Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:12149


This item is only available as the following downloads:


Full Text

)
TERCA FEIRA 28 DE JUNHO DE 1870.

6*780
13^500
20)9280
27*000
Propriedade de Manol Rffneir&a de Faria & Filhos.
e
Pere.r. d A.me,da. em M_aerape ; Antn Ale._r,no de Lima, P,ranjba AMoD0 Jos Gomes, Wla da p0ba. Be|anBin do> me0 fm ^. ^^ ^ ^V
_____________________________________________ N_reth ; Francisco Tav.res da Cosa, em Alagoas Dr. Jos Martin Alt, na Babia ; e Jott Ribeiro Gasparinho no Rio de Janeiro.
Pjfljip DE PEBNflmBUCO
RECIFK, 2S l)E JUXIIO DE 1870.
foi ivJas da Kuropa.
Ilonlem pela minina cliegou o vapor inglez i
J '"'(. trazenio datas: de Himbnrgn >, de Paria
/. le Londres 8, e de Lisboa 13 do crente.
I-mn-ca.0 galerna taUs o danto de reunido, di-
K'imm o subsidio dos senadores e o seu projecto
> mil visto e regetfado nnt comniss-x do corpo
lyttitg. O ttrpa legislativo est multo frac-
'_ mi*. Snlga-se que mea dissolrido. Proce-
der-te-k* vacamente eleiroes geraes.
H ..anua. Manifestarles sparleristn. Pisen-
t'-K le de tigicio do monorcho. E' admitti
d o voto de R>a ros por 108 rotos contra
' Grande cheque un gnverno. Pirersns me-
diias legislativas. Tulmult em Vallado-lid.
*. Encerrou-se a disctusSn tai geneenlidvie
-%* qnesto da infullihiUdaile, n pedido di
minrta Cnmeeou a discutir se por trttgot. Se-
pwlamido solemnemente o dogma no da de
l'-dro (>>!)>. Parece que a Friura mantera a
i1 neutradade at pr clamaran.
'' >'.iv.Economas nos minutarios e principal
yn/ no da guerra. Interrnprao de retardes
i plimalicas com Portugal. Contina a agita-
e a giierrilk'oem.
If'-'. vTERna.Ettam Unes os dous inglezes presos
/.) salteadores perto d' Gibraltar. Precaucoes
: trosat contra os manejos dos fenians.
xwww.Entrerisla em Ems entre o rei da
USSia e .o imperador da Rusta, t) lucido flV
s mehnrgn nnnexadn Pruss.a. la cmara
na uo#i_ cheque no ministro da guerra sobre
" ,,. rit organisncn militar. Pemisslo (leste
e-'wbsta. Itectia se noca invirreirao na Pal-
** ira Pesmentem se os boutos de abdicaran do
mp*rm tAustrhk
H:i '*--x.xrit. A'ocat dsintelligenms entre o snltao e
' rice rei do Ey/pto. Foram executados na
''vc/rt oitn salteadores.
\m |MU.-*-ftM reqeiluda a proposta de um imposto
mu o juro da divida. Estado financeiro dos
r. tailos-Unidos. A insurreiriio em Cuba conti-
na quasi vencida totalmente. Rebentou nova-
HU i guerra civil no Haita.
i :ir,\i. -Protesto dos membros do gabinete de-
'Itido contra a ciirnl.r que hontem publica-
MM. Iteforints. Conflicto diplomtico com a
falta. Pemissn dn infante P. Augusto do
amando do de tnnceiros. Pestntclligeucias
''re os ministros. Fndiqitados substitutos. Pe-
r.raraa de l'rim as cortes bespanholas sobre a
: '0'ctjda federaran manarchica de Hespanha e
' i '"gol. Stnsacn que tal despacho vroduz em
'.silva.
FRANCA.
' fdhiurla tnaoez ttm sido infeliz na ?ua cam-
'il'.t parlamentar. Don da* providanr.i_i ma_
; rmente reol.imad.is era a anil^ao do im-
> Rnbr o timbre dos jornaes. O Sr. CMivier,
i tenle do i'onselhi>, e ministro da Jnsti^a, em
r .i,- a propor, bcer disi-.ilir e votar, a'dioa a
i e i i e di'i'larou tfn o ministerio tinha diante
'! s i'iiipo annos para rcaiisar o seu program-
M\s iein o adiamento, nem a deeiaracao nio-
un a po'fin d*i gabinete; j nao sao f os
.' ndieaei ou lilwaes a ataca-lo oosorgaos
amigo direilo a reprehend-lo; o< propriot jir-
.r- i'iu ijuu o Sr. Olivier encontrara at agora
i' in, comeram a deplrar que elle seja tau piuco
i mi origem ; a Frany a o Conslitutionel de-
- ; 1.4:11-0 meno'i contemporisador; o Libert
: l-lhfl verJa'feiras a1 venencias O (|tie mais tem
. !o o ministro da juslira impopular a nao
sdt iia permaaaneia da juala pleblisrita-
-1. Klnaindo isin ta ^perasfa dos que espera-
ver desippareeer rapidameate as resirie^des
las ao direito de a^so.-iacao.
seaad. t no c.'velho ,U estado nao tem sido
- fel*f pr.'duzio naquellea eurpoa grande des-
i'.nii'ii 10 o pri'jeitto de le reluziadoa meta-
.'.'iieioieulos 1I1HI f.uros senadores. O sena*
m cscandalisad 1 por o ministro da jnslica
r prTiameoic iMiisultalo aqn'lla usembl
n na ineaiio em a/ie ella tao inlefeaMda; o
. liu de estado eifraohoo qae o tnioiJleri
; o dspusto na '".m tilnieai de 1870. a>re-
-e direetamente no corpa legislativo um pro-
le Ii- sem ptinaeiru o f tzer pausar pelo exame
a :i--enibla.
riinis-oj.s do corpo legislativo foi eomple-
1 rr la : o pnjeeto de I'i foi irremissivel-
NgeiladO porque notioba fut lamento ra-
.1. Pra que se ha de ir rcduzir a metade o
.iimto dos >eoadoiv7, q_ ., Humeados e eraar assim entre elles daas
>riae de legisladores, em lugar dosnhmeller
n 11 'iiio rgimen ? Parque se Ihes nao es-
; uta veiicimeiiti igual ao que recebera odepu-
de cirpu legislativo? Ou porque, rtslo que
..- parle d w membros d) senado sao ricos ou
t em pc-nsoes e ordenado* consideraveis, n5) pas-
I -ir gratuitas as suas ftinecoss, salvo certs
,. exeopcionaei que urna Iri especial delermi
.. 1 Estes foram os fundamentos da regeicao
'. ; : 'jeclo do le. .
Diz-SO que s trana em conselho de minis-
n o proMflca do Imperador! da dissolucao do
. i.i > legislativo, e que 110 caso d decidir nene
_tnlo, se procedera inmediatamente ele<;0es
le.
0 fundamento de te boato, e o extremo frac?io-
111 ment9 em qae a cmara se acha divida ; n gj-
1 nao deaja dissolver, mas attendmdo a que
ti i 1 na m.iioria para dar fori;a e cohe-o ao gabinete,
maioria bastante compacta par.i Formar um
1. 1 gabinete, v-se forjado a propor ao impera-
i!-ir a dissolucao.
Na oorpo legislativo a opposicao pede que se
i 1 autonsacao para retin^oes polticas por
1 Ja eleieao dos con-elhos geraes. O gover-
i clarea que a lei prohibe taes reunioes, e fe?.
io ministerial da admisso da interpellac.ao
este assnmpto.
A cmara por grande maioria passou ordem
d> dia.
O Diario Official do imperio annuncia que o
ivarochri gobernador da Argelia apresentara de
n i a sua demisso do sen cargo ; mas que a
p-"i do do goveruo conlinuaria a deseuiponlnr in-
. miente aquelle cargo.
<>s 6V presos por delicio de conspiracao cjntra a
v la do imperador vio ser conduiidos a Ulois aflm
iij ser julgados pslo alto tribunal, que se reu
tira naquellapopuleeao.
Em Franja acaba de ser submeitido ao con-
1 de estado um projecto de lei relativo ao tra-
i.ii i das enancas as fabricas, e cujas disposi-
conslituem um progresso real sobre o que
..-lmente est em uso.
Antes dos oiio annos nao poderao as changas
pr adrnillidas as fabricas. Dis oiio aos treze
is nao tratialharo effectivametite mais que
boma p r dia.
1 is tieze annos em diante que poderao come-
a trahalhar nove boras.
H2SPANHA.
O jornal francez l Centre Gauche de 3 de ja-
pjblica um artigo, assignado pelo conde Al-
1 de La Guerronire, pessoa de toda a intimi-
do iaiperador dos Francote*, que est produ-
zir. !o urna profunda e penosa impressao em Hes-
panlia, n5o so pelas smi graves apreciares, e pela
i 1 espefiial do mi autor, mas pela sua ten
.1 -:ia em apresentar o goveruo hespanhol como
identiflcado com1 o francez em um plano de modi-
fiearops territoriaes, que poderia alargar as Iron-
teiras bespanholas para o bdo do Guadiano e do
Mmho, isto para os lados de Portugal, mas que
notavelmento as estreitaria dos lados do Ebro, isto
, da parte da Franja.
A maior oarte da (prensa hespanhola e da por-
tugueza, proiestam solemnemente contra as ideas
do Sr.. ile La Guerronire.
0 Telegrnpha authographo da como resol vida a
nomeacao do conde La Guerrire para represen-
tante da Franca em Madrid, pas.-aado o Sr. Mer-
cier para o senado.
Nao nos parece, pnrm, que possa ser bem ac-
Ihida em Part tal nomeacSo.
.Na tarde do dia 6 veritlcou-se em Madrid a
manifestacao esparterista. Comej-iu s 5>%', san-
do de rasa da ajuntamento na praea de la Villa, a
commissao, e os depatados que firmaram o mani-
fest.
ampia a marcha um carro ornedo com as
cores nacionaes e puchado a quatro. No coche
ja a exposifo que os partidarios da canJidatura
de Espaltero dirigiram cortes, em duas grandes
pastas verdes. Aos lados do coche iam dous es-
tandartes com a divisa. Compra se a voatade
nacional.
Atrs do coche iam os deputados e jornalistas
esparteras prezididas pelos Srs Madoz, Salmern
e Garrido ; seguindo-se depois doze commis.-oes
ilistrictaes cada urna com o sou estandarte com
divi-as diversas.
. Atrs iam quatro bandas de muzica.
A manifestado seglo pela ra Mayor, Pe-erta
del Sol, calle de Alcal, dissolvendo-s ao chegar
porta de*t3 ootna.
A commissao acompanhou o coche at ae con-
gresso, onde os deputados, os Srs. Gontreras,
Garca de Quesada e outros a receberam.
Calciila-se em quatro a cinco mil, o numero de
pesaos* que compunliam o prestito. A ordem nao
foi .alterada.
O voto particular do Sr. Rojo Arias, que pede
que a elegi do monarcha, seja por maioria abso-
luta, o nao contada a maioria deonis de descontar
os votos perdidos e listas brancas, foi admittida
na sessao do dia 3 por 106 votos contra 89.
Os ministros rularam todos contra a admissao.
O presidente votou a favor.
Um dos deputados que votou a nao admissao,
pedio por desabafo ao presidente que flzessa con-
signar nao na acta mas nos extractos das ses-
soes. que. proclamada a votacao, os deputados car-
listas, sffjnsi-tas e republicanos, se levantaran)
por duas reze.s romo um s hornera e appliudiram
estrepitosamente so resultado.
Foi tambem apresentada urna emenda ao art. i
pedindo que a oleicao seja feila por plebiscito.
Parece que os partidarios de Montpensier vao
apresentar,s corles urna proposta pedindo que se
eleja rei o duque de Montpensier. E' a uluma
carta que jogam. Parece porem que vencendo-se
a proposu de Rojo Arias, o duque de Montpensier
j_a taxa |>jotokfcr na etch^krrom.
maioria absoluta.
Peles novos tractados celebrados entre os go-
vern s de Hispanlia e de Portugal, as partes tele-
graphicas entre as duas naroes, sao taxados em
Portugal por 200 r-.. cada "20 palavras, e em Hes-
panha por 4 reales.
As cortes disculem a abolicao da escravidao,
Figueirola ancunciou as corles a prxima
publicaran das novas pauias das alfandegas.
Os deputados cataloas apresentaram urna
emenda ao tratado de commercio com a Blgica,
Austria e Italia, pelo qual a tratado ser annulado
se nao fur denunciadu um anno antes.
Foi lido um projecto relativo aos portos
francos de Ganaras.
Foi asignado pelo regenle o Iractado consu-
lar entre a Hespanha e Portugal.
Continua a discutir se a que^tao dos ca-
miniaos de ferro.
H)uve grandes desordena em Valladolid pro-
vocadas por 500 operarios por cansa dos direos
de bar re ras. Resiabelecen-se o sncego, baveodo
algnmas prisSes. Hou/e alguns nomens ftidos
gravemente. Chegou a tropa a fazer fogo sobre
o povo. Foram apedrelados dous commaudaptes
de infamara e o che fe de dia.
ROMA.
Aanuncia-se um importante debate no corpo
legislativo francez a proposita da qoestaode Roma.
O ex-niinislro dos nagocies estrangeiros conde de
Dariu, far importantes declarajos acerca da po-
ltica (pie seguo nesta qneslio. Nesta diseussao
solemne tomara parte o ministro da justija, e pir
parte da esquerda o r.glulio Ferry, que segutdo
se espera fura importantes declarajes.
Dizem o; jnrnaes de Pariz <|ue o ministro
dos negocios estrangeiros enviara importantes
Ciumuuicaro.'s para Una.
Dizvn de Rama que na ultima sessao do
concilio, o cardeal principe ScbwMrzclbarg recoi-
dando a phrase do papa Bento XIII, segunde a
qual os cardeaes tom com > um dever sagrado
de dizer tola a verdade aos papas, e apoiando-se
neste preceitn, disse no concilio cousas incriveis.
Monsenor Simox Saimat da Hungra fallando
contra a infallibilidade, disse que recelara perder
para sempre o repou>o da sua alma e da sua cons-
ciencin, so nao ebamasse seriamente a atlenco
dos padres do concilio para os perigos que se
desenvolveram do.dogma da infallibilidade, se se
chegar a proclamar ; perigos, accrescentou, que
seuefazem sossobiar a birca de S. Pedro, pode-
ro polo num estado tal que vogue diftlcilmenle
pelo mar do chrislianismo, boje tao porcelloso.
Monsenhor Hassoun, em quem os impugnadores
da infallibilidade connavam tanto, declaxou-se o
seu mais intusiasta defensor.
Diz ma de Roma que o cardeal Antonelli re3-
pondendo a varios prelados que Ihe perguntavam
pela duracao provaveT do Concilio affirmara que
.lo seria diffleil que o Concilio se prolongaste por
todo o anno de 1S71, atienden lo a que S. Sniidade
deseja reformar em limita das sujs partes a disci-
plina ecclesiastca, o que dar iueviivelmente lo-
gar a animadas discussoas, visto que se trata de
tomar previiencias. cujo empanante carcter lem
de ser objeeto de complicados debates.
O Umvern publea.um lelegrarama de Roma
de 3 de juuoo a noute diz ju Jo que tiesse dia a pe-
dido do 153 padres do Concilio se declarou sulli-
cienteraente dscutda'na genoralidade o schema
relativo infallibilidade do Puntillee por ums
grande maioria de vuloe. A dlacusso por artigo
omero no dia 6.
Oiz se que muitos padres do concilio que se
excederam contra a q^uestao da infallibilidade tica-
ram interdictos, e nao poderam continuara fazer
parte d'aquella assembla.
0 ministeri a italiano declarou na cmara que a
Italia respeitaria atiberd-.de da igrejs na liberda-
de do concilio, mantera os direitos do &>tad e nio
intervir no as*umpto de Roma.
0 Jtornale de Roma canta uestes term >s a visita
de Sua Santidade real casa de Santo Antonio em
Roma.
< Segunda-feira foi o sanio padre visitar a real
igreja de Santo Antonio dos portuguezes, comple-
tamente restaurada
* Sua santidade f >I recebido entrad* por sua
alteza real D. hbil Mara, infanta de Portugal,
acompanhada do seu segutto, eminentissimo e Rvm.
Sr. cardeaf Ferrieri, Exm. Sr. barao de Ferreira
dos Santos, encarregado de negocios de S. M. F.
junto da sanu s, Sr. D. SebKtao Guedes Bran-
do d-_ Mello, secretario da legaro porfugueza,
Cont Vespignani, architecto do mesrao instituto
e outras pessoas addidas elle.
O santo padre, depois de orar no altar da
Santssimo Sacramento, estere examinando as obras
dedecoracSo das abobadas o da cpula da igreja,
consistente em ornatos de estuque e dourados e
em pietnras a fresco. Passou depois a sacrista e
aoedilicieunnexo igreja, dignando-se constan-
temente prestar a maior att^ncao aos rmiltiplos
lavares recntenteme acabados', e entrou na'sala
maior, 00 Jo tomou ausento no Uirono levantado
para este effeilo e onde den o p a beijar aos per-
sonagens j citados e outros, e pessoas con vi
dadas, manifestando a sua satisface) por quanto
havia observado. Mandados em parte fazer por S.
Exc. o Sr. duque de Saldanha, entaoerabaixador, e
emprehendidas sob a direccao do Exm. Sr. Pedro
da Costa, governador do pi esiabelecimento, estas
obras foram ampliados e concloida pelo presente
governador, Exm. Sr.Luz de Quillinan.acuj zelo
mcansavyl se deve principalmente estarem a igre-
ja e plendor, que poden figurar ao lado dos melhores
est?belecraentos que no seu genero ha em Roma.
A directo dos trabalhos e o desenlio sao do j
conhecido archilocto da real casa de Sanio Anto-
nio dos pertuguezes, o Sr. France-cj Come Ves-
iMgnami; a pintura da cpula dos tocios do
5>r, Francesco Gradde ; os qua'ros da nave cen-
tral, os da sacrista e os da sala maior sai de Sal-
yaton Noblin obras dignas todas de applauso e
louvor.i vv
interpreta ci da ultima lei sobro aorga-
rnilar.
W expoz que a iradas pelo descoulentamento geral quw
'OrgaHisacao do ercito e a m redae-
' indicon alguna ios ineoovenientss,
- Exm. Sr. D. Luiz de Quillinan, governador do pi
a'eslabelesimento d) San!; Amanio, Sr. Frs
Frajacesc
ITALIA.
Apesar das difllculdades com que lnta, o gover-
no italiano alaca de frente a quesio da fazenda, e
propue-se equlRarar o orcamenlo. A cmara, an-
tes lao anciosa de fazer euconoraa?, aprsenla bo-
je urna grande opposijo nesie terreno ; apesar
disso, e do governo coniar com pequea maioria,
jaconseguio fazer algunias economas no ministe-
rio da guerra.
Acham-se interrompidas as relacoes offlciaes
entre a Italia e o governo portuguez. Parece que
o embeixador da Italia em Lisboa nao pode man-
ter a sua poscao neutral nos negocios politieos
d aquelle paz, e stigraatisra og>lpa de estado
pelo qual o duque de Saldanha se vira collocado
fcente dos negocios pblicos; parece que para
isso concorreu rauito suggestSe? de orna parte da
eamarilha, que nao era nfferente a esta mudan-
ja^de polilica. O duque de Saldanha recusou-so a
receber o Sr. Oldoini, e a roe da [taita ordenau
ao erabainador para recolher ao seu paiz, nler-
rompendo as relacSes offlciaes com o governo por-
tuguez.
Espera-se porm que este conflicto termine bre-
vemente com honra para os dous |>aizea.
Appareceu perto deLuca (Toscanaj urna par-
da republicana composU de 60 hmeos; assim
como outra perto de Sarzane (Sardeoba). Ambas
se dispersaran, com a approxima^io das tropas
italianas enviadas para os perseguirera.
O paiz contina em astac_v imn
'''" wn granrnrTaciidade as partidas que se
formara, todos os di as appareeem novas guerri-
llas. As tropas lutam com grandes difllculdades
para os alcancarem, porquo eacontram muita
protecrao nos habitantes, que ao pa.-so que s
avisam da approximacao das columnas, costumam
indicar a estas, direcjes falsas.
O conselho federal suisso den ordem para
que os italianos, que tomaram parle(na ultima ten-
tativa, sejam tratados com todos os rigores da lei.
O gabinete italiano ameacou o dito conselho com a
formacao ras fronteiras sainas de um vigoroso
cordao militar, se nao se impedisse a renovajo
de factos com os que davam lugar a sua recla-
marlo.
Dizem da Italia que se refujiiaram nesta na-
raa alguns dos bandidos da Grecia.
Os tribunaes de aples Condemnaram morle
tres bandidos que tinham secuestrado dous via-
jantes inglezes, assassinando-os depois.
I.VOLATRRRA.
Os inglezes presos por salladores hespanhoes
as proximidades de Gibraltar, fa se acham neta
praja. 0 ministro do reino hespanhol, com as
suas frequentes excitacoes, a aivdade do9 go-
vernadores de Cadix e de Malaga, e o zelo dos Al-
caides de Ronda, S. Roque e Algecira*, e oulros
pontos, que consdera.'am este assnmpto como
questaa de honra nacional, dorara este resultado
lo favoravel. O miuistro do reino hespanhol ha-
va eucarregadn s autoridades que nao olhassem
despezas pecuniarias para o resgate, nem paras-
sem at acharem os captivos, sem prtjuizo dos
castigo que depois se tenha de impr ao crimino-
sos se Torern apanhados.
Tem-se lomado minuciosas precaucoes con-
tra os manejos dos fenians. Foi ordem" para o
arsenal de Waelerich para se lomaren, as neres-
sarias providencias para a seguranza de todos os
edificios que contentura armas ou plvora, e que
possam ser atacados pelos feuian3.
A vigilancia extraordinaria ; durante o dia e
durante a noute, algnmas e;iibarcaroes com poli-
ca a bordo, navegara no Tamisa era frente do ar-
senal para evitar qnalqner golpe de mao.
SSo objeeto de maior vigilancia todos 03 navios
que sobem o ro ; a polica, e as autoridades mi-
litares conservam-se sempre promptas pai'a repri-
mir enrgicamente quaesquer tentativas.
Foram presos em Londres dons humens de qnem
se uspeitoa* serem fenians. Foram encontradas
as bagageus dos presos armas ; pistolas e revol-
ver. ,
A polica quer provar que os presos sao conhe-
cidos pelas suas opiniSes polticas, e que elles ne-
gam com a maior nitiinavs, o que as armae erara
destinadas asereai destribuidas pelos raembros
da conspiracao feniana, asseguraudo tiles que eram
para vender. ,
E-atretanto apesar das precaucoes extraordina-
rias tomadas pelo governo, e dos manejos dos fe-
nians a popnlacao industrial e commercianie nao
descanea do seu continno ldar, conao s"e taes acon-
lecincntos se nao dessem.
Morrea o celebre romancista inglez Carlos
Dickens.
AUSTBIA.
Considera-se como nm grave aconteciraealo a
viagem do rei Guilherme da Prussa a Ems e prin-
cipalmenie o faci de ir acompanhalo palo Sr. de
Bismark. Julga-se ligado esta entrevista com um
grande plano poltico no imperador da Russia e o
rei da Prussa.
0 pequeo ducado de Laaeburgo vae ser
annexado a Prussa; era um dos poucos que per-
teofcendo amiga confederaco Germnica, con-
>ervava um resto de aulonoufia.
Os jornaes prussianos oceupam-se de um
incidente que bouve no selo do conselho federal,
a proposito de nma formula inserta uo cdigo
penal.
Na constltnico federal acha-se firmula impos
sivel de 'presidencia federal,* no cdigo penal, a
de *chef supremo da confederacao.t Os repre-
sentantes da Saxonia apresentaram objeroos contra
aquelle litlo que nao est previsto na constitu-
cao, e s dslsiiram em vista de nma declaracao
formal dos plenipotenciarios prussianos, de que a
qaalilicajo adoptada pelo parlamento, falta de
urna expresso naais propna, nao teria a menor
consequencia, sob o ponto de vista do direito pu-
blico.
Eram all esperados muitos membros da familia
imperial daTrussia, o grao-duque de Saxe-Wei-
raar, o principe Alexandre de Hesse e o duque de
Olderaburgo.
Na cmara dos deputados de Bavera discu-
tiram se as protastas em -^ut se pedia a mudan-
e conetnio que as propostas deviam ser tomadas
ero eonsidta Fo logo ^presentada por um depnlado ontra
priiaos^ pari qne a quesio fosee xarainada pela
ciiininiMo aln da que esla indicasse os pontos
principaes ei* que devera recahir a reforma.
Depois deMsrgadiscusso foi npprovada esta pro-
posta que eratam cheque ao governo. Parece
que o ministro Ma guerra vae pedir a sua de-
misso. .\
Ha receiosleqae a insurre$*> na Dalma-
ca se reprodusa teste anuo, e, como sempre, os
jornae* ausiriacoskccusam o Montenegro de nao
guardar a devda mntralidade.
O Vaterlaml de ieitna denuncia a fabricarn
no Montenegro, parnm destina duvidoso, de car-
iuchos metalicoi apR.cavis aos fu*is, de carre-
gar pela cnlaira, do lystheraa Kjncka, a doplados
pela Bussia.
Os boatos sobre a abdcajo do imperador
da Austria sao absutlo, e boje ma que nunca
oois a nomeacao do Sride Grammonl para minis-
tro dos negocios estragmros de Franca, satisfaz
plenamente os desejos do gabinete amttriaeo, c-
frados na eelehraco do nina intima allianja entre
a Austria e a Franca.
, ~ O governo austraco diriga ao gabinete de
3- Peier4iurao urna nota pedindo explicujo sobre
a concentrarlo de tropas russas as fronteiras do
oriente. *
nal
N Sa?cia podiram a deaiissao os ministros da
jnstija. dos cultos e da fazenla. El rei nomeoa o
Sr. Adjekerenle ministro da Jiistiriv o Sr. Bergs-
troei, oOTselbeiro do tribunal de'justcay ministro
do Merior, e o Sr. Wennerverg, ministro dos
cultos.
A mudanca ministerial nao> foi provocada por
des.otoHigeueia entre os ministros e o reicharath, e
parece mesmo, segundo as inortoaces que temos
agora, que nio indica a menor mudanca na polti-
ca do governo.
tlllIKNTK. \
Dizem de Constantinopla qn* no\dia 3-bouve no
mais reo bairru de Pera um o te'rrivel incendio,
que deixou completamente arrasadas muitas mil
casas, inclusive a da embaixada de Inglaterra e
a do consulado de Portugal.
Ha a lamentat a m irle de muitas pessoas em
consequencia d'esta eatasirophe. 0 numero de fe-
rids grande. As perdas nao so pdem cal-
cular.
Bota-te na Turqua ha ranito lempo um.mo-
vmento reaccionario. A imprecisa comecou a ser
(ralada com desrnnhecido rigor O LevatU-Tamis
foi sospeno por ler reproduzidoum arligo de ou-
0 ','overno prcc nRtutvMe-a-reprniHi toda a
manfistare que contrare os seus pianos.
Falla se em novas desavengas entre o sultao
e o vice-rfi do Egypto, promovidas por quesldes
financeiras.
0 prncipe Carlos noocculta o desgosto que
Ihe causa o estar sempre em cheque pelos mane-
jos e intrigas dos partidos que aspirara ao poder,
guiados s pelo interesse pessoal ; assim o enm-
municou, segundo parece, a um dos representan-
tes das grandes potencias, que Ihe diriga, por or-
dem de seu governo algumas observaces acerca
da desordena poltica e administrativa do estado.
As foreras do governo grega continuara a
perseguiros landilosde Marathn.
No dia 21 de mao foram execotados oiio sal-
teadores era Laimia. Oprefeito de Alhenas orga-
nisou urna cjlumna de inspecrao qu visitar toda
a AI tica.
Os negociantes gregas residentes em Londres H-
zerara um presente de 2370 libras esterlinas
riava de Mr. Lloyd assassnado era Marathn.
AMRICA.
Noticias de Washington dizem que a reduceaa
de 5 por cento sobre a divida publica foi rauito
mal recebida pela opinio publica.
Os deputados regeitaram a proposta de reforma
constitucional sobre os juros d* divida.
Segundo os relatnos finaoceiros publicados
nos EstaJos-Unidos, a divida federal, com exclu-
sao dos valores de contado, e dis obrigacoes depo-
sitadas actualmente as caixas publicas, eleva se
a 2,i06.a(J2,37l duro*, hnvendo una dirainuicau
de 16,301,982 dnro* effectuados no mez de inaio.
As obrigacoes remidas elevam-se com os seus
juros a 117,528,351 duros.
O presidente dos Estados-Unidos recebeu
una declararlo dos israelitas em que pediam a
mtervencao dos Estados-Unidos a favor dos ju-
deus perseguidos na Ronmaaia. Houve era Boios-
chan urna grande matanca dos israelitas.
O presidente dos Estados-Unidos general Grant
parece decidido a intervir.
Annuncia um teiegraaima offlcial da Havana,
que nma pirtida de llitaustciros, que desembarcou
em Cuba, foi completamente dispersa pelas trapas
hespanholas.
Foi inorto Hirison, que coraraaodava a partida
e mais doze dos seus eompanhelros. Os hespanhes
apanharam grande quantdade de armas e de mu-
ni(5esi
O navio que coniuzio os flibnsteiros consegua
pr-se a salvo com o sea capto.
O governo bespanbal recebeu noltcias de
Cuba, favoravels como sempre s armas lie-pa
11t10l.11 -.Duas canhoneiras da armada baviam
atacado em Puenta-Brava ama posujao dos insur-
gentes apresando-lhes urna lancha a vapor, bal-
sas e um carregaiii-nto completa de armas e mu
nijdes. Na res froga havia-se Ibes causado dez mor-
ios e tres ferdes, H-triara-se apresentada s au-
toridades bespanholas 00 insurgente*.
ReacenJeu-se no Haity a guerra civil. Um
dos chefes mais brnlaes do exercito de Sal vane,
Liffra, fugio da prisao em que eslava encerrado
desde a derrota do seu chele supremo, e apresen-
lob-se em armas as planuras dos Cayos, tanda
sido sua priraeira facana a de saquear e incen-
diar ama povoaco denominada Port-a-Pimsat.
POBTUGAL.
O* membros do gabinete demiltido publicaram o
segunte protesto :
< A' Nac-ao I Os abaixo assiguados, membros
do gabinete derribado pelo commetlimento^e 19
de mao ultimo, leudo no Diario do Governo de 4
do corrento a circular expeJid.* polo ministerio
dos negocios estrangeiros era dala do 38 do pas-
eado, julgam dever indeolinavel da sua conscieucia
e da sua dignidade expr o aeguinte :
' Disse em presenca de graves acontec mentas
urna autoridade Ilustre : o sneaeio s vezes o
pudor da historia. Segurada este elevado con
certo, agora to opportuno % tao justo, antepondo
at ao natural direito de cefeza o sincero culto da
patria, em silencio se teem conservado os abaixo
assignados, conformes em esperar justica para as
suas ntencoes e para os seu- aetos, nao das con-
troversias partidarias, mas dos juizas esclarecidos,
nao do tumulto mas da experiencia, nao da paxo
mas da iinparcialidade. E nesta resolujao persis-
tiran!, se tal silencio nao aolesse ioraar-se por
assentimonio s arguirss qie offluillmenta Ins
sao dirigidas ; nella se obstinjriam, se'esse docu-
raenio naa pa*sasse as {ronleiras do pav era que
os factos sao notorios, sobretndo se o navo adia-
raenlo das corles, eorraado. por cinco meies a tri-
buna parlamentara *> l*w vedasse o reclamar,
perante o grande tribunal da naci pela torma
devida e no prazo impretemel,
Firme proposito dos abaixo assignados com
animo sapenor*olTensat, roanterem-senos strc-
tot limites de moderaro, qo) llies acooselha o
melindroso da conjuntura e Hies inspira o seiHi-
ment do propno decoro. Alwtem-se elles, pois,
de comoeniar a singular ommisso, commeitia
pela narrativa da circular aos chefes das legaces,
qnando essa narrativa se esqnece- de referir como
o Sr. tuque de Saldanha, marebal d
em pessoa se dirigi de noite ao pagos reaes a
frente de algumas companiias amormadas, esen-
cia! cireumstancia que um documemo offlcial pode
supprimrr 110 papel, mas nao pde supprimir
na memoria de urna cdade. Abslem-se de
comparar essa narrativa, assim truncada, com
acircumstanciada relajo do dinheiro distribuido
e' do feilo nocturno, publicada nos das immediatos
pelo jornaes mais d'esse feitoconcedentes, e d'elle
com mais inlintidade informados. Abslem-se de
averiguar, quaes as expansdes de alegra que san-
d a rara, o suspirado advento, e quaes os re-
giraemos que, fra de seus qnarleis, pereorriam
as provincias do norte. Abslem-se de enumerar os
artefleios que se procurou simular eminente urna
revolucao-s existente as sabidas deligencias dos
amigos e- cmplices de S. Etc., qne tildo balda-
mente empenharam para excita-la. Abslem-se de
examinar se a altonita imuiobilidade do paiz, lo-
Ihido de assembro, signal de annuencia, ou acau-
telada reserva. Abstem-se de contrapOr -unan-
raidade do applauso, exarada na circular, una-
nimidade da reprovajo manifrsta na iraprensa.
Abstemse, de verificar se esta superficial tran-
qnillidade, sob a qual a anciedade visivel, nao
proceder de terem logrado seas flns os que mais
faziam prollssa-o de desordem. Astem-se de citar
os rasgos de perfeilo constitucionalismo com que,
oestes S das se tem Ilustrado e justificado o
horror inconslilujionaiidade. Abslem-se final-
mente de aquilatar o grao de jiberdade que flcou
ao chele do- estado, no exefeicio das suas alias
attribuicoes, quando o eaudilho de urna sedico
triumphante, aathenticando a declaracao com a
saa assigoatura para que d'ella nao possa ha ver
do vida, confbssa ter ousado dizer : ta nica toa-
diedo que eu exijo para dar nova administrar/lo
o mea sincero apoto, que os novos ministros nao
sejam inimtgos dos meus amigos.
< Podem os abaixo assignados prescindir de
confutar estas diversas assercSes, e tantas ontras
anlogas, porque todas ellas teem no criterio pu-
blico o melbor correctivo. Nao podem porm
eximir-se imperiosa obrigacao de lavrar desde
j o protesto mais formal e mais solemne contra as
duas impuucoes, directas e positivas, com que c
presidente do conselho pretendeu desculpar a fla-
grante violarlo da lei do estado. Nao podem, por
que n'este caso a resignarlo quasi importara
cumplicidade, que redundara em desdouro e des-
crdito do paz.
1. Oae a administrarlo sabstituida era vio-
lenta.
2. Que era inconstitucional.
Quem, fra do Portugal lr a aecusacao de
violencia, por tal molo e com tal carcter formu-
lada, concluir necessiriamente que numerosa e
inconcussas bao de ser as provas d'essa violencia,
pois que, sem ellas, nenhura poder constituido to-
mara a responsablidade de afflrmativa semelhan-
te. Nao se poder tambem comprebeiider a vio-
lencia sem os seus caractersticos e consequencias.
Imaginar se-ha pelo menos, a intolerancia levada
opressao. Suppor-se-ha, portanto, o arbitrio
permanente, a virlude affrontada, a nnnocencla
perseguida, a tribuna sem voz, sem liberdade a
impreosa, os carceres transbordando, as sentenjas
amiudadas, a tyrannia insoffrivel I
o Mas o paiz inteiro presenceava exactamente
o contrario. A iraprensa habilitada, que nao frau-
dava as Itis, usava da liberdade at aos seus ex-
tremos limites, e d'islo ella mesma irrefragatel
documento. A tribuna estava franca o patente a
quem n'elli tinha o direito ds apresentar-suLe a
voniade de perseverar. Funccinnavam indepeiir
denles os tribunaes. Sem estorvo se eoosiilniam
as associajiles polticas; reuniamse como e quan-
do queriam : deliberavam e peticionavam segundo
enien liain oppmtuno, sem mais condicrlo do que
a de respeitare.n a ordem publica e as 'liberdade.-
ndividuaes.
Poder-se-ha chamar violencia a e>ia liberda-
de amplissjina, a esta tolerancia Ilimitada? Po-
der-lli'o-h,i sobretndo chamar aquelles que,
sombra d'ella, d-linearam e executaram o ataque
s instituiroes ?
Quando em navembro de 18C9, o Sr. duque
de Saldanha, na carta qne envin a iraprensa,
rrvellou o seu inexplicavel projecto do golpe de
estado precursor da actual surpresa, quaudo os.
seus amigos, investidos em cargos de conlianca
como S. Exc, se fizeram repentinos inimigos da
administrarla, essa administrarlo, oppondo s
tentativa da snbvercao a constancia e a firmeza,
apenas toraou as preciujoes indispensa res den-
tro na esphera das suas attribuijoes ordinarias.
Sem a mininu infracrao da disciplina, sem o
mais leve indicio de turba'co, sem provocarlo de
nenburaa ordem, tem-se ultiraamente effectuado
era poneos das maior numero de alleraroes e
transferencias no exercito do que em lodo o pe-
riodo argido de violento!
* Na ordem civil, nao se deu urna demisse,
nao se ins'aurou um processo, nao se elTectuou
uraa prisao por motivos polticos.
t A violeucia daquelle governo consista pois
na vigilancia; consista em nao tolerar as infrac-
coes da lei, os criines contra as pessoas ou contra
o estado; cousislia em defender a sociedade contra
as violencias.
Mas se o nao llzesse trahiria o seu paiz ele-
mentar dever. e nao seria goveruo, trahiria lodos
os legtimos interesses, e tornar-se-hia cmplice
na/ anarchia. Em nenbum repaz gularmenle
adminisirado se qualfica de opressao esta repres-
so indispensavel.
Come se prova ento, e com que a arguico of-
flcial ?
t Nio so prova : aecusa-se mais.
> O governo, culpado de resistencia ao Sr. du-
que de Saldanha, foi nao s violento, mas incons-
titucional I
ru i,omo i,vo ajnija mas neee,siarj;4 aCl pgj,
el" 0'l,v*- Mais, e muitoraais. certar
Inconstitucional, era que? Inconstitucional
porque ?
t Por ler acooselliado a dissolurio de uoia c-
mara, .que tornara iulpossivel existencia aos dois
gabinetes presididos pelo uobre marquez de S
Banleira, e que, depois da nova convocarlo, dei-
xara por tal modo "entrever o seu programma
aggressivo, que j em virlude d'elle, se davam a
estampa ostentosos annuncios da prxima queda
dessa terceira administrarlo, tercera victima pre-
destinada ao sacrificio.
Nio tiega o Se. duque de Saldanha, que pelo
art. 74 $ i da carta constitucional, tem o poder
moderador a faculdade de dissolver a Cmara
electiva, quando o bem do estado o exige. Allega
s que essa dissolurio fra aconselhada sera cau-
sa suficiente. Sera causa suficiente Que paiz,
devoras constitucional, permute que urna cmara,
invertendo os principios auniqailie as administra-
ces sem deixar esutielecer almoistracio, e isto
em presenra das mais justificadas instancias de
orgaisaelo fioaoceira 1
Na circular expedida pelo ministerio do rei-
no em 3 de feverelro, o governo expoz .aos pavos
com lesolucJo e franqueza as graves considera-
jes qu<; o moveram a propor a solucao adopta-
da. Essas consideraroes, compelentemente pu-
Dlieaas, sem arabigatJade se acham nest s pe-
riodo.
Nanea presnmio o governo de infallivel na
impecavel. nem.se iulga superior s commnns coi-
dijoes humanas. Bastav.|be, porm, urna real
imparcialidade, longe do favor, mas tambem lonze
da malqoerenja.
Essa imparcialidade era, neste periodo decidi-
do que ao go-
cerlainente porque w
nao trata agora da existencia naturalmente transi-
tria de um gabinete, mas das fonles vilaes de nma
na rio.
Era vez de lal e lao essencial imparcialidade,
o governo eneontrou. lugo ao principiar a sessii,
urna premeditada hostilidad, clara e antecipad-
inente disposta enm exclusivo proposito pidiii<-
0, proposito j de si transparente, e alero dis-
so revelado sem disfarce por mmares impa-
cientes.
Urna grande parta da maioria, que impossi-
bilitara os ministros fransactos, reconstituir-*;
evidentemente para novas demoiirdes.
a Escnsada ser-investigar a* causas onde So
xpressi vos s> e tao patentes andamos effeiios.
Difflcilmente se poderia auribair semelhanle atii-
tude nltimas reformas efectuadas, emudecen-
do largos dias ante ellas aquelle grapa, que tinha.
congregado as forra, leve o lempo, achou fran-
quissiraa a lira parlamentar, e pertinazmente se
recusou, nao s a toda a controversia, mas anda
a toda a explicarlo.
A anteara diriga-se, pois, propostas futu-
ras que o mesmo numeroso grupo visvelraeni
aguardava, nao era mera expectativa, mas com a
aggressao assestada e as armas ero risle. Quamtc
esla situaeo nao fosse tao carcterisada e lao
concludente, para Ihe imprimir o mais signific.tii-
vo cunho sobrara a eleijo das commisses, na>
quaes, j com o fito de enfraqaeeer e solar o
governo, a votajao apenas dava a esla maioria in-
significante, quando nao pruduzia empate, o m
succedeu n'uroa das principaesa do orramestn.
Ainda alera de ludo isto, regislon formalmente o
governo a ostentosa reserva da cmara como de-
raonstraclo de desaccordo, e a eamara orvio a "
declaracao sem responder cora as roaniestacoes
era taes ea^is costumadas.
Ninguem poder sustentar qne estes innega-
veis assaltos ao gabinete ante de conbecidas m
suas propostas, estas soflVegas manifestacoes de
positivo e antagonismo, poderiam signiQcar >e
quer espirito neutral e anhnu desprevenido. Sea
orasciencia nao podia approvar sem ver, moit
menos poderia condemnar sem ouvir. Servem os
appratos de desconllanca poltica para deter-
minar calculada* crises, nao para meditar segu-
ro: juizos. 1
Estas razoes, antorisadas cora fados innega-
veis, tendo por fundamento a mais justa aprecia-
cao das conveniencias puMieas esseacialmente i-
-' uaitKi.v" "" K.iiua,-esres ar-
gamentos peremptorlos, derivados da mais com-
pleta noloriedade, foram infamados de doesi,.,
mas nunca seriamente impugnados. Coropreben-
deu-os o paiz, e o resultado eleitoral deprassa u
certificou.
A' esta demonstraco, que oppoe o Sr. duque
de Ssldanna ? Supprime a tambem, e aprsenla
a suppressao coma prova !
Apezar dos repetidos incitamentos s paixoes,
apezar da constante provocacao e ameca de desor-
dem, apezar dos ardis impeditivos, apezar das dif-
famacSes, apezar dos subornos, correr em todo o
reino o acto eleitoral com lal regularidad!' e tran-
quilidade, que a propria epposirao pwlamentar
apenas pode levantar dnvjdas acerca de d us na
tres diplomas, e sverdadeiramente se abrn- nV-
bate a proposito de urna eleieao, que foi auuul-
lada.
t Posto que a lula, como natural, bnivesse
exaltado os nimos, apenas n'uina assembla. Vi-
nhaes, a conlenda degeneren eiu rixa grave, e>>*
mesma. nao durante .1 eleieao, mas qiandn
povos de duas freguezias jppostas, rwranth w
enrontraram na estrada.
c E' o que infelizmente em loda a parte sm......
de ainda, e em muito mais torga estalla, cao
em resultado da porfa dos partidos, mas ainda eiu
consequencia da rivalidade prever e evitar sempre
estes accidentaos disturbios. O mesmo lera succr-
d;do, e cora mais frequencia e manares desastres
-ucceda na livre Inglaterra, sem que dahi re dr-
dtza suspeita, nem ctnlra a genuiJade da elei.; .
nem coima o procedimcnlo dos governas.
a Na illva da Madeira, iheatro ha muito de -n-
sanguentadas discordias, deuse um triste cr>ntle-
to no templo de M icbico. Mal teve noticia da de-
ploravil occorrencia, que sentio mais que nin-
guem, o governo substituio inmediatamente a au-
toridade superior do districto, ordeuou que -
instaurassem os respectivos processos, e as c-
maras declarou sem hesitarlo que faria cast jjur
com toda a severidade das leis os perpetradores
provocadores, ou responsaveis do attentadj, totseui
quaes fossem.
Que imoutaro pode caber a um governo n-.s
casos imprevistos, que devidamente manda inves-
tigar e faz iiiiparcialraente punir ?
t Onde est aqui a demonstraro da Tiolra-
cia ? Onde est a demonstraro da inconstitUfio-
nalidade ?
< Eiso que a circular aos chefes da mis5o
aprsenla como provas I E estas foram as eso.lu-
das entre todas, naturalmente
todas !

porque valiam por
Esteve, porm, o parlamento iberio e func
crinando por espaco de vinte das em Janeiro :
esteve depois aborto e funcionando do 1 de abril
at Mus de mao. Tinha o Sr. duque de Saldanh:*
lugar nelle. Se eram tantos os aggravos contra a
administrarlo que S. Exc. julgava nefasta, se lau-
tas os documentos desses aggravos, se lo apelli-
da a situarlo, se tao urgente o remedio, se lo de
desejada e sabida a cura, se tao geral e unnime
a irritarlo, porque nao foi S. Exc interprete des-
ses senlimenlos populares, expr tudo as-.en:-
blas da n ira, onde a acensarlo cabia, nndr Iho
corra o dever di aprsenla la t Porque preerm
ir segreda-la a lugares, que a constituir inevi-
dentemente pz cima dos letigios polticos, a a
lealdadeeo respeito devem conservar maceos-
veis aos Unces partidar03 ? Porque levou alli, fu-
ra de horas, por ultimo argumento, alguns centns
de bayonetas seduzidas, e sera os seus oficiaos ?
t O governo, por tal forma argn.do agora, e>-
perou no seu posto serenamente o acoiLeador,
quando este, atna'diroando publicamente a iamr-
reigo armada e publicamente empenhada a j-a-
lavra, protestou ir ao seio da representar naci-
1 al confundido perante o povo. Espetou-o qiian
do constitua a nova cmara. Esperou-o aim'a de-
pois de supplantado pela sorpreza victoriosa.
< E esperou-o sempre em vio I
A aceusaclo, que nao erguera a voz onde ju-
dia ser imraediata a resposta, mandada corr.-r
inundo sem a bagagem importuna de quaesqne.
objecces ou contrariedades.
Serio estas as praxes ? Serio estes os priorj
iis ? Inspira isto a f n'nma causa gran le n
justa?
* Mai* e muito mais podaram os abaixo assig-
nados aqui adduzir ; mais S muito mais interro-
gar ; mas e mnilo mais concluir* Terminam, p -
rom, neste ponto, porque pensn ter oompendia-
do quanto basta para autorisar e fundamentar
succuto protesto, que flrmm perante Deas, a t>v
ilo, atiiswria, era nome da le ultrajada, ora w-
jienaijem verdade obscureoida.

'.
^P""***


ttt&ifo de Pernambuco
- Tferjja feira 28 de Junho de 1870.
x
- -(.<
Lishdn, 7 de ja nho de 1870 Doqub db lorv
l Aksslmo Jo;k Bb.umcaup.-Jos* Luciano tjt;
CvsTao.-Jo OJStD D.EBKU.0 DX lLVA.JOAQ'.lil ThOMAZ. LoBO
"~oe Avii.v.
Nosso eorrospi-ndonte escreve o segrate :
t Hi diui appaivceu urna noticia, n'utna folha
ie Liba dizenlj que o Sfoci-ejefcoiifle de Lon-
dres so recusa va d.' ji'.v.i o terminante cotaco
Ak fondos portugueses. E' falso. No dl se-
guirle acud* iiupransa loda a desmentir ajttt-
^oa da Diaria Popular, cojo p.trio'.lsmo lh; di-v-
i', tor Icito callar o esconder da imineoiata pa!>li-
vid.vle tai novidade, ain la mes mu que fosse vw-'
dadora,
AcemmWi n imaala para a reforma da
Ranura -nlta compo.-ia dos Srs. marques d* Avila
Bofo i o.i, Jo.- Mara Kagenio de Almeida. lo"
Mana Teixeira de Queicoz, viscoade d'Alves de
S c euoda de Castro.
Ni da 7 pubdeottso o decreto eoncedeodo
i Prese que o duqoe de Salaaaha tenciona
responder era am doctftneito oflefal aquella re-
presetitacao e tomar providencias positivas era
ordem a eUecCaat'-se a rgaisao propdsta.
O goverae, pelo-miaislerio das obras nubli-
cas ( marques de. Awja.) mandou, mspender lo-
dos u> trabalhos rw pesia primavera o Sr. Loba de
Avila tinha principiado em yrande escalla uo par-
que do Campo Grande para transformadlo cm
magnifico passei > s abas da capital. No longo
rolatnrio que precede a respectiva portara nota
que taes (trabalhos de aformoseamento exce
amnista geral e completa para tojos os -crimes titulo de conde.
derim a eesfomios de rel, n queTnesm a yor-
ba de que ja tinham sahido as obras leilas era
polo orcamento destinada ao melbiirameiUo dos
portos e dukas de Lisboa, 4 onclosao do obser-
vatorio asttvinoiuic da Tapada d'Ajn la, ao desse-
eameiit. de pantano* e pan.'v. ns proximidades
de Lisfcua, e que ludo isto esta priineiro qnu um
bello passcio de foso.
Kireee que o Sr. Casal Hibairo nao acceita o
m'.ra o exercicio do direito eMioral, e em geral
fmr* todos s eriines de urigem ou carcter poljii-
S omnviirtw des*j o 1.a de marco do crreme
auno mI a data do preseute decreto ; quer o os-
MM coui iafracrao da lei penal coiumum, quer
*tas iris peU'-s o regularemos disciplinares do
tverrMii e da armada.
Foi gnautn-nie concebida amni'tia para lodo-,
s rrimes compoteudido* no capitula 3 do titule
i e uos captulos 1.a i 2. do liUflo 3.* do livre
"2 a do endino penal, cmwmettidos n.i tnesraa epa-
xtoh i que -c refere o artigo anterior.
N. dia 10 sabio o Diario do Governo a to-
orma do ceaselho de estado (urna, das pi'omeui-
las no prog^aiuia d.i dictadura). As luiiocdes do
i-onselhu de. estado politice, serio desempeufcadas
raluilamenle, mas conservando-so ao> adunes
.-oa-'-lliein- de estv.4'* os seu3 .cnciioenlus, o que
na actualidade nao oflerece a menor sowlfcra de
eonoMria. A soccao do contencioso ad jwaistrali-
vo lif.ar cooi a deoomiaf'i de supreiw tribunal
a -Imimslraiivo, 'cando de fotnro re luziifis os or-
de.u ios dos coosdliinros de H cuatus a 1:600*000,
mas de futuro.
c K" opiniao feral que nais acertado fura en-
ir^asr a d cisao os pleitos administrados ao su-
lk-.-oio irftwnal de justan, ultiuu espressp da
ind pend tocia do uoder judiejal, e -corporac
iwuit i i>i.>i< isefcta de parcialidad^, que o conseih >
vle B*u KMIIttVO.
Rsia medida sabio cnojunlamenlo cura a da
Xliiii-irau d i suli-idio aus dopuiados.
Vni nonieada urna conmisse, de que faiem
pait.i os Srs. Latino Coellio, Xegueira, Coato
Mooieiro etc., para Bfopr as bates da reforma
eMknraL Pan-ce uii se trata do suffragio uni-
versal o eli'icocs indirectas, inodilraco e am lia-
oa. de incoinpaiibilidadea. Lojo quo esteja ela-
fenrada a n >va le efoitoral. ser (ao que se allr-
iii) ili- olvida a canima a-tual.
- Ctie^.ir.un no vapor Mindilo do- Azores o
cml* duCaiera e o enroael Damaiio Gurjio, que
u ministerio passaJo iavia deportado.
Foran esp rados por grande numero de ami-
.g'is em csi'slleres
F.o adsolvi lo no segundo eoaselbn a que foi
submeiii .i o capitn de artillara 3 Menduuca e
Bulo, .|ue n-s cumprimenio dos seas deveres d a
a fui de fogo no Adi da AjU'ta na na irugada de
II em defezi do ju posto, coolra as forcas in-
>urglas do in.irecB.il aldana. A imprensa hos-
til a dictadura lera elevado s mivims o capitao
Mmdonca peiw ;eu val.ir. El-rei e S. M. a rainha
lun da rara no ir aopae.) rubriram-no de elo-
gi>>-. tratando n S. M. a rafofca COffl a maior alia-
ijilida-le. S. A. o Sr. infante D. Augusto mandou
ir t capitn Men luii;.. ao pr;ii das Necessidade^
eucheu-o de Ion varal o deixiu-o penhoradi-siui i.
tS.Uo Sr. D. Femando tambera qnil euobe-
rer di* [lerlo o valente capitao e Intou-u s rail
maravilhas.
A iumrensa da oppnsican lem Jado enorme
valor__ a todas eslas receptes da familia real ao
cijii a > que se dispunba a metrall'.ar Snldanha e
OS -i"JS.
O lar nal do Comnercio de boje approxima
estas cimiraslaneias, aeresceodu que el-rei de
Jtaiia, pai da rainha. mandou ou vai mandar um i
enmmeinli ao eapitu Jl'-ndoaja. Nota o faeto de
todus sabido de urna forte desinieiligencia, ao
rincipi nessoal entre o marquez de Oldoim, mi-
nhiro Je Italia em Li-ba, com o duque d Salda-
ka, de que resultou ser o marquez. chamado pe-
lo .-en governo e lic.iern interrumpidas asrela-
i^s iifinmiiii-H onirp i cnf|i rtjj Floreuca e a
lio Li-ha, em quinto n zovrno poPlBjW'f lili
oer mu i exDlieaeSes'()! I)Ora o Jornal do
Cotmaeir.io censura a.-peramenle que o paco se
intioineii.i em enirigas parlidaria", e nao deixa
de approxitnar estas denunstraede* ao capitao
Mi'iul mi;.-., ama interrup^ao de refofON diploma-
tiris com a corle de Flarenca. Anda oatra oc
oerrene ; a sabida do Sr. infante D. Augusto
de c iinniandante honorario de lanteiros n. 2.
Ni deveram jamis estar arregimealados nem
seguir postos pelo modo preveligudo porque o
svuem, os membros da familia real. Mas accei-
t.-mdo o fado, nunca deveria o Sr. infante nesta
opporlouidade, lio ferl em interpretaeoes singu-
lares, abandonar as lileuas, urna vez que nellas
se enconiravs.
Junle-se tudo isso os rumore* de contra-
rev.ilucao que se tem segredado, e digam-me >e
manife-iando-se de tods os lado um lal jogo ]de
ffi-trogativa, como ha dias Ihechamou um destine
k< publicista nosso, Migain-me se possivel conso-
Iitl.ir-.se a adaiinisiraeM, e fundar se o crdito em
aJieerees inabalaveis '
Gmliaua a dizer-se que o Sr. Mathias de Car-
v>lho aer demittido do cargo de ministro plenipo-
tenciario de Portugal ua corte do (lio de Janeiro
Di-se-se iirimeiro que iria substitui-lo o mar juez
d'Angeja (o conde de Penicbe) aclual ministro das
obras publicav-e cuja presenca no gabinete tem
s'-o. seeundo di tem, uriaen das serias dilculda-
le* que o duque de Saldanha tem encontrado pa-
ra comp!eia-lo.
Hojeou amanha chega a Lisboa para onde
foi busca lo o vapor do estado ArmM, de Gibrallar
onde ehegou de sen regresso da India, o visconde
fererida a pasta da marhia e ultramar.
Nt?stc caso passa o Sr. 0. Antonio da Costa
i Soua de Macedo para justi?a e iostruego pu-
Jil'tca. oiitros dizem que para a pasta do reino ac-
t-.uiiiubiido a nova pasta de iuslruccao publica.
Palla -e em que a pasta de fazenda ser acei-
ta pelo barao de Lagos, que est rclnccionado com
'mitas das imprtautes potencias monetarias de
Londres e Paris.
< Oeste modo com que pasta tica o Sr. Jos
Dias Ferreira ? Se com a da justica, ou ser cer-
u que os mais affeicoados do duque, de Salda-
nha, tramara para que o Sr. Jos Dias saia do ml-
i.iMerio ? Seria a pena de Taliao a julgar-se pelo
iuese passou cora o Sr. Antoaio Rodrigues San
pai o
O quo parece exacto, haver realmente des-
ititeingenrias insanaveis no seio de um gabinete
ayuM co.uposto, por na de quairo ministros I-
Parece que ao conde de Magalaaes (ex-baro
di tuesnio titule) vai ser dado o paralo.
Nao so percebe bem eotno no mesmo Diario
em que proclaraava offlcialmente a reforma da c-
mara alia, vinha a carta regla fazendo par do rei
no o Sr. Andrade Corro ex-rainistro de Portugal
fin Madrid, e se trata agora de elevar alguns ca-
vilheiros ao pariato. A opportnnidade bem ron-
testavel, e a doutrina bem parece estar brigand
com os fados !
Parece que van fundirse o'um s oslabeleri-
mento o collegio militar e o asylo doi fUhos dos
soldados. O primeiro est na luz at p de Car-
indi ; te da juocen, andar por 6 a 7 rumos de ris.
Amanha pelo meio dia sera eiregue jio ma-
reebal Saldanha a mensagemila consignac- een-
hal de Dezembro de 110, pedindo (ejjmo j
por vetes vcrbalmeute o tem fei;o a outros minis-
teiius) o armamento do psiz, fortiQcacao dos por-
to- de Lisboa, Porto e Setubal, crear.vj de rwvt,
itifMioramento e acertada escolha do fadro de ar-
mas poriateis, creacio de gymnasius militares em
.da municipio, escolas de tiro nacional e de pe-
I jto etc., de modo que o exereto sirva s de es-
calas e quadro logrando xercito nacional com-
iMisto de todos os eidadaos validos, como Wnrlem-
lierji oa na Snissa, (lean 1" abolidas todas renns-
sdes do servico militar a dinheiro, e apenas con-
nedida a diminnicio do lempo do servico militar
laediibte a ofieru.de artigos de armameulo eequi-
rameoto.
\a\ assignado pelo numero synibolico de quarenta
vitpae.- da commissao central i* de Dezembro, cu-
ja popularidad se aeoa confirmada pela annueneia
de mais de dous teroos das cmaras uninicipaes
lo reino, que ja tem enviado commissao central
as suas congratulantes e adhesoes A commissao
mpnstl dos Srs. Avres de S Nogneira, Inno-
io Francisco da Silva, visconde de Sanches
U.iua, Jos Dyonizi de Mello e Faro. Jas Gsorio
< Alberto Osorio de Vascodcellos (relator) D. Lnii
de Melio Breyner e Luiz Felibpe Leite.
oWectuado mediante o paAmento em
um regu
.
poder ser
apolices.
5. O presidente da provincia dar
(amentu para execu^ao desta tpplicabo de ere
dito.^-JA fl:-/, Mello fago,
Ao *..
0 i i' 9)ib<)iitua- l-orraaraeste um estabelecnnento a parle
adraiaistradAtnor ut
farparlo u
da thc
jurada
10
aq pre-
t-'oi agraciad i rom o Ululo de tseondo 'le
M^wserrale o Sr. Koufc, upnlento nesooiante ioglex,
dt**io da nnniiidca profnedade do fdonserrattt ei- fwtriumni. JwcraiHcaeoes que deven
Ciutra. Esta inerc diz-se que foi por propria
iniciativa de el-rei.
Foi dado o titulo de conselheiro ao Sr. Jos
Ani mi Gomes Lage, qne ha poneos dias era Ten-
te de maihemaiica no tyceu nacional de Lisboa,
e aqueralog- misnrimims dias da dictadora odu-
qtie de Saldanha Re meo u para o lugar do direc-
tor ten! da ttesouraria, fog.tr mportantlsslmo;
que vagn pela apu.-entaco do conselheiro Lupi,
e que o Sr. Bi'aancampi podemlo prover era al-'
:.: on amigo sea.-doixon demluio. O Sr. Lago dj
intimo amiga do marcchal ha mudos anaos, e nni
dos soils hlms didic-.dos partidarios.
Fi4 graciado com o ululo do visconde Fer-
reira Alvos, ni soa vid, o Sr. Juaqaim Ferreira
ltVb, cnsul de PurtugaOm Havre Ue Grace. Pa-
rece que ser nomeado para aquello consulado
coiLseiiittro Augusto dejara, que sitb-direcloi
do uoia das repartifes do muiisiono das obras
publica-, E mais rendoso consulad> portuguez
ni Eurooa.
Tem viudo publicado uo Diarto felicitaces
das eama/M muuicipaes de Obidos, Arronelus e
BntaUu, a governo actual pela queda do gabine-
te e a sanco (leste ao poder. Parece que iro
c intitulando a publicar-se e?ta< coigraluiaQe .
< Bala qirisi resolvida a debatida questao das
noBMngins de novos (invernadores civis e secre-
lano-. Ditbatida, digo, mas era consetho de mi*
nistros.
O marquez de Yaliado vai para o disiriclo de
Braga.
Foi assinado um decreto abollado a pena de
morte no ultraoiai.
calor ten) sido abrasador em Lisboa, aobre-
v.iid i tarde furtissimas ventanas. No Porto,
i|ueixam-se do mosmo. Em varias locilidades teni-
>e feito preces ao petendain pUviam pois as .-uc-
eas tem cnmpromeltidj as cearas e o auno agr-
enla vai mal. As fructas amadurecerarn do re-
pente, e dentro em poucu nada haver.
i Indiana-so para pairarcha de Lisboa o Sr.
Jos) Mara de Lima e Lemos, que reside na sua
qui.a uo Cidrao ao p de Goimbra. Mas dizem
que a apn-sentacio sera acertad, nutro achara
uo digna eecicsiasiie.) ideas muilo pouc i avaoea-
d*s. E' claro que falla cada um pelo prisma das
-ua- simpalhias e opinioes.
Parece que mi sr revotada a le de julga-
dos e juizes ordinarios do Sr. Jos Luciano de Cas-
tro que foi ministro da justica. no gauiuete tran-
sacto.
Eiz-se que em 'compensarlo ser augmenta-
do o numero das comarcas.
Receben no .lia 8, despacho de prouuncia,
pr homicidio voluntario con premeditaran, o Sr.
Vieira de Castro, que se a-.Ua na cadete do Li-
moeiru em Lwboa.
Diz-.e qne seria seu advogade o Sr. Barjona
de Frc-itas.
t No mesmo dia* foi entregue no juizo do 2o
Jistricto criminal o relalorio da analyse feita as
visceras do cadver da assassiaad esposa do reo.
A analyso chymica fui feita pelos Srs.: Dr. Alves
e Maunel Vicente de Jerus.
- Faileu em Lisboa o consetheiro Carlos Au-
uslo Frauco, que foi governadur geral das pro-
vincias de Angola e de Cabo Verde. Deixou fa-
milia em mas circumslancias.
Foi demittido do governo de Cabo Verde pa-
ra onde havia um mez ou ponen mais. Unlia par-
tido, o Sr. Jos Maria da Puole e Hurta. Foi
Sr. Lniz de Almeida e Alboquerqne proprietao
do Jornal do Commercio de Lisboa.
Fui exonerado do servir, j militar ( a seu pelu-
do) o captti Juaqnm Tboaiai Lobo o'Avila, mi-
nistro de estado honorario.
< Foi agraciado coro a graa-cruz da Conceicao
o Sr. Baro de Cotogibe, ministro dos negocios
extnrageiros desse imperio, quando termiuou a
guerra do Paraguay.
P. S. E' de summa importancia o seguate
telegramma trSnsmitlido pela agencia Havas-Ken-
ter :
Madrid 11Prim declarou Das cortes que as
ideas do governo a respeito de Portugal eram :
* fede'racan monarchica ; duas na^oes conservan-
t do as suas autonomas.
< Cau-un em la .boa profunda sensacao e-te
despacho. A commissao 1* de dezembro reur.e-sea
14, extraordinariamente para assenur no procedi-
menlo que Ihe cumpre observar nesU coujunc-
tura.
EIIAMBCO.
ASSEMBLEA PROVINCIAL.
Emen las offerecdas em terceira discnsso ao
ercamento provincial:
An ai i. 16.
Resiabeleca-se a disposico do g 43.S. R
J. M. Rego.S. Ledo.
Onde couber *
Os garamidores de bilhetes de lotera de-ta pro-
vincia serao ebrigados aprestar flanea no "valor
de vinte conlos de res.S. R..G. Drummond.
J. M. Bego.
Ao ari. iC.
A emenda ao % 16, substilua-seDizimo do ga-
do vai-um, menos na cmara de Garanbuns onde
ser cobrado o imposto de 800 rs. por cabeca na
poca de partilha feita na fazenda de creaeao.S.
R.-/. Mello legoI. Leao.G. Drummond.
Aoart. 4.
6 accrescenie-se e o ordenado do conservador
do museoaugmeole-se a verbaS. R. G.
Drummond.J. Mello Reg.I. Leo.
Ao art, 6 acrescente-se.
Um cont de rs. para a igreja de Santo Amaro
das Salinas. Ignacio Leao.'=G. Drummond.
J. Mello Reg.
Para ser cilloeado no logar competente.
Fica tambem creado mais um logar de confe-
rente no consulado provincial, pudendo o respec-
tivo administrador empregar em servico de lauca-
mente e escripiuracao qualquerccoferente, quan-
do pr-sf a ser dispensado do servido de embarque
Augmentese a quota mais 1/4 por cento.S.
R.J Mello Rego.G. Drummond.
Art. 8.Com a abertura da barra de Seri-
nhem.
20:000*000, cando a applicaco da quota de-
pendente dos estudos previos.S. R./. Mello
Rego.=-Ignacto Ijtdo.
Art. substitutivo.
O presidente da provincia, dentro do exercicio
de 1870 a 1871, abrir nm crdito extrordijiario
de 1 20(1 conlos em apolices, emettidas ao par,
venceudo o premio de 8 por cento ao anno seb as
bases seguinles :
| 1. toda a importancia deste crdito ter ap-
plicacao especial :
1." A conlinnaco da estrada da Vi-noria at a
poveaco de Grvala.
2. dem da de Goiauna at Pedras de Fcgo.
3." dem di de TVombetas. al o povoado de Ca-
poeiras.
4.* A coatinoaoao de urna ponte sobre o rio
Una.
5.' dem sobre o rio Capibaribe em Pao d'Alho.
6.* A substituirlo da p.nle dos Afogaiw.
7.* A reedillcueSo do thcairo de Santa Izabel.
8. A coostruccao de uro paco p8ra a assem-
bla provincial.
9.a dem de nm passeio publico nesta cidade.
10. A continuarao da estrada da Eicada.
10. dem do Muribeoa.
2. A emissao da apolices ser feita a pro-
porcao que for necessaria pagar trabalhos con-
cluidos, oq quano seja necessario troca-las por
nnrnerarl;.
$ 3.a As obras especificadas na I." sarao ex-
eeutados por meio de corapanbias-, empreia\ on
pequeos contratos, conforme for mais convenien-
te aos interesses da fazenda provincial.
|.4.a A troca de apolices por numerario s ser
realisada quando o contrato de alguma obra nao |
outrns de beuelicencia,
com.Trhs-j de 5"membros, de qua
rector como adjont i, o o contador
provincial como lijal.
Culloque-sa tiis ejifogar compleme esteti
tros :
Os outros tres membrns da eommisilo
nomeadiM pelo presnlnniq da proviu:ia, Jendo
delle.s o presideuie. Efto comuiis.-o [un
r por 3Ros.
A conaalis.-o 6 cenpatentd para propor _
sidented pruvifteiea-dmisi ddlret(w,l
ilo enfeuda que elle nao devt- ser< conserva.
proiioata devera sor baseada com faci* pn*adi
it presdame reorpanisar o pessial 4 ast'lo,
o jalear necessario, o merecer, pur cuita do s
t*ree
o Hscal e' qualquer ontio enpregado di laiendaa
Juem se incumba servico do mesmo asvTo-S.Rv
. Mello Be#.I. Leo,~-G. DniBunw'nd.
Ao ai I. m.
\~ Dnpyis de 2:6005, accresnante-se por
2606 ao oHeisl-maior e IMjl a cada chfe
seccio, nao s.-ndo di'>''.onUa,i> as gi'aiiflcac'
emprega>> que pecebsm ijuandi ftarein
particao i.ir motivo de molestia jusliUcado.
I. Jff'. Reg.I. Imo.
Ao addillvo (projacto n. 61 de 1860.
Supprima-se o % ."Ia, 3 e 6a.S. .GjBi
mond.-cj. Mello Rtft.i. hum.
Ao art 611".
Fieim elevados o vencimenlof do i'Jhtor pe-
ral da instriKcopublica a 4:0001 setif> i'-'^i
o ordenado e 1:;IOO ile gralilicaco. -^Gocalves
UmaOliveira F.>nc:ca.Hollanda acalcante.
dwl 7 do art. ai
Accresc-mte-se l:008 para a ma/izde S. Loa-
renco da llalla.S. II Hollanda ixvalcanU.
An an. 6 | 7. /
Accreseeme-se 2:009f para a c*iirurao da no-
va mBril de Pesqueira.--Oliir/F(mci,e:
ka un. 6 5 7. /
Accresceule-se 1:000i para a/obras da matriz
da frcinicsia da VaneaS. R/-C. Ar**/*. -
Hollanda Cacatcaite.
Ao art. 6 8.
Estaheleca-se a verba consonada para o em
pedrameat.Ua estrada de (Jinda.S .Ai
ral.Cncal&inte tTAibuquer,
Ao art 6. accrescentese :
$ Para a coinpr* de nm j^parelbi gymnajtico,
mobilia e repo>teiros para dgyinnasio.1:0801.
S. II.Antonio Panlino. I
Ao Art. ('$ X /
Em lugar de 85:0005 diia-se 125:600*. S. R.
G. Drummond.
A o art. 6 g 3.a /
Em lugar de 83:0005 ga-e 120:0005.
S 7 Em vez de 1:5004 para a igreja da Cipun-
ga, din.-.-* 3;iw5 para compra de alfaias e pa-
nunenios e acabaroeutoMias obras.da novamatrir
da Cajonga.
8 Em vez de 10:Qr0 para a estrada de Ja-
boatao e Luz, diga se |0:0005 para a estradi da
Luz, segundo foi rnardido no art. 10 3a do orea-
monto vig.-uie. Dr. jtanuel do Reg.
Ao | 7 dn art. 6 cresoente-ea :
E dous conlos de eis para as obras da igreja
de Nossa Sennora dista cidade C. Drummond.
As disposigoes gtrae*.
Contina era_vigr o arL 57 da lei n. 891 de 25
de jnnho de 1769/devendo o presidente da pro-
vincia dar cattipidnenti) pela verba evenluaes qae
serangmentado-S. R.G. Dmannond.
Ao 6 do ai t, 10.
Em tugar de 40/0 de porceiitagera aos empre-
gados do consulado provincial, diga-se 4 1/2 O/O.
Pinto JniorTolentino di Carva{ko,E.A
aVOhvetra.
As quantias recebidas, quer em verbas do or-
camento, quer era parte de loteras para a matraz
da frpguezia de Serinhem, serao applioadas s
obras a igreja de Nonsa Sennora do Rosario d*a-
quella freguezia, qae tem de serrir de mairiz da
inesma fregoezia.G. Drummond.
Ao.art. d | 20 diga->e :
(l sell das neranoas e legados de todos os hat>
deiros ab intenido e estaraentario a excepca> dos
ln-rdeiros neivsparios, regalando dentro ao grao
o^ULTo 40 0A> 4nhi om Lana U 0/0.- "'"
[Ana.rnirrmcFoirceGa.^-r, 2tp*r Coilo. Vi-
eira de Mello
Ao ar. 16 20.
10 0/0 sobre o ello de heraacas e
do:icoe de qualquer especie.S. R.J
go.l. Leo.G. Drummond.
Ao UM. :16 accrescenle-se :
Ordenado do medico 1:0005.S. R.Antonio
Paulino.
Ao arL 7 | 7.
Em vez de 110:000 i, diga-se 95:0005- Dr.
Manoelo Reg.
Ao artigo additivo representado pelo Sr. RoQnn
de Almeida, s disposicoes garaes, aceresceute-se,
depois da 2a base, a segmnte :
Prolongaran de illuminacao publica .a todas a
noules sem excepeo, durante a esUfiao inver-
nosa.. -Dr. Manoel do Reg.
Ao art. 8.a
1:0005.000 para a casa de beneficencia de
Grvala.Dr. Manoel do Reg.
Ao 7 artigo additivo 7a snprima-se e pe.
5 addietiti'n. Para a ex^eaco da lei n. 736 de
jnnho de 1867. em condic5es de melhores vanla-
gen para a provincia e Igualdade de ercomstan
cas e gar.iutia-, lira o presidente da provincia
autorisado a contratar com Francisco de Paula
Mello Brrelo.Cuca/cante.
Additivo.
O presidente da provincia flca autorisado man-
dar pagar a Joo Francisco de Sqneira Varejo o
que se Ihe dever da difTerenca do ordenado entre
o sen emprego e o de secretario, que servio inte-
rinamente.
Fica igualmente antorisailo conceder ao conti-
nuo da reparticao das obras publicas, Lidio Pur-
purarlo Santiago de Oliveira, a grauficaco annual
de 2005000, como encarregado do archivo da
mesma reparticao.S. R.Antonio Paulino.
Kesiabeleee i-se as graiificacoes que (orara su-
primidas do pmjecto, concedida empregados da
escola norma), gyirmasio e directora da msiruc-
o paldica.S.R./. fe/to itepo.G. Drummond
Artigo additivo.
Mas apotentadorias dos empregados Antonio
Carioso de Quoiroz Fonceoa e Aiexaadre Araerico
de Caldas Brandan se mandar contar ao primeiro
o lempo em que esleve fra de exercicio d conta-
dor da ibesonr?r provincial decorrido de 17 de
agosto de 1816 16 de maio de tt, e ao segun-
do o lempo de servico prestado no arsenal de
marinha desta provincia.S. R.fl. Fianno.
Disposifoes geraes.
Fica o presidente da provincia autorisado coa
ceder urna gralilicaco ao 3a escriplorario do con-
sulado provincial Joaquim de Gosmao Coelbo,
correspondente dilferonoa dos vencimentos do
lugar de lancador que o mesmo exerceu in'.erina-
mente.i?. A. i (Hite ir a.
O presdeme da provioea ficaaBlonsad no-
mear nm fiscal para, a cobraaca do impoeto.de 8
0/0. De cada bilbete de loturia de outra* provin-
cias, podendo conceder an aiesrao fiscal meio por
cerno de producto de seatlbaale. arrecadaaao.
S. R.G. Drummond.1. Leo.
Ao art. 1 $ 3., supprima-se as palavras io.S'
offickU interino e Dr. Manoel do Reg.
ao art; 4.a
SI Iadesos da palavra geral, diga-sosendo o
ordenado do director gerai elevado a 3:000i5000,
dos quaes 6004000 de gralafiaacao-6:9005000.
i 6adesos de preparador, diga-se: a do con-
servador 2:2005000.
12-em vas de 7;385000, diga-se : 1:200,5.
i 14emvex de 28919785332, diga-se........
251:606*831.
| 17-em vaz de 700:0005*300, diga-se :......
1:6895000.
additivo (depois do 17).
Conservador da bibliolbeca 4005000.Dr. Ma-
ntel do Reg.
Ao art. 4a 14.
Onde se Ido Qupap, subsliiua-see do sexo
mascolioo de Qupap.S. B.Antonio Pautino.
Aoart. 6a g 7.a
1:0005000 par* as obras da maihx do Divino
Espirito Santo de Pao d'Alho.Pinto Jtmior.
C. de Araujo.-Gusmio bobo.Hollanda Caval-
cante. _
Ao art. 5.a
Restabeleca-se a subvencio da companhia aV
reboque.S, R./. |f. Rego.G. Drummond.
1:0005060 para a igreja de Nos? Senhora do
Ro Formoso e 9005000 nara as obra* da igreja
de Santo Amaro de Seririhaem.G. Drummond.
leido< e
Mello Re-
\
REVISTA DIARIA.
ASSEMBL v PROVINCIAL.-Honm a un,
Wa*?l,r,,rou en> tercera discussao, o projocto
a. II deste fimo, que aulonsa o presdeme da
.pryviftcia a aposentar o capitao do cT[o de pu-
lida Joaquim Fernandez do Azeedo, orando os
Srs. Gusino Lobo, Manoel do Rege e Pedro Af-
fonso.
Entrando em lerceira discusSo o orcamento
provincial, foram appruvadas diversas emendas,
fleandn dependentes de urna votacSo.
foram apnrovados era terceira disenssao, o pro-
jecio ni.38 de 1869, que manda pagar aos Drs.
oel de Figueira Faria e F. Pinto Pessa os
seus ordenarins, como professorra-doextiocto cur-
so commercial. o n. 125, que manda pagar ama
indemniaacao a Joaquim Manoel di Costa final-
mente em segunda discmso as emendas offereci-
das em tereetra ao orcamento municipal.
DELEGADO LlTTEaAllIO.-,Por deliberado da
presidencia da provincia, de S| do crranla, foi
nomeado o Sr. Jos Rufino da Arauo, delegado
litterario do disirino do Salgusiro.
S\NTA CASADK MISERICORDIA.Por dellbe-
raciiotjB, fui nomeado mordomo upplenie da
junta admmislraiiva o Sr. Jos de Vasconcelos.
AMSEMADOniA.-Por rtellberacao de 27, Tol
aposentado, a sen pedido, com ordenado por io-
tiro visto ter mais de trinta imnos de sorvico. n
Sr. cirurgiao da cmara municipal Francisco Jos
JBILAC.-Pnrdliheracaode 27, oram ju-
bilados, a sen pedido, visto terem exercido o ma-
gisterio por nuis un vinie e cinco annes, os Srs. .
padre Vicente Ferretia de Siquera Varejo, pro-
fossor publico da cadeira da freguezia de Sanio
Antonio ; ej,.a dn Prado Mariins Riheiro, da ca-
deira de Tracu nhaera.
EVASAO DE PRESO.-Da cad.i de Cabrob
evadoe, a 3 de maio ultimo, o criminoso de
morte Jos Ribeiro Gattf.
PROMU-NCIA.-Pelo Dr. juiz nronicipal de Ca-
brob foi pronunciado, como inenrso as penas
do art 192 do cdigo criminal, o celebre crimino-
so Jos Barbosa de Oliveira
FBRIMBNTOS.No dia 26 do crreme s 9 ho-
ras da nouto, na Capnnga, Mariano Teixeira de
Barros ferio levemente'rom orna eanivlada 560
irmao Antonia Teixeira de Barros.
Na cidade da Vicioria foi ferido levemente
na noote do d-'a 12, Joo de Lima, que nao pode
conhecer o sen offeMsor.
- No dia 22 de fevereiro ultimo, na povoacao
da Cach eir do Roberto, do termo dn Cabrob,
ManoftPJo- de Arr.orim Jnior, sua ta Peiismina
Moreira dos Passos, e seu amante Jos Treves da
Loz, travaram urna lula da qal resultou a morte
de Felismina. e o feri monto grave do primeiro.
Foram presos em flagrante os dous criminosos.
ASSASSIN'ATO CASUAL.-No da 22 do cor-
rente, no lugar Manes, da cidade da Victoria, um
individuo que se diverta com os festejos de S.
Joo. matou outro com nm tiro sobre o crneo,
pondo-se logo em fuga.
FESTIVIDADE.-Nao teado sido possivel cele-
brar se ao dia 8 de maio a festividade do Patroci-
nio de S. Jos na malwz do Corpo Santo, realizou-
seella no domiog com a pompa qne devida a
to insigne protector ; foram oradores ao Evan-
gelho o Rvm. padre mestre frei Joaquim do Espi-
rito Santo, e uo Te Deum o padre Jos Estevc
Vianna.
NOVO ATHENE.Esta sociedade reonio-se
no da36, m sessao extraordinaria, para dar pos-
se directora novamenie eleila.
Hvendo numero legal de socios, o Sr. Argemi-
roGalvao, ex-presidente da sociedade, abri ase<-
sio, lendo, em seguida aos trabalhos preliminares
da mesma. nm relatono, demonstrando o estado,
inovimentn e conli{oes da sociedade, e linda a
leitnra, eonvLlou ao Sr. Flix de Pigueiroa a oc-
cnpar a ca-leira presidencial, como presidente no-
vamenie eleito. E assim foram successivamente
empossadi< o* dentis funcionarios, havendopor
e.;sa occasiSo aljruns discursos anlogos.
Assumiram igualmenM as respectivas funches,
as novas eomnii>sd>s eletas, a saber : de reviso,
composta dos Srs. Joo Amertcp, Alfredo Vaz, Vi-
cente de Lemos, Madureira Jnior e Lisboa ; de
syndicancia, dos Srs. Alfredo Vaz, Joo Araerico e
Varejlo ; de exame. dos Srs. Cnlmbra, Joao Ame-
rico e Das Prazeres.
O er, presidente nomeou anda, pela faculdade
*a,a>-'^*'-""~ai "^-^lilltfl* "iilrj commis-
soes eoearregadas de aprwsentac.ii HH mil" ptaiw
para o jornal que a sociedade vai crear, de ac-
quiscao do casa para as sessoes, e de aprsenla-
ca i dos estatutos reformados o Sr. Dr. chefe de
polica.
MORTE CASUAL.Dos arrecifes foi tirado, no
da 26 do correte, o cadver de um menor de
dez a doe anuos, de cor preta, por Joao Jos de
Aran jo, quando ah seachava pescando. Segundo
a deelaraeJk) dos mdicos, a morte foi produzida
por a-phyxia por submerso.
CONCURSO.Com o praso de sessenia dias, a
ccnlar de 27 do corrente,acba-se concurso o ulE-
cio de contador e destribuidor dos feilos da fazen-
da, creado pela lei provincial n. 926 de 28 de
maio ultimo.
FUNERALNo dia 8 de joibo o Rvm. Sr. co-
nego vigario da freguezia de Santo Antonio, com
os demas sa jerdoles ahi residentes pretendem
celebrar um ofliiio solemne pela alan do sempre
chorado diocesano D. Francisco Cardoso Ayres ;
e para elle convidara os prenles e amigos d> fi-
nado.
DIARIO BE PERNAMBUCO. Se chegar hoje
o vapor inglez Oneida, pro-edente da corte, nes-
Iribuiremos amanha no?so numero de quinta-
eira.
MANUMISSAO. A luja macooica Segredo e
Amor da Ordem assignalou o di i 24 do correle,
em que se celebra a festa do padroeiro da ordem,
com alforria de cinco criancas, das quaes tres
custa de saus membros, e duas por offerta de
dous dos inesmos. As criancas sao duas do sexo
femenino e tres do mascolin'o.
GREMIO JUBJDIGO.-aeunie-se no dia 25 esta
sociedade, que tem por fim, fazer exercicios pra-
ticos de direito. Fez-se a eleicao da directora
que ficou assim organisada : presidente, Aristides
de Almeida ; vice-presidenla, Oliveira Sobrinho ;
1 secretario. Alcntara Bilbar; 2o dito, Bandeira
Filho ; orador, Cunba Alcanforado; tbe.-oureiro.
Fernaudes Vieira.
Procedcu-se ao sorleio para os diversos cargos,
e (orara sorteados ; parajniz de direito, Saldanha;
juiz municipal, Oliveira Subrinbo ; promotor, Mo-
reira Lima;, advogadb, Bandeira Fimo; escrivo,
Elisiario de Carvalho.
As sessoes teo lugar as quartas-feiras e sal -
bados s 4 horas da tarde.
ENSIKO GRATUITO.-AmanMa, s 9 horas do
dia, ser inaugurado o ensino de ioslrucco i ri-
mara e da liogua franceza,no salo da sociedade
Liberal Unio Beneficenle, pelo director do colle-
gio de S. Pedro de Alcntara.
DOURO.Este vapor tocn era Lisboa, eravia-
gem de Pernambnco para Lisboa, no dia II do
correnla
LA PLATA.Este vapor da linha de Liverpool
era esperado em Lisboa de 18 a 20 do correte,
com destino .ao Para, MaranhS e Cear.
LEEMING.De II a 13 do crrante era espe-
rado em Lisboa este vapor da liaba de Liverpool,
com deslino ao Maranhao e Para.
MULHER DOUDA.Causa lastima ver urna po-
bre raulher, donda ou idi jta, qne habita o corre-
dor ae um dos sobrados da iraveesa da ra da
Reda, e que ahi apopada pelos moleques e tran-
sentes sem piedade. Chamamos para isso a at-
tence do Sr, Dr. chele de polica e da Exm. Sr.
provedor da Santa Casa de Misericordia.
COMPANHIA PERXAMBUCANA.-Hoje. o ul-
timo da era que recebem caj-gaos vapores Jjp.iju-
ca e Potengi para os portos do norte o sul con-
forme o annuucio da mesma companhia.
NOVA PBLICACO.Acaba de sahir loa o
romncelo Paulo, do Sr. acadmico do 3a anao
Francisco de Borja e Oliveira, natural desta pro-
vincia. E' um traba I ho digno de apreoo j pelo
assumplo de que trata, ,j pela simabeidade e na-
lurezada forma e do esiyJio, e, snbreiudo oela
raoralidade que ressumbra. em cad,a una defsuis
paginas. Recommenda-k) aos,BP40s leitores.
HOSPITAL PEDRO II.O movimenlo desse es-
labeiacimeoto de 10a 26 de jnnho de 1870, alm
de 246 doentes exilenles, enaaram ffl. sahiram
26. falieceram 7, existem 233, sando 149 bomen^
e*4mnlheres.
t Advertencia.
Faram visitadas as enfermaras testes das as
7. 7, 6 1/2, 61/2, 7. polo Dr. Ramos ; ; H, 10
i/i,M./i, Wi/, 42, 9 1/2, pelo Dr. Sar-
ment.
Fallecidos.
Constancia Mara da Conceicao ; tubrculos pul-
monares.
Benedicta M nteiro ; entente chronica.
Manoel Percioculo ; epilepsia.
Perpetuo Bispo; dyseuteria.
Catharina; enteriie chronica.
Amonio Joaqnim Pereira ; luberculos pulmonares.
Joaquina aria da Conceicao ; tubrculos pulmo-
nares.
VAPOR POTENGI. Chegou ante -bontem ao.es-
enrecer de Artu-aj e .Vacei, Irazenda^oriiaes ilo
primeiro ald 22 e do segnndi i t So do cr-
reme.
As aoticias de Si-rglpc io de nenhuma in-
porianca.
Era Penado etam copiosas as chnvas, diwn-
do era geral os almocreies terem ellas ido ate o
serian.
O tabelliio Antonio de Bnrro< Lyra, dessa ekla
de, offereceo-se para lanjar em suas notas, gra-
tuitamente, indas as cartas de liherdade de *scra-
vos, que Ihe torera apre'entadas.
Em Macei nada occorreu, que mereea
niencio.
LOTERA.A que se acha venda a I.M '
a beneficio do reColhimento de Iguaras, a qual
corre no dia 28 pelo novo plano que se acha pr>
blicado, sendo o menor premio 85 e o maior
8:0005.
PASSAGEIROS O vapor brasiieiro Potengy,
vndo do Aracaty e porlos intermedios trouxe a seu
bordo os seguinles: Ji L. do* Santos. Pedro G.
Torre-, Jos Antonio dos Santos Andrade, H. Wil-
soo, Ildeflonso Venceslao da Silva.
Sahiram para o Aracaty a bordo do hiate
brasiieiro Deas te Guarde, os seguintes : Raymun-
do Ferreira dos Santos Cami.iha, Lucio Ribeiro
Guimares, Jos Soares Barbosa Cadea, Joo
Francisco Cavalbo, Antonio Moatero ue Castro.
dem para os portos do snl no vapor injtlez
La Plata : Adulpho Pereira Carneiro, Hugh Wil-
sou, Miguel Cansera.
PU3LICAC0ES A PEDIDO.
J liz saber ao publico que raeu irmao Joo da
Silva Faria, dopois de se ler servido de nosso ve-
Iho pai como instrumento era suas ignobeis traeos
e viugaucas contra mira, conservando-o detido em
elle me entendesse e falias-e peame multas pes-
soas acerca de tantas band?Jheiras praticadas em
seu nqme, por temer a insistencia enrgica que
neste iutuilo eu fozia, deu nosso pai por demente,
para, se acaso este alguma vez disser que nunca
aulorsou laes bandalheira?, poder elle allegar qne
meu pai est desmemoriado, e niio lembra-se ab-
solutamente do que fez expontaneamente, e assim
salvar-se de mi is juizos; nao deixano, porm,
d ter sempre un instrumento com o qual eont
ne a ferir-me, sem respoosabilidade propria, o
qual hoje ininha iii.ai, quein f> z para isso no-
mear curadora de meu pai, itio obstante a sua
avanrada idade de 70 anuos.
Agora vai o publico v r qne meu irmao reco-
mecuii a sua obra, com um annuncio publicado
no^ Jornal do Recife, toa a assicnalura de rarnha
mai, na qualidade de curadora, o na qual declara
ao respeiiavel publico desta provincia, atim de
evitar duvidas e dit'iiculdade> fotltras que .-en ma
rldo e cnratllado nao tem at hoja assignado sem
sciencia sua documento algum, ponto letras, es-
crpturas publicas on particulares, doac's, carias
de liberdade etc. etc. relativamente aos bens dn
sen casal, dos qnies elle nunca dispoz de forma
alguma; e convida rjucm qm-r que se julgue,
lir.na-Jo em algom titulo, com direito taes bens,
a apresentar uo juizo eompeleate, no imprurn-
gavel prazo de 8 dias. contar de 0 do correte,
os documentos nue Uver a semelhanta respeito;
Dcando de nenhum effeito toda e qualquer allega-
gao que for feita, posteriormente, vi-to c-i no fcil
cura o actual systina de esiampdha-. -ollar docu-
mentos anteJact ido>, c extorqui.los para lins re-
pr.vados I!
A este anuuiirio, (me parece nao referirle
pessoa certa, presidio] porm, a inteneq de fcsrir-
uie dprovocar-ro-, nrquanto meu irmao, v.-rua-
deiru antar do nmmu annuncio, sabe prfella-
iiitjnle que nao ha pessoa alguma que tenha nego-
cios com o casal de nossos pas seno eu, como
credor que era de ininha fin, da irma Henriqne-
ta, pela importancia de l-i33000, c nslaote de
urna letra que a dita minba irma me aceitn, por
emprestimo que Ihe liz da mencionada quantia,
para compra do nina escrava, sendo eu mais cre-
lor daluinftrtancia dasdespezas com sua moles-
ua prolongada e enTem, Sitl lanar 'Jas ue sur
maiiutencao por espaco de qualr j aonos, dorante
o qual nao recebeu ella de nessos pas nem nm
m vello de linha, por effeilo de recommendacoes
ou ordens de meu irmao ; sendo por isso que este
me estimula e provoca com a esdraxola intima-
cao, comida naquelle annuncio, e com a in-iaua
?o de forgicar papis falsos, legalisando-os com
esiampilhas.
Posto nao lenha nentaffl a fazer valer contra o
casal de meu pai que fosse preciso Iigalisar de
>eraelhante modopor estampilha, >iulo a ne-
cessidade de dizer raeu irmao quj elle julga-me
por si, e que s capaz, de forgicar papis falsos,
legalisando-os veih.-icainente, quera, jiara evitar o
conhecinentu de seus reprovaveis feito-, reclnsa
shus pais, abusando do estado de dependencia
d'elles. e Ihes arranca as assignaturas para publi-
caedes destiladas calumniar e injuriar seus
irinos; quera, illudindo a boa f e eonuaqca de
seu pal, falo Asignar papis pausados com dolo,
m to e abuso de confianza, e precnr.ico"s para
quaslionar com um seu hlm, e com esiranhos,
seni a menor sciencia do pai; emliui, meu ir-
mao Joao da Silva Faria, que, sacrificando a pro
bidade e honra de nosso velho pai, o fez asslgoar
nina procurarn sem Ihe dizer 0 iim para que a
quera e mandou o seu procura for com e|a
jnizo provar a prescripcao de urna insignificante
divida legalitada por cuna letra aceita por raen
pai ao Sr. Manoel Alves Guerra.
E este homem que se diz negociante hon-
rado !
{Esta phrase me foi laucada por raeu irmao
Jlo, em urna coi rtspoadencia, que cernir mim.
mandou publicarno DwiWo de Pernambaco n. 2:10
do anno de 1867, son o pseudonym >0 nnvgo da
verdade, ua qual fui calumniado e injuriado da
maneira a mais inslita).
Se ne dia immediato ao daqueile. em que se
provou a prescipcan dessa divida, alguem pergun-
tasse meu pai se elle mandara no da anteceden-
te o Sr. Letip-ddo Ferreira Martins Ribeiro com
urna procuracao juizo, para provar a precrip-
co dessa divida, meu pai respouderia que nao, e
que mesmo nao tinha conhecmento de semelhanle
faci.
A' vista desta resposta, raen irmo Job dira
logo : Meu pai est demente : Contado j nao
se lembra do que fez hnntem.
Esse facto deu-se j ho anno de 18C3.
_E o qne direi da stolta intiinaeao de aprsenla-
cao de documentos contra o casal de meu pai no
improrogavel prazo de oilo dias, sob pena de /car
de nenhum.effeito toda e qualquer allegacao que
[r feila posterioi mente ? Darse ha que raeu ir-
mao pense seriamen e na legitimidade desta sua
arbitraria comminacao, e que por ella possa des-
pojar-me de meu dirtit 1. para, sem mais reponsa-
hjlidade para coraigo, apossar-e de utoa escrava.
um piano e roupas qne deixou nossa irmaa Hen-
rqueta ?
Coraquaelo eu nao ignore que a ambicao de
meu irmao nada despreza, e que elle nao deixa
de lancar olhos cubicosos qnanjuer consa, anda
menos valiosa qne as indicadas, todayia s vejo
nessa intiraco mais um signal manife;lado do
desejo, que nao abandona, de luctar, e questio-
uai* coraigo, rras com o nome de nossa mu, quo
nao sabe o fim do annuncio que Ihe foi dado
as-ignar, e que ella lastimosamente assigD.ra e se
fez publicar. N5o era mais decente que meu ir-
mao Jo5o se conslituisse elle mesmo curador de
meu pai, para atacar me de frente, ponpaodo o
repugnante espectculo de nossa mi ser o ins-
trumento de suas vingaonasT
Mhs ajsim nao o emende meu irmo, ooem a
avaocada idade de nossa mi, sua natural fraque-
za e dependeucia asseguram effeilo mais certo aos
meios coacbves que empregar elle para que si jara
assignados todos quantos papis quizer, em q"ual-
quer se*.ilido, conira qnem quer que seja, o que
nao ser novo.
Pode meu irmo Joo da Silva Faria fazer com
relaeo a mim o que Ihe parecer, mas fique certo
de que eu jamis deixare de responder calhego-
ricaniento a tudo quanto for contra mim publican
do, anda com o nome de rninha mi, porque esta,
como j sabera lados, atandeira qee cobre;,
carge preparada tao smente por mea dito rm3o.
que disto se nao peja, nao se animando a atacar-
me sena o por esse modo, ou sob o anonymo ou
pseudnimo de amigo da verdade : sem'qne Ibe
despert os brio?, para faze lo a descoberto e por'
csMa irropr, o exmflplo que Ihe don, de assignar
serapraas miabas pttblicacrjes, em que Ihe lanco
em rosto e denuncio ao rspeilavel puqlic 1 sen
reprovado proceder.
E Ihe certifico mais de que, emquanto nao me
for dado entenderme com meus pas em plena
liberdade, diante de malta gente, para vericaei
das calumnias e in.urias que em sen norae me
tem sido assacad3S e de nutras cousas, continua-
rei com miabas publicaces, que serito cada ver
mais eiicnmiuadas i meu irmij Joao, t hei de pro-
var exuDerantor.ienle que elle lem feito meas pais
assignare'ii papis sem o rn.eiiQj jjpnhecirnenio di
seuciiteJj. o usado d>s- papis conIbe teta
parecido conveniente ; que. rdeo pai est to de-
mente como o eslava e)u 1863, e que a interde-
ce deste nao leve nutro Iim seno o que j o~
quei, isio destruir o efleito que podessein laaer
suas actuaes dccIaratSes, cora a aHegaeao de qne
por estar demedie, uion pai nSose lembra mai do
que houve no passado \k.t determinago esponta-
nea dille, o que tambera poder sneceder a minba
rai, se o julgar preciso meu irmao Joao -r sendo
que nenhnm motivo plausivo! havia para pnxho-
ver-se a interdiceo de meu pai, mesmo quando
estivesse elle demente, urna vez que nao tem elle
negocios de qualidade alguma com ningnem, neta
posane b?ns, cuja desiruicao ou desappareciraento
fos.-e lao sensivel, que aconselhasse uma tal pro-
videncia, tomada sem consoltar-se a lodos os mem-
bros da familia para negocio lo grave.
Ni annuncio, de que me tc-nho eccupado, falta-
se, para Iludir ao publico em bens do casaL Se
o casal de meus pais lera bens, como dia em toda
parle meu IMtaa4oao que sustenta meas pais ?
Pas precisa "er mantilla custa de ouirem quera
possue bens ?
E que bens possue o casal do meus pais ife
nao podessein ser administrados senao por ioler-
vencao judicial ? Tres escrivos maiores de 40
aonos de Idade, 1 uma nonagenaria e doenle. inu-
tilisada nortanlo, e nada mais. Para guan-.r e
administrar lo pouco impirlantes bens nie>-mr
para evitar qne riles .oodes-em ser absorvido por
alguma divida, que c uiirshisse meu pai (o que
nao era provavel, porque estando elle preso be :t
anniis, e continuara, nao possivel qne possa ron-
trahir dividas, era deeenle dar um pai por demen-
te! Nao se est vendo claramente, que nea ir-
mo Joo s promoveu essa immoral e escandalo-
sa interdiceo, para evijar que eu me enlendesfe
cora meu pai, e ao mesmo tem; o para continuar
a Indar comigo de um modo que Ihe parteen
mais focil, escondendo-se atraz de nessa wi ? O
publico^que considere o proccdimeido de 'meo ir-
mo Joo, e decida se nelle ha nm acnlimeoto di-
verso do que Ihe reconheco.
Nao supponha, porm, mea irmao Joo qne o
meio do que lancou mo rae renda e reduza au
silencio. Hei de incessanteroente bradar eontre a
escandalosa reclnsao de meu?. pais, at que se
Ihe d a lber Ja le; heide sempre reagr eootra
seu aaqaes. cada vui mais enrgico, certo de
que a verdad ha d apparecer e tnumpaar; seoa-
sem deixar de rnpfllir um pice de calumnia ou
injuria, que nao t .lerarei. anda qne me seja joga-
du cora o nome de minba mai, porque lento cen-
scienca de que elli o ignora,
Qne indignii!:'. le a de meu irmo Joo-nao c\ sentir que nossos pus ijosiem aiiiigiveimente por
si mesmos as s.ias eontaa comido, e abr.>qaeilar-
se com n.mies que elle devia mas nao abe res-
peifar, para que-tioiur cuinigo I l
.Nao quero terminar esta sem propor o se-
gufcte :
Umrvez que as declaracoes que meu pai possa
lazar Dio teto valor, atienin o seu estado de dr-
mencia, nao o seqiieslre meo irmo de relaces
c muse e com nossa irma e mais irmos ; w-
'inlu que elle venha vernos, conversar co^uoseo,
e'mesma pastar algura lempo em uoasa compa-
nhia. Isto, alm de dar nu- immenso prazer, de
que osumoi privados na ires annos, pode fazer
bem a *. rar o perfdl'i n*o de sua razan, se est alterada.
Experim-oto-se isso ; e uo hesito em assegn-
rar que meu pai em breve termo se mostrar, sera
cousa que du vida faca, capaz c rauito capaz de
exercer a administracao de sua pessoa e bens, da
o lal privn o o extremo zelo e acnjsolado amor
filial c meu irmao Joao da Silva Faria.
Em nossa im npaiihia. meu pai gomar de plena
liiierdad". sahia ra '.aulas ver.es quinta qui-
zer, s, >e;n guara qae o acnnpaidie; ir para
a ra da Imper.iUiz corao era seu cosime lodos
os dias conversar eora as pessoas de sen antigc-
conhecinienu, do que esl privado lia ires an-
nos. Esta disiraccao deve aproveilar rauito
ao estado de raeu pai, e men irmo Juo que
nnito se deve mieressar para qne elle recu-
pere o perfeito uso de sua razio, nao deve deixar
de acceder ao que Ihe proponho, dando liberdade
a nosso pai por algura lempo a menos, porque
pod uliTo nern acontecer que efle venha atem-
orarse ktonraa grande gloria para raeu irrao Joo, p>r
quanto se juslihear do que tenho levado- ao co-
nhecimento do publico, visto que pela sua dema-
siada bondade, nao le n querido chamar-rae a jni-
zo, para eu provar o que tenho afirmado ero mi-
abas publicaces.
Recife 27 de junho de 1870.
Antonio da Silc Furia.
Os ferimenlos do escravo Antonio nao foram
leves como a principio se suppz, porm, segunda
o Sr. Dr. Se ve medico que o tem assistdo, o qne
tem 10 peito esquerdo, cffendeu ao pulmo, e tan-
t" sesigl que dito escravo tem estado cm pergr.
de vida.
Joaquim S. P> Cerqueira Cavakautt.
Tenho guardado completo silencio al
hoje, a cerja ua aci usaco gne- sobre mim
nrza. e em vjriude da qual o Exm. Sr. pre-
sidenta da Relaeo julgou de seu dever
cassar a pon sao. que tinha eu de soUrJta-
dor do foro desla cidade.
Riz5o de sobra tiuna para assim proceder
a ijtieslo que esta va afecta aos tribunaes por
quacto lio s havia eu dado queixa por
crime de calumnia contra o negociante Jos-
remandas Gimes, como por sua parte o
Sr. desembargador de quero se trata oa
mesma questao, e tendera a bem de *eu
direito, de mentar queixa pelo mesmo cri-
me quer contra mtm quer contra o mesmo
Gomes.
Desses dous processos deveria resultar \az.
bastante que, esc^larecendo a materia, por
certo deixaria intacta areputacoe reabilifada
Ocaria meu nome par com os horaensde
bem.
Hoje porm. em face da publi cacao da
portara pela qoal 0 Exm. presidente da re-
lacao cassoo a provislo de que cima se
trata, forcoso que rompa o silencio sem
que d'ahi se possa concluir queira ea pre-
venir o espirito publico err. meu favor e,
nem lao pouco, previnir o juizo dos dignos
mageslrados aquem sempre julgar os- pro-
cesaos, a cima mencionados.
Cumpre-me repellir a asquerosa acusa-
cao, e n3o ppsso deixar de faiel-o desde
que vejo que 6 um magistrado quem ocepa
posicao elevada, quem com o seu nome,
he d a forca com que os.meus derralores-
me vao procurar e tisnar.
Com que basse o Sr. presidente da Re-
laeo julgoti-se habilitado para dizer qae eu
nao treptdarei em extorquir de meus cons~
tituintes quantias fabulosas, prevaleeendo-
ine para fins lo p&rvarsos dos nomes de
magistrados e de mais fnnecionarios rfr
foro em menoscabo de sua reputa cao f ? ??
Quaes sao as provas que tem o Sr. de-
sembargador para assim proceder ? Arepa-
tac5o de um homem qualquer ser de tao-
pouco valor aos olhos do Sr, desembarga-
dor que, mediante .qualquer accusao, deva
ella ser compeugada?.
Nao icria por mais prudente ouvir-me
previamente ? Teve o Sr. desem argador
a bondde de inrequ 'rir de mim o que ti-
nha a allegar contra lo objecta imputaco.
A representagao do Sr. Dr. Julio que
valor pode ter desde que se bazea ella no-
dizer de Gomes! O dito-de nm s homem*
verdaderamente eoteressado oa, questao.
mtilivo plausivel para que m magistrado-
encarnecido na leilQrados processos coo-
demne desde logo a um outro ?
Por que se nao aguardou as provas por
duvidas dos dous procesaos de que a cima
se falta para entao ter-se o procedituento
devido para com quem o merecesse ?
---
v .


\*>
ftikro d;' PtfdambW 1-erg ir 28 d* Tufche d 1870.
'
O assompto tirptmdrosn e portanto toda
4 prudencia rao "i' oVmais!
Aguarde o publico o que tenbo a allegar,
oatra as asseveraooes de Gomes: hei 4e
requerer varias deiigencias que elucida rao
a materia a amia facse-raa jasti^a
Tuto amUa nao est dito em ido impor-
tomtt atswnpto e porta tilo niaguem pode
Anda proferir sen juizo, e quando o faca,
yor ruis elevada que seja a sua oppa$ic5o
nSopoder fustar-se a quatifieacrio.qae me
vea os precipitados, mrmente em as-
sumpts de ordem tal.
Recife 25 de Junho 1870"
Leopoldo Feheira Martins Ribeiro.
ERBATA.
Ni flublteaeao de hontem, assigoada pelo eite-
lioaawio impone, ade dqde seis proprietarios
4o referido enguado o nio poda mudardeve di-
ier-seque o es-proprietario do referido enrenho
o nao poda Vender.
, O estelfonatafio impune.
COMMERCIO.
UWA DO ICWB DB JUNHO.
DE 1870.
Ai S 1/f *0AS IH TAHMt
iamble sonre Londres90 d/v 21 3|* d. e 21 3|i
1 por 11 (sahhado).
3iw sobre dito 90 d|v. J. 5)8 d. por 1,1000
(kflfel.
eonte de ietras 8 0/0 to armo.
woncaHo Jos Alfonso,
Presidente.
Pelo secretirio.
A, P. de Lernos,
ENGLISH BANK
Of Rio de Janeiro Limited
Descosta lettras da praca taxa a con-
'cioHar.
Recebo dinheiro em corita correte hi
traso flxo.
Saca a vista ou a praso sobre as cidade.'
^tfneipaes da Europa, .tem correspondente}
ta Babia, Buenos-Ay^es, Montevideo, "Ne^
? New-Orleans, e emitte cartas de crdito
?3ra os mesmos lugares.
ttA DO COMMERCIO N. 3fi-
Os pretenrlentes ao mesmo oflkio. V-
v?m. n;> referido {ras-, aprontar* ** sefi?
reqeriment'js couipctcuieaieiile instruidos,
de canfora)idade coa o artigo M do de-
creto o. 817 de 30 de agosto de #831, e
do artigo h. 85? fle 50 de defcerribro de
1054.
E para qae chegue ao conhecimento de
todosmancM passar o presente edita! que
ser alisado nos lugares d costume e pu-
blicado reta imprensa.
Dadoe passado nesta cidade do Recife,
aos 27 de junho de 1870.
E eu Luiz Francisco Barreto de Almeida
escriv3o o subiera vo.
Abilio Jos Tavares da 9ilva.
BECLARACOES.
------- -.....-,... ...a. ..,
O administrador da Recebedoria de
rendas internas geraes faz publico que tie
neste corrente mez de juoho que os deve-
dores da decima addicional de mo mort,
em oujo numero s* comprebendem as com-
panhias e sociedades anonymas, teem de
pagar a mencionada decima sem multa, e
que (iodo o referido mez, ser paga com
a muta de 6%-
Recebedoria de Pernambuco, 10 de junbo
de 1870.
Matioel Carneiro de Souza Lcenla.
'Xit OHihoal^A, i Sr. II
U+trt.i? os iWHiiiu i.- Jiiiiiii'. I-,. J i|n."*
Virfef b FilVni
Acta aarcarroi
Hagno, agora sobro am chafar, pela
ta Anna Casa.
fltymphaa, suas snbordinadas, laatrait, Ti
nia Filomena e laurea.
Pedestws, os Srs. IO, Cenr, AWi*o e Tk*B
te Casali.
Dar floi ao espectculo, urna linda chova pe
onro.
Camarotes com 6 entradas........
Cadejr*!.......................
Cadelras avalsas para senhora.....
Geraes.......................... If
Os Mneles de camarotes, cadairas e platea
vendera-se no mesmo circo.
Ao publico
A eompsnhi, tendo rimprepado os esoreo po-
siveis allm de montar neste circo os quadros vi-
vos, inconlestavfilniente inuito dispendiosos, i
em ludo dignos Sn lllustradn publico desta eida<*,
confia muilo a* prolecoSo de todos, e espw co|-
tinnar a merecer a musma deferenco qne at ag
ra tem merecido.
vpor iitervenciio d^ ^pentc Vinto, n roa do Vig-
|n til
de ijria vfrtora, om-c^rto envMrtiCdc, ar-
r0s, dods cavjfllos, todo e'm boro es-
tado
MNfa
TVr5a-feir t8 orrente, orna hora da tar-
de, m trente ao sobrado da roa do Vigario n. S,
TRIMPHO
DE
AVISOS MARTIMOS.
DIVIDAS.
Al.FA'NDSQ.i.
4*n Onn do da 27......
8lo:160836
29:8i!i024
84o:00U8G0
T i un:es saludos com taiendas
(tem idem cora gneros
MOVJMKKTO DA AL^ANDEiJA
'n-ji i-iam com genero 641
----- 775
85
595
680
Descarregam noje 28 de janho
Vapor ingle,SA/ri=mercadoria-.
-Hngue portugusL'tia finercadorias.
Kriga-i ingle Mmthnmercadorijs.
iirigue iagleHelen Richard-idem.
Krigoe inRlejJolm Bayoliaridem.
fJarca trancezaSphereidem.
Patacho portugiifr. Pnrl/Vibacalho.
Jumaca hespanh:>laPw/oii* diversos gneros.
rtSCEBEDOMA DE ENDAS INTEKNAS bt-
itAES DE PEftNAMB<:0.
enimentodo dia 1 a 25. 54:2944010
l-tei do dia 27. ..... 5:610*362
59:9011372
CONSULADO PRO VINCA I.
V'ndimento do dia a 25. 118:705*660
{ra do dia 27. 10:809-5347
129 575*007
JVntvo entsailo no dia 26.
Irtcuj >' purtos iotenaedioa'.i dias, e 18
boris vapor biasileiro Potengi, de 81
toneladas, comtuanuaoie Mello, equipa-
im ;iu, Mrga dlTerentes gneros;
Companliia pornambuca a.
Navios entrados no da 27.
Sowtbajaptoa portes intermedios17
dias vapor inglez La Plata, de 1757 to-
neladis, commandante lile, equipagem
120. carga fazeul;s e oulros gneros;
Adamson Howie & C.
Porto33 dias. brigue p >rtuguez Triumpho,
'le 270 toneladas, capitao Manoel f'ran-
isco Jnior, equipagem 13, carga vinbo
e outroi gneros ; Thomaz d A. Fon-
ceca: & C.
Rio da Janeiro17 das, patacho brasileiro
Protector. d 247 toneladas, capitn Joa-
qa'm da Silva Fereira, equipagem H,
earga varios gateros ; Joaquina Jos G.
Beitr5o.
-iciltguaychu por Montevideo39 dias.
sendo do ultim porto, 2i brigue hesp-
nbol Roza, de 170 tonelaiha, capit) M.
Bodrigues, equipagem 12. carga 20G.400
kilogramos de carn ; Pereira Carne ro
oC.
Naci* sahidos no mesmo dia.
Jtio da Prata e portos inleredios Vapor
itig!ez La Plata, commandante Holi.
Por.os do Nirte Transporte nacional a
vapor Leopoldina, commandante capitao
tenente Cistro.
Jji-boaBrigue portuguez Relmpago, ca-
pujo Joao Ephifanio da Stlveira, carga
:?ssucar.
LivernoiBarca austraca Sacro Familia,
capitao amonio QeTOfcb, carga ossos e
sbo
AracatyHiale braziieiro Dos te Guarde,
iipito l'auoel C. da i>)sta, carga varios
gneros.
Observacao.
Funieou no lamario urna barca ingleza
mas nao leve communicaco com a trra
Consulado provincial.
Pelo consulado provincial fax-sa publico que em
o mez proKuno de junho comega a correr o praso
dos 30 dias uteis para a cobranca bocea do co-
fre dos imposto* da dtcim.i urbana de 5 0|0solr"
os bens de raiz, de corporacao de mao-tnorta, e
do consumo de agurdenle, relativos m corrente
anno ftnanceiro de 1869-70, incorrendo na inulta
de 6 0|0 os contribuintes que nio satisfizeretn
suas quotas dentro deste praso.
Consulado provincial 27 de maio de 1870.
O administrador,
Antonio Carneiro Machado Ros.
Santo Casa de Misericordia
do Recife.
in*eir vista.
A Illma. junta administrativa da santa casa de
misericordia do Recite, na sala de suas sessdes,
pelas 3 horas da tarde do dia 30 do correte, re-
cebe propostas para o forneuimento de carne verde
que tivprem d consumir os estabeleciraentos pie<
sen carero existente? tanto nesta Cidade'como na
de Olinda, durante o trimestre de julho se'embro
vindouro.
Convida, portanto, a qusm quizer fazer dito for-
necimentj a apresentar as suas propostas em car-
tas fechada*, na ceneja de que te de cerca de 3:000*, e cujo pagamento feito
com dinheiro a vista.
Secretaria da santa casa do misericordia do Re-
cife 25 de junho de 1870.
O escrivo,
*_________Pedro Rodrigues de Souza.
COMPaNHja
DO
BEBERIBE.
No dia 30 do corrente pelas 12 horas
do dia ter luga-- no escritorio di compa-
nhia roa da Cabug n. 16, a arrematago
dos chafarizes da freguezia da Boa-Vista, da
Capunea, e da povoago do Monteiro sen-
do as bases para as nropostas ns seguinte.
Iiairr> da Boa-Vista
Chafariz e bica do caes do Capi.
barie......
Dito da ra da Aurora. .,
Dito da cidade nova de Santo
Amaro ... ...
Dito do lugar do Campo Verde.
Dito do largo da Soledade. ,
Dito da Caixa d'Agua dos Pires. *
Dito da praca do C nde d'Eu,.
Dito do ra lie S. Goncallo .
Capunga
Cbafariz da ra das Fernambucanas 2000
Monteiro
Chafariz desta localidade 1300
Escriptorio da companhia do BebSribe,
20 de junbo de 1870. O secretario,
Dr. Prxedes Gomes de Souza "tanga.
Va i a praca qnir.ta fera, a 1 hora da tarde,
em praca do Illm.Sr. rr. juii de orphaos por ar-
rendamento, as casas seguintes : 2 andar da ma
do Imperador n. 83, travessa da Mangneiran. 9,
Hospicio n. 6, caes 22 de Novombm n^. 6 e 24, ra
larga do Rosario n. I, as tres da frente e do meio
da ra di Imperador n. 29, e rna rm;ierial n. 32.
SAMA CASA DE MISERICORDIA DO
RECIFE.'
A Idma. junta administrativa da Santa Cisa de
Misericordia do Recife, precisa contratar com
quem por menos preco llzer a obra de um muro
que fpehe os quintaes das casas de a 94 n.
UU, sitas na do Pilar em Fora de Portas per-
tencentes ao patrimonio dos orphao-, o qual de-
ver ter 10 palm-s de altura sobre 4 de alicerce.
Os prutendentes devem apresentar as suas pro-
postas em cartas fechadas nesta secretaria at o
dia 30 Jo corrente pela* 3 horas da tarde.
Secrtearia da Santa Cisa de Misericordia do
Recite, 25 de junho re 1870. '
O escrivo,
Pedro Rodrigues de Souza.
I HOJE.
Tcifafelra S8 Tjuuhoao orlo
dia*
No andar o sobrado na ra do Vigario
50, o agente Pinto levar n leHo por mandado do
Illa. Sr. Dr. juiz mnnieipal da 2" vara, e reqne-
rimen|o da inventarame, e melelra dos ben do
finado Manoel Iaiduro deOliveira Lobo, as dividas
perteoaentes a<> mesmo casal, consinntes do man-
dado existente no esenpterio do referido, roa da
ICror n. 38, onde pOdem ser desde ja examinadas
" referida* diviita, devemlu os pretendentes coa-
rrerw ao leiliOi q itere ter tugar ao meio da
dia 28 do corrente, no 1 andar do sobrado da
i do Vigario n. 5, onde haver anteriormente
letao de movis, tonca e vidros.
tompanhla americana e brasi-
lelra de paqneto a vapor.
At o dia Io de julho esperado dos portos do
sul o vapor americano Sou/h America, o quil de-
pois da demora do costume seguir para New-
York tocando no Para e S. Thomaz, para fretes e
pa^ageus trata se cOm os agentes Henrv Forstr
* C-, roa da Conimorcio n. 8.
Preci das pSBsagens parao Para.
As passagens para o Para na 1' classe cnsta 1201
na proa 60
COMPANTIA FBRNABUCANA
DB
vavegaco cnstelra por vapor.
Porto de Galtrthas, Rio Formoso e
Tamandar.
O vapor Paraliyba, seguir para os portos aci
ma no dia 30 do eorrenta meia noite. Recebt
carga, encommendas, passageiros e dinheiro a fre
te no escriptorio do Forte o Matt'-s n. 12.
COMPANHIA FERNAMBCANA
DB
Vavegaci costera por vapor
Macei escalas e Fenedo
O vapor Potengi, commandante Mello, se-
guir para os portos cima no dia 30 de janho
as 5 horas da tarde. Recebe carga at o da 18,
encommendas, passageiros e dinheiro a frete al
as 2 h-iras da tr rd do dia da sahida no escripto-
rio do Forte do Matfsn. 12.
PARA S8NH0R&S. Ricas poupelioas de padroes lindiomos, e gosto boto.
Cambraias brancas bordadas para vestidos. Poil d'chevre de lindos padroes por
barato preco de 530 rs. o covado.
Grande sortimento de I3as e alpacas de 320 rs. a !0OO o covado.
Saias bordadas, ditas lisas j eitas com barra de cV.
PARA MENINAS. Ricos vestidmbos de fusto enfeitados brancos e de cor.
Vestoanos de fnsta'o para meninos.
PARA HMENS. Camisas inglezase francezas, de Irnho bordadas e de pregas,
Mva collarinboiB' sem elle, ditas bordadas para noivas. Chapeos de sol de cabo da
uarfim e de tsanna ele,, etc., Invas de Joovin para senhoras.
Grande sortiment' de cortinados para camas e janellas. Croxs para sola e ca>
^diras de braco e guarnirlo. Tapetes para sof e cama, para pwnos e portas.
Cotas de croeb para cama de noivas. Tapetes em pessa para forro de salas.
O'nico e especial sortimentos das verdaoiras ESTEIRAS DA INDIA, s existe na
Lja do Triumpho.
Ra Duquo e Oafcias n. 7.
16.6655
MARANHA'
Para o referido porto pretenoe seguir com pos-
sivel brevidade o patacho portuguez Elephante por
ter adunia carga tratada, e para o que Ibe falta
trata se como consignatario Joaqutm JosGoncal-
ves Beltrao rna do Commerrio n. 17.
COMPANHIA FERNAMBCANA
DB
Vavegaco costeira por vapor
Farabyba, Nata', Maco, Mossor, Ara-
caty, Osara, Mandalu'i, Acaracti
Granja.
*5f|J' O vapor Ipojuca, commandanf
iAf\ Moura, seguir para os porto-
&0mESt cima ao dia 30 do correte as 5 hora-
la tarde. Recebe carga at. o dia 28, encom-
alendas, e passageiros e dinheiro a frete at a>
i horas da tarde do dia. da san ida no escript"-
rio do Forte do Mattes n. 12.
PAR
!
O briguo. portuguez Aprigio sahir brevemente .
para o resto da carga tratase com Pereira Vian-
na c C., ra do Vigario n. 11, 10 andar.
iwiiiiiir
DE
EDITAES.
O inspector interino da alfandega faz publico
).e no dia 28 du corrente mez, depois do meio dia,
* porta d mesma repartioSo, ser levada a ha nublica, livre de direil^s.ao arrematante, urna cai-
xa da marca H \ A n. 103 rinda de Liverpool pilo
vapor Kepler, eofra&o neste porto em 2i deste
mez, coniondo oilent Kilogramos de metlro es-
tampado no valor de 1601000, consignada a Ben-
cique Aaevedo' e pelos-mesmis abandonada aos
iireilos.
Alfandega de Peipa
JUIZO 00S
23 de iunho de 1870.
tor intonno,
laes de Andrade
#
DA
ONAL.
! Andra
Mi
ENDA
O Dr. Abilio Jos Tavares da Silva, oficial
da imperial Onlem da Rosa, juiz privati-
vo dos feitos da fazeuda nscioaal por S.
M. I. e C. o Sr. D. Pedro Ha qnem
Deas guarde etc.
Faca saber a todos que est presente
edital virem e delta tiverem conhecimento,
pie se acba a cooooibo, com o praso de se-
tenta dias, a cnter da date deke, oprovi-
aento definitivo do officio da contador e
distribuidor do jaaWlfi feitos da fazenda,
errado'por H'toWtttM n. 'DJ9"ds-id#
aaaio do corrente anno.
CIRCO
NO
PAViLHAO DES. ISABEL
. COMPANHIA
BWffiTRICfWaSTOA 8 ACROBTICA
SOB A DmECCAO
DB
D. Luis' Casa.
Ditas seolhldas fsineees
QUE TEHA') LG.\tt
<|uarta-feir.i 99 do corrate,:
As 4 l| da Urde e as 8 1(2 da nouta.
PROGRAMMA.
PRHIKIRA PARTE.
! Urna linda symphonfa derigida pelo maestro
Manas.
i.' Lindo* ^agos de arcos sobre ura cavallo eti
sso. pelo jeven Vicente.
a O esiudante lonco pela equllaoao, pelo dt-
reolor.
4,s Grande voltek) sobre am cavallo a toda bri-
da, pela Sra. Anua Casali.
5." Alta eschota, systema Baucker, pelo direc-
tor.
6 O trapeslo, Jofcos dlfflcels, pelos gymnasticos
Cesar e Vicente.
IntervaKo de 40 mmutos.
SEGUNDA PARTE.
A segunda parte, que ser precedida de urna
linda introduccio musical dengida pelo maestro
Hartms, constar de tres acto, nos quaes se exi-
hiri pela primeira vez nesta cidade, os magnfi-
cos qaadros vivos em grande apparato, cuja d^a-
haleao ser t egninte :
AcU) primeirn.
Grahde Cuadro sobre a myfnologia, ornado de
maea, e de eselhido fogo de bengala cujas di-
vindade? serao representadas : A densa da guer-
ra eu Bellooa, pela senhorila Anda Casaft.
Ofieiilidade, pelos Sr. Lata CmH e Osar Ca-
sali.
Soldados, pelos Srs. Aldaba, Vicente Casali,
Abermo e PiOtro.
i Estatuas, pelos Srs. Rj^rigues e Teuri
Acto segando.
O pai tyranno, o Sr.f Luiz Casel.
Piiuets a
vapor.
Dos portos do norte esperad-
at o da 30 do corrente o vapor
ArttKW, commandante Guilherme
WadJL-ngton, o qual depois da
demora do costume seguir pa-
ra os portos do sul.
Desdo ja recebein-se passageiros e engaja-se
:arga que o vapor podor condG?.ir, 3 qual dever;
ser embarcada no dia de suachegaJa. Ku<:oinnieij
las e dinheiro a frote al as S horas do dia da su.
sahida.
Nao se recebem como encommendas senao o
lects de pequeo valor e que nao excodar.1 a dua?
irrobas de peso ou 8 palmos cbicos de atodiCuo
Tudo que passar deslos limites devera ser embar
:ado como carga.
Previne-se aos senhores passageiros que sua-
passagens s se recebem na agencia, ra da Crui
n. 37, Io andar, escriptorio de Antonio Luiz de
Oliveira Azevedo 4 C.
Aracaty.
O palhabote Qarikoldi. capitn Custodio Jos
Viansa : a tratir com Tass TrmS = &
COMPANHIA FERNAMBCANA
DF
Navegando costeira por vapor.
Fernando de Nwonha.
O vapor Giqui, comaiaud aie Cosii, sogui-
r para o porto cima no dia 4 de julho ao
meio dia. Recebe carga at o dia 2. encommen-
das, passageiros e Sdltoiro u frote at s 10
horas da tarde do dia da sahida, no escriptorio do
Forte do MaUos n. 12.
NAVIO A VENDA
_Vende-j" o brignp ponosroez S. Jov', do Na.
cao de ceroa de 1300 uiuots ; os |.rnienduts
podero cxamina-fr no ancoradouro : na volta do
Forte do Mitto, e tratar a resppito. com o ean-fr
a bordo, ou na proc do uurpu Sauta n. 6, segun-
do andar.
PAMA
>
Pretende sagair com a siival I'hv.1.-iJ .. ta-
lacho pi.rtugiei Jasi, por ter a maior parte'da
carga pnimpta, e para a rJouea qne Ibe falte, a
frete eommodo, fratk-se f'Wd o conlgdataA-'J-ja-
qninV Jos Goncalves Beltrio, 5 roa do Commer-
cio n. 17.
Para Lisboa
Segu para o ptirto adma indicado com a possi
vel brevidade a escuna poriugueza Xgvia : para
o resto da earga qne Ihe f.lta, tratare eom eoasignaiario & R. Rabelb 4 C, ma do Cota-
marcM n. 48. .
1,1 'i* > > ........----------- *e
Porto poj- Lisboa.
A barca Vencedora deTa* aegair viagem em
pene* dia com a carga que tem : por isso h
Srs. carregadores e paseageiros- que quizerem
aproveitaresta brande e coimodidade nos pre-
ces, pdem dirigir sa aaescnipiorio de Soares Pri
rao, roa de Vigarie n. 9.
de om ^)ino de armtio, dina txcflttnle
secretara de mogoo, ma co9BiTa1n
muitos outrqs ODjktos
HfKiE.
mo^^cis. lou^a ^e vidrox
constandn de
um prancMt armarfr, I dito de mesa, 1 rice es
pelho, l db com columnas orna mobilia de Ja-
caranda con 2 sofs 2 consolos, 4 cadelras de tira-
tas, 2 diti de balaacos e 12 de gnarnif^to,.2
canrtieiros te gaz, 2 ditos de susperrsoooma
mobilia de Vnogno com 1 sof, 2 ban s22
cadelras de\ brao* e 18 de guarnicac,
serpentinas, 1 cama /ranceza de jacaraad (no-
va), 1 bercoVl relogio de pedra -e 2 vasos, nma
mobilia para almete. 3 mesas redondas grandes,
i quadros, 1 nesa tla>ti:a, 2 aparadores, 1 sof,
I2cadeiras, 4 binlos. 3 cabidos. 1 appare ho de
lour;a dourada p\ra cha. 1 dilo para jadiar, 4 gar-
rafas de ehiy-tal conos c.ilix, e muitos outros ob-
jectos que esiar^ao exame dos concurrentes na
vespera e dia do
no sobrado
O agente Pinto
urna familia que
movis e mais t
ndar do sobrado
[OJK
ra do Vtga-io n. 5.
faa leilo or conta e ordem de
-so Veste provincia, dos
>bje||os existentes no primeiro
ra do Vigario n. 5, onde
feo
P
I
O
03
[\. 3 A R114 DO CiBUGAlN. 3 A. f i
se cITecinar o leilA. o qual principiar s 10
horas em |>onto.
1 sobrado de dous arrlare\ e sotao, solij proprio,
ra do Ilangel n. 53. ,
( dito de um andar idem dem, ra da Praia
n.60.
1 dito de dons andares e sotao, solo foreiro, ra
da Aguas Verdes n. 30.
1 dito de um andar, idem idem ra do Calabou-
ce n. 13.
1 ca>a terrea no Caminlio Novo, solo preprio,
ra da Esp.'i-an;. n. 6.
I dita solo foreiro, ma do Pilar n. 35.
I dita idem idem, ra do Pharol n. 36.
1 dita idem idem com sota, solo proprio, ra
da SenzalaNova n. 21.
o sobrado de um andar, o qual flra no fundo da
cas? da ra da Senzila Nova annnnoiada.
mesma oecasSu Mider-seHia duas vaccas,
senlo urna turina boa leiteira
4|ulflata-felra 30 No arraazem na do Imperador n 16, s 11
borla.
O agente P.mtnal. comf ternemente autorisado,
venleni os predio- e vaccas acinra.
0
CO
Com este titulo acha-se aberto e inteiramente transformado este antigo
estabeleciraeuto de joias, onde os frefloezes e amigos encontrado tudo quanto
a moda e o bom gosto tem inventado na arte de ourivesana, o Collar de Ouro
observar delicadeza no trato e senciridade e modecidade nos precos.
Espera que p respeilavel publico venlia ver o que existe de inellior em
aderacos de brilhantes, esmeraldas, robins e perolas, meios aderecos, pul-
ceiras, brincos, alfinetes e aunis deludas as qualidades, prata de lei faaaei-
ros, colberes, palileiros salvas e outros muitos objectos que seria enfadonbo
mencionar.
Compra-se ouro, prata, brilhantes e pedras finas, ponpaior prego do
que em outra qoalqoer parte, troca-se e conoerta-se todo e qualquer objecto
pertencente a esta arte.
de 6 cu xas com superior cha
pfeto e 22 saceos om feijao
de (Hvf-rsas qualidades
Quinta-fira ::0 dn cTreotc.
0 agente Pesiara far leilac por conta e risco
de quem pertencer de 6 calas com superior cha
preto t 22 kiwhVvi Mjo de diversas quada-
il.! .-. oque se vender no dia S d correte, s
11 hofas.nto armazem do Anires.defronte da al
fnd>-;a._______________________________
LEILAO
de urna mobilia de mo^no com 12 cadeiras de
gBarnf*5'\ 2 ditas ile bVen-. 2 de hilr>c\ 2
att-nu, cuiu pad;a >: 1 w.ia cun eno>iu ucpi-
JIIiiDli, 1 cama de jacaraal para casal, 1 oita
de ferro, 1 bedel de mngno, 1 importante guar-
da-vestidos de mogno, 1 nca commoda da mog-
no com pedra, 1 dita de amarello, 1 lavatorio
deamarell) com pedra. 1 dio de forro, 1 pspe-
lli.i griit-W co ji ui-lilur.i '!) j .-'ar.'itt-t. 2 ca-
deiras de bataneo, 12 ditas para sala do jaotar,
6ditas donra das para gabhnuc. 1 mesa clstica
de.imni.'Ho, I pt rdM*if> >V iho-.m, 1 berco
de palha, 1 rico ralagio para cima de mesa, 1
porta licor, 1 qnartinheiro de amarello. 1 rico
1 ar d% jarro para fl r, t iSSt.i de ,- rcelana.
lanternas qodro>, baoias, bandejas, escarra-
deiras e muitos outros objecto?.
Sexla-feira Io de jtlhq.
0 agente Marlius far leilao por podem de nma
familia que se retir para a Enropa, dos movis
cima, n segnbdo anflar do sobrado n. 1 da ra
dn n*n)r*!, .v II !i >r-- '' di.
___________________________________:--------
GABELLEIREIRO FRANCEZ
51Ra da Cadeia do Recife61
Chama a attencao dos seus innmeros freguezes, e do rnspeitavel publico eat
eral, para a seg'iinie tabella dos presos de sna casa, os quar< sao viote por cen
tnais barato do que em outra qnalquer parte:
Cabelleiras para senhoras a 55, Cadeias para ratogio a 55. 65,
305, 355 e......405000 75, 85, 05, !2J e.
Ditas para homem a 355, 40^ e 505000
Coqqes a 125, 5, 185, 205, Corte de cabello......
255, 305 e.....505000 ... .
brscenles a 125,155,185,205, Crte de cabe,I com riceao' '
255, 305 e.....325000 Corle de cabello com avagan a
Gachos ou crespos a 35, 15, '55, hampn......
65, 75, 8*. 05 e. 405000 Crle de -abelioooLa hinpeza da
Tranca de caberlo para annel a caheca Pf;la Bcla electri-
500 e....... 15000 ca> umca cm Penjasibuco. .
Tranca para braceletes a 105, Frisado ingieza ou franceza.
155. 20-5, 25 e.....305000 Barba.........
JISSIGKaTURS MENSES
Especialidade de penteados para casamento
Ralles e solres
0 dono do estabelecimento previne s ftecommenda-se a superior TINTURA XA
Simas. Sras. e aos cavalheiros que ha um PONEZA para eneurecer os cabellos e bar
a!5o para tintura dos cabellos e barba, as- ba> mk* adniittida na Exposicio Universal
r como nao prejudicial sande, por ser vo
sim como um empregado smente oceupa- iatil, analysada e approvada pelas acade>
io nesse servico. raias de sciencas de PARS E LONDRES

15500
SO
50
1500
1500*
50t
---
AVC3S DIVERSOS.
-- i
;sramiEoi)LOCT t ssesiramc
PERN\Pin\0.
rtlvar sessloordinahaijuiBia-fetra 30 do
corrente pelas U horas da manhaa.
ofcuuM bu u.
Parecores e mais trabamos de com-
BitKflBS;
DiscussSo do orgmento que tem de vi-
porar no anno social de -187071.
Sacretaria do Instituto 27 de jnaho de
1870.
Jos" Soares d'Azevedo,
Secretario perpetuo.
O Dr. Carolino Prancisoo ite' Lima San-
ios mod<>i! sna residencia e1 con ultoiio
para a roa o Imperador o. 57, t andar
do sobrado cujo armazem conserva an-
da taeio o.nome de Alianca, tenio a
entrada, qne .pelo lado da ponte Se te
de Seterobfo, o mesmo nuniero 57, da
frente. Ah continuando o dito De. no
exerelcio de suaprolissaj de medico e
d>> operador', pifie m procurado* qual-
quer hora do dia e da noate.
Ama
Precisa-se de nma ama para cozmhar e otn-
anr, parftcaaa dapaMaWaaailB-: a ra* db
Crespo o. 18, S* andar.
Dn.ChiSOEGRTH
OLEO SI
jyuiii
ItlMi OF P41I 0 RE DA D*
para itsmj i\t:;k\ 1% X.T4iRKO
C-'r'i chhrn p, chote,'* m mv*.
Diarrhea, lluxo de sangue, em um da. j uor ras costas e nos lados, en dezmi-
D6r de cabeca. e dor^s de ouvido em'utos.
tres iii.nuUi.
Dor da dente, em um minuto.
Neirrlg. em cinco mnelos.
Deslooaces, em vinte minutos.
Garirantas incharlis. cm ne?. mict'>.
Clica t coiiVulaOus, cni cinco minuios.
Rbeumatismo, cm em dia.
Febic *: Idbio iaieraiitanle, em um tita.
TjSM perigusaa e refriados, em am dia.
Pleuresa, em um dia.
Srrrei e :. l!ima.
Hemorrhoidas e bronebilis.
Iifi'mrrfir^ n^s rjns.
Uyspepsia, ervsipelas.
Molestias de (icario.
i'alpiLt^ de cji'u^ia.
Resam smm CvSte remedio ew sua aujilia
AS DOEJCAS SE' APRESENl'AM, QUANO MENOS SE ESPERAM.
OLFO BLECTRICO 0 KNG OF P.MN (O rei da dor) aquieta e posi.ivauiaata
fissipu uiai.s de dijjrtute luoicsviS t Joi us, t allivTa mais 0 suVimentos e produa om
mais perfeito equilibrio no systema humano, o que nao se pode electuar no mesmo
tempo, 'oai qi-'qner outro remedio medecinal
Este muito popular remedio est agora usando-se geralmente, pela ruzao qoe-
nilhares de pessoa se tem curado gratis cam o dito remedio pelo Dr. Grath o outros
Has.
Este imprtante remedio u'do se ollorece para curar todas as doenca, pow lio
somonte ra aqoellas estipuladas nas-nossas direcees.
Esli .uyeraado n& uriaapiuj di cluJiica e da oijcUiciJa.iJ e por isso esti ap-
plicatel pa o curamento e para a restauracio da acejio Batural dos orgaos qne soflrem
la irtegnlar ciwcuJicSo dos untos dos prinripacs ervos. Oler uiectrioo O lmg o
Pain opera>*iectamente nos absorventes, faaendo desapparecer as iochaoea dasglaa-
iula ata em um ttmpo mcrivel, breve sera perigo do sen uso debiixo de qoalqoer c*-
;umltatia.
O remedio, orna medecina para o uso externo e interno, composto dootlemeo-
os cjrptv-rj, i aites, lit*r\ a.s, e cascas, taes, como se tem usado dos nossos anepass*-
Jos, feUlas fuaes tem grande existencia no mundo, para corar todas as molestias, so- .
mente saiendo-se quaes ellas sao.
Po um grarHte e especial desejo da faculdade de medecina durante moHa aoooa
de exparieaia para aprenderos raelhores modos que se dsviamaoptar para curar as,
segantes dowcas, e que nfoporcoes de medecina se devia usar.
UMICO E PSITO i
$ EM PEBHA.MBUCO
NA PHARMACIA F DROGARA DE
BARTHOLOMEO & C
N.34 Roa Larga do Rosario.R 34
\

^MMMM


-^-*-
\r
Diaria de;7^nwimco -4 Ten* feira,^, de Jwiho de 1870
0 Sr. Maoel De-Giovanni queira
mandar esta typographia pagar o mpor
te de publicares de annuncios de especta
culos, em somma superior cento e c
coenta mil res. fu
05
Este antigo estabelecimenta, completa-
mente reformado le novo, est as condi-
oes de servir vantajosaoente os sus fre-
vywiifl, visto que acha-se prvido com um
esplendido sortimento de obras de ouro e
.rata de lei, assim como brilhantes e ou-
ras pedras preciosas, ujos presos sao os
mis mdicos que se pode encontrar,
As joias compradas nesta casa recebem-
em troca ou compram-se com pequeo
m
abate.
!U
i.*3n
1T
, II
5
Neste antieo esUbelec ment faz-se e concerta-se teda a qualidade de machinis-
mo para erige nhos ce assucar, machinas a vapor de trra e de mar, moendas inteiras
e raeias muerdas e todos os pertences as ruesmas e necessarios agricultura, pedindo
a atteurao de seus numerosos frfguezes, amigos, s nhores de eogenho e ao publico
em geral para os arligos que ja lem exposto \euda, como sejam :
Machinas vopor ndas da Europa, da forca d i e6 cavallossuperior conslrucQo.
Tax.i de ferro fundidas e batidas,
Regaladores e apitos para vapores.
Moendas e meias moendas.
Rodas d'agua, e r. das dentadas de espora.
Rodas angulares de todas as qualtdades.
ALIA
HI
*l a primeira pera para piano, coniposif o do distincto
m e insigne pianista o Sr. Innoceacio Snioltz.
AMMETTA
POLKA BRILHANTE
Vende-se na imprensa nacional de msica de An-
tonio JOS DE AZBVEDO.
11Ra Nova11
s II
-o
o
Excellenie alcatifa
o metro.
palmos de largara pelo baratsimo preo de 800
Chapeo* de castor brancas e pretos a 9000.
Chitas franceza, cores fixas e bonitos pdroes a 300 rs, o metro
Cortes de cassas de cores com 7 e 8 varis a 3 J500
O
S Cortes de cassas de cores com 7 e 8 viras a 3*500 qa
& Loja de Antonio de Moura Bolim & C.
J. Feir:eirti "Yfllela
[AI-
piiot 18RA DO Ca&UGAU
A entrada e pelopnte da nutriz.
Os trabathos da reediftacaa desla phoiofraphia,
n qne-ae prolongaran) por tanto lempo, acuno-
felizmente terminados e ella aberta ao seineod
publico desde 7 de abril passado.
O predio qprque est enllocada r-ta pho'.ogr
phia acha-sa rauto augmentado-, f so a part des
nada ao estabelerimenlo conla cigco salas, inel
sive as do laboratorio. Iwkwtw eoncertos e au
memos tendo sido fetos expresamente para e
montar convenientemente a photographra, e naoe
podendo me^r modulo esooUir do qiw a Pido-
gru/ita Imperial do Sr. lasley Pacheco do Hi^de
Janeiro, o primeiro pliotographo do Brasil, e.umtos.
pnmeiros do mundo, segundo a opinjao dts ais
abaKsados meslres.V nosj photographia aHja-se
dlsposta e reedificada pe mesmo plano da do Sr
I. Pacheco, a qual foi montada sob todas a r recomrnendadas pelos inais destinlos professores
de accordo com as moditkacoes neeessortas ao
clima do Brasil, reeonhecidas e esludada1 telo bar
bilissimo e pratico Sr-1. Pacheov. J
Todo o interior do predio em <|ue est w$
pbotographia foi mudado desde a soleira da portad
ra al a cubera, tendo-ae demolido todas as id-
redes interiores para se fazerein as sovas saM.
edificndote um novo- terraco envidracadoifloi
espacoso e eleganlr.
Como e sabino, fizemos urna viagem expa*9*-
mente corte para, exami narraos a* mellioref pho-
tograpbnis slh; e fui a do Sr. t l'achreo.t iue
melhor correspondeu n nosoi desejos e /spira
cues, e da qual trouxemoi os planos daiois de
alli estarmos todo um mez esiudando apro-
veitando as UcCes do to distincto rnesfa Peo-
samos que juntando n'* nossos eslud/S e longa
pratica de i3 annos de photographia a/utilissima?
lieSes ultiman ente recebidas do Sal- Pacheco,
tendo montado a nossa pbologrania como se
acha, podemos offerecer ao illu*ado publico
d'esla cidade e aos nossos nuneros freguezes
trabalhos de phot graphia tilo pe/eilos. como so
poder desejar, e disto cotivenc/os, esperamos
que cuntluuem a dispensarnos A inesma pro
teccao com que ha 15 annos no^teui honrado e
ajudadn. ____________
Preci;a-se alugar um esnwvo que sejaco-
peiro, esperto, e que entenda h comprar : no
caes de Santo Amaro n. 42, ou agencia geral n.
21, praca do Corpo Santo,
M CENTRAL
jRaa'do Imperador n. 38
ope de lactucario d'Aubergier, e de
decio d'AWdie' recommeaddos,
o calmantes para os casos, em que se
pode usar do opio- e de seus prepar-
is, e mu convenientes para as enancas
nos espasmos e convulses.
Aos 20:0OC:50O0.
Bilhetes do Rio venda
vende Vieira'A Rodrigues.
ra do C.ibag n. i
Agencia da leudes
Ra do lmprador n. 16
Nestearmazem recebisepnraserem vendido1
em leilao, ou em particular, por conta de seus do-
nos : movis usados, loica e christal, ou outn
qualquer objecto de pronpta venda ; assim conk
tambem compra-se iraks usados.
Faz-se qualquer neg'i com a loja n 42, cita
ra da cadeia do !ie/if<\ propria para armazem
de groQo trato, por se/achar em dos raelhores lo-
caes : tratar na myim._________________
Precisase de ama :'ina p.ira todo servico
de duas pessoas : ni ra do Duque do Caxias en
irada pelo becco d^ OnvidoP n. andar.
ftecisa-se dMU&a ama de meia idade para
comprar e cozinhar p. ra tres pessoas : na ra
das Flores n. 37.
Rogase ao Illm. Sr. Ignacio V.eira de Mello, es-
crivao na cidade de Nazareth desta provincia, o
favor de vir a ra do Imperador n. 18 a 'oncluir
aquelle negocio que V. S. se cempromette reali-
sar, pela terceira chamada deste jornal, era lins
de dezembro prximo passado, e depois para Ja-
neiro, passou a fcvereiro e abril, e na'la cumprio,
e por este motivo de novo chamado pan dito
fnn ; pois V. S. se aeve lembrar que este negocio
de inais de oito annos, e quaado o senhdr seu
liiliu s.: acbava no estudo nesta cidade.
PHARMAGIA CENTRAL RA DO IMPERA-
DOR N. 38.
. Preparados d!a!catr5o em capsulas, licor,
e xarope ferruginoso.
PHARMACIA CENTRAL RA DO IMPERA-
DOR s. 3a
Pillas de Vallet.
Pitlas de Ulancard.
Plalas de Bland.
f Xarope furruginoso de Blancard.
Goofeites de lactato de ferro.
Pillas de carbonato de ferro, laclado de
ferro, iodureto de ferro com magnezia.
Fwro d Quevenne.
Assucar ferruginoso, f^nni \
PHARMACIA CENTRAL RA DO IMPERA-
DOR N. 38.
Yinbo e xarope de pepsina e diarthare,
excellenie tnico para auxiliar as digestoes
dilficeis nos casos de debilidade do esto-
mago.
aa
PHARMACIA CENTRAL RA DO IMPERA-
DOR N. 38.
Agua hernosthalica de Lechelle, *mui re-
commendada em qualquer caso de hemor-
rbagia, e principalmente na thysica pulmo-
nar, e as hemorrhagias uterinas.
Acabam de chegar do celebre author das Pu-
pilas, da Morgadinha dos canaviaes etc..
Os uovellos da tia Phi;omf la
.. O espolio do Sr. Cyprlano impressoes do
campo.
1 volume em 4o. brochado 23OOO.
"1 diito dito, encadernado 3*000.
As apprehensdes de una mAi
Urna flor de entre o gelo.
1 volume em Io brochado 23000.
1 dito dito, encadernado, 3i0O0.
GUIMARES
(/. M. Dios)
0 poder do ouro
Drama em 4 acfos. original portuguez.
1 volume em 4o 200.
Drama em 5 actos, por um escrlptor portuense.
1 volume em 4o, brochado lo00.
Livraria Franceza.
Livros ario|.:-dos pelo de-
ceto n. 4468 de l de fre-
vereiro de 1&70.
Arithmethica.
Coqueiro.Curso e'ementar.
1 volum 1 encadernado 25000.
Grammatica.
Solero dos Reis. Postillas de grammatica geral.
1 volume encadernado 3*000.
Leal.Nocoes grammaticaes extrahidas da gram-
matica portugaeza de Sotero dos Reis.
1 volnme e'ncadernado 13000.
Livraria franceza.
O Campos da ra do Imperador n. 28 aprsenla
concorrencia do respeitavel publico os seguintes
gneros, que roputa-os especialidades, nao > por
serem muito desejados, como pelo preco porque
est veudeodo ; nos os que abaixo menciona,
como todos os mais que existem no seu armazem'
ESPECIALIDADES :
Camares seceos.
Pescadas em salmcnra.
Presuntos de Lamego:
Ditos para fiambre.
Rap Paulo Cordeiro viajado e commum,
Veas p^ra carro.
Latas com legamos em concern.
Ditas com gnUados franeezes,
Ditas com salmn e ostras.
Chocolate de diversa qualidades e precos.

PHARMACIA DENTRAL RA DO 1MPERA-
' DOR N. 38.
Xarope de rbano iodado excellenie com-
binado do iodo com o sueco de plantas
anti-scorbuticas.
Este xarope empregado com grande
soccorro contra as molestias da pelle, os
engorgitamentos escrofulosos, o racbitismo-
cachlordso.
0 vinho iodado de joly, e oleo iodado de
Personne, sao recommendados para os mea-
mos casos, e encontram-se nesta pharma-
cia.
PHARMACIA CENTRAL RA DO IMPERA-
DOR N. 3S.
Variado sortimento de chocolate de ban-
oilha, salepo araruta, ferro, e de sade, da
acreditada ollicina de Menir.
Sabooeles d'alcatrao, d'acido phenico, en-
xofre e camphur: recummendados para as
molestias de pel'.o como sarna, panos, em-
pingens etc., sendo o ultimo de muita ulili-
dade para o uzo do toilette, por preservar
a pelle de ser manchada das maculas, que
costumam acooniead-u.
PHARMACIA CENTRAL RA DO IMPERA-
DOR N. 38.
Os melhores vermfugos para enancas,
Pastilhas de sanctonina.
Ditas de Kemp.
Oleo vernifugr.
Tudo de melhor qualid de.
PHARMACU CEiritAL RA DO IMPERA-
DOR N. 38.
Variadissimo syriitnento de fundas de
excedente qualidade.
PHAliMACIA CENTRAL "HA DO IMPERADOR
ir. 38.
Pastilhas de balsamo de tol e de seiva
de pinho martimo, para as affecy.oes chro-
nicas dos pulmes.
Pastilhas de therydoco e louro cerejo
para as tosses agudas, e de carcter nervo-
so, e para os vmitos durante o periodo da
gravidez, e qualquer affecco nervosa.
Pastilhas de bypophospheto de cal mui
uteis na thysica pulmonar.
Pasiiihas de angjco naf, e de Regnault,
do hortelSa, pimenta, e de Viccley, de pe-
cacuanha e de Reroies.
PHARMACIA CENTRAL RA DO IMPERA-
DOR N. 38.
Cha purgativo de Chambard, excedente
laxativo, e refigerante, que se pode usar
repetidas vezcs sem irritar osintestinos.
CASA DA mWk
Aos 8:00011
Biliietes garantidos.
.4 roa do Crespo n.3 e casas do costme
O abaixo assignado, tendo vendido alm de ou
;as sortes, tres quintos n. 3593 com 900$ la
lotera que se acabou de extrahir a beneficio
da igreja de S. Sebastiao do Ronito (150) convida
aos possuidores virem receber na conformidade
do eostume sem descont algum.
Acham-se a vouda os felizes bilhetes garan
tidos da 6* pane da lotera beneflcio do reco-
Immento de Iguarass (151), que se extrahira
terca-feira 28 do orrente mez pelo novo plano.
PRECOS.
Bilhete inteiro 10/000
Meio bilhete 3*000
Quinto 2J000
Em porcao de 100/900 para cinta.
Biluete inteiro 9/00
Meio bilhete 4*500
Quinto 13800
_______Manoel Martins Eiuza.
EscTava.
Na ra da Cadeia n. 7 pncisa-se alugar nma
escrava para todo o servico de urna casa de pou-
ca familia.
travessa da roa
das Crazes n, 2, pri-
meiro andar, da-se di-
nhelro sobre penhores
de onro, prata e brilhan-
tes, soja qua! for a quan- Si
tia. Da msala casa com- |
pram-se os mesmos me-
taes e pedras.
Agencia em Pernambuco
Do Dr. Aver
Petoral de Cereja
Cura a phthysica e todas as molestias do peito.
Nalga parrllha
Cura ulceras e chagas antigs, impigens e dar-
tros.
Tnico
Conserva e limpa os cabellos.
Piltilas catharticas.
Puramente vegetaes e sem mercurio, cura ?e-
oes, curam e purificam todo o systema humano
Vende-se effectivamente em casa oe Samuel P
hnslon & C.,rua da Sanzalla Nova n. 42.
0 Dr, Sarment Filho
mudou-se para a ra do Imperador n. 29,
2o andar.
Consultas e operacoes todo i os dias das
10 horas ao meio dia.
Chamados por escripto a qualquer
hora.
fSS l!^I!lll!8g
mm
Ha
TINTLURIA FRANCEZA
55-Rua da Impeiatriz-55
Tinge, lava, limpa, lustra e achamalo-
la-se, com a maior perfeicao, fazendas um
pecas e em obras de todas as qualidades ;
como sejam : seda, iaa, algodo. linbo,
chapus du feltr e de pallia ele. ele.
Tira-se noloas e limpa-se a seccosem
molhar os lecldos, conservando assim lo-
do o brilho da fazenda.
Tintura prela nal lergas e sextas fei-
ras.
w

y;
Um homeio ja de idade, e que teni alguma
pratica de ensino, oTerece-se para leccionar em
alguma casa particular, mediante alguna salario
pequeo: quem quizer dirjase raa do Caldci-
reiro n. 10. (Preferese fra da prai;).
Criada
Piecisa--e de urna criada hvro ou escrava,
quo saiba bem eegommar e tratar do servicu in-
terno de urna casa de pouca familia : a tratar no
Manguinho, casa nova dos Srs Carpinteiros, ou
ao caes d'afandcga vellia n. 2 cscriptorio, paga-
se bem.
V.-
m
m
PRIMEIRO E ANTIGO CONSULTORIO
HOMEOPATHICO
FU.NDAOO PELO Dtt. SAUI.NO
HOJE DIRIGIDO
PF.LO
DR. SANTOS MELLO.
43Ra Nova n.43
O Dr. Santos Mello de volla da Baha $
contina a ser encontrado todos os dias |
das 10 horas ao meio dia para consultas. H
Chamados a qualquer hora do da ou J
da noule.
Gratis aos pobres.
43-Jtna Nova n. i3
'S* .
Ama
Frecisa-se de urna ama quo saiba engommar
bem e tratar do interior de urna casa de urna pe-
quena familia estrangeira : a tratar no largi> da
matriz de Santo Antonio o. 2.
Gatueileira.
Os Srs Antonio Augusto Maciel e Manoel do
Sonza Ribeiro sao convidados a comparecerem no
Recife, caes do Apollo n. 69.
Carvalho & Noguetra, ra do Apollo
n, 20 saco sobre Portugal, vista e a
praso.
Molequ.
Prec33-se alugar ou comprar um moleque de
12 a 15 annos, que seja fiel e intelligente, e sirve
para criado : a tratar pa ra Nova d. 19, primei-
ro andar.
Precisa-se de ama ama para todo servic" e
urna casa de pequea familia : na raa do Aragao
n. 38.
Na ra Primeiro de Marco n. 15, escriptorio,
recebe-se propostas para a collocacao de vidros e
pintura no predi" n. 23 roa da Cadeia. ,
CRIADO
Prec.sa-se de um criado de 12 a 15 annos, fiel e
intelligente. para servico leve : a tratar na ra
Nova n. 19, 1* andar.
Aluga-se o 1 e 2 andar da sobrado da ra
das Aunas-verdes n. 86 : a tratar no Io andar do
sobrado da ra do Duque de Caxias n. 9, das 9
horas ao meio dia.
Ertgomma eir
No collrgio de Santa Genoveva ra do Hospi-
cio o. 22 jumo ao qoariei, coatrata-se ama en-
gpmmadeira.
a ra da Madre de Dos d. 3 precisase de
urna criada para todo o ervico.
Fugio am muUque Je 9 aaaos com os ig-
naes seguinles : nariz chato, olhos vWos, lando
nma cicatrit no beicu superior, vestido com caoika
de algodio brapco. setn calca : quera e pegar e
levar ao sitio do Maduro, na travessa de Bajan,
ser gratificad'.
ai"
A fociedade que gyrava uesia praca sob a
flrna social de Costa Moreira Si C. foi amigavel-
mente dissolvida no dia 30 de abril do crrante
anuo, licando a cargo do socio Caetano Ceriaco da
Costa Moreira, todo o activo e passivo da mesma
sociedade, e desonerado o socio Joaquim Pancisco
do Espirito Santo, que se retira pago e salisfetto
do sea capital e lucros.
Recife, 13 de jnnh de 1870.
Caetano Cyriaeo da Caita Moreira.
____ Joio Francisco do Bspiribi Santo.
Farinha de naudinca.
Da melhor qualidade e mais barata do que em
outra qualquer parle : venden Amaral, Moreira
A C, no raes da alfamlega n. 7.
Precsate de um criado ou criada forra ou
escrava para casa de homem solteiro : na ra da
Gamboa do Carmo n. 21, 1 andar.
Precisa se de urna ama
Rosario n. 45, 1" andar.
na ra estreila do
Tiie Liverpool & Loa-
don & Globe Insu-
rance Company.
Companhia ingleza de seguros contra fogo,
estabelecida era 4839.
Capital e fatulos de reserva
BB. 35,980:180*.
Os agentes desta companhia lomam segaros so-
bre propriedades. gneros a fazendas annazenadas,
mobilias, etc., etc., e esto ignalmente autorisados
a saldarem a mi quaesquer reelamaedes.
.Saonders Brothers & C,
Praca do Corno Santo n. 11.
Ama de leite.
Precisa-se de ama ama de leite sem (linos, a
qual so far boa paga, tendo as condicoes exig-
ais : tratar na roa Augusta n. 45, atsa terrea
junto ao sobrado.
Precisa-se alagar um criado forro eu cap-
tivo, para servico dVeis* de pouca familia : i
tratar na ra da Cadeia do Boctfa .n. 3S.
* Precisa-se 4a ana ama i na raa da Sotaa-
I de n. 51
'"'trece e urna ta&n para "Mito tfflU""
casa, para compras e mandados : na raa do
Caldeireiro n. 2, fifia.
rrecisa-se de ama boa cozinbelr e de urna
escrava para todo servido de umaxasa : na ra
das Crua*8f,o.J2, saguodo andafj entrada pelo
becco do.Oavidpr
Pretisa-ndeuBa auaM*
terao e aiti
tratar na ru
" r!"m#
"^" .......----- -iri palia v
teruo de un casa de tres
"da etnreiia do Rosarln

Ama
Precisa-e de ixna Datara jozinh.ar: aa i al
da Praia n. 83.*
Attenqo
Joaquim Julio da Rocha tendo comprado a ta-
berna sita ra Imperial o. 27, Francisco da
Si'va Terreiro, fax seente ao publico e especial-
mente ao corpo commeTeial de que quem se julaar com direito a dia taberna,
reclame no praao de tres dias. fecife 27 de junho
de 1870.
Trmandade da Senhora au-
. t'Anaa^ da Madre de Dos.
Por ordem do Illm. Sr. provedor sao convidados
todos os nossos irmios para mesa geral no dia
terca-fera 28 do eorrent, as 6 horas da Urde,
aflm de se uaur da negocios qae diz respeito i
lade.
COMPANHIA
' DOS
TRILHOS BBAROS
DO
RECIFE A OLIXDA.
Por ordem da directo.-ia sao convidados
os Srs. accionistas p.m, rw praso de 10
dias contados do dia i. de }ulhj vndooro.
effectuarem a 10.a prestacao de stias aegoes
razo de 10 %
Para esse tira ser encontrado o Sr. the-
sooreiro. das \i horas da Rubia s 2 da
tarde ae lodos os das, no escriptorio da
companhia, roa No^a n. 33, 1. andar, en-
trada pela ra dos Flores n. 14.
Recife, 27 de junho de 1870. ,,_,..,
O 1." secretario
Joo Joaqnin Alves-
No saboado 25 iie jonho, as 3 horas da tar-
de, ectregou-se nf barril com urna arnba de
chouricas a um preto eriuol'', chamado Galdino,
para levar ra da Cuia n. 7, e como o dito pn-to
nao acertasse com a casa at o presente, roga-se a
quemdescobrir, dar parte na mesma ra, taberna
de Joao Francisca de Soasa, que ser recompen-
sado.
Precisase de urna ama intelligente, livre
ou escrava, de amitos bons costumes, para
o secvico inierno de utna casa de familia.
Dirigir-se ra Be la n. 37, sobrado de
doos audares.
Sitio para alugar
Alugase um sitio na Pissagein da Magdalena,
cora grande casa de sobrado, com 4 sal.v. 7
quart s. sala para engommados, dispensa, cacim-
ba, quarto para pretos, estribara e coxeira, e b as
arvores fructferas: tratar na ra do Vigari>
n 21, com Domingos Alves Matheps.
\
iimi'
Precisa se tao somonte para engomrrar : na roa
da Senzala velha n. 9fi, padaria, achara com quem
tratar.

a-
Precisa-se de urna ama para todo o servico de
urna casa de pouca familia : a tratar na ra de
Ho_rtas n. 88.______________________
Lisboa.
Geometra.
Compendio da e>enla normal.
Vollume encadernado
2000.
Livraria franceza.
Ama de leite.
Precisa-se de urna ama de leite : na rna do
Duqne de Caxias n. 49, loja do Rival sem segundo.
i verdadeira farinha peto-
ral de 8. Bento
Esta farinha usada com vantajosos resultada
nos padecimentos dos oraioe do peito, como a--
thma, ou puchamento de catharros, inflamarn
de bofe, pleiiiiies e na phthisica. Becommenda-se
com igual proveitenas pessoas eenvatecentes.
Uuico deposi'o em Pernambuco
NA
Plnrmacia e drogara
DE
Bartholomeu & C
34Ra larga da Itosario-3't
Rob- nt neumtico
Remedio elucacissimo contra as dores rhenma-
ticas at hoje o mais conliecido pelos seus mara-
villosos resollados.
Xarope de agrio,
E' nm cios medicamentos que raa eflle.-.-ia ras
enfermidades, tosse e sangue pela bocea, bronrli-
les, dores e fraqueza no peito, escrobnln e moles-
tias do ligado, que uHhor lem aprovado.
Tintura de marapuaaia.
A celebre raz de mara;iuania, coja energa e
efflcacia as paralysias, irnlorpecimeoto, ele. etc.
muito se recomenda.
Todos rsses pre|>aradcs se encontrara
NA
Pharmacia e drogara
DE
Bartholomeu A C.
34tina larga do lio-ario:)i
Urna eng mmade.Ta
Precisa-se fia utna eegommadeira : ^^ rna da
Cadeia n. 4.
ATTENCAO
a
De-eja-se saber se existem nesta cidade oo pro-
vincia os Srs. Manoel Jos Soares e Joao Jo- Soa-
res, naturats das llhas dos A?ores, >s qnaes, ou
quem (Mies tiver noticias, sao rogados compare-
cerem ra do Brum n. 96, armazem, a negerei
de interesse._______^^^
. <4tteiiQo
Os antigos offlciaes do finado Francisco Pinto
Ozorio, estabeloceram-se na mesma ra n. 6 de-
fronte do becco do Rosario, e na mesma alngam-se
eapplicam se bichas de Hamburgo.
Joaquim Jus dos Santos Magalhiies faz scieu-
te ao publico qne lem vendido sua taberna sita na
Capunga, roa da Amizade n. 26, livre e aVsemb.i-
racada, ao Sr. Pedro da Ib ra Santiago. Recife 20
de junho de 1870.
Veude-se leijau mulatiaho e amarello.
em saceos por preco barato na ra do Ap I-
lo n. 20.___________________________
Os artistas aliaixo assignados, em signal do
regosijo pela terminacao da guerra, resolvern) fa-
ler um fogo de artiflrio inteirdinente nov<>, entre
os mesmos, para ser quetmado na parte do rio
Capibaribe, entre a ponte da Boa-vista e a casa de
detocao, reoresentando um simulado combate na-
val, no dia .1 de jnlho prximo vindonro. Alm
desse queimar-*e-fca tambera algum fogu de ii n3 parte da ra do Mrquez do Herval. Pedim-
portanto aos moradores da mesma ra .para que-
d iranio o d a conserven) na embanderada e a ooi-
te Iluminada.
Manoel Gomes dos Passos.
Firraino Guedes Alcoloradb.
_____________Simo Francisco Guerra.
AMA '
Precisa-se de ama ama para servico de dontro-
e fra de casa de pouca familia, prefere-se sera-
va e paga-se bem agradando: na ra Velha nu-
mero 66.
Precisa-se de nmaanv#de leite, prtfrindo-se
escrava sem filhj : na roa larga do Rosario n. l,
2* andar, junto a bollea do Pinm. ^^^^
mesma irmanda
^ thesoareiro.
Francisco de Mallos Vieira.

Prfcisa-se da um diado que entenda de ser-
vico de quarto e da eoneiro : na ra da Imperar
triz n. 0, 2* andar.
Alaga-w o andar da casa n. 41 da ra do
Rangel : na mesma casa, ou rna do Queimado-
numero .2.
.. A.----------------i--------------------------------------1 i' '
Aluga-se urna escrava para lodo servigo de
ama casa de pouca familia, paga-se bem : ;i tra-
tar na ra Imperial sobrado n. 1, andar terreo.
O abaixo assignado declara que d<-sle o dia 25
do narrante mez dixoa e atr caixelro da pana-
na do Sr. Bernardo Fernando.
Santiago naviera.
AMA
Precisa-se de urna boa ama para comprar e ce-
zinhar, para casa de moma loileiros : na ruado
! de Marco n. 7 A, H'iMar.
t
h
/\


Diario de Pernambuco Ten;a fera 28 de Juiho de 1870.
\


=
AO.ARHAZEH
a. 7-mi
*
Acaba de chegar a este eslabelecmento nova* facturas rom importante sortimeato dos
artigts abaixu mencionados a procos os nuil resumidos que possivel.
LOT&S DE PELLICA
Do afamado fabricante Jonvin.
Sortiment completo de broncase de cores, mnitp boas de se escolher, em quanto pstao bem
frescas e-sortidas.
BOTIftAN
Para cohoras r. meninas.
Botinas pretas, brancas e de rauitas outras cbem sortidas e bonitas, do ultimo gosto da
moda.
BOTO AS, BOTAS E FEIUFfilRS
Para borneas e ni minos.
Botines de bizerro, cordavjo, lustro e pellica, bulas russ*ana> de bizerro e de lastro, per-
neitas de lustro tanto para homens como para meninos.
Na prafNa.ufepataea n. 33 se da ti,
tieiro sobra peobcres de o aro, prata e pedral
jreciosas, seja qual or~ a quanfia; e na meatai
asa se compra e vende objectos de lro e plata.
; igualmente se faz tuda a jualiiaer obra deles.
ommenda, e todo e qoalquer coaeerto tendptt
i mesma arte. \
IguarastV
Ao Sr. Jos Francisco de Arruda Fraga scrWe
intei-etsa apparecer no Recife, cas do Apqlo
p, 60._____________________'_______________\
Oueni pegar urna cabra, QitBo, grande, ck
belluda pelas eocbas, com os (burea berradoa n.t
pomas, un taino na orelha esquerda, a leve n
Bella n. II, que sera recompensado.
0 ClRliRIAO DENTISTA
Frederico Maya
eir 28 cfc
Sapatos
Sepatos de borracha vara homens. scntioras e meninos, zapatos de invern para homens,
ditos de lustro com alto para homens, ditos de tapete jvtludadu, de casemira e de tranca trn-
celes e portuguezes para homens", para senhoras e para meninos.
PERFUMARAS
Finos extractos, hachas, leos, agua divina, de culogne, de lavande, e de florida tintura
para cabellos, pomada angroise para bigodes, pos de arroz e sakonetes.
Tem a honra de scietilificar ao respeita-
vei publico eai geral, e aos seus cuentes
em particular que elle mudou o seu gabi
netede consultas da roa Direita n. 12 para
a do Queiraado n. 31 primeiro andar, coa
a entrada pelo pateo de Pedru II, onde pe-
de ser procurado para, os misteres de sop
profiss5o, todos os das uteis das 9 borai
da manhaa s 3 da tarde. \
Tanibem previne, que contina a prestar'
se a vontade dos clientes n3o s na cidade
como nos seus suburbios, para onde a$
idas serio precedidas de ajuste. Elle ga-
rante o bom desempenho e a perfeicao de
eustrabalhes, o que j bem conhecido.
assim como as commodidades dos oreos
-No lia 5 de*1 abril a! 137, do iuo do Arco, na
traveisa da Ponte de Ucha, fngio o preto Izidorio,
de naco Angola, a idade 4i annos. pouco mais
ou meaos, baixo, corpo regular, caneca pequea,
nitOiredondo, com alguma barba no buco e no
qoeiio, mSos e ps pequeos, canelhts finas, anda
apre&ado, porm passos curtos, consla que tem
andado a ganhar oesta praca, levou Testido blusa
curta dealgjdauzinho, cali;* de estopa, a chapeo
de piiha de carnauba de abas grandes, sen Jo vis
to Cin camisa de madapolao ordinario, calca de
brim' escuro a chapeo de feltro : mga-se as auto
ridades policiies, capite de campo, ou qualquer
pessqa o prendara ou manden? pegar, que levando
o mesrao sitio ou ra das Gruzes n. '32, ser
recompensado com 50*000,
-----------------------------------'.
Sahnas de baile.
Chfgaram i loja do paco as ricas sahidas di
bnifejft^sia como oa ricos encliovaes de cambrau
bordados para criangas se bapUsainu, artig i esta
o melhor que ba no mercado, asaim como temos
gran e soniniento de nutras maitasTfazendas di
gosto e novidatl.s p >r todos os vapores : na leja
do pac ra 4o Me Marco n. 7 A.
alta mmdade
NA
ja do pago
Cbegaram pelo ultimo vapor francez as ricas
chapelinas de pallia de Italia, ultima novidade de
Paris, chape is de velad e palna tambeni os te-
mos de muilo gosto, posfflhoas c baaauinas de gur-
guro preto muito suporior com ricos laces de
setim : na roa I* de Marco n. 7 A, taja do paco.
Loj
Quinquilharias
Espelhos grandes a pequeos, leques, albuns a caixilhos para retratos, esterioscopes com
Mas vistas escolhidas, bengallas, chicotes, correntes de plagu para relagios, grvalas, ralos,
lunetas, catxinhas de costura ornadas com msicas, phutographias. mgicas, colTresiohos maricos
para desapparecer anneis, ditos ditos para relojios, jogos de domin, bagatoila, rdelos, e uutros
muitos joguinho3 francezes e allemae, jarros com bouquels de flores de porcelanas para san-
tuarios, cestinhas diversas para braco de meninas, objectoa de pbaotaaia dourados para loiletes, ri-
cas escovae para cabello, para vestidos de senbora, para chapeos e para barba, ponteiras de espuma
jara cigarros e para charutos, abat-jur para candieiros a gaifl para lanternss de piano, caixinhas de
mu-ica de dar-se corda, ps de vidro para planos, realtjns grandes e pequeos, accordions, cosmo-
rama3 cora as mais importsates vistas, molduras donradas para quadros,'bonitas estampas de pai-
zagens, de figuras e de santos, carrinhos de 3 e de 4 radas para conduzir meninos a passekw, ma-
las e Para este artigo ni ha espaco nem lempo' para a mas-ante leitura da ininidade ds ^ene-
ros de brinquedus fabricados em l verso* paizes da Europa.
ATTENCAO
O dono drste estalxilecimento pede ao publico em geral qie enatinue a visita-le veri-
leando as qualiuades e os precos baratos de ditos objectos por serein viudos em direituKi e de
unta propria.
LilIlUlt W I 11
RIJA 1.41(1.1 do k:saki m io
Junto ao quartel do corpo de polica.
(OUTR'ORA RA DOS QARTEIS)
As especialidades desta pharmaeia san os acreditados medicamentos indgenas
corapostos e propagados pelo seu proprieario,'o qual tem embregado os mais aturados
esforfos. afim de desenvolver a therapeutica brasteica*
Acham-se, pois, os referidos medicamentos, Lem como muilus outros de origem
estrangeira rHomptos para satisfazer as prescripfes dos Srs. facultativos e acudir s
necessidades Je todos osnfermos.
T088E E MOLESTIAS DO PEITO
Xarope de fedegoso, rabo de tat, agriio, pao cardoso.jjci, mulong, -matam-
ba etc,, etc.
I\l!EU.\\TISM0 R MOLESTIAS SYPHIUTIG.\S
Arrobe vegetal, xarope de i a!s3parriiba do Para, pilulas, xa.-ope tic veame, tin-
tura e xarope de sieofira.
netiriis to /yatlo < baro, anemia, opilatoac.
Emplastro, oleo, pommada, tintura, pilulas, xarope iniu da milagrc*a Ju:u-
beba.
SesSes ou febles intermitentes
As pillas anti-periodtcaa do Pinto.
m*m7!$T m vflMDE 1
J. M.
8&mb A KJSE
a linda polka para piano.
MEIUtI
t*
m
Gospost.'1 pa'rt distioclo professor
Ools .Filho.
e cffereeia por seo autor ao di>tinc+o
Oorpo acadmico
da Faculdade do Recife. ,
Cada extnplar (500O. Vende-se r IMIRENSA NACIONAL DE MUSf-J
CA grande armazem de pianos de Antonio Jos de Azevedo.
Continua venda a linda polka composta pelo insigne pianista
INNOCENCIA SMOLTZ.
Ra Nova a. 11.
5 ii 5r aSS .*
wmmmmnmm m&smmm&mmm
a-a a. o
"-^ 3
_ Gt
t -n ^ 00 3 3 mm
_ &
17? a? Z3
Jl

i
^ o, o^ a
a. a 2. a. =
I;
' 9.9.3 3ffg
s o tt
5="
a _
. a.
3^S3oo
U
s?
p
p-
o
e-i
a a,
^
B
"? o
o S.
i_ v> -
i V o g
9 a>
So i-f g S
a>"i3S

I

a
a-
O 8"


8.
a t
figH

t
2.
ri SO
si
4
O
H S* .
0 s 5
m
* o
fl e
9
5* 'CU
0
9 ^_.
* CT>
0' <
r^-
s
I
Ausentou-^ uin menino livre, de dade 13 a
H annos, chamado Fran;isco, com cabellos ruivos,
cor de canella clara, ps compridos e meios tor
los, nariz cjiato, cara "comprida, ag. vestindo
caifa branca, aqueta de brim do cor. chapeo de
bata j usado, julga-so ter >ido seduzido : pede-
se a qoein o tiver em ana casa queira entrega-lo
no sitio do Ifunteiro, travesa de Belicm, pesjoa
que e>t por elle respon Precisa-se alugir urna escrava uara o ser-
vico interno e externo de urna casa do familia :
<|iiem livor annuncie ou dirija-se ao largo do
Terco n. II.______________________________
O Sr. Br. Jos IziJro da Silva Galro cora
pareca para negocio de seu intoresao, na ra
larga do Rosario n 44.
I)-se a quaiiuade 3:o004 a premio, sob hy-
potheca em iens do raiz: quem quiter annuncie.
Aos seis prenles e amigos.
Antonio Ramos vem por este meio participar,
qoe fol Dos servido levar dest para melhor vida
a sua querida esposa D. Anna de Jezus Bastos Ra-
mos, nodia 24 do correte, as 6 toras da manhaa,
munida com os devidos soccorros da raligio. Elle,
\uas liihas e conhadis agradecem mui'o a todas
9 pescas que tem tomado parte na sua justa dor;
eVogam ainda aoa seos parentps e amigos o favor
dftassistirem, podendo ser, a santa mista, que deve
calebrar-se por alma da sua virtuosa esposa, ta
ig'eja matrii de S. Pedro, em Olinda, qumta-feira
30 op corrente, as 7 horas da manhaa.
AMA
Preeisa-se de unta ama que saiba cozinhar bem:
a tratar u praca da Independencia n. 3!), loja de
calcado.
Urna uessoa da |irovincia das Aiagoas deso-
ja saber da residencia nesta lade do lllm. Sr.
Dr. Jacintho de Mendonca Jara/ua : nesta typo-
graphia se dir quem a pes^oa.
Uesde o Jiail do crreme que se au a muan Rila, com es sijraaea sesuintes : bpixa,
cheia do corpo. faliar.do-llie dous denles na fren-
te e do lado de cima, hunita figura, e descon-
tia-se que est acolitado ; por isso se pede a cap-
tura d.-Ila, ese protesta con'ra qualquer p-ssoa
i|ue a retenha eni seu poder : quem a apprehen-
derlpve-a. ra Nova nr 21. 3 ao"4 r, que ser
recompenc-ado.
Perdeu-se ura quailerno com diver-
sas preleccoes inanoscriptas de porttiguez e
litteralura nacional. Quem o tiver achado
e quizer restitui-lo. ter a bondade de man-
dar lev |-o ra Bella n. 37, sobrado de
dous andares. qn4 sr gratilicado.
Eu cont o caso como o caso fui,
U hoinetn bomem, o boi ooi.
L'm bom ia lemhrou-se cerlo careen,
A visu do talento iiuc despuiha
Pedir una cumniissao lien etoftfU :
E tal foi o prazer quando mais larde
Ctaegpa soiugi'iu feliz d > siu pnilo,
Que mal lallava e a custo era entendido.
Mas otal qac ilecepcao elle .)Tr-u
Ao ministro liie pnzeram a calva amostra,
Discri'vciido os precedentes que Ihe linha
(Os qtiaes seu patrono Igiorava)
Que vio- se o ministro lao maisado
Que Ihe fez o ilespni'ho ser tassaVi.
ISvo Athensu
nv orilem do Sr. presidento faco publico, qu
boje ter lagar a se*o oriin.-ria .\v.e deveria ser
aiuMbaa (vian ser dfa satiAcaio; sendo a nrdem
do dia a seguinte dscofflo da these do S B?-
nevj.les e do.^Uano da jornal.
Scr Ijuia do Novo Athcoeti 26 de junho de
1870.
O I* socrolirio,
Bellarmino Cameiro.
Antonia Mara 'Vn-ira de Jezus agradece cordial-
mente a todos aquelles que se dignaram acompa-
nhar o enterm deeu finado mando Manuel Jos
Vieira ; e convida a todos os amigos do mesmo fi-
nado i asistirein a inissa do stimo dia, que ter
logar no dia 30 do orrente, as 6 horas da ma-
nhfi.-i. na igreja )p No-sa Senhora dn Peno*.______
O abaixo a>sy;uaoo previne ao Sr. ihesou-
reiro da< loteras que perden dous meios blhetes
os 31i8e 1863 dalo eria'que lem de er.txtra-
hida amanhaa, cojo bihetes esto devidamente
garantidos ; pelo qne,iambem previne ae Sr. gi-
rantidor atlm de o pagar sorte alguiaa, e por
ventura sahir, sem -j>e entender com o 'Biesino
abaixo assigoado, no.que far-lhe-ha especa obse-
quio. Recife 27 de junho de 1870.
Augusto Cesar da Cu ola.
Um sacerdote *e pr Sfitim e franctt, niii-a em casas partcula- ala
tea r** como em algum oagenho perto da ja
S liotia frrea ; pnd odo ser procurado na fs
^ rnadas Cinco Poatas n. 132, das 9 huras 8$
S9 s '5 da tarde. ?
Th.omaziaMaria da Conceico e Vicente Atves
Moreira, coMealmente agradecem a Illma. irman-
dade do Dvpo Espirito Santo da igreja do Collo-
go c as pescas que se dignaram assistir os l-
timos sufragas do passamento de seu muito pre-
sado e sempr lembrado marido Candido Ciernen-
tino Pereira A Carvalho, fallecido a 24 do cor-
rate as H l|i horas da nouts, e foi da mesma
igreja CMiduziA a cemiterio publico as 5 da
tarde, e de novaconvida as mesmaa pessoas para
assistirem as mksas do stimo dia que mandara
dizer no conventde Nossa Senhora do Carino, no
I* de jalho as 5 Viras da manh, a mulher do
fallecido e o amig\ do mesmo desde j agrade-
cem a todos por esB acto de religio das almas
bem formadas.
ilque
Precisa se de um mtoeque de 10 a 13 annos pa-
ra um trabalho leve : W ra do Io de Marco n.
7 A, 1 andar.
COMPRAS.
O muzeo de joias
Na na do Cabug n. 4 ompra-se ouro, prata
-"rfras preciosas por precos mais vantnjosos do
|tte em outra qualquer parte.
i^ornpram-se e vendem-se diariamente para iora
< dentro da provincia escravos de todas as idades,
.-eres e sexos, com tanto que sejam sadios : no
rcero andar do sobrado n. 36, ra das Cruzes,
'rrtraezia de Santo Antonio.
Compram-se
Mcedaj de ouro e de prata de todas as nacoes : ua
nn da Cadea do Recife n. 58, loja de azulejo,
h Compra-se una casa terrea boa, situada em
Sai.ro Antonio ou Boa-vista : na ra da Florenti-
na n. 6.
<- Compra-se urna casa lerrea, na freguezia de
Sasto Antonio : tratar no arco da Conceico nu-
nwo 6.
com muitu Hiaior vantagem compram-se
ouro, prata e pedras preciosas o u obras velhas: na
loja Cabug.
= Compra-se um candieiro
paraoi!o tiezluzes de gazrna
ruada Gloria n. 3.
VENDAS.
FARBNHA
Vende-se farnha mnito boa chegada hontem,
"tn saecos grandes e panno da fabrica da Baha,
no araaatem da com^anha Pernamhucana : tra-
tar no mesmo, e na ra da Cadeia, cata n. 1, com
Jos Goncalves Torres.
Troca-fe urna inngem de Christo maito bo-
nita, no Co redor do Bisp n. So, tambera se vea-
de urna macii na maito boa, owu, de costura,
tinaacama de casal em meio u-o, ^ o especial xa-
ropo contra molestia de peit), vinde do sertao.
Furto de urna. corrente de ouro
de relogio.
Roga se a queai ihe for oflerecida, de apprehen.
der un a corrate de ouro de relogio, ubra anttga,
elta na trra, sendo de urades lisas, abenas no
mein, ew pedaco, em anues lavradoj, teado duas
muas, qe na inanhaa do dia de S. Joan Coi luna-
do de cima de uuia mesa de um quario da casado
sitio da otara n. t da na d > Mondego, bavendo
iniieos contra urna pessoa, que consta a ter ven-
dido na praea da Independencia*, e j quebrada
para nao ser contienda : quem der loticia on a
apprehender, dirija se a dita olana u, 13, que ser
gratificado e se guardar segredo.
O portio do Mondego.
HALBr
loroal de mmica para piase.
Pnbliea-se em Lisboa, e r*cebem se asslgnatu-
rasn livraria econmica, do/rooU do arco de
Santc Antonio. Prego da assignalura ki por Bi-
mestre (ou 12 no/nf ros).
Pede-w a quem aceou oa quean soaber
dar noticia de mn relogio de ouro coberio. paten-
te stnsso, n. 84168, ^ue foi perdido na noite de 23
do crreme, desoV a equina do hospital portognez
ate a ru de B-ra-Oaa-j,.* (rt^agam), -que queira
restitu-lo, pode 4in deBemllca, que aera generosameute recompensa-
do, ou caa da esquina do hospital ponoiaet.
ATTENCAO
Vendem-se as partes dos engenhos Ramos e
Inhama, sendo a doengenho Ramos de 9:000* a
10 OOOJ : os pretendenles que desejarem negociar
queiram eatenderae com o senhor do engenho
Carauba da regueiia de Iracun' aera, ou com o
Sr. Dr. Loureuco de Moraes Pinhero, morador no
Recife, para escrever o fundamento do negocio que
pretende fazer. 0 mesmo senhor do engenho Ca-
rauba offerece a fazenda denominada Mm. uai do
Grvala, para o Brejo da Madre de Oeose Carato
do Bom Jardim, a dita fazenda e muilo acreditada
pelos habitanles do lugar, tem um acude feito
varios tanques pelo dito senhor, e tem algura ga-
do na dita fazenda, os quaes entrara na venda que
se contratar com qualquer pretndeme.
Milho e farinha
Vendem se saecos com rnilho novo a 5300, e
saceos com farinha <22cuias) a 6W00. no trapiche
da Coinpanhia : a tratar no mesmo.
Fazcndas barata?, ra do Ba-
bugn. 10.
Lia com llstras de seda a 3i0 o covado.
ita com ditas a 400 re. Chita de cores ti.ias e iiom panno a 320 o co-
vado. i
Dita precales^indos padrSes iOO r-, o covado.
C Ichas adamascadas de 2i400 e 4*800.
Cambraia para cortinados com 20 viras a eca
fazenda fina a 1*000.
Cara sasiglezas bordadas para hornera.
Grande purco de chales de ganga, um 1*800.
Dio-se arnestras.
DOGE
De goiaba, larapja a banana ; na ra Direila n.
|9I, constantemente.
-----
Parlnha Vende-fe em saceos jrandfg : no armazem da
trave sa do Carioca n. f, enes do Ramos.
Vende-se urna escrava de bonita figura com
habilidades : a tratar no armazem do ral da Coa-
vi>ta.
Ama de leite
Precisa-se na estrada de Joao de Barros, sitio
da Viscondesna de Govaana : ra larga do Ro-
'arin.n. 58, 1 andar. '
Vende-se
A economa das fa-
milias.
Acaba deabrr-se de novo a loja e^rmazem da
Arara, na ra da Imperatriz n. 72, que tendo con-
cluido todos os sens negocios coinmt*ciac-s ; ago-
ra va fazer urna liquidacjio de todas as suas fa-
zendas sem reserva de prego, f com o flm de
liquidar ; por isso se convida a todas as familas
para mandar ver as amostras de todas as lazendas
para ver as qualidades.
A SABER:
Alpacas de cores para vestidos, sedas de cOre?,
atoalbado de linho, bramante de linho, organdis de
cores, cassas franeczis tinas a 20 o covado, chi-
tas francezas escuras e claras a 240, 280 e 320,
grosdenaplos pretos de todas as qualldade?, lil
ora neo liso e lavrado, hrihi paido a 500 o metro,
brim branco de linbu lino, yangas para caiga a
320 o eovadq, castor parp calca a 160 o covado,
casemiras pretas para caigas, pao fino preto de
todas as qualidades, casemiras de cores, roupas
fetas de todas as qualidades, palelots de ganga a
25000, ditos de brim a 23000, ditos de alpaca a
2*000, algodo a 4*l00 a pessa. madapolao a
o*, cuberas de chila a 15, cobertores de algodao
a 1*400 e ojtras limitas fazeudai que so veiidem
sem reserva de precos. para liquidar.
Na frente da k-ja ter dous letreros com letras
encarnadas exi que diz liquidaeo, que principiar
hoje.
Vende-se
Sement n vas de bortalices, garantidas, da socie-
dade dellorticuliura Lisbonense, ruado Aiuorm,
deposito da labrica de cervejas e espritus da ra
do liriiin.
i'ariu ;> de ni a ad oca
Vende-se farinha de mandioca chegada do Ma-
raclrao no ultimo vapor do norte, por menos pre-
go do que em outra qnalqner parte : a tratar no
eseriplirio de Joaqum Gerardo de Bastos, ra
do Vigario n. 16. 1" indar.
As segnines obras
A t irgem do mosleiro, e as memorias de R -
chelieu, por Jo-e Victorino, ambos eneder-
nados etn ums vol. por 3000. Orias
cont suisso, ene. 1 vol. por 1#000. Cania
d'akorada. poesas porM. da Rocha, i vol.
ene. por 35000. Flores sinqelas, por Paes
de Andrade. Ultimas paginas, por P. de
Calasans. IllusOes perdidas, por G. di'
Azevedo, lado encadernado em uro
lome, por S-5000. Jovita a voluntaria da
marte por J. C, e Alberto, sccnis de um ro-
mance, por J. Candido, ambos ene. em s
vol. por 330OO.
Eival sem segundo,
III A DI ,ii i: !fi: C.%YIA fe. 4
' (Anlip ra do Queimado)
Contina a vender tildo intiito bem e
muito barato a saber:
Quadernos de papel p qne;io a, .
Libras de areia prela milito lino. .
Tesouras finas para nihas c co; tu-
ra a.........
Papis de agtilbas fian.ezas a I>l-
lo a.........
Caixas com seis saboneies de fruta
Libras de laa para bordar C tod.-s
as cores a.......
Caivetes finos para aparar pinas
lapis a SCO, 1# e.....
Cairiteis de licha Aiexandre a. .
Frascos cora aceite pan machinas
Grvalas de cores muilo linas a .
Grozas de boloes madepcrsla li-
nissimos a.......
Pares de lavas de cores muito li-
nas a 30 e.......
No vello de linha de 400 jardas a.
Caixas cera 100 envelles muito
superiores a......
Pentes volteado.; para meninas a.
Tntenos com trata prcta a 80 rs. e
Pecas de fita elstica rouito lina a
Lata com superior banda .a 100 e.
Frascos do oleoPBilocomo muito
lino a.........
Ditos ditos dito grande a. .
Fiascos de macacaperola a. .
Frascos de extracto muito b nilos a
Duzia de sabjneles muilo fmoo a.
Sabonetes inglezes a GOO r?. e. .
Frasco com agua do colonia Pvera
Dito de oleo baboza a.....
Caixas de lamparillas a. .
Jabonetes a forma menino muilo
superiores a.......
uirtilhasda douttina fazendijov a
Libros de linha sortidas de lodos js
nmeros- a.......
Duzia de pomada o Porto multo
superior a.......
iiabados do Porto, 'airosa ICO o
Capachos muilo boi.it >s e ^: m!i s a
Carriteis do reiroz prtlo, cem "2
oltavas a. ...... 640
Agulbeiros de osso enfeitados a, '. 21
Libra ile liaba ftanceza 'superior
qualidr.de a.......2^400
Caixas de palito do gaz o. 0
Bonecas de cera muito booiUs de
500 rs. ........250C6
4b
120
5:0
60
loooo
eirooo
i 500
too
500
500
500
500
w
reo
20
loo
200
20H
I
roo
aO0
210
500
7-20
I 200
800
00
40
8 10
'iO
i 800
2S0
*ou
700
i Mi DHIASd
A rua do Duque ;te Casias n 21.
(ANTIGA EUA DO QHADO)
Nao foi sem fuudamento tiae a NOVA
ESPERANCA lem dexado de hzir os seus
annuncios, a razio simp! s. ella eoteode
que ludo cm demasa abiirroce... por isso
v,i- como j tinha dito e soierilicado sua boa
freguezi.i o nt:e constanti mente a receben-
do, ou livesse feito moitas vt-zts, receiou
tornar-so massante, a.ssim pt>is ncolhea-se
Palmyra, cegmnha bra-1"" potco ao siJencio, masnutea dexando
sileira. romance era 7 cantos por Dr. Boni-
facio do Abren, ene. em um s vol por 55.
0 cavalheiro d'Harmental por A Domas, I
vol. eneadernados, por tOjOCO.
Tambpm vende-se as Colleccoes de lels
provinciaes faltando apna* 3 bnnos, pon
20J000, tendo 27 vql. me broehura. t;im-
bem tem nutras obras ene a vista ge. mos-
traiao, e qnc ludo se. vende por prejo em
conta. Quem quizer du ja-so a esta lypogra-
pt'ia qne se ilir.i niiim vend!.
Vt-Odoili- > ''I .-.-;iv..s. Milu 'i \,: .- di' IS
a 30 anm>-, popnos )ara lodo equalijuii- ervi^i.
tanto de eaa eom<> para agricultura, ;i=>iin eumo
um mulatinho de 17 auno?, perfeilo ropeiro, (5 es-
eravas de 14 a 30 aaBos, lodas prendadas: na roa
esireita do Ro O engenho Borair, iproviacia da Parnambuco.
oslricto de Agos-Pret, distante da estonio de
Una <|uatro to**a, urras, rooeBte a cr-
reme : tratarw #es ba^oim Dta Partdej,
no povoado dos Montes, (Una) on no engenho ca-
pricho com Joaqnlm ot de Arolla.
Farinha ds mandioca
de Santa Catharina
O que se pode deaejar de hem. a garnel a bt-.r-
do do paladn ingle! Man/ tilock : tratar ivni
Tasso Irmos A 0. roa do Anioiim n. 39.
Estampillas.
Vende-fe na rua da Cadeia do Recife n. 58, loja
de azulejo.
Vndese a padria Ja rua por seu dono querer retirar-se por se adiar diente.
Farinha d@ mandioca
da Baha.
No escrintorio de Joaqutm Geraldo do Ba rua do Vigario n. 16, primpiro andar, vndese
farinna muilo alva, fina o torrada, saceos de dous
alqueire?, por menas do que em oulra qualquer.
parte.________
Vende se uraa escrava moca com urna
filhinha de tres annos: o sabendo coser,
cosinhar e emgomraar com perfeigo ; na
rua da cadeia n. 5.
QUKl QVEW Vf\HA
NA
biijueira, sinti
ti< i.i.is d- duis
inwM?, pata
: !,i.
Loja ingleza
Passeio publico si. J>.
Neste grande estahelecimento encontrar o re3-
peitavtl publico utn grande sorlimento de lazenda
de todas as qualdadt < e presos pnr menos do que
em outra qualquer parle, como sejam :
Chita.* tanto escuras como do cores, muitu finas
a 0, 260 e 280 o covado.
Cassas do cores, padrees muito bonitos, a 280 e
320 o covado.
Cambraa bran.- transparente para vestido a
4| a peca,
Laazinha para ve-ido a 360 o civadn.
Ditas para uito com listras de seda a 800 rs.
Cisemira prela para calca a 54 o corte.
Ditas do cores a 4 j .o covado.
KustAo de tures para caiga a Ij u corte.
M.idaiiolries lino com pequeo toque de atarla
a 44 e 54-
Algodoes braneos a :i. 3o00 e 4 a pega.
Paletot*, calcas ecdlelon de todas a< iiualidade-.
PASSEO PUBLICO N. 60.
4TTENQ0
Vende-se urna armario boa com sms utensilios
para taberna, com poneos genero*, propria pan
um prineipiante, pois bem afregnerad, casa com
coromodos para familia, e aluguel o mais barata
possivel : a tratar na rua de Joao Fernandos Viel
ra n. 2. _______________________________
Veurte-s
Ps de laranja de oaiWyo, seletra e da china, pe>
desap>iti, iip.118, palmeras e cafs ; lambcm no
mesmo sitiotvende-se nma viiella e urna garrota
tourna : na Ponte de Ucha n. 10.
Vende-w a casa terrea n. II, em dians pro-
prij*. sita em Olinda rua do largo do Ampari,
com 4 qtiartoa, corredor ao meio o duas satas : a
ratar no I* andar n. 5 roa da Caitein do Rpeifn
Atencao
No annazem 3e Mej'Sithain kC, na raa di
Craic. 38. venaant-s- i sfr s.
- Vende-se nina escrava coiinheira ; a tratar
oa rua Velba o. 10, f andar.
! fl'ea pregar os veroiadeiroS esfirejos. j con-
tratando maior numero d correspondente
na Europa, j dvsc rindo jc< l .; do mau
paradu gosto e lina;meite a.^-sigoando b
Jornal das Famir |ii;il vem tempre
ornado com figui inos, u .;. i nos rauldt s para
vestaos etc.. etc. para flesta fi-rma meibor
servir a sua constante rreaimia; e ct m (^-
peciaiKiane d helio frxtj. i ijtt m i FJDv?
ESPEUANCA ufanase e;;i i..n iee;-il.e
seus servil;-is, apressatdo-se disde j tm
declarar que lem rocebid tiliimamcnte
enircmeios e baba>ios bordados ti'Misptren-
tes e tapados, chaposiubus de silim para
baplisados".
Finas toncas de cambrcia bordada para
o mesmo fin.
Meiasde seda e (lo de escoria para cri :
Cjas.
Dedaes d'oso, marm, aro e madrepe-
rola.
ptimas- navalha, afiadures e n:assa para
as mesmas.
Finas esponjas para o nulo e para ba-
nhos.
Bonitos sapatinbt'S i ;
cotn sal pura menio<
a doze afanos.
Boas lentes com cinc
conlar-se os flos ;ie qua!
Tesouias para fri>;.:- >*.''<'.,.
Carretas para tirar H / t1 vestidos.
Molas para segulVcS'ta;.
Bonitos lioteirus de n.r.os ;i. [de?.
MeifS de la para li metis e sonhoras.
Finas e bonitas ligas | ara metas.
Fil de linbo e de seda, sendo preto c
branco, liso e de salpicos, e outros muitos
objectos expostos a venda rua Duque
de Casias n. 21, na NOVA ESPERANCA.
Mabao d'alcairo.
Vende-se na roa Duque do Caxiasn. 21.
PARA LUTO.
Brincos, broclies, volta, pul ciras, fivel-
las, pentes, boloes para ptuhos e cadeias
para relogios.
A NOVA ESPERANCA. querendo satisfa-
zer sua freguezia. nausmente em objecos
d'alegria ou de luxo. quer tambem aco>m-
panhar aquellos. qn infelizmente perdendo
algnem de sua famiiia, na a'guem de sua
amizade, prceisam de taes ol'jectos, assim
pois a NOVA ESPEBAN';A, mandou viro
que ba de melhor neste genero, prirque
sendo laes objectos de cor negra, sondo
de ma qualidade. nao somene tornam-so
tristes como at repugnantes, o que n3a
acontesce aos da NOVA ESPERANCA. pnr
que apenas exprime o sentimenlo pela cor
porem orno que traz um lenitivo pelo gosti
e perfeico com que laes objectos s3o tra-
balhadis.
Joaquim Rodrigues Ta- f
vare^ de Mello,
^gPraqa do Corpo Santn. 17^
TEM PARA VENDER :
Cal de Lisboa.
Potassa paRussia.
Vlnho Boroeaux.
0 Faillo d^ Lisboa.
0 Farinha de mandloea.
Aviso especial
Aos amantes do bdo de S. Joo c S.
, Pedro.
Manvga flor a 800 rs., ilita f aneexa a "0: no
Vm zein .lo Riheiro no paleo do Carm n. 0.
rj
i



i
Bar o para rcailr
Vende se um burro : na fabrica do gaz.



6
Diario de Fenambuco
Tii\:a feirai 28 Je Junho Je 1870.
A VERDADE
Rna Duque de Casias n. 55
Na loja da VERDADE continna-se a ven-
der por baratissimos presos todos os arti-
gos de raiudezas e perfumaras do sea
grande e variado sortimento, garaotindo aos
compradores toda a sinceridade.
Lindas bonecas de cera e massa por ba-
ratissimo preco.
Espelhos doarados para pendurar a
160 rs.
Agulhas de osso para crox a 200 rs.
Pentes Anos
320 rs.
para segurar cabello, a
Gbamins para gaz a 320 rs.
Garrafa com tinta alizarine a 10000.
Dita com agua florida a i(55CO.
Dita com dita dita a 150' 0.
Tnico do Jayme a 10500 o frasco.
Frasco comoleo expresso de babosa, de
210 a 640 rs.
Dito com agua de Colonia de 300 a 150OO
Dito" com extractos finos a 1 0000.
Dito com sndalo verdadeiro a 10200.
Latas com banha maito tina de 120 a
240 rs.
Sabonctes maito finos e diversas quali-
dades a 80, 160, 240 e 320 rs.
Finas escovas para dentes de 320 e 500 rs.
Ditas para facto de 500, e 600 rs.
Ditas para cabello a 500 rs.
Pentes para alisar com costa de metal a
320 rs.
Ditos ditos ditos de bnfalo a 240 e 320.
Pentes para tirar piolbo de 160 e 240 rs.
Pavios para gaz, dazia a 240 e 320 rs.
Brincos de cores, inteiramente modernos
de 160 e 240 rs.
Peonas caligraphicas mm'to finas a 10400.
Ditas de lauca e mosinha a 800 rs.
Lindos babadinhos e entremeios de 500
e 10500.
Grcsas de botos de lonca de 160 e
200 rs.
Ditos ditos para calca a 240 rs.
Caixa com papel amizade a 700 rs.
Ditas com envelopes a 480 rs.
Ditas com obreias a 40 rs.
Ditas com agulhas fondo doarado a
280 rs.
Thesoura para costura a 240 rs.
Linha de marca caixa a 280. rs.
Carriteis de linhas de Alexandre de n. 70
a 200 alO rs.Q
Grampos rauito finos, com passarinhos du-
ziaa 200 rs.
Cartas francezas para jogar duzia 30000
Ditas portuguezas, duzia 10400
Papel almaco superior qualidade resma
40000.
Lam muito fina para bordar libra 60500
Fitas para debrum de sapato, pessa 160 rs
Ditas de lam para debrum de vestido peca
400 rs.
Caivetes gr?ndes com molla a 400 rs.
Ditos grandes com 2 folhas por 320 rs.
Rosetas pretas para luto, o par 100 rs.
Trangas de lam de caracol branca e de
cotes de 40 a 100 rs.
Fitos para c?, peca 480 rs.
Alfineics de latao, carta 100 rs.
Sapatinhos de lam para creanca de 400
a 800 rs.
Calcadeiras a 40 rs.
Gravatas de seda preta de .400 e 800 rs.
Ditas de croxc, brancas e de cores 300 rs.
Dita de gorguro de cores a 800 rs.
Na Verdade rw* Duque de Ca-
__________xlas a. &a.__________
EIDE-E
Farinha e milito raais baruca do que em outra
qnalquer parte : no trapiche Ctinha__________
Vendem fe diversos encmo? pecas vindos
do Gear, proprios para engenho, assim como
urna ca brocha por 1:000*, de 48 annos de idade,
bonita figura, est nra pouco descorada de frialda-
de, e diversas mulatas com habilidades: a tratar
na roa da Cruz n 53, 2o andar.
LOUCA
Ciraade armazem a rna da
Imperatriz a. A
Neste grande armasen) vende-se louca inglesa
finas e ordinarias, apparelhos de porcelana para
jantar e para cha, jarros para flores os mais beni-
tos e de gestos modernos; assim como grande
tortimento de vidros finos o ordinarios, que tudu
se vender tanto a retalho como por atacado neto
mais barato prego que em outra pialquer parte :
chamamos a alinelo dus Tregeles, que sero
convenientemente servidos tanto nos commodos
precos como na boa nualidade das hiendas.
Cigarros da imperial
fabrica de S. Joo
de Nictheroy.
nico deposito em Pernambuco caes da alfan
dega velha n. 2, t" anda.
Aos cem mil azulejos
Portaguezes, hespanhes e francezes : na roa
Primeiro de marco n. J6, outr'ora do Crespo, ar-
mazem de louca de Bernardina Duarie Campos
& C.
Erigenho.
Vende-se o engenho Ribeirao da freguezia de
Santo Antao, situado pouco mais de una legoa
da estrada da Victoria, de trras mui'o producti-
vas, podendo safrejar para mais de 2.0*0 paes an-
nuaes, com bora cercado feito todo de vaHados, e
muito boas obras; o engenho d'agua e est
moente e corrente : qnem pretender este negocio,
dirija-se ao mesmo engenho, ou ra da Concor
dia n. 43.
Pechincha a 7& e 9$.
Vende-se calcado francez obra muito boa pelo
diminuto preco de 7f e 93, assim come calcado
para eriancas a 2*500, haratissimo: venham a el-
los antes que se acabem, na bem conhecida hja de
miudezas da ra da Cadeia n. 50 A, confronte a
ra da Madre de Dos.
A 5*000.
Vendem-se botinas de cores para senhora pelo
diminuto preco de Si o par, sao cores bonitas e
obra bem feita : venham ra da Codeia u. 50 A,
luja de miudezas confronto a ra da Madre de
Dos.__________________________________
Farinha de mandioca
igual a de /Wuribeca.
Em saceos de dons alqueires e de panno de
algodo, cuja medida cnri^sponde de 5 a 8 0,0
mais do que a medida daqui a do Rio de Janeiro,
vende-se a preco menor du que em qualquer ou-
tra prtete : tratar com Joaquim Jos Goncal-
ves Beltrao, em seu escnpiorio a ra do Commer-
cio n. 17.
CORTES DE SEDA
O Cysne A ra da Imperatriz n. 64, acaba le re-
ceber pelo ultimo vaper lindos e modernos cortes
de vestidos de seda pretus e de cores, lisos e mati
sados, os quaes vende por precos mdicos.
Grande estabelectaiento da fizendas fe roupas feitas e por medida, ra da Im-
peralrix n. 52 junto a foja de oomt$.
Neste estabelecimento encontrar o fespeitavel publico um bonito sortimento de
roupas de todas as quaiidades. /
Palitot de alpaca pretae de cores a/3*000. 3|500 75000, ditos mirin preto
de 75000 ate 235000. ditos de etsemira d( cr^s- finas e ordinarias, de 65. 16,5000
ditos de panno finos de t5 85 105 e 2< jlQDO. sobrecasaco dito d 205 a 505000
Completo sertimento de calcas derim pardo de 15600 a 650O0, ditas brancas
de 25, 105080 o mais soperior, ditas njeia casemira, ditas casemira de 33, 125000,
ditas casemira preta de 65, a lWO00 superior, dita de merino diversas qnaidades para
lato. Assim como um bonito sortimento de colletes de brim de cores, ditos brancos,
ditos de casemira de cores e pretas, diu de merino para Intofazenda. superior.
Sortimento completo de camisas francezas de algodo, de 15600 35000 e de
linho de 385000 a 705000 a duzia.
Sortimento completo de <*3rotilas francezas de algodao de 15600 a 25800,
ditasde bramante a *5wJ0, 25;*>0e 3*000, ditas de Hamburgo, (raneas, fazenda su-
perior de 255000 a 385000 a duzia. SortisWnto de colarinhos de algodo e linho, etc.,
assim como raeias de algodo para, homem da 35. a 1O5O00 a duzia, gravatas de mui-
tas quaiidades. Na roa da Imperatriz n. 52, loja do
Sortimento de chapeos deso do alpaca, e seda, ditos inglezes cabo de marfim.
Toalbas para rosto. Sortimento de mallas para viagem.
ATENCAO.
Neste estabelecimento encarrega-ie de mandar fazer qualquer obra por medida
e para esse fim tem hbil mestre encariado da ofQcina, que se encarrega do trabalho
com perfeigao e pontoalidade.
SORTIVEIrtO DE FAZENDAS.
Chitas de 240 rs. o covado oqi 105000 a pessa com 42 covados. ditas miudes
para camisas e timlo de menino 260.e 280 rs.. e outras muitas quaiidades de 320, 360
e 400 rs. o covado, neste mesmoestabeecimenlo chegaram, urnas bonitas chitas da
victoria com barra, a qnal para fJtns ecorapetente enfeite para corpinho. Cara-
braia lisa de 35, 45.5# e 10500 i pessa e outras muitas fazendas de todas as quaii-
dades.
ALGODO E MADAPQLO AVARIAOO.
A 45000 o algodlo. e 45500 omadapolao. e tambero chita escora boa a 240 o
covado por ter grande porco,na roa da Imperatriz n. 52, loja com portaos encarnados,
intitulado
/ Lefio de Ouro.
Saceos de estopa
Vendem-se opti.nos saceos de estopa, proprio*
para assucar, milito, familia etc.: no armazem d
Adamson, Howie A C, ra do Commerclo n. 40.
Vellas de spermacet
Verdadeiro americano c-da urna caixa rrinta.
e cinco meias duzias de vellas, ou 210 vellas, por
irint* e cinco mil reis. No armazem de Tasso Ir-
ruios & C, rna do Amnrim.
UOIN.4S PAR
COSTURA
Acabam de chegar ao GUANDE BAZAn
UNIVERSAL, ra Nova n. 22camuro
viannaum completo sortimento de ma-
chinas para costura, dos autores mais co-
tilleados, as quaes estao em exposicSo no
mesmo Bazar, garantindo-se a sua boa qua-
lidade, e tambem ensina-se coa perfei?5o
a todos os compradores. Estas machinas
sao iguaes no seu trabalho ao de 30 costo-
reirs diariamente, e a sua perfeic3o tal
como da melhor costureira de Paris. Apre-
sentani-se trabalhos executados pelas mes-
mas, que muito devem agradar aos preten-
den tes.
Grande pechincha
Na rna do Duque de Casias, antiga rna. d
Queimado n. 19, vendem-se alpaca de todas as
cores e lavradas pelo preco de 500 rs., chitas de
tons pannos a S'tO rs. ; assim como Mn rico
cortes de ambraias bordadas de cores a 71000 a
corte com 10 varas, baratsimo.
Ra do Crespo n. 20 A.
Alvaro Augusto d'Almeida C.
Este estab/lecimento de fazendas finas e grossas j bastante Mohecido como
am dos mais bem sfrtidos desta cidade acaba de receber directamonte de Paris alguns
artigos especiaes que passa a mencionar.
Ricos cortes de vestidos de blond para casamentos.
Grtes db vestidos de seda de cor, de gustos inteiramente novos.
Brocha/ fazendas de Ia e seda propria para vestido.
Foular de seda de todas as cores, tambem para vestidos.
Fitas largas de seda para cintos, gostos escoceses e lisos.
Chaplinas de seda e de palha d'Italia.
Basqoinas de seda e guipare.
Colchas de seda e de la e seda.
Cortinados de cambraia bordados muito ricos.
Pannos de verdadeiro croch para jardineiras. sof e cadeiras.
Toalhas de linho de superior qualidade.
Bramantes, selicias, sguioes atoalhades.
Guardanapos, colchas, aaias bordadas camisas,
Cache-nez, bales, camiinhas, sombrinha.
Madapoies de varias qua'idades, saxos para viagem, mal'as, tapetes, capa-
chos, alcatifas e muitos ootros artigos qne so vende por precos mdicos.
Tem tambem constantemente um completo sortimento de ESTEIRAS DA IN-
DIA para forrar salas.
Odeina e armazem de
maimore
Caes Vinte e dous de novembro n. 57,
(outr'ora armazem allianca)
Ha para vender pedras marmores de todos os
taannos e grasuras, lijlos manho?, soleiras e saccadas, assim como sole-
ras e saccadas de pedra do Lisboa. Tambem con-
itrat-se e faz-se qualquer obra, como monumen-
i tos, tmulos, estatuas, pias, lavatorios, mesas e
! tudo o mais tendente mesma arte, por mdicos
prioos.
vende-se ou troca-se par caas nesta praca
o sitio denominado dos Boritiz,.antiga casada la-
vagem de roupa, com grande casa de vivenda,
: senzala para pretos, estribara, banheiro de pedra
! e cal com agua corrente, baixa para capim e
Srande terreno para plantacSes : quein o preten-
r dirija se praca da Independencia n. 33.
! m m gaz
Chegou ao antigo deposito de Henry Forster i
, o., ra do Imperador, um carregamento de ga;
de primeira qualidade; o qoal se vende em partida:
e a retalho por menos preco db que em outr* qua.
quer parte.
Vende-se um terreno proprio, com 138 pal-
mos de frente e 160 de fundo, para o lado da es
Irada de Ierro, cujo terreno tem al cerca feito pa-
ra cinco moradas de casas na ra de Molocolom-
b dos Afogados : a tratar na mssina ra, ou na
ra Direita dos Afogados n. 13.
PORTLAND.
Vende-se no armazem amarello de Vicente Fer-
reira da Costa & Filho, defrente do arco da Con-
ci^o, em iiamcas grandes
Cantara de Lisboa
i Soleira?, homuroiras e espitis para frentes de
casas, o que ha de melhor : venda no arma-
zem da travessa do Corpo Santo n. 23, de Joaquim
Lopes Machado & C.
Vende-se urna casa de taipa. na baixa do
Zumbi, (Torre) em solo rendeiro : tratar na ra
Imperial n. 233.
BRACO DE OURO,
Ra do Imperador n. 26
O respeitavel ^publico encontrar neste
estabelecimenU/ diariamente um completo
sortimento d pastelaria, boMos inglezes
podios, pds-dely, prgseotos dos ltimos
chegados ao mercado, salame de lioo, bo-
! linhos finos de' todas as qnaidades para cha,
amen loas onfeitadas. confe los, bomboins,
lastilhas, chocolate francez em libras, pas-
tilhas do mesmo ,cartaxos e carteiras com
seis charutos de cito oate cada urna, este
sortimento de chscolate do mais acredita-
do fabricante de Paris e o melhor qae at
boje tem vindo ao mercado.
Vinhos portuguezes, figueira muito sope-
rior. Os mais genuinos e superiores vinhos
do Porto, moscatel e Setubal, o Ilustrado
I publico encontrar nesie estabelecimento
! por commodos precos, fazendo-se abatimen-
! lo a quem -.omprar em porc3o.
Licores de i idas as quaiidades, asmis
Minas, entre elles o afamado Aiapana, esta
cor o mais saboroso e superior, at
hoje conhecido. Xaropes de groselhe, rosa,
maracuj, caja etc vinhos de Bordeanx de
todas as marcas, o mais superior qne se
pode encentrar, champagne de Chevernt
moito soperior, os mais unes e superiores
cognacs fitincezes, old-tom, de tod>s as be-
bidas alcuosas, este a mais salutar para
quem soffre do estomago,
Conservas de legnmes, portuguezas, fran-
cezas e iDglezas, mlhos mostrada etc.
fruclas seccas cristalisadas e em calda, na-
cionaes e estraogeiras de todas as quaiida-
des, charutos dos mais acreditados fabri-
Lcantes da Babia e Rio de Janeiro, cigarros
de S. Paolo e Rio de Janeiro, mnitos su-
periores, e finalmente tudo qaanto se dese-
jar tendente a este genero de negocio com-
prometemo-nos a satisfazer toda e qnal-
quer encommenda com a maior promptidao
e asseio : Como sejam para casamentos.
baplisados baiies etc., tambem se recebem
encommendas de pes de l ou bollos de
qualquer especie enfeitados e decorados,
bandeijas de bolinhos com armaco de as-
sucar, assim como de papel, pecas monta-
das, gellatinas de fructa-, aii.endoas, leite
etc..
Os donos deste estabelecimecto nao se
tem poupado a despezai para melhor me-
recc-rem a acoadjuvaco do Ilustrado pu-
blico.
6 0RA DA IMPERATRIZ
______________^^ DE t
0 encontrara o rp.snHir.avftl nnhhr.n mu irrandp nriimomn ra fironHic nm-i no,^..___71____ .. ;"-"- ^^^lj^^ ^k3VAw
96068**$$
* ALTAS NOVIDADES
1 DO PATIO
M BONITAS FAZENDAS PARA A FES- 0
0 TA DE
SANTO ANTONIO, S. JOO E S. PEDRO.
S Vendem-se as raais lindas poupeli-
S5 as de linho e seda com os gostos
W mais novos que t*m vindo a este
^ mercado, pelo barato preco de___
j| 25000 o covado.
Sedas listradas. de furta cores, fa-
zendas ae muita phanlasia a 2)J000
o covado.
Seda bismark, larga fazenda muito
encorpada o covado a 25500.
Bonitas lasinhas largas com palma
de seda, covado a 14000,
Lindas agraciando lavradas covado
a 1,5000.
Alpacas lavradas de todas as co-
res, covado q 640, 800 e 1,9003
Bonitas lasinhas escossezas com
quadros e litras de seda, covado a
501
Finas alpacas lisas, sendo cor bis-
mark lyrio, verde, roxo, cinza, can-
oa, azul etc., covado a 610.
Ditas furta cores com as mais bo-
nitas cores, covado 503 rs.
Lindas bareges lisas, c com lista
da mosma cor, fazenda inteiramen-
te nova, covado a 569 e 640 rs.
Bonitas lasinhas tapadas e trans-
parentes com grande diversidade, o
covado a 600 rs.
Lasinhas lustrosas com lindas co-
res emitaco de seda, o covado a
30.
lindos cortes de anadine, sendo
fazenda nova e transparente e de
muita pliantasia, com 18 covados a
155000.
Finiss'mos crtes'de vestidos bran-
cos bordados com todos os enfeites
francezes a 12,5000.
Curtes de ganga indianos, fazenda
Qteirameate nova a 7#000:
Ditos chinezes com duas saiasa
70000.
Ditos de la escosseza fazenda mu7
to b mita com fios de seda a 7,50 0
Finssimos organdys com lista de
cor e salpico, sendo 'fazenda de-
muta pbantasia, o metro 1289.
Organdy branco com lislras lar-
gis e quadrinhos, a vara a 1^000.
Todas estas fazendas, sao inteira-
mente novas e se vendem muito em
conta, ra da Imperatriz n. 60,
loja e armazem do Silva e Figuei-
do & C.
de 123000 rs. cada um, pechincha.
CASEMIRAS ESCOSSEZAS.
O Pavo tem boni'as casemiras escosse-
zas com quadros grados e midos e outras
lisas com listras ao lado, sendo fazendo
muito fina que se vende mais barato, por
haver grande porco.
CORTES DE CASEMIRA PRETA A 4:500,
O Pavo tem os superiores cortes de ca-
semiras pretas enfeitadas pelo barato preco
de 4,5500 rs. o cort, .
CASEMIRAS RASPADAS A 800 RS. 0 CO-
VADO.
O Pavo vende excellente fazenda de pura
la com as cores escuras muito proprias
para calcas, palitots, colletes e ronpa para
meninos que frequentam a escolla por ser
urna fazenda leve, escura e de miita du r-
elo, pechincha a 80) rs. o covado ou a
25801) o corte de calca para homem.
FINAS BARGES A 640 RS. O 'OVADO.
_ O Pavo tem as mais lindas bareges de
la sendo meias transparentes, com urna
so cor, tendo : lyrio, azul, rosa Bismarck,
roxo, etc., tendo muito boa largura e liqui-
da-se por 640 rs. o covado, por se ter fei-
to urna grande compra, assim como ditas
mais estreitas de ama s cor com listras
imitaco de seda a 560 rs. o covado, e pe-
chincha.
PECAS DE MADAPOLO A 35500.
O Pavo vende pessas de moito bom
madapolo, tendo 12 jardas cada urna, pelo
I barato preco de 35500.
PECHINCHA EM ALGODAO A U0O0 RS.
O Pavo est vendendo pecas de aigodo-
I sioho francez, tendo 4 palmos de largara e
com 11 metros cada peca, pelo barato pre-
I de 45000 rs.
CERA DE CARNAUBA.
Vende-se superior cera de carnauba em
saccas-, mais barato do que em outra qual-
quer parte, na ra da Imperatriz n. 60,
loja do Pavo.
OS SETNS PO PAVO
Neste grande estabelecimento encontrar o respeitavel publico, um grande sortimento de faiendas, do mais'apurado gos'o'a'WrnTorn" rl TT "rr-*?"
era outra qualquer parte, visto que os novos socios desta firma adoptaram o systema de so vennderem ni Y m IKO ; para m&wT wSEnSTLsto liilfrl? J S2 Jecf?dade ^ se "?es Prom9tte vnler Por Pre50S maito ma,s tratos do l^d"* f3Zer S S6QS SOrlmeDtS PelS ^^ ^ qUS Cmpram DaS St~- Para mai0r commoPdidadePdas ExmatmiC S^^S^^SS das^Sas, t !?Sfi WSfr^SSST
0mTm ROPAS PARA HOMENS PARA TODOS ALPACAS LAVRADAS A 640, 800.
mais bonitos crochs para cadeiras, sofs 1 publico um grande sortimento degrosde-
mesas, almofadas etc., proprios para co-
br ir presntese vende-se mais barato do
que em outra qnalquer parte.
Algoilao entestado.
6
Vende-se es mais bonitos serias de cores
Vende-se urna grande porco de algodo
sinho americano com 8 palmos de largora,
proprio para lences e loalhas, tendo liso e
trancado, que se vende por preco muito em
conta..
LAS ESCOSSEZAS
LAS ESCOSSEZAS
LAS ESCOSSEZAS
A 560 rs. o covado.
Chegou para a loja do Pavo, o mais
elegante sortimento das mais lindas lazi-
nhas escossezas com fios" de seda, as quaes
fazem o mais delicado effeito, para vestidos
de duas saias, e vendem-se pelo baratissi-
mo preco de 560 rs. o covado.
SEDAS DE LISTA
SEDAS D*. LISTA
SEDAS DE LISTA
a 25000 o covado.
Chegou para a lija do Pavo um grande
e bonito sortimento das mais lindas sedas
de listas com as mais delicadas cores, tendo
entre ellas algumas que servem para luto.e
vendem-se pelo barato preco de 25000 o
covado, pechincha
FAZENDAS PARA LUTO NA LOJA PAVlO
Eocontra o respekavel publico neste es*
tabelecimento um grande sortimento de fa-
zendas pretas, como sejam cassas france-
zas e inglezas, chitas pretas de todas as
quaiidades, fazendas de la de todas que
tem vindo, proprias para loto, sendo lasi-
nhas alpacas lanadae lisas, canto, bom-
basinas, merinos, etc. qoa tudo se vende
por preco barato.
PARA BAPTISADOS
Na loja do Pavo vende-se bonitos eo-
chovaes para baptisados.
Cortes de casemira a 45000, cada um.
Vndese bonitos cortes de casemiras
claras e escuras pelo barato preco de 45,
ou a 25400 o covado, tendo duas lardaras'
CORTINADOS PARA CAMAS E JANELLAS
de 85, 405,125 e 165000.
Chegou para a loja do Pavio om grande
sortimento dos bonitos e ricos cortinados
bordados, proprios para camas e jaoellas,
OS PRECOS.
N'este grande estabelicimento encontrar
1,000 RES.
uanies preos ae waas as larguras e qua- ; ^WUi,UvU ouujuvan Chegou para este grande estabelicimenic
lidades, tendo de 15500 o covado at 75000 S.respe,lavel Poblico nm grande sortimento, majs bonito sortimento das mais moder-
e 8500 >, que se vende por preco muito ?! ro'Jpas',sendo p3l,t6s e fobrecasacos de m alpacas lavradas de todas as cores, qne
pune preto e cazemira, calcas e coletes de
e 8500 >, que se
em conta.
CASSAS FRANCFZAS.
Chegaram para a loja do Pavo as mais
lindas cassas francezas com delicados pa-
droes, tendo para todos os precos e quaii-
dades, dando-se todas amostras, assim como
om Bonito sortimento das mais lindas chi-
tas francezas escuras e alegres, qae se ven-
dem moito em conta, e tambem se do
amstras.
CHITAS A 240 RS.
Na loja do Pavo vendem-se bonitas chi-
tas francezas claras e escuras e cres'fixas
240 rs. o covado, e pechincha.
LASINHAS A 320.
LASINHAS A 320
LAASLNHAS A 320.
Na loja do Pao vendem-se elegante sor-
timento das mais lindas lasinhas lastrosas,
com listrinhas a imitaco de poupelinas de
seda e com as cores mais lindas que tem
vindo ao mercado, sendo fazenda que vale
maito mais dinheiro, e-lqaidam-se a 320
rs. o covado, pechincha,
FECHOFCHA
EM CAMISAS DO PAVAO A 45500 RS.
Vende-se um bonito sortimento de muito
finas e modernas camisas inglezas com pei-
to e coliarinhos de linho e puahos, pelo
baratissimo preco de 45500 rs. cada urna
e aos freguezes que comprarem duzias .se
Ihe ftr um abatimento, garantindo-se que
fazenda que vale moito mais dinheiro,
liqaida-se por este preco por se ter feito
urna grande compra: assim como se vende
brim branco e de cores, que tudo se vende
mais barato do que em outra qnalquer parte;
assim como um grande sortimento de ca-
rnizas francezas e inglezas, e ceroulas tanto
de linho como de algodo e abundante sor-
timnto de meias cruas.
VESTIDOS INDIANOS COM DUAS SAIAS.
O Pavo vende urna grano* porco de
cortes de vestidos indianos, tendo duas
saias e tendo bastante fazenda, com os gos-
tos mais novos qu tem vindo, e liqaida-se
a 55000, tendo cada om seu competente
figurmo.
CASEMIRAS MESCLAOAS A 35 0 COVADO
0 Pavo tem para vender bonitas case-
miras mescladas e bastante encorpada para
roupa de homens e meninos pelo bara'.o
preco de 35'JOO cada covado ou 55000 o
corte de calca para homem.
Ronpa por medida.
basquina
ricamente
Na loja do Pavo manda-se fazer qualquer
peca de obra a vontade do freguez, para o
que tem um perito alfaiate, responsabelisan-
do-se os donos do estabelicimento por qual-
quer falta que possa baver quer per de-
mora, quer por qualquer defeito na obra;
e para isto en contra o respeitavel publico
um grande sortkneuto de todas as fazendas
que desojar.
BRAMANTE A 1800.
Vende-se superior bramante cem lOpal-
om bonito sortimento de ditas tambem com jraos de largura, DroDrio Dar 1pmAm venae-se es mais Doaitos senas de cores *"""" p^f'-* f wmuu janeuas,
mais encorpados, proprios para vestidos H09 se Yendem 85009 o par, at o mais
ndo de diversas cores. rico Ia9 vem ao" mercado, e vende-se mais
1 barato qne em outra quatqner parte.
para todos os precos.
PANNO PARA SAIAS A 15000, 15280 e
15600 RS.
Vendf-se bonitas fazatda {proprias para
saias sendo com bordados e pregas a um
lado, dando a largura da fazenda ocompri-
meato da saia e vende-se pelo barato preco
de 15000,15250 e 15600, cada metro sen-
do preciso apenas 3 oa 3 1/2 metros para
cada saia pechincha.
Vestidos brancos a ltdOOO rs.
O Pavo vende flnwswnos cortoi de ves-
tidos de cambraia Dranca, ricamente borda-
das e com muita fazenda pelo barato preco
w ----------------------_- v yyi m umtw m
ment do leacol, sendo preciso para cada
nm apenas 1 e 1/2 metros ou 1 e 1/4 pe-
chincha pelo preco.
ESPARTILHOS A 8*000.
Veode-se um bonito sortimento dos me-
lhores e mais modernos espartilhos tendo
do barato preco de 55000 at 8000.
Cachenez.,
Na loja do Pavo vende-se um grande
sortimento dos mais bonitos cacbenez de
pura la proprias para senhoras, veodem-se
a 65000 cada um, na ra da Imperatriz
n. 60.
A 1**.# T% a ^i-------^ T V HO"HHqi *uw- uas 8 com maita anda palo barate preco n. 60.
A toja do Pavo est constantemente aberta, das 6 horas da manhaa s 9 da nonte
I pac;
se vendem a 15, 800 e 640 reis o covadn,
assim como om grande sortimento de s
as lizas de todas as cores
Basquinas.
Chegaro as mais modernas
ou jaquetinhas de seda preta,
enfeitadas a viarilho, tranca e setim preto
tendo de todos os modellos, os mais nev*
que tem chegado e vendem-se por precot
rauito razoaveis.
POUPELINAS DE SEDA
POUPELINAS DE SEDA
POUPELINAS DE SEDA
a 25000 o covado.
O Pavo acaba de receber o mais ele-
gante sortimento das mais lindas verdadei-
rS poupelinas de linho e seda com os pa-
dres mais delicados que tem vindo ao mer-
cado, tendo entre ellas cores proprias par
alliviar luto, e vende-se pelo barato preco
de 25000 cada covado, pechincha.
Cambraias brancas
Vende-se um grande sortimento das bm-
lhores cambraias tanto victorias como trans-
parentes tendo de 35500 peca at a mata
fha que vem ao mercado.
CAMBRAIAS BRANCAS A 44000, A PICA.
S o Pavio vende pecas de cambraia
branca transparente, tendo mais de vara de
largura, com 10 jardas cada peca, fazenda
que sempre se vendeu a 75 e 85000, liqw-
da-se pelo barato preco de 45OO.
FUSTES BRaNCOS A 640, 800-E 1*100.
Vende-se muito bonitos fust5es branco
nraito flexivel proprios para vestidos da
senhoras e roupa para meninos e vendeja
a 640, 800 e 15200 rs. o covado.
cassas a to rs.
O Pavo est vendendo bonitas castas oa
cares fixae a 240, 280 e 300 rs. o cavad
Brilhantes lasinhas.
S o Pavo, 460.
Chegaram as mais birlhantes lasinhas cn
as mais liadas cores, com palminhas miodi-
nhis, assentadas as mais delicadas cores de
lyrio, cor de canoa, cor de ganga e branco,
sendo estas novas lasinhas de moito ba
qu alidada, tendo largara de alpaca e vena-
se 460 rs. o covado. I roa da Imperatria
n, 60 loja. to Pavat).
V
n
\



Diario de Pernambuco Tenja feira 28 de Juuho de 1870.

.miz :sv *
na rtia lia Aurora,' eii frente do caf f MioiMatriz.
N'isu- nnvu e sumpt'ioso staMecimeiito ile feandas encnnirarao as Exmas.
amilias tndo <|iiar>t w auis qualidades. do f,v.eiK;is.
Alem des;; noiiaran prvidos do que de melhor se encontra rvste mercado,
^or todos os paquetes ta EbrQ*. receimw directamente o que em artios de moda e
h> mais apurado^gosto se eiicont'ra "tu Paris, o qne vero cada dia augmentar s propor-
ee de que diapoe este estabelecinieiiio para nem servir sua numerosa freguezia.
Algodlo Unjo para lences e toalhas de Gase com lstras de seda e flores, fazen-
cldo' Gravitas para senoras e homens, o mais
Alpacas Je todo* o padroes e qnalidl- complejo sbrtimento que se -pode desejar.
** tSo variadas que se no podara desfcrevr. Gurpfire preto e branco, diversas largu-
ras e differtntes gostos.
Collas e punbos bordados para senboras.
Guardanapos de linho pequeos e gran-
des.
Gorgurao de seda 'preto e de cores.
Grosdenaples preto e de cores, uaven-
Alboirs com msicas para colMcarvatratoa,
oliendo presente para qualquer pessoa de
eitraa.
Atoalhado da linho e algodo, branco e
*b cores proprios para toaibas.
Basfaraas de seda pretas e muito moder- ,j0 diversas qualidades e gostos.
a**, bem corno de crochet, ludo de-apurado -.re-
oslo e feitio. Japonezes para senhoras, o melbor gos-
Biles de mijssHiria, madaptrtSo, broncos to, e fazenda propria para as festas nos ar-
de cores, para Mimara e meninas, rabal.!c< e passems a tarde.
Bareges de cores variado sortimento/* rc+*
Babadinhos ou tiras1ordadas em todas as Llazinhas de todas as qualidades, cores
e gosto?, nao i cando nada a' desejar, tal
o sortimeutoqno existe para escolher.
Lenoo*, todo quanto pode baver desde
esguio r>o algoflo cormnuin.
Leques de marlreperola e osso, o mais va-
riado sortimento.
Ligas d seda, bordadas, para senhora.
Lavas de Jonvh, c.egadas por todos os va-
pores, seniora novo sortimento, quer em
peHca para h&nhs e senhoras, quer era/lio
artruras.
Belbatma de todas as cores.
Bolsas de tapete para viagem, grande
wisdade de tamaitos e gostos.
ombazino preta de todas as qualidades.
Bramante de linho de I I palmos de lar-
gura, e todas as mais qualidades.
Bretanhas do linho o algodo, grande sor-
aesnto.
Bros de linho branco e de cores, do mais
sommodoao mais caro era qualidade, aifian- d'Escocia, brancas e de cores.
(*odo o que la do melhor na especie. 322
Brins d'aigodo completo sortimento e Madapolo: indeseriptivel o grande sor-
ariedade ik; prc;os. timento que ha o,esto genero, desde o mais
Cfi elevado preeo ao menor, que se vendo em
Cassas de cures, o muior sortimento, pri- poca e refalho por menos do que em ou-
aando pelo bom gosto e baratera, a'leutas tra qualquer parte.
Gambraias brancas, tapadas, e transparen- gosto dos'nossos correspondentes cm Pars
ses de todas as qualidades'e precos. habilita-nos a dizer que temos em nosso
Gamisinlias de cambraia de lino e cassa estabelecimeuto o que de raelhor se dese-
boriadas ricamente enditados para Sras. ja para vestir e ornar urna noiva.
Camisas para bomens e meninos, tlio va- Mantas prelas de blond.
riado sortimento que vai do mais ordinario Mantrs Pra carros. m lindas pinturas.
nadapolo ao mais perfeilo bordado de li-
je cambraia.
Camisas de meia, de Itonclla, brancas e
le cores pira hom?m.
Casemiras pretas e de cores, o melhor
Merinos pfetos, trancados e lisos.
Massena branes e de cores, lindos e va-
riados padroes.
Pannos pretos e do cores, desde o mais
roe se pode aaginar, sendo d'isso a me- baral ao ma'3 superior, por pceo muito
cor prova o grande
sBcina da casa.
Capellas de flores, para noivas e bailes,
desde amis can-' 'a dor detarangeiraat
mais interessaate grinalda.
Cbapelinbas no melbor gosto.de todas as
iteres boje preferidas pelas senboras de
sais apurado rigor na moda.
consummo deltas na camodo.
Pannos de crochet, para cadeiras e sofs.
Ditas ds caseraira muito finos para
mesa.
Pitos bordados de linho, lisos e de al-
godo para camisa.
Princctas pelas e ^e cores.
Popelina do seda e linho, com listras e
Chapeos protosdevcHludo,para senboras, flores; fazenda lindissima.
iltimo gosto d Paris. Pelberinas para senboras, do ultimo
Chapeos do so!, para senboras e horneas, gosto."
de todos os pfM e variados gostos. Perfumaras ; os mais finos extractos o
Chaly com ricos padroes para vesiidos.' qne de melhor e mais agradavel so pode
Chals de todas as qualidades, avallado encontrar nesle genero, e de mais fragante
somero e nao monos variedade de gostos, e suave no olphato, tem o PAVILHAO DA
Chitas, impossivel descrever o sortimen- AURORA, desde a verdadeira agua Flori-1
40 e variedade de padroes e novos gostos, da at o mais fino Uouquet d'Amur, final-
ka oeste artigo tudo quanto se pode desejar. j mente tudo quanto deve eccapar o touca-
Cintos para senhoras o que se pede ima- i dor de urna senbora de gosto.
Ciaar de melhor. =3
Goques, o melbor no gosto e nos entei-! Saias bordadas, brancas, lisas e de cores
es, varios tamanhos. com folhos e sem elles, o melbor possivel,
Colchas de seda com borlas, o mais apu-
rado gusto e avor.
Sahidas de baile, de 'odas as cores.
Sedas pretas, de quadros, iavradas, lisas.
Ditas de fusto branco e de cores por de listras de todas as cores e qualidades e
precos commodos. o mais barato possivel.
Corpinios de cambraia, ricamente borda- Sareelim de todas as cores e qualidades.
tfos para senboras. "Qt*
Cortinados do cambraia bordados e de Tapetes grandes, lindas pinturas para 8
tl.o que de melhor se pode desojar. cadeiras, mais pequeos e de todos os ta-
Colarinhos de nio bordados e lisos, o manhos desejav-eis, o em peca para co-
aaior sortimento. I vados.
23 Toalhas de labyrintho, do maior e mais
Damasco de la de ) palmos de largura; gn0 trabalho ao mais barato.
MM cores e ricos^ padroes. Toalhas de linho e algodo de todos os
* tamanhos, lisas e felpudas.
Espariilhos bran;os e de cores, para se- Tarlatana branca com palmas e de cores,
ahoras e meninas, o oMihor nos geiero ; fasenda muito nova, e gostos delicados pro-
aeohuma Sra. deixar por certo de manir pria para baile.
e de to precioso auxiliar perfeicao de | ^p
am corpo delicado.
Entremeios bo.lados.
Escomilha preta.
Eafess para cabeca, ultima moda
Paris, recebida no ultimo paquete.
Quaado a AGUA 'BRRNCV, mois precisa sdettifieirtt respetavcl publico em
geral, e em particular a sua, boa freguezia, da immensPdAde de ohjccto^ qoe iritlmamcn-
tetem recbido, justamente'qo'ando ella menos oDodefazere porque essa Taita invo-
luntaria ella confia e espera na benevolencia de todos que lh'n attendefSo e retevar3o,
continuando portanio a dirigirem-se a bem coilhecda Ir ja da AGIA BRANCA ra do
Queima^o n. 8, onde seipre acharan abundancia em sortimento de soperibridade em
qualidades, modicidade em procos e o sen nuca dementtido AGUADO E'SIIHCERIDADE.
Do que cima dea dito se conhece que o lempo le qiw a AGUA BRANC\ pode
dispr, erapregado apezar de seas cusios ro desctnpeftbo de bem servir a aquellos que a
honrjm procurando prover-sb em'dita luja do que necessitam, entretanto sem ennnme-
rar osobjectos que por sua aatursza sao ibais conheidos aii, ella resumidamente indi-
car aqueHes cuja importancia, elegancia e uovidade os tornam recommendaveis, como
bem seja :
Corpinhos de cambraia, primorosamente
enfoitados com utas de selim e obras essas
cuja novidade de molde e perfeicao de ador-
os os tornam apreciados.
Fitas mni largas de diversas c6res e qua-
lidades para cintos.
Leques uesse objecto muito se poderia
dizer querendo descreve-los minuciosamente
por suas qualidades, coree e desenhos, tal
o grande e variado ortimenlo que acaba
o CDtgar, mas para nao massar o presi-
dente se lhe apresentar o que poder de
melhor.
Entremeios em pecas de l tiras.
Guipure branco e preto de diversas qua-
lidades e desenhos. .
Ditos de algodo coru fbres e lisos.
Capcllss brancas para meninas.
Grandes sortimento de flores finas.
Fil de seda, preto.
i'EUFU'-IARTA
Grande e constante sortimento de dita,
sempre melhor quajidade.
Lindos vasos com p do arroz e pise!,
Caixinhas com ditos aromticos.
'Bonitos e modernos pentcs dourados
paia circular o coque.
Bonitos brincos de plaquee.
Aderecos e biincos de raadreperolr.
Caivetes finos p*ra atTir litas.
TbesouTas para frisar babadibhos.
Aspas para bafo.
Novks stereoscopos com 48 vistas, as
quaes sao movidas por uto macbinismo
Veos de seda para cbapelinas e monta-!Uraas sahsutnera as oatras.
a Vistas para stereoscopos.
Bonitas cafxinhas de vidro enfeitados com
na.
Meias de seda para noivas.
Ditas iberias de fio de Escossia.
Costumcs. ou uniformes para meninos.
Enxovaes completos para baplisados.
podras.
Ditas de madeira envernisada com vispo-
i ras e com dminos,
Bollas de borracha para brinquedo de
Touquinhas de" fil, sapatinbos bordados enancas.
e rais para ditos. Diversos objectos de porcelana, proprios
Carr.isinhas bordadas para ditos. para enfeites dft mesa e de lapinhas.
9T3UIWV
A%M:U5!i5'S
KOS GRANDES
JE 9I0I>H,190S
CONS
W. 23Largo
VATIVO
DE
santos a r,
:.sso
Penha 10
FERR IRA
Os proprietarifrs desies bemsortidos armazeus partici[>am aos seas Innmeros
ireguezes tanto dcsta prapa como do mallo que leudo felto grande dmioucao de pre-
cos as suas mercadorias esto por isso resolvidos a vender por merjos de O e 20 i0,
do qoa ert. outra qualquer parte, garantindo-se portento a s perior qua'idade de qual-
quer genero comprado Lestes dous estebelecimerKos. Mencionamos alguns dos nossos
gneros e a viste destes sao comprebendidos os outros, porque entedonbo seria men-
cina-los.
Se algnsm duvidar venha ver.
Gaz americano marca Deves a 8(5800 a
JL JA
DO
GALLO VIGILANTE
ifia t Crespo n. 7
Os propnatarios (ksie bem conhecido estabele-
eiroent), atju dos muitos objectos que tiubam ex-
postos n apreeitao do respeitavel publico, man-
darram vir e acanain de receber pelo ultimo vapor
da Europa mi completo e vanado sortimento de
fioas e niui rieliaadas especialidades, as quaes es-
lio iT.-uivulos a vender, como de sea costume,
fwr preros muito araiinbos e commodos para to-
do*, enm tarto qeo o Gallo....
Muito 'superiores lavas de peluca, pretas, bran-
cas de niui lindas cores.
Mu! boas e bonitas gultinhas e punhos para se-
ubora, ueste genero o que ha do mais moderno.
Superiores pentcs de' tartaruga para coques.
Lindos b riqniiwirnos enfetes para c&becas das
Exmas. senhoras.
Superiores trancas pretas e de cores com vidri-
Ihos e sem elles; esta fazenda o que pode haver
de meHior e mais bonito.
Superiores e' benitos leques de madraperola,
ruarim. Borato e osso, sendo aquelles brancos
com lindes esanhos, e estes pretos.
Mui-.'.. supcMorcs meias lio de Escossia para se-
nhoras, as quaes sempre-se venderam por 30000
a doria, entretanto que nos as vendemos por 20,
atcm destas, tomos tambem grande sortimento de
outrs .malicadet, ontre as quaes algumas muito
linas.
boas b-ng-jlas de superior canna da India e
castao de marlim com lindas e eiicantadoras tgu-
ras do inusnio, ueste genero o que de melbor s1
podo desojar ; alm destas temos tambem grandi
3uanlid;ido do uairas qualidades, como sejam.ma-
eira, halaia, osso, borracha, etc. etc. etc.
Finos, bonitos e airosos chi^otinhos de cadeia e
de outrus |ualidades.
Lindas e -np>.'iores ligas de seda e borracha
para segurar >a leias.
Eival sem segundo
r.UA DO ftUQUE UH CAXIA6 R. 49
Eslou diposto a cci^inoar a vender tc-.l&s
as miudezas pelos baratsimos preCOS bi-
x-> declarados, garantudo tudo bom e
(OS admirados.
Pacote com ;0 quadernos de pa-
pel amisade a......
Caixas com O eader'nos papel pau-
tado .a........ 700
Caixas con 50 Duveilos de Imba
do gaz a...... 400
Duzias de meias croas stqierioi
qualidade a.......35000
Pecas de babadinhes c<,m 10 va-
rasa......... 500
Pecas de liras boidadascom l
metros cada p ia a li'idO e. oCOO
Pecas de fitas para cs de q al-
quer largura CfttO HlvarSsa. iOO
Escovas para rjnbas fazenda fina a 500
Ditas para deoles a 240. WO,
400 rs. e....... 500
Pegas do ttanga isas, brancas e
de cores a. ..... 40
'..aixinbas de madeira com a'fine-
tes|izenda superior a. 400
Duzia de lii.ba fioxa para Lorda-
dos a 400 rs. e..... 500
Pares de meias ciua- para flw1'
ii'S diversos lHi;:nhos a. 3i0
Duzias de meias braneas moito
finas para senbora 4-5500
Pares e sapatos de l:;.r.ni do
Porto.......
OOas ii.eiiis ds seda -para senhora e para meni
as de ^ a 1 an.nos de idade.
Pares t'e sapatos do
pellas par,
Superiores agulbas liara machina e para crox.
Linha mnilo boa de peso, frouxa, para encher
labWintho.
Bons batalbot como os Matos para o mesmo fim.
Grande e variado sortimento das melhores per-
fumarias e dos melhores e mais eonhecidos per-
uraislas.
COI.AHES DE ROER.
Elctricos magueticos contra as convulsoes, e
fa^ilitam a denti^ao das innocentes criancas. So-
mos desdo muito recebedores destes prodigiosos
cellares, e continuamos a recebe-tos por todos os
vapores, alim de que ixmca raltem no ercado,
fino ja tem acontiK-ido, assim pois poderlo aqunl-
les i ie iii.-tl.-i prcM:isarem, vir ao deposito do gallo
vigilante, aonde sempre encontraro destes verda-
deiros coiiares, e os quaes attendendo-se ao fim
pavauue .ao ajjplicados, se Tenderao com um mui
diminuto luvro.
Rogarnos, pois, avista dos objectos que deixamos
declarados, aos nossos ireguezes e amigos a virem
comprar por preeo muito razoaveis loja do gallo
vigilante, na do Tresno n. 7.
O verdadeiro portland. S se vende u
ra da Madre de Deus n. 22, armazem d
Jiio Martins do Barros.
Vinagre branco mandado vir por conta
propria vindo de Lisboa, a 320 a garrafa e
480 o litro.
idem tinto Figueira, Lisboa e Porto a
320, 80, 240 e 200 rs. a garrafa e 480 300
rs. o litro.
Uar3S0TS.;a garrafa e 960-o litro.
Azeite doce de Lisboa a 900 e I #100 a
garrafa em poreo faz-se grande abaUmen-
to.
Vinbo Figueira, Lisboa, Porto e Estrello,' ** W a % 51? Hnn. \
a 560, 500 480 e400 a garrafa litro a 840 S^k.lognmmo ^480, 540 e 600, e
760, 720 e 600.
Vinho branco puro de Lisboa a 640 560
a garrafa, em porcao ha abatimenfo.
Vinbo do Porto, engarrafado das melho-
res e maisacretadas marcas a 13000 e 1SS200
l{$500 e 2 a garrafa.
dem Bordeaux, Medoc e St. Julien a
7^000, 7^500 e 8800 arroba.
Milho alpista 200 rs. a libra e 440 o ki -
logramma e 5800 a arroba, em poreo ha
abatimento.
Queijos frescos do ultimo vapor a 30200
& 3^400 cada um.
Aletria, macarr5o, talharim a 500 rs. a
70500 e 60500, a duzia e 640 rs. a garafa. I, W e *100 kdogrammo em caixo ha
Genebra de Hollanda e laranja doce aro-1 aDumenl- mA. ^n
matica a 00500, 70, H05OO, a frasqueira.! Sabo raassa de 1 e 2a qualidade a 220
Serveja Bass. Illers & Bell a 903OQ;\ du-
zia em poreo ha grande abalrmeoto.
Jdem marca HeT e outras marcas a
50500 e 60, a duzia e 500 rs. a garrafa.
Assim como ha outros muitos
e 240 rs. a libra em caixa ha abatimento
Toucinho de Lisboa muito alto a 400 rs.
a libra e 880 o kilogrammo, em arroba ha
grande ditferenca.
gneros, vinho em ancoretas, azeitonas,
Vistuarios bordados de fustao brancos e
'decores para meninos, de cambraia pera
j baptizados, o que de raelhor tem vindo
de este mercado.
Vestidos de la escoceza de 2 saias,
Esguio de linho, completo sortimento de \ novidade pelo padro, gosto e forma; ditos
todos os nmeros. : de linho cora barras de c&res, e do cam-
O^ i braia de cores com 2 satas, tudo inteira
Fitas largas escocesas para cintos, vari-', novidade, trazera os modellos juntos para
ade d gostos e lindos padroes, '. mostrar a forma de os fazer.
Fi:hs de crochet, modernos cora pintos' Veos de blond para noivas e pretos para
capas, o que ba de melhor. luto.
Fil de seda, linho e algodo, de todos Vestidos de blond para noivas: podemos
m gostos e padroes. j asseverar as nossas Exmas. freguezas, que
Fusto de todas as cores e qualidades somos os nicos em Pernambuco que pode-
frande sortimento. mos ofXerecer ao Ilustrado publico, o mais
Flanella branca e de cores. apurado gosto em semelhante materia, gra-
Flores, o que ha de mais rico, auer cas a PQnt gst0 do nosso fornecedor em
tollas, quer em ramos, tem o PAVILHaO Paris, podemos garantir que ninguem neste
DA AURORA ara permanente jardim a genero o possue melhor, nem mais em
disposico das Exmas. familias. conta.
E' dispondo d to grande e variado sortimento que os jjroprietarios do PA-
VILHAO DA AURORA se apresentam ao publico declarando desde j que a sincerida-
4e e o bom gostoo motel nico de sena negocios.
Prvidos de todo e proraptos sempre a prover-se do que por ventura lhe
teja necessario, os proprietarios deste sumptuoso estabelecimento recommendaro-se
em receio de serem contradictos e protestam sforg-ar-se por continuar a merecer
proteco que se Jbes tam dispensado ; certos de que do seu estabelecimento nao sahira
reguez descontente.
Contina sempre a ofBcina de alfaiate dirigida por um dos mais habis arttf-
u, prompto executar cora promptido e bom gosto qualquer trabalho condado. Urna modista especialmente occopada nos trabalhos do PAVILHAO DV AU-
RORA, dirige os que lhe 3o. concernentes, garante por seu apurado gosto e promptido
aa execuco e a mais completa perfeicao dos seus trabalhos.
A uwauro*a freguezia que nos honra urna prova de que merecemos o con-
tto que se dispensa ao nosso estabelecimento, conceito que procuraremos firmar cada
ti mais. Para facilitar ainda a concecuco do fim que nos propomos, temos no nosso
wtabelecimento os ltimos figurinos de Paris, que recebemos por todos os paquetes, os
fuaes enviaremos para serem vistos as familias nossas freguesas, arn de escolherem,
osa o padro da fazenda o g#sto na forma.
Na oficina de alfaiate, junto ao estabelecimento, ha igualmente os figurinos
oara homens que por todos.os vapores se recebem.
E' este Oj mdo porque nos apresentamos pedindo a proteceo do illuslrado
publico e com o mais profundo respeito convidamos as excellentissimas Sras. a yisi-
arem o nosso estabelecimento, certas de encontrarara nclle pelo menor prego possive-
udo que podem desejar.
Mandaremos caixeiros levar as fazundas eamosxas onde forera pedidas, visto
lio pdennos especificar todo quanto temos.
Jmo Utif, Sobrwho & C.
Aberto das 6 s 9 horas da noite.'
passas e gos, charutos finos de diversas marcas, marmelada, bolachinhas de todas as
qualidades, perola, Francy-cracyneL, a, b, c, Mdium, mixed, soda Fancy-nic-nac, pa-
lacu da Varietes, combination, Britania, doce de goiaba fina, chouricas. manteigas finas
francesa e ingleza, banha de Baltimor, phosphoros.de Sycuryt, Cognac, cha.de diver-
sas qualidades, Canella, pimenta do reino, ervadoce, pomada, enxofre, breu, peixe
era totas de todas as qualidades, farinha de milho americana, grandes molbos de sebol-
las, uestes dous armazens existe tambem grande sortimento de loacas proprias para ne-
gocio, que pelos seus commodos prego faz vantagem aos compradores.
53-MA PVA--50
U.MA PRENDA. Lindos objectos dourados de delicados gostos, proprios *
para meninos, vende se no BAZAR DA MODA- S
BAPTISADOS. Ricos chaposinhos de setira brancos, lindas toucas de fil
e setim, sapatinbos etc.
GUIPURE. Ou croch em pessa, branco e preto, com fiadas ramagens e
qualidade muito superior.
PUNHOS. Para camisas de homens, fazenda superior com duas faces, o
par 640 rs, (pechincba ()
PERFUMARAS. Finos extractos para lencos-, aguas da diversas qualida-
des, saboattes. olos, pomadas, pos, tnico etc.. etc.
PERFUMES. Lindas ratxinbas para lavas contundo urna preparaco em
que lhes d um agradavel aroma, por 10560.
Gravatas, cintos, flores, plumas, coques, trancas, fitas, boloes, bicos e pen-
tes etc., etc., e muitos outros artigos proprios d) esiabelecimeBto' vendendo-se
tudo por commodos precos, no BAZAR DA MODA, ra Nova o. 50, esquina da
( de S. Amaro.
Jos de $ouza Smroa & C.
Novas peeninohas I
NA
Loja, flor da Boa-vista
DE-
Paulo F. de N. Qiilmares.
Chitas escuras e claras, a 200 e 240 o covado.
La com palmicha, 200 a 320 o corado.
Seda prela; de listas muito eacorpada a 2i, idem.
Curte* de brim para calca a 1280.
Pustoes para ronpas de meoiods a 8G0 o covado.
Grande sortimento de roupas feilas, aaaim como
se fazem per medid, presos multo, commodos.
NaTua da Imperatriz n. 48, jauto a padaria
francesa.
con FituV t\n i
Maia LaflUalino vende saceos com farinha de
mandioca : q ra do Duque de Caxias, travessa
do Rosario, loja o. 18 B.
J cordeiro previdentt
tina Movo e variado sortimento do perfuman
finas, e oulros objectos.
Alem do completo sortimento de peri
marias, deque effectivamente est prvida
loja do Cordeiro Providente, ella acaba
receber um outro sortimento que se torc
aotavel pela variedade de objectos, superior
dade, qualidades e commodidades de pr<
tos; assim, pois, o Cordeiro Providente peo
e espera continuar a merecer a apreciad
do respeitavel publico em geral e de su
boa freguezia em particular, nao*se afa*
tando elle de sua bem conhecidamansid
a barateza. Cm dita loja encontraro c
apreciadores do bom:
Agaa divina de E. Coudray.
Dita verdadeira de Murray Lamman.
Dilavde Cologne ingleza, americana, frai
ceza, todas dos melhores e mais acreditado
fabricantes.
Dita de flor de larangeiraa.
Dita dos Alpes, e vilete para toilet.
Elixir odontalgico para conservaco
tsseio da bocea.
Cosmetiques de superior qualidade e ch.
ros agradaveis.
Copos e latas, maiores e menores, coi
pomada fina para cabello.
Frascos com dita japoneza, transparenti
a outras qualidades.
Finos extractos inglezes, americanos
franceses em frascos simples e enfeitados.
Essencia imperial do fino e agradavel ch
ro de violeta.
Outras concentradas e de cheiros igua)
mente finas e agradaveis.
Oleo philocome verdadeiro.
Extracto d'oleo de superior qualidad;
om escolhidos cheiros, em frascos de diifi
rentes tamanhos.
Sabonetes em barras, maiores e menor*
para mos.
Ditos transparentes, redondos e em gc
ras de meninos.
Ditos muito finos em caixinha para barb;
Caixinhas com bonitos sabonetes imitand
fructas.
Ditas de madeira inveroisada contendo I
aas perfumarlas, muito proprias para pn
lentes.
Ditas de papelao igualmente bonitas, tan
bom de perfumaras finas.
Bonitos vasos de metal coloridos, e d
moldes novos e elegantes, com p de arre
e boneca.
Opiata ingleza e franceza para dentes.
Pos de campbora e outras dirferenU
qualidades tambem para dentes.
Tnico oriental de Kemp.
Afinda buaie oquf.
Um outro sortimento de coques de m
vos e bonitos moldes com filets de vidriib
9 alguns il'elloi ornados de flores e fiva
esto todos expostos 1 apreciacio de que?
os pretenda comprar.
G0LLINH.A8 E PUNHOS BORDADOS.
Obras de muito gosto e perfeicao.
Ftvellaffe fitas para etntai.
Bello e variado sortimento de taes objat
tee, ficando a boa escoma ao gosto do coi
pr4or.
Acoloadoias para colUte diversas
qualidades.......
Ci-.ixas com penna de ato muito
boa de 320 a......
Duzia de linha 200 jardas Alexai;-
dre de 40 a 200 e, .
Caixas com superiores obreus a.
Duzia e agnlh para macbina a.
Libras do pregos francezts todos
os tamanhos a......
Talheres pan meninos a. .
Pares de sapatos de tranca para
meninos a.......
R
2-5000
I300
I 800
5,->00O
20
400
500
I,{t00
O
2^000
240
320
rl H111.
20Ru:i da Imptsntriz 20
FarS & E^sssa.
Acab.'i de cht-gar a t'hta nuss-. ora Uju Ae la-
zendas finas um vari:.U^ sorUmcDtn dt-. fazenda^ de
laa o seda, cmno Kjam : granadines do o'ibio
go?to, pupelinas de uina s <">Y. alpMM o lasii-
nhas de cores, o por baralis.-imcs pnc*, Liiihanlina- ie orc, te-
cidos das india?, fazenda Dova a imitiicao de per-
calia. haiSes de dina Bnghdo saia do cur com lia-
das barras, fust5es proprios para vestido e roopai
de meninos ; agora grande t- a.ln.iiaveis perno-
chas, saias brancas com iimlos frisados a 3. li-
eos eorpinhoa bordados muito Onesa -3. baln
modeimis de srees a 2, i-icaf colchas i ara cama
aleocho.'i'las. str.do braneas e de cores, a t i
74, cambraia vrinria Una < :;- ditas traiispareo-
tes a Si, f>5 <* 7,cliia> (tnissii; as i.-i-u.-.- s e dars
a 2SO, 300, 320 e 360 o evado, eassas de coles a
2i0, lencas hrafteoftdn a** a Sj-iOO, tfitiw e
nezes a 34500 a duzia. ma lapoLo nn a 64 e
6500. e mtiitj snpern r a 7j. 7U'0 e 84, a>g -
daozuho largo pmpro para lences t 64, paun
do a'Bodao bnineo traslada piuprio para toaltM
de n>f>a a l60!)a Ma, araiut>nte pata li ncw
20(>0 e'35000. o que lis de melhor, e.'guiao li-
nis.-iino a 2iGQ e 4S00 a vara. HaodamM as
casas das Exmas. bniu para melhor p^ierera
escnlher. Tambem temos completo sojtimento de
perfumaras des primeiros fabricantes francezes e
inglezes; es pessoas que se dignare; vir a esta
lija teraooccasiao de reconhetvr a ralidade oo.
que annunciamos para nos Justificar.
Lutos.
Chegon pelo vapor francez, um grande sorti-
mento de luvas de pellica de Jouvin, brancas
pretas e de cores. Em casa de Andr Delsiic.ca-
belleireiro, ra do PriniL-iio de mareo n. 7, 1 an-
dar.
Ferro gaivassado
Vende-se em casa de Adamson. Eowta 4 C. na
ra do Commercio n. O, l'olhas de ferro galvani-
sado de 6, 7 e 8 ps de comprimento.
AlV ilVIVI
Milho a S5*00 o sacco grande, traques n. I a
240 rs. a carta, velas de spermacete a 6i0 a libra,
gomraa de milho a 360 um pacote, vinho Bnr-
deaux a 73 e 64500a duzia, e 610 a garrafa, dito
Figueira o melhor que ha nesse genero a 560 a
garrafa e 43 a caada, dito verde cousa nunca
vista a 560 a garrafa, toucinho de Lisboa novo a
400 rs. a libra, mauteiga franceza a 760 a libra.
em arroba se far algnm agrado, e muitos mais
g'aeros que enfadonho annunciar ; ludo menos
vinte por eento do qne em cuta qualquer parte :
na Cambo i do Carmo n. 2, esquina da ra das
Flores, armazem de Siqueira Vendem-&e 44 toros de Jacaranda de mnilo ba
(qualidade, vindo pelo, brigue Confia nva: pasa
Vaue-8e
Palitos do gaz a 320 rs. a duzia de caixinhas, ba-
rato :, na ra do.Rapgel u. 39, taberna.
Mais barato do que em outra qualquer^
parte.
No porto da travessa dus Caemos acha-se cons-
MeMnio ]*M,Bross n. 31, armazem.
dacompeador por jbom,pnqu.do ojie, n outra
Vidros,para vjdracas de todos os Urnaaboa qualquer parte ; assim iam,o se encarregam de
e em caixas, vende Barthoiomeu C, em su, fornecer matenaes par as obras, para o que h?
pharmacia na ra larga do Rosario a. 34. canoas e carrosas.
Bichas hamburgnezas
Xste novo deposito recebe-se por todos os pa-
quetes tianslanticos bichas de qualidade superior
e vendem se em caixa oa porcao mais pequea,
e mais baratado que em outra qualquer parte:
na ra da Cadeia do Recite n. 51, 1* andar.
ESCRAVOS FUSIDOS.
Fugio no dia 11 de marca do correte an
o escravo Francisco, cabra, de idade 30 anno
com os signaes segnintes : cabellos earap nhe-,
rosto descarnado e com marcas de tarifa*, intitu-
la-se ser livre, levou calca branca, paletot de al-
paca de cor, chapeo de chile, natural da Parahy-
ba ; o mesmo foi comprado ao Sr. Delmiro Alves
Maia, morador na l'arahvba. e julgase ter ido
para o mesmo lugar. Desde ja protes'a-?e contra
a pessoa qne o tiver occnltado ; e roga-se aos ca-
pites de eampo, assim como s autoridades poli-
ciaes que o tragam ra Direita n. 16. que serao
generosamente gratificados,
Gratificado de 200^
reis.
Fugio do engenbo Mandar na Paruhyb1 o es-
cravo Cosme, crioule, de 3o annos de idade, ajto
barbado, tem muitas marcas de bexigas no resto,
e muito ladino, qnem o pegar e levar no refe-
rido engentio, ou nesta cidade na praca do Conde.
d'Eu n. 20, ao Sr. Jos Gomes da Fonseca, tera
a gratiScaeao cima.
Cabellos
Venden-se cabellos de todas as cores, q nal quer
coapriiuealo, qmudade superior, em caixa ou
porcao mais pequea : na ra da Cadeia do Re-
eifie n. 51, i" andar
ii >n .i .......
Sipfcriir viibo Bordeaox
St.Estephe A St. Julien': na ra da Cadeia
4 Recie numero 5.
do
Tendo viudo tena o escravo Manoel, tri-
pulante da barca Idulma, no domingo 12 do cor-
rente, nao voltou para bordo ; e come se presu-
ma esteja (agido, roga-se s autoridades compe-
tentes a-una captura, levando-o a bodo ou rna
do CooiB.ercio o, 17, que se gratificar. O eswa
vo tem os genuintes signaes: altura regular, ca-
bello carapinho e grande, rosto oval, olhos paTtos,
testa balta, nartz regalar e bocea granee, diz sct
natural da Cotingniba, mas da Babia, veio ves-
tido deipaletot e caica de ca>emira j usada, ca-
misa branca, chapeo de feltro pref. e la calcado.
~~ Fagio do engeuho Campo Alegre da co-
marcaide Santo Antio, um ereravff, crioulo, cor
preta, estatura regular, pernas um pouco cam-
betas,' olhos graadei, cabellos earpinbos e Din
ponco varnwlho, falta dons dentes na frente, de
nome Nicolao, represenU ter 35 annos, cojo -es-
cravo suponho esur acoitado no engeoho Joboa-
tio, de ledTo da Cunha, no lugar Cafanete, onde
tem paesv ) foi preeo urna vez : qoeui o se,
gar kw9^> aa engeuho Campo Alegre que- w
gratificado, e o abanto assignado protesta prnce-
Ser judicialmente contra quem o tiver afilado
Engenho Campo-Alegre 20 de junho de 1870.
Manoel Cavalcame de Albuquerqae,
I
i

..-:


m

Diario
de Pernambuco Tere. feira 28 de Junho de 18-70
_L
ti
Ilil..
't
-ASSEMBLEi 6ERAL
EXTRACTOS DO RELVTORIO DO SR. MI-
NISTRO DO IMPERIO.
INSTIU'lV.O Pl'BMCl AS PIIOVIXCIAS.
(Continuaran)
floresclnento .la inrtroetSo ftrinarfa
em mudos paiziw. C0M Prussja, Simo-
na, Hollnela e IHgica. fcom raz3o aUri
|)ui main os professoreS. \ Franca e a Inirri-
terra convenceram-sa da acidada de he
estabelecimentos. sem os quaes nao cheg-im
a reunir, ou muito difilcilmeule renen! es
professjres ai cnnditfta requeridas par
ensinar E so elle, o> prioeipaes operarios
da grande obra da instrueco, devem sa-
ber bem as materias que tm de ensinar e
sabor bem easiiu-las.
Urna das mais raras e preciosas qnalida-
des ao professor conbecer o segrego de
tr.msrailtir o que, sabe a inteligencias que a-
penas desponi.am. 0 e-tudodomethodo e,
pois, da maior importancia para o ensino.
O numero das escolas publicas de intru-
seo secundaria foi de 10-2, das quaes AS pa-
ra o sexo dmscoIdo e4 para o sexo l.-mini-
no.
0 numero dos alumnos qne fieauent ram
os estabelecim-nt-'S pblicos de instmr. ao
s andara W de 4.439, dos quaes .25U rio
seio masculinn. !59 da sexo leminino e 30
rilo clasificados. .
O numero doj .stabelcimentos partcula
res de nstrucc> secundaria foi de 307. dos
quaes *48 wra o seso masculino e 91 para
O sexo feminino.
O numero dos alumnos que frequentaram
os estabeticimenloa particulares de inr rc-
elo secundaria foi de 5M14. dos quaes
4,309 do sexo masculino. 972 do MXO fe
menino e 7-5 pertncentes m provincias de
Amazonas e Santa Catbarina, sem especilica-
(9 de sexo:
quaes 6.510 do sexo masculino, 4,131 do
> fcmeumo, e 103 sem especificaca de
XO.
0 ensino secundario limita-se na maior
parte das provincias ao esludo das lngoas
modernas mais usaaes, e das moras exig-
as como preparatorios, e aoa diversos ra-
m.s de humanidades. Os conbecimentos
de plivsi.a. chimica eoutros ramos da mais
reconhecida utidde. e deque estotiran-
do grande proveito asnaces que marcuam
a frente do movimento industrial, nao sao
anda estucados,enire nos, como conviria.
A gymnastica,feralmente ensnada, ainda
nos estaelecimcritos mais modestos da Eu-
ropa, i; que cuna rreria paa.o desenvolv-
intuito physico da nossa mocidade, que re-
sente-se de sua falta, apenas conhecida em
urna ou outra provincia, como se fosse pro-
blemtica a sua uliiidade.
As materias que se ensharam na maior
parte dos estabelecimenlos pblicos e parti-
culares, e o numero dos alumnos que as
t'sliidaram, acham-se designados nos Inga-
res proprios e peculiares a cada provin-
cia.
Os seguntes quadrns resumem os resql-
tados conliecidos da instrueco tanto prima-
ria como secundaria, quer publica, quer
particular, durante o periodo de que me
uceupo.
O numoro das escolas publicas de ins-
Itocciu primaria e secundaria em todas as
provincias foi de 2,704, das quaes 1,873
para o sexo msoano, 816 para o femenino
e 15 sem especificagao de sexo.
O numero dos alumnos d>s estabeleci-
mentos particulares de atrueco primaria
e secundaria fui de 21,^22. dos quaes
44,576* do sexo masculino, 7.00S do tone-
nio e 342 nao classificados, sendo 21 do
Amazonas, 52 de Santa Calbarina 'e 409 de
Mato-Grosso.
O numero das escolas publicas e particu-
lares de insiruecSo primaria e secundaria
foi de 3,787, das quaes 2,500 para o sexo
leitura, que aDnal desperla o
saber.
NECOtlOS CCLESIASTICOS*
Partirn "para Roma, e tomara, parte aos
tfabalhos do concilio ecumnico, os Rvms.
ircebispu da Babia e bispos do ftio-Granae
do Sul. Cear, Pernambuco, Pari e Rib de
Janeiro, os quaes cntinoam a receber as
respectivas congruas.
Confiando em qne o concilio nao se oe-
masculino, 4,474 para o femenino e H31 cuparia seno com .assumplos religiosos da
ai
<2
c
294
41
21
720
386
43 209
\mazonas...........
Para..........."... 432
Maranho.......... 3'*J
Piauliy............
Cear............. 406
Rio Grande do IS'orle. _^-
Parahyba.......... ;*6
Pernamhuco........ 083
AUgOas........... 79
Sergipo .............
Rabia............. 367
Espirito-Santo........
Rio de Jant-iro...... 4?Oi9
S.Paulo........... "2
Paran,..............
Santa Galbarina.....
S. Pedro do Rio Gran-
de do SiH....... 785
Minas-Geraes....... 203
Goyaz............. 32
Mair-Grossi)..............
O numero dos e.stab- ler.imentos pblicos
e particulares de mslrncc) secundaria foi
de 409. dos quaes 314 para o sexo mascu-
lino e 9-' para o femenino.
44
81
22
435
477
168
67
764
101
307
4,184
7
52
962
371
32
Amazonas.........
Para..............
Maranho..........
I'iaiihy............
Cear.............
Rio-Grande do Norte.
Parahyba..........
Pernamnuco.......
\laas...........
Sergipe...........
Babia.............
Espirito-Santo......
Rio de Janeiro......
S. Paulo...........
Paran............
Santa Gatliarina.....
S. Pedro do Rio-Gran-
de dn Sul........
Muas Geraes.......
Goyaz.............
Mato-Grosso........
Amazonas.........
Para.............
M.irjnb'j..........
Piauhy............
Cear.............
Rio Grande do Norte.
iViiiliyba..........
Pernambuco.......
Alagaa...........
Ser^ipa............
Baha.............
Espiri;o-Santo......
Rio de Janeiro......
S. Paulo..........
Paran............
Santa Calbaria.....
S. Pedro do Rio-Gran-
de do Sul.......
Minas Geraes.......
Goyaz............
Mato-Grosso
si
g5
O!
1
4
45
3
40

29
5
49
4
2
29
4
3
4
86
88
2
i
o _:
o c
S
4
4
12
II
2
i
4
12
30
13
2
8
27
3
42
2
6
40
7
19
j
o
o
o
41
4
3
1
122
101
2
2
SE
o "5.
g2
25
81
02
30
418
40
84
446
66
78
219
40
128
435
34
50
431
359
40
40

I
20
44
20
63
48
24
90
40
34
58
42
74
408
40
23
77
01
24
o
H
32
107
403
50
181
58
408
242
100
409
277
52
499
243
50
73
208
420
70
40
n3o classificadas, pertncenies. 57 provin
cia do Para, 33 de Santa Catbarina e 23
de Mato-Grosso.
0 numero dos alumnos que frequentaram
as escolas publicase particulares de instruc-
Cao primaria e secundaria foi de 4I4.*377,
dosquaes 81,557 do sexo masculino, 31,919
do sexo femenino e 821 que se ignora a
qual dos sexos pertencem, como se x$ da
seguinte destribuipao :
N3o possivel indicar exacta p precisa-
mente a despeza que fizeram as provincias
com a insirucfao publica no decurso do
anno prximo passado, porque, n3o s fal-
tam os balaocos da receila e despeja
em 1809, como alguraas n3o remel-
teram ainda as colleccOes das leis pn n
ciaes desse anno. Accresce que em'uias
o auno Bnanceiro provincial conta-se, cmo
o geral, do 4o de julho a 31 de junt do
anno seguinte, e em onlras coincide &6m o
civil. Acredito, porm, n3o ficar distante
da realidade, calculando com os algarismos
das ultimas leis de orcamento provMCWl de
que tenbo conhecimento. 3o ell/s a som-
ma da receila de todas as provincias oreada
um 48,IOO:9S7i?OdO. e a destaza ruada
para a insii ucg3o publica em 2,6^0:9295301,
como se segu:
i co es e-.sscx
-tao ce oc ooooaooao
r; ^ "
al 1
GO 00 *
- X f X ~ X C !* '
o S S -
OC OOOO X30

C5
-o
ao
s-.st
S13?

-3^3 -3 * c ^i lo i ^" *i O <*?, 33 ^ v. ^" T!
--j'^CJ't^ia> "- ^ 52 2 2 2
*j>c.nn---c-a';--,*',2rls""
l- O A O O
c; o o r? o 5 _
t ~3 "O -3 "3 "3
i-;ci5oo-.iai-;i;i"s
ocq-mCwXi^c-. 0^'0
i o t -
^ ? ~ TI" ** ~- -~ '-2 i5 l~ l 2 2! ^ 2?
O numero dos alumnos das escolas pu-
blicas de iostroccio primaria e secundaria
foi de 92,545, dos qvaes 60,932 do sexo
masculino. 24.984 do femenino e 029 sem
designaco de sexo :
S.E
S"5
488
3,984
3,041
884
5,064
4,405
2,475
6,437
3.704
2.588
7.909
989
4.809
3.497
1.120
4,704
4,419
11.139
412
M
S
o
439
866
4,120
347
2.414
545
583
3,084
4.742
1,533
2,025
425
2,427
2.248
493
7'i
057
4,850
4.734
4,234
8 075
4.950
3,058
9,511
5,443
4,421
9,934
4,444
0,930
5,745
4,013
2,448
2,449 0,568
1,57012,709
840 4,252
599
0 n.imero dos alumnos que frequentaram
os estabelecimentos publico-; e particulares
de instrnecio secondaria foi de 7,753. dos
-ULlitl
1 VIVA DEPIIS DE MORA
roa
Xavier 0 MKIjlEZ BE S\I\TM\1XE\T,
(ConlinoacSo do n. 442).
IX
O preso.
Dous das depois. por volta das cinco da
tarde, estavam Dionizio e a sua pequea
escolta a tres leguas da'aldeia de S. Ju
das, para a qual dirigiam os seus cavallos,
extenuados de cansado, depois de urna fa-
tigosa jornada ao sol de agosti. O pre-
boste, coberto de p e de suor, cavalgava
muito direito, de chapeo banda, e reve-
lando farla orgnlho e alegra na compos-
tura e no semblante. Atraz d'elle iam os
soldados em grupo compacto, no meio do
qual se va um elegante rapaz, montando
formoso alazo de raca rabe.
0 moco de quem filiamos poderla ter vio-
le cinco aonos, quando muito. Era alto e
bem formado, de olh is azues e branca tez.
Cahim-lbe pelos hombros os louros ca-
bellos anellados, no labio superior tinba um
bigodinbo com guias retorcidas, e na face
esquerda, ao te da bocea* notaya-se um
pequeo signal. Em torno do chapeo on-
deara urna comprida pluma preta ; o fato
era cinzenio, bardado tambem de preto, e
calcava urnas grandes butifarras de montar,
com esporas de prata.
N'este retrato j o leitor ter coohecido
Luiz Segismundo, marquez de Saint-Mai
xent, que no da anterior fftra sorprendido
por Dionizio e seus collegas, n'uma vereda
do caminbo onde ee se considerara se-
guro. Com bastante admiracSo do prebos-
te, que esperava encontrar desesperada re-
sistencia, o moco nao fez o mnimo gesto
para se defender, e ao ver-se rodeado por
Amazonas.........
Para..............
Miranliiio..........
Piauhy............
Cear.............
Rio Grande do Norte.
Parahyba..........
Pernambuco.......
Alagoas...........
Sergipe...........
Bihia.............
Espirito-Smto......
Rio de Janeiro......
S. Paulo..........
Paran............
Santa Catharioa.....
S.P :dro do Rio-Gran-
de do Sul.......
Minas-Geraes......
Giyaz............
Mato-Gros o.......
Na lotalidado dos alumnos da provincia
do Amazonas fignram 30 que excedera as
parceilas das casas da classiticaco, por S3
ignorar a qual dellas periencem.
O numero dos estabelecimentos particu-
lares de iistrucoo primaria e secunda!ia
foi de 4.083. dos quaes 628 para o sexo
masculino, 358 para o femenino e 97 no
classiScados, por nao constar a que sexo
sao destinados, pertoncendo 57 provincia
do Para, 33 de Santa Catliarina e 7 de
M.to-Grosso.
gente armada, disse apenas com ar tran-
quillo :
Ea rendo-me... n5o me facam mal.
O bom do preboste Robustel estava que
nao cabia um si de contente e orgulhoso,
nao s por ter conseguido bom resultado
pua urna em^r.za difficil, o que llie daria
grande honra no capitulo dos seus servicos,
mas tdiibem por causa do quinho nada
pequeo que le caberia di promettida re-
compensa. Agradeceu ce um feitio extraor-
dinario ao marquez o seu bom compor a-
menlo, e a graciosa figpra do moco, a sui
amabihdade e destin^o deixaram-no 13o
devras fascinado, como succedia quanlos
o viam, que o preboste principion a duvi-
dar dos negros crimes atlribuidos quelle
rapaz to galbardo. Tenha-se presente
alen d'isto o prestigio da natureza, que
n'aqueila poca era grande, e nao se estra-
nhar que Dionizio tratasse" o preso com as
mais respeitosas attencoes. Nao obstante
iito, o digno preboste, fazendo- ao mesmo
lempo um comprimento, julgou opportuno
dizerdhe :
0 senbor marquez monta um soberbo
cavallo de raca, e as nossas pesadas caval-
gaduras nao poderiam competir com elle
em ligeireza. Por conseguate, se o se-
nbor marquez fizer alguma tentativa do
evas3o, e Deus tal nao permita, ver-me-bei
obrigado, coj immenso pezar meo, a en-
gatilbar urna pistola e ferrar-lhe um tiro,
ludo mui respeitosamen'e, mas com a maior
decisio. Ab isto um dever bem cus-
toso. .. um dever terrivel. que me ba
de fazer chorar... mas que saberei cum-
prir risca.
E andara muito bem, mu charo
amigo, volveu o moco com arnnvel sorriso.
Eu c no seu lugar fazia o mesmo. O de-
ver est| primeiro que tudo. S3o ordeas !
0 preboste fcou admirado ; np espe-
rava adhesao tao completa e repentina, e
por isso coxixou l com os seos botOes :
Com a breca 1 nunca vi um Gdalgo
que mais me agradasse I Principio a acre-
ditar que o tomam erradamente por outro,
e que o aecusam de crimes que nunca fez.
Seja l como fr, nao, posso deixar de* o
levar preso ; mas, fe de quem sou, que
me vou interessando por elle.
8S,
5 !
:
en
:
e
o
: a
I 9
* fc-
:
o

. -e s
3 a 2 a ;
:" s s o
SE
M rt
*^
c ce c*=
- t-
Nesta poca em que nos pazes mais
adiantados surgem em cada ngulo estabe-
lecimentos de educaco de todos os gene-
ros e para todas as cundieres sociaes, as
bibliothecas. institoc5ts complementaras do
ensino publico, devem existir em toda parle,
abertas a todas as horas do da e ainda
em algumas da noite, oCerecendo alimento
ao espirito e despertando o amor da leitura
em todas as classes da sociedade.
Bem poucas sao no Brasil as provincias
que coniam ainda as capitaes urna mes
quiuba bibliotbeca, e esta mesmo nolavel
pelo insignificante numero dos que a fre-
quenlam. Sinto enunciar esta verdade.
Horacio Mann, que tanto concorreo para
o ensino popular na Unio Americana, mos-
irou se admirado, quando soube que no
estado de Massacbussets bavia apenas 360
bibliothecas para quasi um milbao de ha-
bitantes.
Convm estimular a creaco de taes es-
tabele:imentos e promover a sua frequen-
cia.
0 maior defeito das nossas raras e mes-
quinhas livrarias proven da m escolha de
seus poucos livros, pela maior parte do ex
trema aridez, embora relativos aiguns a ob-
jectos de interesse scientifico, quando de-
vern constar de obras que incitassem a
cunosidade.econvdmdo leitura pela ame-
nidade da forma, e>tivessem ao alcance da
inteligencia commum das classes nao let-
tradai. Provocar-se-hia assim o gosto e
formar-se-hia pouco e pouco o habito da
O marquez pareca ter-se resolvido nao
excitar a mnima desconfianca por parte dos
seus guardas, e no momento em que o
apresentamos ao leitor, fhgia estar mais
aborrecido e caneado, inquieto e cuidadoso.
Como o s;u corcel camiobava emp redado,
por assim dizer, entre quatro vigorosos
cavallos, nao fazia caso das rodeas por nao
precis.r guia-lo, e passeiava o ollnr dis-
trabido pela campia que percorriam, as-
sobiando um alegre estribilho cono que
para se dstrahir. De repente comecou a
dar signaes de grande prostrac^o, deixou
cabir os bracos, inclinou a cabeca e fechou
os olhos
Sente-se incommodado, senhor mar-
qaez ? perguntou o preboste lom sollici-
tude.
E' verdade, sinto me um pouco in
commodado, reiargaio o moco com voz
lnguida ; estou que nSo posso comigo da
cansaco ; soffocou me o calor e a poeira,
tenbo a cabeca que nao a sinto.
Quer o- senhor marquez que facamos
alto, por urna ou duas horas ? Se quer,
dize-lo, que immediatamente 6er obede-
cido.
Fazer alto Isso nSo, pelo amor de
Deus I exclamou o marquez. Estou impa-
ciente por chegar Clermont: quero com-
bater e desmentir essas ridiculas aecuea-
C5es que me fazem, e que at agora me
nao constavam,
Oh J Eu espero qae o senhor mar-
quez se justificar fcilmente.
L d'isso estou eu certssimo, por
que na verdade, nao ba maior absurda que
suppor ladrao; assassino, moedeiro falso, e
nao sei quanlas cousas mais, urna pessoa
que tem o appelljdo qne eu tenbo.
Absurdo, completamente absurdo,
repeli Dionizio como um echo.
O meu nuico delicio ter algumas di-
vidasitas;
D.vidas f e quem que as no tem ?
Apezar de vvennos na provincia, bem sa-
bemos qae moda isso em Paris, entre
os mocos/ da classe mais elevada.
Mas eu ainda tenho aiguns recursos,
prosegoio Sainl-Maixeot ; os agiotas s em-
prestaran* sobre as minhas propiedades a
qoarla parte do seu valor.
exclusiva competencia da auioriitode espiri-
tual, o governo entenden desneeessrio fa-
zer qualqujr recommcndac'io > legago do
imperio nos Estados PonlMicios.
Tratando das necessidadw da igreja bra-
sleira. no posso deixar de mencionar em
primeiro lugar a que se refere i Iostroccio
e educaco do clero. A falla de sacerdotes
Ilustrados, que se dediquen, ao-de.-empenho
de sua alta mis o. urna 6aj cansa) de
nao so avijjorar'ainda mais eolre nos o sen-
timento religioso. Abandonadas, como se
acham, lanas parodias, <-u confiadas a di-
rectores espirilnaes sem a precisa idonei-
dade ou sem zelo, nao a populado des-
pertada da indifferenca. tao prejudicial so-
ciedade. Ninguemi ignora a acejio ellicaz
que as crengdS e as'praticas religiosas exer-
cem sobre a moralidade publica.
Urge, pois, e os mais vitaes inleresses da
sociedade o reclamam, que os poderes do
estado empenhem lodos os esforcos para
erguer o nosso clero, proporcionando-lhe,
noque delles depende, os mcios de re-
adquirir a importancia c o prestigio de que
deve revest'r-se, e que s he podem dar a
illustrafo e as virtudes,
Neste intuito entendo que cumpre pres-
tar todos os possiveis auxilios para o des-
envolvimento do ensino religioso, e levar a
effeito a creaco. j a lorisada, de urna fa-
culdade theologica.
Calbedraes.O oslado d s calhedraes
ainda o mesmo que expaz o anno passado
Quasi todas carecen de reparos, e algu-
mas de reparos consideraveis, principalmen-
te as da Babia,Ceaie S. Pedro; precisam
igualmente de alfaias.
Numero e limites dos bispados.Nao
sufficiente pa.-a as necessidades espiritases
dos povos e para o bom andamen'.o dos ne-
gocios religiosos, atienta sobretodo a vasli-
do do imperio, o numero existente de dio-
ceses, assim como reconbecidamente de-
feituosa sua actual diviSO.
Concern ir cuidando em remediar taes in-
convenientes, sobre os quaes teem-se pro
nunciado aiguns prelados, e qae alias s5o
de primeira intuico.
Parochias.Contina a ser lamentavel o
estado das parochias. Algumas conservam-
se vagas, e outras esto providas com viga
ros encommendados, muitos dos quaes es-
trangeiros, nomeados de conformidade com
a faculdade concedida aos prelados em
1862, sendo em geral mal desempenbadas
as funeces parochiaes.
A este respeito pronnnciam-se por modo
to explcito aiguns dos Rvms. prelados em
oflicios que me teem dirigido, que basta
reproduzir algumas de suas paiavras.
Diz o Rvm. metropolita : Desde que
cheguei a esta diocese, a instroeco do po-
vo tem sido o meu empenho ; logo na mi-
nha primeira pastoral disse aos parochos
qoe a vida da igreja est posta no ensino,
sendo este o principal preceito que Jess
Christo impoz aos apostlos... Infelizmen-
te, porm, poucos bao os que pregam e
ensnam a dontrina christSa ais seus paro-
chianos... e nao havendo pregaco e en-
sino, bi da f! ai dos cosiumes!
O governador do bispado de S. Pedro do
Rio-Grande do Sul pondera : Para o bem
espiritua: da populacho requerem-se bons
parenos em todas as parochias. que as cu-
rem e drjam segundo as divinas regrasdo
Evangelho ; mas infelUme.nte muito gran-
de a sera e pi ucos os operarios, sendo
estes pela maior parte eslrangeros.
Este deploravel estado das parochias re-
vela profundo e gravissimo mal, que ur-
gente remediar. Cumpre que seriamente
cuidemos, para removlo, de preparar e
facilitar os meios de solida educaco e ns-
trueco ao clero, e que ao mesmo lempo
se assegurein congruas suflicientes para de-
cente suslentaco aos qne se dedicam s
funeces parochiaes.
De outra sorte, tornar se-ho cada vez
mais raros os sacerdotes verdaderamente
dignos do santo ministerio, Ocand. os po?. s,
com poucas excepces, privados inteiramen-
desejo da frt ia pasto, espiritual, entregues- asa-
ceiJii'j incapazes de instruidos as verda-
des da, religo, e de edufiea-los com oex-
emplo.
O estado das matrizes- e, em geralr pouco
satisfactorio.
Outro seria certamen! o estado dagscoa
sas, se em geral os pirocho*, comprehen-
dendo toda, a exiensaV> de seus deberes,
ppocurasseai altrabir, pela palavra e pelo
exemplo, os parochianos, e se esfiMHjassem
penseveranie e desvdadamente para c ama-
ios f e aos aclos do culto. A f* religio-
sa felizmente nao se acha exliacta aa popu-
laaao. A prova est na existencia dos tem-
plos e ouiras obras para fins pios, que em
afumas localidades tem sido construidos
pelo povo, guiados por parochos- bemquis-
K>s ou p^ir zelosos missionarios. A palavra
auloriS'da'' do sacerdote exempian, q>ie falla
em nome da religiao, ouvida com acata-
m>!n:o, principalmente no interior do paiz
Estatislica ecclesiastica. Segundo as in-
formacocs receidas contam-se no Imperio
1.348 parochias cannicamente instituidas.
Ha mais e-n diversos bispados algumas
Creguezias creadas, mas nao instituidas por
motivos diff'rentes, principalmente por falta
de templos ou de sacerdotes ; e um nao
pequeo numero de capelas curadas.
Acham-se prvidas d parochos collados
740 parochias e de encommendados 479.
dos quaes 443 sai estrangeiros; estando
por conseguinte 129 sem parodio.
OBDENS R&ULAHES.
Continuando a ser pouco lisongeiro o es-
tado de algu aas ordens regulares e tendo
j aiguns dos mrus antecessores mostrado
a necessidade de converter-selbes o patri-
monio em apoliees da divida publica, a 1.a
com nissi. de orcamento da cmara dos Srr.
deputados consignou em ariigos additivos
ao projecto de lei do orcamento. pendente
de approvaco do sonado, providencias que
deve ji levar gradualmente aquellas ordens
a alludida converso.
Estou convencido de que estas medidas
sa) de necessidade.
o seguinte o estados das ordens regu-
lares, vista de informacSes que recebi;
Ordem Franciscana d Rio de Janeiro
( denominada Conceico). O patrimonio
desla ordem, que nao tem dividas, consiste
em 486 apoliees da divida publica i 4 0
escravos mais ou menos. Conta 40 religio-
sos. Alm do convento de Sanio Antonio
desta corle, qoe serve de casa capitular,
possue mais nove conventos, sendo um neste
municipio na ilha denominada doR >m-
Jesus, hoje oceupadu pilo asylo de inva-
idos da patria; tres na provincia do Rio de
Janeiro ( de S. Boaventun em ruinas no
municipio de Santo Antonio de S ; de S.
Birnardino em Angra dos Reis, e de Nossa
Senlioa dos Anjos em Cibo-Frio); dous
na provincia do Espirilo-S.into (de Nossa
Senbora da Penha e de S. Francisco ); e
tres na provincia de S. Paulo ( de S. Luiz
em I de Santa Clara em Tanbal, e de
Nossa Senhora do Amparo em S. Sebastio).
Todos elles, com excepeo dos da corle,
sao administrados poa-gnardies ou syndicos.
Ordem Franciscana da Ikbia (denomi-
nada Provincia de Santo Antonio).
Os convenios sao :
Na provincia da Baha: o de S. Francis-
co (casa capitular), na capit I. construida
em 4587. que acha-se em bom estado e
tem 29 religiosos ; o de S nto Antonio da
villa de S. Francisco, construido em 4629,
em mo estado e com dous religiosos; o de
Sanio Antonio de Paragoss, construido
em 4649, em soffrivel estado e com dous
religiosos ; o de Santo Antonio da villa de
Cayr, em bom estado, construido em 4650
e com dous religiosos.
Na provincia de Sergipe : o do Bjm-Jesus
da Gloria da ci lade de S. Chrisiovao, em
mo estadorcons',ruido em 1656, con tres
religioso*
Na provincia de Alagoas, o de Santa
Mara M-igdaieni da cidade de Alag is, em
soffrivel estado, constru do em 4660, com
tres religiosos; o de Santa Maris dos Anjos
da Pjrciuncula da cidade d Penedo, em
mo estado, construida em 4630, om tres
religiosos.
Na provincia de Pernambuco, o de Nossa
Sinhora das Neves da cidade deOnda, em
bam estado, construido em 1585, com tres
religiosos; o de Santo Antonio di cidade
do Recife, em soffrivel estado, contando em
1600, com quinze religiosos; o de Santo
Antonio de Ipojuca, em soffrivel estada,
Os malditos jndeus fazem sempre o
mesmo f..
Ob mas eu hei de obriga-los a ma-
derarem as exigencias. .
E com lo Ja a razo.
D'ahi, lenho bastantes prenles em
boa pasicao e com grandes riquezas ; se eu
quizesse recorrer elles, ldgo me tirar iam
de quaijuer apuro pecuniario.
Isso acredito eu Bastava o senhor
conde de Rabn para acudir tudo, obtm-
perou Dionizio.
Ah Sabe que meu prente o con-
de de Rahon ?
Tenbo a ho.ira de conbecer a sua fa-
milia.
N'esse caso, bem ha de comprehen-
der quanto deve ser cusloso para elle o ver-
me ass.m levado entre genle da trspa, como
qualquer criminoso despresivel.
Ah exclamou Dionizio, s dtando um
suspiro cavernoso. Ah comprehendo e
mais que comprehendo Mas o dever...
NSo cuide agora que desejo disper-
suadi-lo de cumprir o seu dever, acudi
SaintMaixent interrompendo-o. Se agora
mesmo o senbor me offerecesse a liberdade
para fugir, eu nao a acceitava, paiavn de
honra. Preciso qoe se me faca justica in-
teira, e que o governador civil em pessoa
me d salisfaco pelo engaao dep'oravel de
que estou sendo vi tima.
E o senhor marquez ter por bem
acceitar a satisfaco ? perguntou tmida-
mente o preboste.
Qae remedio Ento qae quer ? A
indulgencia o grande defeito das almas
nobres!
Dionizio Robustel ergueu os olhos pira o
co, cheio de eothusiasmo.
Nio obstante, prosegoio Saint-Mai-
zent, tenho que Ibe pedir um favor.
Qual senbor marquez ? Est ser-
vido, se depender de mim e a ordenanca o
permitlir.
S do senhor depende, e a ordenaoca
nada tem com isto. Desejava eu que dei-
zassemos esta vagarosa andadura que leva-
mos e me reqneima o sar.goe, e que par-
lsemos trote. Repito-lhe que estou
impaciente por chegar Clermont, e que
construido em 8600, com. dot relijiioeos ;
o dte Sanio Antonio em. mi estado, construido toa 10S0, cma
quatro religiosos,
Wa provincia da Pacahyba, o de Sanio-
Aatooio, na capital, em bom estado, cons-
truido em 1590,. com. cdoo religiosos.
Ha mais o hospicio de Nossa Senbor3 da
Ba-Viagem em Itapagjpe, suburbio da. ci-
dade da Baha,, em bom estado, consfcuidu
eoa 4712, com um. religioso.
Ao todo l2^0rtventos e 4 hospicio coo
74 religiosos.
Estes religiosos sao pela maxnaa-parte
valetudinarios, e os mais mocos, com ex-
cepeo de um, contanv mais de 40 aaoos de
idade.
Alm dos conventos e hospicios naeoo-
nados, hi o.de Sanio Antoaio da-v.Mli de
Iguarassi'uom Pernambuco, em mio> estado
construido, em I58& e que o capitulo prn-
vincicral celebrado a 4 de dezombro-do anno
passado lesolven ceder temporariamente ao
Rev. bispo de Olioda a bem do seminario.
A ordem tam aiguns escravos. emprega-
dos no> servico dos conventos, e diversos
terrenos-
Ordem Francicana do Maranho (dos.
menores -observantes de S. Francisco ).-
Tem apenas um religioso e nao pos-ue par.
trimoni.
Cs convento de Santo Antonoio que a
da ordena, foi fundado em M524 : a igiej;i
est e;n obras ; se fr concluida ser um-
dao primeiras. senao a primeira da diosose
P*rte desle convento f >i cedida ha ao/io-
a*> ento bispo do Maranho, boje arcebjso'
da Babia, para augmento das accoiwnoda-
ces do seminario que t.'m tambem o nom-
de Sinlo Autuiiio, e onda se ensinao aetaai-
mente as materias do curso tbeofconeo.
tendo passado os estudos de humaaidade-
para outro edificio com c titulo de pequen-
seminario.
Ordem Carmelitana Fluminense. Achan-
do-se ainda na Europa o visitador apostli-
co desta ordem fre Jos Damasio de S. Vi-
ce^te Ferreir, commissario geral da Torra
Santa no Imperio, contina a Ordem Car-
melitana Fluminense a ser regida pelo -isi-
tador interinb frei Francisco Fausto, di
Monte Carmelo.
O numero de religiosos actualmente d<-
14. dos quaes esto :
No convento da corte 5.
Licenciados por doentes 4 na provincia d.<
S. Paulo 1 na Ilha do governador, 4 n>
convento de Angra dos reis, 4 no da cidaita
da Vitoria, provincia do Espirito Santo.4 w
de S. Paulo, no de Santos, 2 no de il. I
em Mogy das Cruzes, servindo de coadjuctor
da parochia.
Destes religiosos o mais volbo tem 71
annos, e o mais moco 33.
Alm destes conventos, possue a ordem
mais um na cidade de Belm do Para, ar-
rendado ao bispo diocesano para asylo di
infancia desvalida ; sendo o preco doarren-
damento applicado a bem do mesmo asy'o.
Os ron ventos de Angra dos Reis e ti
Mogy das cruzes esto em reparos; o d<"
lt carece de grandes concertos e o da ci-
dade da Vicloria acha-se muito animado,
sendo subsidiado pelo da corle 'por llie fal-
laren) rendimenlos Droprios era consequen-
cia do litigio pendenfe sobre a fazenda de
Piranema, que est arrendada com 72 es-
cravos, por 3:60o annuaes mais que foi s .-
questrada pela santa casa de misericordia
da dita cidade.
pertencentes ordem sao; 116 predios,
dos quaes 65 sitos na corle, que cendra
39:343&072, j deduzida a decima em do-
bro; 28 na cidade de S. Paulo, cujo rendi-
mento liquido importa em 5:7720960: 2'i
na cidade de Santos com a renda liquid.
de 3:8941240.
Pertencem-lhe tambem 16 faz&nd-is n" i
iacluindo a lit'giosa.
Dessas esto 13 arrendadas com os res-
pectivos escravos por 34$03& a saber rra
provincia do Rio de Janeiro 7 (de Iri.-v -
Piedade em Mag, de Qoapiaes e Caim -
em Santo Antonio de S, do Carmo em Ma-
cah, de Arir e Jacoecsaga em Angra dos
Res, ) na provincia de S Paulo 6( de tala
na capital, de Pontes em Jacarehy, de S -
rocaraminm em S. Roque de Sabama rm
Mogy das Cruzes, Guic em S. Soaast^aj e
do rio Jarubatuba em Sjalos.)
As nao arrendadas sao a de-Canguass
em S. Paulo, e as de Eogenhoca e Pnrs-
buco no Para.
(Continuarse ha).
dara um anno de vida por adiantar urna
hora.
Ah suspirou o preboste, eu bem
quera o'asequia-lo, mas infelizmente im-
possivel. O senbor marquez nao leva em
conta o misero estado das cavalgaduras,.
que mal se podra ter em pe ; por militas
esporadas q'ie Ibe dsseraos, nao as taa-
mos and ir mais depressa. E, d -pois, nada
aproveitaria tamaita precip'.lacSo: estarnas
qniaza leguas da cidade, e s l chega-
remos amanba ao anoutecer.
Pintouse as feices do marquez umi
expresso de profundo abatimiento, que po-
deria nao ser verdadeira, mas que pelo me
nos era fingida c un admiravel exactido.
Amaoha ao anoutecer! bradou elle.
Mas isso medonbo 1 Ora esta 1 Pois
nao fencioaa continuar o caminbo de route ?
Nao possivel, senhor marquez ; a
ordenanc-a prohibe lerm na-.temente as mar-
ibas de noute quando se conduzirem presos
de certa importabea, e mesmo que assim
nao fosse, tanto nos c los precisamos imperiosamenle de descan-
Car. Demorar-nos-hemos, pois, na aldeia e
S. Jud3s, que dista d'aqoi duas leguas, e
encoulraremos boa h >spiialidade e boa cama
na estalagem das Armas de Franca. '
Se Saint-Maixent nao livess'e as palpbras
cerradas, vir-lhe-biam brilhar nos tlhos um
relam?a,'o de alegra.
Ali a mesa o melhor que ha por
estes sitios, cootinuou o preboste, e espero
que o senhor marquez se nSo d muito
mal. O tio Guilherme pessoa entendida
om assumpios de comer e bebsr, e em al-
gum recanlo da adega ba de ter, muflo s
escondidas, certas garrafitas de vioho de
Beaune, que nem por sombras indigno de
s*er bebido pelo senbor marquez.
Seja assim I rosnou Saint-Maixent fa
zendo um gesto de resignaco ; apeemo-nos
na estalagem que o senhor diz, j qae nao
possivel outra cousa.
Forana estas as ultimas pa'avras que tro-
caram o prebos'e, e o preso, at que, ao
voltarem um cotovello do caminbo, appare-
ceu ao longe o campanario da aldeia de S.
Judas. Um ornarlo de hora" depois, para
vam todos deironte da estalagem, no mes-
mo sitio en que dous dias antes se agru-
para o povo para ourr o prego. Os al-
deana anda va rn l pelo campo com as tare-
fas da lavoura, e a nica ra da adeia fia-
se deserta. O tio Guilherme, sua lilha, i
criada e o inoro da cavallariea foram a
nicas pessoas que assisliram chegada Oo
marquez e dos seus conductores.
Ah, pobre senhor, coitad-nho I Prei.-
deram-no exclamou Julia, com o lenco no*
olbos a enebugar urna lagrima.
Dionizio Rabustel deixou-se escorregar
Ja sua alimaria com bastante custo. e qw/
ajuar o marquez no apeiar-se ; mas este,
menos pesado e mais gil, j saltara em
torra.
0 preboste logo tirn o chapeo, e indi-
cando a porta da estalagem com ademan^
espeitoso, dise :
Digoe-se de en.rar, senhor, marquez.
O'moijo cumprimentou Julia cortezmenle.
deitando-lhe s furtadellas um olhar to de
fogo que a poz toda vermelha, e entrou na
casa de jantar.
Dionizio Robustel foi atraz d'elle, sem i*
perdor de vista nena um segundo.
Tencioba c ficar, senhor preboste ?
perguntou o to Guilherme.
Assim compadre, volveu Dionizi >.
e bem v que Ibe trago 4ioje um hospede
como ba poucos, de muita destnelo. 6
melhor quarto da estalagem para o senhor
marqnez e trate de nos arranjar om3 rei.t
oppara. Digo nos, porque tal vez esle no-
bre fidalgo me faca a honra de admit'ir
sua mesa...
Ia-lhe pedir isso agora mesmo, obten-
per.'O Saint-Maixent.
0 preboste fez orna cortezia at ch5o,
e prosegoio :
Agoa, feno e aveia para os cavnlln?,
e depois de sanar o senhor mwqaez,'tra-
te l da minba gente. Vanaos l, compq-
lre,, aviar, e que tudo eeja"tte lei!
Emquanto Dionizio dva as suas* orden*.
Julia e o myquez irocavam olbadellas de
grande eloqflenda.
I




I
4
(Continvar-u-ha.)
TYP .00 OAHlO RA DUQUB'Bp OXlAJ


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EOY8OIS2I_Y4UBJC INGEST_TIME 2013-09-14T03:38:33Z PACKAGE AA00011611_12149
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES