao mais profundos
que os daquelle, d'onda resulta maior es-
cavano a fazer-se neste, maior aterro
naquelle, o que se demonstra pela tabella
que abaixo se segu. Alm das obras de
atorros e escavaces do canal, sio necessa-
rias as seguintes: urna ponte de ferro so-
bre o canal na direceo da estrada da Vic-
toria ; ama ponte de madeira sobre o mes-
mo, para dar commuoicaco aos engeahos
visinhos ao dito canal; e ama bomba em
forma de sypho para escoamento das agnas
do riacho Cavaco.
lome em letras de onro, e
heneaos a soa me-
4erepot!sar dos rigores e das
da guerra ; entrando nu amante no"
eu-se mais | remanso da paz, e no sanctu familia;
>s vossos dedicados comprovin-
em signar de aprlto, rennem al-
Somas, flores aes lourer immarcesseveis,
que engrinaldam as frpnte*. ficai
teertos, sfBbores. que, e^borifjps bomens,
deslufirbrados pelos interesses e paixes
mesquinbas, deixam aigumas vezes de aqui-
latar o verdadeiro ment, para a mocidade,
que nao tem a alma envelcida pelacorrop-
Cao, o patriotismo ainda urna religo,
um ideal perfeito, que se ba de realisar
um dia.i <4
E termineu propondo um brinde aos pa-
triotas ro-graodenses, om filbo do Rio-
Grande disse :
t No solio da patria gloria
Certo nos cabe um degrau :
Rio-Grande esmalta a historia,
Qaando nosfere Nassau ;
Das guarairas os estragos,
Os penbascos d'os Res Magos
Sao d'esta gloria pdrao ;
Pedro Mendes alli-prima,
Jaguarari vai por cima .
Do raajs leal coraco !
TABELLA DOS
ATERROS
CES.
E ESdvF
1 %

ex 8
C
P 1

( * D
o
s
o
>
t
n
/ 35

J4
os
V.
*> I
2
o
S
g-
s
25

o
t
o
s
s"
Os
en
n
>
>
n
-j!
v.l eo |
\ e ** *
i * c>
i o O
i X r>
M

( 2 o-' en
>
H
Pl
=5

O
I
is
(ZlO
z
oo
PJ
F
o
P5
T5
SO
O
Sn
35=
5
' &
c
'" o
fe
Ornamento das obras a fazer-se com a aber-
tura do canal de desvio do rio Capibari-
be e as obras d'arle accessorias.
4,446,757 metros cbicos de
aterro e escavaco a 400
ris.................. 578:702^800
Urna ponte de ferro de 60
metros de comprimento.. 60:OOO|510OO
Urna dita de madeira de 50
metros................ 46:000^000
Urna bomba em forma de
sypbo................ 40:#00d000
Eventuaes............... 15:297^000
680:0Q0000
" A primeira vista esta verba parece ser
muito elevada, e um bice realisaco de
to importante melboramenlo ; mas se o
governo geral se dignar attender aos direi-
tos que assistem esta provincia, cuja arre-
cadaco sobe a 45,000:000^0000 animal-
mente, ver que a concesso de um por
cento desse rendjmeoto, dentro do espaco
de 4 anuos e meio, ser sufficienie paja se
levar ao cabo urna empreza de tanta mag-
nitude e otilidade. N
Recife, 46 de julho de 4870. '
Jos Tiburcio Per eir de Magalhes.
YARIEDDE
Voluntarios 4o Rio Crandc do
Norte.
(Conclus&o.)
Desculpai, senhores, se evocando a
lembranca dos bsroes, que cahiram na re-
frega, eo ouso annuviar a usta alegra,
que ressombra de vossos rostos.
t E' que a alegra sempre precorsosa
da tristeza ; o martyrio a partilha das.grac-
des causas; e o desenlace da vida essa co-
roa de cypreste que chamamos inorte. Mas
a mor te nao an ni quila os horneas ; e os
hroes, renascendo para a outra vida, im-
raortalisanne para a gloria! A historia' ba
< Nem somant o nome voa
Do fero, bravo Poli;
Se o Bebiribe resoa
Tambem corre o Potmgi!
Quaodo as vagas' balanceara.
Quando as maltas tem pesteo,
Ergue a frente o Potiguar!
Quando o raio a morte espsnde,
Nos montes do Rio Grande
Folgam tigres de bramar 1
O intelligente capillo Getulio agradece
com a franqueza cha o soldado as genero-
sidades de seus comprovincianos, por si, e
seus briosos companheiros.
Eram cinco horas e meia.
S. Exc. o Sr. vigario capitular, 4 quem a
Providencia amerceoo-se de entregar o peso
de Ilimitadas obrigaces; embra nao be des-
tinga a batina, que o amortalha, disse elle,
o amor sua trra natal, com tudo nao
pode continuar a deliciarse na fraternidade
de seus patridos; antes, porm. de retirar-
se agradece, em nome do Rio Grande do
Norte, a todos os Qlbos d'ootras provincias,
all presentes a honra, que Ibes fazem :
Deram-se repetidas vivas aos paraenses,
cearenses, parahybanos, e pernambucanos.
Continuoa entreunto a festa, crusando-se
os brindes, com geral. e crescente espanso
de contento, sendo notavel a recomraenda-
Co solemne, que o Dr. Tarquinio fez a seus
comprovincianos de seo especial amigo, o
estudante Almino. Foram relevantes os
servieos dos Srs. Moreira, irmaos Arrodas
e Dr. Lian aquello banquete da familia rio
grandense.
E por n5o desmerecer de brho o pri-
meiro entfiasiasmo, compareceu emfim o il-
lustre poela bahiano Guimares Baptista, e
fallou ao Rio Grande do Norte na linguagem
dos deoses.
Sentimos nao poder transcrever suas poe-
sas.
Fizeram-se os brindes finaes aos volunta-
rios da patria; o Sr. Alminq ainda recitou os
seguintes versos:
< Patria, acorda ; que a fronte laureada
Beija o sol de leus jovens guerreiros!
Brama a gloria na voz da lifada ;
D'as orchestras desata o pegao !
D'oiro, e rosas, e ail se recama
Outra vez nosso co turquesado ;
Patria, acorda 1 0 tributo gaobado
Paga aos bravos da brava naco !
Voluntarios da patria, a victoria
D'aurea luz vossa fronte engrinalda ;
Recumbindo nos louros da gloria,
Ide as glorias da patria fruir I
Como os Fabios de Roma nao morrera,
Porque o tempo. o valor nao consom
Voluntarios da patria, este nome
Ha de eterno dize-lo o porvir!
Os voluntarios ergueram vivas naco
brasileira, S. M. o Imperador, e ao Rio
Grande do Norte; a orchestra tocou o bynno
nacional, e despedio se o convivio. Foi urna
festa sem estrondo. nem apparato, mais ver-
dadeira nenie patritica, e de muita abun-
dancia de coraco; possam, ao menos, ess^s
martyres do Rio Grande do Norte consolar-su
na generosidade-de seus patricios das mes-
qutnharias tue vem de cima.
L1TTERATUE1
Notas necrolgicas sobre inon-
senhor D. Francisco Card^so
Aj res. blspo da S de Ollnda,
dlocese de Pernambuco.
l.NTHODCCAO.
t Guiou por enminhos dtrei-
ls ao hulo. Ihe. deu a scien-
ca dos santos... guardouo dos
inimigos, e o assegurou dos en-
gaadores, e o melleu n'um duro
combate para que vencesse... e
convencen de mentirosos aos que
o desluslraram, e Ihe deu urna
nomeadtu eterna.
fXi'p. da Sab.cap. X versos 10, 12 e 14).
Traduzida do italiano, temos por conve-
niente dar estampa, no sentido de faz-la
conbecida entre nos, a carta publicada em
Roma, e que em data de 47 de maio ulti-
mo dirigi ao Exm. e Rvm. Sr. D. Antonio
de Macdo Costa, bispo do Para, o Exm.
monsenhor Lourenco Gastaldi, bispo de
Saluzzo, na Italia.
NSo nos pode ser indifferente esse docu-
mento de apreco ao nosso finado diocesano,
e deve ser lida tal carta com reconhecimen-
to ao sen autor, porque nella soube elle
ser preciso spm offensa da verdade histri-
ca, individuando as nobres qualidades e as
vrrtades, que faziam o principal ornato do
nosso venerando bispo D. Francisco Car-
doso Ayres, coja memoria sera sempre
abencoada, cujas virtodes pooco souberam
os seos comprovincianos apreciar, ou antes,
no indifferentismo hoje corrente, o5o tive-
ram tempo de avaha-las em toda a exten-
so effectiva.
Deixemos, pois, fallar o seu illastre col-
lega.
Roma, 47 de maio de 4870.
Exm. e Rvm. Sr.Na carta que fez-me a
bonra de dirigir, expoe V. Exc. o seu vivo
desejo de ter aigumas informacoes acerca
das virtudes, qne ornavam ao nosso com-
mum collega no episcopado, S. Exc. Rvma,
monsenhor Francisco Cardoso Ayres, que
occapanido a cadeir episcopal deOliDdaem
Pernambuco, imperio do Bras
vi peU
rento
pois di
pois. presle-tt
V. Exc, porque, ao passo que cumpro
gracioso oflicio de corresponder s pias in-
tencOes de'V. Ex ma-se-me oc-
casiSo de ren re rraado om me-
recido elogio, se bem que eston certo nao
poder trbutar-lb'o igual a o mrito de suas
acose.
Nao me sao bem conhecidas as circuns-
tancias da familia, nem da infancia e pri-
meira joventude desse nosso collega, cuja
perda deploramos; consta-me, prm, que
elle nascra na cidade do Recife, da diocese
de Olinda, no imperio do Brasil. *e qoe,
findos os seus primeiros estudos na patria,
viera aos 24 annos para Roma, afim de es-
tudar o drreito cannico. Sei ainda, segan-
do me foi|referido por ecclesiasticos dsetinc-
tos e testemunhas oceulares, que em qaanto
esteve nesta capital era applicado aos seus
estudos, de modo que lauto pelo talento
nao vulgar.de que e'ra dotado, como pelo
trabalhe assidoo, 3 qoe se entregava, faeia
sensiveis progressos, nclinando-sfi e dndo-
se multo aos exerccios da piedade christa,
e tendo sobre isto um proceder to mori-
gerado, qoe o destinguia d'entre os outros
mancebos, e fazia conceber as mais bellas
esperancas seo respeito.
Ha vendo escolhido para director espira
tual Hm padre cacuchinho, illustre por
soa doutrina, juntava se' aos seculares, que
frequentavam o oratorio dirigido por padres
philippinos da igreja, que foi chamada e
ainda hoje se cluma Igreja Nova, la Chiesa
Nuova, desde que foi fundada por S. Felippe
Nery, e ahi vinha quasi todos os dias rece-
ber novas gracas na oraco, na assistencia
da santa missa, e na frequencia dos sacra-
mentos, bem como os conselhos daquelles
bons padres. E assim, nao s conservava,
mas augmentava em si mesmo essa modes-
tia, essa soavidade de espirito, essa caridade
e paciencia, e sobretudo essa pureza e cas-
tidade virginal, que sempreformaramo pri-
meiro ornamento daquella alma escolbida.
Por esse tempo, pelos annos de 4848 e
4849, achava-se aqui emRoma o reverendo
abbade Antonio Rosmini Serbati. fundador
do Instituto da Caridade, approvado por S.
Santidade o papa Greg rio XVI, e autor de
obras excellentes pela philosophia profonda
e eminentemente cbristSa; e nosso joven
Francisco Cardozo Ayres relacionou se com
elle por om admiravel rasgo daProvidenda
Divina, inflammando-se de nm desejo forte
de dar-se vida de religioso n'aqoelle Ins-
tituto. Neste proposito, foi para Stresa,
no Lago Maior, onde ento fazia-se o novi-
ciado do referido Instituto, e abi entrn elle
no caminbo de abnegaco 6 de sacrificios
com tamanho zelo, que bem depressa veio
a constituirse a admiraco nao s de todos
os seus companheiros, que nelle julgavam
ter um Luiz de Gonzaga, como aos demais
sacerdotes e irmaos da casa, de sorte que
era para todos cousa commum o dizerque
o irmo Francisco j nao era uro novico, mas
sim um homem ba muito consumado na vir-
tude ; e suppunha-se que elle jamis man-
chara a estola de sua innocencia baptismal,
to pura, to candida, to enamorada de
Jess e de Mara, to prompta para obede-
cer, como para padecer se mostrava cons-
tantemente e em qualquer circumstancia
su'alma.
Este grao de admiraco era manifest ; e
tal era tambem a opioio formada seu res
peito, opinio que nascia em qualquer pes-
soa, que sabe um pouco* examinar e apre-
ciar as cousas da f, quando se punha em
contacto com esse bom novico, e tinha oc-
casio de tratar de perto com elle. E ptr
isso, em seu regresso da Inglaterra, onde
era superior provincial das diversas casas
do Instituto, aquello deslindo mestre e es-
criptor asctico, que foi o padre Pagani, as
vistas de tirar alguns irmaos da Italia e le-
va los trabalhos naquelle campo, que a
Providencia tornava cada vez mais ampio, e
apreciando as raras virtudes de Cardoso
Ayres, esforcou-se por t-lo cora sigo ; e afi-
nal consegrando, npo sem grande difficul-
dade da parte do abbade Rosmini, que como
fundador era o superior geral, a autorisa-
Co de leva-lo, teve o santo joven de partir
para a Gra-Bretanha em IS.'iO, por entre as
lagrimas dos irmiose padres, qoe nao sa-
biam quando Deus os edificara com um se-
meihante exemplo to perfeito de virtudes
religiosas.
Nesse paiz, terminado o noviciado, e j
/
movel,
blante
manecendo elle
usem-
quilo na soa modt
oraco, semjevelar de modo a in-
terna eommoco do s ito.
E assim, no entanto im'ieli-
goso nada mais estimava que permanecer
na obscuridade, e se coojagrava estreka-
mente ao Senbor com oa atoa dos padres
missionarios, dos quaes s a santa s
pode dispensar, pensavant as honras em
exalta-lo; e S. M. o imperador do Bra-
sil, desejando vivamente prover om dos
bispados do imperio coa om paste- in-
signe em saber e virtude, nao so flore-
ca ao nosso joven sacerdote essa to cons-
picua dignidade, mais arntadadas vezes in-
sista para que -elle a acceitasse. Porm o
humilde religioso, derramando lagrimas e
encomraendando-se proteceo dos supe-
riores, obteve que o Santo Padre nao Ihe
impozesse a acceilaco, e o deixasse no sea
retiro. Algum tempo depois repetiam-se,
e at por parte do imperador, as mesmas
instancias, mas sera froclo, porque o pa
dre Francisco, reputan lo-se inhbil para sus-
tentar tanto peso, novamente mplorava e
oblinha a graca, para elle preciosissima, do
nao ser arrancado de sua celia. Todava a
Providencia que o quera exaltado, por isso
mesmo qoe tanto se bumilhava, dispoz de
sorte que, instando outra vez o imperador
em 4867, o summo pontfice nao cedesse
mais nems lagrimas, nem aos rogos deste
modestsimo religioso, e ao contrario Ihe
declarasse ser vontade de Dos, que elle
fosse bispo de Pernambuco.
Submettendo-se aos decretos do co, e
conservando toda a soa costomada serenida-
de, preparou-se o bom religioso com moitas
oracoes e com um retiro espiritual, para a
sagrada ordenaco episcopal, que Ihe foi
conferida na Igreja Nova aos 45 de marco
de'4868por S. Emminencia Rvma. o cardeal
prncipe Gustavo de Hohenlohe, permittindo
Deus que ello fosse consagrado bispo
naqoella mesma igreja, onde em moco co-
raecra a sua carreira de piedade, na con-
dicao de irmo externo do oratorio. E
aquello foi om dia de singular alegra para
muitos dos ecclesiasticos e seculares que o
conbecem; assim como foi urna continua
alegra para as diversas casas do Instituto,
que elle depois se dignon de visitar na Ita-
lia, Franca e Inglaterra, onde seus antigos
companheiros de noviciado exultavam de
prazer, parecendo-lhes ver na mitra episco-
pal, que o destinguia, urna aureola bem me-
recida por to eximias virtudes.
Transpondo ao depois o ocano, de com-
panhia com dous sacerdotes,do seu Instituto,
e tendo na tonga e penivel viagem dado
provas continuas de piedade e de padencia,
chegou em julbo de 4869 Pernambuco,
onde foi recebido com extraordinarias de-
monstraces de alegra; e logo assumio o
governo da sua vasta diocese ( qual, se-
gundo me disseram, tem mais de dous
milhoes de almas I!) com toda a ternura
e adividade de um pai que sacrifica-se si
pelo bem dos filhos. Testemunhas do sea
zelo episcopal sao as bellas cartas pasloraes,
qoe dirigi aos seus diocesanos, sendo-o
tambem a paciencia inalteravel, a officiosida-
de e o bom modo, com qoe lodos os dias
e qualqoer hora dava audiencia quantos
dos seas diocesanos vinham ter com S. Exc.
para tratar de negocios, ou s para tomar
um conselho, e at pela consalaefio de fallar
com o sen bispo; e especialmente a salu-
tar. e sabia reforma qoe introduzio logo no
seu seminario.
De lado, elle attingio desde logo o qoe al-
c mear sempre todo o bispo, em leudo um
pouco de tacto, que o bem de urna diocese
inteira est, por assim dizer. todo no semi-
nario, d'onde a mesma diocjse recebe de
anno em anno os seus mestres, os seus guas,
e os seus pastores; e que, por va de regra
ordinaria, em todo o rebanho de fiis ba-
ver tanto de imtrucco christa e tanto de
virtude, piedade, zelo, amor de Deus e af-
fecto para com a igreja, quanto disto fr
bebido era tempo proprio pelos alumnos,
que de presente esiudam nesse sagrado re-
cinto, sendo qne por laes motivos, todo o
bispo, que estiver determinado a fazer o que
poder em proveito da salvacao eternade seos
diocesanos, se ha de appiicar com toda a
solicitude a formar do seminario episcopal,
nao em apparencia, mas em realidade, urna
vinculado Deus por votos perpetuos, ap- escola de sciencia e de virtudes, urna escola
de abnegado e de sacrificio, um foco nao
de corrupeo, mas de amor de Deus e do
prximo. E, persoadido d'esta importanlis-
siraa verdade, enlendeu o nosso bispo dever-
proseguir com energia as reformas come-
cadas, at qne fossem ellas completas.
0 i atraigo de todo o bem nao deixoa
de acarretar varias e graves perturbaces
este digno pastor, desde o principio do sea
episcopado, as vistas de que, espantado
ou distrabido, nao podesse elle applicar os
remedios necessarios, atim de curr as cha-
gas que descobria na soa diocese : mas de
modo algum conseguio roubar-lbe a sereni-
dade da mente, e a tranquillidade do espi-
rito. Porque Monsenoor Cardozo Ayres,
acostumado desde menino a ver as coosas
com os olhos da f, n5o temer senp o
peccado e a offensa de Deas, e a padecer com
gasto pela gloria de Jess Cbristo ; e tendo-
se na sua consagraco episcopal offerecido
em oblaco Deas por soa diocese, nao
deixava-se apavorar pelo perigo de qualqoer
damno que Ibe podesse sobrevir, quando
saba muilo bem qoe te tratara do sea de-
ver.
Para obter de Beus luz e forca, afim.
'de levar o peso qoe Iba tinha sido imposto*,
D. Francisco uniaise com elle, e orava bas-
tante. Todo's os das se levantara de manbaa.
cedo, e logo se applicava i oraco e medi-
taco; todos os dias celebrava com grande
recolhimento a santa missa, e depois assistia
urna outra missa em ifcco de gracas;
todas as noutes recilava com os domsticos
o terco dp-Rosirio de'Nosste
leilura espiritual. examiM'anfefafflMfen-
pTicon-se ao estudo. das materias theologi
cas, tendo em seguida recebido ordens sa-
cras, e por ultimo ascendido ao presbytera-
do no dia 5 de junho de 4852, por orde-
naco ministrada por monsenhor Bernardo
Ullathorae, bispo de Birmingham.
Ahi que tive a cons-'daco de vjver com
elle por alguns anuos, sendo por lanto tes-
temunha ocular de sua conducta, to con-
forme s regras da perfeico christa, e das
gragas nao vulgares com que Deus recom-
pensava a piedade desse seu servo. Com
effeito, notava-se claramente que elle fizera
de si um completo sacrificio Dens, e que
o seu estado oontinuo mirava o seu crescer
as virtudes e a correceo dos defeitos, que
com atiento exame, ao claro da f, po-
desse descubrir em sua pessoa, sendo cons-
tante e exacto at ao escrpulo em obser-
var as regras do Instituto e submetter-se
obediencia. Amante da mortificaco, estu-
dioso afervorado da humildade, e por tanto
s aspirando ao ultimo lugar e a ser o me-
nor de todos, promptssimo a prestar-se
qualquer servico, de que car'ecesse ainda
o derraddro dos seus irmaos, sempre igual
em animo e pacientissimo as contradic5es
e afflices. sempre affavel e brando, e ain-
da mais alegre com todos, era elle a edifl-
caco da casa ; de modoqu*. quando esteve
investido do vice-mestrado dos novicos, ti-
nham estes em sua pessoa o modelo da re-
ligiosa perfeico, que deviam aspirar.
Estas virtudes foram remuneradas com o
dum preoiosissimo da oraco e uaiao com
Deus, que o nosso Francisco bem depressa
adquiri emgrjio nao commum.pu as longos
mwlitacfjes1 que fazia sem faltar cada ma-
nbaa, to as visitas repetidas ao S. Sa-
cramento lodos os dias, ou nos outros exer-
cicios de piedade, e particularmente na c'e-
lebraco do s'anto sacrificio, para o qual
sempre se preparava por bora espaco de
lempo, e nunca se demora va menos de ons
20. minutos em dar gracas Dens depois
da sua missa. Disto manifesUment
que esta alma bemdita eslava estre
unida com Jasas Cbristo,-tanto
trava recibido era si mesmo, e quasi im-'
fetura espi
da; e todas as semanas s
cramento da penitencia
que tinha oraco, que
de baer-se oceupado qu
negocios da diocese
diocesanos, i "^
oouie nos seus costumaJl^H^
dade, aos quaes
dorante o dia.
/
fi
m
4t,19. PO DABIU-M


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EI5XWUI55_MB1COR INGEST_TIME 2013-09-13T23:10:16Z PACKAGE AA00011611_12154
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES