Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:12152


This item is only available as the following downloads:


Full Text
ANNO XLVI. NUMERO 172.
?
f
I
PARA A CAPITAL E LUGARES 05DE AO SE PASA PORTE.
Por tres mezes adiantados................x 6)0000
Por sei& ditos dem................... 12,5000
Por um auno dem...............,..... 240000
Cada mamero avulso.................... 320
TERgA FEIRA 2 DE AGOSTO DE 1870
PARA DETRO E FOlft DA PR07KCIA.
Por tres mezes adiantados........,........
Por seis ditos idem...................
Por nove ditos idem..................
Por'om anno idem ..............,

W7C*
13*500
20*280
271000
Propriedade de Manoel Figueira de Fara & Filhos.
--------------1---------------------------------------------------------------------------------------
SAO IGEXTfeS:
*
-------
------
Os Srs. Gerardo Antonio Alves 4 Filhos, oo Para ;_ Goncalves d Pioto, no Maranbao ; Joaqnim Jos de Oliveira, no Cear ; Antonio de Lemos Braga, no Aracaty ; JoSo Mara folio Chaves, no Assn ; Antonio Marqnes da Silva, no Natal; Jos Justino
i Vil
em Nazareth ; Francisco Tavares da Costa, em Alagoas; Dr. Jos Martins Alves,n>a Babia ; e Jos Ribeiro Gasparinho no Rio de JaneirC
Pereira d'Almeida, cm Mamanguape ; Antonio Alexandrino de Lima, na Parabyba ; Antonio Jos Gomes, na Villa da Penba ;' Belarmino dos Santos Bulco, em Santo Antao; Domingos Jos da Costa Braga,
DIARIO DE PERNAMBUCO
RECIFE, i DE AGOST DE 1870.
Noticias do snl do Imperio.
Uiefou hontem pela manha o vapor americano
Xnrth America, trayendo jornaes da corte at 26
e da Baha al 30 do pausado.
PARAGUAY.
A Crema, de Buenos-Ayres, do da 12, diz
que o vapor Venecta, procedente de Assnmpcin,
trouxera a noticia de achar-se eleito presidente da
- repblica o Sr. Bivarola
RIO DA l'll VTA.
Do Jornal da Baha copiamos s seguintes
noticias, que foram levadas directamente esse
perto pelo vapor ingler Nnoton :
. A' ultima hora, por telegrammas de la Som-
bra Tribuna de 18, saba-s que no dia 11 o
coronel Caraballo incorporou-se a seu irmao o ge-
u-;ral as paulas do Daiman.
As forcaainvasoras, sea Aoaricio, pois diz-se
queste ficou na frnnieira gravemente onfermo de
reumatismo, achmra-se no passo do Sauce do
Arapey, em numero de 800 lumen,.
O general Caraballo achava-se a 10 leguas de
distancia do inimigo, as puntas de Valentn.
Assegurava se que po dia 16 para 17 teria
Ujrar a batalha.
Caraballo tomou todas as sabidas do inimigo,
abrigando o assini a pelejar.
O coronel Villar, chefe da guarnicao de Gua-
leguayeh embarcouse cora loda ella a esquadra
argentina.
bizem os blanro que Aparicio est mortal-
mente enfermo, e que Medina passava a tomar
coma dos manteneros.
< Pelo vapor de guerra Coquimbo que fundeou
no dia 18 em Montevideo, procedente de Nova I'.il -
m>ra colonia, sabia-se, pelo encarregado de po-
lica u aquelle ponto que na tarde da dia 13 de-
sembarcaran), vmdos de Buenos-Ayres no vapor
inglez Slex 18 inimigos em trajes de particulares,
cora bahs etc., os quaes foram cooduzidos
trra em duas lanchas, e assira que all pizaram
abriram os bahs era que se encontraran] revol-
ver?, espadas e munices.
< Armados, em presenca de todos os visiohos,
saquearan) os cavallos da'poveaco e foram incor
porar-se a Montoro.
< Entre os desembarcados veio como chefe o in-
titulado coronel PeJro Ferrere, Corrales e outros.
O Coquimbo chegou no dia seguinte s Higue-
retas.
Em Martini Chaco effeeiuaram sua incorpora-
cao os blancos, desembarcados em Nova Palmira,
rennindo-se gente de Montoro : ao todo ISO lio-
mens.
t ra brasileiro chamado Jo- Coelho apresen-
tou-se as Coreas de Aparicio, ao Sul do Bio Negro,
com 5X1 ho.nens que trouxe de S. Gabriel, tendo
silo promovido ao posto de coronel.
< Parta dos oficiaos n gente de Aparicio pas-
seava na riovoscio de Sanl'Anna com divisas blan-
cas c celestes.
ConsUva qae o brigadeiro D. Bartholomeu
Mitre, iria tomar o enramando das forcas nacio-
nae* que operara em Entre-Bios.
MINAS (ERAES.
No dia 19 do passado foi ferido com um tiro
na mo um cunhado do Sr. Pedro Goncalves Por-
tugal, morador as vsinhancas do arraialda Ch-
cara, deste municipio. Este Cacto deuse no terrei-
ro da sua fazenda e na occasiao em que questio-
nava cora Costa, seu visinho, por quera foi dispa-
rado o tiro. O offensor conseguio escaparse.
Suicidou se, enforcando-se, um pardo cha-
mado Flix, escravo do Sr. Manoel Vidal Barbosa
Lage. Nao se tem noticia do motivo que levou
aquelle infeliz a platicar tai desatino.
s. PAULO.
Fora nomeado inspector do thesouro provin-
cial, e tomara posse do cargo, o Dr. Anlioio Pin-
11 do Bego Freitas.
O Sr. Joao Tobias de Aguiar e Caslro, fazen-
d'iro era Piracieaba, libertan um escravo de no-
me Jacintho.
O Crrelo Panlistano de 22 do crreme pu-
blica a seguinte carta que Ihe fora dirigida do
Ri-Claro:
t As 7 1/2 horas da noite de honlem, 13 do
corrente, Americo de tal, conhecido e bem reeom
mandado como devasso, ebrio e espancad ir tendo
sido por este motivo j pronunciado pelo delegado
da polica, em consequencia do que andava fgi-
do, appareceu aquella hora em casa de sua sogra
perguntado por su i mnlher; trazia na miio,
aperrada, um garrucha, e ni cintura urna faca,
signal evidente que, a nao'surtir effeito o primeiro
m-irumenta, o segando seria applieado; na ce-
yueira em qae vinha espumante de raiva, quiz
desleebar um tiro sobre sua cuchada, que des-
vindose, disse :-no son sua mulher. Enlo o
malvado deu mais alguna pasaos e disparou a
queima bucha na Dfeliz mulher soffrendo ella o
effetto do tiro no lado esquerdo do pescoco em di-
receo a nuca; s por raihgre poder a infeliz
escapar morte cruel e doloro3a que a espera.
BIO DE JANEIRO.
Na, sessao do senado, de 2o do passado, o
presidente visconde de Jinete, dando communica-
c.ao da morte do senador Furtado, disse o se-
"de :
.Senhores, mais um dos membros desta augusta
cmara, que pela nobreza de seu carcter e pebs
se us talentos tanto a honrava, acaba deparar
moneo tributo fatal.
Na dor que rae oprime, e que a minha voz
mi! se prestara a exprimir, repitirei as palavras
cora que esta infausta noticia foi-me coraraunica-
di pelo, Sr. conselheiro Tito Franco de AlmeiJa
in carta que dirigio-rae no da 23 do corrente
m*
t Hoje s 2 V horas da tarde perdemos o nos-
so amigo conselheiro Furtado, victima de urna
broncha pneumona. Bodeado das orphas, s
um amigo poda dar-lhe estatristissima noticia.
Senhores, o nssso Ilustre collega o Sr. con-
selheiro Francisco Jos Furtaio era natural d
provincia do Plauhy, tendo nacido nacidadede
OeiTM em 3 de Agosto de 1818.
ti Formado em sciencias jurdicas, seguio a
carreira da mag.stratura, na qual se destinguio
como jniz pela sua integridade e reclido, e pelos
eai estudos e conhecimentos de direito, sendo
ltimamente aposentado cora as honras de des-
erabargador da relacao do Bio de Janeiro.
Foi presidente de varias provincias, e adrai-
nistron as com zelo, sabeloria ejusca
Foi deputado em diverjas legislaturas, e mais
de urna vez raereceu a honra de ser'eleito presi-
dente da cmara temporaria, a que pertencia.
t Foi nomeado senador por carta imperial de
30 de julho de 1861.
Foi ministro 4a jasti?a por duas vezes, a
primeira no gabinete de 44 de maio de 1862, e a
segunda no de 3 de agosto de 1851, era que
quelle cargo reuni o de presidente do cooselho.
Foi neite segando ministerio qae o nosse il-
lastre.collego, cija perda lamentamos, mostrou
tudo quanto pie esperar-se d u espirito illus-
por encanto brotar- da trra, com adrairaeao e re
go rios da patria, que a par da for^a de hnna e da
guarda nacional, elevara ra maior altura a hon-
ra de nossas armas, o desaffeontaram a da naci
ultrajada pelo tyranno daqiella repblica, por
meio de urna victoria completa e estrondesa.
t Senhores, servico este lio assignalado e a
que o Brazil tem-ss mostrado tao reconhecido, que
nao ha nem expressoes para encarece-lo, nem
mirc para bem galardoa-lo.
Senhores, um cidado to iliustre j na)
existe I
Ficaram-nos delles os filhos, para serem dig
no^ herdeiros do seu nome, a saudade para chra-
lo, os exemplos para imita-lo e a memoria dos
servicos para perpe^ua-lo na historia.
t Conidoro-me mais urna vez orgo fiel dos
sentimentos desta augusta cmara, declarando
que a noticia que acabo de coomuniear-vos re-
cehida pelo senado com o mais profundo pezar.
Sob proposta do senador Leilo da Cunha dei
xou de haver sesso nesse dia.
Na cmara dos depatados, no dia- 2o, o de-
putado Candido Mendes disse :
Sr. presidente^ deu-se hentem sepultura o
corpo de mn cidado distincto que oceupou nesta
casa o cargo de seu presidente e que durante
sua vida preslou ao paz relevantes servicos quer
como magistrado, quer como presidente de pro-
vincia, e principalmente como ministro da cor e
presidente do cnnselho : reliro-me ao conselheiro
Francisco Jos Furtado, senador por minha pro
vincia. (Apoiados.)
A oxeraplo do que se tem praticado em outras
occasioes eu requeiro que se consigne na acta d
hoje o profundo pezar que esta augusta cmara
sent por to lamentave! acontecmento (apoiados),
e que ao mesmo tempo como testemunho do mes-
mo pezar se levante a sessao. (Apoiados.)
Eu, Sr. presidente, como amigo collega do
Ilustre finado desde m primeiras, lettras at os
estudos superiores, e snbretudo como deputado
pela provincia do Maranhao que elle tao ijgnaroen-
te representava (apoiados). e interpretando com
fldelidade os sentimentos de meus honrados col-
legas de deputacao, tasto presentes como ausen-
tes...
Os Srs. Gomes do Castro e Janse :Apoiado.
> O Sr. Candido Mendes :___assim como os
sentimentos da provincia inteira, entend dever
fazer o presente reqnerimentr cuja approvacao so-
licito da cmara. (Apoiados.)
tOs Srs. Salles e C >elho Bodrigues: Muitobem.
Vai mesa o seuninte requerimento, que
unnimemente approvado :
He i'i.'.ro qae se consigne na acta o profun-
do pezar que sent esta augusta cmara pelo Cal-
leciraeuto do senador do imperio conselheiro
Francisco Jos Furtado, ex-presidente desta mes-
ma cmara, e que como testemuoho deste mesmo
pezar ae levante a sessae. >
Lemos no Jornal d) Commercio :
Houve honlem (2i) no Prado Fluminense cor-
rado o processo, continua as deligencias para
descobrir o lugar onde Col sepultado o cadver da
inCeliz.
a Lemos no Commercial da Feira de Sanl'-
Anna :
t Communieam-nos que no dia 8 de julho, a
parda CUudna, residente n^sta villa, dau a
tres enancas do sexo masculino, e que tildas
hoje dio mostra de perCeita sande.
c Depois do eclypse da la que vimos na non-
te do dia 12 do presente mez, quasi que se pode
dizer que as plantagdes do feijo esli perdidas,
ou pelo menos reduzida a um terco do iprcdacto
esperado.
Os jeijoes estavam vijosos e bastante bajados
at o referido dia, com grande sorpreza de lodos,
porm no dia seguinte notou-se a amarellidio as
folhas, que tambera paieciara engrunhidas de fri,
e as bagas fofas conservndose at hoje os caro-
los sem o desenvolvimento natural que tende a
chegar a colheta.
< No circuito de seis ou oito leguas desta villa
deu se o mesmo Cacto as plaoUicdss deste legu-
me, e nio sabemos anda se o effeito estendeu-
se at mais longo : Deus permita que nio.i
O cambio rfegulava : sobre Londres 23 3/i
d., sobre Paris 401 rs sobre Hamburgo 735 rs. e
sobre Portugal 131 /
Saturara para Pernambuco, no dia 26, o pa-
tacho portuguez Vlissia, e o brigue brasileiro
Amelia.
eeravj, Dr. Paulino Rodrigues Fernandos Chaves, I pedante, Jno Antonio Ribeiro; appellada, a jnsti
Hvd. Fr. Paulino de Castro Valew, Ju dos Sumos ca. Appellante, Jos Antonio de Mara; appella
PERNAMBUCO.
e enrgico na occasiao
;)pe por urna f viva,
e no patriotismo de
lido pela guerra des-
o ex-dictador do Pa-
collega teve a gloria de
^Hfenie do conselho, o^ee
de Janeiro >*e 186o, que,
le muHos, fez como
ridas de cavallos organisadas por est* aosiedade.
Para prova do gostr que a popularn vai toman-
do a e ra concurrencia que attrahio a fesla.
O prado eslava realmente bello de ver-se. As
archibancadas achavam-se topetadas de homens
e de senhoras, grande numero de carros cheios
de gente ennovellavarn-se a um lado, os cavallei-
ros enxameavarn em todas as direcedes e urna nu-
vem de povo cobria grande espaco do vasto ter-
reno, formando em mnitos pontos urna vistosa
guarnicao cm torno da lica.
Ao meio dia a banda de msica tocando o
lymno anounciou a chegada de S3. MM. II e AA.
que foram oceupar a tribuna que Ihes reser-
vada, e logo apoz comecaram as corridas.
A 1" foi ganha pelo Solitario, cavallo preto do
Rio da Pra'.a, de 7 annos, oropriedj.de do Sr. Hen-
rique Aranaga, e atraz delle chegou o Gladiador.
Na o' corrida que era ligada a esta, foi o vencedor
o mesmo, dispensando-se assim a 8' que teria de
desempatar se fesse preciso. O premio era de
1:0005 00.
Na 2' ganhou o Incgnito, ruco queiraado,
tambera do Bio da Prala, de 7 annos, propriedade
do Sr. Gustavo Suckow. O premio era de 5005
estabeleeido pelo ministerio da agricultura, que
com e-te auxilio veio acorocuar urna inslituicao
que tai pod-rosa influeacn lleve exercer sobre o
melhora ment dacriacao no paiz.
Na 3*, premio de 1005000, foi vencedor o JCa-
rimbondo, castanho do Rio de Janeiro, idade 6 an-
nos, propriedade do Sr. Luz Ignacio da Cmara,
se.?uindo-se-lhe o Achilles.
Sai*, que er.a dn amadores, tendo por pre-
mio urna bmita joia, ganhoa o Montezuna, ruijo
quemado de Monte/ideo, de 5 annos, montado
pe Sr. F. de Freitas, e propriedade do Sr. conde
de Herzberg.
t A 6" corrida, premio 300S e um brhante de
nreco, foi ganha pelo Mazeppa, haio calado do
Rio de Janeiro, idade 6 annos, propriedade do Sr.
tenente-coronel Caelano da Silva Santiago, che-
gando ap- o Waterloo.
Na 7* correram 7 civallos montados gau-
cha. O premio, que era de 2005, foi ganho pelo
Cognac, rosilho de Minas, idade 7 annos, proprie-
dade do Sr. Guilherme Mangeon. seguiodo-se-lhe
o Marimb ndo.
A 9a e ultima corrida, sem duvida um das
mais curiosa?, foram entre ires carros romano-,
que oTereceram um espectculo tao bonito vis-
ta, como interesante pelas suas peripecias. O
premio, que era um lindo chicote encastoado de
prata, coube ao carro encarnado, puxado por duas
eguas alazas, Lagosta e Siri, propriedade do Sr.
conde de Herzberg. O immediato foi o amareUo,
puxado, por dnus cavallos ruco?.
A alfandega rendeu de" 1 a 2o do passado
2,360:7975066 rs.
O cambi sobre Londres reenlava a 23 1/2
d.; e as libras vendiara-se a IO50O rs. cada urna;
e as apolcjs geraes de 6 % a 84 %
Sabio para Pernambuco, a 24, o brigue bra-
sileiro Isabel.
BABIA.
J era conhecido o resaltado dos collegios da
capital, Motta de S. Joo, Santo Amaro, villa de S.
Francisco, Itapariea, Maragogipe, Cachoera, Feira
de Santa Anna, Nazareth, Jaguaribe e Abrantes,
nos quaes obtiveram votos para senador:
Dr. J. J. Fornandes da Cunha 946
Desembargador Figueiredo Rocha 908
Dr. Chaves 843
Desembargador Innocencio Ges 607
Dr. Pereira Franco 430
Dr. Bonifacio de Abreu 197
Lemos no Jornal:
' Hontem (27) pelas 8 hora- da manha o trera
da estrada de ferro,' que vinha da Olaria para a
eidade, raatou no lugar denominado Plata-Cor-
roauina cnoula, que na occasiao atravessava o
leito da me-ima estrada.
Teotou suicidar-se, cravando urna Caca sobre
o peito esquerdo, no dia 25 do passado, Emilio
Antonio Femandes, que pelos facultativos jalga-
do em esiad^de perigo.
No dia 25 do passado falleoeu no arsenal dos
Affligidos, do termo da fachoeira, Marcelino Tei-
xeira da Cuaha, victima de duas facadaa qae Ihe
dera Flix Carvalho da Cunha.
REVISTA DIARIA.
CAPTURA IMPORTANFG;Pelo Sr. Dr. dele-
gado de Pao d'Alhc, Antonio Francisco Correa de
Araujo, Coi capturado qa madrugada de 29 do pr-
ximo passado o clebre criminoso escravo Joao
Cangaco, que conta entre seus crimes os de varias
mortes.
Pelas 3 horas da raanhia do referido da aquella
autoridade em pessoa, acompanhado de urna es-
colla, dirgo-se ao lugar Cajaseira, da fregueza
de Pao d'Alho, e abi, feto o cerco, capturou Joan
Cangago.
Esse criminoso tinha Cama, e j urna vez sen 'o
perseguido pela polica, resisti prisao e prati-
cou varios Ceriraenios na patrulha. J esteve preso
na cadeia da villa de Pao d'Albo e d ella evadi se
em 1867 quando foi essa cadeia arrombada. Elle
esta pronunciado duas vezes as penas do art. 19!
do cdigo criminal, urna pela morte do eapilao
Francisco da Melta, e oulra pelo brbaro assassi-
naio de Jos Pacote.
Com essa captura prestou o Dr. Correa de Arau-
jo um importamissimo servico ordem e tran-
quillidade publica de Pao d Albo, livrando-a dos
assombros em que a trazia urna tal fera.
CORPO DE POLICAHontem pela manha o
Sr. tenente-coronel Francisco Xarneipo Macnadu
Bios Jnior foi cora o corpo eCCectivo de polica
comprimentar ao Exm. Sr. presidente da provin-
cia, apresentando-o lusido e com cerca de 300
pracas.
COMPANHIA LYBICA.Por todo o crreme
mez deve pssar em nosso porto, para a Baha, o
Sr. Jos Amat, com urna compaahia lyrica italiana
composta dos segainles artistas: Amalia Pasi e
Clotilde Petrini, primas-donas sopranos ; Felicita
Forlinesi, prima-dona contralto ; Adolpho Berga-
raasch, pnraoiro bartono ; Augusto Castelli, pri-
meiro tenor ; Francisco Fiorani, primeiro baixo ;
Pietro Forlioa, cheCe dos coros.
MORTE REPENTINA No sabbado s 11 horas
do dia roorreu, em Santo Amaro das Salinas,-o
aCricano livre Conrado, victima de urna congesto
cerebral.
AJARDINAMENTO DA PBACA DO CONDE
D'EILNo dia 27 do passado, houve noite reu-
niao da coramisso promotora d'este ajardina-
mento, na qual Coi nomeada urna commisso para
a ponte de Ucha, composta dos Drs. B.mto Jos
da Costa e Miguel Jos de Almeida Pernambaoo, e
do Sr. Jos Moreira Lopes, e delberou-se dirg r
cartas de convite a todos os nomcados em com-
misso, pata comparoesrem no dia 3 do corrente,
afim de se tratar de negocios urgentes.
DINHEIRO.O v;>por Ipojuca levou, no sab-
bado :
Para o Aracatv 13:0005005
Para o Cear' 60:6885900
O vapor Guar levou de nossa praa :
l'ara a Bahia 6:0055000
Para o Bto de Janeiro 618:2365273
sendo d'esta quautia 320:1635273 para o thesouro
nacional.
O vapor americano N/>rth America trouxe
41:3005 para os Srs. Keller & C.; e levou de
oossa praca para a do Para 1:0005.
HOSPITAL PORTUGUEZO movmentn d'este
eslabelecioiento, durante as semanas de 17 23 e
24 a 30 de julho, (sendo mordemo Manoel Jos
Madndo.yioi o seguinte :
Existam em tratamento 42, entraram 13-toul
55. Destes sahiram 7, Calleceu 1, ficaram era tra^
lamento 47total 55.
Na semana de 24 a 30 :Existiara em trata-
mento 47,entraram 4.total 55. Destes sahiram
9, ficam era tratamento 32,total 51.N
ASSOCIAQOCOMMERCIAL RENEFICENTE-
Deixou honlem de realar-se a assembla geral
dos accionistas, por Calta de numero sufiicienle. A
nova reuna.) da assembla geral deve ler lugar no
da 4 do corrente, com pualquer n uero de ac-
cionistas.
ENTRE CARMELIL^S.J se acham em lber
dade os libertos Candido e Miquelina. que haviam
sido presos requisicao do Rvm. Fr. Alexandri-
no, como perlencentes ao convenio do Carmo de
Olinda, sendo entregues ao depositario nomeado
pelo Sr. juiz municipal da seguoda vara.
LOTERA DO Rio.Pela nova iei do orcamento
pagam estes hiheles 8 por*eeoto sobre o seu va-
lor, devendo serem rubricados pelo administrador
do consulado e thesoureiro das loteras da pro-
vincia : o que prevenimos ao publico, afim de se
livrarem de ser Iludidos, comprndoos pelos mes
mos preces de 245, sera as formalidades da le.
GYMNASIOPROVINCIAL.Foi adiado para (
do corrente o exame de habilitacao para o con
curso cadeira vaga de allemao do gyranasio
provincia!.
JUBY DO RECIFE,Entrando hontem em jul-
garaenio o reo Joaquim Severino dos Prazeres,
aecusado por crime de offensas physicas leves, foi
jalgada perempta a aecusacao, e posto era conti-
nente o reo em liberdade.
LOTERA.A que se acha venda a 153',
beneficio da Santa Casa da Miseriorda, a qual
corre no dia 6. '
LEIEAO.Hoje effecta o agente Pinto o leilao
de movis louca, vidros e vinhos, no sobrado da
ra Direita n. 34, em que residi o Sr. Jos Jero-
nyrao da Silva, ^
PASSAGEIROS.Sahiuos para o sul no vapor
brasileiro Guar, :
Rvd. Fr. Joo de S. Jos e 1 criado, Antonio de
Messiai Dr.Henrique Soeratei T.ivares de Vas-
concelos, Joo Remigio de AII)U'|uerquo, Manoel
Francj*j da Costa e 1 lilho, Ignacio W. W. Bo-
biltardj sua senhora e 1 criada,>Joo Cerbonio
d MaUos, africana liberta Fiorinda, Fran
il6(So dft Paula Duarie, Antonio Coiillio, Antonio
Jos Ribwro, D. Rita Xunes de Andrade, Cherubi-
no Baddera, Nieuli Penglore, Luiz Correa de
AveUaf, Joaquim Fernandes dos Santos Maia,
Canadp Jos de Oliveira e Silva'e 1 escravo, Joa
DuartePimentel, Lauro Augusto Henriqueida Sil
va, Jo4 Francisco Cllft da Paz. Jos Joaquim
dos Bij africano livre Pedro Joaquim Teixeira
PaschoaL fc Guilhermino Manoel B. da Silv, Joa-
quim Hpiphanio da'Silva, Luiz Gonzaga, P'rancisco
de Paojk Fernaole Vieira Braha e Joaquim Cor-
rea do* Santos, <; 15 osera vos a entregar,
Sabidos para o norte, no vapor brasileiro
Ipojuca:
II. P. Hugnes, Jos de Azevedo Maia, Alipia Ma-
ra da Coureicao, Domingos D. de Aibuquerque,
Joo da Silva Relamba, Manoel M. Pereira do Lago,
Manoel B. Jos Mendes, Venancio Jos da Silva,
Isaias Pereira, Guilherme V. da Bocha, Jos A.
Pereira Vinagre. Jns Freitas C. Oliveira, Manoel
F. Pint Porto, Affunso de P. Alhaqnerque Mara-
nhao, Nicolao T"xene. Jos Joaquim .da Silva Ca-
va Icant, Dr. Elias Frederico de Almeida Albu-
querqae e 1 criado, Joaquim Ignacio Pereira, Car-
lota Candida de Araujo Lima, lente-coronel Ca-
simiro|Pinto de Nogueira, Barnardino Joaquim
Barbos, D. Antonia Alexandrina P. de Vascon-
celos I sua filha, Felippe Marques da Silva Jnior,
sua sethora e 2 nios Braz Antonio, Floriano Do
mingos Bodrigues de Souza Migilhaes, Dr. Manoel
da Cuha Figueiredo, Avelino Alves Pereira.
Sabidos para o Porto na barca portngueza
Veneedra :
Jos Lopes Babello, Sebastiio Fernandes de Al-
meida, ttomiogos Duarie Ferr ira, Antonio Maria
Barbos.
CEMtTE julho de 1870.
Petnwiilo, pardo, Pernambuco, 55 annos, sol-
ro, Bo-vista, hospital Pedro II; apoplexia.
Bvri vgario Agostinho Godoy e Vaseoncellos,
branca, Pernambuco, 67 aonos, S. Jos; apoplexia.
Gertrnde Mara do Rosario, parda, Pernambuco,
55 anuos, viuya, Boa vista ; assite.
Alejandrina Mara Fradique, branca, Pernam-
buco, 17 annos, solteira, Santo Antonio ; tubr-
culos pulmonares.
Conrado, preto, frica, 45* anaos, solteiro Boa-
vista ; 'congestio cerebral,
da, a justica. Appellante,o promotor; appellado,
Francelino Severo da Annuaciaco. Appellante,
Manoel Antonio Bezerra; appellada, ajusticia.
Do Sr. desembargador Souza. Leo ao Sr. des-
embargador Gitrana.Appellaco cvel : appel-
lantes, Jos Ignacio Nunes Freir e oatro; 'appel-
lado, Manoel Gomes da Cunha Lima. ApoeMacao
crime: appellante, o juizo; appellado, Jos Pauli-
no de Mello.
Deuoencia crime.Ao Sr. desembargador pro-
motor da justica : appellante, Antonio de Hollanda
Cavalcante; appellada, a justic*. Appellante, o
juizo; appellada, Eufrosina Maria do Carmo. ap-
pellante, o juizo; appellado, Jos Pedro da Sil-
va. *
Assignou-se dia para julgamenlo dos seguintes
feitos:
Appellacoes crimes.Appellante, Antonio Bar-
bosa do Reg ; appellada, a justica. Appellanie,
Jos Sermao Garcia; appellada, a justica. Appel -
lante, o juizo; appellado, Jos Goncalves dos San
los. Appellante, o juizo; appellado. Joao Evange-
lista de Britto. Appellante, J >ao Raptista da
Cruz; appellada, a justica. Appellante, Jos Gon-
calves de Oliveira ; appellada, a justica. Apoel-
lante, o juizo; appellado, Juliao Alves Gal-
vio. Appellante, o juizo; appellades, Manoel Jn.-
da Silva e outro. Appellante, o juico; appellado,
Joo Affinso Ferreira Filho.
Appellacoes civeis.Appellante, a Santa Casa
da Misericordia; appellado, Jos da Cunha Teixei
ra. Appellante, Justino Pereira de Faria; appel-
lado, Jos I) (mingues Maia. Appellante, Nicaca
Maria da Conceicao; appellados, Alexandre No-
gueira da Silva e outro.
A' urna hora e meia da tarde encerrou-se- a
sessio.
DE
O delegado do termo da Cachaelra acaba de, Pina Castro Braneo, Manoel Francisco de Oliveira
parlecipsr que acha-se recolhido cadeia d'ftquel- Cavaquinho, Domingos Jos de Farias, Guilherme
la cidade o pardo Manoel Dias Pereira, morador Antoaio Caldeira, Thomaz de A. Silva Loureiro,
na fregueza de S. Eslvo de Jacuipe, por haver D. A Conceicao Coutinbo,l_major Citarle
assa8iinado p sepultado cccullamene sua mulher I
Joaquina de tal, O subdelegado ten

ana do Espirito Santo, Ulyssesdo llego
lelano de A. Cmara e 3
CHRONICA JUDMURM.
TRIBUNAL DA RELACAO.
SESSAO EM 30 DE JULHO DE 1870
'RESIDENCIA DO EXM. SR. CONSELHEIRO CAETANO
SANTIAGO.
Secretnfto Dr. Virgilio Coelho.
As W horas da manhia, presenta os.Srs. desem-
oargadores Gitirana, Guerra procurador da cora,
Lourenco Santiago, Almeida Aibuquerque, Motta,
Doria, Domngues da Silva, Rgueira Costa e Souza
Leao, abno-se a sessio.
Passados os feitos, deram-se os seguintes julga-
nentos:
Confhcto de JURisDiglo.Entre os juizes de
direito, municipal e de orphaos do HeciCe.Jul-
gon-se competente o juiz de direito para fazer as
aomeacoes temporariaiente.
Recursos crimes.Rleorrente, Jos Pedro Anto-
nio ; recorrido, o juizo. Relator o Sr. desembar-
gador Doria, sorteados os Srs. deseuibargadores
Begueira Costa, Lourenco Santiago e Domngues
da Silva. Improcedente. Recrreme, o juizo;
recorrido, Marcolino Dorano Pessoa.Relator o
Sr. desembargador Motta, sorteados os Srs. desem
bargadiires Domngues da Silva; Almeida Aibu-
querque e Gitirana.Improcedente.
Carta trstemunhavel Aggravante, Leopoldi-
no Antonio era Fonseca; aggravado, o juizo.Re-
lator o Sr. desembargador Almeida Alonquei'qne,
sorteados o> Srs. desembarga lores Gitirana e Lou-
renc) Santiago.Deranj proviaiento.
Appellacoes civeis.Appellante, a fajeada; ap-
pellado, Joaquim Lopes de Almeida.Confirmada
a Benteca. Appellante, o baeharel Francisco Fer-
reira Martins Itibeiro; appellada, a fazenda nacio-
nal. Corirmada a semenja. Appellante, o coa-
sal porlu'uez ; apoellada, D. Maria Joaquina de
Oliveira Campos.Cmlirmada asenienqa. Appel
lante, Maria Joaquina deSant'Anna; appellados,
Antoiio Bertino Pereira deCsrvalho e oatro.Re-
formada a sentenea. Appellante, a preta Fabri-
eta ; appellado, Jos E. de Aibuquerque.Despre-
sad os embargo-. Appellante, Nicacia Maria da
Concedi; app^lladossAlexandre Nogueira da Sil-
va e ouiros.Despresados os embargos. Appol-
ante, Manoel de Azevedo Pontes; appellado, Joo
de Deus Guimares. Despresado os em-
bargos.
Appellacoes cbimes. Appellante, Antonio
Barbosa do Reg e Estevao Barbosa de Souza; ap-
pellada, a justica.A' novo jury. Appellante, Jos
Lerino- Garci; appellada, a justica.Julgaram
uullojodo o processo.
PASSAGENS. /
Do Sr. desembargador Gitirana ao Sr. desera-
aargador Guerra.Appellaco civel: appellante,
Joaquim da Silva Costa; appellado, Firmiano Jos
Rodr-gu/s Ferreira.
Ao Sr. desembargador Lourenco Santiago.Ap-
pcllaco crime : appellante, Luiz Francisco Fer-
reira da Silva; appellada, a justicia.
Do Sr. desembargador Guerra ao Sr. desembaf-
-'"jador Lourenco Santiago.Appellacoes civeis:
appellante, Guilherme Augusto Rodrigues Sene ;
appellada, D. Anna Joaquina de Mello Cario-
ca. Appellante, Pedro Ferreira da Silva; appel-
lado, Francisco Jss Torres. Appellante, Ballha-
sarLopes de Lima ; appellado, Francisco Cirdero
da Cruz. Appellante, Thom Bandeira de Faria ;
appellado, o juizo. Appellante, Antonio Vaz da
Costa; appellado, Francisco Ignacio da Cos.
Do Sr. desembargador Almeida Aibuquerque ao
5r. desembargador Motta.Appellacoes civeis: ap-
pellante, Bodrigo Antonio Brasileiro Macei; ap-
pellado, Macario da Costa Moraes. Appebanle,
Jos OlympQ Maria de Seixas Borges; appellada,
D. Mana da Conceicao Gomes Mariz. Appellante,
bacharel Luiz da Silva Gusmo; appellado, Jos
Joaquim Goncalves Bastos.
Do Sr. desembargador Motta ao Sr. desembarga-
dor Doria.Appellaco civel: appellante, Joaquim
Monteiro Guedes Gondim ; appellado, Virginio Ho-
racio de Freitas.
Do Sr. desembargador Doria ao Sr. desembar-
gador Domngues da Silva.Appellacoes crimes:
ppellante, o jaizo ; appellado, Joao Cesar de Me-
oezes. Appellanie, o juizo; appellados, Salero,
escravo e outro. Appellante, o juizo; apoellado,
Justino Correa da Silva. Appellanti, o juizo; ap-
peado, Luiz Bodrigues de Souza.
D > Sr. desembargador Domngues da Silva ao
5r. desembargador Rgueira Costa.Appellacoes
crimes: appellante, o juiz; appellad i, Antonio Vir-
tuoso de Cerqueira. Appellante, Jos Tavares de
Azevedo; appellado, Antonio Boirigues Cos-
ta. Appellacas civeis: appellante, Manoel Joa-
quim- dd Bego Aibuquerque; appellada, a fazen-
da. Appellante, Ernesto Brasil de Matlos; appel-
lados, os herdeiros de Miguel Alves de Mello.
Do Sr. desembargador Regaelra Costa ao Sr.
detembargador Souza Leao.Appellacoes crimes :
appellanie, o juizo ; appellado, FeBx, liberlo. Ap
CMARA MUNICIPAL.
SESSAO ORDINABIA AOS 7 DE JULHO
1870.
presidencia do sr. costa jnior.
Presentes os Srs. Dr. Lobo Moscoso, Garaeiro,
Costa Moreira, Pessoa- da Silva e Dr. Ptanga,
abrio-se a sessio e Coi lida e approvada a acta da
antecedente.
Leu-se o seguinte
EXPEDIENTE
Um oCflclo do Exm. Sr. vice-presidente da pro
vincia de 2 do corrente, approvando as arremata-
coes dos alaguis dos tainos ns. 10, 11, 12 e 13
do qnarteiro do lado do sul da ribeirada Iregue-
zia de S. Jos desl cidade.Que su faca os ter
mos di contrato.
Outro do mesmo, approvando provisoriamente o
artigo da postura addicional, que acompauhou o
sea offlcio de 15 de junho prximo findo sob n.
44.Ioteirada. Qae se publique e remetta-se co-
pia aos fiscaes.
Urna petico do Dr. Antonio de Vaseoncellos
Menezes de Druramond, com despocbo da presi-
dencia de 6"dv Torrente, pedindo aue e-U ma-
r faca a devida aleraco no assentaraento de
bito da serava Eofmia, fierieacente ao casal do
finado seu pi e brigadairo Gaspar de Menezes
Vaseoncellos de Drummon.A' commisso de ce-
mi ter os.
Outro do secretario da presidencia, declarando
cmara enj resposta ao seu offlcio de 30 de ju-
nho ultimo sob n. 51, que a repartico das obras
publicas tem ordea para mandar fazer os reparos
e desobstrueco de que trata o citado offlcio.Io-
teirada.
Um offlcio do juiz municipal da i' vara de 25
de junho ultimo, participando que por encommo-
do de sade. passara o exercicio da mesma vara
a* 2 snppleote.Interada.
Oafro do mesmo, de Io do corrente, comniuni-
cando ler assumido naquelta data o exercicio da
dita vara.Interada.
Outro do juiz de paz do 1* districto da freguezia
da Boa-vista, participando que, por se achar gra-
vemente enfermo-o actual escriviio daquelle juizo
Francisco de Barros Correia, nomeara para servir
interinamente ao referido lugar ao cidado Alvaro
Paulo Noblato. Inteirada.
Outro do engenhoiro cordeador, informaudo
contra o requerimento de Custodio Jo Vianna.
bdeferi i-se.
Outro do mesmo, informono f ivoravelmenlo so-
bre o requerimento de Antonio Jos de Lima.
Concedeu-se.
Outro do mesmo, informando sobre o que pede
no requerimento de Manoel Martins Fiuza, cabe-
lite dizer qae nao ha inconveniente na concessio
pedida.Concedeu-se.
Outro do mesmo, dizendo que na) ha, inconve-
niente no que pede Francisco dos Santos Ncve%
Concedeu-se.
Outro.do mesmo, informando o reqserimento do
padre Pedro da Purit'uac&o Paes e Paiva, no qual
pede I cenca para reedificar a sua casa na ra dj
Mot.ocolomu, cumpre Ihe dizer que nao ha incon-
veniente no. que pede o supplicante, execuiando-
se as obras de eonformidade cora as posturas.
Conceden-se.,
Outro dojn'esmo, informando oreqherimento de
os Mana Hontero, nc qual pede ltenla para
construir duas casas terreas em seu terreuo na
estrada nova do Chacn, arredada do alinhamen-
to.de frente 30 paluios^ Indeferiose.
Outro,do mesmo, dizendo que nada lem a op-
por a pretencio de Antonio Jacintho de Jess Gon-
calves. Concedeu -se.
Outro do mesmo, informando o requerimento de
Joaqftm Maria do Monte, cumpre-lhe dizer qne
nada tem qne oppor^iando-se previamente a com-
petente cordeacao. Mandju se cornar.
Outro (Ib mesmo, informando fvoravelmnnte o
requerimento de Ignacio -Esteves Moreira da Cos-
ta.Concedeu-se.
Outro do mesmo, in'ormando a pelieio do_ ba-
rio de Una, na qual reclama sobre a edilicaco de
um armazera no caes do Apollo pertencente a Jos
Jacono Tasso.Que se offlciasse a S. Exc, re-
mllenlo copia do parecer do dito engenheiro.
Mandou se.remetter a commisso de edificacao
urna peiicode O. Arcelina Xavier Carneiro Ro-
drigues Campello.
O Sr. Dr. Lobo Mosco-o, apresenteu as eondi-
Qoes que se devera estabelecer no contrato aue se
vai fazer com o Dr. Jos Maria Seve, para exercer
es funcgdes de medico de partido desta cmara.
O Sr. Dr. Pitanga pede a palavra,.e seado-lbe
esta concedida, propoe que sejam modificados al-
guns anigps do mesmo eontrato, os quaes ficaram
compostos di seguinte maoeira :
t Ao medico da cmara compete :
i l" Dar consultas gratis a todos os pobres que
o procurarem para esse fim. *
<2" Teri a seu cargo o tralamenlo dos presos
pobres, e exame de alimento a estes deslribuidos.
3 A comparecer ao exame dos ferdos nos ca-
sos em que haja trocedmento offlcial da Justina,
i 4* A examinar os gneros expostos venda
em todos os estabelecmentos e localidades a isto
destinadas.
t 5* Proceder visitas domiciliares sempre que
fdr pelos fiscaes convidado, ou qualquer exame a
bem da cmara e que nao esteja especificado.
< 6* Apwsentar lodos os trimestres um mappa
circunstanciado doocoorrido era taes servicos, in-
dicando os meies de remover ou outros quaesquer
que parecam ter applieaco.Posto votos foram
approvados.
O Sr. Dr1. Libo Moscoso fez o seguinte reque-
rimento, que posto a votos foi tambera approwdo:
Requeiro que a engenneiro cordeador d a
razio porque ainda nao informou acerca do con-
trato da ponte do Maduro, assim como o procura-
dor porque nao infurnroa acerca da execucao d-*
contratos em qae foram arrematados os tainos da
ribeira de 5. Jos, ese Ihes recommende qne quan-
do se Ihe pedir informacSes tenham mais cuidado
em da-las com promplidao.
Paca da cmara municipal do Becife, 7 de ia-
Iho de 1870.Dr. Ubo Moscou.
O mesmo Sr. Dr. Lobo Moscoso, fez o seguin-
te requerimento que foi igualmente" approvado :
Requeiro que o engenheiro cordeador, v exa-
minar um Corno que se esl constrnindo na mu
do Mrquez do Henal n:< travessa do Peixoto.
a Paco da cmara munirpal, era 7 de julho da
1870.Dr.rLo6o Moscoso. m
0 Sr. Dr. Pitanga Cez o seguinte requerimento
que foi approvddo :
< Requeiro que se chame ao vereador qne de-
ve substituir ao Dr. Joo Maria Seve que nao pe-
de ler exercicio, do art. 9 da le do 1- de ontobru
de 1828 e le n. 371 de 20 de setembro de 1865\
Dr. Pitanga.
Prestou juramento o medico de partido d c-
mara Dr. Joao Mara' Seve.
E-leve em praca e foi arrematado os alugneis
dos talhos do canto da ribera da rreguezia de S.
Jos, lado do sul, por Felippe Proinmores pela
quantia de 1:3065 annual, (a dlnheiro) por espa-
co de um anno, doas mezes e vinte e nm dias, a
contar da da 10 do corrente 30 de setembro d
anno de 1871.
Despacharara-se as peticoes :
De Antonio Joaqu-m de Campos e Mello, Anto-
nio Henr que da Cunha, Aristides Duarte Carnei-
ro da Cunha Gama, Antonio de Araujo Barros,
Antonio Pedro Gomes, Achilles Anglael, Antonio
Jos Bitiencourt, Bento Jos da Ponte, Benlo Mon-
teiro da Silva, Custodio Jos Vianna, 'coronel Co-
rioiano Velloso da Silveira, directores do hospital
Inglez, Domingos Jo: Avila, Francisco dos Santos
Neves Gustavo Adolpho Auffbain, Guilherme Joa-
quim da Silva Braga, Jos Joao de Amorim, Joa-
quim Pereira de Azevedo Ramos, Jos Velloso
Soares, Joao Baptista da Silva Prxedes, Jos Viei-
ra dos Santos, Jos Maria Monteiro, Joaqnim Ala-
ria do Monte, Manel Jos Dantas, a mesa regedo-
ra da irmandade de Nossa Senhora da Boa- Via-
gem, Manoel Carpinteiro da Silva. Manoel Martins
Fiuza, Maniel Joaquim Pereira,'Manoel d'Azevedo
Santos, Manoel Cardoso Jnior, Satyro Seraphim
da Silva, e levantou-se a sessao.
Eu Augusto Genuino de Figueiredo, official-
maior servindo de secretario a escrevi.
Declaro em tempo que as condicoes aprsenla-
das pelo Illm. Sr. vereador Dr. Lobo Moscoso fo-
ram as seguintes, condicSes aue se devem estabe-
lecer no contrato que se vai fazer com o Dr. Joao
Maria Seve, para exercer as funocoos de medico
de partido desta cmara, para que foi nomeado na
sessio de 30 de junho prximo passado :
! Condicao. O Sr. Dr. Seve. estabelecer um
consultorio no centro desta cidade, onde dra nos
das utes cousultas aos pobres que o pr..curarem.
pura o qne ,1 enmura municipal desta ci repetidos adnuneos no jornal que faz as pubiiea-
coes de seus trabalhos-e cntros se quizer.
2* Prestar-se-ha ae curativo dos presos pobres
recolhidos na casa de detencao, nio podendo exi-
gir rerauneraeo pelo dos escravos emuito menos
de outro quali|uer preso^que seja recolhdo en-
fermarla da dita detencao, devendo proceder a au-
to de corpo de delicio, caso anda nao tenha sido
Ceito pela autoridade competente, naquelles que
nonverem solTrido de alguma lesao traumtica.
3* Proceder ao reCerido exame as pessnas po-
bres no municipio que houverem sofCrido offensas,
sendo por ellas requerido nos casos era que niu
houver procedimento offlcial.
4" Proceder ao exame dos gneros alimenticios
as casas de negocios, sempre que os fi-caes.0 re-
quesiisrera e pelo menos una vez por semana em
cada freguezia da cidade e urna vez por mez as
de fura, dando a cmara conduccao, sendo nos
caminhos de ferro para onde os houver.
5" Nao poder aumentarse para- fura da cidade
por mais de 24 horas sem participar a cmara, e
deixar um medico pago a sua cusa para fazer o
servico que Ihe compete.
6 Far visitas sanitarias as casas em que
constar que existem aguas ptridas, esiagnadas ou
outras quaesquer mmuadicies, que produsam en-
commodo aos visinhos 8 miasmas, dmdo parte
inmediatamente a cmara e a autoridade policial.
7' Far outro quilquer servico que fr concer-
nente ao bem do municipio, e que' Ihe lor orde-
nado pela cmara, nao pjdendo escusar-se a elle
pretexto de uo oslaf especificado noste con-
trato.
8' Perceber como h raoraro a quantia de-----
1:8005 aunuae* nao Ihe dando este contrato d;-
rcito a apotenladoria.
Cmara municipal do Becife, em 7 de julho de
1870.Dr. Lobo Moscoso.
Figueiredo o escrevi.
Dr. Bento Jos da Costa Juneor, pr-presidente.
Dr. Pedro de Athayde Lobo MoscosoJos Ma-
ria Freir Gameiro.'Caetano Cyriaco da Costa
MoreiraIgnacio Pessoa da Silva.
PUBLICACOES A PEDIDO.
Fr.
Ha
Joo do Amor Dlvinto Uas-
carenbas ao publico.
XII
sempre nos gemidos da victima urna infle-
xio tao suave, e lio enteroecedora que nmguem
os "uve sem Cerir-se no intimo d alma dos agudos
espinbos do soffrimento, cujo phenomeno inexpli-
cavel se commonca por urna Iei especial com as
almas da ujesmanatareza, ndole e situaco ; d"ahi
a sympathia pelos opprimidos, como dos sons lu-
guberes da orchestra funrea nasce a compaixo
pelos patentes do fiaado.
Ha sempre na arrogancia da autoridade oppres-
sora urna aspereza tao irritaliva, que ninguera a
v sem possur-se fle invencvel ndiftnacao contra
o opppressor ; d'Shi a antipaibia que se desperta
as almas de natureza, ndole e situacao diversa.
A humandade asstm : todos tendem opprimir
o mais fraco, anas lodos se revolum contra o op-
pressor ; todos procurara opprimir, mas nato ha
quera queira ser oppriraido.
N'essas condicoes nos achamos, eu e o Bvm. Sr.
visitador do Carolo de Olinda, Fr. Alexandrino
Jos do Bosario Figueira; e espero, por taso,
que as sympathia* publicas, disceroindo qual de
nos dous a vctima, se voltem opario lado da-
quelle que se pretende esmagar com a lgica da.
autoridade. .
E essa situajao acaba de ser b9m definida peto
communicado qp o Rvm. Sr. Fr. Alexandrino fez
publicar no' Diario de Pernambuco de 29 de jalbo,
onde transparece a forca da autoridade em toda
sua nudez e crueza.
Cora efCeto, all se confes o modo inslito por
qoe Cui eu intimado de minha deposicao, e qae
esse acto de nenhuma Cormalidade Cora acompa-
nhado. Era o inimigo sitiado, quem o vence-
dor intima a ordem de sua rendicao r
Curapre-me ainda asseverar que o Rvm. Sr. vi-
sitador carmelitano omiUio de! proposito multas
circamstancias, que rae sin Cavoraveis, deixanoo
sobresablF outras, que, desconnexas, como se a-
cbam, -parecem prejudicar-rae ; o qne revela a
fraqueza de sua cansa. Fulta de lealdade !
Esqaeceu-se o Rvm. Sr. visitador de dizer que
intimou-rae a deposijin-no di seguinte ao da su*


Diario de Pefambico w_ ^erqa fera 2 de Agosto de 1870.
x
chepa 1* dentro do convento do Carmo Mo caa-
nle, oade mandn rhamar-me, e dianta los religio-
sos da oulfa commiaidade, sem atieoco ao lugar,
ioearidosamem'e pmcurou desautorar-me e des-
nwralisai -me, fajendo fenles os suppostos moti-
vos dv*m acto ; quando nevo saber que eu eslava
m meu Jireifo 5 nao rebeber semelhante loti-
raact seuo era meu emvento, e perante os
meus companheiros, se nouvessem; e, portanto,
' ^ue rile deveria dirigir*** ao Carmo de 0 inda, e
la dcpr-me. indicaudo*os motivos desse proced-
meato; motivos que deverian flear sepultados
*s celias do uuski claustro.
Ksuueceu-se do declarar quo do da dessa irre-
gular ratimacao. elle podio que Ihe entregaso s
scravos, que eu liada eiu muu |Kx1er; e qne. lio
se buscar o preparar, o escn.vo Udeaaldo para
embarcar coni deslino & Babia, indo como criado
de un passageiro, procurando asdra iludir asau-
toridades e as teis constituidas.
Iv-queceuse de Cunfessar que, nesse da mes-
no, pedindo^Jtoj edi boa f es papis relativos
fniulia deposica) para os ler, porqae, com effeito,
nao s ti.'ui.i lulo nu dia anterior, elle m'os negou,
itizi-uit> <|uo eu duvena crer era bo honrada jn-
mtih, e i|te Hateado utaoffleto para mim, ao
ni'o < nlreguu, (cando eu seui saber o que u'elie
8e eouiem.
Ksqat-eeu-se, linulmeuto, di dizer que de
poi- iii-s-a negativa que eu ine declare, qae em
vista disso nio-poda reconhecer sua autundade ;
porque esla nao se insume, mas pro va-se coiu
docuuteutur, que nao no toram exhibidos
Se elle houvcs-o mencionado todas essas cir-
cum-taiicias, que nao Jile negar, eu nao me da-
ra mais ao traballio de reupoule o seu referido
ct.inuiunicado, porque derx*vaui por m jos ver a
injuslica e irreguiaridade do procedimento do
Kvm. r. visitador ca mediano para contigo, tra-
taiiiio puericias. Dessa vrz elle nao deu exemplo de
pru.kiica, como Me ouuipre ter, apesar de sua
adundada idade.
Poi* cu, na qualidade de prior de um convento,
Jouvado tantas vezes por diversos superiores, esta-
va no caso de ser denosto daquella forma, sem ser
convencido \le meu crime? Pois devena depr-me
do jiiiorad... sonicuie porque um religioso, que eu
nao OMlbrcu. -e dizia vit-.iador do convoaio ? e a
elle entregar te-im 09 bens do patrimonio, sem
me seren aprcssrrtados os documentos convin-
centes de sua autoifdade?
Porque recusou se o Uvm. Sr. Fr. Alexandrino
4 iiK-strar-nie seus papis, qaando pedi para ve-
los, amJaque m**e a terceira, quarta, quinta ou
ceiii.isiuia v.-z? E porque nao entreguu me ootll
imo. que me fui dirigido, segundo as nossas consto
luejwM ? Sao essas p^r ventura as ragras da ca-
sa capiulsr, que deixei ha 27 annos? ou es?as
as iiistruccoes que trouxe a nie^ respeito?
P.^lantu*. fui u lvm. Sr. visitador que deu cabi-
mento a bem fuudaila duvida, que suso tei pe-
rante o Exin. Sr. mego vigario capitular, e que
f..i |M>lidanieole reenlvida 110 sentido de prestar eu
obulieocia. ao Sr. msilador.
E p.ir que assim aconteceu Respondo o com
r.iinicao In que* ne eslou referindo. Foi porque,
lo^.t que eu duviJi i de sua eonpetenata, elle a
pie.-s.HiM- en nrediur-aa perante o niesnu Ex B.
Sr. eunego aj*rio c.pitular, o que nao bayia
fetfi a: entio, cuino rigorosamente lh^ cuuipria,
n no-tros os papis de sua uouieacan, os qu.-.e-
Me tana negtdu, no inluno de tjondozr-me, cvino
ti ru.~i:t-u palor cPndM o -tn relianho, -em dar-
lhe i-ii.lis.
uiretaiito eu, como prior do Carino, priuiei-
ro, pernoto quem elle Jetla acreditar-se, fui
qu-m eiiierile nao dever dar sati.-ficao.
L<)go, porem, qne recf-bi o despacho do Exm.
Sr. emiego vigario capitular, apressei-me rm tnaa-
dar declarar ao Rvui. Sr. visitador, que eu eslava
lisKisto a nao duvidar mais acerca de sua com-
pejkmia, e que ira prestar Ihe a devida obedien-
cia ; deixando de ir possoaiaieate n'essa ocaio,
porque eceiava os (ffeitm d'urna rearoo, que
pottesse jwr ventura liaver plantado a Justa dis-
cUfc-n que eu tmha siiscilaJo, qaer pela iinpre:i-
sa, quer pelo administrativo; acto esse que f 1
pnr iiiini praticado na pessua de nieu advocado
em respeito a autondae e viriudes do mesmo
Exm. Sr. vigario capitular; mas que merecen urna
re.-pos:a do Rvm. Fr. Ai ttodro, emurebida nos
sc-'uinies termos :
Dga-Uw que don-iba tres dias para aqui
apie?ei,tar-.ne todos os escravos que se acham em
seu poer ( dando a entender que desejava n-li-
rar-se para a Babia tl o dia 27 do Curente (ja-
Rio). E qaantu -* cunta* qi:e lem de aptesenur,
iflas elle que as ajuste,den* is le mir.lu estada na
Babia com o respectivo deiiuorio.
O qae or ventura se pu lera deluzir de sem;
fh inte resposta? Que o Itvd padre mestre Tiai
toilor A tmha t>lho- fltos nos esclavos p.r mijn
reivindicado-; que sua mnele ii'.-t-i eepital nao
foi onda naoagarra-los n,> sentidoUs ordena
que iruixerado Rvd. provincial Fr. Jte Lucas,
e ejMrwgar l.ydia a Rufino Thomaz de Aquiao. e
re eii.T ci;?iie>tinainenti: o resto para a Rabia !
A ?:n iliauti" procedimento eonvjflba urna
.ici-i 1 o. i a :ion-ada pelos precedentes, pelo-
prttiniios de liumaiiidadc c de direilo, e ainda
pelo 1 -pirito da poca. Eolio lirei da bunga de
meu pobre habito as cartas de liberdade, que de
un:n eram inseparaveis desde SI de maio, p p., pres-
sumso corr at> car torio do tabelHio Silveira Lobo
e liinrri as as notas. Novo erime este, sem du-
vida, para os iniougos mascarados da religio de
Ni'jso Si-nhor lesus Cliristoquo liinnda remir os
captivos, e nao escravisar os libertos.
i> nsi-guiutemfi'.tf ja se v, qae nao vem mais
; -ca.-o iratar-se de niinha siippos'.'.t desobedien-
eia, (/orquanto, ainda que la se desse, o que se
liega, vito como assim nao pode ser qualilicado, o
acto la legitima auroritia.de, que procura ser con-
vencida pelos meics competentes de sua desti-
tuirlo,j nao lem mais lugar fallar-se n'isto,
nemes da minha formal edaracao.
Nao posso, porm, deixar passar sem refutacao
a trecho do communicado, que estotl 1 ospondendo,,
em que se exarain os luntkiuieiilos, pelos quaes
so t,t que o Exm. Sr. Internuncio decretara
miaha exoneraeio do prtorado.
Aln nao vejo alealdade do eavalleiro; porque
talla a tidelidade na transcripi;o da portarla Je
miulu deposigao. Sei e posso afilan ya r ao illus
irado publico, que alli ha fundamentos de que no
falla a citada portara, e esta conten ontros, que
nao fi.ram declarados; e sei, porque pessoas fi-
dedignas a viram, e lembram-se de seu contexto ;
econvmdo ao Rvm. Sr. Fr. Alexandrino, ro^o-lhe
wutiHO, que me faca a candado de publica-la lex-
lual:i.oiiie, para jostiiisar-se, e ronvencer-nie-do
erro, em que de boa f posso estar.
O principal fundamento da portera do Exm. Sr.
gtiveriiador do areebtspado foi minha desobedien-
1 ni ao Exm Sr. arrebispopor nao tkr eu kn-
TIKGCI A ESCRAVA LYOIA E SIUS FILH0S A SEU #*
/Ano sknhor Rufino Thomaz de Aquio I
Eis mea crime, o o motivo de minha deposicao,
mino j prove nu meu pnmeiro artigo inserto
n'este jornal e contino a provar. E este pode-
roso fundamento est de harinnia com as asacas
que sempre me (zera o Rvd. Sr. padre provincial
Fr. Joan Lucas, de obrigar-me a entregar esses
escravos, como acontece com a carta, que em
data de i l de julho do 1868 me dirigi, contendo
o seguinte tpico :
Sabe imito bem que posso ir a essa provincia;
como visitador, e prtanlo dar um golpe final
em ludo qnanto V. P illegalmente, eom refinada
malicia, porgue nuncfl te declarou comigo, lem
forjado /
Ora, nao veio a esta provincia, roa? enviou
quem suas vezes fizesse. Este tpico combinado
com o qae vou extrahir de soa carta de 3 de
agosto do mesmo anno. Portanto s espero a
deviso de entregar ou jto os escravos. Se ha
de ser obligado a entrega-Ios, e os diisde servigo,
e tnfallivelmente o dinluiro, que me consta ter
re&bido, determino con a autoridade, de que]
me ocho revestido que entregue os e*cravsi,i>
faz crer d'um modo indubitavel que o fandamonto
le minha dep siglo foi nao ter enmprido a* ordens
Hegaes do Rvm. Sr. padre provincial, esobresair
ra la vez mais esta conclnsai, -qoanaV destruir os1
fnteis fuadamroto;, que menciona o fliario de 59
de jull.
Xl
Reduzeco se a quatr os referidos fundamentos;
i.% iniaha residencia fura do w nvi'nto, i.* o nao
rr/ar. as missas conveniiaes, !!. a existencia d
um proeesso que no loro ecclesiastifio corre con-
tra mim, 4.* o appiicar os rondiinentos dos escra-
\os, fru e laudemius Jo convento a tins diversos
do miaba mi-
mderei titteralme.ite a erna argumentos.
E" verdad que eu ci'i resiJo dentro o meu
convento; mas la.- rieres
lSiO. nanea moraram no
:-istos por essa
'razio, eomo por ejemplo frei Anio. Cae {
r d'esse ti lia em um
particular. Frei Jos Lins do Amor Divi-
ror de tS*8 que resida un ama casa terrea
me do Carino. Fre Joo Baplista de Santa
Helena Nunca de Aranjo Cruz "e fr:i Luiz da Pa-
re llacbaao, qne nwraram sempre tora *oeon
?ente, sendo qne este u'bo por muito tnnpo as-
sistira,na'fregu-r.t do Bonito (Pesta proVmcia.
Eo, porm, as eras de 46 e 53, qun o prior,
sempre morei wo claustro, bem como no principio
d'este meu amo Drioradn, de-1862.
No nmjo de 1863, porm, teodo proposto pelo
manJcipo de Olinda as ac^oes de reivindicacao.
de que j tenho fallado, e ten.lo cahido taes accSes
em numero de s*, por se haver jiUgado incom-
petente respectivo juz. li de propo-las de novo
por este municipio, onda, |pr isso, era preciso mi-
nha pnsenca a ca-.U instante, e todos os das, re-
solv me a fazer minha residencia n'esia cidade,
para melborroenta promover as interesses do con-
vento, que artministrava.
R, loupe de abandonar o convoato, como oUTros
oriores tzetsm, licou elle por mim estregu a
liis e a sacerdotes que. pelo seu zelo religioso, e
devoran N. S. do CarroO, nunca deixaram de
promover grandes melhoramentos n'aqoelle tem-
plo.
U'ist 1 mesmo de opportanaraento sciencia ao
Rvm. provincial-de entu. frei Manoel de S loa-
quim Teixeira, qne annuira c apprav;rra essa mi-
nha deliberacu.
Sendo certo, que pira minha nova residencia
procwvi logo o convenio do Carino do Recife,
onde estive por mais de um anno, at que ral
obngadoa retirar-me e alugar nma caa para ha-
bitar; o que deu-so i.tocMasio do- ferimentos
que me fiz^rain dous belgas,* da necessidade que
tive de lraUr-me >nJo me fise estendida a mao
da esndade.
De nulo isto de ooporiunjmente sciencia M
mesmo Rvm. provincial de entSo, frei Manoel de
S. Joaquim Teixeira, que annuira e approvara
essa minha Ora, nao sendo eu Mngnlar n'esse modo de en-
teuder, e estando ttra do convento_de 7 para S
annos com sciencia tamben) do Rvm Sr. f.ei Joo
Lucas, e dos muros meus prelados, evidenii.-<.-
mo que nao foi esse fado que motivou minha de
pstelo, pois que por elle nunca fui ao menos re
prrheodKio|DU admcesiado pelos meas superiores.
Tambem nao foi o ce|o religioso que abrasou o
coracao do Rvm. Sr.Fr. J.ao Luras,paradepr me,
|mr eu nao rezar as missas conventnaes a que nos
somos oblgalos, visto como este coovent.) se acha
a dever nma grande porrao de'missas as almas dos
iliirerentestesudoresebe'mfeitoreido convento; "o
menos de 35 mil missas at o anno de 1842, como
consia do termo de visita, e nunca os religiosos da
Rabia se lembraram de mandar rezar missas to
sagradas; e ao contrario, trataram de vender ter-
ras/escravos, prata, ouro, propriedades, o nunca
cunipriram lo santo dever, nem d'sso tratam.
Entretanto, nao para iraila-los que eu leoho
deixado de rezar as missas conventuaes; mas foi
pela poilerosissima razao de que tendo-mo sido ne-
gadas as diarias que me eram devidas desde 1853
em meu segundo prorado, e adiando o patrimonio
do convento estragado, minguado em seus rend
D'entos, me vi na dura e rigorosa necessidade de
procurar ttervir ao altar pura ticerdoallar; e re-
sidindo fura do claustro, lornava imp issivel a mim
rezar oti mandar rezar e."-sas missas, visto como
ana religiosos da-Babia era indifferenie que hou-
veaM ou d< ixasse de haver missa conventual;
orna vez qae nem as diarias mandavam dar ao
p;ior como consta de utna carta do proprio Rvm.
fiei Joan Lucas. '
E porque flio pnvidenciaram sobre essa falta, ha
tanto lempo, e s agora se lembraraoi disto,depois
de ter eu reivindicado oito escravos. prata e trras
do convento ?! E que nu ero de missas con-
endoses j celebrara o Rvd. Sr. visitador no can-
vento de sua visita, onde nao resida, eomo Ihe
compra, desde o da de sua clisada ? Nem nma :
Nem ao menos nos dias de Nossa Sculiora do Car-
ino, e de,S. Elias I
nanlo ao proeesso eccleslastico, que se allega
como um tos fundamentos de minha depo.-ica >.
basta di/.er que. es-e monstro infirme da calumnia
leve nascimento no anno de 1863 na provincia d*
Alg-is, d'i n le vim removido um anno antes para
o Carino de Olinda, e at o presente nunca abor-
t'u. O corlo qaa ess proeesso, que hije
aproveitado para ttvid.imento de minha deposicao,
no seu cotiieco, nao estorvon miah reeleico capi-
tular para esle priorario em 1863, e nem d'clle se
leiiibroq o Rvd. F Joo Lucas1, quando em sua
caria de 4 de fevereiro de 1868. mim dirigida,
expressoa-se oes segrales termos: ... enten-
dendo que esl revestan de todos os poderes pre-
cisos para fattr o que convier em beneficio d'es-a
casa (o convento de Olinda) de que digno pelado,
principnlmrnte pelo zelo e del/cacao cim que se
lem empeando a si favor. S me emporio, por-
lauto, louva-lo e pedir d Deus que o ajude no em-
pe -ko em que, esl, realisando suas bons intenrSes
etc.'
E' extraordinario A-sim como nao n menos,
que o Sr. nuncio tivesse noticia d'esse proeesso
e de ludo mais smeote depois que o Rvd. Er. Joo
Lucas, estremecendo ao lr .1 carta do Sr. Antonio
l'ires Perreira, em que se queixava de haver en
reivindicado .1 escrava Lidia, vendida illegalmente
pelo mesmo Rvd. Fr. Joo Lucas, de mo de Rnli-
no Thomaz de Aqono ; e de haver elle brigado e
ameacado me, afim de entregar a referida escrava
seu Ilegitimo senhor I
E avista do exposto, quem seria o denunciante-?
Responda a eonscieneia do Rvm. visitador, cuja
diguidade de. bomem e de sacerdote presumo nao
ler perdido, ao desenvolver a espnhosa misso de
mandatario de mea to ranroros. como gratuito
inimgo, Fr. J. o Lucas do Monte Carmello, com o
llm de esmagar me com sua clava de Hercules.
Fassemos ao ultimo fundamento de apphcar os
rendimentos dos escravos, foros e ladennos a fins
diversos minha misso.
J dis^e qne o convento desde 1853 nao me da
diarias, e que nelle nenluim patrimonio encontr!
quo chegasse para as uespezas mais indispen-
save?.
J dsse tambem que perd algnmas questoes
por incompetencia do jnzo, as diversas tentativas
de reivindicacao de escravos e mais objectos ex-
ira ciados.
J disse, finalmen'.e, que despend grandes som-
mas as difflceis e costosas questoes, que suscitei
ueste foro, para reivindicar, como reivndiquei,
porto de 16:000*.
Oraj os escravos, qne a maior parta do lempo
andaram fgidos, mal-ir haihavam para se suslen-
tareni, e para ouiras despezas necessarias sua
conservaeao. SJuita gente nesta capital tostemu-
nlia dd quanlo me cuslava apprebeode-ios sempre
que fugiam.
Os foros e laudemos de maior vulto que recebi,
foram relativos ao Jardltn Botnico, no valor de
2303 ueste" mesmo anno, cujas trras feram ven-
didas ao finado Dr. Fetosa, como proprias, e entre
tanto para reivindicar o senhorio direeto para o
convento, do poder do vendedor, despendi para
mais de OOi, como posso provar ; e i-ot os foro-
e laademios sao to insignificantes, que nao pa-
gain o trabalho de se raenciohrretn.
Em wrdade muito sabem escogitar a malicia
dos homens e a paixao desenfreada da vjoganca e
do rancor! Como que eu na obra da reivindi-
cacao dos bens do convento do Carmo de Olinda,
lutandn com pessoas noderosas, no correr de tan-
tos annos, gastando em seis demandas com offlciaes
de justica, procuradores, escrives, com seatencas
de pnmeira segunda instanri;-, aggravos e ap-
pellacdet, e ludo o mais que nao estranho este
publico, poderia deixar de derramar o meu suor e
despender do pouco que me vinha s mos dos
fqros e laudemios do c.nvento ? 0 que que linlia
o convento do Carmo de Olinda que rae podesse
dar' para minha subsistencia e sustentar tantas
demaadas ? R s eu, do vasto esqueleto do con-
vento, cojas substancias furam devoradas por I -
bos tSo faminto?, nem um s osso sequr carcor
mi, porque o esqueleto I est todo inleiro, tal
qoal o eneontrei, urna vez que so fara abstraecao
dos oito escravos, ierra e prata por mim reivindi-
cados ; e se d'esta p ata, nao vendi urna sitara
qpe fosse ; se os escravos todos se achavam em
iqeu poder at o dia em que pubjiquei saas liber-
dades, e as trras e jerrenos foreirosahi esto in-
tactos, qnanta-falta de justica nao ? vir-se im
prensa allegar como cansa de minha deposteo b
ter eu apnlicado os rend mergos dos escravos, fo-
ros e ladennos a fins diversos minha misso ?
Ah 1 Eo, que d convento nunca tirei um ceitil
se qur, como o hei oe provar com docmentos,
seguido a promessa que f: ao publie > de dar coa-
las de oito anuos de minia adrnimstraeao ; eu,
que revindiquei, al a csto de mti sangne, bensl
para o convento no valor de 16:000*, inclusive os
ditos escravos que apressei-me a al forriar porcau
sa das ameacas do Rvd. Fr. Joo luca3, e cojas
cartas de liberdade publiquei quanto tive certeza,
certeza que me foi dada por bocea propria do -Rvd.
Fr. Alexandrino, de qoe seriara elles.qnasi todi
metlidos p;*a a Babia (sem duvida para seren de
novo vendidas pelo mesmo Rvd. Loca-), e mais de
om CTtregnes seus illegitimos senhores, sod, di-
zem,um extraviidor, um reo de graves de!
digno de ser punido, aera direilo ao men
defenderme !
Aquelles, porR^Sjae^quaes obreiros da destru-
cao, armados de piearetes, arrasaram o'convento
do Carmo de Olinda, vendendo dueas de escra-
vos sem exprossa ordem db governo bu por enga-
o, alforriando outros. fra do p\rado, eom liceo-
ca o autorisijo de s mesno, eerrv.Pmdo prata e
ouro das maq/ens e os vendendo, 0 as
pedras mais preciosas... sses sao os iKnnensjle
bem, os jautos sacerdeies'da igrejade Jess
Cbristo, no entender do mnito putico Rvm. Sr. pa
dre mestre visitador Fr. Alexandrino Fiueir6a !
Nao e possivel O publico seja qmeu juiz abaixo
de Deus, j que us clanstros s encontr a njus-
tica e a falta de cante.
Entrctauto, canifi. uecer aqui-uma cir-
cumstancia, e que d'entre os escravos por mim
reivindicalo*, existe am pobre c|fh de as;eoca,
filho de Lidia, que vive em minha eompania na
impos ihdidade da prestar o menor servil, e
quem u candado me obrigava, como linda boje e
sempre, a lar os ineos de subsistencia ; sendo
certo qae, d'este ceg, "a quem tambem dei carta
de libentede para continuar em minha companhia,
nao se fembrou o Rvd. visitador, para acolhe-lo,
uso (listante-saber que elle resida na casa que
liaiio, que bem visjnha af convento onde mora
o mesmo Rvm. visitador; 10 tempo qni man.lr.u
agarrar, nos confias dos Atogdos, Miquelraa e
prend, la na adeia, precedimento osso.que bem re-
vela o propsito com que da Baha veio o Rvm. Fr.
AlexnJrin)(de fundir tudo quanto fossa porttil e
proficuo, e escaparse a levar a boa nova ao
Rvd. Fr. J. o Lucas do minha derrota e de seu
pleno trltipipho. em lolo -aso bem inglorio !
Emtiiii, lique, portaulo, mais urna "vez gravado
oestas colnninasque o .motivo unicorde .ninlia
dep\wico foi de nao haver eninprido as oreen*
nlegaes do Rvd.Sr. Joo Locas, provincial da Ba
bu, mandando entregar a escrava Lydi* e seus fi-
Ihis Rufino Thomaz de Afumo,
No seguiute artigo, alm do mais, tratarei do
ponto do coramuicado doRvm. Fr. Alexandrino
relativo :iberdade dos escravos.
Recife. 39 de julliode 1870.
Fre fono do Amor Divino iiatcartnhas.
O guarda do batallo dos Afo-
sados ao gua da do 3."
Tua maoia o baialoo a que pertences f Es-
lais uo teu direilo; mas quanio a mim seria me
mor que-le lembrasso do lempo passado e fizesse
urna-----pur ora. Era mais agradavel para
aquoljes que gosiatn de poemas cbdios de svu-
iopes.
Doixemos de cassuada, passemos ao serio.
Queres euriijuecer brevemente, teres diuheiro
para agiotagein e-conseguires asstn sahir d'este
teu raalfadade batalhao ? Eu te ensino charo col-
lega mu iiiti* fac limo, e se desenvolveres a tua
aeceituad 1 ugilidtde seis nU segunda.vez con-
decorado, E1-I0, entres para a alandega, procu-
res ocamente despachar mercaduras, e uestes or-
ranjos que nao de ves ignorar porque me pareces
esperlinko f4rs decididamente pma friaos aval-
lada, licando com la eonscieneia trauqoll; porque
furtar-se do estado virtude, e dos negociantes
rectos, justica. Seras de mraha opnio Creo
que sim, us soldados letnos todos pelo dtesniL
bie via rio.
Ora bolas, soldado vplho n) atropella o Kpcvi-
50, e em todas as rascadas sahe-se perfeitamenle
bem, sendo inesino e.-bufeliado ou expulso a pouta-
iJCs... e nao ha oada de admirar quando pe-se
.1 ma vbora americana Onnirda lardada em um-
certo batalhao que uo declaro por ler modo da
dentada, e f.-rr-me as armas que elle carrega.
Esqueeia-me dizer-te que capitatao.
Esiais veudo quanta onvidade vai por esta
trra, a sunbora cmara mudando o mime de
todas as ras? Tu pedis'.es a inudanca do nomo
da lllia dos Ratos, e eu vou decididamente pedir
a da ra do Hospicio.
E' um titulo bem pomposoo.? dafis filhos rene-
gados, os dous irraos parecidosQue acha- ? Os
litteratos sahiro imprensa e explicarn este na
4pjatc>o titulo, que inspira Juprehensao, e at o ten
collega, apesar de ser da escola burlesca do autiuo
camtaO c.m-elheiro Antonio Freir, ha de dizer
alguma cou-a a respeito dessa feliz lembran-
ca, 'para que desda logo nao ignores a r?z:io,
dir-te-liei, c perpetuar o norae de dous irbiaos.
quasido mesmo tunanUo e genio que lenegarajo a
benc.. fie seus pais e mais aiguma cousa...
paciencia, mais logo te direi o resto.
Cillega e amigo-, sou ds tua opnio, vamos
acabar com a vida-de oossos commandantes, esses
homens nao fazein caso de nos, tratam-nos 'de
resto. Lerabra-le, qu iodo quizestes o galosinh
de lente ? De certo liavias de ser tira official
1) '.d galante, corpo teso, pernas bambas, hombros
desiogoncailOs e eabeca torta, s um ilgurim
parisiense c 111 apparein-ias de tiuque, o falland.i-
le com frdttqueza, nos temos aiguma cousa de s
meliante io tal bicbitbo, o faro nao verdade ?
Farej.i;;ios ag cou-itas que esto oceultas e guai'-
daJas, e as carillas qu.mo jogaraos para ganbir-
D)0s o dinheirto alheio. Forte caipora, ludo sol-
dado jog'idor.
Adena amavel collega. fiso sempre ao tea dis-
|ior e disposto a acompasliar as tuas palestras,
mas nao te esquecs que caxorro muito andador
mais cedo ou mais tarde apanha rabujem.
O guarda do 6." batalhao.
gravissima injaslica ; foi elle a idea democrtica
qoe avantsjoa a empreza.
Vida s empresas naelcfln: o qoe nos fal-
ta; siga a estr-da de Olinds Pedras ae Fogo, e
verso de quanlo futuro ni o commo-
nicaco ao norte d provincia, poQdo-nos As por-
tas da Parabyba, como a do sul, s portas de Ala-
ga. como as do centr rifles.
Huita/vontade e muito caprichosao os dous
movis da deliberaco, contra a qual nao ba ho-
mem, nem conveniencia, que nao sejao bem
publico.
. A.
Ao publico.
Os camiobos de ferro.
Ha urna lei fatal que dirige o futuro da huma
nidade, a le da civilisaco, qne nao respeita tem
pos, que nao conhece homens, que nao atiende a
contingencia de natureza aiguma p que s sabe
obedecer a voz do bem, que a voz da perfecbbi
idade, para tmente tifmar-se pelas glorias da
inteiligencia.-pelo futuro de todos os povo?.
Soberana dosseculos, juiz humanameiite supre-
mo de (.dos,os factos, a civillsaco, como o ar
livre, penetra em todos os p nios, jegne o hompm
em todos os passos, faz do trabaran urna virtude.
abenca o caminhar de todas as crencas; claman-
do eloquentemente pela felicidade do hornera tanto
na familia, como na s.iciedade.
Foi a civilisacao que rssgou as montanlias, e
anlancu estradas; foi ella queaproximou, por ora
abraco da intellgtncia. o hornera ao hornera; abrs
bracos a todas as facilidades ; fe; carainhos sobre
abysmos; revolveu a trra nos seus segredo?; lu-
do ito, para collocar o hornera ao alcance do
inlinto.
Sobre duas paralelas, assentou a locoraotiva da
hutuanidade; quebrou todas as longitudes e, ce-
deudo passagem a todas as graodezas,.disse3o ho-
mem .correna tua carreira esl o teu progre-
so ; segu com o teu p a marcha do pensamen-
to; assim que a vida se duplicafoi assim que
a civilisacao, em respeito a fraternidade, estabeceu
o carril de fer/o pela compresso do ar, dando,
carreira das maquinas; teda a Circa do cavallo
bblico. V
Na infancia das nacoes. os oaminbos de ferro
sao verda Jeiros estmulos de todas as comquis-
tas; o CDmraercio se estende pelas comrauoica-
Cois; a agricultura sorn presteza do transpor-
te ; a industria sonha com os prev ligios de suas
inspiracoes; as artes seguem ao seu aperfeicoa-
meuto; a colooisacao faciTita-se para todos os
pontos; a troca reside em tddos os lagares; era
llm o trabalho, de aceordo cora a intellg-ncia, tra-
ta de abaler o nada e elevar o hornera, resol vendo,
pouco mais ou menos, os problemas do futnro,
bem poucos na realidade e quasi todos na incer-
teza.
Eis o qoe sao os oaminbos de ferro.
E' o que oos falta no nosso p'aiz, cojo territorio
faz desanimar o trabfro e germinar a descren-
ca; paiz em que alm de todas as difflculdadea
naturaes, accresse o interesse particular que pode
rauito e ............... urna certa indifferemp
do governo..............que mata as nobres
aspiraedes do povo, contra todos os reclamos do
progresso e do amor da patria.
Feliz lente, JVratfnoueo vai tomando a diantei-
m, no eslabelecimento dos cammnos de ferro.
Ao sul ba a grande estrada do govero,do
Recife S. Francisco; ao centro a empreza
comanditariado Recife Apipocos; ao norte
a. estrada populario Recife Olinda, e doas
mais era prpjecto:a de Jaboato e a'deLi-
raoero.
Quem ha por ahi.........ano nao reconhdca
as vantagens definidas, que nos^offerecem os ear-
ris de ferro?
Fraternise-se o povo e abra esses camiohos
que sao os nicos, a traduzr o futnro de tudas as
glorias humanas.
Abram-se todos, como
hiland > e m todas as difficuldadcs
ap as auxiliada pela mo do povo e tanto que a
appelidavam -. estrada dos pobres, era poned
mais de um anno, cooseguio fraternisar as duas
cidades, a antiga n iva capital*
Empreza nicional, que s lem, por si, a syrapa-
tbia dos particulares e o amor acrysolado da pa-j
Ira. t
Sigara o exemolo, que digno de imitacao; a
estrada de Olinda j nao um sonho.....aooea
o foi.
Nunca ser sonfao o trabalho e a voniade do
povo; nao posso nNar nesta empreza, qu>
me chegue ao pensamento, o aome gigante de
AnJr de Abreu Porto; hornera de quera tanto re
fallava...........e contra quem sa fez sempre
A' um sobsrano desprezo votara eu por sera
duvida os golpes, rom que um covarde, qoe, de-
clamando ealnmniosamt-nte contra as autoridades
policiaes deste termo em um aranzel, publicado
to Jornal do Recife(n. 138 de 19 e 20 de juntio
prximo psssado, em que se assignou desforcada-
menteUm morador de Agoa-Pretapreteodeo
Terir especialmente a minha reputaco, que, gra
cas a Dens, sempre se conservou limpa de man-
chas desda que (exilio uso de razao at hoje, que
cont 39 jaueires, se o respeito. que tributo ao
publjco, me nao chamaste ao cuippriraento do de-
ver; e se um amigo, era minha ausencia, nao
curresse ao prelo a protestar as paginas deste
concejtuado jornal contra essa dfatibre, sssegu-
rando qun opportuoaraente eu esmagara a cabeca
desie infecto vil c venenoso, qu su se nutre da?
impurezas, que encorara no lamaca! da calumnia,
e da maledicencia : portanto, nao deseo respon-
der esse detractor-infame; se elle, que por cer-
to meu inimigu gratuo, proj-ctasse ferir-me de
frente, lancando-me aluva, como fazem os inimi-
gos leaes e cavalheiros, domando assim de assal-
tar-me de emboscada, embucado no negro e trai-
coeiro mani doannnvn.o, eti a levantara do ter-
reno do desafio, e Ihe respondera ; mas elle aggri
de-me de embocada; covarde, e aos covardes
volta-se as cotas, por que nao merecem a honra
de urna resposta.
Fui eo o principal alvo da pontaria frita pelo
Morador de Agua-Prela; vou mostrar ao respeila-
vel pablico qoe elle pessiroo escopeteiro, e qae
oo temo a exolosao de sua Irma.
Declaro primeramente com fifla a franqueza, e
sem receio de ser desmentid,!, que nanea tive o
costme de dar asylo criminosos em minnas
trras; appello para o te-temunho de todos os
meus visinhos desta fregoezia, e para todos os quo
me coohecera de peno; e, se como simples cida-
do, sempre assim pensei, sempre assim me por-
tei, como do nutro modo pensarla e me portara,
achando-me revestido de aatoridade policial ?
Pjr mais activa que *eja a polica, (vor mais
enrgica e solicita qne seja a autoridade, no-csl
livre de ser Iludida : os criminoos nao trazem.
sello, e nem se denunciam por si; a autoridade
nao pode, peif, adivinhar, nao pode conhecelos
sem que alguem Ih'os indsite, Ih'os denuncie
EsseMorador de Agoa Pretn que se ostenta la
Bloso pela morahdaije publica e pelo cumprimen-
l das li is, por que me nao veio denunciar, em-
quanto estive exercendo, como snppleote, o lugar
de delegado de polica, a existencia de taes crimi
nosos neste districto? Se o fizesse, e nao pncon
trasse. providencias, teria ento razo para deplo-
rar a relaxaco ou tibieza das autoridades, seria
aora razo que viesse imprensa denooziar e
qneixar-se da immoralidade da? autoridades. Mas
qual I
A prisao do seu mimoso Fructuoso que o faz
interessar-s tanto pelo comprmento da lei!
Descbra a viseira esse Morador de Agoa-Preta,
desembuce se, e diga quem que talvez eu pas-
pa explicar satisfactoriamte o motivo porque tant 1
n em-ommoilou a prisao de Jo- Fructuoso dos
Santos, com quem se emparelha rhamando-o ci-
da loo inoriiToo e honesto.
Suba o publico que ess9 Fructuoso, por quem
o Morador de Agoi-Preta quebra laucas, e a quem
c diuca na estotra dos homens de "bem, dizen lo
que um cedadlo pai de familia, honesto e mo-
rigerado, s.-.hio do termo do Rrnito, onde moflava,
I c veio asylar-se no engenho Parl, de que sou
Tem ,!-,n,en ooseohnr, e onde mora o co-proprietario
Manoel Jos de S mza Bello, qne o arranchou.
Constando me depois que esse Fructuoso era
geralmente reconhecido como um dos mais finu-
-os ladres do cavallo, e criminoso, e que, reunido
outros moradores do mesmo engenho Paro), en-
tre elles um individuo de nomo Serall 11,. mas que
se faz conhecido por Barbosa, criminoso de cinco
nones, sendo nma das victimas o lente fane-
ca di) Pago de Camaragibe; e outro de nome Joo
de Deus, tambem criminoso de duas morts, for-
mavam um coito ms matas daqu-lle engenlio, e
-ahiam fnrtar cavados, de modo que j can-
s-iva susto aos habitantes do povcalo de Pregaica,
noando por al apparecia Fructooso, o qoalquor
dos -eus ompanheiros, ordenej, por isso, a prisao
i'esses cidadaos honestos ; mas, infelizmente s
Fructuoso, um seu irmo e Joo Bazerra da Silva
poderam ser capturados; os dmais evadiram-se,
e consta qne alguns ainda vivom entranbados as
mi tas do memo meu en?"nli. Parol.
Como diz o Morador de Agoa-Preta que eu con-
servo criminosos nos meas engeabo?
.Moro eu por ventura no engenho Parol?
O consenhor. qne I mora, por que Ihes d
asylo?
Por que nao 09 denuncia polica ?
Indigita tambem o Morador de Agoa Pela a
Dionizio. criminoso, corno iwrador do mea enge-
nho Cambe. E' ama hfeidadg : Dionisio foi, eom
ell-iito, outr'ora morador do engenho Cttinbe, que
esta arrendado ao Sr. Jos de ]3ouza Guido, e
considerando-o eu as comUeits de servir no
exercito. ordenei que f'sse reerntado; mas Dio-
nisio pode evadir-se, eeffectivamente raudou-se de
Cumbe. onde deixou prenles, e foi morar no en-
genno Flor do da, onde commetteu o crime de
fermentos na pessa de Candido Bezerra, e au
sentoii-s-e. Suppondo, porm, o delegado de Seri
nliaem que Dionisio regressaria para o lugar onde
morn, reqoisitou-me a sua prisao : imformei-me,
e soube que Dionisio acha va-se oceulti as mal-
tas do engenho Sobradinho deste districto : encar-
reguei um dos mais activos inspectores de quar-
teiro a sua prisao, e apezar das diligencias em-
bregadas, nao foi possivel a captura de Dioni-
sio, o qnal desde ento ausentou-se, e nao
uve mais noticia delle, senao agora pelo Morador
de Agoa-Preta, quem rogo que venha indicar me
o iqgar certo, oude se acha esse criminoso ; por
que, se estiver no exercicio di delegada, o raan-
darei prender, podendo o Morador de Agoa-Preta,
servir de bombeiro, para se nao perder a dili-
geucia.
Manda-nos agora b Morador de Agoa-Preta
am lugar, que desconheco, e nao d^ejo por certo
nelle entrar (Deus .ne livre) oBnraco do Qato.
Nao sei onde lato : o Morador de Agoa-Preta
que sabe, entre, (no> teoha ceremonia) e v agar-
rar esse criminoso Bernardo Fran seo da Silva,
cujo nome a primeira vez que vejo escripto;
p.ir que assim far um importante servico so-
ciedade, e ra lito agradecida* Ihe ffcjro as auto-
ridades policiaes de Agoa Preta.
Falla ainda o Morador de Agoa-Preta em Fran
cisco Antonio, cooheoido por Francisco Moleqoe,
qorador, qoe diz ser, do engenho Maearan-
N,io oonheco esse individuo, nem nunca ouvi
dizer que fosse elle criminoso, e processado nests
termo; se o venha ojfcrodor de Agoa-Preta
pro va-lo, e requerer a sua prisao, qae ser defe-
em contai crrante hia
'eBciewr.
' Recebe dinheiro
I raso Oxo.
Saca vista ou a praso sobre as cidade t
prloepaes da Europa, tem correspondente!
ia Baha, Bueoos-Ayres, Montevideo, Nen-
i New-Ork fo crdito
caraos mes ss.
ttl' IERCO N. 36*
\LFA.VOg(A
tanaiitentododia 1 W:0i8#396
OVIMENTO DA ALFANDEGA
/olumes entrada cora f.i.-eadas 246
dem idera com g-raeres 417
'oluraessahidos com f azoada 156
(dora dem cora gneros 138
666
314
Descarregam tioje 2 de agosta.
Vapor iuglezGlidiatormjrcadorias.
Brigoe suecoBoredem.
Patacho norte-allemnLeconleidem.
Patacho inglezBnskidem.
Srigue sueco.Mnidera.
Barca inglezaWithc oflhe FeiganHam.
I-ngar inlezRheidal Quen idem.
Escuna oorte-aliemoeoro-^idera.
Patacho americanoPr'estysenenidera
ISCEtlEDORlA DE RENDAS INTERNAS ttB-
RAES DE PERNAMBl'CO.
eadiraentodo dia 1 ... 3:839*124
ignorase o eontede e a
WNSULADO
leudimento do da 1
PIUIVINCAL
6:7194841
MOVIMENTO DO PORTO.
iVecio* entrados no {da 28 de julho
Baha4 dias, brigue brasiiatro Amelia, de 229
toneladas, capito Jos Lias de Mello, equipagem
10, carga 2700 saceos com farnha de mandioca
e outros generes; a A. L. da O Azevedo & C.
Santa Camarina pela Babia28 dias, senda 4 dias
do ultimo porto, patacho portuguez Glissa
de 221 toneladas, capitn loa Jos de Miranda,
equipagem 11, carga 7:070 jm-neires de farnha
de mandioca ; a Joaquim J s G. Beltro.
New-York52 dias, patacho americano Priscimo,
de 254 toneladas, capito James, equipagem 8,
carga farnha de trigo e outros gneros; a Au-
gusto Frederce di Olveira.
Navios saludos no mesmo da
Portns do ESnlVapcr brastleiro Guaro, comman
danto capitn tenenie P. H. (marte.
PortoBarca por.ugueza Vencedora, capillo Joo
Lopes Martms. carga assocar e outros geoeros.
Navios entrados no dia i de agosls.
Trieste70 dias, brigoe austraco Guilecla, de
233 tooeladas. capilo Silvestre Glegliaovick,
equipagem 8. carga 1.910 barricas com fa
nnha de trigo ; a Candido Alberto Sodr da
Motta.
Hamburgo62 das, escuna norte allema Georg.
de 92 toneladas capito H. Bngel, equipagi-m
6, carga dilferentes gneros ; a Joo Martins
de Barros.
Rio de Janeiro e Baha6 das, vapor americano
North America, de 200 toneladas, commandantu
J. B. Slucuu, e-uipagem 70, carga caf e outros
gener s ; a lletir-y Pontee 4 C.
Navios suhidos no mesmo dia.
LiverpoolBarca ing eza jJrtitwnti>, capilo W.
H. C Warreu, carga algodo.
New-Yark por S. Th imaz e Para Vapor ameri-
cano North America, coram andante Slocnn.
carg a niesma que trouxe do Ro de Janeirt
T
rido.
ji^*jeste9 01< cr'm'nOs. oujos noraes soube o
Morador de Agoa Prela. deolipar, mas dj-que no
eugenho onde resjdo ha mais de qm criminoso
de raorte. de cujos oomcj se nao recorda.
Oh I Admira que o Morador de Agoa-Preta que
aeciiUQu noraes de lautos crimioosos era lugares
muito mais distantes, al entrou uo Buraco do
Gato, o I raesmo os foi descohrir, nao saiba de-
clinar os daqnelles que moram no meu engenho
Universo, onde resido I
Pois bem: ju provoco ao Morador de Agoa-
Preta para que declare os noraes dos criminosos
afe murie, que moram no meu eagenao ; porque
Ihe prometi que os farei entregar juslioa, e Ihe
agradecerei este gen-ico ; mas tembre-se de qne o
eagenno Parol tambem me pertence, e I mesmo
raaodei prender criminosos e ladrees de cavallo
bem coohecidos, e talvez protegidos pelo Morudor
a estrada de Olinda, que, t Agoa-Preta, que tanto se za,ngou com a prisao
acuidades reaes e soeiaes, de Fructuoso, seu igual; porque disse, horaein
-Jhoesto pai de (amilla morigerado, homem de bem,
por consegumie, como deve querer s-lo o Mora-
dor de Agoa Prela.
Bogenbo Universo, 22 de joiho de 18J0.
Antonio Evaristo da Rocha.
COMMERCIO.
jmm bm
M H10 de /aneiro Limited
Descoota lettras da praca i taxa a con*
Faco constar a quem convier une o lllra. e
Exm. Sr. conseilniro director geral interino tem
aspaeado pira o dia 8 de agesto prximo vindou-
r.i u examu de habilitaco para o concurso ca-
deira vaga -te lalemlo do gynnasio provincial, que
devia ler lugar no dia Io do mesmo.
Secretaria da iostrurca publica de Peroambu-
co.^0 de julho de 1870.
0 secretario, m
Aureliano A. P. de Garvalho.
O inspect-r interino da ajT.indga, taz publi-
co que existindo na mesma os yplnroos abaixo de-
clarados 00 cao de seren arrematados para con-
sumo de conforuiidade com o disposto no cap. fi.
ti. 3." do regulameoto dc"19 de setembro de 1860.
os seus dono* ou consignatarios deverp despa-
chal-os no praso de 30 das, sob pena de lindo
elle, serem vendidos por sua conta, sem i|ue Ihes
lique compelindo allegar contra os elTeitos desla
venda.
Armazem n. 1.
Marca BastosI lata seln numero, cora amos-
tras, vinda de New York, na barra americana Cas-
co, entrado no .armazem em I de d'Z,jmbro de
1868 : gnora-se o contedo e a (]uem consignada.
I lem M. fl. 4 Cds. 151/200, 1 embrplho, a
mostras. vindo de Liverpool na barca ingleza Sa-
pite, entrado em 16 de Janeiro de 1869 : iguora-se
o cQtedo e a consignadlo.
Idera H Nn. 1 dito, ideip, viudo Je Hamburgo,
Da escuna Dorte-allemo Cntharim, entrado em 4
de faverero de 1869 : ignorase o contedo e a
consignaco.
Idem K A Lsem numero, 1 dito, idem vindo
^e Aotuerpia no patacho allerao Atina, entrado
em 13 de marco de 1869 ; ignora-se o onieudo e
a consigna^o.
tem diamante N Fns. 56/60,1 dito, idem, viu-
do de Liverpo A na barca iogleza Ucante, entra-
do em 9 de abril de 1869 : ignora-se o contedo e
a consignaco.
Sera marcasom numero, 1 sacco coOi amos-
tras vindo de Liverpool na birca ingleza Tlauten
Ciiud, entrado em l.'i de abril de 1869; ignorase
euitodo e a consignaco.
.Marca diamante F i' n. 83, 1 caixa com cha
vinda de Liverpool no vapor inglez Gtadeator, en-
trado era 23 de abril de 1869 : ignora-se o conte-
do e a ernsignaco.
- dem G 4 F Tn. 5, 1 embrulho vindo de An-
tuerpia na barca ingleza Releiva, entrado em 24 de
abril de 1869 : igoora-se o contedo e a consig-
naco.
dem A Fos. 127/135. 1 caixa vinda de Liver-
pool 00 vapor inglez Ann Wltaton, entrado em 24
de abril de 1869 : ignora-se o contedo e a con-
signaco 1
dem G. A. Alvos 4 Filhosn. 218, 1 embrulho
vindo de Soulhampton no vapor inglez Douro. en-
trado em 27 de abril de 1869, cdnsignAdo a G. A.
Alves 4 Filhos : ignora-se o eonm
dem Vns. 40/49, 1 dito no vapor La Plata, entrado era 27 de juohe de
1869 : igoora-se o contedo e a consignaco.
dem diamante N Ens. 11/16, 1 dito vindo*fle
Glasgow na barca ingleza Mimosa, entrado em 7
de julho de 1869, consignada a Jolmsion Paler 4
C. : ignora se o contedo.
dem triangulo Jns. 1/30, 1 caixa vmda de Li-
verpool na barca inglezi Gazella, entrada em 24
de agosto de 1869 : ignora-se o oDteudo e a con-
signaco.
Idera H Msem numero, 1 volme vindo de
Hamburgo na barca n irte-allemn Agathe. entrado
era 28 de agosto de 1869 : igoora-se o contedo e
a consignaco.
dem triangulo H Lns. 228/230, 3 caixas viu-
das de Hamburgo na galera francezas Ameba, en-
trada em 9 de setembro de 1869, eoDsigoSdo a H.
Leger : igoora-se o cooleudn.
dem A. Drummoodn. 6 ou 653, 1 embrulho
com amostras vindo de Srathampton no vapor in-
glez Douro, entrado em 26 de outubro de* 1869 :
igoora-se o contedo e a consignaco.
dem H L A Fns. 1060/1063, i caixas"" vindas
do Havre na barca fraoeeza Solide, entradas pm 5
de noverabro de 1869 : ignora-se o contedo e a
consignac.o.
dem triangulo travesso Los. KM/103, 3 cai-
xas vindas do Havre na barca franceza Sol&, en-
trada em 10 de novembro de 1869 ignora-se o
contedo e a consignafao.
dem Ordemn. 75,1 embrulho vindo de Liver-
pool no vapor Saladim, entrado em iS de novem-
bro de 1869: ignera-se o contedo a a consigna-
cao.
dem S B D M E-n. 1713,1 caixa *jnda do Ha-
vre oa* harca franceza Satio Andr, entrada em 19
de novemnro de 1869, consignada a Sesenano Ber-
nardo de Melle: ignora-se o conten
dem quadrado H L11. 58, 1 dita vinda no mes-
S) navio do Havre, em 24 de novambro de 1869,
.ada a H. Leger: ignora-se o contedo.
oante E-as. 27/31 32/36, 2 embrn-
Inos viodos de Glasgow na barca iogleza Mar-
mao, entrados em 1 de dezembro de 1869, com
amostras as-lgnadas.a Jahaston Pater A C.
de dezembro de 1869
consignjei
dem Broti-k Forend-scm numero,!! embroluo
viodo de Liverpool no sobre dito vaper, entrado
em mesma data : ignora-*e o ennledo e a eoosit-
nacao.
dem XX S M-OJ. 4276/80 e 4196/395, 1 em-
nrulho viudo do Triaste na barca norte-allema
Bermml. entrado m 4 red-zamuro de 1869, cun-
tendo amostras do papel: a ordem.
dem VUC II L -* 31, 1 caixa vinda do Ha-
vre na barca franeeza-IJ^<-re, eoirada era 9 da
dezembro de 1869 : a ordem, Ignora-se o eon-
tedo.
dem R Z C-ns. 7777 7779, S embrulhos vindos
de Southampton no vapor inglez Rakaia, entrado
em 15 de dezembro de 1869, uniendo amostras,
conjignados a Monhard 4 C.
dem J. L. Ssylors-jm nnmero, 1 embrulho
vindo de Liverpool 00 vapor inglez Olitula, entra-
do em 21 de dezembro de 1869, contendo amos-
tra} : gnora-se o contedo e a consignaco,
Armazem n. 4.
Marca E A B 4 Gn. 41, 1 saeeo comeado pi-
menla vindo de Marselie na barca franceza Auavs-
Un, entrado em 21 de Janeiro de 1870, consignado
a E. A. Burle 4 C.
Armazem n. 8.
Sem marca2- fardos viudos de Liverpoot no
vapor inglez Saphiru. entrado em 31 de margo de
1869; e mais 1 volume sem marca e numero, con-
signados a S. M. Briunnica : igoora-se 1 con-
iedn.
Marca B B Jo. 1 e 2, 2 gigos viodo de Liver-
pool no origue raglez Relie of th Lleude, eotrados
em 29 de maio de 1809 : ignora-ne o contedb e
a coDsignai;:To.
dem Triangulo II 78 caixas viadas do
Havre na barca ingleta Adelle, entrada em 20 de
setembro de 1869; mais 11 caixas da mesma
marca, idem dem entradas em 21 de setembro 00
(869, mas 11 ditas, idem dem entradas era 24 de
setembio do dito anno, nonsignada a H Leger :
ignora-seo contedo, (esto em despacho).
dem M F 4 C100 barr* viodos de New-York
oa barca americana tferard, entrados em 10 de
fevereiro de 1870, censignados a A. F. da Costa 4
C ignora-se o contedo ; fnas 100 saceos da mes-
ma marca vindos de Londres na escona-allema
Marg Elisabetk, entrados em 7 de Janeiro de
1870, e 20 saceos da mesma procedencia, e me-
1110 navio, entrados era 8 de Janeiro do 1870, con-
signados a M. J. da Costa 4 C ; ignora-se o con-
tedo.
Armazem n. 9.
Marea A CN. 1 44 caixas vindo do Porto
na barca portugueza Despique I. entradas em II
de fevereiro de 1869, consignadas a Albino Jos1
da. Silva ; Tgnora-se. o contedo".
dem T R Xsem nnroeif, I caixa viuda do
Porto oa barca portugueza Trinmpho, entrada em
29 de maio de 1869, consignada a Jos Ferreira :
ignora-se o cometido.
Mem A C L 4 CX. 121 barrica vinda *
Liverpool no vapor inglez Olinda, entrada em '?
de outubro de 1869, consignada a Adriano Castro
4 G, contendo pri'gos; mais 2 barricas, da mesma
marca, ns. 13 e 14, da mesma procedencia e vapor,
entradas em 8 do dito mez e consignadas aos
mesmos.
Manoel Ftirtadosem numero, 1 caixa vinda
de S Miguel na escuna portogueza Dios, entrada
no armazem em 26 de .novembro de 1969, coneg-
oada a Manoel Furtado, coutendo 1 quadro de-
Senhor Santo Christo.
Pedro Jos da Costa Mellosem numero, 1 figo
vindo de S. Miguel na sobredia escuna, entrado
em 26 de novembro de 1869, consignado a Pedro
Jos de Mello, contendo peneiros,
Marca J P S -l bonica sem numere vinda no
supra ito navio, entrada em 27 do dito mez, con-
signada a Jos Pinto de Souza, contendo batatas.
.etretrosera numero, 1 ixa vinda de New-
York no patacho americano Isa, entrada em 15
de dezembro de 1869, consignada a Heor^ Forster
4 C : ignora-se o ci-ntede.
Marca CB sem numero,! dita vioda de Liver-
pool no vapor inglez Olinda, entrada em 22 de
dezembro de 18w, consignada a F. do A. Ponseea:
ignora se o r-niiiedo.
Idem J P Msem numero, 95 ditas vindas de
Hamburgo oa escnn.n allema Belly, entradas em
8 de feve.-eiro de 1870; mas 5 caixas, da mesma
marca, sem numero e da mesma procedencia
navio, entradas em 10 do mesmo mez : ignora-se
o contedo e quem consigoadas,
Sem marca sem numero, 1 dita vinda do
Porto no brigue portuguez Untan, entrada em V
domare- de 1870. consignad a Francisco Moreira
Pinto Barbosa, contendo um geriiu.
Marca Tsem numero, 2 ditas vindas do Porto
on sobredito hrgiue, entradas em 7 de m rijo de
1870, consignad is a Thomaz de Aqaino Fon'a
4 C : contendo cebollas.
Sem marca sem numero, 1 grade vinda oe
Liverpool na barca ingleza Imogene, entrada era 26
de mareo de 1870, consignada a Wdsons,
.Marca T M 4 Csem numero, 1 caixa viada
de Liverpool no navio inglez Saphirc, entrada em
30 de marco de 1870 : ignora-se o contedo e a
consignaco.
Armazem n. II.
Marca letreiro sem numero, 1 caixa vinda do
Rio ie Janeiro no vsoor inglez Sene, entrada em
15 de julho de 1868 : ignpra-se o contedo -
a consignaco. '
Sem marcasem aumero, 354 vassooras vindas
de Terra-nova no vapor inglez Rcsolalor, entradas
em 15 de jonho de I8C9 : ignora-se o contedo e
a consignaco.
Marca H 4 C d. I.'i2, 1 caixa vjoda de Liver-
pool no vapor inglez Extremadure, entrada em
13 de junho de 1869 : ignora-se o contedo e a
consignaco.
Mem L 4 C-n. 1,1 dita vmda de Bordeaux no
.nbredilo vapor, entrada era 14 de mareo de 186!*:
ignora-se o contedo e a consignaco.
Idem M F sem numero, l dita vinda da illa
de S. Miguel na escuna Oliveira, entrada no ar-
maz-m em 29 de abrir de 1869 : ignora-se e con-
tedo e a consignaco .
Mem Jos Pores da Cruzsem numero, 1 dita
vinda ma sobredita esenna, procedente -do raesmo
tl'orto, entrada na mesma data : ignora-se o con-
t do ea consignaco
dem letreirosem numero, I dita vinda de Sou-
lhampton no vapor inglez Oneitla. entrada em 21
de marco de 1869 : igoora-se o esntedo e a ecn-
sipnaco.
Mein Johnston Patern. 543, 1 'dita vmda de
Soulhampton 00 vapor inglez Im Piala, entrada
era 27 de setembro de 1869, consignad* a Johns-
ton Pater 4 C : ignora-se o contedo.
Mera C C n. 24. 14 caixas vindas deBordeao.v
no vapor francez Extremadure, entradas' em 12
de dezembro de 1869, consignadas a Geolrao
6M : ignorase o contendo. |
Mera ancoraX. 1|4, 4 ditas vindas de Ber-
deaux no sobredito vapor, entradas em 12 de. t-
zembo de 1869, consignadas a Golino Giol : igno-
ra-se o contedo,
Mein A A n 14. 1 dita vinda de Soulhampton
no vapor inglez La Plata, entrada era 28 de -de-
zembro de 1869, ordem : ignorase o contendo.
Alfandega de Pernambuco 20 de julho de 1870.
O inspector interino,
Luiz de Carvalho Paes de Andrae.
DcXLARACOES.
Jiiizo dos leitos da fazenda
De ordem do Illm. Sr. Dr. juiz dos feitos da fa-
zenda desta provincia, faco saber todos os arre-
matantes dos bens do axtinclo vinculo de Uarabe.
e bem assim seus ladores, que dentro do prasn
de 15 das, a contar da data deste, e sob as penas
da lei, devero comparecer por si ou por aeus pro-
curadores na thesuuraria de fazenda ; aqoeMee
que arremataram vista para recolherem aos co-
fres da mesma luesouraria em dinheiro de coatan
o respectivo preco, e aquelles que arremataran a.
praso, e seus fiadores para assigoaxem as letra*,,
que se obrigaro aceitar e garantir.
Recife 46 de jul lio da 1870.
0 escrivao,
Luiz Francisco Brrelo de Alipeida.
ffb ordem do Illm. Sr. cunseltieiro impeetor
da thesooraria de fazenda desta provincia ae (ar
public-j que tica transferida paro dia 10 de anea-
ti prximo vindouro a arrematacao dos coneerto
de qne precisa o proprio nacional que serve o*
Lazareto na Ilha do Pina, oreados em 2 834*700.
Secretaria da thesaunaria de hienda d Per-
nambuco 28 de julho de 1870.
Servindo da offieial-raaior,
_________ Manoel Jos Pinto.
Corpo proTOons de
polica.
De ordem do Illm. Sr. tenenie-coronei ena-na-

r
~\
M- 1 Hardiug 4 Machayn. 39, 1 oito viodo de dante se faz pablico que, toado de s K .
Liverpool no vapor inglez Saphirt, entrado em 3] dia de agosto vindouro o effectivo cor|o le a-


Ti
Diario de nenian: huco Terca feiriv 2 le

1
agosta de 1870.
.r
iieial n. 91! 4a Sideju-
ma-uitiru ^ cWit
daoi que preteudarem angajar-se nj dito corpa
todas M vanUfens concedidas na inferida le,
para qtle comparecam na secretaria do commaado
'i* sobrada corpo iaqoelle dia em diaote, moni-
ion leas dooomeotos qae eomnrove sua
Qaartel da eommudo do corpo provisorio da po-
lica em 29 le juiho da 1870.
O secretario,
Jos Gandi da Lima.
Corpo
provisorio e
polica.
De orderado Illa. Sr. lente-coronel eomman-
do contrata d oonferraidade com o regulameiito
vig&ala o foroeetmiato de 600 faldamentos de
panno azul (bonet, sobreeasaco e calca), 600 ditos
res de sapat5es, tado tiara uso do corpo de polica
effaetiao qae se est orfamsando. No dia 4 de
agosto vind.uro, pelas al horas do dia, recebem-
>>e propattas para o indicado flra, e nessa occasiio
serio abenas em pre*eo$a dos proponeates.
Secretaria do commando do corpo provisorio da
O secretario,
_________________Jos Gemido de Lima.
Conseibo de compras navaes
0 cjnselha no da 5 do crrante mei vi proposja* recebida* at as II horas da manhaa a
snh as condioSes do esiylo, prornove a compra dos
objeelos do material da armada seguintes :
1 mastro de 67 a 70 p.< de comprmanlo a 3
ps de dimetro para o bngue barca llamarac,
.10 baldeiadeiras de ulh, 30 arrobas de estopa
para macliin i, 800folhas de zmeo, 60 barras de
ferro ingle proprio para grelba, 6 Mus inglezes
de" 8 ps de compr, ment e 6 de hrgo, 30 cader-
nos de papel raata-borro, 400 libras de pregadu-
ra de lineo, 2 ooulos de alcance, 80 covados de
oleada para as-oajao, 2,000 axnlejos. 2,000 ljalos
e (ofr, 400 colnen de f*rro, 6 peis de cabo de
linho He 3 pnlegadas, 8 pecas de a.-ufeem, 8 arre-
has de secante. iOOalquerrts de cal preu, 200 al-
queires do cal branca, 10 duzis de taboas de pi-
nto da 3 polegadas, tO duzias de taboas de pinito
de 1 l|2 polegada, 10 duzias de tabeas de pinho
de 1 polegada, 10 duzias de taboas de pao carga
da 3 polegada, 10 duzias de taboas le pao carga
>' '2 i) timadas 10 duzias de taboas d* pao carga
de :t|i (n polegada, 30 travs ie quatidade de 40
patatas de comorimeato e 8 polegada* em quadro,
irimrinlo e 6 polegadas em qnadro, a 16 paos
de ginipi&i de 13 palmos de conipri ment.
Sala das jessoe* do conselho de compras navae?
1 Je agosto de 1870.
O secretario,
Mexandre Rodrigues dos Anjos.
Para o indicado porto recebe alguma cargas
frete a barca aacional Santa Mana : tratando-se
com os saos atjiiiajpMurios Amorim Irmaos Mt. i
roa da Cruz a, i. ____________
RIO DE JAflEIR')
Para o referido porto st pro oto reeebei
carga (reta o brigoe brasileiro Otkelo : i tratar
com seos consigna arios Amorim Irmaos & C,
roa da Cruz n. 3.
Rio de Janeiro
Pretende seguir para e referido porto com
possivel brevidade o patacho Monteiro per ter por
cao. da carga engajada ; e para a que Ihe falla e
e qun Jos Goncalves Beltrao a ra do Commenck
n. 17.
ello, urna i
laura, u
ue amaTeti oos, tre& iMaf>j<
diversas cadeir para sala de jaotar; orna
banca da Jacaranda, con?oos, mesas retundas.
quatro faeiro* para tojas de miudezas conos, ca
bees, louca para almono, eandiairosaa gaz, um
globo, garrafas de vidros a om cabrwte* inglez
com cavallo e arrelos, ao correr do martalto.
Votbgnplm tiipmat
i*ixiri:st.i
i)E
PA.
Para o referido porta, pretende segoir con a
possivel brevidade a barca portugueza S. Juo,
poT ter j porcao da carga, ,e para a qae Ibe falta
a (Yete commodo, trata-se com o consignataric
Joaqaim Jos Goncalves Beltrao : a roa do Com-
mercio n. 17.
BAHA
O brigne inglez Br*k seguir para a Baha no
correr da presente semana ; recebe carga a frates
coamodos: tratar com Tasso Irmaos A C, rna
do Amorim n. 37.
AVISOS DIVEHM8,
f lVSTTLTO ARGffiOLOG ICd E 6B06MPHIH'
PRrWl.
Haver sesslo ordinaria qointa-feira 4 do
corrate pelas 14 horas da maahSa.
ORDKM DO DIA
Pareceres e mais trabalhos de com-
missoesf
Secretaria dd Instituto, 1 de agosto de
1870.
Jos Soares d'Azevedo,
Secretario perpetuo
i rec?88-se
de um pequeo que tenna alguma pratiea de mo
I ha di*: nara mfnrmacoes ra da Cruz n. 16.
LEtLOES.
Correio gera.
Relajar das cartas registrada?, procedentes
do shI t norte do imperio, existentes n*\
repartirn do correio em 23 de jnlho
da 1870.
Antonia Miria de Jezus Naseimento, Antonio
Sacudas da Stlveira. Bernardo da Cosfa Valente,
i^sar Pereira da Silva, Firmino Peroira cha,
Franciseo Bglerias Lopes, Francisco Pereira de
Asjs, Jozino Fi-rnandes da Cruz, Joaquina Josidos
P isa >s Arau o, Jusquim Jos Olind i lavares, Jos
'ii U go Barro-. Jos Wqiiini Pereira de Oliveira,
Migu.-l Je- da Cesla, Satyro Raimundo dos San-
' i, Thamazia Maxi miaa Burralho.
O encarregado do registro,
Maiui I dos Passo Miranda
AVISOS MARTIMOS.
Risco martimo.
Wiiliam TaigR capiao do Ijgro i ipci Sakl-
Itle, tendo de conlinmr sua viagam Hampton
Bjas para ariem, precisa tomar risco marili-
mo a imDorlnnna de (5:000$, ponco inais 'i me-
nos, sobre o casco, cpparellios, victualias, carre-
jtamenti de laa, salitre e e frete >'..) dito navio,
para pagamento da '.-pea-; racorridas por cau-
sa de ter arribado este |rlQ.
As propostas devem-se entregar em ca*ia fe-
chada no consulado britannico al meio dia, no
0a 4 do cnirente.
PARA OR10 GHANDI': DO SUL.
Yae aegoir para o referido porte a bares na-
r-.onal Lama, aojo navio- pJo receber alguma
carga a frele : para miar com Jos Victorino de
Bateado & <".., esenptorio roa da Cadeia o. 52.
PAIU O BIO GRANDE DO SUL.
Segu eom tomoa dias para o rci'erido porto,
<" patacho nacional Palma, falLaado pouca carea
para eompCb) d.> s-u carregainento. Quem uelle
qaizef csrregar freie, dirija-se a Jos Victorino
* Razende & C,. escriptorio ra da Cadeia nu-
mero i)
CO:IPANUIA PEHNAMBCANA
DI
"'.':tvega?o cn-stelra por Tapor.
TRANSFERENCIA.
A viagom do vapor naotonai Mandaktt para os
u rtsa do sul at Penedo, que devia realisar-se
hoje a tarde, Oca traosferda por ordem do gover-
no para o dia 2 de agosto prximo as 5 horas da
tarde.
Receber ainla carga at o da 1", encommen-
s e dmheiro a frete at as 2 horas
da tarde do dia d sabida.
Movis, iouea e crystaev
A SABER
\o prineiro andar
Um piano, urna rnobia da Jacaranda, dous e-t
peibos, duas estante?, duas cadeiras de balanco
quatro candieiros a gaz (fino), quatro ricos jar-
ros para flores, qaatro frascos para cheros, qua-
tro Hgnras. enfeiies de mesa, escarradeiras, tape-
tes, panos d'i croch, duas serpentinas, seis vaso?
e quatro cascaes.
Urna outra mobilia, um thereoscopo, urna pis-
tola, dous albuns, urna expelante secretaria, orna
estante, differenles livro3, dous candieiros e doo
[apeles.
Urna cama franceza, cpula e cortinado, ora
toulet, um tapete, um guarda vestiao, um guarda
roupa, um lavatorio e pertences, um porta toalhas
e eutros objectos.
X9 segundo andar
Urna mesa elstica, nm excedente guarda louca,
um aparador, um sof, duas cadeiras de bracos e
doze de guarnir-), um relogio de parede, duas e.
tantes, dous candieiros a gaz, um oculo de alean
ce, dous meios apparelhos de porcelana para jan-
tar, dous ditos para cha, copos, cauces, garrafas,
compoteiras, porta queijo, galheteiro e bandejas
Um guarda louca pequeo, um aparador de can-
to, urna m queza, doze cadeiras. um relogio, um lavatorio,
un guarda-comida, flrandres, badas, trem de co-
zinhae muitos objeelos existentes noSOBRADO
DA BA DREITA N. 3i.
Do porto em trente ao sobrado do abaixo as-
signada, junto fabrica do gaz, furiaram urna
canoa de carreira, que anda conserva resto de
tima encarnada cou que foi pinuda: grawea-se
qu#m dr noticia on a levar ao mesmo abaixo
assignado.
Luiz ilqnatl Rodrigues Valenfa.
Manuel Antonio de Albuquerque, morador
na eidade de Goyanna, julga nada dever em parte
alguma, e se afguemse julgar seu cjedor dirija-se
eidade do Recife em casa djs Srs. Souz Mouti
nho & C, ou uesta eidade cm casa de soa morada,
dentro do praso de 30 dtas. O mesmo aprovoita
a oocasiao para scieutificar ao respeitarel publico
que por h*tf outro deigual nome'assignar-se ha
d'oraem diante por Manoel Antonio Cesar de Al-
buquerque:
AMA
Precisa-se alugar urna escrava ou livre, qae-seja
boa cozinheira, p:iga-se bem : a tratar na ra da
Seazala-velna n. 90, paJari.i.
Ama
Na roa de Apollo n. 2!, 2*-andar, prociea-se de
una ama para andar com meninos e que seja de
oa conducta.
Aluga-se
urna casa tom pequeo sitio deiarangeiras, bana-
neiras, ate., al o flm de ontubro do corrente au-
no, d so barato : a traur no becco do Quiado do
Monteiro. nortrimeiro sino direiti logo ao entrar.
HOJE
Jos Jeronymo da Silva, tendo se retirado para
a.Enropa com saa familia, f.ir leilo por nter-
vencao do agente Pinto, dos movis, louca e mais
objeelos aeima descriptos, existentes no primeiro e
segundo andar dn ibrado da ra Direita n. 3i.
onde se effectuar o leilo no dia cima designad o.
Principiar as dez horas em ponto por serem
muitos os lotes.
EIL40
375
milho ava-
\J
DE
saceos com
riado
HOJ&
O agen'e Pestaa farieilau por conta e risco
de quem pertenjer, de 37o saceos cora milho,
marca Pernarabuco, 256 marca G. 106 marca F S
13 avanados vindos do Maranho no vapor Cru-
peirodo Sul, entrado neslo port em 8 do prximo
zassado mez, e serio vendidas em um on mai?
otes vontade, terca- feira 2 de agosto as 11 ho-
ras da manhaa, no' trapiche do bario do Livra-
ment, forr do Mattos
Associacao Commerdial Berte-
fcente
Nao tendo se reunido hornero numero sufflcieo-
te de socios para que a associaco ficasse consti-
tuida em assambla ganar, pelo presente sao os
meamos uovauente convidados se reanirem no
salo do respectivo edificio, no dia 4 do corrente,
ao meio dia. De conformidad* com o art. 20 dos
estatutos a a-scmbla geral se jnleir coostiiuida
com o nomaro dos presentes meia hora antes da
que se acha designada.
Associaco Cemmer ial Benesente 2 de agosto
da 1870.
Daniel liamos,
Seeretario.
MtrinhfaO
Sega? com brevidade para o porto cima o pa-
Ibabou; nacional Joven Arthur, ainda pode receber
alguma carga e trata-se com os consignatario
mi Luiz de Oliveira Azovedo A C, ra z
>]r\iT. n. 57. andar.
Maranho
E" esperada do Rio de Janeiro em poneos dias j
barca p irtugueza Mara, que trai ja alguma car-
ira o referido porto ; e descarregando a que
para esta eonduzir, receber aqai a que for pos-
, obter para o Maranbao, o com pouca demo-
ri : por isso quem desejar aproveitar esla boa
i -;i3io de eaitiarqui?, diri|a-M ao consignatario
| :im loaa Goncalves Beltrc, ra do Com-
io ti. 17.
Par o referido porto pretende seguir com bre-
vid*. >:lio nacional Protector, por ter a
raaior parte da carga prompta ; e para o resto, a
'rete modie<\ trata-se com o eon^cmtario Joa-
qaim Jos Goncalves Reltro, ra do Commereic
ti. 17.

LEILAO
DE
um candelabro e duas serpentinas de metal prin-
cipe, louca, crystaes, vinho Bordeaux, do Porto e
cerraja
Urna machina de costura e um piano
HOJE
Na na Direita ti. 34. aonde residi o Sr. Jos
Jeronvmo da Silva.
LEILAO
DE
duzias de cadeiras novas
u nar ta-feira 3 do con ente.
O agente Pesiana far leilo par conta e risco de
quem pertencer,_ de algumas duzias de cadeiras
novas, de armaco, de balanco e de meninas, as
quaes sero vendidas pelo maior preco. sem re-
serva, quarta-feira 3 de agosto, s 11 Iwra9 da
do Corpo Santo n..l9, Caf
manhaa, no
Commerrial
largo
DE
movis, louca e crystal, no armaem da
ra do Imperador n. 16, qointa-feira 4
do corrente, ;is i" i horas em ponto.
Augusto SiXH far lio por iniervenr-ao do
agento Poniual, de muitos objectos de marceneria.
como bem, ama mobilia de Jacaranda a Luiz XV
com muito pouco uso o de inuito gosto, um piano
Um amigo do finado eonseliieiro Franeisco Jos
Furtado manda resar urna missa pelo eterno re-
pouso de sua alma no di.i 4 do corrente, (quinta-
feira) pelas 8 horas da manlia, no convento de S.
Francisco. Os amigos e admiradores das qualida-
des do Ilustre finado que Ihe quizerem prestar ste
acto de caridade, tero a bondado de comparecer
ao lugar e liora indicados.
D. Carolina Leopoldina Jorge Bastos ropa a seus
parentes o aes amigos de sen finado irmao Anto-
nio Jorge, o caridoso obsequio de assistirem as
missas do stimo dia, que- por intenoao de pa
alma mauda resar no convento Je S. ; PraneiFUU
am.-inha ') do corrente. as 7 li-nv:- O abaixo assiguado pede 30 Sr. Cietano At"
ves Pinto Leite, viudo da Baha no vapor Im Pa:
ta, o obsequio de annanciar por este Diario o lia
gar de sua residencia, para que o mesmo abaixo
assignado o possa procurar para receber a caru,
que o mesmo Sr. Ihe trniixe:
Antonio E. da Srveira.
J Femara Vxllda
Desde o dia 7 da-abril aassado acba-se aberto
novo^tajasteeinaanjo pootagranhiao sito ra do
,aouRa o-t8,eaqoina7dopae(>'la matriz. Oslraba^.
mos quedtde entao, tem sabido d nossa oficina
em geralmcnte agradada seodo raeebidos por
ati'uns coa admirado palo extraardinari > pro-
gresso iwe ltimamente tem lito a phot, grapbia,
e por outro. con alegria, por veram a proviaS
, a, ct? um ^Wecioiaoto d^no d ella, e In-
eootesuvehnenie o prineiro que nesse genero-
hoje possue : tambera nao nos poopamos em cousa"
alguma para motia-lo no pm que se acha, e
[Terando qae ,0 pnW de Pernambueo safcer
apreciaT nossas eafrees a recompensar noesos aa-
cr iticiiis.
Convidamos a toda aquellas nessoat, nacwnae
?mslrangeiras que goatam das artes, oa tiwm
neeessidade de tratMhts de photognitta ayisi-
tareai o nosso estabtleoimento, que estr'seoipre
abano e a sua dUposifao todos os das desde as 7
oras da manhaa at as 6 da t-rde.
Para es trabalhos de photographia possuimos di-
versas maromas dos melh mglezes>e ahnemSes, como sejara : Lerebours et
^'T"^!! HSrn*P*. Thomaz ltoss. Volgtl.inder et
Sonh e Wulf. ltimamente rocebeinos tres novas
machinasi sendo ama aellas propria para torav
sobre o mesmo vidro 4 ou 8 imagens diversas e
soladas, e ontra de 6 a 12 imagens diversa e
igualmente soladas, de snrte qae no caso de
grande concurrencia podaremos retratar sobre
urna nica chapa at 8 pessoas diversas e sola-
das para carto^s de visita, e assioi em menas de
um qoarln do hora despachar/nos 8 differenies
pessoas que pecan cada nina, urna dnzia de cartoes
mais ou menos, com os seas retraios smente, ou
em grupo com outras.
Encarregamos-nos exclusivamente da direccac
B feitura dos trabalhos de [>hotngr:phia dai-
xando a pericia e talentos do distmeto pintor
; Jorge A. Roth
os trabalhos de pintura, a aquarela, a oleo, e a
pastel.
O Sr. Roth 1 cha-se ligado a nossa empresa por
urna aaeriplura priilira, e al o presente" tem se
lesyellailo na eieeuc) de seus irabalhos
.No nosso eslabeecimento acharase exposlos ou-
iros_trabalhos importantes do Sr. Roth, tanto em
miniaturas aquarolla como oleo, retratos
>leo, quadros sacros e diversos outros trabalhos.
Tomamos encommendas de reirait oleo al e
laranho naturil, assim como de quadros sacros
para arnamentacao de igrejas ou capailas. Tam-
bem aceitamos encommeDila> de quadros histri-
cos.
Asseguramos que oa procos dos diversos ira-
lialhos ua nosna casa sao mu raaoaveis.
C\RT5KS DE VISITA NAO C0I.0H1D08 k IOiJOO A
DUZIA
GARTKS BR VISITA COM 0 COMIHDO AO NATO-
IIAL 4Bf!K)00-A DUZIA
Retrates em miniatura oleo 00 aqoafella de
l 20000 -cada no, inao convenientemente eo-
i-iixilhado em moldura dourada e regulando o
busto da pessoa retratada rie 3 4 pollegadas e
todo o quadro palmo e meio de famanbo
Julgamos que bastarlo os recs. cima para
d.- rmos idea da baratesa dos trabalhos do nosso
(slablecimento, quanto sua perfeico cada um
venha julgar por seus proprio< olhos.
As melhores horas para se tiraren retratos no
nosso estabelecinier.tri sin da .s horas da manhaa
I da larie; entretanto de nma hora s 6 da tafde
em casokespeciaes p-Je-se tambem retratar qual-
qoor pessoa.
Nos dias de clin a, cu por lempo sombro po-
ilemofl retratar, e a>seguramos que esses dias sao
os mais favoraveis aos trabalhos te photographia
p-la dorara e persistencia da luz. e p r termos o
nosso terrero construido rom taes proaorcoes e
mellioramentos, que anda chovendo gorros ne-
uhum inconveniente ha para fazer-se bellos re-
trajes. m
J. F. rreira Villela:
Precisase de ama ama que ssiba cozinhar
bem para casa de familia : a tintar n ra do
Duque de Caitas o. 50.

O Dr. Carotina Francisco de Lima San a
j 1^ mudou sua residencia e coii-ultorio S
pava a ra do Imperador.0. 37, 2o andar 23
do sobrado cajo araniem conserva ain- 9l
[ da boje o Doma de Alianca, lenio a a^
entrada, qae pelo lado da piante Sete S
Me Setembrn, o '.;esn)o numero ;7. da 9
[ frente. Alii eootinnaiido dito Dr. ao jM,
f exercicio de sua prollssio ue medico e ^
do operador, pd" ser pau-'irado a qvial- g
i quer hora do da e da noule.
fiABELLEIREIRO FRANCEZ
51Ena da Cadeia do Becife-^>1
Chama a atteoco dos seos inaumeros regoezes, e do respelarel pnbiico etv
jtria, para a segainie Ubella dos pre?os de soa casa, os qaaes sio vinte por aa
aatilMrato do que em outra qnalquer parte:
uabtileiras para senhoras a 5,
3e, 35(J e......405000
vOrtts para homem a 35^, 400 e 505000
toques a W, W, M, 205,
255, 305 e.....505000
rescentes a 125,155,185,205,
255, 305 e.....325000
Gachos ou crespo a 35, 45, 55,
65, 75, 85, 90 e. .
franca de cabello para anoel
500 e.......
Tranca para braceletes a 105,
155. 205, 25 e.....
Caeias para relogio a 55, 65,
75,85, 125 e. JlaJOOtV
Crte de cabello,..... 5X
Corte de cabello com fricco. 50 -
Corte de cabello com lavageia a -
chanpoQ...... 1|00*-
15000
105000 ^^ (*e' ct*fl"oeon> limpez da
cabeca pela madrina elctri-
ca, nica era Pernambueo. ||00
Frisado ingleza ou franceta. 50fc
- 30,5000 Barba. ,...... 35*
SSIfiMTRftS MENSAES
Especialidad e de pe titeados para casamento ,
4 Bailes e e>i*res *
O dono1 do estabelecimento previne s Recommenda-so superior TINTURA M-
Etmas. Sras. e aos cavalhejros que ha um PONEZA para enegrecer os cabeln)g e lta>
laJSo" para tintura dos cabellos e barba, as- Da' anica ^dtnittida na Eiposicao Umvers
, como n5o prejudicial sade, oor ser v*.
mcomoum empregadosrntoteoccupa-iatii, analysada e approvada pbt acad
lo nesse servico.
mias de scien- iss de PVRIS E
iRES
n
ue;;.
Ama deleite
OCIerece-se urna pe.ssoa com bom leite
beira da Boa-visa no qriartn n. i7.
na ri-
PeMeu se una pulceira de oaro de lei, da
ponte de Sania Isabel em seguimento ra ta
Aurora, ponte da Boa vista, ruado Sal, Palma at
o becco do Gamella; quem achon, lendo consciey
ca, e querendo entrega-la, dnrija-se a ra de
Hortas n 138, Io andar, qu" ser recompensaao
com 30000
LEA1
MAR1JIIH0S
OjVTRAFO$O.
\ Conipanhia Indemnisadora, estaboiect;
esta praga, toma sepiros maritimos sobrf
lavios e seus carregamntos e centra foge |
m edificios, mercadorias e mobilias: :
ra do Vigarion. 4, pavimento ter eo.
O abaix- assignado. morador no 3o andar do so-
brado n. 36 da ra das Otates, anearrega se de
recebimentos de sidos, nooorarioa) cohrancasde
dividas e de qnaesquer ouiros negocios .e pessoas
tanto da eidade como de fra, offerecendn em tnd >
a aquelle qne se dignarem oe o procurar, vanta-
gens e garantas reaes.
Pedro Jo; da Silva Ramos.
Precisa-so de urna amj que saiba cozmliar
bem para casa de familia : a tratar na ra do
lirum na. 100, 102 e li, e bem assim. urna ontra
para coser ronpa dn rio.
Pede-se pessoa qne achn no da da tarta
de Saat'Anna, em S. Francisco, urna pulceira de
cabello encastoada em ouro, o favor de entregar
ra do Imperador n. 18, que ser generosamente
recompensado.
\m

ADVOGA&A.
O DR. JOAQUIM CQR8EA DK ARAJO
teii o seu esrri)rtoro ra do Imperador
u. 67, onde pdeser procurado das 9 ho-
ras da manhaa s 3 da hule.
cmr.
r, 5 o o w
sr. o a,
_- ~ i? e. ~ S g -n !
3 y
v J -Q..3*
C -D t -, ^ _
3 *t f .
s a
Of n n o zr
S" 9
-, 9
3 3 S ai '

2
"=. c
a 3-
O
'i
3. o
" a
= -
c 2 2"
- a e o s
ETc'3
a w -->
Ef
o -^ B
(SOS
N
C2 o &- ^
%~ S Z ^5-co
P
-
o a
'TI
a O cji
03 V O OOO
es
J2 C C 15.
ji o
a
e
1 ^Manajoum^a.-

ti

34 RA ta
^

Nova padria
americana, a ra do; Pins o. 50 ,- d'nrn em diante
continuar a farer pao e bolachh d farinha espe-
cial de 1' sorte para melhor agradar'a seos fre-
guazos.
Pele se ao ?>r. jircruriaur que recebea do
Sr, escriva.i Manoel Marta'algunas provises de
sens collegas para Ihe as entregar, que se digne
da faze-locom a mesma effecjosiaade com qne as
recebcu.
Sol eostnmimo* proennr itleatidos pira acreditar
ios.-os preparados, e deiamoa que ana applicaco e os
-litados otlidos pelas peuoasqae se dignaran) acceiu-
aa. Ibes deona credita t oga; porqa* sio sempre os
uestados coosiderados gratoitos, a dalles qae tanca
ao o charlatanismo; mas ni querendo offender as pes-
cas qne espontneamente nossffereceram.os que abaixo
'to transcriptos, os talemos publicar manifestando-Ibes
loisa gratido pela aUeac^o, tsparando qne Teoham
Hit corroborar o conceito, a aceeitacto que um mere-
nie nosso xaropa. Borihotomto A C
amsTae*.
nlmi. Srs. Bartholomeo t C. com a mais snbidt
latisfajo qae declaro ser o iarope americano de una
fncieia eatraordinaria, pois qne soBVendo ha diaa de
1 5* t0,se- P01110 de n4 P011" dormir a noite a
-espolio mesmo de medicamentos qne tomava. a elle
;te"le.M lerceira colher fui alliviado. e de todo me.
icbo hoje rcsiabelecido com o nso somente de qussi
usio Irasco: grato pois esse resoltado manifest a
'. &. meo rcconhVciraento. He Vv. Ss. jimiRO. te
arador e obrigadc. Manoel Antonio Vieras Jnior.
a casa -.0 iic abril de 1868.
BIom. si. BarthoUiB|f> aVT.. Pcnlwt.-.dijsitnocom
or aim mi- flVvram e ornnmlharr. nso do jaron*
Vegetal Americano, de sna componicio.
sebera bastante doente de nma constipc4o, qw
tomn completamente ronco e qne trouie au fattt.
tosse, e me hapossibilitoa decampriros measaM
de cantor Ha emprea lyrica, ron agradecer-Ib*
completo restabelecimento, que obtiT com nnt a I
do mesmo xarope, depois de hater recorrido
tratamentos. Desejarei que oatros como aa ra__
ao seu xarope para aa verem ariados da Uo larriva*
incommodo, Uo fatal neste paix. Com maior "aiTlaa
rafo contino a ser de V. Sa. atiento, Tcniaaaai a,
obrigado. Laix Cremona. Recife 25 de illiiilaB
lllms Srs Bartholomea *C O xarope Vgtal *-
ricano qae Vr. Ss. tm exposto t veida de lata aflaV
cacia para o curativo d'asihraa, eanforme obaanai aa-
plicando-o a mea Hlbo Josqnim. menor da caataa
atinos; victima d'esse flagello, qae at esto per esaaaat
excedente a dne.s annos baria resistido 11 irntrnniamaaa
de grande oomeada. Qoeinun pois Vv. Sa. aaeaitar a.
expreasia altameate sincera de meo reeonhcBkaaa>a*
ircrilorin servico qne Ibe prestaran coca o iadaaitai
jarope, arreditandoiue |>ara sempre de Va. Sa. cstaaW
atiento n obrigado. Americo Nato da ataadoajati
Fecjf 2 outuhrn <, PILUUS
DE PEPSINA DE
' 2 R'JE eASTIGLIONE
PAR I Q
P. HAUREB et C", m Ptrnambuco; JOS BELLO, fia. Porto Al
SILVA LOPES, m Bakiai FERREIRA ct C'*, em Marankao.
M^afJ9L DI] atOSLS
j Este importante estabelecimento no sen genero, tem sempre nm sortmento sem ignal
\nA a\ a e vea^e P^ prepos qne nenhnma ontra casa pode vender.
jjaa rna larga ao^ ^ vistft da quaJiaade 0 do prepo das joias cada nm poder-se-ha
esquina
BosariOa
Garants-se ser tndo de lei,
vados.
convencer da uerade.
Compra-se onro, prata e pedras finas por pre S} lojsestt aborta at s 9 hows^da nonte.
MM


Diario de Pernambueo Tera feira 2 de Agosto de 1870


;v

E
PERFUME INEXT1NGIYEL.'
Para o LenCo, Toccadob, e Banho.
\GJJA
A MU AFAMADA
DE FLORIDA,
DE
IL'RRAV k. I,'.VA.\.
He o raais delicado e mimoso e ao mes-
mo tempe o mais estavel de todos os per-
fumes, e encerra em si, no seu maior auge
de excellencia, o proprio aroma das verda-
deiras flores, quando ainda na sua flores-
cencia e fragancia natural. Como um meic
seguro e rpido allivio contra as dores de
cabeea, nervosidade; debilidade, desmaios,
flatos, assim como contra todas as formas
ordinarias de accidentes hystericos; de
summa efficacia e nao tem outro queo
iguale. Igualmente, qqando destemperada
com agua, torna-se um dentifricio o mais
agradavel e excellente, dando aos dentes,
aquella ahora e aperolada apparencia tao
altamente apreciada e desejada pelas Se-
nhoras.
Como um remedio contra o mau balito
da boca, depois de diluida em agua,
summamcnte excedente, faz remover neu-
tralizar todas as materias impuras que se
criam i roda dos dentes e das gengivas.
tornando-as duras, sadias e d'uma linda cor
encarnada. Quanto a delicadeza, riqueza
e permanencia do seu fragrant aroma, ella
por certo nao tem igual: e a sua supe-
rioridade sem rival. Ella igualmente tor-
na-se um meiomui excellente, para fa?er
remover de sobre a pelle do rosto, toda a
qualidade de brotoejas, ebulicoes, sardas:
pannos, manchas, impigens e espinhas.
Quando se queira servir della como reme-
dio para fazer desaparecer qualquer um
destes disliguramentos, e que tanto desfei-
am alindas feicoes do bello sexo; devera-
se usal-a n'um estado de dilluico, destem-
perando-a n'uma pouca d'agua ; porm nc
ratamento de qualquer espinha, usar-se-ha
della pura em toda a sua forca. Final-
mente como um admiravel meio de com-
raunicar as feicoes trigueiras e paludas.
urna pello macla e d'uma transparente al-
vura, dando-lhe urna linda cor de rosa :
para um tal lim, ella leva a palma a todos
os perfumes que se teem inventado at ho-
je, e existe em plena soberana sem rival.
Bem entendido ludo isto se refere nica-
mente a Agua b Florida de Murray
Laman.
As imilaces que se tem feito na Franca,
Aliemanha, assim como em outras partes ;
sao inteiramente inuteis e invallosas ; por-
tante recommenda-se mui especialmente
s senhoras, une (fcriham toda a precauco
e cuidado, de quando comprarcm, cstejam
certas que compram.
A Gemina
AGUA DE FLORIDA
DE
MURRAY A LANMAN,
A qual preparada smente pelos unicO
Pifiprielarios.
LANMANN & KEMP, DE OVA YORK.
Acha-se a venda nos estabelecimentos de
A. Caors, J. da C. Bravo, & C. P. Man-
rer & C. A. A.Barboza Bartholomeu. & C
PHARM1CIA CENTRAL
Ra do Imperador n. 38
Xarope de lactucario d'Aubergier, e de
thery decio d'Abbadie recommendados,
como calmantes para os casos, em que se
n3o pode osar do opio e de seos prepara
dos, e mui conveniente para as enancas
nos espasmos e convulsSes.
PHARMAG1ACENTBAL RA DO IMPERA-
DOR N. 38.
Preparados d'alcatro em capsulas, licor,
e xarope ferruginoso.
Este antigo estabelecimento, acha-se hoje montado n'uma
escala de poder servir vantajosamente os sens freguezes, atien-
to o grande sortimento de joias d'ouro, prata e brilhantes, que
sempre tem e recebem mensalmente das principaes fabricas da
Europa- cujos prepos sao em competiveis e as obras garantidas
de lei.
OREIRA DUARTE C.______ _________
roa
pri-
"pharmacia central ra do impera-
dor N. 38.
Pillas de Vallet.
Pillas de Blancard.
Pillas de Bland.
Xarope furruginoso de Blancard.
Confeites de lactato de ferro.
Pilulas de carbonato de ferro, laclado de
ferro, iodureto de ferro com magnezia.
Ferro de Quevenne.
Assucar ferruginoso.
Na travessa da
das Crazes n, i,
meird andar, da-se di-
nhelro sobre penhores
de ouro, prata e brillan-
tes, seja qoal for a (pan-
lia. Na mesura easa com-
pram-se os mesmos me-
laes e pedras.
';^u.ve -
--'-' -
Marianno Xavier Carneiro da Caoba.
Missa retad* no dia selimo do fallecimento do
tenenle cen nel Marianno Xavier Carneiru da Cu-
nha, Da fgreja matriz do SS. Sacramento Ha Boa-
vista, as 8 liaras em p ralo do dia quarla-feira 3
do rorrete.
Alaga-se o soto do sobrado da ra Jo Hor
las n. 48 : fata-se no Io andar.
Xarope de salsaparrilha do Para'
O
Depurativo do sangue.
Usado as molestias da pelle, rapn?ens o para
Odas as molestias venreas.
nico deposito, pharmacia de Joaquina de Al-
meida Pinto, ra larga do Rosario n. 10, junto ao
quartel de polii'ia.

ESCOLA
DE
s
In4rucqo primaria. 83
129-RUA MARCILIO DIAS-129 |g
2o andar.
Anna de Qaeiroz e Albuquerque, gg
Professor.n particular.
Estrada'Je Belm.
Arrenda-se nm pequeo sitio, nesta estrada,
adiante da capella e no lugar onde para o trem
dos trilitos urbanos de Olinda, com mangueiras
cajueiro, e outras maitas arvores de fructas. Tam-
bara se vende o mesmo sitio : na ra Duqtte de
Caxias, (outr'ora aas Cruzes ) n. 30, segundo an-
dar.
HOMEOPATHIi
l O Dr. Casanova pode ser procurado a
qualquer hora em seu consultorio espe-
cial homeopathico, no largo da matriz de
Santo Antonio d. 2. Neste consultorio
tem sempre sortimenlos dos acreditados
medicamentos le homeopathia de Weber
& Catellan efn tinturas, e em glbulos, e
ludo quanto necessario para as pessoas
[ >que seguem este systema.
Os pobres foram sempre e continnam
a ser tratados gratuitamente.
0 CIRLRG1A0 DENTISTA
Frederico Maya
Tem a honra de scientificar ao respeita-
vei publico e.n geral, e aos seus clientes
em particular que elle mudou o seu gabi)
netede consullas da ra Direita n. 12 par
a do Queimado n. 31 primeiro andar, con
a entrada pelo pateo de Pedro II, onde po-
de ser procurado para os misteres de sus
.{vofissao, todos os dias uteis das 9 horas
da manhaa s 3 da tarde.
Tambem previne, que contina a prestar-
se a vontade dos clientes nao so na cidadf
como nos seos suburbios, para onde as
ida sero precedidas de ajuste. Elle ga-
-nrate o bom desempentio e a perfeico df
eos trabaIbos, o que ja 6 bem conhecido
awim como a commodidades dos oreco^
Precisa-so de ama criada que ,-aiba cozidhar
diario de um easa : a tratar oa ra do Livra-
jnefflo n. li, servindo forra ou captiva.
s
i
i
i
i
es
o
5
03 _.
o> B a-a
ftj O M 3 -
h,-7 -iTcosg
aa M 2- a "P O
_-a>- 2 3 -,s o2,2 2
B> S 5 5-? 3 S a
m
Co
O 'o
t>

S3 ^
_. bj -3 O i a
M
. 3'" 3
o
Bi
a
3
o>
o
2
a 9
o"?
i*
o
o s
E < w
"S i' 5*
S.2.S 3 era
.5-
3 a> < cr. ^
a> c ^ c/a
S-0 L? 3 =
g c o"* o g
- -2
o =>,

1
i
i
I
1
n


Q."
P -. O
-al
sa
-i
i
ce
O
o'
xa
"* O TO
O P
=3 a
x ,.
n a
C- 'T
a *-> *t O rrj
3 j* -c
^- 3
-i 39
i a 2 5? -
11 E 2.-3
3,3 2.12 5
H x a, os
d w S w
S ra
^ 3* a "> a*
U- N t) 9 O U
.. .^___. ? I
IMi
Precisa-se fallar com o Sr. Jos de Barros
Accioly a negocio de seu interesse : na praca do
Corpo Santo n. i7, 1 andar. ___________
MOFINA
Roga-se ao Illra. Sr. Ignacio V.eira de Meti, es-
crivo na cidade de Nazarelh desU provincia, o
favor de vir a roa do Iropesador n. 18 a oncluir
aquelle negocio que V. S. se couiprometteu reali-
sar, pela terceira chamada deste jornal, em Ons
de dezembro prximo passado, e depois para Ja-
neiro, passou a fevereiro e abril, e nala cumprio,
e por este motivo de novo chamado para dito
flm ; pois V. S.. se aeve lembrar que este negocio
de mais de oito annos, e quando o senhor su
filho se aehava no estudo nesta cidade.________
ffi DE LITI
Precisa-s de urna ama de leite para amamentar
nma crianQa : quera estiver nesta circumstancia
dirjase ra Nova, casa n. 22, que achara c^m
quem tratar. Sendo de fra da cidade prde
rivel
TINTA PARA IMPRES30ES.
Nest; tvporraphii ha um granl*- deposita deti-ta
. fypograhl;, fabricada ua Inglaterra, de qualidade
superior, e que retaHiaa em barris de < O a 100 libras
por preco commodo.
p r
HOMEM DE MELLO
ESCR1PT0S HISTRICOS E L1TTERARIOS
! A Constituinte perante a historia.
2 30 de julho de 1832.
3o Diversos.
1 volume 8o brochado.
Rs.-3000.
_________LIVRARJA FRACEZA._________
Veudas on permutas
. Vende-se a propriedade Guarapes no Rio-
rande do Norte, com ierras casa3 e armazens
de um e outro lado do rio, lugar beir. conhecido
pela sua importancia conmicrcial, cuja porto offe-
rece muita facilidade para embarque o desembar-
que de gneros.
Igualmente se vende o engenho Jundihaby (na
mesma provincia) moente e correnle, com cinco
leiiuas de trras de maltas virgens, oito escravo-,
bois, bestas e alambique ( ou smente o emg;nhc
com as trras que convier ao cAmprador). Estas.
I propriedades vendem-se por baratissimos precos.
e lambe**' se permutam por engenhos nesta pro
vincia. Parahyba e Alagas, ou por casas as ca-
pitaes das raesmas : tratar com o proprietario
major Fabncio Gomes Pedroa ra da Cadeia
n. 2i ou com os eus procuradores no Rio-Gran-
de di Norte.
O
na
^.34BU40CABI]GAN..U

3
' >
Cr.-n este titulo acha-se aberto e inteiramente transformado este antigo
estabelecimento de joias, onde os freguezes e amigos encontraro tudo quanto
a moda e o bom gosto tem inventado na arte de ourivesaria, o Collar de Ouro
observar delicadeza no trato e senciridade e modecidade nos precos.
Espera que o respeitavel publico venha "ver o que existe de melhor em
aderacos de brilhantes, esmeraldas, robins e perolas, meios .ulereos, pul-
ceiras, brincos, alfinetes e anneis de todas as qualidades, prata de lei faquei-
ros, colberes, paliteiros salvas e outros muitos objectos que seria enfadonho
mencionar.
Compra-se ouro, prata, brilbantes e pedras finas, pormaior preco do
que em outra qualquer parte; troca-se e concerta-se todo e qualquer objecto
pertencente a esta arte.
mwmmmmmmmm
CASA CAUVIN a. MARINIER,
^0a^+f^^ *0 ^^ *m W BW Boulevard St
Boulevard
NOVAS ESPECIALIDADES
Apresenttdas a Academia de Sciencias
Pharmacoutico ptrivegiado
successor
Sebastopol, BS PARS.
A. MARINIER
e ao Instituto ( Franja,
IN I1TPP AA Sob forma de Pastilla, deredida e doseada rara
IriuLuAU faser de momento ama solucelo
rraTeitlTi curativa ai MOLESTIAS COUTfilOUS.
do rolme ite am rekwio, erriido d
FHILTRO e SERINGA sem oj
pare inconviaiantei i frafiliaaaa.
ESTOJOS
Com a forma, e de olume de um Porte-Maeda
COTENDO TODO 1BXTAMSNT0.
COLLYBIO Contra as affeccois das palpebra,
preparado sob a mesma forma.
Depositarios geral para e BRASIL, e PHTLGAE>
34, na larga do Rosario. PERNAMBTJOO.
BARTHOLOMEO i C
BAWW.NWUN
ERGEKHEIRO
Com fundipo
RA DO BRUM 52
Passando o chafariy,.
Chama a attenc3o dos Srs. de eogeDhr) para seus acreditados maobinismos e
om especialidade para seus vapores qu ainda urna vez tem melhorado.
Os vapores fornecidos por elle j fuoccionando Ihe h5o de fazer melbor apre-
ciado do que qualquer dito proprio.
Deseja todava mencionar que < vista do cambio agora mais favoravel do que
oa pocba dos apontamentos do anno passado lem feito urna redac;o sensivel em todo
seos precos. _____________
T] AOS SRS. ALFAIATES ~
Chegou loja das Colonnas, da faz .do Crespo n. 13, de Antonio Correia de
Vasconseltos, superior velludo preto de seda.
RETRATOS.
Eslaro expostos na bem condecida livrria dr,
Sr. De Lailhaear na ra do Crespo. a; o dia 7 de
ago-to prximo futuro, qnalro retratos photogra
piucos feitos uo nos?o estabelecimento de piloto-
graphia ra do Cabug, esquina do pateo da
matrz ; per^o para elles a attencao do Ilustrado
publico detta capital.
I. Ferreira Vilella
PHARMACIA CENTRAL RA DO IMPERA-
DOR N. 38.
Vinbo e xarope de pepsina e jdiarthare,
excellente tnico para auxiliar as digeslSes
difficeis nos casos de debilidade do esto-
mago.
MSis tmtmmm
PHARMACIA CENTRAL RA DO IMPERA-
DOR N. 38.
Agua hemostbalica de Lechelle, mui re-
commendada era qualquer caso de hemor-
rhagia, e principalmente na thysica pulmo-
nar, e as hemorrhagias uterinas.
PHARMACIA DETRAL RA DO IMPERA-
DOR "N. 38.
Xarope de rbano iodado excellente com-
binaco do iodo com o sueco de plantas
anti-scoi buticas.
Este xarope empregado com grande
soccorro contra as molestias da pelle, os
engorgitamenlos escrofulosos, o rachitismo-
cachloroso.
O vinho iodado de joly, e oleo iodado de
Personne, s2o recommendados para os mes-
mos casos, e encontram-se nesta pharma-
cia.
PHARMACIA CENTRAL RA DO IMPERA-
DOR N 38.
Variado sortimento de chocolate de ban-
riilha, salepo araruta, ferro, e de sade, da
acreditada oficina de Menir.
Sabonetes d'alcatro, d'acido phenico, en-
xofre e camphora recommendados para as
molestias de pel.o como sarna, panos, em-
pingens ele, sendo o ultimo de muita utili-
dade para o uzo do toilette, por preservar
a pelle de ser manchada das maculas, que
costumam accomettel-a. __
PHARMACIA CENTRAL RA DO IMPERA-
DOR N. 38.
Os melhores vermfugos para crianzas,
Paslilbas de sanctonina.
Ditas de Kemp.
Oleo vernifuga.
Tudo de melhor qualid. de^
PHARMACiA aENTRAL RA DO IMPERA-
DOR N. 38.
Varadssimo sortimento de fundas de
exccllentequalidade.
FABVACU CENTRA L
Ra do Imperador n. 38.
Lamploughs Pyretic Saline.
A preparation of well knuwn utelity to the Et-
Agencia em Pernambuco
Do Dr. Ayer
Peitoral de Cereja
Cara a pbthysica e todas as molestias do p^ito.
Ka'aa parrllha
Cura ulceras e edagas antigs, impigens e dar-
tros.
Tnico
Conserva e limpa os cabellos.
Plalas cato rtica.
Paramente vegetaes e sem mercurio, cura se-
loes, curam e purifican) todo o systema humano
Vende-se efectivamente em casa ae Samuel F t
hoston (t C, rna da Santall* Nova n. 42.
Aluga-se orna preta escrava boa cozmheira:
a tratar na ra Duque de Caxias n. 14, antiga do
Queimado, loja de faiendas.

TINTURARA franceza
55-Rua da Imperati iz-55
Tinge, lava, limpa, lustra e achamalo-
tase, com a naior perteicao, faiendas em
pecas e em obras de todas as qualidades;
como sejam : seda, laa, algodao. linho,
chapeos de feltro e de palba etc. etc.
Tira-se noloas e limpa-"se a secco sem
SJjj molhar os tecidos, conservando assim to- g|
do o brilho da fazenda. B
Tintara preta as tergas e sextas fei- o
llKIIlIIIISlIK
Tiie Liverpool & Lop-
on & Globe Insu-
rance Company.
/Companhia ingleza de seguros contra-foge,
estabelecida em 1839.
Capital e fundos de reserva
R. 35,380:9SO.
Os agentes desta companhia tomara seguros mo-
fare propriedades. gneros e faiendas arroaztnada?.
mobilias, etc., etc., e eslSo igualmente autorisad
a saldarem aqui quaesquer reclamacCes.
Sannders Brothers A C,
Praca do Corpn Santo n. II.
Precisa'-se de urna ama
d) Corredor do Bispo n. 13.
do kilo : na ra
AMA
Precisa se de urna ama : na ra de llortas, so-
brado n. .*0, 1- andar._____________________
Criada
Precisa-se alugar urna escrava para engomrnar
e andar com chancas : na ra da Cadeia n. 8
A luga se
urna escrav para o 3ervico domestico :
Hospicio n. 29.
na ra de
Precisa-se de um homem portuguez,
para feitor de um sitio, o qual tntenda de
plantaces; a tratar na ra do Imperador
n. 15 das 9 horas da manha s 3 da tarde
dos di s uteis. ou qaalquerhora do do-
mingo ou dia santo, no Arraial, sitio da casa
amarelb._________________________
Contra annncclo.
O engenho Potitable, no tern" de Serinhaem,
pertrnee aos herdeiros do fallecido bacharel Ju-
venci Alves Ribeiro da Silva, c nlra quem pro-
proi a famigerada Feliciana Maria Olympia ac>;ao
decendial ;^ccao que ficou parada ha mais de
oito annos, t animando-se lo estupenda crealura
proseguir n'ella depois do fallecimento do dito
bacharel: por isso nada signillcam os annuncios
publicados no Diario de Pernambaco de 26, 27 e
28 de julho. ________
Prevenco
Achando me restabelecido, continuara com a
costamada regularidade, e sem a menor alteracao
os trabalhos de minha offleina de pfiotrgraphia sia
ra do Cabug n. 18, esquina do pateo da
matrii.
J. Ferreira Vilalla.
glish Faculty, as a cooling and refreshing beverage
in sil cases of fever. The frequent use'cf :N3 sa
me preserves foreigners from inany dist^-es to
which they are leable before becomiug acclima-
ti-ed. May he oblained at the Pharmacea Central,
iua do Imperador n. 38.
PHARMACIA CENTRAL lL'A DO IMPERADOR
N. 38.
Pastilhas de balsamo de tol e de selva
de pinho martimo, para as affeccoes chro-
nii-as dos pulmes.
Pastilhas de therydocio e louro cerejo
para as tosses agudas, e de carcter nervo-
so, e para os vmitos durante o periodo da
gravidez, e qualquer affecc5o nervosa.
Pastilhas de bypophospheto de cal mui
uteis na thysica pulmonar.
Pastilhas de angco naf, e de Rpgnault.
de hortela, pmenta, e de Vtccley, de pe-
cacuanba e de Rermes.
Precisa-se de um menino portuguei qne ne
exceda de doie anaos de idade, para caixeiro de
urna taberna : quem quier so propor dirija se
esta typographia a entender-se com o Sr. Ferreira.
I, W. BOM
ENGENHEIRO
Com fundiqSo.
A RA DO RRUM N. 52.^
Passando o ihafsriz
- Machinas vapor systema melhorado.
Rodas d'agoa. '
Moendas de canna.
Taixas de ferro betido e fundido.
Rodas denudas para moer com goa, va-
por e animaos.
E outros muitos objectos proprios d'agri-
col'ura.
Todo por prego muito reduzido.
Caixeiro
Preci*a-se de um menino de 18 annos pouco
mais ou menos ; preferindo-se dos ltimos chega-
dos de Portugal ; na ra da Cadeia nova n. 15
sediraqpem precisa
Armazem
Aluga-se uo grande armazem proprio para
qualquer eslabelecimenlo, sito roa Direita n.
34 : a tratar na cas n. 24 da mesma ras.
PHARMACIA CENTRAL RA DO IMPERA-
DOR K. 38.
Cha purgativo de Chambard, excellente
laxativo, e refigerante, que se pode usar
repetidas vews sem irritar os intestinos.
XftROPE HyPNOTlCO~DE CHLORaL. t
Oohloral um agente therapeutico recen-
temente experimentado, mas cujos benefi-
cios vo sendo largamente aprowiadus pe-
los praticos em quasi todas asalTenes ner-
vosas, calmante e somnfero poderoso, tile
sempre empregado cora vantagem nos
casos de doies nervosas intensas, e as de
insomnia, em que dio produz um somno
calmo e profundo.
Elle rec inmcndado as c licas, na cho-
rea, no ttano, nos partos lat^oriosos, na
clampria, as queimaduras extensas, nos
accessos agudos de gotta, na asihma, na
tosse convulsa, e em muitos outros casos,
DOSE.Das a oilo colheres de sopa
por dia, conforme o effeito que o medico
quer obler.
Encontra-se na Pharmacia CENTRAL ra
do Imperador n. 38.
VINHO DD QUININNO DE LABARRAQUE
Poderoso tnico hoje tao aonselhado nos
gozos de; debilidade geral, e mui usado
cmo antifebril.
PHARMACIA CENTRAL RA DO IMPERADOR
N. 38.

Armaclo
Quem precisar e quier comprar urna rica ar
macao de amarello, forrada de louro, para qual-
quer eslabelecimenlo, dirija se ra Direita, casa
n. U, qne achara com quem iratar________*^
Roga*se ao Sr. Francisco Cardoso da Cnnba
qne annuncie soa morada para ser procurado a
negocio de seu interesse ; e isto com urgencia.
W, O bacharel Joaquim
> Gonc^ilves Lima tem es-
! criptorio de advogado
ac ra do Imperador n. 35.
Precisa-se de anta ama
roa arga do Rosario o. 46.
para coziobar: oa
CASA DA FORTUNA
AOS 20:000*000
RA 1* DE MARCO N. 23.
O abaixo assignado avisa ao publico, que/com
quanto a nova lei do orcacnento lirasse elevado
muito o imposto sobre os bilhetes de loterias do-
Rio de Janeiro, continua a vende-los com as for-
malidades da lei, e cora a promptidao do ros.
turne.
PRECOS. ,
Bilhete inteiro... 244000
Meios bilhetes... 124000
Qnartos........ 64000
Em quantidade maior de 1004000 na raiao de>
224000.
Manoel Mrtios Fiuza.
V
Monsenhor Dr. Gregorio Lipparoni, reilor do
seminario episcopal de Olinda, PfrHto) adminis-
trador da capella, le Sant'Anna do lo Doce, termo
de Olinda, possuindo as necessaiias facUldade>,
tem rosolvido de arrondar os dona sities de co-
queiros contiguos e pertencentes eU capeHa,
com casa de peilra cal ; ludo conforme ao edital
relativo que >e acha na cmara ej iscopil de Olin-
da, ende at ao dia 25 de agosto d i corrente anno
(1870) se receb.rao as propostas do dita arrenda-
mento.________________________
CASA i)A wsm
Aos 8:000$
Bilhetes garantidos
A rut Primeiro de Marco outr'ora do O
yo u. 23 e casas do cosic
O abaixo assignado, tendo vendido alera de ( -
as sorles, um meio n. 1991 com 8:0003 da i -
teria que *e acabou de extrahir a benfica
Santa Casa do Misericordia (154*), convida a< -
posuidores virem receber na confonoidade ao
costuaie sem descont algum.
Achant-se a venda os felizes bilhetes garap-
ttdos da V oarte da lotera, beneticio da Sania
Casa de Mi-ericordia (lo-) que se extrahira av?-
badi), 6 do corrente me vindouro.
, PRECOS.
Bilnete inteiro 103000
Meio biihele 540(M
Quinto 24000
Em porcao de lOOOOO para cima.
' l'.iihete inteiro 94000
Meio bilhete 44500
Quinto 13800
Manoel Marlins Fiuia.
Publicnq&o jurdica.
RepetigSes escripias sobre o direito adminisira-
trvo brasileiro, para servirem de explicagao e com-
plemento aos ebmentos d mesma scicncia, que
servem de texto s respectivas proleccoes na la-
culdade de direito da cidade do Recife, pelo Dr.
Vicente Pereira do Reg, lente cathedraiico n
terceira cadoira do quinto anno na mesma facui-
dade, seguidas da principal Itgislacao administra-
tiva citada em ambas as obras. Subsrreveo para
erta publieacao, que entrar para o unlo logo que
bajara assignaluras sofficienus para cohnrern :.s
desoesas da mpressao, a 103000 que serio pagos
no ado da entrega do primado volume, as lvr-
rias franccia e econmica, ra do Crespo nunic-
ros 2e9.________________
Precisa-se de um rapaszinho de 12 a 14 an-
nos de idade, nuetenha pratica do taberna, pn-
furindo-se portugaez dos ltimamente chegado; :
no pateo do Carino n. 13.___________________
Ainda est por alugar a casa n. 34 na roa
da. Ventura, na Capunga. aom commodos para
ranJe familia : a iratar na ra do Queimado c.
2, ou na do Rangel n. 41.__________________
.M;.noe| Ribeiro B.istus, ntavida aos >enhoiv>
proprietanos das casas ns. 1, 2, 3, 6, 8, 9, 1?,
1G, 21, 2o e 26 da ra 'das Cruzes, hoje Duqoe
de Caxias, a que venham pagar os respectivos fo-
nos dos terrenos em que assentam ditas casa- ,
cujos terrenos pertenceram ao extiocto hospital
do Paraso e hoie ao aonunciante per sentencas
de outubro de 1861 e 26 de marco de 1862, aiim
de que nao incorram as penas de comraisso
na mesma ra n. 18 A.
f
K Precisa se de ama ama para cozinhar
pa ra larga do Rosario n. 22, 2 andar.
a tr.uar


Diario' de Pernambuco TV
eira 2 de
5
AO ARMAZEM
DO
\
1
VAPOR FMNCEZ
H. 7-ti MH, 1
Este conbecido estabelecimento acha-se conjntemente bem sonido, em rirtnde das
facturas qtie recebe^por todos os vapores e navios fraocezes, dos artigos abaixo menciona-
dos, precos os mais resumidos gue possivel.
CALCADO FRMCEK
- Botinas para enhoras e meninas.
Botinas pretas, brancas e de rouitas outras cores, soriidas e bonitas, do ultimo gus-
to da moda, e precos mais barates do que em outras parles.
Botinas para borneas e meninos.
Botinas de bizerro, cordavao, lustro e pellica, das melhores- fabricas e escolhidas.
Botas e pernelras rnssianas.
Botas e perneiras para raantaria, das melhores qualidades, de couro da Russia, lus-
tro e bizerro.
(Sapatos de borracha para homens e senhbr&s
Tendo chegado grande porcAo de sapaios de borracha veude-se pelo custo nm de
desempatar o dinheiro nelles empregado, sao baratsimos.
Sapatos de lustro para homens.
Sapatos de entrada baixa de conro de lustro cun salto, de "muito boa qualidade.
Abotinados para meninos e meninas
Sapatos abotinados de differentes modelos, de muito boas qualidades e fortes, tanto
para meninos como para meninas, muito baratos. *
Mapatos de tpete.
Sapatos de tapete aveludado, de caseroira, lo charlte e de tranca francezes e por-
tuguezes para homens, para seo horas e para meninos.
PERFUMARAS
Excellentes extractos, banbas, leos, agua de cologue, Qorida, divina, lavande, den-
trifice, de toilette, sabonetes, tintura para cabellos, pomada angroise para bigodes, pos de
arroz etc., tudo isto de primeira qualidade. Jos afamados fabricantes, Condray, Piver e Lubin.
Quinquilharias
Luvas de pellica do conheeido fabricante Jouvin, espelhos para sallas, quartos e ga-
binetes, toucadorof de diversos tamanhos, leques para senhoras e parameninas, abridores
de luvas, brincos, pulceiras, boioes, corremos e chaves de rektgios e traneelins, tudj de
ouro de lei, correntes e brincos de plaqu, a imitacao e de mais gosto do que as de ouro,
caixinhas de costura ricamente guarnecidas e ornadas com lindas pessas de msica, albuns
e caixilhes dourados para retratos, caixinhas com vidro de augmento para distinctatnente
ver-se a perfeicao dos retratos, ohjectos de phantasia para toilettes, holsinhas e cestinhas
de seda, de velludo e de vimes para braco de meninas e senhoras. ditas para costuras, pe-
queos registros muito tinos e delicados, bouquels de flores de porcelana, jarros proprios
para gabinetes e santuarios, quadros promptos para enllocar-se vistas, molduras douradas
para quadros, estampas finas de^paysagens, cidades, figuras e de santos, vidros para eos-
morama, malas, saceos e bolsas de viagens, esporas, chicotes, bengalas, oculos, lunetas ou
pensinez de prata dourados, grvalas pretas e de cores, abntoaduras de collete e de puchos,
carleirinhas para notas, thtsounnhas e caivetes finos, pentes, escovas, ponteiras de espuma .
para charutos e para cigarros, joeos de domin, rodetes, bagatelas e outros differentes, ve-
nezianas modernas muilo conveniente para portas e janellas, cosmoramas, lanternas mgi-
cas, esteriocopos com intfressantes vistas de figuras e das mais bonitas mas, houlcvards,
pracas e passeins do PaTis, photozraphias e caixinhas mgicas, reverberos para candieiros,
tapetes de vidrilho e de laa de cores para ps de lanternas, realejos grandes o peqneno?,
harmnicos, acordions de todos os tamanhos, bercos de vimes para ciancas, sapatinhos e
toucas de laa, carrinhos do 3 e 4 rodas muito elegantes para conJu;ir enancas passeio ; e
outras muitas quinquilharias de phantasia, francezas e allemSe-, precos niuito em conta.
Para este artigo nao ha espaco nem tempo para a mascante Icitura da infinidade de
gneros de brinquedos fabricados em diversos paizes da Europa.
ATTENCAO
O dono deste estabelecimento pede ao publico em geral que continu a visita-lo
verificando as qualidades e os precos baratos de ditos objectos por serem vindos em' di-
reitura e de conta propria.
V
t'
11Una Nova11
Antonio Jos i'1 Azevedo, acaba do fundar em stu grande armazem de pianos .e
instrumtnts, urna
Imprtnisa para gravar e imprimir msica,
de cujo trabalho se acha encarregado o distincto gravador e impresor o Sr. N'icacio
Garcia,-que por mudos annos foi empregado das primeiraS casas do Rio de Janeiro, de
LAFORGE 6 S1DOW.
Nesta casa sero irnpressas tio s as melliores noyidades que vierem da Europa,
como tambem as msicas originaes dos melhores professores e amadores desla cidade,
quer por nossa conta ou por conta dos seus autores
As primeiras msicas que se gravaram e i'nprimiram em nossa casa, tendo sido
muito bem acceitas pelo respeitavel publico, nao s pela perfeita gravura e boa impres-
s abaixo e que se acbam a venda em nosso armazem. Continuando a publicar-se sema-
nalmente pelos jornaes as navidades que formos imprimindo.
ANNETA polka brilhaote pelo insigne maestro I. Sraoltz. preco. 25000
MINERVA, polka brilhante pelo insigne professor Colas Filbo I#)f0
CHI20 DIABO, linda polka por .......... 300-
UMA LAGRIMA, mazurka............. 1)000
LA GRAN JE DUCHESSE polka........... 15000
Tres lindas polkas do Circo Equestre de M. Cosali. (Esta colec-
Co contina).......'........ I 000
Est-se gravando para sahir a laz nestes das, duas lindas pecas de msica para
piano; composi.;o do insigne e symp.ttieo maestro ebegado da Europa pelo ultimo
vapor o Sr.
E. Casalbore,
Valsa SOUVENIR. | Polka CHANT D'OIREAUX.
- A Imprensa Nacional de Msica tambem recebe
por seis mezes e por um anuo. Ubrigando-se a fornecer a seus assignantes duas ou
tres pecas de msica por msz, para piano s, e para canto e piano, pela tabella seguidle :
Assignatura por seis mezes Assignatura por um anno
PARA PARA
Recife Provincias Recife Provincias
Tres pecas por mez
80000 100000 sendo orna de canto
e piano -200000 240000
Duas pecas por mez
Duas pecas por mez
para pianno s
Tres pecas por mez
sendo urna para
canto e piano
100000 J20OOO
para piano so
155000 18-)000


O preco da assignatura, aprsenla aos Srs. jssignantes, urna grande economa:
por que se foretn a comprar-avulsa a msica que fornecemos no decurso de um anno,
ibe costara 300 a 600, ou talvez mais. Portanto convidamos a todas as pessoas, quer
desta cidade, ou de outras provincias, que quzerem ser assignantes, a dirigirem-se di-
rectamente a nossa casa, que promptamente Ibe serao remettidas a seas domicilios,
pelo vapores ou crrelos.
Igualmente convidamos aos Srs. negociantes de msicas, quer desta provincia on
de outras, que quzerem entrar em relacoas de negocio com nossa casa, lh faremos
sobre os precos marcados na msica um grande descont, muito vantajoso.
NESTE GRANDE AUMAZEt TEM SEMPRE :
O maior e mais explendido soriimento de pianos de A. Blondel, de quem somos
nico tido sortimento de msicas para piano, edicoes
da E mais explendido sortimento de instromentos
de msica para banda militar e orchestra.
Joaquim Jos Gonce
1 ves Beltro
Ra do frap-'che n. 17, Io andar.
Sacca por todos os paquetes sobre o banco do
Moho, em Braga, e sobre'os seguimos lugares em
Portugal :
Lisbaa.
Porto.
Valonea.
Guimarae?.
Coimbra.
Chaves.
Viseo.
Villa do Conde.
Arcos de Val de Vez.
Viannado Gastelio.
Ponte do Lima.
Villa Real.
Villa-Nova de Famelicio.
Laciego.
Latios.
Conidia.
Vascal (Valpasso).
Miramlella.
Beja.
Barcellos.
37 na
ra de
io sitio
COMPANHIA
DOS
TRLHOS URBAOS
DO
RECIFE A' OIIVIA.
Domingo alterada a tabella.
MANHAA
IdaAs 6 horas, 6 e 10, 8 e 8 10 m.
Volta7 h., 7 10. 9. 9 10 m.
TARDE
IdaAs 3 b. 3 e 10, 5 e 10. 7, 7 10 m.
Voltai b. 4. 4 e 10, a, 6 e 10, 8 e
8 10 m. : ha um trem de 3a classe ex-
presso para Olnda, smente, e os de 1*
classe tocar em todos os pontos, tanto na
ida como na volla, pede-se aos passageiros,
que nao podem ser conduzidos nos carros
seno o numero de lotacao ; e que tendo
passageiros para virem de Oiinda dar mais
viagens expressas at conduzir toda a
a gente que l estiver,
O supreintendente.
A. de Abren Porto.
' Na ra atraz da Matriz de Santo Antonio n.
18 1. andar, coziahase para fra com asseio e
promplido e por mdico preco.
MOFINA.
Admirem I I! Admirem III e vao admirando
o que eu vou contar extraordinario, cousa nun-
ca visto, e quem duvidar venha ver. J viram
um casal de embija mandando fechar as lavernas
as 8 e meia horas da noute impondo logo as res-
pectivas multas, e ameacando com processos a-
quelles qne nao satisflzerem ditas multas '? Ad-
mirem)! I Admirem I !... o que mais admira
a astucia de tal bichinho fazer ludo isto sem ser
fiscal. Admirem os effeitos do pmgresso. pois nao
sabem o que um casal de emboa? K' um ins-
pector de quarteirao amasiado com o escrivao do
juiz de paz. Agora o lugar sondeo tal biohinho lem
esta sabe loria eu nao digo nem meu amigo mas
fumaqa se metta no m 1o, s digo urna consa e
quem quizer que advinhe, que o tal lugar fre-
guezia e nao teni cura, e nem tem os effeitos de
tal bichinho.}
Attencao
Continua se a fornecer alnioco e janlar
brado da ra estreita do Rosario n. b3
no so-
Precisase de una ama que raiba cozinhar e
engommar, para casa de pouca familia : na ra
das Cruze- n. 10.
Na praja da Independencia n. 33 se da di
iljeiro sobre penhores de ouro, prata e pedra*
preciosas, seja qual for a quantia ; e na nesms
asa se compra e vende objectos de ouro e prata
i igualmente se faz toda e qualquer obra de en
ommenda, e todo e qualquer concert tendente
mesma arte.
A
VfllA
|
J. Fe? r-ira
PUOTOCR.iPHl i Efl5>aiSI.%L.
18RA DO CABGA18
A ntrala c pelo pateo da matriz.
Os Iraballios da retdiflcacao desta photographia,
e que se prolongaram por tanto tempo, acham-se
felizmente terminados e ella aberta ao servico do
publico desde 7 de abril pasMdo.
O predio em que esta colocada esta photogra-
phia i.cha-se muito augmentado, e s a parle desti-
nada ao estabelecimento conta cinco salas, inclu-
stve as lo laboratorio. Todos os concertos e aug-
menios tendo sido fetos expresamente para se
montar convenientemente a photographia, o nao se
padendo melhor modulo cscolher do que a Photo-
grafiia Imperial do Sr. Insley Pacheco do Rio de
Jaueiro, o primoiro plntographo do Brasil, e um dos
pnmeiros do mundo, segundo a opinio dos mais
ab3lisados mestres. a nossa photographia acha-se
ilisiiosta e reedificada pelo BMtmp piano da do Sr.
I. Pacheco, a qual foi montada sob todas as regras
recommeudadas pelos mais destnelos professores
de accordo com as modiflcacSes necessarias ao
clima do Braiil, reconhecidas e esludadas pelo ha-
bilissimo e pratico Sr. I. Pacheco.
Todo o interior do predio em que est nossa
photographia foi mudado desde a soleira da porta da
ra at a coberta, tendo-fe demolido todas as pa-
redes interiores para se tazerem a* novas safas,
edificando-se cm novo terraco envidracado mu
espagoso e elegante.
Como sabido, tizemos urna viagem expressa-
mente corte para examinarmos as melhores pho-
tographias all, e foi a do Sr. I. Pacheco, a que
melhor correspondeu aos nossos desejos e aspira
coes, e da qnal trouxemos os planos depois de
alli e^tarmos todo um mez estudandoe apro-
veitano as lices de tao distincto mestre. Pen-
samos que juntando os nossos estudos e longa
pratica de 15 annos de photographia s utilissimas
licoes ultiman ente recebidas do Sr. I. Pacheco,
tendo montado a nossa photographia como se
acha, podemos offerecer ao Ilustrado publico
d'esta cidade e aos nossos nnu.erosos freguezes
trabalhos de photographia.tao perfeitos, como se
poder desejar, e disto convencidos, esperamos
que contluuem a dispensar-nos a mesma pro
tpecao com que
ajudado.
ESCOtA PHARMACEUTICA DB PARS
Medalha de Prata 1860
ha 15 annos nos tem honrado e
r
DE
UPUEUB
GODRON
GUYOT
EXTRACTO DE ALCATRAO,
nico mfdieamrnto approiado por todo* os
HospiUes de Franca, Blgica e Esnanha como
melhor prepara rio instantnea e regulada en-
doses da AGUA DE ALCATRAO.
(Duas cotheradas grandes de liquido portada
litro de as;ua, ou urna eolheraia pequea por
cada copo grande.)
O morflilc.dor mate eaercle* ota-
STit ""om, ** !,>cl e *
Exigir a firma do inventor. />
Dcpoarro Gebax. l^,^^
Rae des Fnirs-Boirgots, 11 <^*j^atm
Em pars. -"^-^*-~
Dsrwrro : no Hio de Janeiro, Dupmchelle; M
Lopeil a Pernambuco, P. Maonr
inka, Ferreir el
igua, (i tmtsmi w,:nnx:'la.J' oe-'^ssanas rai-ac
^eripi :.___________
Ba estreita do Rosa-
rio n. 36.
Hotel de Eksparta.
O proprietario deste e.'Ubelecimento faz publico
aos seos resneita veis freguezes, que Ib* acabam de
chegar da Europa um famoso coiinheiro, e nm
Iwllo servente, fallando este ultimo diversos idio-
mas ; e portanto offerece ao muito illustrado povo
desta cidade constantemente mesa aberta com toda
a decencia, e serio servidos com toda limpeza,
promplido e agrado, com comedorias ptimas.
Acharo tambem nesta su casa divertimento de
domin e bebidas das melhores qualidades. Ad-
mittem-se assignantes pagar por mez, e prepa-
ram-se encoaimcndas de gosto para bodas e bap-
tisados. Anteeii::ndo-se desde j a agradecer o
boro aeolhimento dj seus hospedes.
Fallencia
09 curadores flseaes da fallencia de Silvestre
Henrique Paiva, tendo de formular o balando da
massa, rogam a todas as pessoas que ferom credo-
ras de presentaren) seus ttulos de crdito, na ra
do Imperador n. tt, 1 andar, das 8 horas s 3 da
tarde, nestes oito dias.
tres vapores
O Cam|
pelos ltimos in
differ<
e divn
pecial raer
Iostrucq primaria.
O professor Manoel Roberto avisa aos pas de
seus alunaos que tendo espirado o prao de sua
licencia, se acha no exercicio de suas -funccCes.
Santo Amar) das'Salinas f* de ago=to de 1870.
rador n. 28, recebeu
i esle porto,
:a las suas esp
, merece fizer-se del"
numero de COI110 \u-^m
aquelles qae nao tem que:i>lohonradlo com suas
freguezias, encontrando por e^e inoOvo 'nriasdif-
tculdailes em supprircm- nr
falta talvez de quem Hies indique com Hnueu
eslabelecimento que como o seu, po>sa com o-
rantia, bem salisfazer as justas exigencias do res-
peitavel publico desta capital; que se acha n en
arirjafem prvido dos mais novos e variados gae-
ras, e limila-se a nomear o seguinte :
Carnee queijis do seriao.
Prezuntos inglezes e portuguezes.
Gondolo (nova marca de bolachiahas).
Petit Pois ao Bcurte (erviihas em manteiga).
Chocolate hespanhol a Ui'OOa bbra.
Conservas a 700 rs. o frasco.
Caf chumbado e de moka.
Rap Paulo Cordeiro (viajado e commum).
Guizados francezes (Truffe).
Superior charapanhe.
Doces (nos de goiaha, laranja. limo e bananas.
Um amigo do finado Dr. Jos Antonio Baha da
Cnnha manda celebrar em sua intenco urna mis-
sa as 7 horas da manha do dia 4'de agosto, na
igreja da Santa Cruz : convida os amigos do fina-
do para esse acto.
pn-
Largo
do Paraizo n. 8, no
meiro anclar.
0 abaixo assignad", proprietario deste estabele
cimento avisa aos seus freguezes e mais pessoas
que recebeu carteiras e Unturas por preco com-
modo, e por isso vende a 300 rs. o tubo de qual-
quer droga, e 1 um vidro de tintura, e compran-
do de lOOt para cima tem 10 de abate.
Augusto Xavier de Souza Fonseca.
COMPRAS.
1 0 muzeo de joias
Na ra do Cabug n. i compra-se ouro, prata
i pedras preciosas por precos mais vantajosos do
roe em outra qualquer parte.
Lom muito maior vantagem compram-se
ouro, prata e pedras preciosas e u obras velbas: na
loja de joias do Coracao de Ouro a. i D, ra do
Cabug.
VENDAS.
ULTIM4 HORA
O Costa, ra das Cruzes n. 42, participa
todos os seus numerosos freguezes, que pelo ulti-
mo vapor recebeu alguns gneros de primeira qua-
lidade. a siber :
Qiieijos flantengos o que do melhor se pode en-
contrar. ,
Bolachinha do fabricante Gondolo, pela primeira
vez vinda a este mercado, pelo precu mdico de
21 a lata.
Maqaas de qualidade apreciavel.
Aimxta em tatas e frascos.
Gai de primeira qualidade, que se vende a
400 rs. a garrafa e 8 a lata.
Aiem das muiias o variadas qualidades de mas-
sas para sopas, eonsenas, quer de hervas, ,quer
de carne ou peixe, doces, vinhos, licores, etc., etc.,
lem velas estearinas a 610 rs. a libra.
ATTENCAO
Causa espanto o sortimento
Da lojapaula montkiro,
E o melhor o seguinte:
Tudo por pouco dinheiro.
Qe ParisPapelaria
E um bazar feticeiro,
Tal o gosio apurado
Do artilla Paula -Monteiro.
i
Tem mil sortes de registros,
Tem toda a celeste corte ;
Cada qual mais primoroso,
E por diminuto importe.
Homens, mulheres, menino.
Por qualquer meia-pataca,
Podem trocar ui-sanliuho
" Que os proteja ante u macaca.
Chamo macaca a pobreza,
Mu estado linaheeiro,
De que vos quer ver escapos
O amigo Paula Monteiro.
Peonas, lapis e caetas,
Papel, envelope e tinta ;
Tudo bom, tudo por preco J
Que a qualidade requinta.
O que ha de melhor em pastas
Tioleiros de porcelana,
De vidro, metal e pedra,
De preces que fazm gana.
Livros em brancas e carteiras,
Tudo de mil qualidades.
Por precos que mais augmentam
As grandes utilidades.
Venham todos, venham todos
A lojaPaule. Monteiro
Porm, por via das duvidas,
Quem vier traga dinheiro.______________
Farinha e miiho.
No trapiche Bario do Livramento existe boa fa-
rinha de mandioca e excelenle milho em saceos
grandes : a tratar na ra do Vigaro n. 16,1* an
dar, escriptorio de Joaquim Gerardo de Bastos.
Estampilhas
Vende-se no cartorm do tabellio Almeida
ra do Imperador n. 73.
Farello.
Vende-.e saceos com 90 libras de farello no-
vo do Chile a 41500 : a ra da Madre de Deas
d. 7.
Vende-se a casa terrea n. 11, sita ru Oiinda.
ra do Urgo do Amparo, com excellentes com-
modos e grande quintal, solo proprie : a tratar no
Recife, ra da <~adeia n. 3.
ATTENCAO
Vende-se urna casa com urna garapeira jun-
to mesma casa, com cacimba de pedra e cal
com excellente agua de beber, e com urna taberna,
sita na estrada nova no Caxaog : a uatar na
mesma.
Vende-se urna rotula de araarello em bom
estado na cambo do Carmo n. 16.
Farinha de mandioca
Vende-se farinba de mandioca, nova, de Santa
Camarina, chegada no pat istia,
fondeado defronte do trapiche do Sr. Baro do Li-
vramento : a tratarno escriptorio de Joaquim
Jos Goncalves Beltriio, ma do Cimmercion. 17,
ou a bono do referido navio,
0 proprietario do tjtabeleeiiiento de modas do
roa da Imperatriz n. 31, pretendendo retirarse
para fra da cidade aftm de tratar de sua saudc, a
vende dinheiro ou praso, sendo que a arrca-
jo tao efeganteque pode servir para'qualquer
outro estabelecimento, segundo a voutade do pre-
tendente : trata-se no mesmo estabelecimento.
A Nova Esperanza
1Rna Duque de Caulas81
Quamlo a NOVA-ESPERANQA faz os seus
anuncios expondo aos seas freguezes e a
todos em geral o grande sortimento e su-
periondade de sons objectos nao com vis-
tas de atrair a altenco do urna grande fre-
guezia, como a de que actualmente despoe,
e sim para scientiBcar (^ interese de todos)
a qualidade de seus objectos os qnaes sao
'sempre de apurado gosto e perfeicSo; tor-
aando-sc quasi indispensavtl para aquelles
fpreciadores (do bom) frequenlarem a .No-
va Esperanca, pois que ella capricha em re
ceber constantemente, o que ha de melhor
relativamente a sua repriicih: o que se po-
der verificar quando em qualquer reuniao
de pessoas (amantes doxiquej v-se um
bonito enfeito em um bonito vestido, um
aroma agradavel escapar d'um alvo lenco,
um moderno e linde laco, um dilicado ra-
mo de 6nas flores, ele, etc, todos clliam-se
reciprocamehto e dizem com sigo (e as ve-
zes uns aos outros) estes s3o o'bjectos
comprados a NOVA-ESPERANZA: realmen-
te !!11 procurar descrever em annuRcios os
arligos que contera dita loja, seria trabalho
insano e nunca o fariamos cora aquella
graga e perfeicao com que sao elles fabrica-
dos, assim pois a NOVAESPERANCA con-
tenta se em convidar a todos geralmente,
visitarem-na para ento Acarara intei-
rados do que ha exposto na mesma loja.
91Ru Duque de Caxlas81
Joaquim Rodrigues Ta- |*
vares de Mello, |
Praqa do Corpo Santo n. 17]|f
TEM PAIAVENDER: |S
Cal de Lisboa. 0
Potassa pa Russia.
Vinho Bordeaux.
Farello fc Lisboa.
Faii'Suha de EK:in(lioen.
Bichas hamburgnezas
Neste novo deposito recobe-se por todos os pa-
quetes Iranslapticos bichas de qualidade svperiot
e vendemse em caixa ou porco mais pequea,
e mais barato do que em outra qualquer jarte :
na ra da Cadea do Recife n. 51. t* andar.
Aviso.
No armazpm n. 23 da na Duque de Caxias tem
grande porgao do palha para < inpalhar oadeiras,
vende-se muito barato.
Vidros para vidracas do todos os ^huohm
e em caixas, vende^ Bartholonieu i C, em sua
Iiharmacia na ra larga do rto-ario n. 34.
Grande liquidacao de
fizendas barata*
A' RA Io DEMARCO N. 25.
MADAPOLO fino superior a peca a
55800 e 6S
ALGODAOZINHO cora 18 jardas a
2*800 a peca.
ALGODaOZINUO superior marca T
com 20 varas a 6300 a peca.
CAMBItAIAS brancas transparentes a
: i a peca.
CAMBItAIAS finas de core?, modernas
a 280 o covado. <
CHITAS escuras matisadas e de cores
mindinhas^a 220 e 2i0 o covado.
8 CHITAS imperiaes do ultimo gosto cora
cores seguras a 280 o covado.
CHALES de merino prettS e de todas
_ as cores a 2*500.
tu LENCOS fiuo s de cambraia a 2-5500 a
^ du;ia
COLXAS adamascadas superiores, de I
cores e brancas a 3J, 5*500 e 0*. j
__ CHALES de cassa bordad"* de cor a
M 2&500. !
BRAMAiNTE d.> linho de urna largura I
5 com 27 varas a "i, e com loque de cu- :
8| P>m a 115-
Dao-se amostras com penhor ra
S de Marco n. 2'i, loja de Manoel Dias Xa-
Estamitilhos.
Vende-se na ra da Caeia do Recife n. 58, loja
de azulejo.
>jectos para carros.
Solas de histro.
Vaquetas de lustro.
Gandes largos e Mtreitos. ,
Oleado preto para guarda chuva.
Dito de cores para forro.
Lanternas e vellas.
(teso de cores diversa-.___________
Cigarros da imperial
fabrica de S. Joao
de Nictheroy.
. nico deposite em Peruarabace caes da alfan-
dega velba o. 2, 1* anda.
A VERDAD!
Rna -l>uque de Caxias n. 55
Na loj.1 da VERDADE c.m!inna-se a ven-
Jer por bpalissimos pr{( lodos os arti-
gos de mtudexas e perfumaras do
?raode o variado sortimento,garaitindo
compradores toda a sinceridad*.
Lindas booecas ,de cera e massa por la-
ratissimo preco.
Espelhos dourados para pendurar a
160 rs.
Agulhas de osso para crox a .200 rs.
Pentes Dnos para segurar cabello,
320 rs.
Chamins para gaz a 3?0 rs.
Garrafa com tinta alizarine a 10000. /
Dita com agua florida a 1.J5C0.
Dita com dita dita a Ido, 0.
Tnico de Jayrae a 15500 o frasco.
Frasco comolep expresso de babosa, de
240 a G40 rs.
Dito com agua de Colonia de 300 a 10OOO
Dito com extractos finos a 15000.
Dito com sndalo verdadeiro a 1,$200.
Latas com banha muito fina de 120 a
240 rs.
Sabonetes muito finos e diversas quali-
dades a 80, ICO, 240 e 320 rs.
Finas escovas para entes de 320 e 500 rs.
Ditas para facto de 50/). eJOO rs.
Ditas para cabello a 600 rs.
Pentes para alisar com costa de metal a
320 rs.
Ditos ditos ditos de bfalo a 240 e 320.
Pentes para tirar piolho de ItiO e 240 rs.
Pavios para gaz, dazia a 240 e 320 rs.
Brincos de edres, inteiramenle modernos
de 160 e 240 rs.
Pennas caligrapbicas muito finas a 1(5400.
Ditas de lanca e mosinha a 800 rs.
Lindos babadinhos e entremoios de 500
9.11500.
Grosas de botes de loeva de 100 e
200 rs.
Ditos ditos para ca'?a a 240 rs.
Caixa com papel amizada a 700 rs.
Ditas com envelopes a 480 rs.
Ditas com obreias a 40 rs.
Ditas com agulhas fundo dourado a
280 rs.
Thesoura para costura a 20 rs.
Linha de marca caixa a '2.Qt) rs.
Carriteis de linhas de Alexacdre de n. 70
a 200 a 10 rs q
Grampos muito finos, com passarinhos dn-
ziaa 200 rs.
Cartas francezas para jogar dnzia 3^000
Ditas portugnezas, dnzia l#40O
Papel almaco superior qr.alidade resma
4^000.
Lam muito fina para bordar libra 65500
, Fitas para debrum de sapato* pessn 160 r^
Ditas de lam para debrum de vestido peca
400 rs.
Caivetes grndes com mofla a 400 rs.
Ditos grandes com 2 folhas por 320 rs.
Rosetas pretas para luto, o par 100 rs.
Trancas de lam de caracol branca e de
oi6s de 40 a 100 rs.
PlUa para cs, peca 90 rs.
Alfmeirs" de lato. carta 100 rs.
Sapatinhos de lam para creanca de 400
a 800 rs. i
Calcadeiras a 40 rs.
Gravatas de seda pieta do 400 e 800 rs.
Ditas de eroxe. brancas e de cores 500 rs.
Dita de Rorgurao de cares a 800 rs.
Xa Verate a np* B>uqe c Ca-
xias n. Ai.
Bivai. sem segundo,
(Anliga na do Qceiniadoj
Cont:na a vender tudo muilo bem e
muilo barato a saber :N
Libras de areia prela muito boo. 120
Tesouras finas para ttnlias e costu-
ra a......... 500
Papis de agulhas francezas a bs-
15o a......... 60
Caixas com seis saboneta de fruta I000
Libras de laa para bordar i!e tod; s
as cores a.......611000
Carriteis de Na Alejandre u, 100
Frascos com aceito p*r;i di 6O0
Gravatas de cores muilo linas a 500
Grozas fie botOes'nadepeula fi-
nissimos a....... 500
Pares de luvas de cois muito ti-
nas a 3-:0 e.
CO
Novello de linha de 40O jaulas n.
Caixas com 100 eim lopes muito
superiores a...... GCO
Pentes volteados para meninas a. 2 W
Tinteiros com tmta prela a 80 rs. e 100
Pecas de Ota elstica muito una a 200
Lala com superior banha a 100 e. 200
"Frascos de oleo Pbilocomo muilo
fino a......... 500
Ditos ditos dito grande a. 1000
Frascos de macug perola a. 240
Frascos de extracto muito bonitos a 500
uzia de sahoneles muilo finos a. "20
Saboneles ingleaes a 600 rs. c. 15200
Frasco com agua de colorlia Piver a 500
Dito de oleo baboza a..... 500
Caixas de lamparillas a. 40
Saboneles a forma menino muito
superiores a...... 240
Lartilhas da doutrina fazenda nova a 400
Libras de linha soriidas de todos os
nmeros a....... 15800
Babados do Porto, largos a 160 e
'lapachos muito bonitos e grandes a
Carriteis de retroz preto, com 2
oitavas a. v .
Agulheiros de osso enfeitados a, .
Libra de linha franceza superior
qualidade a.......25400
Caixas de palito do gaz a. 20
200
700
640
240
Su
"S <-'
O"
re
o


Os accreditados cylindros americanos para pa
daria.
Machinas para descarocar algodo. -
Canos 3e fno galvanisadus, para apua.
Carrinhos americanos para transportar fazenda.1.
Farinha de mandioca
de soperiwr qualidade, e em sarcos pran1
de-?e nos armazens da Compantaia P mambnr
por preco commodo.
BASQUINAS
De Cluny, bran
de te ua loja da Fila
MMMMB


6
Dipri de Pemambueo Ter
jllUMtt
Pechincha sem rival!
Ra da Cadeia n, 45
Nt bern conbecida e acreditada loja de Santos
Falcao & C
Burregun> francezes de Cordavao para homem,
cm perfeito estado a 7|000 o par,
Borzeguins a 7<$000 !
Quem deixar
de comprar bombazina preta de daaa larguras a
900 rs. o covado : na loja das seis portas em fren-
te/lo LivraTif nto.______________________^^
Sitio em Parnameirim
- para vender
Ajnda est para se vender o sitio Olbo de VI-
dr?'e? p"nJeHm, ou Ponte de Ucha, coro
sobrado de um andar om JO qoartos, fog5es e
tornos de ferro, sonzalla para todos os arranjos,
bastantes arvoredos de tractos, terrenos para
planucoes, boa baxa de captm, agua de beber,
tanque pa/t banho etc. : qnem o pretender com-
prar emenda-se com Jos Antones Gnimaries.
na rna do Aragao n. 13 (hoje Viscende de Pelo-
tas) at 9 horas da manhaa e das 3 as 5 da Urde,
na falla, na ra de Qaeimado n. 1 loja, boje Bu*
que de Caxias.

I
Ulilflli.
DEPOSITO
Roa da Cadeia n. 5.
Vndese por menos preco do que era outrai
qualquer parte, de 10 killos para cima, as segain-' tq__mi* NOVA
(es qualidades :
Sanie.Ojiialit fine, fine superieur.
Surpine.Par excellence. Vanille.
Jualit fine.
ATTENCO
GAF MUIDO A VAPOR
CEMENTO
0 verdadeiro portland. S se venda na roa da
Madre de Dos n. 22, armazem de Joao Martin de
Barros
|D
A VILLA IRMO & C.
DE SANTA RITA 49
PERNAMBUCO.
Ha para vender oeste estabelecimento caf mui-
do a vapor e torrado a ponto certo, sem mistura,
eropacotado em papel de esianbo para se conser-
var sempre fresco. Gante-se a sua primeira
qualidade. Os apreeiaderes do boro caf podero
procurar nos principaes armazens de molhados.
Para evitar falsilicacao, previne-se aos senbores
apreciadores que todos o? pacotes terao um rotulo
cora a firma do estabelecimento.
GRANDE
Qaando a AGUIA BRRNCA, mais precisa scientiflcar ao respeitavel pablico em
geral, e em particular a sua boa freguezia, da immensidade de objectos que ltimamen-
te tem recebido, justamerrte'quando ella menos o pode fazer e porque essa falta invo-
luntaria ella confia e espera na benevolencia -de todos que h'a attendero e relevaro,
continuando portento a dirigirem-se a bem conhecida leja da AGUIA BRANCA roa do
Queimado n. 8, onde sempre acharo abundancia em sortimento de superioridade em
qualidades, modicidade em precos e o sea nunca desmenttido AGRADO E SINCERIDADE.
Do que cima fica dito se couheceque o tempo de que a AGUIA BRANCV pode
dispr, empregado apezar de seus custos no desempenho de bem servir a aquelles que a
honram procurando prover-se em dita loja do que necessitam, entretanto sem ennume-
rar os objectos que por sua natureza sao mais conhecidos ali, ella resumidamente indi-
car aquelles cuja importancia, elegancia e novidade os tornam recommendaveis, como
bem seja
Grande estabelecimento de fazendas e roupas feites e por medida, 1 ra da lis
peratriz n. 52iunte a loja de ourives.
NesteN estabelecimento eucontrar o respeitavel publico um bonito sortimento de
roupas >de todas as qualidade**
Palitot-do alpaca preta e de cores a 35000, 30500 7(5000, ditos mirin preto
de 7(5000 at 253000, ditos de casemira de coros Anas e ordinarias, de 65, 16)5000,
ditos de panno finos de 63 8(5 105 e 2< 5u00. sobrecasaco dito de 200 a 500000
Completo sortimento de calcas de brim pardo de 10600 a 60000, ditas brancas
de 20, 190000 o maie superior, ditas meia casemira, ditas casemira de 50, 120000,
ditas casemira preta de 65-, a 160000 superior, dita de merino diversas qualidades para
luto. Assim tomo um bonito sortimento de colletes de brim de cores, ditos brancos,
ditos de casemira de cores e pretas, ditos de merino para lato fazeada superior.
Sortimento completo de camisas francezas de algodo, de 10600 30000, e de
linho de 380000 a 700000 a duna.
Sortimento completo de ceroulas francezas de algodo de 10600 a 20500
ditasde bramante a 10800, 20500 e 30000. ditas de paraburgo, francezas, fazenda su-
perior de 250000 a 350000 a duzia. Sortimento de colarmhos de algodo e linho, etc.,
assim como meias de algodo para homem de 30, a 100000 a duzia, gravatas de'mui- Duec'dos, as quaes eslo em exposico no j
tas qualidades. Na ruada Imperatnz n. 52, loja do mesmo Bazar, garantindo-se a suabaqua-
Sortimento de chapeos de sol de alpaca, e seda, ditos ingleses cabo de marfim.^'d3*16' e mbem ensina-se com perfeicao I
Toalhas para rosto. Sortimento de mallas para viagem. a t00"08 os compradores. Estes machinas!
ATTENCO. sao iguaes no seu trabalho ao de 30 costu- j
Neste estabelecimento encarr*ga-8e de mandar fazer qualquer obra por medida reiras diariamente, e a sua perfeicao tal
e para esse fim tem toabil mestre encarregado da oficina, que se encarrega do trabalho! como da melhor costureira de Paris. Apre-1
com perfeicao e pontualidade. sentam-se trabarnos ejecutados pelas mes-
SORTIMENTO DE FAZENDAS. mas, que muito devem agradar aos preten-
Chites de 240 rs. o covado ou 100000 a pessa com 42 covados. ditas miudes dentes.
para camisas e timo de menino 260. e 280 rs.. e outras muitas qualidades de 320, 360
Vende-se urna taberna em boa localidadef*fre-
gueuda para a praca e com aljrama fragteiia
paraomato.com os fondos existentes, on eom
aquelles que convierem ao com ador, e oaWivo
por que se vende se dir a quem pretender: a
traUr no largo do Terco n. 11.__________^__
Vende-se a casa terrea meiagua n. 37, h
nraa parte da casa n. 35, sitas ra da Esperan-
MACHINAS PARA
COSTURA
Acabam de chegar ao GRANDE BAZAR
UNIVERSAL, ra Nova n. 22-carneiro
vian.naum completo sortimento de ma-
chinas para costura, dos autores mais co-
Sa.as quaes liramdu finado Joao Antonio Pirs de
loura, e boje de sua mi a Sra. D. Mara Moura,
residente na Hespanha : a tratar na mesma roa,
com Bernardino da Cost Campos, procandor
bastante da mesma sonlwra.
mmm 9wmmwwm&
mm
e 400^-s. o covado, neste mesmoestebeiecimento chegaram, urnas bonitas chitas da
victoria com barra, a qnal para flh is ecompetente enfeit^ para corpinho. Cam-
para corpmho.
braia lisa de 30, 40,50 e 10000 a pessa, e outras muitas fazendas de todas
dades.
Cera de Lisboa en velas
Tamanho3 differentes desde 2 a 16 por libra, em
as quali-, caixasdeuma arroba : no irmaiem de Tasso lr-
; roaos & C, ra do Aroorim n. 37.
Por 1$300
Corpinhos de cambraia, primorosamente
enfeitados com fitas de setim e obras essas
cuja novidade de molde e perfeicao de ador-
nos os tornam apreciados.
Fitas mni largas de diversas cores e qua-
lidades para cintos.
Leques uesse objecto muito se poderia
dizer querendo descreve-los minuciosamente
por suas qualidades, coree e desenhos, tal
o grande e variado sortimento que acaba
de chegar, mas para nao massar o pretn-
deme se lhe apresenter o que poder de
melhor.
Entremeios em pecas de 12 tiras.
Guipure branco e preto de diversas qua-
lidades e desenhos.
Ditos de algodio com flores e lisos.
Capellas brancas para meninas.
Grandes sortimento de flores finas.
Fil de seda, preto.
PERFUMARA
Grande e constante sortimento de dita,
sempre melhor quajidade.
Lindos vasos com p de arroz e pinsel,
Caixinhas com ditos aromticos.
Bonitos e modernos pentes dourados
para circular o coque.
Bonitos brincos de pTaque.
Aderecos e brincos de mdreperolr.
Caivetes finos para abrir lates.
' Thesouras para frisar babadinhos.
Aspas para halo.
Novos stereoscopos com 48 vistes, as
quaes sao movidas por um machinismo
ALGODO E MADAPOLO AVARIADO.
A 40000 o algodo, e 40500 o madapolo, e tambem chita escura boa 240*0 Lindos cortes de chita para camisa a 1*800
covado por ter grande porcao, na ra da Imperatriz n. 52, loja com portaes encarnados, ra.do Crespo o. 25, loja da esquina.__________
intitalad0 Cidacle do Natal 19 d.e julho
LeodeOuro. demo.
Por precos coramodos vende-se:
---------------------_--------i________ 11 paos de pinho Be excellente qualidade
curaprimento de 34 palmos 83 ;gros-
sura de 24 52 r .iJas; sendo masta-
ros, vergas e m;siro de navio.
65 pedras marmores, differentes tena-
nnos, sendo : o cumprimento da maior, 79
polegadas, largura 19 ditas, altura 3 ditas.
30 tabolairos tambem de marmor ee ten-
do o cumprimento do maior 80 pollegadas,
largura 40 ditas, grossura nmae um quarto
de pollegada: a matar no escriptorio da
agencia da compan brasileir?de paquetes
vapor, ra da Alfandega.
i 3 portas n. 53, rna Dtreita, 3 por-
tas n. 53, antiga loja do Braga.
O abuxo assignado, dono desle antifo
; estabelecimento1, tenda em vista aprese- j
| ttr nm completo sortimento de firrageoe, i
[ mindezas e cotileria, tem resolvido man- j
I dar busear em oiversos pon;os- o inelhores objectos de seu estbeleoi- '
[ ment-.i do- fabricantes mais conhecidos; {
|.pelo que convida ao respeitavel publico
1' e a seu numerosos freguezes, virem te j
lervir dos oijecto< de sua carencia, asa- ]
[ de encontrar*) pur menus 10 0|0 do que j
[ em outra qualquer aue, um s. rtimeoto
[ completo de machinas para descarocar j
i algodo, do bem conhecido fabricante ]
: Cottorr Gin & C, ditas para costura, mu- ]
f.lores para animaes, ditas para fogo, moi- j
I nhos p.ira caf de todos os tannos, da j
fabrica do Japi, espingardas de dons ca- ]
nos e de um. taino inptezas como tran- j
ceus, louca de porcelana, facas e garios
de diversas qualidades e precos, bandejas j
cbinezas, salitre, bren, barbante, enxolre, I
papel e timalha de f. rro, :\ro, o agulha
para fogueteiro ; assim como encontnsr ]
ro constantemente grande porcao de ftv :
go do ar, e recbese encommeBda de fn- :
gos de vista, alem de um cem numero Ue
; objectos, que se tornaria enfadonho nu- :
i mera-los : venbam ra Direita n. 53, '
loja de Lenidas Tilo Loureir*), antiga loja>>
do Braga.
como
Veos de seda para chapelinas e monta- nma* substituem as outras.
na.
Meias de seda para noivas.
Ditas abertas de fio de Escossia.
Costumes ou uniformes para meninos.
Enxovaes completos para baptisados.
Vistes para stereoscopos.
Bonitas caixinhas de vi,Ir o enfeitados com
pedras.
Ditas de raadeira envernisada com vispo-
ras e com dminos,
Bollas de borracha para brinquedo de
Touquinhas de fil, sapatinhos bordados crianzas,
e meis para ditos. Diversos objectos de porcelana, proprios
Camisinhas bordadas para ditos. para enfeites de mesa e de lapinhas.
LOJA DOS ARCO
A
Ra do Crespn. 20 A.
Alvaro Augusto d'Almeida C.
Este estabelecimento de fazendas finas e grossas ja" bastante conhecido
am dos mais bem sortidos desta cidade acaba de receber directamente de Paris alguna
irtigos especiaes que passa a mencionar.
Rcos% cortes de vestidos de blond para casamentes.
Cortes de vestidos de seda de cor, de gostos inteiramente novos.
Brochad, fazendas de la e seda propria para vestido.
Foulard de seda de todas as cores, tambem para vestidos.
Fitas largas de seda para cintos, gostos escoceses e lisos.
Chapelinas de seda e de pama d'Italia.
Basquinas de seda e guipure.
Colchas de seda e de la e seda.
Cortinados de cambraia bordados muito ricos.
Pannos de verdadeiro croch para jardineiras, sof e cadeiras.
Toalhas de linho de superior qualidade.
Bramantes, selicias, sguioes atoalhados\
Gaardanapos, colchas, aaias bordadas camisas,
Cache-nez, baloes, camitinhas, sombrinba.
m m saz
Chegou ao amigo deposito de Henry Porster <
C, ra do Imperador, nm carregamento de g;j
de primeira qualidade; o qnal se vende em partidn
e a retalho por menos prego do que em outra qna
quer parte
1
Gravatinhas de seda de cores para meninos, bo-
mens e senborasa 320!!! : na ra do Duque de
Caxias n. SS._______________________
Oieo de inhaqa
??.Vende-se em casa de Mills Lalham & C, ra da
Madapoioes de varias qua idades, saicos para viagem, mallas, tapetes, capa- Crai 38-_______________________ '
chos, alcatifas e mnitos ontros.artigos que se vende por precos mdicos. Vndese uma batanea decimal em perfeito
Tem tambem constantemente um completo sortimento de ESTEIRAS D\ IN- estado' iue pesa^no libras: no armaiem d Pan-
DA para forrar salas. ~ 10 Jos Gomes 4 Climaco, caes 22 de Novembro
numero 24.
Ra do Imperador n. 26
0 respeitavel publico encontrar neste
estabelecimento diariamente um completo
sortimento de- pastelaria, bollos ingiezea
podins, pds-del, prgsentos dos ultimo*
chegados ao mercado, S3lsme de lion, bo-
linhos finos de todas as qualidades para ehi.
amenioas confeitadas, confesos, bomboins,
pastilhas, chocolate francez em libras, paa-
tilhas do mesmo .cartoxos e carteiras con
seis charutos de chocolate cada uma, este
sortimento de rhscolato do mais acredite-
do fabricante de Paris e e o melhor que ate
hoje tem vindo ao mercado.
Vinhos portuguezes, figueira muito supe-
rior. Os mais- genuinos e superiores vinhos
do Porto, moscatel e Setubal, o Ilustrado
publico encontrar neste estabelecimento
pur commodos precos, fazendo-se abatten-
lo a quem :omprar em porcao.
Os donos desle estebelecimecto nSo at
tem poupado a despezas para melhor me-
cecerem a acoadjuvac5o do Ilustrado pu-
blico.
60RA DA IMPERATRIZ
DE
Neste grande estabelecimento encontrar o respeitavel pubOST^^rande sortimento de faiendas, do mais apwaVsiSsSrSSa i afLS! T^a.a, ^^T* *-^*
parte, visto que os novos socios desta firma adoptaramo systema de s vennderem DVIIEIRO'; para 9po(S^^Xc^^^At!r!S^ ? KSS fi?'f PKm^J^er. l?J'> mmt mak b,a,ratos do W
em outra qualquer parte, vis.., ,w 0..------. ....... -^eu^ B,aiCui
e armazem podero fazer os seus sortimentos pelos mesmos presos que compram as casas estrangeiras
derem escolher.
^ urgandy branco com listras lar-
' g-ise quadrinhos, a vara a 1(5000.
Todas estas fazendas, sao inteira-
mente novas e se vendem muito em
conta, ra da Imperatriz n. 00,
luja e aroxzem de Silva e Figuei-
do & C.
2 ALTAS NOVIDADES
1 tO PAV.iO i
W. BONITAS FAZENDAS PAMV A FES- 8*
TA DE &
0 SANTO ANTONIO, S. JOO E S. PEDRO. K
X Vendem-se as mais lindas poupeli- w
X nas. de nho e seda com os gostos x
^ mais novos que tem vindo a este xk
$ mercado, pelo barato preso de____$5
f 2^000 o covado. S
Sedas listradas, de furta cores, fa- jgj
zendas de muita phantasia a 2,$000 S
o covado. m
Sf da bismark, larga fazenda muito
encorpada o covado a 23500. Bonitas lasinhas largas cora palma ^
de seda, covado a 15000,
Lindas agraciando lavradas covado
a 13600.
Alpacas lavradas de todas as co-
res, covado a 6i0, 800 e I #000
Bonitas lasinhas escossezas com
quadros e litras de seda, covado a
560.
Finas alpacas lisas, sendo cor bis-
mark lyrio, verde, roxo, cinza, can-
na, azul etc., covado a6i0.
Ditis furta cores com as mais bo- ,
nitas cores, covado 50J rs. w
Lindas baregrts lisas, e com liste 8
d.i mesma cor, fazenda inteiramen- '
te nova, covado a 560 e 6i0 rs.
Bonitas I5asinhas tapadas e trans-
parentes com grande diversidade, o
covado a 600 rs.
Lasinhas lustrosas com lindas c-
^ res emtalo de seda, o covado a
Hk 320.
& .indos cortes de anadino, sendo
JK fazenda nova e transparente e de
yx milita phantasia, com 18 covados a
WtiQOO.
r'iuiss mos crtes'de vestidos bran-
cos bordados com todos os enfeites
rancezes a 12)5000.
Cortes de ganga indianos, fazenda
inteiramente nova a 7)5000'
Ditos cbinezes com duas saias a
7>0U0.
?"m^^^ZJfSSrtV^^! ^^t^W^A8^^P^0t0' _A Pessoas ^ue neocian menor escalla' esta fab
commouiaaae as txmas. fam.has. de todas as fazendas se dao os livros das amostras, ou se mandara levar emjsuas casas, para melhor *.
de 1250UO rs. cada um, pechincha.
CASEMIRAS ESCOSSEZAS.
O Pavo tera boni as casemiras escosse-
zas com quadros grados e midos e outras
lisas cora listras ao lado, sendo fazendo
muito tina que se vende mais barato, por
haver grande porcao.
CORTES DE CASEMIRA PRETA A 4:500,
O Pavo tem os superiores cortes de ca-
semiras pretasenfeitaias pelo aarato preco
de 4)5500 rs. o cort,
CASEMIRAS RASPADAS A 8C0 RS. 0 CO-
VADO.
O Pavo ende excellente fazenda de pura
la com as cores escuras muito proprias
para caifas, paitots, colletes e roupa paral
Ditos de la escosseza fazenda mui-
to b -niti com fios de seda a 750i>0
siraos orgndyscom listado
cor e salpico, sendo fazenda de
te phantasia, ojmetro 028O.
meninos que frequentam a escolla por ser I
uma fzenda leve, escura e de milita dura-
Co, pechincha a 80.) rs. o covado oq a
un o corte de calca p3ra homem.
FINAS BARGES A 6i0 RS. O 'OVADO.
,0 Pavo tera as mais lindas bareges de
la sendo meias transparentes, cora uma
s cor, tendo : lyrio, azu!, rosa Bismarck,
roxo, etc., tendo muito boa largura e liqui-
da-se por 640 rs. o covado. por se ter fei-
to uma grande compra, assim como ditas
mais estreitas de uma s cor com listras
imitaco de seda a 560 rs. o covado, e pe-
chincha.
PECAS DE MADAPOLO A 30500.
O Pavo vende pessas de muito bom
CROCHE'S PARA CAftERAS E SOFA'S.
O Pavo tera um grande sortimento dos
mais bonitos crochs para cadeiras, sofs
mesas, almofadas etc., proprios para co-
brir presentes e vende-se mais barato do
que em outra qualquer parte..
Algodhlo entestado.
Vende-se uma grande porfo de algodo
sinho americano com 8 palmos de largura,
proprio para lences e toalhas, tendo liso e
trancado, que se vende por preco muito em
conta.
LAS ESCOSSEZAS
LAS ESCOSSEZAS
LAS ESCOSSEZAS
A 560 rs. o covado.
Chegou para a loja do Pavfo, o mais
elegante sortimento das mais lindas Iazi-
nhas escossezas cora fios de seda, as quaes
fazem o mais delicado effeito, para vestidos
d duas saias, e vendem-se pelo baratissi-
mo preco de 560 rs. o covado.
SEDAS DE LISTA
SEDAS D" LISTA
SEDAS DE LISTA '
GROSDKNAPLES PRETOS DE 1600 AT 7/000
Na loja do Pavo encontra o respeitavel
publico um grande sortimento de grosde-
naples pretos de todas as larguras e qua-!rt "~_~ -miibuw uiuauran
lidades, tendo de 1^00 o covado at 75000 a resPeilavel PubllC0 um rande sortimento
e 8500:), que se vende por preco muito *Pnn n:,U^a a "*h*- A*
ROUPAS PARA HOMENS PARA TODOS
OS PRECOS.
Preste grande estabelicimento encontrar
madapolo, tendo 12 jardas cada uma, pelo por preco barato
a 25000 o covaHo
Chegou para a 1 ja do Pavo um grande
e bonito sortimento das mais lindas sedas
de listas com as mais delicadas cores, tendo
entre ellas algumas que'servem para loto, e
vendem-se pelo barato proco de 25000 o
covado, pechincha.
FAZENDAS PARA LUTO NA LOJA PAVO
Encontra o respeitavel publico neste es-
tabelecimento um grande sortimento de fa-
zendas pretas, como sejam cassas france-
zas e inglezas, chites pretas de todas as
qualidades, fazendas de la de todas que
tem vindo, proprias para luto, sendo lasi-
nhas alpacas lavradas e lisas, canto, bom
basinas, merinos, etc. que tudo se vende
barato preco de 35500.
PSCUINC1IA EM ALGODAO A i000 RS.
O Pavo est vendendo pecas de algodo-
sinho francez, tendo 4 palmos de largura e
com 11 metros cada peca, polo barato pre-
de 45000 rs.
CERA DE CARNAUBA.
Vende-se superior cora de carnauba em
saccas, mais barato do que era outra qml-
quer parte, r>a ra da Imporatriz n. 60,
loja do Pavo.
OS SETINST-0 PAVO
Vende-se es mais bonitos setim de cores
euwis encorpados, proprios para vestidos
tendo de diversas cores.
PARA, BAPTISADOS
Na lqja do Pavo vende-se bonitos eo-
chovaes para baptisados.
Cortes de casemira a 45000, cada nm.
Vende-se bonitos cortes de caserairas
claras e escuras pelo barato preco de 45,
ou a 25400^0 covado, tendo duas larguras'
CORTINADOS PARA CAMAS B JANELLAS
de 85, 105,125 e 165000.
Chegou para a loja do Pavo1 um grande
sortimento. dos bonitos e ricos cortinados
bordados, proprios para camas e janellas,
que se vendem de 85000 o par. at o mais
rico que vem ao mercado, e vende-se mais
barato que em outra qaalquer parte.
em conta.
CASSAS FRANCFZAS.
Chegaram para a loja do Pavo as mais
lindas C3ssas francezas com delicados pa-
dres, tendo para todos os precos e quali-
dades, dando-se todas amostras, assim como
um Bonito sortimento das mais lindas chi-
tas francezas escuras e alegres, que se ven-
dem muito em conta, e tambem se do
amstras.
CHITASA240RS.
Na loja do Pavo vendem-se bonitas chi-
tas francezas claras e escuras e cres'fixas
240 rs. o covado, e pechincha.
LASINHAS A 320.
LASINHAS A 320
LASINHAS A 320.
Na loja do Pavo vendem-se elegante sor-
timento das mais lindas lasinhas lustrosas,
com listrinhas a imitaco de poupelinas de
seda e com as cores mais lindas que tem
vindo ao mercado, sendo fazenda qne vale
maito mais dinheiro, e liquidam-se a 320
rs. o covado, peohincha,
FECHIiWSIA
EM CAMISAS DO PAVO A 45500 RS.
Vende-se um bonito sortimento de muito
fina e modernas camisas inglezas com pei-
to e coliarinhos de linho e pnaos, pelo
baratissimo preco de 45500 rs. cada uma
e aos freguezes que comprarem duzias se
lhe far um abatimento, garantinde-se que
fazenda que vale muito mais dinheiro,
liquida-se por este preco por se ter feito
uma grande compra : assim como se vende
um bonito sortimento de ditas tambem com
pejto de linho bordadas e ditas de algodo
pera todos os precos.
PANNO PARA SALAS A 15000, 15280 e
15600 RS.
Vende-se bonitas fazendas Jproprias para
saias sendo com bordados e pregas a uro
lado, dando a largura da fazenda o compri-
mento da saia e vende-se pelo barato preco
de 15000,15280 e 15600, cada metro sen-
do preciso apenas 3 ou 3 1/2 metros para
cada saia pechincha.
Vestidos brancos a 1800 re.
O Pavo vende finissimos cortes de ves-
tidos de cambraia tranca, ricamente borda-
de roupas, sendo palitos e sobrecasacos de
panne preto e cazemira, calcas e coletes de
brim branco e de cores, que tudo se vende
mais barato do que em outra qualquer parte ;
assim como um grande sortimento de ca-
rnizas francezas e inglezas, e ceroulas tanto
de linho como de algodo e abundante sor-
timento de meias cruas.
VESTIDOS INDIANOS' COM DUAS SALAS.
0 Pavo vende uma grande porcao de
cortes de vestidos indianos, tendo duas
saias e tendo bastante fazenda.com os-gos-
tos mais novos qu tem vindo, e liquida-se
a 55000, tendo cada um seu competente
fitfurino.
CASEMIRAS MESCLADAS A 35 0 COVADO
0 Pavo tem para vender bonitas case-
miras mescladas e bastante encorpada para
roupa de homens e mesinos pelo bara.o
preco de 35000 cada covado ou 55000 o
corte de calca para homem.
Roupa por medida.
Na loja de Pavo manda-se fazer qualquer
peca de obra a vontade do freguez, para o
que tem um perito alfaiate, responsabelisan-
do-se os donos do estabelicimento por qual-
quer falte que possa haver, quer por de-
mora, quer por qualquer defeito na obra;
e para isto encontra o respeitavel publico'
um grande sortimento de todas as fazendas
que desejar.
ALPACAS LAVRADAS A 640, 800 u
1,000 RES.
Chegou para este grande estabeiiciroenta
das e com muita fazenda pelo barato preco'o. 60.
BRAMANTE A 1800.
Vende-se superior bramante com 10 pal-
mos de largura, proprio para lences, dan-
do a largura d'este boa fazenda o compri-
mento do leocol, sendo preciso para cada
um apenas 1 e 1/2 metros ou-1 e 1/4 pe-
chincha pelo preco.
ESPARTILHOS A 5*000.
Vende-se um bonito sortimento dos me-
lhores e mais modernos cspartilhoe tendo
do barato preco de 55000 at 8000.
Cachenez.
Na loja do Pavo vende-se um grande
sortimento dos mais bonitos cachenez de
pura la proprias para senhoras, vendem-se
0 cada um, na ra da Itoperatriz
i ^ uiiw ^3 om ouira qHaiquer pane. aas e com muiia razenda pelo barato preco 'n. 00.
a ioja lo Pavo, est constantemente aberta, das 6 horas da manhaa s 9 da noute
V >
p mais bonito sortimento das mais moder-
nas alpacas lavradas de todas as cores, qn
se vendem a 15, 800 e 640 reis o covado,
assim como um grande sortimento de alpa-
cas lizas de todas as cores
Basquinas.
Chegaro as mais modernas basquina
ou jaquetinhas de seda preta, ricamente
enfeitadas a viarilho, tranca e setim preto
tendo de todos os modellos, os mais novo*
que tera chegado e vendem-se por preco*
muito razoaveis.
POUPELINAS DE SEDA
POUPELINAS DE SEDA
POUPELINAS DE SEDA
a 25000 o covado.
0 Pavo acaba de receber o mais ele-
gante sortimento das mais lindas verdadei-
ras poupelinas de linho e seda com os pa-
dres mais delicados que tem vindo ao mer-
cado, tendo entre ellas cores proprias para
alliviar luto, e vende-se pelo barato preca
de 25000 cada covado, pechincha,
Cambraias brancas
Vende-se um grande sortimento das me-
mores cambraias tanto victorias como tran*
parentes tendo de 35500' peca at a mair
fina que vem ao mercado.
CAMBRAIAS RRANCAS A 4*000, A PECA.
S o Pavo vende pecas de cambraia
branca transparente, tendo mis de vara de
largura, com 10 jardas cada peca, fazenda
que, sempre se venden a 75 e 85000, liqu>
da-se.pelo barato preco de 45000.
FSltiES BRaNCOS A 640, 800 E 1*200,
Vende-se muito bonitos fus toes branco*
muito flexivel proprios para vestidos de
senhoras e roupa para meninos e vende-**
a 640, 800 e 15200 rs. o covado.
Cassas a 14 rs.
O Pavo est vendendo bonita* cateas de
ceres flxas a 240, 280 e 300rs. o cp*ado
Brilhantes lasinhas.
S o Pavo, 640.
Chegaram as mais birlhantes lasinhas co
as mais lindas cores, com palminhas mio
nnns, assentadas nas mais delicadas core* de
lyrio, cor de caima, cor de ganga e branco,
sendo estas novas lasinhas de muito boa
qualidade, tendo largura de alpaca e vnde-
se 460 rs. o covado. i roa da Imperatrit
b 60 loja do PaYlo.


a-'-i

'
I


Diario de Pernambuco
PTt'R
de Agosto de 18 <
s
AO JffiSl TAVEl f HUCO
feode Gotearles, commerciante dasta praca ,cal)3 de concluir
wam e de novo abre imeBt68 de f2endns
.1 ,.iCoes de GSNbald e Arara, o tendo resoN
mrte batimento to picos, |>or isso crni-
Loar
tOdOS OS S'Mfc
titos
vi4o;liqiiiii;i-
j*1*?:' -tan da praca coito do mallo.
paia mas krnbr.- -le novo osen fsubdecim que tuda* as fazendas atr.
tanas na loja o a, mazem da Arara ra da tapeVa.ru. 7a quer^olveu e
gmMua**. .), l..j. Gacibald., para flcar rfmenTcetn a:SiJ^tSSSS
CHALES BR&NC03 E CASSA A
eZ^".:V()'-S,'-:i2U ^BS^SGH^mDKCHITAAOpO
Vende-se orna grande porcao de cober-
c
Atteaqo.
1:5000
e 3(i0 o covado mi loja do Arara
ORGANYS UE USTA DE CORES.
Vend^-se Kkgandys para vestidos de so-
oboras, fazenda urnuio modernas a M rs.
> covado.
las de chitas chinezas para cama pelo barato
pres;o de 25000 cada urna.
Vende-.-e na loja do Arara 3 balcoes'para
I qaatqner esiabeiecimento por barato presso
vn!U?*i?ttnI*a*decdrjpor nao se precisar d'cllea no estabeleci-
ina .1.1 .'ment.
RETALH05DE CHITAS PRETAS E CASSAS
A leo O COVADO.
ou miissulina do
cor para v,.S'i |.;.> a U0 .. covade.
BfttUDOS EHACEZES A 3&).
Veade-s-: ridbados fraucozes para vestidos
a-.3Gp.rs. u ci>vad Vende--, ,:ai;s esmiras finas das largas
pflia vestidos de senhoras. a :i0 o covado.
Ditas natrada* escuras a 280 o covado,
ALMAC.\S-TJ.S^S A 500,
Vende-so alpacas lisas par wjslidas de
senhoras a 300 9 840 es. o ruado.
LAftZUJHAS TK.V-SPARENTES A O RS.
Veude-se lasiultas transparentes, para
vestidos a 500 rs., ditas tapadas a iOO rs.
o colado para liquidar.
ALPACAS DE LISTAS A 500 RS.
Van'le-se alp .cas de listas para vestidos
10 rs o cavado.
BRILHANTI.YV BRANCA A 500 RS.
-fealcKSt! bria.ifitini branca para vestidos
a kJO rs, o cavad. *
ALPACVS \! \TISADAS A G40.'
Vendo-Si al| acas matisadas para vestidos
de eadiora i oA rs, o covado.
CORTINADOS PARA JANELLA CA000.
Vende-se ru/:i,i;uljs para|aoeNas a (1(5000
o par pan I a d.r.
SEDAS DE CORES 1,5000.
VMt*aeledas para vestidos a MttOOo
covado.
TTOS GRANDE
ARMLLZEftg M SECCOS JE MOLflAOOS
W. 28Largo do Ter^o.M\ 23,
DE
SIMAD DOS SANTOS ft C
GALLO VIGILANTE
repo n. 9
10
Patto da Pejiba'
DE
10
CORTINADOS PARA CU1A li^OOO.
VeDde-w cortinados para cama a l!
' goujnUS IV.' a s::.\!iitA A ioo.
VeiMfl'Se nina gran !,; purco de gollinbas
para senhoras e i;:'indas, a 100 e 200 rs.
cad, nr.ia par' iipii ;ar.
CHITAS PARA C0BERTA8 A li-20.
Ven i.'-e di tas largas para coberta a
.'{;!< i Uti.? ra, o covado.
MANGUITOS COLLAS A 500.
Vende-se manguitos e golwnbas para se-
niora a 500 is. ditas do lnhoa CiO e 800
r>: cada urna.
^ CUALES ESTAMPADOS A 000.
VV.ade se cha s de merino estampados a
2^000 para Nqnidfr.
c\mr aias victorias A G5000.
V;i'l-.' cambraw Victorias finas a
000 65500 o 7;S09). por ser liqni.iarao.
ALPACAS CO\l PA LM \S DE SEDA A 13000.
tfande-se alpacasCin palmas de seda para
veMidM de seniora a L;000 covado.
CO :i;s DE CtITAS DE CORES A 2500.
Vende-se cortos de chitas de cores- om
JOcovad.v a i 500,
------------------1---------------------
Vende-se urna grande por$ao de reta-
, Ibos de chitas e cissas pretas a 120 rs. o
I covado para liquida .'
COBERTORES DE ALGODAO A Ir>400'
Vendc-se cobertores de aigodlo cada um
15100.
RRAMANTE DE LIMIO FINO A BARATO
PRESTO.
Algodd raspado de dnas lar-
guras 1&0O
Vende-se alfijo') transado de duas lar-
guras a 15-200.
MAD'.POLAO ENFESTADO A 3S800,
Vndese pecsis de ma'.apolo da 12 ar-
das a 35500 a p gs.
ALCODAO A 45000.
Vende M pee. s de algodo encorpado a
45. 55/Ge 75000 a p.ra.
MadapoISo a 5.SOO'.
Vende-se pecas de madapolo de 24jar-
.das a 55 05 e 65J00, dito rauito fino a 75,
85 95 e 105 a peca para liquid r.
ALGODAO DE S PALMOS DE LARGO.
Vende-se rlgodo com pilo palmos de
largura proprio para lunecs e toalhas a 900
rs, o metro.
ALGODO DE LISTA A 160 RS.O COVADO.
\cnde-se algodao de lista proprios para
saias ou vestidos para escravas o calcas e
carnizas para tscravos p.rser rauito forte a
4G0 rs, o covado para liquidar.
Corees de castor para caica a
5UO rs.
Vndese coitos de castor para calca a
SANTOS & FER8E1RA
rP<, ?,S,W".etar108 d6Ste/S b*P?ortidos ara 'participara a*s scus innmeros
ireguezes tanto desta praca como do mateo que tendo feito grande diminairo de pre-
Cos as suas mercadorias esto por isso resolvidos a vender por menos de 0 e 20 r
do que ex ou:ra qoalqucr parte, garantindo-se po^anto a s p.^rior qnadade de quaN
quei genero comprado i.esW^ou* estabelecimentos. Mencionamos alguns dos qossos
geneto, e a v.sta destes sao comprebendidos os outros, porque enfadonho seria men-
Se algueii^ duvidar venha ver.
Vinagre branco mandado vir por conta
propna vindo de Lisboa, a 320 a garrafa e
480 o litro.
dem tinto Figeira, Lisboa e Porto a
320,280, 240 e 2d0 rs. a garrafa e 4b0 300
rs. o litro.
Vinhu Figeira, Lisboa, Porto e Estreito
Gaz amarici-no marca Deves a 85800 a
I U, 380 rs. a garrafa e 560 o I'tro. '"
Azeite doce de Lisboa a KX) e.ljJMOOa
garrafa em poigo faz-sa grande abatimen-
to.
Caf era caroco a 220, 240 e 2-0, u Ii-
500 rs caria um.
CORTES DE DIUM PARA CALCA A (5400.
Vende-so cortos de brirn d ccr para
calca a 15400 cada um.
BSria p^rdo ib-o a OO rs.
Veude-se. brirn [tardo liso, meio linho para
calcas para irabal-o a 500 rs, o metro.
angas para calca a 8 rs.
Vende-se gangas inglesas para calcas e
patitotsa280 r o-co\ado para liquidar.
CORTES DE CASE.MIRA DE COR A 35500.
Veode-se cortes de casemira de cor para
calca a 35500 ca'da um.
Dilos mui ii (i-,s rom listan do lado a 35.
PEaCALASFNlSA^.
Vende-se perca as linas, para vestidos de
senhoras a 440 rs. o'covedo.
Cassas ira eczas a *40.
Vende-.-e cassas franeczas para vestidos
a 240 rs.. o covado.
a 560, 500 480 e 400 a garrafa litro a 84Clihra kiio8rammo a 480. 540 e OO, e
760, 720 e 600.
Vinlio branco puro de Lisboa a 040 560
a garrafa, em porcao ha aliatimento.
Vinho do Porto, engarrafado das melho-
res e maisacretadas marcas a 15000 e 15200
15500 e 25 a garrafa.
dem Bordeaux, Medoc e St. Je lien a
75500 e 65500, a duzia e 6*0 s. a garafa.
Genebra de Holl oda e larania doce aro-
mtica a (J5500, 75, 111500, a' frasqueira.
Servoja Bass, Illers Bell a 05800 da-,
zia em porcao ha grande abalimento.
feraifl-rcalleT e outras marcas a
o5500 e 65, a dazia e 500 s. a garrafa. 1
Assim como ha ouiros muitos
75000, 755(0 o 85800 arroba.
Milbo alpista 200 rs. a libra e 440 o k -
lorramma e.55800 a arroba, emporco ha
abatimento.
Cyieijos frescos do ultimo vapor a 35200
e 35400 cada um.
. Aletria, macarr5o, talbarhn a 500 rs. a
libra e 15100 o kilogrammoem caixo ha
abrenlo.
Sabo massa de I* e 2* quadade a 220
e 240 rs. a libra em caixa ha abatimento
Toucinho de Lisboa muito alto a 400 rs.
a libra e 880 o k ogrammo, em arroba-ha
grande*dilerenca.
gneros, vir.ho em ancoretas, azeitonas,
e G$os, cnarutos finos de diversas marcas, marmeiada, bolachinhas de todas ai
Km a do <
Os propnelarios dMle bem oohecido estabele-
cimente, alm j bjectos que tinham ex-
posts a apreciagifo do respeitavel publico, maa-
daram vir o acaiiarn da roceber pelo ultimo vapor
da Eu!-?.pa um completo e vanado sortimento de
finas e p.l delicadas especielidades, as quacs ev-
lao resolvidos a vender, como de seu eostume
por precia mui lo baratiahes e commodorpara to-'
Jos, LM.-n tanto que o Gallo.,.
lito superiores luvas de pellica, pretas, brau-
i cas e de mui lindas cores. v
Mu boas e borlitas gollinhas e pnnhos para se-
ahora, oeste genero o que ha de mais moderno.
Superiores peales de tartaruga para coques.
Lindos e riquissimos enfeites para cabecas da
Exmas. senhoras.
Superiores trancas pretas e de cores com Tidri-
Ihos e soni elles; esta fazenda o que pode haver
de melhor e mais bonito.'
Superiores e bonitos leques de madreperola,
niarfim. sndalo e osso, sendo aquellos brancos
com'jici'o.' daseahos, e estes pretos.
Muito superiores nieias tio de Eseossia .para se-
nhoras, as quaes sempre se venderasi por 300O
a 4uzia, entretanto que nos as vendomos por 20J
aim destas, ten:os tambem grande sortimento de
outras quaJidadcs, entre as quaes algumas muifc
tinas.
Boas bengalas de superior canna da India e
castao de marfim com lindas e encantadoras figu-
ras comesmo, net;e genero o .]ue de melhor si
pode djseiar ; |lm destas temos tambein grand.
Juantidau de oatras qualidades, como sejam, ma-
eir, baleia, osso, borracha, etc. etc. etc.
Finos, bonitos e airosos chicotinhos de cadoia t ^eiltt d,: r'**' ,'r;,,'|,"'i-
quaiia.-tes, jurla, Francy-cracynel, a, b, c. Mdium, mixed, soda Fancv-nic-nac na-
uczVe^STntlrLM^T* T gab fiDa' "*^SSSSS flJi
sas^ua'idS iwf ^mor, phosphoros de Sycuryt, Cognac, cha de diver-
emSs^^ pomada, enlofre, bren, peixe
S nSefdS,t?S-?',fal,,!5a ds ^mericana. grandes mohos de bol-
Wd ?u5 netet ^k ^nl!3e tmbm.fB"D*rt">enU) de loucas propnas para ne-
Docio, qae pelos seus conanodos preco far vantagem aos compradores.
RA DO DUQUE DE CASIAS N. 7, (OUTR'ORA DO QEIMADO)
Esto navu esiaueitciinento j b?m conhecido nesta capita.,
s""'|!3 ''" Sl,JS freguezes e ao respeitavel publico qne conserva m'sempre "o
mehor o mais variado .-o i meato de fazendas para aeoberras, horasns e meninos, sendn
rios fazem
sua especialidade eaxovafts para noivalos e prepares paa salas.
Pa?a ncivas
Ricos vestidos de blond-da seda borddos de duas saias o que ha mais rico e
com todos os prearos.
Gorgorpo branco de seda, superior qaaiidadd.
M-uiias de blon! com capellas de flor de laranja : s
Loja do Triumplio.
do Daque de Oaxias n.
so na
/.
II HffiiS i
m m m i. .
Ararae de rorro galvaouado era rede para cercas, gaiola?, galiinheiros etc.
uiapas de ferro galvanisado para cobrir casis.
Tachos de ferro e.-tanhado para cogenhos. x-
Oifres de ferro de Milaer e outros autores.
Chumbo em caiio.
Dili era leug:,l.
Que om barra?.
Dim era enxaJas.
Eftaobo era barra e verguinha.
Fulba de Flandres.
Arados americanos para ladeira e varzea.
ilarrinlws de mo.
Vtiezianas para janellas.
Machinas de dscaru^ar algodo de facao.
Dita* de sarca.
Ditas para curiar fumo.
Ditas a vapor de R>rr:a de 3 cavallos e motores para 2 cavallos. para qaover as
achinas de algodao. t '
Cadoiras de ferro. .
Cumas de tm.
Piensas para copiar cartas.
Salangas para pesar.
Oiei de IjDtiaca em latas de ferro.
Triiho* de fero para engenhos
Bombas americanas.
Macacos deestivar.
Ualaucas e pe-os decimaes e outras.
Foges de patente.
Enxofre. -
Salitre.
Estopa larga e de boa qualidale.
Picaretas para caminhos de ferro.
Um gr.tude sortimento de brrageni e entilara. >
LOJA JO PAPAGAM
Novo estabe ecimento
FAZEDIS E ROUPAS FEITAS
Imperainz n. 40, esquiua do be eco dos Ferreiros
DE
mnuHiw.
O novo propnetario deste estabelecimento, communica ao respeitavel publico
fi L?3, et.MPfla,ente s Exma- fn'ls, i,r.e est liquidando por preces bara-
Kssimos, as antigs fazendas que ex.st.am neste e,tabelcimento, alera das que abaixo
Lr ?D CU,0S PreCM.Were>toda a tteocSo do .Spe.,lavel publico, que nao
deixara de com pequ^a quantia refazer-se de quaiquer qualidTde de fazenda que pre-
cise. Prevme.se tambem que a mesma loja tcm f,.to sortiaiento de fazendas moder-
nas e continua a sortir-se d,s do mais apurado e cscolhido gosto, qua vender mais
barato que quaiquer outra loja. H c ucia mtm
- w. L0J',D()iPajpa'5AI0 alm de ter um gr.nde deposito de roupas feitae, tem
um bonito sortimento de casem.ras franezas, inglezas e allemas dos padres mais mo-
dernos, e ass.m como pannos pretos, casemiras e panno fino cor oe pinho, azul claro
S3 brms brancos e de cores, fustoes branx>s, o de cies, gangas de linho
e bnns pardos de todas as qualidades.
CD nA L0JA D0 PA^0^1,0 ,em contratado om opnmo mestre alfaiate perito no
seu oflicio para executar qualqner obra da arte com a raaior perfeiC5o e esmero, e qua
quer obra que n5o hque vontade dos fregaezes, ficar
de outras qualidades.
Lindas e supe; ores ligas de seda e borracha
para segura* as meiK.
Boas metas de sciaparasenhora e para meni-
na.^ de 1 a t annos de idade.
N;iv.i!h.;s cabo de marilm e tartaruga para fazer
torna ; sao sncito boas,e de mais a mais sao ca-
ractidsa peto fabricante, e nos por nossa vez tam-
bem asseguran:>.s sua qualidade c delicadeza.
Lindase bolla-en pellas para noiva.
Superiores agulhas para machina e para crox.
Linha muito boa de pcio, frouxa, para encher
labyrintiio.
Bonsbaralhof de canas para volUrete, assim
como os tentos para o mesrao fim.
Grande e vanado sortimento das melhores per-
ramarias e dos meihores e mais conhecidos per-
fumista.-.
COLARES DE ROER.
Electrices raagmiicos contra as convulsSes, e
faciltala a dentcab das innocentes crianga^. So-
dios desde muito recebedores destes prodigiosos
coHaras, e continuamos a recebe-los por todos os
vapores, ahin d( (ue nunca faltem no mercado,
como j tem aconiecido, assim pois poderao aqael*
les ;ue delles precisarcm, vir ao deposito do gallo
vigilante, aonde sempre eacontraro destes verda-
deros collares, o os quaes attendendo-se. ao flm
para que ao applicados, se Tenderao com um mui
diminuto lucio.
Rogamos, pois. avista dos objectos que deixamos
declarados, aos nossos freguezes c amigos a virem
comprar por precos muito razoaveis loja do callo
vigilante, ra do Crespo n. 7.
a r ______
A raadoDuque"(ieCxasn21.
n (ASI A CO OWIMADO)
Epei.
Urtfiras, cljaruleir*e poit-cigrrus de muHa
qniliihidcf. .
l-aMas pan paptl.*, umpta fl matssd;,--
Roas rsixa.-. vn-ias para coslura i nm."
lenifi chave.
Delicadas caetas de marliin com o bocal t
prata.
Midernns prnl^ d.1 tfftarrga, sobre-shindo en-
tre ell-< os mirruius lelegi.-i.liNlas.
O'inmodo* toucadores-cuiii Cuas envetase bem
espelhc.
Port bjnquet, o que de melhur U'm appar^-
eido. ,
P.'ri reL'gios denu:it,-s (]n,ihdades.
la Vusiuarios, rtnpeuznliu*, toucus, sapatos* metas
para haptisad.M.
Toalhas e fmnhas de IslyrinJh.
Chapeos echajielinaspara -enhora, moldes n
e bonito*.
Chapozinhos grres e b.is para menieo f
meninas.
CvOitra as convulso s oas
Vendo-se
raue,a
as convulso s
crine
os Tirdadeiros k liafw ra fova E.-|\-
.i Dhjiuc de Cixias n. 21.
BAKA TI.NGIII
ra do Dhjuc de flixi
LOS
para pretil ou easUnh -. ii'lc ;. N'ova E-j
i.-incu i verdad^im Ira' i
para aj:arar con as sardas
n pannos. tim a Nova Esperanza o vtrd
AGL'A DE l'I.OH DE LARANIA.
Vend(sf na Sova Esptraqcj, loa do Duque de
Casia- n. 21.
PAPEL PARA KXFEIT.MVSE POLOS
reci-lnin-ns ii'iiilo lindos a Kuw lisperanc, rea
do Dmcjed (jtim n. 2L
PAf.A AMACIAR E AlOllMOSEAIl A PELLE
tema Nova Espmnca bs aanoaeiea de poade
arroz.
Bival sem
a 3:> o metro,
lenfes e toa-
fazer ou ra.
Aloalhado de linho fino,
e de algodo a -2>.
Algodosinho largo, para
Ibas aMiJOO.
Alpacas pretas, de cores, lisas, de furta
cores, e de listras.
Bareges com listrinhas de differentes co-
res a 3 rs, o covado.
Bols sd
o preco e
Uombasioas pretas^ lisas, e trancadas.
Bramantes de linho, francez c inglez a
2^500.
Baloes de mossulina, braocos com lit,
e outros todos de panno com o feilio dos
de fitas, para senhoras e meninas.
Basquinas de grosdenaples preto mo-
dernas e de croeb muito enfeiladas.
Bretaohas de linho. de algodo.
Biins de linho trancados brancos ede;
cores.
para a loja, e maoda-se
preto liso, e de
Esguiao de linho de l^GOO a 3$ a vara.
Chdes de merino pretos muito grandes
a 3. /
Dito ditos, estampados de 4,500 para
cima.
Fil de linho branco e
salpico.
Gravatas de seda pretas e de cores, da.
lapeje anudadas, para viagem, ma.s moderoas que tem vindo ao mercado
conforme o taraanho. Guardanapos de .inbo brancos epados!
trosdenaple preto de differentes pr eos.
Lasinhas em cortes com palmas com i4
covado porfi.
Ditas lizas e delistas transparentes e ta-
padas de differentes precos.
Madapoln ingiez. de 5 at 10 a peca.
Lencos de algodo, braacos de 2)5 a 34
a duzia.
.respe
Jcordeiro previdenti
Etna do nelmado b. te.
Novo e variado sortimento de perfumari
finas, e outros objectos.
Alm do completo sortimento de perft
diarias, de qae efiectivamente est provida
ioja do Cordeiro Providente, ella acabs
receba- um oatro sortimento que se ton
aoteyel pefavariedade de objectos, suporio;
iade, qualidades e commodidades de pn
eos; assim, pois, o Cordeiro Providente pe
e espera continuar a merecer a aprectac*
do respeitavel publico em geral e de tx
boa fregiiezia em partictar, n5o se ifai
tando elle de sua bem conhecidamansid
i b'arateza. Em dita loja encontrarlo (
apreciadores do bpm:
Agna divina de E. Coudray.
Dita verdadeira de Marray & Lamman.
Dita de Cologne ingleza, americana, frt
ceza, todas dos melhores e mais acreditad:
'airicantes.
Dita de flor de Iarangeiraa.
Dita dos Alpes, e vilete para toilet.
Elixir odontaigico. para coaservacao t
.sseio da bocea.
CosiGetiqaes de superior qualidade o cu
ros agradaveis.
Copos e atas, maiores e mano rea, eos
pomada fina para cabello.
Frascos com dita japoneza, transparen
4 oatras tjaalidades.
Finos extractos inglexes, americanos
(rancezesem frascos simples e eneitados.
Essencia imperial do fino e agradavol cb>
ro de violeta.,
Outras concentradas e de cheiros igui
mente fiDas e agradaveis.
Oleo philocome verdadeiro.
Extracto d'oleo de superior craadad
^m escolbidos cheiros, em frascos de
"entes tamanhos.
Sabonetes em barras, maiores o menor
para mos.
seguncko
RA DO DUQUE DE CAXlAS N. 40
Estou disposto a conlinaai* a \ender tocias
as miudezas jielos baratissimos.prefos abai-
xo declarados, garantindo ludo born e pre-
Cos admirados.
Caixas com 20 cadernos papel pau-
tado a........
Caixas com 50 novelios de linha
do gaz a........
Duzias de recias cruas soperioi
quaiidadea.......
Pecas de bibadinbos com 10 \a-
rasa.........
Pecas de liras bordadascom 12"
metros cada p qa a 1(>500 e.
Pefas de lita- para cs de q al-
querlaryura enn 10 varas a.
Escuvas para unhas fazenda fina a
Ditas para denles a 240, 380,
400 rs. e. .
Pecas de tranca lisas, brancas e
de cores a.......
Caixinhas de madeira cob alune
tes fazenda superior'a. .
Duzia de linha frxa para torda'
dos a 4i0 rs. e.....
Pares de rabias crua- para u'
nos diversos tamanhos a.
Duzias de melas janeas rosiu
linas para senbora a. .. .
Pares de sapalos de tranca dd
Porto........
Pares de sapatos de tapete a. .
Livms de missa abreviados. .
Duzias de hwwlhos para-vu!laicl-
Sylabarios poiiuptiezes a. .
Crtoes com Clxeies tarrersa
A;otoaduias para colote diverges
qualidades.......
Caixas com pDnna de eco muito
boa de 320 a......
Duzia de linha 200 jardas Alexan-
dre de 40 a 200 e, .
Caixas com superiores obrei.s a.
H)uzia oe gulha para machina a.
Libras de p-egos francezes todos
os tamanhos a......
Pacote de papel com 20 qrtader-
nos...........
Caixas de pliosphoros seguranca
muito sup;riores a .
Berma de papel pautado superor
Resma de papel,liso muito supe-
rior a ,........
Gairafa com aua Fronda verda-
deira a..........
Quaderno de papel liso amizade
Carretis de "inha de cores com
100 jardas a........
700
400
3$3O0
60()
2)9000
600
S00
4
400
500
320
i
:i<<
2t
40'
5(Hi
1(5200
40
2,OOO
240
400
400
wm
3,y,;0O
20.
20
CAUVIN A uniEB.p"
Pharmaeotiuco privilegiado
suceeasor ,
topol, SB. PAJEiie.
^^ pfCIALIOJE A. MARINIER
Apresemos a Academia de Seiencias e to hslitulo de Fnna.
Setjj fomu d hiiu, dwtilia t JotetUgn fuer d
INJtwuAU momento ucu soluctao FflUITT
MOLESTIAS COMTAGIOSAS
va du
IHICM-PBILTRfl d00fete"S.3f^r
tragiuaade.
Graves inconvemanles e
OOLLYBIO
BARTHOLOIEO & Ca
Coa t torna. 4* tolune de m "irtr Motdt *~
T00O XWJAJIHfrOL
ESTOJOS
Contra as afleccois uas palpebras, preparado u> w^-. forma.
Depoiilarios gefal para o BftASUi e POBTL'CAIi
34, ra larga do Rosario, FSRNA&CBUOO. *
Ditos decambraia do liubo de 6o a 12#s
Dilos de esgoio de 65 a 8/5.
Mussuliaas brancas e de cores a 500 rs
Bnns de algodio trancados brancos e de o covado,
C8- j Gorgures de 15a com listras, fazenda ln-
(.omoraias brancas tapadas e trinspa- teiramonte nova no mercado a 800 r. o
rentes, sendo inglezas e suissas de 6 pal- covado.
mos de largura. i Merinos preto, trancado e de cordio.
Camsas de meia, de flanalla, branca, e Paitos bordado* e Usos, tant^ de linho
de algodio. j^omo de algudao para camisas de bomem.
Camisinbas brancas de carabraia com di- Priocetas pretas de differentes precos.
licados bordados, e enfeiladas de cor para j Cambraia branca tapada muito larga com
Sras- | pregas e bordado, hade tres qualidades
Cambraias de cores a 400, rs. o metro e P^P P*"3 s** Sras., o preco ba-
a800rs..a vara. rato.
Camisas inglezas, e francrzas de linbo.e1 Sedas Pret,s ,avra de algodSo de pregas, usase bordadas. ,2 Chapeos d sol de. seda, merino ealpar-! Sargelim rancez e ingiez de toda ao co-
ca de differentes cores, e mnito baratos.' ires-
Chitas para vestidos, francezas, de 240 Toalhas de algodo e de linho de dil-
at 400 rs. ferentes qualidades o lampubos.
Chitas para cocerlas de 320 at 640 rs.! P*s do linho para hoaem .muito fi-
Cortinados de cambraia, e de fil borda-,mB-
dos para camas e janelas de 104 para crina. I Me,a* ,D8ezaspara Sras.,e para meoinos
Col. has de fusto brancas a 3&500.
Ditas de cores a 20800.
Colarinhos de Irntos, intriezes, e alemes.
lisos e bordados.
Damasco de 13, encarnado, a zu| e ama-
pello, escomtroa preta.-
Espartilhos de linbo branco para Sras.,
de differentes precos.
e para-borneas, de d*fferenta8 qudlidades
e de todM os tanatbos.
Para qoem comprar peca oa duzia de
tmalquer fazenda seo preco o costo ; para
diminuir o retalho.
DatB-ee as amostras de goalqoer faz?nda.
A leja do Papagaio achase aberta todos
os das, at s 0 horas da noote.
Frmeisco Teixewa tiendes
0LE0PS^H0GG
. 1IAURER et
ll-VA LOPES.
FERREIAA
Ditos transparentes, redondos e em &V.
'as de meninos.
Ditos muito finos em caixinba para barb.
Caixinhas com bonitos sabonetes imitanc
frucas.
Ditas de madeira invernisada coatendo 3
aas perfumarias, muito proprias para pr<
entes.
Ditas de papelSo igualmente bonitas, tan
oem de perfumarias finas.
Bonitos vasos de metal coloridos, e
moldes novos e elegantes, com p-de arn
e noneca.
Opiata ingleza e franceza para destes.
. Pos de campbora e outrae differem
qualidades tambem para dentes.
Tonteo oriental de Kemp.
Alada laale coquee.
m ootro sortimento de coquee de c
vos e bonitos moldes com filis de vidrilh;
e alguns d'elles ornados de flores e fita
esto todos expostos apreciacio de qne:
* pretenda comprar.
GOLLINHAS E PUNHOS BORDADOS.
Obras de muito gosto e perfeic5o.
Ffrellas e nas para cintos.
Bello e variado sortimento de tae3 obj
tos, ficando a boa escolha ao gosto do coi
prador. ________
Milho novo d Fer-
nando
Em saceos grande a preco comm idi : no ar-
reaiem de Tass# Irnao & C, roa do Amorim nn-
n aro 37 ,
Ii VILLE DI M
20
Ra da Imperatri20
Farl d- Lessa.
Acaba de chngar a esta uo.wi nova loja de fu-
zendas finas um variadi sortiitento de fazenda- de
laa e seda, como sejam : granadines do ntltaki
gosto, popelinas de urna s cor. alpacas e Baxt-
nhas de cores, o que ha de mais mod* nio. loso
por baratsimos precos, brilbantina- de cores, t^
cidos das indias, fazenda nova a imitacao de per-
cala, baloes de dina Bngitdo saia de cur com lin-
das barras, fustSes propriog para vestido e ronpa
de meninos ; agora grandes e admira veis pecbin
chas, saias brancas com lindos frisados a 3S, ri-
cos corpinhos bordados muito finos a I,
modernos de arcis a ii. ricas colebas para cama
alcochoadas. sendo brancas e de cores, a 60 e
7i, cambraia victoria lina a 6tf, ditas trans :
tes a S, 61 e 7,chitas finissimas escuras e claras
a 280, 300, 320 e 360 o corado, cassas de cores a
40, lencos brancos de casia a 2dO0, dilos ch-
neles a 33500 a duzia, madapoKlo f no a 6 e
61500, e mnita superior a 7f, "600 e 61, ale >-
daoznho largo proprio para lnees a 61, i*nirt
de al.odao bronco trancada proprio para lej
de mesa a t600a vara, nramaote para lejices a
21000 e 31300. o que ha de melhor, esguian li-
nissimo a 21200 e 21500 a vara. Mandamos na-
casas das Exmas. familias para melbor podereei
esculber. Tambem lemos cempieto siulirneuto o.
perfumarias dos pruneiros fabricantes franeezs
inglezes'; as pessoas que se dignarem vir a esta
Itja tero occasiio de reconbecer a realidade do
que anniinciamos para nos justificar.
Cabellos
Veedem-se cabellos de todas as cores, quaiquer
compriniento, qualidade superior, em cana on
porcao mais pequea : na ra da Cadeia do Re-
fe n. 51, jo andar______________________
Vtnde se no im azem de Roben Lightbowa
4 C, roa da Cadma o. 52, fio e barbante de todas
ae qualidades, cores e grussuraa, em grandes ou
peqecoas porefies, estopas de todas as qualidades
e largnns.
LUVAS
t Verdadeiras lava do Jouvin branca? e de ci
vindas pelo ultimo vapor a 21500 : na loja da Fita
Azul, roa do Cabog n. i.
Farinha de njandioca dp Sautu
Calharifia.
Da superior, vinda pelo patacho ingiez Man
Block j ba parte^nsacaa para coaunodidade e>s
compradores, e vende-se nos armazens de T, ttu
Irmos 4 C, oo caes do Apollo, e roa do Am riw
numero 37.
As seguntes obras
Colas cont suitw, ene. i vol. por liJWH .
Flores smelas, por Paes de Andrade.
timas paginas, por P. de Cafesans. lllnto-
es perdidas, por C. de Azeve
cadernado em um s volme, por 80
Tambem vende-se a
provinciaes faltando apena
15^000. tendo 27 vol. em brochar.:
quizer duiji-se a esta
dir quem vende.


8
Dia;io de Pernaiubuco Terqa feira 2 de Agosto de 1870
iitteratra:
POUCO DE TTJDO.





fc apenas
tornav-se de
DIVERS1DADE. Guillautoe r$
diz^a que o primeiro obstculo qu se op-
punha memuria era o- wrano. porqoe. du-
rante este, o cerebro nfraqneco, e as R
perdein a sua r-usisienci i
Rivire, as suas observares %>'.
Hivira Lazari, con'a .i historia de uoi !i >-
mem que endoudeceu pelo uso que fe?, da
agua (as paponlas, e Willis cita um ou'.ro
exemplo do urna pessoa que p9rden Uit->-
rameote j memoria pelo uso quo fez do
opio. Em Sianest enconiram-se exem;)!oi
de perda de memoria devidos app'i Ya
exterior dos narcticos. E' preciso nao *-i
mente evitar os somnferos, como tani!>j,m
os trabalhos excessivos, e a demasiada re
feicao de alimentos. Tudo isto augmenta.!
o gosto pelo sorano, e affecta a memoria
Pelo contrario, a vigilia e as madrugadas,
sao vantajosas para a memoria. .Quando
Aristoblesse dispunha a escraver. collocava
na mao esquerda urna bola de rame, e se
somno o acommtttia, esta bola caia n'uaia
bacia de lato, aco'rdando-o.
Mr. Malet, da academia franceaa, que
sabia a lingua grega com urna perfcicii i im
mens, a ponto de fallar to fcil correnie-
raente cooio a sna.propria. esqueceu-a de
tal sorle quo, quando encontrava orna pa-
lavra grega n"um livro ficava perplexn di-
ante d'ella, como um barro em frente de
u m marco. E' a sua propria express3>.
Rabellais, o hornera mais sabio d<>.s'u
seculo, Pra dotado de urna alegra pe ma-
nete. Via tudo pelo lado jocoso.
Zernon, plulosopho taciturno
comec-ava bebendo vinhc,
urna alegra immensa. Cato que levoo-to
longe a severidade, era um dos mai< ara-
daveis convivas quanao princpiava a beber
\iuho.
Hobbes, pRHospho inglez, seguia um
systema de vida, bem. differente de tod"s
os ontros' sabios Nao trabalhava seiio
dopois do meio dia. Empregava toda a tna-
nha no aceio do corpo, edepos de jantar
en;errava-se no seu gabinete. Encontrava
sobre a banc dez ou doze cachimbos chel-
os de tabaco, fechava a porta, muitas
horas
-Anarimeoe possua ama to grande bar-
riga que Diogenes, escaroecend Ihe pedio
uma parte d'ella.
Aristteles faz menso de nm <"erto
poeta de Siracusa. por nome Maraens, o
qual nlo podia escrever sen5o quando ti -
nha accessos de loucura. Lucrecio acceitou
da mao do Lncilia, sua governante, nm
phyltro que o levou um estado alternativo
de demencia. Nos seus in'ervallos lucidos
fo que elle compoz o seu bello poema
sobre a natnreza.
Gaspar Barlens, poeta latino, nascido
em Anvors, era dotado de um genio fecun-
do e de pensameutos elevados Conta-se
que, em consequencia de uma doenca lican-
do com as facilidades inteliectuaes em pes-
simo estado, jolgava que era de vidro, e
nao consenta qoe pessoa alguma se appro-
xirmsse d'ell*. para nao ser quebrado por
um enrpo esiranh.
Dizem Plato e Aristteles que nao
podem haver grandes genios sem urna mis-
tura de demencia.
Demonsthenes oceultava-se em l'igar
onenada podesse ver nem ouvir. alim de ^
trabalhar, e nao ser distrahdo pelos sent-,
dos. Assim, o celebre rhetorico. aconse-
lha a que se deve trabalhar de note, sem
deteriorar a saud, preceito que se pode
desempenhar mesmo durante o da, se o
individuo habitar em casa tranquilla, onde
toia a luz exterior deixar de penetrar.
VERILICACO DO TEMPO.Para apre-
ciar com seguranza as mdicacoes do ba*-
metro o thermometro simultneamente, po-
dem adoptar-se como regras bastante exa-
tas as seguintes:
1. Se o barmetro desee ao mesmo tem-
po que o thermometro sobe, nao ha
chova.
2. Se o thermometro desee ao mesmo
tempo que o barmetro sobe, nao ha
chuva.
3. Se o barmetro e o tbermomelfo ces-
cem ao mesmo tempo, indicam chuva certa
e abundante.
4." Quando o barmetro estaciona, se o
ihermometio desee, inclina-se chuva :
mas se sobe, bom tempo provavel.
" (Juaneo o thermometro estaciona, se
Cade bom t-rapo;
msss desee, provavelmentehaver chuva.
fl. Quando o barmetro e o thermometro
sobem, lampo sereno e fresco.
7.a Durante a choya, se o thermometro
sobe, indica que sar de curta da'racSo;
mas se desee, continuar a chuva.
VERDA)EIR\ OBRIGACO.-Os joma-
es fra'^ez s referern una acto admiravel de
auuegaco ocjrrido recotemente n'um ca-
minho de ferro. O hroe do drama chama-
da-s S-;ny e era chele da estaco d^ ATar,
pert') M Nice, homsm honrado e estimado
pqr todas qujntos o conheciam. fc
Esperavj-se o trem queda Nice se diri-
ga irTculon ; acalma de annanciar-se, e
JjSgny dspunha-se a atravessar a va para
irvi^ia-!6 na sua paragera, quando vio por
Iraz de si uma raulber que levavS nos bra-'
eos urna crcanca pequea.
Voita-separa elle, explicalhe rpidamen-
te que, s para subir ao comboio atraves-
sasse os rails, cirriam imminente perigo
ellae j filho, e cono a locoootpra se apro-
ximava, Sgny afastoa-se convencido de
que a sua advertencia fftra obssrvada.
Mas ap lias cnegou ao lado opposto, vol
ton-si; a mulher estava no me o,da va, e
ao ouvir < assobio di machina, om tula a velo-idade, a-.i'ifeliz, perturba-
da, gelaila de terror, con como que pre-
ga la ao chao, incapaz de se mexer.
Sapp corre, agarra a mHlber, agarra a
creanca. arrasta-os comsigo, corre para a
est.icaa a'saharam-se.
M^s, oh! desgraca escorrega-lbe um p
a beira do passeio fageado, e cae debaixo-
da locomotora, lavando comsigo as victimas
que por instantes cmseguira salvar. EII&
licou esmi^alhado, a mulher com ambas as
pernas corladas e a ereaoca materialmente
triturada.
A mulher morreu+tmbem poucas horas
depois
Mr. Blandean diz, e com raso Bfl Petile
Presse, depois d'esta relac,3o :
Os hroes que raoyrera pela patria dei-
xamus seus noms escriptos no arco do
triumpnn.
Os hroes que morrero pela hamaridade
merocem as mesmas bonras.
E^ual sentimenlo, a Fespeito d'este des-
granado ca^o, inspirou a seguinte carta, que
Alfonso Karr dirigi ao Jornal de Nice-:
tMeu caro collega:
t Acabo de ver na esta?3o de Var o sitio
oiidi; se den ba t-es das nm acto de abne-
garlo e de verdadero herosmo: So. haver
kI >ra, admirago, marmore e bronze para
os matadores de homeivs?
Porque tiao ha de elevar-se um modesto
monumento memoria de SgnytEu pro-
pon < urna lapide de marmore ou de pedra
posta na parede da estaco de Var, com es
ta inscripcao :
Aqu morreu, em i i de maio de 87&.
o chele di estac5o, Sgny, esmgalhado por
uma locom-tora, quando ;entava salvar
uma mulher e uma creanca.
No raeu entender, este monwmento qae
s exige uma pequea, quantia para se le-
var a effeto. deve erigir-se por meio de
urna subscripto em qae cada qual dsse
muito ponco, para contribui;em muitos su-
bscriptores, Porque motivo, meu caro col-
lega, nao toma a miciat.va ea direcQo d'es-
te acto do exjmpiar Justina? ,
Se acct'itar a ida, inscreva-me. depois do
senhor, com a qua..tia de 10 rmeos.
Alfonso Karr.
dou collocar um vaso cheio de agua entra-
da do templo, afiaa dos visitantes Baladosi
ooderem matar a sede irem precipi-
tar-se, como at aqu, na pia da agua beata
is margeus do Mediterrneo e ao nivel
do mar obteem agora os habitantes dVssas
regi5es alguma agua soffrivel pra beber,
fazendo algamas escavacoes na altara de um-
i dous metros. Esta agua, qae est quasi
em contacto com a do atfir, mas que n5o
salgada, provm das esctales das aguas
invernaes das montantus, p, flta de outra
melhor. faz as delicias dos habitantes.
Segundo diz o ( Courrier de la Rochelle),
a cidade de Saint-Jean-d'Ang-tly tambern
soffre cruelmente com a falta de agua. Um
edital do mairo prescreve o numero de ho-
ras em que os habitantes podem ir buscar
agua s fon tes publicas, e prohibe o empre-
go da agua na rega dos jardins e ale nos
usos industriaos, para que nao falte s prin-
cipaes necessidades da vida.
Em alguos bairros de Saint-Jeaa-d'Ange-
ly a agua levada em pipas pelas roas e
destribuida por cada easa em proporco do
numero das pessoas qoe a habitan. D'este
modo julga a autoridade que se nao malba-
rata nem uma got de agua.
N'oatra povottco franceza chamad Santo
An ir tal a secca, que se vende o hecto-
litro de agua d rio 75 cntimos ; mas a
maior parte dos pobres, nao tend essa
quantia, veem-se obrigados- a ir buscar agua
ao poco eommunal, onde & pouco abandao-
te e lio profundamente saterada de materi-
as calcreas, que prejudic muito sabde.
Anilla assim, os descarados precisan* de
levar o sea cntaro ao poco logo ao ama
nbecer para ao meio da tere:% a sua vez- de
0 encher.
, Ao pasao que assm se sent lo extraor-
dinaria setca em alguos departamentos da
Franca, nos arredores de Veoa ( Austria )
cae nevo,, e a temperatura pae cousegiiiBe
desee muito.
Contraste d'estn mundo!
LAMEN7AVEL DESGRACA.A escola de
Pharmaci* de Pars foi iheairo de um funes-
to accidente. Um alumno, por nome Troo-
cay, aqnecia n'um tubo de vidro uma disso-
lurjo de hyposulfato de sodas- misturada
com agna forte. D^esta mistura despren-
dia-se um gaz. o acido sulpburoso, que uia
eondiscipoo de Troncay reconheceu imme-
diatamente.
Trongay, querendo-assegurar-se pelo olfa-
to da presenta d'esse gaz, incliooa-se sobro
o fornilho. Por desgrasa, despreodia-se com>
1 mais forca-n'essa uecasiio o actdb e foi env
pregar-se em ambos os olbos do estudanfte.
Apesar d- prompdtt com qoe lhe injecla
ram agua, a cornea- dos done olbos ficou
queimada-pela accao-corrosiva d'aqaelle pre-
parado.
O doutor GosseBo, qae estawa por accaeo
na Escola de Pharmacia, fui chamado toda
a pressa. Infelizmente, n5o pode dar re-
medio aJgum esta desgrana, que priva
para sempre da Loa um mancebo de 24
annos.
de ferimeslos recebidos no campo de bata-
Iba e 1:729 por causa de doencas
Entre os soldados brancos. 69:680 mor-
rerara de ferimentos e H\. 199 por caaA
de doencas ; entre os pretos 2:551 morre-
ram em consequencia de ferimentos e
6:211 de doencas.
As estaisticas d'este genero raras vezes
sao completas ; preciso acrescenlar a estas
cifras as mortes por cansas d&sconhecidas
e que elevam s cifras seguintes laxa da
mortaldade: officiaes 9:314 (1 por 9); sol-
dados brancos 2*1:72 (1 por 8 1/4): pre
tos 33:379 (i por 5 1/4).
A perda total por conseguate de
294:415 horneas.
A INTERNACIONAL.Sobre esta soci-
dade de operarios enconiramos nos jornaes
de Pariz os seguintes dados colhidos no
importante proeesso instaurado contra ella
como sociedade secreta:
Segando a fotba que temos vista, oonta
aquella sociedade em Franca 483:785 a*so-
ciauos ; na Sujsea, 45:22&; na Inglaterra,
80:000; na Alemaoha, 150:000; na Austria,
lOftOOO; e na Hespahha 2 78.
^nora-se o nomero de socios que ter
oo^ Estados-Uoidoe e na Itafta.
Bsta associaco, accrescenta folha pari-
siense, data de f865, em que parece que
Mazzmt. n'um congress reunhlo em Paler-
mo, se eocarregou de fazer as bases de um
pacto de federaco universal entre todas as
sociedades operarios-. Mas tarde formaram-
setomcios as priocipaes capitaes da Eu-
ropa, e estes comicios relaciooa-ram-se entre
si.
O gsaode.eoojresso approvda como ba
ses poli'icas as duas segointes :
1.* O'estabelecimento da liberdade politi
ca-coostitoe nma necssidade absoluta.
2.a A paz armda qoe paralysaas forcas
productivas faz com que o congresso se una
Jiga da pai, com a conuic5o de qae esta
admittira-a urgencia de modificar a-organisa-
gao sociaU
HESPANHOLADA. Conversavam dous
subditos da Hespanha.- Dizia um.
O' compadre, hootem noite dea-me
tal somno, que adormec sem sentir, e pela
maoba quando acorde vi que liaba ficado
cem a mao ra testa no momen em que
princpiava a benzer-me.
Ora, adems T Aindh isso nao- oada. A
mim succedeo-me cousa melhor. Ao acor-
dar pela H&aohaa achei-me com? as mSos
postas oa- cama e o corpo lodo deado pa-
ra fra. no ar.
Ora essa I
Tal qual: adormec quando- a saltar
para a cama!
Carlos V em seo filho Carlos VI, coide
de M nitemou.
Garlos VI em seo irmo D. Juan.
. D. Juaftipero em sea filho Carlos VII. o
Terso.
Isabel II no principe Alfonso.
Falta agora qae D. Affonso*rt>dque no
principe Muley-el-Abbas.
PARS.Nesta cdade leva-se o espirito
da especulado at um grao que assombra.
m sugeito chamado X... dedca-se a ven-
der auihographos, com o que ganha de seis
a oitb mil francos por semestre. O mais
curioso como elle arranja os auihogra-
phos : apenas um artista, um escritor, um
homem poltico, preoecupa a attenfo publi-
ca, escreve-lhe uma earta felcitando-o pe-
los seus talentos e manfastando-lbe o seu
respeito e o seo enthusiasmo ; naturalmen-
te o homem elogiado responde agradecen-
do, e assim adquire o autbograpbo d'aquel-
la notabilidade. D'este molo conseguio
X... crear um resdimento e uma reputa-
Cao como collecciosador de auihographos.
SELVA6EM as corridas de cavallos
de Lyon, deu-se ura> fito repugnante, qu
revela gran le atrasnos costumes inglezes,
tao elogiados por todo o mundo. A orga-
nisaco aristocrtica da Gr-Bretanha le-
gn moderna Albion. estas reminiscencias
barbaras, que a liberdade e o progresso
iro deslruindo a pouco e pouco..
Parece que no momento da partida, um
desgracado Jockey cabio do cavado sem po-
der evitar tal desastre. Sen amo um per-
sonaaem inglez, ao ver aquillo, salta iracun-
do arena, agarra o cavallo, e chegando
se ao Jockey, da-lhe nma tremenda serie de
chicotadas, at que o publico franeez, indig-
nado por este acto de inaudita brutalidade,
vingou o pobre Jockey as coslellas do amo
Um poueo derreado por taes caricias
desculpava-se instantes depois o iglez; de-
elarando qae julgra estar diante de. lords,
e nao sob os olhares de um publico franeez.
VARIEDADE
SECCA. Qs grandes calores que teem
leito esgotaram muitos manancaes om Fran-
ca, principalmente nos departamentos raen-
dionaes. '
O seguinte fado, referido por uma folha
de Mentn, dan uma idea da extrema secca
e da falta de aguas que sofrem aquellas re-
gies.
No lugar de Saint-Maur, situado alguns
kilmetros de Mentn, notava-se a algum
lempo que um grande numero de passaros
se reuna na-fachida da igreja.
Quando os eis s ham da igreja, os pis-
saros precipilavam-se ro interior e pousa-
vam as bordas da pi* de agua benta, onde
matavam a sede. Era o nico reservalorio
onde podiam humedecer o bico. Tudo es-
tava secco nos arredores e os habitmtes
viam-se na necessidade de dividirem entre
elles a agua com uma exactidao mathema-
tica, afim de nao esgotarem completamente
a pouca que havia.
O parocho da igreja de Saint-Maur man-
AS BELLEZAS DA GEERA. O gene-
ral Shanks, que servio no exercito federal
dos Estados-Unidos durante a guerra c.vil
e que actualmente membro do congresso
do estado de Indiana, establecen a segujnie
estatistica com dados officiaes.
O-nomero de bomons qae servirn) no ex-
er-.ito federal dorante os. quatro aonos que
durou a guerra foi de 2*335.-951, a saber:
83:944 officiaes; 2,073:112 soldados brac-
eos e 178:895 pretos. Morreram em com-
bate 3:931 officiaes, isto 1 por 21 ;
38:793 soldados brancos (1 por 54) e 1:514
pretos (1 por 118). Morreram de ferimen-
tos recebidos em combate : 2,069 officiaes
(1 por 4r); 30:887 soldados brancos (1 por
117) e 1:037 pretos (1 per 73).
As proporcoes sao inversas para os casos
de morte em conequencia de doenca.
Morreram 1:723 officiaes (1 por 49);
121:109 s Idados brancos (1 por 17) e
26:211 pretos (1 por 7). Estas differencas
explicam-se pelas maiores fadigas a que
estio expostos os simples soldados, e pelo
rgimen defeituoso das recralas antes de sen
astameoto.
Esta ultima razao applica-se especialmen-
FfJLHETIM
i viv depois o noim
POR
Xavier de Montpin.
te aos pretos, e mostra que nlo a regula-
ridade da vida material e o desprso das
condi'ces da boa vida que endureCem
os homens e os torna mais aptos para sup-
portarem as fadigas da guerra.
Estas cifras resumidas fazem ver que
6:000 officiaes perderam a vida por causa
TRAGSD1A CONJUGAL.A. cidade de
Lige (Blgica) acaba de ser tbeatro de um
accontecimento tristissimo.
Ha muito tempo que um individuo por
nome ftacco vivia em desintelligencia com-
sua mulher. por causa da falte de meios do
casal.
N'um dia de tarde, a esposa de Dacco su-
bi aoseo quarto, afim de contar o dinheiro
que tinha reserva*) para pagar o aluguek;
mas, faando-lhe Orna moeda de 5 francos,
e desconfiando que seu marido lh'a tinha
subtrahido, ameacou-o de o denunciar a po-
lica.
Dacco. furiosov fecbou a mulher no qaarto,
dizendo-lhe que a ia matar ; e vollou com
efleito armado de um rewolver.
Sua esposa, esta vista dirigio-se janel-
la, que estava aberta e gritou por soccorro.
Dacco tapoa -lhe inmediatamente a bocea,
dizendo : iAb I queres denuaci .r-me po-
lica ; pois bejn, voa matar-te, e matarme-
hei depois.
A infeliz lancou-se de joelhos pedindo ao
marido que a nao matasse ; maso malvado
descarregou dous tiros 'sobre a infeliz, que,
cando ferida, perdeu os sentidos.
Dacco, vendo-a n'esse estado ejulgando-a
mora, vollou o revolver contra si e metteu
uma bala no cerebro. Amorte foi quasi
instantnea.
Quanto mulher, os seus ferimentos nao
sao mortaes.
HESPANHA.No tempo que vai decor-
rido do presente scalo, diz a Repblica
Ibrica, tem-se coahecido em Hespanha sete
abdicaces regias.
Carlos IV abdicou em seu filho Fernn
do VIL .
Fernando VII em Napoleo I.
Napolelo I em sea irmao Jos
P.%HTE SECODi.
0 HORSCOPO
(Continaacao do n. 168;.
V
Laclando.
O passeio prolongou-se aind um bom
pedaco ; a palestra continuou animada, e
mudoo completamente de assampto.
Annibal falln seu primo dos passos
que tencionava dar para lhe obter o mais
breve possivel a inteira absolvico do pas
sado por meio de cartas patentes expedidas
pelo rei.
O conde nao davidava de obter um xito
salisfatorio ; receiava, porm, qae se visse
obrigado a ir Paris, para decidir el-rei e
apressar a conclas5o de tao importante di-
ligencia.
Entretanto, ia escrever ao governador da
provincia, com qoem o uniam lagos de pa-
rentesco, e ao governador civil, que lhe
devia muitos favores, para obler d'elles a
suspendo provisoria das pesquizas ordena-
das contra o marquez.
O moco qui; manifestar calorosamente a
sua gratidSo, mas o Sr. Rahon poz fim aos
seus protestos e declamares dizendo que
ao esforcar-se em obter justica para um in-
nocente calumniado, s enmpria o dever de
todo o cavalheiro.
Voltavam os doas primos da sua pas-
seiata e j eotravam no parque, dirigindo-
se para a escadinha do castalio, quando um
homem de physionomia estramblica e as-
pecto bem pouco recommendavel se apro-
ximou do Sr. de Rahon, fazendo-lhe tres ou
quatro profandissimas reverencias, e Ibe
pedo licenca para_dzer algumas pa^lavras
cm particular.
Perdo, querido primo, diese o conde
ao seu hospede:
E arredou o cavallo mais para o lado.
A conversacao nao darou mais que tres
minutos ; n'esse es-paco de tempo examinou
o marquez com instinctiva curiosi Jade o lal
interlocutor do seu nobre primo.
Era um sugeito dos seus cincoenta annos,
vesiido de preto, e to alto, esguio e dis-
forme, que pareca estar-se a escaogalhar
d'um instante para outro aquella armaco
d'ossos mal seguros. A cabeca, no topo
do exquisito corpioho, era oblonga e enca-
da de montculos de cabello, laeios brancos.
meos avermelhados. 0 nariz, afilado e re-
curvado como o bico dama ave de rapia,
divida-lhe em duas partes a paluda caran-
tonha, que terminava n'um par de enormes
orelhas e n'uma barba ponteaguda : a bocea,
de labios delgados e esbranquicados. sorria
eternamente, destacando-se em todo este
conju'jto ms olhos pardos, reluzentes, de
olhar vago e inquieto, que a luz do sol
parecia molestar.
A expresso d'aquelle semblante era ao
mesmo tempo santarrona, sjrvil e ar-
tista.
Um pintor ou um escolptor, que desejasse
representar a imagem da mais vil hypocrisia
teria obtido obra prima s em copiar aquel-
las feices perfeitamente caraclerislicas sob
a sua repugnante feaidade. .
Famosa cara de velhaco I disse comsi-
go o m-rquez, que era physionomista de
troz. Qae demonio ter este patife com
mea primo ?.'.. Ali I agora percebo i..:
exclamou dando uma palmada na testa ;
este de certo o homem de quem Lzaro
me fdlloa, e se bem me,lembro chama-se
Lactaneio. Se elle effectivamente, e se a
cara nao mente, fac ser comprar-lhe a
consciencia peso de oiro I
Ac bou neste cmenos a conversacao par-
ticular.
O'homem esqualido dobrou-se novamen-
le n'uma cortezia at o chao, e afastoa-se
passo largo, emqoanlo o conde de Rabn
voKava pira ao p do hospede.
Descupe a minha indiscricao, disse
este ultimo sorrindo ; mas a singular ap-
parencia do sugeito com quem esleve fal-
lando excitou a minha curiosidade
Quer ter a bondade de me dizer quem ?
E' o homem mais honrado c desto
mundo, respondeo o conde.
Ah! exclamou Saint-Maixent, sem
f poder oceultar o seu espanto.
Admirase, bem vejo, proseguio o Sr.
de Rahon.
Para ser franco, devo dizer-lhe que o
aspecto d'elle nao rae parece nada, recom-
mendavel.
Sou da mesma opinio : mas aquella
apparencia illude muito, e prova isto qae
nqnea se deve julgar pelas exterioridades.
Um homem to pouco favorecido pela na-
tureza como esse digno servidor, anda
obrigado a ter mais honradez e a possuir
mais merecimantos do que ooiro qualquer;
e Lactaocio, que assim se chama, conseguio
lado isso, desempenhando com zelo e pro-
bidade dignos do maior elogio as delicadas
foneces de mordomo.
Bem dizia eu pensou Saint-Maixent.
Lactaneio tem cincoenta annos, conti-
naou o Sr. de Rahon, e ha j mais de qua-
reata qae est ao servico da minha familia.
Filho de um saloio, e carecendo de toda a.
educaco, at dos rudimentos de leitara e
escripta, entrou ainda criaba no castello
para servir nlo sei de qae as cavallaricas,
das quaes sabio para ser cezinheiro, e de-
pois jardineico, dando nestes differentes
oflicios grandes provas de intelligencia e
amor ao trabalho.
Todava, nSo era nada ainda e qnix ser
alguma cousa. Nao tinha conhecimentos, e
empenhado em adqulri-los, aprendeu sozi-
nho a 1er, escrever e contar, sem qoe para
isto furtass* ama hora sequer aos seus affa-
zeres habtuaes,. porque l se entretioha
de noite naquillo, em quanto os. mais des-
cansavam.
Logo todos os criados.entraram v exaltar
o seu porte e o muito saher que adquirir.
Mea pai, assombrado pela forca de vontade
que o rapai desenvolva aos vinte annos,
qoiz conversar com elle, e flcou encantado
lolualirlos do Rio Grande do
Norte.
Tocaran) de passagem nesta eidade os
voluntarios do Rio Grande do Norte com o
eootigente do Piauhy. Nao eram esperados
agora esses-dstinctos patriotas, que tdndp
vertido sensangue ero prol di causa brasi-
lera no Paraguay, voliam a seu ninho pa-
terno, carregados de cicatrizes e victorias.
Se bem que apanhados de soppreza os
rio grandeoses do norte, aqui rasidentes,
manifestara sen enlboeiasmo, e sentimen-
to de adrairaco para com seus patricios.
Offereceram-lhes umpiicaro d'agua, como
cousa mais prompta. Convidados os offi-
ciaes e inferiores do sontingente respectivo
foi servido o jantar em um 3al5o superior
do Hotel da Europa, para onde vieram de
bordo, precedidos de uma banda de msi-
ca, que tocava harmonas marciaes, tributo
quelles-soldados, reqneimados do sol das
batalhas, e a bandeira do corpo que vinba
arvorafla em triumvho. A casa estara de-
corada com modesta descees ; arcos de
folhas- verdes na escada, e as portas ; flo-
res pelo pavimento,, e nos jamos das mesas,
bandeirolas innmeras, as paredes, e om
pavilho as varandas, volteadas para o
mar. Camparecaram S. Exc. Rvm. o
Sr. vigario capitular conego Joo Chrysos-
tomo de Pai va Torres, o Sr. Dr. Tarquinio
Rraulio de Souza Amarante, mu digno e
Ilustre lente na Faculdade de Direito Dr. Ga
briel Raposo. Dr. Ferreira Lima, acadmi-
cos, empregados pblicos, commerciantes,
erabm suasi todos os rio grandenses do nor-
te, aqui residentes, ou parceiros ; entre
os quaes o distincto natalense Joaquim Ig-
nacio Pereira, cnsul de Pertugal: alera de
muitos convivas de diversas provincias. A
festa foi explendida : excedeu muito a ex-
pectativa : o jantar abundante e variado,
ficando ainda por servir quatro cobertas,
mingua de tempo, embora se prolongasse o
convivio at as 8 I|2 horas da noute; tendo
comecado as tres.
Reinon sempre completa boa ordem em
tudo : esteve muito animado, e expanda-
se irradiacao do prazer em todos os ros-
tos : a orchestra apenas intervallava-se
pelos discusos, poesas e algum hyrano can-
tado.
Permittio se aos mocos a palavra santa
do enthusiasmo.
das suas respostas. Acnou-o muito supe
rior nfima classe que pertencia ; f-lo
desempenhar varios empregos decontianga,
e afinal encarregou-o de vigiar cautelosa-
mente o mordomo, cuja probidade lhe era
duvidosa.
Bastaram algumas semanas para Lactan-
eio demonstrar meu pai, com provas ir-
refragaveis, que o mordomo lhe roubava
dons mil escudos por anno. Foi immedia-
tamente despedido o ladrio, e o homem in
tegro ficou em seu lugar. Ha isto j vinte
e cinco annos, e nesse largo periodo nem
um instante sequer foi desmeotid* a honra-
dez de Laclando. E' um santo, em toda a
extenso da palavra, e at eu proprio me
espanto s vezes de que possa haver na
trra nm homem to perfeito. Probidade
levada at ao escrpulo, direi mesmo at
ao absurdo, desiateresse immenso, adhe-
so sem limites casa dos seus amos, mo-
ralidade severa que nao seria indigna de
nm sacerdote, principios religiosos muito
firmes, qae servem de edifieaco quantos
o rodeiam, e que os proprios parochos as
igrejas vo citando como exemplar modelo,
todas estas qualidades e muitas outras re-
ne o mea mordomo, e em to subido grao,
que o tenho, nao s em estima, como al
em consideraco e respeito.
Tal esse homem, cajo aspecto bem pou-
co favorecido inspirava ao primo suspeitas
desfavoraveis para elle. Agora que j o co-
nhec melhor, peca Deus qae em o se-
nhor chegando a djspr de uma grande ri-
queza lhe depare om mordomo como Lac.
tancio.
Saint Maixent voltou a cabeca para o ou-
tro lado, a esconder ama careta, que nao
pode reprimir.
Passoa-se o da sem jincidentes que me-
recam contar-se.
A' noite, quando os habitantes do castello
se retiraram aos seus aposentos, encontrn
o marquez na saleta o sea criado Lzaro
qae o estava esperaodo.
Ha algama novidade ? perguntou
Saint-Maixent.
Nada, Sr, marquez, respondeo Lza-
ro ; a casa est bem montada, e cada qual
o seguate discurs'
ver a
reuniao venia para toa defi
Vencemos, senhores I Conga fot a jor-
nada, muitas as urzes do, camin
Gloria ao Senhor Deus dos exercitos f
- Cinco annos de mal feridos comoates-
do exilio de fome e sede da patria ; de
ruinas, de horrores, sao idos o aojo do
infinito desprendeu sea canto. Victoria,
senhores A'iyra docoraco acera outra
vez cora aqoelle maremoto de orchestras,
que estrugem as espberas brasileiras! O
Gerio informe do despotismo ajoelhoo-se
moribundo ao bracojhereoleo da liberdade;
a civilisacao prendoou novos leoros ; e o
candelabro do grande seculo accendeu mais
uma vella ; a sel vagara, que expolie afra-
ternisaco dos homehs foi vencida Re-
gosijome-oos, senhores^ I O justo coroa-
se de jubilo ; s o nctar a bebida dos
deuses. Mas, vos, parece me, que ouvis ;
parece-me, que escotis um hymno, que
vem de longe ; corre-vos pela fronte, de
mistura com a alegra, certa constrieco de
tristeza : comprebendo, senhores :Sao
nota qae sam, tangidas pelo vento do
co f o silva angustioso do bandolim da
natureza, que estala, porque Ibe morderam
as visceras, a qaeixa da humanidade qoe
geme, porque Ibe conspurcarara os mantos
de gromos de saogne I
E' o ferro de homicidio, que se esconde
na cocoida dos favos : oabsyntho do en-
me social, que cbama-se guerra, que trava
no bydromel da victoria. QOanto vos en-
oobiefem to sanios sentimeotos, senhores!
A guerra infamia de 60 seclos, o ideal
da immeraldade.
Em sua virtigiiwsa carreira estrangula,
e piza o direito ; e, blasphenando, por es-
carnio, si mesma- se chama de justa I Isto
que val, po'rem, senhores I S Deus pode
obrar sempre o bem 1
A lei universalisa o dever;: mas se os
primeiros- o nao comprem, os segundos, nao
direi, que o nao devera, mas, assento, qae
o n5o podem cumprir : a sociedade a
vida, fora d'ella nao ha lei n'este mondo.
Generoso pois, defender a vida, a honra
e a fama ;. sao depsitos da ivindade ; na
batanea da severa Astra sempre leve o
injusto aggressor.
Descancai, pois, brasileiroo 1 ,
Vos nao desdoorastes a natnresa, nao foi
Brenno, quem vos guiou as legies immor-
taes ; o brbaro jas in arms de selvagem,
nao o acceitaste* nunca. Mae, nao vos pro-
voque niaguem 1 Vbsso despertar forte ?
No sop das vcvssas serras dormilo os jagua-
res, e os-ventos bramarivio porcima O
brasileiro sabe voar oa aza dos ventos ao
faro das pelejas; seu adjp forte, como
a tempestade I E porem, senhores, o Pa-
reguay oltrajouoos-1 Em bella paz com-
noco, o refalsado visinho, antes qae inimi-
go, mostrou-se cruel: navios, fortalesas,
villas, campos, mocos, velhos,.crian*as, vir-
gens, tudo nosso ferido, e cortado pelo
dictador feroz da prfida Repblica !!
Que isto, brasileiros !
Assim vos esbofeteam o rosto, e arrepe-
lam os seios ? t Acordara os lees ameri-
canos do imperio, o sor bronsicanro do
rispido clarim arrufa-lh'os ou?lpos ; selvas e
cidades, campos- e serioes j correm ; des
perla m-se os bros avoeugos; levantam-se
de p milhares de bravos por cada um dos
antigos guerreiros t Floreara estrepitando os
tambores; desfralda-se o pavilho d'ouro e
verde s auvas do patriotismo- Marcham
ao campo da lira os intrpidos Espartanos
d'America.
Ei-los! Os Voluntarios da patria !
Salve, denodados filhos de condignos
paes Vos sim I vos merecis o mximo
premio:Esquecestes as ternuras da mi
extremosa ; os diros prantos da iunonsola-
vel esposa; tal vez, o innocente vagir do
primeiro filhinbo; os enlevos da noiva mo-
rrna, as flores e as dilicias da patria Nem
tiveste saudade de seus montes, de seas
ros, de suas nuvens, de seus cos; por
que vos chamava a glora magnificardes
longe o chao de vosso nascimento Vos
lhe sacrificasfes. em holocausto paro e so-
bre humano, toda a vossa existencia, para
a sustentaco da Acrpole de nosso presu-
mo herosmo. Invencivcis, como os Athe-
nienses de Marathonia, haveis de levar de
rojo a audacia belluina das cabildas do
povo fra I
trata do que lhe perlence, e nao se intro-
metle no que dos mais. S o mordomo
que rae anda a trocar as voltas a ver se
consegue apanhar-me ; pelos modos mais
carioso do que os reverendos juizes do
Chatelet; mas como tenho nstrueces do
Sr. marquez, e sei o que devo dizer, per
der as palavras e o tempo.
proposito desse Laciancio, obtempe-
rou Saint-Maixent, vio ainda agora...
E d licenca que lhe pergunte o juizo
que fez delle ?
Pareceu-me um grande patife, qae il-
lude toda esta gente ha muito tempo, que
fallando verdade nao muito difficil. Ora
v t : se estes simplorios at acreditam na
virtude I
Com que enlo o Sr. marquez da
minha opinio ? bradou Lzaro, cujos olhos
brilharam de a egria. Que iramensa honra
para>nim I Agora aposto a cabeca contra
cem libras em como nao me enganei... e
aposto na certeza de n5o perder...
Voo dar-te as minhas ordens, nter-
rompen Saint-Maixent. Attenc-So.
Son todo ouvidos.
Vigia o mordomo sem elle dar por
issos; nao o percas de vista, segue-o erafim
por toda a parte, tanto dentro como fra do
castello. Nao te ha d9 custar muito. O
mariola julgase de certo muito astuto, s
porque illude al mais nao a innocente sa-
loiada que o rodeia. Mas par de ara pa-
risiense como t, pralico no mundo, ha do
ser, orna crianca de mama. Preciso de ter
idi segura acerca deese homem, e antes
de ama semana deves desmascara-lo. Es-
pero qae desempenhes mea grado este
pequeo encargo, qne de tola a con-
flanea.
Fique descansado, Sr. marquez ; lado
se ba de arranjar, e em menos de uma se-
mana comprometime a dar-lhe todas as
informacoes que^desejar.
Maito nW agrada esse nobre ardor
que demoostras, volveu Saint-Maixent sor-
rindo. Es homem dstro, e prophetiso-te
um ditoso futuro. AIgnm dia viras a ser
mordomo de nm dos mais ricos fldalgos, da
Franca...
(Continuarse ha.)
,Se para isso tivesse de deixar o Sr.
marquez, recusava logo, bradou Lzaro
cheio de convieco.
Devras ?
A' f de quem sou! Enforquem-me
se minto!
Pois tanto rae queres, velhaquete ?
Qaero-lbe mais que s meninas dos
meus olhos. Disse isto mesmo Sima
Raymundo quando fogimos de Paris e va-
mos ter com o Sr. marquez i Aovernia.
Pois olha, nao porque eu te pague
l muito bem... Se a memoria me nao fa-
lla, devo-te mais de um anno de orde-
nado... .
Ao depois m'o pagar, Sr. marquez.
Quando se serve um amo to generoso e
liberal, sempre vem a receber-se com juro
o que nao pago de contado. E depois,
o nteresse nao o mais c para mim. O
Sr. marquez aprecia-me, sabe qaanto valho,
e faz-me s vezes a hon'-a de o dizer...
prefiro isto todo qaanto ba.
Pois bem, nesse caso, tranqaillisa-te.
0 rico fidalgo de quem fallo, que te ha de
arvorar em mordomo, e qnem poderes
roubar vontade, sem qae nada se lhe d
disso, chama-se Luiz Segismundo, marquez
de Saint-Maixent..
Lzaro dea um palo de contente, e gri-
tou : *
Vem a dizer na sua que estamos no
caminho da fortuna ?
Tal qnal e affianco-te que a cga
de usa nao me futir desta vez, Acabou-
se o lempo das extravagancias. Saint Mai-
xent o aventareiro ha de ser d'aqui i pou-
co Saint-Maixent o millionario... E sera
mais, meu amigo, boa noite, Nlo es c
preciso, dispo-me szinbo. Nao te esque-
jas das informacoes que preciso qoanto
'antes.
Lzaro foi para o sea qaarto, e Saint-Mai-
xent entrou oa alcova e deitoo-se.

Conlmuar-u-'ka

\P. D OAKlO RA DUQUE DR AXlA


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EHRVYP6J8_3HRGU3 INGEST_TIME 2013-09-14T03:02:19Z PACKAGE AA00011611_12152
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES