Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:12153


This item is only available as the following downloads:


Full Text
AMO XLVI. NUMERO 173


PARA A CAPITAL LUGARES ONDE AO SS PAGA POSTE,
Por tres meses adietados....... qaqoq
Por seis ditos idem ..............' 120000
Por uai aano dem......> 24000
jCcU maero avulso ...,!!.'.*[ '. ]'..'. 320
QMBTA FEIRA 3 DE AGOSTO BE r870
i ..-------------------__-------------- ---------------------, ..... .. ..
PARA DEITfiO E FOftA 8A PBOYHCIA
Por tres mezes adiantodos...............
Por seis ditos idem...................
Por nov^,ditos idem.................- .
Por um atino idem ...................
130500
20*250
7|000
Propriedade de Manoel Figr^ra de Faria & Flhos.
AO ACEOTK:
*
Os Srs. Gerardo Antonio Alves Fhos, no Para ; Goncalves d Pinto, do MaranWo ; Joaquim Jos de Oliveira, m Cear ; Aotoo de Lemet- Braga, do Artcaty > Joao Mara Jolio Gwves, no Am ; Antonio Uferqties da Silva, no NataH Jos Josm
Pereira d'AImeida, em Mamangnape; Antonio-Alexandrino de Lima, na Parahyba ; Antonio Jos Gomes, b Villa da Piaba; Betormino do Santos Bulcao, em Santo Anta-; Domingos Jos da Costa Braga,
em Nazareth ; Francisco Tavares da Costa, em Aiagoas DrJ Jos Martina AWM, na Babia ; e Jos Ribeiro Gasptrinbo no Rio de Janeiro.
PARTE OFFHJIAL
eSSPACMS D\ PRESIDENCIA DI PROVINCIA DO DA 28
E JULHO DE 1870.
Anna Joaquina Pires Catnpelio de Mello.A > Sr.
<-->selheiro director geral interino da inslruccan
publica coai atmn- eopia da le a. 945 para infor-
mar.
Major Affonso de Paula de Albuquerque Mar-
nho.D-se.
Abaixo assgnados moradores na Passagem da
Magdalena e no Chura-Menino.Vai ser posto em
arrematadlo o empedramento da travessa de que
se trata.
bernardo Alves Pinheiro.Informe o Sr. cliefb
de pelicia.
Companhia Limited Drainage.Informe o Sr.
chefe dareparticaodas obras publicas.
.Bcharel Jlo Carlos Augusto Cavalcante Vel-
lez. A' vista da nformacao da secretaria conce-
da-se com ordenado na forma da le.
os Cavalcante de Albuquerque.Informo Z
Sr. inspector da lliesouraria provincial.
los Euiebio Aires da Silva.Informe o Sr.
inspector da thesouraria de faz-rada.
Joao Carneiro Monteiro da Silva Santos.lnde-
rerido.
Joao Hermenegildo Xavier de Salles.Imita o
signatario do requerimento procuradlo do suppli-
caote.
Jos dos^assos^Joerz.Inferme o Sr. teen-
te-coronel cun mandante do corno de polica.
.Joao los Barroso da Silva Juveuis. Informe o
Sr. consellieiro director interino da instrucrao
publica.
Maria Luiza da Eiicaraacao.Informe o Sr. Dr.
jaiz de orpbios do termo desta capital.
Maria Mathildes Cavalcante.Informe o Sr. en
jrechelro chefe da repartido das obras publi-
cas.
Pocas 4 CInforme o Sr. Dr. chefe de po-
lioia.
Valeriano Ceierra Cavalcante de Albuquer-
que.Fica expedida a conveniente ordem.
27
Dr. Antonio de Vasconcellos Menezes de Druin-
niond.Volte a cmara municipa desta cidade
para juntar o parecer do sen advogado, que
allude o despacho de 6 do cerrante.
Antonio Xavier Rodrigues da Silva e Joao Fran-
cisco Lin^.Informe o Sr. engenheiro chefe da
repart rao das obras publicas.
Padre Augusto Franklim Moreira da Silva.In-
firme o Sr. inspector da lliesouraria provin-
cial.
Affonso de Hollanda Albuquerque Mar-
afio.Nio ha vaga por ora.
Aquilino Jos Gaimares Ferreira.Junto ao
anterior requerimento informe o Sr. conselbeiro
director geral interino da inslruccao publica.
Dsocleciano Ferreira dos Santos.A' tbesoura-
ria provincial com offlcio desta dala.
Francisco Raposo da Cnnha Reg.Volte ao Sr.
rededor do Gymnasio para informar com as prece-
dentes, que tiverem havido no sentido que requer
o supplicanle, declarando a data das ordens desta
presidencia que as autorisou.
v Francisco Carlos da Silva Fragoso.lndeferido
vista da informacao.
Gustavo Lustosa Quina.Revalide o documento
que junta.
Jeronymo Ferreira Colho.Conceda-se tres
mezes.
Ignacio dos Santos da Fonseca.A' vista da in-
ormaco conceda-se.
Jos'Cordeiro dos Sintos.Informe o Sr. gene
ral commandante das armas.
Joaquina Maiii da Conceieao.Informe o Sr.
desembargador provedor da Santa Casa da Mise-
ricordia.
Joao Pinto Alves Muriz.Vistas as informaroes
indeferido.
Juvino Xavier de Suassuna. -Informe o Sr. co
ronol commandante superior interino da guarda
nacional do municii d Recife.
Jos Carlos Vital.Por ora nao pode ter lugar
> j laqniflB Man'! da Costa.Informe o Sr, ins-
pector da thesouraria provincial.
H Francisco do liego Barro;.Informe o Sr
Dr. juiz ds feito' da fazenda.
I. >urenjo Laurentino Cesar de Menezes.Infor-
me o Sr. conselheiro director geral interino da
instruccao publica.
laiiz de Franca de Mendonga.Nao tem lugar
per ora.
MAria Cleobuna de Mello Ottoni.Informe o
Sr. conselheiro director geral interino da instruc-
ao publica.
' Robs Liglhonsu 4 CInforme o Sr. desembar-
gador provedor da Santa Casa de Misericor-
dia.
enjer mitra materia as Ips annuas, para o que me
fui coucedida a prorogaeao.
Posto votos o requerimento de urgencia, re-
geitado.
O SR. TEIXEIRA DE S (pela orden) :Da-
se na secretaria da assembla provincial a vaga
de 3' offlcial por haver fallecido o Sr. Paes de An-
drade, que exereia esse lugar. Tende tido conhe-
cimento deste fado, que hoja publico, proponbo
para substituir a vaga de 3 offlcial a Sautyno de
Assis Pereira Rocha.
Posta a votos a proposta approvada.
Contina a discussao do art. 16 do orcamento.
Vo mesa e apoiam-se as segrales emen-
das :
< Supprima-se a emenda apresentada ai 7 do
art. 16, e a palavra importado nos 8J g, y, 10, II
e 12 do dito artigo, ou na> emendas presentadas
estMS S, no caso de seren estas adoptadas.Dr.
Manoel da Reg, n
< Emenda substitutiva que aprseme ao 13
do art. 16diga se 537 r*. por gramma de otiro
exportado e 38 rs. por dita de prata idem. Dr.
Manoel do Reg.
a Ao 8 14 do art. Ifiem vez de 150 rs., dga-
se 200 rs.-Fi>ra de Mello >
Ao art. 16 23, acerescente-se?:007 para
ecao.Secretaria da presidendia do Per
nambuco, em 1 de julho de 1870 Por e>ta secre
taria se convida os Srs. Firmino Archanjo de
Unti), Antonio da Costa e S, Juii Ttwodomiro
da Costa Monteiro, Joaquim Francisco d'Albuquer-
que S. Lag Chn-tovao da Rocha Sonto-maior
.I.) BaptisU da Rocha Baixa Lns Joaquim Qnin-
tino Gonfalves, Jos Ignacio da Fonseca e Silva,
.1 anuim de Aln-eida Catanho Sobrinho, Joao
liaptista Gomes Pena, e Dr. Jos Rodrigues do
Paata Jnior, irem ou mandarem a reparteo
do correio pagar o porte de seus requenmentos
dengidos ao governo imperial pelo ministro da
justica, afim de que possatn seguir o seu destino.
Antento nnet Jacome Pires, offlcial maior, servin-
d> de secretario.
PMAMBUCO.
garantir bilhetes de loteras.G. DrummondJ.
M. Reg.I. Ledo.
A emenda que apresentei ao 23 do art. 16,
accrescentese, depcis da palavra trapichesex-
ceptuados os alfandegados.Dr. Manoel do Jfeoo.
Snbstitutivo ao g 43 do art. 166:000* por
cada joalheiro que mascatear na provincia. A.
Cavalcante.*
Ao 43 diga-se500 por eada joalheiro que
mascatear na provinc'a, sem destinecao de estran-
geiro ou nacional.OhveiralFonceca-o
O S. G. DRUMMOND faz largas considerares
em sustentacao da emenda que offerceeu creando
a mposieao de 8 0/0 sobre bilhetes de mitras pro
vincias.
O SR. GSMAO LOBO:-Parecendo-lb impra-
ticavel a arrecadacao do imposto de 8 / com que
a emenda offerecida pela coramisso do orcamen-
to pretende tributar os bilhetes de lotera impor-
tados de outras provincias, exprime o receio qui
tem de que a exageracao do imposto o torne Ilu-
sorio pelo emprego dos tantos meios que a fraude
tem sempre sua disposico.
Se podesse estar seguro de que a.cobranca do
novo Imposto nao seria prejudicada pelas dilflcul-
dadas da arrecadacao. prestar-lhe-hia de boa uun-
te o seu voto, attendeudo que a imposican de
8 */. tornando pouco lucrativa e coosequente-
mente pouce-convidativa a venda de taes bilhetes
que consume um importante ramo de negocio,
concorraria para a fcil extraccao das loteras da
projvincia de que auferem lucro os estabelec-
mentos pos, os institutos religiosos, as matrizes,
as capellas etc
E' somente dominado por esta razio que nao
duvida o orador de concorrer com o seu voto para
embarazar, quanto possivel e quanto praticavet,
a venda que ah se est fazendo em to desmedida
escala de bilhetes da corte, ifferecendo-se por este
modo as loteras da provincia urna competencia
que ellas nao podem sustentar.
Por mais infenso que seja este jopo pu-
blico de que vem tantos inconvenientes econo
raia social, o orador entende que, autorisada como
a extraccao de loteras, cumpre dar s da pro-
vincia todas as preferencias, pois qe ellas cobs-
ttuem urna excellente fonte de receita e trazem
beneficios incontestave s. Aparta-se n'este ponto,
por consideracoes muito especiaes que todos sen-
tem, dos principios que segu de liberdade do
commercio.
Mas o que o rador nao q'uer, que se cree urna
imposicao por Jal modo exagerada que se fa;a
impratcavel, tendo se cerno resultado que, ao tim
do anno financeiro, nao se tenha recolhido o im
postj equivalente venda. O que orador nao
quer tambem, a voluntar altribuicoes e rend-
inentos, j excessivos, do thesourero das loteras
da provincia, altribuindo Ihe a faculdade de de-
cretar apprehensoes, bu O imposto do exercicio actual, que do 3:000-5
sobre cada urna casa que expe taes bilhetes
venia, j um mposto de natureza prohibitiva.
Est o orador informado de qm rendeu 20:000* ;
este resultado Ihe parece satisfactorio.
Pretender-se elevar este imposto com a sonora
promesta de que no crrante exercicio se reco.
Iher um meio cento de cont de res, autori-
sar a fraude peta qnasi impossiblidade de decre-
tar os meios de urna exacta fi>calisacao.
Facam como quiz-rem, mas flquein seguros os
membros da commisso de ornamento de que o
futuro exercicio nao sorrr com a alteracao do
imposto.
Como se far que todos os bilhete importados
paguem 8 / ? A' que meios se acudir a fisca-
lisacio ?
Fallase em um fiscal de loteras; e esta idea
parece ter sido inspirada pelo Ihesoureiro das lo-
teras.
Esta creaclo o mais inconveniente.'' Ainda
quaode esse novo fiscal possua o segredo de ir
pista da fraude para a sorprender em todos os
seus artificios, o que vamos decretar que se
derramem ah as ras da cidade pequenioas per-
seguicoes, busca* odientas, apprehcns >es vexalo-
rias, e o mais e mais que o capricho pie suscitar.
Parece anda pequeo esse imposto de 5:0004 1
Qqo o ele vem razoavelmente; mas poupe-se o
escndalo de quotidianas e imitis apprehensoes de
bilhetes. Tenha-se por outro lado om attencao
que o rigor d'essas apprehensSes nao vai ferir aos
importadores, mas essa numerosa classe de pe-
queos negociad res de bilhetes que os revendem
troco d* ama commsso. Estes que vo sof-
Irer sflnal ; nao urna classe de vadios, como o
orador ouvio ha pouco, mas do homens pobres
que o destino social deslocou de ontra profissao
e que procuram este meio honesto do vida.
0 orador lembra que, em outro tempo, fez-se
urna lei que decretou a imposicao de 80 0|0 sobre
taes bilhetes e vio-se tal thesourero de loteras
acompanbado de um policial ordenar aporehen-
ses; e em tempo nenhrJm se fez um commercio
mais lucrativo d'esws bilhetes.
Isto convence por faci que a xageracao do
imposto em pura perda da arrecadacao.
Sao etas as razfles que levam o orador volar
contra a emenda. Isto faz al porque, vindo no
projecto do ornamento a renovacao do imposto de
5:000*, nao sabe que inspiraran obedecen a
jommisso de ornamento para, por urca emenda,
mutilar n esta parte a sua propria obra.
E' assim que o orador se declarajmais amigo do
projecto do que os seus proprios autores. Nao
prometiem as cousas, pelo curso qne levam, que e
projecto do orcameulo seja muito resoeltado em
sua inlegridade para que o orador possa ver com
indifferencj que os seus proprios autores o este-
jam por sua propria conta retobando.
Isto pds parecer urna impertinencia; mas o
orador est irioso de saber que novos esludos
modificaran) n'este ponto to profundamente a
opinio da commisso, pois sabe que o projecto
foi meditado e elle o revela.
O SR. OLIVEIRA FONCECA dii, que pretende
apenas desenvolTer algnmas notas, que tomou ao
correr do discurso do nobre depurado quo o pre-
ceden.
Entre os importadores de bilhetes do Rio de Ja-
neiro e o thesourero das loteras da provincia po-
dem haver interesses contrarios ; mas enlre v
inleressfis do thesoarejr e os da provincia ha rna-
ASSEMBLA PROVINCIAL.
SESSAO ORDINARIA EM 23 DE JUNHO
PRESIDENCIA DO 8R. DB. AGUIAU.
Ao meio df feila a chamada acharam-?e pre-
santes os Srs. Amaral, Cunha Cavalcante, Antonio
Paulino, Manoel do Reg, Rufino de Almeida, Gon-
calves Lima, Teixeira' de S, Barros Wanderley.
Ferreira de Aguir, Ribeiro Vianna, Ignacio Joa-
quim, Miguel Peroimbuco, Oliveira. Andrade,
Eduardo de Oliveira, Vieira de Mello, Quedes Gon
din, Manoel Arlhur, Gusmi Lobi, Oliveira Fon-
ceca, Mello Pgo. Vieira de Araujo, Felippe de Fi-
gueiroa, PinW lunior, Nicolao Tolentmo, Gasoar
Drummond, Correia de Araujo, Hermogenes, Hen-
nque Mamede, Paes Brrelo, Augusto Costa, Joo
Cavalcante e Antonio Cavalcante.
Abra-s a sesso, liJa e approvada a acia da
.MKeedeoie.
O Sr. 1* SECRBTAM0 d conta io seguate
BXPTOIBNTE :
lima peeaa|do provincial da ordem Carmelita
d -sta cidade, pedindo urna quota para a continna-
io das obras de sua gruja.A' commisso de
rgtmento provincial.
ORDEM bO DA
Uniea discassp du projecto n. 105 de?te anno,
sobre Dostura< da cmara municipal de Villa Bel-
la. ado.
I V CAVALCANTE (oela ordem) pe-
er disentido o projecto n. 101,
ha m ordem do da.
0 SB. ALMEIDA PERNAMBCO manifesta-se
contra a urgen ntfr a obrijpcio em _
est a ca? itir de preferencia a qual- nil "'?. j porque os lucro- de n.m avul
taro mais quapdo raaiores forem as vautagens da
outra.
Assim Ihe parece, que o nobre deputad, que o
precedeu, foi injusto quaado disse, que o Ilustre
autor e. sustentador dta emenda eslava advngando
interesses particulares. Da -medida proposta resul-
tar ao Ihesoufeiro algmn proveito, se por cansa
della tornarse niaiopa procura dos bilhetes de
nossas loteras, e mais frequente a extraccao del-
las. Esse incremento ser duplamente provettoM
provincia; por cansa do imposto a qne esto
sugeitos os premios maiores, e pela applica<;edos
productos em obras de milidade publica.
Ainda que o imposto de 8 por cento deminua
um pouco a venda de bilhetes de outras provin-
cias, na mesma proporcao augmentar a venda dos
bilhetes das nossas loteras ; o que desejavel.
Urna das bases da argumentacao do nobre im-
pugnador foi a pretendida exageracao do imposto,
a qual elle nao demonstrou nem poda demons-
trar. Em materia de jogo8por cento nao um
imposto exagerado, tanta assim que auui se vende
por 24*000 um bilhele que no Rio de Janeiro cos-
ta 20*000; e tal a procura del les, que annual-
ment* sao importados mete de 700:000*000. ,
Temos imposigSes moito. mais onerosas, iroposi-
cnes tortadas, isto que bao se pode evitar do-
mesmo modo, que qualquer pessoa pode deixar de
comprar bilhetes de lotera.
Pensa o orador, qte o imposto de qne se trata
nao prohibitivo, mas qu ainda, que livesse esse
carcter,, devtria ser aeceito por amor das loteras
desta provincia.
O readimento prodnzklo pelo imposto actual nao
est em- relaco com o commercio de bilhetes im-
portados ; por meio da alteracao proposta dupli-
car o Biesmo reodimeito.
O nobre impuguador assevera, que a fiscalisa-
o do imposto ser impossivel. O orador pergun-
ta se a assembla nao tem-o direito de legislar so-
bra os meios praiicos de-se ellecluar a arrecada-
cao dos impostas provnciaes. Se tem esse direito,
Como ha meios de fiscaltsar a arrecadacao de todo-
e qualquer imposto, menos o de bilhetes de lote-
ra de outras provincias ? Urna garantia de boa
fiscalisacao ser o proprio ioieresse do enearrega
do della.
O nobre deputado impugnador da emenda es-
forcou-se em demonstrar, que o thesourero das
loteras lera lucros exagerados. Isto nada tem coro
a queslo, e se o notoe deputado entende que ha
exageracao pode iniciar alguma medida a esse
respailo.
Uinclue observando, qne tambem nao lera ra-
zo o nobre deputado, quando afflrma que se vai
prohebir a venda dos bilhetes do Rio de Janeiro,
e por isso tirar a muitos individuos os meios de
subsistencia.
J mostrou que e imposto de 8 por cento nao
extingue a importa$ao.e venda de taes bilhetes, e
que quando extinguiese, na mesma proporcao aug-
mentara a venda dos bilhetes da provincia.
O SR. PEDRO AFFONSO faz algumas conside-
racoes.
O SR. RUFINO. DE ALMEIDA fai algumas con-
siderac,5es em justificaco das emendas que apre-
sentou.
O SR. VIEIRA DE ARAUJO : Sr. presidente,
julgo-me obligado a fazer algumas considerandos
em apoio da emenda que tive a honra de offerecor
ao art. 16 2D do orcamento.
lluvia apresentado na casa o projecto n. 77 pa-
ra affrontar a discussao com o meu obscurissimo
nome. e havendo sido elle adiado requerimento
do nobre deputado pelo lerceiro distreto mem-
bro da commisso de orcamento, para ser discuti-
do agora, nao se tendo considerado elle em dis-
cussao por fovea daquelle requerimento, resolv
apresenta-l como emenda.
Tive duvidas bem serias, confesso-o at sobre a
redacco'que Ihe dei.
Como juiz municipal ainda que de um termo
onde se agitam muito poueas quesloes no foro, sl-
gumas vezas o meu espinto vacillou no meio das
duvidas que se tem originado sempre sobre
o a*suoipto do projecto, duvidas que nao s ver-
sam sobre o modo de regular nesta provincia a
arrecadacao do imposto de sello le heraneas, co-
mo tambem sobre o quantum e os casos em que
elle devido.
Pareca-rae que o assumpto do projecto era
mais proprio daorcainento cuja commiso com-
posta de tal sorte, que cu julgo de reconhecer em
cada um do seus membros iliustfaco, experien-
cia e louvavel interesse nos diilleies trabalhos con-
fiados ao seu especial desempenho. Mas alm de
que lembrava-me de haver lido era algumas leis
provinciaes que nao a de ornamento, como na de
n. 18 de 10 de maio de 1836, disposicoes eoncer-
nentes materia da mesma natureza, pensei que
um projecto especial dara mais ensaochis dis-
cussao, e assim ao p isso que resolveramos me-
inor tantas duvidas, a reforma deste imposto por
bi especial, cujos effeitos contiuuaram permanen-
tes, teria a grande vantagem de defin-I j precisa-
mente qiianlo taxa, casos em que devena ser
cobrado e modo de arrecadacao.
Por outro lado tive duvidas quando comecei
dar certa forma no meu espirito a tudo quanto
havia colhido sobre a materia por offensiva im
posicocs geraes do citado, e ne*se ponto me tran-
quilisou a leilura do relatorio desta atino do don-
tor procurador fiical que foi desiribuido na casa.
Sobre a redaqjo aguardla opinio dos mesires
para verificar se a expre?so nter vivos erapre-
gada no artigo comprehende como m pare.e
as doagoes de qualquer especie, e a discussao ha
de aclarar todos esses pontos, reservando-me en se
houvesse lempo para expender mais completamen-
te o meu pensamento,
O imposto de heraneas e legado? creados palo
alvar de 17 de'junho de 1809 foi declarado renda
provnoial pelas lea de 8 de outubro de 1833, 3
outubro de 1834 e 31 de outubro de 1833, esta-
belecendo a de 22 de ootubro de 1836 o direito
de arrecadacao j por parte da fazenda feral e j
por parte da provincial respeito dos que deves-
sem tal imposto anteriormente ao Io de julho de
1833, desta data ao Io de julho de 1836 e para
diante.
Passando urna vista perfunctoria na legislaco
provincial acbei como raao de lacuna que o pro-
jecto pieenche a existencia daquellas leis geraes,
deparando apenas com a dispoeiao do 9o do art.
35 da lei n. 130 de 2 de maio de 1844, mandando
regular o imposto pelo regnlamenlo geral de 28
de abril de 1842 exceptuando a disposico do |
5* do mesmo regnlamenlo, e da lei n. 261 de 28
de junho de 4850, revogando a limitacao esiabete-
cida pela anterior citada de 1844.
Todas estas leis esiabeleceram como imposto co-
nbecido por sello de heranoas e legados a dcima
parte io accesso deixado por aquelles que nao
fo sem herdeiros necessarios.
Teio depois a lei n. 510 de 18 de junho de
1861, que pelo seu art.'40 3 13 elevou a 15C/0 o
imposto, estendendo-a doaocdes de qualquer es-
pecie.
A lei n. 544 do 28 de junho de 1862 ,art. 42
3o reduzlo 10 0/0 como anteriormente o sello de
heraneas e legajos, mas subsislindo a disposieio
amplialiva preheudida que era sua'execucib nio se arrecada-
ca at o anno passado o imposto sobre doaccoes,
segundo offlcia o mesmo doutor proountdor ns-
zaT.
E' pois urgente a decretado de urna medida
ampia e explcita que regulando o imposto dissipe
todas as duvidas e s,ilvaguarae interesses da
fazenda provincial.
Fa 510, que slenen. o imposto
s dwiceef vem aopeo referrr-me redaccao
orujecto ainda que mui ligeiramente.
enaresso nter tico combinada com as an-
otes est ccnsigndaa idea capital do projecto
flfcreei como emenda, quimto aos casos era1
ifs ser devido o imposto de sello de herao-
d'ess nipos- s paswo pela altea-
ao poBio duradonra; de que j falle, pela lei.
olu.
Igaalraeni a legislacao-fferal permaecia ina'-
leraret, ojurem relaco- aos casos era que devi
ser pago o imposto, quer quanto a tasa, desde
insiste man iecul" estaBelrcidos.
A- ie n 157 de 26 de setembro de 1867 re
fundi, s0|> o thulo de impeslo de ransratsso, o
de qoe filio e ojiros, e o deereto citado na emen-
da estabeleee nda tabella. Ihcando- tasas muito
equitativas. \
Nao se. pode cinsiderar n< mesmo caso para
merecer kiual favor da lei- a heranca deixada
um prente e a dowco fita nm -estraoho ; di
minuir, porem. a \axa di heranca, quando se
Iratar de iransmissoe entra prenles, seria preju-
dicar essa renda daprovineta, sem rasio plausi-
vel minorar ou tornar mais leve um eirus para o
contribu! q^e j tile est- aeosiunjad porque
tonta satisSze h).
Mas, desde que se e.tal*!cer urna escala para
os diversos graos de parentesco em que se acha-
re m os Abrigado? a pagar eseeimposto^aggravan-
do-se este tanto mais quinto maior fr a distancia
entre o trasmissor e o btrdeint, ter-ss-ha conse-
guido qne a renda em vez de decrescer, augmente
vantajosametne sem gravans-para os contribuintes,
e-pslo contrario muito snwreniente para os que
forera parantes mais chegadb-do transaissor.
Alm disto, se a renda geni tende a augmentar
pela alter.vao d'essa taxa con relacao jmpnstos
genes cas.!lirados como imposto de tnaxmissio
e com a do de Sello de heranca peculiar ao muni-
cipio neutro : porque nao adtipbremos umpadro
que niftirmisar essa materia entre ns-enos ira-
r immenso proveito ?
E focando oeste ponto devo referir-me outra
duvida qoe nwassaltou, quando conleceionava o
projecto, se seorJo o imposto de transmieso, sob
tal nome ou denomioaco imposto geral, poderia
servir de norma para a reforma que est-abelcia o
projecto, duvida que pareca assumir maior vulto
em face dos ltimos reculamentos do- naposto de
sello. *
Estes legulamentos estaiMlecem aisenco>do
sello proporcional para os contratos ot actos su-
geitos a imposto de Iransmiseao : d'ato nascem
como corollano as isencoes para as lieaaccVes de
bens de raia que pagara sisa, vendas -ce embarca-
5de3, etc.
Mas seo imposto de tran>is.so de qoe falla o de
crelo citado na -emenda s applicav! as provin-
cias nos easos em que substitua os impostas que
sempre-se tem cobrado por parle da renda geral co-
rno resa o aviso do ministero,da aienda do i" de
maio do ano passa, fie* tara de duvida que, ou
paga-se^Ho proporcional quando se paga o seo de
heranca,. qoe nao acontece no muaicipioneutro,
ou nao se vaga, e lano en nm caso como em ou-
tro, nada influe a alteracao do imposto ua forana
da emenda contra os cctribuintes.
Finalmente revendo-se a legislaeao geral e o
pouco que temos na provincial por ser inconve-
niente mandar recorrer sempre geral, segando
o nosso velho sysiemp..; poderemoe terum regola-
ment- que facilitara a arrecadacao do imposto,
cujo producto sem duvila augmentar avista do
que se pode colligir da cifra dos inventario* fritos
na provincia en 1868, segundo um mappa minis-
trado pela presidencia qne nao comprehende en-
tretanto muitos acervos deixados nos termosonde
nao existem estacSes fiscaes provinciaes e nao sao
fertos ps inventarios por serem os nerdeiros
maiores.
. Creio, pois, qne da adopeio da emenda sugeita
s alteracoes que a casa se dignou fazer, vira a
satisfaco de uaa importante neoessidade da pro-
vincia."
Portanlo, que inconveniente nos priva de adop-
tar neste ponte a alteracao da legislaco geral ?
Um Sr. Deptado :A* dnarfes pagam 5 por-
cento e o* herdeiros collaleraes pagam 10 I
O Sr. Vibiba de Araujo :E' mais eonilativa a
tabella do decreto, e sendo ir.dubitavel a n>sa
competencia em decretar a imposirp nos meamos
termos, julguei deverprop-la e sgeita-la .coB-
sideraco da casa.
O S*B. ANT3NIO GAVALCANTI faz algumas
considerares com relaco emenda quo so refere
ao imposto do sello de heraneas e legados, e justi-
fica as emendas que offereceu ao art. 16.
Encerrada i discussao, approvado o artigo
com as emendas offerecida', exceptuadas as que
se aeliam enumeradas de 1 7.
A requermedto do Sr. Mello Reg, dispensado
inten-lirio do projecto.
O SR. MANOEL DO REG pede que sejam im-
pressas no jornal da casa as emendas appro-
vadas.
Tendo dado a hora, o Sr. presideate designa a
ordem do da e levanta a sesso.
moio, e dos prejoites que lella resoharam, tanto
a fortnna puolieacomo a privada e particular. A
memoria d Dr. Tibnrci de tegalbaes trata de
jenediar esses males, insistindo na idea mais *
un vex j suscitada, de abnr-se um canal de
desvio, qne offerega faci) escoamento e aguas do
Capioaritw as oreasiees de enciente.
O remenlo d'essa obra to jentenente re-
clamada, deva-se apena seis- cento e tantee-
contad d res; e esea quantia comparada ao cora-
puto dos males que as ntirnas cheias-tem feito, nao
senduvida para aesombrar.
. A provincia de Psrnamboeo nao pode despen-
de-la ao estado actual de soas rendas e de seus-
cofres- r a nedida argenje, nao adrante mais de-
mora, que s traro augmento de prejuiaw, case
se verifique novas ebeia, o que muito possive
je natural; per tanto cimpre ao geverno geral
execntar essa obra, tanto mais quemo j tempo
de que aigumproveito-tire Pernaranco doe d^ze-
tteis mil cantos que anottafraenle manda para a
orte.
Desde motn tempo ten sido a pi.lttca- da corte,
no que diz respeito ass rnelboramtutos- das pro-
vincias, pessiraamente- dirifida, tem sido orna po-
ltica de absorpeo do-quaata seiva na nellas; '
iroa qpe digamos, era nome dos interesses de-
Peroftinbuco, que essa pslitiea nao fie nao deve
continuar.
Dm por cento que se tire das rendas- geraes de
Vernambueo aroduz era^quatro anno quaatia su-
perior a do orcamento do canal de desvio. Resta-
nos ver, eom profunda adnircao e otagoa, se-
ainda desta vez nossa proonncia ser- posta de
aarte no que diz respeito a melhoramentos, para
- ser considerada no sr cntenlo da receita cornil
ama- boa fonte de produocao!
Aos represenlantes de Pernambuco-reeemmen-
oamos principelmenle a menora cima citada, e
sob*sua vigilancia collsearaos esse melhoratnento,
ssperando de sen zelo e-esforcos que ooneigam da
assembla legislativa a neeeesaria automaco e
fundos, e do governo prompia execaeao da obra.
RA DA SLORIA.Mbradores desta roa se nos
qtieixam do procedimeato ineaoral dunas pretas
que hat'itam no principio-da ra, do lado da praca
do conde d*Ea, e nos peden para citamar a allen-
oaa do Sr. subdelegado respectivo para ellas.
Assim fazendo, esperamos- qne se nao demore a
punirn deseas pouco contenientes moraduras.
RA MARSILIO ni AS?Porque raza nao se
repara o caleamento desta ra. qnasi in-
pela companhia de aceis< da cidade. Nao mero-
cero isso os moradores- detila, e especialmente o
grande commercio qne al* ha ? A qaera cora
pete lembramos isso.
INFHAGeO DE LEIi Pedem-no*a publiea*
ci do seguinte:
Chamamos a attenea do Sr. fiscal da fregnezia
da Boa-vista para urna easa terrea que se est
reedificando na estrada do Cajneino eontigua>ao
hospital Portugoez, a qual acnande-se fra do ali-
nhamento, est sendo reedificada no nesrao gosto ;
e alm dtslo conta qoe- o respecta proprietario
pretende-substitui-l por- um sobsado, qne meior
embelesar a dita estrada.
Nao consta que haja brenca nY.- tilma, cmara
mnnicipil, mesmo porque tal lieeaea nao poderia
ser concedida em vista do art 43da le provincial!
u. 798; de maio de 1868, a qual diz expeessa-
mente:
i Os edificios qe tiverem sabido do abtame
to, quando forem reedificados guartaro o alinha-
mento.
Pi-de-se pois .i lilma. cmara municipal se
um providenciar, a respeito, nao sopara qne nao
vingtie to escandalosa infrac.So de lei, como tam-
bera em beneficio do embellezamento da cidade,
que Ihe enmpre promover.
COMPANHIA PERNAMBUG.4NA.-0*aporJfnn-
dalt que devia. ter saludo honiem as 5horas da
tarde para os portos do sal at Penedo, conforme
estava annunciado, foi transferida a sua viagem
por ordem do governo para boje ;> mesma hora.
Idalna, branca, Pernambuco; 30 meies, Boa-Vis-
ta ; convoJses.
Josepha Joaquina dos Sanios, parda, P?rnmbucu
23 annos, casada, Boa-Vista ; cerebre'e. .
Quitea Mana do Carmo, preta, frica, 30 anno?.
solteira> Santo Antonio ; aneurismo.
Joanna Mara da Conceico, narda Peroamnnto,
40 annee, casada, Boa-Vista ; varila.
Geltrudes Baria da Conceieao, preta, frica, 80
nnos, solteJra, Boa-Visto, bospiul Pedro II:
apoupleiia.
DE
GABINETB P0RTUGUE2 DE LE1TURA-Teve
lugar hontem, como baviauHsannunciadOya posse
do novo cocftlho deliberativo, assim como- Ui ele-
ta a nova directora, que. tem de fuuceionar no j
crreme anno administrativo, e qu se compoe
dos seguales Srs.:
nirectoF. Miio^I Teijeira Bastos.
Vice-direcior, Joo Baplista Vieira Hifeeiro.
1." secretarlo, Aotono de Albuquerque Mello.
i.' divo, Manoel Ludovico de Araujo Leo.
Thesourero, Antonio Baplista Nogueira.
Sui^lenies Ao vico director, JosNagueira de
Souza; ao 2.secretario, Cesario A. da Silva Pa-
poula ; ao thesourero, Miguel Jos Barbosa tiui^
maraes.
ABARA MUMIPAL.
SESSO CUDINARIA AOS 8 DE JU&BO
i 1870.
PtKSRNCTA no sn. drjbsta ionkw.
Presentes os- Sr. Dr. Lobo Moscoso, Sameiro,
Costa Moreim, e Dr. Pilangay abrio-se a ses-
so e foi Jada e approvada. a acta da antece-
dente.
Leu-se o seguinte
XHMHR*
Um officio do contador Informando o requeri-
mento de Mautiol Gtmcalves Wrreira e 3ilva J-
nior, em que allega ter mudado-o seu estabeleci-
mento de un-para entro lugar.diz que, ao fiscal
respectivo cempete- saber se o pelicionarienudoa
o nao o mesmo estabelecimento.Mandoa-se de
novo ouvir ao fiscal;.
Outro do engenlieiro cordeador, infernando
sobre o que re<|oerea em se.-sao de 15 de junho
prximo finan,.o (Um. Sr. VereadorDr. Lobo Mos-
coso, acerca dos coneertos da ponte do Madoro.
iateirada.
Outju do mesmo, tambera- inJorraando- acerca
do qne requereu. ea* sesso de 7 do corrale o
inesmo Sr. creador Dr. Moscoso, relativamente
a demora ha-vida na inforroaeaa requerida pelo
mesmo senhor.Inieirada.
Outro do mesm v informando favoravehnente o
requerimento de ttioo ManoeV da Cruz Cosseiro.
Concedeusew
Outro do mesroe, inforraasd o reqoeriuento
des directores do hospital ingles, lera a dizer qoe
nao ha inconveniente no que peem os supnlican-
tes.Concedeu-se-
Outro do mesraor dizendo qu* nada lem a oppor
a pretenco de Aatonio HeDrique da Cunta.Ccn-
oedeu-se.
Outro do Ikcal da freBueziada Varzsa oonmu-
nicando aehar-se en mo estado, a estrada nova
para a matriz feita por esta cmara. Ao enge-
nfaeiro cordeador para orearos-concenos.
Foram approvadws dous pareceres da. commis-
so de edAtacao no sentido de se delirir.
O 1* a Bomiogos Jos Marqnes pasa poder cer-
car os fundos de-seu sitio no lagar do Caldereiro,
assignano o mesmo Marque* nm termo, oirigan
da-se a lodo lempo a abrir a-estrada ou roa da
90 palmos no mesmo Irrese, logo qpo>pele caa-
ra Ihe sej determinado.
2." Tambem no sentid de de Thonazyde Garvalho Soar BranCo Sobrinho.
larremaianto doseoncerns- da ponte o Maduro,
na qual-pede pagamento da 1" e 2' presisoio de seu
contrato..
Foi igualmente approaad um parecer da mes-
ma commisso- de edificacao, em qoe-trata da re-
presentacao as-ii;nada por diversos proprielarios
desta cidade, p.-iiindo asaspencaa ou a derroga
rao do-nlguns ariigos daa posturae^addteionaes de
13 de setembro de l&IJt Mandou-se oemet erao
advogado par> emitlir seta juizo, um parecer da
commisso de edificacao, relativamente- a peti^ao
de Antonio Pinto de Barros.
Despachara! se as petiroes de BraaJoaqoimde
San Auna, Manoel Gonealves Ferreira e Silva Ja-
mo?i Miguel Joaquim da Costa, Manoel Ferreira da
Costa, Pedro Attaio, baeharel Silvio Cavaleaate
de Albuqu^que, Thomaz de Carvalho Soares
Blandeo Sebnnho, e leuntou-se a sesso.
En Augusto Genuino de Figueivedo, offlcial-
maior sefriodo de secretario a oscrevi.
Dr. BentoJox da Cttsta Jnior, pro-presidente.
Dr. Ptiro de Alkayde Lobo Mo$mo.Jos Ma-
ria Frer Gameiro.Caetana,0/i:iiico da Coso
MoreiraIgnacio Pessoa da Silva*.
REVISTA DIARIA.
ALFORRIA DB CRIANCAS. Por dcberaeo
da presidencia da provincia, do 1.' do correute, e
em vista do disposto na lei provincial n. 963 de
25 de julho ultime, que autorisa a despeza de.___
20:0005000 com a liberiScao de criaocas do sexo
feminino, foram noraeados os Srs. Drs. Ignacio
Joaquim do Souza Lea Joo da Silva Ramos, e
Pedro de Athayde Loba Moscoso, e os negociantes
Joo Ignacio de Medeiros Reg, Aatonio Gomes de
Miranda Leal, e Domingos Alves Mathous, para
formarem a commisso que deve promover ali-
berlacao do maitr numero possivel de enancas.
CORPO DE POLICA.Por deliberaeao da pre-
sidencia da provincia, de 1 e 2 do crranle, foram
nohieados : capito cirurgio o Dr. Jos Joaquim
de Souza; para a 1.' cunpanhialente, o ho-
norario do exercito Felicissimo de Azevedo Mello,
e alferes Felippe Augasto do Frias Villar.
INSTRUCQO PUBLICA. Por deliberaeao da
presidencia, de 27 do passadp, foi noraeado pro-
fessor publico da cadeira da Barra de Seriohem,
Joaqnim Jos Borges thai em vista do resultado
do concurso.
ACTORIDADE POLICIAL. Por deliberarlo da
presidencia, de 2 do crreme foi nomeado delega-
do de poHcia do termo de Floresta, a capilo do
corpo de polica Antomo Gracindo de Gusmo
Lobo.
GUARDA NACIONAL.Por deliberaeao da pre-
sidencia, do l. do crrante, foi designado o 1.* ba-
tnlho de infamara do municipio do Reoife para
n'elle servir como aggregado, o tenente do 2. ba-
talho de nfantora da capital da Parahyba, Joao
Francisco de Albu merque Maranhao.
CANAL DE DESVIO.-omeQamos hoje pu-
blicar em nossa primMra pagina urna memoria,
apresentada ao Exm. Sr. presidente da provincia
pelo director das obras publicas, sobro a necessi
dade da abertura de um canal de desvio para as
agnas do rio Capibaribe, tendo como fim evitar o
tranibordament d'esse rio as occasideS de en-
chente, e as consequenles innundacSes do9 povoa-
dos por elle banhados desde a Vanea at a Pas-
sagem da Magdalena.
Todo mundo anda se recorda dos grande-
tragos causados pelas iannnda;5es do anno prxi-
mo lindo, quer pela ele fevereird quer pelade
EagSihs Vank ff k de
aeiro Limited.
Capital do Banco em
30.000 aceces de i&
cada urna...... 1,000.000
Capital realisado .... 300.000
Futido de reserva. ... 120.505
HOSPITAL PEDBO II0 movinento desse es-
tabelecimento de 25 a 31 de julho do 1870, alm
de 270 doentes existentes, entraran] 35. sahiram
27, falleceram 6, existem 272, sondo 170 homens,
e 109 mulheres.
Advertencia.
Foram visitadas as enfermars' nestes- das as
7 1/2, 7, 7 1/2. 7, 6 1/2; 7, 7. pelo Dr. Ramos ;
ai 9, 11, li> 9, 9, 11, pelo Dr. Sarniento.
Fallecidos.
Joo Frederico Ribeiro ; amolecimento cerebral.
Joo ; tubrculos pulmonares.
Maria Antonia ; enterite chronica.
R isa Maria dos Prazeres ; eterite caronica.
Petronia ; apoplexia.
Januano; anemia.
LOTZRIA.A que se aeba veada a !55',
beneficio da Santa Casa da Misoriordia, a qual
corre no dia 6.
PASSAGEIROS.Vahdos para o Rio Grande do
Sul no brigue brasileiro Constante Unta :
Araerico dos Santos, Ignacio Moreira Ribeiro J-
nior. ___
CEMITE--IO PUBLICO.Obituario do da 31 de
julho de 1870.
Januario, pardo, Cear, 50 annos, solteiro, Boa
vista, anemia (hospital Pedro II).
Maria da Conceieao Costa, preta, frica, 70 an-
nos, solteira, Boa-vjsta; congesto pulmonar.
Genuino, branco, Pernambuco, O dias, Santo An-
tonio ; gaslnte.
Manoel, escravo, preto, Pernambuco, 35 annos,
solteiro, Boa-vista ; tubereolos pulmonares.
Emilti, parda, PorDambuco, 5 meies, Recite ;
ooavulsdes.
Paula, parda, Pernambaoo, 6 annos. Boa-vista ;
febre maligna.
Joanna Chrvsostoraa Monleiro, parda, Pernambuco,
. 21 annos, solteira, S. Jos; febre lyphoide.
Manoel, pardo, Pernambuco, 5 annos, Boa-vista ;
febre perniciosa.
Luiz, pardo, Pernambuco, 3 mezes, Santo Antonio ;
espasmo.
Bernardina Francisca dos Santos, branca, Pernam-
buco, 40 annos, solteira, S. Jos ; dyarrhea.
Candido, branco, Pernambuco, 7 mezes, Boa-vista i
eteio colite.
1* de agosto.
Maria, preta, frica, 75 annos, solteira, Sanio An-
tonio ; hepatile chronica.
Mara, parda, Pernambuco, 2 mezes, S" Jos ; de-
synlera.
Bernardrao Affonso, preto, Pernambuco, 25 annos,
solleiro, S. Jos ; coBgeslao cerebral.
Maria, parda, Pernambuco, 13 dias, Santo Anto-
nio ; espasmo.
2 -
Candido, escravo, pardo, Pernambuco, 6 mezes,
S. Jos : tubrculos,
Balanco da, caixa filial ca Pernambuco, em.
31 de iulho de 1870.
Atirti.
Letras descontadas. .
Emprstitos e coritos
caucionadas.....
Letras receber. .
Garantas e valores, de-
positados.......
Mobilia etc. do-Banco.
Diversas contas. ....
Caixa..........
1,67.6:9G3!$4!
9:29^5220
74:256^530
272:856^260
19:1830370
! 03:889^840
1,068:4110150
3,6^4:8560; 80
PassKO. v-
Coatas correntes sim-
ples. 738:9410820.
Depsitos, praso lixo,
com a.vio e por le-
tras 1,963:4530140
---------------^- 2,708:3940960
Letras pagar..... 32:309^20
Ttulos em cauca e de-
posito ....... 272:8560260
Diversas contas..... 617:2950740
3,(24:856078O
S. E. 0.
Pernambuco, 2 de agosto de 1870.
Joseph tombley, I Actg maMger>
L. Henderson,
St. de Pottere, Pro Accountani.
COMMUNICADOS.
N5o s na imprensa pernambucana que
os Albos da briosa provincia de Pernambuco
acham defensores.quando atacados vilmfenie
por adversarios polticos que, renegando
todos os principios do justo e do honesto,
n3o sabem respeitar a dignidade o tudo'
quanto de sancto possuem todos aqualles
que se n5o snstam-no9 seus festins pol-
ticos.
A Reforma, esse pelounnbo, quena corte
se oceupa smente era macular e mutilar-
I


Peino de PeTambviCo
fia eira 3 d Agosto de 1870.
MBT
?epnacOes, estenrto seu I so at
4*en>amt>, procurando > que
esli acinu do rus alaqttes Mas urn per-
nauubuc:ino, a'i mesinq, no Diario o Rio,
responda qodlle uij-am libdraldo ommo-
do 13o enrgico qiiando conveniente, e por
tal forma poz'etn relevo o cidadao,
carcter nobre o senrico relevante* se pro-
uruu depreciar, o,ue uos julgwnos obriza-
tos Iranscrf ver para as columnas do Dia-
rio de Pernombuco. esse .artigo, a8m (U
que em toda a provincia repercuta esse brn-
4o levando na corte em pr>l dos seos -h-
Ihos aH a zarrapos pela Reforma.
E'S artigo *
4 Reforma e o immando do batalhS n. 67 da
finar! nacimnl da provincia de Vernambu-
co. (}).
A Reformo, lando por programma esmorahsar
* situaran amal por todos os meios ao sen alean-
do, ultimo o m?is reprovados, uso duvida irans-
foi'nipr o rjobre apostolado da imprensa em um
Tnf.li leiro pelourinho. onda os acias mais regu
lares da adminL-iracito sao cruelmente estrang-
lalos e as rep;!:acoe5 mais libadas dos seus
adversarios atrozfr.ente diffamadas.
Ne-ue-empenh.i ess? jornal nao so importa cora
a qu.'liJade, origirn mi natunua das rias de que
Unc 5o ; para dirigir accusaces as mais vene-
iirffites ao governo, aooetto nformaeQda quer jae soja, dando, por exacto turto qoo contra
<* seta adversario, e sam precedencia de exame
lusea as suas terrivcis phiiippims em documentos
inv. So ittorial, a Reforma acensa ogoverno por ler no
meado a tal dos Santas* Silva, eommandante
d batalhao n 87 da guarda nacional do Peruam-
tiiu-.', imputando a ese cidadao diversos crimes
grave*, como do roobo e homicidio de qoe faiem
mongi i seis nertiddes, publicada- e pasadas psln
Hcrtvo do Caruar em dala do 5 e 7 de dezem
lm> de 1861.
O batalhao n. .57 comprehende os guardas na-
janana, o>< (refUeaiM de Papellaa e Quioapa,
anib't- perencrues ao municiai > do Caruar eao
di.-iriiio Ja guarda nacioual 4a comarca (lo Boni-
to ; Jos dus Saotis > Silva mora era Panollas,
Sin- .la capital dista cercada 35 leguas, das quaes
)h Ja sao pereorridas pela va forrea
Autos d entrar ni apreciadlo Jos fundamentos
da .reusagao, seta-nos permtelo observar que al-
lanto ao estado de eivilisacao di provincia de Per-
nambuca, maguera podera acreditar que jamis
alli se possa dar o ficto de um individuo autor de
tantos rrimes commet'idos j a seis annos, e sendo
alia* morador perto da capital, ler escapado at
h*je a rca>) da jiisnc,! puidiea, quer durante O
dominio da piditira liberal e progresista, quer du
raute a actual ; continuando o mesmo individuo
a g"f.ar sempre do m-smo grao de estima e consi-
duraco entre os seus amigos. Essa consideraos.i
nos par-ce sufucienti-, quamlo ola para mostrar
a iinpr ci-dein-ia da accnsa^io, ao menos para sus
(i.-i I.-r 'Vialquer juiz f iv.iravel s suas aega^o^s
aiiies d! ouviria a ilefesa.
Para uo ser exacta, no mpnor incidente a WS-
peiio (ttis fictos que re-rea Reforma, cita o nome
ii. Sr. Prederico de Almeida Albuquerquo ex-
pr.--i li< fsse obr.? ?enadur em na la concorden para
a teirneacio desse teneDle-eoronc! em qiw-tao;
can S. Exc. tetu a men.r lembranca Je jmai- ter
reeebiifci qmi rana sera dnta qu" vera publicada e
altrmi la ao commanSinle superior de Caruar.
O Jacto desse documento .vhar--e boje ein
poder da Reforma, m-slra com toda evidencia que
seim-lhante carta nunca fra entregue; eaoanto
a origein alludida; alo e, de ser do comrnandon-
peri' r de Caraw ha tanta exadidao que seme-
Ibante cera mando nao existe.
A creacao d> cummando superi'T para a co-
marca ie Cmara objecto de uma.p'opostn d;>
p'ri'SiJenei:i d>- PeroamBuCO, a q:al ahNa hh]e
pwde da d.*psao do governo imperial, e (uaMa
naci.itial -desea comarca at o preente contina a
perleneer aocommoiido superior do Bonito. O Sr.
Caml( iini, que figura como signatario deesa carta
s*m Anta, i- comman Jante superior da comarca do
Brejn e mura longa distancia de Panellas.
P.ii o. Sr. cmde de Bieoeijdy, na qualidade de
nn-ii-'ie de Peniambuco, que em 2'l de ontobro
* 1868 propia o Dome do Sr. los Afta Santos e
Sdva (i ra ewe cralo ado de baullia-, por ser
','Cs- que ; i- ..va de bom c Aceito.
A r'.M:iiQh.-cid.i mbrall lade d i Sr. conde de Bae-
penly|or si argunit-nt-i a> -s ; >deroso par; fot
inin;ir a accu-^cao ; escrupuloso como tem sido
em todo- iis .icios de sna tonga e honrosa vSda pu-
blica, jamis S. Exc. sena capaz fie Iludir a con-
lianza do goyerou imperial do qual era delegado,
jolieniini.i ii posto ee no comraaudo lie forc pu
blira para iinfassassino.
Para m >irar que S. Exc. nao aconselhou ao
p iVit.i i -er ao urna medida jusla e necessaria,
ij* a mesiAa proposia f-i reiterada no governo
liei.i s-a Hcceasor na or isidi-ncia, o Sr. Mauoel
P.iri-lla. nihi e residente naquella provincia, e,
p iruuto, coulicceiido de perto todas ae pessoas em
contacto com a ^Jministrarati.
Anda para corroborar o acto do acert do Sr.
Ba-poiidy, o Sr. A-is lt-.cha actualmente na presi
deiicta renovuo, em maio prximo passado, a nies-
M proposla aa governo imperial.
' P..ru.r:!o, issa nomeacao ful feita por proposla
(!' tres differenres presidentes ; a rrspeilabidade
il'. -;e< tre< nomes provam que o governo nao foi
illielid i, nem errou rio actdque pfancou.
E >|uandi., por hypotbc e, epossa admittir, por
momentos, mi-tdo algum d'e'tes erms phantesiados, a data
das C rerudoes publicadas sendo de 5 e 7 de dezem
hro de (864, a imptinidadc corre sob a responsa-
loli lade da potinca ligneira-liberal e das autorida-
des judiciarias do lugar ; rendo qu, qur o jait
de direito da comarca de Cirua que alli est
ha luuitos annos. qur o juiz municipal qne ha
poOC rio* da poltica liberal. Ambos e antes gosam da reputacao de aeren extremamente
zeiasos na perseguico de seus adversarios poln
ros, de modo qne podemos asseverar que talvez
sao cxi*la um crime on mtsmo um acto pouco
reg lar priticado por nm conservador na comarca
de Carnar, que tenha escapado r-a jurisdic-
i,a i uVsses dous magistrados; e de certo o Sr-
jo- Jos Santos e Silva, membro proemiuente do
partido dominante, juiz d paz, primeiro eleitor de
sua f egueza, se livesse tido a infelicidade de ter
ptatcado um aclo qoalquer irregular, nao teria
si Jo piulado por juizi-s tan zetosts.
le ludo (jLe acabamos de expender, parece-no
qie esii mais que evidente que a grave acensa-
dencia. A datas dos pr.-ee>o* que se referen*
as crtiiloes (isto de seis processos organisados
* iii di us dias. de-5 e 7 de dezembro e por seteeri-
mes gravi.-sjflins !!), sao do auno de 1864, quando
clava no seu Ihaior auge a reaccao progresista
contra o partido conservador ; essa crcuinstancia
%demonstra a inaocenciad i cidlo tao atrozmente
calamniado : pois o Sr. Jos dos Santos e Silva no
Jugar de sua residencia, gosa de bom conceito e
hornera Imuesi- e probo.
Como, porm, podein ter existido semelhantes
p/ocessos ? Ninguem ha nessa provincia de Per
Bambuco que ignore a sua eondemnavel origem,
sendo que, qaer na secretaria de estado dos nego-
cios da justica, qur na seefaaria da presidencia
de Pernambueo, devem existir documentos mis
iraudo a monslru i.-idde d'estes proeestos, para
nao dizer a farca que elles represeniam.
Em 1864 era ju'z municipal e delegado de Ca-
"roar o bachareJ Vieira de Amorim, inimtgo pes.
so il de Jos dos Santos e Silva ; e como este traba,
naqualuade eiuz municipal snpplente, de fund-
donar em urna justiflcaijOeleitorai em qne o mes
mo juiz municipal. e delegado era argido de at
tentados e vi leneias, aprofeitoo elle tima au-ehcii!
de,Santos, que tinha ido i capital, pitra em dous
dias pnrauncia-lo atn seto ctimes do sen proprin
invento, e que ;o oa de qne tratara as referidas
certidoes, am d* inutilfta-io para aquefl jostifl-
eio.
j i- dos Santos, Bbrm. voltando sua residen-
cia e tendo eWibeem''nio des recorren s autoridades iperlors, e obleve
luimeJiatamente kabeas carpos, todos, os pro-
s foram julgados impr.cedntA, e o jdfe
rauncipal e delegado Amorim' foi rmindsdo res-
bilisar pelos atttntdos que pralic-.a aestes
processos; eis, portanto, a grandes faltas qui-
coraiuflteu -Jos do< Sanios, a infelici-
lado de solTrer urna atroz p por paite
de urna autoridide em ra.
tudo que acabamos de referir cons-
ta de documentos offleiaes que o governo pode
rnandir publirar, e e porventnra es autoredes
injnstas aeYusaeoes dvercm.a cora
two, mb a firma de um borne eonhecido, de repe-
t'-las ya impren se em
verar que sera. logo alli confunJidos p ; de i
^^^^HIb>Bi1111111H
Rio de Janeiro, l/'da jullio do 18W).
Um Pcrnambucan*
(t) Por falta de espaco deixou esto artigo ce
aer publicado i mais tompa
liHlagtK&o d* vceao fepoto
4% ftahunae* m cadver.
Costoma-sa de ordinario rfepois das 24 horas da
morte, e antes da nhumacao ordenar-se peto tri-
bunal a insneceao anatmica do cadver do rave
nenado. Mas as veres o delicio oecttliou-se por
semanas, uor mezes, por annos, e omftra se des-
cobre, e polo acontecer que o juiz quelra desea
lerrax o defunio, esobmelter o corpo a ndaga-
^des da cliuica forense. Pode, p ds, coofiar-*a ao
medico paradescobrir apresenca de urna sabstan-
cia venfica, anarysan'lo as mUerasconfidas n'om
cadver inhumado desde mezos e.depois de. ao
nos? Iloje que vieran em soccorro^iara osle de-
licadissimo assnnpto novas experiencias de Orilla
e Lesaeor, seria digno de censura aquello perito
que desespeVado do consegnir na empresa cora
xho satlsfaelono se recusas de esclarecer a
soi enca.
Elle deve, portanto enmecar o seu traulho em
presidir a desliumac i da cadver, observando
alteniaotei rirrentos quo o alterem de modo a torna -lo in
ausceptivei do ser examida.fa, D.jve depois fazer
aiiiudartamenio aspirgi-lo com soluto de ehlo-
su recto (fecal, as quaes a* persSes .devem-so rope-,
tir em maior ahnndancia no caso que o cadver
tenha do ser transpirtado para um logar proorio
para a inspeccio. Com cadver r.'uma rea aberta e ventilada, ple c-a-
seguif-se trabalhsr ah pesar da pulrefabcao sem
ser impedido pelo fedor insnpportavel.
Tratando-se de um veneno vegetal, a menos que
nao sjft algoma base saliflcavel (gamo a morphlr
na e o seu acetatol r.'u n Ca I iver tumUlado po-
miKto lempo impdssivel reconhec-la: sendo
lae< venenos decompostos. e aptos a darefn rigem
a novo pniilucto:; nos quaes "nao se encontram
mais as prupriedades qu us caractersam. Nao
6 assim de alj-ulis venenos miheraes, se no mo
ment d morte tiver ficado no canal digerente"
quantidadiM de materia v.;uefica que correspn-
dain as tentativas chimicas. Para convencer-se
se esta substancia que o perito lena p'dide deseo-
brir abrindo o cadver depois das 24 horas da
m irte, seria possivel acha-la lambum 13 ou 20
mezes dpois qt:e o cadver loi enterrado, os pro
fessores Orilla e Lesueur escolherara algn? vene-
nos min-Taes dos mais fortes, assim como alguns
saes d- brucina c de e-trychnna, unidos ao opio
a as caniharidas para submeli-os as suas expe
riendas. Tendo conbecido que os cadveres lu
manos desenterrado^ depois de muito tempo nao
aiiresentam inais'vestigios de tubo alimentar; e
nao oflVecera senao u.n avanco consistente de
urna massa gordnrosa de rdr esoura que so leba
no abdomen ao lado da columna vertebral, eJIes
misturaran! estas sobsUocias venenosas com ma-
terias aoima.es expostas ao ar, metlidas em est-
magos humanos'ou pVircoes intestinaes, e sepulla-
das em caixas de abeto, e depois de rauitos mezes
desenterrad as, as suhmelterara a analyses.
Das experiencias instituidas sobre o rento arce
nioso Ihes rsultou, que este veneno pode reconhe-
cer se tambem passados amos depois do enterra
njent Se liws-e sido applcado em estado con-
creto, nao seria difflcil (K-d-lo descubrir e neo
Iher emgranitis enm todos os carsetenis dc'sse
vebeno. Em e-tado flu lo convm separa-lo de
urna grande parte das matorias anmaes evapo
rando a secc'/} licor i|ue o conhecem, e agitando
por alguns minutos o producto <\\ evaporarn oa
agua desiillada fer'Vento. O sublimado cmrossivo
log' decora posto pelas materias anmaes de mi-
do a nao ser reconhecido mais no sen esta lo de
vutro-c lornreto, porm'se elt operou sobre te-
cdos vivos congoo-n sempre depois de passa-
dos mu tos annos reoht-lo medanle o r^lr e a
p-it :sa, no esta lo mt-ia'lico. O ocetato d chum-
bo se leiMmpoe tambem depois de pouco tempo
pelas materias animaes. Porm o chumbo metal-
heo pode adiare sempre segundo o precipita In
o as ditas materias, e calcinando-as suffl tent-
mente. 0 me e o kifdrochlorato iConro. Os envenenoslos
com o opio nao permiitem ser reconhecidos no
cadver desenterrado mntos annos depois da mor-
re. a menos que nao eonaiga-se deHe a mo>7iAina,
parto di> opio .jue totalmente nao all-ra eom o
contacto das materias anmaes. A presenca, p >
rm, da morphma e do seo acetato pode reconhe-
ci-r-se no cadver do envenenado, igualmente
uiuitos annos depois da morte. Para enegar a
este lira os supra mencionados chraicos acn ifl
Iha.n de sobnwttor repli"admente as mat.nas
solidas ao alcohol, e evaporada a dissnlucfto al-
culi-ilico, derramar acido actico deluido sobre o
producto da evap rayo. Com isto se separa a
morphina da materia gordurosa queem abundan
a v-se nos cadveres desenterrad, s. Outra
advertencia necessaria aquella de toiher do ca-
lor o do earvao animal purificado o calor do liqui-
11, se o ilves-e contratiido, sem o que o sU uo
kViro nao dara o carcter de muda I" era azul
claro. Tratada depois com o ac do ntrico deve
tomar a cor rtaa. Estes caracteres (adverttem
elles) nao uo anda a faculdnde ao perito de pro
nunciar afirmativamente que o veneno foi pela
morphina. Resto dicsa i elle nao peder jamis
chegar se nao ohter morphina cnistallisada eom
tudas as propredade- que competem exciusiva-
m nte a e-la base salificavel: o que nao ser f-
cil pela tenues qnantldades dos precipitados, sem-
pre dissolvidos pelo ammeniaco que a pu'.rulaecao
cadavrica vai desenvolvende.
Pelo que toca a alguns outros venenos mineraes
de menos Importancia, e os vegetaes laes cono
abelladona, jusquianno, estramenio etc. ecl.os
quaes pela maior parte e-capam aos processos da
sciencia, recommendamos- ao letor que ednsulte
as memorias de Orfila' e de Lesueur.
Nao nos opporemos jamis aos resultados da
experiencia; porm, seja-nos permittido de fazer
aqu algumas refleioVa criticas obre as applica
5e ao exame da certeza do veneno. Pode re-
eonhecer-se um veneno ficado por muito tempo
iodeconiposto no tubo digerente de um cadver
desenterrado, porm milito differente provr
que aquella pessoa foi mora daqaelle dado vene-
no e nao d'oulros. Conheceinos nos ainda bem
os varios phenomeacs, e os diversos productos, e
muUiplices combnaijoes que desenvolve a pulre
faccao^animal para pdennos estir certos.que isto
que nos oblemos experimentando est.rmiateria or-
gnica j t da era preza da chimica animal, nao
seja antes um prodicto espontaneo dos processos
desta, antes do que o pretendido veneno ? O am-
monco si) nao capaz de fazer desapparecer do
o acido arsenioso, mudando-o em arsemaio solu-
val para perder-se na trra em que se acha o ca-
daver? E quando se tenha obtido acha- lo as
materias de um cadver enterrado desde rauitos
mezes, o mercurio metallico, estar por isto pro-
vado qne a morte foi por etTeiio de um veneno
mercurial J Depois de Idngo tempo com asse-
rar-sc se aquello individuo nio usou p uco antes
dn morte das prepararon merendaos como medi-
camento, e perdeu a vida por urna ontra causa
muito diversa? Mas a difflcnldadn qoe Tica sem
pre irremediavel contra as ileducSes qoe se pode-
dato tirar de semelhantes experiencias em prova
do veneno, eStn : que ninguen pode a/firmar
quefi veneno encontrado nao foi introduzido depois
da marte, e que ponco lempo depois a sepultura
snOclente para apagar qualquer daquclles indi
co-, que sf rvem para fazer disting ir esta
fraude.
uiras consideraedes temos ainda a f izer que
fi;ro para a oceasio opperlana.
toruetw lilla.
O MAJOR MARaONILLO DA SILVEIBA LINS,
AO PUBLICO.
i
Na parle* noli ciada do IMtrvl de 18 de junhn
do correte,anno e sob o t luloVasaa Iwrtsem
etcraviiao\to\* se do testamento pelo qual em
1841 a viuva'Maria Jos de Lima deixar livres
sete crias de sua escrava Jos-plu, traascreve-sa
parto da verba tastaroent.iria respectiva, e accres-
centa s -.Entretanto nhi est, segundo nos m-
formnm, no engenko lussauuss da fregurzia da
Eseada, o liberto Antonio, comprado pelo Sr. co-
pudo MarcitmtUo da BHtera Uns. /Nao do Sr |
baio de Utinga, urna das autoridades policioes do
anda depois de fallecido o individuo amum pes-
toat e exclusivamente ficou o kberto oorigaio a
servir /
Cor re-me, pois, a obrigace de vir perante o
publico mostrar que mal informado foi o Liberal
ao darsemelhante noticia.
Nao cmprela) preto Antonio e nem como escra-
vo est elle em meu poder.
Domingos Pe reir do Espirito Santo, por ocea-
sio do inventario de sea sogro Francisco Pace
Sancho Bezerre
o orine i
entaVil
'.guido nal
como par sea euuhado tnoel Gsmes, adi
ipor >tu ve .?-los ehegar a um ee
Come amigo petaoaj e poltico de ambo
tei-me a sto, e como meto de etilar a coni
nao dh denbarmoni. e deslntelltenia em a
slatiam. rtsolvi c direito hereditario, oque foi affeetaado n*i,
so a 13 do novouibrii de 18g8> ,, c;<%
residencia do< vendedores no engeaho Son
nota* do Ubellio pubfico Joao Dimaseono e
a respectiva eci ptura, na qual se W o seguia
E pelos vended'iirs (Domingos Pereira do Esdrito
Sanio e sua muMier D. Mara das Mercs) (oiiito
fue elles eran legitimo* herdetvos Ao finado Irn
dscp Pars Baireto, e qne tem 4e erdar dm (a-
zendas por dito /inaiu'Aeixadas: qaaf kerai$
comprrliendid'i em eseravos, bois, prata. ourt al-
gimcnhre,etem elles tendedores justo e contiata-
do vewlerem como defacto vtniido tem a fun-
cionada heruca. que Ihes tiver de tocar nosbens
deixados pelo dito finado Francisco Raes Btelo
ao comprador Jlarrtonillo da Silveira Lint, por
precn e. quantia dfl:200&. que nesie. acto dedaia-
ram etles tended-tres ; la-o rebebido em dmkeiro
legal do comprador e desta qnantia tlOo pleno e le-
falquitacao de pagos e natisfeitos ao comprator.
Concluido eitu o inventario do tinado Pae
Barretlo, mediante avaliaqao feita pelo ciiron.fl
Audre e pelo caiiiiae Io- SAeho, mas nao as-g
nadas paellas, (por dftsgostos quj ento se deron
eaife pnmetro o Domingos Pereira) o simpdr
Z;fidno Alireliaau e Antonio Munit Pereira.que
com ella se conforraarara, fez se a partilha fntre
a viuv D. Tftereza de Je-'us Mara e mais bitdei-
ros, e foi julgada p r sentenga, cadendo-ina/corao
cesinnario do herdeiro Dorniogos Pe re rao sua
mullier, entre ouros bens, o prelo Anbviio no va
lor de 8U0#0ti0, dizendo-me ento a v/uva inveo-
tarante e outris pessoas preseates, q'ie esse va-
lor ora dado dos servicos qne o referido preto es-
lava obrigado prestar,- anda per 8 anhosT
Havendo assim recebido a heraca ipie com-
prei a nm dos herdtros do finado Faes Barretto,
foi para meu engnho o referido preto e nelfe
lem estado a presiar-me servicosi nao como es-
cra o, mas como obrigado a elles'pelo lempo que
foi declarado, sem que todava ('u houvesse at
agora entra jo em maiores indayacfies acerca do
molo porque dle se constituir Jin tal obrigacao
para com o fin nL> Pao* Brrelo, sabeodo, porm.
qu nutris iiiiio- do mesmo prelo estavam a
preciar servtj.>>s a dfferentospessoas, e nao po-
dendo su-p'-tar que h mvessealguma duvida so-
bre tal pbngacao atienta a qtalidade das pessoas
que tinhain intervindo e liifurado no inventario.
V portanto o respeitavel jublico que nu cora-
pre o preto Antonio, o nao o tenno cuno escra-
vo : poda te-lo fiio, em boa f, como a qual-
quer pode acoo.ti-.cer, sera que dahi me podesse
resulur censura.
Entretanto, era vista da pablicaca do Liberal
oblive ceriido do tostaiorato no qual se cncontra
a seguate veros, ,|ue rnente em parte foi pu-
blicada p lo Liberal.
.... Declar que a dita escrava Jnsepha tem
parido'sete crias,- as uaes sao as 'egmnte*, que
se ar.h'im vivas. Benedicto, Candida, Francisca,
Eugenio. Themntheo, Antonio feliciana ; e lados
sete delta forros e libertos, com a condiceo que
Benedicto, Candida e Francisca ficaro sujettos
rm compankia de francisco Pues Barretto casado
com minha sobrinia Tkeresa de Jess Mara, at
o e*paco de tempo de 30 annos depois de meu
falltcimento, pare, este iiiMr e utilisar se ie
seus sercicos e deveruo servir durante o mencio-
nado tempo com toda a s-ujciqav de etaroBOt, que
a tibeniude quf lites concedo tao smente fihdo
o dita lempo em diante : Eugenio e Themothen
carao em companlua c suje/cdo ile meu snbrinho
Domingas Pcreira do Espirito Santo: Antonio e
Feliciana./carao em poder e sujeicao de mea so-
brinho Joao Paes di Lima, com as mesmas con-
dicces e tempo aprosado cima mencionado e es-
tiputadi. aos de F ancisco Paes Barretto, e mere
cenia elles castigo, podero ser castigados.
Nao sei poique modo J io Paes de Lima .rana
ferio a Francisco Paes Barretto o dreilo que Itie
foi leg-ido por sua lia, sobre .* servaos do preto
Autoiu, o faeto, porm, e c,ue Francisco Paes
Brrelo tinha Jilo prelo em sua. corapanhia a
prestar-Ibes servico.' A vera de que os de
mais irruios de Antoj io, deixados forrriscomo
e-ie lem estado aos servio, s das pessoas designa
das pela tesialor.i e de oulras a quera estas tem
transiendo o Jireito de percebe los, e tendo a
testadora fallecido era 2 de marco de 1844 ao
apparereii at agora, coiitestacao on duvida al-
guna a re.-p.-iii,.
S dovo accrescentar que no inventario de
Francisco l'aes Barretto, uao se Ca referencia
alguma a-> teelaraonto com qu fallecer su i so-
$c*, nao sendo portanto Mohecida por mira a
verba teslaunmlana relativa a Antonio e sjus ir
raaos.
' Em vista do que levo dito ver o respeitavel
publico quanto falca a noticia que por nial in-
formado, o.i smente por espirito de opposicao
Otase s Liberal de conservar eu em es.-ravido
pessoa livre.
Nj sendo eu versado era materia de dreito,
vim a e-la cidalo onde acabo de ser aconselliado
no sentido de que ha divergencias de oplmdes
sabr poder ser ou nao tran-fervel o direito a
serviQos tugado pela forma constante da verba
testamentaria e que at no propro instituto dos
advogades da corte, quando agitada questao idn-
tica houve divergencia.
Em vi-ta disto e querendo reservar meo drei-
lo contra os demais herdeiros do finado Francis-
co Paes Barretto. requer ao juizo competente
nomeacao de um curador ao preto Antonio para
proppr a competente ac^io, afim de ser julgada
ou nao a presta cao de serviros pelo tempo res
tante.
Por estas i zoes que lgeiramente trago a im-
prensa, ver o publico a boa f com que ost u
ueste negocio, a iujusiica com que procura can-
surar-me e Liberal, e a inexaclido com que
dea a noticia a que me retiro, mais cora o lim
Je ferir me do que levado pelo generoso impulso
do amor a liberdade.
Recfe, Io de agosto de 1870.
Maroncillo da Silveira Lins.
com tanta ganna, atira suas eiradas aellas, e seus 1
tiros nao o poaem alcancar.
Se qnizessemos fjwr fallar almas do entro
mundo, taamos a desse menino dzer o que sa-
be : ella dira que a fortuna do Sr. niajor Lins
nao foi adquirida com traficancias, nem por esses
meios qne insinuou ; foi ganha com o sen suor,
com o seu rigoroaJ irabalbo e economas, sem
precisar de toser chorar algnera ; que eslao ven-
do par um oculo o que a trafieanda leven, para
ie arretar de senhsr deengenhos dira rtais qne
esies 14:000*000 foram pagos com todragenero-
sidade e honra, em preinito das partos ; e qne
onto unin nao se dir com quem Uu pegou na
mao para assignar.
Se qurtessemos descer personalidades radivl-
duaes, mait coma teriamo- em que nos occuoar
e cora o cunho da realidade ; porm queremos
guardar as conveniencias sociaes, nao remeehendo
a vida privada de nossos ioimigos polticos, ma-
ximt apreseniandn-se- elles sempre embucados,
como se apresentar-se todas as vez que oerta-
mam a sua biles contra os seus desaffecto*.
So, porm, a mao que pegou na penua da alma
desse menino quer tirar a viseara, sssumindt a
responsahdade n'esse terreno, nao terei duvida
de ennsur a minha latida eom elle ; porm, para
joga-la com anonymos embocados, nao esioo de
accordo fat-ln : aprsente se franco,-e me a-
cbar prompto drspniar o terreno.
Temos dito, eli-amos espera da resposto, pa-
ra por ella dos gui ir.
Um Victoriense.
Srs. Redactores. A opposicao nos sens plirene-
sis nao perda, e nem perde a maii:"
occasiao de ferir os seus ioimigos polticos com
calumniosas mentiras, tirando de si as masellas, e
langando-as sobro aquelles que llie sao superiores
em conducta e escirmados de criraes, e que go-
zm de prestigio e reputacao entre es seus conci-
dados; em vez de moralisar o seu partido, s se
oceupa em ferir a honra albeia.
Essa phrenetica oppaicao maloliente, no seu
pasquim liberal, s e oceupa em ferir e calumniar
as reputacoes bem firmadas no pais ; a inveja
quem a domina ; sna mesqninba posico aa soeie-
dade a faz esbravejar de raiv.i, atirando-se, com
a maior ferocidade canina, contra seus ioimigos
polticos.
Se essa opposiclo tivesse a consdencia bem fir-
mada sobre o qoe deve ser um patudo poltico,
nao se rebanara fazer umspapel d regateira
0 seu orgb oa imprensa seria nina folba digna
de ser lida apreciada, se se oCcupasse em ais
cutir ceiiveniencias polticas e sociaes; ma, ten
do se intelraraenlc tornado Utn verdadeiro pas-
quim, o verdugo e o atonrrague mais feroz, com
que desapiada Ja mente aconta os sens adversarios,
por mais bem firmada que seja -ua reputacao, em
vez de ser o orgSo de urna poltica, nio passar,
jamis, d'nra ionuundo e asqueroso papeluxo nau-
sea hondo e sem sigu ti cacSo.
Se essa phrenetica opposicao quixesse tomar o
nosso cobselho, consciertoosamente Ine diriamos
Se trilhasse outro camlnhn, arripiando dessa car
ra, qu, sem duvida, a dever levar a um me-
donho precipicio.
Caminhem, imbeeeis I e mu cedo encontraras
o erro dessa poltica pe amblle es tac desenhecer o verdadeiro caminho
qne devem ti dhar.
Permlttam-me, benignos letores, qne aceras
cantemos rhais algumas lionas ao qne J vai dito,
firmando mato nessa npinio, oa conviceao em
que estamos dos erros desse partido, que quer ter
foros de poltico, qnando, pelo de-cilabro em que
caminbam, nio pasaro d'uma gglomerafio da
rraldizenies e ganhadores, e seus feitos assim n
termo-, que reim aqtclla pessoa livre como estrato, f eoinprovam ; vamoj um bem recento.
io Liberal a. 202 de 15 de julho, deparamos
cora om arancel infamante contra o oosso prest
mus- amigo, o ei Jadi Maooel Cavaleaito d'Albn
querqna Sa, mot digno delegado deste termo, as-
signadoAlma do mmino.
Nao ww e descsinheciJa ett alma ; e so qni-
tesemos fallar a wd amos de quem
Hie pegou na mi pan assignar : perdea o seu
lempo, mea menino, em snppor que desacredita a
repuuco bem firmada desse bomem, sobra ajota,
Respot* So guarda da Ha-\ isla ao guarda do
Coflega e amigD.L o tea nauseabun-
do e immoral artigo, escripto de accordo
com o teu insparvel asqueroso amigo
Oat'm, re heiado de falstdade?. e concebido
n'uma liDguagem prupria de arrieiro, de
tai imbeiro, em summa, de -ti que s geral-
rnnote conheeido pelas tuas importantes fa-
canhas praticadas no mea maifadado brta-
lb5o, onde tens representado bem tristes
papis, e at mesmo no seio de tua fami-
la.
0 que pretendes, enxertando as colamnas
do Ditfrio com semelhante artigo? Tornar-te
ainda mais conheeido ? Ne possivel. por
que alem do ten nome pro rio que Chico-
tese, tens o de Phantasma da Ilhados Ratos.
Ihsciplinadr chapeo de sol, Agulha
branca e outros.
Tai vez que qnizeste observar os effeitos
da tua pubiicaco, a impressiSo que causa-
ra no animo do publico, e e-ito subiste i
tribuna da impreasa, similhan^a de Ver-
net que, para piolar urna lefnpestade. fez-
se atar ao mastro do navio balido pela
nrmenta ; similbanca de Ptimo que para
verde perto a naturesa, despenhou-se as
lavas de orna crtera. Porem, mea illus-
trn Phantasma, foste infeliz na la obscr-
vaco, p rqj- o publico, sabr tudo a
guarda nacional, jsabe perfeitamente quem
s, de surte que, quando indignamente oc
cupaste a tribuna da imprensa, te conver
teste em um vulco, f sendo entretanto
erupeo de lama, ua qud te abysmaste, li-
cando completamente enc'iarfudado.
Pura quesahiste do teu sileni-io? O que
f i que te;tou-te? Nem ao menos le lem-
braste que Can foi fratricida ? Para que
ouviste e obedeceste cegamente aos con-
selhos d'elle. t rnando te peif^ito instru-
mento de \ inganca ? Pois bem ; urna vez
que qiiizest; romper o \o da tua obs uri-
dade ou nihilidade, prepara-te para ou ir-
me, quer agora, quer sempre que appare-
cas, poique vou poMte irnHra parte da
tua c Iva. deixando o mais pitra ontn< dia.
Aconselh'istn-me. como meio de enri-
quecer, a minha ent ada ha Alfa. dea.
P.tra que MUste Disto, meu 0fta/Hasmac!
Nao sabes q ie desta forma arrogas-te urna
injuria aos Empregados, daqu-la Reparti-
rn? J te esqoece-te do que fez o teu
SGbrin-to na Alfandega?
0 teu sobrinho qne, abusando da boa
f do confarrnte, fez smente raenc5o
de melado das mercaduras coudas em 2
vonmes, o que foi descoiierto na ocajutfo
d Conferenli d p rta ir dar sahi'ia. Have-
ria mainr escandaio d que este ? Respon-
da-me Sr. Phantasma.
J te esqueceste do que tens feho no ba
talhao em que, s verdadeiro sanouesuaa do
dinhei o dos powres guardas, pretexto de
caixa do batalho' poni de apre.-entar
tardados 2 biroaceirus, e outros paisanos,
e ;u mesm eseravos, rra revista d^ mos-
tra, afim de ter jiis ao sold, e ser este re
co hido a dita mysteriosa caixa. da qual s
The oureiro contra a expressa e terminante
disposicSo da le ? E a mmala do di -
nbeiro dofardamento? Isto cousa que
rende que enehe, peto q e admira, que tu.
oh I Phantasma, eslejas sempre magro, s-
mente estirando s peritas de Emma. Real-
mente tens unr-s pernas que deverlo antes
sr chamadas Varetas, e como tes empre
gadas no servico do bata-baol!
Eu, meu caro DiscipHnador chapeo de
sol, pedi que para este nome fosse modado
o da ra de tua habitaeSo, como urna lem-
branca do teu vergonhoso e notorio feito de
15 de novembro de 1865. Por esqeciraen-
to, porm, deixei de fazer igual ped do com
relacSo a rutTdoHispicio, alterndose este
nome para o de Caim. como urna lembran-
ca du depoimeuto falso que elle den contra
o propno irmao.
Finalmente, acons^lho-te qoe saias do ba
talho, porque s a escaria dos commandan-
tes, ltenla a tua desmuralisaco e descon-
ceilo publico. E proveito o ensejo, pra
dizer-te qoe brevemente direi afguma cousa
era relac^o a minha sabida da alfandega,
assim como a maneira porque sao despa-
chadas as mercadorias do teu amigo Caim,
e ra-do porque veem preparadas da Euro-
pa.
O guarda do 3." batalhao.
Resposta ao Laboral
No Liberal n. 202 de 18 do corrent, encoatrei
queresa e pessobenta baba que me foi toncada
por um vil emeafktado, em qne se erabussou esse
lofarxe calumniador da honra albeia, o qne certa-
mente nao o (aria de viseira levantada, com receio
de que Ibe Toasen) pisados os callos, mas que, por
mais que se esconttoaae, nao deixa de o enebergar
pelo bater das orelhas, quem uja esse vil detractor
da minha honra.
fteixo de responder, como merece ese pusi-
lame energmeno, per me julgar muito cima
d'etla; se porem, nao tome, que lhe seja desfeita
em pedacos.'suas mentira e calnrania., tire a
mascara, e aasnma a respooeabilidade do que es-
creveu,' lhe assevero, que nesse terreno Ibe dare
repo8la caba. E' quanto termo por ora diser,
pois, qne, nao costnmo a perder o meu tempo com
anonymos fis e entrigantes.
C Alegre, 3 de agosto de 1870.
, -Manuel de Atbuquerque Silva.
Oleo uro Medicinal de 8t d
de fta-alhao. deaaaiatt tt b
Kenp
Garando por sna marca commerctal coaserva-
se inalieravel e inimlla'el.-tumo nm .rtigo ae
primeira ord^m, damajnr pureu e efBracia pos-
M**2i pr"ra *a,n,lnIi<'a de snas virtudes
nediCinass mencionaremos os seguintes nomes-
dos afamados mdicos, os qaaes us renetteram
cerliQcad.*j atestados voluntarios de coras di*
ainerentes nlotostlis desesperadas. Dr. Benito J.
Biera, lgo de Cuba; Dr. Jos Ftaneo Rm. Hava-
na ; Dr. PaMo Verdna v Anto, lmo, Matanta, Cu-
ba ; Dr. Miguel de Zayas, Pto, Ppl., Coba; Dr.
Knphael TretnohTrindade.
Esta lista poder-se-hia encher de alto a balxo
com os nomes dos mdicos eujos testemunbos se
achara archivados em nos,so poder. Todps o prin-
eipaes droguistas leem veada esto admira val pre-
parado.
FRAGA DO MECIFR^t DE AGOSTO
DE 1876.
AS 3 1/2 HOBAS DA TARDI.
Gambio sobra Londres 90 d/v 22 3|4 d. por i*
(hontem o hoje).
Frete de algodao daqui para o Canal e portos do
Reino Unido on Continunte, t ntre Hambnrgo e
Havre1^3 por lib. e 5 0(0 ou at Cronsiadt 5|8
portib.,etn direilura 3|8 por lib. sem capa.
Pelo presidente,
Mesquita Jnior.
Pelo secretario,
A. P. de Lemos.
ENGUSH BANK
)f Ri de .Janeiro Limited
DescoQta lettras da praca taxa a cod
encionar.
Recebe dinbeiro em coota corrente hi>
l raso fixo.
Saca vista on a pwso sobre as cidadet
jrlacipaes da Europa, tem correspondente!
a Bahia, Buenos-ityres, Montevideo, Nev
i New-Orieans, e emitlA cartas de crdito
iara os mesmos lugares.
ftUA DO COMMERaO N. 36- ,
AlfANDEOA.
lendtmento do Ua 1..... 44:0V8306
d^m do dia 2......' 69;09273
113:347#69
MOVIMENTO DA ALPANlEGA
folnmaa entrados cora fazendas
dem dem coro gneros
foluraes sabidos com fazendas
dem idem cora gene-o
234
474
------708
152
322
------ 474
Desearregan hoju 3 de agosta,
Vapor uglezGladiatormerc.idorlas.
Patacho norte-alleinaoLe tonteidem.
Patacho inglezBrtskidem.
torea ingiera Withc of lhe Feigan\hm.
Escena norts-alieu,3o-Georgdem.
Patacho americanoPrcsti/seneoidem
Brlgue suecoMinaferro.
Barca ingieaIWmwaferro.
1ECEBEDOHIA i)K KENDAS INTERNAS ttK-
RAES DE PERNAMBUCO.
tendiraentode dia 1 ... 3:8394124
V. ra d dia 2....... 9:011 212
12 830J336
ODMSIIiAW
Kendimento do dia I
Idem do dia 2 .
PBOVfNCAl
6:74984l
:> :413*632
12:163*373
MOVMEETO GO PORTO.
^ Navios entra-tos no dia 2.
Buenos-Ayres21 dias brigue hespaabnl Joven
Eduardo, de 1'.'0 toneladas, capt-i Jos B ipti-l:i
UaHe, ebnipagem l.'i. em lastro ; a Amorim Ir-
mao & C.
Hambnrgo- 46 dias, escuna norte-aUemao f7for
gene, de Ifio toneladas, capillo F. Belirmann
eqnipagem 8, carga dinVrentes gneros ; a Ad
tonio L. de O. A-vedo & C.
Navios sahidos no mesmo da
Rio Grande do SolBrigue bra^leiro Constante
Umfto, capito Valeriano Pereira dos Santo?,
carga a-vncar.
HivreBnrca norte-allemao Cari George, capitao
F. Stovt-r, c.irga algodo.
ECITAES.
Fi(;o constar a quem convier que o Illm. e
Kxm. Sr. conselheiro director ger.il iuterii tem
sp;ic.idi) para o dia 8 de ag sto prximo vindou-
ri o exame de habililacao para o concurso ca-
d'ira vaga de all'.-tnao dogymnnsio provincial, que
devia ter lugar no dia Io i> raesma
Secretaria da instrurcao publica dn Pernambu-
eo, 30 de jutho de 1870.
O secretario,
______________Anreliann A. P. de Carvalhn. .
O raspen r interino da alfandega, laz pnhli-
f i que existindo na mesma os volomes abaixo de-
clarados no ca-o de seren arrematados para con-
sumo de conformidade eom o disposto n cap. 6."
tit. 3 do regulamento de 19 de setemlu-o de 1860,
oS seus donos on consignatarios devero despu-
chal-os no privo de 30 dias, sob pena de Ando
elle, 3erem vendidos por sua coma, sem que Ihes
fique competindo allegar contra os effeitos desta
venia.
Armazem n. 1.
Marea Bastos1 lata sem numero, eom amos-
tras, viada d Ni-w York, na barca americana Cus-
co, entrado no armazem em I de d' z>>mbro de
1868 : ignnra-se o contedo e a quem i-naignad,\.
Mera M. B. St Cns. ISI/200, 1 eir.brnlho, a
musirs, vindo de Liverpool na barca inglm Sa-
pite, entrado em 16 de Janeiro de 1869 : ignora-se
o contedo e a consignacao.
dem H Nn. 1 dito, idfm, vindo je Hambnrgo,
na osenna norte-allemao Catharina, entrado em i
de fevereiro de 1869 : ignora-se o conteJo e a
ccnsignaco.
dem t & Lsem numero, 1 dito, dem indo
e Antuerpia no patacho alterna Anna, entrado
om 15 de marco de 1869 : ignora-se o conleiido e
a consignacao.
dem diamante N Fns. 56/60,1 dito, idem, viu-
do de Liverpool na barca ingloza Levante, entra-
do em 9 de abril de 1869 : ignora-se o conteiido e
a consignacao.
Sem marcasem numero, 1 saceo eom amo?-
tras vindo de Liverpool na barca inpleza Tlanten
Claud, entrado em 15 do abril de 1869: ignnra-se
conteodo e a consignacao.
Marca diamante P Pn. 83, 1 caixa cora cha
Tinda de Liverpool no vapor ingle Gladiator, en-
trado em 23 do abril de 1869 : ignora-se o conte-
do e a censignacao.
dem G 4 F Ta. a, 1 embrolno vindo de An-
tuerpia na barca ingloza Reteiva, entradoem2i de
abril de 1869 : iguora-se o contedo e a consig-
nacao:
dem A Fns. 127/135, 1 caixa viuda de Liver-
pool no vapor inglez Ann Wltaton, entrado em 24
de abril de 1869 : ignora-se o conteni e a con
signicao
dem G. A. Alvos k Pilbosa. 8, 1 eatruUio
vindo de Southampton no vapor malea Jtonro, ea-;
irado em 27 de abril dn 1869, consigoado a G. A.
Al ves & Filhos : ignora-se e contotkdo.
dem Vns. 40/49, 1 dito imtodeSmilbatBplon
no vapor La Plata, entrado em 17 de jiMie de
1869 : ignora-se o contedo a a conaignacao.
dem diamante N Ens. H/1C, 1 dito viada de
Glasgow na barca lagleta Mimosa, airado em 7
de julho de 1869, coasignada a Jobas! Pater A
C : ignora se o eantedo.
dem triangalo Jos. 1/30, 1 taixa amito de Li-
verpool aa barca inglez toatUa, -rrlmti m 2i
de agosto de 1869 : igrwra-se o eoMesato ea oen-
sigSMcao.
Mera H M seta aumero, 1 vetaane vindo de
Hamburgo na barca n irte-ailemo jipata, entrado
ara 28 de agiste de 1869 : ignora-sw oeoaneodoe
a consignago.
dem triangulo H Lns. 228/230, 3 canas rin-
das de Hamburgo na gatera francesas Jtmtlm, ea
U-ada em 9 de setr mbr de 1860, eonstajaadt a H.
Leger : ignora ae o contedo.
dem A. Drummondn. 6 ou 113, 1 eabralho
com amostras viado de S nrihampton e a^or io
glez Donro, entrado em 26 de ouroare sVs 1869;
i^nora-se o contedo e a consigoato.
Id-ra H L A Pns. 1060/1063, 4 ealkas vindas
do Havre na barca (raneeza Solide, entradas em 5
de novembro de 1869 : ignora-se o aantetdo e a
consignacao.
dem triangulo travessao Lns. ltl/113.3 cai-
xas viadas do Havre na barca fraicasa Salto, en-
trada em 10 da novembro de 18tf: ignora-se o
contedo e a coasignacaa.
dem Ordemn. 7o, 1 embrulho vindo de Liver-
pool no vapor Saladim, estrado em lf> de novem-
bro de 1869: ignorarse o contedo e a consigna-
cao.
IdemSB DMB-n, 17) viada do Ha-
vre na barca franceja" 'San: efrtrada em !
de novembro de 1869, cons'guada a Se ven ano Ber-
narda di- M lo : gaiira-se eoateMo.
demqua.irado H l.-n. S8. 1 dita vinda nome--
mo navio do Havre, en 24 de novembro de I061_
consignada r: ignora-se o cometido.
dem diamante N' E-ns. 27/31 32/36, 2 embra
Ibos vindos de Glasgow na barca mglen Mara-
ado, entrados em 1 de dezembro de 1869, ao
amostras asignadas a Johnsion Pater & C.
dem Harding dc'Macbayn. 39,1 oito viodo de
Liverpool no vapor inglez' Sapkin, entrado em 3
de dezembro de 1869 : ignora-se O contedo e
conslgnacac.
dem Brotisk Forendsem nnraeru.Jl embrnlbo
vindo de Liverpool no sobre dito vapor, entrad
era mesma data : ignora se o contedo e a consig-
nacao.
dem XX S Mns. 4276/80 e 4296/395, l'em-
hrnlho vindo de Triaste na barca norie-allema*
Bernurd, entrado nm 4 ce d lendo amostras de papel: a ordem.
dem V L A C H Ln. 3!, i caixa vinda do Ha-
vre na barca francesa Sphere, entrada em 9 de
dezembro de 1869 : a ordem, ignora-se o con-
tedo.
dem II Z C-ns. 7777 7779, 2 embrulbon vindos
de Southampton no vapor inglez Ralcaia, enmato
era 15 de dezombr de 1869, cunumdo gmusiras,
consignados .i Monhard & C.
dem J. L. Saylorsem numero, 1 embrulho
vindo de Liverpool no vapor inglez Olinda, entra-
do em 21 de dezembro de 1869, contendo amos-
tras : ignora-Ee o contedo e a conaignacao,
Armazem n. 4.
Marea E A B & Cn. 21, 1 sacco contendo pl-
mento fin*) de Ma ralle na barca francea Anmne-
tin. entrado em 21 de Janeiro de 1870, consienad*
a E. A. Burle & C
Armazem n.-8.
Sem marca2 fardos vindos de Liverpool na
vapor inglez Saphira. entrado em 31 de marco de-
1869; e mais 1 volurae sem marca e numero, con-
signados a S. M. Britannica : ignora-se o awi-
iedo.
Marca B B Jn. 1 e 2, 2 gigos vindo de Liver-
pool no brigue mglcz Belte e[ th Cleu.de, etilrsA
em 29 de maio de 1869 : ignora-se o comtalo e
a consignacao.
Wem Triangulo H L78 caixas vindas al
Havre na barca inuleza Adelle, entrada em 2# de
setembro de 1869; mais 11 caixas da mesma
marca, idem dem entradas em 21 de setembro e>
1869, mas tt ditas, idem dem entradas em 24 e
setemblo do dito anuo, ennsiguadas a H Leger :
ignora-seo contedo, (estao em de.'paehn).
dem M F & CKM bm- vio-losde .lew-York
na barca americana Heritrd, entrados em 10 de
fevereiro de 1870, censignados a A. P. da Costo &
C ignora-se o contedo ; mas 100 saceos da mes-
ma marca vindos de Londres na escuna-allemaa
Mury litabtth, entrados em 7 de Janeiro de
1870, e 20 sacro-? da mesma procedencia, e mes-
mo navio, entrados em 8 de Janeiro de 1870, con-
signados a M. J. da'Costa & C ; ignora-se o sea-
tedo.
Armazem n. 9. '
Marca A CN. 1 44 caixas vindo do Porto
na barca portngneza Despique II. entradas em 11
de fevereiro de 1869, consignadas a Albino Jes*
da Silva ; ignora-se o contedo.
dem T R fsem numero, 1 caixa vtoda do
P .ro na barca porlugueza Triumpho, entrada en
29 de mato de 1869, consrgoada a Jos Ferreira :
ignora-so n comeado.
dem A CL A C X. 12 t barrica vinda de
Liverpool no vapor n~>z Oliiid, entrada em ."?
de oniubro de 1869, consignada a Adriano Cs>
i: C, contendo pregos; mais 2 barricas, da mesma
marca, ns. 13 c 14, da mesma procedencia e vapor,
entradas em 8- do dito mez e consignadas aos
mesnn s.
Manuel Furtadasem numero, 1 caixa vinda
le S Mignel na escuna portngneza Dio, entrada
no armazem em 26 de novembro de 1969, eoosig-
nada a Matioel Puado, contendo 1 quadro d*
Senhor Santo Christo.
Pedro Jos da Costa Mellosem numero, 1 gig
vindo de S. Miguel na sobredita escuna, entrado
em 26 de nonnibro de 1869, consignado a Ped?
Jos de Mello, n nlendo peneiros,
Marca J P S -1 barrica sem numere vinda >
snpraiito navio, entrada em 27 do dito mez, casi-
signada a Jos Pinto de Souza, contendo balotan
Letreiro sem numero, 1 c>. ixa vinda de New-
York no patacho americano sa, entrada fin 1;
de dezembro de 1869, consignada a Hanry Forster
& C : ignora-se o ci aleude..
Marca CBsera numero, 1 dita vinda de Liver-
pool no vapor inglez Olinda. entrada em 22 te
dezembro de 1869, consignada a F. de A. Ponseea:
ignora se o cometido.
Idem J P Msom numero. 95 ditas vindas de
Rambnrgo na escuna allemaa Betty, entradas em
8 de fevereiro d 1870 ; mas 5 caixas, da raesma
marca, >em atunero e da mesma procedencia e
navio, eniradas em 10 do mesmo mez : ignora-se
o contedo e quem consignadas,
Sem marea sem namero, 1 dita vinda d
Porto no hrigue portugus t/(7o, entrad em' 4
de margo de 1870, consignada a Francisco Moreint
Pinto Barbosa, contendo um gerin.
Marca Tsem numoro, 2 ditas vindas do Poru
nn obredito brgiae, entradas em 7 de marco de
1870, consignadas a Thomaz de Aquino Ponseo
t C : contendo cebollas.
Sem marca sem numero, 1 grade viada d-
Liverpool na barca inglez/mooww, entrada em tai
de marco de 1870, consignada a Wtlsons,
Marca T M A Csem numero, 1 caixa viuda
de Liverpool no navio inglez Saphire, entradaem
30 de margo de 1870 : ignora-se o contedo e a
consignacao.
Armazem n. 11.
Marca letreiro sem numero, 1 caixa vinda de
Rio de Janeiro no vaoor inglez Sene, entrada em
lo de julho de 1868: ignora-se o contedo *
a consignacao.
Sem marcasem numero, 354 vassuras vindas
de Terra-nova no vapor inglez Uesolutor, entradas
em 15 (te jnnho de 1869 : ignora-se o contedo a
a consignago.
Marca H & C -n. 152, 1 caixa vinda de Liver-
pool no vapor inglez Extremadure, entrada em
13 de jnnho d 1869 : ignora-se o contedo r a
consignago.
dem L & C-n. 1,1 dita vmda de Bordeaox ne>
stibredito vapor, entrada em 14 de mareo de W69:
ignora-so o contedo e a consignarlo.
dem M F sem numero, 1 dita vinda da Jlha
de S. Miguel na escuna Olireira, entrada no ar-
mazem em 29 de abril de 1869 : ignora-se o eon-
tuiido e a consignagio
dem Jos P res da Cruzsem numere, 4 U
vinda na sobredita escuna, procedente do mema
tPorto, entrada oa mesma data : ignora-se o eo-
t da ea consignago
dem letreirosem aumero, 1 dita vinda de Sea-
thampton no vapor inglez Oneida, entrada em 97
de. margo de 1869 : ignora-se o caatodo e a etn-
sicnaeao.
dem Jobosten Patern. 543, 1 'dita vinda de
Southampton no vapor imttez a Pista, entrada
em 27 de setembro de 1869, consignad* a Jobas-
ion Pater A C : ignora-se e eoatodo.
dem C C n. 24.14 caixas viadas deBordeanx
no vapor francec lrfremadure, ani ero It
Glnli : ignora-se o centedo.
dem ancoraN. 1(4,4 ditas vindas de Bei -
deaux no sobredito vapor, entradas em 12 de t -
zambo de 1869, consignadas a Gtotiao Gloli: igo-
ra-se o contedo,
idem A A a 14: 1 dito vinda de SonUnmasa>
no vapor inglez La Plata, ealnda em 28 de, jfe-
zerabro de 1869, orden : -ignura-se ooatoij<.
Alfandega de Peruaonnco 20 da jalho de J?W.
O mspeelor interino,
Leua dtCtfalko tats.de Andrai.-
/
Faculdade de Direifo
do Becife.
De ordem do Exm. Sr. direotor Interiao, a tu
cuinjirinieoto d art. 76 do reguitmeuto compk-
aientar dos estatutos, fago publico que aa bacJMBet
Antonio Ornero A itunts Gaunaraes foram mar-
eado.- para defender as. Ihe-es que aproientes-.,.
da 8 a 9 do corrente, as 7 horas da nvBSk-
vendo o mesmo hachsrel Comparecer oert seetr-
Uri> tres dias antes do Brime*ro em qnedee*
naeg-tr a defesa, afim de tirar o pomo da dissetm
gli qae ser dado as' huraa da mantea, s>ae-
rinte o leaie mais anu Secretaria da faculdade de direito do Raas *
da agela 4 18. "" z
O offleial no impedimento do secntari*
M. A. dos Paasos Silva Joaiat,


-. A^fr'ft-'. I
Diario 4b )FkV/*iBlta< *~ Qi
agosto de 1070.


URACOES.
J uiz eitos da frauda
e r r. Dr. jaiz des feitos da fa
**a desta bmvqcIi, faco aa>er i lodo os arre-
.aattatoadai os do tocto Tmalo de (tamb.
bera assira seus ladores, qne dentro do praso
w 15 das, a contar-da data desW, e sob as panas
4t lei, deverao comparecer por si od por setas pfro-
earaJan na iheeauraria de faieoda ; amelles
]ue arremataran) vista para recolherem aos co-
fres da meama thesouraria n dinheiro de contado
respectivo preeo, o aquelles que arrematarara
praao, e seos adores para assigoarera as tetras,
^e se obrigarie aceitar e garantir.
Recite S6 de jalho de 1870.
0 escriuSo,
Luiz Francisco Barreto.de AlmeWa.
De wdsm aV> lllai. Br. eoo*eltiro. inspector
KiWieo qe fiea transferida para o,dia 10 de agos-
-o prximo vindouro a arrematacao dos comerlo
'ke qae precisa o preprro nacional qoe serve de
Laiareto na fina do Pfna, oreados era 18144700.
Secretaria da thesMOaria de falcada de Per-
-Bambuco 38 de julbo det870.
Serviodo ds oflkial-maior,
Manoel Jos Pinto.
Corpo provisoris de
polica.
De entero do Ulna. Sr. teenie-coronel eomman
dame se faz publico que, tendo de ser instalado no
4ia i* de agosto viodonro o tffectivo corpo de po-
*#ea creado pela lei provincial n. 941 de 83 de ju
no ultimo, convjda-se pelo presente aos cida
daos que pretenderem engajar se no dito corpo
para que cumparecaai na secretaria do commaodo
Jw sobredito corpo daquelle.dia em diaute, muni-
do* com seus ducuineutos que comprove suas
idoneidades.
Oaartel do commaado do corpo provisorio de Bo-
ira* em 29 it jumo pe 1870.
O secretario,
Jos Geraldo de Lima.
provisorio de
polica.
Deordemd) Illm. Sr. lente-coronel eomman-
iota se faz publico que o conseibo de administra-
do contrata de nonforoiidade com o regulameotu
v gente o foroecimeoii lo 600 frdamenos de
panno azul (bonet, sobrecasaco e Calca), COO titos
de brim braoco li-o (jaqueta e alca), e 600 pa-
Tes de sapatoes. tudo oara uso do corpo de polica
ffectivo que se est organisando. No dia 4 de
aguslo viod uro, pelas i i oras do dia, recebem-
v propostas para o radicado fim, e nessa occasoo
fwro aberta- em presenca dos proponentes.
Secretaria do rommanro d i cofpo provisorio de
polica em 29 de julbo He 1870.
O secretario,
Jos (mido de Lima.
AdMaisiracIo ds enrrrawdr
PoriiamfcHca %r 18 SO.
Mola pelo ffor Manduk da r.ompanhia Penan-
AcotreepoBdencia qoe tera de ser expedida boje
roa mencionado, para os
portos do sol at Penado, sera recebida pela tna-
nelra seguirte :
Macos de joaues, impressos de qnalqasr natu-
reza e cartas a registrar at a i hora da urde,
camas ordinarias at as 3 oras, e eetas at 3 1(2
pagando porte trapo.
O administrador,
_________ Afonto do Reg Sama.
Corrcio geni.
Relapio das cartas registradas, procedentes
do sul e norte do imperio, existentes na
repartido do correio em 23 de julbo
de 1870.
Antonia Mara de Jeras Nascimento, Antoaio
Eoclides da Silveira, Bernardo da Costa Valeote,
i]esar Psrera da Suva, Firmino Pereira Uchoa.
Francisco Eglertas Lopes, Prancisco Pereira de
Assis, Jozino Fenaandes da Crui, Joaquim Jos dos
Passos Araujo, Jos quim Jos Ofinda Tavares, Jas
di Ri^go Barros. Jos Joaquim Pereira de Oliveira,
Miguel Jos da Cesta, Satyro Raymundo dos San-
ios, Thomazia Maximiana Borralho.
O enearregadb do registro,
Manoel dos Passos Miranda
Paquetes a vapor, i
Dos portes do sul afcaeradi
alee da 8 do correo o-rapoi
i4rAio, commandantepO primeirc
tenenle Jo- C. Duahe, o qual
depois da demora d enlame
seguir para os do corte.
Desde j recebem-se passageiro e anfaja-se ;
-arga qne o vapor poder condnztf,- uaPdeven i
r embarcada no dia de sua chega. lnconimeD
las e dinheiro a frete at as duas horas do dia-A>
na sahida.
Nao se recebem como encommendas senio ob
ectos de pequeo valor e qne nao ecedam a :
irrobas de peso oo 8 palmos cbicos de med
cao.
Tudo que passar destes limites dever se
embarcado como carga.
Previne-se aos Srs. passageiros que suas paasa
wn3 s se recebem a agencia ra da Crut o.'S!
'' andar, escriptorio de Antonio Luii de OMveir:

i 5
alfoOo ; oodese affi>etaar o leilo, as 10 horas
do da *exta-reinifflai -
IVSTtLWAWHOLmrftX) E lOiRAPBICe
i
\zevedo A C.
-*-
Haver sesso ordinaria quta-feira 4 %
corrate pelas II-toras da maoQia.
ORBEM DO WA
Parecores e mais lral)lhos de com-
rms*oes;
Secretaria doritftoio, 1 de agosto de
^JosSoares d'Azewo,
Secretario perptao
\ recsa-se
la nm pequeo que tenba algoma pratiea de rao-
para mfcirmacoes ra da Cruz n. 16.
Ainn
CfliUPAIfHIit
13
Imperatriz 13
BE
ULYSSES & IRM20
Ihados:
Os proprietarr deste bem coihecldo e a crediudo estabelecimeato Tislo ao
teaj numerosos fregotees tanto desta pra^a como de ora, e especialmente aa ilustrad
rpo ACADMICO, qot este estabelflcimeolo acaa-se sempre bem prvido do todo o*
tigoj de seu gneros aftaixo mencionados e qoe vendemos por mdicos preeos, tanto-
'avarejo como por atacado para negocio, para o que se podem dervgir por caria a noss
casa qoe ^erib saptisfactofjaaiente servidos.
CHARUTOS i
>aperiores de Havana, Hamburgo. Babia,]
das acreditadas marcas Regala Britnica
Corpo
AVISOS MARTIMOS.
Risco maritimo.
William Tuigg, capitao do logre inglez Sf/-
lilf, tendo de continuar na vtagem Hampton
Boads para ordens, precisa tomar risco mariti
mo a imoortanciu de 6:0004, poueo mais ou me-
nos, sobre o casto, apparelhos, victualias, carre-
gaoienl) de lia, salitre e o frete do dito navio,
para pagamento Ha- despezas incorrdas por can '
sa de ter arribado este pono.
Ai propostas devem-se estregar fita carta fe-
chada no consulado britannieo at meto dia, no
dia 4 do corren le.
DAS
Meas gures imperiales.
Al o dia 9 do carrate mez esperarse da Eu
rapa o vapor fraaeei Sinik, o qual depois da
ilemura do costme seguir para Buenos-Ayres,
tocando na Balwa, Rio de Janeiro e Montevideo.
Para conducSes, fretes e pas-agens, trata-se
na agencia, ra do Commercio n. 9.
Na ra de Apollo n. J4, S andar, precina-se de
um amn para /andar oo meninos e qoe seia de
oa eiHidnrta.
PARA 0 RIO GHANDE DO SUL.
Vae seguir para o referido porto a bares na-
cional Latirff, cojo navio pode receber alguma
carga a frete : para tratar cora Jos Victorino de
Rezendo & C., escnplorin ra da Cadeia n. 52.
PARA O RIO GRANDE DO SUL.
Segu com poucos das para o referido porto,
o patacho nacional Pahna, fallando pouca carsa
para eompleto do su carregaineato. Quem nelle
quizer carregar freie, dirija-se a Jos Victorino
de Hezende & C,. escriptorio ra da Cadeia nu-
mero fi2.
SANTA C\SA DA MISEK1CRD1A DO
RECITE.
a Hlm.a. junta administrativa da Santa Casa de
Misericordia do Recife manda faier publico que
aa sala de suas sessoes, no da 1 de agosto, pelas
4 horas da tarde, ti-m de ser arrematadas a quem
mais vantagens offerecer, pelo lempo de un a tres
annos, as rendas dos predios e:u "uida declara
dos :
ESTABELKCIMRMTO DE CARIDADE.
Ra larga do Rosario.
2.* dito do sobrado n. i A. 400OOO
Travessa do S. Podro.
Sobrado de 2 andares n. 2. 60*UOO
PATRIMONIO 1)08 ORFI1AOS.
Pateo do Paraizo.
I.oja da frente do sobrado n. 29 161000
Ra das Ltrangciras.
fASA terrea n. 17.......1984000
Rna de Gervasio Pires.
' jsa terrea n. ;L>.......145O0O
Bu?, do Pilar.
Cm terrea n. 103......2034000
tilem n. 91........ 20i000
dem n 102........20*4000
Idsm n. 103........2034000
dem ii. 93.........20i400
Ra da Guia.
< AM terrea n. 27.......1474000
Sitio da Minien a n. \...... 1074000
Os pretendenies deverao apresentar no acto da
arrematncio da? suas Qancas .>n comparecerero
acompannados dos respectivos r.adores.
Serataria da Sinta Casa d?. Misericordia do Re
rife, 2 de agosto de 1870.
0 cscrivao,
Pedro Rwlrigucs de Souza,
O inspector interino da if^ndega faz oubiico
?jue por aaiorisacao da thesoararia de fazenda
comida na poriaria n. 101 de 30 do mez Hndo,
serie levadas hasta publica n,o da 5 do corren-v
\< livres de direitos ao arrematante, as dezeset^
yedras inteiris e dezeseis pedacos de oatras que
oram Ufadas dos dous torrees, ha pouco demo-
lidos, em frente no antigo trapiche do algodao.
Alfandega de Pernambuco 2 de agosto de 1870.
O inspector interino,
Luiz de Carvallio Paes de Andrade.
donsetho de compras navaes
0 conselho no da 3 do corrento mez vista de
propostas rceebida* at as 11 horas da inanha e
sih as condicoe* do estylo, promove a compra dos
bjectos do material da armada segrales :
1 mistro d-> G7 a 70 ps de comprimento e 2
ps de dimetro para o brigue barca tamarac,
10 baldaiadeiras d folha, 30 arroba< de estopa
para machina, 80* f ilhas de zincn, 60 barras de
ferro inglez profiri para jrclhas, 6 foles raglezes
He 8 ps de comprmento e 6 de largo, 50 cader-
aos de papel mata-borro, 400 libras de pregadu-
ra de zinco, 2 oculos de alcance. 80 covados de
oleado para assoalho, 2,000 azalejoa, 2,000 lijlos
oe fogo, 400 eoltieres de frro, 6 pecas de cabo de
linho de 3 plegadas, 8 pecas de arrebein, 8 arro-
bas de secante. 400 alquerej de cal prel, 200 al-
queires de cal braaea, 10 duzias de laboas de pi-
no de 3 polegadas, 10 duzia" de taboas de pinho
de 1 1|2 pole^aJa, 10 duzias Je lab..as de pinho
de 1 polegada, 10 duzias do taboas de pao carga
de 3 polegadas, 10 dadas de laboas de pao carga
de 2 polegada, 10 diuias de taboas de pao carga
.1 3|i de polegada, 30 travs 'e qualidade de 40
almos de eomorimento e 8 polegadas em quadro,
1W enchameis de qualidade de JO a 35 palmos de
i-nprimonlo e 0 polegadas- em quadro, e 16 paos
de ginipaeo de i2 ptloos de cjmprimpnto.
Tambem o conselho, pr i;-ual forma, contrata
ao mencionado di 5 do currme mez o forneci-
meolo, por i>npo de seis mezes, de carvjo de pe-
4n de Cardiff, New Castley e do fino, proprio' pa-
ra forja.
Sula das sevsoes do consellio de compras navae'
V de agosto de 1870.
O secretario,
Alexandre Rodrigues dos Anjos.
Maranho
E' esperada do Rio de Janeiro em pseos dias a
barca portngueza Mara, que traz j algoma car
a para o referido porto ; e descarregando a qoe
liara osle oo^duzir. reeeber aqui a que for pos-
sivel obter para o Maranho, e com pouca demo-
ra : por rsso qnem desojar aproveittr esta' boa
oeBMo de emuarque, diri|a-se ao consignatario
Joaquim Jos Goncalves Beltro, rna do Com-
me'cio n. 17.
At o dia 11 do crreme mez espera-se dos por-
tos do sul o vapor franeez Amazone, eommaadante
Giot, o qual depois da demora do costme
^seguir para Brdeos, locando em Dakar (Gora) e
Lisboa. \
Para eondreSe?, fretes e passagens, tra-se na
agencia, ra do Ctranjercio n. 9.
COMPANHIA PERNAMBUGANA
DI
\'arega$5o coatelra por vapor
Mamanguape.
O vapor Radoiul Coruripe, commandante Sil-
va, seguir para Mamauguapa no dia 12 do cr-
reme as 6 horas da urda. Becebe carga, encom-
mendas, passageiros e dinheiro a frete al as !
horas da tarde do dia da sahida, no escriptorio
da corapanhia, Forle do Mattos n. 15.
-r O abaixo assignado pede ao Sr. Caetaao Al
vs Pinto Leite, vindo da Baha no vapor /,a Pa:
ta o obsequio de aaaanciar por esto Diario o ju
Jtai de sua residencia, para qoe o mesmo abaixo
assignado o po.-sa procurar para receber a carta
que o nWsroo S-. tbe trouxe.
1 '__________Anto.iio E. da Silveira.
Perieu se urna pulceira de uuro de lei, da
ponte de Santa Isabel em seguimento ra da
Anrora, pite da Boavisu. rna do Sol, Palma at
o neceo do Gamella; quom achou,tendo cooscian-
Jia, e qoertndo eolrega-la, derija-se a1 ra de
llortes n I36i Io andar, que ser recompensado
com 04BO0 '________
Prerj.-a-s de urna ama que saiba cozinbar
bem para caa de familia : a tratar na ra do
llrum n?. 100, f)2 e 101, e bem .vsim nma outra
para coser roupa' rii> ri>i
Alna deleite
Offerec > se urna neisoa com bom leite
beira da B^n-viaia n qnarto n. 17.
na n-
PARA
I
Para o referido porto pretende seguir com bre-
vidade o patacho nacional Protector, por ter s
maior parte da carga prorapia ; e para o resto, a
frete mdico, trata-se c^m o consignatario Joa-
quim Jos Goncalves Beltro. ra do Commere
n. 17.
no a\m fio sui.
Para o indicado porto recebe alguma carga a
frete a barca nacional Snf" Mora ; tratando- se
com os seos consignatarios Amorim Irmaos 4 C.
ra da Cruz n. 3.
Rtn de Janro
Pretende saguir para o referido porto com i
possivel brevidHde o pataeho Monleiro por ter por
cao da carga engajada ; e para a qoe lho falta t
e-cravos a frete, trata se -ofli o consignatario Joa-
quim Jos Goncalves Beltro a ra do Commerci(
n. 17.
Hova padaria
americana, ra do; Pire* n. 30 ; dora em diante
eontinnnr a fazer p/-.' pAelacba de farinha espe-
cial de f sorte para uieibor agradar a seus fre-
uezes.
mperiaes 4: do do Rio &j bem conhecida
marca Opera e oatras mokas feitas aqui de-
safamados Reberibe e otitros que se vendero
am porrees.
Cigarros
le palo de S. Panto, de 3*860 a "000,
) milbeiro; verdsdeiros do afamado Daoiei
do Rio Novo, Maority, mperiaes Visconde
de Herval, Duque de Caxias, SandoD ele :
de papel, de fumo de Daniel, General
Qsorio, Conde d'Ea, aromatices, e peilo-
raes, rSocambole, Radicaes, Acadmicos,
Machamwmba, Montevideo, Orientaes, Bae-
peudy e muitas outras qualidade.
FUIMOS
Afamados de BAEPENDY em catxoes de
O libras i&OO rs. a libra, em pacotes
i ti, e em porcao 15500 lito em lata de
quarta a 640, e a 500 ris ; dito Daniel do
Rio Noto, do Para de S. Panlo, Caporal.
3 moitas outras qualidades.
FABRICA DE
VARIEDADES
PONTEIRAS de espuma finas para cha-
rutos a cigarros, cmprelo sortimento.
CACHIMBOS de superior eapnma, de ma-
Ideira traiz; de 3(J al 3,500, dito grmto*
a 13,000, a dnzia dri lios fKver.;as imI-
dades a varejo: dito priegaNirtha'sdii ha no mercado a 2,800 e 3,2J0 a dmu ^
ditos de loaca, gesso. barro, ete, etc.
BOLSAS para guardar fumo, de borradla*
6 couro de diversos modelos e gostos.
indos os systeroas para
CARTEIRAS de
cigarros.
PHOSPHDROS de cera, *>s mellwres oam
h, em cartas de 500 a 5,50u a dnzia. em
caixas de 460 4,500 a duzia, en tas
de ?,5O0 2,600 drtzia e mnilas outras.
PAPEL de muo, de a-roz. san-om, Pr-
san. pintado, e palba de railho, de Fernando,
e papel de linho.
PARA.
/
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DI
%'ave$a$o eosteira por vapor
P2rahyba. Nata'. Maco, Mossor, Ara-
caty, '^ear, Mandah, Acarac e
Granja.
3*5 v O vapor P ir apoma commandant
'X'4&_ Azeve'!o sego'r para os porto; aei-
.-jiW.tti aa n<> dia 13 do curreoteas Shora:
la tarde. Becebe carga at o dia 1?, encom
nendas, e passageiro' e, dinheiro a frato at as
i horas da tarde do dia da sahida no escripto-
rio do Forte do Maltes n. 12.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
Navegando costeira por vapor,
Gnyann;].
O vapor Parohyba seguir para o porto ci-
ma no dia 6 do correte as 9 horas da nonte.
Becebe encommendas, passageiros e dinheiro
a frete at as 2 horas da tarde no escriptorio do
Forte do Mattosn. 12.
Para o referido porto, pretenle seguir com a
jiossivel brevidade a barc portugueza S. Joo.
por ter j porco da carga. < para a que Ihe falta
a frete coramodo, tratase com o coo8i^nalaric,
Joaquim Jos Goncalves Beltro : a rna u Cent-
merrio n. 17-
LB10ES.
CUMIA BRASILElitt
DE
Paquetes a vapor.
Dos portos do norte S esperado
at o dia 8 do corrento o vapor
Tocantins, commandante J. M.
F. Pranco, o qual depois da de-
mora ao costme seguir'para os
Desde j recebem-se passaseiros e engaja-se i
;arga que o vapor poder conauzir, a qual deven
ter embarcada no dia de sua chegada. Encommen
las e dinheiro a frete at as 2 horas do dia da stu
tahida.
Nao se recebem como eacommendas senao ob
joctosde pequeo valor e vie nao excedam a duas
arrobas de peso ou 8 palmos cbicos de medico
tudo que passar destes limites dever ser embar
;ado como carga.
Previne-se aos senhores passageiros que sua>
passagens s se recebem na ageacia, ra da Crur
n. 57, andar, escriptorio de Antonio Luiz df
Oliveira Aievedo & C.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DR
Yavega^o costeir por vapor.
Fernando de Noronba.
O vapor Mandahu, commandante
Julio, seguir para o porto cima
no dia 12 du crreme ac meio dia.
Becebe carga at o dia 11
encommendas, passageiros e di-
nheiro a frete at as 10 horas do dia da sahida,
oescriotorio do Forte do Mattos n. 12.
b
BAHA
O brigue inglez Brisk seguir para a Bahia no
correr da presente semana ; recebe carga a fretes
commodos: tratar com Tasso Irmaos & C, rna
do Amorim n. 37.
LEILAO
DE
duzias de caderas novas
* HO.IE
O agente Pestaa far loilao pircoo'a e risco de
quem perlencer,_ de alguma* duzias de cadeiras
novas, de armacan, do htlanco e de meninas', :i<
onae< sern vendidas pelo tuaior prec/i, sem re-
serva, quarta-feira 3 de agosto, < n h^ras da
uianhaa, no largo do Corpo Santo n. 19, Caf
Commercial.
DE
movis. Iouca e crystal. no .irmazem da
ra do Imperador n. 46, qninta-feira 4
do cnrrente, b 11 horas cm ponto.
Auiusto Seixas fara ltia> por intervencao do
agento Puntual, de inuitus ohj-c(os de marceueri.
orno bem, uina mobilii de Jacaranda a^Luiz XV
com muito pouco u-o e de inoito gusto, m ptaoo
de armario, una mobilia de amarello, una mesa
elstica, um aparador d- nmarello, um guarda-
Iouca, um gurda-roupa, urna mesa ti ira escripia,
.urna estante, urna costnreira, Mima cama franceza
ile amarello, qualro marquezoes, tres marquozas,
diversas cadeiras avalsas para gala (jantar; urna
banca de Jacaranda, consolos, mesas reeoBdaa,
quatro liteiro para tojas de miudezas, copo-, ca
hees, Iouca oara tinoco, candiainx a gaz, un
globo, garrafa* de vidros o um cabnolet fglez
com cavallo e arrers, a > correr do martelln.
Pele se ao Sr. proerador 'uu receben do
8r. escrivao Manoel Mana dju9i,..- pruvises de
seus cullegas para Ibe as mregar, qae se digne
de faze-locom a raesma flfec.todlm com que as
roeebeu.
CASA BA FORTUITA
AOS 20:000^000
BA BE MABGO X. 23.
O abaixo assignado avisa ao oublieo, que com
quanto a nova loi do ornamento liesse elevado
muit" i> Imposlo-fldbre os bilbetes de loteras do
Bio de Janeiro, continua a venle-los com as for-
malidades da lei, e pelos roe-onos preces abaixo
pubiisados, pagando indos m premios com o dis-
couto somenteda le, e cora a n.-ompiidio do eos
tutie.
PI'.ECOS. *
Bilhete intelro... 2*i000
Meios bilbetes... lnoo
Quartos........ 6#UO)
Enr qnanudade maior de lOOOOO na razao do
ngm.
M.innel Martina Fiuza.
< If. StlOS.
Com promptidao apromptamos quaiquer encomroenda dos afamados cigarros de wda
Baependy, linho, e de oatras qualidades da nossa bem onhecida fabrica, bem atiesta
i superiondade o nossos cigarros, numerosa fregttezia dos nosso estabelecimentOs
N. 1 Travessa de S. Pedro N.
0 directorio do partido liberal, nesta pro-
vincia, nianda celebrar na i^reja matriz da
fregtiezia de santo Antonio, no da 11 de
Agosto prximo, s d.-z horas da manila,
um offici solemne por alma do finado mar-
gu<*z de Olinda.
para esse funeral o Bie vida titodos os cidadaos lua-ileiros e stran-
geiros raaidetfs tiesta provincia, e espera
que accodrndo ao convite que faz por este
meio, se dipnem assistw esse acto de pie-
dade e regiao, e aotecipat os seus agradeci-
mento todos a quem se dirige.
or-N
TLHOS OEBAROS
DO
RECIFE A OiMYgA.
A tabella qu. fu publicada smente
para os dias domingos e santificados, para
os dias litis a se^uintH.
MANHAA
IdaAs 6 e 8 horas.
VoltaAs 7 'e ) hora*.
TAR>E
IdaAs i e 6 horas.
VoltaAs 5 e 7 horas.
0 supreintendnte.
- A de Abr-u Porto
dos salvados da g lera america-
na Reover*, eon-tandode
latas com carne, lagostinho e graben, frascos com
molhos,Tonservas, mustarda, saladas com frte-
la?, caf, 4 barris, 6 ditos pequeos, latas com
oleo e tinta, 3 queiios, 5 presuntos, garrals cumt-..- ,
cervej.. 3 barricas com farinha. > igarw AgOStinho de Godoj
Don* pnares, 4 cadernaes, 1 bombs, 1 escada, 3
volas, 2 macacos, 1 relogio, 1 lote de cabos e 3
saceos com bolacha.
Una lanca e 1 salva-vida.
Sexta-feira 5 de agosto, no armazem da alfandega
(outr'ora trapiche de algodao) s 10 horas.
O agente Pinto'far fajlo, requerimento de
G. W. Caltin, capitn e dono da galera americana L Precisa se de urna ama para enzinhar e fa-
Ocean Reover, naufragada nos baixos de Goianua,
com aulorisasao do Illm. Sr. Dr. jutz do commer-
oj e Vasconcelos
'A rrma e sobrinlios Agostinho de
Godoy e Vasi-oneell,* cunvidam a todos us amigos
d.i tiuado assisiirt m a algoma-* missas e memen-
to que mandara resir por sua alma na igreja do
Espirito Santo, s 8 horas da -manha do dia l do
Me.......
zer algum engemmado
S. Francisco n. ?9.
a eniender-se ni ra do
Precisa-se de urna ama para cozohar en casa
de bomemsolieiro, prefere-se de tiieia kUde : na
ra de Pedro Affjnso, outr'ora ra da Praia nu-
mero 34.
BILHETls DO. BIO DE JANEIRO.
Na prXca ds fnjependen a n. 21
| Aos senhores n.'gociaatei em gneros de es-
j tivas, imdhades, e a quem mais o interessar, taz
sciente Jezuino Carneiro da Cunha, qoe para fe-
I char o seu bataneo faz se Clister saldar o que da-
Precisa-se alagar ama ama fue cozirtie, forra verpossa relativa; se alguern, pois, ha que se
Ama
ou eeeraVa, paga-se bem :
rio n. 20. Io,andar.
na rna larga do Rosa-
Al igi-se orna preta perita c-iuhoira e en-
gommadeiii : a tratar na ra de Marcllin Dias,
antig'i roa D-.r it i n. S, i and r.
. pois, ha que
julgue campetente credor, queira mazidar iipre-
sentarsoa eonta ate amnela, aftm do ser paga
eih continente, e d.'|iu.^ mnnion sh chantar a ig-
norancia.
- Actu-se ihh contratada a tatmrna da ra
da S:i^la Cruz n. 74, pTioncente ans Srs. Pelrei-
ra & Goncalves : quem se julffar credor, apreern-
te-se no praso de tres dias. Recite 3 de agosto de
1870. 8
Precisa-- alug.if o.i i casa que t. nha 6>n-
modos pira familia, com i|aintal e cacimba, pre-
f-rindo-se n > bairro di B.-a-Vksta, ou em Fra de
Portas : quem ti'vir procuro no sitio n. 5 da. roa,
de Joo Fernandes vieira, na annancie para ser
pncarado. ^
**-
I
H CABGA
esquina
'^da roa larga do
Rosario.
Este importante estabelecimento no sen genero, tem sempre um sortimento sem igual
e vende; por presos qne nenhnma outra casa pode vender.
vista da qualidade e do pre^o das joiaa cada um po^r-se-ha convencer da verdade.
arante-sa ser tudo de lei Compra-so ourovprata e podras finas por procos muito ele-
vados*
i loja est aberta a# as 9 horas danomte.
G4HKA
esquina
da ra largado
Bosario. i
.nao flej'^ri
a.


TUon A.
T^rnmbac Qwrta Ceba 3 de .Agoste 4e
1870

Nutrimento
EDICINA!
PREPABADO P0U
tanutm* &m*f
PARA
Tsica e *oda a
qualidade de do-
encas, quer seja
na garganta, pei-
to ou bofes.
Express a-
mente escolhido
dos melhores fi-
gados des quae
kse extrae o
leo, no banco
Fda Terra Nova,
purificado chi-
micalmente, e
snas
propriedades
conservadas
com todo o cui-
dado, em todo o
frasco, se garan-
te perfeitamn-
te puro.
Este oleo teo
sido submettido
a um exame
muitosevero, petos chnicosde mais tale-n
ot, do governo lt<-.psniol em Cuba.foi de
vulgado por elle e contem
MAIOR PORCO D'IODINA
do que outro qualqaer oleo, que elle tero
xam^ado
IODrNO E'UM PODER SALVADOR
Em todo o oleo -de figado de bacalho;
caaquelle no qual contm a maior porco
d'esta invaluavel propriedade o nico
meio para curar todas as doencas de
GARGANTA, PEITO, ROFES.FIGADO,
Tsica, bronchites, asma, catarrho, toase,
resfriamentos.etc.
Uns poucos frascos da carnes ae muito
magro que seja, clarea a vista.e d vigor a
todo o corpo. Nenhum outro artigo co-
nhecido na medicina ou sciencia, d tanto
nutrimento ao systema e encommodando
quasi nada o estomago
As pessoas cuja organisac5o tem sido
destruida pelas affeccoes das
ESCRFULAS OU RHEUMATISMO
e todas aquellas cujadigesto se acna com-
pletamente desarranjada,devem tomar
O OLEO DE FIGADO DE BACALHAO
DE
* Laumau & Kemp,
Se que desojara ver-selivres e exepasm
.le enferraidades
taras -:-.
Este antigo estabelecimento, acha-se hoje montado n'uma
escala de poder servir vantajosamente os seas freguezes, atten-
to o grande sortimento de joias d'ouro, prata brilhantes, que
sempre tem e recebem mensalmente das principaes fabricas da
Europa- cajos prepos sao em competiveis e as obras garantidas
de lei.
_______________MORMURA RUARTE C.________
m immmsmmm mmmmmmumum aasaseaai
PHARMACIA CENTRAL
Ra do Imperador n. 38
Xarope de lactoeario d'Aubergier, e de
ibery decio d'Abbadie recommendados,
como calmantes para os casos, em qae se
n3o pode usar do opio e de seus prepara
dos, e mui convenientes para as enancas
dos espasmos e convulsoes:
PHARMAGIA CENTRAL RA DO IMPERA-
DOR N. 38.
Preparados d'aicatro em capsulas, licor,
e xarope ferruginoso.
DOU N. 38.
Pilulas de Vallet.
Pillas de Blsncard.
Pillas de Bland.
Xarope furruginoso de Blancard:
Confeites de lactato de ferro.
Pilulas de carbonato de ferro, laclado de
ferro, iodureto de ferro com magoezia.
Ferro de Quevenne.
Assucar ferruginoso.
PHARMACIA CENTRAL t LA DO IMPERA~
D0RN.38.
Vnbo e xarope de pepsina e jdiarthare,
excellenie tnico para auxiliar as digestes
diffices nos casos de debilidade do esto-
mago
j
IMS
1
j
I
I
_ a o.ifi o.o
cr g <3> C -r

n
Zf &3
y*
s: S
ou S
-*-* i -^ oo P 3 -*
!ZZ M o -; "
o a> s. a i o
BoS -, a-o <=
i -i g
^B csS-P
3 5
co

o i
i
i
%
1
i
W &5 O
aaao^a'og-
ls?i|i-
5- o 3,2
O CA
5.3"
Mariaii.i iavier Carneiro da Cunha.
Missa ri'>:i '.i no ilia stimo do fallecimento do
ienenle core mi fUriaitM Xavier Carneiro da Cu-
nha, na greja matriz do SS. Sacramento fia Boa-
vista, as 8 notas pn pinto do da quarta-feira 3
do corrento. __________
Xarope de salsaparrilha .00
Depurativa do sange.
Usado as molestias da pellr-, impkiiens e para
is a molestias venereM.
nico dejioito, pharmacia do foMoini de vl-
meida l'inlo. riM larga do R i.-atio 11.40, junto ao
riaartei de polioia.
IB-
ESCOLA
DK
I trucqao primaria.
129-RUA MARCILIO DIAS-19
2o andar.
Anna de Queiiw. e Albuquerqye,
Priifeseora particular.
na
01
w'Jii
E'rada'JeBelm.
Arrenda m m ^.Hjaeno sitio, nesta estrada,
adiante, (a -apella e no lugar onde para o trem
dos trilhos nitiaaos d* Olinda, com magueiras
cajueiro, e outrae muitas arvores de fructa--. Tam-
hem se veode o raesmo sitio : na roa Buque de
Caxias, (outr'ora uas Crozes ) n. 30, segundo an-
dar.
rlMEOPATHI\
O nr r.a.aniiv.1 niift ser nrnc.nrado
0 Dr. Ca^anova pode ser procurado a
flualquer hora .ra seu consullori j espe-
cial homenpaUica, no largo da matriz de
Santo Antonio n. 2. Neste consultorio
ten: sempre sortimntns d'w acreditados.
! medicamentos de homeopaihia de Weber
& Catellau rin tintaras, e em glbulos, e
todo quanto oecessario pata as pessoas
qae egu'-ni este sysiema.
Os pobres feram wmpre e continnam
a se--tratados gratuitamente.
CIRCR6IA0 DENTISTA
Frederico Maya
Tem a bsnra de scientificar ao respeita-
vei publico ea geral, e aos seus dientes
em particular que elle mudoa o seu gabi|
nete de consoitas da ra Direita n: 12 para
a do Queimado n. 31 primeiro andar, com
a entrada pelo pateo de Pedro II, onde po-
de ser prOturaio para os misteres de fina
prafissSo, todos os dia^ uteis das 9 bora?
da manhaa s 3 da tarde.
Tmbem previoe, que contina a prestar-
se a vontade dos clientes nao s na cidadt
como nos seus suburbios, para onde ai
idas sero precedidas de ajuste. Elle ga-
rante o bom desempenbo e a perfeic3o d
seus trabalhos, o que j bem conbecido
assim como as commodidades dos precos
As.vciajo Coramercial Bene-
ficente
Nao tendo e remido hontem numero suCBcien-
te de socios para que a associaco fiasse consti-
tuida em a^serntola geral, pelo presente sao os
oBeomoj novamente convidados se reanirem no
rao do respectivo edificio, no dia 4 do correte,
aomeiodia. De eonformidade cora o art. 20 dos
tututos a assombla geral se julear constituida
com o numero dos presentes tneia hora depois da
qae se aclia designada.
Associaco Cemrner fal Beneficente 2 de agosto
de 1870. f
Daniel Ramos,
Secretario.
TEAM
gnado, morador no 3* andar do so-
brado d. 36 da ra das Cruies, encarrega se de
recebim ,los, honoraria, nobratveas de
dividas c de ;uaa-quer ouiros negocios ce pessoas
tinto da cid.nl como de fra, offerecendo em tudr
a aquell' rnarem oe o procurar, vnta-
gens e garantas reaes.
Pedro Jorga <
1
i
-1
O r.
3 a
^3
ti
a. o
" a
'13 C3
i O-
-1
EU
3 O C. --
> J?g _.
a o-- o 3
o
5

w O 2. s3 o
Q. -
<^3
-1
O
o'
en
"3-2 o o
*S 5. a o>
9: 3 w ^-S
G/ ^ -% ^ ^ ta
3 a 3 5*
. 3 2 =
3
n>_ o a
i 0.-3
o <
o a
=r. a. 2 00
s eo o o o
S 3 3
-g-ss-S
"2 M g n a
S,M3r,
t-j t; as O
I
I
Precisa-se fallar com o Sr. Jos de Barros
Aecioly a negocio de seu interesse : na praca do
Corpo Santo n.,17. i- andar.__________________
MOFINA
Roga-se ao lilm. Sr. Ignacio V.eira de Mello, es-
crivo na cidade de Nazareth desU provincia, o
favor de vir a ra do Imperador n. 18 a oncluir
aquello negocio que V. S. se compromettea reali-
sar, pela terceira chamada deste jornal, em nns
de dezembro prximo passado, e depois para ja
neiro, passou a tevereiro e abril, e nala cumpno.
e por este motivo de novo chamado para dito
flu: pois V S. se aeve lembrar que este negocio
de mais de oito annos, e qnando o senhor seo
tilho se achava no estudo nesta cidade._________
-""-" HOMEM DE MELLO
ESCRIPTOS HISTRICOS E L17TERARI0S
1 A (Constituate perante a historia.
2 30 de julho de 1832.
3o Diversos.
1 volume 8 brochado.
Rs.-3000.
LIVRARIA FRACEZA.
as hemorrhagias uterinas.
TINTA PASA IMPRESSOES.
est; typograpMi ha um grande deposito de ti t;
p ra yprgrahi fabricada na Inglate o, ae quaidade
superior, e oe letalnada em barris de i0 a 100libras
por preco coinmodo.
Veudas*en prrmutas
Vndese a propriedade Guarapos no Rio-
Grande do Norte, com trras casa* e armaren;
de um e outio lado do rio, lugar beir. conhecido
pela sua importancia commercial, cujo porto offe-
rece muita facilidade para embarque e desembar-
que de gneros.
Igualmente se vende o engenho Jundihaby (na
mesma provincia) moente e correte, com cinco
leguas de trras de nv.ttns virgens. oito escravo-,
bois, bestas e alambique ( ou somente o emg?nho
com as trras que convier ao comprador). Estas
propriedades *eudem-se por baratissimos precos,
e tambe se pormuiam poY engenhos nesta pro
vincia. Par'ahvba e Alagoa?, (?u por casas as ca-
pitaes'da? msmas: a tratar com o prorrietan<
mafcr Fabncio Crines Pedroa ra da Cadea
n. 5, ou com os seus procuradores no Rio-Gran-
de do Norte.
PHARMACIA CENTRAL RA DO IMPERA-
DOR N.< 38.
Agua hemostbalica de Lechelle. mui re-
commendada tm qnalquer caso de hemor-
rbagia, e principalmente na thysica pulmo
nar, e
PHARMAOA DENTRAL RA DO IMPERA-
DOR N. 38.
Xarope de rbano iodado excellente com-
binado do iodo com o sueco de plantas
anti-scorbuticas.
ste xarope empregado com grande
soccorro contra as molestias da pelle, os
engorgitamntos escrofulosos, o rachitismo-
cachloroso.
0 vinho iodado de joly, e oleo iodado de
Personne, sao recommendados para os mes-
mos casos, e encontram-se nesta pharma-
cia.
PHARMACIA CISNTRAL RA DO IMPERA-
DOR N 38.
Variado sortimento de chocolate de ban-
Dilha, salepo araruta, ferro, e de sade, da
acreditada oflkina de Menir.
Sabonetes d'alcatro, d'acido phenico, en-
xofre e camphora recommendados para as
molestias de peU*. como sarna, panos, em-
pingens etc., sendo o ultimo de mutauili-
dade para o uzo do toilette, por preservar
a pelle de ser manchada das maculas, que
costumam accomettel-a.
Criada
Precisa-se alugar una escrava para engommai
e andar com chancas : na roa da Cadeia n. 8
A luga se
urna escrav para o ter'150 domeclco
Hospicio n. 29 _____________
Ka travessa da rea
das Crozes n, % pri-
meiro andar, da-se di-
nhelro sobre penhores
de ouro, prata e brilhan-
les, seja qual for a (plan-
ta. Na mesma easa eom-
pram-se os mesmos me-
taes e pedras.
SSBSBEaL
Agencia em rernambuco
Do Dr. Ayer
Peitoral de Cereja
Cura a phthvsica e todas as molestias do peilo.
Ma>sa parrllha
Cura ulceras e chagas antigs, impigens e dar-
tros.
Tnico
Conserva e limpa os cabello?.
Pllnlas eatb rticas.
Puramente vegetaes e sem mercurio, fura se-
i5es, curara e purificara todo o systeraa humano
Vende-se effectivamente em casa oe Samuel Pt
hnston 4 C, ra da Sanzalla Nova n. 42.
mmwumtwmmmmwm
8m 'timiama frama m
55-Rua da Imperatiiz-55
Tinge, lava, limpa, lustra e achamalo-
aa ta se, cora a maior perfeicao, fazendas em
i pecas e em obras de todas as qualidades;
I como sejara : seda, lia, algodio, linno, g|
chapeos de feltro e de palha etc. etc. mm
Tira-se, noloas e limpa-se a seccosem 9
molhar os tecidos, conservando assim to- |
~ do o brilho da fazenda. g
Tintura preta as ter?as e sexus re- c
fisiSIIIfllVM
The Liverpool & Lor-
den & Globe Insu-
rance Company.
Companhia ingleza de seguros contra-f#go,
estabelecida em 1839.
Capital e fundos de reserva
Re. 35,386:980*.
Os agpotcs desta companlna lomara seguros so-
bre propriedades. generse fazendas armaz-nadas,
mobilias, etc., etc., e eslao igualmente autorisados
a saldarem aqui quaesquer reclamagoes.
Saunders Brothers & C,
Praea do Corpo Santo n. H. '
m
na ra d(
3
o

N. 3 4RU4D0 C4BUGA N. 34. t
AGOSTIMO &
a
co
>
om este titulo acha-se abf rto e inteiramente transformado este antigo
tstabelecimeuto de joias, onde os freguezes e amigos encontrarlo tndo quanto
a moda e o bom gosto tem inventado na arte de ourivesaria, o Collar de Ouro
observar delicadeza no trato e senciridadee modecidade-nos precos.
Espera que o respeitavel publico venba ver o que existe de melbor em
aderaos de brfthantes, esmeraldas, robns e pc.rolas, meios aderecos, pul-
cejrae, hrincos, alfinetes e anneis de todas as qualidades, prata de loi faquet-
ros, comeres, patUeires salvas e outros muitos objectos que seria enfadmiho
mencionar. .
Compra-se ouro, prata. brtlbantes e pedras finas, pormatoT nrero no
que emoutra qualquer parte, troca-se e concerta-se- todo e qualquer objeclo
pertencente a esta arte.
Pnjcisa-se de um homem portuguez,
para feitnr de um -to, o qual entenda de
plantaces; a tratar na ra do Imperador
n. 15 das 9 horas da manhaa s 3 da tarde
dos di s uteis. ou qjalquer hora do do-
miago ou dia santo, no Arraial, sitio da casa
amare-ll?._______'____________________
; otila annuucio.
0 engento Imitable, no tem de Serinliaem,
pprtmce aos herdeifcf do fallecido bacharel Ju-
venno Alves Itibeiro da Silva, d ntra quem pro-
proz a famitterada Feliciana Maria O ympia ai-co
tcemii.l ; ac^ao qtm licot) parada ha mais de
oito annos, f animndose tai estupenda creatwn
proseguir n'ella depois do fall cimento do dito
bicharel: por isso nada significam os annuncios
publ cados no Diario de Pemumbaco de 26, 27 e
8 de julho.___________ _________________
*
CASA CAVIN M5K
Pbarmaceutico privilBgiad
saocttooor
Bonlevard Sebastopol, BB PARS-
OVAS ESPECIALIDADES A. MARINIER
.presentadas a Academia de Sciencias e ao lotmto 6* Franca,
m a rana n Sob foraa de rastilla, desdida e doseada para
IHutuuAU lser de momento urna soloecao
Preventiva t enrativa des MUSTIAS C0ITASI0SA8
Preven?o
Achando me restabelecido, continuam com a
cosiumada regularidade, e sem a menor alterae,ao
os trabalhos de minha offleina de pfiot> graphia sita
roa do Cabug b. 18, esquina do paleo da
matriz.
J. Ferreira Vitalia.
IKJECTOR-PHILTRO
EST0J03 ^
de volume de om rekwio, servindo de
IUII.TRO e SEBiKT.A em o*
(rnei iscuMnitaUa de rrafldece.
a Corma, e 4e jtame de un Porte-lloeda
COTBNDO TODO 1MTAMBNTO.
COLLTBIO Contra as affeccois das palpebr,
preparado sob a mesaaa (orna.
Depositarios geral para e BBASIL e POBlUCAIa
34, rea larga do Ataario. PHRNAMBUCO.
BASTH0L01E0 4 C
DAVID W. B0WMA\
EHGEMIRO
Com fundipo
RA DO BRUM 52
Passando o chafariz.
Chama a attenco dos Srs. de eDgenho para seus acreditados machitfsmos e
com especialidade para seus vapores qae anda urna vez tem melhorado.
Os vapores fornqcos por elle e j fuscoionando be hSodefazer melnor apret
ciacao do que qual juer dito proprio.
Deseja todava mencionar que vista do cambio agora mais avoravel do qpe
na pocba dos apontamentos do anuo passado tem fetto urna redac;5o sensv seos presos.__________________________________
Precisa-se de um menino portuguez que natj
exceda de doze annos de idade, para caixeiro de
urna taberna : quem quizer se propor dirjase
esta typographia a entemler-se com o Sr. Ferreira.
i, w. wmm
ENGENHEIRO
Com fundiqao.
A RA DO BRUM N. 32.
Passando o Machinas vapor systema melhorado.
Rodas d'agoa.
Moendas de canna.
Taixas de ferro batido e fundido.
Rodas dentadas para moer com agoa, va-
por e animaes.
E outros muitos objectos propros d'agri-
col'ura.
Tndo por preco muito rednzido.
Caixeiro
Precta-se de uro menino de 12 annos pouco
mais ou menos ; prefers do-se dos ltimos chega-
dos de Portugal ; na ma da Cadeia nova n. 15'
se dir qBera precisa.
1'HARMACIA CENTRAL RA DO IMPERA-
DOR N. 38.
Os melhores vermfugos para enancas,
Pastilhas de sanctonina.
Di'as de Kemp.
Oleo vernifugi.
Tudo de melbor qualid de.
PHARMACIA CENTRAL RLA DU IMPERA-
DOR N 3.
Variadsimo sorlimento de fundas de
excelentequalidade.
FAMIAliU CENTR L
Ra do Imperador a. 39.
Lamplou^hs Pyretic Salne.
A preoaration of weil kn glish Facnlty. asa cooling and nfreshing fteverage
ni all cases of frver. The frequent use'cf "Vis sa
line preserves brigners from many dist-.-es to
which they are loable before beeomiDg aeclima-
tised. May lie obtained al the Pharraacea (Central,
jua dn Imperador n. 39. ,
PHAUMiCIA CE-VTRAL HOA DO IMl'Eit.v.DOIt
N. 38.
Pastilhas de balsamo de tol e de soiva
de poho martimo, para ar, affecgSes chro-
ni.tas dos palmeas.
Pastilhas de tlierydocio e louro cerejo
para as tosses agudas, e de carcter nervo-
so, e para os vmitos durante o periodo da
gravidez, e qualquer a'ecco nervosa.
Pastilhas de bypnphospheto de cal mt.i
uteis na thysica pulmonar.
Pastilhas de angico n;-.f. e de Rcguault.
de hortela, pimenta, e de Viccley, de pe-
cacuanha e de Kermes.
Monsenhor Dr. Gregorio Lipparom, reitor do
seminario episcopal de Ohnda, legitimo adminis-
trador da capella de Sant'Anna do Rio Doce, termo
de Olinda, poSMndo as necessarias faculdades,
tem resolvido de arrendar os duus sities do co-
queiros contiguos e pertencentes esta capella,
ci'tn casa de pedra e eal ; ludo conforme ao edital
relativo que se ai-ha na cmara episeop! de Olin-
11.1 uil>- at ao da '25 de agosto do corrente auno
(1870) se receb rao as propostas de dita arreoda-
mento.
Armazem
Aloga.se un grande armazem proprio para
qualquer estabelecimento, ito ra Direita n.
34 : tratar na casa n. 94 da mesmarua.
PHARMACIA CENTAL RA DO IMPERA-
DOR N. 38.
Cha purgativo de Chambard, excellente
laxativo, e refgerante, que se pode usar
repetidas vez* s sem irritar os intestinos.
XAROPE HYPOTICO DE CHLORAL.
Ochloral um agente therapeutico recen-
temente experimentado, mas cujos benefi-
cios vo sendo largamente, aproveitados pe-
los praticos em quasi todas asalleccoes ner-
vosas, calmante e somnfero poderoso, t lie
sempre empregado com vantagem nos
casos de dores nervosas intensas, e as de
tisomnta, em que eile produz um somno
calmo e profundo.
Elle rec. mmendado as clicas, na cho-
rea, no ttano, nos partos laboriosos, na
clampria, as queimaduras extensas, nos
accessos agudos de gotta, na asthma, na
losse convulsa, e em muitos outros casos,
DOSE. Ufcus a oito colheres de .sopa
por da, conforme o effeto que o medico
qoer obter.
Encontra-se aa Pharmacia CENTRAL ra
do Imperador n. 38.
VINHO DD CjlININNO DE LARARRAQUE
Poderoso tnico hoje to aconselhado nos
gozos de; debilidade geral, e mui usado
como antifebril.
PHARMACIA CENTRAL RA DO IMPERADOR
N\ 38.
CASA iA rORTilHA
Aos 8:000
Blietfs garantidos
4 n Primeiro da Marco oulr'ora do Cres-
po n. 23 e casas do ccsiume
O'abaixo assigliade, tendo vendido-alm de pu-
ras series, um meio n. i99i com 8:0005 da h-
iena que ^e acaboa do extrahir a beneficio da
Santa Casa de Misiricordia (184*), convida nos
posuidores viren) receber ua eonformidade do
.ostume seso descont algum.
Acham-se a venda os felizes bilheles garan-
tidos da 3" parto c!a lotera, beneficio da Santa
Casa do Mi;ericordia (135') que se extrahir sab-
bado, G do correle me vndouro.
PREQOS. N
Bilhete inteiro 10*000
Mi lo bilhete 5*000
Quinto 2*000
Km porcao de 100*000 psra cima.
Bilhete inl iro 9*000
Meio bilhete 4*500
Quinto 1*800
Manoel Martins Fiu*a. '
Fublicqo jurdica.
ltepeticoes escri|itas sobre o direito administra-
tivo brasiieiro, para servinm de explicaeaoe com-
plemento aos eliinsntos da mesma sciencia, que
servera de texto s respectivas prolec^oes na fa-
euldade de, direito da cidade do Recife, pelo Dr.
Vicente Pereira do Reg, lente cathedratico da
terceira cadeira do quinto anno na mesma facu!-
dade, seguidas da principal legislacio administra-
tiva citada em ambas as obras. Subscreve-se para
cita publicacao, que entrar para o prelo logo que
hajam assignaiuras sufflcient'S para cobrirem as
despesas da impressao, a 10*000 que sero pagos
no ciO da entrega do primado volume1. as vr;i-
rias franceza e econmica, ra do Ciespo nme-
ros 2 e 9.
Do porto em frente ao sobrado do abaixo as-
signado, junto fakrica do gaz, fortaram urna
canoa de carreira, que anda conserva resto de
tinta encarnada com que fo pintada: gratifica se
quem dr noticia eu a levar ao nesmo abaixo
assigoado.
Luiz Manoel Rodrigues Valenfa.
AOS SRS. ALFAIATES
Cfaegoa loja das Cotnnnas, da raa do Crespo a, 13, de Antonitf eCoreiafle
VascoQsel'os, superior velludo preto de seda.
Manoel Antonio de Albuquerque, morador
na cidade de Goyanna, jolga nada dever em parte
alguma, e se alguem se ju(gar seu cjedor dirija-se
i cidade do Recife era casad*- Srs. Souza Mouti
nho & C, ou nesu cidade c m casa de sua morada,
dentro do praso de 30 dias. O mesmo aproroUa
a oceasiSo para scientificar ao respetavel publico
que por baver outro do goal nome assignar-se ha
d'ora em diaote por Manoel Antonio Cesar de Al-
buquerque
Pede- pesooa que e-bou ai dia da esta
de Sant'Anna, em S, Francisco, urna pulceira de
jabello encastoada em ouro, o aVor de entregar
ra do imperador o. 18, que sert generosamene
recompenaado.
Aluga-se
urna casa com pequeo sitio de larangeiras, bana-
neirae, ele., at o fim de ontubro do corrente an-
no, da-se kurato : a tratar no becco do Quiado do
Montero, no primeiro sitio direita logo ao entrar.
$*}$&$$?&&$ &&$ &
O bacharel Joaquim
\ Goncalves Lima tem es-
2 criptorio de advogado 0
m ra to Imperador n. 35. 0
****&*&**&**#**
Prejisa-se , roa larga do Rosa.'r 46.
Precisa se de tima ama para colindar : a tratar
na na larga do llosa rio n. ti. i andar.________
Aluga-se o solio do sobrado da ra do H> r
tas n. 48 : trata-se no Io andar.
Um amigo do finado conselheiro Francisco Jos
Fuado manda resar ujna missa pelo eterno re-
pouso de sua alma no da 4 do correte, (quinta-
feira) pelas 8 horas da manh, no convenio de S.
Francisco. Os amigos e admiradores das qualida-
des do Ilustre finado quelne quizerera prestar este
acto de caridade, terio a bondade de comparecer
ao lugar e hora indicados.
AMA
- Precisa-se de i#Ba o diaria de nraa casT\ traur raa do Livra-
rjiefT! -rindo fina ucjpliw.
Precisa-se alugar urna escrava ou livre. que seja
boa coinhwra, paga-se bem : a tratar na roa d,
Seazala-velba n. 90, padana._________________
__Precisa-se de um coznbeiroque seja perfe-
to em sua arte : na rita da Imperatriz o. 9, se-
gundo andar^_____________|_________________
_ precisa se de urna ama que saiba bem cozi-
ohar e queira sahir ra :-a tratar na ra do
no d. 69.
0 palacete
da rna do Mondego, em qu residi o Sr. nego-
ciante Felippe Needhen, alaga-se : tem tedas as
pn.porcfies para qualquer esttbelecimento,com
sitio : a tratar aa- mesma roa com Marcelino Jos
Lonas, na otaria b. 13.
'Em casa de THCODORO CHRISTI-
ttiSEN, rna da Cruz n, 18, encontram-eo
jfectWamen te todas m qu-alidades de vinot
ftrtoisf Boargogne edo iUifiuk


\
Diario d Pernambuco Quarla feira 3 de Agosto ^e 1870.
AO ARMAZEM
DO
T'
VAPOR FRNCEZ
I HMi.H, 7
Este couhecido estabelecimento acha-se constantemente bem sorlido, em virtode das
futuras que recebe por todos os vapores e navios francezes, dos artigos abaixo menciona-
dos, presos os mais restituidos que possi vel.
CAI^ADO FRMCEX
Botinas para eahoras e meninas.
Bolinas pretas, brancas e de rauitas outras cores, sortidas e bonitas, do ultimo gos-
to da moda, e a precos mais baratee do que em outras partes.
Botinas para hornea e meninos.
Botinas de bizerro, cordavao, lustro e pellica, das tnelhores fabricas e ejcolliidas.
Botas e per ne ir as russianas.
Botas e perneiras para mantaria, das melbores qualidades, de cquro da Russia, lus-
tro e bizerro.
Napatos de borracha para hnmens e scahoras
Tendo chegado grande porcao de tpalos de borracha vende-se pelo custo alim de
desempalar o dinheiro uelles eropregado, sao baratissimos.
M patos de lastro para horneas.
Sapatos de entrada baixa de couro de lustro com salto, de muilo boa qualidade.
Abotinados para meninos c meniuas
Sapatos abotinados de diferentes modelos, de muilo boas qualidades e fortes, unto
para meninos como para meninas, niuito baratos.
ttapatos de tpete.
Sapatos de tapete aveludado, de casemira, e charlte e de tranca franjezes e por- H
J'tuguezes para horaen?, para senhoras e para meninos.
PERFUMARAS
Excellenles extractos, banbas, leos, agna de cologne, florida, divina, lavande, deu-
triflce, de toilette, sabonetes, tintura para cabellos, pomada angroise para bigodes, pos de
arroz etc., tudo isto de primeira qualidade, dos afamados fabricantes, Condray, Pi ver e Lubin.
Joaquim Jos Goncal- Ra estreita do Rosa-
ves Beltrao
Rna do Trap che n, 17, 1* andar.
Saoc* por todos os paqmeies sobre o banco de
Mmho, co Braga, e sobre os seguimos lagares em
Portagal :
Lisbsa. i
Porto.
Valenca.
Guimaraes.
Coimbra.
Chaves.
Viseu.
Villa do ('onde.
Arcos de Val de Vez.
Viannado Castello. (
Ponte do Lima.
Villa Real.
Villa-Nova de Famelicao.
Laraego.
Lanos.
Covilhaa.
Vascal (Vilpasso).
Mirandella.
Beja.
Barccllos.
ro n.
36.
Hotel de Hespanha.
O proprtetario deste estabelecimento faz publico
aos ?euii roeoeiUveis frego>ies, que Ihe acabam de
hegir la Europa um famoso cozinbeiro, e nm
belM^^^Hla liando este ultimo diversos idio-
mas ; e portanto offerece ao milito Ilustrado povo
desta cidade constantemente mesa abortt com toda
a decencia, e serio servidos con tod limpeza,
promptidao e agrado, com coraedorias eptiinas.
Aenirao tambem nesta su ca divertimenm de
domino e bebidas das melhores qualidades. Ad-
mitlem-se assignaates pagar por mez, e prpa-
ram-se encommendas de gosto para bodas e bap-
tisados. Anteeipando-se desde j a agradecer o
bom acolhimento dos seus hospedes.
tres vapores
Fallencia
v
Instrucqao primaria.
0 professor Manoel Roberto avisa ao3 pais de
seus alumnos que tendo espirado o praso de sua
licenca, se aclja no exerclcio de suas funccSes.
..Santo Aman das Salinas 1 de agosto de 870.
Quinquilharias
Lavas de pellica do conhecido fabricante Jouvin, espemos para sallas, qnartos e ga- 3$
bneles, tucadcre- de diversos tamanbos, leques para senhoras e para meninas, abridores &g
da luvas, brincos, pukeiras, boioes, crrenos e chaves de relugios e traneelins, tud:> de fo.
ouro de lei, crrenles e brincos de plaqu, a imitaeao e de mais gosto do que as de ouro, jjgi
caixinhas de costura ricamente guarnecidas e ornadas com lindas pessas de msica, albitas ;W
e caixilhos dourados para retratos, caixinhas com vidro de augmento para distinctamente H;
ver-se a perfeieao dos retratos, objeetos de phantasia para toilettes, riolsinhas e cestinhas SJg
de seda, de velludo e de vimes para braco de meninas e senhoras, ditas para costuras, pe- SEL
quenos registros muito finos e delicados, bouqueti de flores de porcelana, jarros proprios [CS
para gabinetes e santuarios, quadros promptos para collocar-se vistas, molduras doutadas ]j
para quadros, estampas linas de paysagens, cidades, figuras e de santos, vidros para eos- f
morama, malas, saceos e bolsas de viagens, esporas, chinle?, bengala?, oculos, lunetas cu 'J
pecsinez de prata dourados, grvalas pretas e de cores, abotoaduras de collete e tie punhi ?, 3
Joio Pinto S jares Cavalcante convida aos seus
amigos para assisiirera na matriz da Boa-vista,
sexta feira 5 do corrente, as 4 h ras da madru-
gada nma missa, pelo reponso de *eu sempre cho-
rado amigo Joo de Pinho Borges, e desde ja an-
tecipa seus agradecimentos a todos aquelles que
comparercrem a ess> acto q> rpligiao.
Da-su at a quantia de dou^ontosaereis
a joros com bypotheea sobre casas, nesta cidade:
quem precisar prc cure no sitio n. 5, da ra de
Joio Fernando Vieira.
Precisa-se 'de urna senhora habilitada para
ensinar a lingua nacional n'ura engenho perto da
cidade : quem pretender dirjase botica da roa
Nova n. 31, onde receber as devidas infounacws.
Precisa-se de urna
n. 51, 2 andar.
Os curadores Gscaes da falfencia de Silvestre
Hennque Paiva, ipndo de formular o balaceo da
massa, rogara a tedas as pessoas que ferom credo-
ras do i presenlarem sens titnlos de crdito, na roa
do Imperador n. 12, andar, das 8 horas s 3 da
tarte. nestes oito das.
O Campos da roa do Imperador n. 28*. recebea
pelos allimos tres vapores chegados a este porto,
differenles gneros que vi-ta das suas especiaes
e diversas qualidades, merece fazer-se del
pecial menean ; e avisa nao s ao seu crescido
numero de fieguezes o amigos, como tanbem
aquelles que au tein <|iierido honra-lg com suas
freguezias, encontrando por e-.-e niuii\* arrias riif-
flculdades em suppnrem-so de lums gneros, p ir
falta ttlvcz de quem Ibes indique com firmeza um
esiabelecimeoto <|ue como o seu; possa com ga-
ranta, bem salisf.izer as justai exigencias do res-
peltavel publico desla capital; que se ncln o seu
anoazem prvido dos mais oovos o variados gana-
ros, e liniita-se a nomear o seguinte :
Carne e queij-is dd serlao.
Prezuntos inglezes e portugueze?.
Gondolo (nova marca de bolarlmibas).
Petit Pois ao Beurte (erviihas em manieiga).
Chocolate haspanhol a In00 a libra.
Conservas a 700 rs. o frasco.
Caf chumbado e de moka.
Rap Paulo Cordeiro (viajado e commum).
Guizados francezss (Truffe).
Superior champanhe.
Doces finos de guiaba, larnnja, limao c bananas.
Fannha de mandioca
Vende-se farinba de mandioca, nova, de Santa
Camarina, chega.la no patacho portuguez Ullissa,
fundeado defronie do trapiche do Sr. Baro do I.i-
vraraenio : a tratar no escriplorio de Joaquim
Jos Gonealves Beltrao, ra do Commercio n. 17,
ou a bordo do referido navio,
Uo amigo do finado Dr. Jos Antonio Baha da
Cnnha manda celebrar era sua ntencao urna mis-
sa as 7 horas da maoha do da 4 de agosto, na
igreja da Santa Cruz : convida os amigos do fina-
do ii ira e-se acto.
ama : na ra do Apollo
cas, esteriocopng com ini ressantes vistas de figuras e das mais bonitas ras, boulevards,
pracas e passems de Paris, photojraphias e caixinhas magieas, reverberos para candieiros,
tapetes de vidriiho e de ia de core^oara ps de lanternas, realejos grandes e pequeo?,
harmnicos, acordions de todos os tamanhos, bircns de vimes para mancas, sapatinhos e
toucas de la, carrinhos de 3 e 4 rodas muito dganles para couiuiir crianzas passeio ; e
outras muitas quinquilharias de phantasia, francezas e allemae-, precos muito em conta.
Para este artigo nao na espaco nem tempo para a mascante leitura da infinidade do
gneros de brinquedos fabricados em diversos paizes da Europa.
Quem aehou um aifinete de peito com re-
trato, vnd de Olinda oara o Recife al a ra do
Torres n. 12, no da Io as 5 horas da Urde, nos
wagn?, lenha a bondade de o entregar na mes-
ma ra e numero, que ser recompensado com o
valor do mesmo.
Na na atraz da Matriz de Santo Antonio n.
18 1. andar, coziuha se para fra com asseio e
promptidao e por mdico prefo.
Attengao
Continua se a fornecer almoco e jantar : no so-
brado da ra e>treita do Rosario n. 35.
a praga da Independencia n. 33 se da d'
iheiro sobre penhores de ouro, prata e pedni'
jreciosas, seja qual for a quantia; e na mesm;
asa se compra e vende objeetos de oofo e prata
igualmente se faz trida e qualquer obra de en
ommenda, e todo e qualquer
t mesma arte.
concert fendent.
II
Largo do Paraizo n. 8, no pri-
meiro andar.
O abaixo assignado, proprietario deste estbele-
cimento avisa aos seas freguezes e mais p^ssoas
que recebeu carteiras e tinturas por prego com-
modo, e por isso vende a 500 rs o tubo de qual-
quer droga, e \l nm vidro de tintara, ecompran-
do de i00 para cima tem 10 de abate.
Augusto Xavier de Souza Fonseca.
ECHO DE ROMA.
Acha->e em distriLuicSo o n. 15 desta revota,
relatando minuciosamente lodos os aconteca en-
los do eeocilio do Vaticano.
Contiua-se a subscrever por 6000 rs. por um
anno.
NA
LIVRARIA FR\NCEZA
HI8TQKIA
4TTENCA0
O dono deste estabelecimento pede ao publico em geral que continu a
verileando as qqalida>les e os precos baratos de ditos objeclos por serem vindos
reitura e de conta propria.
visita-lo
em di-
DNfl
PERNMBUCO
11Sua Nova11
Azavedo, acaba de fundar em stu grande anaazem de pianos &
Antonio J de
instrameatts, unti
Imprensa par^i gravar e imprimir msica,
de cujo trabalbo se acha eocarrecacU) o distincto gravador e irupressor o Sr. Nicacio
Garca, que por muilos minos foi empregado das primeiras casas do Rio de Janeiro, de
LAFORGE 6 SIDOW. ,
Nesta casa serao iaapressas nao s as melliores novidades que vierein da Europa,
como tambera as msicas orwmaes dos melhores professores e aeradores desta cidade,
qoer por nossa conta ou por conla dos seus autores
As primeiras msicas que se gravaram e imprimirn! em nossa caga, tendo sido
muito bem accedas pelo respeitavel publico, tilo s pela perfeita gravura e boa impres-
sao, como pelo superior papel que empregamos, faz com que boje publiquemos a lista
abaixo e que se acham a venda era nosso armazem. Continuando a publicar-se sema-
nalmente pelos jornaes as novidad?s que formos imprimu.do.
ANNETA polka brilhante pelo insigue maestro l: Smollz. preco. 2(8000
MINERVA, polka brilhante pelo insigne profssor Colas Filbo i >0(jO
CHi:0 DI\BO, linda polka por ............. 300
UMA LAGRIMA, mazutka. '............ l?50OD
LA GRAN iE DCHESSE polka. ....... 1^000
Tres lindas polkas do Circo Equestre de M. Cosali. (Esta colec-
c5o contina)............... 1O0O
. Est-se gravando para'ahir a luz nestes dias, dtias lindas peras de msica para
piano; composicao do insigue e sympithico maestro chegado da Europa pelo ultimo
*apor o Se
E. Casalbore,
Valsa SdUVENIR. | Polka CHANT D'OIREACX.
A Imprensa Nacional e .Msica tambera recebe
A33aanr!tta3
por Mis mezes 4 por um anao. nngando-se a foroecer a seas assigoantes duas ou
tres ipecas de nwsica por mez, para piano s, e para canto e piano.pela tabella seguinte:
J. Fermra Villria
PHOTOGRAPni V mPERI.lL,
18----RA DO CABUG18 .
A entra ta peloputet da matriz.
Os Irabathos da reedificacaa desta pholograpbia,
e que se prolongarara por unto tempo, achara-se
felizmente terminados e ella aberta ao servico do
publico desde 7 de abril passado.
O predio em que tst collocada esta photogra-
phia acha-se muito augmentado, e s a parte desti-
nada ao estabelecimento conla cinco salas, inclu-
sive as do laboratorio. Todos os concertos o aug-
neotos tendo sido fetos exi>resamente para se
montar convenientemente a photographia, e naq^se
podendo melhor modelo escoliier do que a Pholo-
grafiia Imperial do Sr. Jnsley Pacheco do Rio de
Janeiro, o primeiro phatogrp'ho do Brasil, e um dos
primeiros do mundo, segundo a opiniao dos mais
abalisados mestres, a nossa photographia acha-se
dlsimsta e reeiificada pelo ine>iiio piano da do Sr
I. Pacheco; a qual foi montada sob todas as regras
'ecommendadas pelos mais de^tinctos professure'
de accordo com as modificares necessarias a.
cliiiis do Bra.-il, reconhecidas e estudadas pelo ha-
bilissimo e pratico Sr. I. Pacheco.
Todo o interior do predio em que est nossa
photographia foi mudado desde a soleira da pjrta da
ra atea cubera, lendo-fe-demolido todas as pa
redes interiores para se Cayere ni as novas salas.
edificando-team novo terrajo envidracadomai
espacnso e elegante.
Con.o sabido, (hemos urna viagem expressa-
mente corle para examioarm"S as melliores pho-
lOfraphias all, e foi a do Sr. !. l'arh'co. a que
melbor corresponden aos Boatos desejos e aspira
gfies, e da qual irt usemos o? planos depois de
alli estarmos iodo um mez estudandoa apro-
veitando a? li^Ses de tao distincio me^tre. Pen-
samos quo juntando os nossos e-iu I s o longa
pratiea de l'i aunos de pli(tographias utilissimas
lii.oes ullimaii ente recebidas do Sr. I. Pacheco,
tendo montado a nossa photographia como s
ai-ha, podemos offerecer ao Ilustrado publico
d'eeta cidlo e aos nos-os nun ensos freguezes
irah.ilhos de photographia tao perritos, como se
poder desejar, e disto convencidos, esperamos
que cootiuucm a dispensar-nos a mesnra pro
teccao com que ha 13 annos nos tem honrado e
ajada do.
Mi'nte po popular pernam-
bucauo.
De ordem da directora sao convidados todos o^
senh< res socios para se Yeunirera em assembla
geral domingo 7 de agosto, alim do com especia
lidade aporovarem as contas da mesma.
Secretaria do Monte pi popular pernambucano,
i de agosto de 1870.
0 t secretario,
Cundido Jos de Ges Telles.
Assignatura por seis mezes
PABA
Recife Provincias
Duas pecas por miz
para pianno s
Tres pecas ^or mez
sendo nma para
santo e piano
84000 CmO
umoo amo
Assignatura por um anno
PABA
Recife Provincias
Tres pecas por mez
sendo urna de canto
e piano 200000 24,8000
Duas peea6 por mez
para piano s 150000 18->000
O preco da assignatura, aprsenla aos Srs. assignntes. urna grande economa:
por que se forem a comprar a valsa a msica que fornseemos no decurso de um auno,
4ne costara .'J0la60(8. oo talvez.mais. Portanto convidamos a todas as pessoas, quer
desta cidade, ou de outras provincias, que qaizerem ser assignaates, a dirigirem-se di-
rectamente a nossa casa, que promptamente Ipe serao remedidas a seas domicilios,
pelos vapores ou correios.
Imente convidamos aos Sri. negociantes de masicas, quer desta provincia on
deoatras, que quizereo entrar emrelaces de negocio com nossa easa, lhe faremos
sobre os precos marcados na msica um grande descont, muito vantajoso.
NBSTE GRANDE ABMAZE TEM SEMPRE :
O maior e mais explendido sbrtimeuto de pianos de A. Blondel, de quem somos
micos agentes, o maior e mais esplendido ortimento de jnosicas para piano, edices
Ai Eoropa e do ftio le Janeiro, o maior e mh expandido ortimento de instrumentos
de muika para banda milita e orebestra.
Precisa-se de urna casa nc bairro de S. Jos que
tenha portao no quintal, para ter-se bois ; assim
como duas carroes de quatro rodas : quem tiver
iiinja-se ra do Aiecrim n. 60, que achara com
quem tratar.
DA
Guerra do Paraguay.
Acham-se publicados os dous primeiros velumes
desta obra; o terceiro e o quarto volamos em
breve sahirao do prelo e assignam-se por 103000.
NA ,
_____________Livraria ranceza.
LIVROS P0RTU6DEZES.
Braga Theophilo) E.-pinto 0o direilo civil m 8o
br. 1*000.
Carvalho (A A. de Souzaf O Brasil em 1870,
in 8 br. 1*000.
Fval (V.) Os casacas pretas, in 8 encadernado
5 00.
^Gonealves (T. Torcato) A Vilela in 12 encader-
nado 3*000.
Grande ID) Crime dAubervilliern (Pantim in 8o
br. 2*000.
Josino Codico do processo, 2 volumes 12 enca-
dernado 8*000.
Leis do Brasil 18t>9, 2 volumes in 8 encader-
nado 10.
Machado (1. C.) Quadros do campo e da cidade.
1 v. ni 12 ene. 35000.
Malkeiron (P.) Procurador dos feitos da fazenda
nacional (supplemento) l vol. in 8 encadernado
8*(00.
Memorias do Mrquez de Santa Cruz (arcebispo
da Babia) I vol. in 8o br. 3*.
Methodo de muscj vocal, in 8 br. 3*.
-V ronAd (Til) de) Passeios e digressoes, in 12
encadernado 3*.
Paginas d'Historia con stilucional do Brasil, in
8 3*00".
Pinto de Almeida Estrellas calentes, in 8o ene.
o*000.
Seqneira, Architectura civil, in 8o encadernado
5'OOO.
Todas estas obras encontram-se a venda na li-
vraria franceza. rna do <>epo n. 9.
Vende-se a casa terrea n. II, sila em Olinda,
a ra do largo do Amparo, com excellenles conv
modbs e grande quintal, miIo proprio : a tratar nc
Recife, ra da i'adeia n. 5.
A Nova speranpa
*1Ra Duque de t'axias31
Qoando a NOVA-ESPERANCA faz os seus
anuncios expondo aos sens freguezes e a
todos em geral o grande sortimento e su-
perior! dade de seus objeetos nao com vis-
tas de atrair a ;ittenc3o de nina grande fre-
guezi, como a de que actualmente despoe,
e sim para scientificar (a interese de todos)
a qualidade de seus objeetos o qnaes sao
sempre de apurado gosto e perfeic5o; tor-
nando-se quast indispensavtl para aquelles
apreciadores (do bom) frequenlarera a No-
va Esperanza, pois que ella capricha em re
ceber constantemente, o que ha.de-melhor
relativamente a sua reparlicli i: o qne se po-
der verificar quando em qualquer rcuniiio
de pessoas (amantes doxiquej v-se um
boito enfeite em um bonito vestido, um
aroma agradavd 'escapar d'um alvo lenco,
um moderno e linde laco, um diliwdo ra-
mo de finas flores, ete. etc? todos olham-se
reciprocamente e dizem com sigo (e as ve-
zes uns aos ontrns) estes s5o objeetos
comprados a NOVA-ESPERANZA: realmen-
te !!!! procurar descrevor em annuncios os
arligos qae cont- m dita loja, seria trabalho
insano e nunca o fariamns eflm aquella
graga e perfeico com que sao elles fabrica-
dos, assim p(fls a NOVAESPERANCA con-
tenta se em convidar a todos geralmente,
visit.irem-na para ento ficaram iniei-
rados do que ha exposto na mesma loja.
561Raa Duque ALMANAR
DE
Lenibranras Luso-brasleiro
POR
CastiiliG.
PARA 1871.
Ra do Crespo n. 9.
LIVRARIA FRANCEZA.
COMPRAS.
0 muzeo de joias
Na roa do Cabng n. 4 compra-se oaro, prata
pedras preciosas por presos mais vantajosos do
jue em oatra aualquer parte.
Com muito maior vantagem compram-se
oaro, prata e pedras preciosas e a obras velhas: na
loja de joias do Co.'acao de Ouro u. 2 D, roa do
Cabug.
V1NDAS.
Casa para alugar.
O terceiro andar da ra da Cadein numero 4.
CAIXEIRO.
Precisa-se de um caixeiro com idade de fi an-
nes para loja de laenda fra da cidade : a tratar
no Passeio Publico n. 3i.
Tachigraphia
Achando-se presentemente nesta cidade com re-
sidencia temporaria oprnfe-sor do exlincto Lyceo.
offerece se a tomar sessoes do jnry on de oniro
tribunal, ou anda de qualquer soci'edade poltica
ou sceotiBca por urna gratitteacao razoavel : a
tratar na ra Nova n. 4, das 11 1 hora da tarde
dos dias uteis.
Etki
l'reeisa-se alugar urna ama livre
on
trata-se
Carmo
no armazem n. 2, ra da
-crava :
Gamboa d>>
D-se 1:000* a premio com bypotheea
bens de raz do dobradh valor nesta cidade : n.
roa Nova, loja de frrragens n, 31.
I
Aia(a-se um bom aio na estrada do Arraial,
com ca*a grande o ltimamente acabada, tendo as
commodidades uecesaria* para familia ; pretender dirjase roa 1* de Marco 0. 16, 1*
anfer, qae adiar eom quem tratar.
ULTIMA HORA
O Costa, roa das Cruzes n. 42, participa a
todos os sens numerosos freguezes, que pelo ulti-
mo vapor recebeu a'guns gneros de primeira qua-
lidade. a saber :
(Jleijos flamengoso que de melhor se pode en-
contrar.
Bolachintia do fabricante Gondolo, pela primeira
vei vinda a este mercado, pelo preco mdico de
2* lata.
Maas de qualidade apreciavel.
AsiixAS em latas e frascos.
Gai de primeira qualidade, que se vende a
400 rs. a garrafa e 8* a lata.
Alera das mullas e variadas qualidades de mas-
sas para sopas, conserva?,-quer de hervas, qufr
de carne ou peixe, doces, vinhos, licores, etc., etc..
tera velas estearinas a 640 rs. a libra.
Joaquim Rodrigues Ta- |
vare^ de Mello, !
Praga do Corpo Santo n. 17^
TEM PARA VENOEI! :
Cal de Lisboa.
Potassa paRussia.
Vinho Bordeaux. .
Farello d^ Lisboa.
Farisiha ?Se
cntsn
Bichas hambargnszas
Neste novo deposito recebe-se por todos os pa>
quetes transa uticos bichas le qualidade superior
e vendem se em caixa ou porfo mais pequea,
e mais barato do que em outra qualquer parte :
na ra da Cadea do Recife n. 31, Io andar.
&VSO.
No armazpjn n. 23 da n a Duque de Caxias tem
grande porgao de pallu para i-mpalhar cadeiras,
venderse muito barate.
Vidros para vidracas iie lodoa os lainanlios
e em caixas, vente Uartholomau A &, en sua
Pharmacia na na larra do lio-^rio n. 34.
Grande liqui acao de
faizendas b ratf.s
A* RA Io DE MVRC0 N. 2."i.
MADAP0LA0 fino superior a peca a
oSOO e ti
ALG0D0ZINH0 cora 18 jardas a
25800 a pec.a.
ALGODaOZIMIO suoerior marca T
erm 20 varas a 6*.;00 a peca.
CAMRRAIAS brancas transparentes a
i 35 a peca.
i CAMBRAIAS finas de cores, modernas
; a 280 o covado.
CHITAS escuras matisadas e de cures
j raiiidiuhas^a 220 e 240 o covado.
CHITAS imperiaes do ultimo gosto cora
cores seguras a 280 o covado.
CHALES de merino pretcs1 e de todas
as eivs a 2o00.
LENCOS finos de cambraa a 2300 a
, duja
COLXAS adamascadas superiores, do :
cores e brancas a .'!*, 3*300 e 6*. ]
CHALES de cassa bordado de cor a
2*500. |
BRAMANTE do lioho de nina largura
Com 27 varas a 23*, e com toque de cd- :
pim_a 14*.
Dao-se amostras cora penhor roa 1
de.Margo n. 23, loja de Manoel Dias Xa-
vier.
Vende-se
tres portas de ara? relio (costadinho) com fochadu-
ras de >egredo : a tratar na pharmaeia americana
rna do Quehnado n. 15.
Vndese ama boa armacao existeote na casa
do paleo do Tergo n, 19, eedendo-se a chave ao
comprador.
Vende se iaa de canna a 280 rs. a libra,
porgao faz-so differenga : na rna de Hortas,
mazem n. ?.
em
ar
Vende-se
a armacao da ioj da raa da Iraperatriz n. 36, pro-
pria para qualquer estabelecimento, e alnga-se a
me-ma toja a qnin comprar a armacao : a tratar
na mesma roa n. 72, loja da Arara.
Aprovpitem aocc-sifto.
Veode-se urna Ioj concertada e pintada de novo
na travea de S. Pedro, por ter sen dono
rado para fra : a u^tor oa roa da Imperatriz n.
13, bazar acadmico.
Vende se pennas de ema, cora de carnauba
e feijao era sarco : no e-criptorio de Muraes & Ir-
mo i ros da Madre de Dos o. 3, 1 andar.
Por UMO
Lindos corles de chita para camisa a 1*800 :-na
ra do Crespo n. 23, loja da esquina.
A VERDADE
fina )uque de Casias n. 55
Na loja der por baratissimos prego* todos os arli-
gos de miudezas e perfumurias do seo
grande e variado sortratuio, araotindo ai*
compradjres toda a sincerifiade..
Lindas bonecas de cera e massa por ba-
ratissimo preco.
Espelbos iluurados para pendorar a
160 rs.
Agulbas de osso para crox a 200 -rs.
Pentes tinos para segurar cabello,
30 rs.
Chamihs para gaz a 320 rs.
Garrafa com tinta alizarine a i >C00.
Dita com agua florida a i5C0.
Dita com dita diU a l0>0.
Tnico de Jayme a 1,5300 o frasco.
Frasco com oled txpresso de babosa, de
40 a 040 rs.
Dito com agua de Colonia de 300a IflGOO
Dito com extractos finos a \5000.
Dito com jndalo verddeiro a \ 200.
Latas com bantia muito lina de 120 a
40 rs.
Sabonetes muito finos e diversas quali-
dades a 80, 100, 240 e 320 rs.
Finas escovas para dentos de 390 e 500 re-
Ditas para fado de 500. e 000 rs.
Ditas para cabello a SCO rs.
Pentes para alisar com-costa de metal a
320 rs.
Ditos ditos ditos de bfalo a 240 e 320.
Pentes para tirar piolbo de trio e 240 rs.
Payios para gaz, dt'zia a 240 e 320 rs.
Brincos de cores, inteiramente modernos
de 160 e 240 rs.
Pennas caligraphicas mnito ficas a 1!400.
Ditas do lanfa e mosinha a 800 rs.
Lindos babadinhos e cntremeios de 500
a 1,5500.
Grosas de botes de1 louca de 160 e
200 rs.
Ditos ditos para caifa a 210 rs.
Caixa com papel amizade a 700 rs.
Ditas com envelopes a 480 rs.
Ditas com obreias a 40 rs.
Ditas com agulbas fundo donrado a
280 rs.
Thesoura para costara a 240 rs.
Liaba de marca aixa a 280 rs.
Carriteis de nhas de Alexaoclre de n. 70
200 a 10 rs o
Grampos muito finos, com passarinhos du-
ziaa 200 rs.
Cartas francezas para jojrar duzia 35000
Ditas poriuguezas, dnzja. 13400
Papel almaco superior qualidade resma
000.
Lam mnito fina para bordar libra 6550O
Fitas para debrum desapato, pessa 160 rs
Ditas de lam para debrura de vestido peca
400 rs.
Caivetes gr ndes com molla n 400 rs.
Ditos grandes com 2 folbas por 320 rs.
Rosetas pretas para luto, o par 100 rs.
Trancas de lam de caracol branca e de
;6i6s de O a 100 rs.
Fitnf, para cs, peca iSO rs.
Alfine-.cs de latao. C3rla 100 rs.
Saoalinbus de lam para creanra de 400
i 800 rs. '
Calcadeiras a 40 rs.
Gravatas de seda preta de 400 e 800 rs.
Ditas de croxo/brancas e de i nres SpOrs.
Dita de gorgueo de ln-s a 8()i> rs.
Xa VcrdatEe ron muqne de Ca-
sia >;>.
Eival sem segundo,
ro:a duque k CASIAS W. 49
(Anliga na do Qucimade)
Cont'na. a vender tudo muila bem e
muito btrato a saber;
Libras de areia prela muito boo. 120
Tesouras linas para urdas t cwto-
ra a.......... 506
Papis de agu'lias francesa* a bi-
13o a......... 60
Caixas com seis sabonelc-s de fruta I 000
Libras do Ia para bordar d tod; s
as cores a....... ^000
Carriteis I ^ lii lia Aiesandro 10(
Frascos com aztte p*ra mai Ifinas 500.
Grvalas At cores muilo linas a 500
Grozas de boioes madcpcisia li-
oissimoq a....... 500
Pares de luvas de cores muilo ri-
as a 320 e. ...... 5C0
Noveo de linha de 400 jaldas a. 60
Caixas com 100 etivelopea muito
superiores a...... 600
Pentes volteados para meninas a. 240
Tinteijos com tmta preta a 80 rs. e ICO
Pecas de fita elstica muito fina a 200
Lata com superior banha ,a 100 e. 200
Frascos de oleo Pbiloccmp muilo
lino a. ........ KOO
Ditos ditos dito grande a. 1(5000
Frascos dfly macaca penda a. 240
Frascos de extracto muito bonitos a 500
Duzia de saboneles muilo linos a. 720
Sabonetes inglezes a 600 rs. e. .1(5200
Frasco com agua de colonia Pivera 500
Dito de oleo babaza a..... 500
Caixas de lamparillas a. 40
Sabonetes a forma menino muito
superiores a...... 240
Lartilhas da doutrina fazenda nova a 400
LibrdS de linha sortidas.de todos os
nmeros a. ..'... 18O0
Babados do Porto, largos a 160 e 200
Capachos mnito bonitos e grandes a 700
Carriteis de retroz preto, com 2
oitavas a. (. 640
Agulheiros de osso enfeitados a, 240
Libra de linba franceza supetior
qualidade a....... 2-5400
Caixas de palito do gaz a. 20
Ohjecto* para carros.
Sollas.de luMro.
Vaquetas de lustro.
Galoes largos e estreilos.
Ojeado preto para guarda chava.
Dito de crep para forro.
Lanternas e vellas.
Botes de osso de cores diversa*.
Cigarros da imperial
fabrica de S. Joo
nico deposito, em POToamboco cae* da alfas-
dega velb n. 2, 1* anda.
O
en
a
H
>
i
CA
>
Os accreditados cylindros americanos para pa
dara.
Machinas para escaroear algodaV.
(.'anos de ferro galvanisadis, para auna
Carrinbos americanos para iransportar fazenda?.
Formas de fer o
para purgar assncar : vende-se na roa da Cadeia
n. S, armazem de S. Barroca.
Predio
Vende-=e un sobr
teo de S. Pem n. i a
de Caxia n. 34', loja de Ghilherme Porto & C.
s.
^


9
Diario de Petnambuco Ouaria eira 3 Je Agosto de 1870.
*
Sitio em Parnameirim
B^k^lii i Para vendar
rec amena sem rival I auku m* Para 86 venacr 0 m* o
Raa da Cadeia n, 45
Na bem conhecid e acreditada toja da Santos
FalcSqJtC.
B>rregain em perfeito estado a 7J000 o par.
Borzeguins a 75000 !
Quem deixar
de comprar bombazioa preta de duas largaras a
900 rs. o covado : na toja das seis portas em fren-
te do Livrarwnto.
Anda est para se Vender o sitio OH de Vi-
dro, em Parnameirim, oa Ponte de Uchda, eom
sobrada de am andar cora 10 qnartos, fogdes e
[oraos de ferro, mulla para todos os arranjos,
bastantes arvoredos de fructos, terrenos para
plaotacdes, boa baixa de captm, agua de beber,
tanque para banbo etc. : quera o pretender com-
prar enlendase com Jos Ahtunes Goimaraes.
na ra do Aragao n. 13 (nje Viscende de Pelo-
tas) at 9 horas da manilla e das 3 as S da tarde,
na falta, na ra de Queimado n. 1 ioja, hoje Ba-
que de Gaxias.
DEPOSITO
Roa da Cadeia n. .
Vende se por menos preco do que em ontra
qualqaer parte, de 10 killos para cima, as segra-
les qualidades :
Sant.Qualit fine, fine superieur.
Sur ine.Par excelleoce. Vanille.
Qualit fine.
CEMENTO
O verdadeiro portland. S se vend na roa da
Madre de Dos n. 2, armazem de Joo Martina de
Barros
ATTENCAO
GAF lOmO i APPH
r ,|DE
A VILLA IBMO & C.
49 RA NOVA DE SANTA RITA 49
PERNAMBUCO.
Ha para vender neste estabeleci ment caf mai
do a vapor e torrado a ponto certo, sem mistura,
empacotado em papel de estanto para se conser-
var sempre fresco. Garante se a sua primeira
qualidade. Os apreciaderes do bom caf podero
procurar nos principies armazens de molbados.
Para evitar falsicacao, previne-se aos senbores
apreciadores que todos os pacotes terao um rotulo
com a Arma do estabeleciment).
GUSTAVE
CABELLEIREIRO FRANCEZ
51Ba da Cadeia do Recift61
Chama a aitancao dos seus innmeros fregueses, e do. respeitavel publico et
eral, para a .segninte tabella dos precos de sua casa, os quaes sao vinte por cent
nais barato do que em outra qualqaer parte:
Gabelleiras para senhoras a 250, Cadeias para relogio a 51. 61,
30*. m e.....40*000 i Vt,8, 9,5, 124 e. .
Ditas para homem a 36*, 40* e 50*000
Coques a 12*, 15*. 18*, 20*, | Corte de cabello,.....
28*. 39* e.....50^000 ._, ... ..
>escentes a t2*, 15*. 18,5,205, |Crt de cabeil *0B1 fr,cc5-
25^, 30* e.....324000 C^ de cabello com lavagem a
Cachos ou crespos a 34, 44, 54, champoa......
84,74, 84, 95 e. .. 10)$00o Corte de cabello com limpex da
[Yanca de cabello paca aimel cabeca pela machina electri-
500 e....... 44600' ca, nica em Pernambuco. .
Tranca para braceletes a 104, Frisado ingina ou franceza.
154.204.25e. .... 50*000 Barba. ,......
154001
501
501
1400*
FarirAa erni-h".
Ro trapiche Bario
rinlia de man'linc.-i e
unto namtmtL
mltfw em tmetm
aranaes : a tratar na ra do Vigaro a. 16,^-aa-
dar, escriptorio de Joaquim Gerardo de Basta.
1400
50*
28*
GRANDE NOV10ADE
Quando a AGUIA BRRNCA, mais precisa scientiear ao respeitavel publico em
geral, e em particular a sua boa freguezia, da immensidade de objectos que ltimamen-
te tem recebido, justamenteiquando ella menos o pode fazer e porque essa falta invo-
luntaria ella oonfia e espera na benevolencia de todos que lh'a attendero e relevarlo,
contiauando portanto a dirigirem-se a bem conhecida leja da AGUIA BRANCA ra do
Queimado n. 8, onde sempre acharao abundancia em sortimento de superioridade em
qualidades, modicidade em precos e o seu nunca desmenttido AGRADO E SINCEIUDADE.
Do que cima fica dito se conbece que o tempo de que a AGUIA BRANC V pode
dispr, empregado apezar de seus custos no desempenbo de bem servir a aquellos que a
honram procurando prover-se em dita loja do que necessitam, entretanto sem ennume-
rar os objectos que por sua natureza sio mais conhecidos ali, ella resumidamente indi-
car aquelles cuja importancia, elegancia e novidade os tornam recommendaveis, como
bem seja
ASIGNATURAS MENSAES
Especialidade de penteados para casamento -
' naifes e solres
0 dono do astabelecimento previne s | Recommeada-se a superior TINTURA JA
Zimas. Sras. e aos eavalbeiros que ha um PONEZA para enegrecer os cabellos e bal
taJaonra tratara dos cabellos e barba, asr ba mit* a<^da na Exposioao nn-eraa;
como nao prejudicial a sade, por ser vo.
mn comoum empregado somente occopa- \3i\\f analysada e approvada pelas acadt
lo nesse servico. mias de sciencias de PARS E LONDRES
MACHINAS PAR
COSTURA
Acabam de chegar ao GRANDE BAZA
UNIVERSAL, ra Nova n. 22carnbro
viannaum completo sortimento de ma-
chinas para costura, dos autores mais co-
nnecidqs, as quaes esto em exposicSo no
mesmo Bazar, garantindo-se a sua boa qua-
lidade, e tambem ensina-se com perfeico
a todos os compradores. Estas machinas
sao iguaes do seu traba I no ao de 30 eostu -
reiras diariamente, e a sua perfeico tal
como da melhor costureira de Paris. Apre-
sentam-se trabalhos execotados pelas raes-
mas, que rauito devera agradar aos preten-
dentes.
Farello.
Vende-se saceos com 90 libras de fareHe l
vo do Chile a 4*500 : ra da Madre de Bes
" BASQUINAS "
De Cluny, brancas e pretas, do ultimp gosto : vea-
de-se na loja da Fita Azul, ra do Cabug o. 8.
i
!
Corpinhos de cambraia, primorosamente
enfeitadus com litas de setim e obras essas
cuja novidade de molde e perfeico de ador-
nos os tornam apreciados.
Fitas mni largas de diversas cores e qua-
lidades para cintos.
Loques uesse objecto muito se poderia
dizer querendo descreve-los minuciosamente
por suas qualidades, coree e desenbos, tal
o grande e variado sortimento que acaba
de chegar, mas para nao massar o preten-
dente se lhe apresentar o que poder de
melhor.
Entremeios em pecas de 12 tiras.
Goipure branco e preto de diversas qua-
lidades e desenbos.
Ditos de algodo com flores e lisos.
Capcllas brancas para meninas.
' Grandes sortimento de flores finas.
Fil de seda, preto.
PERFUMARA
Grande e constante sortimento de dita,
sempre melhor quajidade.
Lindos vasos com p de arroz e pinsel,
Caixinhas com ditos aromticos.
Bonitos e modernos pentes dourados
para circular o coque.
Bonitos brincos de plaquee.
Aderecos e brincos de madreperolr.'
Caivetes finos para abrir latas.
Thesouras para frisar babadinhos.
Aspas para bailo.
Novos stereoscopos com 48 vistas* as
quaes sao movidas por um machinismo
LOJA DOS ARCOS
Veos de seda para chapelinas e monta-' umA8 substituern as outras.
na.
Meias de seda para noivas.
Ditas abertas de fio de Escossia.
Costumes ou uniformes para meninos.
Enxovaes completos para baptisados.
Vistas para stereoscopos.
Bonitas caixinhas de vidro enfeitados com
pedras.
Ditas de madeira envernisada com vispo-
ras e com dminos,
Bollas de borracha para brinquedo de
Touquinhas de fil, sapatinhes bordados crianzas,
e meis para ditos. Diversos objectos de porcelana, proprios
Camisinhas bordadas para ditos. para enfeites de mesa e do lapinhas.
Ra do Crespo n. 20 A.
Alvaro Augusto d'Almeida C.
Este estabelecimento de fazendas finas e grossas j basiate conbecido como
am dos mais bem sortidos desta cidade acaba de receber directamente de Paris alguns
irtigos especiaes que passa a mencionar.
Ricos cortes de vestidos de blond para casamentes.
Cortes de vestidos de seda de cor, de gostos inteiramente novos.
Brochad, fazendas de laa e seda propria para vestido.
Foulard de seda de todas as cores, tambem para vestidos.
Fitas largas de seda para cintos, gostos escoceses e lisos.
Chapelinas de seda e de pallia d'Italia.
Basquinas de seda e guipare.
Colchas de seda e de la e seda.
Cortinados de cambraia bordados muito ricos.
Pannos de verdadeiro croch para jardineiras, sof e cadeiras.
Toalbas de linho de superior qualidade.
Bramantes, selicias, sguioes atoalhados.
Guardanapos, colchas, aaias bordadas camisas,
Cache-nez, bales, cami>inhas. sombrinha.
Madapoies de varias qua idades, saxos para viagem, mallas, tapetes, capa-
chos, alcatifas e muitos outros artigo? que se vende por precos mdicos.
Tem tambem constantemtfnte um completo sortimento de ESTEIRAS DA IN-
DIA para forrar salas.
MI
3 portas n. 53, rna Diretta, 3 por-
tas n. 53. amiga loja do Braga.
O abaixo asaignado, dono deste antipa
etabeiecimento, tendo em vista aprseos
lar nm completo sortimento de ferrageae, !
miudezas e cotnYria, tem resolvido ma-f
dar boscrem oiversos pontos da Europa j
os minores objectos de sea estabeleei-
mento dos fabrtcames mais conhecWee;
pelo que convida ao respeitavel publico
e a seus numerosos regueies, virem se
ervir dos objecto* de sua carencia, aen-
de eacontrarao por mens 10 0|0 do qne
em outra jnaliruer pnrte, um sortimento ;
completo de machinas para desearocar ]
algodao, do bem conhecido fabricante,!
Gottnrr Gin 4 C. ditas para costura, rau-
Jores para animaes, ditas para fago, moi-
nnos pira caf de todos os lmannos, da
fabrica do Japi, espingardas de doas ca-
nos e de um, tanto inglezas como raa-
cezas, looca de porcelana, facas e garfm
de diversa; qualidades e precos, bandejas |
cbinezas, salitre, breu, barbante, enxofre, ;
^papel e timalha de f( rro, aro, e agnlba :
para fogaeteiro ; assiin cerno encoutra-
sao coiistiiiiomente grande poreo de b>-
gn do ar, e recebe se encommenda de U
fos-de- vista, alem de um cen numero do
objectos, que se tornara enfadonho no
mera-los : venbam ra Direita o. 53, fl
ija de Leouidas Tito Loureiro, amiga loja
do Braga.
BRACO
Vende-se urna rotula de amarello em bom
estado aa camboa do Carmo n. 16.
1
Gravalinhas de seda de cores para meninos, ho-
mens e sen hora a 3201! I : na ra do Duque de
Gaxias n. 85
Oleo Vndese em casa de Mills Latbam & C., ra da
Cruz n. 38.
Vndese nina balanca decimal em perfeito
estado, que pesa 300 libras : no armaiem de Pau-
lo Jos Gomes & Climaco, caes 22 de Nevembro
numero 24.
OURO,
Ra do Imperador n. 26
O respeitavel publico encontrara neaU
estabelecimento diariamente um complete
sortimento de pastelaria, bollos iopleie*
podins, pds-de!, prgsentos dos ulmoa
chegados ao mercado, salame de lion, bo-
linhos finos de todas as qualidades para cha
amen doas c.nfeitadas, confeitos, bmboina,
pastilhas, chocolate francez em libras,, pas-
tilbas do mesmo ,cartoxos e carteiras com
seis charutos de cho -oate cada urna, esta
sortimento de chscolale do mai acredita
do fabricante de Paris e o melhor que at
hoje tem vindo ao mercado.
Vinhos portnguezes, figneira muito supe-
rior. Os mais genuino* e superiores vinbo*
do Porto, moscatel e Setubal, o Ilustrada
publico encontrar neste estabelecimento
por commodos precos, fazendo-sa abatimen-
to a quem :omprar em porcSo.
Os doBos deste estabelecimecto nlo m
tem poupado a despezas para melbor me-
recerem a acoadjuvafSo do Ilustrado pn
blico.
60RA DA IMPERATRIZ
DE
, H 9 raGLElREDO cC: C
respeitavel publico, ntu graBde sortimento de faiendas, do mais apurado gosto assiai como J"
Neste graB.de estabelecimento encontrar u res|3iia>Bi ^uuncu, uui graane sorumenio ae tasenaas, ao o rta, Aa 'mimam ,mm;j,j, ^T~^m ^~n^ t
em outra quataoer parte, visto que os novos socios desta Brota ad.ptaram o systema de so vennderem l Mil IKO ; para 'poderem vender percusio \i itand J nenat fSi TLJ ^ Pmette vndflr Pr preCS m'l mals b?,ratos do *
e aimazem poderio fazer os seus sorlimentos pelos mesmos precos que compam as casas estrangeiras. Para maior commodidadedas Ernas familias' de Sdas as ItodaTi d mSSs^Ss, ot PeSSaS qne *""*"* -"* *"*" ^
1 ALTA8 NOVIDAES 8

no pavIo
BONITAS FAZENDAS PARA A FES-
TA DE
SANTO ANTONIO, S. JOO E S. PEDRO.
Vendemse as mais lindas poupeli-
nas de inho e seda com os gostos
mais novos que tim vindo a este
mercado, pelo barato preco de....
2,5000 o covado.
Sedas listradas, de furta cores, fa-
zendas ae muita phantasia a 25O0O
t o covado.
S^da bismark, larga fazenda muito
encorpada ) covado a 25500.
', Bonitas lasinhas largas com palma ,
! de seda, covado a 1^000, ;
Lindas agraciando lavradas covado
a 1,5600.
Alpacas lavradas de todas as co- !
res, covado a GO, 800 e 1^00)
Bonitas lasinhas escossezas com
quadros e litras de seda, covado a
560.
Finas alpacas lisas, sendo cor bis-
mark lyrio," verde, roxo, cinza, can-
na.^zut etc., covado idiO.
Ditas furta ekrel com as mais bo-
nitas cores, covado 30J rs.
Lindas turegas lisas, e com lista
da mt'raa r.-, fazenda inteiramen-
te nova, covado a 560 e 610 rs.
Bonitas lasinhas tapadas e trans-
v.ivntes com grande diversidade, o
covado a 600 rs.
Lasinhas lustrosa^ com lindas co-
res emitac3o de seda, o covado a !
10. !
Jados cortes de anadino, sendo \
Bzenda nova e transparente k de
muita phantasia, com 18 covados a
18^000.
Firiiss moacortes de vestiiios bran-
cos bordados com todos as enfeites
francezes a !20000.
C i les de ganga iudinnos. fazenda
iatairamento nova a 7^000'
Uitos cbinezes com duas salas a
Ditos de la escosseza fazenda mui-
to b >nitrf, com Sos de s-.-da a 750i;0
Finsimos organdys com lista de
i, sen o fazenda de
multa phantasia, ofmetro 15280.
Organdy branco com listras lar-
gis e qudrinhos, a vara a 1)5000.
Todas estas fazendas, sao inteira-
mente novas e se vendem muito em
conla, ra da Imperatriz n. 60,
luja e arauzem de Silva e Figuei-
do & G.
CROCHFS PABA CADEJRAS E SOFA'S.
de I2^00 rs. cada um, pechincha.
GASEMIRAS ESCOSSEZAS.
O Pavo tem boni as easemiras escosse-
zas com quadros grados e raidos e outras
lisas com listras ao lado, sendo fazendo
muito fina que se vende mais barato, por
haver grande porco. .
CORTES DE CASE IRA PRETA A 4:500,
O Pavo tem os superiores cortes de ea-
semiras pretasenfeitalas pelo oarato preco
de 4)5500 rs. o cort,
GASEMIRAS RASPADAS A 800 RS. 0 CO-
VADO.
O Pavo 'ende excellente fazenda de pura
la com as cores escuras muito proprias
para calcas, palitots, coiletes 8 roupa para
meninos que frequ'ntam a escolla por ser
urna fazenda leve, escura e de muita dura-
co. pechincha a SO rs. o covado ou a
2tjsun o corte de calca para homem.
FINAS BAREGES A 640 RS. 0 OVADO.
O Pavo tem as mais lindas bareges de
la tendo nnias transparentes com urna
s cor, tendo : lyrio, azul, rosa Bismarck,
roxo, etc., tendo muito boa largura e liqui-
dare por 640 rs. o covado, por se ter fe.i-
-to urna grande compra, assim como ditas
mais estreitas de urna s cor com listras
imitaco de seda a 560 rs. o covado, e pe-
chincha.
PECAS DE MADAPOLO A 3*500.
O Pavo vende pessas de muito'bom
madapolo, tendo 12 jardas cada urna, pelo
barato preco de 35500.
PECHINCHA EM ALGODAO A 4*000 RS.
O Pavo est vendendo pecas de algodo-
sinho francez, tendo 4 palmos de largura o
com 11 metros cada peca, pelo barato pre-
de 4*000 rs.
CERA DE CARNAUBA.
Vende-se superior cera de carnauba em
saccas, mais barato do que era outra qunl-
quer parte, <>a ra da Imperatriz- n. 60,
ioja do Pavo. '
OSSETINS POPAVlO
> Vende-ge as mais bonitos setim IGROSDRNAPLES PRETOS DE 1|600 AT 7*000 ROUPS PAR\ HOMENS PARA TODOS
O Pavo tem um grande sortimento dos Na loja doPavo encontra o respeitavel awar** r "rjr PAKA 1UUUb
mais bonitos crochs Dar cadeiras. sofs publico um grande soctimento de grosde- i P^E,9?S-
naples pwtos de todas as larguras e qua-1 N este. ?ran lidades, tendo de 1*600 o covado at 7*000.2 respe,lavel P^bl,C01.nAn 8ra"de sortimento
se mandam levar emsua6 casas, para melbor *>
ALPACAS LAVRADAS
crochs para cadeiras, sofs publico um grande soctimento
mesas, almofadas etc., proprios para co-
brir presentes e vende-se mais barato do
que em outra qnalquer parte.
Algodlo enlestado.
Vende-se urna grande porco de algodo
sinho americano com 8 palmos de largura,
proprio para lences e -oalhas, tendo liso e
trancado, que se vende por preco muito em
conta.
LAAS ESCOSSEZAS
LAS ESCOSSEZAS
LAS ESCOSSEZAS
A 560 rs. o covado.
Chegou para a loja do Pavo, o mais
elegante sortimento das mais lindas lazi-
nhas escossezas com ios de seda, as quaes
fazem o mais delicado effeito, para vestidos
de doas saias, e vendem-se pelo baraiissi-
rao preco de 560 rs. o covado.
SEDAS DE LISTA
SEDAS D" LISTA
SEDAS DE LISTA
* a 2*000 o covado.
Cbegou para a I-Ja do Pavo um grande
e bonito sortimento das mais lindas sedas
de listas cora as mais delicadas cores, tendo
entre ellas algumas que servem para luto, e
vendem-se pelo barato preco de 2*000 o
cova lo. pechincha
FAZENDAS PARA LUT) NA LJA PAVO
Encontra o respeitavel publico neste es-
tabelecimento um grande sortimento de fa-
zendas pretas, como sejam cassas france-
zas e inglezas, chitas pretas de todas as
qualidades, fazendas de lia de todas que
tem viudo, proprias para loto, sendo lasi-
nhas alpacas lavradas e lisa, canto, bom
basinas, merinos, etc. que tudo se vende
por preco barato.
PARA BAPTISADOS
Na loja do Pavo vende-se bonitos en-
ehovaes para baptisados.
Cortes de casemira a 4*000, cada um,
Vende-se bonitos cortes de easemiras
claras e escuras pelo barato prefl de 4*,
ou a 2*iOO o covado, tendo doas larguras,
CORTINADOS PARA CAMAS E JANELLAS
de 8*. 10*. 12* e 16*000.
Chegou para a loja do Pavo um grande.
sortimento dos bonitos e ricos cortinados cada saia pechincha.
e 8*00.), que se vende por preco muito
em conta.
CASSAS FRANCFZAS.
Chegaram para a loja do Pavo as mais
lindas cassas f< ancezas com delicados pa-
l dres, tendo para todos os precos e quali-
I dades, dando-se todas amostras, awim como
um Bonito sortimento das mais lindas chi-
tas francezas escuras e alegres, que se ven-
dem muito em conta, e tambem se do
arastras.
CHITAS A 20RS.
Na loja do Pavo vendem-se bonitas chi-
tas francezas claras e escuras e cores fixas
240 rs. o covado, e pechincha.
LASINHAS A 320.
LASINHAS A 320
LASINHAS A 320.
Na loja do Pavo vendem-se elegante sor-
timento das mais lindas lasinhas lustrosas,
com listrinhas a imitaco de poopelinas de
seda e com as cores mais lindas que tem
vtndo ao mercado, sendo fazenda que vale
meito nrm dinheiro, e liquidam-se a 320
rs. o covado. pe -.hincha,
FECHIKCIIA
EM'CAMISAS DO PAVO A 4*500 RS.
Vende-se um bonito 6ortimento de milito
finas e modernas camisas inglezas com pe-
[o e coliarinhos de linho e puahos, pelo
baratissimo preco de 4*500 rs. ada urna
e aos freguezes que coraprarem duzias se
lhe far um abatimento. garantindo-se que
fazenda que vale muito mais dinheiro,
hquida-se por este preco or se ter feito
urna grande compra : assim como se vende
um bonito sortimento de ditas tambem rom
de roupas, sendo palitos e sobrecasacos de
panno preto e cazemira, calcas e coletes de
brim branco e de cores, que tudo se vende
mais barato do que em outra qnalquer parte;
assim como um grande sortimento de ca-
rnizas francezas e inglezas, e ceroulas tanto
de linho como de algodo e abundante sor-
timento de meias cruas.
VESTIDOS INDIANOS COM DUAS SAIAS.
A 640, 800 a
1,000 RES.
Chegou para este grande estabelichveatt
o mais bonito sortimento das mais moder-
nas alpacas lavradas ds todas as cores, qua
se vendem a 1#, 800 e 640 reis o covado,
assim como um grande sortimento de alpa-
cas lizas de todas as cores
0 Pavo vende urna grando porco de
cortes de vestidos indianos, tendo duas
saias e tendo bastante fazenda, com os gos-
tos mais novos que tem vindo, e liquida-se
a 5*000, tendo cada um seu competente
figurina.
CASEMIRAS MESCLADAS A 3* 0 COVADO
O Pavo tem para vender bonitas case-
miras mpscladas e bastante en^orpada para
roupa de homens e* meninos pelo barato
preco de 3*ii0 cada covado ou 5*000 o
corte de calca para homem.
Roupa por medida.
Na loja do Pavo manda-se fazer qnalquer
peca da obrg a vontade do freguez, para o
que tem um perito alfaiate, respousabesan-
do-se os donos do estabelicimento por qual-
quer (alta que possa haver, quer por de-
mora, quer por qnalquer defeito na obra;
e para isto encontra o respeitavel publico
um grande sortimento de todas as fazendas
que desejar.
basqomu
ricamente
BRAMANTE A 1800.
Vende-se superior bramante com 10 pal-
r^tr,T,lrlTaelt2 de dliaS taJmbemri)m'mos de largura, proprio para lences, dan-
SriS bordad e ditas de algodo,do a largura d'esta boa fazenda o compri-
SLtT S precos* !meat0 io ,enco1' sendo preciso para cada
PANNO PARA SAIAS A 1*000, 1*280 e'um apenas 1 e 1/2 metros ou 1 e 1/4 pe-
1*606 RS.
Vende-se bonitas fazendas Jproprias para
saias -sendo com bordados e pregas a aro
lado, dando a largura da fazenda o compri-
mento da saia e vende-se pelo barato preco
de 1*000, 1*280 e 1*600, cada metro sen-
do jreciso apenas 3 ou 3 1/2 metros para
neos
bordados, proprios para camas e janellas, j Vestidos braaco a 1 OOO rs.
e mais encorpados, proprios para vestidos Ique 8e ^ndem de 8*/) Par- >t o mats| O Pavao vende gusaimos cortes de ves-
tendo de diversas cores. Inco 1ae vem ao mercado e vende-se mais hdos de cambraia iranca, ricamente borda-
barato qne em ontra qaalquer parte. I dase com muita fazenda pelo barato preca
chincha pelo preco.
ESPARTHJIOS A 5*000.
Vende-se um bonito sortimento dos me-
mores e mais moderaos cspaiilhos tendo
do barato preco de 5*000 at 8000.
Cachenez.
Na loja do Pavo vetMe-se um grande
sortimento dos mais bonitos cachenez de
pura la proprias para seihoras, vendem-se
6*000 cada um, aa na da Imperatriz
n. 60.
- i barato qne em ontra qaalquer parte. Idas e com muita fazenda pelo barato preco'n. 60.
A loja do Pavao est, constantemente abert, das 6 horas da manhaa s 9 da noute
Basquinas.
Chegaro as mais modernas
ou jaquetinhas de seda preta,
enfeitadas a viarilbo, tranca e setim prete
tendo de todos o modellos, os mais novo
que tem chegado e vendem-se por preco*
muito razoaveis.
POUPFLINAS DE SEDA
POPELINAS DE SEDA
POUPELINAS DE SEDA
a 2*000 o covado.
0 Pavo acaba de receber o mais ele-
gante sortimento das mais lindas verdadei-
ras poupelinas de linho e seda com os pa-
drees mais delicadosujie tem vindo ao mer-
cado, tendo entre ellas cores proprias para
alliviar luto, e vende-se pelo barato prec
de 2*000 cada covado, pechincha.
Cambraias brancas
Vende-se um grande sortimento das me*
Inores cambraias tanto victorias como traost
parentes tendo de 3*500 peca at a aiis
6na que vem ao meraado.
CAMBRAIAS BRANCAS A 4*000, A PECA.
S o Pavo vende pecas de cambraia
branca transparente, tendo mais de vara de
largura, com 10 jardas cada peca, fazenda
que sempre se venden a 7* e 8*000, liqn*
da-e pelo barato preco. de 4*tf00.
FUSTOE8 BlwCOS A 640, 800 E 1*500.
Vende-se muito bonitos fustoes braocoa
muito flexivel proprios para vestidos de
senhoras e roupa para meninos e rende-es
a 40, 800 e 1*200 rs. o covado.
Cassas si 4O rs.
0 Pavo est vendendo bonitas cassas di
cores fixas a 340, 280 e 300 rs. o conde
Bri)hant?s lasinhas.
S o Pavo, 640.
Chegaram as mais birlhantes lasinhas coa
as mais lindas cores, eom palminhas miud-
nhas, assentadas as mals delicadas <
Iyrie, cor de canoa, cor de ganga e
sendo estas novas lasinhas de n boa
qualidade, tendo largura d^ajpac e nda-
se 460 rs. o covado. roa da InQ^^Hf
n. 60 loja do Pavio.,


Diario de F^rmtmfciif^
Ruarla eira & 4*>
de 1870.



vida ai
raes, commerciante desta praca acaba le concluir
urnerclaes e de novo abre os seus esibelecrmeucos de fazendas
>z, com a den otr oseos de Garibali e Arara, e tendo rosl-
as .das f.iZKiufas com grande abatimento* do preces, por isso crn-
setM amigos a fretruews, lano da prava toma do matto.
**fi i) fen (sa|j-.:l(icij(ifit(). tas na foja (> arrnazem da Arma na rifa da Impcratriz n. 72. e que resoiveu-se
yendir a armacaV d. 1 ..ja Garibaldi, para lear smente com a da Arara, como cima
oca dito.
CHALES BRANCOS BE CASSA A M0O0
gao a m.
COSERAS CHINEZAS DE CHITA A 20000.
Vende-se orna grande porco de cober-
tas dechiws cbinezas para cama pelo barato
pituso de 2A08O cada urna.
Vende-e na lija do Arara \\ balcoes para
(|ual:|iier estabeiecmento por barato presso
por uo se precisar d'elies uo estabeleci-
rnenCo.
Afrfc
resa^ao.
:e-se chitas francezas a 240, 280, :J20
e 3(H) fl cffvadd na ijj do Arara.
ORGAgDYS DE LISTA DE CORES.
Vdadt-se >rgaihiy< para vestidos da se-
n*f, fazenda moito modernas a 440 rs.
o cavado.
Brllhaatuu 031 musAulEaa de car
VendVse liriiii ii.ni.i o) oiissuiinu da
TO
AHMAZEAS BE tKCCXM B ?1OS
CONSERVATIVO
N. 23Largo do Terpa.N. 23.
DE
SIMAD DOS SANTOS ft C.
oh- para vendos a UO o ruvaite.
**NCarOS prickzrs A ssa.
Veade-sn riscados fauctv.es para vestidos
* J fs. o ni vado. '
C? istias Irn-gn a 390.
Veii(lee cuitas -escuras finas das largas
para vestidos de senhoras, a KOu covarlo,
iUs mausadas acucas a 280 o covado,
ALi'A ;\S LAS A 50U,
Vende-se a+pacas \rtsas para vestidos de
senhoras a 500 e fiiO rs. n covado.
LAA2NHAS TUr-S.'AENTIvS A 960 RS.
Vende-se Ifusmlus transparentes, para
vestidos a 900 rs.. -fitas tapadas a 400 rs.
o covado para liquidar.
_ ALPACAS DE LISTAS A 500 RS. *
ypd-:tttlpicas de listas para rustidos
* 'O r> o civaiio.
MilLUANTINA BRANCA A 300 RS.
Vendos: bfilbaniaa branca para vestidos
a 500 rs, o cavado.
AfcPAC-VS M \TISADAS A CO.
Vead-se alpacas matisadas para vestidos
de senhora a 40 rs. o covadu.
CORTINADOS KAttA JaNELLAs 63000.
Vende-seinriiiiailos para janollas a #000
* par para l:qid-r.
SEDAS DECORES 000.
Vende-se sedas para vestidos a I >O00 o
cowdo.
CORTINADOS PARA CAMA A 14*000.
Ven.i'-sf cortinados para cama a l4$000.
GOLLINHAS PAl'.A SEMH/RA 100.
Vender urna "rafcfil poreSu de gollinhas
p-j.a senhoras e meninas, a IO e 200 rs.
cada ama par< liquidar,
CHITAS PARA COBEBTAS A 329.
Vemle-se chitas largas oara coberta a
320 e NO rs, o corado.
MANGUITOS E COLLAS 500.
V..:uie-so u'.aa^'uitys e gollinhas para se-
nwra a 5U0 is. ditas d hubo a iO e 800
rs: cada urna.
CiMLgS EMAMr'AGS 2*000.
Vende ,sj ciiate* ile merm eslampados a
2O00 p.ra liqiidi r.
CAMBIAS ViCTO;Ii'\S A (.000.
V.-ikI 7-,' camblatsa. Victorias Boas a
6*kX) 01500 7->K>. per ser liqaidacao.
ALfAGiSCO.i V.KUi VS ME .-EDA A lOOO.
VetiiL-.se AfcasJcin palmas de seda para
vestidos de senlioia a (000 u covado.
CORES DE CUITAS DE CORES A 2400.
Vende-se envos do cintas ue cores com
lOcovados a 2i.'i0.
RETALHOSDE CHITAS PRETAS E G\SSAS
A 420 O COVADO.
Vende-se urna grande porgo de rta-
, Ihos de chitas e csaaM pretas a 120 rs. o
;cavado para liquida*.
COBERTORES DE ALGODO A14400*
Vende-se cobertores da algodo cada um
l'.OO.
BRAMANTE DE L1NII0 FINO A BAMTO
PBESSO.
.11 cotia o i rasin ;So guras lg&OO
Vende-so atedia transado de dnas lar-
guras a 15200.
mada:-olo enfestado a :}5oo.
Vende-se pecas de maiapoli) de 12 jar-
das a :j.->io a p ci. i
AEGODO A iiSOOO.
Vende-se petf-s de algodo encorpado a
4ft 55. 64 8 7^000 a peca.
XadapolSo a .VSOOC.
Vende-se pecas de macbpolo de 24 jar-
das a 5f$ O e 6^500, dito milito lino a 7$,
8-3 O e 105 a pifa para liquid r.
ALGODAO DE S PALMOS DE LARGO.
Vende-se ilgodla com oito palmos de
largura propiio para lenees e loilhas a 900
rs. o metro.
ALGODO DE LISTA A 160RS.0 10VADO.
Vende-se algodjH de lista proprios para
saias mu vestidos, para escravas ou calcas e
carnizas para eseravos por ser muito forte a
100 rs. o covado para liquidar.
Cortes de castor para caica a
OO rs.
Vndese coi les de castor para calca a
500 rs cada um.
CORTES DE BRIM PlAA CALCA A I 400.
Vede-s> cortes de brim d cor para
calca a 1-5400 cada um.
IBrltn pardo liso a SOO rs.
Vende-se brim pardo liso.meio linho para
calcas para Irab&Lo a 500 rs, o metro.
Gaugas p:;ra caica a 280 rs.
Vende-se gangas inglesas paTa caifas e
patitots a 280 r-. o covado para liquidar.
CORTES DECASE.MIRA QE CORA 3$500.
Vende-se cortes de casemira de cor para
caiga a :{>uU0 cada m.
Ditos mu o finos (or, listas do lado a 50.
PERCALAS FIN ISA U
Vende-se perca as linas, para vestidos de
senuoras a 440 rs. o covedo.
Cassas ira >cezas a 840.
Ve;ide-M} ca-sas francezas para vestidos
I a 240 rs. o covado.
PROGRESSO
10 Patto da Penha
da
DE
10
RA DO DEQUE DE CANIAS N. 7, (OUTR'ORA DO QUEMADO)
DE
& JUSTOS
Este novo estabelecimento j bem conhecidu cesta capital, os seus propieta-
rios fazem scinle aos seus freguezes e ao raspeilsvel publico qne conservam semrire o
aaelbor e rjais variado ortimento de fazendas pura senhoras, hotnens e meuinos, sendo
sua eipocialidade o.'i\ova's para uoivalos e preparos para salas.
Pa-a ni ivas
Ricos vestidos de blond da seda bordados de duas saias o que ba mais rico e
com lados os preparos.
Gn^nrao branc-o de seda, superior qualidada-.
.tas i;e blon i com capellas de flor de laranja : m'j aa
Loja do Triumpho.
rtua do Duque de Casias n. 7.
rija n mi 11
rame de ferro galvaiisado em rede para creas, gaiola?, gallinbeiros etc.
ilhapas de Ierra pslvanifado para cubrir cass.
Tachos de ferro esianhado para eogenhos.
Cofres di<. forro de Miluer e outros autores.
ChunilH) em caao.
Dito em lenc/)l. ',
Uilo em barra?.
Dito em enxaias.
Kslaohu eio liana e verguiaha.
Ful ha de Kl a odres.
Arados americanos para ladeira e varzea.
i^arriiihds de mo.
Vese-uanas- para janellas.
Maclkna de descarucar algodo de faci.
Ditas de serra.
Ditas para cortar fumo.
Ditas a vapor de forra de 3 cavallos e motores para 2 cavaltus, para mover as
as de algodao.
Ca tetras de ferro.
Camas de forro.
rrefoat para copiar cartas.
Bataneas para pesar.
Oleo de liuliai.-a en latas de ferro.
Trullos de ferro para eogenoos
Bomban americauas.
Macacos de c-firar.
Balancas e patea decimaes e oatras. /
Fij!o>s de palete.
foxufre.
Salitre.
Estopa larga e > boa (jMHade. I
Picaretas para araiofeas Al farro.
U-ii graofe fcartimato -Ut terra^s (jutilaru.
CASA CAUVIN BR
PhortnooouUco privileaiado
- m+ uoimipr
MOMAS ESPECIALIDADES A. MARINAR
SoktonM4*PtMilli ,dfMii
"amonio hi u^^t ngfWTIT
MOLESTIAS COMTACIOSAS
nuprcn s
HUECTOR-PBILTBO drKr8r^rte
Graves
oc
E8TQ4DS cm"mm" tfZ&JSi&S*''* -
ITRIO Contra as afleccoi uas.paipebras, prejiwado aeb a oteama foma.
IL01E04C-
Depoailarios geni para o BUML e PM11M1AL
Si, roa larga do Rosario. JffiiWAMBUCO,
S AUTOS & FERR IRA.
Os proprietanos estas bem sortido* armazeus |>articipm aos seus innomeros
freguezes tanto desta praca como do matto que.tendo feita grwide dimiuuigao de pre-
cos as suas uaertaijoiias estad por sorasolvnlos a vender por menos de 10 e 20 i0,
do que air, ou;ra rjualquor ante, gatantindo-se portauto a s psrior quadade de qual-
quer genero comprado Leste Jous fislabeleoiiBeotoa. Mencionamos alguns dos nossos
gneros e a vista destes sao comprebendidos os oatros, potoue enfadoobo seria men-
cina-los.
Se algiiem duvidar venha ver.
Vinagre ortico mandado ir por conta J Gaz amenc.no marca Deves a 8$00 a
propna vindo de Lisboa, a 30 a garrafa e!,
480 o liiro. !liila. 3S0 rs. a garrafa e 560 o ltro.
dem tinto Figueira,. Lisboa a Porto a: Azeite tIoce uf1 LisD,,a a 900 e l^iXX) a
30,280, 240 e 200 rs. a garrafa e 480 300; Sarn:?a eI" porao faz-se grande abatimen-
rs. o libo. ito-
Vinbo Figweira, Lisboa, Porto e Estrato' Ca,em carfi a -20- 24 e 2"0' a 1"
a 5O0, 500 480 e 400 a garrafa litro a-840 Dra "ogrammo a 480, 540 e 600, e
"60, 720 e 600. j"7'
Vinbo branco puro de Lisboa a 640 5601
a garrafa, em porcad ha abatimento.
Vinho do Porto, engarrafado das melho-.
res e mais acretadas marcas a liJOOO e 10200 i
I 5500 e U a garrafa.
dem Bordeaux, Medoc e St. Julicn ai
7i530O e 6^500, a duzia e 640 rs. a garafa.
Geaebra de Hollauda e laranja doce aro-
mtica a 05500, 7, 114300, a frasqoeira.
Serveja Bass, Iilers de Bell a 9800 du-
zia em porco ba gnunde abatimento.
ldemm:rca UeT e nutras marcas a
e 6#, a dozia e 500 rs. a garrafa.
Assim como ha ouiros muitos
7^000, 7,5500 e 84800 arroba.
Milbo alpista 200 rs. a libra e 440 o ki -
lorramma e 5800 a arroba, em porco ha
abatimento.
Ooeijos frescos do ultimo vapor a 3(5200
b 34400 cada um.
Aletria, macarro, talharim a 500 rs. a
libra e 15100 o klcgrammo em caixao ba
abtiraento.
Sabo massa de I1 e 2* quadade a 220
e 240 rs. a libra tm caixa ba abatimento
Toucinbo de Lisboa muito alto a 400 rs.
a libra e 880 o ki'ogrcmmo, em arroba ha
grande differenca.
gneros, vinho em ancoretas, azeitonas,
LOJA
De
GALLO VIGILANTE
Roa do Crespo n. 9
Os proprretar beravconhecido estabele-
cimento, alm dos mtritos objectos que tinbam ex-
uostos a apreciaco do respeitavel publico, man-
daram vir o acaoam de receber pelo ulfimo vapor
da Europa un completo e vanado sor tinento de
finas e mni delicada^ especialidades, as qaaes es-
tac- resolvidos a vender, como de sea cosame,
por preces incito bamtintxos e commodos para lo-
dos, cana tanto que o Gallo....
Mnito superiores lutas de pellica, pretas, bran-
cas e de niai lindas cores.
Mci boas e benitas gollinhas e pannos para se-
otiora, neste genero o que ha de mais' moderno.
Superiores peales de tarltruga para coques.
Liados o riquissimos enfeites para cabecas das
Exraas. senhoras. ^
Superiores traneas pretas e de cores com vidri-
Ihes e seai elies; esta faxeuda o qoe pode haver
de inelhor e mais bonito.
Superiores e bonitos leques de madreperola,
marflm, sndalo e osso, sendo aquellos broncos
com lin-Ios desenhos, e estes pretos.
Maito superiores meias lio de Escossia para se-
nhoras, as quaes sempre se venderam por 30*000
a duzia, entretanto que nos as vendemos por 20J,
aim deila?, temos tambem grande soriimento de
outras qualidrides, -entre as quaes algumas moito
8brs.
Boas bengalas de superior cansa da India e
castio da auum com lindas e encantadoras figu-
ras do mesmo, ueste genero oque de melhor i'
pode desejar ; alm deslas lemos tambem grandi
(luanJidailp deontriisqualidades, como sejam.ma-
aeira, baleia, osso, borracha, etc. etc. ele.
Finos, bonitos e airosos chicotinhos de cadeia e
de oatras qualidados.
Lindas e superiores ligas de seda e borracha
para segurar as meias,
Bois meias de seda para senhora e para meni-
nas de 1 a 2 annos de idade.
passas e figos, charutos baos de diversas marcas, marmolada, bolachiohas de todas as
qualidades. perola, Francy-cracynel, a, b, c. Mdium, mixed,- soda Fancy-nic-nac, pa-
aw de Varietees.combmalion,.titania, doce do goiaba fina, cbouricas, manteigas finas
franceza e tngleza, banba de Baltimer, pbosphoros de Sycurvt, Cognac, cha de diver-
sas qualidades, Caoeila, pimenta do reino, ervadooe, pomada, enxofre, breo, peixe
em latas de todas as qualidades, farinha de milbo americana, grandes molbos de sebol-
las, nestes dous armazaos existe tambem grana> sortimen:o de ioucas propnas para ne-
gocio, que pelos seus commodos preco faz vantagem aos compradores.
r
o
Ra da
LOJA BO PAPAGAIO
Novo estabe iecimento
FAZEjM/IS E ROPAS FEITAS
Imperatriz n. 40,
i
Ferreiros.
i*i,wu^v .......mu
O novo proprietario desle estabdecimenlo, cpmtnnica ao respeitavel publico
des cidade, e especialmente s Eunas. familias, que e.-l liquidando por preces bara-
ssimos, as antipas fazendas que existiam neste e-labeleciraento, alm das que abaixo
v5o relacionadas, cujos precos merecem toda a atteuco do respeitavel publico, que nao
deixar de com pequ-na quantia refazer-se de qualquer qualidade de fszenda que pre-
cise. Previne-se tambem que a mesma |ja tem f^ito soriimento de fazendas moder -
as, e continua a soriir-se daa do mais apurado e escolbido gusto, que vender mais
barato que qualque oulra loja.
A LOJA DO PAPAjAU alm de ter um grande deposito do roupas feitas, ttm
um bonito soriimento de casemiras francezas. inglezas e allemas dos patroes mais ko-
demos, e assim como pannos pretos, casemiras e panno fino cor ae pinliao, azul claro
e mais escuro, br.ns brancos e de cores, fustes branxis, e de cies, gangas de uobo
e brins pardos de todas as qualidades.
A LOJA DO PAHAGtG tem contratado um ptimo mestre alfaiale perito no
seu officio para executar qualquer obra da arte com a maior perfeic3o e esmepo, e qual'
quer ubra que nao fique vonlade dos freguezes, ficar para a loja, e manda-se
fazer ou ra.
Aloalhado de linbo fino, a 3f> o metro,! Esguio de linho de 40600 a 35 a vara,
e de algodo a 2. : ch. les de merino pretos muito grandes
Ak'odaosinbo largo, para leuces e toa- a 30.
Ibas a IsKOO. Dlo los> estampados de 4,500
Alpacas pretas, de cores, lisas, de furia cima,
cores, e de listras. Fil de linbo branco e preto liso, e de
Ba reges com listrinhas de differentes co-| salpico,
res a 32 rs, o covado. Grav'atas de seda pretas e de cores, da.
Bolssde tapete aveludadas, para viagem, mais modernas que tem vindo ao mercado.
para
o prego e conforme o tamanho.
Bombasinas pretas. lisas, e trancadas.
Bramantes de linbo, francez e inelez a
2o500.
Baloes de mossulina, brancos com fitis,
e ostros todos de panno com o feitio dos
de fitas, para senhoras e meninas.
Basquinas de grosdenaples preto m-
jenlas e de croch muito enfeitadas.
Brelanbas de linbo. e de algodo.
B.ins de linho trancados brancos e de
cores.
Brins de algodo trancados brancos e de
cores.
Combraias brancas tapadas e transpa-
rentes, sendo inglezas e suissas de 8 pal-
mos de largura.
Camisas de meia, de flanella, branca, e
de algodo.
Camisinhas brancas de cambra a com di-
licados bordados, e enfeiladas de cor para
Sras.
Cambraias de cores a 400,.rs. o metro e
a 800 rs. a vara.
Camisas ioglezas, e francezas de linho. e
de algodo de pregas, lisas e bordadas.
Chapeos de sol de aeda, marin e alpar-
ca de differentes cores, e muito baratos.
Chitas para ves idos, francezas, de 240
at 400 ra.
Chitas {.ara cobertas de 320 at 640 rs.
Cortinados de canbraia, e de fil borda*
dos,paira canas ejabelas de lOdpara cima.
Gol has de- fusto brancasia 1500.
Ditas de cores a 28800.
Colarinhosde linbos, inalezes, ealemaaa,
lisos e bordados.
Damasco de l. encarnado, a zul e a ma-
pello. escomilba pre.la.
Espartilhos de linho brauco.para Sras.,
de d.fJereotes presos.
Guardanapos de linho brancos e pardos.
Grosdenaple preto de differentes pr eos.
LSasinhas em cortes com palmas com 14
covado por 6d.
Ditas lizas e delistas transparentes e ta-
padas de differentes precos.
Madapolo inglez de *>> at Q4 a peca.
Lencos de algodo, brancos de 26 a 3*9
a duzia.
Ditos decambraia de linbo de 64 a 120S
Ditos de esguio de 6 a 83.
.Mus.-ulinas brancas e de cores 500 rs.
o covado,
Gorgur&es de la com listras, fazenda ln-
teiramaote nova no mercado a 800 rs. o
covado.
Merinos preto, trancado e de cordo.
Peilos bordados e lisos, tant de linbo
como de algudo para camisas de homem.
Mrincetas pretas de differentes precos.
Cambria branca tapada muito larga com
pregas e bordado, hade tres qoalidades
propria para saiae de Sras., o preco ba-
rato.
Sedas pretas lavradas para vestido a
20500 o corado.
Sargelim franoez e inglez de toda ao co-
re*-
Toalbas de algodo e de linbo de dif-
ferentw qualidades e tamaBhos.
Pannos de linho para homem muito fi-
nos.
Meias mg'ezas para Sras.,aspara meninos
eparahomens.de d.fferentes qoldadftS
e de todos os tamar hos.
Par* quena comprar peca ou duzia de
qnalquw fazenda seu preco o custo ; para
diminuir o reuiho.
Dam-ie as amostras de qtulqoer fazenda.
ja do Papagalo acbase aberta todos
pp da*, atis 9 horas da'nooie.
Francisco Txetra Menes
OLEO i -toas
KAUftCIt
SILVA LOPES, em baha: FERflElltA el C'-
SLLO, em Porto AU
m liaranhao-
3
Kavalbas abo de marra e tartaruga para farer
barba; san amito boas.e de mais a mais sao ga-
rantidas pelo fabricante, e nos por nossa vei tam-
bera asseguram-s sua qualidade o delicadoia.
Lindas e hallar- capellas para noiva.
Superiores agu has para machina o para croi.
Linha muito boa de peso, frouxa, para eucher
iabyriniho.
Bons baralhos de cartas para voltarote, assim
como os teios para o raesmo m.
Grande e vanado soriimento das melhores per-
fumarias e dos melhores e jnais conhecidos per-
fumistas.
COLARES DE ROEU.
Elctricos DktfMticoa contra as convulsoes, e
fa^UiUn a (lenti\;.io das innocentes erianas. So-
mos desde muito recebedores destes prodigiosos
collares, e continuamos a re.cebe-los por todos os
vapores, ama de que nunca faltem uo mercado,
tomo j tem acontecido, assim pois podero aquel-
los .ue delles precisarem, vir ao deposito do gallo
vigilante, aoude Sempra encontraro destes verda-
deros collares, e os quaes attendendo-se ao flm
para que tSo applicados, se venderao com um mni
diminuto lacro.
Rogamos, pois, avista dos cbjectos que deixamos
declarados, aos nossos freguezes e amigos a virem
comprar por precos muito raioaveis loja do galle
vigilante, raa do Crespo n. 7. >
3 cordeiro previdenti
Elisa o Queiicado n. fl.
Novo e variado soriimento de perfumari
finas, e outros objectos.
Alm do completo sorttmento de perft
marias, de que effectivamente est provida
oja do Cordeiro Prevklente, ella acaba C
recebsr um outra sortimento que se tora
otavel peia variedade de objectos, superior
lade, quadades e commociidades de pr
?os; assim, pois. o Cordeiro Prevideute pee
i espera continuar a merecer a aprecacs
do respeitavel publico em gcral e de n
ooa freguezia em particular, nao S6 afa-.
lando-elle de sua bem conhecidammsid;.
i baratoza. Em dita loja encontraro <
tpreciadores dobom:
Agna di\ina de E. Coudray.
Dita verdadeir de Murray d- Laaiman.
Dita de Cologne ingleza, americana, frst.
eza, todas dos melhores e mais acreditad'
'abrtcantes.
Dita de flor de larangeiraa.
Dita dos Alpes, e vilete para toilet.'
Elixir odoalalgico para conservaco i
iSseio da bocea.
Cosmetiquei; de superior qualidade e cb
os agrada veis.
Copos e tatas, maiores e manores, coi
pomada^ fina para cabello.
Frascos com dita japoneza, transpiren
i outras "pvalidades.
Finos extractos tng'.ezes, americano
francezes em frascos simples ceaeiladoi.
Essencia imperial do fino eagradavel ch*'
1*0 de violeta.
Ontras concentradas e de cheiroa
mente finas- e agradaveis.
Oleo philocome verdadeiro.
Extracto d'oleo de superior qaalida
;om escolhidos cheiros, em frascos do di8
rentes tamanhos.
Sabonetes em barras, maiore3 e msaor
para mos.
Ditos transparentes, redondos e eat fif
as de meninos.
Ditos muito finos em caixinha para barb
Caiiinhas com bonitos sabonetes imitan?
(ructas.
Ditas de madeira invernisada coatendo >
aas perfumaras, muito proprias para pr
tentes.
Ditas de papelao igualmente bonitas, tai
bem de perfumaras finas.
Bonitos vasos de metal coloridos, a
moldes novos e elegantes, com p de arr
a boneca.
Opiata ingleza e franceza para dentea.
Pos de camphora. e outras duTereau
qualidades tajoobem para dentee.
Tnico oriental de Kemp.
Alada mua coques.
Um outro sortimento de coques de H'
>os e bonitos moldes com filete de vidriUt-
i alguos d'elles ornados de flores e fita
sto todos expostos apreciaco de qna'
) pretenda comprar.
GOaiNHAS E PNHOS BORDADOS.
Obras de muitogosto e perfeico.
FEveIIa-n e fitas para luto*.
Bello e vanado sortimento de taes ob)t
toe, ficando a boa escolha ao gosto do cor
prador.
AruadoJiuque >n21.
, (AUTIGA RA, 10 OEMACO)
Recebea seguin:
K-pellios grandi s ri
C.irieirfls, cbarai: uiu
idos.
Bonim* paia. parapapii?, simples.* maliuda*.
Boas <\iixas va.-ias para costura o.in sua eem-M -
tentfl ehaa*.
Deticadaa canelas de marlin con o bocal de
(trata.
Moderaos pentes de l.irurug, cebresahindo n-
tre elles os iniaHWnlelegT^'.bWw.
("jimmodoi teucadows cid duas gavetas e be*,
esp-'lho.
Pon bjpquet, o que do-melhpr lera appare-
ido.
Pnrt rel.gios de militas qnalidaO?.
Boas talheres iara rrianas.
Vofluarios, chapoiinhos, ioucas, sapatos c iwis>
para baptlsafl.is.
Toalhas e fronhas de Iabyriniho.
Chapeos e chapelinas peni .-euhoia, ii)old-s nove*
e bonies.
Chapuzinhos gorros, o bonets para meninos e
meninas.
Omfru as convulsOrS uas
Vende-se os verdadeiros CoOMm na Itova E;'['t-
ranen. roa do Dnque i'<' C-Xa u. 2i.
' PARA TINfil CARKI.LOS
para preto- mi cw>ltnh t, nrilni i Xova E rancu a verdadeir Im'a in|na.
PARA A'-ARaR f.OM aS SARDA?
ou piNinoa, lem a Nova \ < vtrdadrir
lee de Frisa* branV.
AL'A 1)15 KLOH l.KL vr.'.NJA.
Vemi's" na .Nova Kfpcranca, iu;i il" Hmjuo de
Caxi.i< n. 21.
PAPEL PARA ENrKITA SE DOLOS
rocfhr'ii-nF mnito luido-' :-. x. v.i/-|i./r..n!;,!. rra
do Duque do Eaxiis n. 21.
PA11A AMAC.IAR E AFOl^iSEAR A IKLLE
tem a Nova Kspetanca >-s sabonetes do pos de
arroz.
700
400
WGOO
500
28(W
500
50(.
500
t
40
400
igoa
Rival sem segundo
RA DO DUQUE DE CAXIAS N. 49
Estou disposto a continuar a vender todas
as mtudezas pelos baratissimos presos abar
xo declarados, garanlindo tudo bom e pre-
cos admirados.
Caixas com 20 cadernospapel pau-
tado a........
Caixas com 50 novellos de linha
do gaz a....., .
Pozias de meias cruas superior
qualidade a.......
Pegas de bibadinlios com 10 va-
ras a.........
Pecas de tiras bordadascom 12
metros cada p fa a I -5500 e.
Pegas de lita> para cs de q al-
quer largura com 10 varas a.
Escovas para tiiihas fazetida fina a
Ditas para denles a 240, 32",
400 rs. e. .
Pegas de tranca lisas, brancas e
de cores a.....
Caixinbas de madeira com alune-
tes fazenda superior a. .
Dozia de linha irosa para borda-
dos a 06 rs. e. ,.
Pares d^ metas crua- para mu
nos diversos tamanhos a.
uzias de meias brancas moitti
finas para senhora a. .
Pares de sapatos de tranca do
Porto........
Pares ("e sapatos de tapeto a. .
Livros de missa abreviados.
Duzias di liaral'liiis para voltarei
Sylabarios pcrlq^ieze a. .
C^rt5es.c A otoadu.aspara colUtc tyenaa
qualidades........
Caixas com p*-nna de ac muito
boa de 320 a......
Duzia de linha 200 jardas Alejan-
dre de 40 a 200 e, .
Caixas com superiores obrei-s a.
Duzia de agullia para machina a.
Libras de pregos francezes todos
os tamanhos a......
Pacote de papel com 20 qnader-
DfiS...........
Caixas de phnsphoros segurarla
muito superiores a .
Uetma de papel pautado superar
Resma de papel liso muito supe-
rior a...........
Garrafa com 3gua Florida verda-
deir a..........
Quaderno de papel liso amizade
Carretis de inbl de cores com
l(i0 jardas a........
500
340
20000
listo
330i:
*(i
400
506
iiJOO
40
200O
l2iti
40*.
400
9010
14600
20
20
LA YILU 1 PilllS,
-20
Milho novo d Fer-
nando
Em saceos graades a prego cea Hk : no ar-
rnazem de Tasso Irraaos 4 C, raa do Amorim nn-
mero 37
Cabellos
Vendem-se cabellos de todas as cores, qnalquer
comprmienlo, qualidae roperiir, em eaia oa
parcho mais pequea : aa roa da Cadeia do he-
efe n. 51, t9 andar
Vende se do am aiem de Robert Lighlb->wii
& (U ra da Cad"ia n. 5, flo e barbante de toda.-
aa qualidades, cores e grossuras, em grandes ou
pequeos porches, estepas de todas as qoalidades
e lmar m.
LUVAS
Verdadeiras lava do JoOYtn brancas e de cored
vindas pelo allimo vapor a 2500 : na loja da Fita
Azul, ra do Cabng n. i.
20Ra d< Imp*-ratriz-
Fari & Lessa.
Acaba de chegar a esta nossn nota foja e (o-
zendas finas um variad* gortiraeoto de fazenda- de
lia e seda, como sejam : granadme? do u"
gosto, pepelinas do urna s cor, alpacas e laazi
nha< de cores, o qoe ba de mais moderno, tud>
por baratissimos precos, brilhantina^ de-oorc>, te-
cidos das india, fazenda nova a imitaco de pt'r-
calia,baloe?de dina flogicdofaia.de cor com lin-
das barras, fnsloes proprios para ve-tioo e ratina?
de meninos ; agora grandes e admirareis perhiit-
chas, saias brancas coro lindos frisados a 3. r.
eos corpinbos bordados mullo fino* a 5, baloi -
modernos de arc s a 2, ricas colchas para cama
alcochoadas. sendo brancas e de cores, a S, 6 e
7, cambria victoria lina a $f, dilas vatisparen-
ls a 54,6jl e 74,chitas flaissimas rscur- s e claras
a 280, 300, 320 e 360 o covado, eassas de co.
240, lencos brancos de cas.'a a 14900, ditos chi
nezes a 34500 a duaia, madapnlac I n a 6.
64500, e rouiu superar a li, 7#BO0 e 84, aigo-
daoxinho largo propri para loces a 64, panno
de al_odo branco trancada proprio pralos'
de mesa a I00 a vara, nramanle para Icnot
24000 e 34500, o qoe ha de melhor, esguiao i:
nissimo 24200 e 24500 a vara. Mandamos n-.-
casa? das Exmas. familias para rnelbor poderem
esc ilber. Tambem temos completo swtimenio d^
perfumaras dos awmeiron fabcaate* fraaeezes *
ingleiea; aa passoas que sedignaram w a e*t
luja terio occasio de reeanhecer a realidade ao
qne annuociamos para nos justificar.
Farinha de maruioca de'Hanto .
Chvharina.
Da superior, viada pelo patacho inglez JWarp
Block j ba parte ensacada para c tmmodidado di<>
compradores, e vende-se-es armaiens de Ttm
Irraaos 4 C., no ae do Aaolbi, a roa o Ara rtm
numero 37-
m mm
Cagea ao amigo deposito da Oaary ''-rsr
, ra.4o Imperador, mn carreg*mewo de g*i
de primeiraoTiaJidade;oqnal se vende erar r
t a ratalho aor oa anaco ofae-am atao
aner parte_________^_____________________
Gen 4e Lisboa en velas
T.tmaobosdinVrsnies desde 2 a 16 por libra, hw
caixas de ira arroba : 00 irawiaoi o Tasso^i-
inaos A C, na do A"> m n. 37.____________
Vem!
to roesira cas
rom excf lente age* de b<
-it^ na estrada aova no Casanga: a matar c
mesiua.


8
Diario de Pernambuco Quarta (eir 3 4e Agosto de 1870
=
V
I
SCIEMASE^BTES,
ENORIt
SOBRE 0 PR0JECT0 DE UM CANAL DE DESVIO
1>AS AGUAS DORIO GAP1BAHIBE, APRESIi.NTV
BA AO EXM. SR. VICE-PRESIDF..NTE DA l'HO-
VINCU DE PEtlNAlUBUCO, Df-lSEMBAUC.ADOn
WIANCBCO D'aSSIS I'EREIHA ROCHA PE!,
NECrOR DAS OHitAS PUBLICAS JOS TIBlMlCfb
PEREIRA DE MAGALHES, BACHA11EL KM
tllEMATICVS K SCIE.NCIAS PHYSICAS E 1." I'K-
NRNTE -DO CORPO DE ENGENHEllOS.
IlliD. Exro. Sr. Reconhecendo os since-
ros desejos q e V. K\c nutre de secutar
grandes melmramentos materiaes, e a iisnf-
fieie:icia dos cofres da provincia para iv.ali-
sar as grandes despezas que elles d-man-
dam, lembrei-ine de confeccionar i presente
memoria sobre o projedo de um canal de
desvio (tas aguas dn rio Capibar be, afim de
ser submettida a alta consideracao do gover-
oo imperial si merecer a aequiescencia de
V. Exc.
N 'o tenho a pretenco de baver foto um
trabalho completo ejierfeito animr-me porm
a idea de haver concorrido para saiisfazer
to palpitante necessidade, e ficarei satisfeito
si conseguir a sua realisaco, ou provocar
inteligencias mais esclarecidas a aprsenla
rem planos mais acertados.
Reparticao das obras publicas. 12 d'- jo
loo de 1870. O engenheiro ch fe, Jon Ti
fmrcio Pereira de Magalhaes.
A cidade do Recife, os seus amenos e
apraziveis arrahakles, que sao banhados
pelo r>o Capibaribe' e os que delle esto
prximos, sao snjeitos as innundaces, que.
annualmente apparecem, causando mais ou
menos estragos, segundo a impetuosidade
de sua corrente.
Grandes sommas tem a provincia despen-
dido dos reparos das pontes, bombas e es-
Iradas, que Acaro, sob a accSo destruidora
das endientes deste rio, especialmente na
zona que vai da sua fz at pouco cima do
Casanga.* i
Actualmente esta a provincia despondeno
cerca de 250:000)5000, com a constnicco
de duas pontes de ferro, reparos de bom-
bas, pontilhes e de estradas, que foram
arruinadas pelas cheias do anno pas-
sado. (
Estando, portanto, a capital desta pro-
vincia e seus suburbios snjeitos a estas ca-
lamidades, e nao podendo os cofres da
provincia supportar avalladas despezas, o
governo geral por sua vez, podia conroi rer
para um melhoramento de ordem tal, que
nao se faz preciso encarece-lo e nem com-
menta-lo.
O meio. que a pnmeira vista assalla ao
nosso espirito, o da abertura de um ca-
nal de desvio em um ponto cima dos po-
voados e arrabaldes, com as dimensoes que
salisfacaro perfeitamente o escoamento do
rio, por occasiao das endientes. Presente-
mente a provincia nao tem os meios para
levar efleit) to importante melhoramen-
to ; a verba que ella despende annualmente
com obras publicas, eleva-se 500:0005,
que sao gastos em reparos e conservaco
de estradas e pontes, reparos de matrizes,
cadas, acudes, e continuado de algumas
estradas mais importantes da provincia.
A obra deste canal, urna aquellas que
o governo geral deve tomar sob suas pa-
ternaes vistas, sem encarar a qualquer sa
crificio, porque esta provincia merece ser
auxiliada em ludo que disser respeito aos
melboramentos materiaes.
Actualmente as repartieres fiscaes arre-
cadam cerca de 45,000:0005000, e me pa-
rece que de to grande somma aqui arreca-
dada, a provincia apenas estipendiada
com a quant/a ae 20:000(5000, para auxilio
s obras provinciaes.
lempo, pois, do governo geral concor-
rer efficazmenta para o desenvolvimiento
material desta provincia ; porque deste des-
envolviment > resultar necessariamente no-
vas fonles de riqueza publica e particular.
E preciso tambemqueos beneficios con-
cedidos s provincias eslejam em relaco s
rendas que o.thesouro arrecada; deve ha-
ver nisso equidade e justica, para que cada
provincia nao lute sement com os seus
propnos recursos ; visto como, estas fonles
de renda publica, efescem na proporclo dn
desenvolvimiento que se Ihesdr. Ora, ar-
recaudo esta provincia annualmente to ele-
vada qiantia, jamis poder ella ficar no ol-
vido, em face de to palpitante melhora-
raento^a que tem inquestiunavel direito.
FOLHETIiW
i \\ DIPMS D! MORA
POR
Xavier de Montpia.
Cabe, portanto, aos eleitos, da protiqcia ele-1
ozes em 4>rol de
i g importante obra, no recinto do
senado e da assemblea geral, afim de que
ella seja apadrinhada e posta em exe-
cuclo.
E, cmo a oceasiio seja a mais propicia
i a provincia reclamar to grande aaxi-
tos-pidres do estado, em vista
loramentos que espera o paiz, em
virtud* ca feliz terminacho da guerra com
o Pafslguay, resolv me a apresentar o ira-
balho d um p'jecto da abertura de um
canal, as condicoes a desviar a impetuosi-
dade das corrqU das guas do rio Capiba-
ribe por occasifo das suas inpundaces.
A idea da execuco de to/ importante
obra, j lera sido suggerida por diversos
engunlicros, enlre tiles pelo fallecido Dr.
Jos Mamede Alves Ferreira, que propunha
ura canal, pouco mais ou menos, no lugar
qud boje se projecta^ O Dr. Manoel de
Barros Brrelo, conscio deste melhoramen-
to, estudou a zona que vai do povoado da
Vjrzea ao de Giqei, e o meu antecesser,
o fallecido Dr. Podro Barbalho cha Ca-
va icante, bem intencionado como eslava,
desejava levar avante to grandiosa idea, e
para isso, logo mandou fazer estndos liydro
graphicos do rio Capibaribe. afim de poder
estimar a sua baca. Estando, portanto,
estes trabalhos preliminares j coacluidos, e
convencido de sita grande ntilidade, delibe-
re! me mandar pub car os dous tnebalhos,
comparndo-os entre si, depois "de fazer
urna su.'cinla descripclo do Capibaribe e
seus aflluentes, das suas innundaces e
dos estragos que ellas causam annual-
.1....I.,
PAUTE SEGUNDA.
O HORSCOPO
(Continuaclo do n. 169J.
VI
Estrategia.
N'aquella noute nao pode o marquez
pregar olho, porque nao se Ibe arredaram
do espirito nmas ideas de ambicio e de
riqueza que lhe tiraram o somno at pela]
manba.
Quanto mais pens, dzia elle consigo,
mais me convengo de que a miaba boa sor-
te me enva orna occasiao nica de firmar
o meu futuro em solidas bases e de tornar
minha vida antiga. Vejo a riqueza dian-
te de mim ; para a obter necessaria mili-
ta habilidade e ousadia, dotes estes qne eu
desepvolverei largamente.
A marqueza de Chavigny possue dous
milhdes; est dispost a amar-me, ou para
raelhor dizer, j me ama sem o .saber, e
quando ea qoizer ha de pertencer-me em
corpo e alma... Olympia casada, mas
seo mari lo pode morrer de om da para
outro, e demais, se o iocommodo velbo
.teimasse em.nSo deixar Tiava a marqueza,
ba meios seguros e nada compromettedores
de o mandar l para onde esto os seas
antepassados.
Dous milboes ama bonita continha, ac-
crescentoa o marqoez ; mas nao a opu-
lencia que eu ambiciono, essa opulencia
grandiosa e qeasi Ilimitada que me deiiar
satisfazer todos os meas vicios, desejos e
caprichos, deslumhrar Pars com um fausto
desusado. Esse phanlastico sonho, essas
esplendidas illusoes, podem realisar-se com
o auxilio de. Olympia. O conde e a con \
lessa de Rabn, casados ba quatorze innos
alate.
O rio Capibaribe nasce na fralda da serra
de Jacarar, um dos ramos dos Cariris Ve-
rtios, no logar do Olho d'Agua de Gavo e
Laga .o Ang, e serpenteia entre a serra
d'onde nasce e a do Brejo; atravessando
as comarcas do Brejo, Limoeiro, Pao d'Alho
e Recife, banliando as vi.las e cidades dos
mesraos nomes e militas ontras povoaces.
O lveo deste rio de rochas, desde sua
fonte at a comarca de Pao d'Alho, e are-
noso d'ahi at -a sua fz. O seu curso
pouco mais ou menos de 80 leguas, e a sua
bacia tem urna rea de cerca de 300 leguas
quadradas.
A sua inclinado varia de m. 0,001 a m.
0.0003 por metro, em quanto quo a dos
affloeotes regula 0,005 por metro. E' m-
vegavel no tempo , cima de sua fz, por canoas e botes ; nc
tempo de invern, porm, as chuvas con-
correm paja lhe augmentar o volunte, tor-
nanio-se caudaloso, cansando grandes es-
tragos por occasiao de suas endientes, tanto
as estradas publicas e pontes, como as
propriedades particulares.
En eu curso este rio recebe muitos
aflluentes, sendo os da margem esquerda
os s^guintes ribeiros: das Pegas, do Arroz,
urub. Grota, Fenda, Tapado, Patos, Onca,
Juazinlio. Taiep, Gamelleira, Cheio, Es-
quedo, Jaguruss, Cahcahy, Mariquip,
Sa'gadifiho, Amparo, Mel, Duas Pedras, Pi-
rabyra, Mussurepe, Agua Fria, Mussnape,
Cair, Cachaca, Dindi.Timbi, Camaragibe,
Monteiro, e Parnamerim, vindo da nascenca
para a fz; e pela margem direita os ria
chos: Garrapatos, da Madre Deus. das Ta-
bocas, S. Domingos, Barriohos, Eguas, Ma-
ry, Figueira,' Pedra Tapada. Cacatuba, Ri-
beiro-Eundo, Cotuognba, Goit, Tapacuri
do meio, Crussaliy. Massiapinho, Gurgueia,
Pao da Arara. Rio Grande, Pitrib, Cumbe,
Salgadinho, Belhury, Frecheiras, Preguica,
Almas. Carime, Paredes, Breginho, Barri-
nha, Urub, Pedra. Salobro, Catle, Man-
dass, Cachoeira. Santa Victoria, Pitombei-
ra, Mandacar, Rio da Cruz, Cavaco e Ti-
gipi. Sao ao lodo 74 os seus aflluentes,
nao contando com alguns que nao merecen
ler apontados, em vista de seu pequeo
volme Tagua.
Este rio pouco abaixo da ponte da Mag-
dalena bifurca-se tomando o rumo do sol, o
ramo que passa pela ponle dos Affogados,
era quanto q e o outro ramo, s-ndo mais
consideravel, segne o rumo norte, passa
pelas pontes que ligam os bairros de Santo
Antonio, Boa-vista e S. Fre Pedro Goncal-
ves, e depois de receber as aguas do rio
Beberibe, reune-se em frente ao caes do
Ramos ao ramo do sul, e, misturando suas
aguas com as do ocano, az a sua fz em
frente fortaleza do Brum.
Depois de sin bifurcacao, o Capibaribe
divide a capital em tres bairros, formando
ainda nao liveram filhos, nem os tero,
Olympia a sua prente mais prxima e a
sua nica berdeira, de modo que os im-
mensos b ns que elles possuem viro a ser
meus por morte d'elles... 0 conde de
natureza fraca edoentia... e a condessa
nao ta de sobre-viver muito tempo perda
do se amado espjso. Depois 'de me casar
com Olympia, nao se far esperar a heran-
oa... Ah isto para urna pessoa pe.der
o juizo l
Saint-Maixent tinha apagado a luz ao dei-
tar-se ; bada no quarlo as mais profonlas
irevas, e jiifgon ver niio obstante catadupas
de ouro precipiando-se roda de si com
harmonioso estrepito e Iluminando a escu-
rido com brhantes fulgores. Apoderou-
se d'elle um verdadeiro delirio, e chegou
a imaginar que saltava da cama para se ba-
nhar n'um ocano de ouro.
Aquella estranha allncimco succederam
reflexoes de outro genero/ O marqoez pe-
sou e repesou no espirito, lentamente e a
urna por urna, as difcul lades qne seme-
Ihanle empreza offer-cia, e teve de confes-
sarque essas difllculdades eram, se nao de
todo insuperaveis, pelo menos muito ar-
duas de vencer.
Fazer-se amar pela formosa Olympia, isso
era o menos, segundo o parecer do nosso
bere ; mas como haviam de continuar os
seus amores vista do conde e da con
dessa T
Bem claro dissera Annibal, que nao con-
sentira que a casa que fosse habitada por
sua esposa servisse de asylo a culposas re-
laces. Apenas se manifestassem os pri-
priraos symptomas de um amor nascente,
apressar se-hia em cortar o mal pela raz,
e o marqoez de Sain-Maixent, afastado do
eastell >, perdera, de cbofre, as suas espe-
ranzas magnificas e a poderosa proteceo
do seu prente.
- Que fazer ?
Ainda um instante pensoa o marquez em
se desembarazar primeiro que tudo do
marquez de Chavigny, e, supprimindo o
obstculo que impossibilitava o casamento,
conquis ar o direito de amar Olympia, de
cara descoberta e sem receio ; mas logo
poz de parte esse plano, que lhe pareca
algumas ilhas. sendo a principal a de Santo
Antonio, outr'ora denominada Maurica^por
ser o centre da capital. Esta ilha o delta
do Capibaribe, e conlm duas freguazias, a
de S. Jos e Santo Antonio, estando nesta a
sede do governo, e de algumas repartieses
publicas, muitos templos e edificios prbli-
Ivcos e cerca de 4,800 casas; ligada ae
bairro do Recife por orna magnilka ponte
de ferro de systema treitles; ao bairro da
Boa-vista por tres pontes, sendo tima do
ferro e de gosto elegante, a ootra lambem
de ferro dando transito a va frrea do Re->
cife Apipucos, e a ultima de madeira em
estado de ruina ; ao bairro dos Affogados
por duas pontes, sendo urna de madeira em
bom estado e potra de farro que faz parte
da via frrea do Recife S. Francisco. A
parle desta ilha, correspondente freguesa
de Santo Antonio, toda cercada de caes
na extens5o de 2,500 metros.
Quanto s ontras ilhas, urnas sao cuber-
as de mangues, ontras servem apenas para
pasto de gado, e tem algumas olarias; sen-
do todas sujeitas s innandacoes.
Os ouiros dous bairros que com o de
Santo Antonio formam a capital, slo o do
Recife e o,da Boa-vista; este est coloca-
do em trra fi-me, contendo ricos templos
e edificios pblicos e cerca de 3.400 casas,
rodeado de caes na extensSo de 2,400 me-
tros, e aquella sobre a pennsula de Recife,
c m bons templos e edificios pubtcs, con-
tando perto de 1,500 predios; o foco de
commercio de-grosso trato, e esl todo cer-
cado de um ptimo caes de cantara.
0 Capibaribe, desde o engenho S. Cos-
me, ponto escolhido para o seo desvio, at
o'logar que elle se bifurca, banha os po-
voados da Varzea, Caxang, Apipucos, Mon-
teiro, Caldeireiro. Poco. Sant'Anna, Torre.
Ponte de Ucha, Cpunga, Magdalena e Re-
medios ; os quaes esto constantemente
sujeilos a suas innnndaccs.
Durante os rigorosos veroes, este rio cor-
ta em muitos pontos e seccam todos seus
aflluentes; em quanto qoe, na estacad in-
vernosa, elle eleva as suas aguas, produ-
zimlo Liiundaces devastadoras ao mesmo
tempo em quasi todo seu curso.
A causas que concorrem para essas inun-
dacoes, sao tres: a prmeira funcejo da
baca do rio : a segunda depende do hume-
ro dos aflenles e de seus dec'ives; a ter-
ceir, finalmente, fueco da maior ou menor
quantdade d'agua que cahir na mesma ba-
ca. Se as chuvas nao forera torrenciaes e
nao consecutivas, acontecer que o rio to-
mar bastante agua sem receio de inunda-
Cr>. Ha um meio j por mim lembrado no
relatorio do corrente anno, para diminuir a
impetuosidade da corrente e o crescimo r-
pido do volme das aguas : consiste na cons
trnesjad de urna serie de acudes em todas as
pequeas vertenles: como disse no trchoj
do relatorio a qae me refiro. Se a impetuo-
sidade das chuvas torrenciaes, se limita
urna pequea zona, ha certamente crescimo
das aguas no rio, porm, sem receio de
urna rpida innndaco ; ao contraro se ella
s^ esiende a toda a sna bacia, necessaria-
mente apparecer o phenomeno da inunda-
cao medonha e destruidora. Pode-se conse
guir essa diminuico de volume das aguas,
construindo-se grandes acudes, nos valles,
por onde serpenleiam os pequeos cprrgos,
que sao as verdadeiras fontes de derivaco
dos grandes ros.
Imaginemos, por exemplo, o Tapacur,
que um dos maiores confluentes do Capi-
baribe, e depois a serie de ribeiros, que
nelle desagam e a infenidade de ra:hos e
corrgos, qoe por sua vez slo testes con-
fluentes ; imaginemos agora, um acude as
proximidades das vertentes de cada corre-
go recebendo as aguas de sua fonte e as
torrenciaes, que lhe vo ter dentro de certo
permetro. Ora, como parte destas agoas
sao detidas pelos acudes, cuja capacidade
deve ser culculada, segundo a posico topo-
grapbica dos terrenos, necessariamente o
volume das aguas de um corrgo ser muito
diminuta, e por sua vez pouco concorrer
para o aegmonto rapid i do ribeiro de que
o mesmo corrgo confluente.
(CMinuar-se ha.)
VARIEDADE
Voluntarios do Rio Grande do
.Horte.
O tropear selvagem das tmphadias do
Sul americano ; a vaidosa ferocia do freneti-
incompativel com as mais vulgares leis da
prudencia.
Deixar Olympia vuva e rica antes de ter
alcanzado sobre ella direitos imprescrip-
tiveis, era consa muito arriscada e perigosa.
O nwquez tinha de cor o celebre distico
de Francisco I :.
A cada instante a mulher vara ;
bem doudo quem n'ella se fia i
E n'este ponto era completamente de
accordo com o rei cavalhfiroso. y
Olympia, separada do seu velho esposo,
mas presa a cadeia que s a morte pode
quebrar ; Olympia, enclaustrada at certo
ponto as esplendidas soledades d'aquelle
castello, entregara gostosa o coraco ao
galhardo moco que Ibe fo>se deparado pelo
acaso ; n'isto nao havia duvida.
Nenhuma certeza tinha o marquez de
que, urna vez li-re, nao mudasse Olympia
de resoluco, nem tivesse o capricho de
voar as azas da sua pbantasia, de ver, de
comparar e de escolher. A liberdade faz
s vezes d'estes milagros.
Por consequencia, renunciou Saint-Mai-
xent cautelosamente a formar nenhum plano
e resolveu proceder conforme se dssem
as circunstancias. N5o se comprometter.
nao deixar nada ao acaso, inspirar com o
seu habitual comiuediment urna confianca
Ilimitada ao conde e condessa, observar
esperar ; taes foram em resumo as reso-
Incoes lomadas pelo nosso here naquella
noute de insonia.
No castello deRahon era a vida unifor-
me ; succediam-se os dias sem a menor
variaco e em cada um delles renovavam-
se quasi idnticos prazeres e distraccoes.
Comidas, passeios a ca vallo, palestras
com a condessa e com a formosa Olympia,
qoe nanea se apartavam, algumas cacadas
onde as duas' damas iam de trem, ahi
esta no que se gastava o tempo, com certa
monotona'qae nao deixava de ter attra.ti-
vos.
Quando alguns fidalgos das iramediaces
iam de visita ao castello, o marquez pro-
carava nao se encontrar com elles, e en-
tretinha-se em dar solitarios passeios. a M-
villo pelo bosque.
co dictador ba 6e recuar, e esvair-se ao bafo
da vossa eavallaria! O desaforo dos' San-
njtas ha de ser dobradamente vlogado !
A no ureas caudinas, erguidas de
roldio em Matto-Grosso, ba de ser derra-
deiraminte lavada com as ondas robras do
Aquilabam, derradeiro latibblo da tyranniaf
Avante, .netos de Camaro, de Henrique e
de Andr de Alboqaerqne 1 E los, que
chegam, partem, veocem I Qoantos prodi-
gios de valor, ge^tilmenti obrados i Que
occeanos de sacrificios r virtudes! Cada
soldado om here Osorio o semi-deus
das baialhas !
Sea 'alto titnico sobreleva-se por cima
de todos os goerreiros-1 como a rajada
do norte, que arranca os sedros, e demole
as penhas 1 Lat-m fremindo debaixo das
palas do seu corsl as o das do Paraguay
tremolo ; v-se outra vez Alexandre cabal-
gando as ondas do Issus Quem pode re-
ststir ao semi-deus das batalbas t
Senhores, voluntarios da patria, quem
ha, qoe vos nao ame f A ebuva, o glo, a
peste,o marnel, e os p.impeiros affrontasies,
vencestes tudo Ellos! Senhores, nossos
bellacissiraos patricios I Por elles tendes a
patria desaffrontada, e e'nnobrecida, como
nol-a deixaram os inclytos maiores!
As matas, o escondrijo da onca america-
na, nao o podero salvar! Farejavam-no
os soldados do imperio! Verdadeiros mar-
tyres da patria, elles ouviram no imo de
su'alma o pungente, e agudissimo gemido
da vulnrada honra doen-lbes o concSo vas-
to e bello!
Atiram-se na briga; linba e linha, flanco e
Janeo, rolam emmaranhados no rodopio d^s
hostes ; hyrtos os olhos e os cabellos dene-
gridos de poeira, sorvem boqoeabirlos as ba
forados do marcio fumo; tintinam as armas;
chisparam os gladios carnivor>s; adeja-lhes
no pensamento a letra da glora Inda o ge-
mer longnquo da patria! E seu solphej)
terrivel, como o vasquejar d>s abysmos!
Eii-a inda sangra Avante pelejadores
do imperio!! Exercilos, fortalezas, rios,
pantanos, lagrimas, lado cabe, tudo cede,
tudomorre Victoria, Senhor Deus dos exer-
cilos Victoria, voloniarios sublimes Vic-
toria na patria, e nos tempos!
Os scalos aprenderam dizer vosso
nome! Soldados quasi divinos, vos nao
morrereis nunca!
Mil perdbes, senhores; eu quero dirigir-
me aos voluntarios do Rio Grande do Norie !
Eu son tambero Riograndense. eu sinto or-
gulho e enlhasiasmos de sl-o! Nem o es-
quecimento de urna desleal governangn
apooquentando a bella provincia pode apou-
quenlar-nos o amor Mas, longe a recrmi-
naco Querella; ne tum quidem gratce, cum
necessarice erunt. Gallamo-nos com Tito
Livio.
Rio Grande do Norte tem laudas de im-
menso louvor ; nossas formosas valadas gre-
lam cvicas boninas; temos grinaldas de pa-
triotismo O batavo cenbece o percussiente
de seus golpes! O forte de Keulen est
sendoRes Magos pelo nosso brio! As
Guariras ensinam, que nos brgamos no
lago ; nem a tradiccional bravura d* Mao-
ricAa se desliga da nossa ;, nunca teve ella
gloria militar, qoe nossa junto nao fosse.
A tula da liberdade em 17 o proclama, e
bem creio, senhores, que os Pernambuca
nos se alegraram de ter nos por seus con-
vivas nos banquetes do patriatismo A pa-
tria de Jagaarari, e Pedro Mendes nao re-
negou seu passado Sentio, por igual com
as outras, rasgar-se, e gemer a historia bra-
sileira ; tocou tambero o rebate, seus filhos
slo tambem macedonios valeotes Elles que-
rem castigar a soberba delirosa de Xerxes !
Sao poucas, mas tambem morreen Sero
perpetuos na fama os nomes dos dous va-
lentissimos Caldas. E tn, valente crusado,
que, por entre chuvas de balas, atravessaste
impvido, as aguas do Iteror, para levar
o pao, que immorlalisa os fortes teus bel-
los e terriveiscamaradas, tu viveras na lem-
branca do Rio Grande do Norte, para sem
pre magnnimo padre Amaro !
Mas, pois, senhores, temos diante de nos
em fraternal complexo os voluntarios do
Rio Grande do Norte resto escapado
Grecia e ao duro Achules ; deixai que se
me espanda o corceo nestes arroubos !
E vos, bravos natalenses, embora nao tra-
guis todos nos peitos as'condecoracoes ob
jectivas de vosso valor, embora nao se en-
treleia na vossa rota farda a divisa de um
titulo subido, sede sempre moralmente gran-
des, que tem que se esquecam de vos ? Fi-
ca-v.jS por espacial honorario nao ler sido
Em tudo o mais observava a risca o
procedimento que se imp zera, tratando a
marqueza de Chavigny com attenciosa indif-
ferenfa, e reservando para sua prima, a
condessa de Rahon, todos os requintes d'a-
quella apurada e brilbante galantera, que
era urna das suas maiores sedueces.
Este plano deu dous resultados.
Em primeiro lugar iranquillison o conde,
inspirando-lbe, segundo os desejos de Sainl-
Maixent; Ilimitada confiraca, e em segun-
do lugar causoa senhora de Chavigny
um profundo assombro com seu despeito a
mistura.
Costumra se Olympia na poca d >s seus
triumphos, isto quando reuna nos sables
do velbo esposo toda a aristocracia de Cler-
raont ; a ver incesantemente roda de si
urna infinidade de adoradores e a produzir
n'estes a mais viva admiraco.
Quando se mostrava orgulnosa e risonba
como deidade que viesse das elturas do
mytologico Olympo, ergua-se um lsongeiro
murmurio na na passagem, e os que nlo
podiam com a bocea, declaravara com os
olhos nao terem visto nunca orna creatura
assim to encantadora, to celestial.
E o marqoez, o nobre e galhardo moco,
qoe por tantas e to singulares aventaras
havia passado, nlodenunciava diante d'ela
nem perturbadlo nem entbusiasmo, e at
com extraordinaria indifferenca pareca nem
reparar sequer na sua belleza.
E a mim que me importa ? repeta
entre si a marqueza, ferida no amor pro-
prio.
Mas, sem querer, via-se obrigada ac-
crescentar :
At aqu tenho despreaado os que
tentavam agradar-me, e agora vejo-me des-
presada por om homem.a quem don alguma
preferencia, porque n3o se parece com os
demais. E porqoe isto ? Ser insensivel
o coraco d'elle, oa nio terei eu bastante
formosura para o caplivar 1
E'Olympia andava horas horas absorta,
voivendo e revolvendo estas perguntas no
espirito.
Por consegointe, a calculada friez do
marquez era-lhe mais mil, njelhor e mais
menor o vosso quinhao no perigo!! 'A eoos-
cien.-iade haver bem feto o primeiro-ga-
lardo da virtnde E porque tambem ep-
ramastes de flores a toria da pratria, acai-
tai em nome do presente e do futuro o abra>-
co intimo da noss'alma.
Viva a Religilo Catholka !
Viva a 09(90 brasileira f
Viva S. M. o imperador!
Vivam os voluntarios da patria !
Vivara os voluntarios do Rio Grande do
Norte !
Fez o primeiro brinde ao? voluntarios.
O Dr. Tarqoinio, tomando logo mo,
em um eloquente improviso motivou para-
bens aos voluntarios de sua cara provincia,
ne le mostrou o distincto Ro-Grandeose,
que o aguilnlo do amor nacional lhe em-
beber na alma os vinhos febricitantes do
patrio enlhusiasrao: a palria canibalmente
oflendida chamou por seus heroicos filhos :
Os voluntarios franquearam a ultima bar-
reira situagem, onde se acoitava ajnjuria:
embora, pois, Dio permita a religilo do tn-J
mulo quebrar a loosa dos morios, com
tudo, forcdso, que jublilemos! Coogratu-
la-se, pois, com os autores da victoria, e em
particular coro os voluntarios Rio-Grandenses
Reperculiram os vivas, e um Ro-Gran-
dense cantou a segainte copla do bymno
da victoria:
f Toda a vez que empunhamos altivos
anri-verde pendi inmortal'.
Nos curvamos aos pos, semi-vivos dos
contrarios a sanba infernal!
O Dr. Ferreira Lima levantou urna for-
mosa saude aos inclytos generis Caxias,
Ozono, Porto Alegre, bario do Triampho,
Itaparica e Pe otas; subi grande altura
o enthusiasmo militar daquelles poneos sol-
dados : denra brados d'alegria, e pediram
o bymno brasileiro.
Enlao foi feita em nome do Rio Grande
do Norte a saude de S, Exc. Rvma. o Sr.
coneg) Jlo Chrystomo, que por sua be-
nemerencia actualmente oceupa a prmeira
cadeira desta_ diocese: a religilo o sol da
ierra: foi com acatameeto cumprimentado
o venerando Rio-Grandense.
Foi por igual cumprimentado o Sr. Dr.
Tarquinio, intelligencia esclarecida, e seria,
que faz honra a tua provincia e a Ilustre
corporaclo a que pertence.
O acadmico do quarto anno. Lima, do
Para, moc intelligente, e sympathica.julga
prestar o divi io preito aos voluntarios na-
talenses, saudando uns officiaes, que all
se achavam, noraeadaraente os Srs. capi-
tles Ramos, Ponciano e Gitulio, sem dei-
xar de limentar que, no tbesouro dos ttu-
los a escassez imperial nlo achasse para a
magnania provincia, que to heroicamente
Ibe sacrificou seus filhos, urna cous maior,
que a patente de capillo !
Todos o applaudem ; mas os Rio-Gran-
denses lhe respondem, que foram servir
patria !
O Sr. Avelino, estucante Rio Grandense
leu o seguinte:
E' tempo boje Srs. de entoar patria
agradecida hymnos de gloria todos aquel-
les, que, penetrados dos mais vivos senti
mentos de herosmo, e cujoscoraces abra-
sados por om fogo ardente de amor patria,
nlo hesitaram um s momento abandonar o
repouso.a tranqaillidade e as diliciasdeseus
queridos lares, para travar das armas,
comba ler em defesa da honra nacional, que
se achara ferida.
E' certo, senhores, que as paginas de
nossa historia se acliam hoje enriquicidas
com thesouros, que nossa imaginaclo, ali-
rada dos seus mais elevados vos, apenas
lobriga I Os mais brhantes feitos d'arma
os mais gingalescos acks de bravura, o su-
blime do herosmo em fim, constitae seu
apanagio de gloria. Dir-se-hia, que um
quer que seja de espirito divino, animando
os soldados brasileiros, gniava-os as cam-
panhas do Paraguay To justa era a cau-
sa que elles defendiam Mas, Srs., araem
deve o Brasil tanta grandeza, tanta gloria,
que faz estorecer se de inveja o estraogei-
ro; que faz immui'.decer de admiraco o
mundo civilisado, o que t3o mereeidamente
constitae o nosso orgulho, seno a vos; in-
trpidos defensores da patria ? Senlo ao
exercito brasileiro,que aqui to dignamente
representaes ?!
E' portanto, vos Srs. quera devemos
dirigir nossas saudaces. Seria, certo, mui-
to desalent de nossa parte, si neitas occa-
sies to solemnes de belleza, em que os
proprios coracoas de glo palpitara, n i
efficaz do que toda a casia de amorosos e
asiduos galanteios.
Seis das d-'p )is de ler chegado o nosso
here ao castello de Rahon, recebea o con-
de um oflkio lacrado e sellado com as
armas da Auvernia. Deu-se pressa em ras
gar o sobrescripto, e leu o escripto com
visivel satisfaco.
. Querido primo, disse elle para Saint-
Maixent, que por acaso eslava ao p delle,
esperava esta carta cora impaciencia. Man-
da me o meu parate o governador urna
agradavel noticia; deu-se ordem, a pedido
meu para se suspender a perseguieo con-
tra o senhor. Vio, pois, de-vento em popa
as nossas cousas. Agora s falta mudar
em definitiva esta disposico prosirisoria;
mais diffici, mas espero consegui-lo com a
ajuda de Deus. N'ma occasiio como e*ta,
em que anda empenbada a honra da minha
familia, espero que o rei se lembrar de
me ter chamado sea amigo por mais de
urna vez.
Saint- Vlaixente apertou as mos do conde
com effusad to hbilmente fingida, que
teria Iludido qualquer pessoa.
Abramos aqui um porenlhesis.
No tempo actual, muitos dos nossos le -
tores, pouco familiarisados com certos pon-
tos da historia, julgarlo inverosmil, para
nao dizer mpossivel, que a influencia de
um fidalgo chegasse a ponto de impedir a
observancia da justica, e que s a ventad--
do re> fosse bastante, nlo s para indultar
um condemnado, o que ainda boje urna
das regias prerogativas, mas at para snb-
-rahir a aeco das leis um grande criminoso,
antes de sentenca dada, desarmando a vin-
dicta publica, e assegurando a este crimino-
so a mais completa impunidade.
A.isto s responderemos, que no tempo
em que succediam os fados referidos n'esta
historia, o rgimen absolnto estava no seu
auge, e as palavras o rei o quer, eram a
nica explicacao dos mais inconcebiveis
absurdos, e por isto nos julgmos indispon-
sados de citar para prova os innmeros
exemplos qae em tropel nos accodem
memoria.
O peior qoe ao re nao se pode es-
crevefj coatinuou o c?pda de Rabn, e
vos testemunhassemos a, vos, caros patricios,
anda que nestas rndes phrases a graiidlo,
e o reconhecimento, de que vos somos de-
vedores; por tantos e to grandes tropbos
que acabis de ale anear-nos na goerra com
o Paraguay! E' vos, que devemos o
culto prestado honra nacional ; porqoe
em, vos qae ella ae acba boje personificado ?
Por Untos motivos de regosijo e satisfaco
publica, Srs., resta-nos entoar cnticos de
gloria naci brasileira, com mais subido
eolhusasmo erguer vivas ao nosso abeocoa-
do slo!
Viva a naci brasileira !
Vivam os denodados defensores da pa-
tria !
Vivam os bravos Rio-Grandenses do
No; te. .
O po'si.1 acadmico, Santa Helena, i vanlajosa-
mnle conhecido, espalhua enlao balsaoiicas flo-
res de poesas sobre a eabeca daquelles martyres
da gloria :
Eis-vos de volta, emfifn. Tlenles lldadores,
Da lula repousar sombra dos lanreis;
Assim regressa ao ninho ura bando, de eondans,
Depois de ter viogado os (oros de aviareist
E vos sois res lambem ; sagroa-vos victoria.
Que a estrada viw abri s portas de Assarapcao;
Na fronle vos relu por diadema a gloria ;
Di guerra o estridor f.> vassa acclamacio.
A purpura foi sangae, o sangue generoso,
Que o solo vio inimigo em ondas feenndon;
sceplro foi o gladio, indmito, raivoso.
Que fez um povo lirre, e a hydra anniquillou!
Tivestes por orchestra estroodos, e rugidos
Do brome escaro, a voz das trompas mareiaes;
Relinchos de coreis, blasphemias e gemidos,
Que eacbiam de pavor os ermos matagaes 1
Ol! sim t fustes tambem da fulgida cruzada,
Que ao rento desfraldra o verde pavilhio ;
i indi' jorra va o sangae, onde brilbava a espada,
L linheis brigar um martyr, tira teao t
Se o homem nesie mando esconde A luz da gloria,
Se exalta o ten valor, se a guerra faz hroes;
E temo ha de fazer o vosso nome a historia, (vos!
Porque mais forte, o audaz ninguem foi mais que
Valentes do Rio-Grande, aos hymnos que vos lece
O co, a trra, o mar, a voz da mnltido,
Venbo casar o mea; se o estro desfallece.
Por mim falla mais alio a voz do coraco t
Foi prolongado o applanso.
Comraemoravam-se algnns de nossss mais bel-
los feitos; entre este.* o de Itiachuello, chave d'ou-
ro dos dramas dos cinco anno, fechados com sello
de brhantes na margem do Aquidaban.
Poio cumprimentadoo'tenente Luiz Jos de
Souza, quj presente, ainda mostrava as ci-
catrices d'aquelle dia: 0 Sr. Almino recitou
a sua poesa. A batalba de Riachuelo com
ammaclo.
Outro acadmico distincto, Vicente Mag-
no leu o seguinte discurso:
t Senhores.Se justo o galardio con-
ferido aos homens. que do fundo de sea ga-
binete consagram humanidade os fructos
de seos esforcos, e laboriosas indagacbes ;
nao menos nobre e sublime o premio, de
que slo merecedores aquelles, que, no in-
tuito de desagravar'a dignidade oflendida do
pavlham nacional, travaram mo de espada,
e tornaram-seoperarios da civilisacd.e da
gloria de seu paiz, cercando o do respeito,
e da admiraco dos povos.
t Sim, senhores; dizer um adeos, talvez
eterno, aos entes, a quem se ama ; abando-
nar os lugares da iofancia ; entregar-se de
corpo e alma ao servido da patria ; sacri-
ficar aos deveres de patriota as mais doces
afleices do corceo, slo. por certo, a mais
grandiosa, a mais diflicil tarefa de qae o
homem possa onerar-se neste mundo.
c Defensores da causa da justica e da
liberdade, foi essa a misslo, qae tomastes
sobre os vossos hombros, e em cujo de-
sempenbo mais de urna vez provastes o va-
lor e o herosmo dos filhos do norte I
Curoz, Tuyoty, Curupaity, Humayt,
Gbaco, fvaby, Lomas Valentinas, e omitas
outras victorias, que assignalaram as dfe-
rentes phases d'uma guerra de cinco annos.
slotpadr5es. que ennobrecem os vossos
orios, e apregoam a valenta de vossa es-
pada !
i A' bravura, que all exbibistes, senho-
res, e que deve captar-vos a bomenagem, e
a sympathia de vossos concidadls, aceres-
ce ainda a circumsiancia de serdes as glo-
riosas reTiquias dessas heroicas phalanges,
qne a abnegaclo, e o patriotismo empelli-
ram do norto para essas plagas inhspitas,
onde dormero o somno de bravos, som-
bra dos arvoredos, no meio da solidlo dos
pampas.
(Continuar-se-ha
portanlo indispensavel que eu v a Paris.
Part rei o mais breve possivel, e servir! ao
mesmo tempo esta viagem para por em
boas raaos os seus negocios de dinheiro,
acerca dos quaes peco qae me d iaforma-
Clo exacta e circorostanciada. Conbeco
em Paris um procurador muito hbil e hon-
rado, e bem sabe que maravilhoso encon-
trar estas duas qualidades n'um procara-
dor, e elle fara reunir os seos credores,
que tilo de ser pela mair parte uns terriveis
judeus ; examinar s suas contas, e talvez
en:ontre meio de salvar alguns despojos
do naufr gio da sua riqueza. Espero que
seja corta a minha ausencia ; mas n'este
espado de tem o possivel que o primo
tenba de fazer algumas despezas imprevis-
tas. Darei ordem ao meu mordomo para
lhe entregar as quaptias que osenbor pedir.
Depois me restituir essas bagatellas em o
meu honrado procurador obrigando os
agiotas a entregaren! a presa que dividiram
entre si.
O marqnez tenlou recusar mais aquella
liberalidade, to nobre e simplesmente enun-
ciada ; mas o conde teimoa, e nlo leve
mais remedio que acceilar.
Naquella noute encontrou o nosso bere
o seu criado Lzaro, qae segnndoera cos-
tme o estava esperando na ante-camara.
A rubicunda cara do patife traba nota
expressli lio manifosta de alegra, que sea
amo reparou n'aquillo e disse ;
Tens algoma cousa para me diier,
conheco-t'o na cara.
Nlo se engaa, seonor marque*, e
espero que ha de ficar bem cooteate cosan
go, volveu Lzaro. O tio. Laciancio est pr^
feitamente desmascarado, e tr
sos pormenores a respeito d'elle.
Falla depressa.
Pois eolio, arme-se da toda paciencia
senhor marquez. O mea cont compri-
mo, e para oizer tudo preciso de algoro,
tempo.
Lew o tempo que
abrevia o*caso ; nada
Vamos l, principia, qae i w-
vidos.
YP. DO DAKlu -> W\ DUQUE DE GAJUA '

*


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EV0EJF74R_8TY1WU INGEST_TIME 2013-09-14T02:27:12Z PACKAGE AA00011611_12153
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES